Issuu on Google+

INVERNO CHEGA PARA O MERCADO E O PT São Paulo: dia mais frio em 52 anos. Temperatura chegou a 8,7 ° na capital. Em Rancho Queimado, SC (foto), foi a -5°. Pág. 9

Cadu Rolim/Estadão Conteúdo

Frio: novo ciclo econômico.

E a festa do PT? Esfriou.

Dilma e Lula reapareceram juntos na Bahia, ontem, não A taxa de desemprego a 6% e o rendimento da população para mais uma de dez festas do "decênio que mudou o em queda pela quarta vez seguida tornaram os analistas Brasil", iniciadas em cautelosos. Do que Ano 87 - Nº 23.921 Jornal do empreendedor R$ 1,40 fevereiro, mas para eles dizem, porém, a última – a sexta. O fica a percepção de inesperado fim de que está ocorrendo Conclusão: 00h50 www.dcomercio.com.br São Paulo, quinta-feira, 25 de julho de 2013 festa coincide com a uma reversão do ciclo queda de 35 pontos percentuais da popularidade da de pleno emprego. Sinal preocupante: a indústria presidente nos últimos 4 meses e os protestos de junho. Pág.5 começou a demitir em época de contratações. Pág. 13

Fotos: Stefano Rellandini/Reuters

Fernando Bizerra Jr./EFE

Papa já fala em voltar a Aparecida

Atlético grita título inédito da Libertadores

Devoto de Nossa Senhora Aparecida, papa Francisco celebra missa no santuário da padroeira do Brasil, pede orações dos fiéis e diz que voltará à cidade em 2017, quando se completam 300 anos da descoberta da imagem. Pág. 8

A internet, na tela da TV.

ISSN 1679-2688

23921

A chuva do Jô e da Carolina Jô Soares dirige Carolina Ferraz em Três Dias de Chuva. Uma graça de peça. Pág. 11

Página 4

Priscila Prade

Beck Diefenbach/Reuters

Google lança seu tablet Nexus 7 (foto) e apresenta também o Chromecast, capaz de conectar a TV à internet, para exibição de filmes como os do Youtube. Pág. 15

Um Mineirão lotado viu a vitória suada do Atlético sobre o paraguaio Olimpia, nos pênaltis. Leonardo Silva (foto) marcou o 2° gol do Galo no tempo regulamentar e também um dos pênaltis decisivos. Pág. 12

9 771679 268008


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Se houvesse jeito de vender cinismo a prestação, o partido da presidente ia ganhar uma nota pretíssima.

Mário Ribeiro

pinião

NOSSA POSIÇÃO

AGENDA EQUIVOCADA

A

s recentes manifestações das Centrais Sindicais (11 de julho) não obtiveram a adesão esperada pelos organizadores, embora em algumas localidades tenham ocasionado sérios problemas para a circulação de veículos e de pessoas e descambado para a violência. Talvez isso possa ser explicado, entre outras razões, pelo fato de grande parte dos trabalhadores não se sentir representada por seus sindicatos e, também, pelos principais temas defendidos na ocasião, distantes das preocupações mais imediatas da população. Como alguns sindicalistas insistem em que, se não forem atendidas suas reivindicações, promoverão novas manifestações, cabe examinar algumas demandas apresentadas: contra a terceirização, pela redução da jornada de trabalho para 40 horas e pelo fim do " fator previdenciário".

C

om relação à terceirização, o argumento é que esta significa a "precarização" das relações de trabalho, com prejuízos para os "terceirizados". O projeto de lei em tramitação na Câmara dos Deputados, após amplas discussões, inclusive com representantes dos tra-

balhadores, assegura todos os benefícios aos trabalhadores das empresas contratadas, colocando mesmo a responsabilidade solidária da contratante para garantir a efetividade do cumprimento das obrigações. Não procede, assim, o argumento da "precarização", pois o trabalhador da empresa terceirizada não terá qualquer prejuízo, e se estarão flexibilizando as condições operacionais das empresas, com ganhos de produtividade e melhoria da produção brasileira. Perda poderá haver para algum sindicato, com diminuição de filiados, pois os terceirizados poderão pertencer a outra categoria profissional, que se beneficiará. Isso não justifica a oposição de algumas entidades sindicais à modernização, ainda parcial, das relações de trabalho.

J

á a proposta de redução da jornada de trabalho sem redução de salário pode ser considerada, no mínimo, inoportuno, pois a indústria enfrenta grandes dificuldades para competir internamente e externamente com os produtos estrangeiros, cujos encargos trabalhistas são muito inferiores aos nossos. Reduzir as horas trabalhadas sem compensação por aumento da pro-

dutividade representaria aumento do custo de produção e, em consequência, menor capacidade de competição. Além do mais, muitos setores gozam hoje de jornadas inferiores às 44 horas semanais, graças a negociações – o que deve ser o caminho para qualquer mudança, já que as condições dos diversos setores

A questão da terceirização é de interesse imediato das associações comerciais, que precisam dar seu apoio ao projeto. são diferentes. A afirmação de que a redução da jornada de trabalho eleva a oferta de emprego não se sustenta se não houver aumento da produtividade do trabalho . E pode causar efeito inverso, na medida em que pode levar ao aumento da importação e diminuição das exportações.

O

fim do "fator previdenciário" talvez seja um ponto passível de discussão, desde que seja compensado por outras medidas que assegurem a susten-

tação da Previdência a médio e longo prazos. O que não dá é simplesmente ignorar o impacto das mudanças demográficas sobre o equilíbrio das contas previdenciárias no futuro, pois se isso ocorrer estaremos legando às próximas gerações uma situação extremamente grave.

O

Brasil vem desfrutando nos últimos anos do que os especialistas chamam de " Bônus Demográfico", período em que a estrutura etária se apresenta como mais favorável ao desenvolvimento, pelo aumento da população economicamente ativa em relação ao total. A oferta de mão de obra aumenta porque a população entre os 15 e os 60 anos cresce mais do que a soma dos menores de quinze anos e dos maiores de 60 anos, reduzindo a "taxa de dependência total", que era de 60,3% em 2001 e caiu para 54,6% em 2011 (e deverá continuar caindo por mais alguns anos). O problema é que com relação à Previdência, o futuro é hoje. Dentro de alguns anos, a situação demográfica deverá se inverter e a população dependente crescerá mais depressa que a produtiva. Como o regime previdenciário brasileiro é de "repartição", e não de capitalização, os que esti-

verem trabalhando deverão suportar os custos da previdência para os beneficiários. Com o aumento da expectativa de vida do brasileiro, se não houver mudança nas regras para aposentadoria, as pessoas usufruirão mais tempo do benefício, elevando mais rapidamente o número de beneficiários e invertendo o " Bônus Demográfico" – isto é, menos gente trabalhando para sustentar maior número de aposentados.

E

ssa equação só fechará com a redução dos benefícios, ou o aumento das contribuições. Assim, o fim do "fator previdenciário" precisa ser discutido não como simples eliminação, mas com o debate sobre a melhor alternativa para sua substituição. Dos três pontos, o da terceirização é o que exige uma atuação imediata das associações comerciais, em apoio ao projeto – que se espera possa ser votado na Câmara após o recesso – manifestando-se junto aos parlamentares de sua região para que seja aprovado. Depois, devem atuar junto ao Senado para que ele possa tramitar mais rapidamente, tendo em vista a importância e a urgência dessa medida para as empresas e os trabalhadores.

PODE APOSTAR: ELES NÃO CEDERÃO! MÁRIO RIBEIRO José Cruz/ABr

É

bom ficar claro: eles não desistem mesmo. O povo pode sair às ruas contra a corrupção e outras coisas; a inflação pode continuar subindo, para desespero geral; os índices da economia podem sinalizar a catástrofe; a presidente pode ser vaiada e repudiada pelas medidas alopradas; a incompetência pode ficar provada de A a Z; a doentia ideologia dos petralhas pode ser analisada, comprovada e exposta em detalhes; as pesquisas podem escancarar a queda na aprovação do governo, até nas classes baixas – que são o foco da propaganda oficial; Luís Inácio pode ficar sumido, sem falar "gato" sobre Rosemary, sua doença, suas viagens, os números atribuídos à sua fortuna, os títulos "honoris causa" que recebe (e ele se tornando múltiplo para estar presente no mundo todo, o tempo inteiro, incensado como um Deus. Pode dar de novo no NY Times, onde virou colunista. Argh! Não adianta: eles não desistem nunca. O povo saiu às ruas e a presidente arrumou

fantasias, como faz na hora do aperto, para enrolar a massa: constituinte, plebiscito, reforma política, reunião com seus 39 ministérios ...Ou armadilha para médicos, sem tocar na falta de estrutura para atender o povo etc. O negócio é enrolar, fazer de conta que está tudo beleza, nada a declarar sobre as deprimentes manifestações da CUT et caterva à base de gorjetas de 70 "paus", tubaína e sanduíche de mortadela, e vir o presidente do partido com sua cara de ódio dizer que havia pouca gente porque sob o governo PT todo mundo virou empregado. Argh!.

S

e houvesse jeito de vender cinismo a prestação, o partido da presidente ia ganhar uma nota pretíssima. O processo "enrolation" é, claro, obra também do "nosso" Goebbels, o João Santana, a cada dia inventando factóides para deixar o País sem ação – e a muda oposição calada – e assim ficar se mantendo esta coisa ultrapassada, ideológica, de um governo incompetente e dissimulado como nunca antes em

nenhum país. Tem sempre uma reunião da Unasul com aquela gente esquisita, de Maduro a Kirchner. Todo dia

vai aparecer espião para provar que "us americanus" são o demônio, além de novos subterfúgios, miragens, falsos

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Cesário Ramalho da Silva Edy Luiz Kogut João Bico de Souza José Maria Chapina Alcazar Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Miguel Antonio de Moura Giacummo Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Renato Abucham Roberto Mateus Ordine Roberto Penteado de Camargo Ticoulat Sérgio Belleza Filho Walter Shindi Ilhoshi

compromissos com o povo, como se o País, num passe de mágica, pudesse se reerguer da monumental fossa em que se afunda. Argh! A presidente pode aparecer maquiada e esconder olheiras de depressão, e nem dar murro na mesa em público ou não fazer grosseria no seu tatibitate surreal quando falha a projeção do power point por culpa do operador que atrasou na hora de apertar o botão mágico – mas não adianta: eles não vão nunca dar o braço a torcer.

O povo saiu às ruas e a presidente arrumou várias fantasias para enrolar a massa: Constituinte, plebiscito, reforma política, reunião com seus 39 ministérios.

a rebordosa que estão arquitetando. Afinal, estão aboletados no poder com as "bênçãos" de Fidel e de todos diabos criados a pão-de-ló, agora sob a coordenação do irrevogável Mercadante.

É

bom anotar para não chorar depois: o País pode ir para as profundas como as contas do Eike Batista, mas eles não vão entregar a rapadura. Não desistirão do poder. Jamé! – como diria o poliglota Luís Inácio em suas palestras pelas tiranias mundo afora. Argh!

E

les vão aprontar, sem a menor dúvida – e o Brasil deve se preparar para

MÁRIO RIBEIRO É JORNALISTA E PUBLICITÁRIO

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, Marcel Solimeo Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Editor-Chefe: José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br). Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br). Editores Seniores: chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), José Roberto Nassar (jnassar@dcomercio.com.br), Luciano de Carvalho Paço (luciano@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Marcus Lopes (mlopes@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br). Editor de Fotografia: Agliberto Lima. Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Heci Regina Candiani (hcandiani@dcomercio.com.br), Tsuli Narimatsu (tnarimatsu@dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br. Subeditores: Rejane Aguiar e Ricardo Osman. Redatores: Adriana David, Evelyn Schulke, Jaime Matos e Sandra Manfredini. Repórteres: André de Almeida, Karina Lignelli, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mariana Missiaggia, Mário Tonocchi, Paula Cunha, Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves e Sílvia Pimentel. Gerente Executiva e de Publicidade Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estadão Conteúdo, Folhapress, Efe e Reuters Impressão S.A. O Estado de S. Paulo. Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3180-3175. Fax 3180-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3180-3197, 3180-3983, Fax 3180-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3180-3544, 3180-3176 Esta publicação é impressa em papel certificado FSC®, garantia de manejo florestal responsável, pela S.A. O Estado de S. Paulo.

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3180-3737 REDAÇÃO (011) 3180-3449 FAX (011) 3180-3046, (011) 3180-3983 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 25 de julho de 2013

o

3

HÁ MUITAS CONSIDERAÇÕES EM TORNO DA REDUÇÃO DO RITMO DE CRESCIMENTO CHINÊS.

pinião

Devemos nos preocupar com a China?

N

a semana passada, os mercados financeiros foram abalados pela notícia de que a China talvez não atinja em 2013 sua meta de crescimento de 7,5%. Estima-se que um percentual de 7% seja mais provável. Se esse for de fato o resultado, será o pior desempenho chinês nos últimos 23 anos; além disso, poderá estar sinalizando uma tendência de arrefecimento no desempenho econômico do país. É o que parece sinalizar, por exemplo, o Índice de Gerentes de Compras do banco HSBC. O indicador sinalizou queda da produção industrial pela primeira vez em sete meses. Nesse contexto, é natural a indagação: a queda do ritmo de atividade deve ser motivo de preocupação para nós? A pergunta parece impertinente à primeira vista: parece óbvio que devemos nos preocupar com a desaceleração do crescimento da China.

C

m primeiro lugar, porque o país é o nosso principal parceiro comercial do lado das exportações e para lá vendemos ano passado mais de US$ 41 bilhões, com os quais cobrimos parte do pagamento de nossas importações e dos serviços financeiros e comerciais. Em 2012, pela primeira vez a China terminou o ano como principal origem das importações brasileiras, com aquisições superiores a US$ 34 bilhões, superando as importações originárias dos Estados Unidos (US$ 32,6 bilhões). Em segundo lugar, porque a queda no crescimento chinês encerra o ciclo de aumento dos preços das commodities, que beneficiou a economia brasileira na última década.

ROBERTO FENDT

Constata-se hoje que os níveis de endividamento na China são muito altos e continuam crescendo rapidamente. Isso cria potencial para uma crescente vulnerabilidade do sistema financeiro e para um estouro caótico da bolha de crédito. O frágil sistema legal chinês e sua incipiente estrutura financeira mostram que há um limite para a capacidade da economia absorver investimentos produtivos.

P Esse ciclo de alta de preços terminou com a crise de 2008 e desde então se estabilizou em um patamar mais baixo. A queda reduziu o valor de nossas exportações para a China.

S

e as consequências no curto prazo podem não ser boas, é preciso considerar também o que ocorrerá a mais longo prazo – no fim das contas, importa analisar a sustentabilidade de um desempenho que permitiu à China crescer à taxa média anual de 10%, após as reformas introduzidas por Deng Xiaoping em 1978. O q u e p e r m i t i u e s s e e xtraordinário resultado foi uma estratégia de expansão dos investimentos em detrimento do consumo. Por razões insti-

tucionais, a taxa de poupança interna ultrapassa 40% do PIB nacional e são esses recursos que permitiram o gigantesco investimento industrial que transformou a China no segundo PIB do planeta. Mais recentemente, a participação do consumo vem se reduzindo no PIB chinês. A contribuição do consumo para o crescimento nos primeiros

seis meses de 2013 foi da ordem de 45% – sendo o restante decorrente do aumento do investimento. Essa proporção é a menor dos últimos três anos: o consumo contribuiu para o crescimento do PIB com 56% em 2011 e diminuiu para 52% em 2012. Manter essa estratégia de crescimento traz vários riscos para a economia chinesa. Tal-

Manter a atual estratégia de crescimento traz vários riscos para a China. Talvez mais importante que manter a taxa de 7,5% seja a melhoria do padrão de vida da população.

vez mais importante que manter uma taxa da ordem de 7,5% seja a continuidade do processo de melhoria do padrão de vida da população. Para isso será imperioso que a economia seja reestruturada, de forma a evitar o risco de uma "aterrissagem forçada" do crescimento no futuro.

O

principal desses riscos está associado à bolha de crédito formada na economia ao longo dos últimos anos. Nos últimos trinta anos não somente a poupança financiou o investimento, mas também uma vigorosa expansão do crédito contribuiu para financiar o aumento da capacidade produtiva industrial, a infraestrutura e a construção civil.

or essa razão, é saudável que o presidente Xi Jinping e o primeiro ministro Li Keqiang tenham afirmado a intenção do governo de controlar a expansão desordenada do crédito. Visto de uma perspectiva de mais longo prazo, não devemos nos preocupar com o que ocorre na China. Acontece lá, hoje, o oposto do que ocorre no Brasil. Lá, o objetivo é estimular o consumo para rebalancear a economia. Aqui, os incentivos vêm sendo dados ao consumo, quando o que precisamos é expandir o investimento para retomar o crescimento. Talvez o exemplo da economia chinesa e de seus governantes possa ser de utilidade na reformulação de nossa política econômica quando ela vier a ocorrer. ROBERTO FENDT É ECONOMISTA

CROCODILOS EM PÂNICO SXC

A

ntes de analisar qualquer coisa que o sr. Mauro Santayana escreva, é preciso saber que ele trabalhou como comentarista político da Rádio Praga, órgão oficial do governo comunista checo, e foi redator-chefe das emissões em português da Rádio Havana. Essas estações nunca praticaram o jornalismo, no sentido normal do termo. Eram órgãos de desinformação, partes integrantes da polícia política comunista. A segunda ainda é. Chamar o sr. Santayana de "jornalista" tout court, sem esclarecer o uso que ele faz dessa fachada profissional, é sobrepor um formalismo burocráticosindical à realidade substantiva do trabalho que ele exerce. Ele é um agente de influência comunista. O jornalismo é o canal, não a substância da sua atividade.

U

m agente de influência não faz propaganda comunista. Mantém-se numa posição discreta e só procura influenciar as autoridades e os formadores de opinião em pontos determinados, precisos, para induzi-los a decisões que sirvam à estratégia comunista sob pretextos que não pareçam comunistas. Esse esforço só se intensifica e sobe de tom quando se trata de medidas urgentes, vitais para a sobrevivência do movimento comunista. É só aí que o lobo perde a compostura ovina, rosna, mostra os dentes

e sai mordendo. No momento, a coisa mais urgente e vital para o comunismo na América Latina é afastar a ameaça de uma investigação fiscal no Foro de São Paulo. É urgente e vital porque há 23 anos essa entidade gasta fortunas, transportando incessantemente centenas de politicos, intelectuais, militantes e terroristas entre todas as capitais do continente, hospedando-os nos melhores hotéis, sem informar à população de onde veio o dinheiro.

OLAVO DE CARVALHO

envolvimento de alguns de seus membros mais prestigiosos no narcotráfico é fato notório, comprovado por depoimento do traficante Fernandinho Beira-Mar e pelos computadores do ex-comandante das Farc, Raul Reyes, apreendidos pelo exército colombiano. O Foro de São Paulo é o comando estratégico do movimento comunista latino-americano. Faz e desfaz governos, interfere na política interna de dezenas de países, decide os destinos do continente, dá cobertura a terroristas e narcotraficantes e, segundo confissão do seu fundador e nosso expresidente Luís Inácio Lula da Silva, faz tudo de modo calculado para que "as pessoas não percebam do que estamos falando (sic). Chamar isso de conspiração não é portanto uma "teoria". É usar o termo apropriado para definir

N

um fato, tal como descrito pelo seu autor principal.

D

urante dezesseis anos o Foro cresceu em segredo, sob a proteção da mídia cúmplice, que negava a sua existência e que, quando não pôde mais fazer isso, passou a mostrá-lo sob aparência maquiada, como um inofensivo "clube de debates". A desconversa não pegou, em primeiro lugar porque nenhum clube de debates emite resoluções unânimes repletas de comandos a ser seguidos pelos participantes; e,

em segundo lugar, porque o próprio fundador da coisa deu com a língua nos dentes, em discurso no décimo quinto aniversário de fundação da entidade.

A

simples ajuda mútua entre os partidos legais e as quadrilhas de terroristas e narcotraficantes que o compõem já bastaria para fazer do próprio Foro, como um todo, uma organização criminosa no sentido mais estrito e legal do termo, mesmo sem levantar a hipótese de que a troca de vantagens políticas

A

í, é claro, foi o pânico. Antes mesmo que qualquer solicitação formal de uma investigação fosse enviada ao Ministério as entre tantos Público ou à Receita Federal, segredos que era preciso criar contra ela preenchem a história do uma predisposição hostil Foro, as finanças são ainda para dissuadir as o mais bem guardado. autoridades, a priori, da Mesmo depois que, forçado tentação de atendê-la. pelas circunstâncias a Primeiro veio então a passar do silêncio ao página do Opera Mundi que, exibicionismo histriônico, o naquele tom lacrimejante seu atual dirigente Valter próprio dos crocodilos, se Pomar decidiu embelezá-lo como entidade transparente queixava de que o Foro "sofria ameaças violentas". e aberta ao público, nem Coitadinho. Ele só tem, para uma palavra veio à sua boca defendê-lo, os exércitos de em resposta à pergunta Cuba e da Venezuela, as decisiva e proibida: Quem tropas das Farc e a militância paga a festa? Quem pagou armada do MST e da Via durante 23 anos? As Farc? Campesina, sem contar o O governo brasileiro? governo brasileiro. Não é para O petróleo do sr. Hugo ficar aterrorizado ante umas Chávez? Cadê os recibos? dezenas de estudantes que o Cadê as notas fiscais? Cadê as autorizações de despesa? xingam pela internet? Mas logo após essa Quem lançou palhaçada entrou em cena, essa pergunta, semanas como era de se esperar, o sr. atrás, fui eu (ver http://www.olavodecarvalho. Mauro Santayana. E veio org/semana/130626dc.html). com uma conversa muito mais interessante. Veremos Esperava que, como as no próximo artigo. anteriores que coloquei no ar, caísse em ouvidos moucos. Para minha surpresa, alguns grupos de OLAVO DE CARVALHO É ENSAÍSTA, jovens, que não conheço, JORNALISTA E PROFESSOR DE FILOSOFIA deram-lhe atenção e fizeram importasse em benefícios financeiros ilícitos para qualquer das partes.

O

dela uma das bandeiras do seu movimento "Marcha das Famílias". Embora a passeata organizada contra o comunismo reunisse não mais de cem pessoas, ela espalhou pelas ruas e pela internet o mais óbvio, inegável e legítimo dos pedidos: auditoria no Foro de São Paulo, já!


DIÁRIO DO COMÉRCIO

4

)KDC7O

Não são boas as relações MAIS: nas discussões, entre Marcelo Capuano, filho de Hebe e Cláudio Pessuti, sobrinho e empresário da apresentadora.

gibaum@gibaum.com.br

2 “Se eu tivesse que voltar a fazer alguma coisa em minha vida, seria

jogar futebol. Mas acho que o Felipão não está de olho em mim, não.” LULA // negando sua candidatura ao Planalto no ano que vem.

Fotos: Paula Lima

Muita espuma Grande bloco do PT critica os resultados práticos de tudo que foi anunciado pelo governo de Dilma Rousseff logo depois das primeiras manifestações de rua, incluindo as atrapalhadas do plebiscito inicial e anticonstitucional. E emenda pelas decisões seguintes sem nenhuma consequência de imediato ou mesmo no curto prazo, fora programas esticados até mesmo para depois de seu segundo mandato, caso ela se reeleja. Alguns dizem que “foi muito barulho por nada”; outros, ironizam argumentando que “só foi muita espuma”.

DA SARJETA O jornalista e apresentador Milton Neves deu uma entrevista relatando todas as figuras que inventou na televisão. Entre outros, acabou se detendo mais em Renata Fan, que foi “sua irmã” durante cinco anos e com a qual não tem contato há outros cinco anos. Neves acha que ela deveria ser mais grata: “Deveria ser mais, mas tenho orgulho porque acertei. Essa eu tirei da sarjeta mesmo. A primeira vez que eu a vi, ela não parava de falar. Uma magrela que não parava de falar”.

Aos 79 anos, Eva Wilma (primeira foto à esquerda, com Pedro Paulo Rangel) está de volta ao teatro, no comando do elenco de Azul Resplendor , de Eduardo Adrianzén, em cartaz no Teatro Renaissance, em São Paulo. O espetáculo, com direção de Renato Borghi, é um retrato do oficio de ator, mostrando bastidores do teatro em todos os tempos e jogos do poder nos ensaios de uma montagem. No elenco, também Dalton Vigh, Luciana Borghi e outros. E na plateia, na noite de estréia, da segunda foto à esquerda para a direita, a veterana Arlete Montenegro, Cintia Benini (SBT), Maria Helena Chira, de Flor do Caribe e Vera Zimmerman ( Amor à Vida ).

Noite de estréia

No governo de Dilma, desde seu inicio em 2011 até agora, já foram desembolsados R$ 67,1 milhões em ações de segurança institucional da presidente, vice-presidente, seus familiares e outras autoridades a pedido da Chefe do Governo. O valor é o dobro do que foi gasto durante todo o segundo mandato de Lula, entre 2007 e 2010, quando R$ 32,6 milhões foram desembolsados. Para quem gosta de comparações: em 2007, primeiro ano do segundo mandato de Lula, foram gastos em segurança R$ 852,8 mil; no primeiro ano do governo Dilma, R$ 29 milhões foram desembolsados para ações de segurança. No primeiro semestre deste ano, foram pagos R$ 12,1 milhões para esses serviços.

Segurança milionária

Voando lá fora Levantamento do Sindicato Nacional dos Aeronautas revela que mais da metade (57%) dos funcionários do setor da aviação demitidos nos últimos dois anos continuam procurando trabalho. Quem conseguiu se recolocar no mercado precisou mudar de cidade ou de país. China e Panamá são os países que mais contrataram brasileiros. No primeiro semestre deste ano 500 pilotos e 900 comissários de bordo se mudaram para aquelas duas nações. Os salários são equivalentes aos que recebiam por aqui.

CAMISA 1 A grife esportiva Liga Retrô, especializada em camisas antigas de clubes, está lançando uma do time do coração do Papa Francisco, o San Lorenzo. É uma replica do uniforme de 1946, ano em que o clube ganhou o campeonato argentino. Nas costas da camisa, com suas listras vermelhas e azuis, está impresso o nome de Francisco e o número 1.

MISTURA FINA UM DOS sonhos do Papa Francisco, confessado a seu amigo argentino, o rabino Abraham Skorka, é propor – e ele pode fazer isso ainda em sua estada no Brasil – a realização de um encontro ecumênico mundial, reunindo líderes de todas as religiões, em torno de objetivos comuns, como a paz, a fraternidade e o cuidado com os pobres e famintos.

