Issuu on Google+

´ MERITISSIMO LIBERANDOWSKI "Eu fiz das tripas coração para respeitar o que foi estabelecido pela Suprema Corte. Foi o voto-revisor mais curto da história do STF." Palavras do ministro Ricardo Lewandowski ao anunciar que, passados seis meses, seu voto está pronto, liberando assim o julgamento do Mensalão. Lewandowski vinha sendo criticado pela demora, que acabou empurrando o início do julgamento um dia para frente. Pág. 6 Ano 87 - Nº 23.654

Conclusão: 23h55

Jornal do empreendedor

www.dcomercio.com.br

Leão ri sem parar: arrecadação é recorde para maio. Tributos federais somaram R$ 77, 971 bilhões. Pág. 13

Dida Sampaio/AE

Quinta-feira, 2/8: julgamento do Mensalão.

R$ 1,40

São Paulo, quarta-feira, 27 de junho de 2012

Multa sem choro para Ratinho, SBT, Lula e Haddad. R$ 5 mil cada por campanha antecipada na TV. Pág. 7

O vilão da inadimplência Calote do cartão de crédito da pessoa física chega a 30%, segundo pesquisa do Banco Central. Pág. 15

Chico Ferreira/LUZ

Almeida Filho, Assmann, Amato e Pela.

Um ônibus melhor que carro Confortável, pode ser pago com Bilhete Único e chamado por telefone. Este é o sistema "on demand" de ônibus que Plínio Assmann, primeiro presidente do Metrô, defendeu, entre outros modelos de transporte, em reunião na ACSP. Pág. 9

HOJE

ISSN 1679-2688

23654

Parcialmente nublado Máxima 23º C. Mínima 10º C.

AMANHÃ Parcialmente nublado Máxima 24º C. Mínima 9º C.

9 771679 268008


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

quarta-feira, 27 de junho de 2012

O comando da União Europeia começa a admitir um avanço em direção a controles supranacionais. José Márcio Mendonça

pinião

Solução é econômica, mas passa pela política.

E

m artigo publicado ontem no jornal Valor E c o nô m i c o , o ex-ministro e ex-deputado Delfim Neto, também colaborador do Diário do Comércio, com o humor e a ironia que costumam caracterizar suas intervenções no debate econômico, sugere aos líderes europeus, mais diretamente aos alemães, que busquem os conselhos um tanto quanto desprezados atualmente pelos políticos. Delfim refere-se especificamente a um grupo de 150 economistas alemães que em 1992 – às vésperas do lançamento do euro como moeda única de boa parte dos países da União Europeia – enviou ao então primeiro-ministro da Alemanha, Helmut Khol, um documento alertando para o risco de se iniciar uma união monetária daquele porte "sem um mínimo de centralização fiscal para por ordem nas finanças dos participantes da futura federação". Passados vinte anos, com boa parte dos países da zona do euro rateando em redor de uma crise que, segundo os menos pessimistas, poderá durar até dez anos, todas as análises sobre as causas da degringolada coincidem. A Europa do euro, com exceção da Alemanha, entrou nesse labirinto por causa da farra fiscal e financeira que tomou conta das nações do bloco. Gastos excessivos dos governos, com endividamento crescente dos Estados, e créditos ilimitados para o público, levaram quase todos à bancarrota ou às portas dela. Viu-se então que aqueles economistas, tão desprezados então, tinham razão. Sem

JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA política de crescimento robusta. Uma extraordinária revolução – caso alcançada – se considerarmos os princípios de soberania nacional que sustentam os Estados-nação.

O uma coordenação fiscal e bancária única, centralizada, não há moeda que sobreviva nem economia que se sustente de forma saudável. Já caíram na rede a Irlanda, a Grécia, Portugal, Espanha e, ontem, o minúsculo Chipre.

H

á suspeitas ainda de que a bola da vez seja a Itália e há quem diga que nem a gloriosa França, a segunda força da zona do euro, escapará caso a sangria econômica e financeira da área não seja estancada brevemente. Alvíssaras deve es-

tar dando a Inglaterra, que não embarcou na moeda única, embora faça parte da União Europeia. Está lá com seus problemas, como todo mundo, mas não no mesmo tom de seus colegas da Europa unida. É o mesmo bom mundo vivido pelos nórdicos, com seu dinheiro próprio. Diante disso, o comando da União Europeia começa a admitir um avanço em direção a esses controles supranacionais. Uma proposta preparada pela cúpula da entidade, segundo o jornal econômico inglês Financial Times , que será

apresentada quinta e sextafeiras aos dirigentes máximos dos países que compõem a união monetária, sugere que a nião Europeia possa interferir nos orçamentos dos países membros do euro para impor limites aos déficits e aos endividamentos públicos de qualquer um deles. Haveria assim uma espécie de Superministério de Finanças dos 17 países da moeda única. O estudo inclui ainda um ambicioso plano de supervisão bancária centralizada, com maiores poderes para o Banco Central Europeu para fiscalizar

os bancos nacionais. Nesse terreno seria criado um organismo supervisor comum para os países do euro e um marco legal único para assegurar os depósitos e intervir – e inclusive liquidar – as entidades que ponham em perigo a solvência do sistema financeiro.

D

e acordo com o ministro de Finanças da França, Pierre Moscovici, estão sendo montadas as novas bases para a "segunda fase do euro": integrações bancária, financeira, orçamentária e política, com uma

grande desafio é saber, então, até que ponto os governos locais têm condições de "vender" às suas populações a entrega de alguns símbolos da independência nacional ao "controle externo". Os movimentos nacionalistas têm crescido em todo o continente europeu depois que a crise passou a ameaçar a qualidade do estado de bem-estar social de que a maioria dos países por lá desfruta. A questão é econômica, sim, mas sua solução passa pela política. E lá, como cá, esse mundo enxerga preferencialmente o dia seguinte, a próxima eleição. Haverá conserto sem antes uma crise aguda abater quase todos? JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA É JORNALISTA E ANALISTA POLÍTICO Antonio Cruz/ABr

DA COISA PÚBLICA E DA MILITAR Os soldados estão sujeitos ao risco, na guerra e na paz, um risco a ser politicamente compartilhado pela sociedade, por meio do qual ela expressa sua vontade de subsistir, algo tão antigo como a própria História.

O

acordo de solução amistosa entre o Governo brasileiro e a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) da OEA que impõe uma cerimônia na Academia Militar das Agulhas Negras na qual se vincularão as mortes de cadetes em instrução a violações de Direitos Humanos merece ser apreciado para além da repulsa ao que se afigura uma violação da nossa soberania ou da aprovação irrestrita a uma medida natural de preservação da vida humana. Uma teoria da boa aplicação da norma jurídica, como a preconizada por

Norberto Bobbio, ensina que o poder soberano e o seu ordenamento jurídico estão vinculados, que a completude deste ordenamento é uma pretensão confrontada pela sociologia jurídica do Direito, o que leva ao pluralismo jurídico, de onde decorre o universalismo jurídico, cujo limite extremo é o Estado mundial constituído num Direito positivo universal.

I

ndependentemente da factibilidade dessa utopia, o ordenamento jurídico brasileiro tem relações de coordenação com instituições internacionais como a CIDH, claramente

SÉRGIO P. MUNIZ COSTA distintas daquelas mantidas com a sociedade e outros estados. O que suscita profundo questionamento da atitude do Executivo é ele pretender preencher lacuna, no seu entender existente no atual ordenamento jurídico, pela formulação de novas normas "completáveis somente pelo legislador", sem dispor da

autoridade de "uma norma que o autorize a produzir normas jurídicas ", sempre no dizer de Bobbio. Em suma, o governo brasileiro intenta legislar ideologicamente, na acepção jurídica e política, numa recorrência que já devia ter levantado a oposição daqueles que, em nome da sociedade, têm o poder e o dever de fazê-lo. Aparentemente específica à esfera castrense, a questão é mais abrangente, porquanto diz respeito à disponibilidade pela Nação do aparato militar à altura de um ambiente internacional em que se evanescem os limites entre guerra e paz, e em cujo contexto os

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Claudio Vaz Edy Luiz Kogut Érico Sodré Quirino Ferreira Francisco Mesquita Neto João de Almeida Sampaio Filho João de Favari Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Paulo Roberto Pisauro Renato Abucham Roberto Faldini Roberto Mateus Ordine

profissionais combatentes devem se submeter ao treinamento de alta intensidade, acontecido nas condições extremas de desconforto físico e tensão psicológica.

D

esenvolvida essa preparação dentro dos marcos morais, éticos e legais que vigem numa democracia, não poucas pessoas assumem o ônus da função social dos soldados da sociedade livre, superiores aos seus inimigos em causa e espírito, mas também instruídos no instrumento que por último se interpôs entre o bem e o mal ao longo da História - as armas.

Os soldados estão sujeitos ao risco, na guerra e na paz, risco a ser politicamente compartilhado pela sociedade, através do qual ela expressa sua vontade de subsistir, algo tão antigo como a própria História. Se o poder soberano e o ordenamento jurídico se vinculam, não menos acontece à "res publica" e à "res militari." Quem o desconhece está fadado a escrever a história das repúblicas impossíveis. SÉRGIO PAULO MUNIZ COSTA É HISTORIADOR E FOI DELEGADO DO BRASIL NA JUNTA INTERAMERICANA DE DEFESA, ÓRGÃO DE ASSESSORIA DA OEA.

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, João de Scantimburgo, Marcel Solimeo Diretor-Responsável João de Scantimburgo (jscantimburgo@acsp.com.br) Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Edi tor-Chefe: José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br) Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br) Editores Seniores: Bob Jungmann (bob@dcomercio.com.br), Carlos de Oliveira (coliveira@dcomercio.com.br), chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), Estela Cangerana (ecangerana@dcomercio.com.br), Luciano de Carvalho Paço (luciano@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Luiz Antonio Maciel (maciel@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br) Editor de Fotografia: Alex Ribeiro Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Fernando Porto (fporto@dcomercio.com.br), Ricardo Ribas (rribas@dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br) Subeditores: Marcus Lopes e Rejane Aguiar Redatores: Adriana David, Eliana Haberli e Evelyn Schulke, Ricardo Osman, Tsuli Narimatsu Repórter Especial: Kleber Gutierrez (kgutierrez@dcomercio.com.br), . Repórteres:André de Almeida, Fátima Lourenço, Ivan Ventura, Karina Lignelli, Kelly Ferreira, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mariana Missiaggia, Mário Tonocchi, Paula Cunha, , Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves, Sandra Manfredini, Sílvia Pimentel, Vera Gomes e Wladimir Miranda. Gerente Executiva e de Publicidade Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estado, Folhapress, Efe e Reuters Impressão OESP GRÁFICA S/A Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3180-3175. Fax 3180-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3180-3197, 3180-3983, Fax 3180-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3180-3544, 3180-3176 , Fax 3180-3355 Esta publicação é impressa em papel certificado FSC®, garantia de manejo florestal responsável, pela Oesp Gráfica.

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3180-3737 REDAÇÃO (011) 3180-3449 FAX (011) 3180-3046, (011) 3180-3983 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 27 de junho de 2012

3

o O lado escuro da roupa barata pinião

ESTRATÉGIA DA INDÚSTRIA DA MODA PASSA POR TRABALHO ESCRAVO E MATERIAL DESCARTADO.

PAULO BRITO

A indústria de confecções trabalha para que a moda dure o menor tempo possível, de modo que homens e mulheres se sintam ciclicamente compelidos a comprar novas roupas.

mesmo os brechós têm muito o que vender. Nos EUA, o Exército da Salvação, por exemplo, tem grandes brechós onde é possível comprar mobília e roupas usadas – mas atualmente as roupas estão rareando, porque roupa descartável não é aceita nas lojas.

E

m outubro do ano passado a Polícia Federal fez uma descoberta escandalosa: no porto de Suape, em Pernambuco, vários containeres estavam carregados com o lixo hospitalar – montanhas de roupas de cama utilizada em hospitais dos EUA, ainda contaminadas, destinada à empresa Império do Forro de Bolso, de Caruaru (PE). Todo esse material era transformado, em três fábricas da Império, em insumo para fábricas de roupas, tanto do País como do exterior. Lençóis, fronhas e outras peças, descartadas como inservíveis, compradas a preço de lixo, eram transformadas em forros para bolsos dianteiros de calças masculinas e femininas. Agora, junte-se a isso o fato de que há uma multidão de bolivianos entrando ilegalmente no Brasil para trabalhar costurando peças de roupa das sete da manhã às dez da noite, como aqueles que a TV Globo encontrou numa casa em Bady Bassit, no interior paulista: uma boliviana ganha R$ 500 por mês costurando 200 peças mensalmente, isto é, a R$ 2,50 cada. Nada de registro, férias, 13º, plano de saúde. Ou como os ilegais que o Ministério do Trabalho flagrou em São Paulo e Americana, trabalhando em condições análogas à escravidão, produzindo roupas para ninguém menos do que as conhecidas lojas Zara. Por que isso acontece? A resposta é simples: no mundo inteiro, redes de lojas de roupas querem comprar barato para vender com bom lucro. Toda a indústria mundial de confecções –Zara, Forever 21, Target, H&M e outras – estão

A

atreladas a uma complexa estrutura de produção e comercialização que se espalha pelo planeta, e que nos últimos anos se especializaram em transformar as roupas que usamos em bens tão descartáveis quanto embalagens – o que elas são, de certo modo.

N

ossos pais e avós compravam roupas que deviam durar anos, e além disso sabiam consertá-las (ou as levavam a quem soubesse) quando necessário. Atualmente, a simples falta de um botão muitas vezes condena uma peça de roupa à sucata. A jornalista norte-americana Elizabeth Cline, que já trabalhou para publicações como a o AMCtv.com, New York Magazine e New Republic, resolveu investigar a estrutura e as estratégias da indústria, assim como o comportamento dos consumidores, e publicou suas conclusões no livro Overdressed: The Shockingly High Cost of Cheap Fashion (ou "Roupa Demais: o Chocante Custo da Moda Barata", editora Portfolio

Hardcover, 256 páginas). A própria autora se surpreendeu ao notar que ela própria estava comprando em média uma peça de roupa por semana, entupindo seus armários com itens superbaratos. Mas sua ficha só caiu quando ela levou para casa sete pares de sapatilhas de lona idênticas, compradas por US$ 7 cada par, só porque tinham virado pechincha – na semana anterior custavam US$ 15.

Elizabeth reconheceu que havia roupa demais em seus armários: 61 tops, 60 camisetas, 21 saias, 24 vestidos, 20 pares de sapatos, 20 suéteres, 18 cintos, 14 bermudas, 14 jaquetas, 13 jeans, 12 sutiãs. Um total de 354 peças de roupa. No passado não era assim: em 1929, conta ela, um típico homem de classe média tinha seis roupas diferentes; uma mulher tinha nove. Seu levantamento mostra que toda a in-

Americanos gastam US$ 1.700 por ano em roupas. Consumo de fibras subiu de 10 milhões para 82 milhões de toneladas anuais.

dústria de confecções trabalha para que a moda dure o menor tempo possível, de modo que homens e mulheres se sintam ciclicamente compelidos a comprar novas roupas – do contrário, se sentirão socialmente excluídos por estar no mínimo fora de moda, e quem sabe ridículos.

P

ara que isso aconteça e para que os volumes vendidos sejam monstruosos, só mesmo oferecendo preços baixíssimos como os que a indústria vem praticando. E para consegui-los, só adotando estratégias como utilizar mão de obra escrava (ou semi) e matéria prima como a do Império do Forro de Bolso. Os escândalos, infelizmente, não acontecem apenas no Brasil; há confecções em muitos países operando nas mesmas condições e com os mesmos objetivos – em Bangladesh, na China e, por incrível que pareça, até em Los Angeles. A situação ficou tão ruim e a qualidade das roupas caiu tanto que, segundo Elizabeth, nem

moda, diz Elizabeth, é uma indústria que movimenta anualmente trilhões de dólares no mundo inteiro. E se chegou a esse ponto, afirma, foi também por causa do nosso comportamento consumista – incluindo o dela própria, que admite ter passado dos limites na frequência de compras e descarte de roupas. Atualmente, conta a autora, o americano gasta em média US$ 1.700 por ano em roupas que raramente duram mais do que dois meses (seja por falta de resistência ou porque o hábito de sempre comprar mais faz com que ele descarte peça após peça com facilidade). O efeito disso na indústria é que de 1950 para cá o consumo de fibras subiu de 10 milhões para 82 milhões de toneladas anuais, com o ciclo de vendas de roupas, antes regulado pelas estações do ano, passando de três meses para cerca de duas semanas. As coleções de outono ou de verão são anunciadas e desfiladas nas épocas certas, mas na verdade as lojas não param de fazer liquidações a cada quinzena para manter o fluxo de caixa acelerado e a lucratividade em alta. Com camisetas a US$ 3 e vestidos a US$ 20, quem não compra? Esse é o jogo. PAULO BRITO É JORNALISTA, GRADUADO EM ECONOMIA E MESTRE EM COMUNICAÇÃO E SEMIÓTICA

QUANDO FILHOS VIRAM UMA ARMA Todos nós sabemos que usar as crianças como armas contra o próprio pai ou mãe é uma atitude que causa sérios danos psicológicos ao menor – e que podem perdurar por toda sua vida.

A

opinião publica ficou dividida quando teve conhecimento da decisão inédita da 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça que condenou um pai a pagar R$ 200 mil à filha, por danos morais decorrentes de abandono afetivo. Muitos questionam se o Judiciário deveria se imiscuir na vida e no relacionamento entre pais e filhos, a ponto de punir aquele que não deu amor nem cuidou. Ao que parece esta é a nova realidade do nosso Legislativo e de nossos tribunais: arbitrar a possibilidade de converter a falta de afeto em indenização pecuniária; a construção de novos paradigmas nas relações pai/filho com a possibilidade de se identificar a verdade biológica por meio do exame de DNA; o conceito de maternidade/paternidade responsável, levando

a lei a dar prioridade à guarda compartilhada; um marco extremamente importante no dia a dia de muitas famílias, com o reconhecimento dos danos causados aos filhos por conta da "alienação parental". Do rol acima apontado, destaco que muitos pais divorciados já passaram – ou ainda passam – por certa situação. Chega o dia de visitar os filhos, e o pai dá com a cara na porta porque a mãe decidiu sair com as crianças sem avisar. Ou, então, os meninos retornam de um fim de semana na casa do pai e a mãe percebe que eles parecem distantes, ou simplesmente enfurecidos com ela, devido aos comentários pouco lisonjeiros que o pai andou fazendo a seu respeito. Isso para não falar em uma série de outros estratagemas

utilizados por ex-maridos ou ex-mulheres ressentidos com a separação, e que invariavelmente incluem usar os filhos como armas para ferir o "ingrato" ou a "ingrata" que ousou se separar.

P

ois bem, de agora em diante, quem fizer isso estará infringindo a lei. Mais especificamente, a Lei nº 12.318/10, conhecida como "Lei da Alienação Parental", e que foi sancionada pelo então presidente Lula. Por alienação parental entende-se a interferência na formação psicológica da criança ou do adolescente promovida ou induzida por um dos genitores, pelos avós ou por quem detiver a guarda dos menores, com o intuito de fazê-los repudiar o pai ou a mãe ou desestabilizar os vínculos familiares. São exemplos de alienação parental: fazer “campanhas de desqualificação” contra os pais, dificultar o exercício da

autoridade parental ou o contato de criança ou adolescente com o genitor, atrapalhar o exercício do direito regulamentado de convivência familiar, omitir deliberadamente do genitor informações pessoais relevantes sobre a criança ou adolescente, inclusive escolares, médicas e alterações de endereço. Também é considerado alienação parental apresentar falsa denúncia contra o genitor, contra familiares ou contra avós, e mudar o domicílio para local distante sem justificativa, com o objetivo de dificultar a convivência da criança ou adolesce nte com o outro genitor, avós ou familiares. As penalidades para quem descumprir a lei variam de uma advertência ao pagamento de multas e até à perda da guarda dos filhos. Para isso, o pai ou a mãe que se sentir prejudicado deve ingressar com uma ação judicial – que será julgada com prioridade. Se o juiz entender que as alegações

apresentadas constituem indício de alienação parental, ele poderá solicitar uma perícia psicológica, ou seja, uma avaliação feita por um psicólogo ou equipe multidisciplinar, durante a qual, entre outros procedimentos, serão ouvidos todos os envolvidos, inclusive as crianças. Por fim, será emitido um laudo indicando se houve ou não alienação parental.

E

m tese, todos nós sabemos que usar as crianças como armas contra o próprio pai ou mãe é uma atitude que causa sérios danos psicológicos ao menor – e que podem perdurar por toda sua vida. No entanto, foi preciso introduzir uma nova legislação para deixar claro que “a prática de ato de alienação parental fere o direito fundamental da criança ou do adolescente de convivência familiar saudável, prejudica a realização de afeto nas relações com genitor e com o grupo familiar, constitui

IVONE ZEGER abuso moral contra a criança ou o adolescente e descumprimento dos deveres inerentes à autoridade parental ou decorrentes de tutela ou guarda”, conforme o Artigo 3º da Lei nº 12.318/10.

E

spera-se que, com isso, pais, mães e outros familiares pensem duas vezes (ou mil vezes) antes de transformar as crianças em instrumentos de vingança. A nova lei, por fim, deu nomes aos bois: atitudes como essa constituem abuso moral. E o infrator corre o risco de ter que responder por seus atos no tribunal – e de pagar por eles, inclusive com a perda da guarda dos filhos. IVONE ZEGER É ADVOGADA ESPECIALISTA EM DIREITO DE FAMÍLIA E

SUCESSÃO. MEMBRO EFETIVO DA COMISSÃO DE DIREITO DE FAMÍLIA DA OAB/SP É AUTORA DOS LIVROS "HERANÇA: PERGUNTAS E RESPOSTAS" E "FAMÍLIA: PERGUNTAS E RESPOSTAS" – DA MESCLA EDITORIAL WWW. IVONEZEGER.COM.BR


DIÁRIO DO COMÉRCIO

4

GibaUm

3 Lula cancelou sua viagem 3 MAIS: o médico e amigo à Buenos Aires e Mendoza por redobrada recomendação médica. Deve descansar e não falar.

gibaum@gibaum.com.br

k Diria que ele está à minha direita. Eu, perto do Lula, sou comunista. Foto: Christian Gaul / Divulgação

Quem dá mais Quem dá mais? – nos acordos entre partidos para a campanha municipal em São Paulo, a pergunta pode valer para volume de tempo na televisão ou generosidades a serem concedidas caso o candidato seja eleito. Agora, com o pagodeiro Netinho de Paula saindo da disputa, devido a acordo feito entre Lula e o PCdoB, há quem lembre que, se a cantora e ativista GLS, Lecy Brandão, formar na vice de Fernando Haddad, ele ganha reforço na história do Kit Gay . Assumidíssima, Lecy Brandão não vê nenhum exagero no pacote criado por Haddad, quando no Ministério da Educação, que até ensinava as crianças a darem seus primeiros passos na prática do homossexualismo. 333

PAULO MALUF // lembrando que o ex-presidente só defendia bancos e multinacionais em seu governo.

Ela fez sua primeira tatuagem aos 15 anos, em Ribeirão Preto. Hoje, aos 34 anos, Akemi Higashi, capa e recheio de Inked, tem mais de 40 tatuagens espalhadas pelo corpo e já realizou mais de oito mil tatuagens em outras pessoas. Ela é a estrela de um dos mais respeitados salões da área, em Moema, em São Paulo, onde quem quiser ganhar uma tatuagem dela deve entrar na fila de espera de, no mínimo, quinze dias. Por causa das tatuagens, já estrelou comerciais para Vivo, Trident e Natura. Uma tatuagem de 15 centímetros dura cerca de duas horas e custa entre R$ 500 a R$ 1.000. Paixão maior da Japinha: seus filhos Douglas e Diego, de 10 e 12 anos (destaque).

Fila de espera

333

Independente da falta de talento político de Fernando Lugo para governar e de seu lendário apetite sexual, com ou sem batina, com a Suprema Corte de lá ratificando a decisão do Congresso que o destituiu da presidência do Paraguai, evidencia-se o chamado rito sumário, criando uma variante do golpe constitucional ou legal, introduzido, nos últimos anos, na América Latina, por Hugo Chávez e aplaudido por Daniel Ortega (Nicarágua), Evo Morales (Bolivia) e Rafael Correa (Equador). O Brasil já assistiu alguma coisa parecida na deposição de João Goulart. Para quem tem memória curta: nos últimos 20 anos, 16 presidentes da República não terminaram os mandatos na América Latina, todos dentro da legalidade constitucional, incluindo Collor.

Golpe legal

333

BOLHA FURADA Nove entre dez construtoras de grande expressão no Brasil estão apertando os cintos e demitindo centenas de funcionários: é apenas o primeiro passo efetivo de que a bolha furou, o que o governo já sabia quando elevou o prazo de 30 anos para 35 anos do financiamento de imóveis e pediu aos bancos as mais baixas taxas de juros. Depois da euforia, a crise pegou a construção civil, só que ninguém quer falar oficialmente sobre o assunto, o que significaria queda de preços, além desses feirões com descontos nos finais de semana. Nas imobiliárias, as vendas de imóveis novos na planta continuam caindo. Mantendo preço e vendas, apenas os usados. 333

333 José Sarney, presidente do Senado, parte para a terceira geração da família: seu neto Adriano Sarney, 32 anos, vai disputar a prefeitura de Paço Luminar, na região metropolitana de São Luis. Para abrir caminho a Adriano, outros cinco candidatos desistiram e ele é apoiado pela atual prefeita, Bia Aroso (PSB). Ela responde a 22 processos na justiça e já foi afastada quatro vezes sob acusação de corrupção. Todas as apostas já apontam na eleição de Adriano.

EM PORTUGUÊS O ex-jogador e empresário Ronaldo Nazário, que é monoglota e nem agora se preocupou em fazer um curso de inglês, devido a suas novas atividades na 9ine e mesmo como integrante do Comitê Local da Copa, fez uma palestra, essa semana, em Cannes, durante o Festival de Publicidade. A tradução era simultânea, Ronaldo incursionou pelo campo de auto-ajuda, repetindo velhos chavões e antes de começar, perguntou aos presentes: “Tem algum corintiano na platéia?” Se era piada, ninguém riu. 333

Roberto Kalil Filho teve uma conversa séria e foi duro com ele: "Não se pode brincar com câncer."

Dose dupla 333 Hoje, na Câmara Federal, os veteranos Cauby Peixoto, 81 anos e Ângela Maria, 85, serão homenageados pela Casa e receberão a medalha do Mérito Legislativo, a maior honraria de lá. Ele continua se apresentando, uma vez por semana, no Bar Brahma, em São Paulo e ela recebeu convite para contar suas memórias em livro a ser escrito pelo DJ Zé Pedro. No dia em que completou 85 anos, Ângela pediu ao namorado Daniel D’Angelo, 51 anos, em casamento. Detalhe: Cauby e Ângela já venderam, se somados os discos dos dois, mais de 100 milhões de cópias. Nesses dias, Marco Maia, presidente da Câmara, tropeçou: comentou que os dois gravaram Conceição. Nada disso: o megasucesso de Ângela é Babalu.

PRÓ-FLORESTA Há um inusitado movimento na internet formado por nostálgicos telespectadores da novela Gabriela, que protestam contra a depilação nas axilas da personagem vivida por Juliana Paes. Logo nas primeiras cenas de sua jornada pelo agreste baiano a caminho de Ilhéus, surgiram as primeiras investidas. Num blog, alguém reclama: “Os suvaquinhoslisosformamuma afronta a milhões de fetichistas”. E emenda: “Salve Baby Consuelo, agora Baby do Brasil”. 333

MISTURA FINA O EX-PRESIDENTE Lula não está gostando de atitudes do governador Eduardo Campos (PSB), de Pernambuco que, se aceitou seu apelo para o partido apoiar Fernando Haddad em São Paulo, em outras tantas cidades, incluindo Recife, lança candidatos próprios e faz aliança com quem bem entende e até contra o próprio PT. 333

AMANHÃ, na loja Dryzun do novo Shopping JK Iguatemi, haverá um coquetel para apresentação da nova coleção de relógios Cartier Tank Anglaise.

333

A PRESIDENTE Dilma Rousseff pediu a Renata, mulher do governador Eduardo Campos (PSB), de Pernambuco, que escolhesse o presente do governo brasileiro aos chefes de governo e de Estado que compareceram à Conferencia Rio+20. Renata escolheu kits de toalhas de mesa de renda Renascença, feitas nas cidades de Poção e Pesqueira, no agreste Pernambucano. 333

Ela já vinha subindo desde o sucesso de Stupid Cupid : foi premiada no BAFTA, mais MTV Awards, fora indicações. Agora, está na capa de Vogue América, num ensaio onde vai de lingerie e colossais chapéus, mais fotos que lembram pin-ups. E ao mesmo tempo, desembarca também na capa de Glamour: Emma Stone, 24 anos, está em alta. Ela é Gwen Stacy, a namorada do Homem-Aranha , no novo filme Espectacular Spider-Man , que estréia em julho com Andrew Garfield (é namorado dela) no papel do herói.

A estrela sobe

333

Torre de Noé 333 A irritação da presidente Dilma Rousseff com a atuação do ministro Antonio Patriota, das Relações Exteriores, não ficou apenas no documento final da Rio+20: o encontro estava mais do que recheado de falhas de organização e as reclamações chegaram rapidamente aos ouvidos da Chefe do Governo brasileiro. Diplomatas até batizaram o evento de Torre de Noé, mistura de Arca de Noé com Torre de Babel. Agora, na missão no Paraguai, Patriota também não conseguiu grandes resultados – e sua cotação continua rolando ladeira abaixo.

h IN

Caveiras (acessórios).

h

Capitania hereditária

quarta-feira, 27 de junho de 2012

OUT

Bichos (acessórios).

Nua aos 60 A veterana Vera Fischer, que acaba de comemorar seus 60 anos de idade e que se submeteu a um lifting (já havia colocado reforço de silicone nos seios há dois anos) e ainda enfrenta dieta para ficar em sua melhor forma, acaba de ser convidada para voltar a posar nua para uma revista masculina. Vera nunca teve problemas em tirar a roupa: seu primeiro filme, As Fêmeas , campeão de bilheteira, já trazia a nudez da atriz em 1972 e em 1975, ela aparecia nas páginas de antiga Status . Depois, em 1982 e 2000, foi atração de Playboy . 333

A CANTORA Elis Regina, que morreu há 30 anos, terá sua vida e carreira transformadas em filme, com roteiro de Nelson Motta e Patrícia Andrade e direção de Hugo Prata. A atriz que viverá Elis na telona será Andréia Horta, a Valéria da novela Amor, Eterno Amor e que protagonizou a série Alice, na HBO. 333

AINDA líder do governo no Senado, Eduardo Braga (PMDBAM) vai disputar a prefeitura de Manaus, nas próximas eleições. A suplente é Sandra, sua mulher. Se emplaca, ela permanece como senadora. 333

QUEM diria: o SecretárioGeral da ONU, Ban Ki-Moon era tratado, na Rio+20, por diplomatas brasileiros e funcionários de hotel – e até porteiros – pelo apelido de Pokemón. Já o empresário e apresentador de TV, Silvio Santos, oitentão, gosta muito de ser chamado, lá no SBT, segundo Lívia Andrade, que trabalha com ele, além de ser a vilã de Carrossel, de Síssi. 333

Colaboração: Paula Rodrigues / A.Favero

CHARGE DO DIA


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 27 de junho de 2012

5 TROCADOS Cachoeira gasta R$ 500 mil em decoração para ficar pouco tempo.

olítica

IDENTIDADE Procuradora é ameaçada por e-mail. E o remetente assina.

CPI DO CACHOEIRA

Para relator, Marconi Perillo mentiu. De acordo com o deputado petista Odair Cunha, a história da venda da casa "foi montada" para negar relação entre o governador e o bicheiro. Tucanos protestaram.

O

deputado Odair Cu- gas com recursos da Alberto & nha (PT-MG), rela- Pantoja, empresa do esquema t o r d a C o m i s s ã o do contraventor. O relator esParlamentar Mista tranhou o fato de Cachoeira de Inquérito, a CPI do Cachoei- ter gasto R$ 500 mil com mobíra, disse ontem que não tem lia numa casa que seria habidúvidas sobre as relações en- tada por alguns meses. tre o governador Marconi PePara a CPI, o arquiteto conrillo (PSDB-GO) e o contraven- firmou que Andressa disse a tor Carlos Augusto Ramos, o ele que o casal iria morar lá Carlinhos Cachoeira. Para o provisoriamente. O relator relator, Perillo mentiu à CPI ao afirmou ainda que não será explicar a venda da sua casa obrigatória a volta de Perillo à no ano passado. "Com certe- comissão e que "há meios de za, mentiu. Está evidente que prova para desmontar a tese a história foi montada. A ver- aqui desenhada". são é para negar a relação dele Discussão – Parlamentares com o bicheiro", afirmou. do PSDB acusaram o relator de Contrato rasgado – As decla- direcionar as investigações rações foram dadas depois do para atingir o governador de depoimento do Goiás. O deputaarquiteto Alexand o C a r l o s S a mdre Milhomen à paio (PSDB-SP) CPI. Cunha tamclassificou o debém rebateu acupoimento de MiCom certeza, sações de tucalhomen não só de mentiu. A nos de que esta"vexatório" como versão é para ria direcionando de ter "diminuínegar a relação do" a importância os rumos da comissão. Segundo da CPI. Sampaio dele com o o r e l a t o r , C adisse ainda não bicheiro. choeira tenta "o saber ao certo se ODAIR CUNHA (PT-MG) o relator agia datempo inteiro" esconder de quem quela forma por havia comprado a casa. Ele ordem do ex-presidente Lula disse que gravações telefôni- ou por missão partidária. "Tocas da Polícia Federal revelam dos percebem o papel direcioque ele manda Andressa "ras- nado", afirmou. gar urgentemente" um conCunha rebateu dizendo que trato do imóvel. "o direcionamento não era da A casa, avaliada em R$ 1,4 relatoria, era de Cachoeira, milhão, foi paga com três che- que ameaça juízes e promotoques de uma empresa que res" (leia abaixo). E que não tem como um dos sócios Leo- queria acreditar que Sampaio nardo de Almeida Ramos, so- estivesse lá "para defender brinho de Cachoeira. À CPÌ, Pe- criminosos", ressaltando que rillo informou que não sabia "quem deveria prender o conquem comprou o casa e que traventor, é seu aliado, que havia transferido toda a nego- sentou aqui nesta cadeira e o ciação para o ex-vereador chamou de empresário". Wladimir Garcez (PSDB). Em nota, Perillo negou ter Mais prova – Para Cunha, ou- mentido sobre o imóvel. Já o tra prova da transação é a de ex-assessor de Perillo, Lúcio que Andressa Mendonça, mu- Fiúza Gouthier, que teria prelher de Cachoeira, contratou senciado o pagamento da Milhomen para trabalhar no venda da casa, e Écio Ribeiro, projeto de decoração da resi- apontado como laranja da emdência (leia ao lado). O arquite- presa compradora do imóvel, to recebeu R$ 50 mil em cinco ficaram em silêncio e foram parcelas, uma das quais pa- dispensados. (Agências)

Fotos: Wilson Dias/ABr

Falante: Odair Cunha, relator da CPI, disse que tem meios de provar e desmontar a história apresentada pelo governador de Goiás.

