Issuu on Google+

Presidente do STF julga a Justiça no Brasil: "Desigual".

Joaquim Barbosa tomou posse numa cerimônia sem precedentes no Tribunal. Por força da lei, Dilma entrou muda e saiu calada. Pág. 5 Jornal do empreendedor

Ano 87 - Nº 23.755

Conclusão: 23h45

R$ 1,40

www.dcomercio.com.br

A ECONOMIA JÁ TIROU NOTA PARA PASSAR DE ANO Com 4,7% de crescimento no segundo semestre, a economia vai passar de ano com a expectativa de manter, segundo o BC, o mesmo ritmo em 2013. Pág. 17

Newton Santos/Hype

Alan Marques/Folhapress

São Paulo, sexta-feira, 23 de novembro de 2012

O Leão Amigo foi lançado pela ACSP para arrecadar parte do que é destinado à Receita para projetos sociais que beneficiam crianças e adolescentes. Por lei, o contribuinte pode doar até 6% de seu imposto. O 'bondosômetro' tem o potencial de chegar a R$ 2 bilhões. Pág. 13

Leão Amigo faz o bem com seu imposto

"Pagamos muito imposto, mas não vemos o resultado para a população". Yannis Behrakis/Reuters

. s o m e t m é b m a t Yes, nós Página 15

Novo êxodo no deserto Forças israelenses deixam fronteira com Gaza após cessar-fogo. Pág. 9

Reprodução Divulgação

Fluence GT: completíssimo. Chega ao Brasil o bom de estrada da Renault. Pág. 21 Divulgação

Luxos no Litoral Norte Tudo novo no Hotel Tabatinga. Pág. 22

Warner Bros/Divulgação

ISSN 1679-2688

23755

Página 4

The End. Mas com continuação. As negociações estão em andamento para a filmagem da sequência de Casablanca (acima), o mítico filme lançado há 70 anos. Ainda no cinema, chega às telas Curvas da Vida, com Clint Eastwood (à dir.). Na vida além dos filmes, shows, exposições, locais e cardápios para as festas, os caminhos de Boccaccio na Roda do Vinho...

9 771679 268008


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

E há um estopim pronto para desencadear a revolta: o destino do mandato dos deputados condenados . José Márcio Mendonça

pinião

FIOS DESENCAPADOS

D

urante os debates da Ação Penal 470, também conhecida como Mensalão, desfilaram algumas teorias jurídicas de pouco conhecimento público e até mesmo de um bom grupo de causídicos dedicados às causas dos réus – como a teoria do "domínio dos fatos", hoje objeto de grandes debates, e a "continuidade delitiva". No ar, em todo esse período, ficou outra teoria, não tanto própria do Direito, mas muito mais da categoria da política (em alguns casos resvalando para a das relações pessoais): a do "fio desencapado". Sem explicitação, mas visível em quase toda sessão do julgamento, ela envolvia de um lado, sempre, o ministro relator Joaquim Barbosa, e de outro, quase sempre, o ministro revisor Ricardo Lewandowski; em ocasiões mais raras, outros ministros, como Marco Aurélio Mello. Mas os momentos de confronto não se restringiram às divergências doutrinárias entre membros do Supremo, no julgamento de um processo que também trazia novidades para eles, obrigandoos a definições de última hora. Ficou explicitado também um mundo de tensão entre o Poder Judiciário e o Poder Legislativo, que já vinha de algum tempo, cresceu com o mensalão e pode recrudescer pós o encerramento da AP 470. Não se trata apenas das queixas e azedumes do PT contra o tratamento "injusto" dado a figuras ilustres da legenda, como José Dirceu, José Genoíno e Delúbio Soares. O direito de espernear é justo e democrático, assim como o direito que os réus terão de recorrer das penas até que a condenação ou absolvição (improvável) caia-lhes do céu. Subjacente a isso, em manifestações não tanto isoladas de figuras do Legislativo – como a do presidente do Senado, José Sarney – voltou a frequentar os escaninhos do Congresso a queixa contra a "judicialização" da política. Não houve, não pelo menos publicamente, por parte dos que não são petistas, defesa dos réus políticos quando essas queixas voltaram a ser verbalizadas. Mas é claro o incômodo no Legislativo com a desenvoltura do STF no julgamento dos políticos. Esse universo em ebulição já vem de algum tempo e dois fatos marcaram bem os desgostos do Legislativo com o que este considera uma "invasão de suas prerrogativas" pelo Poder Judiciário: a imposição da fidelidade partidária, cobrindo uma lacuna deixada pelo próprio Congresso na Constituição, e a confirmação da Lei da Ficha Limpa, aprovada a contragosto pela Câmara e pelo Senado, porque eles não tiveram força para contestar uma iniciativa popular – e que depois os próprios partidos contestaram. A maior indicação de que as incursões do Judiciário no terreno da política, muitas vezes por omissão do próprio Con-

EYMAR MASCARO

AS JOGADAS DO "CARA" NO TIMÃO

D

JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA

A tensão entre o Poder Judiciário e o Legislativo, que já vem de algum tempo, tende a aumentar depois do julgamento do Mensalão. gresso – como admitiu recentemente em palestra na Associação Comercial de São Paulo o governador da Bahia e exdeputado federal Jaques Wagner – é a disposição de alguns parlamentares de aprovar um projeto que dá ao Legislativo o poder de sustar decisões do Judiciário. O tema é polêmico – e por isso mesmo conversado à chamada "boca pequena" – mas não é improvável que ganhe força a partir do fim do julgamento do Mensalão, quando as reações do PT arrefecerem e o tema deixar de ser partidário, passando a ser da "corporação" legislativa. E há um estopim pronto para desencadear a revolta: o destino do mandato dos deputados condenados (três hoje, João Paulo Cunha, Pedro Henry e Valdemar da Costa Neto e provavelmente mais um a partir de janeiro, José Genoino). O STF, calcula-se que já na semana que vem, deve dar uma decisão sobre o assunto. Se

definir pela perda imediata do mandato, o circo estará formado. O Congresso entende que cassar mandato é prerrogativa dele e, como já disse há algum tempo o presidente da Câmara, Marco Maia, tomará a si esta decisão, dentro dos seus rituais.

M

esmo que a barreira seja ultrapassada, com a maioria dos ministros entendendo que o ato final cabe à Câmara, há no ar outro processo que vai antepor furiosamente o STF ao Congresso e aos partidos políticos. Uma representação da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) propõe que seja proibida mais uma das muitas excrescências do esquema do financiamento de campanhas políticas no Brasil, o mesmo que gerou em boa parte o Mensalão. A OAB propõe extinguir as contribuições "ocultas", aquelas em que o doador não identifica diretamente o político-candidato em que está

investindo. Doa o dinheiro ao partido, mas "carimbado" por fora. Esse tipo de doação cresce campanha a campanha – e na eleição municipal passou dos 50% do arrecadado por todas as legendas. Partidos e políticos não querem nem ouvir falar no assunto, com medo de que a obrigação de dar nome à boiada afugente possíveis doadores.

P

elo que se vê, a "teoria do fio desencapado" veio para ficar por muito tempo no Brasil. Especialmente porque no Pode Executivo há também às vezes quem, mesmo engolindo seco, não se conforma com certos avanços do Judiciário. A frase "decisão da Justiça não se discute, acata-se", costuma ser mastigada com muito amargor. JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA É JORNALISTA E ANALISTA POLÍTICO

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Claudio Vaz Edy Luiz Kogut Érico Sodré Quirino Ferreira Francisco Mesquita Neto João de Almeida Sampaio Filho João de Favari Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Paulo Roberto Pisauro Renato Abucham Roberto Faldini Roberto Mateus Ordine

irigentes do Corinthians negam de forma categórica que tenha havido qualquer tipo de interferência do ex-presidente Lula na decisão da Caixa Econômica Federal em patrocinar a camisa do time, ao custo de R$ 30 milhões por ano. O acordo entre o clube e a estatal deu origem a um tititi estranho, porque o corintiano Lula é tido como o responsável nº 1 pela construção do estádio do Corinthians, o Itaquerão, uma obra que está orçada em cerca de R$ 800 milhões. Os corintianos quiseram mostrar sua gratidão ao ex-presidente e descarregaram votos, em peso, no candidato do PT à prefeitura de São Paulo, o são-paulino Fernando Haddad – e a vítima acabou sendo o palmeirense José Serra. Os corintianos pagaram com votos a dívida contraída com Lula. Como torcedor fanático, Lula colaborou com o clube no processo de escolha da empreiteira que construiria o Itaquerão e como nenhum clube brasileiro tem crédito para levantar empréstimo bancário de R$ 400, R$ 500 ou R$ 600 milhões, admite-se que também nesse caso o ex-presidente teria contribuído para que o clube se apoiasse num avalista de peso, conseguindo a liberação do empréstimo para tocar a obra.

Itaquerão será inaugurado às vésperas da Copa, em 2014, também ano da eleição de governador.

que o jogo de abertura do Mundial seria no futuro estádio do Corinthians. Quem tornou pública a informação de que o estádio do São Paulo estava fora do Mundial foi Andrés Sanchez, ex-presidente do Corinthians e amigo do peito de Lula e de Ricardo Teixeira. Detalhe: na campanha para a Prefeitura, Sanchez acompanhou Lula na visita a alguns bairros, ajudando a pedir votos para Haddad. Hoje, Ricardo Teixeira está fora da CBF e reside nos EUA, envolvido num escândalo de suborno oriundo do tempo em que ocupava cargo na FIFA.

A

pesar da perseguição que o São Paulo sofreu de Ricardo Teixeira, ainda assim o time foi três vezes campeão da Libertadores e tricampeão mundial no Japão, derrotando nas finais os papões de títulos no futebol europeu, Barcelona, Milan e Liverpool, tornando-se o clube brasileiro mais conhecido no exterior. Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

O

Itaquerão será inaugurado às vésperas de abrigar o jogo de abertura da Copa, em 2014, ano da eleição de governador. Os corintianos de todo o Estado, portanto, podem ser "convocados" novamente para apoiar e votar no candidato indicado por Lula, ou, no próprio Lula, como forma de retribuir mais uma vez a colaboração do ex-presidente para que seu time, enfim, tivesse seu estádio. No tempo em que Lula era presidente, o então dirigente da CBF, Ricardo Teixeira, desfrutava de livre trânsito no Palácio do Planalto. Foi nessa época que Teixeira resolveu vetar o Morumbi para sediar a Copa em São Paulo, ao mesmo tempo em que anunciava

O

São Paulo jamais apoiou o modo como RicardoTeixeira conduzia os negócios do futebol brasileiro na CBF. Se, em 2014, os corintianos de todo o Estado resolverem socorrer Lula ou o seu candidato a governador, então os adversários do PT, que também almejam conquistar o Palácio dos Bandeirantes, podem comer o pão que o diabo amassou. EYMAR MASCARO É JORNALISTA E COMENTARISTA POLÍTICO MASCARO@BIGHOST.COM.BR

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, João de Scantimburgo, Marcel Solimeo Diretor-Responsável João de Scantimburgo (jscantimburgo@acsp.com.br) Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Edito r-Ch efe : José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br) Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br) Editores Seniores: Bob Jungmann (bob@dcomercio.com.br), Carlos de Oliveira (coliveira@dcomercio.com.br), chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), José Roberto Nassar (jnassar@dcomercio.com.br), Luciano de Carvalho Paço (luciano@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Luiz Antonio Maciel (maciel@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br) Editor de Fotografia: Alex Ribeiro Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Fernando Porto (fporto@dcomercio.com.br), Ricardo Ribas (rribas @dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br) Subeditores: Marcus Lopes e Rejane Aguiar Redatores: Adriana David, Eliana Haberli e Evelyn Schulke, Ricardo Osman, Tsuli Narimatsu Repórter Especial: Kleber Gutierrez (kgutierrez@dcomercio.com.br), .Repórteres: André de Almeida, Fátima Lourenço, Guilherme Calderazzo, Ivan Ventura, Karina Lignelli, Kelly Ferreira, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mariana Missiaggia, Mário Tonocchi, Paula Cunha, , Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves, Sandra Manfredini, Sílvia Pimentel, Vera Gomes e Wladimir Miranda. Gerente Executiva e de Publicidade Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estadão Conteúdo, Folhapress, Efe e Reuters Impressão S.A. O Estado de S. Paulo. Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3180-3175. Fax 3180-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3180-3197, 3180-3983, Fax 3180-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3180-3544, 3180-3176 , Fax 3180-3355 Esta publicação é impressa em papel certificado FSC®, garantia de manejo florestal responsável, pela S.A. O Estado de S. Paulo.

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3180-3737 REDAÇÃO (011) 3180-3449 FAX (011) 3180-3046, (011) 3180-3983 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

o

pinião

AO QUE TUDO INDICA, TEORIA DAS PURAS COINCIDÊNCIAS TEM MUITOS ADEPTOS NOS EUA.

“Afinal, você vai crer em mim ou nos seus próprios olhos?” Groucho Marx

O império das puras coincidências

O

visconde Christopher Monckton de Brenchley, matemático inglês que deu assessoria ao gabinete de Margaret Thatcher como especialista na aplicação da teoria das probabilidades à avaliação da autenticidade de documentos, firmou duas semanas atrás uma declaração juramentada quanto à certidão de nascimento de Barack Hussein Obama tal como divulgada pela Casa Branca. Segundo seus cálculos, a possibilidade de que as pequenas e grandes irregularidades encontradas na certidão sejam puramente acidentais é de 1 para 75 trilhões. Tal é o grau de confiabilidade do documento. Monckton colocou os resultados da sua análise à disposição dos tribunais americanos, sob pena de perjúrio. Charles Neal Delzell, professor de Matemática da Universidade Estadual da Louisiana, fez por sua vez uma declaração juramentada de que os cálculos do visconde estão corretos. Mas se a presidência americana, o Partido Democrata e a grande mídia em peso podem exigir que os eleitores apostem numa probabilidade tão ínfima, ridicularizando e estigmatizando como louco quem veja nisso um risco excessivo, por que não poderiam também impor a crédula genuflexão ante outras tantas coincidências fortuitas com margem de erro até mais modesta, reduzida, digamos, a alguns bilhões ou milhões? Por que não poderiam exigir que – para não ser acusados de adeptos de "teorias da conspiração" – todos se tornassem devotos da "teoria das puras coincidências"? Por pura coincidência, o ge-

3

neral David Petraeus, que estava marcado para depor no Parlamento sobre a omissão de socorro à legação americana na Líbia, foi de repente pego em flagrante vexame de adultério com sua biógrafa Paula Broadwell, sendo forçado a pedir demissão do cargo de chefe da CIA, e, para alívio do alto comando obamista, automaticamente dispensado de prestar o depoimento.

uma premeditação duplamente maquiavélica: se o adiamento livrou Obama de um escândalo à véspera da votação, a súbita pressa de divulgar o caso antes do depoimento do chefe do seu serviço de inteligência foi um esforço desesperado para livrá-lo de um escândalo maior ainda. Na lentidão como na pressa, o controle do fluxo de informações pelo FBI correspondeu ao timing perfeito para evitar danos �� imagem do presidente. Mas, claro, quem pensa assim é teórico da conspiração. As pessoas sãs e equilibradas acreditam piamente que foi tudo coincidência, mera coincidência.

M

as os parlamentares decidiram convocar o general para depor assim mesmo. O que ele disse foi, em substância, que desde o primeiro momento informara à Casa Branca que o ataque em Benghazi fora um ato terrorista premeditado, e que alguém do governo convencera a embaixadora Susan Rice a modificar a história, atribuindo tudo a um protesto popular espontâneo contra um ridículo vídeo anti-islâmico amador divulgado pelo Youtube. O testemunho do general foi tanto mais importante porque agora se sabe que o embaixador assassinado, Chris Stevens, estava distribuindo armas aos insurgentes sírios, entre os quais havia muitos membros da Al-Qaeda e do Hamas que viriam a participar do ataque ao escritório. Depois essas armas foram usadas para as-

M sassinar 28 civis cristãos. O caso assume as dimensões de um crime de alta traição – que a lei americana define como "dar ajuda e conforto ao inimigo" – seguido de uma operação de acobertamento. O FBI declarou oficialmente que teria descoberto o affair

Paula Broadwell meses atrás, por acaso, por mero acaso, quando estava investigando outra coisa. Ao espalhar essa desculpa, porém, a agência dava com a língua nos dentes, confessando que decidira adiar a divulgação até depois das eleições. Isso sugeria

era coincidência foi também que o computador da campanha republicana, com a lista dos partidários preguiçosos e recalcitrantes a ser visitados nas últimas horas pelos cabos eleitorais e persuadidos a votar, entrasse em pane no dia da eleição, deixando longe das urnas muitos votos que poderiam fazer diferença em favor de Romney. Tudo coincidência, mera coincidência. Mais coincidência ainda foi que Obama saísse perdendo em todas as zonas eleitorais que exigiam carteiras de identidade com foto dos eleitores, e vencedor nas que aceitavam

OLAVO DE CARVALHO identidades sem foto ou identidade nenhuma. Coincidência, igualmente, o fato de que até agora todas as máquinas de votar apontadas como defeituosas trocassem sempre os votos de Romney para Obama, jamais deste para aquele.

E

também quem, senão um paranoico reacionário, veria algo de suspeito no fato de que, em todas as zonas eleitorais das quais foram excluídos os fiscais republicanos, Obama tivesse entre 99% e 100% dos votos, chegando ao prodígio de ter 108% em uma delas? Coincidência, pura coincidência. As autoridades e a grande mídia têm, por definição, o dom daquilo que se chama "fé pública": expressam o que a sociedade e as pessoas de bem têm a obrigação de acreditar. Quando, porém, os detentores da fé pública desafiam reiteradamente o cálculo das probabilidades, quando o simples uso da lógica se torna uma abominação e quase um crime, é evidente que se atingiu aquele ponto em que o esquema partidário dominante já desfruta da "autoridade onipresente e invisível de um mandamento divino, de um imperativo categórico", que Antonio Gramsci descrevia como a situação ideal para a mutação revolucionária da sociedade. OLAVO DE CARVALHO É ENSAÍSTA, JORNALISTA E PROFESSOR DE FILOSOFIA

Eduardo Anizelli/Folhapress

A

dvertência: normalmente uso de um certo bom humor para escrever o meu besteirol, gosto de me divertir enquanto digito. Hoje não dá; peço desculpas a este DC pela chatice de usar este espaço para desabafar. Dá licença. Não havia nem 3 dias que o Poste da Vez tinha sido eleito e a tentativa de desconstruir Alckmin veio a 200 por hora, dando a impressão de que a eleição de 2014 começou. Dizem que o Savonarola de Garanhuns escolheu seu novo Poste.O Novo Poste vem aí, lari-lari-lará. Os jornais impressos, rádios, tevês e redes sociais apresentam um Horário Político do PT que domina o tempo equivalente ao destinado a todos os demais partidos somados. As matérias e as cartas dos leitores às redações só falam do "aumento da violência e da insegurança em São Paulo". Aumento há, sem dúvida; mas me parece que a causa não é apenas policial, é também política, já vi este filme antes. Na minha paranoia, vejo que os militantes do PTCC receberam o "Salve Geral" e estão nas ruas a praticar um violento replay da violência de 2006. Passamos a enfrentar duas grandes guerras e estamos perdendo as duas. A de sangue, travada pela bandidagem manobrada por invisível mão política, contra a população e a PM; e a incruenta, da gritaria alarmista, que multiplica a sangue frio o pavor que a guerra de sangue provoca. O histérico coro orquestrado, sob o comando de experiente batuta, canta afinado as mesmas "notas"

NEIL quero um advogado

LULO-DILMISMO Violência em São Paulo: a quem interessa o alarmismo?

JOGA SUJO CONTRA ALCKMIN da mesma partitura. O PM que tomba é punido com a reprovação e o silêncio, ninguém presta solidariedade à sua família; o mano que tomba é velado como herói revolucionário; ONGs, parentes em prantos e a Secretaria dus Dereito dus Mano invadem os jornais, rádios e tevês denunciando o "genocídio".

O

objetivo é a destruição do legado dos inesquecíveis Montoro e Covas, e de Serra e Alckmin. Não tenho provas concretas; tenho a minha convicção, que para mim é suficiente. Querem acabar com o Alckmin e sabotar sua reeleição; querem fazer com ele a mesma destruição que a inveja doentia do Lula tentou fazer com FHC – e isso nem Freud explica. Querem colocar mais um Poste, desta vez no Palácio dos Bandeirantes, um dos últimos redutos da

resistência ao lulo-dilmismo. O Poste vir ou não, depende da vontade do eleitor. O eleitor acabou de trocar o Serra por um Poste; se quiser, troca o Alckmin por outro Poste. É a vontade da maioria que prevalece, cláusula pétrea da Democracia e se o "país dos mais de 80%" tomou São Paulo de assalto, hélas pour nous, azar nosso.

A

dmitindo-se que a onda alarmista seja justificada, e em alguns casos é, é necessário que se admita que a taxa de homicídios em São Paulo está a pouco mais de 10 por 100 mil habitantes, 1/3 da média nacional. Por ruim que a situação seja, e é, ainda é melhor do que no Brasil inteiro, especialmente no Rio, para tirar da cara do Sérgio Malandro o riso alvar que ele exibiu na dança do guardanapo em Paris. O alarmismo nas redes

sociais multiplica o medo e insegurança; "Imagery is all, reality is nothing". A quem interessa o crime que é manter apavorada a população de um Estado da importância de São Paulo? De uma Capital como São Paulo? Chuto: ao lulo-dilmismo.

O

Ministro Cardozo, da Justiça, cujo PT está no poder federal há mais de 11 anos e nunca investiu nem dez reis de mel coado numa efetiva ação com São Paulo, recebe manchetes por declarações bombásticas de planos mirabolantes, "que vão ser implementados", como tudo o mais neste país do "vai ser". Como "vai ser" instalado um sistema de "super bloqueio de celulares" nas prisões. Ah tá, "vai ser". Será, só na milionária propaganda oficial, sem nunca ter sido na vida real. As "notas" de que falei são

os dólares enfiados na cueca, como os 200 mil do assessor do irmão do Genoíno O Coitadinho. Ou malas recheadas de dinheiro vivo, para pagar dossiês farjutos contra o Serra, que o educado Ministro da Educação Mercadante usaria, quando ambos eram candidatos ao Governo de São Paulo. Serra deu-lhe uma tunda histórica no primeiro turno, que o fez fugir pra casa com o rabo entre as pernas.

J

á estão soltos os Quatro Colapsos do Apocalipse: Colapso na Segurança, Colapso na Educação, Colapso na Saúde, Colapso nos Transportes, armados com as mãos sabotadoras da Cut, braço sindical do PTCC. Podem arranjar votos contra o Alckmin na Guerra de 14. O Ministro Gilberto Carvalho conquistou manchetes afirmando que aqui é a "Península de Gaza,

Ferreira tal o número de mortes violentas". Ele é um grandão petista, supostamente enroladíssimo no ainda não explicado caso Celso Daniel, torturado e assassinado. Carvalho parece (repito: parece) ser veladamente antissemita; as "frequentes mortes violentas na Pensínsula de Gaza", que ele denuncia são causadas pelos bombardeios israelis e ele sabe disso, até eu sei.

O

s palestinos, por incompetentes que o sejam, não bombardeiam suas próprias casas. Cotucam a onça com vara curta, tentando e não conseguindo bombardear Tel Aviv, graças a sofisticados sistemas de defesa, e levam de troco mísseis cirúrgicos nos seus narizes avantajados, é o que afirmam os noticiários. Duvido que o cessar fogo na Península de Gaza sirva de exemplo; lá, parece que finalmente querem a paz; aqui não. Aqui o lulo-dilmismo quer terra arrasada. Obrigado pela paciência. NEIL FERREIRA É PUBLICITÁRIO


DIÁRIO DO COMÉRCIO

4

GibaUm

3A

nomeação do novo secretário da Segurança, Fernando Grella Vieira, teve a bênção do ministro José Eduardo Cardozo.

gibaum@gibaum.com.br

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

3 MAIS: Alckmin nega e Grella chega com plano pronto para enfrentar o crime em SP - e já conhecido do titular da Justiça. São velhos amigos.

k Vários deputados do PT foram ao microfone saudar a data. Nenhum Esgotados citou Joaquim Barbosa, primeiro negro a presidir o Supremo.

JAIR BOLSONARO // deputado federal (PP-RJ) sobre o Dia da Consciência Negra. Fotos: Paula Lima

O hotel.info, prestadora de serviços da Alemanha, que atua no setor de reservas online, fez uma pesquisa entre cinco milhões de clientes: queria saber quais os destinos favoritos do planeta na relação custo-benefício. Deu Praga (República Tcheca) na cabeça, com 7,98 pontos, seguida de Lisboa. Nos primeiros dez colocados, seguem, por ordem, Tailinn (Estônia), Riga (Letônia), Varsovia, Budapeste, Berlim, Sofia, Bangkok e Wilna (Lituânia). São Paulo e Rio não aparecem entre as primeiras 20 cidades. Mais abaixo, a capital paulista aparece com 6,76 pontos, à frente do Rio (5,94), principal destino turístico do Brasil. 333

AINDA NÃO Com Joaquim Barbosa empossado na presidência do Supremo Tribunal Federal, nos tribunais superiores, apenas o Superior Tribunal Militar não tem negros em sua composição. O primeiro negro nomeado para as principais Cortes do país foi Carlos Alberto Reis de Paula para o Tribunal Superior do Trabalho no governo FHC. No governo Lula, além de Barbosa para o Supremo, também foi nomeado Benedito Gonçalves para o Superior Tribunal de Justiça. Detalhe: até agora, nenhuma negra foi nomeada para um tribunal superior.

333

Fracasso bem pago Com os R$ 267 milhões que o BNDES vai injetar na fábrica de semicondutores SIX, de Eike Batista, o governo alcançará R$ 1 bilhão investido no Vale do Silício tupiniquim que, até agora, não produziu nada. Em 2009, Lula inaugurou a estatal de chips Ceitec, ligada ao Ministério de Ciência e Tecnologia, que já consumiu mais de R$ 600 milhões e é um fracasso total. Tem problemas de transferência de tecnologia e gestão. O único contrato gordo da Ceitec é com a Casa de Moeda, para utilizar chips nos novos passaportes (e muitos documentos apresentam defeitos). 333

VENDE-SE Madonna, 54 anos, acaba de colocar à venda seu apartamento em Nova York: é um duplex no Upper West Side, tem seis quartos, oito banheiros e cinco lareiras. Ela comprou no final dos anos 80, quando ainda era casada com Sean Penn. Tem vista para o Central Park. Quando está em Nova York, Madonna usa outro, com os filhos, na mesma região. Os vizinhos milionários do apartamento que está à venda pressionaram: muitas festas, som alto e entre e sai de desconhecidos (o brasileiro Jesus Luz dormiu lá muitas vezes). Preço: US$ 23,5 milhões, ou seja, quase R$ 50 milhões.

333

Todo o primeiro time de stars da emissora e um verdadeiro festival de starlets formavam na platéia vip, esta semana, no Citibank Hall, no Rio, da gravação do especial de Roberto Carlos de fim de ano para a Globo. Desta vez, o Rio é homenageado e ele dividiu o palco com Seu Jorge, Arlindo Cruz, Michel Teló e Chayene (Claudia Abreu) e as Empreguetes (Taís Araujo, Isabelle Drummond e Leandra Leal), da novela Cheia de Charme. Entre tantas famosas, estavam lá, da primeira foto à esquerda para a direita (e quase todas de branco), Fátima Bernardes, Nanda Costa, de Salve Jorge, Monica Martelli, Renata Ceribelli, do Fantastico e a bonita Tânia Mara, cantora e mulher de Jayme Monjardim. 333

Noite global

333 Quem trabalha diretamente com Dilma Rousseff e poucos ministros que desfrutam de maior intimidade com a Chefe do Governo, afirmam que, em todas suas conversas, ela revela uma dupla obsessão: de um lado, quer aumentar a produção industrial; de outro, quer melhorar a Educação, principalmente a fundamental e a técnica. O Planalto não consegue detectar grandes avanços nessas duas áreas durante todo o tempo que Fernando Haddad ficou no Ministério da Educação, no período Lula e parte do período Dilma. O ministro Aloizio Mercadante tem mais dados não entusiasmantes nos dois blocos – e em outros tantos.

Dupla obsessão

CURRÍCULO 333 A futura secretária da Educação da cidade de São Paulo, escolhida por Fernando Haddad, Cleuza Repulho, já foi secretária da Educação em Santo André e São Bernardo (sempre administrações do PT) e consultora da Unesco. Foi denunciada pelo MP como uma das responsáveis pelo desvio de R$ 48,8 milhões em Santo André, em cuja prefeitura está na lista de inadimplentes por não ter devolvido, conforme determinou o Tribunal de Contas do Estado, R$ 125 mil em gastos de viagens.

MISTURA FINA O BANCO do Brasil não tem do que se queixar, em suas atividades na Espanha: nos últimos três anos, multiplicou por dez seus ativos lá, saindo de US$ 70 milhões para US$ 700 milhões. Emprestou recursos não apenas a empresas espanholas quanto a de outros países europeus, que estão no sufoco, na contramão de bancos locais. 333

O CANDIDATO derrotado da prefeitura de São Paulo, Celso Russomano (PRB-SP), foi ontem, com muita discrição (vestia um agasalho esportivo) fazer um consulta em clínica na região próxima a Av. Paulista com o médico Dr. Alex Titinger Van Oorot, especialista em coronárias.

333

O CONSULADO Geral do Brasil em Atlanta, nos Estados Unidos, está tendo dificuldades em encontrar um auxiliar de apoio (arrumadeira ou assistente de cozinheira) para trabalhar na casa do cônsul. Para espanto dos diplomatas, só ex-médicos, exprofessores e ex-advogados se candidataram ao cargo. Salário: US$ 1,3 mil mensais, mais plano de saúde para o contratado e seus dependentes. Candidatos devem ter greencard – e experiência na função.

333

A revista Vogue espanhola resolveu brindar seu públicoleitor, em dezembro, com um ensaio do peruano Mário Testino com as mais famosas modelos da atualidade, em produções especiais e, quase todas, exibindo um seio nu, pelo menos, ou a derrière meia de lado. Além de Miranda Kerr, Irina Shayk, Karlie Kloss e Doutzen Kroes, as estimulantes AlessandraAmbrosio, IsabeliFontana eIzabelGoulart tratam de defender – e com muita eficácia – as cores nacionais. Izabel, a propósito, é quem coordena o concurso Garota Fantástico. 333

Trio de ouro

Barrada no baile Em dezembro, estréia em circuito nacional De Pernas pro Ar 2, com Ingrid Guimarães, uma produção de Mariza Leão. No filme, o brinquedinho-estrela chama-se Tucacete: é um grande tucano de pelúcia que, dentro do bico, esconde o devido instrumento de uso intimo. No ano que vem, Mariza vai filmar Meu Passado me Condena, série da Multishow que se transformará em longa-metragem, com Mia Mello e Fábio Porchat. Para quem tem memória curta: nos tempos das fotonovelas no Brasil, o título Meu Passado me Condena foi (usado e reutilizado) campeão das historinhas da época. 333

h IN

Mocassim de couro.

h

Rio em baixa

Os camarotes do Maracanã para assistir aos jogos da Copa do Mundo 2014, que só podiam ser comprados por pessoa jurídica, estão todos esgotados. O camarote mais barato, para 16 pessoas, para os sete jogos da Copa que acontecem no Rio é de US$ 450 mil (são US$ 4 mil ou US$ 8 mil por pessoa para cada jogo). Para 22 pessoas custa US$ 750 mil. Se alguém quiser assistir os sete jogos do Rio, mais seis de São Paulo e seis de Belo Horizonte, terá de desembolsar US$ 2,3 milhões por um camarote de 22 lugares. Ou seja: teria de desembolsar porque não há mais nada para comprar.

