Page 1

Ano 87 - Nº 23.422

Conclusão: 23h50

www.dcomercio.com.br

Jornal do empreendedor

R$ 1,40

São Paulo, terça-feira, 26 de julho de 2011

Dólar nocauteado por frase de Dilma A frase foi um golpe no dólar enfraquecido pela indecisão política sobre o teto da dívida dos Estados Unidos: "O governo não irá adotar novas medidas no câmbio", disse a presidente Dilma Rousseff. Derrubado para menos de R$ 1,55, com a contagem regressiva parando em 1999, o Banco Central tentou reanimação por leilão três vezes, sem sucesso. US$ x R$, pág. 11. Crise nos EUA, pág. 13 Jon-Are Berg-Jacobsen/AFP

O ASSASSINO ATACA O BRASIL Para o norueguês Anders Breivik, Brasil é exemplo de país disfuncional por causa da miscigenação. Enquanto 150 mil pessoas homenageavam as vítimas em Oslo, ele confessava ser o autor do massacre de 76 pessoas. Pág. 8

O homem que a esquerda aplaudiu

Extremista fala em 'duas células'

Precisava de um "extremista de direita". Por Olavo de Carvalho. Pág. 3

Segundo Breivik, elas integram organização para salvar a Europa. Pág. 8 Paulo Pampolin/Hype

HOJE Sol com algumas nuvens. Máxima 25º C. Mínima 12º C.

AMANHÃ Nublado. Pode garoar à noite. Máxima 24º C. Mínima 13º C.

ISSN 1679-2688

9 771679 268008

23422

Pagot, o 17º a cair dos Transportes, sai atirando No discurso de despedida, o ex-diretor do Dnit disse que o órgão não tem DNA de corrupção (rebatendo o ministro Jorge Hage), criticou Dilma indiretamente e foi aplaudido de pé. Pág. 5

Com qual portátil eu vou? Especialistas, como Hamilton Yoshida (foto) da Samsung, explicam as diferenças entre tablet e netbook. Informática, pág. 17


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

terça-feira, 26 de julho de 2011

Nossa pergunta é mais singela: estamos realmente fazendo bem o dever de casa na seara do ajuste fiscal?. Roberto Fendt

pinião

PAULO SAAB

PROTESTO CONTRA A DOMINAÇÃO

D

O pacote europeu e nós

P

assado o primeiro momento de euforia, após o pacote europeu de ajuda à Grécia, a grande questão no mercado é: foi suficiente? A boa notícia é que o pacote, além de provocar forte alta nas bolsas no exterior e aqui, aparentemente também acalmou os mercados de títulos dos países europeus potencialmente contagiáveis pelo semicalote grego. Mas há quem ache que a ajuda foi apenas ao limite do possível. E que esse limite pode ter ficado aquém do necessário. A comprovação de que o mercado reduziu suas expectativas de um contágio aos principais países do sul da Europa, Espanha e Itália, foi a queda nas taxas de juros dos títulos espanhóis e italianos no mercado. No caso dos primeiros, as taxas caíram de 5,97 pontos percentuais para 5,24 pontos, e no caso dos segundos, de 6,31 pontos para 5,60 pontos. Em ambos os casos, a redução nas taxas foi superior a 10%. Também as ações dos bancos credores da Grécia subiram e o preço do ouro cedeu – esse último um tradicional porto seguro em momentos de grave crise. As boas notícias têm por fundamento o fato de que, após grande relutância, os credores fizeram o que era imprescindível fazer: reduzir o valor presente da dívida grega. Essa redução, absolutamente necessária para tornar viável à Grécia cumprir com os seus novos compromissos, calcou-se em um conjunto de medidas formado pelo alongamento do prazo da dívida, pela redução das taxas de juros incidentes sobre o estoque do endividamento, pela recapitalização dos bancos gregos com recursos do Mecanismo de Estabilização Financeira Europeu e pela

ROBERTO FENDT aceitação de que uma parte do principal não seria paga. Mais importante ainda, e vitória pessoal da chanceler alemã Angela Merkel, os bancos credores arcarão com parte das perdas.

É

com os recursos do Mecanismo de Estabilização Financeira Europeu que se tornará possível, quando necessário em casos similares aos da Grécia e Portugal, intervir no mercado para a compra de títulos de países europeus que possam estar sendo alvo de desconfianças do mercado. É com esses recursos, também, que se está socorrendo a parcela da dívida grega de 340 bilhões de euros que o país não teria como honrar. Tão importante quanto essas medidas dos governos europeus, também a banca privada arcará com uma parte dos custos

de solução do problema. A conta a ser apresentada aos bancos é da ordem de 37 bilhões de euros (53 bilhões de dólares). Estima-se que os bancos perderão cerca de 20% do valor dos empréstimos concedidos à Grécia.

T

odo esse esforço, contudo, apenas dá um alívio temporário à Grécia para ajustar a economia, de forma a capacitar-se a honrar o principal e o serviço da dívida remanescente. Essa dívida remanescente não é pequena e corresponde a 130% do PIB grego. Como já tive oportunidade de comentar nesse espaço, uma solução sustentável para o problema grego requer aumento da receita tributária, para equacionar o problema da dívida, e da entrada de recursos externos, para resolver o problema do balanço de pagamentos e permitir a remessa

A dúvida é se o pacote foi suficiente. O endividamento grego ainda será muito alto e talvez a Grécia não possa arcar com os compromissos feitos com os governos europeus.

de principal e juros sobre a dívida renegociada. Sou cético de que essas duas soluções possam ser alcançadas sem que o governo grego abandone o euro e desvalorize a nova moeda. Mas os governos europeus não querem sequer ouvir falar nesse precedente.

A

moral dessa história é simples: passada a euforia inicial, ontem os mercados começaram a se perguntar se o pacote foi suficiente. O endividamento grego permanecerá muito alto e talvez a Grécia não possa arcar com os compromissos que os governos europeus estão a lhe oferecer. O tempo dirá quem tem razão. Para nós, brasileiros, isso tem pouca relevância no momento, já que somente seremos afetados por uma crise de natureza sistêmica. A nossa pergunta é mais singela: estamos realmente fazendo bem o dever de casa na seara do ajuste fiscal? Não é o que parecem mostrar os dados do Tesouro Nacional com relação ao estoque da dívida pública mobiliária federal brasileira. Ele cresceu 3,86% em junho, em decorrência tanto da emissão líquida de novos títulos como para o pagamento de juros sobre o estoque do endividamento. A emissão líquida de novos títulos diz singelamente que a arrecadação tributária, a despeito do seu crescimento, não foi suficiente para cobrir integralmente o déficit das contas públicas. Esse é o desafio que teremos que enfrentar se quisermos trazer a inflação para o centro da meta, cuja solução foi postergada para 2012. ROBERTO FENDT É ECONOMISTA

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Cláudio Vaz Edy Luiz Kogut Érico Sodré Quirino Ferreira Francisco Mesquita Neto João de Almeida Sampaio Filho João de Favari Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Paulo Roberto Pisauro Renato Abucham Roberto Faldini Roberto Mateus Ordine

e forma incipiente, mas encorajadora, nota-se na sociedade algum movimento, em nome da dignidade e da probidade administrativa, contra o nível de profundidade que alcançou a corrupção nas entranhas do poder público. A devastação da moralidade e dos cofres públicos, que há anos denunciava praticamente sozinho na mídia nacional, começa a pipocar aqui e ali, entre outros jornalistas e, notadamente, no cidadão honesto, trabalhador, cansado da sujeirada que os maus políticos, dirigentes públicos e a parte podre da iniciativa privada produzem em conluio. Da coluna de ontem, sobre a dominação da sociedade pelo PT e aliados, recebi manifestações em número acima do normal, com o apoio de leitores e pedido de orientação sobre como proceder. Sugiro ao leitor que use como modelo a minuta da carta abaixo abaixo, para que escreva ao vereador, ao deputado estadual, ao deputado federal, ao prefeito, ao governador e ao presidente (ou denta) da República, em quem votou, para manifestar seu sentimento de desagrado com tudo de ruim que grande parte deles tem feito com nosso dinheiro.

medida – escrever protestando – serve também para o Ministério Público, para os veículos de comunicação e para o padre da paróquia. Ou ao bispo. Com as adaptações que deixo a critério do leitor. Vamos lá, então. Excelência (todos eles gostam de ser chamados de Excelência. De andar em carro público de luxo e de gabinete com muitos funcionários, pagos pelo contribuinte, chamando-os de Excelência , e de ter carpetes verdes no escritório). Sirvo-me da presente para trazer ao conhecimento de V.Excia. (é sempre bom repetir, para não ter que ouvir : "sabe com quem está falando?") minha insatisfação com a forma com que V. Excelência (de novo) tem se comportado na vida pública. Ia escrever "indignado", mas como faz tanto tempo que a sociedade está anestesiada, preferi usar "insatisfação". Como também escrevi "preferi" em vez de "optei", só para não haver menção na palavra ao PT. De todo modo minha – agora assumo – indignação se estende a todos os partidos. Como sou um cidadão

A

Sugiro ao leitor que escreva para aqueles em quem votou e manifeste seu desagrado com tudo de ruim que grande parte deles tem feito com o nosso dinheiro.

(cidadã, se for mulher) educado (a), por enquanto manifesto por meio dessa carta minha contrariedade com a sua participação na vida pública. Caso não haja mudança em seu comportamento, passarei a vaiá-lo em ocasiões públicas e, talvez participe de ações a favor de sua cassação por falta de decoro parlamentar, e/ou coletando assinaturas em favor de projetos do tipo "ficha limpa" . Aproveito a ocasião para dar-lhe notícia de que cresce, a cada dia, no meio dos brasileiros honestos, pagadores de impostos, dos trabalhadores dependentes de salário, com descontos na folha, o sentimento de necessidade de medidas menos contemplativas em relação ao quanto se desvia da riqueza nacional em favor da riqueza pessoal de políticos e dirigentes públicos corruptos. Não sei dizer aonde isso vai parar. Estou, todavia, como brasileiro do bem, advertindo V. Excelência (ele ou ela voltarão a sorrir) de que as coisas não seguirão assim por muito tempo. O ilusionista que criou todo o ambiente para essa situação no país está voltando à cena, mas haverá uma alma pura a mostrar, como na fábula, que o Rei está nu. E as fantasias criadas sobre uma realidade que existe mais no mundo da propaganda oficial do que na realidade fria das filas de hospitais, da violência urbana e no campo, nas estradas esburacadas, nos aeroportos congestionados, para ficar em alguns exemplos, vão perder seu efeito mágico, por conta da ambição desmedida dos que roubam o povo. Para finalizar , informo que eu, minha família e meus amigos nunca mais votaremos em V. Excelência. (Aqui ele ou ela entrarão em pânico. Perder voto pode significar não se eleger e aí, adeus mamata. A não ser que seja indicado ministro ou diretor de estatal). Atenciosamente, Cidadão (ã) brasileiro (a). PAULO SAAB É JORNALISTA E ESCRITOR

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, João de Scantimburgo, Marcel Solimeo Diretor-Responsável João de Scantimburgo (jscantimburgo@acsp.com.br) Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Editor-Chefe: José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br) Chefia de Reportagem: Teresinha Leite Matos (tmatos@acsp.com.br) Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br) Editores Seniores: Bob Jungmann (bob@dcomercio.com.br), Carlos de Oliveira (coliveira@dcomercio.com.br), chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), Estela Cangerana (ecangerana@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Luiz Antonio Maciel (maciel@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br) Editor de Fotografia: Alex Ribeiro (aribeiro@dcomercio.com.br) Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Ricardo Ribas (rribas@dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br) Subeditores: Fernanda Pressinott, Kleber Gutierrez, Marcus Lopes e Rejane Aguiar Redatores: Adriana David, Eliana Haberli, Evelyn Schulke, e Sérgio Siscaro Repórteres: Anderson Cavalcante (acavalcante@dcomercio.com.br), André de Almeida, Fátima Lourenço, Geriane Oliveira, Ivan Ventura, Kelly Ferreira, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mário Tonocchi, Neide Martingo, Paula Cunha, Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves, Sandra Manfredini, Sergio Leopoldo Rodrigues, Sílvia Pimentel, Vera Gomes e Wladimir Miranda. Gerente PL Arthur Gebara Jr. (agebara@acsp.com.br) Gerente Executiva Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estado, Folhapress, Efe e Reuters Impressão OESP GRÁFICA S/A Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3244-3175. Fax 3244-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3244-3197, 3244-3983, Fax 3244-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3244-3544, 3244-3046 , Fax 3244-3355

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3244-3737 REDAÇÃO (011) 3244-3449 FAX (011) 3244-3046, (011) 3244-3123 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 26 de julho de 2011

o

3

SE OS TERRORISTAS SÃO DE ESQUERDA , A MENÇÃO A SEUS MOTIVOS IDEOLÓGICOS É SUPRIMIDA.

OLAVO DE CARVALHO

A

mídia iluminada está em festa: no meio de milhares de atentados mortíferos praticados por gente de esquerda, conseguiu descobrir o total de um (1, hum) terrorista ao qual pode dar, sem muita inexatidão aparente, o qualificativo de "extremista de direita". O entusiasmo com que alardeia a presumida identidade ideológica do norueguês Anders Behring Breivik contrasta da maneira mais flagrante com a discrição cuidadosa com que o qualificativo de "extremista de esquerda" é evitado em praticamente todos os demais casos. Mais recentemente, até a palavra "terrorista" vinha sendo banida nos chamados "grandes jornais" do Ocidente, acusada do pecado de hate speech, até que o advento de Breivik lhe deu a chance de um reingresso oportuno e – previsivelmente – momentâneo. Antes disso, tamanho era o desespero da esquerda mundial ante a escassez de terroristas no campo adversário, que não lhe restava senão inventar alguns, como o recémlibertado Alejandro Peña Esclusa, que nunca matou um mosquito, ou espremer até doses subatômicas o limão do "neonazismo" – ocultando, é claro, o detalhe de que os movimentos dessa natureza surgiram como puras operações de despistamento criadas pela KGB (prometo voltar a escrever sobre isso). Breivik saciou uma sede de décadas, fornecendo aos controladores da informação universal o pretexto para dar um arremedo de credibilidade ao slogan matematicamente insustentável de que a truculência homicida é coisa da direita, não da esquerda. Aos que sejam demasiado tímidos para fazer coro com a difamação explícita, os atentados de Oslo fornecem a ocasião para que essas sublimes criaturas exibam mais uma vez sua neutralidade superior, alegando que "toda violência é igualmente condenável", que "todos os extremismos são igualmente ruins" e estabelecendo assim, para alívio e gáudio dos campeões absolutos de violência assassina e definitiva humilhação da aritmética elementar, a equivalência quantitativa entre um e mil, um e dez mil, um e cem mil. Isso já se tornou quase obrigatório entre

Quem aí lê norueguês? quão difamatoriamente!) que os filósofos da Escola de Frankfurt tinham a intenção de destruir a civilização do Ocidente. Na verdade essa intenção foi proclamada aos quatro ventos pelo próprio fundador da escola, o filósofo húngaro Georg Lukács, mas, como parece que não pegou bem, não custa atribuí-la aos seus inimigos.

as pessoas elegantes. Se quando terroristas são de esquerda qualquer menção a seus motivos ideológicos é suprimida, camuflada sob diferentes denominações ou até invertida, mediante insinuações de direitismo – cujo desmascaramento posterior não obtém jamais a menor repercussão na mídia), no caso de Breivik os profissionais da farsa não se contentaram com a mera rotulação: forneceram, do dia para a noite, um perfil ideológico completo, detalhado, definindo o sujeito como uma espécie de Jerry Falwell ou Pat Robertson, e aproveitando a ocasião, é claro, para sugerir que as ideias do Tea Party, desde o outro lado do oceano, haviam movido a mão do assassino. Que a imprensa norueguesa, em contraste, informasse ser Breivik um membro do Partido Nazista, não mudou em nada a firme decisão geral de pintar o criminoso como um cristão sionista. Afinal, quem lê norueguês? Meu amigo Don Hank, do site Laigles Fórum, lê , como lê também não sei quantas outras línguas – e me repassa notícias de primeira mão que o resto da humanidade desconhece.

P

N

ão deixar-se enganar, nos dias que correm, exige cada vez mais recursos de erudição inacessíveis à massa dos leitores. A elite farsante não se incomoda de que dois ou três estudiosos conheçam a verdade e a proclamem com vozes inaudíveis: ela sabe que a própria massa ficará contra nós, curvando-se à autoridade universal do engodo e chamando-nos de "teóricos da conspiração". Que Breivik fosse ostensivamente maluco é outro detalhe que não atenua em nada o desejo incontido de explicar o seu crime por um intuito político real e literal. Lembram-se de Lee Harvey Osvald? Leves sinais de neurose bastaram para que o establishment e a mídia em peso isentassem o assassino de John Kennedy de qualquer suspeita de intenção política, embora o indivíduo fosse um comunista militante e tivesse contatos nos serviços secretos da URSS e de Cuba, de onde acabara de voltar. Embora Breivik tenha uma conduta ostensivamente psicótica e não haja o menor sinal de contato

Andrew Berwick/Reuters

pinião

O entusiasmo com que a mídia alardeia a presumida ideologia direitista do norueguês Anders Behring Breivik contrasta flagrantemente com o grande cuidado em evitar o uso do qualificativo "extremista de esquerda" em outros casos. entre ele e qualquer organização conservadora ou sionista dos EUA, o diagnóstico vem pronto e infalível: um sujeito ser cristão, sionista ou, pior ainda, ambas as coisas, é um perigo para a espécie humana, uma promessa de crimes hediondos em escala epidêmica. A pressa obscena com que se associa o crime de Breivik ao seu alegado cristianismo também não é refreada pela lembrança de que a

mesma associação se fez persistentemente, universalmente, no caso de Timothy McVeigh, autor dos atentados de Oklahoma em 1995, até que veio, tardiamente como sempre, a prova de que o criminoso era muçulmano e ligado a organizações terroristas islâmicas. Veremos quanto tempo transcorrerá até que a pesquisa histórica erga um sussurro de protesto contra o vozerio unânime da mídia interna-

cional. Fundados na certeza da ignorância popular que jamais poderá desmascará-los, alguns dos diagnosticadores de cristianismo assassino vão até mais longe, deleitandose em análises profundíssimas segundo as quais a coisa mais danosa e mortífera do mundo, inspiradora dos atentados em Oslo, é a ideia reacionária de combater o "marxismo cultural" – rótulo infamante inventado pela direita para sugerir (oh!,

ior ainda: escrevendo num site chamado Crooks and Liars (que só posso atribuir à modéstia de seus editores), o articulista David Newett, ecoando aliás mil comentários no mesmo sentido, publicados cinco minutos após a notícia do atentado, informa que o combate ao marxismo cultural é inspirado por abjetos preconceitos antissemitas, e dá como prova disso o fato de William S. Lind, que se destacou nesse combate, ter informado em uma conferência que todos os membros-fundadores da Escola de Frankfurt eram judeus de origem – coisa que eles eram mesmo, como aliás o próprio Karl Marx, e daí? A implicação do raciocínio não escapará aos leitores mais atentos: Anders Breivik, além de ter matado dezenas de não-muçulmanos por ódio ao Islam, foi também movido por sentimentos pró-judaicos antissemitas. Não entenderam nada? Não é mesmo para entender. Já expliquei mil vezes que a técnica da difamação exige atacar a vítima por vários lados, sob pretextos mutuamente contraditórios, para confundir e paralisar a defesa, obrigando-a a combater em dois ou mais fronts ao mesmo tempo e a usar de uma argumentação complexa, com aparência sofística, incapaz de fazer face à força maciça da acusação irracional. Se alguma dúvida resta na mente dos leitores quanto à realidade da hegemonia revolucionária no mundo, objeto de meus últimos artigos, a uniformidade do noticiário sobre Anders Behring Breivik lhes dá uma amostra de que, mais uma vez, não estou tão louco quanto pareço.

