Page 1

Recall

Lavagem política pré-testada só vale na próxima eleição

Jornal do empreendedor

R$ 1,40

São Paulo, quinta-feira, 24 de março de 2011

O detergente eleitoral expurgou os eleitos ex-senadores Jader Barbalho e Capiberibe, o governador Cassio Cunha e dois deputados. Eles voltarão.

Conclusão: 23h55

Ano 86 - Nº 23.337

www.dcomercio.com.br

Por decisão do STF, a Lei da Ficha Limpa não poderia ter barrado os políticos fichas sujas eleitos em outubro. Foi uma derrota para o TSE, que agora examina quem vai assumir e quem será desempossado. Voto do novo ministro Luiz Fux, pela anterioridade de um ano das eleições para a lei vigir, desempatou dos 5 a 5 a indecisão do STF que persistia desde 2010. Página 5

Três gerações da família Roriz no banco dos réus

BC muda regra do compulsório

Ex-governador do DF, três filhas e neto são acusados de ganhar apartamentos como propina. Pág. 7

Quer garantir robustez do patrimônio dos bancos médios. Pág.15

Reprodução

ISRAEL

Bomba e corrida contra mor teiros Mulher morre em atentado em Jerusalém. Em Beersheva (foto), ataques de Gaza. Pág. 9

SÍRIA

15 pétalas de Jasmim mortas à bala Para Al-Assad, a Revolução do Jasmim é mato: o exército atira para matar. Pág. 8

IÊMEN

Estado de emergência por 30 dias Medida proíbe protestos e autoriza prisões . Oposição promete ir às ruas. Pág. 8 Menahem Kahana/AFP

A Força Aérea da Líbia já era A coalizão liderada por EUA, França e Reino Unido afirma que Kadafi não tem mais como usar seus aviões. E agora, invasão terrestre? Pág. 8

Adeus à última deusa de Hollywood

HOJE Pancadas de chuva à tarde e à noite. Máxima 29º C. Mínima 19º C.

AMANHÃ Sol com algumas nuvens. Não chove. Máxima 30º C. Mínima 19º C.

ISSN 1679-2688

23337

9 771679 268008

Conjuntivite: 71 mil casos na Cidade Em apenas 45 dias. É uma epidemia. Pág. 11

Morre em Los Angeles, aos 79 anos, a atriz Elizabeth Taylor, eterna Cleópatra de olhos violetas. Logo, página 12


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

quinta-feira, 24 de março de 2011

Cofres recheados, furando expectativas oficiais, são munição de bom calibre nas mãos do Congresso. José Márcio Mendonça

pinião

Mais uma boa-má notícia

OLAVO DE CARVALHO

COMO SE TORNAR UM GOSTOSÃO INTELECTUAL

O

O

governo deveria estar comemorando muito o recorde de arrecadação no primeiro bimestre deste ano, com um aumento real (ou seja, descontada a inflação) de 13% sobre o mesmo período de 2010. Afinal, tão bom dinheiro assim é um sinal de que a presidente Dilma Rousseff e o ministro Guido Mantega poderão cumprir a promessa de fazer um superávit primário de 3,1% em 2011, sem abater obras do PAC e outras facilidades e sem apelar para subterfúgios do passado, como a manobra contábil na capitalização da Petrobras. O superávit primário é um dos vários pilotis com que o governo procurar sustentar a confiança dos agentes econômicos de que não se "tergiversará com a inflação", como Dilma jurou mais de uma vez. E, publicamente, Brasília está exibindo satisfação com esse sucesso inesperado – a arrecadação supera em mais de R$ 50 bilhões (curiosamente, mesmo número de corte no Orçamento) o que estava previsto nos documentos oficiais para a receita em janeiro e fevereiro. Reservadamente, precisa estar um pouco reticente na suas comemorações. A Receita Federal até, ao anunciar o engordar das arcas do Tesouro Nacional, avisou que o que veio até agora não deverá se repetir. É o que se pode chamar de "ação preventiva". Cofres tão recheados, furando expectativas oficiais, tornam-se munição de bom calibre nas mãos do Congresso Nacional, um tanto quanto, mais tanto do que quanto, insatisfeito com o facão que assolou R$ 18 bilhões das emendas parlamentares. A poda vai se concretizar de fato quando, no fim do mês próximo, vigorar um decreto de Lula suspendendo o pagamento dos restos a pagar não cumpridos ainda de 2007, 2008 e 2009. Há um clima de rebelião na base, trazido a público pelo próprio ministro das Relações Institucionais, Luiz Sérgio. Em entrevista esta semana ao jornal Valor Econômico alertou para o problema, dizendo que vai ser difícil conter as insatisfações caso o cancelamento ocorra. Para acalmar a base aliada, o ministro Antonio Palocci, com seu modo discreto e persuasivo, foi despacho para o Congresso. Mantega também conversou com a bancada petista. Há um temor de que hoje, na primeira reunião do Conselho Político do governo com Dilma, numa composição que tem alguns ministros, o vice Michel Temer e representantes de todas as legendas da base aliada, o tema apareça e cause algum constrangimento, pois Dilma costuma ser ríspida quando desagradada – e há políticos que pelas emendas parlamentares costumam não ser muito hábeis.

O governo talvez tenha de se abrir um pouco mais com os políticos, contando a existência de dificuldades que não são contadas ao distinto público a respeito de inflação e de contas públicas. Uma espécie de "comissão da verdade" econômica.

O argumento na voz dos parlamentares para justificar a liberação das emendas é simples: se a arrecadação está muito acima do esperado, se a inflação não é esta ameaça toda que se diz lá fora, por que segurar verbas que, segundo os deputados e senadores acreditam, são essenciais nos Estados e municípios para melhorar a infraestrutura, para dar um pouco mais de qualidade de vida à população?

O

governo talvez tenha de se abrir um pouco mais com os políticos, contando a existência de dificuldades outras que não são contadas ao distinto público a respeito de inflação e de contas públicas. Uma espécie de "comissão da verdade" econômica. Há outro risco embutido nesse recorde de receita de janeiro e fevereiro. O de que

JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA gente do próprio governo, ministros que também não ficaram felizes com as foice que passou em seus baús, acreditem que já está tudo bem, que o pior já passou, e afrouxem a prontidão e liberem os gastos.

grande benefício social das filosofias prontas é que basta aderir a uma delas da boca para fora, sem mesmo precisar conhecê-la, e instantaneamente o cidadão se eleva ao estatuto de fiscal das filosofias alheias, com direito a julgá-las ex cathedra e então sentir-se lindo, maravilhoso, um perfeito gostosão intelectual. Três correntes de pensamento, por serem as mais citadas na mídia – com a admirável brevidade dos escritos jornalísticos –, e também porque a classe dos professores universitários não as ignora de todo, têm sido no Brasil as mais frequentadas por aquelas criaturas, que aí encontram o reconforto de uma prótese cultural capaz de dar, a baixo preço, uma aparência de solidez às suas vacilantes identidades pessoais, roídas na base por um pai relapso e uma mãe opressora (ou vice-versa). São essas correntes: (1) O marxismo, compreendido no seu sentido mais elástico, que não implica nenhum contato nem mesmo manual, com as obras de Karl Marx, dando-se por satisfeito, no mais das vezes, com o vago e delicioso sentimento de pertinência à parte mais progressista e iluminada da espécie humana, adquirido na prática assídua de greves estudantis e na frequentação diuturna de rodinhas de violão. (2) O aristotélico-tomismo – sem Aristóteles nem Tomás, que ninguém é de ferro. Para tornar-se autoridade na matéria, vá até à paróquia mais próxima, confesse uns pecados quaisquer (não os piores, é claro) e saia falando mal dos protestantes, dos judeus e dos esquisitões como eu. Isso vale por um Ph. D. em filosofia escolástica pela Universidade de Navarra. (3) O liberalismo iluministamaterialista-cientificista, no qual se pode adquirir uma formação completa mediante o Dicionário Filosófico de Voltaire, mais alguns capítulos seletos de A Sociedade Aberta e Seus Inimigos, de Sir Karl Popper , e uma ou duas entrevistas do Dr. Richard Dawkins no youtube. Uma quarta corrente de ideias é a dos tradicionalistas guénonianos, evolianos e duguinianos. Mas ela é bem menos popular que as outras três, porque seus membros praticam o segredo iniciático, que consiste em esconder-se debaixo da cama

Qualquer pessoa pode se inscrever nos quadros de uma dessas militâncias mediante simples declaração oral, escrita ou mental e transfigurar-se em seu porta-voz autorizadíssimo.

com medo do Kali-Yuga e jamais ser vistos em parte alguma – nisto consistindo, precisamente, o ritual de ingresso nessa comunidade de elite. Qualquer pessoa de inteligência mediana, inferior ou nula pode se inscrever nos quadros de uma dessas quatro militâncias mediante simples declaração escrita, oral ou mental e transfigurar-se imediatamente em seu porta-voz autorizadíssimo, passando a verberar os adversários reais ou irreais das ditas cujas, com palavras de fogo desferidas, quais mortíferos petardos celestes, desde os cimos imortais do Orkut ou do Facebook. imprudente que não tenha tido a oportunidade ou desejo de dissolver sua individualidade pensante num desses grupos de referência, ou que sinta a natural dificuldade humana de reduzir sua experiência do mundo às fórmulas mais simplórias e autoprobantes que neles se cultivam sob o nome de "filosofia" de "teologia" , de "ciência" ou de "sabedoria esotérica", será inelutavelmente chamado de "fascista" pelo primeiro, de "herético" pelo segundo, de "fanático religioso" pelo terceiro e de "profano" pelo quarto. Feito isso, os membros de cada uma das agremiações se cumprimentarão efusivamente, celebrando a vitória da solidariedade comunitária sobre a intolerável pretensão individual de investigar a verdade da situação concreta.

O

OLAVO DE CARVALHO É ENSAÍSTA, JORNALISTA E PROFESSOR DE FILOSOFIA

N

ão se conhece ministro na vida que tenha aceito o emprego para ficar dizendo eternamente "não" (o eternamente aqui medido em metro de alguns meses). Quem conhece Brasília sabe como jogam em dobradinha – mais afinada que a dupla Pelé-Coutinho no auge de suas estripulias – o Congresso Nacional e os ministros que têm autorização de gastar. É por isso que certas boas notícias nem sempre são tão boas assim. JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA É JORNALISTA E ANALISTA POLÍTICO

Fundado em 1º de julho de 1924 Presidente Alencar Burti Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto, Antonio Carlos Pela, Arab Chafic Zakka, Carlos Roberto Pinto Monteiro, Claudio Vaz, Edy Luiz Kogut, Gilberto Kassab, Guilherme Afif Domingos, João de Almeida Sampaio Filho, João de Favari, José Maria Chapina Alcazar, Lincoln da Cunha Pereira Filho, Luís Eduardo Schoueri, Luiz Roberto Gonçalves, Moacir Roberto Boscolo, Nelson F. Kheirallah, Roberto Macedo, Roberto Mateus Ordine, Rogério Pinto Coelho Amato, Sérgio Antonio Reze

CONSELHO EDITORIAL Alencar Burti, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, João de Scantimburgo, Marcel Solimeo, Márcio Aranha e Rogério Amato Diretor-Responsável João de Scantimburgo (jscantimburgo@acsp.com.br) Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Editor-Chefe: José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br) Chefia de Reportagem: Teresinha Leite Matos (tmatos@acsp.com.br) Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br) Editores Seniores: Bob Jungmann (bob@dcomercio.com.br), Carlos de Oliveira (coliveira@dcomercio.com.br), chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), Estela Cangerana (ecangerana@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Luiz Antonio Maciel (maciel@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br) Editor de Fotografia: Alex Ribeiro (aribeiro@dcomercio.com.br) Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Ricardo Ribas (rribas@dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br) Subeditores: Fernanda Pressinott, Kleber Gutierrez, Marcus Lopes, Rejane Aguiar e Tsuli Narimatsu Redatores: Adriana David, Anna Lucia França, Eliana Haberli ,Evelyn Schulke, e Sérgio Siscaro Repórteres:Anderson Cavalcante (acavalcante@dcomercio.com.br), André Alves, Fátima Lourenço, Geriane Oliveira, Giseli Cabrini , Ivan Ventura, Kelly Ferreira, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mário Tonocchi, Neide Martingo, Paula Cunha, Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves, Sandra Manfredini, Sergio Leopoldo Rodrigues, Sílvia Pimentel, Vanessa Rosal, Vera Gomes e Wladimir Miranda. Gerente Comercial Arthur Gebara Jr. (agebara@acsp.com.br) Gerente Executiva Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações José Gonçalves de Faria Filho (jfilho@acsp.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estado, Globo e Reuters Impressão Diário S. Paulo Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3244-3175. Fax 3244-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3244-3197, 3244-3983, Fax 3244-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3244-3544, 3244-3046 , Fax 3244-3355

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3244-3737 REDAÇÃO (011) 3244-3449 FAX (011) 3244-3046, (011) 3244-3123 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 24 de março de 2011

o

pinião

3

NUM MOMENTO DE INCOERÊNCIA E DE LIDERANÇA INCERTA, EUA NÃO DEVEM INTERVIR NA LÍBIA.

Líbia: vale a pena intervir? H V Ahmed Jadallah/Reuters

á muitos bons argumentos a favor da imposição de uma zona de exclusão aérea na Líbia. Sem os ataques aéreos do governo líbio, os rebeldes têm uma chance maior de estabelecer zonas de resistência permanentes. Kadafi tem um longo histórico de apoio ao terrorismo antiamericano, com assassinatos de americanos na Europa durante a administração Reagan ou planejando dos bastidores a explosão do jumbo 747 da Pan Am sobre Lockerbie, Escócia, que matou 270 pessoas, a bordo e no solo. Em termos humanitários, os líbios têm vivido um pesadelo atroz desde o golpe de Kadafi em 1969, e seria algo nobre dar-lhes uma mãozinha. O mundo seria um lugar melhor e bem mais seguro sem Kadafi e seu detestável clã no poder. Diferente de nossa ação militar no governo Reagan em 1986, uma intervenção agora encontraria o proverbial “povo” do nosso lado. Muitos de nossos aliados europeus também estão a favor de algum tipo de ação militar. A maioria dos vizinhos da Líbia também estaria a favor de uma intervenção e até a Liga Árabe declarou apoio a uma zona de exclusão aérea. O ex-crítico da guerra, Barack Obama, é agora o presidente. Ele poderia bombardear Kadafi quando bem quisesse, sem ter de enfrentar as críticas ácidas contra Bush, sem precisar o mesmo esforço de Bush para obter aprovação do Congresso. Diferente dos mais de 26 milhões no Afeganistão e de um número parecido no Iraque, a Líbia tem uma população de apenas 7 milhões; não apresenta nenhuma das dificuldades geográficas do Afeganistão ou do Iraque. Muitos que apoiam uma ação militar na Líbia acreditam que poderíamos nos redimir de nossos esforços desordenados no Afeganistão e no Iraque por meio de uma intervenção mais limpa, curta e mais popular agora – mais parecida com a operação sem baixas na Sérvia do que com a tarefa árdua no Hindu Kush (cordilheira entre o Afeganistão e Paquistão). Apesar disso, o uso de força militar na Líbia, neste momento, é uma má ideia, e por vários motivos. Eu apoiei a guerra no Iraque com base nos 23 documentos apresentados como prova por ambas as casas do Congresso americano, e que iam muito além dos temores quanto a pesados arsenais de armas de destruição em massa. Já estávamos numa guerra de fato com Saddam Hussein desde 1991, e era um inimigo tão sinistro quanto Kadafi, mas muito mais poderoso.

Em certo sentido, os EUA foram responsáveis por encorajar uma revolta popular promovida por xiitas e curdos no Iraque, para então permitir que um Saddam derrotado a suprimisse de maneira selvagem. Já em 2003, a missão estava enunciada claramente: derrubar Saddam Hussein e encorajar um governo de consenso em seu lugar. Quando invadimos o Iraque em 2003, as baixas americanas no Afeganistão não chegavam a cem, desde 2001. O Afeganistão estava relativamente tranquilo depois de dois anos de conflito. De fato, no Afeganistão a média anual de baixas americanas permaneceu abaixo de cem nos seis primeiros anos de guerra e nos quatro primeiros anos do conflito simultâneo no Iraque. Hoje, isso não é verdade, quando somente no ano passado quatrocentos e noventa e nove americanos foram mortos no Afeganistão, mais do que a média acumulada nos primeiros sete anos de guerra.

ICTOR DAVIS HANSON

Até agora, o governo Obama não tem uma política consistente para a inquietude no Oriente Médio. Os EUA apoiaram e depois amaldiçoaram as autocracias da Tunísia e do Egito.

E

m resumo, nossa nação ainda está engajada na promoção da democracia iraquiana, em guerra com um Talibã ressurgente no Afeganistão e fiscalmente insolvente. Não temos a menor ideia de quem são exatamente os revoltosos na Líbia ou o que eles representam. Mas sem tropas americanas no solo, temos poucos sinais acerca de seus objetivos finais e ainda menos influência para orientá-los quanto a um governo substituto. Barack Obama provou que não é nenhum Bush; este poderia tomar medidas necessárias, mas impopulares, como o grande aumento de tropas no Iraque em 2007, que salvou aquele país mas custou a Bush o que lhe restava de apoio nos EUA. Obama provavelmente recuaria caso as coisas dessem errado na Líbia. Vale notar que Obama só expressou apoio à derrubada de Kadafi há duas semanas, ao perceber que os protestos populares seguramente levariam à mudança de regime. Até o momento, o governo Obama não tem qualquer política consistente com relação à intranquilidade que se espalha pelo Oriente Médio. Os Estados Unidos primeiro apoiaram e depois amaldiçoaram as autocracias na Tunísia e Egito. A ideia de diplomacia de Obama se resume a ser diferente de Bush, e isso se traduz num palavrório confuso e afetado, segundo o qual não devemos nos imiscuir ou impor nossas visões a outros países – mas achamos que, de alguma maneira, os direitos humanos são valores eternos e universais que os estrangeiros deveriam abraçar para o seu próprio bem.

lizados (além de uma numerosa presença de tropas americanas) se traduziriam em governos mais, e não menos, liberais.

T

Líbio segura um poster de Kadafi enquanto ataques aéreos são realizados sobre Trípoli: sem forças atuando no solo, pouco se sabe sobre os objetivos dos revoltosos.

Enquanto contemplamos a ação contra a Líbia, o governo não explicou de maneira coerente por que, onde, quando e como os EUA deveriam apoiar a revolta popular. Assim, não deveríamos nos meter nos assuntos internos do Irã, apoiando os dissidentes que protestam nas ruas de Teerã, mas devemos nos meter nos assuntos internos do Egito ao encorajar a dissidência nas ruas do Cairo. Expressamos apoio a mudanças de regime no Oriente Médio quando

os manifestantes enchem as ruas ou só quando esses parecem estar perto da vitória? Por quais critérios Mubarak é pior que Ahmadinejad ou Assad? Aqueles que podem substituir o Rei Abdullah na Jordânia são melhores ou piores que ele? A autocracia saudita é menos rude e cruel para o seu povo do que o regime de Ben Ali na Tunísia? E enquanto ponderamos se devemos entrar na Líbia, somos a favor ou contra a incursão saudita no Bahrein, que visa sufocar os

dissidentes de lá? Um novo Egito será mais tolerante com as minorias religiosas do que o Egito de Mubarak? Ninguém em Washington parece estar ciente de que aqueles que detêm o poder no Irã, Síria e Líbia são muito piores que os ditadores e reis na Tunísia, Egito, Jordânia e nos países do Golfo Pérsico – tampouco parece haver alguém no governo ciente de que, pelo menos até agora, plebiscitos no Oriente Médio sem garantias constitucionais e direitos humanos instituciona-

O PROFANO, O SAGRADO D

dominado pelas ações de merchandising, a pessoa humana (o indivíduo no singular ou inserido na sua tribo, sendo que a família é, digamos assim, a primeira célula da grande tribo humana) nunca foi como hoje tão nivelada a uma simples "coisa": consumista e sendo consumida. Vivemos, nestes dias plúmbeos, o "Eu-isto" (coisa) em vez de o "Eu-tu-nós" (pessoas). alor, nos dias que correm, parece ser tudo o que é não-valor, numa inversão devastadora de todos os códigos outrora reputados como sagrados. Não há mais divisão entre o sagrado e o profano, pois tudo virou profano, e da pior qualidade. O "profano" aqui mencionado não o é no sentido negativo da palavra, mas no sentido de "estar fora do templo", ou seja, separado daquilo que foi destinado (sagrado) especificamente para

V

o serviço de adoração ritualística. Veículos da mídia, notadamente a televisão, especializam-se na divulgação do lixo cultural da chamada "modernidade". E o mais desalentador é a constatação de que tal grade de programação faz sucesso – entendendo-se isso como elevada audiência. O que prova que sucesso e qualidade necessariamente não caminham juntos. excrescência de um programete tipo BBB, por exemplo, uma afronta à dignidade humana, tem patrocinadores de peso, que pouco se lixam se suas marcas fazem um "link" com um conteúdo tão abjeto, desde que seus produtos vendam mais. E será que vendem mais mesmo? Com exceção da TV Cultura ( mas nunca se sabe se a TV Cultura continuará no ar no dia seguinte, devido ao descaso do governo em investir

A

na emissora), todas as demais TVs são useiras e vezeiras na divulgação de baixarias. Por questão de justiça, outra exceção é a Rede Vida. Sua grade de programação, quando livre do dogmatismo religioso de alta octanagem que infelizmente empana sua isenção, é até razoável no que tange a bons conteúdos. As rádios FMs, também, com poucas exceções, apresentam um festival de estupidez radiofônica, disputando para ver quem possui programetes mais boçais. Estética, que trata da Beleza em todas as suas manifestações; a Ética, conjunto de código de conduta do ser humano no viver a sua própria vida, e a Política, que estabelece as relações cidadãs com o próximo na comunidade humana, vêm sendo desprovidas dia a dia de seus significados pertinentes, que serviam para nortear, com diretrizes seguras, o bem viver. A Metafísica, que poderia

A

VICTOR DAVIS HANSON É HISTORIADOR, ESCRITOR E ARTICULISTA AMERICANO, AUTOR DE

“POR QUE O OCIDENTE VENCEU”. TRADUÇÃO: HENRIQUE DMYTERKO

LUIZ OLIVEIRA RIOS

E O LIXO CULTURAL e todas as instituições herdadas do passado, nenhuma se acha na atualidade tão desorganizada e desencaminhada como a família. Tais palavras, tão atuais, foram proferidas pelo pensador Bertrand Russell nos idos dos anos 30 do século passado. Quais seriam hoje as palavras do grande filósofo e matemático ao se deparar. hoje, não apenas com a desordem, mas com o esfacelamento do núcleo familiar nesta segunda década do terceiro milênio? Vivemos numa era de assombros tecnológicos, mas numa era de trevas no que tange aos entes tidos como sagrados, dentre os quais destacamos o núcleo familiar e o corpo humano – este transformado numa "coisa" em si mesmo – que deve ser malhado e usado ao máximo enquanto cheio de vitalidade – e sobre a qual outras coisas "fashion" devem ser adquiridas, usadas e consumidas. De fato, em um universo

ampouco temos um plano de ação na Líbia: a ideia é impor apenas uma zona de exclusão no ar, permitindo que uma coluna de tanques de Kadafi siga em frente e massacre os rebeldes em desvantagem? E se Khadafi permanecer no poder? Vamos, mais uma vez, monitorar os céus de um déspota por doze anos, para depois cansar e cair fora? E se os rebeldes vencerem, ficamos lá ou continuamos até que os vitoriosos demonstrem ser benevolentes, em vez de perpetuadores do ciclo de violência? Deixem Obama organizar sanções e embargos; que ele envie ajuda humanitária aos que sofrem na Líbia. Mas uma intervenção militar direta na Líbia é uma ideia nobre que este país, neste momento de incoerência e liderança incerta, não tem como abraçar.

ensejar um aprofundamento de reflexão sobre a Espiritualidade, escoimada dos absurdos dogmas das religiões, vem sendo substituída pelo misticismo que escraviza mentes e corações via correntes do ocultismo mais patético, que não resiste a mais comezinha análise da Lógica. E a Lógica, que poderia ser o seguro esteio da racionalidade humana superior, atributo do divino que existe em nós e nos difere em grau maior dos outros animais, tem servido para criar a fria tecnologia das conectividades múltiplas e instantâneas, mas defunta nos afetos. uma palavra, a Filosofia, ou "o ensinar o homem a pensar", como diria Immanuel Kant, parece que foi baleada em praça pública pela insensatez humana e, portanto, sendo na essência e na forma seres humanos, amiúde agimos como bestas; e não sendo bestas de direito, mas continuando a agir como seres

N

irracionais, nos transformamos no quê, afinal de contas? Também anjos é que não somos, e sim seres em potência e dotados de consciência; logo, temos o poder de fazer o milagre mais extraordinário ao nosso alcance, aqui e agora, que é assumir nossa humanidade plena. Isto acontecendo de fato, o indivíduo, a família e a sociedade restaurarão os velhos e bons valores. efinitivamente, o mundo será um lugar melhor quando não houver mais divisão entre profano e sagrado, pois na vida tudo deveria ser sagrado. Mas quando acordaremos para essa magnífica realidade? E, na modesta opinião deste escrevinhador a realidade, embora duríssima, é sempre mágica. O resto é ilusão.

