Page 1

Nova CPMF rejeitada. Aviso prévio de 90 dias.

R$ 1,86 Voo cego do dólar nas alturas

Págs. 6 e 13

R$ 1,40

O dólar subiu mais 4,24% ontem ante o real. Em 13 dos 14 dias úteis do mês alçou-se 16,6%, altitude que não sobrevoava desde outubro de 2008. O ministro Guido Mantega diz que o câmbio está devolvendo o que se valorizou. A crise mundial deve dar mais impulso ainda ao dólar. Página 15 Quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Mais aperto na Grécia: heureca?

www.dcomercio.com.br

Corte em pensões, fim de isenções, mais demissões e, claro, protesto (foto). Pág. 18

Notas dos bancos pioram Agências rebaixam bancos dos EUA e Itália e FMI lança alerta de prejuízo. Pág. 18

Conclusão: 00h15

Ano 87 - Nº 23.463

Jornal do empreendedor

Louisa Gouliamaki/AFP

US$ 400 bi. E os EUA respiram. Fed anuncia programa de ajuda à economia americana. Página 18 Dom Emmert/AFP

Palestina: Dilma diz sim na ONU. Obama, não. A presidente, 1ª mulher a abrir uma Assembleia Geral, defendeu o Estado palestino e disse se sentir representante de todas as mulheres. Pouco depois, Obama afirmou não haver atalho para a paz entre palestinos e israelenses. Págs. 5, 6 e 8 AFP/STR

Brasileirão tem novo líder Com empate sem gols contra o Corinthians, São Paulo assume liderança. Pág. 10 Almeida Rocha/Folhapress

ISSN 1679-2688

23463

HOJE Parcialmente nublado Máxima 26º C. Mínima 14º C.

AMANHÃ 9 771679 268008

Sol com pancadas de chuva Máxima 29º C. Mínima 15º C.

E na Palestina que não é Estado... Soldados israelenses em confronto com civis, na Cisjordânia. Pág. 8


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Não se iludam, no entanto, que a ameaça de um "impostaço" para a Saúde esteja afastada. José Márcio Mendonça

pinião

DOMINGOS ORESTES CHIOMENTO

UM PRESENTE NO DIA DO CONTADOR

H

Em vez de cortes, mais impostos por aí.

O

mais recente cálculo do ministro da Saúde, Alexandre Padilha, a respeito dos recursos a mais, necessários para dar uma qualidade igual à do Chile e da Argentina aos serviços médico-hospitalares brasileiros, é de R$ 45 bilhões anuais. Isso a serem somados aos R$ 150 bilhões já investidos hoje pelos governos federal, estaduais e municipais. Antes, Padilha não sabia quanto custaria, e depois falou em algo próximo de R$ 25 bilhões. As contas do governo evoluíram, para o alto, rapidamente. Com um objetivo: convencer o Congresso, junto com a aprovação definitiva da regulamentação da Emenda Constitucional 29, dependente ainda de uma votação confirmativa no Senado, a apontar novas fontes de receitas para o setor. Em tese, o governo abandonou a ideia de recriar a CPMF, com o codinome CSS (Contribuição Social para a Saúde), numa certa época a solução preferida da presidente Dilma (discretamente), de quase todos os governadores e de dez entre dez governistas. Não se iludam, no entanto, que a ameaça de um "impostaço" para a Saúde esteja afastada. Quando o governo, como é hoje a cruzada do ministro Padilha, fala em "novos" recursos ele está se referindo a dinheiro novo de fato, não apenas sugerindo remanejamento das verbas já existentes no Orçamento. Ninguém quer abrir mão de nada; todos acham que está faltando. Até o recém empossado ministro do Turismo, Gastão Vieira, cujo ministério comprovou-se um sugadouro de recursos públicos, deu de reclamar, diante da presidente, da escassez de recursos. Não se iludam também de que a solução venha de alguma inovação, como a ideia agora preferida dos aliados, de uma participação nos recursos do pré-sal. Governo federal, governos estaduais e governos municipais não conseguiram até agora se entender sobre

JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA uma regra "justa" sobre a partilha dos royalties, ameaçando-se com um pesada pendenga judicial. O que dizer de repartir um pedacinho para a Saúde? Se o setor fosse mesmo prioridade, com ou sem pré-sal, eles encontrariam um modo de financiá-lo.

C

omo diziam com alguma lambança alguns estudantes baianos, diante do ex-presidente, a respeito de uma outra mazela nacional,: " É ou não é piada de salão/ tem dinheiro para a Copa/Mas não tem dinheiro para a Educação". Prioridade rima com vontade. Além do mais, o pré-sal ainda é uma promessa: só começa a jorrar em três ou quatro anos e tapar os vazamentos da Saúde era para ontem. Não se pense também que, num surto de bom senso, Brasília descubra que é possível, com um bom encanador, estancar os ladrões (aquele escape que põe em caixas d’água para evitar que elas vazem) por onde jorram aos borbotões recursos públicos. Não se trata apenas de conter a corrupção, cujo custo pode ser medido por um relatório do TCU no Ministério dos Transportes: em menos de 20 obras, em menos de

70 contratos, num total de pouco mais de R$ 5 bilhões, foram encontrados desvios de mais de R$ 600 milhões. Mais de 12%, um desvio superior à tradicional "comissão por fora" brasileira. Há coisas mais simples, facilmente aplicáveis com uma canetada e que trariam redução permanente de gastos, sem prejuízo – aliás, com vantagens – para a qualidade de gestão do governo. Eis abaixo umas poucas, relacionadas para este artigo por um especialista em finanças públicas: 1-Redução para algo entre 15 e 20 do número de ministérios, atualmente em 39. 2 - Redução, inicialmente para a metade, do número de cargos comissionados ocupados por nãoconcursados. Hoje, segundo cálculos subestimados, são cerca de 22 mil. Na Inglaterra são cerca de 400, e nos Estados Unidos, 2 mil. 3 -Suspender toda a publicidade do governo que não seja a publicidade legal e para campanhas obrigatórias, como de vacinação. Publicidade de estatais, apenas para aquelas que disputam mercado, como o Banco do Brasil, a

Quando o governo fala em "novos" recursos ele está se referindo a dinheiro novo de fato, não só sugerindo remanejar as verbas do Orçamento.

Caixa Econômica e a Petrobras, no setor de venda de combustíveis, por exemplo. Por que um BNDES, único em sua atividade, precisa gastar milhões em propaganda? 4 - Eliminar todos os convênios de execução de serviços e os programas celebrados com ONGS, uma das origens de todos os problemas surgidos nos últimos tempos no Ministério do Turismo e uma praga que avança por diversos outros órgãos. 5 -Acabar com as emendas parlamentares, outra fonte de corrupção e de troca de favores. O que for realmente necessário deve constar direto do Orçamento, e negociado diretamente entre os Executivos federal, estaduais e municipais. 6 - Fazer uma revisão geral dos Legislativos brasileiros e de seus custos. Os Estados Unidos têm 50 Estados e apenas 100 senadores (dois por cada unidade). Temos 27, com o Distrito Federal, e 81 Senadores. Com menos de 200 milhões de habitantes, temos 513 deputados federais. Com quase 300 milhões de habitantes, os americanos têm apenas 435.

I

sso é só um pouquinho. E todas as medidas podem ser replicadas nos Estados e a maioria nos grandes municípios. É possível também reduzir o número de vereadores e acabar com a remuneração para as Câmaras Municipais nos municípios com menos de 50 mil habitantes. Mas como nada disso passa pela cabeça da política – pelo contrário vem aí, por exemplo, mais um ministério – e os deputados e senadores estão brigando para aumentar os valor das emendas parlamentares, os "novos" recursos para a saúde vão virar, sim , um novo imposto ou então o aumento de um tributo já existente. JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA É JORNALISTA E ANALISTA POLÍTICO

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Cláudio Vaz Edy Luiz Kogut Érico Sodré Quirino Ferreira Francisco Mesquita Neto João de Almeida Sampaio Filho João de Favari Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Paulo Roberto Pisauro Renato Abucham Roberto Faldini Roberto Mateus Ordine

oje celebramos mais um Dia do Contador, em homenagem aos profissionais bacharéis em Ciências Contábeis. Nosso reconhecimento aos profissionais que trabalham com ética, amor, competência e disciplina: hoje somos bem mais participativos nos processos gerenciais das empresas de todos os portes e esferas, do governo e do terceiro setor. Ainda há um longo caminho para percorrer, mas temos muito a comemorar, uma vez que contamos com amplo leque de escolha de área de atuação, com cerca 30 especializações, conforme as aptidões de cada um – como contador, auditor interno, perito, consultor, controller, auditor independente, analista financeiro, investigador de fraudes, agente fiscal de renda, professor, pesquisador, contador público. Além disso, as alterações das normas contábeis, provenientes da adaptação às IFRS (International Financial Reporting Standards – Normas Internacionais de Contabilidade), as frequentes mudanças na legislação, os reflexos das novas tecnologias e da globalização, bem como as necessidades dos empresários, fazem com que, cada vez mais, sejamos valorizados. A importância do contador aumenta com o passar das horas, paralelamente à sociedade e ao governo.

O

s profissionais dos números têm séculos de história quanto à sustentação e orientação das empresas, que necessitam dos contadores para lidar com o fator primordial, mais decisivo e complicado do mundo dos negócios: o dinheiro. São aos contadores que os empresários recorrem quando precisam de direção para o negócio. São responsáveis por cuidar da gestão econômica da empresa, calculando impostos, apurando resultados e orientando os empreendedores nas tomadas de decisões sobre questões monetárias, fiscais e trabalhistas, com o máximo de transparência e qualidade. Neste 22 de setembro comemoramos 65 anos de regulamentação da profissão, regimentada pelo Decreto nº 9.295, de 1946, ao ser instituído o Conselho Federal de Contabilidade (CFC). A data foi escolhida por ser dedicada ao padroeiro da profissão, São

Mateus, apóstolo que antes de se dedicar à evangelização exercia a atividade de publicano, o cobrador de rendimentos públicos. No Brasil, o Dia do Contador também é marcado pela criação, em 1945, do primeiro curso de Ciências Contábeis, na Faculdade de Ciências Econômicas e Administrativas de Minas Gerais, na Universidade de Minas Gerais (UFMG), hoje denominada Faculdades de Ciências Econômicas.

A

té os anos 70, o contador brasileiro era conhecido como "guarda-livros”". Mas com o tempo, a Contabilidade tornou-se uma área inovadora e novos desafios recuperam a essência contábil. Como as mudanças na área são contínuas, estudantes e profissionais devem se preparar para um mercado de trabalho cada vez mais acirrado e exigente. Como um presente para os profissionais, o CRC/SP (Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo) lança o Canal IFRS-

PMEs, cuja meta é capacitar os profissionais que atuam nas micro e pequenas empresas sobre o uso e aplicação das Normas Internacionais de Contabilidade nos negócios. O Canal IFRS atendera às demandas e as oportunidades de negócios, para que todos os envolvidos possam entender e utilizar de forma correta essa nova linguagem global dos negócios. O primeiro programa técnico será exibido a partir do dia 26 de setembro. Nele, os internautas aprenderão como contabilizar a conta patrimonial responsável pelo registro dos bens destinados a manutenção das atividades econômicas da entidade a partir das novas normas. Parabéns, pois, aos os contadores pelo seu dia e pela relevância do seu trabalho, que auxilia o desenvolvimento do País. DOMINGOS ORESTES CHIOMENTO É CONTADOR, EMPRESÁRIO CONTÁBIL E PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DE SÃO PAULO.

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, João de Scantimburgo, Marcel Solimeo Diretor-Responsável João de Scantimburgo (jscantimburgo@acsp.com.br) Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Edi tor - Ch e fe: José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br) Chefia de Reportagem: Teresinha Leite Matos (tmatos@acsp.com.br) Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br) Editores Seniores: Bob Jungmann (bob@dcomercio.com.br), Carlos de Oliveira (coliveira@dcomercio.com.br), chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), Estela Cangerana (ecangerana@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Luiz Antonio Maciel (maciel@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br) Editor de Fotografia: Alex Ribeiro (aribeiro@dcomercio.com.br) Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Ricardo Ribas (rribas@dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br) Subeditores: Fernanda Pressinott, Kleber Gutierrez, Marcus Lopes e Rejane Aguiar Redatores: Adriana David, Eliana Haberli, Evelyn Schulke, e Sérgio Siscaro Repórteres: Anderson Cavalcante (acavalcante@dcomercio.com.br), André de Almeida, Fátima Lourenço, Ivan Ventura, Kelly Ferreira, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mário Tonocchi, Neide Martingo, Paula Cunha, Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves, Sandra Manfredini, Sergio Leopoldo Rodrigues, Sílvia Pimentel, Vera Gomes e Wladimir Miranda. Gerente PL Arthur Gebara Jr. (agebara@acsp.com.br) Gerente Executiva Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estado, Folhapress, Efe e Reuters Impressão OESP GRÁFICA S/A Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3244-3175. Fax 3244-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3244-3197, 3244-3983, Fax 3244-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3244-3544, 3244-3046 , Fax 3244-3355

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3244-3737 REDAÇÃO (011) 3244-3449 FAX (011) 3244-3046, (011) 3244-3123 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

o

3

MENTALIDADE BRASILEIRA PENDE PARA O PODER EMPREEND EDOR DO ESTADO E NÃO DA INICIATIVA PRIVADA.

pinião

CULTURA ESTATIZANTE

Q

ualquer crise econômica é dolorosa. Mas as crises, nas economias capitalistas, são também repositórios de oportunidades. Em tempos de crise, mercados se fecham e mercados se abrem. É nesses momentos que a destruição criadora, de que falava Schumpeter, se acentua. O problema é que o espírito empreendedor, que induz indivíduos e empresas a inovar, a experimentar e a criar, precisa de um ambiente propício para prosperar, pois não são necessárias apenas boas ideias e disposição para tocar um negócio. Muitas outras variáveis são importantes, notadamente respeito ao direito de propriedade, estabilidade jurídica, justiça rápida, baixa regulamentação, facilidade para abertura de novas empresas, carga tributária reduzida sobre a produção e o trabalho, crédito abundante e barato, abertura para o exterior, entre outras. Infelizmente, a mentalidade no Brasil pende muito mais para o poder empreendedor do Estado do que para a iniciativa privada. Muito poucos são aqueles que realmente acreditam que um futuro próspero depende do empreendedorismo e não do voluntarismo político. Aqui, o governo é, na maioria das vezes, concorrente, e não regulador e árbitro, como seria desejável. É evidente que, como concorrente, não interessa ao Estado tomar medidas que incentivem o crescimento e independência da iniciativa privada.

S

e, apesar de todos os entraves hoje existentes, a economia brasileira ainda consegue crescer a taxas de 4% a 5% ao ano, imagine se conseguíssemos estabelecer por aqui um ambiente de negócios realmente propício, onde prevalecesse a liberdade econômica, a baixa regulamentação, os baixos impostos, onde o Estado defendesse eficientemente a vida, a liberdade e a propriedade dos cidadãos, garantisse a execução dos contratos, proviesse regras claras de boa conduta e uma justiça impessoal.

JOÃO LUIZ MAUAD

isso provoque reações imediatas, como foi o caso da recente tentativa de ressuscitar a famigerada CPMF (que Deus a tenha!). Mas no meio político a mentalidade ainda é flagrantemente intervencionista. O discurso político dominante é o da esquerda – repleto de propostas anti-mercado.

M

O Banco Mundial (ver em h t t p : / / w w w . d o i n g b u s in e ss . o rg/ E c o no m y R an k i n gs / ) divulga anualmente um relatório sobre o ambiente de negócios no mundo. Esse levantamento é baseado na análise quantitativa e qualitativa de 10 diferentes aspectos ligados ao ambiente institucional de negócios, com destaque para a burocracia envolvida na abertura e fechamento de empresas, licenciamentos governamentais, contratação de mão-deobra – principalmente os encargos relacionados à admissão e demissão de pessoal –, registros de propriedade, acesso ao crédito, segurança jurídica, pagamento de impostos (carga tributária e burocracia envolvida), facilida-

Muito poucos são aqueles, no Brasil, que realmente acreditam que um futuro próspero depende do empreendedorismo e não do voluntarismo político. des (dificuldades) de comércio com o exterior e respeito aos contratos. Como é fácil inferir, o Brasil, desde os primeiros resultados, esteve sempre perto das últimas colocações. Muitos membros do governo brasileiro têm reclamado dessas análises, alegando que elas não re-

presentam a realidade econômica do país e baseiam-se em dados defasados e/ou tendenciosos. Qualquer empresário que já arriscou abrir um negócio por aqui, no entanto, sabe que os resultados encontrados pelo Banco Mundial, se não são exatos, estão muito próximos da realidade.

E

mbora ainda não exista uma mobilização efetiva da sociedade e, principalmente, do empresariado (mais preocupado com a sobrevivência diária ou com a manutenção de privilégios), já começam a surgir, aqui e ali, algumas vozes isoladas contra esse estado de coisas. A própria imprensa, antes tão estatista e antiliberal, hoje parece muito mais consciente de que o caminho é mesmo através da iniciativa privada, e não do governismo. A linha editorial atual dos grandes jornais é um exemplo claro disso. Já não é tão fácil para o governo aumentar impostos, criar leis trabalhistas esdrúxulas ou gastar o dinheiro dos pagadores de impostos sem critério, sem que

O GALO, A HISTÓRIA E B

ir Martins, 1968

alo", de Aldem

quadro "G Reprodução do

Sócrates, condenado à morte, e já tendo ingerido o veneno fatal que lhe tiraria a vida, confessou que devia um galo a um certo Asclépio e não queria passar desta para melhor devendo nada a ninguém. Pediu então a um amigo que pagasse essa dívida a seu credor. Homem probo esse Sócrates. Outro evento de repercussão cósmica, envolvendo o galo, se deu últimos dias de Jesus, lá na velha Jerusalém, que vivia sob o tacão romano e incendiada pelas intrigas dos sumos sacerdotes Anás e Caifás e dos fariseus barraqueiros e hipócritas de alta octanagem. Traído por Judas Iscariotes, o Mestre se viu também abandonado pelos seus discípulos, os quais, transidos de medo, fugiram como coelhos assustados. Eis que de novo o Nazareno se via só no caminho dos vários calvários em direção ao Gólgota cruento. Parêntesis: Judas, que pertencia à facção xiíta dos Zelotes, entrou para a História como canalha nota dez; mas, numa análise mais percuciente da curta trajetória de Jesus, notar-se-á que os demais discípulos também apresentaram gravíssimas falhas de caráter nos momentos de maior carência pessoal do Homem de Nazaré.

O

Christos, se assim o desejasse, teria hostes de Querubins, Serafins, Tronos e de outras ordens angelicais para defendê-lo de todos os perigos; no entanto, na hora de sorver o cálice de fel, se viu abandonado por aqueles

que se diziam "amigos sinceros". Um dos discípulos que falhou feio com Jesus – e que traiu sua amizade – foi Pedro, cujo nome significa "a pedra". Naquelas circunstâncias adversas, Pedro se revelou mais para "gelatina" do que para uma pedra. Falastrão, Pedro vivia fazendo juras de amor e lealdade a Jesus. Este, sabendo avaliar o que vai no íntimo das pessoas, proferiu a máxima perpétua na qual inseriu o galo como protagonista: " Pedro, em verdade, em verdade te digo, que esta noite, antes que o galo cante, tu me negarás por três vezes."

E

na confusão que se seguiu logo após a prisão de Jesus, Pedro tentava se passar por mais um anônimo no meio do povo exaltado. Assentado à beira de uma fogueira para se aquecer, uma criada bradou: "Vejam" –- e apontou o dedo para Pedro –, "“este também andava com Jesus!" E Pedro, num fio de voz, retrucou:" Não sou eu, mulher. Eu nem o conheço!". Outra mulher confirmou: "Ele é um dos seus seguidores". E Pedro, de novo: "Nunca estive com esse homem". Outras vozes se elevaram: "Temos certeza de que és um dos seguidores do Rabi, pois teu modo de falar te denuncia". E Pedro exclamou pela terceira vez: "Não, não sou eu! Me deixem em paz!" Nisso o canto de um galo rasgou ao longe a mortalha daquela noite lúgubre e fria de traição e canalhices contra o Ungido. Pedro ouviu a cantiga roufenha do galo, lembrou-se das palavras de Jesus e chorou amargamente. Dizem os estudiosos sérios das Sagradas letras que só depois de ouvir a canção do galo e de ter negado o Mestre por três vezes, é que Pedro finalmente se converteu ao Evangelho supremo pregado pelo Nazareno. Mas isso já é outra e empolgante história. Mais de vinte séculos depois, aqui no Brasil,

JOÃO LUIZ MAUAD É EMPRESÁRIO E COLUNISTA DO SITE WWW.MIDIAAMAIS.COM.BR

LUIZ OLIVEIRA RIOS

O TRABALHO EM EQUIPE icho antigo, o galo. Cantador das altas madrugadas, quando a bela carruagem em chamas da linda Aurora está chegando para inaugurar a estação de um novo dia, o galo é tão importante que, em duas ocasiões memoráveis, fez registrar o seu nome na História universal da humanidade. O primeiro episódio envolvendo o galo aconteceu por volta de uns quatro séculos antes de Cristo, quando o sábio grego

uitos acreditam que a solução para combater essa hegemonia de idéias (e ideais) estatizantes seria investir em partidos e políticos engajados com uma proposta mais liberal, mas não sei se esta seria uma boa estratégia, pelo menos por enquanto. Acho até que haveria espaço para eleger, a curto prazo, alguns pouquíssimos candidatos dispostos a defender a livre iniciativa e um Estado mais enxuto. Mas isso não seria suficiente. Já tivemos no Congresso, em passado recente, por exemplo, um político liberal da estirpe de Roberto Campos. E o que ele conseguiu? Praticamente nada, pois não era mais do que um Dom Quixote lutando contra moinhos de vento. Portanto, antes de se pensar em representação política, já que ela nada mais é do que o espelho da sociedade, é preciso reverter a cultura intervencionista que tomou conta da opinião pública – e até mesmo de muitos empresários.

João Cabral de Melo Neto escreveu : "Um galo sozinho não tece uma manhã:/ ele precisará sempre de outros galos./ De um que apanhe esse grito que ele/ e o lance a outro; de um outro galo/ que apanhe o grito que um galo antes/ e o lance a outro; e de outros galos/ que com muitos outros galos se cruzem/ os fios de sol de seus gritos de galo/ para que a manhã, desde uma teia tênue,/se vá tecendo, entre todos os galos.