OLAVO DE CARVALHO É ENSAÍSTA, JORNALISTA E PROFESSOR DE FILOSOFIA

TABELA DO IR: MAIS UM REMENDO TRIBUTÁRIO. O

brasileiro que paga em tributos pelo menos quatro meses, ou 120 dias, de trabalho deve se preparar para aumentar um pouco mais sua cota de contribuição à arrecadação pública. Os deputados aprovaram em Brasília, no início do mês, a Medida Provisória 528, confirmando o reajuste da tabela do Imposto de Renda da Pessoa Física em 4,5%, em vigor desde 1º de abril, mesma taxa a ser aplicada anualmente até 2014. É um reajuste insatisfatório diante da perspectiva de uma inflação de 6,15% em 2011, projeção do boletim Focus, do Banco Central, um dia antes da votação no Congresso. Está abaixo ainda da taxa de 2010, de 5,91% de elevação no IPCA. O reajuste em 4,5% promove novo aumento disfarçado da carga tributária bancada pelos cidadãos. Ele não cobre a inflação imediata, tampouco uma defasagem acumulada desde 1995. Até contribui para a elevação progressiva desta diferença. A permanecer o teor

da MP, a discrepância observada desde 1995 entre o reajuste da tabela e os índices inflacionários se perpetuará. Pelos estudos do Sindifisco (Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil) esse gap atingiu 64,1% no final de 2010. abe agora aos senadores dizerem se pretendem ou não manter tamanha injustiça contra o contribuinte. Se não aprovarem a MP até dia 8 de agosto, esta perderá seu efeito e a situação se agravará, pois voltaremos à situação anterior a abril – ou seja, sem reajuste algum. Mas se mantiverem os 4,5%, a defasagem acumulada nos últimos anos será ampliada. Os senadores poderiam, ao menos, equiparar a correção à inflação de 2010, contribuindo para que se interrompa o ciclo de corrosão do poder de compra de nossos cidadãos – e estimulando uma situação mais favorável ao ciclo

C

JOSÉ M. CHAPINA ALCAZAR virtuoso da economia, colocando-a nos trilhos do crescimento sustentável. Do ponto de vista do Sescon, a reforma tributária é a principal delas. Dependemos também de melhor infraestrutura em logística, como portos, aeroportos e estradas, e de educação de qualidade que forme cidadãos capacitados a enfrentar os desafios do mercado de trabalho. Mas enquanto vivermos sob o regime de um sistema tributário remendado, com sobreposição de impostos e/ou sua desatualização em relação aos indicadores econômicos, estaremos diminuindo a capacidade de investimento do setor privado.

recente reajuste aprovado pelos deputados em Brasília sobre a tabela do IRPF é mais um remendo, entre milhões de alterações processadas nas últimas décadas. Em 23 anos, por exemplo, o Brasil assistiu à edição de mais de 3,7 milhões de normas tributárias, as quais tiveram somente o intuito de operar como fermento no bolo da arrecadação pública, em vez de reparar perdas ou injustiças praticadas tanto contra o contribuinte físico quanto o jurídico. O resultado é o inaceitável crescimento progressivo da carga tributária sobre a renda, incompatível com o sonho do desenvolvimento. Projeções extraoficiais dão conta de que ela superou 35% em 2010,

O

mantendo o Brasil com padrão de impostos de Primeiro Mundo, mas de perfil de investimentos públicos próximo das nações subdesenvolvidas. Estamos entre os dez países que mais pagam tributos no mundo, no entanto, em termos de Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), registramos apenas a 73ª posição entre 169 nações avaliadas pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Também nos indicadores relativos ao desempenho em educação, nosso país amargou posição de Terceiro Mundo. Resultados do PISA 2010 - Programa Internacional de Avaliação de Alunos aplicado a cada três anos pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) – nos colocaram em 53º lugar entre os 65 países avaliados. Esse novo episódio da saga tributária brasileira volta a sinalizar que, independentemente dos nomes ou cores partidárias

que venham ocupando o governo, o setor público parece irremediavelmente tomado pelo vício de aumentar impostos como forma de atender a algumas metas macroeconômicas mais imediatas e cobrir buracos orçamentários. Nossos contribuintes não podem continuar à mercê desta falta de planejamento de governo e de Estado para curto, médio e longo prazo, o qual demandaria a racionalização da máquina pública em concomitância com novo sistema tributário, além do equacionamento do déficit previdenciário e do estímulo efetivo ao crescimento sustentável. JOSÉ MARIA CHAPINA ALCAZAR É PRESIDENTE DO SESCON-SP (SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS E DAS EMPRESAS DE ASSESSORAMENTO, PERÍCIAS, INFORMAÇÕES E PESQUISAS NO ESTADO DE SÃO PAULO) E DA AESCON-SP (ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS DA ATIVIDADE).


DIà RIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 26 de julho de 2011

26 de Julho

O

culto a Ana e Joaquim, pais da Virgem Maria e avós de Jesus Cristo, Ê uma devoção antiga. O casal de judeus completamente fiel a Deus era estÊril para ter filhos. AtÊ que, perseverando na oração e no jejum, alcançou a graça. Ana tinha 40 anos Santa Ana quando deu à luz a Nossa Senhora. o Joaquim

e SĂŁ

    

     



Solução

      



           

                         



4 -.GERAL

    

  

 $%& '      

 -        

       



  

     !     

'    

. 

  

        

 

   ,  -*    

     9 ',    0 

 1 

   

#



          7  

  

  

     

 

" #   

 !

     " 

  +  #       2      3454 6  ,

' #             

       

 *   

  $*&

 ( )     

   

   

1   ::      8  *

        ! 

        !

 "    *        + ,

 2;

   $  &

!    

 ! #     (/ !    

  ,

$33<=& <# > # #  #

# 1# 7# ?, #  # 5   #  # @




p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 26 de julho de 2011

5 PAGOT BEM Pagot deixa o Dnit aplaudido por 500 servidores, que continuam lá.

olítica

FALA, PASSOS Deputados e senadores da oposição querem ouvir Passos.

Dida Sampaia/AE - 12.07.11

E

m discurso inflamado de despedida, em que destilou ressentimentos e mandou recados velados para o governo, o engenheiro Luiz Antonio Pagot comunicou ontem pela manhã aos servidores e auxiliares do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) o seu "pedido de demissão irrevogável" da direção-geral da autarquia. Pagot disse que não aceitava a pecha de corrupto e rebateu o ministro Jorge Hage, da Controladoria-Geral da União (CGU), para quem o órgão é um antigo foco de corrupção. "Discordo do ministro quando diz que o Dnit tem o DNA da corrupção", afirmou. "Aqui o que há é o DNA do trabalho e da dedicação dos servidores". Efeito dominó – Pagot é o 17º dirigente a cair em meio a crise que se arrasta desde o começo do mês, com a revelação de um esquema de corrupção, tráfico de influência e cobrança de propina de empreiteiros montado pelo Partido da República (PR) no Ministério dos Transportes. O ex-ministro Alfredo Nascimento foi um dos primeiros a cair. Pediu demissão cinco dias depois do estouro do escândalo. Bom, mas na rua – O ex-diretor do Dnit criticou, indiretamente, a presidente Dilma Rousseff que, após as denúncias, exigiu a reestrutura completa no Ministério dos Transportes, a seu ver um setor caótico e ineficiente. Ele afirmou que o departamento executa um orçamento de mais de R$ 1 bilhão por mês e ressaltou que só com "trabalho e eficiência" se consegue esse resultado. "Somos o órgão de maior execução orçamentária da Esplanada", vangloriou-se. "Somos

Luiz Antonio Pagot: DNA do Dnit não é o da corrupção, é sim o do trabalho.

Pagot elogia o Dnit e a si mesmo. E sai Em seu discurso de despedida, ele destilou ressentimentos e foi aplaudido de pé pelos servidores líderes absolutos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e temos o dobro da execução da Caixa Econômica". Mil contratos – Pagot ressaltou que tudo isso foi obtido num Dnit sucateado. "Não temos computadores adequa-

dos, o efetivo é de apenas um terço do necessário e as condições de trabalho são mínimas". Sublinhou que a conquista não foi mérito exclusivo, mas de "todos os funcionários e assessores". Informou que o Dnit tem 1.156 contratos em execu-

Faxina de Dima não abala alianças, diz Vaccarezza Líder não vê crise com aliados e garante que o PR não é partido de 'aventureiros'

O

líder do governo na Câmara Federal, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), afastou ontem a possibilidade de a "faxina" promovida pela presidente Dilma Rousseff no Ministério dos Transportes provocar um novo racha na base alidado ao Palácio do Planalto. Ele disse que o governo federal não está preocupado com essa hipótese e destacou que o Partido da República (PR), principal legenda afetada pelas demissões, "é um grande parceiro do governo". Grande aliado – Para Vaccarezza, "não há nenhuma preocupação sobre isso", garantiu. "Sempre se fala de troco, mas no primeiro semestre o governo ganhou todas as votações", afirmou, após participar de um seminário na capital paulista. "O PR é um grande aliado, um partido que não é feito de aventureiros. Ele não está no governo por outro interesse que não seja apoio político e ideológico", assegurou. Vaccarezza reconheceu que houve uma "crise específica", com alguns integrantes do Ministério dos Transportes, mas salientou que a presidente Dilma agiu prontamente e fez mudanças na pasta. "Nunca considerei que tivesse uma crise no governo . A presidente fez mudanças profundas e acho que, se tiver problema em outros lugares, haverá novas mudanças, mas sem crise". ANP – Outro grande abacaxi governamental foi minimizado pelo parlamentar ao comentar as consequências da denúncia investigada pelo Ministério Público Federal (MPF) e pela Polícia Federal de suposto esquema de corrupção na Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). O líder do PPS na Câmara,

Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr - 05/05/2011

Rubens Bueno (PR), anunciou que iria protocolar na Comissão Representativa do Congresso um requerimento de convocação do ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, para prestar esclarecimentos a respeito do episódio. Vaccarezza disse que toda denúncia será apurada e nada será acobertado pelo governo federal. "Não há nenhuma nova crise". O líder do governo afirmou que considerou "esquisita" a iniciativa do PPS de apresentar o requerimento à Comissão Representativa, que funciona durante o recesso legislativo e, segundo ele, reuniu-se apenas uma vez nos últimos dez anos. "Eu não entendi por que eles ingressaram nessa comissão se o Congresso irá se reunir na próxima segunda-feira". Passos na Câmara – A convocação do ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, ao Congresso será tema da oposição na última semana do recesso parlamentar. O líder do PSDB na Câmara, deputado Duarte Nogueira (SP), autor de um requerimento de convocação de Passos, insistirá para que a Comissão Representativa vote o seu pedido. A convocação precisa contar com o apoio da terça parte dos

ção e que seria impossível esperar que não houvesse alguma irregularidade. Mesmo assim, garantiu que não houve uma única denúncia sem apuração ou recomendação do Tribunal de Contas da União (TCU) que não fosse atendida

ou irregularidade corrigida. Saída apoteótica – Com capacidade para 500 pessoas, o auditório estava lotado e Pagot aproveitou para agradecer a todos dizendo que não teria conseguido nada sem eles, "muitos dos quais foram além

do seu dever e da carga horária". Foi aplaudido de pé e saiu de forma apoteótica, cumprimentando os servidores até a porta de saída. O ex-diretor não teve a mesma deferência com o ministro Paulo Sérgio Passos, seu chefe imediato, a quem mandou um emissário entregar a carta comunicando que havia suspendido as férias e na qual também pedia demissão do cargo em caráter irrevogável. Outra carta de demissão foi entregue por Pagot, ainda pela manhã, ao amigo e ministro Gilberto Carvalho, chefe da Secretaria-Geral da Presidência, pouco depois da sua despedida do Dnit. Carvalho informou imediatamente o fato à presidente e informou que o Planalto não divulgaria o teor da carta. Contatos intensos – A luta de Pagot para se salvar da degola teve conotação quixotesca. Enquanto ele se debatia, viu 16 colegas serem arrastados no vendaval de denúncias de corrupção que atingiu o ministério nas últimas três semanas. Não conseguiu resistir. Dilma exigiu uma "limpa" completa no setor e Pagot estava incluído na primeira leva de dirigentes a serem afastados. Ele, inclusive, se antecipou à degola entrando em férias. Sua estratégia incluiu participar de audiências no Senado e na Câmara. Foi o único a dar explicações. Nos momentos mais tensos mandou recados ao Planalto. A resposta de Dima foi clara. Ele estava fora. E foi. (AE)

Órgão funciona só com 2 diretores Com as denúncias, a diretoria ficou sem cinco dos seus sete integrantes

C

om o pedido de demissão de Luiz Antonio Pagot do cargo de diretor-geral, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) está funcionando com apenas dois dos sete diretores. Pagot estava afastado da autarquia desde o início da crise, há 23 dias, quando solicitou férias para escapar da degola. Mas o ex-diretor foi pressionado pela Planalto a deixar o cargo após denúncias de superfaturamento e do pagamento de propina. Por

causa da crise, a presidente Dilma Rousseff terá a chance de renovar a maioria do comando do Dnit, que ocupava os postos desde o governo Lula – com indicações, principalmente, do PR. As diretorias de Administração e Finanças e de Infraestrutura Aquaviária já estavam vagas antes das denúncias de corrupção. O diretor de Infraestrutura Rodoviária, Hideraldo Caron, também não resistiu e pediu demissão na sexta-feira – a saída não foi publicada no Diário Oficial

da União. O diretor-executivo José Henrique Sadok de Sá, que substituía Pagot, foi afastado quando se soube que sua mulher, Ana Paula Araújo, é dona da Construtora Araújo, que assinou contratos para obras por meio de convênios com o Dnit. A expectativa é de que o ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, discuta nos próximos dias a reestruturação do órgão com a presidente. Passos teria uma lista de nomes técnicos para substituir quem saiu.(Folhapress)

Duas décadas de problemas O PR é um grande aliado, um partido que não é feito de aventureiros. Está no governo pelo apoio político e ideológico. CÂNDIDO VACCAREZZA

8 senadores e 17 deputados que integram a comissão. Registrado há uma semana, o requerimento foi recebido com indiferença pelo presidente do Senado, José Sarney (PMDBAP). "O afastamento do ex-ministro Alfredo Nascimento e de outros 16 integrantes do ministério não pode encerrar o caso", afirmou Duarte. "O ministro Passos ficou de fazer a faxina nos Transportes, mas é preciso saber se ele vai usar a vassoura para varrer a si mesmo", questionou o líder dos tucanos, que cobrará hoje de Sarney a convocação. Para o deputado "há indícios grandes de que as irregularidades não foram sanadas e o ministro não convenceu de que não esteve envolvido". No Senado, a oposição também tenta ouvir Passos. (AE)

É a conta de Tarso Genro, que investigou os Transportes quando era ministro

O

governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro (PT), disse ontem que os problemas apontados no Ministério dos Transportes "têm 20 anos" e que existe uma "instabilidade política muito grande" dentro do ministério. Genro disse ainda que, como ministro da Justiça no segundo mandato governo de Luiz Inácio Lula da Silva, chegou a investigar irregularidades nos Transportes. "Todo mundo sabe que é um problema que tem 20 anos dentro daquela autarquia", afirmou, acrescentando que "é muito bom que a presidente Dilma tenha trocado todo mundo!", afirmou o governador gaúcho. Ao lembrar da demissão do diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Luiz Antonio Pagot, o Os micros de Tarso: microamizade, microfisiologismo e microinfluência.

governador defendeu o petista Hideraldo Caron, que saiu do órgão na sexta-feira passada. Disse para ele que foi "muito boa" a opção pela exoneração, "até para não misturar o joio com o trigo". Microamizades – Mais cedo, em solenidade de lançamento de um programa do governo gaúcho, Tarso disse, ao falar sobre transparência nos órgãos públicos, disse que o Estado é organizado "para trabalhar na

manutenção de privilégios". Mas em seu discurso ele evitou fazer referências a quaisquer órgão. "Criam-se nichos de poder na estrutura do Estado, invisíveis para a sociedade, e que apela à microinfluência, ao microfisiologismo, à microamizade em um determinado nicho, para fazer transitar suas relações, o que vai corroendo a eficácia do Estado", concluiu Tarso. (Folhapress)

Veja mais sobre Dnit e o caso ANP na página seguinte Wilson Dias/ABr - 04/10/2010


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

terça-feira, 26 de julho de 2011

A presidente instituiu o rito da jurisprudência ministerial. Quem estabelece a balança é ela. Lincoln Portela, líder do PR na Câmara.

olítica

Andre Dusek/AE - 08/02/2011

ANP: oposição quer ouvir Lobão PPS protocolou pedido para que ministro e Haroldo Lima expliquem denúncia

A

oposição protocolou ontem pedido de convocação do ministro Edison Lobão (Minas e Energia) para explicar no Congresso o suposto esquema de pagamento de propina na ANP (Agência Nacional de Petróleo). O PPS protocolou o pedido na Comissão Representativa do Congresso, que atua durante o recesso parlamentar, assim como o convite para que o presidente da ANP, Haroldo Lima, explique as acusações. "É de se esperar que o ministro tome providências no sentido de exigir a ampla transparência dos procedimentos administrativos e disciplinares tramitando na agência", disse o líder do PPS na Câmara, Rubens Bueno (PR), ao justificar os pedidos. "O Congresso e a população merecem ser esclarecidos em relação aos graves fatos revelados pela mídia". Reportagem publicada pela revista Época neste fim de semana revela a existência de um esquema de cobrança de propinas dentro do órgão. Segundo a revista, a advogada Vanusa Sampaio, que representa companhias do ramo, foi procurada por dois assessores da ANP em 2008.

Os dois, Antonio José Moreira e Daniel Carvalho de Lima, disseram falar em nome do então superintendente Edson Silva, ex-deputado federal pelo PCdoB, e explicaram que cobravam propina em troca de facilidades na agência. O en-

Estamos falando de denúncia sobre propina num órgão público. Vamos dar mais uma semaninha para o esquema se ajeitar? RUBENS BUENO (PPS-PR) contro foi gravado. Em nota, a ANP rejeitou as acusações, que classificou como "falsidades". Bueno disse que o assunto é "urgente", por isso se justifica a convocação da comissão do Congresso no recesso para ouvir o ministro e o presidente da ANP. "Estamos falando de uma denúncia sobre cobrança de propina num órgão público. Vamos fazer o quê? Dar mais uma semaninha para o esquema 'se ajeitar'?", questionou o líder.

Durante o recesso parlamentar, o Congresso funciona em esquema de plantão. Uma comissão mista de oito senadores e 17 deputados está de prontidão até 1º de agosto, mas eles só são convocados para tratar de temas emergenciais. ANP nega – A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) rebateu as denúncias publicadas pela revista Época. Em nota, a ANP disse não tolerar irregularidades praticadas por seus funcionários. Segundo a agência, todos foram contratados mediante concurso, o que contradiz a existência de aparelhamento político de seus quadros, conforme a revista. Está sob investigação no Ministério Público Federal (MPF) e na Polícia Federal (PF) um suposto esquema de corrupção em vigência na ANP desde 2008. Num vídeo ao qual a reportagem de Época teve acesso, a advogada Vanuza Sampaio, responsável pela gravação, conversa com Antonio José Moreira e Daniel Carvalho Lima. Ambos sugerem que os clientes da advogada paguem para se livrar da fiscalização. A ANP afirma que a advogada Vanuza Sampaio alertou, em 2008, sua área de inteligên-

Bruno Poletti/AE - 20/07/2011

Ministro Edison Lobão (Minas e Energia), acima, e Haroldo Lima, presidente da ANP, à esquerda: de acordo com deputados do PPS, ambos devem esclarecimentos à população sobre esquema de recebimento de propinas denunciado pela revista Época desta semana.

cia quanto às suspeitas de cobranças de propina. A própria agência teria encaminhado as acusações ao MP e, justamente por sua intervenção, as investigações teriam começado.

"Edson Silva afirma que jamais autorizou quem quer que seja a falar em seu nome", diz a nota. Ainda de acordo com a ANP, Antonio José Moreira e Daniel Carvalho de Lima nun-

ca foram assessores da agência. Um deles trabalhava como procurador, indicado pela União, e o outro era estagiário, mas não prestam mais serviços há cerca de um ano. (Agências)

Aliados defendem faxina promovida pela presidente

Numa tacada só, Kassab troca nove subprefeitos

Base aliada diz que Dilma deve fazer as substituições que julgar necessárias

Prefeito nega, porém, que a mudança tenha a ver com denúncias de propinas

P

arlamentares da base aliada do governo defenderam ontem que a presidente Dilma Rousseff faça as substituições que julgar necessárias na equipe de governo quando houver denúncias de corrupção, independentemente do partido ao qual a autoridade se vincule. O líder do PR na Câmara, Lincoln Portela (MG), partido que teve baixas no Ministério dos Transportes, afirmou que Dilma tem "uma balança só'' e dificilmente adotaria outra postura, senão a que tomou diante das denúncias de corrupção em órgãos da pasta dos Transportes. Ele não acredita em uma faxina seletiva. "A presidente instituiu o rito da jurisprudência ministerial. Quem estabelece a balança (de avaliação das denúncias) é a presidente, que é competente, proba e está agindo dentro de sua competência. A partir do momento em que se estabeleceu esse rito, ela vai agir com os outros da mesma forma''. O senador Cristovam Buarque (PDT-DF) também não acredita que Dilma agirá de forma diferente. "Faxina seletiva não limpa a casa. Tem que fazer faxina na casa toda. Onde ela sentir o cheiro de sujeira, tem que limpar''. Cristovam defende a criação de um grupo que garanta respaldo a Dilma para fazer uma

Geraldo Magela/Ag. Senado

Bruno Poletti/AE - 20/07/2011

Buarque: proposta de criação de um grupo que dê respaldo a Dilma.

