Page 1

Feliz ano novo. Chinês. Negócios da China no Brasil, culinária e filmes. Págs. 11, 22 e 23

Ano 86 - Nº 23.299

Conclusão: 23h45

Jornal do empreendedor

www.dcomercio.com.br

R$ 1,40

São Paulo, sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

O acervo de Edemar no Museu da Corrupção www.muco.com.br

O BRASIL PAGA OS MELHORES SALÁRIOS DO MUNDO

E TAMBÉM PAGA MUITO A QUEM NÃO MERECE

Nova York, Londres, Hong Kong... É nesses lugares que os executivos se dão bem... Nada disso! Eles ganham mais em terras brasileiras. Em São Paulo, por exemplo, um CEO recebe, em média US$ 600 mil por ano. Na Big Apple, US$ 560 mil. Não é à toa que quem saiu está voltando. Pág. 5

Nada menos do que 658 ex-parlamentares e 602 viúvas recebem aposentadorias e pensões. Ex-governadores recorrem à Justiça para manter e, pasmem, ampliar seus benefícios vitalícios. Até quem ocupou o cargo por alguns dias goza das benesses. Pág. 5

MAX

FMI ADVERTE O BRASIL A deterioração nas contas fiscais do Brasil "é particularmente brusca", alerta o FMI: "Espera-se agora que o governo não alcance sua meta fiscal". Pág. 15

AFP

Arquivo DC

Patrícia Cruz/LUZ

A Última Sessão de Cinema, cult , de Peter Bogdanovich, simboliza o fim nostálgico de salas como as do Belas Artes. Reveja o filme e pense. Estreia Um Lugar Qualquer , de Sofia Coppola; o Islã no CCBB, em mostra que revela 13 séculos de arte e história; a Biblioteca Mário de Andrade promove concerto que reúne tradição musical libanesa e cantoria sertaneja; e Sérgio Britto volta ao palco.

d

Egito, hoje: 1 milhão nas ruas para forçar a saída de Mubarak. Iêmen exala jasmim da Tunísia A revolta do Jasmim em Túnis contagiou o Iêmen, após o Egito: "fora Saleh!", grita a multidão. Pág. 9

Universal Studios/Divulgação

O Nobel ElBaradei e a Irmandade Muçulmana aderem às manifestações ao fim das orações desta sexta-feira. E nem em foto Mubarak é mais aceito. Pág. 9

cultura

Divulgação

HOJE

Na lama, no asfalto... Com todo luxo.

Pancadas de chuva à tarde e à noite. Máxima 33º C. Mínima 21º C.

AMANHÃ Pancadas de chuva à tarde e à noite. Máxima 33º C. Mínima 22º C.

ISSN 1679-2688

23299

Búzios: bonita demais. 9 771679 268008

Destino abre série sobre praias. Turismo, pág. 18

Avaliamos o Jeep Grand Cherokee, ícone entre os utilitários-esportivos. Pág. 17


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

O novo tiroteio tem por alvo o reajuste do mínimo para R$ 580, correspondente a cerca de US$ 350. Roberto Fendt

pinião

SOB O FOGO AMIGO

EYMAR MASCARO

Um aumento de salários acima do crescimento da produtividade é inflacionário, especialmente num cenário em que as expectativas de inflação vêm se deteriorando.

O

fracasso da primeira rodada de reuniões entre o governo e as centrais sindicais em torno do reajuste do salário mínimo mostra que a senhora presidente está sendo vítima, mais uma vez, não do tiroteio da oposição, mas de fogo amigo. A rigor, a expressão "fogo amigo" (friendly fire) cunhada pelos militares americanos aplica-se à situação em que uma parte dos combatentes atira inadvertidamente nos próprios companheiros ou em aliados durante o combate, em lugar de mirar no inimigo. Infelizmente, a presidente Dilma está agora sendo vítima, no caso do reajuste do salário mínimo, de obuses atirados por seus supostos aliados. A situação não é nova. Desde que se anunciou a vitória da presidente, sua base aliada se digladia em torno da repartição dos cargos. Essa luta fratricida envolve não somente a distribuição dos ministérios entre os partidos que dão sustentação ao governo, mas também os cargos nas agências reguladoras e diretorias de estatais e autarquias. O novo tiroteio tem por alvo o reajuste do salário mínimo para R$ 580, correspondente a aproximadamente US$ 350. O novo mínimo, assim corrigido, impactaria diretamente na despesa dos três níveis de governo, por conta dos reajuste de suas folhas de pagamento, e, indiretamente, pelo impacto

ROBERTO FENDT do novo valor sobre os serviços comprados pelo governo do setor privado. Não é por solidariedade aos mais pobres e aos trabalhadores menos qualificados que as centrais sindicais batem-se por um reajuste do mínimo superior ao proposto pelo governo. As centrais são beneficiadas com a transferência de 10% da arrecadação do imposto sindical, correspondente a um dia de trabalho de todos os trabalhadores do setor formal da economia.

A

rigor, não haveria nada a negociar, já que o valor do salário mínimo corrigido para 2011 não deveria sequer atingir os R$ 540 estipulados pelo governo. O valor correto, resultante da fórmula de reajuste anteriormente acordada com as centrais sindicais durante o governo Lula, deveria ter tomado por base a soma do percentual da inflação de 2010 com o percentual da taxa de crescimento do PIB de 2009. Aplicada a fórmula, o percentual do reajuste deveria ter deduzido, da inflação do

ano passado, o percentual de queda do PIB de dois anos atrás. Já se estava ignorando esse fato, talvez porque a fórmula original pretendia que se repusesse a inflação do ano anterior e se acrescentasse um ganho real no reajuste. Esse ganho real era estimado pelo próprio crescimento do PIB, à falta de um melhor indicador. Em vista disso, é descabida a pretensão da CUT, da Força Sindical e das demais centrais. O que se está discutindo é como ignorar o previamente acordado com as próprias centrais e em quanto.

P

or outro lado, oferecer a correção da tabela do imposto de renda em troca do novo valor de R$ 545 para o salário mínimo é igualmente descabido. O governo está olhando as suas contas e percebe que está aumentando a despesa com o reajuste do mínimo e que perderá receita se corrigir a tabela do imposto de renda. O interesse do governo é não perder receita – e não elevar ainda mais a despesa. Esse argumento não convence as centrais, já que o interesse é aumentar a sua

SERRA QUER O PSDB NO ATAQUE

O

receita proveniente da arrecadação do imposto sindical – que, por seu turno, depende dos reajustes dos salários. O que não tem vindo ao debate são alguns fatos desagradáveis para ambas as partes em negociação. O imposto sindical é uma excrescência da legislação trabalhista, copiada do código do trabalho fascista. Cada sindicato deveria representar os interesses de quem voluntariamente decidiu fazer parte dele, contribuindo também voluntariamente para a sua manutenção.

A

ausência de correção da tabela do imposto de renda, na presença da inflação, implica que o Executivo usurpou uma atribuição do Legislativo, a de fixar as alíquotas dos tributos. Se não há correção da tabela, cada vez mais os rendimentos menores são atingidos pelo imposto, contrariando o desejo do legislador e o da sociedade. Finalmente, um reajuste do salário mínimo causará aumentos na estrutura geral de salários da economia. Um aumento de salários acima do crescimento da produtividade é inflacionário, especialmente em um cenário em que as expectativas de inflação vêm se deteriorando. Não fora pela não- intencionalidade, estaríamos diante de um caso clássico de fogo amigo. Com amigos como esses, a senhora presidente não precisa de inimigos – o que de fato ocorre, já que a sua base de sustentação controla a ambos. ROBERTO FENDT É ECONOMISTA

s tucanos ligados a José Serra não admitem que o PSDB, no Congresso e nos governos estaduais, façam uma oposição light ao governo da petista Dilma Rousseff. O exgovernador paulista e candidato derrotado ao Planalto desconfia que Aécio Neves estaria disposto a contemporizar com a presidente, assim que se instalar no Senado. Os movimentos iniciais de Serra confirmam o que era esperado: seu desejo é se colocar como um dos principais algozes do governo Dilma. Só assim ele teria chance de lutar para conquistar mais uma vez a legenda tucana e, por ela, tentar mais um voo ao Planalto em 2014. Mas se a escolha do candidato do PSDB a presidente ocorresse hoje, o favoritismo seria todo de Aécio Neves. Os mineiros continuam entendendo que chegou a hora de um tucano de Minas concorrer à próxima sucessão presidencial. Os paulistas, no entanto, admitem que Serra pode repetir o gesto de Lula, que perdeu três eleições para o Planalto antes de se eleger pela primeira vez. Serra já perdeu duas: uma para Lula e outra para Dilma. Quietinho, como era o avô Tancredo, Aécio Neves está absolutamente convencido de que disputará a sucessão da petista. Para os mineiros, Aécio teria conseguido melhor desempenho nas urnas em 2010, caso tivesse sido ele o candidato tucano à presidência.

tese defendida por Minas é que Aécio dispõe de melhores condições para atrair o apoio de outros partidos, além de se projetar mais do que Serra nos estados. Ao defender nova candidatura de Serra, os serristas citam como principal argumento o fato de que ele saiu das urnas com 44 milhões de votos. Serra avalia que Dilma não repetiria a votação em 2014 (56 milhões de votos), pelo desgaste que deve sofrer devido às denúncias de que as irregularidades no governo continuam. O raciocínio dos tucanos, porém, peca por ignorar que, no caso de Dilma se encontrar em baixa na hora da escolha do candidato, o PT pode optar por Lula. O expresidente já decidiu que após descansar voltará a ser alvo dos holofotes, viajando pelo País numa recriação da Caravana da Cidadania. Para continuar sendo um forte opositor, Serra precisa urgentemente de um palanque com visibilidade. Os tucanos mineiros já disseram, por exemplo, que não aceitam

Por enquanto, a tática de Serra tem sido usar e abusar do twitter para cutucar Dilma. Há alguns dias, ele trocou farpas com o presidente do PT, José Eduardo Dutra.

que um paulista seja indicado para dirigir o PSDB. O recado foi curto e grosso: eles não querem José Serra nem Fernando Henrique eleitos para presidir o partido. Por isso, o mais provável é que o senador pernambucano Sérgio Guerra continue conduzindo o PSDB. s serristas torcem para que Álvaro Dias seja o líder da bancada do partido no Senado. Dias tem-se notabilizado como crítico implacável do governo federal. Ao mesmo tempo, Serra não quis engrossar o movimento no partido que leva o deputado paulista Duarte Nogueira à liderança da bancada na Câmara. Duarte Nogueira é ligado a Geraldo Alckmin e considerado pelos serristas um opositor "dócil demais".

O

A

or enquanto, Serra tem usado e abusado do twitter para cutucar Dilma. Há dias, ele trocou farpas com o presidente do PT, José Eduardo Dutra. Como Serra e Aécio buscam novamente a legenda para se candidatar em 2014, os tucanos ainda estão privados de presenciar o primeiro encontro dos dois após as eleições do ano passado. Serra ainda não digeriu a derrota que sofreu nos dois turnos em Minas, estado governado pelo PSDB. Os mineiros dizem que sentiram a falta de um telefonema de Serra para Aécio depois das eleições. O ex-governador paulista, contudo, não se sensibilizou com as palavras dos aecistas.

P

EYMAR MASCARO É JORNALISTA E COMENTARISTA POLÍTICO MASCARO@BIGHOST.COM.BR

Fundado em 1º de julho de 1924 Presidente Alencar Burti Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto, Antonio Carlos Pela, Arab Chafic Zakka, Carlos Roberto Pinto Monteiro, Claudio Vaz, Edy Luiz Kogut, Gilberto Kassab, Guilherme Afif Domingos, João de Almeida Sampaio Filho, João de Favari, José Maria Chapina Alcazar, Lincoln da Cunha Pereira Filho, Luís Eduardo Schoueri, Luiz Roberto Gonçalves, Moacir Roberto Boscolo, Nelson F. Kheirallah, Roberto Macedo, Roberto Mateus Ordine, Rogério Pinto Coelho Amato, Sérgio Antonio Reze

CONSELHO EDITORIAL Alencar Burti, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, João de Scantimburgo, Marcel Solimeo, Márcio Aranha e Rogério Amato Diretor-Responsável João de Scantimburgo (jscantimburgo@acsp.com.br) Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Editor-Chefe: José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br) Chefia de Reportagem: Teresinha Leite Matos (tmatos@acsp.com.br) Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br) Editores Seniores: Bob Jungmann (bob@dcomercio.com.br), Carlos de Oliveira (coliveira@dcomercio.com.br), chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), Estela Cangerana (ecangerana@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Luiz Antonio Maciel (maciel@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br) Editor de Fotografia: Alex Ribeiro (aribeiro@dcomercio.com.br) Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Ricardo Ribas (rribas@dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br) Subeditores: Fernanda Pressinott, Kleber Gutierrez, Marcus Lopes, Rejane Aguiar e Tsuli Narimatsu Redatores: Adriana David, Anna Lucia França, Eliana Haberli ,Evelyn Schulke, e Sérgio Siscaro Repórteres:Anderson Cavalcante (acavalcante@dcomercio.com.br), André Alves, Fátima Lourenço, Geriane Oliveira, Giseli Cabrini , Ivan Ventura, Kelly Ferreira, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mário Tonocchi, Neide Martingo, Paula Cunha, Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves, Sandra Manfredini, Sergio Leopoldo Rodrigues, Sílvia Pimentel, Vanessa Rosal, Vera Gomes e Wladimir Miranda. Gerente Comercial Arthur Gebara Jr. (agebara@acsp.com.br) Gerente Executiva de Publicidade Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações José Gonçalves de Faria Filho (jfilho@acsp.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estado, Globo e Reuters Impressão Diário S. Paulo Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3244-3175. Fax 3244-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3244-3344, 3244-3983, Fax 3244-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3244-3544, 3244-3046 , Fax 3244-3355

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3244-3030 REDAÇÃO (011) 3244-3449 FAX (011) 3244-3046, (011) 3244-3123 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

o

3

OPOSIÇÕES SE OCUPAM DOS SINTOM AS, SEM DIAGNOSTICAR A "DOENÇA" QUE OS ACOMETE.

pinião

DENIS LERRER ROSENFIELD

O PESO DA DERROTA O silêncio das oposições é ensurdecedor. E digo bem das oposições, pois cada um dos partidos oposicionistas encontra-se em crise interna, numa ausência de rumos que chama a atenção de qualquer cidadão, mesmo desatento. É evidente que PSDB, DEM e PPS carecem de um diagnóstico do que lhes aconteceu. Em decorrência, tampouco sabem como se orientar no momento presente. Salta à vista que se trata da terceira eleição federal perdida. São três derrotas consecutivas que podem, também, ser o prenúncio de uma quarta, se nada for feito. Para eles, torna-se imperioso pensar. Porém, o que mais observamos são conflitos regionais, disputas de liderança e lutas pelos respectivos comandos partidários. Pode-se mesmo dizer que o PSDB e o DEM apenas se preocupam com os sintomas, sem nenhum diagnóstico da "doença" que os acomete. Os partidos de oposição têm uma manifesta dificuldade de se tornarem partidos nacionais e com um discurso voltado para todos os brasileiros. Os interesses regionais primam manifestamente sobre os nacionais. Qualquer composição partidária interna e, mesmo, entre partidos passa prioritariamente pelos interesses das cúpulas estaduais. Em princípio, poder-se-ia contraargumentar que isso seria normal, não sendo motivo especial de preocupação. Neste caso, porém, deverse-ia acrescentar a renúncia a um projeto nacional. O PMDB é um bom exemplo disso,

Os partidos de oposição têm manifesta dificuldade de se tornarem partidos nacionais e com um discurso dirigido a todos os brasileiros. Os interesses regionais pairam claramente acima dos nacionais.

pois tornou-se uma federação de interesses regionais – e parece conviver perfeitamente bem com isto. Já o PT, pelo contrário, tornou-se um verdadeiro partido nacional. A questão que se coloca, portanto, é a seguinte: pretendem os partidos de oposição tornarem-se, cada um individualmente, um novo PMDB? PSDB e DEM, internamente, perseguem, respectivamente, um conflito sério pelo controle da legenda. Os tucanos continuam imersos nos sintomas, numa disputa entre o setor paulista e o mineiro da agremiação – concretizada respectivamente em pré-candidatos declarados para a nova disputa presidencial, José Serra e Aécio Neves.

D

e um lado, novamente, poder-se-ia dizer que se trata de algo normal, dado o fracasso das últimas eleições no nível presidencial. As brigas se acentuam na derrota e se atenuam na vitória. Contudo, de nada adianta do ponto de vista político e eleitoral que tal disputa se faça na ausência de um diagnóstico da derrota, da ausência de um projeto nacional e da manifesta desorientação presente. A única coisa que aparece é uma disputa entre pessoas, como se o problema aí se esgotasse. A eleição de Dilma Rousseff, por sinal, mostra que uma pessoa estranha à cúpula partidária e encarnando um projeto nacional, conseguiu ser eleita a despeito de sua falta de carisma. Lula e o PT tinham uma idéia do que deveria ser feito politicamente e seguiram com afinco e coerência o que tinham planejado. Tiveram diagnósti-

co e rumo. A escolha da candidata obedeceu a esse roteiro, mesmo não tendo ela experiência eleitoral. No que diz respeito às concepções partidárias, há um problema de monta a ser superado. O PT, no exercício do poder – não em sua retórica política – está se tornando, aos trancos e barrancos, um partido social-democrata no estilo europeu do termo. Os setores mais radicais do partido abominam essa denominação, porque se crêem ainda portadores de um projeto revolucionário. Outros, no entanto, a boca pequena – ou não tão pequena assim – estão praticamente adotando esse rumo. Como se trata de um problema de nome e não, por assim dizer, de conteúdo, são chamados de "pragmáticos". O que significa ser, no caso, "pragmático"? Significa não seguir as orientações partidárias radicais ou revolucionárias em proveito da administra-

ção de uma sociedade capitalista. A ênfase é dada à questão social, porém isso não altera minimamente os termos da questão.

A

social-democracia empreendeu muito bem esse projeto, muito melhor do que todas as sociedades que adotaram o socialismo e fracassaram, nascidas, precisamente, de um projeto revolucionário, ainda adotado como doutrina petista. Para sermos mais precisos, deveríamos também dizer que a "direita" europeia, como os democratas cristãos na Itália e na Alemanha, ou os gaullistas na França, também fizeram uma "gestão social" do capitalismo. Entretanto, o PT continua refém de uma contradição entre sua prática de governo e sua concepção, até hoje não revisada. Frequentemente, temos a esquizofrenia. O partido diz fazer uma coisa e faz outra completamente

distinta. O seu fazer, porém, conseguiu empurrar o PSDB para uma armadilha, da qual os tucanos não sabem como se desvencilhar. O PT, "pragmaticamente", ao se "social- democratizar", não apenas roubou partes importantes do programa partidário do PSDB, como políticas de seu governo. Assim foi com o bolsaeducação e outros auxílios sociais do governo FHC que se tornaram o "bolsa-família". E o roubo foi um crime perfeito por falta mesmo de oposição. O destino doutrinário do DEM, por seu lado, segue um impasse semelhante. Depois de ter sinalizado para um programa de perfil liberal, terminou mergulhando em problemas internos e, até mesmo, em questões de mera sobrevivência. De novo o partido ficou a reboque dos sintomas. Ainda no governo Fernando Henrique, poderia apresentar, como conquistas suas, a privatização

das empresas estatais –, que foi um enorme sucesso. Nem ele, nem os tucanos, souberam capitalizar isso. É como se o governo FHC tivesse privatizado empresas sem nenhuma convicção, tão somente pela mais completa necessidade, quase envergonhado.

P

osteriormente, na oposição, o DEM deixou de se engajar em campanhas contra o não pagamento dos precatórios, pois isto contrariava interesses municipais e estaduais. Afastou-se de eleitores simpatizantes seus. Quando se engajou politicamente na defesa de idéias angariou enorme adesão, como em sua luta pela não prorrogação da CPMF. Naquele momento, foi como se um novo rumo tivesse sido encontrado. No entanto, seguiu-se a desorientação. DENIS LERRER ROSENFIELD É PROFESSOR DE FILOSOFIA NA UFRS

O POSTE CALOU O CARA?DU-VI-DE-Ó-DÓ F

HC definiu com fina ironia a principal diferença entre o governo atual, do Poste, e o anterior, do Cara: “Agora vejo menos o Lulla na tevê”. FHC acertou nas moscas. Mas é por vontade própria do Cara, algum desígnio oculto ele tem, e não por ação consciente do Poste – não que lhe falte vontade, acho que até sente inconfesso desejo de se ver livre do Cara, mas qual o quê. Li que essa moda de oferecer cem dias de trégua para um novo governo foi idéia de Roosevelt, que queria os cem dias de trégua para ele mesmo. A ideia pegou. Aqui, recebemos os novos com paz e amor e o Poste beneficia-se indevidamente do costume. O Poste não é novo porcaria nenhuma, é apenas o Nono Ano do governo Lulla, vamos dizer Ano 9 da Era Lulla. Para os puristas do credo lullista, como Dirceu, Gushiken, Genoíno, Delúbio, Mercadante e Palocci, é o Ano 9 Depois do Lulla. (O que aconteceu com a cara do Mercadante que inchou daquele jeito? Será ele o próximo hóspede do 8 Estrelas de Dubai, o hospital Sírio-Libanês ? O Poste nada tem de purista. O Poste é apenas o

Poste. Delúbio é um dos grandões, um founding father, como Dirceu era, é e sempre será. Dirceu ainda terá a cara estampada nas notas de Déreal, podes crer. O Poste c´est une parvenu, foi imposta pelo Cara goela abaixo do petismo militante, obediente e de olho no PMDB, que vive de olho nas migalhas do banquete. Depois do Lulla? Depois, nada. Estamos em plena vigência do mesmo Cara de sempre, que sai da caverna com a máscara na cara e anel de caveira na mão direita, montado no Heroi e acompanhado pelo Capeto; o Fantasma é Imortal. amais escaparemos. Veja no mapa da América Latrina o país dos hermanos, a Argentina, tão bela e que já foi tão rica, acho que a 4ª economia do Mundo, destruída há mais de 60 anos pelo peronismo e pelo fantasma do Perón. Na Argentina, situação, oposição, direita, centro e esquerda são peronistas, um espelho do nosso futuro, quando teremos situação, oposição, direita, centro e esquerda paridos dentro do lullismo, disputando entre si

J

NEIL ADMIRADO

FERREIRA não mais o controle da política e da sociedade, que possuirão de velho, mas fatias mais gordas do butim. Este Reich lullista caminha para os 70 anos do PRI mexicano, 12 já estão no papo (pertinho dos 13 do Hitler), se tudo correr a contento para o Poste e sua saúde reconhecidamente frágil. a melhor das hipóteses, o Plano A – a cumpanherada tem como certos mais 8 anos do Cara daqui a pouco, somando 20. Como a oposição só se opõe a si mesma, eles nadam de braçada sem nada pela frente. Na pior, o Plano B – criado e aprovado à sorrelfa, na maior

N

correria. Alguns meses antes da eleição, quando a saúde do Poste era assunto de palanque e instrumento de caça aos votos, a cumpanherada agiu rápido e aprovou no Congresso uma coisa que não sei o nome, se Lei ou Emenda à Constituição, mudando a substituição do presidente no caso de sua morte ou impedimento permanente. Se a presidenta desabar em pleno mandato, quem assume não é a vice, a doce Marcela, que levaria o Temer de lambuja. Assume o presidente do STF, para convocar eleições em 90 dias. Como o Poste teria cumprido um mandato de não sei quantos dias, ou

semanas ou meses ou anos, chuta aí a quem a Lei garante o direito de se candidatar de novo, chuta, vai. Acertou em cheio, isso mesmo, ao Cara. Já tem até a musiquinha que ele vai cantar na campanha, a mesma do Getúlio, reencarnação do Getúlio, que ele afirma que é, "Bota o retrato do velho outra vez, bota no mesmo lugar..." (Eu sugeri "Lulla de novo nos braços do povo", mas ninguém me escuta). uma democracia, a oposição se opõe e fiscaliza o governo. Eu não vejo isso acontecer aqui; dá a impressão de que a oposição só está na oposição porque quis uma boca na situação e não conseguiu. Está na oposição por puro despeito e não por escolha ou ideologia; dá a impressão de que na hora em que tiver uma chance, troca de barco. Dá uma olhada nas ações do Aecim, Anastasim e Kassab. Numa democracia, a oposição , ao se opor e fiscalizar o governo, procura votos para com eles deixar de ser oposição e virar situação. Esse é o jogo. Aqui, há 44 milhões de votos procurando a oposição. São 44 milhões de habitantes do "país" alfabetizado, que

N

trabalha, produz o PIB, gera riquezas, paga impostos. São 44 milhões que não vivem de mesada da viúva, pagam a conta – e não penduram a conta. Cadê os caras que poderiam sonhar com esse caminhão de votos ? Estão concedendo "cem dias de trégua" a quem já teve 8 anos de mandato e só trouxe a maior corrupção nunca antes vista neste país. Então, prego com fúria religiosa aos quatro tempos e ventos, "Cem dias de trégua uma pinoia. Sem dias de trégua, isso sim". Pau no Poste, enquanto houver democracia que o permita. á um movimento subreptício para atribuir sabedoria ao Poste pelo seu silêncio, ao mesmo tempo em que se confere a essa sabença o mérito pelo sumiço do Cara. Marta, a craca Melhor do Mundo, não a Relaxa e Goza, pendurou a camisa dela no Poste e a foto saiu em todos o jornais. Nada mais Lulla do que o Poste. VENCEU O 1º MENSALÃO (MÊS GRANDÃO) DO POSTE. ATÉ AGORA, NADA.

H

NEIL FERREIRA É PUBLICITÁRIO


DIÁRIO DO COMÉRCIO

4 -.GERAL

Giba Um

3 Benjamin

Steinbruch era o maior torcedor da candidatura Paulo Skaf ao governo paulista e assumiu a Fiesp na época.

gibaum@gibaum.com.br

3

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

MAIS: deve ter gostado. Em abril, Skaf concorre ao terceiro mandato e surpresa - Benjamin quer também a mesma cadeira.

28 de Janeiro

k Nenhum de nós tem condição moral ou política de dizer que Domador de leões «

ele não pode militar no PT.

ANDRÉ VARGAS // secretário de Comunicação do PT, igualando todo mundo do partido a Delúbio Soares, coordenador do mensalão.

Fotos: Paula Lima / Divulgação

333 O ex-domador de leões italiano que chegou ao Brasil em 1968 e foi dono, durante anos, de um conhecido circo, Orlando Orfei, vai virar documentário produzido pela Câmera 2. Aos 91 anos, Orfei vive em Nova Iguaçu, com a mulher, filha e sete cachorros. Sua vida ruiu com o fim do Tivoli Park, no Rio. Apesar de sofrer com principio de Alzheimei, o ex-domador está entusiasmado com a idéia do documentário. Detalhe: Orfei sempre usou peruca e, noventão, não abre mão dela.

São Tomás de Aquino

S

acerdote dominicano nascido na Itália do século XIII, é um dos maiores teólogos da Igreja. Fervoroso estudioso dos livros sagrados, escreveu a "Summa Teológica", entre centenas de obras. Sábio e caridoso, foi conselheiro até de Papas. Era chamado pelo clero de "Doutor Angélico".

.

