Page 1

Ano 90 - Nº 24.088

Conclusão: 23h45

Jornal do empreendedor

www.dcomercio.com.br

R$ 1,40

São Paulo, sábado, domingo e segunda-feira, 22, 23 e 24 de março de 2014

Arte sobre fotos de Renato Costa/AE, Bruno Alencastro/AE e Bruno Domingos/Reuters

SERÁ O OUTONO DA PETROBRAS? De 12ª maior empresa do mundo para a 120ª. De intocável à beira de uma CPI, avalizada agora pelo ex-presidente FHC. Os malfeitos são tão graves que a presidente "abriu o jogo", ele disse. "Pior e fato único na história da empresa: um poderoso diretor está preso sob suspeição de lavagem de dinheiro". Pág. 5 Isaac Brekken/The New York Times

Com a Crimeia, Putin perdeu o Frango à Kiev.

Brasileira casa em Las Vegas sob coro ao noivo: "Bígamo!" O marido de Daniela Barbosa não dá o divórcio pela religião judaica à 1ª mulher se não receber US$ 500 mil, mais a guarda de um filho. Mas ele casou-se na quintafeira, ao obter a autorização de 100 rabinos. Judeus ortodoxos foram ao casamento para gritar: "Bígamo!" O caso virou sensação no New York Times. Pág. 11

Newton Santos/Hype

Alex Silva/Estadão Conteúdo

Hoje, o prato do dia é Frango à Kiev, no restaurante Positano. O chef Bóris, que não é russo, não só o mostra, no prato acima, como ainda passa a receita, na pág. 11. A KGB pode copiá-la para Putin, que engoliu só a Crimeia.

Peixe voador no alçapão da Vila Em casa, onde ainda não perdeu no Paulistão, o Santos bateu um bravo Palmeiras por 2 a 1. A vitória no clássico, com gols de Neto (acima) e Thiago Ribeiro, levou o Peixe à liderança (36 pontos), deixando o Verdão (35) para trás. Pelas quartas de final, o Santos recebe a Ponte e o Palmeiras, o Bragantino. Págs. 13 e 14

ISSN 1679-2688

24088

Página 4

9 771679 268008

E se você tiver que usar bitcoin? Pág. 15


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

sábado, domingo e segunda-feira, 22, 23 e 24 de março de 2014

É desperdício de tempo tentar esconder que estamos diante de um problema que só se resolve liberando os preços. Delfim Netto

ENERGIA E ECONOMIA ANTONIO DELFIM NETTO

uando o governo impede que o consumidor seja racional, as coisas desandam na economia. O represamento no preço dos combustíveis no ano passado e a demora em corrigi-lo, mais uma combinação perversa de fatores climáticos neste verão tórrido, em que choveu forte nos lugares errados, estimularam além do razoável o consumo de energia. Não é só o governo que tem de ser racional; o consumidor também precisa agir racionalmente. O governo deve aumentar os preços da energia e dos

SXC

Q

Governo tem de sinalizar aos consumidores a escassez de água e de energia.

combustíveis por razões muito menos perniciosas do que o público supõe: em primeiro lugar é preciso sinalizar para a sociedade que é preciso economizar o uso da energia e não é apenas por causa do modelo energético, mas também por conta do problema climático. Precisamos de uma redução de 4% ou 5% no consumo de energia elétrica. Isso ajudaria muito a administração do sistema e daria também aos empresários a certeza de que não haverá racionamento e, portanto, não há razão para desestímulo aos investimentos. ual é o sinal para o consumidor tomar conhecimento do problema e entender que precisamos economizar energia elétrica? Isso só

Q

acontecerá com o aumento do preço, da mesma forma que ocorrerá com o consumo dos combustíveis derivados do petróleo. É de sp erd íc io de tempo t e n t a r e sconder que e s t a m o s diante de um problema que só se resolve liberando os preços, encontrando mecanismos que façam esses sinais chegarem ao consumidor, para que ele passe a agir racionalmente. Pois como dissemos, não é somente o governo, que tem de ser racional; o consumidor precisa ser avisado de que está na hora de ser racional... u a n d o o g o v e rn o não sinaliza aos consumidores que a escassez de água e energia é maior do que aquela que supõem, estes não vão se comportar de acordo. Isso pode ter um efeito momentâneo nos preços, mas ajuda a reduzir a expectativa de inflação futura, porque mostra que o governo está agindo na direção correta: melhora a expectativa e mantém o estimulo aos investimentos. O erro que cometemos foi estimular o consumo num momento em que já se estava reduzindo a oferta

Q

de energia, com níveis modestos de água nos reservatórios das hidrelétricas, abaixo do desejável. O resultado é que todo o parque termoelétrico foi posto para funcionar, com seus cust o s a l t í s s i m o s : a c o n s equência é que o preço dessa energia vai subir muito mais do que subiria em outras circunstâncias. ão há nada que substitua o sistema de preços como sinalizador para influir no comportamento do consumidor. O sistema de preços tem muitos defeitos, mas tem uma propriedade que a história mostrou ser positiva: os consumidores obedecem às restrições impostas pelos preços relativos. Se cair o preço, sobe um pouco mais o consumo ; se aumentar o preço, sofre a demanda e o consumidor troca um produto por outro. Nos casos de água e energia, em que a substituição é muito limitada, por que não existe alternativa evidente, o sistema de preços é a única forma de estimular o consumidor a se comportar com maior racionalidade. É seguro que ele irá economizar os dois fatores escassos nesse momento.

N

ANTÔNIO DELFIM NETTO É PROFESSOR EMÉRITO DA

FEA-USP, EX-MINISTRO DA FAZENDA, DA AGRICULTURA E DO PLANEJAMENTO

FINANCIAMENTO DE CAMPANHAS MARIO ERNESTO HUMBERG

O

omo no país há milhares de candidatos a deputado estadual e federal, centenas a senador, dezenas a governador e vários à presidência, nas eleições gerais, como as de 2010 e 2014, uma estimativa modesta indica

C

os gastos globais com essas campanhas de pelo menos R$ 15 bilhões, talvez R$ 20 bilhões ou mais. As contas apresentadas na última eleição geral aos tribunais somaram cerca de R$ 6 bilhões; então pode-se dizer que mais de 60% do custo eleitoral pertence à rubrica que advogados engenhosos passaram a chamar de recursos não contabilizados. As eleições são muito caras no Brasil por conta da fragmentação partidária, dos programas de TV e do sistema de voto proporcional. Aos valores obtidos direta e indiretamente pelos candidatos de diferentes formas, a maior parte extralegalmente, somam-se os recursos provenientes de tributos, representados pelo fundo partidário e pelos chamados programas eleitorais gratuitos, que toda a sociedade paga. E há ainda as doações de materiais e serviços que, na maior parte, não aparecem na contabilidade. julgamento da Ação 470 (o Mensalão), a

O

ação contra o ex-governador de Minas Gerais Eduardo Azeredo, e as denúncias sobre caixa 2 em compras de governos evidenciaram pelo menos seis dos mecanismos empregados para captar recursos não contabilizados: 1Doações de governos a ONGs e entidades fantasmas ou reais que na verdade são caixa eleitoral e pessoal de candidatos ou de partidos; 2 - Pagamentos no exterior usando recursos desviados por empresas estatais ou privadas ; 3 - Compras e contratos governamentais superfaturados (praticamente todos o são) com pagamento de comissões no exterior ou a empresas de pseudo “consultoria”; 4 - Aplicação de valores dos fundos de

pensão e outros controlados por governos com rebate de uma parcela aos políticos; 5 – Pagamento por fora de parte dos benefícios especiais concedidos por governos, como empréstimos a juros menores, redução de taxas e tributos, etc.; e 6 – Desvio de verbas de empresas estatais e órgãos de governo com pagamento a laranjas e mesmo a empresas reais por serviços não prestados. SXC

Supremo Tribunal Federal (STF) está sendo chamado a julgar ação proposta pela OAB e outras organizações sobre a constitucionalidade da doação de recursos por empresas aos partidos e candidatos para o financiamento de campanhas, com a justificativa de que assim se aprimoraria a nossa democracia. Infelizmente, não passa de uma falácia. Quem já participou de campanhas eleitorais sabe que o custo da cada voto é estimado entre R$ 10,00 e R$ 20,00, dependendo do cargo e região. Em São Paulo, por exemplo, os candidatos a deputado dizem aos possíveis financiadores que é preciso pelo menos R$ 2 milhões para conseguir ser eleito.

ssim, a eliminação daquelas contribuições legalmente declaradas de empresas a candidatos e partidos, se aprovada, não reduzirá a corrupção – pelo contrário, a tornaria maior para compensar por fora os valores que eram oficialmente declarados. O necessário para realmente

A

mudar é alterar o processo eleitoral, substituindo o voto proporcional pelo distrital ou distrital misto, o que tem a vantagem adicional de aproximar o eleitor do eleito e permitir a cobrança do desempenho pela proximidade geográfica e pela clara definição de quem é o representante da região. Outra providência salutar será definir que partidos podem se organizar inicialmente por estado e estabelecer a cláusula de barreira por nível: municipal, estadual e federal. O exemplo da Alemanha poderia servir de modelo: lá, por exemplo, o Partido Verde começou a ter representantes nos estados e levou um tempo para superar a cláusula de barreira e conseguir estar representado a nível federal, onde hoje é importante. om isso, se mantido o “programa eleitoral gratuito”, que nós todos pagamos, seu tempo pode ser dividido de forma igualitária entre todos os partidos que ultrapassarem a cláusula de barreira, não

C

transferindo esse tempo caso o partido decida se coligar a outro. Esta será também uma forma de melhorar a qualidade das alianças, hoje muito mais baseadas em busca de maior tempo de TV e rádio do que em programas comuns. E terá reflexo também na escolha dos candidatos, pois se deixará de buscar puxadores de voto para ter bancadas maiores e mais tempo na mídia eletrônica. OAB e as demais organizações que estão questionando a doação legal de empresas a candidatos e partidos, e os membros do STF que já se manifestaram a favor de proibi-la fariam melhor em se ocupar dos reais problemas que afetam a qualidade da representação política no Brasil, em vez de se aterem a formalismos inúteis.

A

MARIO ERNESTO HUMBERG É PRESIDENTE DA CL-A COMUNICAÇÕES, COORDENADOR GERAL DO PNBE – PENSAMENTO NACIONAL DAS BASES EMPRESARIAIS E AUTOR DE VÁRIOS ESTUDOS E PUBLICAÇÕES.

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Cesário Ramalho da Silva Edy Luiz Kogut João Bico de Souza José Maria Chapina Alcazar Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Miguel Antonio de Moura Giacummo Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Renato Abucham Roberto Mateus Ordine Roberto Penteado de Camargo Ticoulat Sérgio Belleza Filho Walter Shindi Ilhoshi

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, Marcel Solimeo Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Editor-Chefe: José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br). Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br). Editores Seniores: chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), José Roberto Nassar (jnassar@dcomercio.com.br), Luciano de Carvalho Paço (luciano@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Marcus Lopes (mlopes@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br). Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Heci Regina Candiani (hcandiani@dcomercio.com.br), Tsuli Narimatsu (tnarimatsu@dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br. Subeditores: Rejane Aguiar e Ricardo Osman. Redatores: Adriana David, Evelyn Schulke, Jaime Matos e Sandra Manfredini. Repórteres: André de Almeida, Karina Lignelli, Lúcia Helena de Camargo, Mariana Missiaggia, Paula Cunha, Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Sílvia Pimentel e Victória Brotto. Editor de Fotografia: Agliberto Lima. Arte e Diagramação: José dos Santos Coelho (Editor), André Max, Evana Clicia Lisbôa Sutilo, Gerônimo Luna Junior, Hedilberto Monserrat Junior, Lino Fernandes, Paulo Zilberman e Sidnei Dourado. Gerente Executiva e de Publicidade Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estadão Conteúdo, Folhapress, Efe e Reuters Impressão S.A. O Estado de S. Paulo. Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens: dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3180-3175. Fax 3180-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3180-3197, 3180-3983, Fax 3180-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3180-3544, 3180-3176 Esta publicação é impressa em papel certificado FSC®, garantia de manejo florestal responsável, pela S.A. O Estado de S. Paulo.

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3180-3737 REDAÇÃO (011) 3180-3449 FAX (011) 3180-3046, (011) 3180-3983 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 22, 23 e 24 de março de 2014

3

DOCUMENTOS MOSTRAM O PAPEL SOVIÉTICO NA HISTÓRIA DO GOLPE DE 1964 NO BRASIL .

uem leu o meu artigo "A história proibida", publicado no último número do Digesto Econômico (https://www. faceb ook.com/ olavo.de carvalho/posts/10152251944597192), não deve perder o vídeo "O Brasil nos arquivos de espionagem do bloco soviético" (http://www. youtube.com/watch?v= Dbt1rIg8FbI), que o confirma integralmente com documentos de fonte primária revelados pela primeira vez no mundo. Os papéis, obtidos diretamente dos arquivos da polícia secreta da antiga Checoslováquia, estavam, desde o fim do regime comunista, guardados no acervo do Instituto para o Estudo dos Regimes Totalitários, na República Checa, onde, com a ajuda de pesquisadores locais, foram encontrados por Mauro Abranches, um tradutor brasileiro que mora na Polônia. Sem qualquer intenção política, o autor do vídeo se abstém de opinar sobre o conteúdo dos documentos. Apenas os exibe e traduz. Mas eles falam por si, e o que dizem compõe um requisitório devastador contra a pseudo-historiografia, sectária e mendaz, que há décadas intoxica a mentalidade dos brasileiros com uma versão unilateral e deformada de sessenta anos da vida política nacional.

Q

que caracteriza essa bibliografia, consagrada no mercado editorial, na grande mídia e nos currículos universitários como verdade de evangelho, é a balela pueril de que tudo o que aconteceu na política brasileira, nos anos 60-70 do século 20, foi o conflito entre agentes de uma superpotência imperialista, armados até os dentes, e, do outro lado, um punhado de bravos patriotas minoritários, isolados e entregues praticamente inermes à mercê de um poder tirânico e repressivo. Quando reconhecem que a luta foi um episódio da Guerra Fria, buscam dar a impressão de que esta se travou entre os americanos e um grupo de brasileirinhos desamparados. O antagonista maior dos EUA, a URSS, desaparece por completo, dando a entender que a ameaça comunista, na época,

O

A KGB no Brasil

OLAVO DE CARVALHO

A conclusão é incontornável: enquanto a ação dos serviços secretos americanos nas altas esferas da vida nacional primava pela rarefação ou pela completa ausência, a KGB-STB estava infiltrada e atuante em todos os escalões do poder, incluindo-se aí ministérios, empresas estatais e Forças Armadas, instituições científicas e educacionais e, é claro, grande mídia. A "ameaça comunista" nunca foi um pesadelo de malucos ou uma "teoria da conspiração", mas sim uma presença intrusiva e avassaladora, o mais profundo golpe já desferido na soberania nacional. s d o c u m e n t o s t r azem, junto com o plano, um extenso relato das operações já em curso de realização, com os nomes das entidades infiltradas, das ações aí empreendidas e, melhor que tudo, dos agent e s e n c a rre g a d o s . O p ro f. Abranches, com muita razão, pede que esses nomes não sejam ainda denunciados, por ser impossível distinguir, num primeiro momento, quais deles são de agentes profissionais e quais os de pessoas que foram forçadas a colaborar com a polícia secreta mediante chantagem ou ameaça. Não comentarei, portanto, aqueles que pude ler na tela e reconheci de imediato.

O

era um delírio de direitistas paranóicos ou a desculpa esfarrapada dos golpistas para derrubar um governo democraticamente eleito. ilhares de livros, reportagens, teses universitárias e especiais de TV construíram e defenderam laboriosamente essa versão, que se baseava e se baseia até hoje, essencialmente, em dois pilares: (a) a repetição servil e obstinada do que os serviços secretos soviéticos mandaram dizer; (b) a ocultação sistemática da atuação da KGB e de seus parceiros tchecos no Brasil. Complementarmente, o papel dos EUA na produção dos a c o n t e c i m e n t o s a p a re c e monstruosamente ampliado, a despeito do fato de que na época nem mesmo o chefe da KGB no Brasil, Ladislav Bittman, sabia de qualquer agen-

M

te da CIA lotado no país e até hoje nenhum nome de espião americano comprovadamente associado ao planejamento do golpe de 1964 jamais apareceu. Nem um único sequer. Em 1985 Bittman publicou o livro de memórias The KGB and Soviet Disinformation ,no qual confessava que a história da participação americana na derrubada de João Goulart fôra inteiramente inventada pelos seus subordinados, na base de documentos forjados.

"Operação Thomas Mann" ou "Operação Toro", como a chamaram seus criadores, ditou os termos em que a história do golpe deveria ser escrita. Até jornalistas do calibre de um Otto Maria Carpeaux ajudaram a impingi-la ao público. E ainda hoje a vontade de Moscou é obedecida sem discussões por milhares de jornalistas, historiadores e professores neste país. Não há talvez, na história

A

Não há talvez, na história do mundo, exemplo similar de tão duradoura fidelidade residual às ordens de um regime extinto. Até hoje a vontade de Moscou é obedecida sem discussões.

do mundo, exemplo similar de tão duradoura fidelidade residual às ordens de um regime extinto. Desde 2001 insisto que entrevistar Bittman seria o dever estrito de qualquer historiador ou jornalista que desejasse contar com honestidade a história de 1964, mas, é claro, fui sempre recebido com um silêncio desdenhoso. A hipótese, então, de investigar mais amplamente nos arquivos soviéticos a penetração da KGB no Brasil, essa era repelida como um verdadeiro crime de lesa-pátria. Mas agora não se trata só da palavra de um agente secreto aposentado ou do clamor de um articulista maluco. São centenas de páginas de um acordo oficial assinado no início dos anos 60 entre a KGB e o serviço secreto checo (STB) para operações no Terceiro Mundo, incluindo o Brasil.

ó digo uma coisa: muitos desses velhos servidores de uma potência genocida ainda estão por aí, brilhando nos jornais e nas cátedras, com as caras mais resp e i t á v e i s d o m u n d o , l u d ibriando diariamente o público brasileiro. "Não existe exKGB", ensina Vladimir Putin.

S

OLAVO DE CARVALHO É JORNALISTA, ENSAÍSTA E PROF. DE FILOSOFIA

QUANDO DOIS E DOIS SÃO CINCO... SXC

epois de atentar contra a língua portuguesa, buscando eliminar a figura do comum de dois, instituindo o “presidenta” que só os vassalos do petismo usam, a presidente Dilma inova mudando a matemática. No cálculo dos valores envolvidos na compra da –agora famosa pelo tamanho do escândalo –de uma refinaria nos Estados Unidos, a então superministra chefe da Casa Civil e presidente (ainda não era presidenta) do Conselho de Administração da Petrobrás, assinou a aquisição cujos números, agora, explodem em seu colo como bomba.

nunca mais haveria apagão. Ops. Acabou a luz. Voltou. Posso seguir escrevendo.

"D

Astral Oil pagou 42 milhões e meio de dólares pela refinaria de Pasadena, no Texas. Isso em 2005. No ano seguinte, em 2006, Dilma, como presidente do Conselho da Petrobrás, autorizou a compra de 50% da mesma refinaria junto à Astral Oil, por 360 milhões de dólares. Aqui, 2 mais 2 começou a dar cinco. Em 2007 a Astral com base em cláusula do contato vai à justiça dos Estados Unidos para obrigar a Petrobrás a comprar o restante da refinaria. Em 2012 a Petrobrás perde na Justiça e paga mais 820 milhões e meio de

A

coisa vai de mal a pior. A grande nau Brasil está à deriva, os furos começam a aparecer e os índices da pesquisa apontam hoje para reeleição de Dilma no primeiro turno. 'Something is rotten in the state of Brazil', diria Shakespeare, fosse vivo, substituindo Denmark, em Hamlet. Há algo de podre no estado do Brasil. E o povo, a massa, nada vê, nada lê, nada sabe. Vivem todos fechados no seu mundinho de bolsas recebidas. Quem sabe, quem vê, quem lê, silencia ou se contenta em apresentar seu protesto, que Deus, embuçado nos céus, não ouve, como diria Castro Alves."

A PAULO SAAB

A grande nau Brasil está à deriva, os furos começam a aparecer e pesquisa aponta a reeleição de Dilma. dólares pela outra metade, totalizando um bilhão e 900 milhões de dólares, por uma refinaria que a Astral havia pago 42 milhões de dólares. ingo. 2+2 são, na matemática dilmista cinco. O estarrecedor, brutal, prejuízo, a que foi submetido o contribuinte brasileiro (sim, a Petrobrás é estatal) e os acionistas privados da empresa, ainda foi justificado pela presidente, de forma singela, como decorrente de um laudo de um diretor que depois se verificou que era falho técnica e juridicamente. E tudo isso ficou por isso mesmo. O brasileiro foi tungado em mais de um bilhão de

B

dólares, a Petrobras perdeu metade de seu valor como empresa, o Brasil voltou a importar Petróleo, a então presidente do Conselho da empresa e Chefe da Casa Civil de Lula, admite que assinou um documento falho e ainda querem os petistas que isso fique, repito, por isso mesmo. e Lula nem vou falar. Vai alegar que não sabia de nada. A presidente do Brasil ficou sem saída. Ou é incompetente e a fama de gerentona se revela como falsa, ou agiu de má-fé, causando enorme prejuízo ao País. Crime de lesa-pátria? Quem leu o livro do delegado Tuma, o Junior, já sabe como o governo vai reagir. Vão, os

D

seus integrantes, acionar a indústria da criação de dossiês para desacreditar acusadores; vão dizer que tudo é conluio das zelites com a imprensa burguesa para perseguir o partido e pronunciar frases de efeito desconectas indo ao ataque como melhor forma de defesa. Tivesse o país partidos de oposição competentes, desapegados, sem rabo preso, fosse o Ministério Público desvinculado de influências partidárias e não tivesse o STF sido dominado pelo Planalto, não fosse o Congresso Nacional comprado pelas benesses do poder executivo, e, certamente, estaríamos diante de mais um escândalo

sem precedentes da má versação do dinheiro público. Da irresponsabilidade, da falta de capacidade gerencial e negocial dos governos Lula e Dilma. a verdade, e poucos têm a coragem de dizer de forma direta, foi de uma incompetência brutal essa 'negociação' que alguns ainda tentam justificar dizendo que a refinaria vai começar a dar lucro. E seguimos importando petróleo para refinar gasolina. Lula e Dilma haviam dito que com o présal seríamos autossuficientes, assim como Dilma, a chefe, desculpe, a chefa, da área de Minas e Energia, disse que

N

videntemente os comentários desta coluna são meus, mas assino na qualidade de jornalista, de cidadão. E asseguro ao leitor que não me moveu minha qualidade de acionista minoritário, mas com direitos, da Petrobrás, que viu seu investimento minguar nos últimos anos. Como tal, exijo explicações e ressarcimento.

E

PAULO SAAB É JORNALISTA E ESCRITOR


DIÁRIO DO COMÉRCIO

4

)KDC7O

gibaum@gibaum.com.br

Novos e estranhos tempos: Dilma abraça Jader Barbalho, que renunciou ao Senado em 2001 para escapar da cassação.

2 “Ele me convidou várias vezes e eu nunca fui. Ele queria fazer marketing com a minha presença.”

JOAQUIM BARBOSA // presidente do Supremo, sobre convites para viajar com Lula à África.

Fotos: Paula Lima

MAIS: e reforça candidatura do filho dele, Hélder Barbalho, ao governo do Pará em aliança com o PT. Acha que ele puxa ao pai.

Perdendo o sono A prisão do ex-poderoso diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, por denúncia de lavagem de dinheiro e suposto envolvimento no imbroglio da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, está fazendo muitos políticos e mesmo fornecedores da estatal perderem o sono. De um lado, estima-se que a Polícia Federal conseguiu recolher grande volume de informações; de outro, há a possibilidade de, se Paulo Roberto for apertado para valer, acabe falando muito mais do que supõe a vã filosofia.

TEM MAIS Dinamitando feudos

Antes de ser presidente da Petrobras, Graça Foster, nomeada por Dilma para a diretoria da Gás e Energia, foi invadindo os feudos da estatal, especialmente os controlados por Paulo Roberto Costa (Abastecimento) e Nelson Duque (Serviços), sem perder o olho em Jorge Luiz Zelada (Internacional). Virou presidente e todos foram afastados. Um pouco antes, saiu Guilherme Estrella, da Exploração, que até hoje não bota fé no pré-sal. Graça sabia que Abastecimento era território do PMDB, tinha sido de José Janene e de José Dirceu (também em Serviços), mesmo fora do governo.

ATÉ FILA Os primeiros dias de funcionamento da primeira loja da Foverer 21, varejista de moda americana (de propriedade de família chinesa), no Shopping Morumbi, em São Paulo, teve fila. Os preços, mesmo sendo mais caros do que nos Estados Unidos, são muito baratos: um jeans custa R$ 35 e o produto mais caro não passa de R$ 150. A Forever 21 tem 600 lojas no mundo. E outras do gênero estão chegando: em maio, abre a primeira da australiana Cotton On, no Center Norte. A Gap já abriu aqui duas unidades, a Topshop inaugurou quatro e a espanhola Desigual, uma.

O ator (neozelandês de nascimento) Russel Crowe (primeira foto à esquerda) veio rapidamente ao Brasil para promover o lançamento de seu novo filme Noé, baseado no livro do Gênesis. No filme, estão também Anthony Hopkins, Emma Watson e Jennifer Connelly. As dimensões da arca que constam da Bíblia foram mantidas: 157 m de comprimento por 50m de largura e 30m de altura. Entre os convidados, da segunda foto à esquerda para a direita, Mel Fronckowiak, namorada de Rodrigo Santoro, Geovanna Tominaga, Bianca Salgueiro e Bianca Rinaldi.

Noé em première

Dilma resolveu responsabilizar o ex-presidente da Petrobras, Sérgio Gabrielli e o ex-diretor da área internacional Nestor Cerveró (foi avisado com antecedência e viajou para o Exterior) sobre o estrago de US$ 1,19 bilhão no caixa da estatal por conta da refinaria de Pasadena. Só que caiu no colo de Lula, que endossou a compra e nomeou os dois. Aí, o expresidente, quase desvairado, mandou o próprio Gabrielli entrar em campo e desmentir o que a Chefe do Governo havia dito (o que ele fez com muito prazer porque Dilma sempre o tratou mal). De quebra, algumas figuras entraram também em cena defendendo o indefensável: entre elas, Arlindo Chinaglia, líder do governo na Câmara, Vicentinho, líder do PT na Câmara e até o senador Humberto Costa. Foram apelidados de “bombeiros sem água”.

Contra Dilma

Novas cores

CAMPEÃO Enquanto a Organização Mundial de Saúde diz que a taxa de cesarianas razoável num país giraria em torno de 15%, o Brasil tem a maior do mundo: 52,3% - no setor publico são 38% e, no privado, mais de 80%. Explicação: um trabalho de parto pode levar até 12 horas. Os planos de saúde pagam R$ 300, R$ 400 ou até mais para o médico acompanhar um parto, enquanto na cesárea ele ganha praticamente o mesmo valor para o máximo de duas horas de trabalho.

A cineasta Ana Paula Nogueira, 34 anos ,que ganhou popularidade como a musa do toplessaço no Rio (oito mil mulheres confirmaram e na hora, apareceram ela e mais uma), está debutando, num ensaio sensual, no Paparazzo. O cachê serviria para ajudar a pagar o documentário Topless in Rio , mas ela acabou doando para a família de Claudia da Silva Ferreira, vitima de bala perdida e arrastada num carro policial.

É a musa do toplessaço

Quantovale O voluntarismo de Dilma Rousseff colocou também em situação de saia justa sua amiga e presidente da Petrobras, Graça Foster, que vinha tentando deixar o assunto Pasadena morrer à míngua,”sem fazer a menor marola”. A refinaria foi até tirada da lista de ativos à venda para não confirmar o super-prejuizo de uma empresa que hoje, por cálculos otimistas, não vale mais do que US$ 120 milhões. Mais: a própria Graça Foster acha que uma CPI acabará abrindo armários onde podem estar outros esqueletos.

/ IN

/

Durante os últimos anos, o Brasil viveu uma verdadeira febre de carros prateados, enquanto os mais conservadores continuavam preferindo, especialmente em veículos de luxo, a cor preta. Mais recentemente, o que se viu foi um festival de carros brancos que, em São Paulo, são confundidos com táxis e que muitos associam, mais entre os grandes utilitários de luxo, com bólidos da Cruz Vermelha nos conflitos do planeta. Agora, a cartela de cores apresenta novas variantes: muito carro cinza perolado, devolvendo a elegância perdida e – surpresa – a chegada de uma cor amarronzada, um tanto ferrugem, que remete aos anos 60.

Batom vermelho.

OUT

Batom ameixa.

Questãodenegócio No Dia Internacional da Mulher, antes de ser atingida pelo tsunami da aquisição da refinaria de Pasadena pela Petrobras, a presidente Dilma Rousseff (No traço de Miguel, que ela acha divertido), que ganhou páginas de jornais e revistas por seu discurso em Davos, feito sem teleprompter e repleto de surpreendentes improvisos, declarou triunfal: “A mulher abre o negócio, tem seus filhos, cria os filhos e se sustenta, tudo isso abrindo o negócio”. Falava – como se nota – novamente de improviso. No caso especifico da presidente, quando abriu seu próprio negócio em Porto Alegre, uma loja com produtos até R$ 1,99 não conseguiu mantê-lo.

Quem conhece bem os bastidores da Petrobras aposta que vêm mais problemas por aí: de cara, a compra da refinaria do Japão, realizada com um passivo ambiental e licenças vencidas e ainda a operação de venda de ativos da empresa brasileira na África ao BTG Pactual sem licitação ou qualquer forma de oferta pública.

MISTURA FINA DEPOIS de seis anos, a apresentadora de TV Eliana e o produtor musical João Marcelo Boscoli (eles tem um filho de quase três anos) estão separados. No currículo de Eliana, antes do filho de Elis Regina, já formaram Marcos Quintella, exDominó, Luciano Huck, Roberto Justus e Edu Guedes.

O DEPUTADO estadual Campos Machado (PTB-SP) é que deverá coordenar o site que, como José Dirceu, José Genoíno e Delúbio Soares, o delator do mensalão Roberto Jefferson vai lançar para arrecadar R$ 720 mil, valor da multa determinada pelo Supremo. Jefferson já colocou um imóvel à venda e recebeu uma primeira doação do senador e ex-presidente Fernando Collor (PTB-AL).

NA SEMANA passada, o ex-ministro do Supremo, Carlos Ayres Brito participou de um seminário promovido pela Gopac, organização global de parlamentares contra a corrupção. E deixou seu precioso recado: “O servidor público deveria ser servidor do público. No serviço público, tem que se fazer uma viagem de alma e não de egos”.

A COMPARAÇÃO é do exministro Delfim Netto: a média de crescimento do governo Lula (dois períodos) foi de 4,1% do PIB, no de Dilma, nesses primeiros quatro anos, foi de 2,0%, índice menor até que os 2,3% dos dois períodos de Fernando Henrique Cardoso.

O BTG Pactual voltou a mandar flores e bombons para a família Erminio de Moraes, disposto a comprar sua participação no banco Votorantim, que tem como sócio (49,9%) o Banco do Brasil. Se der certo, somandose o Panamericano, o BTG vai acabar superando o HSBC no ranking do setor bancário.

O EX-presidente Lula, que não tinha conhecimento da nota oficial da presidente Dilma falando em “parecer técnica e juridicamente falho” sobre o episódio da refinaria de Pasadena, levou um susto ao saber do conteúdo: “O que é isso? Ela ficou louca?”

Colaboração:

Paula Rodrigues / Alexandre Favero

sábado, domingo e segunda-feira, 22, 23 e 24 de março de 2014


DIÁRIO DO COMÉRCIO

5

BARBOSA DESCARTA CANDIDATURA EM 2014 Joaquim Barbosa, presidente do Supremo Tribunal Federal, voltou a descartar a possibilidade de se candidatar à Presidência nas eleições de outubro. "Eu disse em uma entrevista recente que não descartava a hipótese de um dia me lançar na vida política. Mas não para essas eleições de 2014", disse em entrevista ao jornalista Roberto D'Avila, exibida pela GloboNews.

Nós transformamos a Petrobras em uma corporation, uma empresa, não uma repartição pública. Para isso, tem que tirar a influência dos partidos. Deu marcha à ré e o resultado está aí, com escândalo nos jornais. Fernando Henrique Cardoso, ex-presidente.

Pedro França/Ag.Senado

FHC apoia CPI

A revelação mostra a irresponsabilidade das decisões da Petrobras, que perdeu mais da metade do seu valor patrimonial nos últimos anos. E a questão é ainda mais grave por envolver Dilma. Aécio Neves (MG), senador, virtual candidato do PSDB à Presidência. O que a presidente fez no setor elétrico, e a senhora participou como ministra, foi uma pauta bomba que o destroçou. Aloysio Nunes Ferreira (PMDB-SP), senador, dirigindo-se à Gleisi Hoffmann, senadora (PT-PR). A educação faz parte do nosso debate. Tenho todo o direito de questionar declaração que considero leviana, que não tem base na realidade. Não tem números que comprovem que a presidente desestruturou o setor elétrico. Nós pegamos um setor desestruturado. Gleisi Hoffmann ao rebater Aloysio Nunes Ferreira.