Faxina seletiva não limpa a casa. Tem que fazer faxina na casa toda. Onde ela sentir o cheiro de sujeira, tem que limpar. CRISTOVAM BUARQUE "faxina'' total no Ministério dos Transportes e em outras áreas que venham a ser alvo de denúncias de corrupção, inclusive a do Trabalho, que tem como titular o presidente do seu partido, Carlos Lupi, se for alvo de denúncias. "No caso do PDT, pelo que conheço do ministro Lupi, ele não vai esperar. Se houver de-

núncia de corrupção no Ministério, ele tomará as providências. Se não fizer, a presidente deve fazer lá também''. Ele acrescentou que Dilma deve avaliar as denúncias de corrupção na Agência Nacional de Petróleo (ANP), publicadas anteontem pela revista Época (leia acima). Outro que defende a criação do grupo parlamentar em apoio às medidas de saneamento em sua equipe é o líder do PSB no Senado, Antônio Carlos Valadares (SE). "Fui o primeiro senador a ir à tribuna para defender uma ação do Parlamento nesse sentido''. Valadares ponderou que o termo faxina "é agressivo''. Pode criar problemas com o PR, "que tem políticos honestos''. Para Humberto Costa (PE), líder do PT no Senado, os problemas na base aliada não justificam a ação. Palocci – O Ministério Público Estadual decidiu abrir investigação sobre suposto crime de lavagem de dinheiro envolvendo a compra do apartamento ocupado desde setembro de 2007 pelo ex-ministro Antonio Palocci (Casa Civil), em Moema, zona sul de São Paulo. O imóvel, avaliado em R$ 4 milhões, pertence a Gesmo Siqueira dos Santos, filiado ao PT de Mauá (Grande São Paulo) há 23 anos e com folha corrida com mais de 120 inquéritos policiais. A medida foi tomada pela Procuradoria-Geral de Justiça a pedido do PSDB. (Agências)

Gilberto Kassab: "Este é um processo natural e rotineiro de rodízio e mudança de funções".

O

prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (sem partido), trocou de uma só vez o comando de nove das 31 subprefeituras da capital paulista. A mudança começa a valer a partir do dia 8 de agosto. Seis subprefeitos vão assumir postos em outras subprefeituras; três foram afastados e passarão a ser assessores especiais da Secretaria de Coordenação das Subprefeituras (SMSP), cujo titular, Ronaldo Camargo, saiu de férias ontem. Entre eles está o subprefeito da Mooca, coronel Rubens Casado. Kassab afastou especulações de que a saída dele tenha a ver com as suspeitas de cobrança de propina na Feirinha da Madrugada, na região administrada por Casado, a partir de denúncias do antigo coordenador das atividades no local. As denúncias vieram à tona no bojo das acusações de cobranças de propinas no Ministério dos Transportes, então comandado por Alfredo Nascimento, do PR. Um de seus principais assessores, o deputado

federal Valdemar Costa Neto, estaria envolvido nas cobranças. "Não (tem relação com a cobrança de propina). Ele (Rubens Casado) continua na Subprefeitura". O prefeito ressaltou que a Prefeitura apenas colabora no combate ao crime, mas que a ação é trabalho para a polícia e não responsabilidade da administração municipal. Desde maio, no entanto, policiais militares pagos pela Prefeitura – por meio da Operação Delegada – atuam no feira, fiscalizando a venda de produtos pirateados e a cobrança de taxas irregulares.

"Essa não é uma questão da Prefeitura. Ao contrário, ela foi convidada pelo governo federal para assumir o local e ajudar a eliminar o crime. A Prefeitura tem uma ação de reurbanização do local", explicou Kassab, referindo-se ao projeto de um shopping popular que promete levantar no espaço. Para o prefeito, a troca de postos, publicada no Diário Oficial da Cidade no último sábado, é um procedimento normal na administração. "É um processo natural e rotineiro de rodízio e mudança de funções". (AE)


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 26 de julho de 2011

7 Apesar do corporativismo encarnado no presidente do Senado, havia esperança de censura pública. Lincoln Macário, presidente do Sindicato dos Jornalistas do DF.

olítica

Ailton Cruz/AE

Presidente firma pacto contra miséria no NE Dilma formaliza compromisso de cooperação com governadores e prefeitos

A Dilma discursa a governadores em Arapiraca: superar o flagelo na região Nordeste agora é prioridade.

Dilma promete ajudar a renegociar dívida de Alagoas Para o pagamento de mais de R$7 bi, ela sugere participação do Banco Mundial

A

presidente da República, Dilma Rousseff, que ontem realizou sua primeira visita oficial a Alagoas, disse que apoia a proposta de renegociação da dívida do estado com o governo federal. Ela defendeu a participação do Banco Mundial na renegociação da dívida de Alagoas, que já ultrapassa os R$ 7 bilhões. "É muito pesado para Alagoas o pagamento mensal do serviço da dívida do estado, com a União (cerca de R$ 40 milhões). Por isso, estamos vendo a possibilidade legal de renegociar essa dívida com a participação do Banco Mundial. Não queremos tomar dinheiro emprestado, mas apoiaríamos a iniciativa por parte do estado junto ao Banco Mundial, que poderá financiar o pagamento do débito e receber de Alagoas em prazo maior

e em menores prestações". "Começamos esse programa pelo Nordeste porque esta região concentra os municípios mais pobres do País e, consequentemente, aqueles que mais precisam da ajuda do governo federal para atingirem o progresso". Acompanhada de vários ministros, a presidente desembarcou no Aeroporto Internacional Zumbi dos Palmares, na periferia de Maceió, de manhã. Foi recebida pelo governador de Alagoas, Teotônio Vilela Filho (PSDB), e pelo prefeito da capital, Cícero Almeida (PP), além de vários parlamentares, autoridades locais e regionais. Antes de seguir viagem de helicóptero até o município de Arapiraca, onde se reuniu com governadores do Nordeste, Dilma disse que estava feliz por voltar a um estado tão privilegiado pela natureza.

Segundo ela, o programa de combate à pobreza vai ajudar a região a acompanhar o crescimento do País. A meta do governo federal é capacitar 1,7 milhão de brasileiros de baixa renda na região. Obras – Dilma afirmou que o governo federal enfrenta problemas nas obras de duplicação das BR-101. Segundo ela, questões indígenas estão atrasando as obras de duplicação da BR-101 que começaram em maio de 2010, no trecho que corta Alagoas. A presidente disse que um novo cronograma das obras da duplicação da BR-101 será realizado, levando em consideração as licenças ambientais, que estão para ser concedidas, e a escolha da construtora que irá assumir o trecho da rodovia que seria construído pelo Serviço de Engenharia do Exército Brasileiro. (Agências)

Advocacia do Senado arquiva advertência a Requião E os advogados ainda debocharam da queixa contra agressão a jornalista Celso Jr./AE - 03/03/2009

P

arecer da advocacia do Senado entende que não configura falta de decoro parlamentar a ameaça de agressão física a jornalista feita pelo senador Roberto Requião (PMDB-PR), nem mesmo o fato de ele ter arrancado o gravador do profissional. O documento assinado pelos advogados da Casa, Fernando Cunha e Hugo Souto Kalil, e endossado pelo advogado-geral, Alberto Cascais, considera a reação de Requião adequada ao mandato parlamentar e, em vez de sugerir ao parlamentar que se contenha, debocha da atitude do Sindicato dos Jornalistas, que pediu providências ao presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). Afirmam os advogados: "O sindicato representante imputou ao senador representado (Roberto Requião) apenas os seguintes fatos: apropriação indevida de aparelho gravador utilizado pelo jornalista: ameaça de agressão física com os dizer "você quer apanhar?" e chacota pública do profissional na Internet, ao chamá-lo de "engraçadinho". O episódio que a advocacia do Senado considera irrelevante se deu em 26 de abril, quando Requião se irritou com a pergunta do jornalista Victor Boyadjian, da Rádio Bandeirantes, sobre a aposentadoria vitalícia que recebia como exgovernador. O benefício foi cancelado pelo governo do Paraná em maio. Além de arrancar o gravador de Victor e retirar o cartão de memória, Requião debochou dele em seu twitter, chamando-o de "pro-

Requião: apropriação indevida de gravador, ameaça de agressão física e chacota pela Internet. Tudo isso é irrelevante para o Senado.

vocador engraçadinho". A advocacia entende que o Sindicato dos Jornalistas não tem legitimidade para deflagrar processo administrativo disciplinar contra um parlamentar e que Requião não infringiu normas de conduta. Diz ainda que o sindicato "não instruiu sua petição com documentos que indicassem o mínimo de lastro probatório dos fatos atribuídos ao senador". Mais: que não entende como agressão o senador Requião perguntar ao jornalista 'você quer apanhar?' Ou chamá-lo de 'engraçadinho'. O presidente do Senado, José Sarney mandou arquivar o parecer no dia 18 de maio. O texto só foi divulgado a pedido do jornal O Estado de S. Paulo. Sarney sequer comunicou a

decisão ao Sindicato dos Jornalistas. "O silêncio do Senado passa um péssimo recado à sociedade", diz o presidente do sindicato, Lincoln Macário. "Apesar do corporativismo encarnado no presidente do Senado, havia alguma esperança de que o episódio resultasse ao menos numa censura pública , como prevê o regimento da Casa". Era previsto que Cascais seguisse a orientação do chefe. Ele chegou a entrar no STF em nome do Senado para manter em poder da família Sarney o convento das Mercês, onde está construído seu jazigo. Afastado do comando da advocacia-geral pelo então presidente do Senado, Garibaldi Alves, voltou em março último. Pelas mãos de Sarney. (AE)

presidente Dilma Rousseff firmou, ontem, com os nove governadores da região Nordeste, o Pacto pela Erradicação da Miséria. O pacto formaliza o compromisso de cooperação de estados e municípios com a execução do Plano Brasil sem Miséria. Junto dos governadores, no município de Arapiraca (AL), a Dilma disse que, por muitos anos, a miséria ficou fora da pauta política brasileira e que superar esse flagelo na região Nordeste agora é prioridade. A atenção especial à região se justifica, segundo ela, porque dos 16 milhões de brasileiros que vivem na extrema pobreza, 9,6 milhões estão nos estados nordestinos. "Sabemos que a miséria no Brasil não constava na pauta política ou era relegada a estudo e não era considerada uma questão legítima. Não descansaremos enquanto não conseguirmos fazer com que o povo do Nordeste tenha perspectiva de sair da condição de miséria em que ainda se encontra". Em entrevista a rádios de Arapiraca, a presidente destacou também que a população pobre não precisará mais "correr atrás" do Estado. "A população pobre sempre correu atrás do Estado e muitas vezes bateu na porta e nin-

guém atendeu. Agora não. Ao invés dela correr atrás do Estado, o Estado corre atrás dela". Como cabe aos municípios identificar as famílias aptas a participar do Brasil sem Miséria, a presidente fez um apelo aos prefeitos e governadores.. "O Brasil sem Miséria tem nos prefeitos seus grandes protagonistas. E sem os governadores, esse programa não dará o

A população pobre sempre correu atrás do Estado e muitas vezes ninguém atendeu. Agora, é o Estado que corre atrás dela. DILMA ROUSSEFF salto que queremos até 2014. Vamos ter que enfrentar as características regionais da miséria se quisermos resolvê-las". "Nós temos consciência que não haverá desenvolvimento brasileiro como nação se não houver um processo de desconcentração econômica, logística, de recursos hídricos, energética. Mas, sobretudo, se isso não acarretar num processo efetivo de desconcentração de renda e distribuição dessa renda para as camadas regio-

nalmente mais pobres". Ao falar sobre a parceria entre o governo e a iniciativa privada para que os supermercados comprem os produtos de agricultores familiares extremamente pobres, Dilma disse que quer ver os produtos com a marca Brasil sem Misérianas gôndolas dos supermercados. As primeiras aquisições serão de farinha de Alagoas, laranja de Sergipe e de geleias e doces produzidos na Bahia. Segundo a ministra do Desenvolvimento Social, Tereza Campello, o plano será lançado em todo o País. Água – Dilma ainda lançou o programa Água para Todos, que levará água às famílias extremamente pobres das áreas rurais no Semiárido Nordestino. Também foi anunciada a segunda chamada pública para a contratação de 204 técnicos rurais para atender a famílias de agricultores extremamente pobres do Nordeste. Para atender a essa demanda, o governo ampliará o acesso à água na zona rural do semiárido, aumentará o incentivo à produção da agricultura familiar e a oferta de serviços de saúde. "Só se pode desenvolver países como o nosso se tivermos proposta de inclusão social que seja proposta de inclusão produtiva e de inclusão cidadã". (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

terça-feira, 26 de julho de 2011

VENEZUELA 1 Chávez afirma que está decidido a ficar até 2031 à frente do governo

nternacional Jonathan Nackstrand/AFP

VENEZUELA 2 'Não pensei nem por um instante em me aposentar (por causa do câncer)'.

Erlend Aas/AFP

Carregando flores e cartazes de confraternização, milhares de pessoas participaram de uma vigília diante da prefeitura de Oslo em homenagem às vítimas do duplo atentado.

Um sociopata sem remorsos Fabrizio Bensch/Reuters

A

poucos metros de uma multidão que tomou ontem as ruas de Oslo para homenagear as vítimas do duplo atentado da semana passada, Anders Behring Breivik, acusado dos ataques, dizia à Justiça norueguesa que ainda tem aliados ativos. O extremista cristão confessou ser o autor do massacre que matou ao menos 76 pessoas, mas se declarou inocente. Ele afirmou que queria salvar a Europa do multiculturalismo e, em seu manifesto, cita o Brasil como exemplo de um país "disfuncional" por causa da miscigenação. As declarações feitas por Breivik em uma audiência a portas fechadas foram divulgadas pelo juiz Kim Heger em entrevista coletiva. Ele afirmou ao juiz que as duas "células" aliadas integram sua organização, montada para "salvar a Europa do Islã". A polícia disse não ter informações sobre os supostos membros do grupo, mas uma investigação internacional foi desencadeada. Depois da audiência, Heger informou ter ordenado Breivik a ficar detido em uma prisão solitária por oito semanas, sem receber cartas, jornais ou visitas, exceto de um advogado. Pela lei do país, sua condenação máxima é de 21 anos, mas, de acordo com o jurista Stalen Eskelamd, da Universidade de Oslo, uma cláusula permite que na prática ele fique em prisão perpétua.

AFP

Extremista norueguês admite ser autor do duplo atentado, mas afirma ser inocente. Para o agressor, o Brasil é exemplo a não ser seguido.

Essas políticas (de miscigenação) provaram ser uma catástrofe para o Brasil. ANDERS BEHRING BREIVIK

Cerca de 100 mil pessoas marcharam no centro da capital

Multiculturalismo - O juiz disse que Breivik havia acusado o Partido Trabalhista, atualmente no poder, de trair a Noruega com "importações em massa de muçulmanos". Ele afirmou que a explosão de prédios do governo em Oslo e o massacre de jovens do partido governante visavam impedir um recrutamento futuro do partido. "O objetivo do ataque era enviar um forte sinal ao povo", disse Breivik, segundo o juiz. A polícia norueguesa revisou ontem o número de mortos nos ataques para 76 pessoas. Anteriormente, o número estimado chegava a 93. Milhares de noruegueses fizeram um minuto de silêncio ontem para lembrar as vítimas do atirador. Cerca de 100 mil deles fizeram uma marcha que parou o centro de Oslo. Brasil - Em seu manifesto, o extremista de 32 anos de idade defende que os conservadores "precisam tomar o poder políti-

co e militar por meio de uma combinação de luta armada e democrática" para evitar que prevaleça "um modelo de bastardização contínua, muito similar ao brasileiro". "Essas políticas provaram ser uma catástrofe para o Brasil e para outros países que institucionalizaram e facilitaram a miscigenação disseminada de asiáticos, europeus e africanos", diz Breivik, no manifesto intitulado "2083 - Uma Declaração Europeia de Independência". Segundo ele, a mistura de raças se mostrou uma "catástrofe" para o Brasil, que é "de segundo mundo", com um baixo nível de coesão social. Os resultados seriam o alto nível de corrupção, baixa produtividade e conflitos entre culturas, e "quando o Islã é acrescentado a essa mistura, o pior cenário possível passa de um país disfuncional para um estado total de derrota, Sharia e conquista demográfica". (Agências)

Solidariedade brasileira Ivan Ventura

N

ão apenas os noruegueses foram às ruas da capital Oslo em memória às 76 vítimas fatais do duplo atentado ocorrido na última sexta-feira. Em meio à multidão de aproximadamente 100 mil pessoas, havia um pequeno grupo de brasileiros que vive na Noruega e que acompanhou o coro em repúdio aos ataques. A comunidade formada por quase cinco mil brasileiros está preocupada com o futuro da presença estrangeira no país nórdico. A manifestação foi convocada por meio das redes sociais e também nas mídias. Momentos antes do início do evento, mais de 61 mil pes-

soas haviam confirmado presença – um número que logo superou 100 mil pessoas. Um deles era Leonardo Dória, editor-chefe do jornal Preto no Branco, destinado à comunidade brasileira que vive na Noruega (http://wordpress.pretonobranco.no). Por telefone ao Diário do Comércio, ele disse que participou da caminhada, que começou na praça em frente à prefeitura de Oslo e seguiu até a sede do Partido Trabalhista – o partido dos jovens assassinados na ilha de Utoya. Na praça, ele encontrou outros brasileiros que, assim como ele, estavam emocionados com o duplo atentado. "É uma prova que a sociedade norueguesa quer voltar ao que era antes do atentado:

uma terra de paz", afirmou. Segundo o jornalista, as mortes já preocupam alguns brasileiros que vivem na Noruega. Dos 5 mil brasileiros que moram no país, 2,5 mil trabalham ou vivem em Oslo, segundo números oficiais. O comentário nas rodas de brasileiros é que a Noruega passa por um momento delicado no tratamento com os estrangeiros. No país, há um intenso debate em torno da política de imigração da Noruega e que a cada dia ganha mais adeptos. "Em minha opinião, o atentado terá o efeito contrário do desejado. Acho que todos os que moram na Noruega estão unidos, inclusive a gente, contra esse tipo de preconceito", concluiu Dória.

Luke MacGregor/Reuters

Autópsia de Amy Winehouse é inconclusiva

SÍRIA

O

A

autópsia do corpo da cantora britânica Amy Winehouse fracassou em determinar a causa da morte e mais exames toxicológicos estão sendo realizados, com os resultados devendo sair em duas a quatro semanas, informou a polícia londrina ontem. A cantora foi encontrada morta, no sábado, em sua casa no bairro de Camden Town, no norte da capital britânica. Ela tinha 27 anos. Uma investigação sobre a morte da cantora também foi aberta. Amy lutou contra a dependência das drogas e do álcool durante anos. Familiares da cantora estiveram ontem na casa onde ela morava e agradeceram os fãs que levaram flores, velas, garrafas de vodca e vinho, cigarros e cartas em homenagem a ela. Os fãs provenientes de lugares tão distantes quanto Colômbia, México, Itália e Espanha passavam pelo templo improvisado, alguns deles sem conseguir segurar as lágrimas. "Nós estamos devastados e eu não tenho palavras, mas obrigado por terem vindo", dis-

Breivik (à esq.) deixa o tribunal após declarar inocência

Emocionados, pais de Amy observam homenagens em frente à casa.

se o pai da cantora, Mitch, aos fãs que estavam em Camden Town. A mãe da cantora, Janis, chorou ao ver as lembranças deixadas perante a casa, e registrou a cena com o celular. Amy Winehouse será sepultada nesta terça-feira, com a presença apenas de parentes e amigos íntimos, disse um assessor dela ontem. Segundo a rede BBC, o enterro seguirá os preceitos do judaísmo. A cantora de soul ganhou aclamação da crítica após a divulgação do álbum de estreia "Frank", de 2003, antes de se tornar um fenômeno mundial com o sucesso de "Back to Black". A sua batalha contra o álcool e as drogas estava bem documentada, especialmente na

faixa "Rehab", na qual ela cantava "Eles tentaram me fazer ir ao centro de reabilitação, mas eu disse não, não, não." A morte dela deflagrou um aumento na demanda por sua música e especulações sobre o lançamento de um possível álbum póstumo. A varejista britânica HMV previu ontem que ela seria número um na próxima semana, pois continuam a crescer as vendas de "Back to Black", vencedor de cinco Grammys. A empresa informou que m ui t a s p e s s o a s f i z e r a m o download do álbum online, mas muitos queriam comprar o CD para sentir uma "conexão mais tangível e próxima com Amy". (Agências)

governo da Síria aprovou um projeto de lei que vai permitir a formação de outros partidos políticos além do Partido Baath, do presidente Bashar al-Assad. A medida faz parte de várias reformas prometidas pelo governo e que são consideradas apenas como simbólicas pela oposição. A notícia foi divulgada enquanto as forças de segurança detinham dezenas de pessoas na capital Damasco e em outras cidades em busca de manifestantes contrários ao regime, disseram ativistas. A Organização Nacional para os Direitos Humanos na Síria disse que uma criança de sete anos, um campeão de boxe e um escritor estão entre os detidos. O projeto, aprovado pelo gabinete na noite de domingo, segue-se a outras concessões que Assad fez como parte de seus esforços para conter os protestos contra seu governo, que já duram mais de quatro meses. A repressão já deixou pelo menos 1.600 mortos. O projeto de lei, que ainda precisa ser aprovado pelo Parlamento, vai permitir o estabelecimento de qualquer partido político que não tenha bases religiosas ou tribais, ou discrimine com base na etnia, sexo ou raça, disse a agência de notícias estatal. O partido governista de Assad, cujo lema é "unidade, liberdade e socialismo", mantém há décadas o monopólio da vida política da Síria. Uma importante exigência dos manifestantes é a retirada do Artigo 8 da Constituição síria, que declara que o Partido Baath é o líder do Estado e da sociedade. (AE)

EGITO

U

m tribunal do Cairo decidiu ontem combinar os julgamentos do expresidente do Egito Hosni Mubarak e do ex-ministro do Interior Habib el-Adly. Ambos irão a julgamento em 3 de agosto, acusados de terem ordenado que a polícia e as forças de segurança disparassem contra manifestantes. Cerca de 850 pessoas foram mortas durante a rebelião popular entre 25 de janeiro e 11 de fevereiro, que derrubou Mubarak. Centenas de manifestantes apedrejaram uma van da polícia que levava El-Adly ao tribunal, onde o julgamento do ex-ministro por assassinato deveria ter sido aberto ontem. O adiamento do julgamento para 3 de agosto irritou os manifestantes, incluindo parentes das vítimas, que pressionam por mudanças e rapidez nos julgamentos. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 26 de julho de 2011

c

9 MAPA DA VIOLÊNCIA Outros crimes com tendência de crescimento na Capital são a lesão corporal culposa (16%), o roubo de veículos (8%) e o roubo a bancos (3%).

idades

Homicídios têm o menor índice em 46 anos. Latrocínio preocupa.

