Page 1

SEM SINAL

DE ACORDO Linhas cruzadas: a TIM, que perdeu 8,77% na Bovespa, ontem, vai entrar hoje com mandado de segurança contra "punição excessiva". A Claro entregou um plano a Anatel, que diz ter recebido só um "esboço". A presidente Dilma elogiou as punições, a partir de 2ª. Pág . 13 Ano 87 - Nº 23.670

Conclusão: 23h50

Jornal do empreendedor

www.dcomercio.com.br

R$ 1,40

São Paulo, sexta-feira, 20 de julho de 2012

Sai o Aerolula. Pousa o Dilma Force One. Sem escalas pelo mundo. Pág. 7 André Borges/Folhapress

Agente enterrado na cena do crime 500 pessoas acompanharam o sepultamento de Tapajós no cemitério onde foi executado.

Um colega de PF é achado morto Fernando Lima, que iria ao enterro de Tapajós, teria se matado com um tiro na cabeça.

E desaparece o delegado suspeito Hylo Marques, da Civil, ouvido pelo agente Tapajós, viria a SP dia 14. Não chegou. Pág. 5 Robson Ventura/Folhapress

Nove décadas de informação e emoção O rádio, o veículo de informação que reflete a alma do Brasil, faz aniversário e ganha livro de Magaly Prado com sua história – que se mistura à história de cada um com suas músicas, jornais, gritos de gol... Seja no dial, seja na internet . Divulgação

PMs acharam que publicitário estava armado. Mataram.

d

cultura

Ricardo Prudente teria fugido de blitz no Alto de Pinheiros. Cercado, foi morto por 3 policiais. A PM "pede desculpas". Pág. 11 Divulgação

Divulgação

O campeão está em boa forma (e com o mesmo preço) O Gol, líder de mercado há 25 anos, recebeu um banho de loja e agora tem a cara mundial da Volkswagen. Pág. 22

Turismo dentro do hotel Faça o check-in nas

págs. 20 e 21

Animação máxima Valente, que estreia hoje, está entre as melhores animações dos últimos tempos. Ainda tem o 13º Festival de Linguagem Eletrônica; o retorno do Balé da Cidade com Paraíso Perdido... HOJE Sol com nebulosidade crescente. Máxima 22Xº C. Mínima 7º C.

ISSN 1679-2688

23670

AMANHÃ

FUGA DE DAMASCO 20 mil sírios pediram refúgio ao Líbano após o atentado que anteontem matou 3 homens do alto escalão. 30 mil passaram a fronteira em 16 meses de conflito. Pág. 9

Sol com nebulosidade crescente. Máxima 24º C. Mínima 9º C.

9 771679 268008


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Não lideramos o ranking de inovação nem mesmo na América Latina: o Chile está frente, em 39º lugar.

pinião

José Márcio Mendonça

Raul Spinassé/AE

EYMAR MASCARO

UMA PULGA NA ORELHA DE DILMA

L

íder do governo na Câmara, o deputado petista Arlindo Chinaglia criou uma saia justa com Dilma Rousseff, ao comentar com estranhos ter ouvido Lula dizer que será candidato ao Planalto em 2014. O tititi de Chinaglia surpreendeu os políticos porque Lula tem dito e repetido que apoiará a reeleição da presidente. Além disso, o ex-presidente declarou recentemente que só se candidataria caso Dilma decidisse não ser candidata. Não existe mistério no PT porque Dilma Rousseff não pensa em outra coisa senão esboçar, desde já, a campanha de sua candidatura. Mas, admitindo-se que ela não concorra, o PT tem o regra três: Lula.

Greve em universidades federais: além de salários, professores e alunos querem melhores condições de ensino e pesquisa.

SEM EDUCAÇÃO, SEM INOVAÇÃO.

É

para chorar - com "lágrimas de esguicho", talvez, como diria o sempre nunca demasiadamente lembrado Nelson Rodrigues – os mais recentes dados de uma pesquisa sobre aspectos da educação brasileira, realizada pelo Instituto Paulo Montenegro em parceira com a Organização Não Governamental (ONG) Ação Educativa. Nada menos de 38% dos estudantes do ensino superior no Brasil podem ser classificados como analfabetos funcionais – que "não dominam habilidades básicas de leitura e escrita", ou seja, não conseguem entender o que leem nem processar corretamente as informações que recebem. Não é de admirar, assim, que o Brasil esteja despencando ladeira abaixo em um dos índices que mede as potencialidades de uma economia no mundo atual: o ranking de inovação, a capacidade que um país têm de aperfeiçoar seus sistemas produtivos. Segundo dados recentemente divulgados pela Organização Mundial da Produtividade Intelectual e pelo Instituto Insead, estamos hoje na 58ª posição, nove abaixo do que a que ocupávamos em 2011. Veja-se a tabela dos melhores, com suas respectivas notas, e a nota do Brasil, para se comparar o abismo que nos separa das nações mais avançadas. Não dá para ter orgulho de ser a 6ª, 7ª ou 8ª economia do mundo ostentando tal índice.

JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA 9 – Hong Kong – 58,7 10 – Estados Unidos – 57,7 58 – Brasil – 36,6

N

ós não lideramos o ranking de inovação nem mesmo na América Latina: o Chile está frente, em 39º lugar. E pelo andar do cabriolé, não é difícil imaginar que um novo levantamento, daqui a 12 meses, só não manterá o Brasil nessa posição desonrosa de agora, ou até em um degrau mais baixo, por milagre – se alguns dos que estão na nossa frente decaírem demais. Isso porque nada – ou muito pouco – se faz para mudar o ambiente econômico e incentivar o espírito inovador do brasileiro. E temos áreas em que existem grandes sucessos, sim, como os vindos da Embrapa para o setor agrícola, mas são exceções. Neste momento mesmo estamos assistindo a uma greve de mais de 90 dias nas universidades e institutos superiores de ensino federais, na qual os professores lutam não só

1 – Suíça – 68,2 2 – Suécia – 64,8 3 – Cingapura – 63,5 4 – Finlândia – 61,8 5 – Reino Unido – 61,2 6 – Noruega – 60,5 7 – Dinamarca – 59,9 8 - Irlanda – 58,7

por aumentos salariais, mas também, com apoio dos estudantes, por melhores condições de ensino e pesquisa. Enquanto se reivindica que o governo apresente proposta de solução para o problema de forma mais ou menos definitiva, este acenou apenas com um reajuste salarial mais ou menos emergencial. A greve pode ser debelada em dias, até por estar atingindo o ponto de exaustão, mas no ano que vem ela estará de novo no ar – porque só o que o governo sabe dizer é a não há recursos para avançar muito.

D

e outro modo, não há grandes incentivos também para as empresas investirem em inovação, apesar de todo o discurso oficial e de algumas políticas muito bem postas no papel. Para se ter uma ideia, de todos os pacotes para o aquecimento do PIB – oito segundo algumas contagens e nove segundo outras – lançados desde que a crise financeira mundial teve sua recidiva e voltou a ba-

Não é de admirar que o Brasil esteja despencando ladeira abaixo em um dos índices que mede as potencialidades de uma economia no mundo atual: o ranking de inovação.

ter às nossas portas, nada passa perto de políticas de longo prazo, de inovação. Já está no forno o pacote de agosto, e pelas informações disponíveis também será na linha do curto prazo, no máximo um médio prazozinho. Assim, não há PIB que cresça sustentadamente e não há como garantir um bom leite para as criancinhas, para ser apregoado pela presidente Dilma. AINDA O GRANDE NEGÓCIO Para complementar a coluna de anteontem sobre o bom negócio que virou fazer política no Brasil, veja-se o resumo de uma reportagem publicada ontem no jornal O Estado de Minas : "A despesa prevista pelos 193 candidatos nas 26 capitais brasileiras é de R$ 1,2 bilhão, o que dá uma média de R$ 39,66 para conquistar cada um dos 30,2 milhões de eleitores dessas cidades. Em BH, os sete postulantes à Prefeitura pretendem despender R$ 60,7 milhões na campanha, o que aponta custo de R$ 32,63 pelo voto de cada um dos 1,9 milhão de eleitores. Em São Paulo, o custo unitário por voto é projetado em R$ 39,64. O mais caro, segundo as contas, é o de Palmas, mais de R$ 180 por eleitor. O voto para prefeito está mais valorizado que o de governador ou presidente. Em 2010, o custo foi de R$ 3,96 para chegar ao governo do Rio e de R$ 6,30 para o de Minas. A presidente Dilma gastou R$ 1,15 por voto para chegar ao Planalto." Depois, é preciso buscar o retorno e/ou garantir o ressarcimento dos "investidores", como registra nossa farta literatura de corrupção na esfera pública. JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA É JORNALISTA E ANALISTA POLÍTICO

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Claudio Vaz Edy Luiz Kogut Érico Sodré Quirino Ferreira Francisco Mesquita Neto João de Almeida Sampaio Filho João de Favari Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Paulo Roberto Pisauro Renato Abucham Roberto Faldini Roberto Mateus Ordine

D

a mesma forma, também não existe dúvida de que o PSDB está alicerçando antecipadamente a candidatura presidencial do senador mineiro Aécio Neves. É bom que se diga, no entanto, que existem tucanos que ainda defendem uma nova candidatura do paulista José Serra em 2014, em homenagem aos 44 milhões de votos que teve quando foi derrotado por Dilma, em 2010. Lula, que se restabeleceu há pouco tempo de uma grave doença, levou um susto na semana passada, com a divulgação de um relatório acusando o ex-presidente da CBF, Ricardo Teixeira, de ter sido subornado num cargo decorativo que ocupava na FIFA. Detalhe: nos oito anos em que Lula esteve no Poder, Ricardo Teixeira teve livre acesso nos bastidores do Palácio do Planalto. A facilidade com que Teixeira circulava por rodas palacianas só chegou ao fim com a posse de Dilma na presidência. A passagem de Ricardo Teixeira pela CBF foi manchada também por perseguições àqueles que não participavam do beija-mão à sua pessoa na sede da entidade. O clube mais perseguido por ele foi o São Paulo, que apesar disso mostrou sua força, ganhando três

Arlindo Chinaglia, preterido para a prefeitura, ainda não foi visto em atos do PT que favoreçam a candidatura de Haddad. Marta Suplicy também não dá o ar da graça.

Libertadores e sendo três vezes campeão mundial, derrotando nas finais o bicho-papão Barcelona, o poderoso Milan do ex-primeiro ministro italiano Sílvio Belusconi e os ingleses do Liverpool. Teixeira renunciou à presidência da CBF mas deixou filhotes em cargos importantes da entidade. Não se sabe se o comentário feito por Arlindo Chinaglia foi o principal motivo que o levou a ficar estremecido com Dilma. Mas, a verdade é que o gato subiu no telhado.

C

hinaglia teve seu nome incluído em listasde pretendentes à candidatura à Prefeitura de São Paulo pelo PT. Ele, no entanto, foi preterido, juntamente com a senadora Marta Suplicy, quando Lula decidiu que o candidato do partido seria o ex-ministro Fernando Haddad. Coincidência ou não, Arlindo Chinaglia ainda não foi visto em atos do PT que favorecem a candidatura de Haddad, a exemplo de Marta Suplicy, que também não dá o ar da graça. Nesta altura da campanha, ainda sem a tevê, os tucanos comemoram a liderança de seu candidato à Prefeitura, José Serra, nas pesquisas. A esperança do PT é que Lula e Dilma operem o milagre da multiplicação de votos para seu candidato. Ainda sem a herança de votos do ex e da atual presidente, Haddad não conseguiu decolar, porque continua sendo desconhecido pelos eleitores.

EYMAR MASCARO É JORNALISTA E COMENTARISTA POLÍTICO MASCARO@BIGHOST.COM.BR

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, João de Scantimburgo, Marcel Solimeo Diretor-Responsável João de Scantimburgo (jscantimburgo@acsp.com.br) Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Edi tor-Chefe: José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br) Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br) Editores Seniores: Bob Jungmann (bob@dcomercio.com.br), Carlos de Oliveira (coliveira@dcomercio.com.br), chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), Estela Cangerana (ecangerana@dcomercio.com.br), Luciano de Carvalho Paço (luciano@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Luiz Antonio Maciel (maciel@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br) Editor de Fotografia: Alex Ribeiro Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Fernando Porto (fporto@dcomercio.com.br), Ricardo Ribas (rribas@dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br) Subeditores: Marcus Lopes e Rejane Aguiar Redatores: Adriana David, Eliana Haberli e Evelyn Schulke, Ricardo Osman, Tsuli Narimatsu Repórter Especial: Kleber Gutierrez (kgutierrez@dcomercio.com.br), . Repórteres:André de Almeida, Fátima Lourenço, Ivan Ventura, Karina Lignelli, Kelly Ferreira, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mariana Missiaggia, Mário Tonocchi, Paula Cunha, , Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves, Sandra Manfredini, Sílvia Pimentel, Vera Gomes e Wladimir Miranda. Gerente Executiva e de Publicidade Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estado, Folhapress, Efe e Reuters Impressão OESP GRÁFICA S/A Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3180-3175. Fax 3180-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3180-3197, 3180-3983, Fax 3180-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3180-3544, 3180-3176 , Fax 3180-3355 Esta publicação é impressa em papel certificado FSC®, garantia de manejo florestal responsável, pela Oesp Gráfica.

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3180-3737 REDAÇÃO (011) 3180-3449 FAX (011) 3180-3046, (011) 3180-3983 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 20 de julho de 2012

o

pinião

3

DIZER QUE HOMOSSEXUALISMO É ANTINATURAL É VÁLIDO COMO JUÍZO MORAL, MAS NÃO TEM BASE CIENTÍFICA.

O Apóstolo e seus leitores

Q

uando os adversários cristãos do gayzismo dizem que o h om os se xualis mo "é antinatural", soam, evidentemente, como se emitissem um sério julgamento médicocientífico. No entanto, se chamados a justificar essa afirmativa, não podem citar senão versículos bíblicos, sentenças de teólogos ou, na mais mundana das hipóteses, opiniões de filósofos: nem um único estudo científico-experimental que dê respaldo às suas pretensões. E não o podem por uma razão muito simples: não existe, em toda a ciência experimental, nada que corresponda ao conceito de "antinatural". A ciência moderna define "natureza" como o campo dos fenômenos acessíveis ao método experimental conhecido. Nada que esteja dentro desse campo pode ser concebido como "antinatural", e tudo o que seja ou se pretenda antinatural, extranatural, sobrenatural ou preternatural está fora dele por definição. Se a afirmação de que o homossexualismo é antinatural é perfeitamente legítima como juízo moral fundado em princípios religiosos ou considerações filosóficas, dar-lhe ares de verdade científica é uma fraude em toda a linha. Não digo que seja fraude consciente. Aqueles que a praticam fazem-no de boa fé, convictos de que o mundo físico, como tudo o mais, está submetido às leis divinas. Eu também estou convicto disso, mas sei que a força das leis divinas não se faz sentir sobre o universo físico pelas mesmas vias, nem do mesmo modo pelo qual falamos de "leis naturais" ou "leis da física". Estas podem ser conhecidas por observação e indução. O acesso às leis divinas exige um tipo especial de experiência irreprodutível em laboratório. Que essa experiência existe e está documentada em todas as culturas, é por sua vez um fato científico – em sentido literal – que só um charlatão poderia negar. Tiveramna Moisés e Ezequiel, os apóstolos no Monte Tabor, Sta. Teresa de Ávila, S. João da Cruz e

OLAVO DE CARVALHO se posto de observação, julgava "antinaturais" certos fatos que, do ponto de vista terreno e imediato, não eram senão dados da natureza, acessíveis aos sentidos e até banais.

P

uma infinidade de santos, místicos e profetas. Têm-na, hoje em dia, milhares de pessoas comuns que passam pelo estado de morte clínica, sem atividade cardíaca ou cerebral, voltam contando o que viram do céu e do inferno e atestam a veracidade do seu relato acrescentandolhe fatos da vida terrestre que se passaram no mesmo instante longe dos seus corpos, e que não poderiam ter observado pelos sentidos corporais nem mesmo se estivessem vivas e saltitantes. Negar esses relatos ou contestar in limine o seu valor cognitivo é um exagero histérico de dogmatismo ateísta que denota menos o ódio à "fé religiosa" do que o ódio ao conhecimento. No entanto, o que se pode e se deve negar é que o conteúdo cognitivo de tais experiências possa ser compreendido

nos termos unívocos da linguagem científica moderna e valer, portanto, como expressão de "fatos científicos" universalmente obrigantes, como a existência de partículas subatômicas. A experiência do mundo transcendente existe, mas o seu sentido não é imediato nem unívoco como o dos fatos da ciência natural. Sua relação com os dados do mundo físico é ambígua e problemática no mais alto grau, como o ates-

tam as controvérsias teológicas que se arrastam há milênios sem solução unânime. Ora, tudo o que na Bíblia é mandamento de Deus só chegou ao conhecimento humano por meio de experiências desse tipo. Moisés no alto do Sinai, os profetas menores antevendo catástrofes e milagres, os apóstolos recebendo o Espírito Santo, o próprio Jesus falando ao Pai no Jardim das Oliveiras não eram cientistas observando fatos do mundo físico.

A ciência moderna define "natureza" como o campo dos fenômenos acessíveis ao método experimental conhecido. Nada dentro desse campo pode ser visto como "antinatural".

Quando Paulo, por exemplo, fala do "uso natural da mulher", há na expressão "natural" um amálgama de tensões entre a natureza primordial, padrão do destino integral e último que Deus reservou ao homem, e a natureza decaída resultante do primeiro pecado, a natureza como dado empírico. Não se trata de ambiguidade semântica, de imprecisão verbal do Apóstolo. Essa tensão existe objetivamente na própria natureza, que é ao mesmo tempo um conjunto de fatos acessíveis à observação comum – fatos que incluem toda sorte de horrores e monstruosidades – e também, inseparavelmente, o símbolo vivo, ainda que imperfeito, da natureza primordial. Paulo fala da "natureza" desde o ponto de vista de alguém que tivera a experiência da natureza primordial e, des-

rova disso é a segunda ambiguidade, ou tensão dialética, que aparece no uso que ele faz do tempo passado. Ele diz que alguns homens "abandonaram" o uso natural da mulher. Quando abandonaram? Este ou aquele indivíduo pode ter incorrido nesse pecado desde uma data x ou y, quando o costume já estava disseminado na sociedade. Paulo refere-se decerto a esses casos, mas as suas palavras aludem também a algo de muito anterior, a uma origem remota, imemorial, desse mesmo vício. Revirem a frase o quanto quiserem, verão sempre que esses dois sentidos aparecem, nela, fundidos e inseparáveis. Paulo fala, com toda a evidência, desde um patamar epistemológico em que fatos da natureza, vistos desde a escala maior da natureza primordial, se tornam antinaturais. Ignorada a tensão, a profundidade da sua mensagem se perde e é reduzida caricaturalmente a uma falsa afirmação científica sobre fatos da natureza terrestre. E há pessoas que, quando operam nas palavras do Apóstolo esse achatamento semântico deformante, acreditam estar prestando serviço a Deus. OLAVO DE CARVALHO É ENSAÍSTA, JORNALISTA E PROFESSOR DE FILOSOFIA

VAI DAR HADDAD, DIZ ASTRÓLOGA. VAI NADA! Alex Falcão/AE

N

ada entendo de astrologia, mas entendo de propaganda enganosa; vai dar o brimo Haddad coisíssima nenhuma. Os astros e estrelas erraram feio neste chute. Ou estão divulgando propaganda enganosa. Quem proferiu tamanha barbaridade foi a astróloga de renome internacional, Maricy V*. Se ela leu nos astros e estrelas o que disse que leu, então até o sistema solar foi cooptado pela marqueteragem do brimo Haddad. Ou ela o fez, pisando os astros distraídos. Eu conheço Maricy V*: ela tem uma clientela da pesada, tubarões da Wall Street. Meia dúzia dessas feras, mancomunadas, provocou um tombo mundial, tsunâmico e trilionário em 2008. O mundo ainda não se recuperou e até a China levou um trompaço. Eu estou na pindaíba até hoje. Aqui tivemos só "uma marolinha", bravateou o bravateiro mor e Premero Inconomista, também conhecido como Cascatão. (Cascatão pode mais do que Cascata, que pode mais do que Cachoeira, que pode mais do que Cascatinha e Inhana). A "marolinha" me afogou; você viu a fundura

do poço em que afundaram as ações da Petrobrás, menos vítimas da "marolinha" e mais da péssima e suspeita administração cumpanhera. Não dou fé de que a Maricy V* acerta todas; quando a conheci fiquei bem impressionado. Ela acertou na primeira: tenho fama de pão-duro, e sou. Sem nunca ter me visto, a madama mandou bem: "Você está preocupado com o preço da consulta". Estava. "Não fique", disse ela com firmeza. Fiquei.

A

conselhou-me a não apostar na loteca; os astros diziam que eu jamais ganharia e a dinheirama que deixaria de perder cobriria o que eu estava pagando. Nunca mais joguei, nunca mais perdi; viciei em não jogar; em compensação perdi todas as chances de ganhar. Paguei os olhos da cara, 100 dólares; hoje custa os olhos, o nariz e os beiços, 400. Quando o cumpanhero é apanhado em flagrante com a boca na botija, as leis pós-criadas pelo Advogado de Todos os Diabos, Thomaz Bastos, livram a cara de todos e trazem o perdão a cavalo, como a Lei do "Dinheiro Não Contabilizado". Revolta constatar que o

Vidente previu vitória de Haddad para a prefeitura de S. Paulo bode expiatório de toda a bodaiada do mensalão, o cumpanhero Delúbio, nunca pegará cana por "malfeitos e erros" cometidos lá atrás, ao levantar grana da grossa enfurnada em colchões ilustres, "doada" para sustentar a campanha do Cascatão . O "malfeito" foi mais do que provado. Sua participação explícita na quadrilha da Operação Mensalão perdeu-se nas brumas dos tempos. A oposicinha ficou de bocca chiusa, talvez molhando as mãozinhas nas águas turvas do Cascatão. Esse indivíduo, PhD Summa Cum Laude na prática da arte de molhar mãos, molhou as da base alugada, liberando os úberes fartos da viúva, para a

cumpanherada mamar com sofreguidão. O queijo, dividido em 36 pedaços, cada um do tamanho das bocarras dos roedores, que abrigam dentes em mau estado de conservação, é devorado pela rataiada ex-magra e ainda faminta, que engorda a olhos vistos. É só ver nos jornais as fotos das barrigas "genoinamente" proeminentes.

P

or falar em roedores de proeminência reverendíssima, foi identificada uma espécie nova e voraz, a dos Assessoróticus, família dos Insaciabilis, com dois roliços espécimes catalogados, o Palófficus, em São Paulo, e o Pimentéllicus em Minas,

com com características semelhantes, cara de um focinho do outro. Não sei se acredito ou não em Astrologia; acredito, porém, com toda firmeza, na existência de propaganda mentirosa e na enganação que dela exala. Aprendi a identificá-la em mais de 40 anos na publicidade. Agora, mais do que nunca, a mentira e a enganação estão presentes na propaganda oficial, que louva as "glórias" do governo; e na propaganda política, que entroniza a reencarnação do Padim Padi Ciço no altar dos palanques.

D

ou exemplos esclarecedores. O mais torpe é o "Lulinha paz e amor", obrado pelo marquetero Duda Mendonça, pago em dólares em paraísos fiscais, "erro" confessado às lágrimas, ao vivo pela TV, aos olhos da nação estarrecida. Estarrecida uma pinoia; este é "o país dos mais de 80%", que acreditam em Papai Noel. Não menos torpes: o já esquecido "Fome Zero"; o PAC inexistente e superfaturado; "Minha casa minha vida"; o pobre que virou Crasse Mérdia sem sair da mérdia; o Classe Média, que atirado à mérdia virou

NEIL cético

Ferreira Crasse Mérdia; a transposição do Rio São Francisco; Eia Sus, o SUS, "uma das melhores saúdes do mundo"; o petróleo Pré Sal, ninguém sentiu nem o cheiro dele; a refinaria fantasma, "construída" em parceria com o cumpañero Tchávez; o trem bala-perdida (bala-perdida que vai direta nos bolsos de todos otários pagadores de impostos).

N

ão é impossível que Maricy V*, ao ler nos astros e estrelas esse quadro geral, tenha intuído que a releitura em Novilíngua castiça, dando vitória ao brimo Haddad, poderia guiála através da yellow brick road até o fim do Arco Iris, dindindonde se encontra o pote de ouro – ou o famigerado mapa da mina. Toc toc toc na madeira, mangalô treis veis zinfio! NEIL FERREIRA É PUBLICITÁRIO


DIÁRIO DO COMÉRCIO

4

GibaUm

sexta-feira, 20 de julho de 2012

3 A Polícia Federal monitora 3 MAIS: ela trabalha bem: todos os passos de Andressa, mulher de Cachoeira: acha que ela está à frente dos negócios.

gibaum@gibaum.com.br

não sai de casa, não recebe visitas, só fala com empregados e seguranças. É candidata à Dona Corleone.

k O Brasil é como um elefante dentro de uma loja de cristal: quando Platéia disputada se move, quebra tudo.

BERNARDINO CABALLERO // embaixador do Paraguai na OEA, criticando posição do governo brasileiro na deposição de Fernando Lugo.

Foto: Richard Bush

A BBC acaba de exibir grande matéria sobre batedores de carteira agindo em Barcelona, na Espanha, citada como “uma das cidades mais perigosas de todo o mundo na pratica desse tipo de crime”, embora acrescente que, devido à crise financeira que a Europa enfrenta, outras capitais de lá, incluindo Madri, também estão na rota dos assaltantes. A novidade – e os noticiosos da BBC podem ser assistidos no Brasil – é que a emissora resolveu ouvir até os ladrões, alguns bem arrumados e dizendo que esse tipo de furto “é quase uma arte”. A maioria avisou que está indo para Londres: com o volume de visitantes por conta dos Jogos, “aquilo virou um paraíso”. 333

PREDILEÇÃO Antonio Fagundes, o Coronel Ramiro Bastos de Gabriela, em entrevista a Quem disparou: “O homem brasileiro não gosta de peito. A gente gosta de b... No entanto, elas estão botando peito. Não perguntaram para a gente do que a gente gosta. Elas estão ficando magras, magras, magras... Mas a gente gosta de violão”. E sobre sua fama de conquistador: “Não passa de uma lenda. Gostaria de ser metade do que as pessoas acham que eu sou. Levo muito não de mulheres, claro que levo. Mas, é bom, quer dizer que aindaestouinsistindo,nãoé?”. Detalhe: Fagundes não é chegado a computadores, videogames e super-celulares. 333

Ediremtrêsvolumes 333 Fundador da Igreja Universal do Reino de Deus e dono da Rede Record, Edir Macedo já teve sua história contada no livro O Bispo – A História Reveladora de Edir Macedo, de autoria dos jornalistas Douglas Tavolaro e Cristina Lemos. Agora, contudo, ele próprio resolveu escrever sua autobiografia, aos 67 anos de idade, contando sua trajetória religiosa e empresarial, narrando episódios que deverão ser lembrados sempre pelos fiéis da Universal. Terá três volumes, será editado pela Planeta e o primeiro deles, lançado na Bienal do Livro, em agosto. Mais: de todos os livros religiosos escritos por Edir, o de maior sucesso é Castigo Divino, sobre posições permitidas e proibidas do sexo.

NADA DE NOVO O Festival de Gramado prepara sua 40ª edição para agosto sem ter quitado todas suas dividas do ano passado. Prestadores de serviço e fornecedores acabam de ingressar, coletivamente, na Justiça para tentar receber, incluindo a empresa que fez as estatuetas do Kikito. A idéia dos reclamantes é tentar uma medida judicial que impeça a realização do novo festival, sem que as dívidas pendentes tenham sido pagas.

Dois casamentos (pode sair o terceiro, com Rohan Marley), dois filhos, alguns romances, 29 anos e faturamento de US$ 3 milhões no ano passado, o que lhe assegurou o 11º lugar na lista das modelos mais bem pagas do mundo da Forbes : é a curitibana Isabeli Fontana, atração do Calendário Pirelli 2013, protagonista das novas campanhas da H&M, Morena Rosa e lingerie Un.i. Agora, ela estrela um super-ensaio assinado por Richard Bush na Purple, onde se revela uma camaleoa, transformando-se em chinesa, tenista, jogadora de baseball, patinadora, mulherfatal, garota com trancinhas e muito mais.

Isabeli, camaleoa

333

A assessora jurídica do senador Ciro Nogueira (PP-PI), Denise Rocha, é identificada facilmente no vídeo sexual que circula na internet, devido à sua grande tatuagem de uma fênix (ave mitológica que renascia das cinzas) e dos 350 ml de silicone de cada lado. Playboy gostaria de ter a advogada em suas páginas, como fez em 1988, com Mylene Macedo, então secretária do deputado Samir Achoa na Câmara Federal, pioneira do gênero de ensaio de nudez à brasiliense. Outras que também não resistiram ao convite da revista: a assessora de Ideli Salvatti, Camila Amaral, em 2005 e Monica Veloso, ex-affair de Renan Calheiros, em 2007. E tem também as que foram convidadas e não toparam: além de Andressa Mendonça, mulher de Cachoeira, Diana Burani, a musa do mensalinho (2005) e Fernanda Karina Somaggio, ex-secretária de Marcos Valério. 333

Brasília caliente

ASA DE GRAÚNA 333 O delegado da Policia Federal, Matheus Mella Rodrigues, que prendeu Carlinhos Cachoeira e acompanha todos os lances da CPI e ainda toca outras investigações sigilosas, há anos vinha exibindo farta cabeleira grisalha. Agora – quem diria – resolveu aparecer com os cabelos pintados, num tom tão escuro que pode fazer invejaaoministroEdisonLobão. Alguns companheiros da PF acham que, do jeito que vai, ele deveria mudar seu nome para Matheus Wella Rodrigues.

MISTURA FINA O PLANALTO já escalou três ministros para aparecer nos palanques dos candidatos petistas a prefeituras, de Humberto Costa, do Recife a Fernando Haddad, em São Paulo: Aloizio Mercadante (Educação), Alexandre Padilha (Saúde) e Tereza Campello (Desenvolvimento Social e Combate à Fome), ela a nova queridinha de Dilma. 333

O NOVO helicóptero da Presidência da República, que acaba de ser entregue ao Grupo de Transporte Especial, na Base Aérea de Brasília, é chamado de VH-36 Caracal, em homenagem a um felino encontrado na África e na Ásia Menor. E já ganhou um apelido, com ligeira troca de letras de seu nome.

333

A atriz Christiane Torloni (à esquerda, ao lado do diretor José Possi Neto) atacou de bailarina no novo espetáculo Teu Corpo é Meu Texto, que acaba de fazer curtíssima temporada em São Paulo, no Teatro Sérgio Cardoso, com coreografia de Anselmo Zolla. No palco, ela vira uma deusa que invoca os homens através da dança. No espetáculo, musicas de Bach, Ravel, Tchaikovsky, Stravinsky e outros. Na platéia, entre tantos, Laura Wie (centro) e Luiza Brunet (direita), acompanhada de Lírio Perisotto. 333

Deusa e bailarina

Dirceu na ponta 333 O julgamento do mensalão no Supremo começa por José Dirceu, dia 2 de agosto: ele está no topo da lista dos 36 denunciados pela Procuradoria-Geral da Republica. Contudo, o STF pode preferir apreciar o processo pelos crimes praticados e se for assim, arrolam-se os citados para cada delito (peculato, lavagem de dinheiro, corrupção ativa, formação de quadrilha e outros). Detalhe: o relator Joaquim Barbosa já avisou os colegas da Corte que seu voto tem perto de mil páginas.

h IN

Longos cachecóis

h

Ladrões artistas

333 O plenário do Supremo Tribunal Federal, durante o julgamento do mensalão, deverá estar mais do que concorrido e, por isso mesmo, ganhar reforço de assentos. Lá tem 246 poltronas fixas e em alguns eventos públicos, com auxilio de cadeiras de plásticos, foram conseguidos 370 lugares para o publico. No plenário, ficarão réus, advogados, assessores dos ministros e jornalistas, distribuídos entre 57 poltronas fixas, mais 30 cadeiras de plástico. O restante poderá ser preenchido por quaisquer cidadãos, obedecendo-se a ordem de chegada.

