Issuu on Google+

Ano 86 - Nº 23.400

FMI e UE abençoam plano grego Página 13

Conclusão: 23H35

Jornal do empreendedor

www.dcomercio.com.br

Brazil só para advogados brasileiros?

R$ 1,40

Página 10

São Paulo, quinta-feira e sexta-feira, 23 e 24 de junho de 2011

Brasil faz carreira na ONU Não é o lugar que o Brasil sonhava conquistar na ONU – o terceiro na rota da cocaína para a Europa, atrás da Venezuela e do Equador. A classificação foi divulgada ontem no Relatório Mundial de Drogas 2011. A rota brasileira foi responsável por 1,5 tonelada. Página 9

Um estudo sobre drogas no Brasil e no mundo na revista Digesto http://issuu.com/ diario_do_comercio/ docs/digesto_455

HACKERS BOMBARDEIAM GOVERNO "Chegou a hora de tomar uma atitude contra a manipulação de informação e o governo sem transparência." Essa mensagem precedeu ontem ataques a sites da Presidência, Senado, Ministério dos Esportes e centenas de prefeituras. Pág. 5

Divulgação

Divulgação

Divulgaão

Paulo Pampolin/Hype

Divir ta-se no feriadão O que não falta são boas opções para quem ficou na cidade aproveitar. Quer ver? Tem Catherine Deneuve em Potiche – Esposa Troféu nos cinemas; os pratos criativos do Santinho (no Instituto Tomie Ohtake); a estreia da série Falling Skies na tevê; nossa entrevista com o teatrólogo José Antôno de Souza; e, para os pequenos,... Divulgação

Divulgação

Divulgação

... a chegada de Carros 2, da Disney-Pixar, à telona. Agora, Relâmpago McQueen tem faróis.

d

cultura

HOJE Sol com algumas nuvens. Não chove. Máxima 27º C. Mínima 13º C.

AMANHÃ Sol com algumas nuvens. Não chove. Máxima 27º C. Mínima 12º C.

ISSN 1679-2688

23400

Foz do Iguaçu: beleza de encher os olhos Boa Viagem, página 18

9 771679 268008

BMW com o "M" que faz a diferença. Página 17


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

quinta-feira e sexta-feira, 23 e 24 de junho de 2011

O problema fica mais grave quando os produtos não rotulados provêm de países em desenvolvimento. Roberto Fendt

pinião

EYMAR MASCARO

É A HORA DE DAR O BOTE

O

A solução e seus problemas

A

lógica da vida mostra que buscamos soluções sempre que nos deparamos com um problema. Nem sempre somos bem sucedidos, o que não nos impede de continuar a buscar um bom termo para a questão. A preservação do meio ambiente tornou-se um dos problemas mais espinhosos de nosso tempo. Excetuando-se um número relativamente pequeno de países, quase todos situados no hemisfério norte do planeta, o mundo convive com a pobreza e todos os males que dela decorrem: a fome, as doenças, a morte prematura. O desenvolvimento é a solução para o problema da pobreza. O carro chefe do desenvolvimento é o crescimento econômico. Mas como tudo na vida, acelerar o crescimento não é um fator isento de custos. O maior deles, como atesta de maneira dramática a experiência chinesa, é a agressão feita ao meio ambiente. Depois de três décadas crescendo a taxas superiores a 10% ao ano, os custos ambientais começam a ser facilmente identificados. A China tornou-se o maior emissor dos gases que se supõe provocam o chamado "efeito estufa". E a situação só tende a piorar, já que, per capita, a emissão chinesa ainda corresponde a 20% das emissões per capita norte-americanas. Há muita estrada a percorrer, à medida que a renda dos chineses aumenta com o desenvolvimento. Urbanização e industrialização rápidas cobram seu preço. Uma forma de amenizar os problemas ambientais consiste em engajar os consumidores no esforço de reduzir os danos ambientais. Em 1999 publiquei um livrinho (Meio Ambiente e Rotulagem Ambienta., Rio de Janeiro: Instituto Liberal) que analisava os sistemas

ROBERTO FENDT de rotulagem ambiental praticados em vários países europeus. Institutos de pesquisa desses países analisam emissões e outras fontes de danos ambientais causados nos processos de produção e comercialização dos diversos produtos vendidos em seus mercados. Quando a análise mostra um dano considerado baixo, afixa-se um selo de conformidade às normas ambientais do país na embalagem do produto.

C

omo informa a norma ISO 14020, a rotulagem ambiental é um conjunto de instrumentos informativos que procura estimular a procura de produtos e serviços com baixos impactos ambientais através da disponibilização de informação relevante sobre os seus desempenhos ambientais. Há uma grande variedade desses rótulos ecológicos. Alguns são baseados na avaliação do ciclo de vida (ACV) do produto, como é o

caso do rótulo ecológico da União Europeia. Outros abordam apenas um determinado impacto ambiental, como o rótulo Energy Star, que avalia a eficiência energética dos produtos.

O

problema com as boas intenções é que muitas vezes a emenda é pior que o soneto. O objetivo dos rótulos ambientais é informar os consumidores a respeito da conformidade dos produtos aos padrões ambientais nacionais. Com isso, pretende-se induzi-los a preferir produtos rotulados como amigáveis ao meio ambiente relativamente aos não rotulados. Os consumidores veem (ou não) apenas um selo na embalagem dos produtos. Não sabem que critérios levaram à concessão do rótulo. Sabem ainda menos que os selos ambientais podem se tornar um poderoso inimigo da concorrência estrangeira no mercado interno dos países rotuladores,

Após três décadas crescendo a taxas acima de 10% ao ano, os custos ambientais ficam mais fáceis de identificar. A China é o maior emissor dos gases que causam o "efeito estufa".

sempre que os processos produtivos no estrangeiro não se adequarem aos padrões nacionais. O problema torna-se mais grave quando os produtos não rotulados provêm de países em desenvolvimento. É muito caro combater essa forma sutil de protecionismo, especialmente porque esses países não têm acesso aos processos de concessão dos selos. Desde 2007, como documentou a edição de 4 de junho último do conceituado The Economist britânico, pode estar sendo criando um novo instrumento protecionista. Trata-se de um novo selo chamado "pegadas de carbono ambientais" (Carbon-footprint labels). A ideia, novamente, é nobre: informar, por meio de um selo afixado à embalagem do produto, a quantidade de dióxido de carbono emitida na fabricação (algumas vezes também no uso) dos produtos.

P

or enquanto esses novos rótulos ambientais existem para um número limitado de produtos vendidos em alguns mercados europeus. Mas já se estima que no próximo ano serão emitidas normas europeias para harmonizar os critérios nacionais desses rótulos. Provavelmente os mais prejudicados com esses novos rótulos ambientais serão os produtos chineses, já que seus processos produtivos são os que causam maior volume de emissões. Mas poderão também prejudicar as exportações de um grande número de países, o nosso aí incluído. Mais um motivo de preocupação, como se já não as tivéssemos em quantidade mais do que suficiente com a inflação, o balanço de pagamentos e uma política cada vez mais apequenada. ROBERTO FENDT É ECONOMISTA

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Cláudio Vaz Edy Luiz Kogut Érico Sodré Quirino Ferreira Francisco Mesquita Neto João de Almeida Sampaio Filho João de Favari Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Paulo Roberto Pisauro Renato Abucham Roberto Faldini Roberto Mateus Ordine

prefeito Gilberto Kassab precisa apressar o registro de seu partido (PSD) na Justiça Eleitoral, até outubro, se quiser disputar as eleições municipais do ano que vem com candidatos próprios. A legislação obriga: os partidos só podem concorrer nas eleições se tiverem registrados no TSE até um ano antes do pleito. A informação é que o prefeito pretende encaminhar a documentação à Justiça Eleitoral em agosto. Apesar do noticiário de que o PSD pode se coligar com o PT em 2012, o desejo de Kassab é disputar a Prefeitura de São Paulo com candidato próprio. O seu candidato já teria sido escolhido: o vice-governador Guilherme Afif Domingos. O prefeito considera importante que o seu partido continue controlando a Prefeitura da Capital, que ajudaria sua campanha de governador em 2014: dos 30 milhões de eleitores no Estado, 10 milhões estão concentrados na Capital. Kassab garante que vencerá as investidas do PSDB e DEM, que desejam contestar na justiça a criação do PSD. Tucanos e democratas estão assustados com o advento do novo partido, que está encorpado e pode estrear na Câmara com 40 ou 45 deputados. O PSDB, e principalmente o DEM, não se conformam de estar perdendo quadros importantes para o PSD. Só na Câmara Municipal de São Paulo, por exemplo, o PSDB perdeu 5 vereadores para o novo partido do prefeito. Os partidos mais representativos começam a analisar as possibilidades eleitorais de quem pretende ser candidato a prefeito paulistano.

o PT, os nomes que estão em evidência ainda são o do ministro Aloizio Mercadante e o da senadora Marta Suplicy, embora o candidato do peito de Lula seja o ministro Fernando Haddad. Mas Lula tem encontrado resistência interna porque Haddad nunca disputou uma eleição. A eleição de prefeito em São Paulo está mexendo com a cúpula do PT. O partido luta para interromper os sucessivos governos no Estado do PSDB: quando Geraldo Alckmin estiver completando seu governo, em dezembro de 2014, os tucanos vão comemorar 20 anos de Poder em São Paulo. Por isso, já se cogita no PT de lançar Lula candidato a governador, caso Dilma Rousseff seja candidata à reeleição. Nos encontros que sustenta com outros tucanos,

N

Partidos mais representativos já começam a analisar as chances de quem quer disputar a prefeitura paulistana.

Alckmin também revela preocupação com a sucessão de Kassab: como é candidato à reeleição, Alckmin quer que o PSDB volte a conquistar a Prefeitura – daí, sua insistência em defender a candidatura de José Serra. O problema é que Serra recusa a candidatura de prefeito, pois o que ele deseja é tentar ser candidato pela terceira vez ao Palácio do Planalto. Além de Serra, o PSDB dispõe de outros nomes, como os secretários Bruno Covas, José Aníbal e Andrea Matarazzo. Embora o PT queira que os partidos aliados de Dilma Rousseff apoiem seu candidato em São Paulo, o PMDB já decidiu que terá candidato próprio, que deve ser o deputado Gabriel Chalita.

as outro recém-filiado ao PMDB, Paulo Skaf (presidente da FIESP) ainda admite que pode concorrer à Prefeitura. O grupo de Chalita, no entanto, diz que Skaf será candidato a governador. Detalhe: quem banca a candidatura de Chalita é o vice-presidente Michel Temer. O nanico PC do B anda consultando pesquisas para aferir se o vereador Netinho de Paula teria chance de concorrer e m igualdade de condições com outros candidatos, enquanto o PP deve rifar a pretensão de Celso Russomano, depois que Paulo Maluf fez acordo para que seu partido participasse do governo Alckmin, com a condição de apoiar o candidato tucano. A surpresa de momento vem do enfraquecido DEM, que fala em lançar a candidatura a prefeito do publicitário e apresentador de televisão Roberto Justus.

M

EYMAR MASCARO É JORNALISTA E COMENTARISTA POLÍTICO MASCARO@BIGHOST.COM.BR

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, João de Scantimburgo, Marcel Solimeo Diretor-Responsável João de Scantimburgo (jscantimburgo@acsp.com.br) Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Editor-Chefe: José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br) Chefia de Reportagem: Teresinha Leite Matos (tmatos@acsp.com.br) Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br) Editores Seniores: Bob Jungmann (bob@dcomercio.com.br), Carlos de Oliveira (coliveira@dcomercio.com.br), chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), Estela Cangerana (ecangerana@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Luiz Antonio Maciel (maciel@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br) Editor de Fotografia: Alex Ribeiro (aribeiro@dcomercio.com.br) Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Ricardo Ribas (rribas@dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br) Subeditores: Fernanda Pressinott, Kleber Gutierrez, Marcus Lopes e Rejane Aguiar Redatores: Adriana David, Eliana Haberli, Evelyn Schulke, e Sérgio Siscaro Repórteres: Anderson Cavalcante (acavalcante@dcomercio.com.br), André de Almeida, Fátima Lourenço, Geriane Oliveira, Ivan Ventura, Kelly Ferreira, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mário Tonocchi, Neide Martingo, Paula Cunha, Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves, Sandra Manfredini, Sergio Leopoldo Rodrigues, Sílvia Pimentel, Vera Gomes e Wladimir Miranda. Gerente PL Arthur Gebara Jr. (agebara@acsp.com.br) Gerente Executiva Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estado, Globo e Reuters Impressão Diário S. Paulo Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3244-3175. Fax 3244-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3244-3197, 3244-3983, Fax 3244-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3244-3544, 3244-3046 , Fax 3244-3355

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3244-3737 REDAÇÃO (011) 3244-3449 FAX (011) 3244-3046, (011) 3244-3123 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 23 e 24 de junho de 2011

o

pinião

3

H Á S E T O R E S D O P T Q U E U T I L I Z A M Q U A I S Q U E R M E I O S PA R A A C O N Q U I S TA D O P O D E R .

HEGEMONIA PETISTA "Aloprados" é um nome carinhoso para denominar pessoas que cometeram atos criminosos. "Aloprados" é o nome da impunidade, uma espécie de absolvição política.

O

mais surpreendente da matéria da última revista Veja, relativa ao caso dos ditos "aloprados", não reside apenas na falta de ética demonstrada pelo dito setor de inteligência do PT, mas no fato de que um dos seus executores tenha assumido o que disse, mesmo que o tenha feito sob a forma de um "desabafo" a "companheiros" do partido. O fato moral expõe, mais uma vez, que há setores do PT que utilizam quaisquer meios para a conquista do poder, embora isso passe pelo desrespeito total a princípios morais e, inclusive, a compan h e i ro s d o p a r t i d o q u e s ã o , igualmente, atingidos. Adversários são atacados impiedosamente, graças a "fatos" criados aleatoriamente, segundo as circunstâncias e as conveniências, mesmo se, para isso, a mentira tome completamente o lugar da verdade. No Mato Grosso, por exemplo, a candidatura do então senador Antero Paes de Barro foi inviabilizada via um "fato" midiático desse tipo. Um político tucano altamente representativo de seu estado teve a carreira abortada graças a um truque político em que os "denunciantes" se arvoraram em defensores da moralidade pública, no caso da máfia dos "sanguessugas". Empresários inescrupulosos, vendidos à "inteligência" partidária, se prestaram a uma operação "política" consistente em desacreditar um candidato oposicionista, que, assim, perdeu a reeleição. A perversidade foi total: pessoas sem nenhuma moral se colocaram como representantes da moralidade pública! A perversidade não parou por aí. Foi atingida também uma "companheira", a senadora Serys Silhessrenko, objeto de uma dis-

puta política regional. Nem o partido foi poupado de seus quadros mais inescrupulosos. Os perdedores é que tiveram, então, de ficar explicando que não tinham nada a ver com essa máfia. Além de perder, tiveram sua imagem marcada pela imoralidade. Não convém aqui esquecer que a ex-senadora está sendo objeto, atualmente, de um processo interno de advertência ou mesmo de expulsão do partido, devido a essas desavenças estaduais. Tudo indica que os dois casos, o anterior e o atual, tenham conexão.

S

e o esquema já tinha funcionado no Mato Grosso, não teria por que não dar resultado na disputa com o então governador paulista José Serra. No entanto, a trapalhada foi total, com o setor de inteligência mostrando sua ausência completa de inteligência, apesar de ter mantido a mesma falta de escrúpulos e de ética. Agora, o ministro Aloísio Mercadante, inclusive, foi diretamente envolvido nessa operação, graças a esse "desabafo", confirmado como verdadeiro. A cadeia é aqui longa, e ela reside, mesmo, no nome cunhado pelo ex-presidente Lula para denominar os seus companheiros: "aloprados". "Aloprados" é um nome carinhoso para denominar pessoas que cometeram atos criminosos, em particular no que diz respeito à legislação eleitoral. Aloprados" é o nome da impunidade, uma espécie de absolvição política para qualquer ato por eles cometidos. Se criminosos não são punidos, o exemplo a ser seguido é o da repetição de atos francamente ilícitos. Ou seja, esses malfeitos podem ser novamente feitos, pois

DENIS LERRER ROSENFIELD nada acontecerá aos seus atores. Há, também, o fato político, devendo ser chamado mais propriamente de político-partidário. Expedito Veloso, um dos agentes da operação que comentou todos esses fatos com os seus "companheiros", não fez nenhuma declaração pública, salvo a da confirmação do que tinha dito em uma reunião reservada. Ou seja, ele, pessoalmente, não seria fonte dessa informação, tendo mantido a "regra de outro" do partido, a saber, a regra do silêncio. Observe-se que ele detém ainda hoje um cargo de confiança na administração do Distrito Federal. A confiança com confiança se paga. Ora, se ele não foi a origem di-

reta da informação, ela se encontra dentro do próprio PT. Setores petistas, descontentes com os métodos utilizados ou que tenham sido diretamente atingidos por essas manobras, decidiram se manifestar, vazando a notícia para a revista Veja. Note-se que não se trata de uma notícia que tenha a oposição como fonte, mas o próprio partido no poder – que, desta maneira, faz valer as suas disputas internas. Isso quer dizer que o PT, enquanto partido, se sente tão seguro no poder que não hesita, inclusive, em apresentar em praça pública as suas desavenças. Numa disputa eleitoral, o partido se une em defesa de seu objetivo comum, a saber, a

conquista e a preservação do poder. As oposições, por sua vez, expõem todos os seus conflitos e contradições contribuindo para a sua própria derrota. Perdem, também, para si mesmos. Uma vez o poder conquistado e conservado com uma margem muito boa de segurança, ele se dá ao luxo de expor suas lutas internas e suas contradições. Enquanto isto, as oposições continuam expondo os seus conflitos, não se apresentando como uma alternativa viável de poder.

A

ssim sendo, o PT mostra-se politicamente hegemônico, fazendo, mesmo, com que a disputa política em geral seja trazida para o seu seio e para suas alianças de p o d e r, e m p a r t i c u l a r c o m o PMDB. Opera-se, desta maneira, um deslocamento da disputa política que, de externa, com partidos oposicionistas, se torna interna, ao PT e aos partidos de sua aliança governamental.

A aliança governamental e o PT em particular estão, por assim dizer, aspirando as disputas partidárias para o seu próprio seio, deixando às oposições um papel totalmente secundário. O DEM foi fracionado pelo PSD, em muito tendo perdido a sua importância anterior, enquanto o PSDB continua refém de suas disputas internas, com dificuldades inclusive de compor a sua Executiva, tendo de se utilizar do subterfúgio de um suposto conselho político para apaziguar, momentaneamente, as suas desavenças.

N

esse meio tempo, o PT, hegemônico, pode mesmo expor os seus conflitos internos em praça pública. Nada disto teria sido politicamente possível se houvesse uma verdadeira oposição no País. A "oposição" tornou-se interna à aliança governamental. DENIS LERRER ROSENFIELD É PROFESSOR DE FILOSOFIA NA UFRS

MINHA FASHION WEEK E

xplico a week: minha coluna sai às sextas-feiras e quando tenho juízo mando-a às quartas; quando preciso atrasar, demoro até quinta e dou imperdoável canseira na editora desta página de Opinião. Nesta semana, estamos em pleno feriadão. Como se sabe, hoje é a "ponte" e a maioria das hordas de unos (os bárbaros e suas montarias de aço e plástico – algumas quase só de plástico, as da farofeira raça "uno" mesmo, você entendeu) – deve ainda estar no congestionamento da ida, para enfrentar amanhã, ao chegar, o começo do congestionamento da volta. Tenho uma casinha no litoral norte, mas não me atrevo a enfrentar essas batalhas campais por espaço vital na estrada e um cantinho na areia da praia. Fico. Procuro ir em outras horas. "Boa viagem faz quem em casa fica em paz". Precisei entregar a coluna na terça-feira, muito próxima da última, a de sexta-feira passada, e isso obrigou-me a perceber como às vezes nos apressamos com as aparências e somos por

elas enganados. "As aparências enganam", é uma outra coisa que a vox populi vox Dei fala . Essa "enrolation" toda é para explicar que com uma antecedência de uns dois ou três dias fiz companhia ao Aécim e também caí do cavalo, ao escrever a coluna da semana passada, dedicando-a à carta que o Poste mandou ao FHC, com rasgados e justos elogios à sua atuação como político e intelectual. Terminei com a uma linha, e cito: "Ok, finalmente concordo com o Poste". Citei a mim mesmo, o horror dos horrores em estilo. ora Kramer, importante colunista do Estadão, incumbiu-se de fraturar minhas pernas e quase todas as costelas ao derrubar-me do cavalo usando sua impecável memória e relembrando os insultos atirados pelo Poste ao FHC, no calor da disputa presidencial, quando enfrentou Serra e não FHC. Mesmo depois de eleita, continuou ofendendo FHC. Aquela carta não apagava aqueles insultos. Fiquei vermelho ao reler o que tinha escrito. Faço minhas as

D

NEIL christian pior

Ferreira palavras inventadas por Duda Mendonça, o que recebeu em dólares nos paraísos fiscais, mentirosamente atribuídas a FH: "Esqueçam o que escrevi". FHC nunca disse isso, mas eu digo agora: esqueçam, se leram, o que escrevi sobre o Poste e sua carta a FHC. sse episódio obrigou-me a ser mais cuidadoso ao escolher os temas que quero abordar e descobri o que todo mundo está José Serra (careca) de saber: o dernier cri , o último grito da nossa fashion nunca é o último, é sempre o penúltimo – "de hora em hora Deus piora", esta não sei de onde veio. O tecido da nossa fashion é a corrupção e o fio que o cose é o escândalo. E como temos escândalos estourando quase de hora em hora para piorar a situação, só resta aos

E

basbaques como eu ficar em muda admiração. i notícias sobre umas quarenta marchas de maconheiros e nenhuma marcha de denúncia da corrupção. Se o Supremo deu aos maconheiros o supremo direito de marchar pelas ruas – diz-se que em "direito à liberdade de expressão", não negaria o mesmo direito aos que se decidirem pelo combate público à corrupção. Mas que nada, estamos em silêncio. "Silence like cancer grows", cantaram Simon & Garfunkel numa de suas muitas obrasprimas, Sounds of Silence. Em silêncio assistimos ao cancer da corrupção fazendo metástase, como o RDC, Regime Diferenciado de Contratações, para que o custo

V

das obras da Olimpíada e da Copa de 2014 sejam mantidos como segredo dos cartões corporativos, espero que você não os tenha esquecido. Esse RDC foi um texto enfiado na calada da noite numa medida provisória pelo seu relator, deputado federal do PT José Guimarães, ninguém menos do que chefe daquele cara pego no aeroporto de Guarulhos com 200 mil dólares na cueca, e irmão do Genoíno, o único sobrevivente da guerrilha do Araguaia, et pour cause assessor especial do ministro da Defesa, Nelson Jobim. omo se sabe, Genoino sabe se defender como ninguém, pois não só escapou com vida da guerrilha citada, como também assinou, como presidente do PT, contratos no valor de 100 Milhões de Reais com o Banco Rural, e defendeu-se afirmando que tinha "assinado sem ler". À maneira de Ripley, "believe it or not". Os Pais da Pátria Sarney e Collor querem que os documentos secretos do governo fiquem em "segredo

C

perpétuo" e nunca sejam divulgados – e o Poste topa; só podem, os três, terem algo a esconder até o fim dos tempos. O PT, partido do Poste, afirmou que nisso votará contra o Poste se o assunto for a plenário. Cara retorna ao palanque com força total; Dirceu, o que voltou sem nunca ter ido, ressurge em fotos ao lado do Cara, ambos com os punhos cerrados, chamando as bases para lutas das quais desconfio em gênero, número e grau. O Poste reune-se com Sarney, Collor, Renan Avacalheiros, Romero Jucá: cuidado com vossas carteiras. O hoje "superministro" Gilberto Carvalho lamenta a prisão do criminoso cumpanhero José Rainha, pois isso "tumultua o processo de reforma agrária e as relações do governo com os movimento sociais"; ara ara, ara, sô! E a gente assistindo aqui da geralzona, pensando só no feriadão. "LULLA PARA REI", LANÇA JOÃO UBALDO. LANÇAR PARA QUE, SE JÁ É?

O

NEIL FERREIRA É PUBLICITÁRIO


DIà RIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 23 e 24 de junho de 2011

24 de Junho

É

o precursor do Messias. Segundo a Bíblia, Isabel era estÊril e recebeu a graça da maternidade; no 6º. mês de gestação, a criança lhe estremeceu no ventre ao ouvir a saudação de Maria, gråvida do Messias. Na vida adulta, João Batista teve a missão de batizar o Natividade de próprio Cristo. o João Batista

SĂŁ



Solução

 

      



       

             





      



        

 

  

4 -.GERAL

 

      

  #  

 

    

%' ' '     

*  '   0 &!  - ' '     ' ' +   !  1/ 

     *+

'   

 

4'        '  ' #5 

 ' ( '    ' / 

   

),'  ' '    

2  #0 '  

             !