Ó RBITA Rahel Patrasso/Folhapress

As estatísticas da violência são referentes à capital paulista e foram divulgadas ontem pela Secretaria de Segurança Pública

A

cidade de São Pa u l o regi strou n o p r i m e i r o s emestre deste ano 8,3 homicídios por 100 mil habitantes, a menor taxa de assassinatos desde 1965 - ano com o mesmo índice. Segundo dados da Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP) divulgados ontem, foram registrados entre janeiro e junho 470 assassinatos na capital paulista, 28% a menos do que no primeiro semestre do ano passado Seis distritos da cidade não tiveram nenhum assassinato nos primeiros seis meses do ano: Vila Carrão, Parque da Mooca e Alto da Mooca, na zona leste; Limão, na norte; Campo Grande, na sul; e Cambuci, na região central. Mas a periferia da zona sul continua com os primeiros lugares no ranking de violência: Parque Santo Antônio (28 casos), Campo Limpo (23) e Capão Redondo (18). No Estado, a queda nos homicídios foi de 12,2% e alcançou taxa de 9,6 casos por 100 mil habitantes. A média brasileira é de 25 por 100 mil. Apesar da queda nos assassinatos, os casos de latrocínio, roubos seguidos morte, registraram alta de 12% na Capital. Foram 46 ocorrências no primeiro semestre. No Estado, o crescimento foi de 20% - 161 pessoas morreram durante roubos. Para o delegado-geral, Marcos Carneiro de Lima, o crescimento dos latrocínios pode estar vinculado ao roubo a veículos, outro crime com tendência de alta no Estado (10%) e na capital (7,5%). "No roubo de veículos, o susto da vítima pode levar o ladrão, que é covarde e tem medo, a atirar. Como a distância é curta e as partes fatais da vítima estão expostas, como tronco, cabeça e tórax, o risco é muito elevado." Crimes contra o patrimônio (roubo, furto, roubo e furto de veículos, roubo a banco e de cargas) cresceram tanto no Estado (6,4%) quanto na Capital (11,5%). A alta foi puxada pelos furtos, que aumentaram 22% na cidade e 9,3% no Estado. "Hoje existem objetos pequenos de alto valor, como celular, iPad, notebook. E é mais fácil registrar nas delegacias eletrônicas e companhias da PM. Isso acaba refletindo nas taxas", diz o comandante geral da PM, Álvaro Camilo. (AE)

Eduardo Knapp/Folhapress - 29/06/2011

CONGONHAS

O

Aeroporto de Congonhas, na zona sul, ganhou uma nova sala de embarque, no piso térreo do saguão. Também começaram a funcionar os quatro novos pórticos de Raio-X para inspeção de passageiros. Antes da inauguração, todos os embarques eram feitos no mesmo local, que tem só seis aparelhos de inspeção. De acordo com a assessoria da Infraero, 1,6 mil pessoas passam pelo setor de embarque de Congonhas, por hora. (AE)

ABUSO DE MENOR

A

polícia prendeu ontem no Rio de Janeiro um idoso de 81 anos acusado de abusar sexualmente de uma adolescente de 12 anos desde que a menor tinha 9 anos de idade. Segundo policiais da Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima (DCAV), o criminoso, morador do bairro de Costa Barros, cuidava da menina, que é neta de uma vizinha. A denúncia foi feita pelo pai da garota, após desconfiar do comportamento dela. (AE)

HELICÓPTERO Crimes contra o patrimônio (roubo, furto, roubo e furto de veículos, roubo a banco e de cargas) cresceram no Estado (6,4%) e na Capital (11,5%) Fotos: Reprodução de TV

U

m helicóptero da empresa Go Air caiu ontem em um terreno descampado em Osasco (SP). A aeronave havia partido do Campo de Marte, na zona norte, e realizava um voo de instrução. Os dois ocupantes, um instrutor de 44 anos e um aluno de 29, foram encaminhados para um hospital da região e passam bem. As causas do acidente ainda são desconhecidas. No dia 11, outro helicóptero da Go Air fez um pouso forçado na região. (Agências)

POUSO FORÇADO Os furtos também cresceram: 83.320 entre janeiro e junho de 2010 ... Werther Santana/AE

DIA DE SÃO CRISTÓVÃO – Fiéis passaram de carro ontem em frente à Igreja de São Cristóvão na Avenida Tiradentes, na região da Luz, em São Paulo, para receber uma bênção no dia em homenagem ao santo padroeiro dos motoristas. Além da realização de quatro missas durante o dia, a igreja também montou uma estrutura para quem passou de carro em frente à paróquia. Uma faixa da Avenida Tiradentes foi interditada no sentido da zona norte para que os motoristas recebessem a benção com água benta, além de santinhos e pequenas imagens de São Cristóvão.

... contra 98.112 casos registrados no mesmo período deste ano

Preso suspeito de extorquir comerciantes

'Ladeirão' ainda é ponto de assalto no Morumbi

A

O

polícia prendeu ontem um homem de 43 anos suspeito de se passar por policial civil e extorquir dinheiro de comerciantes. Com o preso, foi encontrada a documentação de um ex-policial. Segundo informações da Secretaria Estadual de Segurança Pública, o homem foi preso na frente de sua casa no bairro Jardim Japão, na zona norte, próximo a Guarulhos, após meses de investigação. Ele estava com o carro que teria sido descrito por suas vítimas, um Fiat verde. Após a prisão, o suspeito contou aos policiais que achou o documento funcional que usava na rua e trocou a foto original por uma sua. Além disso, foram encontrados com ele uma pistola, munição e algemas, além de maconha e dinheiro. (Agências)

s assaltos no Morumbi têm endereço e horário certos desde 2009. Só nos primeiros seis meses deste ano foram 93 ataques contra motoristas na rua Doutor Francisco Thomaz de Carvalho, via que liga o bairro à marginal do Pinheiros, mais conhecida como "ladeirão". É nessa descida de mão dupla, perto do cruzamento de uma das ruas que dá acesso à favela de Paraisópolis, que motoristas são atacados por grupos de menores armados com pedras e velas de carros. Nem a Operação Saturação, montada em maio pela PM na região, ajudou a reduzir os ataques. No primeiro semestre de 2010 foram 106 assaltos ou tentativas de furto no "ladeirão". A Polícia Civil já estima que 80% dos assaltos registrados contra motoristas no Morumbi ocorrem nessa via. (Agências)

U

m Boeing 777-200, com 246 passageiros e 14 tripulantes, da American Airlines, fez um pouso forçado logo após a decolagem, quando fazia o voo entre Dallas e São Paulo. Nenhum passageiro ficou ferido. O empresário Rodrigo Costa, que estava no avião, relatou momentos de muita tensão na aeronave. Segundo Costa, o piloto despejou parte do combustível para aliviar o peso do Boeing. (Folhapress)

SANTA TERESA

A

Polícia Civil do Rio de Janeiro divulgou ontem a identidade de dois homens foragidos que assaltaram o Hotel Santa Teresa. Um deles é o ex-funcionário Vagner Fonseca Oliveira, de 23 anos, que foi responsável por serviços de manutenção por seis meses. Ele e o comparsa Alexandro Gonçalves de Mello, de 24, roubaram duas lojas de armas antes do crime. Dois assaltantes ainda não foram identificados. (AE)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10 -.LOGO

terça-feira, 26 de julho de 2011

Logo Logo www.dcomercio.com.br

N ATAÇÃO

Cielo, campeão do mundo Olhar artístico Inspirada na arte chinesa do recorte de papéis, esses cílios postiços de papel são delicados e criam um efeito digno de momentos especialíssimos. www.nonesuchthings.com

D ESIGN

D

epois do alívio por ter recebido apenas uma advertência em uma acusação de doping, o nadador brasileiro César Cielo conquistou ontem a segunda medalha de ouro do Brasil no Mundial de natação de Xangai, na competição dos 50 m borboleta. No sábado, Ana Marcela Cunha havia subido ao lugar mais alto do pódio depois de vencer a maratona aquática completando os 25 quilômetros em 5h29min22. Com os dois ouros, o Brasil é o quinto colocado no quadro de medalhas da competição. A anfitriã China lidera, com 11 ouros, dez pratas e dois bronzes. Cielo fez o percurso em 23,10

Mark Ralston/AFP

segundos na final da prova, derrotando o australiano Matthew Targett, que ficou com a medalha de prata com 23,28 segundos, à frente de seu compatriota

Geoff Huegill, medalhista de bronze com 23,35 segundos. "Este ouro tem, definitivamente, um gosto diferente dos outros. Esta foi provavelmente

a medalha mais difícil da minha vida. Sabia que iria competir contra os melhores do mundo, e ser capaz de competir depois do que passei no último mês, é realmente uma benção', disse o nadador, que chorou ao receber a medalha. Cielo se viu envolvido nos últimos meses em um caso de doping, após dar positivo para a substância "furosemida", um diurético, em uma competição em maio passado no Rio de Janeiro. Ele foi absolvido pelo Tribunal Arbitral do Esporte (TAS) e foi apenas advertido, ao lado dos companheiros Nicholas Santos e Henrique Barbosa, medida aplicada pela CBDA (Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos).

Andrew Winning/Reuters

F UTEBOL

L

A mesa que cresce com seu filho

Evelson de Freitas/AE

reorganizada e se transforma em um quadro para anotações, tudo isso pensado para atender às necessidades ergonômicas de um jovem. Bouvet ainda diz em sua propaganda que o dinheiro que você vai economizar nos 18 anos em que o móvel permanecerá útil poderá ser guardado para financiar a faculdade do seu filho. Mas o produto só deve chegar ao mercado em 2012. www.guillaumebouvet.com

Reformulada, equipe joga dia 10 Pouco mais de uma semana após a eliminação da seleção brasileira nas quartas de final da Copa América, o técnico Mano Menezes convocou ontem a equipe para o amistoso contra a Alemanha, marcado para o dia 10 de agosto, em Stuttgart. Mano manteve a base do grupo que disputou o torneio na Argentina, mas chamou algumas novidades, como Ralf, do Corinthians, Dedé, do Vasco. Confira acima a lista de convocados. T ECNOLOGIA

Reconhecimento facial via Google L

As crianças crescem em ritmo alucinante, e aos pais sobra a missão de repor todos os seus pertences assim que eles ficam pequenos demais a ponto de comprometer o bemestar e a saúde postural dos filhos. Camas, cadeiras, mesas, tudo precisa ser substituído de tempos em tempos. Foi pensando nisso que o designer francês Guillaume Bouvet, que vive na cidade de Lion, criou esta mesa. Segundo ele, o objeto poderá acompanhar seu filho da pré-escola à universidade sem problemas. A mesa é composta de um assento e um tampo que serve de apoio para as crianças. À medida que o usuário cresce, a estrutura pode ser

CÉU COLORIDO - Canary Wharf, o distrito financeiro de Londres, amanheceu ontem sob uma "invasão" de balões. Sete balões participaram do London Sky Orchestra, para marcar um ano do início das Olimpíadas de 2012.

C INEMA Remo Casilli/Reuters

E M

MAIS CULTURA - Cerca de 700 trabalhadores de diferentes linguagens artísticas ocuparam ontem a sede da Funarte, no Centro de São Paulo, em manifestação pela aprovação de medidas que garantam recursos do orçamento da União para a cultura. C A R T A Z

HISTÓRIA Mostra reúne fotografias inéditas da família imperial brasileira. Instituto Moreira Salles. Rua Piauí, 844, Higienópolis, tel.: 3825-2560. Grátis.

O Google anunciou ontem a compra da empresa Pittsburg Pattern Recognition, responsável pelo desenvolvimento de uma tecnologia de reconhecimento de faces em imagens e vídeo. O valor do negócio não foi divulgado. O Google deverá usar a tecnologia nos serviços YouTube, Picasa – em que uma versão desse tipo de tecnologia já é usada –, e também nas buscas de imagens. A ideia é explorar o sistema como um aprimoramento do sistema de buscas de faces. Especula-se também que o sistema possa ser explorado pelo Google nas redes sociais. A tecnologia ainda é polêmica e potencialmente invasiva à privacidade das pessoas. L OTERIAS Concurso 655 da LOTOFÁCIL

Nova produção de Allen

05

07

08

10

11

13

14

15

19

20

21

23

24

25

Acesse www.dcomercio.com.br para ler a íntegra das notícias abaixo:

L

MEC adia a divulgação da terceira chamada do Programa Universidade para Todos

L

- Morreu no Rio, aos 92 anos, de insuficiência respiratória, o jornalista Rogério Marinho

L

O diretor norte-americano Woody Allen prepara um ator durante as filmagens de seu novo longa-metragem, The Bop Decameron, em Roma.

A TÉ LOGO

02

Britney Spears virá ao Brasil em novembro com a turnê mundial do CD 'Femme Fatale'

Concurso 2653 da QUINA 18

23

48

78

79


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 26 de julho de 2011

e

11 TV PAGA Número de domicílios com serviço subiu 13,7% no 1º semestre

conomia

CATERPILLAR Empresa anuncia fábrica de locomotivas em Sete Lagoas (MG)

Agliberto Lima/ DC

Dólar: de volta a 1999. A moeda norte-americana terminou o dia em queda de 0,71%, a R$ 1,544. Não tiveram efeito as intervenções do BC.

A

tendência internacional de queda do dólar, que tem sido impulsionada pelas incertezas em torno da questão do teto da dívida dos Estados Unidos (leia mais na página 13), foi fortalecida no Brasil por declarações da presidente Dilma Rousseff de que o governo não irá adotar novas medidas no câmbio por enquanto. Como resultado, a divisa norte-americana despencou no pregão de ontem, fechando pela primeira vez desde 1999 abaixo de R$ 1,55. Nem mesmo três intervenções do Banco Central (BC) no mercado foram capazes de deter esse movimento. Dessa forma, o dólar terminou a sessão em queda de 0,71%, a R$ 1,544 para venda. Em cinco dias consecutivos de retração, a divisa já contabiliza uma desvalorização de 2,22%.

O dólar turismo foi vendido por R$ 1,65 e comprado por R$ 1,48 nas casas de câmbio. Inversão – Esse desempenho contraria o modelo clássico de aversão ao risco. Em um cenário de incertezas, geralmente as bolsas de valores desabam e o dólar sobe, com a procura dos agentes financeiros por algum refúgio seguro. O ouro é um dos exemplos mais expressivos desse tipo de comportamento do mercado. Em meio ao impasse político nos EUA a respeito do teto da dívida federal, a cotação dessa commodity rompeu patamares históricos, ficando acima dos US$ 1,6 mil a onça. A fim de buscar conter a queda da divisa norte-americana, o BC respondeu ontem com intervenção mais intensa do que a realizada nos últimos dias. Além de dois leilões de compra de dólares à vista, como vi-

nha realizando nos últimos dias, fez uma operação a termo, com liquidação em 2 de agosto. Foi o primeiro leilão de compra de dólares a termo desde abril. Nesse tipo de operação, os bancos se comprometem a vender dólares ao BC em uma data futura a uma taxa pré-determinada – no caso de ontem, a R$ 1,542. Medidas – Em evento realizado ontem em São Paulo, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que "o governo continua olhando seriamente para o câmbio e sempre estaremos propensos a tomar medidas". O secretário do Tesouro Nacional fez coro com Mantega: "Sempre estamos avaliando câmbio e possíveis ações. Isso é uma rotina", disse, ressaltando que é "preciso observar qual a ação mais eficiente". Essas declarações das duas autoridades tiveram apenas o

efeito de limitar uma queda do dólar que poderia ser ainda maior do que ocorreu ontem. "Dilma é quem manda, é a presidente e o que ela disse enfraquece os alertas das outras autoridades. O mercado acha que o dólar pode ficar mais fraco e sabe que em algum momento o BC pode atuar de forma mais direta e forte no câmbio, como hoje (ontem), com leilão a termo", avaliou ontem o operador José Carlos Amado, da Renascença Corretora. Reserva – As pressões internacionais favorecem, da mesma forma, a alta da cotação do real. O tesoureiro de um banco dealer de câmbio, que preferiu não ser identificado, disse que a incerteza a respeito de um calote dos EUA chega a tal ponto que torna possível uma valorização adicional da moeda brasileira. "Muita gente já vê o Brasil como reserva de valor."

Saldo das contas públicas é recorde Com sobras de R$ 55 bilhões, governo já cumpriu 68% da meta e agora pode gastar mais.

I

mpulsionadas pela forte arrecadação de tributos, as contas do governo federal (que incluem Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) encerraram o primeiro semestre com um saldo positivo de R$ 55,5 bilhões, uma alta de 123% em comparação com igual período de 2010. Com isso, 68% da meta estabelecida para o ano já está cumprida. O resultado de junho, R$ 10,5 bilhões, é o maior para o mês já registrado na série do Tesouro Nacional, iniciada em 1995. O saldo acumulado nos 12 meses encerrados em junho, R$ 109,7 bilhões, também é uma cifra recorde. Esse resultado vistoso é resultado, basicamente, do aumento das receitas. Elas cresceram 19,3% na comparação com o primeiro semestre de 2010. As despesas foram contidas, mas isso não impediu que elas registrassem aumento de 10,8% no mesmo período. Esse desempenho, porém, vai mudar. A partir de agora, o governo vai economizar menos. "A previsão é que o resultado primário no segundo semestre seja menor do que no primeiro", disse o secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin. O resultado primário a que ele se refere é a diferença entre as

receitas e as despesas do governo, excetuados os gastos com juros da dívida pública. As metas de desempenho das contas públicas, fixadas em lei, são para formar esse resultado. Segundo o secretário, a busca de um resultado primário forte no início do ano teve como objetivo ajudar o Banco Central (BC) no combate à inflação. A redução dos gastos do governo ajudou a moderar a temperatura da atividade econômica, que estava superaquecida. No segundo semestre, admitiu ele, a ajuda do Tesouro ao BC será menor. Mesmo diante da inflação ainda acima da meta, não se cogita promover um corte adicional nas despesas. Já o ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse ontem que a folga de recursos não aumentará as despesas do governo neste ano. "Não haverá frouxidão fiscal", afirmou. INVESTIMENTOS – O cofre será aberto, sobretudo, para os investimentos. Carro-chefe da campanha eleitoral da presidente Dilma Rousseff, esse grupo de despesas foi o mais sacrificado nes-

te início do ano. Os gastos no período somaram R$ 20,9 bilhões, apenas 1% acima do registrado no primeiro semestre de 2010. Desse total, R$ 17,5 bilhões foram liberados para pagar despesas contratadas no governo Luiz Inácio Lula da Silva. Do governo de Dilma, só foram gastos R$ 3,5 bilhões até agora. A expectativa é que esses gastos cresçam no segundo semestre. De acordo com Augustin, os investimentos deverão terminar o ano com uma expansão de 10% sobre o ano passado. Outros gastos que foram "empurrados" do início do ano serão quitados a partir de agora, como o repasse de R$ 1,95 bilhão aos estados. O montante equivale à metade dos R$ 3,9 bilhões que a União repassa para os governadores como ressarcimento de perda de arrecadação provocada pela Lei Kandir, que desonerou exportações de itens básicos e semielaborados. O governo pretende ainda pagar precatórios judiciais, o que normalmente faz no começo do ano. (AE)

Petrobras vai desinvestir US$ 13,6 bi Empresa adia inaugurações e investimentos mas diz que exploração de pré-sal não será afetada

P

ara cumprir a estratégia de desinvestimento anunciada no novo plano de negócios (2011-2015), a Petrobras venderá blocos em áreas exploratórias de petróleo e participações em empresas que controla. Vai adiar um projeto de refino e promover também melhoria na gestão de seu capital de giro, para ampliar o retorno de ativos financeiros. As medidas do projeto de desinvestimento – inédito no

Vanderlei Almeida/ AFP Photo

Gabrieli: inaugurações adiadas.

plano estratégico e orçado em US$ 13,6 bilhões – foram anunciadas ontem, sem muitos detalhes, pelo presidente da companhia, José Sérgio Gabrielli. "Não vou dizer quais serão os ativos", disse. Os planejamentos de exploração e produção na camada pré-sal não serão afetados pelo corte, disse o diretor financeiro da empresa, Almir Barbassa. Divulgado na noite de sextafeira passada, o plano apresen-

tado pela estatal havia sido vetado em duas apresentações anteriores pelo Conselho de Administração, presidido pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega. O plano está orçado em US$ 224,7 bilhões. Gabrielli revelou que a Petrobras decidiu adiar a inauguração da refinaria Premium 1, no Maranhão. A primeira fase, prevista para 2014, ficou para 2016. A segunda, que começaria em 2017, para 2019. (AE)

Eduardo Enomoto/ Folhapress

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que o governo está de olho no câmbio.

