Issuu on Google+

Paulo Pampolin/Hype

O prefeito Gilberto Kassab, o presidente da ACSP Rogério Amato e o vice-governador Guilherme Afif Domingos entre os representantes dos vencedores do prêmio Balanço Anual/Melhores dos Maiores 2012

Criatividade, competência, gestão, estratégia... Tudo isso e muito mais é necessário para o sucesso de uma empresa – principalmente diante de dificuldades como as do último ano. E as 19 que mais se destacaram foram homenageadas ontem à noite com o prêmio Balanço Anual/Melhores dos Maiores , organizado pela Associação Comercial de São Paulo e pelo Diário do Comércio com o apoio da Boa Vista Serviços, Escola de Administração de Empresas de São Paulo e Fundação Getúlio Vargas. "O Brasil não é mais apenas o país do futuro, mas também do presente", disse Rogério Amato, presidente da ACSP, referindo-se ao papel do empresariado na construção de uma Nação que continuará crescendo. E ele já prometeu uma premiação ainda maior em 2013. Págs. 11, 13 e 14 Ano 87 - Nº 23.716

Conclusão: 00h05

Jornal do empreendedor

www.dcomercio.com.br

Servidor federal ganha muito mais

R$ 1,40

Página 4

São Paulo, terça-feira, 25 de setembro de 2012

Diferença em relação ao setor privado chega a 101,3%. Pág. 18

Luiz Prado/LUZ

QUADRILHA

Ele relacionou o Mensalão ao "estilo de governar" do PT no último debate da ACSP com os candidatos (acima, Serra com o presidente Amato e o vice-governador Afif). Pág. 7

TRE manda buscar e prender o presidente do Além da prisão do executivo, TRE-MS ordena suspensão do YouTube e Google no Estado por 24 horas. Motivo: desobediência. É que não foram tirados do ar dois vídeos contra candidato em Campo Grande. Pág. 7

DESMASCARADA O ministro Lewandowski, revisor do Mensalão, segue relator na condenação de Valdemar Costa Neto (foto), deputado federal e ex-presidente do Partido Liberal (PL, atual PR), Jacinto Lamas, ex-tesoureiro da sigla, pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. Pág. 5

Joedson Alves/AE/23/8/2005

Serra: contra o estilo Mensalão.

Eduardo Munoz/Reuters

Agora, 'Jadinho' paz e amor diz não acreditar nas ameaças de Israel. Na ONU, Ahmadinejad, presidente do Irã, provoca: "Israel não têm tradição no Oriente Médio". Pág. 8

Um seguro-saúde para seu smartphone O celular caiu doente? O Pitzi é um novo serviço de proteção e cura de seu telefone de estimação. Informática. Pág. 20 ISSN 1679-2688

23716

9 771679 268008

Alex Ribeiro/DC

EMPRESAS CAMPEÃS NO PÓDIO DA ACSP


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Empresa que lucra investe, paga impostos e busca qualidade para não perder mercado. Aristóteles Drummond

pinião

ARISTÓTELES DRUMMOND

MAIS LUCROS E MENOS SUSTOS

A

Ficar parado é retroceder

N

a semana que passou digladiaram-se os governos do Brasil e dos Estados Unidos em torno de uma carta de protesto dos americanos contra o protecionismo brasileiro. No texto, as autoridades americanas teriam afirmado que o protecionismo brasileiro estaria prejudicando o acesso dos exportadores dos EUA ao nosso mercado. Não se sabe como vazou o conteúdo da carta. Há hipóteses para todos os gostos. Uma delas é a possibilidade de uma bravata contra o oponente interessar eleitoralmente a um dos dois governos. A despeito da batalha epistolar, o que importa notar é que o protecionismo é ruim, tanto para quem o pratica como para quem o sofre. O protecionismo consiste em privilegiar alguns segmentos ou empresas em detrimento dos demais. Quando se subsidia apenas uma empresa ou atividade, ou somente um grupo delas, pratica-se uma forma de protecionismo. Outra forma de protecionismo consiste em aumentar as barreiras à importação, quer pelo aumento do imposto, quer pela imposição de quotas e outras restrições ao acesso em igualdade de condições ao mercado nacional. Essas modalidades de protecionismo criam uma reserva de caça para os produtores nacionais. Elas são empregadas contra os produtores estrangeiros que pretendem vender no mercado nacional a preços mais baixos que os praticados pelos fabricantes locais. Pratica-se, por fim, o protecionismo quando se oferece crédito a algumas empresas ou segmentos produtores em condições mais facilitadas que a outras,

ROBERTO FENDT como nos financiamentos do BNDES. Pouco importa, do ponto de vista dos consumidores, se os estrangeiros são mais eficientes ou se são subsidiados por seus governos. O protecionismo pesa mais no bolso dos consumidores. É fácil dizer que o comércio internacional é via de mão dupla, mais difícil praticar essa regra de trânsito. Particularmente quando a economia se encontra à beira da recessão e o mundo quase todo busca mercados no exterior para compensar a queda na demanda interna.

H

á uma grande pressão para transformar a mão dupla em mão única usando o argumento do desemprego. O argumento pressupõe que somente a produção para o mercado interno gera empregos, o mesmo não ocorrendo com a produção e vendas para o mercado externo. Nesse contexto, é salutar perceber que algumas vozes dentro do governo enxergam os riscos de nos mantermos na defensiva diante da concorrência internacional.

Tem razão o chanceler Antônio Patriota quando alerta seus colegas de governo quando diz que o país tem que avançar e que ficar parado, no momento atual, é retroceder.

A

vançar, concretamente, significa não bater boca para saber quem, o Brasil ou os EUA, é mais protecionista. Não criam mercados para nossos produtos simplesmente dizer que as medidas tomadas recentemente para estimular a produção nacional estão em conformidade com os compromissos acordados pelo País na Organização Mundial de Comércio. Também não o faz acusar a política monetária americana de valorizar o real e tornar menos competitivos nossos produtos no exterior. Da parte deles, é contraproducente o queixume epistolar, que somente gera de nosso governo reações retóricas contrárias. O que necessitamos é buscar acordos que abram mercados para os produtos

Pouco importa se os estrangeiros são mais eficientes ou se são subsidiados por seus governos. O protecionismo pesa mais no bolso dos consumidores.

brasileiros no exterior. Está há anos aguardando prosseguimento as negociações para um acordo de livre comércio entre o Mercosul e a União Europeia. Outras possibilidades de acordos da mesma natureza aguardam que o governo abandone a defensiva e parta para o ataque, mas usar a metáfora futebolística tão do gosto do governo anterior. Já perdemos a oportunidade de ter ao nosso lado o principal parceiro no Mercosul, a Argentina, para levar a bom termo um acordo com a União Europeia. A marcha da insensatez no país vizinho tornou-se um forte empecilho ao acordo. Se o Paraguai e o Uruguai podem alinhar-se conosco em um esforço negocial com a União Europeia, é fútil imaginar qualquer tipo de abertura – para não dizer racionalidade – do atual governo venezuelano, agora também parceiro no Mercosul.

N

ão precisamos adicionar a essas dificuldades com os parceiros do Mercosul uma cautela em enfrentar o desafio do comércio externo. Não podemos ficar parados nas negociações de abertura de mercado com quaisquer parceiros que assim o desejem, esperando que a economia retome o rumo do crescimento sustentado. Há muito a ganhar com a maior abertura da economia. Foi esse caminho que gerou a enorme prosperidade do pósguerra, na Europa, nos Estados Unidos, e mais recentemente na Ásia. Não podemos deixar que adversidades econômicas transitórias nos impeçam de ter um projeto de longo prazo para o País, bom para os produtores, mas também para os consumidores.

E

mpresa que lucra investe, paga impostos e busca qualidade para não perder mercado. E as nossas estão muito defasadas, a começar pela siderurgia. A CSN, sucateada – a nova CSA não decolou e nem consegue ser vendida pelo valor de seu endividamento. O setor financeiro voltou a preocupar. A cada dia surge uma novidade na área, sempre com fusões e parcerias majoritariamente com recursos públicos. Alguns

A economia anda sendo vista pelo seu lado teórico, acadêmico, quando não ideológico. Deve ser encarada pelo lado real.

setores fortes na manutenção da circulação do dinheiro e da ocupação de fornecedores vivem de vantagens fiscais que não podem nem devem se eternizar. É preciso uma reforma tributária para valer e não remendos provisórios.

A

Europa reconheceu que os salários e gratificações estavam altos e cortou para valer, no setor público e no privado. Aqui, o assunto é tabu e só se fala em aumentos salariais sem a contrapartida de melhores resultados. É necessária uma comparação com os custos praticados em outros países. Quem anda nas grandes cidades do Brasil, habitua-se a ver casas comerciais fechando as portas. E o maior empregador do País é o comerciante. Não podemos nos tornar uma sociedade de funcionários públicos ou de estatais. Está provado que não é por aí. Muito pelo contrário! A economia anda sendo vista pelo seu lado teórico, acadêmico, quando não ideológico. Deve ser encarada pelo lado real. ARISTÓTELES DRUMMOND É JORNALISTA E VICE-PRESIDENTE DA

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DO RIO DE JANEIRO. aristotelesdrummond@mls.com.br

IMPOSTÔMETRO NÃO É ASSUNTO PARA IMPOSTORES Quero parabenizar a ACSP pela iniciativa. Com essas medidas a população fica sabendo para aonde vai o nosso dinheiro. Jorge Alves – São Paulo

Os governos federal, estadual e municipal arrecadam bem, mas gastam mal, aí reside

toda a questão, daí a necessidade desta ferramenta que é o impostômetro monstrando cada vez mais a necessidade de uma reforma tributária ampla, geral e irrestrita, passando inclusive por estados e municípios. Joel Antonio Rosa – São Paulo

ROBERTO FENDT É ECONOMISTA

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Claudio Vaz Edy Luiz Kogut Érico Sodré Quirino Ferreira Francisco Mesquita Neto João de Almeida Sampaio Filho João de Favari Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Paulo Roberto Pisauro Renato Abucham Roberto Faldini Roberto Mateus Ordine

s empresas brasileiras têm perdido lucratividade nos últimos anos em função da carga fiscal – a começar pela parte que incide nas despesas com pessoal e energia. E da infraestrutura insuficiente e ineficiente. E parceria não é para o governo ganhar dinheiro nem controlar os projetos, mas sim oferecer melhores serviços ao usuário. Uma questão de mentalidade. A queda nos ganhos vem acompanhada pelas perdas em produtividade, pois a velocidade da implantação de ferramentas modernas de gestão é inferior a dos demais países. Fora a falta da mão de obra qualificada, que impede a ocupação da capacidade ociosa de nossa indústria. O orçamento da União é robusto, apesar de tão comprometido com as despesas de pessoal que cresceram demais nos últimos dez anos. Mas o dinheiro é gasto de maneira inadequada e não apenas pela corrupção. Tanto quanto esta é a própria incompetência, a falta de controles efetivos da sociedade.

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, João de Scantimburgo, Marcel Solimeo Diretor-Responsável João de Scantimburgo (jscantimburgo@acsp.com.br) Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Edito r-Ch efe : José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br) Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br) Editores Seniores: Bob Jungmann (bob@dcomercio.com.br), Carlos de Oliveira (coliveira@dcomercio.com.br), chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), José Roberto Nassar (jnassar@dcomercio.com.br), Luciano de Carvalho Paço (luciano@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Luiz Antonio Maciel (maciel@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br) Editor de Fotografia: Alex Ribeiro Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Fernando Porto (fporto@dcomercio.com.br), Ricardo Ribas (rribas @dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br) Subeditores: Marcus Lopes e Rejane Aguiar Redatores: Adriana David, Eliana Haberli e Evelyn Schulke, Ricardo Osman, Tsuli Narimatsu Repórter Especial: Kleber Gutierrez (kgutierrez@dcomercio.com.br), .Repórteres: André de Almeida, Fátima Lourenço, Guilherme Calderazzo, Ivan Ventura, Karina Lignelli, Kelly Ferreira, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mariana Missiaggia, Mário Tonocchi, Paula Cunha, , Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves, Sandra Manfredini, Sílvia Pimentel, Vera Gomes e Wladimir Miranda. Gerente Executiva e de Publicidade Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estado, Folhapress, Efe e Reuters Impressão OESP GRÁFICA S/A Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3180-3175. Fax 3180-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3180-3197, 3180-3983, Fax 3180-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3180-3544, 3180-3176 , Fax 3180-3355 Esta publicação é impressa em papel certificado FSC®, garantia de manejo florestal responsável, pela Oesp Gráfica.

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3180-3737 REDAÇÃO (011) 3180-3449 FAX (011) 3180-3046, (011) 3180-3983 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 25 de setembro de 2012

o

3

S O M O S L E VA D O S A F A Z E R O Q U E P E N S A M O S Q U E Q U E R E M O S

pinião

Conduzidos à força

A

bortismo, casamento gay, quotas raciais, desarmamento civil, regulamentos ecológicos draconianos, liberação das drogas, controle estatal da conduta religiosa, redução da idade de consentimento sexual para 12 anos ou menos: tais são, entre alguns outros, os ideais que fazem bater mais forte o coração de estudantes, professores, políticos, jornalistas, ongueiros, empresários "esclarecidos" e demais pessoas que monopolizam o debate público neste País. Nenhuma dessas propostas veio do povo brasileiro ou de qualquer outro povo. Nenhuma delas tem a sua aprovação. Isso não importa. Elas vêm sendo e continuarão sendo impostas de cima para baixo, aqui como em outros países, mediante conchavos parlamentares, expedientes administrativos calculados para contornar o debate legislativo, propaganda maciça, boicote e repressão explícita de opiniões adversas e, last not least, farta distribuição de propinas, muitas delas sob a forma de "verbas de pesquisa" oferecidas a professores e estudantes sob a condição de que cheguem às conclusões politicamente desejadas. De onde vêm essas ideias, a técnica com que se disseminam e o dinheiro que subsidia a sua implantação forçada? A f o n t e d e s s e s t r ê s e l ementos é única e sempre a mesma: a elite bilionária fabiana e globalista que domina a rede bancária mundial e tem nas suas mãos o controle das economias de dezenas de países, as sim como da to-

OLAVO DE CARVALHO talidade dos organismos internacionais reguladores. Nada nos seus planos e ações é secreto. Apenas, para perceber a unidade de um empreendimento cuja implementação se estende por todo um século e abrange as contribuições de milhares de colaboradores altamente preparados – uma plêiade de gênios das humanidades e das ciências.

É

preciso reunir e estudar uma massa de fatos e documentos que está infinitamente acima das capacidades da população em geral, aí incluído o "proletariado intelectual" das universidades e da mídia onde esse mesmo empreendimento colhe o grosso da sua militância e dos seus idiotas úteis. Em geral, nem seus adeptos e servidores, nem a população que se horroriza ante os resultados visíveis da sua política têm a menor ideia de quem é o agente histórico por trás do processo. Os primeiros deixam-se levar pelo atrativo aparente das metas nominais proclamadas e acreditam piamen-

te – ó céus! – estar lutando contra a "elite capitalista". A população vê o mundo piorando e de vez em quando se revolta contra esta ou aquela mudança em particular, contra a qual brande em vão os mandamentos da moralidade tradicional, sem que nem em sonhos lhe ocorra a suspeita de que essas reações pontuais e esporádicas já estão previstas no esquema de conjunto e canalizadas de antemão no sentido dos resultados pretendidos pela elite iluminada.

P

ara explicar a confortável invisibilidade que, após décadas de ação ostensiva em todo o mundo, o mais ambicioso projeto revolucionário de todos os tempos continua desfrutando, não é preciso nem mesmo apelar ao famoso adágio esotérico de que "o segredo se protege a si mesmo". No meio do quadro há, é claro, alguns segredos, bem como a supressão de notícias indesejáveis, ordenada desde muito alto e praticada com notável subserviência pela classe jornalística. Mas esses não são, nem de longe, os fatores decisivos. O que tem feito das populações as vítimas inermes de mudanças que elas não desejam nem compreendem são três fatores: (a) a luta desigual entre uma elite intelectual e financeira altissimamente qualificada e a massa das pessoas que não recebem informação nem educação senão dessa mesma fonte; (b) a continuidade do projeto ao longo de várias gerações, transcendendo o horizonte de visão histórica de cada uma delas;

(c) a prodigiosa flexibilidade das concepções fabiano-globalistas, cuja unidade reside inteiramente em objetivos de longuíssimo prazo e que, na variedade das situações imediatas, sabem se adaptar camaleonicamente às mais diversas exigências ideológicas, culturais e políticas, sem nenhum dogmatismo, sem nada daquela rigidez paralisante dos velhos partidos comunistas. Para enxergar a unidade e coerência por trás da diversidade alucinante das ações empreendidas por essa elite em todo o mundo ocidental, é preciso, além da massa de da-

dos, alguns conceitos descritivos que o "cientista social" vulgar ignora por completo.

É

preciso saber, por exemplo, que as "nações" e as "classes" não são nunca sujeitos agentes da História, mas apenas o excipiente com que os verdadeiros agentes injetam no corpo do tempo a substância ativa dos seus planos e decisões. Isto deveria ser óbvio, mas quem, numa intelectualidade acadêmica intoxicada de mitologia marxista (ou, em parte, de formalismo doutrinário liberal-conservador), entende que só grupos e entidades capazes de durar inaltera-

As nações são apenas o excipiente com que os verdadeiros agentes injetam no corpo do tempo a substância ativa dos seus planos e decisões

damente ao longo das gerações podem ter a veleidade de con duzir o processo histórico? Entre esses grupos desta cam-se, é claro, as famílias di násticas, de origem nobre ou não, que hoje constituem o núcleo vivo da elite globalis ta. Quando essas famílias têm a seu serviço a classe acadê mica mundial, os organismos reguladores internacionais, o grosso das empresas de mí dia, a rede planetária de ONGs e, por meio destas, até a mas sa de militantes en r a g é s que imaginam combater aqueles que na verdade os dirigem quem pode resistir a tanto po der concentrado?

D

ecerto, só os dois esque mas globalistas concor rentes, o russo-chinês e o islâmico. Mas o "mundo melhor" que eles prometem não é nem um pouco mais humano, nem mais livre, do que aquele para o qual a elite fabiana está nos con duzindo à força. OLAVO DE CARVALHO É ENSAÍSTA JORNALISTA E PROFESSOR DE FILOSOFIA

PLANOS DE SAÚDE CONTAMINAM AVALIAÇÃO DO SUS O JANUÁRIO Robson Fernandjes/AE

Ibope ouviu usuários do sistema público de saúde de São Paulo e constatou enorme aprovação. O instituto entrevistou usuários de cinco programas. O Remédio em Casa é aprovado por 100% deles; as AMAs Especialidades, por 95%; a Distribuição Gratuita de Medicamentos, por 94%; as AMAs, por 90%, e o Mãe Paulistana, por 89%. Essa aprovação contrasta radicalmente com aquilo que é apresentado por candidatos da oposição na TV. Segundo eles, a saúde pública em São Paulo é ruim e mal avaliada pelos usuários. Como contraponto, mostram exemplos de cidades que deveríamos copiar, com suas UPAs e coisa e tal. A avaliação obtida pelo Ibope contrasta também com outro dado utilizado pelas campanhas de oposição. Pesquisa Datafolha divulgada no dia 21 de julho revela que, para 29% dos eleitores paulistanos, o principal problema da cidade é a saúde. Como pode uma área atendida por um sistema aprovado de forma tão clara por seus usuários ser apontada como maior problema da cidade? Logo que assumiu a Prefeitura, em 2005, José Serra fez grandes investimentos em saúde, política que foi mantida por Gilberto Kassab. Eles se concentraram na solução dos problemas mais

pronto-socorro, longa espera por cirurgias e consultas etc. Tudo o que o poder público em São Paulo atacou com determinação nos últimos anos e, a julgar pela avaliação dos usuários do SUS, com sucesso. Esses mesmos problemas, hoje, angustiam os usuários dos planos de saúde.

N

Conforme pesquisa do Ibope, o programa Mãe Paulistana foi aprovado por 89% dos usuários. recorrentes e tradicionais do sistema público de saúde: filas, falta de medicamentos e má qualidade do atendimento.

A

criação das Assistências Médicas Ambulatoriais (AMAs), das AMAs Especialidades e a construção de dois novos hospitais municipais, os primeiros em 17 anos, diminuíram filas. As melhores entidades médicas do País viraram parceiras da Prefeitura na gestão do sistema. Nessa lógica perversa e sem compromisso com a verdade da oposição, quem deveria nos servir de exemplo? O Rio de Janeiro, onde o governo federal

despejou dinheiro para estruturar a rede, copiando o que foi criado em São Paulo. O Rio avançou muito, mas lá também a saúde foi apontada pelo Datafolha como o principal problema da cidade, por 46% dos cariocas. A mesma tendência se verificou em outras quatro capitais, com a saúde na liderança dos problemas: Recife (18%), Belo Horizonte (33%), Porto Alegre (36%) e Curitiba (37%). Isso sem falar que em janeiro deste ano o mesmo Datafolha identificou que 39% dos brasileiros consideravam a saúde como maior problema do Brasil. Não parece razoável que anos de pesado

investimento tenham resultado em piora do atendimento, como parece sugerir a pesquisa Datafolha. Mas talvez uma terceira pesquisa possa ser a resposta para esse aparente paradoxo.

T

rata-se de levantamento do mesmo Datafolha, encomendado pela Associação Paulista de Medicina, para avaliar planos de saúde privados, sob a ótica de seus clientes. A principal conclusão evidencia que 77% dos usuários tiveram problemas com seus planos de saúde nos últimos dois anos. As reclamações apontadas lembram o estereótipo do SUS: filas em

a pesquisa sobre o principal problema da cidade, todos os eleitores são entrevistados. Quem não usa a rede municipal de saúde acaba se baseando em sua experiência com a medicina privada e na imagem que tem da saúde pública, moldada pela imprensa. Uma notícia sobre filas em um hospital público em local distante do Brasil, por exemplo, influencia a imagem que o paulistano tem do SUS, e, assim, prejudica a avaliação sobre o sistema em sua cidade, por mais que, ali, funcione bem. Cerca de 45% dos paulistanos usam convênios médicos. Os 80% destes que se queixam de seus planos correspondem, portanto, a mais de 30% da população da cidade. Isso pode explicar os números do Datafolha sobre o principal problema de São Paulo: descontente com a rede privada, seu usuário aponta a saúde como maior problema da cidade. O número acaba servindo de munição para

MONTONE a oposição na campanha eleitoral. Os candidatos atacam, assim, um serviço público que, segundo a avaliação de seus usuários, tem boa qualidade e seguramente vem melhorando.

É

uma clara deturpação da realidade como mostrou a própria pesquisa Datafolha nas seis capitais, lembrando que sozinha São Paulo tem quase a população das outras cinco somadas e que, em pesquisa nacional de janeiro deste ano, o mesmo instituto apurou que 39% consideravam a área da saúde o maior problema do Brasil. É inaceitável que tentem iludir o eleitor pinçando casos isolados, criando 'factoides e mesmo faltando com a verdade abertamente, como vem sendo feito com a área da saúde em São Paulo. Além disso, pode ser perigoso, pois o eleitor que usa o sistema de saúde pública da Prefeitura aprova o serviço e vê quando espertalhões mentem sobre sua condição, passando a desconfiar de todas as informações que eles divulgam. JANUÁRIO MONTONE É SECRETÁRIO MUNICIPAL DA SAÚDE


4

DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 25 de setembro de 2012


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 25 de setembro de 2012

5 MENSALÃO Na hora do voto, relator e revisor divergem menos do que se fala.

olítica

ÉTICA Pertence não reelege indicados e renuncia ao cargo de presidente.

Ed Ferreira/AE

Mensalão: aumenta a fila dos condenados. C O revisor Ricardo Lewandowski votou pela condenação de mais seis réus

Ricardo Lewandowski: revisor acompanha em boa parte as decisões do relator Joaquim Barbosa.

Ressentido, Pertence deixa a Comissão de Ética. Decisão será comunicada hoje. Ele alegou "mudança radical" do colegiado.

S

epúlveda Pertence anunciou ontem que vai deixar a presidência da Comissão de Ética Pública da Presidência da República um ano antes do término do seu mandato. O motivo da renúncia, que será encaminhada hoje à presidente Dilma Rousseff, "é a mudança radical" na composição do colegiado. Pertence lamentou a não recondução, pela presidente Dilma, dos conselheiros Marília Muricy e Fábio de Sousa Coutinho, que haviam sido indicados por ele. A recusa foi um "fato inédito", observou. Ao deixar a reunião da comissão, no Palácio do Planalto, Pertence, que é ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), lamentou o ocorrido e mencionou que, na história da comissão, "ao que me parece", nunca havia acontecido a não recondução – no caso, "dos dois nomes eu tive a honra de indicar". Tensão – Um dos momentos críticos da relação da comissão com a presidente Dilma ocorreu em dezembro do ano passado, quando o grupo decidiu recomendar a exoneração do então ministro do Trabalho, Carlos Lupi (PDT). Além disso, a decisão chegou ao conhecimento da Presidência da República pela mídia e num momento em que o Palácio do Planalto buscava Sepúlveda Pertence: os nomes que ele indicou não foram reconduzidos pela presidente. Preferiu sair.

contornar uma crise na pasta do Trabalho em razão de denúncias de irregularidades em convênios do ministério. Na época, o Planalto recebeu o relatório a contragosto, pelo fato de que boa parte dele era baseado em reportagens da imprensa. A autora do relatporio, Marília Muricy, chegou a cobrar publicamente a presidente Dilma, de que respeitasse "as regras do jogo democrático".

