Issuu on Google+

GALAXY VENCE A CORRIDA DOS TABLETS Produto da Samsung chega antes do Ipad, com praticidade do netbook e agilidade do smartphone. Informática, pág. 19 Ano 86 - Nº 23.252

Kassab pensa em 3ª via para o governo de SP Página 5

Jornal do empreendedor

R$ 1,40

Meirelles fora do BC? Juros futuros sobem. Conclusão: 23h50

www.dcomercio.com.br

São Paulo, terça-feira, 23 de novembro de 2010

Página 5

Luiz Prado/LUZ

RODA VIVA DE INVASÕES EM SP Prédio 905 da Ipiranga (foto) ganha reintegração de posse: 600 pessoas serão removidas. Ação não freia invasores, que ocupam ao menos 60 imóveis da Cidade. Pág. 9.

R$ 1,1 TRILEÃO Impostômetro da ACSP ultrapassa a marca de R$ 1,1 trilhão. Ritmo da arrecadação não para de crescer. Leão vai devorar R$ 1,378 trilhão até final do ano. Pág. 15 Cathal McNaughton/Reuters

Parlamento cai para salvar Irlanda da crise Sai pacote de ajuda, primeiro-ministro perde apoio, e austeridade gera protestos (foto). Página 17

Culpados: governo e bancos.

Porque preço é tão alto

Crise irlandesa prenuncia quebra de outros países. Roberto Fendt, página 2

Dilemas da Irlanda ao chegar rápido ao capitalismo global. Ross Douthat, página 3

HOJE Sol com pancadas de chuva Máxima 27º C. Mínima 19º C.

AMANHÃ Sol com pancadas de chuva Máxima 28º C. Mínima 18º C.

ISSN 1679-2688

23252

9 771679 268008

Paulo Pampolin/Hype

Do vermelho para o azul O ajudante de limpeza Evandro Novaes (com a família) conseguiu renegociar dívida em evento da ACSP. Pág.13

OVERBOOKING PROIBIDO. CONTRA CAOS AÉREO. Anac determina que companhias são obrigadas a manter aviões de prontidão nos aeroportos. Pág. 10

Cartões lançam medidas antipane Redecard e Cielo investem para um Feliz Natal, sem apagão em época de compras. Página 13

A vez das multis na América Latina Financial Times mostra como é atraente vigor econômico da região. Pág. 20


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

terça-feira, 23 de novembro de 2010

De qualquer forma, traduzido em moeda americana, fala-se de uma soma superior a 150 bilhões de dólares. Roberto Fendt

pinião

Cathal McNaughton/Reuters

PAULO SAAB

MCCARTNEY E FUTEBOL NA CIDADE

N

Manifestantes irlandeses protestam diante do Parlamento, em Dublin, contra as medidas de socorro aos bancos e pedem a saída do premiê Brian Cowen. A crise no setor bancário também atingiu em cheio o governo, levantando dúvidas sobre as contas públicas.

Se você acha que é somente a Irlanda...

N

este último domingo os ministros das finanças europeus acordaram um pacote de socorro à Irlanda, a mais recente vítima da crise confiança que assola diversos países da União Europeia. Com isso, não só a Irlanda não sai do noticiário, como está sendo promovida dos cadernos de economia para as primeiras páginas dos jornais. E sua crise continuará, por algum tempo, a afetar o desempenho das bolsas de valores em todo o mundo. A questão é que não se trata somente da Irlanda. Que a Irlanda é a bola da vez, não há dúvida. É por essa razão que o governo irlandês decidiu aceitar a ajuda conjunta do Banco Central Europeu, da União Europeia e do FMI em mais uma operação de salvamento na conturbada Europa. Fez isso contra sua vontade. Razões não faltam. Primeiro, o governo negou até recentemente que necessitasse de um pacote de ajuda. Agora, depois das declarações do ministro da Fazenda e do governador do banco central da Irlanda, o pacote de assistência tornou-se inevitável. A dúvida é o valor pretendido. Fala-se de valores entre 100 e 120 bilhões de euros, embora as declarações dos ministros de finanças europeus situem esses valores em patamar mais baixo. De qualquer forma, traduzido em moeda americana, fala-se de uma soma superior a 150 bilhões de dólares. Como já observou alguém, tendo em conta que a população da Irlanda não chega a cinco milhões de pessoas, a ajuda per capita gira em torno de 30 mil dólares. Se o problema tivesse ocorrido com os Estados Unidos e o pacote

ROBERTO FENDT de ajuda fosse de igual valor por habitante, ela significaria dez trilhões de dólares, o equivalente a toda a dívida pública americana.

A

s dificuldades irlandesas diferem dos problemas dos outros países europeus, que se debatem em meio à perda de confiança dos investidores e credores. Na maioria deles, os governos foram os responsáveis pelas complicações em que meteram seus países, com seus déficits fiscais galopantes e suas dívidas públicas irresponsáveis. Na Irlanda, a responsabilidade pelos problemas é partilhada entre o governo e o sistema bancário privado. A parte do governo corresponde a um déficit que gira anualmente em torno de 26 bilhões de euros, impossível de financiar às taxas de juros de mercado. Para equacionar e tentar resolver o problema, os cavalheiros do

continente europeu e de Washington estão na Irlanda para financiar o deficit do governo até que um pacote de austeridade seja posto em prática. Estão lá também para dar liquidez aos bancos na expectativa que possam capitalizar-se e limpar seus balanços de ativos de duvidosa liquidez e solvência. A questão mais relevante nesse contexto é fácil de enunciar: será possível resolver o problema da Irlanda e de seus bancos sem afetar a moeda comum, o euro?

H

á quem ache que não. Não faz muito tempo, a Europa criou um fundo de ajuda a países membros da União no valor de 750 bilhões de euros (quase um trilhão de dólares). Parte dessa dinheirama já foi usada para salvar a Grécia da insolvência, embora muitos acreditem que somente por um curto

Na Irlanda, a responsabilidade pela crise é partilhada entre governo e sistema bancário privado. A parte do governo corresponde a um déficit de 26 bilhões de euros ao ano.

lapso de tempo. Agora, trata-se de usar uma segunda parcela dos recursos para assistir a Irlanda. Haverá dinheiro suficiente nesse fundo para atender às exigências de Portugal e Espanha, se a situação piorar nesses países com um ataque especulativo depois de uma perda mais acentuada de confiança de investidores e credores? E, possivelmente, socorrer a Grécia novamente, talvez até o final do primeiro trimestre de 2011?

O

s fatos falam mais alto que a retórica. As taxas de juros da dívida grega denominada em euros estão em patamar recorde, quando comparadas com as praticadas na Alemanha, o país de menor risco da região. As taxas de juros dos papéis irlandeses não diferem muito das gregas. Também as taxas de juros sobre a dívida soberana de Portugal e Espanha estão subindo rapidamente. Como já se comentou neste espaço, está em discussão no parlamento português um duro pacote de medidas de ajuste econômico, similar ao implementado na Espanha. No caso da Irlanda, fala-se de um corte de despesas da ordem de 20,5 bilhões de dólares nos próximos quatro anos. Do lado da receita fala-se também de um imposto de 500 euros nos moldes do nosso IPTU e um imposto sobre a riqueza para capitalizar os bancos. Será possível fazer tudo isso e restabelecer a confiança de investidores e credores? A Alemanha concordará com a ajuda a esses países? Dessas respostas pode depender o futuro do euro e a retomada da economia mundial. ROBERTO FENDT É ECONOMISTA

este último domingo dois fatos do cotidiano chamaram a atenção por se destacarem da rotina habitual. Numa cidade pulsante como São Paulo, a empolgação daí decorrente merece a observação de quem tem por hábito e profissão de fé trazer ao leitor situações para sua reflexão e formação de opinião – quando ainda não a tem delineada, o que é raro. Foi absolutamente ímpar assistir a presença, no show do ex-Beatle Paul McCartney, de três gerações de familiares, avós, pais e netos, curtindo o que de melhor já houve – e remanesce na simpatia do visitante – na música universal. O fenômeno dos Beatles atravessou as gerações, assim como Roberto Carlos faz no plano nacional, e provocou um reencontro de belas canções com seus fãs brasileiros, num show em que o estádio do Morumbi recebeu mais de 64 mil pessoas de todas as idades, mostrando um McCartney ainda jovial e carismático. Em paralelo ao show ficaram alguns comentários ouvidos aqui e ali, ao acaso, dignos de registro. Um referia-se aos locais dos shows brasileiros do ex-Beatle. Citaram Porto Alegre, Curitiba, São Paulo, ficando no ar a questão: e o Rio de Janeiro? Nenhum grande show acontece mais na antiga capital. Ouviu-se: o que será que está acontecendo? Outro comentário dizia respeito ao fenômeno Beatles, que ainda atravessa as gerações. Disse um jovem senhor de meia idade: “Na década de 60, início de 70, ligavase o rádio e girando o ‘dial’, só se ouvia... de Lennon e MacCartney”. show foi no estádio do Morumbi. Não por acaso remete a outro tema importante do domingo passado na maior cidade do País. Por conta do aluguel do estádio para o show, o São Paulo jogou em Barueri contra o Fluminense, quando estava em jogo a liderança do campeonato brasileiro, dependendo do resultado do time do Parque São Jorge com o Vitória, em partida realizada em Salvador. A vitória do tricolor carioca sobre o paulista, mais um tropeço corintiano no Barradão, colocariam o Fluminense na liderança do campeonato. Foi o que aconteceu. Grande parte da torcida do São Paulo queria o tropeço alvinegro pela pouca simpatia nutrida entre as agremiações. Houve quem pedisse que o tricolor paulista entregasse o jogo. Não faz parte da tradição do tricampeão mundial, nem

foi preciso. As expulsões de dois jogadores do São Paulo abriram caminho para os 4 a 1 que o Fluminense marcou . Como no primeiro assunto, dois registros: a torcida do São Paulo comemorou a derrota, (ao menos grande parte dela) porque o Fluminense tirou o Corinthians da liderança e, provavelmente, da conquista do título. E também porque o sampaulino é ligado em Muricy Ramalho e vê com simpatia o técnico – que é de origem do clube e nele conquistou três campeonatos brasileiros seguidos –voltar a ser campeão. Ainda mais deixando para trás o Corinthians. s maiores polêmicas em torno desta coluna acontecem quando abordo o assunto futebol. Desta vez não deverá ser diferente, e desde já deixo registrada minha posição: sou contra essa bobagem de entregar jogo, pois se trata de casuísmo incorreto. Mas, admito, a derrota foi menos dolorida pelos desdobramentos na tabela. Por fim vale registrar também que, com a abordagem de dois assuntos (um artístico e outro esportivo) que envolveram São Paulo no último final de semana, foi possível dar uma folga – ao colunista e para os leitores – de referências a nomes,fatos e atos

A

Edson Vara/Reuters

O

que pontificam na vida política do País, vindos do planalto central e que quase sempre provocam engulhos. ão Paulo, a cidade, também promoveu um calendário imenso de atividades pouco esportivas. Um cidadão tido como morador de Ferraz de Vasconcellos, mas ambulante na capital, tentou atingir o prefeito Gilberto Kassab com um saco de gelo ou algo assim. Lamentável por todos os títulos e olhares. Se a moda pega – e olhem que o prefeito é respeitado – imagine o amigo leitor que sorte se reserva aos políticos de integridade moral duvidosa?

S

PAULO SAAB É JORNALISTA E ESCRITOR

Fundado em 1º de julho de 1924 Presidente Alencar Burti Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto, Antonio Carlos Pela, Arab Chafic Zakka, Carlos Roberto Pinto Monteiro, Claudio Vaz, Edy Luiz Kogut, Gilberto Kassab, Guilherme Afif Domingos, João de Almeida Sampaio Filho, João de Favari, José Maria Chapina Alcazar, Lincoln da Cunha Pereira Filho, Luís Eduardo Schoueri, Luiz Roberto Gonçalves, Moacir Roberto Boscolo, Nelson F. Kheirallah, Roberto Macedo, Roberto Mateus Ordine, Rogério Pinto Coelho Amato, Sérgio Antonio Reze

CONSELHO EDITORIAL Alencar Burti, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, João de Scantimburgo, Marcel Solimeo, Márcio Aranha e Rogério Amato Diretor-Responsável João de Scantimburgo (jscantimburgo@acsp.com.br) Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Editor-Chefe: José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br) Chefia de Reportagem: Teresinha Leite Matos (tmatos@acsp.com.br) Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br) Editores Seniores: Bob Jungmann (bob@dcomercio.com.br), Carlos de Oliveira (coliveira@dcomercio.com.br), chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), Estela Cangerana (ecangerana@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Luiz Antonio Maciel (maciel@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br) Editor de Fotografia: Alex Ribeiro (aribeiro@dcomercio.com.br) Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Ricardo Ribas (rribas@dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br) Subeditores: Kleber Gutierrez, Marcus Lopes, Rejane Aguiar e Tsuli Narimatsu Redatores: Adriana David, Evelyn Schulke, Giseli Cabrini e Sérgio Siscaro Repórteres: Anderson Cavalcante (acavalcante@dcomercio.com.br), André Alves, Fátima Lourenço, Fernanda Pressinott, Geriane Oliveira, Ivan Ventura, Kelly Ferreira, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mário Tonocchi, Neide Martingo, Patrícia Büll, Paula Cunha, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves, Sandra Manfredini, Sergio Leopoldo Rodrigues, Sílvia Pimentel, Vanessa Rosal, Vera Gomes e Wladimir Miranda. Gerente Comercial Arthur Gebara Jr. (agebara@acsp.com.br) Gerente Executiva de Publicidade Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações José Gonçalves de Faria Filho (jfilho@acsp.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estado, Globo e Reuters Impressão Diário S. Paulo Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3244-3175. Fax 3244-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3244-3344, 3244-3983, Fax 3244-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3244-3544, 3244-3046 , Fax 3244-3355

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3244-3030 REDAÇÃO (011) 3244-3449 FAX (011) 3244-3046, (011) 3244-3123 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 23 de novembro de 2010

o

3

IRLANDA ESTÁ PAGANDO UM ALTO PREÇO NA PASSAGEM DA IDADE MÉDIA PARA A BOLHA IMOBILIÁRIA.

pinião

P

ara um turista norte-americano acostumado ao kitsch gaélico e às exibições de Depois do Vendaval, as paisagens da Irlanda contemporânea surgem como um choque. Vá de carro de Dublin até a costa oeste e volte, como fiz há dois meses, e ainda encontrar as casas de sapé nas fazendas, sinuosas paredes de pedra e plácidas ovelhas que os cartões postais o levaram a esperar. Mas em volta todo morro verdejante encontra-se uma fileira de miniMcMansões. Depois de cada castelo deteriorado, vários condomínios. Nas tranquilas vilas de pescadores, que datam ao dias de Grace O'Malley, a Rainha Pirata da Irlanda (ela foi a Sarah Palin do século 16), metade das casas parece ter sido feita adequadamente – mas o restante poderia ter sido construído às pressas pela construtora norte-americana Toll Brothers. É como se houvesse apenas duas eras na história irlandesa: a Idade Média e a era da bolha imobiliária. Realmente, essa não é uma forma ruim de se pensar sobre a Irlanda do século 20. A ilha ficou década após década isolada, premoderna e rural. Então, em poucos anos: modernidade! Os irlandeses às vezes dizem que os anos 1960 deles só ocorreram nos 1990, quando a secularização e a revolução sexual finalmente começou de fato no que era um dos países mais conservadores e mais católicos do mundo. Contudo, a Irlanda foi rápida: o tipo de mudança social e econômica que leva 50 anos ou mais em muitos lugares foi comprimida em um única explosão revolucionária. Houve uma época, não faz muito tempo, em que todo mundo queria ter o crédito por essa transformação. Os conservadores do mercado livre saudavam o rápido crescimento da Irlanda como um exemplo dos milagres que o comércio livre, corte de impostos e desregulamentação podem obter. (Em 1990, a Irlanda estava perto do final, na lista dos países da União Europeia no quesito PIB per capita. Em 2005, ela estava em segundo lugar.) Os progressistas e secularistas sugeriram que a Irlanda estava prosperando porque finalmente tinha escapado do domínio repressor da Igreja Católica, que mantinha os horizontes estreitos e as famílias grandes e limitava as oportunidades econômicas para as mulheres. (Um artigo acadêmico sobre esse tema, "Contracepção e o Tigre Celta", mereceu uma análise de Malcolm Gladwell nas páginas da The New Yorker.) A elite europeia considerou a Irlanda um caso de estudo sobre os benefícios da integração à UE, pois quanto mais a Irlanda se aproximava das instituições europeias, mais rápido crescia o seu Produto Interno Bruto.

Quando a história da Grande Recessão for lembrada, o caso da Irlanda será o maior conselheiro. Em nenhum lugar a imaginação dos utopistas correu tão desenfreada e em nenhum lugar eles sofreram revés mais duro.

ROSS DOUTHAT

O perdido paraíso irlandês Ninguém conta mais esses tipos de história. A bolha imobiliária celta estava mais inflada do que a dos Estados Unidos (muitas dessas McMansões estão semiconstruídas e abandonadas), a indústria bancária foi mais imprudente nas apostas, e as dívidas da Irlanda, privadas e públicas, por comparação, fazem nossas desgraças orçamentárias parecerem administráveis. A economia irlandesa está na cabeça de todas as pessoas nestes dias porque o governo pediu ajuda à UE, temendo que a Irlanda se torne o fio ver-

de que desemaranha a colcha europeia. Se a ajuda fizer seu trabalho e a situação irlandesa se estabilizar, a atenção mundial vai se voltar para o próximo país da UE à beira do abismo, seja Portugal, Espanha ou Grécia (de novo). Mas quando a história da Grande Recessão for lembrada, a Irlanda vai oferecer a história mais potencialmente conselheira. Em nenhum lugar a imaginação dos utopistas correu tão desenfreada e em nenhum lugar eles receberam um revés mais duro. Para os utopistas

do capitalismo, a experiência irlandesa deve ser uma lembrança que as as maiores altas podem causar as maiores explosões, e que as dívidas e as quebras sempre acompanham a prosperidade e o crescimento. Para os utopistas do secularismo,a experiência irlandesa deveria ser um lembrete de que a diminuição de poderosas tradições religiosas podem provocar tanto decadência quanto libertação. ("A Irlanda encontrou nas riquezas uma boa substituta para sua cultura", obser vou Christopher

QUANDO O PARTIDO PERDE A IDENTIDADE

O

ções a Bruxelas do governo irlandês, de chapéu na mão, deram força a todo nacionalista receoso de que a união econômica terminaria significando subjugação política. O jugo da União Europeia é mais leve do que o jugo do Império Britânico, mas a Irlanda voltou para um tipo de status de vassalagem praticamente igual.

DEM é hoje um partido moribundo. Seus próprios líderes assim o proclamam e se dizem muito preocupados, mas duvido que, com uma ou duas exceções, tenham alguma ideia clara das causas que os levaram a essa situação deprimente, bem como das saídas possíveis que ainda lhes restam. Temo que a solução que buscam venha a ser uma repetição – a última – de erros fatais já bem comprovados. O primeiro deles foi acreditar que um partido pode viver de alianças de ocasião antes de ter uma identidade bem definida e uma estratégia abrangente que o habilitem a servir-se das alianças para seus próprios fins, em vez de servir a elas em vão, como de fato aconteceu. O PT logrou articular um belo sistema de alianças precisamente porque, durante décadas, se entrincheirou na sua modesta fatia do eleitorado, cultivando-a e reforçando-a por todos os meios até

assegurar-se de que seus votantes já não eram mais simples eleitores – e sim fiéis devotos, unidos ao partido por laços emocionais e culturais duradouros, difíceis de romper. Ao entrar em alianças, veio a fazê-lo, portanto, na condição de elemento estável, firme e seguro de si, que se associa a entidades instáveis justamente para explorar a sua instabilidade em proveito próprio.

A

lianças podem somar votos ocasionalmente, mas o que faz a força de um partido não é o número, e sim a fidelidade dos seus eleitores. Ela é a base das alianças vantajosas. O PT entendeu isso faz tempo, e agiu em consequência. O DEM fez exatamente o contrário. Sentindo-se debilitado, buscou reforçar-se por meio de alianças, sacrificando num ritual masoquista de autodissolução o pouco que lhe restava de identidade própria. Fez isso, decerto,

porque media pelo número de votos e portanto pelo número de cargos a força partidária, sua e alheia, esquecendo que antes de acumular quantidade é preciso ser alguma coisa, ter alguma substância identificável, representar uma força cultural e histórica na qual os eleitores possam enxergar, de a lgum modo, a figura do seu próprio destino. No preciso momento em que consentiu em rebaixar-se à condição de instrumento auxiliar de um partido maior, o então PFL se encontrava tão incerto quanto à sua identidade que acabou

resolvendo mudar de nome, movido pela esperança mágica de que, na falta de substância, a palavra gerasse a coisa. E o nome escolhido não poderia ter sido pior. Ele expressava, declaradamente, o desejo que a agremiação sentia de tomar como modelo o Partido Democrata americano.

E

sse desejo, por sua vez, evidenciava o quanto os pefelistas se haviam deixado intoxicar e manipular às tontas pela "revolução cultural" gramsciana, cedendo às regras do jogo ditadas pelo adversário, copiando figurinos e cacoetes esquerdistas sem

Um partido que não tem ou não projeta uma imagem ideológica e moral nítida nada tem a ganhar com trejeitos miméticos que tornam seu perfil ainda mais nebuloso e indeciso.

Caldwell, mas agora "podemos estar prestes a descobrir o que ocorre quando um país tradicionalmente pobre volta à pobreza e sem sua cultura".) Mas são os utopistas da integração europeia que deviam aprender as lições mais duras da história irlandesa. As reverberações continentais da crise bancária fortalecem os eurocéticos que afirmam que a UE se expandiu muito precipitadamente e que uma moeda única não conseguiria acomodar uma diversidade tão grande de países. E as peregrina-

P

ara os próprios irlandeses, a iniciação idílica no capitalismo global acabou – e agora eles provavelmente entendem a natureza da modernidade um pouco melhor. Às vezes, pode parecer que ela lhe dá tudo o que você deseja, e riquezas além dos sonhos. Mas você sempre tem de pagar por isso. ROSS DOUTHAT É COLUNISTA DO NEW YORK TIMES E ESCREVE PARA OUTROS VEÍCULOS. É AUTOR DE "PRIVILEGE: HARVARD AND THE EDUCATION OF THE RULING CLASS" TRADUÇÃO: RODRIGO GARCIA

OLAVO DE CARVALHO nem mesmo ter muita consciência de que eram esquerdistas – ou pelo menos sem examinar as consequências dessa escolha, já tão abundantemente ilustradas por experiências catastróficas em outros países. Consequências que podem ser resumidas numa regra simples: se você imita o discurso e as poses do adversário, na ilusão de parasitar seus votos, pode até ganhar com isso alguma vantagem eleitoral imediata, mas já deu a ele a vitória ideológica e cultural que acabará fatalmente por prevalecer mais dia menos dia. Um partido que não tem ou pelo menos não projeta sobre os eleitores uma imagem ideológica e moral nítida não tem, decerto, nada a ganhar com trejeitos miméticos que tornam seu perfil ainda mais nebuloso e indeciso. Quando falo disso aos meus amigos americanos, eles riem: "Quer dizer que a direita do seu país tem por modelo a esquerda americana"? Baixo a cabeça e pergunto a mim mesmo quantos dirigentes do DEM sabem o que é o Partido

Democrata hoje em dia. É o partido de George Soros, de Fidel Castro, de Hugo Chávez, dos potentados árabes que compram a peso de ouro a proteção ao terrorismo internacional.