A minha grande preocupação é repetir o que aconteceu em 1989: que venha um desconhecido, que se apresente muito bem, jovem... e nós vimos o que deu. Ex-presidente Lula sobre o presidenciável Eduardo Campos (PSB-PE).

Ricardo Stuckert/Instituto Lula

A Petrobras é uma empresa bem aparelhada. Quando a decisão vai à diretoria, é porque passou por uma série de áreas técnicas. Não tem hipótese de a presidente ter concordado com nenhuma irregularidade. Humberto Costa (PE), líder do PT no Senado, sobre a falta de comprovação de irregularidades a compra da refinaria de Pasadena (EUA) pela Petrobras.

O presidente Lula é um dos nossos e é nosso amigo e precisamos ter sempre atenção e respeito com ele por tudo o que ele fez pelo povo, pelo Nordeste e por Pernambuco. Eduardo Campos (PSB), governador de Pernambuco Uma coisa é um decreto autônomo que possa regulamentar qualquer coisa e outra coisa é seguir fielmente o que determina a lei. A nossa preocupação maior é o decreto fazer coisas que não estão previstas na lei. Eduardo Cunha (PMDB-RJ), senador, sobre a falta de consenso sobre o Marco Civil na internet. Se ser novo apresenta algum defeito, o tempo corrige. Marco Aurélio Mello, ministro do STF, em defesa da filha Letícia, 37 anos, nomeada pela presidente Dilma como desembargadora do TRF da 2ª Região – RJ e ES.

Carlos Humberto SCO/STF

André Rodrigues/ Ag.Gazeta do Povo

Marcos Oliveira/Ag.Senado

sábado, domingo e segunda-feira, 22, 23 e 24 de março de 2014

ex-presidente Fernando Henrique Cardoso mudou o discurso e disse ontem que apoia a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar como se deu a compra da refinaria de Pasadena pela Petrobrás. Em nota, ele afirmou que o senador Aécio Neves, presidente do partido e pré-candidato à Presidência da República, deve conduzir o tema em nome do PSDB, após a presidente Dilma Rousseff ter admitido que desconhecia detalhes importantes do negócio, como uma cláusula que obrigava a estatal a comprar os 50% restantes da refinaria, se assim quisesse a sócia no empreendimento, a belga Astra. "Os acontecimentos revelados pela imprensa sobre malfeitos na Petrobras são de tal gravidade que a própria titular da Presidência, arriscando-se a ser tomada como má gestora, preferiu abrir o jogo e reconhecer que foi dado um mau passo no caso da refinaria de Pasadena. Pior e fato único na história da empresa: um poderoso diretor está preso sob suspeição de lavagem de dinheiro", disse FHC, em nota divulgada no site do PSDB (leia ao lado). Fernando Henrique, que governou o País entre 1995 e 2002, antecedendo Lula, defendeu na semana passada uma investigação técnica. Na noite de sexta-feira, Aécio telefonou para o ex-presidente e afirmou que a bancada do PSDB no Congresso era unânime no apoio à CPI e estava disposta, assim como o PPS e o DEM, a abrir investigação. Passados oito anos de o expresidente Lula ter anunciado, com as mãos sujas de óleo, a autossuficiência do Brasil em petróleo, a Petrobras enfrenta uma de suas piores crises, com o nome envolvido em escândalos e seu valor despencando. O valor de mercado da estatal está em R$ 179 bilhões, menos da metade dos R$ 380 bilhões de 2010, quando o preço do petróleo explodiu e a empresa ainda festejava a descoberta do pré-sal. O CASO – A Petrobras é alvo de investigação da Polícia Federal, do Ministério Público e do Tribunal de Contas da União devido à compra da refinaria de Pasadena. Entre 2006 e 2012, a estatal desembolsou US$ 1,18 bilhão pela refinaria, que em 2005 tinha custado US$ 42 milhões à empresa belga Astra Oil. Em nota, o Palácio do Planalto informou que a presidente votou a favor da compra da refinaria em 2006, quando presidia o Conselho de Administração da companhia, baseada em um parecer técnico "falho" e em documentação que omitia duas cláusulas do contrato. O suposto responsável pelo parecer, Nelson Cerveró, já foi exonerado. Antes de partir para a briga judicial com os sócios na refinaria de Pasadena, em 2008, a diretoria da Petrobras, que contava com a atual presidente Graça Foster, tentou o aval do Conselho de Administração para comprar a participação da belga Astra Oil por um preço 119% acima do que tinha sido pago dois anos antes. À época o conselho da empresa era pre-

O

sidido por Dilma Rousseff, então chefe da Casa Civil. Graça tinha sido seu braço direito por dois anos, quando Dilma estava no Ministério de Minas e Energia. Dilma foi a avalista para que Graça assumisse a diretoria de Gás e Energia, em 2007, e a conduziu à presidência da Petrobras em 2012. O conselho é composto por representantes dos acionistas e é responsável por estabelecer as estratégias de longo prazo da empresa. Quando há negócios de grande vulto, a diretoria da Petrobras precisa da aprovação do conselho. Ata da reunião do conselho em março de 2008 mostra os detalhes da apresentação na qual Cerveró, então diretor da área internacional, sugere a compra dos 50% da refinaria em poder da Astra e seus estoques por US$ 788 milhões. Dois anos antes, a Petrobras tinha comprado os outros 50% por US$ 360 milhões. E, em 2005, a Astra tinha comprado toda a unidade por US$ 42,5 milhões. A Petrobras divergia do sócio sobre os investimentos em Pasadena, daí a ideia de comprar a parte belga. Ao conselho, Cerveró afirmou que apresentara a proposta dois meses antes, à Astra, que aceitou a oferta no mesmo dia. O valor total da proposta e a rapidez da negociação intrigaram tanto o conselho que o tema foi discutido em três reuniões, entre março e junho de 2008. JOGO – Ontem, Eduardo Campos (PSB), governador de Pernambuco e virtual candidato à Presidência, disse desconfiar que a crise na Petrobras seja parte de um "jogo" para "vender" a empresa. "Às vezes eu fico sinceramente desconfiado se isso não faz parte de um jogo para desvalorizar e vender a Petrobras. E nós precisamos fazer o jogo correto, republicano, brasileiro, que é proteger a maior empresa pública do País." (Agências)

APURAR OS FATOS "Os acontecimentos revelados pela imprensa sobre malfeitos na Petrobras são de tal gravidade que a própria titular da Presidência, arriscando-se a ser tomada como má gestora, preferiu abrir o jogo e reconhecer que foi dado um mau passo no caso da refinaria de Pasadena. Pior e fato único na história da empresa: um poderoso diretor está preso sob suspeição de lavagem de dinheiro. Sendo assim, mais do que nunca se impõe apurar os fatos. Embora, antes desse desdobramento eu tivesse declarado que a apuração poderia ser feita por mecanismos do Estado, creio que é o caso de ampliar a apuração. O presidente do PSDB, senador Aécio Neves, conduzirá o tema, em nome do partido, podendo mesmo requerer, com meu apoio, uma CPMI. Afinal é preciso saber por que só depois de tudo sabido foi demitido o responsável pelo parecer que induziu a compra desastrada da refinaria nos Estados Unidos e que relações havia entre o diretor demitido e o que está preso. Afinal, trata-se da Petrobras, empresa símbolo de nossa capacidade técnica e empresarial."

João Carlos Mazella/Estadão Conteúdo

Base critica mudança de discurso do ex-presidente liados da presidente Dilma Rousseff no Congresso criticaram ontem a mudança de discurso de Fernando Henrique Cardoso. Antes, ele defendia uma investigação técnica sobre a compra da usiada de Pasadena (EUA) pela Petrobras. A base aliada trabalhará para abortar a tentativa da oposição de instalar uma CPI em ano eleitoral. Liderados por Aécio, os oposicionistas reúnem-se amanhã para decidir sobre a CPI. Segundo aliados de Dilma, os oposicionistas querem palanque com CPI. Um dos vice-presidentes do PT, o deputado federal André Vargas (PR), disse que não há um fato novo para justificar uma investigação parlamentar. Segundo Vargas, FHC, que sempre teve uma "postura mais equilibrada", agora faz "política". "Tudo aquilo que ele não quis fazer, pressionado pelo Aécio Neves agora, está fazendo". Vargas é o primeiro vice-presidente da Câmara. "A

A

oposição está radicalizando o discurso porque não consegue emplacar seus candidatos". O líder do governo no Senado, Eduardo Braga (PMDBAM), criticou a mudança de posição do ex-presidente. Conforme Braga, a oposição quer "politizar" e "partidarizar" a Petrobras. Ele disse que o Tribunal de Contas da União, a Controladoria-Geral da União, o Ministério Público Federal e a Polícia Federal já investigam supostas denúncias de irregularidades envolvendo a estatal. Ele lembrou que as conclusões da CPI são encaminhadas para o próprio Ministério Público. "Se nós fizermos uma CPI a esta altura do campeonato, vamos encaminhar para quem?", questionou. "Que tipo de investigação querem fazer sobre a presidenta Dilma? Já querer confundir alhos com bugalhos, a população brasileira não vai aceitar isso", criticou. A base de Dilma é maioria tanto na Câmara quanto no Senado. (Estadão Conteúdo)

Fernando Henrique Cardoso

Senador Armando Monteiro Neto (PTB) ganhou o apoio petista

PT vai de PTB no PE uma ofensiva contra o grupo do governador Eduardo Campos (PSB), o PT de Pernambuco selou ontem o apoio à candidatura do senador Armando Monteiro Neto (PTB) ao governo do Estado. Com respaldo da executiva nacional do PT, do ex-presidente Lula e da presidente Dilma Rousseff, a maioria dos 266 delegados que participaram do encontro estadual votou pelo apoio a Monteiro Neto. A aliança foi questionada por setores que defendiam

N

candidatura porópria. A presidente estadual do PT, a deputada estadual Teresa Leitão, admitiu que a disputa interna foi acirrada, mas garantiu que o partido está unido: "Não haverá dissidência". O PT deverá disputar o Senado com o exprefeito do Recife e deputado federal João Paulo Lima. PT e PTB participaram do governo Campos até outubro, quando entregaram os cargos para construir candidatura de oposição ao bloco governista. (Folhapress)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

sábado, domingo e segunda-feira, 22, 23 e 24 de março de 2014

Você não consegue resultado positivo se não tiver apelo emocional ou carisma. Gilberto Musto, consultor de marketing político na web

Victória Brotto

Internet não elege ninguém, mas derruba.

s políticos brasileiros ainda não sabem do poder da internet em uma corrida eleitoral. É o que sustenta o consultor político Gilberto Musto, que atende candidatos e partidos há mais de 20 anos e esteve nos Estados Unidos Consultor de marketing político na web Gilberto Musto alerta: a internet é um veículo de interação. durante a campanha eleitoral Arquivo Pessoal de Barack Obama e Mitt Romney, a convite da George levância desse político na inWashington University, para ternet será zero. Entender a indebater a importância das re- ternet e as redes sociais é fundes sociais na política. damental porque ela se tornou Musto acaba de lançar o li- uma ferramenta muito imporvro Estratégias políticas para tante. Foi pelo Facebook, Twitredes sociais no qual ensina, ter que sociedades conseguipasso a passo, como fazer ram derrubar presidentes, couma política bem feita em re- mo aconteceu no Egito, e orgades como o Twitter, Facebo- n i z a r p r o t e s t o s , c o m o ok, Instagram e Google Plus. aconteceu aqui. Eu sempre di"A maioria dos políticos não go que a internet não elege ninentende que interagir com as guém, mas que ela pode derrupessoas pelas redes sociais bar qualquer um. Claro que ela pode ser importantíssimo. A é uma das ferramentas dentro grande maioria usa errado", de uma campanha eleitoral, afirma o consultor, que con- mas uma ferramenta que pode tou que depois de ser debati- atrapalhar muito quem não da de "forma light" nas cam- souber usá-la. panhas de 2010 e 2012, em 2014, as redes online voltam DC – E o que o candidato agora com toda a força. "É im- deve fazer para sair da pensável uma campanha de "relevância zero" na internet? m a r ke t i n g s e m t r a b a l h a r G.M – É preciso muito engacom o mundo online". jamento com o público e invesMusto diz que entre a internet e o eleitor existe um apelo emocional que os políticos ainda não perceberam. O consultor fala ainda sobre timento em métodos profiso futuro do tempo de propa- sionais para se tornar relevan- campanha, estão sendo cita- ultrapassa muito isso. O que vivendo a campanha do Barack ganda eleitoral gratuita no rá- te no mundo online. O que de- das, curtidas, compartilha- acontecerá será uma comple- Obama e do Mitt Romney, e eu dio e na televifendo no livro das. Assim, você consegue sa- mentação entre os meios. In- notei que entre a internet e o são diante das é que a secre- ber quantas pessoas estão fa- clusive os meios tradicionais eleitor existe um apelo emocioredes sociais, e taria de comu- lando do candidato e estão na se utilizam muito bem da in- nal que os políticos brasileiros do poder que Claro que a internet é nicação de ca- rede de sua influência, bem ternet hoje para alavancar as ainda não perceberam. Você elas têm no que da candidato como na rede de influência audiências. Todos os meios não consegue ter resultado pouma das ferramentas deva ter três dos adversários e, pelos co- devem ser bem planejados sitivo no mundo offline, com chama de "fase da campanha emocional e fanúcleos: o nú- mentários, em até duas sema- pela equipe de comunicação uma campanha no online, se se racional" das cleo de gestão nas você consegue ver a ten- da campanha e utilizados ca- você não tiver um apelo emoeleitoral, mas pode eleições. "Eu da qual com seu potencial. cional ou o famoso carisma. atrapalhar quem não de conteúdo, dência dos debates. sempre digo o de gestão de souber usá-la. que a internet r e l a c i o n aDC – Hoje os partidos se DC – Como o político pode DC – O senhor poderia dar GILBERTO MUSTO, não elege ninmento e o de unem em alianças para transformar curtidas e exemplos de apelo emocional CONSULTOR POLÍTICO DE WEB guém, mas que m o n i t o r a- conseguir mais tempo na seguidores nas redes sociais nas redes? ela pode derrumento. televisão e no rádio. No futuro, em voto? bar qualquer um". Leia abaixo O núcleo de gestão de con- estar na internet vai ser mais G.M – Uma campanha na intrechos da entrevista: teúdo deve ser feito por jorna- importante para um político do ternet só dá certo se leva sua listas para produzir textos de que estar nestas mídias? conquista no mundo online paDC – Como as redes sociais alto impacto e o de relacionaG.M – Não. Porque os méto- ra o "mundo offline", ou seja, se são encaradas pelos políticos mento por pessoas iguais aos d o s d e c o m u n i c a ç ã o d o s você consegue votos reais – inbrasileiros? próprios eleitores que tem ha- meios tradicionais conspiram clusive, eu acredito que a priGilberto Musto – Os políticos bilidade para conversar com o a favor de uma marca ou de meira eleição que terá condiutilizam a internet de forma er- eleitor. O núcleo de monitora- um político. A força da internet ções de mensurar a força da inrada – e a grande maioria faz is- mento deve ser baseado nu- é grande, tem oportunidades ternet na urna será agora em so. Eles utilizam como veículo ma ferramenta que eu uso diferentes de comunicação da 2014, porque nos anos interiode comunicação. Mas a inter- muito, chamado Scoop. É uma televisão, do rádio e do jornal, res as campanhas online eram net não é um veículo de comu- ferramenta em três idiomas, mas não é mais importante bem básicas, agora não. Quannicação, e sim de interação. Se na qual você consegue, por in- até pela dificuldade de aces- do eu fui para os EUA, à convite você não interagir com o elei- termédio de buscas em todas so. Hoje temos 47% da popula- da George Washington Univertor e simplesmente publicar re- as redes sociais, monitorar o ção acessando a internet de sity para debater campanha e leases em sites, noticiar suas quanto as palavras-chave, banda larga, já o número de redes sociais com consultores ações e propostas, o grau de re- que o candidato quer usar na pessoas que tem tevê e rádio do mundo inteiro, eles estavam

O

G. M – A Marina Silva, por exemplo, conseguiu 20 milhões de votos nas eleições de 2010 colocando emoção no meio, vendendo emoção e mesclando sua história de vida em sua campanha online. Mas isso serve também para qualquer outro lugar, na rua, na televisão, no rádio. Um exemplo mais forte e que, pra mim, foi genial: Barack Obama, quando conseguiu se reeleger, ele se reelegeu também por sua capacidade de unir emoção com campanhas formidáveis, como quando ele usou a Jennifer Lopez para fazer um vídeo onde conclamava os cidadãos latinos (que são 32% do eleitorado) a votar no Obama. Ela não citou número de empregos novos que Obama criou na primeira gestão, não falou nenhuma vírgula, ela só contou a história dela, mostrou fotos do pai, da mãe. DC – E onde ficam os dados concretos? G. M – Eles devem ser usados, mas sempre na forma de interação com o usuário. Toda a campanha eleitoral, esquecendo um pouco a internet agora, ela tem duas fases: a fase racional e a fase emocional. A fase racional inicia-se em julho, quando o eleitor analisa quem serão os candidatos, seus perfis, currículo, histórico, propostas. Depois de um certo momento, perto do dia 20 de setembro, inicia-se o processo emocional, que é onde, às vezes, temos aquelas viradas. A eleição do Haddad, por exemplo, para prefeito em São Paulo. Ele perdia para o Russomano e Lula fez o quê? Entrou no emocional, claro. A mesma coisa com Dilma. Esse apelo emocional deve ser sempre pensado tanto na televisão, quanto no rádio, no jornal, na internet.

Estratégias políticas para redes sociais, de Gilberto Musto está em pré-venda no site www.marketingpolitico.art.br.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 22, 23 e 24 de março de 2014

7

Novas imagens, nova esperança. Depois da Austrália e da China, a França divulgou imagens de objetos no Oceano Índico que podem ser do avião da Malaysia Airlines, desaparecido desde o dia 8. Baz Ratner/Reuters

o ã i t s a b mo

i t l ú O

Segundo o ministro Igor Teniuj, o barco está no Lago Donuzlav, a 120 km da capital Simferopol, e é bloqueado por embarcações russas, que cercam a saída ao Mar Negro. A ocupação russa das últimas instalações militares ucranianas na Crimeia é motivo de alerta para a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e os EUA. Segundo eles, a forte presença de forças russas indica a possibilidade de invasão. (Agências)

Em terra firme, parentes da tripulação do navio de guerra Konstantin Olshansky ergueram bandeiras ucranianas em solidariedade à última embarcação sob controle de Kiev na região da Crimeia. O Ministério da Defesa da Ucrânia ordenou ontem que os marinheiros resistam até o final contra o avanço de forças aliadas da Rússia. Christian Veron/Reuters - 22/03/14

Os abusos da polícia de Maduro A procuradora-geral da Venezuela, Luisa Ortega, admitiu ontem que houve "excessos" das forças de segurança durante a repressão aos protestos contra o governo de Nicolás Maduro. Três pessoas morreram em confrontos neste final de semana, elevando para 34 o saldo de mortos desde o início dos protestos, em fevereiro (à esq., protesto da oposição em Caracas no sábado). Segundo Ortega, já foram abertas 60 investigações a partir de denúncias de tortura e violações de direitos humanos. Quinze funcionários acusados de cometer abusos foram presos, incluindo cinco agentes do serviço de inteligência. "Houve abusos", disse Ortega. "Mas é uma grande mentira que o Estado venezuelano seja violador dos direitos humanos", acrescentou ela, ressaltando que os abusos são condutas isoladas e que não há ordem superior nesse sentido. Imprensa - Dois jornalistas foram presos no sábado enquanto cobriam protestos em Altamira. Uma jornalista foi liberada na noite do próprio sábado e o segundo seguia preso no domingo, informou o Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Imprensa. O sindicato divulgou carta enviada à Guarda Nacional Bolivariana em que demonstra "preocupação" com os "abusos de direitos humanos" praticados nas últimas semanas, em particular contra a imprensa. Segundo o sindicato, de 12 de fevereiro a 22 de março, fo-

ram registrados 74 casos de agressão e intimidação. Em 11 casos, houve roubo ou destruição de material fotográfico e audiovisual. M ed ia çã o - Na semana em que Venezuela recebe uma missão de chanceleres da União das Nações Sul-Americanas (Unasul), a oposição fez um apelo para que uma "terceira parte independente" ajude a encontrar uma solução à crise. "Sem dúvida faz falta um testemunho de boa-fé, pois nós não confiamos no governo e, a julgar pelo que diz o governo, ele também não confia na gente. Uma terceira parte que garanta, facilite e, se necessário, faça uma mediação parece sensato", disse Ramón Guillermo Aveledo, secretário da Mesa de la Unidade Democrática (MUD), aliança que reúne os partidos de oposição. Para a MUD, a Unasul deve levar em conta os pronunciamentos feitos pela comunidade internacional sobre a situação do país e a atuação do governo na repressão aos protestos. Os chanceleres da Unasul serão recebidos pelo presidente Maduro, mas, até a sexta-feira, não tinham confirmado reuniões com a oposição. Visto - A Embaixada dos EUA na Venezuela anunciou ontem que suspendeu a emissão de vistos para turistas por falta de pessoal. Em nota, a embaixada diz que a decisão foi "resultado da expulsão de vários funcionários consulares e atrasos do governo venezuelano na expedição de vistos para os funcionários entrantes". (Agências)

As Forças Armadas da Turquia derrubaram um avião militar sírio que cruzou seu espaço aéreo, ontem, em uma região da fronteira na qual rebeldes sírios vêm combatendo as forças do presidente Bashar al-Assad. Segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos, o piloto conseguiu se ejetar e caiu de paraquedas, mas seu paradeiro é desconhecido. O regime do presidente sírio, Bashar al-Assad, chamou a derrubada de "agressão". A

Hosam Katan/Reuters

O golpe certeiro de Erdogan agência de notícias síria Sana afirmou que a aeronave foi abatida enquanto caçava "gangues terroristas" no território do próprio país (à esq., a cidade de Alepo, no norte do país, também foi alvo de ataques aéreos das forças sírias). "Se você violar meu espaço aéreo, nosso golpe de volta será forte", advertiu o primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, em discurso ontem. Erdogan elogiou as Forças Armadas turcas por sua "rápida resposta".

Os rebeldes sírios vêm lutando pelo controle da passagem de Kassab, na região fronteiriça, desde a última sexta-feira, quando lançaram uma ofensiva que as autoridades sírias dizem ter sido apoiada pelos militares da Turquia. Durante os confrontos na região, um primo do presidente sírio foi morto ontem. Hilal al-Assad, comandante do Exército, e outros sete militares sírios morreram durante combates com rebeldes islâmicos, disse a TV estatal síria. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

sábado, domingo e segunda-feira, 22, 23 e 24 de março de 2014

COMER, REZAR E EMBARCAR. Capelães de aeroportos auxiliam passageiros necessitados das mais diversas maneiras, desde comprar um prato de comida até apartar brigas no balcão do check-in. Fotos: Tami Chappell

Mike Tierney The New York Times TLANTA – O jovem, sob o peso da bagagem e do sofrimento, era um passageiro de primeira viagem a caminho de um funeral em Detroit. O de seu pai. Ele não sabia que a maioria das companhias aéreas parou de transportar gratuitamente malas despachadas e estava com pouco dinheiro. Assim, funcionários do Aeroporto Internacional de Hartsfield-Jackson Atlanta fizeram o que costumam fazer quando passageiros encontram um problema: encaminharam-no para a capela. A Capela Inter-Religiosa do Aeroporto de Atlanta, no átrio ao lado de um restaurante de carnes, oferece mais do que um cardápio de dois itens de orientação e conforto espiritual. Ela é o concierge dos desconectados. O major Larry Cowper, do Exército da Salvação, e a reverenda Donna Mote, da Igreja Episcopal, emprestaram um ouvido compreensivo ao viajante. Então Mote o acompanhou de volta ao check-in, puxou o cartão de crédito da capela e cobriu a taxa. "Somos um tipo de serviço extremo ao cliente", declarou o reverendo Chester R. Cook, c a p e l ã o - s ênior em Hartsfield- Jackson, cujos três pastores em tempo integral Foi como são ajudados se um por 50 volunanjo tários represurgisse sentando 10 religiões. para nós. O aeroporCELESTE MILto, o mais moLEN. SOBRE A vimentado do REVERENDA mundo, atende mais de 225 mil passageiros por dia. C o n f o rm e v o o s s e a t r asam, faixas de segurança se esticam e nervos ficam à flor da pele, capelães em aeroportos de todo o país caminham por saguões intermináveis, lançando um olhar experiente na humanidade em busca de alguém que pareça necessitado. Casamento – A gama de tarefas está se tornando tão infinita quanto o céu azul, incluindo atuar como mediador no balcão de passagens, comprar uma refeição para os famintos, pagar quartos de hotel para os que ficaram presos e tarifas de ônibus para os falidos. Eles ainda oferecem serviços religiosos e conduzem até mesmo algum casamento ocasional. Mas a obra de Deus nos saguões de aeroportos está cada vez mais ligada a solucionar problemas terrenos. "A essência básica do que fazemos mudou", afirmou o reverendo Chris Piasta, padre católico que supervisiona a Our Lady of the Skies Chapel, no Aeroporto Kennedy, e também passa p e r í o d o s n o Ae ro p o r t o L a Guardia, que não possui capela. Ser um capelão de aeroporto, segundo ele, não significa mais apenas ficar sentado na capela esperando pela chegada dos aflitos. Muitos aeroportos dos Estados Unidos têm clérigos de algum tipo, mas nenhum de forma tão abrangente quanto o de Atlanta, onde a capelania fica sob a supervisão de uma organização sem fins lucrativos sustentada por bolsas e doações. Apenas Cook recebe salário da capela. Os dois outros fixos são nomeados e compensados por sua comunidade religiosa.

A

Reverenda Donna Mote, da Igreja Episcopal, no Aeroporto de Atlanta, nos Estados Unidos: ajuda dos religiosos vai desde uma palavra amiga até o pagamento de taxas de embarque.

Major Larry Cowper, do Exército da Salvação: em seus trabalhos pelo saguão, conheceu um homem que se apresentou como Jesus Cristo. Mote, a pastora episcopal, havia acabado de chegar em novembro, ainda em treinamento, quando, repentinamente, ela conferiu o quadro de partidas por grandes atrasos. Encontrando um, ela foi até a área dos portões e descobriu uma viajante agitada por perceber que perderia o funeral de sua tia. "Estou à beira de um ataque de nervos", confidenciou a mulher. Um pedido simples de Mote – que a mulher falasse de sua tia – se transformou em uma cerimônia funerária improvisada. Em seguida, a capelão provocou uma sonora risada e conduziu a mulher em oração. A pa zi gu a do re s – C ap el ãe s também desempenham o papel de apaziguadores, como a vez em que Mote apartou uma confusão entre um viajante irado e o funcionário de uma companhia aérea. Ela colocou suas mãos gentilmente no viajante frustrado e "o acalmou", contou ela, explicando que as diretrizes aéreas de evitar o contato físico

com os viajantes não se apli- mas com nomes errados em cam aos capelães. passagens aéreas. Ela não estava por perto Recentemente, Celeste para evitar que um jovem ba- Millen, de New Port Richey, na tesse em sua namorada em Flórida, e uma filha adulta esuma fila de embarque. En- tavam lotadas de bagagem quanto ele era escoltado à quando viram Mote em seus cadeia, Mote trajes de clénegociava rigo em um com a compat r e m a c a m inhia para con h o d o a e r olocar a abalaporto de HartsPara o público da moça em field- Jackson. viajante, somos os um voo subseE l a a s a j uBons Samaritanos. quente sem dou com as Para os cobrança adim a l a s e t a mfuncionários do cional. bém orientou "Podemos Millen a um aeroporto, somos fazer coisas balcão de chepastorais. que fazem a ck-in próximo LARRY COWPER diferença", ao trem no aea f i r m o u ro p o r t o , p e rCowper, cujas experiências manecendo por perto para vão do trágico ao trivial em lhes desejar uma boa viagem. seus quase seis anos no aero"Foi como se um anjo surgisporto: ajudar funcionários a li- se para nós", comparou Mildar com o suicídio de um pas- len, brincando que sua filha sageiro ou colega, telefonar exagera nas malas. "Ela tem ao Consulado Geral para aju- um jeito que nos tranquiliza". dar um viajante estrangeiro Tr a ba l h a d o re s – C a p el ã e s com um passaporte vencido também costumam cuidar da ou mesmo resolver proble- força de trabalho do aeropor-

to. "Para o público viajante, somos os Bons Samaritanos", disse Cowper. "Para os funcionários do aeroporto, somos pastorais". Em seus passeios diários, Cowper procura abordar aqueles que chama de "trabalhadores invisíveis", funcionários de bastidores como o engraxate Bryant Woods. No último verão, antes de Woods realizar uma cirurgia na próstata, Cowper conduziu uma prece em sua estação. "Ele me ajudou a superar a cirurgia", declarou Woods. Cowper também ajudou uma equipe da Transportation Security Administration que havia enfrentado três mortes de funcionários em um curto espaço de tempo. E houve um menino de capacidade mental limitada, praticamente abandonado por sua mãe – que o enviou em um voo sem dinheiro ou instruções. No lado mais positivo, além de realizar casamentos, ele já conheceu um homem que se apresentou como Jesus.

Após seu turno em uma noite, Cowper atendeu seu celular e um agente de embarque colocou na linha um passageiro que disse: "Estou indo matar um homem". Cowper arrancou alguns detalhes: o passageiro achava que uma investigação sobre o aparente assassinato de sua filha estava se arrastando e ele estava atrás de um suspeito. Eles conversaram, e o passageiro disse, antes de desligar: "Obrigado. Você me deu algo em que pensar". Os jornais das semanas seguintes não trouxeram nenhum relato de assassinato por vingança, para alívio de Cowper. Em um aeroporto, onde viajantes e funcionários estão sempre com pressa, crises grandes e pequenas precisam ser resolvidas com rapidez. Cultos – "Temos muito pouc o t e m p o " , a f i rm o u L a rr y Cowper em seu escritório. Ao lado, na capela, uma placa promove o serviço de culto cristão nas manhãs de domingo, das 11h30 às 11h45. Há também um serviço islâmico na maioria das sextas. Os de outras religiões são conduzidos periodicamente. Diferentemente da Europa, onde parcerias entre aeroportos e organizações de capelães são comuns, o modelo padrão nos Estados Unidos é que os aeroportos simplesmente forneçam espaço para os clérigos, além de carta branca para cuidar das instalações. Capelas são comuns nos estados do leste e do centro dos Estados Unidos, mas grandes aeroportos do oeste continuam sem elas, algo que a Associação Internacional de Capelães da Aviação Civil gostaria de mudar. O conselho da associação, reunindo-se na semana passada em Amsterdã, escolheu o tema para sua convenção de verão: como promover seu valor nos aeroportos. Os capelães certamente conhecem a necessidade. Em Atlanta, enquanto Mote pagava a conta pela bagagem do jovem, ele a enalteceu por emitir energia positiva. Então ele se ofereceu para reembolsála pela ajuda – algum dia.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 22, 23 e 24 de março de 2014

9

BENEFÍCIOS A Copa beneficiará os setores de construção civil, alimentos e bebidas, serviços de informação, turismo e hotelaria.

Na Sudeste, o tema é conjuntura. Economista e empresário, sobrevivente do incêndio do Joelma, fez palestra na distrital sobre o crescimento e a questão econômica do Brasil. Fotos Arquivo/DC

André de Almeida exemplo dos últimos anos, o Brasil deve manter uma média baixa de crescimento em 2014, cerca de 2% a 3% do Produto Interno Bruto (PIB). Esta é a expectativa do empresário Hiroshi Shimuta, economista e presidente da Nicom Material de Construção. Para ele, ele, o aumento do custo da mão de obra no País, a redução do lucro das empresas e a desvalorização do real são fatores que contribuem para a previsão de crescimento econômico modesto. Shimuta esteve na Distrital Sudeste da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) para falar sobre a atual conjuntura econômica brasileira e as perspectivas futuras. "O Brasil tem um mercado obstruído por ações do Estado. Como a economia costuma refletir a situação política do País, o cenário é de muitas incertezas, já que a presidenta Dilma deve se reeleger", afirmou. "Tanto ela quanto a cúpula do governo seguem um modelo criado pelo Lula no qual quanto pior, melhor". O empresário começou a palestra falando sobre as características básicas da economia brasileira, os principais parceiros comerciais, além da importância dos setores agrícola e industrial para o Brasil. "Poucos países no mundo tem a diversidade econômica que nós temos. Dessa forma, não podemos abaixar a cabeça para o restante do mundo", destacou. Na área da infraestrutura, ele elogiou o fato de que os serviços básicos no Brasil estão disponíveis para pratica-

Tina Cezaretti/Hype

A

Poucos países têm a diversidade econômica que nós temos. Não podemos abaixar a cabeça para o restante do mundo. HIROSHI SHIMUTA, ECONOMISTA.