O colegiado não será prejudicado pela renúncia de Pertence. A comissão independe dos seus membros. AMÉRICO LACOMBE, INTERINO. No dia 3, Dilma poderia ter reconduzido Marília e Fábio, mas ela preferiu nomear três novos integrantes para a comissão. Pertence, cujo mandato terminaria em dezembro de 2013, achou melhor sair para se dedicar à advocacia. Conselheiros – Os novos integrantes que assumiram ontem a comissão são Marcelo Alencar de Araújo, procurador do Distrito Federal; Antonio Modesto da Silveira, advogado atuante na área de direitos humanos e integrante do grupo Tortura Nunca Mais, e Mau-

ro de Azevedo Menezes, advogado trabalhista. Eles ficam no cargo por três anos e podem ser reconduzidos uma vez por igual período. Trabalho segue – Américo Lacombe, interinamente na presidência, disse que o trabalho no colegiado não será prejudicado pela renúncia de Pertence. "De jeito nenhum", garantiu. "A comissão independe dos seus membros. A comissão existe independentemente de quem a compõe", assegurou Lacombe. Tanto assim que, após a posse dos três novos conselçheiros e a renúncia de Pertence, os trabalhos da comissão foram retomados. Lacombe pretendia apresentar, ainda ontem, voto sobre o uso de jatinho fretado por empresário pelo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, para participar de um seminário em Roma, em outubro do ano passado. O presidente interino informou ainda que a análise de outro caso relacionado a Pimentel, o de prestação de consultorias em 2009 e 2010, período em que não exercia cargo público, foi redistribuída e o novo relator é Mauro de Azevedo Menezes. De acordo com Lacombe, a eleição do novo presidente da Comissão de Ética deverá ocorrer quando o colegiado estiver completo, com sete integrantes. Para tanto, Dilma terá de nomear mais três novos conselheiros. (Agências) Fábio Rodrigues Pozzebom/ABr – 24.04.12

om o voto do ministro Ricardo Lewandowski, revisor do Mensalão no Supremo Tribunal Federal (STF), o deputado federal Valdemar Costa Neto, ex-presidente do PL, atual PR, ficou ontem mais perto da condenação pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. Lewandowski acompanhou o entendimento do relator, ministro Joaquim Barbosa. Com dois votos contrários, dificilmente Valdemar vai conseguir se livrar da condenação. O revisor também condenou por formação de quadrilha Pedro Corrêa, ex-presidente do PP; João Cláudio Genú, ex-assessor do PL, e o sócio da corretora Bônus Banval, Enivaldo Quadrado. Barbosa também já havia condenado Corrêa por corrupção passiva. Nesses dois pontos, relator e revisor concordaram e praticamente definiram a situação de Corrêa. Além disso, Lewandowski condenou o ex-deputado Bispo Rodrigues (PL-RJ) por corrupção passiva, mas o absolveu do crime de lavagem de dinheiro. Vantagem indevida – Valdemar Costa Neto foi acusado de ter recebido a maior quantia do Mensalão: R$ 8,8 milhões. Já era deputado e presidia na época o PL. "O réu Valdemar recebeu valores do corréu. Marcos Valério em razão de sua condição de parlamentar, o que configura recebimento de vantagem indevida, condição suficiente para indicar

Mensalão prática de corrupção passiva", afirmou Lewandowski. Além disso, o revisor considerou que o deputado se valeu da intermediação de uma empresa para ocultar a origem criminosa do dinheiro. "Houve um contrato simulado para justificar esse trânsito de R$ 6

Lamas era uma pessoa fundamental nesse esquema. Ele era um espécie de leva e traz do Valdemar Costa Neto. RICARDO LEWANDOWSKI milhões de reais pela Garanhuns que, a meu ver, era uma verdadeira lavanderia de dinheiro para repasse de valores aos integrantes do PL". Ele votou pela condenação de Jacinto Lamas, ex-tesoureiro do PL. "Ele era um pessoa fundamental nesse esquema. Ele era um espécie de leva e traz de Costa Neto". Enqua-

drou Lamas nos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. O irmão, Antonio Lamas, foi absolvido dessas três acusações pelo revisor que, neste caso, também seguiu Barbosa. Delator – Na sessão de amanhã, Lewandowski deve concluir a leitura do seu voto, quando analisará a situação de Roberto Jefferson, presidente nacional do PTB e delator do Mensalão, e do ex-deputado José Borba (PMDB-PR). As especulações indicam que o revisor vai seguir o relator e condená-los por corrupção, mas absolvê-los da acusação de lavagem de dinheiro. Apesar da concordância, Barbosa chegou a interromper Lewandowski para questioná-lo por que estava condenando Costa Neto se havia absolvido Corrêa. "Acho que o senhor Costa Neto vai reclamar e com razão", afirmou. Lewandowski explicou que os casos eram diferentes e que na situação do deputado do PR houve ação deliberada para omitir os recursos. O revisor absolveu ainda Breno Fischberg, sócio da Bônus Banval, de lavar dinheiro, e o deputado Pedro Henry (PP-MT) de corrupção passiva. João Cláudio Genú também foi absolvido de lavagem de dinheiro, mas condenado por corrupção passiva e formação de quadrilha. O assessor "não era um mero intermediário", justificou Lewandowski. "Era o encarregado de fazer os repasses ilícitos PL". Ao todo, foram R$ 4,1 milhão. (Agências)

Pedro Ladeira/Frame/AE

Roberto Gurgel: procurador não viu vantagem indevida do parlamentar e pediu para STF arquivar a ação.

Deputado pediu empréstimo a Cachoeira. E não foi crime. Entendimento é da PGR, que pediu o fim do processo contra Stepan Nercessian.

O

procurador-geral da República, Roberto Gurgel, enviou ontem parecer ao Supremo Tribunal Federal (STF) solicitando que seja arquivado o inquérito instaurado para apurar ligações do deputado federal Stepan Nercessian (PPS-RJ) e o grupo do bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. De acordo com apuração feita pelo site G1, Gurgel entendeu que não há indícios de que Stepan tenha obtido vantagem indevida de Cachoeira na condição de parlamentar. O inquérito foi aberto em abril e está sob a relatoria do ministro Ricardo Lewandowski. É

dele a decisão de arquivar ou não o inquérito, mas, geralmente, quando o procurador pede, é atendido. Stepan chegou a se licenciar do cargo após a denúncia. O deputado federal admitiu que, em 17 de junho de 2011, recebeu de Cachoeira um depósito de R$ 175 mil. O valor de R$ 160 mil foi usado para garantir a compra de um apartamento no Rio de Janeiro, avaliado em R$ 500 mil. O valor, porém, foi devolvido três dias depois por meio de um depósito na conta de uma empresa de Carlinhos Cachoeira. Na ocasião, Stepan enviou extrato comprovando

que efetuou o repasse. O deputado também explicou por que recorreu a Carlinhos Cachoeira, de quem se disse amigo, e não a um banco, por exemplo. O parlamentar, que também é ator, justificou dizendo que temia que o empréstimo pedido não fosse aprovado a tempo de concretizar a compra do imóvel. "Como o empréstimo acabou saindo, o dinheiro foi devolvido", disse Nercessian. Em relação aos R$ 15 mil restantes, o parlamentar confirmou que usou o dinheiro para a compra de ingressos para o Carnaval carioca. Comprou para Cachoeira.


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Um impulso político muito importante será dado aqui (na Assembleia Geral da ONU). Embaixador Tovar Nunes

olítica

Roberto Stuckert Filho/ABr

Cineasta colhe assinaturas em apoio a Dirceu Wilson Dias/ABr/15.12.10

A

lém do empenho de seu advogado, o exministro da Casa Civil, José Dirceu – um dos principais réus do Mensalão – passa contar com mais uma ajuda em seu julgamento: a do cineasta Luiz Carlos Barreto, de quem é amigo. Barretão, como é conhecido no meio cinematográfico, não está medindo esforços para socorrer Dirceu no Supremo Tribunal Federal (STF): quer fazer chegar aos ministros da Corte um texto-manifesto pedindo que não haja um prejulgamento dos réus no caso e que sejam resguardados os processos legais. Desde a semana passada o cineasta tem enviado à classe artística um e-mail solicitando assinaturas para o documento que deve passar pelo crivo de alguns juristas antes de ser enviado ao STF, segundo informa O Globo. "Não queremos que haja prejulgamento deste caso, pois já tem gente por aí dizendo quantos anos cada réu vai pegar de prisão", argumenta. "Não pode ser assim. Depois a gente reclama quando chega a ditadura", desabafa. No e-mail, Barretão diz que a ação penal 470 vem sendo pejorativamente chamada de ‘Mensalão’ e pede a confirmação urgente para que o nome do convidado seja incluído na lista de assinantes do manifesto.

Dirceu: socorro extra. "Eu mandei e-mail para uma série de pessoas, mas algumas têm fobia de divulgação. Até agora já colhi mais de duzentas assinaturas independentemente de tendências, credos e religiões", contabiliza. Entre os que já confirmaram suas assinaturas no texto-manifesto estão Oscar Niemeyer, Alceu Valença, Luiz Carlos Bresser Pereira, Bruno Barreto, Jorge Mautner, Flora Gil, Emir Sader e Eric Nepomuceno. O arquiteto Oscar Niemeyer, um dos primeiros a assinar o texto-manifesto, comentou quer há um exagero quanto ao Mensalão. "Assinei porque acredito que desde o início há uma campanha contra José Dirceu, um exagero". Outro que assinou o documento foi o músico Jorge Mautner, com a convicção de que o procedimento do STF será isento. "Concordo que haja o julgamento e assinei porque vivemos numa democracia e, como se trata de um julgamento político, não pode haver manipulação".

Valério briga com a mulher e vai morar sozinho

O

empresário Marcos Valério, acusado de ser o operador do mensalão, não está morando com a mulher Renilda Santiago, em Belo Horizonte. Segundo a Folha apurou, ele deixou a casa esta semana após discordar da postura dela em conversas com jornalistas nos últimos dias. Segundo amigos de Valério, esta não é a primeira vez que ele deixa a casa onde vive com Renilda e os dois filhos. Valério tem sido pressionado por causa das declarações atribuídas a ele pela revista Veja, na qual envolve o ex-presidente Lula com o mensalão. O empresário, até agora, já foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal por peculato, lavagem de dinheiro e corrupção ativa. Ainda precisa ser julgado por evasão de divisas e formação de quadrilha. Segundo a reportagem publicada nesta semana, Valério acusou Lula de chefiar o Mensalão e disse que o PT usou R$ 350 milhões no esquema. A revista informa que a reportagem foi feita com base

Juarez Rodrigues/AE - 29.06.06

Valério: agora separado. em revelações de parentes, amigos e associados de Valério. O advogado de Valério, Marcelo Leonardo, negou o teor da reportagem. Sócios – No começo do mês, a Justiça Federal rejeitou uma denúncia contra Valério e sua mulher pelo crime de lavagem de dinheiro – o Ministério Público de Minas Gerais afirmava que a ação se relaciona com o Mensalão. Segundo o MP, entre setembro e novembro de 2005, o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) detectou transferência de milhões de reais entre as contas de Renilda e de uma empresa dela e de Valério, a 2S Participações. (Folhapress)

Dilma (na foto com o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso): mensagem pelo fim dos conflitos

Na ONU, Dilma falará sobre paz e economia mundial. Presidente ensaia desde domingo, em Nova York, discurso de abertura da Assembleia Geral da entidade.

A

presidente Dilma Rousseff finalizou ontem, em Nova York, os últimos detalhes do discurso de abertura da 67ª Assembleia Geral das Nações Unidas. Dilma deve enviar uma série de mensagens, como a defesa da busca pelo fim dos conflitos por meio da paz, a não intervenção militar como solução para confrontos, a relevância dos esforços em favor do desenvolvimento sustentável e o empenho para o reequilíbrio econômico no cenário internacional. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, embaixador Tovar Nunes, disse em entrevista coletiva, que a presidente deverá fazer um discurso no qual o multilateralismo predomina. "Um impul-

so político muito importante será dado aqui", ressaltou. "Não polarizar [é a alternativa], que tem um grande perdedor que é o sistema multilateral, a ONU [Organização das Nações Unidas]". A presidente chegou no domingo de manhã e não teve agenda oficial. Viajou acompanhada pela filha, Paula, e mais seis ministros. Dilma almoçou com a filha e alguns assessores e voltou ao hotel onde está hospedada. A presidente abre amanhã a Assembleia Geral, quando vai destacar os avanços obtidos na Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, em junho. Antes, ela se reúne com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon. Segundo assessores, não há audiências

organizadas com o presidente norte-americano, Barack Obama, e a chanceler da Alemanha, Angela Merkel. No seu discurso, a presidenta deverá reiterar a necessidade de respeitar a soberania interna e a ordem democrática, referências que dizem respeito diretamente à Síria e ao Paraguai. Irá defender o fim da violência, a busca da paz por meio do diálogo, o respeito aos direitos humanos e a não intervenção militar. Dilma deverá, mais uma vez, apoiar o direito de a Palestina ser Estado autônomo. Ela deve mencionar também a necessidade de se buscar um acordo de paz dos palestinos e israelenses por meio das negociações. No âmbito regional, a presidenta deve ressaltar que na

América Latina a integração está diretamente relacionada ao respeito à democracia. É uma referência à necessidade de preservar a ordem democrática, algo que os líderes latino-americanos suspeitam que não ocorreu no Paraguai durante a destituição do então presidente Fernando Lugo, em 22 de junho. É possível que a presidente cite também a questão da reforma do Conselho de Segurança da ONU, uma vez que o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, que a acompanha, tem uma agenda paralela cujo principal tema é o esforço para a ampliação do órgão. O Brasil defende a ampliação para pelo menos 25 lugares no total, em vez dos 15 países atuais. (ABr)

Amazônia: desmatamento sobe 220% A área desmatada no último mês é maior que Porto Alegre. No ano, maior que a cidade de São Paulo.

A

área de destruição de florestas da Amazônia legal (a área que engloba os estados brasileiros pertencentes à Bacia Amazônica e a área de ocorrência de vegetações amazônicas) no mês de agosto foi de 522 km². Os dados foram fornecidos pelo Inpe – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. O desmatamento é 220% maior que o ocorrido no mesmo período do ano passado. Também é o maior índice de perda de florestas neste ano. A área desmatada no último mês é pouco maior que o município de Porto Alegre. Neste ano, a área devastada é de 1.562,96 km², maior que o tamanho da cidade de São Paulo. Os estados do Pará e de

Mato Grosso foram os que mais perderam florestas, com 227 km² e 208 km² de área desmatada, respectivamente. Código Florestal – Enquanto isso, o governo corre para concluir a aprovação da medida provisória (MP) antes

que ela perca a validade. Em época de eleições municipais, tanto Senado quanto Câmara costumam entrar em "recesso branco" – não têm sessões deliberativas marcadas para todas as semanas. Mas, diante da urgência de

José Cruz/ABr

Luiz Henrique: "As não alterações nnão desnaturaram a essência da medida. As decisões da presidente foram acatadas".

votar a MP que perde seu valor dia 8 de outubro, os senadores se preparam para votar a medida provisória que traz alterações no novo Código Florestal. A presença dos parlamentares em Brasília é resultado da convocação do presidente da casa, José Sarney (PMDB-AP), para as sessões de amanhã e de quarta-feira, com essa finalidade específica. Na Câmara, a medida foi aprovada em plenário na última quarta-feira de noite, com a manutenção do texto definido pela comissão especial que analisou a proposta. A versão aprovada pela comissão especial da Câmara – e depois pelo plenário – prevê que, nas propriedades de 4 a 15 módulos fiscais com cursos de água de até 10 m de largura, a recomposição de mata ciliar seja de 15 m. A redação original da MP enviada pelo governo era mais rígida e determinava recomposição de 20 metros em propriedades de 4 a 10 módulos. O relator da proposta, senador Luiz Henrique da Silveira (PMDB-SC), disse acreditar que a presidente não deve fazer vetos ao texto aprovado pelo Congresso: "As alterações não desnaturaram a essência da medida. As decisões da presidente foram acatadas". (Agências)


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 25 de setembro de 2012

7 O fato de o cara ter popularidade não vai significa que seja bom administrador. José Luiz Datena, apresentador de TV.

olítica

Luiz Prado/LUZ

Serra une Mensalão a estilo de governo do PT Tucano diz que PT é a "vanguarda do atraso e estende críticas a Russomanno, em debate na ACSP.

O

candidato do PSDB a prefeito de São Paulo, José Serra, defendeu o debate sobre o julgamento do Mensalão na campanha eleitoral e relacionou o suposto esquema de compra de votos no Congresso ao "estilo de governar" do PT. Em palestra a empresários promovida pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP), o candidato tucano afirmou que os petistas levaram o "patrimonialismo" para suas administrações e que o partido representa a "vanguarda do atraso". "O debate (eleitoral) envolve também estilos de trabalho. O Mensalão mexe com isso: qual o estilo de governar e o que se vai fazer. É o patrimonialismo, é tratar o que é público como se fosse privado. O PT levou isso à exacerbação. Nesse sentido, o PT é a vanguarda do atraso", respondeu ele a uma pergunta. O tucano disse ser "natural" que o tema seja usado na campanha municipal e tratou com ironia a carta em defesa do ex-

presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinada por partidos aliados do PT, cujo texto afirmava que a oposição estaria explorando o Mensalão para dar um "golpe". "Pode-se acusar a oposição de tudo, menos de ser durona. Sempre foi soft em relação aos governos do PT. O Mensalão está no centro dos acontecimentos, mas não por causa da campanha eleitoral. É um assunto do cotidiano". Serra afirmou que Russomanno se apresenta como autor da Operação Delegada em data posterior à sua criação e falou sobre a inexperiência dos rivais, dizendo que "governo não é curso de graduação ou pós-graduação". Indiretamente, atacou a proposta de Russomanno de cobrar tarifa de ônibus proporcional à distância percorrida. "A passagem progressiva vai ficando mais cara à medida em que se anda. O sujeito que fizer isso vai ser enforcado em praça pública, porque vai castigar os que moram mais longe. É a coisa mais regressiva que eu já vi na vida". (AE)

Da direita para a esquerda: José Serra, Rogério Amato, presidente da ACSP e da Facesp e Guilherme Afif Domingos, vice-governador de SP.

TRE manda prender presidente do Google

O

TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) determinou a suspensão por 24 horas do YouTube e do Google em todo o estado. E também decretou a prisão do presidente do Google no Brasil, Fabio José Silva Coelho, por crime de desobediência. Segundo a Justiça Eleitoral, o site não tirou do ar dois vídeos contra o candidato a prefeito de Campo Grande Alcides Bernal (PP). Na semana passada, o juiz Flávio Saad Peren, da 35ª Zona Eleitoral, já havia determi-

nado as punições. O Google recorreu da decisão, mas o pedido foi negado durante o fim de semana. "Conquanto seja um espaço livre e democrático, o uso indevido da internet, na esfera eleitoral, deve ser coibido, na medida em que não se trata de território isento de responsabilidade e não se vislumbra qualquer causa de imunidade no manuseio dessa ferramenta de comunicação", escreveu o juiz Amaury Kuklinski, relator do caso no tribunal. A Polícia Federal em Mato

E agora, todos contra Russomanno. Haddad, Serra e Chalita comparam Russomanno a Pitta – relacionado-o à má administração e à corrupção.

O

s principais candidatos à prefeitura de São Paulo se uniram para atacar o atual líder nas pesquisas de intenção de voto, Celso Russomanno (PRB). José Serra (PSDB), Fernando Haddad (PT) e Gabriel Chalita (PMDB) usaram seus programas de rádio para atacar o adversário. O programa de Haddad recorreu a depoimentos que comparam Russomanno ao ex-prefeito Celso Pitta (19972000), político lançado por Paulo Maluf, cuja administração foi abalada por várias denúncias de corrupção. "Com o Kassab, já é ruim. Mais quatro anos de um governo como foi o Pitta – e esse rapaz, o Russomanno, está seguindo para ser como Pitta, é asfixia, mata São Paulo. Depois leva 20 anos para recuperar", afirma o suposto eleitor. O programa de Serra também comparou Russomanno a Pitta, sem citar o nome do adversário. A locutora perguntou ao candidato sobre o que pode acontecer se alguém sem experiência for eleito a prefeito e o tucano responde: "Aconteceu isso com o Collor (Fernando Collor, presidente da República de 1990-1992) no Brasil. Aconteceu com o Pitta aqui em São Paulo e deu no que deu". Chalita escalou a vice, a médica Marianne Pinotti, para criticar as propostas de saúde de Russomanno: "Tem candidato dizendo que médico vai ganhar um salário ótimo. Mas

Nilton Fukuda/AE

Russomanno: "É ridículo. Tenho experiência que outros não têm. E tenho mais experiência que todos". nem assim ele vai conseguir fixar o médico. Porque o médico não quer só ganhar dinheiro, ele quer trabalhar em boas condições". Depois, veiculouse diálogo entre trabalhadores comparando Russomanno, Pitta e Kassab. Russomanno focou o seu programa em propostas para os idosos, assim como Eymael (PSDC). Soninha Francine (PPS) propôs a criação de passarelas sobre os rios Pinheiros e Tietê. Paulinho da Força (PDT) voltou a fazer propostas para descentralizar São Paulo. Miguel Manso (PPL) criticou a gestão Kassab. Carlos Gianna-

zi (PSol), Levy Fidelix (PRTB) e Ana Luiza (PSTU) repetiram propaganda anterior e a candidata Anaí Caproni (PCO) não apresentou programa. Revide – O candidato do PRB afirmou que os ataques dos adversários durante a campanha são 'ridículos' e refletem 'desespero': "É ridículo. Tenho experiência. Experiência que outros não têm. E tenho mais experiência do que todos e mais idade. Acho que é ridículo, é desespero. Soma todos juntos, eu tenho mais experiência do que eles". Urna não é TV – O apresentador do Brasil Urgente, da Band,

José Luiz Datena, usou sua coluna no jornal Metro para criticar Russomanno, que era apresentador da TV Record. Sob o título "Urna não é televisão nem igreja", Datena afirma: "O fato de o cara ter popularidade necessariamente não vai significar que ele é um bom administrador ou que tenha credibilidade". Datena termina o artigo citando a dobradinha Celso Pitta e Paulo Maluf: "Deu no que deu." O dono da TV Record é Edir Macedo, bispo da Igreja Universal do Reino de Deus. E o presidente do PRB é bispo Marcos Pereira. (Agências)

Grosso do Sul disse que a determinação foi repassada à PF em São Paulo, onde Coelho trabalha. A assessoria da PF em SP afirma que não recebeu qualquer ordem de prisão. Procurado, o Google Brasil não se pronunciou. Outro caso – Na semana passada, juiz Ruy Jander Teixeira, da 17ª Zona Eleitoral de Campina Grande (PB), mandara prender o diretor geral do Google no Brasil, Edmundo Luiz Pinto Balthazar, por descumprir ordem judicial. O magistrado alegou que a empresa desobedeceu

a ordem para retirar do YouTube um vídeo que denegria a imagem do candidato à Prefeitura de Campina Grande, Romero Rodrigues (PSDB), e excluir todos os compartilhamentos realizados. O Google Brasil recorreu, o juiz Miguel de Britto Lyra entendeu que Balthazar não poderia ser responsabilizado e suspendeu a prisão. Em agosto, um juiz eleitoral de SC determinou que o Facebook fosse tirado do ar em todo o País. Dois dias depois, o juiz suspendeu a decisão. (Folhapress)

Petista empata com tucano

P

esquisa Vox Populi, divulgada ontem pelo Jornal da Band, aponta Fernando Haddad (PT) empatado no segundo lugar com José Serra (PSDB) na disputa pela prefeitura de São Paulo. Na pesquisa, feita entre 19 e 21 de setembro, Haddad subiu de 14% no levantamento em agosto para 17% das intenções de voto. Serra, que estava em 22%, caiu para 17%. A liderança continua com Celso Russomanno (PRB), que foi de 31% para 34% das intenções de voto. O candidato do PMDB, Gabriel Chalita, está em quarto lugar, com 5% das intenções de voto, mesmo número do levantamento anterior. A candidata Soninha

Francine (PPS) e o candidato Paulinho da Força (PDT) caíram, respectivamente, de 4% para 2% e de 2% para 1%. Levy Fidelix (PRTB) saiu de 0% para 1%. Os demais concorrentes não alcançaram 1% dos votos. O número de votos brancos e nulos é de 10%. Os eleitores que não sabem ou não responderam somam 13%. A pesquisa ouviu duas mil pessoas. A margem de erro, para mais ou menos, é de 2,2 pontos. Na pesquisa espontânea, Russomanno tem 30%. Haddad e Serra, com 15%. Chalita tem 4%, Soninha 2% e Levy Fidelix 1%. Na rejeição, Serra subiu de 32% para 39%. Haddad é o segundo, foi de 11% para 12%. (Folhapress)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

terça-feira, 25 de setembro de 2012

ESTADOS UNIDOS Fuzileiros serão julgados por urinar em corpos de insurgentes afegãos

nternacional Bryan Snyder/Reuters

ECONOMIA Canadá e Reino Unido vão compartilhar embaixadas no exterior

Jason Reed/Reuters

Começa a eleição. Pelo correio.