Q

uantos, no DEM, têm a consciência de que esse já não é o partido de Harry Truman e de John Kennedy? Como nada da transformação radical sofrida pelo Partido Democrata nos últimos quarenta anos saiu jamais na grande mídia brasileira, embora nos Estados Unidos seja o assunto de milhares de livros que no Brasil ninguém leu, provavelmente a ignorância a respeito é, entre esses cavalheiros, total e sólida. Copiando um modelo morto, só podiam mesmo acabar na UTI. O DEM ainda pode salvar-se? Pode. Mas isto é assunto para um outro dia. OLAVO DE CARVALHO É ENSAÍSTA, JORNALISTA E PROFESSOR DE FILOSOFIA


DIÁRIO DO COMÉRCIO

4 -.GERAL

Giba Um

3 Dilma só fala da herança

bendita que receberá de Lula, especialmente na área social, preferindo nem lembrar da maldita.

gibaum@gibaum.com.br

3

terça-feira, 23 de novembro de 2010

MAIS: essa significa um volume de restos a pagar de R$ 90 bilhões em 2011. Se pagar tudo, não sobra um centavo para infraestrutura.

23 de Novembro

D

iscípulo de São Paulo, foi o quarto papa dos católicos. Entre 88 e 97, enfrentou a violenta perseguição ao Cristianismo. É o autor da carta de Corinto, que restabeleceu a paz entre os novos cristãos. Foi martirizado em 101, na Criméia, a mando do imperador Domiciano.

k Você acha republicano chamar ladrões de aloprados? Você acha Chá de cozinha

I

C E

E

T

L

S

U A

I

R N

B

D O D

D

R

A P A E

R D

O

O

O D A R U S N E M

S A R T N O C

Colaboração: Paula Rodrigues,Alexandre Favero

N

h

333 Narcisa Tamborindeguy, que lançou recentemente seu segundo livro, Ai, que Absurdo e já na noite de lançamento, era oferecido a menos de R$ 20, divididos em três parcelas. Mesmo assim, as novas aventuras da conhecida figura do Rio acabaram encalhando e agora, era recorre aos amigos: Helcius Pitanguy comprou 120, João Flávio Lemos de Moraes, outros 130 e a esperança dela é que Eike Batista “compre mil”. Narcisa acha que eles podem dar de presente aos amigos no Natal. Mais: ela garante que, reabilitada de drogas e bebidas, “só bebe um champanhezinho de vez em quando”.

EX-dirigente sindical, Jair Meneghelli está se fazendo de morto em Brasília: quer permanecer na presidência do Conselho Nacional do Sesi, cuja cadeira vem ocupando desde 2003. Significa um salário mensal de R$ 25 mil, mais verbas de representação, despesas de viagens e demais mordomias.

333

P E D I D O D

Absurdo!encalhado

A

OUT

Verão: batom clássico.

333 MÔNICA Torres, ex-mulher do ator Marcello Antony, o misterioso Gerson da novela Passione, está namorando o psicanalista e cronista italiano Contardo Calligaris, uma das presenças mais inteligentes da mídia nacional.

P

U

h IN

Verão: batom azul.

DADOS oficiais: Playboy com Cleo Pires vendeu 464,7 mil exemplares, ficando atrás da maior venda dos últimos tempos, com Grazi Massafera, que vendeu 571,7 mil revistas. As duas muito distantes de Joana Prado (A Feiticeira) com 1,2 milhão e Susana (Tiazinha) Alves, com 1,1 milhão. 333

O

Q

O Ministério Público decidiu investigar tudo o que existe de nebuloso atrás da fraude de R$ 2,5 bilhões, independente do Banco Central que, a propósito, era contra o socorro dado pelo Fundo Garantidor de Crédito. Algumas suspeitas: os R$ 720 milhões da Caixa Econômica Federal ainda não tiveram seu destino esclarecido; em 2006, o Panamericano teria vendido para duas instituições diferentes o mesmo crédito consignado; em 2004, a CVM investigava a diretoria do banco; na IPO de 2007, já se registrava um CDB de R$ 380 milhões, pagando juros de 28% ao ano (R$ 144 milhões), igualmente detectado agora e atribuído a um misterioso empresário de Juiz de Fora. Há três anos, comentava-se que o real dono dos milhões poderia ser o próprio Silvio.

333

S R

Cena nebulosa

DA EXPLOSÃO do escândalo até agora, o valor de mercado do Banco Panamericano caiu de R$ 2,1 bilhões para R$ 1,2 bilhão, representando para a Caixa Econômica Federal uma perda de R$ 320 milhões. Mais: o balanço do SBT, mesmo com a Caixa tendo quadruplicado o volume de inserções publicitárias de maio para cá, deverá fechar no vermelho.

333

E

333

L

Não são apenas modelos mais veteranas que voltaram à moda: agora, a V Magazine, que criou a bossa das capas múltiplas (numa de suas últimas edições, tiraram a roupa e ganharam suas capas Naomi Campbell, Isabeli Fontana, Adriana Lima, Lara Stone e Eva Herzigova, entre outras) está reverenciando mulheres poderosas do cinema que já passaram dos 60 anos. E todas continuam estimulantes: Charlotte Rampling, Sigourney Weaver e entre outras mais, Jane Fonda, 73 anos e Susan Sarandon, 64 anos (destaque).

Veteranas na guerra

S

333 Se, em encontro petista, Dilma Rousseff até chorou quando lembrou o trabalho dos três porquinhos (José Eduardo Dutra, Antonio Palocci e José Eduardo Cardozo), preferiu não lembrar o apelido que dera, na campanha, ao marqueteiro João Santana: Lobo Mau . E isso porque a obrigava, muitas vezes, a adotar posturas e discursos com os quais não concordava. À distância, Santana comemorou: “O lobo era mau, mas mostrou-se eficiente”. E caro: tanto que suas ações totalizaram R$ 44 milhões.

Solução E

LOBO CARO

333 SOBREVIVENTE da era Erenice Guerra, o corregedor da Anatel, Henrique Gabriel, está tendo sua vida profissional (e pessoal) devidamente revirada e será protagonista de nova matéria a ser publicada, provavelmente no próximo fim de semana, pela revista Veja.

I A

O vestido usado por Kate Middleton, futura mulher do príncipe William, no anúncio do noivado (era um azul safira, criado pela brasileira Daniella Issa Helayel, que faz sucesso no Exterior), virou moda: começam a proliferar, com uma velocidade raramente vista, em muitas lojas de São Paulo e Rio, cópias produzidas por diversas confecções. Por outro lado, emergentes encantadas com o anel dado por William a Kate, estão procurando seus joalheiros e encomendando peças semelhantes. E quando se usa a expressão semelhante, tem razão de ser: a original, dependendo da pedra e dos brilhantes, está estimada em cerca de US$ 180 mil. 333

333 NESTE final de governo Lula, já se empurra para a presidente eleita Dilma Rousseff problemas que passará a enfrentar a partir de janeiro e o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, vem fazendo o papel de sparring. Responde as questões, fala se haverá dinheiro em caixa ou não e vai poupando Dilma. E será o titular da Casa Civil.

D D

Virou moda

MISTURA FINA

A G O T A

A entrada em cena no jogo sucessório de São Paulo (municipaleestadual)doprefeito Gilberto Kassab, que o próprio José Serra reconheceu como “um dos raros políticos leais e que cumprem, em qualquer circunstância, o que prometeram”, provoca apreensão em todos os círculos políticos. Kassab tem revelado, nesses anos, ter qualidades especiais: é paciente, sabe administrar alianças (e fazer novas) e, acima de tudo, é grande estrategista. Não entra para perder e dois bons exemplos são sua própria reeleição e a aposta de que Aloysio Nunes Ferreira seria senador – e bem votado.

333

333

ATVAlphaville,deGuilherme Stoliar, novo presidente da holding dogrupoSilvioSantos e principal executivo do SBT (55% da operadora é do animador), está retomando negociações e poderá ser a primeira empresa a ser vendida. Guilherme, para quem tem memória curta, afastou-se do SBT em 1998, ao lado de Luciano CalegarieWalter Zagari(hoje,na Record).ÉfilhodeSara,irmãde Silvio,que temescritórionoRioe cuidadodinheirodoirmão.Stoliar voltou aoSBTem 2002 e,noano passado, sofreu um sustoe teve decolocar três pontes de safena. 333

L

BOM DE BOLA

Na presidência do STJ – Superior Tribunal de Justiça, o ministro César Asfor Rocha, numa decisão inédita na história da Corte, suspendeu a Operação Castelo de Areia, que apreendeu documentos e prendeu diretores da Camargo Correa, sob suspeita de irregularidades cometidas na área política. O pedido de suspensão da empreiteira alegava “uso de denúncia anônima para instalar escutas telefônicas” e o advogado da Camargo Correa é o ex-ministro Márcio Thomas Bastos. Asfor Rocha, agora, vinha tendo seu nome cotado para vaga no Supremo Tribunal Federal, só que Lula já fez sua escolha. Vai indicar o atual advogado-geral da União, Luis Inácio Adams que, no governo petista, trabalhou para garantir o leilão de Belo Monte, para viabilizar a recriação da Telebrás e defendeu o presidente de acusações de fazer campanha antecipada.

Umoutro Luis Inácio

PRIMEIRAVENDA

P

Quando começou seu governo, o presidente Lula, que sempre confessou sua paixão por jabuticabas, fruta que só dá no Brasil, tentou plantar jabuticabas na Granja do Torto e até mesmo na varanda de seu apartamento de cobertura em São Bernardo, sem sucesso. Na época, colunistas políticos até usaram a expressão Republica da Jabuticaba para caracterizar seu governo, como era Republica do Pão de Queijo, nos tempos de Itamar Franco. Oito anos rolaram e jabuticaba, na mesa de Lula, no Alvorada, só quando um mercadinho hortifruti de Brasília trata de enviar para a residência presidencial. 333

333 Enquanto Ana Beatriz Barros acabou barrada no baile, ou seja, ficou de fora no novo desfile-show da Victoria’s Secret, este mês, em Nova York, mais uma brasileira acaba de entrar no sonhado elenco de angels da famosa grife de lingerie. É Adriana Superbom, paranaense de 26 anos, namorada do tenista argentino Guillermo Cañas, que já trabalhou para Dolce&Gabbana, Chanel e Armani, entre outras marcas. Ela brinca: “O sobrenome dá direto a trocadilhos”. E um deles, claro, é superboa. Adriana é da geração saúde, sai pouco e malha muito. Medidas: 86-60-90.

Direito a trocadilho

G

Sem jabuticabas

U

Fotos: BusinessNews

São Clemente I

M

«

PRÍNCIPE JOÃO HENRIQUE DE ORLEANS E BRAGANÇA // em entrevista em Recife.

É um verdadeiro chá de cozinha: a Presidência da República, para renovar itens de sua área mais doméstica, está reservando no orçamento cerca de R$ 80,8 mil para comprar pratos, taças, copos, xícaras, pires, jogos de talheres, garrafas térmicas, jarras, bombonieres, panelas, bules, picador de legumes e outros produtos que deverão compor o novo complexo culinário à espera de Dilma Rousseff. E, sempre prevenida, a Presidência vai gastar mais de R$ 62 mil na compra de 29 fragmentadoras de papel para cesto removível de 30 litros, no mínimo. Ou seja: nada de deixar vestígios.

333

A

republicano ter no quadro político mensaleiros declarados? A corrupção tomou conta do governo.

O DESCUIDO

Concordar ou DISCORDAR de ALGUMA solicitação ou PEDIDO é um ato que deve ser minuciosamente SOPESADO. Exige-se uma análise PONDERADA dos prós e CONTRAS. É preciso agir com MENSURADO rigor e na PLENITUDE de um pensamento EQUILIBRADO. Uma ínfima GOTA de descuido poderá custar um mar de lágrimas.

Z C J D T F T O M Q X U E A U

X O P D P P E F Y S L S M Q Y

R D Q C I P Q P O H V U Y M G

C A X E Y D M P C I G Y O N T

X R J W A T E R F L L P M J D

S U J T K S K P A S L H M V T

Z S O W A D Q E U E W D A K F

F N T D Y V Y D N H I D G Z O

V E O M B X G I B S A O O Y U

V M Q S I K T D C R G S T P O

P W F S N U R O E J S T A J N

J U N B D X R D B Q G X L T K

W S W E X D N V I O L K O P S

H B H C A O L Q K G I H G K R

N Z Q R P D P G M M R V K R D

U L O D A R B I L I U Q E W U

L V N E E A C L I Y J W N O A

U C O N T R A S U Y U N V N D

N I I Z X J Y L C M M Q J H B

Por: José Nassif Neto

P L X M Q I N K X R R A J H H


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 23 de novembro de 2010

5 MOEDA DE TROCA Ao mesclar política com economia, Henrique Meirelles abala o mercado

olítica

MOEDA FORTE Diretor de Normas do BC, Alexandre Tombini, é cotado para substitui-lo

Dida Sampaio/AE

Mercado aposta na saída de Meirelles e na alta da inflação Juro futuro sobe com o temor de que Dilma centralize a política monetária

A

s projeções de juros a partir dos contratos futuros de depósito interfinanceiro (DI) negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) ampliaram as altas no início da tarde de ontem e fecharam o pregão regular, às 16 horas, perto das máximas do dia. O movimento de alta começou desde cedo e ganhou força à tarde, em reação às dúvidas sobre a permanência de Henrique Meirelles na presidência do Banco Central (BC) no governo Dilma Rousseff, e em meio a um cenário mostrado pela pesquisa Focus (do BC) da persistente elevação das expectativas de inflação no mercado financeiro. "A leitura de uma provável saída de Meirelles é que as medidas necessárias para combater a pressão inflacionária corrente e a futura, detectada pela pesquisa Focus, podem não ser tomadas", comentou um operador. Além disso, há a avaliação de que Dilma vai centralizar a política monetária no Planalto, e para isso já estaria prevendo desvincular, em algum momento, o status de ministro do presidente do BC.

O mercado se defende elevando as taxas dos DI em todos os prazos. Nos contratos mais curtos, com vencimento em 2011, o impacto é menor, mas se amplia nos prazos intermediários e longos. "O mercado reage em alta porque antevê uma política fiscal mais frouxa

O mercado reage com juros em alta porque antevê uma política fiscal mais frouxa no governo Dilma. PAULO REBUZZI, DA ATIVA CORRETORA no governo Dilma", disse Paulo Rebuzzi, da mesa de renda fixa da Ativa Corretora. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, Dilma não convidou nem pretende convidar Meirelles a permanecer no comando do BC. Na semana passada, Meirelles declarou que só permaneceria no cargo com garantias de autonomia da instituição e confirmou ter recebido convite da equipe de transi-

ção para discutir esta semana o futuro da autoridade monetária. Desde então, o diretor de Normas do BC, Alexandre Tombini, aparece como o nome mais cotado para o cargo. Meirelles fala – Ontem, ao ser questionado por jornalistas se ficará no cargo durante o Prêmio Qualidade Sinaprocim, Meirelles desabafou: "Espero terminar de fato este mandato juntamente com o presidente Lula concluindo este tipo de trabalho de responsabilidade do Banco Central do Brasil, que é zelar pela estabilidade macroeconômica do país. E portanto prover as condições básicas para o crescimento sustentável do país". Ao término da negociação normal, ontem, o DI com vencimento em janeiro 2012 projetava taxa de 11,77% ao ano, de 11,66% no ajuste de sexta-feira, com 229.505 contratos negociados ontem. O DI de janeiro 2013 avançou a 12,35% ao ano, de 12,16% na sexta, com 243.140 contratos negociados; o DI de janeiro de 2014 subiu para 12,38% ao ano, de 12,14% na sexta, com 23.390 contratos. Nos contratos curtos, o DI de abril de 2011 fechou a 10,84%, de 10,80% . (AE)

Miriam Belchior, que assumiu a coordenação do PAC após a saída de Dilma, é recebida na Granja do Torto

Dilma chama assessores econômicos Presidente se reúne com Miriam Belchior, Nelson Barbosa e Guido Mantega

E

m uma clara sinalização de que não pretende manter Henrique Meirelles no comando do Banco Central (BC), a presidente eleita, Dilma Rousseff, reuniu-se ontem com a coordenadora do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), Miriam Belchior, e com o secretário de políticas econômicas do ministério da Fazenda, Nelson Barbosa. O encontro aconteceu na Granja do Torto, ocupada por ela durante o período da transição de governo. O encontro com os assessores econômicos seria uma indicação explícita de que Miriam e Barbosa estão bem cotados para um cargo na equipe do futuro governo. Dilma já havia se

reunido na semana passada com o ministro Guido Mantega (Fazenda), o que também demonstraria que ele deve permanecer na função, como já havia sugerido o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Miriam também esteve na Granja do Torto semana passada, mas o assunto tratado com Dilma teria sido o projeto do trem bala entre São Paulo e Rio de Janeiro. A expectativa é que o primeiro anúncio de nomes do governo Dilma seja justamente o da equipe econômica. Subchefe da Casa Civil, Miriam e assumiu a coordenação do PAC após a saída de Dilma para disputar a eleição. Ela chegou a ser cotada para permanecer na Casa Civil ainda

no governo Lula, mas isso não se confirmou. Agora, o nome de Miriam aparece como favorito para ocupar o Ministério do Planejamento. Já Barbosa está no Ministério da Fazenda desde 2006. Ele foi secretário adjunto de política macroeconômica, secretário de acompanhamento econômico e está na função de políticas econômicas desde 2008. Seu nome vem sendo mencionado para fazer parte da equipe econômica e uma das possibilidades seria a presidência do Banco Central, em substituição a Henrique Meirelles. Mantega passou a tarde com Dilma na Granja do Torto e cancelou seus compromissos marcados para o dia. (AE)


p Dilma marca visita ao Papa para 2012 DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Não podemos esquecer: 22,5% da população brasileira é composta de evangélicos. Gilberto Carvalho, chefe de gabinete do presidente Lula

olítica

A audiência da presidente eleita faz parte da tentativa de se estabelecer uma "trégua" com o Vaticano, depois das polêmicas com a Igreja durante sua campanha Andre Dusek/AE - 18.11.10

O

Dilma escreve ao Papa: seu governo conta com a Santa Sé para aplicar o projeto de erradicação da pobreza

PMDB quer assumir 5 ministérios Legenda está à frente de 6 pastas, PT diz que são só 4: duas são da quota de Lula

O

PMDB foi avisado que, no cronograma da presidente eleita Dilma Rousseff, o quinhão do partido na Esplanada dos Ministérios só será definido na segunda semana de dezembro. Mas já dá como certo que sairá do embate com o PT com, no mínimo, cinco ministros. Embora o PMDB esteja à frente de seis pastas, o PT diz que o partido comanda de fato apenas quatro, porque duas delas – Saúde e Defesa –

são da cota do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Peemedebistas dizem que assumiram as indicações de Lula e pleiteiam as seis vagas. Nem pensam em disputar a Saúde com os petistas. Ao contrário, admitem que o ministro José Temporão foi apadrinhado pelo governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), a pedido de Lula. Mais: dizem que o cargo é técnico. Portanto, o governo deve se

responsabilizar pela escolha. Esta semana, Dilma vai anunciar a equipe econômica. Na próxima, deve fechar a equipe palaciana e, a seguir, fechar a negociação com os partidos. A aposta no PMDB é a de que três nomes já estariam praticamente certos: o senador Edison Lobão (PMDB-MA); Wagner Rossi, atual ministro da Agricultura; e Moreira Franco, ex-vicepresidente da Caixa Econômica. (AE)

Sindicalistas para o Trabalho Presidente da UGT sugere sindicalistas a Alckmin para assumir a Secretaria

Vaticano cobra do novo governo de Dilma Rousseff o compromisso de não reabrir o acordo que rege as relações bilaterais – alvo de muita polêmica. O assunto foi debatido ontem em reunião entre o secretário da Santa Sé para Relações com os Estados, Dominique Mamberti, e Gilberto Carvalho, chefe de gabinete do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. No mesmo encontro, fixou-se que Dilma fará uma viagem ao Vaticano em 2012 para se encontrar com o Papa Bento 16. A visita já está sendo organizada pelo Palácio do Planalto e pela Santa Sé. Faz parte da tentativa de se estabelecer uma "trégua" entre o Vaticano e a presidente eleita depois das polêmicas com a Igreja, durante sua campanha eleitoral. Dilma decidiu, na última quinta-feira, aproveitar a ida de Carvalho à Roma para mandar um recado à Igreja de que seu governo não abrirá guerra contra a Igreja. Ela mandou carta ao Papa pedindo que a Igreja "não recue" em relação ao Brasil, estabelecendo uma trégua, e insistindo que seu governo conta com o Vaticano para aplicar seu projeto de erradicação da pobreza. A carta, mantida em sigilo até quarta-feira, quando será lida pelo Papa, pede também sua bênção para o governo e assegura que quer diálogo com o Vaticano. "O que nós queríamos, e acho que conseguimos, era limpar de uma vez por todas o mal estar da campanha eleitoral", admitiu Carvalho.

Nem a carta, nem a reunião de ontem trataram da questão do aborto. Mas Carvalho admitiu que "a campanha de Dilma viveu momentos de grande tensão com os comentários do Papa sobre o tema", poucos dias antes do 2º turno.