Se cada unidade

O

u seja, é que compõe preciso que o a organização galo repercuta seu canto até que se afinasse muitos galos unidos estratégica e teçam uma nova operacionalmente, manhã. Das palavras teríamos enfim do poeta, quando transportadas via a sinfonia da metáforas para o produtividade. universo empresarial, podemos depreender que, se cada unidade que compõe o todo organizacional se afinasse estratégica e operacionalmente, surgiria o optimum buscado por todos os empreendedores dos dias atuais: a sinfonia da produtividade. Pois é. O galo é bicho antigo, profético, poético, famoso e, ainda por cima, tem voz inconfundível - uma espécie de seresteiro das madrugadas plácidas e grávidas de bebês – amanhãs radiantes pelas expectativas de novas realizações, trazidas no porta-malas da incandescente carruagem da Aurora e distribuídas a todos os que acordam para celebrar a vida. LUIZ OLIVEIRA RIOS É PROFISSIONAL DE MARKETING E VENDAS E COLUNISTA DO DIÁRIO DO COMÉRCIO. OLIVEIRA.RIOS@HOTMAIL.COM


DIà RIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Solução

                                            

       



  





4 -.GERAL

(      " 

           

& "

   

*    /0        +,"

        

9  : ;     &    

  

6      $  /  1"! 2

           

! 

( !    .     0 

(     

&  "!     #     

 $       

%7 %   "8 /  0 

&    -   "       )   

3$  4 5 1"2

. %( %'        1 "2

%&! %'    

,  <  

 

1==>=2 ? ! @  !  0   A B   > B 0,  :  C 

& <


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

VOZ FEMININA Dilma juntou a sua voz a de todas as mulheres. 'Por isso, estou aqui'.

olítica

Ed Ferreira/AE

Eric Thayer/Reuters

Dilma Rousseff: emocionada, discursou durante 24 minutos na ONU para uma plateia repleta de chefes de Estados e de Governo.

No microfone da ONU, Dilma prega igualdade e democracia Primeira mulher a abrir a Assembleia Geral, ela exaltou "as vozes femininas", falou dos palestinos, da crise ...

A

presidente Dilma Rousseff escreveu ontem um capítulo inédito na história da comunidade internacional ao ser a primeira mulher a discursar na abertura da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU). Com isso, ela levou o simbolismo da igualdade e da democracia na tribuna que tem o compromisso de ser a mais representativa do mundo. Para o Brasil, a representação tem um valor muito forte perante a entidade. Por isso, em seu discurso, procurou transmitir a imagem de um Brasil democrático, de igualdade entre homens e mulheres. Em sua fala (leia a integra em www.dcomercio.com br) não faltaram cobranças sobre a crise global que, para ela, é ao

5

mesmo tempo econômica, de do palestino como tal", afirgovernança e de coordenação mou. "É chegado o momento política. Dilma destacou que, de termos a Palestina represe a situação não for contida, sentada aqui a pleno título". pode se trans(veja quadro). formar em Essa posição uma "grave não tem o ruptura polítiapoio de Israel Além do meu ca e social sem e dos Estados querido Brasil, p re ce d e n t es " . Unidos. O te(leia os detalhes ma irá para sinto-me aqui em Economia, votação no representando na página 11). Conselho de todas as mulheres A presidente Segurança e do mundo. lembrou e sauvai precisar de dou o Sudão 9 de um total DILMA ROUSSEFF EM SEU do Sul, mais de 15 votos. DISCURSO NA ONU n o v o i n t eD i l m a p egrante da diu pela reforONU, mas lamentou não po- ma do conselho para que o Brader saudar o ingresso da Pales- sil possa ocupar uma vaga pertina. "O Brasil, assim como a manente. "Esse debate já dura maioria dos países dessa As- 18 anos e não é possível protesembleia, já reconhece o Esta- lar mais. O mundo precisa de

um conselho que reflita a sua realidade". Ela também se colocou contrária às intervenções militares nos países do Oriente Médio e Norte da África. Para tanto, defendeu uma atuação mais eficaz do próprio Conselho de Segurança. Ao encerrar o discurso de 24 minutos, Dilma homenageou "todas as vozes femininas do mundo", recordou da vida de militante política, da tortura, e emocionada disse que dividia a emoção "com mais da metade dos seres humanos deste planeta" que, como ela, nasceram mulher. Ela afirmou ainda que "este será o século das mulheres". "Além do meu querido Brasil, sinto-me aqui representando todas as mulheres do mundo", juntou. (Agências)

SEGURANÇA Presidente pede a reforma do conselho e uma vaga para o Brasil.


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Foi um momento especial para mim, para o Brasil e para as mulheres do mundo. Dilma Rousseff, após seu discurso na ONU

olítica

Andrew Kelly/Reuters

N

ada como um bom vinho, entrada de salmão, filé de bacalhau como prato principal e sobremesa para acabar com o "frio na barriga" que vinha sentindo. E foi o que a presidente Dilma Rousseff fez ontem, depois de discursar na abertura da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) e de participar de encontros com vários chefes de Estado, entre eles o presidente da França, Nicolas Sarkozy, e o primeiro-ministro britânico, David Cameron, com os quais tratou de temas bilaterais e também assuntos globais. Os encontros prosseguiram à tarde, mas foram selecionados. De acordo com o Palácio do Planalto, os motivos foram a agenda apertada e o número de audiências solicitadas: mais de 40 países. Dos chefes de Estado com os quais conversou, a presidente recebeu "entusiasmados cumprimentos", de acordo com diplomatas brasileiros. Todos eles, além de Sarkozy e Cameron, Sebastian Piñera (Chile), Ollanta Humala (Peru) e Juan Manuel Santos (Colômbia), teriam reforçado a importância de haver uma mulher em um papel tão importante. Cardápio executivo – Embora tenha almoçado no restaurante Le Bernardin, um dos mais sofisticados de Nova York, a sua opção foi por um cardápio executivo, que custou US$ 49 (cerca de R$ 90). Estava acompanhada da filha Paula e dos ministros Aloizio Mercadante (Ciência e Tecnologia), Fernando Pimentel (Desenvolvimento, Indústria e Comércio), Antonio Patriota

Dilma recebe o prêmio de Serviço Público no Instituto Woodrow Wilson, em Nova York. Emocionada, chegou a chorar.

Vinho e bacalhau no cardápio de Dilma Presidente ficou safisfeita com o seu desempenho na ONU, um "momento especial" para ela (Relações Exteriores), Helena Chagas (Comunicação Social) e do assessor especial da Presidência, Marco Aurélio Garcia. Segundo Helena, todos pediram o mesmo cardápio. Com eles, comentou a sensação de ter sido a primeira mulher a abrir uma assembleia da ONU e relembrou passagens

do seu discurso, quando como se referiu à crise global e quando o dedicou a todas as mulheres do mundo. "Foi um momento especial para mim, para o Brasil e para as mulheres do mundo. Vou levar essa lembrança da presença calorosa das mulheres deste plenário", descreveu a presidente, pala-

vras que havia dito numa rápida entrevista à rádio da ONU. Antes de abrir a assembleia, a presidente teve também uma breve audiência com o secretário-geral, Ban Ki-moon. No fim do almoço, Dilma dispensou o carro e retornou caminhando para o hotel em que está hospedada, o Waldorf

Ministras ocupam 26% dos cargos Victória Brotto

M

ulher brasileira tem 55% mais chances de alcançar altos níveis de escolaridade do que chegar ao topo da política. É o que diz pesquisa do site The Daily Beast vinculado à revista internacional Newsweek. No balanço das pontuações, o Brasil ficou em 84º lugar de melhor país para uma mulher viver. O primeiro colocado foi a Irlanda, que obteve 100 pontos, seguido pela Suécia (99,2) e o Canadá (96.6). A pesquisa, que aponta os 165 melhores países para uma mulher viver, mostrou que o critério mais forte do Brasil é a

educação – com 88 pontos. A participação política aparece em último lugar, com 48,5 pontos. Os outros três critérios considerados foram justiça, economia e saúde, que tiveram pontuação de 80,7, 71,7 e 61,7, respectivamente. A escala utilizada para cada um foi de 0 a 100. Em educação, levou-se em conta o nível do sistema de educação, a alfabetização e o nível de escolaridade entre as diferentes faixas etárias. Já em política, analisaramse os cargos ministeriais e os parlamentares, além dos cargos de chefias de cidades e estados. Também se comparou a porcentagem dos cargos políticos das mulheres

SECRETARIA DE COORDENAÇÃO DAS SUBPREFEITURAS

em relação a dos homens. Ministérios de Dilma – Pela primeira vez e com sua primeira presidente da República eleita, o Brasil tem quase um terço do Palácio do Planalto ocupado por mulheres. Dos 38 ministérios, dez são chefiados por elas – o que corresponde a 26%. Gleisi Hoffmann (Casa Civil), Ideli Salvati (Relações Institucionais) e Maria do Rosário (Secretaria-Geral de Direitos Humanos) são alguns dos principais nomes da gestão da presidente Dilma Rousseff. No primeiro mandato de Luiz Inácio Lula da Silva, cinco mulheres ocupavam cargos de chefia nos

ministérios: Marta Suplicy (Turismo), Nilcéia Freire (Desenvolvimento Social e Combate à Fome), Matilde Ribeiro (Políticas de Igualdade Racial), Marina Silva (Meio Ambiente) e a própria Dilma (Casa Civil). O 1º mandato de Fernando Henrique Cardoso teve apenas uma mulher, Dorothéa Werneck, no ministério da Indústria e do Comércio. No 2º, o número foi para três. FHC governou de 1995 a 2002. E, com Itamar Franco (1964/1985), Luiza Erundina foi a única mulher a assumir cargo ministerial, como ministra-chefe da Secretaria Nacional da Administração Federal.

SECRETARIA DA SAÚDE

SUBPREFEITURA DE JAÇANÃ/TREMEMBÉ EXTRATO DO EDITAL TOMADA DE PREÇOS Nº 02/SP - JT/2011 TIPO: Menor preço REGIME DE EXECUÇÃO: Empreitada por preço unitário PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 2005-0.280.053-0 I - OBJETO DA LICITAÇÃO A presente licitação tem por objeto a contratação de empresa para execução de obra de estabilização em área de risco localizada na Rua Kotinda no Jardim Corisco, na circunscrição da Subprefeitura de Jaçanã/Tremembé. II - DATA A sessão pública de abertura do certame será realizada às 11:00 horas do dia 10/10/2011, na Sala de Reuniões da Subprefeitura de Jaçanã/Tremembé, situada na Avenida Luis Stamatis, nº 300, Jaçanã.

SECRETARIA DE ESPORTES, LAZER E RECREAÇÃO Edital de Tomada de Preços nº 002/SEME/2011 Processo Administrativo nº 2011-0.108.494-0 Objeto: Contratação de empresa para fornecimento e instalação de gramado sintético, com preparação da sub-base, base e sistema de drenagem nas instalações do campo de futebol do CDC VILA MATILDE, situado à Av. Vila Itaquera, 1.601 - Penha. O Secretário de Esportes, Lazer e Recreação - SEME da Prefeitura do Município de São Paulo, torna público, para conhecimento de quantos possam se interessar, que, em obediência ao que preceitua a Lei Municipal nº 13.278, de 07 de janeiro de 2002, Decreto Municipal nº 44.279, de 24 de dezembro de 2003, a Lei Federal nº 8.666, de 21 de junho de 1993, e suas alterações posteriores, Lei Complementar nº 123/06 e Decreto nº 49.511/08, fará realizar licitação, na modalidade TOMADA DE PREÇOS, do tipo MENOR PREÇO ofertado, pelo regime indireto de EMPREITADA POR PREÇOS UNITÁRIOS, de acordo com as DISPOSIÇÕES GERAIS E ESPECÍFICAS do EDITAL que se seguem: O extrato do instrumento convocatório encontra-se afixado em local visível no quadro de avisos da Assessoria Jurídica, sendo que o edital de licitação e seus anexos poderão ser obtidos mediante “download” na página http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br/. Referido edital também poderá ser obtido mediante gravação, na Assessoria Jurídica, na Alameda Iraé, nº 35 Moema, das 10:00 às 16:00 h, mediante a entrega de 01 (um) CD de 700 MB. Os envelopes nº 1 (Proposta) e nº 2 (Habilitação) deverão ser entregues na Assessoria Jurídica da SEME, até às 14:00 horas do dia 17 de outubro de 2011 (Obs.: as empresas não cadastradas deverão observar o prazo previsto no item 7.2.1). A Sessão de Abertura será realizada no AUDITÓRIO B/SALA DE REUNIÕES DO CENTRO OLÍMPICO DE TREINAMENTO E PESQUISA - COTP, situado na Alameda Iraé, 35 - Moema, às 14:30 horas do dia 17 de outubro de 2011, no endereço supra mencionado. (Obs.: vistoria do local - dia 10 de outubro de 2011, no horário das 10:00 às 12:00 horas, conforme item 6.4.4 do edital)

DIVISÃO TÉCNICA DE SUPRIMENTOS - SMS.3 ABERTURA DE LICITAÇÕES Encontram-se abertos no Gabinete: PREGÃO ELETRÔNICO 262/2011-SMS.G, processo 2011-0.206.499-4, destinado ao registro de preço para AQUISIÇÃO de PRESERVATIVO MASCULINO COM LUBRIFICANTE, para a Divisão Técnica de Suprimentos - SMS.3/Grupo Técnico de Compras/Área Técnica de Material Médico Hospitalar, do tipo menor preço. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 10 horas do dia 4 de outubro de 2011, a cargo da 5ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. RETIRADA DE EDITAL O edital do pregão acima poderá ser consultado e/ou obtido nos endereços: http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br, ou, no gabinete da Secretaria Municipal de Saúde, na Rua General Jardim, 36 - 3º andar - Vila Buarque São Paulo/SP - CEP 01223-010, mediante o recolhimento de taxa referente aos custos de reprografia do edital, através do DAMSP, Documento de Arrecadação do Município de São Paulo. DOCUMENTAÇÃO - PREGÃO ELETRÔNICO Os documentos referentes às propostas comerciais e anexos, das empresas interessadas, deverão ser encaminhados a partir da disponibilização do sistema, www.comprasnet.gov.br, até a data de abertura, conforme especificado no edital.

Astoria, a quatro quarteirões de distância do restaurante. Helena Chagas comentou que a equipe brindou com vinho e que todos estavam mais tranquilos após o discurso da presidente. "Nós todos ficamos muito contentes e a presidente disse que estava satisfeita", comentou Helena.

Premiação – Na noite de terça-feira, quando falou por 15 minutos para cerca de 300 convidados, em jantar no qual recebeu o prêmio de Serviço Público oferecido pelo Instituto Woodrow Wilson, Dilma destacou a sua preocupação "com a crise mundial e os seus efeitos nos países em desenvolvimento". Muito emocionada, ela chegou a chorar durante a apresentação de um vídeo sobre sua carreira, exibido antes do discurso. Com imagens e declarações retiradas de uma das propagandas da sua campanha eleitoral, editadas com falas do empresário Jorge Gerdau e da atriz Fernanda Montenegro, o material foi preparado para apresentá-la à plateia. Entre os presentes, diversos empresários brasileiros, como o próprio Gerdau, além de ministros e da filha. Ao final, Dilma agradeceu à presidente do instituto, Jane Harman, pelo prêmio e pelo convite para fazer parte de um conselho de mulheres líderes do mundo, ao qual confirmou a sua participação. Em sua passagem por Nova York, e apesar da agenda lotada, a presidente encontrou tempo para ir conhecer museu, restaurantes e lojas, onde comprou um CD de jazz para ela e roupas para o seu neto. Um dos últimos compromissos oficiais ocorreu ontem à noite, quando participou de um jantar em sua homenagem oferecido pela representante permanente do Brasil junto à ONU, a embaixadora Maria Luiza Ribeiro. O seu retorno estava previsto para hoje à noite. (Agências)

Deputados rejeitam novo imposto para financiar saúde

N

o dia em a Câmara concluiu a votação da proposta que regulamenta os recursos para Saúde, o PT, partido da presidente Dilma Rousseff, deixou claro que vai trabalhar pela criação de um tributo para financiar o setor. Na votação ontem do projeto de lei complementar que regulamenta a chamada emenda 29, o PT foi o único partido a votar a favor da instituição da Contribuição Social para a Saúde (CSS), incluída na proposta pelo governo Lula. A posição dos petistas converge com o desejo da presidente de encontrar uma nova fonte de recursos voltada exclusivamente para custear os programas e ações de saúde. Sem ceder à pressão dos governadores, a Câmara terminou a votação do projeto, que regulamenta a emenda 29, excluindo a CSS. O placar registrou 355 votos contrários à nova contribuição, 76 a favor e 4 abstenções. A proposta, cujo texto principal já havia sido aprovado em 2008, estava pendente apenas da votação do artigo, rejeitado ontem, que previa a base de cálculo da CSS. Sem esse artigo, inviabiliza-se a cobrança da contribuição.

A maioria dos governadores defende a criação de novo tributo nos moldes da extinta Contribuição sobre Movimentação Financeira (CPMF). Antes da votação, governadores e representantes de 21 estados desembarcaram em Brasília para tentar convencer os líderes partidários da necessidade de buscar esse dinheiro novo. "Todos os governadores foram firmes e categóricos na necessidade de busca de novas fontes de financiamento para a Saúde. Mas não há acordo para a criação de um novo imposto nos moldes da extinta CPMF", afirmou o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), anfitrião do encontro. Para atender ao apelo dos governadores e do Palácio do Planalto, Maia decidiu criar uma comissão para estudar novas fontes de financiamento para a Saúde. Segundo ele, o grupo ficará encarregado de elaborar um projeto de lei estabelecendo recursos exclusivos para o setor. O projeto estabelece que caberá à União destinar à Saúde o que foi gasto no ano anterior, mais variação do Produto Interno Bruto (PIB). Estados devem destinar 12% e municípios 15%. (AE)

Marcelo Camargo/Folhapress

SECRETARIA DE COORDENAÇÃO DAS SUBPREFEITURAS SUBPREFEITURA DE GUAIANASES

TOMADA DE PREÇOS Nº 01/ SP-G/ 2011 TIPO: Menor preço REGIME DE EXECUÇÃO: Empreitada por preço unitário PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 2010-0.038.184-2 SUBPREFEITURA DE GUAIANASES torna público, para conhecimento de quantos possam se interessar, que fará realizar licitação na modalidade TOMADA DE PREÇO, na data de 11/10/2011 quando os envelopes nº 01 “Documentação” e nº 02 “Proposta” deverão ser entregues no Setor de Licitações da Subprefeitura Guaianases, situada à Rua Prof. Francisco Pinheiro, nº 223 - Guaianases, nesta Capital, no dia 11/10/2011, até às 13:30 horas, sendo que a SESSÃO DE ABERTURA será realizada na Sala de Licitações, no mesmo endereço, às 14:30 horas do mesmo dia. OBJETO Execução de Obras de Contenção de Talude em Cortina Atarandata Rua Miguel Martins Lisboa com a Viela a Rua Francisco Bitencourt Jd. Aurora - Guaianases. O prazo para a prestação dos serviços é de 180 (CENTO E OITENTA) dias, a contar da data fixada na Ordem de Início. As empresas deverão efetuar Vistoria Técnica do local dos serviços objeto desta Tomada de Preços, devendo, na ocasião, apresentar preenchido - DECLARAÇÃO DE VISTORIA. A Vistoria Técnica é de responsabilidade exclusiva dos licitantes. Para a vistoria não há necessidade de acompanhamento técnico por parte da PMSP razão pela qual não haverá agendamento para tanto.

Marco Maia: "Todos os governadores foram firmes e categóricos na necessidade de busca de novas fontes de financiamento para a Saúde. Mas não há acordo para a criação de um novo imposto nos moldes da extinta CPMF".


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

7 Trabalhei muito duro nos últimos dois meses, sem um sábado ou domingo de folga. Ana Arraes, a nova ministra do TCU

olítica

Ana Arraes é a nova ministra do TCU Com a ajuda de Lula, do governador Eduardo Campos (PE), seu filho, e de cabos eleitorais até de outros estados, ela venceu fácil Aldo Rebelo (PCdoB-SP)

N

uma eleição que serviu mais para medir o poder de fogo do padrinho do que a capacidade de articulação da candidata, o plenário da Câmara escolheu ontem a deputada Ana Arraes (PSBPE) para ocupar uma vaga de ministro do Tribunal de Contas da União (TCU). A eleição mobilizou governadores, secretários de Estado, prefeitos, vereadores, presidentes de partido e até um expresidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, e um expresidente da Câmara, Severino Cavalcanti. O autor da proeza de agregar tantas personalidades em sua primeira grande articulação política nacional é o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), filho de Ana Arraes. Foi com este time de reforço em ação no Congresso que Campos elegeu sua mãe, líder do PSB na Câmara. Ela disputou com outros cinco candidatos os votos dos 493 deputados presentes à sessão de ontem, mas pôs 73 votos de vantagem sobre o seu principal adversário, deputado Aldo Rebelo (PCdo B-SP). Placar final: 222 a 149 dados ao comunista. O terceiro candidato mais competitivo, deputado Átila Lins (PMDB-AM), obteve apenas 47 votos. Obras – Antes mesmo de assumir a vaga deixada pelo exdeputado tucano Ubiratan Aguiar, que se aposentou em julho passado, Ana Arraes mostra que pode ser útil ao governo federal, sempre queixoso do TCU que paralisa obras públicas sob suspeição de irregularidades como o superfatu-

Marcelo Camargo/Folhapress

É um absurdo que um governador deixe os seus afazeres no Estado para eleger a mãe para o TCU. SENADOR JARBAS VASCONCELOS (PMDB-PE)

ramento de preços. "É preciso rever esta questão da paralisação. Deve haver muito zelo com o dinheiro público, e esse zelo eu vou ter, mas o julgamento precipitado macula e a paralisação às vezes sai mais cara do que uma retificação dos problemas com continuidade da obra", afirmou. A nova ministra avalia que seu filho deu prova de força política ao reunir tanta gente em sua campanha, mas valoriza o próprio perfil de advogada e ex-assessora do Tribunal de Contas de Pernambuco. "A candidata responde com a inteireza de seu nome para agregar", afirma. Apesar da fartura de padrinhos oficiais, diz que não houve "chapa branca" na eleição. "Trabalhei muito duro nos últimos dois meses, sem um sábado ou domingo de folga", argumentou. Ana Arraes, que é filha do ex-governador Miguel Arraes, afirmou que teve apoio de muitos amigos, mas respeitou os concorrentes e fez uma campanha limpa. Depois da eleição, Campos foi a estrela do almoço que reuniu 14 governadores na resi-

dência oficial do presidente da Câmara, Marcos Maia (PT), para discutir a Emenda 29 que trata do financiamento da saúde pública. Agradeceu a todos, sobretudo ao anfitrião, que agendou o encontro para o dia da votação do TCU e forçou a presença de governadores em Brasília. Campanha – A maioria dos governadores acionados por Campos trabalhou por telefone junto aos deputados de seus Estados, mas antes do almoço o cearense Cid Gomes fez questão de passar pela Câmara. "Não vim fazer chantagem nem pressionar ninguém. Vim pedir o voto para Ana Arraes", anunciou. O senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) reprovou a operação política. "É um absurdo que um governador deixe os seus afazeres no Estado para eleger a mãe para o TCU. Se isso não é nepotismo, abuso do poder político e uso da máquina, não sei mais o que é." A articulação do governador de Pernambuco foi criticada pela oposição. "Esse é um rolo compressor que faz do Congresso a política mais atrasada possível", reclamou o líder do PPS, deputado Rubens Bueno (PR). Traição – O deputado Átila Lins (PMDB) conseguiu apenas 47 votos. Ou seja, nem a bancada do PMDB, que tem 80 deputados, votou maciçamente nele. Lins acusou o partido de tê-lo traído. Segundo ele, apenas 20 dos votos que recebeu vieram do PMDB. "É difícil qualquer outra justificativa que não seja uma ação coordenada de traição – e isso eu não aceito".