Calado: Écio Ribeiro, apontado como laranja, preferiu ficar quieto.

Contraventor morava na casa do governador antes da venda Com a mulher Andressa, ele ocupava o imóvel dois meses antes da negociação.

C

onversas telefônicas gravadas pela Polícia Federal e apresentadas ontem pelo deputado Odair Cunha (PT-MG), relator da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito, a CPI do Cachoeira, indicam que o contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, e sua mulher atual, Andressa Mendonça, já eram ocupantes da residência que pertencia ao governador Marconi Perillo (PSDBGO) dois meses antes do registro da venda do imóvel. Dono ausente – Perillo negou que tenha feito qualquer negócio com o contraventor. Confirmou apenas que a casa foi vendida por R$ 1,4 milhão ao empresário Walter Paulo Santiago. Para a PF, Santiago teria servido de laranja para Cachoeira.

Procuradora é ameaçada. 'Vadia, vamos te pegar'.

A transcrição dessa conversa gravada no dia 9 de maio de 2011 foi apresentada ao arquiteto Alexandre Milhomen, que prestou depoimento ontem na CPI. Ele confirmou que foi contratado por Cachoeira e Andressa para decoração interna do imóvel. Ele afirmou que foi chamado em julho, data que casaria com a escritura da transação da casa. Projeto suspenso – No diálogo lido por Cunha, o arquiteto afirmava ao contraventor que estava aguardando liberação para entrar no condomínio onde ficava a casa de Perillo. Além disso, contou que tinha sido contratado pelo casal, no fim de fevereiro, para fazer projeto de um novo imóvel, que seria construído futuramente. Mas, por volta de abril, Ca-

choeira e Andressa disseram para ele interromper o projeto. Sobre a decoração, Milhomen contou que "a casa estava vazia, apenas com os armários planejados". Ele disse ter trabalhado "em vários serviços, como pintura externa, jardinagem, papel de parede e iluminação". No início do seu depoimento, Milhomen firsou que era pai de família, "um sobrevivente do Brasil, porque vim do Nordeste com 14 anos e sou um trabalhador". E que, portanto, não via motivo para depor na CPI. CPI da Delta – A Assembleia Legislativa de Goiás, que também investiga possível envolvimento de autoridades e políticos do Estado com o esquema de Cachoeira, pediu ontem a quebra de sigilo bancário, fiscal e tele-

Wilson Dias/ABr

A

procuradora Léa BatisAs ameaças à procuradora ta, uma das responsá- estão preocupando o presiveis por denunciar Car- dente da Associação Nacional los Augusto Ramos, o Carli- dos Procuradores da Repúblinhos Cachoeira, e outros en- ca (ANPR), Alexandre Camavolvidos na Operação Monte nho. Tanto que ele já encamiCarlo, voltou a ser ameaçada nhou ofício ao corregedor do por sua atuação no caso. Conselho Nacional do MinistéLéa, que atua no Ministério rio Público (CNMP), Jeferson P ú b l i c o F e d e r a l e m G o i á s Coelho, pedindo providências (MPF-GO), recebeu e-mail no sobre o caso para "garantir à sábado com palavrões e con- colega a segurança imprestendo ameaças a ela e a sua fa- cindível à boa execução de mília. Não foi a s u a s a t r i b u iprimeira vez. Anções". Em respostes, no dia 13 de ta, o CNMP deterjunho, havia receminou ontem bido uma ameamesmo a criação Cuidado, ça, mas a mensade uma comissão você e gem era em tom para investigar as mais ameno, ameaças à prosua família quase que de resmotora. correm sentimento. AssiSó ela – Léa e perigo. nada por alguém Daniel Resende SÍLVIO CAETANO ROSA são os represenque se denomin o u " i n j u s t i ç atantes do MPF na do", dizia que a Operação Monte procuradora estava sendo Carlo, em Goiás, enquanto o muito dura no caso e que pa- procurador Carlos Alberto Virentes de Cachoeira continua- lhena gerencia os desdobravam ganhando dinheiro com a mentos do caso no Tribunal exploração ilegal de jogos. Regional Federal, em Brasília. Tom elevado – Nesta segun- A ANPR informou que não tem da mensagem, a intimidação notícia de que os outros procue a ameaça ficaram claras já radores tenham sofrido ameano título do e-mail: "Cuidado". ças, nem que algum deles vá O remetente, em e-mail ao seu deixar o caso. No dia 13, o juiz endereço eletrônico de traba- federal Paulo Moreira Lima, lho, assina como Sílvio Caeta- responsável pela ação penal no Rosa e resume a ameaça derivada da Monte Carlo, se numa frase. "Sua vadia ainda afastou alegando ameaças de vamos te pegar, cuidado, você pessoas ligadas ao grupo de e sua família correm perigo". Cachoeira. (Abr)

Mudo: Lúcio Gouthier, ex-assessor de Perillo, não abriu a boca.

A casa estava vazia, só com os armários planejados e fiz vários serviços. ALEXANDRE MILHOMEN

fônico do prefeito de Goiânia, Paulo Garcia (PT), e do ex-prefeito Iris Rezende (PMDB). Garcia, que é candidato à reeleição, foi vice e depois sucedeu Rezende no governo municipal. O pai da Delta – O pedido foi feito pelos deputados estaduais Túlio Isaac (PSDB) e Tales Barreto (PTB), que atuam na relatoria da CPI. "O Iris é o pai da Delta", justificou Isaac. "Foi no governo dele, em Goiânia, entre 2005 d 2010, que a Delta se instalou em Goiás e ampliou sua participação nas demais prefeituras", afirmou. De acordo com Isaac e Barreto, a CPI deve investigar os negócios milionários da Delta, que supostamente envolvem as prefeituras em Goiás, a maioria delas comandadas por prefeitos vinculados ao PMDB e ao PT, Cavendish – Para aprofundar a investigações, a CPI convocou para depor, na semana que vem, o presidente da Delta Construções, Fernando Cavendish; Luiz Antônio Pagot, ex-diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura Terrestre (Dnit), e o ex-diretor do Dnit em Goiás, Alfredo Soubine. Em seu depoimento, ontem, o ex-vereador Wladimir Garcez negou que tivesse "levado dinheiro dentro de uma caixa" para ser entregue para Perillo. Mas confirmou que recebia salário de R$ 5 mil de Cachoeira. A CPI da Delta tem maioria formada por deputados tucanos e partidos aliados. (Agências)


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Foi o voto-revisor mais curto da história do Supremo Tribunal Federal. Ricardo Lewandowski, ministro do STF.

olítica

Dida Sampaio/AE

Ex-presidente do Cruzeiro é preso em operação da PF

U

ma operação realizada ontem pelo Ministério Público Estadual (MPE) de Minas Gerais, polícias Federal e Militar e Receita Estadual desbaratou esquema de fraude em licitações, que somam cerca de R$ 166 milhões em verbas públicas, para fornecimento de alimentação para presos em diversas cidades do Estado e em Tocantins e de merenda escolar em Montes Claros, no norte mineiro. Segundo o MPE, o esquema envolvia sete empresas e era liderado pela Stillus Alimentação, do empresário Alvimar Perrella, ex-presidente do Cruzeiro e irmão do senador Zezé Perrella (PDT-MG), e do 1º vice-presidente do time mineiro, José Maria Queiroz Fialho. O desvio é de cerca de R$ 55 milhões, segundo os investigadores do caso. A operação Laranja com Pequi foi deflagrada para o cumprimento de dez mandados de prisão temporária e 35 de busca e apreensão em empresas e residências, inclusive a de Perrella, em um prédio de alto luxo em Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte. Entre os presos estão a secretária de Educação de Montes Claros, Marileia de

Souza, o ex-secretário de Serviços Urbanos João Ferro, o vereador Athos Mameluque (PMDB), o assessor da prefeitura Noélio Oliveira, além de empresários, funcionários da Stillus e diretores de um presídio de Três Corações, no sul de Minas, e outro em Tocantins. Dois acusados – um na capital e outro em Montes Claros – não haviam sido encontrados até o fim da tarde de ontem. Segundo o promotor Eduardo Nepomuceno, da Promotoria de Defesa do Patrimônio Público de Belo Horizonte, a investigação teve início em 2009, quando o MPE recebeu denúncia de favorecimento em licitações para fornecimento de alimentação na Cidade Administrativa, sede do governo mineiro, além de processos nas áreas de Saúde e de Segurança Pública. Ao investigar o caso, com auxílio de escutas telefônicas autorizadas pela Justiça, o MPE constatou que as sete empresas combinavam entre si preços e condições para que ao menos entre 30 e 40 licitações fossem vencidas pela Stillus. "Os sócios da Stillus abriam essas empresas e passavam a administração para outras pessoas", disse. (AE)

Ricardo Lewandowski: depois de seis meses, ministro conclui revisão do processo. Atraso para começo do julgamento será de 1 dia.

Lewandowski libera processo do Mensalão Com a ação revisada, julgamento do caso começará em 2 de agosto, sentenciou Ayres Britto, presidente do STF. Nelson Jr./STF -21.06.12

O No AP, 17 denunciados por desvios.

A

Justiça do Amapá, por meio da desembargadora Sueli Pini, afastou ontem o deputado Moisés Souza (PSC) do cargo de presidente da Assembleia Legislativa. Edinho Duarte (PP) também foi afastado. Ele ocupava o cargo de primeiro-secretário da Mesa Diretora. Os dois deputados e outras 15 pessoas, entre funcionários do Legislativo e empresários, foram denunciados pelo Ministério Público por formação de quadrilha, corrupção ativa e passiva, fraudes em licitações e lavagem de dinheiro. O MP chegou a pedir a prisão preventiva deles, mas a Justiça decidiu apenas pelo afastamento. Uma das licitações apontadas como fraudulentas pelo Ministério Público refere-se a um contrato de aluguel de veículos leves e pesados firmado pela Assembleia Legislativa com a Cooperativa de Trans-

porte de Veículos Leves e Pesados do Estado do Amapá – Cootram. Só no período de 19 de abril de 2011 a 2 de março de 2012, a Assembleia pagou à cooperativa o total de R$ 5.476.650,43 e neste mesmo período, segundo o Ministério Público, os deputados gastaram com aluguel de veículos aproximadamente R$ 5,8 milhões pagos com a verba indenizatória, elevando para mais de R$ 10 milhões o custo com aluguel de carros para uma Assembleia que possui apenas 24 deputados. Investigações do MP mostram que a Cooperativa jamais forneceu qualquer veículo para a Assembleia e que o contrato era um instrumento para lavagem de dinheiro. De Brasília, o presidente da Assembleia, Moisés Souza, disse que não foi notificado da decisão da Justiça, adiantando que recorrerá da decisão. (AE)

SECRETARIA DA SAÚDE AUTARQUIA HOSPITALAR MUNICIPAL Torna público que realizará no dia e hora a seguir determinado: Pregão Presencial nº: 113/2012 - Processo nº 2012-0.140.254-5 Objeto: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE PORTARIA, NAS DEPENDÊNCIAS DAS UNIDADES PERTENCENTES À AUTARQUIA HOSPITALAR MUNICIPAL. Data Abertura: 12/07/2012 - às 10:00 horas Endereço: Rua Frei Caneca, 1398/1402, 2º andar - Consolação - São Paulo Capital. Custo do Edital: R$ 5,85 O edital do pregão poderá ser consultado e/ou obtido no site: http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br ou no Núcleo de Licitações da Autarquia Hospitalar Municipal, situada na Rua Frei Caneca, nº 1398/1402 9º andar - Consolação - São Paulo - Capital, das 9:00 às 16:00 hs ou mediante depósito em nome da Autarquia Hospitalar Municipal - Conta Corrente: 5.415-1 Agência: 1.897-X (Banco do Brasil) - (Apresentar comprovante do depósito).

SECRETARIA DA SAÚDE DIVISÃO TÉCNICA DE SUPRIMENTOS - SMS.3 ABERTURA DE LICITAÇÕES Encontram-se abertos no Gabinete, os seguintes pregões: PREGÃO PRESENCIAL 214/2012-SMS.G, processo 2012-0.045.348-0, destinado à aquisição de licenças microsoft officeproplus 2010, para a Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI, do tipo menor preço. A sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 10:00 horas do dia 17 de julho de 2012, a cargo da 6ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. RETIRADA DE EDITAIS Os editais dos pregões acima poderão ser consultados e/ou obtidos nos endereços: http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br; www.comprasnet.gov.br, quando pregão eletrônico; ou, no gabinete da Secretaria Municipal da Saúde, na Rua General Jardim, 36 - 3º andar - Vila Buarque - São Paulo/SP - CEP 01223-010, mediante o recolhimento de taxa referente aos custos de reprografia do edital, através do DAMSP, Documento de Arrecadação do Município de São Paulo. DOCUMENTAÇÃO - PREGÃO PRESENCIAL Os documentos referentes ao credenciamento, os envelopes contendo as propostas comerciais e os documentos de habilitação das empresas interessadas, deverão ser entregues diretamente ao pregoeiro, no momento da abertura da sessão pública de pregão.

ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski avisou ontem ao presidente da Corte, Carlos Ayres Britto, que seu voto sobre o processo do mensalão está pronto, liberando o caso para ser julgado a partir do dia 2 de agosto. Após críticas sobre a demora para finalizar o voto, Lewandowski disse que foi a revisão "mais curta" da hist ó r i a d o S upremo. "A média para um réu é de seis meses. Eu fiz das tripas coração para respeitar o que foi estabelecido pela Suprema Corte. Foi o voto-revisor mais curto da história do STF, mas sem prejuízo da qualidade. Estamos prontos para o julgamento", afirmou. Ele reclamou ainda que estava sendo pressionado para entregar o voto-revisor. Ontem, ele havia dito à Folha de S. Paulo que usaria o prazo total para a revisão, que acabava na sexta-feira, dia 29, atrasando o início previsto do julgamento – 1º de agosto – em cinco dias.

Agosto

O ministro recebeu o relatório do ministro Joaquim Barbosa no fim de dezembro do ano passado e iniciou seu trabalho no início deste ano, levando cerca de seis meses para revisar a ação do mensalão, que envolve 38 réus. Com a liberação da ação penal, o julgamento sobre o caso deverá começar no dia 2 de agosto. Para que ocorresse no dia 1º, a presidência do STF teria de publicar uma edição extra do Diário Oficial de Justiçao que não ocorre. Isto ocorre porque para que o processo seja pautado é preciso, inicialmente, publicar a notícia de que o revisor do processo liberou o caso para ser julgado. Depois disso, aguarda-se 24 horas para que a acusação e a defesa sejam informadas sobre o fato e mais 48 horas para agendar o tribunal. Se a publicação acontecesse ontem, tais prazos se encerrariam na sexta-feira, último dia útil antes do recesso. O caso, portanto, poderia começar a ser julgado na primeira sessão do semestre que vem,

02

Ayres Britto: atraso de um dia para início do julgamento por impedir publicação extra do "Diário de Justiça" com a informação sobre liberação do processo

dia 1º de agosto. Mas como houve a liberação do processo por Lewandowski, o julgamento poderá começar no dia 2 de agosto, ocorrendo um atraso de apenas um dia. Confirmação – A data foi confirmada pelo presidente do STF, Ayres Britto, ao decidir pela não publicação extra do Diário da Justiça. "Com essa liberação, final-

mente está definido o cronograma de julgamento do processo, embora com um dia de atraso", afirmou o presidente do Supremo. Britto e Lewandowski vinham se estranhando há dias. Britto cobrava urgência na liberação. E Lewandowski reclamava da pressão, alegando que cumpria o prazo regulamentar. (Folhapress)

Demóstenes: votação definida. Senado acelera tramitação do caso para que processo de cassação seja decidido antes do recesso parlamentar. Andre Dusek/AE - 29.05.12

O

Senado marcou para o dia 11 de julho a votação do processo de cassação do senador Demóstenes Torres (sem partidoGO) no plenário da Casa. Com o aval de líderes partidários, o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), promete acelerar a tramitação do caso para que a decisão final sobre a perda de mandato do senador ocorra antes do recesso parlamentar de julho. Aprovado anteontem pelo Conselho de Ética, o pedido de cassação do Demóstenes precisa antes do plenário ser aprovado pela CCJ (Comissão de Constituição e Justiça). Como o regimento do Senado prevê o prazo de cinco sessões ordinárias (com votações) do plenário entre a votação no conselho e na CCJ, Sarney disse que vai convocar sessões extras na quinta-feira e na próxima segunda-feira, para

Julho

a contagem do prazo. Com a decisão, o processo será votado pela CCJ na próxima quarta-feira e, no plenário, no dia 11 de julho. "Vamos antecipar sessões sem açodamento para cumprirmos o regimento. A ideia é fazer algo que não tenha nenhum questionamento [pela defesa de Demóstenes]", afirmou o senador Eunício O l i v e i r a (PMDB-CE), presidente da Comissão. Suspeitas – O Conselho de Ética aprovou a cassação do senador Demóstenes Torres pela suspeita de atuar no Legislativo em favor do bicheiro Carlinhos Cachoeira, recebendo "vantagens indevidas" e praticando "irregularidades graves" no seu mandato. O relator no Conselho, senador Humberto Costa (PT-PE), disse que Demóstenes atuava como um "despachante de lu-

11

Demóstenes Torres: Pedro Taques (PDT-MT) será o relator do processo. xo" do bicheiro ao defender seus interesses em órgãos do governo. Também disse que Demóstenes conhecia as "atividades ilícitas" de Cachoeira, o que foi negado pelo ex-líder do Democratas no Senado. Trâmite – O senador Pedro Taques (PDT-MT) será o relator do processo contra Demóstenes na CCJ. Cabe à comissão de Justiça apenas decidir sobre a legalidade do processo – se seguiu todas as normas le-

gais durante sua tramitação na Casa legislativa, sem discutir o mérito do caso. Taques já sinalizou que vai pedir a aprovação do processo na CCJ por considerar que não houve nenhuma irregularidade pelo Senado. "Até agora, eu entendo que os trâmites foram de acordo com a Carta. Aceito a incumbência com muita honra. O trabalho será técnico, regimental e constitucional". (Folhapress)


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 27 de junho de 2012

[O projeto se uso da Lei Rouanet] Será analisado, como qualquer outro projeto que é apresentado. Ana de Holanda, ministra da Cultura.

olítica

'Lulalândia' poderá ter recursos da Lei Rouanet

O

Instituto Lula estuda a possibilidade de captar recursos através da Lei Rouanet para a construção do Memorial da Democracia em São Paulo. O projeto arquitetônico e museológico foi apresentado ontem para convidados em evento na Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp). "Talvez tenhamos de lançar mão da Lei Rouanet", admitiu Paulo Okamotto, presidente da entidade. A oferta veio da ministra da Cultura, Ana de Holanda, que esteve no evento desta manhã. Segundo a ministra, "nada impede" que o Instituto Lula faça o requerimento. "Será analisado, como qualquer outro projeto que é apresentado", afirmou a ministra. Em princípio, o Instituto Lula pretende buscar recursos da

tecipada. O recurso foi apresentado pelo PSDB e o PPS, em razão da entrevista de Lula ao Programa da emissora, ocorrida no dia 31 de maio. Segundo o advogado do PSDB, Ricardo Penteado, "a decisão é bem exemplar e importante porque demonstra claramente que a emissora realmente se envolveu na propaganda". Penteado argumenta que, além de entrevistar os petistas, foi exibido um mini-documentário sobre o Prouni, programa criado por Haddad quando era Ministro da Educação, que distribuiu bolsas de estudos em universidades particulares a alunos de baixa renda. "Exibiram documentário sobre o Prouni, que tinha formato de propaganda eleitoral", ressalta. Ainda cabe recurso à decisão. Contra – O presidente do PT, Rui Falcão, conclamou a militância a lutar contra a frente montada pelo governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), no Recife. Em depoimento no site do PT, Falcão afirma que o PT enfrenta "do outro lado, um ampla frente de aliança que tenta os derrotar". Na mensagem, ele avisa, porém, contar com a força de Lula e da presidente Dilma Rousseff. A expectativa é que Lula desembarque no Recife nas eleições. Em Pernambuco, Lula é padrinho político de Campos. O PT administra Recife há 12 anos, com apoio do PSB. Com a crise interna envolvendo o prefeito João da Costa, o PSB rompeu a aliança. (Agências)

Ministério anula mais 39 anistias

O

Ministério da Justiça anulou mais 39 anistias políticas que a Comissão de Anistia havia concedido a ex-cabos da Força Aérea Brasileira (FAB), a partir de 2002. Com isso, sobe para 172 o número de processos revogados com base na análise feita pelo grupo interministerial criado em fevereiro de 2011, com o objetivo de reavaliar ao menos 2.574 casos envolvendo ex-cabos anistiados. Na condição de anistiados, os ex-cabos desfrutam do reconhecimento oficial

de terem sido alvos de perseguição política durante o período militar, o que teria os impedido de seguir na carreira. Indignados com a anulação das decisões da Comissão de Anistia, eles lutam na Justiça para anular o processo de revisão e manter as decisões da Comissão de Anistia. Na internet o grupo está colhendo assinaturas para enviar ao Supremo Tribunal Federal (STF) um documento expondo aos ministros "os atos de injustiça que têm prevalecido contra a classe".

O Diário Oficial da União de ontem traz nove portarias ministeriais revogando as anistias concedidas aos exmilitares. A rigor, o atual processo de revisão começou em 2004, quando o ministério da Justiça revogou as anistias de 495 ex-cabos. Na ocasião, justificou-se a decisão com o argumento de que, por terem ingressado na Aeronáutica após a publicação da Portaria nº 1.104 GM3, de outubro de 1964, o grupo não podia alegar ter sido prejudicado pela norma. (ABr)

Ustra é condenado por tortura e morte de jornalista Ex-chefe do DOI-Codi deve indenizar família de Luiz Eduardo da Rocha Merlino

O

coronel reformado do Exército Carlos Alberto Brilhante Ustra foi condenado pela Justiça de São Paulo a pagar uma indenização de R$ 100 mil à família do jornalista Luiz Eduardo da Rocha Merlino, morto sob tortura em 19 de julho de 1971 nas dependências do DOI-Codi (Destacamento de Operações e Informações - Centro de Operações de Defesa Interna), núcleo de repressão do regime militar então sob comando do acusado. A condenação desrespeita a Lei de Anistia', disse o advogado de Ustra. A sentença é da juíza Claudia de Lima Menge, da 20ª Vara Cível da Capital. Cabe recurso. É o primeiro revés do coronel Ustra no âmbito judicial. O Ministério Público Federal, frequentemente, atribui ao militar torturas e mortes nos porões. De acordo com a sentença, Brilhante Ustra terá que pagar R$ 50 mil a Regina Maria Merlino Dias de Almeida, irmã da vítima, e a Angela

Memorial da Democracia, a ser erguido na região da Cracolândia, deverá contar com apoio da iniciativa privada, mas o Instituto Lula poderá buscar incentivo na legislação para viabilizar a obra, que custará entre R$ 50 e R$ 100 milhões. Projeto foi apresentado ontem.

Reprodução/Instituto Lula

iniciativa privada. "Ainda vamos discutir como vamos levantar os recursos para poder construir esse museu. Certamente, mais lá para a frente, pode aparecer a possibilidade de usar a legislação pertinente para viabilizar a construção e a manutenção do museu", acrescentou Okamotto. Estima-se que a obra custe entre R$ 50 e R$ 100 milhões. A ideia do museu é abrigar a história das lutas do povo brasileiro pela democracia. O acervo pessoal do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também será abrigado em um dos blocos do prédio. O museu, que será instalado em um terreno concedido pela prefeitura na região da Cracolândia, deverá ficar pronto em três anos. Multa – A Justiça Eleitoral multou ontem o ex-presidente Lula, o pré-candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, o SBT e o apresentador Carlos Roberto Massa, o Ratinho, em R$ 5 mil cada por propaganda eleitoral an-

Instituto Lula

O ex-presidente Lula e o ex-ministro Paulo Vannuchi (Direitos Humanos) acompanharam o lançamento do Memorial, ontem, no auditório da Fiesp.

7

Maria Mendes de Almeida, sua companheira. "Evidentes os excessos cometidos pelo requerido (Ustra), diante dos depoimentos no sentido de que, na maior parte das vezes, o requerido participava das sessões de tortura e, inclusive, dirigia e calibrava intensidade e duração dos golpes e as várias opções de instrumentos utilizados", asssinala a juíza. "Mesmo que assim não fosse, na qualidade de comandante da-

quela unidade militar, não é minimamente crível que o requerido não conhecesse a dinâmica do trabalho e a brutalidade do tratamento dispensado aos presos políticos. É o quanto basta para reconhecer a culpa do requerido pelos sofrimentos infligidos a Luiz Eduardo e pela morte dele que se seguiu, por opção do próprio demandado, fatos em razão dos quais, experimentaram as autoras expressivos danos morais". (AE)

Tasso Marcelo/AE - 07.08.08

Carlos Alberto Brilhante Ustra: primeiro revés na Justiça.

Na planta: perspectiva de uma das alas do Memorial, cuja maquete já está pronta.

Código Florestal não deverá mudar Quatro ministros defenderam ontem vetos e alterações do Palácio do Planalto

Q

uase um mês depois da publicação da Medida Provisória (MP) 571/12, que define as novas regras do Código Florestal brasileiro, quatro ministros prestaram informações sobre os vetos e alterações feitos pelo Poder Executivo à proposta que tramitou por quase três anos no Congresso Nacional. Diante das críticas da bancada ruralista, a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, disse que o novo texto

que voltou para avaliação do Legislativo traz segurança jurídica e ambiental ao campo. As informações são da Agência Brasil. "[A MP] não anistia quem cometeu crime, traz todos para dentro da lei e faz com que possamos avançar nas reservas legais e cria instrumentos para incremento da produtividade agrícola'', disse ela. Izabella Teixeira acrescentou que o governo ouviu diversos segmentos da sociedade

civil e considerou todas as contribuições conquistadas no Congresso. "Não se planta sem meio ambiente. O meio ambiente é uma forma de assegurar produção. Todos os produtores querem recuperar'', acrescentou. O ministro do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas, reiterou o discurso. Ele garante que o texto sob nova avaliação, consolida propostas da Câmara e do Senado e aperfeiçoa as regras. (Folhapress)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

quarta-feira, 27 de junho de 2012

EGITO Tribunal egípcio diz que Exército não pode mais prender civis

nternacional

DEBBY Tempestade tropical perde força ao cruzar a Flórida de oeste para leste

Marcos Brindicci/Reuters

Federico Franco (à direita) ao lado do presidente do Senado e o novo ministro das Finanças durante cerimônia em Assunção ontem.

Franco: prioridade é evitar guerra civil. Novo presidente paraguaio diz que relação do país com a comunidade internacional está em segundo plano

O

novo presidente do Paraguai, Federico Franco, declarou ontem que sua prioridade é evitar que o país entre numa "guerra civil" após a destituição de seu antecessor, Fernando Lugo, e que a relação do país com a comunidade internacional está em segundo plano. "Sou responsável por garantir que não haverá uma guerra civil", disse Franco. Ele reafirmou que assumiu o cargo para preencher o vácuo deixado pela saída de Lugo, na sexta-feira, e afirmou que o Paraguai está na mais absoluta normalidade. Lugo desistiu de participar

da cúpula do Mercosul, que acontece na sexta-feira na Argentina, para não pressionar os presidentes do bloco. O novo governo paraguaio já havia advertido o presidente deposto que ele poderia ser processado caso tentasse representar o país ou interviesse nas deliberações da reunião. Em entrevista ontem, Lugo disse que somente um milagre pode fazê-lo retornar ao poder, pois as portas jurídicas e políticas foram fechadas. Ele anunciou, no entanto, que fará uma cruzada para explicar ao povo paraguaio os bastidores do julgamento político relâmpago que o tirou da Presidência.

"No âmbito legal, todas as portas se fecharam quando deram a constitucionalidade do processo e o reconhecimento da justiça eleitoral. Legalmente não existe um caminho para reverter esta situação." Em busca de apoio do Brasil para o novo governo de Assunção, uma comissão do Congresso e de empresários paraguaios esteve ontem em Brasília para conversar com parlamentares brasileiros e explicar o processo de impeachment. O grupo acusou o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, de ter tentado levantar as forças armadas do Paraguai contra os congressistas,

para impedir o processo de impeachment de Lugo. O senador Fernando Collor de Mello (PTB-AL), ex-presidente da República que deixou o cargo após processo de impeachment, defendeu a ação do Congresso do Paraguai e disse que não houve "quebra da legalidade" nem "golpe de Estado", uma vez que a Constituição do país vizinho prevê o impeachment aprovado pelo Congresso. Na opinião de Collor, o Brasil ficou "a reboque de iniciativas mais radicais", como a da Argentina e da Venezuela, que retiraram os embaixadores do Paraguai. (Agências)

Umit Betkas/Reuters

Turquia X Assad

A

Turquia alertou que qualquer unidade militar síria que se aproxime de sua fronteira será tratada como uma ameaça direta, em mais um sinal da crescente tensão entre os dois países depois que forças do ditador Bashar al-Assad abateram um avião militar turco na semana passada. Os aliados da Turquia na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) expressaram solidariedade a Ancara e condenaram o ataque sírio, mas não fizeram menção de ações retaliatórias contra a Síria.

EUA ocupando aeroportos estrangeiros N

ão se surpreenda se algum dia você chegar em um dos grandes aeroportos brasileiros e encontrar um oficial do Departamento de Segurança dos Estados Unidos autorizado a examinar seus documentos e perguntar o que você está levando em sua bagagem. Trata-se de um novo programa da administração Obama cujo objetivo, informa o governo, é agilizar as viagens e facilitar a vida dos passageiros considerados como "de baixo risco". Segundo o programa, os que são fiscalizados no aeroporto de origem estarão

Paulo Nunes dos Santos/The New York Times

Oficiais norte-americanos no aeroporto de Shannon, na Irlanda. livres da burocracia na chegada a solo norteamericano, podendo sair direto do avião para fora do terminal. A foto acima mostra um

oficial de segurança dos EUA verificando os documentos de um passageiro antes da partida do voo do aeroporto de Shannon, na Irlanda, para os Estados Unidos. Além da

Irlanda, outros 14 países já teriam concordado com a presença americana em seus aeroportos. Oficiais armados – Em alguns casos, países que aderiram ao programa concordaram em permitir a presença de oficiais norteamericanos armados em seus aeroportos, com poderes para deter ou retirar passageiros de voos. Por trás da intenção de facilitar a vida do passageiro, tudo indica que há um objetivo maior: o de garantir a segurança dos EUA a partir de uma checagem na origem, evitando o embarque de explosivos e/ou terroristas.

Mesmo doente, Chávez insiste na reeleição. Dúvida sobre futuro de presidente deixa aqueles que o amam ou odeiam imaginando quem ocupará seu lugar caso a saúde o tire do cargo William Neuman*

O

presidente Hugo Chávez é o indiscutível showman da política venezuelana, seu elemento supremo. Ele cria leis por conta própria, com o traço de uma caneta. Ele expropria prédios e empresas com um acenar de mãos. Seu rosto aparece sorrindo em outdoors e cartazes. Ele publica seus pensamentos no Twitter. Ele fala na televisão por quatro horas seguidas. Ele até canta e dança. Mas após quase 14 anos como presidente da Venezuela, Chávez está enfrentando o câncer enquanto entra numa acalorada campanha de reeleição – deixando muitos daqueles que o amam ou odeiam imaginando quem ocupará seu lugar caso a saúde o tire do cargo, seja antes ou depois das eleições de 7 de outubro. Uma transição tão brusca seria difícil em qualquer país – mas ainda mais aqui, onde Chávez construiu um estado que gira em torno de sua personalidade descomunal e onde não surgiu nenhum sucessor claro. Necrófilos – "Aqui estou eu mais uma vez!" disse Chávez, de 57 anos, a um grande grupo de apoiadores numa segunda-feira de junho, após registrar-se formalmente como candidato. Ele pouco foi visto nos últimos meses, devido à sua doença, mas descartou os rumores "necrófilos" – em suas próprias palavras – de que ele estaria perto da morte e procurando por um sucessor, e previu que venceria a reeleição por nocaute. Um dia antes, o oponente de Chávez, Henrique Capriles Radonski, de 39 anos, conduziu uma multidão numa marcha de 10 quilômetros por Caracas, que parecia voltada a enfatizar o contraste entre seu vigor e juventude e a frágil saúde de Chávez. Chávez foi até seu local de discurso numa plataforma sobre um caminhão de campanha – mas então, numa demonstração de resistência, falou energicamente por mais de duas horas de 45 minutos. "Eles têm um grande problema", disse Armando Briquet, o gerente de campanha de Capriles, que em ju-

nho se afastou de seu cargo de governador do estado. "Chávez é como um daqueles negócios familiares onde o chefe da família não deixa nenhum de seus filhos crescer profissionalmente e assumir seu lugar." Assim como Chávez se recusou a divulgar detalhes de sua doença, ele evitou nomear um sucessor político – o que gerou muitas dúvidas, especialmente entre seus críticos, sobre quem seria o próximo da fila. No escuro – "Estamos todos no escuro", explicou Carolina Fontalvo, de 33 anos, uma garçonete que antes apoiava Chávez e que hoje pretende votar contra ele. "É como se eles quisessem manter as pessoas adivinhando." Pedro Diaz, um contador de 63 anos, afirmou que a instabilidade da situação política o fazia sentir-se impotente e ansioso. "Sinto no meu estômago." No entanto, para os verdadeiros crentes do chavismo, qualquer conversa sobre possíveis sucessores é imediatamente rejeitada. "Teremos Chávez até dois mil e sempre", garantiu Edelio Rebolledo, de 76 anos, um funcionário público aposentado. "Chávez será o candidato. E esqueça o resto." Os tratamentos contra o câncer o enfraqueceram e colocaram-no em reclusão, o que gerou uma nova rodada de especulações sobre o que aconteceria se ele estivesse doente demais para concorrer à reeleição. Os oponentes de Chávez vêm dedicando inúmeras páginas de jornal e horas de televisão para discutir as possibilidades. Pela constituição, se um presidente abandona o cargo ou morre nos primeiros quatro anos do mandato de seis, o vice-presidente assume seu lugar e novas eleições precisam ser organizadas em 30 dias. Isso significa que a escolha de Chávez quanto ao vice-presidente, um cargo nomeado, pode oferecer a indicação mais clara de quem ele gostaria de ver seguindo seus passos. O maior obstáculo pode ser a realidade política altamente personalizada criada por ele. *The New York Times


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 27 de junho de 2012

c

9 Paulo Pampolin/Hype

CHIMPANZÉ GANHA COBERTOR No Zoológico de São Paulo, o inverno exige cuidado especial com os animais. Eles recebem reforço na alimentação, que passa a ser mais calórica.

idades

Nem só de metrô vive o bom transporte Em reunião na ACSP, especialista defende a criação de outros modelos de transporte público na capital paulista, como um sistema de ônibus executivo. Chico Ferreira/Luz

Ivan Ventura

Diego Padgurschi/Folhapress -14/03/2012

O

primeiro presidente da história da Companhia do Metropolitano de São P a u l o ( M e t r ô ) , P l í n i o A s smann, defendeu ontem a criação de um sistema de ônibus executivo, com diversos serviços à disposição do usuário (segundo ele, um serviço "on demand"), com o objetivo de competir com os carros na cidade. Seria cobrada uma tarifa superior à dos ônibus comuns que circulam na Capital (atualmente R$ 3). A ideia foi lançada na reunião do Conselho de Política Urbana (CPU) da Associação Comercial de São Paulo. Estudioso dos temas ligados ao transporte urbano, Assmann (um dos criadores e o primeiro presidente da Associação Nacional de Transporte Público – ANTP) falou da necessidade de investimentos simultâneos em vários modais de transporte (metrô, metrô leve, ônibus e o próprio ônibus executivo). Tais investimentos englobariam também o transporte de mercadorias. "Este ano o comércio sofreu restrições para a circulação de mercadorias. Não seria o caso de investirmos no Rodoanel, ferroanel e hidroanel para o transporte de mercadorias? Seria uma integração dessas formas", disse o presidente da Associação Comercial de São Paulo, Rogério Amato. O vice-presidente da ACSP

PARA ANIMAIS O plenário da Câmara aprovou projeto que permite genéricos para uso veterinário.