O que nós queríamos, e acho que conseguimos, era limpar, de uma vez por todas, o mal estar da campanha eleitoral. GILBERTO CARVALHO

Bento 16, em uma reunião com bispos do Maranhão, condenou a descriminalização do aborto e da eutanásia e recomendou aos bispos brasileiros que emitissem "juízo moral" sobre essas questões, mesmo em "matérias políticas". Embora não tenha feito referência direta à eleição, o papa pediu aos bispos que orientassem seus fiéis a usar o voto para a "promoção do bem comum". "Não sabíamos que direção esses comentários tomariam. Foi um momento de grande tensão", admitiu Carvalho, que acusou "forças no Brasil" por terem influenciado o Papa a fazer tais declarações. Ele garantiu que Dilma considera o assunto "parte do passado". Viagem – Do lado do Vaticano, Mamberti confirmou que o Brasil é de "importância fundamental" para a Santa Sé e

que uma visita de Dilma ao Papa seria relevante para confirmar o compromisso nessa relação bilateral. Carvalho explicou que dificilmente a viagem poderia ser em 2011. "O primeiro ano é sempre um período para amarrar o governo. A data que se trabalha para a visita de Dilma é 2012". Mamberti insistiu na necessidade de o acordo que rege as relações bilaterais – conhecido como concordata – finalmente entre em vigor e não seja alvo de revisão por parte de Dilma. O primeiro acordo proposto pela Igreja, em 2007, falava na obrigatoriedade do ensino de religião em escolas públicas, acesso às reservas naturais para missionários e isenção de impostos à Igreja. O Itamaraty reduziu o acordo a uma mera declaração de boas relações entre a Santa Sé e o governo que, mesmo assim, foi questionado na Justiça. A concordata, aprovada pelo governo Lula e pelo Congresso, esbarrou em processo e está no Supremo Tribunal Federal. "Não acreditamos que isso ofereça um risco para sua entrada em vigor", disse Carvalho. O emissário nega que o acordo seja reaberto por Dilma: "Minha principal mensagem e objetivo foi a de tranquilizar o Vaticano em relação ao que será o governo Dilma". Segundo ele, o governo teve de negociar cuidadosamente o texto para manter o caráter laico do Estado e ainda atender a todos os demais cultos. "Não podemos esquecer que 22,5% da população brasileira é composta de evangélicos". (AE)

Epitácio Pessoa/AE - 08.11.10

O

presidente nacional da União Geral dos Trabalhadores (UGT), Ricardo Patah, disse ontem que a central apresentou ao governador eleito de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), os nomes do presidente regional do PPS, deputado estadual Davi Zaia, e do secretário-geral da entidade, Chiquinho Pereira, para ocupar a Secretaria Estadual do Trabalho. Segundo ele, Alckmin ficou satisfeito com as sugestões da

UGT. Parte da central sindical apoiou Alckmin e o candidato do PSDB à Presidência, José Serra, na campanha eleitoral deste ano, embora parte significativa tenha ficado com Aloizio Mercadante e de Dilma Rousseff, ambos do PT. Segundo Patah, Alckmin teria reconhecido que durante a campanha o PSDB ficou muito distante dos movimentos sociais. "Alckmin prometeu se aproximar dos movimentos sociais, e nada melhor que al-

guém com a sensibilidade e a cabeça do trabalhador para a Secretaria do Trabalho". Sem citar o nome do atual secretário, o vice-governador eleito Guilherme Afif Domingos, Patah apontou um trabalhador para a pasta, "no lugar de alguém com visão empresarial, por mais competente que seja". Afif não participou da reunião. Está viajando. Nos bastidores, dizem que se articula para acumular o cargo de vice e dominar a pasta. (AE)

Alckmin, em duas frentes: pela lei Kandir e para que Estado e Capital sejam incluídos no Orçamento de 2011

Governadores eleitos se reúnem para discutir Lei Kandir A ideia é pressionar e aprovar lei para que Estados continuem sendo ressarcidos

G

overnadores eleitos de todo o País vão se reunir hoje pela manhã, em Brasília, com a Mesa Diretora da Câmara e com os líderes dos partidos. Eles pretendem discutir e pressionar os deputados a aprovar o projeto de lei complementar que prevê que a União continue a ressarcir os Estados pelos créditos da Lei Kandir. Participam do encontro o governador eleito de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), de Minas, Antonio Anastasia (PSDB), e do Rio, Sérgio Cabral, (PMDB), entre outros da base aliada e da oposição, que brigam para que o governo federal destine R$ 7,2 bilhões do Orçamento de 2011 para repassar aos Estados. De acordo com a Lei Kandir, os Estados são obrigados a devolver o ICMS que recolhem sobre tudo que é exportado, de matérias primas a produtos manufaturados. Em 2009, depois de um impasse, a União destinou R$ 3,9 bilhões do Orçamento para es-

te fim. Agora, os governadores ameaçam não repassar aos exportadores os créditos devidos caso o governo federal não inclua a verba no Orçamento de 2011. Desde 2006, a União alega não ter mais obrigação de fazer os repasses, já que a Emenda Constitucional nº 42, que prevê a transferência da verba, condiciona o pagamento à aprovação de nova lei complementar. O movimento dos governadores será feito para que essa lei, finalmente, entre na pauta das votações. E seja aprovada. "São receitas fundamentais para o equilíbrio de contas e a manutenção dos orçamentos equilibrados dos nossos Estados", disse o deputado federal Duarte Nogueira (PSDB-SP), depois de reunião com integrantes da equipe de transição de Alckmin. Segundo ele, o projeto de lei complementar já foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara na semana retrasada e precisa ir a Plenário para receber uma

emenda já acordada pelos líderes das bancadas. "Essa prorrogação precisa ser estendida para que a União possa continuar ressarcindo os Estados que tem créditos a receber por conta da Lei Kandir". Ainda hoje, também em Brasília, Alckmin se reúne com o atual governador de São Paulo, Alberto Goldman (PSDB), com o prefeito da capital paulista, Gilberto Kassab (DEM), e com todos os 70 deputados federais eleitos por São Paulo. A meta é debater e eleger os projetos prioritários para o Estado e para a Capital a fim de que sejam incluídos no Orçamento de 2011. "As prioridades de São Paulo vão ser colocadas, como sempre é feito nessas reuniões preparatórias. Não é uma reunião conclusiva", adiantou Nogueira. De acordo com ele, devem receber apoio da maioria dos deputados os projetos ligados a investimentos em infraestrutura – principalmente na área de transporte coletivo e na de saneamento básico. (AE)


p Kassab já articula seu futuro político DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 23 de novembro de 2010

7

Projeto que previa limitar mandato de ministros e desembargadores não passou pelo Senado

olítica

Prefeito almoça com lideranças do PSB, do PCdoB e do PDT e discute construção de uma terceira via para disputar o governo do Estado em 2014 contra PSDB e PT

O

prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, almoçou ontem, com líderes do PSB, PCdoB e PDT para discutir seu futuro político e o apoio desses partidos à consolidação de uma "terceira via" política no Estado que se contraponha à polarização entre PT e PSDB. Para acomodar os novos aliados, Kassab teria sinalizado com uma reformulação em seu secretariado, a partir de janeiro. As assessorias do deputado federal Aldo Rebello (PCdoB) e dos presidentes paulistas do PSB, Márcio França, e do PDT, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, confirmaram a reunião, sem dar detalhes do encontro. O próprio prefeito paulistano, ao ser questionado sobre o compromisso, desconversou e disse que discutiria "assuntos da cidade" com os líderes partidários. Conforme afirmou um interlocutor do grupo político – que pediu para não se identificar –, para escapar da polarização entre PSDB e PT em São Paulo, Kassab estaria não só disposto a liderar políticos do PSB, do PCdoB e do PDT como também adiantou que se filiará ao PMDB no ano que vem. De acordo com outra fonte com acesso ao teor das conversas, o almoço de ontem foi o primeiro de uma série de encontros programados para os próximos meses. Nele, Kassab deixou clara sua disposição em compor um bloco de centro-esquerda com os três partidos com vistas às eleições de 2012 e 2014. Ainda segundo a fonte, Kassab garantiu estar com "um pé no PMDB" e disse

Ayrton Vignola/AE

É melhor para o Kassab lidar com esse grupo do que com o grupo do centrão. Eles são muito duros. INTERLOCUTOR TUCANO NA CÂMARA MUNICIPAL

esperar uma "reforma política" para mudar de partido sem correr o risco de ser cassado por infidelidade partidária. Câmara Municipal – Segundo interlocutores do prefeito, a discussão com os três partidos passa pela disputa da Mesa Diretora da Câmara Municipal, que esquentou nos últimos dias, depois que Kassab anunciou apoio ao candidato do PSDB, vereador José Police Neto. Com a manobra, Kassab deve conseguir viabilizar o tucano, para desespero do DEM, que articula o nome do vereador Milton Leite para o cargo. "É para discutir o futuro dele [Kassab], o que inclui a Mesa Diretora da Câmara", disse um aliado do prefeito. De saída do DEM, Kassab tenta com o apoio ao candidato do PSDB fazer uma demonstração de força política e, ao mesmo tempo, ter alguém de sua confiança na presidência da Câmara. O que se calcula é que a vitória de Milton Leite atrapalharia a vida de Kassab na Câmara. Embora o vereador seja do mesmo partido do prefeito, a relação de Kassab com o DEM se deteriorou nas últimas semanas, depois que vieram à

público suas articulações para ingressar no PMDB. Além disso, Milton Leite é do chamado "centrão", grupo que acumula grande poder na Câmara. "É melhor para o Kassab lidar com esse grupo do que com o grupo do centrão. Eles são muito duros", disse um interlocutor de tucanos na Câmara, em referência à aproximação de Kassab com partidos de esquerda. Nas últimas semanas, o prefeito tem articulado sua saída do DEM com o objetivo de se viabilizar candidato ao governo de São Paulo em 2014. Pelos cálculos do prefeito, sua permanência no DEM tornaria esse plano inviável, já que o vice do governador eleito Geraldo Alckmin, candidato natural à reeleição, é Guilherme Afif Domingos – uma das principais lideranças do DEM em São Paulo. Arranjo – O PSDB já tem a fórmula para não entregar a presidência nacional do partido ao candidato derrotado José Serra, nem tampouco forçar a aposentadoria do expoente tucano, deixando-o sem tribuna. Para preservar aquele que arrebanhou 43,7 milhões de votos e valorizar o "racha" do eleitorado pela oposição, Serra deverá assumir a presidência do Instituto Teotônio Vilela (ITV) de estudos e pesquisas. Esta é a alternativa que os tucanos vislumbram para reservar a Serra um espaço confortável na estrutura partidária, que lhe permita agir como oposição tucana e que não afronte as resistências à ideia de abrigá-lo na presidência da legenda, como ocorreu depois da eleição de 2002. (AE)

Paulinho e Força são condenados a pagar R$ 706,5 mil Condenação refere-se a irregularidades na gestão de R$ 40 milhões do FAT Andre Dusek/AE - 26.11.08

A

Justiça Federal condenou o sindicalista e deputado federal Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, e a Força Sindical, presidida pelo próprio deputado, a ressarcir R$ 235,5 mil aos cofres públicos, além de arcar com multa de R$ 471 mil. O valor total da condenação é de R$ 706,5 mil. A 25ª Vara Federal Cível julgou parcialmente procedente ação movida pelo Ministério Público Federal (MPF), em São Paulo, por irregularidades cometidas por Paulinho da Força e pela central na gestão de R$ 40 milhões do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) para a execução do Plano Nacional de Qualificação do Trabalhador (Planfor), no ano de 2001. A decisão é da juíza Fernanda Souza Hutzler, da 25ª Vara Federal Cível de São Paulo. A sentença foi proferida em agosto, mas só foi divulgada ontem pelo Ministério Público Federal, que irá pedir no TRF (Tribunal Regional Federal) de São Paulo a manutenção da condenação em segunda instância. Na decisão, a juíza lista nove problemas no programa para o qual a Força Sindical recebeu dinheiro do FAT para a capacitação de trabalhadores. Entre eles estão a contratação de cursos sem licitação, pagamentos antecipados e falta de relatórios de fiscalização. Foi determinado, também, que tanto o sindicalista quanto a Força Sindical sejam proibidos de contratar com o Poder Público ou que recebam incentivos ou benefícios fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, por um período mínimo de cinco anos. Segundo a Procuradoria da República, as irregularidades cometidas pelo deputado e pe-

Paulinho, da Força Sindical: ele e a entidade terão de ressarcir R$ 235,5 mil e pagar uma multa de R$ 471 mil pelas irregularidades cometidas. Fabio D'Castro/Hype - 24.04.09

la Força Sindical confirmam a utilização dos recursos do FAT de modo diferente do previsto na legislação. A ação civil foi proposta pelo MPF em 2003, apontando a contratação do Instituto Paulista de Ensino e Cultura (Ipec), pela Força Sindical, por R$ 20,3 milhões, sem licitação. Além disso, o MPF detectou outra irregularidades, como listagens com inscrições si-

multâneas de um mesmo CPF em cursos realizados em Estados diferentes e na prestação de contas. Paulinho foi procurado ontem para comentar a condenação, mas disse que não poderia responder sobre a ação no momento, sem explicar examente o porquê. A Força Sindical, da mesma forma, não se manifestou sobre o assunto. (Agências)

De olho no horizonte: prefeito estaria de mudança do DEM para o PMDB para preparar candidatura

CCJ mantém ministros vitalícios Proposta de impor limitação de mandatos foi barrada pelos senadores Mário Tonocchi

A

Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado rejeitou a proposta de limitar os mandatos de desembargadores e ministros dos Tribunais Superiores. A PEC 39/03, da senadora Serys Slhessarenko (PT/MT) alterava o sistema de composição dos tribunais determinando o fim dos cargos vitalícios. O senado aprovou parecer contrário à proposta do presidente da Comissão, Demóstenes Torres (DEM/GO).

O parecer foi analisado pelo plenário do Senado na última quarta-feira da semana passada e recebeu apoio dos senadores Eduardo Azeredo (PSDB/MG), Renato Casagrande (PSB/ES), Marco Maciel (DEM/PE), Antonio Carlos Júnior (DEM/BA), Antonio Carlos Valadares (PSB/SE) e Aloizio Mercadante (PT/SP). Mesmo sendo uma proposta petista, o senador Mercadante disse, em discurso no plenário, que as mudanças iriam interferir nas relações entre os poderes constituídos da República. Assim, não poderiam ser

aprovadas sem uma ampla discussão com o Judiciário. Votou contra a aprovação. O senador Eduardo Suplicy (PT/SP) tentou reverter a derrota no assunto. Apresentou voto em separado pela aprovação de um substitutivo à PEC 39. Para Suplicy, a proposta não afrontaria a garantia de independência do Judiciário ao fixar prazo de oito anos de mandato para desembargadores e para ministros dos tribunais superiores e de dez anos para ministros do STF. Pelo contrário, proporcionaria renovação nos quadros. (AE)


p Quilombolas: chuva, lama e frustração DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Antes, quando chovia como hoje, a gente ficava semanas sem ir à aula. Heloísa Dias, do quilombo São Pedro

olítica

Comunidade do Vale do Ribeira se decepciona ao saber do adiamento da visita do presidente para celebrar ponte que já é usada desde setembro Apu Gomes/ Folhapress

A

s crianças enlameadas, deitadas no c h ã o s o b re u m a toalha encardida, nem se abalaram. Mas suas mães e os outros locais que aguardavam a chegada do presidente Luiz Inácio Lula da Silva às margens do Rio Ribeira do Iguape soltaram aquela vaia quando o mestre de cerimônias anunciou que ele não viria para a inauguração da Ponte de Ivaropunduva. A chuvarada que inundava o lugar impedia que o helicóptero presidencial se aproximasse da área. Cerca de 500 pessoas compareceram às tendas armadas para receber a comitiva de Lula. A ponte já está aberta desde setembro, mas faltava ainda a cerimônia que a inaugurasse

de fato. E Lula fazia questão de cortar a fita, porque a obra foi promessa de sua campanha à Presidência da República em 1993. Assessores garantiram que ele estava muito triste por decepcionar o pessoal. "Nós entendemos, foi o tempo", resignava-se Maria José da Silva, garantindo que voltará ao local se Lula marcar nova data. Conquista – A ponte de 128 metros de extensão, que custou R$ 7,4 milhões e beneficia 200 famílias, liga o quilombo de Ivaropunduva, o mais antigo do Vale do Ribeira, à rodovia que dá acesso à cidade de Eldorado, onde estão as escolas, os hospitais, a estrutura, enfim. "Antes, quando chovia como hoje, a gente ficava semanas sem ir à aula, porque não conseguia atravessar o rio

Emerson de Freitas/AE

Moça fica à beira do altar: na Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, considerada patrimônio dos quilombolas, a decepção foi geral

de barquinho", lembra Heloísa Dias, do quilombo São Pedro, uma das comunidades beneficiadas. "Fora que pela ponte a gente pode escoar o excedente da produção", explica ela, referindo-se ao cultivo principalmente de banana. Alguns moradores disseram que essa era a segunda ou terceira vez que Lula marcava e não aparecia. A assessoria não confirmou a informação. O sol forte da véspera deu esperança à maioria, embora os mais antigos e sábios já tivessem avisado havia semanas que a lua cheia não permitiria a visita ilustre. E, de fato, Lula não apareceu. O prefeito da cidade, Donizete de Oliveira, agasalhou as vaias e o povo seguiu seu rumo, em ônibus, vans e carros atolados pela estradinha. África – Um dos pilares de atuação do presidente Lula a partir de janeiro, quando termina oito anos de mandato como chefe de Estado, será a África, o continente mais pobre do planeta. Gilberto Carvalho, chefe de gabinete do presidente, garante que uma das opções avaliadas é o estabelecimento do Instituto em um edifício que será alugado na região do Ibirapuera, em São Paulo. "A ideia é depois adquirir o imóvel. O local será usado de memorial e também como plataforma política", explicou. "Internamente, Lula deve acompanhar as reformas políticas no País. No exterior, seu alvo será a África", disse Carvalho, que explicou ao Vaticano os planos de Lula ao terminar o governo e que o interesse do presidente "foi muito bem recebida pela Santa Sé".

Apu Gomes/ Folhapress

Expectativa em torno da visita de Lula (acima) congestiona estradas da região Espera para ver o presidente frustrou moradores do Vale do Ribeira (ao lado). Não foi a primeira vez que ele prometeu e não foi.

A busca pela África não tem apenas motivos caritativos. Com 53 países, o continente é fundamental para uma eventual votação para determinar futuros membros do Conselho de Segurança da ONU. Com

minérios e recursos naturais ainda inexplorados, o continente também é uma promessa de lucros para empresas como a Vale e a Petrobras. Unasul – A presidenta eleita, Dilma Rousseff, vai partici-

par do jantar em homenagem a Lula oferecido pela União das Nações Sul-Americanas (Unasul) na quinta-feira, na Guiana. Não se sabe se Dilma participará da reunião da Unasul, no dia seguinte. (AE/ABr)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 23 de novembro de 2010

c

idades

9

CÍRCULO VICIOSO A rotina das invasões de imóveis por movimentos de sem-teto é marcada por um círculo vicioso: invasão-reintegração de posse-nova invasão. Em SP, o déficit de moradias é crescente. ACSP repele invasões e defende programas populares.

Fotos de Luiz Prado/Luz

Prédio invadido está pichado: depois de amanhã, cerca de 600 pessoas terão de deixá-lo por força da lei

Crianças e mulheres são maioria no grupo. Movimento aceita apenas famílias. Moradores de rua são vetados.

Em SP, invasores já ocupam pelo menos 60 imóveis

Sem elevador, invasores levam a água pela escadaria

Roupa em varal improvisado no interior do prédio

Esse número ainda é oficioso e refere-se ao Centro expandido da cidade. Mas é com base nele que novas invasões são planejadas e executadas por grupos organizados em São Paulo. Depois de amanhã, a Justiça cumprirá ação de reintegração de posse em edifício invadido em outubro, no número 905 da avenida Ipiranga. Cerca de 600 pessoas, a maioria mulheres e crianças, serão removidas, o que deve incentivar novas invasões. Para acabar com esse círculo vicioso, a ACSP prega a criação de moradias populares, o que encaminha soluções e preserva a propriedade privada.

Osmar Dias Silva, coordenador da FLM: segundo ele, de dez mil integrantes, 3,5 mil participam ativamente das ocupações

Ivan Ventura

D

epois de amanhã, será executada uma ação de reintegração de posse no edifício de número 905 da avenida Ipiranga, no Centro. De seus 15 andares deverão ser removidas cerca de 600 pessoas. O grupo integra o movimento Frente Luta pela Moradia (FLM). O saldo dessa ocupação, iniciada no dia 3 de outubro, já é conhecido. De um lado, termina o sonho de pessoas que acham ser possível conseguir a casa própria na marra. De outro, grupos organizados que alimentam esses sonhos, partem para novas invasões. Apenas no Centro expandido da Capital, cerca de 60 imóveis estão invadidos. O vice-presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), Roberto Mateus Ordine, afirmou que a entidade defende a criação de moradias para populações carentes, mas é contra a ocupação de prédios particulares, uma atividade ilegal. "O problema é que eles (os coordenadores dos movimentos) usam famílias e crianças em suas ações e isso é um crime. É preciso resolver o problema da falta de moradia, mas sem prejudicar os proprietários dos imóveis invadidos", disse Ordine. Números oficiosos – Outra preocupação da ACSP é o aumento do déficit de moradias. Na Capital, segundo a Companhia Metropolitana de Habitação (Cohab), existem cerca de um milhão de pessoas cadastradas em programas de habitação. No Estado, são quase seis milhões. Uma parte desse contingente segue para os movimentos pela moradia e, fatalmente, vai parar nas ocupações. Quantas são essas pessoas e quantas são as ocupações? Essas respostas ainda carecem de um número oficial, que é desconhecido da Prefeitura, do governo do Estado e do Ministério das Cidades. Números – O único dado disponível vem dos próprios organizadores das invasões e, por isso mesmo, pouco confiável. Mas é com esse número que se trabalha. Segundo Sidney Antonio Euzébio Pita, coordenador em São Paulo da União dos Movimentos de Moradia, existem de 15 a 20 edifícios

invadidos no Centro expandido de São Paulo. Se forem consideradas as invasões chamadas de "irregulares", esse número sobe para 60. "Os 'irregulares' são pessoas que querem ocupar esses espaços sem intenção de reformá-los, construir ou pagar por essas moradias. Os 'irregulares' teriam ocupado de 30 a 40 imóveis no Centro expandido", disse Pita. A Frente de Luta reivindica a ocupação de 8 prédios e 4 casa-

rões. "Dez mil pessoas estão ligadas ao nosso movimento. Dessas, 3,5 mil participam ativamente das ocupações", disse o coordenador da FLM, Osmar Silva Borges. Potencial – Um dos argumentos usados em favor das ocupações é a quantidade de prédios vazios na cidade e que poderiam ser transformados em habitações populares. Líderes dos movimentos afirmam que existe um potencial de criação

de 400 mil novas moradias. Parte delas estaria no Centro, que abrigaria centenas imóveis prontos, mas vazios. Estimam 400 imóveis nessas condições. Há poucos dias, a Prefeitura paulistana decidiu desapropriar 53 desses imóveis (80% deles nos distritos da Sé e República, segundo recente levantamento da USP) e que serão transformados em 2.500 unidades habitacionais. Riscos – Na semana passada, o

Paulo Pinto/AE

ACAMPAMENTO – Sob a liderança da Frente Luta pela Moradia, moradores sem-teto se alojaram ontem em frente à Câmara Municipal, após serem retirados de uma praça onde estavam acampados.