% '

 '     * 

 # '   ' 

)  #0  '      

(     '   

   '

 )  

" '  '



  

6  2''   6  

,    - '  

   

3

  ' ' ,   ' 

7 + ' '  

"  #     

  / 

$   ' / 

$    ! .   /  %  &! '  '  

$   '  

"/    !

8889! :- ; ; ; <- ;  ; 6 ;  ;  ; =- 0 ; >- #; ?-  


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 23 e 24 de junho de 2011

5 POR JESUS Evangélicos pregam contra os gays na Marcha para Jesus

olítica

CONTRA TODOS Hackers voltam a promover ataques em massa aos sites oficiais.

Sites oficiais sob ataque maciço Na maior ofensiva do gênero no País, hackers voltaram ontem a invadir e bloquear sites da Presidência, Senado, Ministério dos Esportes, prefeituras...

A

pós grupos de atiO grupo que assumiu a auvistas responsá- toria dos ataques aos sites do veis pelos maiores governo se apresenta como ataques a redes de LulzSecBrazil e atua como cécomputador registrados no lula do LulzSec, grupo que na mundo anunciarem mais ata- semana passada atacou o site ques a sites, a página do Sena- da CIA, a agência de espionado, da Presidência e do Minis- gem americana. tério dos Esportes saíram do ar Os ativistas do LulzSecBraontem. O site do Senado, no zil atuaram junto a um grupo entanto, por volta das 15h, já chamado AnonBrazil, associahavia retornado. do ao Anonymous, a quem é Os ataques começaram an- atribuído um ataque que há teontem, quando o grupo ele- duas semanas derrubou o site geu o governo brasileiro como do FMI (Fundo Monetário Inalvo e tiraram ternacional). do ar os sites LulzSec e da PresidênAn on ymo us cia da Repúsão os dois Chegou a hora de blica e da Remaiores grutomar uma atitude ceita Federal e pos de hackers o Portal Brasil do mundo. contra a por meia hora Hackers são manipulação de durante a mapessoas que informação e o drugada, coninvadem comgoverno sem g es ti on an do putadores patransparência. as redes do gora protestar ou verno e impefurtar inforMENSAGEM NO YOUTUBE dindo o acesso mações. à suas inforOutro grumações. po reivindicou a autoria de um O Serpro (Serviço de Proces- suposto ataque a centenas de samento de Dados), que hos- sites de prefeituras do interior peda os sites do governo fede- do País, ontem: o Fatal Error ral, classificou o ataque como o Crew, organização brasileira maior já enfrentado pelo go- que já assumiu a autoria de verno brasileiro. Segundo o ações que resultaram até na Serpro, não houve vazamento derrubada da página do Paláde informações. cio do Planalto na internet, no Um dos grupos responsá- dia seguinte à posse da presiveis pelos ataques convocou dente Dilma. seus seguidores no Twitter a A ação de ontem teve como atacar a Petrobras também. O alvo pouco mais de 500 sites, a site da estatal ficou fora do ar à maioria de prefeituras, mas tarde, mas a empresa atribuiu também de entidades como a o evento à "instabilidade" na Confederação Nacional dos sua rede. Municípios (CNM).

Eles lançaram, nesta semana, a Operação AntiSec, declarando agir "contra a censura" e com o objetivo de retaliar governos que tentam impor controles à internet. Os ataques de ontem foram precedidos por uma mensagem ao "povo brasileiro", divulgada no YouTube. Os ativistas dizem não querer "aterrorizar a população", mas alertam na mensagem que "chegou a hora de tomar uma atitude" contra "a manipulação de informação e o governo sem transparência". Depois dos ataques, o LulzSecBrazil postou mensagem dizendo que seu "alvo é atingir 100 mil seguidores no Twitter

Marajás na Assembleia Há servidores que ganham mais que ministros do STF, teto do funcionalismo

A

Lula Marques/Folhapress - 30/6/2010

Assembleia valores podem ser Legislativa de São explicados "por dribles Paulo tem servidores jurídicos". Um deles é a recebendo super-salários, utilização de 15 maiores até do que recebem remunerações para fazer o os ministros do Supremo cálculo, embora os Tribunal Federal (STF), que deputados estaduais não foram fixados pela recebam 14º nem 15º Constituição como teto de salários, como os deputados remunerações do federais. Mas, dessa forma, o funcionalismo público no teto chega próximo de 85%, país. De acordo com em vez de 75%. Em nota, a denúncia divulgada pela Assembleia afirmou que Agência Estado, há o caso de "pauta todos os seus atos e um servidor que recebeu em procedimentos na maio deste ano salário bruto legislação vigente". de R$ 28.806,02 quando um Bafômetro – O Índio da Costa: só uma tacinha ministro do STF recebe presidente regional do PSD, R$ 26,7 mil por mês. O superÍndio da Costa, teve a salário de alguns funcionários do Legislativo carteira de motorista apreendida na paulista chega a ser R$ 8,8 mil maior do que o madrugada de ontem, no Rio, após recusar o salário dos deputados estaduais, em tese a teste do bafômetro. Costa disse que havia faixa salarial que deveria ser utilizada para consumido "uma taça de vinho" na hora do limitar as remunerações dos seus servidores. almoço e preferiu "não arriscar", já que Um parlamentar da Assembleia ganha poderia perder a carteira por um ano se desse oficialmente R$ 20.042,35 ou 75% dos R$ 26,7 positivo. "É aquela velha história que o seguro mil recebidos pelos deputados federais. Os morreu de velho", disse. (Agências) Reprodução

Paródia – Uma presidente Dilma Rousseff sem papas na língua e sem qualquer limite é uma das atrações do site humorístico Kibe Loco, criado pelo publicitário carioca Antonio Pedro Tabet. Ela comenta tudo sobre os grandes assuntos do dia, como o bullying (acima). Acompanhe a performance no www.dcomercio.com.br

para ter condineste ano. Os ção de fazer anteriores vimanifestações saram o site da Posso entrar na pelas ruas de P re s i dê n c ia , Justiça para que todo o Brasil". no início de jaOs ataques neiro, e o site essas pessoas são realizados do Exército, saibam que por robôs eleno sábado. terão que trônicos acioO Exército responder perante começou a imnados pelos os tribunais. hackers, que plantar neste fazem grande a n o o C D C iGILBERTO KASSAB número de sober (Centro de licitações siDefesa Cibermultâneas aos sites eleitos co- nética) para proteger as redes mo alvos, tornando impossí- governamentais e outras que vel que outras pessoas aces- interessem à segurança naciosem suas páginas. nal. EUA e China anunciaram, Segundo o Serpro, foi o ter- na última semana, esforços seceiro ataque sofrido pelo go- melhantes para se defender verno brasileiro na internet contra os invasores.

Além da CIA e do FMI, também foram atingidos neste mês o Departamento de Comércio dos EUA e empresas como a Lockheed Martin. Kassab – O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD), classificou como "lamentável" a divulgação de supostos dados pessoais seus e da presidente Dilma Rousseff. "O caso mostra o quanto é necessário investir em tecnologia para blindar o mundo virtual". Ele não descartou uma possível ação judicial contra o grupo. "Posso entrar na Justiça não por causa do sigilo, mas para que essas pessoas saibam que terão que responder perante os tribunais". (Folhapress)

Marcha para Jesus. E contra a união homossexual STF rasgou a Constituição ao permitir união entre gays, diz pastor Silas Malafaia.

O

pastor da Assembleia de Deus Silas Malafaia afirmou ontem, durante a 19ª edição da Marcha para Jesus, em São Paulo, que o STF (Supremo Tribunal Federal) rasgou a Constituição ao permitir a união entre homossexuais e liberar a Marcha da Maconha. "Se governador, prefeito e presidente for contra a família, não vai ter o nosso voto. Se amanhã alguém quiser fazer a marcha a favor da pedofilia, vai pode fazer", disse Malafaia. "Não estamos querendo fundar o Estado evangélico", reiterou. Malafaia, inclusive, apoiou o tucano José Serra na campanha presidencial do ano passado. Milhares de fiéis participaram desde as 10h do evento religioso no centro de São Paulo. A Polícia Militar e a organização do evento ainda não têm uma estimativa do número de participantes. Participaram o casal fundador da Igreja Renascer em Cristo, Estevam e Sônia Hernandes, o prefeito Gilberto Kassab e o senador Marcelo Crivella (PRB-RJ). "Meu Deus é o dono do ouro e da prata. Enquanto meu Deus age, ninguém pode impedir", disse a bispa Sônia. O evento partiu da praça da Luz (centro) às 10h e percorreu quatro quilômetros até a praça Heróis da FEB (zona norte). A partir das 14h, começaram os atos religiosos e os shows de música gospel, que se estenderam até depois das 21h. No ano passado, segundo a Polícia Militar, a marcha reuniu 2 milhões de pessoas. Os organizadores esperavam 5 milhões, mas não divulgaram uma estimativa. De acordo com a Renascer, 800 caravanas com 35 mil pessoas de outras cidades acompanharam a marcha, que con-

Werther Santana/AE

Kassab e a bispa Sônia, ontem, na 19ª edição do evento.

tou com representantes de outras igrejas evangélicas, como Assembleia de Deus, Bola de Neve, Batista Betel e Sara Nossa Terra. A avenida Tiradentes,

entre a avenida do Estado e o túnel Tom Jobim, foi interditada, bem como a praça Campos de Bagatelle, das 6 até às 23h. (Folhapress)

SECRETARIA DA SAÚDE ABERTURA DE LICITAÇÃO Encontra-se aberto na Secretaria Municipal da Saúde, CONCORRÊNCIA PÚBLICA 002/2011-SMS.G, processo 2011-0.088.093-0, destinado a contratação dos serviços especializados de consultoria técnica e operacional à Secretaria Municipal da Saúde para ampliação e aprimoramento da contratualização dos serviços da saúde, do tipo técnica e preço. Os envelopes nº 1, 2 e 3, deverão ser entregues, impreterivelmente, até as 10 horas do dia 08 de agosto de 2011, na Sala de Reuniões, da Secretaria Municipal da Saúde, localizada na Rua General Jardim nº 36 - 2º andar, Vila Buarque, São Paulo/SP. A SESSÃO DE ABERTURA será realizada na Sala de Reuniões acima descrita, 60 (sessenta) minutos após o horário e data estipulados para o encerramento da entrega dos envelopes, após o que, serão iniciados os trabalhos referentes ao certame. O edital da Concorrência Pública poderá ser consultado e/ou obtido: - Pelo sítio da PMSP, no endereço: http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br; - Na Secretaria Municipal da Saúde/Núcleo Técnico de Contratação de Serviços de Saúde - NTCSS, na Rua General Jardim, 36 - 2º andar - Vila Buarque São Paulo/SP - CEP 01223-010, mediante a entrega de 01 (um) CD-R gravável, sem custo para o licitante.


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

quinta-feira e sexta-feira, 23 e 24 de junho de 2011

Uma reforma política como a que defendemos só ocorrerá com mobilização da opinião pública. Arnaldo Madeira, sociólogo

olítica

Reforma política só sai com mobilização da opinião pública

A adoção do voto distrital representa uma mudança radical no que existe hoje no País ARNALDO MADEIRA

Autor de projeto de lei que institui o voto distrital majoritário, Arnaldo Madeira acredita que o atual debate, difuso, pode levar a sociedade à frustração.

Agliberto Lima/DC – 12.02/2007

Mário Tonocchi

Milton Mansilha/Luz – 22/11/2007

Rui Tavares Maluf: "Essa nova classe média está mais voltada, digamos assim, para o próprio crescimento"

Consumo preocupa mais a classe média que a corrupção

A

"nova classe média", formada por 29 milhões de pessoas que passaram da classe D para a C nos últimos seis anos, está mais preocupada com a manutenção do próprio consumo do que com a política, ou mesmo com os escândalos da classe política. A análise é do cientista político Rui Tavares Maluf, professor da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FespSP). Os novos consumidores passaram a objeto de desejo dos partidos a partir de um artigo publicado na imprensa paulistana pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, observando que é a hora de o PSDB ir até esses novos eleitores. Os 29 milhões, somados à classe média tradicional brasileira, formam o maior segmento populacional brasileiro hoje, equivalendo a 51% da população. Maluf também não vê tanto interesse da classe média tradicional na política. Bolso preocupa – Quanto à percepção do eleitor em relação aos escândalos políticos, Maluf considera que "essa nova classe média está mais voltada, digamos assim, para seu próprio crescimento social e econômico. Eu não diria que esse é um público que parece que tenha se interessado pela política, além daquelas coisas mais imediatas, de vantagens que poderiam obter". O cientista político concorda com o fato de que essa nova classe está preocupada com o

tinha, ou coisa que o valha". Maluf considera que de alguma maneira há um avanço na percepção da corrupção, mas Há um avanço na talvez o processo seja muito lenpercepção da to para o atual estágio da democorrupção, mas talvez cracia brasileira. "Eu acredito que o processo seja muito temos uma estrada bem percorlento para o atual rida na vida democrática, dependendo do critério de reinício estágio da da democracia que se usa – o democracia no País. ano de 1982 ou as eleições para RUI TAVARES MALUF governadores. Temos agora por volta de 30 anos de redemocrapróprio bolso. "Agora, nada co- tização. Creio que podemos ser mo o tempo para nos dizer que mais exigentes. E o que está falisso não significará, aos poucos, tando realmente para darmos também maior educação", afir- um salto qualitativo na nossa vima. "E quando falo em educa- da pública é fazermos com que a ção, estou me referindo àquilo gestão pública seja transparente que faz a pessoa começar a pen- e a corrupção seja residual." E isso depende da cobrança, sar em ampliar seus interesses pelas coisas públicas. Mas não é da fiscalização do eleitor. Na somente esse setor que talvez opinião do cientista político, "a esteja indiferente à corrupção e sociedade tem que ter esse olhar, tem que cobrar, e não poa outras coisas mais." Percepção lenta – Para a de ser tão superficial a ponto de classe média mais antiga, na se basear apenas na manchete opinião do professor, "as coi- do jornal , da televisão". O professor lembra que no sas sempre foram assim, de alguma maneira". Além disso, fim do regime militar, quando o o s m e m b r o s d e s s a c l a s s e País começou a viver a liberaliacham que a imprensa espe- zação política, os militares aintaculariza muito os fatos, não da procuravam se manter no mostrando onde tudo acaba, poder, com o argumento de afirma Maluf. Na verdade, eles que o povo deveria ser educaacham que "a imprensa tem lá do primeiro para que houvesse seus interesses, e depois aca- democracia. Essa era a discusba não mostrando se, na reali- são que havia na época. Perguntado se a sociedade dade, esses fatos resultaram ou não em punição; se a de- se autoeduca, o professor afirnúncia era realmente susten- ma que, "de certa maneira, a tável contra a pessoa, ou se democratização é um processo tratava apenas daquele inte- no qual nós vamos aprendenresse que o órgão de imprensa do com nossos erros". (MT)

O

ex-deputado federal Arnaldo Madeira (PSDB-SP), de 71 anos, formado em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduado em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), acredita que há uma "perda de foco" nos debates atuais da reforma política brasileira. Para ele, que não foi reeleito em 2010, o debate pode levar toda a sociedade à frustração, pois com uma gama muito grande de temas pode-se chegar a nenhuma mudança importante no sistema político. Atualmente, estão na pauta do Congresso Nacional onze grandes grupos de discussão. O Senado já aprovou nove temas. Esses assuntos aprovados seguem, agora, para a Câmara dos Deputados. Entre eles destacam-se as mudanças nas datas de posse e a fidelidade partidária. Madeira, autor de projeto de lei que institui o voto distrital majoritário, defende a implantação desse sistema imediatamente. Em entrevista ao Diário do Comércio, depois de ministrar uma palestra para um grupo de empresários, na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), o tucano disse que as mudanças no sistema político brasileiro só acontecerão com a mobilização total da sociedade. Leia a seguir os principais trechos da entrevista.

A coisa, do jeito que está sendo tocada, levou a uma perda de foco. Estamos discutindo desde acabar com a reeleição, mandato de cinco anos... Diário do Comércio – O senhor sempre foi a favor do voto distrital... Arnaldo Madeira – Estamos na defesa muito forte do voto distrital majoritário, que é o voto distrital puro. Você divide o País em distritos mais ou menos do mesmo tamanho, ou com mais ou menos a mesma população para ter homogeneidade. Cada distrito, cada região ou cada cidade ou bairro vai eleger um único deputado. Ou seja, cada partido só poderá apresentar um único candidato por distrito e cada distrito elegerá um único deputado, que passa a ser o representante desse grupo. Se for numa cidade grande, pode ser o representante de um bairro. Se for numa cidade pequena, você junta várias delas para dar aquele tamanho definido para a eleição de um

deputado. Com isso, fica mais fácil a identidade e a representatividade, e assim você tem um controle maior da população sobre sua representação. Na situação de hoje, temos eleição, mas não temos representação. A população não sabe direito quem a representa. DC – O vice-presidente Michel Temer, em palestra sobre a reforma política na plenária conjunta da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp) defendeu a mesma tese do senhor, mas disse que deve ser difícil a implantação do modelo... Madeira – Difícil é. Se não houver mobilização da sociedade e da mídia, não aprovaremos o modo distrital para as eleições. Porque o voto distrital representa uma mudança radical no que existe hoje no País. Vejo muita gente utilizando esse argumento de que é favorável, mas que é difícil. Acho que devemos trabalhar a favor de que o Congresso aprove a reintrodução do voto distrital majoritário, que já tivemos na nossa história. Na época do Império brasileiro esse sistema já foi empregado. DC – Na reforma política, o voto distrital é apenas um dos temas. O senhor acredita que a reforma política caminha para algum entendimento no Congresso, ou vamos ficar apenas em mudanças pontuais? Madeira – Eu acho que a coisa, do jeito que está sendo tocada, levou a uma perda de foco. Estamos discutindo tudo. Desde acabar com a reeleição, mandato de cinco anos... Isso é fugir do tema central. Hoje, o Brasil tem um grande problema, que á distância entre o representante e o representado. Nas eleições para os cargos de prefeito, governador e presidente da República nós já avançamos muito em nosso sistema político com a eleição direta. Os partidos apresentam os candidatos, fazem as coligações e o povo vota. Isso já está resolvido. O que não está equacionado é a distância entre representante e representado no Parlamento. Além disso, hoje, creio, nós temos dois temas centrais na discussão da reforma política: acabar com a figura do suplente de senador, que é o senador biônico que temos atualmente; e introduzir o voto distrital, que é uma forma de fazer o povo participar do processo de escolha da sua representação. DC – Como o senhor vê a atuação dos empresários no debate da reforma política? Madeira – O caminho é a realização de reuniões como a que tivemos na Fiesp. Você junta pessoas que são lideranças na base empresarial e propõe teses e temas. Eles naturalmente são pessoas capazes, vão refletir e tomar suas decisões. Vão ouvir outros parlamentares e outras lideranças com posições diferentes e for-

mar sua opinião. Agora, a participação das lideranças políticas empresariais, assim como lideranças estudantis, religiosas e de diferentes segmentos é fundamental, porque esse assunto é importante demais para ficar limitado apenas às decisões do Congresso Nacional.

As pessoas estão envolvidas nos seus problemas, no seu dia a dia, e a política, muitas vezes, está muito distante delas.

DC – Em suas exposições sobre a reforma, como o senhor vê o interesse das pessoas? Madeira – Nos lugares aos quais eu vou, vejo que as pessoas demonstram um interesse muito grande pelo voto distrital. Os argumentos contra são sempre frágeis. Mas ainda não temos uma mobilização grande sobre o tema. Faltam informações e um envolvimento maior das pessoas. A sociedade hoje é muito complexa e diversificada. As pessoas estão envolvidas nos seus problemas, no seu dia a dia, e a política, muitas vezes, está muito distante delas. Esse deve ser um processo de campanha, de divulgação, para gradualmente as pessoas se envolverem. Atualmente, já temos um movimento grande pelo voto distrital. DC – E o engajamento do Congresso nesse tema? Citando novamente o vice-presidente Michel Temer, ele disse que, no Congresso Nacional, quando o assunto começa a ficar muito complicado, a tendência é deixar tudo como está... Madeira – Uma reforma política como a que estamos defendendo só ocorrerá com uma forte mobilização da opi-

Na situação de hoje, temos eleição, mas não temos representação. A população não sabe direito quem a representa.

nião pública. Eu vi a forma como foi aprovada a proposta popular que acabou com a implantação da Ficha Limpa. A maioria era contra, mas a proposta foi aprovada. Tudo pela mobilização da opinião pública. Temos que pressionar. Caso contrário, não sai.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 23 e 24 de junho de 2011

7 BAHREIN Ativistas envolvidos em protestos recebem pena de prisão perpétua

nternacional

E. COLI França informa possíveis sete novos casos de infecção pela bactéria

AFP - 23/06/11

Na onda de Obama, europeus se retiram. França, Alemanha e Reino Unido também reduzirão suas tropas no Afeganistão.

AFP

Ahmad Masood/Reuters

H

oras depois de os Estados Unidos anunciarem seu plano de retirada parcial das tropas no Afeganistão, aliados europeus divulgaram planos semelhantes. França, Alemanha e Reino Unido também reduzirão sua presença militar no país asiático, de acordo com o cronograma norte-americano. A França anunciou ontem que irá gradualmente retirar parte de seus 4 mil soldados que estão no Afeganistão e que o país continua comprometido a transferir toda sua responsabilidade de segurança às autoridades afegãs até 2014. As autoridades francesas disseram que retirariam um quarto das tropas no ano que vem. "Levando-se em considera-

ção o progresso obtido, a França dará início à retirada gradual das tropas de reforço despachadas para o Afeganistão, dentro de um cronograma semelhante e proporcional ao dos Estados Unidos", disse o escritório do presidente francês, Nicolas Sarkozy, em nota. Na quarta-feira, o presidente dos EUA, Barack Obama, anunciou a saída de 10 mil homens neste ano e de ao menos 20 mil em 2012. Atualmente, os EUA mantêm 100 mil militares no Afeganistão. Na Alemanha, o ministro das Relações Exteriores, Guido Westerwelle, disse que o país começará a reduzir suas forças no final deste ano. Já o primeiro-ministro britânico, David Cameron, afirmou que "se as condições no terreno

Após Obama divulgar a retirada de tropas, os europeus também divulgaram sua saída. Tropas francesas (acima) seguirão cronograma semelhante. Karzai (à dir.) assegura que os afegãos protegerão sua terra.

permitirem, certamente traremos homens de volta para casa mais cedo". Cameron ressaltou que já estava prevista a retirada de 10 mil militares britânicos do Afeganistão até 2015. A expectativa é de que a estratégia de retirada acelerada do Afeganistão seja em breve adotada também pela Itália,

Rodger Bosch/AFP

Espanha e Dinamarca. Economia - Por trás da decisão de Obama de retirar as tropas está o cenário de crise econômica nos EUA e a pressão dos democratas pelo fim do conflito, uma das principais plataformas da campanha que elegeu Obama em 2008. Segundo pesquisa do Con-

gresso do país, a guerra custa aos contribuintes cerca de US$ 10 bilhões por mês. Desde 2001, subtraiu US$ 444 bilhões dos bolsos norte-americanos. A Europa também atravessa um momento de crise financeira, com diversos países endividados. A possibilidade de um calote da Grécia com contágio na economia de toda a região do euro assusta o continente. As operações no Afeganistão são vistas como "um desperdício" de verba pública, segundo pesquisas de opinião recentes. Além disso, diversos países europeus terão eleições nacionais nos próximos 18 meses. 'Benéfico' - O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, também comemorou a retirada dos soldados norte-americanos. Ele agradeceu as forças internacionais pelo apoio prestado e disse que o "povo afegão protegerá sua terra". "A transição da segurança e a retirada das tropas estrangeiras do Afeganistão significa que as forças afegãs devem ser fortalecidas", afirmou Karzai.