D

LUIZ OLIVEIRA RIOS É PROFISSIONAL DE MARKETING E VENDAS E COLUNISTA DO DC OLIVEIRA.RIOS@HOTMAIL.COM


DIÁRIO DO COMÉRCIO

4 -.GERAL

Giba Um

3

gibaum@gibaum.com.br

Com as mulheres em alta, Alexandre Padilha, da Saúde, vai distribuir, este ano, 80 milhões de preservativos femininos.

3

MAIS: é quatro vezes o volume de condoms distribuídos, no ano passado, para os homens. Padilha bota fé nelas.

quinta-feira, 24 de março de 2011

24 de Março

A

rcebispo de San Salvador (El Salvador), era fiel anunciador do Evangelho e da justiça. Em seu apostolado, atuou incansavelmente em favor dos camponeses e pobres oprimidos pelo regime militar instalado em seu pequeno país e foi assassinado em 1980. ado

k Lula é uma velharia ideológica. O partido marxista, sectário e caribenho. Outros números JOSÉ SARNEY // em sua biografia, num trecho de seu diário em 1989, quando Lula o chamava, publicamente, de ladrão.

Não é só mama Ainda a campanha de prevenção e tratamento do câncer de mama: em 2011, o número de casos de mama esperados no Brasil superará 50 mil. É o segundo mais freqüente tipo de câncer do mundo e o que mais atinge as mulheres, numa proporção de 17% dos casos. Em segundo, câncer de colo de útero (dependendo da região, é o primeiro). Só que outras localizações do mal (quase 40%), se igualmente não merecem atendimento adequado nos hospitais públicos e provocam até mortes sem assistência, ainda não fazem parte de nenhuma campanha governamental. A propósito: Dilma Rousseff e Hebe Camargo não tiveram câncer de mama ou de útero e se trataram no Hospital SírioLibanês, de São Paulo. 333

ENGASGADA Noeventodelançamentodo novo programa de prevenção e tratamento do câncer de mama, esta semana, em Manaus, em nenhum momento a presidente Dilma Rousseff citou o expresidente Lula e menos ainda o ex-ministro da Saúde, José Gomes Temporão. Os que se conhecem bem o Chefe do Governo acreditam que, doravante, ela poupará as citações do nome do expresidente. Ela estaria um tanto engasgada com a entrevista de GilbertoCarvalho,dizendoque tem “devoção por Lula e até hoje chama o ex-presidente de senhor” e também com as declarações de Lula, em São Paulo, dizendo que não foi ao almoço de Obama, no Itamaraty, “para não tirar os holofotes de Dilma”.

333

Olho no protocolo Hebe Camargo, mesmo aos 82 anos, chamar, num evento público, a vice-primeiradama da República de Michele (é Marcela) Temer, não é gafe: é falta de tato e desconhecimento total do protocolo. No Itamaraty e no Cerimonial do Planalto, a entrevista de Hebe com a presidente Dilma foi das mais criticadas. Mesmo autorizada pela Chefe do Governo a usar um tratamento mais intimo, a apresentadora deveria ter mantido a forma “senhora presidenta” na conversa. Na história do Planalto, nenhum presidente foi entrevistado (e nem mesmo por jornalista veterano e respeitado), usandose a expressão “você”. 333

Não poderia ter sido mais animada a pré-estréia da animação Rio, do brasileiro Carlos Saldanha, no cinema Lagoon: conta a história de uma arara azul (Blu) que voa ao Brasil procurando uma de sua espécie Jade ( Jewell no orinigal). Sua voz é da atriz em alta Anne Hathaway (primeira foto à esquerda). Também lá, entre tantos, dos que deram voz a personagens a convidados, estavam, da segunda foto à esquerda para a direita, Jesse Eisemberg, do filme Rede Social, Patrícia Poeta, Rodrigo Santoro (é a voz do ornitólogo Túlio, com sotaque) e Jamie Foxx (à direita), que tem fama de pegador e foi logo pegando a panicat Nicole Bahls.

Anoiteda arara Blu

333

333 Enquanto artistas posavam para fotos ao lado de Dilma Rousseff, em Manaus e Hebe Camargo recomendava “dar uma banana ao câncer”, milhares de brasileiras padeciam nos corredores de hospitais públicos esperando ser atendidas até para primeiros exames de câncer de mama ou colo de útero, outras milhares esperavam mais de mil mamógrafos (a rede tem dois mil) serem consertados e um terceiro bloco, nem um pouco menor, tinha seus exames marcados para seis meses à frente ou aguardava vaga para conseguir uma cirurgia. O câncer de mama lidera o índice de mortalidade no Brasil, ficando apenas atrás dos acidentes automobilísticos, atropelamentos e assassinatos. Acima dos 35 anos, morrem de câncer no Brasil 15 mil mulheres por ano – e mais da metade sem atendimento ou tratamento adequado nos hospitais públicos. Ou seja: o câncer de mama pode aceitar banana; os hospitais públicos não aceitam – e dão.

Banananão é remédio

Esta semana – o que não tinha acontecido até agora Dilma teve uma conversa séria comoministroAntonioPalocci, da Casa Civil e hoje um dos mais poderosos do Governo. Ele teria avançado o sinal e deliberado por conta própria numa área especial. E na conversa, Dilma perguntou, de sopetão: “Você quer se candidatar a prefeito de São Paulo?” E Palocci, apanhado de surpresa: “Não”. E ela: “Então, vamos avisar o ex-presidente Lula”.

Bem-Aventur Oscar Romero

MENOS CHORO O Butantã e o Biomanguinhos estão registrando a primeira vacina feita em parceria entre os dois institutos, que deverá proteger, ao mesmo tempo, contra difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e meningite (causada pela bactéria influenza tipo B). Antes, eram três vacinas separadas. Os futuros bebês agradecem: afinal, menos picadas no primeiro ano de vida é uma boa novidade.

333

MISTURA FINA SE já surgiram panetones com todos os tipos de recheios (e até salgados, sabor bacalhau), não chega a ser surpresa que a temporada de ovos de Páscoa que já começou tenha lançamentos inusitados. Um é o Ovo Champanhe, feito com 53% de cacau e creme de espumante, uma combinação suspeita, que deverá custar R$ 250 cada um. Outro é o Ovo Dourado, produção do Fasano, que virá com folha de ouro comestível de 23 quilates e custará R$ 200. Os emergentes irão ao delírio. 333

GUIDO Mantega, ministro da Fazenda, foi conversar com Lázaro Brandão, presidente do Conselho de Administração do Bradesco e sócio da Vale, para pedir a cadeira de Roger Agnelli, sem avisar a presidente Dilma e tampouco o presidente do BNDES (sócio também), Luciano Coutinho. É que Mantega teria um nome de candidato no bolso.

A estilista Stella McCartney (à esquerda) era a grande estrela da festa de lançamento de sua coleção para a rede C&A, na Casa Panamericana, em São Paulo. A filha de Paul McCartney, de vestido estampado e coque, tomou caipirinhas, dançou na pista e conversou com todos, especialmente com Luiza Mell (centro). Stella é defensora dos animais, Luisa também (ela acaba de assinar contrato com a TV Gazeta) e se conheceram nos Estados Unidos. À direita, Ana Paula Junqueira, em fase available e que está em todas.

McCartney Collection

333

Kit Surfistinha Camelôs de São Paulo e Rio já estão vendendo kits Surfistinha . No pacote, vem dois vídeos piratas, um do filme Bruna Surfistinha , com Deborah Secco, outro com as travessuras da original Raquel Pacheco, que não recusava nada em seus tempos de estrela pornô, mais um mini-tubo de KY, conhecido gel lubrificante. O preço de tabela é R$ 20, mas cliente habitual só paga R$ 15. 333

h IN

Dança de salão.

OUT

Dança de balada.

MELHORAVISAR 333

Embora a Record tenha acenado com R$ 100 milhões “em oferta publica, durante o dia e em horário comercial”, o Corinthians, de André Sanchez, estaria preferindo R$ 110 milhões da Globo, embora muita gente até aposte que os valores exatos cairiam para R$ 80 milhões. Essa dinheirama vai para pagar dívidas do Corinthians e lhe dar fôlego. Despesas de manutenção (e eventuais lucros) surgirão mesmo da comercialização das marcas nas camisas dos jogadores e para isso, não dá para comparar visibilidade nas transmissões da Globo com as da Record.

333

333

h

Fotos: Paula Lima

«

É um anacronismo. Sua sedução permanente é Sierra Maestra.

De olho no futuro O pré-lançamento da candidatura de Guilherme Afif Domingos a prefeito de São Paulo pelo futuro PSD, feita pelo próprio Gilberto Kassab, inibe o do senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB), serrista de carteirinha e que só sairia em condições mais do que favoráveis (Alckmin jamais cogitou em dar uma secretaria em São Paulo para ele). Por outro lado, o PMDB de Michel Temer não tem nenhum nome forte em São Paulo e o próprio DEM não sairia com o nome de Rodrigo Garcia. Resumo da ópera: se surgir, mais à frente, uma super-coligação, não tem para ninguém. E dependendo, até o PSB, controlado pelo governador Eduardo Campos, de Pernambuco, pode aderir. 333

333 OS CORTES de gastos do governo Dilma acabam de chegar ao programa nacional de construção de submarinos, parceria com a França. O repasse previsto para 2011 de R$ 2,1 bilhões já caiu para R$ 1,5 bilhão e poderá cair mais. O dinheiro seria repassado pela Marinha à estatal francesa DCNS, que transferirá tecnologia, e para a Odebrecht, responsável pelas obras do estaleiro em Sepetiba.

VETERANA atriz de cinema e teatro, onde protagonizou memoráveis espetáculos (e com o marido, Sandro Poloni, construiu teatro com seu nome, em São Paulo), Maria Della Costa, 85 anos, acaba de vender o Hotel Coxixo, em Paraty, por R$ 2 milhões. E Maria vai continuar morando lá – e trabalhar menos.

333

A DIREÇÃO do Google está preocupada com o desempenho do Orkut no Brasil, uma de suas principais operações mundiais. O crescimento vem encolhendo: nos últimos três anos, apenas 25% e a previsão para 2011 é de 10%. Principal razão da queda: a concorrência com o Facebook. 333

Colaboração: Paula Rodrigues,Alexandre Favero

Solução


p

quinta-feira, 24 de março de 2011

DIÁRIO DO COMÉRCIO

5 APOIO Iniciativa recebeu assinatura de 1,6 milhão de brasileiros e de Lula

olítica

REJEIÇÃO Mas STF entendeu que ela não vale para as últimas eleições

'FICHAS SUJAS' PODEM ASSUMIR Com decisão do STF de que a Lei da Ficha Limpa não valeu nas eleições de 2010, todos os barrados poderão tomar posse.

O

Supremo Tribunal Federal (STF) concluiu ontem que a Lei da Ficha Limpa não valeu nas eleições de 2010. Recém-empossado no tribunal, o ministro Luiz Fux deu o voto decisivo para liberar os candidatos fichas sujas que disputaram cargos em outubro do ano passado. Pela decisão, todos os candidatos barrados pela Lei da Ficha Limpa, que tiveram votos suficientes para se elegerem, devem tomar posse nas próximas semanas, entre eles Jader Barbalho (PMDB-PA), João Capiberibe (PSB-AP) e Cássio Cunha Lima (PSDB-PB). Para precisar quantos deputados terão de deixar os mandatos para dar lugar a fichas sujas, será necessário recalcular o quociente eleitoral. Só depois disso será possível determinar quantos parlamentares terão o mandato interrompi-

do. O Tribunal Superior Eleito- eleição do ano passado. Outros ral (TSE) já informou que ain- pontos polêmicos da lei não foda não dispõe da relação de po- ram debatidos e poderão ser líticos que assumirão vagas no definidos somente nas eleições Congresso Nacional. municipais. A decisão é uma derrota paRelator do recurso julgado ra o Tribunal Superior Eleito- ontem, movido pelo candidato ral (TSE), que a deputado esdesde o início tadual Leonídefendeu a dio Bouças aplicação ime(MG), condeA Ficha Limpa é um nado por imdiata da lei, e dos mais belos adia a entrada probidade adem vigor de ministrativa, o espetáculos uma norma ministro Gildemocráticos, que teve orimar Mendes posto que é uma lei gem numa iniconcentrou o de purificação do ciativa popuseu voto no arl a r, c o m 1 , 6 gumento de mundo político. milhão de asque a lei alteLUIZ FUX, MINISTRO DO STF sinaturas. rou o processo O j u l g aeleitoral e, por mento também não deixou cla- isso, só poderia valer um ano ro se a Lei da Ficha Limpa po- depois de ter sido publicada. derá barrar políticos em futu"O princípio da anterioridaras eleições. Os ministros deci- de (aprovação de lei com pelo diram apenas que a norma não menos um ano de antecedênpoderia ter sido aplicada na cia à eleição) é um princípio éti-

O ministro Luiz Fux teria sido assediado por dois colegas antes do julgamento. Eles já haviam votado contra a aplicação da Lei da Ficha Limpa – mesma decisão tomada ontem por Fux.

co fundamental. Não mudar as regras do jogo com efeito retroativo", disse. Mendes citou julgamento ocorrido no passado no qual o STF concluiu por ampla maioria de votos que a emenda da verticalização somente poderia ser aplicada um ano após a sua publicação. O julgamento, porém, pôs fim ao impasse criado no ano passado por conta da aposentadoria do ministro Eros Grau. Com dez ministros em plenário, as duas tentativas de julgar a Lei da Ficha Limpa terminaram empatadas. Na ocasião, o presidente do STF, ministro Cezar Peluso, não quis desempatar o julgamento ou proclamar que os recursos desses fichas suja foram rejeitados por não haver votos suficientes. Depois disso, o tribunal decidiu aguardar a nomeação do 11º ministro. Fux assumiu o mandato com a incumbência de desempatar. De acordo com outros ministros, ele foi assediado por colegas. Na terça-feira, dois integrantes da Corte, que votaram por rejeitar a aplicação da lei, já adiantavam reservadamente qual seria a decisão de Fux. Embora o novo ministro tenha iniciado seu voto elogiando a lei ( "A Ficha Limpa, no meu modo de ver, é um dos mais belos espetáculos democráticos, posto que é uma lei de iniciativa com escopo de purificação do mundo político"), finalizou votando contra, pois, para ele, a lei somente poderia ser aplicada se fosse aprovada em 2009. (AE)

Sergio Lima/Folhapress

Quem vai arrumar as malas e ir embora do Congresso

C

om a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), os senadores Gilvan Borges, (PMDB-AP), Marinor Brito (PSol-RO) e Wilson Santiago (PMDB-PB), há menos de dois meses no cargo, devem perder seus mandatos. O grupo assumiu as vagas no Senado no lugar dos também eleitos João Capiberibe (PSB-AP) e Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), condenados antes da aprovação da lei, e de Jader Barbalho (PMDB-RO), que renunciou para escapar de um processo pela quebra do decoro parlamentar.

Frustrada, a senadora Marinor fez um desabafo no plenário. Ela garantiu não vai "arredar pé" da luta contra a corrupção e se disse decepcionada com o voto do ministro Luiz Fux. "Aqui, no Senado, ele sinalizou que seguiria a decisão da Justiça Eleitoral quando disse que "a Justiça não pode ficar de costas para a intencionalidade da lei." O presidente do Senado, José Sarney, prevê, com a mudança, consequências de difícil administração política. "Não vai ser fácil modificar os efeitos da lei agora." (Agências)


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

quinta-feira, 24 de março de 2011

O PMDB caminha para apoiar o voto majoritário ['distritão']. Renan Calheiros (AL), senador do PMDB

olítica

Lúcio Távora/AE

Coligação tenta cassar Cid Gomes Grupo que apoiou o derrotado Lúcio Alcântara denuncia irregularidade eleitoral

A

coligação "Para Fazer Brilhar o Ceará", que apoiou o candidato derrotado Lúcio Alcântara (PR), entrou com recurso no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) contra a expedição de diploma ao governador reeleito do Ceará, Cid Gomes (PSB), e seu vice, Domingos Gomes de Aguiar Filho (PMDB), por suposto abuso de poder econômico, conduta vedada e propaganda irregular nas eleições de 2010. Segundo a ação, os eleitos montaram um esquema de propaganda irregular antes mesmo do período destinado à propaganda eleitoral com várias condutas ilegais. O esquema, conforme a coli-

gação, consistia em propaganda institucional com a utilização de outdoors e placas em todas as 3.800 obras públicas, com o objetivo de mostrar "um futuro bem próximo em face de tais obras". A denúncia ainda diz que, na imprensa escrita, foram feitas publicações em páginas inteiras nos jornais de todo o estado, demonstrando que o Ceará estava no rumo certo economicamente. Também na televisão, a coligação afirma que a campanha de Cid Gomes utilizou a TV "Cidade de Fortaleza" para a realização de propaganda eleitoral direta e indireta em seu favor e, ainda, para fazer propaganda negativa para o can-

didato Lúcio Alcântara. A coligação de Lúcio Alcântara afirma que, no horário eleitoral gratuito, a campanha de Cid Gomes fez propaganda das empresas Grendene, "com o claro objetivo de obter recursos financeiros" para a campanha eleitoral. A ação sustenta também que foram distribuídas camisetas com o número do candidato e, ainda, realizada propaganda irregular em muros da capital, fora do padrão permitido pela legislação eleitoral, além de propaganda ilegal durante o carnaval fora de época em Fortaleza, o Fortal, que mobiliza em torno de 100 mil pessoas em cada um dos quatro dias de folia. (Folhapress)

PEC garante posse de suplentes eleitos pelas coligações Apresentada pela CCJ da Câmara, a proposta vai contra decisões do Supremo

A

Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara aprovou ontem uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) para garantir a posse de suplentes eleitos pelas coligações e não pelos partidos, como tem decidido o Supremo Tribunal Federal (STF) por meio de liminares. A PEC segue agora para uma comissão especial, onde também deverá ter tratamento acelerado. Com a interpretação de ministros do STF de que devem tomar posse suplentes

dos partidos, mais de 20 suplentes de deputados federais já empossados podem ter de deixar os cargos na Câmara. Autor da proposta, o deputado Ronaldo Caiado (DEMGO) entende que a PEC poderá resolver definitivamente a questão. "É um jeito de acabar com esta celeuma. O Supremo se insurgiu contra uma regra histórica e contra o que o código eleitoral determina. É uma ingerência indevida". Único a criticar a PEC, o deputado Esperidião Amim (PP-

SC) afirma que a aprovação não garantirá a validade da proposta já nesta legislatura. Para ele, ao aprovar uma lei sobre o tema, o Congresso estará admitindo que o Supremo está correto. "Se é preciso uma PEC para dizer que assume o deputado da coligação é porque o Supremo agiu certo e isso só valeria daqui para frente. Isso é um tiro no pé", disse. A polêmica sobre a posse dos suplentes começou em 2010, quando o STF deu a primeira liminar nesse sentido. (AE)

Cid Gomes: acusado pela oposição de abuso de poder econômico durante eleição para o governo do Ceará

Serra defende voto distrital puro Para o tucano, medida valeria para municípios com mais de 200 mil habitantes

D

e passagem por Brasília, onde participou de uma reunião com a bancada tucana no Senado para discutir reforma política, ontem à tarde, o ex-governador de São Paulo, José Serra, defendeu o voto distrital puro em cidades com mais de 200 mil habitantes e mudanças no sistema que não precisem de reforma constitucional para

serem criadas com rapidez. "O fim das coligações nas proporcionais e as cláusulas de barreira têm condições de passar e são pontos que não precisam aguardar muitos anos para serem aprovados", disse o tucano. Na reunião, ele advertiu que o importante não é achar que dá para fazer tudo, mas avançar. "Pode-se, por exemplo, aprovar mudanças

Alan Marques/Folhapress

Serra no debate sobre reforma política: fim das coligações em eleições proporcionais e cláusula de barreira