OUT

Lenços curtos.

333 O COMANDO da campanha de Fernando Haddad descobriu que os centros de educação (CEUs) construídos em São Paulo por Marta Suplicy, quando era prefeita, são o maior legado do PT na cidade. E está levantando os projetos da época dela que foram executados nas gestões José Serra e Gilberto Kassab.

LULA está aguardando as novas pesquisas, que devem brotar neste fim de semana: se Fernando Haddad continuar lento na decolagem, quer propor a Dilma Rousseff que realmente dê um brinde para Marta Suplicy se engajar na campanha. Poderia ser o Ministério da Educação ou até mesmo a volta para o Turismo.

333

A CANTORA Liza Minnelli, 66 anos, volta ao Brasil em setembro, para apresentações em São Paulo e Rio de Janeiro. Ela tem um publico cativo nas duas cidades que garante a lotação de grandes arenas. 333

333

Ninguém conhece Alexandre Padilha já está gravando depoimentos em vídeo para serem usados nas campanhas de candidatos petistas de todo o país. No vídeo de um minuto, repete sempre o mesmo texto, muda apenas o nome da cidade e fala do que o governo faz na área da saúde, prometendo mais se o eleito for do PT. Só que, na grande maioria dos municípios brasileiros, Padilha é totalmente desconhecido. Então, ele resolveu começar todos seus depoimentos da mesma forma: “Olá! Aqui quem fala é o Alexandre Padilha, ministro da Saúde do governo da presidenta Dilma..,” e vai por ai. Detalhe: dá para tirar mini-trechos de 15 segundos. 333

333 OS NOMES das operações da Policia Federal viraram quase uma tradição e ao mesmo tempo, alguns deles se transformaram em piada dentro do Ministério Publico, da Justiça e da própria corporação. Um dos nomes que fazia todo mundo gargalhar era Operação Deus Tá Vendo, que prendeu cinco pastores há alguns dias.

Colaboração: Paula Rodrigues / A.Favero

CHARGE DO DIA


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 20 de julho de 2012

5 CERCO PF diz estar perto de prender assassinos. Os suspeitos são dois.

olítica

MISTÉRIOS Delegado da Polícia Civil desaparece. Escrivão da PF é encontrado morto.

André Borges/Folhapress

Escrivão morre, delegado some e agente é enterrado. Mistérios envolvem a morte dos policiais federais e o desaparecimento do civil

O

agente federal Fernando Sturi Lima, de 34 anos, foi encontrado morto com um tiro na cabeça, ontem, no final da tarde, em sua casa. Lima era escrivão da Superintendência da Polícia Federal, em Brasília. De acordo com uma cunhada, o policial saiu do plantão por volta das 9 horas e disse que iria ao enterro do agente Wilton Tapajós Macedo, assassinado na terça-feira. Mas colegas confirmaram que ele não foi ao sepultamento. Familiares disseram que Lima tomava remédio controlado, pois sofria de depressão

aguda. Ele já teria, inclusive, insinuado que queria se matar e teve seu estado agravado após o assassinato de Tapajós, de quem era amigo. De acordo com o Sindicato dos Policiais Federais (Sindipol), Lima não participou da Operação Monte Carlo e a polícia civil trabalha com a possibilidade de suicídio. Tapajós – No mesmo local onde foi assassinado, com dois tiros, um na nuca à distância e outro na têmpora esquerda, Tapajós foi sepultado ontem no cemitério Campo da Esperança, junto ao túmulo dos pais. Mais de 500 pessoas acompanharam o cortejo, entre elas muitos

policiais uniformizados. Wilton atuou na Operação Monte Carlo que prendeu o empresário de jogos de azar, Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. Durante o velório, o secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Sandro Avelar, que também é delegado federal, informou que já está na pista de dois suspeitos do crime "Não adianta se esconderem. As polícias Civil e Militar estão mobilizadas, no esforço conjunto para esclarecer esse crime brutal e prender os assassinos", afirmou. À noite, a PF havia fechado o cerco sobre os dois suspeitos. A Justiça, inclusive, expediu os

Adeus: muitos policiais acompanharam sepultamento do agente Wilton Tapajós Macedo, em Brasília. mandatos de prisão, mas as identidades não foram divulgadas. Fontes policiais garantiram que a captura dos criminosos estava muito próxima. As causas do assassinato, porém ainda não estão claras. A principal linha de investigação aponta para execução por motivo de vingança ou queima de arquivo. Os autores de-

monstraram profissionalismo e sabiam da rotina da vítima. André Tapajós, de 30 anos, um dos filhos da vítima, acredita que o crime está relacionado às ameaças que seu pai sofria. Segundo ele, Wilton não tinha inimigos pessoais, mas poderia ter por conta da profissão que exercia. Recentemente, ele regis-

Não adianta se esconderem. As polícias Civil e Militar estão mobilizadas para esclarecer esse crime brutal. SANDRO AVELAR

Ele nunca fez isso. Tudo bem, vai para São Paulo. Ele tem uma irmã lá. Porque ele não ligou para ela até agora? FILHA DE HYLO MARQUES

CPI vai convocar primo de Wilder É o advogado Denílson Arruda, exonerado do governo federal por cobrança de propina, que terá de explicar repasse de Cachoeira.

O

senador Randolfe Rodrigues (PSolAP) afirmou ontem que vai apresentar requerimento para convocar o advogado Denílson Martins Arruda, primo do senador Wilder Morais (DEM-GO), para depor na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito, a CPI do Cachoeira. Denílson recebeu na sua conta bancária depósito de R$ 30 mil da empresa de fachada Alberto e Pantoja Construções, utilizada pelo contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, para lavagem de dinheiro. O repasse ocorreu no dia 7 de julho de 2010, no início da campanha eleitoral. Suplente de senador, Wilder assumiu no dia 13 a cadeira de Demóstenes Torres, cassado na semana passada pelo envolvimento com Cachoeira. A Alberto e Pantoja era abastecida com recursos da Delta Construções, que serviriam para financiar o caixa 2 de disputas eleitorais. "O primo tem que ser convocado e temos que marcar o quanto antes o depoimento de Wilder", afirmou Randolfe. O senador de Goiás já tem requerimento para depor na CPI desde o final de maio. "O Cachoeira é uma espécie de

Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr - 30.05.12

O primo tem que ser convocado e temos que marcar o quanto antes o depoimento do senador Wilder Morais. RANDOLFE RODRIGUES arquiteto da chapa do Senado", avaliou. Ele, desde a sua posse, ainda não explicou sua relação com o contraventor. Grampos da Polícia Federal revelam que o bicheiro teria "trabalhado" para colocá-lo na suplência de Demóstenes e na secretaria de Infraestrutura da administração de Marconi Perillo (PSDB-GO), cargo que ocupava antes de ir para o Legislativo. Alta influência – Ex-filiado ao PT e atualmente no PSD, Denílson foi chefe do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), em Goiás, durante o governo de Luiz Inácio Lula da Silva. De acordo com escutas da PF, Cachoeira exercia influência no DNPM e chegou a atuar em favor da Delta. Wilder é dono da Pedreira Caldas, regis-

Randolfe Rodrigues: primo de colega deve depor rápido. trada em Caldas Novas e que constava, até 2011, como arrendatária de uma área de extração de calcário em Goiás, controlada pelo DNPM. Exoneração – Em março de 2009, Denílson respondeu e foi exonerado em processo administrativo aberto pelo DNPM, pois o departamento comprovou que o ex-servidor havia cobrado propina para liberar licença de um garimpo no Estado. No ano passado, inclusive, foi punido com a destituição do cargo e proibido de retornar à administração pública por cinco anos.

Doação – Denílson negou que o repasse de R$ 30 mil da empresa de fachada tenha abastecido campanhas eleitorais. Ele disse que não conhece Cachoeira e que o repasse foi uma doação para o Nerópolis Esporte Clube, time goiano do qual é dirigente. O clube, fundado em 1986, chamava Itauçu Esporte Clube e trocou de nome, coincidentemente em 2010, quando mudou de Itauçu por Nerópolis. Toda a negociação, disse Denílson, foi feita pelo prefeito de Nerópolis, Gil Tavares (PTB). O nome do labo-

ratório de Cachoeira, Vitapan, estampou a camisa do time. Sobre a sua exoneração, o primo de Wilder informou que recorreu da decisão. Ele alegou que todo o processo de investigação foi baseado em "declarações frágeis e contraditórias", disse. Perseguição – O presidente nacional do PSDB, deputado Sérgio Guerra (PE), divulgou nota ontem informando que não fez nem autoriza ninguém a negociar, com quem quer que seja, convocações ou suspensões de depoimentos já agendados na CPI. A nota foi a resposta da cúpula tucana à coluna Painel, da Folha de S. Paulo, que informou ter o PSDB proposto, à base aliada do governo, o cancelamento do depoimento de Paulo Vieira de Souza, ex-diretor da Dersa, ligado ao ex-governador José Serra (PSDB), em troca da anulação das convocações de Fernando Cavendish, presidente licenciado da Delta, e Luiz Antônio Pagot, ex-diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura Terrestre (Dnit). Tucanos e petistas têm trocado farpas desde quando ficou configurada a volta de Perillo para depor na CPI do Cachoeira. (Agências)

trou um boletim de ocorrência dando conta de que estaria sendo perseguido. André disse que o pai era muito discreto em relação as operações polêmicas de que participou e, pela segurança da família, não comentava muito sobre elas. Delegado sumiu – Durante a Operação Monte Carlo, coube a Tapajós acompanhar um dos auxiliares mais próximos de Cachoeira, Lenine Araújo de Souza, além de policiais militares e civis que fazem parte da quadrilha. Entre eles, o delegado da Polícia Civil de Goiás, Hylo Marques Pereira. O delegado está desaparecido desde o dia 14, segundo relato de familiares. Ele foi visto pela última vez no dia 13, nas proximidades do aeroporto de Goiânia, quando deixou no estacionamento de um hotel próximo, a sua caminhonete Toyota Hilux, na qual foi encontrada um bilhete com os dizeres: "Viagem São Paulo. Pertence ao delegado Hylo Marques", seguido de dois números de celulares. Caligrafia dele – A família confirmou que as letras do recado foram escritas por ele. Além disso, no sábado, Hylo chegou a falar com um de seus filhos, mas depois não atendeu mais as ligações. Uma filha considerou estranho o pai ter viajado sem avisar ninguém e também não atender ao celular. Ela contou que Hylo nunca havia feito algo semelhante antes e confirmou que o pai tem uma irmã que mora em São Paulo, porém ela não recebeu nenhuma ligação da estada do delegado em São Paulo. "Ele nunca fez isso. Tudo bem, vai para São Paulo. Ele tem uma irmã que mora lá. Porque ele não ligou para ela até agora? Ele não é de sair. Se sai, avisa a gente", disse. Agora, a família de Hylo vai tentar na Justiça autorização para ter acesso às imagens registradas pelas câmeras de segurança do hotel e do aeroporto. De acordo com a policia civil de Goiânia, em greve desde o dia 12, somente com um registro forma da ocorrência é que poderá ser aberto processo investigativo. Relação com Cachoeira – Durante recente depoimento na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), aberta pela Assembleia Legislativa de Goiás, ele admitiu que conhecia Cachoeira desde 1991, porém negou qualquer envolvimento com a quadrilha do contraventor. Negou também que tenha o apelido de Bigodinho, como seria citado nas gravações feitas pela PF. O delegado confirmou que conhecia Lenine Araújo de Souza, mas refutou ligação entre eles com a quadrilha de Cachoeira. Sobre o contraventor, disse que o encontrou uma vez na sede da Delta, em Goiânia, para tratar de um empreendimento imobiliário em Águas Lindas de Goiás, onde foi delegado titular. (Agências)


p Propina? É só 'bazófia', diz secretário. DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Vou processar todos os sites que divulgaram o assunto. Denise Rocha, assessora no Senado, apontada como a mulher em vídeo sexual.

olítica

João Furtado Neto, secretário da Segurança Pública em Goiás, nega que recebeu dinheiro do bicheiro Carlinhos Cachoeira para liberar pagamento à construtora Delta.

O

secretário de Segurança Pública de Goiás (SSP-GO), João Furtado Neto, citado em conversas entre integrantes da organização do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, disse ontem, em Goiânia, que jamais recebeu propina para pagar as faturas da Delta Construção. "Isso é bazófia. Não há correspondência entre as falas e os fatos", disse o secretário João Furtado. Ontem de manhã, no telejornal Bom Dia Brasil, da Rede Globo , matéria divulgou áudio gravado legalmente pela Polícia Federal, na Operação Monte Carlo, em que Cláudio Abreu, ex-diretor regional da Delta no centro-oeste, reclama que João Furtado Neto havia suspendido o pagamento do contrato de locação de veículos. Na gravação, Abreu diz a Carlinhos Cachoeira que o secretário havia mandado um aviso. "Se eu (Cláudio) não voltar a cumprir com ele, vai ficar tudo travado. Ainda ameaçou não renovar o contrato no fim do ano e licitar de novo". Depois, em poucos dias, o repasse em atraso foi pago e, além disso, houve a renova-

Divulgação

ção do contrato com a Delta. Em sua defesa, João Furtado afirma ter falado muitas vezes com Cláudio Abreu, acrescentando que o recebeu em seu gabinete ao menos duas vezes, para tratar da locação de veículos, um serviço prestado

O estado pagou por um tipo de carro e recebeu outro. Não tinha rádio nas viaturas. Cobrei a revisão de contratos. JOÃO FURTADO NETO pela Delta à Secretaria de Segurança Pública. João Furtado afirma que, na época da conversa, gravada em 15 de julho de 2011, pressionava a empresa para cumprir as exigências do contrato firmado pelo governo com a Delta. Em relação ao "cumprir com ele" mencionado por Cláudio Abreu no telefonema gravado, João Furtado diz não saber e nega que tenha relação com o pagamento de propina. "Essas pessoas tentaram interfe-

rir no meu trabalho, mandaram amigos me procurar. A diferença é que isso não aconteceu", disse. Sem dar nomes, afirma que é comum ser assediado por lobistas. Erros – Relatório do Tribunal de Contas do Estado (TCE) de Goiás, divulgado no fim de 2010, revelou muitas irregularidades na prestação do serviço feito pela Delta. "O estado pagou por um tipo de carro e recebeu outro. Não tinha rádio nas viaturas. Eu cobrei a revisão de contratos. Isto é público", diz João Furtado. Apesar dos erros na execução, o contrato recebeu dois termos aditivos e foi prorrogado até o fim de 2012. Segundo o secretário, houve adequação do serviço e, por isso, decidiu renovar o contrato no prazo permitido pela lei. Os aditivos, diz, foram necessários por causa do aumento do número de viaturas. Contrato – A Delta aluga hoje 1.981 veículos para a Secretaria de Segurança de Goiás, entre carros para a Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros e para o serviço administrativo da própria instituição. O Estado goiano paga R$ 3,2 milhões à empresa pela pres-

SECRETARIA DA SAÚDE DIVISÃO TÉCNICA DE SUPRIMENTOS - SMS.3 ABERTURA DE LICITAÇÕES Encontram-se abertos no Gabinete, os seguintes pregões: PREGÃO ELETRÔNICO 236/2012-SMS.G, processo 2012-0.034.451-7, destinado ao registro de preço para o fornecimento de Cânulas de Traqueostomia com e sem balão, para a Divisão Técnica de Suprimentos - SMS.3/Grupo Técnico de Compras - GTC/Área Técnica de Material Médico Hospitalar, do tipo menor preço. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 09h30min do dia 21 de agosto de 2012, pelo endereço www.comprasnet.gov.br, a cargo da 5ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO ELETRÔNICO 242/2012-SMS.G, processo 2011-0.324.409-0, destinado ao registro de preço para o fornecimento de FILME ADERENTE DE PVC, para a Divisão Técnica de Suprimentos - SMS.3/Grupo Técnico de Compras - GTC/Área Técnica de Odontologia, do tipo menor preço. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 09h30min do dia 30 de agosto de 2012, pelo endereço www.comprasnet.gov.br, a cargo da 5ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO ELETRÔNICO 247/2012-SMS.G, processo 2012-0.172.494-1, destinado ao registro de preço para o fornecimento de RITUXIMAB 100MG (MABTHERA), RITUXIMAB 500MG (MABTHERA), BEVACIZUMAB 100MG (AVASTIN), BEVACIZUMAB 400MG (AVASTIN), para Atendimento de Determinações do Poder Judiciário, Ministério Público e Conselhos Tutelares - Ações Judiciais, para a Divisão Técnica de Suprimentos - SMS.3/Grupo Técnico de Compras GTC/Área Técnica de Ação Judicial, do tipo menor preço. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 9 horas do dia 08 de agosto de 2012, pelo endereço www.comprasnet.gov.br, a cargo da 4ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO ELETRÔNICO 248/2012-SMS.G, processo 2012-0.163.281-8, destinado ao registro de preço para o fornecimento de HIPNOANALGÉSICOS, para a Divisão Técnica de Suprimentos - SMS.3/Grupo Técnico de Compras - GTC/Área Técnica de Medicamentos, do tipo menor preço. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 9 horas do dia 9 de agosto de 2012, pelo endereço www.comprasnet.gov.br, a cargo da 4ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO ELETRÔNICO 252/2012-SMS.G, processo 2011-0.300.895-8, destinado ao registro de preço para o fornecimento de FRASCO PARA DIETA ENTERAL 300 ML, para Atendimento de Determinações do Poder Judiciário, Ministério Público e Conselhos Tutelares - Ações Judiciais, para a Divisão Técnica de Suprimentos - SMS.3/Grupo Técnico de Compras - GTC/Área Técnica de Ação Judicial, do tipo menor preço. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 9 horas do dia 10 de agosto de 2012, pelo endereço www.comprasnet.gov.br, a cargo da 4ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO ELETRÔNICO 257/2012-SMS.G, processo 2012-0.183.309-0, destinado ao registro de preço para o fornecimento de SUGADOR CIRÚRGICO DESCARTÁVEL, para a Divisão Técnica de Suprimentos - SMS.3/Grupo Técnico de Compras - GTC/Área Técnica de Odontologia, do tipo menor preço. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 9 horas do dia 8 de agosto de 2012, pelo endereço www.comprasnet.gov.br, a cargo da 3ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO PRESENCIAL 253/2012-SMS.G, processo 2012-0.160.863-1, destinado ao registro de preço para fornecimento de FRALDAS DESCARTÁVEIS INFANTIL PAMPERS TOTAL CONFORT, TAMANHOS: PEQUENO, MÉDIO, GRANDE, EXTRA GRANDE E SUPER GRANDE, para Atendimento de Determinações do Poder Judiciário, Ministério Público e Conselhos Tutelares - Ações Judiciais, para a Divisão Técnica de Suprimentos - SMS.3/Grupo Técnico de Compras GTC/Área Técnica de Ação Judicial, do tipo menor preço. A sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 10 horas do dia 03 de agosto de 2012, a cargo da 6ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO PRESENCIAL 261/2012-SMS.G, processo 2012-0.080.052-0, destinado à aquisição de MATERIAIS PARA COPA/COZINHA, para a Divisão Administrativa de SMS.G, do tipo menor preço. A sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 14:00 horas do dia 13 de agosto de 2012, a cargo da 3ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. RETIRADA DE EDITAIS Os editais dos pregões acima poderão ser consultados e/ou obtidos nos endereços: http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br; www.comprasnet.gov.br, quando pregão eletrônico; ou, no gabinete da Secretaria Municipal da Saúde, na Rua General Jardim, 36 - 3º andar - Vila Buarque - São Paulo/SP - CEP 01223-010, mediante o recolhimento de taxa referente aos custos de reprografia do edital, através do DAMSP, Documento de Arrecadação do Município de São Paulo. DOCUMENTAÇÃO - PREGÃO ELETRÔNICO Os documentos referentes às propostas comerciais e anexos, das empresas interessadas, deverão ser encaminhados a partir da disponibilização do sistema, www.comprasnet.gov.br, até a data de abertura, conforme especificado no edital. DOCUMENTAÇÃO - PREGÃO PRESENCIAL Os documentos referentes ao credenciamento, os envelopes contendo as propostas comerciais e os documentos de habilitação das empresas interessadas, deverão ser entregues diretamente ao pregoeiro, no momento da abertura da sessão pública de pregão.

tação do serviço. Sobre a possibilidade de um rompimento de contrato com a Delta, o secretário diz não ter tomado a medida após as denúncias da Operação Monte Carlo por "responsabilidade". Acrescenta que, em Goiás, não há nenhuma empresa habilitada

a suprir a demanda pelos veículos. No entanto, informa que fará licitação para a prestação do serviço em 2013. Ca sa – João Furtado nega que a liberação de pagamentos em atraso à Delta tenha ligação com a venda da casa do governador Marconi Perillo

(PSDB). A atual edição da revista semanal Época publicou gravações de escutas telefônicas feita pela Polícia Federal. Elas revelam a relação entre negociação da venda do imóvel do governador com a liberação de recursos para a Delta. (Agências)

Empresa de fachada pagou casa

SECRETARIA DA SAÚDE AUTARQUIA HOSPITALAR MUNICIPAL Torna público que realizará no dia e hora a seguir determinado: Pregão Presencial n°: 141/2012 - Processo nº 2012-0.166.929-0 Objeto: AQUISIÇÃO DE MESAS CIRÚRGICAS ORTOPÉDICAS, PARA USO NAS UNIDADES DA AUTARQUIA HOSPITALAR MUNICIPAL. Data Abertura: 02/08/2012 - às 10:00 horas. Endereço: Rua Frei Caneca, 1398/1402, 2º andar - Consolação - São Paulo Capital. Custo do Edital: R$ 5,25. O edital do pregão poderá ser consultado e/ou obtido no site: http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br ou no Núcleo de Licitações da Autarquia Hospitalar Municipal, situada na Rua Frei Caneca, 1398/1402 - 9º andar Consolação - São Paulo - Capital, das 9:00 às 16:00 horas, aquisição mediante depósito em nome da Autarquia Hospitalar Municipal - Conta Corrente: 5.415-1 Agência: 1.897-X (Banco do Brasil) - (Apresentar comprovante do depósito).

João Furtado: diálogo entre Cachoeira e executivo da Delta deixa a suspeita de que teria recebido suborno.

É o que diz empresário ao explicar como recebeu pagamento ao vender imóvel para Cláudio Abreu, da Delta. ED Ferreira/AE - 30.05.12

O

empresário Fernando da Cunha Magalhães afirmou à CPI do Cachoeira que o depósito de R$ 120 mil da Alberto e Pantoja na conta da Oliveira e Magalhães Materiais de Construção, da qual é um dos sóciosproprietários, serviu para pagar parte de um imóvel vendido por ele para o ex-diretor da Delta Cláudio Abreu. A Polícia Federal e a CPI consideram a Alberto & Pantoja uma empresa de fachada usada pela organização comandada pelo contraventor Carlos Augusto Ramos, Carlinhos Cachoeira. Em ofício enviado à CPI, Magalhães disse ter vendido um imóvel para Abreu por R$ 200 mil. Anexou a ele documentos de cartório que comprovariam a transação realizada em abril do ano passado. O pedido de informações da comissão havia sido endereçado à mãe do empresário, Aparecida Rodrigues Magalhães, e à empresa. O filho disse que a mãe "jamais manteve qualquer espécie de relação e negócio" com Cachoeira e com a empresa Alberto e Pantoja. O empresário afirmou que não sabia que o depósito fora realizado pela Alberto e Pantoja nem que o comprador "estava envolvido com uma organização criminosa e que a origem daquele dinheiro poderia ser ilícita, só vindo tomar co-

Cláudio Abreu, da Delta: Fernando Magalhães disse ter vendido para ele um imóvel por R$ 200 mil. nhecimento deste escândalo pelas notícias divulgadas pela mídia nacional". Contudo, a versão difere da apresentada por Geraldo Donizete de Oliveira, outro sócio da Oliveira e Magalhães Materiais de Construção. Ao jornal O Estado de S. Paulo, em abril, ele disse que a Delta fez o serviço de coleta de lixo em Catalão, cidade da empresa, e que chegou a fazer negócio com

Cláudio Abreu, sem detalhar qual tipo nem o valor da transação mencionada. A PF e a CPI descobriram que a Alberto e Pantoja recebeu mais de R$ 26 milhões nos últimos dois anos da Delta. A suspeita é que os repasses via a empresa de fachada serviram também para abastecer campanhas políticas. Certidão cassada – Um mês depois de publicada a decisão

do Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região reconhecendo como falso o atestado de capacidade técnica fornecido pela prefeitura de Palmas à Delta para obtenção da Certidão de Acervo Técnico (CAT) do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Tocantins (CREA-TO), o órgão cassou ontem a certidão da empresa em reunião extraordinária em Palmas. (Agências)

Vídeo sexual: Denise vai à Justiça.

A

assessora parlamentar Denise Leitão Rocha disse ontem, em Brasília, que tem sofrido "acusações injuriosas" motivadas por um vídeo com cenas de sexo que circulou no Senado e vazou na internet. Servidores próximos a Denise garantem que é ela quem está no vídeo. Ontem, o senador Ciro Nogueira (PP-PI) disse que Denise deverá ser demitida em agosto, ao fim do recesso no Congresso Nacional. Denise trabalha para o senador. "Não vou passar o resto do mandato dando explicação", disse Nogueira. E acrescentou que a situação é constrangedora, embora não tenha ocorrido nas dependências do Senado. Denise já disse que vai "processar todos os sites que divulgaram o assunto". O vídeo

Reprodução

tem 2 minutos e 57 segundos. Exibe cenas de sexo entre um homem e uma mulher. Esta tem uma tatuagem igual à que se vê em fotos de Denise que circulam na rede mundial. O vídeo com a cena de sexo era do conhecimento de alguns jornalistas. Durante o depoimento de Raul Filho (PT), prefeito de Palmas (TO), na CPI do Cachoeira, no dia 10 passado, o vídeo apareceu nas telas dos notebooks de parlamentares e de jornalistas presentes à sessão, chamando a atenção de quem o viu. Denise tem avisado que, no momento, não quer se pronunciar sobre o caso. "Eu não vou falar agora. Depois que tomar as providências judiciais contra os responsáveis pela divulgação do vídeo, falarei sobre a questão". (Agências)

Denise Leitão Rocha: reclamação de que tem sofrido "acusações injuriosas", e risco de perder o emprego de assessora parlamentar


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 20 de julho de 2012

7

A crise que está aí não foi criada pelos trabalhadores e não pode ser usada para não conceder reajustes aos servidores. Vagner Freitas, presidente da CUT.

olítica

Andre Dusek/AE

Servidores bloqueiam entrada no ministério do Planejamento: o impasse entre grevistas e o governo deve continuar.

Dilma conversa sobre novo avião Descontente com o "Aerolula", presidente estuda com a Boeing a encomenda de um do tipo Air Force One.

A

presidente Dilma Rousseff está em conversas com a Boeing para adquirir um novo avião presidencial, disseram quatro fontes à Reuters, sinalizando uma entrada maior para a fabricante norte-americana em um dos maiores mercados emergentes do mundo. Dilma quer um avião maior mais consistente com o crescente poderio político e econômico do Brasil e está avaliando a compra de um Boeing 747 similar ao Air Force One, aeronave usada pelo presidente dos Estados Unidos, disseram as fontes sob condição de anonimato. Atualmente, Dilma usa um

Airbus A319, que foi comprado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2004. No entanto, a aeronave é incapaz de realizar longos percursos e teve de realizar duas paradas para abastecimento durante a viagem da presidente à Índia, em março, disseram as fontes. "Presidentes brasileiros irão viajar à Índia e à China uma vez por ano todos os anos a partir de agora, e não devemos ter que fazer paradas como esta", disse uma das fontes. Outra fonte disse que a opção pela Boeing era a única sendo seriamente analisada por Dilma. Se a compra for realizada,

será uma vitória simbólica nos esforços da Boeing de ganhar mercado na maior economia da América Latina. A questão ganhou urgência, já que os tradicionais mercados da companhia nos Estados Unidos e na Europa apresentam baixas previsões de crescimento. Relações próximas – A Boeing anunciou um acordo neste mês para fornecer um novo sistema de armas para o avião de combate leve Super Tucano, fabricado pela Embraer, que está tentando expandir suas operações na área da defesa. As companhias também anunciaram, em junho, que iriam colaborar no desenvol-

vimento e marketing do jato militar e de reabastecimento KC-390, também produzido pela Embraer. É possível que um relacionamento mais próximo com o governo brasileiro e a maior fabricante de aeronaves do País possa dar à Boeing uma vantagem em outro negócio muito maior, de 5 bilhões de dólares: a nova geração de caças da Força Aérea Brasileira . Medo de avião – O jornal O Globo informou no sábado que Dilma "morre de medo" de turbulência e instruiu seus pilotos algumas vezes a alterar o plano de voo para desviar de tempestades ou outros problemas. (Reuters)

CUT não apoia greve de servidores Presidente da entidade defende uma negociação

A

pós se reunir com o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, o novo presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, deixou o Palácio do Planalto dizendo que não apoia greve geral dos servidores públicos federais e defendendo a necessidade de o governo apresentar proposta aos trabalhadores para "destravar" as negociações. "Nós achamos que não se sai do impasse se radicalizar posições", declarou ele, após pedir "tolerância" por parte do governo e justificar que não aceita a tese de que não há como conceder reajustes agora, porque o País está passando por uma crise internacional. "A crise que está aí não foi criada pelos trabalhadores e não pode ser usada como desculpa para não conceder reajustes aos servidores, que em muitas carreiras não tiveram recuperação nem da inflação", afirmou Freitas. Ele insistiu na necessidade de o governo apresentar uma proposta. "Sem negociação, não há como sair da crise", ressaltou. Vagner Freitas criticou ainda a posição do governo que anunciou o corte de pagamento de salário dos grevistas.

"Existem medidas que não ajudam no processo de construir saídas, como o corte de ponto e a pressão sobre dirigentes sindicais, ainda mais em um processo de negociação em um governo democrático e popular que construímos no Brasil", desabafou. Ele argumenta que, se o governo apresentou uma proposta para os professores, tem de apresentar para as demais categorias. O sindicalista também lembrou que a CUT é a central que mais reúne representantes do serviço público federal, e que, por isso mesmo, estava se oferecendo para intermediar as negociações. "A CUT é a que tem a maior parte dos servidores a ela filiados, tem a responsabilidade de vir pedir que o diálogo seja aberto para que se saia deste impasse", declarou. Apesar da pressão dos servidores públicos federais, que permanecem acampados na Esplanada dos Ministérios e ameaçavam invadir o Ministério do Planejamento, a presidente Dilma Rousseff não pretende amenizar para atender às reivindicações. Ao contrário, tem reiterado que não há como atender a qualquer tipo de pleito por causa da crise internacional e os reflexos dela no País, com desaceleração da economia. (AE)

Alessandro Shinoda/Folhapress - 13.07.12

Candidatos acirram disputa por votos em SP Troca de acusações cresce até internet, por orientação dos comando de campanhas.