MAIS RESPEITO O governador Sérgio Cabral faz questão de comemorar a nova data consagrada às bibas nacionais com uma campanha a favor de travestis e transexuais. Amanhã, 29 de janeiro, comemora-se o Dia Nacional de Visibilidade Trans (nada a ver com gordura trans e variantes) que acaba de ter lançada uma investidapublicitáriaqueprega: “Reveja conceitos. Mude opiniões. Respeite travestis e transexuais”. Ilustrando, uma colossal foto de rosto de um dos integrantes do bloco.

333

I

R I A S S I MA H E C O I

Depois de Victoria Beckham e Eva Mendes, a sempre polêmica Megan Fox, já eleita, por dois anos consecutivos, pela FHM , “a mulher mais sexy do mundo”, mesmo tendo confirmado sua bissexualidade, é a nova contratada da Armani para as campanhas de jeans e lingerie. Na primeira foto de propaganda para jeans, o que menos aparece é o produto: Megan está de costas, nua da cintura para cima, exibindo sua infinidade de tatuagens. Este ano, deverá estar nas telas com The Crossing, ainda em fase de produção. Para quem tem memória curta: há anos, participou da série Two and a Half Men.

Vestindo e despindo

333

Novo par 333 Circula pela noite de São Paulo um novo par, formado pelo ex-secretário de Educação do Estado e ex-ministro Paulo Renato, 65 anos, e a ex-jogadora de basquetebol Hortência Marcari, 51 anos. É, por assim dizer, uma mudança de rota: nos últimos anos Hortência vinha preferindo companhias com um mínimo de quinze anos a menos que ela. Uma delas era o advogado Ricardo Fernandes, de 31 anos de idade.

h

h IN

Tricô vazado.

OUT

Tricô tradicional.

Com a lupa na mão O governador Geraldo Alckmin constituiu um grupo especialmente para apurar por que, no final de 2009, foram liberados cerca de R$ 400 milhões (seria a nona parcela do precatório do Parque Villa Lobos, o maior do Brasil): afinal, a emenda constitucional 62/2009 já permitia que precatórios em atraso fossem parcelados em até outros 15 anos. Para quem não sabe: a dinheirama faz parte da maior indenização já paga por uma desapropriação de terreno no Brasil, uma área de 717 mil metros quadrados em região nobre de São Paulo, onde hoje é o Parque Villa Lobos. Na época, R$ 1,7 bilhão, em 10 parcelas de R$ 250 milhões, de 1999 a 2009. Beneficiados: Toninho Abdalla (ele é o namorado da estilista Cris Barros) e seu primo Juca Abdalla, que tem um banco no Rio só para guardar o dinheiro.

T

JÁ NÃO se fazem admiradores do sexo frágil como antigamente: está sendo divulgada uma pesquisa feita pela internet que aponta em primeiro lugar Talula, com 56,13%, como “a mulher mais bonita do BBB11”. Só que, em segundo lugar, aparece Ariadna, transexual já detonada do programa, com 11,27%, à frente de Diana (8,58%).

333

B

Enquanto o CVM acompanha o preço das ações do Banco Panamericano, que sobem sem parar esta semana, sinalizando vazamento de informações, estima-se que, nas próximas horas, será revelado o verdadeiro rombonainstituição deSilvioSantos,quepoderá ter até mesmo mais R$ 1 bilhão, além dos R$ 2,5 bilhões socorridos pelo Fundo Garantidor de Crédito. Até agora, quatro bancos manifestam interesse na compra do Panamericano, Mas nenhum fechou porque o volume real do buraco não era revelado.

333

Solução

E

BURACO MAIOR

333 O NOVO secretário de Direito Econômico, Vinicius Carvalho, conselheiro do Cade há dois anos, escolhido pelo ministro José Eduardo Cardozo contra a indicação do grupo de Arthur Badin, ligado ao exministro Márcio Thomaz Bastos, é sobrinho do ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho.

I X

Está em fase de elaboração o livro Diálogos entre Ciência e Fé , resultado de três dias de debate entre Frei Betto e o cientista Marcelo Gleiser, físico, astrônomo, escritor e figura respeitada em todo o mundo por suas observações sobre a criação do Universo. Um dos pontos abordados estava ligado a trechos da Bíblia que, se levados ao pé da letra, produzem as mais inesperadas reações. Alguns deles: Abraão apresenta Sarah, sua mulher, como sua irmã entregando-a aos poderosos, para escapar da morte; as filhas de Lot embriagam o pai para garantir a continuação da espécie; e como Adão e Eva teriam povoado a Terra se tiveram apenas dois filhos homens. 333

O DEPUTADO Sandro Mabel (PR-GO), fabricante de biscoitos que levam seu sobrenome, que está entrando na disputa pela presidência da Câmara Federal com 130 votos confirmados (Marcos Maia já teria 350 dos 513 parlamentares), garante que não recua e que será uma grande surpresa no final da votação (voto secreto, por sinal). Sua campanha tem um slogan adaptado: A esperança contra a imposição. 333

F

Ao pé da letra

MISTURA FINA

A D A

333 De volta a seu emprego de carreira, na Assembléia Legislativa de Minas Gerais, onde bate o ponto, ocupa uma sala e atende pessoalmente seu ramal telefônico, o ex-ministro Patrus Ananias, que comandava o Desenvolvimento Social no governo Lula, poderá ser brindado com a embaixada brasileira no Vaticano. Ele integra a chamada ala católica do PTeo únicoqueganhou um cargofoiGilbertoCarvalho,atual secretário-geral da Presidência. O pessoal da Canção Nova esperava ter uma cadeira no esquema de comunicação do Planalto: ficou na esperança.

333 Embora a legislação vigente impeça ex-presidentes de levar para casa, no final de seu mandato, qualquer presente de custo superior a R$ 100, os 1,5 milhão de itens, avaliados em meio milhão de reais, não têm suficiente espaço em São Paulo para serem abrigados. Paulo Okamoto, que será o executivo do Instituto Lula, pensa em alugar um galpão, que deverá ter área com ar climatizado para guardar os vinhos do exChefe do Governo (foi para São Paulo em caminhão refrigerado). E ainda há muitas garrafas de cachaça e outras bebidas, além de oito mil quadros e peças de artesanato, 9.697 fotos e vídeos, nove mil livros (!), 590 bonés e até uma espada de ouro vermelha, com bainha encrustada com peças de rubi, esmeralda e brilhantes, que Lula ganhou do rei da Arábia Saudita, Abdullah Bin Abdulaziz Al-Saud.

Até espada de ouro

B US H R O

HOMENS DE FÉ

Rossi in concert

A S M R EBEC A T E A R I I V E S S O L A A UR E L I O M B R A H P L A UG E T F E I E TE B I R U A D A G S A R A Q A L AR G L O E I

Enquanto chega a São Paulo para lançar seus produtos antioxidantes para a pele com a marca Sejaa e se prepara para se despedir da Colcci na SP Fashion Week, ao lado de Ashton Kutcher e Alessandra Ambrósio, Gisele Bündchen já foi fotografada para a capa de Vogue francês de abril, a primeira sob direção de Emanuelle Alt, que substitui Carine Roitfeld. Carine, sempre polêmica, foi praticamente degolada da revista, depois que publicou um editorial com meninas de seis e sete anos de idade, pintadas, de salto alto e em pose sensuais (a LVMH, que carrega quase 50% dos anúncios da publicação, avisou que deixaria Vogue se ela permanecesse lá). 333

N I M O

Sob nova direção

O padre pop Marcelo Rossi e o maestro João Carlos Martins (na primeira foto à esquerda) poderão estar juntos, no mesmo palco, em pouco tempo, num concerto com a Bachiana Filarmônica, onde as músicas populares do sacerdote poderiam até ganhar novos arranjos, além dos originais. Eles conversaram sobre a idéia na festa turfística promovida pelo Jóquei Club de São Paulo, no aniversário da cidade, com Marta Suplicy e Marcio Toledo (segunda foto) como anfitriões. O padre Marcelo Rossi também contou aos amigos sobre as visões que vem tendo, quando toca as pessoas. Na mesma tarde, em Cidade Jardim, também estavam (da terceira foto para a direita), o prefeito Gilberto Kassab e o investidor Naji Nahas. 333

Por: José Nassif Neto

PARA entusiastas do gênero: um aplicativo gratuito voltado para gays, baixado no iPhone, começa a fazer sucesso. É uma variante de GPS, que permite ao usuário que tenha seu perfil em determinado site, passe a ter um localizador que informa onde está seu pretendente mais próximo, ou seja, a quantos metros ou quilômetros de distância. 333

Mulher que faz trabalhos manuais. Vela latina triangular envergada. (marinha). Máquina de tecer. Trajetória oblíqua.

Cerca de plantas para proteger vinhas.

Pergunta

Pergunta

Pergunta

Pergunta

Pergunta

Pergunta

Pergunta

Pergunta

Pergunta

Pergunta

Pergunta

Pergunta

Pergunta

Pergunta

Pergunta

Cidade. Símbolo de massa. (Rubrica: física.)

1º livro do Novo Testamento. Deus supremo do panteão hindu.

A REDE Renner, que deu uma guinada e tanto (e com resultados) na área de vestuário, obrigando até mesmo a C&A a se reposicionar, está se preparando para incorporar vendas de eletroeletrônicos em suas unidades.

Imposto sobre serviços de qualquer natureza.

Hélio, símb. químico. Grande osso da perna

Roço. Aristocrata. Rei de Sodoma.

A fêmea do cavalo. Bruxaria. Mulher natural de uma ilha. Regato.

333

Onde são montados o motor e carroceria de um automóvel. Disseminado, divulgado.

Golpe com adaga.

333

Colaboração: Paula Rodrigues,Alexandre Favero

Pergunta

Fábrica de cerâmica.

(?) Miguel, judoca campeão olímpico em Seul.

333

O SENADOR Pedro Simon (PMDB-RS) acumulará até 2015, quando decidirá com qual aposentadoria ficará, nada menos do que R$ 2,6 milhões. Por mês, R$ 26,7 mil de salário no Senado, mais R$ 24,5 mil como ex-governador do Rio Grande do Sul. Até o final de seu mandato, embolsará R$ 1.786 por dia.

Estiagem prolongada.

Coragem. Pregue. Arraiamiúda. Família de Presidentes americanos.

Mulher de Abrãao. (bíblia) Absorver aspirando.

Quartel general.

Guarda metas.

No futebol, as seleções visam este título.

(127) 4-bush; égua; hexa; relo; 5-ânimo; tíbia; ilhoa; 6-brahma; artesã; chassi; ribete (pequeno rio); 7-feitiço.


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

5 GOVERNOU... Não importa se o mandato tenha sido apenas de alguns dias.

olítica

No Brasil, os melhores salários. E privilégios Kety Shapazian*

S

e alguém anda sonhando com altos salários de executivos em Wall Street (Nova York), na City londrina ou em cruzar o mundo para ficar milionário gerenciando alguma multinacional em Xangai ou Hong Kong, é melhor guardar de volta o passaporte. Segundo a revista britânica The Economist, os nossos executivos e diretores de alto escalão são os que mais ganham, aqui mesmo no Brasil. A publicação se baseou em dois levan- Reprodução tamentos – um feito pela Association of Executive Search Cons u l t a n t s (AESC), outro, pela empresa de headhunter brasileira D asein Executive Search. Em média, CEOs e presidentes de companhias em São Paulo ganham anualmente um pouco mais de US$ 600 mil (sem contar bônus), enquanto diretores embolsam no mesmo período cerca de US$ 240 mil. Em segundo lugar, Nova York paga uma média aproximada de US$ 560 mil a seus executivos top por ano. Diretores na Big Apple recebem anualmente cerca de US$ 200 mil em média cada um. Segundo a reportagem, a atual condição brasileira é motivo de repatriação dos executivos que deixaram o País para trabalhar. David Braga, da Da-

credito

O

ministro de Minas e Energia, Edson Lobão (PMDB); o senador Epitácio Cafeteira (PMDB); o senador eleito, João Alberto (PMDB); José Reinaldo Tavares (PSB); Jackson Lago (PDT), que teve seu mandato cassado em abril de 2009, e o prefeito de São Luís, João Castelo (PSDB). A legislação difere de Estado para Estado. No Rio Grande do Sul, todo governador tem direito à aposentadoria, mas se estiver ocupando outro cargo público, terá de escolher. Foi o que aconteceu com Pedro

quatro ex-governadores e uma viúva que recebem pensões vitalícias do Estado. Minas gasta por mês R$ 47.250 para pagar os cinco beneficiários – Rondon Pacheco, Francelino Pereir a ( D E M ) , H é l i o G a rc i a e Eduardo Azeredo (PSDB), que governaram o Estado entre 1971 e 1999. Também ganha pensão a viúva de Israel Pinheiro (1966-71). As pensões estão previstas em lei de 1957, ainda em vigor. O texto diz que, se não houver viúva, o direito é de filhos com menos de 18 anos ou de filhas

Celso Júnior/AE - 15.06.07

Andre Dusek/AE - 07.07.08

José Sarney (acima), Epitácio Cafeteira (à esquerda) e Edison Lobão (à direita): representantes maranhenses da enorme indulgência dos governos estaduais patrocinada com dinheiro público

Simon (PMDB), que preferia receber como senador. Recentemente, ele decidiu trocar, já que um senador ganhava R$ 16 mil e um ex-governador gaúcho, R$ 24 mil. Para azar dele, logo depois de mudar de opção, o Senado aprovou um aumento de 61%, reajustando, assim, o salário dos senadores para R$ 26 mil. Diante de tantos benefícios, o Ministério Público de Minas Gerais instaurou ontem um inquérito para investigar o pagamento de aposentadorias de

A partir do dia 10 de fevereiro, Lula receberá o título de "presidente de honra" do partido. Segundo Dutra, "ele é um importante dirigente político e está se dispondo a trabalhar junto com o PT". Conforme a assessoria do partido, o estatuto não prevê pagamento a cargos simbólicos e o registro será de assessor, mesma situação montada para a presidente Dilma. O novo salário de Lula se soma às duas aposentadorias que ele recebe – de anistiado político e por invalidez devido à perda do dedo. (DC)

Mantega nega que reajuste na tabela do IR esteja sob estudo Ministro contradiz governo, que havia admitido negociar essa questão

A

o chegar ao ministério, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, que retornou de férias ontem, afirmou que a correção da tabela do Imposto de Renda não está em estudo. Um dia antes, o governo havia admitido que esse ponto poderia ser negociado com as centrais sindicais. Antes de entrar no prédio, ao ser questionado a respeito da possibilidade de uma correção da tabela, Mantega revelou-se lacônico. "Isso não está sendo estudado". Na tarde de quarta-feira, o governo se reuniu com as seis centrais sindicais brasileiras para negociar um

Levantamento publicado pela revista britânica The Economist aponta que os executivos e diretores de alto escalão brasileiros são os que mais ganham no mundo. Mas o céu não é mais azul só para eles: os políticos, mesmo com fugazes mandatos de alguns dias, gozam das benesses para o resto da vida. Geraldo Magela/Agência Senado - 25.11.11

sein, diz que cerca de dez pessoas por dia procuram sua empresa com o objetivo de voltar ao País. O Brasil, como se vê, é uma terra de oportunidades. Ao mesmo tempo, ainda abriga privilegiados. Afinal, em que outro lugar do mundo 658 ex-parlamentares e 602 viúvas, além de um desconhecido número de exservidores, recebem aposentadorias e pensões? Em que país um ex-presidente recebe, até o momento, três aposentadorias? Em 2011, apenas o Legislativo vai gastar R$ 1,8 bilhão com o pagamento de aposentadorias e pensões, R$ 4 milhões a mais q u e o O r ç amento de 2010. O aumento acontece principalmente porque os benefícios são vinculados aos salários dos congressistas. N o M a r anhão e no P i a u í , e x - g overnadores travam uma disputa no Supremo Tribunal Federal para manter ou ampliar benefícios relacionados às suas pensões vitalícias ou de seus cônjuges. No Maranhão, a pensão vitalícia ainda está em vigor por força da Constituição Estadual. No Piauí, ela foi extinta em 1997, mas não importa: pelo menos dez ex-governadores ainda recebem o benefício. Entre os ex-governadores maranhenses que recebem as pensões estão o presidente do senado, José Sarney (PMDB); o

maiores de idade que sejam solteiras ou viúvas e não tenham rendimentos. A atitude do MP de Minas é válida, mas ainda é pouco diante da farra espalhada por todo o País. O resto da população precisa trabalhar muito, cumprir várias exigências e pagar o INSS todo mês para conseguir a aposentadoria. Bem diferente de Humberto Bosaipo, que se aposentou como governador de Mato Grosso após permanecer no cargo por menos de 15 dias.

novo reajuste para o salário minimo, a correção da tabela do Imposto de Renda anocalendário de 2011 e um aumento para os aposentados que recebem benefícios acima da mínimo. Esse último item não chegou a ser negociado e nova reunião foi agendada para a semana que vem. Depois da reunião com os sindicalistas, o secretáriogeral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, afirmou que a correção da tabela era o ponto mais passível de negociação com as centrais. Os sindicalistas pedem que a tabela seja corrigida em 6,46%, referente à inflação acumulada em 2010

medida pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor). Contudo, segundo o ministro Carvalho, a tendência do governo é a de trabalhar com uma correção de 4,5%, referente ao centro da meta da inflação estipulada pelo governo. A correção da tabela do IR foi adotada pelo governo desde 2007, após acordos com as centrais sindicais. Nesses anos, a tabela foi corrigida em 4,5% em relação ao período anterior. O acordo terminou em 2010. Segundo a reportagem, sem a correção em 2011, a defasagem acumulada da tabela do IR pode chegar a 71,5%. (Folhapress)

Agora, entrou no 'esquema' também quem tenha um passado histórico importante. Mais de 200 anos após a morte de Tiradentes, duas tetranetas do mártir da Inconfidência pretendem reivindicar uma pensão especial do governo

que uma irmã delas já recebe. As irmãs moram em Brasília e querem os mesmos R$ 200 que a caçula Lúcia de Oliveira Menezes recebe graças a uma lei sancionada em 1996 (governo Fernando Henrique Cardoso). * Com agências

ARTIGO

Lula vai ganhar mais um salário. Do PT ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai ganhar mais um salário mensal. Dessa vez, a indulgência é do Partido dos Trabalhadores (PT), que fixou o rendimento mensal no valor de R$ 13 mil e com registro em carteira. O contracheque do novo assessor será igual ao do presidente do partido, José Eduardo Dutra, segundo informou o jornal Folha de S. Paulo.

...GANHOU Os governos estaduais ignoram a lei e pagam a polpuda pensão.

Quero me inscrever A solicitação de aposentadoria do senador Álvaro Dias chocou o País Arthur Chagas Diniz*

Geraldo Magela/Agência Senado

A

decisão do senador Álvaro Dias (PSDBPR) de solicitar aposentadoria correspondente ao cargo de governador do Estado do Paraná, exercido há 20 anos, foi um contraste para quem, de início, surpreendeuse e, de certa forma, escandalizou-se. Então um senador da oposição (?), com um discurso duro contra os malfeitos do governo Lulla, estava se nivelando a Sarney, Raupp, Eduardo Braga, Jorge Vianna, Ivo Cassol, Cícero Lucena e pleiteando aposentadoria de R$ 24 mil, tendo exercido apenas 4 anos de mandato, sem nenhuma contribuição previdenciária pública ou privada? Chocou-me a revelação da solicitação de um homem rico, bem empregado, com aposentadoria assegurada e bons antecedentes. Felizmente, Dias informou que achava inadequadas as alocações de recursos feitas pelo Estado do Paraná e que destinaria a pensão a obras caritativas. O fez com o primeiro cheque, com um atraso um pouco constrangedor. E qual não foi minha surpresa ao saber que Dias pleiteava R$ 1,6 milhão de atrasados! É incrível! É inconstitucional! Mas quem se importa, a não ser alguns pobres e bem informados contribuintes? Não sei não. A coisa é tão escandalosa que pode dar certo. Nesse caso, seria prudente

Em decisão tardia, Dias resolveu doar o dinheiro para caridade.

que Álvaro Dias doasse esse R$1,6 milhão ao Instituto Liberal. Ele, pelo menos, estaria livre de ser visto como

alguém que trabalha em causa própria. *Presidente do Instituto Liberal

SECRETARIA DO VERDE E DO MEIO AMBIENTE CONSULTA PÚBLICA 001/SVMA/2011 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 2010-0.141.280-6 OBJETO: Contratação de empresa objetivando a prestação de serviços de plantio e manutenção de mudas de árvores nas Divisões Técnicas dos Núcleos de Gestão Descentralizada Sul I, Sul II, Sul III, Centro Oeste I, Centro Oeste II, Norte I, Norte II, Leste I, Leste II e Leste III, conforme especificações constantes no Termo de Referência - ANEXO I, visando à ampliação e requalificação da cobertura arbórea do Município de São Paulo. 1. Em virtude da Lei Municipal nº 14.186/2006 que institui o Programa Municipal de Arborização Urbana com a finalidade de desenvolver ações para implantação, gestão e conservação das áreas verdes urbanos, visando à ampliação da cobertura vegetal urbana e considerando as adequações levadas a efeito pela Unidade Requisitante - Departamento de Gestão Descentralizada - DGD desta Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente - SVMA, na nova versão do edital do Pregão 045/SVMA/2010. 2. A SVMA abre CONSULTA PÚBLICA durante o período de 29/01 a 08/02/2011 para recebimento de sugestões e críticas sobre o edital e seus anexos para a contratação dos serviços em epígrafe. 3. O prazo de duração contratual é de 12 meses, sendo o valor estimado global da contratação de R$ 14.284.786,60. 4. Todas as etapas da consulta pública serão publicadas no Diário Oficial da Cidade - Seção de Licitações e divulgadas na internet, por meio do endereço eletrônico http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br, modalidade Consulta Pública. 5. As críticas e sugestões deverão ser enviadas, obrigatoriamente, para o svmaconsultapublica@prefeitura.sp.gov.br, devidamente identificadas e com indicação das cláusulas, itens e subitens do edital a que se referirem, acompanhados da argumentação que a justifique, sobre as quais a SVMA fará a respectiva análise.


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Como integrante dos Democratas, torço pela eleição do Marco Maia (PT-RS). Gilberto Kassab (DEM), prefeito de São Paulo

olítica

Valter Campanato/ABr

CÂMARA / PRESIDÊNCIA

PR pode expulsar Mabel... Executiva do partido não descarta essa opção, caso o deputado mantenha sua candidatura avulsa André Dusek/AE

O

atual líder do PR na Câmara, deputado Lincoln Portela (MG), admitiu ontem que a candidatura avulsa de Sandro Mabel à presidência da Casa está causando "desconforto" entre os colegas de partido. Ele acrescentou também que "é bem real" a possibilidade de abertura de processo de expulsão pela executiva nacional, caso ele insista na disputa eleitoral. Na semana passada, a bancada se comprometeu a apoiar o atual presidente, Marco Maia (PT-RS), para mais dois anos de mandato. "A direção do partido e os colegas deputados conversaram com ele, mas o Mabel está convicto de que pode ganhar a eleição." A reunião da executiva poderá acontecer entre hoje e

Sandro Mabel está convicto de que pode ganhar a eleição na Câmara.

amanhã, porém o líder do PR afirmou que o partido está evitando radicalizar "Para o PR como instituição, a sua posição seria a de caminhar sozinho com Marco Maia. Como o regimento interno não fala que o cargo de presidente é a primei-

ra escolha do partido que tem a maior bancada, não há, ainda, uma irregularidade oficial", de acordo com Portela. Tiri rica – Deputado mais votado das eleições de 2010, com 1.353.820 votos, Francisco Everardo Oliveira Silva, o Tiri-

rica (PR-SP), disse que a candidatura de Mabel pegou o partido "de surpresa". O ex-palhaço afirmou que "Mabel é muito querido, mas eu não consegui, nem o partido, entender o motivo da sua candidatura." As declarações de Tiririca foram dadas após participar, em São Paulo, de almoço em apoio a eleição de Maia. Estreante em política, Tiririca afirmou que na eleição vai seguir a orientação do partido. "Estamos com Maia." Já Mabel tem até às 17 horas de terça-feira, dia 1º, para registrar a sua candidatura avulsa. Além dele, o PSOL também poderá lançar um candidato. O partido não vai apoiar Maia nem Mabel. "Temos outra visão de governabilidade na Câmara", disse o deputado Ivan Valente (SP). (Agências).

...e Maia colhe mais apoio em SP O governador e o prefeito de São Paulo elogiam a maneira como o petista está conduzindo a sua campanha Helvio Romero/AE

O

deputado federal Marco Maia (PT-RS) esteve ontem no Palácio dos Bandeirantes, acompanhado de uma comitiva de parlamentares de vários partido, para pedir a benção do governador Geraldo Alckmin ao apoio que o PSDB da Câmara dará à sua campanha pela presidência da Casa. "Com 70 deputados, São Paulo tem a maior bancada e, portanto, um peso muito significativo nas decisões parlamentares", afirmou Maia, que já conseguiu fechar com 21 dos 22 partidos com representantes na Câmara. Para apoiar Maia, o PSDB pediu garantia de assento na Mesa Diretora. Alckmin disse que "aplaudiu" a negociação e que a direção do parlamento deve ser composta de forma a atender os diversos partidos. Para o governador a aproximação do PT com o PSDB não enfraquece a bandeira da oposição sustentada pelos tucanos.

Maia, Kassab e Alckmin: diferenças partidárias ficam de lado.

"O PSDB já havia feito um entendimento pela bancada de deputados. O Mário Covas sempre defendeu que os debates e embates devem ocorrer no plenário, mas que a Mesa Diretiva deve representar a todos", relembrou Alckmin. Sobre a candidatura de Sandro Mabel, do PR, o governador não se alongou na resposta. "Nem o partido dele o apoia." Severino, não – O candidato

Marco Maia disse não ter nenhum temor na repetição do espisódio que elegeu Severino Cavalcanti (PP-PE) para a presidência da casa, em 2005, valendo-se da briga na base governista. Para Maia, a situação atual é totalmente diferente, porque ele acredita ter forte apoio das bancadas, inclusive da oposição. O deputado também negou que, nesta reta final, pretenda procurar Mabel

para dissuadí-lo de sua candidatura. "Eu não o procurarei para isso", garantiu. Kassab – Pela manhã, Maia e um grupo de deputados petistas foram recebidos pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), que elogiou a forma como ele se habilitou ao cargo. "Maia procurou somar todos os partidos e obedeceu à proporcionalidade no número de deputados por bancada. Eu, como integrante dos Democratas, estou torcendo por sua eleição." PMDB – Em entrevista, Kassab voltou a desconversar sobre a sua possível saída dos Democratas para se filiar ao PMDB. "No campo partidário, eu posso afirmar que não há entendimento nenhum. O que existe, neste momento, é a minha disposição em contribuir com o DEM para que, na convenção nacional de março, nós possamos ter o melhor resultado para o fortalecimento do partido". (Agências)

Bayma, ex-presidente do Ibama: demissão por "motivos pessoais".