Mobilidade urbana: para Shimuta (acima, à direita) transporte público ruim e trânsito caótico atrapalham o desenvolvimento do País. mente toda a população. No entanto, os problemas de transporte – incluindo os aeroportos – e de mobilidade urbana em geral, principalmente nas grandes cidades, comprometem o crescimento do País. INVESTIDORES Os investidores interessados no Brasil, segundo Shimuta, encontram uma democracia estável e atraente sobretudo para os profissionais estrangeiros qualificados, em

grande parte devido às deficiências no sistema de ensino brasileiro. Em contrapartida, eles terão que lidar com um judiciário lento e com altas taxas para se fechar um negócio. "O País perde muito quando se trata do mercado de capitais, já que conta com poucas empresas listadas em bolsa e baixa exposição de debêntures", explicou o empresário. "As soluções para o crescimento passam necessariamente pela redução dos

Arquivo/DC

E

Pior incêndio da cidade incêndio do Edifício Joelma, no Centro, foi o maior da história de São Paulo. Tudo começou com um curtocircuito em um aparelho de ar-condicionado, no 12º andar, por volta das 9h. Em poucos minutos, os materiais inflamáveis provocaram a propagação das chamas, atingindo os demais andares, até o topo do edifício. As escadas de

O

emergência, no centro do prédio, ficaram intransitáveis. O que se viu no edifício e no seu entorno foi uma operação de guerra. A tragédia fez aparecer lendas urbanas e histórias sobrenaturais, envolvendo os espíritos dos que morreram. No local, hoje está instalado o Edifício Praça da Bandeira.

xar um legado que justifique o alto investimento, como as obras de infraestrutura. Vamos torcer para que tudo ocorra da melhor forma possível", concluiu. SOBREVIVENTE Hiroshi Shimuta é conhecido por ser um dos sobreviventes do trágico incêndio do Edifício Joelma, no Centro de São Paulo, que em 1º de fevereiro de 1974 matou 191 pessoas e deixou mais de 300 feridas. O

Troféu para mulheres de destaque m homenagem ao Dia Internacional da Mulher, comemorado dia 8 deste mês, o Conselho da Mulher (CM) da Associação C o m e r c i a l d e S ã o Pa u l o (ACSP) promoveu, na última quarta-feira, mais uma edição do evento Destaque Feminino. Na ocasião, a coordenadora-geral do CM nas gestões 1999 - 2003 e 2007 2011, Norma Burti, recebeu o troféu Destaque Feminino 2014. Também foram homenageadas as coordenadoras do CM das 15 distritais da entidade. "Agradeço o apoio da presidência da ACSP e estendo esta homenagem a todas as coordenadoras, que fazem um trabalho valoroso", disse Norma. Na abertura da solenidade, o presidente da ACSP e da Facesp, Rogério Amato, pa-

Sobreviventes aguardam resgate no Joelma em chamas

impostos, pela reforma tributária e pela melhoria da infraestrutura e das leis trabalhistas", apontou. Quanto à Copa do Mundo e seus reflexos no País, Shimuta acredita que os principais setores beneficiados estão sendo o da construção civil, alimentos e bebidas, serviços de informação, turismo e hotelaria. "O que a sociedade quer é um evento sem desperdício de recursos públicos, com gestão transparente e capaz de dei-

economista estava no 22º andar do prédio quando um curto-circuito em um aparelho de ar condicionado, no 12º andar, deu início ao fogo. Sem ter como descer pelas escadas, tomadas pela fumaça, Shimuta ficou pendurado no parapeito do edifício por aproximadamente quatro horas, até ser resgatado pelos bombeiros. "O acontecimento foi um marco na minha vida. Tinha acabado de me tornar pai, de gêmeos, e meu único pensamento era me salvar. Graças a Deus deu tudo certo. Passei a valorizar a vida e a enxergar as pessoas de um jeito melhor, com muito mais amor, fato que também levei para minha vida profissional", finalizou.

Agendas da Associação e das distritais Amanhã n Seminário – Das 16h às 18h, seminário com o tema "Siscoserv: entenda como isso afeta o seu bolso!", com coordenação de Roberto Ticoulat, José Maria Chapina e Rita Campagnoli e a participação de Rogério Amato, presidente da Facesp e Associação Comercial de São Paulo (ACSP); Maurício do Val, diretor de Políticas de Comércio e Serviços do MDIC; Rafael Santiago Lima, chefe da divisão de Assuntos

Paulo Pampolin/Hype

Marli Barufaldi, Rogério Amato e Norma Burti no Destaque Feminino, promovido pelo Conselho da Mulher da ACSP.

rabenizou o trabalho de todas as mulheres. A atual coord enado ra-ge ral do CM, Marli Barufaldi, enalteceu as ações do conselho nas distritais e destacou o crescimento da participação feminina no mercado de trabalho. "Apesar de entrarem no mundo dos negócios, elas não deixam de ser mães e esposas. Mas ainda há muito a ser conquistado", afir-

Internacionais da Receita Federal do Brasil; Marcos da Costa, presidente da OAB/SP; Sérgio Approbato Machado Júnior, presidente do SesconSP; Rogério Chebabi, sóciodiretor do Canal Aduaneiro, especialista em legislação do Siscoserv; e Roberto Ticoulat, presidente do Conselho Brasileiro das Empresas Comerciais Importadoras e Exportadoras (Ceciex). Rua Boa Vista, 51, plenária, 9º andar, e auditório, 11º andar. n Noroeste – Às 19h, reunião ordinária. Rua Luis Braille, 8 Pirituba. n Centro – Às 18h30, a Distrital Centro realiza a Palestra "Vender mais e melhor - paixão por vendas", ministrada pelo consultor e

mou. Também participaram da cerimônia o vice-presidente da ACSP e coordenador institucional das Sedes

palestrante professor Ribeiro. Informações e inscrições: 32085753/3207-9366 ou dcentro@acsp.com.br. Rua Galvão Bueno, 83, auditório.

Quar ta n Santo Amaro – Às 19h, 8ª reunião ordinária da Diretoria Executiva, Conselho Diretor e Conselheiros Natos. Distrital Santo Amaro, avenida Mario Lopes Leão, 406. n Butantã – Às 19h30, 10º reunião ordinária e Premiação do Natal Iluminado 2013 Informações e inscrições: 30326101/3032-8878 ou dbutanta@acsp.com.br. Rua Alvarenga, 591, auditório.

Quinta n Centro – Às 17h30, 16ª

Distritais, Roberto Mateus Ordine, e o presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae-SP, Alencar Burti. (AA)

reunião ordinária da Diretoria Executiva e Conselho Diretor. Rua Galvão Bueno, 83. n Santo Amaro – Às 18h, a distrital realiza comemoração pelo "Dia Internacional da Mulher Empreendedora 2014". Av. Mario Lopes Leão, 406. n Norte – Às 20h, inauguração da nova iluminação da praça Heróis da FEB. Na ocasião, os símbolos das Forças Armadas receberão iluminação especial. Praça Heróis da FEB, s/n – Santana. Realização da Distrital Norte e coordenação das subprefeituras Santana/Tucuruvi, com apoio Tecnolamp do Brasil. Confirmações: 2973-3708 ou dnorte@acsp.com.br.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10

sábado, domingo e segunda-feira, 22, 23 e 24 de março de 2014

FERRAMENTAS As ferramentas dos observadores serão o endereço www.observatoriodeguarulhos.com.br e um aplicativo para celular.

Guarulhos: observar para crescer. Associação comercial da cidade lança um 'observatório' com o objetivo de detectar problemas e propor mudanças e soluções. Edson Queiroz/PMG

Sandra Manfredini

bservatório, no dicionário, é definido como o lugar de onde se observa qualquer coisa ou o ato ou efeito de observar. Mas em Guarulhos, na Grande São Paulo, a palavra adquiriu um sentido mais amplo e englobou ainda outras ações, como reclamar, discutir, projetar, apontar e cobrar soluções. É assim que pretende trabalhar o Observatório de Guarulhos, lançado oficialmente na Associação Comercial e Empresarial (ACE) da cidade com o apoio de lideranças empresariais, de trabalhadores, de representantes da sociedade civil e do Executivo. O Observatório de Guarulhos, uma ação idealizada pela própria ACE, tem o objetivo de discutir e sugerir mudanças positivas à administração pública, e também cobrar para que sejam implantadas. O movimento vai se pautar pela observação, sugestão e cobrança junto ao poder público a respeito dos assuntos debatidos, como mobilidade urbana, saúde, educação e segurança. O presidente da ACE Guarulhos, Jorge Taiar, afirmou que o grupo tem caráter apartidário e que não pretende ser oposição, já que vai contar com a colaboração do poder público. "A ideia é unir esforços. Será um lugar de debate, onde todos poderão contribuir", disse. "Queremos discutir propostas para a cidade, se elas se tornarem projetos concretos, melhor ainda", afirmou. Segundo o dirigente, o objetivo principal é contribuir para o crescimento ordenado da cidade e seu desenvolvimento econômico e sustentável. "Temos não só que encontrar solução p a r a o s n o s s o p ro b l e m a s atuais, mas planejar a cidade que queremos para daqui Será um a 10 ou 15 lugar de anos. E temos debate, de solucionar onde e planejar patodos ra não repetir os mesmo poderão erros". contribuir. Na opinião JORGE TAIAR, d e Ta i a r , o s PRESIDENTE principais DA ACE problemas de Guarulhos hoje estão ligados à mobilidade urbana. "A cidade cresceu desordenadamente. E continua crescendo ", disse. Quando o assunto é o comércio, acrescenta a questão da falta de segurança e da limpeza urbana. "Mas o poder público não pode fazer tudo sozinho. O cidadão tem de colaborar", finalizou.

O

Observadores O vice-presidente da Facesp Região Administrativa 3, Wilson Lourenço, que ajudou na elaboração e construção do projeto, disse que a ideia é contar com 'observadores' espalhados pela cidade. "Queremos nomear observadores em diversas regiões de Guarulhos com objetivo de fiscalizar e de cobrar o poder público. Um pode ficar de olho na iluminação, por exemplo, e outro na falta de lixeiras", explicou. Em breve haverá o lançamento oficial do endereço eletrônico (www.observatoriodeguarulhos.com.br) e de um aplicativo para celulares. Assim, pelos dois canais, a população poderá participar do levantamento dos problem a s . D o i s s e r v i ç o s s e m elhantes, em Boston, nos Estados Unidos, e em Maringá, no

Ponte estaiada sobre a via Dutra: o trânsito é um dos grandes problemas da cidade, que passa por um boom imobilíário e cresce sem planejamento. Paraná, inspiraram a criação do Observatório de Guarulhos, que terá sua primeira reunião de trabalho quintafeira, a partir das 8h, na Casa do Empreendedor, a sede da ACE de Guarulhos. O secretário de Desenvolvimento Econômico de Guarulhos, Luiz Carlos Teodoro, disse que o município, com 1,3 mi-

lhão de habitantes, tem todos os problemas pertinentes a qualquer metrópole. "A cidade cresceu desordenadamente e é preciso organizá-la. É importante a discussão envolvendo a sociedade, que poderá ajudar a administração a encaminhar melhor os recursos disponíveis e a planejar o desenvolvimento e crescimento". Sávio Junior/ACE Guarulhos

Jorge Taiar, presidente da ACE, e Wilson Lourenço, vice da Facesp.

Apoio Lideranças empresariais e de trabalhadores que participaram do lançamento do Observatório de Guarulhos aplaudiram e criação do movimento, uma ferramenta de discussão da cidade que oferecerá a oportunidade de colaborar com o poder público no planejamento do município. O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região, José Pereira da Silva, disse que tentou lançar um projeto semelhante, mas esbarrou em vaidades políticas. Para ele, a iniciativa da ACE é de suma importância para a cidade. "É importante termos uma organização como esta, pois o poder público muitas vezes gasta dinheiro onde não deve e a sociedade pode ajudar a mostrar onde os recursos devem ser investidos", disse. O empresário da área de educação e conselheiro nato da ACE, Antônio Veronezi, sugeriu a criação de um regulamento para fortalecer o processo de discussão e enfatizou a necessidade de participação da sociedade. "Nós que fazemos parte da cidade precisamos colaborar, observando e tecendo críticas", afirmou. Além da ACE, o Observatório de Guarulhos já tem apoio da Asec (associação que representa os empresários de Cumbica), da regional Guarulhos do Creci, Sincomerciários e Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos Sidnei Barros/PMG

Com 1,3 milhão de habitantes, Guarulhos precisa melhorar muito na questão da mobilidade urbana.

Empresários de Registro levam sugestões à prefeitura om o objetivo de sugerir propostas de melhorias para o município, os conselheiros da Associação Comercial de Registro (Aciar) se reuniram, recentemente, com o prefeito Gilson Fantin. O encontro abordou uma série de questões, principalmente àquelas que afetam o comércio da cidade. Entre os questionamentos estão o desenvolvimento de ações no trânsito, como campanhas educacionais; atenção às linhas e horários de ônibus; segurança pública; uso, regularização e arborização das calçadas; estacionamento rotativo; e limpeza pública. O prefeito ouviu as reclamações e propostas dos empreendedores e detalhou o que a Prefeitura está fazendo em cada setor.

C

Uma das grandes preocupações da nossa gestão foi restabelecer o diálogo com os representantes de várias entidades atuantes no município. Esta troca de informações é muito importante para que possamos ouvir as demandas, revelar o que temos programado e também esclarecer como funcionam os procedimentos da administração pública”, explicou o prefeito. Gilson também destacou a importância do trabalho desenvolvido pela Aciar, como representante dos setores de comércio e serviços, e a sua credibilidade junto aos empreendedores e ao público. Renato Zacarias, presidente da associação comercial, disse que a parceria com o poder público é de extrema importância.

Aicita lança lista de telefones do comércio ais de 200 pessoas participaram, semana passada, do lançamento da lista telefônica da Associação Industrial e Comercial de Itatiba (Aicita), que este ano tem uma mascote, a Telecita. A publicação tem quase 500 páginas com o número das linhas telefônicas da cidade, um mapa atualizado de ruas e bairros e anunciantes exclusivos de Itatiba. O vice-presidente da Aicita, Ailton Baptistella, disse que o comércio pedia uma lista completa, pois sempre havia alguma informação que o usuário não encontrava nas edições anteriores. "Concluímos que o comércio mereceria este produto. Hoje só tenho a agradecer aos mais de 300 anunciantes", disse.

M

A lista contém ainda apresentação do presidente da Aicita, Juca Monte, um fundamento histórico-cultural de Luís Soares de Camargo, dados turísticos e telefones úteis. A entrega começou na quarta-feira. Inicialmente será enviada aos associados da Aicita, e posteriormente irá para bairros residenciais. A entrega dos dez mil exemplares deve ser finalizada até o dia 30. A lista não será vendida. Já no dia 31, o Departamento Comercial da Aicita, começará o agendamento de visitas para as vendas de anúncios da próxima edição. O voucher de 10% de desconto para a tabela de preços de propagandas de 2015, entregue no lançamento, tem validade até dia 30 de junho.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 22, 23 e 24 de março de 2014

11

HISTÓRIA DA VEZ

A brasileira que casou com o bígamo judeu Isaac Brekken

multidão gritava “bígamo!, bígamo!”, mas o noivo, o médico americano Meir Kin, foi adiante e casou-se, em Las Vegas, na quinta-feira passada, com a brasileira Daniela Barbosa, recentemente chegada aos EUA. O casamento foi por dias a história mais lida e compartilhada do The New York Times. Danielas Barbosa são noivas fadadas a casamentos midiáticos. Procurando pela agora Sra. Kin no Google, encontra-se a quarta mulher do ator Sir Ben Kingsley, que então se tornou Lady Kingsley. Uma loura, outra morena; uma em Las Vegas, outra em Londres, e ambas, além de xarás, atrizes. O bígamo Meir divorciou-se há mais de sete anos, pela lei civil da Califórnia. Mas ele se recusou a dar a ex-esposa, a corretora de imóveis Lonna Kin, o “get”, o documento que encerra um casamento, pela lei judaica. Então, ela se tornou uma “aguná”, ou esposa aprisionada que não pode se casar de novo. Com permissão de cem rabinos, por uma interpretação ambígua da lei judaica, a Meir Kin foi permitido ter uma segunda esposa. Ele diz que só libertará sua refém ex-mulher se receber US$ 500 mil mais a guarda total do filho, que ele quase nunca viu. Só o marido, no judaísmo, tem o poder de conceder o divórcio religioso. O rabino Kalman Topp, que viajou de Los Angeles a Las Vegas para liderar o protesto durante o casamento com Daniela Barbosa, acusa Meir de “bigamia”, “corruptor da religião” e de “violação da lei, de crueldade e abuso doméstico”. Mulheres judias de uma organização de combate a homens que relutam

A

Acima, o perfil do médico americano Meir Kin, agora casado com Daniela Barbosa. Divulgação

Cena de casamento: Daniela e Meir, seguramente vigiados.

Lady Kingsley: a "outra" Daniela.

Andrew Sullivan

Isaac Brekken

Lonna Kin, ex de Meir: esposa aprisionada. em dar o “get” libertador às exesposas, prometem infernizar a vida do novo casal. A sequestrada Sra. Kin, que vive em Monsey, New York, quer “um homem para ter um casamento igual ao de meus pais”. Não pode: “Estou acorrentada a um

casamento morto”. Pouco se sabe de Daniela Barbosa, a não ser que manteve silêncio enquanto ouvia os gritos de “bígamo”. Nem se diz se ela é judia, embora um rabino entre os manifestantes antecipasse: “Agora é ela que vai virar refém.

Protestos contra o casamento

GASTRONOMIA Hoje vamos saborear Frango à Kiev Lúcia Helena de Camargo Fotos: Newton Santos/Hype

Frango à Kiev, à mesa. czar Vladimir Putin engoliu a Crimeia, mas perdeu Kiev, a capital da Ucrânia onde se faz o supremo de frango famoso mundialmente. No Brasil, o prato entrou para a história em 1964, quando Juscelino Kubitschek o ofereceu ao todo-poderoso embaixador americano Lincoln Gordon. - Mas tinha de ser à Kiev? – perguntou Gordon. - Podemos tentar um à cubana, disse Juscelino, ganhando a discussão. O Frango à Kiev, criado no século XVIII pelo cozinheiro e cervejeiro francês Nicolas Appert para a imperatriz russa Elizabeth Petrovna, hoje é servido tanto no Leste Europeu quanto no Ocidente. O prato é bastante comum em cardápios de restaurantes em Nova York e Chicago, nos EUA, e aparece em

O

alguns menus brasileiros. O Positano, no bairro paulistano dos Jardins, serve Frango à Kiev preparado por um chef de cozinha de nome russo: Boris Melon. Mas ele é italianíssimo, nascido em Torino, região do Piemonte. A explicação para ter sido assim batizado: “Meu pai é comunista”, diz, enquanto ensina a reportagem do DC a fazer a receita, que consiste em peito de frango à milanesa recheado de creme de manteiga ao limão siciliano. Ali chamado Pollo alla Kiev, o prato é a estrela do almoço (meio-dia às 15h) da casa às segundas-feiras. Hoje, portanto, é dia de Frango à Kiev no Positano. Está no menu executivo, que inclui salada verde de entrada e, na sobremesa, doce do dia, tudo a R$ 39 por pessoa. Chega à mesa

Chef Boris Melon, nascido em Torino: "meu pai é comunista". acompanhado de purê de batatas. Para combinar com o prato, o sommelier Sérgio Santos sugere que se tome um vinho rosê da região de Toricella ou então um tinto feito de uva barbera. “Ambos são leves o suficiente para acompanhar o frango, mas possuem qualidades que ajudam a quebrar a untuosidade da manteiga do recheio”, explica. Caso você queira brindar ao estilo Vladimir Putin (que fica sem a Kiev do frango, mas ganha a Crimeia), pode pedir uma vodca. Se preferir se solidarizar

com o derrotado nessa história, o presidente americano Barack Obama, peça uma Cola-Cola. E se sua ideia for preparar o Frango à Kiev em casa, talvez aprecie entrar na celebração dos ucranianos mudando o acompanhamento de purê de batatas para salada russa. O Positano fica à Alameda Tietê, 665. Tel.: 3064-1109. Receita - Tempo de preparo: 3h. Rendimento: 2 porções. Ingredientes para o frango: 400 gramas de peito de frango desossado em filés; 200 gramas de manteiga gelada; 1 limão siciliano; sal a gosto; salsa a gosto; alho

a gosto. Quanto baste pimentado-reino branca; 1 ovo para empanar; 200 gramas de farinha de trigo; 200 gramas farinha de rosca. Quanto baste de óleo de girassol para fritar. Ingredientes para o purê de batatas - Duas batatas grandes; 1/2 xícara de leite; 2 colheres de sopa de manteiga; sal a gosto; 50 gramas de queijo parmesão. Como fazer o frango Misture a manteiga, a salsa, o sal, o limão, o alho e a pimenta e coloque dentro de um saco plástico ou bico de confeitar. Tempere os filés a gosto. Abra uma fenda em cada filé e recheie com a manteiga temperada, usando o saco plástico com a ponta cortada ou o bico de confeitaria. Enrole, prendendo com barbante para culinária ou

palitos, para o recheio não sair durante a fritura. Leve à geladeira por uma hora. Em seguida, passe os filés na farinha de trigo, no ovo batido, e então na farinha de rosca. Frite em óleo bem quente, até dourar. Sirva com a guarnição de purê de batatas. Dica: sobre o prato montado, adicione folhas de manjericão e rale um pouco de casca de limão, para melhorar a apresentação. Como fazer o purê de batatas Cozinhe as batatas em água com um pouco de sal. Quando estiverem macias, retire, descasque e deixe esfriar um pouco. Amasse com amassador ou um garfo. Derreta a manteiga, coloque as batatas, adicione sal, parmesão e leite. Dica: faça o purê enquanto o frango está sendo frito.

EM CARTAZ: TODA DONZELA TEM UM PAI QUE É UMA FERA. CLÁSSICO DO TEATRO BRASILEIRO. VEJA NO TEATRO FOLHA (TEL.: 3823-23323).


DIÁRIO DO COMÉRCIO

12

sábado, domingo e segunda-feira, 22, 23 e 24 de março de 2014

Cão de papelão Papelão ondulado, aquele de embalagens, é a matéria prima de Ali Golzad para criar retratos, paisagens e imagens de animais. A técnica, detalhista, é exclusiva. http://golzadar tblog.com

Um drone vai à ópera Imagens feitas por um drone revelam toda a beleza do Palis Garnier, a sede da Ópera Nacional da França. As tomadas foram feitas para um filme de Laurence Thiriat. Mas você pode vê-las no site. http://goo.gl/Ud2z0x

.A..MBIENTE

.C..RIATIVIDADE

Protagonistas de histórias E se os livros assumissem a personalidade de seus personagens principais. Provavelmente, se pareceriam com essas criações de Terry Border. http://terr yborder.com/

ty, justo na entrada da baia de Galveston, próxima a Houston, e que conecta com o Golfo do México. A Guarda Costeira está inspecionando a zona afetada em

busca de sulfureto de hidrogênio e outros gases que um vazamento destas características pode desprender, mas não foram detectadas concentrações perigosas, segundo o jor-

Marcelo D'Sants/Frame/Folhapress

erviços de emergência a m e r i c a n o s t e n t a mcontrolar os cerca de 630 mil litros de combustível derivado do petróleo derramados no litoral próximo a Houston, Texas. O vazamento aconteceu no sábado, quando uma embarcação que transportava petróleo se chocou com outro navio. "A principal preocupação é a segurança do pessoal de emergência e a proteção do meio ambiente", afirmou a Guarda Costeira dos EUA, em comunicado, ao considerar que o volume de petróleo que vazou não é "alarmante". O choque, que só teria afetado um tanque de combustível derivado do petróleo com 168 mil galões, aconteceu perto de um dique de Texas Ci-

Reuters/US Coast Guard

Petróleo vaza no litoral de Houston S

.S..AÚDE

Testes gratuitos de doenças

.I..NTERNET

Saúde: reclame na caixa preta.

.R..EDES SOCIAIS

falta de remédios vem em segundo lugar com 34%. Entram na lista falta de leito, falta de médicos, de materiais, mau atendimento, entre outros. O endereço eletrônico não é revelado, mas o nome da pessoa e do alvo da denúncia, sim. É possível visualizar as postagens anteriores e compartilhar via Facebook ou Twitter. (www.caixapretadasaude.com.org)

s

Destinado a receber depoimentos dos usuários dos sistemas de saúde do Brasil, o site Caixa Preta da Saúde reuniu 567 reclamações em apenas oito dias no ar --média de cerca de 70 por dia. A iniciativa é da AMB (Associação Médica Brasileira). No ranking das reclamações, até a última quarta-feira, a demora no atendimento é a campeã, com 55% das denúncias; a

DOMINGO NO ELEVADO - Uma piscina de 50 m X 30 cm, no Minhocão. Ideia da arquiteta Luana Geige, recebeu 105 mil litros de água vinda de um poço artesiano. "Nada a ver com o sistema cantareira", avisa.

As dez contas mais seguidas do Twitter O site Mashable fez um levantamento das contas mais seguidas no Twitter. E se surpreendeu ao descobrir que Katy Parry (@katyperry) é a líder do ranking com quase 52 milhões de seguidores. Depois dela, as contas mais seguidas são estão: @justinbieber, @BarackObama, @ladygaga, @YouTube, @TayloSwift13, @britneyspears, @rihanna, @Instagram e @jtimberlake.

nal Houston Chronicle". Além disso, o impacto ao meio ambiental poderia ser proporcionalmente maior do que a quantidade de combustível derivado do petróleo que vazou, pois se trata de uma zona de migração de pássaros e este o período do ano no qual ocorre essa migração. Por enquanto, algumas zonas do canal de Houston, próximo ao acidente, têm o trânsito de embarcações proibido durante os próximos dias e o ferry que conecta a ilha de Galveston e a península de Bolívar não circula hoje. A Galveston Bay Foundation, dedicada à proteção do meio ambiente na zona, convocou para hoje voluntários para as tarefas de limpeza. (Folhapress)

Espaços inventados Os artistas Aakash Nihalani e Know Hope se uniram para um projeto de arte de rua que cria ilusões de ótica e inventa espaços 3D onde só há paredes. http://eyescreamsunday.com

Durante a 21ª Erótika Fai (de a quinta a domingo no Imigrantes Exhibition & Convention Center/Rodovia dos Imigrantes), será realizada a Campanha Fique Sabendo, que fará exames para detectar o vírus HIV, a sífilis e hepatites virais, doenças que podem ser transmitidas pelo sexo. Os visitantes poderão fazer o teste. Cada exame consiste em apenas um furo na ponta do dedo. O resultado que aponta o estado sorológico do visitante sai em 30 minutos.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 22, 23 e 24 de março de 2014

SUPLEMENTO EXCLUSIVO PARA

CAMPEONATO CARIOCA

Semifinais definidas

l

No Rio de Janeiro, ficou tudo como já estava. A última rodada da fase de classificação do Campeonato Carioca apenas ratificou o cenário já desenhado: o líder Flamengo vai mesmo enfrentar a Cabofriense na semifinal, enquanto o Fluminense, segundo colocado, terá a vantagem dos resultados iguais no clássico contra o Vasco, terceiro colocado. O primeiro duelo da semifinal correu um sério risco de não acontecer entre Fla e Cabofriense. Quando o placar no Maracanã apontava 4 a 0 para o Flamengo, bastava um gol do Boavista diante do Bangu para que o

COPA-2014

Gandula padrão Fifa NÚCLEO FUTEBOL BRASILEIRO futbr@lancenet.com.br

quarto lugar caísse no colo da equipe de Saquarema, no desempate no saldo de gols. Uma surpresa tremenda, já que o clube de Cabo Frio esteve grande parte do torneio no G4. No final, o Fla diminuiu o ritmo, o rival (que voltou à elite neste ano) marcou e a derrota por 5 a 3 foi comemorada pela Cabofriense. O Fluminense fez 3 a 1 no Voltaço (gols de Fred e Wagner, dois) e o Vasco goleou sem muito esforço, por 4 a 0, o rebaixado Duque de Caxias (caiu junto com o Audax). O destaque neste jogo foi o gol de Reginaldo logo aos sete segundos, o mais rápido do Carioca.

SAN

13

l

Nada de cabelo diferente, unha pintada ou barba. O padrão Fifa para a Copa afeta até os gandulas, que foram treinados ontem em 11 das cidadessede, além de Santa Maria (RS). As restrições impostas pela organizadora da Copa passam, além da orientação devida para a reposição de bola, até pelo comportamento diante dos jogadores. Os gandulas não podem tirar fotos, usar placas de publicidade como apoio ou esboçar comemoração após os gols. Contato com os craques? Apenas o profissional, entregando a

bola, sem tietar. Esse é o dilema de Letícia Tessi Villar Marquez, de 14 anos, uma das candidatas de São Paulo, que tem Cristiano Ronaldo como ídolo: – Por mais que eu goste dele, tenho que ser profissional. Victor Bicca, diretor de assuntos governamentais, sustentabilidade e comunicação da Coca-Cola, acompanhou o treino no Rio e citou exemplo de controle dos gandulas. – Recebemos nota 10 da Fifa na Copa das Confederações. Na final, inclusive, quando o Fred fez o gol e foi para cima do gandula, ele não se mexeu – disse.

PAL

ARI FERREIRA

F

Comemoração Thiago Ribeiro é abraçado por Gabriel após fazer o segundo gol

100% Santos! VISÃO DE JOGO

2

THIAGO PERDIGÃO

thiagop@lancenet.com.br

A ÚLTIMA IMPRESSÃO É A QUE FICA?! Santos mostra maturidade, vence e fica

com o primeiro lugar geral. Verdão melhora no segundo tempo e perde chances

N

enhum jogador deste Paulistão participou de tantos gols como Geuvânio. Foram seis marcados e (incríveis) dez assistências em 14 jogos. O garoto que começou 2013 emprestado, ganhou chances somente no fim do ano e parecia que seria apenas um coadjuvante nesta temporada... Mas não é. É ator principal do ataque do Santos, o melhor do Paulistão deste e dos últimos anos. Apesar de valer (mas não garantir) a liderança geral do Paulistão –

que ficou com o Santos –, os dois técnicos pouparam alguns jogadores, já pensando nos duelos de meio de semana pelas quartas de final. O Palmeiras não jogou com quatro titulares e o Santos, cinco. Mas engana-se quem pensa que o jogo foi ruim. O Peixe manteve a velocidade de seu ataque, sua principal virtude. Para azar do Verdão, que continuou mostrando seu pior defeito: a lentidão dos marcadores do meio de campo. O Santos abriu o placar em escanteio cobrado por Geuvânio e aprovei-

1

SANTOS

tado por Neto. O Verdão quase empatou em chutaço de Alan Kardec, que parou nas mãos do (ótimo) Aranha. O time se empolgou, foi para cima e caiu na armadilha do Peixe. Em ótimo lançamento de Geuvânio, Thiago Ribeiro ganhou na corrida e bateu cruzado: 2 a 0 e triunfo “adiantado” ainda no primeiro tempo na Vila. No segundo tempo, o Palmeiras melhorou muito. Com a vantagem no placar, o Santos recuou e esperou pelo contra-ataque, que não veio. Bruno César perdeu boa chance

de diminuir. Patrick Viera também teve uma outra boa oportunidade. Mas coube a Alan Kardec, que marcou em todos os clássicos que fez pelo Palmeiras, a marcar o gol solitário do time na derrota por 2 a 1. A etapa final deixou a sensação de que o time poderia mais. Bem mais. Mas não fez. O Santos recheado de garotos mostrou uma maturidade fora do comum neste Paulistão. Aprendeu que não precisa golear sempre e manteve os 100% de aproveitamento na Vila. E isso pode fazer a diferença agora...

PALMEIRAS

Aranha 8,0 Bruno Peres 6,0 David Braz 6,5 Neto 6,5 Mena 6,5 Alison 7,5 Lucas Otavio 5,5 32’/2º T Alan Santos 7,0 Gabriel 6,5 Lucas Lima 5,5 37’/2º T Geuvânio 8,5 Diego Cardoso 5,0 40’/2º T Rildo 5,0 Thiago Ribeiro 7,0 T: O. de Oliveira 7,5

n n n

n

n

Bruno Bruninho Lúcio Tiago Alves Juninho Eguren Felipe Menezes 30’/2º T Marcelo Oliveira Valdivia Bruno César Patrick Vieira 24’/2º T Leandro Vinicius 37’/2º T Alan Kardec T: G. Kleina

5,0 6,0 4,5 4,5 6,5 5,0 n 5,0 4,5 5,5 n 4,0 6,0 5,5 6,0 7,0 5,0

JUIZ: Luiz Flavio de Oliveira 6,0. Arbitragem tranquila na Vila Belmiro. Sem nenhuma polêmica. GOLS: 24’ 1ºT Neto (1-0) ; 35’ 1ºT Thiago Ribeiro (2-0) ; 43’ 2ºT Alan Kardec (2-1) RENDA/PÚBLICO: R$ 369.066,00 / 12.179 pagantes LOCAL: Vila Belmiro, Santos (SP) GRAMADO: Ótimo

COR

Até logo! VISÃO DE JOGO

3

FELIPE BOLGUESE

CORINTHIANS

felipeb@lancenet.com.br

ADEUS, PAULISTÃO! Já eliminado, Corinthians vence o Atlético Sorocaba, que foi

rebaixado, com três gols do atacante Romarinho. Agora, é Copa do Brasil e Brasileiro!

