Issuu on Google+

Adeus doutor Ruy, patriarca do jornalismo.

Ano 87 - Nº 23.877

Ruy Mesquita, página 6

Conclusão: 23h50

Jornal do empreendedor

R$ 1,40

www.dcomercio.com.br

São Paulo, quarta-feira, 22 de maio de 2013

Sílvio Ribeiro/arquivo EC

Arte

aulo

de P

an berm

com

foto

w ndre

uters

j/Re

Bira

de A

Zil

Sai de moda vestir Bangladesh As roupas made in Bangladesh são as mais baratas do mundo. Mas o preço real, no câmbio de bengalis mortos em prédios que desabam ou pegam fogo, é muito alto. Os consumidores agora querem saber de onde vem o que compram. Pág. 18

A tragédia da Capadócia, segundo um ás do balonismo.

Vendas do varejo seguem firmes Avanço em abril foi de 0,9% em relação a março, segundo dados da Boa Vista Serviços. Nos últimos 12 meses, crescimento chega a 5,2%. Pág. 11 Carlos Barretta/Hype

Tal Manor/EFE

A virada certeira de Casagrande O calvário e a vida renovada do ídolo que superou a dependência das drogas. Pág. 9

Para Warley Macedo, um dos principais pilotosbalonistas brasileiros (foto), o acidente na Turquia só não teve mais vítimas graças à habilidade do piloto português Rodrigo Neves. Pág. 8 Ed Zurga/EFE

Arquivo DC

Nas Colinas de Golã, o clima já é de guerra.

Sedat Suna/EFE

Israelenses e sírios trocam tiros na fronteira e intensificam clima de conflito. Assad vai "pagar o preço", disparou Benny Gantz, chefe do exército de Israel (de binóculos). Pág. 7

Voto dos aiatolás do Irã Caem fora os reformistas, ficam os conservadores. Saeed Jalili, cara do Irã atômico, é o preferido. Pág. 7 ISSN 1679-2688

23877

Retrato final do furacão dos furacões Oklahoma conta 24 mortos e uma incalculável devastação. Sob a beleza da foto, rastro do furacão dos furacões. Pág. 7

9 771679 268008

Página 4


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Eduardo Cunha é apresentado como um combatente "do mal" solitário, mas não é bem assim. José Márcio Mendonça

pinião

ESPINHOS INVENCÍVEIS

JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA

SXC

O

deputado Eduardo Cunha, do Rio de Janeiro, e uma parte do PMDB que o parlamentar fluminense lidera na Câmara, em Brasília, não são mais uma pedra no sapato do governo quando sentem seus interesses contrariados –como se revelou na batalha para a aprovação do da Medida Provisória de modernização dos portos brasileiros na semana passada –. São uma montanha inteira a barrar proposições da presidente Dilma Rousseff. Nem bem sai da "batalha dos portos" (ou seria mesmo "batalha dos porcos", como queria o ex-governador e deputado do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho?) o Palácio do Planalto já deve se preparar para reagrupar suas difusas forças para novas e espinhentas querelas.

A

primeira delas, por conta e graça de um expoente do "PMDB aliado", o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves – a não ser que a turma do deixa disso do vice-presidente Michel Temer entre em campo – deve ocorrer ainda neste semestre. Promessa de sua tumultuada campanha para conquistar o comando da casa dos deputados, o deputado potiguar assegura que vai colocar em votação, até julho, a proposta que obriga o governo a liberar automaticamente as verbas das emendas dos parlamentares. Não poderá mais contingenciá-las. Não é ainda o chamado "Orçamento impositivo" – hoje, o Orçamento é autorizativo; o governo gasta o que acha que deve gastar do que foi aprova-

do pelo Congresso. Mas já é um passo e é tudo que o Ministério da Fazenda e o Palácio do Planalto não querem. Primeiro, porque as emendas parlamentares são aprovadas festivamente, sem amarras de qualquer natureza, sem relação com o mundo real da arrecadação, e sua liberação automática poderia bagunçar o controle mínimo dos gastos públicos. Segundo, porque o Palácio do Planalto perderia um instrumento de barganha em suas horas mais difíceis do relacionamento com deputados e senadores: sempre pode acionar a liberação dessas verbas para convencer amigos recalcitrantes diante de algum projeto oficial, como se viu na MP dos Portos. Como o governo não solta nunca tudo o que os insatisfeitos congressistas querem para levar para suas bases e como também não costuma cumprir todas as promessas de liberação, a proposta do "Orçamento impositivo", ainda que mitigada, tem força de explosão em Brasília. Maior até do que a MP da semana passada. Há ainda o que se pode chamar de "batalha dos minérios", já com data mais ou menos certa para começar. De acordo com o ministro das Minas e Energia, Edison Lobão, depois de alguns anos de gestação, chegará finalmente ao Congresso, ainda no mês que vem, a proposta oficial do novo Código de Mineração. Deve ir por Medida Provisória, porque agora o Palácio do Planalto tem pressa – o que a torna ainda mais bombástica. É uma questão que envolve interesses dos estados produ-

tores e dos estados não produtores – não na mesma dimensão da questão dos royalties do petróleo, mas também com poder de fazer barulho. A contribuição das empresas de mineração (cite-se só, como exemplo, a Vale do Rio Doce), subirá de 2% para 4%. Só aí já se prevê muita disputa.

O

utro ponto será o interesse na divisão dos recursos dos royalties. É briga para muitos carnavais. E o deputado Eduardo Cunha, agora tachado de "inimigo público número 1" nos escaninhos palacianos, já avisou que

esta será sua próxima rinha. Haja Lexotan. O líder peemedebista já provocou ontem uma outra situação de estresse para o governo. O Ministério da Fazenda pediu a retirada do Congresso da proposta de modificação da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que alterava o indexador da dívida dos Estados, para aliviar o caixa dos governadores. A mudança passaria a valer a partir da aprovação do novo índice, mas Eduardo Cunha apresentou emenda estabelecendo que ela seria retroativa ao início do contrato. A Fazenda cal-

INGLATERRA

ARNALDO NISKIER

A

Outra forma de trabalho é através do comparecimento aos diversos centros de atendimento, os quais são submetidos a uma auditoria permanente de qualidade. Escusado dizer (porque isso nos foi mostrado) que os conteúdos são trabalhados cuidadosamente por cerca de 1.000 professores que atuam em Milton Keynes, com todo o conforto. Além da atualidade do material, a impressão é das mais

informações que possam ser úteis aos seus cursos.

modernas (serviços gráficos). Os módulos são encaminhados via Correio e de uma só vez. Como tínhamos visto alguns programas pela BBC de Londres, quisemos saber como funciona essa interação. É completa e a audiência alcança cerca de oito milhões de telespectadores, dos quais 300 mil procuram

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Cesário Ramalho da Silva Edy Luiz Kogut João Bico de Souza José Maria Chapina Alcazar Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Miguel Antonio de Moura Giacummo Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Renato Abucham Roberto Mateus Ordine Roberto Penteado de Camargo Ticoulat Sérgio Belleza Filho Walter Shindi Ilhoshi

zinho" ou "bloco de sujos" que Eduardo Cunha lidera não é tão mambembe assim. Primeiro, porque ele teria fôlego curto. E depois porque toda vez que Cunha exibe suas unhas, o Palácio do Planalto precisa de se socorrer dos préstimos do vice Michel Temer e seu grupo, o que aumenta o grau de gratidão que a eles é devotado. Na votação da MP dos Portos praticamente só deu PMDB, para o bem e para o mal. O lema do partido parece ser: "O PMDB desunido jamais será vencido". JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA

trata da qualidade do que é ministrado e apreendido. Via internet, os alunos podem dispor de acesso a uma incrível quantidade de revistas científicas, além da British Library, que, quando necessário, envia livros para os interessados.

ação

A explicação é simples: ainda não conseguiram harmonizar procedimentos com uma boa Universidade, que disponha de um hospital de alta qualidade.

idade média dos alunos é de 31 anos e mais de 70% dos seus estudantes trabalham em regime full-time, portanto estudam de acordo com as suas possibilidades, num ritmo próprio. Para se ter ideia do que a Open mobiliza, veja-se o número anual de telefonemas: 12 milhões de chamadas. Por aí são tiradas dúvidas, ocupando os sete mil tutores que se encontram à disposição dos alunos.

E

duardo Cunha é apresentado como um combatente "do mal" solitário, mas não é bem assim. Se fosse, não causaria a confusão que causa, não provocaria os estragos que provoca. É claro que ele tem também o seu exército, alimentado pelas insatisfações mais ou menos generalizadas dos aliados com o Palácio do Planalto. Há petistas desconfiando que esse tal de "bloco do eu so-

Divulg

DÁ UM SHOW A

90 minutos de Londres, por uma boa estrada, localiza-se em Milton Keynes um dos orgulhos da cultura inglesa: a Open University (OU). Nasceu em 1968 e hoje é considerada uma das três Universidades mais importantes do Reino Unido, do ponto de vista da satisfação dos alunos. São hoje 296 mil matriculados, dos quais 36% estudam on-line nos seus mais de 500 cursos (inclusive de pósgraduação). A OU está em 23 países, realizando inteligentes parcerias, como são os casos de Espanha e Kuwait. Praticamente todos os cursos são oferecidos, menos um: medicina.

cula que o governo perderia pelo menos R$ 50 bilhões com a brincadeira e preferiu não se arriscar.

A

entrada na Universidade Aberta pode ser feita duas vezes ao ano, claro que respeitados alguns prérequisitos, pois os diplomas têm perfeita equivalência no ensino superior britânico. Os créditos obtidos na OU podem ser válidos para outras instituições superiores e, por isso, não há qualquer tipo de complacência quando se

N

ão se trata de ensino gratuito, mas as anuidades são inferiores às do mercado em geral. São cerca de 7.500 libras anuais, com um pormenor: o governo ajuda a sustentar a Open University, que completa seu orçamento com o apoio de diversas empresas interessadas nos seus recursos humanos. Elas colaboram para que se formem cerca de 96 mil diplomados em setores que são essenciais para o desenvolvimento social e econômico do Reino Unido – Inglaterra, Escócia, Gales e Irlanda. ARNALDO NISKIER PERTENDE À ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS E É PRESIDENTE DO CIEE/RJ

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, Marcel Solimeo Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Editor-Chefe: José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br). Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br). Editores Seniores: chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), José Roberto Nassar (jnassar@dcomercio.com.br), Luciano de Carvalho Paço (luciano@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br). Editor de Fotografia: Agliberto Lima. Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Heci Regina Candiani (hcandiani@dcomercio.com.br), Tsuli Narimatsu (tnarimatsu@dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br. Subeditores: Marcus Lopes, Rejane Aguiar e Ricardo Osman. Redatores: Adriana David, Evelyn Schulke, Jaime Matos e Sandra Manfredini. Repórteres: André de Almeida, Karina Lignelli, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mariana Missiaggia, Mário Tonocchi, Paula Cunha, Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves e Sílvia Pimentel. Gerente Executiva e de Publicidade Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estadão Conteúdo, Folhapress, Efe e Reuters Impressão S.A. O Estado de S. Paulo. Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3180-3175. Fax 3180-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3180-3197, 3180-3983, Fax 3180-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3180-3544, 3180-3176 Esta publicação é impressa em papel certificado FSC®, garantia de manejo florestal responsável, pela S.A. O Estado de S. Paulo.

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3180-3737 REDAÇÃO (011) 3180-3449 FAX (011) 3180-3046, (011) 3180-3983 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 22 de maio de 2013

3

o O AMOR E O DISCERNIMENTO pinião

SE HÁ VONTADE EXPRESSA E COMPREENSÃO DA SITUAÇÃO, LEI APOSTA NA FELICIDADE DAS PESSOAS ESPECIAIS.

SXC

N

ão faz muito tempo um casal da cidade de Mogi Guaçu teve o seu casamento civil negado pelo cartório local. Graziela e Marciano estavam com casa montada e cerimônia religiosa marcada, mas tinham um problema: eram portadores de uma deficiência mental leve, um atraso psicomotor. Eles se apaixonaram ainda quando bem jovens, ao frequentarem a APAE – Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Mogi. De modo geral, há muita falta de conhecimento acerca das síndromes que afetam o desenvolvimento mental, ou mesmo das gradações das deficiências mentais, o que pode gerar um tanto de confusão e outro tanto de frustração para quem anseia ter uma vida normal, ou pelo menos, ser respeitado nesse desejo. Casamentos entre pessoas portadoras de síndromes ou alguma deficiência mental não são tão incomuns quanto se pode supor. Aliás, já renderam pérolas cinematográficas. Uma delas é Loucos de Amor (o título original é Mozart and the Whale), filme do norueguês Petter Naess, que conta a história real de Donald Morton e Isabelle Sorenson. Estes são personagens que interpretam a saga de Jerry e Mary Newport, contada nas páginas do Los Angeles Times, em 1995, e que acabou por inspirar o filme.

N

a vida real e no filme, os parceiros são portadores da Síndrome de Asperger, considerada uma forma leve de autismo. Bem resumidamente, pode-se dizer que portadores dessa síndrome são pessoas extremamente competentes em algumas áreas do conhecimento, mas que têm dificuldades na apreensão dos sentimentos dos outros, o que gera entraves nas relações com as pessoas. Dá para imaginar o desafio que é um relacionamento amoroso entre duas pessoas assim? O filme mostra justamente a tentativa de superação desses desafios. Jerry, o personagem real,

IVONE ZEGER acabou tornando-se famoso, inclusive por causa do sucesso do filme que o retrata. Ele é um gênio em Matemática, formado pela Universidade de Michigan; trabalha como contador, dá palestras sobre autismo em universidades e, junto com a esposa Mary, escreveu o livro Autism Asperger´s and sexuality puberty and beyondf ainda sem tradução no Brasil (mas o título pode ser entendido como "Autismo Asperger: a sexualidade na puberdade e muito mais").

E

m Simples como Amar, outro fato real ganha as telas. Carla Tate - interpretada por Juliette Lewis – é uma moça de 24 anos com leve deficiência. Ela conseguiu graduar-se em uma escola especial e volta para casa da mãe, com vontade de começar uma vida nova e autônoma. O desejo de Carla ganha força quando ela conhece o namorado, também com deficiência mental. Outro personagem com características similares, este de ficção, foi retratado no filme Forrest Gump, do cineasta Robert Zemeckis, sucesso absoluto de público no mundo todo. Homem simples do Alabama, com QI ( quociente intelectual) comprometido, ao longo da trama Forrest tornase testemunha dos fatos que mudaram a trajetória do século 20. Apaixona-se e tem uma filha com a namorada, que morre de aids. Cabe a ele então educar a filha, o que faz com sensibilidade ímpar. Voltando a Mogi Guaçu e ao caso de Graziela e Marciano.

Eles têm o direito de se casarem? A Justiça diz que sim. O Código Civil , em seu artigo 1.548, aponta que um casamento pode ser impedido ou anulável quando as pessoas envolvidas não apresentam discernimento para os atos da vida civil ou quando não conseguem, por suas limitações, expressar sua vontade. Não era o caso deles. Além disso, se há dúvidas acerca da capacidade mental dos requerentes, o cartório deve acatar os papéis e enviá-los para apre-

ciação de um juiz. Em processos de reconhecimento de união estável, vale o mesmo artigo do Código Civil.

É

verdade que casamentos podem ser anulados em função de doenças. Mas daí trata-se de algo previsto no artigo 1556, do Código Civil, que diz o seguinte: O casamento pode ser anulado por vício da vontade, se houve por parte de um dos nubentes, ao consentir, erro essencial quanto à pessoa do outro.

Há muito desconhecimento acerca das síndromes e das gradações das deficiências mentais, o que pode gerar confusão e frustração para quem anseia ter uma vida normal.

"Vício de vontade"? Isso mesmo. Explico: é quando fatos muito relevantes para o futuro da relação ficaram escondidos, ignorados e vêm à tona na vida em comum. Por exemplo, se um dos cônjuges cometeu um crime e o outro não sabia e se o crime é grave o suficiente para impossibilitar a vida conjugal. É nesse contexto que a existência de uma doença contagiosa, como a AIDS, por exemplo, cuja existência era de conhecimento de seu portador, mas ignorada pelo outro cônjuge, pode dar ensejo à anulação. A lei leva em consideração, inclusive, o fato de tal omissão poder prejudicar a saúde do cônjuge que, até então, não sabia de nada.

para anulação. Porém, reparem: nesses casos, houve o desconhecimento desses aspectos antes do casamento. Não se aplica, pois, ao caso de casais em que ambos possuem alguma deficiência mental e que topam levar uma vida "incomum". Quando duas pessoas possuem discernimento para os atos da vida civil e conseguem expressar seus anseios e desejos, ainda que não seja da mesma forma como a maioria costuma fazer, não é lícito impedir a união. Afinal, o amor, como se sabe, não tem mesmo muito juízo. IVONE ZEGER É ADVOGADA ESPECIALISTA EM DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÃO, MEMBRO EFETIVO DA COMISSÃO DE DIREITO DE FAMÍLIA DA OAB/SP E AUTORA DOS LIVROS "HERANÇA: PERGUNTAS E RESPOSTAS" E "FAMÍLIA: PERGUNTAS E RESPOSTAS" WWW.IVONEZEGER.COM.BR

U

ma doença mental grave, que torne a vida em comum insuportável, e que, por algum motivo, tenha ficado "escondida" no namoro, também pode ser motivo

Marcos Bezerra/Futura Press

A PM COLOCADA NO (IMERECIDO) PAPEL DE "BANDIDA"

A

Polícia Militar existe para manter a ordem pública. Cabe-lhe o patrulhamento ostensivo, repressivo, orientativo, e em sua função enfrenta toda sorte de desentendimentos, crimes, incidentes – na maior parte das vezes, pelo que a observação leiga permite constatar, não tendo o fator surpresa a seu favor e sendo mais reativa do que ativa. É bom esclarecer, antes de dar sequência à coluna, que não tenho qualquer ligação com a Polícia Militar, nem de ordem pessoal e muito menos profissional (à exceção do sogro, já falecido há anos, que foi coronel e que mal conheci). O que aqui digo é fruto de observação pessoal e desde já – acalmai-vos patrulhas petistas e demais radicais – digo que sou contra a violência policial . Até aqui estou absolutamente em sintonia com a maioria dos integrantes da chamada mídia nacional. Todos são fervorosamente contrários à violência policial. Então, onde discordamos?

Aqui, modesto, em meu canto, entendo que, no cumprimento de sua função, a Polícia Militar tem o direito de se defender quando, no exercício de seu trabalho – ela existe para isso, manter a ordem pública – é atacada pelos que estão em situação de conflito. Tenho assistido no noticiário de emissoras de televisão, na leitura dos jornais que se dizem defensores da opinião pública e de emissoras de rádio que não se limitam a informar, ataques até insanos à atuação da PM quando esta se defende de ataques sofridos, como ocorreu antes do jogo na Vila Belmiro no último domingo.

P

elo que li e assisti, a PM interveio porque havia risco de conflito devido à presença de uma bandeira do Corinthians (e não vou dizer "sempre o Corinthians", porque a bandidagem das torcidas é generalizada) em meio a um aglomerado de torcedores do Santos. A PM, para impedir uma

"assegurar a ordem" houve "a violência policial contra os populares inocentes." É tão grande a inversão de valores hoje no Brasil que, por má-fé ou inocência mesmo, agentes da mídia deixam de serem Confusão entre a torcida do Santos e policiais militares, no último domingo. meios de informação para se transformar em verdadeiros juízes do comportamento policial. E isso invariavelmente, sem avaliação da situação de risco, sem nenhum conhecimento técnico de ação policial e sem considerar o aspecto psicológico do confusão, tentou lá fica a PM de "bandida", comportamento de grupos afastar os grupos e recolher como se aquele bando já violentos por natureza. É a bandeira. O pequeno de anjinhos quisesse mais fácil sair acusando a PM grupo de policias militares apenas entregar-lhes flores de violência, em situações começou, porém, a ser e bradar paz e amor. de risco, nas quais nenhum agredido e foi recuando. dos empunhadores de s vezes cansa ver Dezenas de torcedores, microfones e canetas, juízes a inversão da ordem, com cadeiras, pedras etc. do comportamento policial, dos valores. Coleguinhas cercou o grupo, atacando-o teria coragem de se colocar. repórteres, afoitos, quase com toda fúria. Aí vira massacre disso, sempre inocentes úteis A PM reagiu com bombas ofensiva daquilo, numa disseminadores da má de gás lacrimogêneo. Foi o situação clara de jogar informação, na busca da que bastou para os arautos a opinião pública contra a manchete forte, já acusam a do caos saírem gritando PM, julgam-na e a condenam Policia Militar, o que, contra a violência policial. certamente, facilita o ao vivo porque, em vez de Com alguém ferido, então,

PAULO SAAB

À

discurso dos traficantes, dos criminosos verdadeiros, estes sim, os reais criminosos que, diferentemente da PM, agem no escuro, na covardia, nas sombras. Claro que assim como há maus jornalistas, maus engenheiros, maus técnicos, há maus policiais. Daí a se generalizar , como se toda ação da PM fosse desastrosa, violenta, olhando de fora do calor do incidente, ou simplesmente usando do poder de comunicação nas mãos, vai uma grande diferença. Também não falamos de toda a mídia, mas de boa parte dela.

C

om humildade, do alto de 42 anos de jornalismo diário, buscando sempre a verdade, sem nenhum processo nas costas por calunia ou difamação, ou seja lá o que for, posso dizer, sem medo dos vigilantes a favor do caos: nossa mídia, em muitos momentos, presta um desserviço e desconstrói bons valores e costumes em favor da crítica barata, até covarde, às vezes, cedendo à vaidade de se dizer defensora dos interesses sociais, enquanto fomenta a criminalidade, pela inibição das ações de cumprimento da obrigação da força militar do estado. PAULO SAAB É JORNALISTA E ESCRITOR


DIÁRIO DO COMÉRCIO

4

)KDC7O

Cansada de ver o maridão MAIS: o casal tem um grande apanhando nos jornais, Neusa, mulher de José Maria Marin, foi passar uns dias em Nova York.

gibaum@gibaum.com.br

2 “Estarei nas ruas vinte e quatro horas por dia.”