Ceticismo - Por outro lado, o discurso de Obama não convenceu o Taleban, que classificou a medida como simbólica e que em nada altera a atual situação no terreno. Em comunicado, os insurgentes disseram que a "solução à crise afegã chegará com a total saída das tropas estrangeiras" e que, até então, a sua luta "aumentará dia a dia". O grupo tachou de "propaganda" a declaração de Obama de que a saída militar ocorre em um momento de vantagem, algo que, segundo o Taleban, tem o objetivo apenas de dar falsas esperanças aos norte-americanos. Uma das principais dúvidas da retirada progressiva dos EUA é a capacidade do Afeganistão de assumir o controle. Apesar de Karzai garantir que as forças afegãs são capazes de dar continuidade às operações com a saída das tropas estrangeiras, o Taleban alega que eles são vistos pelos afegãos como "inimigos de sua nação e de sua religião". (Agências)

Entre a cruz e a espada Ditador líbio garante que resistirá à 'cruzada' da Otan Imed Lamloum/AFP

Ó RBITA Mulher líbia participa de manifestação a favor de Kadafi, em Trípoli. Ditador resiste há três meses aos ataques aéreos da Otan.

IRAQUE

T

rês bombas explodiram ontem nos arredores de um mercado popular em Bagdá, deixando ao menos 34 mortos e 82 feridos. Nenhum grupo assumiu a autoria dos ataques, que ocorrem em um momento em que as forças norteamericanas se preparam para deixar o país até o final deste ano. (Agências)

SÍRIA

DOMÍNIO – Em visita oficial à África do Sul desde domingo, a primeira-dama dos EUA, Michelle Obama, mostrou que é boa de bola. Ontem, ela jogou futebol com crianças como parte do programa de incentivo aos esportes na Cidade do Cabo. PRODUTOS E MATERIAIS PARA LIMPEZA

A mais nova e moderna fábrica brasileira de lâminas! DC

www.sacariatica.com.br Água Sanitária, Álcool, Papel Higiênico, Saco para Lixo, Desinfetante, Baldes, Desentupidor, Inseticida, Bota de Borracha, entre outros. PROJETOS DE LIMPEZA

TRATAMENTO DE PISOS • TRATAMENTO DE ÁGUA

2671-6427 | 2679-6427 11 7821-0174 | 9704-6686

O

ditador líbio, Muamar Kadafi, admitiu ontem que está "entre a cruz e a espada", mas afirmou que não tem medo da morte e que a batalha contra os "cruzados" do Ocidente irá "mais além". Em uma gravação divulgada pela TV líbia, Kadafi diz que "resistiremos e a batalha irá mais além... até acabar com vocês... nós não seremos vencidos".

orte C F ácil

Lâminas e Serras

Serras Fita Larga / Estreita

Serras em Aço

Nossos processos de fabricação e corte a laser, obedecem rigorosamente aos padrões técnicos.

alto da África do Norte", em memória de Khaleda, neta de Hamidi, de quatro anos, que morreu no bombardeio. Ele disse ainda que nenhum acordo é possível agora que os ataques da Otan "mataram nossos filhos e netos." "Estamos entre a cruz e a espada. Vocês (os ocidentais) terão que dar marcha à ré", afirmou o ditador, que resiste há três meses aos bombardeios da Otan. (Agências)

O S M os os TR NEU GE ra tod , a p N s u ibus es. Pne CE UL P TA de ôn tipos e caminhõ S U s H -ônibu C micro U A EC fone/fax: 11 R 2954 0229 / 7888 / 7457

Rede Autorizada

www.centrosul.com.br

Vendas: (11) 5674 1993 vendas_cortefacil@hotmail.com Fax: (11) 5674 1994 NOVO ENDEREÇO: Rua São Constâncio, 290 - Vila Formosa

A mensagem era para prestar homenagem a seu companheiro Juildi Hamidi, que perdeu vários parentes na segunda-feira passada em um bombardeio da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). A aliança admitiu ter efetuado um "ataque de precisão" contra um "centro de comando e controle de alto nível". Kadafi prometeu que construirá um monumento, "o mais

DC

s tropas sírias avançaram para a fronteira turca ontem, deixando os refugiados em pânico, muitos dos quais foram buscar abrigo no território turco. Os soldados sírios fizeram uma operação de patrulha no vilarejo de Khirbet al-Jouz. As tropas turcas distanciaram-se da fronteira, aparentemente para evitar confronto com as forças sírias. (AE)

DC

A

Lâminas

Rua Dr. Vidal Reis nº 840 - Pq. Novo Mundo São Paulo - centrosul@centrosul.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

c

quinta-feira e sexta-feira, 23 e 24 de junho de 2011

MUSEU DA MINERAÇÃO Quatro cavas de ouro localizadas na região oeste deverão se transformar em um parque linear equipado com um museu da mineração aberto à visitação pública.

idades Fotos: Luiz Prado/Luz - 06/02/2006

Área do Pico do Jaraguá abriga uma das primeiras minas de ouro descobertas no período do Brasil colonial

Patrimônio paulistano redescobre o ouro do Jaraguá Lavras de minérios exploradas no século 16, na zona oeste, estão em processo de tombamento pelo Conpresp Amundsen Limeira

S

e você morasse em São Paulo há uns 300 anos, poderia perfeitamente ficar rico sem se afastar muito de casa. Bastaria cavar as terras ao redor do Pico do Jaraguá e contar com um pouco de sorte para encontrar ouro. Essa corrida ocorreu muito antes que se falasse nas jazidas de Vila Rica e dela restaram apenas vestígios de terra revolvida, que agora voltaram a chamar a atenção. É que as quatro cavas de ouro localizadas na região oeste da Capital e apontadas como uma das primeiras atividades de mineração de ouro no Brasil deverão se transformar em um parque linear equipado com um museu da mineração aberto à visitação pública. Localizadas entre o Pico do Jaraguá, o ponto mais elevado da capital paulista, e o bairro Perus, acompanhando a Rodovia Anhanguera, essas cavas (valas) estendem-se por uma faixa de seis quilômetros de extensão e cerca de oitocentos metros de largura. Elas estão em processo de tombamento no Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp). "Um grupo de trabalho está desenvolvendo o plano de criação de um parque linear para a região. As cavas estão inseridas neste parque", informa a arqueóloga Paula Nishida Barbosa, do Centro de Arqueologia do Município de São Paulo. Segundo ela, ainda é necessário fazer um rigoroso levantamento arqueológico na região. "Precisamos verificar se há vestígios antigos dos rejeitos dessas explorações, ferramentas utilizadas para exploração e até mesmo trilhas antigas ou mais cavas", explica Paula. "Isso sem falar da retirada do entulho que está dentro dessas cavas, para que os arqueólogos possam fazer as suas pesquisas e verificar a existência de artefatos arqueológicos". Segundo o geólogo Francisco Adrião, representante da Secretaria Municipal do Verde

e do Meio Ambiente e coordenador do grupo, a proposta de proteção e uso efetivo da área pela população deverá estar concluída em dois meses. Preservação – No dia 15 de março, o Conpresp abriu processo de tombamento das cavas denominadas Faldas do Morro do Quebra-pé, Jardim Britânia, Morro Doce e Parque Nova Anhanguera, atualmente parcial ou completamente encobertas por entulhos e lixo urbano. A intenção do órgão é "preservar essa área de valor histórico e arqueológico em razão de ser remanescente da atividade mineral da região, iniciada no período colonial". A abertura do processo de tombamento tomou como base um estudo detalhado sobre a região, realizado a pedido do Ministério Público Federal pelo geólogo Celso Dal Ré Carneiro, professor do Departamento de Geociências Aplicadas ao Ensino do Instituto de Geociências, da Universidade de Campinas (Unicamp). Escavações – Conforme descreve Luiz Fernando dos Santos, geólogo da subprefeitura de Perus, as cavas estão a cerca

Antigas cavas de ouro do século 16 foram localizadas próximas ao Pico do Jaraguá, na zona oeste da Capital

de trezentos metros de distância umas das outras e localizadas em uma área total de 100 mil metros quadrados. Elas estão no Planalto Atlântico, na altura do Trópico de Capricórnio, e constituem-se de uma série de sinuosas escavações descontínuas, das

quais a principal é a mais próxima da Rodovia Anhanguera, que também é o acesso mais fácil para se chegar à região, a partir de São Paulo. No km 16,5 da rodovia, o motorista deve acessar o trevo do Jaraguá e, à esquerda, entre os quilômetros 23 e 24, ao final de longa descida, próximo à placa rodoviária que assinala a posição do Trópico de Capricórnio, é possível observar a escavação do Morro Doce. Lavra s – "O auge da lavra dessas cavas aconteceu em meados dos anos 1800. Hoje são áreas esgotadas e não há qualquer documento garantindo o direito de lavra por lá", afirma Santos, que, junto com o geólogo José Reynaldo Bastos da Silva, assina o trabalho "Cavas de Ouro Históricas do Jaraguá - O Que Resta Para se Preservar?", publicado em 2000. De acordo com o representante da subprefeitura de Perus, todas são escavações a céu aberto em taludes de 15 metros de altura sobre rocha decomposta pelo tempo, atualmente cortadas por avenidas, ruas, com a presença de residências, escolas públicas e cobertas por entulhos e pelo matagal. "A grande quantidade de ouro que havia nessa região, muito semelhante às ocorrências de ouro no Peru, pode ter

Quem diria que São Paulo ainda tem marcos históricos que podem nos levar ao século 16? PAULA BARBOSA, ARQUEÓLOGA dado origem ao nome do bairro de Perus", observa Santos. Ele conta que as cavas Faldas do Morro do Quebra-Pé, de 35.400 metros quadrados; Morro Doce, de 29.020 metros quadrados; e Parque Nova Anhanguera, de 35.750 metros quadrados, estão cobertas por mata nativa recomposta. Já a cava Jardim Britânia, de 17.170 metros quadrados, encontra-se em uma região muito degradada, na beira da Rodovia Anhanguera, no km 23, bem no local onde passa a linha do Trópico de Capricórnio. Degradação – "Obras de terraplenagem desfiguraram um quinto do local, que havia sido. A Cava do Jardim Britânia está parcialmente descaracterizada. As demais cavas encontram-se bem preservadas e são passíveis de acolher a futura implantação de parques públicos", avalia o

professor Celso Carneiro. O docente da Unicamp explica, no entanto, que a cava principal está hoje coberta de mato, solo desabado, lixo e restos de demolições. Em seu interior, prossegue, havia, em 1982, uma galeria suavemente inclinada, com cerca de dez metros de extensão. "Essas construções foram posteriormente soterradas". A transformação da paisagem foi rápida. Em quatro décadas, observa Carneiro, o crescimento da metrópole substituiu gradativamente sítios e chácaras da zona rural na região do Jaraguá. Cada uma das cavas possui paredes muito inclinadas, desprovidas de vegetação e cobertas de material escorregado das encostas. Na opinião de Paula Barbosa, a importância das cavas está na sua própria existência, sua jornada (as cavas foram exploradas até o século 19) e seu potencial como agente histórico. Em uma cidade como São Paulo, diz a arqueóloga, é difícil manter testemunhos muito antigos, principalmente pelo crescimento urbano desenfreado. "As próprias cavas estão em situação crítica e é preciso que esse processo seja interrompido. A preservação desses locais é um belo exemplo de como o moderno pode conviver com o passado. E o passado quando inserido no presente deixa de ser uma 'coisa antiga' para se tornar história e modificador do presente", argumenta Paula. Turismo – Através da história, afirma Paula, "podemos aumentar o emprego da região através do potencial turístico, os moradores do entorno terão uma área preservada e não degradada, as crianças, os estudantes e a população em geral poderão aprender sobre preservação, história, geologia, botânica e até economia". Segundo ela, o valor dessas cavas não pode ser medido apenas pelo valor arquitetônico, mas sim pelo valor histórico; "Afinal, quem diria que São Paulo ainda tem marcos históricos que podem nos levar ao século 16?", pergunta Paula Barbosa.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 23 e 24 de junho de 2011

c

9 Brasil tem o maior número de usuários de cocaína na América do Sul: 900 mil. Relatório do Unodoc

idades

ONU põe Brasil em 3º lugar na rota da coca Atrás apenas da Venezuela e do Equador, o Brasil é o terceiro país das Américas mais usado pelo tráfico de cocaína para a Europa. Os dados são do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (Unodoc).

O

Brasil foi em 2009, entre os países das Américas, a terceira principal rota de passagem da cocaína apreendida na Europa, com 1.500 quilos. Venezuela, com cerca de 6.500 quilos, e Equador, com aproximadamente 2.500 quilos, foram os principais canais da cocaína traficada para a Europa no período. A constatação faz parte do Relatório Mundial sobre Drogas 2011, divulgado ontem pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (Unodoc). O número de casos de apreensões que envolveram o Brasil como país de trânsito de cocaína subiu de 25 em 2005 (somando 339 quilos) para 260 em 2009 (somando 1,5 tonelada). O Unodoc ressalta que nos últimos anos o volume de cocaína apreendida também têm aumentado significativamente no Brasil, indo de 8 toneladas em 2004 para 24 toneladas em 2009, das quais 1,6 tonelada foi apreendida em cinco interceptações de aeronaves Apreensões – Em 2009, a Colômbia liderou o ranking de apreensões de coca no mundo (35%, com 253,4 toneladas), seguida de Estados Unidos (15%, com 108,3 toneladas), Equador (9%, 65 toneladas), Panamá (7%, 52,6 toneladas), Venezuela (4%, 27,8 toneladas), Bolívia (4%, 26,9 toneladas), Espanha (3%, 25,4

ABr

Renata Araújo/

Bo Mathiasen, representante do Unodoc, exibe o relatório sobre drogas deste ano

toneladas) e Brasil (3%, 24 toneladas). O relatório destaca que em 2008 as apreensões de cocaína alcançaram níveis relativamente altos no Peru e na Bolívia, na comparação com anos anteriores. A partir daí, as apreensões na Bolívia mantiveram o nível elevado, com 27 toneladas em 2009 e 29 toneladas em 2010. As autoridades do país avaliaram que em 2009 mais de 95% do tráfico de cocaína em seu território ocorreu por terra. Além disso, de

acordo com autoridades bolivianas, o tráfico transfronteiriço ocorreu da Bolívia para Argentina, Brasil e Chile e também do Peru para Bolívia. Rotas – Emcontraste,segundo autoridades peruanas, organizações de tráfico internacional que operam no país preferiram rotas marítimas, sendo os portos de Callao, Chimbote e Paita os principais pontos de saída. Uma variedade de outros métodos de tráfico também é usada no Peru, in-

cluindo rotas terrestres, rios, correios e aeroportos clandestinos. O relatório contém dados da Organização Mundial de Aduanas (OMA) mostrando que, no que diz respeito à cocaína embarcada rumo à Europa, houve grande quantidade proveniente do Equador e crescente participação do Brasil e do Suriname. No que diz respeito à cocaína com destino à África, a OMA observou que o Brasil foi o único sul-americano mencionado como país de saída para as apreensões aduaneiras feitas naquele continente em 2009 Com relação à origem da co-

caína apreendida na Europa, o Unodoc, com base em informações de 13 países europeus, listou Colômbia, com 8% no período de 2008/2010, Peru, com 7%, e Bolívia, com 5% Consumo - De acordo com o relatório do Unodoc, o uso de cocaína é considerado estável na América do Sul e Central. Argentina (2,6%), Chile (2,4%) e Uruguai (1,4%) são países que continuam com alto índice de consumo entre a população geral. O relatório do escritório ressalva que o Brasil tem uma taxa de usuários menor, de 0,7% da população entre 15 e 64 anos, mas por causa da grande

população possui o maior número de usuários de cocaína na América do Sul: 900 mil. Conforme o Unodoc, os três países do Cone Sul, Brasil (33%), Argentina (25%), e Chile (10%), juntos, somam dois terços de todos os usuários de cocaína da região abrangendo América do Sul, América Central e Caribe. O Escritório das Nações Unidas cita uma pesquisa nacional em 2009, entre estudantes universitários no Brasil, mostrando que 3% dos alunos de 18 a 35 anos admitiram terem usado cocaína. (Agências Em www.dcomercio.com.br, a íntegra do relatório da ONU

Devanir Amâncio/Divulgação

CARLOS E ELIETE SE...

N

a segunda-feira pela manhã, às 9h, Eliete dos Santos, 55 anos, e Carlos Alberto de Mello, 47, estarão, lado a lado, participando de uma manifestação diante da Caixa Econômica Federal, no Centro, pleiteando um programa de casa própria para cadeirantes. Embora esse encontro seja pontual e circunstancial, eles sempre estão se encontrando com regularidade na região central, pois estão unidos pelo mesmo amor ao pedaço. Do contrário talvez nunca se vissem, pois Eliete mora no Tatuapé e Carlos, no Jardim Maracanã. "Venho umas três vezes por semana", informa Carlos. Esta também é a média

Newton Santos/Hype

O ÀS DAS COVAS

A

recente greve dos coveiros fez lembrar a figura do pernambucano Waldomiro Amaro da Silva, 55 anos. Ele sepulta mortos no Cemitério São Luiz, no extremo sul da cidade, desde 1979. Seu apelido, Tatuzão, atesta que Waldomiro mereceria o aumento de 39% reivindicado pela greve e ora em negociação com a Prefeitura. Foi inspirado na sua capacidade de trabalhar com rapidez e eficiência, semelhante ao simpático desdentado que lhe empresta o nome no aumentativo. Faz jus à fama. Manejando habilmente a pá e uma manga, Waldomiro abre uma cova de 2,20 metros de comprimento por 0,70 de largura e 1,20 metro de fundo (tamanho oficial) em apenas 30 minutos, contra a média de 50. Infelizmente não é possível falar com ele, pois a chefia proíbe entrevistas.

de Eliete. Geralmente se encontram por acaso, como ocorreu no dia em que esta fotografia foi feita, sexta-feira

passada, nas imediações da Praça João Mendes. "Mas a gente se fala bastante por telefone", conta Eliete.

...ENCONTRAM NO CENTRO

E

les se tornaram deficientes por razões diversas. No caso dela, a imobilidade decorreu de uma bactéria presente em carne de porco que a afetou neurologicamente. Ela era instrumentadora cirúrgica, mas de 13 anos para cá o problema se agravou e obrigou-a a se recolher. Carlos, com um ano de idade, foi

s/Hype

Newton Santo

vítima de paralisia infantil. Sempre trabalhou, apesar das dificuldades, até ver comprometidos os movimentos dos braços que o levaram à aposentadoria como digitador. Engana-se quem imagina que deficientes gozem de certa proteção social tácita. Carlos já teve sua cadeira roubada em pleno metrô de Arthur Alvim, na Zona

Leste. O ladrão o pegou no colo e depositou-o no chão. Despediu-se com estas palavras. "A pessoa precisa mais do que você". Eliete também sofreu, felizmente, apenas tentativas. "E a gente não pode mais fazer seguro da cadeira, ninguém aceita", reclama Carlos. Uma cadeira motorizada, como a deles, está por volta de R$ 9 mil.

RADIAÇÃO EM INTERLAGOS Metrópole - Que história é essa de material radiativo armazenado em Interlagos, que surgiu esta semana? Gilberto Natalini - Trata-se de cerca de mil toneladas de areia monazítica, que tem urânio e tório na sua composição. Este material está em um galpão na esquina da Rua Miguel Yunes com Avenida Interlagos, na zona sul, vizinho ao novo templo do Padre Marcelo. Ali a radiação é bem alta.

Metrópole - Vocês mediram? Natalini - Sim. Eu fui verificar o problema na condição de presidente da comissão de meio ambiente da Câmara Municipal. Metrópole - Qual é a origem dessa areia? Natalini - Está na extinta Nuclemon, uma empresa de economia mista vinculada à Comissão Nacional de Energia Nuclear. Ela foi absorvida pela atual Indústria Nuclear Brasileira. Ela funcionava na

Avenida Santo Amaro, cujo terreno está sendo descontaminado. O material veio de lá anos atrás e agora está sendo acondicionado em barris. Metrópole - E não é perigoso? Natalini - Os responsáveis dizem que não há perigo. Mas é material radiativo. Merece acompanhamento. (Gilberto Natalini, médico e vereador, sem partido, 59 anos, residente em Santo Amaro).


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10 -.LOGO

Logo Logo

quinta-feira e sexta-feira, 23 e 24 de junho de 2011

Clássico do poder

www.dcomercio.com.br

Carl C o

urt/A F

P

Bolsa que pertenceu a Margaret Thatcher, ex-primeira-ministra britânica, por 30 anos vai a leilão na Christie's de Londres na próxima segunda-feira. A bolsa foi usada por Thatcher em seu encontro com o presidente dos EUA, Ronald Reagan, em 1985. Estima-se que a peça seja vendida por algo entre US$ 110 mil e US$ 150 mil. E MPRESAS

T URISMO

Justiça com reserva de mercado? A

ESTOU AQUI!

Reprodução/The Economist

revista britânica The Economist publicou em sua edição de ontem um artigo irônico sobre a atuação de escritórios de advocacia no Brasil. A revista começa o artigo dizendo que, num país com tantos processos e possibilidade de múltiplos recursos, seria de se imaginar que há muito trabalho para os advogados. Entretanto, sugere a publicação, os profissionais locais não querem dividir esse bolo. A revista se refere a uma decisão da seção São Paulo da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-SP), de fevereiro, que impede alianças formais entre advogados locais e estrangeiros. Agora, a OAB Nacional estaria considerando adotar as mesmas regras. Pela regulação da atividade, estrangeiros não podem trabalhar em empresas locais nem prestar aconselhamento sobre a lei brasileira. Entretanto, segun-

Se você sempre fica ansioso na hora de pegar sua mala na esteira do aeroporto, o Wireless Luggage Finder é para você. Trata-se de um kit com cartão e controle remoto. O cartão fica afixado na mala e o controle fica no seu bolso. Quando as malas começarem a aparecer na esteira, basta apertar o controle e a mala emite um sinal sonoro. O kit custa US$ 24,95. http://bit.ly/ewXIO7

F UTEBOL

http://econ.st/kaK7yA

Jaime Reina/AFP

Paulo Whitaker/Reuters

do a revista, a OAB-SP foi mais longe, ao "proclamar que a aliança entre advogados brasileiros e estrangeiros é antiética. 'Consultores estrangeiros', como os advogados estrangeiros qualificados devem chamar a si mesmos, não são advogados na verdade", afirma o texto. Isso afeta muitas operações. O exemplo citado pela Economist: se uma empresa estrangeira quiser comprar ou se associar a uma companhia brasileira, deverá consultar um escritório brasileiro e outro estrangeiro ao formatar o contrato. Para a revista, com o Brasil crescendo, essa decisão é protecionista. Para reforçar esse ponto de vista, o texto cita uma frase de um advogado brasileiro para o qual há muitas oportunidades no Brasil, mas "não se pode deixar o ladrão entrar e roubar todos os doces". Leia o artigo completo, em inglês, no link abaixo.

André Santos brinca com um cachorro durante o treino

Treino 'desfalcado' na Argentina Ainda sem contar com Neymar, Elano e Paulo Henrique Ganso, jogadores do Santos, a seleção brasileira treinou ontem na cidade de Campana, cerca de 60 quilômetros ao norte de Buenos Aires, onde o time está concentrado desde terça-feira para a disputa da Copa América. Mano Menezes optou pelo treino com bola apenas na parte da tarde. Em campo reduzido, Mano orientou um treinamento de dois toques, sem definição de time titular. Pela manhã, os jogadores

realizaram trabalho físico. os planos iniciais de Mano Menezes era de que a equipe treinasse dois turnos diários com bola, mas a CBF decidiu alterar a rotina para poupar o gramado do campo em que a seleção está treinando, no hotel de luxo a 60 quilômetros de Buenos Aires. Desde a semana passada, chove muito na região e a seleção precisará usar o campo até sua estreia. A seleção brasileira fará sua estreia na Copa América, em 3 de julho, contra a Venezuela, em La Plata.

SÃO JOÃO - Cavalo é cercado pela multidão durante as comemorações do tradicional festival de San Juan na cidade de Ciutadella, na ilha de Menorca, no mar Mediterrâneo. L

Johannes Eisele/AFP

L

Marcin Wojciechowski/Agencja Gazeta/Reuters

C ORPUS CHRISTI

Renata Araujo/ABR

L

Homem vestido de borboleta correm em meio aos participantes de uma procissão de Corpus Christi na cidade de Lodz, na Polônia.

E M

O MELHOR DA FESTA Gays e lésbicas se divertem em um barco no rio Spree, na Alemanha, dias antes da Parada Gay de Berlim, que acontece domingo.

C A R T A Z

L

VISUAIS

Fiéis amanheceram ontem preparando os tapetes com serragem colorida para a celebração de Corpus Christi na Esplanada dos Ministérios, em Brasília.

Instalação de Paul Ramirez Jones na Pinacoteca do Estado. Praça da Luz, 02, tel.: 3324-1000.

