Issuu on Google+

Jornal do empreendedor

Ano 87 - Nº 23.531

Conclusão: 23h40

www.dcomercio.com.br

R$ 1,40

Corrupção custa caro a Dilma Governo perdeu tempo com as crises. Pág. 5

São Paulo, sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Pedro Ladeira/Frame-15.12.11

MAX.

Nadando de braçada Chico Ferreira/Luz

O Leão nunca mergulhou tão fundo. Pela 1ª vez, sua 'piscina' ultrapassou a marca de R$ 1,5 trilhão – alcançada ontem à tarde. E ela continua enchendo... É bom lembrar que em todo 2010, a arrecadação tributária federal, estaduais e municipais somou R$ 1,29 tri. É, o poço não tem fundo para o Leão. Pág. 11

Deflação puxada pelas commodities IGP-M cai 0,12% em dezembro. Pág. 13

As previsões para o 'ano do fim do mundo'

Patrícia Cruz/Luz

Divulgação

Gilmar Gomes/Divulgação

Mauro Holanda/Divulgação

O fim do calendário maia – e a extinção da Terra – mobiliza místicos e videntes. Pág. 8

Hora da balonada A ACSP festeja o Ano Novo soltando 60 mil balões e com uma grande queima de fogos. Hoje, no Pátio do Colégio, às 12h30. Não perca. Pág. 9

d

A contagem regressiva para o Réveillon já começou, mas ainda há tempo de planejar como vai ser a sua ceia: em casa, em restaurantes (virar o ano no Figueira Rubaiyat custa R$ 490) e até em padarias de charme da Cidade (a Bella Paulista fica aberta 24 horas). Lembrando que tudo pode ser regado com bom espumante nacional, que cai bem numa clássica receita de Kir Royale. Antes da festa, estreia hoje nos cinemas Imortais, uma guerra de deuses na Terra (na foto acima Henry Cavill, no papel de Teseu).

Divulgação

cultura

Picape de nova geração A renovada Ford Ranger chega com atributos de sobra para encarar a concorrência. Pág. 17 HOJE

ISSN 1679-2688

23531

Pancadas de chuva à tarde e à noite. Máxima 26º C. Mínima 16º C.

AMANHÃ 9 771679 268008

Pancadas de chuva à tarde e à noite. Máxima 25º C. Mínima 17º C.

Correndo o mundo Um calendário das maratonas, de Paris à China, para quem desafia os 42 km das provas e tem fôlego para conhecer as cidades, além dos circuitos. Turismo. Pág. 18


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

É claro que há erros de cálculo na mensuração de nosso PIB, como os há com relação a todos os demais. Roberto Fendt

pinião O problema com a ordem das maiores economias não está na correta mensuração do PIB, mas no que cada um deles reflete.

EYMAR MASCARO

HORA DE MOSTRAR QUEM TEM VOTOS

A

O PIB e a riqueza das nações

A

"descoberta", por um instituto de pesquisas britânico, de que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil teria ultrapassado o do Reino Unido está provocando reações diversas em nosso meio. Para alguns, a constatação é descabida de sentido. Afinal, o país estaria se desindustrializando em consequência da valorização do câmbio. Essa valorização cambial estaria retirando competitividade de nossos produtos industriais, não somente no mercado externo, mas, pior, no nosso próprio mercado interno. Para esses analistas, a globalização estaria provocando a queda da participação da indústria no PIB brasileiro e comprometendo nosso desenvolvimento. Para outros, há simplesmente um erro no cômputo do PIB. O cálculo do PIB brasileiro e do PIB do Reino Unido foi efetuado em dólares correntes para que fosse possível a comparação. Ocorre que, com o real valorizado, o valor do PIB brasileiro medido em dólares é maior do que seria com um valor apropriado do câmbio. Portanto, a diferença entre o nosso produto e o do Reino Unido, de míseros 1,2%, decorreria de um erro de cálculo: se fossem utilizadas taxas de câmbio de equilíbrio para medir o PIB dos dois países, o da Grã Bretanha continuaria tranquilamente maior que o nosso.

ROBERTO FENDT É claro que há erros de cálculo na mensuração de nosso PIB, como os há com relação a todos os demais. São conhecidos os problemas de somar bananas com laranjas para obter-se o valor de ambos, mesmo quando medido em moeda nacional. Os desvios dos valores estimados com relação aos "verdadeiros", contudo, não são tão grandes como muitos suspeitam.

A

esse respeito, talvez o PIB brasileiro, medido em reais, seja até maior que os números oficiais, já que a economia informal – cujo valor não é plenamente refletido nos números oficiais do PIB – é maior aqui do que no Reino Unido e nos demais países desenvolvidos. Essas reflexões nos indicam que a discussão pode ser muito mais vazia do que aparenta. O principal problema com a ordem das maiores economias não está na correta mensuração do PIB de cada país, mas no que cada um deles reflete. Aposição de um país na ordem nos maiores PIB depende do ta-

D

e fato, poder-se-ia argumentar que, se a valorização do real é da ordem de 20% em relação à taxa de equilíbrio, nosso PIB seria menor também que o da Itália, o que nos remeteria de volta para a oitava posição na lista das maiores economias, à frente da Rússia. Como ninguém sabe qual é a taxa de câmbio de equilíbrio, não vale a pena enveredar por esse caminho.

manho da população, o que permite à China ocupar a segunda posição. Parte da explicação de nosso bom posicionamento decorre também do tamanho da nossa população. Quando adotamos um critério de mensuração do bem estar da população, como o Índice de Desenvolvimento Humano, a ordem dos países começa a fazer mais sentido, por mais imperfeito que seja também esse indicador, que leva em conta não somente o PIB "per capita", mas também indicadores como educação, saúde e expectativa devida.

P

elo esse critério, a China cai da segunda posição, logo atrás dos EUA, para a 89ª posição. Algo parecido ocorre com o nosso país. Quer estejamos na sexta ou na oitava posição entre os maiores PIB, estamos mais para chineses que para americanos no critério do IDH: ocupamos a 73ª posição nessa lista, enquanto os EUA ocupam a quarta posição. É importante também lembrar

A riqueza das nações não se mede só pelo tamanho do PIB, mas pela qualidade de vida de seus cidadãos. Ela não depende do que se produz no país, mas da eficiência com que o PIB é produzido.

que a nossa posição entre os maiores países pelo critério do PIB se deve em larga medida aos benefícios da globalização. É ela que tem permitido o crescimento do nosso competitivo setor produtor de bens primários para consumo interno e para exportação. É esse segmento do PIB que tem mais crescido nos últimos anos, assegurando não somente nossa independência alimentar, como permitindo uma melhor distribuição espacial do crescimento do PIB e uma melhoria na distribuição de renda.

N

inguém duvida que a Noruega seja um país desenvolvido. De fato, pelo critério do PIB per capita, a Noruega ocupa a terceira posição, enquanto os EUA ocupam a 15ª, a Alemanha, a 19ª, e o Reino Unido, a 22ª. Pelo PIB per capita, o Brasil ocupa a 54ª posição. Contudo, a Noruega é um exportador de produto primário, já que vende praticamente só petróleo nos mercados externos. Outros grandes exportadores de produtos primários, como a Austrália e a Nova Zelândia, estão bem situados pelos critérios do PIB per capita ou do IDH. A conclusão de tudo isso é simples: a riqueza das nações não se mede simplesmente pelo tamanho do PIB, mas pela qualidade de vida de seus cidadãos. Essa qualidade de vida não depende do que se produz em cada país, mas da eficiência com que o PIB é produzido. E essa eficiência depende, em última instância, não somente da exploração das vantagens comparativas de cada país, mas também da qualidade das suas instituições, assegurando um ambiente propício à inovação e à eficiência. ROBERTO FENDT É ECONOMISTA

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Cláudio Vaz Edy Luiz Kogut Érico Sodré Quirino Ferreira Francisco Mesquita Neto João de Almeida Sampaio Filho João de Favari Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Paulo Roberto Pisauro Renato Abucham Roberto Faldini Roberto Mateus Ordine

discussão que ganha corpo nos bastidores da política, em São Paulo, envolve a força eleitoral de Lula, revelada na última pesquisa Datafolha. Os tucanos, por exemplo, procuram adivinhar se o ex-presidente vai transferir número de votos suficientes para que o candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, tenha chance de ganhar a eleição. Os tucanos apostam que eleições locais são diferentes das eleições de caráter nacional, como a que levou Dilma Rousseff à vitória, em 2010. Em contrapartida, os petistas desejam saber se o candidato do PSDB será insuflado pela máquina administrativa do Estado, controlada pelo governador Geraldo Alckmin. Para o PT, também o futuro candidato a prefeito do PSDB vai depender fundamentalmente do apoio de Alckmin. Como José Serra insiste em declarar que não será candidato à sucessão de Gilberto Kassab, os tucanos vão enfrentar a campanha com um candidato que não tem potencial de voto capaz de levar o partido à vitória. PT e PSDB estão na mesma situação. A eleição de prefeito na Capital paulista mexe com os nervos dos partidos, sendo a principal preocupação de tucanos e petistas, que já estão de olho nas campanhas de presidente e governador em 2014. Apenas na cidade de São Paulo estão registrados 10 milhões de eleitores, que torna o município na peça fundamental nas eleições daqui a quatro anos: os acontecimentos na Capital refletem diretamente nos 645 municípios do interior. Com um colégio de 30 milhões de eleitores, o Estado de São Paulo representa mais de 1/3 do eleitorado do País. ucanos paulistas ligados a José Serra não aprovaram a intromissão do senador por Minas, Aécio Neves, nas discussões sobre a escolha do candidato à sucessão de Gilberto Kassab. Há dias, Aécio se reuniu com o presidente do DEM, senador José Agripino, aceitando a sugestão de que os tucanos de São Paulo deveriam fazer aliança com o PMDB, apoiando a candidatura de Gabriel Chalita. Aécio acha que o PSDB deveria indicar o vice na chapa encabeçada pelo candidato do PMDB. Aécio Neves está procurando aumentar sua influência no partido em São Paulo, pois está convicto de

T

Serra quer que o candidato seja indicado por meio de prévias. Aécio aceita, mas acha que é hora de Minas Gerais lançar um postulante à presidência pelo PSDB

que será o presidenciável em 2014. O senador mineiro, no entanto, sabe que para conquistar a legenda presidencial tucana terá de superar José Serra. O tucano paulista não admite abrir mão de lutar por uma terceira candidatura ao Planalto, favorecendo Aécio Neves. erra quer que o candidato seja indicado por meio de prévias, também aceitas pelo senador mineiro. Aécio acha que a hora é de Minas lançar o próximo candidato a presidente pelo PSDB, porque São Paulo indicou os dois últimos candidatos, Geraldo

S

Alckmin e o próprio Serra. Mas a tese defendida por Aécio não sensibiliza Serra, que, apesar de derrotado por Dilma Rousseff, em 2010, ainda arrancou das urnas 44 milhões de votos, cacife eleitoral que justifica uma nova candidatura presidencial. O PSDB pretende levar para a próxima campanha presidencial a posição do partido contrária à permanência de um único partido no poder, por muito tempo. Detalhe: Lula governou o País por oito anos e Dilma pode ficar no cargo por outros oito anos, com chance de que um outro petista seja eleito em 2018 e reeleito em 2022. s tucanos, porém, devem ter cautela, porque o PSDB estará comemorando 20 anos no poder em São Paulo, quando Alckmin concluir seu mandato, em 2014, também com chance de eleger seu sucessor.

O

EYMAR MASCARO É JORNALISTA E COMENTARISTA POLÍTICO MASCARO@BIGHOST.COM.BR

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, João de Scantimburgo, Marcel Solimeo Diretor-Responsável João de Scantimburgo (jscantimburgo@acsp.com.br) Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Edi tor - Ch e fe: José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br) Chefia de Reportagem: Teresinha Leite Matos (tmatos@acsp.com.br) Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br) Editores Seniores: Bob Jungmann (bob@dcomercio.com.br), Carlos de Oliveira (coliveira@dcomercio.com.br), chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), Estela Cangerana (ecangerana@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Luiz Antonio Maciel (maciel@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br) Editor de Fotografia: Alex Ribeiro Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Fernando Porto (fporto@dcomercio.com.br), Kleber Gutierrez (kgutierrez@dcomercio.com.br), Ricardo Ribas (rribas@dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br) Subeditores: Marcus Lopes e Rejane Aguiar Redatores: Adriana David, Darlene Delello, Eliana Haberli e Evelyn Schulke Repórteres:Anderson Cavalcante (acavalcante@dcomercio.com.br), André de Almeida, Fátima Lourenço, Ivan Ventura, Karina Lignelli, Kelly Ferreira, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mariana Missiaggia, Mário Tonocchi, Paula Cunha, Rafael Nardini, Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves, Sandra Manfredini, Sergio Leopoldo Rodrigues, Sílvia Pimentel, Vera Gomes e Wladimir Miranda. Gerente PL Arthur Gebara Jr. (agebara@acsp.com.br) Gerente Executiva Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estado, Folhapress, Efe e Reuters Impressão OESP GRÁFICA S/A Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3244-3175. Fax 3244-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3244-3197, 3244-3983, Fax 3244-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3244-3544, 3244-3046 , Fax 3244-3355

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3244-3737 REDAÇÃO (011) 3244-3449 FAX (011) 3244-3046, (011) 3244-3123 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

o

pinião

3

EM VEZ DE COMEMORAR SUBIDA DO BRASIL NO RANKING DA ECONOMIA, MINIMIZAMOS O FATO.

BAIXA AUTOESTIMA

O

Brasil ultrapassou a Grã-Bretanha, tornando-se pelo critério do PIB, a sexta economia do planeta. Muito provavelmente, manterá essa posição nos próximos anos, vindo a superar a França em curto espaço de tempo. O país está caminhado em passos firmes para se tornar uma das maiores economia do mundo, deixando, na verdade, de ser um país emergente. Na verdade, já teria emergido! Estamos, na verdade, recolhendo os frutos de mais de duas décadas de estabilidade democrática e de seriedade de medidas econômicas e fiscais, por mais problemáticas que ainda sejam em vários pontos. A continuidade da política econômica está produzindo os seus resultados, apesar dos discursos de ruptura ideológica do governo anterior. No entanto, em vez de tal fato ser motivo de um contentamento generalizado, as restrições logo se fizeram sentir. Uns argumentam que o Brasil simplesmente entrou nessa posição graças ao câmbio sobrevalorizado; outros, de que o PIB não é um critério suficiente; outros insistem na renda per capita; outros ainda no Índice de Desenvolvimento Humano. É como se o País, por intermédio de seus formadores de opinião, não pudesse simplesmente se regozijar com uma conquista, aliás, da maior relevância. É como se a baixa autoestima não o permitisse. Alguns estariam dizendo interiormente: "Não pode ser verdade!". Tomemos um fato para efeito de comparação. Quando a China conquistou, pelo mesmo critério do PIB, a posição de segunda economia mundial, passando o Japão e já tendo antes ultrapassado a Alemanha, o fato foi considerado digno de admiração. Louvou-se o feito. Falou-se insistentemente no "modelo chinês", como se se tratasse de uma grande invenção. A China, para alguns, passou a ser considerada um exemplo a ser

DENIS ROSENFIELD

seguido. Os mais afoitos já chegavam a apostar na ultrapassagem dos Estados Unidos. Em outras palavras, a badalação foi enorme. Brasileiros falavam da China como se tivessem desejo de ser chineses. Ora, quando o Brasil conquista um feito semelhante, a badalação não é permitida. É como se os brasileiros não quisessem ser brasileiros! Não se fala de "modelo brasileiro" nem surge a permissão, digamos subjetiva, do contentamento, como se ele fosse proibido. Os "defeitos" são logo apontados, as insuficiências assinaladas, como se as restrições fossem ainda mais importantes do que essa imensa conquista.

A

inda prosseguindo na comparação, por que não foi igualmente enfatizado que a China tem uma renda per capita ainda mais baixa do que a nossa? Não seria esse um critério "decisivo"? Ou por que não foi assinalado que a China chegou a essa posição adotando a economia de mercado, o direito de propriedade, em sua saída do totalitarismo comunista? Ou ainda, por que não é igualmente ressaltado que o Brasil galga essa posição em um regime pleno de liberdades democráticas, com

liberdade de expressão, de imprensa e dos meios de comunicação em geral, sem nenhum paralelo com a ausência de liberdades na China? O Brasil teria muito a comemorar, mesmo comparativamente. No entanto, parece, nessa própria conquista internacional, pairar um ambiente depressivo! Os ingleses, por exemplo, foram os que tornaram públicos esses resultados, estampando-os em primeira página de alguns de seus mais importantes jornais. Para eles, foi um feito que o Brasil tenha chegado a essa conquista. Não deixaram de transparecer a admi-

ração que sentem, algo que os brasileiros, por incrível que pareça, não se permitem.

O

s ingleses, aliás, fiéis à sua história e às suas tradições, não deixaram de espezinhar a França, dizendo que a tendência de queda do PIB desse país se refletirá nos próximos anos por uma posição inferior à da Grã Bretanha. Ambos os países perderão para o Brasil e, no entanto, um deles se regozija de que estará ainda à frente do outro. Aqui parece ser mais importante a rivalidade regional. Lem-

O Brasil já é a sexta economia do mundo. O impensável se tornou realidade. Mas os brasileiros não conseguem se orgulhar do feito alcançado.

brei de um jogo de futebol, muito anos atrás, de um dos meus filhos que, chegando em casa, disse-me: "Pai, fiz dois gols". Ele estava manifestamente contente. Havia, porém, algo que eu não compreendera direito e perguntei: qual foi o resultado da partida? A resposta simples foi: "Perdemos por 10 a 2!". O Brasil já ultrapassou a GrãBretanha, deve ultrapassar a França em dois anos e, um pouco mais adiante, deve mesmo ultrapassar a Alemanha, competindo com outros países em crescimento como Rússia e Índia. O campeonato internacional está mudando completamente, com novos figurantes – até poucos anos atrás literalmente impensáveis numa tal posição.

T

rata-se, na verdade, de um campeonato completamente diferente. Países que eram motivo de inveja pela posição que ocupavam são deslocados, sem que esse deslocamento se traduza pela satisfação cor-

respondente. Nosso país conquistou a posição "invejada" e, contudo, isto teria deixado de ser importante. As restrições seriam muito mais relevantes. O Brasil, até poucos anos atrás, nem era considerado um país sério. Em foros internacionais, nem era reconhecido como seguro para investimentos, dada a sua tradição de calotes, planos heterodoxos e moratórias. Precisava de auxílio do FMI e, mesmo, de países que hoje são ultrapassados em suas respectivas posições. Ou seja, o calote atravessou o oceano e hoje espreita países da zona de euro, criada para ser um exemplo para o mundo, uma outra grande potência econômica federada.

A

situação chega a ser "esdrúxula" desde uma perspectiva histórica se considerarmos que a União Europeia chegou a sondar o Brasil para contribuir, via empréstimo, para um fundo europeu que possa salvaguardar uma economia à deriva. Até aqui as posições se inverteram. O impensável de alguns anos atrás se tornou realidade. Mas os brasileiros não conseguem ter a autoestima correspondente de um grande feito alcançado. Feliz Ano Novo. Merecido, por sinal! DENIS LERRER ROSENFIELD É PROFESSOR DE

FILOSOFIA NA UFRS

VAI QUE O MUNDO ACABE EM 2012... N

ão é a primeira vez que cito este indiscutível princípio da sabedoria universal, "que las hay las hay", nem será a última. Com esta firme crença como ponto de partida, atrevo-me a afirmar que acredito em Stephen Hawking, quando prova a inexistência de Deus ao misturar a teoria do Big-Bang com a teoria da Relatividade de Einstein; acredito nas profecias de Nostradamus e nas verdades puras que são Papai Noel, Bicho Papão, São Paulo FC e a oposicinha. Não acredito no SUS. O Livro das Revelações do Apóstolo João Batista, também conhecido como Livro do Apocalipse, é o meu livro de cabeceira; nele revelam-se os sinais que anunciam o Fim do Mundo, com as 4

Bestas e seus Cavaleiros na vanguarda. Crédulo, posso portanto acreditar na previsão do Calendário Maia, que marca 12/12/12 como a data do Fim do Mundo. Os sinais estão todos aí, basta ter olhos para vê-los. Abro parênteses para revelar que assisti a um documentário no History Channel mostrando hieroglifos que se supunha explicar o mistério das Grandes Pirâmides. Engano de mais de 4 mil anos, só recentemente corrigido com a descoberta de que confirmavam a Profecia Maia do Fim do Mundo. Meus parcos conhecimentos de História não me autorizam a garantir quem confirma quem; se os egípcios confirmam os Maias,

ou vice-versa; não sei quem nasceu primeiro, se o ovo ou a galinha. Desconfia-se de que essa versão revista e atualizada foi soprada pela Múmia aos ouvidos dos egiptólogos de Hollywwod, Rachel Weisz e Brendan Fraser, durante as gravações do filme O Retorno da Múmia, grande sucesso de bilheteria. Suspeita-se que essa Múmia seja tão hollywoodiana quanto os egiptólogos citados. Fecha. bro novo parênteses, que prometo ser o último, para deixar bem claro que pesquisei no livro Os Maias, de Eça de Queiroz, alguma referência ao Fim do Mundo e nada encontrei, a não ser fofocaiadas da vida de Lisboa, na segunda metade dos anos de 1800. Esses Maias eram outros, garanto de pés juntos, et pour cause não se fala mais neles. Fecha. Esse nhem-nhemnhem está aí para eu criar coragem e revelar que

A

o Fim do Mundo já chegou. Quis escrever "tró-ló-ló" mas sobrou-me timidez porque um dos significados que o Aurélio registra refere-se a uma parte do corpo humano, dita "preferência nacional". O mundo acabou nos Idos de Março, em 03/03/03, terceiro dia do terceiro mês do terceiro ano do milênio iniciado em 2000, Primeiro Ano depois de FHC. Não houve necessidade de aguardarmos até 12/12/12. A saúde nacional foi contaminada pelo bug do milênio, sem que ninguém o percebesse; venderam-nos a ideia de que o bug não existia. Existe; e nós sabemos o nome da rosa. Eu, que não sou otário, percebi logo nos dois primeiros meses do primeiro ano do primeiro mandato você sabe de quem. As 4 Bestas do Apocalipse , seus Cavaleiro e áulicos chegam e instalam-se com gordas e mensaleiras mesadas, sob o codinome de “base alugada”. esnudo-os. A Peste (da Corrupção) a tudo infectou. O Mensalão, então recém-nascido, foi o virus que contagiou a corte de cumpanheros, entranhada no tecido social, sem anticorpos à vista. Se anticorpos houvessem, seriam desprezados. A Morte (da Verdade), cometida a plena luz do dia por pistoleiros de aluguel, emboscados na mídia amansada e em blogs da internet, a soldo do oficialismo reinante, comprante e pagante. A Fome (de Não Largar o Osso), que rói até as migalhas que sobram do banquete das ratazanas gordas ; a Guerra (Implacável) a quem se recusa à rendição incondicional. Travamos o Armagedon, a

D

NEIL QUE LAS HAY LAS HAY

FERREIRA batalha final do Bem contra o Mal; o Mal é mais forte, mais bem armado, mais rico; o Bem entregou a rapadura. Fugirei para Paris, lá estarei de janeiro a dezembro, ouvindo de longe as notícias do circo pegando fogo, com os olhos escancaradamente fechados para fingir que não vejo que o estou vendo. Pego o avião no dia 31, umas 8 da noite, sei como será. À meianoite, o comandante deixa sua cabine para brindar o Ano Novo com alguns passageiros. A aeromoça serve champanhe com caviar, do sistema de som vem música suave e bem educada, que permite às pessoas que conversem e troquem votos de felicidades. Nada de foguetório nem buzinaços. mesma hora, meia-noite, o sistema de som da classe econômica explode em foguetório e buzinaços, adrede gravados. A aeromoça serve guaraná morno e, gentil, oferece: "Barrinha de cereais, senhora ?" , bem ao gosto da Nova Classe Média (rsrs) do 6º

À

(rsrs) PIB do Mundo. Acaricio a esperança de ter como última visão do fim do mundo a Carla Bruni passeando sua bebê pelas belas alamedas do Parque Monceau. Em novembro, hospedo-me no Hotel Crillon na Place de La Concorde e detono todos os meus cartões de crédito, inclusive os Platinum, na esperança de não os pagar com o Fim do Mundo no mês seguinte; rogo aos deuses Maias que o mundo acabe em barranco, para eu morrer encostado. Como primeira visão do Outro Lado, vejo a Luz. Aquela que falam que está no fim do túnel. Lá à minha frente, banhados na Luz estourada que quase me cega, vislumbro John Lennon e George Harrison dedilhando os acordes iniciais do doce National Anthem do Admirável (Outro) Mundo Novo; "O sonho não acabou. O sonho começou", cantam os dois primeiros velsos. outores cardiologistas, endocrinólogos, clínicos gerais e anestesistas que me cercam na UTI do Einstein: parem as máquinas, desliguem os botões, não me obriguem a voltar, não me arranquem daqui na marra. Dou o meu testemunho insuspeito, contrariando Hawking: Deus existe. Olha lá a Brigite Bardot aos 22 anos, só pode ser obra d´Êle; registremos isso com urgência antes que aquele outro Cara apareça por aqui e afirme que é dele a Obra-Prima, como dele é tudo o mais que é feito no mundo, fora o que é produzido na China. FELIZ FIM DO MUNDO EM 2012.