P

reocupado com a ação de um grupo que chamada de "guerrilha do PT", a equipe de campanha de José Serra (PSDB) treinou jovens ligados ao partido para realizar um contra-ataque nas redes sociais, em um grupo que foi batizado de Infantaria 45. O objetivo é debater as propostas de Serra e divulgar na internet suas realizações. A equipe de marketing serrista vai passar aos jovens um tema por dia, que deve ser divulgado no Twitter e no Facebook. O alvo dessa campanha é o candito petista, Fernando Haddad. José Serra tem um espaço específico em sua página oficial de campanha (http://serra45.com.br/) para receber sugestões de internautas para a cidade. De acordo com sua coordenação de campanha, haverá uma seleção das propostas e elas serão agregadas ao programa de governo do tucano.Serra possui ainda um aplicativo para smartphones.

Fernando Haddad: críticas aos manifestantes tucanos durante caminhada pelo centro de São Paulo.

Em pleno século 21, a juventude tucana ainda está com a cabeça em 1968 e, pior, do lado errado da história. VEREADOR ANTONIO DONATO Além disso, Serra possui uma rede social própria, a SerraJá, usada para agregar eleitores e simpatizantes do candidato tucano e disseminar o conteúdo produzido pelo candidato. Haddad – Coordenador da campanha de Fernando Haddad, o vereador Antonio Donato chamou ontem de "fascistas" os manifestantes que fizeram um ato contra o petista na quarta-feira, durante uma caminhada no centro de São Paulo. "Usando de um expediente tipicamente fascista, quatro jovens tucanos passaram-se por estudantes para protestar contra a greve nas universidades federais, como se estivesAlex Falcão/Futura Press/

sem mesmo preocupados com esta paralisação", afirma Donato, em texto publicado ontem no site diretório municipal do PT. Os manifestantes cercaram Haddad e cobraram intervenção do ex-ministro da Educação na negociação do governo com os grevistas, parados há 60 dias. O protesto relâmpago foi filmado pelo grupo que, após o encontro, enrolou os cartazes e não continuou seguindo Haddad na caminhada. Um dos manifestantes foi identificado como militante do PSDB. Trata-se de Marcos Saraiva, 20, "conselheiro político da juventude estadual do partido", segundo sua própria definição no Facebook. No Twitter, ele se apresenta como "deputado federal jovem pelo PSDB-SP". Outro manifestante é Victor Ferreira, secretário da juventude do PSDB. Contatado por telefone após o evento, chegou a dizer que não estava no ato e desligou. "Em pleno século 21, a juventude tucana ainda está com a cabeça em 1968 e, pior, do lado errado da história", diz Donato. Para o petista, o eleitor repudia esse tipo de comportamento. "A atitude dos quatro tucanos mostra a verdadeira face do PSDB, partido que abusa do discurso em favor da democracia, mas que na prática age com intolerância e desrespeito contra os adversários. O episódio é um alerta de que o PSDB está disposto a usar de qualquer expediente para favorecer seu candidato na eleição para a Prefeitura de São Paulo", completa o vereador. Durante o protesto, Haddad

J. Duran Machfee/Futura Press/AE

chegou a interagir com o grupo. "Quando eu estava lá [no ministério] não teve greve, companheiro", disse. "Em quanto tempo o senhor resolve? Em quanto tempo o senhor resolve?", repetiu Ferreira, sem deixar Haddad responder. "Em quanto tempo a g e n t e p o d e v o l t a r a e s t udar?". Russomano – O candidato do PRB à Prefeitura de São Paulo, Celso Russomanno, tirou a semana para realizar uma operação de campanha para "mostrar que é católico", expressão que é usada por ele próprio. Ontem ele promoveu a segunda agenda pública na semana com afagos ao clero e ao eleitor apostólico romano. Participou de celebração na igreja de Santo Expedito, na região central, à qual assistiu no altar. Enquanto o padre Osvaldo Palópito circulava pela nave, Russomanno o seguia e cumprimentava eleitores. Ao final, distribuiu cartões. A visita foi organizada por Terezinha Barbosa, líder comunitária da zona sul com trânsito na igreja. Ela disse que muitos a procuram pensando em votar em Russomanno, mas dizem que resistem por ele ser do PRB, ligado

José Serra (acima): implantação da Infantaria 45 na internet para combater o PT de Fernando Haddad. Celso Russomano (à direita), do PRB: novas visitas às igrejas.

à Igreja Universal. "Ele está mal para caramba com os católicos", reclamou. Após a visita, ela disse que o candidato lhe deve "um favorzão" e já planejou as próximas visitas a igrejas. Após ouvir as dúvidas sobre sua religião, Russomanno brincou: "Então vamos lá mostrar que a gente é católico. Daqui a pouco tenho que mostrar

certidão de batismo, primeira comunhão, crisma". O candidato reclamou que lhe questionem algo "sem cabimento". Disse que irá a toigrejas de todas as religiões, mas que a eleição não pode ser voltada para o tema. Na segunda-feira, ele visitou o arcebispo de São Paulo, dom Odilo Scherer, que vetou imagens dos dois juntos. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

sexta-feira, 20 de julho de 2012

nternacional

Nada de alpinismo na terra de Sierra Maestra A serra foi fundamental para a vitória da revolução, em 1959. Mas Cuba 'esqueceu' a história e proíbiu escaladas. Alex Lowther The New York Times

V

alle de Vinales, Cuba – Aqui as montanhas não foram empurradas de baixo para cima, como geralmente ocorre. Neste parque nacional e Patrimônio Mundial da Unesco, tudo desabou – exceto as montanhas. Os mogotes, como são chamadas essas ilhas de pedra calcária, são suavemente abobadados, como grandes pães redondos, mas as laterais parecem ter sido escavadas – deixando um terreno que mergulha abruptamente até o chão do vale. No final da década de 1990, alpinistas de rochas encontraram um paraíso onde as paredes dos mogotes são íngremes

demais para segurar qualquer vegetação. Saliências enormes, algumas com 150 metros de altura, são cobertas por candelabros de estalactites, buracos e protuberâncias intermitentes – tudo perfeitamente formado para que mãos e pés humanos consigam escalar a pedra do solo ao topo. Rapidamente, moradores locais aderiram – e formou-se uma próspera cena de escaladas. Vinales se tornou um dos destinos preferidos para alpinistas da Europa, Canadá e Estados Unidos. Centenas de rotas subiam as principais faces de montanhas do vale, e durante anos os alpinistas visitantes tiveram carta branca.

Mas isso acabou. No final de março, mesmo com o Papa Bento XVI defendendo uma "liberdade autêntica" em Cuba frente a 200 mil pessoas em Havana, os alpinistas daqui, a três horas de carro da capital cubana, lutavam contra a proibição de seu esporte. Numa era em que o governo cubano vem suavizando restrições – permitindo pensões e restaurantes privados, e agora a venda de propriedades imobiliárias e automóveis –, ele parece ter caminhado na direção oposta neste caso, ameaçando a prosperidade de Vinales e o futuro do esporte em Cuba com uma proibição ao alpinismo e regulamentação do

turismo independente. Numa noite de março, sob as luzes fluorescentes de um bar de praça, as conversas entre alpinistas focavam nos guardas que vinham supervisionando a proibição desde o começo do ano. Onde estar i a m e l e s n a q u e l e d i a ? A lguém foi pego escalando? O que aconteceu? E então: "Por que eles existem, afinal?".

O alemão Jens Franzke escala mogote no Parque Nacional de Vinales

pode ir a algum lugar por conta própria, sozinho, e eles respondem: 'Não, isso é impossível'". Durante sua viagem, Franzke, de 46 anos, e Ina foram obrigados a parar de escalar diversas vezes, ameaçados pela ação de guardas do parque, e foram informados de que o manual Cuba Climbing, que eles

Vinales: cidade prosperou com o esporte e agora sofre sem ele.

usavam para encontrar rotas no vale, era ilegal pois seus autores não moravam mais em Cuba (eles moram no Wyoming e no Canadá). "É uma pena, pois isto é um paraíso", afirmou Franzke. O casal conseguiu escalar quase diariamente, evitando as regras e os guardas, mas "nunca mais vamos voltar", completou ele. Essa é a maior preocupação dos moradores e alpinistas. Vinales é o centro do vale e o coração do Parque Nacional de Vinales. A cidade de 17 mil habitantes tem mais de 300 pensões privadas com quartos para turistas que vêm fazer caminhadas, explorar os penhascos, andar a cavalo, observar aves e escalar no parque nacional. Isso permitiu que o vale superasse a pobreza típica do restante do país. Armando Menocal, um dos autores do Cuba Climbing e

especialista na região, declarou: "O turismo criou uma economia forte e vibrante, totalmente baseada na recreação ao ar livre". A proibição, caso continue, "pode ser devastadora para o turismo e o alpinismo em Vinales", disse ele. Os alpinistas cubanos dependem de turistas que doam sapatos, cintas e cordas de escalar. Os equipamentos não estão disponíveis e, mesmo que estivessem, o custo seria proibitivo num país onde os salários governamentais variam entre US$ 15 e US$ 25 ao mês. Sem novas doações, os sapatos, cintas e cordas se desgastam. Sem substituição, os parafusos de escalada nas rochas entram em corrosão e perdem a segurança. Essencialmente, escalar os mogotes se tornaria impossível.

Fator de "peligrosidad" para o Estado

O

alpinismo foi proibido em 2003, quatro anos após o início do grande desenvolvimento do setor. O governo classificou as escaladas como um fator de "peligrosidad", uma vaga designação de que algo oferece perigo ao estado. Hoje, o esporte é um delito punível com prisão. A proibição do alpinismo nunca foi formalmente anunciada, e não era aplicada para turistas. Para os cubanos era basicamente um incômodo, mas as consequências podiam ser mais severas. Um experiente alpinista cubano foi advertido de sua classificação como "peligroso" em 2010, e diversos outros foram levados à delegacia e fichados. Isso parecia ser mais provável quando os alpinistas escalavam e socializavam com estrangeiros, algo desaprovado pelo governo. Questionada por um alpinista cubano, a explicação de uma autoridade pública para a disparidade na aplicação da lei em relação a cubanos e turistas, segundo Menocal, foi: "Os turistas comem presunto e queijo. Eu e você não comemos".

Em janeiro, agentes estaduais organizaram uma reunião reafirmando a proibição da prática. Os alpinistas acharam que era apenas mais falatório, mas de repente havia guardas patrulhando o perímetro do parque o mandando alpinistas darem meia-volta. Alguns desconfiam que a segurança estadual é o motivo da repressão. Muitos dos penhascos escalados fazem parte do plano de defesa nacional em caso de ataque, e alpinistas acreditam que membros da segurança estadual temem que cubanos e

estrangeiros estejam ali se organizando contra o governo. Explicações oficiais atestam que os cubanos não apoiam os chamados esportes radicais. Eles se preocupam com ferimentos graves, e autoridades afirmaram que deveria sempre haver uma ambulância estacionada ao lado dos penhascos mais movimentados para o caso de alguém se ferir. Mas não há dinheiro para isso. Também é possível que o governo não tenha interesse num esporte sem participação nas Olimpíadas – onde a delegação cubana costuma

Parque nacional cubano é Patrimônio Mundial da Unesco

obter excelentes desempenhos. Segundo proprietários de "casas particulares", como são chamadas as pensões caseiras, as declarações sobre essas regras são exageradas. Oscar Jaime Rodriguez, dono de uma pensão para alpinistas no vale, tentou suavizar os temores. "Eles estão sempre dizendo que é tudo proibido, mas os alpinistas continuam vindo e escalando normalmente", disse ele. "Vale a pena". Mesmo assim, escalar pode ser uma experiência tensa. Nas principais paredões de Vinales, fazendas trabalham duro no sopé dos penhascos. Agricultores aram o solo vermelho para plantar o melhor tabaco do mundo, e galinhas ciscam pelo mato. É lindo, mas ao escalar, cada movimento ou ruído pode atrair um guarda e significar o fim do passeio. "É estressante", declarou Cofi Jones, uma alpinista canadense. Após três semanas, ela já estava cansada e decidida a partir. "Pra mim chega", disse ela. "Cansei de esperar até que os guardas vão embora para escalar. Cansei dos guardas. Não me sinto bem fazendo algo que é proibido."

Fotos: Alex Low ther/The New

J

ens Franzke, alpinista de Dresden, Alemanha, que está aqui há três semanas com a mulher, Ina, estava farto. "Isso parece a Alemanha Oriental antes da queda do Muro de Berlim", declarou ele. "Há todas essas regras, e nenhuma delas faz o menor sentido. Não há placas, nem mapas detalhados. Você pergunta se

York Times

"Parece a Alemanha Oriental antes da queda do Muro de Berlim"


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 20 de julho de 2012

9

A Tunísia condenou ontem o ditador deposto Zine El Abdine Ben Ali à prisão perpétua pela morte de 43 manifestantes durante a revolução que deu início à Primavera Árabe. Refugiado na Arábia Saudita, ele já havia sido condenado antes. nternacional Reuters

Conselho da ONU fracassa Rússia e China vetam pela terceira vez resolução que abriria caminho para sanções mais duras contra o regime sírio. Em Damasco, ditador reaparece.

O

Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) não aprovou ontem uma resolução que abriria caminho para intervenções mais significativas contra a Síria. Por 11 votos a favor, dois votos contra e duas abstenções, a resolução foi derrubada. China e Rússia são os membros do Conselho com poder de veto e desde segunda-feira o chanceler russo, Sergei Lavrov, já havia avisado que o país iria bloquear a resolução, apesar dos apelos dos demais membros. Proposta por Reino Unido, EUA, França e Alemanha, a resolução estenderia a atual missão de observadores não armados da ONU por 45 dias (ela expira hoje). "Na Síria as pessoas continuam a morrer, enquanto Moscou e Pequim continuam a hesitar", disse o ministro de Assuntos Exteriores alemão, Guido Westerwelle. Ramadã – Segundo a rede de TV Al Jazeera, "um grande número" de tanques entraram ontem pela primeira vez em Damasco e o governo prometeu "se livrar dos terroristas na cidade até o começo do Ramadã", o mês sagrado para os muçulmanos que começa hoje. Os EUA disseram que o Conselho "fracassou totalmente" na Síria e que vão trabalhar fora da organização para enfrentar o ditador Bashar al-As-

sad. "Vamos intensificar nosso trabalho com uma gama diversificada de parceiros fora do Conselho de Segurança para exercer pressão sobre o regime de Assad e levar assistência aos necessitados", disse a embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Susan Rice. Armas químicas – Lembrando do estoque de armas químicas da Síria, Rice disse que "na medida em que a situação se deteriora, aumenta a possibilidade de o regime considerar o uso de armas químicas contra seu próprio povo e isso deve ser uma preocupação para todos nós", disse ela. Na segunda-feira, Nawaf Fares, que desertou do cargo de embaixador da Síria no Iraque, disse em entrevista à BBC que está "convencido" que Assad usará essas armas caso se sinta encurralado. Segundo o porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, o argumento de que é necessário apoiar e sustentar Assad para evitar o caos e a violência é refutado diariamente pelo caos e violência que tomam o país por causa das ações de Assad. "É simplesmente sem lógica." 250 mortos – Mais de 250 pessoas foram mortas na Síria ontem, de acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, o maior número de vítimas em um único dia desde o início da revolta contra Assad, há 16 meses. (Agências)

Assad encontrou-se com o novo ministro da Defesa ontem; a primeira aparição dele desde o ataque a bomba de quarta-feira em Damasco. Apu Gomes/Folhapress

Com medo, sírios fogem para o Líbano.

F

PROTESTO CONTRA ASSAD EM SÃO PAULO – No dia seguinte ao pior ataque sofrido pelo regime de Bashar al-Assad em 16 meses de conflito, cerca de 30 manifestantes se reuniram no fim da manhã de ontem em frente ao consulado sírio em São Paulo, na Avenida Paulista, para pedir a saída do ditador – e a renúncia do cônsul e do embaixador no Brasil. "Façam como o embaixador sírio no Iraque, que veio para o lado do povo. Vocês estão tendo a oportunidade de renunciar a um governo assassino", instou o descendente de libaneses Mahmoud Kadril, coordenador do Comitê de Apoio à Luta e à Revolução do Povo Sírio, que organizou o protesto.

ontes de segurança do Líbano informaram que cerca de 20 mil sírios pediram refúgio no país desde a quarta-feira, sendo 6.200 somente entre às 6h e às 18h locais de ontem (0h e 12h em Brasília). A fuga seria reflexo do ataque contra membros do alto escalão do regime sírio, em Damasco. Caso as estimativas se confirmem, o número é mais da metade dos 30.183 sírios que passaram pela fronteira do Líbano durante os 16 meses do conflito, segundo a ONU (Organização das Nações Unidas). No entanto, militantes de

direitos humanos dizem que o grupo seria maior. A maioria dos refugiados se encontra na região de Wadi Jaled, no norte libanês, onde aconteceram incursões do exército sírio e várias mortes já aconteceram. Fronteiras – Informações de ativistas e do governo do Iraque dão conta de que rebeldes do Exército Livre Sírio tomaram controle de postos do regime nas fronteiras com a Turquia e no Iraque. Um vídeo amador divulgado na internet ontem mostra os rebeldes tomando conta de um posto na fronteira turca.

Thomas Erdbrink/The New York Times

Jeitinho iraniano Embargo a petróleo faz Irã disfarçar navios-tanques

O

volumoso navio-tanque Neptune flutuava sem rumo pelas águas quentes do Golfo Pérsico, com uma demão fresca de tinta preta mal cobrindo sua verdadeira identidade de embarcação iraniana carregada com centenas de milhares de barris de petróleo, que ninguém está disposto a comprar. O nome verdadeiro do navio era Iran Astaneh e fazia parte de uma frota de aproximadamente 65 petroleiros iranianos servindo como instalações de armazenamento flutuante para o petróleo iraniano; cada um deles passou

por uma maquiagem náutica para ocultar sua origem e facilitar o encontro de um comprador. No começo de julho, o Neptune flutuava no mar havia um mês. Segundo pescadores locais, existiam dois navios-tanques ainda maiores ancorados nas cercanias. Tendo de enfrentar sanções econômicas cada vez mais severas impostas pela comunidade internacional para forçar o abandono de qualquer ambição de desenvolvimento de armas nucleares, o Irã reluta em reduzir a produção de petróleo temendo danificar seus poços. Porém, a nação tem capacida-

de insuficiente para estocar o petróleo bruto que não consegue vender. Assim, enquanto trabalha furiosamente para construir capacidade de armazenamento em terra firme, ele recorre ao disfarce no mar. Segundo especialistas internacionais em petróleo, as exportações iranianas já caíram pelo menos 25% desde o começo do ano, custando ao país cerca de US$ 10 bilhões em receitas perdidas até agora. As vendas do Irã devem cair ainda mais com o embargo europeu, o qual entrou em vigor em 1º de julho. The New York Times

Navios carregando petróleo do país persa navegam disfarçados pelas águas quentes do Golfo Pérsico

Reuters

Este é o homem-bomba que matou 7 na Bulgária

A

Imagens mostram o terrorista caminhando pelo aeroporto e circundando ônibus que levaria turistas israelenses para um resort

utoridades búlgaras afirmaram ontem que o atentado que deixou sete mortos no país foi um ataque terrorista, obra de um homem-bomba. Entre as vítimas da explosão de um ônibus no aeroporto de Burgas, na quarta-feira, havia cinco turistas israelenses. Israel afirma que o golpe terrorista foi obra de militantes do Hizbollah, organização com apoio iraniano. O Irã, no entanto, nega ter tido qualquer participação no atentado de ontem. Vídeo – Imagens captadas pelas câmeras de segurança mostram que o provável terrorista estava circundando um grupo de ônibus que, em breve, levariam turistas israelenses para um resort próximo.

Segundo Tsvetan Tsvetanov, ministro do Interior da Bulgária, o suspeito do ataque tinha uma licença para dirigir falsa emitida no Estado de Michigan, nos EUA. Segundo o governo búlgaro, o terrorista tinha 36 anos e estava no país entre quatro e sete dias antes do ataque. Um jornal afirmou se tratar de Mehdi Muhammad Ghezali, sueco de origem argelina que esteve preso em Guantánamo. As autoridades da Suécia, no entanto, negam a informação. Apesar de Israel sinalizar que não apressará um conflito aberto com o Irã ou com esse grupo extremista, Benjamin Netanyahu, premiê israelense, prometeu que irá "reagir poderosamente". (Agências)


g

DIÁRIO DO COMÉRCIO

10

eral

sexta-feira, 20 de julho de 2012

AMAZÔNIA AZUL Navio oceanográfico vai permitir pesquisas em quatro milhões e meio de quilômetros quadrados de mares brasileiros, chamados de "Amazônia Azul".

Cruzeiro do Sul: no céu, no mar e na USP. A constelação de estrelas mais famosa do País empresta seu nome ao novo navio oceanográfico e um novo supercomputador, ambos da Universidade de São Paulo Valdir Sanches

A

estrela que representa São Paulo na bandeira brasileira brilha mais do que o Sol. É também a mais luminosa das cinco que, no céu, formam a constelação do Cruzeiro do Sul. Seu nome é Alpha Crucis, um sucesso também em terra. No dia 30 de junho, a Universidade de São Paulo (USP) inaugurou seu novo navio oceanográfico, de 64 metros e 972 toneladas. Batizado Alpha Crucis, singrará nossos mares até o fim do mês. Na mesma universidade, em fevereiro, entrou em operação um supercomputador, que deverá permitir avanços expressivos nos estudos das estrelas. Recebeu o nome de uma delas, justamente Alpha Crucis. Essa estrela está presente, com suas “irmãs” do Cruzeiro do Sul, no Brasão de Armas Nacionais, no emblema do Exército, no Hino Nacional e no Hino à Bandeira. Também está em canções populares e na bandeira de quatro países estrangeiros. A do Japão não tem estrelas, mas um grande disco, representando o Sol. Pois, no firmamento, Alpha Crucis brilha cinco mil vezes mais do que o assim chamado Astro-Rei. É verdade que ela não é só uma, mas um sistema de três estrelas. Cada uma delas tem massa (peso) muito grande, até 25 vezes maior do que a do Sol. Por isso geram mais energia, são mais luminosas. São estrelas muito quentes. A temperatura do Sol é de cerca de seis mil graus. Na superfície, essas estrelas chegam a vinte mil graus. Seria dispensável perguntar ao professor Alex Cavalieri Carciofi, especialista em estrelas massivas, porque Alpha Crucis e as outras quatro que compõe o Cruzeiro do Sul aparecem tão pequenas no céu. A resposta é óbvia: porque estão mais longe. Mas o professor do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG), da USP, dá detalhes. Alpha Crucis está a 320 anos-luz da Terra. O sol, a oito minutos-luz. Mas apesar de tal lonjura, em termos de galáxia Alpha Crucis encontra-se “aí na esquina, na vizinhança”. É que a Via Láctea, a nossa galáxia, é pequena diante de outras, gigantescas. O Cruzeiro do Sul fica no Hemisfério Sul celeste. Só quem está no Hemisfério Sul, como nós, no Brasil, pode vê-lo. Observadores da Europa, que fica no Hemisfério Norte, por exemplo, não o enxergam. Caravelas – Informações sobre a existência do Cruzeiro do Sul chegaram aos europeus na época das Grandes Navegações, entre os séculos 15 e 17, quando começaram a percorrer os mares setentrionais, do sul. Descobriram que, aqui embaixo, as constelações eram outras. Alpha Crucis é também chamada Fernão de Magalhães, em homenagem ao navegador português que, em 1519, partiu da Espanha e circunscreveu o globo. Um navegante poderia orientar-se pelo Cruzeiro do Sul. O braço maior da cruz, no sentido do alto para baixo, aponta diretamente para o Ponto Cardeal Sul. Mas na época das Grandes Navegações, a bússola, inventada pelos chineses em 850 d.C., já estava em uso. Os habitantes da América do Sul conheciam as constelações há muito tempo. Os índios brasileiros deram nome para elas. Entre as mais conhecidas está a constelação

ira/Luz

Chico Ferre

Alex Cavalieri Carciofi, da USP: supercomputador consegue fazer 20 trilhões de cálculos por segundo. da Ema. São constelações diferentes das do homem branco, os índios viam outros desenhos. Apesar disso, o Curuxu está lá. Corresponde exatamente ao Cruzeiro do Sul. O Curuxu segura a cabeça da Ema. Os guaranis acreditavam que, se o Curuxu se soltasse, beberia toda a água da Terra. E os habitantes morreriam de sede. Em 1930, a União Astronômica Internacional (UAI), chegou a uma conclusão. Conste-

lações não têm finalidade nenhuma para fins astronômicos. Sendo assim, a UAI mapeou o céu. Foi acordado internacionalmente que existem 88 constelações. Lo cali zaç ão – Como se faz, modernamente, para se localizar uma estrela? Os astrônomos usam duas coordenadas, a declinação e a ascensão reta. Equivalem, na Terra, à latitude e longitude. Como se acha Júpiter? Entra-se num programa de computador e

pergunta-se qual é a coordenada de Júpiter. A máquina dá as coordenadas, a declinação e a ascensão reta, daquele momento. Basta, então, digitá-las em um telescópio moderno e ele aponta diretamente para o planeta. Viagem inaugural – No final do mês, o navio oceanográfico da USP zarpará do porto de Santos com 21 pesquisadores e uma missão: pesquisar o ciclo do carbono, a troca que os oceanos fazem desse gás com

a atmosfera. Essa será a viagem inaugural do Alpha Crucis, o novo navio do Instituto Oceanográfico da USP. O Alpha Crucis, na verdade, abre o Oceano Atlântico aos pesquisadores. O navio anterior, o Professor W. Besnard, não podia ir além de 200 milhas náuticas da costa (370 quilômetros). Levava quinze pesquisadores e tinha autonomia para duas semanas de viagem. Um incêndio o retirou de cena, em 2008, depois de

quarenta anos de uso. O novo navio, de 64 metros e 972 toneladas, pode navegar por setenta dias. Se houver interesse, chega à África. Leva 23 pesquisadores e 18 tripulantes. Com seus dois motores, e a combinação dos lemes e hélices, pode ficar parado em alto-mar. Isto é essencial para as pesquisas. Permite que se desça uma sonda, para investigar o relevo do fundo do oceano. Outros equipamentos medirão as correntes marinhas e analisarão o clima. As sondas e os equipamentos são de última geração. À espera do Alpha Crucis estão quatro milhões e meio de quilômetros quadrados de mares brasileiros. Nessa “Amazônia Azul”, como já foi chamada, está a maior biodiversidade de espécies marinhas do Atlântico Sul. E riquezas minerais que vão de imensos reservatórios naturais de carbono (do qual deriva toda matéria viva), aos de petróleo e gás. Computador – O supercomputador Alpha Crucis é a nova estrela do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo (IAG/USP). Ele é capaz de fazer 20 trilhões de cálculos por segundo. Com isso, permite aos astrônomos projetar realidades além das mostradas pelos telescópios. A máquina começou a operar em fevereiro. No primeiro teste, usou-se apenas metade de sua capacidade. Nessas condições, um procedimento que duraria uma hora e meia, nos antigos computadores, foi feito em exatos um 1 minuto e 57 segundos. O professor Alex Cavalieri Carciofi, responsável pelo projeto, explica a importância do supercomputador. Os telescópios dos grandes observatórios mundiais mostram as estrelas como pontos luminosos. Mas no computador é possível criar modelos matemáticos que reproduzem a dinâmica do meio interestelar, que é onde as estrelas surgem. Pode-se projetar uma colisão de galáxias, por exemplo. “É uma ponte entre a teoria e a observação”, diz Carciofi. “O computador calcula como se veria por inteiro o que aparece no telescópio como apenas um ponto.” O Alpha Crucis é, na verdade, um aglomerado de computadores. São 2.304 processadores que “conversam um com o outro”. “O cálculo é dividido em 2304 pedaços.” Para receber a máquina de US$ 1 milhão, que pesa cinco toneladas, foi preciso reforçar a laje do terceiro andar do IAG, onde se encontra a máquina. Com outros equipamentos destinados a pesquisas astronômicas, o supercomputador formou o Laboratório de Astroinformática, projeto coordenado por Carciofi, em parceria com a professora Elisabete Dal Pino, sua colega no Departamento de Astronomia do IAG. A Alpha Crucis atenderá a 150 professores e pesquisadores da USP e da Universidade Cruzeiro do Sul, de São Paulo, que atuou como parceira do projeto. No céu – O Cruzeiro do Sul pode ser visto em quase todas as regiões do País, entre março e setembro. No Estado de São Paulo, entre maio e julho, está visível bem alto, perto das oito horas da noite. Em junho, nessa hora, olhando-se em direção ao Sul, veem-se claramente suas cinco estrelas. O braço maior estará apontando para o Ponto Cardeal Sul. É fácil achar o Cruzeiro do Sul. Suas estrelas estão entre as mais brilhantes do céu.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 20 de julho de 2012

c

11 CONFUSÃO Policiais teriam confundido aparelho de telefone celular da vítima com uma arma. Comando da Polícia Militar afirma que atitude técnica dos PMs foi correta.

idades

Publicitário é morto por PMs na zona oeste Ricardo Prudente teria fugido de uma tentativa de abordagem dos três policiais, que teriam confundido o telefone celular com uma arma. Polícia Militar pede "desculpas". Werther Santana/AE

Ó RBITA

HIGIENÓPOLIS

A

Marca de tiros no veículo Fiesta do publicitário morto por policiais militares: sem justificativa legal para ação D e s cu l p a s – A corporação afirma que "dá indícios de falhas de procedimento inaceitáveis" e conclui o comunicado se desculpando pelo ocorrido. "A Polícia Militar pede desculpas à família, à sociedade e esclarece que, após as apurações, os envolvidos pagarão pelos seus erros na medida de suas atitudes." O subcomandante-geral da Polícia Militar de São Paulo, coronel Hudson Camilli, afirmou que a ação dos policiais que mataram o empresário foi "tecnicamente correta", porém sem "justificativa legal". Pesadelo – A publicitária Lélia Pace Prudente de Aquino, de 35 anos, disse que a morte do seu marido é um "pesadelo". "Para mim, ele é minha família. Ele é tudo o que eu tinha. Não sei como vou continuar

daqui para frente", afirmou. Lélia e Ricardo estavam juntos havia nove anos, sendo quatro como casados. A publicitária estava tentando engravidar, já que o casal não tinha filhos. "É tão difícil encontrar uma pessoa que você ame e que faça tudo por você. Ele era assim. Tinha um coração excelente, batalhador, sempre ajudava as pessoas. Amigo, companheiro." Santos – Em Santos (SP), a perseguição policial a um carro com seis pessoas, no início da madrugada de ontem, no Morro do São Bento, resultou na morte de um jovem de 19 anos e em outros dois feridos: um rapaz de 20 anos e uma adolescente de 15 anos. Por não atenderem a ordem de parada dos policiais, o veículo acabou sendo alvejado com

SE ESSAS RUAS...

A

Câmara Municipal edita uma interessante publicação de periodicidade semestral, intitulada Revista do Parlamento Paulistano, que aborda em profundidade temas relativos à Cidade. Na edição que acaba de ser lançada, seu assunto de capa são os 50 mil nomes de ruas da Capital. A iniciativa nos abre a oportunidade para falar da curiosa história da Rua do Comércio, que nos toca de perto, no Centro Antigo, com apenas um quarteirão, entre a XV de Novembro e a Álvares Penteado. O nome soa banal, pois há muitas ruas assim batizadas Brasil afora. Mas é bem melhor do que Beco do

Inferno, como era conhecida a partir do século XVII, época dos primeiros sinais da sua existência. Segundo os registros, fazia jus à denominação: buracos, abandono, trevas ermas e ladrões de tocaia na escuridão. Exatamente no dia 28 de novembro de 1865, quando já não era mais um antro do

Divulgação

...FOSSEM NOSSAS!