L UXO

Adeus, descartáveis Acesse www.dcomercio.com.br para ler a íntegra das notícias abaixo:

Robinho festeja título santista e sugere a camisa 10 do Brasil para Ganso

L

Brasil vence a Austrália e se garante nas oitavas do Mundial Sub-17

L

www.zafirro.com/products/Zafirro-Iridium.html

A TÉ LOGO

L

Feito em irídio e com lâminas de safira, o barbeador Zafirro Iridium dura por inúmeras sessões. Como o irídio é raro, poucos desses barbeadores serão produzidos e o preço de cada um: US$ 100 mil.

Muricy quer Ganso e Neymar para derrotar o Barcelona no Mundial

A RQUEOLOGIA Mohamed Omer/EFE

O segundo barco solar de Quéops O Egito revelou ontem os segredos do segundo barco solar de Quéops, que há 4.550 anos permanece sepultado em Giza junto à grande pirâmide. Arqueólogos egípcios e japoneses levantaram os grandes blocos de pedra que cobriam o barco e encontraram uma cápsula com o nome de Quéops, o segundo faraó da IV dinastia, que reinou entre 2609 e 2584 a.C., e um hieróglifo sem proteção com o nome de seu filho Kafra. A embarcação, de 40 metros de comprimento e 5 metros de largura, que permanece em uma câmara subterrânea coberta por blocos de pedra de cerca de 16 toneladas, foi descoberta em 1954 junto ao primeiro barco, que está em exposição ao lado da grande pirâmide em Giza.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 23 e 24 de junho de 2011

e

11 EXPANSÃO PIB brasileiro deve crescer 3,9% em 2011, segundo Febraban.

conomia

AVIAÇÃO Comissão Europeia quer acelerar comercialização de biocombustíveis

Hilde Vanstraelen/SXC

Como ser sustentável A preocupação com a sustentabilidade chegou às empresas, que buscam definir as melhores formas de atuar de forma alinhada às boas práticas. Eliana Haberli

A

pergunta que muitos pequenos empresários se fazem nos dias de hoje é como participar da imensa onda ecológica que invadiu o mundo corporativo. Cada vez mais a importância do meio ambiente e da sustentabilidade tem sido ressaltada e, diante da tendência irreversível de as empresas se tornarem "verdes" , muitos se questionam por onde começar. A orientação inicial dos consultores especializados é que quem primeiro precisa ser sustentável é a empresa. O empresário precisa olhar para dentro do seu negócio e para as pessoas que trabalham para ele. "Comece garantindo a sobrevivência da empresa" disse o pesquisador do Programa de Varejo Sustentável da Funda-

ção Getúlio Vargas (FGV-SP), Luiz Macedo. De acordo com ele, o varejo já está tomando muitas iniciativas, mas são ações pontuais. "É necessário ter um alinhamento estratégico sobre sustentabilidade integrado ao próprio negócio", avaliou o especialista. O p ro g r a m a d a F G V- S P vem procurando conhecer as iniciativas do varejo na área, lembrando sempre que ações de preservação ambiental não podem ser separadas de responsabilidade social. "Uma coisa não está desvinculada da outra", afirmou Macedo. O programa instituiu o Prêmio de Responsabilidade Social e Su sten tab ilid ade, que já teve cinco edições. Lá estão relacionadas ações desenvolvidas para uma colaboração social efetiva – e não apenas para ajudar a empresa a fazer boa figura diante dos seus clientes. Macedo aconselha o empresá-

rio de pequeno porte a consultar o Banco de Práticas, dentro do site da instituição, que descreve as melhores ações adotadas em diversos ramos. A questão da utilização das sacolas plásticas, explicou, se sobrepôs aos demais assuntos de sustentabilidade por causa da legislação nova que está para vir, por meio da qual o uso desse tipo de embalagem passará a ser proibido. "Vejo que os pequenos começam pela adoção da sacola retornável ou pela coleta seletiva." Embora não recomende a adoção de medidas isoladas, Macedo disse que a simples observação do que acontece na coleta seletiva tem seus benefícios. Mostra ao empresário o desperdício no seu negócio – onde há recursos que poderiam ser poupados. Sacolas – A consultora Daniela Sialys, da GS&MD Gouvêa de Souza, avaliou que a

Fotos: Evandro Monteiro/Hype

maioria dos consumidores não acredita que a sacola retornável resolva o problema do ambiente – embora a preservação da natureza, segundo pesquisa feita pela consultoria, seja a sua principal preocupação.

"Muitas práticas de preservação ambiental no Brasil foram trazidas de outros países, o que nem sempre funciona bem aqui; o consumidor brasileiro se preocupa mais com a preservação da natureza do

que com a economia de energia. Essa preocupação foi importada de países com condições energéticas de escassez", disse a consultora. Daniela ressaltou que nas ações empresariais voltadas à responsabilidade social, o bem-estar dos funcionários é fundamental – as empresas precisam proporcionar boas condições de trabalho. E o próprio profissional tem seu papel importante no processo: ele tem que cuidar de si próprio e de sua saúde. Na escolha de que caminho de preservação escolher, aconsultora afirmou que o empresário deve levantar o que faz sentido para o seu negócio. "Se ele trabalha com alimentos, o sustentável é fornecer um alimento saudável. Se for um varejo de confecção, o sustentável é vender produtos com matérias-primas que respeitem a natureza, e assim por diante."

Algumas empresas já atuam de forma responsável E para isso revisaram ou construíram todos os seus processos de produção, incluindo o imóvel.

A

Quero manter a qualidade usando a matéria-prima natural. Fabricamos 83% do que vendemos. VERA LÚCIA FONTANA, DA PADARIA SANTA MADALENA

padaria Santa Madalena, no Brooklin, segue os padrões de sustentabilidade que sua proprietária, Vera Lúcia Fontana, criou ao perceber que os funcionários chegavam sem conhecimentos mínimos. "Para mim, o mais importante são as pessoas. Percebi que tinha que ter programas de educação aqui dentro da empresa, procurando desenvolver jovens que chegam ao primeiro emprego com as marcas do ensino deficitário e, muitas vezes, de uma família inadequada." Ela instituiu um programa interno onde todos devem procurar tratar bem o próximo e o planeta. Foram adotados processos de economia de água, uso de sacolas retornáveis, reciclagem de óleo e o sistema de pré-pesagem dos ingredientes que vão entrar na composição do produto final. Além disso, Vera optou por processos de cozinha artesa-

nal, e não usa as massas semiprontas, que contêm muitos componentes químicos. "Quero manter a qualidade usando a matéria-prima natural. Fabricamos 83% do que vendemos." Ela disse que o próximo passo será tratar do desperdício de papel e embalagens. Casa ecológica – A empresária Marisa Conca Bussacos, proprietária do Ekoa Café, na Vila Madalena, dirige uma empresa familiar que já tem três casas – as duas primeiras em Campinas. "Começamos da construção", explicou. A casa é ecológica, tem aproveitamento da água de chuva e foi pintada com tintas à base de terra crua, sem química. As luminárias foram feitas com filtro de café usado e os móveis de madeira de demolição ou reflorestamento. A casa serve café, sucos, vinho e cachaça orgânicos. E promove um encontro mensal sobre responsabilidade ambiental – o "Green drinks",

evento que começou na Europa em casas do gênero. Óleo – Processar corretamente os resíduos poluidores de um segmento numeroso – o de oficinas mecânicas – é uma iniciativa da Rede Oficina Brasil de franquias de serviços automotivos. O consultor técnico da rede, Antonio Cesar Costa, disse que a maior dificuldade do setor é a falta de legislação. "Estabelecemos com os franqueados o compromisso de o aplicador seguir a obrigação de descartar o óleo queimado e a embalagem usada em local adequado, determinado pelo fabricante e por nós", disse. A rede desenvolveu também uma caixa separadora de água e óleo nas pias das oficinas onde os funcionários lavam as mãos. "Defendemos ainda a venda de óleo a granel como medida ambiental" afirmou. Isso evitaria o desperdício e os danos do líquido que sobre nas embalagens. (EH)

S ERVIÇO Banco de Práticas do Programa de Varejo Sustentável (FGV) – www.fgv.br/cev/rsnovarejo/ banco_busca.asp Programa de Responsabilidade Social e Sustentabilidade no Varejo – www.sebrae.com.br/ setor/comerciovarejista/gestao- do-varejo/ sustentabilidadeno-varejo Oficina Brasil – www.oficinabrasil.com.br Padaria Santa Madalena – Av. Portugal, 1.604, Brooklin – www.santamadalenapaes.com.br Ekoa Café – R. Fradique Coutinho, 914 – ekoacafe.blogspot.com


12 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 23 e 24 de junho de 2011


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 23 e 24 de junho de 2011

e Grécia fecha acordo com UE e FMI

13

Uma nação indivisível, focada e comprometida não será abandonada. Mark Rutte, primeiro-ministro da Holanda

conomia

Líderes da União Europeia e representantes do Fundo Monetário Internacional acertam novo pacote de ajuda à Grécia, que promete fazer mais cortes de gastos. AFP Photo/Louisa Gouliamaki

A

Grécia fechou um mento mínimo tributável dos a c o r d o c o m a contribuintes gregos para 8 U n i ã o E u ro p e i a mil euros – antes era de 12 mil (UE) e o Fundo Mo- euros. O acordo dependeu da netário Internacional (FMI) so- aprovação grega sobre um imbre um pacote de austeridade posto especial de crise sobre de cinco anos, que pode abrir todos os contribuintes, que irá caminho para um novo em- variar de 1% a 5%, dependenpréstimo para o país, se o par- do da renda. lamento grego aprovar novas "Existem alguns pequenos medidas de austeridade. detalhes que precisam ser reApós um dia de discussões solvidos, mas a estrutura básiacirradas em Atenas, o novo ca foi acordada", disse uma ministro das Finanças, Evan- fonte em Bruxelas. gelos Venizelos, selou o acordo Apoio – Os chefes de govercom inspetores da União Euro- no da União Europeia iniciapeia e com o FMI a respeito de ram as negociações ontem proaumentos tributários adicio- metendo não abandonar o nais e de cortes nos gastos pú- país, mas pedindo implemenblicos, com o objetivo de cobrir tação rigorosa de medidas de um buraco de 3,8 bilhões de austeridade e unidade maior euros nas contas públicas. entre os políticos gregos, o que O porta-voz do governo gre- inclui a oposição. Os líderes da União Eurogo, Elias Mossialos, e o primeiro-ministro George Papan- peia ordenaram a "liberação dreou, em um encontro de cú- até o início de julho" do novo pula em Bruxelas, confirma- pacote de socorro para a Grécia ram ontem que as negociações em texto que foi elaborado e tinham sido concluídas e que o que faz referência a um "finanprojeto de lei seria enviado ao ciamento adicional", após o e m p ré s t i m o Parlamento de 110 bilhões na próxima sede euros conmana. Papancedidos no dreou promeano passado à teu empenho Grécia. em aprovar no A d e c l a r aParlamento bilhões de euros, ção afirma que reformas ecopode ser o valor de um segundo nômicas radiresgate, que cais. um segundo resgate pode alcançar O euro se reà Grécia, que reuniria 100 bilhões de c u p e r o u p eeuros, será barante o dólar dinheiro público e de seado numa com a notícia, bancos privados, combinação e as Bolsas dos segundo fonte. de dinheiro Estados Unipúblico, ou de d o s r e d u z icontribuintes, ram suas baie fontes privadas. xas, segundo a Reuters. Pacote – Os líderes europeus Os líderes da União Europeia insistiram que o Parla- deixaram claro que a ajuda à mento grego deve aprovar Grécia está condicionada à profundos cortes nos gastos aprovação das medidas de públicos, mais aumentos de austeridade do governo. "Hoje impostos e um amplo progra- (ontem) vamos pedir aos lídema de privatizações, como res e cidadãos da Grécia que escondições para garantir a aju- tejam à altura das circunstânda financeira que a Grécia ne- cias e do que precisa ser feito", cessita desesperadamente pa- disse o primeiro-ministro hora evitar uma provável mora- landês, Mark Rutte. "Vai ser difícil e doloroso, mas é a única tória em meados de julho. Papandreou disse ao chegar maneira de sair desta crise. à cúpula em Bruxelas que esta- Uma nação indivisível, focada va empenhado em obter na se- e c o m p ro m e t i d a n ã o s e r á mana que vem a aprovação abandonada." Antes de a cúpula ser iniciaparlamentar do impopular pada, um encontro reuniu o precote econômico. "A Grécia está comprometi- sidente francês, Nicolas Sarkoda, fortemente comprometida, zy; a chanceler alemã, Angela em continuar um importantís- Merkel; Papandreou; o presisimo programa de grandes dente do Eurogrupo, Jeanmudanças, mudanças radi- Claude Juncker, e o presidente cais, para tornar a nossa econo- do Banco Central Europeu (BCE), Jean-Claude Trichet. mia viável", disse ele. Angela Merkel fez um apelo Segundo fontes, o acordo foi alcançado também porque o aos políticos da Grécia "para ministro Evangelos Venizelos que a oposição assuma sua resconcordou em reduzir o rendi- ponsabilidade". (Agências)

100

O ministro das Finanças da Grécia, Evangelos Venizelos, precisou fazer novas concessões para ter o acordo com os líderes europeus.

G-20: maior produção de alimentos.

O

s ministros de agricultura do grupo das 20 nações industrializadas e emergentes apresentaram ontem uma série de propostas para aumentar a produção de alimentos e pediram maior transparência no mercado de commodities, a fim de conter a volatilidade dos preços dos alimentos e atender a crescente demanda mundial. As propostas, apresentadas no comunicado do encontro realizado em Paris, incluem a

O

número de milionários cresceu no Brasil em 2010, segundo o relatório sobre a riqueza global "World Wealth Report", elaborado pela Merrill Lynch Global Wealth Management e pela consultoria Capgemini. O documento mostra que o País fechou 2010 com 155,4 mil milionários, o que significa uma expansão de 6% ante o ano de 2009. No ranking global de países

Ministros do Supremo vão ainda definir as regras do novo tipo de pagamento

O

mento do aviso prévio proporcional ao tempo de serviço. Mas os ministros não chegaram a um consenso sobre quais deverão ser essas regras. Empregador – Uma das propostas aventadas pelos ministros era estabelecer que, a cada ano de serviço, o empregador tivesse de pagar 10 dias de aviso prévio, sendo que o mínimo seriam os 30 dias já previstos em lei. Por essa fórmula, um dos trabalhadores da Vale receberia o equivalente a 300 dias trabalhados. Outra proposta que surgiu foi a de limitar o pagamento do aviso prévio ao equivalente a 60 dias de trabalho, caso o empregado estivesse há mais de 10 anos na empresa. Como não houve consenso sobre a fórmula de cálculo, os ministros do STF decidiram adiar o julgamento e não há data prevista para a retomada do assunto no tribunal. O relator do caso, ministro

ou eventos climáticos atingirem as colheitas. Concordou ainda em abrir as reservas de emergência de alimentos localizadas próximo às regiões vulneráveis do mundo, numa tentativa de ajudar a administrar crises de alimentos. Tecnologias – Os ministros do G-20 também prometeram elevar a produção e a produtividade dos alimentos e promover os investimentos em novas tecnologias e em infraestrutura para isso. "Reconhecemos a importân-

cia de um significante aumento na produção agrícola de alimentos e da produtividade, considerando a diversidade das condições mundiais e a necessidade do uso sustentável dos recursos naturais, a fim de responder ao desafio do crescimento na demanda", disse o comunicado final do G-20. Os ministros da agricultura pediram aumento da regulação nos mercados derivativos de commodities de alimentos, mas não propuseram medidas concretas sobre isso. (AE)

Brasil já tem 155 mil milionários

Aviso prévio será proporcional ao tempo de serviço, diz STF. s ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) vão definir uma fórmula de cálculo para o pagamento do aviso prévio proporcional ao tempo de serviço do trabalhador, em caso de demissão sem justa causa. A Constituição prevê que o valor do aviso prévio deve ser proporcional ao tempo de serviço. Entretanto, desde 1988, nenhuma lei foi aprovada pelo Congresso para regulamentar essa fórmula de cálculo. O caso foi levado ao Supremo por quatro trabalhadores da empresa Vale, um deles demitido depois de 30 anos de serviço. Eles pediam que o STF, na falta de uma legislação específica, obrigasse a empresa a pagar um aviso prévio compatível ao tempo de serviço. E m s e s s ã o re a l i z a d a n a quarta-feira desta semana, os ministros concordaram que precisam estabelecer uma fórmula de cálculo para o paga-

criação de uma base global de dados que irá agregar informações sobre produção de alimentos, consumo e estoques. Este novo sistema de informação visa melhorar a transparência dos mercados de alimentos. O G-20 disse que o sistema servirá para diminuir a flutuação dos preços dos alimentos. O grupo decidiu suspender as restrições sobre exportações por razões humanitárias e melhorar a ação coordenada quando catástrofes naturais

Gilmar Mendes, concordou com a suspensão do julgamento e pediu tempo para elaborar uma sugestão das regras. Segundo ele, há resolução da Organização Internacional do Trabalho (OIT) sobre o assunto, além de inúmeros projetos de leis que ele pretende analisar. Até lá, o Congresso pode colocar em votação um dos mais de 40 projetos que tramitam na Câmara e Senado sobre esse pagamento proporcional. Impacto – O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade, considera que qualquer adicional ao piso pago atualmente traria insegurança aos negócios e aos próprios trabalhadores, uma vez que as empresas não se planejaram para arcar com esse custo. "Estamos preocupados, pois a decisão poderá causar expressivo impacto econômico para quem gera empregos formais", disse Andrade. (AE)

com mais milionários, o Brasil ocupa a 11ª posição. Estados Unidos, Japão, Alemanha e China, nesta ordem, ocupam os primeiros quatro lugares. O estudo aponta que, em todo o mundo, o número de milionários cresceu em 2010 e voltou a superar o do período pré-crise (início de 2008). O documento mostra ainda que tanto o número de milionários quanto o valor da riqueza que eles possuem cresceu, no Brasil e no resto do mundo.

Riqueza – No planeta, havia em 2010 um total de 10,9 milhões de pessoas com US$ 1 milhão ou mais, expansão de 8,3% ante o ano anterior. Ao todo, essas pessoas possuíam uma riqueza de US$ 42,7 trilhões, aumento de 10% em igual período de comparação. Um dos destaques para o crescimento da riqueza global foi a Ásia, que teve taxas mais altas de expansão e ultrapassou a Europa em número de

milionários e em riqueza. Os países asiáticos têm 3,3 milhões de pessoas com mais de US$ 1 milhão, enquanto a Europa tem 3,1 milhões. Mesmo com o crescimento de milionário em países emergentes, Japão, EUA e Alemanha possuem o maior número de milionários. Nada menos que 53% do total de endinheirados do mundo. Só nos EUA existem 3,1 milhões de pessoas com fortuna de pelo menos US$ 1 milhão. (AE)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

14

e

quinta-feira e sexta-feira, 23 e 24 de junho de 2011

É comum as famílias contratarem pessoas que não são preparadas para cuidar de um idoso. Claudia Mancini, empresária

conomia

Divulgação

DIREITO DE ESCOLHA

E

m todo o mundo, o tabaco se tornou assunto polêmico. De um lado, governos, órgãos reguladores e de saúde pública buscam novas proibições ao fumo e, do outro, está o consumidor e a indústria, com o papel que desempenha na economia e na geração de renda, inclusive na arrecadação de tributos – no Brasil, em média, da ordem de 70% do preço pago, sendo que o País é o maior exportador de tabaco do mundo e o segundo maior produtor perdendo apenas da China. Como em uma guerra entre fumantes e não-fumantes, sobram estudos e falta a opinião da população, o Ibope Inteligência decidiu entrar em campo para coletar o que pensa o brasileiro sobre o assunto, em especial a propaganda do fumo presente nos pontos de venda e alvo da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Para a surpresa de muitos, 91% da população do País entende que o cidadão com mais de 18 anos deve ser responsabilizado pelos seus atos e 95% afirmam que o consumidor deve ter o seu direito de escolha respeitado. Para 89% dos entrevistados, os consumidores têm o direito de saber onde os cigarros são comercializados e os cartazes e displays nos pontos de venda do varejo, que tanto incomodam a Anvisa, são a melhor forma de comunicação do produto. Segundo Luiz Sá Lucas, diretor

NOEL Rosa, com o cigarro.

técnico do Ibope Inteligência e responsável pela pesquisa, para a população, "o importante é que o cidadão escolha que caminhos seguir, sendo responsabilizado por seus atos. Melhor seria que tomasse decisões conscientes". O discurso do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que tomou para si a bandeira da descriminalização das drogas, não é diferente. Em vários fóruns globais, o ex-ocupante do Palácio do Planalto tem enfatizado que o direito de escolha deve ser preservado e que o acesso a drogas lícitas e até ilícitas, como a maconha e a cocaína, coloca um ponto final no contrabando, no tráfico e em suas mazelas e permite o real planejamento de políticas públicas de saúde, respeitando-se todas as partes. Para o Ibope, o dado mais curioso tem a ver com o perfil dos entrevistados, pois do universo pesquisado, 84% não fumam e ainda assim

acham que o direito de escolha deve ser preservado. Os números fechados da indústria de cigarros em 2010 apontam que 27% das vendas já estão em poder de ilegais e clandestinos, segundo estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV). O mesmo levantamento revela que o setor de tabaco é responsável direta e indiretamente por 2,5 milhões de empregos e dos R$ 17,4 bilhões que movimentou em 2010, R$ 8,5 bilhões foram em impostos. A produção legal do fumo envolve 720 cidades da região Sul, 185 mil pequenos produtores e 870 mil pessoas. Claro que os números não devem ser usados para estimular ninguém a fumar, mas o fumo está tão presente na economia brasileira que há séculos ilustra o brasão da República e se a pesquisa do Ibope Inteligência tivesse sido divulgada antes quem sabe a cidade do Rio de Janeiro não tivesse se envolvido em desnecessária polêmica que acabou por retirar de Noel Rosa o famoso cigarrinho nos lábios, sua marca registrada. Villa Lobos não regeria orquestra sem charuto nem Winston Churchill assinaria o acordo de paz que pôs fim à II Guerra Mundial sem o seu entre os dedos. Purismos à parte, o brasileiro que emerge das pesquisas tem se mostrado mais liberal. O direito à escolha parece vingar na forma bíblica do livre arbítrio.

BEBIDA traz sensação de leveza, descrita em imagens que mostram frutos flutuando no ar.

FRUTAS E BELEZA 2OH! ganhou nova campanha publicitária, assinada pela agência AlmapBBDO, para marcar o lançamento dos sabores laranja e citrus protagonizada pela Giovanna Ewbank. Ao tomar um gole da bebida, as frutas do ambiente começam a flutuar passando uma sensação de leveza. A situação se repete por diversas cenas até que Giovanna acaba de beber seu H2OH! e as frutas param de voar, como se a magia tivesse acabado, ao som contagiante da trilha "Relator", interpretada pela atriz Scarlett Johansson e por Pete Yorn. E tudo isso, é claro, para convencer o consumidor.

H

GANSO epois de pedir aos brasileiros que enviassem mensagens de apoio ao jogador Ganso, Gatorade, a bebida energética que faz sucesso nas academias, colocou no ar um novo vídeo para comemorar a convocação do jogador Paulo Henrique Ganso para a seleção brasileira de futebol. O vídeo emocionante em homenagem ao atleta, que viu seu sonho ser ameaçado por uma grave lesão aos 21 anos e com uma carreira brilhante pela frente, ganhou agora as mensagens de apoio que os consumidores transmitiram e cenas em que Ganso veste a camisa da seleção. O vídeo poderá ser visto na Fan Page da marca no Facebook e também no canal de Gatorade no YouTube. O material foi desenvolvido pela Agência ClickIsobar e produzido pela Kultur. Ganso está com a corda toda.

D

MENSAGENS de apoio

TESTE DOVE

FRIO E CERVEJA

epois de conquistar mulheres de todo o mundo ao centrar suas ações de publicidade na beleza real, aquela que se encontra nas ruas e nos lares do mundo, Dove, marca da carteira da Unilever, inicia nova campanha criada pela agência Ogilvy. O alvo agora é a linha Original. A partir deste mês e até CAMPANHA defende depilação suave para as mulheres dezembro, Dove vai mostrar que as mulheres vão se sentir mais livres e hidratadas na hora da depilação usando os produtos Dove, especialmente após a limpeza das axilas. Pelos debaixo do braço para evitar dores, nunca mais. Claro que sem ofender aquelas que foram para o festival de Woodstok e ainda não voltaram.

marca de cervejas especiais Baden Baden, conhecida pela tradição das cervejas artesanais produzidas em Campos do Jordão e pelas harmonizações com pratos e sobremesas, preparou mais uma vez agradáveis surpresas para os visitantes que pretendem curtir o frio na cidade. Desenvolvido pela agência Mood e instalado na Vila Capivari, o Château Baden Baden vai proporcionar, pelo segundo ano consecutivo, experiências gastronômicas aos consumidores que visitarem o local, interação do público e conhecimento sobre harmonizações. A Mood também criou um concurso cultural onde os vencedores ganharão um jantar harmonizado na Choperia Baden Baden. Para participar do concurso cultural, será necessário responder a pergunta: "Por que Campos do Jordão harmoniza com você?". Não será difícil responder.