D

NEIL FERREIRA É PUBLICITÁRIO


DIÁRIO DO COMÉRCIO

4 -.GERAL

GibaUm

3 Eduardo Paes mandou 3 MAIS: a oferta incluia

KÁTIA ABREU // senadora, presidente da Confederação Nacional da Agricultura e vice-presidente do PSD.

Fotos: BusinessNews

OUTROS TEMPOS Do acervo de Luis Carlos Prestes, que será doado pela viúva Maria Prestes ao Arquivo Nacional, a Revista da História da Biblioteca Nacional publicará, em janeiro, correspondências datadas de 1987 assinadas pelo líder comunista. Numa carta, Prestes não poupa José Sarney: “Os generais estão tão satisfeitos com a mediocridade e o servilismo de Sarney que preferem tê-lo como presidente...” E mais adiante: “O próprio Sarney já vai manifestando seus instintos de latifundiário e sua disposição de continuar no poder de qualquer maneira, já não apenas por cinco anos, mas por muitos mais”. 333

Guerra de bolsas 333 O veterano Victor Hugo despejou, em cima das festas de final de ano, uma supercampanha de suas bolsas nos jornais e o talentoso Lenny Mattos (Lenny&Cia) fechou a loja da Oscar Freire, deixando aberta a do Shopping Iguatemi para enfrentar o festival de bolsas estrangeiras que assola São Paulo. No mesmo Iguatemi, tem Chanel, Gucci, Ferragamo, Louis Vuitton e agora chegou a Bottega Vaneta, que não empolgou ninguém. Até a famosa bolsa Knot (R$ 6 mil) encalhou. Quem vende mesmo é Louis Vuitton: preços mais acessíveis (quem diria) e parcelamento em até 10 vezes no Amex.

BOM DE BOCA Neste final de ano, o governo resolveu publicar anúncios para comemorar os primeiros seis meses do programa Brasil Sem Miséria, que até agora não conseguiu mudar a vida de nenhum dos integrantes das 12 milhões de famílias brasileiras que vivem emcondiçãode subnutrição (ou seja, famintas). No meio de uma série de projeções, o governo festeja a distribuição de 239,5 mil dentaduras às populações carentes de todos os cantos no país,noperíododevigênciado Brasil Sem Miséria. Ou seja: são 1.330 dentaduras por dia para uma população estimada de 26 milhões de desdentados. 333

Chuvas, de novo

333 Na última década a quantidade de brasileiros que vive em favelas quase dobrou, pulando de 6,5 milhões em 2000 para 11,4 milhões no ano passado. Esse retrato que mancha a nova sexta economia do mundo fica ainda mais preocupante com a aproximação das chuvas de verão, que, todos os anos, provocam tragédias em todo o país. E mais ainda porque, do governo Lula para cá, o programa de “prevenção e preparação para desastres” deixou de investir R$ 2 bilhões na tentativa de reduzir danos e prejuízos provocados por tragédias naturais. Esse valor é a diferença entre o orçamento autorizado para o programa e o que, realmente, foi desembolsado. Entre 2004 e 2011, as dotações somaram R$ 2,7 bilhões e apenas R$ 678,7 milhões foram aplicados. Ou seja: de cada quatro reais previstos, só um real foi usado.

EXCESSO A Vivo continua se esforçando para manter sua posição entre as empresas brasileiras que mais irritam o consumidor (e não resolvem seus problemas): agora, a operadora envia, diariamente, mensagens que obriga o usuário a entrar no site, seguir o ritual de senha (velha ou nova), digitar o número do protocolo que apareceu no torpedo e tudo para dar de cara com uma oferta de alguma promoção que, invariavelmente, ninguém está interessado. A Vivo é uma empresa de capital espanhol e faz dobradinha com o também espanhol Santander nos rankings do Procon. 333

MISTURA FINA NA ACAREAÇÃO do que aconteceu para valer na BMW do jogador Adriano, da delegacia da Barra, esta semana, quando Adriene Pinto confessou que ela mesma havia feito o disparo, a atração-extra era a operadora de telemarketing Andréia Ximenez, que ajudou na reconstituição. Usava shortinho e camiseta branca transparente, sem sutiã, mais uma sandália de salto de 14 cm.

333

DICAS de Danuza Leão, 78 anos, veterana de guerra e de viagens internacionais, em seu novo livro É Tudo Tão Simples: no inverno, leva duas botas, três calças, três suéteres, meia dúzia de camisetas e dois casacos de nylon, recheados de plumas, leves e baratos. Não amarrotam. Avião, só na classe executiva: “Não viajo em classe econômica. É um problema de direitos humanos, depois dos 45”. 333

333 Filha do Mal é o título do filme de terror de William Brent Bell, que estréia no Brasil no começo do ano, cuja estrela é a paulista de São José dos Campos, interior de São Paulo, Fernanda Andrade, 27 anos, que baseou sua carreira nos Estados Unidos. É um thriller sobrenatural do qual Fernanda é a protagonista (com cenas de exorcismo) e ela deverá vir para o lançamento entre São Paulo e Rio. Lá, já participou de séries de TV como CSI: Miami, Law&Order, CSI: NY, The Mentalist e o recente Sons of Anarchy.

Brazilian starlet

Ano especial Ao lado de desavenças entre seus integrantes e posições assumidas por alguns que provocaram polêmicas na mídia, o Supremo Tribunal Federal terá um novo ano um tanto diferenciado. Pela primeira vez em sua história, a Alta Corte poderá ter três presidentes no período de doze meses. Até abril, o ministro César Peluso comanda o Supremo, quando passará a cadeira para o ministro Carlos Ayres Brito que, por sua vez, se aposenta em novembro. Aí, assume o terceiro presidente do ano, o ministro Joaquim Barbosa. 333

h

Assim como os filhos, noras e até namoradas dos filhos de Lula tinham à sua disposição, em São Bernardo, frota de carros blindados e equipe de segurança 24 horas por dia, a filha da presidente Dilma, Paula, mais o marido Rafael Covolo e o neto Gabriel também têm Ômegas blindados e agentes de segurança à disposição em Porto Alegre. Os veículos são igualmente usados pela própria Chefe do Governo, mais sua mãe Dilma Jane e a tia Arilda, quando estiverem na capital gaúcha. Agora, a Presidência da República está abrindo licitação para contratar empresa especializada em serviços de manutenção, lanternagem e pinturas para os veículos da frota sulina.

333

Com a gravidez de Alessandra Ambrósio e malgrado sua determinação de participar da próxima SP Fashion Week, em janeiro, a modelo sul-africana Candice Swanepoel, sua companheira do bloco das Angels da Victoria’s Secret (já esteve entre nós em julho) deverá retornar à São Paulo para desfilar pela Colcci, com Ashton Kutcher na platéia. Aos 23 anos, Candice é a 10ª modelo mais bem paga do mundo (US$ 3 milhões) e está edição de janeiro da Harper’s Bazaar , com rendas, hotpants, vestidos, transparências e, de quebra, pernas com meias escuras, num mix de Dior, Alexander McQueen, Thierry Mugler, Chanel, Cartier e, claro, Victoria’s Secret. 333

Candice de volta

Quando seu nome foi cogitado para voltar à presidência do Senado, José Sarney garantiu que não queria nem saber. Agora, quando afirma que largará a política no final de seu mandato, em 2018 (estará com 86 anos), repete que não voltará à presidência da Casa. Sarney também está avisando que vai colocar à venda seu sistema de comunicação, que inclui o jornal O Estado do Maranhão e a TV Mirante, com afiliadas da Rede Globo. No futuro, Sarney gostaria mesmo é de morar no Rio de Janeiro – e bem perto da Academia Brasileira de Letras, da qual ainda não foi presidente. 333

h IN

OUT

Surf.

Skate.

PAULA Fernandes grava uma faixa no novo CD da americana Taylor Swift que, por sua vez, grava outra no novo disco da brasileira, cujo single será lançado na semana que vem. Paula Fernandes fecha 2011 vendendo 1,5 milhão de CDs e DVDs, perdendo apenas para Ágape, do padre Marcelo Rossi. 333

E NEM poderia ser diferente: a decisão de deslocar Aloizio Mercadante do Ministério de Ciência e Tecnologia para o Ministério da Educação foi devidamente submetida pela presidente Dilma ao ex-presidente Lula, que lhe deu a devida benção.

333

LEVANTAMENTO do Vigilantes do Peso aponta que, em média, as pessoas engordam cerca de 3,5 quilos nos almoços e jantares de Natal e Ano Novo. Bebidas, doces e panetones são apontados como principais vilões da época.

Solução

Por: José Nassif Neto Rejeita.

Medida de potencial elétrico.

Variedade de milho indiano.

Aquele que come com voracidade.

Língua falada no Império Romano.

Pequena pomba. Fantasma. (fig.)

Mais um a vez, Lu e Geraldo Alckmin deverão passar o reveillon na mansão de Solange Medina Edson Bueno e (ele é o dono da Amil, hospitais e centros de diagnósticos) em Búzios. Lá, tradicionalmente, acontece uma super-festa que, desta vez, terá show de Gilberto Gil. Detalhe: só à meia-noite para o brinde é que o champanhe corre solto. O reveillon de Edson Bueno, que é abstêmio, não inclui quaisquer bebidas alcoólicas, embora convidados famosos já foram flagrados levando suas garrafas de champanhe. E há quem aposte que alguns levam até cantil batizado . 333

O segundo elemento de uma série.

Ponto cardeal lá nasce o sol. Shopping.

Penalidade por uma infração.

Irmã do pai em relação ao filho.

Relação moléculagrama.

Exprime surpresa. Montgome'Gato', ry é a capiem inglês. tal deste Estado.

Criada de dama nobre; aia.

O (?), indivíduo em evidência. 3ª pess. do singular.

Peça que cobre aparelho sanitário.

Produto para aderir.

Ter como verdadeiro. 'Ela', em espanhol.

(?) Paula Arósio, atriz.

Conjunto de conhecimentos. Invocar socorro. 'Porca', em alemão.

333

Festança à seco

R D E C MU S C A

«

de assumir posições não tem torcida.

Adeus de Sarney

J V C U V OR A D OR L R O LA C L T A I R A L E S T E M L T I R A L I O A MA C MP A O A A P E L A R E L N A S A I X E L A B O E S E T OS S E R AB E S I M

k Temos de assumir um discurso de centro-direita. Quem tem medo

plena ação na Copa e nos Jogos Olímpicos. O baixinho recusou: "Não me vendo e vou me eleger prefeito."

T A L U A B C A M A

oferecer a Secretaria de Esportes do Rio para Romário (PSB) para desistir de sua candidatura.

gibaum@gibaum.com.br

Frota gaúcha

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

'Menos', em inglês.

Utensílios para serviço de mesa.

Indica exclusão.

Sobra de comida. A mais baixa graduação militar. Língua falada em países muçulmanos.

Símbolo de oxigênio. (quím.)

Silício, símbolo químico.

Expulsão brusca de ar dos pulmões. Exprime consentimento; afirmação.

(380) 3-cat; sau (Säue vulgarmente: porcalhão, porcalhona); 4-mall; less; ella; volt; juar; 5-árabe.

Colaboração: Paula Rodrigues / A.Favero


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

5 BEM ACEITA Dilma Rousseff, apesar das demissões, tem boa avaliação.

olítica

SALÁRIO Senado decide pagar menos para Jader Barbalho. Só em dezembro.

A queda de ministros em seu primeiro ano de governo contribuiu para ofuscar a administração da primeira mulher presidente do País. Mesmo assim, analistas realçaram que ela "tem luz própria", como na condução da política externa brasileira. Também surpreendeu pelo nível de popularidade.

Crises tiraram o brilho do governo Dilma Rousseff

Dida Sampaio/AE – 21/12/2011

Pedro Ladeira/Frame/AE – 28/12/2011

E

m seu primeiro ano de governo, a presidente Dilma Rousseff ganhou destaque pela personalidade forte, pela elegância na relação com os adversários políticos e por perder boa parte do tempo lidando com as crises ministeriais. Essa é a visão genérica de alguns dos cientistas políticos consultados. Para eles, a rotina de crise foi maléfica para a governabilidade. De acordo com os analistas, ao gastar tempo e energia administrando denúncias, o governo federal perdeu uma oportunidade única de emplacar as reformas necessárias, como a política e a tributária. "A minha impressão foi a de que ela ficou administrando os conflitos da base", afirmou Carlos Melo, do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper). "Não foi um ano transformador." Os analistas afirmam que o primeiro ano do governo é o momento ideal para a implementação de reformas, já que o presidente assume com o respaldo das urnas. "Não ter feito as reformas compromete", avaliou o cientista político Rubens Figueiredo. "Um governo novo tem mais força política para fazer reformas." Faxina– Embora Dilma tenha passado o ano consertando o "malfeito", a presidente ganhou o apoio da população ao se mostrar intolerante com a corrupção. "Ao contrário do governo anterior, as denúncias tiveram consequência", lembrou Figueiredo. A ideia de faxina ganhou visibilidade, porém os analistas apontam que a impressão de "limpeza profunda" não condiz com a realidade. "Faxina seria a disposição do governo de limpar a casa", comparou Melo. "No caso, o vaso quebrou e Dilma só recolheu os cacos." O professor emérito Fábio Wanderley, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), concorda. "Não é propriamente uma faxina", ponderou. Segundo Melo, mesmo com uma reforma ministerial, a qualidade da base de apoio impede que a presidente se livre facilmente do ciclo de denúncias. "Enquanto a gente tiver essa composição, a sociedade tem culpa porque vota mal, não tem faxina", disse Melo. "Dilma pode se livrar de alguns móveis velhos, mas faxina de verdade vai ser difícil", assegurou. Ciclo de trocas – Para os analistas, a rotina de troca de ministros, embora tenha agradado a

Dilma, no fim do seu primeiro ano de governo: elegância para com os adversários e personalidade forte. Washington Alves/AE – 22/7/2005

Newton Santos/Hype – 16/6/2010

Senado recua e Barbalho não vai receber R$ 30 mil

O

Wanderley: ciclo de denúncias.

opinião pública, comprometeu o bom desempenho do seu governo. "É como numa empresa, se você começar a trocar toda hora a diretoria, vai ter problema de performance", afirmou Figueiredo. "Cada um que entra compromete a ação administrativa", disse, acrescentando que, "no Brasil, a boa administração briga com a política. Refém dos interesses da base aliada, a presidente não teve força para emplacar sua agenda e teve de negociar para não perder a governabilidade. Por isso, mesmo com a ineficiência da oposição, os analistas acreditam que os partidos aliados acabaram agindo como inimigos. "A oposição não foi feita pelos partidos de oposição, que foram zero à esquerda", avaliou Melo. "Dilma teve oposição dentro de casa." Primeira presidente – Embora sem sorte com a base, a primeira mulher presidente do Brasil "caiu no gosto do eleitorado". Um dos elogios nesse sentido partiram de Fábio Wanderley. "Para mim

Melo: recolhendo cacos.

Com essa composição, não tem faxina (...) Dilma pode se livrar de alguns móveis velhos, mas faxina vai ser difícil. CARLOS MELO houve superação das expectativas e o resultado é melhor do que a encomenda. É notável que ela tenha níveis de popularidade à altura de Luiz Inácio Lula da Silva." O professor da UFMG acredita que a popularidade de Dilma se deve à continuidade das políticas sociais do governo Lula. Liderança – Na opinião dos analistas, a presidente também se destacou por seu jogo de cintura e capacidade de liderança. Mesmo alinhada com Lula, ela não demonstrou a menor submissão ao antecessor. "Ela tem luz própria", observou Figueiredo.

Figueiredo: refém dos aliados.

Um exemplo disso, foi a condução da política externa brasileira em determinadas situações. É o recente caso do endurecimento do discurso com a Síria. "Ela foi bem, foi menos polêmica, evitando bolas divididas", comparou Figueiredo. "O governo assumiu o que a população queria ouvir", ressaltou Melo. De acordo com os cientistas, outro ponto positivo de Dilma foi a aproximação com os governadores da oposição e a elegância no trato com o expresidente Fernando Henrique Cardoso, menosprezado por Lula durante seus oito anos de governo. "Ela se mostrou uma presidente sensível, com uma postura menos bélica", disse Figueiredo. O estilo reservado de Dilma também foi elogiado. "É um governo menos voltado para o espetacular", afirmou Figueiredo. Segundo ele, "o governo Lula era um governo show, enquanto ela é mais voltada para a administração", finalizou o cientista político. (AE)

Presidente reaparece bem cedinho Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr – 19/6/2011

Valter Campanato/ABr – 21/6/2011

A

presidente Dilma Rousseff fez ontem uma caminhada, por volta das 6 horas, na alameda que margeia a praia privada da Base Naval de Aratu, na Bahia, onde passa as férias com a família. Ela estava acompanhada de seguranças e percorreu a pista asfaltada, próxima da areia. Essa foi a segunda aparição pública da presidente desde o dia 26, quando chegou à base para descansar. Em sua rotina de reclusão, tem preferido caminhar pelas ruas arborizadas do interior da instalação militar, onde não pode ser fotografada. A presidente também passa boa parte do tempo na casa onde está hospedada. O imóvel, que tem piscina e passou por uma reforma recente, foi equipado com novos móveis para receber Dilma. Além disso, o esquema

Jader: salário reduzido só neste mês. Depois volta ao normal.

Marcos Mendes/Luz – 4/10/2010

Ideli: férias aprovadas.

Miriam: 16 dias de descanso.

de segurança é o mais amplo do que os aparatos montados, em 1998, para o descanso de Fernando Henrique Cardoso, e em 2009, quando Luiz Inácio Lula da Silva também passou um período de férias por lá. A Capitania dos Portos fe-

chou a navegação para barcos particulares e de passageiros em frente à praia e intensificou a fiscalização sobre as embarcações que navegam pela área. A região é vigiada 24 horas por militares em lanchas e jet ski. Também a Polícia Militar montou

patrulhas nas ruas que dão acesso à base. Férias – A presidente também autorizou, em despacho, que as ministras do Planejamento, Miriam Belchior, e de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, tirem 16 dias de férias, a partir do dia 31. Os ministros do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência, José Elito Siqueira, e da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho, também foram autorizados a descansar, mas por um período menor, de quatro dias, entre 2 e 6 de janeiro. Cartões – A Presidência da República gastou R$ 11 mil para produzir 6 mil cartões de Natal enviados pela presidente a autoridades e como resposta a pessoas que também lhe enviaram boas festas. O cartão custou R$ 1,90 a unidade, incluindo produção e distribuição. (Agências)

senador Jader Barbalho (PMDB-PA) não vai mais receber a ajuda de custo de R$ 26.723,23 que é paga aos parlamentares no início e no fim de cada ano legislativo. A informação foi dada ontem pela assessoria de imprensa do Senado, esclarecendo que o senador, empossado na quartafeira, durante o recesso parlamentar, vai ganhar o salário de R$ 3.448,14 pelos quatro últimos dias do ano, mesmo sem precisar ir ao Congresso. O senador peemedebista também receberá passagens aéreas de ida e volta de Belém a Brasília, referentes ao seu deslocamento para a posse, e uma ajuda de custo, que será paga no início de 2012, quando também passará a receber os vencimentos mensais de senador de R$ 26.723,73. Pressa legal – A diretoria-geral do Senado informou que, apesar de ter tomado posse antes do fim do ano, o senador não vai receber a ajuda de custo anual referente a 2011. O benefício é pago a todos os parlamentares e equivale ao salário mensal do parlamentar. Em nota, o Senado também reafirmou que não apressou a posse de Barbalho para que ele fosse beneficiado pelo pagamento das verbas salariais. Por isso, o senador paraense foi alvo de críticas . A Casa, em sua defesa, alegou que apenas cumpriu a obrigação legal de permitir que ele assumisse o mandato após sua di-

plomação pela Justiça Eleitoral. Assim, em janeiro, Jader receberá o salário integral, mesmo com o Congresso em recesso até o dia 2 de fevereiro. Ele também terá direito, em fevereiro, aos vencimentos mais a ajuda de custo paga a todos os parlamentares no início de cada ano legislativo, no valor de R$ 26,7 mil. O Ato Conjunto de 30 de janeiro de 2003 prevê que os parlamentares recebam salário em dobro nos meses de fevereiro e dezembro, a título de "ajuda de custo". Rara sessão – Barbalho foi eleito em 2010 como senador pelo Pará, mas foi barrado pela Lei da Ficha Limpa por ter renunciado ao mandato, em 2001, para escapar de uma cassação. Na ocasião, ele era acusado de desviar dinheiro público no Banpará e na extinta Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia. Inicialmente, a Justiça Eleitoral entendeu que ele se enquadrava na Lei da Ficha Limpa, cujo texto torna inelegíveis políticos que desistiram do mandato para se livrar de uma cassação. Mas o Supremo Tribunal Federal (STF) entendeu que a lei não valeu para o pleito de 2010, e, depois da pressão do PMDB, o tribunal permitiu, há 15 dias, a posse de Jader, em rara sessão realizada durante o recesso. Se seguisse os trâmite comuns, Barbalho tomaria posse apenas em fevereiro. (Agências)

Inca terá de fazer novo edital

O

s técnicos do Tribunal de Contas da União (TCU) viram a tempo o que poderia se tornar uma doença incurável dentro do próprio Instituto Nacional do Câncer (Inca) e cancelaram o edital para a construção do Campus Integrado, que iria liberar uma obra com sobrepreço de R$ 48 milhões. O TCU, além disso, determinou que o Inca publique um

novo edital de concorrência para as obras no valor máximo de R$ 496,4 milhões. O período do edital será renovado e as empresas interessadas terão mais prazo para apresentar as propostas, segundo o site Congresso em Foco. Por determinação do TCU, o Inca deverá encaminhar dentro do prazo de 15 dias toda a documentação que comprove as medidas adotadas.