Investigação sobre filho de Sarney foi legal, diz PF Delegados defendem provas da antiga operação Boi Barrica, anulada pelo STJ

D

elegados da Polícia Federal defenderam ontem a legalidade das provas obtidas na operação Faktor, antiga Boi Barrica, que foram anuladas pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça). Os policiais argumentaram que todos os pedidos foram aprovados pelo Ministério Público Federal e pela Justiça Federal. A operação investigou os negócios do empresário Fernando Sarney e outros parentes do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). Em decisão unânime da 6ª Turma do STJ, os ministros entenderam que escutas telefônicas, extratos bancários e documentos fiscais obtidos pela PF não poderão ser usados para processar alguém. Para os policiais federais, cabe agora ao MP recorrer da de-

Fabio Mota/AE - 16.01.04

Fernando Sarney: a salvo.

cisão para tentar reerguer a o p e r a ç ã o . À p o l í c i a re s t a aguardar novos fatos ou documentos para abrir nova investigação. Os ministros do STJ entenderam que os grampos

que causaram as quebras de sigilo foram ilegais. A investigação começou em 2006, quando o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), unidade de inteligência financeira do Brasil, encaminhou comunicação à PF dando conta de movimentação financeira atípica, no valor de R$ 2 milhões, nas contascorrentes de pessoas físicas e jurídicas, entre elas, Fernando José Macieira Sarney e Teresa Cristina Murad Sarney. Para o STJ são ilegais os pedidos de quebra de sigilo telefônico e fiscal apenas com base no relatório do Coaf. Mas delegados da PF sustentam que os pedidos foram feitos após investigações preliminares. E afirmam que os pedidos de quebra são feitos com base em critério rígido. (Folhapress)

Código Florestal: texto passa no Senado sem análise

F

oi aprovado na CCJ (Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania) do Senado o relatório apresentado pelo senador Luiz Henrique da Silveira (PMDB-SC) sobre a reforma do Código Flo-

restal. Antes de ir a plenário, o projeto ainda será analisado e discutido em mais três comissões na Casa. O debate durou quatro horas e o texto do relator recebeu 5 votos contrários.

Sergio Lima/Folhapress

Senadora Kátia Abreu acompanhadebate na CCJ do Senado.

Só para a Copa – O texto de Silveira trouxe algumas alterações do texto enviado pela Câmara dos Deputados. Entre elas, uma que flexibiliza desmatamento em Áreas de Proteção Permanente (APP), como margem de rios e topos de morros, para agilizar o andamento das obras da Copa do Mundo e das Olimpíadas. O relatório aprovado determina que somente a União pode apontar em que situação uma APP pode ser desmatada. Neste tópico, o relator incluiu uma exceção para agilizar as obras. Algumas expressões autorizam a derrubada de APP, "pela urgência do governo em viabilizar as obras da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas de 2016", explicou Silveira no relatório. (AE)

Rodolfo Stuckert

Acima, deputados comemoram vitória de Ana Arraes para assumir vaga no Tribunal de Contas da União. À esquerda, Átila Lins (PMDB), um dos candidatos derrotados, acusa colegas de partido de traição: ele recebeu apenas 20 votos dos correligionários.

Cabo eleitoral – "Se não fosse pelo filho, ela não teria vencido. O governador consegue tudo o que ele quer, onde ele entra ele ganha", festejava o exdeputado Severino Cavalcanti (PP-PE), que também foi à Brasília apenas para pedir votos para Ana Arraes. Cavalcanti renunciou ao mandato de deputado após se

envolver em escândalo de corrupção. A votação foi secreta, mas avalia-se que os votos que conseguiu vieram do partido e da bancada ruralista a quem se alinhou. "Tentei mudar os votos de uns 30 ruralistas, alguns que me deviam favores, mas não consegui. Todos votaram com Aldo", afirmou.

Emoção – Após saber do resultado, Rebelo disse que seus votos "correspondem ao esforço, tempo e prestígio" que tem na Casa. "Apoio oficial partidário tive só do meu partido". O deputado deixou o plenário com os olhos marejados ao saber da derrota, mas evitou comentar a campanha da adversária. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

IÊMEN Confrontos com seis mortos rompem a tensa trégua no país

nternacional

CENSURA? Membro da família real do Catar assume direção da rede Al Jazeera

Darren Whiteside/Reuters

'A paz é um trabalho duro' Obama diz que não há atalhos para a criação do Estado palestino e insiste em manter veto à proposta. Palestinos darão tempo para ONU avaliar pedido. Mandel Ngan/AFP

que o Estado palestino deve surgir de conversas diretas com Israel. Já a França sinalizou que não vai aceitar no Conselho de Segurança o pedido pal e s t i n o e t emeu uma onReunião entre Abbas e Obama não obteve avanço da de violência. "Existe aldesse pódio e pedi uma Palesti- guém que duvida que um veto na independente. Eu acreditava vai gerar violência no Oriente então, e acredito agora, que o Médio?", disse Sarkozy. Para ele, o caminho é concepovo palestino merece um Estado próprio", disse Obama du- der aos palestinos o status de rante a abertura da Assembleia Estado observador, enquanto Geral da ONU, em Nova York. se estabelece um mapa para a "Não há atalhos para encerrar paz dentro de um ano. Apoio - Na Cisjordânia, paum conflito que dura décadas. A paz é um trabalho duro e não lestinos acenando bandeiras vai vir por meio de resoluções lotaram as praças de algumas da ONU", disse. "São israelen- das principais cidades do terrises e palestinos – não nós – que tório ocupado para apoiar o precisam chegar a um acordo." pedido de Abbas pelo recoO discurso de Obama foi elo- nhecimento de seu Estado. "Estamos pedindo o mais bágiado pelo premiê israelense, Benjamin Netanyahu, com sico dos direitos, um Estado coquem se encontrou após o pro- mo todas as outras nações", disse Sabrina Hussein, que seguranunciamento. O mandatário norte-america- va a bandeira nacional palestina no se reuniu ontem também em verde, vermelho, preto e com o líder palestino, Mah- branco, em uma manifestação moud Abbas, a quem reafirmou em Ramallah. (Agências)

Policiais israelenses atiram balas de borracha contra manifestantes palestinos na Cisjordânia

Nova derrota de Kadafi Rebeldes ocupam Sabha, um dos últimos redutos do ditador da Líbia.

E

nquanto o líder do Conselho Nacional de Transição (CNT), Mustafa Abdul Jalil, assumia ontem a cadeira da Líbia na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), forças do governo de transição ocupavam Sabha, um dos últimos bastiões de Muamar Kadafi no país. Localizada no deserto do Saara, Sabha vinha resistindo junto com Bani Walid e com a cidade-natal de Kadafi, Sirte, desde a tomada da capital, Trípoli, em 23 de agosto. "Nós controlamos boa parte de Sabha, com exceção do distrito al-Manshiya. Esse ainda está resistindo, mas vai cair", disse o porta-voz militar do

Stan Honda/AFP

O

presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que tenta evitar os prejuízos políticos decorrentes de um pedido palestino de filiação à Organização das Nações Unidas (ONU), disse ontem que nada irá substituir as negociações entre palestinos e israelenses, e que não existe atalho para a paz. A posição dos EUA ganhou reforço ontem de outro membro do Conselho de Segurança com poder de veto: o presidente da França, Nicolas Sarkozy, indicou que também não deve apoiar a iniciativa palestina. Sem a aprovação das potências, o líder palestino, Mahmoud Abbas, obteve o apoio de milhares de palestinos que realizaram protestos na Cisjordânia. Já as autoridades palestinas afirmaram que não vão pressionar por uma votação imediata no Conselho de Segurança, em que, até o momento, não tem o apoio necessário para sua aprovação – ainda que simbólica – como Estado pleno. A aprovação seria simbólica porque os EUA já disseram que vetarão a iniciativa. O pedido formal, porém, será apresentado amanhã ao secretáriogeral da ONU, Ban Ki-moon. "Há um ano, eu fiquei diante

Jalil: nova Líbia na ONU.

CNT, Ahmed Bani, à Reuters. A cidade de 100 mil pessoas, no sul do país, é sede de uma estratégica base militar. Em Bani Walid, as forças do CNT avançaram com tanques em uma tentativa de tomar a cidade, que segue resistindo à ofensiva dos rebeldes. Algumas milícias tentaram atacar a região nos últimos dias, mas foram obrigadas a recuar diante das forças pró-Kadafi. Os rebeldes afirmam que estão preparando um ataque militar coordenado nos próximos dias. Já em Sirte, oficiais do CNT admitiram grandes perdas durante ofensiva contra a terra natal do ditador. Ao menos três soldados foram mortos e 17 ficaram feridos, de acordo com fontes médicas. Otan - Os bombardeios das forças pró-Kadafi vem sendo

repelidos pelos ataques aéreos da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), que decidiu ontem prorrogar por três meses suas operações militares na Líbia. A missão deveria terminar oficialmente em 27 de setembro. A aliança militar anunciou que continuará com as operações enquanto a população civil estiver ameaçada pelas forças leais a Kadafi. A missão da Otan inclui uma campanha de bombardeios aéreos e uma ação naval para pôr em prática o embargo de armas da ONU. A Otan lançou mais de 8.750 ataques contra a Líbia desde o final de março. Os últimos ataques atingiram alvos militares de homens ligados a Kadafi em Sirte, segundo um comunicado divulgado pela aliança ontem. Estados Unidos - O embaixador dos Estados Unidos na Líbia, Gene Cretz, voltou a Trípoli ontem. Seu retorno acontece cerca de oito meses depois de ele deixar a Líbia em janeiro, após o site WikiLeaks ter publicado telegramas diplomáticos escritos por ele e que traziam comentários pouco elogiosos a Kadafi. (Agências)

Ehsen Naderipour/Irna/Reuters

Em liberdade, Fattal (à esq.) e Bauer aguardam voo para Omã.

O preço da liberdade: US$ 1 milhão.

O

Irã libertou ontem dois norte-americanos detidos havia mais de dois anos sob a acusação de espionagem. Shane Bauer e Josh Fat-

tal, ambos de 29 anos, desembarcaram ontem mesmo em Omã, após o pagamento de fiança de US$ 500 mil cada. Os dois foram presos junto com Sarah Shourd, já libertada, quando faziam um passeio na fronteira entre Iraque e Irã. O trio dizia que entrou no país por engano. (Agências)

Issei Kato/Reuters

VENTANIA – O tufão Roke atingiu o Japão ontem, deixando pelo menos sete pessoas mortas nas regiões do centro-sul do país. A tempestade, com ventos de 162 quilômetros por hora, deslocou-se rumo à usina nuclear de Fukushima, mas não provocou problemas imediatos.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

c

9 UM ALERTA Para alertar motoristas sobre os perigos de dirigir sob o efeito do álcool, a Polícia Militar tem exibido pelas ruas carcaças de carros envolvidos em acidentes.

idades

Bafômetro sob risco de desmoralização Número crescente de acidentes envolvendo motoristas embriagados reacende entre especialistas o debate sobre a obrigatoriedade do teste do bafômetro Fotos de Newton Santos/Hype

A

sucessão de acidentes fatais provocados por motoristas embriagados faz pensar que o álcool está vencendo o bafômetro apesar das maciças campanhas de prevenção às bebidas. Conforme os levantamentos mais recentes da Polícia Militar, em julho passado foram detidos 234 condutores em apenas um fim de semana. É algo assustador, considerando que seriam 234 acidentes potenciais. Os otimistas poderiam dizer que a quantidade confirma a crença popular de que os anjos da guarda de bêbados são particularmente misericordiosos. Em todo caso, a não obrigatoriedade do teste de bafômetro está sendo apontada como a principal causa da grave irresponsabilidade que vem se repetindo nas últimas semanas. Mais rigor – O psicólogo Salomão Rabinovich, diretor do Centro de Psicologia Aplicada ao Trânsito (Cepat) defende essa ideia com vigor. "Há mais de 15 anos lutamos pela obrigatoriedade. Mas os infratores se apoiam no princípio legal de que ninguém é obrigado a produzir provas contra si próprio. Na teoria, a lei é ótima, mas não funciona. Haja vista as tragédias que temos presenciado. Por outro lado, não podemos confiar na astúcia da PM para diagnosticar a embriaguez apenas por sinais notórios de excitação do condutor", disse. Rabinovich entende que o bafômetro está desmoralizado. A única solução vista por ele é complexa e trabalhosa numa cidade como São Paulo: fiscalizar com rigor e constância o consumo de bebidas. O tenente da PM Henrique Urbano Salles, que participa das blitze, não credita o grande número de acidentes à fuga do bafômetro. "A recusa é mínima. Até agora, em 2011, ela foi de 0,57%. Ou seja, menos de 1% dos condutores se negam a participar do teste", informa. A Polícia Militar prossegue na sua rotina de realizar quatro bloqueios antiálcool de segunda a quarta-feira e de 24 a 36 de quinta a domingo, por toda a cidade, com a atenção fixada nos caminhos que conduzem aos polos de boemia, como a Vila Madalena. Carcaças – A propósito, na tentativa de combater a bebedeira motorizada, a corporação está promovendo uma exposição itinerante de carros destruídos em acidentes pela cidade. Ontem, por exemplo, havia um deles na plataforma de um caminhãoguincho na esquina da Consolação com a Paulista, que foi demoradamente examinado pela secretária Cristina Barbosa Guedes, 45 anos. Ela estava impressionada. "Eu já havia lido sobre a campanha no jornal, mas ver pessoal-

Hoje é dia de deixar o carro em casa

A

Para alertar sobre os perigos do álcool, a Polícia Militar tem exibido pela cidade carcaças de carros acidentados, além de folhetos explicativos Folhapress

mente causa um impacto. Pode ajudar a conscientizar os motoristas", disse, enquanto pegava um folheto com orientações sobre a campanha para levar para o filho motociclista de 19 anos. Sensibilizar – O objetivo é o de sensibilizar, e até atemorizar os motoristas, particularmente, jovens até 20 anos. Mas, levando-se em conta o que já foi gasto exaustivamente em campanhas contra o álcool, talvez haja alguma doença social a ser ainda diagnosticada, acometendo os motoristas. A campanha também ganhou espaço na televisão, no rádio e na internet e vai se estender até domingo. Hoje essas carcaças que sobraram dos choques poderão ser observadas ainda na Paulista com Consolação, Praça Charles Miller, Ponte Cruzeiro do Sul e Praça Campo de Bagatelle, das 14h às 20h. Nunca é demais repetir que dirigir sob a influência de álcool ou de qualquer outra substância psicoativa é infração gravíssima, correspondendo a R$ 957,70 e sete pontos na carteira, além é claro, de a carteira de habilitação ser suspensa por um ano. Menores – A Assembleia Legislativa aprovou lei que proíbe estabelecimentos comerciais de vender ou permitir o consumo de bebida alcoólica a menores de 18 anos. O projeto proposto pelo governo cria mecanismos de fiscalização para cumprimento do que já estava previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente. Estão previstas multas de até R$ 87,2 mil (além de interdição por 30 dias) aos estabelecimentos que não cumprirem a medida. Casos reincidentes podem levar ao cancelamento do comércio no cadastro de contribuintes do ICMS. O projeto aguarda a sanção do governador Geraldo Alckmin e publicação para entrar em vigor, o que deve ocorrer nos próximos dias. Em seguida, ela será regulamentada para definição da fiscalização e tamanho dos avisos a serem afixados nos estabelecimentos. Haverá campanha de divulgação por 30 dias e depois começarão blitze de fiscais para exigir o cumprimento da lei. (M.M. e Agências)

Neblina: Ecovias quer fechar Imigrantes

A

Ecovias estuda impedir a subida da serra pela Rodovia dos Imigrantes (ligação entre o litoral e a capital paulista) em caso de neblina intensa. A informação foi dada ontem pelo diretor da concessionária, José Carlos Cassaniga, em entrevista à rádio CBN. Na quinta-feira passada, um grande acidente com 300 veículos na pista de subida da Imigrantes deixou uma pessoa morta e cerca de 50 feridas. Na ocasião, a visibilidade estava prejudicada pela neblina intensa. As causas do acidente ainda são investigadas.

Atualmente, em casos de neblina, a operação comboio é adotada apenas para a descida da serra. Pelo esquema, o motorista para no pedágio e é acompanhado por carros da concessionária e da Polícia Rodoviária até um ponto mais seguro para seguir a viagem. Nunca houve bloqueio no sentido contrário (litoral-Capital). No entanto, segundo Cassaniga, agora é avaliada a interdição para os casos de "situação extrema". "Nenhuma medida está descartada, mas todas estão sendo estudadas sob todos os aspectos", disse.

Pu ni ç ã o – No começo da semana, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) disse que há a possibilidade de punição à concessionária Ecovias devido ao engavetamento. "(Vamos) primeiro aguardar as apurações que estão sendo feitas, ver as apurações, quais vão ser os resultados das apurações", disse. Na ocasião, Alckmin disse que há necessidade de aprimorar a operação da concessionária, principalmente nos casos de neblina densa, como a que ocorreu no dia do acidente. (Folhapress)

Capital comemora hoje o Dia Mundial Sem Carro. Entre outras medidas, a Prefeitura pretende incentivar o uso da bicicleta, do transporte público e a carona solidária. Para isso, uma das principais ações é a criação de nove faixas reversíveis (faixa extra durante o horário de pico) dedicadas exclusivamente para quem anda com mais de uma pessoa no carro. As vias contempladas com a medida são: Radial Leste, Avenida Morumbi/Giovani Gronchi, Avenida Luiz Dumont Vilares, Avenida Santos Dumont e as pontes das Bandeiras, Remédios, Casa Verde e João Dias. Caso o programa dê certo, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) não descarta tornar a iniciativa permanente em vias movimentadas da cidade. A proposta deve ajudar a desafogar o trânsito, segundo Luís Antônio Seraphim, engenheiro e especialista em trânsito. "É positivo e precisa ser multiplicado. Agora vai ser por um dia e vai ter um efeito mais educativo do que prático. Mas, se a CET aplicar de verdade, acredito que irá diminuir o número de carros nas vias", disse. Quem desrespeitar e invadir a faixa, porém, não será multado. A CET espera que os motoristas colaborem com a iniciativa, que visa orientar a população. Ciclovia – A Prefeitura também vai inaugurar hoje uma ciclovia de 840 metros que ligará a estação Butantã da Linha 4-Amarela do metrô ao portão principal da Universidade de São Paulo (USP), na Cidade Universitária. Em relação ao transporte coletivo, a CET também vai implantar hoje mudanças permanentes no trânsito, como a ampliação da faixa exclusiva na Radial Leste, que passará dos atuais 4,4 quilômetros para 11,4 quilômetros, nos dois sentidos da via. A São Paulo Transporte (SPTrans) vai ampliar o horário de pico do sistema de transporte em mais duas horas. Esse acréscimo irá gerar uma oferta de 12% a mais de viagens de ônibus, passando de 95.060 para 106.467 partidas. (Agências)

No coração de SP, uma homenagem à paz Newton Santos/Hype

O

ntem, como convinha à data, o Dia Mundial da Paz foi comemorado aos pés do Marco da Paz, erguido no Pátio do Colégio, no Centro. O monumento, inaugurado no ano 2000, foi o primeiro de uma série distribuída pelo Brasil e outros países. Trata-se de um movimento dedicado à fraternidade entre os homens de todo o planeta, idealizado por Gaetano Brancati Luigi, assessor da presidência da Associação Comercial de São Paulo. Na ocasião, foi anunciada a instalação de um marco semelhante na cidade de Assis, na Itália, berço de São Francisco, em novembro deste ano, com a presença já

confirmada do papa Bento 16. Por outro lado, no final da tarde de ontem, foi inaugurada peça semelhante no Parque da Juventude, na zona norte, atestando que a disseminação da iniciativa encontra-se em pleno curso. Em seu discurso, Rogério Amato, presidente da ACSP, ressaltou o importante significado do projeto. "É muito bom reunir pessoas de bem para prestigiar um assunto que diz respeito à vida de todos. A Associação Comercial de São Paulo nasceu com São Paulo e carrega uma herança moral muito forte, que está intimamente ligada aos valores do Estado", afirmou Amato. Após as palavras do

Ao lado, Gaetano Brancati Luigi, Rogério Amato e Felipe Clemente: homenagem da ACSP ao Dia Mundial da Paz

presidente, seguida da apresentação do coral infantil da Legião da Boa Vontade, o jesuíta Carlos Alberto Contieri,

responsável pela paróquia do Pátio do Colégio, também celebrou a importância da data e os esforços da ACSP.

"Parabenizo a Associação Comercial de São Paulo, o engajamento do Luigi e de todos os presentes para que o ser humano caminhe e alcance a felicidade plena", afirmou. Eloisa de Sousa Arruda, titular da Secretaria da Justiça e da Defesa de Cidadania do Estado de São Paulo, não escondeu o otimismo relativo à busca da paz pela humanidade. O evento abriu espaço para homenagear a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE), a Universidade Aberta do Meio

Ambiente e Cultura de Paz, Brahma Kumaris, entidade de caráter espiritual e a apresentadora Luisa Mel. A celebração do Dia Mundial da Paz terminou por volta do meio-dia após apresentação da Orquestra de Violeiros da cidade de Mauá (SP). Nessa hora, os sinos de todas as igrejas da cidade repicaram em favor da paz, inclusive do Marco da Paz do Pátio do Colégio. O idealizador Gaetano Brancati Luigi estava emocionado. "Tudo isso evidencia que nossa centenária entidade não só promove os valores do empreendedorismo, mas também se preocupa e promove os valores do ser humano", declarou. (M.M.)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10 -.LOGO

Mar Vermelho Na chegada do outono, o delta do rio Liaohe, em Panjin, província chinesa de Liaoning, fica coberto por ervas daninhas vermelhas. E atrai turistas.