M

O republicano Mitt Romney tenta recuperar terreno e retoma giro pelo país

Já Obama e a primeira-dama Michelle (centro) participam de programa na TV

ilhões de eleitores de mais da metade dos Estados norte-americanos já estão liberados para enviar por correio seus votos para as eleições de 6 de novembro nos Estados Unidos. O voto antecipado é cada vez mais popular no país. A menos de um mês e meio para o pleito, o presidente Barack Obama lidera com 48% das intenções de voto, contra 46% para o republicano Mitt Romney, segundo o Instituto Gallup. (AE)

Reuters

As provocações atômicas de Ahmadinejad Presidente iraniano nega a existência de Israel e diz não levar a sério as ameaças de ataque a suas instalações nucleares

O

presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, ignorou ontem um alerta da Organização das Nações Unidas (ONU) para evitar a retórica incendiária, e declarou a jornalistas na véspera da abertura da Assembleia Geral da ONU que Israel não tem raízes no Oriente Médio e será "eliminado". Os comentários levaram o embaixador israelense, Ron Prosor, a se retirar de uma reunião em protesto. Ahmadinejad, que está em Nova York para a sessão anual da Assembleia Geral, disse também que não leva a sério a ameaça israelense de atacar as instalações nucleares iranianas. "Fundamentalmente, não levamos a sério as ameaças dos sionistas... Temos todos os meios defensivos à nossa disposição, e estamos prontos para nos defender", disse Ahmadinejad, que discursa na quarta-feira à Assembleia Geral. A data coincide com o feriado judaico de Yom Kippur, o que justificaria a ausência da delegação israelense naquele dia. A declaração foi feita no mesmo dia em que Israel agências iranianas não tem anunciaram que Teerã raízes testou com sucesso um históricas sistema antiaéreo dono Oriente méstico, "capaz de interceptar alvos a 50 quiMédio. lômetros de distância". MAHMOUD Na conversa com os AHMADINEJAD jornalistas, Ahmadinejad aludiu ao fato de ter anteriormente negado o direito de Israel à existência. "O Irã está aí há 7, 10 mil anos. Eles (israelenses) ocuparam esses territórios nos últimos 60 a 70 anos, com o apoio e a força dos ocidentais. Eles não têm raízes históricas lá", afirmou o mandatário, falando a jornalistas por meio de um intérprete. O moderno Estado de Israel foi fundado em 1948, em terras que os judeus dizem ser o seu lar bíblico. "Acreditamos que eles se encontraram em um beco sem saída e estão agora buscando novas aventuras para escapar desse beco sem saída. O Irã não será danificado por bombas estrangeiras", disse Ahmadinejad. "Nem contamos com eles em nenhuma parte de nenhuma equação para o Irã. Durante uma fase histórica, eles representam perturbações mínimas que entram em cena e aí são eliminadas", acrescentou. Os Estados Unidos rejeitaram os comentá-

Eduardo Munoz/Reuters

Os militantes islâmicos atacaram uma delegacia de polícia e uma agência bancária no ano passado

A lei volta ao Sinai Egito condena à forca extremistas que realizavam ataques na região

A

Em meio à retórica, iraniano pede diálogo aos EUA.

rios do presidente iraniano, classificando-os como "odiosos, ofensivos e ultrajantes". No domingo, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, se reuniu com Ahmadinejad e alertou-o sobre os perigos da retórica incendiária para o Oriente Médio. O presidente iraniano ignorou o conselho. Mais tarde, Ahmadinejad discursou em uma reunião da ONU sobre o Estado de direito, levando o embaixador israelense, Ron Prosor a abandonar o local. “Não há lei e não há justiça", disse o diplomata. "O líder de um país sem lei que reiteradamente viola os princípios básicos do Estado de direito não tem lugar neste fórum", justificou. "É uma vergonha conceder a palavra sobre um assunto tão importante a este tipo de homem. Permitir que Ahmadinejad discurse na ONU sobre o Estado de direito é como nomear um piromaníaco ao cargo de comandante do Corpo de Bombeiros", afirmou. Diálogo - O presidente iraniano assegurou ainda que as atividades de enriquecimento de urânio de seu país têm finalidades estritamente pacíficas, apesar das suspeitas de uso militar secreto levadas pelos Estados Unidos e seus aliados à Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). Ahmadinejad disse que a polêmica nuclear é um assunto a ser resolvido entre SECRETARIA DA SAÚDE Estados Unidos e Irã por meio de negociações. DIVISÃO TÉCNICA DE SUPRIMENTOS - SMS.3 "A questão nuclear não é um ABERTURA DE LICITAÇÕES Encontram-se abertos no Gabinete, os seguintes pregões: problema", declarou. "Mas a PREGÃO ELETRÔNICO 385/2012-SMS.G, processo 2012-0.260.891-0, destinado abordagem dos Estados Uniao registro de preço para o fornecimento de MALEATO DE ENALAPRIL EM dos para o Irã é importante. EsCOMPRIMIDOS COM 20 MG - CP, para a Divisão Técnica de Suprimentos - SMS.3/ Grupo Técnico de Compras - GTC/Área Técnica de Medicamentos, do tipo menor tamos prontos para o diálogo, preço. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 9 horas para uma resolução fundado dia 5 de outubro de 2012, pelo endereço www.comprasnet.gov.br, a cargo da mental dos problemas, mas 3ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. RETIRADA DE EDITAIS sob condições baseadas na Os editais dos pregões acima poderão ser consultados e/ou obtidos nos endereços: justiça e no respeito mútuo. http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br; www.comprasnet.gov.br, quando Não estamos esperando que pregão eletrônico; ou, no gabinete da Secretaria Municipal da Saúde, na Rua General Jardim, 36 - 3º andar - Vila Buarque - São Paulo/SP - CEP 01223-010, mediante o um problema de 33 anos (desrecolhimento de taxa referente aos custos de reprografia do edital, através do DAMSP, de o rompimento de relações) Documento de Arrecadação do Município de São Paulo. entre os Estados Unidos e Irã DOCUMENTAÇÃO - PREGÃO ELETRÔNICO Os documentos referentes às propostas comerciais e anexos, das empresas seja resolvido de forma aceleinteressadas, deverão ser encaminhados a partir da disponibilização do sistema, rada. Mas não há outra forma www.comprasnet.gov.br, até a data de abertura, conforme especificado no edital. senão o diálogo." (Agências)

Justiça do Egito condenou ontem 14 militantes islâmicos à pena de morte por ataques a uma delegacia e a uma agência bancária na Península do Sinai, em julho de 2011. Os sentenciados, que pertencem ao grupo islâmico Tawheed al Jihad (Monoteísmo e Guerra Santa, em português), deverão ser enforcados. Seis dos acusados estavam presentes quando as sentenças foram pronunciadas ontem por um tribunal na província de Ismaília, enquanto oito

estão foragidos e foram condenados à revelia. O ataque aconteceu em ElArish, no norte do Sinai, deixando seis mortos após o grupo atirar contra a delegacia e a agência bancária da cidade. A condenação é feita três dias após um ataque de extremistas na região a um comboio do Exército de Israel, deixando um soldado israelense e três militantes mortos. Com a queda do ditador Hosni Mubarak em 2011, a região ficou mais suscetível a ações de grupos radicais, es-

pecialmente beduínos, salafistas e militantes palestinos que cruzam a fronteira com a Faixa de Gaza. Devido à onda de violência, o presidente egípcio, Mohammed Mursi, autorizou uma operação militar no Sinai, que prendeu dezenas de terroristas. A península é desmilitarizada desde o acordo entre Egito e Israel, em 1979, após a Guerra dos Seis Dias. Desde então, a área é patrulhada por forças da Organização das Nações Unidas (ONU), apesar de pertencer ao Cairo. (Agências)

/Reuters

Ammar Awad

Culpado, mas fora da cadeia. Ex-premiê israelense é condenado por corrupção

O Olmert: tráfico de influência.

ex-primeiro-ministro de Israel Ehud Olmert foi condenado ontem a cumprir um ano de prisão em regime aberto e a pagar multa de valor equivalente a US$ 18 mil por envolvimento em corrupção enquanto era

ministro do Comércio. Olmert foi considerado culpado por conceder contratos governamentais a associados de um amigo. A sentença, considerada branda, não impedirá que ele exerça cargos públicos. (Agências)

UM LAMENTO SÍRIO Enviado da ONU diz que conflito ameaça se espalhar pelo Oriente Médio

A

guerra civil na Síria vai de mal a pior. A avaliação, feita ontem pelo enviado especial da ONU e da Liga Árabe para a Síria, o diplomata argelino Lakhdar Brahimi, aponta que o conflito está em um impasse "extremamente difícil" e ameaça se espalhar para os outros países do Oriente Médio. "A situação na Síria é extremamente ruim e cada vez pior. É uma ameaça para a região e uma ameaça para a paz e a segurança no mundo", disse Brahimi após uma reunião fechada no Conselho de Segurança da ONU. Brahimi disse não ter um "plano completo" para resolver a crise, mas revelou que traba-

Zain Karam/Reuters

Rebelde armado com metralhadora e violão caminha por Alepo lha com algumas ideias que espera colocar em prática. Ele admitiu a existência de um impasse, mas acredita que

existe uma solução para a crise e que "vamos encontrar uma saída em um futuro não muito distante". (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 25 de setembro de 2012

c

9

Tasso Marcelo/AE

NOVA ESPERANÇA Essa nova tecnologia desenvolvida no Brasil e na Austrália pode se tornar uma arma muito importante no controle da dengue e, talvez, até na eliminação dessa doença.

idades

Contra dengue, Brasil testará Aedes 'vacinado'. Estudos feitos no Brasil e na Austrália mostram que fêmeas infectadas com a bactéria Wolbachia têm proles imunes ao vírus da dengue, o que poderá controlar a doença.

Policial é morto a tiros no Rio

O

policial federal aposentado Jonas da Cunha, de 56 anos, foi morto a tiros no final da manhã de anteontem após reagir a uma tentativa de assalto na rua Doutor Leal, no Engenho de Dentro, zona norte do Rio. O sobrinho dele, Eduardo Brittes, 54, também foi baleado e permanece internado no Hospital Municipal Souza Aguiar. De acordo com o comandante do 3º Batalhão do Méier, coronel Ivanir Linhares, um dos dois criminosos que estavam em uma moto também ficou ferido, mas conseguiu escapar com o comparsa ao roubar outro carro na região. Niguém foi preso. (Folhapress)

Fotos de Tasso Marcelo/AE

Pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz manipulam 'Aedes aegypti' infectados com a bactéria Wolbachia

Testes são feitos em conjunto no Brasil e na Austrália

O método, desenvolvido na Austrália, já foi testado com sucesso em duas cidades daquele país. A bactéria usada já faz parte do dia-a-dia. Não se trata de uma alteração genética ou introdução de um micro-organismo novo", diz. Uma vez introduzida na população de mosquitos, a bactéria consegue se espalhar com certa facilidade. Embora

a contaminação seja apenas vertical (dos pais para a prole), os mosquitinhos infectados têm mais sucesso na reprodução. Os mosquitos fêmeas contaminados têm descendentes com a bactéria em seus organismos, independentemente

de o macho estar infectado. Imunes à dengue - No caso das fêmeas que não apresentam a variante da bactéria Wo lb ac hia , mas que cruzam com machos portadores, praticamente todos os ovos fecundados acabam morrendo. C o m p a r a t i v a m e n t e , f ê-

meas com a Wolbachia produzem mais ovos, que vão originar novos mosquitos que já nascem com a bactéria e, portanto, imunes à dengue. Austrália - O método, desenvolvido na Austrália, já foi testado com sucesso em duas cidades daquele país, onde a população de insetos foi rapidamente substituída pela variante imune. "Nós monitoramos constantemente essas áreas da Austrália e vimos que, até agora, 18 meses depois, essas áreas continuam com praticamente 100% dos mosquitos com a

Termômetros desabam em SP Vanessa Carvalho/AE

O

Brasil começa a dar os primeiros passos em uma ambiciosa estratégia internacional de combate à dengue: a introdução na natureza de exemplares do mosquito transmissor, o Aedes aegypti, imunes à doença. A iniciativa, liderada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), foi anunciada ontem no Congresso Internacional de Medicina Tropical, que se realiza no Rio de Janeiro. "Vacina" - O trabalho está em fase de testes iniciais e, se tudo sair como o planejado, os primeiros aedes "vacinados" contra a dengue devem ganhar as ruas do País em estudos controlados no segundo semestre de 2014. Em laboratório, cientistas contaminam os embriões do Aedes aegypti com uma variante da bactéria Wolbachia, que é encontrada em cerca de 70% dos insetos na natureza, incluindo moscas-das-frutas e pernilongos "comuns". Tecnologia - "A dengue é uma das quatro doenças mais transmissíveis no mundo. Esse é um estudo extremamente promissor, pela forte base biológica, a partir de um processo que ocorre naturalmente. Essa tecnologia pode vir a se tornar uma arma muito importante no controle da dengue, talvez até na eliminação da dengue", afirmou o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa. No organismo do mosquito, a presença da bactéria acaba impedindo o desenvolvimento do vírus da dengue. "Os mecanismos que provocam essa situação são complexos, desde mudanças no sistema imunológico do inseto até a competição por nutrientes no interior das células", diz Luciano Moreira, pesquisador da Fiocruz e chefe do projeto "Eliminar a Dengue: Desafio Brasil". Segurança - "Mas o método é extremamente seguro.

A

Após dias de intenso calor em pleno inverno, o frio volta com força.

chegada de uma nova frente fria deve provocar chuvas e queda de temperaturas a partir de hoje em todo o Estado de São Paulo. De acordo com o Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia), os termômetros marcarão temperaturas inferiores aos 10°C e pode haver geadas em algumas regiões do Estado entre quinta-feira e sexta-feira. O dia hoje vai começar nublado e as chuvas isoladas poderão ocorrer a qualquer hora do dia, acompanhadas de trovoadas e rajadas de vento. Com isso, pode haver alagamentos. À noite, o

Inmet alerta que a queda de temperatura será mais acentuada. No decorrer da quartafeira, as temperaturas devem cair ainda mais, podendo chegar aos 10°C. A sensação térmica, no entanto, pode ficar inferior a isso devido aos ventos moderados a fortes. A chuva também continuará durante a quarta-feira. Na quinta e sexta, porém, as chuvas param e pode haver geadas em áreas do sul do Estado e da serra da Mantiqueira. O tempo continuará nublado no decorrer do dia e os termômetros deverão marcar máxima de 18°C e mínima de 8°C. (Folhapress)

bactéria", disse Scott O'Neill, professor da Universidade Monash, em Melbourne, e um dos autores do trabalho australiano, publicado em 2011 na revista Nature. Adaptações - Antes de começar os testes com o mosquito na natureza, os cientistas da Fundação Oswaldo Cruz vão fazer pequenas adaptações no método australiano. "Os vírus da dengue que circulam nos dois países têm algumas diferenças que precisam ser levadas em consideração", disse Luciano Moreira. (Folhapress)

CCZ promove mutirão para cães e gatos

A

Coordenação de Vigilância em Saúde promove, até sábado, um mutirão de identificação, registro e vacinação de cães e gatos na cidade de São Paulo. A mobilização, gratuita, ocorre até o próximo sábado no CCZ (Centro de Controle de Zoonoses) e até quinta-feira em seis Suvis (Supervisões de Vigilância em Saúde). São elas: Aricanduva, Butantã, Cidade Ademar, Ermelino Matarazzo, Guaianases e Freguesia do Ó. Para registro e vacinação, os donos dos animais devem levar documentos pessoais, como RG, CPF e comprovante de residência no próprio nome. (Folhapress)

Anderson Gomes/AE

Helvio Romero/AE

Johnny de Franco/AE

INCÊNDIO – Um incêndio de grandes proporções atingiu o prédio da Secretaria de Serviços Urbanos (Sesurb) de São Caetano do Sul, na Grande São Paulo, ontem à tarde. Não houve registro de feridos.

POUSO FORÇADO – Um helicóptero com duas pessoas à bordo fez

ÃCIDENTE NA MARGINAL – Um caminhão capotou na Marginal

um pouso forçado ontem de manhã às margens da Via Ayrton Senna, próximo à divisa de São Paulo e Guarulhos. Ninguém ficou ferido.

Pinheiros, sentido Interlagos, próximo a ponte do Morumbi, na tarde de ontem. Segundo informações da CET, uma pessoa ficou ferida.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Logo Logo www.dcomercio.com.br

Durma em qualquer lugar

A IOVO Designs criou esta casinha para gatos que, além de engraçada, é confortável, graças a acessórios macios. Chamada Litterfish, a casinha dos sonhos do seu bichano será produzida assim que a IOVO receber mil encomendas. Os primeiros a comprar terão desconto especial.

Ostrich Pillow tem nome de travesseiro, mas é muito mais do que isso. Na verdade, é a materialização de uma cápsula de silêncio e conforto com a qual muitos de nós já sonhamos várias vezes na vida. Ele se encaixa na cabeça do dorminhoco como se fosse um capacete, é macio, e cria um isolamento acústico para os ouvidos que permite desligar do que acontece ao redor. Além disso, dependendo da posição que você escolhe para a soneca, é possível encaixar as mãos e mantê-las quentinhas durante o descanso. E mais, pode ser levado a qualquer lugar: avião, escritório, biblioteca... Até para a cama.

http://iovo-designs.myshopify.com/

ostrichpillow.com

O gato de Jonas

M EIO AMBIENTE B RINQUEDOS

País perdeu 80% de seus recifes

O

litoral brasileiro perdeu cerca de 80% de seus recifes de corais nos últimos 50 anos devido à extração e à poluição doméstica e industrial, segundo relatório divulgado pela Universidade Federal de Pernambuco e pelo Ministério do Meio Ambiente. O estudo Monitoramento de

Game of Thrones fora da telinha

recifes de corais no Brasil, que foi coordenado pela professora Beatrice Padovani, do Departamento de Oceanografia, começou em 2002 e foi concluído em 2011. Os resultados serão apresentados hoje no Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação, realizado em Natal. "Até a década de 1980,

houve muita extração de corais para fabricação de cal no país. Essa remoção era feita com picaretas ou explosivos. Só houve uma redução após a criação de leis específicas", relatou Beatrice. Além disso, o relatório destaca a mudança climática, o aumento da temperatura dos oceanos e a frequência mais elevada de

fenômenos como "El Niño", que aquece a superfície do Pacífico. "Em 2012, é provável a ocorrência de um novo 'El Niño'. Os recifes que vão sofrer mais serão aqueles em pior estado de conservação, afetados pela poluição, e que podem ser afetados por doenças", alertou a especialista. (EFE)

Edson Ruiz/AE

O sucesso da série Game of Thrones acaba de chegar ao mundo dos bonecos. Seis personagens da série foram transformados em toy art pela Funko. Os bonecos são feitos de vinil são inspirados em Ned Stark, Tyrion, Daenerys, Khal Drogo, O Cão e White Walker. www.funko.com

O SCAR

Irã boicotará premiação em 2013 O Irã disse ontem que vai boicotar o Oscar de 2013, num protesto contra a realização nos EUA de um filme ofensivo ao profeta Maomé. O filme tem sido a causa de protestos no mundo islâmico nas últimas semanas. Neste ano, o filme iraniano A Separação, de

Asghar Farhadi, se tornou a primeira obra iraniana a conquistar o Oscar de melhor filme estrangeiro. O Irã não terá filmes na competição de 2013. O ministro da Cultura e da Orientação Islâmica, Mohammad Hosseini, pediu que outros países islâmicos boicotem o Oscar.

G @DGET DU JOUR

L

POR TODO O BRASIL - Totens eletrônicos do tatu-bola estão sendo montados em diversas cidades brasileiras para estimular a população participar da escolha do nome do mascote da Copa do Mundo 2014. Acima, o tatu-bola em Salvador (BA). Abaixo, em Brasília (DF) e no Anhangabaú, em São Paulo. Ueslei Marcelino/AE

Alexandre Moreira/AE

Nas ondas do rádio A Philips se inspirou em seus modelos de rádio da década de 1950 para criar este aparelho que, além de sintonizar emissoras de rádio AM-FM pode ser usado para ouvir as músicas de seu iPhone ou iPod. http://bit.ly/Udu1bK

A TÉ LOGO

Acesse www.dcomercio.com.br para ler a íntegra das notícias abaixo:

L

Câmera pode capturar um dia de sua vida

L

Schwarzenegger fala sobre filho ilegítimo

L

Acidez do mar ameaça segurança alimentar

E M

C A R T A Z L OTERIAS

VISUAIS Mostra 'Espaços da Cor' exibe obras de Cassio Michalany. Galeria Raquel Arnaud. Rua Fidalga, 125, tel.: 3083-6322. Grátis.

Concurso 807 da LOTOFÁCIL 02

03

04

05

07

08

10

11

13

18

19

21

22

24

25

Concurso 3003 da QUINA 13

21

38

44

74


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 25 de setembro de 2012

e

11

conomia

Fotos Paulo Pampolin/Hype

Noite foi de premiação dos empresários que enfrentaram o Custo Brasil, infraestrutura precária, alta carga tributária e burocracia.

No pódio, contra todas as adversidades. Os vencedores do Balanço Anual/Melhores dos Maiores, da ACSP e do Diário do Comércio, receberam ontem em evento na Capital paulista os seus troféus. Rejane Tamoto

A

s estrelas de 2012 brilharam ontem, em uma noite que ficará marcada na memória e na história de 19 empresas homenageadas com o prêmio Balanço Anual/Melhores dos Maiores, organizado pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e pelo jornal Diário do Comércio. A cerimônia reuniu mais de 450 convidados no teatro do Renaissance Hotel, na Capital paulista, além de Rogério Amato, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), e de autoridades como Guilherme Afif Domingos, vice-governador do Estado de São Paulo, e Gilberto Kassab, prefeito de São Paulo. Em sua terceira edição, o Balanço Anual/Melhores dos Maiores reconheceu o espírito de empreendedorismo necessário e importante ao desenvolvimento do País. Ao todo, foram distribuídos vinte tro-

féus – um deles de uma nova categoria desta edição, a de "A Melhor do Ano de 2012". Nesta categoria, a premiada foi a EMS, também vitoriosa no setor de indústria em geral. A EMS é líder do mercado de medicamentos genéricos, que se destacou não só por apresentar resultados financeiros, mas também por sua gestão, criatividade e estratégia mercadológica ao longo do ano passado. Os principais executivos das empresas receberam os prêmios das mãos de Rogério Amato, Guilherme Afif Domin-

gos e de Gilberto Kassab. Apenas três empresas não enviaram representantes para a premiação: a vencedora na categoria de comércio varejista Fujioka; a da categoria Metalurgia e Siderurgia, Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), e a do setor de Petróleo e Gás, Petrobras. Ao todo mais de 10 mil empresas do mercado brasileiro tiveram seus balanços e resultados financeiros analisados pela Boa Vista Serviços (BVS), empresa que administra o Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC). Os dados foram avaliados pela Escola de Administração de Empresas de São Paulo (EAESP) da Fundação Getúlio Vargas (FGV), responsável pela geração do ranking das campeãs de 19 setores da economia. Para Amato, o trabalho e a criatividade ajudaram os vencedores a sobreviver e a progredir. "Parabenizo as empresas premiadas pelo Balanço Anual/Melhores dos Maiores por conseguirem se destacar no universo empresarial gra-

Um momento histórico

ças à competência de seus gestores e colaboradores", disse ele, durante o discurso. O presidente da ACSP e da Facesp cumprimentou todos os empresários brasileiros que, com trabalho, ajudaram a construir uma Nação que continuará a crescer e a se firmar no cenário internacional. "Nós mostramos que o Brasil não é

mais apenas o País do futuro, mas também do presente", afirmou. O prefeito Gilberto Kassab disse que as homenageadas representam a excelência do empresariado brasileiro, porque investem no Brasil e tem talento e criatividade. "Sabemos o quanto é difícil uma empresa alcançar sucesso e re-

sultados. O quanto é difícil viver com enorme carga tributária em um País no qual o governo tem uma presença que não ajuda nem incentiva o empresariado brasileiro." Afif, o vice-governador do Estado de São Paulo, lembrou que a iniciativa da ACSP, Boa Vista Serviços e Diário do Comércio visa a dar informação com maior transparência possível ao mercado, destacando aqueles que tiveram bom desempenho na arte de empreender e de comandar o país por meio da livre iniciativa. "Este é um momento importante para o País. A crise é uma oportunidade de incorporar a livre iniciativa à infraestrutura do Brasil. O primordial é dos empreendedores, por isso temos por dever liderar o processo das parcerias públicoprivadas (PPPs), que para o Estado de São Paulo vêm para melhorar a mobilidade urbana, especialmente sobre trilhos", exemplificou. Em seu discurso, Afif elogiou a coragem do empreendedor brasileiro e o parabenizou. "Recebam esse reconhecimento como estímulo para avançar. Estamos felizes de ver que a livre iniciativa avança em São Paulo", concluiu. Amato e Afif homenagearam o diretor de redação do Diário do Comércio, o jornalista Moisés Rabinovici, pela edição da revista.

Premiação de 2013 será bem maior

A

Festa dos melhores: a partir da esq., Afif, Nogueira, Amato e Kassab.