Sergio Neves/AE/26.10.2010

para a eleição subsequente e não para a próxima. Demoraria uns seis anos, mas é melhor isto do que não ter mudança nunca", sustentou Serra. Em defesa de sua proposta do voto distrital puro em municípios com mais de 200 mil eleitores, Serra citou o exemplo do Rio de Janeiro, onde "um vereador tem que disputar nesse universo de mais de 4 milhões de eleitores, o que torna a campanha caríssima". Ele entende que "dividir o Rio em distritos fará com que todos os vereadores estejam ligados a questões da cidade". O melhor desse sistema, a seu ver, é que "se o eleitor de uma determinada região não ficar satisfeito com o vereador que não for bem ou não tiver feito nada pela região, pode não reelegê-lo. "Hoje, isto não acontece, porque o vereador vai disputar voto em outra região", argumenta, lembrando que, no Brasil, o distrital puro valeria para cerca de 80 cidades que reúnem quase 40% da população. A seu ver, esta mudança seria "um avanço muito grande que reduziria muito os custos da campanha e pode ser feita por projeto de lei, sem mexer na Carta. (AE)

E Temer articula apoio ao 'distritão' no Senado Defensor da proposta, o vice-presidente sustenta que ela elege os mais votados

O Marina Silva: insatisfações e articulação para definir data de convenção e reformulação do Partido Verde

Líderes do PV discutem renovação Em divergência com dirigentes dos verdes, grupo quer refundar a agremiação Sérgio Kapustan

D

epois do DEM, integrantes do PV, entre eles Marina Silva, Fernando Gabeira e Alfredo Sirkis, iniciam hoje, em São Paulo, um movimento de renovação do partido. A reação verde – denominada de Transição Democrática – deve-se a manobra que prorrogou por um ano os mandatos do presidente do partido, deputado federal José Luiz Penna (SP), e da executiva nacional. Inicialmente, a eleição do novo presidente estava prevista para a metade do ano. A recondução de Penna, na presidência desde 1999, foi apoiada pelo líder do partido na Câmara, Sarney Filho (MA). Além de Marina, Gabeira e Sirkis, seis deputados federais, cinco deputados estaduais e líderes do Movimento Marina Silva, que apoiou sua candidatura presidencial, confirmaram presença no ato. O clima é de irritação geral e

A reunão é para apresentar propostas de renovação partidária, sem revanchismo. MAURÍCIO BRUSADIN, PRESIDENTE DO PV EM SP

até já surgiu a especulação de fundação de um novo partido dos "verdes". De perfil conciliador, o presidente do PV paulista, Maurício Brusadin, diz que representantes de diversos estados vão discutir e lançar um documento em prol da abertura e democratização da legenda. "Nosso movimento não é para encurtar o mandato do presidente e dividir o partido", garante Maurício Brusadin. Conforme o dirigente, o objetivo da reunião é apresentar propostas de renovação parti-

dária sem cair no revanchismo. A ampliação da participação dos militantes nas convenções e eleição do novo presidente no segundo semestre estão em discussão no grupo. "A reunião é política e discutirá propostas, como um novo estatuto e um novo programa do PV", adianta Brusadin. Refundação – Depois de romper com o governo Lula e com o PT, Marina Silva filiouse ao PV em 2009 para disputar a Presidência da República e refundar o PV em 2011. Apesar de defender a vida e o meio ambiente, a atuação política da sigla, sob a orientação do grupo de Penna, é fraca, avaliam os insatisfeitos. Da Prefeitura de São Paulo ao governo federal, o partido indicou filiados para ocupar cargos na máquina pública em troca de apoio nos parlamentos, comprometendo os ideais partidários, criticam. Neste mês, Marina iniciou as conversas com a direção nacional para definir a data da convenção e a reformulação do PV.

vice-presidente da República, Michel Temer, voltou ontem ao Congresso a fim de se reunir com a bancada de senadores do PMDB para discutir a reforma política. Temer é um dos principais articuladores da adoção do chamado "distritão" – voto majoritário para deputados federais – nas próximas eleições. "O distritão é uma meditação minha baseada na Constituição Federal, que estabelece que todo poder emana do povo", explicou o peemedebista. "Governa quem tem mais voto". Divisão – A proposta de Temer, que anteontem teve o mandato de presidente do PMDB prorrogado até 2013, ainda não foi encampada pelo partido. Parlamentares, governadores e filiados ainda se

dividem quanto ao melhor sistema eleitoral. No entanto, a proposta de Temer tem o apoio dos principais líderes do partido. O líder da bancada, Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou que o "PMDB sem dúvida caminha para apoiar o voto majoritário ('distritão')". Se a proposta avançar e, eventualmente, for aprovada pelo Congresso, poderia ser aplicada já nas eleições municipais de 2012, como desejam os seus defensores. Nesta hipótese, seriam eleitos os vereadores mais votados conforme o número de vagas, sem aplicação do coeficiente eleitoral. Temer usou o exemplo de São Paulo, que tem 70 vagas para deputado federal na Câmara, para explicar como funcionaria o "distritão". "Seriam eleitos os 70 mais votados. Não

ocorreriam casos como um deputado que alcançou mais de 100 mil votos e não se elegeu, enquanto outro com 200 votos se elege. O povo compreenderá o distritão com muita tranquilidade", afirmou. Mas a proposta ainda não tem a adesão de todos os senadores do PMDB. Ao final da reunião com Temer, dois peemedebistas, Roberto Requião (PR) e Luiz Henrique (SC), mantiveram as posições contrárias ao "distritão". No entanto, a senadora Ana Amélia (PP-RS), que anteontem votou contra esse sistema na comissão especial da reforma, se declarou convencida por Temer a apoiar o "distritão". O PP é do bloco liderado pelo PMDB no Senado, e seu presidente, Francisco Dornelles (RJ), apoia esse sistema. (AE)

Alan Marques/Folhapress

Michel Temer na reunião do PMDB sobre reforma política, no Senado: "Governa quem tem mais votos".


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 24 de março de 2011

7 Trata-se do uso reprovável das filhas, empresas familiares e netos para ocultar vantagem ilícita. Promotores do Núcleo de Combate a Organizações Criminosas (NCOC) do Distrito Federal

olítica

Ayrton Vignola/AE

Depois do PSD, o DEM avalia suas perdas Executiva se reúne hoje para contabilizar as baixas após a criação de nova legenda

A

n o v a C o m i s s ã o cou ao prefeito de São Paulo Executiva Nacio- que não aceitaria o convite panal do Democratas ra entrar no PSD. "Achei que se reúne hoje em essa era a melhor decisão para Brasília para avaliar as baixas mim. Sempre fui desse partido provocadas dentro do partido e estou bem aqui", afirmou. Com esse movimento de pelo movimento liderado pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Corrêa, o Democratas garante Kassab, com a criação do PSD a permanência de metade de (Partido Social Democrático). sua bancada paulista, formada O partido deverá perder pelo por oito deputados federais. menos sete dos seus 43 deputa- Ficarão no partido, além de dos federais, mas existe a per- Corrêa, os deputados Rodrigo cepção de que, à exceção de Garcia, Jorge Tadeu Mudalen e Alexandre Kassab, os Leite. Acomquadros perpanharão Kasdidos não fasab no PSD os ziam parte da Achei que essa era a d e p u t a d o s linha de frente Guilherme do DEM. melhor decisão Campos, Junji Além disso, para mim. Sempre Abe, Eleuses os dirigentes fui desse partido e Paiva e Walter do DEM avaestou bem aqui. Ihoshi. liam também O diretório que conseguiELI CORRÊA FILHO, QUE RECUSOU paulista acaram estancar A PROPOSTA DE MIGRAR PARA bou sendo um o movimento PSD E PREFERIU FICAR NO DEM problema esde saída de pecial para o s e u s r e p r eDEM, já que, sentantes. Especialmente por conta da troca pela natural influência, Kasdo comando do partido, agora sab investiu forte para tentar presidido pelo senador José atrair o maior número de aliaAgripino Maia (RN), e pelo dos dentro de seu próprio parapoio recebido de aliados do tido. Além de quatro deputaPSDB, como o governador de dos federais, levou também o São Paulo, Geraldo Alckmin, e vice governador Guilherme o senador mineiro Aécio Ne- Afif Domingos. Outro ponto central da reuves, que ajudaram a segurar nião de hoje será dar início ao políticos na legenda. Na terça-feira, o partido teve processo de substituição ofisucesso, por exemplo, em cial do comando dos diretórios manter o deputado federal Eli do partido em São Paulo e na Corrêa Filho (SP), que comuni- capital paulista. (AE)

Em articulação: Kassab (em evento com o governador Geraldo Alckmin) busca seduzir novos nomes para o seu novo partido, o PSD.

Insatisfeito, Indio está quase no PSD Queixando-se de isolamento no DEM, ex-deputado encontrou-se ontem com Kassab e avalia ir para o PSD

C

om um pé no Partido Social Democrático (PSD), legenda que está sendo recriada pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, o ex-deputado federal Indio da Costa revelou que vai entregar hoje o pedido de desfiliação no DEM. Indio, que foi vice de José Serra (PSDB) na disputa pela Presidência da República no ano passado, atribuiu seu desconforto no DEM à intervenção do exprefeito César Maia no diretório municipal do partido. "Essa atitude do César Maia no Rio de Janeiro dificulta a convivência", desabafou o exdeputado, após almoço com o prefeito paulistano. Indio chamou de "catastrófica" a decisão de Cesar Maia de trocar o diretório municipal e comandar pessoalmente a legenda na capital fluminense. "Se tem um partido que se diz democrata, a primeira coisa

que se tem de fazer é praticar a democracia partidária", queixou-se. Indio disse que não foi convidado para a reunião que sacramentou a decisão de Maia e que nunca foi incluído nas decisões locais. "Não se pode fazer política nacional, que é o meu caso, sem poder fazer política regional. O que adianta eu ficar rodando o Brasil fazendo palestras, enquanto no meu estado não estou sendo respeitado?", questionou. "Nunca me chamaram (para participar das decisões) e sempre contaram comigo". Oficialmente, o ex-deputado veio a São Paulo para dar uma palestra no Instituto de Estudos Empresariais (IEE) sobre formação política para jovens empresários. Anteontem, antes do compromisso, Indio conversou com o ex-senador Jorge Bornhausen (DEM) sobre sua "insatisfação com o Democratas".

Roriz, as filhas e o neto acusados de improbidade O ex-governador e suas gerações descendentes são réus em ação por terem recebido 12 apartamentos

O

ex-governador Joaquim Roriz e suas gerações descendentes – as três filhas e netos maiores – tornaram-se réus em ação de improbidade administrativa movida pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios na 3ª Vara de Fazenda Pública. Só a mulher Weslian escapou. Eles são acusados de ganhar, a título de propina, em 2006, quando Roriz era governador, 12 apartamentos de alto padrão no condomínio Monet, no bairro de Águas Claras, construído com ajuda de dinheiro público. O suposto presente, segundo as investigações, foi dado pela construtora WRJ Engenharia de Solos e Materiais, a título de retribuição por um financiamento de R$ 6,7 milhões, obtido no banco estatal BRB, a mando de Roriz, para a construção do condomínio. O empreendimento tem um total de 96 apartamentos de 164 a 200 metros quadrados, cada. Um contrato de gaveta, apreendido em operação da Polícia Federal em 2010, comprovou que os imóveis foram repassados de forma camuflada ao clã Roriz. Governador do Distrito Federal por quatro vezes, Roriz começou a entrar em desgraça em 2007, quando renun-

Celso Júnior/AE - 03.10.10

Weslian Roriz foi a única da família que escapou da ação do MP

ciou ao mandato de senador para escapar de processo de cassação por quebra do decoro no escândalo da "bezerra de ouro". Durante a operação Aquarela da polícia civil local, ele foi flagrado em interceptação telefônica negociando a partilha de um cheque de R$ 2,2 milhões, emitido pelo empresário Nenê Constantino, fundador da Gol Linhas Aéreas. Além dele, são réus na ação as filhas Jaqueline Roriz (deputada federal pelo PMN), Liliane Roriz (deputada distr ital pelo PRTB) e Weslliane Neuls (empresária e primogênita), além de Rodrigo Roriz, neto do governador. Dois filhos de Liliane e um de Jaqueline deixaram de ser citados na ação, embora

tenham recebido também apartamentos, porque eram menores de idade e foram representados pelas mães no negócio. Os donos da construtora e diretores do BRB envolvidos na fraude também são réus. A ação é assinada por cinco promotores do Núcleo de Combate a Organizações Criminosas (NCOC). Eles anotaram vários agravantes porque houve dolo nos atos para enriquecimento ilícito. "Trata-se de agente político que se valeu do mandato popular para locupletar-se, tendo praticado uma das mais graves condutas qualificadas como improbidade, mediante uso totalmente reprovável das filhas, empresas familiares e netos, menores impú-

beres, como laranjas para perceber e ocultar vantagem ilícita", descreveram os promotores. A descober ta da fraude ocorreu de uma forma insólita em 2009, já no governo de José Roberto Arruda, preso e afastado do cargo por envolvimento no esquema de corrupção desmantelado pela operação Caixa de Pandora. Como a construtora não pagou o empréstimo, o BRB, por ordem judicial, tomou os apartamentos para cobrir o prejuízo. Os moradores entraram com uma ação civil pública para não perder os imóveis. Descobriu-se então que os recibos do clã Roriz eram todos fajutos. Por meio do assessor de imprensa, Paulo Fona, o exgovernador e os familiares alegaram que a transação nunca se concretizou, "como está demonstrado nos autos". Os advogados de Roriz, das filhas parlamentares e dos demais membros da família vão contestar a ação. Curiosamente, o Monet fica ao lado do edifício Lucena Roriz, pai do ex-governador. Na Câmara, o Conselho de Ética instaurou ontem processo disciplinar contra a deputada Jaqueline Roriz, que pode levar à cassação da parlamentar pelo uso de caixa 2 em sua campanha. (AE)

Ontem foi o dia de "desabafar" com Kassab e aprofundar as discussões sobre sua ida para o PSD, partido cujas diretrizes, de acordo com Indio, representam "tudo o que defendi na campanha". "Essa história de direita e esquerda não existe mais; é coisa do passado. Che-

guei à conclusão de que existe um espaço enorme para o PSD ser um partido nacional e de muita relevância", avaliou. Após ouvir Kassab e Bornhausen, Indio afirmou que não tem pressa para definir seu futuro. "Não tenho que tomar essa decisão agora." (AE) SECRETARIA EXECUTIVA DE COMUNICAÇÃO

COMUNICADO CONCORRÊNCIA PÚBLICA N° 001/SECOM/2011 PROCESSO ADMINISTRATIVO nº 2010 - 0.051.908-9 TIPO: TÉCNICA E PREÇO OBJETO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS DE ASSESSORIA DE IMPRENSA, PARA ATENDER À SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO DA PREFEITURA DE SÃO PAULO PELO PERÍODO DE 6 (SEIS) MESES. Comunicamos a todos os interessados que, em virtude dos inúmeros questionamentos enviados pelos interessados à Comissão Especial de Licitação desta Secretaria, o certame supra mencionado encontra-se em processo de reavaliação, o que impõe o seu adiamento “sine die”. Por conseguinte, a Sessão de Abertura prevista para o dia 01/04/2011 não ocorrerá. Por fim, comunicamos que as respostas a todas as dúvidas e pedidos de esclarecimentos encaminhados pelos interessados à Comissão Especial de Licitação restam prejudicadas, tendo em vista a possibilidade de futura alteração do Edital de Convocação. E, para que ninguém possa alegar desconhecimento é expedido o presente comunicado.

SECRETARIA DA SAÚDE DIVISÃO TÉCNICA DE SUPRIMENTOS SMS.3 ABERTURA DE LICITAÇÕES Encontram-se abertos no Gabinete: REABERTURA - PREGÃO PRESENCIAL 031/2011-SMS.G, processo 20100.353.769-0, destinado ao registro de preços de SERINGAS DESCARTÁVEIS COM AGULHA E DISPOSITIVO DE SEGURANÇA DE RETRAÇÃO, para a Central de Distribuição de Medicamentos e Correlatos - CDMEC Área Técnica de Material Médico Hospitalar, do tipo menor preço. A sessão pública de pregão ocorrerá às 10 horas do dia 19 de abril de 2011, a cargo da 5ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO PRESENCIAL 053/2011-SMS.G, processo 2010-0.292.091-0, destinado a AQUISIÇÃO de RECIPIENTE PARA MATERIAL PERFURO CORTANTE - 13 LITROS, para a Coordenação em Vigilância em Saúde - COVISA/Centro de Controle de Doenças - CCD, do tipo menor preço. A sessão pública de pregão ocorrerá às 14 horas do dia 07 de abril de 2011, a cargo da 3ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO PRESENCIAL 062/2011-SMS.G, processo 2010-0.316.031-6, destinado ao registro de preço de COMPRESSA DE GAZE ESTÉRIL COM MANTA DE ALGODÃO 15CM X 15CM, para a Central de Distribuição de Medicamentos e Correlatos - CDMEC/Área Técnica de Material Médico Hospitalar, do tipo menor preço. A sessão pública de pregão ocorrerá às 10 horas do dia 26 de abril de 2011, a cargo da 5ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO PRESENCIAL 079/2011-SMS.G, processo 2011-0.046.420-0, destinado ao registro de preço de SERINGA DESCARTÁVEL DE INSULINA 0,5ML COM AGULHA 8,0MM X 0,30MM, para a Central de Distribuição de Medicamentos e Correlatos - CDMEC / Área Técnica de Material Médico Hospitalar, do tipo menor preço. A sessão pública de pregão ocorrerá às 10 horas do dia 27 de abril de 2011, a cargo da 5ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO PRESENCIAL 075/2011-SMS.G, processo 2011-0.046.559-2, destinado ao registro de preço para FORNECIMENTO de FIXADOR DE CATETER VENOSO PERIFÉRICO, para a Central de Distribuição de Medicamentos e Correlatos - CDMEC/Área Técnica de Material Médico Hospitalar, do tipo menor preço. A sessão pública de pregão ocorrerá às 10 horas do dia 10 de maio de 2011, a cargo da 5ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO ELETRÔNICO 044/2011-SMS.G, processo 2011-0.032.751-3, destinado ao registro de preços de ANTISSÉPTICO EM ALMOTOLIAS, para a Central de Distribuição de Medicamentos e Correlatos - CDMEC/Área Técnica de Medicamentos, do tipo menor preço. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 11 horas do dia 06 de abril de 2011, a cargo da 1ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO ELETRÔNICO 037/2011-SMS.G, processo 2011-0.028.132-7, destinado ao registro de preços de MEDICAMENTOS SUJEITOS A CONTROLE ESPECIAL II, para a Central de Distribuição de Medicamentos e Correlatos - CDMEC/Área Técnica de Medicamentos, do tipo menor preço. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 11 horas do dia 11 de abril de 2011, a cargo da 1ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. RETIRADA DE EDITAL O edital do pregão acima poderá ser consultado e/ou obtido nos endereços: http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br, ou, no gabinete da Secretaria Municipal de Saúde, na Rua General Jardim, 36 - 3º andar - Vila Buarque - São Paulo/SP - CEP 01223-010, mediante o recolhimento de taxa referente aos custos de reprografia do edital, através do DAMSP, Documento de Arrecadação do Município de São Paulo. DOCUMENTAÇÃO - PREGÃO PRESENCIAL Os documentos referentes ao credenciamento, os envelopes contendo as propostas comerciais e os documentos de habilitação das empresas interessadas, deverão ser entregues diretamente ao pregoeiro, no momento da abertura da sessão pública de pregão. DOCUMENTAÇÃO - PREGÃO ELETRÔNICO Os documentos referentes às propostas comerciais e anexos, das empresas interessadas, deverão ser encaminhados a partir da disponibilização do sistema, www.comprasnet.gov.br, até a data de abertura, conforme especificado no edital.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

quinta-feira, 24 de março de 2011

nternacional

KADAFI SEM ASAS Coalizão diz que Força Aérea líbia foi destruída, mesmo sem a participação da Otan. Agora, a polêmica é sobre uma possível invasão terrestre.

Caça francês Rafale prepara para aterrissar em base militar na Córsega, após missão na Líbia.

Jean-Paul Pelissier/Reuters

Finbarr O'Reilly/Reuters

cas se mostraram otimistas com a ação aérea. "A Força Aérea líbia efetivamente não existe mais enquanto força de combate, e o sistema integrado de defesa aérea e de comando e controle foi severamente danificado'', disse o vice-comandante da Real Força Aérea (RAF, na sigla em inglês) britânica, Greg Bagwell. O oficial, que lidera as operações aéreas britânicas na Líbia, disse ainda que a coalizão opera agora virtualmente imune a ações das forças pró-regime. Comando - Por sua vez, Obama se disse otimista com os primeiros objetivos da campanha na Líbia e reafirmou que os EUA passarão nos próximos dias o controle da operação militar. "Quando esta transição acontecer, não serão nossos aviões que manterão uma zona de exclusão aérea. Não serão nossos navios que necessariamente farão cumprir o embargo de armas. Isso é precisamente o que os outros países farão", disse. O mais óbvio candidato a fazer isso, a Otan, ainda não chegou a um acordo para assumir o comando das operações. A França insiste que o controle precisa continuar nas mãos da coalizão, enquanto a aliança deveria estar à frente do planejamento e das operações. A Itália acusou Paris de ser "intransigente" ao não deixar a liderança com a organização. As discussões continuam hoje. Até o momento, a coalizão é formada por EUA, França, Reino Unido, Itália, Espanha, Romênia, Noruega, Dinamarca, Bélgica, Holanda, Canadá e Catar. Segundo o premiê britânico, David Cameron, Kuwait e Jordânia também darão "suporte logístico" à ação. (Agências)

Preces e tiros em mesquita na Síria Líbios de Benghazi comemoram bombardeios da coalizão

Bombas por terra e ar

T

ropas leais ao ditador da Líbia, Muamar Kadafi, prosseguiram ontem com os ataques por terra contra os insurgentes líbios em pelo menos três cidades – Zintan e Misurata, no oeste, e Ajdabiya, no leste, enquanto uma multidão em Benghazi se manifestou a favor dos bombardeios desfechados pelos Estados Unidos e seus aliados europeus contra alvos do governo líbio.