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Logo Logo www.dcomercio.com.br

Reproduções

S ÃO PAULO x CORINTHIANS D ESIGN

O

Com a energia do sol Criado pela designer francesa Vivien Muller e inspirado na fotossíntese, o Electree tem 27 painéis que captam energia do sol e permitem usá-la para recarregar baterias de aparelhos eletrônicos.

empate em 0 a 0 entre S ã o P a u l o e C o r i nthians, ontem à noite, no Morumbi, não deixou nenhuma das torcidas satisfeitas, mas não foi um mau negócio. Para o Tricolor, o resultado valeu a liderança provisória do Campeonato Brasileiro. Com 45 pontos, a equipe superou o Vasco (que hoje enfrenta o AtléticoGO) no saldo de gols. Já para o Timão, que durante a semana foi alvo de protestos da torcida e ainda teve de cortar o capitão Chicão, o empate afastou a crise. Além disso, o time continua no G-4 – agora com 44 pontos, em terceiro. À dir., Emerson e Juan disputam a bola na área do sãopaulina diante de 44.631 torcedores (com renda de R$ 1.282.520,00). (Agências)

Rahel Patrasso/AE

Até que foi um bom negócio

Ajay Verma/Reuters

G @DGET DU JOUR

A menor câmera do mundo

http://bit.ly/n2PVdm

E M

A loja online Hammacher Schlememer lançou um gadget que vai enlouquecer os minimalistas. A "menor câmera fotográfica do mundo" cabe na ponta do dedo indicador, é capaz de registrar imagens com até dois megapixels e tem resolução de 1600 x 1200 pixels para fotos e 640 x 480 para vídeos.

C A R T A Z

'ArteFatos Indígenas' exibe 270 peças no Parque do Ibirapuera. Rua Pedro Álvares Cabral, s/n. Grátis.

http://tinyurl.com/67tqywm

VISUAIS

C IDADE LIMPA I NTERNET

Publicidade volta em 43 mil pontos embarque e desembarque do transporte coletivo municipal. A autorização é a primeira para propaganda em espaço público desde que a Lei Cidade Limpa entrou em vigor, em janeiro de 2007, quando foram banidas até as fachadas de comércio maiores que 4 m². A legislação foi a principal bandeira da reeleição de Kassab em 2008. Mais de 15 mil outdoors foram retirados das ruas . (AE)

É melhor do que namorar L

Quatro anos e nove meses após o fim dos outdoors em São Paulo, a Câmara Municipal autorizou ontem a volta de propaganda em 43 mil locais da Cidade. Além de placas de até 4 m² em mil relógios de rua e em 23 mil abrigos de ônibus, como previsto na proposta original de fevereiro de 2010, o prefeito Gilberto Kassab acrescentou a exploração publicitária dos 19 mil totens das paradas de ônibus e das estações de

NO LIMITE - Catador de materiais recicláveis fotografado ontem transportando centenas de garrafas plásticas vazias com seu cavalo e carroça em Panchkula, no norte do estado indiano de Haryana.

R ECICLAGEM

Remando sobre garrafas

M ODA

Quatro estudantes da Universidade de Tecnologia e Ciência de Chongqing, na China, criaram um barco, chamado "Simida", feito com 1.504 garrafas PET.

Giuseppe Cacace/AFP

Estudo mundial divulgado ontem pela Cisco revela que um em cada três universitários e jovens profissionais (33%) considera a internet um recurso essencial para o ser humano, como ar, água, alimento e moradia. O estudo também mostra que mais da metade dos entrevistados cita a internet como mais importante do que carros, namoro e "baladas". L OTERIAS

http://bit.ly/q5km9v

Concurso 1177 da LOTOMANIA 02

08

16

23

27

29

43

45

48

50

58

59

60

62

64

79

85

93

95

97

Concurso 1321 da MEGA-SENA 10

L

A TÉ LOGO

L L

Modelos exibem criações da grife Kristina Ti para a coleção Primavera/Verão 2012 durante a semana de moda feminina de Milão, Itália. A coleção foi inspirada no romance 'Dona Flor e seus dois maridos', de Jorge Amado.

47

51

53

59

Acesse www.dcomercio.com.br para ler a íntegra das notícias abaixo:

Fifa faz primeira vistoria nas obras do Mineirão para Copa de 2014 Nova geração do iPhone será lançada em evento no dia 4 de outubro

Concurso 2702 da QUINA 31

51

59

73

77

60


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

e

11

Stan Honda/ AFP

conomia

Presidente abordou ontem na ONU temas econômicos, como o desemprego. Disse que a turbulência pode derrotar a todos, se não houver união.

Na Assembleia Geral da ONU, a presidente brasileira disse que a crise é de todos, e que os velhos modelos dos países ricos devem ser renovados.

Dilma: papel dos emergentes é vital. prego se amplia. É vital combater essa praga para ela não se alastrar. Nós, mulheres, sabemos, mais do que ninguém, que desemprego não é estatística, pois nos tira esperança e deixa violência e dor." Perigo e união – Segundo Dilma, o mundo vive um momento delicado, mas de grande oportunidade histórica. Ela afirmou que, se a crise econômica global não for debelada, pode se transformar em uma ruptura "sem precedentes", ca-

Cristina pede fim da especulação

E

m discurso na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), a presidente da

paz de provocar sérios desequilíbrios entre as pessoas e as nações. "Ou nos unimos todos e saímos vencedores, ou sairemos todos derrotados." Menos importante é saber quem foram os causadores dessa situação, de acordo com ela. "Importa sim, encontrarmos soluções coletivas, rápidas e verdadeiras. Essa crise é séria demais para que seja administrada por uns poucos países. Seus governos e bancos centrais continuam na responsa-

Argentina, Cristina Kirchner, disse ontem que "a especulação financeira parece não ter freio" e defendeu a necessidade de regular os movimentos de capitais no mundo. "A Argentina não pretende ser modelo, mas ratifica que é necessário ter claras as regras para mercado de capitais. Quero reiterar, à luz de nossa própria

bilidade da condução do processo, mas sofrem as consequências da crise todos os países. Portanto, têm direito de participar das soluções." Dilma acrescentou que os países emergentes podem colaborar com soluções e que as instituições internacionais devem trabalhar em conjunto. "A ONU e essas organizações precisam emitir sinais claros de coesão política e coordenação macroeconômica", disse. Ela também pediu mais par-

experiência, a necessidade de que os organismos multilaterais trabalhem fortemente na regulação de movimentos de capitais." Cristina afirmou que os capitais especulativos saltam de um lugar para o outro e destroem postos de trabalho . "Hoje a especulação é nos alimentos, ontem foi o petróleo e, amanhã pode ser

O

ministro da Fazenda Guido Mantega informou ontem que o governo brasileiro não deve retirar as medidas adotadas nos últimos anos para compensar a valorização do real. "O câmbio está devolvendo o que se valorizou", afirmou, ao desembarcar em Washington, onde participará da reunião de outono (no Hemisfério Norte) do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial. De acordo com o ministro, a desvalorização da moeda brasileira nos últimos dias reflete o quadro de aversão geral do mercado ao risco gerado pela demora na conclusão da negociação do FMI, da União Europeia e do Banco Central Europeu com a Grécia. "Parece que a negociação vai caminhar para um desfecho favorável. En-

Wilson Dias/ ABr

Mantega: dólar dá o troco. O ministro disse que não há patamar pré-acertado para a cotação da moeda norte-americana

tão, não deveria haver perigo nenhum. De qualquer maneira, os mercados continuam a dar sinais de estresse e de nervosismo. Isso está levando a uma valorização do dólar no mundo todo", afirmou, ao enfatizar que o movimento não é exclusivo no Brasil. Segundo Mantega, a desvalorização do real não deverá gerar, em curto prazo, pressão inflacionária no Brasil. De um

lado, insistiu ele, a piora da crise mundial sinalizada pela valorização do dólar deverá provocar queda nos preços das commodities e aliviar possíveis pressões internas. Os efeitos no aumento de preços de produtos importados, especialmente insumos industriais, não devem ser percebidos em curto prazo porque os contratos de importação são fechados com meses de antecedên-

cia. "É preciso que o patamar de cambio permaneça por algum tempo para ter efeito no mercado. Caso contrário, as flutuações, as oscilações se anulam", argumentou. Mantega insistiu não haver um "patamar aceitável" para a taxa de câmbio, dada a aposta do governo na política de flutuação cambial. A desvalorização, acentuou ele, trará alguns benefícios para o setor exportador. Mas, se vier com maior força pode preocupar o governo. Em especial, pelos seus efeitos sobre os devedores brasileiros. "Não vamos fazer ilações. Para isso acontecer, a crise terá de se agravar muito", afirmou. "Agora, se a coisa ficar feia, teremos de repensar tudo e ver o que precisa ser feito", acrescentou. (Leia mais sobre dólar na página 15) (AE)

Há espaço para o BC cortar os juros de novo

O

Ministério da Fazenda vê espaço para o Banco Central (BC) agir com a redução dos juros, no caso de uma piora do cenário internacional. Segundo o boletim Economia Brasileira em Perspectiva, "se houver agravamento da crise global, o BC tem condições de agir com uma política monetária expansionista, em resposta a uma eventual desaceleração da economia". A nova versão do boletim, divulgada ontem em inglês, destaca também que o recente corte na Selic (taxa básica de juros) de 0,5 ponto percentual foi uma decisão que levou em

consideração problemas relacionados à desaceleração global. A avaliação feita pela Fazenda é de que "mesmo o Brasil não estando no centro da crise deste ano, ele não é totalmente isolado e pode sentir alguns dos efeitos da recessão". Mas destaca que o País tem suas próprias ferramentas para articular seus instrumentos de política econômica. O ministério destaca a necessidade, neste contexto, de não aumentar os gastos. Por esta razão, esclarece, a disciplina fiscal foi fortalecida. "O Brasil está tomando todas as precauções possíveis a fim de

evitar que a sua economia seja profundamente afetada por um eventual agravamento das condições da economia internacional". O documento destaca ainda que o objetivo é manter o País em seu caminho de desenvolvimento com menor dano possível ante a turbulência global. I nf l a çã o – O documento prevê uma desaceleração da alta dos preços nos próximos meses e mantém a projeção do último relatório de inflação do BC de que o IPCA vai fechar 2011 em 5,8%, acima, portanto, do centro da meta de 4,5%, mas dentro da banda.

Neste contexto, o boletim destaca que a tendência é de queda de inflação na direção do centro da meta, de 4,5%, no período 2012-2013. O Ministério da Fazenda prevê ainda uma desaceleração do ritmo de crescimento d o s i n v e s t i m e n t o s e m i nfraestrutura em 2011. A estimativa é de que esses investimentos somem R$ 160 bilhões no ano, com alta de 9,2% em relação a 2010. No ano passado, a expansão dos investimentos em infraestrutura cresceu em ritmo maior, de 11,6% em relação ao ano anterior. (AE)

ticipação dos emergentes nas instituições financeiras internacionais. "A reforma das instituições financeiras deve prosseguir com a participação dos países emergentes, principais responsáveis pelo crescimento mundial", emendou. Precauções – Segundo Dilma, o Brasil não está imune à crise, mas está tomando providências para evitá-la. "Estamos tomando precauções adicionais para reforçar nossa capacidade de resistência à

as pastilhas de menta, se isso der lucro. Sem uma regulação, avaliou a presidente, "não será possível chegar à estabilidade dos mercados". Cristina atacou ainda as agências de classificação de risco. "Elas classificam a Argentina como economia marginal e as (economias) que estão a ponto de cair com melhores notas", disse. (AE)

crise fortalecendo nosso mercado interno com políticas de distribuição de renda", relatou. "O Brasil tem sido menos afetado pela crise mundial, mas sabemos que nossa capacidade de resistência não é ilimitada. Queremos poder ajudar os países onde a crise é aguda. A cooperação é uma oportunidade histórica." Dilma também frisou que o Brasil descobriu que a melhor política de desenvolvimento é "a política de combate às desigualdades". Segundo ela, o País avançou nas políticas econômica e social, sem comprometer a liberdade democrática. "Os objetivos do milênio (estabelecidos para 2015) já foram cumpridos pelo Brasil." A presidente citou que 40 milhões de brasileiros saíram da pobreza e estão inseridos na nova classe média. "Tenho certeza que até o final do meu governo vamos erradicar a pobreza no País", destacou. (AE) (Leia mais nas páginas 5 e 6 )

PIB mais moderado

O

Ministério da Fazenda prevê crescimento mais moderado do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro neste ano, mas acima da média, quando comparado às principais economias avançadas. A previsão faz parte do novo boletim Economia Brasileira em Perspectiva, divulgado ontem pelo ministério na versão em inglês que será apresentada pelo ministro Guido Mantega nos Estados Unidos, onde participa da reunião anual do Fundo Monetário Internacional (FMI). Segundo o boletim, as medidas do governo para esfriar a economia em 2011 estão sendo efetivas. Desta vez, no entanto, a Fazenda não traz previsão para o PIB em 2011 e nos próximos anos, como era padrão nos boletins anteriores. No último boletim, o órgão estimava crescimento do PIB de 4,5% em 2011. Desta forma, o

CASA CRUZ

FERRAMENTAS

novo boletim quebra o padrão comparativo com os demais. No documento divulgado ontem, a Fazenda apenas relembra que a expansão do PIB foi de 1,2% no primeiro trimestre de 2011, tendo esse crescimento abrandado no segundo trimestre, para 0,8% em relação ao trimestre anterior e 3,1% ante igual período de 2010, e destaca que no acumulado de quatro trimestres, o crescimento foi de 4,7%. "Apesar desta moderação, a economia brasileira deverá crescer a um ritmo acima da média em 2011, quando comparado às principais economias avançadas", diz o documento. A Fazenda manteve a previsão de expansão da Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) para 19,5% do PIB em 2011. O documento destaca que a expansão da economia prosseguirá, com o fortalecimento do mercado interno. (AE) DC

N

o discurso de abertura da 66ª sessão da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), a presidente Dilma Rousseff afirmou ontem que faltam recursos políticos para solucionar a crise econômica global. Segundo ela, não é por falta de recursos financeiros que não se encontrou a solução para a atual crise. "É por falta de recursos políticos e clareza de ideias", frisou. Na sua avaliação, uma parte do mundo não encontrou equilíbrio entre ajuste fiscal apropriado para demanda e crescimento. "E ficam presos na armadilha que não separa interesse partidário dos interesses legítimos da sociedade". Em seu discurso, a presidente do Brasil disse que o desafio colocado nessa crise é substituir teorias defasadas do mundo velho por novas formulações de um mundo novo. "A face mais amarga da crise é que o desem-

(11) 2215-5422 / 5244 / 5499

www.CASACRUZFERRAMENTAS.com.br vendas@casacruzferramentas.com.br

QUÍMICOS: Marcador Industrial, Pasta Ajuste e Trava Rosca; CORTE: Bedame, Bits, Serra Circular, Fresa, Macho, Broca; MANUAL: Lima, Algarismo/Alfabeto Chapa; ABRASIVOS: Rebolos, Pedras, Discos e MUITO MAIS.

Rua Silva Bueno, 2.719 - Ipiranga

Corneta


DIÁRIO DO COMÉRCIO

12 -.ECONOMIA

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

INDICADORES ECONÔMICOS

21/9/2011

COMÉRCIO Balanço geral

ago11 2.553.920 1.991.271 614.669 488.979 41 13 9 9

Consultas SCPC Cheque Consultas SCPC Registros recebidos* Registros cancelados* Falências requeridas Falências decretadas Recuperações requeridas Recuperações deferidas

ago11/ago10 2,8% 4,4% 17,7% 17,4% -12,8% 8,3% (9/9) (9/9)

* sujeito a revisão - estimativa para a capital

Evolução das falências decretadas

20

Títulos protestados (na capital)

Cheques - dados nacionais

Por segmento (em quantidade)

Cheques sem fundo registrados no Banco Central

ago11 ago11/ago10 (%) -6,1 522 16,5 2.442 15,2 1.108 — —

Indústria Comércio Serviços Não classificados

Destaques/agosto

quantidade Administração, plan. imobiliário, aluguel fitas 298 Informática em geral 51 Tecidos, armarinhos e artef. tecidos 526 Diversos 329 Reparação, mecânica e pintura 381 Vestuário e artefatos tecidos 213

Quantidade e evolução*

10

Pessoa jurídica

junho

julho

jun/11 jul/11 ago/11

agosto

Taxas de juros ao consumidor cheque especial 9,57 8,49 8,95 8,27 9,95 9,03 12,30 9,99

set/11 Média Procon Banco do Brasil Bradesco CEF HSBC Itaú Unibanco Safra Santander

jun/11 jul/11 ago/11

20.718 23.658 22.314

empréstimo pessoal 5,86 5,39 6,37 5,45 5,99 6,45 5,40 5,99

INVESTIMENTOS

Caderneta de poupança set/11

1 2 3 4 5 6 7 8

0,7086 0,6862 0,7132 0,6340 0,6504 0,6505 0,6760 0,6762

9 10 11 12 13 14 15 16

0,6664 0,6768 0,6602 0,6137 0,6275 0,6536 0,6948 0,7035

17 18 19 20 21 22 23 24

0,6801 0,6298 0,6058 0,6070 0,6316 0,6673 0,6900 0,6891

25 26 27 28 29 30

Fundos de investimento

aquisição de bens 18,0 17,1 19,8 17,8 17,7 16,3

conta garantida 101,2 108,1 106,7 110,7 106,2 111,7

Taxas de juros no País – pessoas físicas crédito pessoal 48,00 47,3 49,9 49,7 49,0 48,7

cheque especial 167,4 174,6 178,1 185,4 184,7 188,0

em % ao ano

2011 fevereiro março abril maio junho julho

aquisição de bens 28,7 31,2 32,2 31,8 31,2 30,6

Fonte: Banco Central

Taxa Selic em % ao ano

2010 janeiro março abril junho julho setembro outubro dezembro

8,75 8,75 9,50 10,25 10,75 10,75 10,75 10,75

em % ao ano

2011 janeiro março abril junho julho agosto outubro novembro

11,25 11,75 12,00 12,25 12,50 12,00 — —

Fonte: Banco Central

Taxas de referência TR

em %

13/set 14/set 15/set 16/set 17/set 18/set 19/set 20/set

0,1208 0,1143 0,1261 0,0802 0,0596 0,0828 0,1290 0,1271

TR pro rata 0,0057491 0,0054399 0,0060012 0,0040085 0,0031360 0,0041384 0,0061391 0,0060487

TBF

0,9118 0,9052 0,9271 0,8508 0,8201 0,8634 0,9200 0,9181

Fonte: Banco Central

Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) Período: 6% ao ano Fonte: BNDES

UFM, Ufesp, Ufir Unidade Fiscal do Município UFM 102,02 Unidade Fiscal do Estado de São Paulo Ufesp R$ 17,45 Ufir R$ 1,0641 (deixou de ser calculada em janeiro de 2001)

UPC

ano 6,66 6,89 3,18 -4,48 -15,23 -10,21 -11,10 -14,37 6,53

12 meses 11,37 12,44 8,51 — -13,20 -6,18 — -10,70 11,56

Fonte: Anbima

PREÇOS E ALUGUEL

ago11/ago10 -7,5%

ago11/ago10 5,4% *cheques pagos

Falências decretadas Ano de fundação das empresas

em %

IPCA INPC IGP-M IGP-DI IPC-Fipe IPP

abr 0,70 0,72 0,45 0,50 0,70 0,28

mai jun jul 0,47 0,15 0,16 0,57 0,22 0 0,43 -0,18 -0,12 0,01 -0,13 -0,05 0,31 0,01 0,30 -0,46 -0,65 0,07

Fatores de reajuste do aluguel Fontes: FGV, IBGE, Dieese, Fipe, DC

IGP-M IGP-DI IPCA IPC-Fipe

ago 0,37 0,42 0,44 0,61 0,39 — jul 1,0865 1,0863 1,0671 1,0646

ano 12 meses 7,23 4,42 7,40 4,14 8,00 3,48 7,81 3,52 6,84 3,88 4,87 0,63 ago 1,0836 1,0834 1,0687 1,0660

set 1,0800 1,0781 1,0723 1,0684

CONTRIBUIÇÃO SOCIAL E IMPOSTO DE RENDA

11,00

39,10

39,10

39,10

3,84 2,96

3,56 2,60

3,52 2,52

22,80 55,00

23,80 55,00

24,00 55,00

Ações mais negociadas no dia

cotação (R$) 43,45 20,60 47,12 12,40 28,88

Vale PNA Petrobras PN Vale ON OGX Petróleo ON Itaú Unibanco PN

pontos 55.981 7.996 18.995 1.950 962 1.676 29.162 1.538 762 8.178 2.651

variação (%) -1,25 0,00 -1,67 0,40 -0,31

Maiores oscilações do Ibovespa (em %) Maiores altas Embraer ON B2W Varejo ON Telemar PNA

Maiores baixas Lojas Renner ON MRV ON BR Malls ON

5,38 2,98 1,82

-4,57 -4,32 -3,92

Volume de negócios R$ 6,779 bilhões Quantidade de negócios 713.524

Histórico do Ibovespa Ibovespa nos últimos em % seis meses Na semana -2,15 No mês -0,91 No ano -19,22

Variação acumulada (em %) mar 1,78 abr -3,57 mai -2,28 jun -3,43 jul -5,73 ago -3,95

Moedas no dia (em R$)

Segurados empregados, inclusive domésticos, e trabalhadores avulsos salário de contribuição(R$) até 1.107,52 de 1.107,53 a 1.845,87 de 1.845,88 a 3.691,74

alíquota de recolhimento ao INSS (%) 8 9 11

Empregado Empregador

alíquota (%) 8 a 11 12

Fonte: MPAS

mínimo (R$) 43,60 65,40

compra 1,858 1,71 2,5152 0,02400 2,8624

venda 1,860 1,85 2,5164 0,02401 2,8639

Variação do dólar no dia: +3,85%

máximo (R$) 406,09 443,01

R$ 29,43, por filho de até 14 anos incompletos ou inválido, para quem recebe até R$ 573,91 R$ 20,74, por filho de até 14 anos incompletos ou inválido, para quem recebe até R$ 862,60

Imposto de Renda da Pessoa Física Rendimento (R$) Até 1.566,61 De 1.566,62 a 2.347,85 De 2.347,86 a 3.130,51 De 3.130,52 a 3.911,63 Acima de 3.911,63