LOGO no primeiro encontro com o Papa Francisco, no Galeão, Dilma perguntou ao Pontífice se ele queria conhecer alguma personalidade brasileira que admiraria. Ele respondeu no ato: “Deus”. Depois, a presidente contou a alguns ministros a conversa que, embora o teor da resposta não fosse esse, apressaram-se em repetir que “até o Papa reconhece que Deus é brasileiro”.

Sucessão mineira O ex-deputado e exministro do governo FHC, que se afastou da cúpula tucana desde seu desentendimento com o então ministro Sérgio Motta sobre sobras de campanha, ainda não decidiu se será candidato ao governo de Minas Gerais, no ano que vem. O governador Eduardo Campos, de Pernambuco e presidente nacional do PSB, quer lançar a candidatura do atual prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda. Pelo PT, deverá sair mesmo Fernando Pimentel, ministro do Desenvolvimento Econômico e ex-guerrilheiro, ao lado de Dilma, nos tempos da ditadura militar.

herança, direitos de imagem e até mesmo outros envolvendo as jóias que ela possuia.

O Ministério da Justiça e a Prefeitura do Rio de Janeiro distribuíram comunicado, culpando o Vaticano e o próprio Papa Francisco do engarrafamento constrangedor, que virou noticia em todo o mundo, enfrentado pelo comboio do Pontífice, no centro da cidade. Disseram que a retenção aconteceu “por opções do Vaticano” relativas a vontade do Papa em ter maior contato com peregrinos. E não foi nada disso: o motorista do carro onde o visitante estava errou na Avenida Presidente Vargas. Deveria ter entrado pela pista central e entrou na lateral onde os ônibus estavam estacionados.

Enquanto a novela Carrossel chega a seu final, a atriz Rosanne Mulholand resolve mostrar na capa e recheio da próxima Vip, o outro lado da professora Helena da novela infantil, posando de calcinha e sutiã. Hoje com 32 anos, chegou a ser chamada de “a nova queridinha do cinema nacional” em 2007 por sua atuação em Falsa Loura , onde aparecia totalmente nua. Rosanne nasceu em Brasília, filha do ex-reitor da Universidade de Brasília, Timothy Mulholand e deve permanecer contratada do SBT.

Quem manda Antes do governo desistir de importar 6 mil médicos de Cuba, Lula tratou de mandar um recado ao ministro da Saúde, Alexandre Padilha, com a certeza de que ele trataria de retransmiti-lo a Dilma. Se levasse à frente a contratação dos cubanos, Padilha teria de desistir da candidatura ao governo de São Paulo. O ex-presidente apostava que a categoria iria se voltar contra o PT. De certa forma, é o que está acontecendo com o Mais Médicos , com nova imposição a Padilha: Dilma quer que ele inicie a execução do programa no começo do ano que vem. E até lá, não abre a boca sobre candidatura.

/ IN Xadrez.

/

CULPA DO PAPA

Adeus à professora

OUT

Listrado.

Amigos brasileiros Giancarlo Giametti, sócio e ex-companheiro do estilista Valentino, deverá lançar, nos Estados Unidos, antes do final do ano, seu livro de memórias, recheado de fotografias históricas sobre sua vida pessoal e profissional. E terá um capítulo dedicado aos amigos brasileiros, entre eles, a ex-modelo e socialite Andrea Dellal, Sharlene Shorto e seu ex-marido Cacá de Souza (durante muito tempo, ele foi o public relations da maison de Valentino) e Lucia Moreira Salles (quando solteira e assinava Lucia Curia, desfilou para Chanel e Valentino).

OS TONS dos cabelos da atriz Paola Oliveira, a Paloma de Amor à Vida , são os mais pedidos nos salões de São Paulo e Rio.

ESTÁ no Rio Daniel Scioli, governador de Bueno Aires: terá um encontro com o Papa Francisco, de quem era muito amigo desde os tempos em que o conterrâneo Jorge Mario Bergoglio, era cardeal de lá. Scioli ia sempre na contramão do casal Kirchner, que vivia guerreando com o religioso.

NESSES dias de largada da Jornada Mundial da Juventude, com a presença do Papa Francisco, a companhia chileno-brasileira TAM chegou a cobrar R$ 2,3 mil por uma passagem São Paulo-RioSão Paulo.

HÁ MESES, a Rede TV! não para de demitir funcionários de todos os setores e, dependendo do caso, o afastamento vira logo uma ação trabalhista. A Record está terminando, esta semana, seu festival de cortes que já alcançou 450 funcionários. E a Band prepara igualmente uma onda de demissões: o binômio audiência-faturamento não vem apresentando grandes resultados.

Colaboração:

Paula Rodrigues / Alexandre Favero

quinta-feira, 25 de julho de 2013


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 25 de julho de 2013

5 SE DILMA SAI, SERRA ENTRA O comando do PSD já faz cálculos para as eleições de 2014. O apoio a uma eventual candidatura de José Serra (PSDB) é tido como certo caso Dilma não concorra à reeleição.

olítica Ulisses Dumas/ Estadão Conteúdo

Protesto reúne desde médicos a marisqueiros

'O que seria do Brasil se não fosse o PT?', indaga Lula.

C

erca de cem pessoas protestaram antes do evento do PT com a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula, ontem, em Salvador. A manifestação reuniu grupos de estudantes, médicos, sem-teto e marisqueiros. Os marisqueiros (foto) – que pertencem a uma associação de colônias de pescadores do Estado – protestavam contra a demora da emissão de novos registros de pescadores e para o acesso ao Plano Safra ligado à aquicultura. Os estudantes, do Movimento Passe Livre da capital baiana, reivindicavam redução da tarifa de ônibus de R$ 2,80 para R$ 2,50. Os médicos se posicionaram contra o programa do governo federal "Mais Médicos". E os sem-teto, que pertencem ao Movimento Nacional de Luta pela Moradia, se reuniram pedindo melhorias para o"Minha Casa, Minha Vida". (EC)

Biel Fagundes/Estadão Conteúdo

Marisqueiro pede melhoria

O

Em cerimônia dos 10 anos da administração petista, Lula diz que o grande "defeito" do PT foi dar "voz e vez" para os pobres.

FIM DE FESTA

A

primeira aparição da presidente Dilma Rousseff com o expresidente Luiz Inácio Lula da Silva desde as manifestações de junho, na noite de ontem, marcou também o fim precoce do ciclo de comemorações pelos dez anos do PT no governo. Inaugurado em fevereiro, quando Lula lançou Dilma à reeleição, o seminário "O decênio que mudou o Brasil" era previsto para ocorrer em dez cidades, "de todas as regiões do País", e durar até o final do ano. Só que agora, com a presidente em baixa entre os eleitores – sua aprovação caiu 35 pontos nos últimos quatro me-

ses, atingindo o menor nível do mandato (30% de avaliação positiva, segundo o Datafolha) – , o partido foi obrigado a fazer o último evento ontem, em Salvador. A cidade foi a sexta capital da turnê, encerrada às pressas, sem passar por Norte e Centro-Oeste. O mais recente seminário, que seria em Goiânia, no final de junho, por exemplo, acabou cancelado devido à onda de protestos. "A coisa vai mudando a depender da conjuntura. Agora, o que virou muito importante para nós é a questão da reforma política", disse o secretário nacional de comunicação do PT, Paulo Frateschi. Ele afirma que a situa-

ção pode mudar e que novos seminários podem ser marcados depois. O último encontro do PT aconteceu após rusgas entre Dilma e o partido, que emitiu uma resolução com críticas ao governo, e em meio ao coro interno de "volta Lula" para 2014. No sábado, a presidente Dilma não compareceu, sequer, à reunião do Diretório Nacional do PT, em Brasília. Temperatura baixa – Os seminários anteriores sempre serviram de termômetro para a sigla e o Planalto. Após Lula lançar Dilma em São Paulo, no dia 20 de fevereiro, o ex-presidente aproveitou a reunião de Fortaleza, uma semana de-

Dia dos Pais. Seu cliente paga a prazo. E você recebe à vista.

Taxasocionais prom ir de a part

% .m.

a , 1 1

cebíveis pação de re para anteci

bompratodos.com.br Central de Atendimento BB 4004 0001 ou 0800 729 0001 • SAC 0800 729 0722 Ouvidoria BB 0800 729 5678• Deficiente Auditivo ou de Fala 0800 729 0088 CET - Custo Efetivo Total de 24,69% ao ano. Crédito sujeito a aprovação cadastral e demais condições do produto.

pois, para mandar um recado à base: "O PT pode até ganhar a eleição sozinho, mas precisa de aliados para governar. Tem hora em que precisamos do apoio dos aliados, e tem horas que temos que ter a humildade de apoiar os outros". Quando Dilma vivia o ápice de sua popularidade, que estava em 65%, em abril, Lula afirmou em Belo Horizonte "nunca ter tido tanta tranquilidade". Agora, com o aumento das críticas da oposição, especialmente em relação à situação econômica do País, o tom mudou. "Dilma está no caminho certo. Vou lutar com unhas afiadas para defendêla", disse Lula. (Folhapress)

ex-presidente Lula disse ontem que a presidente Dilma Rousseff cumprirá suas promessas de campanha ao fim do primeiro mandato e que o grande "defeito" do PT foi dar "voz e vez" aos pobres. "O que seria do Brasil sem nós? A gente tem de olhar há dez anos quando chegamos ao governo. Temos o direito de reivindicar tudo que falta e o dever de dizer que tudo aquilo que conquistamos", disse Lula, recebido pela claque aos gritos de "Olê-olêolê-olá, Lula, Lula". "Terminei o primeiro mandato com muito orgulho porque cumprimos tudo aquilo que tínhamos prometido. Tenho convicção de que o mesmo vai acontecer quando terminar o primeiro mandato da presidente Dilma Rousseff", afirmou ele. "O grande defeito do PT foi ensinar aqueles debaixo que eles podiam, que eles podiam ter vez e voz", afirmou Lula, fortemente aplaudido. Lula e Dilma se reuniram por mais de três horas no Bahia Othon Palace, mesmo local do seminário. O governador da Bahia, Jaques Wagner, e o presidente nacional do PT, Rui Falcão, participaram da conversa. Primeiro a discursar, Wagner criticou a recomendação da oposição e de aliados de reduzir o número de ministérios. (EC)


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

quinta-feira, 25 de julho de 2013

O governo joga sempre para piorar as expectativas e isso é impressionante. José Serra (PSDB), ex-governador de SP

olítica

Olicio Pelos/Estadão Conteúdo - 18/07/2013

Serra: 'Herança deste governo será adversa'. Para ele, qualquer governo depois do de Lula já teria dificuldades. Agora então...

O

ex-governador de São Paulo José Serra (PSDB) afirmou na tarde de ontem, em conferência organizada pela GO Associados, que a herança do governo da presidente Dilma Rousseff para o próximo presidente "vai ser muito adversa, com nós enormes", por conta dos problemas fiscais e de infraestrutura. "É uma herança mais adversa da que recebeu, que já era muito adversa", disse ele. Serra afirmou também que,

qualquer que fosse o governo que sucedesse o governo Lula, "as dificuldades seriam enormes" para a gestão pública, diante do cenário de crise. "Como candidato a presidente tinha receio de ganhar e enfrentar essas dificuldades", admitiu Serra, que foi derrotado na disputa com a atual presidente Dilma Rousseff (PT) nas eleições de 2010. Segundo o ex-governador paulista, a situação econômica em 2014 vai continuar "o mais do mesmo", sem ações

para suprir os gargalos de infraestrutura e de outras áreas, como a saúde. "Em vez de consumir o tempo com infraestrutura, consome com satanização dos médicos, com a discussão do plebiscito. O governo joga sempre para piorar as expectativas e isso é impressionante." Ele repetiu a avaliação de que "o que falta hoje no Brasil é governo" e disse não se lembrar de um time "tão fraco" de auxiliares como o atual grupo de ministros: "Lembra-me os

Serra confessa: "Como candidato a presidente eu tinha receio de ganhar e enfrentar essas dificuldades". seis últimos meses do governo Jango (João Goulart), ou 1992, no governo Collor", disse Serra, citando, respectivamente, o ex-presidente deposto pelo golpe militar e o atual senador, que renunciou.

"Chefes do Executivo que se cercam por gente mais fraca são uma praga na vida pública. Não dá para pedir bom governo, mas é preciso algum governo." Para ele, a antecipação da campanha eleitoral

foi negativa. Serra pediu unidade entre críticos e opositores em 2014. "O período precisa ser preenchido com o debate de propostas e menos com candidatura stricto sensu". (Estadão Conteúdo)

Campos ‘empareda’ alas do PSB que apoiam Dilma Governador de PE amplia diálogo com diretórios que apoiariam a presidente

O

FAB levou Aldo e família para Cuba

A

oposição cobrou ontem explicações do ministro Aldo Rebelo (Esportes) por ter usado avião da Força Aérea Brasileira (FAB) para ir à Cuba durante o Carnaval levando a mulher, o filho e alguns assessores. Líderes do DEM, PSDB e PPS defendem que Aldo se explique à Comissão de Ética Pública, vinculada à Presidência da República, e devolva o dinheiro do voo. "O ministro é uma pessoa séria, mas se julgou no direito de levar mulher, filho e assessor em voo oficial. Aproveitou um evento para produzir férias, juntando o público e o privado. Cabe explicações à

Comissão de Ética", disse o presidente do DEM, senador José Agripino Maia (RN). O ministro divulgou nota ontem dizendo que foi a Havana trabalhar. Mas continua sem explicar as atividades da mulher e do filho, no feriado. Aldo alegou que estava em missão oficial e disse que levou os parentes em avião da FAB sob a justificativa de que eles foram convidados pelo governo cubano. Explicou ainda que os dois "cumpriram programação definida pelo protocolo cubano". Na nota não havia explicação sobre a agenda da mulher e do filho em Cuba. O ministro

relatou apenas sua agenda da missão oficial: "Não fui passear em Cuba. Fui trabalhar, como mostra a agenda." "Nesses encontros, foi concretizada a criação de grupos de trabalho e intercâmbio entre Brasil e Cuba neste período de preparação dos atletas brasileiros e da infraestrutura esportiva do Brasil para os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016. O ministério do Esporte e o Instituto Nacional de Esportes, Educação Física e Recreação assinaram o acordo que cria o Grupo de Trabalho de Acompanhamento do Programa de Atividades para 2013/2016." (Agências)

governador de Pernambuco e presidente do PSB, Eduardo Campos, deflagrou um movimento para emparedar alas do partido que ainda resistem a seu projeto de concorrer ao Planalto em 2014. Motivado pela queda brusca de popularidade da presidente Dilma Rousseff e por seu crescimento nas últimas pesquisas de intenção de votos, ele ampliou o diálogo com diretórios defensores da reeleição de Dilma e com movimentos sociais que orbitam na área de influência. No último sábado, discretamente, 200 dirigentes de movimentos sociais do PSB reuniram-se em Brasília e divulgaram nota de apoio à candidatura de Campos. O aumento da adesão a ele poderia antecipar o lançamento de uma pré-candidatura em setembro. "Temos uma alternativa a oferecer ao Brasil que é a candidatura a presidente da República do nosso líder, o presidente nacional do Partido Socialista Brasileiro, Eduardo Campos", diz a nota. "A construção da candi-

Diego Nigro/Estadão Conteúdo - 16/07/2013

Campos: lançamento de uma pré-candidatura em setembro? datura precisa ser tocada por todos os segmentos do partido. O PSB está unido na decisão de ter candidatura própria. Acreditamos no final de um ciclo que foi liderado pelo PT", disse Joílson Cardoso, coordenador do braço sindical do PSB. Aliados do governador garantem que as mudanças no cenário político, após as manifestações de junho, contribuíram para minar resistências de setores da sigla em relação à candidatura própria. Hoje, o entorno do governador acredita que só o

PSB do Ceará estaria com Dilma. Antes das manifestações de junho, cinco governadores da sigla, além de Campos – Camilo Capiberibe (AP), Renato Casagrande (ES), Ricardo Coutinho (PB), e Cid Gomes (CE) e Wilson Martins (PI) – tinham reservas ao voo próprio. "A candidatura de Campos é uma realidade. Temos maioria amplíssima", disse Carlos Siqueira, primeiro-secretário nacional do PSB, que coordenou o processo de mudança na direção do partido em Minas. (EC)

José Cruz/Agência Brasil

Cid se diz sem vocação para tanto

CID 'DITADOR' O governador do Ceará, Cid Gomes (PSB), rebateu críticas de "ditador", fez piadas e chamou um internauta de "malhumorado" em uma conversa ao vivo na internet ontem. O papo, transmitido ao vivo pela plataforma Twitcam, durou cerca de 1h30 e foi acompanhado por cerca de 300 pessoas. Não é a primeira vez que o governador promove este tipo de interação com internautas. Um deles se referiu a ele como "Cid ditador", expressão usada com frequência nos protestos realizados em Fortaleza. Cid riu ao ler a mensagem. "Cid ditador. Ditador, por quê? Eu sou o contrário, se é uma coisa que não tenho vocação é para ditador."

O presidente do STF, Joaquim Barbosa, sentiuse na obrigação de explicar o porquê de não ter apertado a mão da presidente Dilma Rousseff na segunda-feira, logo depois de cumprimentar o papa Francisco. Segundo nota de sua assessoria, "o ministro repudia a interpretação de que teria sido deselegante e ratifica seu respeito pelos poderes constituídos". E explica que, antes da aparição pública, Barbosa já havia se encontrado com Dilma em sala privativa.

PMDB QUER 20 MINISTÉRIOS

Ó RBITA Erbs Jr./Estadão Conteúdo

GAROTINHO O deputado federal Anthony Garotinho (PR) disse que vai processar o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), por acusálo de infiltrar pessoas nas manifestações para depredar patrimônio público e privado. Diz a nota do deptuado que ele solicitou a seus advogados "que processem Cabral e Pezão criminalmente, para que provem o que andam espalhando publicamente pela imprensa e em ações de governo".

Cabral: novo decreto inclui respeito ao sigilo de dados dos suspeitos.

CABRAL REVISA DECRETO Deve ser publicado hoje um novo decreto sobre a quebra dos sigilos telefônico e de internet de suspeitos de atos de vandalismo em manifestações. O novo texto vai incluir o sigilo judicial a ser obedecido e diz apenas que as empresas de telecomunicações devem dar prioridade aos pedidos

do governo. O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, foi ao Youtube se explicar: "Jamais o meu governo vai desrespeitar a Justiça e os direitos constitucionais. Jamais. Então nós estamos publicando um novo decreto, anulando este decreto, republicando um novo, deixando tudo muito claro."

O líder do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha (RJ), disse ontem que a bancada vai insistir na apresentação de uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que limite em 20 pastas o primeiro escalão do governo. O texto já tem as 171 assinaturas necessárias para tramitar e deve ser protocolado na Câmara em agosto. Principal aliado do governo, o PMDB, sobretudo a ala ligada aos deputados, vem defendendo a redução dos ministérios. Hoje, há 39 ministérios.

Segundo o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDBRN), o partido apoiaria uma redução para 25 pastas. O vicepresidente Michel Temer também reforçou o discurso dizendo que a diminuição de pastas seria razoável. Os peemedebistas se ressentem de não controlarem toda a estrutura, o que reduz o poder de indicação. Outra reclamação é os ministérios sofrerem mais cortes do que os do PT. O partido comanda cinco ministérios.

INTERNADO COM DORES NO PEITO O deputado federal José Genoino (PT), 67 anos, deu ontem entrada na Santa Casa de Ubatuba por volta das 6h com fortes dores no peito e acabou transferido de ambulância para o Sírio Libanês, na capital paulista, às 15h30. Segundo a Santa Casa, exames realizados não constataram problemas no coração. O quadro

Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados

BARBOSA

era estável e Genoino passava bem. No ano passado, ele passou por exame de cateterismo .


p Vaccarezza insiste na reforma política DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 25 de julho de 2013

7

Essa reforma política não será só dos políticos, será uma reforma do povo brasileiro. Cândido Vaccarezza (PT-RS)

olítica

Câmara dos Deputados lança comunidade virtual na internet para receber sugestões. A ferramenta está disponível no site da Casa, na seção e-democracia.

C

oordenador do grupo da Câmara que debaterá a reforma política, o deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP) afirmou ontem que os trabalhos "não vão andar" se a discussão tiver como "ideia fixa" as principais propostas de seu partido para o tema, caso do financiamento público de campanhas e do voto em lista fechada. Ele participou do lançamento de um portal para que os eleitores mandem sugestões sobre o tema. No primeiro dia de funcionamento da comunidade virtual que fica dentro do portal e-democracia da Câmara dos Deputados, internautas aproveitaram o espaço para fazer desabafos e sugerirem redução de salários e outros benefícios dos parlamentares. Vaccarezza afirmou que os deputados vão ouvir as propostas da sociedade e prometeu trabalhar na busca de consensos para realizar mudanças. "Desta vez vai ter votação", garantiu. Como receita, ele acabou por descartar a insistência nas bandeiras caras ao PT. "É errado se basear em um pensamento único, em ideia fixa. Por exemplo, eu defendo voto em lista e financia-

Dida Sampaio/ Estadão Conteúdo

mento público, mas se quiser enquadrar o debate nisso, aí não vai andar", disse Vaccarezza, para depois fazer a ressalva de que as teses defendidas pelo seu partido não podem ser tidas como vencidas por não terem passado ainda por votação na Casa. O deputado já teve antes sua posição criticada porque não defenderia as posições do par-

É errado se basear em um pensamento único, em ideia fixa. Se quiser enquadrar o debate nisso, aí não vai andar. CÂNDIDO VACCAREZZA, COORDENADOR DA REFORMA

tido. Vaccarezza garante que apoia os ideais, como a de realização de um plebiscito sobre o tema, mas ressaltou que como coordenador precisa trabalhar dentro de um "bom senso" para construir propostas objetivas. "Temos que procurar algo no meio, na média, na mediana", argumentou. "Eu faço parte da linha de frente de defesa da presiden-

te Dilma e do PT. Faço, fiz e vou continuar fazendo. Diferente de alguns, não fico com medo de enfrentar posições difíceis", afirmou Vacarezza. E completou: "Quero garantir que vamos votar a reforma política. Pode sair coisa que não concordo, mas vamos votar. Essa reforma política não será só dos políticos, será uma reforma do povo brasileiro." E-democracia – O lançamento do portal (h ttp:e demo cracia.camara.gov.br) é uma tentativa de aproximar a sociedade do debate. Para participar, o eleitor terá de se cadastrar. Até às 19h de ontem, primeiro dia em que foi colocado no ar, 59 pessoas já tinham manifestado sua posição em mais de 206 mensagens, muitas com ataques ao Congresso Nacional e sugestões que passam longe do debate pretendido pelo grupo de trabalho. "Redução de pelo menos 80% dos salários dos políticos brasileiros", propôs um dos eleitores. "Corte extremo nos benefícios abusivos dos políticos", afirmou outro. Em uma sessão de enquete da página, aparecem como temas mais votados a possibilidade de apresentação de propostas de emendas à Consti-

Brasileiros podem expor suas demandas sobre a reforma política em http:edemocracia.camara.gov.br Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

tuição por meio de iniciativa popular, a simplificação da apresentação deste tipo de projeto, o fim de regalias como cota parlamentar e o afastamento do cargo para pessoas sob investigação por crime de improbidade e corrupção. Temas como financiamento igualitário para os candidatos e a convocação de Assembleia Constituinte para fazer a reforma política apareciam entre os assuntos menos votados. (Agências)

Vaccarezza: "Faço parte da linha de frente de defesa da presidente".

DUPLA FUNÇÃO Zeca Ribeiro/ Ag. Câmara

Afif recorre ao Supremo Tribunal Federal

O

Afif: "Trata-se de um perigoso processo político de cassação".

vice-governador de São Paulo, Guilherme Afif Domingos (PSD), pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) que suspenda o processo de impeachment ao qual responde na Assembleia Legislativa Paulista (Alesp) por conta do acúmulo do cargo de ministro da Micro e Pequena Empresa do governo Dilma Rousseff. No pedido de liminar feito ao Supremo, ele alega que, com a retomada dos trabalhos da Alesp em agosto, poderá ser "imediatamente alijado da

vice-governadoria" por meio de processo irregular. Na ação, Afif argumenta que houve irregularidade na instauração do processo contra ele. Para o vicegovernador, o pedido de impeachment não poderia ser aberto por decisão individual do presidente da Alesp, o deputado estadual Samuel Moreira (PSDB), mas só com o apoio de dois terços dos integrantes da Assembleia, como prevê a Constituição Federal. Segundo a defesa de Afif, o STF já firmou entendimento

segundo o qual as regras de julgamento de quaisquer agentes políticos são de competência da União e têm de respeitar legislação federal específica. Para Afif não há proibição legal para assumir o cargo no governo: "Trata-se de um perigoso processo político de cassação do vice-governador do Estado por ter assumido a função de secretário das Micro e Pequenas Empresas do governo federal, o que foi aceito por não haver qualquer impedimento jurídico para tal acúmulo."