Diário do Comércio esteve na ocupação promovida pela FLM, na avenida Ipiranga, e acompanhou parte da rotina do grupo, às vésperas de uma reintegração de posse. As condições de vida na ocupação são precárias e põem em risco a vida de adultos e das 379 crianças que vivem no local. Logo na entrada (controlada por seguranças do movimento), fica evidente o primeiro problema nesse prédio 15 andares: a falta de elevador, obrigando os ocupantes a usar as escadas. Nos corredores, a luz vem de ligações clandestinas. A água para quase 600 pessoas vem apenas de uma torneira. Para o banho, apenas um chuveiro. Por isso, a higiene pessoal é controlada por horários rígidos. A água para os apartamentos sobe em baldes, pelas escadas, nas costas dos invasores. Doações – As refeições acontecem na cozinha comunitária, mas existem casos de cozinhas individuais. O cardápio varia de acordo com as doações conseguidas pelo movimento no Mercado Municipal. Para alimentar as quase 600 pessoas são necessários de 25 a 30 quilos de arroz por dia. No grupo, as responsabilidades são divididas. Cada dia, o trabalho é desenvolvido por quatro pessoas de um andar. No dia seguinte, são mais quatro pessoas de outro andar – e assim sucessivamente. Na ocupação da avenida Ipiranga foi montada uma creche e um salão de beleza que funcionava às quintas-feiras, das 9h às 16h. Depois de amanhã, com o cumprimento da reintegração de posse, o salão não deverá funcionar. Regras –Barulho depois das 22h não é tolerado. Há pessoas do movimento que controlam essa e outras regras. Uma delas é curiosa. "Moradores de rua não entram na nossa ocupação. Eles não se adequam às regras do movimento. Eles reclamam, mas não permitimos", disse Eliete Cruz, coordenadora do FLM e que participa da ocupação na avenida Ipiranga. "A presença destas pessoas (os invasores) serve para mostrar as dificuldades que elas enfrentam ao tentar comprar um imóvel. Por causa da baixa renda, ninguém consegue entrar em financiamentos. Sobram os programas habitacionais e suas filas imensas", disse Borges, do FLM.

Mulheres e crianças são maioria

M

ulheres e crianças são maioria na ocupação do edifício da avenida Ipiranga (e em outras do centro de São Paulo). Na Frente de Luta pela Moradia (FLM), a presença feminina representa 70% do total. Entre as mulheres, a maior parte é mãe solteira e ganha de um a três salários mínimos. Uma delas é Jeane Marinho, de 35 anos, há três na FLM. No dia 15 ela foi mãe pela terceira vez. E por pouco a criança não veio ao mundo no prédio ocupado. Ao sentir as primeiras dores, gritou por ajuda e foi levada a um hospital. Na quinta-feira passada, Jeane estava de volta com a pequena Kethellyn no colo. Agora ela tem três filhos: Kethellyn, Shirley, de 10 anos, e Roberto, de 12. "Tomara que meus filhos tenham mais sorte e consigam uma casa no futuro", disse Jeane. Durante o dia, mulheres casadas ou com companheiros, como é o caso de Jeane, passam o dia cuidando das crianças e realizando os afazeres domésticos. Há revezamento entre elas no único tanque de lavar roupas. Nos momentos de descanso, deixavam as crianças numa creche improvisada. Lá, os filhos apenas desenham e brincam. Na invasão da avenida Ipiranga não existe um espaço similar para os homens. "Aqui elas representam a realidade verificada pelos institutos de pesquisa: são responsáveis pela família, sustentam os filhos e o próprio marido", afirmou o coordenador da FLM, Osmar Silva Borges. (I.V.)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10

c

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Overbooking zero é impossível para empresas com reserva de passagens. Respício Espírito Santo, especialista em aviação

idades

Anac lança pacote para evitar caos aéreo Empresas aéreas estão proibidas de praticar "overbooking" durante as festas de fim de ano e devem manter aviões de prontidão nos aeroportos, em caso de emergência

A

Agência Nacional tir que haverá lugar nos voos de Aviação Civil que estão saindo", afirma. (Anac) anunciou Fiscais – Segundo Solange, ontem a proibição em caso de cancelamento a emda venda de passagens além da presa que vendeu o bilhete decapacidade das companhias aé- ve providenciar a recolocação reas (overbooking) e determi- do cliente em um voo de outra nou que as empresas endossem companhia. Se o passageiro bilhetes emitidos por concor- não for atendido, deve procurentes, em casos de cancelamen- rar um fiscal da Anac. Ao todo, to do voo. As medidas são parte a agência vai colocar 120 prodo esforço para tentar evitar a fissionais nos 11 principais aerepetição do caos nos aeropor- roportos do País. tos do País em dezembro, quanO especialista em aviação do milhões de brasileiros de- Respício Espírito Santo, da Covem lotar os terminais por causa ordenação dos Programas de das festas de Natal e réveillon. Pós-Graduação em EngenhaO plano foi fechado em reu- ria da Universidade Federal nião com as seis maiores com- d o R i o d e J a n e i r o ( C o ppanhias aéreas do País, além pe/UFRJ), é cético quanto à da Empresa Brasileira de In- proibição de overbooking. fraestrutura Aeroportuária "Overbooking zero é impossí(Infraero), Povel para emlícia Federal presas que tra(PF), Receita balham com Federal e Desistemas de É diferente de partamento de reserva de outras épocas. Controle do passagens", Espaço Aéreo explica. Neste período, a (Decea). A P u ni ç õ es – taxa de ocupação ideia é que toA presidente vai para o máximo e dos atuem da Anac afirquase não conjunto para mou que as sobra espaço. diminuir os empresas que transtornos. d e s c u m p r iSOLANGE VIEIRA, DA ANAC A presidenrem o acordo te da agência, poderão ser Solange Vieira, estimou que a punidas com restrição a novos taxa de ocupação dos voos na voos e fretamentos. segunda quinzena de dezem"Pode-se congelar autorizabro ficará entre 90% e 95%. "É ções de voo e não permitir frediferente de outras épocas em tamentos", disse Solange. Ela que, se a pessoa perdia o voo, afirmou que também há a posconseguia-se realocar mais fa- sibilidade de aplicação de cilmente. Neste período, a taxa multa para essa prática, mas de ocupação vai para o máxi- considera as restrições como mo e quase não sobra espaço", punições mais fortes. A Anac também estabeleceu disse. Ela afirmou também que o número de embarques e de- que as empresas deverão ter sembarques chegará a 14 mi- aviões-reserva para o caso de problemas. Juntas, TAM, Gol, lhões em dezembro. Apesar do compromisso de Azul, Webjet, Avianca e Trip se endossar bilhetes das concor- comprometeram a deixar 17 rentes, o diretor de Relações aviões de prontidão. Espírito Santo põe em dúviInstitucionais da Gol, Alberto Fajerman, admite que não é da esse compromisso. "O leapossível garantir a realocação sing de uma aeronave custa de todos os passageiros que entre US$ 200 mil e US$ 300 mil precisarem. "A realocação vai por mês. Se as companhias esocorrer quando um avião não tão em alta temporada, como conseguir decolar e houver ou- podem se dar ao luxo de deixátro decolando no mesmo mo- las (de prontidão)?", questiomento. Mas não dá para garan- na. (AE)

Wilton Junior/AE

Solange Vieira (à esq.) na reunião realizada ontem. Anac promete restringir novos voos e fretamentos caso as determinações não sejam cumpridas.

TAM nega bilhetes acima da capacidade Empresa teria vendido passagens em excesso para o mês de dezembro. Aeronautas ameaçam greve. Wilton Junior/AE

O

presidente da TAM, Líbano Barroso, afirmou ontem que a empresa não vendeu passagens acima da capacidade de seus voos para o período de festas de fim de ano. "Não tem excesso. Vendemos dentro do nosso limite, da nossa capacidade. Não tem nada fora da regulação", afirmou o executivo. De acordo com informações apuradas pela Agência Estado, ao menos uma grande companhia teria vendido cerca de 10 mil bilhetes acima da capacidade para os meses de dezembro e janeiro. Greve – Antes de deixar a sede da Anac, Barroso foi questionado sobre as negociações com os sindicatos de

aeronautas e vésperas do a ero v iá r i os , Natal e anoq u e a m e anovo. Mas çam entrar não acho que em greve. Ele há um clima se mostrou de insatisfaconfiante na ção", disse c o n c re t i z aFajerman. ção de um "Temos feito acordo, sem inúmeros necessidade movimentos de paralisapara atender ções. as reivindiO diretor cações dos de Relações f u n c i o n áLíbano Barroso: empresa não I n s t i t u c i or i o s " , c o mnais da Gol, vendeu passagens em excesso pletou o diA l b e r t o F aretor da Gol. jerman, também está confianBiocombustível – Um Airte em um entendimento. bus A320 da TAM fez um voo "Dissídio é um elemento de de 45 minutos na tarde de onpressão. Por ser dezembro, is- tem utilizando um biocomso é mais forte pois estamos às bustível de aviação produzi-

do a partir do óleo de pinhão manso. O avião experimental saiu do Aeroporto Tom Jobim, no Rio de Janeiro, e voou sobre o Oceano Atlântico, depois retornando ao aeroporto de origem. A biomassa vegetal, fonte do bioquerosene de aviação utilizado no voo experimental, é 100% nacional, oriunda de projetos de agricultura familiar e de fazendas de porte significativo do interior do Brasil que se dedicam à cultura pioneira do pinhão manso. O próximo passo é a implementação e operação de uma unidade de plantio de pinhão manso, em escala reduzida, no Centro Tecnológico da TAM em São Carlos (SP), segundo a TAM. (AE)

Keiny Andrade/AE

Receita Federal faz operação na 25 de Março

A

Receita Federal realizou ontem uma operação para apreender mercadorias ilegais em lojas e galerias na região da Rua 25 de Março, na região central de São Paulo (foto ao lado). O objetivo foi localizar lojas, depósitos ou salas de escritório com indícios de estarem sendo usados para estocar mercadorias falsificadas ou sem comprovação de entrada no Brasil. Cem servidores do órgão, com apoio de 80 policiais militares, cumpriram mandados de busca e apreensão em 170 estabelecimentos. (Agências)

Rio: bandidos fazem novo arrastão Bruno Gonzalez/AOG

T

rês veículos foram incendiados na manhã de ontem depois de cinco bandidos realizarem um arrastão no Trevo das Margaridas, próximo à junção da Avenida Brasil com a Via Dutra, em Irajá, subúrbio do Rio de Janeiro. Segundo informações do Corpo de Bombeiros, os três carros de passeio foram incendiados às 6h40. De acordo com a Polícia Militar, os criminosos barraram a via expressa e roubaram pertences dos motoristas antes de incendiar os veículos. Pelo menos cinco arrastões foram realizados desde sábado no Rio. No domingo, dois carros foram incendiados na Linha

Vermelha após serem abordados por bandidos que fecharam a via para realizar um arrastão. Na zona sul da cidade, bandidos usaram um carro roubado pouco antes em Laranjeiras para fechar a rua Fonte da Saudade, também na zona sul, onde roubaram mais vítimas. Tiros – Em Madureira, na zona norte, um suspeito morreu ontem durante troca de tiros com policiais militares. O tiroteio aconteceu durante uma operação da PM contra o tráfico de drogas no morro do Cajueiro. Segundo a PM, junto com o suspeito foram encontrados um rádio transmissor, uma pistola 9 mm, crack e cocaína. (AE)

Carro incendiado ontem na Avenida Brasil: cinco arrastões desde sábado


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 23 de novembro de 2010

11

AFP

nternacional

INTERFERÊNCIA Em convalescença após uma operação no joelho, o boliviano Evo Morales chega à conferência de ministros de Defesa das Américas, em Santa Cruz. No evento, o líder advertiu que a paz no continente continua ameaçada pela intervenção dos EUA.

Fotos: Chor Sokunthea/Reuters

Tumulto em festival na Camboja mata 339

U

Policiais examinam ponte onde ocorreu tumulto. Pelo menos 339 pessoas morreram na tragédia – a maioria delas pisoteada ou afogada.

ma multidão em pâ- sespero. Parte da multidão nico sobre uma pon- foi para uma ponte, que ente de Phnom Penh, tão ficou apinhada de gente, capital do Camboja, matou com pessoas pisoteando pelo menos 339 pessoas na outras ou sendo empurranoite de ontem (à tarde no das para as águas do rio. Brasil), e deixou outros 300 O primeiro-ministro camferidos durante o Festival da bojano, Hun Sen, pediu desÁgua, segundo autoridades culpas pelo desastre, qualie a imprensa local. ficando-o como "a maior O pânico teve início na pe- tragédia" a assolar o país quena ilha de Koh Pich, onde desde os campos da morte acontecia um show de músi- do Khmer Vermelho, na déca. Segundo cada de 1970. (Agências) testemunhas, a confusão começou quando cerca d e d e z p e ss o a s d e smaiaram, após serem prensadas pela multidão. As pessoas começaram a correr em de- Hospitais ficaram sobrecarregados com os feridos

Fotos: Ahmad Masood/Reuters

Bosworth: a bola de cristal dos EUA está turva. Enviado de Washington rejeita provocação da Coreia do Norte e pede diálogo. Jo Yong-Hak/Reuters

E

stados Unidos, Coreia do Sul e Japão acusaram ontem a Coreia do Norte de ser um perigo para a região, depois de o país ter exibido seus avanços mais recentes no enriquecimento de urânio, mas o governo norte-americano disse que ainda está aberto a negociações. O ministro da Defesa sul-coreano, Kim Tae-young, esquentou os ânimos ao deixar entender a possibilidade de reposicionar armas nucleares táticas dos EUA em resposta a Pyongyang, mas seu ministério rapidamente procurou abrandar sua declaração. Por sua vez, um porta-voz do governo japonês qualificou a novidade como "absolutamente inaceitável". A suposta identificação de mais de mil centrífugas no principal complexo nuclear norte-coreano parece confirmar que o país, que já possui uma bomba de plutônio, está a caminho de criar uma segunda fonte de material nuclear que poderia ser usada para a produção de bombas. Tudo isso acontece justamente quanto Pyongyang está pressionando as potências regionais a retomar as conversas sobre seu programa atômico – que representa praticamente seu único trunfo de barganhas

Meninos brincam na capital afegã. O país possui uma das maiores taxas mundiais de mortalidade infantil.

Bosworth espera retomar negociações, paralisadas há dois anos.

junto ao mundo externo. O enviado especial de Washington para Pyongyang, Stephen Bosworth, disse que a medida era provocativa, mas não era uma surpresa. "Esta é a mais recente em uma série de medidas de provocação da RDPC. É um problema muito difícil, com o qual estamos nos esforçando para lidar há 20 anos", disse Bosworth a repórteres em Seul, referindo-se à Coreia do Norte por sua sigla. "Não é uma crise; não estamos surpresos," disse Bosworth, que está na primeira escala de um giro pela Ásia. "Minha bola de cristal está turva, mas eu jamais declararia que qualquer processo está morto", respondeu, indagado sobre as ne-

IMPUNIDADE Morre Samuel Kunz, o terceiro nazista mais procurado no mundo.

gociações entre seis países. "Temos a esperança de conseguir ressuscitar as conversações." O representante dos EUA declarou, no entanto, que o diálogo com a capital norte-coreana, paralisado há dois anos, só será retomado se o regime comunista comprovar o fim do seu programa nuclear. Washington se preocupa com a possibilidade de a Coreia do Norte – cuja economia devastada depende há muito tempo das exportações de armas – vender materiais para a produção de armas nucleares a outros países. Pyongyang já fez dois testes nucleares, e acredita-se que possua material suficiente para produzir várias ogivas nucleares. (Agências) PROTEÇÃO Israel inicia construção de barreira para fechar parte da fronteira com Egito

Ó RBITA

CASO SAKINEH

Ashtiani, cujo caso atraiu a atenção internacional depois de ela ser condenada a apedrejamento por adultério, disse o presidente do Conselho de Direitos Humanos do Irã, Javad Larijani, ontem. Larijani disse ao canal Press TV que a entidade que ele comanda "ajudou bastante a reduzir a sentença dela", elevando as chances da vida dela ser poupada. (Agências)

Pawel Kopczynski/Reuters

á uma boa chance de que o Irã desista de executar H Sakineh Mohammadi

ALERTA – O Reichstag, sede do Parlamento alemão, em Berlim, foi fechado ontem ao público depois que as autoridades receberam informações sobre um plano de extremistas islâmicos para atacar o local.

Cabul é mais seguro para crianças que Londres ou Nova York. MARK SEDWILL, DA OTAN

P

rovavelmente é mais seguro criar uma criança nas grandes cidades afegãs do que em lugares como Nova York ou Londres, na opinião de Mark Sedwill, o principal representante da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) no Afeganistão. O comentário de Sedwill, exembaixador do Reino Unido no Afeganistão, foi criticado por grupos humanitários, que lembraram dos perigos para as crianças em um país com a segunda maior taxa de mortalidade infantil do mundo. "As crianças estão provavelmente mais seguras aqui que estariam em Londres, Nova York, Glasgow ou em muitas outras cidades", disse Sedwill ao Children's BBC Newsround, popular noticiário da emissora britânica

destinado às crianças. Crianças moradoras de Cabul haviam dito ao apresentador do programa que se sentem inseguras nas ruas devido ao risco de bombas. Mas Sedwill minimizou o problema, ao afirmar que há "muito poucas dessas bombas" em Cabul e nas outras grandes cidades afegãs. "A maioria das crianças pode seguir suas vidas em segurança. É uma sociedade muito orientada para a família. Então, é um pouco como uma cidade de vilas", avaliou. Reação - As declarações foram descritas como enganosas pela Save The Children. A entidade lembrou as altas taxas de mortes em decorrência de doenças que poderiam facilmente ser evitadas, como pneumonia e diarreia.

O Afeganistão tem índices ruins de acesso à educação – especialmente entre garotas –, altas taxas de pobreza e há temores sobre a presença do trabalho infantil. "O Afeganistão é o pior lugar na terra para ser uma criança", afirmou o executivo-chefe da Save The Children, Justin Forsyth, segundo o site da BBC. "Uma em cada quatro crianças vivendo ali morrerá antes de completar 5 anos." Sedwill se defendeu dizendo que estava tentando explicar como a violência não estava no mesmo nível em todas as partes do Afeganistão e que em cidades como Cabul, onde a segurança havia melhorado, a violência era comparável à situação vivida por crianças no Ocidente. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

12 -.LOGO

Logo Logo

terça-feira, 23 de novembro de 2010

23

Homem passeia pelas ruas cobertas de neve da cidade de Altdorf, na Alemanha.

Karl-Josef Hildenbrand/AFP

www.dcomercio.com.br

NOVEMBRO

I NTERNET C A R T A Z

O filhote do Twitter vem aí

O

cofundador do Twitter, Biz Stone, anunciou que uma nova rede social deverá ser lançada em breve. Sua ideia é usar a vasta quantidade de informação que os usuários compartilham no popular serviço de microblog para criar uma rede social de notícias, disse ontem. A rede

de notícias do Twitter não seria operada pelo site, necessariamente, mas seria uma parceria entre o serviço de microblog e diversas outras organizações de notícias, além de ser um serviço aberto, afirmou Stone. "Desde o começo, parece um terminal de notícias de todos os cantos do mundo", disse Stone à

Reuters Television nos bastidores de um evento de tecnologia em Oxford. "Creio que o Serviço de Notícias do Twitter será algo muito aberto e compartilhado por diversas organizações de notícias em todo o mundo", afirmou. Os 174 milhões de usuários registrados do Twitter enviam cerca de 95 milhões de mensagens de até

140 caracteres por dia para o microblog. O site já compartilha as informações publicadas por seus usuários com os sites de busca Google, Yahoo e com o Bing, da Microsoft, mas Biz Stone afirma acreditar que muitas outras organizações de notícias teriam interesse em buscar um acesso mais especializado aos dados.

David Moir/Reuters

L EILÃO

Chá com a mãe do rei George I O bule de chá de porcelana da foto, que pertenceu à mãe do rei George I, da Inglaterra, Sofia, será leiloada na casa Bonhams de Londres amanhã. O bule data de 1713-1714 e tem valor estimado em cerca de 300 mil libras esterlinas, o equivalente a US$ 480 mil. Além de raro, o bule é um dos poucos artefatos existentes feito de porcelana Meissen na primeira metade do século 18.

Série The Pacific é lançada em DVD e Blu-ray em bate-papo com João Barone e outros entusiastas da Segunda Guerra Mundial. Livraria Cultura, Shopping Market Place. Av. Chucri Zaidan, 902, tel.: 3474-4033. 19h30.

M EIO AMBIENTE

Mais gás carbônico em 2010 organismo que reúne mais de 30 especialistas do clima - publicado ontem pela revista Nature Geoscience. Segundo o estudo, em 2010, estas emissões devem aumentar em mais de 3%, se as previsões de crescimento econômico de 4,8% se confirmarem. O estudo foi divulgado uma semana antes do início da grande cúpula da ONU sobre o clima em Cancún (México, de 29 de novembro a 20 de dezembro), que espera superar o fracasso de Copenhague e fundar uma política eficaz para lutar contra as mudanças climáticas.

L

O impacto da crise global de 2009 sobre as emissões mundiais de gás carbônico pelo uso de energias fósseis foi menor do que o esperado, já que a redução nos países industrializados foi compensada pelo forte crescimento da China e Índia. As emissões de CO2 por combustão de energias fósseis (petróleo, gás, carvão) chegaram a 30,8 bilhões de toneladas em 2009, ou seja, uma queda de apenas 1,3% em relação a 2008, um ano recorde. A informação é de um estudo, realizado pelo Global Carbon Project (GCP) -

Suzanne Plunkett/Reuters

LANÇAMENTO

E M

ESPUMANDO - Estudantes da Universidade St Andrews, na Escócia, participam da "guerra de espuma". Pela tradição, além de ficarem todos ensaboados, os calouros da universidade presenteiam os veteranos com vinho.

Patrick Pleul/AFP

M ÍDIA

Murdoch terá jornal para iPad

T RÂNSITO

L

NA MIRA - Caçador aponta seu rifle contra uma caça na cidade de Sieversdorf, na Alemanha. O mês de novembro é o principal período para caçadas legais na região leste do país europeu.

Depois de meses de trabalho em segredo, aproxima-se a hora em que o grupo News Corporation, de Rupert Murdoch, apresentará seu jornal especialmente desenhado para o tablet eletrônico iPad da Apple, The Daily. Segundo o jornal norte-americano The New York Times, que citou dois colaboradores do grupo que preferiram não ter o nome divulgado, o jornal pode ser lançado antes do final do ano, ou no começo de 2011. Entre os editores que teriam sido convidados para o projeto estão Sasha Frere-Jones, da revista The New Yorker, Jesse Angelo, chefe de redação do New York Post e Greg Clayman, ex-Viacom.