Ministério Público entra na Justiça contra licença para Belo Monte Procuradores apontam irregularidades e não cumprimento de normas do Ibama

O

Ministério Público Federal no Pará entrou ontem com uma ação na Justiça para anular a licença concedida pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) para a montagem de canteiros de obra da hidrelétrica de Belo Monte. Na ação, os procuradores alegam que a concessionária Norte Energia, responsável pela usina, não cumpriu boa parte das exigências do próprio Ibama quanto à licença prévia liberada no começo de 2010. O Ibama impôs 40 condições gerais e outras 26 relacionadas aos direitos dos índios que vivem na região do Rio Xingu (PA), onde será construída a hidrelétrica. Para os procuradores, o órgão ambiental só deve emitir a licença de instalação da usina depois que todas as exigências forem cumpridas. A ação foi encaminhada ao juiz Carlos Eduardo Castro Martins, da 9ª Vara da Justiça Federal do Pará. Além de pedir a imediata suspensão da licença para os canteiros, os procuradores solicitam que a Justiça impeça o BNDES de repassar "qualquer tipo de recurso" para a Norte Energia enquanto as ações sobre a construção de Belo Monte tramitarem, ou as condicionantes impostas pelo Ibama não forem cumpridas. O BNDES financiará a usina, que terá capacidade máxima de

produzir 11.233 megawatts (MW) de energia. Pressões – Fato recente no processo de liberação da obra foi a saída do presidente do Ibama, Aberlardo Bayma, em 12 de janeiro. Ao justificar o pedido de demissão, ele disse que a decisão era por "motivos pessoais". A saída de Roberto Messias Franco do cargo, em abril de 2010, já havia sido associada às pressões por liberação de licenças ambientais. Re açõe s – Em comentário ontem, na rádio CBN, o sociólogo Sérgio Abranches argumentou que Belo Monte não será a 2ª maior hidrelétrica do Brasil ou a 3ª do mundo. "A suposta capacidade de 11.233 MW de eletricidade não seria alcançada, chegando a uma produção anual máxima de 4.420 MW". Ele diz que, segundo estimativas, a obra não custará R$ 19 bilhões, mas algo em torno de R$ 30 bi. Em site e no Twitter, o Greenpeace se manifestou contra a licença. No artigo C h ei ra nd o Mal, o responsável pela campanha de energia da organização no Brasil, Ricardo Baitelo, escreve: "a previsão é de que a geração da usina ficará a dever no período da seca, o que fará com que a hidrelétrica tenha um aproveitamento muito abaixo da média das usinas no Brasil". No Twitter, a campanha contra a medida do Ibama tem esse endereço: #parebelomonte. (Agências)

Patriota: mediação com o Irã é diplomática Chanceler brasileiro acena com política externa mais amena, em especial nas tratativas de intermediação das relações entre o Irã e as potências atômicas mundiais Francisco Lenoir/AFP

O Sou a favor do diálogo. É questionável se as sanções [contra o Irã] estão produzindo um efeito desejável. ANTONIO PATRIOTA

Dilma verá Mães da Praça de Maio Encontro fará parte da agenda da presidente na Argentina, na segunda-feira

E

m sua visita à Argentina, a presidente Dilma Rousseff se reúne, na segunda-feira, com o grupo de mulheres chamado de as Mães (e Avós) da Praça de Maio. O encontro foi confirmado pelo assessor especial de Assuntos Internacionais da Presidência da República, Marco

Aurélio Garcia. As mães e avós argentinas se tornaram famosas pela luta em favor da punição dos envolvidos na ditadura (1976 a 1983) e na busca pelos filhos e netos desaparecidos durante o período. Garcia disse que o encontro foi agendado a pedido da própria Dilma. "[A presidente]

tem uma grande sensibilidade para questões relativas aos direitos humanos", afirmou o assessor. "[Essa iniciativa da presidenta em receber essas senhoras] valoriza muito essa luta emblemática que essas senhoras têm na história política recente da Argentina", disse ele. (ABr)

Brasil não fará, por enquanto, novas tentativas de estabelecer uma mediação entre as potências mundiais e o Irã, mas continua considerando a diplomacia como a melhor forma de resolver o impasse que cerca o programa nuclear daquele país, afirmou o chanceler Antonio Patriota. O novo ministro – no cargo desde a posse da presidente Dilma Rousseff, no começo do mês – questionou se as sanções impostas pela ONU, os EUA e a União Europeia estão tendo um impacto sobre o Irã, e se elas poderão levar a República Islâmica a abandonar suas atividades de enriquecimento de urânio. "Sou a favor da diplomacia, do diálogo", disse Patriota, na noite de quarta-feira, em visita a Bruxelas para discutir questões políticas e comerciais. "É questionável se as sanções [contra o Irã] estão produzindo um efeito desejável". O Brasil, tradicionalmente, defende negociações em vez de sanções como forma de lidar com as preocupações ocidentais de que o Irã estaria desenvolvendo armas nucleares secretamente. O governo iraniano alega que seu programa nuclear se destina exclusivamente a fins pacíficos. Junto com a Turquia, o Brasil mediou, no ano passado, um

Seria cedo para realizarmos outra tentativa da mesma natureza que a do ano passado. Mas mantemos os canais abertos. IDEM

acordo segundo o qual o Irã entregaria urânio não-enriquecido ao exterior, para em troca receber combustível para um reator de pesquisas médicas. Isso, teoricamente, eliminaria a necessidade de o Irã enriquecer urânio por conta própria – um processo que, dependendo do grau de pureza obtido, pode resultar em combustível para usinas nucleares, ou material para bombas atômicas. Mas a proposta foi rejeitada pelas potências ocidentais, que a consideraram insuficiente. Dias depois, os EUA e seus aliados conseguiram aprovar novas sanções ao Irã no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas. O Brasil irritou Washington por votar contra. Patriota alertou que eventuais negociações poderiam ficar mais complicadas no futuro devido aos progressos já ob-

tidos pelo Irã nas suas atividades nucleares. Mas ele disse que o Brasil se absteria de novas iniciativas. "Acho que seria um pouco cedo demais para realizarmos outra tentativa da mesma natureza que realizamos no ano passado. Mas estamos mantendo os canais abertos". Analistas políticos sugerem que Patriota, ex-embaixador do Brasil em Washington, adotaria uma política externa menos agressiva do que seu antecessor, Celso Amorim, especialmente numa questão como a do Irã. Os recentes esforços de seis potências – EUA, Rússia, China, Grã-Bretanha, França e Alemanha – de negociar com Teerã resultaram em poucos progressos. Dois dias de reuniões neste mês em Istambul terminaram sem nenhum avanço. Comércio – Comentando questões comerciais, que foram parte das suas discussões com Catherine Ashton, chefe da política externa da União Europeia, Patriota se disse otimista com as negociações para um acordo de livre comércio entre UE e Mercosul. Retomado após seis anos, o processo objetiva criar a maior zona de livre comércio do mundo, com 750 milhões de consumidores – um quarto deles brasileiros. (Reuters)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

c

7 Patrícia Cruz/Luz

ACERVO Assembleia tem um setor que cuida do acervo histórico da instituição.

idades

ESCRAVOS Documentos relatam o processo de captura de escravos fugidos.

Fotos: Patrícia Cruz/Luz

Acervo Histórico da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo reúne milhares de documentos e livros sobre os mais variados assuntos

A partir de fevereiro, mais de meio milhão de documentos que contam a evolução da cidade e do Estado de São Paulo estarão disponíveis na internet. A Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo vai disponibilizar seu rico acervo histórico para consulta on line. Entre as preciosidades, documentos que registram as etapas de construção da Estrada Velha de Santos e projetos para novas ferrovias no Estado, no século 19. Há também farta documentação sobre o período escravista no País.

Carlos Dias, diretor do Acervo Histórico: presente para São Paulo

Acervo da Assembleia entra na era digital Ivan Ventura

U

m acervo com mais de 500 mil documentos e fotos que narram a história da Capital e do Estado de São Paulo, desde meados do século XIX até os dias atuais, estará disponível na internet no início de fevereiro. O material pertence ao Acervo Histórico da Assembleia Legislativa de São Paulo e reúne documentos sobre os mais variados temas, como a construção da Estrada Velha ligando a Capital a Santos (também conhecida como Estrada da Maioridade ou Estrada da Marquesa de Santos), os registros das construções das ferrovias, a legislação para os escravos e muitos outros assuntos do cotidiano paulista. Segundo o diretor de divisão do Acervo e professor de história, Carlos Dias, os documentos representam um rico registro histórico sobre São Paulo, alguns deles do tempo em que a Capital tinha entre 25 mil e 50 mil habitantes. É o caso do documento datado de 1829, o mais antigo do local e que antecede a existência da própria Assembleia Legislativa. Ele é do tempo em que a província era administrada por um Conselho responsável por enviar a demanda dos súditos paulistas para o imperador Dom Pedro 1.º e sua Assembleia Geral. Nessa época, a autonomia da província era pequena ou quase nula. Tudo passava pelo crivo Real. Entre os pedidos enviados a Dom Pedro estava a construção de uma estrada ligando São Paulo a Santos – justamente o teor do papel. No registro, a elite paulistana pedia a construção da via fundamentalmente para o transporte do açúcar até o litoral paulista. E mais tarde, o café. Em outro documento, a estrada já está em obras. Neste registro, é possível

Ao lado, desenho do projeto para uma nova cadeia para a cidade de São Paulo, elaborado em 1842, que já foi digitalizado. Acima, um dos livros do século 19 que também estarão à disposição para consulta na internet.

Mapa da Estrada de Santos, no período em que ainda estava em construção. Etapas da obra estão registradas.

Material está sendo preparado para consulta totalmente grátis

verificar a dificuldade da província na transposição da área alagada de Cubatão. A solução? alagar a área e construir pontes até Santos. "A estrada era de extrema importância. Antes dela, o transporte de uma saca de

café representava cerca de 45% do seu valor final. Com o caminho, o custo seria bem menor", explica Dias. Alemães – Nesse período chama a atenção a presença de 130 alemães nas obras da Estrada da Marquesa.

Segundo Dias, a província providenciou a vinda desses estrangeiros em função da escassez de mão de obra e também por causa da dificuldade em importar escravos da África. Mas a presença alemã não durou muito tempo na obra. "Alguns fugiram e seguiram para Santa Catarina. Eles reclamavam do custo de vida elevado em Santos", explica. Ferrovias – O material também revela um outro anseio da elite paulistana: a construção de ferrovias. No ano de inauguração da Assembleia Provincial de São Paulo, em 1835, o primeiro grande debate foi a construção de uma estrada de ferro entre São Paulo e Campinas – indicando a importância do tema para a época. A ferrovia foi aprovada pela Assembleia provincial, mas não foi

construída por falta de dinheiro. Isso somente aconteceria anos mais tarde. Um outro tema fartamente guardado na Assembleia Legislativa é o duro cotidiano dos negros em São Paulo. Entre as centenas de arquivos há uma lei do final do século XIX que trata sobre a conduta do policial na captura de um escravo fugido do seu patrão. Um exemplo: a prisão do negro feito por um único policial resultava em uma recompensa de dois contos de réis. O pagamento seria feito pelo dono do escravo e obrigatoriamente seria entregue à instituição policial, e nunca para o responsável pela captura do fugitivo. O valor era maior em outras duas situações. A primeira diz respeito a captura feita por dois ou mais policiais, o que elevava

o valor para quatro contos de réis. Por fim, a captura de um fugido antecedido da destruição de um quilombo representava o pagamento de seis contos de réis. A mesma lei ordenava que o policial responsável pela captura do escravo era obrigado a entregá-lo ao superior hierárquico policial. Caso contrário, a autoridade seria punida com uma prisão de até quatro dias. O objetivo era evitar que um policial ficasse com a recompensa. "Será um presente para São Paulo e para aqueles com interesse em conhecer dados da capital e do cotidiano da província. Tem documentos interessantes sobre diversos assuntos do século 19 até hoje", explicou Carlos Dias, sobre a disponibilização do vasto material histórico na internet.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

c

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Fazemos um apelo para que os donos de imóveis mantenham os preços. Luis Eduardo Peixoto, secretário de Programas Sociais de Petrópolis

idades

NUNCA ME ESQUECEREI QUE NO...

A Itaci Batista/AE

MOMENTOS

Q

uem participou da inauguração do prédio da Prefeitura no Viaduto do Chá em 25 de janeiro de 2004 e lá esteve na terça-feira passada, para assistir à homenagem a José Alencar, deve ter-se emocionado além da conta. Na primeira ocasião, quando a Cidade comemorava os 450 anos, José Alencar, como vice-presidente, estava representando Lula na inauguração do prédio e nos festejos. No seu discurso, bem humorado, ele confidenciou sua alegria por estar ali, porque do outro lado da Rua Libero Badaró erguia-se a testemunha de um momento particularmente feliz de sua vida: o Othon Palace Hotel, onde havia desfrutado a primeira noite na lua-de-mel. Trasantontem, porém, a situação era bem diferente. Enquanto ele recebia a medalha 25 de Janeiro nas circunstâncias conhecidas, o Othon estava com as portas cerradas. Deixou de funcionar em 2008 e, de lá para cá, seus 25 andares aguardam algum locador ou comprador. Foi inaugurado em 1954 – no quarto centenário da Capital – e durante décadas colocou-se entre os primeiros dos seus hotéis de luxo.

SEGREDOS DE UM RAPAZ or mais estranho que possa parecer, F., o menino de 14 anos que está em sua 17ª internação na Fundação Casas (ex-Febem), não tem o clássico perfil de um infrator convencional. Um psicólogo da instituição que o atendeu em várias ocasiões diz que o rapazinho tem fixação por carros e que, na verdade, parece carecer de uma profunda necessidade de atenção. Não furta automóveis para fazer dinheiro. Quer apenas dar umas voltas. Na vez anterior em que foi

P

detido, ficou sob o regime de internação-sanção com duração de três meses e, nesse período, não deu o menor trabalho aos monitores. O psicólogo está pesquisando caso similar da Espanha, em que o menor, devidamente encaminhado, acabou se tornando um piloto de carros profissional. No momento, F. encontra-se na Unidade de Atendimento Inicial, no Brás, a fim de ser ouvido pelo Poder Judiciário. Ele foi recolhido na terça-feira passada em Cidade Adhemar, dirigindo um Chevrolet Kadett.

s enchentes em Nova Friburgo não pouparam o centenário Colégio Anchieta, datado de 1886. Felizmente, foi coisa pequena – apenas um dos edifícios anexos inundados. Mas por ser um desses monumentos da cultura nacional que sensibilizam o País, choveram telefonemas preocupados de toda parte. Na esteira desse destaque, parece oportuno relatar aqui um episódio até então inédito e de cor dramática que envolve um dos seus alunos ilustres: o

poeta Carlos Drummond de Andrade (1902-1987). Ele foi aluno interno do Anchieta na juventude e colaborava assiduamente com o jornal Aurora Colegial. Porém, um atrito com um professor de português, que hoje em dia seria facilmente contornável, levou-o à expulsão sob acusação de "insubordinação mental", sabe-se lá o que isso possa significar. Como vocês verão abaixo, o poeta (foto) jamais perdoou essa incompreensão.

Fotos: arquivo/AE

...NO MEIO DO CAMINHO TINHA UMA PEDRA (*)

P

or volta de setembro de 1975, a revista para a qual trabalhava na época, enviou-me à Friburgo, e ao Anchieta (à dir.) , para fazer uma reportagem de caráter turístico. Encerrado o trabalho, o reitor – cujo nome me escapou e a secretaria da escola, envolvida com os problemas causados pela inundação não pode me ajudar – disse-me que estava empenhado em trazer Drummond para os festejos de 90 anos do colégio, a serem comemorados em 12 de abril de 1976. Sabia que o poeta guardava mágoa pela maneira como fora tratado e tinha a esperança que sua presença na festa pudesse reconciliá-lo com a escola e, por que não, com a Companhia de Jesus. Nesse sentido havia lhe enviado o convite e pediu-me que, de volta ao Rio, reforçasse pessoalmente seu

interesse. Liguei para Drummond para marcar um encontro. Ao saber do que se tratava, disse que não era necessário, que sua resposta estava pronta: 'não!' * Do poema "No meio do caminho", de 1924.

Marcos Peron/Virtual Photo - 26/07/2007

Rio: depois da chuva, a especulação imobiliária Pagamento de aluguel social aos desabrigados faz disparar preços de locação de imóveis em Petrópolis Jorge Araújo/Folhapress - 14/01/2011

A

s vítimas das chuvas na região serrana do Rio de Janeiro que perderam suas casas enfrentam mais um problema em Petrópolis: a especulação imobiliária. Com o início do pagamento do aluguel social para os desabrigados, os preços de locação de imóveis subiram cerca de 30%, segundo estimativa da prefeitura municipal. De acordo com o secretário de Programas Sociais e coordenador do Comitê de Ações Emergenciais de Petrópolis, Luis Eduardo Peixoto, em poucos dias, imóveis que estavam anunciados por R$ 450 passaram para R$ 600 mensais. "Está havendo uma verdadeira especulação imobiliária. Teve gente que havia fechado o valor do aluguel em R$ 450 e, quando foi à Caixa Econômica assinar o contrato, o dono já estava pedindo mais caro", disse. "Fazemos um apelo para que os donos de imóveis mantenham os preços e, em alguns casos, até diminuam o valor dos aluguéis", pediu o secretário. Segundo ele, a prefeitura deve entregar, até fevereiro, cerca de 250 habitações populares. Essas casas atenderão às pessoas que já haviam sido atingidas por outras enchentes e estão na fila da habitação. O plano do governo local, disse Peixoto, é implementar um projeto habitacional para que as pessoas que moram em áreas de risco possam deixar esses locais antes que ocorram mais problemas. "Não podemos construir casa apenas para atender situações de emergência. Temos dificuldade de encontrar terrenos. Mas há um trabalho intenso do governo para localizar essas áreas".

O Aeroporto Internacional de Viracopos: autorização para ampliação

SP autoriza nova pista e terminal em Viracopos

O

Casas em morro localizado entre Petrópolis e Itaipava, no Rio: aluguel social disparou gatilho da especulação

Passadas duas semanas da tragédia que atingiu a região serrana fluminense, 813 pessoas em Petrópolis preencheram o cadastro para receber o aluguel social. Segundo Peixoto, 398 já podem receber o benefício de R$ 500 e estão a procura de imóveis. Dilma –Ontem à tarde, a presidente Dilma Rousseff anunciou a construção de seis mil casas no Rio de Janeiro para atender às famílias atingidas pelas chuvas. Elas serão subsidiadas pelo programa Minha Casa, Minha Vida, e o governo estadual arcará com as prestações de R$ 50 dos beneficiários com renda familiar de até 3 salários mínimos. O anúncio foi feito durante encontro com empresários de 12 construtoras que decidiram doar a construção de duas mil casas também para atender às

vítimas das chuvas. Neste caso, o governo estadual vai arcar com o terreno e a infraestrutura dos locais dos imóveis. Os empresários afirmaram que ainda não há estimativa de custos para a construção dos apartamentos ou casas doados. Dilma também não deu prazo para a conclusão das obras anunciadas pelo governo federal. Ela afirmou que o governo vai financiar o mapeamento de áreas de risco em cidades do País. Disse ainda que é necessário estruturar defesas civis municipais, para atender de forma mais próxima a população. Santa Catarina – Sessenta e quatro municípios de São Catarina já decretaram situação de emergência em decorrência das chuvas, segundo relatórios da Defesa Civil do Estado. No total, 75 municípios sofrem com os efeitos das

enchentes. A cidade de Mirim Doce está em situação de calamidade pública. De acordo com dados oficiais, 923.387 pessoas foram afetadas, sendo que 24.034 estão desalojadas e 1.926 estão desabrigadas. Há ainda no Estado 79 pessoas doentes e 162 feridos. As chuvas causaram a morte de cinco pessoas, dentre elas uma criança de oito anos e um bebê de três meses. Blumenau – O retorno completo do abastecimento de água em Blumenau, previsto para amanhã, deve ocorrer apenas na próxima quarta-feira, segundo informações da prefeitura. Cerca de 100 mil pessoas estão há três dias sem água na cidade. Os mais afetados são aqueles que moram nas regiões altas, onde o fornecimento demora mais para chegar. (Agências)

governador Geraldo Alckmin anunciou ontem que o Conselho Estadual do Meio Ambiente (Consema), da Secretaria do Meio Ambiente de São Paulo, aprovou por unanimidade licença ambiental prévia para a construção da segunda pista e do segundo terminal de passageiros do Aeroporto de Viracopos, em Campinas, a 93 quilômetros da Capital. De acordo com Alckmin, com a aprovação da licença, acabam as obrigações do go-

verno paulista em relação às obras, que ficam a cargo da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero). O governador, porém, afirmou que o Estado de São Paulo continuará dando apoio logístico à União em Viracopos, sem detalhar como isso será feito. Alckmin deu a informação após a apresentação da candidatura de São Paulo para receber o Centro de Mídia Internacional da Copa do Mundo de 2014, em solenidade na Prefeitura de São Paulo. (Agências)

Devanir Amâncio/ONG Educa São Paulo

AMOR – O morador de rua José Carlos de Oliveira chama a atenção no Centro, não apenas pelos seus 17 cães, mas pelo amor que dedica a eles.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

9 TUNÍSIA Premiê troca 12 ministros ligados ao ex-ditador para conter protestos

nternacional

Um milhão de egípcios em ponto de ebulição

A

pós os protestos que, nos últimos dias, sacudiram o Egito, a expectativa é que nesta sexta-feira um protesto leve um milhão de pessoas às ruas do Cairo, desafiando o regime de Hosni Mubarak – um líder que há 30 anos ocupa a Presidência, governando em estado de emergência, através de emendas constitucionais. Ontem à noite, o maior defensor da democracia nas fileiras da oposição, Mohamed ElBaradei, o Nobel da Paz mais conhecido por seus 12 anos à frente da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), desembarcou no Aeroporto Internacional do Cairo, trazendo na bagagem um ultimato ao governo. Afirmando que chegou o momento de Mubarak renunciar, ElBaradei prometeu participar das manifestações e se ofereceu para coordenar a transição para um regime democrático. "O senhor Mubarak serviu ao Egito por mais de 30 anos e está na hora de se aposentar", afirmou. Volto a pedir ao governo que ouça a voz do povo

em vez de usar a violência. O por justiça", afirmou um portamomento de mudanças che- voz do grupo, Hamdy Hassan, gou, não há outra opção. Se o à agência O Globo. povo quiser que eu lidere a O endosso da irmandade, por transição, não o decepciona- mais temor que sua plataforma rei", acrescentou. islâmica cause nos setores mais ElBaradei, no entanto, está seculares da população egípcia, longe de ser Heinz-Peter Bader/Reuters p r o m e t e e nu n an i m i da d e grossar aos mino Egito, até lhares as fileiporque tem reras de manifescebido críticas tantes – até por ter ficado agora movidos longe do país por uma comnos últimos binação de esmeses. pontaneidade Além de Ele organização Baradei, pela im pro visa da primeira vez com a ajuda de desde o início redes sociais. dos protestos, Sites como o a Irmandade Facebook e o Muçulmana, o Twitter, cruprincipal mociais para driElBaradei: de volta ao país. vimento políblar a vigilântico-religioso egípcio, anun- cia da polícia, vêm sendo sisteciou seu apoio oficial às mani- maticamente bloqueados ou festações, apropriadamente sabotados pelas autoridades m a rc a d a s p a r a a p ó s a J u- de segurança nos últimos dias. mu’ah, a principal reza do dia A repressão estaria atingindo sagrado muçulmano. também os serviços de e-mail e "Estaremos nas ruas junto as mensagens instantâneas com as pessoas marchando via Blackberry.

Diálogo - O líder egípcio, de 82 anos, ainda não foi visto em público nesta semana. Mas o Partido Nacional Democrático, sigla de Mubarak, tentou minimizar as demonstrações de desagrado com o governo classificando os manifestantes como "minoria''. Na primeira entrevista coletiva de um governista desde terça-feira, o secretáriogeral do partido, Safwat ElSherif, disse estar "pronto para o diálogo''. Segundo ele, no entanto, "a democracia tem suas regras e seu processo, e a minoria não pode forçar sua vontade sobre a maioria''. Confrontos - Ontem, a violência cresceu fora da capital egípcia, onde uma multidão furiosa incendiou o Corpo de Bombeiros na cidade de Suez; houve também ataques a postos policiais e prédios do governo. Pelo menos uma pessoa foi morta ontem, em confrontos em Sheik Zuweid, no Sinai. O óbito elevou a sete o total de mortos no Egito. Passa de mil o número de manifestantes detidos desde terça-feira. (Agências)

Mohammed Abed/AFP

Manifestantes no Cairo pressionam pela renúncia do ditador Mubarak. A oposição ganha força com a adesão de ElBaradei e da Irmandade Muçulmana aos protestos.

ESTADOS UNIDOS Nevascas fecham comércio e cancelam voos na Costa Leste

COLÔMBIA Guerrilheiros das Farc dizem estar prontos para libertar cinco reféns

Ó RBITA

WIKILEAKS inco homens foram presos no Reino Unido ontem por ataques cibernéticos cometidos recentemente em apoio ao WikiLeaks, que divulgou milhares de documentos secretos do governo dos EUA. Dos presos, dois são adolescentes, com 15 anos e

16 anos, e outros três são adultos, um de 19 anos, outro de 20 anos e mais um com 26 anos. Eles fazem parte do grupo de hackers conhecido como "Anonymous", que atacou sites de empresas como PayPal, MasterCard e Amazon. (Folhapress)

Reuters - 12/07/08

C

ÁFRICA DO SUL – O ex-presidente Nelson Mandela, de 92 anos, foi hospitalizado na noite de quarta-feira, supostamente para realizar exames de rotina, aumentando temores sobre sua saúde. O atual presidente Jacob Zuma pediu calma ao país.

CHILE Justiça abre investigação sobre a morte de Salvador Allende

Reprodução

Iris teria participado de festas do premiê quando era menor

A brasileira que seduziu Berlusconi

O

pr imeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, enfrentou ontem mais pressões para que renuncie, depois da divulgação de novos detalhes das suas festas eróticas. Foi revelado que uma segunda menor teria participado dos encontros: uma brasileira identificada como Iris Berardi. O jornal espanhol El País afirmou que a "prostituta brasileira" participou das festas do premiê "ao menos duas vezes quando ainda era menor de idade". Hoje, Iris já teria 19 anos. As revelações foram feitas em documentos reunidos por promotores que investigam Berlusconi, suspeito de pagar por fazer sexo com uma garota marroquina de 17 anos. Pagar por sexo com uma prostituta não é crime na Itália, a menos que a mulher seja menor de 18 anos. Os documentos listam colares, braceletes, brincos e outras joias que Iris teria recebido "em troca de sua repetida participação em festas nas villas de Berlusconi", segundo trechos do material. Os objetos foram apreendidos durante uma busca em 14 de janeiro na residência de Iris.