333

OUT

Sapatilha de couro fake.

Maior devedor 333 A inclusão do Botafogo na lista de clubes de futebol interessados em contratar David Beckham, que joga no Los Angeles Galaxy (e é casado com Victoria Beckham, o que não é para qualquer um), segundo o britânico The Sun, ficou parecendo joke. O Botafogo lidera o ranking dos super-devedores do futebol, com uma divida de R$ 576 milhões. O clube já batalha para pagar R$ 18 milhões por contrato de dois anos com Seedorf (jogou com Beckham no Milan). O Shanghai Shenhua deve levar: o time chinês está oferecendo R$ 1 milhão por semana, o que tornaria Beckham o jogador mais bem pago do mundo.

PARA o lançamento do Calendário Pirelli 2013, com fotos de Steven McCurry, que ganhará grande festa dia 27 próximo, no Píer Mauá, no Rio, os fabricantes decidiram reforçar a lista de celebridades contratadas. Além da veterana Sophia Loren, estão chegando Owen Wilson, John Cusak, Naomi Campbell, Stephen Dorff e, de quebra, as modelos brasileiras Isabeli Fontana e Adriana Lima. 333

PARA COMBATER o desconforto das sessões de quimioterapia, o deputado cassado Roberto Jefferson, que enfrenta tratamento de câncer de pâncreas, está tomando água de coco, em grande quantidade. Descobriu que ajuda a reduzir o mal estar da quimio. Não há nenhum estudo médico sobre uso de água de coco para essa finalidade, mas no caso de Jefferson está dando certo.

333

Colaboração: Paula Rodrigues / A.Favero

CHARGE DO DIA


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

5 PARA POUCOS Barbosa comenta em seu discurso que o Judiciário é elitista.

olítica

ESPERANÇA Todos depositam em Barbosa uma grande expectativa como presidente.

Cadu Gomes/Futura Press/Estadão Conteúdo

Com Joaquim Barbosa, a promessa de um novo STF. Ao tomar posse, ele define a linha da sua administração voltada para um Judiciário mais igualitário e eficaz.

J

oaquim Barbosa, "paradigma de cultura, independência, coragem e honradez", como o descreveu na solenidade de apresentação o ministro Luiz Fux, aproveitou a sua posse na presidência do Supremo Tribunal Federal (STF), ontem, em Brasília, numa cerimônia sem precedentes no tribunal, para lembrar que existe um "déficit de igualdade na Justiça".

Nada a comentar: Dilma nada disse sobre a posse do ministro no STF.

O seu discurso foi acompanhado por cerca de 2,5 mil convidados, entre autoridades, como a presidente Dilma Rousseff, o tempo todo séria; celebridades, como os atores Lázaro Ramos e Milton Gonçalves; e ex-ministros, como Carlos Ayres Britto e Ellen Gracie. Já como autoridade máxima do Judiciário, reconheceu que "nem todos os cidadãos

são tratados da mesma forma os magistrados devem levar quando buscam o Judiciário". em conta as expectativas da Para Barbosa, primeiro negro sociedade em relação à Justia assumir a presidência do ça e garantiu que não há mais STF, "o que se espaço para vê aqui e acolá " o j u i z i s o l aé o tratamendo". De acorto privilegiado com BarboSe o acesso ao do", sa, "o juiz é um Para Fux, o produto do Judiciário não se n o v o p r e s iseu meio e do tornar mais dente do STF seu tempo". igualitário e se destaca peEle afirmou eficaz, ele la "inteligênque o magissuscitará um cia singular de trado deve ter sua pena" e consciência espantalho. também pelo de suas limitaJOAQUIM BARBOSA "senso ético" ções e jamais nos julgamendeixar que "as tos. Por isso, para Barbosa, se suas crenças mais íntimas" ino acesso ao Judiciário não se fluenciem nas decisões, reatornar mais igualitário e efi- firmando palavras ditas antes caz, "ele suscitará um espan- por Fux de que o STF "está talho". Ele lembrou ainda que aberto para o diálogo com a

Tombo antes da cerimônia

P

oucos minutos antes de assumir a presidência do Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Joaquim Barbosa desequilibrou-se e foi para o chão. Ele conversava com o colega Ricardo Lewandowski e a ex-ministra Ellen Gracie no Salão Branco, onde estavam as autoridades esperando o início da solenidade. Em meio aos cumprimentos, Barbosa deu um passo para trás, esbarrando no tablado, colocado no salão para a foto oficial dos ministros, e caiu. Ele foi socorrido por Lewandowski e Gracie. Segundo cinegrafistas que acompanharam a cena, assessores de Barbosa pediram que qualquer registro da cena fosse apagado. Após o tombo, disse que estava bem e não aceitou um copo de água. (Folhapress)

sociedade e não se julga titular soberano da verdade". Nas últimas cerimônias de posse quem discursava em nome do tribunal era o ministro com mais tempo na Corte, no caso atual Celso de Mello. Mas como não é uma regra, Barbosa decidiu inovar e convidou Fux, de quem é amigo pessoal. Ele mencionou a trajetória de Barbosa, os livros escritos, os estudos acadêmicos fora do Brasil e descreveu como "combativa" a passagem dele pelo Ministério Público Federal. Lembrou até do tempo que Barbosa foi servidor da gráfica do Senado. Fux destacou a contribuição que o novo presidente vem dando para a construção de uma Corte de vanguarda, "comprometida, sobretudo, com a consolidação das instituições democráticas". O amigo recordou a participação de Barbosa no julgamento que liberou o aborto em casos de gravidez de feto anencéfalo e citou decisões que considerou importante no "plano político institucional", como a Lei da Ficha Limpa. Em seu discurso, Fux reservou espaço para a presidente Dilma, que "tem amor à coisa pública"; para o novo vice-presidente do STF, Ricardo Lewandowski, apresentado como "jurista da mais alta estirpe", e para Carlos Ayres Britto, que se aposentou no dia 18. Ao citar o seu nome, o ex-presidente foi aplaudido como foi Fux ao destacar: "Nós, juízes, não tememos nada nem a ninguém". Encerrou pedindo a Barbosa, 55º presidente desde o Império e o 44º a partir da República, para que lute por um Judiciário "probo, ativo e independente". Barbosa disse que aspira um Judiciário sem "firulas, floreios e rapapés." (Agências)

Celebridades viraram tietes no evento Desta vez, cantores e atores ficaram em segundo plano. Todos estavam em Brasília para exaltar Joaquim Barbosa, a grande estrela do STF, o 1º presidente negro.

A

posse de Joaquim Barbosa, primeiro negro na presidência do Supremo Tribunal Federal (STF), ontem em Brasília, representa para o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, o fortalecimento da democracia. Na versão do procurador, Barbosa dará uma "contribuição magnífica" para a construção do sistema de Justiça. Para Gurgel, "a chegada do primeiro negro na presidência do STF é muito relevante, pois em uma sociedade como a nossa, com grande presença de negros, é algo que fala bem do nosso País, da nossa democracia", afirmou. Símbolo – A ministra da Igualdade Racial, Luiza Bairros, reverenciou o simbolismo da presença de Barbosa na presidência do STF. Ela destacou que o fato de o País ter uma mulher na presidência e um negro chefiando a mais alta Corte é o retrato de "um novo Brasil, que se abre para a diversidade, para a possibilidade de realização de talentos em qualquer classe social, qualquer grupo racial". Assim como a ministra, Ophir Cavalcante, presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), disse que está otimista quanto aos dois anos

José Cruz/ABr

com Barbosa à frente do STF. "A minha expectativa é igual à da sociedade brasileira, de otimismo", assegurou. Artistas – Um grupo de artistas, a maioria deles negros, também compareceu à posse. O sambista Martinho da Vila celebrou a chegada de Barbosa à presidência do STF e, cantando, disse que se tratava de um sonho realizado. "Acho que, independentemente da negritude ou de qualquer coisa, Barbosa se mostrou um membro do STF que está dialogando com o que a sociedade está esperando", afirmou Martinho da Vila. "Tanto é que essa posse está cheia de gente. É um momento importante para o nosso País, estou aqui para deixar uma força para que ele consiga conduzir esses dois anos com serenidade", completou o ator Lázaro Ramos. Sobre a postura combativa de Barbosa no julgamento do Mensalão, o ator afirmou que "ele estava fazendo o que um ministro do STF tem de fazer. Está cumprindo as obrigações dele", afirmou. A apresentadora Regina Casé, também destacou o simbolismo da posse de Barbosa. "É muito importante para milhões e milhões de brasileiros,

Benedita Gomes da Silva, mãe de Barbosa, rodeada por artistas que foram à posse do seu filho. principalmente negros, mulatos, misturadinhos como eu e 90% da população, que constatam que, mesmo sem as condições de igualdade na educação e tudo, ele conseguiu chegar onde está". Também na cerimônia, o tricampeão mundial de Fórmula 1, Nelson Piquet. Amigo pessoal de Barbosa há dez anos, disse que ele "vai continuar sendo a mesma pessoa e já deu exemplo disso na condução do Mensalão", disse. O cantor Djavan, após a posse, afirmou que estava "felícissimo" e elogiou Barbosa, "um homem valiosíssimo, culto, inteligente e corajoso", observou. "Ele está fazendo um bem ao Brasil que vamos perceber cada vez mais". Barbosa também foi empossado como presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Antes de assinar o termo de compromisso, fez o juramento. "Prometo cumprir os deveres do cargo de presidente do Supremo Tribunal Federal e do Conselho Nacional de Justiça em conformidade com

as leis", afirmou Barbosa. Ele concluiu o discurso, sob aplausos, cumprimentando sua "querida mãezinha", Benedita Gomes da Silva, seu filho, irmãos e os "queridos amigos estrangeiros" que prestigiaram a posse dele. Na cerimônia, o hino nacional foi executado pelo bandolinista brasiliense Hamilton de Holanda. E, além de artistas, estiveram presentes os presidentes do Senado e da Câma-

ra, respectivamente José Sarney (PMDB-AP) e Marco Maia (PT-RS), os governadores Geraldo Alckmin (PSDB-SP), Jaques Wagner (PT-BA), Antonio Anastacia (PSDB-MG), Ricardo Coutinho (PSB-PA) e Agnelo Queiroz (PT-DF). Também tomou posse ontem como vicepresidente do STF, o ministro Ricardo Lewandowski. A cerimônia foi presidida pelo decano da Corte, ministro Celso de Mello. (Agências)

Barbosa é um homem culto e corajoso. Está fazendo um bem ao Brasil que vamos perceber cada vez mais. DJAVAN


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

O neguinho espigado, sempre de cabeça alta, era nosso meia-atacante aos 10 anos. Era muito bom. Zé da Áurea, ex-técnico do Santana, sobre Joaquim Barbosa.

olítica

E lá vai o rápido camisa 8 Fritz virar estátua na pacata Paracatu 'Doutor Fritz' era o nome do meia direita do Santana Esporte Clube que trocou a bola na pequena cidade mineira pelos estudos e agora é presidente do Supremo Alan Marques/Folhapress

Reconhecimento: ministro Joaquim Barbosa é aplaudido de pé durante a solenidade de sua posse no Supremo Tribunal Federal (STF)

Condenados terão ato de apoio Estudantes programam encontro para uma "reflexão crítica" sobre o julgamento de petistas no Mensalão

A

UNE (União Nacional dos Estudantes) e políticos envolvidos no Mensalão preparam atos para avaliar as decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) e manifestar apoio aos condenados no julgamento, em especial o exministro José Dirceu, o ex-presidente do partido, José Genoino e o deputado federal João Paulo, todos petistas. O presidente da UNE, Daniel Iliescu, que esteve anteontem com o ex-ministro José Dirceu, em Brasília, afirma que a ideia é reunir artistas, advogados e jornalistas para fazer uma "re-

Barbosa quer pressa no Mensalão Mineiro E já pediui que fossem ouvidas testemuinhas no processo contra políticos do PSDB

P

Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

ouco antes de assumir a presidência do Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Joaquim Barbosa, determinou que as testemunhas de defesa da Ação Penal 536, o Mensalão mineiro ou tucano, comecem a ser ouvidas. O caso, que tramita no tribunal há cinco anos, envolve o atual deputado federal Eduardo Azeredo (PSDBMG), acusado de crimes de peculato e lavagem de dinheiro durante a campanha Eduardo Azeredo: campanha irregular para governador em 1998. de reeleição para o cargo de governador de Minas, em dia subsequente à oitiva da do sem que as doações fos1998. O senador Clésio An- última testemunha em Belo sem declaradas na Justiça. drade (PMDB-MG) também é Horizonte, ou dois dias de- Mais tarde apurou-se que esréu no processo. A ação foi pois do prazo de 40 dias, o sas empreiteiras receberam desmembrada de outro pro- juízo de Jaboatão dos Guara- R$ 296 milhões em pagacesso pelo foro privilegiado rapes deverá tomar o depoi- mentos por obras na gestão de Azeredo. mento da testemunha local. de Azeredo. Testemunhas – No total, oi- Em seguida, deverá será ouAlém disso, a PF estimou to testemunhas serão ouvi- vido, em Fortaleza, o ex-mi- que foram desviados R$ 3,5 das por juízes federais, sen- nistro Ciro Gomes, do PSB. milhões por meio de patrocído seis em Belo Horizonte O escândalo – O esquema nios de várias estatais mi(MG), uma em Jaboatão dos tucano foi montado pelo pu- neiras a eventos esportivos. Guararapes (PE) e mais uma blicitário Marcos Valério pa- Embora o caso tenha ocorriem Fortaleza (CE). As teste- ra financiamento irregular do em 1998, na Justiça mimunhas de acusação já fo- da campanha de Azeredo. O neira somente foi apresenram ouvidas. episódio é conhecido como a tado e aceito em 2010. De acordo com a decisão "origem e o laboratório" do A lentidão no STF e em Mide Barbosa, os depoimentos que viria ser descoberto nas Gerais favoreceu o exdevem seguir uma ordem tempos depois, o Mensalão ministro Walfrido dos Mares estabelecida. O juízo de Belo do PT, ainda em julgamento Guia, presidente do PSB em Horizonte deverá ouvir as no STF. De acordo com in- Minas, que poderá amanhã, seis testemunhas no prazo vestigações da Polícia Fede- quando completar 70 anos, de 40 dias, contados a partir ral, seis empreiteiras doa- requerer a prescrição dos do dia do recebimento da ram na época R$ 8,2 milhões crimes de peculato e lavacarta de ordem. No segundo para a campanha de Azere- gem de dinheiro. (Agências)

flexão crítica" sobre as sentenças. Iliescu fez ontem uma comparação entre as penas aplicadas aos condenados e a sentença de cinco anos de reclusão, em regime semiaberto, dada ao bicheiro Carlinhos Cachoeira. Há, de acordo com ele, uma grande desproporção entre os casos. Antes reticente em confrontar o STF, a UNE agora fala em "sanha condenatória" e que o julgamento foi "negligente" em relação aos "princípios democráticos". "É evidente que, politica-

mente, os atos vão ganhar uma conotação de apoio e solidariedade", diz Iliescu, que é ligado ao PCdoB. Dirceu e o ex-presidente do PT, José Genoino, já confirmaram presença em um encontro que o deputado João Paulo Cunha (PT-SP), também condenado, fará amanhã para debater a dosimetria de penas no Mensalão. Na reunião, em Osasco (SP), o parlamentar deverá falar durante 20 minutos sobre o resultado do julgamento. "Ele quer mais apresentar sua versão dos fatos do que

questionar o papel de setores da mídia e dos ministros", diz um aliado de João Paulo. O presidente nacional do PT, Rui Falcão, e o estadual, Edinho Silva, também irão discursar na ocasião, mas, segundo os organizadores do ato, seus pronunciamentos terão outro enfoque – serão sobre "análise das eleições". Na semana passada, quando o PT divulgou texto atacando o STF pelo julgamento, Falcão disse que manifestações de desagravo aos condenados seriam iniciativas pessoais, não do partido. (Agências)

TCU avalia caso do IR não recolhido por senadores Senado pretendia, com manobra, transferir a conta para os contribuintes.

O

presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), ministro Benjamin Zymler, disse ontem que pretensão do Senado de usar dinheiro público para pagar o imposto de renda devido por senadores pode ser contida, caso seja confirmada a sua ilegalidade. "O tribunal está atento. Como é uma questão pontual, estamos observando e verificando a necessidade de atuação, ou não, do tribunal em caso concreto". Ele destacou que não há necessidade de provocação para o TCU se manifestar e que seria "açodamento" antecipar qualquer tipo de decisão. Zymler deu a declaração depois de convidar o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), para a posse de seu sucessor no cargo, ministro Augusto Nardes, no próximo dia 12. A Mesa Diretora do Senado tomou a decisão de transferir para os contribuintes brasileiros o débito dos senadores, após a fracassada tentativa da diretora-geral da Casa, Doris Peixoto, de convencer a Receita Federal de que o 14º e 15º salários, equivalentes a duas parcelas de R$ 26,7 mil, são "indenizatórios". Ou seja, que a verba seria essencial para os parlamentares suprirem despesas extras, e não tributáveis, no início e no final do ano. A cobrança se refere ao

período de 2007 a 2011. Alguns senadores já quitaram o débito, enquanto que outros aguardam a quitação da despesa com dinheiro público. O Senado prometeu divulgar na segunda-feira os nomes dos que estão quites e dos demais. O presidente do TCU disse que o tribunal tem acompanhado o episódio. "Qualquer destinação de recursos públicos para pagamento de despesas interessa ao tribunal", informou. "É uma questão tributária de relevo, mas até agora não há nenhum processo, há apenas uma observação do tribunal do que está acontecendo", acrescentou. Dívidas – Líder do PSDB, o senador Álvaro Dias afirmou que pagou sua dívida de R$ 73 mil com a Receita antes de o Senado decidir bancar os débitos. O senador Eduardo Suplicy (PTSP) também enviou ofício ao

Geraldo Magela/Agência Senado

A

lém de aplicado nos Divino e Joaquim Barbosa. Era estudos, o novo pre- essa a escalação do time que sidente do Supremo montei a pedido do ministro", Tribunal Federal, conta Nem, técnico do Santaministro Joaquim Barbosa, fez na Esporte Clube. sucesso também como jogaEle disse que escalou jogador de futebol no gramado do dores da "velha guarda" do estádio Paulo Brochado, em Santana, que enfrentaram Paracatu (MG). uma equipe formada por paraApelidado de "Fritz", o hoje catuenses que moram em torcedor do São Brasília. O time de Paulo e do FlumiBarbosa venceu o nense vestiu a cajogo por 3 a 0, com misa 8 do Santana dois gols do miQuero ouvir os Esporte Clube, tinistro, segundo o familiares do me amador da citreinador. O técministro. dade. nico jura que ninGostaria que Há várias verguém facilitou dissessem como p a r a o j o g a d o r sões sobre a origem do apelido mais ilustre da querem que ele "Fritz", diminuitipequena cidade, seja retratado. vo do nome aleno noroeste de JOSÉ MARIA COIMBRA mão Friedrich. AlMinas. guns dizem que Eternizado na Barbosa ganhou esse apelido praça – Diante da notoriedade porque era muito estudioso de Barbosa, a Câmara dos Vecomo o "Doutor Fritz". Para ou- readores de Paracatu aprotros, é uma ironia por associar vou, no último dia 29, um reum apelido alemão a um ho- querimento para a criação e mem negro. instalação na cidade de uma "O Fritz era rápido como um estátua do novo presidente do foguete. Sabia como jogar", Supremo Tribunal Federal, garante Zé da Áurea um dos ainda segundo o portal G1. técnicos de Barbosa. "Se ele O requerimento, de autoria não fosse ministro, seria o Pe- do vereador José Maria Coimlé", disse ao portal G1. bra (PSD), pedia dispensa dos " O n e g u i n h o e s p i g a d o , pareceres de comissões técnisempre de cabeça alta, era cas e foi aprovado por unaninosso meia-atacante aos 10 midade. No dia 6 de novemanos. Era muito bom", contou bro, a decisão foi publicada no o treinador. Diário Oficial da União e encamiBarbosa deixou o time aos nhada à prefeitura 16 anos, quando partiu para A intenção de Coimbra é insBrasília. Na época em que en- talar a estátua na praça Firmitrou no Supremo, teve de pa- na Santana, a mais movimenrar de jogar futebol devido a tada da cidade, que tem 84 mil um problema no quadril – que habitantes. depois se tornaria crônico. "Ele (Barbosa) é muito estuAntes de abandonar os cam- dioso e trouxe ganho para nós. pos, um ano depois de ter sido Os eleitores têm muita empaindicado ministro do Supre- tia por ele", disse o vereador. mo, Barbosa organizou um joJosé Maria pediu verba para go com os amigos de Paraca- a construção, mas ainda não tu, em 2004. sabe como a estátua será fei"Dario; Zé de Áurea, João Sa- ta: "Quero ouvir os familiares tã, Rogério Poeta e Bordan; do ministro. Gostaria que eles Sabará, Bentevi, Antonio Ca- dissessem, antes, como quereca e David de Moura; Juarez rem que ele seja retratado".

comando da Casa para informar que pagou R$ 49,9 mil relativo às ajudas de custo recebidas entre 2007 e 2011 – valor considerado pela Receita para o débito. Os senadores Pedro Taques (PDT-MT), Randolfe Rodrigues (PSol-AP), Walter Pinheiro (PTBA), Aécio Neves (PSDB-MG), Cyro Miranda (PSDB-GO) e Ana Amélia Lemos (PP-RS) também anunciaram que já pagaram as dívidas. Em primeiro mandato, Randolfe disse que sua dívida foi recalculada de R$ 22 mil para R$ 18 mil pela Receita – valor dividido em parcelas mensais de R$ 1.200: "Como não sou endinheirado, resolvi dividir esse valor". (Agências)

Antecipação: o senador tucano Álvaro Dias, como alguns colegas, já providenciaram o acerto de contas com a Receita.


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

7

O parecer é meu, mas o relatório é da comissão. Eu quero perseguir um relatório que seja o pensamento da maioria. Odair Cunha (PT-MG)

olítica

CPI DO CACHOEIRA

Fotos: Sergio Lima/Folhapress

Sem consenso, leitura do relatório é adiada de novo. Relator Odair Cunha (PT-MG) alega que ainda quer melhorar o próprio texto

A

CPI do Cachoeira adiou novamente a leitura do relatório do deputado Odair Cunha (PT-MG) com a conclusão das investigações sobre o suposto esquema criminoso do bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. "O parecer é meu, mas o relatório é da comissão. Eu quero perseguir um relatório que seja o pensamento da maioria. Sempre é possível aperfeiçoar", afirmou Cunha, que não quis adiantar os trechos que poderão ser alterados. A decisão partiu do próprio relator, que disse estar "dialogando com os pares" sobre o conteúdo do texto diante da repercussão. A leitura do relatório está marcada para a próxima quarta-feira. Anteontem, ele já havia afirmado que aceita mudar pontos do relatório que não tenham consenso. Mas o jornal Folha de S. Paulo apurou que o relator não vai discutir a inclusão de novos nomes do documento, só a exclusão. O relatório provocou reações na base governista e recebeu críticas da oposição ao pedir o indiciamento do redator-chefe da revista Veja, Policarpo Junior, que tinha o con-

Por insegurança do relator, a leitura será adiada. Ele ataca pessoas e poupa aliados. Não se sente seguro para ler o relatório? CARLOS SAMPAIO traventor Cachoeira como fonte, além de outros jornalistas. Nenhum profissional da imprensa indiciado no relatório foi investigado pela CPI. Outro ponto polêmico é o pedido para que o procuradorgeral da República, Roberto Gurgel, seja investigado pelo Conselho Nacional do Ministério Público, por ter atrasado, segundo o relator, as investigações sobre as relações de Cachoeira com políticos, entre eles o ex-senador Demóstenes Torres (DEM-GO). Para a oposição, trata-se de vingança pelo fato de Gurgel ter pedido a condenação de petistas no processo do Mensalão. Foi ele quem redigiu as alegações finais ao Supremo Tribunal Federal (STF) na ação penal do Mensalão.

O PSDB cobrou do relator a leitura do texto ontem, como programado. Sem sucesso. O presidente da CPI, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), disse que a decisão já fora tomada pelo relator. "Por insegurança do relator, a leitura será adiada. Ele ataca pessoas e poupa aliados. Não se sente seguro para ler o relatório? Precisa de mais sugestões? Parece que está dizendo ao Brasil: 'Estou disposto a corrigir meus erros'", criticou o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP). O texto pede a responsabilização do governador Marconi Perillo (PSDB-GO) por "receber pagamentos" do suposto esquema Cachoeira. A posição dos tucanos para que o relatório seja apresentado sem alterações é estratégica. Sem mudanças, certamente o relatório será rejeitado na íntegra. Isso interessa aos tucanos, porque Perillo seria poupado do pedido de responsabilização. Os demais partidos de oposição defendem mudanças no texto. "Se o bom senso prosperar e ocorrer retificações, que assim seja", proclama o senador Randolfe Rodrigues (PSol-AP).

Vital do Rêgo, (em primeiro plano), Paulo Teixeira e Odair Cunha discutem. "Sempre é possível aperfeiçoar", acredita Cunha. Já para Teixeira, é "pouco provável que o Cunha consiga maioria para aprovação. À direita, funcionários carregam pilhas de processos. Só o relator da CPI pode fazer alterações no texto final. Quando colocado em votação, só há duas opções: aprovar ou rejeitar o texto na íntegra. Não há a possibilidade de o plenário aprovar destaques para retirar partes do texto. Cachoeira – Alguns parlamentares defenderam ontem uma nova prorrogação dos trabalhos da CPI para possibilitar a reconvocação de depoi-

mento de Cachoeira. O relatório aponta 46 pessoas com ligação direta com o esquema ilegal de Cachoeira; pede o indiciamento de 34 agentes privados; e a responsabilização de 12 agentes públicos com foro privilegiado. Para o deputado Miro Teixeira (PDT-RJ), deve haver a apresentação de voto divergente que poderá ser aprovado pela maioria: "Há uma grande pos-

sibilidade de haver um voto divergente que acabe sendo o verdadeiro relatório da comissão. Acho pouco provável que o relator consiga maioria, mesmo com as alterações, para aprovar o relatório". "Esse relatório não tem uma lógica investigativa, é uma perseguição política. Temos que derrubar", afirmou o deputado tucano (SP) Carlos Sampaio. (Agências)

Beto Barata/Estadão Conteúdo

Andressa e Cachoeira postam amor em rede social Imagem foi tirada logo depois que Cachoeira deixou a Papuda, em Brasília.

Gurgel: condenação dos réus é 'máxima do direito penal'. Para o procurador-geral, réus deveriam ser presos já no fim do julgamento.

O

procurador-geral da República, Roberto Gurgel, disse ontem que o resultado do julgamento da Ação Penal 470, o Mensalão, "não poderia ter sido melhor". Para ele, a condenação representa a "máxima" do direito penal do País. Ele voltou a defender, inclusive, que os réus sejam presos assim que o julgamento terminar. Após receber representação de um grupo de parlamentares contrários ao relatório final da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do Cachoeira, Gurgel disse que a criação do colegiado tem ligação direta com o Mensalão: "Tudo que tem acontecido desde a criação da CPMI está relacionado ao Mensalão". Gurgel acrescentou que haverá pressões contra ele mesmo depois do julgamento do Mensalão no Supremo Tribunal Federal. "Sempre vai haver inconformados com o resultado do julgamento".

A quem interessa retirar o poder do MP? Seria mais uma retaliação ao cumprimento da sua função constitucional? ROBERTO GURGEL No relatório final da CPMI, o deputado Odair Cunha (PTMG) pede que o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) investigue a conduta de Gurgel quando recebeu o relatório da Operação Vegas. Para o parlamentar, Gurgel deveria ter se manifestado tão logo recebesse o inquérito do Ministério Público do Estado de Goiás. Gurgel negou que, na ocasião, houvessem "fatos diminutos" que justificassem a investigação. Gurgel ataca – Gurgel apro-

veitou a solenidade de posse do ministro Joaquim Barbosa no STF para criticar a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC), numa comissão especial da Câmara dos Deputados, que restringe o poder de investigação do Ministério Público. Ele classificou a decisão dos deputados, como "um dos maiores atentados ao Estado Democrático de Direito". Ele disse que o MP não quer e jamais quis substituir o trabalho da polícia. "A quem interessa retirar o poder do Ministério Público? Seria mais uma retaliação ao cumprimento da sua função constitucional?". Gurgel disse confiar que o novo presidente do STF vá desempenhar o comando com "integridade e firmeza" e pregou união entre as duas instituições – a magistratura e o Ministério Público. Para ele, é preciso que os dois órgãos trabalhem juntos na defesa das prerrogativas. (Agências)

Ed Ferreira/Estadão Conteúdo

Roberto Gurgel e integrantes da CPI: ele diz que haverá pressões contra si depois do Mensalão no STF.

Final feliz? Andressa lança foto em que aparece junto com Cachoeira em rede social. O bicheiro está mais magro e seus cabelos branquearam. Livre, ele agora sorri.

A

ndressa Mendonça postou ontem foto em rede social ao lado do marido, o bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, informa o portal G1. Na imagem, o casal unido, depois de meses de separação, está dentro de um carro em um posto de gasolina, logo após a saída dele do Presídio da Papuda, em Brasília, na madrugada de quarta-feira. Na foto,

divulgada no perfil dela, Cachoeira aparece magro e de cabelos brancos. Depois que deixou a prisão, ele foi para a residência do casal em um condomínio de luxo em Goiânia, onde nenhum deles foi visto depois. É grande a quantidade de pessoas que visitam a casa da família. Cachoeira deixou a prisão após quase 9 meses preso. Ele foi condenado, na terça-feira,

pela juíza da 5ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do DF, a 5 anos de prisão em regime semiaberto por crimes de formação de quadrilha e tráfico de influência, tentativa de fraudar o sistema de bilhetagem do transporte público de Brasília. Vai recorrer em liberdade até o trânsito em julgado da ação (quando não há mais possibilidade de recurso).