Segundo ele, não compete ao presidente da Alesp proferir juízo. Afif lembra que Samuel Moreira é o "principal beneficiário de um eventual impeachment" por conta dos critérios de sucessão estadual. No pedido de liminar, a defesa de Afif quer a suspensão da tramitação do processo de impeachment que se encontra na Comissão de Constituição, Justiça e Redação da Alesp e, no julgamento do mérito, a anulação do procedimento. (Estadão Conteúdo)

ANO VIII NO 412 . QUINTA-FEIRA . 25 DE JULHO DE 2013 ENVIE SUGESTÕES PARA: ESPACOSESCON@SESCON.ORG.BR . WWW.SESCON.ORG.BR

SESCON-SP SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS E DAS EMPRESAS DE ASSESSORAMENTO, PERÍCIAS, INFORMAÇÕES E PESQUISAS NO ESTADO DE SÃO PAULO . AESCON-SP ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DO ESTADO DE SÃO PAULO . PRESIDENTE: SÉRGIO APPROBATO MACHADO JÚNIOR . GESTÃO: 2013/2015

DIVERSAS FRENTES PELO EMPREENDEDORISMO E JUSTIÇA SOCIAL SESCON-SP ESTREITA RELACIONAMENTO COM ESFERAS MUNICIPAL, ESTADUAL E FEDERAL DE GOVERNOS VISANDO REIVINDICAR E CONTRIBUIR COM O DESENVOLVIMENTO SOCIAL E PELA MELHORIA DO AMBIENTE DE NEGÓCIOS NO PAÍS Nos últimos anos, o SESCON-SP tem buscado canais de diálogo e de relacionamento com todos os âmbitos de governo em busca da redução da carga tributária e da burocracia, de novas alternativas para o desenvolvimento do empreendedorismo, bem como por mais justiça social. Recentemente, o presidente da Entidade, Sérgio Approbato Machado Júnior, esteve em audiência com o secretário do Desenvolvimento do Trabalho e Empreendedorismo da cidade de São Paulo, vereador Eliseu Gabriel. Um dos principais temas abordados na reunião foi a ampliação da parceria firmada entre o Sindicato e a prefeitura paulistana desde 2007, para capacitação e inserção de jovens no mercado de trabalho, a ação “Desenhando o Futuro”. A intenção é aumentar o número de beneficiados, bem como agregar novas disciplinas como Português, Matemática e Tecnologia da Informação ao projeto, que hoje oferece noções de “Departamento Pessoal” e “Escrita Fiscal”, uma mudança sugerida pelo parlamentar que agora deve ser analisada pelas equipes técnicas da secretaria e da UNISESCON - Universidade Corporativa do SESCON-SP. Em âmbito estadual, o SESCON-SP tem atuado fortemente como membro da Frente Parlamentar do Empreendedorismo e Combate à Guerra Fiscal, da Assembleia Legislativa do Estado, presidida pelo deputado estadual Itamar Borges. No mês de junho, por exemplo, a Entidade sediou um grande evento que reuniu representantes do executivo e do legislativo paulista, além de lideranças setoriais, para debate e busca de alternativas para as problemáticas da substituição tributária e da guerra fiscal. Já na esfera Federal, a Entidade tem participado de discussões em favor dos pequenos negócios com a Secretaria da Micro e Pequena Empresa. Também em junho, Sérgio Approbato esteve com o ministro da pasta, Guilherme

30 de julho, das 9h às 18h 31 de julho, das 9h às 18h Fonte: IOB | www.iob.com.br

APROVADAS INSTRUÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS DEMONSTRATIVOS PELA PESSOA JURÍDICA BENEFICIÁRIA DO PADIS

Evento promovido pela Frente Parlamentar do Empreendedorismo e Combate à Guerra Fiscal da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo e pelo SESCON-SP

Reunião com o secretário Eliseu Gabriel

Afif Domingos, em evento promovido pela Frente Parlamentar da Micro e Pequena Empresa do Congresso Nacional, presidida pelo deputado federal Pedro Eugênio. Um dos principais focos da nova secretaria é o aperfeiçoamento do Simples Nacional, com mudanças como a liberação do sistema simplificado de tributos para negócios de todas as atividades econômicas e a criação de um sistema de transição para as empresas que acabam ultrapassando o teto do regime. O governo criou um comitê interministerial para avaliar o tema. “A sociedade deve participar dos debates que envolvem os desenvolvimentos econômico e social e é isto que o SESCON-SP vem fazendo ao debater e colaborar com os poderes públicos”, finaliza Sérgio Approbato.

Approbato Machado Júnior, o uso de certificação digital deve ser exigido cada dia mais. “É um instrumento desenvolvido para atender a nova realidade tecnológica e global, ao garantir a veracidade e dar validade jurídica às transações on-line”, argumenta o líder setorial. Atento a este panorama, o Sindicato e a AESCON-SP, em parceria com a Serasa Experian,

mantém uma excelente estrutura, com profissionais altamente qualificados e serviços diferenciados para a aquisição de certificados digitais por associados, filiados e seus clientes, além da sua sede, localizada à Avenida Tiradentes, 960, na Luz, Capital Paulista, a Entidade possui postos de atendimento em todo o Estado de São Paulo. Confira no portal: www.sescon.org.br.

TV SESCON-SP: FIQUE POR DENTRO DOS ACONTECIMENTOS DA SEMANA. TODAS AS QUARTAS-FEIRAS ÀS 22H NA TV ABERTA NOS CANAIS: 09 DA NET; 72 E 99 DA VIVO TV E 186 DA VIVO TV DIGITAL. AV. TIRADENTES, 960 . LUZ . SÃO PAULO . SP . 01102-000. FONE: (11) 3304-4400 . FAX: (11) 3304-4510

Práticas Previdenciárias X Desoneração da Folha de Pagamento Ativo Imobilizado - Apuração e Controle para as Pequenas e Médias Empresas

DICAS & NOTAS

EM SETEMBRO, HOMOLOGNET SÓ COM CERTIFICAÇÃO DIGITAL A partir de 16 de setembro, o acesso ao Homolognet, sistema de homologação das rescisões contratuais on-line do Ministério do Trabalho e Emprego, será permitido apenas com certificado digital. A ferramenta substituirá o atual modo de entrada no sistema, hoje feito por login e senha. Segundo o presidente do SESCON-SP, Sérgio

AGENDA DE CURSOS

Foram aprovadas instruções para a elaboração de relatórios demonstrativos pela pessoa jurídica beneficiária do Padis, de que trata o art. 9º do Decreto nº 6.233/2007, referentes ao ano-base de 2012 e aos demais anos-base subsequentes, na forma do Roteiro e seus Anexos I a IV à portaria em referência. Os relatórios deverão ser encaminhados ao Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) até o dia 31 de julho de cada ano. (Portaria MCT nº 697/2013 - DOU 1 de 22.07.2013)

BASE DE CÁLCULO DA ST DE MERCADORIAS COMERCIALIZADAS PELO SISTEMA PORTA A PORTA EM SP Divulgado o Índice de Valor Adicionado Setorial (IVA-ST) aplicável no cálculo da substituição tributária (ST) do ICMS, no período de 1º.09.2013 a 30.06.2015, nas saídas de mercadorias com destino a revendedor localizado em território paulista que atue no segmento de vendas a consumidor final pelo sistema porta a porta. (Portaria CAT nº 72/2013 - DOE SP de 20.07.2013)

CONFAZ DIVULGA CONVÊNIOS QUE DISPÕEM SOBRE O BENEFÍCIO DA ISENÇÃO Por meio de ato do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), foram divulgados os Convênios ICMS nºs 53 a 56/2013, que dispõem sobre isenção nas operações com ração para animais e respectivos insumos, importação de embarcação e produtos destinados aos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016. (Despacho SE/Confaz 149/2013 - DOU 1 de 22.07.2013)

PRORROGADA VIGÊNCIA DA MP QUE REDUZ A ZERO A ALÍQUOTA DE COFINS E PIS SOBRE A RECEITA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS Por meio da norma em fundamento, foi prorrogada pelo prazo de 60 dias a vigência da Medida Provisória nº 617/2013, que reduziu a zero, com efeitos a contar de 31.05.2013, as alíquotas da contribuição para o PIS-Pasep e da Cofins incidentes sobre a receita decorrente da prestação de serviços regulares de transporte coletivo municipal rodoviário, metroviário e ferroviário de passageiros. (Ato do Congresso Nacional nº 45/2013 - DOU 1 de 23.07.2013)

Filiado à:

Iniciativa:


DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

cEm Aparecida,

quinta-feira, 25 de julho de 2013

idades

Nacho Doce/Reuters

papa promete voltar em 2017. Francisco rezou ontem, no Santuário, a primeira missa para um grande público.

O

papa Francisco anunciou ontem, após celebrar no Santuário de Aparecida (SP) a primeira missa para um grande público, que vai voltar à cidade em 2017, quando serão comemorados os 300 anos desde que foi encontrada a imagem de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil. Francisco, no terceiro dia de sua viagem, pediu por favor aos fiéis que lotaram o Santuário que rezem por ele e prometeu reencontrá-los daqui a quatro anos. "Que Deus os abençoe, que Nossa Senhora Aparecida cuide de vós, e até 2017, que vou voltar", disse o papa à multidão que ficou do lado de fora da Basílica de Nossa Senhora de Aparecida. Cerca de 200 mil pessoas acompanharam a missa do lado de fora da Basílica. Lá dentro, outras 15 mil acompanharam a celebração no segundo maior templo católico do mundo – perde apenas para Roma. A imagem da santa que dá nome ao santuário e está exposta no local foi encontrada nas águas do Rio Paraíba do Sul, em 1717. "Peço um favor. Com jeitinho. Rezem por mim. Eu preciso. Que Deus os abençoe",

acrescentou Francisco, que ainda pediu desculpas por não falar "brasileiro" e abençoou as pessoas que enfrentaram a chuva e o frio para vê-lo. O pontífice argentino, de 76 anos, incluiu por desejo próprio a visita a Aparecida na agenda da viagem ao Brasil, que tem como motivo principal presidir

Peço um favor. Com jeitinho. Rezem por mim. Eu preciso. Que Deus os abençoe. E até 2017, quando voltarei. PAPA FRANCISCO as celebrações da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), no Rio de Janeiro, até domingo. Em sua homilia, o papa voltou a pedir um maior protagonismo da juventude na construção de um mundo melhor. Desde sua eleição como líder da Igreja Católica, Francisco tem conquistado o coração dos fiéis com sua renúncia à pompa de seus predecessores.

Políticos – Uma das autoridades políticas presentes na missa do papa Francisco, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), destacou a honestidade e a proximidade com o povo entre os ensinamentos que o pontífice tem a dar aos políticos. Questionado após a missa na Basílica de Aparecida, sobre a mensagem que o papa teria para a classe dirigente, o governador parecia que estava estudando a questão. "Estou até lendo um livro dele", disse Alckmin, mostrando aos jornalistas uma edição inteiramente grifada e justamente nas mensagens relacionadas à política. Helicóptero – Francisco deixou o Rio ontem de manhã e partiu de avião até São José dos Campos (SP), de onde embarcou em um helicóptero até Aparecida. Inicialmente, o papa seguiria de helicóptero do Rio até o Santuário, mas o mau tempo na capital fluminense provocou a mudança de planejamento. O santuário em Aparecida é visitado anualmente por mais de 10 milhões de fiéis brasileiros. Os papas João Paulo II e Bento 16 também estiveram no santuário para venerar uma pequena imagem. (Agências)

Papa Francisco durante veneração à imagem de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil: eu voltarei.

"Ela é minha filha", diz restauradora da imagem de Nossa Senhora.

Celso Pupo/Estadão Conteúdo

Maria Helena Chartuni é a responsável oficial pela manutenção da imagem recolhida no Rio Paraíba, em 1717. Paulo Pampolin/Hype

José Maria dos Santos

E

m se tratando de quem é, era natural que a pintora e escultora Maria Helena Chartuni, 70 anos, estivesse em Aparecida ontem. Ela é, há 35 anos, cuidadora da imagem original de Nossa Senhora Aparecida, recolhida das águas do Rio Paraíba por três pescadoras na segunda quinzena de outubro de 1717. Maria Helena é a única pessoa autorizada a manusear a peça sagrada, programação que faz uma vez por ano para prevenir eventuais desgastes. Mas, conhecedora do mar de fiéis que invade o Santuário em dias de festas, particularmente na visita do papa, e por não gostar de atropelos, preferiu ficar em casa. De resto, imaginou que sua presença não seria necessária, pois as sinalizações indicaram que a Santa não sairia do seu nicho blindado. Caso contrário, a retirada seria feita com antecedência, conforme ocorreu outras vezes. A programação previa apenas a entrega de uma cópia, devidamente numerada e autenticada, ao pontífice. Curiosamente, seu catolicismo tem um pé fora de Roma. Seu pai era maronita e a mãe, melquita, ambos originários do Oriente Médio e iguais ao romano na essência, mas com diferenças de ritos. A seguir, trechos da entrevista concedida ao Diário do Comércio.

Diário do Comércio – A senhora fez a preparação da imagem da santa para receber o papa Francisco? Maria Helena Chartuni – Não foi necessário. Há um cuidado básico, anual, que é feito em

Papa Francisco na chegada ao Hospital São Francisco, no Rio

Francisco: traficantes são "mercadores da morte".

N Maria Helena Chartuni sobre o processo de limpeza em que coloca as mãos na santa: "é um momento mágico". outubro, por ocasião do mês dela, que é suficiente. Em que consiste esse cuidado? Maria Helena Chartuni – Eu faço um exame da imagem para verificar o bom estado e, principalmente, se não há umidade. É que no nicho em que ela se encontra não há controle de umidade. Trata-se uma imagem de terracota que, como toda imagem desse material, é oca. Do contrário, se partiria ao ser levada ao fogo no processo de elaboração. Mas a senhora, ao fazer uma limpeza, não vê o estado do manto? Maria Helena Chartuni – Não. Eu só cuido da imagem. O manto é trocado a cada dois anos. Na verdade, a única providência é que passo uma flanela, para, eventualmente, remover algum resíduo de pó.

Qual é a sensação de estar tão próxima da santa, de tê-la nas mãos? Maria Helena Chartuni – É um momento verdadeiramente mágico. Eu costumo dizer que sinto a impressão de que ela é a minha filha. A senhora tem a chave da caixa blindada que abriga a Santa. É verdade que o vidro tem seis centímetros de espessura? Maria Helena Chartuni – É. Não. Eu não tenho a chave. Ela fica de posse do reitor do Santuário. Mas ela não é manuseada. Funciona automaticamente através de um motor, que a faz girar até o ponto adequado de abertura. Como a senhora começou esse trabalho de zeladoria? Maria Helena Chartuni – A imagem foi atacada por um esquizofrênico em 16 de maio de

1978, que a reduziu em 200 pedaços. Houve uma grande comoção no País. Os padres redentoristas recorreram ao Museu do Vaticano para tentar a restauração. Naquela época, o diretor era Deoclécio Radig de Campos. Ele disse que não havia necessidade de levar os despojos para lá, que Pietro Maria Bardi, então responsável pelo Masp, resolveria o assunto. Eu trabalhava com ele. O professor Bardi recomendou-me que ficasse de prontidão. Numa segunda-feira eu recebi uma caixa branca de madeira, revestida de fórmica, com os cacos. Trabalhei 33 dias na restauração e, de lá para cá, ela ficou sob meus cuidados. Como a senhora se prepara para ir de encontro à imagem da santa? Maria Helena Chartuni – Faço uma preparação espiritual. E jamais trabalho de luvas.

a visita ao Hospital São Francisco de Assis, na zona norte do Rio, o papa Francisco atacou ontem os projetos de liberalização das drogas na América Latina e acusou traficantes de serem os "mercadores da morte". A visita ocorreu no início da noite, após o retorno de Aparecida. Na primeira vez em que falou publicamente sobre o problema das drogas desde o início de seu pontificado, o argentino deu as primeiras indicações de que, se seus gestos são novos e sua simpatia o transformou em um ícone global, ele não está disposto a mudar posições tradicionais da Igreja. A crítica à liberalização d a s d r o g a s o c o r r e u e nquanto visitava o hospital, que atende dependentes de drogas, e depois de se reunir com cinco pacientes. "Não é deixando livre o uso de drogas, como se discute em várias partes da América Latina, que se conseguirá reduzir a difusão e a influência da dependência química", declarou Francisco. Países como o Uruguai já liberalizaram o consumo de maconha, enquanto outros na região avaliam propos-

tas similares. Para o papa, a solução não vem da liberalização, mas de uma estratégia para "enfrentar os problemas que estão na raiz do uso das drogas, promovendo uma maior justiça, educando os jovens para os valores que constroem a vida comum, acompanhando quem está em dificuldade e dando esperança ao futuro". Ele atacou também o narcotráfico. "São tantos os 'mercadores da morte' que seguem a lógica do poder e do dinheiro a todo custo", disse. "A chaga do tráfico de drogas, que favorece a violência e que semeia a dor e a morte, exige da sociedade inteira um ato de coragem", insistiu. O papa Francisco ainda atacou o egoísmo da sociedade por não dar atenção suficiente aos dependentes de drogas. "Precisamos abraçar quem tem necessidade", disse. "Há tantas situações no Brasil e no mundo que reclamam a nossa atenção, cuidado, amor, como a luta contra a dependência química", declarou. "Frequentemente, porém, nas nossas sociedades, o que prevalece é o egoísmo", afirmou. (Estadão Conteúdo)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 25 de julho de 2013

c

9

idades

Cadu Rolim/Estadão Conteúdo

BRASIL GELADO

Ronaldo Bernardi/Estadão Conteúdo

Luiz Guarnieri/Estadão Conteúdo

Frio castiga de norte a sul do País São Paulo registrou a menor temperatura máxima dos últimos 52 anos.

O

s paulistanos se sentiram num freezer ontem. A madrugada foi gélida, com temperaturas entre 5°C e 6°C (sensação térmica de -3°C) e os termômetros continuaram abaixo dos 10°C à tarde. O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) registrou uma temperatura máxima de apenas 8,7°C no Mirante de Santana, na zona norte da capital. Essa foi a menor temperatura máxima medida pelo Inmet em São Paulo desde 1961. Há 52 anos o paulistano não tinha uma tarde tão fria quanto a de ontem. A previsão do instituto é de que o frio intenso se mantenha hoje, com máxima de 11°C.

A sensação térmica no aeroporto de Congonhas no final da manhã atingiu a marca de 1°C, uma das mais baixas da cidade. Segundo o CGE (Centro de Gerenciamento de Emergências), a velocidade do vento, aliada à temperatura de 8°C registrada às 11h, fez com que a sensação despencasse, pegando muitos passageiros de surpresa. A sensação térmica de 1°C também foi verificada na região do Campo de Marte, zona norte, e na zona leste de São Paulo. Em Parelheiros, extremo sul da cidade, a sensação térmica não ultrapassou os 3°C. De acordo com o CGE, o bairro também foi o

Moradores de rua recolhidos

U

ma ação da Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social da Prefeitura de São Paulo recolheu 11 mil moradores de rua na madrugada de ontem, por conta do frio. No total há 63 abrigos públicos que comportam nove mil pessoas na capital paulista. Para atender a demanda, a Prefeitura também criou outros quatro espaços com capacidade para outras duas mil pessoas, além de improvisar mais mil vagas nos abrigos já existentes. De acordo com a secretaria, essa prática é comum para suprir a demanda e evitar que os moradores de rua fiquem expostos ao tempo frio. A maioria das pessoas recolhidas pelo programa de assistência foi encami-

nhada para o principal abrigo da cidade, na região da Mooca, zona leste. Para levar os moradores de rua foram utilizados três ônibus que circularam principalmente pelo Centro, onde vive grande parte dos andarilhos. Como já havia a expectativa de que fizesse muito frio, as pessoas começaram a ser recolhidas no começo da tarde de terça. Durante as rondas, assistentes sociais ofereciam abrigo e uma refeição, mas nem todos queriam deixar as ruas para ir para o abrigo. Como também havia previsão de frio para a madrugada de hoje, a Secretaria e Assistência e Desenvolvimento Social realizaria uma nova ação para recolher os moradores de rua. (Folhapress)

que registrou a menor temperatura da cidade nos últimos 13 anos (4°C) com sensação térmica de -1°C durante a madrugada. Na região central, a temperatura não passou dos 7,5°C. Estado de SP – A cidade de Rancharia registrou a temperatura mais baixa no estado: -0,4°C, às 6 horas da manhã, segundo o Inmet. Temperaturas baixas também ocorreram em outras cidades, como Itapeva, com 0,5°C, Assis, com 1,1°C, Ourinhos, com 1,3°C , e Presidente Prudente, com 3,4°C . Santa Catarina – Mais de 30 cidades registraram temperaturas negativas na madrugada e início da manhã de ontem, em Santa Catarina. A menor temperatura, -7,4°C, foi registrada em Urupema. Na mesma região serrana, Bom Jardim da Serra teve -5,9°C e Água Doce registrou -4,9°C. São Joaquim, primeira das 94 cidades com registro de neve durante a semana, amanheceu com -3,1°C. Na faixa litorânea, a mais baixa foi registrada em Jaraguá do Sul, no norte, que amanheceu com -0,2°C. Já Florianópolis acordou com temperatura de 2,2°C. No Rio Grande do Sul, a temperatura ficou abaixo de zero em 28 municípios. A mais baixa foi em Santa Rosa, com -4,9°C. Nem a região norte escapou de todo esse frio. Em Vilhena, Rondônia, os termômetros marcaram 7,7°C enquanto a capital, Porto Velho, registrava 13,9°C. Rio Branco (AC) teve 8,3°C de madrugada. Até no Amazonas as temperaturas caíram, com mínima de 16,5°C em Labrea. (Agências)

Acima, serra catarinense, onde a sensação térmica atingiu a marca média de -25°C. Ao lado, São Paulo enfrenta 6°C. Em Porto Alegre, foi registrado o dia mais frio do ano, com 3,2°C.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10

quinta-feira, 25 de julho de 2013

ESTADOS UNIDOS Obama nomeia filha de John Kennedy como embaixadora no Japão

nternacional

COLÔMBIA Conflito armado no país matou 220 mil pessoas em 54 anos, diz estudo.

PRINCE GEORGE O nome do filho de William e Kate não surpreende: favorito nas casas de aposta, ele já aparece nos famosos pubs britânicos. John Stillwell/Reuters - 23/07/13

Paul Hackett/Reuters

A escolha do nome foi uma homenagem ao pai da rainha Elizabeth II

A

pós dois dias de suspense, o bebê mais celebrado do Reino Unido teve o nome divulgado ontem. O príncipe William e sua mulher, Kate Middleton, escolheram três nomes tradicionais da realeza britânica para batizar seu filho recémnascido, que vai se chamar George Alexander Louis. O bebê, nascido na segundafeira em meio a um grande frenesi midiático, é o terceiro na linha de sucessão do trono britânico, atrás do avô Charles e do pai. Em nota, o palácio de Kensington disse que o bebê será chamado de "sua alteza, Príncipe George de Cambridge". O primeiro nome, considerado o favorito nas casas de aposta, é uma homenagem a seu trisavô, o rei George VI, pai da rainha Elizabeth II. Alexandra, forma feminina de Alexander, é um dos nomes do meio da rainha, e era também um dos favoritos de Kate, segundo a imprensa britânica.

Louis é um dos nomes do meio de William e era também o primeiro nome do tio-avô e mentor de Charles, Louis Mountbatten. A escolha do nome, relativamente curto para os padrões reais, não implica necessariamente que o bebê virá a ser o rei George VII. O pai da atual rainha foi batizado como Albert, mas optou por ser coroado como George VI. Sossego - Após apresentar o bebê à imprensa na terça feira, William e Kate declararam que agora querem passar um tempo sozinhos com o primogênito. O príncipe tirou duas semanas de licença para passar mais tempo com a família. Depois de passar uma noite no palácio de Kensington, eles foram ontem para a casa da família dos pais de Kate na cidade de Bucklebury. Antes da viagem, a família recebeu a visita da rainha Elizabeth, que ficou meia hora em Kensington para conhecer o bisneto. (Agências)

Oscar Corral/Reuters

Tragédia espanhola em alta velocidade

O

Ele quis liberdade. Ganhou crime e castigo. Há um mês no aeroporto de Moscou, Edward Snowden ainda não conseguiu permissão para entrar na Rússia por causa de 'problemas burocráticos'. Enquanto espera, o ex-técnico de inteligência dos EUA recebeu novas roupas e uma cópia de um dos clássicos da literatura russa.

A

Trem descarrila e mata 60 em Santiago de Compostela

descarrilamento de um trem de alta velocidade deixou ao menos 60 mortos e 130 feridos ontem perto da estação de Santiago de Compostela, na Galícia, no norte da Espanha. Investigações iniciais apontam para excesso de velocidade no que foi a maior tragédia ferroviária do país dos últimos 40 anos. O trem operado pela estatal Renfe levava 247 pessoas, na véspera do dia de Santiago, patrono da Espanha e uma das principais festividades do país, quando milhares de peregrinos católicos lotam as ruas de Santiago de Compostela. A prefeitura da capital galega cancelou todas as celebrações, que durariam uma semana na cidade com desfiles, shows e missas. O trem, que fazia o trajeto entre Madri e Ferrol, descar-

No leste de Londres, um pub com o nome do novo herdeiro do trono britânico recebe moradores que aproveitam o clima ameno do verão.

rilou por volta das 20h40 (15h40 no horário de Brasília), em uma curva acentuada na entrada de Santiago. "Ele estava indo muito rápido ..., parece que na curva o trem começou a se torcer, e os vagões se empilharam", disse o passageiro Ricardo Montesco a uma rádio. "Muita gente ficou esmagada no fundo. Tentamos nos espremer para sair do fundo dos vagões, e percebemos que o trem estava queimando", acrescentou. Até o fim da noite de ontem, a Embaixada do Brasil na Espanha não tinha nenhum registro de brasileiros entre as vítimas. O trem era da linha de alta velocidade, o mesmo modelo que o consórcio espanhol participante da concorrência para operar o trajeto entre Rio e São Paulo pretende trazer ao Brasil. (Agências)

s esperanças de Edward Snowden, o foragido ex-técnico de inteligência dos EUA, de sair do aeroporto Sheremetyevo, em Moscou, pela primeira vez em um mês foram frustradas após ele não ter conseguido permissão da Rússia, "devido a problemas burocráticos". A informação é do assessor legal russo Anatoli Kucherena, que se reuniu ontem com Snowden na área de trânsito do aeroporto onde o ex-analista está desde 23 de junho. Procurado por vazar detalhes sobre programas secretos de vigilância dos EUA, o ex-técnico teve seu passaporte revogado. Na manhã de ontem, a imprensa russa chegou a afirmar, citando fontes não identificadas, que Snowden havia conseguido os documentos para deixar o aeroporto. Seu advogado, no entanto, disse que o fugitivo ainda não recebeu os papéis que lhe permitiriam entrar na Rússia, país ao qual pediu asilo temporário. Roupas - Kucherena disse também que levou roupas para ele, além do romance Crime e Castigo, clássico do russo Fiodor Dostoievsky. "Comprei várias camisas e calças para que pelo menos possa trocar de roupa", disse. O advogado afirmou que Snowden está aprendendo russo e sugeriu que ele quer ficar no país por mais tempo – e não seguir depois para os países da América Latina que lhe ofereceram asilo: Venezuela, Nicarágua e Bolívia. Segundo Kucherena, o norte-americano "quer encontrar

Tatyana Makeyeva/Reuters

TV russa mostra Snowden, que disse querer 'criar uma vida' no país. um trabalho na Rússia, viajar e de alguma maneira criar uma vida" no país. Snowden pediu asilo à Rússia depois de se encontrar com ativistas de direitos humanos e advogados no aeroporto há duas semanas. Foi a segunda vez que ele fez a solicitação. O delator retirou seu pedido inicial de asilo no início deste mês depois de o presidente russo, Vladimir Putin, ter afirmado

que ele deveria interromper as atividades consideradas prejudiciais aos interesses dos EUA. Decepção - Ontem, o governo norte-americano pressionou mais uma vez a Rússia a não conceder asilo a Snowden. "Qualquer movimento que permita Snowden a abandonar o aeroporto seria profundamente decepcionante", disse Jen Psaki, porta-voz do Departamento de Estado.