No quinto dia de intervenção, a coalizão internacional concentrava ações aéreas contra as tropas pró-regime na capital Trípoli e em Ajdabiyah e Misurata. Ajdabiya é o principal front de batalha entre os rebeldes que controlam o leste do país – baseados em Benghazi – e as forças oficiais. Já Misurata é o principal reduto opositor na parte ocidental do país. (Agências)

Ahmad Gharabli/AFP

A

pós cinco dias de ataques a alvos da defesa do regime de Muamar Kadafi, a coalizão liderada por Estados Unidos, França e Reino Unido conseguiu destruir a Força Aérea líbia, disse um oficial britânico ontem. Mesmo sem a participação da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), o anúncio britânico representa a quase conclusão de um dos objetivos da intervenção militar: a imposição da zona de exclusão aérea na Líbia. Além da questão da aliança atlântica, novas divergências surgiram ontem entre as potências, principalmente sobre a possibilidade de uma invasão terrestre. O presidente norte-americano, Barack Obama, descartou categoricamente ontem uma invasão terrestre. Questionado pela emissora Univision, que transmite em espanhol nos EUA, se esta opção é possível, Obama respondeu que está "totalmente" fora de questão. Mas a Rússia acredita que uma invasão por terra é muito provável e se sente justificada em ter se abstido na votação da resolução no Conselho de Segurança (CS) da Organização das Nações Unidas (ONU), na semana passada, que sancionou os bombardeios contra as forças de Kadafi. O Brasil também seguiu a posição de Moscou. "Não existe um plano coordenado em ação e a operação pode se arrastar", disse o conselheiro de política externa do Kremlin, Sergei Prikhodko, à agência Itar-Tass. "Nós compreendemos que cedo ou tarde, se a operação aérea atolar, uma operação terrestre será inevitável, digam o que eles disserem", afirmou. Mas as autoridades britâni-

TENSÃO – O Parlamento do Iêmen aprovou, ontem, o estabelecimento do estado de emergência no país. A medida proíbe protestos de rua e dá às forças de segurança 30 dias de poderes para deter suspeitos sem processo judicial. A oposição promete um megaprotesto amanhã.

O

perações da polícia síria em uma mesquita e um bairro de opositores do ditador Bashar Al-Assad deixaram pelo menos 15 mortos, ontem, na cidade de Deraa, a 130 quilômetros ao sul de Damasco. O governo atribuiu a violência a uma "gangue". O primeiro choque aconteceu na manhã de ontem, nas proximidades da mesquita AlOmari. Manifestantes saíram às ruas para exigir reformas no regime e mais liberdade política. Segundo testemunhas, a polícia usou munição letal para dispersar a multidão, causando a morte de seis pessoas. "As forças de segurança dispararam balas de verdade e gás lacrimogêneo nos manifestantes", disse um ativista. "Eles cortaram a eletricidade e os tiros começaram." Dos seis mortos no ataque, um era uma mulher que morava próxima à mesquita e abriu a janela para ver o que acontecia durante a operação, levando um tiro, disse um ativista. A agência estatal SANA afirmou que o ataque foi realizado por uma "gangue". Segundo as informações oficiais, havia quatro mortos: um membro das forças de segurança, um

médico, um paramédico e um motorista de ambulância. ASANAdisse ainda que "gangues" estavam "armazenando armas e munição" na mesquita e "usavam crianças que eles sequestraram de suas famílias como escudos humanos". Outros três manifestantes foram assassinados no centro histórico da cidade e, no final do dia, mais seis corpos foram achados na região. Jasmim - Deraa e outras quatro cidades próximas (Inkhil, Jasim, Khirbet Ghazaleh e Harrah) formam hoje o principal núcleo de oposição ao ditador. Inspirados pela onda de revoltas que já derrubou dois regimes árabes, moradores da região começaram a organizar protestos pró-democracia depois que estudantes foram presos por fazer pichações. A polícia respondeu aos protestos com gás lacrimogêneo e munição real. O número de mortos desde sexta-feira passada é estimado em ao menos 22. Assim como ocorreu na Tunísia e no Egito, opositores sírios estão usando a internet como forma de convocar para amanhã um protesto, que já está sendo apelidado de "Sexta-Feira da Dignidade''. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 24 de março de 2011

9

nternacional Menahem Kahana/AFP

Água imprópria para crianças em Tóquio Apesar da contaminação, o governo pede para os consumidores não estocarem garrafas de água. Yomiuri Shimbun/Reuters

A

EM BUSCA DE PROTEÇÃO – Israelenses correm e procuram abrigo após ataque de foguetes palestinos, ontem, na cidade de Beersheva, a cerca de 40 quilômetros da Faixa de Gaza, no sul de Israel. O ataque foi uma resposta dos palestinos a duas ações do exército israelense, que mataram oito moradores de Gaza no dia anterior. (Agências)

Atentado em Jerusalém mata uma mulher e fere mais 33 pessoas A explosão estremeceu prédios a centenas de metros de distância do local. Netanyahu promete reação. Em Fukushima, agricultor se desfaz do leite por causa do alto nível radioativo.

lestinos dispararam foguetes e morteiros em direção ao sul de Israel. O chefe de governo disse ter passado o dia reunido com seus assessores de segurança para discutir a situação e embarcou para uma visita à Rússia. Yitzhak Aharonovich, ministro de Segurança Interna de Israel, disse que militantes colocaram um artefato de 1kg dentro de uma sacola, que foi deixada na calçada. "A bomba estava dentro de uma sacola, que foi deixada em um ponto de ônibus." A explosão ocorreu por volta das 15h locais e estremeceu prédios a centenas de metros de distância do local, segundo testemunhas. Um correspondente da France Presse na cidade disse que havia pessoas no solo cobertas de sangue e muitos veículos tiveram suas janelas quebradas. Segundo autoridades locais, uma mulher de 60 anos morreu e 33 pessoas ficaram feridas, três das quais em condições críticas de saúde. Líderes da Autoridade Nacional Palestina (ANP), que governa a Cisjordânia com o apoio do Ocidente, condenaram o ataque em Jerusalém. O primeiro-ministro Salam Fayyad denunciou a ação "nos mais duros termos". O presidente da ANP, Mahmoud Abbas, em visita à Rússia, emitiu um comunicado semelhante. (AE) Marina Passos/AFP

Yoshikazu Tsuno/AFP

A

explosão de uma bomba em um ponto de ônibus lotado em Jerusalém provocou a morte de uma mulher e feriu mais de 30 pessoas, em um episódio qualificado por autoridades locais como o primeiro atentado de impacto realizado por militantes palestinos em anos. Até o momento, no entanto, não houve reivindicação de autoria do ataque. O atentado trouxe de volta à tona lembranças do segundo levante palestino, a partir do ano 2000. Na última década, mais de mil israelenses morreram em ataques de grupos armados e militantes suicidas palestinos em Jerusalém e outras cidades; no mesmo período, mais de 6 mil palestinos foram mortos em operações militares de Israel na Cisjordânia e na Faixa de Gaza. Apesar de não ter havido reivindicação de responsabilidade, autoridades israelenses acusam militantes palestinos pelo ataque. O episódio ocorre em um momento de aumento de violência na região, depois de um período relativamente extenso de calma. Promessa de reação – O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, prometeu uma reação "agressiva, responsável e sensata". Netanyahu pronunciou-se horas depois da explosão em Jerusalém. Antes, grupos pa-

Em Tóquio, a população está indecisa sobre o uso da água de torneira.

Alerta nos países nórdicos

O Paramédicos isolam a área onde um ônibus foi destruído pelo impacto da explosão em um bairro judaico de Jerusalém

s governos da Islândia e da Finlândia informaram ontem que partículas de radiação provenientes da usina de Fukushima, no Japão, já chegaram aos dois países. Os resíduos, no entanto, não representam riscos à saúde. Uma nuvem carregando traços de iodo radioativo foi detectada na Islândia, informou a Autoridade de Segurança Radioativa do país. O instituto acrescentou, no entanto, que a concentração

era de "menos de um milionésimo" do que foi encontrado nos países europeus após o desastre de Chernobyl em 1986, que espalhou radiação em uma distância muito maior. Na Finlândia, a Autoridade de Radiação e Segurança Nuclear do país também anunciou que foram detectadas partículas de iodo radioativo em duas estações de medição em Helsinque e Rovaniemi (região da Lapônia). (Agências)

quantidade de iodo radioativo presente na água vinda da torneira no norte de Tóquio excedeu os níveis permitidos para a ingestão por crianças, informou ontem o governo metropolitano da capital do Japão. O governo metropolitano de Tóquio tinha alertado para que não fosse dada a água proveniente das torneiras para bebês e crianças, que são particularmente vulneráveis a iodo radioativo que pode causar câncer de tireoide. As autoridades afirmaram, porém, que o nível de iodo radioativo não representa uma ameaça para crianças mais velhas ou adultos. "Mesmo se você beber dessa água por um ano ela não afetará sua saúde", explicou o chefe de gabinete do governo, Yukio Edano. Um funcionário da prefeitura informou que amostras de três diferentes estações purificadoras no bairro de Katsushika, no norte de Tóquio apresentaram 210 Becquerel de iodo por quilo, excedendo os 100 Becquerel por quilo, nível considerado aceitável para crianças. O limite de iodo em água corrente para um adulto é de 300 Becquerel por quilo. Após a divulgação da informação, Edano afirmou que o governo metropolitano de Tóquio tomaria medidas relacionadas a famílias com crianças. Ele disse também que o governo do país pede que os consumidores não estoquem garrafas de água. Apesar disso, foi difícil encontrar o produto nos supermercados da cidade. "Eu nunca vi algo assim", disse o balconista Toru Kikutaka, procurando nos supermercados do centro da cidade, onde um estoque de água em garrafa foi vendido quase imediatamente após a divulgação da notícia, apesar do limite de duas garrafas de dois litros por pessoa. Mais tarde, o Ministério da Saúde do Japão declarou que pediu que a prefeitura de Fukushima informe à população que a água da torneira não deve ser consumida por crianças que vivem na cidade de Iwaki, no norte do país, também em razão do excesso de iodo. Segundo especialistas, o iodo radioativo tem vida curta, com média de oito dias, tempo que leva para que se quebre e se torne um material que não causa danos. Segundo as autoridades, as medidas são uma precaução e o consumo não representa um risco imediato à saúde. A polícia estima que 18 mil pessoas tenham morrido após o terremoto e tsunami. Números divulgados ontem indicam que 9.487 tiveram suas mortes confirmadas e 15.617 estão desaparecidas. Os prejuízos podem chegar a US$ 309 bilhões. Fumaça – Na usina de Fukushima, fumaça preta foi vista saindo do reator 3, o que forçou os trabalhadores a deixar o prédio e a área próxima. Um portavoz da Agência de Segurança Nuclear e Industrial, Hidehiko Nishiyama, disse ontem que "o nível de radiação permanecia estável" apesar da misteriosa fumaça. Os controles e sistemas de resfriamento devem voltar a operar nos próximos dias em alguns dos reatores mais danificados da usina nuclear Fukushima Daiichi, informou ontem a agência. (AE)


10

c

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 24 de março de 2011

VOLUNTÁRIOS Grupo de veterinários ajudou a salvar animais na serra fluminense.

idades

HERÓIS Muitos animais salvaram a vida dos seus donos, com alertas.

Do Rio ao Japão, tudo para salvar os bichos Após participar do resgate e tratamento de animais vítimas da tragédia ocorrida na serra fluminense, em janeiro, veterinária está pronta para embarcar para o Japão Yuriko Nakao/Reuters - 14/03/2001

Newton Santos/Hype - 21/03/2011

Marisa Folgato

E

Amélia de Oliveira (acima) está acostumada com missões difíceis para auxiliar os animais. No Rio, ela montou um acampamento para tratá-los (ao lado).

nquanto boa parte dos brasileiros que vivia no Japão partiu assustada com a tragédia provocada pelo terremoto, uma paulistana está pronta para fazer o caminho contrário. "Se tiver um equipamento de segurança que realmente me proteja da radiação, estou disposta a ir, a qualquer momento", garante Amélia Margarida de Oliveira. Para fazer o quê? "Resgatar os animais sobreviventes dessa catástrofe", afirma a veterinária de 46 anos. O convite partiu da ONG Human Society International (HSI). Amélia aguarda apenas um sim. Experiência nesse tipo de atendimento ela tem de sobra: largou três filhos e consultório para cuidar de cachorros, gatos, cavalos e o que mais apareceu na região serrana do Rio, onde deslizamentos, no pior desastre natural do País, mataram mais de 900 pessoas, em janeiro de 2011. Machucados, assustados, desorientados e órfãos de seus donos, centenas de animais vagaram sem rumo, até que voluntários como Amélia chegassem para resgatá-los. "Achava que ia ser forte o bastante, ter estrutura, não deixar o emocional tomar conta. Mas algumas vezes estive na beira do abismo, a ponto de vir embora", conta Amélia. Para o bem de todos, resistiu. Sessenta dias. "Logo que soube do acidente, mandei e-mail para todo mundo e a resposta veio: reuni uma tonelada de medicamentos." Pegou a estrada com alguns voluntários, à procura dos locais mais distantes, de pior acesso e estrutura. "Não foi fácil ajudar, já esperava uma situação horrorosa, de guerra, de informações desencontradas, mas esbarrei também na arrogância de representantes de órgãos públicos, que dificultavam nosso acesso, nosso trabalho." Periferia – Chegou à região da catástrofe no dia 17 de janeiro, a bordo de seu Land Rover. Deixou 800 quilos de suprimentos em Teresópolis, mas resolveu trabalhar em Nova Friburgo. "No centro havia veterinários de Búzios e muitas pessoas ajudando, mas na periferia, ninguém." Um desafio perfeito para Amélia. Perguntando aqui e ali, a veterinária tomou o rumo do Campo do Coelho, um dos pontos mais destruídos. Logo viu dois corpos de moradores. E muitos mais. "Não havia condição de resgate." Encontrou também muitos animais perdidos, em pânico. Foi até o Campo do Coelho, onde encontrou a voluntária Dulce. "Ela indicou um campo de futebol, com um galpão, onde instalamos nossa base, não só para atender os bichos, mas para receber donativos." Apareceu gente para ajudar, mas aproveitadores também. "Um homem falou que tinha dois cavalos, galinhas, porcos, 18 cães e 22 gatos no Buraco do Sapo, precisando de ração, remédios, mas só dava para chegar de helicóptero." Amélia disse que tinha na base tudo que ele precisava. "Mas e o helicóptero?" Mandou o homem falar com o coronel e voltar com uma solicitação. "Ele foi embora." Desvios – A veterinária diz que enfrentou várias tentativas como essa nos primeiros dias. "Depois viram que eu era linha dura." Ela, porém, correu bastante risco. Recebeu 20 toneladas de medicamentos, ração e donativos para as pessoas, sem que ninguém ajudasse na segurança. "Chegaram a tentar desviar um caminhão com uma carga de 10 toneladas." Ouviu muitos nãos também. "Encontrava carros dos bombeiros, da Guarda Nacional e ninguém colaborava. Mas uma semana depois começaram até a bater continência para mim, a única mulher naquela região, a me

No terremoto do Japão, animais também sofreram com a tragédia Fotos: Arquivo Pessoal

Rio: até galinhas foram tratadas

Cães ficaram perdidos ou feridos

chamar para resgatar animais quando iam fazer outras ações." Numa delas, na Prainha, um condomínio de luxo que desapareceu, havia um rottweiler debaixo de uma laje havia 12 dias, latindo muito. "Vi que o cachorro era bonzinho, mas estava preso pela corrente." Levantaram um pouco a laje, mas ele não saía. "Então o bombeiro deu um puxão e a corrente saiu, com a mão de um senhor presa nela. Foi horrível."

Land Rover é companheiro de todas as horas

A

mélia dormiu os 60 dias que passou em Nova Friburgo no acampamento improvisado na quadra de esportes. Onde? Confortavelmente (ela jura) instalada numa barraca montada em cima do seu Land Rover, que a veterinária costuma tratar sempre no feminino e apelidou de Miss Deyse, inspirada nas três letras da placa (DEY). "É uma barraca de teto, igual às usadas nos safáris na África, que só tinha visto em filmes. Enquanto a maioria das mulheres sonha com um anel de brilhantes, uma cirurgia plástica, sapatos e roupas da Daslu, eu sonho em equipar minha Land Rover." Além da parte em cima do teto, bem baixinha, onde uma pessoa pode dormir, a barraca tem uma extensão, nos fundos, que funciona como sala de operações. "Já fiz mais de 300 cirurgias nessa barraca." Uma vitória para quem sempre pensou em ser veterinária. E ter um Land Rover.

Arara – Amélia encontrou também histórias de animais-heróis, que salvaram suas famílias da morte. "Uma maritaca, o Lorinho, por exemplo, às 4 horas da manhã de 11 de janeiro começou a falar uma palavra que nunca tinha dito antes: 'acorda, acorda, acorda'. Foi apenas o tempo da família sair para a casa desabar em Pilões." Dólar, um mestiço de pitbull, também salvou o dono. "Seu Adão, que mora numa casinha de tábuas no fundo de um vale, acordou com o cachorro, latindo." Soltou o cão, mas Dólar não foi embora, ficou pulando nele, empurrando de volta para a casa. Adão viu que não tinha para onde ir, era lama e água para todo lado. Sentou-se na varanda, cachorro do lado, e rezou. "A montanha desceu com tudo, mas o lugar onde os dois estavam foi poupado." Bolinha foi heroína duas vezes. Na noite de 11 de janeiro, às 4 da manhã, começou a latir desesperada. "Mal o dono saiu com a mulher, os filhos e a Bolinha e uma pedra enorme passou por cima da casa, destruindo tudo." A família foi para um abrigo, mas os animais eram proibidos e a cadela ficou com Amélia. O dono resolveu doá-la. "Minha irmã foi até o Rio para me dar uma força e levou meu sobrinho de 7 anos. Quando viu Bolinha, quis ficar com ela, e já faz parte de nossa família." E a cadela foi heroína de novo. "No dia 15 de março, minha irmã estava na sala. Os outros dormiam, e a Bolinha estava com o Paulinho." De repente, o bicho apareceu na sala e cutucou a mulher, puxou-a pela roupa, olhava em direção ao quarto. "Minha irmã resolveu medir a glicemia do menino e estava tão alterada que, por pouco, Paulinho não entrou em choque. Mais uma vez, Bolinha salvou uma vida."

"Quando eu tinha 10 anos, assistia a um seriado chamado Daktari, que tinha um leão vesgo e um veterinário que morava na África, e combatia os caçadores e traficantes. Ele recolhia os animais, cuidava deles e andava num jipão, um Land Rover..." Trinta anos depois, aí estão a Amélia veterinária e sua Miss Deyse. Desde criança, ela queria seguir a profissão. "Mas um dia me apaixonei, casei e meu sonho ficou guardado por quase 14 anos, quando desapaixonei, me separei e, com 30 anos, encarei uma faculdade", conta Amélia. Deixou os filhos pequenos com o pai e foi para Marília estudar. Mas a vida ia dar uma nova guinada em 2008. "Em janeiro saí de uma UTI e resolvi que não iria morrer sem comprar o carro dos meus sonhos. E logo em maio me dei de presente a tão sonhada Miss Deyse." Com o "jipão" nasceu também o Veterinários na Estrada. "O objetivo principal do projeto é realizar ações de castração, chegar a lugares distantes, esquecidos, carentes. E, além disso, levar responsabilidades, amor, compreensão e carinho." (M.F.)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 24 de março de 2011

c

11 A maior prevenção deve vir de quem já está infectado. Niro Kasahara, chefe do pronto socorro de oftalmologia da Santa Casa

idades

REAJUSTE Aprovado reajuste de 2,14% para funcionários do Hospital do Servidor.

Ó RBITA

REDUÇÃO DE PENA Deputados aprovam projeto que diminui pena de preso que estuda.