Medicamentos, não

LULA // antecipando sua disposição para a campanha eleitoral do ano que vem. Fotos: BusinessNews

Unidos na Marcha Sábado próximo, a Marcha para Jesus, versão carioca comandada por Silas Malafaia, da Assembléia de Deus – Vitória em Cristo (a de São Paulo é coordenada por Estevão e Sônia Hernandes, da Renascer), terá a participação, pela primeira vez, de representantes da Igreja Internacional da Graça de Deus, de R. R. Soares e da Igreja Mundial do Poder de Deus, de Valdemiro Santiago. Malafaia, que acaba de ser eleito presidente do Conselho de Pastores do Brasil, não conseguiu atrair o pessoal da Universal. A propósito: a Rede Brasil, propriedade de Celso Russomano, está alugando 21 horas de sua programação para a igreja de Edir Macedo. Ninguém vê, mas ajuda o orçamento doméstico.

SUOR MUSICAL Ana Carolina usa um vestido vermelho e foi fotografada debaixo d’água para a capa de seu novo CD, #AC. No palco, mantém o terninho preto: “Nunca vou usar vestido colante, com os seios aparecendo, para vender mais”. Contudo, sabe como enlouquecer a platéia, formada por mulheres em maioria. Sábado passado, no Rio, resolveu enxugar o suor do corpo com uma toalha: passou pelo rosto, por outras partes e até embaixo das pernas e tratou de jogar para o público. Suas admiradoras foram ao delírio.

Mulher de mago

Quem chega ao Brasil na próxima sexta-feira é a atriz espanhola Paz Vega, que fez o maior sucesso no festival de Cannes, usando um vestido de Roberto Cavalli. Vem para filmar O Peregrino, de Daniel Rezende, sobre Paulo Coelho (será interpretado por Julio Andrade). Ela viverá Luiza, a primeira mulher do mago. Paz Vega tem 37 anos, foi revelada no filme Lucía y el Sexo (2011), é muito popular na Europa e considerada uma das mulheres mais bonitas do cinema espanhol. É casada com Orson Salazar, com quem tem três filhos e já exibiu suas intimidades na GQ espanhola.

No primeiro capitulo de Amor à Vida, Mateus Solano, que vive Felix, bissexual casado com Edith (Barbara Paz), que será o grande vilão da história, exibe trejeitos. Correrá o risco de ser odiado pela vida dupla e por suas patifarias. Haverá também o casal de homossexuais (Marcelo Antony e Thiago Fragoso) que viverá “uma família feliz” e sem pegação (exigência da cúpula da Globo). Nos Estados Unidos, segundo o Huffington Post, há um grupo conservador anti-gay, agindo contra séries com homossexuais. Tirou do ar The New Normal (título direto), mas não mexe com Modern Family , devido ao sucesso e porque lá os gays são mais caricatos. O grupo chama-se One Milliom Moms e tem uma militância que cresce a cada dia. No Brasil, começa a ser esboçado um movimento semelhante.

Gays na TV

apartamento na Trump Tower, na Fifth Avenue, a meia quadra do Central Park. É primavera lá.

Desonerações fiscais na indústria automobilística alcançam R$ 20 bilhões e desoneração de folha de pagamento de 42 setores, outros R$ 35 bilhões, entre 2011 e 2014, sem falar em cesta básica e outras bondades. Se fossem zerados todos os impostos dos medicamentos, como acontece na Inglaterra, Canadá e outros países, os preços cairiam, de cara, 35% e o impacto fiscal seria de R$ 3 bilhões, ou seja, 0,11% do orçamento. Só que, nesse bloco, o Ministério da Fazenda não se empolga.

DILMA MANDOU A ministra Maria do Rosário, dos Diretos Humanos, resolveu tuitar sobre os boatos de suspensão do programa Bolsa Família e empurrou a culpa para a oposição. Só que, muito rapidamente, voltou atrás e tratou de encerrar a polêmica criada em torno do assunto. Detalhe: Dilma Rousseff soube da tuitada pouco tempo depois de aparecer no ar, foi avisada, passou a mão no telefone e mandou Rosário voltar atrás. Dilma não quer abrir guerra com ninguém.

MISTURA FINA OS TRÊS atores que vivem personagens homossexuais em Amor à Vida, Thiago Fragoso, Marcelo Antony e Mateus Solano são bem casados na vida real. A mulher de Mateus, atriz de teatro e produtora Paula Braun, fará uma participação especial na mesma novela: será uma médica judia.

IRRITADA com a proliferação dos boatos sobre o fim do programa Bolsa-Família, a presidente Dilma Rousseff, no meio de seu discurso em Recife, onde foi visitar a Arena Pernambuco, acabou tropeçando e garantiu que tudo “era um boato falso”. Quem estava perto, acabou cochichando: “Boato verdadeiro ainda precisa ser inventado”.

O CINEASTA Antonio Carlos Fontoura, que já dirigiu Gatão de Meia-Idade, inspirado nos desenhos de Miguel Paiva, vai levar a Radical Chic, outro de seus personagens para a tela. A protagonista será Maria Paula, que andava em fase de maré baixa depois de De Pernas pro Ar2 . Também Letícia Spiller e Marcos Palmeira estarão no elenco.

Uma unidade da Natan, rede de joalheiras que teve decretada sua falência, abriu no Rio com autorização judicial e vendeu R$ 600 mil. O endividamento da empresa, que chegou a ter 11 lojas espalhadas por sete Estados, apenas com funcionários, bancos e fornecedores, encosta em R$ 18 milhões. Dentro de pouco tempo, a marca Natan será leiloada: à essa altura, seu valor é mais do que discutível. No período de recuperação judicial (não cumprido) o ativo estava avaliado em R$ 60 milhões – valor considerado superestimado. Detalhe: há algum tempo, vendedoras da Natan no Shopping Iguatemi, em São Paulo, eram consideradas as mais arrogantes do local.

DOSSIÊ Não será surpresa se, a qualquer momento, os habituais aloprados do PT, que não abrem mão da candidatura de Lindbergh Farias no Rio, espalhem dossiê já preparado, dispostos a manchar devidamente a biografia do précandidato Luiz Fernando Pezão. Quem já conseguiu ler alguns relatórios, ainda sigilosos, sobre a dinheirama que sumiu (era verba para recuperação da região) no caminho de Petrópolis, Teresópolis e Friburgo, identificou figurões supostamente ligados ao governo Sérgio Cabral.

Na revista TPM , Alinne Moraes, 30 anos, aparece na capa e na matéria sobre A Nova Mulher Prendada : em casa (ela namora o cineasta Mauro Lima), é ela que cozinha, sabe fazer de tudo e quando tem um problema, “ataco a louça da pia”. Sabe fazer também “arroz, feijão, bolo, sei matar galinha, depenar...” Agora, acha que “está muito tia e com muita água na boca” e pensa em ter filho. E na revista Cabelos & Cia, ela exibe cabelos exuberantes, com cachos escovados que viraram ondas. No make-up, sombras escuras, rímel preto, blush marrom e gloss natural.

Casa, comida e louça lavada

Agora,osgarçons Depois das domésticas, é a vez dos garçons: na agenda do Senado, projeto do hoje prefeito da Uberlândia, Gilmar Machado, relatado pelo senador Lindbergh Farias, cria regras para distribuição, entre os garçons, dos 10% que todo mundo paga sobre a conta nos bares e restaurantes. No geral, o percentual é empurrado também no cartão de crédito e a maioria dos estabelecimentos não lhes repassa a gorjeta. Pior: em São Paulo, onde os restaurantes, literalmente, assaltam, têm lugares que já cobram 12% e uns poucos, 15%, como em Nova York.

/ IN

Palmito pupunha.

/

Leilão da marca

OUT

Palmito clássico.

Agora, sonháticos A própria Marina Silva, um tanto na berlinda por suas declarações sobre o deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP), gostava muito quando chamavam seus correligionários, nas eleições de 2010, de marineiros. Agora, diante da difícil tarefa de conseguir o volume de assinaturas para o registro da Rede Sustentabilidade, seus seguidores viraram sonháticos. E Marina não sabe se gosta: acha que pode parecer também um bloco de brasileiros que vivem apenas sonhando com algo que não se realiza.

A EMPRESÁRIA e designer Tânia Bulhões está lançando novas taças para vinho, com desenhos criados por ela própria e confeccionadas na Alemanha. Produzidas em vidro cristalino e com desenhos lapidados à mão, transmitem elegância e delicadeza.

GISELE Bündchen mantém seu contrato com a Sky. Claudia Leite acaba de entrar no bloco dos artistas da operadora, que já conta com Jota Quest, Bernardinho e Vitor Belford.

ENQUANTO a justiça concedia liminar a seu favor, ordenando que o site Terra retirasse do ar fotos dela, toda nua, no filme Febre do Rato, de Cláudio Assis, a atriz Nanda Costa, a Morena de Salve Jorge, reiniciava suas conversas com Playboy e poderá ser a atração de aniversário da revista, em agosto. Até lá, contudo, pretende dar devida turbinada no busto.

Colaboração:

Paula Rodrigues / Alexandre Favero

quarta-feira, 22 de maio de 2013


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 22 de maio de 2013

5 FALCÃO E TIÃO Onze dias depois, o presidente do PT, Rui Falcão, divulgou nota de apoio ao governador do Acre, Tião Viana, em virtude de operação da PF que investiga possíveis fraudes em licitações no Estado. "O PT e o governo do Estado sempre manifestaram tolerância zero contra qualquer prática de corrupção."

olítica

André Dusek/Estadão Conteúdo

Presidente Dilma em reunião no Palácio do Planalto com parlamentares e ministros para discutir e apresentar proposta para a regulamentação da PEC (Proposta de Emenda Constitucional) das Empregadas Domésticas.

Domésticas: Dilma não abre mão dos 40%. Proposta do governo mantém em 40% a multa sobre o saldo do FGTS em caso de demissão e em 12% a contribuição dos patrões ao INSS.

A

presidente Dilma Rousseff entregou ontem a parlamentares a proposta do governo para regulamentar os novos direitos dos empregadoss domésticos, estabelecidos pela PEC (Proposta de Emenda Constitucional) das Empregadas Domésticas. A proposta mantém em 40% a multa sobre o saldo do FGTS em caso de demissão e em 12% a contribuição dos patrões ao INSS. O relator da comissão especial do Congresso que discute o assunto, senador Romero Jucá (PMDB-RR), havia proposto a redução do valor da multa sobre o FGTS para 5% a 10%. O projeto será feito pelos congressistas, e não pelo governo, mas deverá conter os pontos defendidos pelo Executivo. A proposta do governo não fala formalmente em flexibilização de regras para trabalhos específicos, como os de babá e os de cuidadores de idosos, mas prevê três opções de jornada de trabalho. A divisão consta do documento encaminhado ontem ao Congresso. Segundo a ministra Gleisi Hoffmann (Casa Civil), o Planalto quer dividir o trabalho doméstico assim: oito horas diárias e 44 horas semanais, com até quatro horas extras; 12 horas diárias com 36 horas de descanso em regime de revezamento; e adoção de banco de horas, com compensação das horas trabalhadas em até um ano. Em reunião com ministros e parlamentares, o governo formalizou a proposta e, em vez de

mandar ao Congresso uma medida provisória ou um projeto regulamentando a emenda constitucional, como planejara, preferiu propor apenas diretrizes gerais. O argumento de que não se pode instituir uma espécie de subcategoria de empregado vinha prevalecendo no Palácio do Planalto. Para o governo, é necessário permitir que patrão e trabalhador adotem horários mais flexíveis, inclusive em turnos alternados, já que esses profissionais costumam dormir no serviço. RECUO – De acordo com Gleisi, o governo optou por não mandar ao Congresso a regulamentação por medida provisória, que daria instrumento legal de validade imediata, porque a tramitação seria mais rápida. O governo busca, no entanto, evitar novos atritos com o PMDB, principal aliado. Inicialmente, interlocutores do Planalto admitiam que o governo tinha tomado para si a iniciativa de regulamentar a emenda, possivelmente com uma MP. A movimentação teria provocado um mal-estar com a bancada do PMDB no Senado, já que o senador Romero Jucá (PMDB-RR) vinha costurando a proposta, que foi segurada pelo Planalto. Em aceno ao partido, o Planalto acabou por manter o protagonismo de Jucá nas costuras no Congresso, embora tenha deixado claro no texto entregue a ele que não haverá espaço para "redução de direitos". Ele é contrário à manutenção

da alíquota de 12% para a contribuição patronal ao INSS e de 40% como multa rescisória do FGTS, defendidas pelo governo. "Nós apresentamos ao Congresso aquilo que apresentaríamos em projeto de lei. Não abrimos mão de manifestar a posição do governo", disse Gleisi. "O governo poderia entregar um projeto isolado, mas preferiu o entendimento", disse Jucá. "Vamos trabalhar a quatro mãos e entregar provavelmente ainda essa semana a proposta de regulamentação". Gleisi também negou que esteja em estudo algum tipo de subsídio ao patronato, devido ao temor de que a manutenção da multa do FGTS e a contribuição patronal poderia ser muito pesada aos patrões. Ficou ainda a cargo do Congresso decisão sobre se domésticos terão ou não acesso ao seguro-creche. SIMPLES DOMÉSTICO – A ministra anunciou ainda que o site do governo que oferecerá aos trabalhadores e patrões a possibilidade de registrar o doméstico e gerar sua folha de pagamento estará disponível na semana que vem. O portal, que abrigará o Simples Doméstico, será mantido pela Receita Federal e deverá unificar o pagamento do FGTS, do INSS e de Imposto de Renda, quando for o caso. Mas a possibilidade de unificar as contribuições só estará no ar depois que a regulamentação estiver em vigor.

Sete pontos da emenda constitucional que ampliou os direitos dos empregados domésticos não estão regulamentados: seguro-desemprego, indenização em demissões sem justa causa, conta no FGTS, salário-família, adicional noturno, auxílio-creche e seguro contra acidente de trabalho. As propostas do governo foram recebidas por Jucá e pelo presidente da comissão mista que discute o tema no Congresso, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), em reunião no Palácio do Planalto. Jucá deve apresentar seu relatório com a regulamentação da emenda até amanhã. Sua expectativa é que a comissão especial do Senado que discute a questão vote a proposta na semana que vem. Depois, ela precisa ser aprovada pelos plenários do Senado e da Câmara para que a regulamentação comece a vigorar. Apesar de o governo defender a multa de 40% do FGTS para domésticos demitidos sem justa causa e alíquota de 12% para a contribuição paga ao INSS pelo empregador, Jucá ainda discute percentuais alternativos que reduzam os impactos aos patrões. "Os 40% para os trabalhadores serão mantidos de alguma forma, não necessariamente na multa. A preocupação é impacto na demissão (para os patrões) porque é difícil caracterizar o que é, ou não, justa causa. O que podemos dizer é que os trabalhadores terão seus direitos assegurados." (Agências)

Denise Andrade/Estadão Conteúdo - 27/11/2008

MP: governo blinda dados de Rosemary. O Ministério Público Federal em São Paulo disse ontem que o governo negou informações sobre a sindicância aberta contra Rosemary de Noronha, ex-chefe no escritório da Presidência em São Paulo, demitida após suspeitas levantadas pela Operação Porto Seguro. Rosemary é alvo de investigação sobre seu envolvimento em um esquema de corrupção e tráfico de influência no governo. Paralelamente à investigação criminal, o governo abriu uma sindicância para apurar a conduta da ex-servidora, nomeada ainda durante a gestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. No dia 24 de abril, o procurador José Roberto Pimenta Oliveira pediu ao gabinete da presidente Dilma Rousseff os documentos da sindicância interna feita sobre a ex-assessora. Ao responder o pedido, a Casa Civil informou que o "chefe do gabinete pessoal da Presidência da República não tem competência para prestar a informação requisitada". A Casa Civil ainda lembrou que a lei que regulamenta o

funcionamento do Ministério Público determina que pedidos ao presidente devem ser feitos através do procurador-geral. Procurada pela reportagem, a Casa Civil ainda não havia respondido aos questionamentos até as 16h. A Procuradoria afirma que, por causa da recusa, "tomará as providências cabíveis, sendo certo que a mesma constitui um sério obstáculo ao pleno conhecimento dos ilícitos praticados por Rosemary". Segundo o Ministério Público, o procurador que conduz o caso ficou sabendo da sindicância por meio da imprensa. Além de Rosemary Noronha, outras 23 pessoas foram denunciadas no caso. A Justiça Federal já decretou o bloqueio de R$ 19 milhões de dez funcionários públicos investigados na Porto Seguro. Ela responde pelos crimes de falsidade ideológica, tráfico de influência, corrupção passiva e formação de quadrilha. A negativa da Casa Civil em repassar as informações acontece em meio a suspeitas de que o ministro Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência) teria atuado para evitar as investigações internas contra Rosemary, de

Afif pode manter os dois cargos

A

Rosemary Noronha, ex-chefe no escritório da Presidência em São Paulo. quem é amigo pessoal. Na semana passada, Carvalho aceitou convite feito pelo Senado a falar sobre o caso. "Acho absolutamente natural que o Senado faça esse convite e vislumbro, enxergo nesse convite uma forma para mim absolutamente tranquila e muito positiva de esclarecer informações que uma matéria irresponsável de uma revista que, por falta de pesquisa e cuidado na apuração, não detectou a verdadeira natureza da atuação da

Secretaria-Geral no episódio". A data para sua explanação ainda não foi marcada. O ministro disse, contudo, que não há "preocupação" da parte do Palácio do Planalto sobre a questão. Na semana passada, o ministro Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência) afirmou que irá ao Senado para explicar a acusação de que teria tentado impedir a realização de sindicância contra Rosemary. (Folhapress)

Advocacia-Geral da União afirmou em parecer que Guilherme Afif Domingos (PSD) pode ser ministro do governo federal e vice-governador de São Paulo. Ele deve pedir licença da Secretaria da Micro e Pequena Empresa se assumir o governo paulista temporariamente. O parecer foi feito a pedido de Afif (foto abaixo), que dará esclarecimentos à Comissão de Ética da Presidência. "Não existe interesse público de partido, é o interesse público do Estado. O pressuposto constitucional é da colaboração, não é do conflito", afirmou o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams. Adams ressalta que a Constituição de São Paulo coloca como "privativa" do governo a representação do Estado, sem citar o vice. Para a AGU, se Afif precisar substituir temporariamente o governador Geraldo Alckmin (PSDB), basta pedir licença do cargo. "Na hipótese de convocação do vice por parte do governador, a Constituição impõe a assunção ao cargo de governador." O documento lembra que a Afif já acumulou secretaria no governo de São Paulo com o cargo de vice e, do ponto de vista

jurídico, não existe diferença para o cargo no governo Dilma. "Não se verificando, em princípio, nenhuma forma de incompatibilidade. A tese de que a compatibilidade no mesmo ente seria possível, e que entre entes diferentes seria impossível é de matiz político, e não jurídico." A análise da AGU também cita exemplo do próprio governador Alckmin quando ele era vice de Mário Covas e teve que assumir após a morte do titular, em 2001. Quando foi eleito governador, no ano seguinte, o Supremo Tribunal Federal entendeu que Alckmin não estava assumindo um terceiro mandato, mesmo tendo sido vice por 6 anos. Afif não poderá, contudo, assumir em definitivo o governo caso ocorra a vacância do cargo e manter o ministério simultaneamente. (Folhapress)


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Não se pense que a combatividade política de Ruy Mesquita tenha lhe tirado o gosto de viver e a sensibilidade humana. Fernando Henrique Cardoso.

olítica

RUY MESQUITA: +1925 2013

A figura que vai ficar eterna é a do grande jornalista e cidadão exemplar. Mas gosto de me lembrar do amigo, com quem dividi o palco do Municipal, na montagem da peça Heffman. Ruy tinha uma voz linda, que sempre me encantou.” LYGIA FAGUNDES TELLES

Aprendi com ele praticamente tudo sobre ética, correção, honestidade, senso do dever, respeito à verdade, também sobre jornalismo. Porque Ruy foi jornalista, sempre.” MIGUEL JORGE

No Programa Roda Vida, da TV Cultura, em abril de 2004; com sua mulher, Laura Maria Sampaio Lara Mesquita; e com Raúl Castro, em 1960. Arquivo/Estadão Conteúdo

DILMA ROUSSEFF

M

Alex Silva/Estadão Conteúdo-05/04/2004

Filho de Julio de Mesquita Filho e neto do patriarca Julio Mesquita, Rui Mesquita nasceu em 16 de abril de 1925. Cursou a Faculdade de Direito da USP, mas trocou as leis pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP. Ao lado do pai, Julio de Mesquita Filho, e já como jornalista, apoiou o golpe de 1964, mas a família rompeu com o regime no ano seguinte, quando as eleições foram canceladas. O Estadão foi o primeiro alvo da censura prévia. Em 1968 chegou a ter a edição apreendida. Os jornais do grupo – como o Jornal da Tarde, fundado por doutor Ruy em 1966 –, entraram para a história do jornalismo ao desafiar os militares com a publicação de poesias e receitas em vez dos textos censurados. Nos anos 70, a construção da nova sede na Marginal Tietê, em São Paulo, deixou o grupo em dificuldades financeiras, contornadas anos depois. Em 1996, após a morte do irmão Júlio de Mesquita Neto, doutor Ruy assumiu a direção do Estadão. Além desse jornal, o Grupo Estado reúne a Rádio Eldorado, a Agência Estado, a Oesp-Mídia, a Oesp-Gráfica e o portal Estadao.com.br. Durante décadas, doutor Ruy manteve a rotina diária de acordar de madrugada, ler os jornais em casa e chegar depois do meio-dia à sede da empresa, de onde só saía após o fechamento da edição. Deixa a mulher, Laura Maria Sampaio Lara Mesquita, os filhos Ruy, Fernão, Rodrigo e João, 12 netos e um bisneto.