D

A

EXPERIÊNCIA nas montanhas

Envie informações para essa coluna para o e-mail: carlosfranco@revistapublicitta. com.br

Cuidados para uma vida longa Neide Martingo

Newton Santos/Hype

N

ão basta viver mais. É preciso ter também qualidade no dia a dia. Mas o Brasil ainda não está preparado para amparar a população da terceira idade. Dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) indicam que, no Brasil, existem 3.548 institutos, onde vivem 83.870 pessoas com idade superior a sessenta anos. Em dez anos, essa população cresceu 41%, e a que possui acima de oitenta anos, 61%. O levantamento foi divulgado no final de maio deste ano. A demanda abre espaço para a iniciativa privada. A Life Angels, agência que oferece cuidadores e auxiliares de enfermagem, nasceu exatamente da necessidade da proprietária, Claudia Mancini. Há um ano a mãe dela teve um Acid e n t e Va s c u l a r C e r e b r a l (AVC), e Claudia precisou contratar uma cuidadora, por 24 horas. A executiva encontrou o serviço, mas ele foi prestado com muitas falhas. "A profissão não é regulamentada no País, mas a necessidade de bons e confiáveis cuidadores é fundamental para quem precisa do serviço. Empresas especializadas na seleção e treinamento de profissionais conquistam espaço no mercado", disse a empresária. Segundo Claudia, a boa formação da equipe é essencial no ramo: "É muito comum as famílias contratarem pessoas que não são preparadas para cuidar de um idoso, por exemplo. Com isso, correm o risco

A empresária Claudia Mancini, da Life Angels: uso de tecnologia.

de ficar na mão se o 'funcionário' faltar, e também de o familiar, que já tem um problema de saúde, sofrer maus-tratos", afirmou a empreendedora. Tecnologia – Para dar segurança aos parentes que estão trabalhando, a Life Angels recorreu à tecnologia: a empresa instala uma câmera na casa, e a família pode ver as imagens da pessoa sendo cuidada, pela internet, a qualquer hora – até

pelo celular. "Isso faz com que as pessoas possam levar o dia a dia com tranquilidade, sabendo que aquele que precisa de cuidados especiais está recebendo tratamento correto, e com carinho." Outra empresa do setor, a Guardiões de Vidas, há quase dois anos no mercado, tem 41 clientes. Com o aquecimento do mercado, segundo o diretor proprietário da empresa, Mag-

no Ben Hur Montanha, o número pode chegar a oitenta até dezembro deste ano. Fa mí li a – Atualmente, a Guardiões de Vidas possui 125 profissionais. A expectativa é de que o faturamento bruto cresça 60% em relação a 2010. "O idoso que sai de casa para tratar algum problema de saúde se sente 'despejado'. Por isso, pode até entrar em depressão. O melhor é que ele seja tratado junto à família, sempre que possível", disse Montanha. "Como o governo não tem estrutura para cuidar da população idosa, que chega a 1,7 milhão na Grande São Paulo, com idade acima de 65 anos, o serviço privado está crescendo." Montanha disse que nos dois últimos anos, seis empresas foram abertas em São Paulo. Para se diferenciar, ele comprou uma ambulância e contratou um propagandista para divulgar o trabalho da Guardiões de Vidas. "O mais difícil é a qualificação profissional. Não é fácil tratar de um idoso com limitações, e que foi, durante toda a vida, independente. Muitos ficam revoltados. E os cuidadores têm que ser hábeis neste momento." De acordo com a superintendente técnica do Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo (Coren-SP), Maria Angélica Azevedo Rosin, existem na cidade de São Paulo 138 instituições públicas que fazem atendimento domiciliar; no Estado, são 315. "As pessoas vivem mais e, daqui cinco ou dez anos, a situação ficará difícil. O mercado precisa de profissionais especializados em geriatria", afirmou Maria.


quinta-feira e sexta-feira, 23 e 24 de junho de 2011

e

DIÁRIO DO COMÉRCIO

ECONOMIA/LEGAIS - 15 O segmento de enxovais representa 22% da produção têxtil brasileira.

conomia

Fotos: Paulo Pampolin/Hype

Para cada público, um enxoval. Segmentação na venda de cama, mesa e banho garante lucro

Sonia Dib, da Vênus Enxovais: linhas de produtos com qualidade e de marcas reconhecidas para clientela fixa de bom poder aquisitivo.

Paula Cunha

D

iz o ditado popular que quem casa quer casa. Como os casamentos continuam acontecendo e os bebês nascendo, o mercado de enxovais vai muito bem, superando a casa de 1 bilhão de peças confeccionadas anualmente. Isso significa que o segmento representa 22% da produção têxtil brasileira, de acordo com os números do Sindicato das Indústrias de Fiação e Tecelagem do Estado de São Paulo (Sinditêxtil). Para enfrentar os desafios que o atendimento aos clientes mais exigentes e a concorrência especializada impuseram ao setor, o varejo investiu na segmentação para os públicos de cada classe social, na oferta de produtos de qualidade e no atendimento especializado. Os lojistas localizados no Brás e na região da Rua 25 de Março que optaram por essa estratégia mantiveram sua clientela e as margens de lucro. Para Dione Moreira, gerente da Hamuche, que também trabalha com jeans, o mercado passou por transformações significativas com o crescimento do alcance à internet. Ele ampliou o acesso às informações a respeito de matériasprimas, preços e qualidade e, por isso, as vendas nas lojas físicas caíram cerca de 20% nos últimos quatro anos. "Quando o consumidor vem à loja, ele já sabe a marca do produto que precisa e negocia preços e forma de pagamento. Por isso, além de manter nossos preços competitivos, investimos na oferta de produtos de boa qualidade, na qualificação dos funcionários, que frequentam cursos oferecidos por consultores e fabricantes, e nos especializamos no ramo de enxovais", explica. O atendimento na loja física representa 50% das vendas da Hamuche. Outro fator que forçou o processo de especialização foi a redução na diferença entre os

preços oferecidos pela rede e pela concorrência. Além disso, a gerente lembra que o crescimento da cidade fez com que os consumidores passassem a procurar os centros comerciais dos bairros onde residem para economizar tempo. Os varejistas da região que souberam integrar loja física e virtual conseguiram expandir seu campo de atuação e aumentar seu faturamento nos últimos anos. A Casa da Sogra, especializada em cama, mesa e banho, também investiu em s e u s i t e , o w w w. c a s a d a s ogra.com.br, para atender consumidores cada vez mais especializados. As vendas virtuais representam 50% da receita. Outra estratégia para atrair clientes é a realização de promoções como frete grátis e descontos nas vendas online. Rafaela Carvalho, gerente do estabelecimento, explica que a isenção do frete é o benefício que mais atrai os seus clientes e contribui para elevar as vendas significativamente. Quem decidiu atender apenas aos consumidores das classes A e B, qualificou seus funcionários e renovou o visual de suas lojas também alcançou bons resultados. A iniciativa da Casa Cor Enxovais incluiu a oferta de uma linha mais ampla de produtos. Seu proprietário, Carlos Eduardo Marrar, explica que esse público é criterioso, muito bem informado e, por isso, espera atendimento especializado. Nos bairros – A Vênus Enxovais, localizada próxima à Igreja da Consolação, optou por concentrar seus esforços na oferta de linhas de enxovais de qualidade e de marcas reconhecidas e tem mantido seu nível de vendas estabilizado em função da clientela fixa de bom poder aquisitivo. Para a empresária Sonia Dib, a alternativa para fisgar clientes do bairro que procuram o comércio da Rua 25 de março foi diversificar as marcas e modelos oferecidos.

Menor preço pelo mesmo espaço, só no DC

RB CAPITAL HOLDING S.A. - NIRE 35.300.360.346 - CNPJ/MF nº 10.140.272/0001-40

Maior ra cobertu r no pelo me preço PUBLICIDADE Fone: 11 3244-3344 Fax: 11 3244-3894 www.dcomercio.com.br

CONCAIS S/A. CNPJ nº 02.092.233/0001-97 - NIRE 35.300.151.321 Ata da Assembléia Geral Ordinária Realização/Local: 06/05/2011, às 10h00, na R. Gomes de Carvalho, 1306, 8º andar, s/ 83, S. Paulo/SP. Convocação: Dispensadas as formalidades na forma da lei. Publicações: As demonstrações financeiras referentes ao exercício social findo em 31/12/2010 publicadas em 30/04/2011, nos jornais “DOESP e DC”. Presenças: 100% do capital social. Mesa: Presidente: Carlos César Floriano e Secretário: Francisco Cassiani Filho. Ordem do Dia/Deliberações: “Aprovadas, por unanimidade” I. Em AGO: (a) Relatório de Administração, Balanço Patrimonial e demais Demonstrações Financeiras findos em 31/12/2010; (b) Ratificado o pagamento dos dividendos adicionais propostos aos acionistas da AGO, mantidos na conta de reserva de lucro até o balanço de 31/12/2009, no valor total de R$ 24.182.668,37. (b1) O saldo apurado no balanço levantado em 31/12/2010, após a constituição das reservas legais, estatutárias e dos dividendos mínimos obrigatórios, foi destinado para pagamento de dividendos adicionais propostos no valor total de R$ 11.933.694,06. (c) Eleição da Diretoria, com mandato até 30/04/2013, tendo sido reeleitos para Diretor Presidente e Diretor Financeiro: Carlos César Floriano; Diretor de Operações: Flávio Borges Brancato. (d) Re-ratificada e aprovado a remuneração total da Administração paga em 2010, no valor total anual de R$ 498.000,00 e aprovada a remuneração para o exercício 2011, no valor total anual de R$ 697.200,00 conforme ajuste entre seus membros. II. Autorizada a publicação desta ata em forma de extrato. III. Em obediência ao disposto no § 4º do art. 5º do Estatuto Social consolidado verifica-se que o quadro atualizado de participação societária no capital da companhia, é o seguinte: Acionistas - Qtde. Ações ON - Qtde. Ações PN: ABA Infra-Estrutura e Logística Ltda.: 13.320 - 23.310; Carlos César Floriano: Nihil - 370: Total: 13.320 - 23.680. Encerramento: Formalidades legais foram arquivadas e registradas na JUCESP nº 227.764/11-0 em 14/06/11.

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: TOMADA DE PREÇOS - TIPO TÉCNICA E PREÇO A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para execução de Projetos: TOMADA DE PREÇOS N.º - OBJETO - PRÉDIO - LOCALIZAÇÃO - ÁREA (se houver) - PRAZO - ABERTURA DA LICITAÇÃO (HORA E DIA) 46/00154/11/02 - Elaboração de Projeto Executivo de Acessibilidade e Apresentação de Pasta Técnica contemplando a documentação relativa ao Projeto Técnico de Segurança - EE Prof. José Bartocci - Rua São Serapião, 396 - 03664-000 Vila Ré - São Paulo/SP - 90 (Elab. de Proj.) / 180 (Pasta Técnica); EE Prof. Frederico de Barros Brotero - Rua Jaiminho, 150 - 07095-150 - Vila Progresso - Guarulhos/SP - 90 (Elab. de Proj.) / 180 (Pasta Técnica); EE Prof. José da Costa - Rua Alm. Barroso, s/n - 11530-180 - Jd. 31 de Março - Cubatão/SP - 90 (Elab. de Proj.) / 180 (Pasta Técnica) - 09:30 - 28/07/2011. 46/00158/11/02 - Elaboração de Projeto Executivo de Acessibilidade e Apresentação de Pasta Técnica contemplando a documentação relativa ao Projeto Técnico de Segurança - EE José de Oliveira Orlandi - Av. Adriano Bertozzi, 1.195 - 08265000 - Jd. Helian - São Paulo/SP - 90 (Elab. de Proj.) / 180 (Pasta Técnica); EE Prof. Mario Nakata - Rua Eurachio Mauricio, s/n - 07260-000 - Pimentas - Guarulhos/SP - 90 (Elab. de Proj.) / 180 (Pasta Técnica); EE/EMEF Prof. Estanislau Augusto/ Othilia Fornari Lima (Extensão) - Rua Maestro Braga, 34 - 12995-000 - Centro - Pinhalzinho/SP - 90 (Elab. de Proj.) / 180 (Pasta Técnica) - 10:00 - 28/07/2011. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital na SEDE DA FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 - São Paulo/SP ou através da Internet, pelo endereço eletrônico www.fde.sp.gov.br. Os interessados poderão adquirir o Edital completo através de CD-ROM a partir de 27/06/2011, na SEDE DA FDE, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, mediante pagamento não reembolsável de R$ 40,00 (quarenta reais). Os invólucros contendo a Proposta Técnica, a Proposta Comercial e os documentos de Habilitação, deverão ser entregues na Supervisão de Licitações, na SEDE DA FDE, até 30 minutos antes da abertura da licitação. Esta Licitação será processada em conformidade com a LEI FEDERAL nº 8.666/93 e suas alterações, e com o disposto nas CONDIÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE. As propostas deverão obedecer, rigorosamente, o estabelecido no edital. JOSÉ BERNARDO ORTIZ Presidente

Extrato da Ata da Reunião do Conselho de Administração de 07/06/11 Hora, Data, Local: 07/06/2011, às 10hs, na sede social, R. Amauri, 255, 5º and., parte. SP/SP, Convocação: Dispensada. Presença: Totalidade do Conselho de Administração. Mesa: Presidente: Luis Cláudio Garcia de Souza; Secretário: Marcelo Pinto Duarte Barbará. Deliberações Aprovadas por Unanimidade: Eleição de 3 novos membros para a Diretoria: Adalbero de Araujo Cavalcanti, brasileiro, casado, engenheiro, RG nº 37.46.360 (SSP/BA), CPF/MF nº 704.506.414-49; Cesar Corona Nasser, brasileiro, casado, engenheiro, RG nº 19.156.382-1 (SSP/SP), CPF/MF nº 093.028.528-06; e Régis Dall’Agnese, brasileiro, solteiro, administrador de empresas, RG nº 10.489.769-12 (SSP/RS), CPF/MF nº 895.514.000-20, todos residentes em SP/SP, com mandato unificado de 3 anos, contados de 11/01/2010, data de eleição dos demais membros da Diretoria, quais sejam, Marcelo Pinto Duarte Barbará, Diretor Presidente; Alexandre Rhinow, Diretor Vice-Presidente; Marcelo Michaluá; e Glauber da Cunha Santos. Encerramento: Nada mais, lavrou-se a ata. Conselheiros: Luis Cláudio Garcia de Souza, Marcelo Pinto Duarte Barbará, Marcelo Pereira Lopes de Medeiros, José Pio Borges, André Lara Resende e Winston Fritsch. Extrato do original. SP, 07/06/2011. Marcelo Pinto Duarte Barbará Secretário. JUCESP 233.899/11-0 em 17.06.11. Kátia Regina Bueno de Godoy - Sec. Geral.

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: TOMADAS DE PREÇOS A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para execução de Obras: TOMADA DE PREÇOS Nº - OBJETO - PRÉDIO - LOCALIZAÇÃO - PRAZO - ÁREA (se houver) - PATRIMÔNIO LÍQUIDO MÍNIMO P/PARTICIPAR - GARANTIA DE PARTICIPAÇÃO - ABERTURA DA LICITAÇÃO (HORA E DIA) 05/01607/11/02 - Reforma de Prédio Escolar - EE Prof. Antonio Adolfo Lobbe - Rua Sta. Isabel, 12 - 13570-790 - Vila Izabel - São Carlos/SP - 150 - R$ 24.320,00 - R$ 2.432,00 - 09:30 - 13/07/2011. 05/01671/11/02 - Reforma (Restauro) de Prédio Escolar - EE Visc. São Leopoldo - Rua João Guerra, 251 - 11015-131 Macuco - Santos/SP - 360 - R$ 91.381,00 - R$ 9.138,00 - 10:00 - 13/07/2011. 05/01673/11/02 - Construção de Prédio Escolar - Terreno Aldeia Boa Vista do Promirim - Aldeia Boa Vista do Promirim, Promirim - Promirim - Ubatuba/SP - 120 - 436,23 - R$ 35.604,00 - R$ 3.560,00 - 10:30 - 13/07/2011. 05/01694/11/02 - Reforma de Prédio Escolar - EE Dom João Nery - Rua Erasmo Braga, 555 - 13073-470 - Bonfim Campinas/SP - 210 - R$ 58.374,00 - R$ 5.837,00 - 11:00 - 13/07/2011. 05/01715/11/02 - Construção de Ambientes Complementares com Fornecimento, Instalação, Licenciamento e Manutenção de Elevador e Reforma de Prédio Escolar - EE Tarquinio Cobra Olyntho - Praça Cap. Mario Rodrigues, 1 - 13720-000 - Centro - São José do Rio Pardo/SP - 210 - 378,60 - R$ 64.266,00 - R$ 6.426,00 - 11:30 - 13/07/2011. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital e o respectivo Caderno de Encargos e Composição do BDI na SEDE DA FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 - São Paulo/SP ou através da Internet, pelo endereço eletrônico www.fde.sp.gov.br. Os interessados poderão adquirir o Edital completo através de CD-ROM a partir de 27/06/2011, na SEDE DA FDE, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, mediante pagamento não reembolsável de R$ 40,00 (quarenta reais). Todas as propostas deverão estar acompanhadas de garantia de participação, a ser apresentada à Supervisão de Licitações da FDE, conforme valor indicado acima. Os invólucros contendo a PROPOSTA COMERCIAL e os DOCUMENTOS DE HABILITAÇÃO deverão ser entregues, juntamente com a Solicitação de Participação, a Declaração de Pleno Atendimento aos Requisitos de Habilitação e a garantia de participação, no Setor de Protocolo da Supervisão de Licitações - SLI na SEDE DA FDE, até 30 minutos antes da abertura da licitação. Esta Licitação será processada em conformidade com a LEI FEDERAL nº 8.666/93 e suas alterações, e com o disposto nas CONDIÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE. As propostas deverão obedecer, rigorosamente, o estabelecido no edital. JOSÉ BERNARDO ORTIZ Presidente

FALÊNCIA, RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL E RECUPERAÇÃO JUDICIAL Conforme informação da Distribuição Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, foram ajuizados no dia 22 de junho de 2011, na Comarca da Capital, os seguintes pedidos de falência, recuperação extrajudicial e recuperação judicial: Requerente: Comercial Cordeiro de Derivados de Petróleo Ltda. - Requerida: Centro Oeste Transportes Ltda. - Rua Salvador Cardoso nº 51 - 2ª Vara de Falências Requerente: Jeferson Cezario de Oliveira - Requerida: Indústrias Matarazzo de Papéis S/A - Rua Joli nº 165 - 1ª Vara de Falências Requerente: Nova Phoenix Serviços de Portaria Limpeza e Conservação Ltda. - Requerido:Transportadora Riopardense Ltda. - Avenida Raimundo Pereira de Magalhães nº 817 - 2ª Vara de Falências RECUPERAÇÃO JUDICIAL Requerente: JMC Comércio e Exportação Ltda. - Requerida: JMC Comércio e Exportação Ltda. - Rua Lacedemônia nº 848 - salas 02/03 - 2ª Vara de Falências

CENTRO DE ESTUDOS AUGUSTO LEOPOLDO AYROSA GALVÃO CNPJ nº 58.109.521/0001-61 BALANÇOS PATRIMONIAIS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 ATIVO ATIVO CIRCULANTE ............................................................................ DISPONÍVEL ..................................................................................... Caixa Geral ........................................................................................ Bancos conta Movimento - Recursos Livres...................................... Bancos conta Movimento - Recursos de 3ºs ..................................... Aplicações Financeiras - Recursos Livres ......................................... Aplicações Financeiras - Recrusos de 3ºs ........................................ REALIZÁVEL A CURTO PRAZO ...................................................... Outros Valores a Receber .................................................................. Adiantamento e Gratuidade ............................................................... Impostos a Recuperar........................................................................ ATIVO NÃO CIRCULANTE ................................................................... REALIZÁVEL A LONGO PRAZO ..................................................... Depósitos em Caução........................................................................ ATIVO PERMANENTE ...................................................................... IMOBILIZADO................................................................................ Bens Móveis .............................................................................. (-) Depreciação acumulada ........................................................ Bens intangíveis ....................................................................... (-) Amortização acumulada ........................................................ Total do Ativo .......................................................................................

2010 2.580.341,99 2.571.140,41 1.098,46 457,02 520.657,14 369.037,14 1.679.890,65 9.201,58 0,00 5.507,20 3.694,38 424.051,26 40.143,36 40.143,36 383.907,90 383.907,90 447.333.77 111.340,96 83.939,99 36.024.90 3.004.393,25

2009 1.842.062,91 1.830.757,00 1.974,72 68.785,49 33.017,67 220.186,34 1.506.792,78 11.305,91 66,47 7.545,06 3.694,38 459.465,67 26.303,36 26.303,36 433.162,31 433.162,31 446.403,77 72.540,45 83.270,99 23.972,00 2.301.526,58

PASSIVO PASSIVO CIRCULANTE ....................................................................... Fornecedores ..................................................................................... VINCULADO A CONSIGNAÇÕES ....................................................... IRRF a Recolher - Salários ................................................................ IRRF a Recolher - Serviços de Terceiros ........................................... CSSL/PIS/COFINS a Recolher .......................................................... ISS a Recolher ................................................................................... VINCULADO A OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS E SOCIETÁRIAS ....... INSS a Recolher ................................................................................ ISS a Recolher ................................................................................... Pis a Recolher.................................................................................... FGTS a Recolher ............................................................................... OBRIGAÇÕES COM EMPREGADOS .................................................. Salários a Pagar ................................................................................ RECUROS DE CONVÊNIOS ................................................................ (-) RECURSOS APLICADOS EM CONVÊNIOS .................................. PATRIMÔNIO SOCIAL LÍQUIDO .......................................................... Patrimônio Social ............................................................................... SUPERÁVIT / DÉFICIT DO EXERCÍCIO ..........................................

2010 1.184.402,51 836,54 6.932,72 2.173,66 776,42 780,19 3.202,45 24.556,60 16.310,24 6.461,22 346,92 1.438,22 7,339,00 7.339,00 6.240.155,37 5.095.417,72 1.819.990,74 1.473.749,27 346.241,47

2009 827.779,31 512,64 34.571,03 759,73 6.907,68 2.434,70 24.468,92 35.056,38 32.331,88 1.048,12 239,45 1.436,93 7.367,00 7.367,00 3.380.669,15 2.630.396,89 1.473.749,27 1.556.197,24 - 82.447,97

Total do Passivo ..................................................................................

3.004.393,25

2.301.528,58

2010 180.965,98 117.482,02 15.387,41 42.419,87 5.676,68 213.229,88 112.068,19 0,00 16.732,12 84.429,57 3.460,09 3.460,09 50.853,41 38.800,51 12.052,90 3.568,01 3.568,01 3.614.281,70 3.614.281,70 350,00 350,00 4.066.709,07 346.241,47

2009 182.773,91 112.660,36 12.324,04 42.250,76 15.538,75 189,951,23 85.348,92 0,00 16.813,46 87.788,85 4.256,52 4.256,52 49.325,83 37.339,83 11.986,00 3.538.67 3.538,67 2.746.428,08 2.746.428,08 200,00 200,00 3.176.474,24 - 82.447,97

2010

2009

131.468,53 66.421,68 0,00 119.201,87 0,00 16.732,12 84.429,57 3.460,09 153.616,10 3.605.141,39 350,00 38.240,00 1.599,00 2.465.020,83 6.685.681,18

117.617,40 37.954,32 15.538,75 84.836,28 0,00 16.813,46 897.788,85 4.256,52 54.119,38 2.732.466,33 200,00 20.773,36 9.773,35 3.244.776,03 6.426.914,03

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 RECEITAS Receitas Ordinárias ............................................................................. Doações ............................................................................................. Termo de Parceria.............................................................................. Convênios e Contratos....................................................................... Taxas e Mensalidades ....................................................................... Cursos e Seminários.......................................................................... (-) Matrículas Canceladas .................................................................. (-) ISS - Imposto Sobre Serviços ....................................................... Receitas Financeiras ........................................................................... Rendimentos com Aplicações Financeiras ........................................ (-) Imposto de Renda sobre Aplicações Financeiras ......................... Outras Receitas ................................................................................... Reembolso e Ressarcimento de Despesas .......................................