Samba - No começo da semana, advogados de Berlusconi apresentaram documentos dizendo que os encontros ocorridos na mansão do premiê eram apenas jantares entre amigos. Mas, nas transcrições publicadas pela mídia, uma mulher chamada Maria conta aos juízes que, em junho de 2010, uma pessoa ligada a Berlusconi a convidou para uma festa na mansão próxima a Milão. Maria disse que fez uma

dança do ventre, e que outra jovem passeou pelo salão vestindo apenas calcinha e sutiã. Ela relatou ainda que uma brasileira com um biquíni fiodental dançou "um samba de modo muito ousado." A marroquina no centro de escândalo, conhecida como Ruby, negou ter mantido relações sexuais com o premiê. Mas a jovem disse que ele deu 7 mil euros para ajudá-la financeiramente. (Agências)

Chegou a vez do Iêmen

M

ilhares de iemenitas saíram às ruas da capital Sanaa ontem para reivindicar uma troca de governo, inspirados pela agitação que derrubou o líder da Tunísia e que nesta semana chegou ao Egito. "O povo quer uma troca de presidente", gritaram os manifestantes, erguendo cartazes em que também pediam melhoras nas condições de vida no Iêmen, um dos países mais pobres do mundo árabe. O presidente Ali Abdullah Saleh, aliado chave dos Estados Unidos em uma guerra contra uma ala ressurgente da Al-Qaeda que tem base no Iêmen, governa este país da Península Arábica desde 1978. As pessoas insistiam que agora é a "hora da mudança" no Iêmen. Os manifestantes prometeram continuar os protestos nesta sexta-feira. "Se o partido (governista) não atender nossas reivindicações, vamos intensificar (os protestos) até que o presidente caia, como aconteceu na Tunísia", disse Ayub Hassan, um dos ativistas. Os manifestantes, convocados pela oposição, reuniram-se em quatro diferentes pontos de Sanaa. Um ativista afirmou que

Reuters

Manifestantes pedem a saída do presidente Ali Abdullah Saleh, no poder há 33 anos.

o protesto em locais diferentes tinha como objetivo atrapalhar o trabalho de repressão das forças de segurança. Algumas dezenas de policiais com cassetetes observaram a manifestação em silêncio. Os protestos terminaram com calma, quando os manifestantes partiram para mastigar qat, uma folha levemente estimulante e que é largamente consumida no Iêmen no período da tarde.

O partido governista Congresso Geral do Povo, por sua vez, organizou quatro protestos simultâneos ontem, também reunindo milhares de pessoas. "Não à queda da democracia e da Constituição", defendiam partidários do presidente. Pobreza - Quase metade da população do Iêmen vive com menos de US$ 2 por dia, abaixo da linha da pobreza usada pelo Banco Mundial. O governo está infestado pela corrupção,

tem pouco controle no país fora da capital e sua principal fonte de receita, o petróleo, poderá secar em uma década. A insatisfação atual parece ser em parte uma reação a uma proposta, apresentada no ano passado por deputados governistas, de acabar com os limites ao mandato presidencial. Com os limites, o presidente Saleh teria que deixar o poder quando seu mandato chegar ao fim, em 2013. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10 -.LOGO

Logo Logo

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Flores deixadas para relembrar as vítimas do Holocausto na linha de trem do campo de concentração nazista de Auschwitz, ontem, data do 66º aniversário da libertação do campo.

Kacper Pempel/Reuters

www.dcomercio.com.br

28 JANEIRO

Dia do Comércio Exterior

S EGURANÇA T URISMO

I NTERNET

Novos caminhos de Roma Max Rossi/Reuters

Jardins antibomba Plantas que detectam explosivos podem ser aliados na segurança de aeroportos

U

m a n o v a " f e r r am e n t a " p ro m e t e ajudar os aeroportos norte-americanos a reforçar a segurança. O "dispositivo" capaz de detectar supostos terroristas foi revelado ontem em reportagem da Fox News. Pesquisadores da Universidade Estadual do Colorado, chefiados pela professora June Medford [na foto durante a rep o r ta g e m] , descobriram uma espécie de planta cujas folhas ficam brancas quando são expostas a quantidades mínimas de TNT no ar. O efeito se daria porque a clorofila das plantas reagiria ao explosivo. Essas plantas seriam cem vezes mais sensíveis ao TNT do que os cães farejadores.

J APÃO Reuters

O vulcão Shinmoedake, no Japão, entrou em atividade na madrugada de quintafeira, cobrindo de fumaça diversas localidades do sul do país. Todas as famílias em um raio de dois quilômetros de distância da montanha foram retiradas de suas casas.

E CONOMIA

Estradas à prova de neve

2010 foi o ano dos leilões

As estradas cobertas de neve dos países mais frios estão com os dias contados. Pesquisadores desenvolveram diferentes sistemas para garantir que as estradas armazenem energia solar para combater a neve. Uma das propostas é instalar tubulações abaixo das estradas. Pelos tubos, circularia um fluido que não congela. Quando começa a nevar, esse fluido é aquecido a partir da energia solar armazenada. As estradas se aquecem e a neve derrete. A implantação dessa tecnologia custa US$ 12,5 mil para cada 50 metros de rodovia. Mas os especialistas garantem que esse investimento se paga em seis meses, com a economia garantida pelas estradas desbloqueadas.

A maior casa de leilões do mundo, a Christie's, registrou um recorde anual de vendas de US$ 5 bilhões em 2010, salto de 53% em relação a 2009, efeito da recuperação do mercado de arte. Os preços em diversos setores tiveram forte alta e recordes foram quebrados, compensando as perdas provocadas pela crise econômica mundial. Novos colecionadores e investidores da China foram os principais fatores por trás da melhora no setor. Em 2010, a Christie's registrou a maior venda total de seus 245 anos de história. A Sotheby's, principal rival da Christie's, também teve alta nas vendas em leilões, que atingiram US% 4,3 bilhõesem 2010, contra os US$ 2,3 bilhões de em 2009.

à exposição ao TNT. A expectativa é de que, em poucos anos, as plantas "reprogramadas" estejam espalhadas nos aeroportos dos EUA www.foxnews.com/scitech/ 2011/01/27/bomb-sniffing-plantsfight-terrorism/

Georges Gobet/AFP

A RQUEOLOGIA 1

Tesouro recuperado

L

E NERGIA

A pesquisa, financiada pelos Departamentos de Defesa e Segurança Interna dos EUA, busca agora encontrar uma forma de reprogramar esse mecanismo natural, que leva algumas horas, para que a planta possa responder em poucos minutos

O Facebook deve lançar um novo recurso de compras coletivas chamado Buy With Friends ("Compre com os Amigos"), anunciou a responsável pelo marketing de produtos da empresa, Deb Liu, em uma conferência em San Francisco (EUA). A nova função permitirá que os usuários compartilhem suas compras online na rede social e, assim, ganhem mais descontos, num processo em cadeia. Ainda segundo o anúncio, o Buy with Friends só funcionará com moeda virtual e usando os créditos do Facebook, que, em breve, serão obrigatórios nos games da rede social. Segundo Deb, uma pesquisa mostrou que mais de 50% dos usuários escolheram compartilhar suas compras feitas na rede social com os amigos.

John MacDougall/AFP

A Casa das Virgens Vestais, no Fórum, no centro de Roma é o destino de um novo itinerário turístico pelos pontos arqueológicos da cidade. O itinerário começa na Via Nova e percorre todo o Monte Palatino.

Reprodução/Fox News

Facebook também para comprar

PARA QUE LADO? - Leon Zoetebier, do norte da Bélgica, onde se fala holandês, e Franz Coquidor, do sul, onde se fala francês, ontem nas ruas em Bruxelas. Eles moram juntos e protestavam contra a crise política que acirra o conflito entre os lados francês e holandês.

A RQUITETURA

Google, dentro do binóculo O Google vai ocupar o famoso Binoculars Building, em Venice, na Califórnia. O famoso edifício foi desenhado pelo arquiteto Frank Gehry e construído como uma escultura pelos artistas Claes Oldenburg e Coosje van Bruggen. Segundo o jornal Business Times, que foi o primeiro a revelar o projeto, a mudança faz parte da expansão da empresa, que arrendará uma área de cerca de 100 mil metros quadrados, incluindo o prédio. Os funcionários de seu escritório atual em Santa Monica serão transferidos para nova sede.

A NIMAIS

O primeiro tigre a receber implante AFP

A escultura de uma ave de rapina da foto faz parte de um tesouro arqueológico de mais de 3 mil anos encontrado na Síria há um século. Parte das peças foi destruída por bombardeios durante a Segunda Guerra Mundial. Agora, depois de nove anos de um meticuloso trabalho de restauração, as peças poderão ser vistas na exposição "Contando a Aventura de Halaf", no Museu Pergamon, em Berlim, Alemanha. A RQUEOLOGIA 2

Homo sapiens, há 100 mil anos Estudo que será publicado na revista Science desta semana, realizado por cientistas de diversas Universidades e instituições em conjunto, indica que o Homo sapiens emigrou da África há menos de 100 mil anos, isto é, muito antes do que se pensava até agora, revelam ferramentas descobertas na península arábica. A presença do homem moderno na península arábica pode remontar há 125 mil anos, segundo as pesquisas da Universidade Eberhard Karls, na Alemanha. O período no qual o homem moderno começou a emigrar do continente africano e a cronologia de sua dispersão pelo Mediterrâneo e ao longo da costa da península arábica têm sido tema de debate há tempos. No entanto, a maioria dos vestígios e rastros descobertos até o momento leva a crer que esta migração ocorreu há 60 mil anos. L OTERIAS Concurso 604 da LOTOFÁCIL

A TÉ LOGO

02

06

07

09

12

13

14

15

18

19

20

22

24

25

Acesse www.dcomercio.com.br para ler a íntegra das notícias abaixo:

L

Trote em calouras da UnB é alvo de representação no Ministério Público

L

Ártico perdeu área equivalente a 6 estados de São Paulo de 1979 a 2009

L

Girl, uma fêmea de tigre de oito anos, entrou para a história da medicina veterinária em 23 de janeiro ao passar por uma cirurgia de implante de prótese de quadril na Universidade de Leipzig, na Alemanha. O animal, que sofria de artrose e mancava, está em recuperação. As fotos da cirurgia foram divulgadas ontem.

01

Cai liminar que impedia nomeação de professores da rede estadual em SP

Concurso 2508 da QUINA 12

17

23

26

60


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

e

11

conomia

Feliz 4.709! O ano do Coelho Os chineses se preparam para comemorar o ano-novo dia 1º de fevereiro, cercados de misticismo e festa. Na Liberdade, o comércio pretende faturar com a data. Ricardo Osman

Fotos: Newton

Santos/ Hype

ano 4.709 começa no próximo dia 1º de fevereiro. Não, você não está lendo errado. É o ano 4.709 sim, mas segundo a contagem do calendário chinês. Diferente da contagem tradicional gregoriana, seguida pelo restante do mundo, os chineses contabilizam os dias pelas fases da lua.

O

organizadores, e é muito aguardado por todos os empresários da região. As pessoas vão ouvir músicas típicas e ver a dança do dragão. Mas, sobretudo, vão consumir comida chinesa, adquirir trajes orientais, objetos e muitos coelhos de pelúcia, que já estão enfeitando as vitrines das lojas da rua Galvão Bueno, a principal via da Liberdade.

antecedem a chegada do ano 4.709. "Acredito que alguns empresários conseguem até dobrar o faturamento mensal por conta das festividades", acrescentou Liu. "Essa é uma das maiores festas da cultura chinesa em praça pública, fora da China", afirmou o presidente da JCI, que tem o apoio da Distrital Centro da Associação C o m e rc i a l d e S ã o P a u l o (ACSP) e de seu superintendente, José Alarico Rebouças, para a realização das comemorações.

Além disso, utilizam 12 animais, que, conforme a lenda, foram escolhidos por Buda para simbolizar a característica de cada ano. O período iniciado agora tem como o símbolo o Coelho, um animal que representa a fertilidade e a prosperidade. Prosperidade que os comerciantes do bairro da Liberdade, na capital paulista, querem ter com a festa que está sendo organizada para comemorar a passagem do anonovo chinês, a partir deste sábado (dia 29). O evento, que vai até domingo, deve reunir 200 mil pessoas, segundo os

"As vendas do comércio no bairro são altas durante todo o mês de janeiro, e não apenas nos festejos programados. O principal evento da cultura chinesa no País é também um momento relevante para os negócios", disse o jovem empresário Felipe Liu, de 28 anos, presidente da Junior Chamber International (JCI) Brasil-China, e o coordenador da organização da festa no bairro da Liberdade. "Em média, calculo que os negócios chegam a faturar 50% a mais que nos demais meses do ano." Portanto, o movimento já é excepcional nas semanas que

Lojas de objetos chineses, restaurantes típicos, academias de luta Kung-Fu (são cerca de 100 na Capital) e comércio de cosméticos são os principais beneficiados com as festas do Ano-Novo chinês. Algumas lojas da rua Galvão Bueno já decoraram as vitrines especificamente para saudar o novo ano. A festa é uma oportunidade para o marketing de pequenas e grandes empresas interessadas não só na comunidade oriental, mas no apelo que a cultura e a festa chinesas tem sobre a população da Capital e até do País.

sse cem até 50% ne As vendas cres te en id es lipe Liu, pr período, diz Fe s do ina e um da JCI Brasil-Ch do evento. s re do organiza

Fonte: site do evento www.anonovochines.org.br

Entre os patrocinadores oficiais dos eventos deste fim de semana estão a Sabesp e o restaurante Taiyang, que tem lojas em centros de compras na Capital. Nos estandartes que decoram os postes na rua estão nomes de apoiadores que vão de bancos a produtores de alimentos típicos. "Vários empresários, tanto chineses quanto brasileiros, nos procuram para divulgar suas marcas", contou Liu. "As festas servem também para muitos contatos pessoais e de negócios." O comerciante James Hu, de 21 anos – que mantém com

seus pais a loja Doral, na Galvão Bueno, onde vende de tudo, de bonecas a panelas – confirma que esta é a melhor época do ano para os negócios. Hu abre as portas nos dois dias de evento e garante que consegue vender 30% a mais do que em um fim de semana normal. "Vem muito turista de fora e isso é bom para os negócios", diz. Ele está animado também pelo fato de ser o ano do coelho. "Acredito que será um ano bom para os comerciantes", disse ele. Leia mais nas páginas 22 e 23 e veja a programação completa em www.dcomercio.com.br


12 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

COMÉRCIO

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

e

13 O tema desenvolvido na SPFW será a própria SPFW – que completa 15 anos de realização.

conomia Filipe Araújo/AE

os/Reuters

Bruno Doming

Será a última participação de Gisele Bündchen em uma edição da SPFW

Vanessa Rosal

F

oi dada a largada para a apresentação da coleção outono-inverno 2011. Começa hoje, na Bienal do Parque Ibirapuera, da Capital, a 30ª edição do São Paulo Fashion Week (SPFW),

principal semana de moda do País – que promete mostrar tendências em cores, formas, tecidos e acessórios para os dias mais frios do ano. Ao todo, 32 grifes vão desfilar suas coleções até o dia 2 de fevereiro, embaladas pelo aniversário de 15 anos do evento e pela elegância dos

Márcio Honorota/AE

O ator Ashton Kutcher, marido de Demi Moore, estreia na passarela.

Márcio Honorato/AE

casacos, cachecóis, luvas e botas típicas da temporada. (veja agenda ao lado) De acordo com dados da SPTuris, empresa de turismo e eventos da Prefeitura de São Paulo, a realização está entre os seis principais eventos culturais que geram receita ao município paulista, ao lado do carnaval e da Fórmula 1. O investimento de cada grife para a participação na SPFW gira em torno de R$ 7,5 milhões, incluindo a montagem cinematográfica da boca de cena das passarelas e da contratação de celebridades para os desfiles. Segundo a Luminosidade, empresa organizadora do evento, a SPFW envolve toda uma indústria nacional – da fiação ao varejo, dos cursos universitários a grupo de modelos revelados para o mundo – que reúne 30 mil empresas, movimenta R$ 50 bilhões anualmente e emprega quase 2 milhões de brasileiros. Só a semana de moda paulista gera aproximadamente 5 mil empregos, além de movimentar os segmentos de turismo, serviços, hotelaria, alimentação e transporte. Nesta edição, o tema desenvolvido na Bienal será a própria SPFW – que completa 15 anos de vida. Os estilistas fazem mistério sobre as coleções, no entanto, a reportagem do Diário do Comércio antecipa algumas tendências que serão mostradas nas passarelas. Os visitantes da SPFW vão ver cores mais neutras durante os desfiles de inverno – preto, bege, marrom, caramelo e tonalidades claras. Para a grife Neon, os estilistas Dudu e Rita se inspiraram no universo feminino, mais especificamente em perfumes e batons, e também no surrealismo. As formas para o inverno são justas e a cartela de cores é formada por preto, branco e vermelho. Já Fause Haten prefere apostar em tons neutros, sem incluir cores fortes nas roupas, como sóbrios marrons, beges e o discreto cru. Na mesma linha de pensa-

Paris Hilton chega com o namorado Cy Waits para agitar a SPFW

mento segue Marcelo Sommer, da grife Do Estilista. As imagens da construção de Brasília e os responsáveis por ela – os candangos – inspiraram o desenvolvimento de roupas de frio. A estilista Danielle Jensen pesquisou a fundo a história desses trabalhadores, para criar a coleção da Maria Bonita – com "vestidos-bolsa" e peças de roupa de múltiplas funções. Participações especiais – A modelo transexual Lea T., filha do ex-jogador de futebol Toninho Cerezo, será uma das atrações do desfile de Alexandre Herchcovitch. Outras celebridades prometem chamar a atenção dos fashionistas. O desfile da Colcci, por exemplo, terá o ator americano Ashton Kutcher, marido da atriz Demi Moore, desfilando ao lado de Gisele Bündchen. Essa será a última participação da modelo brasileira em uma edição da SPFW – o posto será entregue à top Alessandra

Universo das feiras mais próximo Sílvia Pimentel

D

uas das mais importantes organizadoras de feiras de negócios no mundo, a Messe München International e a NürnbergMesse, fecharam parceria que prevê a criação de uma equipe de vendas conjunta, a ser administrada pela subsidiária brasileira da NürnbergMesse, hoje responsável pela realização de dez importantes feiras no Brasil. Assinado ontem pelos executivos das duas companhias alemãs, o acordo deve intensificar a visitação de empresários brasileiros em

mais de 100 feiras internacionais realizadas em todo o mundo. "O departamento comercial internacional, agora reforçado com a parceria, vai possibilitar o estreitamento das relações entre as empresas brasileiras principalmente nas feiras de Munique, além de permitir a realização de missões de negócios", explicou a diretorageral da NürnbergMesse Brasil, Ligia Amorim. O diretor da Messe München, Eugen Egetenmeir, explicou que as exposições anuais realizadas pelas duas companhias não são concorrentes, mas complementares, e que a

equipe comum de vendas vai beneficiar os empresários brasileiros. "O Brasil tem sido um mercado interessante para a empresa. Esse acordo representa uma pavimentação do caminho para que nossos clientes ingressem nesse mercado", disse. Atualmente, a companhia promove apenas uma feira no Brasil, a Electronica America. Fundada em Munique em 1984, a Messe München possui uma área de exposições de 180 mil m² na região e está concluindo empreendimento nas mesmas dimensões em Xangai, na China. Anualmente, a companhia promove 20 feiras internacionais, com a

participação de 5 mil empresas expositoras e 2 milhões de visitantes. Entre os eventos que deverão despertar a atenção de companhias brasileiras, o executivo cita as feiras voltadas aos setores de bebidas, confeitaria, transporte e logística, de equipamentos esportivos e moda. De acordo com o diretor da NürnbergMesse, Claus Rättich, já é crescente a participação de expositores brasileiros em feiras internacionais de negócios. "No ano passado, por exemplo, 1,5 mil empresários marcaram presença nos principais eventos. Em 2005, foram 117 expositores", informou.

Ambrósio, da marca norteamericana Victoria's Secret. Na lista de famosos, entram a socialite Paris Hilton, que desfilará pela Triton, e o cantor Lobão, que será destaque da grife masculina Reserva. Parcerias – Pela primeira vez, O Boticário, maior rede de franquias de perfumaria e cosméticos do País, marcará presença nos corredores da São Paulo Fashion Week. Além de patrocinar a edição outono-inverno, a empresa estará presente nos eventos de primavera-verão 2011, outono-inverno e primavera-verão 2012. A novidade será o lançamento da maquiagem premium "Make B.", com tecnologia exclusiva de Alta Definição (AD), desenvolvida em parceria com o maquiador Fernando Torquatto, consultor estratégico de O Boticário há quatro anos. A linha ampliou o portfólio da rede em outubro de 2010 para 136 itens. A marca terá um lounge na área de convivência da SPFW, nos basti-

dores, camarins e na sala de imprensa do evento. Outras empresas entraram para o hall de patrocinadores da semana de moda paulista: a Impala, de esmaltes, e a Mundial, fabricante de tesouras e alicates. Completam a lista de parceiros as marcas Melissa, Ipanema, C&A, Oi, Iguatemi, Marles, Santana Textiles, Kalimo e AOC.

DELTA CAR

DC

Maior evento de moda do País chega à 30ª edição com investimento de R$ 7,5 milhões de cada uma das 32 grifes que desfilarão.

Palco da moda, com tendências para a próxima temporada outono-inverno, está pronto para festejar o evento com convidados especiais.

ESTACIONAMENTO E LAVA-RÁPIDO • Estacionamento 24 horas. • Lavagem automotiva interna e externa. • Lavagem com cera, limpeza de estofado, carpete e teto. • Venda de bateria com garantia de 1 ano e colocada na hora. • Venda de palheta para limpador de vidro. Tel.: (11) 2206-2934 Av. Sanatório, 1.313 - São Paulo

www.blassociados.com.br Tel: (11) 3965-9377

CONTABILIDADE • INFORMÁTICA

Contabilidade e Consultoria, RH, Assessoria Fiscal, Tributária e Societária atendimento@blassociados.com.br Rua Paulo Adorno, 17 - 1º andar - Limão - São Paulo - CEP: 02551-130

DC

Chegadas e despedidas em 15 anos de SPFW


DIÁRIO DO COMÉRCIO

14

e

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

O Ipea prevê que a inflação tenha leve desaceleração em 2011, mas que deve fugir do centro da meta.

conomia

Dario Zalis/Divulgação

Menos desemprego

A

taxa de desemprego na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) caiu para 10,1% em dezembro ante 10,7% em novembro na proporção da população economicamente ativa, que no último mês de 2010 atingiu 10,7 milhões de pessoas. Os dados são da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) realizada pela Fundação Seade e pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Foram criadas 91 mil ocupações, número superior ao de pessoas que passaram a fazer parte do mercado de trabalho regional, de 29 mil trabalhadores. Em 2010, a taxa de desemprego na RMSP caiu para 11,9%, de 13,8% registrado em 2009. Com isso, o desemprego anual retomou a trajetória de declínio iniciada em 2004 e interrompida em 2009. É a menor taxa de desemprego anual desde 1992. No ano passado, reduziram-se as taxas de desemprego aberto (pessoas que procuraram trabalho nos últimos 30 dias anteriores ao da pesquisa ou que não exerceram nenhum trabalho nos últimos sete dias), de 9,9% para 8,8%, e o oculto (pessoas que realizam trabalho eventual de alta ocupação), de 3,9% para 3,1%. (AE) Paulo Vitor/AE

A recuperação no nível de atividade foi mais forte no grupo de máquinas e equipamentos. No ano passado, houve expansão de 24,4%.

Fiesp decretou fim da crise na indústria em 2010 Indicador de Nível de Atividade (INA) registrou elevação de 9,9% no ano passado ante 2009. Renda média real caiu 0,7% em dezembro

O

ano de 2010 foi de recuperação para a indústria paulista. Os níveis de atividade atingiram, no final do ano passado, o desempenho registrado no período pré-crise, em setembro de 2008. De acordo com a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), nos últimos 12 meses, houve elevação de 9,9% no Indicador de Nível de Atividade (INA) frente ao resultado de 2009. O desempenho indica que esse foi o melhor resultado desde 2004, quando foi apresentado avanço de 13,2% sobre 2003. Paulo Francini, diretor do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos (Depcon) da Fiesp, enfatizou que o índice ficou bem próximo à sua previsão de alta de 10%, mas ressaltou que a recuperação em relação ao fraco resultado de 2009 não deverá se repetir em 2011. Para ele, esse ano será um período de estabilização. Francini acredita em cresci-

mento industrial da ordem de 4% a 4,5% neste ano, distribuído de maneira generalizada entre os diversos segmentos da atividade industrial. Dúvidas – O diretor disse que há incerteza quanto aos rumos que o câmbio deverá tomar, a influência dos preços internacionais de diversos produtos e a competitividade da produção brasileira frente à de outros países. "Não há propriamente pessimismo quanto a 2011 na indústria de transformação, mas existem muitas dúvidas", afirmou. Mais uma vez, Francini ressaltou a importância do impacto que as importações exercem sobre o setor produtivo industrial. Para ele, o dólar reprimido estimulou significativamente as importações e que já existem grupos nos quais o Coeficiente de Importações – instrumento que mede o percentual da demanda interna abastecido por produtos importados – já ultrapassou a margem dos 50%. Isso significa que no grupo dos eletroeletrônicos, material elétrico e máquinas e equipamentos, a

aquisição de importados ultrapassou o de itens manufaturados pela indústria brasileira. Apesar disso, houve segmentos que registraram desempenho positivo em 2010 e podem obter bons resultados neste ano se a demanda continuar a crescer. Francini destacou o INA de produtos minerais não-metálicos. Sem ajuste sazonal, o grupo registrou crescimento de 7,7% no ano passado em comparação com 2009. "Esse é um setor emblemático, porque nele se concentram os principais materiais utilizados na construção civil, que registrou um excelente desempenho em 2010", afirmou. No caso da metalurgia básica, o resultado foi de elevação de 9,7%, sem ajuste sazonal, no ano passado sobre o anterior. No grupo de máquinas e equipamentos, a recuperação foi mais forte em 2010, com uma expansão de 24,4%. De acordo com o diretor do Depcon, a majoração expressiva tem relação direta com a queda ocorrida em 2009 e, por isso, é importante lembrar que

o segmento ainda se encontra 12,7% abaixo dos níveis de setembro de 2008. A entidade também divulgou o INA de dezembro. O índice apresentou variação positiva de 0,4% sobre novembro, com ajuste sazonal. Além disso, foram revisados os índices sem ajuste sazonal de outubro sobre setembro de 2010 para recuo de 0,1%, já que, anteriormente, situou-se em baixa de 0,4%. Com ajuste, o índice de outubro apresentou ganho de 0,3% em comparação com setembro. A avaliação anterior era de expansão de 0,5%. Percepção – A entidade divulgou também o indicador que mede a percepção do empresariado paulista, batizado Sensor Fiesp. Em janeiro, o índice registrou alta, pois fechou em 50,2 pontos em janeiro frente aos 47 do mês anterior. Francini diz que é a primeira vez desde dezembro de 2009 que ele situou-se na faixa dos 50. O instrumento de avaliação varia de 0 a 100 pontos e indica otimismo quando supera a marca dos 50.

CNI aponta queda na produção Marcello Casal Jr/ABr

A concorrência com importados, que já afetava a indústria, deve ser agravada pela piora de crédito no começo deste ano. RENATO DA FONSECA, CNI quarto trimestre de 2009. Para a CNI, a queda na produção em dezembro foi maior que a esperada. Com o aperto monetário promovido pela equipe econômica do governo, o desempenho da indústria no primeiro trimestre de 2011 deve ser mais fraco

shekinahcartuchos@hotmail.com

Save’s

2256 3138 Cel.: 11 7188 5478 Avenida Imirim, 2.383 - Imirim - São Paulo/SP Fone/Fax:

11

gerente executivo de Pesquisa da entidade, Renato da Fonseca. Segundo a sondagem, as expectativas dos empresários para os próximos seis meses continuam positivas, mas em patamares menores. (AE)

Acessórios para cortinas

KC

DC

Informática - Montagem e manutenção de computadores - Recarga de cartuchos e toner - Carimbos - 2ª via: água, luz, telefone etc. - Antecedentes criminais - Conversão de VHS para DVD - Conversão de vinil para CD

que o registrado no fim de 2010, na análise da CNI. "A concorrência com importados, que já afetava a indústria, deve ser agravada pela piora de crédito no começo deste ano, que deve afetar a demanda por bens industriais", disse o

Kev in Re zin Ponteiras • Abraçadeiras • Argolas Complementos • Varões • Suportes Tel.: (11) 3208-2474 / Fax: 3341-8272 Rua do Lirismo, 62 - São Paulo - Cep: 03102-040 www.kevinrezin.com.br • kevinrezin@kevinrezin.com.br

DC

A

Utilização da Capacidade Instalada (UCI) na indústria caiu com 48,2 pontos em dezembro, o menor resultado de 2010. Em novembro, o indicador registrou 50,4 pontos, em uma escala em que valores acima de 50 pontos indicam crescimento. Segundo a sondagem divulgada ontem pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), o percentual médio de utilização da capacidade instalada no quarto trimestre do ano passado foi de 77%, um ponto percentual acima do registrado no terceiro trimestre do ano, mas idêntico ao apurado no

Pleno emprego?