Metrô de São Paulo caminha para o seu limite, afirma especialista.

Da esquerda para a direita, Plínio Assmann, Rogério Amato e Antonio Carlos Pela, em reunião na ACSP. e coordenador da CPU, Antonio Carlos Pela, também defendeu o investimento simultâneo no transporte público. "É um conjunto de ações em todos os modais. Sejam eles VLT, metrô, hidrovias e tantos outros. São Paulo necessita desses investimentos", explicou Pela. A seguir, leia trechos da entrevista de Assmann concedida ao Diário do Comércio. Diário do Comércio - Qual é o

Ó RBITA

TRANSPLANTE Nova técnica de transplante de cartilagem de joelho é utilizada no HC desde abril.

modelo de transporte que o senhor defende? Plínio Assmann – Nós temos um gigantesco problema da indústria de automóveis, dinâmica incentivada por uma legislação federal, competitiva e que induz a um aumento do transporte individual na cidade. O sistema metroviário não cresce, de modo que a mobilidade urbana é baixa. A proposta a fazer é simples e ao alcance da próxima gestão da Prefeitura de São Paulo. Aliás, eu estou fa-

zendo essa proposta em todos os foros que eu posso. Trata-se da criação de um sistema de transporte por ônibus de qualidade, suficiente para ser competitivo com o automóvel. É possível. O equipamento já existe fora do País e sem esquecer das melhorias do sistema viário que nós temos. Ele precisa ser melhorado. DC - Como seria implantado esse sistema de ônibus? É semelhante ao fretado?

Assmann - Primeiro, a Prefeitura tem que se organizar e entender-se com o modelo empresarial que hoje em dia prevalece nesse transporte por ônibus. Escolhido o modelo, entra o veículo. Não é necessariamente um ônibus, mas um equipamento conforme a demanda. Para certos lugares seriam colocados micro-ônibus, mas com um serviço diferenciado e, evidentemente, com uma tarifa maior. No entanto, ela será paga com o próprio Bilhete Único, mas terá conforto para o usuário, com televisão, um jornal ou revista, entre outras coisas. É um serviço "on demand", ou seja, a pedido. Para chamá-lo haveria um sistema parecido com um táxi, inclusive possibilitando o embarque próximo à casa do usuário.

DC - Como o senhor analisa a expansão do metrô? Assmann – O metrô tem um limite para cada linha e estamos nesse limite. Não dá mais. Cada linha nova atrai aproximadamente um milhão de pessoas, no mínimo. O sistema como um todo tem um limite para dez linhas. Já estamos indo para a sexta linha. Imagino que com dez linhas estaremos chegando ao limite de captação de novos usuários. DC - Mas há projetos de expansão do metrô para a Grande São Paulo. O problema não seria ainda maior para o sistema? Assmann – Na Grande São Paulo é outro modelo, mais semelhante ao da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) voltado a grandes distâncias. O metrô é um sistema parador.

Frio no Zoo: cobertores e dieta forte. Apesar de adaptados ao clima paulistano, animais recebem atenção especial nos meses de inverno. Fotos de Paulo Pampolin/Hype

Mariana Missiaggia

Cristiano Novais/AE

A

DOIS ÔNIBUS INCENDIADOS

D

ois ônibus foram incendiados entre a noite de anteontem e a madrugada de ontem nas zonas leste e sul de São Paulo. Esse é o sexto coletivo atacado desde o último dia 13. Ninguém ficou ferido. O ataque de ontem (foto) ocorreu na rua Professor Arnaldo João Semeraro, no Jardim Santa Emília, zona sul. O ônibus estava parado no ponto final da linha Parque Bristol, quando

quatro homens se aproximaram. O grupo utilizou um pequeno maçarico para atear fogo ao coletivo e fugiu a pé. O ônibus ficou destruído. A polícia fez buscas na região, mas nenhum suspeito foi preso. Na noite de ontem, outro ônibus foi incendiado por quatro jovens próximo à avenida Arquiteto Vila Nova Artigas, no Jardim Tietê, zona leste de São Paulo. (Folhapress)

COCA-COLA RELACIONADA A CÂNCER

A

Coca-Cola vendida em vários países, inclusive no Brasil, ainda apresenta níveis elevados de uma substância química associada a casos de câncer em animais, e que já foi praticamente eliminada na versão comercializada na Califórnia, informou o Centro para a Ciência no Interesse Público, com sede nos Estados Unidos. Amostras recolhidas em nove países mostraram "quantidades alarmantes" da substância 4metilimidazole (ou 4-MI),

na composição do corante caramelo. Níveis elevados dessa substância foram relacionados ao câncer em animais. Em março, a Coca-Cola e sua rival PepsiCo anunciaram ter pedido aos fornecedores do corante para que alterassem seu processo industrial, de modo a atender a uma regra aprovada em um plebiscito na Califórnia para limitar a exposição de consumidores a substâncias tóxicas. (Agências)

estação mais fria do ano também exige cuidados dobrados com os animais. No Zoológico de São Paulo, na zona sul, biólogos e técnicos já começaram a modificar a rotina da bicharada para livrá-los do frio e de possíveis doenças. Cobertores, camas de feno, dieta reforçada e aquecedores são algumas das mudanças que o inverno traz para o dia a dia do Zoo de São Paulo. “Cada espécie tem sua necessidade, mas a mudança que eles têm em comum é a alimentação. O aumento no consumo geral da dieta, com itens mais calóricos, garante o gasto extra de energia durante o inverno para que os animais mantenham a temperatura de seus corpos”, explica a bióloga do Zoo de São Paulo, Inaiá Sedenho Manoel, de 31 anos. Segundo ela, os répteis e os anfíbios, animais de sangue frio, exigem mais cuidados no inverno, já que a temperatura de seus corpos varia de acordo com a do ambiente. Então, os aquecedores passam a integrar os recintos desses bichos, deixando a temperatura entre 24°C e 25°C. “Usamos distintos tipos de aquecedores. Para espécies aquáticas, colocamos na água. Para os terrestres, no ar. Em alguns casos, aquecemos somente alguns pontos do recinto, para que o animal procure abrigo, se desejar”, disse a bióloga. Ela também alertou que essas mesmas espécies podem sofrer com a baixa umidade do ar, por conta do

O flamingo se encolhe todo: no frio, animais de penas exigem vigilância para evitar pneumonia.

Chimpanzés recebem cobertores para se proteger nos dias frios aquecimento. Por isso, umidificadores são instalados em alguns ambientes e borrifa-se água no habitat dos animais. Sem esses cuidados, a digestão dos répteis e anfíbios pode ser comprometida. Já com as aves, a preocupação é outra. Cortinas plásticas são colocadas ao redor dos viveiros, para segurar o vento forte. Apesar da proteção que as penas oferecem, nem sempre elas são suficientes e alguns problemas respiratórios, como pneumonia, podem surgir. A alimentação das

aves é enriquecida com sementes oleaginosas, como as de girassol, além de milho, castanha e amêndoas. Outra preocupação fundamental dos técnicos do Setor de Aves é realizar diversas rondas diárias para observálas e, ocasionalmente, detectar qualquer deficiência respiratória. Mamíferos como os chimpanzés recebem camas de feno e cobertores para se cobrirem. Nas refeições, as capas de gordura das carnes - que somem da dieta no verão ressurgem no inverno. Os

picolés de frutas são substituídos por muita banana, coco e mel. Se chover forte, os animais são recolhidos para seu habitat noturno. Outro recurso muito utilizado (e que é uma característica própria dos primatas) se assemelha a algumas ações dos humanos. Mesmo rodeados por feno e cobertas, os primatas buscam um cantinho banhado pelo sol e, assim, garantem um descanso caloroso, enquanto que os jacarés, as tartarugas e os cágados são exceções: eles permanecem a maior parte do tempo dentro da água. Apesar de usarem e abusarem de todos esses mimos, Inaiá garante que o inverno não traz sofrimento para os habitantes do Zoo. “Eles já se adaptaram ao clima de São Paulo. Além disso, muitos animais vieram de países com temperaturas baixas, então estão habituados ao frio”, disse.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10

3

º

quarta-feira, 27 de junho de 2012

NOVE HORAS NA ESCOLA Os 90 alunos do ensino médio cumprem jornada diária de nove horas. Além das aulas, alimentação, uniforme e material didático.

setor Fotos: Newton Santos/Hype

Da esquerda para a direita, as jovens Ana Paula, Flávia, Edivânia e Renata, e os rapazes, Douglas, Erick e Diego. Todos na universidade.

Uma escola que faz crescer A Associação Crescer Sempre, há 21 anos mantida por uma seguradora em Paraisópolis, aprova alunos em universidades públicas e com altas notas no Sisu. Kelly Ferreira

O

s jovens Douglas Ribeiro, Diego Sampaio, Ana Paula Soares, Renata Oliveira, Flávia Aquino, Edivânia Neves e Erick Teles, com 17 e 18 anos, já escolheram suas profissões. Alguns vão buscar oportunidades na área de humanas e outros preferiram a de exatas. Até então nada de diferente de muitos outros estudantes, se não fosse vários pontos que os aproximam: são moradores de Paraisópolis – a segunda maior favela da cidade de São Paulo –, foram aprovados em vestibulares de universidades federais ou receberam 100% de bolsa pelo excelente desempenho no Sisu (Sistema de Seleção Unificada do MEC). Além do lado acadêmico, aprenderam a expor suas ideias sem desrespeitar as dos demais e brigam por seus direitos. Mais um item em comum: todos são ex-alunos do ensino médio da escola da Associação Crescer Sempre, mantida pela seguradora Porto Seguro, há 21 anos, na comunidade de Paraisópolis. Diferente das outras escolas públicas, na Crescer Sempre o período de aula é integral, alunos e professores interagem constantemente, estudantes participam de atividades em todo o período, aprendem a impor suas opiniões, a respeitar a das outras pessoas e têm o apoio

Professora com alunos do ensino infantil. A escola surgiu para atender os pequeninos, que não conseguiam vagas em escolas da região.

tecnológico de um netbook, doado pela escola, e internet grátis para fazerem pesquisas. “A responsabilidade, o comprometimento dos professores e, consequentemente, dos alunos, é o segredo de termos turmas de jovens com a cabeça aberta, que sabem defender seus ideais", explica a diretora da Associação Crescer Sempre, Terezinha Paladino. O segredo, segundo ela, está na gestão que proporciona o compartilhamento de ideias e de opiniões entre os envolvidos no projeto. "Não basta apenas passar conhecimento, tem que ser amigo do aluno. Mas sempre na dosagem certa, é claro”.

Atenção – Para Diego Sampaio, de 18 anos, que faz o curso de Letras na Universidade Federal do Estado de São Paulo (Unifesp), a atenção dos professores foi fundamental para chegar onde está. “Eles não eram somente professores, iguais aos que eu tinha quando estudava em outro colégio público, que entravam na sala, passavam a matéria e pronto. Na Crescer Sempre os professores são orientadores, se interessam e isso me motivava a querer aprender sempre mais”, disse. A opinião de Diego é compartilhada por Douglas Ribeiro, também de 18 anos, que

Aula interativa com os alunos da educação infantil. Criada em 1998, a Crescer Sempre atende hoje 500 crianças, entre 4 e 6 anos, em dois períodos.

estuda Lazer e Turismo na Uni- criava o ensino médio, que versidade de São Paulo (USP). atende hoje 90 alunos que “O desenvolvimento do censo cumprem jornada diária de crítico na Crescer Sempre foi nove horas e recebem ensino, fundamental para estudar ho- alimentação, uniforme e maje na USP. Nos três anos do en- terial didático. Cada um deles sino médio não aprendi ape- tem também direito a um netnas as matérias da grade cur- book, que fica na escola, e poricular, aprendi a respeitar a de ser usado diariamente. A opinião das outras pessoas, a Internet para acesso é grátis. não me sentir melhor do que Para atender à proposta peninguém e a querer sempre dagógica do ensino médio, os mais”, disse. alunos têm três 3 salas de auProjeto – O projeto da Asso- la, bem equipadas, com capaciação Crescer Sempre foi cidade para 35 alunos por turcriado pela ma. Os estuPorto Seguro dantes têm à S eg ur ad or a disposição em 1991 dentambém sala tro do prograde leitura, inma Educação formática, arem Parceria. tes, laboratóO objetivo inirio, quadra cial era conesportiva, retribuir para a feitório e esmelhoria da paço de conqualidade do vivência. ensino nas "Além da e s c o l a s p úg r a d e c u r r ib l i c a s e s t acular normal duais do bairdo ensino ro de Paraisómédio, tivepolis, na zona mos aula soO sul da cidade. b r e o r i e n t acomprometimento A primeira ção de estudos professores e parceria, do e sobre dos alunos é o com a Escola profissões. segredo. Estadual ProFizemos pesfessora EtelTEREZINHA PALADINO, DIRETORA quisas e dinâvina de Góes micas de gruDA ASSOCIAÇÃO CRESCER Marcucci, po a respeito SEMPRE deu tão certo de várias que logo o á r e a s d e projeto foi levado para outra atuação. Aprendemos a monescola da comunidade. tar um bom currículo e tiveOs professores envolvidos mos dicas de comportamencom o projeto notaram então to em entrevistas de empreque as vagas nas escolas de go. Isso pode até parecer simeducação infantil não eram ples, mas está nos ajudando suficientes para atender as muito na vida”, disse Flávia crianças da comunidade. Um Aquino, de 18 anos, que estuproblema que passou a dimi- da Química na Unifesp. nuir a partir de 1998, com o nascimento d a A s s o c i ação Crescer S e m p r e E scola de Educação Infantil. Hoje, a Crescer Sempre atende 500 crianças, entre 4 e 6 anos, em dois períodos. Dez anos depois, a asBiblioteca: a escola tem também sala de informática e de artes. sociação


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 27 de junho de 2012

e

11

sporte

NO FOGO DA BOMBONERA Na primeira partida decisiva da Libertadores, hoje, às 21h50, o Timão encara, além do Boca, um temível adversário: o alçapão portenho. Dino Sani que o diga.

José Maria dos Santos

Marcio Nel Cimatti/Folhapress

A

" ...viejo Boca vencedor Y en los campos de combate És glorioso tu pendón" Cabeça fresca, Corinthians – Este é o conselho de Dino Sani, 80 anos, campeão do mundo em 1958, ex-ídolo, nos anos 60, do Boca e do Corinthians, do qual foi técnico em 1969/70. Diário do Comércio - La Bombonera tem a fama de ser um alçapão quase invencível... Dino Sani - É o peso psicológico da sua conformação vertical acentuada. Parece que todos

Arquivo

/AE

La Bombonera, campo do Boca, é um velho conhecido do campeão mundial Dino Sani, que defendeu o Corinthians nos anos 60 (à esq.) e foi treinador do clube: "A torcida faz um barulho ensurdecedor. Ela fica em cima do campo".

Juani Roncoroni/Ag. O Globo

Moacyr Lopes Junior/Folhapress-06/05/2008

lém de medir forças com a equipe do Boca Juniors, o Corinthians terá outro adversário de respeito pela frente hoje à noite em Buenos Aires, na primeira partida da final da Libertadores da América, às 21h50. É um endereço: Calle Brandsen, 805, La Boca. Ali fica o Estádio Alberto Jacinto Armando. Seu nome oficial – homenagem a um ex-presidente do clube – nada significa até que seu apelido seja pronunciado: La Bombonera. Ali, o diabo do futebol juntou a hinchada (torcida) mais aguerrida que possa existir – conhecida como La 12 – a uma arquitetura apropriada para esmorecer os adversários. O estádio se coloca em uma posição vertical, produzindo um fenômeno acústico que faz dele uma ensurdecedora caixa de ressonância multiplicadora dos milhares de decibéis produzidos pelos hinchas, como o ex-craque Dino Sani explicará. Certamente o arquiteto Viktor Sulcic não teve essa preocupação ao projetá-lo em 1923. Movia-o a falta de espaço que o fez criar os três anéis. Diz a lenda que, por coincidência, Viktor ganhou uma caixa de bom-bons ao r i s c a r o s p r imeiros traços. O presente, além de inspirar-lhe o formato do estádio, ainda gerou a célebre designação. Mais tarde, o apelido foi reforçado por uma característica que marca boa parte dos torcedores boqueños: cabecitas negras. É uma referência pejorativa aos cabelos pretos dos descendentes de índios, cuja presença nas arquibancadas lembrava uma caixa aberta de bom-bons. Se cabecitas é uma expressão provocadora, a denominação xeneizes abre sorrisos no rosto da hinchada. Vem a ser uma palavra do dialeto da Ligúria, região do noroeste da Itália onde fica a cidade de Gênova, que significa genoveses. Dali vieram, com a cara e coragem do conterrâneo Cristóvão Colombo, no século XIX, os imigrantes italianos que iriam povoar e formar o bairro de La Boca ao redor do porto, à beira da boca do Rio Prata. Naturalmente, La Bombonera é o seu coração. Em 1882, na esteira de uma greve, o bairro se sublevou, criou uma bandeira – cruz de Savóia (vermelha) sob fundo branco – e tentou negociar com o então rei italiano Victor Emanuel III o reconhecimento de um protetorado em território argentino. A situação não desandou graças à habilidade diplomática do presidente argentino Júlio Roca (1843-1914). Mas tais fervores guerreiros, a julgar pela terminologia bélica do hino do Boca, cantado incansavelmente pela hinchada durante as partidas, deitaram raízes.

os sons vêm de cima para baixo e ficam reverberando no nível do chão. E a torcida do Boca faz um barulho ensurdecedor. Ela fica em cima do campo e sabe que isso pode atrapalhar o visitante. Me lembro que não dava para falar com um companheiro a dois metros de distância. DC - É uma torcida mais agitada do que a Fiel? Dino - Muito mais. Ficam batendo os pés. O estádio treme, o chão treme. Se o visitante não tiver cabeça, é envolvido por esse ambiente pesado. Mas um time, para ser campeão, precisa dominar seus nervos. DC - Mas o Corinthians é passional. E existe ainda essa obsessão em ser campeão da Libertadores. E tem ainda o La Bombonera. Como se controlar? Dino - O técnico – todos técnicos, não estou falando de Tite – tem um papel fundamental. É ele quem precisa acalmar e estabilizar o grupo, independentemente de esquemas de jogo. Ele é a referência. DC - Como você fazia? Dino - Todo técnico precisa trabalhar a auto-estima da equipe e suas vulnerabilidades. Têm que dizer: "Nós chegamos até aqui porque somos os melhores. É só fazer aquilo que sabemos e partir para cima". Dito assim parece banal. Mas tem outro significado naquele momento. O importante é o time entrar de cabeça erguida.

DC - Mas e no caso de eventuais vulnerabilidades? Dino - É outro papel essencial do técnico: observar nos treinamentos e na concentração quem está sentindo mais o peso, quem está cabisbaixo e quem está entusiasmado. Tudo isso é importante para aproveitar o positivo e eliminar o negativo. Veja o Danilo. Num momento difícil do jogo, empatou com tranquilidade contra o Santos. Parou a bola, viu como o goleiro estava saindo do gol e colocou-a fora do seu alcance. Ele indica ter domínio dos nervos, acaba se tornando uma peça-chave. O goleiro também é importante para acalmar devido a sua posição e a representação na equipe. É a última barreira. Esse rapaz, o Cássio, aparenta serenidade. DC - La Bombonera é um campo pequeno. Tem as dimensões mínima exigidas pela FIFA (105 X 68m). Isto não ajudaria o Corinthians, que é um time que joga compacto e pode ocupar o espaço ? Dino - Eu acho que é pior. O campo pequeno vai aumentar a pressão do Boca. E eles vão vir para cima. Um campo maior seria excelente. DC - Quer dizer que a chave é ter a cabeça no lugar? Dino - Sim. Mas eu acho que o Corinthians deveria ficar em Montevidéu. Buenos Aires fica a uns 20 minutos de vôo. Em Buenos Aires pode haver muita pressão no hotel e nas ruas.

Torcedores do Boca e do Corinthians nos arredores do estádio La Bombonera, em Buenos Aires.

'La invasión' corintiana Guilherme Carvalho

A

Bombonera ficou pequena para a primeira vez do Corinthians em uma decisão de Libertadores. Os 2.450 ingressos reservados pela diretoria do Boca à torcida corintiana já estão praticamente comprometidos e muita gente que estava disposta à viajar para Buenos Aires terá de ver o jogo histórico pela TV. O montante de ingressos até poderia ter sido maior, mas o Boca resolveu ceder aos corintianos a mesma quantidade destinada à sua torcida no jogo de volta, na próxima quarta-feira, no Pacaembu. Aliás, os ingressos para a segunda partida começaram a ser vendidos ontem no site fieltorcedor.com.br e em poucos minutos já estavam esgotadas as entradas para os setores V.I.P., cadeira laranja e numerada. Dos 2.450 ingressos destinados ao Timão para hoje, 1.500 foram repassados pelo clube às torcidas organizadas. A diretoria cedeu os ingressos e prometeu bancar os ônibus – 17 partiram no final da tarde

anteontem e devem chegar hoje a Buenos Aires. Todos com os 46 lugares ocupados (782 torcedores). "É a final dos sonhos, dois times do povo. Pena que faltou ingresso, muita gente ficou de fora", lamentou Alexsandro Silva, presidente da Camisa 12, que lotou três ônibus. A Gaviões da Fiel ocupou outros oito, fora os associados que preferiram ir de avião, bancando a viagem. Alguns até sem ingresso, como é o caso de Eduardo. "Vou de avião e lá vou tentar arranjar ingresso. Não dá para perder esse jogo", disse o torcedor que não revelou o nome completo. A diretoria do Corinthians reservou outros 600 ingressos para a agência oficial do clube, a Vai Corinthians, que disponibilizou os pacotes (ingresso, hospedagem, passagens, traslado e kit torcedor) por R$ 4.320. Mesmo custando quase três vezes mais que um pacote convencional para Bueno Aires, todos foram vendidos em uma hora e mais de 10 mil pessoas manifestaram interesse. Os 600 felizardos foram escolhidos pela ordem dos pedidos. Segundo a agência, o jogo

aumentou a procura por passagens aéreas e seus preços. "Tivemos um ligeiro incremento nas vendas em comparação ao mesmo período do ano passado", revelou Ulisses Koketu, assessor de imprensa da Gol. A companhia também fechou contrato com duas agências e dois Boeing 737, que comportam 187 passageiros cada, levarão torcedores do Corinthians. Os voos partem hoje e retornam amanhã. Tanto na Gol quanto na TAM restavam poucas vagas para essa semana e a passagem não saía por menos de R$ 1000. Já no Terminal Rodoviário do Tietê, a Crucero Del Norte e a Pluma, as duas companhias que fazem o trajeto SP-Buenos Aires, tiveram movimento normal. O movimento nas lojas do Corinthians também aumentou. A rede Poderoso Timão registrou acréscimo de 60% nas vendas desde a semifinal contra o Santos. Segundo Mayumi Barbosa, gerente da loja do Parque São Jorge, o produto mais procurado é a camisa do goleiro Cássio, que assumiu a condição de titular nas oitavas-de-final e caiu nas graças da torcida.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 27 de junho de 2012

www.dcomercio.com.br

Logo Logo

12

Cheios de charme Fotos de cães e gatos sempre atraem os fãs de pets. Fotos de cães e gatos imitando seres humanos em alguma medida, então, mais ainda. Para explorar essa atração incontrolável, o site Cutest Paw fez uma seleção das 30 melhores imagens desses animais usando óculos. Armações engraçadas, olhares significativos, lentes especiais, proteção contra os raios UVA e UVB dão um toque ainda mais engraçado e divertido às imagens. Veja a seleção completa no link abaixo. http://bit.ly/KYYrOC

T ECNOLOGIA F OTOGRAFIA

C ELEBRIDADES

O cérebro do Google

P

esquisadores do chamado "laboratório secreto" do Google, o Google X, criaram um cérebro artificial capaz de aprender e simular o pensamento humano. A informação foi divulgada ontem pelo jornal norteamericano The New York Times (NYT). O Google X é a área da empresa responsável por projetos como os óculos de realidade aumentada e o carro sem motorista. A pesquisa foi feita a partir da conexão de 16 mil computadores que simula a

rede neural do cérebro humano e que vasculha a internet. Nesse processo, o cérebro artificial pode aprender, sem intervenção humana, uma série de dados. Por exemplo: depois de processar 10 milhões de imagens digitais no YouTube, o "cérebro do Google" foi capaz de reconhecer sozinho o que são gatos. Em nenhum momento do aprendizado o cérebro artificial recebeu a confirmação do que é um gato, o que levou um dos pesquisadores do projeto, Jeff Dean, a afirmar ao jornal que

a máquina simplesmente "inventou o conceito de gato", desenvolvendo uma capacidade cibernética comparável à do córtex visual do cérebro humano. A expectativa dos cientistas do Google X é de que o cérebro artificial possa ser usado em projetos de reconhecimento e percepção de imagens, reconhecimento de voz, busca e tradução. Os detalhes da pesquisa devem ser apresentados ainda nesta semana em um evento em Edimburgo, na Escócia.

Intimidade de Katy Perry vira filme A cantora Katy Perry estreia na próxima semana nos EUA o filme Part of Me, um documentário em 3D gravado durante sua última turnê que, segundo a artista, "é muito íntimo, mas não chega a ser inadequado". "Não mostro apenas momentos felizes. No filme, aparecem o bom, o mau e tudo o que há entre esses opostos". Katy Perry é a terceira pessoa mais midiática no Twitter, com 22 milhões de seguidores. E M

C A R T A Z

I NGLATERRA

Cathal McNaughton/Reuters

Questão de gosto Moda e gastronomia são pontos fortes da Itália. Pensando nisso, o fotógrafo Fulvio Bonavia criou a série "A Matter of Taste", em que alimentos como brócolis e macarrão viram acessórios de luxo. http://www.fulviobonavia.com/

C INEMA

Nora Ephron morre aos 71 A cineasta norte- americana Nora Ephron, diretora de filmes como Sintonia de Amor (1993) e Julie & Julia (2009), morreu ontem, aos 71 anos, devido a uma pneumonia provocada por leucemia mieloide aguda. Nora foi indicada ao Oscar três vezes na categoria de Melhor Roteiro Original por Silkwood O Retrato de Uma Coragem

Torre Elizabeth?

(1983), Harry e Sally: Feitos um Para o Outro (1989) e Sintonia de Amor (1993). Casada com o jornalista e roteirista Nicholas Pileggi, autor do roteiro do filme Os Bons Companheiros, Nora tinha dois filhos, Jacob e Max Bernstein, frutos de seu casamento anterior com o jornalista Carl Bernstein, que, com Bob Woodward, desvendou o caso Watergate.

A torre do relógio Big Ben, um dos principais cartões-postais da Grã-Bretanha, será renomeada como "Elizabeth Tower". "A comissão do Parlamento recebeu bem a proposta para renomear a torre do relógio como Elizabeth Tower, em reconhecimento ao jubileu de diamante de Sua Majestade, e irá organizar para que esta decisão seja implementada de forma apropriada a seu tempo", afirmou um porta-voz do Parlamento. A torre de 96 metros de altura, foi construída em 1859. Ela foi nomeada como Big Ben por causa de seu enorme sino.

M ODA Paul Hackett/Reuters

A RTE

Tecendo retratos A artista Kumi Yamashita, de Nova York, recria retratos detalhados em preto e branco usando apenas pregos presos a uma base e fios, com os quais literalmente tece a textura e os jogos de luz e sombra de cada imagem. O resultado é conseguido com uma trama complexa que ela compara a estrelas. Obra 'Constelação'

Design brasileiro

Acesse www.dcomercio.com.br para ler a íntegra das notícias abaixo:

R EDES SOCIAIS

Stoudemire multado por tuíte O ala-pivô Amar'e Stoudemire, do New York Knicks, foi multado ontem pela NBA em U$S 50 mil por utilizar em sua conta no Twitter uma expressão homofóbica em resposta a uma mensagem de um torcedor. Stoudemire já pediu desculpas, também através do Twitter, ao torcedor, que não aceitou. L OTERIAS Concurso 1084 da DUPLA SENA Primeiro sorteio 16

26

32

39

49

50

29

36

38

Segundo sorteio 02

Médico condenado por morte de Jackson queria ter deposto

L

Famoso autorretrato de Da Vinci está em péssimo estado

L

http://bit.ly/LOyHB0

Mostra 'Simples como o Triângulo' apresenta obras de Sérvulo Esmeraldo. Galeria Raquel Arnaud. Rua Fidalga, 125, Vila Madalena. Grátis.

www.kumiyamashita.com/work

L

Criação do designer brasileiro Pedro Lourenço, em madeira e couro, que ganhou destaque em diversos sites de moda na última semana.

A TÉ LOGO

Detalhe das tramas

VISUAIS

Pesquisadores criam atlas do trabalho escravo no Brasil

12

20

Concurso 2927 da QUINA 14

48

51

63

73


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 27 de junho de 2012

e

13 SINDUSCON Vagas criadas na construção civil no Brasil recuam 50,9% em maio

conomia

RISCO Agência de rating Moody’s rebaixa as notas do banco Fibra

Arrecadação é recorde para maio Resultado, porém, foi inferior ao de abril, o que, segundo a Receita Federal, é uma indicação de queda na lucratividade das companhias.