N

a data acima mencionada, Malaquías entregou à Câmara um relatório oficial sobre o trabalho feito. Os paulistanos já não podiam, por exemplo, referir-se à Rua Mata Fome. Deveriam falar Rua Ipiranga – a nossa bela avenida de hoje. O Largo do Pelourinho, de embolorado sabor colonial, transformou-se em Sete de Setembro. Mas Malaquías se atrapalhou em alguns casos, como na Rua Detrás do

Justiça concedeu, ontem à noite, liminar que permite o funcionamento do Shopping Pátio Higienópolis, até que nova análise sobre as vagas de estacionamento do local seja feita. O shopping corria o risco de ser lacrado no dia 27, caso não comprovasse a existência de 470 vagas de estacionamento externas. Com a liminar, as multas aplicadas pela Prefeitura foram suspensas e novas sanções não poderão ser impostas até que seja realizada nova perícia para determinar quantas vagas são oferecidas nas garagens do estabelecimento. (AE)

Quartel. Escolheu Rua do Trem, denominação tão provinciana quanto a anterior, que ficaria bem num vilarejo da roça. Atualmente é a Anita Garibaldi. Na Travessa do Comércio, talvez tenha faltado imaginação. Já existia uma

demônio, passou a ser Travessa do Comércio. A novidade fazia parte de uma remodelação da nomenclatura urbana, pois a Câmara havia se dado conta de que a Cidade crescera e nela já não cabiam nomes chinfrins – tipo Beco do Inferno, Rua Detrás do Quartel e assim por diante. As mudanças ficaram a cargo de uma comissão presidida pelo vereador Malaquías Rogério de Salles Guerra. A rigor, pode-se considerar que ele foi responsável pelo batismo da maioria das ruas da pequena São Paulo de então, boa parte sobrevivendo até nossos dias.

rua assim designada. Apesar disso, Malaquias insistiu na semelhança. Felizmente, em 1907 aquela mais antiga se tornaria Álvares Penteado, permitindo a configuração atual. Se a Câmara Municipal não tivesse pretendido homenagear o mecenas e homem de negócios Armando Álvares Penteado (1884- 1947), criador da FAAP, até hoje estaríamos fazendo confusão entre uma e outra. Mas certamente os carteiros ficaram mais felizes.

mais de 25 tiros. A morte do jovem Bruno Vicente Gouveia Viana está sendo investigada pelo comando da Polícia Militar, uma vez que os jovens afirmam que não atiraram contra os policiais. De acordo com o boletim de ocorrência, registrado no 1º Distrito Policial, passava da meia-noite quando a viatura policial em patrulhamento na altura da Lagoa da Saudade, no Morro da Nova Cintra, avistou o carro ocupado pelos jovens. Segundo relato dos policiais, ao avistarem a viatura na pista contrária, os rapazes engataram em marcha à ré, em alta velocidade, como se fugissem da polícia. Eles até teriam ultrapassado sinais vermelhos. Foi nesta ocasião que outra viatura foi acionada para dar apoio. (Agências)

CONTAMINAÇÃO

U

m empreendimento de alto padrão, no Jardim Petrópolis, em São Bernardo do Campo, está construído sobre uma área contaminada, segundo a Cetesb. O órgão não detalhou o grau de contaminação e não disse se existe risco para os moradores. O empreendimento acaba de ser construído. No local, até 2002, funcionava a Companhia Brasileira de Plástico Monsanto. Uma camada de solo e água subterrânea estão contaminados com metais pesados. (Folhapress) Werther Santana/AE

FRIO CONTINUA – A massa de ar polar que atua em todo o Estado de São Paulo fez com que as temperaturas chegassem a 1,2° C em Campos do Jordão (SP) na madrugada de ontem. Na Capital, foi mais uma madrugada fria. O tempo permanece estável nos próximos dias, com madrugadas geladas.

TUDO PELO CONHECIMENTO! Sem se dar ao trabalho de procurar, a pedagoga Maria Cecília Ribeiro dos Santos, especializada em ensinar português e inglês para estrangeiros, descobriu aqui em São Paulo, na sua rotina de trabalho, as chaves que fizeram da Coreia do Sul um dos países mais desenvolvidos e competitivos – portanto invejado – do planeta. Isto se deu nos últimos anos em um condomínio na Zona Sul, que abriga 10 edifícios ocupados majoritariamente por famílias coreanas, cada um com 25 andares, onde dá aulas para crianças de olhos puxados. Ao discorrer sobre sua experiência, Maria Cecília exibe a euforia contagiante própria de todos os profissionais que veem seu trabalho fartamente reconhecido. Metrópole – Qual é a razão de tanto entusiasmo? Maria Cecília – É a maneira como os pais privilegiam a aquisição de conhecimentos. A educação é algo absolutamente prioritário. Além do estudo formal, cada criança se dedica a algum instrumento musical. Esse procedimento transparece no tratamento dado aos professores. Fazem pagamento adiantado, com bilhete de agradecimento pelas aulas. Oferecem lanches, cumulam os professores de

atenção. Valorizam a figura institucional do professor. Metrópole – Como são essas famílias? Maria Cecília – São executivos que ficam em média cinco anos no Brasil e que, apesar do pouco tempo, fazem questão que os filhos aprendam português no sentido de aquisição do conhecimento.

Maria Cecília Ribeiro dos Santos ensina português para filhos de executivos coreanos

Lilo Clareto/LUZ

O

publicitário Ricardo Prudente, de 39 anos, foi morto a tiros por policiais militares na noite de quarta-feira, na Avenida das Corujas, perto da Praça do Pôr-do-sol, no Alto de Pinheiros, zona oeste da Capital. De acordo com nota oficial divulgada pela PM, o motorista fugiu de uma tentativa de abordagem, em um bloqueio de rotina, por volta das 23 horas. Câmeras de segurança de um prédio registraram a ação. As imagens, divulgadas pela TV Record, mostram o Ford Fiesta do empresário sendo perseguido por carros e motos da PM, até o momento em que é fechado por um carro da Força Tática. Perseguido, Prudente bateu em outra viatura que tentou interceptá-lo e foi baleado depois que os policiais "visualizaram Ricardo com um objeto na mão, pensando se tratar de uma arma". O objeto seria um telefone celular. Socorrido ao Hospital das clínicas, o publicitário não resistiu ao ferimentos. Os PMs, dois soldados e um cabo, estão presos no Presídio Romão Gomes, na zona norte, onde aguardaram o resultado do inquérito policial. O caso foi registrado no 14º Distrito Policial (Pinheiros), como homicídio doloso com intenção de matar. O publicitário portava uma pequena quantidade de maconha (cerca de 50 gramas) dentro do veículo, mas não foram encontradas armas dentro do seu veículo. No comunicado, a Polícia Militar informou que "lamenta a ocorrência" e está sendo apurado se, de fato, os policiais confundiram o celular do publicitário com uma arma.

Metrópole – Mas tantos cuidados não seriam exceção de famílias com ótimo poder aquisitivo? Maria Cecília – Não, porque em famílias brasileiras do mesmo patamar as coisas não são assim. A distância é abissal.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

12

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Logo Logo www.dcomercio.com.br

Treino descontraído Lucas, Thiago Silva, Marcelo, Neymar e Oscar durante o treino de ontem da seleção olímpica brasileira em Saint Albans, ao norte de Londres. A seleção entra em campo hoje às 15h45 (de Brasília) para um amistoso contra a Grã-Bretanha em Middlesbrough. Eduardo Nicolau/AE

I NTERATIVIDADE R ECICLAGEM

Um site onde o artista é você O

Google e a galeria Tate Modern, de Londres, lançaram ontem um projeto de arte colaborativa online que permite criar animações e histórias usando ferramentas de desenho baseadas na web. O projeto The Exquisite Forest reúne animações – cada uma considerada uma "árvore" – de sete artistas renomados da Tate. A partir delas, qualquer usuário pode adicionar novas animações que continuem ou subvertam a história. Além disso, qualquer um pode também começar uma nova "árvore" com amigos.

Som com um toque vintage A Diefabrik restaura velhos rádios para torná-los compatíveis com equipamentos eletrônicos modernos, como iPod. www.diefabrik.org/tomboxshop Leia nesta edição o especial sobre os 90 anos do rádio no DCultura.

A RQUEOLOGIA

www.exquisiteforest.com Mathieu Belanger/Reuters

PRIMEIRO PASSEIO Filhote de tigre siberiano brinca em tronco no zoo de vida selvagem de Saint Felicien, no Canadá. Em maio, a tigresa Amurskaya, deu à luz dois filhotes que ontem fizeram sua 'estreia' pública.

Atletas ancestrais? Um complexo funerário formado por três câmaras foi encontrado no sítio arqueológico pré-hispânico de Atzompa, no estado mexicano de Oaxaca, sul do país. Segundo o Instituto de Antropologia e História (INAH) mexicano, o local tem

mais de 1.100 anos. Os arqueólogos dizem que o tipo de construção é inédita e que há nas pinturas das paredes referências a jogos com bolas, algo nunca encontrado em um sítio pré-hispânico. Agora, buscam identificar o significado das pinturas.

L ONDRES 2012

Greve também nos trens Depois dos trabalhadores de aeroportos ingleses anunciarem intenção de entrar em greve durante a Olimpíada de Londres, centenas de condutores de trens na região central da Inglaterra decidiram também

fazer paralisações. Os condutores prometeram parar por três dias durante os jogos. O sindicato ferroviário Aslef disse que cerca de 450 filiados irão parar entre 6 e 8 de agosto, por causa de questões previdenciárias.

G @DGET DU JOUR

Energia na janela Este carregador se fixa à janela de sua sala ou escritório de onde capta a energia do sol e a armazena. Quando seu aparelho estiver nos últimos minutos de uso, é só conectá-lo ao carregador e aproveitar a energia gratuita e ecológica. http://amzn.to/ MytHoa

I NTERNET

Rede de spams é desativada A terceira maior rede de disseminação de spams do mundo, que era responsável por cerca de 18% do envio de e-mails não solicitados da internet, foi colocada offline. No auge de suas operações, a rede que atuava a partir de servidores na Holanda, na Rússia e no Panamá chegou a responder por 33% do envio de spams no mundo. A rede de computadores zumbi chamada de "Grum" foi interrompida em uma ação conjunta entre EUA, Rússia e Reino Unido. Segundo o site Mashable, a rede usava 120 mil computadores infectados para distribuir de lixo eletrônico. L OTERIAS Concurso 2947 da QUINA 08

26

48

66

71

A RTE

Por devoção a Baco O artista Scott Gundersen decidiu combinar sua devoção ao deus do vinho, Baco – que resultou em uma imensa coleção de rolhas manchadas por vinhos de todas as cores – com seu talento para quadros figurativos. A combinação se transformou em uma série de retratos que ele cria, ponto a

ponto, combinando as diversas tonalidades que marcam a extremidade das rolhas. Um trabalho como o da foto ao lado levou exatas 3.621 rolhas. Mas ele já criou obras com mais de 9 mil unidades. No site do artista você pode ver um vídeo que explica a técnica. http://scottgundersen.tumblr.com/


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 20 de julho de 2012

e

13 BNDES Desembolsos do banco até o mês de maio somam R$ 43,8 bilhões

conomia Jessé Giotti/AE

A

s seis principais empresas de telefonia e internet móvel do País terão que cumprir metas mensais de aumento de capacidade de rede e de atendimento dos usuários nos call centers, pelo menos nos próximos dois anos. Três delas – TIM, Claro e Oi – já foram proibidas pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) de vender novas linhas a partir de segunda-feira, e novas sanções poderão ser aplicadas às companhias que não atenderem às exigências do órgão federal. Segundo o superintendente de serviços privados da Anatel, Bruno Ramos, além das três empresas já punidas, Vivo, CTBC e Sercomtel também terão que cumprir as metas. "Cada empresa está hoje em um patamar e por isso as metas para cada uma serão diferenciadas. A Anatel irá acompanhar o cumprimento das metas mensalmente e poderá determinar nova suspensão se os patamares não forem atingidos", ameaçou. Todas as companhias têm até 30 dias para apresentar seus planos de investimentos e melhorias ao órgão regulador. "Temos um grupo de engenheiros que irá analisar as propostas. Saberemos dizer se o plano é de papel ou se será mesmo implementado", alertou o superintendente. Além da resolução mais rápida e efetiva das reclamações feitas pelos usuários, as companhias terão que se comprometer a aumentar as

ETANOL Braskem fornecerá produto verde para assento do estádio do Morumbi

Loja da Claro na cidade de Florianópolis: presidente da empresa, Carlos Zenteno, pediu ontem desculpas a seus clientes.

Anatel pode adotar mais sanções contra teles Orgão avisa que se as seis principais operadoras de telefonia móvel do País não atenderem às exigências de melhor serviço, novas medidas serão anunciadas. taxas de completamento e manutenção das chamadas, além de melhorar a velocidade entregue nos planos de internet. A cada mês, a Anatel irá monitorar se houve evolução da qualidade do serviço e se o ritmo dessa melhoria foi o adequado em relação à expansão da base de clientes. Desculpas – Antes mesmo da suspensão de vendas para

TIM, Claro e Oi entrar em vigor no dia 23, as companhias já procuraram a Anatel para começar a montar propostas que possam convencer o órgão a derrubar a suspensão. Após encontro com o superintendente da agência, o presidente da Claro, Carlos Zenteno, chegou a pedir desculpas aos usuários. "Eu queria pedir desculpas aos nossos clien-

tes. A Claro está trabalhando para resolver o problema o mais rápido possível", disse. Mas um estudo que ele entregou a Ramos, em Brasília, foi considerado apenas como um "esboço" pelo orgão. Zenteno acrescentou que a operadora irá antecipar investimentos de R$ 3,5 bilhões já planejados pela companhia para este ano.

Indicadores – Ontem à noite, a TIM Participações informou que vai entrar com mandado de segurança hoje contra a decisão da Anatel. Antes, representantes da empresa estiveram na sede da agência reguladora e, segundo relatou Ramos, apesar de terem questionado os parâmetros utilizados pelo orgão, prometeram apresentar um plano

preliminar de adequação na segunda-feira. "A TIM questiona os indicadores, mas os nossos dados mostram que a companhia não está entregando os serviços contratados pelos usuários", disse Ramos. Já a empresa Oi enviará executivos para reunião na Anatel hoje pela manhã. As empresas punidas terão que afixar um comunicado explicando a decisão da Anatel em todos os pontos de vendas de chips do País. "Inclusive nos camelôs", frisou Ramos. O consumidor terá de ser avisado no ponto de venda. C a li f ó rn i a – As operadoras de telefonia celular foram avisadas com antecedência que o governo tomaria medidas para punir a baixa qualidade do serviço. "Foi um episódio bem pensado", disse ontem o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, que está na Califórnia (EUA). "Foram feitos vários contatos com as empresas e elas foram avisadas de que haveria medidas." Segundo Bernardo, o governo incentiva a competição entre empresas, mas o consumidor precisa ser respeitado. "Não é razoável que ela faça uma promoção e o serviço não seja entregue, isso é inaceitável", disse. O anúncio da punição foi antecipado para esta semana depois que informações "vazaram", o que começou a afetar o mercado. "Achei razoável telefonar para a presidente", afirmou. Dilma Rousseff aprovou todas as medidas. (Agências)

Tiago Queiroz/AE

Para Idec, decisão é o começo da "vitória" do consumidor. Karina Lignelli

A

Unidade da TIM na Avenida Paulista: empresa terá de avisar com cartaz interrupção nas vendas de linhas.

Bolsa: ações da TIM caem 8,77%. Depois da punição, papéis da operadora perdem valor no País e até na Itália.

A

s ações da TIM Participações desabaram na bolsa paulista ontem, após o anúncio da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) de que as vendas de chips da operadora de telefonia móvel terão de ser suspensas a partir de segunda-feira em 18 estados e no Distrito Federal. "A TIM é claramente a maior perdedora da decisão da Anatel", avalia o BTG Pactual em relatório. Além do impacto financeiro negativo – já que a operadora está proibida de vender em mais de 60% do mercado de telefonia móvel do País –, o banco também avalia que a medida pode afetar a reputação da TIM e prejudicar as vendas após o término da sanção. Ontem, a ação da TIM despencava 8,77% na bolsa, fechando a R$ 8,64, a maior queda desde agosto de 2011.

Itál ia – Desde 11 de julho, quando o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, ameaçou suspender as vendas da TIM caso a qualidade do serviço não melhorasse, a ação da operadora acumula queda de 10,7%, considerando a cotação de fechamento na véspera. A suspensão das vendas da TIM derrubou também as ações da controladora da empresa na Itália, a Telecom Italia, que fechou em queda de 7,1% na sessão. A proibição anunciada pela Anatel ocorre em meio a um cenário de forte adição líquida de clientes pela TIM, que retomou a vice-liderança do mercado brasileiro em agosto do ano passado. No fim de junho, conforme dados divulgados, existiam 256,13 milhões de linhas ativas no país, com a Vivo – do grupo Telefônica Brasil, de controle espanhol – na lide-

rança com 29,6% do mercado, seguida pela TIM, com 26,9%. Em nove meses, a TIM abriu uma diferença de quase 6 milhões de clientes para a Claro, da mexicana América Móvil e terceira colocada no Brasil. A Claro não tem ações na bolsa. "Mas a Claro vai sofrer, já que está impedida de vender em São Paulo", afirmam os analistas do BTG Pactual. As ações da Oi (PN) fecharam ontem em alta 4,47%, a R$ 9,58. "Oi se saiu relativamente bem, já que foi proibida de vender só em Estados menores. Talvez até se beneficie da decisão e possa acelerar as vendas em alguns mercados principais", diz o BTG. Em relatório, o analista Rizwan Ali, do Deutsche Bank, afirma que as ações da Oi devem ser menos as impactadas entre as três empresas que sofreram sanção da Anatel. (Agências)

pesar de considerarem as medidas anunciadas pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) bem-vindas frente à quantidade de problemas enfrentados pelos usuários de telefonia móvel – como queda de sinal, de ligação, demandas técnicas não-resolvidas, entre outros –, especialistas em defesa do consumidor afirmam quer esse é apenas "o começo". De acordo com a advogada do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), Veridiana Alimonti, a medida demonstra que a Anatel provavelmente "começa a olhar para a frente", já que planos de investimentos das operadoras contemplam melhora na infraestrutura para atender à demanda das Copas do Mundo e a das Confederações. Segundo ela, o órgão já tinha colocado antes à Anatel que somente a aplicação de multas não era algo efetivo, mas também a de medidas cautelares, como a aplicada. "A alteração de postura da Anatel diante de problemas é o começo de uma possível vitória para o consumidor", opina. "Mas essa vitória só será completa se esses planos de investimento, ao serem implementados, derem conta de resolver problemas dentro das metas propostas." A coordenadora institucional da Pro Teste (Associação Brasileira de Defesa do Consumidor), Maria Inês Dolci, é da mesma opinião. Segundo ela, esse é o início de uma proposta para reorganizar o setor,

que chegou em "uma situação insustentável de muitas reclamações", mas sem soluções para o consumidor. "Isso mostra que não adianta crescer de forma desordenada sem dar condições de cumprir contratos. (A medida) ainda não faz com que o problema seja resolvido, mas mostra que conseguiu fazer o governo se sensibilizar." Porém, segundo ela, a medida não é o suficiente, já que o governo resiste em cumprir a Lei Geral das Telecomunicações, no sentido de que os serviços têm que ser prestados no regime público, mesmo que as empresas sejam privadas – assim como já acontece na telefonia fixa. "As operadoras se aproveitam do vácuo legislativo para continuar vendendo sem infraestrutura, e o consumidor paga a conta." Procon – Mesmo sendo a favor da medida, que foi tomada a partir de queixas de consumidores, o diretor-executivo da Fundação Procon-SP, Paulo

Góes, admite que a proibição acaba sendo ruim não só para operadoras, mas para os lojistas e vendedores, além do consumidor. Isso porque a maioria dos chips é vendida em pequenas lojas, que sofrerão impactos. "Preventivamente, o ideal é que o varejo esteja ciente de que, por enquanto, chips novos não podem ser habilitados nem comercializados, além de não fazer promoções com vendas desautorizadas. Se acontecer e o consumidor tiver prejuízo, ele deve ser ressarcido. A princípio, a punição será só para as operadoras."

Não é o caminho, diz Solimeo.

A

decisão da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) de impedir a venda de chips das operadoras Claro, Oi e TIM até que as demandas dos clientes nos call centers sejam resolvidas, pode impactar setores como o varejo. Na opinião pessoal do economista-chefe da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), Marcel Solimeo, impedir a venda de

chips foi uma medida "radical", que não só afeta os comerciantes, mas também cerceia o direito dos consumidores. "Esse não é o caminho. Cabe ao Estado orientar o consumidor a exercer sua escolha, mas não decidir por ele", disse Solimeo. "O governo deveria muito mais se ater aos problemas enfrentados pelas operadoras para expandir as antenas." (KL)


14 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 20 de julho de 2012


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 20 de julho de 2012

e Copom quer novo corte de juros, diz mercado.

15 Na avaliação de 60,69% dos empresários consultados pela Fecomercio-SP, o setor de varejo piorou entre os meses de maio e junho deste ano.

conomia

Epitácio Pessoa/AE

Redução da taxa básica em agosto é a expectativa, baseada na ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom). Documento não deixa clara, no entanto, tendência para outubro.

E

Recua otimismo do empresário do comércio

O

indicador que mede a confiança do empresário do comércio (Icec) paulistano na economia caiu 6,3% em junho em relação a maio deste ano, informou ontem a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP). Com a retração, o índice passou a marcar 115,4 pontos, o resultado mais baixo da série histórica do índice, que teve início em junho de 2011. A entidade mede a confiança dos empresários do setor por uma escala que vai de zero a 200 pontos e considera como otimistas os indicadores que ficam acima dos 100 pontos. A percepção do empresário sobre o momento atual piorou. Na leitura de junho, o Índice de Condições Atuais do Empresário do Comércio (Icae) marcou 86,3 pontos, acentuando em 12,2% o pessimismo apresentado em maio. O índice que mede o investimento do empresário no comércio (IIEC) também caiu, 2,6%, e atingiu, em junho, 107,5 pontos. Com 5,2% de retração na comparação com maio, o índice marcou 152,5 pontos em junho, nível que ainda é considerado positivo pela Fecomercio-SP. O subíndice de contratação de funcionários, um dos critérios utilizados para

medir os investimentos da empresa, foi o único que melhorou em junho na comparação com maio, passando de 123,4 pontos para 124,7 pontos. Com relação à situação atual dos estoques, a pontuação de junho caiu para 89,4, ante 92 pontos em maio. Setor – Para 60,69% dos empresários consultados para o levantamento, o setor de comércio piorou entre maio e junho deste ano e 60,5% responderam que a economia como um todo piorou no período. A proporção de empresários que afirmaram que as condições de sua empresa melhoraram, contudo, passou da metade (52,13%) e a expectativa de uma melhora da economia brasileira somou 81,6% das respostas. De acordo com a Fecomercio-SP, os resultados do mês de junho sinalizam apreensão com um eventual cenário turbulento, causado por crise internacional, alto grau de endividamento dos consumidores e redução das taxas de crescimento interno, todos apontados em análises e notícias "por vezes alarmistas". Apesar disso, a equipe técnica da entidade destacou, em nota distribuída à imprensa, que os fundamentos da economia brasileira permanecem sólidos e que o País tem condições de atravessar uma crise externa com poucos problemas internos. (AE)

Dados indicando fraco desempenho da economia brasileira, em especial na indústria, justificaram queda da taxa básica de juros neste mês. na ata foram mais conservadoras do que imaginava o mercado. Os analistas, segundo ele, esperavam que o documento fosse trazer sinais claros de que o processo de corte de juros já estaria no fim. Pela leitura que fez da ata, Souza Leal inferiu que a autoridade monetária não deverá cortar a taxa básica de juros muito além dos atuais 8% ao ano, já que continua apostando em uma recuperação robusta da atividade econômica no segundo semestre. O economista do ABC Brasil considera que o Copom deve levar a Selic a 7,5% ao ano na reunião que encerra em 29 de agosto e aguardar o comportamento da atividade para ver o que fará em outubro, nos dias 9 e 10, quando o colegiado se reúne novamente. "A ata faz com que a reunião do Copom em outubro fique em suspense", comentou. Ainda de acordo com ele, a partir de agosto a ata da reu-

nião do Copom deverá comeCautela – Ele destacou que o çar a discutir a quebra de safra conteúdo desta ata é muito sinos Estados Unidos, que passa milar ao da anterior, mostranpelo período de seca mais in- do que a decisão foi tomada tensa desde 1956. "Isso vai com base no mesmo arcaboupegar forte na economia mun- ço econômico que norteou a dial e brasileireunião de ra", previu o maio. "A ata economistamostra que o chefe do banB C c o n s i d eO documento deste rou que o ceco ABC Brasil. mês faz com que a O e c o n onário externo m is ta -s ên io r é adverso e reunião do Copom do Espírito imputa risco em outubro fique Santo Investde sin flac ioem suspense. ment Bank nário sobre a LUÍS OTAVIO DE SOUZA LEAL, (Besi Brasil), economia." ECONOMISTA-CHEFE DO Flávio SerraN o e n t a nBANCO ABC BRASIL no, acredita to, de acordo que o BC decom o econoverá esperar mista do Besi dados da atividade econômi- Brasil, a ata trouxe argumenca para ver o que fará com a ta- tos tanto em prol da continuixa de juros em outubro. Para dade do processo de corte de agosto, ele também espera juros quanto em direção a que a autoridade monetária uma maior cautela. E isso fica diminua a Selic em 0,5 ponto claro no trecho da ata onde se percentual, para 7,5% ao ano, lê que "diante do exposto, mas para a reunião de outubro mesmo considerando que a ainda há incerteza. recuperação da atividade

vem ocorrendo mais lentamente do que se antecipava, o Copom entende que, dados os efeitos cumulativos e defasados das ações de política implementadas até o momento, qualquer movimento de flexibilização monetária adicional deve ser conduzido com parcimônia." "Aparentemente, o BC, como nós analistas, quer ter a certeza de que a recuperação que ele espera para o segundo semestre vai mesmo se confirmar", disse Serrano. Até agosto, segundo o economista do Besi Brasil, o BC só terá os dados de junho e alguma informação inicial de julho. "Na reunião de outubro, o BC já terá os dados de julho, os iniciais de agosto e alguns coincidentes de setembro e terá presente também o que de fato estará acontecendo com a economia no terceiro trimestre", explicou Serrano, para quem, em outubro, a taxa de juros poderá ter menos espaço para continuar caindo.

Inflação ganha força no atacado

O

aumento da soja e o reajuste nos preços dos combustíveis puxaram a inflação no atacado na segunda prévia do Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) de julho, contribuindo para a aceleração do índice principal. O indicador, usado para reajuste de contratos de aluguel, acelerou para 1,11% no período, ante taxa de 0,63% na segunda apuração de junho. Em 12 meses, o aumento é de 6,43%, informou ontem a Fundação Getulio Vargas (FGV). Na segunda leitura do mês, os preços da soja em grão avançaram 11,04%, enquanto o farelo de soja encareceu 14,41%. O mesmo movimento ocorreu com os combustíveis: a gasolina teve alta de 7,83%, e o óleo diesel subiu 3,94%. Os aumentos mostram que o recente reajuste anunciado pela Petrobras, que entrou em vigor no dia 25 de junho, já foi totalmente assimilado no mercado atacadista. Assim, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-M) subiu 1,45%, e as pressões devem se manter até o fechamento do IGP-M de julho, disse o coordenador de análises econômicas do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), Salomão Quadros.

"Mesmo que a soja tenha atingido o pico de alta, o aumento não vai se dissipar tão cedo assim. E a alta dos combustíveis ainda vai aparecer plena no IGP-M fechado de julho", avisou Quadros. "Sem falar que, mais adiante, já há outro reajuste do diesel anunciado, então a pressão vai durar até o fim do mês de julho, um pouco mais." No último dia 12, a Petrobras anunciou um novo reajuste, dessa vez apenas no preço de venda do diesel nas refinarias, de 6%. Como a alta passou a vigorar apenas no dia 16, o impacto ainda não foi captado pelo IGP-M. Os combustíveis (gasolina e diesel) contribuíram com 0,23 ponto percentual para a inflação no atacado na segunda prévia (16% do IPA-M). Já a soja e seus derivados foram responsáveis por 0,84 ponto percentual da taxa. Mas outros produtos também tiveram seu peso. De acordo com a FGV, a inflação agropecuária ganhou força no atacado. Os preços dos produtos agrícolas nesse segmento subiram 2,35% na segunda prévia do IGP-M deste mês, em comparação com a alta de 0,26% apurada na segunda prévia de junho. Os preços dos produtos industriais no atacado, por sua

vez, tiveram aumento de 1,13% na atual leitura, em comparação com a alta de 0,8% na segunda medição de preços do mês passado. Varejo – Com relação ao varejo, os aumentos dos alimentos e a redução na deflação dos transportes puxaram o Índice de Preços ao Consumidor (IPC-M) na segunda prévia do IGP-M de julho. O IPC-M avançou 0,23% no segundo decêndio deste mês, após ter registrado variação de 0,14% em igual período de junho. A maior contribuição veio de alimentação (de 0,55% para 0,88%). (AE) Silva Júnior/Folhapress

conomistas de ban- reagir aos recentes incenticos, consultorias e vos, se estará forte, como descorretoras de valores tacou, na ata, o Banco Cenenxergaram na ata tral", afirmou Tâmega. da última reunião do Comitê Na opinião do economista, o de Política Monetária (Copom) fato de a ata ter apontado redo Banco Central (BC), divul- cuo na probabilidade de ocorgada ontem, sinais de que a rência de eventos extremos autoridade monetária voltará nos mercados, mas ao mesmo a cortar a taxa básica de juros tempo ter identificado consoda economia, a Selic. No últi- lidação de perspectiva da atimo dia 11, o Copom decidiu re- vidade mais moderada, sinaliduzir a taxa em 0,5 ponto per- za que o BC não vê uma ruptucentual, para r a n o e x t e8% ao ano. rior, mas que Na avaliaa situação poção de Felipe de ficar ainda Em outubro, o BC já pior do que o Tâmega, ecosaberá o que nomista-chemercado fe da Modal imaginava. acontece com a Asset ManaUm outro economia no gement, esponto citado terceiro trimestre. ses sinais são por Tâmega FLÁVIO SERRANO, ECONOMISTAvistos nas diz respeito SÊNIOR DO ESPÍRITO SANTO "poucas" muao temor do danças feitas B C c o m o INVESTMENT BANK na ata, relatiavanço da invas tanto à flação no ataeconomia brasileira quanto à cado recentemente. E novos externa, que reforçam a ideia índices, posteriores à reunião de que a Selic poderá ter pelo deste mês do Copom, justifimenos mais um corte de 0,5 cam esse temor (leia sobre o ponto em agosto. "Daí em IGP-M nesta página) . diante, reduções de juros vão Ata conservadora – Para o depender de como estará a economista-chefe do Banco economia internacional e de ABC Brasil, Luís Otavio de Soucomo a atividade interna irá za Leal, as poucas mudanças

Em média, produtos agrícolas no atacado subiram 2,35% na segunda prévia do mês, puxando avanço do IGP-M.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

16

e

sexta-feira, 20 de julho de 2012

O varejo está desaquecido porque as condições de crédito estão confusas. Walter Cover, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat)

conomia

OLIMPÍADA EM BRANCO

N

o futebol, esse esporte bretão, a Seleção Brasileira enfrenta hoje os criadores da modalidade, o Reino Unido, em partida amistosa preparatória dos Jogos Olímpicos de Londres, que começam dia 27. A TV Globo tem exclusividade de transmissão da partida, prevista para as 15h45, mas não brindará os telespectadores com o sinal. É que a concorrente TV Record, controlada como Igreja Universal do Reino de Deus pelo "bispo" Edir Macedo, tem os direitos dos jogos. Para não colocar, em português de botequim, azeitona na empada, a TV Globo deixa de transmitir os dribles da equipe de Mano Menezes, com a estrela Neymar. De fato, a Olimpíada de Londres, importante para preparar o Brasil, que a recebe no Rio de Janeiro em 2016, deverá literalmente passar em branco. Ou pelo menos, ficará restrita à emissora do "bispo", o que explica também o desinteresse de grandes empresas em pegar carona no maior evento esportivo do mundo, que ocupa, além da Record, espaço apenas na mídia impressa. E expõe ao mercado e ao setor de publicidade, os obstáculos que se erguem em um País onde a liderança da TV Globo é absoluta. Diga-se a favor da emissora da família Marinho, que a qualidade de suas produções é superior. O que faz o telespectador rejeitar, com razão, grande parte da programação da emissora do "bispo". As novelas que a TV Record exibe são de doer, de cenários sem nenhuma pitada de bom gosto a textos absolutamente descasados de seus intérpretes a ponto de que o trágico fique quase cômico a toda sorte de barbaridades e desgraças em série.