Nikolay Doychinov/AFP

ESTREIA Dois filhotes de leão foram mostrados ao público ontem no zoológico de Sofia, na Bulgária. Eles nasceram em outubro e ainda não têm nomes.

Dá tempo de passar Você chega ao semáforo amarelo e pergunta: dá tempo de passar? Com esse novo tipo de semáforo, que imita uma ampulheta, a resposta estará bem á sua frente. Você visualiza o tempo que durará cada fase da sinalização. www.yankodesign.com/2010/11/18/sands-of-traffic-times/

França comemora centenário de Genet

WikiLeaks terá mais dados secretos

A França realiza hoje no Teatro Odéon, em Paris, um espetáculo em homenagem ao centenário de seu polêmico escritor Jean Genet (1910-1986). Apresentado pela atriz Jeanne Moreau, que foi amiga do autor, e pelo cantor pop Étienne Daho, o espetáculo é a encenação de O Condenado à morte, um longo poema de amor escrito por Genet em 1942, quando cumpria pena por roubo na prisão de Fresnes, periferia de Paris. O espetáculo estará em cartaz por cinco dias.

O site WikiLeaks anunciou ontem que em breve divulgará dados sete vezes mais volumosos do que os 400 mil documentos publicados sobre a guerra no Iraque. O tema e o dia da publicação não foram especificados. "Pressão intensa há vários meses. Ajuda a nos manter fortes", afirma o Wikileaks. O anúncio acontece quando o cofundador e redatorchefe de Wikileaks, o australiano Julian Assange, é alvo de um mandato de prisão internacional lançado pela Suécia como parte de uma investigação por estupro.

Só para mulheres? A propaganda machista diz que esta é uma ferramenta para mulheres, mas é pouco provável que os homens não a prefiram a qualquer outro tipo de macaco para automóveis. Desenhado pelo estudante Remi van Oers, ele infla sozinho e assim levanta o carro para a troca do pneu. Fácil, não?

A TÉ LOGO

Banhos romanos em Jerusalém Uma equipe de arqueólogos israelenses anunciou ontem o descobrimento de uma casa de banhos romana de 1.800 anos, provavelmente utilizada pelos soldados da décima legião que tomaram Jerusalém no século II a.C. Os restos arqueológicos, que datam entre os séculos II e III a.C., foram achados durante escavações no bairro judaico para a construção de um moderno "Mikve" (banho ritual judeu). O descobrimento é muito importante, ressalta no comunicado o professor Yuval Baruch, da AAI, porque "ainda não se tinha encontrado no bairro judaico (da Cidade Antiga) nada que pertencesse à legião romana. L OTERIAS Concurso 585 da LOTOFÁCIL

www.remivanoers.nl

L

C ONFIDENCIAL

L

L ITERATURA

A RQUEOLOGIA

01

05

07

08

09

10

13

14

15

16

17

18

20

223

24

Acesse www.dcomercio.com.br para ler a íntegra das notícias abaixo:

Empresa brasileira desenvolve catraca contra a ação de cambistas Corinthians já começa a montar o time para a Libertadores de 2011

Concurso 2453 da QUINA 24

25

55

62

69


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 23 de novembro de 2010

e

13 FINANÇAS O Banco Central se associou à Aliança para Inclusão Financeira (AFI).

conomia

HOTELARIA A rede BHG S.A. pretende investir R$ 600 milhões no Brasil até 2015.

Operadoras deflagram ação antipane para o Natal Redecard e Cielo fazem investimentos e preparam medidas para garantir transações Neide Martingo

S

e por um lado o aquecimento da economia nacional gera a garantia de bons negócios neste Natal, por outro, exige o investimento em produtos e serviços. Todos os segmentos se preparam para a temporada de vendas de fim de ano. E com a indústria de cartões não é diferente e tem ainda um agravante. O fim do monopólio aumentou a concorrência e as operadoras têm que mostrar eficiência para agradar e fidelizar os lojistas. Apenas no mês de dezembro, poderão estar em circulação cerca de 628 milhões de plásticos. Dados da Associação Brasileira dos Cartões de Crédito e Serviço (Abecs) indicam que

em 2010 o número de transações vai chegar a 7,1 bilhões, crescimento de 17% em comparação ao ano passado. O faturamento das empresas deve atingir R$ 534,7 milhões, alta de 20% em relação a 2009. Quem trabalha no varejo ainda se lembra da confusão que aconteceu no dia 24 de dezembro do ano passado. O sistema da Redecard apresentou uma pane que impossibilitou que comerciantes aceitassem pagamentos com os cartões da operadora. Na época, a empresa divulgou que houve um problema no processamento. De acordo com o presidente da Redecard, Roberto Medeiros, isso é coisa do passado. Ele disse que só em tecnologia a

operadora investiu, até outubro, R$ 200 milhões. Em todo ano de 2009, o montante chegou a R$ 136 milhões. "A expectativa é de que o varejo tenha alta nas vendas de 10% neste fim de ano em relação a igual período de 2009. Estamos preparados para suportar um movimento cinco vezes maior do que esse. Os empresários não terão problemas em 2010", afirmou. "Entre julho e setembro, o número de chamadas registradas no call center foi três vezes maior do que o verificado no ano passa-

do. A partir do dia 3 de dezembro, aproximadamente 500 pessoas estarão trabalhando diretamente no atendimento ao lojista". Medeiros disse que as dúvidas, depois do dia 1º de julho, aumentaram em razão das novidades do setor. Só o call center recebeu um investimento de R$ 40 milhões, total que inclui também a aquisiç��o de novas "maquininhas" e a reposição de unidades no comércio. "Neste ano, o lojista não terá dificuldades", disse o executivo. A Cielo também está com

tudo pronto para que os comerciantes possam fazer as vendas sem nenhum entrave. "Do total de operações no ano passado, 100% foram concretizadas, em razão da disponibilidade na rede. As datas que demandam mais movimento têm prioridade. Neste Natal não será diferente", disse o vice-presidente de tecnologia e operações da companhia, Paulo Guzzo. Ajuda extra – Ele afirma que o trabalho de 50 pessoas da empresa – em conjunto a outras 60 das companhias

parceiras, como HP, IBM e Tivit – será voltado às ações de fim de ano em áreas como data center e call center. "Ou seja, vai garantir que a rotina das compras seja tranquila tanto para lojistas quanto para consumidores." Ainda segundo Guzzo, o movimento no call center da Cielo cresceu 30% depois do fim do monopólio no segmento em relação a igual período do ano passado (entre julho e outubro). Atualmente, o volume é de aproximadamente 1,5 milhão de chamadas por mês.

Fotos: Paulo Pampolin/Hype

Pessoas aguardam para limpar nome. Roseli Garcia, do SCPC, (acima) e uma das beneficiadas (à direita), a médica Lilian Oliveira.

Rejane Tamoto

A

médica Lilian Oliveira emprestou o cartão de crédito para o irmão comprar um celular, mas ele não pagou a fatura de cerca de R$ 800, há dois anos. Os juros acumulados fizeram o valor da dívida alcançar R$ 2 mil. Com o nome no cadastro de inadimplentes, a médica conseguiu 80% de desconto para saldar a dívida junto ao Itaú Unibanco ontem, no primeiro dia do evento Acertando suas Contas, promovido pelo Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC), no Pateo do Collegio, no centro de São Paulo. Em um grande estande, a área de cartões de crédito do Itaú Unibanco, Casas Bahia, Credicard Citi, NET, Pernambucanas e Vivo ofereceram condições diferenciadas de prazos e descontos para o pagamento de dívidas. O estande permanece aberto até sexta-feira, das 8h30 às 20 horas. A partir da semana que vem e até o dia 22 de dezembro, as empresas manterão as condi-

ções especiais de pagamento de dívidas em seus estabelecimentos ou por meio de atendimento por telefone. O movimento de consumidores foi grande nas primeiras horas de ontem e a sala de espera com capacidade para 80 pessoas ficou lotada. A expectativa é que 2 mil pessoas passem por dia no estande. Segundo a superintendente de Produtos e Serviços do SCPC, Roseli Garcia, o objetivo é aproveitar essa semana quando os consumidores recebem o décimo terceiro salário. "É o momento para liquidar as dívidas, sair do sistema e iniciar novas prestações, seja para comprar os presentes de Natal, para renovar os móveis ou os eletrodomésticos da casa." Orientação – Além de renegociar dívidas em atraso, os consumidores também receberam cartilhas de orientação para o consumo consciente. A superintendente afirma 200 mil cartilhas serão distribuídas para orientar o público a evitar novas pendências financeiras. Uma das dicas, disse Roseli, é não deixar que as dívidas com prestações ultrapassem 30% do

valor da renda mensal. Para quem não está acostumado a lidar com instituições financeiras, ela aconselhou ter cautela. "O consumidor de baixa renda, que começa a usar o banco, deve preferir o carnê que tem parcelas fixas. E tomar cuidado com a sedução do mercado que oferece crédito e cartões." De acordo com a superintendente, o evento traz benefícios para os dois lados. O consumidor pode regularizar a situação de crédito e voltar a consumir. As empresas têm a chance de ter uma injeção de recursos a partir da recuperação da dívida. "Ainda dá tempo para as empresas entrarem na campanha. Basta que se cadastrem e paguem uma taxa para receber o material de divulgação e de comunicação", afirmou. Contas em dia – Quem disse ter aprendido a controlar as despesas foi o ajudante de limpeza Evandro de Souza Novaes. Pai de quatro filhos, ele recebe um salário-mínimo por mês e aproveitou o final do ano para quitar uma dívida com a Casas Bahia. Novaes tinha uma pendência de R$ 219 desde 2007 quando

comprou uma máquina para cortar cabelo e um aparelho de DVD. "Na época fiquei desempregado e, agora, consegui desconto para pagar R$ 90 por mês." O plano do ajudante é quitar outras dívidas dessa época e empenhar a renda apenas na construção de sua casa em Itaquaquecetuba, na zona leste. O motorista Carlivaldo Chagas dos Santos disse que conseguiu um acordo tão bom com a NET que nem precisará usar o décimo terceiro salário para limpar o nome. As dívidas começaram em março de 2009 quando ele mudou de casa. Durante o evento, Santos fez um acordo e o valor pelos serviços de TV por assinatura e de internet banda larga caiu de R$ 120 para R$ 55. A conta de telefone, também em atraso, teve o valor reduzido de R$ 290 para R$ 175,53. "Não me senti lesado. Vou pagar amanhã", disse.

DC

Contas certas, crédito liberado.

os de

19 ane Conforto! te

in Requ

Visite nosso site e verifique nossas acomodações.

www.asturiasmotel.com.br

Acertando suas Contas A empresa que quiser participar

Fone: 11 3816-6689

da campanha deve ligar para o SCPC: (11) 3244 3030.

asturias@asturiasmotel.com.br Avenida Nações Unidas, 7.715 - Pinheiros - São Paulo/SP


14 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

COMÉRCIO

terça-feira, 23 de novembro de 2010


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 23 de novembro de 2010

e

15 A CPMF não é necessária. O Brasil precisa, sim, de um ajuste nas contas públicas. Roberto Mateus Ordine, vice-presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP)

conomia Fotos: Luiz Prado/LUZ

Leão já devorou R$ 1,1 tri do contribuinte Ritmo da arrecadação cresce ano após ano e deve fechar 2010 com o recorde de R$ 1,378 trilhão. Silvia Pimentel

A

pouco mais de um mês para terminar o ano, a arrecadação de tributos atingiu ontem a marca de R$ 1,100 trilhão no Impostômetro, painel eletrônico que mede em tempo real, desde 2005, o montante de impostos, taxas e contribuições que entra nos cofres públicos das três esferas de governo desde o início do ano. Nesse ritmo, União, estados e municípios vão fechar 2010 com uma arrecadação recorde de R$ 1,378 trilhão. No ano passado, os brasileiros pagaram R$ 1,090 trilhão em impostos. "A prova de que o País não precisa de aumento de tributos é que toda a arrecadação de 2009 já foi atingida em novembro. Portanto, a CPMF não é necessária. O Brasil necessita, sim, de um ajuste nas contas públicas", disse o vice-presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), Roberto Mateus Ordine. O econo-

mista da entidade, Marcel Solimeo, concordou. "Está na hora de o governo controlar seus gastos e usar os recursos com eficiência", completou. A Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) foi extinta em 2007 e deixou de ser cobrada em 2008. Porém, recentemente, o governo Federal demonstrou disposição de retomar a contribuição. A ACSP e a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio) já se mobilizam contra o possível retorno da cobrança. Destino incerto – Há exatamente um ano, o Impostômetro registrava a cifra de R$ 951,43 bilhões. Mesmo sem a CPMF houve aumento na arrecadação. Com os R$ 200 bilhões adicionais previstos para entrarem nos cofres públicos neste ano seria possível construir, por exemplo, 9,7 milhões de casas populares. O dinheiro também poderia ser destinado à construção de 2,5 mil quilômetros de redes de esgoto ou, ainda, asfaltar mais de 200 mil

Impostômetro registrou ontem R$ 1,100 trilhão, superando, inclusive, o total arrecadado ao longo de todo o ano de 2009, de R$ 1,090 trilhão.

quilômetros de estradas. As utilizações possíveis, e justas, das receitas tributárias são calculadas pelo Impostômetro e podem ser acompanhadas no site www.impostometro.org.br. Hoje, a Receita Federal do Brasil (RFB) vai divulgar o resultado da arrecadação de outubro, referente aos impostos e contribuições federais. Será um novo recorde para o mês, conforme adiantou o secretário do órgão, Otacílio Cartaxo. Um dos motivos para o bom resultado é o recolhimento trimestral do Imposto de Renda (IR) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL). Para o último trimestre, o fisco trabalha com projeção de expansão real entre 10% e 12%, na comparação com 2009.

Tabela do IR mantém benefícios

O

s contribuintes pessoas físicas que preencherão a declaração do Imposto de Renda (IR) em 2011 continuarão com os benefícios fiscais da correção da tabela progressiva mensal aplicados no ano anterior. Os benefícios foram estabelecidos pela Medida Provisória (MP) 340, editada em 2006 com o objetivo de corrigir parte das perdas da renda dos trabalhadores com a inflação. Com isso, a tabela progressiva mensal do IR passou a ser corrigida em 4,5% a partir da declaração de 2008 (ano-calendário 2007). Posteriormente convertida na Lei 11.482, foram incluídas duas novas alíquotas na tabela do IR: uma de 7,5% e outra de 22,5%. Assim, com as alterações passou-se a ter uma faixa de isenção e quatro alíquotas: 7,5%, 15%, 22,5% e 27,5% mantendo-se a correção de 4,5% na tabela progressiva mensal no período. Para as declarações de 2012, a tabela a ser usada pelos contribuintes será a mesma que servirá de base para as declarações entregues em 2011 e assim sucessivamente. Isso por-

A

que a Lei 11.945, de 2009, alterou alguns incisos da legislação anterior e estabeleceu uma última tabela a ser utilizada a partir das declarações preenchidas em 2011, ano-calendário 2010. Uma outra mudança a partir de agora, com mais correções, dependerá de elaboração de uma nova lei. Malha Fina – A Receita Federal já abriu a consulta ao lote residual do IRPF (Imposto de Renda Pessoa Física) 2007. Do total de 43.885 contribuintes, 18.450 tiveram imposto a pagar, somando R$ 101,5 milhões. Outros 9.988 terão direito à restituição de R$ 16,7

milhões. E outros 15.447 contribuintes não tiveram imposto a pagar ou restituir. O valor estará disponível para saque na rede bancária a partir do próximo dia 24 e terá correção de 37,26%, correspondente à variação da Selic no período. Para saber se teve a declaração liberada, o contribuinte deve acessar a página da Receita ou ligar para o Receitafone (146). Se o valor não for creditado, o contribuinte pode contatar pessoalmente qualquer agência do Banco do Brasil (BB) ou ligar para a central de atendimento do banco. (Agências)

EIs somam quase 740 mil

2ª Semana Nacional do Empreendedor Individual elevou em 60% o número de formalizações diárias de trabalhadores. O evento, organizado pelo Serviço de Apoio às Micro e pequenas Empresas (Sebrae), formalizou 28.863 trabalhadores autônomos entre os dias 15 e 20 de novembro. A cada dia foram atendidas 4,8 mil pessoas. Paulo Okamotto, presidente do Sebrae, lembra que no início do ano havia cerca de 64 mil Empreendedores Individuais (EI), sendo que hoje são cerca de 740 mil. A meta do Sebrae é chegar a 1 milhão de empreendedores formalizados. Para isso, Okamotto defende o maior apoio

das entidades parceiras, em especial, das prefeituras municipais e governos estaduais. Com o acréscimo da última semana, o Sebrae alcançou 74% da meta estabelecida para ser atingida até dezembro deste ano. Das 27 unidades da federação, nove já ultrapassaram a meta de formalizações. O melhor resultado foi alcançado por Roraima, que cumpriu 161% da meta. Em seguida, aparecem o Distrito Federal (161%), Tocantins (132%), Espírito Santo (119%) e Rio de Janeiro (117%). Também chegaram ao objetivo Mato Grosso (114%), Mato Grosso do Sul (111%), Acre (106%), Goiás (103%) e Rondônia (102%). O objetivo da 2ª Semana Na-

cional do Empreendedor Individual foi tirar dúvidas e promover facilidades para a formalização dos trabalhadores. A 1ª Semana Nacional do Empreendedor Individual foi realizada no fim de outubro e regularizou 46 mil trabalhadores por conta própria. Para tornar-se um EI o trabalhador autônomo tem de faturar, no máximo, R$ 36 mil por ano e não pode ter mais de um empregado. Formalizado, o EI paga no máximo R$ 62,10 por mês de imposto. Ele ainda passa a ter a possibilidade de acesso a crédito com juros mais baratos, além de cobertura da Previdência Social, com direito a aposentadoria e outras vantagens. (Agência Sebrae)

Diante do montante arrecadado, Ordine e Solimeo questionam a necessidade da retomada da CPMF.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

16

e

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Pesquisa Focus aponta manutenção da expectativa de alta de 7,6% no PIB brasileiro em 2010. Para o ano que vem, aposta é de 4,5%.

conomia

Menos confiança na indústria Indicador da CNI mostra ligeiro recuo no otimismo dos empresários em novembro, mas ainda supera média histórica. Tânia Rego/LUZ

O

Índice de Confiança do Empresariado Industrial (Icei) caiu pelo terceiro mês consecutivo e chegou a 62 pontos em novembro, de acordo com dados divulgados ontem pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Em uma escala de zero a 100 pontos – onde valores acima de 50 pontos indicam otimismo por parte dos entrevistados –, o indicador recuou 0,8 ponto em relação ao mês anterior, com recuos em todos os portes de empresas. Segundo o documento, os empresários mostraram perda de confiança principalmente em relação às condições atuais da economia, cuja variável recuou 1,4 ponto em novembro. Já o índice de expectativas para os próximos seis meses caiu de 65,9 pontos para 65,1 pontos no mesmo período. De acordo com a CNI, apesar de acumular queda de 6,7 pontos em relação a janeiro deste ano, quando atingiu o maior patamar desde a sua criação, o Icei ainda está acima de sua média histórica, de 59,6 pontos. Dinamismo – Quando analisada somente a indústria de transformação, a queda do índice em novembro foi de 1,4 ponto, para 60,6 pontos. Já os indicadores relativos às indústrias extrativa e da construção civil registraram alta no mês, de 1,9 ponto e 0,6 ponto, respectivamente. "O Icei dos três segmentos industriais pesquisados está acima de 60 pontos, o que realça o otimismo da indústria", afirmou o documento. Mesmo com queda recente, 18 dos 26 setores pesquisados mantêm-se com otimismo acima de suas médias históricas. Dentre eles, setores cujo indicador está quatro pontos acima da média, como as indústrias de outros equipamentos de transporte, plástico, minerais nãometálicos, edição e impressão, calçados, móveis e vestuário. (AE)

Focus: IPCA mais alto.