O

número de pessoas ocupadas no mercado de trabalho foi de 22 milhões, o maior patamar da nova série da Pesquisa Mensal de Emprego (PME) de dezembro, apurada nas seis principais regiões metropolitanas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Além disso, o total de desempregados em 2010, de 1,6 milhão, foi o menor da série. A taxa de desemprego recuou de 5,7% para 5,3% de novembro para dezembro, e terminou 2010 com média anual de 6,7%, bem abaixo da taxa de 8,1% em 2009. Mesmo com os dados positivos de dezembro e de 2010, o cenário brasileiro não aponta para um "pleno emprego" no mercado de trabalho, para o gerente da PME e economista do IBGE, Cimar Azeredo. Segundo ele, nem todas as taxas de desemprego entre as seis regiões mostram o mesmo cenário. No caso da região Metropolitana de Recife, por exemplo, a taxa de desemprego foi de 8,7% em 2010. Os dados positivos de emprego no mercado de trabalho não se refletiram, em igual magnitude, nos ganhos do trabalhador. Embora tenha subido 3,8% em 2010 ante 2009, a renda média real caiu 0,7% em dezembro comparada a novembro. (AE)

Confiança

O

Índice de Confiança do Consumidor (ICC) da Fundação Getúlio Vargas (FGV) – composto por cinco itens contidos na Sondagem de Expectativas do Consumidor – ficou praticamente estável entre dezembro de 2010 e janeiro de 2011, ao passar de 121,7 para 121,6 pontos, conforme divulgou ontem a instituição. De acordo com a FGV, o Índice da Situação Atual (ISA) encolheu 1,4%, passando de 146,2 para 144,2 pontos. O Índice de Expectativas (IE) subiu 0,7%, de 108,9 para 109,7 pontos. A FGV informou que a maior contribuição negativa para o ICC foi dada pelo item que mede a satisfação dos consumidores com o estado geral da economia. A proporção dos que avaliam a situação atual como boa aumentou de 35,5% para 35,6% do total, enquanto a dos que a consideram ruim subiu de 15,4% para 19,3%. (AE)

Inflação

O

Índice de Preços ao Consumidor (IPC), medido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), registrou alta de 1,03% na terceira quadrissemana de janeiro, acelerando em relação à taxa de 0,86% apurada na segunda quadrissemana. O indicador que mede a inflação da cidade de São Paulo ficou igual à mediana das estimativas das instituições consultadas pelo AE Projeções, que iam de 0,94% a 1,14%. O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) prevê que a inflação deva apresentar leve desaceleração ao longo do ano, mas que não será suficiente para que o índice oficial encerre o ano na meta. O centro da meta de inflação para 2011 é de 4,5%, com margem de tolerância de dois pontos para cima ou para baixo. Caso o prognóstico se confirme, esse será o segundo ano que o índice oficial de inflação fecha acima do previsto. (Agências)

GUARISUL

IMOBILIÁRIA S/C LTDA. Vendemos - Alugamos - Administramos Fones: (11) 5894-3746 / 5897-8658 Estr. do Guarapiranga, 2.100 - SP e-mail: guarisul@ig.com.br

DC

Paula Cunha


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

e

15

conomia

Da esquerda para a direita, fotos de Fabrice Coffrini/AFP; Fabrice Coffrini/AFP; Vincent Kessler/Reuters; Christian Hartmann/Reuters; Christian Hartmann/Reuters

No Fórum, George Soros, Jean-Claude Trichet, Nicolas Sarkozy, Pascal Lamy e Giorgos Papandreou (da esquerda para a direita) buscam saídas.

Fórum Econômico Mundial mantém discussões sobre o futuro do euro, enquanto o presidente francês tenta adiantar agenda do G-20 sobre a regulação do mercado de commodities e o diretor-geral da OMC tenta ressuscitar a Rodada Doha.

O

diretor-geral da Organização M u n d i a l d o C omércio (OMC), Pascal Lamy, quer reunir ministros de comércio em Davos, na Suíça, onde acontece até domingo a 41ª edição do Fórum Econômico Mundial, para firmarem o compromisso de um novo acordo de comércio global. Ele disse que tentará convencer os representantes de cerca de 25 países a anunciar o apoio para completar as conversas da Rodada Doha, que se desenrolam há dez anos. Para Lamy, a chamada guerra cambial ainda não afetou o

comércio, mas há risco de que as medidas aumentem pressões protecionistas. Ainda assim, ele acredita que a disputa de moedas continuará. "Até o momento, as tensões não afetaram o comércio. Mas o risco existe", afirmou. Commodities – O presidente da França, Nicolas Sarkozy, voltou ontem ao tema da disparada dos preços dos alimentos e da energia – que deverá ser discutido no G-20. Ele disse que a questão não é impedir que países produtores de alimentos, como o Brasil, se beneficiem da alta dos preços. "O que estou dizendo é: tenha cui-

Altas são ameaça

jogo de forças", afirmou o presidente da Embraer, Frederico Curado. "O Brasil tem todo o direito de defender sua posição, não podemos perder esse bom momento." Europa – Já o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Jean-Claude Trichet, afirmou que não há crise na moeda única do bloco, mas alguns países da zona do euro têm problemas que devem ser solucionados. "Não há crise da divisa europeia. Isso é absolutamente óbvio", declarou. Trichet destacou que não existe uma contradição entre o crescimento econômico e a re-

dução do déficit na zona do euro. "Quando há uma moeda única, você precisa de uma união econômica muito forte com mecanismos de sanção." O investidor e milionário norte-americano George Soros, por outro lado, avaliou que a crise fiscal da zona do euro poderá provocar a desintegração da UE. Ele previu que países como Grécia e Irlanda, que receberam ajuda do fundo de resgate europeu, terão crescimento muito mais lento. "A crise do euro está a caminho de ser resolvida", declarou Soros. Segundo ele, a resolução das consequências da crise

FMI: deterioração nas contas do País.

O

Fundo Monetário Internacional (FMI) alertou que a deterioração nas contas fiscais do Brasil "é particularmente brusca", e vai impedir que se alcance a meta de superávit primário. "Espera-se agora que o governo não alcance sua meta fiscal (superávit primário da ordem de 3% do Produto Interno Bruto, PIB) por ampla margem." Em seu relatório Fiscal Monitor, divulgado ontem, o Fundo criticou o governo brasileiro por manter uma política fiscal relaxada e, diante do excesso de gastos, ser obrigado a recorrer a medidas mais rígidas para manter a inflação sob controle, elevando os juros. Redução do déficit – Em uma análise sobre dívida e déficit global, o FMI afirmou que o ritmo de corte do déficit nas economias

A

ltos preços de alimentos impõem uma grande ameaça à estabilidade econômica e social, mas os responsáveis por programas políticos não devem regular excessivamente os mercados de commodities. A avaliação foi feita por Ngozi Okonjo-Iweala, diretora-geral do Banco Mundial (Bird). "Preços mais altos de alimentos e volatilidade são as maiores ameaças para a recuperação da estabilidade econômica e social. Você viu o que aconteceu na Argélia e em outros países recentemente – não há dúvidas de que os preços mais altos e o estresse no padrão de vida têm seu papel", afirmou. Ela reconheceu que uma certa regulação é necessária, especialmente nos principais mercados de commodities. "Mas nós temos de ser cuidadosos." (Reuters) SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: PREGÃO ELETRÔNICO DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 36/01210/10/05 OBJETO: Aquisição de mesa de tênis e kit para tênis de mesa. A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação Registro de Preços para aquisição de mesa de tênis e kit para tênis de mesa. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital a partir de 28/01/2011, no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br ou na sede da FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 - São Paulo/SP, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, ou verificar o edital na íntegra, através da Internet no endereço: http://www.fde.sp.gov.br. A sessão pública de processamento do Pregão Eletrônico será realizada no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br, no dia 10/02/2011, às 10:00 horas e será conduzida pelo pregoeiro com o auxílio da equipe de apoio, designados nos autos do processo em epígrafe e indicados no sistema pela autoridade competente. Todas as propostas deverão obedecer rigorosamente o estabelecido no edital e seus anexos e serão encaminhadas, por meio eletrônico, após o registro dos interessados em participar do certame e o credenciamento de seus representantes previamente cadastrados. A data do início do prazo para envio da proposta eletrônica será de 28/01/2011, até o momento anterior ao início da sessão pública. Presidente

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: TOMADAS DE PREÇOS A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que achase aberta licitação para execução de obras: TOMADA DE PREÇOS Nº - OBJETO - PRÉDIO - LOCALIZAÇÃO - PRAZO - ÁREA (se houver) - PATRIMÔNIO LÍQUIDO MÍNIMO P/ PARTICIPAR - GARANTIA DE PARTICIPAÇÃO - ABERTURA DA LICITAÇÃO (HORA E DIA) 05/17433/10/02 - Restauro de Prédio Escolar - EE Rangel Pestana - Pça Dr. Meirelles Reis, 153 - 13903-049 - Centro - Amparo/SP - 270 - R$ 190.667,00 - R$ 19.066,00 - 09:30 - 17/02/2011. 05/17828/10/02 - Reforma de Prédio Escolar - EE/ETEC Dr. Paraíso Cavalcanti/ ETE de Bebedouro - Rua Orlando F. Carvalho, 265 - 14701-070 - Centro - Bebedouro/SP - 90 - R$ 27.003,00 - R$ 2.700,00 - 10:00 - 17/02/2011. 05/17840/10/02 - Reforma de Prédio Escolar - EE Prof. Francisco Feliciano Ferreira da Silva - Av. 9 de Julho, 473 12327-682 - Jd. Pereira do Amparo - Jacareí/SP - 120 - R$ 16.101,00 - R$ 1.610,00 - 10:30 - 17/02/2011. 05/17898/10/02 - Reforma de Prédio Escolar - EE Papa Joao XXIII - Rua Belgrado, 95 - 09241-100 - Vila Matarazo Santo André/SP - 90 - R$ 27.845,00 - R$ 2.784,00 - 11:00 - 17/02/2011. 05/17909/10/02 - Reforma de Prédio Escolar - EE Prof. Waldemar de Freitas Rosa - Rua Henrique Fiore, 308 18076-590 - Vila Melges - Sorocaba/SP - 90 - R$ 18.725,00 - R$ 1.872,00 - 11:30 - 17/02/2011. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital e o respectivo Caderno de Encargos e Composição do BDI, na SEDE DA FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 São Paulo/SP ou através da Internet pelo endereço eletrônico www.fde.sp.gov.br. Os interessados poderão adquirir o Edital completo através de CD-ROM a partir de 28/01/2011, na SEDE DA FDE, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, mediante pagamento não reembolsável de R$ 40,00 (quarenta reais). Todas as propostas deverão estar acompanhadas de garantia de participação, a ser apresentada à Supervisão de Licitações da FDE até às 17:00 horas do dia 14/02/2010, conforme valor indicado acima. Os invólucros contendo a PROPOSTA COMERCIAL e os DOCUMENTOS DE HABILITAÇÃO deverão ser entregues na SEDE DA FDE, até 30 minutos antes da abertura da licitação. Esta Licitação será processada em conformidade com a LEI FEDERAL nº 8.666/93 e suas alterações, e com o disposto nas CONDIÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE. As propostas deverão obedecer, rigorosamente, o estabelecido no edital. Presidente

4XHUIDODUFRP HPSUHViULRVGHXPDVyYH]"

dado, se há um aumento exponencial dos preços, geralmente há uma queda exponencial dos preços (posteriormente)." Sarkozy defendeu um aperto regulatório no mercado de commodities para conter a especulação com alimentos e energia. "Precisamos de regulação porque isso significa transparência." O tema pode gerar controvérsia com os países produtores que se beneficiam da alta das matérias-primas – até porque a França mantém subsídios a seus agricultores que desagradam os países em desenvolvimento. "Vai ser um

Publicidade - 11 3244-3175 Fax: 11 3244-3894

avançadas deve desacelerar neste ano, principalmente devido a ajustes fiscais atrasados nos Estados Unidos e no Japão. Para o Fundo, as economias avançadas endividadas precisam urgentemente estabelecer planos de redução de seus déficits antes que os mercados se virem contra elas. O alerta do Fundo surge em meio ao anúncio de cortes no rating da dívida soberana do Japão pela agência Standard & Poor's pela primeira vez desde 2002. A S&P afirmou que Tóquio não apresentou um plano crível para lidar efetivamente com sua alta dívida. "Nas economias avançadas, nas quais a sustentabilidade fiscal não tem sido uma preocupação, planos críveis que vão além de 2011 precisam ser colocados em vigência urgentemente para assegurar a

confiança do mercado", afirmou o relatório do FMI, reforçando a necessidade de mais determinação por parte desses países. "As novas pressões do mercado sobre algumas economias avançadas pedem um compromisso mais determinado desses países para atingir suas metas de déficit e que produzam planos de contingência para assegurar que essas metas serão atingidas", avaliou a instituição. Aos países s emergentes, o Fundo alertou ainda que o aumento na entrada de investimentos privados, assim como as condições de crédito facilitadas, podem levar ao desestímulo da criação de proteções fiscais suficientes. Leia a íntegra do relatório Fiscal Monitor do FMI em www.dcomercio.com.br. (Agências)

M.R. Transportes e Administração de Imóveis Ltda CNPJ nº 03031972/0001-31 Extrato de Alteração de Contrato Social Conforme a alteração de Contrato Social da Itabens Construção e Administração Ltda, de 18/11/2010, foi deliberada a redução do capital social da Sociedade no valor de R$ 6.219.147,00 para R$ 942.022,00, O Capital Social é de R$ 942.022,00, dividido em 942.022 quotas no valor nominal de R$1,00 cada, totalmente subscrito e integralizado em moeda corrente nacional, e assim distribuídas: O Sócio Walmir Pereira Modotti, possui 84 7.820 quotas no valor total de R$ 847.820,00. A Sócia Ivani Regina Roncon Modotti, possui 94.202 quotas no valor total de R$ 94.202,00 São Paulo, 18 de novembro de 2010. A presente ata é publicada na forma de extrato, na forma da Lei. Assinaturas: Walmir Pereira Modotti - Ivani Regina Roncon Modotti.

poderiam ser apoiadas por "uma cooperação em política fiscal e o estabelecimento de um fundo de apoio de emergência permanente". O primeiro-ministro grego, Giorgos Papandreou, aproveitou para ressaltar que um Fundo Europeu de Estabilidade Financeira (EFSF, na sigla em inglês) "mais forte e flexível poderia acalmar os mercados financeiros". Em seu discurso em Davos, ele considerou que este fundo é a principal ferramenta para acalmar os mercados e enfrentar os problemas da dívida soberana dos países da zona do euro. (Agências)

No Brasil, BC fala de preços.

O

Banco Central (BC) reconheceu que o cenário para a inflação piorou desde dezembro, mas a avaliação foi menos alarmista que o mercado previa. Na ata da primeira reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) liderada por Alexandre Tombini, a instituição admite que a inflação subiu e está acima do centro da meta, mas o BC acredita que a trajetória dos preços deve reagir positivamente à alta do juro, às medidas para conter o crédito e ao corte de gastos públicos. Para explicar a subida do juro básico da economia, que passou de 10,75% para 11,25% na semana passada, o Copom subiu o tom na comparação com dezembro ao falar da inflação na ata da reunião divulgada ontem. No texto, os diretores do BC chamam atenção para o aumento dos preços de alimentos, o maior do uso da capacidade instalada da economia e o ganho de renda dos trabalhadores. (AE)

MARTINS AUTO POSTO LTDA., torna público que requereu da Cetesb a Licença Prévia e de Instalação, para atividade de comercio de produtos derivados de petróleo, Rua Emília Marengo - 428 - Tatuapé -São Paulo - SP.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DO PROGRAMA DE AJUDA HUMANITÁRIA PSICOLÓGICA – ABRAPAHP Convocação Ricardo Luis Martins Scalise, brasileiro, administrador de empresas, portador da Cédula de Identidade RG: 2.350.137 e do CPF: 040.213.398-68, na qualidade de Presidente do Rotary Clube de São Paulo - Butantã, convoca a todos os associados e demais interessados para a Assembleia Geral de Constituição da Associação Brasileira do Programa de Ajuda Humanitária Psicológica – ABRAPAHP, que se realizará no dia 24 de fevereiro de 2011, a partir das 20:00 horas, à Avenida Professor Francisco Morato nº 2.802, Butantã. São Paulo, 27 de janeiro de 2011. Ricardo Luis Martins Scalise.

Bradesco Seguros S.A. CNPJ no 33.055.146/0001-93 - NIRE 35.300.329.091 Grupo Bradesco de Seguros e Previdência Ata da 125a Assembleia Geral Extraordinária realizada em 28.1.2010

Ultra S.A. - Participações CNPJ nº 54.041.439/0001-91 - NIRE 35.300.105.702 Ata da Reunião do Conselho de Administração Data, Hora e Local: 15 de dezembro de 2010, às 10h, na sede social, sita na Av. Brigadeiro Luiz Antônio, nº 1.343, 9º andar, na Cidade e Estado de São Paulo. Presença: Membros do Conselho de Administração, abaixo assinados. Deliberações: 1. Os Conselheiros aprovaram o orçamento da Ultrapar Participações S.A. para o ano de 2011. Nada mais havendo a tratar, foram encerrados os trabalhos e lavrada a presente Ata que, lida e aprovada, foi assinada por todos os conselheiros presentes. aa) Paulo Guilherme Aguiar Cunha - Presidente; Lucio de Castro Andrade Filho; Ana Maria Levy Villela Igel; Fábio Igel; Hélio Marcos Coutinho Beltrão; Joyce Igel de Castro Andrade; Pedro Wongtschowski; Rogério Igel; José Carlos Guimarães de Almeida; Márcia Igel Joppert - Conselheiros. Declaro que a presente é cópia fiel da Ata lavrada no Livro próprio. Paulo Guilherme Aguiar Cunha - Presidente. Secretaria da Fazenda. Junta Comercial do Estado de São Paulo. Certifico o Registro sob o número 14.473/11-2 em 04/01/2011. Kátia Regina Bueno de Godoy Santos - Secretária Geral.

FALÊNCIA, RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL E RECUPERAÇÃO JUDICIAL Conforme informação da Distribuição Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, foram ajuizados no dia 27 de janeiro de 2011, na Comarca da Capital, os seguintes pedidos de falência, recuperação extrajudicial e recuperação judicial: Reqte: Totalsys Tecnologia Ltda. Reqdo: Viacall TMKT Assessoria Empresarial e Telemarketing Ltda. - R. Peru, 37 – Granja Viana - 2ª V. de Falências Reqte: Filon Confecções Ltda. - Reqdo: UDX 10 Artigos e Acessórios Esportivos Ltda. - R. Capital Federal, 263 – Sumaré - 1ª V. de Falências

Reqte: Banco Safra S/A. - Reqdo: D.P. Vale Verde Ltda. - Av. Doutor Gastão Vidigal, 1.946 Pavilhão MLP/verduras, Mod. 28 - Vila Lepoldina - 2ª V. de Falências Reqte: Banco Safra S/A - Reqdo: J.V. Comércio de Sistemas de Alarmes Ltda. ME - R. Oti, 200 - Vila Ré - 1ª V. de Falências

Data, Hora e Local: Aos 28 dias do mês de janeiro de 2010, às 15h, na sede social, Avenida Paulista, 1.415, parte, Bela Vista, São Paulo, SP. Quorum: Compareceram, identificaram-se e assinaram o Livro de Presença os representantes da Bradseg Participações Ltda., única acionista da Sociedade. Mesa: Presidente: Marco Antonio Rossi; Secretário: Ivan Luiz Gontijo Júnior. Convocação: Dispensada a convocação por Edital, de conformidade com o disposto no Parágrafo Quarto do Artigo 124 da Lei no 6.404, de 1976. Ordem do Dia: examinar proposta da Diretoria da Sociedade para reduzir o Capital Social no valor de R$425.772.254,61, com o cancelamento de 33.150 ações ordinárias, nominativas-escriturais, sem valor nominal, por julgá-lo excessivo, de acordo com o disposto no Artigo 173 da Lei no 6.404/76, com a consequente alteração do “caput”do Artigo 6o do Estatuto Social. Deliberação: aprovada, sem qualquer alteração ou ressalva, a Proposta da Diretoria, registrada na Reunião daquele Órgão, de 27.1.2010, a seguir transcrita: “Propomos, de conformidade com o disposto no Artigo 173 da Lei n o 6.404/76, reduzir o Capital Social em R$425.772.254,61 (quatrocentos e vinte e cinco milhões, setecentos e setenta e dois mil, duzentos e cinquenta e quatro reais e sessenta e um centavos), com o cancelamento de 33.150 (trinta e três mil, cento e cinquenta) ações ordinárias, nominativas-escriturais, sem valor nominal, a fim de ajustar o capital próprio da Sociedade que se mostra excessivo às suas efetivas necessidades. Se aprovada a presente proposta: 1) a redução do Capital Social será concretizada mediante a restituição do valor mencionado à Bradseg Participações Ltda., única acionista da Sociedade, com a utilização do investimento que a Sociedade detém na Átria Participações Ltda., representado por 100% das cotas daquela Sociedade; 2) o “caput” do Artigo 6 o do Estatuto Social, passará a vigorar com a seguinte redação, após a homologação do processo pela Superintendência de Seguros Privados - SUSEP: “Art. 6 o) O Capital Social é de R$3.868.283.245,98 (três bilhões, oitocentos e sessenta e oito milhões, duzentos e oitenta e três mil, duzentos e quarenta e cinco reais e noventa e oito centavos), dividido em 750.693 (setecentas e cinquenta mil, seiscentas e noventa e três) ações ordinárias, nominativas-escriturais, sem valor nominal.”. Na sequência dos trabalhos, tendo em vista a aprovação da proposta para redução do Capital Social, disse o senhor Presidente que a Diretoria ficava autorizada a praticar todos os atos necessários e a tomar todas as providências complementares à operação ora aprovada. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, o senhor Presidente esclareceu que, para a deliberação tomada, o Conselho Fiscal da Companhia não foi ouvido por não se encontrar instalado no período e que a matéria ora aprovada somente entrará em vigor e se tornará efetiva depois de homologada pela Superintendência de Seguros Privados - SUSEP e de estarem atendidas todas as exigências legais de arquivamento na Junta Comercial e publicação. Em seguida, encerrou os trabalhos, lavrando-se a presente Ata, que lida e achada conforme, foi aprovada por todos os presentes, que a subscrevem. aa) Presidente: Marco Antonio Rossi; Secretário: Ivan Luiz Gontijo Júnior; Acionista: Bradseg Participações Ltda., por seus Diretores, senhores Ricardo Saad Affonso e Haydewaldo Roberto Chamberlain da Costa. Declaração: Declaramos para os devidos fins que a presente é cópia fiel da Ata original lavrada no livro próprio e que são autênticas, no mesmo livro, as assinaturas nele apostas. Bradesco Seguros S.A. aa) Marcos Suryan Neto e Haydewaldo Roberto Chamberlain da Costa.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

16

e

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

A Vale deixou de enviar para o exterior cerca de 600 mil toneladas de minério de ferro. Roberto Castello Branco, diretor da Vale

conomia

MESMICE S/A

Fotos: Divulgação

O

SANDÁLIAS feitas de pneus reciclados concorrem a prêmio

VERDE NOS PÉS Goóc está concorrendo ao GreenBest, prêmio de consumo e iniciativas sociais na área de moda. É possível votar até o dia 16 de março no endereço www.greenbest.com.br. A Goóc é pioneira na fabricação de sandálias de pneu reciclado e criadora do "Projeto 2014", que pretende transformar 40 milhões de pneus sem serventia em 210 milhões de pares do calçado até 2014, ano em que o Brasil será sede da Copa do Mundo. No site, o internauta pode conhecer várias iniciativas da indústria e do varejo para um planeta mais saudável. Vale espiar.

A

verão das tragédias que abalaram, sobretudo, a região serrana do Rio de Janeiro vai chegando ao seu epicentro sem o prenúncio de alguma surpresa digna de registro, na política, na economia e especialmente na publicidade. Até a comparação de Barack Obama com a disputa tecnológica que os americanos travaram para compensar os avanços dos russos com o Sputnik convidando-os à nova fase de desenvolvimento tecnológico não foi capaz de mexer com corações e mentes, como o "yes, we can" (sim, nós podemos) do próprio Obama para voltar muito no tempo até o "I have a dream" (eu tenho um sonho) de Martin Luther King, prenúncio de que um dia um negro chegaria ao poder. Como anda tudo meia-boca, do francês "demi bouche", a publicidade vive dias de "baiacu", empapuçada com tanta mesmice. Até a referida campanha de Skol começa a cansar, como aquela divertida piada que não deve ser contada duas vezes para o mesmo público, senão perde a graça. Nesse pebolim meio sem graça, Fábio Fernandes e sua F/Nazca já tiveram dias mais gloriosos pilotando a cerveja líder do mercado. O mesmo ocorre com a AlmapBBDO que recorre à "piada velha" para um clássico do verão: as sandálias Havaianas. E sem umbigo então, pior ainda.

CRIATIVOS das grandes agências parecem ter tirado férias coletivas neste verão "baiacu" empapuçado.

Alexandre Gama, da NeogamaBBH, e o verão Bradesco só não é mais sem graça que a nova conta do Itaú, que a DM9DDB tem a missão de vender. A JWT, que tem inovado na comunicação do HBSC, também está na encolha. Por onde andam criativos que sempre brindavam o verão com grandes campanhas? A sensação é que tiraram férias coletivas. Nem refrigerantes, nem cervejas, ícones da estação, borbulham comunicações inovadoras. Aquelas campanhas que Olivetto assinava para as sandálias Ipanema Gisele Bündchen saí-

ram de cartaz e a comunicação do calçado que, agora, acompanham o Big Brother Brasil 11, só não é pior que o reality show porque este é imbatível na sua mesmice. Nizan Guanaes também não dá o ar da graça, nem com Brahma nem com Nivea. A Talent de Julio Ribeiro, na nova versão para Net, sem o divertido personagem "russo" Skavurska, não se destaca nesses dias ensolarados, após as terríveis chuvas e de profunda aridez criativa. A NBS que vinha inovando com a operadora Oi parece ter tirado férias. E a modorra toma conta da publicidade.

Falta inovação e ousadia. E quando falta aquilo que os mineiros e paulistas chamam de mistura nas refeições, o jeito é se contentar com o feijão e arroz, que é um prato delicioso. Mas até este clássico precisa de tempero para fazer a diferença. Tomara que as agências e seus principais criativos voltem rápido das férias de verão para animar as telinhas em que até novelas estreantes e encerradas parecem estar sob o efeito "baiacu" e o festival da mesmice começa a cansar até ticos e tecos, e mais ainda os cabeções que sabem lidar simultaneamente com os dois. Socorro!