Grupo vai monitorar convênios

O

governo instituiu um grupo de trabalho interfederativo para acompanhar as medidas de desburocratização dos convênios, dos contratos de repasse e termos de cooperação celebrados pelas entidades da administração pública federal com entidades públicas ou privadas sem fins lucrativos. Resolução nesse sentido, da

Secretaria de Relações Institucionais, foi publicada ontem. Além de representantes dos ministérios da Fazenda, Planejamento, Cidades, Relações Institucionais e da Controladoria Geral da União (CGU), o grupo será integrado também pela Associação Brasileira e Confederação Nacional dos Municípios e pela Frente Nacional de Prefeitos. (AE)


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

O ciclo de expansão e cortes está mais relacionado ao interesse político do que ao interesse público Gil Castello Branco, economista.

olítica

Celso Junior/AE – 28/2/2011

John Vizcaino/Reuters – 4/8/2011

Reeleição de FHC: investimento caiu de 2,4% para 1,5%.

Na eleição de Lula, queda de 2,2% para 1,5% do PIB.

Investimentos dos governos crescem em anos eleitorais E depois caem nos anos seguintes às eleições, segundo pesquisa do Ipea.

Andre Dusek/AE – 23/2/2011

A

política brasileira, em todas as esferas, vive uma verdadeira gangorra fiscal. Em ano de eleições há aumento de gastos públicos; e no ano seguinte, contenção de despesas. É o que conclui pesquisa divulgada ontem pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) com base em dados de 1995 a 2011, mostrando que os investimentos do governo federal, dos estados e dos municípios são influenciados pelo calendário eleitoral. "Os anos subsequentes às eleições presidenciais e dos governadores estaduais normalmente coincidem com quedas muito fortes da taxa de investimento público, relacionadas a programas de ajustes fiscais, que posteriormente são revertidas no decorrer do ciclo eleitoral", informa o comunicado do instituto. No caso dos municípios, além da eleição estadual e federal, ainda há a influência das eleições para prefeitos e vereadores, o que dá origem a um ciclo bienal de expansão e contingenciamento de gastos. "A taxa de investimento do governo municipal apresenta um comportamento muito mais irregular e uma influência mais marcada do ciclo bienal", aponta o Ipea, ao salientar que "os anos não eleitorais (ímpares) são ca-

Em anos eleitorais, tradicionalmente, os gastos costumam ser expandidos e o Congresso fica mais benevolente. GIL CASTELLO BRANCO racterizados por quedas (ou estabilidade) da taxa de investimento dos municípios, enquanto nos anos eleitorais (pares) ocorrem elevações da taxa de investimento". FHC e Lula – Em dezembro de 1998 (ano da reeleição de Fernando Henrique Cardoso), a taxa anualizada de investimento das administrações públicas era de 2,4% do PIB (proporção relativa a valores acumulados ao longo do ano); no ano seguinte, caiu para cerca de 1,5%, segundo o Ipea. Em 2002 (ano da primeira eleição de Luiz Inácio Lula da Silva), a taxa chegou a 2,2%; e em 2003 desceu para 1,5%. Em 2006 (reeleição de Lula), a taxa cravou 2%; e em 2007 ficou abaixo de 1,8%. No ano passado, a mesma taxa superou 2,8%; e a projeção do Ipea para este ano é de que esteja abaixo de 2,5%. Na avaliação do economista

Gil Castello Branco, do site Contas Abertas (especializado em gastos públicos), a avaliação do Ipea é pertinente. Segundo ele, em anos eleitorais, tradicionalmente, "os gastos costumam ser expandidos e o Congresso fica mais benevolente". Segundo ele, se em 2011 estivéssemos em ano eleitoral, o Legislativo teria incluído o aumento pretendido pelo Judiciário na Lei Orçamentária. Ritmo político – Para o economista, o ciclo de expansão e contingenciamento do orçamento é ruim por causa da descontinuidade, e paralisa obras. Além disso, "fica claro que o ritmo está mais relacionado ao interesse político do que ao interesse público". Ao avaliar as taxas de investimento público de 1995 a 2010, o Ipea salienta que houve crescimento dos gastos. Em 1995, o valor do investimento público (formação bruta de capital fixo das administrações públicas) foi de R$ 49,5 bilhões; no ano passado, atingiu R$ 104,3 bilhões (esses valores não incluem os investimentos das estatais). Na quarta-feira, o governo anunciou que o setor público conseguiu contingenciar R$ 126,8 bilhões nos 11 meses do ano – o que equivale a 99% da meta de superávit primário do setor público para 2011, que é de R$ 127,9 bilhões. (ABr)

Livro mostra a submissão do Congresso ao Palácio do Planalto

Newton Santos/Hype – 9/12/2011

O

Congresso brasileiro é totalmente submisso ao Palácio do Planalto, independentemente de quem ocupe a cadeira de presidente da República. A conclusão é de um trabalho realizado por vários professores universitários e especialistas, reunido no livro "O papel do Congresso Nacional no presidencialismo de coalizão" (Fundação Konrad-Adenauer, 2011), produzido pelo Núcleo de Pesquisa de Políticas Públicas da USP, sob a coordenação do professor de Ciência Política da USP José Álvaro Moisés. A obra mostra o resultado de pesquisa realizada entre agosto de 2009 e março de 2010 pelos especialistas da USP, tendo como objeto o desempenho do Parlamento nas últimas três legislaturas (entre 1995 e 2006). Dois pesos – Com foco na produção e apreciação de projetos, o grupo de estudo deixa evidente a submissão do Congresso ao governo federal. Essa supremacia, aferida pelos pesquisadores tanto nos dois governos de Fernando H e n r i q u e C a rd o s o ( 1 9 9 5 2003) como no primeiro de Lula (2003-2006), é traduzida em números. Das 2.701 proposições levadas a plenário na Câmara, entre 1995 e 2006, envolvendo tanto a produção de leis como decisões sobre políticas públicas, 85,5% (2.310) foram originados pelo Executivo e só 14,5% (391), pelo Legislativo. Nenhuma lei de autoria dos parlamentares foi iniciada e aprovada no período de um mesmo governo, entre 1995 e 2006, segundo o livro. Já as propostas do Executivo tiveram impressionante índice de 77,4% de aproveitamento. Assim, de cada dez propostas enviadas pelo Planalto entre 1996

Lewandowski é favorável a que empresas recém-criadas doem só 2% de seu capital social a candidatos

Presidente do TSE quer limitar doações de empresas recém-criadas

O

presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Ricardo Lewandowski, indicou ontem que empresas criadas no mesmo ano de uma eleição podem doar até 2% de seu capital social a campanhas de candidatos. A legislação atual permite que pessoas jurídicas doem 2% do faturamento bruto do ano anterior, o que excluiria as empresas recém-criadas, sem faturamento anual estabelecido. A avaliação de Lewandowski foi feita ao negar liminar a Denílson Segóvia de Araújo (PSCAC), eleito deputado estadual em 2010, mas cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral do Acre por captação irregular de recursos. No caso de Araújo, as doações feitas por uma empresa

criada naquele ano teriam atingido o percentual de 17% de seu capital social, segundo o TSE. Lewandowski afirma que ficou impressionado com o fato de que "aproximadamente 40% dos recursos utilizados na campanha do candidato advieram, justamente, da empresa MGS Indústria e Comércio de Alimentos Ltda., que, não obstante ter sido fundada em 1º de fevereiro do ano da eleição, doou vultosos 17% de seu capital social declarado". O presidente do TSE alertou que o fato de a empresa ter sido fundada no ano da eleição não deve impedi-la de fazer doações a campanhas eleitorais, mas avaliou que deve ser estabelecido um limite de 2% de seu capital social.

No caso de Denílson de Araújo, o capital social da empresa MGS era de R$ 300 mil e a doação ao candidato somou R$ 50 mil, quando deveria ter sido de apenas R$ 6 mil. Fechando o cerco – Para impedir esses e outros artifícios ilegais de financiamento de campanhas, a Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (Enccla), que reúne 70 instituições públicas e disciplina ações de inteligência contra o crime organizado, aprovou no dia 23, proposta para que o TSE abra ao Ministério Público Eleitoral e à Polícia Federal dados sobre movimentações de contas bancárias eleitorais de políticos e partidos durante as campanhas. (AE)

Gastos com salários sobem em SP

O

A análise dos dados indica que as condições para a realização das funções específicas do Parlamento são limitadas JOSÉ ÁLVARO MOISÉS e 2005, praticamente oito foram aprovadas durante o governo que as elaborou. A publicação mostra mais: nesse mesmo período, os projetos do Executivo tiveram média de tramitação de 271,4 dias. Já as proposições apresentadas por parlamentares tiveram de esperar, em média, 964,8 dias para serem aprovadas. Ou seja, três vezes mais. Funções limitadas – "A análise dos dados sobre o desempenho do parlamento entre 1995 e 2006, quando o país foi governado por dois presidentes caracterizados por seu protagonismo reformista (nas esferas econômica e social), indica que as condições para a realização das funções específicas do Parlamento são limitadas", diz José Álvaro Moisés na in-

trodução do livro. E acrescenta: "O Congresso Nacional tem um índice muito baixo de produção legislativa, os seus projetos são mais alterados ou vetados do que aqueles do Executivo e, além de demorarem tempo excessivo para serem considerados e aprovados – prejudicando a relação entre representantes e representados –, muitas das atuais proposições parlamentares estão bloqueadas, isto é, deixadas fora da pauta de tramitação no Congresso, enquanto a atuação positiva do Parlamento está voltada principalmente para proposições simbólicas, pouco efetivas em termos de políticas públicas, e praticamente nulas no que se refere às funções de fiscalização e controle do executivo". De acordo com Moisés, a passividade e as imperfeições do sistema representativo não significam que a democracia no Brasil seja mera peça de ficção. O regime precisa apenas ser aprimorado, diz o cientista político, sob risco de que continue a ser desvirtuado pelo poder excessivo do Executivo. (Do site Congresso em Foco)

pacote de bondades concedido aos servidores públicos pelo governo de São Paulo em 2011 deve ampliar em 1,5% a fatia da folha de pagamentos do Executivo no orçamento do estado neste ano, segundo o secretário de Planejamento, Julio Semeghini. Em 2012, o crescimento deve seguir igual ritmo. Os salários dos servidores do Executivo representaram cerca de 40% do orçamento estadual em 2010. A série de reajustes e reestruturação de carreiras patrocinadas pelo governo, contudo, vai gerar um gasto adicional neste ano de cerca de R$ 2 bilhões.

O crescimento da folha salarial ocorre simultaneamente à tentativa de Alckmin de economizar cerca de R$ 1,5 bilhão no ano que vem. Embora o governador tenha garantido que o contingenciamento não vai afetar os investimentos, os benefícios concedidos ao funcionalismo podem tornar mais difícil o cumprimento dessa promessa. Por isso, o Palácio dos Bandeirantes deve tentar conter o crescimento da folha salarial em relação ao orçamento. A intenção do governo, no entanto, é a de que a participação dos salários dos funcionários nas despesas estaduais retorne à faixa dos 40% até 2014.

"Nosso compromisso com o governador é que no final dos quatro anos (de mandato) nós não teríamos aumentado nada (da folha em proporção ao orçamento)", afirmou Semeghini, hoje, em balanço anual da Secretaria de Gestão Pública, que ele ocupou até novembro. "No primeiro ano, vamos aumentar 1,5% a relação [da folha de pagamento] do Poder Executivo [em relação ao orçamento]. No segundo ano, fica em 1%, 1,5%. Nós demos um salto muito pequeno na relação da folha." Neste ano, foi dado reajuste salarial a 90% dos funcionários (em torno de 900 mil pessoas). (AE)

Lula inicia radioterapia

Graziano assume a FAO

P

O

assada as festas de fim de ano, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva começará na próxima quarta-feira uma nova etapa do tratamento contra o câncer na laringe. Nesse dia, a expectativa é de que Lula volte ao Hospital Sírio-Libanês, na capital paulista, para começar as sessões de radioterapia, que devem durar de seis a sete semanas Após o sucesso do tratamento quimioterápico, que conseguiu reduzir em 75% o tamanho original do tumor de três centímetros de diâmetro na laringe, a equipe médica decidiu manter o cronograma do tratamento, previsto para terminar em fevereiro. Lula está com a família em seu sítio em Atibaia, no interior de São Paulo, para descansar. (AE)

economista José Graziano, de 62 anos, ex-ministro da Segurança Alimentar, assume na segunda-feira o cargo de diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO). Ele ocupará o cargo de janeiro de 2012 a julho de 2015. Há cinco anos, Graziano atua como representante da agência na América Latina e no Caribe. Em 26 de junho deste ano, Graziano foi eleito diretor-geral da FAO com 180 votos. Como diretor-geral, Graziano tem vários desafios, um deles é enfrentar o fato de cerca de 500 milhões de pessoas no mundo passam fome. Há, ainda, a tendência de ocorrer alta dos preços dos alimentos na próxima década. E a situação deve se agravar na região do Chifre da África. (ABr)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

7 CERCO 1 Polícia egípcia invade 17 ONGs; algumas recebem apoio dos EUA.

nternacional

CERCO 2 Ativistas dizem estar sendo vítimas de perseguições pela junta militar

UM TRÁGICO ERRO

Aviões turcos matam 35 civis em bombardeio no lado iraquiano da fronteira. Os supostos rebeldes curdos eram, na verdade, contrabandistas.

O

governo da Turquia confirmou ontem que as 35 pessoas mortas em um ataque de sua força aérea no Iraque na quarta-feira à noite eram civis que trabalhavam como contrabandistas, e que os pilotos os confundiram com guerrilheiros curdos do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK, na sigla em curdo). Um comunicado das Forças Armadas da Turquia informou que o ataque ocorreu contra um grupo de pessoas no final da noite de quarta-feira, no lado iraquiano da fronteira. O comunicado disse que os militares receberam informações da inteligência alertando que terroristas formavam grupos para lançar ataques contra postos militares turcos na fronteira. O comunicado não chamou os mortos de "terroristas" e disse que o incidente está sob investigação. Os militares disseram que aviões não tripulados turcos detectaram a aproximação de um grupo vindo do Curdistão iraquiano, aparentemente se dirigindo a uma passagem que é usada tanto por contrabandistas quanto por guerrilheiros do PKK que usam o local para atacar a Turquia. Os militares turcos então usaram a informação dos aviões teleguiados para bombardear com caças o grupo que vinha do Iraque, em uma área não habitada. "Os que foram mortos ontem não tinham ligações com o PKK. Eles eram apenas contrabandistas, que faziam a viagem de volta para a Turquia", disse Ahmet Deniz, um portavoz do partido. Aparentemente, os civis mortos eram cidadãos turcos da etnia curda. Pelo menos 19 deles, de uma mesma família, viviam em duas cidades no sudeste da Turquia, de maioria curda, disse o prefeito do município de Uludere, Fehmi Yaman. "Eles contrabandeavam diesel do Iraque, como faziam há anos... os aldeões de Ortasu e Gulyazi me informaram sobre isso na madrugada, quando chegamos aos corpos. Alguns estavam aos pedaços, outros chamuscados por causa das bombas", disse Yaman. Todos os mortos eram homens e tinham menos de 30 anos.

IHA/Reuters

"Nós voltávamos para casa quando os caças começaram a nos bombardear", disse Servet Encu, um sobrevivente do grupo, à agência curda de notícias Firat. "Cinco ou seis se esconderam debaixo das rochas mas também foram atingidos pelas bombas". Os sobreviventes correram para o vilarejo de Ortasu, onde foram socorridos por parentes, que usaram jumentos para carregar os corpos, mostraram fotografias da Associated Press. Revolta - As mortes provocaram protestos em Istambul, Ancara e nas cidades de maioria curda na Turquia. Em Istambul a polícia usou canhões d'água para dispersar manifestantes. A agência de notícias Dogan

informou que a polícia também dispersou manifestantes com gás lacrimogêneo perto da praça Taksim, um lugar onde ficam hotéis e shopping centers em Istambul. Os curdos, que formam 20% dos 74 milhões de habitantes da Turquia, vivem em sua maioria no sudeste do país. Eles se sentem marginalizados e reclamam contra a discriminação do governo. O PKK tomou armas contra o governo em 1984 e desde então conduz uma rebelião que já deixou mais de 30 mil mortos. O grupo é considerado uma organização terrorista não apenas por Ancara, como também pela União Europeia e os Estados Unidos. (Agências)

Adem Altan/AFP

Moradores do vilarejo de Ortasu observam corpos de vítimas do bombardeio (acima). O episódio provocou manifestações ao redor do país (à esq.).

KCNA/AFP

CHILE Presidente Salvador Allende se matou, confirma juiz que chefiou equipe de legistas.

ESPANHA Genro do rei Juan Carlos é intimado a depor sobre suposto mau uso do dinheiro público

Ó RBITA Fars News/Reuters

FLAGRA Irã diz ter o Golfo Pérsico sob controle. Como prova, divulgou fotos tiradas ontem de um porta-aviões dos EUA na região.

Kim Jong-un (segundo, da dir. à esq.) recebe apoio de lideranças norte-coreanas durante memorial ao pai

A era do líder supremo

O

ato em memória ao ex-ditador norte-coreano Kim Jong-il pôs fim ontem à era do "querido líder" e abriu a de seu filho e sucessor Kim Jong-un, proclamado "líder supremo" diante de uma enorme multidão em Pyongyang. O apoio do alto escalão ao sucessor, que ainda não completou 30 anos, ficou claro durante o memorial, do qual participaram milhares de pessoas, que encheram a praça Kim Il-sung. "Kim Jong-un é o líder supremo de nosso partido, do Exército e do povo por personificar as ideias e liderança, a personalidade, as virtudes, a coragem e o valor de Kim Jong-il", disse Kim Yong-nam, presidente do Parlamento e atualmente número dois do regime. Aparências - O funeral de Kim Jong-il foi marcado por sobriedade e pompa – ressaltadas por imagens alteradas por órgãos e agências de notícia oficiais. As fotografias mostram que a neve foi clareada e pessoas foram retiradas para reverenciar o líder, morto no dia 17, de infarto. (Agências)

TIROS NA SÍRIA

E

m meio a confrontos entre manifestante e forças leais ao regime de Bashar alAssad, a missão de observadores da Liga Árabe foi atacada ontem na Síria. Segundo o presidente do opositor Conselho Nacional Sírio, Burhan Ghaliun, monitores foram alvos de disparos, em visita a Homs. Ghaliun disse que eles saíram ilesos, graças aos moradores do bairro de Jalediya, que lhes ofereceram abrigo. Após o episódio, os observadores seguiram viagem para inspeções nas cidades de Deraa, Idleb e Damasco. O chefe de operações da missão da Liga Árabe, Adnan Isa al Jodeir, confirmou o incidente. "De fato, eles sofreram um ataque a tiros, cuja autoria não pudemos confirmar." O episódio ocorreu um dia após o chefe da missão árabe em Homs ter dito que a situação na cidade "estava calma". (Agências)

AFP - 20/04/10

PAGANDO PELO PASSADO último ditador da Argentina, Reynaldo O Bignone, foi condenado ontem a 15 anos de prisão por delitos de lesa-humanidade cometidos em uma prisão clandestina dentro de um hospital público durante o regime militar que governou

o país entre 1976 e 1983. Bignone, de 85 anos, é acusado de prender e torturar presos políticos e médicos no Hospital Posadas, na zona oeste de Buenos Aires. Esta foi sua terceira condenação. Ele já acumula duas sentenças de prisão perpétua. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

c

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011 Fotoarena/Folhapress

DEBANDADA Mais e mais os paulistanos deixam a Capital rumo, principalmente, ao litoral. O Sistema Anchieta-Imigrantes tem movimento crescente e 1,4 milhões de carros devem deixar a cidade.

idades

Um bom 2012. Se o mundo não acabar. As previsões para 2012 são um misto de otimismo com uma pitada de pessimismo. Se os maias estiverem certos, o mundo acaba. Se errados, seremos todos felizes.

Sagitário dará força a Dilma

Valdir Sanches

2

A

presidente Dilma Rousseff estará muito bem em 2012, porque é de Sagitário. E esse será um dos signos que comandará o ano, como revela o vidente José Acleíldo. A astróloga Andréia Modesto traçou o horóscopo de Sagitário, para 2012. Alguns trechos: “É antes de tudo um signo de autoridade, um signo masculino de concentração e poder. Não raro é franco ou economiza palavras, falando pouco, tendo pouco interesse em se expor.” “Nos últimos tempos, Sagitário aprendeu muito sobre relacionamentos. É um signo de temperamento forte e refletiu bastante sobre quando se doa e quando se pode receber nas relações.” “É possível que encontre espaço para (...) vencer desafios, sobretudo no primeiro semestre de 2012, considerando que muitas das posições planetárias já marcaram o ano de 2011.” “Se existirem gastos excessivos no primeiro semestre, poderá ter que apertar o cinto depois de agosto.” “Cuidados com a saúde, porque pode ganhar peso, pular de um manequim para outro e o fígado sofrer com isto também.” Em suas previsões, José Acleíldo descobriu que o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, tentará impressionar Dilma para uma possível formação de chapa à vice-Presidência. (V.S.)

MAX.

012 é um ano interessante, para muitos místicos e videntes: tem fim do mundo. Creem que no dia 21 de dezembro o sol nascerá alinhado com o centro da Via Láctea, coincidindo com o fim do calendário maia. Isso destruirá a Terra. Se não for assim, crê outra corrente, um corpo celeste chamado Nibiru, ou Planeta X, se chocará (na mesma data), com nosso planeta. A Nasa, a agência espacial norte-americana, se deu o trabalho de desmentir. Mas o frisson está no ar. Outra previsão, esta sem desmentido: o Corinthians será o campeão paulista de 2012. O autor desta profecia se assina ZYON3000, em página da web. Prevê, em compensação, que o Palmeiras vencerá o Campeonato Brasileiro. Ficará mesmo bom para os times paulistanos, se a previsão de Mãe Dinah, vidente famosa, se concretizar. O São Paulo vencerá a Libertadores, embora eliminando o Corinthians. Política – Na política, outro conhecido vidente, José Acleíldo, tem uma boa notícia para a presidente Dilma Rousseff. “Dilma terá muita vantagem, já que o 2012 será comandado por, entre outros signos, Sagitário, o mesmo da presidente”, disse em seu site (no texto ao lado, como será o ano dos sagitarianos). E Lula? Os búzios, a numerologia, as runas (baseadas em pedras) preveem melhora de saúde. Mas o tarólogo (joga as cartas) Maurício Mantelli é mais otimista. Diz que Lula vai voltar à política com muita força. “Estará tão bem, que vai tentar a presidência novamente.” Lula para presidente, quem diria... Conciliação – No embalo do otimismo, vai também José Acleíldo. O Brasil virou vitrine do mundo. Em 2012 será o berço da conciliação mundial e do diálogo. O Rio de Janeiro, por sua vez, sofrerá “limpeza profunda”. “Poderemos atravessar aquela cidade com nossos anéis e relógios, sem sermos molestados.” Não fala em limpeza em Brasília, onde mora. E prevê que, apesar das acusações de malfeitos, o governador Agnelo Queiroz conseguirá “concluir seu destino político”. Arte – Em outra área, a artística, uma espécie de obituário premonitório frequenta blogs e sites. Mas a informação desejada – quem vai morrer em 2012 – não é confirmada por búzios, cartas de tarô, números, mapa astral, guias de pais e mães de santo. Em um deles: “Famosa apresentadora da TV brasileira deve falecer em 2012”. Podia-se falar também em famoso cantor. A aposta na morte de Hebe Camargo e Roberto Carlos vem de pelo menos 2008, e no entanto eles continuam sãos e lampeiros. Os dois estão em uma lista de doze nomes, ao lado de Sílvio Santos, Sean Connery, Michael Douglas e Roger Moore. Antes dos nomes, há uma advertência: “Essa lista não afirma quais artistas morrem em 2012, apenas mostra os que devem cuidar melhor da saúde.” Toc, toc, toc (três pancadas na madeira). Ambiente – Na área ambiental, no drama do aquecimento global, o Brasil não vai mal, a se confirmarem as premonições de Juscelino Nóbrega da Luz, premonitor. Num vislumbre de 31 anos, até 2043, enumera os países que mais sofrerão com o fenômeno.