Dólar comercial Dólar turismo Euro Iene Libra esterlina

Fonte: Banco Central, Enfoque Sistemas

Empregados domésticos

R$ 545,00

11,00

variação(%) -0,70 -0,63 -0,53 -0,27 -0,70 -0,16 0,52 -0,95 -3,22 -0,66 -0,12

Ibovespa IBRX-50 IBRX ISE ICO2 Itel IEE Icon Imob Itag Idiv

Moedas

Salário-mínimo Salário-família

12,50

Fonte: Associação Comercial de São Paulo

Fonte: BM&FBovespa

Salário-mínimo e salário-família

Há 4 Há 1 16/9/11 semanas semana 6,28 6,45 6,46 5,50 5,80 5,77 1,60 1,60 1,65

em 2011 3 15 16 8 61

ago 1 2 2 — 8

jul — 3 1 2 14

Até 1970 De 1971 a 1980 De 1981 a 1990 De 1991 a 1993 De 1994 a 2009

Índices de inflação

*aposentadoria só por idade

Expectativas de mercado para 2011

Fonte: Banco Central

Fundos DI Fundos de renda fixa Multimercados macro Fundos cambiais Ações Ibovespa indexado Ações setoriais Ações FMP-FGTS Fundos de índices - ETFs Previdência renda fixa

julho 0,99 0,91 0,03 -0,28 -5,47 -0,83 0,25 -5,48 0,95

Plano simplificado*: 11% sobre R$ 545 (R$ 59,95) Regime geral: 20% (mínimo de R$ 109; máximo de R$ 738,35)

Relatório Focus

*Produto Interno Bruto (PIB)

Rentabilidade média (em %)

0,6329 0,6160 0,6056 0,6300 — —

Facultativos

Unidade Padrão de Capital abr/maio/jun R$ 22,02 jul/ago/set R$ 22,09

IPCA (%) IGP-M (%) Taxa de câmbio (R$/US$ fim do período) Meta Taxa Selic (% ao ano/fim do período) Dívida líquida do setor público (% do PIB*) PIB (% de crescimento) Produção industrial (% do crescimento) Balança comercial (US$ bilhões) Invest. Estrangeiro Direto (US$ bi)

ago11/ago10 10,3%

Comportamento dos índices no dia

Rendimento na data de aniversário (em %)

Taxas de juros no País – pessoas jurídicas capital de giro 30,5 29,3 29,8 29,4 29,2 29,8

ago11 1.078.851

Bolsa de valores

Obs.: a remuneração dos dias 29 e 30 é a do dia 1º subsequente Fonte: Banco Central

2011 fevereiro março abril maio junho julho

ago11 2.708.373

MERCADO FINANCEIRO

Fonte: Procon-SP

em % ao ano

-6,2% 11,3% -7,4%

Cheques sustados por roubo ou extravio

ago11 1.683.308

*em relação a igual mês do ano anterior

JUROS E TAXAS DE REFERÊNCIA em % ao mês

Pessoa física

-1,6% 27,2% 12,6%

3.218 4.238 4.072

valor (R$) 1.496.890 995.170 837.953 725.934 700.281 619.515

Cheques sem fundo excluídos do Banco Central*

Alíquota (%) — 7,5 15 22,5 27,5

Dedução (R$) isento 117,49 293,58 528,37 723,95

Influenciada pelo cenário externo, a BM&FBovespa fechou ontem com recuo de 0,7%, na marca dos 55.981 pontos. O giro financeiro foi de R$ 6,77 bilhões. Essa tendência de acompanhar as bolsas europeias e norte-americanas foi ditada pelas preocupações com a crise na zona do euro e a expectativa com relação ao possível anúncio de medidas pelo Federal Reserve (Fed, banco central norteamericano). No final da tarde, após a manifestação da autoridade monetária dos EUA de que lançaria estímulos de US$ 400 bilhões, a bolsa brasileira se recuperou. As ações preferenciais da Vale são a melhor síntese desse comportamento. Pela manhã, foram negociadas com um aumento de quase 2%, mas no final do pregão, desvalorizam 1,25%. Esses papéis são os mais movimentados pelos investidores, com negócios de R$ 866 milhões contabilizados ontem. O segundo papel mais negociado da Bolsa também não teve melhor desempenho: a ação preferencial da Petrobras, com giro de R$ 403 milhões, ficou estável, após subir cerca de 1% na parte da manhã. (Folhapress)

Deduções para trabalhador assalariado R$ 157,47 por dependente; pensão alimentícia paga por acordo judicial ou por escritura pública; contribuição à Previdência Social R$ 1.566,61 por aposentadoria a quem já completou 65 anos de idade; contribuições à previdência privada.

Fonte: Receita Federal

Para esclarecer dúvidas, fazer reclamações ou dar sugestões sobreos indicadores econômicos entrar em contato com o Diário do Comércio pelo e-mail indicadores@dcomercio.com.br ou pelo telefone (11) 3244-3829 (a partir das 13 horas)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

e

A CNC mantém sua projeção de vendas no varejo com alta de 6,5% para este ano, ante o ano passado.

conomia

Sinais negativos na intenção de consumo no País

A

pós registrar três saldos positivos seguidos, a intenção de consumo do brasileiro mostrou sinais negativos em setembro. É o que mostrou a Confederação Nacional do Comércio (CNC) em sua pesquisa Intenção de Consumo das Famílias, divulgada ontem. O Índice de Intenção de Consumo das Famílias (ICF) caiu 0,7% em setembro ante agosto. No mês passado, o indicador subiu 2,5% ante julho. Porém, em relação a setembro de 2010, o indicador cresceu 0,6%. Em uma escala até 200 pontos, o indicador recuou de 136,9 pontos para 136 pontos de agosto para setembro. Para a CNC, o desempenho reflete "leve processo de acomodação da demanda doméstica" neste mês. Entre os indicadores que mais contribuíram para o recuo do ICF foram as taxas negativas apuradas nos subíndices de projeções de compra a prazo e de renda atual em setembro ante agosto. Entretanto, na análise da entidade, o aumento do ICF em relação a igual período do ano anterior ainda é sustentado pelo bom desempenho do mercado de trabalho. Mas a CNC admitiu, em seu informe, que apesar da percepção ainda favorável em relação ao mercado de trabalho, as famílias mantêm menor disposição a acelerar seu ritmo de gastos em setembro. Mesmo com o menor ímpeto de consumo, a CNC mantém sua projeção de aumento de vendas no varejo de 6,5% para este ano, ante o ano passado. (AE)

13

Comércio: impasse no reajuste. Os comerciários pedem 11%, sendo 7,4% da inflação desde o último dissídio, mais aumento real de 3,6%. Os empresários oferecem 8%. Renato Carbonari Ibelli

Newton Santos/Hype

A

s negociações para reajuste dos salários dos trabalhadores do comércio de São Paulo devem se estender até o final do mês. Há impasse relacionado ao percentual de aumento que será aplicado. Os comerciários pedem correção da inflação, que foi de 7,4% desde o último reajuste, mais aumento real de 3,6%, o que elevaria em 11% o piso da categoria. Já os comerciantes oferecem aumento de 8%. Segundo Luiz Francisco Toledo Leite, assessor jurídico do Sindicato dos Lojistas do Comércio de São Paulo (Sindilojas-SP), a proposta dos empregados não leva em consideração as turbulências econômicas recentes. "Não há como garantir que a economia continue aquecida devido aos problemas externos. O que sentimos é que já há uma desaceleração nas vendas", diz Leite. Os trabalhadores do comér-

Os trabalhadores do comércio também pleiteiam o direito à cesta básica e vale-refeição, além do fim do banco de horas.

Estamos enxugando os pontos de discordância. Até o fim do mês, o acordo estará assinado. LUIZ FRANCISCO TOLEDO LEITE, SINDILOJAS-SP

cio também pleiteiam o direito à cesta básica e vale-refeição, além do fim do banco de horas, questões que estão longe de ser ponto pacífico entre as partes. Essa convenção ainda irá definir se o comércio irá funcionar no feriado do Dia da Criança, em 12 de outubro. "Estamos enxugando os pontos de discordância. Acredito que até o fim do mês o acordo esteja assinado", diz o assessor jurídico do Sindilojas-SP.

Para Ricardo Patah, presidente do Sindicato dos Comerciários de São Paulo (Secsp), os pontos debatidos são questões que se estendem por longa data e precisariam ter uma definição. "O comerciário já trabalha 52 horas semanais e ainda discutimos se devem trabalhar aos domingos e feriados", diz Patah. Segundo ele, "as negociações estão bem encaminhadas e devem ser fechadas até a próxima semana".

Aviso prévio de até 90 dias vai à sanção

A

Câmara dos Deputados aprovou ontem projeto de lei que aumenta para até 90 dias o aviso prévio que o empregador deve conceder ao empregado demitido. Atualmente, quando a pessoa é dispensada, deve permanecer no emprego por até 30 dias, independentemente do

tempo de serviço. Com a mudança, o aviso prévio será proporcional. O trabalhador com um ano de emprego mantém os 30 dias, mas para cada ano adicional de serviço, o aviso prévio aumenta em três dias, até o limite de 90, no total. Em caso de demissão voluntária, o empregado deve trabalhar

pelo mesmo período ou indenizar a empresa, que pode optar por liberar o empregado, sem ônus. A proposta, com origem no Senado, será enviada à sanção da presidente Dilma Rousseff, que pode vetar partes da nova lei. Neste ano, o Supremo Tribunal Federal (STF) tratou sobre o tema, mas

adiou, em junho, decisão sobre mudanças. A proposta tramita desde 1989, mas voltou à discussão na Câmara em julho deste ano, com análise em várias comissões. Ontem, a matéria entrou na pauta do plenário em regime de urgência e foi aprovado em uma versão com origem no Senado.

O deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o Paulinho da Força, disse que o projeto teve o apoio de todas as centrais sindicais. Ele afirmou que após receber o aval dos presidentes das centrais sindicais, disse ao presidente da Câmara, Marco Maia (PTRS), que o projeto poderia ser aprovado. (AE)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

14

e

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

A redução de alíquotas para tablets melhorará o perfil das exportações brasileiras. Senador Eduardo Braga (PMDB-AM)

conomia

Industriais estão mais pessimistas Apenas a indústria extrativa revelou confiança na economia atual do Brasil, registrando índice superior a 50 pontos no mês de setembro.

O

pessimismo dos industriais com a situação atual da economia brasileira está maior. Segundo dados do Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei) de setembro, divulgado ontem pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), a confiança do setor em relação à economia caiu de 44,5 pontos em agosto para 44,2 em setembro. O Icei varia de 0 a 100, e valores abaixo de 50 pontos indicam falta de confiança ou expectativa pessimista. Apenas a indústria extrativa revelou confiança na economia atual do Brasil, registrando índice superior a 50 pontos. O Icei geral, no entanto, que considera quatro indicadores, se mantém estável em setembro em relação a agosto, mas diminuiu em comparação com igual mês de 2010. O Icei de setembro ficou em 56,4 pontos, idêntico ao registrado em agosto. Já em setembro de 2010, esse indicador estava em 63,4 pontos. A indústria da construção foi o único segmento que registrou queda no Icei, de 58,4 pontos em agosto para 57,2 pontos em setembro. As expectativas do setor industrial para os próximos seis meses permanecem favoráveis, embora tenham registrado pequena queda de confiança de agosto (60,7 pontos) para setembro (60,4 pontos). Dos 26 setores da indústria de transformação, 12 registram queda do indicador de expectativas. Para compor o Icei de setembro, a CNI pesquisou 2.292 empresas, das quais 1.206 pequenas, 766 médias e 320 grandes, entre 1 e 19 de setembro. (AE)

Celso Júnior/AE

Camex reduz tributo até 2012

A

Dos 26 setores da indústria de transformação, 12 registram queda do indicador de expectativas da Confederação Nacional da Indústria (CNI)

Aprovada a redução de PIS e Cofins de tablets

O

plenário do Senado aprovou ontem a Medida Provisória 534, que reduziu a zero as alíquotas da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e do Programa de Integração Social (PIS) incidentes sobre a venda de tablets produzidos no Brasil. A matéria seguirá à sanção presidencial. O relator retirou uma emenda polêmica sobre Zo-

nas de Processamento de Exportação (ZPE) para evitar que a MP retornasse à Câmara. "A medida melhorará o perfil das exportações brasileiras, ainda fortemente calcadas em produtos primários", disse o relator, senador Eduardo Braga (PMDB-AM). Ele citou dados do Ministério da Ciência e Tecnologia de que os bens de tecnologia da informação e comunicação (TIC) apresenta-

ram déficit na balança comercial de US$ 18,9 bilhões em 2010. Com a redução dos dois tributos, a estimativa é de que o preço final dos tablets caia em 31%. O tablet é o sexto produto a receber a isenção fiscal do Programa de Inclusão Digital, que já favorecia os computadores de mesa, notebooks, teclados, mouses e modems. Para proteger a Zona Franca de Manaus da concorrência na

atração de produtores de tablets, a proposta aumentou de 4,6% para 5,6% o crédito da Cofins para esses produtos, quando forem adquiridos na região. Uma emenda estabeleceu como limite máximo de 600 cm2 para a tela dos tablets e proibiu que viessem com controle remoto. Foi uma medida preventiva para que os benefícios fiscais não favorecessem monitores nem televisores. (AE)

Câmara de Comércio Exterior (Camex) determinou a redução para 2% da alíquota do Imposto de Importação (II) de diversos bens de capital, informática e telecomunicações que não são fabricados no Brasil até dezembro de 2012. A alíquota do tributo sobre esses produtos, como máquinas para embalagens, guindastes de torre, empilhadeiras, telas sensíveis ao toque e aparelhos para testes de circuitos integrados, entre outros, variava entre 12% e 16%. Segmentos – Segundo o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic), a previsão das empresas que pediram a redução do imposto é de compras de US$ 67 milhões relativas a produtos de telecomunicações, US$ 55,8 milhões para siderurgia e US$ 43,5 milhões para a indústria química. As compras serão feitas principalmente por empresas de autopeças (que devem gastar US$ 383,6 milhões em projetos que necessitarão da importação desses itens), mineração (que gastarão US$ 284,8 milhões) e geração de energia (que investirão US$ 127,6 milhões). A resolução que determina a redução foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) de ontem. (Folhapress)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

e

15 O investimento externo dos primeiros sete meses é quase o mesmo de 2010. André Pineli, especialista em planejamento e pesquisa do Ipea

conomia

Jo Yong-Hak/Reuters

Fluxo cambial tem saldo de US$ 8,5 bi

O

saldo da entrada e saída de dólares do País – o chamado fluxo cambial – ficou positivo em US$ 8,515 bilhões no mês de setembro, contabilizando-se as operações realizadas até o último dia 16. A informação foi divulgada ontem pelo Banco Central (BC). De acordo com a autoridade monetária, de janeiro até a última sextafeira o fluxo cambial está positivo em US$ 68,329 bilhões – ante US$ 12,936 bilhões registrados em igual período de 2010. Neste mês, até o dia 16, o fluxo financeiro (ou seja, o registro de investimentos em títulos, ações, remessas de lucros e dividendos ao exterior, entre outras operações) ficou positivo em US$ 2,614 bilhões, ao passo que o saldo do segmento comercial (que inclui as operações relacionadas a exportações e importações) foi positivo em US$ 5,902 bilhões. Na semana passada, entre os bilhões de dias 12 e 16, o dólares é o saldo fluxo cambial ficou positivo em do fluxo cambial US$ 395 milhões. acumulado desde O segmento financeiro janeiro até a registrou saldo última sexta-feira, negativo de dia 16. US$ 1,191 bilhão, enquanto o comercial ficou positivo em US$ 1,587 bilhão. No acumulado do ano até a última semana, o fluxo financeiro está positivo em US$ 33,313 bilhões. O comercial também registra saldo positivo, com US$ 35,016 bilhões. Compras – O BC também informou ontem que as compras de dólares no mercado à vista elevaram as reservas internacionais em US$ 327 milhões, neste mês, até 16. Em agosto, essas operações resultaram em aumento das reservas de US$ 4,477 bilhões – atingindo um saldo total de US$ 352,29 bilhões. Com a recente alta da divisa norte-americana, o BC interrompeu no dia 14, pela primeira vez no ano, as compras daquela moeda, como vinha fazendo em todos os dias úteis. Para economistas, a recente alta do dólar é resultado de nervosismo especulativo, em cenário de crise internacional, e a tendência é haver picos de alta da moeda. (ABr)

33,3

Volatividade da divisa não era vista em um só dia desde outubro de 2008, quando a moeda chegou a subir 6% em apenas um pregão.

Dólar chega a R$ 1,86, com alta de 4,24% no dia. No mês, a moeda norte-americana já subiu 16,6%. E as cotações devem seguir em alta.

H

á 15 meses o mercado de câmbio interno não negociava o dólar a preços tão altos como ontem. A moeda fechou o dia no valor máximo: R$ 1,865, em forte alta de 4,24%. Essa volatilidade não era vista em um só dia desde outubro de 2008, quando a moeda chegou a subir 6% em apenas um pregão. Neste mês, a taxa cambial subiu em 13 dos 14 dias úteis, com alta total de 16,6%. O noticiário do dia pesou no movimento dos mercados. Nos Estados Unidos, o Federal Reserve (Fed, o banco central do país) anunciou uma operação de US$ 400 bilhões para estimular a concessão de empréstimos para empresas e consumidores – mas não animou as bolsas americanas, que já operavam com desvalorização. Ainda nos EUA, a agência de classificação Moody's piorou a avaliação sobre o risco de solvência de dez bancos, entre os quais o Bank of America e o Citigroup (leia mais na pág. 18). Na Europa, segue indefinido o repasse de novos recursos para "salvar" a Grécia, que precisa de dinheiro novo do

FMI e da União Europeia para evitar o calote nos seus compromissos, o que, se acontecer, seria comparável a um novo efeito "Lehman Brothers". Analistas notam que a forte alta do dólar dos últimos dias também deve ser atribuída ao nervosismo do mercado e à especulação. Isso acontece porque grandes agentes financeiros teriam ajustado suas apostas no mercado futuro para ganhar com a alta, em vez da baixa, como até agosto. "Está todo mundo gritando 'fogo' agora, mas em algum momento esse dólar vai ter que voltar a refletir os fundamentos (da economia)", disse André Perfeito, economista-chefe da Gradual Investimentos. "E quais são esses fundamentos? Uma taxa de juros nominal ainda muito alta, e a perspectiva de uma melhora na avaliação de risco do País no curto prazo", acrescentou. Perfeito não descarta um cenário em que o dólar ainda vá oscilar nos níveis de R$ 1,90 ou R$ 2 nos próximos meses, por causa do "momento excepcional" da economia externa. E que os fundamentos podem levar ainda alguns

meses para fazer efeito sobre as cotações da moeda. Leilão – No front doméstico, ganha destaque a indicação de que novas quedas dos juros no Brasil devem ocorrer caso a situação internacional se deteriore. O Banco Central (BC), que se ausentou do mercado de câmbio por vários dias, advertiu ontem que não vai mais realizar leilão de "swap" cambial, o equivalente a uma operação de compra de dólar no mercado futuro, com a alta das cotações. O Ministério da Fazenda está monitorando atentamente a subida do dólar para um patamar superior a R$ 1,80 e avalia que, até agora, as informações disponíveis mostram que o movimento de alta mais forte é transitório. Mesmo que o nível de R$ 1,80 se configure como novo patamar, a equipe econômica afirma que não haveria maiores preocupações com o repasse da alta para a inflação. Fontes reafirmaram ontem que a desaceleração do ritmo de atividade da economia brasileira e mundial contribui para conter a pressão da alta sobre os preços (leia mais na página 11). (Agências)

Ipea aponta elevação de investimentos estrangeiros

O

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou ontem um estudo segundo o qual o Brasil será um dos principais destinos de investimentos estrangeiros diretos no mundo nos próximos 12 meses, mesmo com a crise internacional. Segundo o estudo Monitor de Percepção Internacional do Brasi l, baseado em consultas a agentes internacionais, o indicador que mostra a possibilidade de o País receber investimentos subiu de 35 para 43 pontos entre maio e agosto de 2011. O Brasil possou a figurar entre os maiores destinos dos investimentos estrangeiros diretos nos próximos 12 meses para 70% dos entrevistados pelo Ipea, ante os 56% que tinham a mesma perspectiva na pesquisa anterior. De acordo com técnicos do Ipea, a mudança na percepção dos entrevistados "está em linha com estatísticas da Conferência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento (Unctad)

70 por cento dos entrevistados pelo Ipea acreditam que o País se destacará no recebimento de IED nos próximos 12 meses sobre fluxo de capitais em 2010". No ano passado, o Brasil ocupou o quinto lugar no ranking, atrás dos Estados Unidos, da China, de Hong Kong e da Bélgica, informou o Ipea. "Entre 2007 e 2009, o Brasil ficou entre o 12º e o 15º receptores de investimentos. Já em 2010, ele subiu para a quinta colocação. A posição não era alcançada desde o final dos anos 1990, época das privatizações. Em 2011, a expectativa é que o Brasil talvez suba al-

guns postos. O investimento dos primeiros sete meses já é quase o mesmo do ano passado inteiro", disse André Pineli, especialista em planejamento e pesquisa do Ipea. O estudo revela ainda a melhora da avaliação dos agentes internacionais sobre a condução da política econômica no Brasil. O indicador subiu de cino pontos, em maio, para 20 pontos em agosto. Para o Ipea, a mudança sugere uma percepção mais forte de que a política econômica nos últimos 12 meses favoreceu o crescimento com estabilidade. De acordo com o levantamento, os agentes internacionais entendem que o aperto monetário ocorrido no primeiro semestre, "assim como a deterioração nas perspectivas de crescimento dos países desenvolvidos", pode ter afetado as expectativas sobre a evolução da atividade econômica, já que o indicador relativo ao Produto Interno Bruto (PIB) diminuiu de 44 pontos para 30 pontos nas duas últimas pesquisas. (ABr)

Está todo mundo gritando 'fogo' agora, mas o dólar vai ter que voltar a refletir os fundamentos (da economia). ANDRÉ PERFEITO, ECONOMISTA


DIÁRIO DO COMÉRCIO

16

e

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Em 2011, devemos conseguir o equilíbrio financeiro e, a partir de 2012, começar a crescer. Rocco Sabelli, presidente mundial da Alitalia

conomia

Passageiro Vip

Rede Bourbon, um sonho de gerações. C

Newman Homrich

Divulgação

Vera Sichetti

É

normal a confusão na comunicação entre pessoas de diferentes nacionalidades que não dominem bem o idioma da outra. No entanto, desentendimento entre pilotos de avião e controladores de voo é coisa séria, e há registros de graves acidentes. Por isso, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) exige dos pilotos que queiram voar para fora do Brasil um nível mínimo de proficiência no idioma inglês dentro de padrões definidos por instituições como o International Civil Aviation Organization (ICAO, na sigla em inglês). Mesmo assim, profissionais com o idioma

deficiente ainda são reprovados nesses exames. É para ajudar esses casos que existem profissionais como Vera Sichetti. Graduada em Língua Inglesa com três certificações do exterior e em inglês para aviação por universidades prestigiadas e com atuação pela ANAC, ela tem ampla experiência em preparação de pilotos competentes, mas que se comunicam em inglês sofrível. Para fazer carreira nos céus do exterior, eles precisam dominar a comunicação crítica de voo em inglês, de radiotelefonia e aviação geral à fraseologia internacional – assuntos em que Vera se especializou e ensina como ninguém.