Sinal verde - A Câmara dos Representantes norte-americana rejeitou ontem uma emenda que pretendia impor limites à coleta de dados telefônicos realizada pela Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês) dentro dos EUA. A proposta, anexada à legislação de gastos com defesa, tinha o objetivo de impedir o financiamento do sistema de espionagem de telefones – os dados de internet não eram contemplados no texto. Com a mudança, o programa ficaria autorizado apenas para os casos em que o indivíduo vigiado já fosse alvo de investigação instaurada. A votação estava sendo interpretada como o primeiro teste do sentimento político com relação ao programa de espionagem desde que Snowden vazou detalhes de seu funcionamento em junho. Apoiadores da emenda argumentavam que o monitoramento é inconstitucional, enquanto a parte contrária dizia que não há invasão de privacidade no contexto de guerra ao terror. Morales - O presidente boliviano, Evo Morales, aceitou ontem os pedidos de desculpas de França, Espanha, Itália e Portugal por terem proibido, no início de julho, o avião que o transportava de sobrevoar o seu território por suspeita de que levaria a bordo o fugitivo Snowden. "Embora não plenamente satisfeitos, aceitamos as desculpas dos quatro países como um primeiro passo, porque queremos dar continuidade às relações de respeito entre nossos países", afirmou. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 25 de julho de 2013

11

d Priscila Prade

cultura

Entre pais e filhos Sérgio Roveri u não estou muito bem informado sobre o assunto, mas posso garantir o seguinte: se é alguma coisa que partiu do governo, já está errada". A resposta é de Jô Soares, ao ser indagado sobre o que pensava do projeto aprovado recentemente pela Câmara que cria uma cota de 40% de ingressos com valor de meia entrada para

"E

comunicação, que em quase todos os casos já é grande. Mas nesta peça, no entanto, surge o humor para aliviar as tensões. Greenberg é um autor popular nos EUA justamente pela maneira crítica com que consegue abordar esta relação pais e filhos." A peça, que traz no elenco os atores Carolina Ferraz, Otávio Martins e Petrônio Gontijo, é dividida em dois atos. O primeiro se passa em 1995, quando os irmãos Walker e Anna (Martins e Ferraz) ficam indignados ao descobrir que uma boa parte da herança do pai, Ned, foi destinada por ele mesmo,

estudantes. "Ingresso de teatro virou peteca nas mãos dos políticos. O governo só sabe fazer cortesia com o chapéu alheio." Durante a entrevista que concedeu para falar sobre Três Dias de Chuva, peça que leva sua direção e estreia no sábado, este foi o único momento em que o apresentador se mostrou levemente contrariado. "A atriz Cacilda Becker já dizia: não me peçam para dar de graça a única coisa pela qual eu posso cobrar. O governo não deveria se meter neste tipo de assunto." Escrita pelo americano Richard Greenberg e traduzida pelo próprio Jô, Três Dias de Chuva é uma comédia dramática sobre afetos, expectativas e revelações entre pais e filhos. "Embora seja um tema recorrente no teatro, cinema e literatura, esta relação apresenta uma série de desafios quando resolvemos falar sobre ela", diz o apresentador. "Eu sinto isso no meu cotidiano. Tenho um filho autista, o que aumenta ainda mais a dificuldade de

em testamento, a Pip (Gontijo), um grande amigo da família e filho de Theo, que fora sócio de Ned na juventude. No segundo ato, ambientado em 1960, Ned e Theo (Cabral e Gontijo), então dois promissores arquitetos, veem a sociedade que eles mantêm entrar em colapso quando Ned se apaixona por Lina (Ferraz), namorada de Theo, e aparentemente é correspondido. "Tudo aquilo que fica em aberto no primeiro ato é respondido de forma brilhante no segundo", diz Otávio Martins. "Este texto tem uma dramaturgia do tipo ligue os pontos para descobrir a figura. E mostra que as atitudes dos pais não podem ser julgadas pelos filhos, e vice-versa". Martins acredita que, além de dar conta destas elipses de tempo, o grande desafio dos atores é representar dois personagens: em 1995, os três são filhos dos personagens que aparecem em1960. "Esta é uma necessidade dramática imposta pelo ator. Ele nunca permitiu, em qualquer montagem deste texto já realizada, que atores diferentes fizessem os papeis de pais e filhos. Quem assistir ao espetáculo vai entender os motivos".

Três Dias de Chuva. Estreia sábado (26). Teatro Raul Cortez. Rua Doutor Plínio Barreto, 285. Tel.: 3254-1631. Sexta, 21h30. sábado, 21h; domingo, 19h. R$ 60 a R$ 70.

O gaitista James Cotton no Sesc O gaitista americano James Cotton, 78, visita a Cidade neste fim de semana. Terá a seu lado Jerry Porter (bateria), Tom Holland (guitarra), Noel Neal (baixo) e Darrell Nulisch (vocais). Aos 15 anos, em Memphis, já tocava ao lado de ninguém menos que Howlin' Wolf e foi da banda de Muddy Waters. Sesc Belenzinho. Rua Padre Adelino, 1.000. Tel. 11-2076-9700. Sexta (27), sábado (27) e domingo (28). 21h30. R$ 8 a R$ 32.

Risos e lições de história Fotos: Arquivo DC

Zarafa: o vovô e o netinho.

Contos da Noite: viagens fantásticas.

Enquanto Meu Malvado 2, Universidade Monstros e Turbo (abaixo) são literalmente movidos pela adrenalina do videogame, Zarafa (em pré-estreia durante toda a semana) e Contos da Noite se propõem a contar histórias como se fazia antigamente, sem a sombra do computador e da TV. Neste quase final de férias, os cinco filmes, unidos pelo esmero, divertem e ensinam. Confrontar a técnica de cada um pode ser um exercício para os que apreciam a linguagem do cinema. Mas para a grande maioria dos espectadores, valem mesmo as surpresas que cada uma dessas obras oferece. Dos graciosos vilões de Meu Malvado 2 e Universidade Monstros à lesma heroína de Turbo, o script é certeiro: risos e sustos. Já Zarafa e Contos da Noite nos levam ao prazer do conhecimento.(MMJ)

Malvado: as meninas gostam.

Monstros: estudiosos e sedutores.

Duas dezenas de pastas. E muita tradição.

U

ma massa com bastante molho vai bem nos dias frios. Na aconchegante Cantina do Piero, o comensal pode escolher entre espaguete, penne, rigatoni, fuzilli, tagliarini, fettuccini, lasanha, nhoque, cappelletti, entre outras de uma lista de duas dezenas de pastas produzidas artesanalmente, com molhos que vão do singelo ao sugo até o Camaresca, com creme de leite, champignon e camarão, gratinado com queijo parmesão e catupiry. Aberta pelo genovês Piero

Luigi Grandi (1934-2012), a casa é comandada por seu neto, Piero Grandi, de 24 anos, desde o início deste ano. Ele tem planos para reformular o cardápio e o site do restaurante, mas a cozinha e o salão serão mantidos como sempre foram. O neto do fundador, que estudou administração de empresas e fala italiano fluentemente, faz questão de lembrar que seu avô abriu cerca de dez cantinas pela Cidade desde a década de 1960, todas com o nome Piero, mas a única

Daniel Cancini/Divulgação

Lúcia Helena de Camargo

Bisteca à Fiorentina do Piero

que ainda pertence à família é a localizada na rua Haddock Lobo. A proximidade com a avenida Paulista teve o efeito de derrubar o movimento ao longo dos dias das manifestações ocorridas no mês passado, mas o estabelecimento recupera o faturamento através do serviço de entregas, que funciona em parceria com o site Disk Cook (www.diskcook.com.br). Entre as receitas que fazem sucesso está a Bisteca à Fiorentina (R$ 68), prato que traz a bisteca grelhada na chapa

acompanhada de brócolis ao alho e óleo e batatas coradas, e o Polpetone ao Molho de Queijo (R$ 92, para duas pessoas), na qual a carne moída é recheada com mussarela, presunto, bacon, alcaparras ao molho de queijo. Uma novidade do cardápio é o tagliarini paillard (R$ 106), que consiste em dois filés grelhados na chapa sobre tagliarini ao molho branco.

Cantina do Piero. Rua Haddock Lobo, 728. Jardim Paulista. Tel.: 3062-9625.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

12

Repelente do bem

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Esculpindo círculos

www.dcomercio.com.br

Velhos discos são a matéria prima das esculturas do estúdio Cb Vinyl Record Art. Confira a página abaixo.

Kite é um repelente de insetos adesivo e um projeto social. Conheça no link.

Cão com estilo

http://bit.ly/15jATcG

http://on.fb.me/15fhbjl

Doggles protege os olhos e as orelhas de seu cão contra os raios solares e o vento. http://amzn.to/17EtFBw

L IBERTADORES I NGLATERRA

C OPA 2022

O Galo acreditou. A taça é dele.

Reuters

Dez libras, mas pode chamar de uma 'Jane'. O Banco da Inglaterra divulgou ontem um projeto de sua nova nota de 10 libras. A nota trará a imagem da escritora inglesa do século XVIII Jane Austen. Assim, o banco se curva aos críticos que reclamaram que as mulheres nunca tinham seus rostos estampados nas moedas. M EIO AMBIENTE

Fernando Bizerra Jr/EFE

O

nome dele é Giménez. Chutou o 4º pênalti do Olimpia na trave: vitória do Atlético. Que já vencera no tempo regulamentar por 2 a 0. O Mineirão (56.557 pagaram ingresso) só gritou "Eu acredito". Deu certo. No primeiro tempo, muralha de 11 zagueiros do Olímpia barrou os mineiros. No segundo, foi diferente: o técnico Cuca pôs raciocínio em campo. Sob o comando de Ronaldinho, o Atlético tramou bem na intermediária, trocou passes com precisão, soube como chegar à vitória, que poderia ter sido de três (Réver cabeçou bola na trave aos 14 minutos). Foi dureza, mas o Galo chega ao título inédito. É campeão da

Leonardo Silva: cabeça na bola, um dos heróis da vitória. Libertadores. De não adiantou a tática paraguaia: jogar na retranca deu certo lá fora. No Mineirão, o jogo gingado dos brasileiros deu jeito na

hora certa. E ganhar nos pênaltis é, sim, um sofrimento. Mas aumenta a euforia do torcedor. Paixão é isso. O Mineirão acreditou.

Fifa se arrepende de escolher Qatar A escolha do Qatar para sediar a Copa do Mundo de 2022 foi um "erro gritante'', na avaliação do alemão Theo Zwanziger, um dos 25 membros do ComitêExecutivo da Fifa. Foram os integrantes desse comitê que decidiram pelo país do Oriente Médio, em polêmica eleição, em dezembro de 2010. Para Zwanziger, realizar o torneio no inverno no Qatar entre janeiro e março será inviável. Os Mundiais são disputados entre maio e julho, mas este período é verão no Qatar e as temperaturas no país podem superar os 40°C.

Maiara Bersch/Agência RBS/Estadão Conteúdo

Uma 'bomba relógio' no Ártico O derretimento do Ártico é uma "bomba relógio econômica" que pode causar um prejuízo equivalente ao tamanho da economia mundial em 2012 (US$ 70 trilhões), segundo pesquisa divulgada ontem na revista científica britânica Nature. O estudo, realizado por pesquisadores das universidades de Roterdã (Holanda) e Cambridge (Inglaterra), calculou que a liberação de metano provocada pelo derretimento do permafrost – a camada de

gelo permanente na superfície – poderia custar US$ 60 trilhões. No entanto, os cientistas asseguram que, se forem levados em conta outros impactos ambientais, como a acidificação dos oceanos, o custo superaria os US$ 70 trilhões, valor do Produto Interno Bruto (PIB) mundial no ano passado. A região estudada na pesquisa, no mar da Sibéria, norte da Rússia, foi estudada por mais de dez anos e o derretimento ali liberou até 50 gigatons de metano. (EFE)

A RTE

LEVEZA - Bailarina se apresenta na Mostra Competitiva do 31º Festival de Dança de Joinville (SC). O evento, que termina amanhã, tem competições em três categorias e apresentações de sete gêneros diferentes de dança, do clássico ao popular.

Philippe Wojazer/Reuters

I NTERNET

Obama e papa, os 'twiplomatas'. Palavra como imagem, projeto de Ji Lee. http://bit.ly/12Zd4nq

L OTERIAS Concurso 935 da LOTOFÁCIL 01

02

03

04

05

06

07

09

10

12

14

18

19

22

23

Telhados verdes

Concurso 1368 da LOTOMANIA 08

13

15

19

22

28

30

34

36

37

Concurso 1514 da MEGA-SENA 16

45

47

50

60

66

73

90

95

42

59

Concurso 3247 da QUINA 26

31

49

62

A TÉ LOGO

Acesse www.dcomercio.com.br para ler a íntegra das notícias abaixo:

60

Descontaminação de Fukushima custará quatro vezes acima do estimado

L

42

23

L

40

17

Hortas nos telhados de edifícios são cada vez mais comuns nas ciddades francesas. Em Paris, o restaurante Terroir Parisien cultiva os vegetais de suas receitas em uma dessas hortas.

Internada desde 2012, cantora Beth Carvalho recebe alta de hospital

65

O presidente dos EUA Barack Obama e o papa Francisco são os líderes do que um estudo publicado ontem em Genebra chamou de "Twiplomacia". Com muitos seguidores e retuítes, eles são os mais hábeis em usar o Twitter para divulgar suas ações. O perfil @BarackObama tem mais de 33 milhões de seguidores. É a conta mais seguida do mundo, segundo a empresa Burson-Marsteller, que fez o estudo. O perfil @Pontifex, com mais de nove contas em vários idiomas, está em segundo lugar, com sete milhões de seguidores.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 25 de julho de 2013

eDesemprego além da expectativa

13

DÍVIDA CRESCENTE A dívida pública federal cresceu 2,6% em junho em relação a maio, e atingiu R$ 1,935 trilhão, segundo dados divulgados ontem pelo Tesouro Nacional.

conomia

A taxa de junho, de 6%, ainda baixa historicamente, ficou ligeiramente acima do que esperava o mercado – repetição dos 5,8% de maio, ou seja, estabilidade. André Coelho/Agência O Globo

Possíveis reflexos na inflação

A população ocupada recuou 0,1% em junho (na comparação com maio), mas cresceu 0,6% ante o mesmo mês de 2012.

A

economista Zeina Latif, da Gibraltar Consulting, chama a atenção para um lado do aumento da taxa de desemprego que pode ser qualificado de positivo: se for visto como um fator que ajudará o Banco Central (BC) na condução da política monetária com vistas ao controle da inflação. (Neste mês, o IPCA-15 desacelerou da alta para 0,07%, voltando no acumulado em 12 meses a ficar abaixo do teto da meta do governo, de 6,40%.) O economista Gustavo Mendonça, da Saga Capital, concorda. Tal ajuda, segundo ele, seria principalmente na contenção da alta de preços dos serviços. "Se o desemprego continua entre 5% e 5,5%, a inflação de serviços acelera. Chegamos a um nível que não era sustentável", disse ele. Na análise do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos do Bradesco, o crescimento da renda em patamar mais baixo "sugere algum alívio para a inflação de serviços nos próximos meses, reforçando a perspectiva de desaceleração do IPCA no curto prazo". Em outra ponta, não se aconselha alteração de políticas diante dos resultados mostrados ontem pelo IBGE. "Será um equívoco se o Banco Central interromper o ciclo de alta de juros em virtude de uma perspectiva de desaquecimento do mercado de trabalho e da economia, já que estamos com a inflação sistematicamente acima do centro do meta", afirma Luciano Rostagno, do WestLB. (Agências)

A

taxa de desemprego no Brasil surpreendeu em junho ao subir para 6%, por ficar acima da expectativa dos analistas, que previam estabilidade no mês, ou seja, que se repetisse os 5,8% de maio. É o sexto mês seguido que a taxa não cede e, com a marca dos 6%, volta ao patamar de abril de 2012. Ao mesmo tempo, o rendimento da população caiu pela quarta vez seguida. Os dados foram divulgados ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A última vez que o desemprego caiu foi em dezembro passado, quando atingiu a mínima histórica de 4,6% num momento sazonalmente favorável ao emprego pelas festas de fim de ano. Nos quatro meses seguintes a taxa subiu, para estabilizar em maio. "Foi

um resultado frustrante", disse o coordenador da pesquisa do IBGE, Cimar Azeredo, ao comentar o resultado de junho. Isso porque, de dezembro de 2009 a abril de 2013, a taxa de desemprego registrou 40 meses consecutivos de queda. Ele destaca como um dado negativo o fato de a indústria estar demitindo funcionários. Segundo dados da pesquisa foram 120 mil os demitidos no setor em junho, 63 mil só em São Paulo. "Isso é ruim e preocupante pois essa é a época em que a indústria começa a contratar preparando para atender a demanda de fim de ano", disse o pesquisador. Desde agosto de 2009, de acordo com o IBGE, a taxa de desemprego não subia na comparação com o mesmo mês do ano anterior – em junho do ano passado, o de-

semprego estava em 5,9%. O IBGE informou ainda que o rendimento médio da população ocupada caiu 0,2% no mês passado ante maio, para R$ 1.869,20, na quarta queda mensal seguida. Em relação a junho do ano passado, o rendimento subiu 0,8%. Ainda de acordo com a pesquisa, a população ocupada recuou 0,1% em junho na comparação com maio e cresceu 0,6% ante o mesmo período do ano anterior, totalizando 22,980 milhões de pessoas nas seis regiões metropolitanas avaliadas. A população desocupada, por sua vez, chegou a 1,455 milhão de pessoas, 2,7% a mais que em maio e 2,4% sobre um ano antes. Os desocupados incluem empregados temporários dispensados e desempregados em busca de chance no mercado de trabalho. (Reuters)

Para economistas, início de novo ciclo.

SEM TRABALHO, SEM TETO. Manifestante grita com policiais em Madrid durante ação de despejo de Angel Jimenez de La Rosa. Ele, a esposa Susana Santiago Montoya e dois filhos, de 10 e 7 anos, foram desalojados de um apartamento que ocuparam porque o chefe da família, desempregado, alega não ter como pagar aluguel.

ciclo só não se deu no ano passado porque as empresas represaram as demissões na expectativa de que a economia fosse melhorar", detalha Zeina. Para Vale, o movimento registrado agora não o surpreendeu, porque já esperava por alta: a MB previa taxa de 6,1% para junho. "Acabou o período de consolidação de queda do desemprego, movimento que deverá atravessar os próximos três anos na esteira da continuidade da deterioração das condições econômicas internas e externas", analisa. "Avaliado do ponto de vista da taxa geral de desemprego, o mercado de trabalho permanece robusto. Entretanto, ou-

tros indicadores sugerem que não está tão forte como em 2012: o crescimento do emprego e do salário real começou a moderar", diz Ramos. Luciano Rostagno, estrategista-chefe do Banco WestLB, também acredita que toma forma uma tendência de desaquecimento do mercado de trabalho, mas de ciclo mais curto. "Deve perdurar ao longo do segundo semestre e no ano que vem, acompanhando a perspectiva de desaquecimento da atividade". Lima alerta que dada a forte deterioração das expectativas em relação à economia brasileira, não se pode descartar o início de um processo de

demissões. "Isso deve ocorrer mais para o quarto trimestre do que agora", prevê. "Com a queda generalizada de confiança na economia, as empresas postergam decisões de investimentos e, consequentemente, de contratações. Para o economista-chefe da Western Asset, a alta da taxa de desemprego de junho se deveu mais à "acomodação" das contratações do que ao aumento de demissões.Ela destaca, porém, que a taxa de desemprego continua baixa e que o mercado de trabalho deve continuar pressionando a inflação. Com relação ao fechamento deste ano, Vale, da MB Asso-

ciados arrisca previsão. "É o início de um período de desemprego cuja taxa no final do ano deverá ficar em torno de 5,8%". O Bradesco, por seu Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos prefere falar em "ligeiro aumento em relação ao ano passado". O banco não espera, escreveu Octavio de Barros, diretor do departamento "alívio das condições do mercado de trabalho, com a oferta de mão-deobra (dada pela PEA) mais restrita do que a demanda (dada pela ocupação, que reflete a geração de empregos)". Já a consultoria Tendências projeta uma taxa média para 2013 de 5,5%, igual à de 2012.

"A materialização de um cenário mais pessimista em termos de nível de atividade pode resultar no início de uma elevação do desemprego, mas isso ainda não está no nosso radar", afirma Rafael Bacciotti, economista da Tendências. Zeina Latif se recusa a fazer estimativa para o fim deste ano, sob a alegaçãode que há fatores que trazem ruídos para as projeções. "Com as famílias endividadas e a inflação corroendo o poder de compra do chefe, outros membros da família começam a procurar emprego, o que altera a taxa de participação no mercado de trabalho", explica a economista. (Agências)

Recorde desconfortável na França

Susana Vera/Reuters

O

s economistas são cautelosos ao comentar o aumento da taxa de desemprego em junho. É o começo de um cenário de reversão de ciclo, qualifica Zeina Latif, sócia da Gibraltar Consulting ; é um processo de reversão da situação de pleno emprego no País, avalia o economista-chefe da MB Associados, Sérgio Vale; é uma acomodação das contratações, diz Adauto Lima, da Western Asset; é o crescimento entrando em fase moderada, afirma Alberto Ramos, diretor de pesquisa econômica do Goldman Sachs para América Latina,. "O mercado de trabalho tem seus ciclos e a reversão deste

N

a França, o número de desempregados subiu 14,9 mil em junho ante maio, atingindo um novo recorde, de 3,28 milhões de trabalhadores. Na comparação com junho do ano passado, a alta é de 11,2%, segundo dados divulgados ontem pelo Ministério do Trabalho. Uma medida ampliada do número de desempregados – incluindo pessoas que só trabalham meio período – avançou 4,1 mil

em junho ante maio, para 4,9 milhões. Já o desemprego entre jovens com menos de 25 anos caiu 0,8%. Segundo comunicado do Ministério do Trabalho, os pedidos de auxíliodesemprego caíram para uma média de 7,5 mil em maio e junho, ante uma média de 35 mil nos quatro primeiros meses do ano, o que "confirma uma melhora na questão do desemprego". (Reuters)


14 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 25 de julho de 2013


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 25 de julho de 2013

e

15 A Google Play, a loja de aplicativos para Android que concorre com a AppStore, da Apple, já tem 1 milhão de produtos à venda.

conomia

Na tela, o novo tablet do Google. Para brigar com o iPad Mini, a nova versão do tablet Nexus 7 aposta na altíssima resolução da tela e na atualização do Android, agora na versão 4,3. Fotos Beck Diefenbach / Reuters

O Nexus 7 foi apresentado pelo brasileiro Hugo Barra, um dos diretores de produto do Google, como o aparelho de tela com maior resolução no mundo.

O

Google apresentou ontem a no- polegadas e aos 163 ppp do iPad mini, conva versão do Nexus 7, tablet corrente direto). com tela de 7 polegadas que seJá a nova versão do Android permitirá o rá comercializado nos EUA a par- compartilhamento individualizado por ditir do próximo dia 30 por US$ 229 e US$ 269, ferentes usuários, incluindo perfis restritos nas versões de 16 Gbytes e 32 Gbytes, res- para crianças. Este recurso permite aos pectivamente, na Best pais determinarem, por Buy. Em relação ao dispoexemplo, até que nível de sitivo atual, o novo Nexus um determinado jogo o fi7, equipado com proceslho poderá ter acesso.Ousador Snapdragon, da tra inovação é a função Qualcomm, tem bordas Bluetooth Smart (ou Bluemenores, é mais fino e petooth Low Energy), que gramas é o peso do sa 290 gramas (50 g meutiliza menos recursos da nos que o antecessor). E bateria. Google Nexus 7, traz ainda outra novidade: O novo Android já está cujo modelo mais o sistema operacional Ansendo liberado para os barato, com 16 droid 4,3, que manterá o aparelhos Nexus 4, Nexus nome de Jelly Bean. 10, Nexus 7 primeira geraGbytes, custará O brasileiro Hugo Barra, ção e o Galaxy Nexus. E os US$ 229, nos um dos diretores de propróximos modelos a receEstados Unidos. duto do Google, disse duberem a atualização serão rante o anúncio que o novo o Google Edition do HTC tablet é o de tela com One e Galaxy S4. maior resolução no mundo. A tela do apareNovos dados sobre o movimento da loja lho tem resolução de 1.920 x 1.200 pixels, o Google Play também foram apresentados que resulta em 323 pixels por polegada no evento. O número de aplicativos dispo(praticamente a mesma densidade de pon- níveis atingiu a marca de 1 milhão, enquantos que a tela dos iPhones com tela da linha to o número de downloads passou dos 50 Retina e superior aos 264 ppp do iPad de 10 bilhões.(Folhapress)

290

Cai o lucro da Telefônica

A

Telefônica Brasil anunciou ontem um lucro líquido de 914 milhões de reais para o segundo trimestre, 15,8% menor que o ganho de um ano antes, num resultado praticamente em linha com o esperado por analistas do setor. A geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) somou 2,575 bilhões de reais, recuo de 16,7% na comparação anual. No período, a margem passou de 37,5 para 30,3%. A empresa fechou o semestre com 91,14 milhões de acessos, estável em relação ao 2012. Do total, 76,2 milhões correspondem a acessos móveis, alta anual de 0,6%, e 14,94 milhões a fixos, queda de 1,3%. Na telefonia móvel, o foco nos clientes mais rentáveis fez crescer em 20,4% a base de linhas pós-pagas e cair 5,2% nos pré-pagos no último trimestre.(Reuters)

A internet que se liga na tevê O pendrive do Chromecast dá acesso a serviços como o Netflix

O

utra novidade anunciada ontem pelo Google foi um dispositivo com formato e tamanho semelhantes aos de um pendrive que, quando plugado a uma TV, permite que o televisor se conecte à internet para reproduzir vídeos de serviços como YouTube e Netflix, em uma nova plataforma, chamada Chromecast. O aparelho está disponível em pré-venda nos EUA pela loja Google Play por US$ 35 (cerca de R$ 78) e brevemente também será vendido pela Amazon e a Best Buy,

pelo mesmo valor. A empresa ainda não deu datas precisas para a disponibilidade do aparelho, mas disse que ele chega "em alguns dias", e que "se esforçará para levá-lo a outros países o mais rápido possível". O Chromecast, que é a segunda empreitada da empresa rumo à televisão (depois do mal sucedido set-up box Nexus Q, que não chegou a ser vendido no Brasil), também se comunica com celulares e tablets com Android e com o iPhone. Apesar de ainda estar em fase de testes, também existe uma

Nuvens cinzentas para a Apple na China

A

s ações da Apple subiram após a empresa vender mais iPhone do que o esperado, mas o rali de ações pode ter curta duração, pois a demanda por seus produtos está caindo na China. Os analistas prevêem que a Apple vai perder participação de mercado no principal setor de smartphones do mundo. A forte queda na receita da Apple na

China no período de abril a junho ressalta os desafios que a empresa enfrenta em seu segundo maior mercado, ao mesmo tempo em que a lacuna tecnológica com rivais mais baratas diminui e a forte Samsung mantém constante fluxo de novos modelos em todas as faixas de preço. No primeiro trimestre, a Apple ficou em

primeiro em Hong Kong, com 46% de participação no mercado em smartphones, mas a sua participação caiu ante o último trimestre de 2012, que era de 54%. A China foi responsável por 13% das vendas da Apple, ou 5 bilhões de dólares, entre abril e junho - queda de quase 19% em relação ao trimestre anterior.(Reuters)

função que permite que navegadores Chrome para PCs transmitam a imagem para a TV, sem fios. Diferentemente da tecnologia AirPlay, da Apple, não há um simples espelhamento da imagem de aparelhos para o televisor, mas uma sincronização, que pode ser realizada por meio de diversos dispositivos, simultaneamente. O desenvolvimento desse software é relacionado ao sistema operacional Chrome OS, com o qual compartilha diversas características, segundo o Google.(Folhapress)

LG vai mal. Mas podia ser pior.