2010 4.033.028,29 77.302,64 1.080.000,00 2.427.661,40 448.064,25 452.536,75 1.000,00 129.161,36 56.744,70 69.671,67 12.926,97 802,16 802,16

2009 3.025.346,50 80.204,00 1.068.314,54 1.204.586,70 248.410,60 426.581,06 800,00 1.950,40 52.587,03 66.180,91 13.593,88 16.092,74 16.092,74

Total das Receitas ...............................................................................

4.412.950,54

3.094.026,27

CUSTOS/DESPESAS Recursos Humanos ............................................................................. Pessoal com vínculo empregatício .................................................... Benefícios ao Pessoal com vínculo empregatício.............................. Encargos Sociais ............................................................................... Pessoal sem vínculo empregatício .................................................... Despesas Administrativas Gerais...................................................... Serviços Prestados por Terceiros ...................................................... Ocupação e infraestrutura ................................................................. Serviços de Comunicação ................................................................. Apoio Administrativo .......................................................................... Despesas Financeiras Gerais............................................................. Despesas Financeiras ....................................................................... Despesas Gerais.................................................................................. Depreciação ....................................................................................... Amortização ....................................................................................... Despesas Tributárias ........................................................................... Impostos, taxas e contribuições......................................................... Contrapartida de Convênios, Projetos e Cursos .............................. Custeio de Convênios, Projetos e Cursos ......................................... Despesas Extraordinárias .................................................................. Outras Despesas ............................................................................... Total das Despesas ............................................................................. SUPERAVIT / DÉFICIT DO EXERCÍCIO ..............................................

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

Redução na diferença entre os preços oferecidos pela rede e pela concorrência levou à especialização

SALDO INICIAL .................................................................................... ENTRADAS Receitas de Custeio ............................................................................ Receitas com Subvenções e Doações .................................................. Receitas com Termo de Parceria........................................................... Receitas com convênios e contratos ..................................................... Receitas com taxas e mensalidades ..................................................... Receitas com Cursos e Seminários ...................................................... Receitas Financeiras ............................................................................. Reembolso e Ressarcimento de despesas ........................................... Recursos de Convênios e Projetos ................................................... Rendimentos com aplicação dos recursos ...................................... Depósitos em caução recebidos........................................................

2010 1.830.757,00

2009 2.324.635,98

4.542.111,90 77.302,64 1.080.000,00 2.427.661,40 448.064,25 451.536,75 56.744,70 802,16 2.760.719,11 98.833,58 24.400,00

3.158.461,97 76.610,00 1.068.314,54 1.270.666,00 248.410,60 425.781,06 52.587,03 16.092,74 2.677.707,52 96.865,56 0,00

Total das Entradas...............................................................................

7.426.064,59

5.933.035,05

SALDO FINAL ......................................................................................

2.571.140,41

1.830.757,00

SAÍDAS Despesas com Pessoal com vínculo Empregatício ............................... Encargos sociais ................................................................................... Despesas com Pessoal sem vínculo Empregatício ............................... Serviços prestados por terceiros ........................................................... Despesas com ocupação e infraestrutura ............................................. Serviços de Comunicação ..................................................................... Despesas de Apoio Administrativo ........................................................ Despesas Financeiras ........................................................................... Despesas com Impostos, Taxas e Contribuições .................................. Custeio de Convênios e Projetos .......................................................... Despesas extraordinárias ...................................................................... Depósitos em caução ............................................................................ Aquisição de imobilizado ....................................................................... Recursos Aplicados em convênios e projetos ....................................... Total dos Pagamentos.........................................................................

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31/12/2010 I - Contexto Operacional: Nota 1: O centro de Estudos Augusto Leopoldo Ayrosa Galvão é uma entidade que atua com a finalidade de Utilidade Pública na realização direta, constante e ativa no desenvolvimento das ciências da saúde nas áreas de pesquisa, no apoio técnico, na formação e capacitação de recursos humanos e principalmente, na promoção da assistência social na área da saúde a todos que dele necessitar, sem qualquer forma de distinção. II - Apresentação das Demonstrações Contábeis: Nota 2: As demonstrações contábeis foram elaboradas e estão sendo apresentadas em conformidade com a Lei nº 6.404/76 e resolução CFC nº 877/2000, que aprovou a NBC T 10.19 das Entidades sem fins lucrativos juntamente com a D.F.C. - Demonstração do Fluxo de Caixa instituida pela Lei 11.638/2007. III - Resumo das Principais Práticas Contábeis: Nota 3: a) O regime contábil adotado foi da competência. Nota 4: a) As aplicações financeiras foram feitas em diversas instituições financeiras e foram demonstradas pelos valores aplicados, acrescidos dos rendimentos incorridos até a data do balanço. b) As disponibilidades constantes dos saldos bancários e aplicações foram divididas em dois grupos: 1º) Recursos Livres que serão utilizados na manutenção das atividades da entidade; e 2º) Recursos de Terceiros que correspondem a valores que a entidade mantém esclusivamente para aplicação em cursos, projetos e convênios. c) A ativo imobilizado é registrado ao custo de aquisição. A depreciação é calculada pelo método linear a taxas que levam em consideração o tempo de vida útil dos bens. d) O ativo intangível é registrado ao custo de aquisição. A amortização é calculada pelo método linear a taxas que levam em consideração o tempo de vida útil do intangível. Nota 5: a - As receitas foram apuradas mensalmente e representadas por doações recebidas de pessoas físicas,

termo de parceria com a iniciativa privada, cursos ministrados, convênios e projetos particulares, taxa de administração, rendimentos de aplicações financeiras e outras receitas referente a reembolso e ressarcimento de despesas. b - As despesas foram apuradas mensalmente e demonstradas, por despesas direta com pessoal; administrativas e gerais; financeiras; tributárias; custeio na contrapartida de convênios, projetos, cursos e parcerias; e despesas extraordinárias. c - Os recursos recebidos para realização de convênios públicos juntamente com os recursos recebidos para a realização de convênios da iniciativa privada, com prestação de contas, foram devidamente contabilizados no Passivo Circulante na conta Recursos de Convênios e os recursos utilizados para a realização dos convênios foram contabilizados em conta redutora do Passivo Circulante denominada (-) Recursos aplicados em Convênios. d - Todos os recursos recebidos foram totalmente aplicados no desenvolvimento das atividades da entidade. Nota 6: Doações recebidas: Pessoas físicas no valor de R$ 77.302,64 (Setenta e sete mil, trezentos e dois reais e sessenta e quatro centavos). Nota 7: Não houve recebimento de auxílios e subvenções do poder público para custeio da entidade. Nota 8: Todos os recursos recebidos foram totalmente aplicados em suas finalidades institucionais, de conformidade com seu estatuto social, demonstrados pelas suas Despesas e investimentos Patrimoniais. Nota 9: Não houve oferecimento de gratuidade no período. Nota 10: Não houve gratuidade concedida no período. São Paulo, 31 de dezembro de 2010. Karina de Cássia Braga Ribeiro - Diretora Executiva Luiz Carlos Rodrigues da Silva - TCCRC - 1SP113897/O-6


DIÁRIO DO COMÉRCIO

16

e

Os varejistas terão até 1º de janeiro de 2013 para vender os estoques de itens que ainda não passaram pela certificação.

conomia

Termina dia 1º de julho prazo para selo de eletrodoméstico

quinta-feira e sexta-feira, 23 e 24 de junho de 2011

O

s eletrodomésticos produzidos no Brasil terão, obrigatoriamente, um selo de qualidade, que equivale a uma certificação, a partir de 1º de julho, conforme a Portaria nº 371 editada pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro). A exigência vale para produtos como aspirador de pó, ferro de passar, forno elétrico, máquina de lavar louças, secador de cabelos, umidificador de ambiente, liquidificador,

batedeira, torradeira e centrífuga. Segundo a portaria, os importadores e fabricantes terão até o dia 1º de julho de 2012 para adequar seus estoques de produtos que ainda não tiverem o selo. Finalmente, os varejistas terão até 1º de janeiro de 2013 para vender os estoques de itens que ainda não passaram pela certificação. A TÜV Rheinland do Brasil, especializada em certificação com sede na Alemanha, emite certificados para todos os tipos de eletrodomésticos. Um ensaio custa entre R$ 3

mil e R$ 4 mil e a certificação tem custo que varia de R$ 5 mil a R$ 10 mil. "Uma empresa que tem uma linha extensa de produtos paga uma taxa única pelos ensaios e depois pela certificação. Todo o processo leva cerca de 60 dias para ser concluído", explica. O gerente da TÜV Rheinland lembra que, além dos testes dos produtos, uma auditoria em fábricas para verificação dos processos de produção faz parte das ações de certificação. A empresa foi procurada por fabricantes e importadores

que queriam certificar mais de 500 modelos. Demanda alta– O laboratório de testes gaúcho Testtech obteve o grau de autorização concedido pelo Inmetro para realizar ensaios em setembro de 2009. O diretor da empresa, Álvaro Medeiros de Farias, explica que essa antecipação foi positiva para atender à demanda que, atualmente, é grande, pois avalia que 90% dos produtos importados da China não apresentam conformidade com as novas regras. Paula Cunha


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 23 e 24 de junho de 2011

17

Nº 373

DCARR

O Salão de Motos que será realizado de 4 a 9 de outubro, no Anhembi. Informações no site www.salaoduasrodas.com.br

Fotos: Divulgação

Muito respeito com este detalhe S CHICOLELIS

e você segue um BMW que tem na sua traseira, bem ali ao lado direito, um M estilizado, nas cores vermelho, azul e branco, saiba que ultrapassá-lo vai exigir muito de você e de seu carro. De você, se o motorista do BMW for dos "bons" e, do seu carro, se ele também for do time, ou seja, ande muito. Pois é isso que os BMW, com o logo "M" na sua traseira, e também na lateral, junto ao capô, são: "bons" – de arrancada, de velocidade, de curva, de freio e de proporcionar ao seu motorista, e também acompanhantes, um imenso prazer. Daí, você olha para a frente e vê lá X-M6 ou X-M5 (com aquele M) que parece um "trambolhão", com a sua traseira de gosto duvidoso – que a fábrica classifica de "visual convincente de potência e exclusividade" – e pensa: será que este também é "daqueles"? É! Tem motor V8 de 4.3 l e 555 cavalos de força. Arranca muito, anda muito, curva muito, freia muito. E, se o seu carro não estiver à altura, vai ficar muito longe, mesmo nas curvas. Principalmente nelas. Tem ainda outro detentor do "M", que é o M3, o único que, até agora, ainda usa motor aspirado. Mas não se anime, ele é

Como outras marcas, BMW mostra suas garras por trás de uma letra "M" escrita de maneira diferenciada, em azul claro, azul escuro e vermelho.

empurrado por 420 cavalos no seu incrível V8. Por questões relacionadas a emissões, ele logo ganhará o motor bi-turbo dos seus irMãos. Carro ou kart? - De agora em diante também poderá aparecer na sua frente um pequeno sedan BMW, o novo membro da família, com o mesmo símbolo na traseira, o

M. Não se iluda com seu tamanho, pois, parodiando o dito popular, "nos pequenos carros podem estar grandes motores". É o caso. O pequeno da BMW tem um colossal motor M Twinpower Turbo, de 340 cavalos, capaz de levá-lo até mais de 250 km/h, só que a máxima é limitada eletronicamente a esta velocidade. Faz de 0 a 100 km/h em 4,9 s e, pa-

ra os puristas, tem câmbio de seis marchas, apenas manual. Não há opção automática. Nas curvas, toda aquela sopa de letrinhas, mais o desenho da sua carroceria, associados a uma suspensão surpreendente, fazem dele um verdadeiro kart, enfrentando curvas como "gente grande". Uma delícia de conduzir. Quem concorre? - Entre alguns que podem enfrentar os

"M", estão os modelos alemães da Mercedes-Benz com preparação AMG, os Audi, modificados que levam o logo RS e os SRT da norte-americana Chrysler, todas vendendo seus modelos no Brasil. Quem também tem modelos especiais modificados, com a marca Abarth, é a Fiat. Mas, por enquanto, nem passa pela cabeça da italiana trazê-los para o Brasil. Todos os modelos destas marcas têm suas versões chamadas "co-

muns", que, após um ano ou um pouco mais tempo de mercado, recebem este tratamento especial que os transformam em esportivos, com preços 30% acima dos "básicos". Mas, para quem gosta, vale a pena. E, todos eles, além de motores e suspensão diferenciados e esportivos, têm trio elétrico, bancos confortáveis, air bags, ar-condicionado e até rádios. Tudo de primeira linha, porque ninguém é de ferro.

ENTRE "LOS HERMANOS"

Novidades pós-vulcão Ameaçado pelas cinzas do vulcão chileno, o Salão de Buenos Aires trouxe boas novidades e acaba neste domingo. Divulgação

ANDERSON CAVALCANTE

D

epois do susto provocado pelo vulcão chileno Puyehue, que quase causou o seu cancelamento, o Salão Internacional de Buenos Aires abriu suas portas no último dia 17 e chega ao seu último final de semana. Suas portas serão "baixadas" no próximo domingo (26). Com mercado diferenciado do nosso, a Argentina viu modelos que por aqui talvez nunca cheguem ou vão demorar muito para que isso ocorra, como o Citroën DS3, que já tem mais de

Citroën DS3

dois anos na Europa, está na Argentina, mas só o brasileiro que viaja ao exterior conhece, como ocorre com muitos modelos mostrados na capital portenha. Em Buenos Aires, a Ford apresentou a futura geração da Nova Ranger, integrante da recém-apresentada família de veículos globais da marca. Lá estava também o Fiesta Hatch, que virá em breve para o nosso mercado e o seu próximo lançamento, exclusivo para o mercado argentino, o Novo Mondeo 2.0 com a tecnologia EcoBoost. Ainda no estande da marca, uma quantidade de híbridos: a van C-Max Energi, o pequeno conceito Start, com motor 1.0 EcoBoost e o Iosis Max, que

marca nova tendência de design da Ford. Além deles, o Mustang Shelby GT500, o Novo Explorer, a linha de veículos atuais, o crossover Kuga, New Fiesta Sedan e Hatch e os veículos de competição New Fiesta RS WRC. A Volkswagen mostra a Space Cross, a versão aventureira do SpaceFox, que deve ser lançada no Brasil no segundo semestre deste ano e que lá é chamada de Suran Cross, além das novas gerações do Passat, do Touareg e do Beetle e a Amarok Cabine Simples, que virá em breve para o Brasil. O Suran Cross vem com motor 1.6, a gasolina, de 101 cv e transmissão manual de cinco marchas. A To y o t a mostra nesta 5ª edição do Salão carros-conceito com foco em sustentabilidade, entre eles o FT-EV, compacto 100% elétrico que usa a plataforma do subcompacto iQ. Para quatro passageiros, ele é equipado com motor alimentado por baterias de íon de lítio. O híbrido mais vendido do mundo, o Toyota Prius, está sendo apresentado na versão Plugin, que possibilita recarregar as baterias em uma tomada comum. A diferença do Prius híbrido convencional é que as baterias de íon de lítio - cuja tecnologia permite tamanhos menores e que se recarregam de forma mais rápida - que equipam o veículo podem receber carga de uma fonte do tipo tomada, permitindo rodar por até 21 quilômetros no modo elétrico, a uma máxima de 96 km/h. Outra novidade da marca ja-

Chevrolet Cobalt

Volkswagen Amarok Cabine Simples

Toyota FT-86

ponesa é o FT-86, o cupê compacto, com tração traseira e com motor boxer 2.0 que, combinado com uma estrutura leve e um baixo centro de gravidade, permite uma pilotagem semelhante à de um carro de corrida. Além dos os conceitos, a Toyota apresenta toda a linha vendida na Argentina, com Hilux, SW4, Corolla, Camry, RAV4, Land Cruiser Prado e o Cruiser 200. Enquanto isso, a Peugeot mostra o 408 1.6 turbo, de 163 cv, o sedan 508, que pode pintar por aqui em 2012; o 3008 híbrido, o Coupê RCZ e o conceito SR1. Outra francesa, a Renault deu destaque ao Duster, que chegará ao Brasil nos próximos meses para disputar mercado com o Ford EcoSport. Além da nova Ranger e da Volkswagen Space Cross, outra apresentação que pode ser listada como uma das grandes novidades deste Salão de Buenos Aires é o sedan Cobalt, desenvolvido pela GM do Brasil e da Coreia do Sul e com fabricação prevista para iniciar neste ano. Ele deve aposentar, de uma só vez, o Corsa e o Astra sedan.

KIA CARNIVAL

PARA A FAMÍLIA TODA A minivan chega mais potente e em duas versões de acabamento

C

hegam ainda este mês às concessionárias da Kia Motors no Brasil as primeiras unidades da minivan Kia Carnival, agora com motor de 3.5 litros, V6, de 24 válvulas CVVT ainda mais potente que a geração anterior: 276 cv a 6.300 rpm. O modelo, agora passa a ser oferecido em duas versões de acabamento, ambas com câmbio automático de seis velocidades com opção de trocas sequenciais. Seus preços partem de R$ 124,9 mil no modelo equipado com bancos para oito ocupantes, CD Player com entrada auxiliar, iPod e USB, sistema de abertura das portas por keyless, abertura elétrica da tampa do combustível, volante com regulagem de altura, bancos traseiros removíveis,

bancos da última fileira rebatíveis, retrovisores externos com regulagem elétrica e aquecimento, faróis de neblina com lentes de policarbonato, direção hidráulica progressiva, air bag duplo, freios a disco nas quatro rodas com ABS e EBD e sensor crepuscular. A versão top de linha custa R$ 154,9 mil e, além dos equipamentos do modelo de en-

trada, vem com computador de bordo, piloto automático com controles no volante, arcondicionado digital com ionizador, bancos em couro, rodas de liga leve aro 17'', bancos do motorista e passageiro com ajuste elétrico e memória, air bags lateral e de cortina, câmera com visor LCD para marcha a ré, controle eletrônico de estabilidade e sensor de chuva.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

18

t

quinta-feira e sexta-feira, 23 e 24 de junho de 2011

RECORDE DE VISITAÇÃO Só no primeiro trimestre deste ano, 405,5 mil pessoas passaram pelo Parque Nacional do Iguaçu – 17,7% a mais que no ano anterior.

urismo

O QUATI Mascote do parque, o animal chega bem perto dos visitantes

Fotos: Divulgação

Todas as maravilhas de Foz do Iguaçu Evana Clicia Lisbôa Sutilo

V

ocê tem apenas cinco dias de folga e quer fazer uma viagem inesquecível para um lugar onde a natureza encha os seus olhos? Pois Foz do Iguaçu é a pedida. Localizada no extremo oeste do Paraná, na bacia hidrográfica do Rio Iguaçu, a cidade divide com a Argentina uma das maiores maravilhas da natureza: as Cataratas do Iguaçu. São 275 quedas com altura média de 75 metros que encantam visitantes do mundo todo. O grande volume de água e a biodiversidade da região podem ser apreciados tanto do lado brasileiro como do argentino, e esses poucos dias são suficientes para conhecer também outros importantes atrativos, como o Parque das Aves, Itaipu e Ciudad del Este, no Paraguai. Com tantas opções de passeios para todos os bolsos e idades, só no primeiro trimestre deste ano, 405,5 mil pessoas passaram pelo Parque Nacional do Iguaçu, batendo recorde de visitação. No mesmo período do ano passado foram 17,7% a menos. Turismo e compras fizeram o movimento do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu crescer 48,7%. O parque – Um dos cartões-postais brasileiros, o Parque Nacional do Iguaçu, a apenas 17 km do centro de Foz, tem a melhor vista das cataratas e seus mais de 185 mil hectares de florestas

abrigam uma das mais belas reservas ecológicas do planeta, reconhecida pela Unesco como Patrimônio Natural da Humanidade em 1986. Além das cataratas, o parque é habitat para centenas de espécies de animais: aves, borboletas, peixes, anfíbios, serpentes, lagartos e mamíferos, como o quati, mascote do parque, que pode ser visto durante o passeio. Alguns quatis chegam bem perto dos turistas em busca de alimentos, mas somos recomendados a não alimentá-los e não tocá-los para evitar mordidas e domesticação. O acesso ao parque pode ser feito de carro, condução de empresas de turismo ou ônibus coletivos que saem da cidade. No Centro de Visitantes, após comprar a entrada, um ônibus leva o turista a vários pontos. Para quem pretende apenas visitar o parque sem realizar outras atividades, inicie na Parada Trilha das Cataratas por um percurso a pé de 1,2 km por via pavimentada e com escadas, onde terá uma visão mais próxima de algumas incríveis quedas d´água por meio de muitos mirantes e finalizando na Passarela de Observação da Garganta do Diabo, a mais deslumbrante das quedas, com cerca de 90 m de altura. É bom levar capa de chuva, pois nesse ponto do passeio é impossível não se molhar. Aos que não podem

andar muito, na última parada, Estação Espaço Porto Canoas, há um elevador que leva ao ponto mais perto do acesso à Garganta e de onde a vista é espetacular. O volume de água é tão grande que, ao cair, forma nuvens de gotículas onde surgem arco-íris. Aventura – O parque oferece, ainda, ecoturismo pela Trilha do Poço Preto, que pode ser percorrida a pé, de bicicleta ou de carretinha. Caiaque, rapel e passeio de helicóptero também são boas opções. Para os mais radicais, o Macuco Safari, passeio de barco que sobe o rio enfrentando corredeiras até chegar pertinho da queda Salto do Macuco, é o ponto alto. Começa com trilha feita em carreta e caminhada pela selva, onde, se tiver sorte, verá alguns animais. Já no barco, a sensação é indescritível quando a catarata nos presenteia com um banho energizante de suas águas. A dica é usar trajes de banho ou roupa fácil de secar, ou levar uma para trocar após o programa. Saindo do Parque Nacional de Iguaçu, a poucos metros, atravessando a pé a Avenida das Cataratas, está o Parque das Aves, uma área ambiental temática que abriga mais de 100 espécies de aves de várias partes do mundo, inclusive algumas ameaçadas de extinção. Hoje, cerca de 1.100 animais vivem no local e podem ser observados por visitantes de to-

Fotos: Divulgação

Fotos: Evana C. L. Sutilo

das as idades, que ficam próximos a eles e, algumas vezes, junto deles dentro dos viveiros, como é o caso das araras e do borboletário. Na área de lazer é possível ser fotografado com uma Cataratas: 275 quedas, com altura média de 75 metros, encantam turistas. Aventureiros experimentam o Macuco Safari, passeio de barco que chega perto de um dos saltos. magnífica araracanindé em seu braço ou ombro. Um belo passeio! volume de água, por ser o primeiro conNovo dia – É a vez do lado argentino tato do Rio Iguaçu com o cânion onde se das Cataratas do Iguaçu, que estão a 28 encontram as cataratas. O circuito cokm do centro de Foz do Iguaçu e 23 km meça por meio de trens que saem da Esde Puerto Iguazú. O ideal é reservar um tação Central ou da Estação Cataratas a dia inteiro. Antes de cruzar a fronteira, se cada meia hora e levam de 15 a 30 micertifique de estar com seu RG original nutos até a Estação Garganta. Ao descer, ou passaporte (não são aceitas carteiras o visitante caminhará 1.100 metros por Duty Free, onde bebidas e cosméticos são funcionais ou carteira de motorista) e uma passarela até o mirante, onde se de- vendidos a preços vantajosos. pesos argentinos para pagar o ingresso parará com a beleza do salto. Este circuiItaipu Binacional– Visitaobrigatória, ao Parque Nacional Iguazú. Contratar to é de fácil acesso também para pes- Itaipu é uma das maiores obras da engeum motorista, que também seja guia, é a soas com cadeira de rodas. nharia humana, construída com a parcemelhor forma de chegar e circular por lá. O lado argentino reserva mais pas- ria entre o Brasil e o Paraguai, e a maior usiA parte da Argentina exibe o maior nú- seios, como o emocionante Gran Aventu- na hidrelétrica do mundo em geração de mero de trilhas, quase todas as quedas e ra, para ver as cataratas de barco no mes- energia. Localizada a menos de 38 km de o ponto com maior vazão d'água, a Gar- mo estilo do Macuco Safári, que inclui Foz do Iguaçu, recepciona o turista com ganta do Diabo. Após comprar os in- passeio pela selva. Outros tours opcio- filme que conta a história de sua construgressos, três circuitos permitem ter vi- nais: Aventura Náutica (somente com a ção e detalhes dos projetos socioambiensões diferentes das quedas e diversos parte de barco) e o passeio ecológico de tais. Guias especializados acompanham o graus de dificuldade nas caminhadas. barco pela parte superior do rio, sem a vis- turista por vários roteiros especialmente Imperdível para todos é chegar até o ta para as cataratas. Na Argentina, o cas- preparados. No Mirante Central é possível mirante da Garganta do Diabo, o salto sino também atrai turistas. Vale a pena co- contemplar o esplendor da barragem de mais impressionante das cataratas, tan- nhecer, mesmo que não arriscar a sorte. concreto, com sua forma de catedral e seu to pela sua altura de 90 m como pelo seu Ao voltar para o Brasil, não deixe de ir ao gigantesco vertedouro. Uma atração extra é o show de luzes na iluminação da Os passeios: barragem, que ocorre nas noites das sextas-feiras e dos sábado. Parque das Compras no Paraguai – Não bastasAves, Itaipu e se tanta programação, mais um atrativo compras no de Foz é Ciudad Del Este, do outro lado da Paraguai, Ponte da Amizade, um paraíso para os atravessando consumistas e sacoleiros. Comércio de a Ponte da rua e vários shoppings oferecem todo tiAmizade (fotos po de produto, passando por roupas, perà esq.). Mais fumes e produtos eletrônicos. Cuidado shopping em com as falsificações, fora das lojas é muito Puerto Iguazú. fácil ser enganado! Pesquise antes de Evana C. L. Sutilo comprar, pois existe uma grande diferença de preços entre as lojas. Resta apenas reservar o hotel e aproveitar. As cataratas podem ser visitadas o todo o ano. No verão, o volume de água é maior, as chuvas são mais rápidas e as árvores ainda estão floridas. Já entre abril e outubro o calor não é tão intenso e as chuvas são menos frequentes, tornando o passeio muito agradável. Boa viagem!