Contatos com o autor pelo e-mail: fabio@steinberg.com.br

om uma área de 400 mil m², dos quais 11 mil m² estão reservados ao mercado corporativo, em 50 espaços capazes de receber até 10 mil pessoas, a rede hoteleira Bourbon apostou pesado na sua unidade em Atibaia (SP). Acertou em cheio. Com 80 eventos por mês, 75% dos seus hóspedes vindos do universo empresarial, o local tornou-se referência em eventos, congressos e reuniões de negócios. "Temos recebido eventos de todos os segmentos, com destaque para a indústria farmacêutica e alimentícia, grandes bancos e financeiras", afirma Ricardo Aly, diretor de marketing da rede. Fundado em 2002, o Bourbon Atibaia Spa Resorts nasceu com a ideia de combinar hóspedes de lazer e negócios. Não é tarefa fácil, pois os dois públicos costumam se comportar como água e azeite. Conciliar crianças com executivos é um dos maiores desafios de qualquer resort que quer otimizar a ocupação. O vice-presidente da rede, Alceu Vezozzo Filho, explica que cada detalhe do projeto foi pensado. Para ele, a proximidade de São Paulo facilita tanto o acesso das grandes empresas que querem trabalhar com o de pessoas que pre-

tendem descansar. Visando a convivência pacífica, há um tipo de "acordo de cavalheiros" com a empresa contratante para que concentre as atividades em áreas diferenciadas, deixando locais sociais como as piscinas liberado para os hóspedes de lazer. O projeto de Atibaia não é fato isolado no Bourbon. Faz parte de uma política de expansão de um projeto que começou há 48 anos, depois que uma geada destruiu a plantação de café da família. Foi quando o paranaense Alceu Vezozzo tirou da ga-

veta o seu diploma de engenheiro e construiu um prédio de escritórios em Londrina, logo transformado em hotel. Nascia, então, o primogênito da Bourbon Hotéis & Resorts que atualmente tem 11 unidades – nove para fins corporativos e dois resorts. O grupo emprega 1,8 mil funcionários e em 2010 recebeu 750 mil hóspedes. Agora o grupo quer atuar no mercado exterior, a começar pelo Paraguai, Bolívia, Argentina. Também flerta com o Chile, Colômbia e Venezuela. Quanto ao mercado inter-

no, a rede promete para breve o lançamento da marca Rio Hotel by Bourbon, portando a grife do arquiteto Jaime Lerner. Ela será composta por hotéis de três a quatro estrelas. "A marca é inspirada no Brasil, algo meio bossa nova, porém com personalidade", adianta o filho Alceu Antimo Vezozzo Filho, responsável pela operação das unidades do grupo, vendas, marketing, recursos humanos e novos negócios. Trata-se de um herdeiro que aprendeu a sonhar e a realizar com tanto amor quanto o pai.

Embraer: negócios firmes com a China. A

Embraer anunciou ontem, por meio de relatório, suas estimativas para o mercado de aviação regional chinês para o período de 2011 a 2030, prevendo a entrega de 975 jatos regionais em 20 anos, o que representa 13% da demanda global. O relatório indica que a aviação mundial mostrou sinais de recuperação em 2010. A Embraer continua negociando com a China para produzir aviões executivos no País, de acordo com declarações do vice-presidente de aviação comercial da Embraer,

Paulo Cesar Souza e Silva. Em abril, durante visita da presidente Dilma Rousseff à China, a Embraer fechou acordo para produzir no País o jato executivo Legacy 600, o que evitaria o fechamento da fábrica que a companhia possui desde 2002 em Harbin, em parceria com a estatal Aviation Industry Corporation of China (Avic). Anteriormente, a Embraer produzia no local o modelo 145, para o segmento de aviação comercial. Apesar das informações recentes de que a crise internacional está se agravando, a Em-

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS - DIEESE

braer acredita que o desempenho de 2012 será pelo menos igual ao deste ano, conforme o vice-presidente de aviação comercial da empresa. "É uma continuação da crise de 2008 e não sabemos qual será sua extensão. Mas enxergamos um 2012 positivo", afirmou. Alitalia – Após três anos de reestruturação, a Alitalia deve atingir equilíbrio financeiro neste ano. "Em 2011, devemos conseguir o equilíbrio financeiro e a partir de 2012 dev e m o s c o m e ç a r a c re s c e r, afirmou o presidente mundial da empresa, Rocco Sabel-

li, que esteve ontem na Embraer, para a entrega de um jato Embraer 190, o primeiro de uma encomenda de 20 unidades feita em janeiro. Sabelli disse que, a partir de novembro, a companhia deve ampliar em 15% o número de voos entre Itália e Brasil. Além disso, a partir de 2012 espera criar novos destinos, como Índia e Emirados Árabes. Sobre a crise europeia e da Itália, ele classificou a situação como preocupante, mas acredita que a Alitalia será menos afetada do que outras empresas. (AE)

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS - DIEESE

CNPJ nº 60.964.996/0001-87 EXTRATO DE CONTRATO - PREGÃO ELETRÔNICO DIE 10/2011 Espécie: Contrato de prestação de serviços firmado entre o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos - DIEESE, CNPJ nº 60.964.996/0001-87, e Gibbor Brasil Publicidade e Propaganda Ltda. EPP, CNPJ nº 08.329.433/0001-05. Objeto: Contratação de empresa especializada no desenvolvimento de um aplicativo multimídia a partir de um conteúdo fornecido pela CONTRATANTE para a produção de 3.000 (três mil) unidades do CD-ROM do Anuário do Trabalho e da Qualificação Profissional do Estado do Rio de Janeiro, considerando os objetivos do Convênio MTE/SPPE/CODEFAT nº 003/2007 e Termo Aditivo. Modalidade: Pregão Eletrônico nº DIE 10/2011. Valor estimado: R$ 9.745,00 (nove mil, setecentos e quarenta e cinco reais). Fonte de Recursos: Convênio MTE/SPPE/CODEFAT nº 003/2007 e Termo Aditivo. Data da Assinatura: 16/09/2011. Vigência: 16/09/2011 a 15/10/2011. Assinam: Pelo DIEESE, Clemente Ganz Lúcio, Diretor Técnico, pela Gibbor Brasil Publicidade e Propaganda Ltda. EPP, Sr. Alexandre da Silva Bandetini, Empresário e Sra. Keli Alessandra Bandetini, Empresária. São Paulo, 22 de setembro de 2011

CNPJ nº 60.964.996/0001-87 EXTRATO DE CONTRATO - PREGÃO ELETRÔNICO DIE 09/2011 Espécie: Contrato de prestação de serviços firmado entre o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos - DIEESE, CNPJ nº 60.964.996/0001-87, e Rettec - Reproduções Gráficas, Traduções e Edições Técnico Científicas Ltda., CNPJ nº 62.060.074/0001-70. Objeto: Contratação de empresa especializada em serviços gráficos compreendendo impressão de 3.000 (três mil) exemplares, com fornecimento de prova de capa, do miolo e do acabamento do Anuário do Trabalho e da Qualificação do Estado do Rio de Janeiro, considerando os objetivos do Convênio MTE/SPPE/CODEFAT nº 003/2007 e Termo Aditivo. Modalidade: Pregão Eletrônico nº DIE 09/2011. Valor Estimado: R$ 8.060,00. Fonte de Recursos: Convênio MTE/SPPE/CODEFAT nº 003/2007 e Termo Aditivo. Data da Assinatura: 16/09/2011. Vigência: 16/09/2011 a 15/10/2011. Assinam: Pelo DIEESE, Clemente Ganz Lúcio, Diretor Técnico, pela Rettec - Reproduções Gráficas,Traduções e EdiçõesTécnicio Científicas Ltda., Sr. Michael Christian, Sócio Diretor. São Paulo, 22 de setembro de 2011

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS - DIEESE

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS - DIEESE

CNPJ nº 60.964.996/0001-87 RESULTADO DE JULGAMENTO - PREGÃO ELETRÔNICO DIE 11/2011 A Comissão de Licitação do DIEESE comunica a vencedora do Pregão Eletrônico DIE11/2011: Rettec - Reproduções Gráficas, Traduções e Edições, CNPJ 62.060.074/0001-70, para prestação de serviços gráficos, compreendendo impressão, com fornecimento de provas das capas, dos miolos e dos acabamentos e da embalagem de 5 mil exemplares de 6 livretos e 1 embalagem do Anuário do Sistema Público de Emprego, Trabalho e Renda, no âmbito do Convênio MTE/SPPE/CODEFAT nº 003/2007 e Termo Aditivo, valor total estimado R$ 60.000,00 (sessenta mil reais). São Paulo, 22 de setembro de 2011

CNPJ nº 60.964.996/0001-87 RESULTADO DE JULGAMENTO - PREGÃO ELETRÔNICO DIE 12/2011 A Comissão de Licitação do DIEESE comunica a vencedora do Pregão Eletrônico DIE 12/2011: TL Publicidade e Assessoria Ltda., CNPJ: 05.197.047/0001-00, para o desenvolvimento de um aplicativo multimídia a partir de um conteúdo (PDF de uma publicação) para a produção do CD-ROM do Anuário do Sistema Público de Emprego, Trabalho e Renda, no âmbito do Convênio MTE/SPPE/CODEFAT nº 003/2007 e Termo Aditivo, valor total estimado R$ 12.400,00 (doze mil e quatrocentos reais). São Paulo, 22 de setembro de 2011

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS - DIEESE

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS - DIEESE

CNPJ nº 60.964.996/0001-87 RESULTADO DE JULGAMENTO - PREGÃO ELETRÔNICO DIE 10/2011 A Comissão de Licitação do DIEESE comunica a vencedora do Pregão Eletrônico DIE 10/2011: Gibbor Brasil Publicidade e Propaganda Ltda. EPP, CNPJ nº 08.329.433/0001-05, para o desenvolvimento de um aplicativo multimídia a partir de um conteúdo (PDF de uma publicação) para a produção do CD-ROM do Anuário do Trabalho e da Qualificação Profissional do Estado do Rio de Janeiro, no âmbito do Convênio MTE/SPPE/CODEFAT nº 003/2007 e Termo Aditivo, valor total estimado R$ 9.745,00 (nove mil, setecentos e quarenta e cinco reais). São Paulo, 22 de setembro de 2011

CNPJ nº 60.964.996/0001-87 RESULTADO DE JULGAMENTO - PREGÃO ELETRÔNICO DIE 09/2011 A Comissão de Licitação do DIEESE comunica a vencedora do Pregão Eletrônico DIE 09/2011: Rettec - Reproduções Gráficas, Traduções e Edições, CNPJ nº 62.060.074/0001-70, para prestação de serviços gráficos, compreendendo impressão de 3 mil exemplares, com fornecimento de prova da capa, do miolo e do acabamento do Anuário do Trabalho e da Qualificação Profissional do Estado do Rio de Janeiro, no âmbito do Convênio MTE/SPPE/CODEFAT nº 003/2007 e Termo Aditivo, valor total estimado R$ 8.057,70 (oito mil, cinquenta e sete reais e setenta centavos). São Paulo, 22 de setembro de 2011

Banco Bradesco S.A.

CNPJ no 60.746.948/0001-12 - NIRE 35.300.027.795 Ata da Reunião Extraordinária no 1.803, do Conselho de Administração, realizada em 29.8.2011 Certidão - Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia - Junta Comercial do Estado de São Paulo - Certifico o registro sob número 368.326/11-1, em 13.9.2011. a) Kátia Regina Bueno de Godoy - Secretária Geral.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

ECONOMIA/LEGAIS - 17

Liga das Senhoras Católicas de São Paulo

Ativo Circulante Caixa e equiv. de caixa (nota 4) Ativos financeiros para negociação (nota 5) Contas a receber (nota 6) Outros créditos (nota 7)

31.12.10 20.328.703 1.021.305 17.895.344 827.606 584.449

Ativo não circulante Realizável a longo prazo Depósito judicial Depósito fiança

130.778.285 62.934 58.434 4.500

Permanente Imobilizado (nota 8) Intangível

130.715.351 130.673.432 41.919

Total do ativo

151.106.988

CNPJ nº 60.597.044/0001-72 BALANÇO PATRIMONIAL EM - Em reais 31.12.09 01.01.2009 Passivo e patrimônio social 31.12.10 31.12.09 01.01.2009 18.772.499 20.044.322 Circulante 5.657.474 4.335.999 4.760.000 693.163 256.222 Empréstimos (nota 9) 1.112.487 550.000 1.650.435 Fornecedores 854.824 708.561 431.405 16.596.493 17.582.073 Impostos e contribuições a recolher 78.177 51.615 59.185 984.520 1.604.461 Férias a pagar 1.412.130 1.216.587 1.029.412 498.322 601.565 Salários e encargos sociais 1.278.678 1.114.951 916.759 Adiantamento de 131.913.791 132.880.472 mensalidades (nota 10) 879.559 658.524 660.939 35.421 53.306 Outras contas a pagar 41.619 35.761 11.865 7.888.504 5.783.799 3.896.952 30.921 48.806 Passivo não circulante 7.888.504 5.783.799 3.896.952 4.500 4.500 Exigível a longo prazo Provisão para riscos trabalhistas (nota 11) 326.623 161.919 – 131.878.370 132.827.166 131.828.018 132.768.380 Provisão para riscos 50.352 58.786 fiscais (nota 11) 7.554.981 5.614.980 3.896.952 Outros 6.900 6.900 – Patrimônio social (nota 12) 137.561.010 140.566.490 144.267.843 Total do passivo e patrimônio social 151.106.988 150.686.290 152.924.795 150.686.290 152.924.795

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO SOCIAL - Exercícios findos em 31 de dezembro - Em reais Ajuste Patrimônio Avaliação Superávit Social Patrimonial Acumulado Em 1º de janeiro de 2009 47.683.727 82.936.198 13.647.917 Resultado abrangente do exercício Realização do custo atribuído líquido – (320.516) 320.516 Ajuste por mudança de estimativa contábil da vida útil do imobilizado - imóveis – – (320.516) Déficit do exercício – – (3.380.836) Total do resultado abrangente – – (3.380.836) Em 31 de dezembro de 2009 47.683.727 82.615.683 10.267.081 Resultado abrangente do exercício Realização do custo atribuído líquido – (320.516) 320.516 Déficit do exercício – – (3.005.479) Total do resultado abrangente – – (2.684.964) Em 31 de dezembro de 2010 47.683.727 82.295.167 7.582.117

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: TOMADAS DE PREÇOS A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para execução de Obras: TOMADA DE PREÇOS Nº - OBJETO - PRÉDIO - LOCALIZAÇÃO - PRAZO - ÁREA (se houver) - PATRIMÔNIO LÍQUIDO MÍNIMO P/ PARTICIPAR - GARANTIA DE PARTICIPAÇÃO - ABERTURA DA LICITAÇÃO (HORA E DIA) 69/00500/11/02 - Reforma de Prédios Escolares - EE/EMEF Prof. José Vasques Ferrari - Rua Uberto Fascetti, 120 Cep: 18400-000 - Cimentolândia - Itapeva/SP; EE/CEL Profª Nicota Soares - Rua Roselândia, s/nº - Cep: 18400-000 - Jd Belvedere - Itapeva/SP; EE Profª Zulmira de Oliveira - Rua Capão Bonito, 99 - Cep: 18400-000 - Vila Bom Jesus - Itapeva/SP - 180 - R$ 128.014,00 - R$ 12.801,00 - 09:30 - 10/10/2011. 70/00440/11/02 - Construção de Cobertura de Quadra em Estrutura Mista e Reforma de Prédio Escolar - EE André Ohl - Av. Sapopemba, 3.244 - Cep: 03345-000 - Vila Diva - São Paulo/SP - 150 - R$ 102.663,00 - R$ 10.266,00 10:00 - 10/10/2011. 70/00480/11/02 - Reforma de Prédios Escolares - EE Guiomar Novaes - Rua Leônidas Moreira, 21 - Cep: 04653-180 - Vila Inglesa - São Paulo/SP; EE Prof. Alberto Levy - Av. Indianópolis, 1570 - Cep: 04062-001 - Indianópolis - São Paulo/SP - 150 - R$ 134.655,00 - R$ 13.465,00 - 10:30 - 10/10/2011. 69/00311/11/02 - Reforma de Prédios Escolares - EE José Brandini - Rua dos Estudantes, s/nº - Cep: 15640-000 Centro - São João das Duas Pontes/SP; EE Jeronymo Trazzi - Rua Victorio Miotto, 337 - Cep: 15755-000 - Centro Turmalina/SP - 120 - R$ 58.227,00 - R$ 5.822,00 - 11:00 - 10/10/2011. 69/00448/11/02 - Reforma de Prédio Escolar - EE João Ramalho - Rua Paulo de Azevedo, 272 - Cep: 19680-000 Centro - João Ramalho/SP - 120 - R$ 19.148,00 - R$ 1.914,00 - 11:30 - 10/10/2011. 69/00478/11/02 - Construção de Ambientes Complementares e Reforma de Prédio Escolar - EE Prof. Rogério Lázaro Toccheton - Rua Francisco Falcato Júnior, 465 - Cep: 13304-170 - Vila S. Luiz - Itu/SP - 180 - 125,63 - R$ 48.654,00 - R$ 4.865,00 - 14:00 - 10/10/2011. 69/00487/11/02 - Construção de Ambientes Complementares e Reforma de Prédio Escolar - EE Profª Elzira Garbino Pagani - Av. José Cândido Carneiro, 375 - Cep: 16660-000 - Centro - Pongaí/SP - 150 - 169,69 - R$ 68.492,00 - R$ 6.849,00 - 14:30 - 10/10/2011. 70/00425/11/02 - Reforma de Prédios Escolares - EE Prof. Euclydes Deslandes - Est. dos Casas, 2109 - Cep: 09840000 - Casas - São Bernardo do Campo/SP; EE Oswaldo Catalano - Rua Felipe Camarão, 350 - 3065000 - Tatuapé São Paulo/SP - 150 - R$ 89.670,00 - R$ 8.967,00 - 15:00 - 10/10/2011. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital e o respectivo Caderno de Encargos e Composição do BDI na SEDE DA FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 - São Paulo/SP ou através da Internet pelo endereço eletrônico www.fde.sp.gov.br. Os interessados poderão adquirir o Edital completo através de CD-ROM a partir de 22/09/2011, na SEDE DA FDE, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, mediante pagamento não reembolsável de R$ 40,00 (quarenta reais). Todas as propostas deverão estar acompanhadas de garantia de participação, a ser apresentada à Supervisão de Licitações da FDE, conforme valor indicado acima. Os invólucros contendo a PROPOSTA COMERCIAL e os DOCUMENTOS DE HABILITAÇÃO deverão ser entregues, juntamente com a Solicitação de Participação, a Declaração de Pleno Atendimento aos Requisitos de Habilitação e a garantia de participação, no Setor de Protocolo da Supervisão de Licitações - SLI na SEDE DA FDE, até 30 minutos antes da abertura da licitação. Esta Licitação será processada em conformidade com a LEI FEDERAL nº 8.666/93 e suas alterações, e com o disposto nas CONDIÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE. As propostas deverão obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital. JOSÉ BERNARDO ORTIZ Presidente

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: PREGÃO ELETRÔNICO Nº 21/00320/11/05 OBJETO: Prestação de Serviços de Vigilância/Segurança Patrimonial (Desarmada) com a Efetiva Cobertura dos Postos Designados, no âmbito da FDE. A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para Prestação de Serviços de Vigilância/Segurança Patrimonial (Desarmada) com a Efetiva Cobertura dos Postos Designados, no âmbito da FDE. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital a partir de 22/09/2011, no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br ou na sede da FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São LuÍs, 99 - República - CEP: 01046-001 - São Paulo/SP, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, ou verificar o edital na íntegra, através da Internet no endereço: http://www.fde.sp.gov.br. A sessão pública de processamento do Pregão Eletrônico será realizada no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br, no dia 05/10/2011, às 09:30 horas e será conduzida pelo pregoeiro com o auxílio da equipe de apoio, designados nos autos do processo em epígrafe e indicados no sistema pela autoridade competente. Todas as propostas deverão obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital e seus anexos e serão encaminhadas, por meio eletrônico, após o registro dos interessados em participar do certame e o credenciamento de seus representantes previamente cadastrados. A data do início do prazo para envio da proposta eletrônica será de 22/09/ 2011, até o momento anterior ao início da sessão pública. JOSÉ BERNARDO ORTIZ Presidente

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: PREGÃO ELETRÔNICO DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 36/00620/11/05 OBJETO: Aquisição de Liquidificador Industrial - BT-01 e Carro Auxiliar para Cozinha - CA-01. A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para Aquisição de Liquidificador Industrial - BT-01 e Carro Auxiliar para Cozinha - CA-01. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital a partir de 22/09/2011, no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br ou na sede da FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 - São Paulo/SP, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, ou verificar o edital na íntegra, através da Internet no endereço: http://www.fde.sp.gov.br. A sessão pública de processamento do Pregão Eletrônico será realizada no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br, no dia 06/10/2011, às 09:30 horas e será conduzida pelo pregoeiro com o auxílio da equipe de apoio, designados nos autos do processo em epígrafe e indicados no sistema pela autoridade competente. Todas as propostas deverão obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital e seus anexos e serão encaminhadas, por meio eletrônico, após o registro dos interessados em participar do certame e o credenciamento de seus representantes previamente cadastrados. A data do início do prazo para envio da proposta eletrônica será de 22/09/ 2011, até o momento anterior ao início da sessão pública. JOSÉ BERNARDO ORTIZ Presidente

BANCO VOTORANTIM S.A. CNPJ/MF nº 59.588.111/0001-03 - NIRE nº 35.300.525.353 EDITAL DE CONVOCAÇÃO ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA O Presidente do Conselho de Administração do Banco Votorantim S.A. (“Sociedade”) convida os Acionistas a participarem, em primeira convocação, da Assembleia Geral Extraordinária que se realizará em sua sede social, localizada na Capital do Estado de São Paulo, na Avenida das Nações Unidas, nº 14.171, Torre A, 18º andar, às 17:00 horas do dia 29.09.2011, para apreciação dos seguintes assuntos: (i) Aprovação das Demonstrações Contábeis, referentes ao semestre encerrado em 30 de junho de 2011, da Sociedade e empresas por ela controladas (“Sociedades Controladas”); (ii) Aprovação da proposta dos órgãos da administração referente à destinação do lucro da Sociedade e Sociedades Controladas, bem como a fixação do prazo de pagamento de dividendos aos Acionistas da Sociedade; (iii) Re-ratificação dos aumentos de capital das Sociedades Controladas deliberados na Assembleia Geral Extraordinária da Sociedade, realizada em 22.12.2010, para fazer constar ajustes de valores, conforme solicitado pelo Banco Central do Brasil; (iv) Ratificação e fixação dos montantes globais anuais de remuneração dos membros dos órgãos de administração da Sociedade e das Sociedades Controladas, referentes aos exercícios de 2010 e 2011; (v) Aprovação da reforma do Estatuto Social da Sociedade, com (a) a exclusão da expressão “todos acionistas da Sociedade” do parágrafo 1º do Artigo 8º; (b) a exclusão do parágrafo 4º dos Artigos 8º, 16 e 22, e do parágrafo 5º do Artigo 23, com a consequente renumeração dos parágrafos subsequentes, caso aplicável; e (c) a consolidação de referido documento; e (vi) Outros assuntos de interesse da Assembleia. São Paulo, 21 de setembro de 2011. BANCO VOTORANTIM S.A. Aldemir Bendine - Presidente do Conselho de Administração.