Conjuntivite avança e SP vive situação epidêmica

Filipe Redondo/Folha Imagem - 16/10/2007

Do dia 1º de fevereiro ao último dia 18 foram registrados 71.252 casos apenas na cidade de São Paulo

A

A

cusados pela Polícia Civil e pelo Ministério Público Estadual de uma nova tentativa de extorsão de dinheiro contra o padre Júlio Lancelotti, da Pastoral do Povo de Rua de São Paulo, o casal Anderson Marcos Batista e Conceição Eleutério teve a prisão preventiva decretada dia 10 de fevereiro pela 25.ª Vara Criminal da Capital. Batista é ex-interno da Febem (atual Fundação Casa). De acordo com a acusação do promotor Eder Segura, Batista e Conceição ameaçaram "dar um tiro na cabeça" do padre Lancelotti caso ele não entregasse dinheiro aos dois. A ameaça foi no dia 11 de janeiro. Uma câmera de segurança de uma rua no bairro do Belenzinho filmou a abordagem do casal ao padre. "Vou voltar armado e vou lhe matar, vou lhe dar um tiro na cabeça. Não pense você que eu tenho medo da polícia, não tenho, não",

foi a frase que o padre disse ter ouvido de Conceição. O casal também ligou várias vezes para o padre de um telefone celular já rastreado pela Polícia Civil. Diante da investigação policial e da acusação do promotor Segura, o juiz Eduardo Crescenti Abdalla, da 25ª Vara Criminal, mandou prender o casal, considerado foragido da Justiça desde 10 de fevereiro. Entre 2007 e 2008, Batista e Conceição foram processados por formação de quadrilha e extorsão contra o padre Lancelotti. Ao lado de dois irmãos, o casal teria ameaçado o padre com denúncias falsas de pedofilia. O padre disse que, em razão de ameaças, pagou R$150 mil aos quatro. À época, Lancelotti afirmou à polícia ter dado o dinheiro a Batista por sentir medo de ser agredido e porque acreditava que "poderia mudar as pessoas que o extorquiam". (Folhapress)

ATROPELAMENTO DE CICLISTAS

A

juíza Rosane Ramos de Oliveira Michels, da 1ª Vara do Júri de Porto Alegre, aceitou ontem a denúncia contra o funcionário do Banco Central Ricardo Neis, 47, pelo atropelamento de 17 ciclistas em fevereiro. A magistrada determinou ainda a suspensão cautelar da carteira de motorista do acusado, enquanto tramitar o processo. A denúncia de

tentativa de homicídio foi apresentada pelo Ministério Público. Segundo a juíza, há indícios suficientes de autoria - depoimentos prestados pelas vítimas e pelo acusado. "A conduta do ora réu violou as normas de segurança no trânsito, pondo em risco a ordem pública, pelo que entendo cabível a medida cautelar pleiteada", afirmou na decisão. (Agências)

BASES DA PM VÃO EMITIR BO's

A

té agosto moradores do Estado de São Paulo poderão registrar boletins de ocorrência nas bases da PM. A medida alcança, por enquanto, casos de crimes que podem ser registrados por meio da internet na Delegacia Eletrônica - furtos

de veículos, documentos e celulares, perda de documentos e desaparecimento de pessoas. O serviço funciona desde 15 de fevereiro, em caráter experimental, em uma companhia da PM em Ermelino Matarazzo. (AE)

INTERARMAS

Jefferson Coppola/Folhapress - 24/01/2006

Além de medicamentos prescritos por um médico, a doença pode ser evitada com cuidados básicos de higiene

No Rio, dengue tipo 4 preocupa

F

oram registrados no Estado do Rio os primeiros casos de dengue tipo 4. As vítimas são duas irmãs, de 21 e 22 anos, moradoras de Niterói. Elas não viajaram recentemente, o que aponta para possível transmissão autóctone. A chegada do novo vírus poderia levar a uma nova epidemia, porque toda a população estaria suscetível. Em nota, a Secretaria de Saúde informou que tomou

DC

PADRE JÚLIO: NOVAS AMEAÇAS

cidade de São Paulo já registrou 71.252 casos de conjuntivite viral este ano, segundo informou ontem o Centro de Controle de Doenças (CCD) municipal. Os números correspondem ao período entre os dias 1º de fevereiro e 18 de março e caracterizam situação epidêmica. A área técnica de Saúde Ocular do CCD elaborou um informe com orientações de prevenção para divulgar para a população. A notificação também passou a ser compulsória para todos os casos individuais atendidos nos serviços de saúde da cidade. Existem três tipos de conjuntivite: a alérgica, a bacteriana e a viral. Esta última é a responsável pela atual epidemia na cidade e é altamente contagiosa. Interior – No interior de São Paulo, autoridades de saúde tentam conter a escalada da doença na região noroeste, onde os municípios de Votuporanga e São José do Rio Preto concentram 3,8 mil casos da doença. A situação é mais grave em Votuporanga, onde a conjuntivite contaminou 1,8 mil pessoas desde o início do ano. Em São José do Rio Preto, mais de 1 mil pessoas foram contaminadas de 1º de janeiro ao último dia 18, com cerca de 600 casos só nos últimos 20 dias. Outras cidades da região também tiveram aumento dos casos, como Catanduva e Mirassol, com 510 e 250 casos, respectivamente. Esperado – Uma epidemia de conjuntivite era esperada desde o carnaval, quando o número de casos teve um sensível aumento. Segundo Niro Kasahara, 45 anos, chefe do pronto socorro de oftalmologia da Santa Casa de São Paulo, no fim de fevereiro já se notava um acréscimo de 50% no fluxo de pacientes diagnosticados. A prevenção básica da doença é lavar mãos e rosto frequentemente, não compartilhar roupas, toalhas e lençóis e, principalmente, usar óculos de mergulho para nadar. "A maior prevenção, porém, deve vir de quem já está infectado. É importante não se expor muito para não transmitir a conjuntivite para outras pessoas", aconselhou Kasahara. Contato –A atual epidemia é causada por um vírus que provoca a inflamação da conjuntiva, membrana fina e transparente que envolve o interior das pálpebras e o globo ocular (veja arte).A oftalmologista Adriana Gomes garante que sua transmissão não se dá pelo ar, mas pelo contato direto ou indireto, ou seja, pelo abraço, aperto de mão, beijo ou pelo toque em objetos que foram utilizados por uma pessoa infectada (mouse, telefone e maçaneta, por exemplo). (Mariana Missiaggia e agências)

interarmas@uol.com.br

Precisão e Qualidade

Clube de Tiro Venda de Armas

Armas - Consertos Munições - Documentações

DC

• TAURUS • CBC • ROSSI • CZ • IMBEL • GLOCK • SMITH & WESSON

Al. Nothmann, 1.209 - São Paulo - SP - CEP 01216-001

Tel.:

(11)

2971-9600 - Fax:

(11)

2971-9607

Rua Dr. César nº 72 - cj. 32 - Edifício FG - Santana - São Paulo/SP

todas as medidas de bloqueio e investigação epidemiológica. "É importante salientar que não há motivo para pânico", diz a nota. A secretaria lembrou ainda que não há evidências de que o sorotipo 4 seja mais letal ou que apresente maior gravidade em relação aos demais subtipos. As pacientes apresentaram os primeiros sintomas em 6 de março e já estão bem. Epidemia – Outros oito

municípios fluminenses enfrentam epidemia de dengue (registram mais de 300 casos por 100 mil habitantes). O número de cidades dobrou em relação ao último relatório semanal divulgado pela Saúde. Desde o início do ano, foram registrados 26.298 casos suspeitos da doença. Dezoito pessoas morreram, seis delas na capital. No mesmo período de 2010, foram 4.188 casos e cinco mortes. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

12 -.LOGO

quinta-feira, 24 de março de 2011

AFP

Logo Logo www.dcomercio.com.br

AFP

A RQUEOLOGIA Reuters

L

Escultura de guerreiro maia leiloada este mês pela Binoche et Giquello em Paris por US$ 4 milhões. Museu mexicano diz que a escultura é falsa.

C A R T A Z

FOTOS

E M

Mostra 'German Lorca: Olhar Imaginário' traz fotos do artista. Caixa Cultural. Praça da Sé, 111, Centro. Grátis.

A

atriz Elizabeth Taylor morreu ontem em Los Angeles, aos 79 anos, vítima de insuficiência cardíaca. A atriz de Cleópatra (1963) estava internada desde 11 de fevereiro no hospital Cedars-Sinai. Além de sofrer de dor nas costas, no pescoço, nas pernas, Liz tinha um tumor cerebral, pneumonia e câncer de pele e era dependente de álcool e remédios. Ganhadora de dois Oscar por seu papel em Disque Butterfield 8 (1960) e Quem Tem Medo de Virginia Woolf? (1966), e de uma estatueta por seus trabalhos humanitários (1993), Liz protagonizou mais de 50 filmes. Nascida em 27 de fevereiro de 1932 em Hampstead (Londres), foi criada nos EUA desde os sete anos, onde mostrou uma vocação para atuar. Sua última atuação foi em 1994 em Os Flintstones. Casou-se oito vezes, duas delas com Richard Burton, e se tornou ativista na luta contra a aids, além de uma ativa usuária da rede social

Twitter, onde era conhecida como DameElizabeth. Foi nomeada Dama do Império Britânico pela Rainha da Inglaterra em 2000. O último tuíte de Liz foi em 9 de fevereiro, para anunciar a publicação de uma entrevista que concedeu à revista Bazaar. Está previsto que o funeral de "Liz" Taylor seja realizado nesta semana e que seu corpo fique no cemitério Westwood Village Memorial Park, o mesmo onde estão enterrados Marilyn Monroe, Natalie Wood e Truman Capote.

Olhos violeta de Liz Taylor: marca registrada. No detalhe: ela e Richard Burton.

Fotos: Reuters

Atriz era considerada uma das mais sensuais e carismáticas do cinema do século 20 Arnd Wiegmann/Reuters

D ESIGN

Ayrton Vignola/AE

M ODA

L

Luzes vivas L

A designer israelense Ayala Serfaty é especializada em criar lustres e luminárias. Em uma nova série de trabalhos, ela usou uma matéria-prima inusitada: águas-vivas, que criam uma atmosfera translúcida para a iluminação. www.aquagaller y.com/#/Ayala%20Serfaty

C INEMA

DENTRO DOS ALPES - Trabalhador escala rochas depois que uma escavadeira gigante quebrou na parte final do túnel de Gotthard, na Suíça. O túnel, que atravessa os Alpes e abrigará nova linha de trem, deve entrar em operação em 2016.

P UBLICIDADE

casal Rose e Jack [foto], do filme Titanic, venceu uma eleição organizada pela revista People e pela rede ABC para escolher o casal mais romântico da história do cinema. Os personagens interpretados por Kate Winslet e Leonardo DiCaprio foram eleitos com mais de 500 mil votos. O filme é de 1997 e levou 11 estatuetas do Oscar. Scarlett O'Hara, interpretada por Vivien Leigh, e Rhett Butler,

B IODIVERSIDADE

Nova espécie amazônica Biólogos brasileiros descobriram uma nova espécie de peixe no rio Amazonas, no santuário ecológico Calha Norte, informou a ONG Conservação Internacional. Denominada Stenolicmus ix, a nova espécie é descrita na nova edição da Revista Zootaxa. O peixe é pequeno, de água doce, de coloração areenta especial, com manchas na região dorsal do tronco e foi encontrado no Igarapé Curuá, afluente do rio.

Os mais românticos da telona

O

A Associação Brasileira dos Artistas Plásticos de Colagem expõe mais de vinte peças, como este sutiã, no Shopping Metrô Boulevard Tatuapé.

vivido por Clark Gable, em E o Vento Levou (1939) ficou em segundo lugar. A terceira colocação foi de Richard Gere e Julia Roberts em Uma Linda Mulher (1990). O par romântico de Casablanca (1942), formado por Humphrey Bogart e Ingrid Bergman, ficou em quarto lugar. Em quinto ficaram Spencer Tracey e Katherine Hepburn. Eles estrelaram juntos nove filmes, entre eles A costela de Adão (1949).

L OTERIAS Concurso 1125 da LOTOMANIA

Retratos escritos A agência Van Wanten Etcetera criou para a Semana do Livro da Holanda retratos feitos a partir do recorte dos livros com o formato do rosto de seus autores. www.vanwantenetcetera.nl

A TÉ LOGO

Acesse www.dcomercio.com.br para ler a íntegra das notícias abaixo:

03

05

07

12

14

15

22

31

40

53

54

57

60

62

63

70

82

84

92

96

Concurso 1268 da MEGA-SENA

L L

03

Correios vão preencher 9.190 vagas de nível médio e superior em concurso público Ex-jogador Raí admite vergonha por ter disputado jogo 'populista' na Chechênia

L

Número de refugiados internos alcança 27,5 milhões em 2010, aponta relatório

16

17

44

53

Concurso 2553 da QUINA 01

22

38

57

62

60


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 24 de março de 2011

e

conomia

PORTUGAL Primeiro-ministro, José Sócrates, renuncia devido à rejeição ao pacote de austeridade.

ess

/Folhapr

rgamasco

Marcos Be

13

Déficit na balança comercial avança

Fátima Lourenço

N

O

Neil Guegan/Folhapress

o dia 5 de abril será lançada em Brasília a Frente Parlamentar da Indústria Têxtil e de Confecção. A cadeia produtiva envolvida se esforça para articular pautas consensuais junto ao Congresso Nacional, que viabilizem os negócios, como a que resultou, em setembro do ano passado, no imposto zero para a importação de algodão, benefício em vigor até o mês de maio próximo. Naquela época, os problemas com a safra da commodity e a manutenção da demanda mundial pelo produto indicavam possível desabastecimento do mercado local e pressão nos preços. As frentes parlamentares são reinstaladas a cada nova legislatura. "O relacionamento com o Congresso Nacional é muito importante para o setor", diz o presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), Aguinaldo Diniz Filho, a propósito da frente parlamentar. A desoneração das exportações é um dos pleitos dessa cadeia. A pretendida prorrogação do imposto zero para importação está descartada, explica Diniz. Questões como essa eram discutidas no Fórum de Competitividade da Cadeia Têxtil, no âmbito do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Análise do Núcleo de Inteligência de Mercado do Instituto de Estudos e Marketing Industrial (Iemi ), dirigido por Marcelo Villin Prado, sobre a evolução das cotações do algodão em pluma, lembra que a alta dos preços teve início "praticamente" em setembro de 2009. Segundo o instituto, até meados desse mês as cotações indicam aumento acumulado de 246,6%. "Em que pese a redução da oferta mundial, a produção brasileira também se retraiu sensivelmente nas safras 2008/2009 e 2009/2010, deixando de produzir cerca de 800 mil toneladas nesses dois períodos", aponta a análise. Sintéticos – O problema afeta empresas que têm no algodão a principal matériaprima, informa o estudo do Iemi: "Afinal, o algodão representa cerca de 60% da produção têxtil brasileira". Sobre os reflexos desse cenário nas fibras sintéticas, o Iemi menciona que antes desses problemas com o algodão, elas participavam com 66% do consumo mundial de fibras têxteis e

Cadeia do algodão quer ser mais competitiva Setor lança frente parlamentar para obter melhorias como imposto zero na importação conquistado em 2010

que essa fatia poderá crescer. Mas o documento aposta que o mercado voltará à normalidade em um futuro próximo. Para o presidente da Abit, os fios sintéticos subiram, "mas não tanto quanto o algodão". O poliéster concorre com o algodão. De uma maneira geral, a produção de tecido combina fibras naturais e sintéticas. Do total, 60% são fibras naturais de algodão, detalha o presidente da Abit. A pressão de preços dos fios sintéticos está relacionada à cotação do petróleo e os efeitos sobre o pro-

duto final não são imediatos. Já no caso do algodão, o consumidor brasileiro deverá sentir os efeitos na hora de comprar a coleção outono-inverno que começa a chegar às lojas (leia mais abaixo). A substituição dos fios naturais pelos sintéticos é mais comum nos países do norte da Europa por causa do clima, comenta o presidente do Sindicato da Indústria de Especialidades Têxteis do Estado de São Paulo (Sietex), Paulo Henrique Schoueri. Ele diz que o Brasil perde em relação

O poliéster tem encontrado muitos descaminhos. Concorrência desleal é um deles. PAULO SCHOUERI, SIETEX ao mundo na produção dos fios de poliéster. "A nossa fibra é mais cara. O produto tem encontrado muitos descaminhos. Concorrência desleal é um deles", exemplifica. O Brasil, acres-

centa Schoueri, não é um grande fornecedor desses fios. O País importa e, apesar dos aumentos do produto, os preços estão estabilizados. Schoueri, que também atua como diretor da Abit, lembra que a cadeia produtiva do setor reivindicará, ao governo federal, linha de financiamento emergencial para capital de giro. "A Abit ainda pede limitação da exportação e que o governo faça um estoque regulador", adianta o empresário. Na Associação Brasileira do Varejo Têxtil (ABVTEX), que reúne redes como Renner, C&A, grandes importadores de produtos acabados, a ex-

déficit da balança comercial da indústria têxtil e de confecção saltou 69,1% em fevereiro na comparação com igual período de 2010, com aumento de US$ 233,9 milhões, conforme dados compilados pela associação brasileira do setor (Abit), com base nos números do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Ao longo de fevereiro de 2011, o setor importou US$ 502,4 milhões, 50% a mais ante igual mês de 2010. Em volume, as compras do País aumentaram 31,5%, com salto de 81 mil toneladas para 106,5 mil toneladas no mês passado. Em igual base de comparação, as exportações somaram US$ 106,7 milhões, equivalentes ao crescimento de 5,8% ante fevereiro de 2010. Em volume, é uma elevação de 9,3%, saindo de 21,5 mil toneladas para 23,5 mil toneladas neste ano. No acumulado do primeiro bimestre de 2011, houve alta de 70,5% nas importações de vestuário na comparação com igual período de 2010, o equivalente a US$ 268,3 milhões. O levantamento da Abit destaca que desse montante, US$ 175,1 milhões são de produtos chineses. Nos dois primeiros meses de 2010, a importação de vestuário da China somou US$ 95,3 milhões.

pectativa é que o aumento registrado em 2010 no preço das fibras sintéticas impacte, em média, de 10% a 12% o valor do produto da atual coleção outono-inverno, diz o presidente da entidade, Sylvio Mandel. Futuro – No caso do algodão, a boa notícia é que as previsões para a safra 2010/2011 são de recuperação da cultura no Brasil e no mundo. A evolução negativa de 1,6% na produção 2009/2010 (ante a safra 2008/2009) deverá crescer 53,7% na safra que começará a ser colhida nos próximos meses, aponta o Iemi com base em previsões da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Cotações devem se manter em alta em 2011

N

em mesmo a previsão de que a safra brasileira deste ano será recorde deve fazer os preços do algodão pluma recuarem muito abaixo do patamar histórico de R$ 9 por quilo. Consequentemente, os aumentos de preços ao consumidor final devem continuar ao longo de 2011. A avaliação é do presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), Aguinaldo Diniz Filho, que afirma que o setor está com dificuldades para repassar a elevação dos insumos para o consumidor final devido à concorrência dos produtos chineses. "O setor têxtil tem tido muita dificuldade para repassar o aumento dos custos da matériaprima, mas devemos fazer um novo reajuste nos próximos meses", afirmou Diniz Filho. Os aumentos do algodão pela indústria ao consumidor variaram entre 15% e 25% nos últimos 12 meses, de acordo com Abit. No mesmo período, o preço do quilo do algodão em pluma no mercado interno subiu 160,8%, passando de

Agliberto Lima/AE

R$ 1,513 (em 22 de março de 2010) para R$ 3,9457 (em 22 de março de 2011), de acordo com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq/USP). Diniz Filho explica que cada empresa define de que forma os reajustes serão feitos. "O setor tem mais de 30 mil empresas e 900 produtos diferentes. Os repasses variam muito, de acordo com a quantidade de algodão que cada produto utiliza e com aquilo que o mercado está permitindo", afirmou. Na terça-feira passada, o indicador de preço de algodão em pluma, calculado pelo Cepea, ficou em R$ 3,9457 por libra-peso (lp). De acordo com dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o aumento da área cultivada de algodão para esta safra foi de 56% e a previsão é de que a produção de algodão pluma atinja 1,95 milhão de toneladas, ante 1,19 milhão na safra 2009/2010. Mesmo que os preços recuem, não devem chegar a um nível próximo de US$ 1 por

Apesar da boa safra de algodão, preços ao consumidor devem ser reajustados neste ano.

libra-peso, patamar considerado adequado pelo setor têxtil brasileiro. No País, o algodão representa entre 30% e 40% do custo de um tecido. "A safra recorde será muito importante para que haja uma melhoria nos preços do produto, mas o patamar continuará alto. O preço do algodão pluma subiu quase 200% em menos de um ano, algo que nunca ocorreu na história da indústria", diz.

Concorrência chinesa – A indústria só tem contido reajustes em função da concorrência com os produtos chineses. "Estamos entregando de forma ingênua e primária o nosso mercado interno para os produtos da China. Por isso, o produtor nacional tem muita dificuldade para repassar ao menos parte do custo da matéria-prima", afirma. Na avaliação dele, o setor tem atuado como "âncora de

inflação". Enquanto o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumula alta de 234% de julho de 1994 a fevereiro de 2011, os preços do setor têxtil e de vestuário subiram 130% no período. "Estamos abaixo da inflação há muito tempo. Não somos geradores de inflação. Estamos subindo os preços muito menos do que deveríamos. Isso é ruim porque descapitaliza a indústria e diminui o capital de giro."

Outra preocupação do setor é que grande parte da safra que será colhida neste ano já está comprometida com exportações. Diniz Filho disse que o setor está conversando com as entidades ligadas aos produtores sobre a possibilidade de permanência da produção no País. "Eu espero que possamos conseguir uma negociação para que o algodão fique aqui", afirmou ele, citando o caso da Índia, que recentemente proibiu as exportações de algodão para beneficiar a indústria local e tentar vender produtos de maior valor agregado ao exterior . Segundo o presidente da Abit, a safra anterior foi menor que o esperado e diversas fábricas tiveram de diminuir a produção e os turnos. "Isso tem como consequência menos empregos. Nosso setor emprega hoje 1,7 milhão pessoas e é o segundo maior gerador de empregos, atrás apenas do setor de alimentos e bebidas. Geramos 7 milhões de empregos de forma indireta. (AE)


14 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

COMÉRCIO

quinta-feira, 24 de março de 2011


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 24 de março de 2011

15

e Consumo de energia elétrica cresce 4% A RC Consultores projeta aumento de 15% no movimento de expansão de crédito para pessoas físicas em 2011.

conomia

Em fevereiro, o Brasil consumiu 35,35 mil GWh segundo a Empresa de Pesquisa Energética (EPE). No ano, o acumulado utilizado é de 71,121 mil GWh.

O

consumo de energia elétrica avançou 4% em fevereiro de 2011 frente à igual mês do ano passado, passando de 33,99 mil GWh para 35,35 mil GWh, segundo a Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Na comparação entre o primeiro bimestre de 2011 e igual período de 2010, a expansão verificada foi de 5,1%, para 71,121 mil GWh. No acumulado dos últimos 12 meses, a alta no consumo nacional de energia foi de 7,1%, para 422,563 mil GWh. Os dados constam no documento Resenha Mensal do Mercado de Energia Elétrica, divulgado ontem. De acordo com os dados da EPE, o segmento que apresentou menor crescimento foi o industrial, que registrou ligeira variação positiva de 1,8% entre fevereiro de 2011 e igual mês de 2010, para 14,62 mil GWh. "O baixo crescimento, o menor desde dezembro de 2009, deve ser relativizado na medida em que está condicionado pela queda do consumo observa no Nordeste", justificou a autarquia, ligada ao Ministério de Minas e Energia (MME). O consumo industrial na região recuou 8,9% no período. A queda na demanda in-

Agliberto Lima/DC

A indústria brasileira apresentou o menor crescimento com ligeira variação positiva de 1,8% entre fevereiro deste ano e igual período de 2010.

dustrial no Nordeste está ligada a dois fatores: ao fechamento de uma fábrica de alumínio na Bahia, que representava 8% do consumo industrial no estado, e aos impactos provocados pelo apagão do começo do mês de fevereiro na região, que afetou as operações industriais no Polo de Camaçari, também no estado baiano. "Excluídos das estatísticas, os dados da Bahia e de Alagoas, o consumo industrial no País cresceu 3,8%", afirmou a EPE. O destaque positivo no período foi a forte expansão do consumo de energia no segmento comercial, que foi de 7,9%, para 6,33 mil GWh. Isso reflete o maior número de dias faturados e o maior número de dias úteis. A demanda de energia da classe residencial cresceu 5,5% entre fevereiro de 2011 e igual intervalo de 2010, para 9,42 mil GWh. A linha "outros" teve alta de 3%, para 4,96 mil GWh. A EPE ainda informou que o consumo de energia elétrica no mercado livre, no qual os grandes consumidores podem escolher de quem comprar o insumo, cresceu 7,8% na comparação entre fevereiro de 2011 e igual mês de 2010, para 8,9 mil GWh. (AE)

Felix Lima/ Folhapress

Consultoria projeta expansão de 7% no varejo em 2011 O crescimento, segundo consultores, não deve trazer impactos para a inflação. Giseli Cabrini

O

volume de vendas do comércio varejista em 2011 deverá crescer 7% de acordo com projeções da RC Consultores. Se confirmado, o resultado – embora inferior ao apurado em 2010 – estaria muito aquém de ser classificado como negativo devido à magnitude da base de comparação com o ano anterior quando a alta foi de 10,9%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com as previsões feitas pela consultoria, os fatores que devem refrear o desempenho no varejo em 2011 são o aumento dos juros (segundo a RC, a taxa básica, Selic, deve encerrar o ano em 12,5%) e a redução do prazo

médio dos financiamentos. Créd ito – Por outro lado, neste ano, a RC Consultores projeta aumento de 15% no movimento de expansão de crédito para pessoas físicas, incremento de 4,8% da massa real de rendimentos, elevação de 4,5% na produção industrial e dinamismo no setor de serviços. Ou seja, variáveis que prometem favorecer o resultado do varejo. Quanto a segmentos específicos que compõem a atividade varejista, os cinco analisados devem registrar aumentos no volume de vendas inferiores aos apurados em 2010. Segundo as estimativas da consultoria, combustíveis devem apurar alta de 4,8% (ante 6,6%), supermercados podem crescer 6% (ante 8,6%), tecidos/vestuário pro-

metem ter avanço de 7,5% (ante 10,6%) e eletrodomésticos alta de 11% (ante 18,3%). Reflexos – Na opinião do sócio-diretor da RC Consultores, Fabio Silveira, o crescimento de 7% na atividade varejista não deve trazer impactos para inflação uma vez que a elevação nos preços reflete mais a alta das commodities nos mercados internacionais – fruto de movimento especulativos – do que o aquecimento do consumo doméstico. "O reflexo será mais sobre as importações que deverão continuar a avançar bastante. No entanto, a balança comercial não deverá ser comprometida uma vez que na média do ano as commodities deverão apresentar bons preços mesmo diante do aumento nas cotações do petróleo."