Perillo diz que processará Cunha

O

governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), e um dos seus aliados mais próximos, Jayme Rincon, resolveram partir para o ataque contra o relator da CPI do Cachoeira, deputado Odair Cunha (PT). Informaram que entrarão com processos por danos morais contra Cunha. O relatório de Cunha pede a responsabilização criminal de Perillo e Rincon, por crimes como formação de quadrilha, tráfico de influência e advocacia administrativa. Perillo cha-

mou o relatório de "peça de ficção" e "inconsistente". Para ele, seu indiciamento é troco devido ao julgamento do Mensalão: "A farsa foi desmascarada. O relator, a serviço do mentor do Mensalão e na ânsia de agradar o seu chefe, produziu o mais mal feito e inconsistente relatório na história das CPMIs do Congresso". "Repudio de forma veemente essa peça de ficção elaborada exclusivamente como instrumento de vingança." Também acusado, o presi-

dente da Agetop (Agência de Obras), Jayme Rincon, promete processar Cunha. Segundo a CPI, Rincon direcionou licitações para a Delta. "Sou o pior direcionador de licitações do Brasil. Todas as licitações feitas por mim e que somam mais de R$ 1 bilhão, a Delta concorreu e ganhou apenas 4%". "Se o relator tiver o mínimo de dignidade, deve pedir desculpas a Goiás pelas asneiras ditas ao longo dos últimos 8 meses e por seu relatório pífio e inconsistente. (Folhapress)


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Demorou 6 meses e custou o assassinato de quase 100 PMs, até Alckmin reconhecer o fracasso de sua política de segurança pública. José Dirceu, em seu blog.

olítica

Luiz Roberto Lima/Futura Press/Estadão Conteúdo

Rio-2016 está garantida, com ou sem royalties. Presidente da autoridade olímpica diz que jogos no Rio independem do petróleo

O

presidente da Autoridade Pública Olímpica brasileira, Márcio Fortes, disse ontem que o governo federal garantirá a construção dos equipamentos essenciais para a realização da Olimpíada de 2016, no Rio, independentemente de o estado perder sua receita com royalties. Fortes acrescentou que nenhum item do caderno de encargos que o Rio entregou para o COI (Comitê Olímpico Internacional) na ocasião de sua candidatura à cidade sede será descumprido. A resposta de Fortes foi dada a jornalistas que questionaram declaração recente do governador do Rio, Sergio Cabral, de que sem os recursos dos royalties a Copa de 2014 e da Olimpíada de 2016 estariam comprometidas. Fortes usou o tom político e evitou rebater diretamente o governador fluminense, mas disse que, segundo sua interpretação, Cabral se referia às obras secundárias de responsabilidade do estado e da prefeitura – como algumas de infraestrutura, por exemplo. "Eu entendo que a manifestação do governador Sérgio Cabral é de que no conjunto amplo possa haver alguns

Nenhum item do caderno de compromissos deixará de ser cumprido. Não haverá problema com sua realização. MÁRCIO FORTES itens que ele precisará de especial cuidado para financiamentos", disse Fortes. Um exemplo de obra de infraestrutura é a linha 4 do metrô, em construção pelo governo, que ligará a zona sul à zona oeste, Barra da Tijuca, que concentrará boa parte dos equipamentos olímpicos. O ex-ministro ressaltou que o governo federal garantirá o cumprimento de todos os compromissos do caderno de encargos: "Nenhum item do caderno de compromissos deixará de ser cumprido. Você realiza uma olimpíada sem instalação esportiva? Não. Realiza sem ter uma vila dos atletas? Não. Há vários projetos essenciais que vão ter recursos do governo federal. Não haverá problema com realização desses itens".

Reação – Sérgio Cabral reuniu ontem, no Rio, lideranças políticas, aliadas e rivais, e membros da sociedade civil em torno da questão dos royalties. Ele disse que respeita a decisão do Congresso, mas lutará pelo veto da presidente da República, Dilma Rousseff, na parte do projeto de lei que determina a mudança nos contratos já assinados. Mais de 100 pessoas – entre prefeitos de municípios produtores, deputados e senadores da bancada fluminense, representantes do legislativo, do judiciário e do executivo do Rio – se reuniram no auditório do Palácio Guanabara para alinhar os discursos e antecipar o clima da passeata marcada para a próxima segunda-feira no centro da cidade. "O Rio respeita aquilo que o Congresso decidiu para valer para os novos campos a serem explorados. Mas não aceita a invasão daquilo já contratado, já estabelecido, seja do póssal e do pré-sal", disse Cabral. Cabral lembrou o veto do expresidente Lula, em 2010, à proposta que mexia com os campos já licitados. E disse que usa, inclusive, esse argumento para convencer Dilma ao veto. (Folhapress)

Acusado da morte de Celso Daniel é condenado a 20 anos Itamar Messias dos Santos foi sentenciado por homicídio duplamente qualificado

O

Tribunal do Júri de Itapecerica da Serra (SP) condenou ontem Itamar Messias Silva dos Santos, de 32 anos, a 20 anos de prisão em regime fechado. Ele é um dos acusados da morte do ex-prefeito Celso Daniel, de Santo André. Santos foi condenado por homicídio duplamente qualificado, por motivo torpe e sem dar chance de defesa à vítima. Santos participou do sequestro do ex-prefeito e o levou para um cativeiro, onde a

vítima foi assassinada a tiros. O juiz Antonio Augusto de França Hristov levou em conta o fato de a vítima ser prefeito na época e a comoção causada pelo crime para fixar a pena. Beneficiado por um habeas corpus recentemente, Santos poderia recorrer em liberdade, mas já responde a outros processos e vai continuar preso. O advogado de defesa Airton Jacob Gonçalves Filho já entrou com recurso. O irmão da vítima, Bruno José Daniel Filho, que acompa-

nhou o julgamento, disse que a Justiça está sendo feita, mas espera que as investigações continuem. "Tenho esperança de que algo novo venha à tona", afirmou. O advogado do réu defendeu a tese de que o crime foi político. "É melhor condenar um favelado do que colocar aqui a cúpula deste ou daquele partido". Segundo Airton Jacob, o acusado não poderia ser condenado, pois não estava no local do crime e nem puxou o gatilho. (Estadão Conteúdo)

Dilma grava para Regina Casé Presidente fala em R$ 7,6 bi até 2014 para educação, saúde, acessibilidade.

A

presidente Dilma Rousseff gravou na manhã de ontem uma entrevista para o programa Esquenta, apresentado por Regina Casé, na TV Globo. O encontro, que durou cerca de duas horas, ocorreu na unidade do Hospital Sarah Kubitschek, no Lago Norte, em Brasília. Segundo fontes do Planalto, a presidente teve um bate-papo "descontraído" com a apresentadora, comentando o programa Viver sem Limites, que prevê investimentos de R$ 7,6 bilhões até 2014 em ações de educação, saúde, inclusão social e acessibilidade. Dilma também teria discutido educação e saúde com Regina. A nova temporada do E squenta está prevista para começar em dezembro. Antes do programa de Regina Casé, Dilma já havia concedido entrevistas para os programas Fantá sti co (TV Globo) e Hoje em Dia,(TV Record) A presidente chegou ao hospital por volta das 10h20 e saiu ao meio-dia para almoçar no Palácio do Alvorada, antes de seguir para a posse do ministro Joaquim Barbosa como presidente do STF.

Segundo a ministra Helena Chagas (Secretaria de Comunicação), o Esquenta, cujo lema é "xô preconceito", terá uma série especial sobre deficiência. Por isso Dilma foi convidada para falar sobre o Viver sem Limites, programa do governo federal lançado há um ano como parte do Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência. O plano prevê investimentos federais de R$ 7,6 bilhões até 2014 para

ações de educação, saúde, inclusão social e acessibilidade. "Foi uma conversa descontraída. Ela falou sobre saúde, criança, educação, ciência e tecnologia", disse a ministra, que acompanhou a gravação. Segundo a ministra, o marido de Regina fez tratamento no hospital, especializado em reabilitação, e por isso a Rede Sarah foi escolhida como locação para a entrevista com a presidente. (Agências)

Cabral: "O Rio não aceita a invasão daquilo já contratado, já estabelecido, seja do pós-sal e do pré-sal".

Dirceu critica política de segurança pública de Alckmin Fabio Motta/Estadão Conteúdo

O

ex-ministro José Dirceu (PT), condenado no caso do Mensalão por corrupção ativa e formação de quadrilha, criticou a política de segurança pública adotada pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) no Estado de São Paulo. Em nota escrita em seu blog, Dirceu diz que o próprio governador reconheceu o "fracasso" desse campo de sua gestão e fez "alterações na área", em referência à troca do secretário de Segurança Pública ocorrido na manhã de ontem – Antonio Ferreira Pinto deixou o cargo, agora assumido pelo exprocurador-geral, Fernando Grella Vieira. "Demorou 6 meses e custou o assassinato de quase 100 PMs, além de dezenas de civis, até o governador tucano Geraldo Alckmin finalmente reconhecer o fracasso de sua política de segurança pública", escreveu. Ele afirma que para melhorar efetivamente a segurança pública não basta trocar o comando. "É pouco. Só troca de nomes não resolve nada, ainda, mas anuncia-se que o governo e seu novo chefe da Segurança vão trocar também os comandos das polícias civil e militar. O fundamental não é trocar nomes, nem comandos. É principalmente mudar a política em vigor no setor". Para Dirceu, o erro da atual gestão é o tipo de confronto promovido pelo estado com o crime organizado: "Tem que cessar essa da lei do talião, do olho por olho, dente por dente, em que se digladiam há meses organizações criminosas como o Primeiro Comando da Capital (PCC) e esquadrões da morte, grupos paramilitares, milícias e demais facções criminosas incrustradas nas polícias paulistas". Ele defende que, devido às

José Dirceu escreve em seu blog: "O fundamental não é trocar nomes, nem comandos. É principalmente mudar a política em vigor no setor".

parcerias de segurança pública entre o governo do estado e o federal, anunciadas há duas semana, o novo secretário terá as condições de "mudar" essa política: "As condições para a mudança, felizmente, estão criadas pelas parcerias estabelecidas há duas semanas com o governo federal. Parcerias que o governo Alckmin demorou 6 meses para aceitar, mas que seu novo chefe de polícia se apressou em anunciar que serão mantidas, bem como o 'bom' relacionamento com a União". Troca de máscaras – Dirceu seria retratado no próximo carnaval pela escola de samba Salgueiro, que vai apresentar o enredo "Fama" no sambódromo do Rio. Condenado a 10 anos e 10 meses de prisão pelos crimes de corrupção ativa e formação de quadrilha, Dirceu teria seu rosto reproduzido em máscaras da fantasia "Quem vê cara não vê coração". Além da máscara, o traje inclui terno e faixa verde e amarela lembrando a presidencial. Reproduzida no site da escola de samba para ser comercializada, a fantasia causou repercussão. Ao ver reproduzido o rosto de José Dir-

ceu, os foliões passaram a identificar a ala como uma crítica aos condenados pelo Mensalão. A direção do Salgueiro decidiu então alterar a máscara, que agora retrata o personagem Coringa, vilão dos quadrinhos e arqui-inimigo do super-herói Batman. O restante da fantasia não foi alterado. "Nossa intenção não era causar polêmica. A ala não teria só máscaras do José Dirceu, mas também de outros políticos e de gente famosa em outras áreas", conta o diretor de carnaval do Salgueiro, Anderson Abreu. "No contexto do enredo, que fala sobre fama, a ideia dessa ala era mostrar como as pessoas comuns aproveitam o carnaval para se fantasiar como pessoas famosas. Era uma referência ao carnaval de rua, onde é comum encontrar gente fantasiada. Mas as pessoas começaram a interpretar como uma crítica política, e então decidimos mudar". A reportagem não conseguiu falar com a responsável pela Ala Pura Simpatia, que comercializa a fantasia. A maioria das fantasias do Salgueiro tem preços de R$ 950 a R$ 1.200. (Estadão Conteúdo)

B. Mathur/Reuters

Pedro Ladeira/Frame/Folhapress

Dilma foi convidada para falar sobre o Viver sem Limites, programa que integra o Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência.

PRÊMIO PARA LULA – Ele recebeu ontem do presidente da Índia, Pranab Mukherjee, o Prêmio Indira Gandhi pela sua "contribuição à paz, desarmamento e desenvolvimento". A entrega aconteceu no Palácio Rashtrapati Bhavan, em Nova Déli. Lula disse que é preciso fazer política para as pessoas.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

9 SÍRIA Rebeldes tomam base militar estratégica na divisa com Iraque

nternacional

MERCOSUL Bolívia aceita convite para se tornar membro pleno

Ahmed Zakot/Reuters

Reuters

- 16/1

1/12

Líderes do Hamas, Jihad Islâmica e Fatah unidos após trégua com Israel.

Paz com Israel. E união entre palestinos. Após cessar-fogo, multidões celebram 'triunfo' da Faixa de Gaza sobre Israel. Comemorações ainda trouxeram o renascimento da irmandade palestina.

A

pesar do elevado número de vítimas na Faixa de Gaza, o conflito de oito dias entre Israel e o grupo islâmico Hamas resultou em um fato inédito: uniu as distintas facções palestinas. Marginalizado na crise, o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP) e líder do Fatah, Mahmoud Abbas, parabenizou ontem o primeiro-ministro do Hamas, Ismail Haniye, pela "vitória". O gesto foi retribuído por Haniye que, ao lado do líder da Jihad Islâmica, Mohammed al-Hindi, apoiou a reivindicação de Abbas de obter reconhecimento da Palestina como Estado-observador na Organização das Nações Unidas (ONU). O anúncio de trégua na quarta-feira resultou em frenéticas celebrações nas ruas de Gaza, após uma semana de bombardeios que deixaram 164 mortos, 1.300 feridos e muitos danos materiais. Multidões continuaram a celebrar ontem no território palestino, a maioria com bandeiras verdes do Hamas, mas centenas tinham emblemas amarelos do grupo rival Fatah, da Cisjordânia, liderado pelo presidente palestino pró-Ocidente, Mahmoud Abbas. Moradores disseram que esta foi a primeira ocasião em que simpatizantes do partido de Abbas saíram às ruas de Gaza para participar de uma concentração sem serem reprimidos. "Hoje nossa unidade se materializou, Hamas e Fatah são uma mão, uma espingarda e um foguete", disse um dos líderes do Hamas Khalil AlHayya a milhares de pessoas na praça principal de Gaza. Nabil Shaath, uma autorida-

Yannis Behrakis/Reuters

AFP - 03/11/11

L'Oréal: 'Porque Sarkozy vale muito'.

O

Tanques israelenses na fronteira aguardam para serem transportados de volta a Israel. Ofensiva por terra foi abandonada após cessar-fogo. de do Fatah, até dividiu o palco com líderes do Hamas, da Jihad Islâmica e outras facções. As imagens impressionantes da reconciliação quebraram um padrão de amargura desde que atiradores do Hamas tiraram o Fatah de Gaza em 2007. Congratulações - Colocado às margens do conflito, Abbas louvou a firmeza dos palestinos frente ao ataque israelense e telefonou ao líder do Hamas em Gaza para parabenizá-lo pela "vitória". Ao mesmo tempo, Haniye e o líder da Jihad Islâmica, Mohammed al-Hindi, manifestaram

"apoio à iniciativa nacional de status de observador da ONU". No próximo dia 29 a Assembleia Geral da ONU votará a proposta de Abbas. A aprovação é considerada quase garantida. A Palestina obteria assim um status que lhe permitiria o acesso a agências das ONU e a tribunais internacionais. Retirada - Em Israel, o humor amanheceu indefinido. Alguns mostram gratidão pela restauração da paz sem uma operação por terra que poderia ter custado a vida de soldados. Outros acreditam que a operação foi abandonada pre-

cipitadamente, especialmente entre moradores do sul do país, alvo frequente de foguetes palestinos. Enquanto ordenava a retirada das forças militares que se preparavam para invadir Gaza, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, reconheceu ontem o descontentamento de parte da população pela cessação de uma operação que era apoiada por 84% do país e na qual morreram seis israelenses, quatro deles civis. "Sei que há cidadãos que esperavam uma resposta ainda mais dura. Também estamos

preparados para ela. Como fizemos durante esta operação, decidiremos quando, como e contra quem atuar", disse. Prisões - Apesar do cessar-fogo, Israel manteve operações contra militantes palestinos. Um árabe-israelense foi detido por suspeita de plantar uma bomba num ônibus em Tel Aviv cuja explosão deixou 15 pessoas feridas na quarta-feira. Também foram presos militantes do Hamas e da Jihad Islâmica na Cisjordânia sob suspeita de terem recrutado o árabeisraelense para realizar o ataque. (Agências)

Mohamed Abd El Ghany/Reuters

O NOVO FARAÓ

U

Egípcios seguram cartaz em apoio ao presidente Morsi

m dia após fechar o acordo que pôs fim a oito dias de conflito entre Israel e o grupo radical islâmico Hamas na Faixa de Gaza, o presidente do Egito, Mohammed Morsi, promulgou decretos que lhe dão "superpoderes" e impedem o Judiciário de interferir em decisões do Executivo. Pelos decretos, todas as decisões que Morsi tomou desde que assumiu a Presi-

dência, em junho, e até que um novo Parlamento seja eleito e uma nova Constituição promulgada – o que só deverá acontecer no ano que vem – não são passíveis de recurso perante a Justiça. As emendas ainda dão imunidade aos parlamentares islamitas que redigem a nova Constituição do país e blindam de dissolução a Câmara Alta do Parlamento, a qual também é dominada pelos islamitas.

Morsi também demitiu o procurador-geral do Egito, Abdel-Maguid Mahmoud, acusado de falhas na investigação do ex-ditador Hosni Mubarak, que será submetido a mais "investigações e julgamentos". Críticos acusaram o líder de autoritarismo. "Morsi usurpou todos os poderes do Estado e se nomeou novo faraó do Egito", disse Mohamed ElBaradei, prêmio Nobel da paz e dirigente opositor. (Agências)

ex-presidente da França Nicolas Sarkozy foi interrogado por mais de 12 horas ontem por juízes que investigavam acusações de que ele aceitou doações ilegais da herdeira do império cosmético L'Oréal, Liliane Bettencourt, para financiar sua campanha em 2007. Os juízes investigavam se Sarkozy aproveitou-se da fraqueza psicológica da mulher mais rica do país, de 90 anos de idade, que sofre de Alzheimer. Ao término da audiência, Sarkozy foi colocado sob status de "testemunha assistida" que reflete, segundo a imprensa, que os juízes não encontraram provas suficientes contra ele, mas que deixa aberta a porta para uma acusação posterior. A ex-contadora de Liliane, Claire Thibout, disse à polícia que a herdeira doou 150 mil euros (cerca de US$ 192 mil) à campanha de Sarkozy, quantia que chocou os franceses, já que gastos de campanha são limitados no país. Contribuições individuais têm um limite de 7,5 mil euros e os candidatos não podem gastar mais de 22 milhões de euros durante a campanha. Sarkozy, que perdeu a imunidade presidencial em maio, nega as alegações. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10

c

sexta-feira, 23 de novembro de 2012 Renato Silvestre/Folhapress

PRISÕES Em Osasco, policiais prenderam três suspeitos de cometer ataques a policiais militares na manhã de ontem. Com eles, armas de uso restrito e munições.

idades L.C.Leite/Folhapress - 09/09/2010

Delegado-geral crê em ação de policiais em execuções Marcos Carneiro Lima, que colocou seu cargo à disposição, vê coincidências que apontam para extermínios.

O

delegado-geral da Polícia Civil, Marcos Carneiro Lima, disse ontem que há indícios de ações de extermínio na atual onda de violência. Em tom de desabafo, prestes a deixar o cargo, ele disse que pelo menos uma das vítimas teve seus antecedentes criminais consultados no sistema de segurança pública do Estado pouco antes de ser assassinada, o que seria um indício da atuação de policiais no crime. "Fomos verificar, havia sido feita uma pesquisa (sobre antecedentes). A morte foi na Capital e a pesquisa feita na Grande São Paulo pouco antes da morte", disse Carneiro Lima, logo após a posse do novo secretário da Segurança Pública, Fernando Grella Vieira.

O delegado-geral disse que isso já ocorria no passado e afirmou que o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) está checando se houve consultas também em outros casos de homicídios recentes. "Se houver policial envolvido em crimes, queremos que ele fique preocupado e não durma em paz", disse. As consultas das fichas criminais são acessíveis somente a policiais. Questionado se havia provas de que policiais têm cometido assassinatos em bairros da periferia, Carneiro Lima disse que trabalha com todas as linhas de investigação e apontou alguns indícios de que isso esteja acontecendo. "A própria sociedade, ao receber a informação de que oito homicídios aconteceram em um curto espaço de tempo,

em um espaço geográfico pequeno, (sabe que) é porque alguma coisa estranha está acontecendo. O criminoso é covarde. Ele mata e foge do local. Ele não mata e fica matando várias vezes. Não mata e recolhe os estojos (dos projéteis) depois para não fazer prova." O delegado-geral disse que a numeração das cápsulas são determinantes em uma investigação, porque permite o rastreamento de onde foram compradas. Todas as balas usadas por policiais trazem identificação de lote. "Em muitos casos, os estojos são recolhidos por pessoas que sabem que poderiam ser incriminadas." Carneiro Lima afirmou também que parte da sociedade é conivente com a violência. "É importante ressaltar que a gen-

te nunca teve chacina nos Jardins. Por quê? Por que é tão fácil matar pobre na periferia? Porque ainda existe uma grande parcela da sociedade que acha que matar pobre na periferia é matar o marginal de amanhã." O delegado-geral já pôs o cargo à disposição e deve ser substituído nos próximos dias. Quatro nomes são cotados: o diretor do Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic), Nelson Silveira Guimarães; o diretor do Departamento de Polícia Judiciária da Capital (Decap), Carlos José Paschoal de Toledo; o diretor do Departamento de Polícia Judiciária da Macro São Paulo, Youssef Abou Chahin; e o diretor do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa, Jorge Carrasco. (AE) O delegado-geral da Polícia Civil de São Paulo, Marcos Carneiro Lima.

Moacyr Lopes Junior/Folhapress

Moacyr Lopes Junior/Folhapress

Fernando Grella Vieira, o novo secretário de Segurança Pública de São Paulo: um desafio pela frente.

O ex-secretário Antonio Ferreira Pinto: elogio à Rota em sua despedida no Palácio dos Bandeirantes.

Alckmin: "O Estado não se intimida". O novo secretário de Segurança, ex-procurador-geral de Justiça Fernando Grella Vieira, tomou posse ontem com o desafio de conter a onda de violência.

O

novo secretário estadual de Segurança Pública, o exprocurador-geral de Justiça Fernando Grella Vieira, foi empossado no cargo na manhã de ontem pelo governador Geraldo Alckmin. Durante a cerimônia, o governador ressaltou que o trabalho de Grella Vieira será não apenas o de dar continuidade, mas também aprimorar o combate ao crime no Estado de São Paulo. "É esse desafio (de combater a violência) que passa a ser comandado por Grella. O Estado não se intimida. Venceremos porque já vencemos antes", disse Alckmin. O governador exaltou o trabalho desenvolvido pelo exsecretário Antonio Ferreira Pinto, dizendo que o legado dele não se perderá. Para o governador, as questões relativas à segurança pública "estão no cerne da razão de ser do Estado". "O policial é o Estado, sua parte mais presente e mais visível aos olhos do cidadão. É grave policiais serem atacados. É um ataque ao próprio Estado", afirmou. Em seu discurso de posse, o novo secretário de Segurança Pública disse que a base do combate ao crime organizado são "o planejamento, a inteligência e a interação entre todos os entes da federação". "O crime organizado não

Eduardo Anizelli/Folhapress

respeita fronteiras, ataca pelas costas", afirmou. Grella Vieira ressaltou ainda que o combate ao crime organizado não pode se omitir de garantir o respeito aos direitos humanos. Para ele, a atuação das forças de segurança pública tem de combinar "uma ação efetiva do Estado e o respeito irrestrito aos direitos humanos". "Não se pode tolerar a omissão do Estado. Não se pode aceitar a violação dos direitos fundamentais do cidadão", afirmou. Já o ex-secretário Ferreira Pinto respondeu, em seu discurso de despedida, às críticas que recebeu de ter afastado a Polícia Civil da investigação dos crimes. "É uma falsa verdade dizer que a Polícia Civil foi afastada da investigação final", disse. Antonio Ferreira Pinto defendeu ainda a atuação das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota) durante sua administração a corporação foi criticada por sua suposta truculência -, dizendo que ela foi responsável por recuperar mais de R$ 16 milhões em dinheiro vivo do crime organizado, além de apreender significativa quantidade de drogas e armamentos. "Me orgulho de prestigiar a Rota", disse o ex-secretário. "A Rota apreendeu essa quantidade de dinheiro para mostrar aos senhores que o crime organizado atua com dinheiro vivo." (AE)

O Estado não se intimida. Venceremos porque já vencemos antes. O policial é o Estado, sua parte mais presente e mais visível aos olhos do cidadão. É grave policiais serem atacados. É um ataque ao próprio Estado. GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DE SP. Três pessoas foram mortas em chacina ocorrida na madrugada de ontem, na zona sul da Capital.

Em oito horas, 14 mortos.

A

onda de violênc ia com mortos e feridos a tiros marcou mais uma noite na Região Metropolitana e litoral de São Paulo. Foram pelo menos 14 pessoas assassinadas e oito feridas em um intervalo de menos de oito horas, entre as 18h30 de quarta-feira e as 2 horas da madrugada de ontem. A soma da violência das duas últimas noites chega a 21 mortos e 21 feridos. Já o total da semana (últimas 7 noites) é de 54 mortos e 42 feridos. Os casos foram re-

gistrados nas delegacias da região, mas a maioria será investigada pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Três das vítimas da noite de ontem foram executadas em uma chacina no Jardim São Luiz, na zona sul da Capital, elevando para 18 o número de crimes do tipo neste ano, com um total de 60 mortes. Foram sete crimes em São Paulo e 11 nas demais cidades. Quatro suspeitos morreram e um ficou ferido em confrontos com a Polícia Mi-

litar. Uma motorista de ônibus foi assassinada durante o trabalho em Franco da Rocha, na Grande São Paulo. Na zona leste de São Paulo, o dono de uma padaria matou um cliente e feriu outro durante uma discussão. Interior – Ladrões explodiram quatro caixas eletrônicos de duas agências bancárias em Dourado (SP), na madrugada de ontem. Foram danificados três equipamentos no banco Santander e um no Bradesco. O valor levado não foi divulgado. (Folhapress)

A atuação das forças de segurança pública tem de combinar a ação efetiva do Estado e o respeito aos direitos humanos. Não se pode tolerar a omissão do Estado. Não se pode aceitar a violação dos direitos do cidadão. FERNANDO GRELLA VIEIRA, SECRETÁRIO DE SEGURANÇA.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

c

11 Bruno, estou falando, deixa essa menina em paz. Luiz Henrique Romão, o Macarrão, no seu depoimento.

idades

Alex de Jesus/O Tempo

Reprodução/TV Globo

À esquerda, Luiz Henrique Romão, o Macarrão, no depoimento que durou até a madrugada de ontem. Ele diz que agiu sob ordens do goleiro Bruno, que ordenou que ele levasse Eliza (à direita) até um local em BH.

Macarrão: Bruno mandou matar Eliza. Em depoimento no fórum de Contagem, Luiz Henrique Romão, o Macarrão, afirmou que o goleiro Bruno é culpado pelo desaparecimento da ex-namorada. Alex de Jesus/O Tempo

A

pós duas horas e 40 minutos de interrogatório, o réu Luiz Henrique Romão, o Macarrão, incriminou no início da madrugada de ontem o goleiro Bruno pelo desaparecimento e morte de Eliza Samudio, em junho de 2010. Segundo Macarrão, Bruno havia pedido que ele levasse Eliza até um ponto próximo da Toca da Raposa - centro de treinamento do Cruzeiro na Pampulha, em Belo Horizonte – onde um homem a estaria esperando. "Eu estava pressentindo que ela iria morrer." Macarrão, nessa parte do depoimento, começou a chorar. Ele disse ter tentado demover Bruno da ideia de assassinar Eliza. "Bruno, estou falando, deixa essa menina em paz. O Cleiton já foi preso. O Jorjão já foi preso. Não quero ser mais um a entrar no sistema. Qualquer coisa que acontecer, vão colocar a culpa em mim", disse o réu. Nesse momento, segundo Macarrão, Bruno teria dito:

Sonia Fatima Moura, mãe de Eliza Samudio, que estava na plateia durante o depoimento de Macarrão. "faz o que estou dizendo, larga de ser b...". "Sou p.... Sou Bruno." Segundo Macarrão, Bruno enganou Eliza, que achava que estava sendo levada para um apartamento.

Macarrão afirmou tê-la deixado perto do local combinado, onde um Fiat Palio escuro a esperava. O réu disse que saiu do lugar rápido e que não viu o que aconteceu depois. "Eu estava

apavorado. Quase bati o carro". Procurando a mãe de Eliza na plateia, Macarrão disse que se soubesse onde está o corpo da ex-namorada de Bruno, ele contaria. Segundo o réu, é men-

tira a versão contada por Sérgio Rosa Sales Camelo, primo do jogador, de que partes do corpo de Eliza teriam sido jogadas a cães da raça rottweiler. O interrogatório da acusação terminou por volta das 4h com o réu reafirmando sua inocência. "Não sou assassino", disse Macarrão ao advogado assistente de acusação. Homossexualismo – Questionado pela Promotoria sobre os boatos de que seria homossexual, Macarrão disse que isso não é verdade. O réu afirmou que não teria nenhum problema em assumir essa condição, caso fosse verdade. Segundo ele, tais boatos foram criados pelo ex-advogado de Bruno, Rui Pimenta. Sobre a tatuagem que fez nas costas, em que chama sua amizade com Bruno de "amor verdadeiro", Macarrão disse que foi feita uma semana antes da viagem e que Bruno também faria uma. "Acho que amizade acabou hoje aqui", disse. "Ele não foi honesto com ele mesmo. Eu tinha ele

como meu irmão". Namorada – A ex-namorada de Bruno, Fernanda Gomes, acusada de sequestro e cárcere privado de Eliza Samudio, disse no interrogatório de seu julgamento que só soube da execução de Eliza depois das declarações de Macarrão ao júri. "Só tive certeza de que Eliza foi executada ontem, pelas declarações do Luiz Henrique", disse Fernanda. Durante o depoimento, Fernanda afirmou não saber por que estava sendo julgada. A defesa da ré sustenta que Eliza não estava sequestrada. Fernanda namorava o jogador quando o crime ocorreu. Ela disse ter tomado conhecimento do assassinato pela imprensa, após a juíza Marixa Rodrigues questioná-la sobre a morte de Eliza. Remarcado – Na manhã de anteontem, a juíza Marixa Rodrigues mudou novamente a data do julgamento do goleiro Bruno. A nova data do júri será em 4 de março de 2013. (Folhapress)

...MUITO VERDE E EMBUTIDOS

Prefeitura de Chapecó

O

Charge publicada no Diário do Iguaçu

embate entre os dois clubes pode, desde já, ser batizado como o "clássico da esperança", considerando que ambos ostentam a camisa verde, carregam o mesmo apelido – Verdão! – e, com certeza, alimentam o sonho de participar da Série A. A partida será na Arena Condé, assim chamada em homenagem a um respeitado chefe da tribo kaigang, do rupo Jê, primitiva população da região. A palavra Chapecó vem da língua deles. Algo como "de onde se avista o caminho da roça".