SERTA VEDAÇÕES INDUSTRIAIS LTDA. torna público que recebeu da CETESB a Renovação da Licença de Operação nº 45004694, válida até 16/09/2015, para fabricação de cordas, cordoalhas e gaxetas, exceto de asbestos, à Rua Abrahão Calux, 143, Vila Vera, São Paulo.

FALÊNCIA, RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL E RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Total 144.267.842

DEMONSTRAÇÕES DO SUPERÁVIT OU DÉFICIT Exercícios findos em 31 de dezembro - Em reais Receitas das atividades 2010 2009 Receita das provedoras 22.040.862 20.528.959 Convênios públicos (nota 13) 8.754.864 6.973.253 Convênios privados 742.711 201.931 Doações e contribuições 1.607.671 1.075.335 Outras receitas operacionais (nota 15) 7.868.878 7.138.939 41.014.986 35.918.417 Despesas das atividades-Unidades Provedoras Despesas de pessoal (13.812.314) (12.289.751) Despesas operacionais (nota 14) (5.364.019) (5.327.750) Despesas administrativas (1.351.561) (1.521.765) Serviços de terceiros (1.423.043) (1.209.715) Depreciação (1.107.246) (1.009.279) Outras despesas operacionais (nota 15) (1.893.073) (1.612.734) Despesas com provisão p/ riscos fiscais (nota 11) (1.772.229) (1.407.707) (26.548.771) (24.378.701) Despesas com gratuidades-Unidades Sociais Despesas de pessoal (10.149.798) (8.655.056) Despesas operacionais (nota 14) (4.068.104) (3.317.711) Despesas administrativas (577.400) (606.569) Serviços de terceiros (1.292.224) (1.195.945) Depreciação (735.107) (469.766) Outras despesas operacionais (nota 15) (306.574) (203.265) Despesas com provisão p/ riscos fiscais (nota 11) (167.772) (472.240) (17.471.695) (14.920.552) (44.020.465) (39.299.253) (Déficits) do exercício (3.005.479) (3.380.836)

DEMONSTRAÇÕES DOS FLUXOS DE CAIXA – Exercícios findos em 31 de dezembro - Em reais (320.516) 2010 2009 (3.380.836) Fluxo de caixa das atividades operacionais Déficit do exercício (2.684.964) (3.380.836) – Ajustes ao déficit do exercício 140.566.490 Depreciações 1.521.838 1.479.046 Provisões para contingências 2.104.705 1.879.947 – Provisão para créditos com liquidação duvidosa 168.125 (619.429) (3.005.479) Atividades operacionais – Aplicações financeiras (1.298.851) 985.580 137.561.010 Contas a receber (11.211) 1.239.370 NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 - Em reais Outros créditos (86.126) 103.243 (27.513) 17.885 1 Contexto operacional - A Liga das Senhoras Católicas de São Paulo (“Liga acrescido ou diminuído do superávit ou déficit apurado em cada exercício. 2.12 Depósitos judiciais e fianças Fornecedores 146.263 277.156 Solidária”), constituída em 10 de março de 1923, é uma associação civil de Apuração do superavit/deficit - As receitas com doações são reconhecidas 26.562 (7.570) direito privado e fins filantrópicos, de caráter beneficente, educativo, cultural, e de contabilmente quando recebidas. Demais receitas e despesas são apuradas Impostos e contribuições a recolher 195.543 187.175 assistência social, com orientação religiosa do Cardeal Arcebispo Metropolitano pelo regime de competência. 3 Transição para o CPC para as PMEs - As Provisão de férias Salários e encargos sociais 163.727 198.192 da Arquidiocese de São Paulo. Em 22 de novembro de 1963, conforme Ato do demonstrações financeiras da entidade relativas ao exercício findo em 31 de 221.036 (2.415) Poder Executivo publicado no Diário Oficial de 31 de março de 1964, a Liga dezembro de 2010 são as primeiras demonstrações financeiras preparadas de Adiantamento de mensalidades 5.857 23.896 Solidária foi declarada instituição de utilidade pública federal. Em consequência, acordo com as políticas contábeis do CPC para PMEs. A entidade adotou 1º de Outras obrigações Depósito fiança 6.900 está imune do Imposto de Renda de Pessoa Jurídica - IRPJ (imunidade prevista janeiro de 2009 como data de transição. Nessa data, ela preparou as primeiras 2.388.140 pelo artigo 150, inciso VI, alínea c, da Constituição Federal). Também está isenta demonstrações financeiras de acordo com o CPC para PMEs, nas quais conside- Caixa líquido proveniente das ativ. operacionais 444.992 das contribuições sociais, nos termos do artigo 195, parágrafo 7º da Constituição rou todas as exceções obrigatórias e algumas das isenções opcionais permitidas Atividades de investimento (679.337) (850.764) Federal. Em 3 de abril de 1935, conforme Ato do Poder Estadual publicado no na aplicação retrospectiva completa do CPC para PMEs. 3.1 Isenções da Aquisição de ativo imobilizado Diário Oficial de 4 de abril de 1935, a Liga Solidária foi declarada instituição de aplicação retrospectiva completa - A entidade optou por aplicar as seguintes Caixa líquido utilizado nas (679.337) (850.764) utilidade pública estadual. Em 22 de outubro de 1968, conforme Ato do Poder isenções com relação à aplicação retrospectiva: Isenção do valor justo como atividades de investimento Municipal publicado no Diário Oficial de 23 de outubro de 1968, a Liga Solidária custo presumido. A entidade optou por mensurar os itens do imobilizado pelo Atividades de financiamento 562.487 (1.100.435) foi declarada instituição de utilidade pública municipal. Atualmente, a Liga valor justo em 1º de janeiro de 2009. A administração aplicou o valor justo como Variação em empréstimos Solidária desenvolve um trabalho que nasce da crença de que a educação é, isenção de custo atribuído com relação aos “Terrenos” e “Construções” . O laudo Caixa líquido proveniente (utilizado) das 562.487 (1.100.435) por excelência, o meio de construção e de expressão da verdadeira cidadania, de avaliação desses bens do imobilizado realizado em 1º de janeiro de 2009, atividades de financiamento 328.142 436.941 com programas sociais de educação e cidadania para crianças, jovens e adultos determinou seu valor justo em R$ 129.918.000 correspondente a um aumento de Caixa líquida de caixa e equivalentes de caixa 328.142 436.941 em situação de risco social. Seu projeto educacional é voltado para a constru- R$ 46.031.570 em relação ao valor contábil de acordo com as políticas contábeis Aumento do caixa e equivalentes de caixa Caixa e equivalentes de caixa no início do exercício 693.163 256.222 ção gradual do conhecimento e preparo para o trabalho, em sintonia com os adotadas no Brasil anteriormente usadas, que totalizava R$ 83.886.430. Não 693.163 Parâmetros Curriculares Nacionais, com as Referenciais Curriculares Nacionais foram identificados outros impactos na aplicação desses novos pronunciamentos Caixa e equivs. de caixa no final do exercício 1.021.305 para a Educação Infantil e com o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). A contábeis, no patrimônio líquido em 31 de dezembro 2009 e em 1º de janeiro Liga Solidária realiza atendimento social, em: de 2009. 3.2 Reconciliação - As reconciliações abaixo mostram os efeitos da Exigível a longo prazo 5.783.799 – 5.783.799 • 8 Centros de Educação Infantil - CEIs (creches) transição das políticas contábeis adotadas no Brasil anteriormente usadas, Provisão para riscos trabalhistas 161.919 – 161.919 • 5 Abrigos para o CPC para PMEs em 1º de janeiro de 2009 e 31 de dezembro de 2009. Provisão para riscos fiscais 5.614.980 – 5.614.980 • 8 Programas Socioeducativos a) Conciliação do patrimônio social em 1º janeiro de 2009 Depósito fiança 6.900 – 6.900 Para viabilizar seu trabalho social, a Liga Solidária conta com diferentes frentes 01/01/2009 Patrimônio Social 94.855.436 45.711.054 140.566.490 de captação de recursos: conforme políticas Capital social 47.683.728 – 47.683.728 • Convênios com o poder público Municipal; contábeis Efeitos 01/01/2009 Ajustes de avaliação patrimonial 36.904.628 45.711.054 82.615.682 • Parcerias com empresas privadas; Ativo anteriormente usadas da transição conforme CPC Superavit/deficit acumulado 10.267.081 – 10.267.081 Ativo circulante 20.044.321 – 20.044.321 Total do passivo e • Doações de pessoas físicas e jurídicas; Caixa e equivalente de caixa 141.023 115.199 256.222 patrimônio social • Eventos; 104.975.236 45.711.054 150.686.290 Ativos financeiros p/ negociação 17.697.272 (115.199) 17.582.073 4 Caixa e equivalentes de caixa • Campanhas; Contas a receber 1.604.461 – 1.604.461 • Unidades Provedoras. Em 31 de dezembro 601.565 – 601.565 As unidades provedoras constituem uma estrutura interna geradora de receitas Outros recebíveis 2010 2009 01.01.09 próprias. O superávit obtido nestas unidades, por meio da prestação de serviços a Ativo não circulante 86.848.902 – 132.880.472 Disponibilidades em moeda nacional (1) 488.614 332.150 141.023 terceiros, é integralmente aplicado nas ações sociais da Liga Solidária. São seis Realizável a longo prazo 53.306 – 53.306 Depósitos de poupança 532.691 361.013 115.199 as unidades provedoras: Lar Sant’Ana – Residencial para idosos independen- Depósito judicial 48.806 – 48.806 Total de caixa e equivalentes de caixa 1.021.305 693.163 256.222 tes, com atividades físicas e culturais; Recanto Monte Alegre – Residencial Depósito fiança 4.500 – 4.500 (1) Refere-se a depósito bancário à vista para idosos dependentes, com assistência médica geriátrica e enfermagem Permanente 86.795.596 46.031.570 132.827.166 5 Ativos financeiros para negociação - Os ativos financeiros classificados 24 horas; Colégio Santa Amália Saúde - Ensino Infantil, Fundamental e Médio, Imobilizado 86.736.810 46.031.570 132.768.380 na categoria títulos para negociação, possuem liquidez imediata e estão assim Colégio Santa Amália Tatuapé – “Maple Bear” - Ensino Infantil Bilíngue (Inglês) Intangível 58.786 – 58.786 compostas: e Ensino Fundamental, Plaza 50 – Apartamentos para locação e Residência Total do ativo 106.893.225 46.031.570 152.924.795 Em 31 de dezembro Capote Valente - Residência. 2 Resumo das principais práticas - Este é Passivo e patrimônio Social 2010 2009 01.01.09 o primeiro conjunto de demonstrações financeiras preparado pela entidade Passivo circulante 4.760.000 – 4.760.000 Fundos de investimento financeiro (1) 17.895.344 16.596.493 17.582.073 de acordo com as novas normas contábeis brasileiras emitidas pelo Comitê Empréstimos 1.650.435 – 1.650.435 (1) Os valores das cotas de fundos de investimentos detidos pela entidade em 31 de Pronunciamentos Contábeis (CPCs), aplicáveis a pequenas e médias Fornecedores 431.405 – 431.405 de dezembro de 2010 são apurados com base nos valores das cotas divulgadas empresas - Pronunciamento Técnico PME - Contabilidade para Pequenas e Impostos e contribuições a recolher 59.185 – 59.185 pelas instituições financeiras administradoras desses fundos no dia útil anterior. Médias Empresas. As principais políticas contábeis aplicadas na preparação Provisão de férias 1.029.412 – 1.029.412 6 Contas a receber destas demonstrações financeiras estão definidas abaixo. Essas políticas Salários e encargos sociais 916.759 – 916.759 2010 2009 01.01.09 foram aplicadas de modo consistente nos exercícios apresentados, salvo Adiantamento de mensalidades 660.939 – 660.939 Mensalidades a receber – escolas 269.885 350.895 801.021 quando indicado de outra forma. As presentes demonstrações financeiras Outras contas a pagar 11.865 – 11.865 Hospedagem a receber – residenciais e flats 92.217 87.772 165.093 foram aprovadas pela Assembleia Geral Ordinária em 13 de abril de 2011. 2.1 Passivo não circulante 3.896.952 – 3.896.952 Aluguéis a receber 113.176 111.827 181.745 Base de preparação e apresentação das demonstrações financeiras - As Exigível a longo prazo 3.896.952 – 3.896.952 Convênios governamentais a receber 195.146 328.234 521.656 demonstrações financeiras foram elaboradas e estão sendo apresentadas Provisão para riscos fiscais 3.896.952 – 3.896.952 Valores em cobrança judicial 109.922 – 326.938 de acordo com o CPC para PMEs. Elas foram preparadas considerando Patrimônio Social 98.236.273 46.031.570 144.267.843 Outros 362.156 252.563 374.208 o custo histórico como base de valor e ajustadas para refletir o “custo Capital social 47.683.728 – 47.683.728 (-) Provisão para devedores duvidosos (314.896) (146.771) (766.200) atribuído” de terrenos e construções na data de transição para os CPCs e Ajustes de avaliação patrimonial 36.904.628 46.031.570 82.936.198 827.606 984.520 1.604.461 ativos e passivos financeiros mensurados ao valor justo contra o resultado Superavit/deficit acumulado 13.647.917 – 13.647.917 A análise de vencimentos dessas contas a receber está apresentada a seguir: do exercício. A preparação de demonstrações financeiras em conformidade Total do passivo e 2010 2009 01.01.09 com o CPC para PMEs requer o uso de certas estimativas contábeis críticas e patrimônio social 106.893.225 46.031.570 152.924.795 Títulos a vencer 260.499 257.943 540.528 também o exercício de julgamento por parte da administração da entidade no b) Conciliação do patrimônio social em 31 de dezembro de 2009 Títulos vencidos até 30 dias 174.865 173.149 362.840 processo de aplicação das políticas contábeis. Os resultados efetivos podem 31/12/2009 Títulos vencidos de 31 até 90 dias 21.339 21.130 44.178 ser diferentes daquelas estimativas e premissas. 2.2 Moeda funcional conforme políticas Títulos vencidos há mais de 90 dias 685.800 679.069 1.423.015 e moeda de apresentação - As demonstrações financeiras estão sendo contábeis Efeitos 01/01/2009 1.142.502 1.131.291 2.370.661 apresentadas em milhares de reais, que é a moeda funcional da entidade e, Ativo anteriormente usadas da transição conforme CPC O prazo médio de recebimento é de 30 dias.A provisão para créditos de liquidação 18.772.499 – 18.772.499 duvidosa é constituída tendo como ponto de partida os créditos vencidos há mais também, a sua moeda de apresentação. 2.3 Caixa e equivalentes de caixa Ativo circulante 332.150 361.013 693.163 de 180 dias, conforme base histórica de perda. As movimentações da provisão - Os saldos de caixa e equivalentes de caixa para fins de demonstrações Caixa e equivalente de caixa (361.013) 16.596.493 para créditos de liquidação duvidosa da entidade são as seguintes: dos fluxos de caixa incluem dinheiro em caixa e depósitos bancários. 2.4 Ativos financeiros para negociação 16.957.506 984.520 – 984.520 Ativos financeiros - A administração classifica seus ativos financeiros sob Contas a receber 2010 2009 01.01.09 498.322 – 498.322 Em 1º de janeiro as seguintes categorias: mensurados ao valor justo por meio do resultado Outros recebíveis 146.771 766.200 526.459 t e empréstimos e recebíveis. A classificação depende da finalidade Ativo não circulante 86.202.737 45.711.054 131.913.791 Constituição da provisão (superavit) 425.480 579.469 239.741 para a qual os ativos financeiros foram adquiridos. A administração determina Realizável a longo prazo 35.421 – 35.421 Reversão da provisão (257.355) (1.198.898) – a classificação de seus ativos financeiros no reconhecimento inicial. Ativos Depósito judicial 30.921 – 30.921 Em 31 de dezembro 314.896 146.771 766.200 financeiros mensurados ao valor justo por meio do resultado (superavit ou Depósito fiança 4.500 – 4.500 A constituição e a baixa da provisão para créditos de liquidação duvidosa foram defict). Os ativos financeiros mensurados ao valor justo por meio do resultado Permanente 86.167.317 45.711.054 131.878.371 registradas no resultado do exercício como “Despesas administrativas”. Os são ativos financeiros mantidos para negociação ativa e frequente ou ativos Imobilizado 86.116.965 45.711.054 131.828.019 valores debitados à conta de provisão são geralmente baixados quando não designados pela entidade, no reconhecimento inicial, como mensurados ao Intangível 50.352 – 50.352 há expectativa de recuperação dos recursos. A exposição máxima ao risco de valor justo por meio do resultado. Os ganhos ou as perdas decorrentes de Total do ativo 104.975.236 45.711.054 150.686.290 crédito na data de apresentação do relatório é o valor contábil de cada classe variações no valor justo de ativos financeiros mensurados ao valor justo Passivo e patrimônio Social de contas a receber mencionada acima. A entidade não mantém nenhum título por meio do resultado são apresentados na demonstração do superavit ou Passivo circulante 4.335.999 – 4.335.999 como garantia. 7 Outros créditos - Em 31 de dezembro 2010, referem-se deficit no período em que ocorrem, a menos que o instrumento tenha sido Empréstimos 550.000 – 550.000 substancialmente a adiantamento de férias a empregados no montante de R$ contratado em conexão com outra operação. Neste caso, as variações são Fornecedores 708.561 – 708.561 464.107 e a empréstimos a funcionários no montante de R$ 29.486. Em 31 reconhecidas na mesma linha do superavit afetada pela referida operação. Impostos e contribuições a recolher 51.615 – 51.615 de dezembro 2009, referem-se substancialmente a adiantamento de férias a Empréstimos e recebíveis: Incluem-se nessa categoria os empréstimos Provisão de férias 1.216.587 – 1.216.587 empregados no montante de R$ 372.110 e adiantamentos de hospedes do Resiconcedidos e os recebíveis que são ativos financeiros não derivativos com Salários e encargos sociais 1.114.951 – 1.114.951 dencial Lar Santana no valor de R$ 59.052. Em 01 de janeiro 2009, referem-se pagamentos fixos ou determináveis, não cotados em um mercado ativo. São Adiantamento de mensalidades 658.524 – 658.524 substancialmente a adiantamento de férias a empregados no montante de R$ incluídos como ativo circulante, exceto aqueles com prazo de vencimento Outras contas a pagar 35.761 – 35.761 324.556 e adiantamentos aos fornecedores no valor de R$ 230.302 relativos à superior a 12 meses após a data do balanço (estes são classificados como Passivo não circulante 5.783.799 – 5.783.799 ampliação do refeitório do Lar Santana. ativos não circulantes). Os empréstimos e recebíveis da entidade compreBenfeitorias endem as contas a receber, outros recebíveis e depósito judicial e fiança. 8 Imobilizado Móveis e Máquinas Equiptos.de Obras em em bens de Imobilizado Os empréstimos e recebíveis são contabilizados pelo custo amortizado, Veículos utensílios e equiptos. informática Terrenos Edificações andamento terceiros Total usando o método da taxa de juros efetiva, quando aplicável. 2.5 Passivos 58.091 626.684 325.175 212.950 90.810.000 39.108.000 698.189 929.291 132.768.380 financeiros - A entidade classifica seus passivos financeiros na categoria Saldos em 01 de janeiro de 2009 Aquisição – 371.894 78.155 115.540 – – 285.178 – 850.767 de custo amortizado. Custo amortizado: São os passivos financeiros que não – – – – – 891.149 (891.149) – – são avaliados pelo valor justo por meio do resultado. Estes passivos são ini- Transferência (27.362) (116.565) (48.425) (76.404) – (1.303.577) – (218.795) (1.791.128) cialmente registrados pelo seu valor justo e subsequentemente mensurados Depreciação 882.013 354.905 252.086 90.810.000 38.695.572 92.218 710.496 131.828.019 ao custo amortizado. Incluem, dentre outros, empréstimos e fornecedores. Saldos em 31 de dezembro de 2009 30.729 2.6 Contas a receber - As contas a receber são avalidadas no momento Custo total 241.764 1.242.833 534.538 656.631 90.810.000 39.999.149 92.218 1.093.976 134.671.109 inicial pelo valor da transação e subsequentemente mensuradas pelo custo Depreciação acumulada (211.035) (360.820) (179.633) (404.545) – (1.303.577) – (383.480) (2.843.090) amortizado deduzidas da provisão para créditos de liquidação duvidosa. Uma Valor residual 30.729 882.013 354.905 252.086 90.810.000 38.695.572 92.218 710.496 131.828.019 provisão para créditos de liquidação duvidosa é constituída quando existe Aquisição – 201.909 205.935 138.149 – – 133.343 – 679.336 uma evidência objetiva de que a entidade não receberá todos os valores Depreciação (22.168) (134.919) (59.536) (94.925) – (1.303.579) – (218.796) (1.833.923) devidos de acordo com as condições originais das contas a receber. 2.7 Saldos em 31 de dezembro de 2010 8.561 949.003 501.304 295.310 90.810.000 37.391.993 225.561 491.700 130.673.432 Imobilizado - Os itens do imobilizado são demonstrados ao custo histórico Custo total 241.764 1.444.742 740.474 794.780 90.810.000 39.999.149 225.561 1.093.975 135.350.445 de aquisição ou doação, menos o valor da depreciação e de qualquer perda Depreciação acumulada (233.203) (495.739) (239.170) (499.470) – (2.607.156) – (602.275) (4.677.013) não recuperável acumulada. Os terrenos não são depreciados. A depreciaValor residual 8.561 949.003 501.304 295.310 90.810.000 37.391.992 225.561 491.700 130.673.432 ção de outros ativos é calculada usando o método linear para alocar seus custos aos seus valores residuais durante a vida útil estimada, como segue: 9 Empréstimos - Referem–se a empréstimos de crédito rotativo (hot money e tante de R$ 1.918.311 (2009 – R$ 2.001.443) e eventos no montante de R$ Anos limite) para cobertura de capital de giro no valor de R$ 1.11 2.487 (2009 – R$ 608.351 (2009 – R$ 383.000). As outras despesas operacionais referem–se, Equipamentos de informática 5 550.000 e 01/01/09 – R$ 1.650.435). 10 Adiantamento de mensalidades principalmente, a despesas com farmácia e enfermaria no montante de R$ Construções 60 a 70 - Referem–se principalmente a valores pagos antecipadamente, referentes 834.301 (2009 – R$ 806.172), despesas com condomínio no montante de Máquinas e equipamentos 10 a reserva de matrículas no Colégio Santa Amália para o ano letivo seguinte. R$ 422.877 (2009 – R$ 366.467), despesas com lavanderia no montante de Móveis, utensílios 10 Esses valores são apropriados ao resultado no exercício seguinte pelo regime R$ 224.476 (2009 – R$ 246.253), despesas com rouparia/cama/mesa/banho Veículos 5 de competência. 11 Provisão riscos fiscais e trabalhistas - (a) Obrigações R$ 153.083 (2009 – 40.005) e despesas com cursos livres nas escolas R$ Os valores residuais e a vida útil dos ativos são revisados e ajustados, se legais – fiscais: A Liga Solidária adotou determinados procedimentos fiscais e 195.227 (2009 – R$ 122.425). 16 Gratuidades concedidas - A isenção das apropriado, ao final de cada exercício. O valor contábil de um ativo é ime- iniciou ações e processos questionando a constitucionalidade de determinados contribuições previdenciárias (INSS parte do empregador – quota patronal) diatamente baixado para seu valor recuperável se o valor contábil do ativo tributos, para as quais foram constituídas as correspondentes provisões: (1) usufruída no exercício foi de R$ 5.079.184 (2009 – R$ 4.451.034). O percentual for maior do que seu valor recuperável estimado (Nota 2.9). Os ganhos e as COFINS, no montante de R$ 6.255.356 (2009 – R$ 4.664.880 e 01.01.2009–R$ de 20% da receita operacional montou a R$ 8.202.997 para o exercício findo perdas de alienações são determinados pela comparação dos resultados com 3.896.952); (ii) PIS, no montante de R$ 1.299.625 (2009 – R$ 950.000). A em 31 de dezembro de 2010 (2009 – R$ 7.183.683). Para que a entidade possa o valor contábil e são reconhecidos em “Receitas/despesas não operacionais”, despesa correspondente, no montante de R$ 1.940.001 (2009 – R$1.879.947), continuar a gozar da isenção das contribuições previdenciárias, a prevalência líquidos na demonstração do resultado. 2.8 Intangível - Está representado por está registrada em “Despesas com provisão para riscos fiscais”. (b) Provi- na concessão de gratuidades sempre será a de maior valor, quota patronal ou licenças de marcas e patentes adquiridas que são capitalizadas com base nos sões trabalhistas - A entidade é parte em processos judiciais de natureza 20% da receita operacional. As despesas com gratuidades (unidades sociais) custos incorridos na sua aquisição e preparo do softwares para sua utilização. trabalhista, decorrentes do curso normal de suas atividades, para as quais no exercício foram de R$ 17.151.179 (2009– R$ 15.048.759 e 01/01/09 – R$ Esses custos são amortizados durante sua vida útil estimável em cinco anos. foram constituídas as correspondentes provisões trabalhistas no montante 12.317.015) , atendendo assim aos requisitos estabelecidos na legislação 2.9 Redução ao valor recuperável de ativos não financeiros (impairment) de R$ 326.623 (2009 – R$ 161.919). 12 Patrimônio social - O patrimônio vigente, ou seja, no exercício corresponderam a 41,38% da receita operacional - Os ativos sujeitos à depreciação ou amortização são revisados, no mínimo, social é composto, substancialmente, pelos superávits (déficits) apurados (2009 – 41,45%). 17 Seguros - A Entidade mantém contratos de seguros anualmente para verificação do valor recuperável. Quando houver indício de anualmente, assim como pelas doações de bens recebidas, desde a data de de riscos diversos e de responsabilidade civil, com cobertura determinada t o valor contábil do ativo (ou unidade sua constituição. Em caso de extinção ou desqualificação da Associação, seu por orientação de especialistas, com vigência de 29 de agosto de 2010 a 29 perda ao valor recuperável (impairment), geradora de caixa à qual o ativo tenha sido alocado) é testado. Uma perda pela patrimônio, legados ou doações, assim como eventuais excedentes financeiros de agosto de 2011. As coberturas de seguros contratadas têm os seguintes redução do valor recuperável é reconhecida pelo excesso do valor contábil do decorrentes de suas atividades, serão destinados integralmente ao patrimônio limites: (a) incêndio, raio, explosão de qualquer natureza e incêndio resultante ativo sobre seu valor recuperável. Este último é o maior valor entre o valor justo de outra Organização Social qualificada no âmbito do Estado de São Paulo na de tumultos – R$ 8.000.000; (b) vendaval, furacão, ciclone, tornado, granizo, menos os custos de venda e o valor em uso. Para fins de avaliação da perda pela mesma área de atuação, escolhida pela Assembléia Geral e ao patrimônio do queda de aeronave, impacto de veículos terrestre e fumaça – R$ 40.000; redução do valor recuperável, os ativos são agrupados nos níveis mais baixos Estado, na proporção dos recursos e bens por este alocados, de acordo com o (c) danos elétricos – R$ 100.000; (d) roubo, furto qualificado de bens nas para os quais existam fluxos de caixa identificáveis separadamente (Unidades disposto na Lei Complementar no 846/98 e no Decreto Estadual no 43.493/98. dependências do segurado – R$ 30.000; (e) equipamentos estacionários – R$ Geradoras de Caixa (UGC)). 2.10 Provisões, passivos contingentes e ativos O patrimônio social em 31 de dezembro de 2010 é de R$ 47.683.727 (2009 30.000; (f) roubo de valores nas dependências do segurado – R$ 5.0000; (g) contingentes - Uma provisão é reconhecida, quando como resultado de um – R$ 47.683.727 e 01/01/09 – R$ 47.683.727). 13 Receita com convênio roubo de valores nas mãos de portadores – R$ 5.000; (g) responsabilidade evento passado, a entidade tenha uma obrigação presente e legal que pode ser público - As receitas referem–se principalmente a convênios com a prefeitura civil do empregador – R$ 160.000; (h)responsabilidade civil do empregador na estimada de modo confiável, e com provável saída de benefícios econômicos de São Paulo no montante de R$ 8.673.666 (2009 – R$ 6.470.528). 14 Des- guarda de veículos (incêndio/roubo) – R$ 40.000. 18 Outras informações - (a) para sua quitação. Passivos contingentes são divulgados se existir uma possível pesas operacionais - As despesas operacionais referem–se principalmente a A entidade, em 31 de dezembro de 2010 e 2009 e em 01 de janeiro 2009 não obrigação futura resultante de eventos passados ou se existir uma obrigação despesas de alimentação no montante de R$ 3.211.876 (2009 –R$ 3.246.287), possuía operações com instrumentos financeiros derivativos. (b) Não foram presente resultante de um evento passado. Ativos contingentes são reconhe- despesas com serviços públicos e concessionária no montante de R$ 2.235.218 reconhecidos contabilmente ativos contingentes. cidos contabilmente somente quando há garantias reais ou decisões judiciais (2009 – R$ 2.263.485), despesas de manutenção e conservação no montante Maria Luiza d’Orey Espírito Santo - Presidente favoráveis definitivas, sobre as quais não cabem mais recursos, caracterizando de R$ 1.871.815 (2009 – R$ 1.456.443), despesas com locação de imóveis e Ana Carolina Monteiro de Barros Matarazzo - Vice-Presidente o ganho como praticamente certo. Os ativos contingentes com probabilidade equipamentos no montante de R$ 491.728 (2009 –R$ 454.299), despesas de Idio Fernandes - Contador - CRC 1SP091.434/O-1 de êxito provável são apenas divulgados nas demonstrações financeiras, exceto material de higiene e limpeza no montante de R$ 667.647 (2009 – R$ 483.832) PARECER DO CONSELHO FISCAL quando seja provável que esses ativos venham a dar origem a um aumento em e despesas didáticas, pedagógicas e de escola no montante de R$ 855.584 recursos que incorporem benefícios econômicos.As provisões foram constituídas (2009 – R$ 625.043). 15 Outras receitas e despesas operacionais - Outras Os abaixo assinados, membros do atual Conselho Fiscal, examinando as demonslevando em conta: a opinião dos assessores jurídicos, a natureza das ações, a receitas operacionais referem–se principalmente a receitas com aluguéis no trações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e as correspondentes notas similaridade com processos anteriores, a complexidade e o posicionamento de montante de R$ 1.438.285 (2009– R$ 1.199.198), receitas com cursos extra- explicativas elaborados sob a responsabilidade da administração da entidade Tribunais, sempre que a perda for avaliada como provável. O passivo relacionado curriculares no montante de R$ 229.207 (2009 – R$ 187.093), outras receitas aprovam e propõem que os mesmos sejam aprovados pela Assembleia Geral à obrigação legal em discussão judicial é mantido até o ganho definitivo da ação, com hospedagem (serviços de enfermagem, compra de remédios, etc.) no da Liga das Senhoras Católicas de São Paulo. representado por decisões judiciais favoráveis, sobre as quais não cabem mais montante de R$ 1.056.389 (2009 – R$ 746.114), reembolso de acompanhantes Rosiane Pecora Carlos recursos, ou a sua prescrição. 2.11 Patrimônio social - Constituído pela dotação no montante de R$ 1.168.982 (2009–R$ 1.001.924), recuperação de créditos Carlos Antonio Rossi Rosa inicial de seus outorgantes instituidores e por doações recebidas de terceiros, no montante de R$ 82.069 (2009 – R$ 114.828), receitas financeiras no monIsrael Aron Zylberman RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