O

mercado financeiro elevou sua expectativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 2011 pela segunda semana seguida, de 5,05% para 5,15%, na pesquisa Focus do Banco Central (BC) divulgada ontem. Há quatro semanas, a mediana das previsões estava em 4,98%. Para 2010, a trajetória foi idêntica, e a mediana das previsões avançou de 5,48% para 5,58%. Mas o mercado manteve suas estimativas para o comportamento do juro básico da economia no próximo ano, em 12%. Dessa forma, analistas apostam que o juro deve subir 1,25 ponto percentual no decorrer do primeiro ano do governo de Dilma Rousseff. A pesquisa mostra que o ciclo de aperto monetário deve começar em abril, com um aumento de 0,5 ponto percentual (para 11,25%). Depois, haveria nova elevação idêntica em junho, o que levaria a taxa para 11,75%. O ciclo terminaria em julho, com aumento menor, de 0,25

ponto, o que levaria o juro para 12% ao ano. Na semana passada, a previsão era de que a última alta do juro seria em setembro – e não julho, como nesta pesquisa. O patamar final, porém, é o mesmo nos cenários previstos nas duas semanas: 12% ao ano. Para 2010, foi mantida a expectativa de que o juro não sofrerá alteração e seguirá no patamar de 10,75% anuais na última decisão do ano, que acontece em 7 e 8 de dezembro. Na mesma pesquisa, a expectativa para a Selic média no decorrer de 2011 subiu de 11,59% para 11,63%, ante 11,58% de um mês atrás. Para este ano, a previsão de juro médio se manteve em 10,03%. PIB – A mediana das apostas para a expansão da economia neste ano manteve-se em 7,6%. Há um mês, a estimativa estava em 7,55%. Para 2011, foram repetidos os números que apontam crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 4,5%, cenário mantido já há quase um ano. (AE)

A indústria do plástico foi uma das que ficou acima da média no Icei

Importações sobem na última semana

C

11 3031 7410 11 3031 7190

www.focoexpress.com.br

Serviço de Motofrete

DC

Entregas rápidas de encomendas leves

om a forte concentração de importações na semana passada, a balança comercial brasileira registrou déficit de US$ 663 milhões, de acordo com dados divulgados ontem pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). No período, as exportações somaram US$ 3,268 bilhões, com média diária de US$ 817 milhões, ao passo que as importações chegaram a US$ 3,931 bilhões, com média de US$ 982,8 milhões. No acumulado do mês, a balança registra superávit de US$ 662 milhões. Nos 13 primeiros dias úteis de novembro, as exportações foram de US$ 12,108 bilhões e as importações, de US$ 11,446 bilhões. No ano, o saldo é positivo em US$ 15,283 bilhões, até a

terceira semana de novembro. Mas como as importações têm crescido a um ritmo superior à evolução das exportações, o superávit em 2010 é 33,1% inferior aos US$ 22,858 bilhões registrados em igual período do ano passado. A corrente de comércio (soma das compras e vendas) chegou a US$ 335,551 bilhões, 36,8% a mais que os US$ 246,478 bilhões apurados em igual período de 2009. Até a terceira semana de novembro, as exportações totalizaram US$ 175,417 bilhões, com média diária de US$ 793,7 milhões, equivalentes a um crescimento de 30,8% ante a média registrada no período em 2009. Por outro lado, as importações já chegam a US$ 160,134 bilhões, com média diária de US$ 724,6 milhões, valor 43,9% superior na

SECRETARIA DE COORDENAÇÃO DAS SUBPREFEITURAS PINHEIROS EDITAL A Subprefeitura de Pinheiros comunica que os veículos abaixo descritos foram apreendidos. O interessado poderá retirá-lo mediante solicitação, autuando processo administrativo, bem como o pagamento das taxas e emolumentos devidos, no prazo de 30 dias, nos termos do art. 5° do Decreto n° 15.627/79 e Portaria 022/SMSP/GAB/2005, dirigindo-se para tanto à Unidade Técnica de Fiscalização da Subprefeitura de Pinheiros localizada na Av. das Nações Unidas, 7123 - Pinheiros, São Paulo - SP. Proprietário Placa Marca Chassi Ano Carlos José Domingues DEE-3330 Ford 1FMDU85P7YUB27211 1999 Luiz Gonzaga Cesar Filho GUY-1964 Audi WAUZZZ4BZWN099413 1998

Sergio Moraes/Reuters

Os embarques de açúcar sofreram retração na semana passada

mesma comparação. Exportações – As vendas externas na semana passada apresentaram um recuo de 16,8% em relação à média de US$ 982,2 milhões apurada nas duas primeiras semanas do mês. Em bens intermediá-

rios, a queda foi de 53,2%, de uma média de US$ 178,8 milhões para US$ 83,7 milhões, devido à queda nos embarques de açúcar em bruto, celulose, semimanufaturados de ferro e aço, ferro-ligas, ferro fundido, couros e peles. (AE)

SECRETARIA DE COORDENAÇÃO DAS SUBPREFEITURAS NOTIFICAÇÃO O Subprefeito de Vila Maria/Vila Guilherme, ANTONIO DE PADUA PEROSA, em conformidade com o disposto no art. 5º, parágrafo 1º do Decreto 15.627/79 de 15/12/79 e item 2.4 da Portaria nº 022/SMSP/GAB/2005, notifica a proprietária do veículo abaixo relacionado a comparecer a esta Subprefeitura à Rua General Mendes nº 111, no prazo de 30 dias a contar da data desta publicação, para providenciar sua retirada, satisfeitas as exigências legais, sob pena de ser alienado por meio de leilão: CINTIA REGINA LEONOR Placa BUT 4461 - São Paulo Chassi 9BD146000P8314402 FIAT/UNO FIORINO 1.5 - MOD./FAB. 1993 - Branca Processo 2010-0.217.621-9

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL Nº 36/SME/2010 - 2010-0.145.092-9 - CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE VIGILÂNCIA E SEGURANÇA PATRIMONIAL COM SERVIÇOS DE SISTEMA INTEGRADO DE SEGURANÇA ELETRÔNICA NAS DEPENDÊNCIAS DOS CENTROS DE EDUCAÇÃO UNIFICADOS CEUS E CENTRO DE CONVIVÊNCIA HELIÓPOLIS. Fica REDESIGNADA a abertura da licitação em epígrafe. O credenciamento e os envelopes nº 01 (proposta) e envelopes nº 02 (documentação) deverão ser entregues até as 10:00 horas do dia 25/11/2010, no Auditório de CONAE, situado na Rua Dr. Diogo de Faria, 1247 - 19º andar - Vila Clementino. O Edital e seus Anexos poderão ser obtidos, até o último dia que anteceder a abertura, mediante recolhimento de guia de arrecadação, ou através da apresentação de CD ROM gravável no Setor de Licitação - CONAE 151 - sala 318, ou no site http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br, bem como, as cópias do Edital estarão expostas no mural do Setor de Licitação.

SECRETARIA DA SAÚDE DIVISÃO TÉCNICA DE SUPRIMENTOS - SMS.3 ABERTURA DE LICITAÇÕES Encontra-se aberto no Gabinete: PREGÃO PRESENCIAL 358/2010-SMS.G, processo 2010-0.200.363-2, destinado ao registro de preços de REAGENTES PARA DETECÇÃO DE ANTICORPOS ANTITRIPANOSSOMA, EPSTEIN BAAR VÍRUS E HERPES VÍRUS COM EQUIPAMENTOS EM COMODATO, para a Coordenação de Atenção Básica/ Assistência Laboratorial, do tipo menor preço. A sessão pública de pregão ocorrerá às 10 horas do dia 03 de dezembro de 2010, a cargo da 1ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. RETIRADA DE EDITAL O edital do pregão acima poderá ser consultado e/ou obtido nos endereços: http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br, ou, no gabinete da Secretaria Municipal de Saúde, na Rua General Jardim, 36 - 3º andar - Vila Buarque São Paulo/SP - CEP 01223-010, mediante o recolhimento de taxa referente aos custos de reprografia do edital, através do DAMSP, Documento de Arrecadação do Município de São Paulo. DOCUMENTAÇÃO - PREGÃO PRESENCIAL Os documentos referentes ao credenciamento, os envelopes contendo as propostas comerciais e os documentos de habilitação das empresas interessadas, deverão ser entregues diretamente ao pregoeiro, no momento da abertura da sessão pública de pregão.

SECRETARIA DO VERDE E MEIO AMBIENTE COMUNICADO DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL Nº 070/SVMA/2010 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 2010 - 0.173.086 - 7 OBJETO: CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DE PARQUES MUNICIPAIS DO GRUPO BENEMÉRITO: PARQUE BENEMÉRITO BRÁS, PARQUE LINEAR MONGAGUÁ, PARQUE SENA E PARQUE LINEAR CANIVETE, nos termos das especificações constantes no Termo de Referência - ANEXO I, elaborado pela Divisão Técnica de Gestão de Parques - DEPAVE 5, parte integrante deste edital, como se nele efetivamente tivesse sido transcrito e em conformidade com as demais disposições do ato convocatório. A COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO - CPL.4 torna público que a sessão de abertura do Pregão Presencial em epígrafe será realizada no dia 06 de DEZEMBRO de 2010, às 09:30 horas, na Rua do Paraíso, 387/389, Capital. PREGÃO PRESENCIAL Nº 071/SVMA/2010 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 2010-0.218.959-0 OBJETO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DOS PARQUES MUNICIPAIS DO GRUPO HERCULANO: PARQUE HERCULANO, PARQUE M’BOI MIRIM E PARQUE SETE CAMPOS, nos termos das especificações constantes no Termo de Referência - ANEXO I, elaborado pela Divisão Técnica de Gestão de Parques - DEPAVE 5, parte integrante deste edital, como se nele efetivamente tivesse sido transcrito e em conformidade com as demais disposições do ato convocatório. A COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO - CPL.4 torna público que a sessão de abertura do Pregão Presencial em epígrafe será realizada no dia 07 de DEZEMBRO de 2010, às 09:30 horas, na Rua do Paraíso, 387/389, Capital, no prédio da SECRETARIA MUNICIPAL DO VERDE E DO MEIO AMBIENTE, quando as empresas interessadas em participar deverão entregar os documentos referentes ao Credenciamento, a Declaração de Cumprimento das Condições de Habilitação, os envelopes contendo a Proposta de Preços - escrita e em meio eletrônico e os Documentos de Habilitação, diretamente ao Pregoeiro. O caderno de licitação, composto de edital e dos anexos, poderá ser obtido sem custo, através da Internet pelo site http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br, onde os interessados deverão se cadastrar conforme orientações ou retirado, mediante a entrega de 1 (um) CD-R ou CD-RW sem uso, na Unidade de Licitações, situada na Rua do Paraíso, nº 387/389, 9º andar, Paraíso, nesta Capital, das 09:00 às 17:00 horas, tels. 3396-3104/3396-3103 e fax 3396-3106.

4XHUIDODUFRP HPSUHViULRVGHXPDVyYH]"

Publicidade - 11 3244-3175 Fax: 11 3244-3894


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 23 de novembro de 2010

e Novo Parlamento em troca de ajuda financeira

ECONOMIA/LEGAIS - 17 Novo orçamento da Irlanda deve ter como meta economizar durante 2011 cerca de 6 bilhões de euros.

conomia

Cathal McNaughton/ Reuters

Com oficialização de pacote, primeiro-ministro irlandês perdeu apoio.

A

pós a formalização do pedido de ajuda financeira à União Europeia (UE) e ao Fundo Monetário Internacional (FMI) feita pela Irlanda no fim de semana, o primeiro-ministro do país, Brian Cowen, anunciou que pedirá a dissolução do Parlamento no AnoNovo após o voto sobre o orçamento, que deve ocorrer em 7 de dezembro. Segundo ele, é crucial para a Irlanda resolver a questão orçamentária. Ao tornar a solicitação de socorro oficial, o primeiro-ministro perdeu o apoio que tinha no Parlamento depois de o partido Os Verdes (que faz parte da coligação governamental) ter apelado a eleições antecipadas, em janeiro. Ou-

A semana passada foi traumática para o eleitorado. O povo se sente enganado e traído. JOHN GORMLEY, PRESIDENTE DO PARTIDO VERDE

tras duas legendas independentes já sinalizaram que não vão apoiar o orçamento apresentado pelo Executivo. A principal legenda da oposição, o conservador Fine Gael, e o Partido Trabalhista, possíveis membros da coalizão em um futuro Executivo, também defenderam ontem a convocação

imediata de eleições gerais. Os ecologistas criticaram a atitude de Cowen e do ministro das Finanças, Brian Lenihan, que, segundo eles, não foram suficientemente claros durante a crise. "A semana passada foi traumática para o eleitorado irlandês. O povo se sente enganado e traído", disse o presidente do Partido Verde, John Gormley. Na avaliação do parlamentar, o governo não foi claro e sincero com seus parceiros no Executivo nem com a população na semana passada, quando ainda negava que a Irlanda necessitasse de um resgate financeiro. Ele ressaltou que o país precisa de um governo estável para elaborar um plano quadrienal "crível" e depois

Governo irlandês prepara plano de austeridade para os próximos quatro anos e protestos já ocorrem.

aprovar um orçamento geral para 2011 que assegure nas próximas semanas fundos de ajuda da UE e do FMI "vitais para os interesses irlandeses e a estabilidade do euro." A maioria que o Executivo de Dublin tem no Parlamento poderia ser ainda mais prejudicada se, como já é dado por certo, o candidato do partido governista, o Fianna Fáil (FF), perder as eleições parciais que serão realizadas nesta

TRINITY BRASIL LTDA. - CNPJ nº 03.402.130/0001-49 EXTRAVIO DE LIVROS E DOCUMENTOS A empresa TRINITY BRASIL LTDA. vem reiterar a declaração que fez veicular no dia 13 de outubro de 2009 no jornal Diário do Comércio, registrada no 8º Registro de Títulos e Documentos de São Paulo/SP, sob microfilme nº 1205168, de que os seus livros, documentos e fichas da sua escrituração comercial, fiscal e contábil, inclusive os talões de notas fiscais de serviços, Livro Modelo 57 da Prefeitura de São Paulo/SP e documentos contábeis diversos, foram extraviados. São Paulo, 08 de novembro de 2010. TRINITY BRASIL LTDA. Paulo Caparica. PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO CARLOS - SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE - PREGÃO ELETRÔNICO FMS Nº 093/2010 - PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 2591/2010 - Faço público, de ordem do Senhor Secretário Municipal de Saúde, que se encontra aberto o Pregão Eletrônico nº 093/ 2010, tendo como objeto a contratação de empresa especializada em Recargas de Cilindros de Toner, utilizados pelas Unidades da Secretaria Municipal de Saúde de São Carlos, conforme especificado e nas quantidades constantes no Anexo II e III. O Edital na íntegra poderá ser obtido nos sites: www.bb.com.br e www.saocarlos.sp.gov.br, opção Licitações. O recebimento e a abertura das propostas dar-se-ão até às 8:00 horas do dia 07 de dezembro de 2010 e o início da sessão de disputa de preços será às 9:00 horas do dia 07 de dezembro de 2010. Maiores informações pelo telefone (16) 3362-1350. São Carlos, 22 de novembro de 2010. Jose Eduardo Simões Martinez - Pregoeiro.

OSCIP – INSTITUTO COPA BRASIL Edital de Convocação para Assembleia de Fundação da Organização da Sociedade Civil de Interesse Público “OSCIP” – INSTITUTO COPA BRASIL (Nome Fantasia – INSTITUTO COPA2014) Convido as pessoas interessadas para a Assembleia de Fundação da Organização acima identificada a comparecerem no dia 07 de dezembro de 2010, às 19:00 horas, à Rua Marquês de Paranaguá, 324, conj. 23, Consolação,CEP 01303-050, São Paulo - SP, para participarem da mesma, na qualidade de fundadores, ocasião em que será discutido e votado o estatuto social e eleitos os membros da Diretoria e do Conselho Fiscal. São Paulo, 23 de novembro de 2010. Pela Comissão Organizadora - Sérgio Stéfano Simões.

Companhia Agrícola Usina Jacarezinho CNPJ n° 61.231.478/0001-17 - NIRE-SP n° 35.300.011.350 Assembleia Geral Extraordinária - Convocação Ficam convocados os Senhores Acionistas da Companhia Agrícola Usina Jacarezinho (“Companhia”) a participarem, em primeira convocação, da Assembleia Geral Extraordinária que se realizará no dia 29 de novembro de 2010,às 10:30 horas,no prédio da sede da Companhia, localizada no Município de São Paulo, Estado de São Paulo, na Rua São Bento, nº 329, no 12º andar, Centro,CEP 01011-902, a fim de deliberarem sobre: (i) a 1ª emissão pública pela Companhia de até 112 (cento e doze) debêntures simples, não conversíveis em ações, em série única, da espécie com garantia real, com garantia adicional fidejussória, todas com valor nominal unitário de R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais), para distribuição pública com esforços restritos de colocação, perfazendo, assim, o valor total de até R$ 112.000.000,00 (cento e doze milhões de reais) (“Emissão”); e (ii) aprovação da prática pela Diretoria de todos os atos necessários à efetivação da Emissão. Informações Gerais: Em conformidade com o art. 135, parágrafo 3º, da Lei nº 6.404/76, encontram-se à disposição dos acionistas, na sede social da Companhia, todos os documentos e informações necessários à deliberação das matérias previstas na ordem do dia. São Paulo, 19 de novembro de 2010. (20, 22 e 23) A Diretoria

York Indústria e Comércio de Produtos Plásticos S.A. CNPJ nº 11.520.001/0001-83 – NIRE 35.300.376.013 Edital de Convocação Assembléia Geral Extraordinária Ficam os acionistas da York Indústria e Comércio de Produtos Plásticos S.A. convocados a se reunirem em Assembléia Geral Extraordinária, a realizar-se no dia 30.11.2010, às 11:00 horas, na sede social da Companhia, situada no Município de Salto, Estado de São Paulo, na Rua Marechal Deodoro, n.º 450, para deliberarem sobre a seguinte ordem do dia: (i) criação de mais um cargo de Diretor sem designação específica da Companhia e inclusão de idade máxima para os Diretores da Companhia, com a conseqüente alteração do Artigo 14, do Estatuto Social; (ii) aprovação da alteração da forma de representação da Companhia em atos de administração extraordinária e aumento do limite dos valores envolvidos para R$250.000,00, com a conseqüente alteração do Parágrafo 5º, do Artigo 26, do Estatuto Social; (iii) aceitação da renúncia do Diretor Presidente e de um Diretor sem designação específica da Companhia, e eleição do Diretor Presidente e dos demais cargos vagos na Diretoria; (iv) alteração da remuneração global mensal da Diretoria; (v) consolidação do Estatuto Social da Companhia. Encontra-se à disposição dos acionistas, na sede da Companhia, o projeto de Estatuto Social referido em “v”, supra. Salto, 19 de novembro de 2010. Flávio Elias Jabra - Diretor Vice-Presidente. 20,23,24/11/10

FALÊNCIA, RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL E RECUPERAÇÃO JUDICIAL Conforme informação da Distribuição Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, foram ajuizados no dia 22 de novembro de 2010, na Comarca da Capital, os seguintes pedidos de falência, recuperação extrajudicial e recuperação judicial: Requerente: Digitron da Amazônia Indústria e Comércio S/A. - Requerido: Epcom Eletrônica Indústria e Comércio Importação e Exportação de Informática Ltda. - Rua Paulo Willy Skau, 2222 - Campanha/MG - 1ª Vara de Falências

BANCO ITAÚ BBA S.A. CNPJ 17.298.092/0001-30 NIRE 35300318951 ATA SUM ÁRIA D A ASSEMBLEIA GER AL EX TR AORDINÁRIA SUMÁRIA DA GERAL EXTR TRA REALIZAD A EM 23 DE A GOST O DE 2010 REALIZADA AGOST GOSTO DATA, HOR A E LLOC OC AL: Em 23.8.2010, às 18:00 horas, na Av. Brigadeiro Faria Lima, 3.400, 4º andar HORA OCAL: (parte), São Paulo (SP). MESA: Roberto Egydio Setubal - Presidente. Candido Botelho Bracher AL DE Secretário. QUORUM: acionistas representando a totalidade do capital social. EDIT EDITAL CONVOC AÇ ÃO : dispensada a publicação de edital, face ao disposto no Artigo 124, § 4º, da Lei ONVOCA AÇÕES TOM AD AS POR UNANIMID ADE D OS PRESENTES: Após discussão dos 6.404/76. DELIBER DELIBERA OMAD ADAS UNANIMIDADE DOS temas abaixo, os acionistas aprovaram, por unanimidade: 1. Referendar a alteração de endereço da sede social, aprovada pelo Conselho de Administração em reunião realizada em 31.12.2009, da Avenida Brigadeiro Faria Lima, 3.400, 4º andar (parte), para a Avenida Brigadeiro Faria Lima, 3.400, 3º ao 8º, 11º e 12º andares, ambos em São Paulo (SP). 2. Em consequência, alterar a redação do Artigo 1º do Estatuto Social, registrando o novo endereço da sede, conforme segue: Ar tigo 1º - DENOMINAÇÃO, PRAZO E SEDE - A sociedade anônima fechada regida por este “Ar Artigo O IT AÚ BBA S.A. estatuto denomina-se BANC BANCO ITA S.A., tem prazo indeterminado de duração e sede e foro na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Avenida Brigadeiro Faria Lima nº 3.400, 3º ao 8º, 11º e 12º andares, Itaim Bibi.” O Estatuto Social consolidado, já consignando a nova redação, é AMENT O : Nada mais havendo a tratar e parte integrante desta ata, na forma de Anexo. ENCERR ENCERRA MENTO ninguém desejando manifestar-se, encerraram-se os trabalhos, lavrando-se esta ata que, lida e aprovada, foi assinada por todos. São Paulo (SP), 23 de agosto de 2010. (aa) Roberto Egydio Setubal - Presidente; Candido Botelho Bracher - Secretário. A presente é cópia fiel da original lavrada em livro próprio e homologada pelo BACEN. Secretaria da Fazenda - Junta Comercial do Estado de São Paulo - Certifico o registro sob nº 408.804/10-5, em 17.11.2010. (a) Kátia Regina Bueno de Godoy - Secretária Geral.

quinta-feira na circunscrição do condado de Donegal. Nesse contexto, a Câmara Baixa irlandesa poderia rejeitar o orçamento cujo objetivo é economizar durante 2011 cerca de 6 bilhões de euros, embora essa seja apenas a primeira fase de um pacote de medidas mais amplo planejado para guiar a economia nacional durante os próximos quatro anos. O plano de austeridade quadrienal, que será apresentado

durante a semana, prevê reduzir o déficit para até 3% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2014, mediante cortes estimados em 15 bilhões de euros e, segundo o governo, tem a aprovação da UE e do FMI. O Executivo continua negociando com esses organismos as condições do plano de resgate ao país, entre as quais se destacam uma profunda reforma do sistema bancário e de sua política orçamentária. (Agências)

MATRIX IND. E COM. DE FERR INTERCAMBIÁVEIS E COMPONENTES LTDA.EPP torna público que recebeu da CETESB a Licença Prévia e de Instalação n° 33000417 e requereu a Licença de Operação para acessórios intercambiáveis para ferramentas manuais, mecânicas e máquinas, à Rua Antonio Francisco França, 96 - Socorro - São Paulo.

SINDICATO DAS EMPRESAS DE COMPRA, VENDA, LOCAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE IMÓVEIS RESIDENCIAIS E COMERCIAIS DE SÃO PAULO - SECOVI-SP CNPJ: 60.746.898/0001-73 Edital de Convocação – ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA Pelo presente edital, ficam convocados todos os associados deste Sindicato, quites e em pleno gozo de seus direitos sociais, para participar da Assembleia Geral Ordinária, a ser realizada no dia 26 de novembro de 2010 às 11h00 (onze horas) em primeira convocação, na sede da entidade, na Rua Dr. Bacelar nº 1.043, nesta Capital, a fim de deliberar sobre as seguintes ordens do dia: a) Leitura, discussão e aprovação da Ata da Assembleia anterior; b) Leitura, discussão e votação da Proposta Orçamentária para o exercício de 2011 e respectivo Parecer do Conselho Fiscal. Não havendo, na hora acima indicada, número legal de associado, para a instalação dos trabalhos em primeira convocação, a Assembleia será realizada uma hora após, no mesmo dia e local, em segunda convocação, com qualquer número de associados presentes. São Paulo, 22 de novembro de 2010. JOÃO BATISTA CRESTANA - Presidente

Odebrecht TransPort Participações S.A.

I taúsa Empr eendimen Empreendimen eendimenttos S.A.