Fotos: Divulgação

Nem as produções ao estilo mexicano, que tanto sucesso deram ao concorrente SBT, conseguem façanhas na TV Record. R e b el d e s não só deixa de interagir como nada atrai em publicidade. No jornalismo, a emissora conseguiu, porém, alguns tentos. E isso abriu as portas para sonhar com voos na área de esportes. Tem se esforçado para criar vínculos e laços olímpicos, apesar dos tropeços de apresentadores que conhecem tanto de esporte quanto de javanês. Para a felicidade geral da nação, no entanto, o fenômeno do que vive o Brasil deveria servir de lição ao Comitê Olímpico Internacional (COI). A exclusividade de transmissão dos Jogos tem que ser página virada. Todos perdem. E, no Brasil, a Olimpíada de Londres tem tudo para passar em branco. Em tempo: o jogo de hoje será transmitido pelo canal SporTV, no qual os comentaristas têm melhor qualidade que os da Record e onde será possível também acompanhar os jogos, pena que o acesso seja para poucos.

RICADONNA

PRATO CHEIO

O

T

Grupo Campari acaba de iniciar a distribuição do Riccadonna Asti no Brasil. Eleito um dos mais tradicionais vinhos brancos italianos da categoria espumante, a novidade é líder em sua categoria na Austrália e Nova Zelândia. A novidade faz parte do calendário de lançamentos que o Grupo Campari preparou ao longo de 2012 para o consumidor brasileiro. Recentemente, a empresa trouxe dos Estados Unidos a Skyy Infusions – nas versões Citrus e Maracujá – que já virou um sucesso no País.

er uma agricultura cada vez mais forte é fundamental para gerar riquezas, exportar mais e ajudar a combater a fome. Esse é o foco da campanha criada pela SLA Propaganda para divulgar o Plano Agrícola e Pecuário 2012/2013, principal pacote de medidas do governo federal para incentivar a eficiência da produção agropecuária e consolidar o protagonismo do Brasil no mercado mundial de alimentos. Com linguagem clara e direta, o material informa que o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) vai liberar R$ 115 bilhões para incentivar e apoiar a atividade do produtor rural.

CAMPARI traz espumante

PERFUME INSPIRADO

O

s perfumes da Dior vão velejar para o Brasil para um charmoso município praiano. Paraty é o destino dos sonhos do novo Dior Escale, desenvolvido por François Demachy, o perfumista da marca. Custa R$ 220 e promete uma sensação de frescor bem brasileira. Para poucos, é claro.

CAIXA

A

DIOR em Paraty, destino charmoso.

Envie informações para essa coluna para o e-mail: carlosfranco@revistapublicitta. com.br

Caixa Econômica Federal aproveita os Jogos de Londres para prestar cont a d o i n v e s t imento em esporte, que tem permitido a diversos atletas, em especial aos nossos premiados ginast a s , d i s p u t arem os jogos. Boa iniciativa.

INCENTIVO à produção agropecuária

INVESTIMENTOS nos esportes são divulgados

Menos vendas para a construção CONTÁBIL/FISCAL RECURSOS HUMANOS

Abertura, alteração e encerramento de empresas

www.contabilzeus.com.br Rua Cenerino Branco de Araújo, 296 Tel.: 11 3796-0065 Campo Grande - 04455-060 - São Paulo/SP

Indústria de materiais de construção registra queda de 2% no faturamento de junho em relação a maio Zé Carlos Barretta/Hype

A

s vendas da indústria de materiais de construção caíram 2% em junho em relação a maio e tiveram alta de 1,9% ante junho de 2011. No primeiro semestre, as vendas registram um crescimento de 2,6%, de acordo com pesquisa divulgada ontem pela Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat). Com resultados abaixo do esperado no mês passado, o setor cogita fazer um novo corte nas projeções de expansão para este ano. "O resultado acumulado no primeiro semestre está abaixo da expectativa para o ano, que é de 3,4% de crescimento em relação a 2011", afirmou o presidente da Abramat, Walter Cover. "Para atingir esse patamar, teríamos que crescer na base de 4,5% ao mês ao longo do segundo semestre, o que acho difícil. Se a pesquisa de julho não mostrar uma recuperação mais forte, teremos que rever (a projeção)", disse. Caso o quadro se confirme, será a segunda revisão do ano. No mês passado, a associação reduziu as estimativas

No semestre, as vendas registram alta de 2,6%, conforme pesquisa da Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat).

de crescimento das vendas de 4,5% para 3,4%. De acordo com Cover, o setor vem sendo afetado principalmente pelas baixas vendas do varejo. O segmento é representado pelo consumo de materiais de construção para

MF Decorações Cortinas e Capas para Sofás sob medida (11) 2035-6473 / 7639-7552 mfdecoracoes2012@hotmail.com

Rua Gerônimo Barbosa da Silva, 817

reformas e pequenas obras residenciais, e responde por uma fatia de 55% do volume dos produtos comercializados pela indústria. "O varejo está desaquecido porque as condições de crédito estão confusas. As famílias escutam que os juros baixaram, mas não encontram as condições esperadas ao buscar crédito bancário para reformas", diz Cover. Ele também atribui as vendas fracas ao maior comprometimento da renda das famílias com o financiamento de outros bens de consumo. "Isso deixa o cidadão receoso para assumir uma reforma da casa". Outro ponto que preocupa o

setor é a lentidão no andamento das obras públicas de infraestrutura, responsáveis por 20% da demanda da indústria de materiais de construção. "A velocidade das obras está abaixo do esperado", observa o presidente da Abramat. Essa lentidão impacta principalmente a venda de materiais de base – como aço, cimento e vidro. No semestre, elas cresceram apenas 1%, enquanto as vendas de materiais para acabamento – como azulejo, pastilhas e porcelanato – subiram 5%. "Estamos preocupados. O setor está crescendo no ritmo do PIB (Produto Interno Bruto). Nos últimos anos, o setor puxava o PIB", diz Cover. Para o segundo semestre, o presidente da Abramat acredita que deve haver uma recuperação no ritmo das obras de infraestrutura, já que boa parte dos empreendimentos precisa ser entregue para a Copa do Mundo e a Olimpíada. "Já estamos na última hora". Além disso, Cover também espera que ocorra liberação do crédito para reformas. "Acredito que o crédito não é um problema estrutural. É questão de tempo para os bancos se acertarem", estima. Enquanto isso, o setor reivindica junto ao governo federal a desoneração do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para os materiais de construção que ainda não foram atendidos pelo benefício, e a prorrogação da desoneração para aqueles que já estão cobertos pela medida. (AE)

CL VIDA DISTRIBUIDORA • Queijo Coalho Belo Minas • Pão de Alho Recheado Caseiro, de Minas • Queijos Itapura Tel.: 11 2703-5370 NEXTEL: 7901-2610 ID 916*10684

R$ 14,50 / kilo


sexta-feira, 20 de julho de 2012

Santo Alphege Participações S.A. CNPJ/MF nº 12.125.313/0001-55 Ata da Assembléia Geral Extraordinária realizada em 31 de maio de 2012 1. Data, Hora e Local: Aos 31/05/2012, às 10 hs., na sede da Sociedade, na Av. Paulista, 1842, Torre Norte, 12º andar, conj. 125, sala 38, São Paulo-SP. 2. Convocação e Presenças: Dispensadas as formalidades de convocação, tendo em vista a presença de sócios representando a totalidade do capital social, nomeadamente: (I) Eduardo Perez Salusse, brasileiro, casado, advogado, inscrito na OAB-SP sob o nº 117.614, CPF/MF nº 149.128.638-58 e RG nº 17.695.240-SSP-SP, neste ato representado por seu procurador Carlos Eduardo Martins Mammana, brasileiro, casado, advogado, portador do RG nº 27.629.936-X SSP-SP e do CPF/MF nº 294.830.488-18; e (II) Carlos Artur André Leite, brasileiro, casado, advogado inscrito na OAB-SP sob o nº 94.555, CPF/MF nº 059.354.358-02 e RG nº 14.786.727-SSP/SP, neste ato representado por seu procurador Felipe Hannickel Souza, brasileiro, casado, advogado, portador do RG nº 25.992.898-7 SSP-SP e do CPF/ MF nº 272.723.818-50. 3. Mesa: Carlos Eduardo Martins Mammana, Presidente; Felipe Hannickel Souza, Secretário. 5. Ordem do Dia: (a) Exame, discussão e aprovação do Protocolo e Justificação de Cisão Parcial da São Eutiquiano Participações S.A., firmado e aprovado pela Administração da Cia. em 15/05/2012, elaborado nos termos da legislação vigente, contendo, portanto, todos os termos, condições e informações necessárias à compreensão da proposta de Cisão Parcial da São Eutiquiano Participações S.A.; (b) Discussão e deliberação acerca do desdobramento das ações da Cia.; (c) Aprovação da Cisão Parcial da São Eutiquiano Participações S.A., nos termos do Protocolo e Justificação de Cisão Parcial e demais documentos colocados à disposição dos acionistas, com a versão de parte do acervo cindido à Cia.; e (d) Ratificação dos atos já praticados pela Administração da Cia. em relação à referida Cisão Parcial e autorização para que os administradores da Cia. possam praticar todos os atos necessários à implementação e formalização da Cisão Parcial. 5. Deliberações: (a) por unanimidade, ratificar a nomeação dos Srs. Eduardo Lambiasi, brasileiro, casado, contador, portador do RG nº 13.860.921-4, CRC-SP nº 1SP-162.304/O-3 e do CPF/MF nº 034.293.678-67; Everton de Araújo Chapeta, brasileiro, casado, contador, portador do RG nº 44.411.639-4, CRC-SP nº 1SP-274852/P-8 e CPF/MF nº 319.320.868-03 e Adriano Bertoldo Alves, brasileiro, casado, contador, portador do RG nº 28.561.592-2, CRC-SP nº 1SP-290120/O-0 e do CPF/MF nº 307.418.328-44, como peritos responsáveis por elaborar o Laudo de Avaliação para cisão da Cia. pelo valor contábil, com base no balanço patrimonial de 01/05/2012. Os acionistas, também por unanimidade, sem qualquer emenda ou ressalva, aprovam o teor do Laudo de Avaliação relativo ao acervo a ser absorvido pela Cia., elaborado pelos peritos contratados em 15/05/2012. Deliberam, ainda, por unanimidade, sem qualquer emenda ou ressalva, aprovar o Protocolo e Justificação de Cisão Parcial da São Eutiquiano Participações S.A., o qual estabelece, dentre outros, a justificativa, os termos e condições em que se realizará a cisão parcial da Cia., com versão de parcelas de seu patrimônio para esta Cia.; (b) por unanimidade, aprovar o desdobramento das ações da Cia., de modo que cada ação representativa do capital social é desdobrada em 100 ações, todas ordinárias, nominativas e sem valor nominal. Conseqüentemente, o capital social, que era representado por 5.000 ações, passa a ser representado por 500.000 ações, todas ordinárias, nominativas e sem valor nominal. Em razão da alteração do valor nominal ora realizada, o Art. 5º do Estatuto Social da Cia. passará a viger com a seguinte nova redação: “Art. 5º – O capital social totalmente subscrito e integralizado, em moeda corrente nacional é de R$ 5.000,00, divididos em 500.000 ações ordinárias nominativas e sem valor nominal. § 1º – As deliberações serão tomadas em Assembléia Geral pelos acionistas, de acordo com a participação de cada um no capital social da Cia.. § 2º – As ações ordinárias não serão conversíveis em ações preferenciais. § 3º – Os acionistas terão direito de preferência para subscrição de novas ações, bem como no caso de qualquer cessão, transferência ou outra forma de alienação de suas ações de acordo com a proporção detida no capital social, nos termos dos Arts. 171 e 172 da Lei das S.A..”; (c) por unanimidade, sem qualquer emenda ou ressalva, aprovar a Cisão Parcial da São Eutiquiano Participações S.A., nos termos do Protocolo e Justificação de Cisão Parcial constante do Anexo I à presente Ata, e demais documentos colocados à disposição dos acionistas, com versão de parte de seu patrimônio líquido para esta Cia.. Consequentemente, os acionistas aprovam por unanimidade o aumento do capital social da Cia. em R$ 75.278.673,91, passando dos atuais R$ 5.000,00 para R$ 75.283.673,97, de maneira correspondente ao acervo cindido absorvido por esta Cia., com conseqüente emissão de 7.527.867.391 ações ordinárias, nominativas e sem valor nominal, pelo preço de emissão de R$ 0,01 cada uma, subscritas pelos acionistas da São Eutiquiano Participações S.A. de acordo com o Boletim de Subscrição constante do Anexo II à presente Ata. Os acionistas da Cia. que não participam do aumento de capital ora deliberado, expressamente renunciam ao seu direito de preferência para a subscrição das ações neste ato emitidas. Em razão do aumento do capital social ora realizado, o Art. 5º do Estatuto Social da Cia. passará a viger com a seguinte nova redação: “Art. 5º – O capital social totalmente subscrito e integralizado, em moeda corrente nacional e em bens é de R$ 75.283.673,91, divididos em 7.528.367.391 ações ordinárias, nominativas e sem valor nominal. § 1º – As deliberações serão tomadas em Assembléia Geral pelos acionistas, de acordo com a participação de cada um no capital social da Cia.. § 2º – As ações ordinárias não serão conversíveis em ações preferenciais. § 3º – Os acionistas terão direito de preferência para subscrição de novas ações, bem como no caso de qualquer cessão, transferência ou outra forma de alienação de suas ações de acordo com a proporção detida no capital social, nos termos dos Arts. 171 e 172 da Lei das S.A..”; e (d) por unanimidade, ratificar os atos já praticados pela Administração da Cia. em relação à Cisão Parcial da São Eutiquiano Participações S.A., autorizando os administradores da Cia. a praticar todos os atos necessários à implementação e formalização da Cisão Parcial. 6. Lavratura e Encerramento: Nada mais havendo a tratar, determinou o Sr. Presidente que fosse lavrada esta ata, a qual, após lida, foi achada conforme e assinada, na forma de sumário dos atos ocorridos, conforme expressamente permitido pelo art. 130, § 1º, da Lei de S.A.. São Paulo, 31/05/2012. (ass.) Carlos Eduardo Martins Mammana – Presidente; Felipe Hannickel Souza – Secretário. Acionistas: Eduardo Perez Salusse, p.p. Carlos Eduardo Martins Mammana; Carlos Artur André Leite, p.p. Felipe Hannickel Souza. JUCESP nº 309.494/12-6 em 18/07/2012. Gisela Simiema Ceschin – Secret. Geral.

São Eutiquiano Participações S.A. CNPJ/MF nº 12.125.536/0001-12 – NIRE 35.300.417.577 Ata da Assembléia Geral Extraordinária realizada em 31 de maio de 2012 1. Data, Hora e Local: Aos 31/05/2012, às 11 hs., na sede da Sociedade, situada na Rua Leopoldo Couto Magalhães, nº 110, 2º andar, conjs. 21 e 22, parte, condomínio Edifício JK Tower, São Paulo-SP. 2. Convocação: Convocação efetuada em conformidade com o art. 124 da Lei nº 6.404/76, publicada no DOE-SP e no Diário do Comércio nos dias 24, 25 e 26/05/2012. 3. Presenças: Acionistas representando 93,536% do capital social, conforme assinaturas lançadas no Livro de Presença de Acionistas 4. Mesa: Roberto de Oliva Mesquita – Presidente; Nelson Magalhães Graça – Secretário. 5. Ordem do Dia: (a) ratificação da elaboração do laudo de avaliação da parcela a ser cindida no patrimônio líquido da Cia. pelo valor contábil para fins de determinação na redução do capital social da Cia.; (b) exame, discussão e aprovação do Laudo de Avaliação referido no item “a” acima; (c) exame, discussão e aprovação do Protocolo e Justificação de Cisão Parcial da Cia., firmado em 15/05/2012, elaborado nos termos da legislação vigente, contendo, portanto, todos os termos, condições e informações necessárias à compreensão da Proposta de Cisão Parcial da Cia.; (d) Aprovação da Cisão Parcial da Cia., nos termos do Protocolo e Justificação de Cisão Parcial e demais documentos colocados à disposição dos acionistas; (e) aprovação da redução do capital social da Cia. em decorrência da Cisão Parcial, com o cancelamento de ações e a respectiva alteração do Estatuto Social da Cia. de forma a refletir a tal redução; e (f) ratificação dos atos já praticados pela Administração da Cia. em relação à Cisão Parcial e autorização para que os administradores da Cia. possam praticar todos os atos necessários à implementação e formalização da Cisão Parcial da Cia.. 6. Esclarecimentos: O Presidente, na presença de todos os acionistas, recebeu a renúncia do Diretor Paulo Roberto Nunes, brasileiro, casado, empresário, portador do RG nº 4.591.253 SSP/SP e do CPF/MF nº 697.647.788-87, e, em nome da Cia., agradeceu pelos relevantes serviços prestados. 7. Deliberações: Os acionistas presentes deliberaram, por unanimidade, sem qualquer ressalva ou emenda (a) Ratificar a nomeação como peritos para elaborar, na forma dos Arts. 8, 226 e 229 da Lei nº 6.404/76, o Laudo de Avaliação da parcela do patrimônio líquido da Cia. a ser cindida, pelo valor contábil, com base no seu balanço patrimonial de 01/05/2012, para fins de determinação da redução do capital social da Cia., os Srs. Eduardo Lambiasi, brasileiro, casado, contador, portador do RG nº 13.860.921-4 SSP/SP, CRC-SP nº 1SP-162304/O-3 e do CPF/ MF nº 034.293.678-67; Everton de Araújo Chapeta, brasileiro, casado, contador, portador do RG nº 44.411.639-4 SSP/ SP, CRC-SP nº 1SP-274852/P-8 e do CPF/MF nº 319.320.868-03; e Adriano Bertoldo Alves, brasileiro, casado, contador, portador do RG nº 28.568.592-2 SSP/SP, CRC-SP nº 1SP-290.120/O-0 e do CPF/MF nº 307.418.328-44, a pedido da administração, já haviam previamente avaliado a referida parcela do patrimônio líquido da Cia., conforme laudo em anexo, e que se encontravam presentes à Assembléia à disposição dos acionistas para prestar as informações que lhe fossem solicitadas (b) Aprovar o Laudo de Avaliação elaborado pelos peritos acima referidos que concluiu por avaliar a parcela a ser cindida do patrimônio líquido da Cia. em R$ 75.527.253,61, destinados à versão no capital social da Santo Alphege Participações S.A., sociedade por ações, com sede na Av. Paulista, 1842, Torre Norte, 12º andar, conj. 125, sala 38, inscrita no CNPJ sob o nº 12.125.313/0001-55 e NIRE em fase de transformação do tipo societário; mantendo-se na Santo Alphege Participações S.A, como sucessora, o mesmo regime até então aplicado no patrimônio da Cia., o qual passa a integrar a presente ata como Anexo I; (c) Aprovar a “Protocolo e Justificação de Cisão Parcial da São Eutiquiano” (“Protocolo e Justificação”) elaborada em 15/05/2012 pela Diretoria da Cia. e pelos acionistas controladores, o qual estabelece, dentre outros, a justificativa, os termos e condições em que se realizará a cisão parcial da Cia., com versão de parcela de seu patrimônio para a Santo Alphege Participações S.A., sociedade por ações, com sede na Av. Paulista, 1842, Torre Norte, 12º andar, conj. 125, sala 38, inscrita no CNPJ sob o nº 12.125.313/0001-55 e NIRE em fase de transformação do tipo societário, elaborado sob a égide do disposto nos Arts. 224, 225 e 229 da Lei nº 6.404/76, e que compõe a presente ata como Anexo II, bem como dos demais documentos que o lastrearam; (d) Aprovar, nos termos do Protocolo e Justificação constante do Anexo II e demais documentos colocados à disposição dos acionistas, a cisão parcial da Cia., com versão da parcela cindida de seu patrimônio líquido para a Santo Alphege Participações S.A., com a conseqüente emissão e subscrição de novas ações pela sociedade receptora, a serem integralizadas com a respectiva parcela cindida da Cia.. Tendo em vista a deliberação ora aprovada, bem como os termos e condições constantes do item 11 do Protocolo e Justificação; (e) Aprovar, em razão da operação de cisão parcial, a redução do capital social da Cia. de R$ 68.957.927,88 para R$ 20.000.000,00, com a extinção de 3.770.451.340 ações de emissão da Cia., bem como a redução da Reserva Estatutária de Lucros no montante de R$ 26.320.746,03, valor que será vertido integralmente na capitalização da Santo Alphege Participações S.A. Em razão da redução do capital social ora realizada, o caput do Art. 5º do Estatuto Social passa a viger com a seguinte nova redação: “O capital social totalmente subscrito e integralizado é de R$ 20.000.000,00, totalmente integralizado, dividido em 9.349.739.939 ações ordinárias nominativas, sem valor nominal.”; e (f) Autorizar os administradores a praticarem todos os atos necessários à implementação da cisão parcial com parcela do patrimônio líquido da Cia. cindido para a Santo Alphege Participações S.A., já qualificada. 8. Lavratura e Encerramento: Nada mais havendo a tratar, determinou o Sr. Presidente que fosse lavrada esta ata, a qual, após lida, foi achada conforme e assinada. Acionistas: Roberto de Oliva Mesquita, Suzana de Oliva Mesquita, Lucia de Mesquita Nunes e Paulo Roberto Nunes. São Paulo, 31/05/2012. (ass.) Roberto de Oliva Mesquita – Presidente; Nelson Magalhães Graça – Secretário. Junta Comercial do Estado de São Paulo. Certifico o registro sob o nº 309.493/12-2 em 18/07/2012. Gisela Simiema Ceschin – Secretária Geral.

Trendbank S/A Banco de Fomento CNPJ/MF n.º 48.880.116/0001-99 – NIRE 35.300.194.489 Edital de Convocação Assembleia Geral de Debenturistas Ficam convocados os Senhores Debenturistas da 1ª emissão de debêntures conversíveis em ações, da espécie quirografária, do Trendbank S/A Banco de Fomento (“Debenturistas”, “Debêntures” e “Companhia”, respectivamente), nos termos da Cláusula V do “Instrumento Particular de Escritura da Primeira Emissão de Debêntures Conversíveis em Ações, da Espécie Quirografária, do Trendbank S/A Banco de Fomento” (“Escritura de Emissão”), a reunirem-se em Assembleia Geral de Debenturistas (“Assembleia”), a se realizar, em primeira convocação, no dia 27 de julho de 2012, às 10h00 e, em segunda convocação, se for o caso, no dia 05 de agosto de 2012, às 10h00, na sede social da Companhia, localizada na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Avenida Brigadeiro Faria Lima, n.º 1.993, 3º andar, conjunto 38, Jardim Paulista, CEP 01452-001, a fim de deliberarem sobre a seguinte ordem do dia: (A) a alteração do prazo de subscrição das Debêntures da 1ª emissão da Companhia; e (B) em razão da deliberação a ser tomada nos termos do item “(A)” acima, a autorização para a Companhia celebrar o respectivo aditamento à Escritura de Emissão e quaisquer outros instrumentos necessários para contemplar a deliberação a ser tomada pelos Debenturistas. Instruções Gerais: Poderão participar da Assembléia ora convocada, todos os Debenturistas portadores de Debêntures “em circulação”, as qual se consideram todas as Debêntures emitidas e subscritas da 1ª emissão da Companhia, excluídas aquelas mantidas em tesouraria pela Companhia.Os Debenturistas deverão apresentar-se antes do horário indicado para início da Assembléia, com os seguintes documentos: (i) Pessoas físicas: documento de identidade com foto; (ii) Sociedades: documentos constitutivos da sociedade (contrato social ou estatuto social) que comprovem os poderes dos representantes, certidão de breve relato ou certidão simplificada emitida pela Junta Comercial competente nos 30 (trinta) dias anteriores à data de realização da Assembléia e documento de identidade com foto dos representantes legais da sociedade; e (iii) Fundos de investimento: regulamento do fundo de investimento, estatuto social da instituição administradora ou do gestor do fundo de investimento, instrumento de procuração outorgado pela instituição administradora ou gestor do fundo de investimento aos representantes legais presentes na Assembléia (conforme o caso) e documento de identidade com foto dos representantes legais. Caso não possa estar presente à Assembléia, o Debenturista poderá ser representado por procurador, com poderes específicos para representação na Assembléia, obedecidas as condições legais. Com o objetivo de dar celeridade ao processo e facilitar os trabalhos da Assembléia, o instrumento de mandato pode, a critério do Debenturista, ser depositado na sede da Companhia, anteriormente à data prevista para a realização da Assembléia. Eventuais esclarecimentos que se fizerem necessários poderão ser obtidos na Companhia com o Sr. Francisco Paldolfo, por meio do telefone: (11]) 3039-5925 ou do e-mail chico@trendbank.com.br. São Paulo, 17 de julho de 2012. Trendbank S/A Banco de Fomento - Cesário Ramalho da Silva Filho - Diretor - Nelson Chemin - Diretor. 18,19,20/07/2012

PREFEITURA MUNICIPAL DE PEREIRA BARRETO/SP Tomada de Preços nº 009/2012 - Processo n º 3233/2012 HOMOLOGAÇÃO Objeto: Contratação de empresa qualificada, para a execução da Obra de reforma da Cemei Edith Barbosa Vasconcelos, Cemei Margaret e Cemei Sossego da Mamãe, incluindo material e mão de obra. Arnaldo Shigueyuki Enomoto, Prefeito Municipal da Estância Turística de Pereira Barreto, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais e de conformidade com o entendimento da Comissão de Licitação, constituída pelo Decreto nº 3.403/2012, RESOLVE: Após vistoriar e analisar o presente processo de Licitação verifica-se que a Lei Federal nº 8666/93 foi aplicada, ficando o procedimento de acordo com os requisitos legais. Por essa razão, HOMOLOGA e ADJUDICA a favor da empresa vencedora: AVA BRASIL PRESTADORA DE SERVIÇOS LTDA. - ME. Pelo resultado da Licitação e para que surta os efeitos normais, determino que seja expedido o Contrato Administrativo. Estância Turística de Pereira Barreto, 19 de julho de 2012. Arnaldo Shigueyuki Enomoto - Prefeito Hidroservice Amazônia S/A - Agropecuária e Industrial-CNPJ/MF 05.054.358/0001-10-Aviso Aos Acionistas-Acham-se à disposição dos Srs. Acionistas, na sede, situada na cidade de SP/SP, na Alameda Ribeirão Preto, 401, 1º, parte, Bela Vista, os documentos a que se referem o artigo 133, da Lei 6.404/76, relativos ao exercício social findo em (19,20 e 21/7/2012) 31/12/2011. São Paulo, 18/7/2012. Henry Maksoud-Diretor Presidente.

FALÊNCIA, RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL E RECUPERAÇÃO JUDICIAL Conforme informação da Distribuição Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, foram ajuizados no dia 19 de julho de 2012, na Comarca da Capital, os seguintes pedidos de falência, recuperação extrajudicial e recuperação judicial: Requerente: Viação Edilson Ltda. Requerido: SMI Soluções e Montagens Inteligentes Ltda. Avenida Engenheiro Luiz Carlos Berrini, 1.500 - Conjunto 32 3°Andar – Brooklin Novo - 1ª Vara de Falências. Requerente: N.A. Fomento Mercantil Ltda. Requerido: Tubocap Artefatos de Alumínio Ltda. Rua M.M.D.C., 166 - Butantã - 2ª Vara de Falências. Requerente: N.A. Fomento Mercantil Ltda. Requerido: Tubocap Embalagens de Alumínio Ltda. Rua M.M.D.C., 138 - Butantã - 2ª Vara de Falências. Requerente: Roche Diagnóstica do Brasil Ltda. Requerido: Rimed Comércio e Representações Ltda. Rua Cayowaa, 1.042/1.044 - Perdizes - 1ª Vara de Falências. Requerente: Wellus do Brasil Indústria e Comércio Importação e Exportação de Produtos Eletrônicos Ltda. Requerido: Man Kyoo Lee - ME. Rua Rio Bonito, 588 Brás - 1ª Vara de Falências.

DIÁRIO DO COMÉRCIO

ECONOMIA/LEGAIS - 17 EULER HERMES SEGUROS DE CRÉDITO S.A.