CONTAGEM REGRESSIVA Juca Varella/Folhapress

Movimento na Imigrantes

CET prevê êxodo de 1,4 milhões de veículos

O

s motoristas que deixaram a Capital rumo ao litoral ou ao interior enfrentaram congestionamentos nas estradas. A Companhia de Engenharia de Tráfego estimou que 1,4 milhão de veículos (de um total de 7 milhões) deixarão a cidade devido ao Réveillon. Segundo a Ecovias, que administra o sistema Anchieta-Imigrantes, desde a 0h de terça-feira até as 19h de ontem, cerca de 277 mil veículos desceram em direção ao litoral. A Ecovias estima que entre 500 mil e 735 mil veículos trafeguem em direção às praias da Baixada Santista até o final do dia 1º de janeiro. (Folhapress)

Wilton Junior/AE

Balsas foram inspecionadas

Tudo pronto para a queima de fogos no Rio

A

Holanda em primeiro lugar. Japão em quinto. Estados Unidos em sétimo. No fim da lista o Egito, 70% do continente africano, Rússia, China e, no 52º lugar - o topo -, o menos prejudicado, o Brasil. Apesar disso, Juscelino alerta para tempestades em vários Estados e aconselha: “Proteja sua família, pois os ventos ficarão muito piores a partir do ano que vem.” Maias – O astrólogo Guilherme Salviano, há 23 anos vergado sobre o Mapa Astral, tem uma informação que traz grande alívio: o mundo não vai acabar em dezembro de 2012. “Assim como em 2011, 2000, 1999, 1988, e em outras diversas vezes, em que alguns provavelmente ouviram algo a respeito, o novo fim do mundo marcado para 2012 certamente passará batido”, escreve em seu site. Tu d o n ã o p a s s a d e u m a confusão criada pelo fim do calendário maia, de 5.126 anos. “É como se a conta de dias do calendário começasse em 3114 antes de Cristo e se encerrasse no final de 2012”. Nesse período, ocorrerá apenas o fim do calendário. “Se isso fosse o fim do mundo, o mundo acabaria em todo 31 de dezembro.”

Capitania dos Portos concluiu ontem a inspeção das 17 balsas que vão levar os fogos de artifício a três praias do Rio de Janeiro na noite de sábado. De acordo com o comandante Walter Bombarda, capitão de Portos, as embarcações estão autorizadas a navegar e garantir a queima de fogos nas praias de Copacabana e Flamengo, na zona sul do Rio e de Icaraí, em Niterói. Do total de balsas vistoriadas e liberadas, 11 estarão atracadas na praia de Copacabana, onde se espera o maior público durante o Réveillon deste ano. (Folhapress)

Aqui, dicas para uma boa entrada

A

elegância da roupa não é tudo, no Réveillon. O importante é a cor. Quem usar, em roupa ou acessório, a cor certa – a sua cor – vai impulsionar 2012, encontrar prosperidade e realização. Pelo menos é o que prevê a numeróloga Aparecida Liberato, há vinte anos às voltas com os números. E qual é a cor certa de cada um? Simples. Some o dia de seu aniversário, com o mês do aniversário, mais o número seis. Quem nasceu em 27 de agosto: 27+8+6 = 41. Agora somam-se o 4 e o 1 de 41 = 5. “Sua energia para a noite do Réveillon é 5.” (Sejam quais fo-

rem dia e mês de nascimento, sempre se deve somar o 6). Energia número 5: “Clima de muito movimento, você vai preferir passar a virada num navio, num luau na praia. O objetivo é evitar o convencional. Nada de roupa comum: é preciso um traje novo. O azulclaro é a sua cor neste réveillon. Contribui para entrar em 2012 com uma energia de paz. Diminui o caos, remove bloqueios e favorece o fluxo de energia vital.” Cores correspondentes ao número obtido com a soma do dia e mês de aniversário: 1, vermelho; 2, laranja; 3, amarelo; 4, verde; 5, azul-cla-

ro; 6, azul royal; 7, lilás; 8, tons de bege a marrom; 9, rosa. O número dois, laranja, é decisivo. “Se você estiver com uma companhia pode acreditar que vai querer viver com ela para sempre! A Lua, associada ao número 2, vai influenciar o romantismo. Ter alguém com quem brindar, abraçar, ficar juntinho é o seu desejo. Faça uma ceia a dois, com velas e músicas românticas. Passe os minutos imediatamente antes e depois da meia noite de mãos dadas. A cor laranja é associada ao instinto, por isso sinta a emoção do encontro e da troca.” (V.S.)

Na Paulista, assédio por um bom lugar

À

s vésperas da virada de a n o, m o ra d o re s d a avenida Paulista enfrentam o assédio dos amigos e conhecidos que buscam companhia e um camarote com vista privilegiada para a festa do Réveillon. E a procura é grande: afinal, são poucos os edifícios residenciais na avenida mais famosa da cidade. A Associação Paulista Viva estima que sejam em torno de 15 residenciais, três de uso misto e 73 comerciais. Juntos, os prédios residenciais somam cerca de 5 mil moradores. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

c

9

Esta comemoração representa o nosso empenho para que São Paulo fique mais bonita e atrativa para seus moradores e turistas. Rogério Amato, presidente da ACSP

idades

60 mil balões para saudar o Ano Novo A Associação Comercial de São Paulo realiza hoje, às 12h30, no Pátio do Colégio, sua tradicional festa de soltura de balões. Depois, uma queima de fogos. André de Almeida

Fotos de Chico Ferreira/Luz

P

ara comemorar o término de 2011 e saudar o início do Ano Novo, a Associação Comercial de São Paulo (ACSP) vai enfeitar hoje o céu da cidade com 60 mil balões biodegradáveis. A tradicional festa, promovida pela entidade sempre no último dia útil do ano, desde 1992, acontecerá às 12h30 no Pátio do Colégio, centro de São Paulo. Uma grande queima de fogos encerrará o evento. Este ano, os balões trarão a mensagem "Feliz 2012!", além de "ACSP" e "Facesp", referindo-se à Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo. Para o presidente da Facesp e da ACSP, Rogério Amato, é de extrema importância a entidade manter a tradição de saudar a cidade com os balões de fim de ano. "Esta comemoração representa o nosso empenho para que São Paulo fique mais bonita e atrativa para seus moradores e turistas. Enfeitar o céu da cidade no último dia útil do ano serve também para comemorar tudo de bom que juntos conquistamos em 2011", afirma Amato. A iniciativa surgiu com os office-boys da entidade, em 1992, quando resolveram soltar 100 balões ao invés de jogar papéis picados pelas janelas do prédio, como era tradição. No ano seguinte, alguns funcionários também aderiram à comemoração e o número de balões aumentou. Em 1994, quando a diretoria da ACSP assumiu o evento, foram soltos cinco mil balões. O número continuou aumentando ano após ano, chegando a 114 mil para comemorar os 114 anos da Associação Comercial, em 2008, ação que colocou a entidade no

Eduardo Tannis (acima) é o responsável pela montagem da estrutura física da festa. À direita, os trabalhos que começaram na tarde de ontem. Mais ao lado, as redes que vão segurar os 60 mil balões feitos em látex biodegradável, enchidos com gás hélio. Eles chega, a atingir a altitude de sete mil metros.

Livro dos Recordes. Preparativos - Os preparativos para a festa começaram ontem por volta das 14h, quando teve início a montagem das estruturas de alumínio (aproximadamente 500 metros de barras lineares). As estruturas são presas ao chão por meio de 1,5 mil quilos de areia. Mais de 50 pessoas

trabalharão no enchimento dos balões, hoje pela manhã. Ao todo, são 60 mil balões ocupando uma área de 400 metros quadrados. "Certamente é o maior evento de soltura de balões do Brasil, tanto em importância quanto em número de bexigas", afirmou Eduardo Tannis, proprietário da

Premium Balões, empresa responsável pelo evento desde o inicio, há 19 anos. Os balões são feitos de látex natural, são biodegradáveis e enchidos com gás hélio - não inflamável - mantendo o caráter ecológico da festa. Para encher as 60 mil bexigas serão utilizados quase 500 metros cúbicos de hélio. Depois de

soltos, eles podem atingir uma altura de até sete mil metros, quando costumam estourar no ar. Eles murcham completamente em um período de oito horas. Até hoje, em 19 edições, não há registro do paradeiro das bexigas depois de soltas. Devido ao fato dos balões atingirem essa altitude elevada,

o evento precisa de autorização prévia da Aeronáutica para poder ser realizado. Há cerca de um mês a autorização foi concedida pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). "Não há riscos de os balões causarem a queda de aeronaves. Estamos confiantes que proporcionaremos uma linda festa a todos", diz Tannis.

PRIMEIRO MUNDO DISTANTE

A

rede de restaurantes Bom Prato – 18 unidades na Capital a R$ 1 por pessoa – preparou cardápios especiais, a serem servidos hoje, para festejar o Ano Novo. Um rápido exame da lista divulgada indica que a melhor opção é a de São Miguel Paulista. Festa (alface, rúcula, maçã, manga e figo fresco); copa de lombo perfumado (especiarias, anis-estrelado, canela, pimenta-do-reino, talos de coentro, cravo);

Macarrão da Virada (manteiga, passas, presunto, ervilha, molho branco e salsa). Sobremesa: ameixa. Suco de laranja. A mais modesta é a mesa no Tucuruvi: alface com tomate; filé de frango à milanesa; macarrão com brócolis. Sobremesa: figo fresco. Suco de Jabuticaba. O de Campos Elíseos também anuncia um almoço atraente: salada colorida (repolho roxo, cenoura, milho verde, cebola e salsão); frango frito ao molho de manga e gengibre; Legumes Réveillon (batata, ervilha, champignon, brócolis e couve-flor). Sobremesa: nectarina. Suco de uva.

A

USP, A UM PASSO DA ETERNIDADE.

À

Divulgação

RÉVEILLON A UM REAL

comparação entre os serviços de metrô de São Paulo e Londres revelará que temos muito chão para chegar à qualidade de vida de lá, embora tenhamos acabado de ultrapassar a Inglaterra em grana, conforme está sendo amplamente noticiado. A população da Grande Londres – cerca de 14 milhões – é servida por 11 linhas, que reúnem 270 estações. Em média, 2,5 milhões de passageiros/dia se distribuem nessa fartura. A rede soma 400 km. Nós, aqui, temos modestos 74,3 km nos quais se comprimem 3,4 milhões de passageiros/dia, fazendo concorrência às sardinhas em lata. São quatro linhas e uns quebrados, pois a Amarela não opera com plena capacidade, que somam 64 estações. Um detalhe: nos fins de semana a rede londrina transporta 3,4 milhões de passageiros/dia, quase um milhão acima dos dias comuns, quando em São Paulo ocorre redução de usuários. Isto leva a crer que os súditos de Sua Majestade passeiam e se divertem mais do que os paulistanos. A única afinidade entre os dois sistemas é a velocidade de 80 km/h dos trens londrinos e dos das linhas 4 e 5, uma vez que as composições nas nossas linhas 1,2 e 3 anadam a 100 km/h. Convém lembrar que o transporte londrino é dirigido por uma empresa estatal que responde pelas linhas de ônibus (700 rotas 24 horas), metrô e trens.

semelhança do ano de 1968, que jamais chegou ao fim no inspirado livro do jornalista Zuenir Ventura, 2011 também está correndo o risco de não acabar, pelo menos na Cidade Universitária. O ano letivo foi interrompido em novembro por uma greve de estudantes que, a julgar pela mobilização dos comandos grevistas, vai prosseguir em 2012 e já tem data marcada para sua retomada: exatamente o primeiro dia de aula. Trata-se de uma tática inteligente, pois a ideia é cooptar os calouros – cerca de 10 mil –, que poderão dar novo fôlego ao movimento claramente dividido, conforme esclarece o noticiário dos

jornais nas últimas semanas. Um dos recursos utilizados pelos comandos foi o de retirar as carteiras das salas de aulas e empilhá-las nos corredores, considerando que é difícil conservar a disposição para aprender alguma coisa após algumas horas em pé. É possível que os calouros encontrem o mesmo cenário quando fizerem sua estreia acadêmica. Os grevistas são contra a presença da Polícia Militar no campus, apesar de latrocínios, incontáveis estupros e assaltos. A situação soa irônica, se for lembrado o lema impresso no brasão da USP: Scientia Vinces (Vencerás pela Ciência).


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10 -.LOGO

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Logo Logo www.dcomercio.com.br

Calendários para um 2012 arrojado Faltando pouco mais de 24 horas para 2012 está mais do que na hora de escolher um calendário pra lá de arrojado. E o que não faltam são opções. O site Design You Trust escolheu 33 variedades, todas produzidas por talentosos designers gráficos. Para entrar no Ano Novo com o pé direito. http://designyoutrust.com/2011/12/27/33 -cool-and-unique-calendars-for-year-2012/

S UCESSO A BELHA RAINHA

S AÚDE

Michel Teló na Forbes

Finbarr O'Reilly/Reuters

já ouviu falar de Michel Teló? Você ainda vai". É o "queVocê diz uma reportagem pu-

30, segue os passos das estrelas da internet Justin Bieber e Rebecca Black, com seu hit Ai Se Eu Te Pego, que já foi visto mais de 94 milhões de vezes no Youtube, e foi traduzido e legendado em várias línguas, incluindo o inglês, polonês, grego e hebraico. A Forbes termina a reportagem dizendo que "parece que o mundo inteiro está prestes a "pegá-lo", de fato". http://www.youtube.com/ watch?v=hcm55lU9knw

Armin Weigel/AFP

L

Abelha recolhe pólen de uma camélia no parque Greenwich, em Londres. Um dos maiores espaços verdes do sudeste da capital inglesa, Greenwich, um "parque real", era antigamente um local onde a nobreza praticava a caça.

blicada ontem no site da revista norte-americana Forbes, que mapeia o sucesso do músico sertanejo e o compara ainda com o alcançado por Carmen Miranda, Xuxa e Ronaldo, por exemplo. "A história nos diz que é muito difícil um brasileiro se tornar uma estrela internacional, como Carmen Miranda nos anos 1940, quando (a can-

tora) tomou Hollywood de assalto", conta o artigo. A reportagem fala ainda sobre o sucesso de Xuxa no início dos anos 1990, quando a apresentadora infantil chegou a assinar um contrato com a CBS e aparecer na lista das 40 pessoas mais bem pagas do entretenimento em 1991. Cita ainda Gisele Bündchen e os jogadores Ronaldo e Ronaldinho, que conseguiram se tornar famosos no exterior, antes de dizer que Teló,

1 BATMAN, 9 VERSÕES

Chico Anysio "inspira cuidados" Boletim divulgado ontem pelo Hospital Samaritano, do Rio, informou que o humorista Chico Anysio, 80, "voltou a apresentar sangramento no aparelho digestivo" e que seu estado "ainda inspira cuidados". A hemorragia no estômago foi o que levou Anysio a ser internado no último dia 22, um dia após ter tido alta de uma internação anterior, por conta de uma infecção urinária. No dia 25 foi detectada uma pneumonia. Segundo o hospital, o paciente ainda respira com a ajuda de aparelhos. Não há previsão de alta. F UTEBOL

Tem chinês no time do Corinthians

Anos 1960/70

TV, 1973

Cinema, 1989

Quadrinhos, 1993/94

TV, 1999/2001

L

Quadrinhos, 1939

Está decidido que o Corinthians terá em seu elenco em 2012 um reforço vindo da China, como uma forma de tentar penetração de marca no maior mercado consumidor do mundo. A diretoria do clube estuda nomes e pretende anunciar o jogador já em janeiro, mas assegura que a contratação estrangeira não chega meramente como peça figurativa de marketing. Segundo o presidente Roberto de Andrade, o jogador chinês que reforçará o Corinthians está no primeiro nível do país.

FÉ GELADA - Fiéis participaram ontem da inauguração de uma igreja católica de gelo construída em Mitterfirmiansreut, no sul da Alemanha. O centro religioso fica localizado na Floresta da Baviera, na fronteira da Alemanha com a República Tcheca.

P OLÊMICA

Quadrinhos, 2009

Teatro, 2011

Quadrinhos, 2012

Agência diz que Chita morreu em 38

Menos de 24 horas após ter sua morte anunciada, Chita, 80, o chimpanzé do Tarzan, é alvo de uma polêmica. Segundo a agência AP, registros em Hollywood indicam que um chimpanzé conhecido como Jiggs, que atuou nos filmes, teria morrido em

Espécies raras na Escócia Um peixe sem cérebro e sem rosto foi uma das 15 espécies raras descobertas durante uma série de pesquisas marinhas este ano na Escócia. As fotos foram divulgadas ontem. O Amphioxus pré-histórico, descrito por cientistas como "inacreditável", pode ter sido um dos primeiros animais a desenvolver uma espinha dorsal. Mexilhões gigantes com conchas medindo até 48 centímetros também foram achados. As pesquisas marinhas cobriram uma área de mais de 2 mil quilômetros quadrados. Segundo o secretário De Meio Ambiente daquele país, Richard Lochhead, as águas ao redor da Escócia são ricas em biodiversidade. "É nosso dever proteger esse frágil e fascinante ambiente", declarou.

1938. Além disso, a agência aponta a incoerência na idade do animal. Segundo especialistas, um chimpanzé vive entre 40 e 60 anos; a idade cai para 50 anos em caso de criação em cativeiro. Um animal de 80 anos estaria entre os mais velhos do mundo.

S

IA L OTER

hamento Até o fec ição, os desta ed os não resultad estavam eis. disponív


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

e

11 PIS e PASEP 2,3 milhões de trabalhadores não sacaram o abono dos programas

conomia

PETROBRAS Estatal anunciou criação de terceiro campo no pré-sal na Bacia de Santos

Feliz Ano Velho! Leão abocanha R$ 1,5 trilhão em 2011. Marca recorde foi registrada às 17h30 de ontem. Até os últimos instantes deste ano ainda cresce R$10 bilhões. Rafael Nardini

O

Leão mostrou ao longo de 2011 um apetite incomum. Antes da virada do ano, o Fisco alcançou um recorde histórico na arrecadação. O painel do Impostômetro, instalado na fachada do prédio da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), no Centro, chegou ao recorde de R$ 1,5 trilhão de arrecadação de impostos federais, estaduais e municipais, por volta das 17h30 de ontem, superando os R$ 1,29 trilhão de todo o ano passado. A previsão da ACSP é de que até a meia-noite de sábado a arrecadação de impostos chegue a R$ 1,51 trilhão, representando aumento real no recolhimento de tributos de 11% em relação a 2010 (descontada a inflação de aproximadamente 6,5%). O economista-chefe da ACSP, Marcel Solimeo, avaliou que a marca de R$ 1,5 trilhão mostra que se há algum problema nas finanças públicas do País, dos estados e das cidades não é devido à arrecadação. "O governo recebeu ainda mais dinheiro neste ano. A arrecadação deve ter crescimento real de 10% e sabemos que a economia não vai crescer nem perto disso", afirmou. O economista-chefe acredita que o grande problema é que a sociedade brasileira não recebe serviços compatíveis com seus pagamentos. "No condo-

mínio, o síndico é quem gasta. Quando é bem feito, todos usufruem. Mas o dinheiro mal gasto também afeta todos moradores", disse. As projeções para 2012 são de crescimento na arrecadação, com alta semelhante à registrada neste ano. "Como o governo espera crescer 3,5% (em relação ao Produto Interno Bruto, PIB do País), a média de aumento na arrecadação em 2012 deve ser a mesma vista nos dois últimos anos", afirmou Solimeo. Para o economista-chefe, o governo só não verá suas receitas crescerem na faixa de 10% se o ritmo da eco-

A arrecadação deve ter crescimento real de 10% e sabemos que a economia não vai crescer nem perto disso. MARCEL SOLIMEO, DA ACSP nomia se mantiver menos aquecido, como nos últimos meses de 2011. Europa – É justamente por conta da má aplicação de recursos públicos que Solimeo não acredita que o Brasil alcance o nível de qualidade de vida europeu dentro dos próximos

20 anos, conforme afirmou o ministro da Fazenda, Guido Mantega, nesta semana. "Se não começarmos agora a tratar a educação realmente como algo fundamental, não vai ser nem em 20 nem em 30 anos. Crescimento é uma coisa e desenvolvimento é outra", afirmou. Para Solimeo, um país pode ser rico, mas sem melhoria do sistema educacional, a população não vai poder usufruir de melhor qualidade de vida. "Há países produtores de petróleo que são ricos, mas o povo não tem condições de vida compatível com essa riqueza." Edgar Mochioti, proprietário da banca de jornais instalada no Centro, próxima ao painel do Impostômetro, afirmou que o placar virou um "ponto turístico" para gente de todos os lugares. "Um maço de cigarros custa R$ 5 e a fábrica fica com R$ 1", disse. Segundo os dados do site do Impostômetro (www.impostometro.com.br), com R$ 1,5 trilhão seria possível fornecer mais de 10,712 bilhões de bolsas família, conceder cestas básicas para toda a população brasileira por 4,701 bilhões de meses, comprar mais de 42,851 milhões de casas populares ou 55,548 milhões de carros e pagar mais de 2,751 bilhões de salários mínimos. Informações – Quem aces-

Fotos: Chico Ferreira/LUZ

O Impostômetro, instalado na fachada da sede da ACSP, no Centro, indica o recorde na tarde de ontem.

sa o portal pode ver a arrecadação em diferentes períodos, como ano, mês, dia, hora e minuto. Além disso, também é possível analisar a composição da receita tributária por estado, município, por habitante e por imposto. O I m po s t ô me t ro foi lançado em abril de 2005 pela ACSP e o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT). Para manifestar opinião sobre a aplicação dos recursos, o leitor pode acessar o site www.horadeagir.com.br e registrar seu depoimento.

Edgar Mochioti, dono de banca de jornais: painel virou ponto turístico.