CNPJ Nº 10.143.462/0001-11 – NIRE 3530035809-1

CNPJ 51.713.907/0001-39 NIRE 35300004540 ATA SUM ÁRIA D A ASSEMBLEIA GER AL EX TR AORDINÁRIA SUMÁRIA DA GERAL EXTR TRA REALIZAD A EM 18 DE OUTUBRO DE 2010 REALIZADA DATA, HOR A E LLOC OC AL: Em 18.10.2010, às 10:00 horas, na Av. Paulista, 1.938 - 17º andar, em São HORA OCAL: Paulo (SP). MESA: Henri Penchas - Presidente. Alfredo Egydio Arruda Villela Filho - Secretário. QUORUM: acionista detentor da totalidade do capital social. EDIT AL DE C ONVOC AÇ ÃO : dispensada EDITAL CONVOC ONVOCA AÇÕES: a publicação de edital, face ao disposto no Artigo 124, § 4º, da Lei nº 6.404/76. DELIBER DELIBERA Aprovadas a alteração e a consolidação do Estatuto Social, bem como a recomposição da Diretoria TER AÇÕES EST ATUT ÁRIAS: Alterado o Estatuto Social para: a) da Sociedade, conforme segue: 1. AL ALTER TERA ESTA TUTÁRIAS: no Artigo 1º, fazer constar o endereço da sede social; b) no Artigo 2º, ampliar as atividades previstas no objeto social; c) no Artigo 4º, reestruturar a Diretoria, mediante: (i) alteração da nomenclatura e criação de novos cargos; (ii) adaptação das disciplinas relativas aos poderes e atribuições dos diretores e à de representação da Sociedade. Consolidada a redação do Estatuto Social, na forma do OMPOSIÇ ÃO D A DIRE TORIA: Recomposta a Diretoria da Sociedade, dentro anexo desta ata. 2. REC RECOMPOSIÇ OMPOSIÇÃ DA DIRET da nova estrutura aprovada e para término do mandato anual em curso, que vigorará até a posse dos que vierem a ser eleitos pela Assembleia Geral Ordinária de 2011, mediante: (i) fixação em 11 (onze) do número de cargos a serem providos, sendo o Diretor Presidente, 2 (dois) Diretores VicePresidentes, 3 (três) Diretores Executivos e 5 (cinco) Diretores Gerentes; (ii) eleição das pessoas a seguir qualificadas, que atendem às condições prévias de elegibilidade previstas nos Artigos 146 e et or P O EGY DIO ARRUD A VILLELA FILHO 147 da Lei nº 6.404/76: Dir Diret etor Prresiden esidentte: ALFRED ALFREDO EGYDIO ARRUDA FILHO, brasileiro, casado, engenheiro, RG-SSP/SP 11.759.083-6, CPF 066.530.838-88, domiciliado em São Paulo (SP), et or es Vic e -P ARD O EGY DIO na Rua Sansão Alves dos Santos, 102, 5º andar; Dir Diret etor ores ice -Prresiden esidenttes: RIC RICARD ARDO EGYDIO SE TUBAL OLFO SETUBAL TUBAL, brasileiro, casado, advogado, RG-SSP/SP 10.359.999, CPF 033.033.518-99, e ROD RODOLFO VILLELA M ARINO MARINO ARINO, brasileiro, casado, administrador, RG-SSP/SP 15.111.116-9, CPF 271.943.018-81, et or es Ex ecutiv os: ambos domiciliados em São Paulo (SP), na Av. Paulista, 1.938, 5º andar; Dir Diret etor ores Executiv ecutivos: HENRI PENCHAS PENCHAS, brasileiro, casado, engenheiro, RG-SSP/SP 2.957.281, CPF 061.738.378-20, ONI NE TO , domiciliado em São Paulo (SP), na Av. Paulista, 1.938, Piso Terraço; MÁRIO ANSEL ANSELONI NET O RUBBI brasileiro, casado, engenheiro, RG-SSP/SP 18.137.526-6, CPF 099.445.508-92, e REINALD REINALDO RUBBI, brasileiro, casado, engenheiro, RG-SSP/SP 3.430.051, CPF 206.972.448-49, ambos domiciliados em et or es G er en ARL OS ROBER TO ZANELA TO, São Paulo (SP), na Av. Paulista, 1.938, 5º andar; Dir Diret etor ores Ger eren enttes: C CARL ARLOS ROBERT ZANELAT brasileiro, casado, bacharel em direito, RG-SSP/SP 5.143.150, CPF 638.101.908-53, domiciliado em ARD O JORGE ABR ÃO FILHO São Paulo (SP), na Av. Paulista, 1.938, 19º andar; EDU EDUARD ARDO ABRÃ FILHO, brasileiro, casado, engenheiro, RG-SSP/SP 6.951.740, CPF 049.690.758-16, domiciliado em São Paulo (SP), na Av. Paulista, 1.938, 17º andar; IRINEU GOVÊA GOVÊA, brasileiro, casado, economista, RG-SSP/SP 4.120.107, CPF ÃO C ARL OS 371.823.668-00, domiciliado em São Paulo (SP), na Av. Paulista, 1.938, 19º andar; JO JOÃ CARL ARLOS RED OND O , brasileiro, casado, tecnólogo, RG-SSP/SP 17.915.145-9, CPF 120.130.178-55, domiciliado REDOND ONDO TO K ASSAB em São Paulo (SP), na Av. Paulista, 1.938, 19º andar; e RENA RENAT KASSAB ASSAB, brasileiro, casado, engenheiro, RG-SSP/SP 9.747.143, CPF 049.681.228-96, domiciliado em São Paulo (SP), na Av. Paulista, 1.938, 15º andar; (iii) manutenção da designação do Gerente Executivo ANTONIO CARLOS MENDES PARRA, inscrito no Conselho Regional de Corretores de Imóveis da 2ª Região - São Paulo sob o nº 41.580, como representante legal da Sociedade nas intermediações imobiliárias, conforme AMENT O : Nada mais havendo a tratar e ninguém desejando Artigo 6º da Lei nº 6.530/78. ENCERR ENCERRA MENTO manifestar-se, encerraram-se os trabalhos, lavrando-se esta ata que, lida e aprovada, foi assinada por todos. São Paulo (SP), 18 de outubro de 2010. (aa) Henri Penchas - Presidente; Alfredo Egydio Arruda Villela Filho - Secretário. A presente é cópia fiel da original lavrada em livro próprio. Secretaria da Fazenda - Junta Comercial do Estado de São Paulo - Certifico o registro sob nº 409.812/10-9, em 18.11.2010. (a) Kátia Regina Bueno de Godoy - Secretária Geral. ESTATUTO SOCIAL - nova redação t. 1º - DENOMINA Ç ÃO, PR AZ O E SEDE - A sociedade aprovada para os Artigos 1º, 2º e 4º: “Ar Art. DENOMINAÇ PRAZ AZO AÚSA EMPREENDIMENT anônima fechada regida por este Estatuto, denominada IT ITA EMPREENDIMENTOS S.A., com OS S.A. duração por tempo indeterminado, tem sua sede e foro na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, com endereço na Avenida Paulista nº 1938 - 17º andar, CEP 01310-942, e poderá abrir filiais, agências, escritórios, depósitos ou representações em qualquer ponto do território nacional, a t. 2º - OBJE TO - A Sociedade tem por critério da Diretoria, observadas as exigências legais. Ar Art. OBJET objeto: a) empreendimentos e negócios com imóveis, relativos a: (i) compra e venda; (ii) incorporações imobiliárias; e (iii) administração e locação; b) loteamentos e urbanização; c) apoio às empresas da área industrial do Conglomerado Itaúsa mediante suporte técnico, jurídico e administrativo compatível com o objeto social dessas empresas; e d) participação no capital social t. 4º - ADMINISTR AÇ ÃO - A Sociedade será de outras sociedades, no País ou no exterior. Ar Art. ADMINISTRA administrada por uma Diretoria, composta de 3 (três) a 15 (quinze) membros, acionistas ou não, residentes no País e eleitos pela Assembleia Geral. Não poderá ser eleito diretor quem já tiver completado 65 (sessenta e cinco) anos de idade na data da eleição. Extinguir-se-á o mandato do diretor no último dia do mês de dezembro do ano em que atingir o limite etário. 4.1. Composição Comporão a Diretoria: 1 (um) Diretor Presidente e de 2 (dois) a 14 (catorze) Diretores VicePresidentes, Diretores Executivos ou Diretores Gerentes, na conformidade do que for estabelecido pela Assembleia Geral ao prover esses cargos. Um mesmo diretor poderá ser designado, em caráter efetivo ou interino, para exercer cumulativamente mais de um cargo. 4.2. Investidura - Os diretores serão investidos nos cargos mediante assinatura de termos de posse nos livros de atas de reuniões da Diretoria. 4.3. Mandato - Os diretores exercerão o mandato pelo prazo de 1 (um) ano, podendo ser reeleitos, e permanecerão nos cargos até a posse dos substitutos. 4.4. Remuneração - A Assembleia Geral fixará os honorários dos diretores. 4.5. Poderes - À Diretoria compete administrar e representar a Sociedade, com poderes para contrair obrigações, transigir, ceder e renunciar direitos, podendo, ainda, independentemente de autorização da Assembleia Geral, onerar e alienar bens sociais, inclusive os integrantes do ativo permanente. 4.6. Atribuições - Além das atribuições normais que lhe são conferidas por lei e por este estatuto, compete, especificamente, a cada membro da Diretoria: a) ao Diretor Presidente, presidir as Assembleias Gerais, convocar e presidir as reuniões da Diretoria, coordenando a ação desta; b) aos Diretores Vice-Presidentes e aos Diretores Executivos, colaborar com o Diretor Presidente na gestão dos negócios e na estruturação e direção dos serviços da Sociedade; c) aos Diretores Gerentes, a gestão das áreas específicas de atuação da Sociedade que lhes forem atribuídas pela Diretoria. 4.7. Substituições - O Diretor Presidente indicará o Diretor Vice-Presidente que o substituirá em suas ausências ou impedimentos temporários. Para os demais diretores, a própria Diretoria escolherá o substituto interino dentre seus membros. 4.8. Representação - A representação da Sociedade far-se-á: a) por dois diretores em conjunto, sendo um deles obrigatoriamente o Diretor Presidente ou um Diretor Vice-Presidente; b) por um procurador em conjunto com o Diretor Presidente ou com um Diretor Vice-Presidente; ou c) por dois procuradores. Fora da sede social, especialmente perante órgãos da administração pública, direta ou indireta, a representação poderá ser feita isoladamente por um diretor ou por um procurador com poderes específicos, ressalvada a assunção de obrigações, cessão, renúncia ou qualquer tipo de transação envolvendo direitos da Sociedade. Na constituição de procuradores a Sociedade será representada por dois diretores em conjunto, sendo um deles obrigatoriamente o Diretor Presidente ou um Diretor Vice-Presidente. Todos os mandatos, exceto os judiciais, terão obrigatoriamente prazo de validade, não superior a um ano.”

ATA DA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 06 DE OUTUBRO DE 2010 Data, hora e local: Realizada aos 06 dias do mês de outubro de 2010, às 10:00 horas, na sede social da Companhia, localizada na Av. Rebouças, 3.970, 9º andar, Pinheiros, CEP 05402-920, Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo. Presença e convocação: Dispensada a convocação, nos termos do parágrafo quarto do artigo 124 da Lei nº 6.404, de 15.12.1976 (“Lei das Sociedades por Ações”), tendo em vista a presença de acionistas representando a totalidade do capital social, conforme assinaturas constantes do Livro de Presença de Acionistas da Companhia. Mesa: Os trabalhos foram presididos pelo Sr. Geraldo Villin Prado e secretariados pela Sra. Juliane Pfeiffer Marinho. Ordem do dia: (1) Eleição de novos membros do Conselho de Administração da Companhia e suplentes; (2) Ratificação da eleição dos membros do Conselho de Administração da Companhia eleitos na Assembleia Geral Extraordinária realizada em 23 de abril de 2010; (3) Fixar o limite global da remuneração anual dos Administradores da Companhia; e (4) Autorizar a Diretoria a praticar todos os demais atos necessários para a implementação do ora deliberado. Deliberações: Instalada a Assembleia, os acionistas deliberaram, por unanimidade de votos e sem quaisquer restrições, o quanto segue: 1. Eleger, para um mandato de 2 (dois) anos, permitida a reeleição, em virtude da alteração da redação do capítulo “Conselho de Administração” do Estatuto Social, deliberada na Assembleia Geral Extraordinária da Sociedade realizada em 17 de setembro de 2010, às 10:00 horas, registrada perante a Junta Comercial do Estado de São Paulo sob o nº 35.300.358.091, em 24 de setembro de 2010: (i) o Sr. Roberto Carlos Madóglio, brasileiro, casado, administrador de empresas, portador da cédula de identidade (RG) nº 16.380.297 SSP/SP, inscrito no CPF/MF sob o nº 048.066.338-60, domiciliado na Cidade de São Paulo, com escritório na Avenida Paulista, nº 2.300, 11º andar, Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, como membro efetivo do Conselho de Administração; (ii) o Sr. Cassio Viana de Jesus, brasileiro, solteiro, economiário, portador da cédula de identidade (RG) nº 22.797.727-0 SSP/MG, inscrito no CPP/MF sob o nº 321.010.338-01, residente e domiciliado na Cidade de São Paulo, com escritório na Av. Paulista, 2.300, 11º andar, Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, como suplente do Sr. Roberto Carlos Madóglio; (iii) o Sr. Édilo Ricardo Valadares, brasileiro, divorciado, economiário, portador da cédula de identidade (RG) nº MG-2.976.493 SSP/MG e inscrito no CPF/MF sob o nº 494.191.106-72, residente e domiciliado na SBS, Quadra 4, Lote 3/4, Asa Sul, CEP 70092-900, Brasília, Distrito Federal, como membro efetivo do Conselho de Administração; (iv) o Sr. Flavio Eduardo Arakaki, brasileiro, solteiro, administrador de empresas, portador da cédula de identidade (RG) nº 25.769.192-3 SSP/SP, inscrito no CPF/MF sob o nº 283.844.958-31, domiciliado na Cidade de São Paulo, com escritório na Avenida Paulista, nº 2.300, 11º andar, Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, como suplente do Sr. Édilo Ricardo Valadares; (v) o Sr. André Amaro da Silveira, brasileiro, casado, engenheiro civil, portador da carteira de identidade (RG) nº MG-1.238.071 SSP/MG, inscrito no CPF/MF sob nº 520.609.346-72, com escritório na Av. Rebouças, nº 3.970, 32º andar, Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, como suplente do Sr. Benedicto Barbosa da Silva Júnior, eleito na Assembleia Geral Extraordinária realizada em 23 de abril de 2010; (vi) a Sra. Carla Gouveia Barreto, brasileira, casada, administradora de empresas, portadora da cédula de identidade (RG) nº 03.191.31483 SSP/BA, inscrita no CPF/MF sob o nº 617.162.195-15, com escritório na Av. Rebouças, nº 3.970, 28º andar, Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, como suplente do Sr. Felipe Montoro Jens, eleito na Assembleia Geral Extraordinária realizada em 23 de abril de 2010; (vii) o Sr. Adriano Chaves Jucá Rolim, brasileiro, casado, advogado, portador da carteira de identidade OAB/SP nº 280.660, inscrito no CPF/MF sob nº 508.511.015-34, residente e domiciliado na Cidade de São Paulo, com escritório na Av. Rebouças, nº 3.970, 28º andar, Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, como suplente do Sr. Newton Sérgio de Souza, eleito na Assembleia Geral Extraordinária realizada em 23 de abril de 2010; (viii) o Sr. Ismael Campos de Abreu, brasileiro, casado, contador, portador da carteira de identidade (RG) nº 00716820-90, inscrito no CPF/MF sob nº 075.434.415-00, residente e domiciliado na Cidade de São Paulo, com escritório na Av. Rebouças, nº 3.970, 28º andar, Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, como suplente do Sr. Paulo Henyan Yue Cesena, eleito na Assembleia Geral Extraordinária realizada em 23 de abril de 2010; e (ix) o Sr. Marcos Luiz Abreu Lima, brasileiro, casado, economista, portador da carteira de identidade (RG) nº M-308.941, inscrito no CPF/MF sob nº 042.613.056-15, com escritório na Av. Rebouças, nº 3.970, 31º andar, Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, como suplente do Sr. Carlos Hermanny Filho, eleito na Assembleia Geral Extraordinária realizada em 23 de abril de 2010. 1.1. Os membros do Conselho de Administração, ora eleitos, tomarão posse mediante termo no livro próprio. 1.2. Os Conselheiros, ora eleitos, declaram não estar incursos em nenhum dos crimes previstos em lei que os impeçam de exercer as atividades empresárias ou administração de sociedades empresárias, sendo certo que a eles foi dado amplo conhecimento da legislação aplicável. 1.3. Os acionistas deliberaram, por unanimidade, expressamente dispensar os Srs. Roberto Carlos Madóglio, Cassio Viana de Jesus, Édilo Ricardo Valadares e Flavio Eduardo Arakaki, eleitos Conselheiros e suplentes nesta data, de cumprir os incisos I e II do § 3º do art. 147 da Lei das Sociedades por Ações, já que é conhecido pelos acionistas que tais membros são e/ou podem vir a ser indicados como membros do Conselho de Administração de outras companhias das quais o Fundo de Investimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço – FI-FGTS seja acionista. 2. Ratificar a eleição dos membros efetivos do Conselho de Administração, eleitos na Assembleia Geral Extraordinária realizada em 23 de abril de 2010, registrada perante a Junta Comercial do Estado de São Paulo sob o nº 152.257/10-0, em 05 de maio de 2010: (i) o Sr. Benedicto Barbosa da Silva Júnior; (ii) o Sr. Felipe Montoro Jens; (iii) o Sr. Newton Sérgio de Souza; (iv) o Sr. Paulo Henyan Yue Cesena; e (v) o Sr. Carlos Hermanny Filho. 2.1. Em razão das deliberações acima, a composição do Conselho de Administração passa a ser a seguinte: (i) o Sr. Benedicto Barbosa da Silva Júnior, como membro efetivo do Conselho da Administração, e o Sr. André Amaro da Silveira, como seu respectivo suplente; (ii) o Sr. Felipe Montoro Jens, como membro efetivo do Conselho de Administração, e a Sra. Carla Gouveia Barreto, como sua respectiva suplente; (iii) o Sr. Newton Sérgio de Souza, como membro efetivo do Conselho de Administração, e o Sr. Adriano Chaves Jucá Rolim, como seu respectivo suplente; (iv) o Sr. Paulo Henyan Yue Cesena, como membro efetivo do Conselho de Administração, e o Sr. Ismael Campos de Abreu, como seu respectivo suplente; (v) o Sr. Carlos Hermanny Filho, como membro efetivo do Conselho de Administração, e o Sr. Marcos Luiz Abreu Lima, como seu respectivo suplente; (vi) Sr. Roberto Carlos Madóglio, como membro efetivo do Conselho de Administração, e o Sr. Cassio Viana de Jesus, como seu respectivo suplente; (vii) o Sr. Édilo Ricardo Valadares, como membro efetivo do Conselho de Administração, e o Sr. Flavio Eduardo Arakaki, como seu respectivo suplente. 3. Fixar a quantia de R$ 10.000,000,00 (dez milhões de reais) como limite global da remuneração anual dos Administradores da Companhia durante o exercício social corrente. 4. Autorizar a Diretoria a praticar todos os demais atos necessários para a efetivação das deliberações acima. 4.1. Autorizar a lavratura da presente ata na forma de sumário, nos termos do art. 130, § 1º, da Lei das Sociedades por Ações. Encerramento: Tendo sido as presentes deliberações aprovadas pela unanimidade dos acionistas e nada mais havendo a tratar, a Assembleia foi encerrada com a lavratura da presente ata que, lida e conferida, foi devidamente aprovada e assinada pelos acionistas presentes. São Paulo, 06 de outubro de 2010. (aa) Sr. Geraldo Villin Prado (Presidente); Sra. Juliane Pfeiffer Marinho (Secretária). Acionistas: Odebrecht TransPort S.A., Fundo de Investimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço – FI-FGTS, Benedicto Barbosa da Silva Júnior, Felipe Montoro Jens, Newton Sérgio de Souza, Paulo Henyan Yue Cesena, Carlos Hermanny Filho, Roberto Carlos Madóglio, Édilo Ricardo Valadares, Cassio Viana de Jesus, Flavio Eduardo Arakaki, André Amaro da Silveira, Carla Gouveia Barreto, Adriano Chaves Jucá Rolim, Ismael Campos de Abreu e Marcos Luiz Abreu Lima. Confere com a original lavrada em livro próprio. São Paulo, 06 de outubro de 2010. Geraldo Villin Prado, Presidente; Juliane Pfeiffer Marinho, Secretária. – Secretaria da Fazenda – Junta Comercial do Estado de São Paulo – Certifico o registro sob o número 407.998/10-0, em 12.11.10. Kátia Regina Bueno de Godoy, Secretária Geral.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

18

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Para quem deseja armazenar conteúdo online, para depois resgatá-lo ou compartilhá-lo remotamente, os HDs virtuais fazem um bom trabalho.

nformática

n IMPRESSORAS

Utilizando os dois lados do papel Stylus TX560WD é a multifuncional da Epson que não desperdiça papel, porque imprime na frente e verso da página. A impressão, cópia ou digitalização dos dois lados é automática sem precisar virar a folha. O scanner tem resolução de 2400 x 2400 dpi, que digitaliza em cores ou preto e branco e vem com reconhecimento de texto OCR. A máquina imprime 36 páginas por minuto e é wireless,

A

podendo trabalhar sem fios do PC ou diretamente do iPhone e iPad com a ajuda de um aplicativo gratuito chamado iPrint (na loja iTunes). Por R$ 649.

GADGETS

PORTÁTEIS

O peso leve da HP Pen drive para muitos dados om revestimento emborrachado, o Data Traveler R500, da Kingston, é protegido de arranhões, quedas e umidade e vem nas capacidades de 16, 32 e 64 GB, com taxas de transferência de leitura de 30 MB/segundo. Com ele, é possível fazer backup de todos os documentos rapidamente, mesmo de vídeos, músicas e muitas fotos. Preços de R$ 170, R$ 340 e R$ 690, respectivamente.

C

A solução está na nuvem De pacotes de escritório a HDs virtuais, conheça os principais softwares grátis que dispensam instalação

ouco a pouco, softwares online ganham espaço dos tradicionais aplicativos que necessitam de instalação e que ficam armazenados no computador. Eles formam a chamada "cloud computing", que leva à internet programas que originalmente rodavam e ficavam alocados em PCs. Um dos principais atrativos desses aplicativos baseados em internet é que são gratuitos. Mas há outras vantagens: podem ser acessados via browser de qualquer computador com acesso à web, economizam espaço no HD, não dependem de máquinas potentes para trabalhar bem (basicamente, apenas de uma boa conexão à rede resolve o problema). Um dos mais populares e usados serviços de software online é o Google Docs (docs.google.com), que reúne o processador de texto Writely, além de editor de apresentações e de planilhas, sempre compatíveis com os formatos do pacote Office da Microsoft. Com possibilidade de armazenar arquivos de até 1.024 MB, o serviço do Google ainda é compatível com PDFs e pode receber upload de imagens. Outro serviço conhecido é o Windows Live (www.live.com), plataforma web da Microsoft que oferece, por meio do Office, a possibilidade de trabalhar online com diversos documentos. Não tão intuitivo quanto o pacote do Google, o sistema Live tem foco em colaboração: é necessário criar grupos e adicionar amigos para criar, editar e compartilhar notas de texto, por exemplo. Há acesso à planilhas, apresentações de texto, embora não funcionem em todos os browsers e em todas as regiões. Mas há vida além dos pacotes do Google e da Microsoft. Quando o assunto é editor de texto, uma boa pedida é o menos famoso – mas igualmente competente – ZoHo (www.zoho.com). Trata-se de um sistema online que importa dados das contas Google e Yahoo! e tem interface amigável. O INetWord (www.inetword.com) e o FlySuite (www.flysuite.com) são outras boas opções de editores web. O primeiro, embora não seja compatível com muitos navegadores, é indicado para iniciantes: tem poucos recursos – o que torna sua interface simples de usar. Já o segundo tem versão para desktops e se destaca pela integração dos softwares online e offline (além de oferecer um capenga sistema de planilhas).