Praça de Chapecó: grande rebanho de porcos na região da cidade em que o Palmeiras jogará em 2013.

ATENÇÃO, PALESTRINOS!

A

rapidez com que agiu o Diário do Iguaçu é um prenúncio da avalanche de gozações que aguarda o Palmeiras na sua volta para a Segunda Divisão. Já na edição de segunda-feira, dia 26 de novembro, quando o Verdão ainda estava a caminho da Série B, o jornal estampava uma charge provocativa, rica em maliciosa ironia. Porém, para que as farpas sejam melhor compreendidas, é necessário esclarecer alguns detalhes que apenas darão mais colorido à brincadeira. Diário do Iguaçu é o principal periódico da cidade de Chapecó, que, com seus 180 mil habitantes, é uma espécie de rainha do oeste catarinense, a cerca de 550 km de Florianópolis. Os moradores se orgulham do seu time, batizado, aliás, com o gentílico da cidade, mas no feminino: Associação Atlética

Chapecoense. Talvez por ser do interior, é menos conhecido do que o Figueirense e o Avaí, dupla da capital. Mas ninguém pode lhe tirar o mérito de ser tetracampeão barriga-verde. Por força dos regulamentos, o Palmeiras terá que jogar em Chapecó no ano que vem. Itamar Miranda/Arquivo-Estadão Conteúdo

CHAPECÓ JÁ SE PREPARA...

A

s afinidades do Palmeiras com Chapecó são estreitas. Para começar, as cores da cidade são o verde e o branco e sua gente tem sangue predominantemente italiano, via migração gaúcha, cuja cultura é palpável na cidade. Porém, une-os ainda o Sus scrofa domesticus, nome científico de um

mamífero adiposo conhecido familiarmente como porco. Ali naquela região se concentra o maior rebanho de suínos do País. São mais de 4,5 milhões de cabeças, 14% do total nacional. Se todos esses animais decidissem fazer "oinc!" ao mesmo tempo, o alarido seria ouvido na China. E como aquela nação é a principal produtora de suínos do planeta, se houver um efeito-contágio, sabe-se lá o que poderia acontecer em termos mundiais de poluição sonora. Não por acaso, em um eixo de apenas 92 km, ligando Chapecó a Concórdia, estão instaladas as poderosas Sadia, Seara e Aurora, responsáveis por montanhas de lingüiças, presuntos e salaminhos, dos quais os catarinenses são vorazes consumidores. Per capita, são 22kg/ano contra os 12 quilos da média nacional.

...PARA RECEBÊ-LOS COM...

S

omente a Aurora, que tem sua sede em Chapecó, abate em torno de 2.500 Sus scrofa por dia, distribuídos praticamente em três raças: os brancos Landrace e Large White e os vermelhos Duroc Jersey. As três têm – certamente em decorrência de cruzamentos para apuração de performance – a curiosa particularidade de, eventualmente, apresentar exemplares pretos e brancos, que são os tons característicos de um marsupial famoso nos meios futebolísticos, que é o gambá. Mas isso não vem ao caso. Importa que a futura visita do Palmeiras já começou a animar a cidade, conforme atesta a

charge publicada na segunda-feira. "Já está criada a expectativa em torno do Palmeiras", avisa o jornalista Ronaldo Roratto, 51 anos, diretor de redação do Diário do Iguaçu. "E que o Palmeiras venha preparado, pois o nosso Verdão quer fazê-lo roncar". Roncar no caso, não tem nada a ver com os Sus scrofa. É uma referência ao contagiante som da sanfona de oito baixos, típico instrumento gaúcho que anima os fandangos daqueles brasileiros que parecem nascer de botas e chapéus, no sentido de dançar conforme o ritmo imposto.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Marius Be cker/EFE

Reprodução

www.dcomercio.com.br

12

Rodando por aí Acima, imagem do Volkswagen Expand, carro-conceito criado pelo designer brasileiro Luiz Antonelli, para uma ou duas pessoas. Ao lado, modelo único do New Beetle apresentado no Salão do Automóvel de Essen, na Alemanha, avaliado em US$ 1 milhão. L ITERATURA F OTOGRAFIA

F IFA

Verissimo em estado grave Fernando Gomes/Estadão Conteúdo

O

escritor Luis Fernando Verissimo, 76, foi internado ontem e está em estado grave no CTI (Centro de Terapia Intensiva) do Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre. "Ele está sedado e dependente de aparelhos", afirma o laudo, divulgado nesta quinta-feira, assinado pelo médico Eubrando de Oliveira. Verissimo permanece no Centro de Tratamento Intensivo (CTI) da unidade sem previsão de alta. Em boletim médico divulgado ontem à noite, a equipe do hospital afirmou que a origem da infecção generalizada que o acometeu ainda é estudada e que o escritor está reagindo ao tratamento. Segundo a filha do escritor, Fernanda, Verissimo teve febre nos últimos dias e a família

Verissimo em setembro. Escritor respira com ajuda de aparelhos. suspeitava de gripe. Um dos principais cronistas do País, colunista de três jornais (O Globo, O Estado de S. Paulo e Zero Hora), Verissimo é autor da série de quadrinhos As Cobras e mantém ainda um grupo de jazz.

Com mais de 60 títulos publicados, o escritor, que é filho de Erico Verissimo, lançou em outubro o livro Diálogos Impossíveis (Objetiva) e, neste mês, participou do Festival Literário de Araxá (MG) e da Feira do Livro de Porto Alegre.

Venda de ingressos bate recorde A pré-venda (para clientes de um cartão de crédito) de ingressos para a Copa das Confederações de 2013 no Brasil bateu recorde nas primeiras 24 horas, com 74 mil entradas vendidas. Não há mais ingressos disponíveis nessa fase nem para a final nem para o jogo de abertura, informou a Fifa ontem. O jogo inaugural será realizado no dia 15 de junho, em Brasília, com a seleção brasileira. A final será no estádio do Maracanã, no dia 30 do mesmo mês. A venda geral de ingressos para o público começa em 3 de dezembro. Cerca de 830 mil ingressos estarão disponíveis, com preço variando entre R$ 28,50 e R$ 418.

C HINA Reuters

Uma casa no meio do caminho Uma casa interdita o trânsito em uma rodovia recentemente construída na província chinesa de Zhejiang. O casal de idosos proprietário da casa se recusou a permitir que o imóvel fosse destruído porque a indenização não cobriria os custos de uma nova residência. A casa é a única edificação ao longo da rodovia, que corta todo o município de Wenling.

Mais que humanos Este é o título da série produzida pelo fotógrafo Tim Flach com retratos em close de animais selvagens, mostrando que eles não são assim tão diferentes dos humanos. Todas as fotos da série estão no site do artista. www.timflach.com

Decoração de Natal alternativa

I NTERNET

DuckDuckGo contra o Google O recém-lançado site DuckDuckGo, que se apresenta como um similar do Google que traz a vantagem de não guardar informações pessoais dos usuários, diz que está sendo vítima de boicote por parte do concorrente. A Comissão Federal do Comércio dos EUA (FTC, em inglês) está investigando acusações de que o Google viola leis antitruste ao usar o poder de

mercado contra os concorrentes. Gabriel Weinberg, aluno do Massachusetts Institute of Technology (MIT) que criou o DuckDuckGo cinco anos atrás afirma que é difícil fazer do site o motor de buscas padrão no Google Chrome e que o Google também coloca o concorrente em desvantagem no Android. O Google nega qualquer violação.

Que tal decorar sua árvore de Natal com bonecas de papel, pintadas por você? O ilustrador italiano Cristian Grossi colocou os moldes das bonecas ao lado em seu site. È só baixar e pintar. http://bit.ly/ShdD9u

A RTE

F ÓRMULA 1 Sergio Moraes/Reuters

Esculturas de papel L

Sem vencer na F1 há quatro anos, desde o GP do Brasil de 2008, o piloto Felipe Massa (esquerda) afirmou ontem que quer voltar ao lugar mais alto do pódio no domingo, em Interlagos, e ainda ver seu companheiro na Ferrari, o espanhol Fernando Alonso (direita), ser tricampeão mundial.

O escultor e pintor francês Jean-François Glabik combina técnicas de papel machê, origami e escultura para criar suas peças. peupledepapier.blogspot.com

M ÍDIA

Triste recorde: 119 jornalistas mortos Pelo menos 119 jornalistas morreram neste ano no mundo todo durante o exercício da profissão, o número mais alto desde que em 1999 o Instituto Internacional de Imprensa (IPI) começou sua apuração. O IPI divulgou ontem esses números, durante um debate em Viena. O conflito sírio é o responsável pelo maior número de mortes, com um total de 36, enquanto 16 jornalistas morreram na Somália, onde ninguém foi julgado por estas mortes. México, Paquistão e Filipinas também seguem sendo locais nos quais exercer o jornalismo é arriscado. Segundo Frank la Rue, relator especial da ONU para a proteção da liberdade de imprensa, houve uma piora das condições de segurança para os jornalistas em áreas onde há conflitos. L OTERIAS Concurso 3051 da QUINA 13

33

46

51

70


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

e

13

conomia Fotos Newton Santos/Hype

Na mesa (a partir da esq.): convidados José Lourenço e Moisés Iavelberg; Solange de Paula, do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente; Marília de Castro, coordenadora da campanha; Rogério Amato, presidente da ACSP e Facesp; Antônio Malheiros, do TJ-SP; Gioia Matilde Tosi, da Receita; Lúcia Bludeni, da OAB, e Adriano de Brios, do Conanda.

Leão Amigo leva imposto para crianças e adolescentes Projeto da ACSP, lançado oficialmente ontem, permite a destinação do Imposto de Renda da pessoa física e da jurídica para programas sociais de todo o Estado. Karina Lignelli

O

incentivo à doação de parte do Imposto de Renda para projetos sociais de entidades do Estado de São Paulo que apoiam crianças e adolescentes passou a ganhar mais força ontem com o lançamento oficial da campanha Leão Amigo e a apresentação do site do projeto (www.leaoamigo .com.br ). A campanha Leão Amigo é uma iniciativa da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), que a promove por meio do Movimento Hora de Agir. A Lei federal 8069/90 permite destinar ao Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (Fumcad) até 6%

O empreendedor, seja social ou econômico, tem o dever de se organizar. ROGÉRIO AMATO, PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE SÃO PAULO E DA FACESP

do Imposto de Renda de pessoas físicas que fazem declaração completa, e até 1% do de pessoas jurídicas que declaram o IR pelo lucro real. O evento realizado na manhã de ontem reuniu mais de 400 representantes de associações comerciais de todo o estado na sede da ACSP, no Centro. O presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), Rogério Amato, ressaltou a importância de todas as instituições en-

volvidas no projeto – que inclui a Receita Federal e o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) – de se empenharem em dobrar a cada ano a destinação do IR para a causa. Hoje, apenas 5% do total do Imposto de Renda ficam nesses projetos sociais. Benefícios – "Percebe-se que hoje há R$ 2 bilhões de impostos nas mãos do Leão que poderiam ser transformados em benefício. Acompanhar essa destinação é uma forma de exercer a cidadania. Por isso, o movimento da ACSP é uma força importante, permanente, que veio para ficar", afirmou Rogério Amato. A coordenadora geral do Conselho de Terceiro Setor da ACSP e da campanha Leão Amigo, Marília de Castro, reforçou a importância dessa lei, que permite que o cidadão possa escolher o que fazer com esses recursos, que terão aplicação na prioridade constitucional – os cuidados com a criança e o adolescente. "É comum pagarmos muito imposto, mas não vermos os resultados em serviços para a população. É uma forma de fiscalizar a utilização de recursos públicos", destacou, lembrando aos participantes, para incentivar a adesão, que "esse é dinheiro que não sai do bolso, mas que vai para os cofres da União", disse Marília. Para o desembargador Antônio Carlos Malheiros, responsável pela coordenadoria da Infância e da Juventude do Tribunal de Justiça de São Paulo, que participou do evento para reforçar seu apoio à campanha, é grande a importância do envolvimento de todas as instituições no projeto Leão Amigo. "O poder público não dá conta do recado sozinho, vivemos em um clima de pronto-socorro. Se soubermos trabalhar essa rede, podemos virar a mesa", ressaltou. Pot e nc i al – A possibilidade de ampliar a destinação do IR para a causa foi destacada pela coordenadora de educação fiscal da Receita Federal do Brasil, Gioia Matilde Alva Tumbiolo Tosi. Pelo levantamento demonstrado pela representante da Receita Federal, no exercício 2011/2010 em São Paulo, o potencial de doações

Público presente: o evento teve a participação de membros das associações comerciais de várias cidades paulistas.

É comum pagarmos muito imposto, mas não vermos os resultados em serviços para a população. MARÍLIA DE CASTRO, DO CONSELHO DE TERCEIRO SETOR de recursos baseados no IR para o Fumcad era de R$ 1,3 bilhão, mas foram doados só R$ 15 milhões – ou 1,17% do total. No caso das pessoas jurídicas, avaliadas no exercício 2010/2009, o montante foi maior. Em um potencial de mais de R$ 104 bilhões de doações, foram destinado R$ 36,1 milhões. "É fundamental o envolvimento de toda a sociedade. Passou da hora de investir na criança e no adolescente. Não basta dar dinheiro e ficar com

desconfiança", disse Gioia. "( Fazer uso da Lei 8069/90) É uma forma de ir além, decidir em parceria com o estado que parte do imposto tenha essa causa como destino. É um exercício de cidadania". Outros dados apresentados por Gioia mostram que, dos 25 milhões de declarantes no País, 11 milhões usam o modelo completo para declarar o Imposto de Renda, sendo que 40% estão em São Paulo. "Não é um universo tão pequeno", disse ela. Questionada se empresas de lucro presumido ou arbitrado também poderiam participar, a coordenadora lembrou que, desde 1999, há um projeto parado no Congresso Nacional para incluir esses regimes na destinação do IR. "Mas a única forma é a sociedade pressionar para ser votado." Nota fiscal – Fazendo referência a uma antiga bandeira da ACSP – o Projeto de Lei 1.472/2007, recém-aprovado na Câmara, que exige discriminação de quanto se paga de impostos nas notas fiscais –, Amato lembrou que, quando existe um mínimo de organização, as coisas acontecem no País. O projeto está agora para ser sancionado pela presidente Dilma Rousseff. "O empreendedor, seja social ou econômico, tem o dever de se organizar. E essa rede de proteção, que começa com a criança e o adolescente, não tem fim", afirmou Amato na solenidade de lançamento do projeto Leão Amigo.

DICAS PARA CONTRIBUIR Um passo a passo para você participar: Pessoa Física Pode destinar até 6% do imposto devido, que será integralmente deduzido do IR na declaração de 2013 (modelo completo) É preciso visitar o Fumcad de sua cidade (no site da campanha, há os endereços dos Conselhos no link "Municípios"). Escolha uma das entidades e o projeto. Preencha o formulário com seus dados e confirme sua doação. Será gerado um boleto bancário

Pessoa Jurídica Pode destinar até 1% do IR na declaração feita pelo lucro real Consulte o contador para saber como sua empresa pode apoiar projetos com crianças e adolescentes

Prazos As destinações devem ser efetuadas aos Fumcads até o dia 27 de dezembro do ano em exercício. A dedução do IR será computada na Declaração de Ajuste Anual do contribuinte a ser entregue no mês de abril do ano seguinte Mais informações: www.leaoamigo.com.br


14 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 23 de novembro de 2012


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

15

e Black Friday promete desconto de 75% As promoções da Black Friday exigem um enorme planejamento. Marcelo Bazzali, do Grupo Pão de Açúcar

conomia

Seguindo a tradicional data de liquidação nos Estados Unidos, varejo nacional investe em promoções para levar os consumidores a antecipar compras de Natal. Renato Carbonari Ibelli

G

randes redes do varejo oferecem hoje – principalmente na internet – centenas de produtos com até 75% de desconto. Esse é o espírito da Black Friday (sexta-feira negra), evento importado dos Estados Unidos que chega a sua terceira edição no Brasil. Diferentemente do que ocorre no varejo norte-americano, por aqui não se trata de uma queima de estoque habitual, já que as ofertas abrangem itens que puxam as vendas diárias das diferentes redes participantes e antecipam as vendas de Natal. Ainda que seja recente no País, a data parece ter despertado o interesse dos consumidores – e consequentemente do comércio. Em 2011 foram 60 as lojas envolvidas. Neste ano, o número já chega a 300. A expressão Black Friday pode não parecer a mais convidativa para atrair os consumidores às ruas, mas a realidade é que as tentativas de mudá-la não foram bem-sucedidas. Nos Estados Unidos já se tentou usar Big Friday (grande sexta-feira), mas não pegou. No Brasil, a receita tradicional para o nome foi seguida. Originalmente Black Friday designa a primeira sextafeira depois do Dia de Ação de Graças norte-americano. De acordo com especialistas, a expressão passou a ser usada por causa do grande número de pessoas que seguia de carro em direção ao centro da ci-

dade de Filadélfia para fazer compras no feriado prolongado. O caos gerado por essa mobilização levou a polícia local a batizar esta como uma sexta-feira negra. Operação de guerra – No Brasil, a data ainda não chega a gerar caos generalizado no trânsito das grandes cidades,

mas exige a estruturação de uma verdadeira operação de guerra nas redes envolvidas. Para se ter uma ideia da magnitude do evento, na Black Friday de 2011 as lojas do Extra, do Grupo Pão de Açúcar, venderam 1.500 vezes mais micro-ondas do que em um dia normal. "Isso exige um enor-

me planejamento e coordenação do departamento comercial com os nossos fornecedores", afirma Marcelo Bazzali, diretor de marketing do Grupo Pão de Açúcar. Segundo Bazzali, as encomendas à indústria são feitas com seis meses de antecedência para que não ocorram

surpresas, como a falta de produtos, no dia do evento. Com mais antecedência ainda foram feitas as compras de espaço na mídia para divulgar as ofertas que o Grupo Pão de Açúcar faz na Black Friday. As inserções publicitárias, que começaram a aparecer no início desta semana, foram fe-

chadas ainda em fevereiro, de acordo com Bazzali. Daí a prova de como o varejo brasileiro passou a apostar na data – afinal, ninguém gastaria com tanta antecedência para dar um tiro no escuro. O Walmart anuncia mais de mil itens em oferta na data. No Magazine Luiza serão 3 mil produtos com desconto. Até companhia aérea, a TAM, entrou no jogo e anuncia passagem com preço reduzido para hoje. Se aumentar as vendas 1.500 vezes – ainda que de um item – não justificar o esforço, há outros motivos apontados por Bazzali: atraídos por uma oferta de 75% em um eletrodoméstico, por exemplo, o consumidor acaba se deparando com outras ofertas e leva produtos que estavam fora da sua intenção inicial de compra. O cliente vai comprar um eletrodoméstico e acaba fazendo a compra abastecedora, de alimentos. O Extra é uma das poucas redes que entra com suas lojas físicas na Black Friday. Mas, pelo retorno que a data garante, por que não fazer esse tipo de evento com mais frequência? Segundo Bazzali, "porque o grau de esforço junto aos fornecedores torna praticamente inviável replicar o evento". Em 2011 a Black Friday brasileira rendeu, em um único dia, o equivalente a R$ 100 milhões em receitas às redes participantes. Para este ano, a projeção é a de que o faturamento seja de R$ 135 milhões. A informação é do e-bit, empresa que consolida dados do comércio eletrônico nacional.

Consumidor deve ficar atento a fraudes na web Rejane Aguiar

I

magine que você entra em um táxi de um ponto conhecido e pede ao motorista para levá-lo a determinado lugar. No meio do caminho, ele muda a rota sem que você perceba e o leva a outro endereço. É mais ou menos isso que ocorre quando, ao acessar a internet para conferir sua conta bancária ou fazer uma compra, você é encaminhado a um site falso. O motorista, na analogia, corresponde a um programa espião instalado em seu computador – operação, na maioria das vezes, facilitada pela falta de atenção dos usuários, que podem ter aberto mensagens de origem desconhecida por desatenção ou curiosidade. De acordo com a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), usando essa estratégia conhecida como pharming, os golpistas cibernéticos conseguem direcionar os internautas a páginas que controlam, nas quais obtêm dados importantes como nú-

meros de documentos e senhas de cartões. E elas são hoje mais comuns no sistema financeiro brasileiro do que os tradicionais vírus que roubam informações pessoais diretamente. "Embora as operações financeiras feitas pelos canais de autoatendimento, a internet incluída, tenham alto grau de segurança no País, ainda geram perdas em torno de R$ 1,5 bilhão com fraudes", afirmou o diretor setorial de prevenção a fraudes da Febraban, Marcelo Câmara. Ele destacou que não é possível existir 100% de segurança, mas informou que apenas 0,00607% das transações têm problemas associados a fraudes atualmente. "O número é pequeno, mas os bancos continuam investindo bilhões para que seja ainda menor", disse, acrescentando que os investimentos dos bancos nacionais em tecnologia se aproximam de US$ 10 bilhões anuais. Clientes – O executivo afirmou que, apesar dos cuidados dos bancos, a maior arma

contra a ação dos golpistas está nas mãos dos clientes: atenção redobrada às operações de autoatendimento, em especial às feitas pela internet. Épocas de muito movimento no comércio, como o mês de dezembro, exigem ainda mais cautela. É fundamental que o cliente conheça bem o site em que vai digitar importantes dados pessoais – conhecidos pelos especialistas como "credenciais" (veja as dicas no quadro). Segundo a Febraban, o cliente deve interromper a operação assim que perceber qualquer coisa estranha no site. "Um sinal de fraude é a exigência de mais informações que o habitual. Por exemplo, se seu banco sempre pede, na sequência, números de agência e conta, código e senha, e o site em que está pedir mais dados, insistentemente, há motivos para desconfiança", afirmou o coordenador da subcomissão de prevenção a fraudes eletrônicas da Febraban, César Faustino (veja evidências comuns dos golpes no quadro).

Atenção à segurança Principais dicas para evitar fraudes nas operações bancárias pela internet Prestar muita atenção aos detalhes do visual dos sites em que você costuma digitar suas credenciais (nome, números de documentos, dados da residência, senhas). Assim, você conseguirá sempre reconhecer páginas falsas. Alguns detalhes importantes são cores, formas de tratamento do cliente, conteúdos das barras superiores, inferiores e laterais. Mantenha sistemas operacionais, navegadores e antivírus do computador em que faz transações financeiras sempre atualizados. Nunca abra ou execute arquivos de origem desconhecida que cheguem ao seu computador. Delete-os assim que receber. Se tiver qualquer desconfiança em relação ao conteúdo de um site, entre em contato com a empresa antes de digitar quaisquer informações pessoais na página. Sinais de fraudes Site que pede, de maneira insistente, dados como números de documentos, telefones, endereços e senhas. Ameaças do tipo “se você não fizer seu recadastramento sua conta será bloqueada em 48 horas”. Os especialistas Referência ao internauta como “cliente” quando o site normalmente aparece já com o nome do usuário. Importante: os bancos nunca ligam para os clientes para pedir informação ou digitação de senhas. Se isso acontecer, é uma ação de golpistas, não forneça seus dados. Sites úteis Endereços com dicas de prevenção www.febraban.org.br (clique em “segurança”) www.cartilha.cert.br www.rnp.br/cais/fraudes

Monitoramento – Os bancos, por sua vez, investem em sofisticados sistemas para monitorar o comportamento dos clientes para evitar que as fraudes se concretizem. Eles acompanham os hábitos dos clientes e os sistemas soltam alertas quando há algo

estranho. "Se na conta de um cliente da cidade de Porto Alegre que só faz operações de baixo volume aparecer um pagamento de imposto de carro em São Paulo com um valor bem maior, o sistema emite um alerta", destacou Faustino. Em um caso como

Fonte: Febraban

esse, o banco pode entrar em contato com o cliente para confirmar a realização da transação. "De qualquer forma, trabalhamos para que esse monitoramento seja invisível e incomode o mínimo possível o cliente", disse o coordenador da comissão.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

16

e

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

O serviço do Bradesco de pagamento de contas pelo celular começará a operar inicialmente nas cidades-sedes da Copa do Mundo.

conomia

CONSUMIDOR INTERATIVO

M

arca, seja da indústria, do varejo ou pessoal, a exemplo dos prestadores de serviços e profissionais liberais, é aquilo que falam de nós quando não estamos presentes. E isso faz toda a diferença, pois influencia diretamente na reputação e credibilidade, em síntese na imagem. Por isso, empresários de qualquer porte, mesmo aqueles que investem pouco ou mineiramente desconfiam do poder da publicidade, estão cada vez mais convencidos, pelos consumidores, do poder de sua marca, para o bem ou para o mal, e da importância de mantê-la em evidência num mercado cada vez mais competitivo. Muitos tiveram que amargar arranhões e investir mais para apagá-los. É o caso da espanhola Zara em episódio recente com a produção de roupas por mão-deobra escrava e o da norte-americana Nike, no passado, com calçados criados por mãos infantis

na Ásia. O investimento em publicidade e relações públicas evidenciou que o dinheiro ganho em escala e custo na produção se perdeu na venda, na rejeição dos consumidores à marca. É para ficar mais próximo dos consumidores, responder suas reclamações e também captar seus anseios, que muitas empresas encontraram na internet uma forma eficaz de se manterem presentes na vida e no cotidiano de seus consumidores. Pesquisa do Target Group Index, do Ibope Media, revela que a penetração da internet na população brasileira passou de 24%, no período entre 2002 e 2003, para 55%, entre 2011 e 2012. Mais: navegar na internet deixou de ser privilégio das classes A e B e passou a ser prerrogativa de todos. "As pessoas simplesmente estão mudando seus hábitos. Hoje, vivemos cada vez mais a fragmentação das audiências e o consumo por conteúdos multiplataforma", explica Dora Câmara, di-

retora regional Brasil do Ibope Media. Mais: 56% dos brasileiros consomem duas ou mais mídias simultaneamente. O que explica a importância de mais que estar presente, com meios interativos como a telefonia e a internet, oferecer respostas rápidas aos consumidores. Muitas redes de lojas e indústrias colocam o Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) na internet e acham que com isso o problema está resolvido. Está sim, mas em parte. O consumidor hoje é interativo, portanto, quer respostas rápidas a dúvidas e reclamações. Da mesma forma, de nada adianta a contratação de call center sem que o atendente da ponta – geralmente de empresa que oferece o serviço a centenas de clientes e dá ao empregado um texto pronto e repetitivo, que abusa do gerúndio do tipo estamos providenciando, analisando, estudando, registrando o seu caso – tenha recebido treinamento adequado. O consumidor atual é interativo. Quer respostas, fala o que pensa nas redes sociais e influencia em decisões de compra. Então, ele acessa as novas plataformas porque encontra eco. O investimento em publicidade, no aprimoramento dos canais de comunicação com os consumidores, está na pauta do dia. As agências de publicidade que antes viviam do famoso instrumento da Bonificação por Volume (a BV) paga pelos veículos, estão sumindo na fogueira dos tempos do mensalão e na revelação do esquema do empresário mineiro Marcos Valério. Empresas querem soluções, mas, é claro, precisam investir para chegar mais perto do coração dos clientes. Esse é um desafio também para as agências.

Fotos: Divulgação

DANONINHO E O LÁPIS

D

Regina Casé sugerindo resistência à tentação das compras.

CONVITE

A

Caixa aproveita o fim de ano para conscientizar o brasileiro da importância da poupança. Comercial estrelado por Regina Casé e assinado pela nova/sb, agência comandada por Bob Vieira da Costa e Silvana Tinelli, fala da importância de poupar parte do dinheiro extra do final do ano. "Só tem uma coisa melhor que poupar, é poupar na

Caixa. Eu sei como é chegar o final do ano, vem aquela graninha extra, 13º, férias. No fim do ano todo mundo quer gastar, comprar roupa nova, um quer viajar, o outro quer comprar um computador para o filho. Mas pega uma parte desta grana, separa e põe na poupança da Caixa, que tem o ano todo pela frente", diz Regina.

anoninho, marca líder da categoria de Petit Suisse com 7,6% do faturamento do mercado brasileiro de lácteos frescos, e a Faber Castell, líder mundial na produção de Ecolápis de madeira plantada, fecharam parceria para o lançamento do Dino Toy, brinquedo criativo voltado para crianças de 5 a 8 anos. O produto chega este mês inicialmente nos quiosques da Faber Castell em São Paulo, mas deve ser distribuído em aproximadamente 500 clientes por todo o Brasil, incluindo grandes redes como Saraiva e Gets. A ideia ao propagar o mascote, é claro, é reforçar as vendas.

ESTUFADO

O

s atores Leandro Hassum e Fábio Porchat estrelam campanha de Estomazil que começa a ser veiculada no fim de semana. O filme foi gravado em uma cantina e mostra de forma descontraída uma conversa entre os dois amigos. No vídeo, Fábio reclama da sensação de estufamento e Leandro sugere o uso de Estomazil, surpreendendo o companheiro com o jargão que identifica o produto há anos: “Esssssstomazil, Esssstufou, tomou, passsssou”. Mas o melhor mesmo é segurar a gula, pecado capital difícil de saciar.

Na cantina, a sugestão para o amigo tomar um antiácido.

Envie informações para esta coluna. E-mail: carlosfranco@revistapublicitta. com.br

Nos morros cariocas, a origem.

SAMBA DE RAIZ

A

agência AlmapBBDO assina a nova campanha da cerveja Antarctica abusando da simpatia em comerciais que revelam nos morros cariocas a alma brasileiríssima do samba para reforçar o slogan “Boa do Samba”. Nos bares dos bairros da Penha (Chatuba); Maria da Graça e Gamboa, na Zona Norte – onde o samba no Rio começou –; e em Botafogo (Santa Marta), a campanha valoriza as raízes desse gênero musical. E tem tudo para dar samba.