A

arrecadação de tributos federais no mês de maio totalizou R$ 77,971 bilhões, com um crescimento real de 3,82% em relação a igual mês de 2011. Segundo a série histórica da Receita Federal do Brasil (RFB), o valor é recorde para meses de maio. Em comparação com abril, no entanto, o recolhimento de tributos no mês passado teve queda real de 16,13%. Em abril deste ano, o governo arrecadou R$ 92,628 bilhões. Desaceleração – O ritmo de cr esc imen to da arrecadação de impostos e contribuições federais voltou a d e sa c e l er a r por cento foi a queda no acumulaem relação à do do ano. No primeiarrecadação tributária ro trimestre, registrada pela União a alta real era de 7,32% em no mês de abril, com relação a jaR$ 92,628 bilhões neiro a março em impostos. de 2011. Em abril, esse aumento no comparativo do quadrimestre passou para 6,28%. Agora, o crescimento real de janeiro a maio – quando o recolhimento atingiu R$ 427,448 bilhões – foi de 5,83% ante igual período do ano passado. A estimativa da Receita Federal é que o recolhimento de impostos suba entre 4% e 4,5% neste ano em relação a 2011. IOF – No mês passado, o fisco federal também detalhou que a arrecadação do Imposto sobre Operações Financeiras

16,13

(IOF) registrou declínio de 8,64% em comparação com maio de 2011, para um volume de R$ 2,561 bilhões. A receita atribuiu o resultado, principalmente, à redução da quantia do imposto incidente sobre operações de câmbio na entrada de moedas no País. Registrou ainda menor receita a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) incidente sobre combustíveis. Em maio, o tributo foi responsável pelo recolhimento de R$ 395 milhões, resultado 52,79% menor do que em igual mês de 2011. Houve diminuição nas alíquotas da Cide sobre a gasolina, de R$ 0,23 por litro para R$ 0,091 por litro, uma redução de 60,44%. A contribuição sobre o diesel passou de R$ 0,07 por litro para R$ 0,047 por litro, uma queda de 32,85%. Ainda no mês de maio, registraram recuo de arrecadação em comparação com um ano antes, os impostos de Renda de Pessoa Física – IRPF (queda de 13,6%), o de Pessoa Jurídica – IRPJ (redução de 13,86%) e a Contribuição Social sobre Lucro Líquido – CSLL (baixa de 9,29%). No caso do IRPF, o total arrecadado no mês passado foi de R$ 2,391 bilhões. Segundo a Receita, o decréscimo decorreu de pagamentos atípicos em maio de 2011, como ganhos de capital na alienação de bens de direitos. Quanto à pessoa jurídica, o saldo foi de R$ 5,592 bilhões, e à CSLL, de R$ 3,015 bilhões. Além do decréscimo real no pagamento

por estimativa mensal, essas arrecadações foram influenciadas por um acréscimo real de 8,53% no lucro presumido. A Receita esclarece que todas

Receita do IPI sobre fumo sobe 129,7%

A

arrecadação do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre o preço do fumo subiu 129,73% em maio na comparação com igual mês de 2011. Segundo a Receita Federal do Brasil (RFB), que divulgou os dados ontem, apenas o tributo incidente sobre o setor recolheu R$ 632 milhões. Para o fisco, houve uma alta expressiva do volume de saída de cigarros de produtores em relação a um ano antes. Na mesma base de comparação, o IPI sobre automóveis recuou 24,55%, para R$ 464 milhões. Para a Receita, explicam o resultado: a redução de 12,2% nas vendas do mercado

interno em abril ante abril de 2011 e uma alta de R$ 71 milhões no valor de compensações no mês passado sobre maio de 2011. O IPI incidente sobre outros itens diminuiu 11,7% no período, passando para R$ 1,412 bilhão. Para a Receita, a queda se deve à redução da produção industrial de abril na comparação com abril de 2011 e à desoneração de produtos da linha branca e do setor de imóveis. Merece destaque também a alta de 20,57% da arrecadação do Imposto de Importação (II) que, no mês passado, foi de R$ 2,74 bilhões. No caso do IPI vinculado à importação, a expansão foi de 44,25% no mês, para R$ 1,582

bilhão. O resultado decorreu da elevação do dólar sobre as importações e da redução da alíquota efetiva do Imposto de Importação. A arrecadação da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) cresceu 4,56%, para R$ 13,881 bilhões, enquanto a do Programa de Integração Social-Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PIS-Pasep) subiu 2,88% em maio, para R$ 3,7 bilhões. Conforme a Receita, houve alta no volume de vendas no mercado doméstico em abril ante abril de 2011, ao lado do aumento da arrecadação do PISCofins sobre importação. (AE)

quantias referentes a maio de 2011 já foram corrigidas pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Lucratividade – A secretária adjunta da Receita Federal, Zayda Manatta, afirmou que os dados da arrecadação de maio mostram uma queda na lucratividade das empresas. De acordo com ela, o grupo de empresas que recolhe IR e CSLL por estimativa mensal registraram queda de 22,39% no pagamento desses tributos no mês passado em relação a maio de 2011. Até mesmo as companhias do setor financeiro, que estavam puxando a alta da arrecadação, tiveram uma retração no pagamento dos dois tributos. Zayda explicou que os números sugerem que as empresas podem ter feito "um balanço de suspensão ou redução" de pagamento de IR e CSLL em maio ao detectarem que as estimativas feitas para o ano es-

tavam acima do lucro que efetivamente deve ser obtido em 2012. Por isso estariam fazendo um ajuste para compensar o que teriam pago a mais nos primeiros meses do ano. Segundo a Receita, são as grandes empresas que prestam conta ao fisco com base na estimativa mensal. Apesar da queda nesses pagamentos, as instituições financeiras continuam puxando o aumento da arrecadação tributária no acumulado do ano. De acordo com a Receita Federal, os bancos são responsáveis por quase 71% do crescimento registrado de janeiro a maio de 2012 da receita. Na sequência estão o setor varejista e o comércio, e reparação de veículos automotores e motocicletas. Entre os dez setores que mais puxaram a receita tributária no período, somente os fabricantes de bebida fazem parte do setor industrial. (AE)

Governo lança hoje outro pacote

O

pacote de estímulo à economia brasileira que o governo federal lançará hoje terá enfoque no investimento, disse ontem o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MIDC), Fernando Pimentel. Ele não antecipou detalhes do pacote, alegando que "não gostaria de tirar o brilho do anúncio", mas explicou que desta vez as medidas não serão só para a indústria. Segundo Pimentel, o pacote consiste em um conjunto de ações do governo para alavancar mais a economia. "Trata-se de um pacote mais

generalizado. Não é só para a indústria", reiterou. Ele reforçou que o governo já fez muita coisa para estimular a economia por meio do aumento do consumo, mas que agora está direcionando as forças na alavancagem dos investimentos. Pimentel deu como exemplo o anúncio de segunda-feira do Programa de Investimentos da Petrobras, de US$ 236,5 bilhões. Perguntado se os planos de investimentos da estatal e do País não serão afetados pelo fato de o aumento da gasolina nas refinarias ter sido de apenas 7,83%, quando a

empresa pleiteava algo em torno de 15%, o ministro disse não acreditar nisso. Ele avaliou que o governo acertou em autorizar o aumento de 7,83% no preço da gasolina cobradas às refinarias. "O governo está certo. Nós estamos com a cautela necessária para não provocar efeitos colaterais sobre os indicadores de inflação", disse Pimentel. Segundo a presidente Dilma Rousseff, que está preocupada com o ritmo fraco de crescimento da economia neste ano, as medidas deverão reforçar e acelerar as compras

governamentais. O governo entende que ampliando os gastos em algumas áreas poderá dar um estímulo adicional aos investimentos e, com isso, melhorar o desempenho do Produto Interno Bruto (PIB). As compras públicas serão preferencialmente da indústria nacional em setores com alto poder de dinamização da economia, como Saúde, Defesa e Educação. O governo poderá antecipar aquisições já previstas no Orçamento e utilizar o mecanismo de margem preferencial, pela

qual pode pagar até 25% mais nos processos de licitação para aquisição de produtos fabricados no Brasil. Por esse mecanismo, o governo pode adquirir produtos dos setores têxtil, confecção, calçados, fármacos e medicamentos e para retroescavadeiras e motoniveladoras. IPI – A perspectiva de que na solenidade, Dilma anunciasse a prorrogação da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para produtos da linha branca, além de móveis, luminárias, lustres e papel de parede, foi descartada ontem à noite. (AE)


14 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 27 de junho de 2012


quarta-feira, 27 de junho de 2012

DIÁRIO DO COMÉRCIO

e Cartão é o campeão da inadimplência

15

Além dos juros escorchantes, há outras taxas. Maria Inês Dolci, coordenadora da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Proteste)

conomia

De todas as modalidades de crédito, o calote no cartão atinge quase 30%, seguido por empréstimos a empresas e para pagamento do cheque especial.

N

úmeros do Banco superior à média de todas as Central (BC) reve- operações bancárias com lam que o cartão de pessoas físicas. crédito das pessoas Além do cartão de crédito, físicas é campeão de inadim- os calotes também cresceram plência, ou seja, é a linha de na categoria financiamento crédito que possui o maior per- de veículos (de 5,9% para centual de atrasos acima de 6,1%), cheque especial (de 90 dias, critério utilizado pela 10,1% para 11,3%), crédito autoridade monetária para pessoal (de 5,6% para 5,7%) e calcular as operações inadim- aquisição de bens (de 13,5% plentes. Em maio, a taxa de para 13,9%). inadimplência nas operações Acima de 15 dias – Dados da com cartões de crédito somou autoridade monetária reve29,5%, a maior de todas as li- lam ainda que as operações nhas de crédito calculadas pe- com cartão de crédito com la instituição. a t r a s o s a c iEm segunm a d e 1 5 do lugar, apadias, ou seja, recem as s o b r e o s operações quais já incicom export dem os juros n ot es , linhas do crédito roé o percentual de buscadas por tativo, somainadimplência empresas, ram 42% de com 20% de todas as operegistrada em maio i na di mp lê nrações desta nas faturas do cia, seguida mod alid ade por linhas de em abril descartão de crédito, r e f i n a n c i ate ano. considerando período mento de salEmbora os acima de 90 dias. do devedor juros bancáde cheque esr i o s j á i n c ipecial e cardam nos atratão de crédito – com 19,5% de sos acima de 15 dias no cartão contas não pagas. Ao todo, o de crédito, o BC não considera BC levantou 20 linhas de fi- estas operações propriamennanciamento, sendo 13 para te como "inadimplentes" e, empresas e sete para pessoas por isso, não pede provisionafísicas. mento para os bancos (manuCalote – A taxa média de ina- tenção de recursos em caixa dimplência, de todas as moda- para fazer frente a um evenlidades de crédito, totalizou tual calote). A inadimplência 6% em maio deste ano, segun- vale somente para atrasos acido o BC, e, no caso das opera- ma de três meses, lembra a ções com pessoas físicas, so- autoridade monetária. mou 8% no mês retrasado. Os Segundo a série histórica do dados mostram que a inadim- BC, os atrasos acima de 15 plência com cartão de crédito dias, que somaram 42% em é quase cinco vezes maior do maio deste ano, cresceram que a média geral e 3,6 vezes b a s t a n t e n o s ú l t i m o s d e z

29,5

anos. Em abril de 2002, por exemplo, estavam em 27%. Com isso, o crescimento foi de 55% neste período. Juros – A autoridade monetária, apesar de realizar pesquisa mensalmente sobre várias modalidades de crédito, não faz levantamento sobre os juros do cartão. Estudo da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac) mostra, porém, que a taxa de juros cobrada pelos bancos nas operações com cartões de crédito é a mais alta do País. Além de ser a mais elevada de todas modalidades de crédito, o patamar registrado em maio deste ano, de 238,3% ao ano, tam-

bém é o maior desde junho de 2000 (238,67% ao ano), ou seja, em mais de dez anos. Segundo a Anefac, os juros do cartão de crédito, que começam a incidir quando os clientes não pagam toda a fatura do mês, é mais do que o dobro da média das operações de crédito para pessoas físicas, de 105,3% ao ano em maio deste ano. Superam até mesmo as taxas cobradas pelos bancos no cheque especial, que também são extremamente elevadas (158,6% ao ano em maio). Proteste – Para a coordenadora institucional da Associa-

Atrasos acima de 15 dias no pagamento da fatura do cartão de crédito somaram 42% em maio, mas não entram nos dados de inadimplência. ção Brasileira de Defesa do Consumidor (Proteste), Maria Inês Dolci, os juros cobrados nas linhas de crédito rotativo do cartão de crédito são "escorchantes". "O consumidor que fica inadimplente não consegue mais pagar. Não consegue porque, além dos juros, há outras taxas que são cobradas, o que aumenta consideravelmente o débito", explicou ela. A advogada recomenda que os consumidores paguem integralmente a fatura do cartão todos os meses, evitando

entrar no crédito rotativo. PIB – O volume de crédito do sistema financeiro atingiu R$ 2,136 trilhões, em maio, com crescimento de 1,7% em relação ao mês anterior e de 18,3% em 12 meses. O volume representou, pela primeira vez, 50,1% de tudo o que País produz – o Produto Interno Bruto (PIB). Em abril, esse percentual estava em 49,6% e em maio de 2011, em 45,7%. Neste ano, o BC espera que o crédito em relação ao PIB fique em 52%, ante 51% inicialmente estimados. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

16

quarta-feira, 27 de junho de 2012

e Empresas freiam projetos de expansão A América Latina recebe 79% das multinacionais brasileiras. Sherban Leonardo Cretoin, coordenador da Fundação Dom Cabral

conomia

Das transnacionais brasileiras, 61% pretendem expandir a presença nos mercados nos quais já estão presentes. E nada mais. Renato Carbonari Ibelli

A

estagnação da economia mundial colocou um freio na intenção das multinacionais brasileiras prospectarem novos mercados. O Ranking das Transnacionais Brasileiras, desenvolvido pelo sétimo ano seguido pela Fundação Dom Cabral, mostra que apenas 27,7% das companhias com presença no exterior têm essa intenção. O que não quer dizer que a torneira dos investimentos está fechada. Embora não pretendam se arriscar em mercados desconhecidos, 61% dessas empresas pretendem expandir a presença nos mercados nos quais já estão presentes. Essa expansão se dá pela aquisição de ativos, aumento de funcionários e receita no mercado externo. Segundo Sherban Leonardo Cretoin, coordenador do núcleo de negócios internacionais da Fundação Dom Cabral, “a expansão da atuação internacional é natural porque a maior presença das multinacionais brasileiras se dá em economias que estão crescendo, como as da América Latina, Índia e China". "A América Latina recebe 79% das multinacionais brasileiras". O ranking analisa empresas que possuem capital majoritariamente brasileiro e se fazem fisicamente presentes no mercado externo com plantas e franquias. A amostra é composta por 47 multinacionais,

além de 16 empresas que atuam fora do País com franquias. Estimase que seja 80 o número global de companhias brasileiras presentes no mercado externo. A intenção do ranking é mostrar a proporção da participação internacional da empresa no total de suas operações. Tendo esse critério, a companhia que encabeça a lista das mais internacionalizadas é o frigorífico JBS-Friboi, com 58,3% das suas operações sendo oriundas do mercado externo. Em seguida aparece a Gerdau, com 51,6% e a consultoria Stefanini IT Soluções, com 46,4% (veja tabela completa). Para chegar ao índice de internacionalização, foram computados ao longo de 2011 receita, ativos e o número de funcionários que a empresa possui no exterior em relação ao total de receita, dos ativos e funcionários da companhia. O frigorífico Marfrig, por exemplo, têm proveniente do exterior 47% da sua receita total, 48,2% dos ativos gerais e 38% do quadro global de funcionários. Isso coloca a companhia na quinta posição do ranking das empresas transnacionais, com 44,4% de internacionalização de suas operações.

Embora, na média, as multinacionais brasileiras apontem no estudo que a lucratividade no mercado doméstico ainda é maior, há fatores que esti-

mulam a expansão no mercado externo. Os principais são o fortalecimento da marca e a incorporação de qualidade aos produtos. De qualquer

maneira, a diferença entre a margem de lucro média no mercado doméstico e externo está caindo. Em 2010, essa margem era de 20,7% no doméstico e 15,7% no externo. Já no ano passado, o resultado foi de 17,3% contra 14%. Em foco – Ainda que a maioria das multinacionais pesquisadas não queira prospectar novos mercados em 2012, as 27,7% que pretendem têm focos definidos. Os destinos mais buscados são China, Índia, Turquia, Estados Unidos, países membros do Mercosul e Moçambique. O estudo também elencou as franquias brasileiras pelo maior índice de internacionalização. Das 16 empresas nacionais presentes no mercado externo por meio de franquia, a Via Uno aparece no topo da lista, com 18,3% das operações baseadas fora do País. Em seguida vem A Fábrica di Chocolate, com 12,1% e a Showcolate, com 10,9%.

Embraer faz parceria com a Boeing Juntas, as duas empresas vão compartilhar conhecimentos técnicos do cargueiro militar KC-390. Sebastião Moreira/EFE

A

Boeing dará suporte comercial para a venda do avião de transporte militar KC-390 da Embraer, ampliando o mercado potencial da aeronave e garantindo que a fabricante brasileira dispute potenciais contratos em países como os Estados Unidos. As companhias firmaram um acordo de parceria anunciado ontem, que pode tornar o cargueiro um avião complementar no conjunto de produtos da companhia norte-americana, explicou o presidente-executivo da divisão de defesa e espaço da Boeing, Dennis Muilenburg. A aliança envolve o compartilhamento de conhecimentos técnicos e as empresas vão avaliar possíveis parcerias na comercialização do cargueiro. O presidente-executivo da área de defesa da fabricante brasileira de aviões, Luiz Carlos Aguiar, comentou que, no estudo inicial do KC-390, a

Luiz Carlos Aguiar, presidente da Embraer, e Dennis Muilenburg, presidente da Boeing, durante anúncio da parceria. Embraer não considerava a venda para alguns mercados ocupados por fabricantes de aviões similares, como Estados Unidos, Rússia, Canadá e Índia. Agora, após a parceria, a empresa poderá, eventualmente, ingressar com o modelo nesses mercados, com o apoio comercial da Boeing. "Não estamos aqui escolhendo

parceiro de risco ou fornecedor, é simplesmente uma colaboração técnica de uma empresa líder que já passou por várias experiências de uma aeronave não do mesmo segmento, mas também de transporte militar... É colaboração, é contato", explicou Aguiar a jornalistas. A Embraer está desenvolvendo o KC-390 que

é um jato de transporte militar e reabastecimento, sob contrato com a Força Aérea Brasileira (FAB). Caberá à FAB a aprovação final sobre a seleção dos sistemas da aeronave considerados de interesse estratégico, como propulsão, aviônica, missão, autoproteção, manuseio e lançamento de cargas, entre outros itens. (Reuters)

Vale reavalia venda de ativos

A

Vale decidiu remodelar a venda de ativos de hidrocarbonetos de maneira a manter áreas de gás natural com vistas às suas necessidades de consumo de energia, afirmou ontem a diretora de Sustentabilidade da mineradora, Vânia Somavilla. Em linha com a estratégia de desinvestimentos de ativos que fogem a seus projetos principais, a mineradora informou no começo deste ano que pretendia se desfazer de participações de blocos de petróleo e gás, alegando que os investimentos necessários ao desenvolvimento das áreas seria muito elevado. Desde então, a perspectiva do mercado era de que a ven-

da desses ativos fosse acontecer de forma casada, o que parece ter ficado para trás nos planos da empresa. "Os projetos de exploração de petróleo são intensivos em capital; nosso foco é em gás... Estamos revisitando justamente isso de forma que permaneça a nossa estratégia de manter investimentos na área de gás", afirmou a diretora, minutos antes da inauguração da primeira usina de produção de óleo de palma da Vale, no município de Moju, no Pará. Na ocasião, o presidente da Vale, Murilo Ferreira, disse que a companhia contratou dois bancos para auxiliar a Vale no destino de suas participações em blocos de petróleo

e gás. A companhia possui 19 áreas, dos quais 14 já foram perfuradas e apresentaram cinco descobertas nas bacias de Santos e Espírito Santo. "Temos em mente que nosso foco é minério de ferro, níquel, cobre, carvão e fertilizantes", afirmou Ferreira, justificando a estratégia de vender ativos. A diretora, entretanto, destacou que a companhia precisa de gás para a produção da energia usada em suas operações. Dessa forma, a venda de ativos de hidrocarbonetos poderá se limitar a petróleo, acrescentou Vânia. A companhia informou que possui interessados para os ativos de petróleo.

Autoprodução – A diretora frisou a necessidade da Vale de investir em fontes de energia renováveis, a exemplo do projeto de biodiesel que está sendo erguido a partir de óleo de palma no Pará. O empreendimento tem investimentos de US$ 500 milhões para que a companhia construa em área degradada da floresta amazônica. Com o projeto implantado no Pará , que tem a previsão de transformar o óleo de palma em biodiesel a partir de 2015, a empresa vai substituir parte do diesel que consome pelo biocombustível. A Vale informou que consome 3% de todo o óleo diesel demandado no País. (Reuters)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 27 de junho de 2012

e

ECONOMIA/LEGAIS - 17

Eles todos vão ter que vender. E as chances de se desfazerem por um preço melhor parecem cada vez menores. Flemming Barton, analista da CM Capital Markets

conomia

Eloy Alonso/Reuters

Andrea Comas/Reuters

Nos EUA, cai confiança do consumidor.

A

Cenas de uma crise: mineiros fazem protestos em Pola de Lena, no norte da Espanha, contra proposta do governo de corte no financiamento da produção de carvão, e o ministro da Economia espanhol, Luis de Guindos, enfrenta problemas com os bancos.

Duro golpe no império espanhol Ajuda da UE aos bancos prevê a venda de participações em companhias como Telefónica e Repsol, um negócio de 22 bilhões de euros.

O

resgate europeu aos bancos da Espanha vai pressioná-los a vender um império de participações nas principais companhias do país, encerrando uma cultura de vínculos e disparando uma ampla reviravolta no cenário corporativo espanhol. A Espanha pediu formalmente empréstimos de resgate à zona do euro para recapitalizar bancos similares às conhecidas Caixas na última segunda-feira, mas as instituições que receberem os recursos estarão sujeitas a regras de ajuda da União Europeia (UE) que incluem a venda

Grécia nomeia novo ministro das Finanças

A

coalizão governamental da Grécia nomeou ontem o economista Yannis Stournaras como novo ministro das Finanças do país, informou o gabinete do primeiroministro Antonis Samaras. Na segunda-feira, Vassilis Rapanos renunciou ao cargo alegando problemas de saúde, o que provocou o agravamento da crise econômica na Europa. O novo ministro das Finanças é professor de economia da Universidade de Atenas e diretor do instituto de pesquisa IOBE. O presidente da Grécia, Carolos Papoulias, disse que irá levar amanhã carta assinada pelo primeiroministro, Antonis Samaras, aos líderes que vão se reunir no encontro de cúpula da União Europeia (UE) em Bruxelas, na Bélgica. Samaras não estará no encontro porque se recupera de cirurgia em um dos olhos. (Agências)

de ativos de participações. Com o preço de tais ativos em baixa por causa da influência da crise de dívida da zona do euro, essas operações provavelmente vão ser liquidações de grandes parcelas de participação em gigantes espanhóis que incluem Telefónica, Repsol e Iberdrola. Mercado turbulento – O banco suíço UBS estima que 22 bilhões de euros em participações espanholas podem ser colocadas à venda, a maior parte está nas mãos de bancos de poupança. Isso representa até 9% do valor de mercado do índice de blue chips da bolsa do país.

Ao longo dos anos, os bancos de poupança da Espanha adquiriram assentos em conselhos de administração das maiores companhias do país, exercendo um poderoso papel na estratégia corporativa e industrial de setores que vão de turismo e imóveis a energia e telecomunicações. Criados séculos atrás para ajudar fazendeiros em momentos de dificuldade, os bancos de poupança desenvolveram poderosas identidades políticas e regionais. As instituições rolaram dívidas de companhias com recursos apertados para impedir perdas com os empréstimos, en-

quanto executivos dos bancos ganharam consideráveis salários por ocuparem lugares nos conselhos de administração das empresas. Túnel – "Eles todos vão ter que vender. E sem ter uma luz no fim do túnel, dado o cenário macro e político, as chances de se desfazerem por um preço melhor parecem cada vez menores", disse Flemming Barton, analista da CM Capital Markets. O Bankia, por exemplo, que no mês passado pediu uma linha de crédito de 19 bilhões de euros, o maior resgate estatal na história espanhola, será o primeiro a abandonar partici-

pações em empresas. O banco detém 20% da companhia de tecnologia Indra, 12% da International Airlines Group e 5,3% da Iberdrola, bem como grandes participações em segurados, hotéis e empresa de azeite de oliva. Pimentel – O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, tranquilizou os correntistas brasileiros do Banco Santander, que passa por dificuldades. "Quem tem conta no Santander pode ficar sossegado", disse o ministro, garantindo que o banco resistirá. Na segunda, a Moody's rebaixou nota do banco. (Agências)

Bolsas mostram certa estabilidade

D

epois de um dia turbulento na segunda-feira, as principais bolsas do mundo mostram certa estabilidade, com ligeiras altas na Europa. O Ibovespa, que chegou a cair quase 3%, encerrou ontem com leve alta de 0,06%, aos 53.836,57 pontos. "Vimos um movimento de recuperação técnica em alguns papéis, mas o cenário continua muito complicado. Com todas as incertezas na Europa e dados ruins também aqui no Brasil, não dá para ficar otimista", disse o operador Pedro Amaro, da PAX Corretora. Os principais índices acionários dos Estados Unidos voltaram a fechar em alta, mas o volume de negociações foi baixo, já que as perspectivas continuam obscurecidas por dúvidas, com a chegada de mais uma cúpula da União Europeia (UE) com o objetivo de enfrentar a crise da dívida europeia. O índice Dow Jones, referência da bolsa de Nova York, avançou 0,26%, para 12.534

Susana Vera/Reuters

Bolsa de Madri: queda de 1,44% no pregão de ontem, um dia mais calmo no mercado.

pontos. O índice Standard & Poor's 500 teve valorização de 0,48%, para 1.319 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq subiu 0,63%, para 2.854 pontos. As ações dos EUA se recuperaram parcialmente das perdas de mais de 1% na véspera, lideradas desta vez por papéis de empresas ligadas ao mercado imobiliário, após a divulgação de dados me-

lhores do que o esperado sobre preços de moradias. Europa – Com exceção de Frankfurt, as principais bolsas europeias fecharam em queda ontem. Além de continuarem cautelosos em relação à cúpula da UE , os investidores ficaram desanimados com leilões na Espanha e na Itália e dados negativos nos EUA. O índice Stoxx Europe 600

fechou a sessão em baixa de 0,09%, aos 242,60 pontos. O índice de confiança do consumidor na Alemanha, medido pelo instituto GfK, subiu para 5,8 pontos, de 5,7 pontos em junho. O movimento foi contrário ao previsto por economistas. Em Frankfurt, o índice DAX registrou alta de 0,07%. Em Madri, o índice Ibex-35 teve queda de 1,44%.(Agências)

confiança do consumidor dos Estados Unidos recuou pelo quarto mês seguido em junho e atingiu o menor nível desde janeiro, sendo que o índice de expectativas do consumidor chegou ao menor nível desde novembro, de acordo com relatório divulgado ontem pelo Conference Board. O relatório divulgado pelo grupo industrial mostrou que o índice de confiança do consumidor caiu para 62 em junho ante 64,4 no mês anterior, de acordo com dados revisados. Economistas consultados esperavam uma leitura de 63,5. O dado de maio originalmente divulgado havia sido de 64,9. "A melhora no Índice de Situação Presente, aliada a um alívio moderado nas expectativas dos consumidores, sugere que haverá pouca mudança no ritmo da atividade econômica no curto prazo", disse a diretora do Centro de Pesquisa do Consumidor do Conference Board, Lynn Franco, em comunicado. O índice de expectativas recuou cinco pontos, para 72,3. (Reuters)

Merkel: dívidas não devem ser compar tilhadas.

A

chanceler alemã, Angela Merkel, teve ontem atribuída a ela uma declaração feita no encontro de um dos partidos de sua coalizão que causou polêmica. "Não vejo compartilhamento total da dívida enquanto eu viver", teria dito Merkel a membros democratas que fazem parte da legenda da coalizão de centro-direita dela, segundo informações de fontes que supostamente estavam presentes no evento. Ela afirmara antes, em discurso, que dividir a responsabilidade da dívida entre as 17 nações do bloco monetário seria "economicamente errada" e "contraproducente". Merkel afirmou que não haveria responsabilidade compartilhada da dívida também na Alemanha – após seu governo acertar planos com estados para emitir bônus alemães conjuntos. Ela já advertiu em diversas ocasiões contra propostas para compartilhamento da responsabilidade da dívida, como os eurobônus defendidos por François Hollande, presidente francês. (Reuters)


18 -.ECONOMIA/LEGAIS 06ª Vara Cível da Comarca de Barueri do Estado de São Paulo. EDITAL DE PRAÇA e de intimação dos executados INIASSI BRASIL CORRETORA DE SEGUROS LTDA. (CNPJ/MF 04.676.665/000170) E TECNOSISTEMI BRASIL LTDA. (CNPJ/MF 03.779.919/0001-13):A Doutora, MM. Juíza de Direito Maria Elizabeth de Oliveira Bortoloto, da 06ª Vara Cível da Comarca de Barueri do Estado de São Paulo - SP, na forma da lei, FAZ SABER, aos que o presente Edital virem ou dele conhecimento tiverem e interessar possa, que, por este Juízo, processam-se os autos da Execução ajuizada por HORCKMA EMPREENDIMENTOS LTDA contra INIASSI BRASIL CORRETORA DE SEGUROS LTDA. E OUTRO, Processo nº 068.01.2006.015650-5 (1440/2006) que foi designada a venda do bem descrito abaixo, de acordo com as regras expostas a seguir: Da praça – O primeiro leilão terá início no dia 16 de julho de 2012, às 11:45 hs. Não havendo lance igual ou superior à importância da avaliação nos 3 (três) dias subseqüentes ao início da 1ª praça; a 2ª praça seguir-se-á sem interrupção, iniciando-se no dia 19 de julho de 2012, às 11:45 hs e se encerrará no dia 08 de agosto de 2012, às 11:45 hs. Do Condutor da Praça – A praça será realizada por MEIO ELETRÔNICO, através do Portal www.canaljudicial.com.br/lut e será conduzida pela Gestora Judicial LUT - Intermediação de Ativos e Gestão Judicial, inscrito no CNPJ/MF sob o nº. 08.399.676/0001-01 e pelo Leiloeiro Oficial Sr. Andre Cencin, matriculado na Junta Comercial do Estado de São Paulo – JUCESP, sob 679. Do Valor Mínimo de Venda do Bem – No 1º leilão, o valor mínimo para a venda do bem apregoado será o valor da avaliação judicial que é de R$ 51.637,56 (cinquenta e um mil, seiscentos e trinta e sete reais e cinquenta e seis centavos), em 08/2011. No 2º leilão, o valor mínimo para a venda corresponderá a 60% (sessenta por cento) do valor da avaliação judicial, neste caso os lances deverão ser submetidos à apreciação do Juízo para que a venda seja concretizada. Dos lances – Os lances deverão ser ofertados pela rede Internet, através do Portal www.canaljudicial.com.br/lut. Dos débitos – Eventuais ônus sobre o bem correrão por conta do arrematante, com exceção do previsto no art. 130, parágrafo único, do Código Tributário Nacional. Do acordo – A partir da publicação do Edital, caso seja celebrado acordo entre as partes com suspensão da praça, fica o executado obrigado a pagar o valor da comissão devida à Gestora Judicial LUT, de 5% (cinco por cento) do valor do acordo. Todas as regras e condições aplicáveis estão disponíveis no Portal www.canaljudicial.com.br/lut. A alienação obedecerá ao disposto na legislação aplicável, no Provimento CSM nº 1.625/09 do TJSP e o caput do artigo 335, do Código Penal. Erro! A referência de hiperlink não é válida. A publicação deste edital tem eficácia jurídica e processual para os fins da lei nº 6.830/80 e supre eventual insucesso na notificação do(s) executado(s) e dos respectivos patronos. RELAÇÃO DOS BENS. Bens: 1 – Computador Pentium II 800MHz, 512 Memo Ram, HD 34GB SCSI, Monitor 14. Avaliação: R$ 1.850,00, em 05/2005; 2 – Computador Pentium IV 1.8GHz, 512 Memo RAM, HD 120GB, HD 40GB, HD 10GB. Avaliação: R$5.000,00, em 05/2005; 3 – Computador Pentium III 800 Dual, 512 Memo Ram, HD 70GB SCSI, HD 14GB SCSI, HD SCSI. Avaliação: R$ 5.800,00, em 05/2005; 4 – Computador AMD Duron 1.8MHz, 128MB Ram, HD 40GB, Monitor 17”. Avaliação: R$ 2.050,00, em 05/2005; 5 – Computador AMD Duron 1.8MHz, 128 MB Ram, HD 40GB, Monitor 17”. Avaliação: R$ 2.050,00, em 05/2005; Computador AMD Duron 1.8GHz, HD 40GB, 128MB Ran, Monitor 14”. Avaliação: R$ 1.550,00, em 05/2005; 6 - Computador AMD Duron 1.0GHz, HD 6.0GB, 128MB Ram, Monitor 14”. Avaliação: R$ 1.550,00, em 05/2005; 7 – Computador Pentium II 600MHz, HD 6.0GB, 128MB Ram, Monitor 15”. Avaliação: R$ 1.050,00, em 05/2005. 8 – Computador AMD Duron 1.0GHz, HD 34GB, 128MB Ram, Monitor 14”. Avaliação: R$ 1.550,00, em 05/2005; 9 – Computador K6 II 500MHz, HD 3.0GB, 128 Memo Ram, Monitor 14”. Avaliação: R$ 900,00, em 05/2005; 10 – Computador K6 II 500MHz, HD 20GB, 128 Memo Ram, HD 40GB, HD 10GB”. Avaliação: R$ 1.000,00, em 05/2005; 11 – Computador Pentium III 500MHz, HD 40GB, 128 Memo Ram, Monitor 15”. Avaliação: R$ 1.100,00, em 05/2005; 12 – Computador AMD Duron 1.8MHz, 128 MB Ram, HD 40GB, Monitor 15”. Avaliação: R$ 1.550,00, em 05/2005; 13 - Computador Pentium III 750MHz, HD 14GB, 128MB Ram, Monitor 14”. Avaliação: R$ 1.200,00, em 05/2005. 14 – Computador AMD Duron 1.8MHz, 128 MB Ram, HD 20GB, Monitor 17”. Avaliação: R$ 1.550,00, em 05/2005; 15 - Computador Pentium III 750MHz, HD 20GB, 128MB Ram, Monitor 15”. Avaliação: R$ 1.200,00, em 05/2005. 16 – Computador AMD Duron 1.8MHz, 128 MB Ram, HD 20GB, Monitor 14”. Avaliação: R$ 1.200,00, em 05/2005; 17 Computador Pentium III 750MHz, HD 20GB, 128MB Ram, Monitor 14”. Avaliação: R$ 1.200,00, em 05/2005. 18 - Computador Pentium III 750MHz, HD 20GB, 128MB Ram, Monitor 14”. Avaliação: R$ 1.200,00, em 05/2005. 19 - Computador Pentium III 750MHz, HD 20GB, 128MB Ram, Monitor 14”. Avaliação: R$ 1.200,00, em 05/2005. 20 – Impressora Epson Stylus 600, com cabeça de impressão avariada, sem cartucho de tinta. Avaliação: R$ 150,00, em 05/2005; 21 – Impressora Epson Stylus 480, com cabeça de impressão avariada, sem cartucho de tinta. Avaliação: R$ 150,00, em 05/2005; 22 – Impressora Epson C20 SX, sem drive de instalação, cabeça de impressão avariada. Avaliação: R$ 180,00, em 05/2005; 23 – Impressora Epson C60 Stylus, sem drive de instalação, cabeça de impressão avariada. Avaliação: R$ 180,00, em 05/2005; 24 – Impressora LexMark Z-32, não tem fonte. Avaliação: R$ 180,00, em 05/2005; 25 – Impressora LexMark Z-32, não tem fonte. Avaliação: R$ 180,00, em 05/2005; 26 – Impressora LexMark Z-32, não tem fonte. Avaliação: R$ 180,00, em 05/2005. Os bens podem ser localizadas na Santa Rita Logistic, situada na Alameda Aruanã, 911, Tamboré, Barueri – SP, CEP 06460-010. Avaliação total: R$ 33.050,00 (trinta e três mil e cinquenta reais), em 05/2005. Débitos da ação: R$ 51.637,56 (cinquenta e um mil, seiscentos e trinta e sete reais e cinquenta e seis centavos), em 08/2011.