LORENTE VIVE ntre os dias 3 e 9 de fevereiro, um grupo de amigos do publicitário Tomás Lorente, que faleceu em julho de 2009, irá homenageá-lo com uma exposição no Museu Brasileiro da Escultura (MuBE). Além de uma mostra das criações de Lorente, serão apresentadas obras em sua homenagem por mais de 40 de seus amigos. José Zaragoza, da DPZ, que HOMENAGEM ao publicitário tinha com Lorente uma relação quase de pai e filho, já concluiu seu trabalho. Uma tela com mais de 1,70 metro mostra um Lorente bastante jovem, em início de carreira. Junto com a imagem há um texto escrito pelo próprio Zaragoza como forma de homenagear o amigo. No texto, Zaragoza fala do seu sentimento, de como era sua amizade e apreço profissional. Filho de espanhóis, Tomás Lorente viveu boa parte da infância em Barcelona, retornando ao Brasil no início da adolescência. Em 1976, fez seu primeiro estágio na Lage Stabel & Guerreiro. A partir daí, acumulou 33 anos de carreira, com passagens pelas principais agências do mercado, como a DPZ. Lorente é o diretor de arte mais premiado da história do Clube de Criação de São Paulo (CCSP), do qual foi presidente de 1999 a 2001. Em Cannes, conquistou 15 Leões como diretor de arte e mais 50 como diretor ou vice-presidente de criação.

E

FALA, CABEÇÃO! s picolés da linha Fruttare Caseiro da Kibon vão dar o que falar a partir do dia 31 de janeiro, ou melhor, vão falar o que vão dar. Trata-se da promoção "Fala, Cabeção!", na qual 500 picolés vão anunciar aos consumidores o prêmio de R$ 200 em vale-compras. A ação, que vigora até o dia 2 de abril, acontecerá em todo o território nacional e será válida para os três sabores da linha – Pêssego, Morango e Banana. Criada pela agência Bullet, a promoção apresenta simulações de picolés que têm exatamente o mesmo peso e formato do sorvete. Os protótipos foram desenvolvidos com plástico reciclado de alta qualidade e tinta atóxica, além de terem um circuito eletrônico perfeitamente adaptado ao seu tamanho e que suporta as baixas temperaturas das conservadoras. Para acionar o áudio, basta apertar o botão liga/desliga no próprio picolé falante. Não deixa de ser divertido.

O

SIMPLICIDADE PORTENHA Dentsu Argentina, agência liderada por Guillermo Muro, assina a nova campanha de Hilux, o carrão da Toyota, que faz sucesso no mercado brasileiro. No comercial Papel, a simplicidade é o forte. O carro se destaca numa cidade de papel em que a intenção da comunicação é divulgar a marca de 500 mil unidades de Hilux SW4 produzidas na cidade argentina de Zárate. Os portenhos da Dentsu dão um show de efeitos simples e emocionantes.

A

Cai otimismo do setor de material de construção rou 2010 com alta de 12,14% no faturamento, conforme dados da Abramat. Para este ano, a entidade estima um crescimento de 9%. Quanto às exportações, o setor também reduziu o otimismo. Em janeiro, 39% dos empresários afirmam estar otimistas em relação às vendas no mercado externo, enquanto em dezembro o índice era de 43%. "A sondagem entre as indústrias indica que, em média, 69% têm boas expectativas em relação às ações do governo para o setor nos próximos 12 meses", afirma a Abramat. (Reuters)

ECSJT

DC

A

indústria brasileira de materiais de construção iniciou 2011 com menos otimismo em relação ao último mês do ano anterior, segundo pesquisa divulgada ontem pela associação que representa o setor no País, Abramat. Conforme o levantamento, em janeiro, 76% das empresas dizem estar otimistas quanto ao desempenho das vendas de materiais neste ano, ante 82% em dezembro. No mesmo sentido, o nível de pessimismo também aumentou, de zero para 3% agora. O varejo de materias encer-

Escritório de Contabilidade São Judas Tadeu ABERTURA - ENCERRAMENTO DE EMPRESAS - ALTERAÇÃO IMPOSTO DE RENDA - ASSESSORIA CONTABILIZANDO SUCESSO! Escrituração Contábil e Fiscal - Departamento Pessoal Tels.: (11) 2939-1157 / 2949-0431 • www.contabilsaojudas.com.br Av. Jardim Japão, 148 - Sala 1 - Jardim Brasil - São Paulo

JOVINO CALÇADOS

Feminino, Masculino e Infantil Rua Dr. César Castiglione Júnior, 180 - Casa Verde/SP jovinocalcados@terra.com.br (11) 3857-3159

Chuvas atrasam embarques de minério da Vale

O

grande volume de chuvas que atingiu o Brasil desde o início do ano fez com que a mineradora Vale deixasse de embarcar cerca de 600 mil toneladas de minério de ferro a partir dos portos localizados no País durante o período, conforme informou ontem o diretor de Relações com Investidores da empresa, Roberto Castello Branco. Segundo o executivo, a Vale também deixou de embarcar a partir da Austrália, em função das enchentes locais, aproximadamente 500 mil toneladas de carvão. Castello Branco considerou pequeno o volume de minério de ferro não embarcado no período, se comparado com o volume total que a empresa pretende exportar ao longo do ano, e afirmou que o atraso será recuperado durante os próximos meses, tanto no Brasil quanto na Austrália.

DC

Envie informações para essa coluna para o e-mail: carlosfranco@revistapublicitta. com.br

HILUX, da Toyota, se destaca numa cidade de papel.

80

.1

I EC

CR

19

A Vale estima um volume de embarques de minério de ferro em 2011 de 311 milhões de toneladas. No caso da Austrália, o atraso é mais significativo na comparação com o volume total, já que a Vale pretende produzir no país em 2011 cerca de 5 milhões de toneladas de carvão. As fortes chuvas que atingiram várias regiões no Brasil desde o início do ano provocaram centenas de mortes, destruíram estradas e instalações industriais e prejudicaram as operações portuárias em várias localidades. Castello Branco comentou ainda sobre o cenário para o mercado de minério de ferro globalmente e se mostrou otimista quanto ao longo prazo, afirmando que os preços da commodity deverão seguir em alta por um período de 15 até 20 anos. (Reuters)

J

Tel/Fax: 11 2268-3860 - 2601-9008 e-mail: e.simoveis@ig.com.br Rua Ibitinga, 238 - Mooca - São Paulo/SP

sb-589 sobrado c/ salas coms - Pq. da Mooca frente baixos - salão com mesanino, 01 wc e 01 copa - fundos 03 dorms - sala - coz. - 02 wcs - área serv. - fundos interno 02 dorms - sala - coz. - 02 wcs - área serv. altos sala coml c/ 01 wc R$ 520.000,00 - aceita proposta - ref. gp - 100*

ap3-440 apartamento - Mooca 120 m²,16º andar, 03 dorms, 01 suíte, sala 3 ambs., cozinha,02 vagas,03 wcs, área de serviço, armários embutidos, lazer. R$ 570.000,00 + cond. + IPTU.

sb-638 sobrado -Mooca terr. 6,50 x 24,00. 04 dorms, 02 suítes, sala, cozinha, 01 vaga, 04 wcs, área de serviço, quintal, armários embutidos. R$ 470.000,00

DC

PICOLÉS anunciam a promoção da linha Fruttare da Kibon

ct-396 casa térrea - Mooca terr. 7,00 x 30,00, 02 dorms, sala, copa, cozinha, 01 vaga, 02 wcs, dep. empreg., área de serviço, quintal. R$ 320.000,00


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

17

Nº 353

DCARR

Cuidado com as chuvas. Evite sair com seu carro nestes dias de enchentes. O prejuízo material pode ser enorme, fora os riscos pessoais.

JEEP GRAND CHEROKEE

Mais urbano, mas ainda bom fora de estrada Fotos: Divulgação

Custando a partir de R$ 154,9 mil, Grand Cherokee chega ao Brasil em sua quarta geração, agora com motor V6

RENATO IBELLI

Í

cone entre os utilitários norte-americanos, o Jeep Grand Cherokee chega ao Brasil, em sua quarta geração, totalmente repaginado. Ele ganhou um caráter mais urbano, na aparência e na mecânica, e recebeu um interior extremamente luxuoso. Há couro e materiais agradáveis ao toque em todos os pontos de contato com os ocupantes. A versão 2011 do utilitário também quebrou o paradigma do motor V8, que equipou todas as gerações anteriores que chegaram ao País. Sob o capô agora trabalha um V6, mais econômico. Uma mudança que tende a desagradar os puristas do 4x4. Ainda assim, é difícil dizer que falta potência, principalmente para este repórter, tão habituado aos carros populares. Foi prazeroso fazer o propulsor berrar nas subidas e descidas da RioSantos. E, mesmo sem a prática no off-road, não houve problema para transpor rios que deixaram o utilitário quase um metro dentro a água. Mas as críticas à troca de um oito cilindros, que gerava 303 cavalos, por um seis cilindros, que produz 286 cavalos, são reais. Tanto que a Chrysler, que detém a marca Jeep - fabricante do Grand Cherokee - já fala sobre a possibilidade de colocar uma opção de motorização mais potente no mercado. Porque menor - A opção pelo motor V6 reflete a proposta da fabricante de deixar o utilitário mais urbano. Dentro desse raciocínio, a quarta geração do Grand Cherokee ganhou também

uma suspensão mais rígida, com curso menor, o que o deixou mais estável em alta velocidade. Sem dúvida, mais do que nas gerações anteriores, agora o caráter de veículo de passeio predomina sobre o de off-road. O que não quer dizer que o utilitário tenha deixado de fazer jus às suas origens. Para agradar aqueles que entendem que não faz sentido ter um 4x4 se não for para colocá-lo em terrenos acidentados, a fabricante decidiu

aumentar a interação do motorista com o sistema de tração do utilitário. Assim como na versão anterior, o cérebro do Grand Cherokee faz a leitura do terreno e adapta automaticamente a tração a ele. Mas agora, na versão 2011, há a possibilidade de configurar manualmente a tração por meio de um seletor (Select Terrain). São cinco as opções de ajuste manual para off-road: areia/lama, pedra, neve, esporte, além do automático. Barro e esporte - Na opção esporte a tração vai toda para as rodas traseiras. Na opção neve – que por aqui pode ser usada em pista escorregadia -, a tração é dividida, o torque é mantido constante e a sensibilidade do sistema ABS fica reduzida. O câmbio, claro, é automático, mas com o Stick Shift, que o transforma em semiautomático - bom para ultrapassagens e para quem gosta de sentir o carro "na mão" A tecnologia embarcada no novo Grand Cherokee impressiona. Em especial os itens de segurança. Uma verdadeira sopa de letrinhas, que vai desde o conhecido ABS até o menos popular ERM – Sistema Antirrolagem da Carroceria. Um desses itens de segurança, por exemplo, faz com que o cérebro do utilitário perceba quando o motorista retira bruscamente o pé do acelerador e, nessa situação, faz com que as pastilhas de freio se aproximem do disco na expectativa de uma freada emergencial. São tecnologias que dificilmente chegam ao

Talvez alguns puristas reclamem do motor menor, mas o V6 cumpre, e bem, o seu papel.

SOM AUTOMOTIVO

AINDA MAIS ESPORTIVO

PARA INCREMENTAR

PORSCHE 911 CARRERA GTS

U

m dos carros esportivos mais fabulosos de todos os tempos ganha inovações e já está à venda no Brasil. O novo Porsche 911 Carrera GTS produz 408 cv de potência, dinâmica excepcional e um equipamento notavelmente esportivo, o Carrera GTS sobe ao cume da série do modelo Carrera. Disponível com carrocerias coupé e cabriolet, o GTS preenche o espaço entre o Carrera S, com motor de 385 cv, e o 911 GT3 (435 cv). Esta esportividade adicional acompanha o benefício econômico: graças ao Porsche Intelligent Performance, a nova versão mantém os níveis de consumo de combustível do Carrera S. Único dentro da família Carrera, o 911 Carrera GTS combina a carroceria com mais 44 milímetros de largura dos Carrera 4 e 4S (versões com tração nas quatro rodas) com a clássica tração traseira. Muitos detalhes distinguem a aparência e a tecnologia de um GTS de outras versões Carrera. Por

conhecimento do proprietário do veículo, mas que estão lá, e já renderam ao modelo prêmios no quesito segurança. Por outro lado, a Chrysler diz que um item que seus clientes brasileiros fazem questão de saber se foi agregado ao veículo são os aquecedores de banco. Vai entender! A expectativa da fabrica é vender 750 unidades do novo Grand Cherokee em 2011. Ele é oferecido nas versões: Limited, a top, por R$ 174,9 mil, e a Laredo, mais simples, por R$ 154,9 mil.

exemplo, o GTS conta com rodas de cubo central de 19 polegadas RS Spyder, pintadas em preto, com os aros das bordas em acabamento de alto brilho e pneus 305/30 R 19 no eixo traseiro. Outras características visuais incluem o painel dianteiro SportDesign com borda do spoiler pintada em preto, saias laterais especiais também em preto e o logotipo "Carrera GTS" nas portas e na tampa traseira em preto ou prata, dependendo da cor da lataria. A área entre os dois escapamentos também tem acabamento em preto. Co m b i n a ndo com o "preto Alcântara", cor padrão do inter i o r, a s s eções centrais dos assentos e s p o r t i vo s do motorista e do passageiro são revestidas com o mesmo tom. No interior esportivo, este material de alta qualidade também é utilizado em todos os lugares em que o motorista e o passageiro entram em contato direto com o veículo, como, por exemplo, na borda do novo vo-

O CARRO Aberta a temporada de lançamentos de CDs e DVDs automotivos

lante SportDesign com três raios e nas alavancas do câmbio e do freio de mão. Atenção especial foi dada ao motor flat de 3.8 litros. Em um coletor de admissão com ressonância especial, seis flaps de afinação com controle a vácuo se revezam entre a geometria otimizada por potência e por torque - o motor de um Carrera S conta com apenas um flap de afinação. Assim, o torque máximo inalterado de 420 Nm já fica disponível a 4.200 rpm, 200 rpm antes do Carrera S. Além disso, o carro conta com um sistema de escape esportivo com escapamento duplo. Suas superfícies externas estão pintadas em preto e os tubos internos são polidos no lado externo com revestimento com

tecnologia em nanocoating. O Carrera GTS vem de fábrica com transmissão manual de 6 marchas e pode, opcionalmente, ser equipado com o PDK de 7 marchas. Comparado com o Carrera S, a velocidade máxima do modelo com transmissão manual teve um aumento de 4 k m/h, sendo agora de 306 km/h. A aceleração de 0 a 100 km/h teve uma melhora geral de 0,1 s e é de 4,2 s para um GTS Coupé com PDK e pacote Sport Chrono Package Plus no modo Sport Plus. O consumo de combustível de um Carrera GTS com PDK de acordo com o NEDC é de 9,8 km/l e as emissões de CO2 são de 240 g/km. O preço dos 911 Carrera GTS vendidos no Brasil é de R$ 580 mil. Antônio Fraga

C

omemorando 10 anos de fabricação de sua linha automotiva no Brasil, a H-Buster iniciou o ano de 2011 com vários lançamentos. As principais novidades são os modelos de DVD Players, HBD9560AV, HBD-9300AV e HBD9400AVN, o CD/MP3 Player HBD-2300MP e o MP3 Player HBDU-3300. O DVD Player HBD-9560AV chega com frente parcialmente removível, entrada USB frontal para iPod e outros aparelhos de áudio, monitor de 7 polegadas touch screen integrado e retrátil, que permite o ajuste de inclinação de tela. Seu preço sugerido é de R$ 1.189. O HBD-9300AV traz tecnologia Bluetooth, monitor de 3,5 polegadas integrado, possui frente

destacável flip-down e saídas pré-amplificadas de áudio estéreo e vídeo (RCA). Ele custará R$ 749. Já o DVD Player HBD-9400AVN oferece, além do monitor touch screen e do Bluetooth, o navegador GPS integrado. A DH-Buster sugere o valor de R$ 1.074. Para os mais conservadores, ou que querem modelos mais econômicos, a H-Buster oferece o CD/MP3 Player HBD2300MP (R$ 259) e o MP3 Player HBDU-3300 com entrada para SD/MMC card e USB frontal (R$ 239). Os dois lançamentos têm entrada auxiliar frontal para iPod/MP3 e outros aparelhos de áudio, possuem uma saída pré-amplificada de áudio 2V e frente destacável.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

18

t

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Fotos: Erika Corrêa

urismo Esta é a primeira reportagem de uma série dedicada ao litoral brasileiro. O DC visitou algumas das praias mais disputadas do País e dá todas as dicas para quem quiser aproveitar a estação do calor. Boa viagem!

Desde que Brigitte Bardot desfilou por suas areias, em 1964, o destino a 180 km do Rio nunca mais saiu de moda

Búzios: St. Tropez brasileira. Erika Corrêa Vista panorâmica da orla (no topo) revela a vegetação típica de Cerrado. Passeio de catamarã (à esq.) e Rua das Pedras (abaixo à esq.) – endereço do Pátio Havana e Chez Michou – estão no roteiro. Brigitte ganhou estátua.

C

Fábio Motta/AE

Praia de Tucuns (no topo), onde está situado o novo Breezes (no meio), virou point de kitesurfe. Spa Hara (acima) é um de seus atrativos.

para boates disputadas nas noites de verão. A qualidade da urbanização da cidade é responsabilidade do próprio plano diretor. A prefeitura não permite construções que ultrapassem dois andares e que se ergam nas áreas de preservação ambiental. Ainda há planos para criar zonas de conservação da vida silvestre.

A novidade deste verão em Búzios é o mais novo resort construído na Praia de Tucuns. Afinal, um lugar frequentado por tantas celebridades e turistas internacionais merecia um empreendimento à altura. SuperClubs – Com 28 mil metros quadrados, o luxuoso Breezes Búzios Resort & Spa, do grupo hoteleiro jamaicano SuperClubs, recebe até 1.500 hóspedes em suas 329 unidades de alto padrão. Sua arquitetura se harmoniza com a natureza selvagem desta praia. As acomodações são em casas de um andar e ao redor de um enorme espelho d'água, e há alguns bangalôs

ARTE E REGISTROS DO BALNEÁRIO

A

artista plástica paulistana Christina Motta mudou para Búzios nos anos 90 depois de passar mais de 20 anos em Londres. Ergueu seu ateliê em sua própria casa e continuou se dedicando à sua arte, principalmente às esculturas em bronze. Assim eternizou a presença de Brigitte Bardot, esculpindo a imagem da atriz na orla, sentada na mala e de camisa listrada, como viu em uma das fotos da época em que Bardot visitava o balneário. Outra escultura famosa assinada pela artista são os Três Pescadores, em tamanho natural, puxando uma rede à beira do mar. Marca registrada de Búzios.

mais afastados. Em toda a sua área de construção, houve recuperação da mata de revestimento das dunas e replantio. O maior privilégio e conforto do hotel é o seu serviço chamado "Super-Inclusive", em que todas as refeições, bebidas e atividades de entretenimento estão incluídas no preço da diária. O hóspede pode guardar a carteira e só lembrar-se dela na hora de fazer as malas. "Desde que abrimos nossa operadora esperamos por um resort em Búzios", comentou Gilberto Hingel, diretor

RAIO X

om as altas temperaturas, a disputa por um espaço nas areias das praias fica mais acirrada. Nem mesmo os mais de 7 mil quilômetros do nosso litoral parecem dar conta de tanta procura. Mas uma coisa é certa: todo mundo quer uma praia limpa, de beleza exuberante, mas ao mesmo tempo badalada, ou seja, as paragens em que famosos desfilaram e ainda prestigiam. Essas características reunidas se encontram, em geral, mais afastadas dos grandes centros. Muitos locais foram descobertos pelos hippies, estradeiros ou por surfistas em busca de ondas perfeitas e, com o tempo, passaram de vilarejos de pescadores a oásis para o empreendedorismo. Assim, aquela enseada delineada no sopé das montanhas, a 180 km do Rio de Janeiro, era bonita demais para resistir ao turismo. Armação de Búzios, na Região dos Lagos, se consolidou como um dos melhores roteiros brasileiros para quem procura praias lindíssimas e com muita agitação. Desde os tempos em que Brigitte Bardot andou por lá (a primeira vez foi em 1964), Búzios nunca mais saiu da moda. A atriz ganhou homenagens: um cinema, o nome da orla no centro e uma estátua; e a cidade ganhou fama de ser a versão brasileira de St. Tropez, um dos pontos de veraneio francês preferidos do jet set e das estrelas de Hollywood. Búzios, então, não parou de receber artistas de todos os cantos do mundo. Mick Jagger apareceu em 1976, e cantou de graça para pescadores e cabeludos na Praia do Canto. Mais tarde desembarcaram Catherine Deneuve, Bill Gates e os reis da Noruega. Foram tantos estrangeiros, e muitos que por ali se estabeleceram que, em 1980, o fotógrafo argentino Marcelo Lartigue apelidou a cidade de Praia de Babel. Aliás, ele também trocou seu país pelo balneário. Grifes e boates – Hoje são mais de 50 nacionalidades espalhadas pelos oito quilômetros de extensão da península e por suas 26 praias. Proliferam pousadas, hotéis, casas de veraneio, restaurantes e lojas. O balneário cresceu sem nunca perder o charme. Na Rua das Pedras, a mais famosa da orla, butiques de grifes se intercalam com sofisticados restaurantes e ainda abrem espaço

COMO CHEGAR A TAM (www.tam.com.br) tem voo direto de São Paulo (Congonhas) para Cabo Frio, todas as quintas e domingos. A partir de R$ 215 por trecho. Cabo Frio fica a 23 km de Búzios e o transfer pode ser feito pelo hotel, de táxi ou ônibus. ONDE DORMIR Breezes Búzios: Praia de Tucuns, www.breezesbuzios.com.br/. Pacote de três noites em apartamento Deluxe duplo, com aéreo TAM, saindo de São Paulo, custa a partir de R$ 2.193. Sem a parte aérea, R$ 1.789. Inclui sistema 'Super Inclusive' (café, almoço, jantar e todas as bebidas), transfer do aeroporto,

de negócios da Litoral Verde, que oferece pacotes para o Breezes. "Além de ser o melhor destino de praia do Rio de Janeiro, Búzios ancora diversos cruzeiros internacionais e nacionais e até hoje não contava com um empreendimento de grande porte e qualidade exemplar. O resort veio preencher essa laguna", concluiu o diretor da Litoral Verde. Outra inovação do Breezes é a presença de um posto da agência Fun Park, especializada em turismo de aventura. De dentro do resort é possível programar diversas atividades, como aulas de surfe na lazer e passeio de trolley passando por 12 praias e dois mirantes. Pela Operadora Litoral Verde, tel. 0800/2866606, www.litoralverde.com.br. ONDE COMER Pátio Havana: Rua das Pedras, 101, www.patiohavana.com. Cozinha contemporânea. A casa tem arquitetura de Hélio Pellegrino e decoração de Sig Bergamin, em cinco ambientes com vista para o mar, e conta com shows. Crêperie Chez Michou: Rua das Pedras, 90, tel. (22) 2623-2169, www.chezmichou.com.br. Crepes e drinques diversos em um dos bares mais

praia em que fica o hotel e passeios de catamarã às ilhas mais afastadas, para praticar mergulho livre ou autônomo. Debaixo d'água, em sua superfície ou mesmo avistado do alto dos morros, o mar de Búzios é de cor tão azul e transparente que não é preciso equipamento fotográfico ultramoderno para captar e registrar tamanha beleza. Um paraíso para os amantes da natureza, mas também para aqueles que não dispensam conforto e uma balada, é claro, em grande estilo ao lado de famosos. Viagem a convite da operadora Litoral Verde e do Breezes Búzios badalados para paquerar. Sawasdee Bistrô: Orla Bardot, 422, tel. (22) 2623-4644, www.sawasdee.com.br. A dica para experimentar pratos da cozinha tailandesa. AONDE IR Fun Park: Orla Bardot 550, www.tourshop.com.br. O espaço conta com minigolfe, boliche e estrutura de lazer para as crianças. E faz diversos passeios. O programa de catamarã custa R$ 60 por pessoa por três horas, com três paradas para nadar e mergulhar com snorkel. Inclui água mineral, caipirinha, refrigerante e cerveja à vontade. Saídas diárias às 9h, 12h e 15h.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

19

d

Max

cultura

...E A VIDA CONTINUA DEPOIS DA ÚLTIMA SESSÃO... ... de cinema. Nas pequenas comunidades e nas metrópoles, o fim nostálgico de uma sala abre logo espaços para novas fábricas de sonhos. Nem tudo está perdido... Luiz Octavio de Lima

N

uma sala quase vazia, os jovens Duane (Jeff Bridges) e Sonny (Timothy Bottons) terminam de assistir à projeção do western clássico Rio Vermelho (Red River, 1948, de Howard Hawks, foto abaixo). As luzes se acendem e, ao sair, os dois param para trocar algumas palavras com a proprietária. Com ar desolado, ela anuncia que este foi o programa final do pequeno estabelecimento. É a cena-chave de A Última Sessão de Cinema (The Last Picture Show, 1971), cuja história trata de um vilarejo texano já quase sem vida, cuja extinção é decretada metaforicamente pelo derradeiro The End exibido na tela. Um estabelecimento comercial quase nunca é apenas um estabelecimento

The end para uma cidade mostrada a implosão do cineteatro, que por décadas foi o coração e o palco dos fatos mais marcantes da pequena província. Em Splendor (1989), de Ettore Scola, Marcello Mastroiani vive um homem que espera, como nos filmes, um milagre para salvar seu cinema, lugar onde lutou guerras, perdeu e conquistou amores.

estrela, foi alvo de protestos das senhoras católicas no lançamento de A Doce Vida, de Fellini, e exibiu em seus últimos anos produções de luxo como Titanic, vencedor de 11 Oscars, e Casino, de Scorsese. Desativado em 2001, deu lugar, em 2007, a uma expansão da Livraria Cultura, que preservou características arquitetônicas dos seus 4,3 mil metros quadrados, como as rampas e escadarias em curva. Do Bijou, aberto em 1963 na região da Consolação, ainda se pode ouvir comentários saudosos dos que eram mais assíduos no auge da Nouvelle Vague - uma das escolas mais marcantes entre as mostradas em seu apogeu: "A programação do Bijou era de um nível intelectual tão bom, que quando saíamos da sessão, em plena Praça Roosevelt, nos sentíamos em um pedaço de Paris", diz um deles. Dali, os fiéis leitores do Cahiers du Cinema rumavam para o bar Redondo, em frente ao edifício Copan, onde discutiam as teses de Godard, Resnais e Rivette.