Além disso, expectativas mais altas de inflação podem levar o BC a apertar "o torniquete" da política monetária. Se esse cenário de alta nos juros

se concretizar, a aplicação de divisas no País torna-se uma aplicação ainda mais interessante para investidores estrangeiros. (Agências)

Empresas brasileiras atraem aportes externos

O

País tem atraído investimento estrangeiro direto de grande porte. Segundo o Banco Central (BC), o investimento estrangeiro em empresas brasileiras com aportes superiores a US$ 1 bilhão chegou a 29,3% (US$ 7,758 bilhões) do total de US$ 26,499 bilhões de ingressos para a participação no capital de janeiro a maio deste ano. Em 2010, os aportes acima de US$ 1 bilhão também lideraram esse tipo de investimento, com 32,2% do total (US$ 15,635 bilhão). Em 2009, auge da crise financeira, a participação dos ingressos de maior porte ficou em apenas 5,6%. Os ingressos de capital estrangeiro na faixa de

US$ 500 milhões a US$ 1 bilhão ficaram com a fatia de 17,2%. A faixa com menor participação é a de US$ 10 milhões a US$ 20 milhões (5,3%). Segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais e da Globalização Econômica (Sobeet), Luís Afonso Lima, não é uma tendência ter concentração de altos valores de investimentos nas empresas. Os dados de 2010 e deste ano foram influenciados por grande operação em telecomunicações. Para Lima, o ideal é que o País fique menos dependente de aplicações de grandes valores e tenha investimentos mais variados. (ABr)


12 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

COMÉRCIO

terça-feira, 26 de julho de 2011


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 26 de julho de 2011

e

Sem um novo empréstimo à Grécia, nossa oferta deixaria de ser válida. Charles Dallara, diretor-gerente do IIF

conomia

Casa Branca apoia proposta democrata

P

arlamentares republicanos e democratas apresentaram ontem dois planos paralelos de corte de despesas para concluir as negociações sobre a alta do teto da dívida de US$ 14,3 trilhões dos Estados Unidos, e evitar assim a entrada em moratória do país antes de 2 de agosto. Os democratas elaboraram um novo plano de eliminação de despesas de US$ 2,7 trilhões nos próximos dez anos, ao passo que os republicanos fizeram o mesmo com uma proposta projetada em duas fases, e que tem como meta cortar o gasto público em US$ 3 trilhões no total para os próximos dez anos. A Casa Branca emitiu um comunicado de respaldo à proposta democrata e indicou que era um "enfoque razoável". Alerta – O Fundo Monetário Internacional (FMI) afirmou ontem que os EUA precisam resolver rapidamente o impasse em torno de sua dívida pública, ou correm o risco de provocar um "duro choque" na economia norteamericana – e acabar afetando os mercados globais. No Reino Unido, o ministro de Negócios, Inovação e Treinamento, Vince Cable, já havia criticado no domingo o impasse do Congresso dos EUA, afirmando que alguns poucos "loucos de direita" estariam ameaçando o sistema financeiro mundial. (Agências)

CNI: mais crescimento e inflação estável em 2011.

A

Confederação Nacional da Indústria (CNI) elevou ontem suas expectativas para a atividade econômica em 2011, reduziu a projeção para o câmbio ao final do ano e manteve a previsão para inflação e juros estável. Seu Informe Conjuntural do segundo trimestre de 2011 prevê que a indústria crescerá 3,2% este ano. No levantamento de março, a estimativa era de uma expansão de 2,8% para o setor. O impulso da indústria deverá colaborar para uma alta de 3,8% no Produto Interno Bruto (PIB) geral em 2011. No levantamento anterior, a previsão era de alta de 3,5%. As perspectivas levam em conta que o consumo das famílias crescerá 4,5% este ano, que a Formação Bruta de Capital Fixo terá expansão de 8,5% em 2011 ante 2010, e que a taxa de desemprego ficará em 5,9% da População Economicamente Ativa (PEA). O informe da CNI prevê ainda que a taxa de câmbio (média de dezembro) chegará a R$ 1,56, ante R$ 1,63 prevista em março deste ano. O levantamento manteve as projeções de final de ano para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 6%; da taxa básica de juros, a Selic, em 12,5%; e do superávit da balança comercial, de US$ 20 bilhões. (AE)

13

EUA avaliam que finanças da Grécia avançaram Declaração do secretário do Tesouro foi feita após reunião com ministro grego em Washington

O

secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Timothy Geithner, comemorou ontem o fortalecimento das finanças públicas da Grécia durante uma reunião em Washington com o ministro das Finanças grego, Vangelis Venizelos. "O secretário celebrou o progresso que a Grécia realizou no fortalecimento de suas finanças", informou o Departamento do Tesouro. A visita de Venizelos aos EUA ocorreu em meio à divulgação de que a agência Moody's rebaixou a nota da dívida da Grécia em três graus, para "Ca" – apenas um nível acima do default. Agora, o país tem a menor nota entre todos os países cobertos pela agência. O ministro grego se reuniu também com a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, que expressou na última semana a intenção de continuar apoiando o país.

Jason Reed/Reuters

Venizelos: encontros com o governo dos EUA e com banqueiros.

Na quinta-feira, os líderes da zona do euro aprovaram um segundo resgate à Grécia, avaliado em quase 160 bilhões de euros, com o qual se espera cortar a crise da dívida e frear um possível contágio a outros países periféricos. Bancos – A agenda de Venizelos em Washington incluiu também um encontro com Charles Dallara, diretor-gerente do Instituto de Finanças

Internacionais (IIF, na sigla em inglês) – principal grupo de banqueiros do mundo. Dallara declarou ontem que a participação das instituições financeiras no segundo pacote à Grécia atingirá 54 bilhões de euros entre 2011 e 2014, subindo para até 135 bilhões de euros no final de 2020. O IIF prevê que a participação do setor privado no resgate à Grécia alcance 90% e que os vencimentos

da dívida sejam ampliados de seis para 11 anos. Dallara também advertiu que os bancos podem retirar essa oferta se o FMI não realizar um novo empréstimo a Atenas. "Nesse caso, acredito que não apenas nossa oferta deixaria de ser válida, como também o plano Marshall europeu e o programa do FMI para a Grécia", afirmou. Apoio – O presidente do governo espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, garantiu que os países da zona do euro não deixarão a Grécia cair, enquanto o primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, disse acreditar no sucesso da moeda única após as reformas que serão implementadas. As declarações foram dadas após um encontro em Londres, no qual eles analisaram as decisões adotadas na cúpula da zona do euro para ajudar a Grécia e tranquilizar os mercados em relação às dívidas de países europeus. (Agências)

Miguel Jorge vai para a MAN

O

ex-ministro da Indústria, Desenvolvimento e Comércio Exterior, Miguel Jorge, acertou seu reingresso na iniciativa privada. Seu nome foi confirmado ontem pela montadora MAN Latin America para ocupar a vicepresidência do conselho

consultivo da companhia. Já experiente no setor automotivo – no qual foi vicepresidente de Assuntos Corporativos e Recursos Humanos da Volkswagen em 1989 –, Miguel Jorge integrou o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República

entre 2003 e 2007, passando daí para a Esplanada dos Ministérios. No ano passado, o Grupo MAN obteve um faturamento de 14,7 bilhões de euros – um dos fatores que colaborou para o resultado foi a alta nas vendas de sua unidade da América Latina. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

14

e

terça-feira, 26 de julho de 2011

Para 2012, a previsão do Focus subiu de US$ 49,4 bilhões para US$ 50 bilhões em relação ao ingresso de Investimento Estrangeiro Direto (IED).

conomia

Itaú Unibanco lança BDRs Pablo de Souza/LUZ

Novas opções de investimentos são para grandes investidores em território brasileiro. O entrave para esses papéis deslancharem no mercado será a atual elevada taxa de juros. Citibank, Deutsche e Bradesco devem lançar outros BDRs em breve.

O

investidor brasileiro com mais de R$ 1 milhão em aplicações financeiras passou a ter acesso a certificados de ações de mais dez companhias listadas nas bolsas dos Estados Unidos como Amazon, Caterpillar, Chevron, Coca-Cola, Colgate-Palmolive, Oracle, Mastercard, Monsanto, Nike e Schlumberger. Na manhã de ontem, o Itaú Unibanco lançou na Bolsa de Valores de Mercadorias e Futuros (BM&FBovespa) os Brazilian Depositary Receipts (BDRs) nível I não-patrocinados dessas empresas. Os BDRs são recibos de ações estrangeiras que podem ser negociados no mercado local e permitem ao investidor brasileiro diversificar seu portfólio sem precisar negociar no exterior e nem fazer operações de câmbio e de transferência de dinheiro para fora do País. Com o lançamento do Itaú Unibanco, a BM&FBovespa passa a negociar 30 BDRs no mercado, sendo dez deles do C i t i b a n k e o u t ro s d e z d o Deutsche Bank (veja a lista de empresas no quadro ao lado). Outros 20 BDRs do Citibank e do Deutsche estão em processo de registro e dez do banco Bradesco estão sendo analisadas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). De acordo com o diretor de soluções para o mercado de capitais do Itaú Unibanco, Ricardo Soares, essas empresas dos setores de varejo, agronegócio e tecnologia foram escolhidas pelo potencial de crescimento. "São ações com boa liquidez e perspectiva de valorização em médio e longo prazos", afirmou. Atualmente, disse Soares, não há grandes volumes

de BDRs negociados no mercado brasileiro e, para isso, será feito um trabalho de educação ao investidor. "Além disso, os papéis enfrentam a concorrência com a renda fixa, por causa do aumento da taxa de juros", afirmou o executivo. Em junho, foram negociados R$ 35 milhões de vinte BDRs na bolsa, enquanto as negociações totais da BM&FBovespa somaram R$ 124,19 bilhões. Em julho, até a última sexta-feira, foram negociados R$ 38,8 milhões de BDRs. Segundo o diretor, o lançamento dos BDRs pelo banco acompanha a internacionali-

É um mercado que pode se expandir à medida que a taxa de juros cair, em médio e longo prazos. RICARDO SOARES, ITAÚ UNIBANCO

zação do mercado, que é inevitável. "É um mercado que pode se expandir à medida que a taxa de juros cair, em médio e longo prazos. É uma alternativa de investimento", disse. O segundo passo, afirmou, será lançar BDRs de empresas europeias que, na avaliação de Soares, continuam fortes – mesmo em um ambiente de crise econômica. Fundos – O diretor do Itaú Unibanco disse que estuda formar fundos de BDRs, com um mix de outros papéis, para atrair investidores e fomentar a liquidez desse tipo de aplicação. Embora não tenha ainda uma previsão de lançamento de fundos com BDRs na composição, Soares disse que eles devem ser voltados a investidores qualificados e pessoas física e jurídica. "A exigência de aplicações acima de R$ 1 milhão é feita em razão de uma preocupação saudável dos órgãos reguladores e pelas informações que são dadas. É preciso que o investidor conheça o ativo. E que não olhe para o curto prazo. Estamos analisando o público que poderia entrar nos fundos", afirmou. O diretor-executivo de desenvolvimento de negócios da BM&FBovespa, José Antonio Gragnani, disse que estuda a possibilidade de formar Exchange Traded Fund (ETFs, ou fundos de índices de ações) de BDRs para aumentar as negociações no mercado. "O investidor precisa entender como conseguir as informações das empresas estrangeiras. No caso das BDRs do Itaú, o banco disponibiliza. É um mercado em desenvolvimento que, ao longo do tempo, vai adquirir a liquidez necessária", afirmou Gragnani. Na avaliação do diretor da BM&FBovespa, é difícil medir o prazo e a queda das bolsas no exterior pode atrasar esse processo. "Mas o avanço regulatório e a estrutura definida do Brasil é superior a de vários países do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). A expectativa é termos lançamentos de BDRs de países da Europa", afirmou.

Soares, do Itaú Unibanco: será feito um trabalho de educação ao investidor. São ações com boa liquidez.

Mercado eleva projeção de inflação para 2012 Boletim Focus mantém expectativa para o IPCA neste ano em 6,31%

O

mercado financeiro manteve a projeção para a inflação em 2011, mas elevou para 2012, segundo o boletim Focus, divulgado ontem pelo Banco Central (BC). De acordo com a pesquisa, a expectativa para a inflação oficial neste ano ficou em 6,31%, em um patamar distante do centro da meta de inflação, que é de 4,5%. A meta tem margem de tolerância de dois pontos percentuais para cima ou para baixo. A projeção para a inflação em 2012 foi elevada de 5,2% para 5,28%. No caso da inflação de curto prazo, o mercado manteve em 0,2% a previsão para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de julho de 2011. Para a inflação de agosto, a taxa prevista caiu de 0,29% para 0,28%. O mercado financeiro manteve a projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2011, de 3,94%, segundo o boletim. Para o ano que vem, a projeção para o avanço da economia foi mantida em 4%. A estimativa para o aumento da produção industrial em 2011 caiu de 3,25% para 3,24%. Para 2012, a projeção para a expansão da indústria caiu de 4,4% para 4,34% Juros e dólar – De acordo com a pesquisa Focus, os analistas mantiveram a previsão para a a taxa básica de juros (Selic) para o fim de 2011 em 12,75% ao ano. Atualmente, a taxa está em 12,5% ao ano. A projeção para a Selic no fim de 2012 foi elevada de 12,63% ao ano para 12,75% ao ano. Para o mercado de câmbio, os

12,75 por cento é a previsão para a taxa básica de juros da economia (Selic) para o fim de 2011. O mesmo percentual está previsto para 2012. analistas preveem que o dólar encerre 2011 em R$ 1,60, mesmo patamar estimado na semana anterior. A projeção do câmbio médio no decorrer de 2011 seguiu em R$ 1,60. Para o fim de 2012, a previsão para o câmbio caiu de R$ 1,69 para R$ 1,65. Contas externas – A previsão do mercado financeiro para o déficit em conta-corrente neste ano foi mantida em US$ 59,45 bilhões. Para 2012, o déficit em conta corrente do balanço de pagamentos recuou de US$ 70 bilhões para US$ 69,61 bilhões. A previsão de superávit comercial em 2011 caiu de US$ 21 bilhões para US$ 20,9 bilhões. Para 2012, a estimativa para o saldo da balança comercial seguiu em US$ 10,07 bilhões. Analistas mantiveram a estimativa de ingresso de Investimento Estrangeiro Direto (IED) neste ano em US$ 55 bilhões. Para 2012, a previsão subiu de US$ 49,4 bilhões para US$ 50 bilhões. A elevação na pesquisa Focus da mediana das expectativas dos analistas do mercado

financeiro em relação ao fechamento do IPCA no próximo ano, de 5,2% para 5,28%, é uma reação dos agentes econômicos à retirada da expressão "ajuste por período suficientemente prolongado" do comunicado do comitê de Política Monetária (Copom). A avaliação é do economistachefe do Banco ABC Brasil, Luís Otávio de Souza Leal. De acordo com ele, a essa atitude do BC soma-se a piora da visão do mercado em relação ao futuro da inflação, já que uma das principais preocupações dos analistas, a área fiscal para 2012, só deve piorar. O IPCA-15, de acordo com o economista, até veio bem ao apresentar alta de 0,1% em julho, ante 0,23% em junho. Mas não dá para esperar arrefecimento da inflação em 2012, segundo ele, com uma massa salarial crescendo mais de 6% ao ano em termos reais e inflação de serviços em quase 9% no acumulado de 12 meses, ainda mais quando se está perto da concentração de dissídios das principais categorias profissionais. Além dessas pressões, Souza Leal acrescenta outro fator já contratado para 2012: o aumento do salário-mínimo de 14% em termos nominais e 7,5% em termos reais. Tudo isso, de acordo com o economista, ocorre em um período em que o Banco Central retira do comunicado a expressão que dava ao mercado a certeza de que a taxa de juros continuaria a subir, o que só tende a deteriorar as expectativas inflacionárias para 2012. (AE)

Balança tem saldo positivo de US$ 16,1 bi

A

balança comercial brasileira acumula neste ano um saldo positivo de US$ 16,1 bilhões. Até a quarta semana de julho, as exportações atingiram US$ 135,8 bilhões, enquanto as importações totalizaram US$ 119,7 bilhões. Analistas consultados pelo Banco Central (BC) estimam que o País deverá encerrar este ano com um superávit comercial de US$ 20,9 bilhões.

O resultado acumulado em 2011 é 71,8% superior ao registrado em igual período do ano passado, segundo dados divulgados ontem pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). A venda de produtos brasileiros no mercado internacional neste ano subiu 31,8%. As importações, por sua vez, avançaram 27,8% no período. Em julho, o saldo comercial acumuDC

Rejane Tamoto

lado atingiu US$ 3,1 bilhões, o terceiro melhor resultado mensal do ano. A venda de produtos básicos, como petróleo em bruto, minério de ferro e soja em grão continua sendo o destaque da pauta de exportações brasileira. No caso das importações, os dados mostram que ao longo do mês houve um aumento na compra de adubos e fertilizantes, veículos e partes, e plásticos e obras. (AE)

ecm

ESCRITÓRIO MARISA 55 anos de excelência em prestação de serviços Contábeis, Imobiliários e Advocatícios. Rua João Augusto de Moraes, 168 - São Miguel Paulista Fones: (11) 2297-6654 | 2297-0640 | 2956-7585 - ID 100*12526

www.ecmcontabil.com.br

emelo@ecmcontabil.com.br Rua Orissanga nº 26 - conj. 23 (Estacionamento no Local) - Metrô Praça da Árvore - SP


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 26 de julho de 2011

FALÊNCIA, RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL E RECUPERAÇÃO JUDICIAL Conforme informação da Distribuição Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, foram ajuizados no dia 25 de julho de 2011, na Comarca da Capital, os seguintes pedidos de falência, recuperação extrajudicial e recuperação judicial:

Requerente: MM Tecnologia de Ativos e Fomento Mercantil Ltda. - Requerida: Dautec Indústria e Comércio Ltda. - Rua Joaquim Nunes Teixeira nº 106 - Vila Plana - 2ª Vara de Falências Requerente: Cícero Teixeira Cavalcante - Requerida: Premium Diversões Eletrônicas Ltda. - Avenida São Miguel nº 529 - Vila Marieta - 1ª Vara de Falências Requerente: Santana S/A Crédito, Financiamento e Investimento - Requerida: Power Bril Indústria e Comércio Ltda. - Rua Maria das Dores Abranches nº 118 - Vila Constança - 1ª Vara de Falências Requerente: Candy Comércio e Representação Ltda. - Requerida: Fashion Rock Comércio de Modas Ltda. - Rua Dr. Zuquim nº 94 - 2ª Vara de Falências