Famílias querem gastar menos

A

s fa m í l i a s d e S ã o Paulo estão menos dispostas a gastar no comércio neste mês do que estiveram em fevereiro. A informação é de pesquisa do índice de Intenção de Consumo das Famílias (ICF), realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP). Segundo a assessoria econômica da entidade, o índice recuou em março 0,7% na comparação com o mês anterior, atingindo 135,3 pontos em uma escala que varia de zero a 200 pontos. Os técnicos da entidade

destacam que, apesar desta ser a terceira queda consecutiva do ICF, o indicador está em um patamar bastante positivo, equiparado ao nível que antecedeu o último trimestre de 2010. Naquela ocasião, o ICF refletiu o entusiasmo dos consumidores com a aproximação do Natal e o pagamento da primeira parcela do 13°. Mas, agora, outros fatores influenciam o comportamento das famílias. A ligeira retração do índice está relacionada com o término do período de liquidações no comércio e com as medidas de restrição de capital tomadas pelo Banco Central para tentar desa-

celerar a demanda, como o aumento da taxa de juros. A pesquisa traz outros dados relevantes. Ela mede também a percepção que o consumidor tem quanto à facilidade de se obter crédito. Neste item, houve queda de 3,6% em relação a fevereiro, indicando que, para os consumidores, a percepção é de maior dificuldade para obter empréstimo. As famílias avaliaram negativamente o momento para a compra de produtos duráveis, como aqueles da linha branca. Segundo a pesquisa da Fecomercio, o momento para esse tipo de compra é 2,9% pior que no mês anterior.

O volume de vendas de combustíveis deve registrar em 2011 aumento de 4,8%, ante 6,6% em 2010.

Frente pede à Fazenda correção da tabela do Simples

O

senador Armando Monteiro Neto (PTBPE) encaminhou ontem ao Ministério da Fazenda pedido da Frente Parlamentar da Micro e Pequena Empresa para a elevação das faixas de enquadramento dos pequenos negócios. De acordo com o parlamentar, há seis anos não há correção dessas faixas e muitas empresas estão sendo "expelidas" do Simples – sistema diferenciado de tributação, que traz vantagens para as micro e pequenas corporações. Monteiro Neto declarou

que a frente parlamentar solicitou também ao ministério a exclusão do faturamento com exportação do teto para enquadramento. De acordo com o senador, a manutenção dessa prática cria um viés antiexportador no Brasil. Essa é uma reivindicação antiga do setor, que foi negociada no pacote de estímulo à exportação, no entanto acabou não saindo do papel. Ministério – Monteiro Neto, que esteve ontem com o secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, informou que será importante a criação

de um ministério extraordinário que cuide das micro e pequenas empresas. O novo ministério deverá ser anunciado nos próximos dias pelo governo. Na opinião do senador, a nova pasta deve explicitar uma agenda para o setor. Monteiro Neto acredita que o futuro ministério deve ter uma estrutura pequena, porque os braços operacionais já existem. "Acho que a criação do ministério durante um tempo pode se justificar, até que se incorpore no Brasil essa preocupação com a micro e pequena empresa", disse. (AE)

BC faz ajuste técnico em compulsório

O

Banco Central anunciou na noite de ontem novas alteração nas regras de recolhimento dos compulsórios – o dinheiro que os bancos são obrigados a depositar como garantia no BC – sobre depósitos a prazo, sobre a exigência adicional e sobre as apostas na valorização do real (a chamada posição vendida). Segundo o BC, os "ajustes técnicos" têm como objetivo estimular os

bancos médios a incorporar seus lucros recentes ao patrimônio, reforçando a segurança do sistema financeiro. Vale lembrar que os bancos médios foram os que mais sentiram o impacto da crise financeira internacional de 2008 e 2009, com dificuldades para tomar empréstimos e com sérios riscos de insolvência. A autoridade monetária explicou ainda

que, sem a mudança, as instituições de médio porte não teriam incentivo para transformar seus bons resultados em patrimônio, porque teriam que fazer um recolhimento compulsório maior sobre os recursos captados no mercado. Dessa forma, acabaria por estimular a distribuição de lucros, deixando menos robusto o patrimônio dos bancos. O Banco Central garantiu que a

medida tem impacto neutro sobre a oferta de dinheiro na economia, ou seja, não se enquadraria no conceito de medidas para conter o consumo. As medidas entram em vigor em parte já a partir do mês de abril (no caso das posições cambiais) e outra parte no mês de julho (como no caso de depósitos à prazo, no dia 1, e a exigência adicional, no dia 4). (AE)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

16

e

quinta-feira, 24 de março de 2011

Para a maioria dos produtos a lucratividade não é suficiente para sustentar a cadeia da logística reversa. Paulo Roberto Leite, presidente da CLRB

conomia

Logística do princípio ao fim País discute meios para implantar processo que permite estender a vida útil dos bens de consumo, seja por meio de remanufatura, reúso ou reciclagem. Divulgação

Renato Carbonari Ibelli

A

A logística reversa já ocorre de maneira eficiente e lucrativa para alguns itens, como o alumínio e baterias de automóveis, remunerando toda a cadeia envolvida com seu reaproveitamento. Desde o catador, passando pelos postos de reciclagem até o fabricante dos produtos.

o adquirir um bem, o consumidor mesmo sem perceber dá a largada para uma série de reações em toda a cadeia logística. Isso porque o produto escolhido tem de sair da fábrica, passar por um atacadista, chegar ao varejo e, só então, vai para casa do cliente. Esse trajeto normalmente termina com o descarte do produto, ao final de sua vida útil. Mas o fim não precisa ser exatamente esse. Há caminhos que permitem estender a vida útil dos bens de consumo, seja por meio de remanufatura, reúso ou reciclagem. Nesse ponto, mais uma vez a cadeia logística precisa ser acionada, mas agora no sentido contrário, para levar o produto usado das mãos do consumidor até a indústria, com o fim de recuperá-lo. Esse processo é conhecido como logística reversa de pós-consumo e será o tema do II Fórum Internacional e Expo de Logística Reversa, que acontece hoje em São Paulo. O evento discutirá também a Política Nacional de Logística de Resíduos Sólidos e os impactos na competitividade da indústria, distribuidores, varejistas e outros integrantes da cadeia produtiva. A discussão servirá para mostrar que, na ponta do lápis, a logística reversa envolve alto grau de gerenciamento para recolher, armazenar, desmontar e processar produtos usados, para que eles, ou parte deles, retornem ao canal de distribuição com controle total de custos. Atualmente, esse ciclo já ocorre de alguma maneira para diversos produtos, caso do alumínio ou das baterias de automóveis. Isso porque fazer com que uma lata de refrigerante usada retorne nova ao mercado remunera toda a cadeia envolvida com seu reaproveitamento. Desde o catador, passando pelos postos de reciclagem até a fabricante de

refrigerante, que obtém a liga metálica por preço menor. Porém, para a maioria dos produtos essa lucratividade não é suficiente para sustentar a cadeia da logística reversa. Segundo o professor de logística Paulo Roberto Leite, presidente do Conselho de Logística Reversa do Brasil (CLRB), em geral, os fabricantes recuperam apenas 30% dos custos envolvidos com o reúso, remanufatura ou reciclagem dos seus produtos. Evidentemente, essa margem não estimula a prática dessas ações. "Por esse motivo são necessários subsídios que estimulem as empresas a se envolverem", diz Leite. Conforme o professor, o poder público aguarda que as empresas apresentem um programa de metas para a reutilização de bens para, então, estabelecer uma contrapartida. A despeito desse trâmite, já existem leis obrigando que as empresas de manufatura sejam responsáveis por seus produtos, mesmo após estes serem descartados pelo consumidor final. Mas essas legislações ainda precisam ser reguladas. "Acredito que até o final do ano elas passem a vigorar, mesmo se as empresas não apresentarem suas propostas", diz o presidente do CLRB. Para Marcelo José de Sousa, diretor da empresa de logística TGestiona, a redução dos custos das operações de logística reversa tende a acontecer a partir do momento em que mais companhias passarem a se envolverem com essa prática. "Com as

empresas agrupadas, e realizando as operações em conjunto, é possível criar uma rede logística mais inteligente, o que reduzirá os custos", diz. Criada há dois anos como braço logístico da Telefônica, a TGestiona atua na área de logística reversa e, segundo Sousa, em 2010 a empresa "resgatou" de residências de todos o País mais de 650 mil equipamentos eletrônicos usados, como celulares, computadores, modens e roteadores, entre outros. Esses equipamentos voltaram para os fabricantes para serem recondicionados, ou foram enviados para restauradores e empresas de reciclagem, para ganhar nova vida. "Pelo menos 50% dos equipamentos podem ser restaurados", explica. Outro estímulo à prática da logística reversa é a opinião pública que, cada vez mais, se preocupa com o tema da sustentabilidade. Consumidores e autoridades esperam que os fabricantes reduzam o lixo gerado por seus produtos, o que também aumentou a atenção com o gerenciamento dos itens após seu uso. Ainda que, na maioria dos casos, a lucratividade não seja suficiente para sustentar a cadeia de logística reversa, há uma série de intermediários que veem nesse processo uma mina de ouro, caso de empresas de transporte, operadores logísticos, entre outros. No caso da TGestiona, as operações de logística reversa exigem que ao menos 40 prestadores sejam acionados.

Amex lança cartão pré-pago Neide Martingo

O

s gastos dos turistas brasileiros no exterior chegaram a US$ 1,7 bilhão em janeiro de 2011, o que representa um aumento de 43% em relação ao registrado em igual mês de 2010, conforme dados do Banco Central. De olho nesse potencial, a American Express (Amex) lançou ontem na capital paulista o Global Travel Card, cartão pré-pago internacional. Segundo a vice-presidente das Américas para Produtos PréPagos da Amex, Rose Meire Del Col, o volume de despesas deste ano é o maior desde 1969. O produto já foi lançado no ano passado na Austrália e agora

chega ao País. "O Brasil está na moda. O novo cartão deverá movimentar, por ano, aproximadamente US$ 1 bilhão", calcula. O cartão pré-pago para viagens ao exterior não é novidade. Existe no mercado, por exemplo, o da Visa. Mas, segundo Rose, o produto da Amex tem algumas vantagens: o cartão não tem tarifa de inatividade e o saldo que sobrar, de alguma viagem, não expira; o cliente recebe dois cartões, um para usar e outro para deixar guardado no hotel. "Se houver algum problema, como roubo, o usuário não fica na mão. Caso ele perca os dois, a Amex entrega outro plástico para ele", detalha a executiva. Ela destaca também que o

cartão pré-pago tem taxa de câmbio fixada. Além disso, enquanto que o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) pago com o uso de cartões de crédito chega a 2,38%, o índice para o pré-pago é de 0,38%. O cartão da Amex pode ser utilizado em dólar americano, libra esterlina e euro. "A única despesa do cliente acontecerá se ele fizer saques eletrônicos: US$ 2,50, ou 2,50 euros, e 1,75 libra esterlina. Inicialmente, o plástico está sendo vendido no Banco Itaú Unibanco. Rose diz que a expectativa é de que até o final deste semestre o produto seja encontrado nas demais instituições financeiras.

Alugo ótimo espaço comercial no Tatuapé

Tratar direto com o proprietário João Fraga: 11 7591 8827 ou 2084 3625

aoliveiracidadetiradentes@yahoo.com.br Fone:

11

DC

Todos os Assuntos Previdenciários, Aposentadoria, Auxílio-Doença, Pensão, Contagem de Tempo de Serviço, Civil, Trabalhista, Etc.

2516 5869 / Fax: 11 2558 8380

Rua Ernesto Gould, 26 - Cid. Tiradentes - São Paulo/SP

Prédio Comercial Zona Sul

DC

DC

Casa bem localizada na avenida Celso Garcia nº 3.965, próxima ao metrô (500m), bancos e 2 comércio nobre da região. São 400m de área construída, com 10 metros de frente, estacionamento com mais de 6 vagas, 2 andares, área externa nos fundos, recepção, copa, 6 a 12 salas dependendo da necessidade, 6 banheiros. O imóvel encontra-se em bom estado e estudamos carência para eventuais adaptações do futuro inquilino.

Prédio coml. novo, 1.158,25 m² á.t., 2 ands. de escrit., cada 258 m², com 4 WC e recepção. (Capac. cada 30 postos de trab. e sl reuniões). 1 and de estac. c/ 285 m² (12 vagas). 02 ands. serviços/depósitos c/ 355 m². Excelente localização. próx. Av. Abraão de Moraes (Imigrantes), Shop Plaza Sul e Carrefour. Ônibus p/ 3 estações do Metrô: Saúde, Pça Árvore e Imigrantes. Fácil acesso: Av. Bandeirantes - Av. Jabaquara - Rod. Imigrantes Av. do Estado. Av. Cursino. Acabamento fino, entrada trifásica, p o ç o e l e va d o r e m o n t a - c a r g a s , s e g u r a n ç a t o t a l .

Tels.: (11) 5073-3838 / 9905-6179 • www.cosimocataldo.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 24 de março de 2011

PUBLICIDADE Fone: 11 3244-3175 Fax: 11 3244-3894

www.dcomercio.com.br

Casa de Saúde Santa Rita S/A.

HSBX Bauru Empreendimentos S/A

CNPJ/MF nº 60.882.289/0001-41 AVISO AOS ACIONISTAS Acham-se à disposição, na sede social, documentos do Art. 133, Lei 6404/76, do exercício findo 31/12/2010. SP, 23/3/2011. A Diretoria. (24, 25, 26/03/2011)

CNPJ N°67.760.702/0001-44 Aviso aos Acionistas Acham-se à disposição do Srs.Acionistas na se social da empresa sita à Rua Araújo Leite,s/n ,Quadra 18 ,Lado Par,cidade de Bauru,Estado de São Paulo,os documentos à que se refere o Artigo n°133,da Lei n° 6.404/76,relativos ao exercício social encerrado em 31.12.2010.São Paulo, 22 de Março de 2011.A Diretoria 23,24,25/03/2011

Brasital S.A. Administração e Participações - CNPJ nº 47.080.361/0001-59 AVISO Nos termos do artigo 124 da Lei 6.404/76, convoca os acionistas para deliberarem sobre incorporação da companhia, em assembleia a ser realizada às 09:00 horas do dia 30/03/2011, na sede social localizada na Rua da Consolação, 323, 7º andar, Consolação, São Paulo/SP.

José Kalil S/A Participações e Empreendimentos CNPJ nº 60.937.653/0001-23 Aviso aos Acionistas Encontram-se à disposição dos Senhores Acionistas, na sede social, na Rua Professor Cesare Lombroso nº 259, nesta Capital, os documentos a que se refere o artigo 133 da Lei nº 6.404/76, relativos ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2010, São Paulo, 24 de março de 2011. João Carlos Piccelli - Diretor Presidente. 24,25,26/03/2010 EMPRESA MUNICIPAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS – EMPRO Aviso de Reabertura de Licitação - Pregão Presencial nº 005/2011 Objeto: Aquisição de equipamentos de informática e licenças de software, incluindo suporte técnico e serviços, conforme as especificações técnicas e condições de aquisição constantes no Anexo I deste Edital. Edital completo na sede da Empro: Av. Romeu Strazzi, 199 – Bairro Vila Sinibaldi, São José do Rio Preto/SP, ou pelo site http://www.empro.com.br – Fone: (17) 3201-1201/ 1216. Estimativa de Custo: R$ 4.664.000,00 (Quatro milhões, seiscentos e sessenta e quatro mil reais). Reabertura: 8 de abril de 2011, às 09h30. São José do Rio Preto/SP, 23 de março de 2011. Cássio Domingos Dosualdo Moreira – Pregoeiro.

BNT S.A. CNPJ 60.780.038/0001-56 Edital de Convocação e Aviso aos Acionistas Assembléia Geral Ordinária Ficam os Srs. Acionistas desta Sociedade convocados a se reunirem em Assembléia Geral Ordinária, a realizar-se no dia 26 de abril de 2011, às 15:00 horas, na sede social da empresa, situada na Capital do Estado de São Paulo, à Rua Gomes de Carvalho, 1.507, Edifício Tenerife, Bloco B, 4º andar, cjs. 41 e 42, sala 1, para deliberarem sobre a seguinte ordem do dia: a) - Exame, discussão e votação do Relatório da Diretoria, das Demonstrações Financeiras e do Parecer do Conselho Fiscal, referentes ao exercício encerrado em 31 de dezembro de 2010. b) - Destinação do resultado do exercício; c) - Eleição do Conselho Fiscal para o exercício de 2011; d) - Fixação dos honorários da Diretoria e do Conselho Fiscal.Documentos á Disposição - Acham-se à disposição dos Srs. Acionistas, na Rua Gomes de Carvalho, 1.507, Edifício Tenerife, Bloco B, 4º andar, cjs. 41 e 42, sala 1, nesta Capital, os documentos a que se refere o Art. 133, da Lei nº 6404/76, relativos ao exercício de 2010. São Paulo, 23 de Março de 2011 - Ernesto Assad Abdalla - Diretor Presidente 24,25,26/03/2011

Avnet Technology Solutions Brasil S.A. CNPJ 06.135.938/0001-03 - NIRE 35.300.314.131 Aviso aos Acionistas Avnet Technology Solutions Brasil S.A. (“Companhia”), avisa a seus acionistas que foi aprovado em Assembleia Geral Extraordinária realizada em 21/03/2011 o aumento de seu capital, em R$ 6.166.525,50, mediante a emissão de 3.179.684.642 ações, ao preço de emissão de R$ 0,0019393512 por ação. Os acionistas poderão exercer o seu direito de preferência no aumento de capital acima até 23/04/2011, na proporção de sua participação no capital da Companhia. É facultada a cessão do direito preferencial à subscrição das novas ações, nos termos da lei, sendo que tal cessão deve ser registrada diretamente na sede da Companhia. As ações subscritas deverão ser integralizadas na data de assinatura do respectivo boletim de subscrição, em dinheiro. Maiores informações podem ser obtidas na sede da Companhia. São Paulo, 24 de março de 2011. Avnet Technology Solutions Brasil S.A. Alexandre dos Santos Barbosa - Diretor Presidente

SULEIBRA ADMINISTRADORA E COMERCIAL S/A CNPJ/MF nº 60.105.145/0001-89 - NIRE 35.300.178.131 Edital de Convocação de Assembleia Geral Ordinária Ficam convocados os Srs. Acionistas para se reunirem em Assembléia Geral Ordinária, a realizar-se, às 10:00 horas, do dia 04/04/2011, na Sala Brooklin, do Hotel InterCity, sito à Rua Alcides Lourenço da Rocha, nº 136, Brooklin Novo, CEP 04571-110, na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, para deliberar sobre a seguinte Ordem do Dia: (a) exame, discussão e votação do Relatório da Diretoria, do Balanço Patrimonial e demais Demonstrações Financeiras referentes ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2010, publicados nos jornais “Diário Oficial do Estado de São Paulo” e “Diário do Comércio” dos dias 26/02/2011 e 26, 27 e 28/02/2011, respectivamente; (b) exame, discussão e votação da proposta da Diretoria para a destinação do lucro do referido exercício, (c) eleição da Diretoria e (d) outros assuntos de interesse da Companhia. Os Srs. Acionistas poderão ser representados na Assembleia por procuradores constituídos na forma do artigo 126, parágrafos 1º e 2º da Lei das Sociedades Anônimas. São Paulo, 10 de março de 2011. Ibrahim Suleiman - Diretor-Presidente.