Valéria Gonçalvez/Estadão Conteúdo-24/04/2004

"Ruy Mesquita foi um homem de convicções. Diretor do jornal O Estado de S. Paulo, criador do inovador Jornal da Tarde, Doutor Ruy – como era conhecido – foi símbolo de uma geração da imprensa brasileira. Neste momento de dor, presto a minha solidariedade à família e amigos."

orreu às 20h40 da noite de ontem, aos 88 anos, o jornalista Ruy Mesquita, diretor do jornal O Estado de S. Paulo. Ele estava internado desde o dia 25 de abril no Hospital Sírio-Libanês, no Centro de São Paulo. Os médicos haviam diagnosticado um câncer na base da língua em abril. Ele chegou a ser submetido a uma cirurgia para a retirada do câncer. Os médicos, no entanto, não conseguiram conter o avanço da doença. Segundo a assessoria do hospital, Ruy Mesquita morreu às 20h40 desta terça-feira. Até o fechamento desta edição, não havia informações confirmadas sobre os locais do velório e do enterro do jornalista. Ruy Mesquita era da terceira geração de uma das mais tradicionais famílias de jornalistas do Brasil e por mais de 60 anos esteve na linha de frente do jornal O Estado de S. Paulo conhecido como Estadão . O 'Dr. Ruy’, como costumava ser chamado, ocupava o cargo de diretor de opinião do Es tad ão e, nos últimos anos, era o responsável direto pelos editoriais do jornal, considerados entre os melhores da imprensa brasileira. Fundado em 1875 com o nome de A província de São Paulo, o Es tadã o é um dos jornais mais antigos e de maior influência no País e, por muitos anos, foi apontado como conservador, embora Ruy Mesquita gostasse de defini-lo como uma publicação de ideias liberais e democratas.

Bolsa Família: boatos sintonizados.

O

ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, destacou ontem, que uma das hipóteses da Polícia Federal nas investigações dos boatos sobre o fim do Bolsa Família é um ato planejado. "Evidentemente houve uma ação de muita sintonia em vários pontos do território nacional, o que pode ensejar a avaliação de que alguém quis fazer isso deliberadamente, planejadamente, articuladamente." Cardozo disse não ser possível tipificar o crime antes de identificar o motivo. Punirá os responsáveis: "Garanto, a partir do momento em que conseguirmos identificar os responsáveis por isso, independente de quem seja, nós faremos a lei agir." Um dia depois de a ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, acusar a oposição de espalhar os boatos, Cardozo disse ser leviano afirmar que a motivação foi política. "As pessoas podem ter suas teses, suas impressões, mas o ministro da Justiça tem que fazer que a Polícia Federal conduza com absoluta imparcialidade e republicanismo a investigação."

Acre – Parte das 2.362 famílias beneficiadas pelo Bolsa em Mâncio Lima (AC), onde fica o ponto extremo oeste do território, só se tranquilizou depois de ler o comunicado da ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, exposto na única casa lotérica da cidade. Mâncio Lima, a 617 km da capital Rio Branco, fica na fronteira com o Peru, e a tevê chegou lá graças às antenas parabólicas. Segundo o IBGE, a população é de pouco mais de 15 mil habitantes. Desde a noite de sábado, as agências da Caixa Econômica Federal ficaram lotadas. Mas fora o susto em função do boato, nenhum incidente grave foi registrado. No Estado, 70.924 famílias que são beneficiadas com o programa. Dessas, 65.774 estão abaixo

da linha de pobreza (92,7%). No Acre, um dos Estados com mais beneficiários no Bolsa (cerca de 15 mil) e com o mais baixo com baixo índice de acesso à rede mundial de computadores (17%) a informação de que o programa poderia ser extinto se proliferou por comentários boca-a-boca. Por causa do boato, 13 agências da Caixa na capital e no interior foram depredadas no domingo. Nenhum dos beneficiários ficou sabendo do boato por rede social ou e-mail, mas por vizinhos e amigos. (Estadão Conteúdo)

PSC no STF contra casamento gay

O

Partido Social Cristão (PSC), do deputado federal Marco Feliciano (SP), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, entrou ontem com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para pedir a suspensão de resolução do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que obriga os cartórios de todo o País a celebrar o casamento civil e converter a união estável homoafetiva em casamento. Feliciano é alvo de protestos desde que assumiu a Comissão por homofobia e racismo. Para o PSC, cabe ao Congresso decidir sobre o tema. O

partido argumenta, em um mandado de segurança, que houve "abuso de poder" ao impedir que parlamentares discutissem o tema. O mandado de segurança é um tipo de ação contra abuso de poder de autoridades. O relator do processo é o ministro Luiz Fux, que poderá suspender a regra do CNJ provisoriamente ou levar a decisão direto para o plenário do STF. Isso não tem prazo para ocorrer. Para o PSC, a resolução do CNJ "não tem força legal" por não ter sido submetida a debates no Legislativo. "A resolução não foi submetida ao

devido processo legislativo, sendo incluída no mundo jurídico com força de lei, mas maculada de inconstitucionalidade (...) O CNJ usurpa atribuições dos membros do Congresso Nacional e do PSC." Para a sigla, resoluções como obrigar cartórios a fazer casamento civil entre pessoas do mesmo sexo "não podem criar direitos e obrigações." Para o presidente do CNJ e autor da proposta, Joaquim Barbosa (também presidente do STF), a resolução visa efetivar decisão tomada em 2011 pelo STF, que liberou a união homoafetiva.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 22 de maio de 2013

7 ARGENTINA Daniel Muñoz, secretário pessoal do ex-presidente Néstor Kirchner durante 20 anos, é denunciado por lavagem de dinheiro envolvendo a Casa Rosada.

nternacional Tal Manor/EFE

Atef Safadi/EFE

O chefe do Estado-Maior de Israel, general Benny Gantz, observa a movimentação de tanques nas Colinas de Golã.

A GUERRA SE APROXIMA DE ISRAEL Pela primeira vez, tropas israelenses e sírias admitem troca de tiros nas Colinas de Golã. Israel adverte que Assad vai 'arcar com as consequências'.

T

ropas israelenses e sírias trocaram disparos ontem na tensa fronteira entre os dois países nas Colinas de Golã, o que fez o governo israelense declarar que o líder sírio, Bashar alAssad, vai "arcar com as consequências" da intensificação da violência. O incidente elevou os temores de que a guerra civil na Síria possa se transformar em um conflito regional. O tiroteio marcou a primeira vez que o Exército sírio reconheceu ter disparado intencionalmente contra tropas israelenses desde que a guerra civil síria teve início, há dois anos. A ação acontece três semanas depois de dois bombardeios de Israel a instalações militares da Síria, em uma das primeiras intervenções do Estado judaico no conflito sírio. Militares israelenses disseram que a intenção era evitar que armas vindas do Irã che-

gassem às mãos do grupo radical libanês Hezbollah. Depois desses bombardeios, a Síria ameaçou retaliar. No confronto de ontem, um jipe israelense foi alvejado durante uma patrulha noturna nas Colinas de Golã, um platô estratégico que Israel tomou

da Síria em 1967 e posteriormente anexou ao seu território. Damasco disse que destruiu o veículo depois de ele ter cruzado a linha de cessar-fogo na região de Bir Ajam. Segundo o governo sírio, a região é ponto de concentração de terroristas, forma co-

mo Damasco chama os rebeldes. " E s t a agressão flagrante mostra novam e n t e o e nvolvimento da entidade s i o n i s t a ( I srael) no que acontece na Síria e a coord e n a ç ã o d ireta com os grupos terroristas armados", afirmou o Exército sírio, em nota. Em comunicado, o Exército de Israel disse que um veículo de patrulha foi atingido por disparos feitos da Síria, o que forçou o recuo das tropas, embora nenhum soldado tenha ficado ferido. Segundo o chefe do Estado-Maior de Israel, ge-

neral Benny Gantz, os militares estavam patrulhando do lado israelense de uma cerca na fronteira. Ele ainda acusou Assad de encorajar e direcionar operações contra Israel. Logo após o incidente, soldados de Israel abriram fogo na região contra alvos sírios. Não há informações sobre mortos ou feridos após a represália. "Nossa política para a Síria é clara: não estamos intervindo lá, claro, na guerra civil... Mas quanto à situação nas Colinas de Golã, nós não estamos permitindo e não vamos permitir que o fogo respingue para o nosso território", disse o ministro da Defesa de Israel, Moshe Yaalon. Antes do conflito entre o regime de Damasco e os rebeldes, em março de 2011, a região permaneceu mais de quatro décadas em calma, sob os governos do atual presidente sírio, Bashar al-Assad, e seu pai,

Hafez. No entanto, a instabilidade na Síria se alastrou à região, que começou a ser atingida por disparos entre tropas do regime e rebeldes. Mina terrestre - Um soldado israelense morreu ontem após pisar acidentalmente em uma mina antitanque nas Colinas de Golã. Outros dois soldados ficaram feridos levemente com a explosão. Segundo o jornal Yedioth Ahronoth, o incidente ocorreu durante uma operação de limpeza de um campo minado e não tem relação com as tensões fronteiriças com a Síria. O Exército israelense prometeu investigar o caso. "Não era uma mina que não tenha sido visto antes. Ela foi exposta e marcada (antes de sua liberação) hoje, juntamente com outras minas. Era uma mina israelense sobre a qual já tínhamos informações", disse um oficial ao jornal. (Agências)

Gene Blevins/Reuters

Consolo e superação em meio à tragédia

E

quipes de resgate retiraram ontem mais de cem sobreviventes dos escombros na cidade de Moore (à esq.), em Oklahoma, atingida por um tornado na segunda-feira. Autoridades revisaram para baixo o número de mortos, de 51 para 24. Algumas das vítimas teriam sido contadas duas vezes. Em 20 minutos, o tornado de intensidade EF-5, a mais forte da categoria, levou abaixo bairros inteiros em uma faixa de 32 km ao sul de Oklahoma City. (Agências)

CANDIDATO ATÔMICO Conselho eleitoral do Irã barra reformistas e aliado de Ahmadinejad, abrindo caminho para conservadores.

O

órgão responsável pela supervisão das eleições no Irã rejeitou ontem a candidatura de dois presidenciáveis considerados capazes de provocar alguma reviravolta no cenário eleitoral do país: o ex-presidente Akbar Hashemi Rafsanjani, candidato de grande apelo entre os reformistas, e Esfandiar Rahim Mashaei, um destacado assessor do presidente em fim de mandato Mahmoud Ahmadinejad. Com a proibição de dois candidatos com agenda liberal e forte potencial de voto, o regime pavimenta o caminho para a eleição de um candidato leal à agenda conservadora do líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei. Entre os favoritos na corrida presidencial estão o negociador-chefe do país para a questão nuclear, Saeed Jalili; o prefeito de Teerã, Mohamad Qalibaf; e o assessor de Khamenei para temas internacionais e exchanceler Ali Akbar Velayati.

Sedat Suna/EFE - 16/05/13

O principal negociador do programa nuclear do Irã, Saeed Jalili, é o candidato preferido do aiatolá. Neste ano, 686 pessoas se inscreveram junto ao Conselho de Guardiães da Revolução, mas apenas oito aspirantes foram aprovados. Com estas oito candidaturas, as eleições presidenciais de junho serão as mais restritas da história da república islâmica desde sua implantação em 1979, com apenas um setor do regime com força para ganhar o pleito. Será a primeira eleição presidencial desde 2009, quando forças de segurança esmaga-

ram um movimento popular contra a reeleição supostamente fraudulenta de Ahmadinejad. Desde então, o campo reformista, que tradicionalmente fazia oposição aos conservadores, foi marginalizado da vida pública. A desqualificação de Rafsanjani e Mashaei representa mais um passo no caminho dos conservadores rumo à redução da base do regime e também aumenta o risco de fortes protestos dos setores excluídos. O nacionalista Mashaei, de-

signado por Ahmadinejad para sucedê-lo após oito anos na Presidência, qualificou o veto como "injusto" e disse que recorreria ao aiatolá Khamenei. Mashaei é detestado pela cúpula do regime por ser visto como o cérebro por trás da estratégia pela qual Ahmadinejad passou boa parte de seu segundo mandato desafiando a autoridade do líder supremo, detentor da palavra final nos assuntos de Estado. Ahmadinejad não pode concorrer novamente devido à limitação legal de dois mandatos consecutivos. Já Rafsanjani, clérigo moderado tido como um dos fundadores da república islâmica, não se pronunciou sobre a decisão do Conselho, mas seus simpatizantes criticaram o veto nas mídias sociais. Nos últimos dias, alguns integrantes do órgão eleitoral vinham insinuando que Rafsanjani, com 78 anos de idade, não tinha condições físicas para assumir o cargo. (Agências)

SECRETARIA DA SAÚDE DIVISÃO TÉCNICA DE SUPRIMENTOS - SMS.3 ABERTURA DE LICITAÇÕES Encontram-se abertos no Gabinete, os seguintes pregões: PREGÃO ELETRÔNICO 051/2013-SMS.G, processo 2013-0.006.001-4, destinado ao registro de preços para o fornecimento de SONDAS URETRAIS DESCARTÁVEIS ESTÉRIL Nº 06, 08 e 10, para a Divisão Técnica de Suprimentos, SMS-3/Grupo Técnico de Compras, GTC/Área Técnica de Material Médico Hospitalar, do tipo menor preço unitário. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 11 horas do dia 7 de junho de 2013, pelo endereço www.comprasnet.gov.br, a cargo da 1ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. REABERTURA - PREGÃO ELETRÔNICO 054/2013-SMS.G, processo 2013-0.007.750-2, destinado ao registro de preço para o fornecimento de MEDICAMENTOS ESSENCIAIS I, para a Divisão Técnica de Suprimentos - SMS.3/ Grupo Técnico de Compras - GTC/Área Técnica de Medicamentos, do tipo menor preço. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 9 horas do dia 7 de junho de 2013, pelo endereço www.comprasnet.gov.br, a cargo da 4ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. REABERTURA - PREGÃO ELETRÔNICO 072/2013-SMS.G, processo 2013-0.027.506-1, destinado ao registro de preço para o fornecimento de SOLUÇÕES PARENTERAIS DE GRANDE VOLUME E ANTIANÊMICOS, para a Divisão Técnica de Suprimentos - SMS.3/Grupo Técnico de Compras - GTC/Área Técnica de Medicamentos, do tipo menor preço. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 9 horas do dia 14 de junho de 2013, pelo endereço www.comprasnet.gov.br, a cargo da 3ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO ELETRÔNICO 128/2013-SMS.G, processo 2013-0.041.075-9, destinado ao registro de preços para o fornecimento de TUBOS PARA COLETA DE SANGUE A VÁCUO, para a Divisão Técnica de Suprimentos, SMS-3/Grupo Técnico de Compras, GTC/Área Técnica de Laboratório, do tipo menor preço unitário. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 14 horas do dia 6 de junho de 2013, pelo endereço www.comprasnet.gov.br, a cargo da 4ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO ELETRÔNICO 129/2013-SMS.G, processo 2013-0.072.258-0, destinado ao registro de preço para o fornecimento de LIMAS ENDODONTICAS TIPO HEDSTROEN DIVERSAS, para a Divisão Técnica de Suprimentos - SMS.3/Grupo Técnico de Compras - GTC/Área Técnica de Odontologia, do tipo menor preço. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 9 horas do dia 5 de junho de 2013, pelo endereço www.comprasnet.gov.br, a cargo da 4ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO ELETRÔNICO 130/2013-SMS.G, processo 2013-0.050.580-6, destinado ao registro de preços para o fornecimento de FITA ADESIVA, MICROPOROSA, BRANCA, para a Divisão Técnica de Suprimentos, SMS-3/Grupo Técnico de Compras, GTC/Área Técnica de Material Médico Hospitalar, do tipo menor preço unitário. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 14 horas do dia 11 de junho de 2013, pelo endereço www.comprasnet.gov.br, a cargo da 4ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO ELETRÔNICO 131/2013-SMS.G, processo 2012-0.213.192-8, destinado ao registro de preço para o fornecimento de AGULHA DE PUNÇÃO INTRA-OSSEA ADULTO E INFANTIL, para a Divisão Técnica de Fiscalização, Comunicações e Informações - DTFCI/Serviço de Atendimento Móvel de Urgência SAMU 192, do tipo menor preço. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 9 horas do dia 12 de junho de 2013, pelo endereço www.comprasnet.gov.br, a cargo da 4ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO ELETRÔNICO 133/2013-SMS.G, processo 2013-0.026.749-2, destinado ao registro de preços para o fornecimento de SONDA DE FOLLEY COM BALÃO, DUAS E TRÊS VIAS, DESCARTÁVEL, ESTÉRIL, para a Divisão Técnica de Suprimentos, SMS-3/Grupo Técnico de Compras, GTC/Área Técnica de Material Médico Hospitalar, do tipo menor preço unitário. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 11 horas do dia 6 de junho de 2013, pelo endereço www.comprasnet.gov.br, a cargo da 1ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO ELETRÔNICO 135/2013-SMS.G, processo 2013-0.093.495-2, destinado ao registro de preço para o fornecimento de SOLUÇÕES PARENTERAIS DE GRANDE VOLUME I, para a Divisão Técnica de Suprimentos - SMS.3/Grupo Técnico de Compras - GTC /Área Técnica de Medicamentos, do tipo menor preço. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 9 horas do dia 17 de junho de 2013, pelo endereço www.comprasnet.gov.br, a cargo da 3ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. RETIRADA DE EDITAIS Os editais dos pregões acima poderão ser consultados e/ou obtidos nos endereços: http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br; www.comprasnet.gov.br, quando pregão eletrônico; ou, no gabinete da Secretaria Municipal da Saúde, na Rua General Jardim, 36 - 3º andar - Vila Buarque - São Paulo/SP - CEP 01223-010, mediante o recolhimento de taxa referente aos custos de reprografia do edital, através do DAMSP, Documento de Arrecadação do Município de São Paulo. DOCUMENTAÇÃO - PREGÃO ELETRÔNICO Os documentos referentes às propostas comerciais e anexos, das empresas interessadas, deverão ser encaminhados a partir da disponibilização do sistema, www.comprasnet.gov.br, até a data de abertura, conforme especificado no edital.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

c

quarta-feira, 22 de maio de 2013

TURQUIA A direção da Anatolian Balloons, empresa responsável pelo voo, acusou um concorrente de ter realizado uma manobra ilegal, provocando o choque.

idades

Uma tragédia a três metros por segundo O acidente na região da Capadócia, na Turquia, que matou três turistas brasileiras, é analisado por um ás do assunto aqui em São Paulo. José Maria dos Santos

F

Arquivo pessoal

os reservatórios de gás, pois tinha mais de 100 quilos de gás propano a bordo. Desse modo evitou a explosão que fatalmente ocorreria, provocando muito mais vítimas.

ascinado por balões desde menino, Warley Macedo, na adolescência, decidiu dirigi-los em vez de soltá-los. DC – O senhor o conhece? Hoje, aos 35 anos, é um dos Macedo – Sim. Nós nos falaprincipais pilotos-balonistas mos pelo Facebook. Justado País. E também instrutor, mente por suas qualidades, pois é responsável pela Esco- deixou seu país para voar na la Brasileira de Balão, instala- Turquia. da no bairro da Aclimação, em São Paulo, onde, aliás, nasDC – Por favor, explique esse ceu. A propósito, seu currícu- tópico do gás? lo a respeito acaba de ser enMacedo – O balão se sustenriquecido com o título de bi- ta no ar pelo gás aquecido campeão nacional. através de um sistema de maComo as notícias referentes çarico. No caso dos balões enà comunidade invariavelmen- volvidos, o de baixo, para 24 te correm mais depressa entre passageiros, tinha três bocas; os seus membros, já na manhã o de cima, acima de 30 passade domingo Macedo estava in- geiros, quatro. No primeiro, é formado sobre o acidente na mantida uma boca acesa duprovíncia turca de Nevsehir, rante o voo; no segundo, duas. em que pereceram três brasi- Essas chamas são controlaleiros, conforme foi fartamen- das pelo piloto. te divulgado na segunda-feira e ontem. DC – O senhor falou em rota de O episódio provocou as- colisão. Por que isso teria aconsombro, pois voos de balão tecido? são extremamente seguros. Macedo – Quero esclarecer Tendo mais de duas mil horas que eu estou falando por hipóde voo atrás de si, acumula- tese, a partir dos conhecimendas em quase duas décadas tos técnicos. Somente a períde prática, nesse período Ma- cia apontará todas as razões c e d o r e g i sd e s s e a c itrou apenas dente especíum acidente fico. Nessas semel hante c i r c u n s t â nAo verificar a no Brasil, cias, conforiminência da queda, o ocorrido há me as regras piloto tratou de fechar três anos em d e n a v e g atodos os reservatórios ção, o balão Boituva. de gás e evitou a (A cidade d e c i m a d ede 43 mil haveria dar pasexplosão que bitantes, dissagem ao de fatalmente ocorreria. tante 116 quibaixo. WARLEY MACEDO lômetros da No caso, Capital e às subindo tammargens da Rodovia Castello bém. A ascensão, regulamenBranco, é uma espécie de ca- tada pela FIA – Federação Inpital latino-americana do ba- ternacional de Aerostatos, selonismo e paraquedismo). diada na Suíça – é de três meNa entrevista abaixo, Ma- tros por segundo. Aliás, essa cedo, com olhos de especia- também é a velocidade de lista, explica o que poderia aterrissagem. Essas regras ter acontecido nos céus da são estabelecidas a partir da Capadócia. experiência adquirida, que é anterior à aviação. Diário do Comércio – Por favor, descreva-nos em detalhes o DC – O balão acidentado estaque ocorreu nos céus da Capa- va decolando. Em geral, qual é o dócia? tempo de um passeio desses? Warley Macedo – Houve que Macedo – Uma hora. Prefeum balão entrou em rota de rencialmente, esses voos tucolisão. Ali eram dois balões e rísticos são feitos ao amanhepelos dados disponíveis supo- cer, pois nessa etapa do dia os nho que um estava a 500 me- ventos são mais brandos, em tros de altura e o outro a 300 torno de 10 nós ou 18 km/h. Esmetros de altura. O de baixo tamos falando de condições estava em ascensão, em bus- meteorológicas normais. Um ca de camadas de vento para balão pode voar até a 20 km/h. navegar. A ponta do seu teto Eleva-se entre 500 e cinco mil rasgou ao resvalar no cesto pés, uma faixa em que não trade vime acima. Isto provocou fegam aviões. a sua queda. DC – Rodrigues Neves estava DC – Então teria ocorrido uma pilotando o balão. Como é forfalha humana do seu piloto? mada normalmente a tripulação Macedo – Não. Esse piloto, de um voo como esse? Rodrigo Neves, aliás, portuMacedo –Na verdade, é só o guês, é muito experiente. Ao piloto. Existe uma equipe de verificar a iminência da que- terra, que é fundamental para da, ele tratou de fechar todos o voo, pois vai buscar os pas-

Zé Carlos Barretta/Hype

Warley Macedo, instrutor e responsável pela Escola Brasileira de Balão, em São Paulo, acredita que o piloto português evitou uma tragédia ainda maior na Turquia.