Imarés Holdings Ltda. CNPJ no 09.235.082/0001-28 - NIRE 35.221.941.541 Instrumento Particular de Alteração do Contrato Social - 4a Alteração – 29.4.2011 Pelo presente Instrumento Particular, Elo Participações S.A., com sede na Alameda Rio Negro, 585, Edifício Padauiri, 1o andar, lado “B”, parte, Alphaville, Barueri, SP, CEP 06454-000, CNPJ no 09.227.099/0001-33, NIRE 35.300.349.431; e Banco Bradesco Cartões S.A., com sede na Cidade de Deus, Prédio Prata, 4o andar, Vila Yara, Osasco, SP, CEP 06029-900, CNPJ no 59.438.325/ 0001-01, NIRE 35.300.120.990, ambos por seu Diretor, senhor Domingos Figueiredo de Abreu, brasileiro, casado, bancário, RG 6.438.883/SSP-SP, CPF 942.909.898/53, com domicílio na Cidade de Deus, Vila Yara, Osasco, SP, CEP 06029-900, SóciosCotistas representando a totalidade do Capital Social da Imarés Holdings Ltda., com sede na Cidade de Deus, Prédio Prata, 4o andar, Vila Yara, Osasco, SP, CEP 06029-900, CNPJ n o 09.235.082/0001-28, NIRE 35.221.941.541, deliberam, por unanimidade, o seguinte: 1) o Sócio-Cotista Banco Bradesco Cartões S.A. cede e transfere, neste ato, 1 (uma) cota de que é titular, à SóciaCotista Elo Participações S.A., ambos já qualificados; 2) transformar o tipo jurídico de sociedade empresária limitada em sociedade anônima, observadas as disposições em vigor, modificando: I) a denominação social para Elo Holding Financeira S.A., II) o objeto Social para: participação societária em instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. A operação de transformação se concretizará observadas as seguintes condições: 1) as atuais 1.000 (mil) cotas, do valor nominal de R$1,00 (um real) cada uma, representativas do Capital Social de R$1.000,00 (mil reais), serão transformadas em 1.000 (mil) ações ordinárias, nominativas-escriturais, sem valor nominal, atribuídas à Elo Participações S.A.; 2) a Sociedade manterá a mesma escrituração comercial e fiscal, e os negócios sociais não sofrerão qualquer solução de continuidade; 3) aprovar e transcrever, na íntegra, o Estatuto Social pelo qual a Sociedade passa a reger-se: “Elo Holding Financeira S.A. - Estatuto Social. Título I - Da Organização, Duração e Sede. Art. 1o) A Elo Holding Financeira S.A., doravante chamada Sociedade, regese pelo presente Estatuto. Art. 2 o) O prazo de duração da Sociedade é indeterminado. Art. 3o) A Sociedade tem sede na Cidade de Deus, Prédio Prata, 4o andar, Vila Yara, no Município de Osasco, Estado de São Paulo, CEP 06029-900, e foro no mesmo Município. Art. 4o) Poderá a Sociedade instalar ou suprimir Filiais, Escritórios e Dependências de qualquer natureza no País e no Exterior, a critério da Diretoria, observados os preceitos legais. Título II - Dos Objetivos Sociais. Art. 5o) A Sociedade tem por objetivo exclusivo a participação societária em instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. Título III - Do Capital Social. Art. 6 o) O Capital Social é de R$1.000,00 ( mil reais), dividido em 1.000 (mil) ações ordinárias, nominativas-escriturais, sem valor nominal. Parágrafo Primeiro - Nos aumentos de capital, será realizada no ato da subscrição a parcela mínima exigida em lei e o restante será integralizado mediante chamada da Diretoria, observados os preceitos legais. Parágrafo Segundo -Todas as ações da Sociedade são escriturais, permanecendo em contas de depósito no Banco Bradesco S.A., em nome de seus titulares, sem emissão de certificados, podendo ser cobrado dos acionistas o custo do serviço de transferência da propriedade das referidas ações. Título IV - Da Administração. Art. 7 o) A Sociedade será administrada por uma Diretoria, eleita pela Assembleia Geral, com mandato de 1 (um) ano, composta de 2 (dois) a 8 (oito) membros, sendo 1 (um) Diretor-Presidente e de 1 (um) a 7 (sete) Diretores. Art. 8o) Aos Diretores compete administrar e representar a Sociedade, com poderes para obrigá-la em quaisquer atos e contratos de seu interesse, podendo transigir e renunciar direitos e adquirir, alienar e onerar bens, observando o disposto no Parágrafo Primeiro deste Artigo. Parágrafo Primeiro - Dependerá de prévia autorização do Conselho de Administração do controlador, direto ou indireto: a) a aquisição, alienação e a oneração de bens integrantes do Ativo Permanente e de participações societárias de caráter não-permanente, quando de valor superior a 1% (um porcento) do respectivo Patrimônio Líquido, nos casos de operações com empresas não integrantes da Organização Bradesco; b) a constituição de ônus reais e a prestação de garantias a obrigações de terceiros; c) associações envolvendo a Sociedade, inclusive participação em acordo de acionistas. Parágrafo Segundo - Ressalvadas as exceções previstas expressamente neste Estatuto, a Sociedade só se obriga mediante assinaturas, em conjunto, de no mínimo 2 (dois) Diretores. Parágrafo Terceiro - A Sociedade poderá também ser representada por no mínimo 1 (um) Diretor e 1 (um) procurador, ou por no mínimo 2 (dois) procuradores, em conjunto, especialmente constituídos, devendo do respectivo instrumento de mandato constar os seus poderes, os atos que poderão praticar e o seu prazo. Parágrafo Quarto - A Sociedade poderá ainda ser representada isoladamente por qualquer membro da Diretoria ou por procurador com poderes específicos, nos seguintes casos: a) mandatos com cláusula “ad judicia”, hipótese em que a procuração poderá ter prazo indeterminado e ser substabelecida; b) recebimento de citações ou intimações judiciais ou extrajudiciais; c) participação em licitações e leilões, públicos ou privados; d) em Assembleias Gerais de Acionistas ou Cotistas de empresas ou fundos de investimento de que a Sociedade participe, bem como de entidades de que seja sócia ou filiada; e) perante repartições, instituições e órgãos públicos ou privados, desde que não implique na assunção de responsabilidades e/ou obrigações pela Sociedade; f) em depoimentos judiciais. Art. 9o) Compete à Diretoria, reunida e deliberando de conformidade com o presente Estatuto: a) deliberar sobre as condições das operações ativas e passivas; b) estabelecer o limite de endividamento da Sociedade; c) zelar para que os Diretores estejam, sempre, rigorosamente aptos a exercer suas funções; d) cuidar para que os negócios sociais sejam conduzidos com probidade, de modo a preservar o bom nome da Sociedade; e) sempre que possível, preservar a continuidade administrativa, altamente recomendável à estabilidade, prosperidade e segurança da Sociedade; f) fixar a orientação geral dos negócios da Sociedade; g) realizar o rateio da remuneração dos Diretores estabelecida pela Assembleia Geral e fixar as gratificações de Diretores e funcionários, quando entender de concedê-las; h) autorizar a concessão de qualquer modalidade de doação, contribuição ou auxílio, independentemente do beneficiário; i) aprovar a aplicação de recursos oriundos de incentivos fiscais; j) submeter à Assembleia Geral propostas objetivando aumento ou redução do capital social, grupamento, bonificação, ou desdobramento de suas ações, operações de fusão, incorporação ou cisão e reformas estatutárias da Sociedade. Art. 10) Além das atribuições normais que lhe são conferidas pela lei

15 e por este Estatuto, compete especificamente a cada membro da Diretoria: a) ao Diretor-Presidente, presidir as reuniões da Diretoria, supervisionar e coordenar a ação de seus membros; b) aos Diretores, coordenar e dirigir as atividades de suas respectivas áreas, reportando-se ao Diretor-Presidente. Art. 11) A Diretoria fará reuniões sempre que necessário, deliberando validamente desde que presente mais da metade dos Diretores em exercício, com a presença obrigatória do titular do cargo de Diretor-Presidente ou seu substituto. As reuniões serão realizadas sempre que convocados os seus membros pelo Presidente ou por no mínimo 2 (dois) Diretores. A Diretoria deliberará por maioria de votos, cabendo ao Presidente voto de qualidade, no caso de empate. Parágrafo Único - Em caso de ausência ou impedimento temporário de qualquer Diretor, inclusive do DiretorPresidente, a própria Diretoria escolherá o substituto interino dentre seus membros. Em caso de vaga, a eleição do substituto se fará de acordo com o que dispõe o Artigo 7o, deste Estatuto. Art. 12) Para o exercício do cargo de Diretor é necessário dedicar tempo integral aos serviços da Sociedade, sendo incompatível o exercício do cargo de Diretor desta com o desempenho de outras funções ou atividades profissionais, ressalvados os casos em que a Sociedade tenha interesse. Título V - Do Conselho Fiscal. Art. 13) O Conselho Fiscal, não-permanente, compor-se-á, quando instalado, de 3 (três) a 5 (cinco) membros efetivos e de igual número de suplentes. Título VI - Das Assembleias Gerais. Art. 14) As Assembleias Gerais Ordinárias e Extraordinárias serão presididas por um Presidente e um Secretário, escolhidos pelos acionistas presentes. Título VII - Do Exercício Social e da Distribuição de Resultados. Art. 15) O ano social coincide com o ano civil, terminando no dia 31 de dezembro. Art. 16) Serão levantados balanços em 31 de dezembro de cada ano, facultado à Diretoria determinar o levantamento de outros balanços, semestrais ou em menores períodos, inclusive mensais. Art. 17) O Lucro Líquido, como definido no Artigo 191 da Lei no 6.404, de 15.12.76, apurado em cada balanço terá, pela ordem, a seguinte destinação: I. constituição de Reserva Legal; II. constituição das Reservas previstas nos Artigos 195 e 197 da mencionada Lei no 6.404/76, mediante proposta da Diretoria “ad referendum” da Assembleia Geral; III. pagamento de dividendos propostos pela Diretoria que, somados aos dividendos intermediários e/ou juros sobre o capital próprio de que tratam os Parágrafos Segundo e Terceiro deste Artigo, que tenham sido declarados, assegurem aos acionistas, em cada exercício, a título de dividendo mínimo obrigatório, 1% (um porcento) do respectivo lucro líquido, ajustado pela diminuição ou acréscimo dos valores especificados nos itens I, II e III do Artigo 202 da referida Lei n o 6.404/76. Parágrafo Primeiro - A Diretoria fica autorizada a declarar e pagar dividendos intermediários, especialmente semestrais e mensais, à conta de Lucros Acumulados ou de Reservas de Lucros existentes. Parágrafo Segundo - Poderá a Diretoria, ainda, autorizar a distribuição de lucros aos acionistas a título de juros sobre o capital próprio, nos termos da legislação específica, em substituição total ou parcial aos dividendos intermediários, cuja declaração lhe é facultada pelo parágrafo anterior ou, ainda, em adição aos mesmos. Parágrafo Terceiro - Os juros eventualmente pagos aos acionistas serão imputados, líquidos do imposto de renda na fonte, ao valor do dividendo mínimo obrigatório do exercício (1%), de acordo com o Inciso III do “caput” deste Artigo. Art. 18) O saldo do Lucro Líquido, verificado após as distribuições acima previstas, terá a destinação proposta pela Diretoria e deliberada pela Assembleia Geral, podendo ser destinado 100% (cem porcento) à Reserva de Lucros - Estatutária, visando à manutenção de margem operacional compatível com o desenvolvimento das operações ativas da Sociedade, até atingir o limite de 95% (noventa e cinco porcento) do valor do capital social integralizado. Parágrafo Único - Na hipótese da proposta da Diretoria sobre a destinação a ser dada ao Lucro Líquido do exercício conter previsão de distribuição de dividendos e/ou pagamento de juros sobre capital próprio em montante superior ao dividendo obrigatório estabelecido no Artigo 17, Inciso III, e/ou retenção de lucros nos termos do Artigo 196 da Lei no 6.404/76, o saldo do Lucro Líquido para fins de constituição da reserva mencionada neste Artigo será determinado após a dedução integral dessas destinações.”; 4) tendo em vista a transformação em sociedade anônima, os atuais Administradores ficam mantidos em seus cargos, com mandato até a Assembleia Geral Ordinária de 2012, cuja Diretoria fica assim constituída: Diretor-Presidente: Luiz Carlos Trabuco Cappi, brasileiro, casado, bancário, RG 5.284.352/SSP-SP, CPF 250.319.028/68; Diretores: Laércio Albino Cezar, brasileiro, casado, bancário, RG 3.555.534/SSP-SP, CPF 064.172.724/00; Julio de Siqueira Carvalho de Araujo, brasileiro, casado, bancário, RG 3.272.499/IFP-RJ, CPF 425.327.017/49; Norberto Pinto Barbedo, brasileiro, divorciado, bancário, RG 4.443.254/SSP-SP, CPF 509.392.708/20, e Domingos Figueiredo de Abreu, brasileiro, casado, bancário, RG 6.438.883/SSP-SP, CPF 942.909.898/53, todos com domicílio na Cidade de Deus, Vila Yara, Osasco, SP, sendo que permanecerão nas suas funções até que a Ata da Assembleia Geral Ordinária que eleger os novos membros em 2012 seja arquivada na Junta Comercial e publicada; 5) escolher, de conformidade com o disposto no “caput” do Artigo 289 da Lei no 6.404/76, os jornais “Diário Oficial do Estado de São Paulo” e “Diário do Comércio” para a Sociedade efetuar as publicações ordenadas pela referida Lei. Em seguida, os Diretores presentes à Assembleia: 1) declararam: a) sob as penas da lei, não estarem impedidos de exercer a administração de sociedade por lei especial, ou condenados a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos; por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussão, peculato, ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra as normas de defesa da concorrência, contra as relações de consumo, a fé pública, ou a propriedade; b) que abrem mão do direito ao recebimento de qualquer valor a título de remuneração, posto que já recebem honorários de outra Empresa da Organização Bradesco; 2) assinaram a presente Ata, que vale como termo de posse. E por estarem assim justos e contratados, os SóciosCotistas, por seu representante legal, assinam o presente Instrumento Particular, impresso em 3 (três) vias de igual forma e teor, com 2 (duas) testemunhas, autorizando, desde já, o seu arquivamento na Junta Comercial do Estado de São Paulo, para os fins e efeitos de direito. Cidade de Deus, Osasco, SP, 29 de abril de 2011. Sócios-Cotistas: Elo Participações S.A. e Banco Bradesco Cartões S.A., a) Domingos Figueiredo de Abreu. Diretores: Luiz Carlos Trabuco Cappi - Diretor-Presidente, Laércio Albino Cezar, Julio de Siqueira Carvalho de Araujo, Norberto Pinto Barbedo e Domingos Figueiredo de Abreu - Diretores. Testemunhas: Ariovaldo Pereira - RG 5.878.122/SSP-SP, CPF 437.244.508/34 e Ismael Ferraz - RG 8.941.370-2/SSP-SP, CPF 006.404.048-80. Certidão - Secretaria da Fazenda -Junta Comercial do Estado de São Paulo. Certifico o registro sob número 256.808/11-9, em 4.7.2011. a) Kátia Regina Bueno de Godoy - Secretária Geral.

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PEDRO/SP AVISO DE LICITAÇÃO Tomada de Preços nº 002/2011 De conformidade com solicitação de Secretaria Municipal de Turismo, faço público, para conhecimento dos interessados, que se acha aberto, na Prefeitura deste Município, o Edital de Tomada de Preços nº 002/2011, Realização da XXVI Festa do Peão de Boiadeiro de São Pedro, pelo tipo de menor preço, regida pela Lei Federal nº 8.666/93, suas alterações e demais dispositivos legais expressos no Edital. Os envelopes dos licitantes com a documentação e a proposta deverão ser entregues no Departamento de Compras e Licitações, sito à Rua Valentim Amaral, 748, nesta cidade, até às 11:00 horas, do dia 11 de agosto de 2011. O início da abertura dos envelopes será às 14:00 horas, do dia 11 de agosto de 2011, na Sala de Abertura de Licitações, sita à Rua Valentim Amaral, 748, nesta cidade. O Edital e seus respectivos anexos deverão ser retirados no Departamento de Compras, sito à Rua Valentim Amaral nº 748, Centro Cívico desta cidade, o qual será fornecido das 08:00 às 16:00 horas. Para conhecimento do público, expede-se o presente Edital, que será publicado pela Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, do Município de São Pedro, em jornal de grande circulação no Estado e no Município e afixado em Quadro de Avisos, no saguão do Paço Municipal. São Pedro, 22 de Julho de 2011. Eduardo Speranza Modesto - Prefeito Municipal

CIA TEXTIL NIAZI CHOHFI CNPJ 60.397.361/0001-45 - NIRE 35.300.067.860 ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA DE 10.06.2011 Aos 10 (dez), dias do mês de junho de 2011, as 15:00 (quinze) horas, na sede social sito a Rua 25 de Março, 603/611, nesta Capital do Estado de São Paulo, reuniram-se os Srs. Acionistas da CIA. TEXTIL NIAZI CHOHFI, representando a totalidade do Capital Social, conforme se verifica pelas assinaturas apostas no Livro de presença de Acionistas, convocados que foram para Assembleia Geral Ordinária, através de avisos pessoais, conforme faculta o parágrafo 4º do artigo 124 da lei n.º 6404/76. Assumiu a presidência da mesa, por aclamação unânime, o Sr. Reginaldo Chohfi Chohfi, que convidou a mim Solange Maria Nassif Chohfi Chohfi, para secretária. Com a palavra, o Sr. Presidente após verificar a regularidade da instalação, iniciou os trabalhos da Assembléia, esclarecendo que cabia aos presentes deliberarem sobre as contas da Diretoria e os Relatórios relativos ao exercício 2009 e 2010. Lidos e postos em discussão e votação os Relatórios da Diretoria, Balanço Patrimonial, Demonstração de Resultados e Notas explicativas, referentes ao exercício social findo em 31 de Dezembro de 2009, e publicados no Diário Oficial do Estado de São Paulo e no Diário do Comércio em 13/05/2010, e Demonstração de Resultados e Notas explicativas, e também referentes ao exercício social findo em 31 de Dezembro de 2010, e publicados no Diário Oficial do Estado de São Paulo e no Diário do Comércio em 02/06/2011, foram os mesmos aprovados e assinados por unanimidade de votos, abstendo-se de votar os legalmente impedidos. Em seguida, o Sr. Presidente concedeu a palavra a quem da mesma quisesse fazer uso e como não houvesse dos presentes qualquer manifestação, deu por encerrados os trabalhos dos quais se lavrou a presente ata lida e achada conforme, foi por todos assinados. São Paulo, 10 de junho de 2011. Reginaldo Chohfi presidente da mesa Solange Maria Nassif Chohfi – secretária da mesa. Diretor Presidente Reginaldo Chohfi Chohfi, brasileiro, casado, administrador, portador da Cédula de Identidade RG n.º 3.035.880-2 SSP-SP, inscrito no CPF sob o n.º 032.083.898-68, residente e domiciliado à Alameda Fernão Cardim, 140 – 21º andar aptº. 211, nesta Capital do Estado de São Paulo; Diretora Vice-Presidente Solange Maria Nassif Chohfi Chohfi, brasileira, casada, tradutora, portadora da Cédula de Identidade RG n.º 4.425.084-8 SSP-SP, inscrita no CPF sob o n.º 267.135.798-25 residente e domiciliado à Alameda Fernão Cardim, 140 – 21º andar aptº.211, nesta Capital do Estado de São Paulo; Diretor Reginaldo Niazi Chohfi Chohfi, brasileiro, solteiro, portador da Cédula de Identidade RG n.º 22.653.538-1 SSP-SP, inscrito no CPF sob n.º 302.501.528-43 residente e domiciliado à Alameda Fernão Cardim, 140 – 21º andar aptº. 211, nesta Capital do Estado de São Paulo. Reginaldo Chohfi - Presidente; Solange Maria Nassif Chohfi - Secretaria Secretaria. Jucesp Jucesp: nº 275.883/11-5 em 22/07/11.

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

Europ Assistance Brasil Serviços de Assistência S.A. CNPJ no 01.020.029/0001-06 - NIRE 35.300.336.704 Ata da Assembleia Geral Extraordinária realizada em 20.6.2011 Data, Hora, Local: Aos 20 dias do mês de junho de 2011, às 10h30, na sede social, Alameda Tocantins, 125, 8 o andar, Barueri, SP, CEP 06455-020. Presença: Compareceram, identificaram-se e assinaram o Livro de Presença os acionistas da Sociedade representando a totalidade do Capital Social. Constituição da Mesa: Presidente: João Carlos Nunes Fervença da Silva; Secretário: Antonio José da Barbara. Convocação: Dispensada a publicação do Edital de Convocação, de conformidade com o disposto no Parágrafo Quarto do Artigo 124 da Lei n o 6.404/76. Ordem do Dia: eleger novo membro para compor o Conselho de Administração. Deliberação: eleito membro do Conselho de Administração, com mandato coincidente com o dos demais membros, ou seja, até a Assembleia Geral Ordinária de 2013, o senhor Marcio Serôa de Araujo Coriolano, brasileiro, divorciado, economista, RG 02.686.957-8 SSP/RJ, CPF 330.216.357/68, com domicílio na Rua Barão de Itapagipe, 225, parte, Rio Comprido, Rio de Janeiro, RJ, CEP 20261-901, sendo que permanecerá nas suas funções até que a Ata da Assembleia Geral Ordinária que eleger os novos membros em 2013 seja arquivada na Junta Comercial e publicada. Em seguida, o Conselheiro eleito presente à Assembleia: 1) declarou, sob as penas da lei, não estar impedido de exercer a administração de sociedade por lei especial, ou condenados a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos; por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussão, peculato, ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra as normas de defesa da concorrência, contra as relações de consumo, a fé pública, ou a propriedade; 2) assinou a presente Ata, que vale como termo de posse; Quorum das Deliberações: unanimidade de votos. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, o senhor Presidente encerrou os trabalhos, lavrando-se a presente Ata, que lida e achada conforme, foi aprovada por todos os presentes que a subscrevem. aa) Presidente: João Carlos Nunes Fervença da Silva; Secretário: Antonio José da Barbara; Acionistas: EABS Serviços de Assistência e Participações S.A., por seus Diretores, senhores Paulo Cesar Fogetti e Raul Guilherme Gama Boaventura; Martin Vial; Manrico Iachia; Pedro Guilherme Beauvillain de Brito e Cunha; Ricardo Abecassis Espírito Santo Silva; João Carlos Nunes Fervença da Silva; Samuel Monteiro dos Santos Junior; Ricardo Saad Affonso; Marco Antonio Rossi; Lúcio Flávio Condurú de Oliveira e Ivan Luiz Gontijo Júnior; Acionista e Conselheiro eleito: Marcio Serôa de Araujo Coriolano. Declaração: Declaro para os devidos fins que a presente é cópia fiel da Ata lavrada no livro próprio e que são autênticas, no mesmo livro, as assinaturas nele apostas. a) Antonio José da Barbara – Secretário. Certidão - Secretaria da Fazenda - Junta Comercial do Estado de São Paulo - Certifico o registro sob número 271.026/11-0, em 15.7.2011. a) Kátia Regina Bueno de Godoy - Secretária Geral.