Pagar por celular será mais fácil Bradesco se associa à Claro para permitir a quem não tem conta corrente fazer operações financeiras por meio da telefonia móvel, a partir de 2013. Maurino Borges/Divulgação

Rejane Tamoto

A

ntes de serem regulamentados pelo governo, o sistema de pagamento por celular e o cartão pré-pago são os destaques de produtos lançados ontem pela MPO (Mobile Payment Operator) – empresa criada a partir de jointventure entre o Bradesco e a Claro, que tem como parceiros a Cielo, Alelo e Scopos. No segundo trimestre de 2013, os consumidores que não têm conta corrente terão a opção de fazer transações financeiras e pagamentos pelo celular. Basta que sejam clientes da Claro e façam um cadastro numa das unidades da própria operadora ou do banco Bradesco para obter um cartão pré-pago, batizado de "moedeiro", o que automaticamente se converterá numa conta corrente virtual, que será movimentada por SMS. O usuário poderá fazer saques, compra em estabelecimentos, transferência para outras contas, pagamentos de serviços, carga do cartão e recarga do celular. A ideia é que o serviço seja de baixo custo ao consumidor, que deverá pagar tarifas em algumas operações, como o saque em caixas eletrônicos. O serviço deve começar a operar em pequenos estabelecimentos, co-

46,8 milhões de pessoas não têm conta corrente no Brasil, e poderão usar o celular para movimentações. mo padarias e bancas, inicialmente nas cidades-sedes da Copa do Mundo. A MPO também deve colocar em funcionamento no próximo ano – inicialmente para os clientes Prime – o pagamento por celular com a tecnologia NFC (Near Field Communication), que permite a captura de transações pela aproximação do celular à máquina POS. Segundo a Cielo, 300 mil terminais instalados no comércio já têm esta tecnologia. A comunicação da máquina com o celular ou cartão se dá por antena de radiofrequência. Tanto o pagamento pelo celular quanto as regras de cartões pré-pagos estão à espera de regulação governamental, que está em curso. Iniciativas semelhantes de pagamento pelo celular (com o uso de SMS) já estão em operação por

Marcelo Noronha (à esquerda) e Candido Leonelli, ambos do Bradesco, e Carlos Zenteno, da Claro, ao centro.

concorrentes da MPO, como o Banco do Brasil em parceria com a Oi, e pela Vivo em parceria com a Paypal. Para o diretor-executivo do Bradesco, Marcelo Noronha, o cartão pré-pago para ser usado pelo celular permite uma aproximação com um público que não tem conta bancária, mas que incorporou o celular na rotina. A estimativa oficial é que 46,8 milhões de pessoas não têm conta corrente no Brasil. De acordo com a Federação Brasileira de Bancos

Mais de 80% das transações no País são de até R$ 20. CARLOS ZENTENO, PRESIDENTE DA CLARO. (Febraban), há 259 milhões de aparelhos celulares no Brasil, ou 1,3 celular por habitante.

desco tem 53,8 mil pontos de atendimento em todo o Brasil e um portfólio de 96 milhões de cartões de crédito e 55 milhões de cartões de débito. Noronha, do Bradesco, diz que a tendência é que cerca de 5 mil lojas da Claro se transformem em correspondentes bancários para atender a demanda do público que vai aderir ao pagamento por celular. Esse volume deve se somar aos 40 mil correspondentes bancários do Bradesco distribuídos pelo Brasil.

HZ

ESCRITÓRIO DE CONTABILIDADE

Modas e Acessórios

SEVERINO JUNIOR

ESCRITAS - CONTABILIDADE - ABERTURAS ENCERRAMENTOS DE FIRMAS COMERCIAIS IMPOSTO DE RENDA FÍSICA E JURÍDICA - PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS RUA CANTAREIRA, 327 - 2º ANDAR - CONJ. 5 TELEFONE: 11 3227-5159 - FAX: 11 3326-8346 - e-mail: ardscontabil@terra.com.br

O presidente da Claro no Brasil, Carlos Zenteno, diz que o foco do pagamento por celular são os pagamentos de pequeno valor. "Mais de 80% das transações no País são de até R$ 20", diz. A maioria da população ainda usa o papel-moeda, e é exatamente este público que a MPO está visando. O executivo da Claro lembra que ambas as empresas vão usar a capilaridade que têm no País. Com 63 milhões de clientes, a Claro está presente em 3,6 mil municípios. Já o Bra-

Confira nossas promoções! Fone: 11 8775 9476 CAIXAS DE DIREÇÃO • HOMOCINÉTICAS • BANDEJAS • E MUITO MAIS contato@rbremanofaturados.com.br

2751-4077

zanidara@hotmail.com Avenida Padre Arlindo Vieira, 1.858 - São Paulo/SP


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

17

e BC aponta retomada do crescimento No ano passado não foi preciso intervir, mas se preciso for interviremos na questão de provisão temporária de liquidez na virada do ano. Alexandre Tombini, presidente do BC

conomia

Presidente do Banco Central diz que avanço do PIB do País foi de 4,7% no terceiro trimestre do ano. Ele afirma também que pode intervir no câmbio no final do ano.

O

presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, utilizou os últimos resultados do Índice de Atividade Econômica do BC, o IBC-Br, e da pesquisa Focus para mostrar que o crescimento da economia brasileira se acelerou significativamente no segundo semestre do ano e que deverá manter o atual ritmo em 2013. Segundo o IBC-Br, o crescimento anualizado no terceiro trimestre deste ano foi de 4,7%, enquanto a Focus prevê uma expansão de 4% para o segundo semestre de 2012 e para o próximo ano. "Os indicadores demonstram o que o BC já vinha falando, há algum tempo, que o segundo semestre teria crescimento maior", acrescentou. O presidente da autoridade monetária destacou um conjunto de estímulos que ajudam a impulsionar a atividade no País, como a redução de juros, a melhora das condições de liquidez do mercado financeiro, melhores condições para financiamento de famílias e empresas, além dos incentivos fiscais e tributários concedidos pelo governo. Tombini citou ainda a queda da chamada taxa prime – que pode ser comparada internacionalmente no financiamento para empresas – de 17,5% em agosto de 2011 para 11,9% em agosto deste ano. "A queda de juros no crédito livre mostra a redução de spreads praticados pelos bancos", completou. Para ele, a demanda doméstica continuará sendo o principal fator de sustentação do

Ueslei Marcelino/Reuters

crescimento brasileiro. "Desemprego segue em contínua redução, em nível historicamente baixo. Temos massa salarial que cresce 5,9% até setembro na comparação com o mesmo período do ano passado", acrescentou. In ve st im en tos – Tombini avaliou que as perspectivas sobre novos investimentos por parte da indústria são mais favoráveis, uma vez que a confiança dos empresários continua em alta. Ele ressalta que a desvalorização de

Tomaremos precauções para evitar que o Brasil seja uma praça de desvalorização de moedas contra a nossa moeda. ALEXANDRE TOMBINI, DO BC 18,8% no câmbio entre dezembro de 2010 e outubro deste ano deu mais condições de competitividade ao setor industrial nos últimos meses. "Também houve recuo dos estoques e deve haver mais produção para reposição. Há um conjunto de indicadores alvissareiros para a atividade à frente", afirmou. Tombini também destacou um cenário mais positivo para a atividade agropecuária, e lembrou que a pesquisa de mercado Focus já detectou uma recuperação do Produto interno Bruto (PIB) do setor. "Os preços internacionais para agropecuária se sustentam

em patamares favoráveis e temos fontes de financiamento com crescimento estimado em 7,5% para próximo ano safra", acrescentou. Para o presidente do BC os preços administrados também apresentam menor expansão para 2013. "Para inflação continuar sob controle, política monetária permanecerá vigilante", disse. Ele voltou a dizer que a inflação no País está em processo de convergência não linear ao centro da meta, sujeita a reversões. Tombini ponderou, no entanto, que os preços agrícolas no atacado já apresentam recuo desde meados de outubro e têm forte redução em novembro. "Esperamos reflexos nos preços aos consumidores nos próximos meses", completou. Entre os fatores que têm ajudado a manter as pressões inflacionárias controladas, Tombini citou o ritmo mais moderado de crescimento dos salários. O crescimento do rendimento médio nominal em 2012 é menor do que se viu ao longo do ano de 2011. Câmbio – O presidente do BC afirmou ainda que, se for preciso, o órgão pode intervir no mercado de câmbio para dar liquidez, em um momento em que o mercado testa os limites de uma banda informal para a moeda-norte-americana. Tombini creditou a recente alta do dólar – que se aproximou de R$ 2,10 na quarta-feira, considerado pelo mercado como o teto da banda informal do BC – à maior demanda por moeda estrangeira no fim do ano, e reiterou que a autoridade monetária não tem uma

Desemprego recua no País Dados do IBGE mostram que índice de desocupados caiu para 5,3%

O

desemprego brasileiro voltou a recuar no mês passado, chegando à menor taxa histórica para meses de outubro, ao mesmo tempo em que a renda da população acelerou ligeiramente, indicando que o mercado de trabalho deve continuar a incentivar o consumo no País. De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados ontem, o desemprego caiu para 5,3% no mês passado, ante 5,4% em setembro, atingindo o menor nível para outubro desde o início da série histórica em 2002. Com o resultado do mês passado, a taxa de desemprego permanece perto do recorde de 4,7% registrado em dezembro do ano passado. "De maneira nenhuma pode-se dizer que o mercado de trabalho está parado", afirmou o coordenador da pesquisa do IBGE, Cimar Azeredo. "O mercado de trabalho é um reflexo da economia: quando está aquecida, contrata mais e quando não, menos", acrescentou ele. A redução na taxa de de-

semprego em outubro foi ancorada por São Paulo, região de maior peso na pesquisa, com cerca de 42% do total. A taxa paulista baixou de 6,5% para 5,9% no período. "O que se observa nessa época do ano é que começa um movimento de pessoas em busca de trabalho temporário por conta das festas de fim de ano, principalmente nos setores de serviços e comércio", disse Azeredo, acrescentando que boa parte das pessoas que procuraram trabalho foi absorvida. "São Paulo exerce um efeito farol sobre o mercado de trabalho. Primeiro as coisas acontecem lá para repercutir nas demais regiões", afirmou o técnico do IBGE. Ren da – O IBGE informou ainda que o rendimento médio da população ocupada subiu 0,3% no mês passado ante setembro, e cresceu 4,6% sobre outubro de 2011, atingindo R$ 1.787,70. Em setembro, a variação mensal havia sido positiva em 0,1%. Na média do ano, o rendimento do trabalhador ocupado cresceu 4,1% em relação ao mesmo período do ano passado.

A população ocupada cresceu 0,9% no mês passado na comparação com setembro, avançando 3% ante o mesmo período do ano anterior, totalizando 23,366 milhões de pessoas nas seis regiões metropolitanas avaliadas. Já a população desocupada chegou a 1,314 milhão de pessoas, queda de 0,9% ante setembro e 5,1% menor sobre um ano antes. Os desocupados incluem tanto os empregados temporários dispensados quanto desempregados em busca de uma chance no mercado de trabalho. Entre outubro e setembro, informou o IBGE, o setor que mais contratou foi o da construção civil, com crescimento de 4,5%, ou 80 mil pessoas. "Isso mostra que o mercado de trabalho continua a exibir sinais favoráveis para incentivar o consumo. Além disso, ajuda a aliviar os indicadores de inadimplência, e o final do ano é o momento propício para isso, com quitação de débitos atrasados", disse o economista da Votorantim Corretora Alexandre Andrade. (Reuters)

Déficit externo vai a 2,1% do PIB

A

s contas externas brasileiras apresentaram um déficit em conta corrente de US$ 5,431 bilhões em outubro, divulgou ontem o Banco Central (BC). O resultado ficou pior do que a previsão anterior do BC de déficit de US$ 4,9 bilhões. No acumulado do ano, as contas externas brasileiras apresentam déficit de US$ 39,554 bilhões, o equivalente da 2,09% do Produto Interno Bruto (PIB).

No mesmo período do ano passado, o déficit estava em US$ 39,832 bilhões, correspondente a 1,93% do PIB. Em 12 meses até outubro, o déficit em conta corrente soma US$ 52,203 bilhões, ou 2,27% do PIB. Remessas – As remessas de lucros e dividendos feitas pelas empresas estrangeiras com sede no Brasil somaram US$ 2,355 bilhões em outubro, disse o BC. No acumulado do ano até o mês passado, as remessas

das empresas chegaram a US$ 17,706 bilhões. O resultado está abaixo dos US$ 29,218 bilhões registrados em igual período de 2011. O BC informou também que as despesas com juros externos totalizaram US$ 1,075 bilhão em outubro e US$ 8,623 bilhões nos primeiros dez meses deste ano. Neste mesmo período do ano passado, o gasto com juros foi de US$ 9,719 bilhões. (Estadão Conteúdo)

Alexandre Tombini: valorização do dólar ocorre também por receios em relação ao "abismo fiscal" nos EUA banda formal ou informal para o câmbio. "Ao final do ano há tradicionalmente uma oferta menor de dólares e uma demanda maior, num movimento que tende historicamente a se reverter logo no inicio do ano. No ano passado não foi preciso intervir, mas se preciso for interviremos também na questão de provisão temporária de liquidez na virada do ano", disse ontem o presidente do BC em audiência na Comissão Mista de Orçamento. Tombini enfatizou diversas vezes a possibilidade de atuação da autoridade monetária ao destacar que o BC "está pronto, sempre pronto" para atuar, ao mesmo tempo que negou a existência de uma banda para o câmbio.

"Não temos no País qualquer objetivo de câmbio, estamos com câmbio flutuante e nós sempre tomaremos precauções para evitar que o Brasil seja uma praça de desvalorização de importantes moedas contra a nossa moeda. A presidente Dilma recentemente mencionou esse fato", afirmou o presidente do BC durante a audiência. Recentes declarações da presidente Dilma Rousseff e do ministro da Fazenda, Guido Mantega, foram interpretadas como indicativo de que o governo toleraria o dólar acima de R$ 2,10. Na quarta-feira, o dólar chegou a ser negociado a R$ 2,0995, mas apenas uma carta circular do BC reiterando uma mudança técnica na divulgações das intervenções

fez a alta desacelerar. As declarações do presidente do BC fizeram o dólar cair com mais força na manhã de ontem, chegando a mínima de R$ 2,0892. O governo tem apontado que essa recente valorização do dólar ocorre também nos mercados internacionais em resposta a eventos internacionais como o conflito no Oriente Médio ou o temor nos Estados Unidos sobre o "abismo fiscal". Tombini afirmou estar atento para evitar que fluxos fortes das divisas para dentro do país causem problemas. "O nível do custo do dinheiro está muito baixo. Se nós não tivermos cuidado, esse dinheiro pode entrar no País e sair rapidamente e deixar uma trilha de problemas." (Agências)


DIà RIO DO COMÉRCIO

18 -.ECONOMIA/LEGAIS

e

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Na categoria motos, o maior valor de IPVA registrado foi de R$ 3,5 mil, pelo modelo D16 RR, da Ducati.

conomia

Proprietårios de Ferrari FF pagarão R$ 99,8 mil de imposto A nova tabela do IPVA a ser pago no ano que vem foi divulgada ontem pela Secretaria de Fazenda de SP Divulgação

Divulgação

IPVA terå redução de 8,56%

P

roprietårios de veículos no Estado de São Paulo terão uma redução de 8,56%, na mÊdia, no Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) do próximo ano por conta da alíquota menor do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). A tabela com os valores de mercado (venais) foi divulgada ontem pela Secretaria de Fazenda do Estado de São Paulo. Os valores são calculados com base em pesquisa de preços feita em setembro

pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas. Segundo a Fazenda, o imposto dos automóveis terå queda mÊdia de 9,89%; o das motos, de 5,08%; o dos caminhþes, de 10,55%; o dos ônibus e micro-ônibus, de 8,72%; e o dos utilitårios, de 8,57%. Para chegar ao valor do imposto a ser pago o contribuinte deve entrar no site da Fazenda e digitar o número do Renavam (Registro Nacional de Veículos Automotores). (Folhapress)

Desoneração gera suspeitas Ferrari FF 2011: o maior valor de IPVA cobrado (quase R$ 100 mil).

O

s donos da Ferrari FF – com data de fabricação em 2012 e valor de R$ 2,49 milhþes – terão que desembolsar cerca de R$ 99,8 mil para pagar o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) no próximo ano. A FF foi lançada mundialmente no Salão de Genebra, em março de 2011. O modelo tem o valor mais caro de IPVA, em todas as categorias de veículos vendidos no Brasil. Nos últimos dois anos, o "título" havia ficado com a Mercedes-Benz SLR

McLaren, ano 2009. O imposto calculado para ela em 2012 serå R$ 92 mil. Jå em 2011, o IPVA ficou em R$ 104 mil. Para os automóveis, o veículo com menor valor de IPVA a ser pago (R$ 115,24), Ê o Lada fabricado em 1993, cujo valor Ê R$ 2,8 mil. Para camioneta ou utilitårio, o maior valor de pagamento serå R$ 18,4 mil, pelo modelo BMW X6, com valor de mercado de R$ 461,1 mil e data de fabricação em 2012. Jå o menor valor de IPVA para essa categoria (R$ 116,28) a ser pago Ê o do Lada, fabrica-

Edital de citação de ROBERTA DE LUCCA, com prazo de 30 (trinta) dias, expedido nos autos da ação de cobrança de prestaçþes condominiais requerida por RCL Camping e Turismo Ltda. ME, em trâmite perante Ă  3ÂŞ Vara CĂ­vel da Comarca de Atibaia – Processo nÂş1873/11 (048.01.2011.012568-6/0-0).O Doutor ROGĂˆRIO A CORREIA DIAS,MM.JUIZ DE DIREITO DA 3ÂŞ VARA CĂ?VEL DA COMARCA DE ATIBAIA-SP, na forma da lei etc.FAZ SABER a ROBERTA DE LUCCA,RG nÂş 24.252.785 e CPF nÂş128.311.438-08, que por esse JuĂ­zo e respectivo OfĂ­cio se processam os termos da ação de cobrança de prestaçþes condominiais requerida por RCL Camping e Turismo Ltda ME, em tramite perante Ă  3ÂŞ Vara CĂ­vel da Comarca de Atibaia – Processo nÂş 1873/11 (048.01.2011.012568-6/0-0), em razĂŁo de contrato de prestação de serviços de camping e hotelaria, firmado entre as partes, referente a permissĂŁo de uso de um mĂłdulo (chalĂŠ) de nÂş 110, com o valor da mensalidade ajustado, em R$ 210,00 com inicio em 01.07.1998 e termino em 01.11.1998, prorrogado por tempo indeterminado, devido o perĂ­odo de 01.02.2001 a 01.08.2002 no valor total de R$51.843,42,atualizado consoante os Ă­ndices de correção monetĂĄria utilizados pelo E. Tribunal de Justiça, acrescidos de 1% ao mĂŞs, sendo R$20.559,15 referente ao acordo inadimplido e R$31.284,27 referente ao cĂĄlculo de mensalidade em atraso. Proposta a ação, e, nĂŁo tendo sido a rĂŠ localizada, foi determinada a expedição do presente edital. OBJETIVO: Para contestar a ação em 15 (quinze) dias, a contar da data em que findar o prazo deste edital. ADVERTĂŠNCIA: NĂŁo sendo contestada a ação, presumir-se-ĂŁo aceitos como verdadeiros os fatos alegados pelo autor na inicial, nos termos do art. 285 do CPC..E para que chegue ao conhecimento de todos e ninguĂŠm possa alegar ignorância, expediu-se o presente edital que serĂĄ afixado no local de costume e publicado na forma da lei. Nada mais. Atibaia, aos 19 de junho de 2012.

Lada 1993: Ê o modelo de menor valor de IPVA a ser pago (R$ 115,24). do em 1993 e com valor de R$ 2,9 mil. Na categoria caminhão, o maior valor pago do imposto serå de R$ 11,9 mil, pelo modelo Scania R580 B6X4, com valor de mercado de R$ 779,4 mil e data de fabricação em 2008. E o menor valor dessa categoria Ê de R$ 108 para o modelo Kia, com data de fabricação em 1993 e valor de R$ 7,2 mil. TambÊm da Scania, o modelo MPolo Paradiso DD tem o maior valor de IPVA na categoria ônibus e microônibus, R$ 10,5 mil. O veículo com da-

ta de fabricação em 2012, vale R$ 527,5 mil. No outro extremo, pelo modelo Hyundai H100 GSR, com valor de R$ 9,2 mil e fabricação em 1994, o proprietårio terå que desembolsar apenas R$ 184,96. Por fim, na categoria motos e similares, o maior valor de IPVA registrado foi de R$ 3,5 mil, pelo modelo D16 RR, da Ducati – cujo valor Ê R$ 177,1 mil, fabricado em 2008. O menor valor de IPVA dessa categoria Ê de R$ 9,04, pela Hero Puch, fabricada em 1993 e com valor de R$ 452. (Folhapress)

Edital de Citação Prazo 30 dias. Processo 477.01.2009.021708-6 Ordem 2668/2009. O Dr. Candido Alexandre Munhoz Perez, MM Juiz Direito da 3ª Vara Cível da Comarca de Praia Grande/SP. Na Forma da Lei etc. Faz Saber a todos o presente edital ou dele conhecimento tiverem e interessados possa especialmente aos rÊus ausentes, incertos desconhecidos, ainda eventuais interessados e seus cônjuges, que Gerson Sebastião Vendrame, ajuizaram ação de Usucapião, objetivando do imóvel: Uma casa localizada na Av. Eponina, nº 381, no bairro de Vila Oceânica Praia Grande- SP, sendo parte do lote 02, da quadra D, tendo para a Av. Eponina uma distancia de 5,60m, do lado esquerdo, de quem da rua olha , mede 37,00 de frente aos fundos, do lado direito em sentido da frente para os fundos, medindo inicialmente 15,95m, defletindo å direita em um ângulo reto, a distancia de 60,00m defletindo a esquerda de um ângulo reto medindo 6,20m defletindo a esquerda de um ângulo reto medindo 60,00m, defletindo å direita de em ângulo reto medindo atÊ o fundo do lote 14,85m, confrontando do lado direito remanescente do mesmo lote mede 5,60m, encerrando uma årea de 210,92m² 87. Confrontando com quem e direito. Estando em termos expediu-se o edital p/citação dos supra mencionados com prazo de 30 dias iniciando-se o prazo p/ contestação ou defesa de quem tiver nos 15 dias subsequentes após o decurso do prazo de publicação deste edital, findos os quais se presumirão aceitos como verdadeiros os fatos articulados. Serå o presente por extrato, afixado e publicado na forma da lei

A

maior parte dos empresårios (50%) acredita que a desoneração da folha de pagamento contribuirå apenas parcialmente para a retomada do crescimento, segundo pesquisa divulgada ontem pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), e 18% avaliam que ela serå fundamental. A desoneração da folha abrange 45 setores da indústria e serviços. Os setores contemplados deixam de pagar a contribuição de 20% ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e arcam com um percentual sobre o faturamento, como forma de compensação. A medida estå em vigor por prazo indeterminado.

Entre as empresas beneficiadas, 48% avaliaram a mudança de base tributåria como positiva ou muito positiva. Somente 32% entendem que o faturamento Ê a melhor base tributåria para a contribuição patronal ao INSS. O levantamento apontou ainda que, se fosse possível, 18% das empresas contempladas deixariam o novo regime. Em compensação, 39% das não beneficiadas demonstraram desejo de aderir. A pesquisa foi realizada entre 1º e 11 de outubro deste ano. Foram ouvidas 2.246 empresas, 801 são de pequeno porte, 883 mÊdias e 562 grandes. (Folhapress)

(',7$/ '( ,17(5',d­2 3URFHVVR Qž  &ODVVH $VVXQWR ,QWHUGLomR7XWHODH&XUDWHOD5HTXHUHQWH5RJHULR6DQWRV&DOGDV5HTXHULGR$OGD0DFKDGR 6DQWRV (',7$/ 3$5$ &21+(&,0(172 '( 7(5&(,526 (;3(','2 126 $8726 '( ,17(5',d­2 '( $OGD 0DFKDGR 6DQWRV 5(48(5,'2 325 5RJHULR 6DQWRV &DOGDV  352&(662 1ž2 $  'U D &HFtOLDGH&DUYDOKR&RQWUHUD00 -XL] D  GH 'LUHLWR GD Â? 9DUD GD )DPtOLD H 6XFHVV}HV GR )RUR 5HJLRQDO ;,  3LQKHLURV &RPDUFD GH 6­2 3$8/2 GR (VWDGR GH 6mR 3DXOR QD IRUPD GD OHL HWF )$= 6$%(5 DRV TXH R SUHVHQWH HGLWDO YLUHP RX GHOH FRQKHFLPHQWR WLYHUHP TXH SRU VHQWHQoD SURIHULGD HP  IRL GHFUHWDGD D ,17(5',d­2 GH $OGD 0DFKDGR 6DQWRV GHFODUDQGRR D  DEVROXWDPHQWH LQFDSD] GH H[HUFHU SHVVRDOPHQWH RV DWRV GD YLGD FLYLO H QRPHDGR D  FRPR &85$'25 $ HPFDUiWHU'(),1,7,92R D 6U D 5RJpULR6DQWRV&DOGDV2SUHVHQWHHGLWDO VHUi SXEOLFDGR SRU WUrV YH]HV FRP LQWHUYDOR GH GH] GLDV H DIL[DGR QD IRUPD GD OHL 1DGD PDLV'DGRHSDVVDGRQDFLGDGHGH6­23$8/2HPGHGH]HPEURGH


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

e

ECONOMIA/LEGAIS - 19 Voltar às margens de 28% e 29% é muito difícil no Brasil, dentro do quadro de competitividade. André Gerdau Johannpeter, presidente da Gerdau

conomia Felipe Rau/ Estadão Conteúdo - 02.07.11

Viavarejo tem novo comando e futuro incerto

A

Viavarejo, holding das redes varejistas Casas Bahia e Ponto Frio, confirmou ontem o nome de Antonio Ramatis Rodrigues como seu novo presidente, no lugar de Raphael Klein. Rodrigues assumirá a presidência com o desafio de elevar a rentabilidade em meio a negociações entre os sócios, que podem definir o destino da empresa em curto ou médio prazo. "O desafio será manter as virtudes da Casas Bahia e as necessidade de resultados do Grupo Pão de Açúcar", avalia o coordenador do Núcleo de Estudos de Negócios do Varejo da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), Ricardo Pastore. "Os Klein (fundadores da Casas Bahia) foram inovadores em muitas questões, como o sistema de crédito e o acesso ao público

de baixa renda, mas o problema é o custo que isso gerou. Isso teve importância, mas agora o momento é outro." Um consultor do setor de varejo diz que é muito provável que o novo presidente consiga melhorar os resultados. "Mesmo após dois anos da venda para o Pão de Açúcar e com ganhos de governança, a margem líquida da companhia nos primeiros noves meses do ano foi de 0,6%, o que é bem baixo", afirma. "Em 2013, espera-se um crescimento da economia maior, em torno dos 4%, e o novo presidente deve entregar uma rentabilidade melhor, o que pode colocar a família Klein em uma situação desconfortável, porque apresentou resultados piores", ressalta. Na opinião de um analista que não quis ser identificado,

A Viavarejo poderia ser usada pelos franceses do Casino como moeda de troca para a saída de Abilio Diniz da sociedade

apesar de a empresa ter saído do prejuízo, a rentabilidade foi baixa. Nos nove primeiros meses de 2012, a companhia teve lucro de R$ 88,1 milhões, frente a prejuízo de R$ 22 milhões em igual período do ano passado. Para ele, o novo presidente é um profissional experiente. "Mas, apesar disso, por ser um executivo da casa, eu não esperaria grandes mudanças." Sócios e participações – No último dia 13, os sócios da Viavarejo Michael e Raphael Klein se reuniram em Paris com Jean-Charles Naouri, do grupo francês Casino – controlador da Viavarejo –, e disseram estar dispostos a aumentar sua participação dos atuais 47% para algo entre 70% e 75% e

assumir o controle da empresa, deixando o Grupo Pão de Açúcar. A Viavarejo, no entanto, poderia, segundo alguns analistas de mercado, ser usada pelos franceses como moeda de troca para a saída de Abilio Diniz da sociedade com o Casino, inviabilizando o acordo com os Klein. Separação – "Aí entraria um componente não financeiro, que é ter os Klein como minoritários insatisfeitos. Nessa negociação, poderia haver a venda da Casas Bahia para os antigos donos e Abilio ficaria com o Ponto Frio e Nova Ponto.com", afirma um advogado de fusões e aquisições, lembrando que a união das redes varejistas ainda depende de aprovação do Conselho Administrativo de

Tolmasquim teme por Eletrobrás

O

governo não vai deixar a Eletrobras falir ou "perecer", disse ontem o presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Maurício Tolmasquim. "Ninguém vai deixar a Eletrobras falir. Ela é fundamental", disse. Ao ser questionado sobre quais medidas o governo poderia tomar para evitar a perda de valor da empresa, o presidente da EPE disse que não é o momento de antecipar essa discussão. "Primeiro ela vai ter de fazer as contas e ações para se adaptar aos custos, mas vamos aguardar um pouco, não vamos antecipar ações agora", disse. Os papéis da estatal vêm despencando na Bovespa há cinco dias por conta da perda de receita que a companhia deve ter a partir de 2013 com a renovação de concessões de geração e transmissão. A empresa recomendou que seus acionistas aceitem a proposta de renovação feita pelo governo, que deixa de remunerar os investimentos já amortizados. (Reuters)

Defesa Econômica (Cade). Na opinião de um consultor, a dúvida do mercado é quando o Casino vai se desfazer da empresa. "A rede francesa é focada no varejo de alimentos e, na minha opinião, não faz sentido carregar a Viavarejo", disse. Ele ressalta que Jean-Charles Naouri, é uma pessoa paciente, como demonstrou no investimento feito no Pão de Açúcar, que começou em 1999. "Os Klein teriam mais pressa para resolver a questão. Depois deles, Abilio teria interesse maior, mas está em situação mais confortável porque tem os imóveis das lojas do Pão de Açúcar e é sócio de um grande grupo internacional." (Estadão Conteúdo)

Sergio Castro/EC

Gerdau quer elevar margem bruta

A

André Gerdau Johannpeter: queixa contra a carga tributária no País.

Gerdau quer elevar sua margem bruta no Brasil para a faixa de 20% a 22% nos próximos anos, disse ontem o presidente-executivo da maior produtora de aços longos das Américas, André Gerdau Johannpeter. "Existe uma determinação para subir a margem normalizada no Brasil para acima de 20%, em 21% ou 22%", disse o executivo em encontro com analistas e investidores.

Segundo ele, a entrada em operação de um laminador da unidade Açominas deve contribuir de "forma importante" para elevar a margem bruta no País. "Voltar às margens de 28% e 29% é muito difícil no Brasil, dentro do quadro de competitividade", afirmou ele, citando a elevada carga tributária e um ambiente de custos altos de produção e de força de trabalho.

De julho a setembro, a Gerdau teve margem bruta de 20% no Brasil, acima dos 16% do trimestre anterior e dos 17% um ano antes. No acumulado de 2012 até setembro, a margem bruta da operação no país é de 17%, a mesma vista em igual intervalo do ano passado. A margem bruta nacional é bastante superior à obtida em outras regiões. Na América do Norte, ela ficou em 7% no terceiro trimestre, enquan-

to na América Latina, excluindo Brasil, foi de 4%. A prometida queda do custo da energia pelo governo federal em 2013, de até 28% para a indústria, garantirá uma redução de cerca de US$ 5 no custo de produção por tonelada de aço da Gerdau no Brasil, informou o presidente-executivo da companhia. O impacto poderia ser maior, considerando que a Gerdau possui três hidrelétricas. (Reuters)

AMBEV BRASIL BEBIDAS S.A.