Apesar de sofrer as consequências da turbulência global, nossa economia está fundamentada numa política fiscal sólida e endividamento pequeno para atravessar este momento com tranquilidade. A única coisa que nos segura, como empreendedores, é a carga tributária e o alto custo de fazer negócios no País. ANDRÉ ESTEVES, PRESIDENTE DO BTG PACTUAL

Estamos há 62 anos no segmento, com cinco empresas, e esse reconhecimento é tudo o que gostaríamos de ter ao longo desses anos. É um trabalho que estamos fazendo e refazendo porque o mercado exige muito desdobramento, inovação. CARLOS BARTOLOMEU, DIRETOR DE OPERAÇÕES DA BCR

Este é o reconhecimento do trabalho que a empresa vem fazendo. É uma motivação extra para a empresa continuar a seguir o caminho que traçou, uma injeção de ânimo. BRITALDO PEDROSA SOARES, PRESIDENTE DA AES ELETROPAULO

pós homenagear 19 empresas na noite de ontem, Rogério Amato, presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), já pensa em um evento maior no próximo ano. "Essa premiação não será nada perto da que será realizada no ano que vem. Nesta semana vamos fazer análises e planejar a próxima edição, com aperfeiçoamentos", disse Amato. Ele afirmou que a expansão do prêmio é natural e lembrou da relevância que o Balanço Anual/ Melhores dos Maiores carrega desde quando era organizado pelo extinto jornal Gazeta Mercantil. Hoje, o prêmio mantém uma marca forte sob a tutela da ACSP e do jornal Diário do Comércio. Amato disse que o prêmio tem parcerias importantes como com a Boa Vista Serviços, que organizou os dados de balanços e demonstrações financeiras, e com a Escola de Administração de Empresas de São Paulo (EAESP), da Fundação Getúlio Vargas (FGV), que preparou o ranking Melhores dos Maiores. Para o presidente da ACSP e

Amato: espírito empreendedor. da Facesp, a celebração de ontem foi muito importante pois mostrou quem são as empresas que venceram as dificuldades econômicas de 2011. "Todo mundo vai bem em ano bom. Apesar dos problemas, as empresas venceram e se tornaram as melhores entre os grandes. Elas tiveram o mérito. O espírito natural do empreendedor é sentir vontade de estar no lugar do vencedor", afirmou. Em seu discurso, Amato lembrou que a abertura de uma empresa no Brasil, há alguns anos, era um ato de irracionalidade, pois era mais

vantajoso aplicar no mercado financeiro e ganhar mais sem trabalho e sem risco. "Felizmente as coisas estão mudando, mas estamos longe de um cenário em que abrir uma empresa represente apenas correr os riscos naturais do mercado. Somente a coragem, determinação e o otimismo permitem aos empreendedores enfrentar as dificuldades de criar ou administrar uma empresa, micro, pequena, média ou grande, ou mesmo um negócio individual em uma economia instável como a brasileira", disse. Amato lembrou que a burocracia excessiva e a tributação elevada são os maiores obstáculos para os empreendedores. Algumas medidas, no entanto, ele considera positivas como a redução da taxa de juros, o desconto na conta da energia elétrica para empresas e medidas em direção a Parceria Público-Privadas (PPP) para aumentar a infraestrutura. "A função do governo é dar sinal, respeitar contratos e investir em infraestrutura. Estamos otimistas de que a economia reaja já neste Natal e no próximo ano", afirmou o presidente da ACSP. (RT)


12 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 25 de setembro de 2012


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 25 de setembro de 2012

e

13

conomia

MELHORES DOS MAIORES DE 2012

Fotos: Paulo Pampolim/ Hype

Rogério Amato entrega o prêmio Melhores dos Maiores nas mãos do vice-presidente de riscos e gestão institucional da EMS, Mario Nogueira .

A Melhor do Ano Karina Lignelli

A

EMS Farmacêutica foi a grande vencedora da 3ª edição do prêmio “Melhores dos Maiores 2012. Além de ser premiada como a melhor Indústria em Geral, foi a vencedora da categoria “A melhor do ano”. Empresa de capital 100% nacional, com 33% de participação no mercado de genéricos, a EMS investiu R$ 600 milhões na construção de novas fábricas em Manaus (AM), Brasília (DF) e Jaguariúna (SP). Só em 2011, faturou R$ 2,9 bilhões, com a venda de 196,5 milhões de unidades de medicamentos genéricos. O grupo todo, que inclui também a Germed Pharma, a Legrand e a Nova Química, faturou R$ 4,7 bilhões. O vice-presidente de riscos e gestão institucional, Mário Nogueira, que recebeu os troféus das mãos do presidente da ACSP e da Facesp, Rogério Amato, e do vice-governador do Estado de São Paulo, Guilherme Afif Domingos, afirmou que receber um

prêmio como este é sempre bem visto. “É um encorajamento sob vários aspectos, ainda mais concedido por um formador de opinião como o Diário do Comércio, de tradição e história, o que aumenta ainda mais a nossa responsabilidade e o nosso compromisso, e acaba nos alavancando para o sucesso”, disse ele, ao elogiar o empresário Carlos Sanchez, dono da EMS, por seu “empreendedorismo vibrante”. Para 2012, Nogueira destacou que as expectativas da empresa são de continuar em expansão e ascensão . Em 2011, enquanto o mercado cresceu 19%, a EMS cresceu 38%. “Esse crescimento será alavancado pelo maior acesso da população aos medicamentos, pela inclusão social que vem acontecendo desde o Plano Real. Empresas que nasceram como a EMS fazem parte de uma nova geração que, no nosso caso, produz medicamentos com qualidade internacional, por isso os números generosos”, completou.

O presidente da Cargill, Luiz Pretti.

O diretor de operações da BCR, Carlos Bartolomeu.

O presidente da Cotia Vitória, Eduardo Albernaz.

Agronegócios e Alimentos

Atacado

Comércio exterior

A

vencedora é a Cargill Agrícola. A Cargill está no Brasil desde 1965 e suas origens estão no campo, em atividades agrícolas. Atualmente, está entre as maiores indústrias de alimentos e uma das 20 maiores empresas do País, e também a principal exportadora de soja do Brasil

e a maior processadora de cacau da América Latina. Com sede em São Paulo, a operação brasileira possui unidades industriais, armazéns, escritórios e terminais portuários em cerca de 120 municípios, onde trabalham aproximadamente 6 mil funcionários.

A

vitoriosa é a BCR Comércio e Indústria. O Grupo BCR nasceu em Ponte Nova, na Zona da Mata mineira, e está presente em todo o Brasil, com exceção da região Sul. Sua história tem origem na pessoa de Francisco Bartolomeu Cordeiro, que em 1951 fundou a Bartolomeu

Cordeiro e Filhos Ltda., uma loja que se multiplicaria. Sempre ajustando suas velas aos desafios que encontrou pela frente, de uma pequena rede regional com oito lojas em 1958, a empresa se transformou num atacadista com atuação nacional, com cerca de 1,6 mil colaboradores diretos.

A

premiada é a Cotia Vitória Serviços e Comércio. Desde 1976 no mercado, a Cotia é hoje a maior empresa de comércio exterior do Brasil, oferecendo aos mais de 300 clientes soluções completas que integram gestão, logística e financiamento. Cada operação é desenhada sob

medida com o objetivo de obter o melhor resultado final, com eficiência e rapidez, graças ao suporte de uma rede de subsidiárias e empresas coligadas. Em 2011, a empresa alcançou faturamento de R$ 4 bilhões em importações, R$ 170 milhões em exportações e R$ 130 milhões em serviços.

O diretor superintendente da Servopa, Darli Antonio Borin, abraça Afif.

O presidente da AES Eletropaulo, Britaldo Soares.

O presidente da Pague Menos, Francisco Deusmar Queirós.

Distribuidores de veículos

Energia elétrica

Farmácias e Perfumarias

A

vencedora é a Servopa. Há 56 anos no mercado, a paranaense Servopa se destaca no Sul do País como um grupo multimarcas nos segmentos de automóveis, caminhões, ônibus e motocicletas. Das 54 unidades de negócios que controla, 36 são revendas automotivas distribuídas pelo

Paraná e Rio Grande do Sul, representando as marcas Volkswagen, Hyundai, Audi, Honda, Honda Motos, HarleyDavidson e Peugeot, além dos pontos de atendimento da locadora de automóveis Movida. O grupo conta com 1,8 mil colaboradores e de suas lojas saem 30 mil veículos por ano.

O

prêmio é da AES Eletropaulo. Maior distribuidora de energia elétrica da América Latina, a AES Eletropaulo atua em 23 municípios da região metropolitana de São Paulo, atendendo mais de 6 milhões de clientes. Empresa de capital aberto, ela emprega mais de 5 mil funcionários e

tem mais de 11 mil terceirizados. Para atender ao crescimento de seu mercado e elevar o nível de qualidade dos serviços prestados, no segundo trimestre deste ano a empresa investiu R$ 170 milhões em modernização, manutenção, expansão e serviços ao cliente.

A

melhor do setor é a Empreendimentos Pague Menos, a única rede varejista presente nos 26 Estados da Federação e no Distrito Federal. Atuando no comércio de medicamentos, higiene pessoal, beleza, cosméticos e prestação de serviços, conta com mais de 540 lojas e 15 mil

colaboradores, que atuam em mais de 200 municípios. Com sede em Fortaleza, a empresa tem um dos maiores centros de distribuição do País, com 50 mil m² de área construída. Nos últimos dois anos, a Pague Menos abriu mais de 150 novas filiais, e contratou mais de 2 mil funcionários.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

14

e

terça-feira, 25 de setembro de 2012

conomia

MELHORES DOS MAIORES DE 2012

Fotos: Paulo Pampolim/Hype

O presidente do BTG Pactual, André Esteves.

O diretor financeiro da Arezzo, Thiago Borges.

O gerente geral da Renner, Fabio Faccio.

Finanças

Franquias

Lojas de departamentos

O

vencedor no setor é o Banco BTG Pactual. A história do grupo começou em 1983, quando nasceu, no Rio de Janeiro, a corretora de valores Pactual. Os 13 anos seguintes foram de expansão, até tornar-se um banco. Em maio de 2006, o suíço UBS AG adquiriu a Pactual, criando o UBS Pactual, que em 2009 foi comprado pela BTGI, resultando no BTG Pactual. Daí em diante, o banco não parou de crescer. O grupo ganhou destaque em abril, quando captou mais de R$ 3 bilhões com a oferta pública de recibos de ações, o que representou a maior operação de venda inicial de papéis na BM&FBovespa desde 2009.

A

melhor rede do setor é a Arezzo Indústria e Comércio. Fundada em 1972 em Belo Horizonte pelos irmãos Anderson e Jefferson Birman, a Arezzo é a maior marca de varejo de calçados femininos fashion da América Latina, reunindo conceito, alta qualidade e design contemporâneo. Hoje, a rede de franquias Arezzo possui 308 lojas, distribuídas em mais de 90 municípios e presentes em todos os Estados brasileiros. Em fevereiro de 2011, a Arezzo abriu seu capital. A oferta inicial de ações foi um sucesso e bem recebida pelos investidores, que compraram R$ 565,8 milhões de seus papéis.

A

vencedora é a Lojas Renner. Ela é a segunda maior rede de lojas de departamentos de vestuário no Brasil e traz o título de primeira corporação do País com 100% das ações negociadas em Bolsa. O ano de 1965 marca o início da história da Lojas Renner como uma empresa verdadeiramente independente. Até então, ela existia como parte do grupo A. J. Renner, indústria fabril instalada em Porto Alegre. Como parte integrante do grupo A. J. Renner a Lojas Renner inaugurou em 1922, na capital gaúcha, seu primeiro ponto de venda.

Metalurgia

A

premiada é a CSN, Companhia Siderúrgica Nacional. Empresa de capital aberto, com ações negociadas nas Bolsas de Valores de São Paulo e de Nova York e com mais de 20 mil colaboradores, a CSN é uma empresa altamente integrada, com negócios em siderurgia, mineração, cimento, logística e energia. A companhia atua em toda a cadeia produtiva do aço, desde a extração do minério de ferro até a produção e comercialização de uma diversificada linha de produtos siderúrgicos de alto valor agregado, incluindo aços planos revestidos galvanizados e folhas metálicas. Em janeiro deste ano, a CSN ingressou no segmento de aços longos. A Companhia Siderúrgica Nacional foi fundada em 9 de abril de 1941 pelo então presidente Getúlio Vargas, tendo iniciado suas operações em 1º de outubro de 1946. Como primeira produtora integrada de aços planos no Brasil, a CSN é um marco no processo brasileiro de industrialização. A empresa, com sede em Volta Redonda, no Estado do Rio de Janeiro, foi privatizada em 1993, no governo do ex-presidente Fernando Collor.

O diretor de RH e serviços corporativos da Vale, Djalma Barbosa.

O presidente da Net, José Antonio Félix.

Mineração

Outros serviços

A

vencedora é a Vale. Com operações, escritórios, explorações e joint ventures espalhados pelos cinco continentes, a Vale é a segunda maior mineradora do mundo. Com sede no Brasil, atua em 37 países e emprega quase 140 mil pessoas, entre profissionais próprios e terceiros permanentes, além de mais 55 mil terceiros em projetos. A Vale é a maior produtora mundial de minério de ferro e a segundo maior de níquel. Produz ainda cobre, carvão, manganês, ferro-ligas, fertilizantes, cobalto e metais do grupo da platina. A companhia atua também no setor de Logística, Siderurgia, Energia e Fertilizantes.

A

premiada é a Net Serviços de Comunicação, a maior empresa multisserviços via cabo da América Latina. Presente em 99 cidades, oferece serviços de TV por assinatura, internet banda larga e voz por meio de um único cabo. Com 38,4% do mercado de TV por assinatura e 26% no de banda larga, planeja investir neste ano aproximadamente R$ 3 bilhões, o dobro do que aplicou em 2011, para ampliação da rede e lançamento de produtos. Desde maio de 2011 oferece o produto Net Empresas, para profissionais liberais, serviços e comércio.

Petróleo e Gás

A

melhor do setor é a Petrobras. Sociedade anônima de capital aberto, cujo acionista majoritário é o Governo do Brasil, a Petrobras atua como uma empresa de energia nos setores de exploração e produção, refino, comercialização e transporte de óleo e gás natural, petroquímica, distribuição de derivados, energia elétrica, biocombustíveis e outras fontes renováveis de energia. Líder do setor petrolífero brasileiro e 5º maior empresa de energia do mundo, a companhia emprega quase 82 mil

funcionários e está presente em 28 países. O Plano de Negócios 20122016 prevê investimentos de US$ 236,5 bilhões, maior volume em comparação às demais empresas mundiais do ramo para o mesmo período. Desse total, US$ 141,8 bilhões, ou 60%, serão aplicados para localizar novos reservatórios e colocar em produção os que já estão descobertos. Em 2011, a empresa investiu US$ 43,1 bilhões, o segundo maior valor de investimento entre as empresas do setor do mundo.

O gerente de relações governamentais da Basf, Marcelo Perracini.

O diretor corporativo do Carrefour, Armando Almeida.

Química e Petroquímica

Supermercados

A

vencedora é a Basf, uma empresa de origem alemã fundada em 1865. Suas unidades de produção, distribuídas em 39 países, conduzem negócios com clientes em mais de 170 nações. Com um portfólio de cerca de 8 mil produtos, tem oferecido importantes contribuições para os

segmentos de produtos para agricultura e nutrição, químicos, produtos de performance, plásticos e petróleo e gás. Recentemente, anunciou investimentos de R$ 2 bilhões para o Brasil nos próximos cinco anos. É a aposta mais alta feita pela companhia em toda a América do Sul.

O

premiado é o Carrefour. De origem francesa, está no Brasil há 37 anos. Pioneiro no varejo, inaugurou sua primeira loja em 1975, na cidade de São Paulo. Abriu as portas para áreas de consumo amplas, variedade de produtos, com qualidade e a preços justos. A partir de 1976, ao inaugurar a loja do

Rio de Janeiro, novas unidades foram sendo abertas por todo o País. O Carrefour finalizou o ano passado com 235 lojas, sendo 186 hipermercados, 41 supermercados e oito no formato conveniência. O mercado brasileiro respondeu pela maior parte da expansão da rede.

Varejo

A A diretora de Relações Institucionais da Vivo, Leila Lória.

Telefonia

A

vencedora é a Vivo. A Telefônica Brasil, nome adotado após a união entre a Vivo, de telefonia móvel, com a concessionária paulista de telefonia fixa, nasceu com 80 milhões de clientes. Começou o segundo semestre de 2012 com quase 91 milhões – fortemente concentrados nos

celulares, com 83,3% do total, mercado em que a participação da Vivo tem uma fatia perto dos 30%. O Grupo Telefônica está aplicando R$ 24,3 bilhões no Brasil entre 2011 e 2014. Em 2012 já investiu R$ 2,3 bilhões, a maior parte destinada à ampliação das redes.

melhor do setor é a Fujioka Eletro Imagem. Estabelecida nos mercados mais importantes da região CentroOeste, a Fujioka emprega 2,5 mil funcionários, possui 54 lojas de varejo e uma rede com dez pontos de distribuição no atacado, que alcança boa parte do território nacional. Um time de 70 consultores dá apoio aos clientes das diversas regiões atendidas. A cesta de produtos e serviços da empresa também está bem mais diversificada. As lojas cobrem as áreas de áudio, vídeo, informática, telefonia, ótica, beleza e, naturalmente, serviço fotográfico. Até 2014, pretende ser a maior varejista do segmento de tecnologia do Centro-Oeste. Quer, também, estar entre as cinco principais distribuidoras do País.

O gerente de marketing da Iveco, Marcelo Bouhid.

Veículos e Autopeças

A

melhor do setor é a Iveco Latin America. A Iveco, do Grupo Fiat, atua no Brasil desde 1997 e se dedica à produção e venda de caminhões e ônibus com uma moderna fábrica em Sete Lagoas (MG). A sede administrativa fica em Nova Lima (MG) e a empresa possui

escritórios comerciais em São Paulo, Curitiba e Brasília. Desde 2006, quando iniciou um plano de investimentos de R$ 570 milhões, a empresa lançou seis famílias de produtos e multiplicou suas vendas por cinco, comercializando, em 2010, 16 mil caminhões.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 25 de setembro de 2012

e

ECONOMIA/LEGAIS - 15

Liga das Senhoras Católicas de São Paulo - CNPJ nº 60.597.044/0001-72

conomia

Novo iPhone se esgota após venda recorde Apesar das críticas, Apple vende 5 milhões de aparelhos em apenas três dias.

A

Apple informou ter vendido mais de 5 milhões de unidades do iPhone 5, a última versão do popular smartphone da empresa norte-americana, nos três primeiros dias de vendas, ficando com os estoques zerados. O desempenho é melhor que o obtido com seu antecessor, o iPhone 4S, que encerrou o primeiro fim de semana de vendas na casa das 4 milhões de unidades, em outubro de 2011. Segundo o executivochefe da Apple, Tim Cook, os iPhones encomendados com antecedência já haviam sido despachados. "A demanda pelo iPhone 5 foi incrível e estamos trabalhando duro para garantir que o aparelho chegue às mãos de cada um dos consumidores que o queira o mais rápido possível", disse Cook em comunicado, acrescentando que as lojas continuam recebendo novas levas do

aparelho regularmente. As vendas do iPhone, que começaram nos EUA e em outros oito países na última sexta-feira, decepcionaram alguns observadores do mercado de tecnologia, que previam que até 8 milhões de unidades fossem vendidas. A Apple pretende lançar o iPhone 5 em outros 22 países na próxima sexta-feira. No fim do ano, a expectativa é que o aparelho esteja disponível em mais de 100 países. O iPhone, cujo primeiro modelo foi lançado em 2007, contribuiu para que a Apple se tornasse a companhia mais valiosa do mundo. Anunciado no último dia 12, o iPhone 5 dispõe de uma tela maior, de 4 polegadas, é mais fino e mais leve que os antecessores e traz um novo sistema operacional, o iOS 6, que inclui um polêmico aplicativo de mapas, criticado pelo funcionamento. (Agências)

Setor de construção diminui o ritmo

A

atividade industrial da construção civil brasileira apresentou retração em agosto na comparação com julho, de acordo com a Sondagem Indústria da Construção, divulgada ontem pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). É o terceiro recuo mensal consecutivo. O indicador, que mede a evolução da produção do setor, ficou em 48,1 pontos no mês passado – ante 51,1 em julho e 45,5 pontos em junho. Em agosto do ano passado, o índice estava em 54,9 pontos. Os indicadores da Confederação variam de zero a 100 e, quando estão abaixo de 50, indicam retração da atividade econômica. De acordo com a sondagem, o pior desempenho ficou por conta das pequenas empre-

sas, que registraram 46,3 pontos no nível de atividade – contra 49 das médias e 48,2 das grandes empresas. Mesmo com o desaquecimento do setor, o indicador de utilização da capacidade de operação registrou crescimento de um ponto percentual de julho para agosto e atingiu 70%. Otimismo – Apesar do cenário de desaquecimento, a pesquisa mostra que os empresários da construção estão otimistas. A expectativa deles para a atividade nos próximos seis meses foi de 57 pontos e a sobre novos empreendimentos e serviços, 56,7. A pesquisa foi realizada entre 3 e 14 de setembro e ouviu 475 empresas do setor (176 pequenas, 186 médias e 113 grandes). (Folhapress)

Contratos novos de aluguel sobem 0,9%

O

s contratos novos de aluguel no município de São Paulo subiram 0,9% no mês de agosto e interromperam a tendência de acomodação nos preços para locação registrada nos dois meses anteriores. Com a variação, a alta acumulada em 12 meses chegou a 12,42%, de acordo com dados do Secovi (sindicato da habitação). O percentual acumulado é um dos mais baixos dos últimos 20 meses, atrás apenas do registrado no mês de julho (11,87%).

Para o vice-presidente de Gestão Patrimonial e Locação do Secovi, Walter Cardoso, o reajuste nos preços se deve à baixa oferta de imóveis para locação, que não tem acompanhado a busca das pessoas por imóveis mais próximo ao trabalho, por exemplo. Os imóveis de dois dormitórios foram os principais responsáveis pelo avanço no mês passado. O valor dos novos contratos para essa modalidade registrou alta de 1,2%, em relação a 0,7% nos de um e três dormitórios. (Folhapress)

Dívida pública tem maior prazo já registrado

A

queda dos juros, aliada a operações de trocas de títulos, está provocando a ampliação do prazo para o governo renovar o endividamento público. Segundo dados divulgados ontem pelo Tesouro Nacional, o prazo médio da dívida pública federal atingiu 4,05 anos em agosto, o maior intervalo da série. O prazo médio representa o tempo que o governo leva para renovar completamente a dívida pública, resgatando os títulos que vencem e vendendo novos papéis no mercado. Intervalos mais longos são favoráveis para o Tesouro por-

que dão ao governo mais tempo para planejar e executar as operações de rolagem. De acordo com o coordenador-geral de Operações da Dívida Pública, Fernando Garrido, uma operação de troca de R$ 14,9 bilhões de títulos por NTN-Bs (papéis corrigidos pela inflação) de longo prazo, com vencimentos em 2040 e 2050, contribuiu para a elevação do prazo médio da dívida pública. Além disso, destacou Garrido, os investidores também estão procurando títulos prefixados (com juros fixados antecipadamente) de prazo mais longo. (ABr)