EABS Serviços de Assistência e Participações S.A. CNPJ no 09.060.236/0001-98 - NIRE 35.300.345.843 Ata da Assembleia Geral Extraordinária realizada em 20.6.2011 Data, Hora, Local: Aos 20 dias do mês de junho de 2011, às 9h30, na sede social, Cidade de Deus, Prédio Prata, 4o andar, Vila Yara, Osasco, SP, CEP 06029-900. Presença: Compareceram, identificaram-se e assinaram o Livro de Presença os acionistas da Sociedade, representando a totalidade do Capital Social. Constituição da Mesa: Presidente: João Carlos Nunes Fervença da Silva; Secretário: Antonio José da Barbara. Convocação: Dispensada a publicação do Edital de Convocação, de conformidade com o disposto no Parágrafo Quarto do Artigo 124 da Lei n o 6.404/ 76. Ordem do Dia: I) ratificar autorização do Conselho de Administração para a Sociedade participar em Empresa a ser constituída, e que terá a denominação de CEABS Serviços S.A. (CEABS), e aprovar as propostas do Estatuto Social pelo qual reger-se-á a CEABS, bem como do Acordo de Acionistas a ser firmado pelas Sociedades; II) eleger novo membro para compor o Conselho de Administração. Deliberações: I) ratificada a autorização concedida pelo Conselho de Administração da Sociedade, registrada na Reunião daquele Órgão de 17.6.2011, para a Sociedade participar em Empresa a ser constituída, e que terá a denominação de CEABS Serviços S.A. (CEABS), em parceria com a Consilux Consultoria e Construções Elétricas Ltda. (Consilux), CNPJ no 81.054.900/0001-13, com capital social inicial de R$2.000.000,00 (dois milhões de reais), sendo 50% (cinquenta porcento) para cada uma das Sociedades. Aprovadas as propostas do Estatuto Social pelo qual reger-se-á a CEABS, bem como do Acordo de Acionistas a ser firmado pelas Sociedades, dispensadas as suas transcrições, as quais, rubricadas pelos componentes da Mesa, ficarão arquivadas na Sociedade, nos termos da alínea “a” do Parágrafo Primeiro do Artigo 130 da Lei n o 6.404/76; II) eleito membro do Conselho de Administração, com mandato coincidente com o dos demais membros, ou seja, até a Assembleia Geral Ordinária de 2013, o senhor Marcio Serôa de Araujo Coriolano, brasileiro, divorciado, economista, RG 02.686.957-8 SSP/RJ, CPF 330.216.357/68, com domicílio na Rua Barão de Itapagipe, 225, parte, Rio Comprido, Rio de Janeiro, RJ, CEP 20261-901, sendo que permanecerá nas suas funções até que a Ata da Assembleia Geral Ordinária que eleger os novos membros em 2013 seja arquivada na Junta Comercial e publicada. Em seguida, o Conselheiro eleito presente à Assembleia: 1) declarou, sob as penas da lei, não estar impedido de exercer a administração de sociedade por lei especial, ou condenados a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos; por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussão, peculato, ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra as normas de defesa da concorrência, contra as relações de consumo, a fé pública, ou a propriedade; 2) assinou a presente Ata, que vale como termo de posse. Quorum das Deliberações: unanimidade de votos. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, o senhor Presidente encerrou os trabalhos, lavrando-se a presente Ata, que lida e achada conforme, foi aprovada por todos os presentes que a subscrevem. aa) Presidente: João Carlos Nunes Fervença da Silva; Secretário: Antonio José da Barbara; Acionistas: Bradesco Auto/ RE Companhia de Seguros, por seus Diretores, senhores Ricardo Saad Affonso e Ivan Luiz Gontijo Júnior; Ponte Alta Consultoria e Assistência Lda., por seus Diretores, senhores Manrico Iachia e José Manuel Pinheiro Espírito Santo e Silva; Primeira Cruz Consultoria e Assistência Lda., por seus Diretores, senhores Manrico Iachia e Pedro Guilherme Beauvillain de Brito e Cunha; Martin Vial; Manrico Iachia; Pedro Guilherme Beauvillain de Brito e Cunha; Ricardo Abecassis Espírito Santo Silva; João Carlos Nunes Fervença da Silva; Samuel Monteiro dos Santos Junior; Ricardo Saad Affonso; Lucio Flávio Condurú de Oliveira; Marco Antonio Rossi e Ivan Luiz Gontijo Júnior; Acionista e Conselheiro eleito: Marcio Serôa de Araujo Coriolano. Declaração: Declaro para os devidos fins que a presente é cópia fiel da Ata lavrada no livro próprio e que são autênticas, no mesmo livro, as assinaturas nele apostas. a) Antonio José da Barbara – Secretário. Certidão - Secretaria da Fazenda - Junta Comercial do Estado de São Paulo - Certifico o registro sob número 271.025/11-6, em 15.7.2011. a) Kátia Regina Bueno de Godoy - Secretária Geral.

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: TOMADAS DE PREÇOS A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para execução de Obras: TOMADA DE PREÇOS Nº - OBJETO - PRÉDIO - LOCALIZAÇÃO - PRAZO - ÁREA (se houver) - PATRIMÔNIO LÍQUIDO MÍNIMO P/ PARTICIPAR - GARANTIA DE PARTICIPAÇÃO - ABERTURA DA LICITAÇÃO (HORA E DIA) 70/00100/11/02 - Reforma de Prédio Escolar - EE Samuel Wainer - Rua São José do Rio Preto, 71 - 04840-460 Grajaú - São Paulo/SP - 150 - R$ 36.408,00 - R$ 3.640,00 - 10:00 - 12/08/2011. 70/00103/11/02 - Reforma de Prédio Escolar e Construção de Ambientes Complementares - EE Prof. Sebastião Vayego de Carvalho - Rua Mauá, 184 - 09450-000 - Vila Conde Siciliano - Rio Grande da Serra/SP - 150 - 136,53 R$ 103.443,00 - R$ 10.344,00 - 10:30 - 12/08/2011. 69/00188/11/02 - Construção de Ambientes Complementares e Reforma de Prédio Escolar - EE Dr. Marrey Junior Rua Cel. Albino, 1.637 - 19023-350 - São Judas Tadeu - Presidente Prudente/SP - 180 - 80,55 - R$ 109.699,00 - R$ 10.969,00 - 11:00 - 12/08/2011. 69/00204/11/02 - Reforma de Prédio Escolar - EE Profª Iria Barbieri Vita - Rua dos Brandimarte, 1.450 - 15130-000 - Jd. Sta. Cláudia - Mirassol/SP - 90 - R$ 17.122,00 - R$ 1.712,00 - 11:30 - 12/08/2011. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital e o respectivo Caderno de Encargos e Composição do BDI, na SEDE DA FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 - São Paulo/SP ou através da Internet pelo endereço eletrônico www.fde.sp.gov.br. Os interessados poderão adquirir o Edital completo através de CD-ROM a partir de 26/07/2011, na SEDE DA FDE, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, mediante pagamento não reembolsável de R$ 40,00 (quarenta reais). Todas as propostas deverão estar acompanhadas de garantia de participação, a ser apresentada à Supervisão de Licitações da FDE, conforme valor indicado acima. Os invólucros contendo a PROPOSTA COMERCIAL e os DOCUMENTOS DE HABILITAÇÃO deverão ser entregues, juntamente com a Solicitação de Participação, a Declaração de Pleno Atendimento aos Requisitos de Habilitação e a garantia de participação, no Setor de Protocolo da Supervisão de Licitações - SLI na SEDE DA FDE, até 30 minutos antes da abertura da licitação. Esta Licitação será processada em conformidade com a LEI FEDERAL nº 8.666/93 e suas alterações, e com o disposto nas CONDIÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE. As propostas deverão obedecer, rigorosamente, o estabelecido no edital. JOSÉ BERNARDO ORTIZ Presidente

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: TOMADAS DE PREÇOS A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para execução de Obras: TOMADA DE PREÇOS Nº - OBJETO - PRÉDIO - LOCALIZAÇÃO - PRAZO - ÁREA (se houver) - PATRIMÔNIO LÍQUIDO MÍNIMO P/ PARTICIPAR - GARANTIA DE PARTICIPAÇÃO - ABERTURA DA LICITAÇÃO (HORA E DIA) 69/00005/11/02 - Reforma de Prédios Escolares - EE Dona Benedita Freire de Macedo - Rua José Mega, 305 12321-210 - Vila Machado - Jacareí/SP - 30; EE Prof. José Simplício - Est. Francisco Eugênio Bicudo s/nº - 12318650 - Campo Grande - Jacareí/SP - 60; EE Prof. Amaury Teixeira Vasques - Av. dos Migrantes, 1.380 - 12335-000 Prq. Meia Lua - Jacareí/SP - 60; EE Profª Laura Augusta de Carvalho Rosas - Rod. Dom Pedro I Km 10 Estrada Japão, 243 - 12321-820 - Paratei do Meio - Jacareí/SP - 60 - R$ 26.556,00 - R$ 2.655,00 - 11:00 - 11/08/2011. 69/00022/11/02 - Reforma de Prédios Escolares - EE B. Sto. Antonio - Rua Antonio Lico, s/nº - 13402-732 - Jardim Vitória – Piracicaba/SP; EE Dr. Samuel de Castro Neves - Est. para o Limoeiro, 56 - 13400-970 - Santana Piracicaba/SP - 90 - R$ 24.274,00 - R$ 2.427,00 - 11:30 - 11/08/2011. 69/00061/11/02 - Reforma de Prédios Escolares - EE CHB Dona dos Anjos Macedo - Rua Amélia Selber Milanez, 309 - 13860-000 - Prq. Ecolog. Centenário - Aguaí/SP - 60; EE Prof. Moyses Horta de Macedo - Rua 7 de Setembro, 200 - 13760-000 - Centro - Tapiratiba/SP - 90; EE Dr. João Gabriel Ribeiro - Rua Expedicionário Paulista, 1.080 - 13720000 - Vila Pereira - São José do Rio Pardo/SP - 90 - R$ 19.178,00 - R$ 1.917,00 - 14:00 - 11/08/2011. 69/00073/11/02 - Reforma de Prédios Escolares - EE Profª Josephina Galvão de Franca Andreucci - Rod. Socorro/ Lindoia, Km-11 - 13960-000 - Oratório - Socorro/SP - 90; EE José Pires Alvim - Rua Emídio Fazzio s/nº - 12942-420 - Alvinópolis - Atibaia/SP - 120 - R$ 28.284,00 - R$ 2.828,00 - 14:30 - 11/08/2011. 69/00080/11/02 - Reforma de Prédios Escolares - EE Noedir Mazzini - Rua Jorge José, 20 - 13901-154 - Pinheirinho – Amparo/SP – 60; EE Profª Dra. Altair de Fátima Furigo Polettini - Rua Bráulio de Souza Leite s/nº - 13803-096 - Jd. Maria Bonatti Bordignon - Mogi Mirim/SP – 90; EE Dep. Romeu de Campos Vergal – Est. Lot São Luiz, 53 - 13930-000 - Francos - Serra Negra/SP – 60; EE Luiz Bortoletto - Rua Ivo Policarpo, 50 - 13920-000 – Jd. Triunfo – Pedreira/SP - 60 - R$ 25.826,00 - R$ 2.582,00 - 15:00 - 11/08/2011. 69/00097/11/02 - Reforma (Restauro) de Prédio Escolar - EE Roberto Robazzi - Rua Pe. Mansueto, 301 - 14640-000 - Centro - Morro Agudo/SP - 270 - R$ 108.944,00 - R$ 10.894,00 - 15:30 - 11/08/2011. 70/00098/11/02 - Reforma de Prédio Escolar e Construção de Ambientes Complementares com Fornecimento, Instalação, Licenciamento e Manutenção de Elevador - EE Profª Joanna Abrahão - Rua Cdor. Artur Capodaglio, 99 04410-080 - Americanópolis - São Paulo/SP - 180 - 27,86 - R$ 125.712,00 - R$ 12.571,00 - 16:00 - 11/08/2011. 70/00099/11/02 - Reforma de Prédio Escolar - EE Prof. Antonio Lisboa - Rua Prof. Fabio Fanucchi, 425 - 02045-080 - Jd. São Paulo - São Paulo/SP - 210 - R$ 114.456,00 - R$ 11.445,00 - 16:30 - 11/08/2011. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital e o respectivo Caderno de Encargos e Composição do BDI, na SEDE DA FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 - São Paulo/SP, ou através da Internet pelo endereço eletrônico www.fde.sp.gov.br. Os interessados poderão adquirir o Edital completo através de CD-ROM a partir de 26/07/2011, na SEDE DA FDE, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, mediante pagamento não reembolsável de R$ 40,00 (quarenta reais). Todas as propostas deverão estar acompanhadas de garantia de participação, a ser apresentada à Supervisão de Licitações da FDE, conforme valor indicado acima. Os invólucros contendo a PROPOSTA COMERCIAL e os DOCUMENTOS DE HABILITAÇÃO deverão ser entregues, juntamente com a Solicitação de Participação, a Declaração de Pleno Atendimento aos Requisitos de Habilitação e a garantia de participação, no Setor de Protocolo da Supervisão de Licitações - SLI, na SEDE DA FDE, até 30 minutos antes da abertura da licitação. Esta Licitação será processada em conformidade com a LEI FEDERAL nº 8.666/93 e suas alterações, e com o disposto nas CONDIÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE. As propostas deverão obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital. JOSÉ BERNARDO ORTIZ Presidente

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: CONCORRÊNCIA A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para execução de Reforma de Prédio Escolar e Construção de Ambientes Complementares com Fornecimento, Instalação, Licenciamento e Manutenção de Elevador: CONCORRÊNCIA Nº - PRÉDIO - LOCALIZAÇÃO - PRAZO - ÁREA (se houver) - PATRIMÔNIO LÍQUIDO MÍNIMO P/ PARTICIPAR - GARANTIA DE PARTICIPAÇÃO - ABERTURA DA LICITAÇÃO (HORA E DIA) 69/00196/11/01 - EE Paulo Virginio - Lad. 20 de Abril, 134 - 12530-000 - Centro - Cunha/SP - 270 - 226,88- R$ 165.827,00 - R$ 16.582,00 - 09:30 - 26/08/2011. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital e o respectivo Caderno de Encargos e Composição do BDI, na SEDE DA FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São LuÍs, 99 - República - CEP: 01046-001 - São Paulo/SP ou através da Internet pelo endereço eletrônico www.fde.sp.gov.br. Os interessados poderão adquirir o Edital completo através de CD-ROM a partir de 26/07/2011, na SEDE DA FDE, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, mediante pagamento não reembolsável de R$ 50,00 (cinquenta reais). Todas as propostas deverão estar acompanhadas de garantia de participação, a ser apresentada à Supervisão de Licitações da FDE, conforme valor indicado acima. Os invólucros contendo a PROPOSTA COMERCIAL e os DOCUMENTOS DE HABILITAÇÃO deverão ser entregues, juntamente com a Solicitação de Participação, a Declaração de Pleno Atendimento aos Requisitos de Habilitação e a garantia de participação, no Setor de Protocolo da Supervisão de Licitações - SLI na SEDE DA FDE, até 30 minutos antes da abertura da licitação. Esta Licitação será processada em conformidade com a LEI FEDERAL nº 8.666/93 e suas alterações, e com o disposto nas CONDIÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE. As propostas deverão obedecer, rigorosamente, o estabelecido no edital. JOSÉ BERNARDO ORTIZ Presidente

BBD Participações S.A. CNPJ no 07.838.611/0001-52 - NIRE 35.300.335.295 Ata da 15a Assembleia Geral Extraordinária realizada em 17.6.2011 Data, Hora e Local: Aos 17 dias do mês de junho de 2011, às 15h, na sede social, Cidade de Deus, Prédio Novíssimo, 4o andar, Vila Yara, Osasco, SP. Presenças: Compareceram, identificaram-se e assinaram o Livro de Presença acionistas da Sociedade, representando mais de quatro quintos do Capital Social votante. Constituição da Mesa: Presidente: Lázaro de Mello Brandão; Secretário: Antônio Bornia. Ordem do Dia: examinar proposta do Conselho de Administração para alterar o Estatuto Social, conforme segue: no Inciso I do Artigo 6o , incluindo a possibilidade de funcionários que exerçam o cargo de Gerente Regional do Banco Bradesco S.A. ou da Bradespar S.A. ou de sociedades consideradas suas controladas serem acionistas da Sociedade; no Artigo 12, aprimorando sua redação e excluindo o Parágrafo Único. Publicações Prévias: O Edital de Convocação foi publicado em 9, 10 e 11.6.2011, nos jornais “Diário Oficial do Estado de São Paulo”, respectivamente, páginas 36, 34 e 25; e “Diário do Comércio”, respectivamente, páginas 17, 7 e 19. Leitura de Documentos: O Edital de Convocação e a Proposta do Conselho de Administração foram lidos, colocados sobre a mesa e entregues à apreciação dos acionistas. Deliberação: a matéria constante da ordem do dia foi colocada em discussão e votação, tendo sido aprovada, sem ressalvas, a Proposta do Conselho de Administração, registrada na Reunião Ordinária no 11, daquele Órgão, de 6.6.2011, a seguir transcrita: “Proposta do Conselho de Administração a ser submetida aos acionistas da BBD Participações S.A. em Assembleia Geral Extraordinária a ser realizada em 17.6.2011. Senhores Acionistas, O Conselho de Administração da BBD Participações S.A. vem submeter, para exame e deliberação, proposta para alterar o Estatuto Social, conforme segue: no Inciso I do Artigo 6o, incluindo a possibilidade de funcionários que exerçam o cargo de Gerente Regional do Banco Bradesco S.A. ou da Bradespar S.A. ou de sociedades consideradas suas controladas serem acionistas da Sociedade; no Artigo 12, aprimorando sua redação e excluindo o Parágrafo Único. Se aprovada esta proposta, o Inciso I do Artigo 6 o e Artigo 12 do Estatuto Social passarão a vigorar com a seguinte redação: “Art. 6o) Poderão ser acionistas da Sociedade: I. os administradores estatutários e funcionários que exerçam o cargo, não estatutário, de Assessor Jurídico, Superintendente Executivo ou Gerente Regional do Banco Bradesco S.A. ou da Bradespar S.A. ou de sociedades consideradas suas controladas, nos termos do Artigo 243 da Lei no 6.404, de 15.12.1976. Art. 12) O acionista ofertante comunicará sua intenção à Diretoria da Sociedade, por meio de carta enviada com protocolo, especificando a quantidade total das ações ou dos direitos de preferência que pretenda alienar. O preço de alienação das ações será calculado utilizando-se o valor do patrimônio líquido contábil da Sociedade, apurado no último balancete trimestral auditado, ajustado por 100% (cem porcento) da mais-valia das ações de emissão do Banco Bradesco S.A. e da Bradespar S.A. (Investimentos), detidas direta ou indiretamente pela Sociedade. A mais-valia será apurada utilizando-se a média ponderada das cotações médias diárias das ações ordinárias e preferenciais, verificadas nos 30 (trinta) pregões da BM&FBOVESPA S.A. - Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros imediatamente posteriores à data da alienação, considerada a dedução dos valores contábeis dos Investimentos.”. Quorum da Deliberação: unanimidade de votos. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, o senhor Presidente esclareceu que, para as deliberações tomadas o Conselho Fiscal da Companhia não foi ouvido por não se encontrar instalado, e encerrou os trabalhos, lavrando-se a presente Ata, que vai assinada pelo senhor Presidente, por mim Secretário e pelos acionistas presentes. aa) Presidente: Lázaro de Mello Brandão; Secretário: Antônio Bornia; Acionistas: Lázaro de Mello Brandão, Antônio Bornia, Mário da Silveira Teixeira Júnior, João Aguiar Alvarez, Denise Aguiar Alvarez, Luiz Carlos Trabuco Cappi, Carlos Alberto Rodrigues Guilherme, Milton Matsumoto, Laércio Albino Cezar, Julio de Siqueira Carvalho de Araujo, Norberto Pinto Barbedo, Domingos Figueiredo de Abreu, José Alcides Munhoz, Aurélio Conrado Boni, Ademir Cossiello, Sérgio Alexandre Figueiredo Clemente, Candido Leonelli, Alexandre da Silva Glüher, Alfredo Antônio Lima de Menezes, André Rodrigues Cano, Josué Augusto Pancini, Luiz Carlos Angelotti, Marcelo de Araújo Noronha, Nilton Pelegrino Nogueira, Adineu Santesso, Altair Antonio de Souza, Amilton Nieto, André Bernardino da Cruz Filho, André Marcelo da Silva Prado, Antonio de Jesus Mendes, Antonio José da Barbara, Arnaldo Nissental, Cassiano Ricardo Scarpelli, Clayton Camacho, Douglas Tevis Francisco, Fernando Roncolato Pinho, José Luiz Rodrigues Bueno, José Maria Soares Nunes, Júlio Alves Marques, Laércio Carlos de Araújo Filho, Lúcio Rideki Takahama, Luiz Alves dos Santos, Luiz Carlos Brandão Cavalcanti Júnior, Luiz Fernando Peres, Marcos Bader, Marcos Daré, Mario Helio de Souza Ramos, Marlene Morán Milan, Moacir Nachbar Junior, Octavio Manoel Rodrigues de Barros, Paulo Aparecido dos Santos, Roberto Sobral Hollander, Walkiria Schirrmeister Marquetti, Osmar Roncolato Pinho, Denise Pauli Pavarina, Mauro Roberto Vasconcellos Gouvêa e Renato da Cruz Gomes. Declaração: Declaro para os devidos fins que a presente é cópia fiel da Ata lavrada no livro próprio e que são autênticas, no mesmo livro, as assinaturas nele apostas. a) Antônio Bornia – Secretário. Certidão – Secretaria da Fazenda – Junta Comercial do Estado de São Paulo – Certifico o registro sob número 273.708/ 11-9, em 20.7.2011. a) Kátia Regina Bueno de Godoy – Secretária Geral.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

16

e

terça-feira, 26 de julho de 2011

As marcas têm que se modernizar. Caso contrário, o produto fica no passado. Fabio Mestriner, da ESPM

conomia

A eterna renovação do visual As embalagens dos produtos devem ser modificadas de tempos em tempos para manter os consumidores atraídos. Mas a operação inclui riscos.

o ivulgaçã Fotos: D

Neide Martingo

O Creme de Leite Nestlé ganhou nova apresentação, na qual o vermelho, cor incomum em produtos deste segmento, substituiu o azul. A versão light passou a ser identificada pela cor verde.