N

ão fosse a chance “milagre divino” do Atlético Sorocaba escapar do rebaixamento na última rodada, o jogo do Corinthians poderia ter sido sábado ou nem mesmo ter acontecido. O time de Mano Menezes entrou em campo ontem para a despedida melancólica do Paulistão-2014, já eliminado da fase final na penúltima rodada. A vitória por 3 a 0, ontem, com três gols do atacante Romarinho, foi apenas para evitar um vexame ainda maior. Na obrigação de criar uma boa

imagem, o Timão buscou o jogo o tempo inteiro. As principais jogadas saíram dos pés de Renato Augusto e Jadson, meias titulares juntos há dois jogos – e esperança de Mano e da torcida alvinegra para os títulos da Copa do Brasil e do Brasileirão, torneios que restam nesta temporada. Com os 11 homens atrás da linha do meio, o Sorocaba parecia esquecer de sua missão. Era preciso torcer contra três de quatro times (Oeste, Comercial, Linense e Mogi Mirim) e vencer. Em boa parte da tarde, só

precisava da derrota do Linense e, claro, de sua vitória. Mas nada fez. No primeiro gol, Renato Augusto cruzou da direita, o zagueiro Felipe tocou de cabeça para Romarinho, da mesma forma, completar para as redes. De novo de cabeça, já no segundo tempo, Romarinho aproveitou cruzamento de Guilherme e ampliou. Para completar a tarde inspirada, ele garantiu o “hat-trick” e marcou mais um, ao receber na cara do goleiro ex-palmeirense Deola. No fim, o Corinthians fez o que

não fez nos tropeços contra São Bernardo (1 a 0) e Bragantino (2 a 0) no Pacaembu. Não fosse o período de seis jogos sem vitória – quatro derrotas seguidas e dois empates – o time estaria agora pensando nas quartas de final do estadual, que verá pela televisão no meio desta semana. Sim, a reformulação foi feita, atrapalhou, e o time até dá mostras de melhora e boa perspectiva... Mas será preciso acordar para o restante do ano. A desculpa do Paulistão não vai colar mais daqui para frente...

Cássio Fagner Felipe Gil Fábio Santos Ralf Guilherme Bruno Henrique 36’/2º T Renato Augusto Danilo 36’/2º T Jadson Romarinho Luciano Malcom 32’/2º T T: M. Menezes

6,0 5,5 6,5 7,0 6,5 6,5 7,0 5,5 7,0 6,0 7,5 9,0 6,5 6,5

0

ATL. SOROCABA Deola Fábio Capixaba Carlos Chaba Lima Mateus Romarinho 24’/2º T João Paulo F. Evangelista Douglas Packer Alex Willian Danilo Alves Marcinho Bartola 14’/2º T T: R. Cavalo

6,0 5,0 4,5 4,5 5,0 4,0 5,5 4,5 5,0 5,0 4,5 5,0 5,0 4,0

7,0

JUIZ: José Cláudio Rocha Filho 5,0Deixou de marcar algumas faltas e um pênalti para o Corinthians. Não deu um gol de Felipe que em bola que passou da linha. GOLS: 38’ 1ºT Romarinho (1-0) ; 25’ 2ºT Romarinho (2-0) e 30’ 2ºT Romarinho (3-0) RENDA/PÚBLICO: R$ 284.920,00 / 11.060 pagantes LOCAL: Pacaembu, São Paulo (SP) GRAMADO: Bom


DIÁRIO DO COMÉRCIO

14

A garotada tem futuro, não é Raí?

GENIAL!

l

Muricy Ramalho optou pelos reservas na partida de ontem contra o Botafogo e quem entrou em campo deu conta do recado na vitória por 2 a 0 sobre o Botafogo no Estádio Santa Cruz. Os garotos que atuaram certamente sonham em fazer história no Tricolor assim como Raí, multicampeão pelo clube e que deu os primeiros passos como profissional no time de Ribeirão Preto. O ex-camisa 10 deu o pontapé inicial ontem e cumprimentou um a um os jogadores são-paulinos antes da partida. Os garotos do novo Expressinho tiveram a chance de pegar alguma inspiração com o ídolo. A oportunidade foi aproveitada pelos jovens, mas já "veteranos". Utilizados com mais frequência, Lucas Evangelista e Ademilson marcaram. A vitória do São Paulo acabou com os 100% de aproveitamento do Botafogo em casa. Ademilson esteve em 15 das 16 partidas em 2014 e foi titular de Muricy nas primeiras oito rodadas do Estadual. Experiente apesar dos 20 anos, ele foi o destaque

0

BOTAFOGO-SP Renan Alex Silva Rafael Caldeira Camilo Intervalo Henrique Mattos Augusto Ramos Carlos Henrique Léo Felipe 14’/2º T Vitor Sérgio Mota 23’/2º T Diogo Afonso Borberi T: W. Lopes

5,5 4,0 n 4,0 5,0 4,5 5,0 5,0 5,0 5,0 5,0 – 4,0 n 4,0 4,0 4,5

BAR

RMA

BOTA 0X2 S. PAULO

sábado, domingo e segunda-feira, 22, 23 e 24 de março de 2014

3

DANI POZO/AFP

F

Show Messi faz três e se torna o maior artilheiro do clássico

4

REAL MADRID

BARCELONA

Diego López 4,0 Carvajal 4,0 Pepe 4,0 Sergio Ramos 3,0 Marcelo 4,0 Xabi Alonso 4,0 Modric 5,0 Morata – 45’/2º T Di María 7,0 Isco – 40’/2º T Bale 6,0 Benzema 8,0 Varane 6,0 21’/2º T Cristiano Ronaldo 6,5 T: C. Ancelotti 5,0

Valdés Daniel Alves Mascherano Piqué Jordi Alba Busquets Xavi Fàbregas Alexis Sánchez 33’/2º T Neymar Pedro 24’/2º T Messi Iniesta

n nV n n n

n

4,5 4,5 4,5 4,5 5,0 5,5 n 5,5 6,0 n 6,0 5,0 6,0 8,5 7,5

T: Tata Martino 7,0

JUIZ: Undiano Mallenco (ESP) 3,0. Arbitragem bastante complicada, com marcações de pênaltis discutíveis para os dois lados. GOLS: 7’ 1ºT Iniesta (0-1) ; 21’ 1ºT Benzema (1-1) ; 23’ 1ºT Benzema (2-1) ; 42’ 1ºT Messi (2-2) ; 10’ 2ºT Cristiano Ronaldo (3-2); 19’ 2ºT Messi (3-3) e 39’ 2ºT Messi (3-4) CARTÕES: nV Sergio Ramos (17’ 2ºT) LOCAL: Santiago Bernabéu, Madri (ESP) GRAMADO: Ótimo

2

VISÃO DE JOGO

SÃO PAULO Denis 6,0 Paulo Miranda 5,5 n Lucas Silva 6,0 Edson Silva 6,0 Luis Ricardo 5,5 Cañete 5,5 33’/2º T Wellington 5,0 João Schmidt 6,5 Lucas Evangelista 7,0 n Reinaldo 6,5 Ewandro 5,0 Boschillia 6,0 23’/2º T Ademilson 7,5 T: M. Ramalho 6,5

LEONARDO PEREIRA

leonardopereira@lancenet.com.br

MEMORÁVEL! Messi marca três vezes, e Barcelona vence o Real Madrid em duelo marcado por viradas de placar e muita polêmica

S

xando Di Stéfano para trás. O atacante argentino também deu o passe para Iniesta abrir o placar logo no início, quando o Barcelona era bem superior ao rival. O Real Madrid jogava em casa. Tinha a obrigação de responder. E assim Benzema, no melhor estilo “sobrou, coloco para dentro“, recebeu duas bolas açucaradas de Di María e virou o placar. O momento era favorável aos donos da casa. Só que do outro lado ha-

ete gols, três pênaltis, duas viradas, polêmicas para um mês inteiro e um craque que supera recordes a cada semana. No Estádio Santiago Bernabéu, Barcelona e Real Madrid provaram que quando se encontram não existe monotonia. O duelo de ontem, vencido pelos catalães por 4 a 3, estará, certamente, entre os melhores jogos da temporada. Com três gols, Messi tornou-se o maior artilheiro do clássico, dei-

JUIZ: Rodrigo Guarizo Ferreira do Amaral 6,0. Não teve trabalho para comandar a partida em Ribeirão Preto. GOLS: 42’ 1ºT Lucas Evangelista (0-1) ; 18’ 2ºT Ademilson (0-2) RENDA/PÚBLICO: R$ 237.499,00 / 6.934 pagantes LOCAL: Santa Cruz, Ribeirão Preto (SP) GRAMADO: Regular

via Messi, autor do empate nos últimos minutos da primeira etapa. Veio o segundo tempo e o grande embate entre os gigantes da Espanha ganhou um novo e indesejável protagonista. O árbitro Undiano Mallenco, que implantou algo abominável no futebol: a lei de compensação: primeiro favoreceu o Real ao enxergar pênalti de Daniel Alves sobre Cristiano Ronaldo. O português mandou lá dentro: 3 a 2. Depois, caiu na artimanha de Neymar, marcou

pênalti sobre o craque brasileiro e mandou Sergio Ramos para a rua, deixando os merengues com dez. Messi foi lá e empatou novamente. A intenção do Real Madrid foi segurar o empate e uma invencibilidade de 32 jogos. Do outro lado, o Barça impôs o jogo de troca de passes até chegar ao quarto gol, novamente de forma polêmica, com pênalti sobre Iniesta. Messi decretou o 4 a 3 e deixou o Barcelona ainda mais forte na briga pelo bicampeonato espanhol.

OUTROS LANCES PORTUGUESA

BASQUETE

STOCK CAR

3 A Portuguesa ganhou do Rio Claro por 4 a 3 no domingo, em jogo no Canindé. Com a vitória, a Lusa foi a 20 pontos e se despediu do Campeonato Paulista com a quarta colocação no Grupo C. A partida não valia muito para o futuro das equipes no Estadual, já que os times não tinham chances de classificação, mas sobrou emoção. O Rio Claro saiu na frente e a Lusa virou o jogo. Vencia por 4 a 1 quando levou sufoco e ficou perto de entregar o empate. O Rio Claro também foi a 20 pontos e fechou a participação em terceiro lugar no Grupo D.

3 Na noite de sábado, no Maracanã-

3 Conforme esperado, a “nova” Sto-

Policiais são vítimas de pancadaria Lusa vence na 3 Mais uma cena de violência mandespedida chou o futebol, desta vez no México.

Deu Fla na Liga das Américas

REPRODUÇÃO

Briga assustou pela violência

PG: pontos ganhos, J: jogos, V: vitórias, E: empates, D: derrotas, GP: gols pró, GC: gols contra, SG: saldo de gols, AP: aproveitamento.

1 o-

São Paulo

2 o-

Penapolense

27

15

8

19

15

6

3 o-

Linense

16

15

5

4 o-

Comercial

12

15

5 o-

Atlético Sorocaba

11

15

AP%

QUARTAS DE FINAL

D

GP

GC

SG

PM

3

4

28

15

13

60%

-3

1

8

14

17

-3

42.2%

-11

1

9

9

21

-12

35.5%

-14

3

3

9

13

21

-8

26.6%

-18

2

5

8

16

29

-13

24.4%

-19

SÃO PAULO PENAPOLENSE*

BOTAFOGO ITUANO*

GRUPO B Botafogo

28

15

9

1

5

23

20

3

62.2%

-2

2 o-

Ituano

28

15

8

4

3

16

10

6

62.2%

-2

3 o-

Corinthians

24

15

7

3

5

24

19

5

53.3%

-6

4 o-

Osasco Audax

23

15

6

5

4

17

15

2

51.1%

-7

5 o-

XV de Piracicaba

19

15

5

4

6

18

18

0

42.2%

-11

GRUPO C 1 o-

Santos

36

15

11

3

1

39

16

23

80%

6

2 o-

Ponte Preta

24

15

8

0

7

17

23

-6

53.3%

-6

3 o-

São Bernardo

23

15

6

5

4

23

18

5

51.1%

-7

4 o-

Portuguesa

20

15

6

2

7

23

19

4

44.4%

-10

5 o-

Paulista

4

15

0

4

11

14

31

-17

8.88% -26

PALMEIRAS BRAGANTINO*

15/3

16/3

Palmeiras

2 o-

Bragantino

23

15

3 o-

Rio Claro

20

15

4 o-

Mogi Mirim

17

15

5 o-

Oeste

11

15

35

15

11

2

2

7

2

6

5

5

5

4

5

6

3

2

10

QUARTAS DE FINAL

27

13

14

77.7%

17

18

-1

51.1%

-7

29

27

2

44.4%

-10

25

30

-5

37.7%

-13

16

28

-12

24.4%

-19

REBAIXADOS

5

Palmeiras 3x2 Bragantino 2x1 Linense 1x0 A. Sorocaba 1x1

-

-

-

Comercial 0x3 Osasco Audax Mogi Mirim 4x4 Paulista Oeste 1x0 Portuguesa

9 gols

Luis Fabiano (São Paulo); Léo Costa (Rio

8 gols

Romarinho (Corinthians); Alan Kardec

(Palmeiras)

-

Penapolense 0x0 Corinthians São Paulo 0x1 Ituano Rio Claro 3x3 Santos

Artilheiros

FINAL

-

Ponte Preta São Bernardo Botafogo XV de Piracicaba

ck Car começou recheada de emoção, e coube a um estreante para lá de ousado garantir o lugar mais alto do pódio em Interlagos: Felipe Fraga, de apenas 18 anos, se aproveitou de um bom pit stop e do forte ritmo de seu parceiro, Rodrigo Sperafico, de 34 anos, para garantir a vitória em 52m56s. O feito transforma Fraga no piloto no mais jovem a vencer uma corrida na categoria, criada em 1979. Ele também foi o primeiro estreante a subir no lugar mais alto do pódio logo na primeira corrida. Fraga foi campeão em todas as categorias do kart e, ganhou o Brasileiro de Turismo.

Claro)

14 a- RODADA

18/3

GRUPO D 1 o-

-

SEMIFINAL

30/3

SANTOS PONTE PRETA*

1 o-

-

Fraga chega, vê e vence

zinho, no Rio de Janeiro, o Flamengo sagrou-se campeão da Liga das Américas ao derrotar o Pinheiros por 85 a 78. Foi o primeiro titulo intercontinental do Rubro-Negro e freou o sonho do bicampeonato do Pinheiros. O Rubro-Negro se credenciou para disputar a Copa Intercontinental, em outubro, contra o campeão da Euroliga. O rival europeu, no entanto, ainda não está definido, sendo que o Barcelona é considerado um dos favoritos ao título. Esta partida não tem local definido, mas tudo indica que ocorrerá no Rio, em outubro.

6/4

E

30/3

V

26 OU 27/3

J

26 OU 27/3

P

26 OU 27/3

GRUPO A

26 OU 27/3

No empate em 1 a 1 no clássico entre Atlas e Chivas, disputado no último sábado, cerca de dez policiais foram espancados dentro do estádio. As agressões ocorreram no setor destinado à torcida do Chivas. Porém, as autoridades mexicanas agiram rápido. Em menos de 24 horas, 17 pessoas envolvidas na briga foram presas e o Estádio Jalisco, em Guadalajara, foi interditado. No total, 38 pessoas ficaram feridas e oito delas são policiais. Todos foram encaminhados para hospitais locais e três estão com lesões graves. Nenhum ferido na pancadaria sofre risco de morte.

-

-

13/4

CAMPEONATO MEXICANO

-

Tenente Carriço Morumbi Augusto Schimidt

David (Paulista); Henrique (Portuguesa); Bady (São Bernardo)

A. Salles (Ituano); Magrão (Mogi MiObs: Os confrontos serão definidos de rim); Alemão (P. Preta); Cícero, Gabriel, Thiago Riacordo com as melhores campanhas, beiro e Geuvânio (Santos) após soma de pontos das duas fases Danilo Alves (A. Sorocaba); Mike (Botafogo); Rafael Silva (Ituano); Serginho (Mogi

15 a- RODADA Pacaembu Nabi Abi Chedid Gilberto Siqueira Walter Ribeiro

7 gols 6 gols

23/3 ONTEM

Corinthians 3x0 Atlético Sorocaba Pacaembu Botafogo 0x2 São Paulo Santa Cruz Ituano 1x0 Penapolense Novelli Junior XV de Piracicaba 1x1 Comercial Barão S. Negra Osasco Audax 0x1 Linense José Liberatti Santos 2x1 Palmeiras Vila Belmiro Ponte Preta 0x4 Mogi Mirim Moisés Lucarelli Paulista 1x1 Bragantino Jayme Cintra o São Bernardo 5x2 Oeste 1 - de Maio Portuguesa 4x3 Rio Claro Canindé

Palma Travassos Itapira Amaros

REGULAMENTO: Na primeira fase, os clubes de um grupo jogarão com todos os clubes dos demais grupos, em turno único, classificando-se para a fase de quartas de final os dois clubes com o maior número de pontos. Concluída a primeira fase, os quatro clubes que obtiverem o menor número de pontos ganhos, independentemente do grupo, serão rebaixados. Caso em um só grupo estejam os quatro clubes com o menor número de pontos ganhos, classifica-se para as quartas de final o melhor terceiro colocado dos demais grupos. O mata-mata começa nas quartas de final, com o primeiro enfrentando o segundo do mesmo grupo, em jogo único. Nas semifinais, também em partida única, os confrontos serão alinhados de acordo com as campanhas. A final será em ida e volta.

5 gols

Mirim); Alexandro (Penapolense); J. Cafu (XV de Piracicaba)

4 gols

Hudson e Marcelo Macedo (Botafo-

go); Luciano (Corinthians); Valdivia (Palmeiras); D. Tanque (Penapolense); André Luiz (Rio Claro); L. Damião (Santos); A. Carlos (São Paulo)

3 gols

Wellington Bruno (Botafogo); Tássio, Léo Jaime (Bragantino); M. Toscano (Comercial); Jadson (Corinthians); Rodrigo Tiuí, Anselmo (Linense); Velicka, T. Silvy (O. Audax); Juninho (Palmeiras); Wanderson (Portuguesa); Rafael Costa (Rio Claro); Ademilson (São Paulo); Marino e Rodrigo Careca (São Bernardo); Adriano Ferreira (XV Piracicaba)


CAIXA 1 O seu consultor financeiro

sábado, domingo e segunda-feira, 22, 23 e 24 de março de 2014

15

DINHEIRO que não se pode tocar, olhar e sentir. Entenda as bitcoins. Não regulamentadas por autoridade monetária no Brasil, as moedas virtuais já têm empresas especializadas em sua negociação.

Rejane Tamoto conceito de dinheiro virtual, que não pode ser tocado mas pode ser convertido para uma moeda física, como por exemplo o real e o dólar, é novo no Brasil, mas vem se disseminando pelo mundo ao longo dos seus últimos cinco anos de existência. A estimativa é que as moedas digitais já movimentem US$ 11,5 bilhões no mundo. Apesar de existirem centenas delas, a mais famosa – por ser a de maior volume negociado – é a bitcoin. Segundo Flávio Pripas, fundador da Bitinvest – uma exchange (casa de câmbio) de moedas digitais– , a estimativa é que existam 12 milhões de bitcoins em circulação no mundo com um valor aproximado de US$ 8 bilhões. A bitcoin é também protagonista dos escândalos, como o da Bolsa de valores Mt. Gox, que pediu concordata após perder bitcoins por causa de uma invasão em seu sistema em fevereiro (leia reportagem nesta página.). Depois veio o caso do Flexcoin, um banco de bitcoins no Canadá que fechou após um desfalque de cerca de US$ 600 mil por causa de um ataque hacker. Mesmo assim, a bitcoin e suas pares são conhecidas no Brasil por um público mais restrito, segundo Rafael Arrigoni, gerente de mídias sociais da R18. A empresa fez um levantamento nas redes sociais Facebook e Twitter, do dia 17 de fevereiro a 13 de março, e contabilizou que as moedas virtuais foram mencionadas 7.967 vezes. É um número irrisório perto das mais de 95 mil citações nas mesmas redes sociais sobre outro assunto: a aquisição do Whatsapp pelo Facebook. No Brasil, a maioria das transações envolvendo bitcoins são de compra e venda, que podem ter intermediários (exchanges) ou serem realizadas diretamente de pessoa a pessoa. Afinal, a bitcoin tem a finalidade de ser uma tecnologia P2P (ponto a ponto). Como as moedas virtuais não são reguladas pelo sistema financeiro no Brasil, não há uma autoridade que garanta que a transação será efetuada. No mercado, existem os intermediários e, para operar com eles, é preciso conhecer seus históricos de negociação. Afinal, o mundo da bitcoin, como o mundo real, também é pequeno. Em meio aos escândalos envolvendo bitcoins em fevereiro, o Banco Central (BC) resolveu se manifestar pedindo cautela aos entusiastas desta tecnologia. "As chamadas moedas virtuais não são emitidas nem garantidas por uma autoridade monetária. Algumas são emitidas e intermediadas por entidades não financeiras e outras não têm sequer uma entidade responsável por sua emissão", diz a nota. Além disso, o BC deixou claro que as moedas virtuais não têm garantia de conversão para a moeda oficial, e nem por ativo real de qualquer espécie, e assim o risco de aceitação está nas mãos dos usuários. A autoridade monetária informou que está acompanhando a evolução do uso da A estimativa é que moeda virtual e participando de discussões internacionais. as moedas digitais No mesmo comunicado, o já movimentem Banco Central lembrou que o US$ 11,5 bilhões baixo volume de transações no mundo no Brasil e a aceitação limitada ainda podem fazer com que as moedas virtuais tenham uma variação de preço muito alta, podendo até mesmo perder todo o seu valor. Na sexta-feira, o preço de uma bitcoin era de R$ 1,6 mil. Esse valor já foi de R$ 5,03 em outubro de 2011 e teve o pico de R$ 3.250,82 em novembro de 2013, segundo o histórico de três anos de cotação da Bitinvest.

O

Custos baixos Por outro lado, a transação com a bitcoin envolve baixo ou nenhum custo. Quando há um intermediário, como uma exchange, ele fica com um percentual na faixa de 2,5% do valor negociado. Se uma transação de bitcoin é de pessoa para pessoa do Brasil para o exterior, por exemplo, não haverá o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) e nem demais taxas bancárias. A liberdade que o bitcoin permite pode ser usada para o bem, mas também para o crime de lavagem de dinheiro, já que há a possibilidade de fazer transações sem se identificar. No entanto, não é fácil se manter anônimo neste ambiente, na opinião de Rodrigo Batista, CEO do Mercado Bitcoin, site que faz a intermediação de compra e venda de moeda virtual. "Hoje tem a telefonia, o número de IP e a pessoa tem de se dedicar muito para ser anônima. As transações são rastreáveis, apesar de serem um monte de códigos. E é possível entrar na Justiça se houver problema", diz Batista. Ele diz que faz auditoria no site com uma empresa que atende bancos para não ter problemas com a segurança. "Estamos fazendo uma análise para passar os dados das negociações ao Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), do Ministério da Fazenda", diz Batista. Segundo ele, os dados não são informados à Receita Federal e fica a critério de cada pessoa declarar no Imposto de Renda as transações que precisam ser informadas. Segundo Batista, 90% dos 32 mil cadastrados em seu site estão interessados em especular no preço da bitcoin, apostando em sua alta. Os demais querem fazer pagamentos. "Tem muitos brasileiros que compram bitcoins para pagar compras internacionais. No exterior, a aceitação é maior", afirma. O que também atrai pessoas para a aquisição de bitcoins é a possibilidade de comprar produtos e serviços. Segundo o site Coinmap (http://coinmap.org/), há mais de 40 estabelecimentos que aceitam a moeda virtual no Brasil. Fã de tecnologia, Allex Ferreira é fotógrafo mas hoje dedica 60% do seu tempo intermediando compra e venda de bitcoins. Já chegou a comprar passagem aérea para Florianópolis e comprar flores para a namorada com bitcoins. No ano passado, quando tinha uma viagem programada pa-

ra a Tailândia, levou um susto com a volatilidade do valor da moeda. "Perdi de 30% a 40% no valor das minhas bitcoins por causa da queda na cotação. Era o dinheiro da minha viagem, mas consegui recuperar porque vendi rápido e recomprei a um valor menor. Em duas horas o preço voltou ao patamar normal", conta Ferreira. Ele diz que a volatilidade do bitcoin no mercado não o fez desistir e sim estudar mais essa nova moeda. "Uma queda brusca não acontece todo dia. Faz um mês que o bitcoin está na faixa dos US$ 600. Estudei muito e ainda estudo. É preciso entender princípios de matemática, economia, ouro e commodity", diz. Além da ausência de garantia de uma autoridade nas transações, e do risco de perda de valor no mercado, a moeda virtual geralmente é guardada em uma carteira virtual no computador, que deve ser bem protegida. Por isso, Pripas, da Bitinvest, recomenda que o dono de bitcoins tenha uma senha forte e que não seja compartilhada. "Se a pessoa receber um vírus que rouba moeda pode perder a carteira. Por isso, às vezes é melhor colocar isso no serviço de terceiros, para não se preocupar com a segurança e o backup", diz o fundador da Bitinvest. Ele diz que a o trabalho da exchange é justamente o de garantir que os negócios feitos sejam honrados. Qual a fonte? Afinal, de onde surgem as moedas virtuais? Segundo Pripas, elas são protocolos que permitem que os computadores conversem. "Os computadores são máquinas que têm de falar um protocolo. Assim, o protocolo da internet é o HTTP. A moeda virtual é o seu próprio protocolo", diz. Ele explica que a moeda virtual é como se fosse um grande livro contábil onde todas as transações estão escritas. Para que se possa fechar uma página do livro contábil e abrir uma nova é necessário que se faça um trabalho de mineração. Pripas diz que há uma analogia com o minerador do mundo real, que pega uma pá e bate na pedra até achar o ouro. A diferença é que o minerador de moeda virtual não faz um trabalho braçal e sim de solução de equações matemáticas para encontrar novas moedas virtuais. "A questão é que as equações são aleatórias e não são muito fáceis de serem resolvidas", diz. Quando o minerador acha a chave da primeira página do livro ele ganha um crédito de 25 bitcoins. "É um livro contábil único em uma rede distribuída. Hoje, a cada dez minutos é fechada uma página e criada outra. Mas, para conseguir isso, é preciso fazer bilhões de tentativas para chegar a um número aleatório com 14 zeros à esquerda", diz. Esse serviço também não é para qualquer pessoa, já que é preciso investir em uma estrutura adequada de computação.

Bolsa de bitcoins encontra moedas esquecidas em carteira

A

Mt. Gox disse na última sexta-feira que encontrou em 7 de março 200 mil bitcoins "esquecidas" uma semana depois que a bolsa de moedas digital entrou com pedido de concordata dizendo ter perdido quase todas as 850 mil bitcoins que detinha, avaliadas em cerca de US$ 500 milhões. A Mt. Gox fez o anúncio da descoberta em seu site. "Detetives" na internet haviam percebido a movimentação de cerca de 200 mil bitcoins pela bolsa criptografada depois do pedido de concordata. A bolsa, dirigida pelo francês Mark Karpeles, de 28 anos, disse que as bitcoins foram encontradas em uma carteira online de formato antigo que se pensava que estava vazia, mas que foi verificada novamente após a abertura da concordata. "No dia 7 de março de 2014, a MtGox Co. confirmou que uma carteira em formato antigo usada antes de junho

de 2011 detinha um saldo de aproximadamente 200 mil BTC (bitcoins)", segundo o comunicado. As 200 mil bitcoins foram movidas novamente entre os dias 14 e 15 para carteiras off-line. Estas movimentações de bitcoins, incluindo a alteração na maneira de armazená-las, foram relatadas à corte e ao supervisor pelos advogados. Muitos dos 127 mil credores da Mt. Gox, que temem terem perdido seus investimentos quando a bolsa entrou com pedido de recuperação judicial, estão céticos sobre o que a bolsa disse sobre a perda das bitcoins. Nos documentos de concordata, a Mt. Gox também afirmou que US$ 28 milhões tinham "sumido" de suas contas no Japão. A bitcoin é comprada e vendida por redes ponto a ponto que são independentes de um controle central. O valor da moeda digital disparou no ano passado. (Reuters)


16

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 22, 23 e 24 de março de 2014


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 22, 23 e 24 de março de 2014

17

O comércio internacional tem hoje crescimento zero em 12 meses. Octávio de Barros, economista-chefe do Bradesco

O novo normal

O mundo em marcha lenta Essa deve ser a característica da economia global nas próximas décadas. Cenário de baixo crescimento exige adaptações de governos, empresas e cidadãos.

Sergio Lima/Folhapress

Rejane Aguiar professor laureado com um prêmio Nobel de Economia chegou para fazer a palestra de mochila nas costas no lugar da tradicional pasta de couro usada por executivos e acadêmicos. De terno, é verdade, mas de mochila nas costas. Figurino apropriado para apresentar a uma jovem plateia o assunto fundamental de sua conferência: a ideia de que o mundo vive hoje o fim da exuberância na economia vista na primeira década deste século, partindo para um caminho mais frugal de desenvolvimento. Ninguém vai mais poder crescer a taxas espetaculares ou mesmo sim-

O

plesmente altas nos próximos dez ou 20 anos, afirmou o colunista (do New York Times) e economista norte-americano Paul Krugman, professor da Universidade Princeton e ganhador do Prêmio Nobel de Economia de 2008 por sua contribuição aos estudos sobre o comércio internacional. Não há catástrofe à vista nesse período de acomodação póscrise financeira, mas ele destacou que todos os países devem estar preparados para o que os economistas têm chamado de “novo normal”. Crescer pouco, ou praticamente nada, deve ser o habitual daqui para a frente. E essa perspectiva deve estar na cabeça de autoridades, investidores, empresários e cidadãos, seja nos países ricos ou nos emergentes.

Octávio de Barros, do Bradesco: exportações emperradas. O raciocínio de Krugman, que sugere uma análise menos vinculada às notícias do dia a dia e mais a uma perspectiva de ciclos econômicos, ajuda a explicar o recente (e previsto) desempenho morno da atividade no Brasil. Esse novo viés de observação da econo-

mia mundial foi a tônica dos dois dias do Fórum Brasil: Diálogos para o Futuro, promovido em São Paulo pela revista CartaCapital e pela agência Envolverde – evento que recebeu Krugman na abertura e teve mesas de discussão sobre saúde, educação, transporRenata Jubran/AE

Na educação e na saúde o caminho ainda é muito longo e a tendência é de crescimento econômico menor nos próximos anos, no cenário de “novo normal” do mundo, seria lógico o Brasil investir para melhorar a qualidade em vez de apostar em quantidade. Essa avaliação resume bem as propostas de especialistas em educação e saúde que se reuniram na semana passada em São Paulo durante o Fórum Brasil: Diálogos para o Futuro, promovido em São Paulo pela revista CartaCapital e pela agência Envolverde. As críticas, em geral, vão na mesma direção, nas duas áreas: investimentos insuficientes, pouco (ou nenhum) treinamento dos servidores públicos, gestão e distribuição inadequadas dos poucos recursos disponíveis e, principalmente, ausência de políticas de Estado (substituídas, invariavelmente, por políticas partidárias ou por planos que mudam constantemente, até dentro do mesmo partido). Entre os especialistas, as deficiências na educação são tão consensuais quanto a avaliação de que o País não vai conseguir seguir o mundo neste século sem uma educação de qualidade, da pré-escola à pós-graduação. “Em um setor tão complexo e estratégico, evidentemente não existe uma bala de prata. As soluções passam por um planejamento completo e de longo prazo que, infeliz-

S

mente, ainda não vemos no horizonte”, afirmou o professor da Faculdade de Educação da USP Romualdo Portela. O professor abordou especificamente dois pontos. O primeiro, que considera fundamental, é a desvalorização da docência como opção de carreira para os mais jovens. “Ainda não conseguimos atrair os bons estudantes do ensino médio para o magistério, que acaba sempre sendo o plano B para muitos alunos que não puderam ingressar nas carreiras que desejavam. Não dá para formar um bom corpo docente dessa maneira”, observou. Além disso, Portela abordou o forte crescimento do ensino superior privado no País nos últimos anos (impulsionado por subsídios públicos por meio do Fies e do Prouni), que nada acrescentaria em qualidade à educação na universidade. “Essas empresas privadas têm compromisso com rentabilidade, o que não combina com a essência do setor de educação. O processo é predatório, à medida que as universidades privadas tradicionais sem fins lucrativos não conseguem encarar essa concorrência”, disse o professor Portela. Saúde – Na saúde, os desafios são igualmente gigantescos e passam também por outras áreas relacionadas, como destacou o médico oncologista Drauzio Varella na sua apresentação.