Conforme as regras de navegação, o balão de cima deveria dar passagem ao de baixo. IDEM

sageiros e piloto no local da decolagem. É formada pelo motorista do utilitário, o chefe da equipe, um faz-tudo e o que chamamos de “CharliePapa”, que é o carregador de tudo que for necessário.

DC – Além dos comandos relativos ao sistema de maçarico e de reservatórios de gás, o piloto tem outros equipamentos? Macedo – Ele trabalha com o rádio aeronáutico para falar com a torre de controle e com outros balões; um rádio de contato com a equipe de terra; um GPS e o altímetro variômetro, indicador da relação altitude-solo. DC – A propósito: não é arriscado o balão pegar fogo por causa do sistema de maçaricos? Macedo – Não, porque o material do balão, logo depois da boca é o nomex, o mesmo tecido antichamas das roupas de bombeiros; o restante da abó-

boda, onde a chama do maçarico já não alcança é um tecido de náilon resinoso utilizado na fabricação de paraquedas. DC – Para a chama não alcançar, o balão deve ser imenso. Qual é sua altura? Macedo –Um balão pode medir de 18 a mais de 40 metros de altura. DC – Finalmente, Warley, como é a cesta dos passageiros. Macedo – No caso do balão de 24 passageiros, mede 1,60 de largura, por quatro metros de comprimento. As cestas são feitas de vime, uma madeira indicada por causa da sua rijesa e flexibilidade.

Das seis amigas, três morreram.

M

aísa Ildefonso, 71, uma das seis brasileiras que faziam juntas um passeio de balão na Turquia, ainda não sabe que perdeu três amigas na queda do equipamentos onde elas estavam. A família só pretende contar depois que ela for operada. Claudia e Luiz Fernando Ildefonso, filhos de Maísa, viajam hoje a Turquia para acompanhar a recuperação da mãe, que ainda não foi operada por causa de um dreno no pulmão. O grupo, de viúvas de engenheiros e arquitetos, se conheceu há mais de 20 anos e logo começou a viajar. Depois da Turquia, as amigas iriam fazer um cruzeiro na Grécia. Ellen Kopelman, também morta no acidente, era a líder do grupo, pois falava cinco idiomas. Outra ferida, Vera Monteiro, 69, uma das três sobreviventes, soube contra a vontade da família que as três amigas morreram e ficou transtornada, segundo relato de familiares de outros acidentados. A terceira sobrevivente, Aurora, seria cunhada de Maria Luíza Gomes, 71, morta no acidente. Além das seis amigas, havia mais cinco brasileiros no balão no momento do acidente. Ao todo, oito brasileiros ficaram feridos, sendo que apenas um tinha recebido alta até a tarde de ontem. (Folhapress)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 22 de maio de 2013

9

CONTRAPONTO

d

cultura

O calvário e a redenção de dois dependentes de drogas, em dois livros. O ídolo Casagrande, hoje comentarista da Rede Globo, e William, um jovem "anônimo", contam como sobreviveram e como ainda lutam para barrar recaídas.

CASAGRANDE REVIRADO Felipe Carrilho Walter Casagrande Júnior, Casa ou Casão, como ficou conhecido ao longo da sua trajetória esportiva, rompeu com o estereótipo do jogador de futebol, tido como pagodeiro e alienado, por assim dizer. Fã de rock 'n' roll, participou da organização do PT e foi, ao lado de Sócrates, um dos líderes da Democracia Corinthiana, movimento que sacudiu o Parque São Jorge e o ambiente conservador do futebol no início dos anos 1980. Um perfil assim já justificaria a publicação da biografia Casagrande e Seus Demônios, assinada pelo jornalista Gilvan Ribeiro, do Diário de S. Paulo, em parceria com o craque, e recém-lançada pela Globo Livros. Mas Casagrande foi muito além disso, quase à morte na verdade. Envolveu-se com cocaína e heroína enquanto jogava. O uso desmedido o levaria, anos depois, já comentarista destacado, a uma overdose presenciada por um dos filhos e a surtos psicóticos, com di-

reito a alucinações satânicas. Tudo isso antes de capotar o carro que dirigia à noite no bairro da Lapa, Zona Oeste paulistana, e ser internado forçosamente, por vontade da família, numa clínica de reabilitação para viciados em setembro de 2007, onde permaneceu por um ano. O alto teor de dramaticidade que envolve a vida de Casagrande certamente explica o enfoque estritamente pessoal escolhido para a obra. As luzes estão voltadas desde o primeiro capítulo para as trevas que atormentam o íntimo do ex-craque, mergulhado na dependência química. Escrito de maneira envolvente e direta – como, aliás, era o futebol do centroavante roqueiro – Casagrande e Seus Demônios traça um panorama completo da sua história. As amizade mais antigas e duradouras, o início no esporte, a descoberta do amor e das drogas, a conquista da mulher amada, sua estreia como profissional do Corinthians, a passagem pelo São Paulo, seu sucesso na Europa em clubes como o Porto, de Portugal, e o Torino, da Itália, o contato com

Fotos: Arquivo DC

Sócrates e Casagrande: destinos cruzados.

o submundo do dopping, os desentendimentos com o técnico Telê Santana na Seleção e até seu ingresso inusitado no mundo do show-bizz, ao lado do cantor Raul Seixas, estão bem amarrados do início ao fim da obra. Sob o signo do rebelde que caiu das alturas, o leitor é convidado a percorrer os descaminhos que levaram Casagrande ao desfecho anunciado, da infância simples no bairro da Penha, Zona Leste de São Paulo, ao cobiçado posto de comentarista esportivo da Rede Globo. Um ponto bastante enfatizado é a relação que estabeleceu com o ídolo que se tornaria grande amigo e seu padrinho de casamento. Quase 10 anos mais velho, Sócrates foi a figura que deu vazão política à rebeldia natural de Casagrande, conforme se pode concluir por meio da narrativa. A participação de ambos, ao lado do também jogador Wladimir e do, à época, diretor de futebol do Corinthians, Adílson Monteiro Alves, na campanha conhecida como “Diretas Já” – que reivindicava o direito de escolher o presidente da República pelo voto popular direto – é uma passagem marcante do enredo. A opção por uma abordagem individual dos acontecimentos, no entanto, cobrou o seu preço. Ao priorizar depoimentos orais de pessoas que conviveram com o ídolo, como ex-jogadores, familiares etc, e principalmente do próprio Casagrande, o livro perdeu a chance de dialogar com a bibliografia especializada. As articulações entre o futebol e a ditadura militar (1964-1985), hoje esmiuçadas nas universida-

des, as pesquisas acadêmicas sobre a Democracia Corinthiana, ou mesmo os estudos recentes a respeito do universo cultural dos anos 1970 e 1980 – fundamentais na formação do person a g e m e m j o g o – s ã o negligenciados. Comentários que contextualizam historicamente a narrativa aparecem, as-

sim, de forma burocrática, como passes laterais num meio de campo. Mas o saldo final é positivo principalmente pela força do personagem. Casagrande e seus Demônios é um depoimento corajoso, que se recusa a abordar a questão do uso abusivo de drogas por meio de um dualismo fá-

cil, como se tudo não passasse de uma luta entre o bem e o mal.

Felipe Dias Carrilho é historiador e autor do livro Futebol, uma Janela para o Brasil - As Relações Entre o Futebol e a Sociedade Brasileira. Assina também a coluna Jogo de Classe do site Escrevinhador.

NO OUTRO LADO DO ESPELHO DE CASAGRANDE José Maria dos Santos

W

illiam Vagner Rodrigues, 37 anos, manipulador de produção, tem uma estreita afinidade com o ex-craque Walter Casagrande Jr., o conhecido Casão. Como ele, escreveu um livro dramático relatando sua luta para se livrar das drogas. Porém, faltou-lhe a aura de celebridade para fazê-lo entrar na lista dos mais vendidos, conforme ocorreu com o outro. Além disso, Casão e Seus Demônios foi lançado pela Globo Livros, das poderosas Organizações Globo, portanto, com divulgação garantida, enquanto William custeou a edição do seu A Busca do Impossível, que ele próprio vende a R$ 20 o exemplar nas conferências educativas contra o uso de drogas que f r e q u e nt e m e n t e

é convidado a fazer. A obra sequer está nas livrarias. Esta comparação não pretende inaugurar uma luta de classes entre ex-dependentes, mas demonstrar que os demônios são os mesmos, embora em cenários diferentes. O de Casagrande dispensa descrições. Já foi contado pelo Fa ntástico em horário nobre e está bem difundido devido ao sucesso. É justo, portanto, que William apresente o seu. William é da Zona Leste de São Paulo, a mesma de Casão. Meteuse com a cocaína aos 16 anos, em l990, e dela saiu oito anos depois como quem abandona um campo de batalha, segundo sua feliz analogia. À semelhança dos ex-combatentes neuróticos de guerra, ex-drogados são atormentados por lembranças atrozes. Mas há uma diferença. Os perigos não são

imaginários. Manter-se limpo é, muitas vezes, tão difícil quanto deixar o vício. Os acenos de reincidência são diuturnos. Por isso William apenas sentiu-se seguro para ir a uma festa quatro anos depois que rompeu a dependência. "O álcool faz você abaixar aguarda, pode ser a porta de entrada para a retomada", diz ele. Esse mesmo t e m o r o f e z r enunciar aos jogos de futebol uma vez que, invariavelmente, o evento acabava em uma confraternização no bar. Demorou mais de uma década para passar perto da favela onde ia apanhar droga. Limita-se a cumprimentar de longe um amigo

querido ou refugia-se em casa ao vê-lo se aproximando, pois ambos entraram juntos no vicio e o rapaz continua. "É muito fácil você se perder", diz William. Pelo mesmo motivo, Casagrande vive agora uma vida reclusa. Resgates na favela - Só há uma circunstância em que William entra em favela sem medo. É quando vai resgatar algum viciado, a pedido da família, que lá está entregue à droga há vários dias. É algo comum, ele próprio teve essa experiência, indicativa do grau de alheamento a que usuários podem chegar. Devido à familiaridade com o meio, adquirida nos

velhos tempos, consegue chegar aos traficantes e sua norma é a de expor francamente seu objetivo. Os homens toleram, pois sabem que não traz a policia nos calcanhares, tampouco se mete na vida deles, e que incursões desse tipo fazem parte do negócio. Nessas horas, em que pratica sua espécie de apostolado, o anonimato é vantajoso. Casagrande, por exemplo, mesmo que desejasse, e suas posturas sugerem que sim, não poderia fazê-lo. Sempre haveria um ajuntamento ou câmera por perto. A propósito, bagagens como a de William deveriam ser aproveitadas por fugirem dos motes utilizados nas campanhas geralmente malsucedidas contra as drogas. Uma das suas recomendações seria provavelmente mal recebida pelos especialistas: a oração como

recurso terapêutico. No caso dele funcionou. "Nos primeiros dias de internação, com cólicas terríveis da abstinência, pedi a Deus que me tirasse a vontade de usar. Fiquei confortado. Quando sai, comecei a frequentar a Igreja. Devo a recuperação à religião, ao trabalho e à disciplina". Os especialistas também deveriam prestar atenção naquilo que William chama de "conscientização da curiosidade". Trata-se de convencer um adolescente a controlar a curiosidade em experimentar drogas e resistir ao temor de parecer boboca diante do seu grupo. Salvo engano, são tópicos raramente debatidos nas campanhas. "Nas palestras, eu procuro introduzir na cabeça das pessoas que é um risco sem volta. Deu o primeiro passo, vai dançar".

Quando a tela é que pinta Renato Pompeu

N

este precioso álbum lançado pela Fundação Stickel e pela Terceiro Nome, Pintura por Desconstrução, com ilustrações de obras da pintora paulista Vera Martins, 51 anos, textos de Agnaldo Farias e Carlos Perrone, fotos de Rômulo Fialdini e organização de Fernando Stickel, se pode ter uma boa ideia do trabalho dessa grande artista, que transformou a tela de suporte passivo da pintura em criativo instrumento que pinta sobre outros suportes, como por exemplo uma parede, ou mesmo sobre uma tela tradicional. Pois Vera Martins desenvol-

veu o surpreendente processamento de desfazer a tela, invertendo o processo de sua produção. Isto é, ao invés de tramar os fios de tecido para formar o pano da tela, Vera Martins desfaz a trama, reduz a tela a seus fios originais, trança esses fios formando chicotes, e em seguida chicoteia tintas de têmpera de acrílico sobre o suporte escolhido, seja uma parede, seja uma tela mantida em sua forma e funções originais. O chicote de fios de tela trançados funciona, assim, como os antigos pincéis. Além disso ela pode aplicar sobre o suporte também os pró-

prios fios de tela que não foram usados para formar os chicotes, dando assim às obras relevos e baixos-relevos adicionais aos criados com o chicote. Com esses métodos ela produz trabalhos dos tipos que chama de tela chicoteada; fios de tela sobre tela chicoteada por fio de tela e têmpera de acrílico; têmpera acrílica sobre tela desfiada; têmpera acrílica sobre fio de tela; têmpera acrílica sobre tela desfiada, fio de tela desfiado; tela desfiada sobre su-

porte de ferro; portas do ateliê chicoteadas, etc. O resultado são obras que encantam por uma geometrização toda especial de linhas entrelaçadas e espalhadas. Trata-se de processos tão imaginosos quanto os do pintor americano Jackson Pollock, o primeiro a criar obras de arte com o lançamento ao chão de gotas e jatos de tinta, como se fosse ao léu, mas criando uma estética extremamente organizada. Os trabalhos de Ve-

ra, entretanto, proporcionam um espetáculo inteiramente diferente dos de Pollock, porém merecem o mesmo aplauso pela extrema organização de sua estética. Ela mesma diz, em seu próprio texto no álbum: "Não quero questionar a pintura ou o suporte, até porque nem penso quando faço, vou fazendo... desfiando... desconstruindo... reconstruindo... pintando... Falar reduz. É necessário um pensamento racional formado por questões previsíveis, o que é diferente de fazer, um ato guiado por sentimentos, intui-

ção, silêncio e solidão. A pintura deixa de ser só pintura e, através de um fio, passa a ser pintura tridimensional e pintura chicoteada pelo fio, o mesmo fio que sai da tela e se torna tridimensional". Ou seja, para Vera Martins, mais do que analisar seus trabalhos é preciso estar aberto para fruí-los, com a emoção e o encantamento que merecem. Também surpreende a extrema agilidade do controle que ela exerce sobre todos os movimentos de seu corpo, e não apenas de suas mãos e braços, como a esmagadora maioria dos pintores.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10

quarta-feira, 22 de maio de 2013

www.dcomercio.com.br

O carro que voa A KiBiSi criou este carro que é também avião. O protótipo feito pela Terrafugia está em testes. http://bit.ly/13jQAkV

C ANNES Eric Gaillard/Reuters

O mundo de ponta-cabeça

Roubou a cena A atriz Sharon Stone roubou a cena ontem ao caminhar pelo carpete vermelho para a exibição do filme "Behind the Candelabra", de Steven Soderbergh, que concorre a Palma de Ouro em Cannes. T ECNOLOGIA

A impressora de pizza A Nasa investirá US$ 125 mil na criação de uma impressora 3D capaz de imprimir comida para os astronautas em viagens espaciais. Segundo o site The Verge, esse foi o valor que a agência espacial norteamericana ofereceu ao engenheiro mecânico Anjan Contractor, que é o responsável pelo projeto. O protótipo da máquina, em

desenvolvimento, usará cartuchos com farinha, tomate em pó, água e óleo para "imprimir" pizzas. Mas, por enquanto, o único alimento que já saiu da máquina foi chocolate básico, a partir de chocolate em pó. A produção de pizzas é prevista para a segunda fase de testes, e o engenheiro espera produzir também outros alimentos.

A Terra pode parecer estranha em algumas imagens do Google Earth. Segundo o artista Clement Valla isso acontece no processamento dos dados pelo software do serviço. http://bit.ly/Xq4Dki

C OPA 2014

Itaquerão, o estádio mais adiantado.

D

os doze estádios da Copa do Mundo de 2014, seis já foram entregues para a Copa das Confederações, em junho, enquanto os outros seis continuam em obras. Desses, que serão usados somente no ano que vem, o estádio do Corinthians é a arena mais adiantada. O futuro estádio do Corinthians chegou neste mês a 76% da obra concluída. Segundo a Odebrecht, empresa responsável pelo proje-

to, o plantio da grama já está programado para o próximo mês. Atualmente, 1.420 operários trabalham no local, divididos em três turnos. O estádio, com previsão de entrega em dezembro deste ano, terá capacidade para aproximadamente 48 mil torcedores, mas receberá 20 mil assentos temporários na Copa por exigência da Fifa para a abertura da competição, no dia 12 de junho de 2014. O segundo estádio com a

obra mais avançada é o BeiraRio, em Porto Alegre, que chegou a 70% neste mês. O custo total da reforma é de R$ 330 milhões e a entrega deve acontecer em dezembro. Já a Arena das Dunas, no Rio Grande do Norte, está com 66% das obras concluídas. Atualmente, 1.800 operários trabalham no local, em três turnos. A entrega também é prevista para dezembro. A Arena Pantanal, em Cuiabá, sede de quatro jogos da

Copa, tem como prazo outubro e está com 62% das obras prontas, assim como a Arena da Baixada, em Curitiba. O estádio do Atlético-PR também tem previsão de entrega para dezembro deste ano. A arena de Manaus é a mais atrasada nas obras. Está com 60%. De acordo com a empresa responsável, a Andrade Gutierrez, a arquibancada superior já foi fechada e faltam agora a estrutura metálica e seu acabamento. (Folhapress)

Paul Hackett/Reuters

E SCULTURA

Flutuando L

Escultura do britânico Marc Quinn instalada em um parque de Cingapura. Em bronze, o bebê parece flutuar e se sustenta apenas nã mão.

DANCINHA DA VITÓRIA - O ex-arcebispo anglicano da Cidade do Cabo Desmond Tutu dançou com o coro ontem depois de receber o Prêmio Templeton 2013, no Guildhall, em Londres. Ativista anti-apartheid Desmond Tutu ganhou o Prêmio de US$ 1,7 milhões por ajudar a promover o perdão e a justiça.

Anel preguiça Se você quer quer exibir sua preguiça crônica ou é apenas um admirador dos bichospreguiça, vai gostar desse anel à venda no site Etsy. A joia é feita em prata ou bronze e o bichinho, feito em argila polimérica pode ser marrom, preto ou bege escuro. http://etsy.me/13pa9Vx

L OTERIAS Concurso 1178 da DUPLA SENA Primeiro sorteio 11

17

25

33

39

46

15

22

34

Segundo sorteio 03

06

10

Concurso 3199 da QUINA 16

33

51

63

67

Polêmica Pietà Há 41 anos, o húngaro Laszlo Toth golpeou 12 vezes com um martelo a escultura Pietà, de Michelangelo, danificando a obra-prima que estava na Basílica de São Pedro, no Vaticano. Ontem, o Museu do Vaticano relembrou a dara divulgando detalhes daquela que se tornou uma das restaurações de arte mais delicadas e controversas da história.

Restauração sem deixar vestígios do ataque foi criticada por historiadores.

S ÃO PAULO

Além de Wi-Fi, tablets grátis. A Secretaria Municipal de Serviços vai comprar tablets que poderão ser retirados pela população nas 120 praças de São Paulo onde serão instalados pontos de Wi-Fi gratuitos. Segundo o secretário da pasta, Simão Pedro, os aparelhos serão retirados gratuitamente após a apresentação do documento de identidade, que ficará retido até a devolução. "Serão pelo menos 40 tablets por praça, esse é o nosso objetivo. A pessoa deixa o documento e fica usando o equipamento na praça com Wi-Fi", afirmou Simão.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 22 de maio de 2013

e

11 SOLIDEZ Alemanha está no caminho de recuperação sólida, diz banco central.

Márcio Fernandes/Estadão Conteúdo

conomia

Projeção é de forte alta em junho e julho

O

Comércio mantém o ritmo em todo o País em 2013: nos últimos 12 meses a evolução das vendas foi de 5,2%. Mas o setor de móveis e eletrodomésticos teve movimento 2,2% menor.