ICMS fora do cálculo da Cofins? Questão para 2012. Renato Carbonari Ibelli

A

exclusão do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) da base de cálculo da Cofins promete ocupar o tempo dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) em 2012. Para tributaristas consultados pelo Diário do Comércio, essa tende a ser a demanda judicial mais aguardada pelos contribuintes no próximo ano. O impacto da decisão é grande: a exclusão do tributo estadual do cálculo dessa contribuição social implicaria redução significativa dos valores recolhidos aos cofres da União. Essa discussão é antiga. Em 2006, por seis votos a dois, os ministros do STF caminhavam para a aprovação da exclusão do ICMS da base de cálculo da Co-

fins, validando um recurso impetrado por uma empresa de autopeças. No entanto, a decisão não foi terminada, paralisada por uma Ação Declaratória de Constitucionalidade (ADC) movida pela União. Desde então a questão ficou em suspenso, até que em outubro último passou a ser novamente debatida com afinco pelo Supremo. A matéria é polêmica. O tributarista Gilson Rasador, por exemplo, defende a exclusão. Segundo ele, "o ICMS não pode ser visto como custo, mas sim como despesa que onera a venda", portanto, não poderia fazer parte da base de cálculo da Cofins, que já incide sobre a receita das empresas. No lado oposto, o argumento da União usado para interromper o julgamento do STF tenta fundamentar o ICMS como sendo mais um custo da empresa, aos moldes da folha de paga-

mento. Essa posição validaria a inserção do imposto na base de cálculo da contribuição. A origem do debate está no arranjo tributário brasileiro, que

O ICMS não pode ser visto como custo, mas sim como despesa que onera a venda. GILSON RASADOR, TRIBUTARISTA

adotou a chamada tributação "por dentro" para alguns impostos. Por esse modelo, alguns tributos inevitavelmente acabam incidindo sobre a própria base de cálculo ou sobre a base de cál-

culo de outros tributos. Para o tributarista Gastão de Toledo, há razão no posicionamento da União. "O ICMS é calculado por dentro por força da Constituição. Mas o mais importante é que não se pode descaracterizar o ICMS do papel de tributo por conta de uma técnica de arrecadação", diz Toledo. Nessa linha, o tributarista Kiyoshi Harada diz que "nos países que adotam a tributação por dentro, o valor do tributo representa o custo indireto das mercadorias e dos serviços tanto quanto o valor das matériasprimas, da folha de salários ou da margem de lucro". Mas Harada lembra que o impacto da exclusão do ICMS da base de cálculo da Cofins pode ser maior do que a esperada. Tecnicamente, levando em consideração apenas a alíquota média do ICMS na região sudeste, caso o posiciona-

mento do STF seja favorável à exclusão, as empresas dessa região teriam uma redução de 15% no recolhimento da Cofins. Mas a questão é mais ampla. "Se a tese da exclusão estiver correta, ela valerá para outros casos. Ou seja, nenhum tributo poderá ter na sua base de cálculo o valor do próprio tributo e o valor de outros tributos", comenta Harada. Daí a importância do tema que, segundo Rasador, deve ser definido em 2012. Mesmo com as alterações de ministros do STF, Rasador acredita que os antigos seis votos favoráveis à exclusão devam permanecer válidos e computados à nova votação. Para tanto, antes será preciso julgar a ADC movida pela União. Caso ela seja derrubada, o governo tem ainda uma outra linha de defesa: poderá entrar com uma ação rescisória contra o processo iniciado em 2006.


12 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

e

13 A taxa em 12 meses ainda vai desacelerar. É possível que em janeiro já esteja abaixo de 5%. Salomão Quadros, da FGV

conomia Dirceu Portugal/ AE

Redução das cotações das commodities foi principal responsável pela desaceleração do indicador. O preço do milho caiu 7,04% no mês.

IGP-M tem forte recuo Em dezembro, o índice que reajusta os aluguéis caiu 0,12% e, em 12 meses, acumulou alta de 5,1%, menos da metade dos 11,32% do ano passado.

O

Índice Geral de P re ç o s - M e rc a d o (IGP-M), principal parâmetro para a correção de contratos de aluguéis, registrou deflação em dezembro, em meio à forte queda nos preços do atacado, com destaque para o minério de ferro. A Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgou que o IGP-M caiu 0,12% em dezembro, ante uma alta de 0,5% em novembro. A deflação refletiu principalmente a queda nos preços das commodities.

O recuo nos preços das matérias-primas ao longo do ano contribuiu para a desaceleração do IGP-M em 2011. O indicador acumulou de janeiro a dezembro alta de 5,1% – menos da metade do salto de 11,32% registrado em 2010. A forte desaceleração em 2011 se deve à menor inflação no Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que representa 60% do IGP-M e que em 2011 subiu 4,34%, ante alta de 13,9% no ano anterior. Em dezembro, o IPA recuou

0,48%, ante alta de 0,52% em novembro, puxado sobretudo pelo tombo de 6,96% do minério de ferro em relação a novembro. Também milho em grão (7,04%) e soja em grão (3,53%) despencaram. "A forte queda no preço das commodities, tanto agrícolas como industriais, foi determinante para a deflação do IGPM", afirmou a economista Alessandra Ribeiro, da Tendências Consultoria. Os produtos agropecuários recuaram 0,82% em dezembro,

ante alta de 0,6% em novembro, enquanto as commodities industriais caíram 0,36%, depois de subirem 0,49% no mês passado. O índice de matériasprimas brutas teve queda de 1,98% em dezembro, depois da alta de 0,73% em novembro. D es a ce l er a çã o – O movimento de desaceleração na reta final de 2011 tem potencial para perdurar até, pelo menos, o primeiro semestre do próximo ano, de acordo com a avaliação do coordenador de Análises Econômicas da Fundação

Getúlio Vargas (FGV), Salomão Quadros. "A trajetória de desaceleração do indicador em 12 meses ainda não foi concluída. Mesmo que não tenhamos nova deflação nos próximos dois ou três meses, a taxa em 12 meses ainda vai desacelerar. É possível que em janeiro já esteja abaixo de 5%", afirmou. "Até a metade do ano, o índice deve continuar arrefecendo", completou. Essa expectativa tem por base a previsão de continuidade do comportamento de baixa

dos preços de commodities, que foram os grandes responsáveis pela queda do indicador em dezembro. "O segundo semestre do ano já teve taxas, de maneira geral, menores, embora tenha havido certa pressão do câmbio (na metade do semestre). A queda das matérias-primas estava sendo mascarada pela pressão cambial, mas agora não tem mais a barreira do câmbio. O que está predominando é o recuo nos preços das commodities", destacou. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

14

e

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Quem gosta de pobreza é intelectual, pobre gosta é de luxo. Jãozinho Trinta, carnavalesco que faleceu em 2011

conomia

QUE VENHA 2012 Fotos: Divulgação

O

ano que se encerra deixa um rastro de preocupação, mas também um saldo positivo. O Brasil, apesar dos contrastes sociais e movido pelo efeito cambial diante da desvalorização do dólar e do euro por força das crises dos mercados globais, chega ao topo das maiores economias do mundo, em honrosa sexta posição. A preocupação está em como manter essa posição e conquistar novas, com crescimento que beneficie não apenas estatísticas, mas, sobretudo, o principal ator do processo: o brasileiro. Sem ufanismos, a conquista é fruto da inclusão social das classes C, D e E na era Lula. E foi justamente a inclusão desses brasileiros no mercado consumidor que evitou maiores solavancos na economia. A queda nas exportações de commodities face às turbulências internacionais foi amplamente compensada por um mercado interno voraz e cada vez mais promissor, que não para de comprar e sonha com dias fartos. Sobrevivemos e bem, apesar das cassandras e das aves de rapina, muitas a serviço da especulação e sempre apostando no quanto pior melhor. Aquele complexo de "siri", de andar para trás, a que lamentavelmente muitos parecem emprestar a voz e bem que podia sair de cena no ano que se inicia. É preciso ter esperança sempre, acreditar, crescer e ir em frente. É, afinal, com fé e pé na tábua que venceremos esse atraso e calaremos as cassandras, embora façam parte do jogo, especialmente do político. O mercado publicitário como não poderia deixar de ser viveu 2011 de forma intensa. As agências ainda penam para falar com o novo e emergente consumidor. Erram nessa comunicação, mais que acertam, mas conseguem vender o "peixe" de uma grande quantidade de novos produtos e serviços estimulando a sempre bem vinda competição. Joãozinho Trinta que partiu neste ano de 2011, deixou de legado uma forma clara de ver o mundo que os publicitários poderiam aprender: "quem gosta de pobreza é intelectual, pobre gosta é de luxo". A classe C, D e E sonham com o que há de melhor, portanto nada de oferecer paliativos. A competição é pelo preço. Muitos publicitários ainda sofrem também para entender o fenômeno

SORVETE NA PRAIA

IVETE Sangalo canta na orla do Guarujá em janeiro

TAMPINHAS campanha de verão 2012 de Coca-Cola chega para contagiar os adolescentes. O hit "Can You Feel It Tonight", da banda inglesa One Night Only, ganha versão em português com o Di Ferrero, vocalista da banda NXZero e dá ritmo à campanha "Abra a Felicidade e Colecione". Partindo do insight de que os jovens adoram colecionar como forma de ajudá-los a se expressar, a campanha irá estimular este público a colecionar tampinhas decoradas com temas musicais presentes nas embalagens de vidro (290ml e 200ml). São 30 modelos com referências sonoras, como as famosas 5 notas "ô ô ô ô ô" e expressões como "Yeah Yeah". As tampinhas vêm ainda com uma inovação. Cada arte representa um som virtual que pode ser habilitado no site da Coca-Cola..

A

das redes sociais e como dele tirar proveito. A mídia tradicional começa, na dianteira, a perceber a importância da interatividade. Afinal, são jornais, revistas, emissoras de rádio e televisão, além do cinema, os donos da bola do novo mercado: o conteúdo. As redes sociais mostraram força. Driblaram ditaduras reais e muros que se ergueram e se enraizaram contra o livre pensamento. Mudaram o mapa político do mundo árabe, arregimentaram público para manifestações, foram porta-vozes de quem antes não tinha canal para se expressar. Mas a credibilidade continua a ser fator determinante. Agências e marcas sabem que quanto maior a exposição, maior a recompensa e também

ANO XXV ANO XXV

APOIO:

CENOFISCO Apoio: Cenofisco

SALÁRIO UTILIDADE www.orcose.com.br

maior o arranhão quando não se anda na linha. A espanhola Zara, antes exemplo fashion, encerra o ano como exemplo que não deve ser seguido: usar mão de obra escrava é totalmente fora de moda, ainda mais que o fez em território brasileiro. E gastar apenas em publicidade não resolve o problema, é preciso investir numa produção digna de respeito. Enfim, um novo ano, com muitas expectativas começa e que 2012 seja pleno de sonhos realizados e projetos desengavetados. Feliz 2012 a todos nós, sem mão de obra escrava e sem juízes sem juízo querendo instaurar uma nova ditadura no solo brasileiro. Não passarão. 2011 é que acaba de passar.

Envie informações para essa coluna para o e-mail: carlosfranco@revistapublicitta. com.br

SEXTA-FEIRA, 30 DE DEZEMBRO DE 2011

Empresa disponibiliza carros da sua frota para seus funcionários irem

de casa para o trabalho,e do trabalho para a casa,ela pode efetuar o desconto de 6% referente o vale-transporte? Saiba mais acessando a íntegra no site:[www.empresario.com.br/legislacao]. MENORDEIDADE,COM15ANOS,ASSISTIDOPELOREPRESENTANTELEGAL, PODECONTRIBUIRPARAOINSSSOBREARETIRADADOPRÓ-LABORE? A idade mínima exigida para inscrição do segurado, em qualquer categoria, é de 16 anos. Assim, o menor, mesmo representado pelos responsáveis,não poderá contribuir ao INSS,somente após completar 16 anos.Base legal:Decreto nº 3.048-1999. MARIDOEMULHERQUEPOSSUEMTRÊSFILHOS,MASTRABALHAMEM EMPRESAS DIFERENTES,AMBOS TERÃO DIREITO A SALÁRIO -FAMÍLIA? A lei estabelece que quando o pai e a mãe são segurados empregados ou trabalhadores avulsos, ambos têm direito ao salário-família.Portanto, tanto o pai quanto a mãe terão direito a receber o valor referente ao salário-família em relação ao mesmo dependente. Base legal: Decreto 3048/99. CONTRIBUIÇÃO SINDICAL PATRONAL As empresas optantes pelo simples nacional devem recolher a contribuição sindical patronal? Saiba mais acessando a íntegra do conteúdo no site: [www.empresario.com.br/legislacao]. TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO Contrato de trabalho por tempo determinado ou temporário? Qualquer empresa pode contratar dessa forma? Saiba mais acessando a íntegra do conteúdo no site:[www.empresario.com.br/legislacao]. COOPERATIVA DE TRANSPORTE A empresa tomadora de serviços está obrigada a reter INSS sobre o valor de serviços prestados por cooperativa de transporte? Saiba mais acessando: [www.empresario.com.br/legislacao]. ABONO DE FÉRIAS Nas férias coletivas o funcionário pode optar por receber os 10 dias de abono? Saiba mais acessando:[www.empresario.com.br/legislacao]. AGENDA FISCAL® JANEIRO/ 12 Informação com orientação sobre os vencimentos do mês de Janeiro. Acesse a íntegra no site:[www.agenda-fiscal.com.br].

3292 9300 www.contabil.com.br

11

Controle e administração de tributos • Gerenciamento de recursos humanos • Auditoria legal e tributária • Assessoria e consultoria fiscal, tributária e societária

SOLUÇÕES EM CONTABILIDADE

© HÍFEN – todos os direitos reservados

BOAS FESTAS E PRÓSPERO ANO DE 2012

capital-dez/11

REFERÊNCIAS sonoras nas garrafas

O CRESCIMENTO do País deve beneficiar o brasileiro

2010

www.agenda-empresario.com.br

Nestlé invade as praias de São Paulo com o Projeto Verão 2012, que será realizado no Guarujá e em Ubatuba. A marca será uma das patrocinadoras do evento Verão Show Guarujá 2012, que vai trazer grandes nomes da música brasileira, como Ivete Sangalo e Michel Teló, além de Jorge & Mateus, Gusttavo Lima e Humberto & Ronaldo. As ações para a temporada estão alinhadas com a estratégia da Nestlé de estar ao lado do consumidor nos bons momentos da vida, dentro do conceito de Nutrição, Saúde e Bem-Estar. E, claro, vendendo muito sorvete para refrescar o verão que promete termômetros em alta neste 2012.

A

DEBORAH apresenta carro global da Ford em Brasília no dia 4

NOVAS FORMAS namoro de Deborah Secco com a Ford continua em 2012. Estrela da marca neste ano, a atriz será a anfitriã do primeiro e, talvez, o mais importante evento da montadora nos últimos anos: a apresentação do primeiro carro global desenvolvido por brasileiros, que acontece no próximo dia 4 de janeiro. O palco escolhido pela Ford foi Brasília, cidade famosa por seu design arrojado. O carro pretende ser exemplo de versatilidade e design arrojado. A cidade desenhada por Oscar Niemeyer e Lucio Costa é exemplo para todo o mundo de uma arquitetura arrojada, embora muitos dos políticos e, agora, em parceria com o Judiciário, em uma defesa sem sentido de que juiz não pode ser fiscalizado continuem a apostar no atraso.

O

CASAMENTO NO CINEMA rede Kinoplex vai realizar uma festa na sala de exibição no Parkshop, em Brasília. Aline de Andrade Ferreira e Lucas Beserra e Silva serão os felizardos a realizar o primeiro casamento na rede Kinoplex no Brasil. No dia 8 de janeiro, o casal estará vestido a caráter para comemorar a união com 200 convidados em uma cerimônia com direito à pipoca e refrigerante. Além disso, haverá bolo, doces e música ao vivo. Aline, publicitária, e Lucas, funcionário público, estão preparando curta metragem contando sua história de amor para ser exibida. Segundo Patricia Cotta, gerente de Marketing do Kinoplex, "a rede realiza aniversários, reuniões empresariais, sessões fechadas e projetos escolares em todas as salas de exibição."

A


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

e

ECONOMIA/LEGAIS - 15

conomia

País teve 75 recalls no ano Em oito anos, chamadas mais que dobraram.

E

m 2011, foram realizados no País recalls de 75 produtos, sendo veículos e motocicletas os produtos líderes, com 41 casos e 14 campanhas, respectivamente. A informação foi divulgada ontem pelo Ministério da Justiça. O número é menor que o registrado em 2010 (77 campanhas ao todo), mas em oito anos o total de recalls mais que dobrou no País – em 2003 foram 33 campanhas de chamamento para corrigir defeitos de produtos, sem nenhum custo. Em nota, o Ministério da Justiça ressaltou, no entanto, que o número ainda é bem diferente do registrado em outros países. Segundo o ministério, nos Estados Unidos, por exemplo, foram anunciados cerca de 60 recalls só neste mês. Risco – "Quando há o reconhecimento de eventual risco para o consumidor, a realização da campanha de chamamento elimina o risco e pode evitar acidentes de consumo", destacou Juliana Pereira, diretora do Departamento de Proteção

41 casos do total estão no segmento de veículos automotores, incluindo motocicletas. e Defesa do Consumidor (DPDC), na nota. Consumidor – O ministério lembra que, neste ano, o consumidor passou a contar com mais um canal de informação e controle de realização de recall. Uma portaria conjunta do Ministério da Justiça e do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) determina que as campanhas de recall de veículos não atendidas no prazo de um ano, a contar da data de sua comunicação, constarão no Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo do proprietário. (AE)

Procon notifica GM por causa do Captiva

A

Fundação ProconSP notificou a General Motors do Brasil Ltda. a prestar esclarecimentos sobre o prazo dado para o início da troca de peças dos veículos Captiva V6, ano 2011, com os chassis de número BS519983 a BS687625. No último dia 22, a GM comunicou aos proprietários a constatação de um defeito no resfriador do fluido da direção hidráulica. A empresa esclareceu que a substituição só ocorrerá em março de 2012, mediante a disponibilidade de peças. Em virtude do prazo amplo para o começo da substituição, o Procon-SP convocou a montadora. De acordo com a fundação, a GM informou "ter detectado aquecimento do fluido da direção hidráulica em razão da utilização do câmbio no modo manual

em primeira marcha por mais de cinco minutos consecutivos, com possibilidade de vazamento do fluido do reservatório da direção hidráulica, o que pode causar incêndio no compartimento do motor". Até que seja feito o reparo, "a recomendação da empresa é para que não seja utilizado o câmbio no modo manual e em primeira marcha por mais de cinco minutos com o motor em alta rotação (não há restrições quanto ao modo automático)", ainda de acordo com o Procon-SP. Os proprietários deverão receber uma carta com os procedimentos a serem observados até a substituição das peças. O recall envolve os modelos adquiridos da concessionária, ou de pessoa física, e não há prazo limite para atendimento à campanha. (AE)

Aeroviários obtêm 6,5% e descartam greve

O

Sindicato Nacional dos Aeroviários assinou ontem o acordo com as empresas aéreas fixando aumento de 6,5% para a categoria. O sindicato representa os funcionários que trabalham no solo. Inicialmente os aeroviários pediam reajuste de 10% e as empresas ofereciam 3%. Paralisações – Após uma assembleia realizada na noite de quarta-feira, os funcionários decidiram aceitar a proposta de 6,5% e mais 10% de aumento para os pisos. O acordo afasta o risco de greve às vésperas do Réveillon. A categoria chegou a fazer greve em aeroportos de

cinco capitais do País: Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Salvador e Fortaleza. A paralisação começou na quinta-feira da semana passada e terminou na sexta-feira. Não afetou voos. Em São Paulo, parte dos funcionários da TAM no aeroporto de Congonhas parou na quinta-feira, dia 22, causando atrasos nos voos. Mas a entidade que representa os trabalhadores que atuam dentro dos aviões, como pilotos e comissários, o Sindicato Nacional dos Aeronautas (Sina), já tinha aceitado a proposta feita pelas empresas aéreas, de reajuste de 6,5%, e suspendeu a greve da categoria. (Folhapress)

B. I. Companhia Securitizadora de Créditos Imobiliários CNPJ/MF Nº 07.112.325/0001-05 - NIRE 35.300.321.308 Extrato da Ata de Assembleia Geral Extraordinária, realizada em 19 de Dezembro de 2011 Data, hora e local : 19/12/2011, às 10:30 h., na sede social. Presença: Totalidade. Mesa: Presidente: Gabriela Zakalski Nunes da Silva. Secretário: Reinaldo Zakalski da Silva. Deliberações tomadas por unanimidade: (i) Ratificar e registrar informações adicionais quanto ao aumento de capital tal como estabelecido por meio da Ata de Assembléia Geral Extraordinária e Ordinária ocorrida no dia 28/04/2011, conforme anteriormente qualificada, discriminando que os valores compostos de 613.000,00 (da Sócia BI Invest Participações e Finanças Corporativas Ltda) e 151.000,00 (do Sócio Reinaldo Zakalski da Silva) tiveram como origem os Contratos de Mutuo firmados por esta Companhia, informando ainda que o Sócio Reinaldo Zakalski recebeu tais recursos por meio de Instrumento de Cessão de Créditos assinado entre este e a anterior mutuante “BI Capital Gestão de Recursos Ltda”. Ainda, ratificam que os sócios decidiram liquidar os mútuos mencionados, integralizando-os ao capital social em Ações nominativas, conforme descrito na referida Ata de Assembléia. (ii) Aprovar a alteração do quadro de membros do Conselho de Administração da Companhia e outras disposições, (iii) Aprovar a renúncia de atual membro do Conselho de Administração e (iv) Eleger os novos membros do Conselho de Administração. Foi deliberada a renúncia da Sra. Gabriela Zakalski Nunes da Silva do Conselho de Administração da Companhia, conforme carta apresentada nesta data, sendo eleita, também por unanimidade, a Sra. Alice Figueira Nunes, brasileira, casada, RG/SSP nº 11.368.291-8 e CPF/ MF nº 039.706.218-44, que permanecerá no exercício pelo período do mandato ora substituído, que se encerra em 25 de abril de 2014. (v) Aprovar a Cessão de Quotas. (vi) Aprovar o aumento do Capital Social da Cia, atualmente no valor de R$ 864.000,00, totalmente subscrito e integralizado, para R$ 1.250.000,00, com um aumento de R$ 386.000,00, mediante a emissão de 386.000 ações ordinárias nominativas, sem valor nominal e com preço de emissão e subscrição de R$ 1,00 cada uma. O aumento de capital ora aprovado teve como origem os Contratos de Mutuo firmados por esta Companhia, informando ainda que o Sócio BI Invest Participações e Finanças Corporativas Ltda. recebeu tais recursos por meio de Instrumento de Cessão de Créditos assinado entre este e as anteriores mutuantes BI Capital Gestão de Recursos Ltda., BI Invest Assessoria Empresarial e Intermediação de Negócios Ltda., Essencial Serviços e Participações Ltda. Ainda, ratificam que os sócios decidiram liquidar os mútuos mencionados, integralizando-os ao capital social em Ações nominativas, estando as ações ora subscritas distribuídas da seguinte forma: (ii.a) o sócio BI Invest Participações e Finanças Corporativas Ltda subscreveu as 386.000 novas ações ordinárias, conforme boletim de subscrição anexo à presente ata e arquivado na sede da Companhia. Todos os sócios presentes concordam expressamente com a subscrição ora realizada, bem como renunciam expressamente aos direitos de preferência a que tinham direito em virtude de lei. Em face da deliberação acima, foi aprovada a alteração do Art. 5º que passa a vigorar com a seguinte redação: “Artigo 5º. O capital social da Companhia é de R$ 1.250.000,00, dividido em 1.250.000.” (vii) Aprovar a alteração da redação do Art. 7º que passa a vigorar com a seguinte redação “Artigo 7º - O Conselho de Administração será composto por 3 Conselheiros, eleitos pela Assembléia Geral, sendo um conselheiro Presidente e um Vice-presidente, cada qual com mandato de 3 anos, podendo ser reeleitos.” (viii) Aprovar a alteração do § 2º do Artigo 5º do Estatuto Social, passando a seguinte redação: “§ 2º - À Companhia é facultado emitir novas ações, sem guardar proporção com as espécies e/ou classes das ações já existentes, bem como criar ações preferenciais, desde que sem vantagem política, observado o limite legal de 50% do total das ações da Companhia.” (ix) Ratificar e consolidar as demais cláusulas do Estatuto Social. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, a Sra. Presidente declarou suspensos os trabalhos pelo tempo necessário à lavratura desta ata em livro próprio, a qual logo após foi lida, aprovada e por todos assinada. São Paulo, 19/12/ 2011. Gabriela Zakalski Nunes da Silva - Presidente; Reinaldo Zakalski da Silva - Secretário. JUCESP 509.872/116 em 28/12/11, Kátia Regina Bueno de Godoy - Secretária Geral.