3ª VARA CÍVEL REGIONAL DE PINHEIROS CITAÇÃO E INTIMAÇÃO. PRAZO DE 20 DIAS. PROC. Nº 0109248-87.2008.8.26.0011(011.08.1092483). A Dra. Roberta de Toledo Malzoni Domingues, Juíza de Direito da 3ª Vara Cível Regional de Pinheiros,na forma da lei, etc... FAZ SABER a CIA. PAULISTA DE OUTDOOR S/C LTDA, CNPJ/MF 03.870.530/0001-89, SÔNIA MAITAZUCCARO, CPF/MF 178.169.298- 03 e FERNANDA MARIA MAITA ZUCCARO, CPF/MF 269.244.708-58, que BANCO BRADESCO S/A lhes ajuizou AÇÃO DE EXECUÇÃO, para cobrança da quantia de R$ 55.029,78, dívida esta oriunda do Instrumento Particular de Financiamento de Capital de Giro com Taxa Pós-Fixada nº 385/ 1.934.247. Encontrando-se as executadas em lugar ignorado foi determinada a citação e intimação por edital, para que no prazo de 03 dias, a fluir após o prazo de 20 dias supra, paguem o débito atualizado. Em caso de pagamento dentro do tríduo, a verba honorária será reduzida pela metade. No prazo para Embargos, reconhecendo o crédito do exequente e depositando 30% do valor em execução incluindo custas e honorários advocatícios, poderão as executadas requerer seja admitido pagar o restante em 6 parcelas mensais, acrescidas de correção monetária e juros de 1% (um por cento) ao mês (Lei 11.382/06). No caso de não pagamento, o arresto procedido sobre o bem a seguir descrito, será convertido, em penhora, passando a fluir, automaticamente, o prazo de 15 dias para oferecimento de embargos à execução. Arresto procedido (sobre a chácara 08 do setor 08 do loteamento Estância Belvedere, zona rural, distrito e município de Juquitiba, Comarca de Itapecerica da Serra, com a área total de 10.200m2, matriculada sob nº 16.321, no CRI da Comarca de Itapecerica da Serra). Ficando ainda José Zuccaro Netto, RG 4.354.563-SSP/SP, CPF/MF 476.408.208-04, esposo da executada Sônia Maria Zuccaro, intimado da contrição. Será o presente edital, por extrato, afixado e publicado na forma da lei. São Paulo, 30 de maio de 2012. 7ª Vara Cível do Foro Regional I - Santana EDITAL DE CITAÇÃO - PRAZO DE 20 DIAS. PROCESSO Nº 0026903-89.2011.8.26.0001. A Doutora Carina Bandeira Margarido Paes Leme, MM. Juíza de Direito da 7ª Vara Cível, do Foro Regional I - Santana, da Comarca de SÃO PAULO, do Estado de São Paulo, na forma da Lei, etc. Faz Saber a Alexandre Luiz Giordano, RG. 25.060.656-SSP/SP e CPF. 224.016.628-20 que, Isabel de Gouveia Fernandes Ambrósio e Outros lhe ajuizaram ação de Execução, para cobrança de R$ 93.997,94 (junho/2011). Arrestado para garantia da dívida: Uma área de terras situada no bairro Cachoeira, no 22º Subdistrito – Tucuruvi, com 9.240,00m², módulo fiscal (ha): 5,0000; número de módulos fiscais: 0,1848; fração mínima de parcelamento (ha): 2,0000, cadastro no INCRA 638.358.013.633-6, matrícula nº 43.884 do 15º CRI da Capital/SP. Estando o executado em local ignorado, foi deferida sua citação por edital, para que em 03 dias, pague o “quantum” reclamado, acrescido das cominações legais, sob pena de não o fazendo, operar-se automaticamente a conversão do Arresto em Penhora, podendo, em 15 dias, oferecer Embargos à Execução (art. 738, CPC), ambos a fluir após o prazo de 20 dias supra; ficando pelo mesmo edital, intimada, a esposa do executado, se casada for, na ausência dos quais prosseguirá a ação até o final. Será o edital, afixado e publicado na forma da lei. São Paulo, 15 de junho de 2012. 2TQE P   P FG 1TFGO  œ 8CTC %sXGN FC %QOCTEC FG %CKGKTCU %KVCnlQ  2TC\Q  FKCU # &TC 4'0#6# /#437'5 &' ,'575 ,7Ê<# &' &+4'+61 57$56+676# FC œ 8CTC %sXGN FC %QOCTEC FG %CKGKTCU52 GVE (C\ 5CDGT C 9CPQT 2GFTQ FQU 5CPVQU 5CNGVG #RCTGEKFC )QOGU FG #PFTCFG 'FOWPFQ & , 1NKXGKTC 'XGTCNFQ FG 5QW\C 4COQU 1UXCNFQ $ FG 5QW\C ,QUo ( FG 1NKXGKTC UGWU JGTFGKTQU GQW UWEGUUQTGU G FG 4GSWGTKFQU G EQPHTQPVCPVGU GO NWICT KPEGTVQ G CKPFC FG GXGPVWCKU VGTEGKTQU KPVGTGUUCFQU SWG 2CWNQ &CXGPKC G UO 'N\C 2GTTWEEK &CXGPKC CLWK\CTCO WOC #nlQ FG 4GVKHKECnlQ FG ÇTGC G 4GIKUVTQ +OQDKNKhTKQ QDLGVKXCPFQ C TGVKHKECnlQ FG hTGC G 4GIKUVTQ +OQDKNKhTKQ TGHGTGPVG CQ KOxXGN EQPUVKVWsFQ RGNCU ÇTGCU # # G # NQECNK\CFCU GPVTG C 4WC (NQTKCPQ 2GKZQVQ G 4WC 0CRQNGlQ $QPCRCTVG EQO hTGCU FG Oï Oï G Oï TGURGEVKXCOGPVG GPVTG Q ,CTFKO 8KEVxTKC ,CTFKO FQU 'WECNKRVQU G 8KNC FQU 2KPJGKTQU /WPKEsRKQ FG %CKGKTCU EQPVTKDWKPVGU    G  VWFQ EQPHQTOG Q NCWFQ FQ RGTKVQ LWFKEKCN LWPVCFQ iU HNU  FQU CWVQU 'UVCPFQ QU TGSWGTKFQU G EQPHTQPVCPVGU GO NWICT KIPQTCFQ HQK FGHGTKFC C EKVCnlQ RQT GFKVCN RCTC SWG GO  FKCU C HNWKT CRxU QU  FKCU UWRTC KORWIPGO UQD RGPC FG RTGUWOKTGOUG CEGKVQU QU HCVQU 5GTh Q RTGUGPVG GFKVCN CHKZCFQ G RWDNKECFQ PC HQTOC FC NGK %CKGKTCU ,70*1 $  G 

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 27 de junho de 2012

'FKVCN FG  G  .GKNlQ FG DGO KOxXGN G RCTC KPVKOCnlQ FG 6CVKNK %QPHGEnlQ +PHCPVKN .VFC PC RGUUQC FG UGW TGRTGUGPVCPVG NGICN DGO EQOQ RCTC KPVKOCnlQ FG 6QOOCUQ /CPEKPK G 'NK\GVG )WKFK /CPEKPK GZRGFKFQ PQU #WVQU FC #nlQ FG 'ZGEWnlQ FG 6sVWNQ 'ZVTCLWFKEKCN TGSWGTKFC RQT &CKU[ %CDTCN 1DGTNCGPFGT  2TQEGUUQ P   P FG 1TFGO  1 &T 4GPCVQ )WCPCGU 5KO|GU 6JQOUGP ,WK\ FG &KTGKVQ FC œ 8CTC %sXGN FQ (QTQ 4GIKQPCN +8  .CRC PC HQTOC FC .GK GVE (#< 5#$'4 CQU SWG Q RTGUGPVG GFKVCN FG œ G œ 2TCnC FG DGO KOxXGN XKTGO QW FGNG EQPJGEKOGPVQ VKXGTGO G KPVGTGUUCT RQUUC SWG Q NGKNQGKTQ PQOGCFQ 5T (GTPCPFQ %CDGnCU $CTDQUC OCVTKEWNCFQ PC ,WEGUR P  EQO GUETKVxTKQ PC 4WC #HQPUQ $TC\  ELVQ   8KNC 0QXC %QPEGKnlQ  5lQ 2CWNQ52 G PC HQTOC FQ CTV # FQ %2% TGIWNCOGPVCFQ RGNQ 2TQXKOGPVQ  CVTCXoU FQ IGUVQT LWFKEKCN JQOQNQICFQ RGNQ 6TKDWPCN FG ,WUVKnC 999#44'/#6',7&+%+#.%1/$4 PQ FKC  iU  JQTCU VGTh KPsEKQ C œ RTCnC G UG GUVGPFGTh RQT VTqU FKCU UWDUGSWGPVGU GPEGTTCPFQUG GO  iU  UGPFQ GPVTGIWG C SWGO OCKU FGT KIWCN QW CEKOC FC CXCNKCnlQ UGPFQ SWG GO PlQ JCXGPFQ NKEKVCPVGU CDTKTUGh C œ RTCnC PQ FKC  iU  G UG GPEGTTCTh PQ FKC  iU  JQTCU RCTC Q  .GKNlQ QECUKlQ GO SWG Q TGHGTKFQ DGO UGTh GPVTGIWG C SWGO OCKU FGT PlQ FGXGPFQ UGT CEGKVQ NCPEG KPHGTKQT C  FC CXCNKCnlQ CVWCNK\CFC 2GNQ RTGUGPVG GFKVCN HKECO KPVKOCFQU 6CVKNK %QPHGEnlQ +PHCPVKN .VFC PC RGUUQC FG UGW TGRTGUGPVCPVG NGICN 5T 6QOOCUQ /CPEKPK DGO EQOQ C KPVKOCnlQ FCU RGUUQCU HsUKECU FG 6QOOCUQ /CPEKPK G 'NK\GVG )WKFK /CPEKPK UG PlQ KPVKOCFQU RGUUQCNOGPVG QW PC RGUUQC FG UGWU CFXQICFQU %10&+c®'5 &' 8'0&# &15 .#0%'5 1 RTGUGPVG .GKNlQ UGTh GZENWUKXCOGPVG QPNKPG UGPFQ SWG QU NCPEGU FGXGTlQ UGT QHGTGEKFQU CVTCXoU FG UKUVGOC GNGVTzPKEQ FQ IGUVQT 999#44'/#6',7&+%+#.%1/$4 G KOGFKCVCOGPVG FKXWNICFQU QPNKPG FG OQFQ C XKCDKNK\CT C RTGUGTXCnlQ FQ VGORQ TGCN FCU QHGTVCU 0lQ UGTh CFOKVKFQ UKUVGOC PQ SWCN QU NCPnQU UGLCO TGOGVKFQU RQT GOCKN G RQUVGTKQTOGPVG TGIKUVTCFQU PQ UKVG FQ IGUVQT CUUKO EQOQ SWCNSWGT QWVTC HQTOC FG KPVGTXGPnlQ JWOCPC PC EQNGVC G PQ TGIKUVTQ FQU NCPnQU &1 2#)#/'061 1 #TTGOCVCPVG FGXGTh FGRQUKVCT PQ RTC\Q KORTQTTQIhXGN FG  JQTCU Q XCNQT FQ NCPEG XGPEGFQT CVTCXoU FC IWKC FG FGRxUKVQ LWFKEKCN C UGT QDVKFC PC CIqPEKC FQ HxTWO QW CVTCXoU FQ UKVG YYYDDEQODT  #NVGTPCVKXCOGPVG Q CTTGOCVCPVG RQFGTh QRVCT RGNQ FGRxUKVQ PQ RTC\Q FG  JQTCU FG  FQ XCNQT FG CXCNKCnlQ G Q UCNFQ GO  FKCU OGFKCPVG EJGSWG ECWnlQ PQU VGTOQU FQ CTVKIQ  FQ %2% &# %1/+55­1 &1 .'+.1'+41 # EQOKUUlQ FQ NGKNQGKTQ UGTh FG  EKPEQ RQT EGPVQ UQDTG Q XCNQT FG CTTGOCVCnlQ C UGT RCIC RGNQ CTTGOCVCPVG PQ RTC\Q FG CVo  JQTCU CRxU Q NGKNlQ CVTCXoU FG VTCPUHGTqPEKC DCPEhTKC FKTGVC  6'& PC EQPVC C UGT HQTPGEKFC QRQTVWPCOGPVG GO PQOG FQ .GKNQGKTQ 1HKEKCN &1 #761 &' #44'/#6#c­1 #RxU C GHGVKXC NKSWKFCnlQ FQU RCICOGPVQU CEKOC Q CWVQ FG CTTGOCVCnlQ UGTh CUUKPCFQ RGNQ ,WK\ +/+55­1 0# 2155' 1 CTTGOCVCPVG RTQXKFGPEKCTh RGTCPVG Q ,Ws\Q EQORGVGPVG C KOKUUlQ PC RQUUG &# #&,7&+%#c­1 %CUQ Q GZGSWGPVG XGPJC C CFLWFKECT Q DGO HKECTh KIWCNOGPVG TGURQPUhXGN RGNQ RCICOGPVQ FC EQOKUUlQ FQ .GKNQGKTQ UQDTG Q XCNQT FC CXCNKCnlQ &# 4'/+c­1 0C JKRxVGUG FG TGOKnlQ FC GZGEWnlQ PQU VGTOQU FQ CTVKIQ  FQ %2% Q FGXGFQT RCICTh C EQOKUUlQ FQ .GKNQGKTQ 1HKEKCN FG  EKPEQ RQT EGPVQ  UQDTG Q XCNQT FG CXCNKCnlQ FQ DGO FGXGPFQ CRTGUGPVCT QU RCICOGPVQU CQ .GKNQGKTQ 1HKEKCN EQPLWPVCOGPVG EQO C RGVKnlQ HC\GPFQ GZRTGUUC OGPnlQ i TGOKnlQ FC GZGEWnlQ ECUQ GO SWG PlQ FGXGTh HC\GT WUQ FQ RTQVQEQNQ KPVGITCFQ #%14&1 %CUQ JQWXGT CEQTFQ GPVTG CU RCTVGU UGTh FGXKFC C EQOKUUlQ FG  UQDTG Q XCNQT FQ CEQTFQ RQT RCTVG FQ FGXGFQT RCTC EQDGTVWTC FQU EWUVQU FQ NGKNlQ (#.' %1015%1 'XGPVWCKU F}XKFCU RQFGTlQ UGT GUENCTGEKFCU PQ GUETKVxTKQ FQ .GKNQGKTQ 1HKEKCN PC 4WC #HQPUQ $TC\  ELVQ   8KNC 0QXC %QPEGKnlQ  5lQ 2CWNQ52 QW CKPFC RGNQU VGNGHQPGU  GOCKN EQPVCVQ"CTTGOCVGLWFKEKCNEQODT +/Ï8'. %#5# 5+67#&# 0# 47# ,1#<'+41   EQPUVKVWsFC RQT  NQVGU FG VGTTGPQ UQD PU  G  FCU SWCFTC  PQ DCKTTQ FQ 5WOCTo PQ œ 5WDFKUVTKVQ 2GTFK\GU OGFKPFQ Q FG P  O FG HTGPVG RCTC C TWC ,QC\GKTQ C EQPVCT FG  O FC GUSWKPC FC XKGNC P  RQT O FC HTGPVG CQU HWPFQU FG WO NCFQ EQPHTQPVCPFQ EQO Q NQVG   OGVTQU FQ QWVTQ NCFQ EQPHTQPVCPFQ EQO Q NQVG  VGPFQ CQU HWPFQU O FG NCTIWTC EQPHTQPVCPFQ EQO C RTQRTKGFCFG FG 1NsORKQ FC 5KNXC /KTCPFC QW UWEGUUQTGU G Q FG P  OGFG O FG HTGPVG RCTC C TWC ,QC\GKTQ RQT O FC HTGPVG CQU HWPFQU FG WO NCFQ QPFG EQPHTQPVC EQO Q NQVG  O FQ QWVTQ NCFQ EQPHTQPVCPFQ EQO Q NQVG  VGPFQ PQU HWPFQU O FG NCTIWTC QPFG EQPHTQPVC EQO C RTQRTKGFCFG FG 1NKORKQ FC 5KNXC /KTCPFC QW UWEGUUQTGU %QPUVC PC CXGTDCnlQ  CWOGPVQ FG hTGC EQPUVTWsFC EQO O %QPUVC PC #8  C FKUVTKDWKnlQ FC RTGUGPVG CnlQ G PC #8  C RGPJQTC GZGS€GPFC OCVTsEWNC  FQ  %4+ FC %CRKVCN EQPVTKDWKPVG 2/52 P   #XCNKCnlQ 4    SWG UGTh CVWCNK\CFQ CVo C FCVC FQ NGKNlQ RGNC 6CDGNC 2ThVKEC FQ 6,52 8CNQT FQ &oDKVQ 4  CVo CDTKN  &QU CWVQU PlQ EQPUVC TGEWTUQ RGPFGPVG FG LWNICOGPVQ 6#:#5 ' +/215615 'XGPVWCKU VCZCU QW KORQUVQU KPEKFGPVGU UQDTG Q DGO EQTTGTlQ RQT EQPVC FQ CTTGOCVCPVG QW CFLWFKECPVG EQO GZEGnlQ FQU FoDKVQU FQ … }PKEQ FQ CTVKIQ  FQ %60 SWG UG UWDTQICO UQDTG Q RTGnQ FQ DGO 5GTh Q RTGUGPVG GFKVCN CHKZCFQ G RWDNKECFQ PC HQTOC FC NGK 5lQ 2CWNQ  FG OCKQ FG  $ 'FKVCN FG 2TCnC ÑPKEC FG $GO +OxXGN G RCTC +PVKOCnlQ FQU GZGEWVCFQU /CWTQ 4QFTKIWGU 4KDGKTQ 4)  G %2(  G UO 1OsNKC *GNGPC 4QFTKIWGU 4KDGKTQ 4)  G %2(  GZRGFKFQ PQU CWVQU FC CnlQ FG 'ZGEWnlQ *KRQVGEhTKC .GK  OQXKFC RGNQ $CPEQ $TCFGUEQ 5# %02,  2TQEGUUQ P    # &TC (GTPCPFC 5QCTGU (KCNFKPK ,Ws\C FG &KTGKVQ FC œ 8CTC %sXGN  (QTQ 4GIKQPCN ++  5CPVQ #OCTQ52 PC HQTOC FC .GK GVE (#< 5#$'4 SWG EQO HWNETQ PC .GK  G TGIWNCOGPVCFQ RGNQ 2TQXKOGPVQ %5/ P  FQ 6,52 CVTCXoU FG CVTCXoU FQ RQTVCN YYYUVKNQNGKNQGUEQODT RQTVCN FG NGKN|GU QPNKPG NGXCTh C R}DNKEQ RTGIlQ FG XGPFC G CTTGOCVCnlQ GO 2TCnC ÑPKEC EQO KPsEKQ PQ FKC  iU  JQTCU G VoTOKPQ PQ FKC  iU  JQTCU UGPFQ Q %ToFKVQ *KRQVGEhTKQ FG 4    Q SWCN FGXGTh UGT CVWCNK\CFQ CVo C FCVC FC 2TCnC Q KOxXGN CDCKZQ FGUETKVQ EQPHQTOG EQPFKn|GU FG XGPFC EQPUVCPVGU FQ RTGUGPVG GFKVCN 1 .GKNlQ UGTh EQPFW\KFQ RGNQ .GKNQGKTQ 2}DNKEQ 1HKEKCN 5T )WUVCXQ %TKUVKCPQ 5COWGN FQU 4GKU OCVTKEWNCFQ PC ,WPVC %QOGTEKCN FQ 'UVCFQ FG 5lQ 2CWNQ ,7%'52 UQD Q P  1U NCPEGU RQFGTlQ UGT QHGTVCFQU RGNC +PVGTPGV CVTCXoU FQ UKVG YYYUVKNQNGKNQGUEQODT  )GUVQT 1HKEKCN %QTTGTlQ RQT EQPVC FQ CTTGOCVCPVG VQFCU CU RTQXKFqPEKCU PGEGUUhTKCU RCTC C KOKUUlQ PC RQUUG FQ KOxXGN DGO EQOQ CU FGURGUCU EQO VTCPUHGTqPEKC KPENWKPFQ VCZCU G GOQNWOGPVQU ECTVQThTKQU ' GXGPVWCKU FoDKVQU FG +267 G %QPFQOsPKQU UQDTG Q KOxXGN EQTTGTlQ RQT EQPVC FQ CTTGOCVCPVG 1 CTTGOCVCPVG FGXGTh GHGVWCT Q RCICOGPVQ FQ RTGnQ FQ DGO CTTGOCVCFQ PQ RTC\Q FG CVo J XKPVG G SWCVTQ JQTCU CRxU Q GPEGTTCOGPVQ FQ NGKNlQEKqPEKC FC NKDGTCnlQ FQ NCPEG EQPFKEKQPCN CVTCXoU FG IWKC FG FGRxUKVQ LWFKEKCN GO HCXQT FQ ,Ws\Q TGURQPUhXGN UQD RGPC FG UG FGUHC\GT C CTTGOCVCnlQ 1 CTTGOCVCPVG FGXGTh RCICT CKPFC C 5VKNQ .GKN|GU )GUVQT ,WFKEKCN PQ OGUOQ RTC\Q C VsVWNQ FG EQOKUUlQ Q XCNQT EQTTGURQPFGPVG C  EKPEQ RQT EGPVQ UQDTG Q RTGnQ FG CTTGOCVCnlQ FQ KOxXGN EQPHQTOG FKURQUKnlQ GZRTGUUC FQ CTVKIQ  RCThITCHQ }PKEQ FQ &GETGVQ .GK  CVTCXoU FG FGRQUKVQ DCPEhTKQ GO PQOG FG )WUVCXQ %TKUVKCPQ 5COWGN FQU 4GKU %2(  EQPVC EQTTGPVG P  FC #IGPEKC  FC %CKZC 'EQPzOKEC (GFGTCN PlQ GUVCPFQ C TGHGTKFC EQOKUUlQ KPENWsFC PQ XCNQT FQ NCPEG G PlQ UGTh FGXQNXKFC CQ CTTGOCVCPVG GO PGPJWOC JKRxVGUG UCNXQ UG C CTTGOCVCnlQ HQT FGUHGKVC RQT FGVGTOKPCnlQ LWFKEKCN QW RQT TC\|GU CNJGKCU C XQPVCFG FQ CTTGOCVCPVG G FGFW\KFCU CU FGURGUCU KPEQTTKFCU +OxXGN C UGT 2TCEGCFQ #RCTVCOGPVQ P  NQECNK\CFQ PQ  RCXKOGPVQ FQ $NQEQ ´%µ FGUKIPCFQ ´'FKHsEKQ 6QTTG &G 2KUCµ KPVGITCPVG FQ GORTGGPFKOGPVQ /QTWODK 5WN 6QYGTU UKVWCFQ PC 4WC &QKU G 4WC 3WCVTQ CVWCN 6TCXGUUC .W\ FC 0CVWTG\C  5WDFKUVTKVQ5CPVQ #OCTQ EQO hTGC RTKXCVKXC FG Oï hTGC EQOWO FG Oï Lh KPENWsFC C hTGC EQTTGURQPFGPVG C WOC XCIC FG ICTCIGO FGUEQDGTVC GO NQECN KPFGVGTOKPCFQ G hTGC VQVCN FG Oï OCVTsEWNC  FQ  %4+ FC %CRKVCN EQPVTKDWKPVGU   G  #/  #XCNKCnlQ 4    UGPFQ GPVTGIWG RQT RTGnQ PlQ KPHGTKQT CQ FC CXCNKCnlQ SWG UGTh CVWCNK\CFC CVo C FCVC FC CNKGPCnlQ LWFKEKCN FG CEQTFQ EQO QU sPFKEGU QHKEKCKU #FLWFKECnlQ  0C JKRxVGUG FG CFLWFKECnlQ FQ DGO RGNQ GZGS€GPVG GUVG HKECTh TGURQPUhXGN RGNQ RCICOGPVQ FC EQOKUUlQ FGXKFC CQ .GKNQGKTQ 2}DNKEQ 1HKEKCN SWG PGUUG ECUQ UGTh FG  VTqU RQT EGPVQ  4GOKnlQ FC 'ZGEWnlQ QW #EQTFQ  5G Q U GZGEWVCFQ U  CRxU C RWDNKECnlQ FQ 'FKVCN RCICT C FsXKFC QW EGNGDTCT CEQTFQ CPVGU FG CFLWFKECFQ QW CNKGPCFQ Q DGO FGXGTlQ CRTGUGPVCT CVo C FCVC G JQTC FGUKIPCFQU RCTC Q NGKNlQ C IWKC EQORTQDCVxTKC FQ TGHGTKFQ RCICOGPVQ CEQORCPJCFC FG RGVKnlQ HC\GPFQ OGPnlQ GZRTGUUC SWCPVQ C TGOKnlQ FC GZGEWnlQ QW EGNGDTCnlQ FQ CEQTFQ UGPFQ XGFCFQ RCTC VCN HKPCNKFCFG Q WUQ FQ RTQVQEQNQ KPVGITCFQ 0GUVG ECUQ FGXGTlQ Q U GZGEWVCFQ U RCICT C KORQTVjPEKC FGXKFC CVWCNK\CFC CETGUEKFC FG LWTQU EWUVCU RTQEGUUWCKU JQPQThTKQU CFXQECVsEKQU G C EQOKUUlQ FGXKFC CQ .GKNQGKTQ 2}DNKEQ 1HKEKCN FG  EKPEQ RQT EGPVQ UQDTG Q XCNQT RCIQ FsXKFC GZGS€GPFC  6QFCU CU TGITCU G EQPFKn|GU FQ .GKNlQ GUVlQ FKURQPsXGKU PQ 2QTVCN YYYUVKNQNGKNQGUEQODT &QU CWVQU PlQ EQPUVC TGEWTUQ RGPFGPVG FG LWNICOGPVQ 5GTh Q RTGUGPVG GFKVCN RQT GZVTCVQ CHKZCFQ G RWDNKECFQ PC HQTOC FC NGK 5lQ 2CWNQ  FG LWPJQ FG  $   G 

4ª Vara Cível, do Foro Regional XI - Pinheiros EDITAL DE CITAÇÃO - PRAZO DE 20 DIAS - PROCESSO Nº 0104856-70.2009.8.26.0011 - O(A) Doutor(a) Paulo Jorge Scartezzini Guimarães, MM. Juiz(a) de Direito da 4ª Vara Cível, do Foro Regional XI - Pinheiros, da Comarca de SÃO PAULO, do Estado de São Paulo, na forma da Lei, etc. FAZ SABER a(o) Yukie Corretora de Seguros de Vida Ltda., CNPJ. 07.918.768/0001-98, na pessoa de seu representante legal e a Elizabeth Yukie Kataoka Rodrigues, RG. 17.961.045-4 e CPF. 271.867.368-07, que Nova Distribuidora de Veículos Ltda. lhes ajuizou uma ação Monitória, para cobrança de R$ 17.991,12 (março/2009), representada pelos documentos anexos aos autos. Estando os réus em local incerto e não sabido foi expedido o presente edital, para que em 15 dias, a fluir após os 20 dias supra, paguem o “quantum” reclamado ou ofereçam Embargos, sob pena de não o fazendo, constituir-se em título executivo judicial a inicial pretendida e prosseguindo-se na forma prevista no Livro I, Título VIII, Capítulo X do CPC. Será o presente edital, por extrato, afixado e publicado na forma da lei, sendo este Fórum localizado na Rua Jericó s/n, Sala C, Vila Madalena - CEP 05439-030, Fone: (11) 3815-1014, São Paulo-SP. São Paulo, 25 de junho de 2012. %KVCnlQ  2TC\Q  FKCU  2TQE  P FG 1TFGO  # &TC 'FKNK\ %NCTQ FG 8KEGPVG 4GIKPCVQ ,Ws\C FG &KTGKVQ FC œ 8CTC %sXGN FC %QOCTEC FG 6CDQlQ FC 5GTTC52 PC HQTOC FC .GK GVE (C\ 5CDGT C 5CEQRCEM +PFWUVTKCN .VFC 'RR PC RGUUQC FG UGW TGRTGU NGICN SWG &TQICTKC 1PQHTG .VFC CLWK\QW #nlQ &GENCTCVxTKC QDLGVKXCPFQ UGLC LWNICFC RTQEGFGPVG RCTC FGENCTCT C KPGZKIKDKNKFCFG FQ FoDKVQ CRQPVCFQ RGNC To PQ XCNQT FG 4  RTQXGPKGPVG FQ KPFGXKFQ RTQVGUVQ TGCNK\CFQ EQPFGPCPFQUG C To C XGTDC JQPQThTKC EWUVCU G QWVTCU RTQPWPEKCn|GU VGPFQ C CWVQTC CLWK\CFQ #nlQ %CWVGNCT FG 'ZKDKnlQ FG &QEWOGPVQU  2TQE P  EWLC NKOKPCT HQK FGHGTKFC 'UVCPFQ C TGSFC GO NWICT KIPQTCFQ HQK FGHGTKFC C EKVCnlQ RQT GFKVCN RCTC SWG PQ RTC\Q FG  FKCU C HNWKT CRxU QU  FKCU UWRTC EQPVGUVG UQD RGPC FG RTGUWOKTGOUG CEGKVQU QU HCVQU 5GTh Q GFKVCN RQT GZVTCVQ CHKZCFQ G RWDNKECFQ PC HQTOC FC NGK $  G 

2:E< 2 <:<L0       '  2(2:DH G:2^ 306J3:0 2 3<K20 <E2 %3D7 $#A,+/-#$$$-!/A& <(3:6 (:6L 2 :<8 %3 $1-1$.-.,!-+&  DD20 (:6L 2 :<8 %3 *+,/A,-$,!+#&U 0 2   66 7"  2  >  =   "   -$C 8 39  3     !      S 5   ;                ;    79"   !     ' ?"   D080 3DE0 3063:< :5:L0 E0 <E2    2(2:DH G:2^ 306J3:0 2 3<K20 <E2  0(E0   N $$-1*A+! #-*$$1,*/$A$/ %/1#$1&            '         '   U 2 < V 0 -N    9  $*  ?  *$-* W --U-A  D         W  Q     # %T&  ;X    9  -N  P *N  !!        !   $A  ?  *$-* W --U-A       *A  ?  *$-* W --U-A  2 3    < V 0    "   6:0 <EYD:30 =    ZZZ ?         7 <(E ! :       7   3D76   N $,#../+/$$$-!$-   <  0     3     7  3       V 7(3   /+. 2 8  69   8   5 V D -N     9               ? ; =  M 1A1/A/$ %;      ;                & D *N     9          /$[ %      &      ? 2 3     7 V 0     W   7 <(E  9            A[ %      &        2    V 0         :   =    ZZZ ?  2  =  V   >                 T           2   V        ?                '          W   7 <(E  A[ %      &        E       O    9   ZZZ ?               36 N -/*A$.  E7     ##A  3@               O          <KL0 20 5D ! 5 U -! $+ %&   T    5           U M #+,$$ %"        &P*! $/ %&      0              U M -11$$ %   ;   ; &P#! $/ %&   T    0             U M -$*$$ %     &1! *- %   &            G            U M ,,*$$ %           &PA! #$ % &                  U M +*$$$ %      &P/! $# %T&                  U +*$$ %     &P+! *1 %   ; &   T               U M +.*$$ %         &P,! *$ % &      3  6             U M //$$$ %      &P.! $, %  &   T  G 5 _           U M -.*$$ %        &P-$! #1 %   ; &   T   =   =           U M -$*$ %    &P--! #A %     &        3          U M *+/A$$ %            &P-*! *$ % &          6            U M -A,$$$ % ;       &P-#! -* % "&      5            U M /$$$$ %   &P-1! $1 %; &   T   G   U M -/,$$ %       &P-A! ** %    &        0 =           U M ,A,$$ %       ;    &P-/! -1 %; "&         6S G           U M 1*$$$ %;       &P-+! *- %   &   T   G` a G`            U M /#$$$ %      &P-,! *- %   &   T    G_            U M /#$$$ %      &P-.! -. %" &                    U M **,$$ %"        &P*$ V *# %   T&   T   5 H_           U M AA*$$ %;      ;     &P*-! 1/ %;   &              ?            -* % "&                  U M *A*$$ %"     ;     &P**! 1- %;   &   T   G           U M ,/-$$ %          &P*#! -+ %"&       5            U M ,$AA$ %           ;    &P*1! -, %"  &      5            U M -*#-$$ % "        &P*A! $* % &   T   3@   #1       "  U M 1,$$ %;    &P*/! -A %; "&      G_           U M ,.-$$ %          &P*+! $A %  &      G            U M */+$$ %"        &P*,! ,%    &       2             U M .+*$$ %          &P*.! -$+ %   &      E `           U M #*-$$$ %T  "    " &P#$! A# % ;   T&      2`              U M -1#-$$ % ;         &P#-! -. %" &       2`             U M AA,/$ %;      ;          &P#*! -# %"&   T    2`             U M *+#$$ %"       T &P##! #1 %   ; &      GT            U M A+,$$ %;         &P#1! // %   &      G_          U M #-/,$$ %T         &P#A! -*A %        &   T   G_           U M 1A$$ %;   ;    &P#/! *1 %   ; &      G           U M --*,$$ %        &P#+! 1# %;   T&   T   G            U M **#/$$ %   "        &P#,! #* %    &       G            U M 1,$$$ %;       &P#,! +* %    &                  U M *#+/$$ %   "        &P #.! #/ %   &   T              U M -1$1$$ % ;     ; &P 1$! ,. %    &                 U M */+$$$ %         &  E U M 1A1/A/$ %;      ;                & < " U 0         H <9   N *.A   ! 2=    U M *A+/-#$+ %"     ;         "   "   &   " = "  *$--D        'T           ?           D  B

2:E< 2 <:<L0 2 -C  *C K      0D<20 0D3 <6H %  &   36   N -#A+,##*/!-A     <(3: F:<<: <6H   36   N .-#*A+#$,!-A   DE0 0D3 <6H   36   N -,-$++A#/!-A         2 <:<:D GIG0 H:0G: 66 79"  2  -C 8 39          !      S 5   ;     -C  *C     @             ;    79"  !       '  E9 '? ?"   DE0 3:70 6<E    0D<20 0D3 <6H   !   N $-,+1,A!-+-..,,*/*$$* %$$*.,-,+1,A!.&  ;          '         '   U 20 :6d8< ! 0 @      e2 30(f    ;             @       9   ZZZ   2 8::EKL0 !        !  g   20 <:<L0 V 0 <  "   6:0 <EYD:30 =    ZZZ    -C     9  $1$+*$-* W -1U$$      $/$+*$-* W -1U$$                   P

              !!     *C   ;   9  $/$+*$-* W -1U$-      $*$,*$-* W -1U$$         9  /$[                     O ;   20 30D2(E0 20 <:<L0 V 0 <   "  <  0      3     7  3       V 7(3   N ,11 20 8<0 6cD:60 2 8D2 20 56 V D *C     9            /$[ %      &      ? ;  " =      ? 20 <D3 V 0         :   =    ZZZ   20 2J5:E0 V   >    @          '   =   :E(   '     ;  !            -#$ hf   \    3ED 20  6DE0 ! 0              "  = *1 %   ; &   @       =    @ ?     79"          "    2 306:L0 V 0     W 6 <:<0 E0 7(2:3:<  9            A[ %      &       @     W 6 <O   ?