P

equeno e não muito confortável, o Bijou indicou seu fim de forma menos sofisticada: "Em uma das últimas projeções, uma ratazana cruzou a frente da tela e foi um espanto geral", lembra outro frequentador. Hoje o local sedia o Teatro Studio, que desenvolveu recentemente o projeto Cine Bijou - Cinema e Memória, com projeções e debates sobre o antigo espaço. Em agosto de 2000, um incêndio destruiu inteiramente o Cine Comodoro, na Avenida São João. Madeira, carpete e estofados ajudaram o fogo a se alastrar rapidamente pelo espaço que havia sido famoso por abrigar a única tela da cidade em formato Cinerama muito larga e alta, em semicírculo, sob medida para o sistema de três projetores de imagem e um de áudio. Inaugurado em 1959, fascinava os espectadores por suas poltronas brancas, as cortinas vermelhas que se

ATÉ FEVEREIRO

A

Fotos Arquivo DC

comercial, e sim a combinação do que oferece mais a sua relação com aqueles que o frequentam. Tratando-se de um filme do cinéfilo e autor de livros sobre cinema Peter Bogdanovich, a ideia inequívoca que permeia a trama é a de que salas de cinema são ainda mais do que isso: representam uma porção quase viva da comunidade. E que quando uma delas desaparece, morre também uma parte do espírito coletivo. O filme é talvez a ilustração mais evidente dessa verdade, mas outros levantaram a mesma questão com um olhar igualmente apaixonado. Em Cinema Paradiso (1988), nos minutos finais, diante dos moradores mais antigos, é

Emoção paulistana O fechamento do Belas Artes toca fundo nas emoções dos paulistanos e traz o espectro de outros nomes que fizeram parte da trajetória pessoal de milhares de habitantes desta cidade e permanecem na memória de cada um deles. O Top Center e os Gemini, na Avenida Paulista, são os casos mais recentes. Alguns desapareceram, mas suas marcas ainda subsistem, como é o caso do Cine Astor. Foi inaugurado em 1956, com projeto de David Liebeskind, no tempo em que o restaurante e a confeitaria Fasano ainda funcionavam no Conjunto Nacional. Abrigou a estreia de E Deus Criou a Mulher, o filme que fez de Brigitte Bardot uma

última sessão de cinema do Belas Artes está prevista para o próximo dia 24 de fevereiro. Até lá os frequentadores do local ainda podem aproveitar a caprichada programação. Medos Privados em Lugares Públicos, de Alain Resnais, continua em cartaz e é um dos destaques. Entre as estreias deste fim de semana estão os filmes Amor e Outras Drogas, comédia romântica dirigida por Edward Zwick, Um Lugar Qualquer, da diretora Sofia Coppola, e Inverno da Alma, drama de Debra Granik. Os destaques das sessões do Cineclube, da coletânea intitulada Duetos Antológicos, exibe do próximo dia 28 até 24 de fevereiro quatros obras-primas do cinema, protagonizadas por duplas de grandes atores. O casal Burt Lancaster e Susan Sarandon atua no longa do francês Louis Malle Atlantic City (Atlantic City, 1980, EUA/Canadá/França, 104 minutos), vencedor do prêmio de melhor filme no Festival de Veneza. O clássico Sonata de Outono (Höstsonaten, 1978, Suécia, 99 minutos), dirigido e roteirizado por Ingmar Bergman, traz a atuação marcante de Ingrid Bergman e Liv Ullmann. A bela dupla Sophia Loren e Marcello Mastroianni está em Um Dia Muito Especial (Una Giornata Particolare, 1977, Itália, 105 minutos), de Ettore Scola. E o longa de François Truffaut, O Último Metrô, traz os atores Catherine Deneuve e Gérard Depardieu. Belas Artes. Rua da Consolação, 2423, tel.: 3258-4092.

Luz e vida no fim do túnel abriam ao início da sessão e sobretudo pelo som estereofônico que saía de seus amplificadores RCA, considerado o melhor do país por décadas. Um dos marcos do cinema-catástrofe, Terremoto, com seu formato 70 mm e som S ensurround, manteve a casa cheia por dez meses. Quando desapareceu nas chamas, porém, já estava desativado desde 1997. O ano de 1997 também já marcara o fechamento do outrora requintado Metro, na mesma São João. Da inauguração, em 1938, a meados dos anos de 1960, era exigido dos espectadores masculinos o uso de gravata. Os frequentadores eram recebidos por funcionários fardados ao sair dos automóveis e os lanterninhas usavam impecáveis uniformes brancos. O declínio começou a partir da divisão em duas salas e foi consumado com a compra do imóvel por uma igreja evangélica. O Cine Marrocos, próximo ao Teatro Municipal, foi o mais luxuoso da cidade entre 1952 e 1972. Desapropriado, pertence hoje à Prefeitura. O República viu sua função original perder terreno para outras atividades, de ringue de patinação a shows eróticos e estacionamento. O Paramount, na rua Brigadeiro Luiz Antônio, já havia sido o auditório da TV Record e hoje é o Teatro Abril. O Santa Cecília aberto em 1930 com 1.994 lugares - fechou em 1961 e ficou abandonado até a demolição em 1966 devido às obras do Elevado. Cinemas morrem, mas às

vezes ganham novas "encarnações", como ocorreu com os "irmãos" Bristol e Liberty, na Avenida Paulista. O primeiro evocava o estilo Tudor, com painéis de madeira escura e até uma armadura no saguão. O outro era marcado pelo art noveau e peças em lalique. Reformados, tornaram-se seis salas Bristol, sem uma identidade especial, mas com todos os confortos modernos. Gazeta e Gazetinha, também na Paulista, deram lugar ao seleto Reserva Cultural. O Majestic, na rua Augusta, tornou-se o Espaço Unibanco. A melhor notícia no gênero foi talvez a da reabertura do velho Marabá, na Avenida Ipiranga, após um minucioso processo de recuperação pela rede PlayArte. O renascimento do espaço, após anos de decadência, foi tão festejado quanto sua própria inauguração em 1945. O projeto, coordenado por Ruy Ohtake em 20 meses de obras e a um custo de R$ 8 milhões, resultou em seis salas com impecável sistema de som digital e poltronas ergonômicas. Na área comum, foram restaurados os lustres, mármores e pisos originais e criada uma refinada bombonière. Sempre há, portanto - para lembrar o título de um filme há muito esquecido - um fio de esperança...

Página 2 Teatro: no palco, dois atores carismáticos, Sérgio Britto e Karin Rodrigues. TV: O pianista e regente Daniel Barenboim no La Scala de Milão. Página 3 Visuais: 13 séculos de cultura do Islã, em exposição no CCBB. Página 4 Gastronomia: ano chinês, culinária chinesa. Página 5 Cinema: clássicos chineses. Leitura: a felicidade em livro. Página 6 Comédia e romance na tela.

Anita Ekberg: A Doce Vida.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

20

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

"À MEIA-NOITE UM SOLO DE SAX NA MINHA CABEÇA" Comédia sobre dois amigos inseparáveis. Espaço Parlapatões. Praça Roosevelt, 158. Tel.: 3258-4449. Terça/quarta. 21h. R$ 30.

d

Montagem inspirada no perfil de Jorge Andrade; Albee e o carisma de Karin Rodrigues. cultura

Um perigoso jogo de adivinhações

H

À sombra do medo Sérgio Roveri

O

período é a década de 1990, o cenário é um bairro de classe média do Rio de Janeiro e o registro é assumidamente autobiográfico. Recordar é Viver, primeiro texto do historiador e dramaturgo carioca Hélio Sussekind a ganhar os palcos, cerca-se destas fronteiras para alinhavar o cotidiano de uma família que não convive com nenhum segredo do passado e nem se vê obrigada a driblar alguma mágoa intransponível. O que não significa que estamos diante de uma família feliz. Alberto, o personagem do pai, vivido pelo ator Sérgio Britto (foto), 87 anos, assiste diariamente ao avanço de uma série de sintomas de sua deficiência física. Ana, a mãe, vivida por Sueli Franco, 72, portadora de síndrome do pânico, encontrou nas paredes da casa os limites do seu próprio mundo. Cúmplices, construíram um incômodo mas ao mesmo tempo acolhedor ninho do qual o filho mais jovem, um dramaturgo inexpressivo e deprimido,

jamais conseguiu escapar - Henrique, personagem interpretado pelo ator José Roberto Jardim, 34, atravessa as noites de insônia, trancado em seu quarto, acendendo centenas de palitos de fósforos para se certificar de que não caiu vítima da cegueira. "Recordar é Viver tem uma forte inspiração autobiográfica, ausente nas demais obras que produzi", diz Sussekind, 47 anos, que além de dramaturgo é também jornalista e historiador. "Este texto foi escrito há mais de 15 anos, ao contrário da maioria das minhas outras dez peças (quase todas produzidas nos últimos seis anos). A construção de Recordar foi francamente inspirada na obra do dramaturgo Jorge Andrade (de A Moratória e A Pedreira das Almas). Há referência a isso até nas rubricas. Mas a montagem acabou por trilhar caminho que fez desaparecer aquela inspiração. O texto de Recordar é Viver só havia tido uma leitura pública em São Paulo, dirigida por Eduardo Tolentino, que

pouco depois apresentou a obra ao ator Sérgio Britto. A adesão de Britto, visto pela última vez em São Paulo há dois anos fazendo duas peças curtas do irlandês Samuel Beckett, foi fundamental para a concretização do espetáculo que estréia nesta sexta (28) no Teatro do Sesc Anchieta, depois de quatro meses de temporada no Rio de Janeiro. Tolentino prossegue na direção. "Há quem veja neste espetáculo influência do universo de Nelson Rodrigues", diz Sussekind. "Mas não é o meu caso. Nelson inspirou meu primeiro texto e um mais recente, que lida com o mito de Don Juan. De todo modo, entendo que ele foi o maior dramaturgo brasileiro. É e sempre será uma referência." A inspiração autobiográfica que Sussekind aponta no espetáculo parece ser mais localizada no personagem do dramaturgo Henrique, igualmente incapaz de encenar seus textos e conseguir um emprego que lhe garanta autonomia financeira - uma divergência

de cunho político fez com que ele abandonasse o trabalho de editorialista em um jornal carioca, obtido por influência do irmão mais velho. A indisfarçável predileção do pai pelo filho caçula é um dos principais motivos das inúmeras desavenças familiares que atravessam o espetáculo. "Na peça, o filho caçula assume, consciente e inconscientemente, o papel que lhe cabe na casa: um prisioneiro do afeto dos pais e do medo da vida externa", diz o ator José Roberto Jardim. " Ele teme o mundo e suas exigências, pois sustenta, ainda que fragilmente, o ideal de se tornar um grande dramaturgo. Mas o medo da responsabilidade e da aceitação o mantém inerte". Recordar é Viver. Estréia nesta sexta (28). Teatro do Sesc Anchieta. Rua Doutor Vila Nova, 245. Tel.: 3234-3000. Sexta e sábado. 21h. Domingo. 19h. R$ 32.

ANO NOVO, VIDA NOVA Comédia dramática de Vera Karam, sobre quatro mulheres que recebem parentes para comemorar a passagem de ano. Com Andriana Guerra, Bibi Cavalcanti, Lilia Nemes e Patrícia Castilho. Viga Espaço Cênico. Rua Capote Valente, 1323. Tel. 3801-1843. Sábado, 21h. Domingo, 19h. R$ 20.

á pouco mais de quatro meses, o produtor teatral Luque Daltrozo ligou para a atriz Karin Rodrigues, 75 anos, para perguntar se ela estava livre. "Depende", respondeu a atriz. "Livre para quê?" . "Para fazer uma peça de Edward Albee", explicou o produtor. "Estou". A peça do dramaturgo americano da qual Karin aceitou participar, antes mesmo de conhecer o seu teor, é A Senhora de Dubuque (foto), escrita entre os anos de 1977 e 1978 e jamais encenada no Brasil. "A exemplo de outras peças de Albee, esta é mais uma em que o público não fica confortável em suas poltronas", diz a atriz. "É um texto cheio de indagações, em que se sabe muito pouco a respeito das pessoas em cena. Minha própria personagem, Elizabeth, a senhora de Dubuque, que surge apenas no segundo ato, pode tanto ser descrita como uma mãe protetora ou um anjo da morte. Prefiro que o público faça a sua opção". A peça, que entra em cartaz neste sábado (29) no Teatro Paulo Autran do Sesc Pinheiros, marca o retorno à direção teatral, após um hiato de dez anos, do ator Leonardo Medeiros. "Eu encontrei no Leonardo, um diretor elegante, sutil e respeitoso na condução dos atores, o porto seguro que havia perdido com a morte do meu companheiro Paulo Autran, em 2007", diz a atriz. "Se Paulo estivesse por aqui, eu lhe faria muitas perguntas a respeito de minhas opções neste trabalho. Na falta dele, busquei refúgio no diretor." Nas palavras de Karin, A Senhora de Dubuque é um texto impiedoso, no qual Albee encontra espaço para discutir o preconceito contra judeus, negros e homossexuais. Premeditória, a peça também fala

sobre o aquecimento global e a explosão demográfica, assuntos que ganharam mais destaque bem depois da estreia da peça, em 1980, na Broadway. A montagem brasileira traz no elenco os atores Alessandra Negrini, Carolina Manica, Edson Montenegro, Joaquim Lopes, Luciano Gatti, Patrícia Pichamone e Sérgio Guizé. Na dramaturgia de Albee de maneira geral, e em A Senhora de Dubuque mais especificamente, a morte desponta sempre como uma visita que os personagens podem receber a qualquer momento. Na peça, dois casais, convidados pelos anfitriões Jo e Sam, decidem passar um fim de semana envolvidos com uma série de jogos de adivinhações - que, muito mais que revelar, parecem servir para implodir amizades antigas. Na manhã do segundo dia, quando as relações já estão exauridas, o grupo recebe a visita de Elizabeth, uma elegante senhora vinda da cidade de Dubuque, no estado norteamericano de Iowa. Ao seu lado, Oscar, um homem negro de meiaidade que pode ser tanto um amigo quanto namorado. "Estamos juntos", limita-se a dizer a mulher. "Para compor esta personagem, eu precisei de algumas bases mais reais", diz a atriz. "Mas o público não precisa saber, já que o próprio autor não especifica, quem realmente é a senhora vinda de Dubuque", diz a atriz. "A cada vez que um personagem pergunta quem é ela, ela devolve: e você, quem é você?" (SR) A Senhora de Dubuque. Estreia neste sábado (29). Teatro Paulo Autran do Sesc Pinheiros. Rua Paes Leme, 195. Tel.: 3095-9400. Sexta e sábado. 21h. Domingo. 18h. R$ 32.

A glória do La Scala. Com o pianista e regente Daniel Barenboim. P

Pélerinage 1837 - 1849). Mas não deixou de honrar composições relacionadas à Itália, ao tocar São Francisco de Assis Pregando aos Pássaros e alguma trechos de óperas conhecidas, como o Miserere , de Il Trovatore ; Dança Sacra e Duetto, de Aida; e Paraphrases de Concert, de Rigoletto, todas de Verdi. "Este foi um dos concertos mais emocionantes que fiz em minha carreira", declarou Barenboim. Poder vê-lo na íntegra pela TV será, então, quase uma obrigação para os que apreciam a boa música. Calouros com glamour Do lírico ao pop, chegamos aos EUA para mais uma temporada, a 10ª, do fenômeno musical American Idol, que começa a ser exibido no canal Sony a partir deste sábado (29), às 20h. Como grande novidade nesta edição, o programa tará como jurados a atriz e cantora Jennifer López e Steven Tyler, líder e vocalista da banda de rock

Fotos Arquivo DC

Regina Ricca or ser uma das mais famosas casas de ópera de todo mundo, o Teatro La Scala de Milão tem uma das agendas mais movimentadas da cena lírica internacional. Em maio de 2007 um nome de primeira grandeza passou por lá -- o pianista e maestro Daniel Barenboim, argentino naturalizado israelense -- para realizar um recital de piano especial "dedicado à Itália", como ele mesmo definiu, "um tributo a um país que ele percorreu com frequência como regente". O concerto foi integralmente gravado e pela primeira vez será exibido na TV neste domingo (30), às 16h, pelo canal Film&Arts. Para essa homenagem ao país de Vivaldi, Paganini, Verdi, Rossini e Puccini, Barenboim escolheu abrir seu recital com uma leitura pessoal e apaixonada da obra do húngaro Franz Liszt -- Anos de Peregrinação (Années de

Aerosmith, além do produtor musical Jimmy Lovine e de Randy Jackson, único integrante do júri presente desde a 1ª edição, em 2002. Apresentado por Ryan Secreast, as audições aconteceram em Los Angeles, São Francisco, Nashville, Milwaukee, New Orleans, East Rutheford e Austin, nos EUA. Entre os milhares de inscritos, apenas um realizará o sonho de se tornar a nova estrela da música americana. No Brasil,

via canal Sony, os fãs do programa poderão acompanhar pouco mais de uma semana depois da exibição nos EUA. A reprise do episódio inédito será aos domingos, às 20h. Já o mundo da moda começa a fervilhar a partir desta sexta (28) na Bienal de São Paulo, no Parque do Ibirapuera, com mais uma edição da São Paulo Fashion Week. Se você não é um dos convidados especiais dos desfiles mas

curte as novidades do mundinho fashion, resta um consolo: acompanhar os desfiles pelo GNT Fashion, que em duas edições diárias, às 19h e às 21h, leva ao ar o boletim Da Hora, com Chris Nicklas e Patrícia Koslinski. Amor, sexo e HQ O programa Amor & Sexo e a série Aline voltam para novas temporadas na Globo nesta semana. O primeiro, comandado por Fernanda Lima, chega à segunda edição e passa a ocupar as noites de terça-feira, a partir do dia 1º de fevereiro, logo após o Big Brother Brasil. Três novos jogos serão apresentados como o GayMe, sobre gays, mas não exclusivamente para gays, cujas provas serão conduzidas por Mauricio Branco. A ousadia é explicada pelo diretor-geral Ricardo Waddington. "A experiência com a primeira temporada nos permitiu avançar em alguns temas." Na quinta (3/2), volta ao ar, com novos

oito episódios, as aventuras de Aline, a personagem encantadora criada nas páginas da Folha de S. Paulo pelo cartunista Adão Iturrusgarai, e que, na TV, é vivida pela não menos encantadora Maria Flor. Ela e seus dois namorados -Otto (Bernardo Marinho) e Pedro (Pedro Neschling) - vão amadurecer, entrar em maior contato com o mundo adulto, mas olhando tudo sob o ponto de vista jovem. "A Aline continua muito livre, totalmente sem preconceito, e ainda um pouco inconsequente. Mas agora se depara com algumas responsabilidades que vão empurrá-la para tomar decisões importantes", conta Maria Flor. Nesta nova fase, os personagens secundários ganham mais destaques e a série terá participações especiais, como de Raí e Neymar. "Gravar com os jogadores foi um barato. Uma inserção ousada no programa, que deu um ar bem movimentado e fresco", diz Pedro Neschling

"O IDIOTA - UMA NOVELA TEATRAL". NO SESC POMPEIA. Adaptação teatral da obra de Dostoiévski. Montagem de 7 horas. Galpão. Rua Clélia, 93. Tel.: 3871-7700. Quarta (19h): na íntegra. R$ 16


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

21

ARTE CONTEMPORÂNEA CHINESA. MAC-USP ATÉ 27/3. Tema de coletiva com 48 obras: pinturas, fotos, instalações. Rua da Reitoria, 160. Tel.: 3091-3039. Terça/sexta, 10h/18h. Sábado/domingo, 10h/16h. Grátis. Fotos: Patrícia Cruz/LUZ

d

cultura

O Islã em 13 séculos Exposição Islã: Arte e Civilização reúne mais de 300 peças sobre a história da cultura islâmica. Rita Alves

A

inda dá tempo de viajar nestas férias. E o melhor: sem colocar a mão no bolso. Mas a viagem é especial. Quem oferece o passeio é o Centro Cultural Banco do Brasil. No local, o visitante tem a chance de mergulhar no universo muçulmano por meio da exposição Islã: Arte e Civilização. A mostra, com curadoria de Rodolfo de Athayde e do professor Paulo Daniel Farah, apresenta ao público mais de 300 obras do século VIII ao XXI. Peças de ourivesaria, mobiliário, tapeçaria, vestuário, armas, armaduras, utensílios, mosaicos, cerâmicas, vidros, iluminuras, pinturas, caligrafia e instrumentos científicos e musicais estão espalhadas pelos andares do CCBB. Tais objetos, expostos pela

Baú de madeira com madrepérolas, do séc. XIX. E arco feito de azulejo de cerâmica com versículo do Alcorão, do séc. XVI.

primeira vez no Brasil, vieram de importantes museus da Síria e do Irã, além de alguns países da África, como Mauritânia, Marrocos, Líbia e Burkina. Líbano e Brasil também contribuíram, este último com manuscritos criados por muçulmanos, integrantes do acervo da Biblioteca e Centro de Pesquisa América do Sul-Países Árabes (BibliASPA). "Para ilustrar 13 séculos de uma civilização que conseguiu criar uma arte de caráter tão próprio e diverso, ao mesmo tempo com traços inconfundíveis, foi negociado um conjunto de obras que abrange um amplo leque de objetos úteis e decorativos, por meio dos quais é possível admirar o refinamento e os conceitos estéticos aplicados pelos artistas-artesãos em sua maioria anônima", explica Athayde, um dos curadores da mostra. A exposição está dividida em salas temáticas, mas o envolvimento com o mundo muçulmano começa logo na entrada do centro cultural, onde um portão cenográfico da arquitetura muçulmana dá as boas vindas ao público. Uma fonte islâmica, trazida de Damasco (capital da Síria), também chama a atenção e pode ser vista logo depois da passagem cenográfica. E não estranhe se, no fundo dela, avistar moedas. Alguns visitantes arriscam fazer pedidos e jogá-las no monumento, apesar de o costume não ser tradição nos países islâmicos. Mas se a intenção é interagir, vá ao lugar certo: 1º andar. O espaço abriga a Sala das Mesquitas. Nela, o visitante escolhe numa tela de computador por qual mesquita quer passear virtualmente. Vale lembrar que a excursão passa pelo interior das mesquitas mais importantes do mundo como a Mesquita dos Omíadas, em Damasco, a Mesquita da

Rocha, em Jerusalém, e a Mesquita Azul, em Istambul, todas com projeção em 360° graus. No mezanino, a interação pode ser feita de outra maneira: por meio da literatura. A sala de leitura não está muito à vista do público, mas vale a procura. Os livros pertencentes à mostra estão à disposição de quem quiser conhecer um pouco mais sobre a cultura islâmica. Iniciação ao Islã e Sufismo; O Que Deu Errado no Oriente Médio e Lições de Árabe são alguns dos títulos da sala. O subsolo do CCBB reúne as joias e os objetos de uso cotidiano. Estão lá, por exemplo, brincos de ouro em forma de pássaro e moedas antigas. Se o interesse é pela arte da caligrafia, vá até o 3º andar e aprenda muito. No local é possível encontrar o alfabeto com a transliteração do árabe para o português. Também há um exemplar do século IX de uma página do Alcorão em letras cúficas, escrito sobre pele de gazela. O professor Farah explica que na caligrafia árabe as letras têm formas distintas conforme sua posição na palavra. "A caligrafia representa uma arte extremamente refinada à qual se agregam os arabescos, entre o geométrico e o vegetal. Essa arte alcançou um equilíbrio harmonioso entre as diferentes letras e os padrões decorativos, em todos os seus estilos, desde as linhas retas, angulares, da escrita cúfica (originária de Kufa, no Iraque) à elegância cursiva da thuluth e às curvas proeminentes do estilo diwani." O passeio por 13 séculos de história da cultura islâmica apresenta ainda mapas, linha do tempo sobre a expansão territorial do Islã, os famosos tapetes persas e muito mais. Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo. Rua Álvares Penteado, 112, Centro, tel.: 3113-3651. Terça a domingo das 10h às 20h. Grátis. Até 27 de março.

Divulgação

Acima, porta com ornamentos em madeira, do séc. XIX (Museu Nacional de Damasco). E utensílios que retratam a cultura islâmica.

Divulgação

Divulgação

Acima, fonte islâmica, localizada no térreo do CCBB. E, abaixo, prato de cerâmica com inscrição felicidade, séc. XIV.

60 ANOS DE TV NO BRASIL. NA CAIXA CULTURAL SÉ. Equipamentos, objetos históricos, fotos de novelas. Praça da Sé, 111. Tel.: 3221-4400. Terça/domingo, 9h/19h. Grátis. Até 13 de março.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

22

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Enfim, um livro sério sobre a felicidade. Renato Pompeu

Mõdì na sobremesa: bolinho de amido de arroz, doce de feijão vermelho, empanado com gegelim sem casca.

Banquete para celebrar

d

cultura

A

No dia 3 de fevereiro começa o Ano chinês do Coelho. Golden China oferece menu de dez pratos típicos na comemoração. E, na caixinha, China House. Lúcia Helena de Camargo Fotos: Divulgação

shoyu e saquê; e orelha de porco com especiarias. Em seguida, chegam sopa de barbatanas de tubarão; frutos do mar flambados no saquê com aspargos (R$ 39) e camarão empanado com molho agridoce (R$ 53). Depois é a vez dos guiozas recheados de carne de porco (R$ 4); acelga chinesa com cogumelo e outras verduras (R$ 29) e abalone fresco marinado em caldo de frango caipira com aspargo (R$ 39). Pouco conhecido no Brasil, a carne desse fruto do mar é muito apreciada na Ásia. Segue-se frango cozido (R$ 33), tofu com camarão (R$ 45); pato Pekin (R$ 95) – com a casca crocante e o interior macio, é servido acompanhado de uma espécie de panqueca e molho de soja. E para encerrar os salgados, carpa em banho-Maria (R$ 44). Na sobremesa, frutas da estação (R$ 15) e Mõdì, o bolinho de amido de arroz, doce de feijão vermelho, empanado com gegelim sem casca (R$ 3,50 cada). Quem quiser

experimentar um pouco de tudo, pode pedir o banquete inteiro, que custa entre R$ 350 (para duas pessoas) a R$ 1.250 (12 comensais). O menu estará disponível de domingo (30) até 7 de fevereiro. Na caixinha - Já quem preferir pedir comida chinesa em casa, entregue na tradicional caixinha de papelão, pode optar por uma rede como a China House, que possui lojas na capital paulista e no interior do Estado. Entre os pratos, yakissoba Jr. (R$ 18,10) e frango xadrez padrão (R$ 48,50), com arroz chinês, quatro rolinhos Primavera e um refrigerante de dois litros. No calendário chinês, 2011 será o Ano do Coelho, que começa no dia 3 de fevereiro. E se seguem 15 dias de festejos. A programação completa você encontra no site www.dcomercio.com.br. Golden China. Rua Galvão Bueno, 700, Liberdade. Tel.: 3385-5500. China House. www.chinahouse.com.br

Camarão empanado com molho agridoce

C

omeça neste final de semana a festa do Ano Novo Chinês. Comemorada pela sexta vez na Cidade, vai tomar as ruas do bairro da Liberdade com shows musicais, de artes marciais e danças, além de apresentações de rituais. Os organizadores esperam público da ordem de 200 mil pessoas. E para alimentar tanta gente, comidas típicas estarão à venda nas barracas e nos restaurantes da região.

Quem quiser celebrar em grande estilo pode reservar uma mesa no Golden China, sofisticada casa que oferece o típico banquete chinês. Servido em uma mesa que precisa ser redonda (para manter a sorte no entorno), o cardápio composto de dez pratos é preparado pelos chefs Chiu Kwok Tan e Jason Derkatch. Para começar, petiscos frios: pepino agridoce, músculo cozido no molho barbecue, gengibre, coentro chinês, aniz estrelado,

Frango xadrez: com pimentões e cebolas.