Balanços patrimoniais em 31 de dezembro - Em reais Ativo 2011 2010 Passivo e patrimônio social Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 363.091 1.021.304 Empréstimos (Nota 9) Ativos financeiros para negociação (Nota 5) 18.030.214 17.895.344 Fornecedores (Nota 10) Contas a receber (Nota 6) 1.009.230 827.606 Impostos e contribuições a recolher Outros créditos (Nota 7) 674.615 584.449 Obrigações trabalhistas 20.077.150 20.328.703 Adiantamento de mensalidades (Nota 11) Não circulante Outras obrigações (Nota 20) Depósito judicial 180.245 58.434 Outras contas a pagar Outros 4.500 4.178 184.745 62.612 Não circulante Imobilizado (Nota 8) 132.195.736 130.673.432 Provisão para contingências (Nota 12) Intangível (Nota 8) 33.486 41.919 Outros 132.413.967 130.777.963 Total do ativo 152.491.117 151.106.666 Patrimônio social (Nota 13) Fundo patrimonial Ana Carolina Monteiro de Barros Matarazzo - Presidente Ajuste de avaliação patrimonial Rosalú Ferraz Fladt Queiroz - Vice-Presidente Superávit acumulado Idio Fernandes - CRC 1SP091434/O-1 - Contador Demonstração das Mutações do Patrimônio Social - Em reais Ajuste Fundo Avaliação Superávit Patrim. Patrim. Acum. Total Em 31/12/2009 47.683.727 82.615.682 9.310.788 139.610.197 Resultado abrangente do exercício Realização do custo atribuído líquido – (320.516) 320.516 – Déficit do exercício – – (2.901.865) (2.901.865) Em 31/12/2010 47.683.727 82.295.166 6.729.439 136.708.332 Resultado abrangente do exercício Realização do custo atribuído líquido – (320.516) 320.516 – Déficit do exercício – – (4.134.559) (4.134.559) Em 31/12/2011 47.683.727 81.974.650 2.915.396 132.573.773 Notas explicativas da administração às demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 - Em reais 1 Informações gerais - A Liga das Senhoras Católicas de São Paulo (“Liga Solidária” ou “Associação”), constituída em 10 de março de 1923, é uma organização social sem fins lucrativos que desenvolve programas sociais de educação e cidadania que beneficia atualmente mais de 3.200 crianças, jovens e adultos em situação de vulnerabilidade social. Em 22 de novembro de 1963, conforme Ato do Poder Executivo publicado no Diário Oficial de 31 de março de 1964, a Liga Solidária foi declarada instituição de utilidade pública federal. Em consequência, está imune do Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ) (imunidade prevista pelo artigo 150, inciso VI, alínea c, da Constituição Federal). Também está isenta das contribuições sociais, nos termos do artigo 195, parágrafo 7o, da Constituição Federal. Em 3 de abril de 1935, conforme Ato do Poder Estadual publicado no Diário Oficial de 4 de abril de 1935, a Liga Solidária foi declarada instituição de utilidade pública estadual. Em 22 de outubro de 1968, conforme Ato do Poder Municipal publicado no Diário Oficial de 23 de outubro de 1968, a Liga Solidária foi declarada instituição de utilidade pública municipal. A Liga Solidária desenvolve um trabalho que nasce da crença de que a educação é, por excelência, o meio de construção e de expressão da verdadeira cidadania. Seu foco é voltado para a construção gradual do conhecimento e preparo para o trabalho, em sintonia com as orientações Curriculares Nacionais para a Educação Infantil e com o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). A Liga Solidária realiza atendimento social em: • 8 Centros de Educação Infantil (CEIs) (creches); • 4 abrigos; • 8 programas sócio-educativos. Para viabilizar seu trabalho social, a Liga Solidária conta com diferentes frentes de captação de recursos: • Convênios com o poder público municipal. • Parcerias com empresas privadas. • Doações de pessoas físicas e jurídicas. • Eventos. • Campanhas. • Unidades provedoras. As unidades provedoras constituem uma estrutura interna geradora de receitas próprias. Os resultados obtidos nestas unidades, por meio da prestação de serviços a terceiros, é integralmente aplicado nas ações sociais da Liga Solidária. São seis as unidades provedoras: Lar Sant’Ana–residencial para idosos independentes, com atividades físicas e culturais; Recanto Monte Alegre–residencial para idosos dependentes, com assistência médica geriátrica e enfermagem 24 horas; Colégio Santa Amália Saúde–Ensino Infantil, Fundamental e Médio; Colégio Santa Amália Tatuapé–“Maple Bear”–Ensino Infantil bilíngue (inglês) e Ensino Fundamental; Plaza 50 e Flat Capote Valente–apartamentos para locação de longa permanência. 2 Resumo das principais práticas contábeis: As principais políticas contábeis aplicadas na preparação destas demonstrações financeiras estão definidas abaixo. Essas políticas foram aplicadas de modo consistente nos exercícios apresentados, salvo quando indicado de outra forma. A emissão destas demonstrações financeiras foi aprovada pela Assembleia Geral Ordinária em 10 de agosto 2012. 2.1 Base de preparação e apresentação: As demonstrações financeiras foram elaboradas e estão sendo apresentadas de acordo com o CPC para PMEs (R1). Elas foram preparadas considerando o custo histórico como base de valor e ajustadas para refletir o “custo atribuído” de terrenos e construções na data de transição para os CPCs e ativos e passivos financeiros mensurados ao valor justo contra o resultado do exercício. A Associação elabora suas demonstrações financeiras utilizando a contabilização pelo regime de competência. A preparação de demonstrações financeiras em conformidade com o CPC para PMEs (R1) requer o uso de certas estimativas contábeis críticas e também o exercício de julgamento por parte da administração da Associação no processo de aplicação das políticas contábeis. As áreas que requerem maior nível de julgamento e possuem maior complexidade, bem como aquelas cujas premissas e estimativas são significativas para as demonstrações financeiras, estão divulgadas na Nota 3. Os resultados efetivos podem ser diferentes daquelas estimativas e premissas. Não há novos pronunciamentos ou interpretações de CPC vigente a partir de 2011 que poderiam ter um impacto significativo nas demonstrações financeiras da Associação. Nessas demonstrações financeiras estão sendo reapresentados os saldos comparativos de 31 de dezembro de 2010 de determinadas rubricas. Os montantes originais dessas rubricas apresentados nas demonstrações financeiras de 31 de dezembro de 2010 foram: Provisão para contingências R$ 7.881.604; Superávit acumulado R$ 7.58117; Despesas com provisão para contingências R$ 1.940.001. 2.2 Moeda funcional e moeda de apresentação: Os itens incluídos nas demonstrações financeiras da Associação são mensurados de acordo com a moeda do principal ambiente econômico no qual a Associação atua (“moeda funcional”). As demonstrações financeiras estão apresentadas em reais, que é a moeda funcional da Associação e, também, a sua moeda de apresentação. 2.3 Caixa e equivalentes de caixa: Os saldos de caixa e equivalentes de caixa incluem dinheiro em caixa, depósitos bancários e outros investimentos de curto prazo de alta liquidez, com vencimentos originais de até três meses (com risco insignificante de mudança de valor). 2.4 Ativos financeiros: 2.4.1 Classificação - A administração classifica seus ativos financeiros sob as seguintes categorias: mensurados ao valor justo por meio do resultado e empréstimos e recebíveis. A classificação depende da finalidade para a qual os ativos financeiros foram adquiridos. A administração determina a classificação de seus ativos financeiros no reconhecimento inicial. (a) Ativos financeiros mensurados ao valor justo por meio do resultado: Os ativos financeiros mensurados ao valor justo por meio do resultado são ativos financeiros mantidos para negociação ativa e frequente ou ativos designados pela Associação, no reconhecimento inicial, como mensurados ao valor justo por meio do resultado. Os ganhos ou as perdas decorrentes de variações no valor justo de ativos financeiros mensurados ao valor justo por meio do resultado são apresentados na demonstração do superávit ou déficit no período em que ocorrem, a menos que o instrumento tenha sido contratado em conexão com outra operação. Neste caso, as variações são reconhecidas na mesma rúbrica afetada pela referida operação. (b) Empréstimos e recebíveis: Incluem-se nessa categoria os empréstimos concedidos e os recebíveis que são ativos financeiros não derivativos com pagamentos fixos ou determináveis, não cotados em um mercado ativo. São incluídos como ativo circulante, exceto aqueles com prazo de vencimento superior a 12 meses após a data-base do balanço (estes são classificados no ativo como não circulantes). Os empréstimos e recebíveis da Associação compreendem as contas a receber, outros recebíveis e depósito judicial. Os empréstimos e recebíveis são contabilizados pelo custo amortizado, usando o método da taxa de juros efetiva, quando aplicável. 2.4.2 Reconhecimento e mensuração: As compras e as vendas regulares de ativos financeiros são reconhecidas na data da negociação. Os investimentos são, inicialmente, reconhecidos pelo valor justo, acrescidos dos custos da transação para todos os ativos financeiros não classificados como ao valor justo por meio do resultado. Os ativos financeiros ao valor justo por meio de resultado são, inicialmente, reconhecidos pelo valor justo, e os custos da transação são debitados ao resultado. Os ativos financeiros são baixados quando os direitos de receber fluxos de caixa tenham vencido ou tenham sido transferidos; neste último caso, desde que a Associação tenha transferido, significativamente, todos os riscos e os benefícios de propriedade. Os ativos financeiros disponíveis para venda e os ativos financeiros mensurados ao valor justo por meio do resultado são, subsequentemente, contabilizados pelo valor justo. Os empréstimos e recebíveis são contabilizados pelo custo amortizado, usando o método da taxa efetiva de juros. Os ganhos ou as perdas decorrentes de variações no valor justo de ativos financeiros mensurados ao valor justo por meio do resultado são apresentados no resultado no período em que ocorrem. Os valores justos dos investimentos com cotação pública são baseados nos preços atuais de compra. Se o mercado de um ativo financeiro (e de títulos não listados em Bolsa) não estiver ativo, a Associação estabelece o valor justo através de técnicas de avaliação. Essas técnicas incluem o uso de operações recentes contratadas com terceiros, referência a outros instrumentos que são substancialmente similares, análise de fluxos de caixa descontados e modelos de precificação de opções que fazem o maior uso possível de informações geradas pelo mercado e contam o mínimo possível com informações geradas pela administração da própria entidade. 2.4.3 Impairment de ativos financeiros: (a) Ativos mensurados ao custo amortizado - A Associação avalia no final de cada período do relatório se há evidência objetiva de que o ativo financeiro ou o grupo de ativos financeiros está deteriorado. Um ativo ou grupo de ativos financeiros está deteriorado e as perdas por impairment são incorridas somente se há evidência objetiva de impairment como resultado de um ou mais eventos ocorridos após o reconhecimento inicial dos ativos (um “evento de perda”) e aquele evento (ou eventos) de perda tem um impacto nos fluxos de caixa futuros estimados do ativo financeiro ou grupo de ativos financeiros que pode ser estimado de maneira confiável. Caso, em um período subsequente, o valor da perda por impairment diminuir e a diminuição puder ser relacionada objetivamente com um evento que ocorreu após o impairment ser reconhecido, a reversão dessa perda reconhecida anteriormente será reconhecida no resultado. 2.5 Passivos financeiros: A Associação classifica seus passivos financeiros na categoria de custo amortizado. Estes passivos são inicialmente registrados pelo seu valor justo e subsequentemente mensurados ao custo amortizado. Incluem, dentre outros, empréstimos e fornecedores. 2.6 Contas a receber: As contas a receber são avaliadas no momento inicial pelo valor da transação e subsequentemente mensuradas pelo custo amortizado deduzidas da provisão para créditos de liquidação duvidosa. Uma provisão para créditos de liquidação duvidosa é constituída quando existe uma evidência objetiva de que a Associação não receberá todos os valores devidos de acordo com as condições originais das contas a receber. 2.7 Imobilizado: Os itens do imobilizado são demonstrados ao custo histórico de aquisição ou doação, exceto os terrenos e edificações que foram objetos de reavaliação em anos anteriores e novamente avaliados pelo custo atribuído no momento da transição para as novas práticas contábeis brasileiras. O valor de custo histórico e custo atribuído são reduzidos da depreciação e de qualquer perda não recuperável acumulada, quando aplicável. Os terrenos não são depreciados. A depreciação de outros ativos é calculada usando o método linear para alocar seus custos aos seus valores residuais durante a vida útil estimada, como segue: Anos Veículos 5 Móveis e utensílios 10 Máquinas e equipamentos 10 Equipamentos de informática 5 Edificações 60 a 70 Benfeitorias em bens de terceiros 5 Os valores residuais e a vida útil e os métodos de depreciação dos ativos são revisados e ajustados, se apropriado, quando existir uma indicação de mudança significativa ao final de cada exercício. O valor contábil de um ativo é imediatamente baixado para seu valor recuperável se o valor contábil do ativo for maior do que seu valor recuperável estimado (Nota 2.9). Os ganhos e as perdas de alienações são determinados pela comparação dos resultados com o valor contábil e são reconhecidos no resultado. Em anos anteriores, a Associação havia efetuado reavaliação do ativo imobilizado e, no momento de transição para as novas práticas contábeis brasileiras, a Associação optou por mensurar os terrenos e edificações pelo custo atribuído. O laudo de avaliação desses bens do ativo imobilizado foi realizado por especialistas e apurou mais-valia no montante de R$ 46.031.570 no ativo imobilizado em contra-partida a rubrica “Ajuste de avaliação patrimonial”. Para os exercícios subseqüentes a data de transição das novas práticas contábeis brasileiras, a Associação vem realizando o saldo na rubrica de “Ajuste de avaliação patrimonial” na medida em que os respectivos itens do ativo imobilizado são depreciados. 2.8 Intangível: Está representado por licenças de marcas e patentes adquiridas que são capitalizadas com base nos custos incorridos na sua aquisição e preparo do softwares para sua utilização. Esses custos são amortizados durante sua vida útil estimável em cinco anos. 2.9 Redução ao valor recuperável de ativos não financeiros (impairment): Os ativos sujeitos à depreciação ou amortização são revisados, no mínimo, anualmente para verificação do valor recuperável. Quando houver indicativo de perda ao valor recuperável (impairment), o valor contábil do ativo (ou unidade geradora Aos Administradores Liga das Senhoras Católicas de São Paulo Examinamos as demonstrações financeiras da Liga das Senhoras Católicas de São Paulo (“Associação”), que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2011 e as respectivas demonstrações do déficit, das mutações do patrimônio social e dos fluxos de caixa para o exercício findo nessa data, assim como o resumo das políticas contábeis e as demais notas explicativas. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações financeiras A administração da Associação é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil para pequenas e médias empresas - Pronunciamento Técnico CPC PME - “Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas”, e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações financeiras livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou por erro. Responsabilidade dos auditores independentes Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações financeiras com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelo auditor e que a auditoria seja planejada e executada com

2011

2010

200.000 906.779 159.111 3.484.708 1.282.202 3.000.000 4.725 9.037.525

1.112.487 854.824 78.177 2.690.808 879.559 – 41.619 5.657.474

10.872.919 6.900 10.879.819

8.733.960 6.900 8.740.860

47.683.727 81.974.650 2.915.396 132.573.773 Total do passivo e patrimônio social 152.491.117 Demonstrações do Déficit - Em reais 2011 Receitas das atividades Receita das provedoras (Nota 15) 24.608.454 Convênios públicos (Nota 16) 8.872.068 Convênios privados 544.052 Doações e contribuições 1.059.690 Outras receitas operacionais (Nota 17(a)) 9.062.425 44.146.689 Despesas das atividades–unidades provedoras Despesas de pessoal (15.902.662) Despesas operacionais (Nota 18) (5.212.903) Despesas administrativas (1.423.906) Despesas de serviços de terceiros (1.513.968) Despesas de depreciação (Nota 8) (1.107.213) Despesas com provisão p/ contingências (Nota 12) (2.121.455) Outras despesas operacionais (Nota 17(b)) (1.974.582) (29.256.689) Despesas com gratuidades - unidades sociais Despesas de pessoal (11.399.826) Despesas operacionais (Nota 18) (4.324.403) Despesas administrativas (757.049) Despesas de serviços de terceiros (1.580.075) Despesas de depreciação (Nota 8) (754.928) Despesas com provisão p/ contingências (Nota 12) – Outras despesas operacionais (208.278) (19.024.559) (48.281.248) Déficit do exercício (4.134.559)

47.683.727 82.295.166 6.729.439 136.708.332 151.106.666 2010 22.040.862 8.754.864 742.711 1.607.671 7.868.878 41.014.986 (13.812.314) (5.364.019) (1.351.561) (1.423.043) (1.107.246) (1.668.615) (1.893.073) (26.619.871) (10.149.798) (4.068.104) (577.400) (1.292.224) (735.108) (167.772) (306.574) (17.296.980) (43.916.851) (2.901.865)

de caixa à qual o ativo tenha sido alocado) é testado. Uma perda pela redução do valor recuperável é reconhecida pelo excesso do valor contábil do ativo sobre seu valor recuperável. Este último é o maior valor entre o valor justo menos os custos de venda e o valor em uso. Para fins de avaliação da perda pela redução do valor recuperável, os ativos são agrupados nos níveis mais baixos para os quais existam fluxos de caixa identificáveis separadamente (Unidades Geradoras de Caixa (UGC)). 2.10 Provisões, passivos contingentes e ativos contingentes: Uma provisão é reconhecida quando, como resultado de um evento passado, a Associação tenha uma obrigação presente e legal que pode ser estimada de modo confiável, com provável saída de benefícios econômicos para sua quitação. Passivos contingentes são divulgados se existir uma possível obrigação futura resultante de eventos passados ou se existir uma obrigação presente resultante de um evento passado. Ativos contingentes são reconhecidos contabilmente somente quando há garantias reais ou decisões judiciais favoráveis definitivas sobre as quais não cabem mais recursos, caracterizando o ganho como praticamente certo. Os ativos contingentes com probabilidade de êxito provável são apenas divulgados nas demonstrações financeiras, exceto quando seja provável que esses ativos venham a dar origem a um aumento em recursos que incorporem benefícios econômicos. As provisões são constituídas sempre que a perda for avaliada com provável e considerando a avaliação da administração, em conjunto com a opinião dos assessores jurídicos, a natureza das ações, a similaridade com processos anteriores, a complexidade e o posicionamento de Tribunais. O passivo relacionado à obrigação legal em discussão judicial é mantido até o ganho definitivo da ação, representado por decisões judiciais favoráveis, sobre as quais não cabem mais recursos ou a sua prescrição. 2.11 Patrimônio social: Constituído pela dotação inicial de seus outorgantes instituidores e por doações recebidas de terceiros, acrescido ou diminuído do superávit ou déficit apurado em cada exercício. 2.12 Apuração do superávit/déficit: As receitas e despesas são apuradas pelo regime de competência. (a) Reconhecimento de receita - A Associação reconhece a receita quando: (i) o valor da receita pode ser mensurado com segurança; (ii) é provável que benefícios econômicos futuros fluam para a Associação; e (iii) critérios específicos tenham sido atendidos para cada uma das atividades da Associação. A receita compreende o valor justo da contraprestação recebida ou a receber pela prestação de serviços no curso normal das atividades da Associação. A receita é apresentada líquida de impostos, cancelamentos, abatimentos e descontos. Geralmente, o montante de receitas é equivalente ao valor das notas fiscais emitidas. A Associação reconhece os recursos provenientes dos contratos de convênios junto aos seus parceiros, principalmente a PMSP – Prefeitura Municipal de São Paulo, como receita no resultado do exercício, pelo regime de competência. Os gastos relacionados com os respectivos convênios também são registrados no resultado na medida em que são incorridos. As receitas de doações são reconhecidas quando recebidas. (b) Reconhecimento de receita financeira - A receita financeira é reconhecida usando o método da taxa de juros efetiva. (c) Outras informações - A Associação, em 31 de dezembro de 2011 e de 2010, não possuía operações com instrumentos financeiros derivativos. 3 Estimativas e julgamento contábeis críticos: As estimativas e os julgamentos contábeis são continuamente avaliados e são baseados na experiência histórica e em outros fatores, incluindo expectativas de eventos futuros consideradas razoáveis sob as circunstâncias. Essas estimativas e premissas incluem estimativas relativas ao futuro. As estimativas contábeis resultantes, por definição, raramente serão iguais aos resultados reais relacionados. A estimativa e premissas que têm um risco significante de causar um ajuste material aos valores contábeis de ativos e passivos dentro do próximo ano fiscal está apresentada abaixo. (a) Provisão para créditos de liquidação duvidosa - A Associação constitui provisão para créditos de liquidação duvidosa em conformidade com sua política e avaliações internas que considera também as perdas históricas. Devido a natureza e a pulverização das contas

Demonstrações dos Fluxos de Caixa - Exercícios findos em 31/12 - Em Reais Fluxo de caixa das atividades operacionais 2011 2010 Déficit do exercício (4.134.559) (2.901.865) Ajustes ao déficit do exercício Depreciação e amortização 1.862.141 1.842.356 Provisão para contingências 2.121.455 1.836.387 Provisão para crédito de liquidação duvidosa 70.284 168.125 Atualização monetária ativa (2.110.753) (1.753.611) Juros de empréstimos 135.559 182.565 Atividades operacionais Contas a receber (251.908) (11.211) Outros créditos (90.166) (86.127) Depósitos judiciais (121.811) (27.513) Fornecedores 51.955 146.263 Impostos e contribuições a recolher 80.934 26.562 Obrigações trabalhistas 793.900 359.270 Adiantamento de mensalidades 402.643 221.036 Provisão para contingências 17.504 Adiantamento de permuta 3.000.000 Outras obrigações (37.216) 5.858 Caixa líq. proveniente das ativi. operacionais 1.789.962 8.095 Atividades de investimento Aplicações (resgates) de ativos financeiros 1.975.883 619.460 Aquisição de bens do ativo imobiliz. e intangível (3.376.012) (679.336) Caixa líq. utilizado nas ativ. de investimento (1.400.129) (59.876) Atividades de financiamento Captação e (amortização) de empréstimos (1.048.046) 379.922 Caixa líquido proveniente (utilizado) das atividades de financiamento (1.048.046) 379.922 Caixa líquido de caixa e equivalentes de caixa (658.213) 328.141 Aumento (redução) de caixa e equiv. de caixa (658.213) 328.141 Caixa e equiv. de caixa no início do exercício 1.021.304 693.163 Caixa e equiv. de caixa no final do exercício 363.091 1.021.304 a receber da Associação, as perdas reais podem ser diferentes da provisão para perdas registrada em 31 de dezembro de 2011. (b) Provisão para contingências tributárias, cíveis e trabalhistas - Como descrito na Nota 12 às demonstrações financeiras, a Associação é parte de diversos processos judiciais e administrativos. Provisões são constituídas para as contingências referentes a processos judiciais que representem perdas prováveis e estimadas com certo grau de segurança. A avaliação da probabilidade de perda inclui a avaliação das evidências disponíveis, a hierarquia das leis, a jurisprudência disponível, as decisões mais recentes nos tribunais e sua relevância no ordenamento jurídico, bem como a avaliação dos advogados externos e da administração. (c) Receita de convênios - Conforme mencionado na Nota 2.12, a Associação reconhece os recursos derivados de convênios no resultado do exercício, pelo regime de competência, assim como os gastos necessários para a realização das atividades desses convênios. A Administração avaliou o registro de recursos e gastos provenientes de convênios com o objetivo de determinar a forma mais apropriada de registro dessas atividades. Com base em determinadas características particulares das atividades da Liga, a Administração julgou que a essência das atividades de convênio caracteriza a Associação como principal nessas atividades e, conseqüentemente, vem registrando os recursos e gastos relacionados aos convênios na demonstração do resultado, conforme Nota 2.12. às demonstrações financeiras. 4 Caixa e equivalentes de caixa 2011 2010 Disponibilidades 233.402 488.613 Depósitos em poupança 129.689 532.691 363.091 1.021.304 Para fins da demonstração do fluxo de caixa, o caixa e equivalentes de caixa inclui as contas garantidas: 2011 2010 Caixa e equivalentes de caixa 363.091 1.021.304 Contas garantidas (Nota 9) (200.000) (1.112.487) 163.091 (91.183) 5 Ativos financeiros para negociação: Os ativos financeiros classificados na categoria títulos para negociação possuem liquidez imediata. Os valores das cotas de fundos de investimentos detidos pela Associação em 31 de dezembro de 2010 e de 2011, nos montantes de R$ 18.030.214 (2010 – R$ 17.895.344), são apurados com base nos valores das cotas divulgadas pelas instituições financeiras e as transações são efetuadas pelo Pátria Investimentos. 6 Contas a receber 2011 2010 Mensalidades a receber–escolas 455.221 269.885 Hospedagem a receber–residenciais e flats 150.710 92.217 Aluguéis a receber 96.040 113.176 Convênios governamentais a receber 52.602 195.146 Valores em cobrança judicial 295.275 109.922 Outros recebíveis 344.016 362.156 (-) Provisão para créditos de liquidação duvidosa (384.634) (314.896) 1.009.230 827.606 A análise de vencimentos dessas contas a receber está apresentada a seguir: 2011 2010 Títulos a vencer 360.764 260.499 Títulos vencidos até 30 dias 242.170 174.865 Títulos vencidos de 31 até 90 dias 29.552 21.338 Títulos vencidos há mais de 90 dias 761.378 685.800 1.393.864 1.142.502 A provisão para créditos de liquidação duvidosa é constituída tendo como ponto de partida os créditos vencidos há mais de 180 dias, conforme base histórica de perda. As movimentações da provisão para créditos de liquidação duvidosa da Associação são as seguintes: 2011 2010 Em 1º de janeiro 314.896 146.771 Constituição de provisão 365.676 425.480 Reversão de provisão (295.938) (257.355) Em 31 de dezembro 384.634 314.896 A constituição e a reversão da provisão para créditos de liquidação duvidosa foram registradas no resultado do exercício como “Despesas administrativas”. Os valores debitados à conta de provisão são geralmente baixados quando não há expectativa de recuperação dos recursos. A exposição máxima ao risco de crédito na data de apresentação do relatório é o valor contábil de cada classe de contas a receber mencionada acima. A Associação não mantém nenhum título como garantia. 7 Outros créditos: São registrados nessa rubrica, adiantamentos salariais cujos valores serão compensados em período subsequentes, como segue: 2011 2010 Adiantamento de férias 550.900 464.107 Adiantamento salarial 16.097 29.486 Adiantamento rescisões 30.923 19.507 Adiantamento fornecedores 40.763 20.022 Outros 35.932 51.327 Total outros créditos 674.615 584.449

8 Imobilizado Veículos Custo Em 31/12/2010 Aquisições Baixas Em 31/12/2011 Depreciação Em 31/12/2010 Depreciação anual Depreciação acumulada de ativos baixados Realiz. do custo atribuído Em 31/12/2011 Valor contábil líquido Em 31/12/2010 Em 31/12/2011

Móveis e Máqs. e Equiptos. de utensílios equiptos. informática

Terrenos

Conciliação do imobilizado e do intangível Benfeitorias Obras em em bens Bens Edificações andamento de terceiros intangíveis Total

241.764 1.444.742 – 193.117 (16.863) 224.901 1.637.859

740.473 60.540

794.780 77.875

90.810.000 3.000.000

39.999.149 –

225.561 44.480

1.093.976 –

801.013

872.655

93.810.000

39.999.149

270.041

1.093.976

(233.203) (6.628)

(495.739) (142.121)

(239.170) (75.162)

(499.470) (107.392)

– –

(2.607.156) (983.094)

– –

(602.275) (218.795)

(42.417) (8.433)

(4.719.431) (1.541.625)

16.863 – (222.968)

– – (637.860)

– – (314.332)

– – (606.862)

– –

– (320.516) (3.910.766)

– –

– – (821.070)

– – (50.850)

16.863 (320.516) (6.564.708)