O

consumidor vai ao supermercado e procura, na gôndola, o produto preferido, mas não o encontra. Minutos depois, olhando com mais cuidado, descobre que o item está lá na prateleira, mas de "roupa nova". A renovação da embalagem, algo considerado fundamental pelos especialistas, pode ser um avanço para uma marca ou um risco capaz de afetar sua identidade. Por isso, é tão importante saber o que mudar, quando fazê-lo e como executar o projeto. O Creme de Leite Nestlé, um dos itens mais tradicionais dessa companhia, está de cara nova. O layout foi reformulado: além da alteração na logomarca, que ganhou formato horizontal e linear, o item exibe novas cores – o azul deu lugar ao vermelho nas embalagens da versão tradicional, e o Creme de Leite light passou a ser identificado pela cor verde. Além disso, ao contrário da embalagem anterior, que tinha um rótulo padrão, cada unidade exibe agora na parte frontal a foto da receita que é apresentada no verso. De acordo com a Nestlé Brasil, a mudança destacou o produto nas gôndolas,

garantindo uma identificação mais rápida e prática para o consumidor. Segundo a empresa, o vermelho da embalagem foi escolhido justamente para se destacar entre as cores que são utilizadas tradicionalmente nessa categoria. Cintura fina – Outro projeto bem-sucedido da Nestlé foi o da nova embalagem do Leite Moça –

um produto tradicional, oferecido em lata. Em 2007, a lata ganhou uma "cintura", exclusiva. "A estratégia foi mudar a linha reta da embalagem, que já era conhecida no creme de leite e em outros segmentos, como o do milho, ervilha e ração para

gatos. A modificação fez com que as vendas triplicassem na época", disse Fabio Mestriner, coordenador do Núcleo de Estudos da Embalagem da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) e responsável pelo projeto da "cintura" do Leite Moça. "As marcas têm que se modernizar. Caso contrário, o produto fica no passado e a venda começa a cair." Tintas – O Café Pilão Origem está também de cara nova e a mudança reduziu os gastos da empresa. Foi desenvolvida embalagem com economia de 70% na tinta de impressão. Resultado: em vez das cores fortes e brilhantes, encontradas nas embalagens do segmento, o consumidor vê um tom clarinho, bastante discreto. A Castelo Alimentos, empresa fundada em São Paulo em 1905, diversificou a apresentação do Vinagre Castelo. A linha ganhou embalagens de vidro, em formato slim, mais fáceis de manusear, com bico dosador para evitar desperdício. Mas, como afirmou Mestriner, é preciso cuidado nestas modificações. "Sempre há risco nas mudanças de embalagem. O importante é que o consumidor não

estranhe a reformulação." Para isso, é preciso levar em conta a teoria de Gestalt: a percepção se dá pelo todo, e não pela soma das partes. "Se a mensagem for mantida, a indústria pode mexer no rótulo, ou no tipo ou tamanho da letra. Quem consome continuará reconhecendo a marca, pois a percepção do todo não foi modificada", disse Mestriner. Uma estratégia bastante utilizada por empresas na hora de mudar a embalagem prevê o aproveitamento de campanhas promocionais como a de Natal, quando o produto ganha apresentação especial. Depois da promoção,

em vez de voltar à embalagem antiga, é lançada a nova versão. "É uma forma de agradar ao consumidor, sem que ele perceba a redefinição." Para Mestriner, a modificação na "cara" de um produto deve ser feita a cada dois anos. Já o coordenador do curso de Design Estratégico do Istituto Europeo di Design (IED), Carlos Zardo Júnior, disse que, antes de fazer uma mudança na marca, a indústria deve providenciar uma pesquisa de mercado. "Mudar sempre desperta preocupação. Mas com embasamento de comunicação, os erros são minimizados."

A lata do tradicional Leite Moça (à esq.) recebeu uma "cintura" em 2007. A mudança contribuiu para triplicar a venda do produto. Acima, mais uma novidade com a marca, o pudim.

Uma marca, vários produtos.

A

estratégia que tem sido adotada de forma cada vez mais intensa pelas empresas é a chamada extensão da franquia. Na prática, significa que as empresas estendem uma marca de um produto, já conhecido do público, para outras categorias, que tenham a ver com o mote central. Para entender melhor: a linha Dove é formada por xampu, condicionador de cabelos, creme para pentear, desodorante e sabonete. Quando o consumidor olha o item, já sabe que ele faz parte da "família" Dove, que é identificada nas embalagens de cor branca, com detalhes em azul. Outro exemplo é a recémlançada comunicação integrada da linha de produtos para o corpo e para o cabelo da Palmolive. O objetivo é revitalizar a marca e fazer com que as cores e o grafismo, que destacam os ingredientes naturais, sejam percebidos pelo público.

Com o objetivo de revitalizar a marca Palmolive, linha de produtos ganha cara única.

I nt er n et – "A verba de marketing das empresas é muito fragmentada atualmente. É preciso divulgar na internet, nas revistas, jornais e nos canais da televisão. Com a identificação dos produtos, as indústrias otimizam os investimentos", disse o coordenador do Núcleo de Estudos da Embalagem da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), Fabio Mestriner.

Segundo ele, uma pesquisa da Nielsen apontou que 80% dos produtos lançados "somem" em até dois anos por falta de verba publicitária. "A extensão da franquia ajuda a marca a sobreviver. Os consumidores são convidados a experimentar um item que pertence a um grupo que eles já conhecem." Mas é preciso cautela na hora de formar esta linha

de produtos. O coordenador do curso de design estratégico do Istituto Europeo di Design (IED), Carlos Zardo Júnior, lembra um exemplo negativo: o lançamento do automóvel modelo Classe A da Mercedes. "Os consumidores da marca não gostaram da popularização do carro. Trata-se de uma linha elitizada, não cabia uma extensão", avaliou Júnior. (NM)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 26 de julho de 2011

17

Deve-se levar em conta os objetivos pelos quais se busca o equipamento Fernando Soares, gerente de novos negócios da HP

nformática Paulo Pampolin/Hype

n GADGETS

Caixinha transforma TV em PC Fnac está vendendo o primeiro netbox do País, um equipamento que habilita o acesso à internet em qualquer TV com entrada HDMI. O FnacBox é montado pela Tecnoworld, em parceria com a Intel e Microsoft. Ele tem um mini-teclado sem fio de 80 teclas. Conectado a uma TV Full HD e a um home theater, o aparelho cria um centro multimídia, no qual o usuário baixa os filmes preferidos. Com chip Intel, 2 GB de RAM, HD de 320 GB e seis entradas USB. Por R$ 999,90.

A

CÂMERAS

Sony lança 3D brasileira câmera digital Cyber-shot WX7, da Sony, é a primeira a ser fabricada no Brasil com tecnologia 3D e uma única lente. O modelo tem 16,2 MPixel e LCD de 2,8 polegadas. Ela tira fotos 3D estáticas ou panorâmicas, além de gravar vídeos em Full HD. Em ambientes de pouca luz, o sensor EXmor CMOS amplia a sensibilidade e evita distorções ou perda de qualidade da imagem. Fotos tremidas também são evitadas porque a câmera tem tecnologia Optical SteadyShot. Por R$ 899

A

GADGETS

Hamilton Yoshida, diretor de marketing da Samsung, empresa que fabrica tanto tablets como netbooks ao redor do mundo, diz que o tablet é usado em especial para quem quer receber informações, lendo publicações digitais. "O acesso à web e os aplicativos são diferenciais."

Vou de tablet ou netbook? Ambos são computadores portáteis criados para atender usuários que precisam de mobilidade, mas as semelhanças param por aí. Saiba qual máquina se encaixa melhor às suas necessidades – no trabalho e no lazer

m dezembro de 2010, a especialista de produto Helena Nacinovic resolveu comprar um tablet. Precisava de um equipamento leve para levar em viagens de negócios (e de lazer) ao redor do mundo. Optou por um iPad e desembolsou 900 euros. Em janeiro de 2011, ela vendeu o equipamento da Apple e comprou um netbook de 11 polegadas, com 500 GB de HD por US$ 800. "Depois de dois dias de uso, percebi que o aparelho não atendia às minhas necessidades. Era um brinquedo caríssimo e sem utilidade", aponta a carioca de 31 anos. "Um exemplo: ele abria todos os sites no formato mobile e, com isso, vários recursos eram perdidos. Usar páginas de banco, em especial, era impossível. Sem contar problemas com backup de fotos, entre outros. Já o netbook é um computador menor, que me permite usar tudo o que preciso e quero como eu bem entendo", comenta a profissional, que tem

E

Peso da balança para iPhone balança BodyScale, da Mobimax, além de monitorar o peso e o IMC (índice de massa corporal) pode compartilhar essas informações e outras (resultados dos exercícios físicos e dieta) pela Web. O aparelho se conecta à rede Wi-Fi, envia os dados para um servidor e este é configurado para transmitir as informações a um iPad, iPhone, Android ou PC. O usuário armazena essas informações ou as compartilha com professores, personal trainers e médicos. A BodyScale também produz relatórios para serem enviados por email. Por R$ 999, nas lojas MyStore

A

SOFTWARES

SÉRGIO VINÍCIUS

também um desktop e um notebo- pequeno, em que o usuário envia e inok, e usa-os para tarefas diárias e clui dados diversos", aponta Hamilton profissionais. Yoshida, diretor de marketing integraO problema enfrentado por Helena é do da Samsung, empresa que fabrica comum. Normalmente, quando se tanto tablets como netbooks ao redor pensa em aparelhos portáteis e de do mundo. "Um tablet é usado em esapoio a computadopecial para quem res mais robustos, quer receber inforcomo desktop ou nomações, seja lendo retebooks, vêm à menvistas digitais, livros, te do consumidor os artigos. O acesso à inDepois de dois netbooks e os tablets. ternet e os aplicativos Entretanto, se paresão diferenciais, asdias de uso, cem ter o mesmo sim como a leitura e percebi que o perfil, são para usos e recepção de conteúaparelho (iPad) aplicações muito dido multimídia." não atendia ferentes, de acordo Por conta dos peràs minhas com especialistas e fis diversos, é indifabricantes entreviscado ao usuário, annecessidades tados pelo Diário do tes de decidir qual HELENA NACINOVIC Comércio. equipamento com"Um netbook é prar, listar suas neideal para quem precessidades. "Devecisa de mobilidade, mas que também se levar em conta os objetivos pelos tem grande necessidade de escrever quais se busca o equipamento. Se a textos, mensagens, artigos, conteúdo pessoa deseja prioritariamente conem geral. Trata-se de um computador sumir conteúdo durante sua mobili-

dade, o tablet pode ser melhor opção", explica Fernando Soares, gerente de novos negócios da HP. "Mas se precisa produzir conteúdo no qual o teclado é determinante, ou se maior capacidade de processamento é importante, o netbook é a melhor escolha." Uso profissional Se, no Brasil, ainda há confusão sobre as aplicações de netbook e de tablets, no exterior já há um mercado formado tanto de um como de outro equipamento. Netbooks são usados por executivos. Tablets funcionam melhor em pontos de venda, e permite grande interação com o público. Segundo Yoshida, na Europa e na Coreia do Sul, os tablets são usados em lojas para demonstrações de produtos para os consumidores. Tornaram-se espécie de vitrines portáteis, facilitando o acesso a descrições e outros dados. "Eles também são usados em hospitais, por exemplo. Em vez dos médicos carregarem fichas dos pacientes, acessam tudo por meio do portátil".

Reservas integradas Cangooroo, sistema de reservas da T4W para trens na Europa, EUA e Canadá, integrou os fornecedores no mesmo sistema online, permitindo assim comparação de preço, reserva, cancelamento de reserva em tempo real e emissão de voucher. Entre as novas funcionalidades, Thiago Campos, diretor da T4W, cita o módulo B2C e a possibilidade de integração com outros sistemas de vendas e back-office através de web services. Mais informações: www.cangooroo.net

O

ACESSÓRIOS

Tubo de som Music Tube, da Multilaser tem qualidade sonora – potência de 10W RMS e sistema de som 2.1, com subwoofer interno para reforço de graves -, e se destaca pelo design arredondado. Sintoniza rádio FM e possui entradas para pen drives e cartões SD. Pode ser conectado no iPhone, iPod, celulares e em PCs. Por R$ 99,90

O


DIÁRIO DO COMÉRCIO

18

terça-feira, 26 de julho de 2011

Nosso produto é leve e rápido, sem comprometer a máquina Marcos DeMello, CEO da PSafe nformática

Nova proteção para a 'nuvem'

Sergio Kulpas sergiokulpas@gmail.com

Compras no metrô

Pacotes de segurança para smartphones e tablets também são lançados pela Kaspersky e McAfee BARBARA OLIVEIRA odo o mundo sabe que a internet é um ambiente totalmente aberto e inseguro para o seu computador. São dois bilhões de pessoas conectadas no mundo e mais de um bilhão de pragas eletrônicas já conhecidas pelas empresas de segurança. Tradicionalmente, de cada 100 máquinas, 86% estão contaminadas. Por isso, é cada vez maior o número de sistemas visando a manter os computadores e aparelhos móveis o mais longe possível de ameaças online. Um dos produtos lançados fica hospedado na nuvem. É o PSafe Protege, da PSafe, empresa brasileira de segurança de dados e pertencente ao grupo Xangô, formado por investidores norte-americanos e brasileiros. O CEO da PSafe, Marcos DeMello, destaca o fato de ele ser o primeiro sistema de segurança baseado na nuvem da América Latina, com 130 servidores localizados no Rio de Janeiro (e não nos Estados Unidos ou Europa, como alguns concorrentes). Por isso, praticamente, não existe latência (lag) na conexão, porque os servidores são locais, garantindo maior performance da máquina, informa DeMello. "Nosso produto é leve e rápido, sem comprometer a máquina, porque em se tratando de segurança, a performance é fundamental". Desde o lançamento, há três meses, a PSafe já conta com 160 mil usuários, mais de 200 mil compu-

T

ALFER

tadores protegidos e cerca de 25 milhões de ameaças removidas dessas máquinas. "O curioso é que cada máquina que teve o PSafe instalado tinha pelo menos dois tipos de contaminação, e 40% delas já possuíam algum outro antivírus rodando sem que detectassem ou eliminassem as pragas. Os usuários nem sabiam que estavam ameaçados", diz o executivo. O pacote de segurança é gratuito. Depois de instalado na máquina, ele faz uma varredura abrangente e atua como uma proteção residente para tudo o que o usuário baixar dali para frente. É recomendável que o internauta realize uma varredura semanal e completa em dia e horário agendados por ele. DeMello destaca que o PSafe Protege, por dispor de dezenas de servidores para analisar e proteger os computadores, já catalogou mais de 700 milhões de tipos de pragas e é capaz de remover 3 milhões delas a cada 24 horas, entre

vírus, trojans, malwares, spywares, códigos maliciosos e outros que violam a privacidade. O ambiente cloud permite que os vários servidores trabalhem simultaneamente fazendo o trabalho "pesado" de detecção e deixando o computador do usuário livre para suas tarefas. Em setembro, a PSafe vai lançar um pacote pago de armazenamento na nuvem, o LockBox, com backup criptografado e em três configurações: 25 GB, por R$ 10 mensais; 50 GB, por R$ 20 e o de 250 GB que vai custar R$ 30. Mobile - As pragas eletrônicas também ameaçam os ambientes móveis, especialmente o Android, o sistema operacional mais popular e para o qual já foram detectados mais de 3.300 vírus. A Kaspersky lançou em português e para comercialização no site da empresa, o pacote Mobile Security 9, para Android, Symbian, Windows Mobile e BlackBerry, que protege contra roubos, perdas, vírus e malwares móveis quando o

usuário está usando a internet. O produto age, também, como um filtro antispam nos SMSs e é utilizado por mais de cinco milhões de pessoas no mundo. Além da versão online, a Kaspersky está comercializando a partir deste mês, no Brasil, o produto em CD. O usuário pode instalar o software no seu PC e sincronizar com o smartphone, ou digitar o código da licença da caixa no celular, assim, o servidor reconhecerá o modelo do aparelho e o sistema operacional para instalar o produto. O pacote custa R$ 24,90, numa promoção válida por 60 dias. O McAfee Mobile Security, para smartphones e tablets Android, BB, Symbian e Windows Phone, é outro produto que amplia a segurança dos dispositivos móveis, não só na hora do roubo (com proteção de dados), mas também dos vírus e spywares e de sites de phishing que se apoderam das informações pessoais. Em vários idiomas, inclusive o português, o pacote móvel pode ser comprado no site da McAfee ou na loja Android Market por US$ 29,99 anuais.

S ERVIÇO http://brazil.kaspersky.com/ produtos/produtos-parausuarios-domesticos/mobilesecurity https://market.android.com/ https://www.mcafeemobile security.com/default.aspx www.psafe.com

O

s países asiáticos (em particular o Japão e a Coreia do Sul) sempre estiveram na vanguarda das tecnologias aplicadas ao varejo. Em boa parte devido a uma variedade de características sociais, esses países sempre foram pioneiros na aplicação de novas tecnologias ao comércio. Questões como horários rígidos para o funcionamento de lojas, leis trabalhistas, as longas horas de trabalho dos consumidores e outros fatores contribuíram para que esses países buscassem soluções inovadoras no varejo. Um bom exemplo é a iniciativa da rede Home Plus, uma subsidiária da rede britânica de supermercados Tesco. A Home Plus instalou uma loja virtual do tamanho de uma vitrine nas plataformas do metrô em Seul, na Coreia. O painel eletrônico exibe os produtos em tamanho real, para facilitar a visualização e atrair o olhar do consumidor que passa pelos corredores (veja o vídeo em http://youtube/nJVoYsBym88 ). Cada produto na vitrine eletrônica tem um código QR (quick response code, um diagrama em 2D que funciona como um código de barras). O consumidor seleciona os produtos de interesse e fotografa cada QR com o celular usando um aplicativo específico da rede Home Plus. Os produtos são colocados em um carrinho de compras virtual. Quando a compra é concluída, os produtos são enviados para a casa do consumidor em um período de 24 horas. A Home Plus informa que o novo sistema representou um aumento de 130% nas vendas, com mais de 10.000 usuários regulares da vitrine virtual. A loja virtual da Home Plus indica acima de tudo que há considerável espaço

para inovação no setor de varejo cibernético. Os Estados Unidos, por exemplo, possuem um imenso mercado que é bastante maduro, mas que aproveita poucas oportunidades nessa fronteira do comércio tecnológico. Segundo dados do Censo de 2008, apenas 0,2% das compras de bebidas e alimentos feitas nos EUA são realizadas online. Segundo o pesquisador Abel Sanchez, do Engineering Systems Laboratory do M. I. T., a tecnologia aplicada aos supermercados está em pleno processo de revolução. Caminho – Sanchez compara as atuais tecnologias de comércio com a própria web. Nos anos 90, a web era unidirecional em seu modo de acesso. Hoje, é feita de interatividade e transações bidirecionais. O pesquisador diz que as tecnologias do varejo vão seguir o mesmo caminho. A Tesco está conquistando um novo público na Coreia com uma experiência virtual de compras que atrai os consumidores em trânsito. Como o vizinho Japão, a Coreia já está acostumada à outra metade da transação virtual: os consumidores podem realizar toda a compra através de um smartphone – o padrão G3 foi adotado lá há anos, antes mesmo dos EUA e Europa. Com isso, o consumidor coreano vive um momento avançado do varejo: em seu cotidiano urbano apressado, o cliente pode ver em uma vistosa vitrine digital os produtos que precisa, sacar o celular, escanear os códigos dos itens desejados, somar a compra, obter descontos e cupons quando estiverem disponíveis, pagar através de uma conexão do celular com a conta bancária, e esperar a entrega dos produtos em no máximo um dia. É útil e bem-vindo. Um exemplo para todas as iniciativas que buscam sucesso nessa área.

Diário do Comércio  

26 jul 2011

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you