Cidade de Deus - Companhia Comercial de Participações CNPJ no 61.529.343/0001-32 - NIRE 35.300.053.800 Assembleia Geral Extraordinária Edital de Convocação Convidamos os senhores acionistas desta Sociedade a se reunirem em Assembleia Geral Extraordinária, a ser realizada no próximo dia 9 de janeiro de 2012, às 11h, na sede social, Cidade de Deus, Vila Yara, Osasco, SP, Salão Nobre do 5 o andar, Prédio Vermelho, a fim de examinar proposta do Conselho de Administração para aumentar o Capital Social no valor de R$430.000.000,00, elevando-o de R$8.293.000.000,00 para R$8.723.000.000,00, mediante a emissão de 161.654.135 novas ações ordinárias, nominativas-escriturais, sem valor nominal, ao preço de R$2.660,00 por lote de mil ações, para subscrição particular pelos acionistas no período de 11.1 a 13.2.2012, na proporção de 2,432182223% sobre a posição acionária que cada um possuir na data da Assembleia (9.1.2012), com integralização à vista, de 100% do valor das ações subscritas, em 8.3.2012; Documentos à Disposição dos Acionistas: este Edital de Convocação e a proposta do Conselho de Administração encontram-se à disposição dos acionistas na sede da Sociedade e no Departamento de Ações e Custódia do Banco Bradesco S.A., Instituição Financeira Depositária das Ações da Sociedade, Cidade de Deus, Prédio Amarelo, Vila Yara, Osasco, SP. Cidade de Deus, Osasco, SP, 26 de dezembro de 2011. Lázaro de Mello Brandão Presidente do Conselho de Administração. 27, 29 e 30.12.11

Banco Bradesco BBI S.A. CNPJ no 06.271.464/0001-19 - NIRE 35.300.335.791 Ata da Reunião da Diretoria realizada em 5.10.2011 Aos 5 dias do mês de outubro de 2011, às 9h15, na sede social, Cidade de Deus, Prédio Prata, 4 o andar, Vila Yara, Osasco, SP, CEP 06029-900, reuniram-se os membros da Diretoria sob a presidência do senhor Luiz Carlos Trabuco Cappi. Durante a reunião, os Diretores deliberaram: 1) registrar o pedido de renúncia ao cargo de Diretor Vice-Presidente da Sociedade, formulado pelo senhor Norberto Pinto Barbedo, em carta desta data, cuja transcrição foi dispensada, a qual será levada a registro juntamente com esta Ata, consignando-se, nesta oportunidade, agradecimentos pelos serviços prestados durante sua gestão;............................................................................ .............................................................................................................................................. Nada mais foi tratado, encerrando-se a reunião e lavrando-se esta Ata, que os Diretores presentes assinam. aa) Luiz Carlos Trabuco Cappi, Julio de Siqueira Carvalho de Araujo, Luiz Antonio de Ulhôa Galvão, Renato Ejnisman, Anibal Cesar Jesus dos Santos, Fernando Jorge Buso Gomes, Helio Biagi e Alfred Charles Dangoor. Declaramos que a presente é cópia fiel de trecho da Ata da Reunião da Diretoria, realizada em 5 de outubro de 2011, lavrada em livro próprio. Banco Bradesco BBI S.A. aa) Julio de Siqueira Carvalho de Araujo e Domingos Figueiredo de Abreu. Certidão Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia - Junta Comercial do Estado de São Paulo - Certifico o registro sob número 500.105/11-0, em 15.12.2011. a) Kátia Regina Bueno de Godoy - Secretária Geral.

Atlântica Capitalização S.A. CNPJ no 01.598.935/0001-84 - NIRE 35.300.148.240 Grupo Bradesco de Seguros e Previdência Ata da Assembleia Geral Extraordinária realizada em 18.8.2011 Data, Hora e Local: Aos 18 dias do mês de agosto de 2011, às 8h30, na sede social, AvenidaPaulista, 1.415, parte, Bela Vista, São Paulo, SP. Quorum: Compareceram, identificaramse e assinaram o Livro de Presença os representantes da Bradesco Capitalização S.A. e da Bradesco SegPrev Investimentos Ltda., acionistas da Sociedade representando a totalidade do capital social. Mesa: Presidente: Norton Glabes Labes; Secretário: Ivan Luiz Gontijo Júnior. Convocação: dispensada a convocação por Edital, de conformidade com o disposto no Parágrafo Quarto do Artigo 124 da Lei no 6.404, de 1976, com a seguinte ordem do dia: examinar proposta da Diretoria da Sociedade para aumentar o Capital Social no valor de R$13.700.000,00, elevando-o de R$61.300.000,00 para R$75.000.000,00, com a emissão de 13.227.995 ações ordinárias, nominativas-escriturais, sem valor nominal, ao preço de R$1,035682, com integralização à vista, no ato da subscrição, com a consequente alteração do “caput” do Artigo 6o do Estatuto Social. Deliberação: aprovada, sem qualquer alteração ou ressalva, a Proposta da Diretoria, registrada na Reunião daquele Órgão, de 17.8.2011, a seguir transcrita: “Vimos propor aumento do capital social no valor de R$13.700.000,00, elevando-o de R$61.300.000,00 para R$75.000.000,00, com a emissão de 13.227.995 ações ordinárias, nominativas-escriturais, sem valor nominal, ao preço de R$1,035682, com integralização à vista, no ato da subscrição. O preço de emissão teve como base o valor do Patrimônio Líquido ajustado por ação da Sociedade em 31.7.2011, de conformidade com o disposto o Inciso II do Parágrafo Primeiro do Artigo 170 da Lei no 6.404/76. As ações subscritas no referido aumento de capital terão direito a dividendos e/ou juros sobre o capital próprio que vierem a ser declarados a partir da data de integralização do referido aumento de capital, fazendo jus também, de forma integral, a eventuais vantagens atribuídas às demais ações, a partir daquela data. Em consequência, a redação do “caput” do Artigo 6o do Estatuto Social será alterada após completado todo o processo de aumento do capital.”. Dando sequência aos trabalhos, disse o senhor Presidente que a Diretoria estava autorizada a dar andamento ao processo de aumento de capital, na forma exposta, abrindo a subscrição de ações, tendo os representantes da acionista Bradesco SegPrev Investimentos Ltda. declarado que abriam mão do exercício do direito à subscrição das novas ações em favor da acionista Bradesco Capitalização S.A., que por seus representantes legais, assinou o respectivo Boletim de Subscrição, subscrevendo as 13.227.995 novas ações ordinárias, nominativas-escriturais, sem valor nominal, e integralizando no ato em moeda corrente nacional. Em seguida, comunicou o senhor Presidente: a) ter sido totalmente subscrito e integralizado o aumento de capital no valor de R$13.700.000,00, consistente de 13.227.995 ações ordinárias, nominativas-escriturais, sem valor nominal; b) que verificada a subscrição integral e a integralização do aumento de capital o “caput” do Artigo 6o do Estatuto Social passará a vigorar com a seguinte redação, após homologação do processo pela Superintendência de Seguros Privados - SUSEP: Art. 6o ) O Capital Social é de R$75.000.000,00 (setenta e cinco milhões de reais), dividido em 67.637.937 (sessenta e sete milhões, seiscentas e trinta e sete mil, novecentas e trinta e sete) ações ordinárias, nominativas-escriturais, sem valor nominal.”. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, o senhor Presidente esclareceu que, para a deliberação tomada, o Conselho Fiscal da Companhia não foi ouvido por não se encontrar instalado no período e que a matéria ora aprovada somente entrará em vigor e se tornará efetiva depois de homologada pela Superintendência de Seguros Privados - SUSEP e de estarem atendidas todas as exigências legais de arquivamento na Junta Comercial e publicação. Em seguida, encerrou os trabalhos, lavrando-se a presente Ata, que lida e achada conforme, foi aprovada por todos os presentes, que a subscrevem. aa) Presidente: Norton Glabes Labes; Secretário: Ivan Luiz Gontijo Júnior; Acionistas: Bradesco Capitalização S.A. e Bradesco SegPrev Investimentos Ltda., por seus Diretores, senhores Ivan Luiz Gontijo Júnior e Tarcísio José Massote de Godoy. Declaração: Declaramos para os devidos fins que a presente é cópia fiel da Ata original lavrada no livro próprio e que são autênticas, no mesmo livro, as assinaturas nele apostas. Atlântica Capitalização S.A. aa) Marcos Suryan Neto e Ivan Luiz Gontijo Júnior. Certidão - Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia - Junta Comercial do Estado de São Paulo Certifico o registro sob número 501.129/11-0, em 16.12.2011. a) Kátia Regina Bueno de Godoy – Secretária Geral.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

16 -.ECONOMIA/LEGAIS

e

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Nós vimos importante declínio nos pedidos de auxílio-desemprego. Isto mostra que os números estão sendo corrigidos para uma redução sustentável. Gennadiy Goldberg, estrategista da 4CAST

conomia

Emprego nos EUA dá sinal de melhora Apesar do aumento recente dos pedidos de auxílio-desemprego, economia norte-americana mostra reação.

O

s pedidos iniciais de auxíliodesemprego nos Estados Unidos subiram mais do que o esperado na semana passada, mas os números consolidados continuam mostrando uma melhora nas condições do mercado de trabalho norte-americano. De acordo com dados do Departamento de Trabalho do governo divulgados ontem, os pedidos subiram para 381 mil na semana encerrada em 24 de dezembro, sendo que na semana anterior eles haviam somado 366 mil, dados que foram revisados de 364 mil. Economistas norteamericanos consultados

381 mil solicitações de auxílio-desemprego foram registradas pelo Departamento de Trabalho dos Estados Unidos na semana de 18 a 24 de dezembro. Mas a média semanal caiu para 375 mil. esperavam que, na semana passada, os pedidos ficassem em 375 mil. Uma autoridade do Departamento de Trabalho informou que, por causa do feriado na segunda-feira nos EUA, os pedidos de sete

SECRETARIA DO GOVERNO COMUNICADO PREGÃO PRESENCIAL N° 22/2011-SGM Processo: 2011-0.296.330-1 Objeto: Contratação de empresa especializada na prestação de serviços de manutenção preventiva e corretiva e assistência técnica do sistema de ar condicionado Central, instalado no Edifício Matarazzo, incluindo o diagnóstico da qualidade do ar, limpeza interna da rede de dutos e a análise da água do sistema de ar condicionado antes e depois do tratamento químico e aparelhos de ar condicionado, instalados em diversas Unidades da Secretaria do Governo Municipal. Estamos republicando o edital do Pregão acima mencionado, tendo em vista alterações nos itens: 5.3.3.1. e 5.3.3.1.2., do mesmo. O RECEBIMENTO DOS ENVELOPES E A SESSÃO PÚBLICA DE PREGÃO, ocorrerá na sala de reuniões da Secretaria do Governo Municipal à Rua Líbero Badaró, 119 - térreo, às 10:00 horas do dia 06/01/2012. O novo caderno de Licitações, composto de Edital e seus Anexos, poderá ser acessado por meio de consulta ao site http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br ou, ainda, obtido na Rua Líbero Badaró, 119 - 9º andar - das 09:00 às 16:00 hs, até o último dia útil que anteceder a abertura do certame, mediante o recolhimento da importância de R$ 0,15 por folha, através de Guia de Recolhimento que será fornecida pela Administração de Compras e Contratos da SGM.

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO Acha-se aberta a licitação em epígrafe à Rua Dr. Diogo de Faria, 1247 - sala 318 - Vila Clementino PREGÃO PRESENCIAL Nº 01/SME/2012 - 2011-0.254.260-8 - REGISTRO DE PREÇOS PARA FORNECIMENTO DE MOBILIÁRIO ESCOLAR PARA CEI BERÇO E CADEIRÃO Acha-se aberta a licitação em epígrafe à Rua Dr. Diogo de Faria, 1247 - sala 318 - Vila Clementino O credenciamento e os envelopes nº 01 (proposta) e envelopes nº 02 (documentação) deverão ser entregues até às 10:30 horas do dia 16/01/2012, na sala 318 A, situado na Rua Dr. Diogo de Faria, 1247 - 2º andar Vila Clementino. O Edital e seus Anexos poderão ser obtidos, até o último dia que anteceder a abertura, mediante recolhimento de guia de arrecadação, ou através da apresentação de CD-ROM gravável no Setor de Licitação - CONAE 151 sala 318, ou no site http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br, bem como, as cópias do Edital estarão expostas no mural do Setor de Licitação.

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DA MERENDA ESCOLAR PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/SME/DME/2011 - 2011-0.276.657-3 REGISTRO DE PREÇOS PARA FORNECIMENTO DE KIT LANCHE - SME/ DME. Fica redesignada para 13/01/2012 às 10:00 horas a Sessão Pública do Pregão em referência. As demais condições do Edital de Licitação permanecem inalteradas. O Edital e seus anexos poderão ser obtidos, até o último dia que anteceder a abertura, mediante recolhimento de guia de arrecadação, ou mediante a apresentação de CD ROM gravável no Departamento de Compras do DME, situado na Rua Líbero Badaró, 425 - 9º andar - Centro - São Paulo - SP, ou através do site http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br, bem como, a cópia do Edital estará exposta no mural do Departamento da Merenda Escolar.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DA SERRA AVISO DE LICITAÇÃO Tomada de Precos nº 03/2011 De conformidade com a necessidade desta Prefeitura Municipal, faço público, para conhecimento dos interessados, que se acha aberto, na Prefeitura deste Município, o Edital de Tomada de Preços nº 03/2011, que tem como objeto a contratação de empresa especializada na execução de obras visando a Revitalização e Reforma da Praça São Benedito, por empreitada por preço global, pelo tipo de menor preço, regida pela Lei Federal nº 8.666/93, suas alterações e demais legislações expressas no item 5 deste Edital.Os interessados no certame licitatório deverão efetuar garantia prévia de R$ 3.451,40 (três mil e quatrocentos e cinquenta e um reais e quarenta centavos), correspondente a 1% do valor estimado da licitação até o dia 16 de janeiro de 2012. Os envelopes dos licitantes, com a documentação e a proposta, deverão ser entregues no Departamento de Compras e Licitações, sito à Praca Santo Zani n° 30, nesta cidade, até às 9:00 horas, do dia 19 de janeiro de 2012. O início da abertura dos envelopes será às 10:00 horas, do dia 19 de janeiro de 2012, na Sala de Abertura de Licitações, sito à Praca Santo Zani n° 30, nesta cidade. A Pasta Técnica, contendo o Edital e seus respectivos anexos, deverá ser retirada no Setor de Compras, sito à Praça Santo Zani n° 30, Paço Municipal desta cidade, a qual será fornecida das 09:00 às 11:00 horas e das 13:00 às 15:00 horas. Para conhecimento do público, expede-se o presente Edital, que será publicado pela Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, do Município de Santa Maria da Serra, em jornal de grande circulação no Estado e no Município e afixado em Quadro de Avisos, no saguão do Paço Municipal. Santa Maria da Serra, 29 de dezembro de 2011. a) JOSIAS ZANI NETO - Prefeito Municipal

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DA SERRA AVISO DE LICITAÇÃO Tomada de Precos nº 05/2011 De conformidade com a necessidade desta Prefeitura Municipal, faço público, para conhecimento dos interessados, que se acha aberto, na Prefeitura deste Município, o Edital de Tomada de Preços nº 05/ 2011, que tem como objeto a contratação de empresa visando o fornecimento parcelado de gasolina comum, etanol comum e óleo diesel comum para abastecimento dos veículos oficiais do Município de Santa Maria da Serra, pelo tipo de menor preço global, regida pela Lei Federal nº 8.666/93, suas alterações e demais legislações expressas no item 3 deste Edital. Os envelopes dos licitantes, com a documentação e a proposta, deverão ser entregues no Departamento de Compras e Licitações, sito à Praca Santo Zani n° 30, nesta cidade, até às 10:00 horas, do dia 17 de janeiro de 2012. O início da abertura dos envelopes será às 10:30 horas, do dia 17 de janeiro de 2012, na Sala de Abertura de Licitações, sita à Praca Santo Zani n° 30, nesta cidade. A Pasta Técnica, contendo o Edital, deve ser retirada no Setor de Compras, sito à Praça Santo Zani n° 30, Paço Municipal desta cidade, a qual será fornecida das 09:00 às 11:00 e das 13:00 às 15:00 horas. Para conhecimento do público, expede-se o presente Edital, que será publicado pela Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, do Município de Santa Maria da Serra, em jornal de grande circulação no Estado e no Município e afixado em Quadro de Avisos, no saguão do Paço Municipal. Santa Maria da Serra, 29 de dezembro de 2011. a) JOSIAS ZANI NETO - Prefeito Municipal

estados – incluindo Califórnia e Virgínia – foram apenas estimados para a análise final. Melhora – Por outro lado, a média móvel de quatro semanas, considerada uma medida melhor para avaliar

as tendências no mercado de trabalho norte-americano, caiu para 375 mil no período, ante 380,75 mil na semana anterior, o menor nível desde junho de 2008. Sustentável – O fato é significativo. "Nós vimos um importante declínio nos pedidos recentemente. Isto finalmente mostra que os números estão sendo corrigidos para uma redução sustentável", afirmou o estrategista de juros da 4CAST, Gennadiy Goldberg. Um patamar de pedidos de auxílio-desemprego abaixo de 400 mil é normalmente associado a uma melhora nas condições do mercado de trabalho dos Estados Unidos. (Reuters)

Notícia anima bolsas europeias

O

principal índice das ações europeias fechou em alta ontem, após dados positivos sobre a economia norte-americana ajudarem a alimentar um rali na parte da tarde, em meio a um baixo volume de negócios. A volatilidade, no entanto, também subiu, com as preocupações com a dívida da zona do euro pairando sobre o mercado. O FTSEurofirst 300 subiu 0,69%, para 990 pontos. O volume, contudo, foi um terço da média registrada nos últimos 90 dias. O índice de volatilidade Euro Stoxx subiu 1,1%. Quanto maior o nível desse indicador, menor é o apetite por ativos de risco, como ações. O índice PMI de Chicago, uma medida da atividade financeira e das condições empresariais dos Estados Unidos, superou estimativas, enquanto as vendas pendentes de moradias subiram bem mais que o esperado em novembro. Embora os números apontem uma melhora no ambiente econômico norte-americano, o que ajudaria os balanços de empresas europeias, os custos de financiamento elevados em um leilão de dívida da Itália pesaram sobre o sentimento. "Acho que o mercado acredita que pode continuar tendo um pouco de alívio de final de ano. Mas no momento não se pode confiar em dados porque não há volume", disse o chefe de vendas da Monument Securities, Andy Ash. (Reuters)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011 Nº 398

DCARR

17

Na suas viagens de carro nas férias, cuidado especial com os caminhões e ônibus. Nesta época, muitos motoristas trafegam como e por onde querem com os seus "monstrengos".

MOVIMENTO ENTRE AS CAÇAMBAS Fotos: Divulgação

Uma nova picape para novos tempos

O

modelo antigo da picape média Ford Ranger já deixou de ser fabricado em Minnesota, Estados Unidos. Este foi um passo definitivo para a substituição pela Nova Ranger, uma plataforma global que está sendo apresentada nos grandes Salões mundiais e que começa a ser comercializada no Brasil e em todos os 180 mercados onde a marca vende seus produtos. Com a chegada da nova geração da picape, a Ford espera ampliar suas vendas no segmento em que concorre com Volkswagen Amarok, Toyota Hilux, Mitsubishi L200, Nissan Frontier e com a queridi-

Global e bonita, a nova Ranger vem preparada para mexer com o segmento. Será recebida pela VW Amarok, Toyota Hilux, Mitsubishi L200, Nissan Frontier e pela líder, a Chevrolet S10. O consumidor agradece a "briga".

nha do Brasil, a Chevrolet S10, que em breve deve receber a companhia – ou ser substituída, como alguns acreditam – da picape, também Chevrolet, Colorado. Os futuros clientes da Nova Ranger terão como opções: cabine simples ou dupla, tração 4x2 ou 4x4, transmissão manual ou automática de 6 velocidades. Além de rodas de alumínio de 18 polegadas, estribos laterais e santantônio entre os acessórios, ela virá equipada com o motor diesel Duratorq TDCi 2.2 com potência de 126 cv e torque de 330 Nm, mas espera-se também a utilização de um motor bicombustível para o mercado brasileiro.

FIAT & CHRYSLER: MAIS UM

VEM AÍ A REENCARNAÇÃO DO DODGE DART

U

Novo. Mas com a mesma cara de "mau" que sempre marcou o modelo.

ma das principais atrações do próximo Salão de Detroit, que começa na primeira quinzena de janeiro, será o Dodge Dart, que vai ser comercializado nos Estados Unidos a partir de 2013 e, logo em seguida, na Europa. O modelo continua com a sinergia entre a Fiat Auto (proprietária) e a Chrysler, como já ocorreu com o Fiat Freemont, o irmão mais novo e com motor menor, 4 cilindros, 2.4l e 172 cv, do Dodge Journey, com aquele motorzão 3.6l e 280 cv, bem ao gosto do consumidor norteamericano. Tendo como base o Alfa Romeo Giulietta, e com a

finalidade de agradar os consumidores americanos, a plataforma foi alargada e aumentada no comprimento, sendo agora denominada de Compact US Wide. O novo Dart será produzido na fábrica da Chrysler em Belvidere, nos EUA, que receberá, no próximo ano, investimentos de 600 milhões de euros. O modelo em nada lembra o nosso tão famoso Dodge Dart, dos anos 70, que parecia muito com grandes lanchas e tinha enormes motores roncadores, capazes de fazer 1 km/litro – isso mesmo, 1 km/l, dependo da condução. Mas agora virou um modelo mais compacto e

contará com três opções de motor: o 1,4 MultiAir que equipa, entre outros carros, o Fiat 500, e dois da própria Alfa Romeo, com 2.0 e 2.4 litros, ambos com a tecnologia MultiAir. Ou seja, motores menores, com rendimento superior aos V6 e V8 de antigamente e consumindo cerca de 80% menos. De acordo com a marca, o Dart "mistura o DNA esportivo da italiana Alfa Romeo com a paixão da norte-americana Dodge pela performance". A marca ressalta que o novo Dodge Dart será "a carroceria mais aerodinâmica do segmento". Vai voar. Antônio Fraga

O SOL CHEGOU

Cuidados para dirigir no verão Os vidros escuros podem levar você a pensar que está protegido do sol. Mas não está! Saiba porque.