8.561 1.933

949.003 999.999

501.303 486.681

295.310 265.793

90.810.000 93.810.000

37.391.993 36.088.383

225.561 270.041

491.701 272.906

41.919 130.715.351 33.486 132.229.222

9 Empréstimos: Referem-se a conta garantida para cobertura de capital de giro no valor de R$ 200.000 (2010–R$ 1.112.487). 10 Fornecedores 2011 2010 Fornecedores de produtos 610.101 577.830 Fornecedores de serviços 246.132 222.498 Fornecedores (concessionárias) 50.546 54.496 906.779 854.824 11 Adiantamento de mensalidades: Valores pagos antecipadamente, referentes a reserva de matrículas no Colégio Santa Amália para o ano letivo seguinte. Esses valores são apropriados ao resultado no exercício seguinte pelo regime de competência. O saldo em 2011 monta R$ 1.282.202 (2010–R$ 879.559). 12 Provisão para contingências: (a) Perdas prováveis - A Associação é ré em processos de natureza trabalhista e tributária nos âmbitos administrativos e judiciais, cujos desfechos, em muitos casos, são incertos neste momento. Para os processos de natureza, trabalhista e tributária a Associação constituiu as seguintes provisões: 2011 2010 Trabalhista 1.156.636 899.859 Tributário • Pis 1.159.600 832.513 • Cofins 8.557.683 7.001.588 10.872.919 8.733.960 PIS e COFINS - A Associação, no ano-calendário de 1999, impetrou Mandado de Segurança com o objetivo de impedir que a Receia Federal realize qualquer ato relacionado a cobrança das referidas contribuições. O processo judicial encontra-se em análise pelo Supremo Tribunal Federal, tendo a Associação obtido a segurança em 1ª instância, em 1999. Entretanto, desde então, as decisões das demais instâncias estão sendo proferidas em favor da parte contrária. As autoridades fiscais não se manifestaram no sentido de formalizar a existência de crédito tributário relacionado a PIS sobre folha de salários no período compreendido entre 1999 e 2011. Em relação a COFINS, as autoridades fiscais lavraram auto de infração no ano de 2008, o qual consubstanciava exigência de recolhimento da COFINS calculada sobre o faturamento para o período de julho de 2003 a dezembro de 2007. (b) Perdas possíveis, não provisionadas no balanço - A Associação possui ações de natureza cível e trabalhista, envolvendo riscos de perda classificados pela administração e seus consultores jurídicos como possível, para os quais não há provisão constituída, conforme composição a seguir: 2011 2010 Cíveis 112.934 1.934 Trabalhistas 1.170.000 1.170.000 1.282.934 1.171.934 13 Patrimônio social: O patrimônio social é composto, substancialmente, pelo fundo patrimonial, ajuste de avaliação patrimonial e superávits apurados anualmente. Em caso de extinção ou desqualificação da Associação, seu patrimônio, legados ou doações, assim como eventuais excedentes financeiros decorrentes de suas atividades, serão destinados integralmente ao patrimônio de outra organização social qualificada no âmbito do Estado de São Paulo na mesma área de atuação, escolhida pela Assembleia Geral e ao patrimônio do Estado, na proporção dos recursos e bens por este alocados, de acordo com o disposto na Lei Complementar no 846/98 e no Decreto Estadual no 43.493/98. O patrimônio social em 31 de dezembro de 2011 é de R$ 132.574.095 (2010–R$ 136.708.654). Na rubrica “Ajuste a avaliação patrimonial” está registrada a mais-valia no montante de R$ 46.031.570, apurada por meio de laudo de avaliação, de terrenos e edificações, referente ao custo atribuído apurado na data de transição para as novas práticas contábeis brasileiras, assim como o saldo de reavaliações de terrenos e edificações efetuadas em exercícios anteriores as novas práticas contábeis. O saldo mantido em ajuste de avaliação patrimonial vem sendo realizado na medida em que os respectivos itens do ativo imobilizado são depreciados. 14 Aspectos relacionados a impostos e contribuições: (a) Imposto de renda e contribuição social - A Associação é uma instituição beneficente de assistência social que, através do cumprimento do disposto no art. 12 da Lei no 9.532/97, goza da imunidade em relação ao imposto de renda e isenção em relação à contribuição social sobre o lucro líquido. (b) Imposto de renda sobre aplicações financeiras - A Associação é imune ao imposto de renda sobre aplicações financeiras de acordo com o art. 12 da Lei no 9.532/97 e com base nos artigos 9º e 14 do Código Tributário Nacional. (c) PIS e COFINS - A Associação busca judicialmente a isenção sobre o recolhimento de PIS sobre a folha de pagamento e a COFINS relacionada às receitas (doações) ligadas aos objetivos sociais. 15 Receita das provedoras 2011 2010 Receita de mensalidades 12.041.796 10.288.183 Receita de hospedagem 11.744.225 11.031.154 Receita de condomínio 777.677 721.525 Outras 44.756 – 24.608.454 22.040.862 16 Receita com convênio público: As receitas referem-se principalmente a convênios com a Prefeitura Municipal de São Paulo no montante de R$ 8.872.068 (2010–R$ 8.754.864). 17 Outras receitas e despesas operacionais: (a) Outras receitas operacionais 2011 2010 Receitas com aluguel 1.522.666 1.500.401 Receitas com cursos extracurriculares 321.496 229.207 Receitas com hospedagem 1.064.468 1.056.389 Receita eventos 642.901 608.351 Reembolso acompanhante 1.280.188 1.168.982 Receitas financeiras 2.197.573 1.918.311 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações financeiras estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e das divulgações apresentados nas demonstrações financeiras. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações financeiras, independentemente se causada por fraude ou por erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstrações financeiras da Associação para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos da Associação. Uma auditoria inclui também a avaliação da adequação das políticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações financeiras tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião com ressalva. Base para opinião com ressalva A Associação por não ter fins lucrativos, tem parte de suas receitas provenientes de doações e contribuições de terceiros. Como estas doações e contribuições de

84.336 135.434.781 – 3.376.012 (16.863) 84.336 138.793.930

Recuperação de créditos Reembolso vale-transporte Outras receitas operacionais

540.102 82.069 367.398 331.329 1.125.633 973.839 9.062.425 7.868.878 (b) Outras despesas operacionais 2011 2010 Despesas com farmácia e enfermaria 834.429 834.301 Despesas com condomínio 454.846 422.877 Despesas com lavanderia 264.363 224.476 Despesas com rouparia 103.677 153.083 Despesas com cursos livres nas escolas 251.534 195.227 Outras despesas operacionais 65.733 63.109 1.974.582 1.893.073 18 Despesas operacionais 2011 2010 Despesas com alimentação 2.935.297 3.211.876 Despesas com serviços públicos e concessionárias 2.213.988 2.235.218 Despesas com manutenção e conservação 2.082.354 1.871.815 Despesas com locação de imóveis e equipamentos 520.377 491.728 Despesas com material de higiene e limpeza 669.932 667.647 Despesas didáticas e pedagógicas 999.016 855.584 Despesas com sistema de informação 116.342 98.255 9.537.306 9.432.123 19 Gratuidades concedidas: A isenção das contribuições previdenciárias (INSS parte do empregador–quota patronal) usufruída no exercício foi de R$ 5.704.961 (2010–R$ 5.079.184). O percentual de 20% da receita operacional montou a R$ 8.829.337 para o exercício findo em 31 de dezembro de 2011 (2010–R$ 8.202.997). Para que a Associação possa continuar a gozar da isenção das contribuições previdenciárias, a prevalência na concessão de gratuidades sempre será a de maior valor, quota patronal ou 20% da receita operacional. As despesas com gratuidades (unidades sociais) no exercício foram de R$ 19.108.861 (2010–R$ 17.296.980), atendendo assim aos requisitos estabelecidos na legislação vigente, ou seja, no exercício corresponderam a 46,77% da receita operacional (2010–42,42%). 20 Operação de permuta com a Gafisa - A Associação firmou contrato de permuta com uma construtora, por meio de instrumento particular assinado em 12 de dezembro de 2012, com o objetivo de efetuar permuta de um terreno localizado na Avenida Nazaré, com aproximadamente 6.983 m², onde possuía uma creche com capacidade para 120 crianças (atualmente desativada), em troca de uma nova creche localizada no bairro do Butantã, com capacidade para 250 crianças. Nessa operação, além do recebimento da creche, a Liga também receberá aproximadamente 39 apartamentos, limitado a 18,67% do valor de mercado do empreendimento na entrega das chaves, que serão construídos no terreno da antiga creche (Avenida Nazaré). Dado a natureza da operação e por se tratar de uma associação sem fins lucrativos, a operação de permuta será efetivada somente após a aprovação em Ata de Assembleia, onde o Curador (membro indicado pelo Ministério Público) terá o poder de aprovação dessa transação. Considerando que essa transação ampliará as operações da Liga, bem como aumentará o atendimento em aproximadamente 130 crianças, a administração da Liga entende que não haverá restrições na aprovação dessa transação. Até 31 de dezembro de 2011, a construtora havia adquirido o terreno no valor de R$ 3.000.000 e transferido a propriedade à Liga por meio de escritura de imóvel, hipotecando outro imóvel de propriedade da Associação, denominado “Sede”, no valor estimado de $ 5.500.000. O montante de R$3.000.000, equivalente ao terreno transferido para a Associação, foi registrado no ativo imobilizado em contra partida da rubrica “Outras obrigações” no passivo circulante. Na hipótese de desistência por qualquer parte, a Liga tem a opção de comprar o terreno e as benfeitorias efetuadas na construção da creche, avaliados, quando concluídas, em aproximadamente R$ 5.000.000, sendo R$ 3.000.000 referente ao terreno e R$ 2.000.000 referente ao custo orçado para a construção da creche. A construção da creche teve início em 2012. 21 Seguros: A Associação mantém contratos de seguros de riscos diversos e de responsabilidade civil, com cobertura determinada por orientação de especialistas, com vigência de 29 de agosto de 2011 a 28 de agosto de 2012. As coberturas de seguros contratadas têm os seguintes limites: Riscos cobertos Limites de cobertura Incêndio, raio, explosão de qualquer natureza e incêndio resultante de tumultos 8.500.000 Vendaval, furacão, ciclone, tornado, granizo, queda de aeronave, impacto de veículos terrestre e fumaça 40.000 Danos elétricos 40.000 Roubo, furto qualificado de bens nas dependências do segurado 30.000 Equipamentos estacionários 30.000 Roubo de valores nas dependências do segurado 50.000 Roubo de valores nas mãos de portadores 5.000 Responsabilidade civil do empregador 160.000 Responsabilidade civil do empregador na guarda de veículos (incêndio/roubo) 40.000 8.895.000 Os membros do atual Conselho Fiscal examinaram e aprovaram as demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e as correspondentes notas explicativas elaborados sob a responsabilidade da administração da Associação e propõem que os mesmos sejam aprovados pela Assembléia Geral da Liga das Senhoras Católicas de São Paulo. Guilherme Archer de Castilho Ivanir Tristan - Israel Aron Zylberman terceiros são espontâneas, só podem ser identificadas se registradas e, por essa razão, nossas verificações dessas receitas considerou, exclusivamente, os valores constantes dos registros contábeis. Opinião com ressalva Em nossa opinião, exceto pelos possíveis efeitos do assunto descrito no parágrafo “Base para opinião com ressalva”, as demonstrações financeiras acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da Liga das Senhoras Católicas de São Paulo em 31 de dezembro de 2011, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício findo nessa data, de acordo com as práticas contábeis no Brasil aplicáveis para as pequenas e médias empresas. São Paulo, 16 de agosto de 2012.

PricewaterhouseCoopers Auditores Independentes CRC 2SP000160/O-5

Fabiano Ricardo Tessitore CRC 1SP216451/O-1


DIà RIO DO COMÉRCIO

16 -.ECONOMIA/LEGAIS

e

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Buscaremos medidas para o desemprego e para aumentar a competitividade. Pedro Passos Coelho, primeiro-ministro de Portugal

conomia

Jonathan Ernst/ Reuters

Portugal vai aumentar o imposto de renda Plano polêmico que elevaria a contribuição previdenciåria cai, mas novo projeto prevê alta do IR.

O FMI REDUZ ESTIMATIVA DE CRESCIMENTO GLOBAL A informação foi dada pela diretora-gerente do Fundo Monetårio Internacional (FMI) Christine Lagarde. "O crescimento deverå ser mais fraco, com a tendência de baixa dos últimos 12 meses".

p ri me ir o- mi ni st ro de Portugal, Pedro Passos Coelho, disse ontem que o governo abandonou um polêmico plano de elevar a contribuição previdenciåria dos trabalhadores, mas alertou que provavelmente aumentarå o imposto de renda e reduzirå os salårios do funcionalismo público para cumprir metas orçamentårias estipuladas no plano de resgate de país, no valor de 78 bilhþes de euros. Passos Coelho recuou após a reação negativa da opinião

pública e de políticos a um plano que elevaria a contribuição previdenciåria de 11% para 18% dos salårios, o que permitiria às empresas cortar suas próprias contribuiçþes de 23,75% para 18%. O governo foi acusado de querer transferir dinheiro dos trabalhadores para as companhias e dezenas de milhares de pessoas saíram às ruas para protestar contra a proposta, numa das maiores manifestaçþes jå registradas em Portugal desde que o país recebeu ajuda, em maio de 2011.

O premiê português defendeu o plano dizendo que a redução dos custos da mão de obra abriria o caminho para as empresas aumentarem as contrataçþes e para consertar o que os credores internacionais afirmam ser o principal problema de Portugal – sua fraca competitividade em relação ao resto do mundo. "Ainda buscaremos medidas para lidar com o desemprego e aumentar a competitividade", disse Passos Coelho, após reunir-se com sindicatos e associaçþes empresariais

para discutir novas açþes de austeridade. Segundo ele, ainda não hå uma decisão final sobre as medidas de austeridade, que precisarão ser aprovadas pelos credores de Portugal. Antes do anúncio, o portavoz da Comissão Europeia (CE), Olivier Bailly, comentou que a busca do país por reformas alternativas não muda "o acordo geral" entre Lisboa e seus credores, o que inclui a CE, o Banco Central Europeu (BCE) e o Fundo Monetårio Internacional (FMI). (AE)

%KVCnlQ  2TC\Q  FKCU  2TQE   PÂ? QTFGO  1 &T 5KFPG[ FC 5KNXC $TCIC ,WK\ FG &KTGKVQ FC Â&#x153; 8CTC %sXGN (C\ 5CDGT C <QW %JGPINQPI %2(  SWG *5$% $CPM $TCUKN 5#  $CPEQ /}NVKRNQ CLWK\QW WOC #nlQ EQO 2TQEGFKOGPVQ 1TFKPhTKQ QDLGVKXCPFQ EQPFGPCT Q ToW CQ RCICOGPVQ FG 4    TGH CQU EQPVTCVQU FG %QPVC %QTTGPVG G %ToFKVQ 2CTEGNCFQ PÂ?U    G  CETGUEKFQ FG EWUVCU JQPQThTKQU G FGOCKU EQOKPCn|GU 'UVCPFQ Q TGSFQ GO NWICT KIPQTCFQ HQK FGHGTKFC C EKVCnlQ RQT GFKVCN RCTC SWG GO  FKCU C HNWKT CRxU QU  FKCU UWRTC EQPVGUVG UQD RGPC FG RTGUWOKTGOUG CEGKVQU QU HCVQU 5GTh Q RTGUGPVG GFKVCN RQT GZVTCVQ CHKZCFQ G RWDNKECFQ PC HQTOC FC NGK

3ÂŞ VARA CĂ?VEL REGIONAL DO IPIRANGA - EDITAL DE CITAĂ&#x2021;Ă&#x192;O, COM PRAZO DE 30 DIAS. Proc. 0110908-56.2007 C.1649/07.O DOUTOR Carlos Antonio da Costa, MM. JUIZ DE DIREITO DA 3ÂŞ Vara CĂ­vel, DO ESTADO DE SĂ&#x192;O PAULO, NA FORMA DA LEI, FAZ SABER a Isaura Camillo, CPF 074.620.278-44 e a Silvio Fernandes de Carvalho, CPF: 952.921.608-49 que o Banco Bmd S/A, lhe ajuizou uma ação MONITĂ&#x201C;RIA, objetivando a cobrança da quantia de R$9.483,80, decorrente do Contrato de Abertura de CrĂŠdito em Conta Corrente Cheque Especial, de 28/07/1995. Encontrando-se os mesmos em lugar ignorado, foi deferida a intimação por edital, para que em quinze dias, a fluir apĂłs o prazo de trinta dias contados a partir da publicação deste edital, ofereça embargos monitĂłrios ou pague a importância supra, ficando ciente, outrossim, de que neste Ăşltimo caso ficarĂĄ isento de custas e honorĂĄrios advocatĂ­cios e de que na hipĂłtese de nĂŁo oferecimento de embargos, serĂĄ iniciada a execução, conforme previsto no Livro II, TĂ­tulo II, capĂ­tulos II e IV. O presente serĂĄ afixado e publicado na forma da lei.

EDITAL DE CITAĂ&#x2021;Ă&#x192;O - PRAZO DE 20 DIAS - PROCESSO nÂş 0019135-72.2012.8.26.0100 - Pedido de FalĂŞncia. O Doutor Caio Marcelo Mendes de Oliveira, MM. Juiz de Direito da 2ÂŞ Vara de FalĂŞncias e Recuperaçþes Judiciais, do Foro Central CĂ­vel, da Comarca de SĂŁo Paulo, do Estado de SĂŁo Paulo, na forma da Lei, etc. FAZ SABER a Off The Field Empreendimentos Esportivos Ltda, CNPJ/MF nÂş 13.861.677/0001-66, que YpĂŞ Locaçþes Ltda. ajuizou um Pedido de FalĂŞncia por ser credor da quantia de R$ 160.698,24, representada por cheques, devidamente protestados. Estando a rĂŠ em lugar ignorado, foi deferida a citação por edital, para que em 10 dias, a fluir apĂłs os 20 dias supra, apresente defesa, podendo, nos termos do art. 98, parĂĄgrafo Ăşnico da Lei 11.101/2005 - depositar a quantia correspondente ao total do crĂŠdito reclamado, acrescida de juros, correção monetĂĄria, custas, despesas processuais e honorĂĄrios advocatĂ­cios fixados em 10% do dĂŠbito sob pena de decretação da falĂŞncia. SerĂĄ o presente edital, por extrato, afixado e publicado na forma da lei, sendo este FĂłrum localizado na Praça JoĂŁo Mendes s/nÂş, 16Âş andar salas 1618/1624, Centro - CEP 01501-900, Fone: 2171-6506. SĂŁo Paulo, 31 de agosto de 2012.

Edital de Citação. Prazo de 20 dias. Proc. 361.01.2009.020376-9, nº de Ordem 2280/2009. O Dr. Marcos Alexandre Santos Ambrogi, Juiz de Direito da 4ª Vara Cível do Foro da Comarca de Mogi das Cruzes / SP, na forma da lei, etc. Faz saber a Espolio de Pedro Antonio Martins de Oliveira, na pessoa dos pais do falecido, que Clovis Barbosa Duarte ajuizou a ação Ordinåria objetivando declarar nula a nota promissória emitida em 10/10/2008 com vencimento para 10/11/2008 no valor de R$ 185,00 e cancelar a restrição apontada no nome do autor junto ao CCF, SCPC, SERASA e demais órgãos de proteção ao credito. Foi deferida a citação por edital para que em 15 dias, para contestar a presente ação, sob pena de ser-lhe aplicada a pena de confissão quanto à matÊria de fato e decretada sua revelia, não havendo qualquer manifestação, serão presumidos verdadeiros os fatos apresentados na petição inicial. SP, 24/08/2012.

%KVCnlQ  2TC\Q  FKCU  2TQE   PÂ? FG QTFGO  1 &T %*4+5612*'4 #.':#0&'4 41+5+0 ,WK\ FG &KTGKVQ FC Â&#x153; 8CTC %sXGN (C\ 5CDGT C /CTKC FQ %CTOQ (NGPKM SWG VCODoO CUUKPC /CTKC FQ %CTOQ (CTKC SWG #PIGNQ 8KNNCTFQ 0GVQ CLWK\QW WOC #nlQ /QPKVxTKC QDLGVKXCPFQ Q TGEGDKOGPVQ FG 4    CETGUEKFQU FG LWTQU G EQTTGnlQ OQPGVhTKC 'UVCPFQ C TGSFC GO NWICT KIPQTCFQ HQK FGHGTKFC C EKVCnlQ RQT GFKVCN RCTC SWG PQ RTC\Q FG  FKCU C HNWKT CRxU QU  FKCU UWRTC RCIWG Q XCNQT UWRTC FGXKFCOGPVG EQTTKIKFQ SWG C VQTPCTh KUGPVC FCU EWUVCU G JQPQThTKQU CFXQECVsEKQU QW PQ OGUOQ RTC\Q QHGTGnC GODCTIQU UQD RGPC FG EQPXGTUlQ FQ OCPFCFQ FG EKVCnlQ GO OCPFCFQ FG GZGEWnlQ 5GTh Q RTGUGPVG GFKVCN RQT GZVTCVQ CHKZCFQ G RWDNKECFQ PC HQTOC FC NGK

                  !  "#$ %& '( )*  !   + ,  -.&  /      '*01 (  2   &(  / 13   4*

  / 5 ( 6* 781"7"9" '%"!71": !% %8178 19 %;7;( &# <* * *  '= ( . 

3  ;>  ( .3   ?  ?&    ?    . *( 2     ? ( &.   $ 2    &.   ( 2     $   3 ( &   .&  ;> (5(  ?$ %  @*  &*$ $ ( 2 2   *  ? & ?  6*(  ?    5 (    2&   *? ( ?$*  ? ?&(     $ &$ * 2  3 $( 3 ?  *   ?&    -*& A*. <*&(        ( &- B3C  BC    1 0  ?  &( 2A  ?*3&  2   & D

EDITAL DE CITAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DE MĂ RIO DE ABREU, portador do RG nÂş 23.328.785-1/SP e do CPF nÂş 263.649.948-82, expedido nos autos da ação de rescisĂŁo contratual c.c. reintegração de posse nÂş 1400/2009, ajuizada pela Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de SĂŁo Paulo â&#x20AC;&#x201C; C.D.H.U., com prazo de vinte dias. O Dr. Marco AurĂŠlio Stradiotto de Moraes Ribeiro Sampaio, Juiz de Direito da Terceira Vara CĂ­vel de JundiaĂ­, na forma de lei, etc., FAZ SABER a MĂĄrio de Abreu que por este JuĂ­zo tramita o Processo nÂş 1400/09, movida pela CDHU, cujo teor da petição inicial, em resumo, visa Ă  rescisĂŁo do contrato celebrado entre as partes para aquisição do imĂłvel objeto da demanda, a saber: o Apartamento nÂş 33-B, localizado na Rua Uva Niagara, nÂş 1155, Bloco 79, nesta cidade, pela inadimplĂŞncia financeira por parte do rĂŠu e ocupação irregular. Assim, a Autora requer a desconsideração do vĂ­nculo jurĂ­dico e a reintegração na posse do imĂłvel. Estando o Requerido em local incerto e nĂŁo sabido, expede-se o presente edital com prazo de 20 dias, que serĂĄ publicado e afixado na forma de lei, pela qual FICA ADVERTIDO O RĂ&#x2030;U DE QUE, FINDO O PRAZO DO EDITAL, NĂ&#x192;O SENDO CONTESTADA A AĂ&#x2021;Ă&#x192;O, NO PRAZO DE 15 (QUINZE) DIAS, PRESUMIRSE-Ă&#x192;O ACEITOS COMO VERDADEIROS OS FATOS ARTICULADOS PELA REQUERENTE. Dado e passado nesta cidade e Comarca de JundiaĂ­, 3Âş OfĂ­cio CĂ­vel de Justiça, aos 14/09/2012. Eu, Adriano RogĂŠrio Trentini, escrevente, digitei. MARCO AURĂ&#x2030;LIO STRADIOTTO DE MORAES RIBEIRO SAMPAIO - JUIZ DE DIREITO.

1ÂŞ VARA CĂ?VEL DO FORO REGIONAL VI - PENHA DE FRANĂ&#x2021;A EDITAL DE INTIMAĂ&#x2021;Ă&#x192;O - PRAZO DE 20 DIAS. PROCESSO NÂş 0832864-36.2006.8.26.0006. O(A) Doutor(a) Anderson Antonucci, MM. Juiz(a) de Direito da 1ÂŞ Vara CĂ­vel, do Foro Regional VI - Penha de França, da Comarca de de SĂ&#x192;O PAULO, do Estado de SĂŁo Paulo, na forma da Lei, etc. FAZ SABER a(o) FAUZE NACLE HAMUCHE, RG. nÂş 4.672.132-0, ELI FAUZI HAMUCHE, RG. nÂş 16.269.551-2 e CPF/MF 536.657.328-91 (comum), que pelo presente edital, expedido nos autos dos Embargos Ă&#x20AC; Execução que os mesmos requereram contra CENTERLESTE EMPREENDIMENTOS COMERCIAIS LTDA. Encontrando-se os embargantes em lugar ignorado, foi deferida a INTIMAĂ&#x2021;Ă&#x192;O, por EDITAL, para que, no prazo de 15 dias, que fluirĂĄ apĂłs o decurso do prazo de 20 dias, pagarem a quantia de R$158.198,80 (abril/2011, fls. 22) sob pena de multa de 10%, bem como da penhora de tantos bens quanto bastem para a garantia da execução. SerĂĄ o presente edital, por extrato, afixado e publicado na forma da lei, sendo este FĂłrum localizado na Rua Dr. JoĂŁo Ribeiro, 433, 5Âş andar - Sala 501, Penha de França - CEP 03634-010, Fone: 1120936612r6004, SĂŁo Paulo-SP. SĂŁo Paulo, 10 de agosto de 2012.

EDITAL DE CITAĂ&#x2021;Ă&#x192;O Processo nÂş: 0605514-95.2008.8.26.0003 Classe: Assunto: Procedimento SumĂĄrio - Prestação de Serviços Requerente: Instituto Lumen Vita S/C Ltda. Requerido: Maria LuĂ­sa Neves. EDITAL DE CITAĂ&#x2021;Ă&#x192;O - PRAZO DE 20 DIAS. PROCESSO NÂş 0605514-95.2008.8.26.0003. O(A) Doutor(a) Marco Antonio Botto Muscari, MM. Juiz(a) de Direito da 4ÂŞ Vara CĂ­vel, do Foro Regional III - Jabaquara, da Comarca de SĂŁo Paulo, do Estado de SĂŁo Paulo, na forma da Lei, etc. Faz Saber a Maria Luisa Neves, RG 11.901.019-7 SSP/SP e CPF/MF 011.541.628-50, que Instituto Lumen Vita S/C Ltda, lhe ajuizou ação de Proc. SumĂĄrio, convertido em Rito OrdinĂĄrio, para a cobrança de R$ 8.278,99 (nov/08), relativa ao contrato de prestação de serviços educacionais, que se acha em atraso com as mensalidades nos meses de fevereiro, abril, maio, junho, agosto, setembro, outubro, novembro e dezembro de 2006. Estando a rĂŠ em lugar ignorado, foi deferida a citação por edital, para que no prazo de 15 dias, a fluir apĂłs o prazo supra, conteste a ação, sob pena de revelia, presumindo-se como verdadeiros os fatos. SerĂĄ o edital, afixado e publicado na forma da lei. SĂŁo Paulo, 18/09/2012.