Drauzio destacou a ainda alta taxa de natalidade

“Não dá para falar em qualidade de saúde pública sem antes abordar uma questão crucial: a falta de políticas eficientes para o planejamento familiar, que condena milhões de mulheres das periferias das grandes cidades e das áreas remotas do País a ter quatro, cinco filhos, antes dos 25 anos. É um assunto muito pouco abordado, mas de grande relevância”, afirmou o médico, mencionando a grande quantidade de crianças brincando nas ruas nas zonas periféricas de metrópoles (“ao lado das casas sem reboco e dos gatos de energia são os sinais da perif er ia ”). Segundo ele, essa tragédia de saúde pública está escondida sob a informação de que a taxa de natalidade no País é de 1,8 filho por mulher. “Essa média é empurrada para baixo pelas classes mais ricas, mas em termos absolutos há mulheres demais convivendo com a realidade cruel de precisar

criar muitos filhos em condições precárias. Cerca de 6% das 50 milhões de brasileiras em idade fértil têm pelo menos quatro filhos”, afirmou. A médica Helena Ribeiro, da Faculdade de Saúde Pública da USP, citou a importância do saneamento básico para desafogar o Sistema Único de Saúde (SUS). “Os investimentos para a melhora do sistema de saúde pública no Brasil não precisam vir todos da área da saúde. Se o Brasil conseguisse universalizar as redes de abastecimento de água e de coleta e tratamento de esgoto, milhões de pessoas com problemas de saúde relacionados a contaminação por micro-organismos deixariam de procurar os hospitais. A rede, assim, poderia se concentrar no que deveria ser a sua vocação, o atendimento de emergências e o tratamento de doenças crônicas e graves”, afirmou a médica durante o debate. (RA)

Renato S. Cerqueira/Futurapress

tes, inovação, energia, comércio exterior e legados da Copa do Mundo e da Olimpíada do Rio de Janeiro, além da presença do pré-candidato à Presidência da República pelo PSB Eduardo Campos. Especialistas e representantes do governo apresentaram essa visão mais distanciada do cotidiano em diversas palestras e debates. Embora nos últimos três anos tenham se acumulado problemas na gestão macroeconômica brasileira que até os conselheiros econômicos da presidente Dilma Rousseff mencionam, não há como refutar os números. E alguns deles casam bem com o que diz o professor de Princeton. “O comércio internacional tem hoje crescimento zero em um período de 12 meses, desempenho medíocre. Considerando uma amostra de 97 países, a queda de exportações e a diminuição do ritmo de alta de vendas externas são muito mais comuns do que se poderia imaginar”, afirmou o economista-chefe do Bradesco, Octávio de Barros, acompanhado em mesa de debates pelo ex-ministro da Agricultura Roberto Rodrigues e pelo presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro. Alguns exemplos citados pelo economista-chefe do Bradesco: caíram as exportações de União Europeia (-0,6%), zona d o e u ro ( - 2 , 3 ) , A l e m a n h a (-3,2%), França (-4,7%) e Japão (-10,2%) e tiveram altas bem menos expressivas as vendas externas de Estados Unidos (2,8%), México (2,6%) e China (7,9%, depois de sair de taxas superiores a 30% há apenas três anos). A exceção é o Vi e t n ã q u e , c o m a l t a d e 15,7%, está ficando com parte das vendas que antes eram feitas pela China. Para o Brasil, a taxa no período é zero. “O desafio do crescimento hoje não é só brasileiro. A economia mundial opera em um sistema de vasos comunicantes – não há como fugir da tendência global. O Brasil cresce menos do que poderia, mas não é um ponto fora da curva quando se fala em avanço de PIB (Produto Interno Bruto) ou em comércio internacional”, acrescentou, mais uma vez amparado pelas estatísticas. Considerando uma média mó-

Não existe uma catástrofe econômica à vista, mas o mundo certamente passará a crescer menos. PAUL KRUGMAN, PROFESSOR DA UNIVERSIDADE PRINCETON vel (técnica estatística para análise de séries temporais) de cinco anos, Barros verificou que os PIBs das economias maduras cresceram apenas 0,7% no período (apesar da recuperação pós-crise), taxa que sobe para 5,26% no caso dos emergentes. Excluindose a China e os países asiáticos da conta dos emergentes, a expansão desse grupo é de 3,42%. Para os próximos anos, o quadro não deve ser muito diferente, especialmente pelo impacto significativo da desaceleração já considerada pelos dirigentes chineses no seu planejamento (com influência especialmente forte no Brasil, que é “dependente químico” da China, nas palavras do economista-chefe do Bradesco). Acostumados a troca de informações por meios digitais e aparentemente mais interessados em conhecimento do que em consumo, os jovens espectadores do evento da CartaCapital (em sua maioria leitores da revista e estudantes universitários) parecem ter entendido bem o recado do “novo normal” e tentaram associá-lo às necessidades da sociedade brasileira. As perguntas aos conferencistas em geral abordaram temas como eficiência na gestão da educação e da saúde, investimentos em áreas sociais e potencial das inovações tecnológicas para a melhora da qualidade de vida da população. Todos temas que devem ganhar importância à medida que o bolo da economia brasileira crescer menos ao mesmo tempo em que terá que ser distribuído para cada vez mais bocas.


18 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 22, 23 e 24 de março de 2014

Voando baixo atrás de um recorde: 1.609 km/h.

Reprod

ução

Num galpão modesto no sul da Inglaterra, 60 projetistas e engenheiros preparam o Bloodhound, um carro em forma de dardo movido por motores de caças a jato, para bater o atual recorde de velocidade em terra, de 1.227.9 km/h. John F. Burns*

Foto Andrew Testa/NYT

ambição de se tornar o homem mais rápido sobre quatro rodas – a loucura divina de alcançar esse objetivo, conforme vêem os entusiastas – teve um início modesto em 1898, em um vilarejo nos arredores de Paris. Um francês, o Conde Gaston de Chasseloup-Laubat, dirigindo o que era pouco mais que uma carroça aerodinâmica com um motor elétrico, chegou a 63,1 km/h. Jornalistas de Paris se perguntavam se ele havia se tornado um "fou furieux", ou um louco furioso, conforme os franceses costuma chamar pessoas que tenham alguma ambição ou imaginação sem limite que as fazem perder contato com a realidade. Richard Noble sabe tudo sobre Chasseloup-Laubat e outros – em sua maioria ingleses e americanos, praticamente todos rebeldes que foram longe demais – que encararam a missão quixotesca e muitas vezes mortal de estabelecer um novo recorde de velocidade em terra. Na qualidade de membro bem estabelecido sua marca, ele admite que já rest George Leigh Mallory, que deste grupo – Noble aumen- está ficando exausto dos de- hastearam a bandeira britânitou o recorde para 1.019,4 safios técnicos e financeiros. ca – e morreram na missão – km/h com o carro movido a ja"Muitas vezes as pessoas quando tentavam bater recorto Thrust SSC, em 1983 –, ele me dizem que 'Deve ser em- des enquanto a Grã-Bretanha tem boas credenciais para au- polgante' e eu respondo que 'É ainda era uma potência impementar o recorde para 1.609,3 um verdadeiro pesadelo!'", rial e estava ansiosa para moskm/h até o fim de 2016. afirmou. Mas, recuperando ra- trar isso a todo mundo. O plano de Noble envolve pidamente sua paixão, ele Por isso tudo, a equipe do um carro em forma de dardo acrescentou: "Sabe, nós, bri- Bloodhound fez reverência chamado Bloodhound, em h o m e na g e m ao míssil terra-ar britânico da Guerra Fria, que custou US$ 70 milhões, tornando-se a tentativa mais cara de bater o recorde até o momento. Esse é um e m p r e e n d imento com um longo pedigree. Em veículos movidos a bateO motor do Bloodhound será o mesmo Rolls-Royce usado nos jatos britânicos Typhoon rias, vapor, motores com pistão, jatos e fo- tânicos, sempre fomos bons aos valores contemporâneos, guetes, e em ruas públicas, la- nesse tipo de maluquice. E es- ao declarar que a missão tem o gos congelados, pistas de cor- sa é a coisa mais incrível para principal objetivo de motivar rida, lagos secos e desertos da fazer na face da terra". uma nova geração de engeInglaterra, dos Estados UniUm escocês formado na In- nheiros britânicos. A abordados e da Austrália, antigos de- glaterra com gosto por ternos gem ajudou engenheiros a obtentores do recorde aumenta- bem cortados e mesas em al- ter apoio do governo – essenram o entusiasmo de várias guns dos clubes mais exclusi- cial para a aquisição dos motogerações. Alguns foram à fa- vos de Londres, Noble é um en- res de caças à jato de última lência, ou pior, tentando ele- genheiro aeronáutico autodi- geração indispensáveis para var ainda mais o recorde. data que se identifica com os o projeto –, depois que os risEm muitos momentos, No- homens mais chiques do mis- cos óbvios geraram um não reble, de 67 anos, parece confu- to de aventureiros e mecâni- tumbante no início. so com a natureza maluca dis- cos sujos de graxa que buscaAulas de Ciência em mais so tudo. Depois de décadas ram bater o recorde. de 5.000 escolas britânicas atrás do recorde, e começanComentaristas britânicos de ensino médio estão ligado tudo de novo quando al- compararam Noble ao explo- das ao projeto por meio do site gum usurpador – es pecial- r ad o r p o la r Ro b er t Fa l co n d o B l o o d h o u n d , w w w. B l omente um americano – rouba Scott e o montanhista do Eve- odhoundSSC.co.uk, que fornece o que os diretores do projeto chamam de dados técnicos atualizados minuto a minuto, que podem ser transferidos para projetos em sala de aula. Uma escola construiu uma versão em miniatura do Bloodhound e a lançou pelo pátio da escola a 386,2 km/h. Noble não viaja mais a essa velocidade. Desde que estabeleceu seu recorde há duas décadas, ele transferiu as responsabilidades na direção pa-

A

Da 'carroça' do Conde Gaston de ChasseloupLaubat, que em 1898, com um motor elétrico, chegou a 63,1 km/h, estabelecendo o primeiro recorde de velocidade de um carro, ao projeto de US$ 70 milhões do Bloodhound, que em 2016 tentará alcançar a fantástica marca de 1 mil milhas por hora, a secular ambição de se tornar o homem mais rápido sobre quatro rodas. ra o piloto de caças da Royal Air Force Andy Green, matemático formado em Oxford e comandante da aeronáutica que participou de combates aéreos no Iraque antes da invasão dos EUA em 2003. Green, de 51 anos, detém o atual recorde de velocidade, de 1.227.9 km/h, o que o torna

seja atingir a meta no Hakskeen Pan, um grande lago seco no deserto do Kalahari, na província de Northern Cape, África do Sul. Centenas de habitantes da região foram contratados para preparar o percurso no terreno desértico escolhido para a tentativa, com 19,3 quilômetros de ex-

belecido nos anos 1970 por um civil, Darryl Greenameyer, pilotando um F-104 Starfighter americano. Além de tudo, o Bloodhound precisará de quase oito quilômetros para estacionar com os freios a ar, paraquedas e freios internos para as rodas de alumínio. Sob as regras estabelecidas pela instituição automobilística internacional, a Federation Internationale de l’A ut o mo bi le , e m Pa r i s , o s recordistas devem cobrir a mesma distância duas vezes – na ida e na volta – num intervalo de uma hora. Assim como m u i t a s p e ssoas que tentaram bater o O projeto desce a minúcias como roupas especiais de proteção para uso nos testes recorde de veo único homem a superar a ve- tensão e 549 metros de largu- locidade, Noble luta por recurlocidade do som em terra. Ele ra, removendo mais de 6.000 sos desde o início do projeto em 2008. Muitas vezes, a bateu o recorde a bordo do se- toneladas de pedras. gundo veículo a jato criado por A equipe programou os pri- aposta sobreviveu mês a mês, Noble, também chamado de meiros testes práticos do veí- apesar da falta de dinheiro e Thrust, em 1997. Agora ele fez culo para um campo na Ingla- de problemas técnicos inesuma parceria com Noble para terra, na primavera de 2015. perados. Os prazos para a aumentar em 402,3 km/h o re- Em seguida, será realizada quebra do recorde foram percorde anterior, que seria de uma série de corridas a veloci- didos repetidamente. Agora, embora ele ainda longe o maior salto na história dades cada vez maiores no dos recordes. Hakskeen Pan, em agosto de precise levantar milhões de Green fará a tentativa sem 2015. Por fim, depois que o dólares, Noble está confiante um assento ejetor e sem mui- Bloodhound for refinado na In- que sua equipe de 60 projetistos mecanismos de sobrevi- glaterra, uma tentativa de ba- tas, engenheiros e apoiadores vência no caso de um acidente ter a marca dos 1.609,3 km/h trabalhando em um galpão cocom o Bloodhound; os enge- está planejada para agosto ou mercial sem aquecimento em Avonmouth, ao sul de Bristol, nheiros de projeto concluí- setembro de 2016. ram, na verdade, que uma faDurante a tentativa de que- na Inglaterra, serão capazes lha catastrófica a 1.609,3 brar o recorde, o Bloodhound de cumprir o prazo de 2016. Entretanto, ele é desconfiakm/h certamente seria fatal. deverá percorrer 457 metros, Ao invés disso, eles decidiram ou o comprimento de cinco do o bastante – e experiente que a segurança de Green es- campos de futebol americano, demais – para acrescentar taria assegurada, até onde por segundo. Nenhuma aero- uma nota sombria de cautela. "Andy Green ainda quer vifosse possível, pelo design ri- nave voando abaixo de 152 goroso do Bloodhound e das metros – a uma velocidade em ver muitos anos", afirmou Nomilhares de horas gastas em que as ondas de choque gera- ble a respeito do piloto. "Ele simulações por computador das pelas velocidades super- quer viver o bastante para para evitar que o veículo deco- sônicas reverberam no chão, chegar ao porto com seu navio le – o maior medo de todos os causando grandes desafios a uma velocidade de 5 nós, e aspirantes ao recorde – ou saia para a estabilidade – já voou a vamos fazer tudo o que for neda caminho em linha reta que essa velocidade. O recorde cessário para que ele consiga deve seguir. para voos tripulados de baixa realizar seu objetivo". *The New York Times A equipe do Bloodhound de- altitude é de 1,590 km/h, esta-


ECONOMIA - 19

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 22, 23 e 24 de março de 2014

www.bpnbrasil.com.br

CNPJ nº 61.033.106/0001-86

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas: Submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações financeiras do BPN Brasil Banco Múltiplo S.A., relativas aos exercícios findos em 31 de dezembro de 2013 e de 2012, as quais seguem os dispositivos estabelecidos pelo Banco Central do Brasil. BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Em milhares de reais) Ativo Circulante Disponibilidades (nota 4) Aplicações interfinanceiras de liquidez (nota 5) Aplicações no mercado aberto (nota 4) Aplicações em depósitos interfinanceiros Títulos e valores mobiliários e instrumentos financeiros derivativos Carteira própria (nota 6) Vinculados à prestação de garantia (nota 6) Instrumentos financeiros derivativos (nota 7) Relações interfinanceiras Créditos vinculados - Depósitos no Banco Central Operações de crédito (nota 8) Setor privado Provisão para créditos de liquidação duvidosa Outros créditos Créditos por avais e fianças honradas (nota 8 (a)) Carteira de câmbio (nota 11) Rendas a receber Negociação e intermediação de valores (nota 7) Diversos (nota 10) Provisão para outros créditos de liquidação duvidosa (nota 8 (c)) Outros valores e bens Despesas antecipadas Realizável a longo prazo Operações de crédito (nota 8) Setor privado Provisão para créditos de liquidação duvidosa Outros créditos Diversos (nota 10) Outros valores e bens Bens não de uso próprio (nota 9) Provisão para desvalorizações (nota 9) Despesas antecipadas Permanente Investimentos Outros investimentos Imobilizado de uso Outras imobilizações de uso Depreciações acumuladas Diferido Gastos de organização e expansão Amortizações acumuladas Intangível Ativos intangíveis Amortizações acumuladas Total do Ativo

2013 139.241 4.078 61.719 60.907 812

2012 183.086 5.864 78.029 77.017 1.012

Passivo Circulante Depósitos (nota 12) Depósitos à vista Depósitos interfinanceiros Depósitos a prazo Relações interfinanceiras Recebimentos e pagamentos a liquidar Relações interdependências (nota 20 (b)) Recursos em trânsito de terceiros Obrigações por empréstimos (nota 12) Empréstimos no exterior Obrigações por repasses no país - instituições oficiais (nota 12) BNDES FINAME Outras instituições Instrumentos financeiros derivativos (nota 7) Outras obrigações Carteira de câmbio (nota 11) Fiscais e previdenciárias Negociação e Intermediação de Valores Dívidas subordinadas (nota 12) Diversas (nota 13) Exigível a longo prazo Depósitos (nota 12) Depósitos a prazo Obrigações por repasses no país - instituições oficiais (nota 12) FINAME Outras obrigações Fiscais e previdenciárias (nota 14) Dívidas subordinadas (nota 12) Diversas (nota 13) Resultado de exercícios futuros (nota 20 (c)) Resultados de exercícios futuros Patrimônio líquido Capital social - domiciliados no exterior (nota 15 (a)) Prejuízos acumulados

2013 99.171 44.862 4.095 620 40.147 7 7 16.877 16.877

2012 102.157 44.533 466 1.874 42.193 45 45 4.701 4.701 29.016 29.016

DEMONSTRAÇÕES DO RESULTADO PARA O SEMESTRE FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 (Em milhares de reais) Semestre findo em 31 de dezembro 2013

Exercícios findos em 31 de dezembro 2013 2012

Receitas da intermediação financeira 9.373 19.836 46.820 Operações de crédito 2.752 6.321 34.240 Resultado de operações com títulos e valores mobiliários (nota 6 (d)) 4.282 8.233 9.552 Resultado com instrumentos 30.682 16.499 financeiros derivativos (nota 7) 550 2.048 110 Resultado de operações de câmbio 1.789 3.234 3.028 1.215 Despesas da intermediação 30.572 15.284 financeira (6.488) (15.101) (45.251) 2.324 Operações de captação no 6.743 5.039 mercado (3.812) (7.628) (12.401) 1.734 1.719 Operações de empréstimos, 383 510 cessões e repasses (3.239) (7.550) (5.989) 33 Resultado com instrumentos 976 715 financeiros derivativos (nota 7) (503) (4.862) (4.556) 3.650 2.062 Operações de venda ou de 111 75 35.219 71.416 transferência de ativos 111 75 15.547 48.226 financeiros (nota 20 (a)) (73) (1.679) (8.894) 37.902 41.236 15.547 48.226 Provisão para créditos de 16.365 17.620 liquidação duvidosa (nota 8 (d)) 636 1.756 (17.464) 20.473 23.773 2.370 (4.108) (6.153) 2.370 Resultado bruto da intermediação financeira 2.885 4.735 1.569 2.657 2.227 19.672 20.820 2.657 2.227 1.493 1.383 Outras receitas (despesas) 18.880 21.389 operacionais (11.073) (29.548) (20.150) 17.851 15.699 19.218 22.802 328 3.738 Receitas de prestação (374) (1.413) 99 106 de serviços (nota 20 (e)) 664 989 1.924 36 99 106 Rendas de tarifas bancárias 1.155 1.435 43.809 52.078 (nota 20 (e)) 19 52 108 134 134 169.886 153.386 Despesas de pessoal (4.056) (8.487) (8.051) 134 134 (126.077) (101.308) Despesas administrativas 613 775 (nota 20 (f)) (5.407) (10.550) (9.678) 2.319 2.295 Despesas tributárias (214) (411) (2.600) (1.706) (1.520) Outras receitas operacionais 261 327 (nota 18) 378 1.371 2.535 1.975 1.975 Outras despesas operacionais (1.714) (1.648) (nota 19) (2.457) (12.512) (4.388) 147 199 Resultado operacional (8.188) (24.813) (18.581) 476 436 Resultado não operacional (329) (237) (nota 20 (i)) 185 44 (262) 178.298 225.757 178.298 225.757 Total do Passivo Resultado antes da tributação sobre o lucro e participações (8.003) (24.769) (18.843) As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. Prejuízo do semestre/exercício (8.003) (24.769) (18.843) NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 Número de ações (em milhares) (Em milhares de reais) (nota 15 (a)) 158.961 164.960 148.461 1. CONTEXTO OPERACIONAL na data do início da operação, levando-se em consideração se sua finalidade é Prejuízo por lote de mil ações - R$ (50,35) (150,15) (126,92) O BPN Brasil Banco Múltiplo S.A. (“Banco” ou “BPN Brasil”), sediado à Avenida das para proteção contra risco (“hedge”) ou não. Os instrumentos financeiros derivativos As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. Nações Unidas, 8.501 - 19º andar, tem por objeto a prática de todas as operações utilizados para proteger exposições a risco ou para modificar as características de ativas, passivas e acessórias inerentes aos bancos múltiplos e as respectivas carteiras ativos e passivos financeiros e que sejam: (i) altamente correlacionados no que se DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO autorizadas (comercial, crédito, financiamento e investimento, bem como autorizações refere às alterações no seu valor de mercado em relação ao valor de mercado do item PARA O SEMESTRE FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E EXERCÍCIOS que estiver sendo protegido, tanto no início quanto ao longo da vida do contrato; e para realização de operações rurais e de câmbio). O Banco era controlado pelo Banco FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 (Em milhares de reais) Português de Negócios S.A. (BPN Portugal), com sede em Porto - Portugal. Em 2008, (ii) considerados efetivos na redução do risco associado à exposição a ser protegida, Capital Prejuízos todas as ações representativas do capital social do BPN foram nacionalizadas pelo são classificados como “hedge” de acordo com sua natureza: • “Hedge” de risco social acumulados Total Governo de Portugal. O então acionista controlador passou, assim, a ter natureza de de mercado - os ativos e passivos financeiros objetos de “hedge” e os respectivos 129.477 (82.465) 47.012 sociedade anônima de capital público e detido pela Direção Geral do Tesouro e Finanças. instrumentos financeiros derivativos relacionados são contabilizados pelo valor de Em 31 de dezembro de 2011 mercado, com as correspondentes valorizações ou desvalorizações reconhecidas no Aumento de capital (nota 15 (a)) 23.909 23.909 A sua gestão foi atribuída à Caixa Geral de Depósitos S.A. (CGD). Como parte do seu resultado do período; e • “Hedge” de fluxo de caixa - a valorização ou desvalorização Prejuízo do semestre (18.843) (18.843) processo de reprivatização, o BPN constituiu durante o exercício de 2010 as entidades referente a parcela efetiva é registrada em contrapartida à conta destacada do Em 31 de dezembro de 2012 153.386 (101.308) 52.078 Parparticipadas, SGPS, S.A., Parvalorem, S.A. e Parups, S.A., a quem alienou um patrimônio líquido, líquido dos efeitos tributários. A parcela não efetiva é registrada em conjunto de seus ativos. Dentro desse contexto, o BPN Brasil passou a ser controlado Aumento de capital (nota 15 (a)) 16.500 16.500 contrapartida à adequada conta de receita ou despesa no resultado do período. Os indiretamente pela Parparticipadas. Em 31 de julho de 2011, o Governo de Portugal, Prejuízo do exercício (24.769) (24.769) instrumentos financeiros derivativos que não atendam aos critérios de “hedge” contábil através de Comunicado do seu Ministério das Finanças, anunciou a venda de parte do Em 31 de dezembro de 2013 169.886 (126.077) 43.809 estabelecidos pelo BACEN, principalmente derivativos utilizados para administrar a Banco Português de Negócios, S.A. (BPN Portugal) (então controlador do BPN Brasil 163.886 (118.074) 45.812 exposição global de risco, são contabilizados pelo valor de mercado, com as valorizações Em 30 de junho de 2013 Banco Múltiplo S.A.) ao Banco BIC Português, S.A. (BIC). Em 9 de dezembro de 2011, 6.000 6.000 ou desvalorizações reconhecidas diretamente no resultado do período. (e) Operações Aumento de capital (nota 15 (a)) foi assinado Contrato de Promessa de Compra e Venda entre o BIC e o Governo de de crédito e provisão para créditos em liquidação duvidosa: As operações de Prejuízo do semestre (8.003) (8.003) Portugal, com pagamento de sinal de 25% do valor da operação pactuada entre as crédito e outros créditos com característica de concessão de crédito são classificadas Em 31 de dezembro de 2013 169.886 (126.077) 43.809 partes. A operação foi concluída em 30 de março de 2012 e abrangeu somente parte da nos respectivos níveis de risco, observando: (i) os parâmetros estabelecidos pela As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. operação do BPN em Portugal, não incluindo a operação brasileira. Em 26 de setembro Resolução nº 2.682 do CMN, que requer a sua classificação em nove níveis, sendo “AA” de 2013, o Banco BIC, S.A. (BIC) celebrou contratos de compra e venda de quotas (risco mínimo) e “H” (risco máximo); e (ii) a avaliação da Administração quanto ao nível DEMONSTRAÇÕES DOS FLUXOS DE CAIXA da sociedade BPN Participações Brasil Ltda. (BPN Participações), detentora do capital de risco. Essa avaliação, realizada periodicamente, considera a conjuntura econômica, PARA O SEMESTRE FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E EXERCÍCIOS social do BPN Brasil, com a Parparticipadas, SGPS, S.A. e com o Banco Angolano de a experiência passada e os riscos específicos e globais em relação às operações, FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 (Em milhares de reais) Investimento S.A. Nos termos da cláusula 3.2 dos referidos contratos, o efetivo adquirente aos devedores e garantidores. Os parâmetros acima consideram os períodos de Semestre Exercícios findos das quotas seria o BIC ou seus acionistas por ele indicados. A operação foi submetida atraso, para atribuição dos níveis de classificação dos clientes, da seguinte forma: findo em em 31 de dezembro para análise e aprovação do Banco Central do Brasil - BACEN. Neste contexto, a Período de atraso Classificação do cliente 2013 2013 2012 Administração do Banco no Brasil vem tomando uma série de medidas visando a em dia ou até 14 dias em atraso A Prejuízo do semestre/exercício (8.003) (24.769) (18.843) adequação de sua estrutura operacional e financeira aos patamares considerados de 15 a 30 dias B Ajustes para reconciliar o prejuízo adequados para fazer face aos seus negócios. Essas medidas incluem: (a) Aporte dos de 31 a 60 dias C (Reversão)/Provisão para crédito de acionistas controladores de R$ 114.988 nos últimos quatro exercícios, sendo R$ 34.900 de 61 a 90 dias D liquidação duvidosa (nota 8 (d)) (1.049) (2.062) 24.507 no ano de 2010, R$ 39.679 no ano de 2011, R$ 23.909 no ano de 2012 e R$ 16.500 no de 91 a 120 dias E Provisão/(Reversão) para outros ano de 2013 (nota 15 (a)); (b) Manutenção do índice Basileia em níveis superiores ao de 121 a 150 dias F créditos de liquidação duvidosa exigido pelo BACEN (nota 20 (g)); (c) Avaliação, em curso, do seu quadro de executivo e de 151 a 180 dias G (nota 8 (d)) 413 306 (7.043) funcional, objetivando não só uma redução de custos administrativos, mas também uma superior a 180 dias H (Reversão) de provisão para readequação a um novo patamar organizacional; e (d) Monetizar os imóveis retomados (1) Para as operações com prazo a decorrer superior a 36 meses, é realizada a contagem desvalorização de outros valores e bens (175) (1.276) (3.538) através de leilões e manter o esforço de recuperação de créditos não performados. Depreciações e amortizações (nota 20 (f)) 162 344 409 em dobro dos prazos conforme facultado pela Resolução nº 2.682/99 do CMN. Com essas medidas, a Administração do Banco espera reverter a tendência de prejuízo Provisão de processos cíveis, trabalhistas l A atualização (“accrual”) das operações de crédito vencidas, até o 59º dia é apresentada nos últimos exercícios, sem comprometer sua liquidez e níveis atuais de e fiscais (nota 13 (iii)) 164 2.291 220 solvência, ressaltando que a mesma já comunicou o controlador que caso o processo contabilizada em receitas e a partir do 60º dia em rendas a apropriar. As operações Resultado na venda de bens não em atraso classificadas como nível “H” permanecem nessa classificação por seis de alienação do BPN Brasil não seja definido até o final deste exercício, uma nova de uso próprio 12 1.324 3.989 meses, quando então são baixadas contra a provisão existente e controladas em (Reversão) de provisões diversas (322) (322) capitalização será necessária. conta de compensação por, no mínimo, 5 anos, não sendo mais registradas em contas Prejuízo ajustado do semestre/ 2. APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS patrimoniais. As operações renegociadas são mantidas, no mínimo, no mesmo nível exercício (8.798) (24.164) (299) As demonstrações financeiras do BPN Brasil foram elaboradas em consonância com as em que estavam classificadas. As renegociações que já haviam sido baixadas contra (Aumento) redução nos ativos práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis às instituições financeiras autorizadas a a provisão e que estavam em contas de compensação, são classificadas como nível operacionais funcionar pelo Banco Central do Brasil - BACEN e pela Lei das Sociedades por Ações, “H” e as eventuais receitas provenientes da renegociação somente são reconhecidas Aplicações interfinanceiras de liquidez 224 200 409 incluindo as alterações introduzidas pelas leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09, normatizadas quando efetivamente recebidas. Quando houver amortização significativa da operação Títulos e valores mobiliários e pelo BACEN e apresentadas em conformidade com o Plano Contábil das Instituições ou quando novos fatos relevantes justificarem a mudança do nível de risco, poderá instrumentos financeiros derivativos 15.819 34.145 11.502 Financeiras do Sistema Financeiro Nacional - COSIF. A fim de adequar-se às normas ocorrer a reclassificação da operação para categoria de menor risco. A provisão para Relações interfinanceiras e 15 15 14 internacionais de contabilidade, o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) emitiu créditos de liquidação duvidosa é fundamentada na análise das operações efetuadas interdependências (20.575) (4.456) 51.726 pronunciamentos contábeis, e suas respectivas interpretações. Os pronunciamentos pela administração para concluir quanto ao valor necessário para créditos de liquidação Operações de crédito (5.126) (1.338) 38.792 contábeis já aprovados pelo BACEN estão relacionados abaixo e foram considerados duvidosa, e leva em conta a conjuntura econômica, a experiência passada e os riscos Outros créditos (548) (1.095) 1.363 na preparação das informações contábeis inseridas nessas demonstrações financeiras: específicos e globais das carteiras, bem como as normas e instruções do CMN e do Outros valores e bens • Resolução CMN nº 3.566/08 - CPC 01 (R1) - Redução ao valor recuperável de Banco Central do Brasil. (f) Investimentos: Os investimentos em títulos patrimoniais são Aumento (redução) nos ativos; • Resolução CMN nº 3.604/08 - CPC 03 (R2) - Demonstração do fluxo de caixa; demonstrados ao custo de aquisição, ajustados pela atualização patrimonial informada passivos operacionais (8.612) (32.350) (56.866) • Resolução CMN nº 3.750/09 - CPC 05 (R1) - Divulgação sobre partes relacionadas; pelas instituições. Os demais investimentos estão demonstrados ao custo de aquisição, Depósitos • Resolução CMN nº 3.973/11 - CPC 24 - Eventos subsequentes; • Resolução CMN deduzidos das provisões para perdas, quando aplicável. (g) Imobilizado: Demonstrado Relações interfinanceiras e interdependências (56) (4.739) 4.333 nº 3.823/09 - CPC 25 - Provisões, passivos contingentes e ativos contingentes; ao custo de aquisição, deduzido da depreciação acumulada. As depreciações são Obrigações por empréstimos e repasses 13.427 (326) (51.537) • Resolução CMN nº 3.989/11 - CPC 10 (R1) - Pagamento baseado em ações; calculadas pelo método linear, com base em taxas anuais que contemplam a vida útilInstrumentos financeiros derivativos (3.334) (2.324) 2.324 • Resolução CMN nº 4.007/11 - CPC 23 - Políticas contábeis, mudança de estimativa econômica dos bens, sendo móveis, instalações e equipamentos de comunicação - 10% Outras obrigações (3.754) (1.413) 2.633 e o sistema de processamento de dados 20%. (h) Diferido: Os gastos de organização e retificação de erro; • Resolução CMN nº 4.144/12 (R1) - Emitido pelo Comitê de Resultado de exercícios futuros (78) (7) (215) Pronunciamentos Contábeis (CPC), aplicável onde não conflitam com as normas e expansão, registrados ao custo de aquisição ou formação correspondem ao seguinte: Caixa gerado/aplicado nas • Benfeitorias em imóveis de terceiros, amortizados linearmente com base no prazo de emitidas pelo Conselho Monetário Nacional - CMN ou pelo Banco Central do Brasil (21.396) (37.852) 4.179 locação de três anos; e • Gastos com desenvolvimento de logiciais - correspondem a atividades operacionais BACEN. Não foram adotadas as normas emitidas pelo Comitê de Pronunciamentos despesas com cessão de uso de sistemas de softwares e consultoria para implantação Atividades de investimentos Contábeis (CPC), relacionadas ao processo de convergência contábil internacional 2.294 3.520 2.310 dos sistemas de contabilidade, empréstimos e gerenciais, amortizados linearmente pelo Alienação de bens não de uso próprio e aprovadas pela CVM, ainda não recepcionadas pelo BACEN. Na presente data, Aplicações no imobilizado de uso (5) (24) (4) prazo de 60 meses. (i) Ativo intangível: Correspondem aos direitos adquiridos que Aplicações no ativo intangível (6) (40) (4) não é possível estimar quando os demais pronunciamentos contábeis do CPC serão tenham por objeto bens incorpóreos destinados à manutenção do Banco ou exercidos Caixa líquido gerado/aplicado aprovados pelo BACEN. A Administração do Banco concluiu que na presente data, não com essa finalidade. Os ativos intangíveis com vida útil definida são amortizados no nas atividades de investimentos 2.283 3.456 2.302 são esperados efeitos decorrentes da entrada em vigor desses novos pronunciamentos. decorrer de um período estimado de benefício econômico. Compostos basicamente por Estas demonstrações financeiras foram aprovadas pela Diretoria e autorizadas a serem softwares, que são registrados ao custo, deduzido da amortização pelo método linear Atividades de financiamentos Aumento de capital (nota 15 (a)) 6.000 16.500 23.909 divulgadas em 21/02/2014. durante a vida útil estimada (20% ao ano), a partir da data da sua disponibilidade para Caixa líquido originado pelas 3. RESUMO DAS PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS uso. (j) Redução ao valor recuperável: O CPC 01 (R1) - Redução ao valor recuperável atividades de financiamentos 6.000 16.500 23.909 (a) Resultado: O resultado é apurado de acordo com o regime de competência, que de ativos, aprovado pela resolução CMN nº 3.566/08, estabelece a necessidade das estabelece que as receitas e despesas devem ser incluídas na apuração dos resultados entidades efetuarem uma análise periódica para verificar o grau de valor recuperável Aumento (redução) de caixa e (13.113) (17.896) 30.390 dos períodos em que ocorrerem, sempre simultaneamente quando se correlacionarem, dos ativos não financeiros. Em 31 de dezembro de 2013, com exceção da provisão para equivalentes de caixa Caixa e equivalentes de caixa no início independentemente de recebimento ou pagamento. As operações com taxas pré-fixadas desvalorização de bens não de uso próprio no montante de R$ 374 (2012 - R$ 1.413), do semestre/exercício (nota 4) 78.098 82.881 52.491 são registradas pelo valor de resgate, e as receitas e despesas correspondentes ao a Administração não identificou nenhuma perda em relação ao valor recuperável de Caixa e equivalentes de caixa no final período futuro são apresentadas em conta redutora dos respectivos ativos e passivos. ativos não financeiros a ser reconhecida nas demonstrações financeiras. (k) Imposto do semestre/exercício (nota 4) 64.985 64.985 82.881 As receitas e despesas de natureza financeira são contabilizadas pelo critério “pro rata” de renda, contribuição social, PIS e COFINS: Provisionados às alíquotas abaixo As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. dia e calculadas com base no método exponencial, exceto aquelas relativas a títulos demonstradas, consideram, para efeito das respectivas bases de cálculo, a legislação descontados ou relacionadas a operações com o exterior, que são calculadas com vigente pertinente a cada encargo. base no método linear. As operações com taxas pós-fixadas ou indexadas a moedas Porcentagem classificados como perdas possíveis pelos assessores jurídicos são apenas divulgados estrangeiras são atualizadas até a data do balanço. (b) Caixa e equivalente de caixa: Imposto de renda 15,00 em notas explicativas, enquanto aqueles classificados como perda remota não Caixa e equivalentes de caixa são representados por disponibilidades em moeda Adicional de imposto de renda 10,00 requerem provisão e divulgação. (iv) Obrigações legais - fiscais e previdenciárias nacional, moeda estrangeira, aplicações no mercado aberto e aplicações em depósitos Contribuição social 15,00 referem-se a demandas judiciais, nas quais estão sendo contestadas a legalidade interfinanceiros, cujo vencimento das operações na data da efetiva aplicação foi igual PIS 0,65 e a constitucionalidade de alguns tributos e contribuições. Os montantes discutidos ou inferior a 90 dias e apresentam risco insignificante de mudança de valor justo, que COFINS 4,00 são integralmente registrados nas demonstrações financeiras e atualizados de acordo são utilizados pelo Banco para gerenciamento de seus compromissos de curto prazo. A provisão para imposto de renda é constituída à alíquota de 15% sobre o lucro com a legislação fiscal. (v) Os depósitos judiciais são mantidos em conta de ativo, (c) Aplicações interfinanceiras de liquidez: São registradas ao custo de aquisição, tributável, acrescida do adicional de 10% para o lucro tributável excedente a R$ 120 sem serem deduzidos das provisões para passivos contingentes, em atendimento às acrescidas dos rendimentos auferidos até a data do balanço, deduzidas de provisão para no semestre (R$ 240 no exercício) a provisão para contribuição social é constituída à normas do BACEN. (m) Outros ativos e passivos: Os ativos estão demonstrados pelos valores de realização, incluindo, quando aplicável, os rendimentos e as variações desvalorização, quando aplicável. (d) Títulos e valores mobiliários e instrumentos alíquota de 15% sobre o lucro tributável. (l) Provisões, ativos e passivos contingentes monetárias auferidos (em base “pro rata” dia) e provisão para perda, quando julgada financeiros derivativos: Os títulos e valores mobiliários são avaliados e classificados e obrigações legais, fiscais e previdenciárias: O reconhecimento, a mensuração e necessária. Os passivos demonstrados incluem os valores conhecidos e calculáveis, da seguinte forma: • Títulos para negociação - adquiridos com o propósito de serem a divulgação das contingências ativas e passivas e obrigações legais são efetuados acrescidos dos encargos e das variações monetárias incorridos (em base “pro rata” ativa e frequentemente negociados, são apresentados no ativo circulante e avaliados de acordo com as determinações estabelecidas no pronunciamento técnico CPC dia). (n) Uso de estimativas: A preparação das demonstrações financeiras exige ao valor de mercado em contrapartida ao resultado do período; • Títulos disponíveis 25, aprovado pela Resolução BACEN nº 3.823/09. (i) Ativos contingentes - não que a Administração efetue estimativas e adote premissas, no melhor de seu para venda - que não se enquadrem como para negociação nem como mantidos até o são reconhecidos nas demonstrações financeiras, exceto quando da existência de julgamento, que afetam os montantes de certos ativos e passivos, financeiros ou vencimento. São ajustados ao valor de mercado em contrapartida à conta destacada evidências que propiciem a garantia de sua realização, sobre as quais não cabem não, receitas e despesas e outras transações, tais como: (i) as taxas de depreciação do patrimônio líquido deduzido dos efeitos tributários; e • Títulos mantidos até o mais recursos. (ii) Provisões - são reconhecidas nas demonstrações financeiras dos itens dos investimentos para renda, (ii) amortizações de itens do intangível, vencimento - adquiridos com a intenção e capacidade financeira para sua manutenção quando, baseado na opinião de assessores jurídicos e da Administração, for (iii) provisão para perdas com operações de crédito e passivos contingentes e em carteira até o vencimento. São avaliados pelos custos de aquisição, acrescidos considerado provável o risco de perda de uma ação judicial ou administrativa, com uma (iv) ajuste a mercado de aplicações financeiras e instrumentos financeiros derivativos. dos rendimentos auferidos em contrapartida ao resultado do período. Os instrumentos provável saída de recursos para a liquidação das obrigações e quando os montantes Os valores de eventual liquidação destes ativos e passivos, financeiros ou não, financeiros derivativos são classificados de acordo com a intenção da Administração, envolvidos forem mensuráveis com suficiente segurança. (iii) Os passivos contingentes podem vir a ser diferente dos valores apresentados com base nessas estimativas. 15.916 7.663 8.253 18 18 39.871 41.570 (1.699) 17.528 16.629 6 86 5.669