A

LG Electronics, segunda maior fabricante de TVs do mundo, teve queda de 9% no lucro trimestral, com fracas vendas de TVs e margens apertadas ofuscando a recuperação em smartphones. Mesmo assim, o resultado superou estimativas de analistas. O lucro operacional entre abril e junho caiu para 479 bilhões de wons (428,8 milhões de dólares), acima do consenso estimado de 457 bilhões de wons pela Thomson Reuters I/B/E/S. Um ano antes, a empresa havia tido lucro de 526,7 bilhões de wons. A LG, cujo segmento de smartphones outrora deficitário teve recuperação e se tornou o terceiro maior do mundo no ano passado, espera agora que o modelo G2, que deve ser lançado no próximo mês, ajude a reduzir a diferença para os líderes de mercado Samsung e Apple.(Reuters)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

16

e

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Acordo permitirá que passageiros da Alitalia usem aviões da Gol em conexões com diversos outros destinos brasileiros

conomia

Passageiro Vip

A

Não se trata apenas de aperfeiçoar os contratos de prestação de serviços com cláusulas de incentivos ou multas, ou ainda criar requisições de propostas (RFPs) mais sofisticadas. Há aqui uma questão vital. O maior desafio hoje está no campo da integração de sistemas. Ou seja, é preciso assegurar que a nova tecnologia que embarca através de produtos e serviços dos fornecedores de eventos se incorpora sem entrar em conflito com o ecossistema tecnológico pré-existente nas em-

presas. As novas soluções precisam conversar com as antigas siglas, verdadeiros animais que pertenciam a outro zoológico que atendem por nomes como ERP (enterprise resource planning), CRM (customer relationship management) ou EMS (exp e n s e m a n a g e m e n t s y stem), entre outros. São sistemas que envolveram significativos recursos e tempo, muitos deles desenvolvidos dentro das empresas, o que exige soluções sob medida. Se isso já soa como notícia ruim, eis outra pior: os gran-

des clientes querem que esta integração ocorra não apenas localmente, mas de forma global. Moral da história: a integração tecnológica ampliou o círculo de executivos envolvidos nas decisões de compra, exigindo reuniões técnicas adicionais. Por isso, não apenas gestores de viagens, profissionais de compras ou de marketing vão sentar-se à mesa de negociações com os fornecedores. Cada vez mais profissionais que se apresentam com títulos como CIO (chief information officer) ou membros da tropa de especialistas em tecnologia da informação (TI) farão parte da conversa. São eles que vão determinar se é possível integrar as tecnologias de eventos com as ferramentas corporativas instaladas. Este é um novo tempo. Por isso, não basta só entender de eventos. Agora, é preciso também conquistar e levar em consideração a avaliação deste novo grupo, que está progressivamente ganhando importância na seleção de fornecedores.

Divulgação

Novos tempos para os eventos

Foto Kacper Pempel / Reuters

gestão de eventos, principalmente os de grande porte, deixou de ser apenas uma questão de organização e logística entregue a especialistas. Não se trata mais daquela disputa de um mundaréu de pequenos prestadores de serviços pela realização de encontros, convenções e congressos dos clientes corporativos. Hoje esse grupo de gente bem intencionada foi substituído por uma indústria madura e em ascensão, e que se sustenta cada vez mais em uma sofisticada tecnologia de ponta em contínuo processo de evolução. Neste novo mercado, convivem variados fornecedores, com metodologias e processos para todos os tipos de necessidades e empresas. Há os tradicionais, que souberam incorporar a tecnologia de eventos aos serviços oferecidos. Mas também participam os que oferecem ferramentas, desde as mais simples como o registro de participantes, até as completas, voltadas a reuniões estratégicas, ou as que incluem o desenvolvimento de aplicações para equipamentos móveis. Em contrapartida, a presença maciça desta tecnologia avançada em eventos exige das empresas não só maiores investimentos, mas também aprimorados conhecimentos técnicos. O novo contexto requer agora processos de avaliação, seleção e compras mais complexos .

Sergio Beneditti

O

diretor da Plane Aviation, que representa a Cirrus no Brasil, nasceu em Bauru, formando-se piloto pelo aeroclube da cidade em 1975. Depois de atuar na aviação comercial por 12 anos, passou a se dedicar ao comércio da aviação executiva. "Continuo pilotando, mas hoje estou voltado à venda de aeronaves", ele comenta. Sergio fundou a Plane em 1991, com o objetivo de intermediar a venda de aeronaves usadas, promover a importação, e representar a marca norte-americana Maule no país. A partir de 2004, passou a representar

também a Cirrus Aircraft, fabricante do SR20 e do SR22, seu principal produto. Ele diz que em todo o mundo já voam 5.500 aeronaves deste tipo. Com os negócios vento em popa, Sergio se prepara para a chegada da Cirrus Vision em 2015. "Trata-se de um jato monomotor de sete lugares que deve revolucionar o transporte aéreo executivo, pela alta tecnologia e baixo custo", explica. "Já tem mais de 500 clientes na fila de espera, sendo que, desses, uns 60 são do Brasil", comemora.

Contatos com o autor pelo e-mail: fabio@steinberg.com.br

Alitalia vai vender passagens da Gol Acordo entre a empresa brasileira e a italiana prevê até a integração dos programas de milhagem Smiles e MilleMiglia, a partir do fim deste ano

A

Gol e a italiana Alitalia pediram ontem aos governos brasileiro e italiano para partilhar voos de suas companhias aéreas, com o intuito de "melhorar as conexões entre Brasil e Europa". Inicialmente, segundo a Gol, o acordo permitirá à Alitalia incluir os seus códigos nos voos da Gol, possibilitando conexões com diversos outros destinos brasileiros. A companhia tem 14 voos semanais entre Roma e São Paulo. As companhias afirmaram que, até o final do ano, plane-

Foto Helvio Romero / Estadão Conteúdo

jam integrar os programas de fidelidades de milhas, o Smiles da Gol, e o MilleMiglia, da Alitalia. O pedido ocorre em um período fraco para o setor no Brasil. Depois de uma década de expansão, a demanda por viagens de avião no mercado doméstico deve encolher neste ano ou, nas previsões mais otimistas, ter um crescimento mínimo.(Folhapress) De início, só os italianos poderão comprar passagens da Gol. Em 2014, a integração será completa.

Boeing em céu de brigadeiro

A

Boeing teve um salto de 13% no lucro trimestral, acima do esperado, após entregar mais aviões comerciais, afastando preocupações sobre o 787 Dreamliner e fazendo suas ações avançarem para o maior nível histórico antes da abertura dos mercados nos Estados Unidos. A fabricante norteamericana também elevou sua estimativa de receita para o ano para uma faixa de 83 bilhões a 86 bilhões de dólares, ante a expectativa

anterior de 82 bilhões a 85 bilhões de dólares. A empresa previu lucro para o ano entre 5,10 e 5,30 dólares por ação, ante 5,00 a 5,20 dólares por papel previstos anteriormente. O presidenteexecutivo, Jim McNerney, disse em um comunicado que a Boeing fortaleceu sua posição em aviação comercial com o lançamento do 787-10 e com pedidos de 40 bilhões de dólares. No segundo trimestre, a Boeing teve um lucro líquido de 1,09 bilhão de

dólares, ou 1,41 dólar por ação. Excluindo itens não recorrentes, a empresa lucrou 1,67 dólar por papel. A receita subiu 9%, para 21,8 bilhões de dólares, refletindo maiores entregas dos aviões 787 e 737. A receita com a comercialização de aeronaves comerciais subiu 15% no trimestre. Analistas esperavam lucro de 1,58 dólar por ação, excluindo itens, e receita de 20,78 bilhões de dólares, segundo a Thomson Reuters I/B/E/S. (Reuters)

Delta reverte seu prejuízo

A

Delta Air Lines anunciou ontem que ganhou dinheiro no último trimestre, revertendo prejuízo de um ano atrás. O resultado foi atribuído à queda dos preços de combustíveis e a outros cortes de custos da empresa. O lucro líquido da Delta foi de 685 milhões de dólares, ou 0,80 dólar por ação, no segundo trimestre, ante um prejuízo de 168 milhões de dólares, ou 0,20 dólar por ação, um ano antes. A empresa teve encargos de 159 milhões de dólares relacionados a contratos de

hedge de combustível e reestruturação dos aviões da Delta. A receita trimestral caiu em 25 milhões de dólares, totalizando 9,71 bilhões de dólares. A receita por passageiro subiu 1%, enquanto a de carga caiu 11%. Os custos operacionais recuaram 8%, com os gastos com combustíveis, caindo 21% no trimestre. A Delta disse que a aquisição de uma refinaria na Pensilvânia, no ano passado, está ajudando a empresa a economizar com combustíveis. Já a US Airways Group,

uma de suas concorrentes, divulgou uma queda no lucro trimestral menor, afetada por provisão relacionada a imposto de renda que não havia incidido no mesmo período do ano passado. A US Airways, que pretende se fundir com a American Airlines e formar a maior companhia aérea do mundo, afirmou que o lucro líquido somou 287 milhões de dólares, ou 1,40 dólar por ação, no segundo trimestre. Um ano antes, a empresa havia tido resultado positivo de 306 milhões de dólares, ou 1,54 dólar por ação. (Reuters)


quinta-feira, 25 de julho de 2013

DIÁRIO DO COMÉRCIO

17

Upcon Incorporadora S.A. CNPJ nº 08.168.657/0001-74 Demonstrações Financeiras Demonstrações do Resultado - Exercícios findos Consolidado em 31 de dezembro de 2012 e 2011 (Em milhares de reais) 2011 Controladora Consolidado Reapre2011 2011 sentado 2010 ReapreReapre(Não (Não sentado sentado 2012 audit.) audit.) (Não (Não Notas 2012 auditado) 2012 auditado) Receita operacional líquida 19 3.512 7.904 30.839 18.340 15.852 3.636 3.366 Custo dos imóveis 1.509 1.132 768 (8.277) (21.507) (16.923) vendidos (4.151) Resultado bruto (639) (373) 9.332 1.417 Despesas comerciais 20 (28) (173) (5.898) (1.454) 262 417 201 Despesas administrativas 21 (3.633) (1.741) (3.867) (1.925) 442 67 1.185 Outras despesas operacionais (268) (3) (351) (24) Equivalência patrimonial 7 3.818 722 47.870 7.590 2.207 (111) (1.195) (10.116) (3.403) Resultado antes das 15.929 2.070 5.695 despesas e receitas financeiras (750) (1.568) (784) (1.986) Despesas Financeiras 22 (823) (575) (1.216) (790) 739 376 376 Receitas Financeiras 22 369 303 1.318 1.176 8.899 4.145 3.788 (272) 102 386 (454) 296 330 - Resultado antes do imposto 91.798 19.763 17.586 de renda e contribuição social (1.204) (1.840) (682) (1.600) Imposto de renda e contribuição social 14 (207) (341) (977) (873) 21.151 19.729 1.592 Resultado líquido antes da participação de não controladores (1.411) (2.181) (1.659) (2.473) 691 11.771 Participação de não contro479 518 1.189 ladores (49) (106) Participantes em SCPs 16 297 398 57.688 8.592 4.043 Prejuízo do exercício (1.411) (2.181) (1.411) (2.181) Prejuízo básico e diluído por ação no final do exercício 18 (1,43) (2,20) 838 264 227 As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras.

Balanços Patrimoniais em 31 de dezembro de 2012 e 2011 (Em milhares de reais) Controladora Consolidado Controladora 2011 2011 2011 ReapreReapreReapresentado 2010 sentado 2010 sentado 2010 (Não (Não (Não (Não (Não (Não Notas 2012 audit.) audit.) 2012 audit.) audit.) Notas 2012 audit.) audit.) Ativo Passivo Circulante Circulante Caixa e Empréstimos equivalentes e financ. 10 9.866 2.402 368 de caixa 3.1 9.280 5.311 2.510 14.105 17.407 3.596 Fornecedores 454 255 13 Títulos e Obrigações valores trabalhistas e mobiliários 3.2 3.125 tributárias 97 131 111 Contas a Contas a pagar 97 25 1.020 receber de Credores por clientes 4 695 2.243 1.944 12.766 7.119 8.011 imóveis comproImóveis a missados 12 3.584 2.047 2.207 comercializar 5 5.586 6.479 1.510 113.961 38.240 3.954 Adiantamento Outros créditos 49 226 1.073 932 1.677 1.481 de clientes 13 1.540 1.133 4.186 Total do ativo Impostos correncirculante 15.610 14.259 7.037 144.889 64.443 17.042 tes com recolhiNão circulante mento diferido 14 66 83 Contas a receber Partes relac. 6 29.255 12.339 3.788 de clientes 4 1.917 575 343 14.558 4.185 3.849 Dividendos a pagar 296 330 Imóveis a Total do passivo circ. 45.255 18.745 11.693 comercializar 5 - 19.733 - Passivo não circulante Partes Empréstimos e relacionadas 6 2.804 - 4.393 - 4.393 financiamentos 10 983 1.589 Outros créditos 371 55 1.115 696 205 1.312 Credores por Investimentos 8 29.337 15.072 7.948 imóveis comproImobilizado 9 303 315 330 1.152 446 742 missados 12 3 3.291 Intangível 10 199 32 12 199 32 12 Contas a pagar 78 214 1.189 Total do ativo Adiantamento não circulante 34.931 16.049 14.141 36.338 4.868 10.308 de clientes 13 1.540 4.043 Total do ativo 50.541 30.308 21.178 181.227 69.311 27.350 Impostos correntes com recolhiDemonstrações dos Resultados Abrangentes - Exercícios findos mento diferido 14 109 30 em 31 de dezembro de 2012 e 2011 (Em milhares de reais) Provisão para Controladora Consolidado demandas judic. 2011 2011 e administ. 15 261 393 87 55 ReapreReapreDébitos com part. sentado sentado em SCPs 16 2.673 2.971 (Não (Não 2012 auditado) 2012 auditado) Total do passivo não circulante 451 6.058 6.821 83.913 43.932 7.106 Prejuízo antes da Patrimônio líquido participação de não 17 5.992 5.992 900 5.992 5.992 900 controladores (1.411) (2.181) (1.659) (2.473) Capital social Res. de capital 17 268 268 268 268 Ganho líquido de ajuste Res. legal 17 71 71 ao valor justo de ativos Ajuste de aval. financeiros disponíveis patrimonial 3 741 741 para venda 741 741 (826) - (2.166) (826) Prejuízos acum. (2.166) Outros resultados 4.835 5.505 2.664 4.835 5.505 2.664 abrangentes - Total patrim. líquido Participação de Resultado abrangente do exercício (670) (2.181) (918) (2.473) acionistas não controladores 681 111 (6) Atribuível a: 4.835 5.505 2.664 5.516 5.616 2.658 Acionistas controladores (670) (2.181) (670) (2.181) Total patrim. líquido Acionistas não control. 49 106 Total do passivo e Participantes em SCP (297) (398) patrimônio líquido 50.541 30.308 21.178 181.227 69.311 27.350 As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. Demonstrações das Mutações do Patrimônio Líquido - Exercícios findos em 31 de dezembro de 2012 e 2011 (Em milhares de reais) Controladora Consolidado Reserva de lucros Ajuste de Participação dos Total do Capital Reserva Retenção Prejuízos avaliação acionistas não patrim. Notas social de capital Legal de lucros acumulados patrimonial Total controladores líquido Saldos em 31 de dezembro de 2010 (Não auditado) 900 1.764 - 2.664 (6) 2.658 Aumento de capital 17 5.092 268 - 5.360 5.360 Prejuízo do exercício (2.181) - (2.181) (292) (2.473) Reserva legal 71 (71) Dividendos mínimos obrigatórios (338) (338) (338) Absorção de prejuízo do período (1.764) 1.764 Participação de não controladores 409 409 Saldos em 31 de dezembro de 2011 - Reapresentado (Não auditado) 5.992 268 71 (826) - 5.505 111 5.616 Prejuízo do exercício (1.411) - (1.411) (248) (1.659) Absorção de prejuízo do período (71) 71 Ajuste de avaliação patrimonial 3 741 741 741 Participação de não controladores 521 521 Saldos em 31 de dezembro de 2012 5.992 268 (2.166) 741 4.835 681 5.516 As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras - 31 de dezembro de 2012 e 2011 (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) 1. Contexto operacional: A Upcon Incorporadora S.A. (“Companhia”), an- como os investimentos, sendo destacada a participação dos não controladoteriormente denominada Upcon Desenvolvimento Imobiliário S.A., é uma res e contas a pagar com participantes em SCP. As práticas contábeis são sociedade anônima, fundada em 15 de maio de 2006, com sede localizada consistentemente aplicadas em todas as empresas consolidadas. Para as na Av. das Nações Unidas, nº 12.399, Edif. Landmark conjunto 21B e 22B. investidas que têm controle compartilhado, os ativos, passivos, receitas e A Companhia possui por atividades preponderantes a incorporação imo- despesas são consolidados de forma proporcional à participação da Combiliária, a construção de imóveis destinados à venda, o desmembramento panhia. (b) Apuração e apropriação do resultado de incorporação imoou loteamento de terrenos, a compra e venda de imóveis e a participação biliária e venda de imóveis: Na apropriação do resultado com incorporaem outras sociedades, na qualidade de sócia, quotista ou acionista. O de- ção imobiliária e venda de imóveis são observados os procedimentos senvolvimento dos empreendimentos de incorporação imobiliária, inclusive estabelecidos pelos Pronunciamentos, Orientações e Interpretações do quando da participação de terceiros, é realizado por intermédio de socie- Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) inerentes aos contratos de dades simples, sociedades de propósito específico (SPEs) e sociedades construção e aos contratos de construção do setor imobiliário, especificaem conta de participação (SCPs), de forma que as sociedades controladas mente relacionados ao Pronunciamento CPC 17 - Contratos de Construção, compartilham, de forma significativa, as estruturas e os custos corporativos, à Orientação - OCPC 01 - Entidades de Incorporação Imobiliária, à Interpregerenciais e operacionais da Companhia. As demonstrações financeiras da tação I CPC 02 - Contrato de Construção do Setor Imobiliário e à Orientação Companhia foram aprovadas pela Diretoria em 12 de julho de 2013. OCPC 04 - Aplicação da Interpretação Técnica ICPC 02 às Entidades de 2. Políticas contábeis: 2.1. Apresentação das demonstrações finan- Incorporação Imobiliária. Nas vendas de unidades não concluídas de emceiras: As demonstrações financeiras individuais e consolidadas foram preendimentos imobiliários são adotadas as seguintes premissas: • É apurapreparadas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil que do o percentual do custo incorrido das unidades vendidas (incluindo o terrecompreendem os pronunciamentos, interpretações e orientações do Comitê no), em relação ao seu custo total orçado, sendo esse percentual aplicado de Pronunciamentos Contábeis (CPC) aplicáveis a entidades de incorpora- sobre a receita das unidades vendidas, ajustada segundo as condições dos ção imobiliária no Brasil, como aprovadas pelo Comitê de Pronunciamentos contratos de venda, sendo assim determinado o montante das receitas a Contábeis (CPC) e pelo Conselho Federal de Contabilidade (CFC), incluindo serem reconhecidas. Uma receita não é reconhecida se há uma incerteza a Orientação Técnica OCPC 04 - Aplicação da Interpretação Técnica ICPC significativa da sua realização ou se não puder ser mensurada confiavel02 às Entidades de Incorporação Imobiliária Brasileiras - no que diz respeito mente; • Os montantes das receitas de vendas apuradas, incluindo a atualiao reconhecimento de receitas e respectivos custos e despesas decorren- zação monetária, líquido das parcelas já recebidas, são contabilizados tes de operações de incorporação imobiliária durante o andamento da obra como contas a receber, ou como adiantamentos de clientes, quando aplicá(método da percentagem completada - POC). As demonstrações financeiras vel; • O custo incorrido (incluindo o custo do terreno) correspondente às individuais e consolidadas foram elaboradas com base no custo histórico, unidades vendidas e é apropriado integralmente ao resultado; • Os encargos exceto quando informado de outra forma, conforme descrito no resumo das financeiros diretamente relacionados aos empreendimentos imobiliários, principais práticas contábeis. O custo histórico geralmente é baseado no quando aplicável, correspondentes a contas a pagar por aquisição de terrevalor das contraprestações pagas em troca de ativos. As demonstrações fi- nos e as operações de crédito imobiliário, incorridos durante o período de nanceiras foram elaboradas no curso normal dos negócios. A Administração construção, são apropriados ao custo incorrido dos empreendimentos imoefetua uma avaliação da capacidade da Companhia de dar continuidade biliários e refletidos no resultado por ocasião da venda das unidades do as suas atividades durante a elaboração das demonstrações financeiras. A empreendimento imobiliário a que foram apropriados. Nas vendas de unidaCompanhia está adimplente em relação as cláusulas de dívidas na data da des concluídas de empreendimentos imobiliários, o resultado é apropriado emissão dessas demonstrações financeiras e a Administração não identifi- no momento em que a venda é efetivada, independentemente do prazo de cou nenhuma incerteza relevante sobre a capacidade da Companhia de dar recebimento do valor contratual. Os montantes recebidos com relação à continuidade as suas atividades nos próximos 12 meses. Todos os valores venda de unidades imobiliárias quando superiores aos valores reconhecidos apresentados nestas demonstrações financeiras estão expressos em milha- de receitas são contabilizados como adiantamentos de clientes, no passivo res de reais, exceto quando indicado de outra forma. As informações não circulante ou no passivo não circulante. Os juros pré-fixados e a variação contábeis e/ou não financeiras incluídas nessas demonstrações financei- monetária incidentes sobre o saldo de contas a receber a partir da data de ras, tais como receitas e custos não reconhecidos nas unidades vendidas e entrega das chaves são apropriados ao resultado financeiro, quando incorriseguros, não foram auditadas. A moeda funcional da Companhia é o Real, dos, obedecendo ao regime de competência de exercícios. As despesas mesma moeda de preparação e apresentação das demonstrações financei- com propaganda, marketing, promoção de vendas e outras atividades correras da Companhia. 2.2. Principais práticas contábeis: As principais prá- latas são reconhecidas ao resultado, na rubrica de “Despesas comerciais” ticas contábeis adotadas para a elaboração das demonstrações financeiras (com vendas) quando efetivamente incorridas, respeitando-se o regime de estão apresentadas a seguir: (a) Demonstrações financeiras consolida- competência contábil dos exercícios, de acordo com o respectivo período de das: As demonstrações financeiras consolidadas incluem as operações da veiculação. Normalmente, as comissões sobre vendas das unidades imobiCompanhia e das seguintes empresas controladas, cuja participação per- liárias são encargos pertencentes aos adquirentes dos imóveis, e não conscentual, na data do balanço, pode ser assim resumida: tituem receita ou despesa da entidade de incorporação imobiliária. Entretandez/12 dez/11 to, quando esses encargos são arcados pela entidade de incorporação Critério Critério imobiliária, as despesas incorridas são registradas como pagamentos antede consoParticide conso- Partici- cipados, os quais são apropriados ao resultado na rubrica de “Despesas Sociedade controlada lidação pação lidação pação comerciais” (com vendas), observando-se os mesmos critérios de apropriaUpcon Desenv. ção do resultado de incorporação e venda de imóveis. (c) Ativos, circulanImob. - SCP Vivere 0,00% Integral 67,00% te e não circulante: (c.1) Caixa e equivales de caixa incluem recursos fiHesa 29 Invest. Imob. Proporcional 30,00% Proporcional 30,00% nanceiros em caixa, saldos positivos em conta movimento e aplicações Hesa 15 Invest. Imob. Proporcional 30,00% Proporcional 30,00% financeiras com liquidez imediata e com risco insignificante de mudança de Hesa 49 Invest. Imob. Proporcional 25,00% Proporcional 25,00% seu valor de mercado. As aplicações financeiras incluídas nos equivalentes Hesa 88 Invest. Imob. Proporcional 25,00% Proporcional 25,00% de caixa são classificadas na categoria “Ativos financeiros ao valor justo por Upcon SPE 1 meio do resultado”. As aplicações financeiras restritivas ou com vencimento Empreend. Imob. Integral 99,00% Integral 99,00% superior a 90 dias são classificadas como títulos e valores mobiliários. Hesa 121 - Invest. (c.2) Contas a receber de clientes são apresentadas aos valores de realizaImob. Proporcional 30,00% Proporcional 30,00% ção, reconhecidas de acordo com os critérios descritos na nota 2.2.b. A Upcon SPE 3 constituição de provisão para devedores duvidosos foi considerada desneEmpreend. Imob. Integral 90,00% Integral 99,00% cessária, tendo em vista que as contas a receber possuem garantia real das Upcon SPE 4 unidades imobiliárias vendidas, na medida em que a concessão das corresEmpreend. Imob. Integral 99,00% Integral 99,00% pondentes escrituras ocorre mediante a liquidação e/ou negociação dos reSPE G&G Benevides cebíveis dos clientes. (c.3) Os imóveis a comercializar estão demonstrados Empr. Imob. Integral 48,00% Integral 48,00% ao custo de aquisição de terrenos e incluem os gastos acumulados com o Upcon SPE 5 desenvolvimento do empreendimento imobiliário, proporcionalmente às uniEmpreend. Imob. Integral 99,00% Integral 99,00% dades habitacionais em estoque, não excedendo ao seu valor líquido de Upcon SPE 6 realização. (c.4) Os demais ativos são apresentados ao valor de custo ou de Empreend. Imob. Integral 99,00% Integral 99,00% realização, incluindo, quando aplicável, os rendimentos e as variações moUpcon SPE 7 netárias incorridas. (d) Investimentos em controladas: A Companhia parEmpreend. Imob. Integral 99,00% - ticipa em empreendimentos imobiliários por meio de Sociedades por conta Upcon SPE 8 de participação (SCP) e Sociedades de Propósito Específico (SPE), desemEmpreend. Imob. Integral 99,00% - penhando as atividades de gestão financeira e operacional das atividades, Upcon SPE 9 se enquadrando dessa maneira nas características de controladora. A partiEmpreend. Imob. Integral 99,00% - cipação societária nessas controladas é contabilizada pelo método de equiUpcon SPE 10 valência patrimonial, conforme definido pelo CPC 18 - Investimento em CoEmpreend. Imob. Integral 99,00% - ligada e em Controlada. Com base no método da equivalência patrimonial, o Upcon SPE 11 investimento nas controladas é contabilizado no balanço patrimonial da Empreend. Imob. Integral 99,00% - controladora ao custo, adicionado das mudanças após a aquisição da partiUpcon SPE 12 cipação societária na controlada. Quando necessário, são efetuados ajustes Empreend. Imob. Integral 99,00% - para que as políticas contábeis estejam de acordo com as adotadas pela Upcon SPE 13 Companhia. Após a aplicação do método da equivalência patrimonial para Empreend. Imob. Integral 99,00% - fins de demonstrações financeiras da controladora, a Companhia determina Upcon SPE 14 se é necessário reconhecer perda adicional do valor recuperável sobre o Empreend. Imob. Integral 99,00% - investimento da Companhia em sua coligada. A Companhia determina, em Upcon SPE 15 cada data de fechamento, se há evidência objetiva de que os investimentos Empreend. Imob. Integral 99,00% - em controladas sofreram perdas por redução ao valor recuperável. Se assim Upcon SPE 16 for, a Companhia calcula o montante da perda por redução ao valor recupeEmpreend. Imob. Integral 99,00% - rável como a diferença entre o valor recuperável da controlada e o valor Upcon SPE 17 contábil e reconhece o montante na demonstração do resultado da controlaEmpreend. Imob. Integral 99,00% - dora. (e) Imobilizado: É avaliado ao custo de aquisição. As depreciações Upcon SPE 18 acumuladas são computadas pelo método linear, levando em consideração Empreend. Imob. Integral 99,00% - as taxas descritas na Nota Explicativa nº 9 e reconhecidas no resultado do Upcon SPE 19 exercício. Despesas com estande de vendas são registradas no ativo imobiEmpreend. Imob. Integral 99,00% - lizado e depreciadas pela vida útil quando esta for superior a 12 meses e Upcon SPE 20 reconhecidas no resultado do exercício na rubrica de “Despesas comerEmpreend. Imob. Integral 99,00% - ciais”. Um item de imobilizado é baixado quando vendido ou quando neHesa 123 - Invest. nhum benefício econômico futuro for esperado do seu uso ou venda. EvenImob. Proporcional 30,00% - tual ganho ou perda resultante da baixa do ativo (calculado como sendo a As demonstrações financeiras consolidadas são preparadas em conformi- diferença entre o valor líquido da venda e o valor contábil do ativo) é incluído dade com os princípios de consolidação, emanados da legislação societária na demonstração do resultado, no exercício em que o ativo for baixado. brasileira e pelo Pronunciamento Técnico CPC 36 (R1) e compreendem as (f) Intangível: Está representado por licenças de software adquiridas, capidemonstrações financeiras da Companhia e de suas sociedades controla- talizadas com base nos custos incorridos para adquirir os softwares e fazer das (individualmente e sob controle comum). Nas demonstrações contábeis com que eles estejam prontos para ser utilizados. Esses custos são amorticonsolidadas são eliminadas as contas correntes, as receitas e as despe- zados durante sua vida útil estimável de três a cinco anos. Os custos sas entre as sociedades consolidadas e os resultados não realizados, bem associados à manutenção de softwares são reconhecidos como despesa,