4ÂŞ VARA CĂ?VEL REGIONAL DO JABAQUARA - 4Âş OFĂ?CIO CĂ?VEL Edital de 1ÂŞ e 2ÂŞ Praça de bem imĂłvel e para intimação do executado MĂ RCIO DE ALMEIDA BARROS, RG 2.472.269-8, da co-proprietĂĄria SILVIA REGINA FAVI BARROS, RG 9.958.578, CPF/MF 410.029.118-34 (comum) e IVANILDA DE OLIVEIRA CAETANO (terceira interessada), expedido nos autos da AĂ&#x2021;Ă&#x192;O DE EXECUĂ&#x2021;Ă&#x192;O requerida por BRADESCO LEASING S/A â&#x20AC;&#x201C; ARRENDAMENTO MERCANTIL - PROC. NÂş 021079515.1999.8.26.0003. O Dr. Marco Antonio Botto Muscari, Juiz de Direito da 4ÂŞ Vara CĂ­vel Regional do Jabaquara, na forma da lei, etc. Faz Saber que no dia 05 de outubro de 2012, Ă s 13:00 hs, no local destinado Ă s Hastas PĂşblicas do FĂłrum Regional do Jabaquara, Ă  Rua Joel Jorge de Melo nÂş 424, serĂĄ levado a 1ÂŞ Praça o bem imĂłvel abaixo descrito, sendo entregue a quem mais der acima da avaliação, ficando desde jĂĄ designado o dia 19 de outubro de 2012, Ă s 13:00 hs, para a 2ÂŞ Praça, caso nĂŁo haja licitantes na 1ÂŞ, ocasiĂŁo em que referido bem serĂĄ entregue a quem mais der, nĂŁo sendo aceito lance vil (art. 692 do CPC), ficando o executado, a co-proprietĂĄria e a terceira interessada, supra mencionados, pelo presente, intimados das designaçþes, se nĂŁo intimados pessoalmente. BEM: ImĂłvel da Rua JurĂŠa, nÂş 293, na SaĂşde, 21Âş Subdistrito, consistente de um prĂŠdio e respectivo terreno, medindo 8,00ms de frente, confrontando a direita de quem de frente olha para o imĂłvel com a casa 283, de propriedade de Takashi Assakawa e sua mulher Eiko Assakawa, medindo deste lado 20,00ms, da frente aos fundos e do lado esquerdo, confronta com o prĂŠdio nÂş 297, de propriedade de Maussa Setrak e sua mulher, medindo 20,00ms, da frente aos fundos confrontando nos fundos onde mede 8,00ms, com Catarina Tadiello Natucci, encerrando uma ĂĄrea de 160,00ms², Contribuinte 042.116.0130-1. AVALIAĂ&#x2021;Ă&#x192;O: R$ 461.807,00 (abril/2012 â&#x20AC;&#x201C; fls. 361) que serĂĄ atualizada Ă  ĂŠpoca da alienação. Conforme certidĂŁo do 14Âş CRI desta Capital, referido imĂłvel acha-se matriculado sob nÂş 37.965, constando conforme Av.7, a penhora procedida nestes autos. Dos autos nĂŁo consta recurso pendente de julgamento. â&#x20AC;&#x153;Eventuais taxas e impostos incidentes sobre o bem correrĂŁo por conta do arrematante ou adjudicanteâ&#x20AC;?. SerĂĄ o presente edital, por extrato, afixado e publicado na forma da lei, sendo este FĂłrum localizado na Rua Joel Jorge de Melo, 424, Vila Mariana â&#x20AC;&#x201C; CEP 04128-080, Fone: (11) 5574-0355, SĂŁo Paulo-SP. SĂŁo Paulo, 12 de setembro de 2012.

Â&#x153; 8CTC %sXGN FQ (QTQ 4GIKQPCN FG 2KPJGKTQU52 %&  +  +   3 =.&  ?    A* )GVWNKQ /KVWMWPK 5WIWK[COC  /'/  5 G 0GWUC FG .KOC 5CPVQU(  /'/ 5   A?*  3 ( RTQEGFKOGPVQ 5WOhTKQ  2  %A*(     ( 6*  ? %QPFQOsPKQ %QPLWPVQ 4GUKFGPEKCN 0QXQ /WPFQ  ! /   &7*k 1#( )*  !  5+ ,  -.& / ;$&  # 1 (  2   w(  (#< 5#$'4 6*(  2*&    $ :     $*& ?& . 1' 5   ")1 (  .@  y9{%;':8 w%7w|%1 }}} *~ 3 ? &  && &( &. 0  ?Â&#x20AC;3& ? $  .  

  Â&#x153; 2TCnC EQO KPsEKQ PQ FKC  FG 0QXGODTQ FG  iU  JQTCU G EQO VGTOKPQ PQ FKC  FG 0QXGODTQ FG  CU  JQTCU(  $ 6*  .& $*& * *?    .&( 2  <0 $ ?   Â&#x153; 2TCnC EQO KPsEKQ PQ FKC  FG 0QXGODTQ FG  CU  JQTCU G EQO VGTOKPQ PQ FKC  FG 0QXGODTQ FG  CU  JQTCU( #< & +( 6* 3  0  $*  6*   (    & 2    Â  .&  .& :           . 1'  5   =.& 3A  ( 2    .   ?  & +/Ă?8'.Â&#x201A; :?   ( &&      B%2- '@AC( * Â&#x192; :. %$#  Â&#x201E; : %  4 (  ( $   - B<* ;& 8. '*C(    1*3 ( Â&#x2026;*(   0  Â&#x20AC;&  (Â&#x2020;Â&#x2021; 0  *  ( 5Â&#x2020;Â&#x2021;  0  &  (Â&#x2020;( 

?&#  2  &  ( Â  

      Â&#x192; $*     * *=.&( &*$  ( $ $**3&2-$  2 -  3*     5 ' *& 3        =   ;$   7=.  ?& #8#.+#c­1 &1 +/Ă?8'. 4  LCPGKTQ  ( 6*  0 *&  ? ?  Ă?075 2   *& 2 :.   ( ?& ;5    = (  ? ? 0 ( **  -*& $ *( *  . *3

Â&#x2C6;   ?$  *3*&    

  -( 3  * 2A  0   ( Â&#x2020;(  2.    1 Â&#x2026;0  %1  1:Â&#x2026;%1 Â&#x2021;  ;     ?&* 

( .& ?=2* ( *?  A? 5  ?&'' )*-  ! %A*/'*?( A -* : %A*/&  555( ?  55( 6*  '*?&  1 *&.    @*Â&#x2021;   ;   5  6*  =.& 2 ?# ( 2    A?  5  5( ?&  =    2- -.&  /  ;$& Â&#x2030;7  # ( A - *  ? 1*0 2  A*?     55 ( 6*  ?&*   

@* %10%7451 &' %4'&14'5 ' &'/#+5 &+5215+cÂŽ'5 %   

(   @  A6*  ?   ?-$ 2( ? * *   B? ?

C(  0 ? 2 Â&#x160; 3  ( @3*& (  ? &. @  &  &      ( .& ?*  &*2  2   0 

?3&  

 !  @  .  ?  ?$  @3  7 "9( &  ? 0$ 2 Â&#x20AC;      "8(  *.  .*& @3  3&#( * ?& #?0 (  ?=( ?  &(   0  A* *     8  0 . ?& 

    #?0        ( ,7   %10&+cÂŽ'5 &' 8'0&# ?-.   }}} *~ 3 .'+.1'+41  &&  0 &  ?& && ( /3 y*~ ( )9%1  ( !  &( )9%1    )# Â&#x2026;&3  1&.( )9%1  5( ?# ?& $  &&  '*  y*~ ( )9%1   2#)#/'061 G 4'%+$1 &' #44'/#6#c­1   ?   3 

( .   ?  .@  $*  ?= <*&  Â&#x2026;  Â&#x2026; & 1: 3  * $Â&#x160; *  .@   }}}333  ?     #   &   &&( 3  . 0  ?    w&   .@  ?$#   30 ( ! * "%! Â&#x2039;" 2 Â&#x160; %& Â&#x152; !?-.&( ?   @  *  Â&#x20AC;&  



&&  w& 2&Â&#x201A; '* y*~ Â&#x2039;  /    55 ( Â&#x2026;7Â&#x20AC;(:$Â&#x160; 5(    %@ 5 # ?=

w&(  

 3 0 *&  *?  ?=Â&#x2039;  ?   3 &  2* ?= !

?  6* 

 # & ?=( & 2   0 #  '' )*-  ? ?   ?&   &$ 3-. : .  $

 0  5Â 3   .&  

(   &*  .&  & :

  0 2  ?$  ?$ ?  ?& 

 2    ?$ :& .((  0  ?$  ?    5 (  *  Â  .&  

        4'/+c­1 &# ':'%7c­1 1   A*  ( ?= ?*3&& ?-$ 2( ?$  -.  <* * &  3 (  2    $ 5(  =$   .&( . 0 ?  @    #  $ ?   &&(  $* ? 3=  

2  ?$ ?#  ? 2   A?  6* Â&#x192;   A*(  . ?  & 2&  *  ? & $  8 ( . 0  A* ?$  ? Â&#x2C6; *&   -.(  <* ( *( # 0 .-  . w& 2&  5Â ?  3  .& ?$-. A6*  #%14&1 1 2       ? ( . 0  A*     ?  .*&$ * ?& &&  

?  5Â  ?  3   .&   &Ă&#x2019;8+&#5 ' '5%.#4'%+/'0615 ?& ?   2  . 

 Â&#x192; ( *   =   &&  2( &&   :. :$@&(  (   ( Â&#x201E;$=?&(?&Â&#x2039;1 (*(?&&2   &Â? *~ 3 /A*(+06+/#&15 $*? ( <&& ?   ?& 8 *#.

* * * ?  <*&$ B%.*Â&#x152;*3  =.( 

 ?  

C( A.*@3 7 "97";   A ?6*  *3 $.&  

    ( B?*C  ? 0$ 2Â&#x20AC;( "8(  ?   A  ?& 

 : .  0 2*   0 B  ?*C      .  6*    1 0 ?  &( ? A ( 2A ?*3& 2   & 1 *&(  :$   (TCPEKUEQ %CTNQU +PQW[G 5JKPVCVG ,WK\ FG &KTGKVQ


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 25 de setembro de 2012

ECONOMIA/LEGAIS - 17

e Bradesco reduz juro de cartão de crédito A diminuição dessas taxas, que estudamos desde o ano passado, vem da pressão da sociedade e de nossos clientes. Marcelo Noronha, diretor-executivo do Bradesco

conomia

Cortes nas taxas máximas valem a partir de 1º de novembro. Taxa máxima do rotativo, por exemplo, recua de 14,9% mensais para 6,9% ao mês. Divulgação

Rejane Aguiar

O

Bradesco anunciou ontem a redução das taxas de juros de todos os cartões de crédito emitidos pelo banco, de pessoas físicas e jurídicas, para patamares inferiores a dois dígitos. Os cortes, que se iniciam no próximo dia 1º de novembro, valem para crédito rotativo (aquele em que o cliente paga o valor mínimo da fatura e financia o restante), saques, parcelamento oferecido pelo emissor no ato da compra e parcelamento da fatura fechada. O Bradesco administra aproximadamente 95 milhões de cartões de crédito, cujo faturamento anual totaliza R$ 49 bilhões. "Queremos virar a página das taxas de juros de dois dígitos para os cartões de crédito do Bradesco", afirmou o diretor-executivo, Marcelo Noronha, destacando que a decisão não foi resultado da recente pressão do governo. "A diminuição dessas taxas, que estudamos desde o ano passado, vem da pressão da sociedade e de nossos clientes." Desde o início deste ano, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e a própria presidente Dilma Rousseff vêm cobrando publicamente dos bancos ações para reduzir as taxas de juros ao consumidor final, pressão que ganhou força à medida que a Selic (juro básico da economia) se aproximava de seu nível histórico mais baixo (atualmente está em

Banco administra 95 milhões de cartões de crédito e tem faturamento anual de R$ 49 bilhões

7,25% ao ano). No caso do rotativo, a taxa máxima do Bradesco recua de 14,9% mensais para 6,9% ao mês (o equivalente a 122,71% ao ano); para o parcelamento do emissor e parcelamento da fatura, o teto diminui de 9% ao mês para 4,9% mensais (77,54% anuais) (veja detalhes no quadro). As mudanças valem para cartões das bandeiras Visa, Mastercard, American Express e Elo e para os emitidos por lojas em parceria com o Bradesco (private labels). Neste caso específico, as novas taxas dependem dos acertos da instituição com cada um dos parceiros, mas Noronha assegurou que os juros máximos não ultrapassarão dois dígitos. A intenção do banco é oferecer essas novas taxas a partir de novembro para in-

Caixa amplia rede e mira negócios

A

Caixa Econômica Federal resolveu mirar no crescimento orgânico e expandir sua área de atuação. O banco público planeja abrir 2 mil agências até 2014. Além disso, entrou no financiamento agrícola e abre no começo do ano que vem um banco de investimento com foco em operações de renda fixa. O presidente da Caixa, Jorge Hereda, disse que mesmo em períodos de crise, com o cenário externo desfavorável, é possível crescer, sem comprometer os indicadores financeiros do banco. "Vamos crescer organicamente", disse. Em meio à crise financeira mundial, a estratégia era um pouco diferente, e o governo até editou uma medida provisória em outubro de 2008 para permitir que bancos públicos fizessem aquisições e expandissem a presença no mercado financeiro. A Caixa comprou o PanAmericano e logo depois foi descoberta uma fraude de R$ 4,2 bilhões. A Caixa deve ter expansão de até 45% no crédito neste ano. Para 2013, pode se expandir na casa dos 40%, afirmou Hereda. O executivo destacou que a capitalização anunciada pelo governo na última sexta-feira, de R$ 13 bilhões, vai permitir que o banco mantenha sua trajetória de crescimento. Além desse dinheiro, a Caixa deve fechar em outubro sua primeira emissão de papéis no exterior, que pode render US$ 1,5 bilhão. A expansão da rede de atendimento do banco público, além do objetivo de trazer mais clientes, está relacionada à estratégia de entrar em um novo segmento, o financiamento agrícola, mercado dominado pelo Banco do Brasil. Hereda disse que muitas das 2 mil agências que serão

Paulo Pampolin/Hype

2 mil novas agências até 2014 abertas até 2014 será em regiões onde a agricultura é forte, como no Centro-Oeste. A Caixa já fez um teste piloto com o novo produto e a partir de outubro deve começar os empréstimos em maior escala. A meta é liberar R$ 2 bilhões no primeiro ano de operação. Também em outubro, a instituição pública deve encaminhar ao Banco Central um pedido de autorização para abrir um banco de investimento. O conselho da Caixa discute nos próximos dias qual será o tamanho dessa unidade, que terá foco inicial no mercado de renda fixa, coordenando emissões de debêntures e operações estruturadas. A expectativa é iniciar as atividades no começo de 2013. O banco será criado a partir da união de duas unidades da Caixa, a de mercado de capitais e a de gestão de recursos. A expectativa é de que o banco represente 20% dos resultados em cinco anos. Com a expansão orgânica e a entrada em novos negócios, Hereda diz que a Caixa quer estar entre os três maiores bancos do País em dez anos. Atualmente, a Caixa é o quarto, atrás de Banco do Brasil, Itaú e Bradesco. (AE)

centivar as compras de Natal dos clientes. O executivo afirmou que o banco não vai exigir nenhuma contrapartida dos clientes pela redução. "Nada muda para os clientes, que continuarão tendo os mesmos prazos, condições e benefícios. Eventuais perdas do banco serão cobertas pelo ganho de escala que esperamos ter com as taxas mais baixas", disse Noronha. "Além disso, essas possíveis perdas financeiras teriam um efeito muito pequeno sobre os números do conglomerado Bradesco", acrescentou. De acordo com ele, a inadimplência controlada na área de cartões de crédito do banco permitiu a fixação dos juros menores anunciados ontem – Noronha, não quis, entretanto, divulgar a taxa de falta de pagamento nessa car-

teira, por se tratar de "informação estratégica". Parcel amento – O diretorexecutivo do Bradesco disse não acreditar no fim do parcelamento sem juros no cartão, assunto que vem sendo discutido entre os agentes do mer-

cado. "Não vejo o fim dessa modalidade, mas acho que seria saudável coibir os excessos." Na visão do executivo, o parcelamento sem encargos não é um problema no Brasil, porque o mercado nacional já está consolidado.

Itaú fecha capital da Redecard

O

Itaú teve sucesso em sua estratégia para fechar o capital da operadora de cartões Redecard, numa operação que movimentou R$ 10,46 bilhões. Foram negociadas quase 299 milhões de ações ordinárias da Redecard na Oferta Pública de Aquisição (OPA) concluída ontem na BM&FBovespa, ao preço de R$ 35 por papel. A eficiência do Itaú na missão não apenas ajudará o maior banco privado do País a ampliar seus resultados como pode promover uma mudança no modo como clientes de bancos e cartões se relacionam. Ao absorver a Redecard, o Itaú tende a ter vantagens com as relações da adquirente com varejistas para venda de produtos bancários. As ações da concorrente sofreram na bolsa: Cielo ON fechou com baixa de 3,45%, a mais expressiva entre os papéis do Ibovespa, num dia em que o indicador subiu 0,96%. (Reuters)

Focus projeta alta da Selic

A

mediana das estimativas para o patamar da taxa básica de juros (Selic) no final de 2012, que ficou em 7,25% por seis semanas seguidas, subiu para 7,5% na semana passada, de acordo com a pesquisa Focus feita com o mercado financeiro e divulgada ontem pelo Banco Central (BC). A expectativa dos analistas agora é de manutenção dos juros no patamar atual de 7,5% a partir da reunião do mês de outubro do Comitê de Política Monetária (Copom). O cenário inflacionário fez a maioria das apostas

mudarem. Para o fim de 2013, a projeção para a taxa Selic se manteve em 8,25%. A pesquisa mostra também aumento nas expectativas para o juro médio neste ano de 8,47% para 8,53%. Para 2013, a previsão de Selic média passou de 7,58% para 7,59%. Quatro pesquisas antes, analistas esperavam juro médio de 8,47% em 2012 e de 7,63% no ano que vem. O mercado financeiro elevou, pela 11ª semana consecutiva, a projeção de inflação medida pelo Indice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2012, que passou de 5,26% para 5,35%

PREFEITURA MUNICIPAL DE CASTILHO/SP TERMO DE HOMOLOGAÇÃO PROCESSO LICITATÓRIO 77/12 - PREGÃO 33/12 Objeto: Aquisição de material para implantação da Praça de Exercícios do Idoso, destinados a atender o objeto do Convênio nº 225/2012, celebrado em 27 de junho de 2012, com o Estado de São Paulo, por intermédio do Fundo Social de Solidariedade do Estado de São Paulo - FUSSESP. Considerando a adjudicação constante da ata dos trabalhos da sessão pública de julgamento, lavrada pelo Sr. Pregoeiro, designada pela Portaria nº 02, de 03/01/2012; e a regularidade do procedimento, hei por bem, com base na Lei Federal nº 10520, de 17 de julho de 2002, homologar os lotes do objeto licitado à empresa abaixo delineada e determinar que sejam tomadas as providências ulteriores. Madtrat Materiais para Construção Ltda-ME. Avenida Dr. Pedro Camarinha, 973 - Vila Saul - Santa Cruz do Rio Pardo - SP. CNPJ (MF): 11.598.326/0001-89. Lotes: 01, 02, 03, 04 e 05. Valor: R$ 10.475,00 (Dez mil, quatrocentos e setenta e cinco reais). Castilho - SP, 21 de setembro de 2012. Antônio Carlos Ribeiro. Prefeito. A Debitar (25.09.12) Silmag Brasil Produtos Médicos Ltda EPP CNPJ 08.633.431/0001-05 NIRE 35221088562 Edital de Convocação Ficam convocados os sócios da SILMAG BRASIL PRODUTOS MÉDICOS LTDA EPP., com sede na Rua Tapiraí, 39, 51 e 63, São Paulo, SP, inscrita no CPNJ sob o nº 08.633.431/0001-05, com fundamento nos artigos 1.071, inciso I, 1.072, 1.073, inciso I, 1.078, todos do Código Civil e na cláusula oitava e seu parágrafo primeiro do contrato social, a comparecer em reunião de sócios a realizar-se no próximo dia 04 de outubro de 2012, na sede da Sociedade, às 14h30 horas, com o objetivo de tomar as contas dos exercícios encerrados em 31 de dezembro de 2010 e 31 de dezembro de 2011 e deliberar sobre as respectivas documentações, podendo ainda ser tratados outros assuntos de interesse dos sócios e da Sociedade. Carlos Andrés Magrini - Sócio. 22,25,26/09/2012

POLYONE TERMOPLÁSTICOS DO BRASIL LTDA. torna público que requereu à CETESB a Licença Prévia/Licença de Instalação, Processo nº 72/00534/12, para fabricação de masterbatch, sito à Rua Abílio José Espíndola, 61, CEP 06790-020, Taboão da Serra/SP. A HENERGIA CONCENTRADA-TECNOLOGIA AMBIENTAL LTDA., torna público que requereu junto à CETESB a Licença de Operação para a Fabricação de artefatos de madeira, exclusive móveis (briquete), sito à Rua Dr. Alberto Soares Sampaio, 2450, parte, Capuava, Mauá/SP.

FALÊNCIA, RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL E RECUPERAÇÃO JUDICIAL

NOS TERMOS DO PROVIMENTO CSM CXC/84, INFORMAMOS QUE NO DIA 24 DE SETEMBRO DE 2012 NÃO HOUVE PEDIDO DE FALÊNCIA NA COMARCA DA CAPITAL. Fone: 11 O Jornal do Empreendedor

PUBLICIDADE LEGAL www.dcomercio.com.br

3180-3175

na semana passada, de acordo com a pesquisa. Há quatro semanas, estava em 5,19%. Para 2013, a projeção se manteve em 5,5%, mesmo percentual verificado há quatro semanas. A projeção de avanço da inflação para os próximos 12 meses apresentou recuo de 5,62% para 5,59%, de acordo com a projeção suavizada para o IPCA. Há quatro semanas, estava em 5,64%. Nas estimativas do grupo dos analistas consultados que mais acertam as projeções, o chamado Top 5 do levantamento Focus, a

previsão para o IPCA em 2012 no cenário de médio prazo ficou em 5,24%. Para 2013, a previsão dos cinco analistas se manteve em 5,2%. Há um mês, o mercado financeiro apostava em crescimento de 5,2% e 5,5% para cada ano, respectivamente. Entre todos os analistas ouvidos pelo Banco Central, a mediana das estimativas para o IPCA em setembro teve aumento de 0,45% para 0,5%, acima do 0,4% previsto há um mês. Para outubro, a previsão de alta passou de 0,48% para 0,5%, ante acréscimo de 0,48% há quatro semanas.

VOTORANTIM CIMENTOS S.A.