O

verão chegou e com ele veio um sol que mostra disposição para se tornar um dos campeões dos últimos tempos, segundo os metereologistas que falam em temperaturas entre 2º e 4º acima das médias. E pelos últimos dias parece que esta é realmente a tendência. Nestes tempos as pessoas têm o hábito de se proteger do sol usando bloqueadores, bonés, chapéus e até roupas especiais quando saem para passeios no campo e, especialmente, nas idas às praias e piscinas. E quem viaja de carro nas férias, tem que ter cuidados especiais? A dermatologista Cristine Carvalho, diretora do Centro de Dermatologia e Estética, diz que sim. "Em um veículo fechado - diz ela - uma queimadura solar é improvável, mas os raios UVA penetram profundamente e podem causar danos potencialmente prejudiciais à pele". E isso não diz respeito somente ao motorista, mas a todos os ocupantes do carro. É preciso salientar, lembra a especialista, que não é apenas nesta época do ano que devemos nos cuidar quando vamos fazer longas viagens, mesmo como passageiros/acompanhantes. "Se você passa longas horas na estrada, especialmente durante o dia - aconselha -, o protetor solar pode ser mais do que uma boa ideia". A preocupação com os problemas

causados pela luz do sol - especialmente câncer de pele - é tão grande que, nos EUA, os fabricantes já pensam em instalar vidros que filtrem a luz ultravioleta, causadora do mal. Atualmente os vidros laterais e traseiros dos veículos já trazem filtros para os raios UVB, que causam vermelhidão e queimaduras na pele, mas não protegem contra os temíveis UVA, que causam o câncer. Nos Estados Unidos, em pesquisas publicadas no The Journal of the American Academy of Dermatology, pesquisadores da St. Louis University School of Medicine mostraram que entre os 1.000 pacientes encaminhados a uma clínica local para tratar o câncer de pele, muitos haviam contraído a doença no braço esquerdo, onde há incidência de sol. Homens e horários críticos - Na maioria dos casos, a incidência do mal recaiu sobre os homens, já que as mulheres tomam mais cuidados com sua pele ou que passam a maior parte do tempo como passageiras no carro. "Aqui no Brasil, - observa a médica - a incidência de melanoma em mulheres está aumentando muito nos últimos anos, quando comparada aos homens". Como é recomendação geral da Dermatologia, deve-se evitar a exposição ao sol no horário das 10h às 16h, quer seja para ir à praia, piscina, passear no campo ou mesmo dirigir.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

18

t

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

urismo

O MUNDO EM 42 KM De Paris à China, são muitas as provas de maratona mundo afora. De olho neste filão, operadoras turísticas organizam tudo – até as inscrições. Antonella Salem

janeiro

fevereiro

março

18 Maratona di Roma

8

ção Divulga

Roberto de Ol

iveira/Folha Im

Q

abril

on

Marath

maio

Kety Shapazian

15

19

Marathon de Paris

16

25

Divulgação

orld sney W i D t l a W

Marató de Barcelona

agem

junho

30

Midnight Sun Marathon (Tromso, Noruega)

Sonaira San Pedro

Boston Marathon dias Nos dois orrida, antes da c tar se alimen nte com basta tro e se carboidra em hidratar b

22

Virgin London Marathon

The Great Wall Marathon Divulgação

Arquivo Pessoal

agosto

setembro

ção

julho

Antonella Salem

Divulga

BMW Berlin Marathon

na

Marato do Rio

8

outubro

novembro

4

TCS Amsterdam Marathon Antonella Salem

Maraton Buenos Aires (data a ser definida)

dezembro

Mario Tama/Getty Images/AFP

7 21

Bank of America Chicago Marathon

30

David Banks/Getty Images/AFP

uem gosta de correr e costuma encarar o desafio de uma maratona, planeja suas viagens do ano de acordo com o calendário das provas dos 42 km. E são incontáveis as maratonas mundo afora. “Todo mundo que faz maratona acaba viajando para fazer turismo”, conta Marcos Paulo Reis, da MPR Assessoria Esportiva, que se dedica ao treinamento e acompanhamento de esportistas. Segundo ele, o destino influi muito na escolha da prova. “Ele se preocupa sim em ir para uma cidade que oferece tudo, compras, restaurantes... Quer coisa melhor do que correr em Nova York?” A maratona da Big Apple está entre as mais procuradas por seus esportistas, além de Berlim e Chicago – em função do lugar em si, do percurso e da temperatura. No calendário de 2012, a primeira maratona do ano é a da Disney, na Flórida, também muito popular entre os brasileiros. “Estamos levando 50 pessoas para lá”, diz Marcos Paulo. “A pessoa faz fotos do trajeto, que passa dentro dos parques.” Segundo o treinador, o corredor sempre viaja dois ou três dias antes ao destino e fica até mais dez dias. Antes da corrida há restrições alimentares e não se pode abusar. Depois, é só celebração. “Chicago sempre cai na semana do saco cheio, em outubro.” Há também a tendência de incremento de turistas em um destino em função da maratona. "Amsterdã é um destino muito legal que vem sendo descoberto", conta Marcos Paulo. E há as maratonas inusitadas. “Chega uma hora que a pessoa já fez tudo.” Entre as mais diferentes, o treinador destaca a maratona da Muralha da China, Big Sur (Califórnia) e Sol da Meia-Noite (Tromso, Noruega). “São provas lindas e às vezes um pouco mais duras.” Operadoras – Alguns esportistas planejam sozinhos suas viagens, mas há operadoras que atuam no segmento e fazem de tudo – da reserva dos hotéis à inscrição para a corrida (no caso de Nova York, a inscrição só é garantida por meio de operadora). A TAM Viagens é operadora oficial da Yescom, maior organizadora de corridas

de rua do Brasil, para as quais disponibiliza pacotes (Rio, São Paulo, entre outras) e também opera internacionais. A Kamel, especialista há 25 anos, é capaz de mapear o mundo com maratonas: organiza roteiros para 33 provas e vende para corredores em todo o País. “Já estamos quase lotados para o Jubileu de Estocolmo, que vai acontecer em julho”, diz a diretora da operadora Elisabet Olival. Para Ana Coltro, diretora de Marketing da X-Travel, outra operadora expert, a corrida é uma desculpa para viajar e conhecer lugares novos. E identifica as mulheres cada vez mais presentes nas provas. “Foi-se o tempo em que eram mais homens.” Esportistas – A administradora Ana Paula Costa já fez cinco maratonas, das quais duas em Nova York (além de Paris, Chicago e Buenos Aires). “A primeira que escolhi foi em Nova York, tanto pela cidade como pela maratona. É muito legal porque passa por diversas regiões.” Ana Paula também adorou a prova de Paris. “É como correr em um cenário.” Aproveitou a corrida na capital francesa para viajar por outras cidades da Europa. Em 2012 e/ou 2013, pretende cumprir o calendário das grandes maratonas. “Faltam Berlim e Londres.”

The ING New York City Marathon

Ana Paula Costa (à esq.)

O profissional do mercado financeiro Sergio Penteado correu sua primeira maratona este ano na capital argentina. “Me sinto muito mais próximo de Buenos Aires. Corri a cidade inteira”, conta. “Tem gente dançando tango em uns pedaços, pessoas tocando instrumentos em outro.” Escolheu Buenos Aires levando em conta fatores como fuso e distância e a programação pós-prova. “Pretendia correr só uma na minha vida, mas assim que terminei já comecei a pensar na próxima.” A corrida ajuda a combater o estresse e dá condicionamento físico. Para quem já pratica o esporte, treinar para uma maratona pode ser uma boa resolução para o ano de 2012. “É uma grande emoção”, garante o treinador Marcos Paulo Reis.

SERVIÇO MPR: tel. (11) 3841-3646, marcospauloreis.net. Operadoras: Kamel (tel. 21/ 2275-0146, www.turismokamel.com.br), X Travel (tel. 11/ 2155-6430, www.xtravel.com.br), TAM Viagens (tel. 11/3274-1313, www.tamviagens.com.br/) e Chamonix (tel. 4195-3441, www.chamonix.com.br/).


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

19

Mauro Holanda/Divulgação

d

Espumante nacional para brindar

Mauro Holanda/Divulgação

cultura

Os espumantes nacionais produzidos no sul do País a cada ano ganham mais mercado. Respeitados no mundo, um dos segredos da qualidade é a latitude, considerada uma das melhores na produção de espumantes. E para quem preferir preparar um drinque com a bebida, a receita de Kir Royale da chef Ciça Ribeiro leva 20 ml de licor de cassis e espumante brut, colocados numa taça do tipo flûte gelada. Para enfeitar, coloque uma cereja fresca dentro do copo.

Doces da ceia nas padarias Dona Deôla: pratos para se levar e comemorar a chegada do novo ano tranquilamente em casa.

CONTAGEM REGRESSIVA Lúcia Helena de Camargo

Q

ual a sua ideia de Réveillon? Muita música e gente diferente ou a tranquilidade da sua casa? É só escolher. Ainda há lugares para algumas festas. Ou corra para o telefone para encomendar os pratos da ceia. 24 horas

E se você estiver no meio da estrada, a caminho da festa, na hora da passagem de ano? Melhor ter algo na mala para comemorar. Estourar um espumante pode ser interessante. Mas o motorista não poderá participar do brinde. Um bolo, um sanduíche... Achar uma padaria também pode ser a solução se na última hora você notou que precisa de algo para complementar a ceia. Sugestão: Bella Paulista, aberta 24 horas. E no dia 31 serão servidas ceias completas, a partir das 20h. Com bufê a R$ 145 por pessoa (incluída uma garrafa de espumante por mesa), o cardápio terá salada de pappardelli com lascas de bacalhau e fundo de alcachofra e tábua de queijos e frios. Entre as opções quentes, risoto de queijo Brie, alho poró e presunto Parma, salmão assado no forno à lenha, ao molho de estragão e tomate seco e camarões ao champanhe com uva Itália e cogumelos de Paris. Para finalizar, o famoso bolo brownie da padaria, além de cheesecake de frutas vermelhas, as tradicionais rabanadas, fios do ovos e frutas secas. Rua Haddock Lobo, 354, Cerqueira César. Tel.: 3214-3347. Ainda havia lugares até o fechamento desta edição. Mas convém telefonar antes. Outra padaria, que é aliás uma rede de padarias, oferece a ceia para se levar e comemorar tranquilamente em casa. A Dona Deôla vende carnes por peça, como a ave recheada com farofa, acompanhada de abacaxi caramelado e maçã ao vinho tinto, a R$ 93,40 a unidade, em porção estimada para seis pessoas. Há tender com frutas, a R$ 266,20 a unidade (porção para oito pessoas); peru recheado (R$ 252,50, em porção para dez pessoas); filé mignon recheado com presunto Parma e cogumelos Paris, com molho de vinho Malbec e anis estrelado (R$ 155,40 a unidade, em porção para seis pessoas). E carnes por quilo, como o pernil suíno ao molho de vinho (R$ 48,90); roulade de frango com catupiry e bacon (R$ 39,80) e outros pratos quentes, como a massa sfogliatti de mussarela de búfala ao sugo, a R$ 56,90 o quilo;

tortelone de vitela ao molho de funghi porcini, a R$ 68,90 o quilo. E outros acompanhamentos, como farofas, tortas, saladas e doces. Convém checar a disponibilidade de cada prato na unidade escolhida. Avenida Pompeia, 1937, tel. 3672-6600. E mais três endereços. www.donadeola.com.br. Já para um Réveillon com toque espanhol, vá ao Eñe. O cardápio custará R$ 240 por pessoa, com bebidas e serviço cobrados à parte. Serão servidos tartar de atum, creme frio de feijão branco con cecina (jamón bovino) e setas (cogumelos); lagosta com verduras e curry; cordeiro com cogumelos e molho perigueaux (molho de trufa de origem francesa). Para sobremesa, torta de maçã e "tabla de quesos" – que consiste em queijos variados como de cabra. No fim, serão distribuídas uvas, para "dar sorte" no ano novo. O restaurante fica na Rua Doutor Mario Ferraz, 213, Jardim Europa. Ainda há mesas disponíveis para o Réveillon. As reservas podem ser feitas pelo telefone 3816-4333. Queima de fogos Quem gosta da festa tradicional pode ir ao restaurante Praça São Lourenço. A casa vai oferecer bufê, música ao vivo, queima de fogos e pista com DJ. Começa à 21h. O cardápio começa com pães, antepastos e embutidos, segue com ostras e saladas. Entre os pratos quentes, pernil de cordeiro, codorna com farofa de castanha, atum com cogumelos. O bufê terá lentilhas. E na mesa de sobremesas, mousse de chocolate, carolinas de amarula, cheesecake de frutas vermelhas, entre outras. A ceia completa, com água, refrigerantes, água de coco, cerveja Heinekein, prosecco DOC Treviso e café expresso inclusos no pacote custará R$ 530 por pessoa. Crianças até cinco anos não pagam, e os pequenos de seis a nove anos pagam R$ 265. A taxa de serviço está incluída no preço. O restaurante fica na Rua Casa do Ator, 608, Vila Olímpía. Reservas pelo telefone 3053-9300. A Rede Biroska também garante um réveillon animado. As casas de Lilian Golçalves, da rua Canuto do Val (Frango com Tudo, Coconut Brasil e Siga la Vaca), em Santa Cecília, vão oferecer shows de música sertaneja, pop e rock, além de apresentação da Companhia Sandrinha Sargentelli, com cantor, percussionistas e passistas. R$ 15 de couvert artístico. Tel.: 3224-0586.

Lagosta do Eñe

Divulgação

Virar o ano no Figueira custa R$ 490

Pera ao vinho com sorvete

Marcel: das lentilhas ao creme brulê.

A

ceia do Figueira Rubaiyat para a noite de Ano Novo terá, na entrada, pêssego branco, mussarela de búfala, hortelã, tomate crocante, e pão fino da sardenha. O primeiro prato é o camarão rosa assado no forno à lenha, salada de batatas e brotos, molho de dill e alcaparras. Para segundo prato, a casa serve robalo assado com erva doce e gratin de abóbora, mascarpone, limão siciliano e queijo parmigiano. E o terceiro que chega à mesa é entrecôte da fazenda Rubaiyat, assado inteiro na grelha, rosado, fatiado fino com molho de carne, pecorino trufado, rúcula e torrada de brioche. Água, sucos, refrigerantes e cervejas serão servidos à vontade. O restaurante, cujo charme está na árvore em torno da qual ficam as mesas externas, oferece uma garrafa de vinho para cada duas pessoas – o tinto espanhol Pazo de Rivas 2008 ou o branco espanhol Albarino do Ferreiro 2009. E uma taça de espumante será oferecida para todos os clientes. A ceia terá música ao vivo. R$ 490 por pessoa. Crianças de seis a 12 anos, R$ 245. Serviço incluído. Convém fazer reserva (pagamento antecipado). O Figueira Rubaiyat fica à rua Haddock Lobo, 1738. Jardim Paulista. Tel.: 3087-1399.

Na ceia de Réveillon do Bistrot Marcel o menu inclui duas entradas, três opções de prato principal e duas opções de sobremesa pelo valor fechado de R$ 160 por pessoa. Começa com creme de lentilhas, salada imperiale (hortaliças com frutos do mar ao limão siciliano e azeite). No prato principal, lagosta ao molho de champagne com cogumelos e aspargos, acompanhada de risoto no próprio molho; depois costeletas de cordeiro grelhadas ao alecrim acompanhadas de queneles de mandioquinha. E então lombo de bacalhau grelhado com cebola, alho e azeitonas com queijo suíço tipo raclete acompanhado de brócolis, batata e cebola sautê. Para sobremesa, pera cozida ao vinho beaujolais com sorvete e creme brulê. Rua Hans Oersted, 119. Brooklin. Tel.: 5505-2438.

Brownie da Bella Paulista. Lagosta ao molho de champagne com cogumelos do Bistrot Marcel. E ambiente ao ar livre do restaurante Praça São Lourenço, onde haverá pista com DJ e queima de fogos. O Réveillon ali custará R$ 530 por pessoa.

Está sozinho e ainda não sabe onde passar o Réveillon? O bar O’Malley’s faz a festa com DJ e a banda Bubbles. E serve bufê, a partir das 21h. No cardápio, saladas, tender, pernil. Mulher paga R$ 75 e homem, R$ 95 (bebidas à parte). Não é necessário fazer reservas. Alameda Itu, 1529. Tel.: 3086-0780.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

20

d

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

cultura

... e Próspero Ano Novo Carlos Celso Orcesi

2011 e não consegui beber J áa acabou metade dos vinhos desejados. Fal-

reuniu comissão científica para, através do Papa Gregório XIII, instituir o atual calendário Gregoriano. De tudo sobraram dois fatos curiosos. O mais engraçado é que até hoje o nome dos meses continua errado! Notem que o 7º mês do calendário romano de dez meses era sete-mbro, o 8º mês oitu-bro, o 9º nove-mbro e o décimo mês das calendas era dez-embro! Pois bem, quando Julio Cesar apresentou o calendário calculado pelo astrônomo Sosígenes de Alexandria, foram incluídos dois meses no meio do calendário, pelo que setembro passou a nono mês, outubro a décimo e assim por diante. Faltou corrigir o erro nominal. O mais genial - que bem revela sobre o poder dos césares (equivalente a imperador, palavra que deu origem a kaiser no alemão e czar na língua russa) foi a inclusão de Julio e Augusto (au-

ta tempo... e fígado! Vamos moderadamente para que não nos falte saúde, que é o melhor a desejar para 2012, juntamente com dinheiro. Embora saúde sempre venha na frente, a verdade crua nos permite refletir se, com dinheiro, ao menos conseguimos pagar um bom plano de saúde. O calendário Romano tinha dez meses até que modificado para 355 dias e ajustes de dois em dois anos, conforme os ciclos solar e lunar. Apesar do poder do império era uma bagunça. Em 46 antes de Cristo, Julio Cesar instituiu o calendário Juliano de 365 dias e o ano bissexto de 3 em 3 anos. Pouco adiante em 8 d. C., Augusto corrigiu pequenos erros, fixando o dia bissexto de 4 em 4 anos. Mesmo assim houve um atraso de quatro dias em 500 anos, pelo que a poderosa Igreja Católica

gusto também foi título imperial) nos novos dois meses intercalados! Pouco depois da reforma Julio Cesar "recebeu homenagem" do Senado, aparecendo o seu nome como Julius ou julho. Como Augusto, quase 50 anos depois, não poderia ter seu nome ligado a um mês pequeno (de 30 dias), também ele mereceu o mês de Au g u st u s ou agosto, pelo que se criou a exceção de dois meses seguidos de 31 dias, o que (pelo menos) nos permite fechar as duas mãos sem o polegar para lembrar que mês tem trinta e qual tem trinta e um. Pois bem, o poder augusto dos césares lhes permitiu o auge de figurar no calendário, o que não os levou a... viver para sempre. De modo que todos devemos brindar a vida, sempre que possível com champagne – das não-safradas para mim as melhores são Phillipponat, Laurent-Perrier e Moet Chandon – ou

então belíssimas cavas espanholas, entre elas boas Codorniu e Freixenet. Excelentes alternativas são os espumantes nacionais, entre eles pela ordem Casa Valduga 130 (R$ 58), Chandon Excelence Prestige (R$ 77), Cave Geisse (R$ 55) e Chandon Reserva (R$ 45). Terão notado que não incluí Prosecco na lista. Não tem gosto de quase nada; bolha por bolha prefiro água mineral. Nada contra a velha Itália; mas se quiserem ficar no meio entre Brasil e França, além das cavas, indico o excelente Franciacorta Bella Vista (Rei do Whisky a R$ 149). Estou como Julio Cesar: vim, vi e venci sem perder tempo. Afinal os anos correm rápido demais, e nem imperadores conseguiram brecar o tempo. Vale então repetir o pensamento de que a vida é curta demais para beber vinhos ruins. Que 2012 comece logo, mas se possível demore mais para acabar do que 2011.

Edward Said e o imperialismo Renato Pompeu

F

az oito anos que morreu o intelectual palestino radicado nos Estados Unidos, Edward Said. E faz dezoito anos que ele publicou, aos 58 anos, Cultura e Imperialismo, em 1993, agora lançado em edição brasileira pela Companhia de Bolso. O livro pode ser considerado uma sequência de seu famoso Orientalismo, de 1978, quando o autor tinha 43 anos. Em Orientalismo, ele havia denunciado a falsa visão que, segundo ele, os especialistas ocidentais tinham criado a respeito do Oriente. Em Cultura e Imperialismo, discutindo obras de arte ocidental em geral, dos séculos e XX, sobre temas do Oriente ou sobre o imperialismo, ele debate como o colonialismo e o imperialismo usaram a cultura para controlar os povos dominados e como a resistência ao colonialismo e ao imperialismo, afinal de contas, influenciaram, por sua vez, as letras inglesas e francesas e as artes ocidentais como um todo. Estudando escritores como os ingleses Jane Austen e Rudyard Kipling, o polonês radicado na Inglaterra Joseph Conrad e compositores como o italiano Giuseppe Verdi,

Said, em Cultura e Imperialismo de um lado apresenta o contexto cultural dos colonizadores e, de outro, o contexto dos colonizados. Numa outra vertente, ele estuda tanto o que as descrições ocidentais visualizaram do Oriente, de forma correta ou distorcida, como também o que essas descrições omitiram das realidades orientais. Na verdade, ele considera que a emergência do gênero romance, nas literaturas inglesa, francesa e americana, esteve, a partir do século XVIII, estreitamente ligada à emergência do próprio imperialismo. Said chega a dizer que o padrão clássico do romance nessas literaturas seria como que uma "criação" dos impérios britânico, francês e americano. A ideologia do colonialismo e do imperialismo seriam a mesma ideologia do romance. Isso fica particularmente claro, para ele, já em Mansfield Park, romance de Jane Austen, da passagem do século XVIII para o século XIX. Mansfield Park, a suntuosa mansão em que se passa todo o romance, era de propriedade de sir Thomas Bertram, que tinha ficado rico numa propriedade escravista da ilha de Antígua, no Caribe. Jane Austen dá a

Mohamed Azakir/Reurters

entender que todo o luxo e todo o requinte de Mansfield Park eram sustentados pelo braço dos escravos. Outro livro que Said analisa é No Coração das Trevas, do polonês radicado na Inglaterra Joseph Conrad e que foi a principal inspiração do filme Apocalypse Now, de Francis Ford Coppola. No livro, se trata de um aventureiro ocidental que se apossa de um território às margens de um grande rio africano e chega a ter "súditos", sobre os quais exerce um reino de terror. Também o autor discu-

te a ópera Aída, de Verdi e o modo como ela retrata o Egito. A grande preocupação de Said é com o "outro". A cultura colonialista e a cultura imperialista são para ele ao mesmo tempo um comentário e uma distorção a respeito do colonizado e do dominado. Aqui é preciso insistir em que Said deixa bem claro que o valor cultural das obras que discute, de autores como o irlandês Yeats e o americano Ernst Hemingway, não fica de modo nenhum diminuído pelo fato de se-

rem vistas como refletindo a visão colonialista e imperialista a respeito do "outro". Pelo contrário, segundo ele, a compreensão e a fruição dessas obras de arte são extremamente enriquecidas pela sua visão como partes de uma cultura colonialista e imperialista, pois, afinal, a cultura colonialista e imperialista e a reação a ela das culturas colonizadas e dominadas foram as primeiras manifestações de uma cultura em escala planetária, da primeira cultura globalizada. Outro ponto é que Said, em Cultura e Imperialismo, chega até a era contemporânea. Mais exatamente, o último capítulo se refere à primeira guerra contra o Iraque por parte dos Estados Unidos, no começo dos anos 1990. O que se pode dizer é que o livro engloba as duas disciplinas de que ele foi o inaugurador em todo o mundo: de um lado, os estudos culturais; de outro lado, os estudos pós-coloniais. Além desse traço de pós-colonialismo, a grande novidade de Cultura e Imperialismo, em relação a Orientalismo são os ensaios sobre literatura comparada em particular e cultura comparada em geral. No entanto, fica uma dúvida: até

que ponto Said realmente conhecia esses "outros" do colonialismo e do imperialismo? Ele nasceu filho de um palestino e uma libanesa, ambos protestantes, em Jerusalém em 1935 e pouco depois a família, de alta classe média, mudouse para o Cairo. Tanto em Jerusalém como no Cairo ele estudou exclusivamente em escolas ocidentais. Seu pai tinha sido oficial do Exército britânico na Primeira Guerra Mundial. Said era tão ocidentalizado que até mesmo se tornou um virtuose do piano, dedicando-se às obras clássicas ocidentais. Aos 16 anos, já era radicado nos Estados Unidos. O protestantismo, no Oriente Médio, se desenvolveu a partir de meados do século XIX. Said assim teve pouca convivência com o catolicismo ortodoxo e o catolicismo romano milenares na Palestina e, acima de tudo, teve pouca familiaridade com o islamismo predominante há mais de mil anos no Oriente Médio. Isso sem falar dos outros Orientes, como a China, a Índia, o Japão, a África Negra e a América Latina. É como se ele criticasse a cultura ocidental a partir do interior da própria cultura ocidental.

lherme Maravilha e Marcelo Caldi (acordeom), Alberto Continentino (baixo) - a um seu companheiro músico compositor. Pedro Miranda, Soraya Ravenle, Áurea Martins, Moyseis Marques, Alvinho Lancellotti, Domenico Lancellotti, Mariana Bernardes e Teresa Cristina dividiram algumas faixas com Ivor, o que, pelo fato de ele não ser propriamente um grande cantor, acresceu ainda mais qualidade aos sambas, engrandecendo-os. Em boas e mais companhias é uma sagração às harmonias em tom menor, uma ode a belas melodias, uma elegia a versos da mais rica poética. Tudo tradu-

zido por arranjos que sentem a música e a letra, e as refazem nos timbres dos instrumentos e das vozes. O exemplo dessa perfeita integração está na interpretação de Ivor Lancellotti da obra-prima Mas Que Saudade É Essa!, sua parceria com Delcio Carvalho. Um momento de emoção à flor da pele, no qual se vê a força e a alma de dois compositores brasileiros. Pouco conhecidos do grande público, é verdade, mas dois dos maiores. E salve o compositor popular!