conforme incorridos. (g) Passivos, circulante e não circulante: São demonstrados por valores conhecidos ou calculáveis, acrescidos, quando aplicável, dos correspondentes encargos e das variações monetárias incorridas. Os ativos e passivos são classificados como circulantes quando sua realização ou liquidação é provável que ocorra nos próximos 12 meses. Caso contrário, são demonstrados como não circulantes. (h) Julgamentos, estimativas e premissas contábeis significativas: Julgamentos: A preparação das demonstrações financeiras individuais e consolidadas da Companhia requer que a Administração faça julgamentos e estimativas e adote premissas que afetem os valores apresentados de receitas, despesas, ativos e passivos, bem como as divulgações de passivos contingentes, na data-base das demonstrações financeiras individuais e consolidadas. Contudo, a incerteza relativa a essas premissas e estimativas poderia levar a resultados que requeiram um ajuste significativo ao valor contábil do ativo ou passivo afetado em períodos futuros. Estimativas e premissas: As principais premissas relativas a fontes de incerteza nas estimativas futuras e outras importantes fontes de incerteza em estimativas na data do balanço, envolvendo risco significativo de causar um ajuste relevante no valor contábil dos ativos e passivos no próximo exercício financeiro, são discutidas a seguir: Custos orçados: Os custos orçados totais, compostos pelos custos incorridos e custos previstos a incorrer para o encerramento das obras, são regularmente revisados, conforme evolução das obras, e os ajustes com base nesta revisão são refletidos nos resultados da Companhia de acordo com o método contábil utilizado. Impostos: Existem incertezas com relação à interpretação de regulamentos tributários complexos e ao valor e época de resultados tributáveis futuros. Dadas à natureza de longo prazo e a complexidade dos instrumentos contratuais existentes, diferenças entre os resultados reais e as premissas adotadas, ou futuras mudanças nessas premissas, poderiam exigir ajustes futuros na receita e despesa de impostos já registrada. A Companhia constitui provisões, com base em estimativas cabíveis, para possíveis consequências de auditorias por parte das autoridades fiscais das respectivas jurisdições em que opera. O valor dessas provisões baseia-se em vários fatores, como experiência de auditorias fiscais anteriores e interpretações divergentes dos regulamentos tributários pela entidade tributável e pela autoridade fiscal responsável. Essas diferenças de interpretação podem surgir numa ampla variedade de assuntos, dependendo das condições vigentes no respectivo domicílio da Companhia. Provisões para riscos tributários, cíveis e trabalhistas: A Companhia reconhece provisão para causas tributárias, cíveis e trabalhistas. A avaliação da probabilidade de perda inclui a avaliação das evidências disponíveis, a hierarquia das leis, as jurisprudências disponíveis, as decisões mais recentes nos tribunais e sua relevância no ordenamento jurídico, bem como a avaliação dos advogados externos. As provisões são revisadas e ajustadas para levar em conta alterações nas circunstâncias, tais como prazo de prescrição aplicável, conclusões de inspeções fiscais ou exposições adicionais identificadas com base em novos assuntos ou decisões de tribunais. A liquidação das transações envolvendo essas estimativas poderá resultar em valores significativamente divergentes dos registrados nas demonstrações financeiras consolidadas devido às imprecisões inerentes ao processo de sua determinação. A Companhia revisa suas estimativas e premissas pelo menos anualmente. (i) Ajuste a valor presente: Os elementos integrantes do ativo e passivo, quando decorrentes de operações de curto prazo (se relevantes) e longo prazo, sem a previsão de remuneração ou sujeitas a: (i) Juros prefixados; (ii) Juros notoriamente abaixo do mercado para transações semelhantes; e (iii) Reajuste somente por inflação, sem juros, são ajustados a seu valor presente com base na taxa média praticada pela Companhia para concessão de desconto sobre o preço da tabela de vendas ou a sua taxa média de captação, dos dois o maior, que está em consonância com as taxas de remuneração de títulos públicos (NTN-B) de risco e prazo semelhantes. O ajuste a valor presente e a respectiva reversão sobre as contas a receber decorrentes das vendas de imóveis são registrados no próprio grupo de “Receitas de incorporação imobiliária”, conforme preceitua o OCPC 01. (j) Ativos e passivos contingentes: As práticas contábeis para registro e divulgação de ativos e passivos contingentes e obrigações legais são as seguintes: (i) Ativos contingentes são reconhecidos somente quando há garantias reais ou decisões judiciais favoráveis, transitadas em julgado. Os ativos contingentes com êxitos prováveis são apenas divulgados em nota explicativa; (ii) Passivos contingentes são provisionados quando as perdas forem avaliadas como prováveis e os montantes envolvidos forem mensuráveis com suficiente segurança. Os passivos contingentes avaliados como de perdas possíveis são apenas divulgados em nota explicativa e os passivos contingentes avaliados como de perdas remotas não são provisionados e, tampouco, divulgados. (k) Imposto de renda e contribuição social sobre o lucro: A legislação fiscal (Instrução Normativa SRF nº 84/79) permite que as receitas relacionadas às vendas de unidades imobiliárias sejam tributadas e os tributos recolhidos com base em regime de caixa e não com base no critério descrito na Nota Explicativa nº 2.2.b para reconhecimento dessas receitas. O imposto de renda e a contribuição social são calculados observando-se os critérios estabelecidos pela legislação fiscal vigente, pelas alíquotas regulares de 15%, acrescida de adicional de 10% para o imposto de renda e de 9% para a contribuição social. Conforme facultado pela legislação tributária, a Companhia e suas controladas optaram pelo regime tributário de lucro presumido. Nessas sociedades, a base de cálculo do imposto de renda é calculada à razão de 8% (incorporação imobiliária, inclusive atualização monetária) e 32% (prestação de serviços), a da contribuição social à razão de 12% (incorporação imobiliária) e 32% (prestação de serviços) e 100% sobre as receitas financeiras, sobre as quais se aplicam as alíquotas regulares do respectivo imposto e contribuição. Determinados empreendimentos de controladas da Companhia adotaram a sistemática do patrimônio afetado. Sendo assim, optou-se pela tributação de seus resultados em conformidade com o Regime Especial de Tributação (RET), em que as receitas operacionais com venda de imóveis são tributadas, de forma definitiva, à alíquota de 6% (que abrange inclusive as contribuições para a COFINS e para o PIS/PASEP). Como a prática contábil de provisão difere da prática fiscal, é calculado um passivo ou ativo de impostos e contribuições sociais federais com recolhimento diferido para refletir as diferenças temporárias, conforme comentado na Nota Explicativa nº 14. (l) Impostos sobre vendas: As receitas de incorporação imobiliária estão sujeitas aos seguintes impostos e contribuições, pelas seguintes alíquotas básicas em decorrência do regime tributário adotado de lucro presumido: Programa de Integração Social (PIS) - 0,65%; Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS) - 3,0%. (m) Resultado básico e diluído por ação: O resultado por ação básico e diluído é calculado por meio do resultado do período atribuível aos acionistas da Companhia e a média ponderada das ações ordinárias em circulação no respectivo período, considerando ajustes de desdobramento ocorridos no período ou no evento subsequente à preparação das demonstrações financeiras. A Companhia não possui operações ou instrumentos que possam ter um efeito dilutivo, portanto, o resultado diluído por ação corresponde ao valor do resultado básico por ação. (n) Instrumentos financeiros: (n.1) Reconhecimento inicial e mensuração: os instrumentos financeiros da Companhia são representados pelas disponibilidades, contas a receber, contas a pagar, empréstimos e financiamentos. Os instrumentos são reconhecidos inicialmente pelo seu valor justo acrescido dos custos diretamente atribuíveis à sua aquisição ou emissão, exceto os instrumentos financeiros classificados na categoria de instrumentos avaliados ao valor justo por meio do resultado, para os quais os custos são registrados no resultado do exercício; (n.2) Mensuração subsequente: a mensuração dos ativos e passivos financeiros depende da sua classificação, que pode ser da seguinte forma: • Ativos financeiros a valor justo por meio do resultado: ativos financeiros a valor justo por meio do resultado incluem ativos financeiros mantidos para negociação e ativos financeiros designados no reconhecimento inicial a valor justo por meio do resultado. Ativos financeiros são classificados como mantidos para negociação se forem adquiridos com o objetivo de venda no curto prazo. A Companhia avaliou seus ativos financeiros a valor justo por meio do resultado, pois pretende negociá-los em um curto espaço de tempo. Quando a Companhia não estiver em condições de negociar esses ativos financeiros em decorrência de mercados inativos, e a intenção da Administração em vendê-los no futuro próximo sofrer mudanças significativas, a Companhia pode optar em reclassificar esses ativos financeiros em determinadas circunstâncias. A reclassificação para empréstimos e contas a receber disponíveis para venda ou mantidos até o vencimento, depende da natureza do ativo. Essa avaliação não afeta quaisquer ativos financeiros designados a valor justo por meio do resultado utilizando a opção de valor justo no momento da apresentação; • Passivos financeiros a valor justo por meio do resultado: passivos financeiros a valor justo por meio do resultado incluem passivos financeiros para negociação e passivos financeiros designados no reconhecimento a valor justo por meio do resultado. Passivos financeiros são classificados como mantidos para negociação quando forem adquiridos com o objetivo de venda no curto prazo. Ganhos e perdas de passivos para negociação são reconhecidos na demonstração do resultado. A Companhia não apresentou nenhum passivo financeiro a valor justo por meio de resultado; • Empréstimos e financiamentos: após reconhecimento inicial, empréstimos e financiamentos sujeitos a juros são mensurados subsequentemente pelo custo amortizado, utilizando o método da taxa de juros efetivos. Ganhos e perdas são reconhecidos na demonstração do resultado no momento da baixa dos passivos, bem como durante o processo de amortização pelo método da taxa de juros efetivos. (o) Demonstrações dos fluxos de caixa: As demonstrações dos fluxos de caixa foram preparadas pelo método indireto e estão apresentadas de acordo com o pronunciamento contábil CPC 03 (R2) - Demonstração dos Fluxos de Caixa, emitido pelo CPC. (p) Novas normas e interpretações contábeis: Os pronunciamentos (novos ou revisados) listados a seguir, que foram emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (“CPC”) em 2012, possuem aplicação obrigatória para os exercícios sociais iniciados a partir de 1º de janeiro de 2013. São eles: CPC 18 (R2) - Investimento em coligada, em controlada e em empreendimento controlado em conjunto; CPC 19 (R2) - Negócios em conjunto; CPC 33 (R1) - Benefícios a Empregados; CPC 36 (R3) - Demonstrações consolidadas; CPC 45 - Divulgação de

As demais Notas e Demonstrações Financeiras completas estão em poder da Administração da Companhia e à disposição dos acionistas.

Demonstrações dos Fluxos de Caixa - Exercícios findos em 31 de dezembro de 2012 e 2011 (Em milhares de reais) Controladora Consolidado 2011 2011 ReapreReapresentado sentado (Não (Não 2012 auditado) 2012 auditado) Das atividades operacionais Resultado antes do imposto de renda e (1.840) (682) (1.600) contribuição social (1.204) Ajustes para conciliar o resultado às disponibilidades geradas pelas atividades operacionais: Depreciações 44 44 156 492 Amortizações 35 4 35 4 Resultado de equivalência patrimonial (3.818) (722) Juros e atualização monetárias 755 464 916 486 Provisão para perda com valor recuperável dos estoques 2.459 4.443 Provisão para demandas judiciais e administrativas 261 306 32 Participação de acionistas não controladores 272 2.804 Decréscimo (acréscimo) em ativos Títulos e valores imobiliários (2.384) Contas a receber de clientes 206 (531) (16.020) 556 Imóveis a comercializar 893 (7.428) (95.454) (38.729) Outros créditos (139) 1.907 254 911 (Decréscimo) acréscimo em passivos Fornecedores 199 242 377 364 Obrigações trabalhistas e tributárias (34) 20 461 895 Adiantamento de clientes (1.133) (5.556) 62.955 924 Credores por imóveis compromissados (1.751) 3.131 29.200 17.154 Contas a pagar (64) (1.970) 336 (1.789) Imposto de renda e contri(236) (408) (947) buição social - pagos (145) Caixa líquido aplicado nas (10.012) (19. 680) (14.000) atividades operacionais (5. 895) Fluxo de caixa das atividades de investimento Aquisição de investimentos (12.395) (9.370) Dividendos recebidos 2.689 2.968 Imobilizado (32) (29) (862) (196) (24) (202) (24) Intangível (202) Caixa líquido aplicado (6.455) (1.064) (220) nas atividades de invest. (9. 940) Fluxo de caixa das atividades de financiamento Integralização/aumento de capital 5.360 5.360 Empréstimos e financiamentos 5.726 964 12.722 17.921 Dividendos pagos (34) (34) Contas a receber de partes relacionadas (2.804) 4.393 4.393 Contas a pagar para partes relacionadas 16.916 8.551 4.754 357 Caixa líquido gerado nas atividades de financiamento 19.804 19. 268 17. 442 28.031 Aumento líquido de caixa 13.811 e equivalentes de caixa 3.969 2.801 (3.302) Caixa e equivalentes de caixa No início do exercício 5.311 2.510 17.407 3.596 No final do exercício 9.280 5.311 14.105 17.407 Aumento líquido de caixa e equivalentes de caixa 3.969 2.801 (3.302) 13.811 As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. participações em outras entidades; CPC 46 - Mensuração do valor justo. A Companhia não adotou de forma antecipada os referidos pronunciamentos (novos ou revisados) em suas demonstrações financeiras individuais e consolidadas de 31 de dezembro de 2012. A Administração da Companhia avaliou esses novos pronunciamentos e, exceto quanto à aplicação dos pronunciamentos revisados CPC 19 (R2) e CPC 36 (R3), não espera efeitos significativos sobre os valores reportados. Com a adoção dos pronunciamentos revisados CPC 19 (R2) e CPC 36 (R3), é possível que a Companhia não possa mais consolidar de forma proporcional as suas controladas em conjunto mencionadas na nota 2.2.a, cujos principais valores estão apresentados na Nota Explicativa nº 8. 2.3. Reapresentação das demonstrações financeiras de 31 de dezembro de 2011: As demonstrações financeiras para o exercício findo em 31 de dezembro de 2012 foram preparadas de acordo com os pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis. A Administração revisou os procedimentos contábeis adotados, e efetuou as seguintes correções relativas a exercícios anteriores: (a) Consolidação integral das entidades controladas com destaque das participações de acionistas não controladores e consolidação integral das sociedades em conta de participação (“SCP”) que a Companhia é sócia ostensiva com destaque de Débitos com participantes em “SCP”, anteriormente consolidadas proporcional; (b) Reconhecimento de provisão para perdas com contratos onerosos. Patrimônio líquido - efeitos e reconciliação dos ajustes de exercícios anteriores nas demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 Controladora Consolidado Patrimônio Resultado Patrimônio Resultado líquido do exercício líquido do exercício Saldo em 31 de dezembro de 2011 (Não auditado) 9.108 1.422 9.108 1.422 Provisão para perda com valor recuperável dos estoques (2.459) (2.459) (4.443) (4.443) Efeitos de equivalência patrimonial de investidas (1.144) (1.144) Outras despesas e receitas - efeito da consolidação 548 548 Participação dos acionistas não controladores 111 (106) Participação com sócios em SCP 292 398 Efeito líquido dos ajustes (3.603) (3.603) (3.492) (3.603) Saldo em 31 de dezembro de 2011 (reapresentado Não auditado) 5.505 (2.181) 5.616 (2.181) Ativo e Passivo - efeitos e reconciliação dos ajustes de exercícios anteriores nas demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 Controladora 2011 2011 (Não Reapresentado auditado) Ajuste (Não auditado) Ativo circulante 16.718 (2.459) 14.259 Ativo não circulante 17.193 (1.144) 16.049 Total do ativo 33.911 (3.603) 30.308 Passivo circulante 18.745 18.745 Passivo não circulante 6.058 6.058 Patrimônio líquido 9.108 (3.603) 5.505 Total do passivo e patrimônio líquido 33.911 (3.603) 30.308 Consolidado 2011 2011 (Não Reapresentado auditado) Ajuste (Não auditado) Ativo circulante 62.784 1.659 64.443 Ativo não circulante 4.914 (46) 4.868 Total do ativo 67.698 1.613 69.311 Passivo circulante 23.983 (4.220) 19.763 Passivo não circulante 34.607 9.325 43.932 Patrimônio líquido 9.108 (3.492) 5.616 Total do passivo e patrimônio líquido 67.698 1.613 69.311 Demonstração dos fluxos de caixa - efeitos e reconciliação dos ajustes de exercícios anteriores nas demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 Controladora Consolidado 2011 2011 ReapreReapre2011 sentado 2011 sentado (Não (Não (Não (Não auditado) Ajuste auditado) auditado) Ajuste auditado) Caixa líquido aplicado nas atividades operacionais (10.466) 454 (10.012) (14.079) 79 (14.000) Caixa líquido aplicado nas atividades de investimento (6.455) (6.455) (222) 2 (220) Caixa líquido utilizado pelas atividades de financiamento 19.722 (454) 19. 268 23.454 4.577 28.031 Aumento líquido de caixa e equivalentes de caixa 2.801 2.801 9.153 13.811 Caixa e equivalentes de caixa No início do exercício 2.510 2.510 3.596 3.596 No final do exercício 5.311 5.311 12.749 4.658 17.407 Aumento líquido de caixa e equivalentes de caixa 2.801 2.801 9.153 13.811 Diretoria Guilherme Augusto Soares Benevides - Diretor Alvin Gilmar Francischetti - CT CRC 1 SP 124.215/O-6


DIÁRIO DO COMÉRCIO

18 -.ECONOMIA/LEGAIS

e

quinta-feira, 25 de julho de 2013

conomia

Lucro do ViaVarejo sobe 19 vezes Resultante da fusão entre Casas Bahia e Ponto Frio, a área de eletrodomésticos do Grupo Pão de Açúcar teve ótimo desempenho.

C

om impacto de despesas operacionais extras, o lucro líquido do Grupo Pão de Açúcar caiu quase 69% no segundo trimestre deste ano, mas o resultado trouxe números fortes da área de eletrodomésticos da empresa e crescimento das vendas consolidadas, o que fez as ações avançarem ontem. Resultante da fusão entre Casas Bahia e Ponto Frio, a área de eletrodomésticos ViaVarejo viu o lucro subir 19 vezes sobre um ano antes, alcançando R$ 95 milhões entre abril e junho, com uma

performance classificada de "surpreendentemente positiva de cima a baixo" pelos analistas do BTG Pactual, em relatório divulgado ontem. A divisão de eletrodomésticos e móveis do grupo foi a grande responsável por fazer a última linha do balanço do grupo vir no azul no segundo trimestre: sozinha, a unidade GPA Alimentar, que engloba as bandeiras Pão de Açúcar, Extra e Assaí, teve prejuízo de R$ 18 milhões, majoritariamente impactado por despesas operacionais extraordinárias. Um ano antes, a unida-

de havia tido lucro de R$ 142 milhões, excluindo ativos imobiliários. A geração de caixa do grupo medida pelo Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado somou R$ 958 milhões, alta de 20,6% sobre igual período de 2012. O número desconsidera as despesas extraordinárias do período. O lucro líquido ajustado do grupo, por sua vez, cresceu 36% mais alto, chegando a R$ 327 milhões. Analistas consultados estimavam em média Ebitda de R$ 812 milhões.