Companhia Fechada CNPJ nº 73.082.158/0001-21 - NIRE 35.300.391.713 Edital de Convocação - Assembleia Geral Extraordinária Na forma das disposições legais e estatutárias, ficam convocados os senhores Acionistas da Ambev Brasil Bebidas S.A. (“Companhia”) a se reunirem em Assembleia Geral Extraordinária, a se realizar no dia 01 de dezembro de 2012, às 14:00 horas, em sua sede social, na Avenida Antártica, nº 1.891 (parte), Fazenda Santa Úrsula, cidade de Jaguariúna, Estado de São Paulo, a fim de deliberar sobre a seguinte Ordem do Dia: 1) examinar, discutir e deliberar sobre a proposta de incorporação da CND Holdings Ltd. (“CND Holdings”) pela Companhia, na forma dos artigos 224 e 225, da Lei nº 6.404/76; 2) examinar, discutir e deliberar sobre o Protocolo e Justificação da Incorporação da CND Holdings pela Companhia, celebrado no dia 16 de novembro de 2012, o qual estabelece os termos e condições da incorporação, acompanhados dos documentos pertinentes; 3) ratificar a nomeação e contratação da APSIS Consultoria Empresarial Ltda., com sede na Rua da Assembléia, 35, na Cidade do Rio de Janeiro/RJ, inscrita no CNPJ sob o nº 27.281.922/0001-70 (“APSIS”), como empresa responsável pela elaboração do laudo de avaliação, a valor contábil, do patrimônio líquido da CND Holdings, a ser incorporado ao patrimônio da Companhia (“Laudo Patrimonial”); 4) examinar, discutir e deliberar sobre o Laudo Patrimonial, elaborado pela APSIS; 5) Autorizar os administradores a realizar todos os atos necessários à efetivação da incorporação do patrimônio líquido da CND Holdings. Informações Gerais - A documentação relativa às matérias da Ordem do Dia está à disposição na sede da Companhia para exame pelos senhores Acionistas. O acionista ou seu representante legal deverá comparecer à Assembleia munido de: a) documento que comprove sua identidade; b) o respectivo comprovante de ações escriturais, expedido pela instituição financeira depositária; e c) se for o caso, instrumentos de mandato para representação do acionista por procurador, outorgado nos termos do Artigo 126, §1º, da Lei nº 6.404/76, conforme alterada. - Solicita-se que os instrumentos de mandato com poderes especiais para representação na Assembleia Geral a que se refere o presente edital sejam depositados, na sede da Companhia, no Departamento Jurídico, com antecedência de até 3 (três) dias úteis da data marcada para a realização da Assembleia. Jaguariúna, 22 de novembro de 2012. João Maurício Giffoni de Castro Neves. Diretor. (22, 23 e 24 24))

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

IMPRENSA OFICIAL DO ESTADO S.A. AVISO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 101/2012 A IMPRENSA OFICIAL DO ESTADO S/A-IMESP avisa aos interessados que fará realizar o Pregão Eletrônico nº 101/2012, para contratação de serviços continuados de assistência médica, hospitalar, métodos complementares de diagnósticos, tratamentos e serviços auxiliares, caracterizados como Plano ou Seguro Saúde Coletivo, englobando segmentos ambulatorial, hospitalar e obstétrico nos termos da legislação que regulamenta a matéria, para os diretores, empregados e seus dependentes legais e agregados remanescentes, estagiários e aprendizes da Imprensa Oficial. O edital deverá ser retirado no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br, www.bec.fazenda.sp.gov.br ou www.e-negociospublicos.com.br. DATA DO INÍCIO DO PRAZO PARA ENVIO DA PROPOSTA ELETRÔNICA: 26/11/2012. DATA E HORA DA ABERTURA DA SESSÃO PÚBLICA: 06/12/2012, ÀS 09:30 HORAS. SP. 22/11/2012. Marcos Antonio Monteiro Diretor Presidente

CASA CIVIL

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: PREGÃO ELETRÔNICO DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 36/00395/12/05 OBJETO: AQUISIÇÃO DE BANDEIRA NACIONAL E BANDEIRA PAULISTA A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para Aquisição de Bandeira Nacional e Bandeira Paulista. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital a partir de 23/11/2012, no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br ou na sede da FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 São Paulo/SP, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, ou verificar o edital na íntegra, através da Internet no endereço: http://www.fde.sp.gov.br. A sessão pública de processamento do Pregão Eletrônico será realizada no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br, no dia 06/12/2012, às 10:00 horas, e será conduzida pelo pregoeiro com o auxílio da equipe de apoio, designados nos autos do processo em epígrafe e indicados no sistema pela autoridade competente. Todas as propostas deverão obedecer, rigorosamente, o estabelecido no edital e seus anexos e serão encaminhadas, por meio eletrônico, após o registro dos interessados em participar do certame e o credenciamento de seus representantes previamente cadastrados. A data do início do prazo para envio da proposta eletrônica será de 23/11/2012, até o momento anterior ao início da sessão pública. HERMAN JACOBUS CORNELIS VOORWALD Respondendo pela Presidência Decreto s/nº de 03/10/2012

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: PREGÃO ELETRÔNICO DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 36/00528/12/05 OBJETO: AQUISI��ÃO DE RELÓGIO DE PAREDE RP-01 A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para Aquisição de Relógio de Parede RP-01. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital a partir de 23/11/2012, no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br ou na sede da FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 São Paulo/SP, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, ou verificar o edital na íntegra, através da Internet no endereço: http://www.fde.sp.gov.br. A sessão pública de processamento do Pregão Eletrônico será realizada no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br, no dia 06/12/2012, às 09:30 horas, e será conduzida pelo pregoeiro com o auxílio da equipe de apoio, designados nos autos do processo em epígrafe e indicados no sistema pela autoridade competente. Todas as propostas deverão obedecer, rigorosamente, o estabelecido no edital e seus anexos e serão encaminhadas, por meio eletrônico, após o registro dos interessados em participar do certame e o credenciamento de seus representantes previamente cadastrados. A data do início do prazo para envio da proposta eletrônica será de 23/11/2012, até o momento anterior ao início da sessão pública. HERMAN JACOBUS CORNELIS VOORWALD Respondendo pela Presidência Decreto s/nº de 03/10/2012

FALÊNCIA, RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL E RECUPERAÇÃO JUDICIAL Conforme informação da Distribuição Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, foram ajuizados no dia 22 de novembro de 2012, na Comarca da Capital, os seguintes pedidos de falência, recuperação extrajudicial e recuperação judicial: Requerente: Silvantec Técnica em Montagem Ltda. Requerido: Serpal Engenharia e Construtora Ltda. Avenida Ibirapuera, 2.332 - Torre I - 9° Andar – Indianópolis - 1ª Vara de Falências. Requerente: Renato Luis Valadão Lisboa. Requerido: CBR Serviços de Instalações e Rastreamento e Equipamentos Eletrônicos Ltda. Rua São Benedito, 509 - Sala 73 – Santo Amaro - 2ª Vara de Falências. Recuperação Judicial Requerente: N.D.Rabello e Ribeiro Ltda. Requerido: N.D.Rabello e Ribeiro Ltda. Rua Jose Libero, 56 – Planalto Paulista - 1ª Vara de Falências.

RESPEITO POR VOCÊ

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA ÓPTICA CONVOCAÇÃO DE ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA

A Associação Brasileira da Indústria Óptica - ABIÓPTICA, CNPJ 02.288.655/0001-32, sediada à Av. Santo Amaro, 1.386 – 1º andar, São Paulo/SP, realizará Assembleia Geral Extraordinária – AGE, nos termos da alínea “b” do artigo 27 do Estatuto Social, em 11 (onze) de dezembro de 2012, às 14h00min, em primeira convocação, comparecendo a maioria simples dos associados, ou às 14h30min, em segunda convocação, com qualquer número de associados, no Viaduto Jacareí, nº 100 – Sala Luiz Tenório de Lima, Bairro Bela Vista, nesta Capital, para tratar da seguinte Ordem do Dia: 1) Orçamento-Programa 2013; 2) Plano de Atuação; 3) Alteração do Estatuto. A votação é ato privativo dos Associados Efetivos, que estejam em dia com as contribuições associativas, nos termos do artigo 7º - “a” e artigo 8º do Estatuto Social. Cordialmente, Bento José Gonçalves Alcoforado Diretor Executivo Estatutário

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINDAMONHANGABA

COMUNICADO DE ADIAMENTO - PREGÃO Nº 304/2012 A Prefeitura comunica que o Pregão n° 304/2012, que cuida da “Aquisição de 01 (um) caminhão, a ser utilizado pela Secretaria de Obras e Serviços desta municipalidade”, está ADIADO para o dia 07/12/ 2012, com encerramento às 10h e abertura às 10h30, motivo: alteração do Termo de Referência. As demais informações do edital permanecem inalteradas. Maiores informações poderão ser obtidas através do site www.pindamonhangaba.sp.gov.br no link licitações. Pindamonhangaba, 22 de novembro de 2012. PREGÃO Nº 306/2012 A Prefeitura comunica que o Pregão n° 306/2012, que cuida da “Aquisição de 01 (um) conjunto, composto de cesta aérea isolada dotada de carroceria compartimentada a ser utilizada pela Secretaria de Obras e Serviços desta municipalidade”, está ADIADO para o dia 07/12/2012, com encerramento às 15h30 e abertura às 16h, motivo: alteração do Termo de Referência. As demais informações do edital permanecem inalteradas. Maiores informações poderão ser obtidas através do site www.pindamonhangaba.sp.gov.br no link licitações. Pindamonhangaba, 22 de novembro de 2012.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINDAMONHANGABA

EDITAL RESUMIDO - CONCORRÊNCIA PÚBLICA Nº 019/2012 A Prefeitura torna público que se acha aberta no Depto. de Licitações e Compras, sito na Av. N. Sra. do Bom Sucesso n° 1.400, Bairro Alto do Cardoso, a CP n° 19/12, referente à “Contratação de empresa especializada, com fornecimento de material e mão de obra, para execução da reforma e ampliação: LOTE 01 - Escola Municipal Arthur de Andrade; LOTE 02 - Escola Professor Orlando Pires, Bom Sucesso”, com encerramento dia 27/12/12, às 9h, e abertura às 9h30. A garantia de proposta deverá ser feita até o dia 26/12/ 12, às 15h, na Tesouraria, no valor de: Lote 01 - R$ 10.140,00 e Lote 02 - R$ 4.100,00. O edital estará disponível no site www.pindamonhangaba.sp.gov.br. Maiores informações poderão ser obtidas no endereço supra das 8h às 17h ou através do tel.: (12) 3644-5600. Pindamonhangaba, 22 de novembro de 2012.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINDAMONHANGABA

EDITAL RESUMIDO - PREGÃO Nº 338/2012 A Prefeitura torna público que se acha aberto no Depto. de Licitações e Compras, sito na Av. N. Sra. do Bom Sucesso n° 1.400, Bairro Alto do Cardoso, o PP nº 338/12, referente à “Aquisição de material de consumo de laboratório Municipal”, com encerramento dia 05/12/12, às 8h, e abertura às 8h30. O edital estará disponível no site www.pindamonhangaba.sp.gov.br. Maiores informações poderão ser obtidas no endereço supra das 8h às 17h ou através do tel.: (12) 3644-5600. Pindamonhangaba, 22 de novembro de 2012.

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: COMUNICADO A Comissão Julgadora de Licitações comunica que as planilhas referentes ao programa DIGITAGRP, a partir dos editais publicados em 13/11/2012, encontram-se disponíveis no site www.fde.sp.gov.br. Portanto, a retirada do CD na FDE não é mais obrigatória. Caso o interessado queira retirar o CD-ROM na FDE, o mesmo terá o custo adicional não reembolsável de R$ 3,00 (três reais). Se preferir, poderá apresentar um CD à SLI para a devida gravação, sem custo.

PREFEITURA MUNICIPAL DE BROTAS - SP AVISO DE TOMADA DE PREÇOS Nº 007/2.012 PREGÕES PRESENCIAIS Nº 079/2.012, Nº 080/2.012, Nº 081/2.012 E Nº 082/2.012

Acham-se abertas, na Prefeitura Municipal de Brotas: - Tomada de Preços nº 007/2.012 – Objeto: Contratação de Empresa, do ramo de construção civil, devidamente registrada no CREA, sob o regime de empreitada por preço global, para execução de obra de ampliação da Unidade Básica de Saúde, sito à Rua Amilcar Silvani, nº 100, no Bairro Taquaral, nesta cidade de Brotas – SP, com fornecimento de mão de obra, materiais e equipamentos necessários. Encerramento: 17/12/2.012, às 14:00 horas. - Pregão q p Presencial nº 079/2.012 – Objeto: Contratação de Empresa especializada para prestação de serviços consistente na implantação de iluminação de Natal em Prédios, Praças e Logradouros Públicos, com o fornecimento de materiais, produtos, mão de obra e equipamentos necessários para a execução do serviço. Encerramento: 07/12/2.012 às 09:00 horas. - Pregão Presencial nº 080/2.012 – Objeto: j Aquisição de equipamentos e mobiliários odontológicos. Encerramento: 10/12/2.012 às 09:00 horas. - Pregão Presencial nº 081/2.012 – Objeto: j Aquisição q ç de material de escritório e expediente. p Encerramento: 11/12/2.012 às 09:00 horas. - Pregão Presencial nº 082/2.012 – Objeto: Encerramento: 12/12/2.012 às 09:00 horas. Os Editais, j Aquisição q ç de 02 (dois) ( ) veículos tipo p van, zero quilômetro. q g poderão p ç de Materiais, sito à Rua Benjamin j na íntegra, ser retirados no Setor de Administração Constant, nº 300, Centro, Brotas – SP, de segunda à sexta feira, das 13:00 horas às 16:30 horas ou através do site: www.brotas.sp.gov.br pg Brotas, 22/11/2.012. VALDETE APARECIDA SARRO – Administração de Materiais

Melhoramentos Sul do Pará S.A.

CNPJ/MF nºº 49 49.333.800/0001-13 333 800/0001 13 - NIRE 35 35.300.190.335 300 190 335 Edital de Convocação - Assembleia Geral Extraordinária Ficam os senhores acionistas da Melhoramentos Sul do Pará S.A. (“Companhia”) devidamente convocados a participarem, em primeira convocação, da Assembleia Geral Extraordinária que se realizará no dia 04 de dezembro de 2012, às 10:00 horas, no prédio da sede da Companhia, localizada no Município de São Paulo, Estado de São Paulo, na Rua dos Pinheiros, nº 610, 6º andar, conjuntos 65 e 66, Pinheiros, CEP 05422-001, com a finalidade de deliberarem sobre a proposta de (i) aumento do capital social da Companhia; (ii) grupamento das ações representativas do capital social da Companhia, nos termos do artigo 12 da Lei nº 6.404/76; (iii) subscrição de valores pelos acionistas detentores de frações de ação para perfazer uma ação por inteiro; e (iv) alteração do artigo 5º do Estatuto Social, para registrar a nova quantidade de ações representativas do capital social da Companhia. Informações Gerais. Em conformidade com o artigo 135, parágrafo 3º, da Lei nº 6.404/76, encontram-se à disposição dos acionistas, na sede social da Companhia, todos os documentos e informações necessários à deliberação das matérias previstas na ordem do dia. São Paulo, 21 de novembro de 2012. A Diretoria.

SEAC-SP Sindicato das Empresas de Asseio e Conservação no Estado de São Paulo C.N.P.J. nº 62.812.524/0001-34

Pelo presente edital, ficam os associados quites e em pleno gozo de seus direitos sindicais, convocados para a Assembleia Geral Ordinária, a realizar-se em 1ª Convocação no dia 10 de dezembro de 2012, na sede social do SEAC-SP, situada à Av. República do Líbano, 1.204 - Jd. Paulista-SP, em 1ª convocação às 15:30 (quinze e trinta horas) e não havendo quorum em 2ª Convocação às 16:00 (dezesseis horas), para discutirem, deliberarem sobre a seguinte ordem do dia: a) Leitura, Discussão e Votação da Proposta Orçamentária para 2013, com parecer do conselho fiscal. São Paulo, 22 de novembro de 2012 Rui Monteiro Marques - Presidente

FUNDAÇÃO SABESP DE SEGURIDADE SOCIAL AVISO DE LICITAÇÃO Objeto: Serviços de impressão (guia médico), CONVITE Nº 012/12, tipo menor preço. Os envelopes deverão ser entregues até o dia 10/12/12. Edital completo através do site www.sabesprev.com.br/compras


DIÁRIO DO COMÉRCIO

20

e

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Com a exclusão de turistas, todos os benefícios do sistema de coffee shop seriam anulados. Eberhard van der Laan, prefeito de Amsterdã

conomia

Fotos: Rejane Tamoto

Amsterdã volta atrás na decisão de proibir turistas de consumirem drogas em coffee shops

Amsterdã se arrepende A Holanda repensa a política de tolerância para o consumo de maconha, mas não quer abrir mão do atrativo turístico dos coffee shops. Negócios em torno da cannabis movimentam cerca de 2 bilhões de euros ao ano. Rejane Tamoto*

A

capital da Holanda, Amsterdã, não quer ser reconhecida apenas pelo turismo da maconha, mas não pode fugir desta vocação, que vem sendo construída desde o final dos anos 1970, quando a venda da erva foi legalizada nos coffee shops – estabelecimentos que comercializam a droga, além de cafés, sucos e bolinhos. Dados oficiais de Amsterdã mostram que dos sete milhões de turistas que visitam a capital holandesa a cada ano, um milhão e meio frequentam os coffee shops. A cidade abriga 220 desses estabelecimentos, o que corresponde a um terço do número total no país. Por causa de tamanho apelo, uma lei nacional está causando discórdia entre a capital e o governo nacional. Em janeiro de 2013 estava prevista a entrada em vigor de uma lei que permite apenas a residentes na Holanda o acesso livre aos coffee shops. Para isso seria criado um cadastro para a confecção de um cartão de usuário. A medida, que já havia sido implementada no sul da Holanda, estava prevista para entrar em vigor em Amsterdã no começo do próximo ano. No começo deste mês, o prefeito de Amsterdã, Eberhard van der Laan, disse ao jornal De Volkskrant , que os turistas continuarão podendo visitar os coffee shops da cidade depois do dia 1º de janeiro de 2013. Van der Laan disse à publicação holandesa que sua decisão não foi guiada apenas pelo impacto econômico que a proibição causaria ao turismo. Segundo o jornal, a dec la r aç ão d o prefeito veio depois de conversas com o Ministro da Segurança e Justiç a , I v o O p stelten, nas quais van der Laan assegurou que a criminalidade e os problemas relacionados aos coffee shops serão tratados, e que o uso de maconha entre os jovens será combatida. Um funcionário do Bulldog, primeiro coffee shop de Amsterdã localizado no Red Light District – reduto da prostituição legalizada – diz que mais de 90% dos clientes são turis-

tas. "Eles vêm da China, Coreia, Rússia, de todos os lugares, até do Brasil. Esta lei não poderia ter mudado mesmo porque o holandês não frequenta o coffee shop", diz Feetja Weijdom.

rio foi implementado, a criminalidade aumentou. O próprio prefeito de Amsterdã expressou a preocupação com o aumento da criminalidade, caso a proibição da venda aos turistas fosse adotada. "Se os turisRede Bulldog tem perfis de lojas distintos

daria certo. Ele diz que a venda em estabelecimentos já é legal e que o governo reprime o tráfico nas ruas. "Nós produzimos localmente, mas tudo isso é controlado pelo governo", diz o atendente. Segundo informações do site da rede Bulldog – composta por coffee shops e hotéis – a empresa tem um banco de sementes próprio e, com isso, consegue ofertar uma variedade ampla da cannabis. No cardápio, há mais de 25 tipos de maconha, de leves a fortes, misturadas com tabaco ou puras, com preços a partir de 12 euros por uma embalagem de 1 grama. Fundado em 1975, o Bulldog é o coffee shop mais famo-

fica no número 90 da Oudezijds Voorburgwal, em frente ao canal. Nos estabelecimentos Bulldog de Amsterdã há regras diferentes. O movimento começa cedo nestes locais, que funcionam das 8h à 1h. Em uma unidade da rede, no Bulldog Mack, há venda de bebidas alcoólicas e, além de maconha, é permitido fumar cigarro. Na primeira loja Bulldog só é permitido fumar maconha e tomar bebidas não-alcoólicas. Às 11h de um sábado já não havia lugar para sentar nesta loja, já que o local estava apinhado de um público bem va-

Nesta unidade cigarros (de tabaco)não entram

Neste coffee shop tudo liberado: maconha, cigarro e bebidas alcóolicas. O resultado de toda essa discussão sobre a proibição de venda da maconha para turistas nos coffee shops acabou sendo benéfica para as vendas. "Fizeram uma boa propaganda e, por isso, muitas pessoas vieram aqui querendo aproveitar antes do fim do ano", afirma. Ele diz que nas cidades onde o cartão de usuá-

tas não puderem comprar haverá um enxame em toda a cidade à procura de drogas. Isso levaria a mais roubos, brigas e não ao controle da qualidade. Tudo o que temos trabalhado neste sentido seria perdido", afirmou ao jornal holandês. Na opinião de Weijdom, do Bulldog, a proibição não chegou a Amsterdã, porque não

so da cidade, e está até no roteiro de guias turísticos como no de Cecilia Teobaldi. Ela diz que costuma levar os turistas para conhecer o bairro da Red Light District e apresentar a primeira unidade da rede, que

riado – de homens bem vestidos ao jovens de estilo hippie. Um grupo de adolescentes entra e pede o café da manhã, no que uma das atendentes os direciona para outro lugar. A venda de maconha para menores de 18 anos é proibida nos coffee shops. E um dos argumentos para a criação do cartão de usuário é o combate à venda para menores e, principalmente, às perturbações causadas pelo turismo euro-

A cannabis cultivada na Holanda, a Nederwiet, é mais forte.

peu de drogas, especialmente nas cidades de fronteira, no sul do país, onde franceses, alemães e belgas vão buscar a erva – por ser proibida em seus países de residência. O prefeito Van der Laan disse que este não é o caso de Amsterdã, onde a compra de drogas leves é apenas uma das atividades do turista. "Com a exclusão de turistas, todos os benefícios do sistema de coffee shop seriam anulados", disse Van der Laan à publicação. Os benefícios citados pelo prefeito seriam o controle maior sobre a qualidade de drogas leves, as idades dos

compradores, e a repressão ao comércio de rua criminal. Além de não vender a erva para menores de 18 anos, os coffee shops não podem vender drogas pesadas e estar a mais de 250 metros de escolas. Cada loja pode pode vender até 5 gramas por consumidor e o estoque permitido por estabelecimento é de 500 gramas. Segundo informações do site da Rádio Netherlands Worldwide, boa parte da erva vendida em coffee shops é importada do Marrocos e do Paquistão, mas a cannabis cultivada na Holanda – a Nederwiet – que é mais forte, está se tornando popular. A estimativa é que dependendo da qualidade da erva, os donos de estabelecimentos paguem entre 3.500 e 5.500 euros por quilo aos produtores de cannabis. Segundo dados do site, em 2008, 720 cafés holandeses venderam cerca de 255 mil quilos de drogas leves – e de 20% a 40% era de origem local. A maconha rende cerca de 400 milhões de euros ao governo em impostos a cada ano. A estimativa é que o volume de negócios envolvendo a maconha seja da ordem de 2 bilhões de euros por ano. De acordo com o site, o valor é comparável ao volume de recursos gerados no transporte público holandês. *A repórter viajou a convite da Embaixada dos Países Baixos.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

21

Nº 441

DCARR FLUENCE GT

MOTO NOVA

Ninja 300 "made in Brasil" Japonesa traz para o mercado a substituta da 250R

A

O Renault bom de pista e de estrada Marca francesa quer acelerar vendas do sedã e trouxe a versão GT, completa, por R$ 79.370 CHICOLELIS Fotos: Divulgação

Kawasaki começa a oferecer em suas concessionárias, na primeira quinzena de dezembro, a recém-lançada mundialmente Ninja 300. O modelo – que já está sendo montado no Brasil dentro da fábrica da empresa em Manaus com peças importadas da Tailândia – vai substituir a Ninja 250R. Esta deixará de existir no mercado nacional. Ela continua sendo vendida por aqui até o final de seus estoques por R$ 13.990 e tem garantia de reposição de peças. A nova 300 cilindradas custa R$ 17.990 nas cores lisas verde, branca e preta e R$ 19.990 na versão especial com freios ABS e grafismo verde e preto. A aposta da Kawasaki, lançada há três meses na Tailândia, vai concorrer em terras brasileiras com a Honda CBR 250R, Kasinski Comet GT 250R e Dafra Roadwin 250. Entre os diferenciais das concorrentes, a Kawasaki aponta seus dois cilindros em vez de um das demais e a embreagem deslizante, que equipa os modelos Kawasaki ZX-6R e ZX-10R. O dispositivo evita que a roda traseira da Ninja 300 trave em reduções de marchas mais bruscas. A montadora também aumentou o torque da moto e acrescentou o lampejador de farol, duas exigências do consumidor brasileiro para o modelo. Outra reclamação dos clientes que foi atendida pela Kawasaki foi a

remodelação do painel. Os visores contam agora com melhor visualização, conta-giros analógico em destaque na parte superior do cluster e velocímetro em visor digital. Com 172 quilos (174 com ABS), a Ninja 300 tem três quilos a mais que a 250R. O chassi tubular em aço foi reforçado o que, segundo a montadora, oferece trocas de direções com rapidez e boa estabilidade nas curvas. O motor de dois cilindros e 296 cm³ gera 39 cv a 11.000 rpm e 2,8 kgfm de torque a 10.000 rpm. Ele foi renovado com aumento de 3 mm no curso dos pistões, passando de 46 mm para 49 mm. Além disso, ocorreram redesenhos em algumas partes internas. A 300 tem câmbio de 6 marchas, rodas aro 17 e pneus 110/70 na frente e 140/70 na traseira. Mário Tonocchi

BOM PROGRAMA

Salão do Carro Antigo Até domingo você poderá ver algumas preciosidades

Por fora, poucas diferenças. A principal está sob o capô.

N

a estrada você acelera ele reage e ultrapassa com facilidade e segurança. Na pista, o Fluence GT tem comportamento exemplar, respondendo sem problemas ao comando de direção, vencendo cada curva com firmeza e transmitindo, também, muita segurança para o motorista que precisa tomar cuidado para não abusar de todos os mecanismos que o carro oferece para mantê-lo no asfalto. Tudo tem limite. Sob o capô – No design, o GT não tem grande diferença do sedã normal, que venceu a maioria dos testes comparativos publicados nas revistas especializadas. A principal está no motor, um 2.0, 16V, turbo com 180 cv de potência, capaz de levá-lo a 220 km/h e, em 8s, chegar aos 100 km/h. O torque máximo, alcançado a partir de 1.500 rpm, chega a 30,6 kgfm, o maior da categoria. Na suspensão, novos amortecedores e molas para garantir a sua esportividade. No exterior, alguns itens para dar o tom do GT, como o spoiler dianteiro, integrado ao para-choque, faróis de neblina emoldurados por peça cromada e faróis de xenon. Saias laterais e rodas de 17 polegadas de diâmetro foram desenhadas para mostrar parte do disco do freio e pinças. A inscrição GT Renault Sport não deixa dúvidas. O GT foi a forma encontrada pela Renault para elevar a vendas do Fluence que, mesmo campeão dos comparativos e elogiado por todos os que o dirigem, é o quinto colocado no segmento.

eletrônica de frenagem. Tem também seis air bags (dois frontais, dois laterais e duplos, tipo cortina). Ele só vem nas cores Branco Glacier, Vermelho Fogo e Preto Nacré. No quesito conforto/laser, o teto solar se junta a um sistema de som de última geração. Os bancos são em couro e o painel ganhou novo desenho. O volante tem regulagem na altura e na profundidade. O computador de bordo tem oito funções. O câmbio é manual, de seis marchas. A garantia é de três anos ou 100 mil quilômetros e as revisões têm preços fixos. No porta-malas, 530 litros. É o maior do segmento. Preço, a vantagem – Com exceção do Chevrolet Cruze, que custa R$ 75.775, (mas sem todos os itens do francês) o preço do Fluence GT é o menor entre os cinco sedãs médios que mais vendem no mercado. Custando R$ 79.370 ele vem completo, em única versão, oferecendo maior quantidade de equipamentos que os concorrentes. Um exemplo é o VW Jetta. Ele custa R$ 84.990 na versão Higline, automática. O preço sobre cerca de R$ 10 mil com xenon, teto solar e navegação, já existentes no Renault. Completo – E o carro chega completo, em uma única versão, com assistência variável na sua direção elétrica (que se adapta à velocidade do veículo, ficando mais dura à medida que ela aumenta), controle de estabilidade (ESP), de tração (ASR), freios a disco nas quatro rodas, com ABS, auxílio de frenagem de urgência (AFU) e distribuição

Renault Sport – O Fluence GT é o primeiro modelo desenvolvido pela Renault Sport que chega ao Brasil. Na Europa a marca tem outros esportivos, como a versão GT do Clio. Antes do GT, mas sem a assinatura da Renault Sport, a marca francesa vendeu aqui o 1093, na década de 60, um esportivo derivado do Gordini, que corria em Interlagos.

Aston Martin 67

Mercedes-Benz Adenauer 57

U

m bom programa para este final de semana, além da Fórmula 1, é ir ao Anhembi visitar o 2º Salão Internacional de Veículos Antigos, que abriu ontem e vai até domingo, com ingressos custando de R$ 30 a R$ 125 (este dá direito a brindes e participação no leilão de alguns modelos raros que ocorrerá hoje e amanhã). São 280 "joias" como os colecionadores costumam chamar seus veículos. Entre eles, 20 lanchas antigas com destaque para a Waaden Maiden (Donzela de Madeira), a de corrida Spring Box e a Nikita. Entre os modelos quatro rodas, o Alfa Romeo Giulia SS 64, o Jaguar E-Type Coupê 1969 e a Lamborghini Spada 1971.

Alfa Romeo Giulia 64 Para quem se interessa por modelos antigos, o leilão poderá possibilitar a compra de algumas raridades como o Pontiac Trans AM 455 SD 74; o MG Midget MK IV Roadster 76; o Porsche 912 E 76 e a Lotus Europa "Gold Leaf" 69. Os ingressos estão à venda no site w ww.ing ressor apido. com.br /Sala odeA ntig os/ custando R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia) para qualquer dia do Salão. Há ainda o Kit Fã, por R$ 60, que dá direito a dois ingressos e duas camisetas do evento. E o Kit Colecionador, a R$ 125, com dois ingressos, duas camisetas pólo personalizadas e mais duas pulseiras para participar do leilão flanela. Mais informações no site www.salaodeantigos.com.br.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

22

t

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Fotos: Divulgação

urismo

Refúgio de luxo nas areias do litoral norte

Águas claras, areias brancas, paz e mordomia. Em um condomínio em pleno litoral norte paulista, o recém-renovado Tabatinga Hotel propõe esta fórmula de paraíso exclusivo. Fomos conferir!