  9      

         @            ?    "O  W       "      20  6DE0 2 306:L0 ! 0       6 <:<L E0 7(2:3:<   "  = *1 %   ; &            =    @ ;      ! 2 27(2:3KL0 V D @  ?    ';          E       O  <   9   ZZZ               O          <KL0 20 5DU 69 N -#-.+$  -AN 3@    :@    U :6d8< V 0   N --    " -N    h30D206iD:0 2:i3:0 D2 3DI0Df  W   2;   N $. 6  #$N  :         1//,,$   ;         *$.+$$   ;       #*#$$$   ;        ...A,   ;      !      --/$*$[                      9          =            '9         3    $*  9     ';   @ ?  9       0D<20 0D3 <6H 3     ;     U $- %& hf     $- %&     $* % &   $- %&   $* %&     $- %&   ; $- %&    "   $- %&   ?  $- %&   E8 $1 %; &  @    $- %&      $* % & h f $A %  &      $- %&        $- %&     $- %&   $- %&  "  $- %&     $- %&   $* % & ;     $- %&     3   N #$$$A-$-$,!* 3          ;  =      29     M -$$/,#/1 %--$/*$-*&  ;  =   :E(  '9     M -/1,A./ %--$/*$-*& 2=       M 1/$/-A*$ V 6 *$-* 8    U M *1$*,/$-# %  O ;                 "   & 6 *$-* ;  " =          "    E7 j

2:E< 2 <:<L0       '  2D GF6( :D G: %3U *A$.A,**,!#$&   > ? :0D :D G:U 0 2   66 7"  2  =  3  2  #C 8 39  3   !     S 5   ;                ;    79"   !      '  E9 '? ?"   30D  KL0 2 :6L 2 08:2RD3:   2D GF6( :D G:   N $1,$-*$$,$-#+**!A %*-11*$$,&           '         '   U 2   V  -C     9  $#  ?  *$-* W -#U$$  D         W  Q     # %T&  ;X    9  -C  P  *C   !!        !  $/  ?  *$-* W -#U$$       *A  ?  *$-* W -#U$$  2 3      V     "   6:0 <EYD:30 =    ZZZ ?     "    7 <(E ! :       7   3D76   N $,#../+/$$$-!$-   <  0     3     7  3       V 7(3   /+. 2 8  69   8   5 V D -C     9               ? ; =  M A/A-.A$ % ;     ;     "     ;    & "  =   *$-* D *C     9          /$[ %      &      ? 2 3     7 V 0     W   7 <(E  9            A[ %      &       @ 2    V 0         :   =    ZZZ ?  2  =  V   >    @            '    -#$  \    3@ E D  2   V        ?                '          W   7 <(E  A[ %      &        E       O    9   ZZZ ?               36 N -/*A$.  E7     ##A  3@               O          <KL0 20 5D ! :@U A$[ % ;      &  @       N A$$ 7 : !   -1$*A ]    9      */A$$ ]           OU -*          P *,$$             N *$P        +A$          N -# 69 N A..,$  3@    :@  ! :   N -$$**$-+$$!$$-+/+$  U M A/A-.A$ % ;     ;     "     ;    & "  =   *$-* 05U 3      ; @         =   :E(  ;         =  @     =                  3    ;      =  8   U M *A-/-,. %                     &   " =   *$-*  ;

   ;  D        'T           ?         D  B

'&+6#. &' .'+.¬1 &' œ G œ 24#c# G FG KPVKOCnlQ FG /+.610 &' #./'+&# 01)7'+4# $#4415 FGRQUKVhTKQ  KPUETKVQ PQ %2(/( UQD Q P  G FG UWC OWNJGT UG ECUCFQ HQT G FC ETGFQTC JKRQVGEhTKC %#+:# '%10Ï/+%# ('&'4#.  %'( KPUETKVC PQ %02,/( UQD Q P  1 &T #PFGTUQP #PVQPWEEK // ,WK\ FG &KTGKVQ FC œ 8CTC %sXGN FQ (QTQ 4GIKQPCN FG 2GPJC FG (TCPnC  52 PC HQTOC FC NGK (#< 5#$'4 CQU SWG Q RTGUGPVG 'FKVCN FG œ G œ 2TCnC FQ DGO KOxXGN XKTGO QW FGNG EQPJGEKOGPVQ VKXGTGO G KPVGTGUUCT RQUUC SWG RQT GUVG ,Ws\Q RTQEGUUCOUG QU CWVQU FC #nlQ FG %QDTCPnC FG %QPFQOsPKQ RGNQ 2TQEGFKOGPVQ 5WOhTKQ CLWK\CFC RGNQ %10&1/Ê0+1 4'5+&Æ0%+#5 2#437' &1 %#4/1 GO HCEG FG /+.610 &' #./'+&# 01)7'+4# $#4415  RTQEGUUQ P 

 G SWG HQK FGUKIPCFC C XGPFC FQ DGO FGUETKVQ CDCKZQ FG CEQTFQ EQO CU TGITCU GZRQUVCU C UGIWKT &1 +/Î8'.  1 KOxXGN UGTh XGPFKFQ GO ECThVGT #& %14275³ G PQ GUVCFQ GO SWG UG GPEQPVTC #U HQVQU G C FGUETKnlQ FGVCNJCFC FQ KOxXGN C UGT CRTGIQCFQ GUVlQ FKURQPsXGKU PQ 2QTVCN YYYOGICNGKNQGUEQODT &# 8+5+6#c¬1  #U XKUKVCU FGXGTlQ UGT CIGPFCFCU XKC GOCKN XKUKVCECQ"OGICNGKNQGUEQODT &1 .'+.¬1 ° 1 .GKNlQ UGTh TGCNK\CFQ RQT /'+1 '.'64Ï0+%1 CVTCXoU FQ 2QTVCN YYYOGICNGKNQGUEQODT C œ 2TCnC VGTh KPsEKQ PQ FKC  iU JU G UG GPEGTTCTh FKC  iU JU QPFG UQOGPVG UGTlQ CEGKVQU NCPEGU KIWCKU QW UWRGTKQTGU CQ XCNQT FC CXCNKCnlQ PlQ JCXGPFQ NCPEG KIWCN QW UWRGTKQT CQ XCNQT FC CXCNKCnlQ UGIWKTUGh UGO KPVGTTWRnlQ C œ 2TCnC SWG VGTh KPsEKQ PQ FKC  iU JU G UG GPEGTTCTh PQ FKC  iU JU QPFG UGTlQ CEGKVQU NCPEGU EQO PQ OsPKOQ  FQ XCNQT FC CXCNKCnlQ &1 %10&7614 &1 .'+.¬1 ° 1 .GKNlQ UGTh EQPFW\KFQ RGNQ .GKNQGKTQ 1HKEKCN 5T (GTPCPFQ ,QUo %GTGNNQ )QPnCNXGU 2GTGKTC OCVTKEWNCFQ PC ,WPVC %QOGTEKCN FQ 'UVCFQ FG 5lQ 2CWNQ ° ,7%'52 UQD Q P  &1 8#.14 /Ê0+/1 &' 8'0&# &1 $'/ ° 0C œ 2TCnC Q XCNQT OsPKOQ RCTC C XGPFC FQ DGO EQTTGURQPFGTh C  UGUUGPVC RQT EGPVQ FQ XCNQT FC CXCNKCnlQ LWFKEKCN SWG UGTh CVWCNK\CFC CVo C FCVC FC CNKGPCnlQ LWFKEKCN &15 .#0%'5 ° 1U NCPEGU RQFGTlQ UGT QHGTVCFQU RGNC +PVGTPGV CVTCXoU FQ 2QTVCN YYYOGICNGKNQGUEQODT &15 &d$+615 ° 'XGPVWCKU zPWU UQDTG Q KOxXGN EQTTGTlQ RQT EQPVC FQ CTTGOCVCPVG GZEGVQ GXGPVWCKU FoDKVQU FG +267 G FGOCKU VCZCU G KORQUVQU SWG UGTlQ UWD TQICFQU PQ XCNQT FC CTTGOCVCnlQ PQU VGTOQU FQ CTV  ²ECRWV³ G RCThITCHQ }PKEQ FQ %60 &1 2#)#/'061  1 CTTGOCVCPVG FGXGTh GHGVWCT Q RCICOGPVQ FQ RTGnQ FQ DGO CTTGOCVCFQ PQ RTC\Q FG CVo JU XKPVG G SWCVTQ JQTCU CRxU Q GPEGTTCOGPVQ FQ NGKNlQ CVTCXoU FG IWKC FG FGRxUKVQ LWFKEKCN GO HCXQT FQ ,Ws\Q TGURQPUhXGN UQD RGPC FG UG FGUHC\GT C CTTGOCVCnlQ &# %1/+55¬1 ° 1 CTTGOCVCPVG FGXGTh RCICT i /')#.'+.1'5 )'5614 ,7&+%+#. C VsVWNQ FG EQOKUUlQ Q XCNQT EQTTGURQPFGPVG C  EKPEQ RQT EGPVQ UQDTG Q RTGnQ FG CTTGOCVCnlQ FQ KOxXGN # EQOKUUlQ FGXKFC i /GIC .GKN|GU IGUVQT LWFKEKCN PlQ GUVh KPENWsFC PQ XCNQT FQ NCPEG G PlQ UGTh FGXQNXKFC CQ CTTGOCVCPVG GO PGPJWOC JKRxVGUG UCNXQ UG C CTTGOCVCnlQ HQT FGUHGKVC RQT FGVGTOKPCnlQ LWFKEKCN QW RQT TC\|GU CNJGKCU i XQPVCFG FQ CTTGOCVCPVG G FGFW\KFCU CU FGURGUCU KPEQTTKFCU &1 2#)#/'061 &# %1/+55¬1  1 RCICOGPVQ FC EQOKUUlQ FC /')#.'+.­'5 )'5614 ,7&+%+#. FGXGTh UGT TGCNK\CFQ GO CVo JU XKPVG G SWCVTQ JQTCU C EQPVCT FQ GPEGTTCOGPVQ FQ NGKNlQ CVTCXoU FG IWKC FG FGRxUKVQ SWG UGTh GPXKCFC RQT GOCKN &# #&,7&+%#c¬1 ° 0C JKRxVGUG FG CFLWFKECnlQ FQ DGO RGNQ GZGSWGPVG GUVG HKECTh TGURQPUhXGN RGNC EQOKUUlQ FGXKFC 6QFCU CU TGITCU G EQPFKn|GU FQ .GKNlQ GUVlQ FKURQPsXGKU PQ 2QTVCN YYYOGICNGKNQGUEQODT # RWDNKECnlQ FGUVG GFKVCN UWRTG GXGPVWCN KPUWEGUUQ PCU PQVKHKECn|GU RGUUQCKU G FQU TGURGEVKXQU RCVTQPQU 4'.#c¬1 &15 $'05 /CVTsEWNC P  FQ  %CTVxTKQ FG 4GIKUVTQ FG +OxXGKU FG 5lQ 2CWNQ52 +/Î8'. ° 7OC ECUC UQD P  UKVWCFC i 4WC 7O KPVGITCPVG FQ ²%10,7061 &'01/+0#&1 4'5+&'0%+#5 2#437' &1 %#4/1³ PQ  UWDFKUVTKVQ ° 8KNC /CVKNFG EQPVGPFQ C hTGC RTKXCVKXC FG Oï C hTGC FG WUQ EQOWO FG Oï hTGC VQVCN FG Oï RQUUWKPFQ PQ VGTTGPQ C HTCnlQ KFGCN FG  GSWKXCNGPVG C  FQ VQFQ G UGW VGTTGPQ NQECNK\CFQ PC SWCFTC ²%³ FQ ²,#4&+/ &#5 %#4/'.+6#5³ OGFKPFQ O FG HTGPVG RQT O FC HTGPVG CQU HWPFQU FQ NCFQ GUSWGTFQ FG SWGO FQ KOxXGN QNJC RCTC C TWC G O FQ NCFQ FKTGKVQ VGPFQ PQU HWPFQU C OGFKFC FG O GPEGTTCPFQ C hTGC FG Oï %QPUVC PQ 4  FGUVC OCVTsEWNC SWG Q KOxXGN QDLGVQ FGUVC OCVTsEWNC HQK FCFQ GO JKRQVGEC C HCXQT FC %#+:# '%10Ï/+%# ('&'4#. %'(  KPUETKVC PQ %02,/( UQD Q P  %QPUVC PQ 4  FGUVC OCVTsEWNC C RGPJQTC GZGSWGPFC FQ KOxXGN QDLGVQ FGUVC OCVTsEWNC VGPFQ UKFQ PQOGCFQ EQOQ FGRQUKVhTKQ Q GZGEWVCFQ /+.610 &' #./'+&# 01)7'+4# %QPUVC PQ NCWFQ FG CXCNKCnlQ SWG UQDTG Q VGTTGPQ FQ KOxXGN GPEQPVTCUG GFKHKECFC WOC ECUC EQO ECTCEVGTsUVKECU FG WUQ TGUKFGPEKCN GPEGTTCPFQ C hTGC VQVCN EQPUVTWsFC FG Oï # ECUC VoTTGC CUUQDTCFCFC RQUUWK PQ RKUQ VoTTGQ SWKPVCN UCNC EQ\KPJC DCPJGKTQ G ICTCIGO 0Q RKUQ UWRGTKQT RQUUWK  FQKU FQTOKVxTKQU G DCPJGKTQ %QPVTKDWKPVG P  %QPUVC PQ UKVG FC 2TGHGKVWTC FG 5lQ 2CWNQ52 SWG Jh FoDKVQU KPUETKVQU PC &sXKFC #VKXC PQ XCNQT FG 4    &oDKVQU FGUVC CnlQ PQ XCNQT FG 4  /CKQ  %QPHQTOG KPHQTOCnlQ FC CFXQICFC GZKUVG #nlQ FG %QDTCPnC FG %QPFQOsPKQ RGNQ 2TQEGFKOGPVQ 5WOhTKQ RTQEGUUQ P    TGSWGTKFC RQT %10&1/Ê0+1 4'5+&Æ0%+#5 2#437' &1 %#4/1 GO HCEG FG /+.610 &' #./'+&# 01)7'+4# $#4415 GO VTjOKVG RGTCPVG C œ 8CTC %sXGN FQ (QTQ 4GIKQPCN FG 2GPJC FG (TCPnC52 EWLQ FoDKVQ OQPVC Q XCNQT FG 4  /CKQ  #nlQ FG %QDTCPnC FG %QPFQOsPKQ RGNQ 2TQEGFKOGPVQ 5WOhTKQ RTQEGUUQ P    TGSWGTKFC RQT %10&1/Ê0+1 4'5+&Æ0%+#5 2#437' &1 %#4/1 GO HCEG FG /+.610 &' #./'+&# 01)7'+4# $#4415 GO VTjOKVG RGTCPVG C œ 8CTC %sXGN FQ (QTQ 4GIKQPCN FG 2GPJC FG (TCPnC52 EWLQ FoDKVQ OQPVC Q XCNQT FG 4  /CKQ G #nlQ FG %QDTCPnC FG %QPFQOsPKQ RGNQ 2TQEGFKOGPVQ 5WOhTKQ RTQEGUUQ P  TGSWGTKFC RQT %10&1/Ê0+1 4'5+&Æ0%+#5 2#437' &1 %#4/1 GO HCEG FG /+.610 &' #./'+&# 01)7'+4# $#4415 GO VTjOKVG RGTCPVG C œ 8CTC %sXGN FQ (QTQ 4GIKQPCN FG 2GPJC FG (TCPnC52 EWLQ FoDKVQ OQPVC Q XCNQT FG 4  /CKQ  2QTVCPVQ Q XCNQT VQVCN FQ FoDKVQ EQPFQOKPKCN o FG 4  /CKQ  8CNQT FC #XCNKCnlQ 4  EGPVQ G XKPVG G PQXG OKN PQXGEGPVQU G UGUUGPVC G FQKU TGCKU G VTG\G EGPVCXQU /CKQ SWG UGTh CVWCNK\CFQ CVo C FCVC FC CNKGPCnlQ EQPHQTOG VCDGNC FG CVWCNK\CnlQ OQPGVhTKC FQ 6,52                                                     ! "  #$ % &  '       (    ) *+,$-*$$.$-++-/!$ %0 ) #11**$$.& 0 2 3   4 5  66 7"  2  - 8 39     3   :;;    <  "      ;                                                 =                  > ?     ;  8    7   3 8   ?"    (        9   @      ; ) +.$ 8 7  :;;         -#/-1/* :  6  ) 111A*-#1+$-*A$$$$$!*            9  "  =                                                                ;             "  -A  ;          ;          '!    ;     '     B   3  ; 7 =  3   "    %#$&        N AA1$-*$-$$-#A#+!* !  N +A/*$-$&     :DE:E(E0 6E02:E 2 D:D0 (:0 0 2 <8:0 :D<< H<H:< 7"  2  #C 8 39  3      = "   7 =  3 %36 N $A$+-$+A,!/A   N -/#1.-*,!,& ; :  6        ?"    6 @      M 1$1,,A % *$-$&     ; N $-$-#AP $-$-#/  $-$-#+   

                      =                ; "  -A          #$        ;        =     "      ;          %    &P    

     !!     9 ' ?    !    %    &    '     !      < : E9 8::: 39 4  3@    3P    =             P            =    79" %

     &       @           D2 6:   ;            =   ? ;    Q  '!   ;     '     B

   !" *$ % &    ) **1$-*$-$$#-A+#!-$$$$$$!$$$ 0 ) -*AA*$-$ 0%& 2  %& 6R3: 5<D 66 7"%&  2 E  , 8 39  3               S    0   O 3  < 3D7 $,+*1+.,$$$-!*/          ; 5:<<D E: 0 2 0E:3 <E2   ?"     ' 2 E9 '? ?        9 "  ;   M-$.,$.+  T             =      

  '!          9 " "  T    '           @        "  -A  ;     "  *$                     D2 6: B

+PVKOCnlQ  2TC\Q  FKCU  2TQEGUUQ P    1 &QWVQT 41&4+)1 (#%%+1 &# 5+.8'+4# ,WK\ FG &KTGKVQ FC œ 8CTC %sXGN FQ (QTQ %GPVTCN FC %QOCTEC FC %CRKVCN (C\ 5CDGT C ,QlQ %CTNQU 2KPJGKTQ .GKVG 4) P  G %2(/( P  SWG PQU CWVQU FC #nlQ EQO 2TQEGFKOGPVQ 1TFKPhTKQ TGSWGTKFC RQT 5QEKGFCFG FQU #OKIQU 4GUKFGPEKCN /QTWODK HQK LWNICFC RTQEGFGPVG C CnlQ EQPFGPCPFQ Q 4GSWGTKFQ CQ RCICOGPVQ FG 4    'UVCPFQ Q 4GSWGTKFQ GO NWICT KIPQTCFQ GZRGFKWUG Q RTGUGPVG RCTC SWG GO  FKCU C HNWKT CRxU QU  FKCU UWRTC RCIWG Q XCNQT UWRTC QW CRTGUGPVG DGPU C RGPJQTC UQD RGPC FG PlQ Q HC\GPFQ UGT CETGUEKFQ FG OWNVC PQ RGTEGPVWCN FG  FQ OQPVCPVG FC EQPFGPCnlQ SWCPFQ UGTlQ RGPJQTCFQU DGPU RCTC ICTCPVKC FC GZGEWnlQ RQFGPFQ PQ RTC\Q FG  FKCU QHGTGEGT KORWIPCnlQ 5GTh Q RTGUGPVG GFKVCN RQT GZVTCVQ CHKZCFQ G RWDNKECFQ PC HQTOC FC NGK 5lQ 2CWNQ  $  G  %KVCnlQ 2TC\Q  FKCU 2TQEGUUQ P   P FG 1TFGO  # &TC %.#7&+# &' .+/# /'0)' ,Ws\C FG &KTGKVQ FC œ 8CTC %sXGN FQ (QTQ %GPVTCN FC %QOCTEC FC %CRKVCN (C\ 5CDGT C -CKVTQPKEU 6GEJPQNQIKGU FQ $TCUKN +ORQTVCFQTC 'ZRQTVCFQTC FG 'SWKRCOGPVQU 'NGVTzPKEQU .VFC %02, P  PC RGUUQC FG UGW TGRTGUGPVCPVG NGICN G %CTNQU (TGFGTKEQ %QPVKPK 2CTGLC RCUUCRQTVG P %1 SWG /KETQ +PHQTOhVKEC ..% CLWK\QW WOC #nlQ /QPKVxTKC QDLGVKXCPFQ Q TGEGDKOGPVQ FG 4    CETGUEKFQU FG LWTQU G EQTTGnlQ OQPGVhTKC 'UVCPFQ QU 4GSWGTKFQU GO NWICT KIPQTCFQ HQK FGHGTKFC C EKVCnlQ RQT GFKVCN RCTC SWG GO  FKCU C HNWKT CRxU QU  FKCU UWRTC RCIWGO Q XCNQT UWRTC FGXKFCOGPVG EQTTKIKFQ SWG QU VQTPCTlQ KUGPVQU FCU EWUVCU G JQPQThTKQU CFXQECVsEKQU QW GODCTIWGO UQD RGPC FG EQPXGTUlQ FQ OCPFCFQ FG EKVCnlQ GO GZGEWnlQ 5GTh Q RTGUGPVG GFKVCN CHKZCFQ G RWDNKECFQ PC HQTOC FC NGK 5lQ 2CWNQ  FG OCKQ FG  $  G    3 ! "  *$    $$#$,--1+.A!.%$--1+.A!#A*$$,,*/$$$#&  2 < 6  <  0 6  79"  2  -C 8 39       7;      "   8 : :   '  < %3D7 $A$+*/1#$$$-!/1&          ; <0 :E:3 DEF0G E3HD0<0 I 306J3:0 :60EKL0  40EKL0   ?"      0              M #+.AA.. %?  *$$,&       N -/+A*! #    M #$,-.A, 

       O                     =                ;  -A    @  *$            !             '       B

2:E< 2 <:<L0 2 -C  *C K      63<0 20 : 5:0D: %  &   36   N -+1-,+.*,!$,     :<< 62F 20 : 5:0D:   36   N *1A-A*//!$       3:4 30DY6:3 2< b 3   3D76   N $$#/$#$A$$$-!$1  2 6 39 6  "  66 79"  2  -C 8 39        6  !      S 5   ;     -N  *N <   @             ;    79"  !       3    3  9       ?"   30D206cD:0 2:c3:0 3:< <3      9   6: 3:2 2 60( 02: (    63<0 20 : 5:0D:     :<< 62F 20 : 5:0D: b   N $$$+1$+!+**$$A,*/$$$A %$$A$A$$+1$+!$&  ;          '         '   U 20 :6d8< ! 0 @      e2 30(f    ;             @       9   ZZZ ?   2 8::EKL0 !        !  g   2 K V     "   6:0 <EdD:30 =    ZZZ ?    -C     9  $#$+*$-* W -1U$$      $A$+*$-* W -1U$$                   P

              !!     *C   ;   9  $A$+*$-* W -1U$-      *$$+*$-* W -1U$$         9  /$[       20 30D2(E0 2 K V      "  <  0      7 = 3     7  3       V 7(3   N ,11 20 8<0 6cD:60 2 8D2 20 :6d8< V D *C     9       @     /$[ %      &      ? ;  " =      ? 20 <D3 V 0         :   =    ZZZ ?   20 2J5:E0 V   >    @          '   =   :E(   '     ;  !            -#$ hf   \    3ED 20  6DE0 ! 0           @   "  = *1 %   ; &   @      T          =    @ ?     79"          "    2 306:L0 V 0     W 6 <:<0 E0 7(2:3:<  9            A[ %      &       @     W 6 <O

  9      

         @            ?    "O  W       "      20  6DE0 2 306:L0 ! 0       6 <:<0 E0 7(2:3:<   "  = *1 %   ; &            T          =    @ ;   9           ! 2 27(2:3KL0 V D @  ?  @  ';          E       O      9   ZZZ ?               O          <KL0 20 5DU 69 N -1*A+$  -*N 3@    :@    U :6d8< b 0     N +-  " +N    5         3:< <3       E N .A/ 7 6""  2   6""      \  1#$,$]P    #/.1#*P    ,$$*#]     $#./,[ %      $-         & 3    -  9 ; @ ?  9     -N      T         3:4 30Dd6:3 2< V 3   3D76   N $$#/$#$A$$$-!$1 3   *  9 ;   9                 9           63<0 20 : 5:0D:    :<< 62F 20 : 5:0D:           >         ?    9 3   N -#-$,#$$$A!, %  & 3          ;

 =      29   \        2=       M ,/$.-, %*$-*& 3       '   '  E9 '?   N $$A$1$*/**A!/    30D206iD:0 2:i3:0 3:< <3    :<< 62F 20 :  Q    *C 8 39        6  ? =      M #$1+#- %*$-*&P   '  E9 '?   N $$A$1$*.1--!A    30D206iD:0 2:i3:0 3:< <3    63<0 20 : 5:0D:  Q    *C 8 39        6  ? =      M -*1.+/A %*$-*&    3       0     N $*$/+,-!#$*$$.,*/$$$A %$$A$.*$/+,-!$&    30D206iD:0 2:i3:0 3:< <3    63<0 20 : 5:0D:  Q    *C 8 39        6  ? =      M *A$*1-, %*$-*&   '      3    3'  >  :DE:620    O           

  "       8    U M +-$#$## %            T   & *$-* ;  " =          "    E7 B

2:E< 2 <:<L0       '  300<:D: 306J3:0 2 3065(Ec8: <E2 %3D7 1#/-/./$$$$-!.#& 3<0 0300<:D: %3U $+1+--,-,!#1&  6<0D 3 300<:D: %3U $AAA,+1*,!-$&U 0 2   66 7"  2 5    0  *C 8 39  3     !      S 5   ;                ;    79"   !       '  E9 '? ?"   DE 6c<: 6D2:6DE0  26:D:EKL0 <E2   300<:D: 306J3:0 2 3065(Ec8: <E2   N -$$$#+-! +1*$$/,*/$A$/ %A+,*$$/&            '         '   U 2   V  -C     9  $*  ?  *$-* W -1U$$  D         W  Q     # %T&  ;X    9  -C  P  *C   !!        !   $A  ?  *$-* W -1U$$       *A  ?  *$-* W -1U$$  2 3      V     "   6:0 <EYD:30 =    ZZZ ?     "    7 <(E ! :       7   3D76   N $,#../+/$$$-!$-   <  0     3     7  3       V 7(3   /+. 2 8  69   8   5 V D -C     9               ? ; =  M #1-*-/A*A %T O ;      "                   & "  =   *$-* D *C     9          /$[ %      &      ? 2    V 0         :   =    ZZZ ?  2  =  V   >    @            '    -#$  \    3@ E D  2   V        ?                '          W   7 <(E  A[ %      &        E       O    9   ZZZ ?               36 N -/*A$.  E7     ##A  3@               O          <KL0 20 5D ! :@U :@       6 3       N *#-- *#-A *##-   !            OU A+$$        -$/-$       ;           ;   +$$            -1/$         ;   *,$            A-$       \          @      = ;      @        ;   +.*$            8     =          6 3              A11$$$   ;  6   N ,$*+. -N 3@    :@    ! 3    6     !   N -A+$$*  U M #1-*-/A*A %T O ;      "                   & "  =   *$-* 2=   :E(U M A#1+%;        ;         &     '9  *$-- "  =   *$-*  M 1,$*./ %;                 &     '9  *$-* "  =   *$-* 05U 3      ; @         =   :E(  ;         =                8   U M **,,+-# %                 "   & "  =   *$$A  ;

  ;  D                 D f

2:E< 2 K       ' (<0 E0 6D20DK 830D3<0 %3U *#,$.+A*A!/,&       ;  63<0 <8 5DE:80 <:0 %3 -*/*1#-A,!-$&  <8: 20 DE0 5DE:80 <:0 %3 #/$*,1/A,!$-& U 0 2   66 7"  2  =  3  2  #C 8 39  3   !     S 5   ;                ;    79"   !          3  3  ?"   6<: :60D <3H   (<0 E0 6D20DK 830D3<0   N $1,$-*$-$$$1--,!/ %+,,*$-$&            '         '   U 2   V  -C     9  $*  ?  *$-* W -1U#$  D         W  Q     # %T&  ;X    9  -C  P  *C   !!        !  $A  ?  *$-* W -1U#$       *A  ?  *$-* W -1U#$  2 3      V     "   6:0 <EYD:30 =    ZZZ ?     "    7 <(E ! :       7   3D76   N $,#../+/$$$-!$-   <  0     3     7  3       V 7(3   /+. 2 8  69   8   5 V D -C     9               ? ; =  M 1A$++1.1 %;      ;          ;      ;   & "  =   *$-* D *C     9          /$[ %      &      ? 2 3     7 V 0     W   7 <(E  9            A[ %      &       @ 2    V 0         :   =    ZZZ ?  2  =  V   >    @            '    -#$  \    3@ E D  2   V        ?                '          W   7 <(E  A[ %      &        E       O    9   ZZZ ?               36 N -/*A$.  E7     ##A  3@               O          <KL0 20 5D ! :@U :@       N ... %  $.  ; #.& 7   9  !           OU #$$$           P -,#$        Q               P 1$$$               -$P *$$$     ;         N $,       A,A$$ ]       9  ##..* ] :   N $#$.*$$.$$!$$*$.1/ 69 N 1.+/#  3@    :@  !  U M 1A$++1.1 %;      ;          ;      ;   & "  =   *$-* 8   U M -$$$$$ % & " =   *$-$  ;

  ; 05U 3      ; @         =   :E(  ;         =                D        'T           ?         D B

Quer falar com milhares de empresários de uma só vez? ANUNCIE!

Fone: 11 3180 3175


quarta-feira, 27 de junho de 2012

DISTRIBUIDORA DE GĂ S LP AZUL S.A. - CNPJ nÂş 04.149.292/0001-80 - NIRE 35.300.435.672 Ata da AssemblĂŠia Geral OrdinĂĄria e ExtraordinĂĄria Data, Hora e Local: 07 de maio de 2012, Ă s 10h, na sede social da Distribuidora de GĂĄs LP Azul S.A. (â&#x20AC;&#x153;Companhiaâ&#x20AC;?), localizada na Avenida Brigadeiro LuĂ­s AntĂ´nio, nÂş 1343, 6Âş andar, Bela Vista, na Cidade e Estado de SĂŁo Paulo (CEP 01317-910). Presença: Compareceram Ă  Assembleia: (i) acionistas representando a totalidade do capital social da Companhia; e (ii) Diretor Presidente da Companhia, Sr. Pedro Jorge Filho. Publicaçþes: Aviso aos Acionistas: Dispensada a publicação tendo em vista a publicação dos documentos a que se refere o artigo 133 da Lei nÂş 6.404/76 no DiĂĄrio Oficial do Estado de SĂŁo Paulo e no jornal â&#x20AC;&#x153;DiĂĄrio do ComĂŠrcioâ&#x20AC;?, no dia 04 de maio de 2012. Edital de Convocação: Dispensada a publicação dos editais, na forma do artigo 124, parĂĄgrafo 4Âş da Lei nÂş 6404/76. Mesa: Pedro Jorge Filho - Presidente. Roberto Kutschat Neto - SecretĂĄrio. Ordem do Dia e Deliberaçþes: 1. Aprovada a lavratura da ata desta Assembleia em forma de sumĂĄrio, conforme dispĂľe o parĂĄgrafo 1Âş do artigo 130 da Lei nÂş 6.404/76, e autorizada sua publicação com omissĂŁo das assinaturas, na forma do parĂĄgrafo 2Âş do mesmo dispositivo. Em Assembleia Geral OrdinĂĄria: 2. Aprovado, sem emendas ou ressalvas, o relatĂłrio e as contas dos administradores da Companhia, as demonstraçþes financeiras e suas notas explicativas, incluindo o balanço patrimonial e o relatĂłrio da administração relativos ao exercĂ­cio social encerrado em 31 de dezembro de 2011. 3. Aprovada a destinação do prejuĂ­zo lĂ­quido do exercĂ­cio social encerrado em 31 de dezembro de 2011, no montante de R$ 11.704.402,04 (onze milhĂľes, setecentos e quatro mil, quatrocentos e dois Reais e quatro centavos), totalmente destinado Ă  conta de prejuĂ­zos acumulados. 4. Aprovada a eleição, como membros da Diretoria, das pessoas abaixo qualificadas, com mandato atĂŠ a realização da Assembleia Geral OrdinĂĄria de 2013, a qual examinarĂĄ os documentos a que se refere o art. 133 da Lei nÂş 6.404/76, pertinentes ao exercĂ­cio social de 2012: Para Diretor Presidente: ¡ Pedro Jorge Filho, brasileiro, casado, engenheiro, portador da CĂŠdula de Identidade nÂş 6.031.456-SSP/SP e inscrito no CPF/MF sob o nÂş 822.913.308-53. Para Diretores: ¡ Tabajara Bertelli Costa, brasileiro, solteiro, engenheiro, portador da CĂŠdula de Identidade nÂş 17.304.700-2-SSP/SP e do CPF/MF nÂş 127.682.738-56; ¡ Julio Cesar Nogueira, brasileiro, casado, engenheiro, portador da CĂŠdula de Identidade nÂş 18.240.564-3-SSP/SP e do CPF/ MF nÂş 110.501.188-71; ¡ AndrĂŠ Luiz Pedro Bregion, brasileiro, casado, engenheiro industrial, portador da CĂŠdula de Identidade nÂş 16.869.827-SSP/SP e do CPF/MF nÂş 091.696.928-23; ¡ Leandro Del Corona, brasileiro, casado, quĂ­mico, portador da CĂŠdula de Identidade nÂş 7004605452-SJS/RS e do CPF/MF nÂş 293.845.750-20; e ¡ PlĂ­nio Laerte Braz, brasileiro, casado, engenheiro, portador da CĂŠdula de Identidade nÂş 8.659.613-SSP/SP e do CPF/MF nÂş 046.776.528-64. Todos os Diretores possuem endereço profissional na Avenida Brigadeiro LuĂ­s AntĂ´nio, nÂş 1.343, na cidade de SĂŁo Paulo, no Estado de SĂŁo Paulo (CEP 01317-910). 5. Aprovado, sem emendas ou ressalvas, o limite mĂĄximo global anual para a remuneração dos Diretores em atĂŠ R$ 72.000,00 (setenta e dois mil Reais). Em Assembleia Geral ExtraordinĂĄria: 6. Aprovar o aumento do capital social da Companhia no valor total de R$ 600.000.465,56 (seiscentos milhĂľes e quatrocentos e sessenta e cinco Reais e cinquenta e seis centavos), passando de R$ 92.742.800,00 (noventa e dois milhĂľes, setecentos e quarenta e dois mil e oitocentos Reais) para R$ 692.743.265,56 (seiscentos e noventa e dois milhĂľes, setecentos e quarenta e trĂŞs mil, duzentos e sessenta e cinco Reais e cinquenta e seis centavos), mediante capitalização de crĂŠditos detidos pela acionista Companhia Ultragaz S.A. contra a Companhia, na forma de Adiantamento para Futuro Aumento de Capital realizado 26.03.2012, com a consequente emissĂŁo de 3.550.298.613 (trĂŞs bilhĂľes, quinhentas e cinquenta milhĂľes, duzentas e noventa e oito mil e seiscentas e treze) novas açþes ordinĂĄrias, todas nominativas e sem valor nominal. 6.1. A acionista Bahiana Distribuidora de GĂĄs Ltda. renuncia expressamente neste ato ao direito de preferĂŞncia que lhe ĂŠ assegurado pelo artigo 171, parĂĄgrafo 2Âş, da Lei 6.404/76. 7. Fixar o preço de emissĂŁo das açþes em R$ 0,169 por ação ordinĂĄria correspondente ao valor patrimonial da ação, apurado com base no balanço de 30 de abril de 2012, em conformidade com o disposto no artigo 170, parĂĄgrafo 1Âş, inciso II, da Lei 6.404/76. 8. Aprovar, em razĂŁo do aumento do capital social da Companhia, a alteração do Artigo 5ÂŞ do Estatuto Social, que passarĂĄ a vigorar com a seguinte redação: â&#x20AC;&#x153;Artigo 5° - O Capital Social da Companhia ĂŠ de R$ 692.743.265,56 (seiscentos e noventa e dois milhĂľes, setecentos e quarenta e trĂŞs mil, duzentos e sessenta e cinco Reais e cinquenta e seis centavos), dividido em 3.643.041.413 (trĂŞs bilhĂľes, seiscentas e quarenta e trĂŞs milhĂľes, quarenta e uma mil, quatrocentas e treze) açþes ordinĂĄrias, todas nominativas e sem valor nominal.â&#x20AC;? Observaçþes: O Presidente da Mesa informou que: (i) todas as deliberaçþes foram aprovadas por unanimidade de votos dos acionistas presentes; e (ii) os membros da Diretoria, ora eleitos, consultados anteriormente, declararam que nĂŁo estĂŁo incursos em qualquer delito que os impeçam de exercer as atividades do cargo para o qual foram designados, que nĂŁo ocupam cargos em sociedades que possam ser consideradas concorrentes no mercado com a Companhia e que nĂŁo tĂŞm interesse conflitante com a mesma, de acordo com o art. 147 da Lei nÂş 6.404/76. Nada mais havendo a tratar, foram encerrados os trabalhos e lavrada a presente Ata que, lida e aprovada, foi assinada pelos presentes. aa) Companhia Ultragaz S.A. e Bahiana Distribuidora de GĂĄs Ltda. na qualidade de Acionistas; Pedro Jorge Filho, na qualidade de Diretor Presidente e Presidente da Mesa; e Roberto Kutschat Neto, na qualidade de SecretĂĄrio da Mesa. Certifico que a presente ĂŠ cĂłpia fiel da ata lavrada em livro prĂłprio. SĂŁo Paulo, 07 de maio de 2012. Roberto Kutschat Neto SecretĂĄrio da Mesa. Secretaria de Desenvolvimento EconĂ´mico, CiĂŞncia e Tecnologia. Junta Comercial do Estado de SĂŁo Paulo. Certifico o Registro sob o nĂşmero 263.947/12-9 em 21.06.2012. Gisela Simiema Ceschin - SecretĂĄria Geral.