Balanço – A companhia destacou no balanço que a linha "outras despesas operacionais" somou R$ 350 milhões entre abril e junho, com o provisionamento de riscos tributários de R$ 163 milhões, e o impacto de R$ 67 milhões com trabalhos de consultores externos contratados para analisar os lançamentos contábeis relacionados à associação entre Ponto Frio e Casas Bahia. Um ano antes o resultado desta linha havia sido praticamente nulo. Gastos com reestruturação e resultado com ativo imobili-

zado (R$ 51 milhões), e provisões relacionadas a riscos trabalhistas e outros (R$ 69 milhões) também ajudaram a corroer os ganhos da empresa. Desconsiderando esse impacto das despesas extraordinárias, analistas consideraram os números operacionais como positivos. "Os resultados foram sólidos e o impulso positivo parece ter vindo para ficar", disse o BTG Pactual. "O maior gatilho para o crescimento do lucro deve ser a queda nas despesas gerais e administrativas na divisão de

69 por cento foi a queda do lucro líquido do Pão de Açúcar no segundo trimestre deste ano, segundo relatório divulgado.

bens duráveis. Nós acreditamos, portanto, que as ações continuarão a ter um desempenho acima da média do mercado no curto e médio prazo", acrescentou o BTG. No trimestre, as vendas líquidas fechadas nas mesmas lojas subiram 7,3%, beneficiadas, segundo a empresa, pela aceleração no crescimento da ViaVarejo. (Reuters)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 25 de julho de 2013

e

ECONOMIA/LEGAIS - 19 Para o Brasil, a Cepal estima avanço de 2,5% do PIB em 2013.

conomia

Cepal reavalia previsões de crescimento da América Latina

A

Comissão Econômica para a América Latina e Caribe (Cepal) divulgou relatório ontem, no qual afirma que a economia da região deve crescer 3% este ano, abaixo da projeção de 3,5% feita em abril. A revisão

se deve em parte ao menor dinamismo da expansão econômica do Brasil e do México e também à desaceleração da atividade em países que cresciam a taxas elevadas, como Chile, Panamá e Peru. Para o Brasil, a Cepal estima avanço

de 2,5% em 2013, inferior aos 3% previstos em abril: para o México, 2,8% ante 3,5%. O relatório destaca que a região mostra algumas debilidades que podem afetá-la no curto e longo prazos diante do atual cenário externo negati-

vo. Entre elas, estão a alta dependência das exportações para Europa e China, crescente aumento no déficit em conta-corrente – que chegará a 2% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2013, o maior desde 2001 –, sérias restrições fiscais no Caribe, América Central e México e vulnerabilidade na América do Sul pela dependência dos recursos naturais. Na análise da comissão, o crescimento econômico con-

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO IMPRENSA OFICIAL DO ESTADO S.A. AVISO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 045/2013 A IMPRENSA OFICIAL DO ESTADO S/A - IMESP avisa aos interessados que fará realizar o Pregão Eletrônico nº 045/2013, para contratação de empresa para prestação de serviço de assistência técnica e fornecimento de todos e quaisquer consumíveis, insumos e peças (exceto papel) para duas impressoras digitais policromáticas Igen, (procedência Americana), de acordo com as especificações técnicas e obrigações descritas no Memorial Descritivo OFERTA DE COMPRA Nº 283101280902013OC00052. O edital deverá ser retirado no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br, www.bec.fazenda.sp.gov.br ou www.e-negociospublicos.com.br. DATA DO INÍCIO DO PRAZO PARA ENVIO DA PROPOSTA ELETRÔNICA: 26/07/2013. DATA E HORA DA ABERTURA DA SESSÃO PÚBLICA: 07/08/2013, ÀS 09:30 HORAS. Marcos Antonio Monteiro Diretor-Presidente

Turquesa Administração de Bens e Participações Ltda. CNPJ 09.618.749/0001-71 - NIRE 35.2.2241165.1 Extrato da 1ª Alteração de Contrato Social para Redução de Capital Pelo presente instrumento particular, (a) Sandra Salm e (b) Marcelo Salm; únicos sócios da Turquesa Administração de Bens e Participações Ltda., sociedade com sede em SP/SP, Al. dos Guaramomis, 815, apto. 21, Planalto Paulista, CNPJ/ MF nº 09.618.749/0001-71, com seus atos constitutivos arquivados e registrados na Jucesp, sob NIRE 35.2.2241165.1, em 06/06/2008; têm entre si, justo e acordado, alterar o Contrato Social da Sociedade, de acordo com as seguintes cláusulas e condições: 1. Em razão do capital social afigurar-se excessivo em relação ao objeto da Sociedade, deliberam os sócios, de mútuo e comum acordo, com fundamento no inciso II do art. 1082, do Código Civil brasileiro, reduzi-lo, neste ato, no montante de R$2.990.000,00, com o cancelamento de 2.990.000 quotas, representativas de referido montante. 1.1. Em decorrência da deliberação ora tomada, (i) a sócia Sandra Salm terá canceladas 2.989.999 quotas sociais, recebendo em restituição o valor de R$2.989.999,00, e (ii) o sócio Marcelo Salm não terá quotas canceladas, em razão sua participação no capital social da Sociedade. Sócios-Quotas-Valor R$-Percentual: Sandra Salm-9.999-9.999,00-99%; Marcelo Salm1-1,00-1%; Total-10.000-10.000,00-100%. 2. Consequentemente, a cláusula 4ª do Contrato Social passa a vigorar com a seguinte redação: “Cláusula 4ª. O capital social, totalmente subscrito e integralizado, em moeda corrente nacional, é de R$10.000,00, dividido em 10.000 quotas, do valor nominal de R$1,00 cada uma, assim distribuído entre os sócios: (a) Sandra Salm detém 9.999 quotas, no valor nominal total de R$9.999,00; e (b) Marcelo Salm detém 01 quota, no valor nominal de R$1,00. § 1º. A responsabilidade dos sócios é limitada ao valor de suas quotas, mas todos respondem solidariamente pela integralização do capital social. § 2º. As quotas são indivisíveis em relação à Sociedade e cada uma delas dá direito a um voto nas resoluções de sócios. § 3º. Salvo nas hipóteses em que a lei estabeleça quorum qualificado de aprovação, que não possa ser alterado pelo presente Contrato Social, todas as demais deliberações dos sócios, sem exceção, serão tomadas por votos correspondentes a mais de metade do capital social, inclusive a transformação do tipo societário, a cisão e a exclusão de sócio(s) por justa causa.” 3. Permanecem inalteradas e em pleno vigor e efeito todas as demais disposições do Contrato Social, naquilo em que não colidam com o disposto no presente instrumento. 4. Após o decurso do prazo previsto no art. 1.084, § 1º, do Código Civil Brasileiro, o presente instrumento será levado a registro na junta comercial competente. E, por estarem assim, justas e contratadas, as partes assinam o presente instrumento em 03 vias de igual teor e forma, na presença de duas testemunhas. São Paulo, 18/7/2013. Sandra Salm; Marcelo Salm. Testemunhas: Heloisa P. Arruda Camargo RG nº 10.309.943-8 SSP/SP; Bianca Scarparo RG nº 43.841.241-2 SSP/SP.

Upcon Incorporadora S.A.

CNPJ nº 08.168.657/0001-74 – NIRE 35.300.415.167 Ata da Assembleia Geral Extraordinária realizada em 25/02/2013 I - Data, Horário e Local da Realização: Realizada no dia 25/02/2013, às 17hs., na sede social da Upcon Incorporadora S.A., localizada na Cidade de São Paulo, na Av. das Nações Unidas, 12.399, Edifício Landmark Nações Unidas, cjs. 21B e 22B, Brooklin Novo, CEP 04578-000 (“Companhia”). II - Convocação e Presença: Dispensada a publicação de editais de convocação, na forma do disposto no Art. 124, § 4º, da Lei nº 6.404, de 15/12/1976, conforme alterada (“Lei das S.A.”), por estarem presentes os acionistas da Companhia representando a totalidade do seu capital social, conforme assinaturas constantes do Livro de Presença de Acionistas da Companhia. III - Mesa: Presidida pelo Sr. Guilherme Augusto Soares Benevides e secretariada pelo Sr. Gilberto Bernardo Benevides e pelo Sr. Fábio Freitas Romano. IV - Ordem do Dia: Deliberar sobre a alteração do artigo que vedava as operações que envolviam garantias, avais e endossos, dados em nome da Companhia para terceiros. V - Deliberações Tomadas por Unanimidade e sem Quaisquer Restrições: Após a discussão da proposta, os acionistas presentes, por unanimidade de votos e sem reservas ou quaisquer restrições, deliberaram pela aprovação do único item que compõem a ordem do dia, qual seja: V.1 - Promover a alteração do artigo 17 do Estatuto Social. V.2 - Em razão da aprovação da matéria do único item da ordem do dia, o Artigo 17 do Estatuto Social da Companhia passa a vigorar com a seguinte nova redação: “Artigo 17 - São permitidos com relação à Sociedade, os atos que a envolverem em obrigações relativas a negócios ou operações estranhos aos objetivos sociais, tais como fiança, avais, endossos ou quaisquer outras garantias em favor de terceiros, desde que sejam aprovadas, assinadas e validadas por acionistas que detenham a soma mínima de 90% (noventa) por cento das ações da companhia, sem a necessidade de Assembleia Geral de Acionistas para aprovação.” VI - Encerramento e Aprovação da Ata: Nada mais havendo a ser tratado, foi declarada encerrada a Assembleia, da qual se lavrou a presente ata que, lida e achada conforme, foi assinada por todos os presente. São Paulo, 25/02/2013. Mesa: Guilherme Augusto Soares Benevides - Presidente; e Gilberto Bernardo Benevides - Secretário; e Fábio Freitas Romano - Secretário. Acionistas Presentes: Guilherme Augusto Soares Benevides, Gilberto Bernardo Benevides e Fabio Freitas Romano. Confere com a original lavrada em livro próprio. JUCESP nº 123.435/13-4, em 21/03/2013. (a) Gisela Simiema Ceschin - Secretária-Geral.

Upcon Desenvolvimento Imobiliário S.A.

CNPJ nº 08.168.657/0001-74 – NIRE 35.300.415.167 Ata da Assembleia Geral Extraordinária realizada em 01/07/2012 1. Data, Horário e Local da Realização: Realizada no dia 01/07/2012, às 10hs., na sede social da Upcon Desenvolvimento Imobiliário S.A., localizada na Cidade de São Paulo, na Av. das Nações Unidas, 12.399, Edifício Landmark Nações Unidas, cjs. 21B e 22B, Brooklin Novo, CEP 04578-000 (“Companhia”). 2. Convocação e Presença: Dispensada a publicação de editais de convocação, na forma do disposto no Art. 124, § 4º, da Lei nº 6.404, de 15/12/1976, conforme alterada (“Lei das S.A.”), por estarem presentes os acionistas da Companhia representando a totalidade do seu capital social, conforme assinaturas constantes do Livro de Presença de Acionistas da Companhia. 3. Mesa: Presidida pelo Sr. Guilherme Augusto Soares Benevides e secretariada pelo Sr. Gilberto Bernardo Benevides. 4. Ordem do Dia: Deliberar sobre a alteração da denominação social da Companhia. 5. Deliberações Tomadas por Unanimidade e sem Quaisquer Restrições: Após a discussão da proposta, os acionistas presentes, por unanimidade de votos e sem reservas ou quaisquer restrições, deliberam pela aprovação do único item que compõem a ordem do dia, qual seja: 5.1. Promover a alteração da denominação social para “Upcon Incorporadora S.A.” 5.2. Em razão da aprovação da matéria do único item da ordem do dia, o Art. 1º do Estatuto Social da Companhia passa a vigorar com a seguinte nova redação: “Art. 1º - Upcon Incorporadora S.A. é uma sociedade por ações, com prazo de duração indeterminado, regida pelo disposto neste Estatuto Social e pelas disposições legais aplicáveis, em especial a Lei nº 6.404, de 15/12/1976, conforme alterada (“Lei das Sociedades por Ações”).” 6. Encerramento e Aprovação da Ata: Nada mais havendo a ser tratado, foi declarada encerrada a Assembleia, da qual se lavrou a presente ata que, lida e achada conforme, foi assinada por todos os presente. São Paulo, 01/07/2012. Mesa: Guilherme Augusto Soares Benevides - Presidente; e Gilberto Bernardo Benevides - Secretário. Acionistas Presentes: Guilherme Augusto Soares Benevides, Gilberto Bernardo Benevides e Fabio Freitas Romano. Confere com a original lavrada em livro próprio. JUCESP nº 341.133/12-7, em 02/08/2012. (a) Gisela Simiema Ceschin - Secretária-Geral.

Upcon Incorporadora S.A.

CNPJ nº 08.168.657/0001-74 – NIRE 35.300.415.167 Ata da Assembleia Geral Extraordinária realizada em 08/01/2013 I - Data, Horário e Local da Realização: Realizada no dia 08/01/2013, às 10hs., na sede social da Upcon Incorporadora S.A., localizada na Cidade de São Paulo, na Av. das Nações Unidas, 12.399, Edifício Landmark Nações Unidas, cjs. 21B e 22B, Brooklin Novo, CEP 04578-000 (“Companhia”). II - Convocação e Presença: Dispensada a publicação de editais de convocação, na forma do disposto no Art. 124, § 4º, da Lei nº 6.404, de 15/12/1976, conforme alterada (“Lei das S.A.”), por estarem presentes os acionistas da Cia. representando a totalidade do seu capital social, conforme assinaturas constantes do Livro de Presença de Acionistas da Cia. III - Mesa: Presidida pelo Sr. Guilherme Augusto Soares Benevides e secretariada pelo Sr. Gilberto Bernardo Benevides e pelo Sr. Fábio Freitas Romano. IV - Ordem do Dia: Deliberar sobre a aprovação de outorga de aval em nome da Sociedade. V - Deliberações Tomadas por Unanimidade e sem Quaisquer Restrições: Após a discussão da proposta, os acionistas presentes, por unanimidade de votos e sem reservas ou quaisquer restrições, deliberaram pela aprovação do único item que compõem a ordem do dia, qual seja: V.1 - Aprovar a outorga de aval em nome da Sociedade, em garantia de operação de crédito contratada pela empresa: Upcon SPE 7 Empreendimentos Imobiliários Ltda., CNPJ 15.334.737/0001-18, junto ao Banco Fibra S.A., no valor máximo de R$ 6.000.000,00, Cédula de Crédito Bancário nº CG0944112. A constituição de tal garantia está relacionada ao seu objeto social, não constituindo infração ao artigo dezessete do Estatuto Social. VI - Encerramento e Aprovação da Ata: Nada mais havendo a ser tratado, foi declarada encerrada a Assembleia, da qual se lavrou a presente ata que, lida e achada conforme, foi assinada por todos os presente. São Paulo, 08/01/2013. Mesa: Guilherme Augusto Soares Benevides - Presidente; e Gilberto Bernardo Benevides - Secretário; e Fábio Freitas Romano - Secretário. Acionistas Presentes: Guilherme Augusto Soares Benevides, Gilberto Bernardo Benevides e Fabio Freitas Romano. Confere com a original lavrada em livro próprio. JUCESP nº 123.329/13-9, em 21/03/2013. (a) Gisela Simiema Ceschin - Secretária-Geral.

Upcon Incorporadora S.A.

CNPJ nº 08.168.657/0001-74 – NIRE 35.300.415.167 Ata da Assembleia Geral Extraordinária realizada em 05/03/2013 I - Data, Horário e Local da Realização: Realizada no dia 05/03/2013, às 10hs., na sede social da Upcon Incorporadora S.A., localizada na Cidade de São Paulo, na Av. das Nações Unidas, 12.399, Edifício Landmark Nações Unidas, cjs. 21B e 22B, Brooklin Novo, CEP 04578-000 (“Companhia”). II - Convocação e Presença: Dispensada a publicação de editais de convocação, na forma do disposto no Art. 124, § 4º, da Lei nº 6.404, de 15/12/1976, conforme alterada (“Lei das S.A.”), por estarem presentes os acionistas da Companhia representando a totalidade do seu capital social, conforme assinaturas constantes do Livro de Presença de Acionistas da Companhia. III - Mesa: Presidida pelo Sr. Guilherme Augusto Soares Benevides e secretariada pelo Sr. Gilberto Bernardo Benevides e pelo Sr. Fábio Freitas Romano. IV - Ordem do Dia: Deliberar sobre a aprovação de outorga de aval em nome da Sociedade. V - Deliberações Tomadas por Unanimidade e sem Quaisquer Restrições: Após a discussão da proposta, os acionistas presentes, por unanimidade de votos e sem reservas ou quaisquer restrições, deliberaram pela aprovação do único item que compõem a ordem do dia, qual seja: V.1 - Aprovar a outorga de aval em nome da Sociedade, em garantia de operação de crédito contratada pela empresa: Upcon SPE 10 Empreendimentos Imobiliários Ltda., CNPJ 15.512.917/0001-42, junto ao Banco Pine S.A., no valor máximo de R$ 6.000.000,00, Cédula de Crédito Bancário nº CG0944112. A constituição de tal garantia está relacionada ao seu objeto social, não constituindo infração ao artigo dezessete do Estatuto Social. VI - Encerramento e Aprovação da Ata: Nada mais havendo a ser tratado, foi declarada encerrada a Assembleia, da qual se lavrou a presente ata que, lida e achada conforme, foi assinada por todos os presente. São Paulo, 08/01/2013. Mesa: Guilherme Augusto Soares Benevides - Presidente; e Gilberto Bernardo Benevides - Secretário; e Fábio Freitas Romano - Secretário. Acionistas Presentes: Guilherme Augusto Soares Benevides, Gilberto Bernardo Benevides e Fabio Freitas Romano. Confere com a original lavrada em livro próprio. JUCESP nº 162.496/13-8, em 30/04/2013. (a) Gisela Simiema Ceschin - Secretária-Geral.

ríodo de auge nos preços das commodities", afirmou a instituição no relatório. Para a Cepal, o desempenho moderado da região está atrelado a um crescimento de 2,3% da economia mundial, como o de 2012. Em razão da recessão na zona do euro durante 2013, a entidade prevê também que os países em desenvolvimento seguirão como os motores do crescimento global. (Estadão Conteúdo)

Holcim (Brasil) S.A.

Thomas Edson Participações S.A. - CNPJ Nº 10.626.464/0001-61 - NIRE Nº 3530044732-8 Extrato da Ata da Assembléia Geral Extraordinária em 17.06.2013 Data, Hora, Local: 17.06.2013, 8hs, sede social,Av. Brig. Faria Lima 2092, 20º and., SP/SP. Mesa: Josef Kryss: Presidente, Antonio Martins Lima: Secretário. Presença: 100% do Capital Social. Deliberações Aprovadas: a) Alteração do art. 17º do Estatuto Social: “Art. 17º. A representação da Sociedade ativa ou passivamente perante quaisquer terceiros e a assinatura de escrituras de qualquer natureza, letras de câmbio, cheques, ordens de pagamento, contratos, em geral, e quaisquer outros documentos ou atos que importem em responsabilidade ou obrigação para a Sociedade ou que exonerem a Sociedade de obrigações para com terceiros, incumbirão e serão obrigatoriamente praticados por (i) dois Diretores em conjunto; (ii) um Diretor em conjunto com um procurador com poderes especícos, observado o disposto no Parágrafo Primeiro; ou (iii) por 2 procuradores devidamente constituídos na forma prevista neste Estatuto Social, os quais deverão estar agindo nos limites dos poderes que lhes foram outorgados. § 1º. As procurações serão outorgadas em nome da Sociedade, representada conforme disposto neste artigo, devendo a procuração especicar os poderes conferidos e, com exceção daquelas para ns judiciais, terão período de validade limitado a, no máximo, 1 (um) ano. Para o m de representação da Sociedade em juízo e perante repartições públicas federais, estaduais ou municipais, os poderes poderão ser outorgados em nome de somente um procurador. § 2º. A sociedade será considerada validamente representada por um diretor, isoladamente, quando em Juízo e perante quaisquer repartições públicas federais, estaduais e municipais e entidades autárquicas, podendo praticar todo e qualquer ato necessário à boa representação da sociedade ativa e passivamente, inclusive constituir procuradores com a cláusula ad judicia, rmar acordos judiciais de qualquer natureza e nomear prepostos para representação em Juízo”; b) Comunicado sobre o desligamento de Leo Kryss da Diretoria, e eleição da nova diretoria com mandato até 30.04.2015: Josef Kryss, RG 27.993.918-8-SSP/SP, CPF/MF 213.022.268-43, residente em SP/SP; Antonio Martins Lima, RG 1.043.494-3 SSP/PR, CPF/MF 204.203.159-34, residente Barueri/SP, ambos brasileiros, casados, administradores de empresas e eleitos Diretores; c) A nova diretoria toma posse neste ato e declaram que não estão impedidos de exercer a administração da sociedade. Encerramento: Nada mais, lavrou-se a ata. SP, 17.06.2013. Josef Kryss: Presidente, Antonio Martins Lima: Secretário. Diretores Eleitos: Josef Kryss, Antonio Martins Lima. JUCESP 265.375/13-7 em 18/07/2013. Gisela Simiema Ceschin - Secretária Geral.

tinua muito dependente do consumo, que tem mostrado em 2013 recuperação menor que no ano anterior, enquanto a contribuição do investimento no PIB será modesta e as exportações líquidas terão contribuição negativa devido a um aumento maior das importações do que o de vendas ao exterior. "As exportações registraram diminuição no primeiro semestre de 2013 e enfrentam o provável fim do pe-

CASA CIVIL RESPEITO POR VOCÊ

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: TOMADAS DE PREÇOS - TIPO TÉCNICA E PREÇO A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para execução de Elaboração de Projeto Executivo e Apresentação de Pasta Técnica Contemplando a Documentação Relativa ao Projeto Técnico de Segurança: TOMADA DE PREÇOS Nº - PRÉDIO - LOCALIZAÇÃO - PRAZO - ABERTURA DA LICITAÇÃO (HORA E DIA) 46/00129/13/02 - EE Prof. João Simões Netto - Rua Josefina Francisca Malaquini, 02-20 - Cep: 17039-650 - Prq. Sta.Terezinha – Bauru/ SP - EE Ver. Antonio Ferreira de Menezes - Rua Cap. Mario Rossi, 09-37 - Cep: 17063-140 - Alto Alegre – Bauru/SP - EE Maj. Fraga - Rua Carmelo Zamataro, 264 - Cep: 17110-000 - Centro - Dist Tibiriçá – Bauru/SP - 90/180 - 10:00 - 26/08/2013. 46/00142/13/02 - EE/EMEF João Pacheco de Almeida Prado - Rua Antonio Antoniassi, s/nº - Cep: 17200-000 - Jd. Nova América – Jaú/SP; EE/ EM José Nogueira de Souza/ Pedro Strabelli - Rua Dr Nunes, s/n º- Cep: 15705-000 - Centro - Vitória Brasil/SP - 120/210 - 10:30 - 26/08/2013. 46/00214/13/02 - EE Rev. Omar Daibert - Rua Leonardo Martins Neto, 41 Cep: 9850-020 - dos Casa - São Bernardo do Campo/SP; EE Dr Francisco Emygdio Pereira Neto - Rua Armando Backy, 441 - Cep: 09811-410 - Demarchi - São Bernardo do Campo/SP - 90/180 - 11:00 - 26/08/2013. 46/00215/13/02 - EE João Ramalho - Rua José Bonifácio, 102 - Cep: 09721-160 - Centro - São Bernardo do Campo/SP; EE Profª Maria Auxiliadora Marques - Rua dos Tangarás, 35 - Parque dos Pássaros - São Bernardo do Campo/SP - 90/180 - 11:30 - 26/08/2013. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital na SEDE DA FDE na Supervisão de Licitações, na Av. São Luis, 99 - República - CEP: 01046-001 - São Paulo/SP ou através da Internet pelo endereço eletrônico www.fde.sp.gov.br. Os interessados poderão adquirir o Edital completo através de CD-ROM a partir de 25/07/2013, na SEDE DA FDE, de segunda a sextafeira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, mediante pagamento não reembolsável de R$ 40,00 (quarenta reais). Os invólucros contendo a Proposta Técnica, a Proposta Comercial e os documentos de Habilitação deverão ser entregues, juntamente com a Solicitação de Participação, a Declaração de Pleno Atendimento aos Requisitos de Habilitação, no Setor de Protocolo da Supervisão de Licitações - SLI na SEDE DA FDE, até 30 minutos antes da abertura da licitação. Esta Licitação será processada em conformidade com a LEI FEDERAL nº 8.666/93 e suas alterações, e com o disposto nas CONDIÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE. As propostas deverão obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital. BARJAS NEGRI - Presidente

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: Pregão Eletrônico nº 14/00008/13/05 OBJETO: Contratação de empresa para a prestação de serviços contínuos de apoio técnico visando a operação da Rede do Saber da Escola de Formação e Aperfeiçoamento dos Professores do Estado de São Paulo – EFAP, contemplando a concepção de soluções, especificação, implantação, manutenção, suporte e operação de redes e sistemas e apoio administrativo para suportar os projetos e atividades da rede de comunicação e formação continuada de professores e demais servidores públicos da rede estadual de ensino, conforme detalhamento constante no ANEXO II – Especificações Técnicas, parte integrante deste Edital. A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para Contratação de empresa para a prestação de serviços contínuos de apoio técnico visando a operação da Rede do Saber da Escola de Formação e Aperfeiçoamento dos Professores do Estado de São Paulo – EFAP, contemplando a concepção de soluções, especificação, implantação, manutenção, suporte e operação de redes e sistemas e apoio administrativo para suportar os projetos e atividades da rede de comunicação e formação continuada de professores e demais servidores públicos da rede estadual de ensino, conforme detalhamento constante no ANEXO II – Especificações Técnicas, parte integrante deste Edital. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital a partir de 25/07/2013, no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br ou na sede da FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 - São Paulo/SP, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, ou verificar o edital na íntegra, através da Internet no endereço: http://www.fde.sp.gov.br. A sessão pública de processamento do Pregão Eletrônico será realizada no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br, no dia 09/08/2013, às 09:30 horas e será conduzida pelo pregoeiro com o auxílio da equipe de apoio, designados nos autos do processo em epígrafe e indicados no sistema pela autoridade competente. Todas as propostas deverão obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital e seus anexos e serão encaminhadas, por meio eletrônico, após o registro dos interessados em participar do certame e o credenciamento de seus representantes previamente cadastrados. A data do início do prazo para envio da proposta eletrônica será de 25/07/2013, até o momento anterior ao início da sessão pública. BARJAS NEGRI - Presidente

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: TOMADA DE PREÇOS - TIPO TÉCNICA E PREÇO A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para execução de Elaboração de Projeto Executivo de Acessibilidade e Apresentação de Pasta Técnica Contemplando a Documentação Relativa ao Projeto Técnico de Segurança: TOMADA DE PREÇOS Nº - OBJETO - QUANTIDADE DE PRÉDIOS - ÁREA TOTAL MÉDIA (M²)/PRÉDIO - PRAZO - ABERTURA DA LICITAÇÃO (HORA E DIA) 46/01448/12/02 - Região 9 - 13 -2.426 - 720 - 09:30 - 26/08/2013. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital na SEDE DA FDE na Supervisão de Licitações, na Av. São Luis, 99 - República - CEP: 01046-001 - São Paulo/SP ou através da Internet pelo endereço eletrônico www.fde.sp.gov.br. Os interessados poderão adquirir o Edital completo através de CD-ROM a partir de 25/07/2013, na SEDE DA FDE, de segunda a sextafeira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, mediante pagamento não reembolsável de R$ 40,00 (quarenta reais). Os invólucros contendo a Proposta Técnica, a Proposta Comercial e os documentos de Habilitação deverão ser entregues, juntamente com a Solicitação de Participação, a Declaração de Pleno Atendimento aos Requisitos de Habilitação, no Setor de Protocolo da Supervisão de Licitações - SLI na SEDE DA FDE, até 30 minutos antes da abertura da licitação. Esta Licitação será processada em conformidade com a LEI FEDERAL nº 8.666/93 e suas alterações, e com o disposto nas CONDIÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE. As propostas deverão obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital. BARJAS NEGRI - Presidente

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ANDRADINA

EXTRATO DO 2° ADITAMENTO CONTRATUAL. PROCESSO Nº 63/12 – CONCORRÊNCIA Nº 04/12. Objeto: Contratação de empresa especializada para construção da Praça dos Esportes e da Cultura - modelo 3.000 m², referente ao CTR363532-90/2011/Ministério da Cultura/Caixa. Contratante: Prefeitura do Município de Andradina. Contratado: CGPM Engenharia e Construções Ltda. Fica ajustado entre as partes que o prazo de execução do contrato será prorrogado até 31/12/2013. As demais cláusulas e condições dos contratos supra permanecem inalteradas. Data: 05 de julho de 2013. JAMIL AKIO ONO - Prefeito.