50.061 32.687 9.692 7.682 33 33 32.098 41.454 (9.356) 16.926 227 15.088 3 6.164

continua...


20 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 22, 23 e 24 de março de 2014

...continuação

BPN Brasil Banco Múltiplo S.A. CNPJ nº 61.033.106/0001-86

NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 (Em milhares de reais) 4. CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA (d) Resultado de operações com títulos e valores mobiliários e aplicações 15. PATRIMÔNIO LÍQUIDO 2013 2012 interfinanceiras de liquidez (a) Capital social: capital social está representado por 164.960.609 (2012 Caixa 4.078 5.864 2013 2012 148.460.607) ações ordinárias, sem valor nominal, totalmente integralizadas. Conforme Aplicações interfinanceiras de liquidez Aplicações interfinanceiras de liquidez (nota 5 (b)) 5.995 5.857 Assembleia Geral Extraordinária - AGE de 28 de fevereiro de 2012, foi deliberado o (equivalentes de caixa) (*) 60.907 77.017 Rendas de títulos de renda fixa 2.238 3.695 aumento de capital no montante de R$ 13.947, em moeda corrente, passando o capital Caixa e equivalentes de caixa 64.985 82.881 8.233 9.552 social de R$ 129.477 para R$ 143.424, totalmente subscrito e integralizado, mediante (*) Os prazos de vencimentos dos títulos variam entre os meses de janeiro do ano de a emissão de 13.946.801 novas ações ordinárias nominativas e sem valor nominal, ao 7. INSTRUMENTOS FINANCEIROS DERIVATIVOS 2015 e maio do ano de 2035. preço de emissão de R$ 1 cada uma. O referido aumento de capital foi homologado O Banco participa de operações envolvendo instrumentos financeiros com o objetivo de pelo Banco Central do Brasil em 5 de março de 2012. Conforme Assembleia Geral 5. APLICAÇÕES INTERFINANCEIRAS DE LIQUIDEZ atender às necessidades próprias e de clientes, a fim de administrar exposições a riscos Extraordinária - AGE de 24 de outubro de 2012, foi deliberado o aumento de capital no (a) Composição de mercado, de moeda e de taxas de juros. O gerenciamento e acompanhamento desse 2013 2012 risco é efetuado por meio de políticas e estratégias de operação, assim como limites montante de R$ 9.962, em moeda corrente, passando o capital social de R$ 143.424 para R$ 153.386, totalmente subscrito e integralizado, mediante a emissão de 9.962.001 Aplicações no mercado aberto para posições assumidas e o crédito concedido às contrapartes, consoantes as diretrizes novas ações ordinárias nominativas e sem valor nominal, ao preço de emissão de Lastro em títulos públicos (i) estabelecidas pela Administração. As operações de futuros e “swap” são registradas em R$ 1 cada uma. O referido aumento de capital foi homologado pelo Banco Central do LFT 45.009 contas patrimoniais e de compensação pelo valor do contrato ou valor referencial e estão LTN 21.909 32.008 registradas na BM&FBOVESPA S.A. - Bolsa de Valores, Mercadorias e de Futuros ou na Brasil em 1º de novembro de 2012. Conforme Assembleia Geral Extraordinária - AGE NTN 38.998 - CETIP S.A. - Balcão Organizado de Ativos e Derivativos. Os instrumentos financeiros de 25 de junho de 2013, foi deliberado o aumento de capital no montante de R$ 10.500, em moeda corrente, passando o capital social de R$ 153.386 para R$ 163.886, Aplicações em depósito interfinanceiro derivativos estão sendo apresentados por tipo de papel e possuem vencimento até totalmente subscrito e integralizado, mediante a emissão de 10.500.001 novas ações Títulos privados fevereiro de 2014, como segue: ordinárias nominativas e sem valor nominal, ao preço de emissão de R$ 1 cada uma. CDI - Rural (ii) 812 1.012 2013 O referido aumento de capital foi homologado pelo Banco Central do Brasil em 2 de 61.719 78.029 Valor Resultado julho de 2013. Conforme Assembleia Geral Extraordinária - AGE de 28 de outubro (i) Os prazos de vencimentos dos títulos variam entre os meses de janeiro do ano de Ativos Passivos nocional do período de 2013, foi deliberado o aumento de capital no montante de R$ 6.000, em moeda 2015 e maio do ano de 2035. “Swap” corrente, passando o capital social de R$ 163.886 para R$ 169.886, totalmente (ii) Prazo de vencimento do título é 29 de agosto de 2014. Dólar x CDI/CDI x Dólar 1.351 subscrito e integralizado, mediante a emissão de 6.000.001 novas ações ordinárias Futuros 86 11.907 697 nominativas e sem valor nominal, ao preço de emissão de R$ 1 cada uma. O referido (b) Resultado de aplicações interfinanceiras de liquidez 86 11.907 2.048 aumento de capital foi homologado pelo Banco Central do Brasil em 1º de novembro 2013 2012 Aplicações interfinanceiras de liquidez (nota 6 (d)) 5.995 5.857 2012 de 2013. (b) Reserva de lucros: A reserva legal é constituída por 5% do lucro líquido 5.995 5.857 Valor Resultado do exercício, limitada a 20% do capital social. (c) Dividendos e juros sobre o capital Ativos Passivos nocional do período próprio: Aos acionistas, são assegurados dividendos mínimos de 5% sobre o lucro 6. TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS líquido anual ajustado na forma da legislação em vigor. A distribuição dos dividendos Composição da carteira de títulos e valores mobiliários classificada na categoria “para “Swap” 7.682 (2.324) 53.712 (507) está sujeita à deliberação em Assembleia Geral de Acionistas. negociação”, por tipo de papel, demonstrada pelo seu valor de custo e de mercado Dólar x CDI/CDI x Dólar Futuros (33) 8.728 4 16. IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL e por prazo de vencimento, bem como a composição da carteira de instrumentos 7.682 (2.357) 62.440 (503) financeiros derivativos. Os encargos com imposto de renda e contribuição social incidentes sobre as operações As operações de derivativos do BPN Brasil tem o objetivo de proteção da operação de são demonstrados a seguir: (a) Composição por classificação captação de recursos, cuja valorização ou desvalorização decorrente de ajuste a valor 2013 2012 2013 2012 Valor de Valor de Valor de Valor de de mercado é registrada diretamente nas contas de resultado. Tais operações têm como Resultado antes do IR e da CS (24.769) (18.843) objetivo primário a mitigação do risco de oscilação das taxas cambiais e de juros por custo mercado/ custo mercado/ Expectativa de crédito de IRPJ e CSLL 9.908 7.537 amortizado contábil amortizado contábil conta das captações no exterior. Efeito do IRPJ e da CSLL sobre as diferenças Carteira própria e vinculada livres permanentes 8. OPERAÇÕES DE CRÉDITO Letras financeiras do Despesas não dedutíveis (323) (617) (a) Composição total da carteira tesouro - LFTs 7.663 7.663 32.687 32.687 2013 2012 Efeito do IRPJ e da CSLL sobre as diferenças Vinculados à prestação temporárias sem constituição de crédito tributário Empréstimos e títulos descontados 30.861 46.099 de garantias 1.373 Financiamentos 292 3.698 Provisão para créditos de liquidação duvidosa Letras financeiras do Financiamentos rurais e agroindustriais 30.890 15.430 Reversão da provisão para créditos de liquidação tesouro - LFTs 8.253 8.253 9.692 9.692 duvidosa 786 62.043 65.227 Instrumentos financeiros Provisão para riscos fiscais (44) (56) Adiantamentos sobre contratos de câmbio derivativos “swaps” 7.409 7.682 (578) (nota 11) 12.662 10.799 Provisão para riscos trabalhistas 15.916 15.916 49.788 50.061 Outras diferenças temporárias 752 1.375 Outros créditos - rendas a receber de (b) Composição por prazo de vencimento adiantamentos concedidos (nota 11) 508 800 Prejuízo fiscal e base negativa do exercício não registrados (11.079) (9.034) 2013 2012 Outros créditos - títulos e créditos a receber de Acima Acima cessão de créditos adquiridos (nota 10) 3.298 4.648 Total do crédito (despesa) de IR e CS contabilizado Até de Até de Créditos por avais e fianças honradas 227 360 dias 360 dias Total 360 dias 360 dias Total 78.511 81.701 Créditos tributários não constituídos: Em 31 de dezembro de 2013, existiam Títulos públicos créditos tributários não constituídos no montante de R$ 27.305 (2012 - R$ 20.400), (b) Composição por vencimento Letras financeiras 2013 2012 sendo R$ 4.417 (2012 - R$ 8.591) sobre diferenças temporárias e R$ 22.887 do tesouro - LFTs 15.916 15.916 27.669 14.710 42.379 Operações vencidas 3.066 4.659 (2012 - R$ 11.809) sobre prejuízo fiscal e base negativa de contribuição social. Instrumentos A vencer 17. PARTES RELACIONADAS financeiros Até 90 dias 27.323 21.219 As transações com partes relacionadas estão refletidas nas seguintes contas: derivativos De 91 a 360 dias 27.649 32.050 (a) Remuneração do pessoal-chave da Administração “swaps” 7.682 7.682 Acima de 360 dias 20.473 23.773 2013 2012 15.916 15.916 35.351 14.710 50.061 78.511 81.701 Remuneração e encargos 2.203 1.999 (c) Composição por emissor (c) Composição da carteira de créditos por setor de atividade Previdência privada 73 85 2013 2012 Setor público e privado 2013 2012 O Banco possui o plano de previdência privada complementar como benefício aos seus Títulos para negociação público 31.434 34.507 funcionários na modalidade PGBL do HSBC Vida e Previdência S.A. e contribui com Governo federal 15.916 42.379 Indústria Comércio 26.115 19.335 o mesmo montante aplicado pelo contribuinte. No exercício este valor foi de R$ 229 Instrumentos financeiros derivativos Serviços 20.955 27.847 (2012 - R$ 222). “swaps” - privado 7 12 (b) Outras partes relacionadas Instituições financeiras 7.682 Pessoas físicas 78.511 81.701 Passivo Resultado 15.916 50.061 2013 2012 2013 2012 Dívida subordinada elegível ao capital O risco da carteira e a provisão para créditos de liquidação duvidosa estavam assim distribuídos em 31 de dezembro: Banco BIC Português S.A. 18.827 16.414 3.364 2.236 2013 2012 Obrigações em moeda Percentual Operações Operações estrangeira Nível de risco da provisão vencidas a vencer Total Provisão Total Provisão Banco BIC Português S.A. 16.695 14.815 1.925 1.873 AA 7 7 72 - Obrigações por empréstimos A 0,5 28.156 28.156 141 23.668 118 Banco BIC Português S.A. 14.201 2.156 869 B 1 341 14.994 15.335 153 9.302 93 Certificado de depósito bancário C 3 3.158 3.158 95 17.549 527 BPN Creditus Brasil Promotora D 10 1.947 18.673 20.620 2.062 10.210 1.021 de Vendas 1 1 6 E 30 400 400 120 1.402 421 BPN Participações Brasil Ltda. 29 2 2 F 50 3.629 3.629 1.814 2.201 1.100 Deposito à vista G 70 347 2.727 3.074 2.152 1.709 1.197 BPN Creditus Brasil Promotora de Vendas 3 146 H 100 430 3.702 4.132 4.132 15.588 15.588 BPN Participações Brasil Ltda. 9 3.065 75.446 78.511 10.669 81.701 20.065 18. OUTRAS RECEITAS OPERACIONAIS (d) Provisão para créditos de liquidação duvidosa Saldos iniciais (Reversão)líquida/constituição líquida Créditos baixados para prejuízo Saldos finais

13. OUTRAS OBRIGAÇÕES - DIVERSAS 2013 20.065 (1.756) (7.640) 10.669

2012 33.620 17.464 (31.019) 20.065

No exercício, o montante de créditos recuperados foi de R$ 130 (2012 - R$ 22.052). (e) Créditos renegociados O saldo dos créditos renegociados no exercício foi de R$ 30.526 (2012 - R$ 39.996). 9. OUTROS VALORES E BENS Referem-se a bens não de uso próprio recebidos em dação em pagamento de operações de crédito e despesas antecipadas. Bens não de uso próprio 2013 2012 Imóvel 17.709 22.390 Terreno 412 411 Máquinas e equipamentos 1.097 Provisão para desvalorização (374) (1.413) 18.844 21.388 10. OUTROS CRÉDITOS - DIVERSOS 2013 2012 3.298 4.648 1.750 1.607 1.428 1.047 42 20 1.140 412 435 236 654 8.326 8.391 Curto prazo 5.669 6.164 Longo prazo 2.657 2.227 (i) Referem-se principalmente a valores depositados judicialmente em reclamações trabalhistas envolvendo ex-funcionários da empresa Sabrico, consideradas como risco de perda possível pelos assessores jurídicos do Banco (vide nota 14 (c)). (ii) Referem-se a valores pagos durante o processo de compra pelo Banco BIC, os quais serão liquidados quando do encontro de contas previsto no contrato do compromisso de compra e venda. Títulos e créditos a receber (nota 8 (a)) Depósito judicial PIS (nota 14 (a)) Depósitos judiciais trabalhistas (i) Pagamentos a ressarcir Adiantamentos diversos Devedores por compra de valores e bens Impostos a compensar Devedores diversos no exterior (ii) Outras contas

11. CARTEIRA DE CÂMBIO Ativo Câmbio comprado a liquidar Rendas a receber de adiantamentos concedidos (nota 8 (a)) Passivo Obrigações por compra de câmbio Adiantamentos sobre contratos de câmbio (nota 8 (a))

2013

2012

16.121

14.288

508 16.629

800 15.088

14.396

12.518

(12.662) 1.734

(10.799) 1.719

12. DEPÓSITOS, CAPTAÇÕES, EMPRÉSTIMOS NO EXTERIOR E REPASSES Abertura dos depósitos, captações e repasses por vencimento: 2013 2012 Prazos (dias) Depósitos Sem venDe 91 Acima e captações cimento Até 90 a 360 de 360 Total Total À vista 4.095 4.095 466 Interfinanceiros 620 620 1.874 A prazo 10.389 29.758 15.547 55.694 90.419 Total de depósitos 4.095 10.389 30.378 15.547 60.409 92.759 Empréstimos no exterior (i) 12.419 4.458 16.877 29.016 Dívida subordinada (ii) 976 17.851 18.827 16.414 Repasses no país (iii) 110 30.572 30.682 18.869 4.095 22.918 66.384 33.398 126.795 157.058 (i) Representados por recursos captados no exterior junto as instituições financeiras. Em 31 de dezembro de 2013, os encargos financeiros variam de 2,76% a 3,60% a.a., com vencimentos até abril de 2014 (2012 - 3,20% a 3,50% a.a. com vencimentos até agosto de 2013). (ii) Dívida subordinada refere-se à captação no exterior junto ao ex-controlador indireto BPN Portugal no montante de US$ 8 milhões, realizada em 4 de junho de 2008 conforme “Contrato de Mútuo” e “Primeiro Aditivo ao Contrato de Mútuo”, firmados entre o Banco e o Banco Português de Negócios, S.A. autorizado a integrar o seu capital de nível II nos termos da Resolução CMN nº 3.444, de 28 de fevereiro de 2007, e homologado pelo Banco Central do Brasil em 25 de agosto de 2008. Em 31 de dezembro de 2013, os encargos financeiros são calculados pela Libor semestral mais Spread com vencimentos até maio de 2018. Em 31 de dezembro de 2013 devido a nova regulamentação de capital que impôs limites de utilização da divida subordinada, o valor computado de capital de nível II é de R$ 14.773. (iii)Representados por operações de repasses de BNDES e Funcafé. Em 31 de dezembro de 2013, os encargos financeiros são atualizados pela Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), Real - pré e UMBNDES, Dólar e juros pré-fixados respectivamente com vencimentos até outubro de 2014.

Provisões para pagamentos a efetuar - pessoal Comissões a pagar (i) Provisões para ações trabalhistas - Sabrico (ii) (nota 14) Provisões para acordos trabalhistas - Sabrico (iii) Provisão de serviços técnicos especializados Provisões para demais ações trabalhistas (nota 14) Provisões para demais contingências Provisão para publicação de balanços Outras despesas administrativas

2013 743 251 2.092 13 153 230 204 88 204 3.978 3.650 328

2012 677 270 2.301 866 220 1.217 76 173 5.800 2.062 3.738

Curto prazo Longo prazo (i) Comissões a pagar aos correspondentes bancários. (ii) Refere-se ao saldo residual dos processos trabalhistas movidos por ex-funcionários da empresa Sabrico, pertencente ao grupo SLN, em que o BPN Brasil e o Banco BPN Portugal foram incluídos no pólo passivo. A Administração do Banco mantém entendimentos com a Administração da Parparticipadas para, em caso de eventuais contingências futuras, ser ressarcido por aquele acionista quanto às causas da mesma natureza. (iii)Em 2013, a Administração da Parparticipadas (holding portuguesa que controla o BPN Brasil até aprovação da venda do Banco pelo Banco Central do Brasil) tomou a decisão de arcar com as obrigações decorrentes das ações trabalhistas ajuizadas por ex-funcionários da empresa Sabrico no montante de R$ 11.661, registrado na rubrica de outras despesas operacionais, ficando um saldo remanescente de R$ 13. Todos os valores foram ressarcidos integralmente pela Parparticipadas, através do aumento de capital mencionado na nota 15 (a). 14. PROVISÕES, ATIVOS E PASSIVOS CONTINGENTES E OBRIGAÇÕES LEGAIS FISCAIS E PREVIDENCIÁRIAS (a) Obrigações legais - fiscais e previdenciárias: PIS: O BPN Brasil ajuizou mandado de segurança para assegurar o direito de calcular e recolher PIS de acordo com a Lei Complementar nº 07/70, em relação aos fatos geradores ocorridos após março de 2006 ou, subsidiariamente, garantir o direito de recolher PIS somente com base em suas receitas provenientes da prestação de serviços, compensando-se os valores indevidamente recolhidos desde julho de 2003, nos termos das Leis nºs 9.430/96 e 9.250/95, por ser a Lei nº 9.718/98 inaplicável às instituições financeiras. O processo foi classificado como obrigação legal, tendo provisão no valor de R$ 1.493 (2012 R$ 1.383) e depósitos judiciais efetuados no montante de R$ 1.750 (2012 - R$ 1.607), conforme demonstrado: 2013 2012 Depósito Depósito Provisão judicial Provisão judicial Saldos iniciais 1.383 1.607 1.243 1.453 Constituição 110 143 144 154 Reversão por baixa (4) 1.493 1.750 1.383 1.607 (b) Provisões para processos trabalhistas: Sabrico: Ações trabalhistas ajuizadas por ex-funcionários da empresa Sabrico, pertencente ao grupo SLN, em que o BPN Brasil foi incluído no pólo passivo, pleiteando o recebimento de valores referentes a verbas rescisórias, em especial, aviso prévio, 13º salário, férias indenizadas e proporcionais, multa, horas extras e reflexos, danos materiais e morais. A provisão foi formulada levando em conta as verbas pleiteadas nas ações trabalhistas, observando-se a lei, jurisprudência e parecer dos assessores jurídicos externos. As causas prováveis trabalhistas foram provisionadas no valor de R$ 2.092 (2012 - R$ 2.301) (vide nota 13.ii). Demais ações trabalhistas: Ações trabalhistas ajuizadas por ex-funcionários do BPN Brasil pleiteando direitos trabalhistas que entendem devidas, em especial horas extras e reflexos. As causas prováveis trabalhistas foram provisionadas no valor de R$ 230 (2012 - R$ 220), conforme demonstrado: 2013 2012 Demais Demais ações ações Sabrico trabalhistas Sabrico trabalhistas Saldos iniciais 2.301 220 856 62 Constituição 184 10 1.445 220 Reversão por baixa (393) (62) 2.092 230 2.301 220 Depósito judicial 66 44 (c) Passivos contingentes classificados como risco de perda possível: São processos judiciais e administrativos de natureza tributária, trabalhista e cível classificados, com base na opinião dos assessores jurídicos, como risco de perda possível, não reconhecidos contabilmente. Os principais processos são: Sabrico: Ações trabalhistas ajuizadas por ex-funcionários da empresa Sabrico, pertencente ao grupo SLN, em que o BPN Brasil foi incluído no pólo passivo, pleiteando o recebimento de valores referentes à verbas rescisórias, em especial, aviso prévio, 13º salário, férias indenizadas e proporcionais, multa, horas extras e reflexos, danos materiais e morais, no valor de R$ 8.595 (2012 - R$ 5.966), para as quais existem depósitos judiciais no montante de R$ 1.286 (2012 - R$ 869). Demais ações trabalhistas e cíveis: Ações trabalhistas ajuizadas por ex-funcionários do Banco pleiteando direitos trabalhistas que entendem devidas, em especial horas extras e reflexos. Ações cíveis pleiteando a revisão de cláusulas de contratos firmados com o Banco, em especial encargos, juros e multa, no valor de R$ 224 (2012 - R$ 436). Desmutualização dos títulos patrimoniais da CETIP: O Banco possui processo administrativo no valor de R$ 473 que tem por objeto apurar ganho tributável, auferido em julho de 2008, na alegada devolução de patrimônio social decorrente do processo conhecido como desmutualização da CETIP - Câmara de Custódia e Liquidação (“CETIP Associação”).

Reversão provisões - outras Rendas de TCR - sem concessão de crédito Recuperação de encargos e despesas Outras rendas operacionais

2013 1.100 100 6 165 1.371

2012 34 1.654 726 121 2.535

2013 186 11.664 643 19 12.512

2012 328 1.445 1.385 1.163 67 4.388

19. OUTRAS DESPESAS OPERACIONAIS Atualizações de contingências diversas Ação processo Sabrico Descontos concedidos Provisão operacional Diversos

20. INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES (a) No exercício de 2013, foi realizada cessão de operações de crédito, sem coobrigação, com instituições não ligadas, no montante de R$ 17.680 (2012 R$ 83.779), gerando resultado negativo de R$ 1.679 (2012 - R$ 8.894). (b) Relações interdependências - Recursos em trânsito de terceiros, no passivo, referem-se a ordens recebidas no exterior a cumprir de clientes, no montante de R$ 7 (2012 R$ 4.701). (c) Resultados de exercícios futuros referem-se a comissões recebidas sobre garantias prestadas e a retenção de rendas sobre operações de crédito, a serem diferidas pelo prazo dos contratos, no montante de R$ 99 (2012 - R$ 106). (d) As garantias prestadas a terceiros, compreendendo avais, fianças e outras garantias, totalizam R$ 22.010 (2012 - R$ 9.188) e estão registradas em conta de compensação. Em 2013 não existiam valores de avais e fianças honradas a terceiros. (e) Receitas de prestação de serviços e rendas de tarifas bancárias Garantias prestadas Comissões Outros serviços Rendas de prestação de serviços Rendas de tarifas bancárias

2013 399 590 989 52 1.041

2012 247 1.663 14 1.924 108 2.032

2013 4.001 2.244 1.660 135 619 291 344 124 205 27 900 10.550

2012 4.647 1.209 1.276 141 578 299 409 156 242 32 689 9.678

(f) Despesas administrativas Despesas de serviços de terceiros Despesas de serviços técnicos especializados Despesas de aluguéis Despesas de processamento de dados Despesas de comunicações Despesas de transporte Despesas de amortização e depreciação Despesas de serviços do sistema financeiro Despesas de seguros Despesas de manutenção e conservação de bens Outras despesas

(g) Acordo de Basileia: O BACEN emitiu a partir de 1º de março de 2013, cuja vigência se deu a partir de 1º de outubro de 2013, um conjunto de normativos que regulamentam as recomendações do Comitê Basileia relativas à estrutura de capital das instituições financeiras. Conhecidas como Basileia III, as novas regras buscam aprimorar a capacidade destas instituições em absorver os impactos de eventuais crises, fortalecendo a estabilidade financeira e aumentando a quantidade e a qualidade do capital regulamentar. Estes normativos tratam dos seguintes assuntos: • Nova metodologia de apuração do capital regulamentar (Patrimônio de Referência - PR), que continuará a ser dividido nos níveis I e II (Resolução 4.193). • Nova metodologia de apuração da exigência de manutenção de capital, adotando requerimentos mínimos de PR, de Nível I e de Capital Principal, e introdução do Adicional de Capital Principal (Resolução 4.192). As regras de Basileia III buscam melhorar a qualidade do capital das instituições financeiras, restringindo a utilização de instrumentos financeiros que não apresentam capacidade de absorver perdas e pela dedução de ativos que podem comprometer o valor do capital devido à sua baixa liquidez, dependência de lucro futuro para realização ou dificuldade de mensuração do seu valor. Dentre estes instrumentos, destacam-se os créditos tributários, os ativos intangíveis e os investimentos em empresas não controladas, especialmente àquelas que atuam no ramo segurador. As novas regras para a apuração dos requisitos mínimos de capital estabelecem porcentagens do montante dos ativos ponderados pelo risco e constituem requerimentos de capital a serem observados pelas instituições financeiras, e que seguirão o cronograma apresentado a seguir: 2013 Capital principal (a) (mínimo + adicional) 4,5%

2014

2015

2016

2017

2018

2019

4,5%

4,5%

5,125 a 5,75%

5,75 a 7,0%

6,375 a 8,28%

7,0 a 9,5%

Nível I (b) (mínimo + adicional)

5,5%

5,5%

5,5%

6,625 a 7,25%

7,25 a 8,5%

7,875 a 9,75%

8,5 a 11,0%

PR (c) (mínimo + adicional) 11,0%

11,0%

11,0%

10,5 a 10,5 a 10,5 a 10,5 a 11,125% 11,75% 12,375% 13,0% (a) Capital Principal - composto por ações, quotas, reservas e lucros retidos; (b) Nível I - composto pelo Capital Principal e outros instrumentos capazes de absorver perdas com a instituição em funcionamento; e (c) PR (patrimônio de referência) - composto pelo Nível I e por outros instrumentos subordinados capazes de absorver perdas quando do encerramento da instituição. continua...