E.C.K.S.P.E. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES S.A. (Em constituição) Ata da Assembléia Geral de Constituição Realizada em 23/4/2012 Aos 23/4/2012, 11:30hs, reuniram-se os subscritores da totalidade do capital social. Escolhida por unanimidade, assumiu a Presidência dos trabalhos a Sra. Sueli de Fátima Ferretti, RG nº 7.743.932 SSP/SP e CPF/MF nº 764.868.778-04, que convidou a mim, Cleber Faria Fernandes, RG nº 23.360.684-1 e SSP/SP e CPF/MF nº 192.212.358-74, para Secretário. Assim composta a mesa, a Sra. Presidente declarou instalada a Assembléia e, iniciando os trabalhos, informou que seu objetivo era constituir a E.C.K.S.P.E. Empreendimentos e Participações S.A., cujo projeto de Estatuto Social e Boletim de Subscrição, devidamente assinados em duplicata por todos os subscritores, encontravam-se sobre a mesa. Declarou, ainda, a Sra. Presidente, que, de conformidade com o Boletim de Subscrição, o capital social subscrito é de R$ 500,00 em moeda corrente do país, dividido em 500 ações, sendo todas ordinárias nominativas e sem valor nominal. A seguir, foi colocado em discussão o Projeto do Estatuto Social, o qual foi aprovado por unanimidade, declarando a Sra. Presidente constituída a Sociedade, a reger-se segundo o Estatuto Social. Estatuto Social-Capítulo I-Da Denominação, Sede, Objeto e Duração-Art. 1º-A E.C.K.S.P.E. Empreendimentos e Participações S.A. é uma sociedade anônima que rege-se por este Estatuto Social e pelas demais disposições legais que lhe forem aplicáveis. Art. 2º-A Cia. tem sede e foro na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na R.Pamplona, 818, 9º, cjto. 92, Bairro Jd. Paulista, em SP/SP, podendo abrir filiais, agências ou escritórios por deliberação da diretoria. Art. 3º-A Cia. tem por objeto social a participação em outras Sociedades, como sócia ou acionista, no país ou no exterior (“holding”). Art. 4º-A Sociedade terá prazo indeterminado de duração. Capítulo II-Do Capital-Art. 5º-O capital social é de R$ 500,00, representado por 500 ações, sendo todas ordinárias nominativas, sem valor nominal, sendo R$ 50,00 integralizados e o restante a integralizar no prazo de 12 meses a contar desta assembleia. § 1º-Cada ação corresponde a um voto nas deliberações sociais. § 2º-As ações provenientes de aumento de capital serão distribuídas entre os acionistas, na forma da lei, no prazo que for fixado pela Assembléia que deliberar sobre o aumento de capital. § 3º-Mediante aprovação de acionistas representando a maioria do capital social, a Cia. poderá adquirir as próprias ações para efeito de cancelamento ou permanência em tesouraria, sem diminuição do capital social, para posteriormente aliená-las, observadas as normas legais e regulamentares em vigor. Capítulo III-Da Assembléia Geral-Art. 6º-A Assembléia Geral reunir-se-á, ordinariamente, nos 4 primeiros meses após o encerramento do exercício social, e, extraordinariamente, sempre que os interesses sociais o exigirem. § 1º - A Assembléia Geral será presidida por acionistas ou diretor eleito no ato, que convidará, dentre os diretores ou acionistas presentes, o secretário dos trabalhos. § 2º - As deliberações das Assembléias Gerais Ordinárias e Extraordinárias, ressalvadas as exceções previstas em lei e sem prejuízo do disposto neste Estatuto Social, serão tomadas por maioria absoluta de voto, não computando os votos em branco. Capítulo IV-Da Administração-Art. 7º-A administração da Cia. será exercida por uma diretoria, composta por no mínimo 2 e no máximo 10 membros, todos com a designação de diretores, podendo ser acionistas ou não, residentes no país, eleitos anualmente pela Assembléia Geral, permitida a reeleição.Vencido o mandato, os diretores continuarão no exercício de seus cargos, até a posse dos novos eleitos. § 1º - Os diretores ficam dispensados de prestar caução e seus honorários serão fixados pela Assembléia Geral que os eleger. § 2º - A investidura dos diretores nos cargos far-se-á por termo lavrado no livro próprio. Art. 8º-No caso de impedimento ocasional de um diretor, suas funções serão exercidas por qualquer outro diretor, indicado pelos demais. No caso de vaga, o indicado deverá permanecer no cargo até a eleição e posse do substituto pela Assembléia Geral. Art. 9º-A diretoria tem amplos poderes de administração e gestão dos negócios sociais, podendo praticar todos os atos necessários para gerenciar a Sociedade e representá-la perante terceiros, em juízo ou fora dele, e perante qualquer autoridade pública e órgãos governamentais federais, estaduais ou municipais; exercer os poderes normais de gerência; assinar documentos, escrituras, contratos e instrumentos de crédito; emitir e endossar cheques; abrir, operar e encerrar contas bancárias; contratar empréstimos, concedendo garantias, adquirir, vender, onerar ou ceder, no todo ou em parte, bens móveis ou imóveis. Art. 10º-A representação da Cia. em juízo ou fora dele, assim como a prática de todos os atos referidos no Art. 9º competem a qualquer diretor, agindo isoladamente, ou a um ou mais procuradores, na forma indicada nos respectivos instrumentos de mandato. A nomeação de procurador(es) dar-se-á pela assinatura isolada de qualquer diretor, devendo os instrumentos de mandato especificarem os poderes conferidos aos mandatários e serem outorgados com prazo de validade não superior a um ano, exceto em relação às procurações “ad judicia”, as quais poderão ser outorgadas por prazo indeterminado. § Único: Dependerão da aprovação de acionistas representando a maioria do capital social a prestação de avais, fianças e outras garantias em favor de terceiros. Art. 11-Compete à diretoria superintender o andamento dos negócios da Cia., praticando os atos necessários ao seu regular funcionamento. Capítulo V-Conselho Fiscal-Art. 12-A Cia. terá um Conselho Fiscal, de funcionamento não permanente que, quando instalado, deverá ser composto de, no mínimo, 3 e, no máximo, 5 membros efetivos e igual número de suplentes, acionistas ou não. § Único - Os membros do Conselho Fiscal serão eleitos pela Assembléia Geral Ordinária para um mandato de 1 ano, permitida a reeleição. Capítulo VI-Disposições Gerais-Art. 13-O exercício social da Sociedade coincide com o ano civil, encerrando-se em 31 de dezembro de cada ano. Quando do encerramento do exercício social, a Sociedade preparará um balanço patrimonial e as demais demonstrações financeiras exigidas por Lei. Art. 14-Os lucros apurados em cada exercício terão o destino que a Assembléia Geral lhes der, conforme recomendação da diretoria, depois de ouvido o Conselho Fiscal, quando em funcionamento, e depois de feitas as deduções determinadas em Lei. Art. 15-Mediante decisão de acionistas representando a maioria do capital social, a Sociedade poderá preparar balanços intercalares a qualquer momento, a fim de determinar os resultados e distribuir lucros em períodos menores. Art. 16-A Sociedade distribuirá, como dividendo obrigatório em cada exercício social, o percentual mínimo previsto e ajustado nos termos da legislação aplicável. Art. 17-A Sociedade entrará em liquidação nos casos previstos em lei ou por deliberação da Assembléia Geral, com o quorum de acionistas representando a maioria do capital social, a qual determinará a forma de sua liquidação, elegerá os liquidantes e fixará a sua remuneração. Art. 18-Qualquer ação entre os acionistas ou deles contra a Cia., baseada neste estatuto social, será proposta no foro da Comarca de São Paulo/ SP. Em seguida, a Sra. Presidente procedeu à eleição dos membros da diretoria da Sociedade, com mandato até a realização da primeira AGO, passando a Sociedade a ter os seguintes Diretores, sem designação específica: 1) Sueli de Fátima Ferretti, RG nº 7.743.932 SSP/SP e CPF/MF nº 764.868.778-04. 2) Cleber Faria Fernandes, RG nº 23.360.684-1 SSP/SP e CPF/MF nº 192.212.358-74. Os diretores declaram, sob as penas da Lei, que não há nada que os impeça de exercer a atividade mercantil. Com referência à remuneração dos administradores, foi fixada a quantia global de até R$ 1.000,00, a ser distribuída entre os administradores. Nada mais. (Ass.) Sueli de Fátima Ferretti e Cleber Faria Fernandes. São Paulo, 23/4/2012. Sueli de Fátima Ferretti-Presidente e Cleber Faria Fernandes-Secretário. Visto do Advogado: Renato Dias Pinheiro-OAB/RJ 19.553. Jucesp sob NIRE nº 3530043821-3 em 16/05/2012. Gisela S.Ceschin-Secr.Geral.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PEREIRA BARRETO/SP PREGÃO Nº 018/2012 - PROCESSO Nº 3768/2012 REGISTRO DE PREÇOS - RESUMO DE EDITAL O sr. Arnaldo Shigueyuki Enomoto, prefeito de Pereira Barreto, Estado de São Paulo, faz saber que se acha aberta nesta Prefeitura de Pereira Barreto, até às 14h30min, do dia 06/08/2012, a licitação na modalidade PREGÃO PRESENCIAL nº 018/2012, do tipo menor preço global, objetivando o Registro de Preços para Contratação de empresa especializada para execução de 01 (uma) solução integrada de cidade segura, com fornecimento necessário de equipamentos, softwares, serviços de instalação, suporte técnico, capacitação e garantias de manutenção preventiva e corretiva para o perfeito funcionamento da solução integrada, conforme condições, descrições, especificações e quantitativos estabelecidos no Edital e seus anexos. Para maiores informações ou o edital completo, os interessados poderão procurar o Deptº de Licitações desta Prefeitura Municipal, ou pelo telefone/fax: (18) 3704-8505, no horário de expediente normal ou acessar o site www.pereirabarreto.sp.gov.br, ou ainda enviar e-mail para licitacao@pereirabarreto.sp.gov.br. Pereira Barreto, 19 de julho de 2012. Arnaldo Shigueyuki Enomoto - Prefeito SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: TOMADAS DE PREÇOS A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para execução de Construção de Ambientes Complementares com Fornecimento, Instalação, Licenciamento e Manutenção de Elevador e Reforma de Prédio Escolar: TOMADA DE PREÇOS Nº - PRÉDIO - LOCALIZAÇÃO - PRAZO - ÁREA (se houver) - PATRIMÔNIO LÍQUIDO MÍNIMO P/ PARTICIPAR - GARANTIA DE PARTICIPAÇÃO - ABERTURA DA LICITAÇÃO (HORA E DIA) 69/01218/12/02 - EE Prof. Dr. Benedicto Montenegro - Rua Vasco Cinquini, 100 - CEP: 17212-590 - Jd. P. Ometto - Jaú-SP - 210 - R$ 147.238,00 - R$ 14.723,00 - 10:00 - 07/08/2012. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital e o respectivo Caderno de Encargos e Composição do BDI na SEDE DA FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 - São Paulo/SP ou através da Internet pelo endereço eletrônico www.fde.sp.gov.br. Os interessados poderão adquirir o Edital completo através de CD-ROM a partir de 20/07/2012, na SEDE DA FDE, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, mediante pagamento não reembolsável de R$ 40,00 (quarenta reais). Todas as propostas deverão estar acompanhadas de garantia de participação, a ser apresentada à Supervisão de Licitações da FDE, conforme valor indicado acima. Os invólucros contendo a PROPOSTA COMERCIAL e os DOCUMENTOS DE HABILITAÇÃO deverão ser entregues, juntamente com a Solicitação de Participação, a Declaração de Pleno Atendimento aos Requisitos de Habilitação e a garantia de participação, no Setor de Protocolo da Supervisão de Licitações - SLI na SEDE DA FDE, até 30 minutos antes da abertura da licitação. Esta Licitação será processada em conformidade com a LEI FEDERAL nº 8.666/93 e suas alterações, e com o disposto nas CONDIÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE. As propostas deverão obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital. JOSÉ BERNARDO ORTIZ Presidente

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: TOMADAS DE PREÇOS A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para execução de Reforma em Prédio Escolar: TOMADA DE PREÇOS Nº - PRÉDIO - LOCALIZAÇÃO - PRAZO - ÁREA (se houver) - PATRIMÔNIO LÍQUIDO MÍNIMO P/ PARTICIPAR - GARANTIA DE PARTICIPAÇÃO - ABERTURA DA LICITAÇÃO (HORA E DIA) 69/01217/12/02 - EE Dr. Tolentino Miraglia - Rua Paulo Botelho Almeida Prado, 85 - CEP: 17209-300 - Sta. Rosa - Jaú-SP 180 - R$ 84.319,00 - R$ 8.431,00 - 09:30 - 07/08/2012. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital e o respectivo Caderno de Encargos e Composição do BDI na SEDE DA FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 - São Paulo/SP ou através da Internet pelo endereço eletrônico www.fde.sp.gov.br. Os interessados poderão adquirir o Edital completo através de CD-ROM a partir de 20/07/2012, na SEDE DA FDE, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, mediante pagamento não reembolsável de R$ 40,00 (quarenta reais). Todas as propostas deverão estar acompanhadas de garantia de participação, a ser apresentada à Supervisão de Licitações da FDE, conforme valor indicado acima. Os invólucros contendo a PROPOSTA COMERCIAL e os DOCUMENTOS DE HABILITAÇÃO deverão ser entregues, juntamente com a Solicitação de Participação, a Declaração de Pleno Atendimento aos Requisitos de Habilitação e a garantia de participação, no Setor de Protocolo da Supervisão de Licitações - SLI na SEDE DA FDE, até 30 minutos antes da abertura da licitação. Esta Licitação será processada em conformidade com a LEI FEDERAL nº 8.666/93 e suas alterações, e com o disposto nas CONDIÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE. As propostas deverão obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital. JOSÉ BERNARDO ORTIZ Presidente

PREFEITURA MUNICIPAL DE PEREIRA BARRETO/SP TOMADA DE PREÇOS: 009/2012 - PROCESSO: 3233/2012 EXTRATO CONTRATO Nº 4982/2012 Contratante: Prefeitura da Estância Turística de Pereira Barreto Contratada: AVA BRASIL PRESTADORA DE SERVIÇOS LTDA. - ME Objeto: A contratada obriga-se à execução da Obra de reforma das Cemeis: Edith Barbosa Vasconcelos, Margaret e Sossego da Mamãe, incluindo material e mão de obra, e de acordo com o memorial descritivo, cronograma físico e financeiro, orçamento descritos nas planilhas constantes do Anexo I do Edital. Valor: R$ 195.590,20 (cento e noventa e cinco mil, quinhentos e noventa reais e vinte centavos) Vigência: 90 dias. Pereira Barreto, 19 de julho de 2012. Arnaldo Shigueyuki Enomoto - Prefeito Brooklyn Empreendimentos S.A. CNPJ nº 61.364.022/0001-25 - NIRE 35300028694 Ata da Assembléia Geral Ordinária realizada em 30 de abril de 2012 Sumário dos fatos: art. 130 - § 1º da Lei nº 6.404/76. Local, horário e Data: Na sede social, às 10:30 hs, em 30.04.2012. “Quorum”: 83,51%. Mesa: Presidente: Paulo Pompéia Gavião Gonzaga - Diretor Presidente; Secretário: José Roberto Martinez de Camargo - Diretor. Publicações: a) Documentos do art. 133 da Lei nº 6.404/76 - Diário Oficial do Estado e Diário do Comércio, dia 30/03/2012; b) Convocação: Diário Oficial do Estado de São Paulo e Diário do Comércio, dias 18, 19 e 20/04/2012. Deliberações: Assembléia Geral Ordinária: I - Aprovadas as demonstrações financeiras referentes ao exercício social de 2011, julgando-se corretas as contas dos administradores. Não havendo outros assuntos a Assembléia p ç da totalidade dos votos dos acionistas presentes, p ,a Geral Ordinária foi finalizada,, e com a aprovação presente Ata segue assinada. São Paulo - SP, 30 de Abril de 2012. a) PAULO POMPÉIA GAVIÃO GONZAGA - Presidente da Mesa; JOSÉ ROBERTO MARTINEZ DE CAMARGO - Secretário; PAULO POMPÉIA GAVIÃO GONZAGA - Acionista. Atestamos que a presente é cópia fiel do original. BROOKLYN EMPRENDIMENTOS S/A. a) Paulo Pompéia Gavião Gonzaga - Presidente da Mesa. Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia - Junta Comercial do Estado de São Paulo. Certifico o registro sob o nº 284.721/12-8 em 02/07/2012. Gisela Simiena Ceschin - Secretária Geral. FILAG DO BRASIL COMÉRCIO E IMPORTAÇÃO DE COSMÉTICOS S.A. CNPJ/MF 12.446.467/0001-49 - NIRE 35.300.385.519 Edital de Convocação de Assembleia Geral Extraordinária Ficam convocados os senhores acionistas da FILAG DO BRASIL COMÉRCIO E IMPORTAÇÃO DE COSMÉTICOS S.A. (“Companhia”) para reunirem-se em Assembleia Geral Extraordinária da Companhia, a ser realizada às 10:00 horas do dia 27 de julho de 2012, na sede social da Companhia, localizada na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Rua General Furtado Nascimento, nº 740, conjunto 24, Alto de Pinheiros, CEP 05465-070, para deliberarem a respeito da seguinte ordem do dia: (i) eleição dos membros da Diretoria; e (ii) fixação da remuneração anual global dos membros da Diretoria, bem como a ratificação da remuneração anteriormente aplicada. Os documentos relativos às matérias constantes da ordem do dia da Assembleia Geral Extraordinária encontram-se à disposição dos acionistas a partir da presente data, na sede da Companhia, consoante o artigo 135, § 3º da Lei 6.404, de 15 de dezembro de 1976, conforme alterada. O acionista ou seu representante legal deverá comparecer à Assembleia Geral Extraordinária munido dos documentos hábeis para comprovação de sua identidade e, na hipótese de representação do acionista, instrumento de mandato regularizado na forma da lei. São Paulo, 18 de julho de 2012. Nome: Carlos Zetune - Cargo: Diretor.

Fale com milhares de empresários de uma só vez.

CNPJ/MF nº 04.573.811/0001-32 - NIRE 35.300.186.206 ATA DE ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 27 DE FEVEREIRO DE 2012 Data, Hora e Local: Realizada no dia 27 de fevereiro de 2012, às 18:00 horas, na sede social da Euler Hermes Seguros de Crédito S.A., na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Avenida Paulista, nº 2.421, 3º andar, Jardim Paulista, CEP 01311-300 (a “Companhia”). Presença: Acionista representando a totalidade do capital social da Companhia, conforme assinatura constante do respectivo Livro de Presença de Acionistas. Convocação: Dispensada a convocação prévia, nos termos do parágrafo 4º do artigo 124 da Lei nº 6.404/76. Composição da Mesa: Guilherme Perondi Neto - Presidente da Mesa; e Nilton Yuji Sugiyama Secretário. Ordem do Dia: (i) deliberar sobre aumento de capital social da Companhia, com a consequente alteração do caput do artigo 5º do Estatuto Social; e (ii) deliberar sobre a consolidação do estatuto social da Companhia. Deliberações: A acionista presente, representando a totalidade do capital social, deliberou: (i) aprovar o aumento de capital social da Companhia, de R$ 16.925.000,00 (dezesseis milhões, novecentos e vinte e cinco mil reais) para R$ 19.925.000,00 (dezenove milhões, novecentos e vinte e cinco mil reais), um aumento, portanto, de R$ 3.000.000,00 (três milhões de reais), com a emissão de 3.000.000 (três milhões) novas ações ordinárias, todas nominativas, sem valor nominal, ao preço de emissão de R$ 1,00 (um real) cada, fixado com base no artigo 170, parágrafo 1º, inciso II, da Lei nº. 6.404/76, totalmente subscritas e integralizadas pela única acionista da Companhia nesta data, nos termos do Boletim de Subscrição que integra a presente ata como Anexo I, alterando, dessa forma, o disposto no caput do artigo 5º do estatuto social da Companhia, que passará a ter a seguinte redação: “Artigo 5º - O capital social da Companhia, totalmente subscrito e integralizado em moeda corrente nacional, é de R$ 19.925.000,00 (dezenove milhões, novecentos e vinte e cinco mil reais), sendo 18.074.291 ações ordinárias e 2.100.084 (dois milhões, cem mil e oitenta e quatro) ações preferenciais, todas nominativas e sem valor nominal.”; e (ii) consolidar o estatuto social da Companhia, o qual passa a ter a redação prevista no Anexo II à presente ata. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, o Sr. Presidente passou a palavra a quem dela quisesse fazer uso e, inexistindo qualquer manifestação por parte da acionista, determinou à administração da Companhia proceder aos trâmites necessários para refletir as deliberações tomadas nesta data. Em seguida, o Sr. Presidente declarou encerrados os trabalhos, suspendendo a Assembleia pelo tempo necessário à lavratura desta Ata que, lida e achada conforme, foi aprovada e assinada por todos os presentes. São Paulo, 27 de fevereiro de 2012. Mesa: Guilherme Perondi Neto - Presidente, Nilton Yuji Sugiyama - Secretário. Acionista Presente: Euler Hermes Serviços de Gestão de Riscos Ltda. Por: Guilherme Perondi Neto, Cargo: Diretor. JUCESP nº 303.031/12-8 em 16/07/2012. Gisela Simiema Ceschin - Secretária Geral. ANEXO II - “Estatuto Social da Euler Hermes Seguros de Crédito S.A. - Capítulo I - Denominação, Sede, Objeto e Duração: Artigo 1º - EULER HERMES SEGUROS DE CRÉDITO S.A., com sede e foro na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Avenida Paulista, nº 2.421, 3º andar, Jardim Paulista, CEP 01311-300, reger-se-á pelo presente estatuto e pelas disposições legais e regulamentares que lhe forem aplicáveis. Artigo 2º - O objeto da Sociedade é a exploração das operações de seguros dos ramos elementares, como definido na legislação em vigor. Artigo 3º - O prazo de duração da Sociedade é indeterminado. Artigo 4º - A Sociedade poderá manter sucursais, filiais, ou agências em qualquer ponto do território nacional, a critério da Diretoria. Capítulo II - Capital Social: Artigo 5º - O capital social da Companhia, totalmente subscrito e integralizado em moeda corrente nacional, é de R$ 19.925.000,00 (dezenove milhões, novecentos e vinte e cinco mil reais), sendo 18.074.291 (dezoito milhões, setenta e quatro mil, duzentos e noventa e um reais) ações ordinárias e 2.100.084 (dois milhões, cem mil e oitenta e quatro) ações preferenciais, todas nominativas e sem valor nominal. Parágrafo 1º - As ações representativas do capital social são indivisíveis em relação à Companhia e cada ação ordinária confere ao seu titular o direito a um voto nas Assembléias Gerais. Parágrafo 2º - As ações são nominativas e a sua propriedade será presumida pela anotação nos livros sociais competentes, sendo que, caso a Assembléia Geral delibere emitir títulos ou certificados representativos de ações, estes serão assinados por 2 (dois) Diretores. Parágrafo 3º - À Companhia é facultado emitir ações preferenciais sem guardar proporção com as espécies e/ou classe já existentes, ou que possam vir a existir, desde que o número de ações preferenciais não ultrapasse o limite de 50% (cinqüenta por cento) do total do capital social. Parágrafo 4º - As ações preferenciais não terão direito a voto e terão prioridade no reembolso do capital social no caso de liquidação da Companhia. Capítulo III - Da Administração: Artigo 6º - A Sociedade será administrada por uma Diretoria composta de, no mínimo, 02 (dois) e, no máximo, 04 (quatro) membros, acionistas ou não, residentes no Pais, sendo 01 (um) Diretor Presidente e até 03 (três) Diretores sem designação especifica, eleitos pela Assembléia Geral, que fixará sua remuneração. Parágrafo Único - Os Diretores terão as seguintes funções e atribuições: I - Diretor Presidente: (a) convocar e presidir as reuniões de Diretoria e as Assembléias Gerais; (b) orientar os demais diretores no desempenho de suas funções e determinar funções específicas aos mesmos; (c) determinar e coordenar a política geral de atuação da Sociedade em todas as suas áreas, isto é, operacional, administrativa e financeira; (d) aprovar o Regulamento Interno da Sociedade e suas alterações; (e) indicar, ad referendum da Assembléia Geral, os substitutos eventuais dos membros da Diretoria em caso de ausência ou impedimentos temporários; e (f) indicar auditores independentes. II - Os demais Diretores terão as funções que lhe forem atribuídas pelos acionistas que representam a maioria do capital social. Artigo 7º - O prazo de mandato da Diretoria é de 02 (dois) anos, sendo permitida a reeleição. Parágrafo Único - Vencido o mandato, os Diretores continuarão no exercício de seus cargos até a posse dos eleitos. Artigo 8º - Compete aos membros da Diretoria isoladamente, e observadas as normas deste Estatuto, a prática dos atos necessários ao seu regular funcionamento. Artigo 9º - Os Diretores ficam dispensados de prestar caução em garantia de suas gestões. Artigo 10 - A investidura no cargo de Diretor far-se-á por termo lavrado e assinado no livro de Atas de Reuniões da Diretoria, após a homologação de seus nomes pela Superintendência de Seguros Privados. Artigo 11 - Em caso de renúncia ou vaga de um dos cargos da Diretoria, esta indicaria, ad referendum da Assembléia Geral, um substituto provisório até a realização da primeira Assembléia Geral, que então deliberará sobre o provimento definitivo do cargo. O substituto eleito servirá até o término do mandato do substituído. Artigo 12 - A Diretoria reunir-se-á sempre que assim o exigirem os negócios e interesses sociais e sempre que convocada pelo Diretor Presidente e essas reuniões serão válidas quando contarem com a presença ou representação da maioria de seus membros em exercício. Parágrafo 1º - As resoluções da Diretoria serão tomadas por maioria de votos, cabendo ao Diretor Presidente, além do próprio voto, o de qualidade, no caso de empate. Parágrafo 2º - Das reuniões da Diretoria serão lavradas atas e assinadas pelos diretores presentes. Artigo 13 - Além dos poderes que forem necessários à realização dos fins sociais, a Diretoria fica, também, investida de plenos poderes para contrair obrigações, alienar imóveis, transigir, desistir, ceder, renunciar direitos, firmar compromissos, confessar dívidas, celebrar contratos, fazer acordos, cabendo-lhe, além das atribuições legais: (a) apresentar à Assembléia Geral o Relatório da Diretoria e as Demonstrações Financeiras previstas em lei; (b) deliberar sobre a criação ou extinção de sucursais, filiais ou agências; (c) fixar a orientação geral dos negócios sociais e fixar a política comercial e financeira da Sociedade; (d) propor à Assembléia Geral a destinação dos lucros do exercício, observadas as disposições legais e as deste Estatuto Social; (e) deliberar sobre a estrutura do quadro de pessoal, fixando padrões de vencimentos e outras eventuais vantagens; (f) deliberar sobre as operações e aplicações de recursos da Sociedade e (g) propor à Assembléia Geral a alteração da forma societária, do objeto social ou ainda do Estatuto Social da Sociedade. Artigo 14 - A representação da Sociedade e a prática de atos necessários ao seu funcionamento regular, competirão sempre: a 01 (um) Diretor; ou a 02 (dois) procuradores em conjunto, devidamente constituídos na forma do parágrafo seguinte. Parágrafo Único - A Sociedade poderá, por seu Diretor-Presidente, nomear procuradores para representá-la, nos limites dos poderes conferidos nos respectivos mandatos. Artigo 15 - São expressamente vedados os atos de qualquer Diretor, procurador ou funcionário da Sociedade, que a envolverem em obrigações relativas a negócios ou operações estranhas ao objeto social. Capítulo IV - Das Assembléias Gerais: Artigo 16 - A Assembléia Geral reunir-se-á, ordinariamente, dentro dos 03 (três) primeiros meses de cada ano e, extraordinariamente quando necessário, guardados os preceitos legais nas respectivas convocações. Artigo 17 - A Assembléia Geral será instalada pelo Diretor Presidente ou, na sua ausência, pelo Diretor por ele designado e presidida pelo acionista escolhido pelos presentes, o qual, por sua vez, escolherá um dos presentes para secretariar os trabalhos da mesa. Artigo 18 - A Assembléia Geral poderá, mediante deliberação dos sócios representando a maioria do capital social da Sociedade, alterar sua forma societária, seu objeto social ou ainda seu estatuto social. Capítulo V - Do Conselho Fiscal: Artigo 19 - O Conselho Fiscal terá o seu funcionamento não permanente, sendo instalado a pedido de acionistas, dentro do que preceitua o artigo 161 da Lei nº 6.404/76. Artigo 20 - O Conselho Fiscal, quando em funcionamento, será composto de no mínimo 03 (três) e no máximo 05 (cinco) membros, e suplentes em igual número, acionistas ou não, eleitos pela Assembléia Geral. Capítulo VI - Do Exercício Social - Balanços e Demonstrações Financeiras - Lucros e sua Aplicação: Artigo 21- O exercício social coincidirá com o ano civil, encerrando-se, portanto, em 31 de dezembro de cada ano. Artigo 22 - Findo o exercício social, proceder-se-á ao levantamento do balanço e demais demonstrações financeiras da Sociedade, que serão submetidos ao parecer dos auditores independentes. A sociedade poderá levantar balanços em períodos inferiores ao exercício social para apuração de dividendos intercalares ou intermediários os quais, se houver, terão a destinação deliberada pelos acionistas. Dos lucros apurados, depois de feitas as provisões para pagamento do imposto de renda far-se-ão as seguintes deduções: (I) 5% (cinco por cento) para constituição do fundo de reserva legal, até que atinja a 20% (vinte por cento) do capital social; (II) 25% (vinte e cinco por cento) no mínimo, calculados com os ajustes de lei, para pagamento de dividendos aos acionistas; (III) o saldo, se houver, terá a aplicação que lhe for destinada em Assembléia Geral, por proposta da Diretoria, observadas as disposições legais atinentes à matéria. Artigo 23 - O dividendo não será obrigatório no exercício social em que a administração julgá-lo incompatível com a situação financeira da empresa, podendo a Diretoria propor à Assembléia Geral Ordinária que se distribua dividendo inferior ao obrigatório ou nenhum dividendo. A Assembléia Geral poderá, também, se não houver oposição de nenhum acionista presente, tenha direito a voto ou não, deliberar distribuição de dividendo inferior ao obrigatório ou a retenção de todo o lucro. Artigo 24 - O prazo para pagamento do dividendo será estipulado pela Assembléia Geral Ordinária que o aprovou, de acordo com as disponibilidades financeiras da Sociedade, justificadas pela Diretoria, porém, não ultrapassando o exercício. Artigo 25 - A Diretoria terá poderes para determinar a distribuição de lucros e/ou dividendos, dentro dos limites legais e ad referendum da Assembléia Geral de Acionistas que aprovar as contas daquele exercício social. Capítulo VII - Disposições Finais: Artigo 26 - A Sociedade será, dissolvida nos casos previstos em lei ou em virtude de deliberação da Assembléia Geral. Artigo 27 - Os casos omissos neste Estatuto serão resolvidos pela Assembléia Geral, em conformidade com a legislação em vigor.”

CPM Braxis S.A. CNPJ/MF nº 65.599.953/0001-63 – NIRE 35.300.178.815 Ata da Assembleia Especial de Acionistas Titulares de Ações Preferenciais Classe A realizada em 28 de junho de 2012 1. Data, Hora e Local: Aos 28/06/2012, às 9 hs., na sede da CPM Braxis S.A. (“Cia.” ou “CPM Braxis”), na Alameda Araguaia, nº 1930, Barueri-SP. 2. Convocação e Quórum: Dispensada a publicação dos editais de convocação em vista da presença de acionistas titulares de 100% das ações preferenciais classe A de emissão da Cia., conforme assinaturas constantes no Livro de Presença de Acionistas. 3. Mesa: Navin Goel – Presidente; e Alessandro Piero Porro – Secretário. 4. Ordem do Dia: A conversão de 12.505.486 ações preferenciais classe A em ações ordinárias nominativas e sem valor nominal de emissão da Cia.. 5. Deliberações: Os acionistas presentes deliberaram aprovar, nos termos do Art. 136, § 1º, da Lei nº 6.404/76, conforme alterada (“Lei das S.A.”), sem reservas, nos termos desta ata e por unanimidade, desconsiderando-se os votos dos acionistas legalmente impedidos, a conversão de 12.505.486 ações preferenciais classe A de emissão da Cia. em 12.505.486 ações ordinárias de emissão da Cia., todas nominativas e sem valor nominal, sendo referida conversão realizada com relação as ações dos seguintes acionistas titulares de ações preferenciais classe A: (i) 1.971.123 ações preferenciais classe A de titularidade da Braxis Tecnologia da Informação S.A. serão convertidas em 1.971.123 ações ordinárias nominativas e sem valor nominal de emissão da Cia.; (ii) 10.369.478 ações preferenciais classe A de titularidade da GIF Mining Holdings LLC serão convertidas em 10.369.478 ações ordinárias nominativas e sem valor nominal de emissão da Cia.; e (iii) 164.885 ações preferenciais classe A de titularidade da Serpartners Participações e Administração S.A. serão convertidas em 164.885 ações ordinárias nominativas e sem valor nominal de emissão da Cia.. 6. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, esta reunião foi suspendida para que esta ata lavrada fosse lida e assinada por todos os presentes. Acionistas presentes: BDS Technology LLC, Braxis Tecnologia da Informação S.A., CPM Holdings LTD, GIF Mining Holdings LLC, NextGenb LLC, Serpartners Particip. e Administração S.A. e União Particip. Ltda. Confere com a original lavrada em livro próprio. Barueri, 28/06/2012. (ass.) Alessandro Piero Porro – Secretário. Junta Comercial do Estado de São Paulo. Certifico o registro sob o nº 296.506/12-6 em 10/07/2012. Gisela Simiema Ceschin – Secretária Geral.