Varejo segue com vendas firmes em abril Indicador da Boa Vista Serviços, que administra o SCPC, mostra avanço de 0,9% em relação a março. Renato Carbonari Ibelli

A

s vendas no varejo avançaram 0,9% no mês de abril, na comparação com março, de acordo com o Indicador de Movimento do Comércio da Boa Vista Serviços, empresa que administra o Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC). Nos últimos 12 meses a evolução verificada foi de 5,2%, alta semelhante àquela que a Boa Vista Serviços projeta para o final de 2013. Porém, caso este resultado se confirme ao final do ano, ele representará queda relativa ao verificado no ano passado, quando as vendas do varejo cresceram 7,3%. Para Flávio Calife, economista da Boa Vista, a tendência ob-

servada é de relativa desaceleração do varejo. Se em 12 meses o crescimento foi de 5,2%, nos primeiros quatro meses de 2013 houve recuo de 0,7% na comparação com igual período do ano passado. Sendo que isoladamente, abril deste ano apresentou queda de 2,9% diante de igual mês do ano passado. Este arrefecimento ocorre, segundo Calife, por causa da "desaceleração do mercado de trabalho, do arrefecimento do crédito no início do ano e por causa da alta da inflação, influenciada principalmente pelos preços dos alimentos". Mas estes fatores, de acordo com o economista da Boa Vista, já começam a apresentar sinais de melhora (leia matéria ao lado), o que pode indicar reversão da tendência de relativa desacele-

ração das vendas para os próximos meses. Calife destaca ainda a observação de recuo da inadimplência, "o que significa melhora na capacidade de pagamento do consumidor e uma maior disponibilidade de crédito no mercado". Além disso, o economista aponta que o comprometimento da renda do brasileiro está caindo. "Até o meio do ano passado prevíamos alta de 5% para as vendas, mas fechamos com 7,3% de crescimento. Esta reversão na tendência de desaceleração pode estar começando a ocorrer neste ano", diz Calife. Voltando aos dados referentes ao mês de abril, o setor com maior variação positiva foi o de combustíveis e lubrificantes, que registrou aumento das vendas de 2,5%

na comparação com março. Na comparação com abril do ano anterior, o setor registrou elevação de 5,9%. Nos últimos 12 meses, a alta foi de 6,7%. Supermercados – O setor de supermercados, alimentos e bebidas registrou leve crescimento das vendas em abril, de 0,1%, em relação a março de 2013. Mas o indicador apontou contração de 1,8% na atividade do setor quando confrontado com abril de 2012. No entanto, em 12 meses, a alta foi de 6,8%. Já as maiores quedas foram registradas pelo setor de móveis e eletrodomésticos, cujas vendas de abril recuaram 2,2% diante do mês imediatamente anterior. Este foi o quarto resultado negativo consecutiva deste setor. Na

comparação entre abril deste ano e do ano de 2012, o setor de móveis e eletrodomésticos mostra queda de 2,9%, sendo que no acumulado de 12 meses registra elevação de 2,8%. Também contribuindo negativamente o setor de tecidos, vestuários e calçados, que apresentou queda de 0,2% em abril quando confrontado com março. O crescimento acumulado do indicador nos últimos 12 meses exibiu acréscimo de 3,4%. O Indicador de Movimento do Comércio é obtido a partir da série histórica mensal da quantidade de consultas efetuadas à base de dados da Boa Vista Serviços em âmbito nacional. As consultas são feitas por estabelecimentos comerciais e instituições financeiras na venda.

Índice Antecedente de Vendas (IAV), do Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDV), projeta que as vendas do varejo voltam a apontar forte alta em junho e julho, com crescimento real de 9% e 7,8%, respectivamente, em comparação com iguais períodos do ano passado. Já para este mês, a perspectiva é de que haja uma alta de 7,3%. O IAV traz a expectativa de empresários com relação às vendas futuras. O IAV-IDV também aponta uma recuperação no crescimento real no conceito mesmas lojas. De acordo com os associados do IDV, este aumento será de 1,4%, 3% e 1,9% em maio, junho e julho, respectivamente, sempre em relação a igual período de 2012. O varejo de nãoduráveis, que corresponde pelas vendas de alimentos, entre outros, aponta forte recuperação em maio, com crescimento de 5,8%. Para os dois meses seguintes, os associados estimam altas de dois dígitos, de 12,8% e 13,3%. Vale ressaltar que o desempenho desta categoria tem o maior peso nas medições do IAV-IDV. Para o setor de semiduráveis, o IAV estima um crescimento de 10,6% em maio. Para junho e julho, observa-se uma manutenção das vendas em dois dígitos, com expectativa de crescimento de 11,2% e 10,3%, respectivamente. Para o segmento de bens duráveis, em maio, a expectativa do IAV é de alta de 7,3%. Contudo, para junho e julho, o índice aponta desaceleração, com estimativas de alta de 6% e 4,2%, respectivamente, na comparação com iguais meses de 2012.

CNI aponta caminho da competitividade Documento Mapa Estratégico indentifica dez fatores-chave para o desenvolvimento sustentável da indústria

T

er competitividade com sustentabilidade. Esse é o objetivo do Mapa Estratégico da Indústria 2013-2022, lançado ontem pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O mapa é resultado do esforço de mais de 500 representantes empresariais que, durante nove meses, discutiram os problemas relacionados ao desenvolvimento do Brasil. O trabalho identifica dez fatores-chave (abaixo), que podem elevar a competitividade e indica metas para cada um deles. A CNI levou em consideração o crescimento dos países emergentes, a nova geografia da produção mundial, mudanças climáticas, economia de baixo custo e o fortalecimento do mercado interno. "As transformações da economia mundial exigem novas respostas do País", destaca. O desafio é reduzir o Custo Brasil e identificar e incentivar os nichos onde a indústria pode ter papel significativo nas cadeias globais. Educação Deficiências na educação limitam a "capacidade de inovar e a produtividade, com impactos significativos sobre a competitividade das empresas". A boa formação de profissionais ajuda na utilização dos equipamentos, desenvol-

Marcos Peron/Virtual Photo

realização das entregas dos insumos de produção e a distribuição do produto industrial ao mercado. Mão de obra especializada depende de educação: falta de preparo dificulta a inovação na indústria.

vimento e implementação de inovações. O estudo traça como meta melhorar a qualidade da educação no País, passando da 54ª posição no ranking do Programa de Avaliação Internacional de Estudantes (Pisa) de 2009 para 43ª posição em 2021. Ambiente Macroeconômico Para a indústria, manter a estabilidade macroeconômica e a solidez dos fundamentos macroeconômicos ajudam a criar um ambiente propício aos negócios. A CNI alerta ainda para o fato de que estabilidade de preços ajuda na busca do crescimento sustentável. A CNI destaca a importância do

fortalecimento da autonomia operacional do BC.

competitividade é a segurança jurídica e redução da burocracia. Para a CNI, a falta de clareza sobre direitos e deveres e alterações nas legislações e marcos regulatórios prejudicam a competição.

Eficiência do Estado Para a CNI, a ineficiência do Estado extrai recursos das empresas além do necessário, reduz a eficiência e provê, em quantidade e qualidade inadequadas, bens públicos com "externalidades positivas, como educação, infraestrutura e segurança pública". "Faz-se necessário melhorar a capacidade de o Estado planejar e executar suas políticas e investimentos", diz a CNI.

Desenvolvimento de mercados O mercado influencia a competitividade das empresas. Por isso, o documento destaca que o País precisa aumentar a integração a estágios de maior valor das cadeias globais.

Segurança Jurídica e Burocracia Outro fator-chave para a

Relações de Trabalho O sistema legal e institucional do mercado de traba-

lho é "defasado, rígido e juridicamente inseguro". A CNI quer regras modernas, claras e seguras. Financiamento As empresas brasileiras têm dificuldades para financiar a produção. A CNI destaca que o ritmo de crescimento de uma economia e a competitividade da sua indústria dependem da disponibilidade de recursos para investimento. Infraestrutura A CNI defende uma rede eficaz de transportes intermodal para ampliar a competitividade da indústria brasileira. A logística eficiente permite a

Tributação A CNI ressalta que um sistema tributário oneroso e complexo reduz a competitividade e desestimula investimentos e lembra que o Brasil tem uma das maiores cargas tributárias entre países em estágio de desenvolvimento similar. "Além de incidir fortemente sobre a produção de bens e serviços, a estrutura tributária é complexa, resultando, muitas vezes, em cumulatividade de tributos", cita o trabalho. Para a CNI, o desafio é obter equilíbrio entre a necessidade de arrecadação do Estado e a manutenção de um bom ambiente de negócios, evitando custos excessivos sobre o setor empresarial. Inovação e Produtividade A CNI propõe que a taxa de crescimento médio anual da produtividade seja de 4,5% entre 2011 e 2022. Entre os anos 2000 e 2010, o crescimento foi de somente 0,6% ao ano. "Inovar depende de um ambiente institucional propício, formado por um conjunto de leis e regulamentos, incentivos, pesquisa, universidades, e fontes de financiamento", alerta. (Estadão Conteúdo)


12 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 22 de maio de 2013


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 22 de maio de 2013

e Retomada é compatível com controle da inflação

Nos próximos três meses – maio, junho e julho –, a inflação mensal já será menor do que a inflação observada nos primeiros meses de 2013. Alexandre Tombini, presidente do Banco Central

conomia

Presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, disse que a elevação dos preços já começa a perder fôlego. Para ele, a queda depende de eventos externos, como a cotação das commodities.

O

presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, afirmou ontem que a recuperação do crescimento da economia brasileira é compatível com o controle da inflação. Segundo ele, a elevação dos preços já começa a perder fôlego neste trimestre. "Nos próximos três meses – maio, junho e julho –, a inflação mensal já será menor do que a inflação observada nos primeiros meses de 2013 e, no início do segundo semestre, a inflação acumulada em 12 meses começará a cair", disse em apresentação no Congresso Nacional. A inflação acumulada em 12 meses atualmente está em 6,49%, praticamente no teto da meta oficial, que é de 6,5%. Para tentar reverter esse quadro, o BC iniciou em abril um novo ciclo de alta dos juros, subindo a Selic – a taxa básica do juro – em 0,25 ponto percentual, para 7,5% ao ano. "Creio que o que o BC está fazendo é compatível com essa recuperação gradual da economia brasileira. Nossas projeções hoje são de um crescimento do PIB em 2013 de 3,1%, afirmou Tombini. "Essas projeções são compatíveis com o combate a inflação", disse. O presidente do BC salientou que o controle da inflação é necessário para conservar a confiança de consumidores e empresários na economia. Ele

13

Marcelo Camargo/ABr

Na opinião do chefe do BC, a alta dos preços afetou o consumo de alguns produtos, como bens perecíveis. observou que o aumento muito intenso dos preços afetou o consumo de alguns produtos, como bens perecíveis. "Lembro mais uma vez que o Banco Central está vigilante e fará o que for necessário, com a devida tempestividade, para colocar a inflação em declínio no segundo semestre e para assegurar que essa tendência persista no próximo ano", repetiu. Câmbio – Tombini afirmou que a taxa de câmbio "se moveu" do começo de 2012 para cá e que não há indicações para onde vai. No entanto, na

Nossas projeções atualmente são de um crescimento do PIB em 2013 de 3,1%, ALEXANDRE TOMBINI, BANCO CENTRAL análise do presidente do BC, o que interessa para competição é o câmbio real e não o nominal, que pode ser neutralizado pela inflação. "Não

adianta desvalorização acompanhada por inflação", disse. Tombini reiterou que o Banco Central controla a inflação. "O importante é que o câmbio é flexível", afirmou. Ele declarou que o movimento da taxa depende de eventos externos, como o preço das commodities. Também lembrou que nos últimos dias o maior fortalecimento do dólar levou outras moedas a se desvalorizar em relação ao dólar. "Tem de ter esta flexibilidade para a economia absorver choques positivos e negativos", argumentou. (Agências)

Pagamento por meio eletrônico ganha MP Rejane Tamoto

O

s meios de pagamentos eletrônicos – cartão, internet e celular – começaram a ser regulados com a Medida Provisória (MP) nº 615, que estabelece inicialmente alguns conceitos sobre o tema. Publicada no Diário Oficial da União anteontem, a MP é o primeiro passo para a regulamentação que será feita pelo Banco Central (BC) em até seis meses. A autoridade monetária terá mais poderes e poderá disciplinar a cobrança de tarifas em relação aos serviços de pagamentos. Em nota, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e a Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs) disseram apoiar a iniciativa. As duas entidades reforçaram o intuito de contribuir para a modernização dos sistemas da rede bancária e de atender os objetivos de inclusão financeira. Por isso, dizem, estão finalizando discussões para a assinatura de uma convenção relativa ao modelo operacional para realização de operações financeiras por meio de dispositivos móveis. MP – A MP não muda nada em termos práticos até a regulamentação específica, que deve sair em seis meses. Por enquanto, foram estabelecidos alguns conceitos, como o de arranjos de pagamento, que é um conjunto de normas, procedimentos e princípios. A MP estabelece o uso da conta de pagamento, que será específica para pagamentos eletrônicos. Desta forma, um consumidor sem conta-corrente pode manter créditos em uma conta de pagamento em uma empresa (banco ou não) que necessariamente terá de colocar o dinheiro do cliente em uma conta-corrente. Além disso, a MP trata do que vem pela frente como o uso da moeda eletrônica, que pode ser caracterizada por um crédito eletrônico que dá direito à realização de pagamentos. No primeiro momento, será possível fazer pagamentos de pessoa a pessoa, por mensagem de texto pelo celular, por exemplo. Depois, a moeda eletrônica poderá ser usada em pagamentos do usuário para o comércio e prestadores de serviços. "O próprio governo estabeleceria, no futuro, pagamento de bolsas usando esse sistema. A ideia é que esse crédito virtual também possa se transformar em dinheiro", afirma Aldo Mendes, diretor de Política Monetária do BC.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

14

quarta-feira, 22 de maio de 2013

e Leão dá uma tímida mordida na arrecadação

A lucratividade das empresas está em recuperação e vamos ver resultados melhores Carlos Alberto Barreto, secretário da Receita Federal

conomia

Receita Federal justifica leve alta de 0,07% ante março com a baixa expansão econômica e desonerações.

A

arrecadação federal subiu apenas 0,07% em abril na comparação anual, ainda impactada pelo baixo crescimento econômico e as desonerações tributárias, mas o governo mantém-se otimista e prevê crescimento da receita entre 3% e 3,5% no ano, informou a Receita Federal ontem. A previsão leva em consideração a previsão do governo de crescimento de 3,5% do Produto Interno Bruto (PIB) para este ano. Em 2012, o aumento real da arrecadação foi de 0,27%. A receita de tributos totalizou R$ 98,713 bilhões em abril, acima da previsão de analistas que estimavam R$ 96 bilhões no mês. O recolhimento de tributos em abril foi influenciado pelo pagamento trimestral da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), que teve alta de 1,1% sobre um ano antes, somando R$ 5,83 bilhões. Por conta dessa sazonalidade, a arrecadação de abril apresentou expansão de

23,3% ante março, na primeira variação positiva após dois meses seguidos de queda. No acumulado do ano, porém, a arrecadação registrou queda real de 0,34% sobre janeiro a abril de 2012, somando R$ 370,444 bilhões. Segundo a Receita Federal, as desonerações tributárias de R$ 6,668 bilhões e a arrecadação R$ 5,854 bilhões menores sobre tributos que incidem sobre lucro das empresas foram os principais responsáveis pelo recuo da arrecadação no primeiro quadrimestre deste ano. Para o secretário da Receita, Carlos Alberto Barreto, a arrecadação irá melhorar já em maio, fazendo com que o resultado acumulado do ano saia do vermelho. "A lucratividade das empresas está em recuperação e vamos ver resultados melhores", disse. A estimativa do fisco para o ano é sustentada quase que exclusivamente pela perspectiva de recuperação dos tributos que incidem sobre a lucra-

tividade das empresas, pois continuará expressivo o peso negativo das desonerações tributárias, estimadas para este ano em R$ 70 bilhões. A despeito da estimativa representar uma melhora em relação ao desempenho do ano passado, quando foi registrada alta real de 0,7%, a previsão ainda é bem modesta se comparada com 2011 e 2010, que registraram avanços reais de 10,1% e de 9,12%, respectivamente. Mas analistas do mercado já projetam expansão do PIB neste ano inferior a 3% devido à dificuldade da economia de mostrar recuperação sólida. No ano passado, a economia brasileira cresceu apenas 0,9%. (Reuters)

ACSP assina acordo com chineses Paulo Pampolin/Hype

Paula Cunha

E

streitar as relações comerciais entre empresas brasileiras e chinesas é o principal objetivo do Seminário para a Promoção do Intercâmbio Econômico e Comercial do Setor de Máquinas e Equipamentos da China realizado ontem em São Paulo. Representantes de indústrias da cidade de Foshan trocaram experiências e iniciaram conversações para intensificar o comércio entre os dois países. O prefeito Liu Yuelun e Zhou Zhitong, diretor-geral do Departamento do Comércio Externo e de Cooperação Econômica, assinaram um acordo de cooperação com a Associação Comercial de São Paulo (ACSP) com a meta de aumentar as trocas comerciais entre a cidade chinesa e o Estado de São Paulo.

sidades de empresas paulistas e chinesas e a realização de missões comerciais nos dois países. Durante o encontro, Y u e l u n r e ssaltou que Foshan é a Gonçalves (esq.), da ACSP, e Yuelun, de Foshan. quinta maior c i d a d e i nO acordo foi assinado pelo dustrial da China. Seu Produvice-presidente da ACSP, to Interno Bruto (PIB) é o 15º Luiz Roberto Gonçalves, e pe- maior do país e alcançou a cilo coordenador do Conselho fra de US$ 108,2 bilhões no d e C o m é r c i o E x t e r i o r d a ano passado, com elevação ACSP, Roberto Ticoulat, que de 8,2% ante 2011. Ele afirr e p r e s e n t a r a m R o g é r i o mou que as exportações da Amato, presidente da Asso- cidade para o Brasil somaram ciação Comercial de São Pau- US$ 1,2 bilhão em 2012 e polo (ACSP) e da Federação das dem crescer ainda mais. "AnAssociações Comerciais do teriormente, exportávamos E s t a d o d e S ã o P a u l o ( F a- eletrônicos e cerâmicas para cesp). Ele inclui troca de as empresas brasileiras e nos informações sobre as neces- últimos anos aumentamos

Odebrecht Utilities S.A. CNPJ/MF n° 17.382.530/0001-44 - NIRE 3530044786-7 Ata de Assembleia Geral Ordinária realizada em 24 de Abril de 2013 1. Data, Hora e Local da Assembleia: Aos 24/04/2013, às 08hs, na sede, Av. Rebouças, 3.970, 31°, parte, Pinheiros, CEP 05402-920, em SP/SP.2. Publicações: Relatório da Administração, Balanço Patrimonial e demais Demonstrações Financeiras, referentes ao exercício social encerrado em 31/12/2012, publicados nas paginas 37, 38 e 39 do DOESP e nas paginas 23 e 24 do Diário do Comércio, ambos na edição de 20/4/2013. 3. Convocação e Presença: Dispensada a convocação prévia, por estarem presentes acionistas representando a totalidade do capital social. 4. Mesa: Renata Amaury de Medeiros, Presidente; e Fernando Santos Mathiazi, Secretário. 4. Ordem do Dia: (i) Aprovação do Relatório da Administração e das Demonstrações Financeiras referentes ao exercício social encerrado em 31/12/2012; (ii) Aprovação da eleição de membro do Conselho de Administração da Cia. em substituição ao membro renunciante; e (iii) Fixação da remuneração global dos Administradores da Cia. para o exercício de 2013. 5. Deliberações: Após a discussão das matérias constantes da Ordem do Dia, os acionistas presentes, por unanimidade de votos e sem quaisquer ressalvas ou restrições, deliberaram o quanto segue: a. Aprovar a lavratura da ata desta Assembleia na forma de sumário, nos termos do Art. 130, §1°, da Lei das S.A.; b. Aprovar o Relatório da Administração, Balanço Patrimonial e demais Demonstrações Financeiras referentes ao exercício social encerrado em 31/12/2012, sendo apurado prejuízo de R$ 6.569.621,63, não havendo, portanto, constituição de reservas e distribuição de dividendos aos acionistas; c. Tomar conhecimento da renúncia apresentada pelo Sr. Renato Amaury de Medeiros, RG n° 051981793 - SSP/RJ e CPF/MF n° 788.718.407-04, ao cargo de membro do Conselho de Administração da Cia., e, na sequência, eleger o Sr. Mauricio Dantas Bezerra, RG n° 05477696-10 SSP/BA e CPF/MF n° 861.028.185- 04, para o cargo de membro do Conselho de Administração. O membro do Conselho de Administração ora eleito foi investido em seu cargo mediante a lavratura e assinatura do termo de posse no Livro de Registro de Atas de Reunião do Conselho de Administração da Cia.. Atendendo ao disposto no art. 147 da Lei n° 6.404/76, o membro do Conselho de Administração ora eleito declarou, sob as penas de lei, não estar impedido de exercer a administração da Cia., por lei especial, ou em virtude de condenação criminal, ou por se encontrar sob os efeitos dela, a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos, ou por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussão, peculato, ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra normas de defesa de concorrência, contra as relações de consumo, fé pública, ou a propriedade. Como consequência, a composição do Conselho de Administração até a AGO a ser realizada em 2014 passa a ser a seguinte: (i) Presidente-Fernando Luiz Ayres da Cunha Santos Reis, RG n° 04.401.594-9 IFP/RJ e CPF/MF n° 858.372.377-04; (ii) Mauricio Dantas Bezerra, RG n° 05477696-10 SSP/BA e CPF/MF n° 861.028.185-04; e (iii) Ticiana Vaz Sampaio Marianetti, RG n° 4.835.223-33 SSP/BA e CPF/MF n° 544.408.075-34; e d. Fixar o montante de R$ 4.000.000,00 como limite global da remuneração anual dos Administradores da Cia. durante o exercício social de 2013. 6. Quorum das Deliberações: Todas as deliberações foram aprovadas por unanimidade, sem reserva ou restrições. 7. Conselho Fiscal: Não há Conselho Fiscal permanente. 8. Documentos Arquivados: Foram arquivados os documentos referidos nesta ata, após numerados e seguidamente autenticados pelos membros da Mesa. 9. Encerramento e Aprovação da Ata: Nada mais. São Paulo, 24/4/2013. Presidente: Sr. Renata Amaury de Medeiros; Secretário: Sr. Fernando Santos Mathiazi. Acionistas Presentes: Foz do Brasil S.A., representada por Mauricio Dantas Bezerra e Ticiana Vaz Sampaio Marianetti; Odebrecht Engenharia Ambiental S.A., representada por Mauricio Dantas Bezerra e Ticiana Vaz Sampaio Marianetti. Jucesp nº 184.808/13-3 em 17/05/2013. Gisela Simiema Ceschin-Secretária Geral.