Organização Médica Cruzeiro do Sul S/A. C.N.P.J. nº. 61.613.287/0001-10 ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA - CONVOCAÇÃO Ficam convocados os Senhores Acionistas desta sociedade para se reunirem em AGO, a realizar-se no dia 27/04/2011 às 08:00 horas, em sua sede social, na Av. dos Autonomistas, 2502 na cidade de Osasco/SP, a fim de tomarem conhecimento e deliberarem sobre a seguinte ordem do dia: AGO a) Exame, discussão e votação das contas da diretoria, do balanço geral e das demais demonstrações financeiras relativas ao exercício social encerrado em 31/12/2010; b) Fixação da Remuneração dos Administradores; c) Destinação do Resultado Liquido do Exercício; d)Eleição dos membros do Conselho de Administração para o triênio 2011/2014 ; e) Outros assuntos de interesse social. Aviso: Achamse à disposição dos Senhores Acionistas na sede da sociedade os documentos a que se refere o art. 133 da Lei 6.404/76, relativos ao exercício social encerrado em 31/12/2010. Osasco, 22 de março de 2011. Dr. Roberto Cavalieri Costa - Presidente do Conselho de Administração. (24, 25 e 26)

Dierberger Óleos Essenciais S.A CNPJ/MF nº 61.142.089/0001-15 - NIRE 35.300.012.844 Ata da Assembléia Geral Extraordinária Realizada 12/01/ 2011 1 - Data, hora e local - 12/01/2011, 14 hs, na sede social, 2 - Convocação - Na forma do disposto no § 4º do art. 124, da Lei nº 6.404/76. 3 - Presença - totalidade, autorizando a instalação da Assembléia e a tomada das deliberações, conforme assinaturas lançadas no livro “Presença de Acionistas”, cujo traslado por cópia, fica fazendo parte integrante desta.4Mesa Dirigente-João Ernesto Dierberger, Presidente: João Andreas Diergerber, Secretário. 5-Deliberações-(a)-Ficou aprovada a Reforma Parcial do Estatuto referente à parte correspondente ao seu Capítulo III, conforme proposta do Diretor Presidente, tendo os arts. 8º a 15 do Estatuto por via de consequência, recebido as seguintes novas redações, a saber: “Reforma Parcial do Estatuto da “Dierberger Óleos Essenciais S/A” Referente ao Capítulo III, com redação nova para os seus Arts. 8º a 15, permanecendo em vigor os demais Artigos do Estatuto em vigor: Capítulo IIIAdministração. Art. 8º-A administração da companhia será exercida por uma Diretoria composta de dois membros, sendo um denominado Diretor Presidente e um Diretor, acionistas ou não, residentes no País, com mandato de três anos, sendo permitida a reeleição. Art. 9º - Os membros da Diretoria ficam dispensados da prestação de caução, os Diretores permanecerão no exercício de seus cargos até que sejam eleitos e empossados os substitutos. Art. 10-A remuneração dos membros da Diretoria será fixada pela Assembléia Geral. Art. 11 - A Diretoria reunir-se-à sempre que necessário, mas pelo menos uma vez por ano. Art. 12 - As reuniões serão presididas pelo Diretor Presidente. Art. 13 - Compete à Diretoria como órgão colegiado. a) fixar a orientação geral dos negócios da companhia. b) autorizar a abertura e o fechamento de filiais, agências, escritórios e quaisquer dependências da sociedade, e c) determinar o levantamento dos balanços da sociedade e das demonstrações financeiras exigidas, elaborando o relatório anual para apresentação a Assembléia Geral. Art. 14 - Compete aos Diretores a prática de todos os atos necessários ao funcionamento regular da companhia, observado, porém, o disposto nos parágrafos que se seguem. § 1º - Caberá ao Diretor-Presidente a representação da companhia, quer ativa ou passiva, em juiízo ou fora dele, assinando e praticando isoladamente todos e quaisquer atos necessários no funcionamento regular da companhia sem nenhuma limitaçao, inclusive cabendo-lhe, assim, a nomeação de mandatários da companhia a quem forem outorgados poderes “ad negotia” e a prática de todos os atos de aquisição, alienação e oneração de bens integrantes do ativo permanente da sociedade, os atos relativos à aquisição ou participação em outras empresas, bem como à liquidação ou venda de tais participações: os atos relativos à prestação de garantias e obrigações de terceiros a concessão de empréstimos assim como a emissão ou qualquer título cambial ou cambianforme, bem como a prestação de endosso ou aval em nome da sociedade e a celebração de contratos de trabalho por prazo determinado, salva os de simples experiência e os que concedam participação nos lucros e/ou direito a aposentadoria pela sociedade. § 2º - O Diretor também assinará isoladamente da mesma forma como o Diretor-Presidente todos os atos necessários ao funcionamento regular da sociedade sem nenhuma limitação. § 3º - Os procuradores assinarão isoladamente ou em conjunto, observando-se sempre o âmbito e a extensão dos poderes que aos mandatários tenham sido outorgados nos respectivos instrumentos públicos ou particulares, bem como o prazo de duração do mandato. § 4º As procurações outorgadas pela companhia especificarão os atos ou operações que os mandatários poderão praticar e a duração do mandato, que, no caso de mandato judicial pode ser de prazo indeterminado, e nos demais casos não poderão ultrapassar o prazo máximo de dois anos. § 5º - As atribuições e deveres da Diretoria serão distrbuídos entre os seus membros de acordo com as conveniências e os interesses sociais: em havendo divergências, dirimi-las-à a AG. § 6º - Nos caos de ausência, impedimento ou licença de qualquer Diretor a Assembléia escolherá um substituto para exercer as funções do substituído pelo tempo de impedimento, licença ou da ausência, e, no caso de vaga, elegerá o novo Diretor, observados os preceitos legais que a hipótese forem aplicáveis. Art. 15 - Os diretores serão empossados nos seus cargos mediante assinatura de termo de pose no livro de atas das Reuniões de Diretoria”. (b) - Aprovado a Reforma Parcial do Estatuto, procedeu-se a eleição da Diretoria por determinação do Sr. Presidente, tendo ficado proclamado o seguinte resultado, por fim. (b-i) - Foram eleitos, para o mandato trienal referente aos exercícios sociais de 2011 a 2013, a se findar na Assembléia Geral Ordinária correspondente ao exercício social de 2013, a ser realizada ordinariamente até 30/ 04/2014, os seguintes administradores: (b-ii) - como Dir.-Presidente - João Andreas Dierberger, brasileiro, casado, administrador de empresas, RG nº 3.650.394-SSP-SP, CIC nº 048.853.278-08, domiciliado no municípo de Dois Corregos, neste Estado, na Fazenda Morro Alto, na zona rural, CEP 17.300-000 e como Diretor - João Ernesto Dierberger, brasileiro, casado, engenheiro agrônomo. CREA - 8ª Região-23.873/D, RG nº 1.384.820-4-SSP/SP, CIC nº 006.568.878-34, domiciliado nesta Capital, onde reside na R. Joaquim José Esteves, 60 - apto. 101, CEP 04740-000; e (c) - A remuneração para a Diretoria ficou fixada em até R$ 4.500,00 (quatro mil e quinhentos reais), mensais. Observações Finais - As deliberações foram tomadas por votação unânime dos acionistas presentes representando a totalidade do capital social. Nada mais havendo a tratar, foi lavrada a presente ata, que lida e achada conforme segue assinada pelos acionistas que a aprovam, juntamente com o Presidente e o Secretário. (aa) João Ernesto Diergerger-Presidente. João Andréas Dierberger-Secretário. Acionistas: (aa) Dierberger Participações Ltda. (Ingeborg Elsa Christa Geissler Dierberger, representante legal).João Ernesto Dierberger, João Andréas Dierberger, Ingeborg Elsa Christa Geissler Dierberger, Ronald Michahelles (p.p João Ernesto Dierberger).É cópia fiel.João Ernesto Dierberger-Presidente,João Andréas DierbergerSecretário. Jucesp nº 57.201/11-0, em 09/02/11.Kátia R. Bueno de Godoy - Secretária Geral.

FALÊNCIA, RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL E RECUPERAÇÃO JUDICIAL Conforme informação da Distribuição Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, foram ajuizados no dia 23 de março de 2011, na Comarca da Capital, os seguintes pedidos de falência, recuperação extrajudicial e recuperação judicial:

Requerente: HJC Meinberg Fomento Mercantil Ltda. - Requerida: Davik Utilidades Domésticas Ltda. - Rua dos Grumixamas nº 752 - 2ª Vara de Falências Requerente:Bravo Comércio de Componentes Eletrônicos Ltda. - Requerido:Trends Engenharia e Infraestrutura Ltda. - Rua Sérgio Tomas nº 415 - Bom Retiro - 1ª Vara de Falências Requerente: Carta Editorial Ltda. - Requerida: Priscila Darolt-ME - Rua Tucunã nº 770 - ap. 51 - Perdizes 2ª Vara de Falências Requerente: Ary Mandelbaum - Requerida: People Copiadora Ltda. - Avenida Vereador José Diniz nº 2.455 - Piso Superior - Brooklin - 2ª Vara de Falências

Maior cobertura pelo menor preço

www.dcomercio.com.br

Hidroservice Amazõnia S.A Agropecuria e Industrial CNPJ n° 05.054.358/0001-10 Aviso aos Acionistas Acham-se à disposição dos Srs. Acionistas na sede social da empresa, os documentos a que se refere o artigo n° 133 da lei n° 6.404/76,relativos ao exercício social encerrado 31.12.2010. São Paulo, 22 de Março de 2011 - A Diretoria. 23,24,25/03/2011

Brickell

ECONOMIA/LEGAIS - 17 Carlos A.M. Duque Posto Ltda, torna público que requereu na Cetesb a Licença Prévia e de Instalação, para atividade de comércio de produtos derivados de petróleo, Rua General Furtado Nascimento , 599 - Cep: 05465-070 - Alto de Pinheiros - São Paulo - SP. PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARARAQUARA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - ARARAQUARA/SP AVISO DE LICITAÇÃO Acha-se aberto, na Secretaria Municipal de Saúde da Prefeitura do Município de Araraquara, Av. Espanha nº 188 - 6º andar - Centro - Araraquara - CEP: 14.80l.130 - Fone/Fax nº 3301 1704, o Edital de PREGÃO ELETRÔNICO nº 027/2011, que visa o “registro de preço para microcomputadores completos e impressoras, mouses e monitores”. A informação dos dados para acesso deve ser feita no site www.licitacoes-e.com.br ou e-mail: licitacaosaude@araraquara.sp.gov.br. ABERTURA DAS PROPOSTAS: às 08:30 h. do dia 07 de abril de 2011. INÍCIO DA SESSÃO DE DISPUTA DE PREÇOS: às 09:30 h. do dia 07 de abril de 2011. Araraquara, 23 de março de 2011. MARIA REGINA G. B.FERREIRA - Secretária de Saúde