Um dia para curtir seu hotel

Viagem a convite do Bourbon Cataratas Convention Resort

RAIO X

Infra-estrutura do Bourbon Cataratas inclui 301 apartamentos e nove suítes, inúmeras opções de lazer e piscinas.

H

ospedar-se no Bourbon Cataratas é o complemento cinco-estrelas da viagem a Foz do Iguaçu, portanto, reserve um tempo para aproveitar a excelente infra-estrutura oferecida pelo resort. Próximo ao Parque Nacional do Iguaçu, o Bourbon encanta o hóspede logo na recepção. Os funcionários são simpáticos, os ambientes agradáveis e confortáveis, as opções de lazer são inúmeras e há boa estrutura para grandes eventos. Na área gastronômica, três restaurantes e dois bares oferecem o melhor da culinária local e internacional ao som de piano e harpa tocados ao vivo durante o jantar. Para os amantes da natureza, o Bourbon oferece trilhas ecológicas, passando por viveiros

de animais, horta, árvores frutíferas, circuito de arvorismo, campo de futebol society e quadra poliesportiva, entre outras facilidades de lazer. Crianças – Quem viaja com os filhos conta com uma preparada equipe de recreação, que prepara atividades diferentes para cada idade, utilizando o espaço Turma da Mônica e a piscina com playground. Durante toda a estada, o hóspede aproveita, ainda, academia completa, sala de jogos, lojas, agência de câmbio e turismo, capela ecumênica e business center 24 horas equipado e wi-fi. O resort possui 301 apartamentos e nove suítes, além de instalações hipoalergênicas e unidades para hóspedes não-fumantes. Dois

apartamentos são especialmente adaptados deficientes físicos. Todas as acomodações têm TV a cabo, acesso à internet banda larga, música ambiente, mini-bar, ar-condicionado, aquecimento central e cofre. Se conseguir, escolha um dos apartamentos com a agradável vista para as piscinas e área verde. Após os longos passeios, nada melhor do que relaxar nas piscinas: uma ao ar livre e outra coberta e climatizada com hidromassagem. Ou curtir o Amazônia SPA Experience, que reúne seis salas de tratamento, relaxamento, saunas seca e úmida, ducha escocesa, jato d'água e salão de beleza, com todos os cuidados que você precisa para ficar renovado. (ECLS)

COMO CHEGAR Saindo e São Paulo, TAM (www.tam.com.br) e Gol (www.voegol.com.br) têm voos diretos para Foz do Iguacu. A partir de R$168 por trecho, em julho.. FAÇAS AS MALAS Bourbon Cataratas Convention Resort: Rodovia das Cataratas, km 2,5, Foz do Iguaçu, Paraná, tels. (45) 3521-3900 e 0800/45-1010, www.bourbon.com.br. Parque Nacional do Iguaçu: Rodovia das Cataratas, km 25, www.cataratasdoiguacu.com.br. Bilheteria funciona das 9h às 17h. Estacionamento, das 7h30 às 19h. Transporte interno – saída do primeiro ônibus, do Centro de Visitantes, é às 9h, e retorno do Porto Canoas, última partida às 18h30. Ingresso para adultos (a partir de 12 anos) a R$ 22,70; a partir de 60 anos e crianças de 2 a 11 anos, R$ 6,70. Macuco Safari custa R$ 140 por pessoa. Parque das Aves: Avenida das Cataratas, km 17,1, www.parquedasaves.com.br. Diariamente, das 8h30 às 17h30. Inteira a R$ 18. Meia a R$ 9. Itaipu Binacional: tel. 0800/ 645-4645,

www.turismoitaipu.com.br. Visita panorâmica – inteira, R$ 20 e meia, R$ 10. Parque Nacional Iguazú: reservas@iguazuargentina.com, www.iguazuargentina.com. Inteira – 73,50 pesos. Gran Aventura a 220 pesos.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 23 e 24 de junho de 2011

B

LAZER - 19

d

cultura EM SÃO PAULO PARA LANÇAR O FILME, CATHERINE DENEUVE DISSE QUE "TODO MUNDO JÁ FOI POTICHE". ESTREIA TAMBÉM A ANIMAÇÃO CARROS 2, DA DISNEY-PIXAR.

Fotos: Divulgação

Catherine Deneuve e Gérard Depardieu: dupla protagoniza cenas engraçadíssimas no filme Potiche - Esposa Troféu, de François Ozon. Abaixo, Depardieu com Fabrice Luchini.

A feminista-objeto Lúcia Helena de Camargo

ela como poucas mulheres aos 67 anos de idade, Catherine Deneuve estrela Potiche - Esposa Troféu. A atriz, que veio a São Paulo para lançar o longa, respondeu a todas as perguntas feitas pelos jornalistas (debochou de algumas, é verdade) e fumou durante o encontro com a imprensa, que aconteceu em uma sala sem janelas de um hotel paulistano. Sobre sua rara beleza, falou sem falsa modéstia: "É a genética. Minha mãe, uma senhora idosa, ainda é bonita". Deneuve foi A Bela da Tarde (1967), de Luis Buñuel, encarnando Séverine, a esposa jovem, rica e profundamente infeliz que ocupava suas tardes trabalhando em um bordel, e A Sereia do Mississippi (1969), de François Truffaut, no qual vira objeto de

adoração de um empresário (Jean-Paul Belmondo). Esses são apenas dois dos filmes que a alçaram a categoria de ícones do cinema. Trabalhou com Claude Chabrol, Roman Polanski (Repulsa ao Sexo, 1965), entre muitos outros. Com François Ozon, diretor de Potiche, fez 8 Mulheres, em 2002, atuando ao lado de Isabelle Huppert, Emmanuelle Béart e Fanny Ardant. Agora, na pele de Suzanne Pujol, contracena com Fabrice Luchini (Robert Pujol), Gérard Depardieu (Maurice Babin) e Jêrémie Renier (filho de Suzanne). Ela vive uma esposa que procura fazer tudo certo: ginástica e corrida para se manter em forma, cuidar da casa, das roupas, da comida. Submissa, aceita sem reclamar as imposições do marido, que comanda uma próspera fábrica de guarda-

chuvas. O ano é 1977. A cidade, Sainte-Gudule, no norte da França. Os operários da indústria entram em greve. E por circunstâncias variadas que não vale a pena citar para não estragar algumas boas piadas do filme, Suzanne acaba na cadeira da presidência da empresa. A nova chefe chega a buscar o apoio de um parlamentar comunista (Depardieu, excelente no papel), que esconde segredos do passado. Ela começa a tomar gosto pelo poder. Porém, chega a hora na qual o marido insiste em reassumir a função. E tudo fica mais complicado e engraçado. Baseado na obra teatral de Pierre Barillet e Jean-Pierre Grédy, Potiche Esposa Troféu, é uma comédia sobre o feminismo dos anos de 1970, com o toque irônico tipicamente francês. A começar pelo título. A palavra "potiche"

significa uma peça de decoração. No caso, uma mulher-objeto. Deneuve tira de letra as comparações consigo própria e dispara, sem se abalar: "Todo mundo já foi potiche em alguma fase da vida. E há muitos homens-objeto também". Sobre exigências que ela teria feito para vir a São Paulo, como 400 toalhas brancas no quarto, apenas ri e mantém o mistério: "Não pedi toalhas. Estão me confundindo com a Sharon Stone? Minhas extravagâncias são bem mais particulares". Potiche - Esposa Troféu (Potiche, França, 2010. Com Catherine Deneuve, Gérard Depardieu, Fabrice Luchini, Jêrémie Renier. Direção e roteiro: François Ozon.

Bilhões em um relâmpago

N

as lojas de brinquedos, as prateleiras já estavam abarrotadas de produtos relacionados ao filme Carros 2 há duas semanas. E agora, que a animação acaba de chegar aos cinemas, as vendas vão acelerar. Não que a bilheteria deva decepcionar, mas a maior fonte de lucro da Disney-Pixar com a franquia – nascida em 2006 com o primeiro filme – é mesmo a venda de carrinhos em centenas de tamanhos e cores representando os personagens, jogos e livros. A marca já rendeu faturamento da ordem de US$ 8 bilhões, sendo US$ 462 milhões referentes à bilheteria mundial. Neste Carros 2, com 145 novos personagens, o corredor Relâmpago McQueen retorna à cidade de Radiator Springs, reencontra a namorada Sally e velhos amigos, como o caminhão-guincho Mate, que tem uma participação significativa. A equipe inteira

vai para no Japão, onde McQueen disputará a primeira etapa do Grand Prix Mundial. Seu adversário e desafeto declarado é um italiano. As corridas seguem pela Riviera da Itália (foto) e Inglaterra. A trama se desenvolve com qualidade de criação de cenários, detalhes e imagens impecáveis, além do humor, como é a praxe nas produções da Pixar. Desta vez, o diretor John Lasseter teve um codiretor, Brad Lewis. Há cenas em 3D, mas quem assistir em 2D ficará igualmente satisfeito. O original em inglês conta com as vozes de Michael Caine (agente secreto britânico Finn McMíssil); Emily Mortimer (Holley Caixadibrita) e até do piloto de Fórmula 1 Lewis Hamilton, que escolheu o esquema de cores amarela e preta de seu carro. A versão em português é bem feita. O expiloto Emerson Fittipaldi está entre os dubladores. O locutor Luciano do Valle dubla seu

colega de profissão Brent Mustanburger e o comentarista José Trajano faz a voz de seu colega americano, o mordaz comentarista David Hobbscap. A cantora Claudia Leitte interpreta a corredora brasileira, Carla Veloso. Entre as curiosidades relacionadas ao filme está a origem do nome de Relâmpago McQueen, uma homenagem a Glenn McQueen, animador da Pixar que trabalhou no original Carros. Os pneus Lightyear usados pelo corredor são uma referência a Buzz Lightyear, de Toy Story. E o número 95 que ele usa é referência ao ano 1995, quando Toy Story, o primeiro da Pixar, foi lançado. Em Carros 2, McQueen ganhou faróis. No primeiro filme ele "usava" apenas adesivos. (LHC)

Nesta edição: teatro recebe Cruel, de Elias Andreatto. Na televisão, estreia Falling Skies, série dirigida por Steven Spielberg sobre uma invasão alienígena à Terra. Entrevista com José Antônio de Souza, dramaturgo que prepara Auto da Independência. Gastronomia dentro do museu. Novo CD de Fábio Jorge. A música homenageia Zimbo Trio. E visuais: exposição de fotos e pinturas de Anca Gravis.

Carros 2 - 3 D (Cars 2 - 3 D, Estados Unidos, 2011, 106 minutos). Direção: John Lasseter.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

20 -.LAZER

quinta-feira e sexta-feira, 23 e 24 de junho de 2011

d

cultura

Divulgação

Hoje, ataque alienígena massivo.

Reynaldo Gianecchini, Maria Manoella e Erik Marmo, o elenco de Cruel: manipulações, maldades e rancores.

Regina Ricca

Desejo de vingança

P

Sérgio Roveri

O

diretor Elias Andreato sempre foi apaixonado pela peça Os Credores, escrita em 1899 pelo dramaturgo sueco August Strinderg. Nunca levou, porém, muita fé neste título que, segundo ele, se mostra pouco convidativo em um país tão dado às intempéries políticas e algumas vezes econômicas. Assim, quando resolveu traduzir e adaptar o texto para uma nova montagem teatral, rebatizou a obra de Cruel. "Corri o risco de mudar o título original, mesmo sendo amaldiçoado por tantos, porque no País em que a gente vive um nome como Os Credores não carrega apelo algum", diz o diretor. "Cruel tem muito mais a ver com os três personagens que Strindberg criou para esta história de manipulações, maldades e rancores." Andreato levou tão a sério a ideia de fazer de Cruel um espetáculo intimista que o Teatro Faap concordou em reduzir sua plateia em cem lugares para que o público pudesse ficar mais próximo deste drama que traz no elenco os atores Reynaldo Gianecchini, Maria Manoella e Erik Marmo. A peça entra em cartaz na próxima segunda-feira e cumpre temporada até a primeira semana de outubro, com sessões somente às segundas e terças. Gianecchini afirma que Cruel é a prova de que as palavras podem ser mais letais que armas de fogo. Seu personagem,

Gianecchini (à esq.): "Palavras podem ser mais letais que armas". Gustavo, que no passado foi abandonado pela mulher Tekla (Manoella), uma escritora bela e independente, reaparece movido por um indisfarçável desejo de vingança. "Da mesma maneira que teve o seu casamento destruído, Gustavo agora está empenhado em promover o fim da relação que Tekla mantém com o pintor

Adolfo (Marmo), um sujeito altamente sugestionável", diz o ator. "O meu personagem é, assumidamente, o mais cruel da trama, mas os outros dois tampouco são movidos por bons sentimentos." O tratamento que Strindberg reservou às mulheres, nesta e em outras de suas peças, lhe valeu uma fama de misoginia

que tem atravessado as décadas. "Strindberg não era apenas um apaixonado pelas mulheres, ele era doente pela figura feminina", diz a atriz Maria Manoella. "A pretensa misoginia atribuída a ele no fundo defende a mulher. Ele tentou combater o modelo da mulher moderna que começava a surgir naquela época, mas, ironicamente, só fez contribuir para que elas saíssem ainda mais fortalecidas deste processo". A trama de Cruel se passa em um saguão de hotel, onde o pintor Adolfo conhece Gustavo, hospedado ali com o propósito de plantar na mente do pintor a dúvida sobre a honestidade e o caráter das mulheres, em especial de Tekla, sua esposa. Este encontro põe em movimento um circo de tormentas, dúvidas e acusações mútuas. "O jogo promovido por Strindberg é interessante justamente por demolir algumas certezas contemporâneas", diz Andreato. "Todos nós achamos que vivemos numa época de liberdade total, em que tudo é possível. Esta peça mostra o quanto nós ainda somos medrosos, caretas e obcecados em ter alguém só para nós." Cruel, estreia nesta segunda (27), no Teatro Faap. Rua Alagoas, 903, Higienópolis. Tel.: 3662-7233. Apresentações às segundas e terças às 21h. Ingresso: R$ 40.

roduções que levam a assinatura de Steven Spielberg e da sua DreamWorks já vêm com atestado de antecedência: é diversão na certa. Se o trabalho for na linha ficção científica, não há mesmo como duvidar. O cara que nos deu preciosidades no cinema como E. T. e Contatos Imediatos do Terceiro Grau conhece o gênero como ninguém e lança-se agora em nova empreeitada, desta vez na TV – a série Falling Skies, que chega às telas brasileiras hoje, dia 24, às 22h, via canal TNT. "A estreia de Falling Skies promete ser um evento televisivo global", prevê Steve Koonin, presidente da Turner Entertainment Networks. "Estamos animados porque as pessoas em todo o mundo vão poder experimentar quase simultaneamente esta nova série." Koonin refere-se ao fato de que a série, que estreou no domingo, dia 19, nos EUA, será exibida a partir de hoje não só no Brasil como em outros 75 países. Baseada em uma ideia de Spielberg desenvolvida por Robert Rodat (indicado ao Oscar pelo roteiro do filme O Resgate do Soldado Ryan), a série traduz em imagens um pesadelo que muita gente deve ter na vida: o que aconteceria se a Terra um dia fosse alvo de um ataque de alienígenas? Pois é exatamente a partir da sequência caótica de uma massiva invasão alienígena na cidade de NY, que deixou a maior parte do mundo completamente incapacitado e dizimou a maior parte da humanidade, que começamos a mergulhar nessa saga de aventura sci-fi. Durante os seis meses que se seguem ao ataque inicial, alguns

pequenos grupos de sobreviventes, como guerreiros, se reúnem fora das grandes cidades para começar a difícil tarefa de contra-atacar os invasores. Liderando um desses grupos está um ex-professor, Tom Mason, interpretado por Noah Wyle (o dr. John Carter, da série E.R., fotos), e pai de dois garotos (Hal e Matt), que acaba tornandose o líder de um grupo de sobreviventes dispostos combater o domínio "alien". Ao lado dele está uma terapeuta que cuida das crianças traumatizadas pelo ataque, vivida por Moon Bloodgood. Mason também recebe ajuda do capitão Weaver, um soldado veterano interpretado por Will Patton. Cada dia será um teste de sobrevivência para estes cidadãos transformados em soldados, que se esforçam para cuidar daqueles que protegem. E as perguntas que faremos ao ver esse caos – "Onde estão as forças armadas"? "Que fenômeno poderia transformar pessoas comuns em soldados?" – talvez permaneçam em mistério. Poderosos, impiedosos e extremamente inteligentes, os invasores alienígenas de Spielberg pertencem a dois grupos: os Skitters – assim denominados pelos sobreviventes – pois possuem corpos de aranha e são muito fortes e ágeis. E os Mechs, criaturas parecidas com robôs que têm a habilidade de disparar balas pelos braços. Falling Skies estreia em um episódio especial com duas horas de duração e, ao longo da primeira temporada, terá dez episódios. A série levou mais de um ano e meio para ficar pronta, devido aos complexos efeitos visuais que a produção exigiu.

Fotos: João Caldas/Divulgação

Anjo de Pedra: um estranho reencontro. Sob direção de Inês Aranha.

Divulgação

ANIMAÇÃO Amor versus biologia O

centenário de nascimento do dramaturgo americano Tennessee Williams (1911-1983) não vai passar em branco. Dois espetáculos baseados na obra do criador de clássicos como Um Bonde Chamado Desejo, Gata em Teto de Zinco Quente e Doce Pássaro da Juventude podem ser vistos na cidade. No Teatro Viga, no bairro do Sumaré, encontra-se em cartaz a montagem de Alguns Blues de Tennessee, que reúne três peças curtas do autor. E hoje tem início no Teatro Paulo Eiró, em Santo Amaro, a temporada de O Anjo de Pedra (Summer

and Smoke), peça escrita em 1948 e que teve duas encenações no Brasil – uma com Cacilda Becker no elenco, em 1950 e outra, dez anos depois, com Nathalia Timberg. Com direção de Inês Aranha e trilha sonora composta pelo músico Carlos Careqa, que usa até o som extraído de um serrote, O Anjo de Pedra é uma peça sobre o reencontro e o estranhamento que ele acarreta. Depois de terem mantido um namorico na infância, Alma Winnemiller e John Buchanan Jr., agora adultos, voltam a se ver. Ela, filha de um pastor protes-

tante e de uma mãe com distúrbios mentais, está disposta a jogar todas as suas fichas no amor. Uma atitude que não se aproxima em nada das expectativas de Buchanan, um médico promissor, para quem o amor só serve para atender às necessidades biológicas. (SR) Anjo de Pedra. Teatro Paulo Eiró, Av. Adolfo Pinheiro, 765. Tel.: 5546-0449. Sexta e sábado às 21h; domingo às 19h. Ingresso: R$ 10.

Começa neste fim de semana a II Semana Internacional de Teatro de Animação do Sobrevento, que apresenta, a partir de amanhã (sábado, 25), 18 espetáculos inéditos de seis companhias. Participam da edição os franceses da Cie. Philippe Genty e da Théâtre Manarf, a companhia Gare Central, da Bélgica, e os Hermanos Oligor, da Espanha. A turma de brasileiros vem com Cia. Mútua, de Santa Catarina, e o próprio Grupo Sobrevento, de São Paulo. Espaço Sobrevento. R. Coronel Albino Bairão, 42, Belenzinho (a duas quadras do Metrô Bresser-Moóca). Programação completa em www.sobrevento.com.br.


quinta-feira e sexta-feira, 23 e 24 de junho de 2011

DIÁRIO DO COMÉRCIO

LAZER - 21

d

cultura

Fotos: Paulo Pampolin/Hype

Há poetas úteis e poetas necessários. O Bilac foi necessário. Sem ele, não teria o Modernismo. José Antônio de Souza

Zé Antônio, helênico e feroz. Kety Shapazian

Um Demônio que Ruge..., da Editora Giostri.

importante representante do teatro de mostrar que resistência ao golpe militar de Olavo Bilac foi 1964 na capital mineira. soterrado pelo "Cada peça montada era um Modernisno. Sou a favor dos parto por causa da censura. modernistas de 22, mas sou contra Quando o censor ia ao teatro, os modernosos que, 100 anos apresentávamos a ele uma versão depois, continuam colocando o arrastada de três horas, quando na Bilac no subsolo. Há poetas úteis e realidade a peça tinha 90 minutos. poetas necessários. O Bilac foi Quando encenamos Se Correr o necessário. Sem ele, não teria o Bicho Pega, Se Ficar o Bicho Come Modernismo. O mais importante (de Oduvaldo Vianna Filho e foi a influência do Bilac no verbo do Ferreira Gullar, 1968) usamos uma Nelson Rodrigues, o maior bandeira da TFP (Sociedade dramaturgo brasileiro. Mas, se para Brasileira de Defesa da Tradição, Nelson toda nudez era castigada, Família e Propriedade) no palco, para Bilac, toda nudez era o pessoal foi lá, foi o maior exaltada. Ele era um pau, o elenco era pagão sem culpa – gigantesco, umas 50 escrevia como Apolo pessoas. Colocamos e tinha o tesão do eles pra correr." Dionísio. Uma Com o intuito de coisa helênica." falar abertamente É assim, dos problemas apaixonadamente, brasileiros, a que o dramaturgo produção colocou José Antônio de no cartaz do Souza explica sua espetáculo um gorila última obra: Um (animal identificado na Demônio que Ruge e Um época com os militares), Deus que Chora – carregando um Presença de Bilac em estandarte Nelson Rodrigues. imitando os "Estava na hora de utilizados pela TFP, reapresentar Bilac ao entidade que público", diz o apoiava o golpe de escritor, em seu 1964 e marcava escritório, na zona presença no centro sul de São Paulo, sob de Belo Horizonte os "olhares" de Che recolhendo Guevara e James assinaturas contra o Dean, ambos comunismo. pendurados Como bom na estante (fotos mineiro, Zé Antônio Bilac (alto) e Nelson abaixo). emenda uma boa É nesse ambiente, com vista história a outra. "Tinha um cara do para um jardim e o ocasional jornal Última Hora , o Galeano, que barulho de helicópteros que fazia publicidade pra gente e ele chegam e partem de um ponto nas falava 'Tem coisas no ar, tem coisas imediações, que Zé Antônio não só no ar'. Um dia eu abri o jornal e defende Olavo Bilac, mas lembra tinha uma foto dele, segurando um pouco de sua trajetória. uma arma ao lado de outras Grupo Geração – Mineiro de pessoas que sequestraram um Januária, "às margens do São avião e foram para Cuba!" Francisco", foi para Belo No final de 1972, percebeu que Horizonte em meados dos anos "se não saísse de BH, ia sumir". Veio 1950, onde fez o Teatro para São Paulo. Foi direto para o Universitário (TU) e começou a dar aula de interpretação já na década seguinte. Montou o Grupo Geração com colegas de escola e cuja marca era uma "forte atuação política". Na verdade, o grupo foi muito mais que isso. Ele marcou a história das artes cênicas de Belo Horizonte, sendo o primeiro

Teatro São Pedro, "um grupo de esquerda". Depois, fundou o Grupo de Agosto, "de batalha política". Durante uma das montagens com produção de Antônio Abujamra, recebeu a visita de Walter Avancini, que estava lançando o formato de minissérie na TV e queria um núcleo de "gente nova". Na Globo, fez Rabo de Saia(1984) e Grande Sertão: Veredas(1985) com Avancini, além de outros trabalhos importantes, como O Portador, a primeira minissérie a tratar de aids no Brasil. "Como estava ganhando bem, eu construí um teatro no Bexiga, o Lua Nova. Fiz uma novela na Manchete também (Tudo ou Nada), fiz um pouco de Você Decide (programa da Globo), mas estava achando que novela não tinha nada a ver comigo. Minissérie eu gostava. Gosto ainda." Saiu da TV para abrir a

Luxor Filmes. À frente da produtora de vídeo, ele montou para a Associação Comercial de São Paulo o Auto do Empreendedor, em janeiro de 2004, com os atores Paulo Goulart e Nicette Bruno. Auto da Independência – Esse trabalho lhe rendeu outro, agora em andamento. Guilherme Afif Domingos Filho, da empresa de consultoria Guaimbé Bureau de Cultura, e José Mauro Gnaspni (diretor da Virada Cultural) procuravam alguém para escrever o Auto da Independência, evento que será apresentado em 7 de setembro no parque em frente ao Museu do Ipiranga. "A história será contada em núcleos. É uma proposta dele que eu achei bem interessante. Tive um diálogo de criação muito bom com os dois, um bate-bola agradável." Paulo Pampolin/Digna Imagem

Cena de Auto do Empreendedor, no Pateo do Colégio, em janeiro de 2004.