Epharma – PBM do Brasil S.A. CNPJ/MF 03.448.808/0001-24 - NIRE 35.300.173.872 Edital de Convocação da Assembleia Geral Extraordinária Convocamos os srs. acionistas, nos termos do disposto no art. 124 da Lei 6.404/76, a comparecer e participar na AGE que será realizada em 1ª convocação no dia 4/6/13, 10hs, Al. Mamoré, 989, 9º, cj. 902, Alphaville, Barueri/SP, p/ deliberar s/ as seguintes matérias: (i)eleição e nomeação de novo membro do Cons. de Administração; (ii)aumento do cap. social da Cia., no montante de R$ 15.094.004,61, com emissão de 201.549 novas ações ordinárias da Cia. a serem subscritas e integralizadas pelo Donec I-Fundo de Investimento em Participações; (iii)a consequente alteração do Art. 5º do Estatuto Social; e (iv)em decorrência do disposto acima e de acordo de acionistas a ser celebrado na data da Assembleia por determinados acionistas, a reforma e consolidação do Estatuto Social. Os documentos relativos às matérias constantes da ordem do dia se encontram à disposição dos acionistas na sede social. Barueri, 22/5/13. Epharma-PBM do Brasil S.A.. Francisco Deusmar de Queiros-Pres. Cons. de Admistração. (22, 23 e 24/05/2013)

Priority Serviços Contábeis Ltda. CNPJ/MF No. 06.335.937/0001-02 RETIFICAÇÃO - ATA DE REUNIÃO DOS SÓCIOS QUOTISTAS Na publicação da ata feita nesse jornal em edição de 20/04/2013 por um lapso o valor de restituição do capital foi publicado errado: Marina Celia de Oliveira Rodrigues dos Santos - R$ 39.300,00, David Dias de Sousa - R$ 19.300,00, sendo que o correto seria: “...Reduzir o capital social da sociedade de R$ 60.000,00 (sessenta mil reais) para R$ 1.200,00 (mil e duzentos reais), por ter se tornado excessivo em relação ao objeto da sociedade, e assim restituir aos sócios, em moeda corrente, neste ato, a restituição do capital de David Dias de Sousa é de R$ 19.400,00 (dezenove mil e quatrocentos reais) e da sócia Marina Celia de Oliveira Rodrigues dos Santos é de R$ 39.400,00 (trinta e nove mil e quatrocentos reais)...”

Publicidade Legal

Fone:

11

3180 3175

nossas vendas de máquinas e equipamentos. Nossa meta é aumentar os investimentos no Brasil", disse. "A SP Chamber of Commerce estabeleceu um acordo com o Sebrae, com o suporte do Conselho Brasileiro das Empresas Comerciais Exportadoras e Importadoras, o CECIex, para organizar viagem de uma delegação brasileira para a feira chinesa de Cantão em abril do próximo ano", disse Gonçalves. Segundo ele, o empresariado brasileiro reconhece a importância da parceria com a China, tanto que a entidade instalou um escritório comercial em Macau. Ticoulat afirmou que Foshan abriga mais de 7,5 mil indústrias nas áreas de fundição, tratamento térmico, usinagem e montagem, entre outras. "Negociar com este segmento pode proporcionar ao Brasil maior competitividade", disse.

Odebrecht Utilities S.A. CNPJ/MF n° 17.382.530/0001-44 - NIRE 3530044786-7 Ata de RCA realizada em 11 de abril de 2013 1. Data, Hora e Local da Assembleia: Aos 11/4/2013, às 10hs, na sede, Av. Rebouças, 3.970, 31°, parte, Pinheiros, CEP 05402-920, em SP/SP. 2. Convocação e Presença: Convocação dispensada, por estarem presentes todos os membros do Conselho de Administração. 3. Mesa: Fernando Luiz Ayres da Cunha Santos-Reis, Presidente; e Fernando Santos Mathiazi, Secretário. 4. Ordem do Dia: (i) manifestar-se sobre o Relatório da Administração e as Contas da Diretoria referentes ao exercício encerrado em 31/12/2012; e (ii) eleger o novo membro da Diretoria da Cia. em substituição ao membro renunciante. 5. Deliberações: Discutida a matéria em pauta, os membros do Conselho de Administração, por unanimidade de votos e sem quaisquer ressalvas: a. Aprovaram a lavratura da Ata desta Reunião do Conselho de Administração na forma de sumário; b. Analisaram e não apresentaram qualquer ressalva as Demonstrações Financeiras e ao Balanço Patrimonial Auditado da Cia. referentes ao exercício social findo em 31/12/2012; c. Na forma do art. 142 da Lei n° 6.404/76 e do Estatuto Social da Cia., analisaram e manifestaram-se favoravelmente a aprovação, pela próxima AGO da Cia., do Relatório da Administração e das Contas da Diretoria referentes ao exercício social findo em 31/12/2012, os quais ficarão arquivados na sede social da Cia. e serão oportunamente publicados em conformidade com a legislação aplicável; d. Tomaram conhecimento das renúncias do Sr. Rodrigo de Carvalho Pinto Bueno, OAB/SP n° 155.036 e CPF/MF n° 248.520.578-77, ao cargo de Diretor da Cia., e da Sra. Ticiana Vaz Sampaio Marianetti, RG n° 4.835.223-33 SSP/BA e CPF/MF n° 544.408.075-34, ao cargo de Diretora da Cia., e, na sequência, elegeram os Srs. Rafael Negrao Rossi, RG n° 138633939 SSP/SP e CPF/MF n° 158.439.098-08, Bruno Neiva Maracajá, RG n° 4.367.175-65 SSP/BA e CPF/MF n° 487.394.995-53, e Irineu Gonçalves de Aguiar, RG n° 6.063.441-8 SSP/ SP e CPF/MF n° 007.609.448-06, para os cargos de Diretores da Cia.. Os Diretores ora eleitos foram investidos em seus cargos mediante a lavratura e assinatura dos termos de posse no Livro de Registro de Atas de Reunião da Diretoria da Cia.. Atendendo ao disposto no art. 147 da Lei n° 6.404/76, os Diretores ora eleitos declararam, sob as penas de lei, não estarem impedidos de exercer a administração da Cia., por lei especial, ou em virtude de condenação criminal, ou por se encontrarem sob os efeitos dela, a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos, ou por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussão, peculato, ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra normas de defesa de concorrência, contra as relações de consumo, fé pública, ou a propriedade.Como consequência, a composição da Diretoria da Cia. até 06/11/2014 passa a ser a seguinte: (i) Rafael Negrão Rossi, RG n° 138633939 SSP/SP e CPF/MF n° 158.439.098-08; (ii) Bruno Neiva Maracajá, RG n° 4.367.175-65 SSP/BA e CPF/MF n° 487.394.995-53; e (iii) Irineu Goncalves de Aguiar, RG n° 6.063.441-8 SSP/SP e CPF/MF n° 007.609.448-06. 6. Quorum das Deliberações: Todas as deliberações foram tomadas por unanimidade, sem reservas ou restrições, abstendo-se de votar os legalmente impedidos. 7. Encerramento e Aprovacao da Ata: Nada mais. São Paulo, 11/4/2013. Presidente: Fernando Luiz Ayres da Cunha Santos-Reis; Secretário: Sr. Fernando Santos Mathiazi. Conselho de Administração: Fernando Luiz Ayres da Cunha Santos-Reis, Renate Amaury de Medeiros, e Ticiana Vaz Sampaio Marianetti. Jucesp nº 184.807/13-0 em 17/05/2013. Gisela S. Ceschin-Secretária Geral.

Marson - Holding Patrimonial Ltda. CNPJ nº13.540.173/0001-44 - NIRE nº 35.225.351.420 Ata de Reunião Extraordinária dos Sócios Cotistas realizada em 17/04/2013 Data e hora: 17/4/13, às 11hrs. Local: sede. Presença: Totalidade. Mesa: Pres.: Edson José Marson e Secr.: Rodrigo Henrique Marson. Convocação: Dispensadas. Ordem do dia: Alcançado o quorum legal para se efetivar esta reunião extraordinária, com o objetivo de discutir e deliberar sobre a ordem do dia prevista, a saber: 1) Analisar e aprovar a redução do capital social da sociedade de R$ 2.800.000,00 para R$ 1.847.987,13, por ser excessivo em relação ao objeto da sociedade. 2) Analisar e aprovar o aumento do capital social da sociedade de R$ 1.847.987,13 para R$ 1.873.000,00. 3) Estabelecer a reorganização das cotas sociais entre os sócios e como ficará a redação da Cláusula Quarta, no contrato social da sociedade. Deliberações: Os presentes, por unanimidade, aprovaram 1) A redução do capital social da sociedade de R$ 2.800.000,00 para R$ 1.847.987,13, por ser excessivo em relação ao objeto da sociedade, referentes aos valores dos imóveis conferidos na alteração social registrada sob nº130.428/12-7 em 22.03.2012, que foram declarados equivocadamente e serão descritos na alteração social, anexa a essa ata. 2) Analisar e aprovar o aumento do capital social da sociedade de R$ 1.847.987,13 para R$ 1.873.000,00, mediante a integralização de R$ 25.012,87, em moeda corrente nacional, neste ato, pelos sócios: 2.1) Edson José Marson, o valor de R$ 24.935,02. 2.2) Rafael Gustavo Marson, o valor R$ 25,94. 2.3) Rodrigo Henrique Marson, o valor R$ 25,95. 2.4) Renato Cesar Marson, o valor R$ 25,96. 3) Em função da redução e aumento do capital social, a Cláusula Quarta, passa a ter a seguinte redação: Quarta-O capital social é de R$ 1.873.000,00, dividido em 1.873.000 cotas sociais, no valor nominal de R$ 1,00 cada uma, sendo R$ 1.667.987,13, totalmente integralizado em bens imóveis, R$ 25.012,87, totalmente integralizado, em moeda corrente nacional e R$ 180.000,00, a ser integralizado, em moeda corrente nacional ou em bens móveis e imóveis, pelos sócios Edson José Marson, Rafael Gustavo Marson e Rodrigo Henrique Marson, no prazo de 180 dias a contar da assinatura deste instrumento, assim distribuído entre os sócios: Sócios/Cotistas-Nº De Cotas/Partic.%-Valor em R$: Edson José Marson-936.500 = 50,00%-R$ 936.500,00; Rafael Gustavo Marson-410.500 = 21,92%-R$ 410.500,00; Rodrigo Henrique Marson-410.500 = 21,92%-R$ 410.500,00; Renato Cesar Marson-115.500 = 6,16%-R$ 115.500,00; Total-1.873.000 = 100,00%-R$ 1.873.000,00. Lavratura e Leitura da Ata: Oferecida a palavra a quem dela quisesse fazer uso. Ninguém se manifestando, foi suspensa a reunião pelo tempo necessário à lavratura desta ata. Reaberta a sessão, foi a ata lida, achada conforme, aprovada e assinada por todos os presentes. (aa) Edson José Marson, Pres. e Rodrigo Henrique Marson, Secr.. A presente ata confere com a original lavrada em livro próprio. Pres.: Edson José Marson e Secr.:Rodrigo Henrique Marson.Sócios:Edson José Marson, Rafael Gustavo Marson, Rodrigo Henrique Marson, Renato Cesar Marson representado pelo procurador Rafael Gustavo Marson.

Avanço S.A. Indústria e Comércio de Máquinas CNPJ/MF 43.297.852/0001-03 Demonstrações Financeiras encerradas em 31/12/2012 – Retificação Na publicação das Demonstrações Financeiras encerradas em 31/12/2012, inserida neste jornal na edição de 27/04/2013 à pág. 32, nas Demonstrações do Resultado – Ano 2012, na linha: Depreciações e Amortizações: Onde se lê: (45.760), Leia-se: (44.750). Em decorrência, alteram-se para: (+/-) Despesas e receitas operacionais, (3.050.650); (=) Lucro Operacional, 3.267.635; (=) Lucro antes do IRPJ e da Contribuição Social, 3.731.902; e (=) Lucro líquido do exercício, 2.567.077.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 22 de maio de 2013

e

15

EFE

conomia

SP lidera, com folga, movimento dos aeroportos. Pesquisa do IBGE, com dados de 2010, mostra quem mais utiliza o avião. Danilo Verpa/Folhapress

Com o novo pedido, o total de encomendas firmes do 175 feitas em 2013, vai para 117.

Embraer faz nova venda para os EUA: 40 jatos 175.

A

Passageiros em Congonhas: a Capital é o campeã de embarques e desembarques.

U

tilizar o avião como meio de transporte no Brasil é uma escolha principalmente paulista. Embarcam ou desembarcam ao ano, na capital, 26,5 milhões de passageiros; no Rio de Janeiro, segundo maior ponto em importância, transitam quase 14,5 milhões, ou 54,1% daquele contingente. A ligação entre as duas cidades mais importantes do País, a Ponte Aérea, continua sendo a rota mais movimentada dos céus brasileiros. As informações constam de pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) sobre o tráfego aéreo do País, divulgada ontem. Nela, o inst i t u t o u t i l izou dados de 2010 da Agência Nacional de Aviação Civil ( A n a c ) e t omou como base 135 cidades. O IBGE não fez d i f e r e n c i ação entre origem e destino de passageiros. Apenas apontou cidades ligadas por rotas aéreas e calculou sua utilização. D a s 1 9 c idades onde trafegam mais de um milhão de passageiros/ano – 18 capitais mais Campinas (SP) – depois de São Paulo e Rio, os destaques são Brasília, Salvador e Belo Horizonte A matriz criada para a pesquisa identificou 877 pares de ligações entre municípios. Desse total, 24 rotas correspondem a 50% de toda a movimentação de passageiros e carga em 2010, o que sugere a concentração territorial. A ponte aérea Rio-São Paulo, a de maior movimento no País, foi utilizada por 5,7 milhões de pessoas em 2010. Esse total corresponde a quase o dobro dos 3 milhões que voaram o trecho São Paulo-Brasília, segundo mais movimentado. Preço das passagens A pesquisa do IBGE mostra, de outro lado, que as passagens aéreas que têm Belo Horizonte como origem são as mais baratas do País. A média de preço de todas as rotas que partem da capital mineira – R$ 186,23 – é mais baixa que São Paulo (R$ 209,24), Rio (R$ 209,32), Salvador (R$ 210,73) e Goiânia (R$ 236,27). O IBGE fez o cálculo com valores de maio de 2012, na base de dados do Global Distribution System (GDS), sistema in-

ternacional de busca de preços de passagens aéreas e tempo entre rotas. O instituto pesquisou as 135 cidades que têm voos diretos e listou 76 locais, dos mais caros aos mais baratos. A pesquisa não faz análise dos motivos que determinam o preço das passagens, mas questões como as ofertas de companhias aéreas e voos regulares, demanda de passageiros e posição geográfica influenciam o preço final. "Vemos que cidades nas áreas mais extremas do País, no norte e no sul, são mais caras que as do centro sul, onde há mais oferta de voos e mais

companhias aéreas operando", afirmou o coordenador da pesquisa, Marcelo Motta. A cidade mais cara é Tabatinga, no Amazonas, com preço médio de R$ 1.368,26. Joaçaba, em Santa Catarina, é a segunda mais cara, com passagens que chegam a custar na média R$ 1.266,04. O mesmo cálculo se aplica ao tempo médio das viagens. Quanto mais opções de voos diretos e quanto mais perto do centro financeiro do País, a região sudeste, menos tempo as viagens duram. Por estar localizada na região mais central e também por ser sede do poder político, Brasília é a cidade que possui o menor tempo médio de viagem: em média, se leva 1h58 de lá para qualquer destino no território. Em seguida, vem São Paulo(2h03), Rio (2h10), Belo Horizonte (2h12) e Salvador (2h36). Tabatinga (AM) é a cidade em que se leva mais tempo para chegar de avião, em m é d i a 1 8 h 2 7 . ( Folhapress)

Embraer acertou a venda de 40 jatos regionais modelo 175, avaliados em cerca de US$ 1,7 bilhão à norte-americana SkyWest, com opções de compras adicionais de outros 60 aviões do mesmo modelo. Se cumprido, o acordo significará uma operação de pouco mais de US$ 4,1 bilhões, já que cada 175 custa US$ 41,7 milhões. A transação foi considerada pela fabricante brasileira como "uma das mais importantes encomendas da história das duas empresas". O exercício da opção depende a Skywest assinar novos acordos com empresas dos Estados Unidos para as quais presta serviços. A Embraer afirmou que a venda é adicional ao recente contrato assinado por ela com a United Airlines, que envolveu 30 pedidos firmes e 40 opções para o 175. Mas o acordo inclui ainda uma outra opção para mais 100 jatos 175, o que pode elevar o pedido total para até 200 aviões e o valor para

até 8,3 bilhões de dólares, afirmou a companhia norteamericana, maior grupo aéreo regional do mundo. Segundo a Embraer, a entrega do primeiro jato à SkyWest, com capacidade para 76 lugares, está prevista para o segundo trimestre de 2014. A empresa vai operar os aviões sob um acordo de compra de capacidade com a United Airlines. O novo pedido eleva o total de encomendas firmes do modelo 175 feitas em 2013 para 117 unidades. E também assegura a liderança da Embraer sobre a rival canadense Bombardier, na corrida por encomendas de grandes empresa aéreas dos EUA. Em janeiro, a fabricante anunciara a venda de 47 unidades do jato para a Republic Airways. No fim de abril, veio o anúncio de um contrato firme com a United Airlines para a venda de 30 jatos 175, em um negócio avaliado em mais de US$ 1 bilhão.

Mais cedo nesta terça-feira, a fabricante brasileira também anunciou a venda de um jato executivo de grande porte Lienage 1000 para um cliente da Bélgica, com entrega está prevista para o segundo semestre. No México – Também ontem, a Aeroméxico anunciou a incorporação de três jatos 175 em sua frota, no processo de substituição de seus jatos 145, também fabricados pela Embraer. Os três aviões, porém, não foram comprados diretamente, segundo informou a fabricante brasileira, mas adquiridos por meio de empresas de leasing. Com isso, não entram na carteira de pedidos da Embraer no segundo trimestre. Segundo a empresa mexicana, dois dos três aviões iniciarão as operações em junho, em rotas da Cidade do México para Acapulco, Veracruz, Oaxaca, Guadalajara, Tampico, Zihuatanejo, San Luis Potosi, entre outras. (Reuters)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

16 -.ECONOMIA/LEGAIS

e

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Unidade de entretenimento da Microsoft fará U$ 10 bilhões em vendas neste ano.

conomia

Novo videogame da Microsoft sai para o jogo Nick Adams/Reuters

O Xbox One, de terceira geração, chega ao mercado oito anos após seu predecessor Xbox 360.

A

D

on Mattrick, da Microsoft, anunciou ontem os primeiros detalhes do novo console do Xbox One, de terceira geração, que chega oito anos após seu predecessor Xbox 360. O aparelho será lançado no mundo todo ainda em 2013, disse a empresa, sem fornecer datas específicas. Competirá com o Wii U, da Nintendo, e com o próximo console da Sony PlayStation 4, no atraente mercado de jogos, que movimenta U$ 65 bilhões por ano. Entre as funções do aparelho está a interação com aparelho de televisão, resposta a comandos por voz e gestos, e inclui chamadas por Skype, 15 jogos exclusivos e programação com conteúdo original. Steven Spielberg criará

Por imposto alto, a Fiat quer mudar de país.

O aparelho competirá com o Wii U, da Nintendo, e com o Sony PlayStation 4, num mercado de U$ 65 bilhões. uma série de televisão baseada no jogo de ficção campeão de vendas "Halo" para o Xbox One. Além disso, o dispositivo permitirá aos usuários armazenar conteúdos de entretenimento, incluindo filmes, jogos e músicas, em servidores em nuvem, disse a empresa. Apesar de sua forte marca

e o fator 'descolado', o Xbox em si não é uma aposta fundamental para a maior fabricante de softwares do mundo. Além de representar metade das vendas do Windows, é muito menos rentável, com margem inferior a 15% em comparação com os 60% ou mais para o Windows ou o Office. A unidade de entreteni-

PUBLICIDADE LEGAL 3180 3175

mento da companhia atingirá U$ 10 bilhões em vendas pela primeira vez este ano. A empresa tem mais de 46 milhões de membros que assinam seus jogos online e o serviço de entretenimento digital Xbox Live, mas ainda é uma fração das pessoas que pagam pelo software. ( Re uters)

divisão de caminhões e tratores da Fiat Industrial quer mudar seu domicílio fiscal da Itália para o Reino Unido, após a fusão com a CNH, com o objetivo de reduzir pagamento de impostos. A companhia pagou 536 milhões de euros (US$ 689 milhões) em impostos no ano passado, com taxa efetiva de 36%, de acordo com as suas contas financeiras, além e outros 28 milhões de euros para um imposto regional, sobre um lucro líquido de 921 milhões de euros. O Reino Unido tem reduzido acentuadamente a sua taxa de imposto corporativo nos últimos anos, passando de 30%, em 2007, para 20% por cento em 2015. Além disso, relaxou suas regras fiscais para "empresas

estrangeiras controladas" desde o início de 2012. Segundo as novas regras, as companhias só são tributadas sobre os lucros gerados na Grã-Bretanha, e não sobre os lucros gerados no exterior. Ao mesmo tempo, o governo britânico tem criticado empresas globais que fazem bilhões de libras de vendas no país, mas pagam poucos impostos porque se baseiam em outro lugar. A Fiat industrial planeja uma fusão com a CNH e, em seguida, uni-las em um novo grupo chamado provisoriamente de FI CBM Holdings NV, que será listada na bolsa de Nova York. O grupo apresentou um prospecto preliminar em 14 de maio, e espera que a fusão e a listagem sejam concluídas no terceiro trimestre. (Reuters)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 22 de maio de 2013

PREFEITURA MUNICIPAL DE PEREIRA BARRETO/SP Processo nº 2775/2013 - Pregão nº 014/2013 RESUMO DE EDITAL ARNALDO SHIGUEYUKI ENOMOTO, Prefeito de Pereira Barreto-SP, faz saber que se acha aberto até as 14h00min do dia 07 de Junho de 2013, o Pregão nº 014/2013, do tipo menor preço, que tem por objeto a aquisição de tratores agrícolas, de acordo com o Contrato de Repasse nº 757098 / 2011 / MAPA / CAIXA, celebrado com a União Federal, por intermédio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA, representada pela Caixa Econômica Federal, e o município de Pereira Barreto-SP, conforme características constantes no Anexo I do Edital. Maiores informações no Dep. de Licitações pelo fone/fax (18) 3704-8505, pelo email licitacao@pereirabarreto.sp.gov.br, ou ainda o Edital completo no website www.pereirabarreto.sp.gov.br. Pereira Barreto-SP, 21 de maio de 2013. Arnaldo Shigueyuki Enomoto - Prefeito