CNPJ 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410 ATA SUMĂ RIA DA REUNIĂ&#x192;O DO CONSELHO DE ADMINISTRAĂ&#x2021;Ă&#x192;O, REALIZADA EM 12 DE JUNHO DE 2012 DATA, HORA E LOCAL: Em 12 de junho de 2012, Ă s 9:00 horas, na Av. Paulista, 1938, 5Âş andar, em SĂŁo Paulo (SP). MESA: Salo Davi Seibel - Presidente; e Andrea Laserna Seibel - SecretĂĄria. QUORUM: A totalidade dos membros eleitos, com manifestação por email. DELIBERAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES TOMADAS: Os Conselheiros deliberaram, por unanimidade: 1) Aprovar, dentro do limite do capital autorizado previsto no Estatuto Social, a elevação do capital social subscrito e integralizado da Companhia de R$ 1.550.000.000,00 para R$ 1.550.034.194,46, mediante emissĂŁo de 2.600 novas açþes ordinĂĄrias escriturais, sem valor nominal, subscritas e integralizadas por debenturistas que, em 04.06.2012, conforme correspondĂŞncia em poder da Companhia, manifestaram a intenção de converter 260 debĂŞntures adquiridas nos termos da Escritura Particular da Primeira EmissĂŁo Privada de DebĂŞntures ConversĂ­veis em Açþes OrdinĂĄrias da Companhia, aprovada pela Assembleia Geral ExtraordinĂĄria de 08.02.2012. 1.1) O preço unitĂĄrio de emissĂŁo dessas novas açþes foi fixado em R$ 13,1517158, com base no valor nominal unitĂĄrio das debĂŞntures convertidas, atualizado pelos critĂŠrios fixados na respectiva escritura de emissĂŁo. 2) As açþes emitidas terĂŁo as mesmas caracterĂ­sticas e condiçþes e gozarĂŁo dos mesmos direitos e vantagens estatutariamente atribuĂ­dos Ă s açþes ordinĂĄrias de emissĂŁo da Companhia hoje existentes e participarĂŁo integralmente dos resultados que vierem a ser declarados pela Companhia a partir da data da solicitação da conversĂŁo pelos debenturistas, inclusive dividendos e juros sobre o capital prĂłprio. 3) Consoante disposto no § 3Âş do Artigo 171 da Lei 6.404/76, os atuais acionistas da Companhia nĂŁo tem direito de preferĂŞncia na subscrição desse aumento do capital social. Desta forma, o capital social subscrito e integralizado da Companhia resultou elevado para R$ 1.550.034.194,46, passando a ser dividido em 550.037.931 açþes ordinĂĄrias escriturais, sem valor nominal, devendo oportunamente ser convocada Assembleia Geral para proceder Ă  consequente alteração do Estatuto Social. ENCERRAMENTO: Nada mais havendo a tratar e ninguĂŠm desejando manifestar-se, encerraram-se os trabalhos, lavrando-se esta ata que, lida e aprovada, foi por todos assinada. SĂŁo Paulo (SP), 12 de junho de 2012. (aa) Salo Davi Seibel - Presidente; Andrea Laserna Seibel - SecretĂĄria; Alfredo Egydio Arruda Villela Filho e Ricardo Egydio Setubal - Vice-Presidentes; Alcides Lopes TĂĄpias, Ă lvaro Antonio Cardoso de Souza, FĂĄbio Schvartsman, Olavo Egydio Setubal JĂşnior e Rodolfo Villela Marino - Conselheiros. Certifico ser a presente cĂłpia fiel da original lavrada em livro prĂłprio. SĂŁo Paulo (SP), 12 de junho de 2012. Secretaria de Desenvolvimento EconĂ´mico, CiĂŞncia e Tecnologia - Junta Comercial do Estado de SĂŁo Paulo - Certifico o registro sob o nÂş 263.569/12-3, em 20.06.2012. (a) Gisela Simiema Ceschin - SecretĂĄria Geral.

DOMMO EMPREENDIMENTOS IMOBILIĂ RIOS S.A. CNPJ/MF nÂş 04.034.792/0001-76 NIRE nÂş 35.300382161 Companhia Aberta ATA DA ASSEMBLEIA GERAL ORDINĂ RIA realizada em 30 de abril de 2012, lavrada na forma de sumĂĄrio, conforme o disposto no Art. 130, §1Âş da Lei n.Âş 6.404/76. 1. Local, Data e Hora: Na sede social da Companhia, na Avenida das Naçþes Unidas, 12.901, 27Âş andar, cidade do SĂŁo Paulo, Estado de SĂŁo Paulo, no dia 30 (trinta) de abril de 2012, Ă s 08h30min. 2. Convocação: Dispensada na forma do § 4Âş do art. 124 da Lei 6.404â &#x201E;76. 3. Presenças: Presentes acionistas representando a totalidade do capital social, conforme registros e assinaturas constantes do Livro de Presença de Acionistas. Presentes, tambĂŠm, representantes da Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes (Srs. OtĂĄvio Ramos Pereira, Marcelo Salvador e Walter VinĂ­cius Barreto Brito Silva), e representantes da Companhia (Srs. Alex Waldemar Zornig, Tarso Rebello Dias e Daniella Geszikter Ventura). 4. Mesa: Presidente: Alex Waldemar Zornig; SecretĂĄria: Daniella Geszikter Ventura. 5. Ordem do Dia: (i) tomar as contas dos administradores, examinar, discutir e votar o RelatĂłrio da Administração e as Demonstraçþes Financeiras relativos ao exercĂ­cio social encerrado em 31 de dezembro de 2011, acompanhados do parecer dos auditores independentes; (ii) aprovar a proposta para a destinação do resultado do exercĂ­cio de 2011; (iii) Fixar a verba global anual dos Administradores. 6. Deliberaçþes: 6.1. Iniciada a Assembleia, quanto ao â&#x20AC;&#x153;item iâ&#x20AC;? da ordem do dia, o Presidente da Mesa informou que se achavam sobre a mesa o RelatĂłrio Anual da Administração, o Balanço Patrimonial e demais Demonstraçþes Financeiras da Companhia, referentes ao exercĂ­cio social encerrado em 31 de dezembro de 2011, devidamente auditados, com o respectivo parecer da Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes, publicados em 13/04/2012. Dispensada pelos acionistas a leitura dos referidos documentos, por serem do pleno conhecimento dos acionistas da Companhia, foram eles submetidos Ă  discussĂŁo e em seguida Ă  votação, tendo sido aprovados pela unanimidade dos acionistas. 6.2. Passando ao â&#x20AC;&#x153;item iiâ&#x20AC;? da Ordem do Dia, os acionistas, em conformidade com a proposta da Administração constante das Demonstraçþes Financeiras de 2011, aprovaram a destinação do PrejuĂ­zo do exercĂ­cio, no montante de R$ 6.043.625,42 (seis milhĂľes, quarenta e trĂŞs mil, seiscentos e vinte e cinco reais e quarenta e dois centavos), para registro na conta de prejuĂ­zos acumulados. 6.3. Por ďŹ m, passando ao â&#x20AC;&#x153;item iiiâ&#x20AC;? da Ordem do Dia, os acionistas aprovaram o valor de remuneração para a administração, que se darĂĄ da seguinte forma: verba global anual para (i) o Conselho de Administração da Companhia, de atĂŠ R$ 300.000,00 (trezentos mil reais); e (ii) a Diretoria EstatutĂĄria da Companhia, de atĂŠ R$ 831.984,00. 7. Encerramento: Nada mais tendo sido tratado, foi autorizada a lavratura da presente ata na forma de sumĂĄrio, que apĂłs lida e achada conforme, foi assinada pelos acionistas presentes, pelo Presidente e pela secretĂĄria. Foi autorizada a sua publicação da presente ata com a omissĂŁo das assinaturas dos acionistas presentes, nos termos do artigo 130, § 2Âş, da Lei nÂş. 6404/76. ASSINATURAS: ALEX WALDEMAR ZORNIG â&#x20AC;&#x201C; Presidente; DANIELLA GESZIKTER VENTURA â&#x20AC;&#x201C; SecretĂĄria; ACIONISTAS: TELEMAR NORTE LESTE S.A. â&#x20AC;&#x201C; p.p. Maria Gabriela Campos da Silva de Menezes Cortes; JOSĂ&#x2030; MAURO METTRAU CARNEIRO DA CUNHA; JOSĂ&#x2030; AUGUSTO DA GAMA FIGUEIRA; JOĂ&#x192;O DE DEUS PINHEIRO DE MACĂ&#x160;DO; FRANCIS JAMES LEAHY MEANEY; e Julio Cesar Fonseca. SĂŁo Paulo, 30 de abril de 2012. Daniella Geszkiter Ventura - SecretĂĄria. Junta Comercial do Estado de SĂŁo Paulo - JUCESP. CertiďŹ co o registro sob o nÂş 230.448/12-4 e data de 31/05/2012. Gisela Simiema Ceschin - SecretĂĄria Geral.

DIĂ RIO DO COMĂ&#x2030;RCIO OAS S.A.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PEREIRA BARRETO/SP PregĂŁo nÂş 014/2012 - Processo nÂş 2579/2012 HOMOLOGAĂ&#x2021;Ă&#x192;O Objeto: contratação de empresa especializada para prestação de serviços com a realização dos eventos denominados â&#x20AC;&#x153;Baile de Eleição da Rainha da FIAPâ&#x20AC;?, â&#x20AC;&#x153;Festa do PeĂŁo de Pereira Barretoâ&#x20AC;? e â&#x20AC;&#x153;FIAP â&#x20AC;&#x201C; Feira Industrial e AgropecuĂĄria de Pereira Barretoâ&#x20AC;?. ARNALDO SHIGUEYUKI ENOMOTO, Prefeito Municipal da Estância TurĂ­stica de Pereira Barreto, Estado de SĂŁo Paulo, no uso de suas atribuiçþes legais e de conformidade com o transcurso do procedimento deste PregĂŁo, o qual levou o Pregoeiro a decidir por adjudicar o objeto a empresa FABIO APARECIDO PRATES PEREIRA - ME, RESOLVE homologar o presente certame, e para que surta os efeitos normais, determino que seja expedido o Contrato Administrativo. Estância turĂ­stica de Pereira Barreto, 21 de Junho de 2012. Arnaldo Shigueyuki Enomoto - Prefeito Municipal

NIRE 35300091116 ATA SUMĂ RIA DA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINĂ RIA E ORDINĂ RIA REALIZADA EM 27 DE ABRIL DE 2012 DATA, HORA E LOCAL: Em 27 de abril de 2012, Ă s 9:00 horas, na Av. Paulista, 1938 - 8Âş andar, em SĂŁo Paulo (SP). MESA: FlĂĄvio Marassi Donatelli (Presidente) e Roberto Szachnowicz (SecretĂĄrio). QUORUM: acionista representando a totalidade do capital social. PRESENĂ&#x2021;A LEGAL: administradores da sociedade. EDITAL DE CONVOCAĂ&#x2021;Ă&#x192;O: dispensada a publicação de edital, face ao disposto no Artigo 124, § 4Âş, da Lei 6.404/76. AVISO AOS ACIONISTAS: dispensada a publicação do aviso aos acionistas a que se refere o Artigo 133, nos termos do seu § 4Âş, da Lei 6.404/76. DELIBERAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES TOMADAS POR UNANIMIDADE: ApĂłs discussĂŁo, a Acionista deliberou: Em pauta ExtraordinĂĄria: 1. Aperfeiçoar o estatuto social para a inclusĂŁo de dispositivo que permita flexibilização no provimento dos cargos previstos para administração da Sociedade, com a seguinte redação: â&#x20AC;&#x153;Art. 9Âş - DISPOSIĂ&#x2021;Ă&#x192;O TRANSITĂ&#x201C;RIA - O Diretor Presidente eleito na reuniĂŁo do Conselho de Administração de 28.08.2009 poderĂĄ ser reeleito ainda que nĂŁo preencha o requisito mencionado no item 5.1.6 do Artigo 5Âş, desde que nĂŁo tenha completado 67 (sessenta e sete) anos na data de sua eleição. Caso tal Diretor Presidente complete 67 (sessenta e sete) anos durante o termo de seu mandato, ele poderĂĄ completĂĄ-lo.â&#x20AC;? Aprovada, tambĂŠm, a consolidação do Estatuto Social para refletir a alteração acima mencionada, na forma do Anexo desta ata. Em pauta OrdinĂĄria: 2. Aprovar as Contas dos Administradores, o Balanço Patrimonial, as demais Demonstraçþes Financeiras e o RelatĂłrio da Administração relativos ao exercĂ­cio social encerrado em 31.12.2011, os quais foram publicados no â&#x20AC;&#x153;DiĂĄrio Oficial do Estado de SĂŁo Pauloâ&#x20AC;? (pĂĄgs. 49 e 50) e â&#x20AC;&#x153;DiĂĄrio do ComĂŠrcioâ&#x20AC;? (pĂĄg. 19), ambos na edição de 20.03.2012. 3. Aprovar a destinação do resultado do exercĂ­cio de 2011, com a absorção de prejuĂ­zo no valor total de R$ 3.407.764,87 por Reservas de Lucros/Reserva Especial EstatutĂĄria apurados em 2008. Deliberou-se, tambĂŠm, aprovar o resultado abrangente no valor de R$ 6.141.563,76 relativo a variação cambial de empresas controladas no exterior, cujo montante foi alocado na conta de Ajustes de Avaliação Patrimonial. 4. Compor a Diretoria, para o mandato que se estenderĂĄ atĂŠ a posse dos que vierem a ser eleitos na Assembleia Geral OrdinĂĄria de 2013, mediante a reeleição para os cargos de: Diretor Presidente: HENRI PENCHAS, brasileiro, casado, engenheiro, RG-SSP/SP 2.957.281, CPF 061.738.378-20; Diretores Executivos: ALEXANDRE COELHO NETO DO NASCIMENTO, brasileiro, casado, administrador de empresas, RG-SSP/MG M-4.741.615, CPF 699.032.047-87; ANTONIO JOAQUIM DE OLIVEIRA, brasileiro, casado, engenheiro, RG-SSP/ PR 2.141.939-7, CPF 360.473.099-68; ANTONIO MASSINELLI, brasileiro, casado, advogado, RG-SSP/SP 10.681.616-0, CPF 991.721.438-00; FLĂ VIO MARASSI DONATELLI, brasileiro, casado, contador, RG-SSP/SP 4.287.673-4, CPF 943.694.458-68; JOĂ&#x192;O JACĂ&#x201C; HAZARABEDIAN, brasileiro, casado, engenheiro, RG-SSP/SP 6.313.831, CPF 940.141.168-91; RAUL PENTEADO DE OLIVEIRA NETO, brasileiro, casado, advogado, RG-SSP/SP 9.409.637-5, CPF 049.330.058-93; RENATO AGUIAR COELHO, brasileiro, casado, engenheiro, RG-SSP/SP 13.254.429, CPF 096.729.988-80; ROBERTO SZACHNOWICZ, brasileiro, casado, engenheiro, RG-SSP/SP 16.680.098-3, CPF 084.344.198-40; e Diretores Gerentes: FLĂ VIO DIAS SOARES, brasileiro, casado, administrador de empresas, RG-SSP/SP 11.583.508, CPF 054.501.518-96; FRANCISCO DE ASSIS GUIMARĂ&#x192;ES, brasileiro, casado, quĂ­mico industrial, RG-SSP/SP 5.704.287-1, CPF 511.026.338-87; MARCO ANTONIO MILLEO, brasileiro, casado, engenheiro, RG-SSP/SP 8.216.460, CPF 579.966.017-04; e RONEY ROTENBERG, brasileiro, casado, advogado, RG-SSP/SP 5.101.239, CPF 042.133.668-47; e eleita Diretora Executiva: MONICA RAMOS PINTO, brasileira, solteira, psicĂłloga, RG-SSP/RJ 008.470.372-7, CPF 008.907.757-10. Todos domiciliados em SĂŁo Paulo (SP), na Av. Paulista, 1938, piso terraço. 5. Registrar o atendimento das condiçþes prĂŠvias de elegibilidade previstas nos Artigos 146 e 147 da Lei 6.404/76. 6. Manter a verba global e anual destinada Ă  remuneração dos membros da Diretoria em atĂŠ R$ 200.000,00 (duzentos mil reais). CONSELHO FISCAL: NĂŁo houve manifestação do Conselho Fiscal, por nĂŁo se encontrar em funcionamento. DOCUMENTOS ARQUIVADOS NA SEDE: RelatĂłrio da Administração, Balanço Patrimonial e demais Demonstraçþes Financeiras de 31 de dezembro de 2011. ENCERRAMENTO: Nada mais havendo a tratar e ninguĂŠm desejando manifestar-se, encerraram-se os trabalhos, lavrando-se esta ata que, lida e aprovada, foi por todos assinada. SĂŁo Paulo (SP), 27 de abril de 2012. (aa) FlĂĄvio Marassi Donatelli - Presidente; Roberto Szachnowicz - SecretĂĄrio. Acionista: Duratex S.A. (aa) FlĂĄvio Marassi Donatelli e Roberto Szachnowicz - Diretores Executivos. Certificamos ser a presente cĂłpia fiel da original lavrada em livro prĂłprio. SĂŁo Paulo (SP), 27 de abril de 2012. (aa) FlĂĄvio Marassi Donatelli - Presidente da Assembleia; Roberto Szachnowicz - SecretĂĄrio da Assembleia. Secretaria de Desenvolvimento EconĂ´mico, CiĂŞncia e Tecnologia - Junta Comercial do Estado de SĂŁo Paulo - Certifico o registro sob nÂş 238.869/12-0, em 01.06.2012. (a) Gisela Simiema Ceschin - SecretĂĄria Geral.

REDE Dâ&#x20AC;&#x2122;OR SĂ&#x192;O LUIZ S.A.

CNPJ/MF nÂş 07.584.023/0001-30 - NIRE:35.3.0032488-9

CNPJ nÂş 06.047.087/0001-39 - NIRE 35.300.318.099 EDITAL DE CONVOCAĂ&#x2021;Ă&#x192;O PARA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINĂ RIA Ficam os senhores acionistas da Rede Dâ&#x20AC;&#x2122;Or SĂŁo Luiz S.A. (â&#x20AC;&#x153;Companhiaâ&#x20AC;?) convocados para reunirem-se em Assembleia Geral ExtraordinĂĄria, a realizar-se no dia 03 de julho de 2012, Ă s 17h, na sede social da Companhia, localizada na Cidade e Estado de SĂŁo Paulo, Rua Francisco Marengo, nÂş 1.312, para deliberarem sobre a seguinte ordem do dia: (i) Deliberar sobre o Protocolo e JustiďŹ cação de Incorporação, pela Companhia, de açþes da MedGrupo Participaçþes S.A., e incorporação das seguintes sociedades: (a) Santa Luzia Participaçþes S.A.; (b) Hospital Santa Luzia S.A.; (c) Hospital do Coração do Brasil S.A.; (d) MedGrupo Participaçþes S.A.; (e) Hospital Santa LĂşcia S.A.; (f) Hospital Santa Helena S.A.; (g) Hospital Prontonorte S.A.; (h) Hospital Maria Auxiliadora S.A.; e (i) Hospital Renascer S.A. (â&#x20AC;&#x153;Sociedadesâ&#x20AC;?); (ii) RatiďŹ car a indicação das empresas especializadas contratadas para proceder Ă  avaliação das açþes da MedGrupo Participaçþes S.A., dos patrimĂ´nios lĂ­quidos contĂĄbeis das Sociedades, bem como dos patrimĂ´nios lĂ­quidos da Companhia e do Hospital Santa Luzia S.A., Hospital do Coração do Brasil S.A., Hospital Santa LĂşcia S.A., Hospital Santa Helena S.A. e Hospital Prontonorte S.A., a preços de mercado, na forma do art. 264 da Lei 6.404/76; (iii) Deliberar sobre o laudo de avaliação das açþes da MedGrupo Participaçþes S.A., os laudos de avaliação dos patrimĂ´nios lĂ­quidos contĂĄbeis das Sociedades e os laudos dos patrimĂ´nios lĂ­quidos da Companhia e do Hospital Santa Luzia S.A., Hospital do Coração do Brasil S.A., Hospital Santa LĂşcia S.A., Hospital Santa Helena S.A. e Hospital Prontonorte S.A., a preços de mercado, na forma da Lei nÂş 6.404/76; (iv) Deliberar sobre a incorporação de açþes da MedGrupo Participaçþes S.A. pela Companhia e as incorporaçþes das Sociedades pela Companhia, autorizando os administradores da Companhia a praticarem todos os atos necessĂĄrios a sua implementação e formalização, com a consequente extinção das Sociedades e a sucessĂŁo, pela Companhia, a tĂ­tulo universal, em todos os seus direitos e obrigaçþes; (v) Deliberar sobre o aumento de capital social da Companhia, com a emissĂŁo de açþes ordinĂĄrias e criação de açþes preferenciais, a ser implementado em razĂŁo da incorporação de açþes da MedGrupo Participaçþes S.A. e das incorporaçþes das Sociedades; e (vi) Deliberar sobre a ampla reforma e nova redação do Estatuto Social da Companhia. Informaçþes Gerais: Encontram-se Ă  disposição dos senhores acionistas, na sede social da Companhia, cĂłpias dos documentos referentes Ă  ordem do dia. O acionista poderĂĄ ser representado na AssemblĂŠia Geral por procurador constituĂ­do hĂĄ menos de 1 (um) ano, que seja acionista, administrador da Companhia ou advogado. SĂŁo Paulo, 22 de junho de 2012. PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAĂ&#x2021;Ă&#x192;O. TB GestĂŁo de Recursos e Intermediação de NegĂłcios S.A. CNPJ/MF nÂş 11.050.298/0001-60 â&#x20AC;&#x201C; NIRE 35.300.416.180 Ata de AssemblĂŠia Geral OrdinĂĄria Realizada em 30 de abril de 2012 Data, HorĂĄrio e Local: 30/04/12, 10hs, na sede. Presença: Totalidade. Convocação: Dispensada. Publicaçþes: Dispensadas. Composição da Mesa: Presidente: Sr. Adolpho Julio da Silva Mello Neto; e SecretĂĄrio: Sr. CesĂĄrio Ramalho da Silva Filho. Ordem do Dia: (a) aprovação das contas da Adm. e das Demonstraçþes Financeiras relativas ao exercĂ­cio social encerrado em 31/12/11; (b) ratificação das distribuiçþes antecipadas de lucros referentes ao exercĂ­cio social encerrado em 31/12/11. Forma da Ata: Foi deliberada a lavratura da presente ata na forma de sumĂĄrio, nos termos do § 1Âş do art. 130 da Lei nÂş 6.404/76. Deliberaçþes: ApĂłs a leitura dos documentos mencionados na ordem do dia, tendo sido verificadas as seguintes deliberaçþes, todas aprovadas por unanimidade de votos, sem qualquer ressalva, oposição ou divergĂŞncia: (i) aprovaram as contas da Adm., bem como as Demonstraçþes Financeiras da Cia. referentes ao exercĂ­cio social encerrado em 31/12/11, cujas cĂłpias autenticadas seguirĂŁo juntamente com a presente ata para registro na JUCESP; com apuração de lucro lĂ­quido no valor de R$ 7.997.864,00; (ii) ratificam, apĂłs a destinação de R$ 200.000,00 para composição da reserva legal, todas as distribuiçþes antecipadas de lucros realizadas referente ao exercĂ­cio social encerrado em 31/12/11. Encerramento: Nada mais. Acionistas Presentes: Adolpho Julio da Silva Mello Neto e Gilson Donizeti Edueta (acionista). Mesa: Adolpho Julio da Silva Mello Neto, Presidente da Mesa e Cesario Ramalho da Silva Filho, Secretario da Mesa. SP, 30/04/12. Mesa: Adolpho Julio da Silva Mello Neto - (Presidente) - Cesario Ramalho da Silva Filho - (SecretĂĄrio) - Acionistas: Adolpho Julio da Silva Mello Neto - Gilson Donizeti EduetA. Jucesp 222.551/12-4 em 28/05/2012. Gisela S. Ceschin - SecretĂĄria Geral.

NOS TERMOS DO PROVIMENTO CSM CXC/84, INFORMAMOS QUE NO DIA 26/06/2012 NĂ&#x192;O HOUVE PEDIDO DE FALĂ&#x160;NCIA NA COMARCA DA CAPITAL.

CNPJ 49.799.943/0001-15

OAS Investimentos S.A. 1. Data, HorĂĄrio e Local da Assembleia: Realizada aos 17/05/2012, Ă s 16:00hs, na sede social da OAS Investimentos S.A., na Av. AngĂŠlica nÂşs 2.330/2.346/2.364, 9Âş andar, sala 901, Consolação, na Cidade de SĂŁo Paulo/SP, que ĂŠ seu Foro, registrada na Junta Comercial do Estado de SĂŁo Paulo, NIRE nÂş 35.3.0032488-9, por despacho de 27/07/2005, e inscrita no Cadastro Nacional da Pessoa JurĂ­dica do MinistĂŠrio da Fazenda (â&#x20AC;&#x153;CNPJ/MFâ&#x20AC;?) nÂş 07.584.023/0001-30 (â&#x20AC;&#x153;Cia.â&#x20AC;?). 2. Presença e Convocação: Presente o acionista que representa 100% capital votante da Cia. (â&#x20AC;&#x153;Acionistaâ&#x20AC;?), em razĂŁo do que fica dispensada a convocação, nos termos do Art. 124, §4Âş da Lei nÂş 6.404, de 15/12/1976, conforme alterada (â&#x20AC;&#x153;LSAâ&#x20AC;?), conforme assinatura no Livro de Presença de Acionistas. 3. Mesa: Presidente: Sr. Cesar de AraĂşjo Mata Pires; SecretĂĄrio: Sr. JosĂŠ AdelmĂĄrio Pinheiro Filho. 4. Ordem do Dia: (a) com base nas deliberaçþes tomadas na AGE da OAS S.A. (â&#x20AC;&#x153;Emissoraâ&#x20AC;?), realizada em 17/05/2012, na qual foram deliberadas e aprovadas as alteraçþes constante do â&#x20AC;&#x153;Primeiro Aditamento ao Instrumento Particular de Escritura da 4ÂŞ EmissĂŁo de DebĂŞntures Simples, NĂŁo ConversĂ­veis em Açþes, em SĂŠrie Ă&#x161;nica, para Distribuição Privada, da EspĂŠcie com Garantia Real e com Garantia Adicional FidejussĂłria, da OAS S.A.â&#x20AC;? a ser celebrado entre a Emissora, o Fundo de Investimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço FI-FGTS, a Construtora OAS Ltda., a Cia., a Investimentos e Participaçþes em Infraestrutura S.A. INVEPAR e a BRL Trust Distribuidora de TĂ­tulos e Valores MobiliĂĄrios, na qualidade de agente fiduciĂĄrio da 4ÂŞ emissĂŁo de debĂŞntures simples, nĂŁo conversĂ­veis em açþes, da espĂŠcie com garantia real e com garantia adicional fidejussĂłria, em sĂŠrie Ăşnica, para distribuição privada, de emissĂŁo da Cia. (â&#x20AC;&#x153;Primeiro Aditamentoâ&#x20AC;?), deliberar e aprovar o aditamento da alĂ­nea â&#x20AC;&#x153;bâ&#x20AC;? do item 3.1 do â&#x20AC;&#x153;Contrato de Penhor de Açþes de EmissĂŁo da Investimentos e Participaçþes em Infra-Estrutura S.A. - INVEPAR e Outras Avençasâ&#x20AC;? celebrado, em 06/01/2012, entre INVEPAR, a Prestadora da Garantia Real, a Cia. e o Agente FiduciĂĄrio, e devidamente registrado nos competentes cartĂłrios de registro de tĂ­tulos e documentos da sede das partes (â&#x20AC;&#x153;Contrato de Penhor de Açþesâ&#x20AC;?); (b) autorizar a Diretoria e os procuradores da Cia. a discutir, negociar, definir todos os termos do aditamento ao Contrato de Penhor de Açþes, assim como celebrar o referido aditamento, e tomar todas as providĂŞncias e praticar todos os atos necessĂĄrios Ă  realização, formalização e aperfeiçoamento das deliberaçþes ora tomadas; e (c) autorizar a publicação desta ata na forma prevista no §2Âş, do art. 130, da Lei das Sociedades por Açþes. 5. Deliberaçþes Tomadas sem Quaisquer Restriçþes: Instalada a Assembleia, apĂłs a discussĂŁo da matĂŠria, o Acionista, sem quaisquer restriçþes, resolveu: (a) aprovar o aditamento da alĂ­nea â&#x20AC;&#x153;bâ&#x20AC;? do item 3.1 Contrato de Penhor de Açþes, para refletir as alteraçþes da descrição das obrigaçþes garantidas, em decorrĂŞncia da celebração do Primeiro Aditamento. (b) autorizar a Diretoria e os procuradores da Cia. a discutir, negociar, definir todos os termos do primeiro aditamento ao Contrato de Penhor de Açþes, assim como celebrar o referido aditamento, e tomar todas as providĂŞncias e praticar todos os atos necessĂĄrios Ă  realização, formalização e aperfeiçoamento das deliberaçþes ora tomadas; e (c) autorizar a publicação desta ata na forma prevista na Lei das Sociedades por Açþes, conforme aplicĂĄvel. 6. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, o Sr. Presidente suspendeu a Assembleia pelo tempo necessĂĄrio Ă  lavratura da presente ata em Livro prĂłprio, que apĂłs a reabertura da sessĂŁo, foi lida, conferida, aprovada e vai por todos os presentes ser assinada e dela serĂŁo extraĂ­das cĂłpias de igual teor para os devidos fins legais. Cesar de AraĂşjo Mata Pires (Presidente), JosĂŠ AdelmĂĄrio Pinheiro Filho (SecretĂĄrio), Acionista Presente: OAS S.A. SĂŁo Paulo, 17/05/2012. JUCESP nÂş 255.876/12-9 em 13/06/2012. Gisela Simiema Ceschin - SecretĂĄria Geral.