A jornalista Marleine Cohen, egípcia radicada no Brasil e autora de biografias de Juscelino Kubitschek e Santos Dumont, além de outros livros, surpreende agora com essa História da Felicidade - Uma Palavra Singular com Sentido Plural, lançado pela Editora Saraiva. Atenção: não se trata de uma obra de autoajuda, e sim de uma pesquisa séria e exaustiva, ainda que bem-humorada, sobre os significados que a palavra e o sentimento "felicidade" foram adquirindo ao longo dos séculos e nas diferentes culturas que a humanidade foi elaborando, conforme as circunstâncias de tempo e de lugar. O livro demonstra como ao mesmo tempo, e contraditoriamente, a felicidade é a meta comum de todas as pessoas em todos os tempos, e no entanto varia de pessoa para pessoa e de acordo com o momento, variando também para cada pessoa ao longo do tempo. Aqui lembramos o célebre verso: "A felicidade está onde nós a pomos, mas nós nunca a pomos onde nós estamos", do brasileiro Vicente de Carvalho. Cumpre notar que, num país como o Brasil, foi só recentemente que todos passaram a poder aspirar à felicidade, o que não estava ao alcance, por exemplo, dos escravos, ou das pessoas que, ainda hoje, passam fome. Hoje, todos se julgam com título à felicidade, e, embora haja múltiplas formas de utopias de sociedades perfeitas, em nenhuma delas é assegurado o direito à felicidade; o mais perto a que se chegou disso está nas garantias constitucionais dos Estados Unidos, em que se asseguram "certos direitos", como "à vida", "à liberdade" e "à busca da felicidade". Note-se: está assegurado o direito a "buscar a felicidade", não o direito a "ser feliz". Marleine Cohen discute como os conceitos de felicidade foram mudando ao longo dos séculos e como esses diferentes significados convivem hoje em dia. Ela pergunta, por exemplo: "A felicidade é um presente de Deus? Ser feliz é não ter apego a nada? Ser feliz é ter autoconhecimento?" De diferentes modos, respostas positivas a perguntas como essas foram dadas, desde os

gregos antigos. Depois de apresentar toda uma documentação sobre pensadores gregos, ela conclui: "Assim, o conceito de felicidade que nos legaram os antigos gregos está associado a uma rara perfeição humana. Trata-se de uma deferência do divino. Gira em torno de valores como uma vida longa - se é que se pode falar em longevidade naquela época -, longe da doença e da fome, e a honra de morrer em defesa da pátria. Para merecê-la, só mesmo sendo uma criatura completa e virtuosa. Dinheiro, realização profissional, horas de lazer, status? Dividir a felicidade com os outros para aumentá-la ou ir à luta? Ora, isso não era algo para se pensar..." Na verdade, o livro é rico demais em informações e ideias para que possamos dar, no espaço disponível, uma visão plenamente abrangente. Basta lembrar que se discutem também as visões sobre a felicidade dos antigos orientais, e de toda a ocidentalidade desde os antigos até os dias atuais, passando, por exemplo, pelos iluministas e pelas grandes utopias políticos. Para ver como a obra é atual e contemporânea, notem-se outras perguntas feitas pela autora: "Felicidade é uma bandeira política? Felicidade é uma boa química no cérebro? Ser feliz é realizar desejos de consumo?" E talvez a pergunta mais instigante de todas: "Ser feliz: imperativo da evolução humana?" Mas nem só com questões complexas referentes à felicidade se preocupa Marleine Cohen. Ela também debate as realidades mais chãs, como se a felicidade consiste, alternadamente, em "estar com amigos, viver em um país pacífico e seguro, passar tempo com a família, apreciar a paz e o sossego, fazer as coisas quando der vontade, ter fé, responder por um trabalho benfeito, integrar uma comunidade, sair de férias, estar em um relacionamento estável, ter uma boa aparência, gerar filhos, ouvir um 'eu te amo', dar uma boa gargalhada, ter boa saúde". Enfim, não é à toa que, pelo menos em português, é costume desejar a outrem, não "felicidade", mas... "felicidades"! As razões disso? Consulte o livro!

Sobrevoando a realidade. Sensível e afinada. Aquiles Rique Reis

N

ascida Rosane do Amaral, ou simplesmente Rosane Duá, essa compositora e cantora carioca lançou o CD Todos Nós (independente). Apoiada em arranjos corretos do violonista e guitarrista Theo Santos, ela buscou um repertório no qual se sobressaem justamente as canções das quais é autora - quatro em parceria, duas com Rogério Lippi (Perfume da Noite e Mel Escorpião), uma com Theo Santos (Guardião da Lua) e outra com Mingo (Guerra de Valores). E duas só dela, Olhar de Ciúme e Senhora da Serra. Destacam-se ainda Você Me Deixa Comigo, de Theo Santos e Juca Filho; e

Jorge Vercilo e Jota Maranhão, presentes com a inédita Nunca Mais, escolhida para abrir o álbum, bem como a regravação de uma antológica de Chico Buarque, Construção. Com músicas emolduradas em viva personalidade musical e afetiva, Todos Nós soa impregnado de frescor musical. Para tanto contribui a aguçada sensibilidade de Rosane. Ela que, com seu cantar, dá às letras o sabor que precisam para representar o universo cotidiano de uma mulher que demonstra saber o que quer da vida e a (en)canta com toda a força de sua feminilidade.

Do rap ao baião, da bossa-nova à canção, Rosane voa por diversos estilos e em todos se mostra firme, convicta de suas possibilidades e qualidades. Com ótima afinação notadamente nas saídas das frases melódicas, quando as notas finais têm arremate digno de um ourives -, Duá parece cantar para ser feliz. E se de fato assim é, a felicidade está com ela. Na reflexão mais profunda ou na fantasia mais absurda, tudo o que canta

vem como um recado: "Ouçam-me e decifrem-me." Sua voz que voa por entre nuvens carregadas de emoção nos traz "Senhora da Terra", hino de amor à própria mãe: "(...) Carrega tanto fardo, nem atriz, nem cantora/ A fiel, dominadora, a esposa infeliz/ Mas eu sei o que lhe importa, eu sei o que lhe guia/ Sua prole que deu cria já foi tudo o que quis (...)". Sua voz, num canto para resgatar laços e desprender

amarras, entoa a canção de ninar que renova o amor por seu pai: "(...) Guardião da lua/ Teus cabelos cor de prata ainda têm pra me ensinar/ Sou a menina sempre grata da cantiga de ninar/ Guardião da lua/ Quando sentas na varanda esperando ela nascer/ Tens o brilho como ela pontuando o amanhecer". Dois dos momentos mais singelos, porém intensos, de Rosane Duá em seu CD. Estes, somados a outros de igual calibre, tais como a levada rítmica acentuada pela precisa divisão e a subida de tom para ainda mais reforçar a dramaticidade de "Construção", ou

ainda os versos de Vercilo para "Nunca Mais": "(...) 'Abra-te Sésamo' todas as portas desse coração/ Libertei da eterna escravidão o meu amor pagão (...)", dão plenitude ao álbum e a certeza de estarmos diante de um belo trabalho. Feito pássaro que alça voo sem saber nem se importar se o vento o levará ou trará, simplesmente voando por voar, Rosane Duá marca com a voz um estilo de cantar como quem sobrevoa a realidade.

Aquiles Rique Reis, músico e vocalista do MPB4.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

d

23

cultura

Todas as Rolhas são Iguais Carlos Celso Orcesi

N

ão tem jeito: enquanto alguns sobem outros descem! Há pessoas que conhecem Salvador, depois querem conhecer Natal até chegar a Fortaleza. Outros repetem sempre Maceió para voltar na mesma praia e no mesmo barzinho. Por mais que Paris seja esplêndida, há sempre Londres e Barcelona. Tem gente que se acostumou a Roma e jamais tentou Florença. Se você sempre for a Florianópolis não conhecerá, pela metade do preço, Buenos Aires. Já houve tempo que Baires era "caríssima"; hoje se v. planejar suas compras básicas (sapatos, camisas, casacos e ternos), para nem falar do que uma mulher pode "descobrir", a viagem sai de graça, porque em São Paulo você terá gastado o dobro para comprar a mesma qualidade. Com o vinho acontece a mesma coisa; há quem sempre repita Concha y Toro Reservado, pagando trinta reais quando a garrafa não custará dez. Engana-se quem supõe que as vinícolas ganhem dinheiro com os vinhos que custam acima de 200 reais. Eles são apenas vitrine, demonstração do que cada um consegue fazer. Por exemplo, a Cousiño Macul tem uma linha de vinhos bem acima da média: Don Luis (varietal), Antiguas Reservas (reserva), Finis Terrae (prêmio); tendo abandonado a marca Dona Isidora para os brancos. Há alguns anos lançou seu "ícono" Lota, que comprei no final de 2008 e abri dois anos depois neste reveion. Que extraordinário, quanta complexidade, que abismo em relação aos "bons" vinhos. Mesmo alguém pouco afeito pode compreender a

distância entre um médio e um ícone. A diferença de preço vale a pena? Sem dúvida, a depender do que você comemora, um aniversário, o nascimento de um filho ou neto, o ano novo! Não que tomemos vinhos prêmios todas as noites (a

menos que seu nome seja Bill Gates ou Eike Batista), mas sim que você possa... descobrir e compreender. Vale a pena conhecer Paris? A resposta somente pode ser dada depois da visita. Porque as pessoas preferem ler bons livros

do que maus ou médios? Assistir a bons filmes do que aqueles escuros e sem ação, em que a atriz pensa dois minutos para dizer sim ao ator dramático? Presenciar um clássico como Real Madrid e Barcelona, Gre-Nal, Milan e Inter, Fla e

Flu, Corinthians e São Paulo, ou Real e Getafe, Palmeiras e Linense! Jantar a pizza de todo o dia ou o restaurante especial? Afinal, porque todos preferimos um sábado de sol a um domingo de chuva? A resposta é relativamente simples: há algo acima do medíocre (raiz etimológica de médio). Há algo acima: bom e ótimo. A maioria das pessoas jamais foi a Buenos Aires por medo, como se o portunhol não fosse a língua oficial do Mercosul. A razão é simples: temem sair de sua concha; preferem repetir Gramado. A mesma coisa acontece com os vinhos. Alguns sempre me perguntam sobre o que acho do A, do B ou do C e sempre digo que gosto ou "é bom". E não minto: procuro apreciar o lado bom antes do que ser um enochato a remexer o nariz à procura de "notas balsâmicas". O que não digo - nem é o propósito de quem pergunta ouvir - é que talvez conseguissem mais prazer no D e no E, para nem dizer do V de Vallado e do Z de Zuccardi. Saírem da cápsula ou da concha do C e do T, do R de reservado que não muda, e tentarem O de ousadia. Não há como fugir da simplicidade de que certos vinhos que tomávamos há 10 anos atrás não descem mais. Vinho é um prazer caro mas esta não é a premissa. Há excelentes brancos portugueses, bons crianzas espanhóis, ótimos bordeaux genéricos, excelentes italianos de uvas que você nunca ouviu falar, esperando você perceber o que há guardado por detrás da rolha da mesmice.

Europa Filmes/Divulgação

Biblioteca Mário de Andrade abre ciclo musical que contempla comunidades da Cidade.

Alaudista Sami Bordokan, de origem libanesa. Apresentase, neste sábado, ao lado de Eliezer Teixeira, migrante alagoaco, mestre da arte da cantoria sertaneja.

Arquivo DC

Desejo e Perigo: o jogo de sedução inclui conversas sobre política.

Made in China

Alaúde e cantorias

Lúcia Helena de Camargo

A

proveitamos o Ano Novo chinês que se aproxima para sugerir alguns bons filmes já feitos por cineastas lá nascidos. Alguns tratam de temas pertinentes a períodos sombrios da história do país, como Lanternas Vermelhas (Da Hong Deng Long Gao Gao Gua, Taiwan/ Hong Kong /China, 1991, 125 minutos), realizado por Zhang Yimou. Ambientado na China dos anos de 1920, conta a história de Songlian (Gong Li), cujo pai morre e é então obrigada pela madrasta a tornarse a quarta esposa de um homem rico. Na vila das quatro mulheres, as tradições são seguidas à risca. A principal delas é a das lanternas vermelhas: a esposa escolhida pelo senhor da casa para passar a noite com ele tem as lanternas de sua casa acesas e recebe dos empregados tratamento privilegiado. A fotografia belíssima, com uso preciso de luzes e sombras, vai delineando o perfil de cada uma das esposas, suas alegrias e frustrações. Mostrar a pobreza como pano de fundo rendeu boas dores de cabeça aos distribuidores do filme. Outro trabalho de Yimou, como todos impecável em termos visuais, vai mais longe no passado. A história de Herói (Ying Xiong, China/ Hong Kong, 2002, 99 minutos), se passa na China do século 3 a.C. Vivendo sob constantes ameaças de morte, o rei Qin chama um homem que diz ter liquidado três assassinos contratados para matá-lo. Depois viria, do mesmo diretor, O Clã das Adagas Voadoras (Shi Mian Mai Fu, China / Hong Kong, 2004, 119 minutos), mostrando a China do século XIX, no final da dinastia Tang. Mei (Zhang Ziyi), uma dançarina cega, ligada à facção revolucionária conhecida como “Casa das Adagas Voadoras”, é seguida por Jin

e Leo, capitães do exército do governo, que vão em seu encalço com objetivo de descobrir o paradeiro do líder revolucionário. No entanto, a missão se complica quando Jin e a dançarina se apaixonam. Honra, amor e muitas lutas com adagas dão o tom. E Ang Lee conduz o espectador a outro período difícil, em Desejo e Perigo (Lust, Caution, Hong Kong/ Estados Unidos/ China/ Taiwan, 2007, 157 minutos). Na Shanghai ocupada durante a Segunda Guerra Mundial, uma jovem assume missão da resistência, mas cai no jogo de sedução de um homem poderoso. Vencedor do Festival Cinema de Veneza em 2007. O par é feito por Tony Leung e Tang Wei. Baseado em um conto de 1950 do autor chinês Eileen Chang, que teria sido inspirado em um fato real. Filme intenso e com cenas sensuais "quentes". Quem aprecia lutas marciais deliciase com O Tigre e o Dragão (Wo Hu Cang Long, Hong Kong/ Estados Unidos/ China / Taiwan, 2000, 120 minutos)

também de Lee. Na trama, milagres de deuses e mortais e lendas de guerreiros que flutuavam no ar. No elenco, Michelle Yeoh e Chang Chen. E entre os mais singelos filmes chineses está Nenhum a Menos (Yi Ge Dou Bu Neng Shao, China, 1999, 106 minutos), de Yimou. Uma adolescente de 13 anos substitui o professor da escola quando este precisa tirar uma licença de um mês. Mas ela é advertida de que só receberá pagamento se conseguir manter todos os alunos na classe. A menina passa então a empreender buscas para trazer de volta às aulas os estudantes faltosos. E há o diretor Wong Kar-Wai, que encadeia imagens como em um sonho lisérgico em 2046 (Hong Kong/ França/ Alemanha/ China, 2004, 129 minutos). Misturando ficção científica e encontros bizarros, cria sua China peculiar. Todos esses filmes foram lançados em DVD no Brasil. Porém, alguns são encontrados somente em locadoras.

Divulgação

O Tigre e o Dragão: guerreiros que flutuavam no ar.

André Domingues

S

ímbolo pequeno, mas significativo, da grandeza de São Paulo é ter um alaudista como Sami Bordokan e um cantador como Eliezer Teixeira. Sami, descendente de libaneses, é especialista no repertório árabe tradicional; Eliezer, migrante alagoano, é um mestre da arte da cantoria sertaneja. São dois representantes legítimos da diversidade e a sofisticação cultural paulistana. Daí que sejam uma ótima escolha para o primeiro espetáculo da série São Paulo - Seus Povos e Sua Música, que se estende deste sábado (29) até o início de maio, como parte da comemoração da reabertura da Biblioteca Mário de Andrade. A série tem como curadora Anna Maria Kieffer, cantora e pesquisadora que se destacou na defesa da nossa memória musical quando organizou o interessantíssimo Cancioneiro da Imigração, um combinado de dois CDs e livro dedicado à música das principais comunidades formadoras de São Paulo. É, aliás, desse trabalho que parte a atual série, mas com certas diferenças. "Quando veio o convite, eu não quis repetir o Cancioneiro e ficar só na memória musical da Cidade. Agora, tem um pouco disso, mas também tem a preocupação de mostrar como essas comunidades se integraram e interagem na Cidade", explica Anna Maria. Seguindo essa proposta, os programas passaram a incluir composições e releituras contemporâneas nascidas no dia-a-dia das comunidades escolhidas. A apresentação deste sábado, por exemplo, será aberta com uma obra recente de Cláudio Kairouz, especialista no raríssimo kanoun, instrumento tradicional árabe, aparenta-

do da harpa e do cravo. A integração de comunidades formadoras de São Paulo entre si aparece com bastante força no restante do roteiro, que traça uma caprichosa linha de ressonâncias entre peças litúrgicas ancestrais arábicas, manifestações mouriscas da Península Ibérica e certos orientalismos arraigados no sertão nordestino. É um enredo e tanto. Não é preciso, porém, ter um histórico tão antigo quanto o dos árabes para produzir saborosos cruzamentos em São Paulo. "Todas essas culturas selecionadas são tão interessantes que atraem naturalmente membros de outras comunidades", explica Anna Maria. Para ilustrar o intercâmbio, a pesquisadora cita o caso de Danilo Tomic, compositor paulistano de família sérvia-russa que se tornou um mestre de shakuhachi, um instrumento da música clássica tradicional do Japão. "As composições dele, maravilhosas, são um resultado dessa mistura transcultural que eu acho que é a cara da Cidade!", exalta. Outra diferença importante entre a atual série e o Cancioneiro da Imigração é a inclusão de três comunidades de imigrantes mais novas: as dos países andinos, dos povos africanos e dos coreanos. Nesses casos, a novidade para o público pode ser ainda maior, já que partem de contatos muito recentes e pouco explorados. São Paulo - Seus Povos e Sua Música terá, também, uma boa programação de palestras, realizadas imediatamente antes dos concertos, às 16h. Mesmo para quem está mais interessado na música, convém chegar nesse horário e acompanhar toda a conversa. Afinal, sendo São Paulo como é, os 170 luga-

res do auditório podem se esgotar bem rápido. São Paulo - Seus Povos e Sua Música. Auditório da Biblioteca Mário de Andrade. Rua da Consolação, 94. Tel.: 32565270. Sábado (29). 16h Comunidade Árabe Guerreiros: Mouros e Cristãos na Tradição Musical do Brasil. Sami Bordokan e grupo, Eliezer Teixeira e Trivolim Companhia de Expressões Populares. Grátis. Outras atrações 12 de fevereiro. Comunidade Russa - Cantos Sacros e Profanos. 19 de fevereiro. Comunidade Japonesa - Tons do Outono. 26 de fevereiro. Comunidade Germânica - Ecos do Reno e do Danúbio. 12 de março. Comunidade Húngara - Karikáso - Danças Cantadas. 19 de março. Comunidade Andina - Terras Altas. 26 de março. Comunidade Judaica - Música Judeu Ashkenasí e Sefaradí. 2 de abril. Comunidade Espanhola - Recuerdos, Lembranzas, Lembranças. 9 de abril. Comunidade Polonesa - Gritos das Montanhas. 16 de abril. Comunidade Portuguesa - Cantigas, Danças e Guitarradas. 30 de abril. Comunidade Coreana- Tradições Coreanas em São Paulo. 7 de maio. Comunidade Africana - Comboio Atlântico.

FILARMÔNICA BACHIANA SESI-SP. NA PRAÇA VICTOR CIVITA. Regida por João Carlos Martins. No Programa, Mozart e Beethoven. Participa a Escola Vai-Vai. Rua Sumidouro, 580. Tel.: 3031-3689. Domingo (30). 11h. Grátis.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

24

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Amor e Outras Drogas é romance pontuado por críticas à indústria farmacêutica

Garota sozinha em triste jornada

Fotos: Fox Film/Divulgação

Dr Am og or e A G as e O n yl , co ut se ne len m ras m Ha ha Ja pi th al ke eg aw ui ce ay . :

R

Entre risos e lágrimas. Tudo casual. Lúcia Helena de Camargo Rotulado como "comédia romântica", o filme Amor e Outras Drogas não se enquadra na fórmula clássica do gênero, na qual mocinho encontra mocinha, eles brigam, ocorrem diversas situações engraçadas ao longo da trama e o clássico final feliz no qual eles se entendem ao som de uma balada romântica. Nem por isso é ruim. Pelo contrário. Com ótimas atuações, é filme para quem aprecia ver na tela grande um romance dos dias atuais, pontuado por críticas à indústria farmacêutica e pequenas piadas aqui e ali.

d

cultura

Anne Hathaway vive Maggie, mulher adepta do sexo casual que diz não acreditar naquilo que chamam de amor. O motivo de tanto desprendimento é seu problema de saúde: ela sofre do Mal de Parkinson, doença que também acomete jovens, como o filme mostra de maneira didática. Maggie conhece Jamie (Jake Gyllenhaal), charmoso vendedor de produtos farmacêuticos que conquista todas as secretárias e pacientes dos consultórios pelos quais passa, armado de lábia para convencer os médicos a receitarem os produtos do laboratório para o qual trabalha. Eles se apaixonam e a vida ficará mais complicada, exigindo maiores comprometimentos de ambos, já que o estado da moça, ainda nos primeiros estágios da incurável doença, tende a se complicar

ao longo dos anos. Baseado no livro Hard Sell: The Evolution of a Viagra Salesman (A Dura Venda: A Evolução de um Vendedor de Viagra), de Jamie Reidy, em paralelo o filme mostra como a mágica pílula azul contra a disfunção erétil provocou alvoroço entre os homens à época de seu surgimento e fez a fortuna de uma multinacional. Jamie, anteriormente com vendas medianas no currículo, passa a ter tratamento privilegiado entre os médicos por ser o representante do produto. E ainda carrega constantemente em sua maleta amostras grátis do medicamento para "eventualidades" dos amigos. Hathaway e Gyllenhaal já haviam contracenado como marido e mulher em O Segredo de Brokeback Montain (2005), dirigido por Ang Lee, sobre o

romance gay entre cowboys, que tinha Heath Ledger como o outro protagonista. A atriz, que foi vista no ano passado como a Rainha Branca em Alice no País das Maravilhas, de Tim Burton, declarou que Amor e Outras Drogas exigiu bem mais dela. Na ocasião do lançamento do filme nos Estados Unidos, ela disse à agência Reuters que viveu "uma montanha-russa emocional" ao filmar. "Fiz uma personagem que me fez sair de minha zona de conforto. E toda essa sexualidade explícita não tem nada a ver comigo". Mal de Parkinson, o vale-tudo das estratégias para vender remédios e uma dose de romance perfazem, no final, a receita de um longa-metragem tranquilo e despretensioso, que talvez inclua ainda algo de tocante, se você

simpatizar com os altos e baixos do casal de protagonistas. Amor e Outras Drogas (Love and Other Drugs, EUA, 2010, 115 minutos). Direção: Edward Zwick. Elenco: Jake Gyllenhaal, Anne Hathaway, Hank Azaria, Judy Greer, Gabriel Macht ,Katheryn Winnick, Oliver Platt, Jaimie Alexander, George Segal, Brenna Roth.

Sebastian Mlynarski/Califórnia Filmes/Divulgação

Sammy quer salvar o planeta

Um Lugar Qualquer: novo trabalho de Sofia Coppola.

E

O tédio da vida em Hollywood Em Amor e Outras Drogas, Anne Hathaway (acima) vive a liberal Maggie, moça que sofre do Mal de Parkinson e é adepta do sexo casual. "Toda essa sexualidade explícita não tem nada a ver comigo", disse. Já Johnny Marco (Stephen Dorff, à esquerda), de Um Lugar Qualquer, está sempre cercado de beldades. Ainda assim é acometido de acessos colossais de tédio.

V

encedor do Leão de Ouro no Festival de Veneza deste ano, Um Lugar Qualquer (EUA, 2010), de Sofia Coppola, chega já credenciado. Afinal, bateu na disputa até o favorito Cisne Negro, com Natalie Portman – esta forte concorrente ao Oscar de Melhor Atriz. O trabalho mais elogiado da filha de Francis Ford Coppola é Encontros e Desencontros (Lost in Translation, 2003), que levou o Oscar de melhor roteiro original ao mostrar um ator decadente e a bela esposa de um fotógrafo deslocados no Japão. Ela agora volta ao tema da busca pelo preenchimento do vazio da existência. Ou pelo menos o vazio que envolve o mundo do showbusiness. O filme é ambientado no hotel Chateau Marmont, em Los Angeles, conhecido por abrigar estrelas de Hollywood que muitas vezes acabam morando ali, levando uma vida de festas e relações superficiais. Em close está o dia-a-dia do ator Johnny Marco (Stephen Dorff), que aparece deitado na cama, assistindo a um show erótico ao vivo. Porém, acha tão enfadonha a apresentação que acaba dormindo. O único elo de Marco com o mundo real é sua filha de 11 anos (Elle Fanning, elogiadíssima no papel), de cuja mãe ele está separado. Resta saber até aonde ele chegará com sexo casual, passeios em carrões, bebidas em excesso. E tédio, muito tédio. (LHC)

ee Dolly, personagem de Jennifer Lawrence (abaixo) em Inverno da Alma (Winter's Bone, Estados Unidos, 2010, 100 minutos) tem um objetivo: encontrar o pai desaparecido. A garota tem 17 anos. Achá-lo é essencial para continuar tendo onde morar, já que ele deu a casa da família como garantia de uma fiança para sair da prisão. Não pagou. As cobranças se acumulam. Sem dinheiro ou uma mãe em quem se apoiar, a menina cuida dos irmãos mais novos e de todos os afazeres da casa. Um dos seus maiores temores é ter que voltar à nada amistosa floresta de Ozark. Com direção de Debra Granik, o longa mostra a garota em uma sucessão de decepções, caindo vítima dos estratagemas dos parentes em quem pensava poder confiar. Mas se reerguendo e seguindo em frente (ainda que em zigue-zague), desafiando as mentiras e ameaças para, talvez no final da jornada, descobrir a totalidade da verdade sobre os atos do pai. Pelo trabalho – considerado primoroso por grande parte dos críticos cinematográficos – a jovem atriz foi indicada pela primeira vez ao Oscar. E o filme saiu-se vencedor do prêmio dado pela Associação de Críticos de San Diego, derrotando A Rede Social, que liderava a disputa. (LHC)

m pré-estreia há uma semana, agora entra em cartaz As Aventuras de Sammy (Sammy's Avonturen: De Geheime Doorgang / Sammy’s Adventures – The Secret Passage , Bélgica, 2010, 88 minutos), animação que conta a história de uma tartaruga marinha, do seu nascimento, em 1959, até a maturidade, em 2009. Com direção de Ben Stassen, Sammy segue o modelo da jornada épica em busca de auto-conhecimento, enfrentando desafios por onde passa. Ele viaja pelos oceanos do mundo inteiro, começando na praia na Califórnia onde nasce e para a qual vai querer retornar ao final de tudo, tendo em mente reencontrar seu amor de infância, Shelly. Há ainda a mensagem ecológica. Em diversos pontos do planeta, Sammy descobre desastres provocados pelo aquecimento global: animais famintos e desalojados de suas casas, ambientes inteiros exauridos e destruição. Filmado em formato 3D. (LHC)

Universal Studios/Divulgação

CLÁSSICOS NA MOSTRA DE VERÃO DA CINEMATECA As Fabulosas Aventuras do Lendário Barão Munchausen. Largo Senador Raul Cardoso, 201. Tel.: 3515-6111/www.cinemateca.com.br. Domingo (30). 17h. R$ 8.

Playarte/Divulgação

Diário do Comércio  

28 jan 2011

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you