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: Pregão Eletrônico de Registro de Preços nº 36/00342/13/05 OBJETO: AQUISIÇÃO DE KIT DE EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO DE BIOLOGIA. A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para: Aquisição de Kit de Equipamentos de Laboratório de Biologia. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital a partir de 22/05/2013, no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br ou na sede da FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 São Paulo/SP, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, ou verificar o edital na íntegra, através da Internet no endereço: http://www.fde.sp.gov.br. A sessão pública de processamento do Pregão Eletrônico será realizada no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br, no dia 06/06/2013, às 09:30 horas, e será conduzida pelo pregoeiro com o auxílio da equipe de apoio, designados nos autos do processo em epígrafe e indicados no sistema pela autoridade competente. Todas as propostas deverão obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital e seus anexos e serão encaminhadas, por meio eletrônico, após o registro dos interessados em participar do certame e o credenciamento de seus representantes previamente cadastrados. A data do início do prazo para envio da proposta eletrônica será de 22/05/2013, até o momento anterior ao início da sessão pública. BARJAS NEGRI Presidente

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: Pregão Eletrônico de Registro de Preços nº 36/00346/13/05 OBJETO: AQUISIÇÃO DE REFRIGERADOR 02 E 04 PORTAS. A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para: Aquisição de Refrigerador 02 e 04 Portas. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital a partir de 22/05/2013, no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br ou na sede da FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 São Paulo/SP, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, ou verificar o edital na íntegra, através da Internet no endereço: http://www.fde.sp.gov.br. A sessão pública de processamento do Pregão Eletrônico será realizada no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br, no dia 06/06/2013, às 10:00 horas, e será conduzida pelo pregoeiro com o auxílio da equipe de apoio, designados nos autos do processo em epígrafe e indicados no sistema pela autoridade competente. Todas as propostas deverão obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital e seus anexos e serão encaminhadas, por meio eletrônico, após o registro dos interessados em participar do certame e o credenciamento de seus representantes previamente cadastrados. A data do início do prazo para envio da proposta eletrônica será de 22/05/2013, até o momento anterior ao início da sessão pública. BARJAS NEGRI Presidente

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: Pregão Eletrônico de Registro de Preços nº 36/00271/13/05 OBJETO: AQUISIÇÃO DE ESTUFA DE ESTERILIZAÇÃO E SECAGEM. A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para: Aquisição de Estufa de Esterilização e Secagem. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital a partir de 22/05/2013, no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br ou na sede da FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 São Paulo/SP, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, ou verificar o edital na íntegra, através da Internet no endereço: http://www.fde.sp.gov.br. A sessão pública de processamento do Pregão Eletrônico será realizada no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br, no dia 06/06/2013, às 11:00 horas, e será conduzida pelo pregoeiro com o auxílio da equipe de apoio, designados nos autos do processo em epígrafe e indicados no sistema pela autoridade competente. Todas as propostas deverão obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital e seus anexos e serão encaminhadas, por meio eletrônico, após o registro dos interessados em participar do certame e o credenciamento de seus representantes previamente cadastrados. A data do início do prazo para envio da proposta eletrônica será de 22/05/2013, até o momento anterior ao início da sessão pública. BARJAS NEGRI Presidente

Unna Participações S.A. CNPJ/MF nº 00.825.823/0001-56 - NIRE 35.300.383.044 Ficam os Senhores acionistas da Unna Participações S.A. convocados para se reunir em Assembleia Geral Ordinária da Companhia, que será realizada na sua sede social, localizada na Avenida dos Estados, nº 6.144, CEP 09290-520, na Cidade de Santo André, Estado de São Paulo, às 10:00 horas do dia 28 de maio de 2013 para deliberar sobre a seguinte ordem do dia: (i) apreciação das contas dos administradores, exame, discussão e votação das demonstrações financeiras referentes ao exercício social findo em 31 de dezembro de 2012; (ii) deliberação sobre a destinação do lucro líquido anual e a distribuição de dividendos; (iii) eleição do Conselho de Administração da Companhia; e (iv) fixação do limite de valor da remuneração global dos administradores da Companhia. Nos termos do artigo 126 da Lei 6.404/76, os acionistas deverão exibir documento de identidade/documentos societários para participar de referida Assembleia Geral, na qual poderão ser representados por mandatários, observadas as restrições legais, devendo, neste caso, ser apresentado também o instrumento de mandato. Por fim, ficam os Senhores acionistas cientes de que as demonstrações financeiras em forma resumida referentes ao exercício social findo em 31.12.2012 foram publicadas em 19.04.2013 no Diário Oficial Empresarial do Estado de São Paulo - DOESP (página 113) e no Diário do Comércio (página 35), e sua versão completa encontra-se à disposição dos acionistas na sede da Companhia. Santo André, 17 de maio de 2013. Unna Participações S.A. - Alberto Costa Sousa Camões - Presidente do Conselho de Administração.

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

ECONOMIA/LEGAIS - 17 Lab One Systems S.A. CNPJ/MF nº 03.212.463/0001-05

Balanços Patrimoniais Levantados em 31 de Dezembro de 2012 e de 2011 - (Valores expressos em milhares de reais) Ativo Nota explicativa 2012 2011 Passivo Nota explicativa 2012 2011 Circulante 1.727 4.347 Circulante 341 1.044 Caixa e equivlentes de caixa 4 995 1.600 Obrigações Trabalhistas 4 8 Clientes 5 496 1.516 Obrigações Sociais 4 26 Adiantamento a Fornecedores 10 15 Obrigações Fiscais 11 58 110 Adiantamento a Funcionarios - Provisão p/IRPJ 12 250 Impostos a Recuperar 6 119 19 Provisão p/CSLL 13 90 Partes Relacionadas 7 107 1.197 Outras Obrigações a Pagar 14 249 531 Não circulante 1.397 1.207 26 29 Realizável a longo prazo: 40 40 Provisões 16 6.003 6.003 Caução de Aluguel 40 40 Capital social 16 580 79 Investimentos 8 1.134 922 Reserva de lucros 16 (3.800) (1.572) Imobilizado 9 218 236 Prejuízo Acumulado 2.783 4.510 Intangivel 10 5 9 Total do patrimônio líquido 3.124 5.554 Total do ativo 3.124 5.554 Total do passivo e patrimônio líquido Notas Explicativas às Demonstrações Financeira (Valores expressos em milhares de reais - R$, exceto quantidade e valor das ações) 1. Contexto Operacional - A Lab One Systems S/A (“Sociedade”), com CSLL - Retido a Recuperar 16 sede à Rua do Rocio nº 220, Vila Olímpia, na cidade de São Paulo, foi IRPJ - Pagto a Maior 3 3 constituída em 11 de junho de 1999, tendo como objeto social a prestação CSLL Saldo negativo 13 13 de serviços de desenvolvimento, instalação e manutenção de software, de IRPJ Saldo negativo 3 3 produção de multimídia e vídeo, de publicidade e propaganda, de acesso e Total 119 19 manutenção de página na internet e de locação de máquinas, equipamen- 7. Transações com Partes Relacionadas 31/12/2012 31/12/2011 tos e outros bens móveis. 2. Apresentação das Demonstrações Finan- Bravanave Investimentos e Partic. S/A. 107 1.197 ceiras - 2.1. Declaração de conformidade - As demonstrações financeiras 107 1.197 foram elaboradas e estão apresentadas em conformidade com as práticas Nos exercícios findos em 31 de dezembro de 2012, além das operações contábeis adotadas no Brasil, as quais abrangem a legislação societária mencionadas, a Sociedade possui créditos com a empresa Bravanave Inbrasileira e os pronunciamentos técnicos e as orientações e interpretações vestimentos e Partic. S/A referente a pagamentos de despesas efetuadas técnicas emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC, que em períodos anteriores e inclusive no período de 2012. 8. Investimentos já foram aprovados pelo Conselho Federal de Contabilidade - CFC. 2.2. 31/12/2012 31/12/2011 Base de elaboração - As demonstrações financeiras foram preparadas Lab One Systems América LLC 1.834 1.395 com base no custo histórico, exceto se indicado de outra forma. O custo (-) Equiv. Patrimonial - Lab One LLC 700 473 histórico geralmente é baseado no valor justo das contraprestações pagas Total 1.134 922 em troca de ativos. 3. Principais Práticas Contábeis - 3.1. Moeda funcio- Nos exercícios findos em 31 de dezembro de 2012 e de 2011, a sociedade nal e de apresentação - As demonstrações financeiras da Sociedade são manteve em seus investimentos na proporção de 51,33% e 41,81% respecapresentadas em reais (R$), que é a moeda funcional e de apresentação. tivamente, ações da empresa Lab One Systems America LLC que atua no 3.2. Uso de estimativas - A preparação das demonstrações financeiras reramo de atividade de Eletronic Média Equipament, situado em 12885 Resequer a adoção de estimativas por parte da Administração da Sociedade que arch BLVD Suíte 208 Austin 7X78750 - EUA. 9. Imobilizado - É composto por: impactam certos ativos, passivos, receitas e despesas. Uma vez que o jul31/12/2012 31/12/2011 gamento da Administração envolve estimativas referentes à probabilidade Taxa anual Custo Deprec. de ocorrência de eventos futuros, quando de sua efetiva realização em perídeprec.% Aquis. acum. Líquido Líquido odos subsequentes, os montantes reais podem divergir dessas estimativas. 10 9 9 As principais estimativas utilizadas pela Administração da Sociedade na Instalações Obras de Arte 6 6 preparação das demonstrações financeiras referem-se À determinação de 20 39 (49) 82 92 provisões para manutenção, determinação de provisões para investimentos Computadores e perif. 10 14 (4) 31 21 futuros oriundos de contratos de prestação de serviços e provisões para Aparelhos e acessórios 10 3 (15) 74 86 riscos fiscais, as quais, apesar de refletirem a melhor estimativa possível Móveis e utensílios Benf. em imóveis de terc. (6) 16 22 por parte da Administração da Sociedade, podem apresentar variações em 56 (74) 218 236 relação aos dados e valores reais. 3.3. Instrumentos financeiros - Caixa Total do Custo 31/12/2012 31/12/2011 e equivalentes de caixa - São representados por fundo fixo de caixa, re- 10. Intangível Taxa anual Custo de Amort. cursos em contas bancárias de livre movimentação e aplicações financeiras de amortiz. -% aquis. acum. Líquido Líquido cujos saldos não diferem significativamente dos valores de mercado, com vencimento até 90 dias da data da aplicação, ou considerado de liquidez Intangível 20 (5) 5 10 imediata ou conversíveis em um montante conhecido de caixa e que estão Software (5) 5 10 sujeitos a um insignificante risco de mudança de valor, os quais são regis- Total 31/12/2012 31/12/2011 trados pelos valores de custo acrescidos dos rendimentos auferidos até as 11. Impostos a Recolher datas dos balanços, que não excedem o seu valor de mercado ou de reali- ISS - Imposto sobre Serviços 24 70 zação. Contas a receber - Refere-se substancialmente aos valores a rece- IRRF - Imposto de Renda Retido na Fonte 25 18 ber por meio de depósitos em conta corrente, decorrentes da prestação de PIS - Programa de Integração Social 4 serviço de desenvolvimento, instalação e manutenção de software, produ- COFINS - Contrib. Soc.p/o Finan. da Seg. Soc. 17 ção de multimídia e vídeo, de acesso e manutenção de página na internet, Retenções a Recolher - Lei 10.833/03 3 1 são registrados com base nos valores nominais, os quais não são ajustados Contribuição Previdenciaria s/ Faturamento 6 a valor presente por apresentarem vencimentos a curto prazo e não resultar Total a recolher 58 110 em efeito relevante nas demonstrações financeiras. 3.4. Imobilizado - Re- 12. provisão p/irpj 31/12/2012 31/12/2011 gistrados ao custo de aquisição, com as respectivas depreciações registra- IRPJ - Imposto de Renda-Pessoa Jurídica 250 das pelo método linear, de acordo com a vida útil estimada dos bens. Um Total a recolher 250 item do imobilizado é baixado após alienação ou quando não há benefícios 13. provisão p/csll 31/12/2012 31/12/2011 econômicos futuros resultantes do uso contínuo do ativo. Quaisquer ganhos CSLL - Contrib. Social sobre o Lucro Líquido 90 ou perdas na venda ou baixa de um item do imobilizado são determinados Total a recolher pela diferença entre os valores recebidos na venda e o valor contábil do 14. Outras Contas a Pagar 31/12/2012 31/12/2011 ativo e são reconhecidos no resultado. A Sociedade optou pela manutenção Tecnodata Administração e Projetos-Coop 139 dos custos históricos dos bens do ativo imobilizado, em vez de utilizar o VM Treinamento em Informática “custo atribuído” (“deemed cost”), conforme opção prevista nos parágrafos Gianfranco Cesare Maria Rossi - ME 8 20 a 29 da interpretação técnica ICPC10 - Interpretação sobre a Aplicação Rodrigo V.Âmbar Informática-ME 7 Inicial ao Ativo Imobilizado e à Propriedade para Investimento dos PronunF & BS Serviços de Eng.e Informática Ltda -ME 14 ciamentos Técnicos CPCs27, 28, 37 e 43, para registro do saldo inicial do Thiago Tomio Takano Serviços Informatizados - ME 8 ativo imobilizado na adoção inicial do pronunciamento técnico CPC27 e da Capslock Desenv.e Análise de Sist.de Informática Lt. 9 interpretação técnica ICPC 10. O procedimento de revisão de vidas úteis 7 é efetuado anualmente. 3.5. Intangível - Em conformidade com o ICPC, Luiz Augusto Vieira ribeiro - ME Rafael Fuzari Serviços de Tecnologia ME 17 26 os ativos intangíveis com vida útil definida, são registrados ao custo de 17 13 aquisição com as respectivas amortizações, e das perdas acumuladas por WB Oliveira Soluções em Internet Ltda 10 10 redução ao valor recuperável registradas. Impostos correntes - A provisão Hagi Treinamentos em Software Ltda 39 para imposto de renda e contribuição social baseia-se no lucro tributável do Dedalus Prime Sistemas E Serviços De Inf 12 exercício. O lucro tributável difere do lucro apresentado nas demonstrações Eduardo F R Cobuci Me Sul America Seguro Saude S A 12 do resultado, porque exclui receitas ou despesas tributárias ou dedutíveis 15 em outros exercícios, além de excluir itens não tributáveis ou não dedutíveis Uberbot Tecnologia Em Informatica Ltda Outros 82 244 de forma permanente. 3.6. Provisões para riscos - Reconhecidas quando 19 22 a Sociedade tem uma obrigação presente, legal ou não formalizada, como Pró-Labore a pagar 20 19 resultado de eventos passados, em que é provável que uma saída de re- Aluguel a pagar 6 5 cursos seja necessária para liquidar a obrigação e uma estimativa confiável Assistência Contábil a pagar 249 531 do valor possa ser feita. 3.7. Receita - A receita é mensurada ao valor justo Total da contraprestação recebida ou a receber, deduzidas de quaisquer estima- 15. Provisão Para Riscos - A Sociedade, no curso normal de suas opetivas de deduções. A receita é reconhecida no período de competência. 3.8. rações, não possui processos que requeressem a constituição de provisão (Prejuízo) lucro por ação - A Sociedade apura o (Prejuízo) lucro por ação para riscos contingenciais na data de encerramento das demonstrações do exercício, ponderando as quantidades de ações em circulação durante financeiras. 16. Patrimônio Líquido - a) Capital Social - Em 31 de dezemo exercício. Para os exercícios apresentados, a Sociedade não possui ne- bro de 2012 e de 2011, o capital social subscrito é de R$ 6.003 ,corresnhum instrumento potencial equivalente a ações ordinárias que pudesse ter pondente a 600.000 de ações ordinárias, nominativas sem valor nominal, efeito dilutivo, desta forma, o (Prejuízo) lucro básico por ação é equivalente conforme demonstrado a seguir: ao (Prejuízo) lucro por ação diluído. Qtidade Qtidade 4. Caixa e Equivalentes de Caixa 31/12/2012 31/12/2011 de ações de ações Numerários disponíveis em caixa 1 subscritas Partic. -% interaliz. Bancos-conta corrente 663 659 Bravanave Invest. Partic. S.A 444.000 74,00 444.000 Aplicações financeiras-CDB* 331 941 Reynaldo Penharrubia Fagundes 132.000 22,00 132.000 995 1.600 Adriano Falce Vianna 24.000 4,00 24.000 (*) Representa Certificado de Depósito Bancário - CDB DI, ajustado a uma 600.000 100,00 600.000 taxa de 83,00% a 99,50% do Certificado de Depósito Bancário - CDB DI e t b) Reserva de Lucros 2012 2011 Mais , podendo ser resgatado a qualquer tempo sem prejuízo do rendimen- Reserva de lucros 580 79 to auferido. 5. Contas a Receber 31/12/2012 31/12/2011 c) Prejuízo Acumulado Log On Editora Multimídia Ltda 119 68 Prejuízo Acumulado (3.800) (1.572) VRG Linhas Aéreas S/A 147 293 17. Receita Líquida de Serviços 31/12/2012 31/12/2011 Terra Networks Brasil S/A 1.055 Receita operacional bruta: Galderma Brasil Ltda 9 - Receita de serviços prestados3.907 8.744 Bricon Consultoria e Tecnologia da Informação 47 47 Receita de serviços prestados - exterior 4.431 3.394 Telefônica Empresas S/A 13 19 DeduçõesInstituto BM&F Bovespa S/A 21 Impostos incidentes sobre serviços (331) (578) Telefônica Sistema de Televisão S.A 79 Receita operacional líquida 8.007 11.560 Siemens Ltda 54 18. Despesas e Custos por Natureza Mix Tv - Desenvol. Projeto Sagax 8 31/12/2012 31/12/2011 Iurd-Tv - Portal Media Stream 20 Custos dos serviços prestados: Outros 13 Custo dos serviços vendidos (6.194) (5.328) Total 496 1.516 (1.432) (1.839) 6. Impostos a Recuperar 31/12/2012 31/12/2011 Despesas administrativas (128) IRRF S/ Aplicação Financeira 10 - Despesas comerciais Despesas tributárias (17) (35) IRRF S/ Faturamento 22 14 75 CSLL - Estimativa 8 - Outras receitas/despesas operacionais CSLL do Período (25) (277) IRPJ - Estimativa 9 (46) (747) Pis Retido a Recuperar 6 - IRPJ do Período (7.700) (8.279) Cofins Retido a Recuperar 29 - Total das Despesas

Demonstrações dos Resultados e Resultados Abrangentes Nota Explicativa 2012 2011 Receita Bruta de Serviços Serviços Prestados 17 3.907 8.744 Serviços Exterior 4.431 3.394 Deduções da Receita Bruta Impostos incidentes sobre Serviços 17 (331) (578) Receita Operacional Líquida 17 8.007 11.560 18 (6.194) (5.328) Custo Dos Serviços Lucro Bruto 1.813 6.232 Receitas (Despesas) Operacionais Despesas Administrativas 18 (1.432) (1.839) Despesas Comerciais 18 (128) Despesas Tributarias 18 (17) (35) Outras receitas (despesas), líquidas 18 14 75 Lucro (Prej.) Operac. Antes do Res. Financ. 378 4.305 Resultado Financeiro Despesas financeiras 19 (41) (97) Receitas financeiras 19 58 197 Lucro (Prejuízo) Operacional 395 4.405 Lucro (Prej.) Antes do IR e da Contrib. Social 395 4.405 Imposto de Renda e Contribuição Social 18 (71) (1.024) Luc. Líq. (Prej.) do Ex.. Antes da Part. Minorit. 324 3.381 Demonstrações do Fluxo de Caixa Fluxo de caixa das atividades operacionais 2012 2011 Lucro do Exercício 324 3.381 Ajustes p/conc. o lucro líq.c/o caixa ger. p/ativ. operac.: Depreciações e amortizações 79 60 Equivalência patrimonial (14) (23) Distribuição de lucros (2.029) (851) Provisões de Férias e Encargos Sociais (3) 2 Redução (aumento) dos ativos operacionais: Clientes 1.020 (1.059) Despesas antecipadas 1 Impostos a recuperar (100) 141 Adiantamentos a fornecedores 5 (5) Adiantamentos a funcionários Contas a receber - sociedades ligadas 1.090 (625) Aumento (redução) dos passivos operacionais: Obrigações Trabalhistas (5) 4 Obrigações Sociais (59) (18) Obrigações Fiscais (413) 384 Adiantamento de clientes 7 Outras Contas a Receber (163) 124 Caixa líquido gerado pelas atividades operacionais (261) 1.516 Fluxo de caixa das atividades de investimento Aquisição de Imobilizado (56) (119) Adições ao Intangível (2) Aporte de Capital (288) (155) Acréscimos variação cambial nos investimentos (149) Caixa líquido utilizado nas atividades de investimento (344) (425) Fluxo de caixa das atividades de financiamento Aumento (dim.) do saldo de disponib. (*), líquido (605) 1.091 Disponibilidades no início do período 1.600 509 Disponibilidades no fim do período 995 1.600 (605) 1.091 Demonstrações das Mutações do Patrimônio Líquido Nota Capital Res. de Res. de Prej. Luc./Pj. explic. Social Capital Lucros Acum. Período Total Saldos 31/12/2009 16 6.003 79 - (4.703) 603 1.982 Transf. p/Acumulado 616 (603) 13 Aj. de ex. anteriores 414 414 Prejuízo do Periodo (94) (94) Distrib. de Lucro (335) - (335) Saldos 31/12/2010 16 6.003 79 - (4.102) - 1.980 Transf. p/Acumulado Aj. de ex. anteriores Lucro do Período - 3.381 - 3.381 Distrib. de Lucro (851) - (851) Saldos 31/21/2011 16 6.003 79 - (1.572) - 4.510 Transf. p/Res. de Luc. - 2.046 (2.944) - (898) Aj. acum. de conv. 325 325 Aj. de ex. anteriores 67 67 Lucro do Período 324 324 Distrib. de Lucro - (1.545) - (1.545) Saldos 31/2/2012 16 6.003 79 501 (3.800) - 2.783 19. Resultado Financeiro 31/12/2012 31/12/2011 Receitas financeiras: Variação cambial ativa 2 149 Descontos obtidos 10 13 Variação monetária ativa 9 Rendimento de aplicações 46 26 Total das Receitas 58 197 Despesas financeiras: Despesas bancárias (4) (1) Juros passivos (36) (30) Variação Cambial passiva (63) I.O.F. 1 (3) Despesas cambiais Total das despesas (41) (97) 20. Instrumentos Financeiros - De acordo com a sua natureza, os instrumentos financeiros podem envolver riscos conhecidos ou não, sendo importante, no melhor julgamento, o potencial desses riscos. Assim, podem existir riscos com garantias ou sem, dependendo de aspectos circunstanciais ou legais. Os principais fatores de risco de mercado que podem afetar o negócio da Sociedade são os seguintes: a) Valor justo dos instrumentos financeiros - Em decorrência dos principais instrumentos financeiros estarem indexados a taxas de juros em mercados pós fixados, a Administração da Sociedade entende que os valores se aproximam dos valores justos nas datas de encerramento das demonstrações financeiras. b) Categorias de instrumentos financeiros 31/12/2012 31/12/2011 Ativos financeiros - Empréstimos e recebíveis: Caixa e equivalentes de caixa 995 1.600 Contas a receber 496 1.516 Passivos financeiros - Outros passivos financeiros: Contas a pagar 243 531 c) Exposição a risco de taxa de juros - As aplicações financeiras da Sociedade são basicamente mantidas em operações vinculadas à remuneração do CDB. O risco inerente a esses ativos surge em razão da possibilidade de existirem flutuações nessas taxas. A Sociedade não tem pactuado contratos de derivativos para fazer “hedge” contra esse tipo de risco em 31 de dezembro de 2012 e de 2011. Contudo, há um monitoramento contínuo das taxas de mercado com o propósito de se proteger contra o risco de volatilidade. Os valores de mercado dessas operações não diferem substancialmente daqueles registrados nas demonstrações financeiras de 31 de dezembro de 2012 e de 2011. e) Concentração de risco de crédito - A Sociedade mantém contas correntes bancárias e aplicações financeiras com instituições de primeira linha aprovadas pela Administração de acordo com critérios objetivos para diversificação de riscos de créditos. 21. Aprovação das Demonstrações Financeiras - As demonstrações financeiras foram aprovadas pela Administração e autorizadas para emissão em de abril de 2012. Diretor Adriano Falce Vianna Contador Rodney Monteiro Meles CRC 1SP 132.178/O-5