ECONOMIA - 21

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 22, 23 e 24 de março de 2014 ...continuação

BPN Brasil Banco Múltiplo S.A. CNPJ nº 61.033.106/0001-86

NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 (Em milhares de reais) Também foi criado o Adicional de Capital Principal, que representa o capital suplementar de conservação (fixo) e contracíclico (variável) que, ao final do período de transição, deverá ser de no mínimo 2,5% e no máximo 5% do montante dos ativos ponderados pelo risco, sendo que este percentual será estabelecido pelo BACEN conforme as condições macroeconômicas da época. As novas regras de Basileia III passaram a vigorar a partir de 1º de outubro de 2013 e seguem cronograma elaborado internacionalmente até sua efetiva implantação em 1º de janeiro de 2022. No quadro a seguir, estão demonstradas a apuração das exigibilidades de patrimônio de referência e o índice de Basileia, considerando a regra vigente: Patrimônio de referência para comparação com os ativos ponderados pelo risco (RWAs) Patrimônio de referência Nível I Patrimônio líquido (nota 15) Patrimônio de referência Nível II Ativos ponderados pelo risco (RWA) Exposição ao risco de crédito - RWAcpad (anteriormente Pepr) Risco operacional - RWAopad (anteriormente Popr) Patrimônio de referência mínimo exigido (RWA x 11%) (a) Índice de Basileia Parcela de taxa de juros no Banking Book (Pbanking)

2013

2012

58.320 43.547 43.547 14.773 15.322

68.492 52.078 52.078 16.414 13.455

12.693 2.629

11.355 2.100

15.322 41,67% 72

13.455 55,73% 64

Aos Administradores e Acionistas do BPN Brasil Banco Múltiplo S.A. - São Paulo - SP Examinamos as demonstrações financeiras do BPN Brasil Banco Múltiplo S.A. (“Banco”), que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2013 e as respectivas demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa para o semestre e exercício findos naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da Administração sobre as demonstrações financeiras - A Administração do Banco é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil - BACEN e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações financeiras livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos auditores independentes - Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações financeiras com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações financeiras estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e das divulgações apresentados nas demonstrações financeiras. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações financeiras, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e a adequada apresentação das demonstrações financeiras do Banco para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados às circunstâncias, mas não para expressar uma opinião sobre a

Em 31 de dezembro de 2013 e de 2012, o patrimônio de referência do Banco excedeu em 309 e em 8.578, respectivamente, o patrimônio de referência mínimo exigido pelo BACEN. Os valores dos ativos ponderados pelo risco (RWAs), para o exercício de 2012, foram ajustados para fins de comparabilidade com os valores apresentados para o exercício de 2013.

21. EVENTOS SUBSEQUENTES Conforme Assembleia Geral Extraordinária - AGE de 28 de janeiro de 2014, foi deliberado o aumento de capital no montante de R$ 1.636, em moeda corrente, passando o capital social de R$ 169.886 para R$ 171.522, totalmente subscrito e integralizado, mediante a emissão de 1.635.861 novas ações ordinárias nominativas e sem valor nominal, ao preço de emissão de R$ 1 cada uma. O referido aumento de capital foi homologado pelo Banco Central do Brasil em 06 de fevereiro de 2014.

(h) Gerenciamento de riscos Um resumo das descrições das estruturas de gerenciamento de risco operacional, de risco de mercado e de risco de crédito pode ser acessado no site do banco através do Conforme Assembleia Geral Extraordinária - AGE de 21 de fevereiro de 2014, foi link: http://www.bpnbrasil.com.br/apresentacao.htm. deliberado o aumento de capital no montante de R$ 3.648, em moeda corrente, passando o capital social de R$ 171.522 para R$ 175.170, totalmente subscrito e integralizado, (i) Resultado não operacional Em dezembro de 2013, o Banco constituiu provisões sobre desvalorizações de seus mediante a emissão de 3.648.001 novas ações ordinárias nominativas e sem valor ativos bens não de uso avaliados às condições de preços de mercado na data. O valor nominal, ao preço de emissão de R$ 1 cada uma. O referido aumento de capital está em correspondente era de R$ 44 (2012 - (R$ 262)), suportado com base em laudos técnicos fase de aprovação pelo Banco Central do Brasil. emitidos por empresa de avaliação especializada. DIRETORIA EXECUTIVA (j) Transações que não envolveram caixa No semestre e exercício findo em 31 de dezembro de 2013 as transações que não envolveram caixa podem ser assim resumidas: Recebimento de bens em dação de pagamento de empréstimos R$ 1.247 (2012 R$ 12.636). Essas transações que não envolveram caixa, foram eliminadas das demonstrações dos fluxos de caixa. RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES eficácia dos controles internos do Banco. Uma auditoria inclui também a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela Administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações financeiras tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Opinião - Em nossa opinião, as demonstrações financeiras referidas acima apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira do BPN Brasil Banco Múltiplo S.A. em 31 de dezembro de 2013, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o semestre e exercício findos naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil - BACEN. Ênfases - Riscos trabalhistas - Sem modificar a nossa opinião, chamamos a atenção para a nota explicativa nº 13.ii às demonstrações financeiras, que menciona que o Banco foi citado em diversas ações judiciais de natureza trabalhista, impetradas contra a antiga empresa não financeira no Brasil, ligada ao seu antigo acionista controlador em Portugal, para as quais mantém provisão registrada em “Outras Obrigações - Diversas” em 31 de dezembro de 2013, no montante de R$ 2.092 mil (R$ 2.301 em 2012). A referida antiga empresa ligada, entretanto, ainda possui outras ações trabalhistas em discussão judicial, nas quais o Banco não foi citado judicialmente até o presente momento e nenhuma provisão adicional foi registrada, tendo em vista a não existência de uma obrigação presente, de acordo com a Resolução nº 3.823 de 16 de dezembro de 2009 do Conselho Monetário Nacional. Nossa opinião não contém ressalva relacionada a esse assunto. Prejuízos operacionais - Conforme mencionado na nota explicativa nº 1 às demonstrações financeiras, a Administração do Banco no Brasil vem tomando uma série de medidas visando à adequação de sua estrutura operacional e financeira aos patamares considerados adequados para fazer face aos seus negócios, que incluem aportes de capital, manutenção do Índice de Basileia em níveis superiores

Luiz Alberto Fortuna Stouthandel Rodrigo Cristoforo del Barrio Silvio Cesar Ferreira Contador CRC 1SP-185135/O-0 ao exigido pelo Banco Central do Brasil, avaliação do seu quadro executivo e funcional e desenvolvimento de um plano de negócios, objetivando reverter a situação deficitária atual. Portanto, a continuidade do Banco depende do sucesso dessas medidas e da continuidade do suporte financeiro do acionista controlador. Nossa opinião não contém ressalva relacionada a esse assunto. Alienação do controle acionário do acionista controlador indireto - Conforme mencionado na nota explicativa nº 1 às demonstrações financeiras, em 31 de julho de 2011, o Governo de Portugal anunciou a venda do controle acionário do Banco Português de Negócios, S.A. (BPN), até então acionista controlador indireto do Banco, como resultado do processo de reprivatização iniciado em 2010. Este processo foi finalizado em 30 de março de 2012 com a venda definitiva do BPN em Portugal, sendo que, após esta formalização da venda, o BPN Brasil Banco Múltiplo S.A. passou a ser controlado indiretamente pelo Governo de Portugal, através de empresa localizada naquele país, denominada Parparticipadas, SGPS, S.A. que através de contrato celebrado em 26 de setembro de 2013 alienou a totalidade das cotas da controladora do Banco (BPN Participações Brasil Ltda.) ao Banco BIC S.A., sediado em Angola, e aos seus acionistas indicados conforme descrito na nota explicativa nº 1. Nossa opinião não contém ressalva relacionada a esse assunto. São Paulo, 28 de fevereiro de 2014 Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes CRC nº 2 SP 011609/O-8 Marcelo Luis Teixeira Santos Contador CRC nº 1 PR 050377/O-6

ACSP tira dúvidas sobre o Siscoserv Silvia Pimentel ma simples viagem para fora do País de um executivo e todos os gastos que teve com hospedagem, alimentação e outros pequenos serviços devem ser informados pelas empresas brasileiras no Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, ou Siscoserv. E mais. Até as pessoas físicas estão obri-

U

gadas a declarar seus gastos com serviços no exterior quando o valor for maior que R$ 20 mil. Complexo, detalhista e confuso, o Siscoserv é gerenciado pela Receita Federal e pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (Mdic). Mas é um desconhecido dos usuários, principalmente das pequenas e médias empresas. Concebido sob o pretexto

de fornecer estatísticas sobre o comércio exterior de serviços, que serão usadas no futuro para a elaboração de políticas públicas, o sistema exige o registro de informações detalhadas. O formulário online pede, por exemplo, nos casos de hospedagem, informações sobre se o quarto possui ou não banheiro. No caso de alimentação, o governo quer saber se a refeição foi a 'la carte'

ou bufê, e se a roupa enviada à lavanderia do hotel foi limpa a seco ou de maneira convencional. Nessa viagem, usou-se taxi ou metrô? Qual o gasto com transporte? Não sem razão, o sistema tem suscitado dúvidas entre os empresários, que temem autuações fiscais. Ciente dos questionamentos, o Fisco e o MDIC lançaram a oitava edição do manual para tentar sa-

CNPJ Nº 09.625.106/0001-55 – NIRE 35.222.200.960 Ata de Reunião de Sócios Anúncio de Convocação Ficam convocados as Srs. Sócias Sociedade a se reunirem em Reunião de Sócios na sede da Sociedade, em SP/SP, na Al. Gabriel Monteiro da Silva, nº 958, sala 01, Jardim América, às 10hs do dia 10/04/2014, com o objetivo de deliberarem a respeito da seguinte matéria constante da Ordem do Dia: Ana Claudia Corrêa de Camargo, RG 17.384.308-6 SSP/SP e CPF/MF 143.876.338-75, do cargo de Sócia-Administradora da Sociedade; (ii) se aprovada a matéria indicada no item (i) da Ordem do Dia, alterar a Cláusula 9ª do Contrato Social da Sociedade, com a sua consequente consolidação; (iii) tomar as contas dos administradores e deliberar sobre o balanço patrimonial e o de resultado econômico, elaborados pelo contabilista da Sociedade, referentes ao exercício social encerrado em 31/12/2013. Adriana Coelho da Silva - Sócia-Administradora. (21, 22 e 23/03/2014)

ALVORECER – ASSOCIAÇÃO DE SOCORROS MÚTUOS CNPJ – (MF) Nº 62.511.019/0001-50 ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA A Alvorecer – Associação de Socorros Mútuos por seu presidente do Conselho de Administração, e atendendo às disposições estatutárias (Art. 23 parágrafo 2º, letra “a” ) e Art. 26 “caput”, convoca a todos (as) os (as) associados (as) para a Assembleia Geral Extraordinária a ser realizada no dia 12 de abril de 2014, no Auditório do Hospital João Evangelista, sito à Av. Nova Cantareira, 3.050 – Tucuruvi, nesta capital às 08:30 horas em 1ª convocação, com a presença de 1/3 dos associados, ou às 9:00 horas com qualquer número (Art. 25 do Estatuto), e tendo como pauta o seguinte: a) Leitura da Ordem do Dia; b) Composição da Mesa (Presidente e Secretário); c) Apresentação de proposta de reforma do Estatuto Social, discussão das alterações, votação e aprovação do novo Estatuto Social da Alvorecer. Participação de associados maiores de 18 (dezoito) anos de idade e em dia com suas obrigações estatutárias. Dr. Silvio José Ferraz Tavares - Presidente do Conselho de Administração.

Sistema Fácil, Incorporadora Imobiliária Campos dos Goytacases I - SPE Ltda

Sistema Fácil, Incorporadora Imobiliária – Uberaba III – SPE Ltda

HITS COMÉRCIO DE MÓVEIS E OBJETOS PARA DECORAÇÃO LTDA.

CNPJ Nº 09.203.927/0002-84 - NIRE 35.225.560.771 20ª ALTERAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE CONTRATO SOCIAL Data 20.01.2014. Local S.J.Rio Preto. A totalidade dos sócios da SISTEMA FÁCIL, INCORPORADORA IMOBILIÁRIA – CAMPOS DOS GOYTACASES I - SPE LTDA, com sede em São José do Rio Preto-SP, na Av. Francisco das Chagas de Oliveira, nº 2500, sala 43A, Higienópolis, CEP 15.085-485, DELIBERAM, reduzir o capital social, conf. art. 1082, II do CC, de R$25.813.494,00 para R$24.113.494,00, representando uma redução de R$1.700.000,00, que serão devolvidos até 31.01.2014, em moeda corrente nacional, à sócia Rodobens Negócios Imobiliários S/A. Sócios: Rodobens Negócios Imobiliários S/A e Carlos Bianconi.

CNPJ Nº 08.977.285/0002-08- NIRE 35.221.571.727 22ª ALTERAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE CONTRATO SOCIAL Data 23.01.2014. Local S.J.Rio Preto. A totalidade dos sócios da SISTEMA FÁCIL, INCORPORADORA IMOBILIÁRIA – UBERABA III - SPE LTDA, sede em São José do Rio Preto-SP, na Av. Francisco das Chagas de Oliveira, nº 2500, sala 29E, CEP 15.085-485, DELIBERAM, reduzir o capital social, conf. art. 1082, inciso II do CC, de R$2.979.303,00 para R$429.303,00, representando uma redução de R$2.550.000,00, que serão devolvidos até 31.01.2014, em moeda corrente nacional, à sócia Rodobens Negócios Imobiliários S/A. Sócios: Rodobens Negócios Imobiliários S/A e Carlos Bianconi.

Sistema Fácil, Incorporadora Imobiliária – Ponta Grossa II – SPE Ltda

Sistema Fácil, Incorporadora Imobiliária – Cascavel I – SPE Ltda

CNPJ Nº 09.202.310/0002-44 - NIRE 35.221.820.018 16ª ALTERAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE CONTRATO SOCIAL Data 16.01.2014. Local S.J.Rio Preto. Hora 09:00. A totalidade dos sócios da SISTEMA FÁCIL, INCORPORADORA IMOBILIÁRIA – PONTA GROSSA II - SPE LTDA, sede em São José do Rio Preto-SP, na Av. Francisco das Chagas de Oliveira, nº 2500, sala 39C, Higienópolis, CEP 15.085-485, DELIBERAM reduzir o capital social, conf. artigo 1082, II do CC, passando de R$13.471.384,00 para R$12.191.384,00, representando uma redução de R$1.280.000,00, que será devolvido até 31.01.2014, em moeda corrente nacional à sócia Marans Holdings S/A. Sócios: Marans Holdings S/A e Carlos Bianconi.

CNPJ Nº 08.832.627/0001-10 - NIRE 35.221.419.089 15ª ALTERAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE CONTRATO SOCIAL Data 16.01.2014. Local S.J.Rio Preto. A totalidade dos sócios da SISTEMA FÁCIL, INCORPORADORA IMOBILIÁRIA – CASCAVEL I - SPE LTDA, com sede em São José do Rio Preto-SP, na Av. Francisco das Chagas de Oliveira, nº 2500, sala 33A, Higienópolis, CEP 15.085-485, DELIBERAM, de reduzir o capital social, conf. art. 1082, II do CC, de R$1.980.596,00 para R$1.870.596,00, representando uma redução de R$110.000,00, que serão devolvidos até 31.01.2014, em moeda corrente nacional, à sócia Juillan Holdings S/A. Sócios: Juillan Holdings S/A e Carlos Bianconi.

Sistema Fácil, Incorporadora Imobiliária - Rondonópolis I - SPE Ltda CNPJ Nº 09.195.379/0001-07 - NIRE 35.221.935.036 29ª ALTERAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE CONTRATO SOCIAL Data 06.01.2014. Local S.J.Rio Preto. A totalidade dos sócios da SISTEMA FÁCIL, INCORPORADORA IMOBILIÁRIA – RONDONÓPOLIS I - SPE LTDA, sede em São José do Rio Preto-SP, na Av. Francisco das Chagas de Oliveira, nº 2500, sala 20D, Higienópolis, CEP 15.085-485, DELIBERAM, reduzir o capital social, conf. art. 1082, inciso II do CC, de R$15.559.334,00 para R$13.759.334,00, representando uma redução de R$1.800.000,00, que serão devolvidos até 31.01.2014, em moeda corrente nacional à sócia Rodobens Negócios Imobiliários S/A. Sócios: Rodobens Negócios Imobiliários S/A e Carlos Bianconi.

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ANDRADINA AVISO DE ABERTURA DE LICITAÇÃO. PROCESSO Nº 32/2014 - PREGÃO Nº 11/2014. OBJETO: Aquisição de um veículo zero km para uso do Centro de Saúde I. TIPO: MENOR PREÇO. VENCIMENTO: 10(dez) horas, do dia 04 de abril de 2014. Edital por meio eletrônico e sem custo (licita.andradina@hotmail.com) e na forma impressa - taxa no valor de R$0,50 por folha. Informações: Prefeitura - Rua Dr. Orensy Rodrigues da Silva n°341, fone/fax (18) 3702-1029, de 2ª a 6ª feira, das 8h30 às 16h30. Andradina, 21 de março de 2014. JAMIL AKIO ONO – Prefeito.

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA O Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Sorocaba comunica que se acha publicado no Sistema Eletrônico do Banco do Brasil, o Pregão Eletrônico nº 32/2014 - Processo nº 678/2014, destinado ao fornecimento de anéis de concreto armado cilíndrico e cônico, bloco e guia de concreto. SESSÃO PÚBLICA dia 10/04/2014, às 10:00 horas. Informações pelo site www.licitacoes-e.com.br, pelos telefones: (15) 3224-5814 e 5815 ou pessoalmente na Av. Pereira da Silva, 1.285, no Setor de Licitação e Contratos. Sorocaba, 21 de março de 2014. Ema Rosane Lied Garcia Maia - Pregoeira

PREFEITURA MUNICIPAL DE PEDRO DE TOLEDO/SP COMUNICADO URGENTE Por falha na importação de arquivo de massa de dados do IPTU do ano de 2014 por parte da Gráfica contratada para os serviços de impressão dos carnês IPTU de 2014, que foram emitidos com data de vencimento da COTA ÚNICA e da PRIMEIRA PARCELA para 10/03/2014, estes DEVEM SER DESCARTADOS. Os novos carnês CORRETOS serão entregues em breve e estarão disponíveis na Prefeitura COM O VENCIMENTO CORRETO, conforme a seguir: Cota única com desconto de 10% vencimento em 10/04/2014. Parcela - vencimento: nº 1 - 10/04/2014; nº 2 10/05/2014, nº 3 - 10/06/2014; nº 4 - 10/07/2014; nº 5 - 10/08/2014; nº 6 -10/09/2014; nº 7 - 10/10/ 2014; nº 8 - 10/11/2014; nº 9 - 10/12/2014. Pedro de Toledo, 19 de março de 2014. Orlando Nunes da Silva - Diretor Administrativo Prefeitura Municipal de Pedro de Toledo-SP

FALÊNCIA, RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL E RECUPERAÇÃO JUDICIAL Conforme informação da Distribuição Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, foram ajuizados no dia 21 de março de 2014, na Comarca da Capital, os seguintes pedidos de falência, recuperação extrajudicial e recuperação judicial: Requerente: Hiper Factoring Fomento Mercantil Ltda. Requerido: Indústria e Comércio de Peças para Autos A N F Ltda. Rua da Gávea, 405 - 1ª Vara de Falências.

Ministério da Fazenda

SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) REGIONAL SÃO PAULO

AVISO DE LICITAÇÃO Pregão Eletrônico nº 0275/2014 – São Paulo PROCESSO VERDE Nº 0275/2014. OBJETO: Aquisição mídias. DATA DE ABERTURA: 04/04/2014, às 09h00 LOCAL: www.comprasnet.gov.br. O Edital poderá ser obtido nos sítios www.serpro.gov.br e www.comprasnet.gov.br.

nar as dúvidas. Esforço em vão. Sobram perguntas dos que viajam. Quem enviar as informações exigidas fora do prazo poderá pagar multa entre R$ 100 a R$ 1.500. No caso de dados incorretos ou não entrega, a multa varia de R$ 100 a 3% sobre o valor da transação envolvida no erro. Anote na agenda – Com o objetivo de esclarecer as dúvidas, a Associação Comercial

de São Paulo (ACSP) e o Conselho Brasileiro das Empresas Comerciais Importadoras e Exportadoras (CECIEx) promovem amanhã um seminário com a presença de técnicos da Receita Federal e do MDIC. O evento será realizado no auditório da sede da ACSP, na rua Boa Vista, 51, no Centro, das 16h às 18 horas. Mais informações: (11) 3180-3500 ou tneuma@acsp.com.br.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PEREIRA BARRETO/SP Concorrência Pública Nº 001/2014 – Processo 014/2014 EDITAL SUSPENSO ARNALDO SHIGUEYUKI ENOMOTO, Prefeito de Pereira Barreto - SP, decide, por bem adiar “sine die” a data de entrega dos envelopes e abertura do certame supramencionado. Estância Turística de Pereira Barreto- SP, 21 de março de 2014. Arnaldo Shigueyuki Enomoto - Prefeito.

Terra Nova Rodobens Incorporadora Imobiliária Presidente Prudente I - SPE Ltda CNPJ Nº 09.535.922/0001-78 - NIRE 35.222.210.141 23ª ALTERAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE CONTRATO SOCIAL Data 22.01.2014. Local S.J.Rio Preto. A totalidade dos sócios da TERRA NOVA RODOBENS INCORPORADORA IMOBILIÁRIA – PRESIDENTE PRUDENTE I - SPE LTDA, com sede em São José do Rio Preto-SP, na Av. Francisco das Chagas de Oliveira, nº 2500, sala 41C, Higienópolis, CEP 15.085-485, DELIBERAM, reduzir o capital social, conf. art. 1082, II do CC, de R$2.600.901,00 para R$1.350.901,00, representando uma redução de R$1.250.000,00, que será devolvido até 31.01.2014, em moeda corrente nacional, à sócia Rodobens Negócios Imobiliários S/A. Sócios: Rodobens Negócios Imobiliários S/A e Carlos Bianconi.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAPÃO BONITO-SP ABERTURA DE LICITAÇÃO TOMADADEPREÇONº07/2014–ContrataçãodeempresaespecializadaparaaobradeDuplicaçãode Trecho da Rua Expedicionários, para a Secretaria Municipal de Planejamento, deste Município, conforme especificação constante do anexo I – Termo de Referência, do presente instrumento convocatório. O encerramento (credenciamento e entrega dos envelopes):12 de maio de 2014 , às 14:00 horas. PREGÃO PRESENCIAL Nº 31/2014 – Aquisição de 02 prensas enfardadeira, 02 elevadores de fardo elétrico e 01 esteira para triagem 25m , para a Secretaria Municipal de Planejamento, deste Município, conformeespecificaçãoconstantedoanexoI–TermodeReferência,dopresenteinstrumentoconvocatório. O encerramento (credenciamento e entrega dos envelopes): 13 de maio de 2014, às 09 :00 horas. PREGÃO PRESENCIAL – REGISTRO DE PREÇO Nº 32/2014 – Aquisição de materiais de enfermagem e laboratório, para a Secretaria Municipal de Saúde, deste Município, conforme especificação constante do anexo I – Termo de Referência, do presente instrumento convocatório. O encerramento (credenciamento e entrega dos envelopes): 13 de maio de 2014, às 14:00 horas. PREGÃO PRESENCIAL – REGISTRO DE PREÇO Nº 33/2014 – Aquisição de equipamentos de informática, para as Escolas Municipais (Educação Infantil e Ensino Fundamental) e outros setores pertencentes à Secretaria Municipal de Educação, deste Município, conforme especificação constante do anexo I – Termo de Referência, do presente instrumento convocatório. O encerramento (credenciamento e entrega dos envelopes): 14 de maio de 2014, às 09:00 horas. Edital e melhores informações poderão ser obtidas nas seguintes formas: - Pessoalmente: Setor de Licitações – Paço Municipal – Rua Nove de Julho, nº 690, Centro, ou pelo Tel: (15) 3543-9900 – ramal 9936, de segunda a sexta-feira, das 09:00 às 11:00 hs e das 13:00 às 16:00 hs; - Correio eletrônico: editalcapaobonito@gmail.com; - Custo do fornecimento de edital na forma impressa e eletrônica (Art 32 § 5º da Lei 8666/93): R$ 10,00 (dez reais) através de guia de arrecadação (Tesouraria Municipal) ou depósito em conta corrente (Banco do Brasil – Agência 0840-0 / C/C 4365-6 – encaminhar o comprovante via correio eletrônico). Capão Bonito-SP, 20 de fevereiro de 2014. Dr. JULIO FERNANDO GALVÃO DIAS - Prefeito Municipal

Betacred Companhia Securitizadora de Créditos Financeiros

CNPJ 06.050.986/0001-90 Demonstrações Financeiras Balanço Patrimonial Encerrado em 31 de Dezembro de 2013 - Em R$ (Reais) - Sem Centavos ATIVO 2013 2012 PASSIVO 2013 2012 Circulante 430.204 832.215 Circulante 16.092.153 19.313.386 Caixa e Equivalentes de Caixa 428.003 209.868 Fornecedores 3.169 1.136 Caixa e Bancos C/Movimento 401.440 209.868 Contas a Pagar 136.240 98.356 Aplicações Financeiras 26.563 Impostos a Pagar 132.452 673.589 Créditos 2.201 622.347 Remunerações a Pagar 9.956 307.380 Impostos a Recuperar 6 580.488 Empréstimos 15.810.337 18.230.605 Despesas Antecipadas 2.195 41.859 C/C Empresas Ligadas 2.321 Não Circulante 74.758 74.348 Não Circulante 365.133 425.860 Realizável a Longo Prazo 67.989 65.530 Exigível a Longo Prazo 365.133 425.860 Depósitos Judiciais 67.989 65.530 Provisão para Contingências 365.133 425.860 Permanente 6.769 8.445 Patrimônio Líquido (15.952.324) (18.832.683) Imobilizado 21.978 21.978 Capital Social 2.713.635 2.713.635 (-) Depreciação Acumulada (15.208) (13.533) Prejuízos Acumulados (18.665.958) (21.546.318) Diferido - Total do Passivo 504.962 906.563 Diferido 63.144 63.144 Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido (-) Amortizações Acumuladas (63.144) (63.144) em 31 de Dezembro de 2013 - Em R$ (Reais) - Sem Centavos Intangível 373 Capital Lucros e Intangível 4.480 4.480 Eventos Social (Prejuízos) Acumulados Totais (-) Amortizações Acumuladas (4.480) (4.107) Saldos em 31/12/11 2.713.635 (23.160.080) (20.446.446) Total do Ativo 504.962 906.563 Lucro do Exercício 1.613.763 1.613.763 Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras - Em 31/12/2013 Saldos em 31/12/12 2.713.635 (21.546.318) (18.832.683) 1. Contexto Operacional: A empresa dedica-se exclusivamente a aquisi- Lucro do Exercício 2.880.359 2.880.359 ção de créditos financeiros oriundos de operações praticadas por bancos, Saldos em 31/12/13 2.713.635 (18.665.958) (15.952.324) sociedades de créditos, sociedades de arrendamento mercantil, compa- tuída com amparo em pareceres de assessores jurídicos em montantes sunhias hipotecárias, associações de poupança e empréstimo e pela Caixa ficientes para cobrir perdas provenientes de ações contra a companhia conEconômica Federal, na forma da Resolução nº 2.686, de 26 de janeiro de sideradas prováveis. h) Demais ativos e passivos circulantes e não circulan2000. 2. Apresentação das Demonstrações Financeiras: As demonstra- tes: Os demais ativos são apresentados ao valor de custo. Os passivos são ções financeiras foram elaboradas em conformidade com a Lei das Sociedemonstrados por valores conhecidos ou calculáveis, acrescidos, quando dades por Ações e contemplam as alterações constantes na Lei 11.638 de aplicável, dos encargos correspondentes de acordo com os contratos vi28 de dezembro de 2007 e em conformidade com as Normas Brasileiras gentes. i) Apuração do resultado e critério de reconhecimento da receita de de Contabilidade. As principais práticas contábeis adotadas foram as serecuperação de créditos: O resultado das operações é apurado em conforguintes: a) Caixa e Equivalentes de Caixa: Consistem em numerários manmidade com o regime de competência dos exercícios, sendo a receita de retidos em caixa, contas correntes bancárias de livre movimentação e aplicações financeiras de liquidez imediata. As aplicações financeiras estão re- cuperação de crédito reconhecida quando da efetiva realização. 2013 2012 gistradas ao custo, acrescido dos rendimentos incorridos até as datas dos 3. Imobilizado Custo Depreciações Líquido Líquido balanços, que não superam o valor de mercado. b) Impostos a recuperar: R$ R$ % R$ R$ As antecipações ou valores passíveis de compensação são demonstrados Contas 16.728 9.958 10 6.769 8.442 no ativo circulante de acordo com a previsão de sua realização. c) Imobili- Móveis e utensílios 5.250 5.250 20 3 zado: Os bens foram registrados ao custo de aquisição e são depreciados Computadores e Periféricos 21.978 15.208 6.769 8.445 de forma linear utilizando taxas conforme demonstrado na nota explicativa Soma 2013 2012 nº 3. d) Intangível: Composto por licenças de uso de programas com prazo 4. Intangível Custo Amortização Líquido Líquido de vida útil de 5 anos conforme demonstrado na nota explicativa nº 4. e) R$ R$ % R$ R$ Empréstimos: Estão acrescidos dos respectivos encargos incorridos até a Contas 4.480 4.480 20 373 data do balanço de acordo com as cláusulas contratuais, conforme men- Programas de Computador 4.480 4.480 373 cionado na nota explicativa nº 5. f) Provisões para Imposto de Renda e Soma Contribuição Social: O imposto de renda é computado sobre o lucro tribu- 5. Exigível a Curto Prazo: Empréstimos tomados no Exterior em Reais tável pela alíquota de 15%, acrescido do adicional de 10% para os lucros com juros de 3% a.a. vencíveis trimestralmente. Valor da Parcela Valor dos Juros Total que excederem R$ 240.000,00 no período de 12 meses, enquanto que a 14.648.781 1.161.556 15.810.337 contribuição social é computada pela alíquota de 9% sobre o lucro tributá- Vencido vel, reconhecidos pelo regime de competência e com base no Lucro Real. Total Curto Prazo 14.648.781 1.161.556 15.810.337 g) Provisão para Contingências: A provisão para contingências foi consti- 6. Capital Social: O Capital Social é de R$ 2.713.634,55 (dois milhões, se-

Demonstração do Resultado - ANO 2013-(Em Reais) Sem Centavos 2013 2012 Receita Operacional Bruta 8.334.689 10.372.547 Receita de Cobrança 8.334.689 10.372.547 (-) Deduções da Receita Bruta (351.434) (442.993) Deduções das Receitas (Impostos) (351.434) (442.993) Receita Operacional Líquida 7.983.255 9.929.555 (-) Custo de Captação e Serviços (1.658.795) (2.787.204) Resultado Operacional Bruto 6.324.460 7.142.351 Despesas Operacionais (2.370.305) (4.889.502) Despesas com Pessoal (1.542.541) (3.947.360) Despesas com Materiais (75) 94 Serviços Profissionais (14.752) (97.244) Despesas Gerais (50.588) (90.483) Receitas/Despesas Financeiras (760.301) (749.697) Depreciações e Amortizações (2.049) (4.812) Resultado antes do IRPJ e CSLL 3.954.155 2.252.849 Imposto de Renda (783.202) (463.563) Contribuição Social s/ Lucro Líquido (290.593) (175.523) Lucro/(-) Prejuízo do Exercício 2.880.359 1.613.763 Demonstração de Fluxo de Caixa - ANO 2013-(Em Reais) Sem Centavos Das Atividades Operacionais 2013 2012 Lucro / (-) Prejuízo do Exercício 2.880.359 1.613.763 (+) Depreciações 2.049 4.812 (+) Custo da baixa de Ativo Imobilizado 692 (+) Provisões (Reversões) para Contingências (60.727) (225.904) (+/-) Juros e Encargos com Empréstimos 776.965 845.827 (Aumento) Diminuição em Impostos a Recuperar 580.481 (263.532) (Aumento) Diminuição em Outros Créditos 37.206 72.684 Aumento (Diminuição) em Fornecedores 2.033 (12.211) Aumento (Diminuição) Impostos a Recolher (541.137) 631.148 Aumento (Diminuição) em Remunerações a Pagar (297.424) (13.755) Aumento (Diminuição) em Outras Contas a Pagar 37.884 66.502 Caixa Líquido Gerado nas Atividades Operacionais 3.417.690 2.720.025 Atividades de Financiamento Pagamento de Juros e Principal de Empréstimos (3.197.234) (3.045.228) Empréstimos de Curto Prazo (2.321) 2.321 Caixa Líquido Consumido nas Atividades de Financiamento (3.199.555) (3.042.907) Redução Líquida nas Disponibilidades 218.136 (322.882) Saldo de Caixa em 01/01 209.868 532.750 Saldo de Caixa em 31/12 428.003 209.868 Composição do Caixa Caixa 1.410 1.500 Banco c/ Movimento 400.030 208.368 Aplicação Financeira 26.563 Total 428.003 209.868 tecentos e treze mil, seiscentos e trinta e quatro reais e cinqüenta e cinco centavos) divididos em 10.000 (dez mil) ações ordinárias nominativas sem valor nominal, pertencentes a pessoas jurídicas do exterior. Nurik Araújo Costa - Diretor Contadora - Adriana Rodrigues - CRC SP-219466/O-8


22 -.ECONOMIA/LEGAIS

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 22, 23 e 24 de março de 2014

Shell aposta alto no Brasil Companhia anglo-holandesa planeja abrir 200 postos de combustíveis por ano e ampliar lojas de conveniência ma das marcas mais valiosas do mundo, a Shell quer fazer valer o poder da concha no Brasil. A companhia, que atua no País por meio da Raízen, joint venture com a Cosan em distribuição de combustíveis e produção de açúcar e etanol, está com planos agressivos de expansão.