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: Pregão Eletrônico nº 21/00253/12/05 OBJETO : PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE ESCOLAR PARA AS ESCOLAS DA REDE PÚBLICA ESTADUAL A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para: PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE ESCOLAR PARA AS ESCOLAS DA REDE PÚBLICA ESTADUAL. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital a partir de 20/07/2012, no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br ou na sede da FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 - São Paulo/SP, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, ou verificar o edital na íntegra, através da Internet no endereço: http://www.fde.sp.gov.br. A sessão pública de processamento do Pregão Eletrônico será realizada no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br, no dia 02/08/2012, às 09:30 horas, e será conduzida pelo pregoeiro com o auxílio da equipe de apoio, designados nos autos do processo em epígrafe e indicados no sistema pela autoridade competente. Todas as propostas deverão obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital e seus anexos e serão encaminhadas, por meio eletrônico, após o registro dos interessados em participar do certame e o credenciamento de seus representantes previamente cadastrados. A data do início do prazo para envio da proposta eletrônica será de 20/07/2012, até o momento anterior ao início da sessão pública. JOSÉ BERNARDO ORTIZ Presidente

CPM Braxis S.A. CNPJ nº 65.599.953/0001-63 – NIRE nº 35.300.178.815 Ata da Assembleia Especial de Acionistas Titulares de Ações Preferenciais Classe B realizada em 28 de junho de 2012 1. Data, Hora e Local: Aos 28/06/2012, às 9:15 hs., na sede da CPM Braxis S.A. (“Cia.” ou “CPM Braxis”), na Alameda Araguaia, nº 1930, Barueri-SP. 2. Convocação e Quórum: Dispensada a publicação dos editais de convocação em vista da presença de acionistas titulares de 100% das ações preferenciais classe B de emissão da Cia., conforme assinaturas constantes no Livro de Presença de Acionistas. 3. Mesa: Navin Goel – Presidente; e Alessandro Piero Porro – Secretário. 4. Ordem do Dia: A conversão de 1.702.510 ações preferenciais classe B em ações ordinárias nominativas e sem valor nominal de emissão da Cia.. 5. Deliberações: Os acionistas presentes deliberaram aprovar, nos termos do Art. 136, § 1º, da Lei nº 6.404/76, conforme alterada (“Lei das S.A.”), sem reservas, nos termos desta ata e por unanimidade, desconsiderando-se os votos dos acionistas legalmente impedidos, a conversão de 1.702.510 ações preferenciais classe B de emissão da Cia. em 1.702.510 ações ordinárias de emissão da Cia., todas nominativas e sem valor nominal, sendo referida conversão realizada com relação as ações dos seguintes acionistas titulares de ações preferenciais classe B: (i) 1.302.401 ações preferenciais classe B de titularidade da Infors Investimentos Ltda. serão convertidas em 1.302.401 ações ordinárias nominativas e sem valor nominal de emissão da Cia.; e (ii) 400.109 ações preferenciais classe B de titularidade da Cristal Delaware LLC serão convertidas em 400.109 ações ordinárias nominativas e sem valor nominal de emissão da Cia.. 6. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, esta reunião foi suspendida para que esta ata lavrada fosse lida e assinada por todos os presentes. Presidente: Navin Goel; Secretário: Alessandro Piero Porro. Acionistas presentes: CPM Holdings LTD, Cristal Delaware LLC, Infors Investimentos Ltda. e União Participações Ltda. Confere com a original lavrada em livro próprio. Barueri, 28/06/2012. (ass.) Alessandro Piero Porro – Secretário. JUCESP – Certifico o registro sob o nº 296.507/12-0 em 10/07/2012. Gisela Simiema Ceschin – Secretária Geral.

DECLARAÇÃO DE PROPÓSITO Luís Carlos Gandini, Carteira de Identidade RG nº 6.402.630-9 - SSP/SP, CPF/MF nº 547.150.918-87, Declara sua intenção de exercer cargo de administração no Banco Paulista S.A. e que preenche as condições estabelecidas no Art. 2º da Resolução nº 3.041, de 28 de novembro de 2002, do Conselho Monetário Nacional. Esclarece que, nos termos da regulamentação em vigor, eventuais objeções à presente declaração deverão ser comunicadas diretamente ao Banco Central do Brasil, no endereço abaixo, no prazo de quinze dias contados da data da publicação desta, por meio de documento em que os autores estejam devidamente identificados, acompanhado da documentação comprobatória, observado que o declarante poderá, na forma da legislação em vigor, ter direito a vistas do processo respectivo. BANCO CENTRAL DO BRASIL - DEORF Av. Paulista, 1.804, 01310-922 - São Paulo. (19, 20)

COMUNICADO: A empresa União Educacional e Tecnológica Impacta – Uni.Impacta, registrada no 7º Oficial de Registro Civil de Pessoa Jurídica, sob nº 17093 em 03/04/2000, SP/SP, comunica o extravio dos Livros Diários Gerais de nº 01 a 09 dos exercícios: ano de 2000 a 2008, períodos de 01.01.2000 a 31.12.2008.

Anuncie!

Publicidade Legal Fone:

11

3180 3175


DIà RIO DO COMÉRCIO

18 -.ECONOMIA/LEGAIS

e

sexta-feira, 20 de julho de 2012

A Microsoft teve um prejuĂ­zo lĂ­quido de US$ 492 milhĂľes no primeiro trimestre

conomia Thomas Peter/Reuters

Andrea Comas/Reuters

Integrantes da coalizĂŁo de governo da chanceler Angela Merkel votaram a favor da assistĂŞncia de 100 bilhĂľes de euros. Nas ruas de Madri, protestos contra as medidas de austeridade.

Alemanha aprova ajuda à Espanha O aval do Parlamento alemão ao socorro aos bancos espanhóis não diminui, no entanto, o nervosismo dos investidores sobre a recuperação econômica do país.

O

P a r l a m e n t o a l emĂŁo aprovou por ampla maioria mais um plano de resgate europeu, o pacote de ajuda da Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, na sigla em inglĂŞs) para os bancos da Espanha que enfren-

tam uma grave crise em consequência do colapso do setor imobiliårio espanhol seguido por um salto nos emprÊstimos inadimplentes no país. Apesar da crescente oposição pública aos resgates na zona do euro, 473 parlamentares alemães votaram a favor

da assistĂŞncia de atĂŠ 100 bilhĂľes de euros aos bancos espanhĂłis, enquanto 97 votaram contra. Os membros da coalizĂŁo de governo da chanceler Angela Merkel corresponderam a 301 votos favorĂĄveis, o que significa que nĂŁo seria necessĂĄrio um apoio da

5G&6 5 C&O&       CC& 6I&M #C&$P6G& 65&* = I 7: 0.*4/,*4+1%...240>: & 5  * 7(  5  ) ); C 8 <   8  (     $ #    %$       )&Q $&#C  '         ;       '   7(  2    &   C             ' < ?  G6&IG& CGC& 5& )C&  &DCIG &CRD$ 5& $G68&   CC& 6I&M #C&$P6G& 65&*  DC   3* +0/*.*44,*. ,. 2 = +.0%44,> '  <             <    < : 5    S &      " (   -.  ?;  .  9 /:+ ;* I ;  <    9  T     - = U>  'V  (     W     < 22"  

  2   .  <  .  9 /:+ ;   

 "  

 <  .  9 /:+ ;* 5     S &     "   G 6CJIG   E    XXX*?** %   "   M  7 6D 2 G    &  M 7    I 7%)   3* .,*-44*010%...2.   6   $ * &      7      $  S 7D $   014* 5 8 (  8  # S I        " 

  '        '  CH  +*..... =      > 

    ?   <  . '  "    E      * I      (     

 "  0.F =  >      ?  E      * 5  S          G   E    XXX*?** %* 5 E S  K     

     

         * -.  "<  Y  <  "  I*   <    @ "  (    XXX*?** %* &    "    <  "   $ 3 *0 +%.4  7$      < --+  < * &                K?<   <     T     ;     (     ?       * C6&OZ 5$ #I$ 2 G: A&  3 .-   #2    E

   .+  A( 5B   <   A ? C B    Y  0/.  &    < & D       ;;   "     W  "  Y  +  0.\ "    -41 \   "   (  ++/+1 \ '        .0 4F 

       W    

        <         E  <     (   *    '  ;       ;           ;      W          /  52W   '      "  "    *    ( ;2  (     

  "   ,* 1,/4\       '  /   ' C $  GG  ( 3 ..*++1 ?  3 (  C<   G  $ #    * & : CH  +*..... =      > 

    ?   < 

.* 8  : CH /.*,.... ='     >     44,* I *B L                                     !"  # #  $%&          "         '   ( ( ) * * +,-*..* ../*.00/12. 2   3 .-4% ../*  5 * 6 )   &   7  5    8  (        * ) $ '   -.%.,% .  9 .:.. ;   )  7  7 *    7 * %3  0%,  "             <  '         < <   ./%.4% .  9 .:.. ;            '     "  <  '         = * 04  >        ;?               < @     ? (    * #: &  5 3 +       +3  =43  .3 >  ( A) B  9 C D  3 1.  ,3 $  7     "    //+/  

2;  "             <  < <  E  <   ?   <         +41/.    "   (  ./ ,.    

       10-F   3 .0*..*.1420 = " > ?    3 14*

,  /3 CG%$ * &  : CH -.*..... = % .> ?   "  9 E    ?*  E ?          (        44,      ..,  E +%.0% .  E  CH  /*,1, ?" (            ; "  (* I          ?<* J:  K   

     

  2 ' "          *    2         '  K     @ ?     

     

* )       '  E         E  CH  /*,1,  E +%.0% . * )      '  ; <  G D  "     (  44. 44 44  44- 44/ 44+ 440 441 44, 444 ../ ..+ ..0 ..1 ..,  ..4* )       '  $ I$CDC& 65&*   '        ( '    ( &    '           7(  0 8  (  )        44*..+,,1%+* )       '        '  E  9    ( & ?  GI$$* $ "          * L 5G&6 5 C&O&       C &  GI$D$ &MCP 6&$ 65&* 6DG$ &C6$ &C6G  8G8G&I& #&$66G &C6G: & 5   * 7(  5     &<  / 8  (     C   2 $       )&Q $&#C  '         ;       '   7(  2    &      (  ? ?  C& 5 #C&$G6 &MCRDPG &  C5D$ &MCP 6&$ 65&*   C &  GI$D$ &MCP 6&$ 65&*  DC$   3 ...+/,2-0* . *,* 0*.+.0   <             <    < : 5    S &      " (   -.  ?;  .  9 /:.. ;* I ;  <    9  T     - = U>  'V  (     W     < 22"  

  2   .  <  .  9 /:.. ;   

 "     <  .  9 /:.. ;* 5     S &     "   G 6CJIG   E    XXX*?** %   "   M  7 6D 2 G    &  M 7    I 7%)   3* .,*-44*010%...2.   6   $ * &      7      $  S 7D $   014* 5 8 (  8  # S I       (        <  "      ? '   '  CH /0*/,0 / =  '     '          '  >  E ?;  . * I      (     

 "  0.F =  >      ?* 5   M  7 S  

  " < 9 M  7 6D  (    



  +F =  >        

   * 5  S          G   E    XXX*?** %* 5 E S  K     

     

         * -.  "<  Y  <  "  I*  K      

  

  

          U  * 5   S &         ?                    <  <      9 M  7 6D  +F =  >     *   <    @ "  (    XXX*?** %* &    "    <  "   $ 3 *0 +%.4  7$      < --+  < * &           @      * C6&OZ 5$ #I$ 2   G:    

  +.F  < : D 

       C  2$       C 3 .,    (   3 .,  '  .   [ C   0-..      3 ./   '         '  C 3 .,   C 3 ./  /..     -+..           /..     "   /4... \       ' ;       

    3 .1   '     3 .4       3 1       ; [  5*  ( 3

-*41,  3     C<   G  C  2$ * #$: &  C ., 2 C 5 * M < M * C  @:         &8*-     (          @  * !:     ?   ( 3 -*41,  3 CG  C  2$  ;    $[<     6*      <  C*     (* & : CH /0*/,0 / =  '     '          '  >  E ?;  . * I     U      ?<       

*I * L

(',7$/'(&,7$d­2'(7UDQVSRUWDGRUD7UDQVWDOODOD/WGDQDVSHVVRDVGRVVyFLRV6U,6$8527$//$/$ *(*81(6H6UD,21('$6,/9$(;75$Ă&#x2039;'2'26$8726'$$d­2'(021,725,$352&(6621Â&#x17E;  &20 35$=2 '(  75,17$ ',$6 2 '28725 :,/621 /,0$ '$ 6,/9$ 00 -8,= '( ',5(,72 '$ 2,7$9$ 9$5$ &Ă&#x2039;9(/ '(67$ &,'$'( ( &20$5&$ '( 26$6&2 (67$'2 '( 6­2 3$8/21$)250$'$/(,(7&)$=6$%(5DWRGRVTXDQWRVGHVWHHGLWDOYLHUHPRXGHOHFRQKHFLPHQWR WLYHUHPHLQWHUHVVDUSRVVDHVSHFLDOPHQWHDRVUHTXHULGRV7UDQVSRUWDGRUD7UDQVWDOODOD/WGD&13- QDVSHVVRDVGRVVHXVVyFLRV6U,6$8527$//$/$*(*81(6&3)H6UD,21( '$6,/9$&3)TXHWUDPLWDSHUDQWHHVWH-Xt]RH&DUWyULRGR Â&#x17E;2ItFLR&tYHOGHVWD&RPDUFD GH2VDVFRVLWRj$YGDV)ORUHVQÂ&#x17E;-GGDV)ORUHV2VDVFR6mR3DXORSURFHVVRQÂ&#x17E;PRYLGRSRU $OHVDW&RPEXVWtYHLV6$HPTXHDOHJDTXHDUHTXHUHQWHpFUHGRUDGDTXDQWLDGH5 &LQTXHQWD PLOTXLQKHQWRVHWULQWDHQRYHUHDLVHTXDWURFHQWDYRV SURYHQLHQWHGDVQRWDVQÂ&#x17E;'35 9(1&,'$'359(1&,'$'359(1&,'$ UHIHUHQWHDFRPSUDHYHQGDGHFRPEXVWtYHLV(VWDQGRHPOXJDULQFHUWRHQmRVDELGRUHTXHUVHMDD PHVPDFLWDGDSRUHGLWDOQDSHVVRDGHVHXVVyFLRVSDUDTXHGHQWURGRSUD]ROHJDOTXHUHQGRFRPSDUHoDSDUD RIHUHFHUUHVSRVWDVRESHQDGHVXSRUWDURVHIHLWRVGDUHYHOLDHFRQILVVmRHQHVWHFDVRUHTXHUVHMDPUHSXWDGRV YHUGDGHLURV RV IDWRV DUJ LGRV QD LQLFLDO FRQGHQDQGRVH D UHTXHULGD DR ILQDO QDV FXVWDV SURFHVVXDLV H KRQRUiULRVDGYRFDWtFLRVEHPFRPRQDVGHPDLVFRPLQDo}HVGHHVWLORVRPDGRVWRGRVRVDFUpVFLPRVOHJDLV (SDUDFRQKHFLPHQWRGHWRGRVHSDUDTXHQLQJXpPSRVVDDOHJDULJQRUkQFLDPDQGDSXEOLFDURSUHVHQWHHGLWDO GHFLWDomRSDUDTXHTXHUHQGRDSUHVHQWHQRSUD]RGH TXLQ]H GLDVVXEVHT HQWHVDRGHVWHHGLWDOTXHWHP SUD]RGH WULQWD GLDVDGHIHVDTXHWLYHUHPUHODomRDRSUHVHQWHSURFHVVR6HUiRSUHVHQWHHGLWDOSXEOLFDGR HDIL[DGRQDIRUPDGDOHLHPOXJDUS~EOLFRHGHFRVWXPH'DGRHSDVVDGRQHVWDFLGDGHHFRPDUFDGH2VDVFR (VWDGRGH6mR3DXORDRVGHMXOKRGH %  H 

(GLWDO GH FLWDomR 3UD]R  GLDV 3URF  2UGHP QÂ&#x17E;  2 'U )DELR GH 6RX]D 3LPHQWD -XL] GH 'LUHLWR GD Â? 9DUD &tYHO GD &DSLWDO )D] 6DEHU D 3ULVFLOD )HUUHLUD GD 6LOYD &3)   TXH ,167,78,d ÂŽ 2 ('8&$&,21$/ 352) 3$648$/( &$6&,12 OKH DMXL]RX XPD DomR 0RQLWyULD SDUD FREUDQoD GH 5  MDQHLUR  UHSUHVHQWDGR SHOR FRQWUDWR GH SUHVWDomR GH VHUYLoRV HGXFDFLRQDLV ILUPDGR HQWUH DV SDUWHV HP  WRUQDQGRVH D Up LQDGLPSOHQWH GDV PHQVDOLGDGHV GH IHYHUHLUR D DEULO GH  (VWDQGR D Up HP OXJDU LJQRUDGR IRL GHIHULGD D VXD FLWDomR SRU HGLWDO SDUD TXH HP  GLDV D IOXLU DSyV R SUD]R GR HGLWDO VXSUD LVHQWD GH FXVWDV H KRQRUiULRV DGYRFDWtFLRV  SDJXH D TXDQWLD UHFODPDGD RX RIHUHoD HPEDUJRV VRE SHQD GH FRQYHUVmR GD DomR 0RQLWyULD HP ([HFXomR FRQIRUPH DUW  GR &3& 6HUi R HGLWDO DIL[DGR H SXEOLFDGR QD IRUPD GD OHL

(GLWDO GH FLWDomR SUD]R GH  GLDV H[SHGLGR QRV DXWRV GD $omR GH 8VXFDSLmR SURFHVVR QÂ&#x17E;    2 $ 'RXWRU D 5HQDWD 0RWD 0DFLHO 0DGHLUD 'H]HP 00 -XL] D GH 'LUHLWR GD Â? 9DUD GH 5HJLVWURV 3~EOLFRV GR )RUR &HQWUDO &tYHO GD &RPDUFD GH 6mR 3DXOR GR (VWDGR GH 6mR 3DXOR QD IRUPD GD /HL HWF )D] 6DEHU D UpXV DXVHQWHV LQFHUWRV GHVFRQKHFLGRV HYHQWXDLV LQWHUHVVDGRV EHP FRPR HYHQWXDLV F{QMXJHV HVSyOLRV HRX VXFHVVRUHV TXH - 26( ('(5$/'2 3(5(,5$ /,0$ 621,$ 0$=21( DMXL]RX UDP DomR GH 8VXFDSLmR WHQGR SRU REMHWR R LPyYHO ORFDOL]DGR QD 5XD %HUQDUGLQR GD &RVWD QÂ&#x17E;  -DUGLP 1RYR &DUUmR FRP iUHD GH P QHVWD &DSLWDO (VWDQGR HP WHUPRV H[SHGHVH R SUHVHQWH HGLWDO SDUD FLWDomR GRV VXSUDPHQFLRQDGRV SDUD TXH QR SUD]R GH  TXLQ]H

GLDV D IOXLU DSyV R GHFXUVR GR SUD]R GR HGLWDO  GLDV  FRQWHVWHP R IHLWR 6HUi R SUHVHQWH HGLWDO SRU H[WUDWR DIL[DGR H SXEOLFDGR QD IRUPD GD OHL Ć&#x2021; ,QWLPDomR  3UD]R  GLDV 3URF   QÂ&#x17E; GH 2UGHP  2 'U 6HUJLR GD &RVWD /HLWH -XL] GH 'LUHLWR GD Â? 9DUD &tYHO )D] 6DEHU DR (VSyOLR GH &KDQ 0DL %XQ &KLQJ QD SHVVRD GH VHX LQYHQWDULDQWH H &KDQ &KL .RN TXH D $omR GH FREUDQoD FRP SURFHGLPHQWR 6XPiULR FRQYHUWLGR HP 2UGLQiULR UHTXHULGD SRU &RQGRPLQLR (GLILFLR $GROSKR 0DULR IRL MXOJDGD SURFHGHQWH FRQGHQDQGR RV UpXV DR SDJWR GH 5    (VWDQGR RV UpXV HP OXJDU LJQRUDGR H[SHGLXVH R SUHVHQWH SDUD TXH HP  GLDV D IOXLU DSyV RV  GLDV VXSUD SDJXHP R YDORU VXSUD RX DSUHVHQWHP EHQV D SHQKRUD VRE SHQD QmR R ID]HQGR VHU DFUHVFLGR GH PXOWD QR SHUFHQWXDO GH  GR PRQWDQWH GD FRQGHQDomR TXDQGR VHUi SHQKRUDGR EHQV SDUD JDUDQWLD GD H[HFXomR SRGHQGR QR SUD]R GH  GLDV RIHUHFHUHP LPSXJQDomR 6HUi R SUHVHQWH HGLWDO SRU H[WUDWR DIL[DGR H SXEOLFDGR QD IRUPD GD OHL %  H  (GLWDO GH FLWDomR SUD]R GH  GLDV H[SHGLGR QRV DXWRV GD $omR GH 8VXFDSLmR SURFHVVR QÂ&#x17E;    2 $ 'RXWRU D *XLOKHUPH 0DGHLUD 'H]HP 00 -XL] D GH 'LUHLWR GD Â? 9DUD GH 5HJLVWURV 3~EOLFRV GR )RUR &HQWUDO &tYHO GD &RPDUFD GH 6mR 3DXOR GR (VWDGR GH 6mR 3DXOR QD IRUPD GD /HL HWF )D] 6DEHU D /XL] $QW{QLR GH &DVWLOKR UpXV DXVHQWHV LQFHUWRV GHVFRQKHFLGRV HYHQWXDLV LQWHUHVVDGRV EHP FRPR HYHQWXDLV F{QMXJHV HVSyOLRV HRX VXFHVVRUHV TXH ,*+$ 7+$0(2 (63Ă?/,2 DMXL]RX UDP DomR GH 8VXFDSLmR WHQGR SRU REMHWR R LPyYHO ORFDOL]DGR QD 5XD -RVH $SULOH QÂ&#x17E;  9LOD 3DXOLFpLD FRP iUHD GH P PDWULFXOD QÂ&#x17E;  GR Â&#x17E; &5, QHVWD &DSLWDO (VWDQGR HP WHUPRV H[SHGHVH R SUHVHQWH HGLWDO SDUD FLWDomR GRV VXSUDPHQFLRQDGRV SDUD TXH QR SUD]R GH  TXLQ]H GLDV D IOXLU DSyV R GHFXUVR GR SUD]R GR HGLWDO  GLDV  FRQWHVWHP R IHLWR 6HUi R SUHVHQWH HGLWDO SRU H[WUDWR DIL[DGR H SXEOLFDGR QD IRUPD GD OHL Ć&#x2021;

oposição para que o pacote de ajuda fosse aprovado. A aprovação do Parlamento alemĂŁo, no entanto, nĂŁo diminui o nervosismo dos investidores sobre a recuperação econĂ´mica da Espanha e sobre a capacidade do governo espanhol de reestruturar os bancos do paĂ­s. O custo de financiamento do governo da Espanha voltou a operar no patamar de 7%. Hoje, os ministros de Finanças da zona do euro discutirĂŁo o plano para os bancos espanhĂłis em uma teleconferĂŞncia. Manifestação â&#x20AC;&#x201C; Dezenas de milhares de cidadĂŁos espanhĂłis, dentre eles funcionĂĄrios pĂşblicos, do setor privado, sindicalistas e artistas, marcharam em 80 cidades espanholas ontem para protestar contra o Ăşltimo pacote com medidas de austeridade. O Partido Popular (PP), que governa o paĂ­s, usou sua maioria no Parlamento para aprovar as medidas. No inĂ­cio da noite de ontem, manifestantes em Madri carregavam bandeiras e faixas, gritando palavras de ordem como "chega de cortes!" e "vocĂŞs estĂŁo nos arruinando". De acordo com estimativa da polĂ­cia, 25 mil pessoas saĂ­ram Ă s

8ÂŞ Vara CĂ­vel do Foro Regional de Santo Amaro - SP EDITAL DE CITAĂ&#x2021;Ă&#x192;O - PRAZO DE 20 DIAS. PROCESSO NÂş 0262675-97.2009.8.26.0002. O(A) Doutor(a) Lidia Regina Rodrigues Monteiro Cabrini, MM. Juiz(a) de Direito da 8ÂŞ Vara CĂ­vel, do Foro Regional II - Santo Amaro, da Comarca de SĂ&#x192;O PAULO, do Estado de SĂŁo Paulo, na forma da Lei, etc. Faz Saber a Misael Furtado Filho Piscinas-ME, CNPJ. 08.176.061/0001-16, na pessoa de seu representante legal e a Misael Furtado Filho, CPF. 136.232.278-46, que Banco Bradesco S/A lhes ajuizou uma ação MonitĂłria, para cobrança de R$ 13.322,26 (11.12.2009), atinente Ă inadimplĂŞncia em que recaĂ­ram os requeridos no que concerne Ă  Contrato de BorderĂ´s Desconto de Cheques celebrado entre as partes . Encontrando-se o rĂŠu em lugar incerto e nĂŁo sabido, foi determinada a sua CITAĂ&#x2021;Ă&#x192;O, por EDITAL, para pagamento da importância indicada na inicial, no prazo de 15 dias, que fluirĂĄ apĂłs o decurso do prazo do presente edital, ficando a ressalva de que se o pagamento for efetuado, no prazo legal, ficarĂĄ o devedor isento de custas e de honorĂĄrios advocatĂ­cios e que, em igual prazo poderĂĄ o rĂŠu oferecer embargos, nos termos do artigo 1102c do CĂłdigo de Processo Civil, independente de prĂŠvia segurança do juĂ­zo, caso em que, porĂŠm, se vencido, perderĂĄ a isenção supra referida, e que, sem pagamento e sem embargos, constituir-se-ĂĄ de pleno direito o tĂ­tulo executivo judicial, prosseguindo nos termos do artigo 475-J do CPC para os atos e termos da ação proposta e para que, no prazo de 15 dias. Quedando inerte a requerida, presumir-se-ĂŁo aceitos, pelo(a)(s) rĂŠ(u)(s), como verdadeiros, os fatos articulados pelo(a)(s) autor(a)(es). SerĂĄ o presente edital, por extrato, afixado e publicado na forma da lei, sendo este FĂłrum localizado na Rua Alexandre Dumas, 206 - CEP 04717-000, SĂŁo Paulo- SP. SĂŁo Paulo, 13 de julho de 2012.

14ª Vara Cível da Capital Citação. Prazo 20 dias. Proc. 583.00.2008.155799-7 (1117/2008). A Dra. Glaucia Lacerda Mansutti, Juíza de Direito da 14ª Vara Cível da Capital. Faz Saber a Fuad Sader Junior, RG. 5.557.919 e CPF. 611.004.808-97, Ana Maria Riskallah Arra Sader, RG. 7.939.656 e CPF. 093.567.988-00 e a STPA ComÊrcio de Vestuårio Ltda., CNPJ. 05.650.203/0001-47, na pessoa de seu representante legal, que Banco Bradesco S/A lhes ajuizou uma ação de rito Ordinårio, objetivando a cobrança de R$ 63.489,01 (31.01.2008), a ser acrescida de juros de mora de 1% ao mês, juros remuneratórios às taxas de mercado e multa de 2%, alÊm das custas e despesas processuais e honorårios advocatícios, em virtude do avençado no Instrumento Particular de Financiamento de Capital de Giro com Taxa Flutuante, nº 351/1612480, firmado em 31.05.2006 e Aditado na mesma data, na qual os requeridos tornaram-se inadimplente às obrigaçþes contratuais. Estando os rÊus em local ignorado, foi deferida a citação por edital, para que em 15 dias, a fluir após os 20 dias supra, contestem o feito, sob pena de presumirem-se verdadeiros os fatos alegados. Serå o edital, afixado e publicado na forma da lei. São Paulo, 11 de julho de 2012.   G   ;    &  2  .  2  3 +,-*..*444*.,0,42/ 3   

.-0%444* & 5 * &     C * 7(  5   . 8  (  )             * )        7 ) 3 .-*-,/*0,2.4 CM 3 /*44*1.12.  '  K?<           "       '   G GC&IM& C5D$ 5 CN6 $%& =     &I!G& #C&$G6GC& 5 CN6 G GC&IM&>   < 7 I           2  ;      "  :    

  3 -  '  04  8 #    "   -..   '    3 //** .*./-0*..*...   $    $  ?   ( 3 /.*+ 0  3   C<   G (  5     7 (  $ 2$ *        ?  CH -,*..... =<% .>*                        * $ "          6* L

'FKVCN FG EKVCnlQ RTC\Q FG  FKCU GZRGFKFQ PQU CWVQU FC #nlQ FG 7UWECRKlQ RTQEGUUQ PÂ? 