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAĂ&#x2021;Ă&#x192;O

GOVERNO DO ESTADO DE SĂ&#x192;O PAULO

FDE AVISA: PREGĂ&#x192;O ELETRĂ&#x201D;NICO DE REGISTRO DE PREĂ&#x2021;OS NÂş 36/00200/12/05 OBJETO: ATA DE REGISTRO DE PREĂ&#x2021;O PARA FORNECIMENTO E INSTALAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DE CAPELA PARA EXAUSTĂ&#x192;O DE GASES A FUNDAĂ&#x2021;Ă&#x192;O PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAĂ&#x2021;Ă&#x192;O - FDE comunica Ă s empresas interessadas que se acha aberta licitação para: ATA DE REGISTRO DE PREĂ&#x2021;O PARA FORNECIMENTO E INSTALAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DE CAPELA PARA EXAUSTĂ&#x192;O DE GASES. As empresas interessadas poderĂŁo obter informaçþes e verificar o Edital a partir de 27/06/2012, no endereço eletrĂ´nico www.bec.sp.gov.br ou na sede da FDE, na SupervisĂŁo de Licitaçþes, na Av. SĂŁo LuĂ­s, 99 - RepĂşblica - CEP: 01046-001 - SĂŁo Paulo/SP, de segunda a sexta-feira, no horĂĄrio das 08:30 Ă s 17:00 horas, ou verificar o edital na Ă­ntegra, atravĂŠs da Internet no endereço: http://www.fde.sp.gov.br. A sessĂŁo pĂşblica de processamento do PregĂŁo EletrĂ´nico serĂĄ realizada no endereço eletrĂ´nico www.bec.sp.gov.br, no dia 11/07/2012, Ă s 10:00 horas, e serĂĄ conduzida pelo pregoeiro com o auxĂ­lio da equipe de apoio, designados nos autos do processo em epĂ­grafe e indicados no sistema pela autoridade competente. Todas as propostas deverĂŁo obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital e seus anexos e serĂŁo encaminhadas, por meio eletrĂ´nico, apĂłs o registro dos interessados em participar do certame e o credenciamento de seus representantes previamente cadastrados. A data do inĂ­cio do prazo para envio da proposta eletrĂ´nica serĂĄ de 27/06/2012, atĂŠ o momento anterior ao inĂ­cio da sessĂŁo pĂşblica. JOSĂ&#x2030; BERNARDO ORTIZ Presidente

PREFEITURA MUNICIPAL DE PEREIRA BARRETO/SP

PREFEITURA DO MUNICĂ?PIO DE AMĂ&#x2030;RICO BRASILIENSE PregĂŁo Presencial nÂş 0040/2012 - Processo nÂş 0068/2012 Acha-se aberto, na Prefeitura do MunicĂ­pio de AmĂŠrico Brasiliense, o PREGĂ&#x192;O PRESENCIAL NÂş 0040/2012, para REGISTRO DE PREĂ&#x2021;OS PARA SERVIĂ&#x2021;OS DE RETIRADA E REINSTALAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DE BOMBAS SUBMERSAS EM POĂ&#x2021;OS TUBULARES DO MUNICĂ?PIO. O Edital, na Ă­ntegra, encontra-se Ă  disposição dos interessados no endereço eletrĂ´nico www.americobrasiliense.sp.gov.br e no Paço Municipal, sito Ă  Av. EugĂŞnio Voltarel, 25 - Centro Telefone (16) 3393-9600, ramais 9619 ou 9658. Os envelopes serĂŁo recebidos no dia 10/07/ 2012, a partir das 09h30, na sala de reuniĂľes desta Prefeitura. Valdemiro Brito GouvĂŞa - Prefeito Municipal.

ASSOCIAĂ&#x2021;Ă&#x192;O SAĂ&#x161;DE DA FAMĂ?LIA - ASF Seleção de Fornecedores - Modalidade Coleta de Preço nÂş 019/2012 A ASSOCIAĂ&#x2021;Ă&#x192;O SAĂ&#x161;DE DA FAMĂ?LIA - ASF comunica Ă s empresas interessadas que se acha ç ç nÂş 019/2012 OBJETIVANDO A aberta a Seleção de Fornecedores modalidade coleta de p preço CONTRATAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DE EMPRESA PARA LOCAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DE IMPRESSORAS MULTIFUNCIONAIS/ COPIADORA/FAX INCLUINDO O FORNECIMENTO DE SEUS ACESSĂ&#x201C;RIOS, SUPRIMENTOS (TONER, CILINDRO, EXCETO PAPEL) E ASSISTĂ&#x160;NCIA TĂ&#x2030;CNICA/MANUTENĂ&#x2021;Ă&#x192;O COM FORNECIMENTO DE PEĂ&#x2021;AS E COMPONENTES. Informaçþes e Edital: Associação SaĂşde da FamĂ­lia, Praça Mal. Cordeiro de Farias, 65 (11) 3154-7050 site: www.saudedafamilia.org, endereço eletrĂ´nico: nmarussi@saudedafamilia.org. SessĂŁo PĂşblica (Entrega de documentos e abertura de envelopes): 12/07/2012, Ă s 13h30. Local da sessĂŁo: Associação SaĂşde da FamĂ­lia, Praça Marechal Cordeiro de Faria, 65 - HigienĂłpolis - SĂŁo Paulo.

Processo nº 2291/2012 - Tomada de Preços nº 005/2012 EXTRATO CONTRATO Nº 4943/2012 Contratante: Prefeitura da Estância Turística de Pereira Barreto Contratada: Wilson dos Anjos Bertipaglia Cia Ltda Objeto: A contratada obriga-se à execução da Obra de 01 (uma) Construção de Unidade Båsica de Saúde, localizada na Rua Yukio Akiama, no Bairro Teotônio Brandão Vilela, no município de Pereira Barreto, incluindo material e mão de obra conforme projeto båsico, memorial descritivo e planilhas de orçamento constantes de sua proposta. Valor: R$ 649.000,00 Vigência: 07 (sete) meses Pereira Barreto, 15 de junho de 2012. Arnaldo Shigueyuki Enomoto - Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE PEREIRA BARRETO/SP Extrato de Contrato - Contrato 4948/2012 PREGĂ&#x192;O NÂş 014/2012 - PROCESSO NÂş 2579/2012 Valor: R$ 95.000,00 (a receber) Contratada: FABIO APARECIDO PRATES PEREIRA - ME. Objeto: contratação de empresa especializada para prestação de serviços com a realização dos eventos denominados â&#x20AC;&#x153;Baile de Eleição da Rainha da FIAPâ&#x20AC;?, â&#x20AC;&#x153;Festa do PeĂŁo de Pereira Barretoâ&#x20AC;? e â&#x20AC;&#x153;FIAP - Feira Industrial e AgropecuĂĄria de Pereira Barretoâ&#x20AC;?. Data: 21 de Junho de 2012 - VigĂŞncia: de 08/08/2012 a 12/08/2012 Arnaldo Shigueyuki Enomoto - Prefeito OAS S.A.

ASSOCIAĂ&#x2021;Ă&#x192;O SAĂ&#x161;DE DA FAMĂ?LIA - ASF Seleção de Fornecedores - Modalidade Coleta de Preços nÂş 027/2012 A ASSOCIAĂ&#x2021;Ă&#x192;O SAĂ&#x161;DE DA FAMĂ?LIA - ASF comunica Ă s empresas interessadas que se acha aberta a Seleção de Fornecedores modalidade coleta de preços nÂş 027/2012 OBJETIVANDO A PRESTAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DE SERVIĂ&#x2021;O PARA REALIZAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DE EXAMES RADIOLĂ&#x201C;GICOS POR TĂ&#x2030;CNICOS DE RADIOLOGIA, DEVIDAMENTE HABILITADOS POR Ă&#x201C;RGĂ&#x192;O DE CLASSE. Informaçþes e Edital: Associação SaĂşde da FamĂ­lia, Praça Mal. Cordeiro de Farias, 65 (11) 3154-7050 site: www.saudedafamilia.org, endereço eletrĂ´nico: nmarussi@saudedafamilia.org. SessĂŁo PĂşblica (Entrega de documentos e abertura de envelopes): 12/07/2012, Ă s 09h30. Local da sessĂŁo: Associação SaĂşde da FamĂ­lia, Praça Marechal Cordeiro de Faria, 65 - HigienĂłpolis - SĂŁo Paulo.

#4&#8#56 4'24'5'06#cÂŽ'5 ' 2#46+%+2#cÂŽ'5 .6&#

FALĂ&#x160;NCIA, RECUPERAĂ&#x2021;Ă&#x192;O EXTRAJUDICIAL E RECUPERAĂ&#x2021;Ă&#x192;O JUDICIAL

Duratex Comercial Exportadora S.A.

Sociedade AnĂ´nima de Capital Fechado - CNPJ/MF nÂş 14.811.848/0001-05 - NIRE 35.3.0038001-1 Ata de Assembleia Geral ExtraordinĂĄria de Acionistas Realizada em 17 de Maio de 2012 1.Data,hora e local: aos 17/05/2012, Ă s 10:00hs, na sede social da OAS S.A., na Sede na Avenida AngĂŠlica, n°s 2.330/2.346/2.364, 9Âş andar, sala 904, Consolação, na cidade de SĂŁo Paulo/SP (â&#x20AC;&#x153;Cia.â&#x20AC;?).2. Presença e Convocação: acionistas representando 100% do capital votante da Cia., em razĂŁo do que fica dispensada a convocação, nos termos do Art. 124, § 4Âş da Lei nÂş 6.404, de 15/12/1976, conforme alterada (â&#x20AC;&#x153;LSAâ&#x20AC;?), conforme se verifica pelas assinaturas lançadas no Livro de Presença de Acionistas. 3. Mesa: Sr. Cesar de AraĂşjo Mata Pires (Presidente) e Sr. JosĂŠ AdelmĂĄrio Pinheiro Filho (SecretĂĄrio). Ordem do dia: (i) deliberar e aprovar o aditamento (a) de determinadas clĂĄusulas do â&#x20AC;&#x153;Instrumento Particular de Escritura da 4ÂŞ EmissĂŁo de DebĂŞntures Simples, NĂŁo ConversĂ­veis em Açþes, em SĂŠrie Ă&#x161;nica, para Distribuição Privada, da EspĂŠcie com Garantia Real e com Garantia Adicional FidejussĂłria, da OAS S.A.â&#x20AC;? celebrado, 06/01/2012, entre a Cia., o Fundo de Investimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FI-FGTS, a Construtora OAS Ltda., a OAS Investimentos S.A. (â&#x20AC;&#x153;Prestadora da Garantia Realâ&#x20AC;?), a Investimentos e Participaçþes em Infraestrutura S.A.- INVEPAR (â&#x20AC;&#x153;INVEPARâ&#x20AC;?) e a BRLTrust Distribuidora deTĂ­tulos eValores MobiliĂĄrios, na qualidade de agente fiduciĂĄrio da 4ÂŞ (quarta) emissĂŁo de debĂŞntures simples, nĂŁo conversĂ­veis em açþes, da espĂŠcie com garantia real e com garantia adicional fidejussĂłria, em sĂŠrie Ăşnica, para distribuição privada, de emissĂŁo da Cia. (â&#x20AC;&#x153;Agente FiduciĂĄrioâ&#x20AC;? e â&#x20AC;&#x153;EmissĂŁoâ&#x20AC;?, respectivamente), devidamente inscrito na JUCESP, em 24/01/2012, sob nÂş ED000839/000, e registrado nos competentes cartĂłrios de registro de tĂ­tulos e documentos da sede das partes (â&#x20AC;&#x153;Escritura de EmissĂŁoâ&#x20AC;?);(b) da alĂ­nea â&#x20AC;&#x153;bâ&#x20AC;?do item 3.1 do â&#x20AC;&#x153;Contrato de Penhor de Açþes de EmissĂŁo da Investimentos e Participaçþes em Infra-Estrutura S.A.- INVEPAR e Outras Avençasâ&#x20AC;?celebrado, em 06/01/2012, entre INVEPAR, a Prestadora da Garantia Real, a Cia. e o Agente FiduciĂĄrio, e devidamente registrado nos competentes cartĂłrios de registro de tĂ­tulos e documentos da sede das partes (â&#x20AC;&#x153;Contrato de Penhor de Açþesâ&#x20AC;?);(c) da alĂ­nea â&#x20AC;&#x153;bâ&#x20AC;?do item 2.1 do â&#x20AC;&#x153;Instrumento Particular de Contrato de CessĂŁo FiduciĂĄria de Direitos CreditĂłrios - Conta de Liquidação, CessĂŁo FiduciĂĄria de Ativos Financeiros e Outras Avençasâ&#x20AC;? celebrado, em 06/01/2012, entre a Cia., a Prestadora da Garantia Real e o Agente FiduciĂĄrio, e devidamente registrado nos competentes cartĂłrios de registro de tĂ­tulos e documentos da sede das partes (â&#x20AC;&#x153;Contrato de CessĂŁo FiduciĂĄria Conta de Liquidaçãoâ&#x20AC;?); (d) da alĂ­nea â&#x20AC;&#x153;bâ&#x20AC;? do item 2.1 do â&#x20AC;&#x153;Instrumento Particular de Contrato de CessĂŁo FiduciĂĄria de Direitos CreditĂłrios - Prestação de Serviços, CessĂŁo FiduciĂĄria de Ativos Financeiros e Outras Avençasâ&#x20AC;?, celebrado, em 06/01/2012, entre a Cia. e o Agente FiduciĂĄrio, e devidamente registrado nos competentes cartĂłrios de registro de tĂ­tulos e documentos da sede das partes (â&#x20AC;&#x153;Contrato de CessĂŁo FiduciĂĄria Prestação de Serviçosâ&#x20AC;? e, em conjunto com o Contrato de Penhor de Açþes e o Contrato de CessĂŁo FiduciĂĄria Conta de Liquidação,â&#x20AC;&#x153;Contratos de Garantiaâ&#x20AC;?);(ii) autorizar a Diretoria e os procuradores da Cia. a discutir, negociar, definir todos os termos dos aditamentos Ă  Escritura de EmissĂŁo e aos Contratos de Garantias, assim como celebrar os referidos aditamentos, e tomar todas as providĂŞncias e praticar todos os atos necessĂĄrios Ă  realização, formalização e aperfeiçoamento das deliberaçþes ora tomadas; e (iii) autorizar a publicação desta ata na forma prevista no §2Âş, do artigo 130, da Lei das Sociedades por Açþes. 4.Deliberaçþes por unanimidade de votos e sem quaisquer restriçþes: instalada a Assembleia, apĂłs a discussĂŁo da matĂŠria, os acionistas detentores de 100% (cem por cento) do capital social votante da Cia., sem quaisquer restriçþes, resolveram: (A) aprovar as alteraçþes Ă  Escritura de EmissĂŁo e aos Contratos de Garantia, nos termos a seguir descritos: I. com relação Ă  Escritura de EmissĂŁo: (a) exclusĂŁo do o item 73. (â&#x20AC;&#x153;Valor Excedenteâ&#x20AC;?) das definiçþes da Escritura Original, renumerando-se automaticamente os itens subsequentes; (b) alteração do mĂŠtodo de cĂĄlculo dos juros, para que passem a ser computados com base em um ano de 252 (duzentos e cinquenta e dois) dias Ăşteis, aditando-se os itens 4.3.1 e 4.3.2 para refletir a alteração ora aprovada;(c) alteração do item 4.9.1, para que passe a vigorar com a redação abaixo:â&#x20AC;&#x153;4.9.1.Caso (i) a Emissora distribua dividendos ou juros sobre o capital prĂłprio, a qualquer momento, nĂŁo poderĂĄ distribuir dividendos ou juros sobre o capital prĂłprio correspondentes aos oriundos da Prestadora da Garantia Real, sendo que qualquer valor oriundo da Prestadora de Garantia Real deverĂĄ ser utilizado para amortizar obrigatoriamente as DebĂŞntures; e/ou (ii) se apure, em qualquer Data deVerificação, em conformidade com o item 6.2 da presente Escritura, que um ou mais dos Ă­ndices financeiros indicados abaixo encontra-se dentro dos intervalos abaixo definidos, e a Emissora declare dividendos, anuncie o pagamento, pague juros sobre o capital prĂłprio ou outra forma de distribuição aos seus acionistas no respectivo perĂ­odo anual em que foram apurados os referidos Ă­ndices, qualquer valor acima do correspondente ao mĂ­nimo legal deverĂĄ ser utilizado para amortizar as DebĂŞntures em Circulação: - Relação entre DĂ­vida LĂ­quida e Ativo Total da Emissora entre 0,5 (cinco dĂŠcimos) e 0,6 (seis dĂŠcimos); - Relação entre DĂ­vida LĂ­quida e EBITDA da Fiadora entre 2,5 (dois inteiros e cinco dĂŠcimos) vezes e 3,0 (trĂŞs) vezes; e - Relação entre a Caixa DisponĂ­vel para Serviço de DĂ­vida e o Resultado Financeiro da Emissora entre 1,2 (um inteiro e dois dĂŠcimos) vezes e 1,4 (um inteiro e quatro dĂŠcimos) vezes.Os termos DĂ­vida LĂ­quida, AtivoTotal, EBITDA, Caixa DisponĂ­vel Serviço da DĂ­vida e Resultado Financeiro terĂŁo o significado a eles atribuĂ­do na alĂ­nea (y) do item 6.1 desta Escritura.â&#x20AC;?; (d) inserção do item 4.9.1.1, com a seguinte redação: â&#x20AC;&#x153;Para os fins do item 4.9.1(i) acima, a Emissora deverĂĄ, em atĂŠ 10 (dez) dias apĂłs a distribuição de qualquer dividendo ou juros sobre o capital prĂłprio aos seus acionistas, encaminhar ao Agente FiduciĂĄrio os documentos necessĂĄrios para a comprovação das distribuiçþes feitas Ă  Emissora por cada uma de suas controladas, desde a Data de EmissĂŁo, incluindo, para este fim, a Prestadora de Garantia Real, de forma a permitir que o Agente FiduciĂĄrio apure se hĂĄ qualquerValor Excedente.â&#x20AC;?;(e) alteração do 5.1.2(l) para que passe a vigorar com a seguinte redação:â&#x20AC;&#x153;(l) descumprimento da obrigação de manutenção dos Ă­ndices financeiros prevista na alĂ­nea (y) do item 6.1 abaixo;ouâ&#x20AC;?;(f) supressĂŁo do item 6.1(x), renumerando-se os itens subsequentes e ajustando-se as demais referĂŞncias cruzadas da Escritura de EmissĂŁo;(g) alteração do item 6.2 para que passe a vigorar com a seguinte redação:â&#x20AC;&#x153;6.2.Relativamente Ă  alĂ­nea (y) do item 6.1 acima, a Emissora deverĂĄ disponibilizar anualmente ao Agente FiduciĂĄrio (i) os referidos Ă­ndices financeiros, juntamente com (ii) suas demonstraçþes financeiras consolidadas referentes ao exercĂ­cio social findo, (iii) relatĂłrio consolidado da memĂłria de cĂĄlculo compreendendo todas as rubricas necessĂĄrias para a obtenção de tais Ă­ndices financeiros e (iv) declaração firmada por seus representantes legais, afirmando que nĂŁo se ocorreu ou se encontra em andamento nenhum Evento de Vencimento Antecipado, podendo o Agente FiduciĂĄrio solicitar Ă  Emissora todos os eventuais esclarecimentos adicionais que se façam necessĂĄrios. Os Ă­ndices financeiros referidos na alĂ­nea â&#x20AC;&#x153;iâ&#x20AC;? acima serĂŁo verificados pelo Agente FiduciĂĄrio no prazo de 5 (cinco) dias contados do recebimento da respectiva memĂłria de cĂĄlculo (cada data de verificação dos Ă­ndices financeiros, umaâ&#x20AC;&#x153;Data deVerificaçãoâ&#x20AC;?).â&#x20AC;?;e (h) alteração do subitem 8.3.1(h)(v) para que passe a vigorar com a seguinte redação: â&#x20AC;&#x153;(v) cumprimento de outras obrigaçþes assumidas pela Emissora nesta Escritura, inclusive quanto Ă  manutenção dos Ă­ndices financeiros previstos na alĂ­nea (y) do item 6.1 desta Escritura, inclusive nos Contratos de Garantia;â&#x20AC;? II. com relação ao Contrato de Penhor de Açþes: (a) aditamento Ă  alĂ­nea â&#x20AC;&#x153;bâ&#x20AC;? do item 3.1. do Contrato de Penhor de Açþes, para refletir a alteração do mĂŠtodo de cĂĄlculo dos juros das DebĂŞntures, referido no item I, alĂ­nea â&#x20AC;&#x153;aâ&#x20AC;?acima.III.com relação ao Contrato de CessĂŁo FiduciĂĄria Conta de Liquidação:(a) aditamento Ă  alĂ­nea â&#x20AC;&#x153;bâ&#x20AC;? do item 2.1., para refletir a alteração do mĂŠtodo de cĂĄlculo dos juros das DebĂŞntures, acima referido.IV.com relação ao Contrato de CessĂŁo FiduciĂĄria Prestação de Serviços: (a) aditamento Ă  alĂ­nea â&#x20AC;&#x153;bâ&#x20AC;? do item 2.1., para refletir a alteração do mĂŠtodo de cĂĄlculo dos juros das DebĂŞntures, acima referido.Ficam ratificadas, vĂĄlidas e em pleno vigor, nos termos em que se encontram redigidas, todas as demais clĂĄusulas, itens, caracterĂ­sticas e condiçþes previstas na Escritura de EmissĂŁo e nos Contratos de Garantia, que nĂŁo forem objeto das deliberaçþes ora tomadas e expressamente alterados por meio de aditamento aos referidos documentos. (B) autorizar a Diretoria e os procuradores da Companhia a discutir, negociar, definir todos os termos dos respectivos aditamentos Ă  Escritura de EmissĂŁo e aos Contratos de Garantia, assim como celebrar os referidos aditamentos e praticar todos os atos necessĂĄrios Ă  realização, formalização e aperfeiçoamento, assim como tomar todas as providĂŞncias e praticar os atos necessĂĄrios Ă  implementação das deliberaçþes ora tomadas;e (C) autorizar a publicação desta ata na forma prevista no §2Âş, do artigo 130, da Lei das Sociedades por Açþes. 5. Encerramento: nada mais havendo a tratar, a sessĂŁo foi suspensa para lavratura da presente ata, que foi lida, aprovada e assinada por todos, dela se tirando cĂłpias autĂŞnticas para os fins legais. SĂŁo Paulo, 17/05/2012. Mesa: Cesar de AraĂşjo Mata Pires - Presidente, JosĂŠ AdelmĂĄrio Pinheiro Filho - SecretĂĄrio. Acionistas presentes: CMP Participaçþes Ltda. - Cesar de AraĂşjo Mata Pires. LP Participaçþes e Engenharia Ltda. - JosĂŠ AdelmĂĄrio Pinheiro Filho. JUCESPnÂş251.327/12-7em13/06/2012.GiselaSimiemaCeschin-SecretĂĄriaGeral.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PEREIRA BARRETO/SP Processo nº 2291/2012 - Tomada de Preços nº 005/2012 Objeto: A contratada obriga-se à execução da Obra de 01 (uma) Construção de Unidade Båsica de Saúde, localizada na Rua Yukio Akiama, no Bairro Teotônio Brandão Vilela, no município de Pereira Barreto, incluindo material e mão de obra conforme projeto båsico, memorial descritivo e planilhas de orçamento constantes de sua proposta. Arnaldo Shigueyuki Enomoto, Prefeito Municipal da Estância Turística de Pereira Barreto, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuiçþes legais e de conformidade com o entendimento da Comissão de Licitação, constituída pelo Decreto nº 3.403/2012, RESOLVE: após vistoriar e analisar o presente processo de Licitação, verifica-se que a Lei Federal nº 8666/93 foi aplicada, ficando o procedimento de acordo com os requisitos legais. Por esta razão, HOMOLOGA e ADJUDICA a favor da empresa vencedora: Wilson dos Anjos Bertipaglia Cia Ltda. Pelo resultado da Licitação e para que surta os efeitos normais, determino que seja expedido o Contrato Administrativo. Estância Turística de Pereira Barreto, 15 de Junho de 2012. Arnaldo Shigueyuki Enomoto - Prefeito

ECONOMIA/LEGAIS - 19

%02, PÂ?   0+4' PÂ?  %1081%#c­1 &' #55'/$.d+# (KECO QU UxEKQU FC #TFCXCUV 4GRTGUGPVCn|GU G 2CTVKEKRCn|GU .VFC EQPXQECFQU RCTC TGWPKlQ FG UxEKQU PQ FKC  iU JO GO RTKOGKTC EQPXQECnlQ EQO C RTGUGPnC FG PQ OsPKOQ Ăł FQU UxEKQU QW iU JO GO UGIWPFC EQPXQECnlQ EQO SWCNSWGT P}OGTQ FG UxEKQU RTGUGPVGU C UGT TGCNK\CFC PC UGFG FC UQEKGFCFG i 4WC 2TQHGUUQT #TVWT 4COQU Â? CPFCTEL  ,CTFKO 2CWNKUVCPQ 5lQ 2CWNQ52 VGPFQ EQOQ 1TFGO FQ &KC K CFGSWCnlQ FQ EQPVTCVQ UQEKCN CQ PQXQ %xFKIQ %KXKN $TCUKNGKTQ G

KK QWVTQU CUUWPVQU FG KPVGTGUUG FC UQEKGFCFG 5lQ 2CWNQ52  FG LWPJQ FG  #PVTCPKM /CPKUUCFLKCP5xEKQ )GTGPVG

CNPJ/MF nÂş 14.811.848/0001-05 - NIRE nÂş 35.3.0038001-1 Ata de Assembleia Geral ExtraordinĂĄria de Acionista com Reforma e Consolidação do Estatuto Social 1. Data, hora e local: aos 18/05/2012, Ă s 10:00hs, na sede social da OAS S.A., na Sede na Av. AngĂŠlica, nÂşs 2.330/2.346/2.364, 9Âş andar, sala 904, Consolação, na Cidade de SĂŁo Paulo/SP (â&#x20AC;&#x153;Cia.â&#x20AC;&#x2122;â&#x20AC;&#x2122;). 2. Presença: acionistas representando 100% do capital votante da Cia., conforme se verifica pelas assinaturas lançadas no Livro de Presença de Acionistas. 3. Convocação: dispensada na forma do art. 124, § 4Âş, da Lei nÂş 6.404/76 (â&#x20AC;&#x153;LSAâ&#x20AC;&#x2122;â&#x20AC;&#x2122;). 4. Mesa: Cesar de AraĂşjo Mata Pires (Presidente) e JosĂŠ AdelmĂĄrio Pinheiro Filho (SecretĂĄrio). 5. Ordem do dia: acrĂŠscimo de previsĂŁo estatutĂĄria de acordo de acionistas e consolidação do Estatuto Social da Companhia. 6. Deliberaçþes: instalada a Assembleia, foi aprovada pelos acionistas detentores de 100% do capital social da Cia., sem quaisquer ressalvas, o acrĂŠscimo do capĂ­tulo X ao estatuto social, com a seguinte redação: â&#x20AC;&#x153;CapĂ­tulo X - Das Disposiçþes Gerais - Art. 21 - A Companhia ĂŠ regida pela legislação brasileira aplicĂĄvel Ă s sociedades anĂ´nimas, pelas disposiçþes contidas no presente estatuto social e pelo acordo de acionistas celebrado pelos sĂłciosâ&#x20AC;?. Ademais, decidem os Acionistas consolidar o Estatuto Social da Companhia de forma a refletir as deliberaçþes tomadas nos itens acima, o qual encontra-se devidamente arquivado na JUCESP e na sede da Companhia. 7. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, a sessĂŁo foi suspensa para lavratura da presente ata, que foi lida, aprovada e assinada por todos, dela se tirando cĂłpias autĂŞnticas para os fins legais. A presente ata, redigida sob a forma de sumĂĄrio, nos termos do art. 130, § 1°, da LSA, ĂŠ cĂłpia fiel daquela constante do livro de atas de Assembleias Gerais da Cia. SĂŁo Paulo (SP), 18/05/2012. Mesa: Cesar de AraĂşjo Mata Pires - Presidente; JosĂŠ AdelmĂĄrio Pinheiro Filho - SecretĂĄrio. Acionistas presentes: CMP Participaçþes Ltda. - Cesar de AraĂşjo Mata Pires; LP Participaçþes e Engenharia Ltda. - JosĂŠ AdelmĂĄrio Pinheiro Filho. JUCESP nÂş 255.931/12-8 em 15/06/2012. Gisela Simiema Ceschin - SecretĂĄria Geral.

Rodoceli Logistica e Serviços Ltda , torna público que recebeu da Cetesb a Licença de Operação,30007749, valida atÊ 26/06/2015 para sucatas não metålicas div.reciclagem e ou recuperação , sito à Rua JosÊ da Rocha Vita,447 -Chacara Mafalda - SãoPaulo-SP


DIÁRIO DO COMÉRCIO

20

e Fabricantes de calçados apostam nas exportações

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Fotos: Paulo Pampolin/Hype

conomia

E esperam que governo incentive vendas domésticas Fátima Lourenço

O

varejo do ramo de calçados pode conferir e encomendar, até a próxima sexta-feira, os produtos que ocuparão as vitrinas das suas lojas na próxima estação Primavera-Verão 2012/2013. As tendências da temporada estão expostas na 44ª Feira Internacional da Moda em Calçados e Acessórios, aberta ontem no Pavilhão de Exposições do Anhembi, na Capital paulista, com aproximados 1 mil expositores. O evento, voltado exclusivamente para lojistas e profissionais do setor, acontece em meio às expectativas da indústria calçadista de reverter um primeiro semestre classificado de morno. "Acredito que a economia brasileira retomará os índices expressivos de crescimento. As fábricas estão prontas para responder a um aumento de demanda", comentou o presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados), Milton Cardoso. Ele ressaltou que, apesar

do mercado interno ser muito forte, a indústria ainda não se beneficiou disso. "A importação tomou conta do mercado interno", justificou Cardoso. A balança comercial do setor calçadista (acumulado de janeiro a maio de 2012) continua positiva (em US$ 236,1 milhões), lembrou ele. As exportações brasileiras do período, no entanto, recuaram perto de 20%, na comparação com iguais meses de 2011, enquanto as importações cresceram 16,2%, na mesma base de comparação. Incentivos – O executivo saúda medidas já tomadas pelo governo, como a redução da taxa básica de juros, mas acrescenta que para "reequilibrar o jogo" e se beneficiar do vigor do mercado interno, a indústria calçadista demanda providências como a exclusão da incidência do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins) sobre a folha de pagamento da indústria de transformação, além de esperar

Consumo em queda por crise

Acima, Francal 2012. À direita, Paulo César Pereira Costa, sócio-fundador da marca Mazuque, de Franca, que aposta em um aumento de 10% nas exportações. que o Comitê de Política Monetária delibere pela queda da Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), "para favorecer os investimentos no Brasil". A despeito dos problemas, lembrou Cardoso, o Brasil ain-

da é o terceiro maior produtor de sapatos do mundo e exporta para 150 países – cem novos destinos, na comparação com a realidade de dez anos atrás. Pequenos fabricantes – Paulo César Pereira Costa, sóciofundador da marca Mazuque, de Franca, conta que a exportação para Mercosul e Oriente Médio já representou de 30% a 35% do negócio. Atualmente, responde por 20% do faturamento total. A meta é que chegue a 30%. A empresa de Paulo divide, na feira, um espaço exclusivo para 22 fabricantes de Franca, subsidiados, na vinda ao evento, pelo Serviço de Apoio às Micro e Peq u e n a s E mpresas de São Paulo (Sebrae) e p r e f e i t u r a d aquela cidade. Para pequenos fabricantes, o subsídio é fundamental. "A feira ajuda a sintonizar moda e produto", afirma o fabricante. Há 18 anos no mercado, a Mazuque apresenta, na Francal, algumas das versões de calçados femininos com ares retrô, uma das tendências para o Verão 2013. "São sandálias e sapatilhas coloridas, que conciliam beleza e conforto", explica ele. Proposta também presente na linha casual dos sapatos mas-

culinos da marca, responsáveis por 40% do negócio. Na Democrata, empresa com 20 anos de mercado e produção de oito mil pares de sapato por dia, a moda é exclusivamente masculina. A empresa sempre exportou e também se ressente das incertezas que o dólar provoca no cliente internacional. As venda externas já representaram 50% do negócio e atualmente respondem por 20%, explica o gerente de desenvolvimento e marketing, Fernando Brigagão. A marca Democrata apresenta, na Francal, as novidades para diferentes estilos de homens despojad o s , u r b anos, roqueir o s o u amantes de um clássico dotado de máximo conforto. O maior destaque, segundo Brigagão, é o tênis urbano da linha Democrata Fan "desenvolvido para o Brasil, com couro perfurado", nas cores azul, rosso, musgo, off white e laranja, algumas das cores também presentes em outras coleções expostas na Francal, entre calçados e acessórios. Sandálias no estilo retrô, tênis estampados (com aplicações e saltos internos, além da volta do cano alto), sapatilhas, scarpins com bico fino e salto médio e solados mais grossos para os homens são algumas das novidades da Francal.

Prado: brasileiro compra 3,8 pares por ano.

P

esquisa do setor apresentada ontem na Francal, pelo Instituto de Estudos e Marketing Industrial (IEMI), projeta, para 2012, recuo de 1,7% do consumo nacional de calçados e queda da produção, importações e exportações do setor, em 1,6%; 4,5% e 2%, respectivamente. Em média, conforme o IEMI, o brasileiro consome 3,8 pares de calçados por ano. O diretor do instituto, Marcelo Prado, avalia que o setor ainda não sente os benefícios das medidas tomadas pelo governo (reflexo da baixa dos juros no spread bancário, por exemplo). A ameaça do momento para a indústria calçadista, segundo sua análise, é que os efeitos da crise provoquem redução maior do consumo. Para o diretor do IEMI, porém, há outros caminhos. "A crise estimula o varejo a trabalhar itens com mais valor agregado", diz. O desenvolvimento de novos canais de distribuição – especialmente os virtuais – reservam oportunidades. (FL)

Apas recorrerá sobre sacolas

A

Associação Paulista de Supermercados (Apas) informou ontem que entrará com recurso contra decisão da juíza Cynthia Torres Cristófaro, da 1ª Vara Central de São Paulo, que determinou o retorno da distribuição gratuita de sacolas plásticas aos consumidores. A juíza decidiu na segunda-feira que os supermercados devem, em 48 horas, retomar o fornecimento de sacolas adequadas – e em quantidade suficiente – para que os consumidores transportem as compras gratuitamente. "Visto que jamais deixou de oferecer uma alternativa gra-

tuita para os consumidores portarem suas compras, a Apas recebe com tranquilidade a decisão da 1ª Vara Central da capital", disse a entidade. "No entanto, como é de direito, a entidade entrará com recurso, pleiteando a supressão da sentença. Nesse sentido, já instruiu seus associados a cumprirem a decisão, mas continua pela via jurídica a sua campanha para a substituição das sacolas descartáveis por reutilizáveis em todo o Estado de São Paulo, para contribuir para a conscientização dos consumidores em favor da sustentabilidade e contra a cultura do desperdício",

acrescentou a Apas. Em sua decisão, a juíza disse que "é notório que a prática comercial costumeira é do fornecimento do lojista de embalagem para que o consumidor leve consigo as mercadorias que adquire, isso ocorrendo em lojas de diversos ramos de atividade". A juíza fixou o prazo de 30 dias para que os estabelecimentos passem a fornecer, também, embalagens de material biodegradável ou de papel, sem cobrar nada pelo serviço. A decisão foi uma resposta à ação civil pública movida pela Associação Civil SOS Consumidor. (Agências)


DC 27/06/2012