U

A estratégia passa pela abertura de 200 postos de combustíveis por ano e ampliação do número de lojas de conveniência. A companhia está em processo para abertura de 200 lojas nos próximos meses, com a marca Select. Os investimentos da Raízen na divisão de combustíveis estão estimados em R$ 500 mi-

Edital de Leilões Eletrônicos Artigo 689-A do CPC e Provimento CSM nº 1625/2009 do E. TJSP 03ª Vara Cível do Foro Regional de Itaquera da Comarca de São Paulo. 03º Ofício Cível do Foro Regional de Itaquera da Comarca de São Paulo. Edital de 1ª e 2ª Leilões Eletrônicos de Bem(ns) Imóvel(eis) e para Intimação do(s) executado(s) Pedro Pedace Junior, do Rogério de Sousa (RG nº 30.763.951-4 SSP/SP e CPF/MF nº 163.605.877-93) e seu eventual cônjuge, da Prefeitura do Município de São Paulo, do(s) respectivo(s) eventual(ais) novo(s) cônjuge(s) da(s) pessoa(s) física(s) citada(s), além do(s) eventual(ais) atual(ais) ocupante(s) do(s) imóvel(eis) abaixo, expedido nos autos da Execução Título Judicial promovida por Condomínio Edifício Menphis e Monterrey, processo nº 0831186-46.2007.8.26.0007. O(a) Dr(a). Celso Maziteli Neto, MM Juiz(a) de Direito da 03ª Vara Cível do Foro Regional de Itaquera da Comarca de São Paulo.na forma da lei, etc., com fulcro no artigo 689-A do CPC, regulamentado pelo Provimento CSM nº 1625/2009 do C. Conselho Superior da Magistratura do E.TJSP, na forma da lei e etc., Faz saber que por meio do sistema gestor de leilões eletrônicos www.casareisleiloesonline.com.br levará a públicos pregões para venda e arrematação o(s) bem(ns) abaixo descrito(s), sendo que o 1º (Primeiro) Leilão terá início no dia 25 (vinte e cinco) de Março de 2014, às 11:00:00hs e término no dia 27 (vinte e sete) de Março de 2014, às 11:00:00hs e o 2º (Segundo) Leilão terá início dia 27 (vinte e sete) de Março de 2014, às 11:01:00hs e término no dia 16 (dezesseis) de Abril de 2014, às 11:00:00hs . O sistema gestor de leilões eletrônicos www.casareisleiloesonline. com.br é de titularidade do leiloeiro oficial Eduardo dos Reis, inscrito na JUCESP sob nº 748, com endereço na cidade de São Paulo/SP na Rua da Glória, nº 18, cj. 53, Liberdade, CEP: 01510-000, fone: 11 - 3101.2345, e-mail: contato@casareisleiloes.com.br. Intimação(ões). Pelo presente edital fica(m) intimado(s) das designações supra, na hipótese de não localizado(s) para intimação(ões) pessoal(ais), do(s) executado(s) Pedro Pedace Junior, do Rogério de Sousa (RG nº 30.763.951-4 SSP/SP e CPF/MF nº 163.605.877-93) e seu eventual cônjuge, da Prefeitura do Município de São Paulo, o(s) respectivo(s) eventual(ais) novo(s) cônjuge(s) da(s) pessoa(s) física(s) citada(s), além do(s) eventual(ais) atual(ais) ocupante(s) do(s) imóvel(eis) abaixo. Bem (ns). Lote 01 (um): Apartamento sob o nº 97, localizado no 09º andar do Edifício Menphis, Bloco B, situado nesta Capital/SP à Rua Iaptus, nº 55, esquina com a Rua Dione, nº 44, esquina com a Estrada de Iguatemi, Itaquera, possui a área útil de 46,7250m², a área comum de 11,3245m², a área total construída de 58,0495m², correspondendo-lhe a fração ideal do terreno de 19,5864m², ou seja, 0,5413% ao todo. O(s) imóvel(eis) em tela é (são) objeto(s) da(s) matrícula(s) nº(s) 65.212 do 9ª CRI/SP, nº de contribuinte na Municipalidade 151.064.0003-0. Da(s) Matrícula(s) do(s) imóvel(eis). Da Matrícula nº 65.212 do 9ª CRI/SP se verifica: o imóvel foi havido pelo executado enquanto viúvo (R. 09); a penhora promovida nestes autos não foi averbada/registrada; e não há qualquer menção a locação noticiada pelo devedor. Informações Complementares sobre o(s) bem(ns). Em 12 de dezembro de 2013, o executado apresentou cópia simples de Contrato de Locação Residencial do Imóvel datado de 14 de dezembro de 2011, firmado com pessoa alheia aos autos, de nome Rogério de Souza e com prazo de locação até 14 de junho de 2014. Não há na matrícula do imóvel qualquer menção a esta locação. Vale recordar que a penhora de citado imóvel se deu em 13 de setembro de 2010. Há indícios, pois, de que terceiros diversos à lide estão no exercício da posse direta do bem.. Da(s) Avaliação(ões) do(s) bem(ns): Avaliação(ões) original(ais): R$ 204.800,98 para mar/2013. Avaliação(ões) atualizada(s): R$ 214.456,93 para fev/2014. As cifras em tela serão atualizadas monetariamente pela tabela prática do E. TJSP até a data da alienação judicial. Condições de Leilão e Arrematação: O(s) bem(ns) será(ão) ofertado(s) para arrematação em lote único. Em primeiro leilão o(s) bem (ns) será(ão) entregue(s) a quem mais der acima(s) da(s) respectiva(s) avaliação(ões). Em segundo leilão o(s) bem(ns) será(ão) entregue(s) a quem mais der, rejeitados lances inferiores ao equivalente a 60% (sessenta por cento) do valor da avaliação atualizada do respectivo lote (art. 692 do CPC e art. 13 do Prov. CSM n. 1625/2009). O(s) imóvel(eis) será(ão) vendido(s) em caráter “ad corpus”, sendo que as áreas mencionadas são meramente enunciativas e repetitivas das dimensões constantes do registro imobiliário, não sendo cabível qualquer pleito com relação ao cancelamento da(s) arrematação(ões), abatimento de preço(s) ou complemento(s) de área(s), por eventual(ais) divergência(s) entre o que constar da(s) descrição(ões) do(s) imóvel(eis) e a realidade existente. O(s) arrematante(s) adquire(m) o(s) imóvel(eis) no estado de conservação em que se encontra(m) e declara(m) ter pleno conhecimento de suas instalações, nada tendo a reclamar quanto a eventual(ais) vício(s), ainda que oculto(s), ou defeito(s) decorrente de uso, a qualquer título e a qualquer tempo, assumindo a responsabilidade pela eventual regularização que se fizer necessária. O Auto de Arrematação somente será assinado pelo Juízo após a comprovação do pagamento integral do valor da arrematação e da comissão do gestor judicial do sistema, dispensadas as demais assinaturas referidas no art. 694 do Código de Processo Civil (art. 20 do Prov. CSM nº. 1625/2009). Condições de Participação: O interessado em participar dos leilões deverá cadastrar-se no sistema gestor www.casareisleiloesonline.com.br com antecedência mínima de até 48 (quarenta e oito) horas da data da primeira praça. O cadastramento no sistema gestor para a participação em alienações judiciais eletrônicas (leilões judiciais eletrônicos) conduzidas por este gestor é indispensável e gratuito. Por se tratarem de leilões eletrônicos, se admite apenas o recebimento de lances virtuais, os quais somente poderão ser ofertados por meio do sistema gestor www.casareisleiloesonline.com.br. Não são admitidos lances via fax, de viva voz ou entregues no escritório do leiloeiro oficial responsável. O interessado poderá ofertar mais de um lance para um mesmo bem, prevalecendo sempre o maior lance ofertado. Não há nenhum custo para o Usuário ofertar lances por meio de www.casareisleiloesonline.com.br . Condições de Pagamento: Do Preço da Arrematação: No caso de liquidação à vista e imediata do preço da arrematação, o(s) arrematante(s) deverá(ão) efetuar o pagamento do preço do bem no prazo improrrogável de até 24 (vinte e quatro) horas após o encerramento da alienação judicial eletrônica condicional, por meio de depósito judicial a ser efetivado em favor do Juízo expropriatório, em guia de depósito judicial do Banco do Brasil S/A, a ser obtida em uma de suas agências ou por meio do website http://www. bb.com.br (no campo Depósitos Judiciais), sob pena de desfazimento da arrematação. Alternativamente, será ainda admitido o complemento do pagamento do preço da arrematação em de até 15 (quinze) dias após o encerramento da alienação judicial eletrônica condicional, mediante caução (art. 690-A do CPC) equivalente a 30% (trinta por cento) do valor da arrematação, a ser neste caso liquidada pelo(s) arrematante(s) no prazo improrrogável de até 24 (vinte e quatro) horas após o encerramento da alienação judicial eletrônica condicional, por meio de depósito judicial a ser efetivado nos moldes acima, ficando obrigado(s) o(s) arrematante(s) a complementar o preço da aquisição no prazo improrrogável de até 15 (quinze) dias após o encerramento da alienação judicial eletrônica condicional, sob as penas do parágrafo único do art. 690-A do CPC e sem prejuízo das demais penalidades abaixo. Caso o exequente venha a arrematar o(s) bem(ns) não estará obrigado a exibir o preço, salvo se o valor do bem exceder o de seu crédito, hipótese em que ficará obrigado a depositar dentro do prazo de 03 (três) dias da arrematação a diferença dos valores, sob pena de ser tornada sem efeito a arrematação. Não sendo efetuado pelo(s) arrematante(s) o depósito da oferta, os lanços imediatamente anteriores serão submetidos à apreciação do MM Juízo. Da Comissão Devida à Casa Reis Leilões Online: A comissão do sistema gestor será de 5% ( cinco por cento) sobre o valor de cada arrematação e correrá por conta do(s) respectivo(s) arrematante(s) (cf. inciso IV do art. 705 do CPC). O pagamento da comissão devida à Casa Reis Leilões Online deverá ser realizado no prazo improrrogável de até 24 (vinte e quatro) horas a contar do encerramento da alienação judicial eletrônica condicional, por meio de depósito em dinheiro na rede bancária, DOC ou TED – Transferência Eletrônica Disponível endereçado ao Banco Santander S/A (nº 033), agência nº 2146, Conta Corrente nº 01010200-9, de titularidade do leiloeiro oficial Eduardo dos Reis, inscrito no CPF/MF sob nº 252.758.888-30, sob pena de desfazimento da arrematação. Penalidades. Decorridos o prazo sem que arrematante tenha realizado os depósitos, tal informação será encaminhada ao MM Juízo competente para a aplicação das medidas legais cabíveis. O não pagamento do preço da aquisição e/ou da comissão do leiloeiro oficial implicará ao ofertante remisso a imposição de multa a ser oportunamente arbitrada pelo MM Juízo expropriatório, a imposição das outras penalidades previstas pelo artigo 695 do CPC e a aplicação ao caso de adquirente remisso do previsto pelo artigo 358 do Código Penal. Documentos a serem enviados pelo(s) arrematante(s): No prazo improrrogável de até 24 (vinte e quatro) horas da realização do devido depósito judicial do preço da arrematação, o(s) arrematante(s) deverá(ã0) encaminhar para o leiloeiro oficial Eduardo dos Reis, a fim de que sejam juntados aos autos do processo para expedição de Carta de Arrematação e sob pena de eventual desfazimento da aquisição, os seguintes documentos: 01 (uma) via do competente de depósito judicial do preço da arrematação e 01 (uma) cópia autenticada do comprovante de depósito bancário da comissão devida ao gestor e efetuado na conta corrente adiante especificada; no caso de arrematante pessoa física deverá encaminhar, ainda, cópias autenticadas da Cédula de Identidade, do Comprovante de Inscrição no CPF/MF, de Certidão de Casamento atualizada, se for o caso, e Comprovante de Residência; no caso de arrematante pessoa jurídica: cópias autenticadas dos Atos Constitutivos da empresa (Contrato Social Consolidado ou Estatuto e Ata de Eleição da Diretoria); de Comprovante de Inscrição no CNPJ/MF; de Comprovante de Endereço; das Cédulas de Identidades e dos Comprovantes de Inscrição no CPF/MF dos sócios e representantes legais. Dispositivos legais. Nos termos do parágrafo único do art. 130 do Código Tributário Nacional, os débitos tributários de caráter propter rem a incidirem sobre o imóvel ficarão sub- rogados sobre o preço da arrematação, ficando desonerado(s) o(s) eventual(ais) futuro(s) arrematante(s) do pagamento destes. Aplicar-se-á, ainda, o art. 655-B do CPC, no sentido de que a meação do cônjuge/proprietário alheio a execução recairá sobre o produto da alienação. Serão aplicados, ademais, os artigos 1499, inciso VI, e 1501 do Código Civil, para fins de cancelamento da hipoteca, se o caso; Aplicar-se-á o parágrafo único do art. 693 c/c art. 707 do CPC, no tocante a(s) oportuna(s) expedição(ões) de Carta(s) de Arrematação(ões) e Mandado(s) de Entrega / Imissão na Posse do(s) bem(ns) arrematado(s) em favor do(s) adquirente(s), desde que preenchidos os requisitos do artigo 694 do CPC e mediante comando expresso do MM Juízo expropriatório. Serão aplicadas quaisquer outras normas e dispositivos legais cujo MM Juízo expropriatório entenda pertinentes e cabíveis. Informações e Disposições Finais. Dos autos não se verifica recurso pendente de julgamento. Todas as providências e despesas necessárias à desocupação do(s) imóvel (eis) e efetiva imissão na posse correrão por conta do(s) arrematante(s). Eventuais demais ônus e pendências, bem como taxas e/ou impostos porventura incidentes sobre o(s) bem(ns) correrão por conta do(s) arrematante(s). Outras informações podem ser obtidas no webiste www. casareisleiloesonline.com.br ou, ainda, solicitadas por e-mail encaminhado para contato@casareisleiloes.com.br ou pelo telefone (11) 3101.2345. E para que produza seus efeitos de direito, será o presente edital, afixado e publicado na forma da lei. São Paulo, 21 de março de 2014.

lhões para 2014, 20% acima do aportado em 2013, afirmou uma fonte da companhia. O valor não inclui aportes na área de combustível para aviação. "Os acionistas vão aprovar esse valor em reunião de conselho em maio." A Raízen disputa o mercado de distribuição de combustíveis palmo a palmo com a Ipi-

ranga (grupo Ultra), vice-líder no setor, atrás da BR Distribuidora (Petrobras). Enquanto a Ipiranga vê no posto uma central de serviços, não só para abastecer o carro, a Shell focava a qualidade do combustível. Agora está mudando. Ro dov ias – A expansão da Shell não está calcada apenas em aberturas de lojas, mas na

OPORTUNIDADES PARA SEU INVESTIMENTO.

consolidação dos negócios em regiões pouco exploradas e em serviços que possam trazer mais conveniência ao consumidor. Com quase 5 mil postos de combustíveis espalhados no Brasil, a Shell quer reforçar a posição em rodovias. A empresa estrutura-se para construir uma cadeia de restaurantes em postos de estra-

da para atender caminhoneiros que transitam nos grandes rincões agrícolas. Em 2014, a Raízen e a International Meal Company (IMC), dona da rede Frango Assado, deram início a conversas para uma joint venture, mas o negócio não foi levado adiante. Agora, o grupo quer ter estruturas próprias em postos. (Estadão Conteúdo)

FONE: 2741-9515 WWW.LEILOESGOLD.COM.BR

Edital de 1ª e 2ª Praça de bem imóvel e para intimação do(a)(s) executado(a)(s) SÉRGIO SETRAK ZEITULIAN (CPF 013.881.758-86), se sua cônjuge se casado for, e demais interessados, expedido nos autos da Ação Execução – Proc. nº 0188738-51.2009.8.26.0100 (583.00.2009.188738) – requerida por DI BERTONI VEÍCULOS LTDA. O Dr. MARCELLO DO AMARAL PERINO, Juiz de Direito da 42ª Vara Cível do Fórum Central da Comarca da Capital/SP, na forma da lei, etc. FAZ SABER que, com fulcro no artigo 689-A do CPC e regulamentado pelo Prov. CSM 1625/2009 do TJ/SP, através da GOLD LEILÕES – Gold Intermediação de Ativos Ltda. (www.canaljudicial.com.br/goldleiloes) portal de leilões on-line, levará a público pregão de venda e arrematação na 1ª Praça com início no dia 26/03/2014 às 10:15h, e com término no dia 28/03/2014 às 10:15h, entregando-o a quem mais der valor igual ou superior ao da avaliação, ficando desde já designado para a 2ª Praça com início no dia 28/03/2014 às 10:16h, e com término no dia 17/04/2014 às 10:15h, caso não haja licitantes na 1ª, ocasião em que os bens serão entregues a quem mais der, não sendo aceito lance inferior a 60% do valor de avaliação (Art. 692 do CPC e art. 13 do Prov. CSM n. 1625/2009) do(s) bem(ns) abaixo descrito(s). RELAÇÃO DO(S) BEM(NS): UM PRÉDIO COMERCIAL tipo “GALPÃO” situado na Avenida Celso Garcia. Nº 4.339 e 4.343, e sua respectivo terreno no 27º Subdistrito – Tatuapé, medindo 15,75m de frente, por 50,00m da frente aos fundos de ambos os lados, confrontando de um lado com José Ferreira de Andrade, por outro lado com Maria Jacob, e nos fundos com prédio nº 63 da Rua Baguari, (contribuinte nº 062.118.0045-2). Matricula nº 226.679 do 9º CRI de São Paulo. BENFEITORIAS: consta do laudo uma área total construída de 600,00m2. AVALIAÇÃO: R$ 1.916.000,00 (Hum milhão, novecentos e dezesseis mil reais), atualizado até (julho/2013), e que deverá ser atualizada na data do efetivo leilão eletrônico ÔNUS: Consta da referida matricula, conforme AV.09 de 17/05/2012 – HIPOTECA em favor do Banco Santander (Brasil) S/A; conforme AV.10 de 08/08/2012 – PENHORA EXEQUENDA; e Conforme AV.11 de 17/02/2014 – ADITAMENTO DA HIPOTECA em favor do Banco Santander (Brasil) S/A. As fotos e a descrições detalhadas do(s) bem(ns) a ser(em) levado(s) a leilão estão disponíveis no Portal www.canaljudicial.com.br/goldleiloes. DO CONDUTOR DO LEILÃO – O Leilão será conduzido pelo Advogado Dr. Mauricio Geraldo Quaresma, devidamente matriculado na OAB/SP nº 134.740. DO PAGAMENTO - O arrematante deverá efetuar o pagamento do preço do bem arrematado, no prazo de até 24h (vinte e quatro horas) após o encerramento do leilão, através de guia de depósito judicial do Banco do Brasil S.A. (obtida em suas agências bancárias) ou através do site www.bb.com.br, em favor do Juízo responsável, sob pena de se desfazer a arrematação. DA COMISSÃO – O arrematante deverá depositar em dinheiro na rede bancária, DOC ou TED, no prazo de até 24h a contar do encerramento do leilão, a título de comissão, o valor correspondente a 5% (cinco por cento) sobre o preço de arrematação do imóvel (não incluso no valor do lanço), na conta da gestora de leilão: Gold – Intermediação de Ativos – CNPJ: 18.067.544/0001-36, Banco Itaú, Agência 6404, C/C 29.949-4.DA ADJUDICAÇÃO OU ACORDO – Na hipótese de adjudicação do bem pelo exequente, este ficará responsável pela comissão devida. Todas as regras e condições do Leilão estão disponíveis no Portal www.canaljudicial.com.br/goldleiloes. Sendo firmado acordo entre as partes, deverá o(a) executado(a) arcar com as despesas de divulgação assumidas pelo leiloeiro correspondentes a 2,5% (dois e meio por cento) sobre o valor acordado. DÚVIDAS E ESCLARECIMENTOS: Pessoalmente perante o Oficio onde estiver ocorrendo à ação, pelos telefones da gestora: (11) 2741-9515 / 2741-9946, ou ainda no e-mail: duvidas@leiloesgold.com.br. Fica(m) do presente edital o(a)(s) executado(a)(s) INTIMADO(A)(S) das designações supra, caso não seja(m) localizado(a)(s) para a intimação pessoal. Não consta dos autos haver recurso ou causa pendente de julgamento. "Eventuais ônus sobre os imóveis, correrão por conta do arrematante", exceto eventuais débitos de IPTU/ITR e demais taxas e impostos que serão sub-rogados no valor da arrematação nos termos do art. 130, “caput” e parágrafo único, do CTN, mediante apresentação de extrato pelo arrematante. A venda será efetuada em caráter “ad corpus” e no estado de conservação em que se encontra. Será o presente edital, por extrato, afixado e publicado na forma da lei. ♦


sábado, domingo e segunda-feira, 22, 23 e 24 de março de 2014

DIÁRIO DO COMÉRCIO

23


DIÁRIO DO COMÉRCIO

24

sábado, domingo e segunda-feira, 22, 23 e 24 de março de 2014

AO DIVULGAR O CADASTRO DE RECLAMAÇÕES FUNDAMENTADAS, O ÓRGÃO RESSALTOU A REDUÇÃO DE DEMANDAS PELO

CARREFOUR E B2W.

A volta por cima no atendimento, segundo o Procon-SP. A

lgumas empresas foram destaque no ranking divulgado pelo Procon-SP na semana passada de forma positiva. Carrefour e B2W (que comanda as empresas Americanas.com, Submarino, Shoptime, Sou Barato e Lojas Americanas) não foram tão demandados em 2013 no órgão público de defesa do consumidor. No Cadastro de Reclamações Fundamentadas, o Carrefour saiu da 8ª posição para a 24º. Em 2012, contra a rede de supermercados foram registradas 595 reclamações fundamentadas. No ano passado foram 373, queda de 37,31%. A B2W, que chegou a ter anunciada a suspensão de suas atividades por 72 horas pelo Procon-SP em 2011, em razão do grande número de reclamações – aumento de 246% do número de casos relatados ao Procon-SP, que passaram de 1.479 atendimentos no segundo semestre de 2010 para 3.635 atendimentos até o primeiro semestre de 2011 – reverteu o quadro e em 2013 foi a 33ª empresa com reclamações fundamentadas. Contra ela foram registradas 273 queixas. Em 2012 ocupou a 6ª colocação, com 718 registros. Redução de 61,98%. As duas empresas também foram destaques na redução de registros no primeiro atendimento – quando é emitida a Carta de Informação Preliminar (CIP), possibilitando a solução do caso antes de a demanda ser registrada como reclamação fundamentada. O Carrefour reduziu em 44% as reclamações em 2013 em relação a 2012. Já a B2W, em 41%. “Melhoraram também os índices de solução”, informa Paulo Arthur Góes, diretor executivo do Procon-SP. Na fase preliminar, quando é emitida a CIP, o Carrefour teve um índice de solução de 86,9%. Quanto às queixas que foram para o Cadastro de Reclamações Fundamentadas, o índice de solução foi de 63,5%.“Essas empresas conseguiram reverter de modo importante a efetividade de seus atendimentos ao consumidores, com reflexos diretos em seus volumes de demandas e em seus porcentuais de efetivo atendimento aos consumidores”, acrescenta. Mudanças – Os bons resultados n o C a d a s t ro d e Re c l a m a ç õ e s Fundamentadas do Procon-SP das duas empresas teve como base um árduo trabalho interno,

onforme o artigo 44 do Código de Defesa do Consumidor (CDC), os Procons de todo o País são obrigados a, uma vez por ano, a divulgar os números do Cadastro de Reclamações Fundamentadas. Este ranking apresenta um raio-X do comportamento das empresas com relação às queixas dos consumidores no órgão público no ano anterior e servem como ferramenta de informação tanto para quem compra quanto para quem vende. São consideradas no cadastro aquelas queixas que se transformaram em processo administrativo por não ter ocorrido acordo com a empresa reclamada. Conforme os dados do ProconSP, em 2013 foram atendidos

Artigo 44 Os órgãos públicos de defesa do consumidor manterão cadastros atualizados de reclamações fundamentadas contra fornecedores de produtos e serviços, devendo divulgá-lo pública e anualmente. A divulgação indicará se a reclamação foi atendida ou não pelo fornecedor.

FIQUE POR DENTRO E-COMMERCE E-bit, empresa especializada em informações do comércio eletrônico, fez levantamento sobre o faturamento do comércio eletrônico no dia 19/3. Foram movimentados R$ 174 milhões, crescimento de 64% em relação a uma quarta-feira comum. No último dia 12, uma semana antes, o

A

setor tinha faturado R$ 106,26 milhões. A ação de vendas, denominada de Dia do Consumidor Brasil, foi coordenada pelo Buscapé Company e teve a participação de mais de 500 lojas. Ela deverá ser realizada todos os anos, dias depois das comemorações do Dia Mundial do Consumidor (15/3)

RECALL número de recall realizados no Brasil pulou de 33 há uma década para 109 no ano passado. Os veículos foram os que mais geraram campanhas, com 61,5% das convocações; as motocicletas, com 14,3%. O levantamento é da Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), que também apurou que das 109 campanhas do ano passado, 49 eram de produtos fabricados no Brasil.

O

cujo objetivo era exatamente não deixar o consumidor procurar o órgão de defesa. O Carrefour, por exemplo, “definiu a melhoria da qualidade do atendimento aos seus clientes com uma das prioridades para 201 3”, informa a Assessoria de Imprensa. “A partir de um plano estratégico compartilhado pelas duas áreas responsáveis pelo atendimento ao consumidor, Carrefour e Carrefour Soluções Financeiras, uma séria de medidas foi adotada e implantada ao longo do ano.” Entre essas medidas, a rede de supermercados destaca que o primeiro passo foi a atuação próxima com o Procon de São Paulo e dos demais municípios nos quais a empresa atua, para diagnosticar os problemas, identificar as oportunidades de melhoria e atuar de acordo com as diretrizes dos órgãos. Foram também reformulados os processos de tratativa das reclamações que chegam por meio do

órgão, garantindo 100% de retorno e mais agilidade e autonomia na conclusão dos casos. “E um extenso mapeamento interno foi promovido com o objetivo de identificar as causas das manifestações e gerar um plano específico de melhoria", informa a empresa. "Como prioridade, o Carrefour elegeu os três principais pontos geradores de reclamações, e passou a atuar de forma efetiva na reestruturação dos processos envolvidos, o que inclui mudanças na própria operação da companhia”, informa a assessoria de imprensa, acrescentando que uma última medida foi fundamental a todo esse processo de reformulação: “O índice de qualidade de atendimento ao cliente passou a fazer parte das metas que integram o programa de bônus da companhia, engajando ainda mais os profissionais envolvidos neste processo.” Todo esse processo de melhorias, incluindo investimentos em capacitação aos colaboradores,

g a r a n t e o C a rre f o u r , t e r á s equência neste ano. “O plano de trabalho iniciado em 2013 trouxe um excelente resultado no índice de atendimento ao consumidor da companhia no Procon São Paulo. A melhoria na qualidade de nosso relacionamento com o público consumidor reflete diretamente na imagem do Carrefour, que pode mensurar este retorno por meio da própria central de atendimento ao consumidor e diretamente nas lojas, que registram importante crescimento em suas vendas.” Já a B2W Digital “trabalha intensamente para solucionar as questões que impactam seus clientes”, informa a assessoria de imprensa. A companhia, conforme a mesma fonte, vem realizando fortes investimentos, capacitando e treinando sua equipe, abrindo mais centros de distribuição e realizando aquisições estratégicas de empresas de tecnologia e logística, entre outras iniciativas, para ficar ainda mais próxima do cliente.

Divulgação do cadastro é determinada pelo CDC C

O QUE DIZ O CDC

790.476 consumidores e 84,6% das queixas foram resolvidas após o envio da Carta de Informação Preliminar (CIP). Portanto, no cadastro foram registradas 48.110 reclamações. Desse total, 45,78% foram atendidas, gerando um índice total de resolutividade no ano de 91,67%. A América Móvil (que congregas as empresas Claro, Embratel e Net) foi a que mais gerou reclamações de consumidores no Estado de São Paulo. O grupo de telecomunicações foi seguido pelo Itaú-Unibanco e Vivo Telefonica (a lista completa pode ser acessada no site www.procon.sp.gov.br). “Em mais um ano, os setores

de telecomunicações e financeiro lideraram o ranking – nove das dez empresas com maiores números de registros pertencem a esses segmentos”, destacou Paulo Arthur Góes, diretor executivo do Procon-SP. Conforme o Procon-SP, as 10 primeiras empresas do Cadastro foram autuadas nos últimos cinco anos num total de R$ 430 milhões, mas apenas R$ 28 milhões foram efetivamente pagos. “É baixíssimo o total pago”, disse Góes, explicando que o órgão busca na Justiça a execução dos pagamentos das multas aplicadas. No ranking divulgado na semana passada, os números incluíram as queixas atendidas pelo órgão em 27 municípios. Para este ano, serão 50

municípios. Do total de mais de 790 mil atendimentos, 61,71% foram registrados na capital e 38,29% no interior. Problemas – A qualidade do serviço, cobranças não reconhecidas, problemas com tarifas e dificuldades com a assistência técnica são os assuntos mais reclamados por consumidores no Procon-SP. Já sobre produtos – celulares, computadores e eletrodomésticos –, o principal problema está relacionado ao pós-venda. “A gente brinca que existem dois mundos: na hora da compra é o dos Jetsons, tudo é uma maravilha. Na hora do pós-vendas, vira o mundo dos Flintstones”, disse Góes. “O maior desafio das empresas ainda é a comunicação com seus clientes.”

Angela Crespo é jornalista especializada em consumo; e-mail: doislados@dcomercio.com.br

Juiz determina indenização a menina de 12 anos inscrita nos cadastros de crédito oi negado provimento ao recurso de um banco que tentava eximir-se de pagar indenização a uma menina de 12 anos, cujo nome foi inscrito indevidamente nos órgãos e proteção ao crédito porque ela não cumpriu o contrato. A 4ª Câmara de Direito Civil do Tribunal de Justiça de Santa Catarina também determinou o pagamento de R$ 19 mil de indenização por dano moral. Conforme o desembargador que julgou o recurso, “não há nos autos qualquer indício de que o contrato tenha sido celebrado pela menina”. Ele ressaltou ainda a incapacidade civil da menina para realizar qualquer tipo de transação financeira. Para o juiz, a casa de crédito, além de não tomar os devidos cuidados a respeito do contrato fraudulento, teve plena e oportuna ciência do dever de retirar o nome da criança do cadastro de inadimplentes. No entanto, combateu a ordem de exclusão do registro, bem como a respectiva multa pelo descumprimento do comando. “Via de consequência, inexistindo qualquer elemento de prova capaz de justificar a ilicitude da conduta do demandado – ao contrário disso, sobressaindo evidente que o ofensor deixou de empregar a necessária cautela quando da contratação –, concluo ser inafastável a responsabilização do banco (...), por ter incluído o nome da menor (...) no cadastro restritivo dos órgãos de proteção ao crédito, sem que houvesse qualquer relação jurídica capaz de motivar o procedimento.”

F

Fonte: Tribunal de Justiça de Santa Catarina

240314  

SERÁ O OUTONO DA PETROBRAS?

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you