Danielle Pessanha

P

ara quem gosta de praia, luxo e mordomia, o Tabatinga Hotel é o destino perfeito no concorrido litoral norte de São Paulo, especialmente depois de ter sido totalmente renovado. A 190 quilômetros de São Paulo, diante da Praia de Tabatinga (divisa de Caraguatatuba com Ubatuba), o hotel inaugurado há mais de 30 anos fica dentro do Condomínio Costa Verde Tabatinga (CCVT). Tabatinga é considerada uma das praias mais bonitas do litoral, com suas águas claras, areia fina e branca e vista para as ilhas da região, como a do Tamanduá. E o hotel se ajusta direitinho nesse quadro paradisíaco, com suas espreguiçadeiras e bangalôs junto à areia. Para quem gosta de atividades físicas, opções não faltam. Há ótima infra-estrutura de lazer – desde uma bela piscina para adultos e crianças até hidrospa (piscina a céu aberto com 44 jatos de hidromassagem), espaço para massagens, sauna seca, Espaço Kids, quadras de tênis, playground e um delicioso lounge. Os ambientes foram redecorados com muito bom gosto. para que os hóspedes tenham

sofisticação e o máximo em conforto. “Nossa preocupação é fazer do hotel a extensão da casa do hóspede. Queremos que ele se sinta mais do que à vontade”, disse Marcelo Akabane, diretor de Marketing do Tabatinga. Para os pequenos, foi criada uma ampla e divertida programação especial, que inclui atividades pedagógicas no Espaço Kids e gincanas à beira-mar supervisionadas por monitores ao longo de todo o dia. Os pais

podem descansar tranquilos. Nas 54 suítes, divididas em cinco categorias, há camas king size, TVs modernas e até o acionamento eletrônico do serviço de arrumação. Algumas acomodações têm vista para o mar, outras oferecem o luxo de um deque externo com hidromassagem. Algumas superiores dispoõem de varandas e deque externo privativo, com espreguiçadeiras e ombrelone. Para quem gosta de boa gas-

A 190 km de São Paulo, Tabatinga é uma das praias mais belas do litoral. No hotel, os ambientes foram redecorados – das salas ao Restaurante Manduca. Nas 54 suítes (à dir.), há até o acionamento eletrônico de arrumação.

tronomia, o Restaurante Manduca será a pedida. Inclui sempre no cardápio uma sugestão especial do chef. Há também o diversificado menu do Manduca Delicatessen, além do Bar & Lounge, Bar Tamanduá e a adega com 150 rótulos. Lazer à parte, na área de eventos, o Tabatinga oferece facilidades à altura. Há estrutura para a realização de eventos corporativos e sociais para até 250 pessoas, incluindo casamentos. Uma noite de comemoração transforma-se em um fim de semana em alto estilo. Tudo isso com os pés na areia e o olho no mar, em um cenário inesquecível. Deta-

MAIS 5 HOTÉIS NA PRAIA

lhe: o luxo do Tabatinga tem custo alto. Diárias para casal começam em R$ 986 (valor válido até 22/12), com café da manhã e jantar gourmet. Tabatinga Hotel: Rodovia SP 55, 2500, Condomínio Costa Verde Tabatinga, tel. (12) 3884-9337, www.tabatingahotel.com.br/. Em janeiro, pacotes de férias sob consulta.

Selecionamos outras dicas para o verão no litoral norte de São Paulo

Fotos: Divulgação

Sofitel Guarujá Jequitimar Famílias adoram este resort na Praia de Pernambuco, no Guarujá. Para crianças é o paraíso. Há Kids Club, atividades especiais com monitores, playgrounds, piscina e restaurante exclusivos. Aos adultos, o spa tem a chancela de marcas consagradas em beleza, como Carita. Sem falar na ótima gastronomia. Em janeiro, o hotel sedia o evento Harmonia dos Sabores, com menus especiais preparados pelo chef francês Patrick Ferry. Pacotes de 7 noites a partir de R$ R$ 5.530 por casal, com café e almoço. Tel. (13) 2104-2000, www.sofiteljequitimar.com.br.

Aldeia do Sahy Barra do Piúva Porto Hotel A sugestão para casais que não gostam de deixar o cachorro em casa. Perto do centro de Ilhabela, a dois quilômetros da balsa, o hotel tem vista para o mar, as montanhas e a Ilha das Cabras. Na infra-estrutura, piscina e jacuzzi, academia de ginástica e restaurante de inspiração mediterrânea, além de 27 apartamentos bem-equipados - alguns com sacada. Há um canil com monitoramento 24 horas por dia, que permite ao hóspede ver o seu pet da TV do quarto! Em janeiro, pacote de 5 noites a partir de R$ 1.435 casal, com café. Tels. (12)3894-9415/8118-0239, www.barradopiuva.com.br.

Na Barra do Sahy, em São Sebastião, este hotel hospeda em chalés ou flats com dois quartos. Em comum aos hóspedes, duas pisicinas (uma com hidro), recreação infantil, quadra de squash, sauna seca e salão de jogos. Bicicleta para locação e serviço de praia. Pacotes de sete dias em janeiro saem a partir de R$ 3.300 para casal, com café. Tel. (12) 3863-6366, www.sahy.tur.br

Itamambuca Eco Resort Sabor de aventura em um dos trechos de areia mais bem preservados do litoral. Na praia que lhe dá o nome, tem estrutura caprichada de lazer – de piscinas a quadras poliesportivas, espaço de bem-estar e centro náutico – e o suporte da Tangará Eco Lazer, que elabora passeios com trilhas e mergulhos na região. Pacotes de 7 noites a partir de R$ 3.688 por casal. Tel.(12) 3834-3000, www.itamambuca.com.br/.

Parque Balneário Hotel Na Praia do Gonzaga, com quase um século de história, o hotel passou por uma grande reformulação. Entre os destaques, piscina na cobertura com vista para o mar, sala de fitness e sauna e um andar reservado para o entretenimento (snooker, sala de cinema e Kids Club). Em janeiro, tarifa para casal a partir de R$ 499, com café e jantar – valor válido para pelo menos duas diárias de 1°/1 a 8 de fevereiro. Tel. (13) 3285 6900, www.parquebalneario.com.br.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

23

Fotos: Warner Bros/Divulgação

d

CICLO

cultura

Festival sediado pela Faap, MIS, Cinemark e Cine Sabesp vai exibir filmes italianos antigos e novos até 13 de dezembro.

A Itália em cartaz, exposta e discutida em SP.

John Goodman, Amy Adams e Clint Eastwood: brigas, acertos de contas e partidas de beisebol. Abaixo, no destaque, Justin Timberlake.

A alquimia curva de Clint Lúcia Helena de Camargo ação

falhando, sabe exatamente o que está acontecendo em campo apenas de ouvir o barulho da bola ao bater no taco. Para dificultar a tarefa de Gus, entra em cena o olheiro rival Johnny Flanagan (Justin Timberlake). No elenco estão ainda John Goodman como Pete Klein, chefe e velho amigo de Gus, e Matthew Lillard como o "cartola" Phillip Sanderson. O problema com a bola curva, que confere título ao filme no original em inglês, funciona como o cerne da questão. A tradução para o português é inspirada, já que o filme trata, no final das contas, de relações humanas complicadas, como todas.

/Divulg

sido criada em meio a partidas e jogadores. Advogada de carreira promissora, fica dividida entre questões de trabalho e a preocupação com o pai. Gus, porém, não aceita facilmente conselhos ou ajuda alheias. A serviço do Atlanta Braves, ele viaja para a Carolina do Norte com a missão de observar as novas estrelas do esporte universitário, possíveis contratações futuras da equipe. Ao contrário dos executivos, ele não confia, para apontar um bom jogador, em estatísticas calculadas por computador ou gráficos de desempenho. Coloca todas as fichas na própria percepção. Embora com a visão

ia Filmes

enlatado no café da manhã. Em alguns momentos se parece muito com Walt Kowalski, seu personagem em Gran Torino (2008), que também dirigiu. Em Curvas da Vida – com direção e produção de Robert Lorenz – Clint apenas atua e ajuda na produção. Mas isso basta para o longa valer a pena ser visto. O ator, com 82 anos, ainda tem o poder de transformar em ouro aquilo que toca. Ele contracena com Amy Adams, que vive sua filha, Mickey Lobel. A moça conhece o esporte como poucos, por ter

Califórn

O

beisebol, esporte mais popular nos Estados Unidos, funciona como mote para Curvas da Vida (Trouble with the Curve, 2012, EUA, 111 minutos) que estreia nesta sexta (23). Mas mesmo que você não seja um apreciador, poderá gostar do filme, porque Clint Eastwood é o protagonista. Ele encarna Gus Lobel, talentoso olheiro de beisebol que começa a sentir o peso da idade. Irascível, se mantém apegado a hábitos pouco saudáveis, como fumar charuto, comer pizza e presunto

Começa neste sábado (24) e segue até 13 de dezembro o 8º Festival Pirelli de Cinema Italiano em São Paulo. Até o dia 30 acontecem workshops na Fundação Armando Álvares Penteado (Faap); de 30 a 6 de dezembro é a vez da retrospectiva Giancarlo Giannini no Museu da Imagem e do Som (MIS). E de 7 a 13 de dezembro é a vez da mostra contemporânea, em algumas salas da rede Cinemark e no Cine Sabesp. O ator e cineasta Giancarlo Giannini, presente com cinco produções, vem ao Brasil para o evento. O filme de abertura será Eu e Você (Io e Te, 2012, foto acima), de Bernardo Bertolucci. Com Tea Falco e Jacopo Olmo Antinori no elenco, foi exibido no Festival de Cannes 2012. Conta a história de Lorenzo, jovem de 14 anos introvertido tirado da zona de conforto por Olivia, moça de agressiva vitalidade. Outros destaques são Pasqualino Sete Belezas (Pasqualino Settebellezze, foto abaixo), de 1976, que amealhou quatro indicações ao Oscar: melhor ator para Giancarlo Giannini; melhor direção e roteiro para Lina Wertmüller e melhor filme estrangeiro. E ainda Como é Belo Fazer Amor (Com' è Bello Far l'amore, 2012), de Fausto Brizzi; e Os Primeiros da Lista (I Primi Della Lista, 2011), de Roan Johnson. Programação completa em www.cinemaitaliano.com.br

Imagem Filmes/Divulgação

O poder das palavras. E da violência.

Q

uem tira o sustento da palavra escrita – escritores, jornalistas, editores de livros, entre outros – costuma ser reverente à originalidade. Quando alguém cria uma fórmula para alinhavar as frases de maneira a encantar o leitor, essa é a grande descoberta. Nesse mundo vive Rory Jasen (Bradley Cooper, conhecido pelo papel em Se Beber, Não Case), que protagoniza As Palavras (The Words, 2012, Estados Unidos, 102 minutos). Ele trabalha em uma editora e sonha em publicar o próprio livro. Porém, falta inspiração, vocação

ou talento. Quando já desistia do projeto, encontra, em uma loja de antiguidades, um maço de folhas amareladas. Resolve digitar o manuscrito. Premiações, reconhecimento, tudo vai sair como ele espera até surgir um homem (Jeremy Irons) que cobrará o preço pelo misterioso texto. Nada será simples. Rory descobre estar envolvido em algo bem maior do que Divulgação

um romance esquecido pelo tempo. Zoe Saldana vive a mulher de Rory. Outra estreia do final de semana é o policial Disparos (Brasil, 2012, 82 minutos). Filme de estreia na direção de Juliana Reis, com roteiro escrito por ela. Conta a história de Henrique (Caco Ciocler, foto), fotógrafo carioca que se vê envolvido num caso de violência sem entender

direito se é vítima, cúmplice ou testemunha. Baseado em fatos reais, o filme tenta discutir a violência urbana no Rio de Janeiro. Tudo se desenrola ao longo de uma única noite. Também brasileiro, Dia de Preto (2012, 85 minutos), dirigido por Marcial Renato, Daniel Mattos e Marcos Felipe, traz Marcelo Batista como um jovem negro que luta por sua liberdade, fugindo do patrão e de uma gangue, no Rio. Ao se envolver em um roubo de uma relíquia do século XVII, descobre que sua história está relacionada com a do primeiro negro alforriado do Brasil. (LHC)

Nesta edição: aos 70 anos, Casablanca pode inspirar sequência. Visuais: fotos de Candida Höfer na Galeria Leme. Gastronomia: cardápios para o fim de ano. Vitrine de shows. Teatro: Ato de Comunhão. Ensaio: felicidade na internet.

Divulgação

Bradley Cooper e Zoe Saldana em As Palavras: até onde pode ir alguém em busca de um bom texto?


DIÁRIO DO COMÉRCIO

24

d

70 anos

cultura

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

1942-2012

GUERRA Semanas antes da estreia de Casablanca, os Aliados haviam desembarcado na cidade. No filme, a mais bela cena sobre a vida no contexto da Segunda Guerra é a "batalha dos hinos". No bar do Rick, os nazistas cantam Die Wacht Am

3

ATORES

Fotos: Reprodução

Rhein. Victor Laszlo, marido de Ilda, então os desafia pedindo que a orquestra toque A Marselhesa (acima), que os clientes do bar cantam mais alto. (HRC)

O RETORNO DE UM MITO Heci Regina Candiani

D Bogart e Bergman não reinam sozinhos em Casablanca. É a atuação de três coadjuvantes que tempera a trama: Peter Lorre, Paul Henreid e Claude Rains. Lorre (alto) faz o papel do patético traficante de salvo-condutos. Henreid (acima) encarna Laszlo, herói libertário perseguido pelo nazismo. Rains (abaixo) representa o corrupto chefe de polícia francês, que acaba conspirando a favor dos Aliados. (MMJ)

a década de 1960, quando começou a ser cultuado por estudantes de Harvard, até os dias de hoje, C as ablanca povoa o imaginário de gerações de fãs com uma das histórias de amor mais tristes e mal-resolvidas do cinema. E talvez agora o romance de Ilsa (Ingrid Bergman) e Rick (Humphrey Bogart), que estreou nas telas há 70 anos (completados nesta segunda, dia 26) ganhe outra chance. A produtora Warner Bros deve filmar a continuação do filme. Considerado um filme inesgotável por críticos e cinéfilos, Casablanca retrata o reencontro do ca-

"Tantos bares, em tantas cidades em todo o mundo, e ela tinha que entrar logo no meu", diz Rick no filme, resumindo em uma frase a mágoa, a paixão e o ciúme que, a partir do reencontro, dominará o clima da história até a emblemática despedida no aeroporto de Casablanca (na imagem acima). O filme estreou em Nova York em 26 de novembro de 1942 (no Brasil, foi exibido pela primeira vez em 7 de dezembro daquele ano). Desde então, não há espectador de Casablanca que não tenha sonhado com a felicidade do casal. A possível sequência do filme vem para dizer que o final mais fa-

moso de Hollywood teve consequências para gerações seguintes. Segundo o jornal New York Post, a Warner Bros vai filmar um roteiro escrito há 30 anos por Howard Koch. Intitulada Return to C a s a b l a nc a , a história mostraria os esforços do filho de Ilsa na busca por seu pai biológico, Rick, desaparecido durante a guerra. O novo filme terá flashbacks com cenas de Ilsa e Rick, o que fez alguns fãs do clássico protestarem. Consideram a sequência uma afronta ao mito. A escolha do diretor da sequência está sob comando de Cass Warner, neta de um dos fundadores da Warner Bros.

A química do amor R

eúna em um filme guerra, suspense e aventura, uma atriz estrangeira impecavelmente linda e um dos maiores astros dos filmes de gângsters do momento, celebrado por seu sex appeal pouco convencional. Transforme os dois intérpretes em par romântico da trama. É pouco provável que essa fórmula não resulte em um filme sedutor. A química entre Ingrid Bergman e Humphrey Bogart nas telas é constantemente apontada como um dos segredos do encan-

Humphrey Bogart como Rick

Ingrid Bergman como Ilsa

tamento que C as ab l an ca e xe rc e no público por tantos anos. Depois do filme, Humphrey Bogart protagonizou mais de 35 outras produções, sendo

premiado em 1951 com o Oscar de melhor ator e o Bafta de melhor ator estrangeiro por Um a Aventura na África, dirigido por John Huston.

TRILHA Ingrid Bergman também atuou em outras três dezenas de filmes após Casablanca e ganhou três estatuetas: melhor atriz em 1945 e 1957 por À Meia-Luz, de George Cukor, e Anastasia, a Princesa Esquecida, de Anatole Litvak e melhor atriz coadjuvante em 1975 por Assassinato no Orient Express, de Sidney Lumet. Após Casablanca, Ingrid e Bogart nunca mais atuaram juntos. Acerto de Hollywood. Afinal, que outro amor eles poderiam protagonizar sem que nos lembrássemos de Ilsa e Rick? (HRC)

NA INTERNET

DVD

A

Duplo, antológico, lançado em 2002. Além de conter o filme Casablanca restaurado, é enriquecido por diversos e preciosos extras. Disco 1: a atriz Lauren Bacall, ex-mulher de Bogart, introduz a exibição do filme; o crítico Roger Ebert e o historiador Rudy Behlmer analisam Casablanca sob vários ângulos (estético, político, dramático). Disco 2: destaca a produção do filme, a escolha dos temas musicais e a adaptação de Casablanca pelo rádio e pela TV. (MMJ)

sal no ano de 1942, em meio à Segunda Guerra Mundial. Anos antes, Ilsa e Rick viveram uma inesquecível paixão em Paris. Mas ela o abandonou. Ele, então, estabelece-se como dono de um bar em Casablanca, no Marrocos. Solteirão convicto, Rick vive para afogar as dores do amor perdido em copos e copos de uísque enquanto seus clientes conspiram, jogam, criam intrigas e negociam vistos que permitam a refugiados do nazismo embarcarem para Portugal e, dali, para os Estados Unidos. Ilsa e o marido Victor Laszlo (Paul Henreid) são dois desses refugiados.

internet é um verdadeiro banco de dados para quem quer manter aceso o culto a Casablanca enquanto a sequência do filme não estreia. E nada melhor do que começar revisitando a versão final do roteiro do filme em inglês (www.vincasa.com/casabla.pdf). Escrito ao longo das filmagens, o roteiro de Casa blan ca é uma adaptação da peça Everybody Goes to Rick's ("Todos vão ao bar do Rick", em tradução livre). O texto

foi iniciado pelos irmãos (Julius e Philip) Epstein que, no meio das filmagens, tiveram de abandonar o projeto. Howard Koch – roteirista da sequência Return to Casablanca – assumiu os trabalhos. E entre as ideias dos roteiristas e um ou outro pitaco do diretor Michael Curtiz e do produtor Hal B. Wallis, o roteiro final ganhou frases e diálogos geniais, como a resposta de Rick ao ser perguntado sobre sua nacionalidade: "Sou um bêbado". Ou

a frase final: "Este pode ser o começo de uma bela amizade". No YouTube, é possível ver o trailer original legendado (http://youtu.be/ub8357PmWnE) e a despedida de Ilsa e Rick (http://youtu.be/63Kw2YzqocE), além de várias outras cenas emblemáticas do filme e inúmeras versões da canção-tema As Time Goes By. Pode ser visto na web o episódio completo de Carrotblanca, paródia do filme em que Pernalon-

ga interpreta Rick (h t tp : / / y o utu.be/j6SjYWTFR20). A novela Roque Santeiro (1985-1986) terminou com uma referência à cena final do filme, que pode ser vista também na internet (http://youtu.be/yVFwarp5How). Também merece acesso o trailer de Sonhos de um Sedutor (1972), em que Rick aparece como conselheiro amoroso do personagem de Woody Allen (http://bit.ly/ UmS7k3). (HRC)

AS TIME GOES BY D

uas referências indissociáveis de Casablanca são a música As Time Goes By e a frase "Play it again, Sam". Mas uma das curiosidades sobre o filme é que a fala não existe no roteiro. Ilsa, ao encontrar Sam (D ool ey Wilson, detalhe) no bar do Rick, pede: "Play it, Sam. Play As Time Goes By." ("Toque, Sam. Toque As Time Goes By.") Em outra cena, Rick diz apenas "Play it".

A música foi escrita por Herman Hupfeld em 1931 para o musical E v e r y b o d y ' s We l c o m e , d a Broadway. Em 1942, foi selecionada para Casablanca. Mas quase foi substituída. Max Steiner, responsável pela trilha do filme, quis trocar As Time Goes By por uma de suas composições. Já vencedor do Oscar pela trilha de O De-

lator (John Ford, 1935), ele tinha poder para fazer a mudança, mas não tanto poder quanto os cabelos de Ingrid Bergman. Quando foram gravadas as cenas de amor de Ilsa e Rick em Paris, em que a música é tocada, a atriz tinha os cabelos compridos. A pedido de Ernest Hemingway, ela os cortou para seu próximo trabalho, Po r quem os Sinos Dobram?. A

Casablanca ganhou três prêmios da Academia, em 1943: melhor filme; melhor diretor (Michael Curtiz) e melhor roteiro adaptado (Julius e Philip Epstein e Howard Koch). E foi carimbado com outras indicações: melhor trilha sonora (Max Steiner); melhor edição (Owen Marks); melhor ator (Bogart); melhor ator coadjuvante (Claude Reins) e melhor fotografia (Arthur E. Cheson). (MMJ)

produção de Cas ablanca pensou em refilmar as cenas de Paris com a nova canção, mas não encontrou uma peruca que recriasse os cachos da atriz de modo convincente. E As Time Goes By foi mantida, ganhando dezenas de regravações, entre as quais as de Billie Holiday, Louis Armstrong, Tony Bennett, Frank Sinatra, Steve Tyrell, Chet Baker, John Lennon, Rod Stewart e Gal Costa. (HRC)

Tributo aos clássicos de Bogart Antologia da RCA (LP de 1974) reúne o score dos filmes mais famosos de Bogart, interpretados pela Orquestra Filarmônica Nacional, sob regência de Charles Gerhardt. Não poderiam faltar Casablanca (Max Steiner); Sabrina (Frederick Hollander), em que o madurão Bogart se apaixona pela garota romântica Audrey Hepburn; e O Tesouro da Serra Madre (trilha assinada, mais uma vez, pelo craque Max Steiner). (MMJ)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

25

d

cultura

Um perfeito romance policial, quase perfeito demais. Renato Pompeu

N

o segundo romance policial de Paulo Levy, Morte na Flip, lançado pela Editora Bússola, temos uma bem arquitetada trama policial, de nível internacional, em que está de volta o delegado Dornelas, sua mania de comer mingau infantil e barras de chocolate aos quadradinhos, seu namoro com uma legista, e sua alta capacidade investigativa. Temos de volta a cidade de Paraty, desta vez com o charme da Festa Literária Internacional, a famosa Flip, só que Levy dá à cidade o nome de Palmyra. Novamente, como em Réquiem para um Assassino, Levy se mostra um mestre do gênero policial, capaz de

produzir entretenimento de alto nível, embora longe de ser uma obra de arte. A trama, homicídios em meio à Flip, em que estão envolvidos importantes escritores brasileiros e estrangeiros, e uma chusma de jornalistas sensacionalistas, é, como se vê, muito atraente. Desta vez, porém, Levy teve dificuldades em aplicar as regras da comunicabilidade tão bem definidas pelo pesquisador italiano Umberto Eco e tão bem exploradas por Levy no seu primeiro livro, que é uma obraprima da semiótica. Manda uma das regras da comunicação que um conteúdo é tanto mais compreensível quanto mais contenha "ruídos", isto é, noções já

conhecidas do receptor, com poucas informações "novas", cujo acúmulo excessivo dificulta o entendimento pelo usuário. Quanto mais alta a proporção de informações "novas", ou seja, desconhecidas do usuário, mais alto o nível técnico ou estético, e mais baixa a comunicabilidade. Ora, se Levy, em Réquiem para um Assassino, havia facilitado em todo o livro a comunicação, ao transmitir predominantemente descrições de situações bem conhecidas pelo público médio de literatura policial, como refeições, caminhadas,

encontros amorosos, cenas entremeadas sabiamente com a descrição de algumas poucas pistas e raciocínios, desta vez, logo na abertura do romance, proporciona uma profusa descrição técnica do local do crime, que inclui um barco, usando termos pouco familiares ao leitor comum, como "cunho da proa", "nó de oito". Deste modo, seu romance policial fica, na abertura, mais perfeito como trabalho propriamente policial, particularmente de perícia criminalística, pois, como numa investigação real, é preciso prestar atenção a

Candida Höfer/Divulgação

dezenas e mesmo centenas de detalhes e recorrer a vários níveis de conhecimentos especializados, como ciência dos solos e técnicas náuticas. A sorte do leitor, no entanto, é que essa dificuldade de comunicação ocorre apenas na abertura do livro, quando se depara com uma detalhada descrição técnica do local do crime, ou, como se diz frequentemente agora, por causa das traduções que constam das séries policiais americanas de televisão, da "cena do crime". Logo em seguida, no entanto, na maior parte do livro, temos descrições bem mais comunicativas e Levy revela toda sua envergadura de escritor policial de nível internacional.

Como no primeiro livro, há ainda um probleminha de muito menor importância, errinhos de revisão como "atrás a orelha", no lugar de "atrás da orelha", e "Bustamente", no lugar de Bustamante. Há ainda um erro menos perceptível: a apresentação de "Svensson" como sobrenome dinamarquês, quando seria "Svensen", como em Hans Christian Andersen e Isak Dinesen. O livro vale também pelas notáveis descrições dos comportamentos de jornalistas e dos fatos relacionados com a Flip. De todo modo, se enfrentar as dificuldades da abertura, que é bem curta, o leitor ou leitora obterá a recompensa da fruição de uma notável ficção policial.

Paulo Severo/Divulgação

Peça conta ato de canibalismo ocorrido na Alemanha em 2001

Notícia escabrosa em forma de poesia Sérgio Roveri

U Conexão entre luzes e linhas Rita Alves

A

partir desta semana, a Galeria Leme apresenta uma série de fotografias da artista alemã Candida Höfer (1944). As obras fazem parte da mostra individual Luz, Linhas, Luga res, em cartaz até o dia 22 de dezembro. A exposição exibe 11 obras, cinco delas em grande formato, com até 3 metros de largura, e outras seis menores (50 x 60 cm).

De acordo com a artista, a primeira característica que chama a atenção dela em um lugar é a luz. As linhas também são importantes. "Não são somente as linhas geométricas que constroem um espaço, mas também as linhas que conectam tradições culturais." O Brasil já esteve na mira da fotógrafa e aparece na exposição como destaque. Estão lá fotos de Brasília, com registros do Congresso, do Ita-

maraty e do Teatro Nacional, imagens do Rio, mostrando a Biblioteca Nacional, e da Igreja de São Francisco de Assis, na Bahia (acima). Quando visitou o Brasil pela primeira vez, Candida ficou fascinada com a diferença na similaridade encontrada aqui. "Estive viajando anteriormente por Portugal e visitando palácios, igrejas e outros lugares por lá, mas aqui no Brasil a luz era tão di-

ferente, o ouro era dourado não só em substância, mas em seu brilho. Todas as cores pareciam respirar livremente aqui. Foi esta atitude perante a luz que eu vivenciei tanto nos prédios históricos como na arquitetura contemporânea deste país."

Galeria Leme. Av. Valdemar Ferreira, 130, tel.: 3093-8184. Grátis.

FOTOS

Fotos: Maíra Soares

Livro Este Seu Olhar mostra série de autorretratos de Maíra Soares copiados de fotografias antigas da mãe dela. Acima, a primeira reprodução.

MAÍRA DESATA O NÓ DOS SENTIMENTOS

N

ão hesite ao se deparar com o delicado laço que envolve o livro Este Seu Olhar, da fotógrafa Maíra Soares. Desfazê-lo é o melhor caminho para conhecer o precioso trabalho da artista. O livro reúne fotografias antigas da mãe de Maíra, clicadas pelo pai, e autorretratos manipulados digitalmente com a artista no mesmo cenário da mãe, fazendo poses iguais. "Eu mesma encontrei as fotos no armário da minha mãe, logo após a morte dela. Como eu e minha irmã moramos fora do Brasil, quisemos olhar tudo o que ela tinha guardado", conta. "As fotos estavam em uma caixa de sapatos, soltas, misturadas com outras fotos antigas."

A ideia de fazer o ensaio surgiu a partir de um exercício proposto pelo professor do curso de Master Internacional de Fotografia na prestigiada EFTI (Escuela de Fotografía y Centro de Imagen), em Madri: repetir a foto de um fotógrafo admirado pelo aluno. Maíra resolveu copiar um dos retratos feitos pelo pai porque, mesmo depois de retornar do Brasil, em junho de 2011, as imagens ainda ecoavam na lembrança dela. "Em princípio repeti a foto da xícara e só depois de um tempo decidi fazer uma série." Após escolher as fotos encontradas na caixa, Maíra fez outras em seu apartamento em Madri e no estúdio da escola. A intenção da artis-

ta era reconstruir o sentimento da mãe, presente na época do começo do casamento. "Depois de selecionadas as imagens, estudava sua expressão, olhar e postura diante do espelho. Algumas fotos foram difíceis de repetir, porque me notava mais dura, mais marcada que ela. Eu já tinha 31 anos e sentia dificuldade de me colocar na pele de uma mulher de 23 anos." Segundo a fotógrafa, o ar apaixonado, a leveza e a inocência que o olhar da mãe transmitia a impressionaram bastante. Outro fato tocante foi a redescoberta do lado poético do pai, na época com 20 anos. "Meu trabalho foi de tentar conhecer quem era essa mulher que

me concebeu e ao mesmo tempo investigar em mim o quanto podia resgatar da minha forma de sentir o que ela estava sentindo. Com 31 anos, eu percebia que para interpretá-la eu tinha que voltar para trás revendo posturas que eu mesma já não tinha em relação à vida ou às experiências que ela me traz." O ensaio fotográfico fez Maíra se sentir mais próxima da mãe, como nunca antes. "Também recuperei a imagem poética que tinha de meu pai na infância, que já não via tão evidente nele. Me fez entender que mesmo que deixemos menos evidente em nós certos traços, eles continuam presentes em nós e é possível acessá-los." (RA)

m fato ocorrido no dia 9 de março de 2001, na cidade alemã de Rotemburgo, e tornado público apenas em dezembro do ano seguinte, deixou o mundo em estado de choque. Armin Meiwes, um engenheiro solitário com especialização em informática, conheceu pela internet o também engenheiro Bernd Jürgen Brandes, que se dispunha a ser voluntário consciente de um ato de canibalismo. Os dois se encontraram na casa de Meiwes, que vivia sozinho desde a morte da mãe, beberam vinho e aguardente, leram algumas páginas do livro Jornada nas Estrelas e deram início a um ritual documentado por uma câmera de Meiwes, que resultou num vídeo de duas horas só visto pela polícia. Depois de tomar 20 comprimidos de analgésico, Brandes consentiu em ser morto e depois devorado por Meiwes. Com recursos de videoarte, gravações em off e uma narrativa que oscila entre o poético e o realismo cru, o episódio é retratado no monólogo Ato de Comunhão, apresentado pelo ator Gilberto Gawronski no Teatro do Sesc Belenzinho. O texto, uma ficção fortemente amparada na história real, foi escrito pelo dramaturgo argentino Lautaro Vilo, 35 anos, e chegou às mãos de Gawronski por in-

termédio do crítico de teatro uruguaio Jorge Arias. "Este texto, todo escrito em versos, é uma tragédia contemporânea", diz o ator. "O que mais gosto nele e me impulsionou a montá-lo é a carga poética que ele alcança. Acho que a possibilidade de ler a notícia em forma de poesia é algo que pode nos deixar mais sensíveis, além de transcender a nossa curiosidade diante de um sensacionalismo sádico. A peça nos estimula a encontrar algo de mais sublime, a arte, no olhar do fato." O gesto limite de Meiwes, que passou a ser conhecido como o canibal de Rotemburgo e que hoje cumpre prisão perpétua numa penitenciária alemã, ocupa apenas os momentos finais do espetáculo. Antes, a vida do engenheiro é retratada com impressionantes detalhes em dois outros momentos: no aniversário de oito anos, em que ganha um autorama do avô e confessa o desejo de ter um irmão mais novo, e no enterro da mãe, ao qual compareceram somente um padre anglicano e os dois coveiros – que foram recompensados com uma gorjeta de US$ 100.