Bilac escrevia como Apolo e tinha o tesão do Dionísio. José Antônio de Souza


DIÁRIO DO COMÉRCIO

22 -.LAZER

quinta-feira e sexta-feira, 23 e 24 de junho de 2011

d

cultura

Gentis frutos da terra dos mafiosos José Guilherme R. Ferreira

O bufê do Santinho. Ao fundo, jardim vertical criado por Gil Fialho.

Fotos: Divulgação

Arte no bufê

T

erras que até poucos anos atrás pertenciam aos mais sanguinários capi da máfia siciliana estão agora ocupadas por cooperativas sociais que produzem pasta orgânica, molho de tomate, azeite de oliva e vinhos das nativas uvas Nero D'Avola e Catarratto – símbolos da luta contra o crime organizado. As cooperativas, cujos vinhos trazem no rótulo Cantina Centopassi, são o braço agrícola do movimento anti-máfia Libera Terra, que em meados dos anos 1990 plantou raízes na cidadezinha de Corleone (a mesma que inspirou Coppola no seu O Poderoso Chefão) e depois se espalhou pela Itália. Depois de muita mobilização, em 1996 a Justiça italiana aprovou a lei que permite a "tomada" das terras dos mafiosos. Entre as propriedades "confiscadas" estão a de Salvatore "Totò" Riina, que agia sem piedade na Palermo dos anos 1980. Ele só foi preso em 1993, um ano após o ousado assassinato dos procuradores anti-máfia Giovanni Falcone e Paolo Borselini. Há também vinhedos da uva Catarratto que pertenciam a outros chefes da Cosa Nostra de San Giuseppe, Salvatore Genovese e Bernardo Brusca. A Centopassi começou a colher em 2006 em cerca de 70 hectares dos 600 ha disponíveis para a

Restaurante Santinho, dentro do Tomie Ohtake, serve pratos criativos em meio a exposições. Lúcia Helena de Camargo

S

antinho foi o nome dado ao restaurante aberto no início deste ano dentro do Instituto Tomie Ohtake, já que a casa é uma espécie de filial do paulistano Capim Santo (por sua vez nascido da casa original de Trancoso). A cozinha de todos é comandada pela jovem chef Morena Leite. A matriz dos Jardins conta com pitangueiras, coqueiros, jabuticabeiras e uma figueira que faz sombra no quintal, além de pratos à la carte. Já o charme do Santinho é seu espaço integrado ao museu, com pé direito altíssimo, o jardim vertical de 70 metros criado pelo paisagista Gil Fialho. E, claro, ser rodeado por obras de arte. Funciona em sistema de bufê. Sobre a bancada de dez metros de comprimento, aparecem pratos que seguem a linha saudável com sabores nacionais. As opções são diferentes a cada dia, sendo dez saladas, cinco tipos de grãos e cinco de leguminosas, além de carnes, peixes e aves. As massas são preparadas na hora, assim como tapiocas salgadas e doces. O cardápio varia de acordo com a estação e do que a chef encontra de mais fresco no Ceasa no dia anterior. Entre os pratos, cuscuz marroquino com pesto; paella; frango com crosta de parmesão e purê de couve-flor; tropeiro do mar

(feijão verde, feijão preto, feijão de corda, feijão vermelho e frutos do mar); arroz negro com lula, rúcula e tomate; mexido árabe (lentilha francesa, cordeiro desfiado, arroz e cebola caramelizada). Aos sábados, é servida a feijoada. Entre as sobremesas, deliciosos brigadeiro cremoso e doce leite. O bufê custa R$ 38,50 por pessoa de terça a sexta; R$ 54 aos sábados e R$ 58,50 aos domingos e feriados. As sobremesas não estão incluídas no preço nos dias de semana. Para beber, suco de limão com couve (R$ 5,80); de beterraba com goiaba (R$ 6,40) e melancia com gengibre (R$ 6,20), além de laranja, abacaxi, entre outros. Prefere um drinque? O Capim Santinho (R$ 16) leva cidreira, uvas verdes, cachaça e gengibre. O restaurante funciona apenas para almoço. Nas tardes, serve café, chá, bolos e sanduíches como o hambúrguer de robalo (R$ 18,50). E o espaço também é usado, à tarde e à noite, para aulas de culinária e eventos do Buffet Capim Santo. Livro - Morena Leite aparentemente consegue fazer seu dia render pelo menos 28 horas. A moça comanda a cozinha de dois restaurantes e ainda encontra tempo para escrever livros. Ela acaba de lançar Capim Santo – Receitas para Receber Amigos (Editora Boccato / Cooklovers), que comemora os 25 anos de história da casa original. Conta o surgimento do Capim Santo de Trancoso, na Bahia, nos anos de 1980, fala sobre a erva cidreira, que deu nome e é ingrediente de diversos pratos servidos. O livro traz medidas que servem de parâmetro na hora de preparar a recepção, como reservar uma garrafa de cachaça para cada dez pessoas e 400 ml de água por convidado, durante uma festa; e, no prato principal, ter sempre uma opção de proteína, outra vegetariana, tomando o cuidado

de verificar antecipadamente a presença de convidados com restrições alimentares. Há receitas de atum grelhado na raiz de capimsanto, linguado recheado com palmito, pupunha ao molho de laranja, picadinho de mignon de cordeiro, mexido árabe, arrumadinho de carne-seca, cestinha de parmesão com risoto de abobrinha, creme brulê, petit gateau e caipirinha de capimsanto, entre outras.

agricultura social. Já produz 200 mil garrafas por ano. Não são vinhos de butique, mas sim produtos vendidos a preços populares nos supermercados da região. O branco é um blend das cepas Catarratto, Grillo e Chardonnay, mas há também o 100% Catarratto, conhecido por sua leveza e toque floral. Já o tinto é uma mistura da Nero D'Avola e Syrah. Os mafiosos tinham terra por ostentação, para mostrar poder, não por apego ao terroir, explica Francesco Galiante, jornalista da Libera Terra, ao escritor Robert Camuto, que conta a história do movimento e da Centopassi no livro Palmento (University of Nebraska Press/2010). A Libera Terra comemorou, no início do ano, a indicação ao prêmio anual da importante revista americana Wine Enthusiast, na categoria "Inovador do Ano de 2010". Estar na lista dos cinco melhores empreendedores da vinicultura mundial é uma vitória desses sicilianos – venceu Alain Juppé, prefeito de Bordeaux.

José Guilherme R. Ferreira é membro da Academia Brasileira de Gastronomia (ABG) e autor do livro Vinhos no Mar Azul – Viagens Enogastronômicas(Editora Terceiro Nome)

http://www.cantinacentopassi.it/

O chansonnier do século 21

Capim Santo - Receitas para Receber Amigos. Morena Leite. Editora Boccato / Cooklovers. 80 páginas. R$ 69.

Acima, carne seca na moranga, prato que aparece no bufê. Ao lado, capa do livro de Morena Leite (à esquerda): comemoração dos 25 anos.

Santinho. Rua dos Coropés, 88, Alto de Pinheiros (entre as galerias do Instituto Tomie Ohtake). Tel.: 3034-4673. Capim Santo. Alameda Ministro Rocha Azevedo, 471, Jardim Paulista. Tel.: 3068-8486 www.capimsanto.com.br

Petit gateau de pistache, servido com uma bola de sorvete de cacau.

Aquiles Rique Reis

A

voz é doce, encorpada; o timbre, grave, agradável; a afinação, acurada; as divisões rítmicas, cuidadosas; a pronúncia, impecável; a instrumentação, concisa; e, no repertório, canções francesas (a maioria), americanas, italianas e brasileiras – estas últimas, vertidas para o francês. Eis um breve resumo das potencialidades de Fábio Jorge e de seu disco Chanson Française 2 (Lua Music). Paulistano, filho de pai brasileiro e mãe francesa, o chansonnier do século 21 se desvelou para produzir um trabalho que lança aragem fresca sobre a música francesa, aquela que, de tempos em tempos, recupera seu lugar de destaque no cenário musical internacional. Produzido por Thiago Marques Luiz, o CD traça um sábio caminho que transforma em francesas músicas de Gonzaguinha, Jeu de Blâme (Grito de Alerta); Dolores Duran e José Ribamar, Tendrement, (Ternura Antiga), estas duas com versões de Fábio Jorge; Edu Lobo e Torquato Neto, Adieu (Adeus), versão de Cauby Peixoto; Matteo Chiosso e Giancarlo Del Re, Parole, Parole, versão de Michaele; Burt Bacharach, Les Yeux de L'Amour (The Look of Love), versão de Gérard Sire; Arnold Goland e Jack Gold, Comment Te Dire Adieu, versão de Serge Gainsbourg. E faz delas irmãs consanguineas das de Charles Aznavour e G. Garvarentz, Les Plaisirs Démodés; J. Dréjac e Michel Legrand, L'Été 42; Alain Barriére, Ma Vie; Michel Legrand e Francis Lai, Je N'Attendais Que Toi; Françoise Hardy e Tuca, La Question; Michel Vaucaire e Charles Dumont, Non, Je Ne Regrette Rien. Ma Vie inicia o disco. Com apenas o piano de

Gustavo Sarzi a acompanhar Fábio Jorge, e arranjo de Thiago Marques, o clássico ganha dramaticidade. Piano e bongô (Nahame Casseb) começam Tendrement. Inspirado por Dolores Duran, Fábio interpreta e comove. O violão de Ronaldo Rayol (também arranjador) toca belo intermezzo. É quando Cida Moreira chega para participar, (en)cantando a letra em português. Tuca, cantora paulistana que, antes de se mudar para Paris, fez sucesso no início dos anos 1960, escreveu os versos de La Question. O violão de Rovilson, o baixo acústico de Eric Budney e o piano de Daniel Bondaczuk (arranjador) dão suporte à voz de Fábio para que ela seja terna, como pede a melodia de Françoise Hardy. É hora de Cauby Peixoto cantar com Fábio Jorge sua versão para Pra Dizer Adeus. Meu Deus! O violão de Ronaldo Rayol, também arranjador, remata a entrada. Envolto em suave reverber, FJ começa o canto. E vem a segunda parte; com ela, o mestre e seu discípulo se emaranham nateia da emoção.O piano toca. Fábio canta. O acordeom de Irene Mutanen surge. O baixo acústico dá ardor ao arranjo de Hanilton Messias. Logo, Silvia Maria acrescenta luz a Je N'Attendais Que Toi. O piano de João Carlos Assis Brasil toca L'Éte 42, fecha o CD e resume o espírito buscado com sucesso por Fábio Jorge: com sua bonita voz, enaltecer a música francesa, por tantas vezes incompreendida. Aquiles Rique Reis, músico e vocalista do MPB4.

SINFÔNICA HELIÓPOLIS TOCA MOZART, BEETHOVEN, WAGNER. Terceiro concerto da temporada, neste sábado (25), às 21h. Sala São Paulo. Praça Júlio Prestes, 16. Ingressos: R$ 30. Tel.: 4003-1212. www.ingressorapido.com.br.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 23 e 24 de junho de 2011

d

LAZER - 23

Divulgação

cultura

Na trilha do Zimbo Trio André Domingues

N

em banquinho, nem violão. A entrada do Zimbo Trio no mundo da bossa-nova, em 1964, foi com uma sonoridade cheia, extrovertida, mais jazzística, com Amilton Godoy ao piano, Rubinho Barsotti na bateria e Luiz Chaves no contrabaixo. Fosse sozinho ou acompanhando cantores, como a genial Elis Regina, o Zimbo logo se firmou como uma nova escola instrumental. Agora, o trio retoma pontos importantes da sua história em seu primeiro DVD, 45 Anos (gravado ao vivo, em 2009), tendo acompanhamento do Grupo Sinfônico Arte Viva e participações de Patty Ascher e Diogo Poças. Pelo filme, dá para ver como houve alguma mudança nessa longa trajetória do trio, como a crescente relação com a música erudita e a passagem do contrabaixo de Luiz Chaves para Itamar Collaço (pouco depois da gravação, Marinho Andreotti assumiu o instrumento). A proposta inicial, porém, ainda está de pé: “fazer com a música brasileira o que o s a m e r i c a n o s f i z e r a m c o m a d e l e s ”, como diz Amilton.

Amilton: A gente não consegue fazer uma coisa expressiva da nossa carreira sem dar o destaque que ele merece. O Tom foi o compositor mais importante que nós tivemos. Com ele, a música brasileira tomou a forma que precisava, aglutinou tudo. Garota de Ipanema, inclusive, foi o primeiro arranjo que fizemos. Já veio com a nossa forma de tocar, não intimista como a bossa tradicional, mas extrovertida, improvisada. A inclusão de Arrastão no repertório traz a lembrança de Elis Regina. Como foi a relação dela com o trio? Amilton: Veja que engraçado: quando a Elis apareceu, nós tínhamos um ano de existência. Então, aparecemos junto com ela. A gente gos-

tava de trabalhar junto porque não precisava ficar acompanhando: era como um quarto elemento do trio. Ela cantava de ouvido em tudo o que acontecia, usava a voz como um instrumento. Acho que a Elis estava muito à frente do tempo dela e teve, com o Zimbo, o ambiente que precisava para mudar o canto brasileiro. Como você entrou no Zimbo Trio? Amilton: Eu estudava música erudita desde pequeno, em Bauru. Depois, comecei a fazer aulas em São Paulo. Pegava o trem às 6h10 da manhã e voltava 23h22, toda quinta-feira, por dois anos e meio. Aí, resolvi reservar dois anos da minha vida para ver o que dava na música. Foi quando comecei a ganhar concursos de piano e ganhei uma bolsa

de estudos, tudo isso na música erudita. Quando acabou a bolsa, para arrumar dinheiro e não ter de voltar a Bauru, fui tocar música popular, que eu gostava, mas não praticava muito. Então, pianistas americanos como o Oscar Peterson passaram a ser meu material de estudo. Foi por aí que cheguei no Zimbo. O Rubinho e o Chaves, que tinham mais vivência do que eu e formação totalmente jazzística, me chamaram: “Não queremos mais fazer fundo de conversa na Baiúca [casa noturna famosa da época]. Vamos fazer o que nós gostamos, improvisar com música brasileira?” Aquilo foi ótimo para mim. Se eu fosse um pianista erudito, talvez fosse mais um, talvez até bom, mas no Zimbo eu fui único! Alex Silva

Por que o Zimbo Trio perdura tanto? Amilton Godoy: Além da afinidade artística, a gente fez uma escola de música, o Clam, com uma metodologia diferente de ensino de música popular. Então, quando o momento ficava difícil nos shows e discos, nós tínhamos a escola. Montamos, também, uma editora e um selo. Tudo isso ajudou a gente a continuar junto. Hoje, por exemplo, o Rubinho está se recuperando de uma doença e o substituto dele é um professor da escola, o Pérsio Sápia.

Há no DVD uma predominância de temas do Tom Jobim. É o compositor preferido de vocês?

No alto, a parceria do Zimbo Trio com Elis Regina. À esq., o grupo reunido e, acima, Amilton Godoy.

Thyago Braulio/Divulgação

Para Tom Jobim

M

ario Adnet está se tornando um expert nos melodistas e arranjadores da bossanova. Neste domingo, no Auditório Ibirapuera, o violonista e arranjador lança seu segundo álbum dedicado a Tom Jobim, + Jobim Jazz, já tendo na bagagem trabalhos sobre Moacyr Santos e Baden Powell. É mais um disco valioso. Preferindo obras pouco conhecidas, como Takatanga, Antígua e Marina Del Rey, Adnet renova o conhecimento sobre o maestro. Há espaço, também, para temas famosos, como Boto, Wave e Samba do Avião, e nestes, as surpresas surgem em função dos ótimos arranjos e improvisos. Em + Jobim Jazz, Adnet reitera sua opção pelo estilo de orquestração aprendido com Moacyr Santos: pujante no ritmo, complexo e exuberante na trama harmônica, além de especialmente colorido nos timbres, graças à combinação de sopros em boa quantidade com a base habitual da bossa (piano, contrabaixo, bateria e violão). Fica como um destaque à parte, assim, a própria sonoridade da banda, integrada por craques como o trompetista Jessé Sadoc, o saxofonista Marcelo Martins, o contrabaixista Jorge Helder e o pianista Marcos Nimrichter. + Jobim Jazz. Auditório Ibirapuera. Av. Pedro Álvares Cabral, s/nº, Portão 2 do Parque do Ibirapuera. Tel.: 3629-1075. Domingo (26), às 19h. R$ 30.

Diversão para adultos. Na hora certa. Armando Serra Negra

P

esquerda, o bar, em nicho com duas confortáveis poltronas de couro macio, criado mudo provençal, anos 50, do Liceu de Artes e Ofícios, é descanso para os copos: cerveja long neck Stella Artois (R$ 11), baby Chandon (R$ 32), Supply Martini (Cointreau, vodka, licor de maçã verde – R$ 22). O ambiente remete aos speak easies americanos dos anos de

1920 (barzinhos clandestinos da época da Lei Seca), staff uniformizado em estilo gângster. “É importante vir com o estômago forrado, porque a casa só oferece bebidas”, alerta Viviane. A paz é mantida por uma equipe alinhada de sete seguranças. Ana John comanda o equalizador, mixando as perucas o tempo todo (são 12 de diferentes

cores). Brilhante DJ, dedilha os pads no ritmo esperado, deslizando-os para cima e para baixo frenética, o melhor da música dos anos de 1970, soul, house, jazz e rythm 'n' blues. Nada de bate estaca! Serve-se do aparelho como um pianista de seu instrumento. “Sempre fui apaixonada por LPs, nasci ouvindo American Music (Nat King Cole, The

Platters, Frank Sinatra) e Bossa Nova; aos treze anos fui estudar piano”, confessa. A velha guarda desconta o tempo de abstinência, bailando alegre na pista. Óculos à Elton John e pulseiras luminosas de brinde! Sob um grande globo de cristal, ela centraliza um anfiteatro, um grande balcão de bar, um palco para a mesa de som, outro para pocket shows, um sofá com poucas

Fotos: Newton Santos/Hype

elo menos uma vez por mês, uma antiga reivindicação dos adultos foi atendida: uma balada descolada, empolgante, e promissora, começando em horário adequado. Logo após a happy hour, e bem antes da meianoite, como é praxe da galera turbinada. “Notamos que era um grande anseio da idade ‘não confiável’, cantada por Elis Regina”, brinca a DJ Ana John, esquentando os dedos. “Programamos o encontro a partir das 21h, para quem está com mais de 30 anos e adora dançar, mas pode badalar até altas horas”, engata a bela promoter Viviane Zimmermann. O talento e a animação da dupla criou o evento 2meetU – com destaque para solteiros e descasados – rolando no sofisticado Dorothy Parker Club. Entrada de pé direito triplo, após a segurança e o registro, papel de parede estampado, provavelmente roxo, espelhos sobreviventes de algum tiroteio, em molduras douradas, espalham-se. À

À direita, a DJ Ana John, do Dorothy Parker Club: balada descolada e empolgante para quem quem já passou dos 30 anos e adora dançar.

mesas e pufs. “Os ingressos para a festa custam R$ 100 para homens e R$ 50 para mulheres, com direito à consumação”, acena a promoter. Os preços são levemente mais acessíveis aos rotineiros da casa (R$ 120 e R$ 90). Mais espelhos: atenção para não trançar as pernas, devido à divertida ilusão que eles provocam à entrada dos banheiros. Resposta à pergunta grafitada em vermelho, no muro externo da área de fumantes: Dorothy Dottie Parker (1893-1967) foi uma escritora que não levava desaforo para casa. Era a única mulher de um grupo de intelectuais da pesada, dos anos de 1920 e 30, que se reunia para um uisquinho todas as noites no luxuoso The Hotel Algonquin, em Nova York. Irreverente e frasista de mão cheia, cuidado com esta: “Mulheres e elefantes nunca esquecem”. 2meetU festa2meetu.blogspot.com Dorothy Parker Club. Alameda Lorena, 2119, Jardins. Tel.: 3062-7654.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

24 -.LAZER

quinta-feira e sexta-feira, 23 e 24 de junho de 2011

d

cultura

Exposição Arte na Natureza e a Natureza da Arte exibe obras da violinista Anca Gravis Fotos: Divulgação

Recortes da natureza. Em fotos e pinturas. Rita Alves

A

té o dia 5 de agosto a Avenida Paulista estará mais florida. A responsável pela proeza é a artista plástica Anca Gravis. Ela reúne no Espaço Cultural Citi uma série de fotos e pinturas que retratam a natureza. As obras fazem parte da mostra Arte na Natureza e a Natureza da Arte. São 12 fotografias e 15 pinturas distribuídas pelo espaço. Elas foram criadas depois da vinda de Anca para o Brasil, em 2001. A artista nasceu na Romênia, mas tem nacionalidade americana. Chegou ao País depois de aceitar o convite para ser uma das violinistas da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, a Osesp. Entre um ensaio e outro, Anca começou a querer mais. Mas foi fora do território musical que seu desejo foi alcançado. “A música não podia me dar isso. Eu precisava de algo material para manipular, tocar, segurar, ver, que durasse”, diz a artista. Em alguns trabalhos, a influência musical aparece com mais força. Memory’s Tree (20042010) é um exemplo. A obra (técnica mista sobre papel) mostra um sutil pedaço de partitura rasgada e algumas notas musicais espalhadas pela tela. Jacob Klintowitz, curador da mostra, afirma que a artista enxerga a linguagem humana no silvestre. “Anca Gavris identifica formas artísticas na natureza. O seu olhar observa reflexos de luz, combinações cromáticas, sombras iluminadas, desenhos estruturais, símbolos, situações intermediárias na passagem da vida para a morte. A artista vê o detalhe no geral, a linguagem humana no silvestre. Ela recorta da natureza cores e ritmos que lhe parecem dotados de existência própria.” Quando comenta sobre as pinturas, observa o método semelhante de Anca. “É sempre a natureza transformada em linguagem e arte. É por esta razão que a sua pintura nos lembra, muitas vezes, o universo cambiável do Impressionismo. Universo desenhado pela luz. Corpos revelados pela luz ou obscurecidos pela sombra.” A história de Anca Gravis com as artes começou cedo. Aos quatro anos, a pequena passou a pintar e criar objetos e instalações. Um ano mais tarde, passou a estudar violino e, depois de passagens por diversas orquestras, mudou-se para São Paulo para integrar a Osesp. Espaço Cultural Citi. Avenida Paulista, 1111, térreo. Tel.: 4009-3000. Segunda a sexta, das 9h às 19h. Sábados, domingos e feriados, das 10h às 17h. Grátis.

Arte em mosaico, pedra, tela...

O artista plástico Walter Tommasi apresenta cerca de 30 peças de colagem com mosaico e marchetaria na Galeria de Arte do Clube A Hebraica. Rua Hungria, 1000. Grátis.

Mostra Quartzoteca – A Linguagem Escondida das Pedras reúne 25 obras inéditas de Denise Milan na Galeria Virgilio. Rua Dr. Virgilio de Carvalho Pinto, 426, Pinheiros. Grátis.

O artista plástico Jaca exibe pinturas, quadros e assemblages em individual na Choque Cultural. Rua João Moura, 997, Pinheiros. Tel.: 3061-4051. Grátis.


Diário do Comércio