Conforme informação da Distribuição Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, foram ajuizados no dia 21 de setembro de 2011, na Comarca da Capital, os seguintes pedidos de falência, recuperação extrajudicial e recuperação judicial: Requerente: Sales Equipamentos e Produtos de Higiene Profissional Ltda. Requerido: Pruserv Comércio e Serviços de Limpeza Ltda - ME. Rua Antonio Febraio Filho, 70 – Parque das Árvores - 2ª Vara de Falências. Requerente: Radiotel Eletrônica Ltda. Requerido: Art Ilumi Eletrônica Ltda. – ME. Avenida Itaquera, 7.349 - CS 02 – Cidade Líder - 1ª Vara de Falências. Requerente: New Progress Factoring de Fomento Mercantil Ltda. Requerido: Dautec Indústria e Comércio Ltda. Rua Joaquim Nunes Teixeira, 106 – Vila Plana. - 2ª Vara de Falências.

Aos Administradores Liga das Senhoras Católicas de São Paulo Examinamos as demonstrações financeiras da Liga das Senhoras Católicas de São Paulo (a “Entidade”) que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2010 e as respectivas demonstrações do superávit ou déficit, do resultado abrangente, das mutações do patrimônio social e dos fluxos de caixa para o exercício findo nessa data, assim como o resumo das políticas contábeis e as demais notas explicativas. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações financeiras A administração da Entidade é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil para pequenas e médias empresas - Pronunciamento Técnico CPC PME - Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas, e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações financeiras livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou por erro. Responsabilidade dos auditores independentes Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações financeiras com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento

de exigências éticas pelo auditor e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações financeiras estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e das divulgações apresentados nas demonstrações financeiras. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações financeiras, independentemente se causada por fraude ou por erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstrações financeiras da Entidade para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos da Entidade. Uma auditoria inclui também a avaliação da adequação das políticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações financeiras tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião com ressalva. Base para opinião com ressalva A Entidade, por não ter fins lucrativos, tem parte de suas receitas provenientes de doações e contribuições de terceiros. Como estas doações e contribuições de

terceiros são espontâneas, só podem ser identificadas se registradas e por essa razão, nossas verificações dessas receitas considerou, exclusivamente, os valores constantes dos registros contábeis. Opinião com ressalva Em nossa opinião, exceto pelos efeitos de eventuais ajustes decorrentes do assunto descrito no parágrafo “Base para opinião com ressalva”, as demonstrações financeiras acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da Liga das Senhoras Católicas de São Paulo em 31 de dezembro de 2010, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício findo nessa data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis para pequenas e médias empresas. São Paulo, 12 de agosto de 2011.

PricewaterhouseCoopers Auditores Independentes CRC 2SP000160/O-5

Luís Carlos Matias Ramos Contador CRC 1SP171564/O-1


DIÁRIO DO COMÉRCIO

18

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

e Fed lança programa de US$ 400 bilhões No Brasil, o crescimento do crédito representa um desafio à estabilidade. Relatório sobre Estabilidade Financeira Global do FMI

conomia

Autoridade monetária norte-americana pretende estimular investimento em ativos de prazo mais longo e ajudar o setor imobiliário

O

Federal Reserve (Fed, banco central dos Estados Unidos) intensificou ontem sua ajuda à economia norte-americana ao lançar um esforço para colocar mais pressão de baixa sobre as taxas de juros de longo prazo e ajudar o combalido setor imobiliário. Alertando sobre a existência de riscos "significativos" para a economia, a autoridade monetária presidida por Ben Bernanke disse que lançará um novo programa de US$ 400 bilhões para direcionar seu balanço de US$ 2,85 trilhões mais fortemente a ativos de prazo mais longo. Isso será feito por meio da venda de papéis de prazo mais curto e da utilização do capital adquirido para comprar Treasuries de vencimento mais longo. O banco central dos EUA também afirmou que vai reinvestir no mercado de hipotecas os rendimentos de bônus de agências imobiliárias e hipote-

cas de sua carteira – um reconhecimento da fragilidade do setor. "Recentes indicadores apontam para a contínua fraqueza nas condições gerais do mercado de trabalho, e a taxa de desemprego permanece elevada", afirmou o Fed em comunicado divulgado após uma reunião de dois dias. "Há significativos riscos adversos para a perspectiva econômica, incluindo tensões nos mercados financeiros globais." A medida do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) foi recebida de modos distintos nos mercados financeiros. As bolsas de valores dos Estados Unidos caíram, aparentemente devido ao prognóstico ruim do Fed (leia mais nesta página). Os preços dos títulos públicos norteamericanos, contudo, subiram, derrubando os juros, num sinal de que a ação do Fed foi mais agressiva que a esperada por investidores. Em meio a uma taxa de de-

semprego de 9,1%, a confiança do consumidor e dos empresários foi golpeada pelo rebaixamento do rating dos EUA e pela escalada da crise de dívida soberana na Europa, e as autoridades do Fed sinalizaram que buscarão evitar que a já fraca economia norte-americana enfraqueça ainda mais. Oposição – Os principais líderes republicanos do Congresso norte-americano escreveram a Bernanke nesta semana pedindo que o banco central desista de mais intervenções econômicas, expressando as mesmas críticas de candidatos republicanos à Presidência nas últimas semanas. A maioria das autoridades do Fed, contudo, acredita que, ao alterar sua carteira de bônus, o banco central pode estimular o refinanciamento de hipotecas e levar investidores a ativos de maior risco, como bônus de empresas e ações, sem alimentar uma alta nos preços ao consumidor. (Reuters)

Crise e EUA derrubam mercados internacionais Brandan McDermid/Reuters

Karen Bleier/AFP

Bernanke tem recebido pressões da bancada republicana, que pede menos intervenções do banco central.

Moody's rebaixa bancos

A

agência de classificação de risco Moody's rebaixou ontem a nota de crédito de longo prazo do Bank of América (BofA) em dois níveis, de A2 para BAA1, devido à

redução das possibilidades de receber uma ajuda do governo norte-americano em caso de necessidade. Os bancos Wells Fargo e Citigroup também tiveram suas notas rebaixadas ontem

pela Moody's, que citou os mesmos motivos do BofA. Já a agência Standard & Poor's (S&P) rebaixou o rating de sete bancos italianos sob a justificativa de riscos na dívida soberana. (Folhapress)

FMI alerta para bolha no Brasil

E

2,94 por cento foi a queda do índice norteamericano S&P 500. O Dow Jones recuou 2,49%, e o Nasdaq teve desvalorização de 2,01%.

ta "riscos significativos de deterioração", mesmo tendo tomado mais uma medida para impulsionar o crescimento. O índice Dow Jones, referência da Bolsa de Nova York, recuou 2,49%, enquanto o termômetro de tecnologia Nasdaq caiu 2,01%. O índice Standard & Poor's 500 teve desvalorização de 2,94%. Conforme esperado, o Fed afirmou que comprará Treasuries de vencimento mais longo em um esforço para reduzir as taxas de empréstimos. Mas investidores temem que o último plano do Fed tenha pouco efeito em uma economia que parece estar estagnando. Eles estão menos otimistas após esforços anteriores, particularmente por conta do próprio comunicado do Fed apontando para riscos econômicos no país. (Reuters)

Alimentos – O mercado global de alimentos continua sustentando preços recordes, já que os baixos estoques e a alta demanda favorecem saltos das cotações, avaliou o FMI. Mas o organismo prevê que seu índice de commodities não combustíveis recuará 5,5% na segunda metade de 2011, pois o frágil crescimento econômico contém a demanda. S e g u n d o o re l a t ó r i o d o FMI, os preços dos alimentos subiram 20% no terceiro trimestre, na comparação com igual período de 2010, e permanecerão altos e voláteis no início de 2012. (Agências)

Grécia anuncia mais medidas

O

governo grego aprovou ontem medidas adicionais para reduzir o déficit e satisfazer as exigências da União Europeia (UE) e do Fundo Monetário Internacional (FMI). Segundo um comunicado do Executivo, as medidas foram aprovadas em reunião do Conselho de Ministros, na qual foi acordado que 30 mil funcionários passarão este ano a uma "reserva" prévia à aposentadoria ou à demissão, além de um corte de 20% nas pensões acima de 1,2 mil euros. Além disso, os aposentados com menos de 55 anos de idade perderão 40% de suas pensões e será aplicado um imposto à propriedade imobiliária que taxará entre 0,50 e 16 euros o metro quadrado até o dia 1º de janeiro de 2014.

Manifestantes protestaram em Atenas contra novas medidas

Também será aplicada uma reforma tributária que obrigará a pagar impostos aqueles que tenham receita de mais de 5 mil euros anuais, ante aos 8 mil atuais. Foi anunciado ainda um novo sistema de salá-

rios "transparente, confiável e justo" no setor público, que analistas estimam que reduzirá as remunerações em 15%. Serão também impulsionadas as privatizações de empresas e órgãos públicos. (EFE) DC

100 fechou em baixa de 1,4%, ao passo que o Dax, de Frankfurt, caiu 2,47%, e o CAC-40, de Paris, recuou 1,62%. Em Milão, o indicador FTSE/Mib teve desvalorização de 1,65%, enquanto que, em Madri, o índice Ibex35 retrocedeu 1,82%. Pós-Fed – Os principais índices do mercado acionário norteamericano registraram baixa de mais de 2% ontem, após o Fed afirmar que a economia enfren-

Avaliações do Fed preocupam investidores

Bancos – Segundo o FMI, os bancos europeus enfrentam um prejuízo potencial de cerca de 300 bilhões de euros com a crise da dívida soberana da zona do euro. A instituição pediu que os bancos levantem capital para proteger a economia global de novas turbulências. No relatório divulgado ontem, o Fundo disse que as tensões fiscais vindas dos integrantes mais fracos da zona do euro tiveram um impacto direto de cerca de 200 bilhões de euros nos bancos da União Europeia (UE) desde que a crise da dívida soberana começou, no ano passado.

John Koledisis/Reuters

O

principal índice das ações europeias fechou em queda ontem e com baixo volume, na medida em que preocupações com o crescimento global abateram ações sensíveis a ciclos econômicos. A sessão foi volátil, e fechou antes da divulgação do resultado da reunião do Federal Reserve (Fed, banco central norte-americano) – que, um pouco depois, anunciou o lançamento de um novo programa de estímulo à economia dos Estados Unidos (leia nesta página). Dessa forma, o FTSEurofirst 300 caiu 1,72%. Os setores automobilístico, químico e de matérias-primas estiveram entre os mais golpeados. A queda per to do final da sessão foi "mais uma evidência do pessimismo geral do mercado, embora a escala das vendas esteja surpreendendo", segundo disse um operador de Londres. Em Londres, o índice FTSE

m seu Relatório sobre Estabilidade Financeira G l ob a l , divulgado ontem, o Fundo Monetário Internacional (FMI) chamou a atenção para o risco de bolha de crédito no Brasil, e apontou o setor imobiliário como especialmente sensível. "Em alguns mercados emergentes, que incluem o Brasil e a Turquia, a qualidade de crédito parece ser forte na superfície, mas o rápido crescimento do crédito doméstico – especialmente no mercado imobiliário – representa um desafio-chave à estabilidade futura", avaliou o organismo.

CONVITE

Tel.: 11 3462.5100 7812.4105 ID: 86* 235646 R. Carolina Maria de Jesus, 38 Jd. Sapopemba - São Paulo - SP

Seminário sobre a viabilidade do trem-bala www.dafgraph.com.br

DC

Inscrições gratuitas e informações: Telefone: (11) 3244-3310 / 3244-3405 e-mail: secretariageral@acsp.com.br

MASSIS

ESTACIONAMENTOS

Dia: 27 de setembro de 2011, terça-feira Horário: às 8h30 Local: Rua Boa Vista, 51 - 9º andar

Tradição e Qualidade. Desde 1963, uma manobra certa. Fone: 11 3289-8688

Assista ao vivo no site www.acsp.com.br clique no banner WebTV ACSP

Rua Augusta, 1.598 7º andar - São Paulo/SP

www.massisestacionamentos.com.br

Diário do Comércio  

22 set 2011