Brickell S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

CNPJ/MF:12.865.507/0001-97 Rua Joaquim Floriano, 466 - 13º andar - Sala 1302/1303 - São Paulo - SP Relatório da Diretoria Apresentamos as Demonstrações Contábeis da Brickell S.A. Crédito, Financiamento e Investimento, elaboradas na forma da legislação societária, relativas aos exercícios findos em 31.12.2010 e 31.12.2009 e 2º semestre findo em 31.12.2010, acompanhadas das Notas Explicativas e do Relatório dos Auditores Independentes. O componente organizacional de Ouvidoria encontra-se em funcionamento e a sua estrutura atende às disposições estabelecidas pela Resolução CMN 3.849, de 25 de março de 2010. São Paulo, 01 de Fevereiro de 2011. A DIRETORIA Balanço Patrimonial em 31 de Dezembro (Em milhares de reais) Demonstração do Resultado (Em milhares de reais) ATIVO Notas 2010 2009 PASSIVO Notas 2010 2009 Notas 2º Sem. 2010 2010 2009 Circulante 115.501 242 Circulante 35.132 985 Rec. da Interm. Financ. 8.797 9.100 34 Disponibilidades 495 241 Depósitos 9.073 Operações de crédito 7.772 7.858 Aplicações Interfinanceiras de Liquidez 4 11.703 Outros depósitos 8 9.073 Resultado de títulos e val. mob. 860 1.076 34 Títulos e Valores Mobiliários e Recursos de Aceites e Emissão de Títulos 23.251 Op. de venda ou transf. Instrumentos Financeiros Derivativos 5 445 Recursos de aceites cambiais 8 23.251 de ativos financ. 165 165 Carteira própria 445 Outras Obrigações 2.808 985 Despesas da Interm. Financ. (4.383) (4.696) Relações Interfinanceiras 2.036 Cobrança e arrecadação Captação no mercado (3.596) (3.614) Créditos vinculados - Depósitos no Banco Central 2.036 de tributos e assemelhados 99 121 Prov. p/créditos de liq. duvidosa (786) (1.081) Operações de Crédito 100.195 Fiscais e previdenciárias 9-a 1.508 863 Res. Bruto da Interm. Financ. 4.415 4.404 34 Operações de crédito - setor privado 6-a,b,c,d,e,f 101.217 Diversas 1.201 1 Outras Receitas Provisão para créditos de liquidação duvidosa 6-a,b (1.022) - Exigível a Longo Prazo 70.046 345 (Despesas) Operacionais (5.004) (4.685) (3.283) Outros Créditos 625 1 Recursos de Aceites e Emissão de Títulos 69.686 Receitas de prest. de serviços 1 2 50 Diversos 7-a 625 1 Recursos de aceites cambiais 8 69.686 Receitas de tarifas bancárias 753 1.285 Outros valores e bens 1 Outras Obrigações 360 345 Resultado de participações em Despesas antecipadas 1 Fiscais e previdenciárias 9-b 360 345 coligadas e controladas 90 (3.167) Realizável a Longo Prazo 8.936 693 Resultado de Exercícios Futuros 107 Despesas de pessoal (3.741) (3.741) Operações de Crédito 8.195 - Patrimônio Líquido 10 20.440 20.989 Outras desp. administrativas 11 (1.820) (2.036) (87) Operações de crédito - setor privado 6-a,b,c,d,e,f 8.254 Capital domiciliado no país 20.295 20.000 Despesas tributárias (327) (393) (10) Provisão para créditos de liquidação duvidosa 6-a,b (59) Reserva de capital 295 Outras rec. operacionais 12-a 183 205 43 Outros créditos 741 693 Reserva legal 701 Outras desps. operacionais 12-b (53) (98) (112) Diversos 7-b 741 693 Reserva de lucros - 3.943 Resultado Operacional (589) (281) (3.249) Permanente 1.288 21.384 Prejuízos acumulados (556) (3.249) Resultado não Operacional (2) (2) Investimentos 14 21.384 Res. antes da Trib. s/Lucro (591) (283) (3.249) Participação em coligadas e controladas no país - 21.384 Imp. de Renda e Contrib. Social (93) (266) Ações e cotas 1 Imposto de renda (54) (157) Outros investimentos 13 Contribuição social (39) (109) Imobilizado de uso 912 Lucro Líquido/(prejuízo) Outras imobilizações de uso 1.260 do Semestre/Exercício (684) (549) (3.249) (-) Depreciação acumulada (348) Número de ações em Intangível 362 circulação (unidades) 15.026.148 15.026.148 15.026.148 Ativos intangíveis 481 Lucro Líquido/(Prej.) p/Ação - R$ 0,0402 0,0312 0,2162 (-) Amortização acumulada (119) As notas explicativas são parte integrante das Demonstrações Contábeis Total do Ativo 125.725 22.319 Total do Passivo 125.725 22.319 Demonstração dos Fluxos de Caixa (Em milhares de reais) As notas explicativas são parte integrante das Demonstrações Contábeis A - Caixa Líquido Prov./Utilizado 2º Sem. 2010 2010 2009 nas Atividades Operacionais Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido (Em milhares de reais) Lucro Líquido Ajustado antes do IRPJ e CSLL (684) (549) (3.249) Reserva de Lucros Lucros/ Ajuste de Ajustes ao lucro líquido antes dos impostos 854 1.064 3.167 Aumento Reserva Outras Prejuízos Avaliação 68 73 Capital de Capital de Capital Legal Res.de Luc. Acumulados Patrimonial Total Depreciação e amortizações (90) 3.167 Em 1º de Julho de 2010 20.000 295 3.348 602 (3.121) - 21.124 Resultado da equivalência patrimonial Provisão para devedores duvidosos 786 1.081 Aum. de capital confome AGE de 30.12.2010 295 (295) 170 515 (82) Absorção de prej. conf. AGE de 30.12.2010 (2.647) (602) 3.249 - Lucro Líquido Ajustado Variação de Ativos e Obrigações (86.888) (110.679) 212 Prejuízo do exercício (684) (684) Em 31 de Dezembro de 2010 20.000 295 701 (556) - 20.440 (Aumento)/redução em títulos e valores mobiliários e instrumentos financ. derivativos (445) (445) Mutações do semestre 295 (295) (2.647) (602) 2.565 (684) (2.036) Em 1º de Janeiro de 2010 7.242 12.758 295 3.341 602 (3.249) - 20.989 (Aum.)/red. em relações interfin. e interdepend. (2.036) (Aumento)/redução em operações de crédito (85.606) (109.471) Aumento de capital - AGE 15.06.2009 (Aum.)/red. em outros créd. e outros val. e bens (478) (673) 937 homologada na Jucesp em 18.06.2010 12.758 (12.758) Aumento/(redução) em outras obrigações 1.570 1.839 (725) Aumento de capital - AGE 30.12.2010 295 (295) Variação de resultados de exercícios futuros 107 107 Absorção de prej. conf. AGE de 30.12.2010 (2.647) (602) 3.249 (86.718) (110.164) 130 Constituição de reserva legal 7 (7) - Cx. Líq. Prov./Utilizado nas Ativ. Operac. Prejuízo do exercício (549) (549) B - Fluxo de Caixa das Ativ. de Investimento Em 31 de Dezembro de 2010 20.000 295 701 (556) - 20.440 Recebimento de vendas de ativo imobilizado 21.473 2 Mutações do exercício 12.758 (12.463) (295) (2.640) (602) 2.693 (549) Aquisição de imobilizado de uso (958) (958) Em 1º de Janeiro de 2009 7.242 295 3.341 13.360 (177) 24.061 Aquisição de intangível (362) (389) Aumento de capital - AGE 15.06.2009 12.758 (12.758) Dividendos recebidos 84 Ajuste ao valor de mercado 177 177 Aquisição de investimentos (14) (14) Prejuízo do exercício (3.249) - (3.249) Cx. Líq. Prov./Utilizado nas Ativ. Investim. (1.334) 20.112 86 Em 31 de Dezembro de 2009 7.242 12.758 295 3.341 602 (3.249) - 20.989 C - Fluxo de Caixa das Ativ. de Financiam. Mutações do exercício 12.758 (12.758) (3.249) 177 (3.072) Aumento/(redução) em depósitos (609) 9.072 As notas explicativas são parte integrante das Demonstrações Contábeis Aumento/(redução) em recursos de aceites e emissão de títulos 92.937 92.937 Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis em 31 de Dezembro de 2010 e 2009 (Em milhares de reais) Caixa Líquido Proveniente/Utilizado 1 - Contexto Operacional - A Brickell S.A. - Crédito, Financiamento e pensação, não mais figurando no balanço patrimonial. As operações rene92.328 102.009 Investimento, iniciou as suas operações no dia 22/06/2010, e tem na gociadas são mantidas no mesmo nível em que estavam classificadas. As nas Atividades de Financiamento 4.276 11.957 216 concessão de crédito o seu principal foco de negócios. Através do domí- renegociações de operações de crédito, que já haviam sido baixadas contra Aum./dim. Líq. em Caixa e Equiv. de Caixa Aumento Líquido em Caixa e Equivalentes nio de produtos e da expertise de seus profissionais, a empresa tem pro- a provisão e que estavam em contas de compensação, são classificadas 7.922 241 25 porcionado aos clientes operações com estrutura adequada as necessi- como nível H, e os eventuais ganhos provenientes de renegociação somen- Caixa e equiv. no início do exercício/período 12.198 12.198 241 dades de cada um. A Brickell CFI fundamenta e ampara os seus negóci- te são reconhecidos quando efetivamente recebidos. A provisão para crédi- Caixa e equiv. no final do exercício/período Aumento Líquido em Caixa e Equivalentes 4.276 11.957 216 os em análise de crédito conservadora, e minimiza os riscos através de tos de liquidação duvidosa é fundamentada na análise das operações efetuAs notas explicativas são parte integrante das Demonstrações Contábeis diversas garantias. A tradição de bons serviços prestados e a solidez dos ada pela administração, caso a caso, para concluir quanto ao valor necesnegócios fazem do Grupo Brickell um parceiro de confiança. 2 - Apresen- sário para créditos de liquidação duvidosa, e leva em conta a conjuntura 31.12.2007, a instituição optou em aderir ao Programa de Parcelamento Intação das Demonstrações Contábeis - As demonstrações contábeis fo- econômica, a experiência passada e os riscos específicos e globais das centivo da Prefeitura de São Paulo para encerrar uma discussão sobre a ram elaboradas de acordo com os princípios de contabilidade emanados carteiras, bem como as diretrizes estabelecidas pela Resolução nº 2682/ incidência do ISS sobre as receitas de corretagem auferidas em Bolsas, na da “legislação societária”, associados às normas do Banco Central do 99, de 21 de dezembro de 1999, e de acordo com determinação contida na época em que ainda era uma corretora de valores, classificado o saldo deBrasil (Plano Contábil das Instituições do Sistema Financeiro - COSIF), Circular nº 2974/00, de 24 de março de 2000, do Banco Central do Brasil. As vedor do parcelamento no passivo circulante e exigível a longo prazo conque não requerem sua apresentação em moeda de poder aquisitivo cons- classificações de risco de clientes (ratings) são atribuídas pela área de cré- forme as datas de vencimento das parcelas. A Instituição aguarda o levantante (Método da Correção Integral). Em 28 de dezembro de 2007, foi dito com base em um modelo de (credit score).(Nota 6-b). f) Despesas An- tamento do depósito judicial efetuado durante o processo judicial. aprovada a Lei nº 11.638 que alterou dispositivos da Lei 6.404 de 15 de de- tecipadas - Consideram as aplicações de recursos, cujos benefícios ocor- 8 - Depósitos, Captações zembro de 1976, destacando-se diversas alterações na preparação e divul- rerão em exercícios seguintes. g) Investimentos - Os investimentos estão Sem Até 90 91 a Acima de Total Total gação das demonstrações financeiras para os exercícios encerrados a par- demonstrados ao custo. h) Imobilizado - O ativo imobilizado está registraVencimento dias 365 dias 365 dias 2010 2009 tir de 1º de janeiro de 2008. A Brickell S.A. Crédito, Financiamento e Investi- do ao custo corrigido monetariamente até 31 de dezembro de 1995. A de- Outros depósitos (a) 9.073 - 9.073 mento está adotando a Lei 11.638/07 e a Medida Provisória nº 449/08 em preciação é calculada pelo método linear às taxas de 20% (a.a) para siste- Recursos de suas demonstrações contábeis de 31.12.2010. Destacamos que a adoção mas de processamento de dados e 10% (a.a) para os demais itens. i) Intan- aceites cambiais - 9.050 14.200 69.687 92.937 da referida lei, não apresentou impactos relevantes nas demonstrações da gível - A lei 11.638/07, dividiu o ativo permanente em - Investimentos, Imo- Totais 9.073 9.050 14.200 69.687 102.010 Financeira, considerando que as principais alterações introduzidas pela bilizado, Intangível e Diferido. No intangível: os direitos que tenham por a) O saldo de R$ 9.072, refere-se ao saldo da conta Depósitos Vinculados pela citada legislação, que afetam as operações, já vinham sendo adotadas objeto bens incorpóreos destinados à manutenção da companhia ou exerci- Outros em 31.12.2010. em virtude das normas contábeis já existentes emanadas pelo BACEN. A dos com essa finalidade, inclusive o fundo de comércio adquirido. O saldo 9 - Fiscais e Previdenciárias - Obrigações legais normatização do Banco Central do Brasil editada até o momento considera: da rubrica contábil em 31.12.2010 trata-se basicamente de aquisição de (a) Passivo - Circulante a) tratamento do saldo de reservas de capital e destinação dos lucros acu- cessão de uso, (Softwares) para os sistemas transacionais. O método lineDescrição 2010 2009 mulados; b) tratamento do ativo imobilizado e diferido; c) reconhecimento, ar, também conhecido como método de linha reta foi definido por esta instiImpostos e contribuições sobre lucros 267 mensuração e divulgação de perdas em relação ao valor recuperável de ati- tuição e o valor da rubrica Intangível será amortizado em 5 (Cinco anos) a Impostos e contribuições a recolher 1.241 863 vos; d) apresentação do fluxo de caixa ao invés da demonstração das ori- taxa de 20% a.a., e a despesa de amortização é reconhecida diretamente Total 1.508 863 gens e aplicações de recursos (DOAR). Na avaliação da administração no resultado. j) Imposto de renda e contribuição social - O imposto de da Instituição apenas o item (d) afetou a elaboração/apresentação das renda e contribuição social no ativo apresenta um saldo (R$ 267) Mil em (b) Passivo - Exigível a longo prazo 2010 2009 demonstrações contábeis. 3 - Descrição das Principais Práticas Con- 31.12.2010, que representa os valores recolhidos junto ao Fisco com base Descrição 360 345 tábeis - a) Apuração de Resultado - As receitas e despesas são contabi- no cálculo do Imposto de Renda - Lucro Real. A provisão para imposto de Provisão para riscos fiscais - Cofins 360 345 lizadas pelo regime de competência. b) Caixa e equivalentes de caixa - renda foi constituída à alíquota de 15% sobre o lucro real, acrescida de adi- Total 10 Patrimônio Líquido O capital social é de R$ 20.295 (mil), dividido em Caixa e equivalentes de caixa são representados por disponibilidades em cional de 10% sobre o lucro tributável que exceder a R$ 240 (mil) no exercímoeda nacional, moeda estrangeira, aplicações no mercado aberto e apli- cio ajustado pelas adições e exclusões previstas na legislação fiscal. A con- 15.026.148 ações ordinárias nominativas sem valor nominal, conforme AGE cações em depósitos interfinanceiros, cujo vencimento das operações na tribuição social sobre o Lucro Líquido é calculada à 15% sobre o lucro ajus- de 30.12.2010. data da efetiva aplicação seja igual ou inferior a 90 dias e apresentam risco tado conforme legislação em vigor. k) Ativos e passivos contingentes - 11 - Outras Despesas Administrativas 2º semestre 2010 2009 insignificante de mudança de valor justo, que são utilizados pela Brickell Referem-se a direitos e obrigações potenciais decorrentes de eventos pas- Descrição 23 23 S.A. - Crédito, Financiamento e Investimento para gerenciamento de seus sados e cuja ocorrência depende de eventos futuros. • Ativos contingentes - Água, energia e gás 407 407 compromissos de curto prazo (Nota 13). c) Aplicações interfinanceiras não são reconhecidos, exceto quando da existência de evidências que as- Aluguéis 79 90 4 de liquidez - As aplicações interfinanceiras de liquidez são registradas ao segurem elevado grau de confiabilidade de realização, usualmente repre- Comunicações 16 16 custo, acrescido dos rendimentos auferidos até a data do balanço, deduzi- sentado pelo trânsito em julgado da ação e pela confirmação da capacidade Contribuições filantrópicas 110 110 dos de provisão para desvalorização, quando aplicável. d) Títulos e valo- de sua recuperação por recebimento ou compensação com outro exigível. Manutenção e conservação de bens 14 14 res mobiliários e instrumentos financeiros derivativos - Os títulos e va- • Passivos contingentes - decorrem basicamente de processos de natureza Material 342 383 8 lores mobiliários são avaliados e classificados da seguinte forma: • Títulos fiscal no valor de (R$ 360) Mil. Essas contingências, coerentes com práticas Processamento de dados 59 59 para negociação - adquiridos com o propósito de serem ativa e frequente- conservadoras adotadas, são avaliadas por assessores legais e levam em Promoções e relações públicas mente negociados, são ajustados ao valor de mercado em contrapartida ao consideração a probabilidade que recursos financeiros sejam exigidos para Publicações 36 32 resultado do período; • Títulos disponíveis para venda - que não se enqua- liquidar as obrigações e que o montante das obrigações possa ser estima- Serviços do sistema financeiro 111 139 15 drem como negociação e nem como mantidos até o vencimento, são ajusta- do com suficiente segurança. Serviços de terceiros 82 82 dos pelo valor de mercado em contrapartida à conta destacada do patrimô- 4 - Aplicações Interfinanceiras de Liquidez 2010 2009 Serviços de vigilância e segurança 1 1 nio líquido deduzido dos efeitos tributários; • Títulos mantidos até o venci- Aplicações no mercado aberto 11.703 - Serviços técnicos especializados 213 297 14 mento - adquiridos com a intenção e capacidade financeira para sua manu- Posição bancada 11.703 - Transporte 18 18 tenção em carteira até o vencimento, são avaliados pelos custos de aquisiLFT 6.701 - Viagens no país 30 30 ção, acrescidos dos rendimentos em contrapartida ao resultado do período. LTN 5.002 - Multas aplicadas pelo Banco Central 8 9 4 e) Operações de crédito - As operações de crédito, nas suas diversas 5 - Títulos e Valores Mobiliários e Instrumentos Financeiros Derivati- Outras 235 249 10 modalidades, estão registradas a valor presente, incorporando os rendi- vos - A carteira de títulos e valores mobiliários apresentada no balanço pa- Amortização 27 27 mentos auferidos até a data do balanço, quando pós-fixados, e líquido das trimonial está classificada de acordo com os critérios estabelecidos na Cir- Depreciação 46 46 rendas a apropriar, em razão da fluência dos prazos das operações prefixa- cular Bacen nº 3.068/01. Os títulos públicos federais estão custodiados no Totais 1.820 2.036 87 das. A atualização das operações de crédito vencidas até o 60º dia é conta- Sistema Especial de Liquidação e Custódia (SELIC). O valor de mercado 12 - Outras Receitas (Despesas) Operacionais - Outras receitas (despebilizada em receita de operações de crédito, e a partir do 61º dia, em rendas dos títulos públicos representa o fluxo de caixa futuro descontado ao valor sas) operacionais estão compostas conforme demonstrado abaixo: a apropriar. As operações em atraso classificadas como nível H permane- presente pelas taxas divulgadas pela Anbima. As notas explicativas da car- a) Outras Receitas Operacionais cem nessa classificação por seis meses, quando então são baixadas con- teira de títulos e valores mobiliários apresentadas a seguir, consideram, Descrição 2º semestre 2010 2009 tra a provisão existente e controladas por até cinco anos em contas de com- para efeito de segregação por prazo, o vencimento de cada título. Recuperação encargos e despesas 137 137 2010 2009 Outras reversões de provisões 21 21 Títulos e valores mobiliários por tipo Custo atualizado Valor de mercado Custo atualizado Valor de mercado Atualização monetária depósito judicial - ISS 25 47 43 Títulos para negociação 445 445 - Total 183 205 43 Letras Financeiras do Tesouro - LFT 445 445 - b) Outras despesas operacionais 2010 Descrição 2º semestre 2010 2009 Valor Contábil por faixa de vencimento Custo Sem Até De 3 a De 1 a Acima de Multas sobre impostos 2 3 Títulos e valores mobiliários por faixa de investimento atualizado vencimento 3 meses 12 meses 3 anos 3 anos Total Despesas financeiras 80 97 Títulos para Negociação 445 445 445 Atualização monetária - risco ISS 43 15 14 Letras Financeiras do Tesouro - LFT 445 445 445 Atualização monetária - risco Cofins 8 1 2009 Total 53 98 112 Valor Contábil por faixa de vencimento Custo Sem Até De 3 a De 1 a Acima de 13 - Caixa e Equivalente de Caixa - Os saldos de caixa e equivalentes de Títulos e valores mobiliários por faixa de investimento atualizado vencimento 3 meses 12 meses 3 anos 3 anos Total caixa utilizados na elaboração da Demonstração do Fluxo de Caixa são asTítulos para Negociação Letras Financeiras do Tesouro - LFT - sim compostos: Descrição 2010 2009 6 - Operações de Crédito - (a) Composição da carteira de crédito por tipo de operação e provisão para riscos de crédito Disponibilidades em moeda nacional 495 241 Classificação de Riscos 2010 495 241 Operações A B C D E F G H Total Total de disponibilidades Aplicações no mercado aberto 11.703 Empréstimos e títulos descontados 25.346 78.466 5.659 109.471 12.198 241 Total do Crédito 25.346 78.466 5.659 109.471 Total de caixa e equivalentes de caixa 14 Risco Operacional A Brickell S.A. Crédito, Financiamento e InvestiProvisão para créditos de liquidação duvidosa 127 784 170 1.081 Provisão Total 127 784 170 1.081 mento, no contexto das disposições estabelecidas pela Resolução nº 3.380 de junho de 2006, do Conselho Monetário Nacional definiu e impleClassificação de Riscos 2009 Operações A B C D E F G H Total mentou a estrutura organizacional, bem como a política institucional dos Empréstimos e títulos descontados - processos, dos procedimentos e dos mecanismos necessários à sua efeTotal do Crédito - tiva gestão. Estamos efetuando trabalho de revisão no mapeamento para Provisão para créditos de liquidação duvidosa - maior abrangência e eficiência na identificação, avaliação, monitoramento, Provisão Total - controle e mitigação dos riscos operacionais pertinentes nas diversas roA nossa carteira iniciou as operações em 23 de junho deste ano e no exercício corrente constituiu provisão para créditos de liquidação duvidosa no tinas e processos de negócios. Deste modo, o gerenciamento do risco montante de R$ 1.081 (mil). operacional é considerado pela Instituição um fator estratégico, de forma a evitar ou minimizar o impacto sobre o capital econômico de possíveis b) Movimentação da provisão para créditos de liquidação duvidosa 7 - Outros Créditos - Diversos 2010 2009 Circulante 2010 2009 perdas. A Instituição adota a Abordagem do Indicador Básico, conforme Saldo Inicial 295 - Adiantamento e antecipações salariais 42 - disposto no inciso I do artigo 1º da Circular nº 3.383/08 do Banco Central Constituições 786 Impostos e contribuições a compensar (*) 574 1 do Brasil. 15 - Risco de Mercado - Com o advento da Resolução nº 3.464 Saldo Final 1.081 Devedores diversos - País 9 - de 26.06.2007, a qual dispõe acerca da implementação de estrutura de (c) Composição das operações de crédito por setor de atividade 625 1 risco de mercado, a Área de Controles no âmbito da Gerência de Risco 2010 2009 Total 2010 2009 (mercado e Liquidez), responde pela aplicabilidade da política de gerenciIndústria 50.687 - Realizável a longo prazo Comércio 16.932 - Devedores por depósitos em garantia 741 - amento do risco de mercado. A Administração é responsável pela definiIntermediação financeira 3.912 - Total 741 - ção da política institucional, estabelecendo as estratégias e diretrizes a Outros 37.867 - O saldo de impostos e contribuições a compensar está registrado no ativo serem observadas pela área de Tesouraria, bem como os limites a serem Pessoas físicas 73 praticados - Operacionais, VaR e Stop Loss. Este procedimento está sencirculante no montante de R$ 574 (mil) sendo, antecipações IRPJ e CSLL Total 109.471 no valor de R$ 569 (mil) que serão compensados com saldo registrado no do implementado pela Instituição e continuará no decorrer do exercício de (d) Composição das operações de crédito por indexador 2010 2009 passivo circulante em provisão para impostos e contribuições sobre o lucro 2011. 16 - Risco de Crédito - Em atendimento a Resolução CMN nº Prefixado 5.281 - apurado em 31.12.2010 pelo Lucro real no valor de R$ 267 (mil), ficando um 3.721, de 30 de abril de 2009, é importante destacar que o nome do exePós-fixado (CDI) 104.190 - saldo de crédito fiscal no valor de R$ 302 (mil) a ser compensado no exercí- cutivo responsável e o conjunto de diretrizes que regem a gestão do risco Total 109.471 - cio de 2011. O saldo de devedores por depósitos em garantia apresentado de crédito da instituição foram devidamente informados ao Banco Central (e) Concentração das operações de crédito no Realizável à Longo Prazo, refere-se a depósitos judiciais do imposto so- do Brasil, de acordo com os prazos por ele estabelecidos. Ademais, as Clientes Valor Percentual Percentual acumulado 10 maiores clientes 38.961 35,59 35,59 bre serviços e receitas de corretagem de operações realizadas na BM&F políticas, os processos, os sistemas e os procedimentos que envolvem 11 a 50 maiores clientes 70.349 64,26 64,26 no período em que a instituição exercia a atividade de corretora de títulos e toda a estrutura de gerenciamento de risco de crédito da instituição, con51 a 100 maiores 161 0,15 0,15 valores mobiliários, objeto de discussão judicial sobre a constitucionalidade. forme as diretrizes adotadas e informadas ao regulador, foi cumprida conTotais 109.471 100,00 100,00 Foi constituída provisão para riscos fiscais na totalidade dos depósitos judi- forme estabelece o normativo do Banco Central do Brasil. 17 - Limites (f) Garantias das operações ciais efetuados. Apresentada no Exigível à Longo Prazo, conta Obrigações Operacionais - A Brickell S.A. Crédito, Financiamento e Investimento, Total das Dupli- Total das Fiscais e Previdenciárias. No primeiro semestre de 1999 foi instituída a Co- apura seus limites de patrimônio mínimo dentro dos parâmetros estabeleOperações operações Aval Bens CDB catas garantias cidos pelas Resoluções nº 2.099/1994, nº 3.444/2007 e nº 3.490/2007 do Operações crédito 93.934 111.174 17.277 1.093 82.559 212.103 fins para as instituições financeiras. A instituição obteve antecipação da tuConta garantida 15.537 17.800 4.000 - 14.000 35.800 tela que a dispensou do depósito judicial, e constitui provisão para risco fis- CMN e normativos complementares. A margem positiva entre o patrimônio de referência efetivo e o patrimônio de referência exigido é de cal referente as contribuições não recolhidas, atualizada monetariamente e Total 109.471 128.974 21.277 1.093 96.559 247.903 Percentual 117,82 19,44 1,00 88,21 226,46 contabilizada no Exigível a Longo Prazo. No exercício encerrado em (R$ 7.990 em 2010) e o índice de Basiléia é de (18,02% em 2010). Diretoria:

Contador - Elcio Teixeira - CRC 1SP 126.813/O-3 Celina Daiub Pirondi Tedesco - Diretora Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da dade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações contá- tábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela Brickell S.A. - Crédito, Financiamento e Investimento - São Paulo SP beis com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas Administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstra1. Examinamos as demonstrações contábeis da Brickell S.A. - Crédito, brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cum- ções contábeis tomadas em conjunto. 5. Acreditamos que a evidência de Financiamento e Investimento (Instituição), que compreendem o ba- primento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja plane- auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. lanço patrimonial em 31 de dezembro de 2010 e as respectivas demons- jada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as Opinião - 6. Em nossa opinião, as demonstrações contábeis referidas acitrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de demonstrações contábeis estão livres de distorção relevante. 4. Uma au- ma apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a pocaixa correspondente ao 2º semestre de 2010, e ao exercício findo naque- ditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção sição patrimonial e financeira da Brickell S.A. - Crédito, Financiamento la data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas de- e Investimento em 31 de dezembro de 2010, o desempenho de suas notas explicativas. Responsabilidade da Administração sobre as De- monstrações contábeis. Os procedimentos selecionados dependem do operações e os seus fluxos de caixa correspondente ao 2º semestre de monstrações Contábeis - 2. A Administração da Instituição é responsá- julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção rele- 2010, e ao exercício findo naquela data, de acordo com as práticas contável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações vante nas demonstrações contábeis, independentemente se causada por beis adotadas no Brasil, aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar Contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicá- fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os contro- pelo Banco Central do Brasil. veis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil - les internos relevantes para a elaboração e a adequada apresentação das São Paulo, 01 de fevereiro de 2011. BACEN e pelos controles internos que ela determinou como necessários demonstrações contábeis da Instituição para planejar os procedimentos Veneziani Auditores Independentes para permitir a elaboração de demonstrações contábeis livres de distor- de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para exCRC 2SP13744/O-1 ção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Res- pressar uma opinião sobre a eficácia dos controles internos da Instituição. Sidney Rey Veneziani Valdecir de Oliveira ponsabilidade dos Auditores Independentes - 3. Nossa responsabili- Uma auditoria inclui também a avaliação da adequação das práticas con- Contador CRC 1SP061028/O-1 Contador CRC 1SP174801/O-1 Nelson Nogueira Pinheiro - Diretor


DIÁRIO DO COMÉRCIO

18

e

quinta-feira, 24 de março de 2011

Colocamos um scanner em um leitor de cheques. Desta forma, inovamos. Marcos Canola, diretor comercial da Nonus

conomia

Sucesso com máquinas capazes de ler cheques Fundada em 1985, a Nonus precisou inovar para sobreviver e hoje produz equipamentos que pagam contas na internet e digitalizam cheques

Patrícia Cruz/LUZ

Os diretores da empresa Nonus, José Domingos Voidella (à esq.) e Marcos Canola: de olho nas necessidades do mercado financeiro e dos clientes no e-commerce.

Giseli Cabrini

D

e simples prestadora de serviços de assistência técnica para leitores de códigos de barras e CMC-7 (cheques) à fabricante de equipamentos voltados à captura de dados consumidos por clientes no Brasil e no exterior. Essa reviravolta resume a trajetória da Nonus, criada em 1985 por um grupo de sócios entre eles o atual diretor técnico, José Domingos Voidella. Da empresa de pequeno porte, localizada na zona sul da Capital, saem por ano cerca de 190 mil equipamentos. No âmbito doméstico, a carteira de clientes corporativos inclui instituições financeiras públicas e privadas – entre elas ItaúUnibanco e Grupo Santander Brasil – redes varejistas e correspondentes bancários em agências de Correios e casas lotéricas. No exterior, entre os mercados atendidos estão países da Europa e Israel. Desde a reestruturação na década de 1990, a Nonus se mantém atenta às novas demandas por equipamentos voltados à captura de dados.

Na segunda quinzena de fevereiro, começou a produção do equipamento HandbanK Image, uma versão avançada do Handbank Office. "Simplificando, se trata da inserção de um scanner em um leitor de cheques. Ao identificar os dados do documento, o equipamento também captura a imagem do cheque. Desta forma, inovamos", disse o diretor comercial da empresa, Marcos Canola. Segundo ele, esse equipamento vem ao encontro da adoção da truncagem de cheques pelos bancos. Trata-se de um processo no qual o cheque deixa de trafegar fisicamente no sistema de compensação. Ou seja, todos os cheques que chegam a uma agência bancária são digitalizados e as imagens enviadas, eletronicamente, aos bancos para iniciar o processo de compensação. O diretor comercial da empresa não soube informar o volume que está sendo produzido do Handbank Image. "A produção irá depender dos pe-

didos", disse ele. O preço de cada equipamento é de, aproximadamente, US$ 700. Atualmente, o carro-chefe da empresa é o HomebanK, equipamento voltado ao consumidor final que permite pagar contas via internet. São produzidos cerca de 50 mil pe-

O equipamento Handbank é um superleitor de cheques

ças por ano que custam, aproximadamente, R$ 115. Além do canal próprio de e-commerce, o item é vendido por meio dos sites dos bancos parceiros da Nonus e ainda em redes de varejo online como Lojas Americanas e Submarino. Pessoas físicas – Paralelamente ao segmento corporativo, a Nonus aposta na incorpo-

ração de tecnologias digitais ao cotidiano dos brasileiros – principalmente os que fazem parte da classe C – para deixar os revezes enfrentados definitivamente no passado (leia mais na matéria abaixo). De acordo com Canola, as vendas para pessoas físicas cresceram especialmente nos últimos quatro anos, acompanhando o aumento do e-commerce e do uso do internet banking. Outros fatores, também ligados à internet, contribuem para elevar as expectativas de vendas da Nonus. Sob inspiração do HomebanK, a empresa criou outros dois produtos voltados para esse nicho. O Smartnonus, equipamento para o usuário doméstico que, além de fazer leitura de código de barras e cheques, é capaz de ler cartões com chip. Na avaliação de Canola, o novo Registro de Identidade Civil (RIC) deverá impulsionar as vendas do produto em todo o País. Isso porque o documento traz um chip no qual estarão gravados dados como

Patrícia Cruz/LUZ

Reestruturação tirou contas do vermelho

A

mudança de rumo, fundamental para a saúde financeira da Nonus que chegou a enfrentar sérias dificuldades, aconteceu em 1995. "Entrei na empresa um ano antes da reestruturação. Até aquele momento, os negócios se resumiam à assistência técnica de equipamentos de informática em geral: de microcomputadores a plotters", relembra o atual diretor comercial, Marcos Canola. Segundo ele, foram feitos todos os esforços a fim de tirar as contas do ver melho. "Precisávamos de fôlego

financeiro para investir em tecnologia", lembra. De olho nesse objetivo, 80 dos 100 funcionários foram demitidos e quatro filiais fecharam as portas. A estrutura atual tem 75 empregados e apenas a sede que fica na zona sul de São Paulo. Na nova fase, a empresa começou a buscar clientes junto aos bancos, oferecendo equipamentos leitores de códigos de barra a preços mais acessíveis do que os existentes no mercado, que na época eram importados. A estratégia deu certo e mudou a história da Nonus. (GC)

Empresa tem hoje 75 funcionários trabalhando na sede em São Paulo. As quatro filiais foram fechadas.

nome, filiação e data de nascimento, além de informações biométricas (impressões digitais), o que possibilitará a identificação eletrônica automatizada do portador e o uso da certificação digital. Portáteis – Enquanto isso, diante do avanço das vendas de computadores portáteis – laptops e netbooks –, a Nonus lançou o Smarthome. "Nos portáteis, os usuários têm dificuldades para plugar vários equipamentos. Nesse caso, o equipamento traz um leitor de smartcard integrado à peça", afirmou Canola. Segundo o executivo da Nonus, todos os lançamentos são feitos com capital próprio da empresa e a maior parte dos aparelhos é desenvolvida exclusivamente dentro da Nonus. "Apenas para o Smarthome e Smarthnonus buscamos parcerias com universidades e outras empresas", disse ele. "Nos beneficiamos da Lei da Informática e destinamos 4% de todo o faturamento para a área de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D)." Em relação aos negócios da Nonus, Canola é otimista e estima avanço de 25% a 30% na receita da empresa em 2011.

Diário do Comércio  

24 mar 2011

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you