Ato de Comunhão. Sesc Belenzinho. Rua Padre Adelino, 1000. Tel.: 2076-9700. Sexta às 21h30. Sábado às 20h. Domingo às 19h. R$ 24.

CONCERTO

Orquestra Sinfônica da USP, regida por Ricardo Bologna, vai apresentar O Mandarim Maravilhoso, do compositor Béla Bartók (foto). Participação do solista Michel Bellavance (flauta). Sábado (24), 21h.

Sala São Paulo. Praça Júlio Prestes, nº 16, tel.: 3367-9500. R$ 12 a R$ 60.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

26

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Fotos: Léo Feltran/Divulgação

Vernaccia de Boccaccio

d

José Guilherme R. Ferreira

cultura

Bufê e steak tartar (à esquerda) do Bibi Gastronomia e Eventos.

Bibi e Forneria do Santa oferecem opções para as festas de final de ano

Boa comida, boa área. Lúcia Helena de Camargo

C

hegamos à época das confraternizações. Para facilitar a vida dos organizadores de reuniões corporativas e familiares, sugerimos aqui dois restaurantes arejados e espaçosos, que servem ótima comida. O Bibi Gastronomia e Eventos, instalado no flat Address Itaim Bibi, no almoço dos dias de semana oferece o variado bufê, no qual aparecem caponata de berinjela, pepino ao molho de iogurte, ceviche, ravióli de alho poró ao molho de limão, arroz integral com cevadinha, entre outras saladas e pratos quentes. De segunda a sexta-feira custa R$ 39,60 por pessoa, sendo que o bufê de sobremesas é cobrado à parte (R$ 10,30). Nos finais de semana e feriados cada um paga o preço fechado de R$ 62, com sobremesa incluída. Aos domingos há uma novidade, inaugurada no final de outubro: o festival do tartar. O cliente escolhe entre carne, peixe ou legumes e o chef prepara o prato à frente do comensal. Na promoção, que segue até o final do ano, o tartar está incluso no preço do bufê. O steak tartar, mais tradicional,

leva filé mignon picado e gema de ovo, acompanhado por relish de pepino, saladinha de tomate, cebola crocante e torradas. O de peixe pode ser feito de salmão ou atum. E todas as opções podem ser servidas com batatas fritas ou salada de folhas verdes. Comandado pela chef e proprietária Lia Tulmann, fundadora e ex-sócia do Badebec (centro e Jockey Club), o Bibi, que possui 120 lugares, fica lotado na hora do almoço. Funciona de segunda e sexta do meio-dia às 15h; aos domingos e feriados das 12h30 às 16h. Não abre para o jantar, já que as noites, assim como os sábados, são reservadas para eventos fechados, sociais e corporativos. O espaço de 300 m² comporta 180 pessoas sentadas e até 300 em pé, com pista de dança, espaço para DJ e bandas, além de área para cerimônias. O Bibi oferece ainda o serviço Bibi em Casa, para quem deseja fazer almoços, jantares e outras comemorações sem precisar cozinhar ou servir. Para as tarefas a banqueteira Lia conta com a ajuda da filha Marcela Tulmann, também chef de cozinha. Ambas montam cardápios completos, dos

Divulgação

Forneria do Santa. Casa tem 400 m² e prepara menus fechados para reuniões e eventos.

petiscos aos coquetéis e doces, de acordo com o perfil do cliente. Bibi Gastronomia e Eventos. Rua Jorge Coelho, 98, com entrada também pela Rua Amauri, 513 (Flat Adress). Itaim Bibi. Tel.: 3078-7200. http://bibigastronomia.com.br Já a Forneria do Santa, que funciona todas as noites como restaurante e pizzaria, tem vocação nata para sediar eventos. Com 400 m², é dividida em sete ambientes, todos decorados com peças que podem ser compradas pelos clientes. Nas noites quentes é aberto o teto retrátil do salão maior. A casa funciona para o almoço aos sábados e domingos, do meio-dia às 16h, com bufê a R$ 39 por pessoa. Inaugurada em 2010, a forneria foi comprada recentemente pelo empresário Cláudio Ávila, sócio do Caluma, entre outros restaurantes. As pizzas são as maiores atrações. São bastante pedidas as de pera com presunto de Parma (R$ 46); queijo de cabra com pesto e tomates (R$ 41,50), salmão com alho-poró (R$ 48) e pepperoni com cebola empanada (R$ 40), além das tradicionais marguerita (R$ 35,90) e toscana (R$ 38,50), feita com calabresa picante moída e parmesão. Há ainda pratos como o risoto de tomate seco, rúcula e queijo ementhal (R$ 42), ragu de ossobuco com polenta cremosa (R$ 42), entre outros. Os eventos podem ser montados com cardápio à escolha do cliente, com entradas, pizzas, massas, carnes, sobremesas e até bebidas. Os pacotes fechados começam em R$ 58 por convidado. Forneria do Santa. Rua Ministro Gabriel de Resende Passos, 319. Moema. Tel.: 5054-1199. www.forneriadosanta.com.br Divulgação

Pizza de pera com presunto de Parma, uma das mais pedidas na Forneria do Santa. Casa serve também massas, risotos e pratos como ragu de ossobuco com polenta cremosa.

F

osse apenas a apresentação lírica da refeição “alfresco”, manjares finamente cozinhados e vinhos preciosos servidos em ambiente ao ar livre, com récitas ao final, modelo mais tarde abusado por ricos florentinos da Renascença, os escritos do Decamerão, de Boccaccio (1313-1375), já teriam entrado para a história dos mais elegantes desejos. Seus relatos vitalistas, sensuais e alegres são, entretanto, clássicos da literatura de todos os tempos – os primeiros registros realistas a traduzir os momentos de passagem da Idade Média para o Renascimento. É dentro da pungente narrativa sobre os flagelos da Peste Negra, da Igreja e da moral, que Boccaccio encontrou espaço para retratar a autoindulgência de enfrentá-los à mesa, de preferência em espaços idílicos, fora das cidades – procura da sobrevivência que punha em jogo tanto excessos como asceticismos. O Decamerão é, dizem os estudiosos, uma das melhores fontes sobre os hábitos alimentares dos italianos no século XIV, incluídos aí algumas referências aos vinhos. Na lista de Boccaccio, são identificados os da região de Monferrato (no Piemonte), um vinho grego que era produzido no sul da Itália, e um outro descrito com precisão: o Vernaccia de Corniglia. Corniglia é uma das Cinque Terre da pesqueira costa da Ligúria. Uma das vezes em que Boccaccio cita o Vernaccia é na segunda novella do décimo dia de aventuras de seus jovens personagens (sete moças e três rapazes) nos arredores de Florença, fugindo do cenário da peste. Na novella contada por Pânfilo, o abade de Cluny aparece curado de uma insuportável dor de estômago graças a duas torradas e um grande copo do vinho branco Vernaccia de Corniglia, receita simples e tradicional do malfeitor Ghino di Tacco. O bandido tinha feito do prelado refém quan-

do a sua comitiva dirigia-se aos banhos de Siena. Depois da cura, Cluny ganhou a liberdade e Tacco, seus bens e a promessa de perdão papal. O vinho Vernaccia não é feito mais em Corniglia. Hoje a Vernaccia é a uva cultivada em San Gimignano, na vizinha Toscana, que vem produzindo vinhos de qualidade. Isso graças à dedicação principalmente das famílias Falchini, Montenidoli e Panizzi. Os viticultores dessa região ainda demonstram orgulho por ela ter sido a primeira a ganhar a chancela DOC, em 1966, e de ter um dos poucos brancos da Itália com a consagração do DOCG, anotou o crítico Nicolas Belfrage. Os Falchini tem o seu varietal 100% Vernaccia di San Gimignano Vigna a Solatio, mas já elaboram vinhos mais complexos com a mesma Vernaccia, adicionando Chardonnay, "contra a monotonia". Os Montenidoli produzem, sem medo dos blends que garantem mais estrutura aos vinhos, Il Templare Toscana IGT: 70% Vernaccia, 20% Trebbiano e 10% Malvasia Bianca. Já os tintos de San Gimignano são tema para outra história.

José Guilherme R. Ferreira é membro da Academia Brasileira de Gastronomia (ABG) e autor do livro Vinhos no Mar Azul – Viagens Enogastronômicas

Casa de portas abertas Aquiles Rique Reis

C

onsuelo de Paula é mineira de Pratápolis. Cantora e compositora, ela acaba de lançar Casa (independente), CD no qual as 12 faixas são parcerias dela com Rubens Nogueira. Nogueira, falecido antes de o disco ser lançado, compôs as melodias e Consuelo escreveu os versos. A voz de Consuelo de Paula é nasalada, às vezes quase gutural, o que imprime às canções uma boa dose de angústia e dramaticidade, dando-lhes a teatralidade que faz da cantora uma intérprete diferenciada. Para tocar as canções, 11 com letra e uma instrumental, os nove músicos da orquestra curitibana À Base de Cordas se valeram de arranjos escritos por diversos profissionais. Estes, por sua vez, deitaram e rolaram com as possibilidades sonoras que lhes eram oferecidas: violão de seis e de sete cordas, violino, baixo, baixolão, piano, viola caipira, bandolim, percussão e bateria. A opção de diversificar as concepções orquestrais se mostrou altamente eficiente. Pois se cada arranjo produz um som característico, fruto dos instrumentos selecionados, o resultado de cada um saiu inteiramente distinto do outro, já que cada maestro usou-os à sua maneira. A criatividade individual fez com que o som de instrumentos iguais soasse diferente. Consuelo tem a verve da poesia. Escreve letras como se fossem cartas confessionais, movidas à métrica musical e profundidade emocional. A cada verso, um achado; a cada rima, intenções segundas e primeiras: A palavra soa sincera/ Os segredos choram sozinhos são versos de Espera. Com arranjo

de Chico Saraiva, é uma das mais belas do CD. A viola, o bandolim e o violão tocam a introdução. A voz de Consuelo chega com o piano. Ambos vêm delicados. A canção ganha ritmo, puxado por levíssima percussão. Piano e violino agora tocam de modo arritmo. Volta a voz. Fé: o arranjo de João Egashira começa com o surdo e a cuíca marcando. O samba vem com bateria, violino e bandolim. O ritmo carrega o piano. A cuíca segue, o violão de sete chama... Consuelo ginga. Dentro do farol/ Dentro da canção derradeira/ Volto ao coração/ Luz primeira constituem versos de Réquiem. O arranjo de Dante Ozzetti vem de violão, piano e violino. A luz que alumia a saudade do parceiro que se foi vem à tona. Consuelo se entrega ao adeus. Um intermezzo, baseado no chorar do violino, torna a dor funda, mas bela. Tudo conspira para a despedida se consumar, amparada na força da melodia e dos versos. Outro bom momento do disco. Para encerrar, Estrela, num arranjo de Luiz Ribeiro. Consuelo escolheu deixar o silêncio falar pelas as palavras. E a orquestra é chamada a mostrar sua excelência. O som instrumental é pleno de belezas. As portas da Casa de Consuelo de Paula estão abertas para quem quiser se sentir em sua própria casa. É como se o som brotasse ao pé do fogão de lenha e a poesia viesse envolta no aroma do café recém-coado. Tudo o mais fica por conta do fogo que resta na alma, ao final da audição do disco.

Aquiles Rique Reis, músico e vocalista do MPB4.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

d

27

cultura

A Cor do Piemonte (1) Carlos Celso Orcesi da Costa

O

s Alpes nevados dividem a Alemanha e a França a oeste, da Áustria, Suíça e Itália a leste. Perto da capital do Piemonte, Turim, está o ponto culminante: o Mont Blanc. Depois as montanhas vêm suavizando de altura (Alpes Marítimos), até caírem no Mar Mediterrâneo, na Liguria, a comprida faixa litorânea italiana que, vista de cima do mapa, lembra uma tiara de cabelo. Nesse estreito espaço entre a montanha e o mar, na ponta oeste da Itália fronteira à França, situa-se a região do Langhe, ou para o mundo do vinho, i l P ie m on te . A palavra esta dizendo: ao pé do monte. Bons momentos marcaram essa viagem conjunta com os amigos da Confraria Opus. O primeiro deles pela manhã, quando abri a porta do quarto do Relais San Maurizio, antigo monastério transformado em resort, no meio das colinas e vinhas. Não havia nuvens no céu, tão somente uma névoa que vinha do mar, 50 quilômetros à frente, e entrava pela montanha como se a natureza estendesse um manto que o sol não conseguia transpor completamente (foto nº 1). A brisa marítima (mais ou menos como a garoa paulistana que, no passado, da Serra do Mar chegava a Piratininga) produz esse nevoeiro ou nebbia, donde o nome Nebbiolo da única uva utilizada na produção dos Barolo e Barbaresco, algo como "nevoazinha" ou uva da névoa. O Piemonte rivaliza com a Toscana como a principal macrorre-

gião vinícola italiana. Enquanto nos morros de Chianti, no maciço de Montalcino e até no litoral de Bolgheri reina a Sangiovese, aqui no Piemonte o reinado é da Nebbiolo, que não se adapta fora de sua região. Certa vez Gabriela, sommelière do D.O.M., nos surpreendeu com um bom Viña Alicia argentino dessa autóctone. Servido frio surpreendeu no almoço da Confraria de Limeira, sem que chegássemos a ver estrelas. Portanto – apesar dos milagres da tecnologia – há razoáveis razões para acreditar que ela se dá melhor com a névoa outonal e o clima úmido das colinas. Mas se a cor da Toscana é ocre e avermelhada, a cor do Piemonte é bege, colorindo suavemente as casas e palacetes pelas estradas tortuosas que serpenteamos de carro, sempre a mesma cor arenosa das construções quando misturadas com cal. Nada daquele vermelho quase marrom das casas ao estilo Paladio que mentalmente reconhecemos como 'a cor da Itália'. O solo piemontês tem muito calcário, granito, manchas de giz e areia, sobressaindo a cor clara como não deixa mentir a etimologia (quanto explica!) da principal cidade vinícola do Piemonte, Alba derivada de albis, branco. Belo interior da catedral, toda ao estilo renascentista, ruas estreitas para pedestres, restaurantes esparramados debaixo de toldos nas praças, birra alla spina de meio litro porque precisamos de alguma 'hidratação'. De volta a San Maurizio atravessamos vilas como

Coazzolo e Neive, onde jantamos na cantina La Contea, aparentemente na "casa do conde". Do ponto mais alto, em La Morra, a 550 metros, se avista toda a região (foto 2), com Barolo dois ou três quilômetros abaixo à direita; e à esquerda Alba (15 quilômetros) e Barbaresco (20 quilômetros), a autoestrada no meio e vinhedos nas duas margens do Rio Tanaro. Pela manhã a van do San Maurizio nos levou à Bruno Rocca e pela tarde à Renato Ratti. A maioria das vinícolas não recebe turistas no meio da colheita do final de setembro, mas com a ajuda da amiga Claudia Macedo da World Wine fomos muito bem recebidos na Rocca, com o símbolo inconfundível da pena ou pluma nas ferragens, nos barris, presenciando o traslado da uva do vinhedo à cantina (foto nº 3). Trouxe na mala o topo Barolo Adelaide para abrir daqui a dez anos.

Divulgação

Ponto negativo? O museu do vinho em Barolo é pretensioso e não tem o que gostaríamos de ver: prensas antigas, vinhos velhos e explicações novas. Na Ratti foram direto ao ponto. Nada de visita à adega ou explicações sobre tecnologia; a italianinha abriu cinco ou seis garrafas, inclusive do Barolo Marsenasco 2008 que aqui custa uma fortuna. Na saída, compramos uma magnum do vinho mais caro, o Barolo Rocca (dell'Anunziatta) 2007, com vinhedos de 50 anos, por um quinto do preço do Brasil. Bem, estávamos na adega e não havia intermediários. À noite levamos a "Rocha" para abrir no simpático restaurante Stazione, na sonora vila de Santo Stephano Belbo, a um quilômetro do hotel, com direito ao sorriso da s i g n o r a de 50 e provavelmente suas duas filhas de 30, aparentemente felizes... ao pé do monte.

Acima, à esq., a névoa dá nome à Nebbiolo e, à dir., Barolo abaixo, Barbaresco à esquerda. E, acima, traslado das uvas na Bruno Rocca.

Fotos: Euler Paixão/Hype

Pedro Luís divulga seu primeiro álbum Tempo de Menino na sexta (23) e no sábado (24) no Sesc Pompeia.

Bar no Brooklin Novo, zona sul da cidade, tem música ao vivo das 13h às 16h40.

Ritmos do fim de semana

Veríssimo: veritas est!

Ana Barella

Armando C. Serra Negra

A

agenda de shows para essa final de semana está lotada e promete agradar a todos os tipos de público e tamanhos de bolsos. As apresentações vão do tango ao pop, passando pela MPB e pelo rock. Os preços, de shows gratuitos até R$ 350. Na sexta (23), o Sesc Belenzinho apresenta show do grupo BNegão & Seletores de Frequência. Com ingressos até R$ 24, o show terá músicas do mais recente álbum do grupo, Sintoniza Lá, lançado em julho desse ano. As 11 faixas seguem o estilo de seu primeiro CD, Enxugando o Gelo, que mistura ritmos jamaicanos e africanos com o hardcore, o rap e o funk. Já no Sesc Pompeia, quem se apresenta é Pedro Luís, fundador do grupo Monobloco e cabeça do quarteto Pedro Luís e a Parede. Neste show ele divulga seu primeiro trabalho solo, o álbum Tempo de Menino, marcado pela diversidade musical e participações especiais como a de sua mulher Divulgação

Roberta Sá, Erasmo Carlos e até mesmo Milton Nascimento. O show acontecerá na chopperia do Sesc, nesta sexta (23) e no sábado (24). Os ingressos vão de R$ 5 a R$ 20. Jam no Cine Joia - Também no sábado (24) acontecerá o festival SLAP no Cine Joia. Os shows homenageiam os cinco anos de criação do selo Som Livre Apresenta, criado para divulgar artistas da chamada "Nova Música Brasileira". O repertório do festival segue a mesma linha musical e de acordo com os organizadores será "uma grande Jam Session", com participação de Maria Gadú, Marcelo Jeneci, Thais Gulin e Thiago Íorc. Além da cantora britânica Jesuton, que também se apresentará na sexta (23) na casa Tom Jazz. Os preços dos ingressos para o festival SLAP variam de R$ 80 até R$ 200 e podem ser adquiridos no próprio Cine Joia ou no site da casa noturna. Tango no Hebraica - O domingo (25) começa ao meio-dia com show de graça no Teatro Arthur Rubinstein, do clube Hebraica. O show Echo a mano traz releituras dos clássicos da música argentina com arranjos modernos. Os

responsáveis pela música são o trio Jogando Tango (foto) formado pelo argentino Juan Pablo Ferreiro (violão) e pelos brasileiros Ricardo Pesce (acordeom) e Vinícius Pereira (contrabaixo). A dança será apresentada pelos conceituados dançarinos Lu Mayumi e Marcos Kina. Já, às 20h, o quarteto americano Ceed se apresenta pela primeira vez no Brasil no Credicard Hall. Conhecidos pelos hits With Arms Wide Open, One Last Breath, entre outros. A banda, que fará uma única apresentação em São Paulo, também passa por Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Porto Alegre.

BNegão & Seletores de Frequência. Sesc Belenzinho. Rua Padre Adelino, 1000 . Tel.: 2076-9700. Sexta (23). 21h30. De R$ 6 a R$ 24. Pedro Luís. Sesc Pompeia. Rua Clélia, 93. Tel.: 3871-7700. Sexta (23). 21h30. De R$ 5 a R$ 20. Festival SLAP. Cine Joia. Praça Carlos Gomes, 82. 23h. Tel.: 3231-3705. Sábado (24). De R$ 80 a R$ 100. Creed. Credicard Hall. Avenida das Nações Unidas, 17955. Tel.: 2846-6010. Domingo (25). 20h. De R$ 40 a R$ 350. Jogando Tango. Clube Hebraica. Rua Hungria, 1000. Tel.: 3818-8888. 12h. De graça.

O

"Boca" vive aparecendo por lá... Com a grana que vive mordendo do "sogro" – aos domingos no Estadão. Plena é a aprovação da namorada diante do conformismo forçado do pai, perplexo pelas "novidades" da nova geração, contando com a passiva compreensão da mulher, mãe e sogra. "Fã do escritor, colunista, quadrinhista e saxofonista amador gaúcho Luis Fernando Veríssimo, mesmo sem conhecêlo pessoalmente, criei o bar em sua homenagem, e aprovação total das editoras, guardiãs dos direitos autorais", conta o dono Marcos Livi. Contatando o ídolo, inicialmente, por e-mail, papo vem, papo vai, montou o bar com criatividade e bom humor. "Quando veio à inauguração, surpreendeu-se que o bar superasse suas expectativas". Não à toa, pois Livi não deixou por menos. Velho de guerra no ramo, truques culinários no bolso do avental (pirulito de rabada no caixote: ossinhos carnudos boiando em polenta mole, com ovos de codorna e gema mole, rodelas de calabresa, parmesão, pedacinhos de bacon e quiabo, sem baba, crocantes – R$ 36), sabe que a clientela paulistana é exigente. Música ao vivo, das 13h às 16h40, o chorinho de feijoada (R$ 42) traz o nome do ritmo no prato; das 21h à 0h, a banda Jazz 6 do escritor apresenta-se esporadicamente, mas outras de mesma batida garantem a partitura (couvert artístico – R$ 6). Fachada envidraçada, fronteira à bucólica pracinha, exemplo de ecologia bem cuidada, à esquerda um terraço à luz de velas, dentro de garrafões verdes, é alternativa para namorar sossegado. Pois dentro, o vozerio só dá um tempo aos conjuntos, tornando as amplas dimensões do boteco ponto ideal de grandes turmas confraternizarem, reunindo-se esporadicamente, ou extravasando o estresse da labuta cotidiana. Estão escusados de falarem baixo, mas a altos brados, principalmente em épocas festivas de fim de ano. A viga e colunas entre os ambientes são uma grande lousa verde, com desenhos etílicos e culinários variados,

sugestões de quitutes (bolinhos de camarão – R$ 32; de rabada – R$ 26), pastéis mistos (R$ 25), bebidinhas (Saffron: gim, casca de açafrão fresco, bitter de laranja e água tônica – R$ 30; Sangria: espumante rosé, hortelã, rodelas de laranja, amora, morango, gengibre, mação e açúcar – R$ 35; Cinderella: suco de laranja, abacaxi e limão – R$ 14). De sobremesa, churros (com sorvete de gengibre, calda de chocolate e doce de leite – R$ 14). Veríssimo, dentro de sua conhecida e absoluta timidez, tem ali sua imagem devassada, satisfazendo alegria e curiosidade dos fãs. Caricaturas primorosas suas, em grande formato, foram pintadas ao longo do roda teto com esmero, encontrando a parede de fundo forrada de capas de seus livros. "Foi um trabalho meticuloso reproduzi-las em formato grande, que, por razões econômicas, formam um único outdoor a partir de um enorme fotolito", capricha o proprietário. Para completar, aparador de tapas e pintxos para montar as próprias porções (R$ 14 – R$ 18), livros do autor para leitura rápida dos solitários, jogo americano de papel, com personagens do homenageado em preto e branco, para colorir com lápis de cera. Bah, tchê!

Veríssimo Bar. Rua Flórida, 1488. Brooklin Novo. Tel.: 5506-6748. www.varissimobar.com.br

Drinks e os pirulitos de rabada no caixote


DIÁRIO DO COMÉRCIO

28

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

d

cultura

Na internet, ser feliz é que é preciso. Roberto Taddei

Na rede encontramos sinais de toda a humanidade. E nesse navegar desafiamos a multidão de vozes que buscam afirmar-se, negando-se mutuamente.

S

e ganhasse na loteria, nunca mais acessaria Twitter, Facebook, Linkedin, nem qualquer outra rede social ou site de comunicação como Instagram, Pinterest, Showyou, Socialcam, Tumblr ou Google+. Sairia definitivamente do Foursquare, que nunca entendi para que serve. Manteria apenas meu blogue. Talvez nem isso. Criaria uma página simples, como se fazia nos anos de 1990, com links para uma bibliografia e contatos, sem requintes visuais. Daria preferência a revistas e jornais com versões próprias para tablets e aparelhos móveis. O dinheiro da loteria, além de garantir qualidade de vida, plano de saúde e aposentadoria, também me livraria do "vácuo atormentado" que se tornou a internet. A expressão é de Carlos Drummond de Andrade, no poema Campo de Flores, escrito nos anos de 1950. Muitos anos antes da invenção da web (embora muito depois da Torre de Babel). Na primeira metade do século passado, Drummond via na expansão da rede de telefonia fixa sinais dos problemas que enfrentamos agora com a internet: intromissões na vida alheia, projeções ininterruptas de fatos irrelevantes, fluxo contínuo de notícias catastróficas, a busca doentia pela face de sucesso de personalidades e anônimos. "Heróis enchem os parques da cidade em que te arrastas", escreveu Drummond em Elegia, de 1938.

A

internet e a cultura digital absorveram grande parte desse grupo que cresceu com os primeiros impulsos da contracultura. Não porque sejam aficcionados por tecnologia, ou viciados em informação. O que une os pós-hippies à tecnologia é o antigo sonho de dar o poder ao povo, às pessoas comuns e, com isso, estabelecer conexões mais "reais" entre as coisas e os seres. A internet seria ela mesma a realização desse sonho. Foi construída por ninguém e por todos ao mesmo tempo. Precisou de colaborações de governos, de grandes empresas privadas capitalistas e de cidadãos com as mais diversas inclinações políticas e crenças, moderados ou não. Na rede encontra-se colaborativismo e fundamentalismo, auto-ajuda para o sucesso profissional ou para construir bombas, dicas para se construir um negócio ou meios para se acabar com o sustento dos outros.

O

poder ao povo que a internet proporciona faz lembrar aqueles primeiros momentos da Revolução dos Bichos, de George Orwell. A primeira constatação, quando todos se dão conta de que podem fazer tudo, é de que caímos no pandemônio. O termo pandemonium é criação do poeta inglês John Milton, no Paraíso Perdido, e significa exatamente o que parece: demônio coletivo. São muitos os relatos históricos de períodos em que a humanidade pareceu viver em Heróis enchem os pandemônio. Lembremos da as redes sociais, hoje, o parques da cidade Torre de Babel e de Sodoma e mesmo se repete. Desta vez em que te arrastas. Gomorra. Esses momentos com imagens e vídeos: os históricos ou míticos têm algo mesmos desejos de sempre por Carlos Drummond em comum com o clássico de trás de fotos capturadas em de Andrade, Orwell: como solução ao caos, celulares para mostrar nossos em Elegia. alguém sempre sugere uma melhores momentos e ângulos, os ordem. E a ordem, geralmente, instantes de brilho, de preferência pressupõe uma hierarquia: com o sol se pondo atrás do Morro "Todos os animais são iguais, mas alguns são Dois Irmãos, o amanhecer no Lago Titicaca, talvez mais iguais do que os outros". montado sobre elefantes numa pequena vila da É o que se está tentando fazer com a internet. Índia. Quando não é o extraordinário turístico, é o No Brasil, o Marco Civil da Internet definirá sensacional dentro da própria casa: um festival de princípios gerais para a rede e impedirá que fotos de gatos, cachorros, pratos de comida, iniciativas isoladas de deputados possam taças de vinho, conhaque e rótulos de uísque. restringir a liberdade dos usuários. Nos EUA, Basta ligarmos um aparelho eletrônico congressistas tentam passar leis que qualquer para sermos lembrados desse mundo criminalizem algumas práticas na rede, exorbitante, recém-descoberto na passagem do sugerindo a vigilância das navegações. Em século XX para o XXI, um espaço que parece todo o mundo, contra os excessos da rede, maravilhoso e de oportunidades inesgotáveis, propõem-se regras que cerceiam a liberdade. mesmo que organizado como uma sucessão de mentiras, inutilidades, preconceitos e auto-indulgências: um enorme "sistema de ão soluções alopáticas. Proibir o efeito, sabe-se, erros", para voltarmos a Drummond. não asfixia a causa. É apenas mais uma utopia, e das mais antigas: a ilusão de que para viver bem basta isolar-se dos problemas e defeitos dos a visão de um mundo distópico, que precisa de energia 24 horas por dia, sete dias por semana. homens. Isso quer dizer que, no fundo, ganhar na loto, ou se chamar Raimundo, não são solução. E, em busca de energia, faz-se hidrelétricas, Não é o isolamento que liberta, já deveríamos usinas atômicas, plataformas e refinarias de saber. Não é a proibição que acalma o petróleo etc. Utopia, para um tempo futuro, será o pandemônio. O que coloca o caos em privilégio de não ter um computador de mesa, um perspectiva é a aceitação. Na rede encontramos laptop, um ultrabook, um tablet ou um os sinais de toda a humanidade. E nesse smartphone, todos interconectados, ligados navegar pelas mais improváveis expressões também com o sistema de som de casa, com o carro e a geladeira. Privilégio mesmo, resguardado humanas é que a todo momento desafiamos uma apenas aos muito ricos, aos que ganharam na Loto, multidão de vozes que buscam afirmar-se exclusivamente, negando-se mutuamente, aos loucos e aos indigentes, será poder viver em gente que parece acreditar que o importante não espaços analógicos, sem ondas de rádio, sem é navegar, e sim ser feliz. Mas é justamente redes sem fio, sem TV, sem 3D, sem telefone. esse choque que nos coloca em movimento, em O mundo sem conexão digital é o mundo perspectiva, que ressalta nossa diferença com utópico, onde as pessoas resgatam conexões os outros. E a diferença é o que nos faz vivos. pessoais, voltam a viver dentro dos fluxos da natureza. Seria uma reedição do sonho hippie dos Este é o primeiro texto de uma série sobre anos de 1970: a conexão com a terra e, por tabela, internet, redes sociais, notícias e o comportamento com a humanidade. Mas seria também um dos usuários online. Os próximos serão publicados paradoxo, ter como utopia do século XXI o mesmo nas edições seguintes do DCultura. que um dia serviu para os anos de 1960 e 70.

N

S

É

Todos os animais são iguais, mas alguns são mais iguais do que os outros. George Orwell, em A Revolução dos Bichos.


DC 23/11/2012