FDE AVISA: ERRATA Credenciamento nº 15/00254/13/07, cujo objeto é Credenciamento de instituições públicas ou privadas de ensino que oferecem formação técnica de nível médio, para integrar a rede pública de Ensino Médio Técnico do Estado de São Paulo. NO ITEM: 8 - PRAZO DE VALIDADE DO CREDENCIAMENTO Item 8.1.: Onde se lê: 24 (vinte e quatro) meses. Leia-se: 18 (dezoito) meses NO ANEXO IV - TERMO DE CREDENCIAMENTO: CLÁUSULA SEGUNDA - DO PRAZO DE VIGÊNCIA Item 2.1.: Onde se lê: 24 (vinte e quatro) meses. Leia-se: 18 (dezoito) meses

COOPERATIVA VIRALATA – COOPERATIVA DE TRABALHO DA COLETA SELETIVA, TRIAGEM, PRÉ-BENEFICIAMENTO, BENEFICIAMENTO E PRODUÇÃO DE TELHA ECOLÓGICA E COMERCIALIZAÇÃO DE MATERIAIS RECICLÁVEIS. EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA De acordo com o Estatuto Social da Cooper Vira Lata, Capítulo 5 – Dos Orgãos Sociais, Sessão II da Assembléia Geral Ordinário, Artigo 30, I – a, b, c, e V, a Presidente SUNAMITA BIANCA DE SOUZA MUNIZ, no uso de suas atribuições que lhe confere o art. 38 da Lei 5.764/71, convoca os sócios, que nesta data somam 50 (cinquenta), para reunirem-se em Assembleia Geral Extraordinária a serem realizadas no dia 03 de junho de 2013, na Rua Nella Murari Rosa, 40, Raposo Tavares, cidade de São Paulo, estado de São Paulo, às 8 horas em primeira convocação, necessitando a presença de 2/3 de seus associados, às 9 horas em segunda convocação com a presença de metade mais um de seus associados, e às 10 horas em terceira e última convocação com a presença de no mínimo 10 (dez) associados, para deliberarem sobre as seguintes ordens do dia: EXTRAORDINÁRIA: 1) Mudança de endereço da sede da cooperativa. SUNAMITA BIANCA DE SOUZA MUNIZ - Presidente Cooper Vira Lata.

Garagem g Bragança g ç S/A

CNPJ nº 61.431.243/0001-79 – NIRE nº 35300051327 Convocação Ficam convocados os Srs. Acionistas a se reunirem em AGO a realizar-se no dia 28/06/2013, às 15:00 hs, à Rua da Glória nº. 200, São Paulo/SP, a fim de deliberarem sobre: a) aprovação das constas relativas ao exercício encerrado em 2.012; b) eleição da diretoria e c) outros assuntos. São Paulo, 20 de Maio de 2.013. Flavio Luis da Silva Alonso - Diretor Superintendente General Mills Brasil Ltda, inscrita no CNPJ/MF sob o nº. 01.269.194/0027-27, com Inscrição Estadual nº. 117.039.271.119, com endereço na Rua Oscar Freire, 900 – Sala 01, Cerqueira Cesar, São Paulo/SP, comunica o extravio das Notas Fiscais de Venda a Consumidor – Modelo 2, série D, sub-série 1, AIDF nº 113112660605 com as seguintes numerações: 001 a 200. EXOTICARE COMÉRCIO E SERVIÇOS VETERINÁRIOS LTDA. – ME, inscrita no CNPJ (MF) 12.397.801/0001-11 e inscrição estadual 147.404.340.111, endereço na Rua Iperoig, nº 351 – Perdizes – São Paulo – SP - CEP: 03016-000, comunica o extravio das notas fiscais modelo 1 nº 001 a 100 – AIDF nº 391.182.431.410, Notas Ficais modelo 2- venda a consumidor nº 001 a 250 - D-1 – AIDF nº 391.182.381.310 e Notas Fiscais modelo 2 – venda a consumidor nº 001 a 250 – D-2 – AIDF nº 391.182.169.810.

FALÊNCIA, RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL E RECUPERAÇÃO JUDICIAL Conforme informação da Distribuição Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, foram ajuizados no dia 21 de maio de 2013, na Comarca da Capital, os seguintes pedidos de falência, recuperação extrajudicial e recuperação judicial: Requerente: Banco Indusval S.A. Requerido: CR Zongshen Fabricadora de Veículos S/A. Rua Paes Leme, 524 - Conjunto 16 - Pinheiros - 2ª Vara de Falências. Requerente: Beghim Indústria e Comércio S/A. Requerido: CTPF Engenharia Ltda. Rua dos Comerciários, 354/362 – Cidade Vargas – São Paulo - 2ª Vara de Falências. Requerente: Contec Informática Ltda. Requerido: Construtora Alamiro e Filho Incorporação e Empreendimentos Imobiliários Ltda. Avenida Bosque da Saúde, 1.931 - 2º andar - Conjunto 07 – Saúde - 1ª Vara de Falências. Requerente: Banicred Fomento Mercantil Ltda. Requerido: Nicola Colella Indústria de Roupas Ltda. Rua Capitão Francisco Teixeira Nogueira, 258 - Água Branca - 2ª Vara de Falências. Requerente: Mic indústria e Comércio de Aviamentos e Malhas Ltda. Requerido: Sayed & Sá Têxtil Ltda. Rua Zalina Rolim, 59 - Vila Ede - 1ª Vara de Falências. Requerente: Banco Fibra S/A. Requerido: Company Bank Fomento Mercantil Ltda. Alameda dos Maracantins,1.435 - Conjunto 508 - sala C – Indianópolis - 1ª Vara de Falências. Requerente: Banco Fibras S.A. Requerido: Comércio de Veículos Biguaçu Ltda. Rua Biguaçu, 91 - Tatuapé - 2ª Vara de Falências. Recuperação Judicial Requerente: Out-Line Empreiteira de Const. Civil, Equipamentos e Eletr. de Segurança Ltda.-EPP. Rua Itapeti, 204 – Vila Gomes Cardim – São Paulo. Requerido: Out-Line Empreiteira de Const. Civil, Equipamentos e Eletr. de Segurança Ltda. - EPP. Rua Itapeti, 204 – Vila Gomes Cardim – São Paulo - 1ª Vara de Falências.

PREFEITURA DA ESTÂNCIA BALNEÁRIA DE MONGAGUÁ/SP COMUNICADO A Prefeitura da Estância Balneária de Mongaguá comunica que se encontra SUSPENSA A ABERTURA MARCADA PARA O DIA 23/05/2013, às 14h30min, do Pregão Presencial nº 016/2013 – Processo: nº 068/2013 - Objeto: Contratação de empresa para locação de 10 (dez) ônibus com monitores, para transporte escolar de alunos do 1º ao 9º ano do Ensino Fundamental da rede municipal de Ensino, conforme Anexo I – do edital, para complementar as especificações no edital, nova data para a retirada do edital retificado, será divulgada no D.O.E. e em Jornal de Grande Circulação. ROGÉRIO CAVINATO MEI torna público que solicitou junto à CETESB a licença Prévia, de Instalação e de Operação para a atividade de “Bolsas de qualquer material (couro, plástico, etc), fabricação de”, sito à RUA FRANCISCO MARINHO, 132 - VILA BARUEL, SÃO PAULO/SP.

PREFEITURA MUNICIPAL DE BIRIGUI

Extravio de Documento

Após julgamento do TC -395/989/13, expede-se o presente Edital Objeto:- Execução da obra de construção do novo Paço Municipal, com fornecimento de mão de obra, materiais e equipamentos, conforme memorial descritivo, planilha orçamentária, cronograma físicofinanceiro e projetos fornecidos pela Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentado. Critério de Julgamento:- menor preço global. ENCERRAMENTO E ABERTURA:- 27/06/2.013, às 08h30min. O Edital e seus Anexos na íntegra poderá ser retirado gratuitamente através do site www.birigui.sp.gov.br., ou na Seção de Licitações no valor de R$ 30,00 (trinta reais). ENCERRAMENTO DA VENDA: 24/06/2.013. INFORMAÇÕES:- Seção de Licitações na Rua Santos Dumont nº 28 ou pelos telefones (018) 3643.6125 - 3643 6126, Birigui, 21/05/2.013, Pedro Felício Estrada Bernabé, Prefeito Municipal.

Empresa Sporl Consultoria e Serviços Ltda razão social atual Vetor Fomento Mercantil Ltda. - CNPJ: 07.686.185/0001-89, IM: 3.466.295-2. Foi extraviado Livro Modelo 57 registrado sob nº 2761811; AIDF nº 101, notas fiscais de 001 a 100 e AIDF nº 370, notas fiscais 101 a 350.

Edital nº 29/2.013 – Concorrência Pública nº 03/2.013.

MM Logistica Ltda., CNPJ 07.620.282/0002-50, situado à Rua Aeroporto, 140, Galpão p p 3, Chácaras Marco, município de Barueri, SP, 06419-260, torna público o extravio de Nota Fiscal Fatura, Mod. 1, sem série e sub-série, nº 2401 a 4.000, documentos em branco.

Anuncie aqui! Acesse o nosso site:

www.dcomercio.com.br

Extravio de Documento Chazown Transportes Ltda - ME, CNPJ: 09.179.833/000136, IE: 147.830.678.110 Foi extraviado Talonário de Notas fiscais modelo 1 tipo fatura de 001 a 050 AIDF: 218331311107 e Livro Modelo 06..

ASSOCIAÇÃO DE APOIO À NORMALIZAÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL - COBRACON CNPJ 00.744.140/0001-74 ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA - CONVOCAÇÃO A Associação de Apoio à Normalização da construção Civil - COBRACON, com base no art. 12, caput, e parágrafos 1º e 2º, combinado com o art. 15, do estatuto social, convoca as empresas associadas no gozo de seus direitos estatutários, para a Assembleia Geral Extraordinária, a realizar-se na Rua Dona Veridiana, 55, São Paulo, Capital, em um único turno, no dia 12 de junho de 2013, às 10h30. Ordem do dia: 1 - Leitura, discussão e aprovação da proposta de reforma do Estatuto Social da COBRACON, para: alterar a sede da Entidade; alterar o objetivo social; criar a categoria de sócio mantenedor com seus direitos e deveres; alterar a categoria de associado agregado; alterar a redação dos direitos do associado; incluir a possibilidade do associado se fazer representar nas Assembleias por procurador; alterar regras de admissão, demissão, recurso e penalidades; alteração da organização da COBRACON; alterar o capítulo que trata da assembleia geral; alterar a redação e regras relativas ao Conselho Consultivo; alterar regras relativas à Diretoria Executiva, atribuições, inclusive do presidente; incluir regras relativas à Secretaria Executiva; alterar regras relativas a perda ou suspensão de mandato; alterar as disposições transitórias; e adequar o estatuto às demais disposições contidas no Código Civil de 2002, no tocante às associações. Se após 60 minutos do horário marcado para realização da Assembleia não haver quórum de metade de seus associados, a mesma será cancelada. O número total de Associados da COBRACON são 6 (seis). São Paulo, 21 de maio de 2013. Paulo Rogério Luongo Sanchez - Presidente

ASSOCIAÇÃO DE APOIO À NORMALIZAÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL - COBRACON CNPJ: 00.744.140/0001-74 ELEIÇÕES - EDITAL DE CONVOCAÇÃO A Associação de Apoio à Normalização da construção Civil - COBRACON, com base no art. 12, caput, e parágrafos 1º e 2º, por seu presidente, convoca as empresas associadas no gozo de seus direitos estatutários para uma Assembleia Geral Extraordinária, a realizar-se na Rua Dona Veridiana, 55, São Paulo, Capital, no dia 12 de junho de 2013, às 12h00, em primeira convocação e 12h30min em segunda convocação, para eleições e posse da Diretoria Executiva. As candidaturas são individuais, devendo preencher os seguintes cargos: Presidente, Diretor Secretário, Diretor de Relações Externas, Diretor de Relações Internacionais e Diretor de Divulgação Técnica. Somente poderão votar ou ser votados os associados contribuintes e entidades associados. Associado agregado/técnico somente poderá ser votado se convidado pelo Presidente a fazer parte da Diretoria Executiva, conforme disposto no art. 7º, parágrafo único do Estatuto. As demais regras para eleição serão apresentadas na Assembleia. As empresas deverão ser representadas na forma prevista no contrato social ou estatuto de cada associado, a fim de exercer o direito de voto na Assembleia. São Paulo, 22 de maio de 2013. Paulo Rogério Luongo Sanchez - Presidente

COMUNICADO DE EXTRAVIO One Publicidade Ltda, CNPJ: 03.063.150/0001-32, CCM 2.975.586-7, sito à Rua General Furtado do Nascimento, n° 9 - Sala F, São Paulo - SP, comunica o extravio de Notas Fiscais em branco de n° 3001 à 3500 e 5001 à 5.500.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

18

e

quarta-feira, 22 de maio de 2013

conomia Michal Czerwonka/NYT

Depois de desabamento de prédio em Bangladesh, que expôs as condições precárias das confecções, grandes marcas estão revelando os locais de suas fábricas.

É cada vez maior a demanda por produtos feitos em condições dignas. IAN ROBINSON, PROFESSOR DA UNIVERSIDADE DE MICHIGAN

Stephanie Clifford*

A

revolução que tomou conta do setor alimentício se expandiu para o comércio: a origem importa, e muito. Agora que o café de comércio justo e as frutas orgânicas viraram padrão nas prateleiras, os consumidores preocupados com as condições de trabalho, os temas ambientais e a terceirização passaram a exigir que suas camisetas sigam o mesmo padrão e o que originou essa mudança foi o desabamento do prédio de uma confecção em Bangladesh onde morreram mais de mil pessoas. Algumas lojas estão fazendo o que já foi considerado impensável: fornecer informações sobre como e onde seus produtos são feitos. A boutique online Everlane recentemente acrescentou ao seu site a descrição de onde seus produtos são feitos. A Nordstrom diz que planeja acrescentar informações sobre suas roupas, feitas em condições dignas de trabalho.

Olhando de perto: o empreendedor Michael Preysman, CEO da Everlane, caminha no chão de fábrica, na Califórnia.

Consumidor quer saber onde sua roupa é feita A loja virtual revela o número de trabalhadores envolvidos na produção de cada item e o custo de cada componente, enquanto a confecção pretende anunciar as origens de seus robes quando a Bed Bath & Beyond começar a vendêlos, ainda neste mês. E um grupo de grandes lojas, incluindo algumas que têm histórico controverso de manufatura no exterior, como Nike e Wal-Mart, afirma estar

desenvolvendo um índice que inclui medidas trabalhistas, sociais e ambientais. Novas pesquisas indicam um consumidor cada vez mais interessado em saber como e onde os bens são produzidos. Um estudo feito em 2012 por professores do MIT e de Harvard mostrara que alguns deles, mesmo os que estavam atrás de preços mais baixos, embora não se mostrassem dispostos a pagar mais, aca-

baram fazendo isso só porque as roupas traziam um selo que garantia uma prática trabalhista justa. "É cada vez maior a demanda por produtos feitos em condições dignas", diz Ian Robinson, professor e pesquisador da Universidade de Michigan que se dedica a temas trabalhistas. Os consumidores "não recebem as informações de que precisam e estão incomodados com isso". O desabamento da confecção em Bangladesh no fim de abril acrescentou mais urgência ao movimento, o que se confirma pelo volume de perguntas e questionamentos de clientes preocupados que chegam às lojas. "Todo mundo compra e se veste todos os dias, mas ninguém nem imagina de onde as roupas vêm", afirma Michael Preysman, CEO e fundador da Everlane. "Aos poucos, o público está começando a se conscientizar de que deve buscar as origens desses produtos." Apetite do consumidor As grandes lojas há muito se recusam a divulgar o processo inteiro, alegando que a terceirização é complexa demais – um suéter feito na Itália pode ter linha, lã e tintura de outros países, por exemplo. Além disso, a proteção do ambiente de trabalho é cara e roupas baratas, não importa onde ou como são feitas, vendem de qualquer maneira, como H&M, Zara e Joe Fresh mostram com sua rápida expansão. Os defensores da correção trabalhista observam que o apetite do consumidor por mais informações pode começar a incomodar as lojas que são menos transparentes. Nas últimas semanas, vários políticos, incluindo a chanceler alemã Angela Merkel, e grupos ativistas aproveitaram a tragédia para pedir a adoção de padrões e certificações de comércio justo. Em resposta direta ao desastre de Bangladesh, a Everlane acrescentou ao seu site informações sobre as fábricas onde suas roupas são feitas. "Esse ateliê fica a dez minutos de nosso escritório de Los Angeles", informa a descrição de uma das camisetas. "O Sr. Kim, o dono, está no setor de confecções da cidade há mais de trinta anos". A Everlane disse que, em breve, passará a discriminar os custos de toda a produção, além de fotos das confecções e informações sobre o processo. Preysman diz que a Everla-

Todo mundo compra e se veste todos os dias, mas ninguém nem imagina de onde as roupas vêm. MICHAEL PREYSMAN, CEO E FUNDADOR DA EVERLANE

ne há tempos vem recebendo perguntas "sobre as fontes de matéria-prima de seus produtos e as condições de trabalho de seus fornecedores". É uma ciência inexata, diz ele, mas acrescenta que procura fábricas que tenham certificações de organizações estrangeiras independentes e coloca seus executivos em contatos com os donos para ver se são pessoas "decentes". A Nordstrom disse que passou a fornecer informações sobre suas fábricas por causa dos telefonemas dos clientes e segundo sua porta-voz, Tara Darrow, quer ir mais além. Se seu site especifica quais produtos são ecologicamente corretos, por que não fazer o mesmo em relação aos trabalhadores. "Ouvir a opinião dos clientes e saber que eles se importam, sem dúvida, nos esti-

mula a trabalhar mais e melhor", conclui ela. Vários grupos estão trabalhando para definir novos padrões trabalhistas para o setor de confecções. A Coalizão de Roupas Sustentáveis, que inclui nomes como Nike, Wal-Mart, Gap, J.C. Penney e Target, vem testando um índice chamado Higg, lançado no ano passado com objetivos ambientais, mas a nova versão, que deve sair até o fim do ano, deve incluir medidas sociais e trabalhistas. O grupo foi formado em 2011 para criar um padrão único de sustentabilidade e práticas trabalhistas e não para "criar remendos" um verdadeiro desafio, já que algumas das empresas que apoiavam o tal índice tiveram muitos problemas: o Wal-Mart contratou mão de obra que trabalhava na fábrica Tazreen, destruída num incêndio em Bangladesh que matou 112 pessoas em novembro; a Gap, Target e Penney produziram peças em outras confecção, também em Bangladesh, onde um incêndio matou trinta trabalhadores em 2010 e a Nike, que chegou a ser boicotada por causa das péssimas condições de trabalho em que suas roupas e acessórios eram produzidos, foi uma das primeiras a ser pressionada para liberar informações sobre as fábricas com que trabalhava. Aplicativo Por enquanto, o índice é apenas para o uso interno das companhias, mas Jason Kibbey, diretor da coalizão, disse que o objetivo era informar os consumidores também, através de um selo, da Internet ou de um aplicativo. Já ativistas como Scott Nova, diretor do Worker Rights Consortium, acham que a autorregulação seria ineficiente. Consumidores como Lauri Langton, de Seattle, pretendem questionar as lojas ainda mais. "Eu quero poder saber de cara onde o produto foi feito, assim não vou sair de mãos abanando e comprar o que quero, sabendo que foi produzido em condições dignas de trabalho. Esse poder inegável é meu e vou exercê-lo." * The New York Times

Andrew Biray/Reuters

O acidente na fábrica de Bangladesh em 2013: mil mortos. Mike Blake/Reuters

No detalhe, a origem da peça de roupa.


DC 22/05/2013