P

Planilhas e Apresentações Quando o assunto é planilhas, dois serviços se destacam na web. O primeiro é o EditGrid (www.editgrid.com), muito semelhante ao Microsoft Excel. Com ele, é possível importar

Sergio Kulpas

SÉRGIO VINICIUS e editar documentos, além de compartilhar via web os trabalhos. O outro site que merece destaque pelo que oferece é o ZoHo Sheet (http://sheet.zoho.com). Com compatibilidade com os serviços do Google, o software online permite a criação de gráficos a partir de dados. Sua interface é extremamente semelhante ao Excel (até mesmo na cor) e realiza um bom trabalho com números e fórmulas, embora seja um tanto lento nas respostas. Para quem deseja editar, visualizar, gerenciar ou realizar qualquer trabalho com apresentações – que tem como seu mais famoso software o PowerPoint – podem apelar na web para os serviços Empressr (www.emp re s s r. c o m ) e B r i n k p a d ( w w w. b r i n kpad.com/html/launch.html). O primeiro é um software online que requer um rápido cadastro para uso e que oferece diversas imagens de base para que o usuário realize sua apresentação. Já o BrinkPad é uma ferramenta que funciona por meio do Java, não requer qualquer identificação do usuário e tem uma interface um tanto confusa, com botões espalhados pela tela e sem qualquer semelhança com o famoso programa do Office. É necessário um tempo médio de aprendizado até se acostumar com a ferramenta. Imagens, HD, desktop Embora a edição de imagens seja dominada pelo Photoshop e não haja na web nenhuma ferramenta semelhante quando comparados os recursos, é possível encontrar na rede aplicativos para retoques, visualização e alterações simples

sergiokulpas@gmail.com em figuras. A melhor pedida, em termos de facilidade de uso e de opções de edição, é o Pixlr (http://pixlr.com/editor). Sem exigir cadastro algum, o site é rápido nas respostas e permite ao usuário trabalhar com imagens alocadas no computador ou publicadas na internet. Para quem deseja armazenar conteúdo online para depois resgatá-lo ou compartilhá-lo remotamente, os HDs virtuais fazem um bom trabalho. Embora nomes como Rapidshare ( w w w. r a p i d s h a re . d e ) e M e g a u p l o a d (www.megaupload.com) sejam os mais famosos, um dos mais completos discos é o 4Shared (www.4shared.com), que permite ao usuário separar o conteúdo por pastas e é compatível com usuários dos serviços Google – é possível acessar o serviço com sua senha do Gmail ou do Orkut, por exemplo. O HD virtual oferece 10 GB de espaço para guardar dados. Os desktops virtuais, que são também chamados de sistemas operacionais online, levam a uma interface diversos serviços, como calendários, leitor de RSS, editor de texto e gerenciador de planilhas. Um dos melhores softwares desse ramo é o EyeOS (www.eyeos.org), que requer um rapidíssimo cadastro (somente nome de usuário e senha) para começar a funcionar. Uma vez logado no sistema, abre-se uma página inicial que é o "desktop" do usuário. Ao salvar as alterações, tudo fica guardado e, ao iniciar uma nova seção, todas as preferências são resgatadas. Itens como programa de FTP, navegador próprio (sim, há um navegador dentro de outro navegador) e jogos são outros atrativos do sistema.

Opera: no caminho inverso navegador Opera (www.opera.com) conta com um serviço chamado Unite, que visa transformar o PC do usuário em uma espécie de servidor de internet. Fotos, músicas, filmes e qualquer tipo de conteúdo pode ser compartilhado por meio do serviço gratuito, disponível a qualquer usuário do browser. O Opera Unite funciona de forma simples. Com o navegador instalado no computador, o usuário escolhe a pasta ou o conteúdo que quer compartilhar. Ao fazer isso, o Opera gera um link de internet, no qual quem acessar terá contato com o que está no computador do

O

netbook HP Mini 210 tem 3 cm de espessura e pesa 1,4 kg. A tela tem 10 polegadas e ele vem com 2 GB de memória e Windows 7 Starter. A bateria é de seis células com autonomia de cerca de 8 horas e o sistema de GPS traz mapas, pontos de interesse e navegação por voz. Acessórios como capas de neoprene com revestimento interno acolchoado e mouses sem fio que reduzem a interferência, são alternativas de presentes para acompanhar o equipamento. Por R$ 1.299

O

usuário. Esse endereço pode ser protegido por senha ou ser livre. �� possível não só "baixar" o conteúdo que está no computador de quem usa o Opera Unite, como também reproduzir músicas diretamente dessa máquina remota - só é possível acessar essa página quando o computador com o Opera Unite está ligado e rodando. Além dessa troca de conteúdo, o Unite permite a publicação na internet e a hospedagem de sites na máquina do usuário. Ele garante também a veiculação de conteúdo por streaming, comunicação via mensageiro eletrônico e outros. (S.V.)

M-commerce forte

O

ano de 2010 marca a consolidação do celular como uma ferramenta essencial do varejo, tanto para os consumidores como para os varejistas. De acordo com a empresa de pesquisas Canalysis, mais de 65 milhões de smartphones chegaram às mãos dos consumidores norteamericanos em 2010. O importante estudo Pew Internet & American Life Project (disponível no endereço http:// pewinternet.org/~/media/ Files/Reports/2010/ PIP_Mobile_Access_2010.pdf) levantou que nove entre dez jovens entre 18 e 29 anos já tem um celular, e esses usuários estão muito inclinados a usar aplicativos de compras. O estudo também aponta que 20% desses jovens já fazem compras de produtos e serviços usando o celular. De acordo com Dave Sikoria, executivo-chefe da empresa de mcommerce Digby (http://www. digby.com), esse crescimento extraordinário da tecnologia e da base de usuários deve marcar o final de 2010 com resultados muito expressivos nas vendas. Sikoria cita o estudo 2010 Holid a y M a r k e t e r ( h t t p : / / w w w. experian.com/assets/marketingser vices/reports/2010-holidaymarketer.pdf ), que aponta um crescimento de 13% no m-commerce em 2010 – e já tinha crescido 10% em 2009. A Experian aponta que 22% dos consumidores pretende realizar alguma compra com o celular nos próximos 12 meses. Sikoria aponta cinco tendências importantes, que podem ajudar na estratégia de m-commerce dos varejistas: 1) Os smartphones mais avançados estão se tornando a norma. São aparelhos com interfaces mais sofisticadas e conexões mais velo-

zes. Segundo a Experian, 37% dos usuários nos EUA acessaram sites de varejo usando aparelhos iPhones, 29% navegaram com o iTouch (também da Apple), 13% com o BlackBerry e 12% com smartphones dotados com sistema operacional Android. 2) As vendas feitas diretamente via celular estão em crescimento acelerado. De acordo com um estudo da ABI Research, até 2015 os consumidores devem gastar cerca de US$ 119 bilhões no mundo comprando bens e serviços usando apenas os celulares. 3) Promoções específicas estimulam as vendas. Os varejistas que apostam em promoções criadas especificamente para os usuários móveis confirmam um aumento nos negócios. Utilizando tecnologias de localização e horários do dia, os varejistas podem atrair a atenção desse usuário de modo inédito. 4) Aplicativos bem concebidos compensam o investimento feito pelas empresas. Os varejistas que investem em aplicativos inteligentes e sofisticados têm mais chances de aumentar suas vendas. Os usuários apreciam apps bem desenvolvidos, especialmente aqueles que facilitam a experiência de compra – desde a exibição e seleção de produtos até o pagamento e o acompanhamento da entrega. 5) O celular já é oficialmente o quarto canal do varejo. Um número crescente de varejistas no mundo está integrando o m-commerce à estratégia total de vendas, somando-se ao espaço da loja física, aos catálogos impressos e ao website. O m-commerce não é uma moda passageira, como alguns ainda acreditam, mas uma nova ferramenta que se tornará obrigatória para o comércio.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 23 de novembro de 2010

19

Se 2009 foi o ano dos netbooks, 2010 dos smartphones, 2011 será dos tablets Paulo Cesar Teixeira, vice-presidente de operações da Vivo nformática

Tablet Galaxy chega ao Brasil antes do iPad

Com o Galaxy, o usuário navega na internet, lê emails, fala ao telefone pelo viva-voz ou pelos fones Bluetooth ou com fio, assiste TV digital ou analógica (recurso só disponível nos equipamentos brasileiros), acessa livros e jornais

Produto da Samsung reúne a mobilidade e a praticidade de um netbook com a conectividade de voz e rapidez na busca de informações de um smartphone

S a m s u n g c o r re u n a frente da Apple e lançou oficialmente no Brasil o seu Galaxy Tab, o tablet de 7 polegadas e que começou a ser vendido pela Vivo, Claro e TIM na sexta-feira passada. Ao contrário do iPad, que não tem ainda uma data para chegar ao País (ele é ainda comprado lá fora pelos usuários), o Galaxy Tab será produzido na fábrica da Samsung em Campinas, São Paulo. "Os pedidos das operadoras e do varejo estão acima de nossas expectativas, esperamos poder atender boa parte dessa demanda no Natal", diz o diretor de Marketing e Telecom da Samsung, Hamilton Yoshida. Isso porque, mesmo sendo uma fabricação local, as partes e peças como telas, chipsets e outros componentes são importados. Yoshida acredita que até começo de 2011 a produção entre num ritmo normal para não frustrar o consumidor. O número de unidades a serem fabricadas no Brasil e o volume de encomendas feitas pelas teles e lojistas não são reveladas. As operadoras estão concentrando as vendas neste primeiro momento no Rio e em São Paulo, mas nas próximas semanas o produto chega aos demais Estados. A Vivo acredita que esse novo dispo-

A

BARBARA OLIVEIRA sitivo 3G deve despertar grande interesse do consumidor amante de tecnologia e será um dos itens mais vendidos no Natal, junto com os smartphones. "Se 2009 foi o ano dos netbooks, 2010 dos smartphones, 2011 será dos tablets", avalia o vice-presidente de operações da Vivo, Paulo Cesar Teixeira. O Galaxy Tab custará entre R$ 599 e R$ 2.299 (desbloqueado) na operadora. Um dos pacotes mais buscados pelos usuários é o Vivo Você 100 com 4 GB de dados no valor mensal de R$ 210,90. Com esse plano, o tablet sai por R$ 1.299. A TIM e a Claro também lançaram o produto em suas lojas na sexta-feira. Na TIM ele pode ser adquirido por R$ 2.280 ou em 12 parcelas sem juros de R$ 190, e na Claro por R$ 1.099 no plano Banda Larga 10 GB cuja mensalidade é de R$ 200. O aparelho traz como acessórios uma capa protetora, um fone de ouvido Bluetooth e cabo USB para conexão com o PC. O produto pode ser carregado no bolso, e é um novo patamar no segmento de produtos portáteis, pois reúne a mobilidade e a praticidade de um netbook (cujas telas são de 10 a 13 polegadas) com a conectividade de voz e rapidez na busca de informações de um smartphone. Isso graças aos siste-

mas operacionais, similares aos dos celulares inteligentes e que permitem acesso às várias funções bastando um toque na tela, sem a necessidade de esperar o sistema carregar, como ocorre nos PCs. O Galaxy Tab roda o Android 2.2 (codinome Froyo), mas haverá uma versão específica para esse novo formato em breve. Com ele, o usuário navega na internet, lê e-mails, fala ao telefone pelo viva-voz ou pelos fones Bluetooth ou com fio, assiste TV digital ou analógica (recurso só disponível nos equipamentos brasileiros), acessa livros, revistas e jornais. Para o fornecimento desses conteúdos foram feitas parcerias com a Livraria Cultura (15 títulos brasileiros vêm embarcados no tablet) e empresas jornalísticas de todo o País. A partir de janeiro, os usuários poderão comprar qualquer título de várias livrarias, informou o gerente de produto da Samsung, Diego Andrade. Ele ressalta que o sistema operacional Android, que é aberto, permite ao usuário ter à disposição mais de 100 mil aplicativos. Uma característica marcante do Galaxy é o teclado virtual Swype, pelo qual o usuário passa o dedo nas teclas e ele vai formando as palavras, o mesmo recurso de alguns smartphones da marca.

Divulgação

Teste em primeira mão Galaxy Tab é a aposta da Samsung para bater o Apple iPad. Nas prateleiras das operadoras de telefonia, o equipamento inaugura no mercado brasileiro – já que o iPad, da Apple, ainda não é oficialmente distribuído por aqui – um novo nicho de eletrônicos: os chamados tablets. Trata-se de um aparelho que faz ligações telefônicas e é maior do que um smartphone. Mas que é também menor do que um netbook, tem teclado touchscreen e tela com 7 polegadas ou um pouco mais. O Diário do Comércio testou em primeira mão o tablet da Samsung. E, de saída, gostou do que viu. O equipamento é equipado com o sistema operacional Android e é bastante simples de

O

operar. Uma vez ligado o Galaxy Tab, tarefas como se conectar à internet e assistir a vídeos no YouTube, por exemplo, são realizadas de forma intuitiva por qualquer usuário com familiaridade com PCs, notebooks ou smar tphones. A transmissão de vídeos em Flash, aliás, é um trunfo do Galaxy Tab sobre o concorrente iPad: o tablet da Apple não oferece suporte a essa tecnologia. Ainda falando em filmes, a resolução da tela de 7 polegadas não deixa a desejar: é possível assistir a séries ou mesmo jogos de futebol – o modelo é equipado com suporte à TV digital e TV analógica – sem perdas sensíveis. A experiência é superior à quando realizada em televisores comuns, de tubo, diga-se. Mas nem tudo são flores no

Galaxy Tab. A começar pelo salgado preço: mais de R$ 2 mil. Posicionado entre o mercado de smartphones e o de netbooks, o modelo é muito, muito mais caro do que desses equipamentos. Um smartphone de entrada por ser encontrado por a partir de R$ 400. Já os netbooks têm preço médio entre R$ 800 e R$ 1,5 mil. Além do custo, outro ponto "esquisito" no Galaxy Tab é usá-lo como telefone: talvez seja questão de costume, mas é estranho colocar uma traquitana de quase 20 cm de altura por mais de 10 cm de largura na orelha e dizer "alô". Fora a função telefone, entretanto, o Galaxy vai muito bem e cumpre o que promete: excelente resolução de imagens, acesso rápido à web, aplicativos dedicados em um sistema Android esperto e suporte multimídia completo. (Sérgio Vinicius)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

20

e

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Existem mais empresas brasileiras investindo no exterior do que o contrário. Sandra Rios, diretora do Cindes

conomia

Chegou a nova América Latina Em especial, jornal britânico pontua como a evolução econômica recente tem favorecido a expansão das multinacionais da região.

A

s multinacionais latino-americanas estão cada vez mais presentes no dia a dia não só dos países da região, mas também dos Estados Unidos e da Europa. A avaliação foi feita na edição de ontem do jornal britânico Financial Times, que dedicou uma série de reportagens ao tema em seu especial sobre a América Latina e as oportunidades de negócios que ela oferece. Em sua reportagem principal, o FT lembrou seus leitores que bem possivelmente eles já utilizaram aeronaves regionais fabricadas pela Embraer, consumiram carne fornecida pela Pilgrim's Price (controlada pela também brasileira JBS) ou beberam cerveja da InBev. "Essas são apenas três de um grupo de empresas em expansão denominado 'multilatinas'", salientou o texto, que também citou o Grupo Bimbo, do México, e a cadeia de restaurantes guatemalteca Pollo Campero. Para o jornal, o sucesso dessas empresas se explica pela liberalização econômica dos mercados latino-americanos ocorrida na década de 1990 – que as teria capacitado a participar de forma mais vantajosa nos anos seguintes, quando tiveram condições de absorver competidores de outros países. O texto citou o caso da mexicana América Móvil, do milionário Carlos Slim, como um exemplo dessa tendência. Outro fator importante foi a quase impermeabilidade da região à crise financeira. Para Martin Sorrell, executivo-chefe do grupo de publicidade WPP, a década de 2010 poderá ser da América Latina. Essa também é a avaliação do Banco Mundial, que em re-

latório argumentou que as crises do passado imunizaram a região. Assim, quando as economias mais avançadas teriam "pego uma pneumonia" durante as turbulências de 2008, as latino-americanas tiveram "apenas um resfriado". Desafios – O Financial Times não deixou de lado os problemas que ainda afetam o desenvolvimento econômico da região. "Minha maior preocupação é de pessoal – e de falta de mão de obra qualificada", afirmou à reportagem o executivo-chefe da Vale, Roger Agnelli – um problema presente tanto Brasil quanto no Peru, segundo o texto. A questão da violência urbana também foi apontada pela reportagem – segundo a qual o México seria mais afetado por esse problema. A questão de se transformar a estabilidade macroeconômica recém-adquirida em estabilidade social foi salientada por um diplomata mexicano que optou por não se identificar. Segundo sua avaliação, ambas são "pré-requisitos para um governo bem-sucedido". PM Es – O Financial Times também dedicou espaço no especial às oportunidades que esse cenário econômico oferece a pequenas e médias empresas. No entendimento do jornal, elas já ocupam um papel relevante nos países da região, entre companhias de grande porte, como Petrobras e a petrolífera venezuelana PDVSA, e a economia informal. No entanto, a burocracia estatal ainda é apontada como um fator que onera esses empreendimentos. "A tributação de uma empresa típica brasileira requer o equivalente a cerca de 2,6 mil horas anuais de atividade", avaliou o texto.

Juan Mabromata/AFP

Ed Viggiani/AE

Os aviões montados pela Embraer também foram lembrados como exemplo da expansão das empresas latino-americanas no mundo

Vantagens da América Latina G

G

G

G

Desafios a serem enfrentados G

Excessiva burocracia e carga tributária

G

Falta de integração entre os países da região

G

Dependência do mercado de commodities

G

Baixo nível de inovação empresarial

G

Pouco investimento em pesquisa e desenvolvimento

Multinacionais presentes em várias partes do mundo Mercado doméstico em franca expansão Experiência com turbulências passadas conferiu mais solidez às instituições durante a crise de 2008 Exporta commodities valorizadas no mercado internacional

Alaor Filho/AE

Mercosul não impediu que nações preferissem acordos bilaterais

Região não consegue integrar economias Países têm optado por acordos bilaterais

A

pesar de iniciativas feitas ao longo das últimas décadas para tentar unir economicamente os países da América Latina – como o Mercosul e a Comunidade Andina das Nações (CAN) – o Financial Times apontou que não se tem registrado avanços nessa área, em razão de agendas conflitantes entre os países. Como consequência, as nações latino-americanas têm buscado firmar acordos bilaterais, e não regionais. No entanto, o jornal britânico ponderou que os esforços passados para a integração econômica tiveram a vantagem de estabelecer um cenário no qual o comércio interno da América Latina pode ser realizado, especialmente para bens manufaturados. "O boom nas exportações de commodities para países como China e Índia tem levado à emergência de países latinoamericanos com grande demanda de consumo", afirmou o consultor Mauricio Claveria, da empresa argentina Abeceb. Para ele, acordos como o Mercosul facilitaram a troca intrarregional de mercadorias.

Mundos à parte – As culturas corporativas latino-americanas ainda variam bastante de um país para o outro. De acordo com o FT, este é um desafio que vem sendo enfrentado pelas multilatinas – especialmente pelas brasileiras, que vêm expandindo seus negócios em toda a região. "Existem mais empresas brasileiras investindo no exterior do que o contrário, e isso não acontecia há quatro anos ", avaliou a diretora do Centro de Estudos de Integração e Desenvolvimento (Cindes), Sandra Rios. "Tínhamos fortes investimentos do México, Argentina e Chile; agora a situação se reverteu." De acordo com o Cindes, a percentagem de investimento direto estrangeiro (IDE) do Brasil aumentou substancialmente em outras nações latino-americanas – destacandose Argentina e Chile. Cerca de 30% do investimento do País na região tem sido direcionado ao setor extrativo. A ele se seguem o de construção, a indústria química, o mercado imobiliário, transporte e armazenagem, comércio e agricultura.

A InBev foi um dos casos citados de empreendimentos latino-americanos que se expandiram com aquisições no exterior

Inovação é grande desafio Para diretor do Banco Mundial, região terá de se adaptar à nova realidade global e investir mais em pesquisa.

A

criatividade é um conceito-chave para o crescimento econômico da América Latina. Em artigo redigido para o especial sobre a região publicado ontem pelo Financial Times, o diretor do Banco Mundial Marcelo Giugale argumentou que as companhias da região têm sido estimuladas a ser menos competitivas em razão do fluxo de investimentos externos. "O problema da América Latina é que ela não se destaca em inovação, seja elaborando novas práticas ou aprimorando os procedimentos já existentes. A região tem sido lenta em adquirir, adotar e adaptar tecnologias, e investe muito pou-

co em pesquisa e desenvolvimento", afirmou Giugale. Essa situação se refletiria no reduzido número de patentes registradas nos países latinoamericanos, em comparação com os Estados Unidos. "Poucas empresas adquirem certificados de qualidade, e sua inserção internacional tem sido estagnante por décadas", afirmou, salientando que só 5% do comércio mundial tem uma empresa da América Latina como parceira. Mesmo antes da crise de crédito de 2008, quando havia abundância de recursos externos, poucos novos negócios vieram à tona na região, segundo Giugale. Ele citou a produ-

ção de alimentos premium, turismo médico, engenharia aeronáutica, desenvolvimento de softwares e call centers. Para ele, a região padeceria da "maldição das commodities" – com lucros garantidos pelo fornecimento de matérias-primas aos mercados desenvolvidos, as empresas latino-americanas não teriam muito interesse em se arriscar em novos negócios. "Ironicamente, algumas das melhores inovações recentes na América Latina aconteceram nas indústrias de commodities – como no caso da soja argentina e da sustentabilidade ambiental da mineração peruana", complementou.

A busca pela inovação seria, segundo Giugale, uma tendência que deverá variar de país para país. "A nova realidade global faz com que a mudança seja inevitável. Mas os países latino-americanos diferem em termos de tecnologia, eficiência tributária, capital humano, cenário regulatório e capacidade institucional." O papel do Estado – Na avaliação do diretor do Banco Mundial, o fomento da inovação passa pelo setor público, que deveria atuar como um agente catalisador de mudanças. "Deve ser um parceiro que, em alguns casos, contribuirá com recursos e, em outros, com reformas", disse.


Diário do Comércio