CNPJ/MF Nº 01.637.895/0001-32 - NIRE 35300370554 ATA DA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA, REALIZADA EM 31 DE AGOSTO DE 2012. 1.HORÁRIO E LOCAL:às 09h00 (nove horas), na sede social situada na capital do Estado de São Paulo, na Praça Professor José Lannes, nº 40, 9º andar, Cidade Monções. 2. PRESENÇA: a totalidade dos acionistas conforme assinaturas lançadas no Livro de Presença. 3. MESA DIRIGENTE: Walter Schalka, como presidente e Marcelo Chamma, como secretário. 4. CONVOCAÇÃO: dispensada, em virtude do comparecimento unânime dos acionistas. 5. ORDEM DO DIA: I – examinar e deliberar sobre os termos e condições do “Protocolo e Justificação de Incorporação” de Sociedade; II – ratificar a nomeação prévia efetuada pelos administradores da Sociedade incorporadora, dos peritos responsáveis pela elaboração do competente Laudo de Avaliação; III – examinar e deliberar sobre o Laudo de Avaliação apresentado; IV – aprovar e declarar efetivada a operação de incorporação; V – autorizar ou dispensar eventual aumento de capital social da incorporadora; VI – outros assuntos conexos e correlatos. 6. DELIBERAÇÕES: Submetidos os referidos documentos à exame e discussão e, logo depois, à votação os presentes, sem o voto dos legalmente impedidos, à unanimidade, deliberaram: I - aprovar todos os termos e condições do “Protocolo e Justificação de Incorporação”, datado de 31/07/2012, firmado entre esta Sociedade, na qualidade de incorporadora e a A21 MINERAÇÃO LTDA., pessoa jurídica de direito privado, com sede no Lote Rural número 40, Gleba Pau Cheiroso, Bairro Santa Alice, Município de Seropédica, Estado do Rio de Janeiro, inscrita no CNPJ/MF 07.292.684/0001-91 e na Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro sob o NIRE 33207478012, na qualidade de incorporada, o qual regula a presente incorporação, mediante versão do patrimônio Líquido da incorporada para a incorporadora, bem como os demais atos relativos a operação, integrando a presente ata na qualidade de ANEXO I; II – ratificar a nomeação prévia feita pelos administradores da Sociedade, dos 3 (três) peritos, os contadores Edison Caetano, divorciado, Clovis Aparecido Fernandez Marcos, casado, e Renato Gonçalves Benatti, solteiro, todos brasileiros e devidamente registrados no Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo, respectivamente sob os números CRC 1SP150920/O-7, CRC 1SP161175/O-0, CRC 1SP224278/O-9 e estabelecidos na Rua Pedro de Toledo, 164 – 8º andar – sala 01, cidade de São Paulo – SP, responsáveis pela avaliação, com base nos valores escriturados nos registros contábeis, do ativo, do passivo e do patrimônio líquido a ser incorporado, cujo “Laudo de Avaliação” previamente concluído e ora apresentado, passa a integrar a presente ata como ANEXO II; III – aprovar, sem ressalvas, o Laudo de Avaliação datado de 30/08/2012, apresentado pelos peritos nomeados, tudo de conformidade com o respectivo Balanço Patrimonial da Sociedade, datado de 31/07/2012, que serviu de base para a operação de incorporação, tendo como resultado um Patrimônio Líquido de R$ 1.412.129,00 (hum milhão, quatrocentos e doze mil, cento e vinte e nove reais), que será vertido para esta Sociedade; IV – aprovar e declarar efetivada a incorporação da A21 MINERAÇÃO LTDA., com a sua consequente extinção, mediante absorção de seu ativo, passivo e patrimônio líquido por esta Sociedade a qual lhe sucederá em todos os seus bens, direitos e obrigações, abrangendo, mas não se limitando a: (i) – integral e irrestrita responsabilidade por todas as obrigações judiciais e administrativas fiscais, tributárias, ambientais, trabalhistas, previdenciárias, comerciais, minerárias, contratuais, marcas e patentes, bens ou direitos de qualquer outra natureza atinente e de responsabilidade da empresa incorporada, as quais se sub-roga para todos os fins; (ii) – responsabilidade pela guarda e conservação dos livros e documentos da empresa incorporada; e (iii) - a sucessão do estabelecimento sede da incorporada, onde passará a funcionar uma filial da incorporadora, situado no Lote Rural número 40, Parte B, Gleba Pau Cheiroso, Bairro Santa Alice, Município de Seropédica, Estado do Rio de Janeiro, CEP 23890-000, CNPJ 01.637.895/0140-01, NIRE 33901032333; III – tendo em vista que a incorporadora tornou-se titular da totalidade do capital social da incorporada, as quotas correspondentes serão extintas, não gerando aumento de capital na incorporada, ocorrendo, tão somente a substituição, em seu ativo, do valor correspondente a essas quotas pelo valor patrimonial avaliado; V – autorizar os administradores da Sociedade a praticarem todos os atos decorrentes da operação ora aprovada, inclusive a promover o arquivamento e/ou comunicação nos registros e órgãos públicos competentes e a publicação na imprensa, dos atos da incorporação, bem como cumprir as formalidades necessárias à transmissão dos bens, direitos e obrigações para o nome da incorporadora. 7. INFORMAÇÕES: a) nenhum credor será prejudicado em seus direitos, que continuarão até o pagamento integral de seus créditos, com as mesmas garantias que lhes eram asseguradas pela incorporada; b) a sociedade incorporada realizou sua respectiva Alteração de Contrato Social, nesta data, aprovando, dentre outros, o protocolo de incorporação, o laudo de avaliação e autorizando os administradores a promoverem todos os atos uteis e necessários a efetivação da operação. 8. ENCERRAMENTO: Nada mais havendo a tratar, foi lavrada a presente ata, que lida e achada conforme, foi por todos assinada. São Paulo, 31 de agosto de 2012. aa) Walter Schalka, Presidente; Marcelo Chama, Secretário. Pela sócia VOTORANTIM INDUSTRIAL S.A.: Alexandre Silva D’Ambrosio e João Carvalho de Miranda, diretores; INECAP INVESTIMENTOS S.A.: Raul Calfat e Gilberto Lara Nogueira, diretores; LATIN AMERICA CEMENT INVESTMENTS LIMITED: Nelson Koichi Shimada, diretor. A presente transcrição é cópia fiel da ata lavrada no livro próprio. São Paulo, 31 de agosto de 2012. SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA – JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO – CERTIDÃO – Certifico o Registro sob o nº 402.000/12-2 em 19.09.2012 (a) Gisela Simiema Ceschin, Secretária Geral.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

18

e

terça-feira, 25 de setembro de 2012

O inadimplente típico é aquele que passa por dificuldades inesperadas. José Carlos Reis, da Eletropaulo

conomia

Fotos Newton Santos/Hype

Silvia Pimentel

A

diferença média de salário entre um servidor público federal e um funcionário do setor privado pode ultrapassar 100%. Das três esferas de governo, o nível de salário dos servidores municipais é o que mais se aproxima do setor privado. O diagnóstico foi feito ontem pelo professor Nelson Marconi, da Fundação Getulio Vargas, de São Paulo, durante palestra no Conselho de Economia, da Associação Comercial de São Paulo, sob a coordenação do economista Roberto Macedo, e com a participação do presidente da ACSP, Rogério Amato. A maior discrepância salarial entre as iniciativas pública e privada chega a 101,3% e é encontrada no grupo dos servidores estatutários, que é o grosso da administração pública direta. As despesas com pessoal no governo federal saltaram de R$ 37,9 bilhões, em 1995, para R$ 194 bilhões, no acumulado de maio de 2011 a abril de 2012, o que representa um aumento de 412% em termos nominais. Os maiores aumentos salariais nesse período ocorreram no Poder Judiciário e no Ministério Público da União (194%), e uma das explicações é o fato de esses órgãos terem maior autonomia administrativa. No Poder Executivo, houve aumento significativo das despesas com inativos. Esses gastos, de acordo com Marconi, tendem a cair nos próximos anos devido à fixação de um teto para a aposentadoria integral, regulamentada recentemente pelo governo. Para o economista Roberto Macedo, a questão que está sendo ignorada são os altos salários de ingresso no governo. "Paga-se o dobro e há aposentadorias com salário integral, sem falar na estabilidade e no fato de os servidores poderem fazer greve", disse. Marconi explicou que a aposentadoria integral, na prática, acabou só para quem ingressou no setor público depois da criação do fundo de pensão dos servidores. "Foi uma das medidas mais importantes do governo na área fiscal", afirmou. Segundo o economista, mesmo com as distorções históricas que levam ao aumento brutal das despesas com os inativos da administração direta, os gastos com salários do governo federal representam 30% das suas receitas correntes. No passado, esses gastos correspondiam a mais de 50%. "É relativamente baixa, mas poderia ser mais. O governo poderia alocar parte dos recursos para a área de investimentos", defendeu.

Roberto Macedo coordenou a reunião do Conselho de Economia da Associação Comercial. Despesas do governo federal com pessoal subiram 412%.

Servidor federal ganha o dobro Diferença média entre os salários dos funcionários da União e os da iniciativa privada ainda é bastante expressiva In cen tivo s – Para o economista da FGV, um dos grandes desafios do governo na área de gestão é ajustar a questão das despesas com pessoal e a criação de incentivos para os servidores. Na prática, o que se vê é um grande incentivo para quem ingressa no setor público. Em geral, os salários iniciais de algumas categorias, especialmente as mais fortes e que se descolam das demais, são bem atraentes. Delegado de polícia, por exemplo, ingressa no poder executivo federal com salário de R$ 13.369, muito próximo do que ganha um auditor fiscal, R$ 13.600. Já um professor universitário com doutorado começa com R$ 7.334. Essa é outra distorção da tabela de salários do setor público. Na opinião de Marconi, é preciso implementar uma estrutura de incentivos para o servidor que permita, ao mesmo tempo, a cobrança de resultados. "O ideal seria adotar a remuneração variável e uma política de bônus, disse.

Nelson Marconi, da FGV: salários iniciais são bem atraentes.

Rogério Amato, presidente da ACSP, participou do encontro.

Negociação de dívida surpreende Paula Cunha

A

s ações de orientação e renegociação de dívidas realizadas durante o lançamento da campanha "O Brasil acerta suas contas" superaram todas as expectativas da Boa Vista Serviços (BVS) na última sexta-feira e sábado. Foram beneficiadas 8 mil famílias. O balanço foi divulgado ontem e os resultados ficaram acima das 6 mil famílias que realizaram reestruturações de débitos no ano passado. Além disso, todas as 8 mil cartilhas de orientação elaboradas foram distribuídas. Redigidas em linguagem simples e acessível, elas contêm orientações não apenas para os consumidores que se encontram em dificuldade para quitar seus compromissos, mas também um roteiro para criar hábitos de controle do orçamento

familiar e, consequentemente, para facilitar as aquisições futuras de bens e serviços. Durante a ação, na sextafeira, o presidente da BVS, Dorival Dourado, ressaltou que este é um processo de conscientização sem risco de retrocesso. Ele acredita que os estímulos contínuos para orientar o consumidor são

fundamentais para o desenvolvimento e a sustentação do sistema de crédito. E afirmou que já é possível observar seus resultados através dos depoimentos da população que procurou os serviços oferecidos pela campanha. "Quem comparece em nossas campanhas sai delas mais

Chico Ferreira/LUZ

Acertando as contas: consumidor procura renegociar falta de pagamento.

consciente das possibilidades de crescimento que o crédito proporciona e das maneiras corretas de utilizá-lo", disse. Um dos parceiros da iniciativa mais procurados foi a AES Eletropaulo, que colocou uma equipe treinada para atender os interessados em quitar débitos com a fornecedora de serviços de energia elétrica. Segundo seu gerente de cobrança, José Carlos Reis, o evento propiciou um ambiente favorável à renegociação de pendências com a população, pois o inadimplente típico é aquele que passa por dificuldades inesperadas, como doenças na família e breves períodos de desemprego. Além disso, a companhia também se preparou para oferecer orientação técnica para o uso seguro e racional da energia.

Confiança aumentou

O

consumidor v o l t o u a d emonstrar mais confiança este mês. É o que revelou a Fundação Getulio Vargas (FGV), ao divulgar o seu Índice de Confiança do Consumidor (ICC), que mostrou alta de 1,4% em setembro ante o mês anterior, após cair 1% em agosto ante julho, na série com ajuste sazonal. Com o resultado, o desempenho do indicador, que é calculado dentro de uma escala de até 200 pontos – quanto mais próximo de 200, maior o nível de confiança –, foi de 120,4 pontos para 122,1 de agosto para setembro. Em seu comunicado, a FGV informou que a maior contribuição para a alta do ICC veio da melhora

na percepção atual e das perspectivas futuras para o estado geral da economia. O ICC é dividido em dois indicadores. O Índice de Situação Atual (ISA) mostrou alta de 2,2% este mês, após cair 1,4% em agosto. Já o Índice de Expectativas (IE) subiu 1,8% em setembro, depois de apresentar alta de 0,3% em agosto. O ICC subiu 5,9% em setembro na comparação com igual mês de 2011. No mês passado, o indicador nesta comparação havia subido 1,4% ante agosto de 2011. O levantamento abrange amostra de mais de 2 mil domicílios, em sete capitais, com entrevistas entre 31 de agosto e 19 de setembro. (AE)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 25 de setembro de 2012

19

O trabalho virtual nos dá acesso a muito mais talentos Ralph Dandrea, fundador e CEO da ITX Corp.

nformática

n É possível administrar uma empresa com funcionários espalhados pelo planeta? Algumas tecnologias provam que sim.

TELEFONIA

A musa dos smartphones

P

Um escritório chamado mundo Bryan Borzykowski, do New York Times

Q

uando Ralph Dandrea precisou contratar empregados para sua empresa de webdesign de rápido crescimento, ele achou que não teria problemas para encontrar profissionais de tecnologia da informação. O ano era 1998 e o boom da tecnologia estava em plena expansão. Porém, mesmo procurando pelo país inteiro, Dandrea, fundador e CEO da ITX Corp., de Pittsford, Nova York, sofreu para encontrar candidatos. Assim, ele passou a procurar fora dos Estados Unidos e descobriu uma oferta de profissionais de TI talentosos na Argentina. "Eu recebi 81 currículos muito bem qualificados, o que me deixou boquiaberto", ele disse. Dandrea contratou sete candidatos, mas, em vez de transferi-los para Pittsford, ao lado de Rochester, ele deixou os novos funcionários trabalharem da Argentina. "Tivemos de descobrir como gerenciar os projetos com as pessoas longe de casa e se comunicar com elas em espanhol." Quase 15 anos depois, Dandrea ainda está tentando aperfeiçoar o relacionamento. Agora ele conta com 128 empregados em tempo integral, incluindo 72 na América do Sul. Somente 42 pessoas estão ligadas diretamente ao escritório principal em Pittsford, e outras 14 trabalham em outros pontos dos EUA. "É muito divertido trabalhar assim, mas sempre existem desafios", admite. Embora existam benefícios em empregar pessoal distante – por exemplo, os salários e as despesas gerais podem ser menores em outros países –, talvez seja difícil fazer os funcionários trabalharem de forma coesa. As sugestões deste guia são de donos de empresas que já tentaram algo do gênero.

Responsabilize as pessoas Ken Cauley, fundador do site especializado em notícias de videogames Kombo.com, afirmou que a parte mais complicada foi criar responsabilidade. A empresa, que ele vendeu à GameZone em 2010, ficava em Detroit, mas ele contava com dez empregados e 30 freelancers nos Estados Unidos, Austrália, Canadá, Honduras e Japão, entre outros lugares. Um problema frequente eram os prazos não cumpridos. "As grandes ideias não davam certo", disse Cauley, agora presidente e fundador da Advanced Media, empresa de publicidade online. "E você sempre tinha de descobrir o que havia acontecido depois que um problema ocorria." Segundo ele, sua primeira ideia foi injetar dinheiro no problema, acreditando que se as pessoas recebessem mais, dedicariam mais tempo ao trabalho. Não deu certo. Em 2006, quatro anos depois de abrir a empresa, Cauley decidiu que o pessoal precisava de um conjunto de regras cla-

128 empregados em tempo integral constituem a ITX Corp, incluindo 72 na América do Sul. Somente 42 pessoas estão ligadas diretamente à sede em Pittsford.

ras. Em conjunto com os empregados, ele criou a "Bíblia da Kombo", documento de 40 páginas detalhando todos os aspectos da empresa, incluindo o que fazer quando os problemas surgiam e as repercussões de cometer um erro. Em pouco tempo, as pessoas pararam de descumprir os prazos e a produtividade aumentou. Segundo ele, graças ao manual, os funcionários sabiam exatamente quais seriam as consequências se fizessem corpo mole. "Se alguém terminou demitido, ele sabia que isso aconteceria. As questões de responsabilização praticamente caíram a zero." Kuty Shalev, fundador e principal executivo da Clevertech, que cria aplicativos e programas personalizados para atacadistas, empresas financeiras e startups, também teve de lidar com prazos descumpridos. Sua empresa tem sede em Woodmere, Nova York, e conta com funcionários na Índia, Israel, Paquistão e outros países. Shalev faz os funcionários publicarem uma meta global no Yammer, rede social interna para empresas. Seus desenvolvedores de software também precisam enviar o código no fim do dia. Caso os gerentes suspeitem de algo, eles investigam. Porém, prazos não cumpridos não são o pior problema. Ocasionalmente, os empregados nem sequer aparecem. Agora, ele exige que todos possuam celulares, para serem localizados. Use recursos visuais De acordo com Shalev, os empreendedores necessitam compreender e ser sensíveis às diferenças culturais. Por exemplo, em outros países, as pessoas muitas vezes precisam de dias de folga em função de compromissos religiosos. Alguns dos empregados de Shalev na Moldávia e Ucrânia enfrentam apagões frequentes – ele precisou comprar geradores – e um funcionário paquistanês quis um dia de folga para sacrificar uma cabra. Segundo Dandrea, os argentinos curtem muito os feriados. Segundo conta, eles costumam ganhar um ou dois dias de folga por mês, e se o feriado cair numa terça-feira, as pessoas costumam ficar em casa também na segunda-feira. Uma vez,

um cliente teve problemas numa sextafeira à noite e ninguém o ajudou até quarta-feira porque o gerente de projeto argentino teve dois dias de folga. "O cliente ficou louco da vida", disse Dandrea. Ele aprendeu a coordenar as agendas em todos os países. Se o escritório argentino estiver fechado, alguém precisa garantir que colegas de outros países cubram a folga. E passou longas reuniões falando sobre um projeto e atribuindo tarefas para receber um trabalho que não refletia as instruções. Segundo ele, a melhor maneira de transmitir a mensagem é "usar recursos visuais". Ele emprega o Jing, programa da TechSmith que permite o compartilhamento de imagens da tela, vídeos e imagens. "Todo mundo pode compreender muito melhor uma foto ou vídeo em vez de ouvir palavras", disse Shalev. "Isso é verdade até mesmo com meu pessoal e clientes dentro dos EUA." Conecte o pessoal Quando se vê os empregados todo dia, é fácil saber se alguém está chateado. Porém, e se você apenas falar com eles pelo telefone? "Recebi pedidos de demissão e não conseguia entender o que estava errado", disse Dandrea. "Não existem reclamações informais." Quando os funcionários não estão dentro da empresa, é fácil ignorar a "conversa sobre dedicação", nas palavras de Dandrea, motivo pelo qual ele faz os gerentes terem conversas frequentes com os empregados. Os gerentes foram instruídos a dar muito feedback e até perguntar diretamente como o trabalhador se sente. "Nós procuramos rangidos na armadura." Ele também utiliza um programa de reconhecimento online chamado Potential Point que permite às pessoas recompensarem outras virtualmente por um trabalho bemfeito. Quando alguém nos EUA indica alguém da Argentina por executar um bom trabalho, a empresa inteira vê o fato. Michael Brody-Waite, CEO e cofundador da InQuicker, empresa que cria programas para exibir o tempo de espera em salas de emergência e consultórios médicos, costuma fazer os empregados de Nashville, Tennessee, passarem três dias em outro escritório da empresa – tecnicamente, um café – na Colúmbia Britânica. "Quando visitam o pessoal no Canadá, eles terminam surfando, fazendo caminhadas e snowboard", disse Brody-Waite. "A ideia é haver maior naturalidade entre eles." Talvez o maior problema seja a tentação para o chefe de trabalhar 24 horas por dia. Para evitar isso, Shalev pede aos funcionários do exterior para trabalharem o mais próximo possível das 9h às 17h, segundo a hora oficial da Costa Leste norte-americana. Há quem precise começar a trabalhar às 5h. Dandrea disse não se arrepender da incursão na Argentina. "O trabalho virtual nos dá acesso a muito mais talentos."

ara destacar os atributos de "beleza elegante" do novo smartphone Optimus L5, sob o mote "Sempre cabe mais estilo", a LG convocou a atriz Deborah Seco, escolhida em pesquisa de popularidade na web como "ícone de elegância, modernidade e referência para muitos usuários". Nos webfilmes tutoriais, Deborah Secco ensina o usuário a interagir com as principais novidades do aparelho – tela de quatro polegadas e recursos exclusivos de personalização de conteúdo. Um dos destaques é a função QuickMemo, que possibilita capturar instantaneamente conteúdos exibidos na tela do smartphone, além de facilitar anotações simples feitas à mão e compartilhá-las rapidamente. Segundo a empresa, o aplicativo seria uma forma criativa e intuitiva de armazenar e comunicar boas ideias a todo o momento. Também participam da campanha, assinada pela VML em parceria com a Y&R, o cantor Thiaguinho, o rapper Emicida e o piloto de F-1 Bruno Senna. O preço do Optimus L5 varia conforme o plano das operadoras. No exterior, a LG apresentou na semana passada a nova aposta para lutar contra a concorrência: o Optimus G, que usa a plataforma Android e chegará às lojas da Coreia do Sul nesta semana pelo equivalente a US$ 900. O novo smartphone tem uma câmera de 13 megapixels que o usuário pode controlar pela voz e uma tela de 4,7 polegadas com definição superior à do iPhone e à do Galaxy S III. Equipado com o processador quad-core Snapdragon, da Qualcomm, o Optimus G funcionará em redes de telefonia móvel de altíssima velocidade e poderá executar várias funções ao mesmo tempo, como exibir um programa de TV e enviar torpedos. AUTOMAÇÃO

Pagamento com segurança

C

om investimentos de mais de R$ 1 milhão e mais de dois anos de pesquisa e desenvolvimento, chega ao e-commerce a solução EvoluCard, com o qual o consumidor pode pagar as compras digitando apenas o número do celular e o token, protegendo os dados do seu cartão de crédito das fraudes online. A utilização é gratuita para os consumidores, que criam uma conta e vinculam até três cartões de crédito ao número de celular. Sempre que forem efetuar uma compra, precisam inserir apenas o número do telefone móvel. Para mais informações: www.evolucard.com.br NOTEBOOKS

Portátil para arrasar nos games

A

Asus apresentou produtos inéditos com tecnologia Nvidia durante o Nvidia Experience Day, em São Paulo. O destaque para os aficionados em jogos foi a Série G, considerada pelos especialistas como a que tem "os notebooks mais poderosos de games do Brasil". Têm processador Intel Core i7 de 3ª geração, com a nova placa GPU NVIDIA GeForce GTX 660M/670M com até 3GB de memória dedicada GDDR5 VRAM, até 16 GB de memória DDR3 DRAM e mecanismo térmico com duas ventoinhas. A partir de R$ 5.399. ACESSÓRIOS

Central híbrida de som

A

Samsung ampliou o seu portfólio de produtos e introduziu localmente a categoria de Wireless Audio Docks. Os modelos DA-E750 (wireless), DA-E651 e DA-E570, são os primeiros dual docks do mundo – permitem a reprodução de músicas originarias de dispositivos diversos, não se limitando aos Samsungs. Para transferência de músicas, contam com a tecnologia Bluetooth 3.0 e o apt-X codec – que evitam a perda na qualidade do áudio, pois otimizam o fluxo de dados sem comprometer as propriedades da faixa original. A partir de R$ 2.499.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

20

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Queremos expandir apenas se tivermos uma logística adequada Daniel Hatkoff, criador do Pitzi nformática

Seguro-saúde para telefones Por uma taxa de até R$ 25, o Pitzi promete proteção de celulares contra acidentes. E, por uma taxa adicional, garante cobrir até problemas causados por mau uso. Fernando Porto

B

rasileiro não é louco apenas por carros, como diz a propaganda. É também fato que ele é aficionado por celulares a ponto de muitos consumidores, segundo alguns estudos, trocarem por um modelo novo a cada seis meses, motivados pela novidades dos lançamentos. Não é à toa que o Brasil fechou agosto de 2012 com 257,9 milhões de linhas ativas na telefonia móvel, segundo dados da Anatel. Mas os smartphones de ponta – principalmente as linhas iPhone (Apple) e Galaxy (Samsung) – estão fidelizando os usuários por mais tempo por causa de suas virtudes tecnológicas. No entanto, o temor de danificar esses brinquedinhos assombra os consumidores brasileiros. Um serviço inédito quer ajudar na manutenção dos aparelhos sofisticados, especialmente para consertos não cobertos pela garantia: o Pitzi (www.pitzi.com.br), um clube de proteção de celulares e smartphones contra acidentes. Com taxas mensais que variam de preço de R$ 5 a R$ 25 (conforme o modelo de aparelho), o Pitzi cobre qualquer conserto (com exceção de furto ou roubo) de problemas relativos ao hardware, ou seja qualquer defeito de fábrica que venha acontecer, e sem a necessidade de pagar nem um centavo a mais. Até para problemas causados por mau uso, como uma tela quebrada (que uma garantia também não cobre), o clube pode trocar a peça por uma taxa adicional de R$ 75 - chega a ser compensador porque uma tela de iPhone, por exemplo pode custar cerca de R$ 500. O clube aceita inicialmente apenas aparelhos com até 30 dias de compra, mas a empresa fez uma promoção: permitirá até o final de setembro inscrições de aparelhos usados com mais tempo de uso, desde que o usuário comprove que o telefone está em condições normais de uso. Criado pelos norte-americanos Daniel Hatkoff e Gabriel Reilich, o Pitzi funciona por meio de um cadastro simples no site, informando o modelo do

seu celular ou smartphone e com o pagamento de uma mensalidade estabelecida automaticamente. Em caso de acidentes, basta entrar em contato com o Pitzi, enviar o aparelho, e eles garantem o conserto e a devolução em até cinco dias. Para Daniel Hatkoff, essa rapidez é um dos trunfos do clube em relação à garantia de fábrica dos aparelhos. "Além disso, a garantia comum serve só para defeitos de funcionamento, que não acontecem com frequência. Estudos nos EUA indicam que 0,5% dos defeitos por ano são por mau funcionamento. Mas 15% são de quebras", explica Hatkoff, em entrevista ao Diário do Comércio. No Brasil, um levantamento do Pitzi com fabricantes apontou que 80% das falhas de celulares são por acidentes, principalmente quebra das telas. Outra vantagem é que o usuário não precisa sair de casa para ter o seu celular consertado, pois todo processo é feito pela internet, com frete incluído. Também não há tempo mínimo de fidelidade, podendo cancelar com aviso de um mês antecedência. O Pitzi ainda não tem concorrência no País, mas o executivo americano diz não estar preocupado. "As grandes seguradoras oferecem mais cobertura contra roubos. Além disso, estrutura própria com know how, é difícil ter", garante Hatkoff. Ele espera chegar até o final do ano com 100 mil sócios e se espelha na demanda em seu país de origem. "Nos EUA, 95 milhões de celulares tem esse tipo de seguro contra acidentes – um terço do país." O clube, que começou em maio atendendo o Estado de São Paulo, está iniciando uma experiência em outros estados. "Mas queremos expandir apenas se tivermos uma logística adequada", acrescenta.

Nem sempre é preciso enviar o celular para conserto

É

possível salvar o celular em uma emergência. O Pitzi mostra três dicas: – Caindo na água: Acidentes com água sempre podem acontecer, como no banheiro ou na piscina. Talvez seu celular ainda tenha uma chance. Primeira coisa: não tente ligá-lo, tire a bateria e o quanto de água conseguir. Depois disso, deixe o aparelho e a bateria em um reservatório coberto com arroz cru, durante pelo menos uma noite. O arroz irá sugar a água que está acumulada no telefone. – Riscos na tela: Para livrar o seu celular de arranhões ou riscos na

tela, passe uma pequena quantidade de pasta de dente, com um cotonete ou pedaço de algodão. Se os riscos não forem muito profundos, eles irão desaparecer ou pelo menos diminuir. Ao terminar, passe um pano levemente úmido e retire o excesso da pasta. – Quando o celular não carrega: Em um dia seu aparelho está normal e no outro a bateria acaba rapidamente? Pode ser que os contatos de sua bateria estejam sujos. Nesse caso, retire a bateria e esfregue uma borracha comum suavemente nas áreas de contato.


DC 25/09/2012