Ivor Lancellotti é o cara! Aquiles Rique Reis

A

pós treze anos sem gravar, eis que Ivor Lancellotti nos chega com um novo disco: Em boas e mais companhias (Dubas) – dez composições nas quais ele desfila sua música plena de requintes harmônicos. Sempre belíssimos, seus sambas estampam uma leve, mas soturna beleza, daquela que nos leva à certeza de que o belo não é sempre alegre, pois se pode muito bem dizer coisas bonitas pontuadas de tristeza, posto que esta nada mais é do que a beleza envolta por melancolia. Melodista de primeira linha, Ivor Lancellotti é a comprovação de que a música brasileira é uma mina de ines-

gotável riqueza. Alguns de seus belos sambas são bastante conhecidos, já que foram gravados por Clara Nunes, Elizeth Cardoso, Beth Carvalho, João Nogueira, Nana Caymmi, Cauby Peixoto, Alcione e Angela Maria, dentre outros. Mas dificilmente se consegue juntar tais músicas ao seu autor. É uma sina que dói sabê-la, que se lamenta, já que ela impede que outros, assim como Ivor, possam ter suas produções ajuntadas a seus nomes. E assim prossegue a saga de alguns grandes fazedores de música: criar belezas às quais o público, que costuma sabê-las de cor, não consegue ligar os títulos a quem as

compôs. E, assim, as músicas ficam como órfãs ou, pelo menos, sem paternidade conhecida. Mas nada disso importa (ou melhor, impor ta e muito, mas é melhor que não nos deixemos consumir por uma lamentação quase sempre inócua). O que de fato importa, porém, é que Ivor está aí, cada vez melhor, pronto para ser ouvido pelos que tomarem conhecimento desse seu novo lançamento.

O disco é uma clara demonstração do comprometimento musical dedicado pelos ótimos instrumentistas Marcelo Menezes (violão), Pedro Miranda, Mestre Trambique, Domenico Lancellotti, Cris Mourão e Stéphane San Juan (ritmo), Marcello Menezes e Bernardo Dantas (violão de sete cordas), João Callado (cavaquinho), Rui Alvim (clarinete), Alexandre Bittencourt (flauta), Gui-

Aquiles Rique Reis, músico e vocalista do MPB4.

Fotos: Arquivo DC

Não risque seu réveillon da pauta. Ainda é tempo de cair na dança.

amba.

Hits dos 70

s 70 a 90. E

E

Augusta quente A decoração, inspirada em Las Vegas, cidade americana do show business e do jogo, reflete a proposta do Clube Vegas, que leva à frente o Projeto Caravana da Coragem, mote do réveillon. Cinco DJs sonorizam a virada do ano. Rua Augusta, 765. Consolação. Tel.: 3231-3705. (DCultura)

A

Boate The History tem um perfil assumido: aposta nos flashbacks dos anos 70 (quando o LP ainda era uma estrela) até os anos 90 (década que abriu espaço para a era, ainda viva) dos CDs. Recém-refomada, a casa (800 pessoas) está preparada para oferecer aos que lá passarem o réveillon um mix de nostalgia com a

adrenalina do samba no pé. Para tanto, fazem parceria Iraí, Campos e Michel (experts na combinação e mixagem de sucessos de três décadas de música, nacional e brasileira - salve os tocadiscos) e a bateria da Escola de Samba Rosas de Ouro (foto). Rua Gomes de Carvalho, 820. Vila Olímpia. Tel.; 38464498. (DCultura)

S

Festa a mb de arro

eu réveillon micou? Há males que vêm para bem. Pois o Clube Piratininga (aquele mesmo que só fazia bailes para a terceira idade) foi repaginado e está oferecendo uma festa de arromba. É uma atração para os retardatários! Inspirado na era disco (lembra-se do filme Nos Em-

balos de Sábado à Noite, com John Travolta?), será embalado pelas bandas Pimenta Latina e Vera Cruz e pelo DJ William. Clube Piratininga. Al. Barros, 376. Higienópolis. Tel.: 3666-0376. Valet Service: RS 20. Ingresso: RS 120 , com direito a uma tábua de frios e uma garrafa de espumante. (Armando Serra Negra)

specialista em sucessos dos anos 70, a Banda Junkie Box honra as tradições do Bourbon Street. Sua trilha sonora para animar o réveillon deste ano recria o clima daquela época, fazendo reinterpretações que chegam ao nosso século, mas sem perder a sua essência. O cuidado com a montagem musical e com a interligação entre as canções merece atenção especial. No programa, ceia, café da manhã, e brinde com espumante à meia-noite. Arrisque. Você ainda poderá conseguir uma mesa (600). Rua dos Chanés, 127. Moema. Tel.: 5095-6100. (DCultura) Leandro Moraes/LUZ


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

d

21

cultura

Em Imortais, Teseu (Henry Cavill) é o humano escolhido por Zeus (Luke Evans) para comandar o exército grego em guerra contra o rei Hipérion (Mickey Rourke).

Guerra de deuses na Terra Lúcia Helena de Camargo

D

euses gregos cheios de vontades e vaidades, com muito poder, beleza e todos os habitantes da Terra para brincar de marionetes. Esse é o tom de Imortais (Immortals, EUA, 2011, 110 minutos), que entra em cartaz nesta última sexta (30) do ano. Com direção de Tarsem Singh, o roteiro foi escrito por gregos: Charles Parlapanides, Vlas Parlapanides. A estética é parecida à do filme 300 (baseado na graphic novel de Frank Miller sobre a Batalha das Termópilas). Os produtores de ambos os longas são os mesmos. Mickey Rourke vive o sanguinário rei Hipérion, que declara guerra contra todo o mundo grego e, para reforçar seu exército, tenta libertar os Titãs presos por Zeus (Luke Evans) no Monte Tártato. Entre um ataque e outro, uma das metas do rei é achar uma arma que teria o poder de destruir a humanidade. Com objetivo de impedi-lo, Zeus então escolhe o mortal Teseu (Henry Cavill), para comandar o exército grego e lutar para destruir o rei imperialista. Ele conta com a ajuda de uma bela sacerdotisa (Freida Pinto, de Quero Ser Um Milionário e Planeta dos Macacos – A Origem), Outros deuses conhecidos dão as caras no longa: Daniel Sharman como Ares; Isabel Lucas encarnando Athena; Kellan Lutz como Poseidon, Steve Byers é Heracles; e Corey Sevier, Apollo. Aparecem ainda Ícaro (Romano

Fotos: Imagens Filmes/Divulgação

Orzari) e até o Minotauro, vivido por Robert Maillet. Com orçamento da ordem de US$ 115 milhões, o filme que estreou nos Estados Unidos no dia 11 de novembro com bilheteria mediana (US$ 32 milhões no primeiro final de semana), até a semana passada tinha feito apenas US$ 82 milhões. Ou seja, ainda nem se pagou. Os mercados mundo afora

são a esperança dos produtores para pelo menos não perder dinheiro. O épico parece não ter caído no gosto do público. Não surtiram efeito nem os recursos de três dimensões, incluídos com intenção de fazer o espectador se sentir dentro das sangrentas batalhas travadas com espadas entre os deuses fortões do Olimpo. O 3D, aliás, começa a ser repensado. E vem diminuindo

consideravelmente sua presença nos filmes. Ainda bem. Com a sensação de Avatar, de James Cameron, a festa começou grande. Tudo tinha que ser em três dimensões. O futuro seria com 100% das salas exibindo filmes nesse formato, chegou a ser cogitado. Porém, a audiência foi pouco a pouco chegando à conclusão que não é preciso que tudo venha no formato. Uma boa exibição em duas dimensões ainda pode ser muito prazerosa. O problema com o filme, porém, reside não apenas na forma. O conteúdo não tem agradado a quem espera ver nas telas um épico memorável, tampouco aos que buscam diversão fácil. Em dúvida sobre como melhor emplacar sua história, a Relativity Media chegou a alterar o título oficial várias vezes. O longa foi chamado de Dawn of War (Alvorecer da Guerra) e War of the Gods (Guerra dos Deuses), antes de ganhar o nome definitivo de Imor tais. Bordel - A outra estreia prometida é L'Apollonide: os Amores da Casa de Tolerância (L'Apollonide - Souvenirs de la Maison Close, EUA, 2011). No início do século XX, o bordel L’Apollonide está vivendo seus últimos dias. Neste mundo fechado, onde alguns homens se apaixonam e outros se tornam viciosamente dependentes, as garotas dividem seus segredos, seus medos e suas dores. De Bertrand Bonello, mesmo diretor de O Pornógrafo.

Calor, calor... que tal um pinguim?

Teseu (Henry Cavill) comanda o exército grego. No detalhe, Freida Pinto, a sacerdotisa. Disney/Divulgação

Bonecos unidos pela arte

E

sta é uma animação para se ver em um dia quente e se sentir transportado para as geleiras antárticas. Em Happy Feet 2 - O Pinguim, Mano continua com seu sapateado e canções. Agora com mais hip hop. E o filhote Erik chega para questionar. Ramon, um pinguim adulto amigo da família, estimula Erik a conhecer Sven, que defende a ideia de que basta desejar algo para que todo um problema seja resolvido. Porém, como se sabe, nada é tão simples. Nem no Pólo Sul nem em lugar nenhum. A direção é do mesmo George Miller, que ganhou o Oscar de animação com o primeiro filme, Happy Feet : O Pinguim, de 2006.

A Walter e Gary (Jason Segel): irmãos bem diferentes. Warner Bros/Divulgação

Paramount/Divulgação

Dramas humanos. Na África. E na França.

S

Gatos e ovo em busca de ouro

B

oa opção para levar as crianças ao cinema nestes dias em que a Cidade está mais vazia, Gato de Botas (Puss in Boots, EUA, 2011, 90 minutos) continua sendo exibido em dezenas de cinemas. Com direção de Chris Miller (mesmo de Shrek Terceiro) e roteiro de Brian Lynch e David H. Steinberg, a animação mostra o pequeno gato de botas, bem antes do felino conhecer o ogro Shrek (de cuja franquia o filme se originou), ao lado do também jovem Humpty Dumpty e da amiga e conhecedora das ruas Kitty Pata Mansa. O trio planeja o roubo da

gansa que bota Ovos de Ouro. Mas vão aprender que, ironicamente, o caminho para a riqueza fácil é bastante complicado. O gato, cuja voz no original em inglês é feita pelo espanhol Antonio Banderas, faz no filme muitas referências ao personagem Zorro, vivido por Banderas em A Máscara do Zorro e A Lenda do Zorro. A voz da gatinha Kitty Pata Mansa quem faz é Salma Hayek. Em português, a voz do gato é feita pelo dublador profissional Alexandre Alves Moreno, que já o dublava nos filmes anteriores da série Shrek.

e preferir mudar o tom de festa e embarcar em um filme denso, Redenção (Machine Gun Preacher, EUA, 2011, 111 Minutos) pode servir. Baseado em uma história real, mostra Sam Childers (Gerard Butler), que depois de sair da prisão vira pastor e, em seguida, vai fazer trabalhos voluntários na África. O que inicialmente seria uma curta temporada para reconstruir casas na devastada Uganda se torna um envolvimento político no Sudão. Enquanto espera por apoio financeiro para ajudar crianças desabrigadas e levanta armas contra os rebeldes no poder, Sam terá de dar atenção à sua família, manter sua fé e confrontar um passado violento que ele pensava ter deixado para trás. E para uma sessão à francesa, assista Esses Amores (Ces amours-là, França, 2010, 120 minutos), de Claude Lelouch. Ilva (Audrey Dana) é uma mulher que se envolve em romances facilmente. Quando morava em Paris, à época da ocupação nazista, caiu de amores por um soldado alemão que – ela descobre – pode estar ligado à morte de seu pai. Teria o romance entre os dois contribuído para o assassinato? Conflitos e tragédias.

Happy Feet 2: dança e música sobre geleiras.

proveite a folga para assistir também a Os Muppets (EUA, 2011, 90 minutos). Se você tem mais de 30 anos, vai adorar relembrar a famosa musiquinha Manah Manah (tocada apenas no final), além de rever Caco, o Sapo (agora chamado de Kermit, seu nome americano), Miss Piggy e outros. A história começa com os irmãos Gary e Walter. Um é humano, o outro, um boneco. Eles vão parar em Los Angeles e descobrem que o magnata Tex Richman quer derrubar o teatro dos Muppets para explorar petróleo no local. A única maneira de salvar o território Muppet de ser destruído é organizar o show que poderá arrecadar os US$ 10 milhões necessários para comprálo antes de Tex. Então Walter sai pelos Estados Unidos procurando os antigos membros da trupe. Aos poucos, todos são encontrados. Miss Piggy, antiga paixão de Kermit, é uma importante editora de moda em Paris. E ajuda a organizar o grande Muppet Teleton. Com Amy Adams no elenco. Direção de James Bobin.

WaParis Filmes/Divulgação

A Pele que Habito: Antonio Banderas e Elena Anaya vivendo nas telas as obsessões do diretor espanhol.

Banderas em filme de Almodóvar: um peculiar cirurgião plástico.

P

edro Almodóvar em toda a sua forma aparece nos fotogramas de A Pele Que Habito (Espanha, 2011, 133 minutos). Com trama intrincada e quase surreal, o filme toca em questões de gênero, fala

de genética, beleza e mais, todas as obsessões do diretor. Richard Ledgard (Antonio Bandeiras) é um cirurgião plástico que, após a morte da sua mulher num acidente de carro, começa a desenvolver

uma pele em laboratório. Pela ciência, cobaias humanas serão usadas. Mas as motivações do médico não se resumem à pesquisa científica. Na trama cabem ainda estupro e vingança.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

22

d

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

AGENDA CHEIA

cultura

Programas bons de bolso em SP Entre um compromisso e outro de fim de ano, reserve espaços para aproveitar o que a Cidade oferece. As opções vão de mostras fotográficas, gravuras, charges até programas especiais de férias. Rita Alves

D

urante a passagem da companhia Teatro de Perto por cinco estados brasileiros, uma pessoa permaneceu por perto: Priscila Prade. A fotógrafa registrou as viagens do grupo, e em parceria com o ator Marcello Airoldi, criou a exposição Da capivara ao professor. Em cartaz no Espaço Cultural Porto Seguro (Avenida Rio Branco, 1489, Campos Eliseos, tel.: 3337 5800. Terça a sexta, das 10h as 19h. Sábado e domingo, das 10h as 17h. Grátis), a mostra exibe até o dia 10 de fevereiro 22 imagens, acompanhadas de textos escritos por Airoldi. "Priscila coloca uma lupa sobre os acontecimentos que nos cercaram: aspectos humanos, geográficos e poéticos, o que fez toda diferença na forma de evidenciar o que aconteceu como efeito desta ação nas pessoas diante do espetáculo”, afirma o ator. Gravuras – No Espaço Cultural Citi (Avenida Paulista, 1111, térreo, tel.: 4009-3000. Segunda a sexta-feira, das 9 às 19 horas. Sábados, domingos e feriados, das 10 às 17 horas. Grátis) há outra bela alternativa de passeio. Até o dia 3 de fevereiro, o local expõe 33 gravuras do artista plástico Marcello Grassmann, integrantes da exposição Matéria dos Sonhos. Com curadoria do crítico Jacob Klintowitz, a mostra também apresenta para o público a edição integral das matrizes em metal feitas por Grassmann em 65 anos

Priscila Prade

de trabalho. "Trata-se de uma edição histórica das matrizes em metal disponíveis e utilizáveis até 2011, somando 217 obras de arte. Um levantamento desse porte é uma raridade mundial”, diz o curador. Pinacoteca – Na Pinacoteca do Estado uma das atrações é a exposição Eliseu Visconti - A Modernidade Antecipada, em comemoração ao ano da Itália no Brasil. Com cerca de 250 trabalhos, exibe pinturas, desenhos, cerâmica e documentos. "Esta mostra representa uma oportunidade para que o público de hoje tome contato com a produção de Visconti, em toda sua extensão. Trata-se de ocasião ímpar, visto que a maior parte de sua obra está guardada em coleções particulares", diz Rafael Cardoso, um dos curadores da exposição. "Esta mostra tem por propósito recuperar a obra de Visconti, situando-o como grande expoente da arte brasileira no período crítico da primeira República.” Árvores – Passeando pelo Parque do Carmo (Avenida Afonso Sampaio e Souza, 951. Das 6h30 às 19h)? Então aproveite o clima de natureza para apreciar a exposição Árvores da Cidade de São Paulo 2011. A mostra é resultado da VI edição do Concurso de fotografia Árvores da Cidade de São Paulo e apresenta imagens dos 20 escolhidos, sendo cinco deles

eleitos vencedores. Em cartaz até o dia 5 de janeiro, segue depois para o Parque do Ibirapuera. Fotos – Outra exposição fotográfica imperdível está no Instituto Tomie Ohtake (Avenida Faria Lima, 201, Pinheiros, tel.: 2245-1900. Terça a domingo, das 11h às 20h. Grátis). Trata-se da mostra Steve McCurry – Alma Revelada. O fotógrafo, membro da Magnum Photos desde 1986, é conhecido pela famosa imagem da menina afegã refugiada que encarou as lentes do artista com seus marcantes olhos claros. Mas, além dessa imagem, o visitante vai encontrar registros de diversos países, entre eles a Índia, o Paquistão e a Nigéria. 10 anos – Outra atração do Tomie Ohtake é a coletiva Os Dez Primeiros Anos, apresentada para comemorar os 10 primeiros anos de atuação do instituto. A exposição traz obras de 50 artistas contemporâneos, entre eles, Alice Micelli, Carla Chaim, Renata Egreja, Rodolpho Parigi, Tatiana Blass e Thiago Martins de Melo. "A mostra Os Dez Primeiros Anos representa a cena atual, o passado próximo, na qual, embora ainda em andamento, já se podem vislumbrar evidências, principalmente como a de um período de excepcional desempenho dos jovens artistas, nunca visto na história da arte brasileira”, afirma Ricardo Ohtake, diretor do Instituto Tomie Ohtake.

À Margem do Simples: obra integra a mostra Da capivara ao professor , no Espaço Cultural Porto Seguro.

Daniela de Moraes

Truques e diversão no Sesc

Divulgação

Gerald Speckmann

Detalhes do Sol e uma noite estrelada podem ser vistos no Catavento Cultural e Educacional Bruno Motta

Para brincar e aprender

A

lguns locais de lazer estão com horários diferentes neste fim de ano. Mas se a diversão escolhida para o mês de janeiro for o Catavento Cultural e Educacional, comemore. O local volta as atividades normais a partir do próximo dia 3 de janeiro. As atrações, distribuídas em 4 mil metros quadrados, podem encantar tanto a garotada quanto os adultos. São 250 instalações diferentes, distribuídas em quatro seções: Universo, Vida, Engenho e Sociedade. Uma das atividades é uma maquete de 1,2 m de diâmetro. Nela é possível ver detalhes do Sol e perceber que a superfície dele é cheia de rugosidades e grânulos. Prefere a noite? Não tem problema. Diversos pufes estão ao seu dispor para que, deitados sobre eles, você consiga

contemplar uma noite estrelada de inverno, simulada por fibras ópticas. Acompanhado pelos monitores, o público consegue reconhecer as principais constelações, com o uso de uma carta celeste. Não deixe de entrar na seção Vida. É lá que você pode conhecer o novo espaço: a Sala do Corpo Humano. Com vídeos, maquetes e animações, o ambiente mostra

o funcionamento de quatro sistemas humanos. Nessa sala, o público encontra assuntos ligados ao início da vida, aos sistemas respiratório, cardiovascular, digestivo e nervoso. Gustavo Faria, educador responsável pela seção Vida, conta que visitantes de todas as idades podem aproveitar as atividades da nova sala. "A Sala do Corpo Humano tem um conteúdo bem didático voltado para curiosidades, o que torna as informações mais fáceis de serem absorvidas. Desde crianças do ensino fundamental, passando pelo médio e até mesmo ensino superior podem aprender muito neste espaço." Catavento Cultural e Educacional. Palácio das Indústrias. Parque Dom Pedro II, Centro. Terça a domingo, das 9h às 17h. Bilheteria fecha às 16h. R$ 6.

S I A M E

A contagem regressiva para aproveitar a programação do Sesc Belenzinho já pode começar. Depois das festas de fim de ano, prepare a criançada para o projeto Férias Mágicas. O grupo Mágicas e Pirilampos (à dir.) participa do

evento contando a história de Nana Buh e sua avó. Outro que deve entreter os pequenos com seus truques é o mágico Julyano Kampos (à esq.) que promete convidar o público para participar de seus intrigantes números de mágica.

Sesc Belenzinho. Rua Padre Adelino, 1000, Belenzinho, tel.: 2076-9700. A partir do dia 7 de janeiro. Programação em www.sescsp.org.br/belenzinho

No centro da roda

H

á 25 anos, o cartunista Paulo Caruso participa do programa Roda Viva, na TV Cultura, fazendo desenhos dos entrevistados. Quem já viu os traços do artista pela TV, pode vê-los de perto na mostra Roda Viva 25 Anos, o Brasil Passa Por Aqui, em cartaz somente até esta sexta (30), no Espaço Cultural BM&FBovespa. Caruso assina a curadoria da exposição e selecionou para o espaço 25 charges. Entre elas, as mais marcantes do programa como as do exgovernador do Rio Leonel Brizola, do médico americano Patch Adams, do rapper Mano Brown e do cineasta José Padilha (foto). O visitante ainda pode tomar o lugar do entrevistado em um cenário interativo, criado pelo próprio Caruso.

Exposição Steve McCurry - Alma Revelada em cartaz no Instituto Tomie Ohtake, tel.: 2245-1900. Grátis.

Divulgação

Espaço Cultural BM&FBovespa. Praça Antonio Prado, 48, Centro (próximo à estação São Bento do Metrô). Das 10h às 18h. Grátis.


Diário do Comércio