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ANDRADINA

EXTRATO DE HOMOLOGAÇÃO E ADJUDICAÇÃO. PROCESSO Nº 57/13 – TOMADA DE PREÇOS Nº 10/13. Objeto: Contratação de empresa especializada para execução de pavimentação asfáltica tipo CBUQ na Rua Santa Amália localizada no Jardim Santa Cecília. Considerando a regularidade do procedimento, hei por bem, com base no inc. VI, do art. 43, da Lei Federal nº 8.666/93, Homologar e Adjudicar o item do objeto licitado à empresa: Demop Participações Ltda. Andradina, 24 de julho de 2013. JAMIL AKIO ONO - Prefeito.

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ANDRADINA

EXTRATO DO 6° ADITAMENTO CONTRATUAL. PROCESSO Nº 03/12 – TOMADA DE PREÇOS Nº 01/12. Objeto: Contratação de empresa especializada para execução de obras de reforma e ampliação da E.M.E.F. Ondina Hofig de Castilho. Contratante: Prefeitura do Município de Andradina. Contratado: Wilson dos Anjos Bertipaglia & Cia Ltda. Fica ajustado entre as partes que o contrato em vigor será prorrogado por mais 150 (cento e cinquenta) dias. As demais cláusulas e condições dos contratos supra permanecem inalteradas. Data: 03 de abril de 2013. JAMIL AKIO ONO - Prefeito.

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ANDRADINA

EXTRATO DO 5° ADITAMENTO CONTRATUAL. PROCESSO Nº 09/11 – TOMADA DE PREÇOS Nº 01/11. Contratante: Prefeitura do Município de Andradina. Contratado: Demop Participações Ltda. Fica ajustado entre as partes que o prazo de vigência do contrato será prorrogado para 05/03/2014. As demais cláusulas e condições dos contratos supra permanecem inalteradas. Data: 05 de março de 2013. JAMIL AKIO ONO - Prefeito.

CNPJ/MF nº 60.869.336/0001-17 - NIRE nº 35.300.044.924 (lavrada sob a forma de sumário, como faculta da Lei das Sociedades por Ações). I - Data. Hora. Local: Assembléia Geral Ordinária e Extraordinária realizada no dia 30 de abril de 2013, às 10:00 horas, na sede social, na Rua Verbo Divino, 1.488 - 5º andar, Bloco “D”, Bairro Chácara Santo Antônio, São Paulo - SP, CEP 04719-904. II - Publicações: 1) Relatório da Administração, Balanço Patrimonial e demais Demonstrações Financeiras publicados nos dias 26 de abril de 2013 no Diário Oficial do Estado de São Paulo e no Diário do Comércio. 2) Edital de Convocação no Diário Oficial do Estado de São Paulo nos dias 19, 20, 23 de abril de 2013, e no Diário do Comércio nos dias 19, 20, e 23 de abril de 2013.3) Edital de Convocação para consulta das demonstrações financeiras no Diário Oficial do Estado de São Paulo nos dias 25, 26, 27 de abril de 2013 e no Diário do Comércio nos dias 25, 26, 27, 28, 29 de abril de 2013. III - Presença: Compareceram à assembléia os acionistas representando mais de 99% do capital votante, conforme assinaturas constantes do Livro de Presença de Acionistas. IV - Mesa: Presidente: Otmar Hübscher, Secretária: Ana Cláudia Consani de Moraes. V - Deliberações Tomadas (todas por unanimidade): em Assembléia Geral Ordinária: (a) foram aprovados, com as abstenções legais, o Relatório da Administração, o Balanço Patrimonial e demais Demonstrações Financeiras, referentes ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2012; (b) aprovar a extinção do conselho consultivo; (c) decisão de não distribuir dividendos mínimos obrigatórios, em função do plano de expansão aprovado, denominado Projeto Phoenix;(d) Foram mantidos os demais membros da Diretoria, a saber:Diretor Presidente, Sr.Otmar Hübscher, suíço, casado, administrador de empresas, portador da CI RNE V716350-A classificação permanente, Sr. Eduardo Costa de Almeida, brasileiro, casado, contador, portador da CI RG nº 5.466.249 SSP/MG, inscrito no CPF/MF sob o nº 786.010.026-68; Sra. Michaela Braun Rueda, brasileira, casada, administradora de empresa, portadora da CI RG nº 2.930.270 SSP/PB, inscrita no CPF/MF sob o nº 170.124.188-93, Sr. André Roberto Leitão, brasileiro, casado, engenheiro químico, portador do RG nº 19.840.575 SSP/SP, inscrito no CPF/MF sob o nº 134.829.378-00, todos residentes e domiciliados na Capital do Estado de São Paulo, na RuaVerbo Divino, nº 1.488 - 5º andar - Bloco “D”, Chácara Santo Antônio, CEP 04719-904, com mandato de 02 (dois) anos e; (e) é estipulada a verba honorária global anual para os membros da Diretoria em até R$ 3.000.000,00 (três milhões de reais); (f) os Diretores declaram que não estão incursos em nenhuma penalidade legal que os impeçam de exercer atividades mercantis; (g) Finalmente, foi aprovada a consolidação do Estatuto Social, que passa a ter a seguinte redação: “Estatuto Social - Capítulo I - Da Denominação, Sede, Objeto e Duração - Art. 1: A Holcim (Brasil) S.A. é uma sociedade anônima de capital autorizado, regendo-se pelo presente estatuto e pela legislação em vigor. Foi constituída por escritura pública lavrada pelo 13º Cartório de Notas da Capital do Estado de São Paulo, em 01.02.1951, Livro 314, Fls. 34vº, arquivada na Junta Comercial do Estado de São Paulo sob o nº 54.613, em sessão de 30.07.51.Em 06.01.81, foi recadastrada sob o NIRE 35300044924, autorizada a funcionar como empresa de mineração pelo Alvará de Transformação nº 9766 de 16.08.96, publicado no Diário Oficial do Estado de São Paulo em 22.08.96.Art.2: A Companhia tem sede na Capital do Estado de São Paulo, na RuaVerbo Divino, nº 1.488 - 5º andar, Bloco “D”, Bairro Chácara Santo Antônio, CEP 04719-904, podendo abrir e/ou extinguir filiais, escritórios, depósitos ou estabelecimentos em qualquer ponto do território nacional, mediante deliberação da Diretoria. Art. 3: A Companhia tem por objeto: (a) a exploração de minas e jazidas em geral; (b) a indústria e o comércio de cimento, argamassa, pó calcário, para fins agrícolas ou industriais, e produtos complementares para a construção civil, in natura, bem como o beneficiamento de escória; (c) a importação e exportação de produtos e ou serviços ligados ao seu objeto; (d) a prestação de serviços de concretagem e bombeamento de concreto e serviços de engenharia e correlatos; (e) a prestação de serviços de transporte de mercadorias, próprias ou de terceiros;(f) a exploração de pedreiras para a produção de agregado para concreto e para qualquer outra finalidade do emprego da pedra e o exercício de atividades decorrentes da exploração de pedreiras;(g) o manuseio e co-processamento de combustíveis alternativos e resíduos industriais, incluindo a coleta e/ou a destinação final de resíduos que não possam ser co-processados, e prestação de serviços de análises laboratoriais para este fim; (h) prestação de serviços de informática a empresas coligadas da Companhia que estão sediadas no exterior; (i) compra e venda de equipamentos destinados à construção civil; (j) o licenciamento de uso de marcas de sua propriedade; (k) a participação em outras sociedades, como sócia, acionista ou quotista. Art. 4: O prazo de duração da Companhia é indeterminado.Capítulo II - Do Capital e das Ações - Art.5:O capital social é de R$ 456.637.043,81 (quatrocentos e cinquenta e seis milhões, seiscentos e trinta e sete mil, quarenta e três reais e oitenta e um centavos), representado por 5.978.405 (cinco milhões, novecentos e setenta e oito mil, quatrocentas e cinco) ações ordinárias nominativas, sem valor nominal. Art. 6: Os certificados de ações, os títulos múltiplos ou as cautelas provisórias deverão ser assinados por dois Diretores. Art. 7: É facultado à sociedade suspender os serviços de transferência, desdobramento, grupamento de ações e certificados, para atender às determinações da assembléia geral, observados os requisitos legais. Capítulo III - Da Assembléia Geral - Art. 8: Os acionistas reunir-se-ão ordinariamente em assembléia geral nos quatro primeiros meses do exercício social e, extraordinariamente, sempre que os interesses sociais o exigirem. Art. 9: As assembléias gerais serão convocadas pelo Diretor Presidente da Companhia, instalar-se-ão de conformidade com os quoruns legais, se outro quorum não estiver previsto neste Estatuto, e serão presididas pelo Diretor Presidente da Companhia.Capítulo IV - Da Diretoria - Art.10: A sociedade será administrada por uma Diretoria composta de no mínimo 2 (dois) e no máximo 5 (cinco) membros, sendo um Diretor Presidente e os demais Diretores sem designação especial, acionistas ou não, residentes no País. Art. 11: O mandato da Diretoria é de dois anos, permitida a reeleição, devendo os diretores continuar em seus cargos até a posse dos sucessores. Art. 12: A Diretoria terá os poderes gerais de administração dos negócios sociais e será competente para a prática dos atos necessários ao regular funcionamento da empresa, representando-a em juízo, ou fora dele, observadas as seguintes normas: a) a Companhia só se obrigará validamente mediante a assinatura de dois Diretores; b) poderão ser constituídos procuradores, em nome da Companhia, especificando-se nos respectivos instrumentos os atos ou operações que poderão praticar e a duração do mandato que, no caso de mandato judicial, deverá ser por prazo indeterminado; c) a Diretoria poderá praticar, em geral, todos os atos necessários à administração social, que não sejam privativos da Assembléia Geral. Art. 13: O Diretor Presidente será substituído em suas ausências por qualquer outro Diretor. Art. 14: Além dos que forem necessários à realização dos fins sociais, a Diretoria é ainda investida de poderes para: a) superintender e dirigir todos os negócios sociais; b) adquirir, alienar, permutar ou onerar bens móveis e imóveis; c) prestar fianças, mesmo solidárias, em contratos de locação em que figurem como locatários empregados da Companhia ou prestar fianças, avais e cauções em operações nas quais exista interesse da Companhia ou de sociedade com a qual mantenha vinculação acionária, sem necessidade de deliberação expressa em reunião de Diretoria; d) outorgar procurações com poderes para agir em regime de dupla assinatura ou isoladamente, a critério da Diretoria, sem necessidade de deliberação expressa, bastando a indicação no mandato dos poderes e do regime de assinatura, quando houver mais de um procurador, respeitado sempre este Estatuto Social; e e) abrir e/ou extinguir filiais, escritórios, depósitos ou estabelecimentos em qualquer ponto do território nacional. Art. 15: Os membros da Diretoria ficam dispensados de caução. CapítuloV - Do Conselho Fiscal - Art. 16: O Conselho Fiscal, composto de três membros, não terá funcionamento permanente, mas apenas nos exercícios sociais em que for instalado a pedido de acionistas, ocasião em que serão eleitos os seus membros e fixada a respectiva remuneração. Art. 17: O Conselho Fiscal, quando em funcionamento, terá as atribuições legais, além do dever de emitir sua opinião sobre os negócios sociais sempre que a Diretoria o solicitar. CapítuloVI - Do Exercício Social e da Distribuição de Resultados - Art. 18: O exercício social coincidirá com o ano civil, encerrando-se em 31 de dezembro de cada ano, levantando-se, em seguida, balanço patrimonial a fim de se apurar os resultados, respeitadas as formalidades legais. § 1º: Poderão ser levantados balanços intercalares, declarando-se, por deliberação da Diretoria, dividendos à conta dos lucros apurados nesses balanços. § 2º: A Diretoria poderá declarar dividendos intermediários, à conta de lucros acumulados ou de reservas de lucros existentes no último balanço anual ou semestral. § 3º: A Diretoria também poderá declarar o pagamento de Juros sobre o Capital Próprio com base no balanço anual ou em balanços levantados em períodos intercalares. Art. 19: Alterações estatutárias ou a dissolução da Companhia só poderão ser aprovadas quando a favor delas votarem acionistas representando 2/3 (dois terços), no mínimo, do capital social com direito a voto, obedecidas, quanto ao mais, as determinações da lei. Art. 20: Dos lucros líquidos apurados, após as deduções legais, serão destinados:a) 5% (cinco por cento) para a constituição da reserva legal até o limite de 20% do capital integralizado; b) 25% (vinte e cinco por cento) para a distribuição do dividendo mínimo obrigatório aos acionistas, ressalvado o disposto nos §§ 4º e 5º do artigo 202 da Lei 6.404/76. Art. 21: O saldo dos lucros permanecerá à disposição da assembléia geral, que decidirá sobre sua destinação, podendo ser, total ou parcialmente, distribuído como dividendo suplementar aos acionistas ou atribuído à reserva especial. Capítulo VII - Das Disposições Finais - Art. 22: A transformação da Companhia em outro tipo de sociedade só poderá ser deliberada por acionistas representando dois terços do capital social com direito de voto. VIII - Encerramento: Nada mais havendo a tratar, foi encerrada a assembléia, lavrando-se esta ata que, lida e achada conforme, vai pelos presentes assinada. Acionistas presentes: a.a.) Holcim Investments (Spain) SL, representada por Carlos Eduardo Garrocho de Almeida.Esta é cópia autêntica da ata transcrita no livro.Autorizada a sua publicação e registro. São Paulo, 30 de abril de 2013. Ana Cláudia Consani de Moraes - Secretária. JUCESP nº 261.853/13-2 em 12/07/2013. Gisela Simiema Ceschin - Secretária Geral.

PREFEITURA DA ESTÂNCIA BALNEÁRIA DE MONGAGUÁ/SP AVISO DE EDITAL Acha-se aberto na Prefeitura da Estância Balneária de Mongaguá o Edital do Pregão Presencial nº. 029/ 2013 Alterado, Processo n.º 085/2013, cujo objeto é o REGISTRO DE PREÇOS para Contratação de empresa para o fornecimento parcelado de Lajota Sextavada, Guias Pré-fabricadas, e Tampas de Boca de Lobo, pelo período de 12 (doze) meses, conforme descrição e quantidades constantes do Anexo I – Termo de Referência do edital. O Início da sessão de lances dar-se-á às 09h30min do dia 07/08/2013. O edital encontra-se à disposição dos interessados, no endereço eletrônico www.mongaguá.sp.gov.br, através do aplicativo “Licitações” Pregão Presencial. Para qualquer esclarecimento, entrar em contato: telefone (13) 3445-3067, telefax (13) 3445-3082, e-mail: licitacao@mongagua.sp.gov.br – Autoridade Competente.

PREFEITURA DA ESTÂNCIA BALNEÁRIA DE MONGAGUÁ/SP AVISO DE EDITAL Acha-se aberto na Prefeitura da Estância Balneária de Mongaguá o Edital do Pregão Presencial nº. 025/ 2013 Alterado, Processo n.º 091/2013, cujo objeto é Contratação de empresa para prestação de serviços de transporte de estudantes universitários residentes no Município de Mongaguá, em ônibus convencional rodoviário, durante um período de 12 (doze) meses, conforme descrição e quantidades constantes do Anexo I - Termo de Referência do edital. O Início da sessão de lances dar-se-á às 09h30min do dia 06/08/2013. O edital encontra-se à disposição dos interessados, no endereço eletrônico www.mongaguá.sp.gov.br, através do aplicativo “Licitações” Pregão Presencial. Para qualquer esclarecimento, entrar em contato: telefone (13) 3445-3067, telefax (13) 3445-3082, e-mail: licitacao@mongagua.sp.gov.br – Autoridade Competente.

PREFEITURA DA ESTÂNCIA BALNEÁRIA DE MONGAGUÁ/SP AVISO DE EDITAL Acha-se aberto na Prefeitura da Estância Balneária de Mongaguá o Edital do Pregão Presencial nº. 021/ 2013 Alterado, Processo n.º 060/2013, cujo objeto é aquisição de 02 veículos tipo ambulância, e 01 veículo tipo van, para atender ao TFD, e 01 veículo tipo van, para atender a Diretoria da Assistência Social, prazo de entrega deverá ser efetuada no prazo máximo de até 60 dias, conforme descrição e quantidades constantes do Anexo I – Termo de Referência. O Início da sessão de lances dar-se-á às 14h30min do dia 06/08/2013. O edital encontra-se à disposição dos interessados, no endereço eletrônico www.mongaguá.sp.gov.br, através do aplicativo “Licitações” Pregão Presencial. Para qualquer esclarecimento, entrar em contato: telefone (13) 3445-3067, telefax (13) 3445-3082, e-mail: licitacao@mongagua.sp.gov.br – Autoridade Competente.

PREFEITURA DA ESTÂNCIA BALNEÁRIA DE MONGAGUÁ/SP COMUNICADO A Prefeitura da Estância Balneária de Mongaguá torna público e para o conhecimento dos interessados que encontra-se SUSPENSA A ABERTURA MARCADA PARA O DIA 01/08/2013 às 14h30min, Pregão Presencial n.º. 027/2013 – Processo n.º 082/2013 - Objeto: Registro de Preços para Contratação de empresa para locação de 03 (três) máquinas capinadeiras hidráulicas, com cerdas rotativas de aço e rotação mínima de 500RPM e carenagem de proteção para absorção dos impactos dos resíduos, que serão utilizadas nos serviços de manutenção das vias públicas no município de Mongaguá/SP, pelo período de 12 (doze) meses, conforme descrição e quantidades constantes dos Anexos I - Termo de Referência do edital, para complementar as especificações no edital, nova data para a retirada do edital retificado será divulgada no D.O.E., e Jornal de Grande Circulação.

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS PARA AQUISIÇÃO DE ÔNIBUS ESCOLARES, DESTINADOS AO ATENDIMENTO DE ESCOLAS ESTADUAIS E MUNICIPAIS DA REDE ESTADUAL DE ENSINO – PROGRAMA DE TRANSPORTE ESCOLAR. EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO n° 015/DA/2013. PROCESSO n° 4466/ 0000/2013. OFERTA DE COMPRA N°: 080102000012013OC00034. ENDEREÇO ELETRÔNICO: www.bec.sp.gov.br ou www.bec.fazenda.sp.gov.br. DATA DO INÍCIO DO PRAZO PARA ENVIO DA PROPOSTA ELETRÔNICA: 25/07/2013. DATA E HORA DA ABERTURA DA SESSÃO PÚBLICA: 07/08/2013 – 10:00 HORAS

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA E SERVIÇOS ESCOLARES

FALÊNCIA, RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL E RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Conforme informação da Distribuição Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, foram ajuizados no dia 24 de julho de 2013, na Comarca da Capital, os seguintes pedidos de falência, recuperação extrajudicial e recuperação judicial: Requerente: Vetortec Brasil Termoplásticos, Importação e Exportação Ltda. Requerido: São Paulo Embalagens Flexíveis Ltda. Rua Suzana, 517 – Vila Independência - 1ª Vara de Falências.

Glock do Brasil S.A. CNPJ/MF nº 06.275.981/0001-66 – NIRE 35.300.321.022 AGOE - Edital de Convocação Ficam convocados os Acionistas da Cia. a se reunirem em AGOE, em 08/08/2013, 10hs, na sede social, p/ deliberarem acerca da seguinte ordem do dia: (i) alteração do art. 2º do Estatuto Social (mudança do endereço da sede social da Cia.); (ii) aprovação das contas relativas ao exercício social findo em 2012; e (iii) alteração de endereço de depósito fechado, objeto da Assembleia de Sócios de 31/05/2012. (IV)outros assuntos. SP, 22/07/13. Cons. de Adm. - Luiz Antonio Martins de Freitas Horta. (23, 24 e 25/07/2013)

www.dcomercio.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

20

quinta-feira, 25 de julho de 2013

e Luzes chinesas no comércio da Consolação conomia

A rua famosa pelo varejo especializado em iluminação ganhou lojinhas de orientais. Agora, resta saber qual o impacto dessa concorrência nos negócios. Karina Lignelli

Fotos Paulo Pampolin/Hype

A

rua paulistana especializada em iluminação voltou aos holofotes da mídia: trocadilhos à parte, o anúncio do fechamento da pioneira loja Lustres Bobadilha, localizada na rua da Consolação, além de decretar, para alguns, o "fim de uma era", sinaliza mudanças no perfil local e nas estratégias de lojistas da região (são mais de 40) que, sem terem nenhuma associação representativa local, apostam no "cada um por si" para fazer frente a um consumidor mais exigente e à concorrência (sempre ela) chinesa. Entre estabelecimentos antigos e novos, restauradores de lustres e até uma megastore especializada em iluminação decorativa (a Lustres Yamamura), pequenas lojinhas chefiadas pelos chineses se misturam ao tradicional comércio local oferecendo lâmpadas, luminárias, plafons e materiais elétricos correlatos – e todos "originais de fábrica", garantem, entre os muitos anúncios de descontos e promoções espalhadas em suas vitrines. Qualidade – Mas, apesar de um certo incômodo, os lojistas não se intimidam. Cientes de que a rua ainda é "sinônimo de iluminação" – e por isso atrai consumidores de todo o País –, os comerciantes locais apostam que qualidade, durabilidade em artigos como lustres e luminárias confeccionados em cristal egípcio ou interruptores "de grife" italianos, peças e móveis decorativos e até a inovação em seu foco de negócio, são o seu diferencial. Exemplo disso é o jovem empresário Ricardo Miguel, proprietário da Estiluz há doze anos. Além dos itens especializados, Miguel levou, há um ano, seu interesse por personagens de história em quadrinhos e por design para a loja. Réplicas perfeitas e detalhadas de personagens como

Batman e Capitão América, ou do vocalista do Queen, Freddie Mercury, dividem espaço não só com os artigos de iluminação sofisticados e modernos, mas também com peças de mobiliário de ar retrô. Além de tentar variar não só

para aproveitar a parte baixa da loja, mas para se diferenciar e sair da mesmice, "já que houve uma mudança significativa de produtos e clientes na região", Miguel admite que os produtos chineses também empurraram a mudança. "É claro que o preço mais em conta deles dificulta nossa venda, e os leigos não se importam com qualidade", explica ele, que diz que a Estiluz passou a vender produtos com margem menor para se enquadrar no mercado. "Por outro lado, ganhamos pelo atendimento e por parcerias com arquitetos", ressalta. Outra veterana da Consola-

Pedestre passa diante de loja da rua Consolação (foto no alto) e o empresário Ricardo Miguel (acima), que começou a vender personagens de HQ. ção, a Casa Roberto – especialista em materiais elétricos e iluminação que completa 48 anos em agosto – atende principalmente um público de classe média alta e tem tentado se modernizar para aten-

der a um público que está sempre atrás de novidades. "(O público) sabe que aqui ele acha, por isso procuramos inovar sempre dentro do nosso foco de negócio", diz Roberto K.F. Carvalho, o atual proprietário

da loja fundada pelo seu pai. Segundo ele, apesar da concorrência dos home centers, que têm padrão de vendas "de massa", mas demoram até três meses para colocar novos produtos, o pós-vendas e o atendimento diferenciado "como regra de longa data" ajudam a manter as expectativas de crescimento de mais de 10% da Casa Roberto para este ano – independentemente de retração do varejo ou da Consolação, rota das manifestações que, sim afetaram as vendas, lembra Carvalho. "A China também está aí, mas vendemos produtos de grife com uma qualidade que o chinês não consegue copiar. Nisso a gente se destaca", diz. Pr eç o – Sidney Jr., gerente comercial do Shopping dos Lustres, também fundado por seu pai há mais de 30 anos, conta que hoje clientes de todas as classes procuram a rua especializada por terem mais conhecimento – e, por isso, estão mais exigentes. "A Consolação é conhecida no Brasil inteiro, tem um nome que chama clientes q u e p r o c uram por preço e qualidade", afirma ele, dizendo que contar com p r o f i s si o n a i s de vendas espe ci al iz ad os que fazem projetos de decoração e trabalhar com importadoras são "v an tag en s" para o cliente. Mas Jr. não deixa de apontar as v á r i a s l o j in h a s c h i n esas que se misturam cada vez mais aos comércios antigos desse trecho da Consolação. "Há muitos chineses querendo entrar. Eles podem ser uma ameaça, mas não têm conhecimento do nosso mercado. A qualidade e durabilidade não são as mesmas. Mas quem escolhe – e sabe disso – é o cliente", diz o empresário Sidney Jr.

O adeus da Lustres Bobadilha

M

inha loja não combina mais com a rua. A frase, que pode soar um tanto fatalista, é da empresária Sílvia Bobadilha, que até setembro pretende entregar o imóvel da loja de lustres que leva o sobrenome da família ao seu novo dono – o vizinho Banco Bradesco, de quem o fundador, Íbero Bobadilha, pai de Sílvia, concidentemente comprou nos anos 1950. Enquanto os lojistas do trecho da Consolação especializado em iluminação se reinventam para acompanhar o atual mercado consumidor, a Lustres Bobadilha, a mais antiga loja da região, com 62 anos de atividades, se viu deslocada nesse meio. "A Consolação virou uma rua de passagem, com corredor de ônibus, metrô, muitos carros. Como meu cliente para aqui se não temos estacionamento próprio?", questiona Silvia. Artistas – A loja, que além de venda e produção de lustres exclusivos, trabalha com aluguel e restauração, já vendeu até para artistas do porte de Roberto Carlos e Hebe Camargo, passando por Mazzaropi, Derci Gonçalves e Marília Pera nos tempos áureos do vizinho teatro Record, nos anos

Empresária Sílvia Bobadilha: "minha loja não combina mais com essa rua. Para onde a gente for, o Brasil vai nos procurar."

1960 e 1970. Também criou ou alugou lustres para espetáculos teatrais e para o Jockey Club. "Sempre trabalhamos com materiais diferenciados, pedras brasileiras. Mas hoje temos os chineses como vizinhos, com seus produtos mais baratos e de pouca

qualidade", aponta ela, que faz questão de dizer que "nem dá para considerá-los concorrentes". "Meu público é outro, vem do Nordeste, de Manaus, do interior de São Paulo. São pessoas de classe A e B que buscam produtos mais sofisticados", afirma. Para finalizar o estoque até o prazo combinado com o banco, Sílvia liquida todos os itens com 70% de desconto. A empresária conta também que tem planos de abrir loja em outra região de São Paulo, para manter a marca Bobadilha em pé. "Pode ser no Morumbi ou no Bexiga: para onde a gente for, o Brasil vai nos procurar", acredita.


Diário do Comércio - 25/07/2013