 1 # &QWVQT C 4GPCVC /QVC /CEKGN /CFGKTC &G\GO // ,WK\ C FG &KTGKVQ FC Â&#x153; 8CTC FG 4GIKUVTQU 2}DNKEQU FQ (QTQ %GPVTCN %sXGN FC %QOCTEC FG 5lQ 2CWNQ FQ 'UVCFQ FG 5lQ 2CWNQ PC HQTOC FC .GK GVE (C\ UCDGT C ToWU CWUGPVGU KPEGTVQU FGUEQPJGEKFQU GXGPVWCKU KPVGTGUUCFQU DGO EQOQ GXGPVWCKU EzPLWIGU GURxNKQU GQW UWEGUUQTGU SWG 5KOQPG 2GTGKTC (TCPEQ FG )QFQK 0KNUQP (TCPEQ FG )QFQK CLWK\QW TCO CnlQ FG 757%#2+ÂŹ1 VGPFQ RQT QDLGVQ Q KOxXGN NQECNK\CFQ PC 4WC ,QlQ 6WTTC PÂ?  GUSWKPC FGUVC EQO 4WC %zPGIQ /CPWGN 8C\ Â? 5WDFKUVTKVQ 5CPVCPC EQO hTGC FG O EQPVTKDWKPVG PÂ?  G  PGUVC %CRKVCN 'UVCPFQ GO VGTOQU GZRGFGUG Q RTGUGPVG GFKVCN RCTC EKVCnlQ FQU UWRTCOGPEKQPCFQU RCTC SWG PQ RTC\Q FG  SWKP\G FKCU C HNWKT CRxU Q FGEWTUQ FQ RTC\Q FQ GFKVCN  FKCU  EQPVGUVGO Q HGKVQ 5GTh Q RTGUGPVG GFKVCN RQT GZVTCVQ CHKZCFQ G RWDNKECFQ PC HQTOC FC NGK $  G 

&LWDomR  3UD]R  GLDV  3URF QÂ&#x17E;   QÂ&#x17E; GH 2UGHP  $ 'UD (ODLQH )DULD (YDULVWR -Xt]D GH 'LUHLWR GD Â? 9DUD &tYHO GD &DSLWDO QD IRUPD GD /HL HWF )D] 6DEHU D $SHQDV &RP 8QLSRUW $WDFDGR H )) 6XSHUPHUFDGR QD SHVVRD GH VHXV UHSUHVHQWDQWHV OHJDLV H D )HUQDQGR & GH 6RX]D 2DVLV (UFXODQR H 0DUWH TXH 5HJLQD $SDUHFLGD 0HVTXLWD &DUQHLUR DMXL]RX XPD $omR GH &RQVLJQDomR HP 3DJDPHQWR YLVDQGR R GHSyVLWR GH 5  UHI DRV FKHTXHV QÂ&#x17E;V      H   WRGRV GR %DQFR %UDGHVFR 6$ QRV YDORUHV GH 5  5  5  5  5  5  H 5  UHVSHFWLYDPHQWH (VWDQGR RV UpXV HP OXJDU LJQRUDGR IRL GHWHUPLQDGD D FLWDomR SRU HGLWDO SDUD TXH QR SUD]R OHJDO D IOXLU DSyV RV  GLDV VXSUD FRQWHVWHP R IHLWR VRE SHQD GH SUHVXPLUHPVH RV IDWRV 6HUi R SUHVHQWH HGLWDO SRU H[WUDWR DIL[DGR H SXEOLFDGR QD IRUPD GD /HL 6mR 3DXOR  GH PDLR GH  %  H 

ruas da capital espanhola, mas o jornal El País calc ulou que o número de manifestantes chegou a 100 mil. Imagens mostram a Puerta del Sol completamente tomada pelos manifestantes. No entendimento do Partido Socialista, de oposição, as medidas tomadas pelo governo só intensificam a recessão e retardam a recuperação da economia do país. Horas antes dos protestos, o Parlamento espanhol havia aprovado cortes de 65 bilhþes de euros a serem implementados no decorrer dos próximos dois anos e meio. O programa de austeridade aprovado pelos legisladores prevê cortes nos salårios dos funcionårios públicos e a elevação do imposto sobre valor agregado, entre diversas outras medidas. Trata-se do maior corte no orçamento desde o restabelecimento da democracia na Espanha, no fim da dÊcada dos anos 1970. Dos 312 votos contabilizados, 180 deputados votaram a favor, 131 contra. Houve uma abstenção. O primeiro-ministro Mariano Rajoy contou somente com os votos de seu Partido Popular, que dispþe de maioria no Parlamento, para

aprovar as impopulares medidas de austeridade, informa o jornal El País. Centenas de milhares de pessoas saíram às ruas em cidades como Barcelona, Bilbao, Alicante, Sevilla, Valência e Madrid sob o lema "querem arruinar o país. Temos de impedi-los. Somos mais." Na capital, foram registrados os protestos mais numerosos. Participaram da marcha policiais, bombeiros e líderes políticos da esquerda atÊ professores e cidadãos comuns. A taxa de desemprego na Espanha chega a quase 25%, com 5,6 milhþes de pessoas desempregadas. "Trabalho e estudo ao mesmo tempo. Baixaram meu salårio e subiram a matrícula da universidade", disse Sandra García, de 28 anos. "Resgatam os bancos, mas não nos deixam viver." Desde que o primeiro-ministro Mariano Rajoy anunciou as medidas de austeridade têm havido intensas manifestaçþes de protesto, principalmente em Madri. Hå dias a polícia bloqueia, com grandes barreiras e um forte contingente, os principais acessos à sede do Parlamento, no centro da capital. (Agências)

Microsoft: 1Âş prejuĂ­zo como empresa aberta.

A

Microsoft teve seu primeiro prejuízo trimestral como companhia aberta ontem, após registrar uma baixa contåbil previamente anunciada no valor de sua unidade online. A maior companhia de software do mundo teve um prejuízo líquido de US$ 492 milhþes, ou US$ 0,06 por ação, em comparação com o lucro de US$ 5,87 bilhþes, ou US$ 0,69 por ação, no mesmo trimestre um ano antes. As vendas cresceram 4%, para US$ 18 bilhþes, amortecidas pela lenta comercialização de PCs. A Microsoft não registrou prejuízo trimestral desde que abriu seu capital em 1986. O prejuízo era esperado, desde que a Microsoft anunciou no início deste mês que sofreria uma baixa contåbil de US$ 6,2 bilhþes no valor de

sua unidade online em razão de uma aquisição malsucedida. A Microsoft tambÊm diferiu US$ 540 milhþes em receita do Windows por conta de um desconto de upgrade oferecido a clientes que compraram computadores com Windows 7 antes do lançamento do Windows 8, no final de outubro. Excluindo a baixa contåbil, mas incluindo a receita diferida, a Microsoft lucrou US$ 0,67 por ação no trimestre. Nesses termos, Wall Street estimava que a empresa registrasse lucro de US$ 0,62 por ação. As vendas trimestrais ficaram levemente abaixo da previsão mÊdia de analistas, de US$ 18,1 bilhþes. A ação da Microsoft avançou 1,7% no after-market após fechar a US$ 30,67 no Nasdaq. (Reuters)

Receita do Google avança 21%

A

receita do negócio de Internet, o principal do Google, cresceu 21% no segundo trimestre, enquanto a recÊm-adquirida Motorola Mobility aumentou a receita total do Google para US$ 12,21 bilhþes. O Google apresentou lucro líquido de US$ 2,79 bilhþes no segundo trimestre deste ano, ou US$ 8,42 por ação, em uma base consolidada. O custo por clique para anúncios online de busca do Google continuou a

cair no segundo trimestre, com recuo de 16% na comparação anual, enquanto o número geral de cliques em seus anúncios aumentou 42%. O Google, a maior ferramenta de busca na internet no mundo, concluiu a aquisição da Motorola em meados de maio, dando ao Google uma posição no altamente competitivo negócio de hardware para smartphones, dominado por companhias como Apple e Samsung. (Reuters)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 20 de julho de 2012

e

19 Em e ação ao aba ho domés co em 2009 71 4% dos aba hado es des a ca ego a não possu am ca e a ass nada

conom a

Cresce 53,6% O o trabalho formal no País

número de empregos forma s no Pa s cresceu 53 6% entre 2003 e 2010 nformou a Organ zação nternac ona do Traba ho (O T) O Bras encerrou 2010 com 44 07 m hões de pessoas empregadas em postos forma s Segundo o re atór o Per do Traba ho Decen e no Bras : um o har sobre as un dades da

CPM Braxis S.A. CNPJ nº 65.599.953/0001-63 – NIRE nº 35.300.178.815 Ata da Assembleia Geral Extraordinária realizada em 28 de junho de 2012 1. Data, Local e Hora: Aos 28/06/2012, às 9:30 hs., na sede da CPM Braxis S.A. (“Cia.” ou “CPM Braxis”), na Alameda Araguaia, nº 1930, Barueri-SP. 2. Convocação e Quórum: Convocações publicadas, nos termos do Art. 124, I, da Lei nº 6.404/76, conforme alterada (“Lei das S.A.”), nas páginas 38, 50 e 20 do DOE-SP em 20, 21 e 22/06/2012, respectivamente, e nas páginas 21, 20 e 19 do Diário do Comércio, também nas datas de 20, 21 e 22/06/2012, respectivamente, e com presença de 100% do capital social votante da Cia., conforme assinaturas constantes no Livro de Presença de Acionistas. 3. Mesa: Presidente: Navin Goel; Secretário: Alessandro Piero Porro. 4. Ordem do dia: (i) a eleição de membros efetivos e suplentes do Cons. de administração da Cia.; (ii) a conversão de 12.505.486 ações preferenciais classe A e 1.702.510 ações preferenciais classe B em 14.207.996 ações ordinárias da Cia., todas nominativas e sem valor nominal; (iii) a aprovação do aumento do capital social da Cia. em R$121.402.592,25 mediante a emissão de 24.038.200 novas ações ordinárias, todas nominativas e sem valor nominal; (iv) a alteração e consolidação do Estatuto Social da Cia.; e (v) outros assuntos de interesse dos acionistas. 5. Deliberações: Os acionistas presentes deliberaram aprovar, sem reservas, nos termos desta ata e por unanimidade, desconsiderando-se os votos dos acionistas legalmente impedidos: 5.1. Alteração da Ordem do Dia. Tendo em vista a presença de 100% do capital social votante da Cia., alterar a ordem do dia para primeiramente votar o item (ii) da ordem do dia e incluir as deliberações dos itens 5.6, 5.7, 5.8 e 5.10 abaixo. 5.2. Conversão de Ações Preferenciais Classes A e B. Aprovar a conversão de 12.505.486 ações preferenciais classe A e 1.702.510 ações preferenciais classe B em 14.207.996 ações ordinárias da Cia., todas nominativas e sem valor nominal, sendo referida aprovação feita nos termos da Assembleia Especial de Acionistas Titulares de Ações Preferenciais Classe A e da Assembleia Especial de Acionistas Titulares de Ações Preferenciais Classe B, realizadas na presente data, respectivamente às 9:00 e às 9:15 hs., nos termos do Art. 136, § 1º da Lei das S.A.. 5.2.1 Os acionistas deixam consignado que, após a aprovação do item 5.2 acima, o acionista GIF Mining Holdings LLC se retirou da assembleia e alienou, para a Caixa Participações S.A., todas as ações da Cia. de sua propriedade, se retirando, desta forma, da Cia.. 5.3 Eleição de membros do Cons. de Administração. Tendo em vista a renúncia dos Srs. Ettore Victor Biagioni e Milton Almicar Silva Vargas aos cargos de membros do Cons. de administração da Cia. e dos Srs. André Mesquita e Maurício Machado Minas aos cargos de membros suplentes dos membros efetivos acima mencionados, conforme renúncias apresentadas à Cia. na presente data, eleger os seguintes indivíduos para ocuparem os cargos de membros efetivos do Cons. de administração da Cia.: Demosthenes Marques, portador do RG nº 70891 (CREA/RS) e do CPF/MF nº 468.327.930-49, domiciliado em Brasília-DF e Carlos Magno Gonçalves da Cruz, portador do RG nº 1074303 (SSP/MG) e do CPF/MF nº 293.760.92600, domiciliado em Brasília-DF. 5.3.1 Os conselheiros ora eleitos terão seus mandatos unificados com os dos conselheiros eleitos na assembleia geral ordinária da Cia. realizada em 25/05/2012. 5.3.2 Os membros do Cons. de Administração ora eleitos ficam dispensados de prestar qualquer caução e tomarão posse por meio da assinatura dos termos de posse arquivados na sede social da Cia. e declararam, para fins do Art. 147, § 1º, da Lei das S.A., que não se encontram incursos em nenhum dos crimes previstos em lei que os impeçam de exercer atividades empresárias. 5.3.3 Em vista da deliberação acima, o Cons. de administração da Cia. passa a ser composto pelos seguintes membros: Membros efetivos do Cons. de Administração: 1) Paul Jean Hermelin, portador do passaporte nº 09PL83710, inscrito no CPF/MF nº 234.511.608-03, residente e domiciliado em Paris, França; 2) Jean-Philippe Bol, portador do passaporte nº 10CK88753, residente e domiciliado em Vincennes, França 3) Navin Goel, portador do passaporte nº 219575741 e do CPF/MF nº 234.605.118-77, residente e domiciliado em Dayton, Ohio, 45458, EUA; 4) Patrick Michel Nicolet, portador do passaporte nº F0658187 e do CPF/MF nº 234.517.818-32, residente e domiciliado em Epalinges, Suiça; 5) Aiman Ezzat, portador do passaporte nº 09PH18495 e do CPF/MF nº 234.516.288-05, residente e domiciliado em Paris, França; 6) Antonio Carlos Rego Gil, portador do RG nº 2.116.902-0 (SSP/SP) e do CPF/MF nº 006.130.027-68, domiciliado em São Paulo-SP; 7) Jair Ribeiro da Silva Neto, portador do RG nº 6.988.460 (SSP/SP) e do CPF/MF nº 022.718.058-56, domiciliado em São Paulo-SP, 8) Demosthenes Marques, portador do RG nº 70891 (CREA/RS) e do CPF/MF nº 468.327.930-49, domiciliado em Brasília-DF; e 9) Carlos Magno Gonçalves da Cruz, portador do RG nº 1074303 (SSP/MG) e do CPF/MF nº 293.760.926-00, domiciliado em Brasília-DF. Membros Suplentes do Cons. de Administração: 1) Nicolas Georges Norbert Marie Joel Dufourcq, portador do passaporte nº 09PP21825 e do CPF/MF nº 234.511.588-25, residente e domiciliado em Paris, França, suplente do primeiro membro do Cons. de administração acima qualificado; 2) Walter Cappilati, portador do passaporte nº 09PI05330, residente e domiciliado em Toulouse, França, suplente do segundo membro do Cons. de Administração acima qualificado; 3) Cyril Lucien Michel Garcia, portador do passaporte nº 09AD50745 e do CPF/MF nº 234.511.548-38, residente e domiciliado em Paris, França, suplente do terceiro membro do Cons. de Administração acima qualificado; 4) Richard Dicketts, portador do passaporte nº 09460558 e do CPF/MF nº 234.516.258-90, residente e domiciliado em Surrey, Reino Unido, suplente do quarto membro efetivo do Cons. de Administração acima qualificado; 5) Roy Keith Stansbury, portador do passaporte nº 28472669, residente e domiciliado em Chicago, IL 60626, EUA, suplente do quinto membro do Cons. de Administração acima qualificado; 6) Mauricio Machado de Minas, portador do RG nº 7.975.904 (SSP/SP) e do CPF/MF nº 044.470.098-62, domiciliado em Osasco-SP, suplente dos Srs. Antonio Carlos Rego Gil e Jair Ribeiro da Silva Neto acima qualificados; e 7) André Jacintho Mesquita, portador do RG nº 16.990.193-2 e do CPF/MF nº 071767968-31, domiciliado São Paulo-SP, suplente dos Srs. Antonio Carlos Rego Gil e Jair Ribeiro da Silva Neto acima qualificados. 5.4. Aumento de capital da Cia.. Aprovar o aumento do capital social da Cia. em R$121.402.592,25 passando este de R$1.095.821.210,92 para R$ 1.217.223.803,17, mediante a emissão de 24.038.200 novas ações ordinárias, nominativas e sem valor nominal, que são ora subscritas e integralizadas, nesta data e em moeda corrente nacional, pela Caixa Participações S.A., nos termos do Boletim de Subscrição constante no Anexo I à presente ata. 5.4.1 As acionistas, neste ato, renunciam aos seus respectivos direitos de preferência na subscrição do aumento de capital aprovado no item 5.4. acima. 5.5. Modificação do Art. 5º do Estatuto Social. Em virtude do aumento de capital aprovado no item 5.3 acima, aprovar a alteração do caput do Art. 5º do Estatuto Social da Cia., o qual passará a vigorar com a seguinte nova redação: “Capítulo II – Do Capital Social e Ações. Art. 5º O capital social é de R$ 1.217.223.803,17, dividido em 279.195.457 ações, nominativas, todas escriturais e sem valor nominal, sendo (a) 253.631.152 ações ordinárias e (b) 12.274.045 ações preferenciais classe “A”, sem direito a voto, conversíveis em ações ordinárias; (c) 13.290.260 ações preferenciais classe “B”, sem direito a voto, conversíveis em ações ordinárias.” 5.6. Modificação do Art. 12 do Estatuto Social. Tendo em vista a presença de 100% do capital social votante da Cia., incluir na ordem do dia e aprovar a alteração do Art. 12 do Estatuto Social que passará a vigorar com a seguinte nova redação: “Art. 12 O Cons. de Administração terá 1 Presidente e 2 Vice-Presidentes, todos eleitos pelo Cons. de Administração.” 5.7. Modificação do Art. 14 do Estatuto Social. Tendo em vista a presença de 100% do capital social votante da Cia., incluir na ordem do dia e aprovar a alteração do Art. 14 do Estatuto Social que passará a vigorar com a seguinte nova redação: “Art. 14 Compete ao Cons. de Administração, pela maioria simples de votos (exceto disposição em contrário constante de quaisquer Acordos de Acionistas firmados pelos acionistas da Cia. e arquivados na sede social da Cia.): (i) fixar a orientação geral dos negócios da Cia., aprovando as diretrizes, política e objetivos básicos, para todas as áreas principais de atuação da Cia.; (ii) aprovar os planos de negócio e orçamentos anuais, os planos de investimentos, não previstos no orçamento, e os novos programas de expansão da Cia., bem como acompanhar a sua execução; (iii) eleger e destituir os diretores da Cia. e fixar-lhes as atribuições e competências; (iv) fiscalizar a gestão dos Diretores, examinar, a qualquer tempo, os livros e papéis da Cia. e solicitar informações sobre contratos celebrados ou em via de celebração, bem como sobre quaisquer outros atos; (v) atribuir, do montante global da remuneração fixada pela Assembléia Geral, os honorários mensais, a cada um dos membros da administração da Cia.; (vi) atribuir, conforme o caso, aos membros da administração a sua parcela de participação nos lucros apurados em balanços levantados pela Cia., inclusive intermediários, dentro dos limites determinados pela Assembléia Geral; (vii) manifestar-se sobre o relatório da administração e as contas da Diretoria, autorizar a distribuição de dividendos intermediários e, se distribuídos estes com base em resultados apurados em balanço intermediário, fixar a participação nos lucros a que farão jus os diretores; (viii) escolher, substituir e destituir os auditores independentes; (ix) autorizar qualquer mudança nas políticas contábeis ou de apresentação de relatórios da Cia., exceto se exigido pelos princípios contábeis geralmente aceitos nas jurisdições em que a Cia. ou suas Afiliadas operam; (x) convocar a Assembléia Geral quando julgar conveniente ou por exigência legal ou estatutária; (xi) submeter a deliberação da Assembléia Geral proposta de alteração deste Estatuto; (xii) deliberar, dentro dos limites do capital autorizado, sobre a emissão de ações da Cia. e bônus de subscrição, fixando as condições de emissão, inclusive preço e prazo de integralização, podendo, ainda, excluir o direito de preferência ou reduzir o prazo para o seu exercício nas emissões, cuja colocação seja feita mediante venda em bolsa ou por subscrição pública, ou em oferta pública de aquisição de controle, nos termos estabelecidos em lei; (xiii) outorgar, de acordo com plano aprovado pela Assembléia Geral, opção de compra ou subscrição de ações a seus administradores e empregados, assim como aos administradores e empregados de outras sociedades que sejam controladas direta ou indiretamente pela Cia., sem direito de preferência para os acionistas, na forma do disposto no Art. 5º, § 4º deste Estatuto; (xiv) aprovar a prestação de fiança, aval, indenização ou outra garantia em favor de terceiros ou de sociedade em que a Cia. houver efetuado investimento, direta ou indiretamente; (xv) fixar critérios gerais de remuneração e política de benefícios (benefícios indiretos, participação no lucro e/ ou nas vendas) da administração da Cia.; (xvi) aprovar a assunção de empréstimos (incluindo instrumentos de dívida) ou outro financiamento em uma operação ou em uma série de operações, no valor agregado igual ou superior a R$ 10.000.000,00 por ano fiscal; (xvii) aprovar a assunção de despesas, em operação única ou em uma série de operações identificadas e relacionadas em valor superior a R$ 20.000.000,00 por ano fiscal; (xviii) aprovar a emissão de instrumentos de dívida ou similares não conversíveis em ações, assunção, renovação ou qualquer outra forma de financiamento ou endividamento pela Cia. ou qualquer de suas subsidiárias, em valor, em uma operação única ou em uma série de operações identificadas e relacionadas, que seja, pelo menos, 25% mais alto do que o valor aprovado pelo Cons. de Administração para o orçamento operacional anual, conforme alterado de tempos em tempos pelo Cons. de Administração, bem como qualquer extensão ou modificação dos prazos de referidas dívidas; (xix) aprovar a constituição de joint venture, parceria, operação ou qualquer negociação societária similar fora do curso normal de negócios da Cia. e/ou de suas subsidiárias; aquisição ou subscrição pela Cia. ou qualquer de suas subsidiárias, de participação societária relevante em outra Pessoa; (xx) aprovar a venda, alienação ou transferência de todos ou substancialmente todos os ativos da Cia. e/ou de suas subsidiárias; (xxi) aprovar os termos e condições dos serviços a serem prestados pela Cia. ou suas subsidiárias nos termos de contratos globais celebrados por qualquer Afiliada da CapGemini S.A., desde que tais serviços sejam cobrados a uma taxa menor do que a média da margem bruta da Cia. ou de respectiva subsidiária para a linha de negócios em particular, tal como calculado no ano fiscal anterior; (xxii) sem prejuízo ao disposto no item (xxi) acima, aprovar a assinatura, término, alteração ou renúncia de quaisquer termos e condições de qualquer contrato, operação ou outra negociação pela e entre a Cia. e/ou suas subsidiárias, de um lado, e qualquer acionista, conselheiro ou diretor da Cia. ou de qualquer subsidiária, ou de qualquer de suas respectivas Partes Relacionadas e Afiliadas, de outro lado; (xxiii) fixar o conteúdo do voto a ser proferido pelo representante da Cia. nas Assembléias Gerais e reuniões das sociedades em que participe como sócia ou acionista, aprovar previamente as alterações do contrato social ou do estatuto social das sociedades em que a Cia. participa, inclusive aprovando a escolha dos administradores de sociedades controladas ou coligadas a serem eleitos com o voto da Cia.; (xxiv) fixar o conteúdo do voto a ser proferido pela Cia. ou qualquer de suas subsidiárias em Assembléia Geral de tais subsidiárias com relação aos assuntos listados no Art. 8 (incluindo aqueles que dependem de deliberação em Assembléia Geral, por requerimento legal) e neste Art. 14. (xxv) autorizar a concessão de qualquer modalidade de doação, contribuição ou auxílio, (i) no caso de o valor ser superior a R$30.000,00 por doação individual, ou R$100.000,00 acumulado em qualquer exercício fiscal, caso o beneficiário seja uma entidade sem fins lucrativos, e (ii) independentemente do valor, caso o beneficiário não seja uma entidade sem fins lucrativos; (xxvi) aprovar a aplicação de recursos oriundos de incentivos fiscais; (xxvii) tomar decisões relativas à estrutura de capital da Cia.; (xxviii) apreciar os resultados trimestrais das operações da Cia. e manifestar-se, previamente, sobre qualquer assunto a ser submetido à Assembléia Geral; (xxix) avocar para sua órbita de deliberação assuntos específicos de interesse da Cia. e deliberar sobre os casos omissos; (xxx) aquisição, subscrição ou Transferência, pela Cia. ou qualquer de suas subsidiárias de participação societária em qualquer Pessoa; (xxxi) (a) qualquer alteração no objeto social de qualquer subsidiária da Cia., (b) constituição de qualquer subsidiária e/ou desenvolvimento por qualquer subsidiária da Cia. de atividades fora de seu objeto social ou linha de negócios; (c) fixação em caso de alteração da remuneração global dos membros do Cons. de administração de cada uma das subsidiárias da Cia.; (d) alteração no número de membros do Cons. de administração de cada uma das subsidiárias da Cia.; (e) qualquer aumento ou redução de capital em cada uma das subsidiárias da Cia. e a emissão de quaisquer valores mobiliários conversíveis em capital de cada uma das subsidiárias da Cia.; (f) fusão, incorporação, incluindo incorporação de ações, cisão, alteração de tipo societário ou qualquer outra reestruturação ou reorganização societária relevante diretamente envolvendo qualquer das subsidiárias da Cia.; (g) recompra, desdobramento, grupamento, conversão ou resgate de quaisquer títulos ou valores mobiliários de emissão das subsidiárias da Cia.; (h) liquidação, dissolução, falência, recuperação judicial, liquidação judicial ou extrajudicial de cada uma das subsidiárias da Cia.; (i) outorga e alteração de quaisquer planos de opção de compra de ações envolvendo qualquer das subsidiárias da Cia.; e (j) inclusão de quaisquer títulos ou valores mobiliários emitidos por qualquer subsidiária da Cia. em bolsa de valores ou mercado de ações regulado ou mercado similar, bem como oferta pública de ações de títulos ou valores mobiliários de emissão de cada uma das subsidiárias da Cia.. (xxxii) qualquer aumento no aumento do capital social da Cia. ou de qualquer de suas subsidiárias, conforme autorizado por este Estatuto ou os estatutos das respectivas subsidiárias, com ou sem a emissão de novas ações, bem como a emissão de quaisquer valores mobiliários conversíveis em ações da Cia. ou de suas subsidiárias; (xxxiii) a criação de qualquer ônus nos ativos estratégicos fixos ou permanentes da Cia. ou de qualquer ativo da Cia. cujo valor contábil seja acima de R$ 10,000,000; (xxxiv) a criação de grupos de sociedades; (xxxv) a abertura de qualquer filial no Brasil ou no exterior fora do curso normal dos negócios; (xxxvi) a autorização de qualquer doação pela Cia. que não aquelas autorizadas nos termos deste Estatuto. 5.8. Modificação do Art. 27 do Estatuto Social. Tendo em vista a presença de 100% do capital social votante da Cia., incluir na ordem do dia e aprovar a alteração do Art. 27 do Estatuto Social que passará a vigorar com a seguinte nova redação: “Art. 27 A Cia., seus acionistas e administradores deverão envidar seus melhores esforços para resolver amigavelmente, por mútuo acordo, todas e quaisquer disputas, controvérsias ou demandas oriundas ou relacionadas ao presente Estatuto, sua interpretação, validade, eficácia, execução ou violação, à Lei nº 6.404/76 e a outras regras aplicáveis às sociedades por ações (“Disputas”). § 1º Não sendo possível a resolução amigável, conforme previsto no caput do Art. 27, dentro de 30 dias contados da data de notificação de qualquer Disputa, (i) tal Disputa deverá ser resolvida exclusiva e definitivamente por meio de arbitragem vinculante e definitiva, a não ser que (ii) tal Disputa envolva somente um ou mais membros do Cons. de Administração e/ou da Diretoria, de um lado, e a Cia., de outro lado (e não um acionista), caso em que tal Disputa estará sujeita à jurisdição exclusiva do foro central da cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, Brasil. § 2º O procedimento arbitral deverá ser conduzido de acordo com as Regras de Arbitragem da Câmara de Comércio Internacional (Rules of Arbitration of the International Chamber of Commerce – ICC) (a “Corte de Arbitragem” e as “Regras da Corte de Arbitragem”) então vigentes, conforme aditadas de tempos em tempos. § 3º O procedimento arbitral deverá ser administrado pela Corte de Arbitragem. § 4º Para que não haja dúvidas, este Art. 27 vincula igualmente a Cia., seus acionistas e administradores. Nenhum documento adicional ou condição faz-se necessário para que este Art. 27 tenha força vinculante e efeito, inclusive, mas sem limitação, qualquer “compromisso” previsto no art. 10 da Lei nº 9.307/96. § 5º O procedimento arbitral deverá ser conduzido por um tribunal composto por 3 árbitros (o “Tribunal Arbitral”). Se a arbitrgaem envolver somente duas partes, cada parte deverá designar um árbitro, de acordo com as Regras da Corte de Arbitragem, e estes dois árbitros designados pelas partes deverão, no prazo de 30 dias contados da confirmação pela Corte de Arbitragem da designação do segundo árbitro, designar o terceiro árbitro, o qual ocupará o cargo de presidente do Tribunal Arbitral. Se a arbitragem envolver mais de duas partes, estas terão o prazo de 30 dias contados do recebimento, pelas partes demandadas, da solicitação de submissão da Disputa à arbitragem para acordar e designar um painel de três árbitros. Pelo requerimento de qualquer parte envolvida na arbitragem, qualquer árbitro que não seja tempestivamente designado deverá ser designado pela Corte de Arbitragem. Se qualquer árbitro não for designado dentro dos prazos previstos neste § 5º do Art. 27 e nas Regras da Corte de Arbitragem, tal designação deverá ser feita pela Corte de Arbitragem mediante requerimento, por escrito, de qualquer parte, se possível dentro do prazo de 30 dias contados de tal requerimento. Se a qualquer tempo ocorrer vacância no Tribunal Arbitral, tal vacância deverá ser preenchida da mesma forma e segundo os mesmos critérios previstos para a designação original dos árbitros para a respectiva posição. § 6º Os Termos de Referência (Terms of Reference, conforme definidos nas regras da Corte de Arbitragem) deverão ser assinados pelas partes envolvidas na arbitragem e pelo Tribunal Arbitral o mais brevemente possível, se possível dentro do prazo de 30 dias contados da confirmação de designação do terceiro árbitro. A audiência de mérito deverá ocorrer o mais brevemente possível, se possível dentro do prazo de 180 dias contados da data de assinatura dos Termos de Referência, a não ser que de outra forma decidido pelo Tribunal Arbitral. § 7º Em relação às Disputas das quais a Cap Sogeti 2005 S.A.S. (ou suas Afiliadas) fizer parte: (i) o local em que será conduzido o procedimento arbitral será na cidade de Nova York, Estado de Nova York, Estados Unidos da América e (ii) a língua na qual será conduzido o procedimento arbitral será o Inglês. § 8º Em relação às Disputas das quais a Cap Sogeti 2005 S.A.S. (ou suas Afiliadas) não fizer parte: (i) o local em que será conduzido o procedimento arbitral será na cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, Brasil e (ii) a língua na qual será conduzido o procedimento arbitral será o Português. § 9º Todos os documentos e testemunhos oferecidos como prova durante a arbitragem deverão ser traduzidos para a língua em que estiver sendo conduzido o procedimento arbitral, às expensas da parte que estiver oferecendo tal prova em relação à Disputa. § 10º Se possível, a sentença arbitral deverá ser proferida dentro de 90 dias contados do término da audiência. A sentença arbitral proferida pelo Tribunal Arbitral deverá ser proferida por escrito e de forma final, não recorrível e vinculante. As partes envolvidas na arbitragem renunciam a qualquer direito a apelar, até o ponto que possam renunciar a tal direito por lei. Qualquer valor produzido na sentença arbitral deverá ser produzido em Reais. Se a sentença arbitral for proferida em Inglês, deverá ser subsequentemente traduzida para o Português por um tradutor juramentado, com a ressalva de que tal tradução não será condição precedente para o cumprimento da sentença pela parte derrotada. § 11º Cada parte resguarda o direito de buscar assistência judicial exclusivamente para: (i) compelir a arbitragem; (ii) requerer medidas cautelares de proteção de direitos prévias à instalacao do Tribunal Arbitral, as quais não serão entendidas, de qualquer forma, como renúncia ao procedimento arbitral por qualquer das partes; e (iii) executar qualquer decisão dos árbitros, incluindo a sentença arbitral. Qualquer das partes envolvidas na arbitragem pode decidir buscar assistência judicial, conforme acima descrito, em qualquer foro, de qualquer jurisdição. § 12º

Federação d vu gado ontem o aumento equ va e a um cresc mento méd o anua de 5 51% no per odo A Re ação Anua de nformações Soc a s (Ra s) do M n stér o do Traba ho e do Emprego (MTE) c tado pe a O T aponta que 15 38 m hões de postos forma s de traba ho foram cr ados no Bras entre 2003 e

O Tribunal Arbitral está autorizado a arbitrar custos e honorários advocatícios, alocando-os entre as partes envolvidas na Disputa. Os custos do procedimento arbitral, incluindo os honorários dos árbitros e dos advogados, deverão ser suportados da maneira determinada pelo Tribunal Arbitral, levando-se em conta que a parte prevalecente terá o direito de recuperar os custos nos quais incorrer, inclusive honorários advocatícios, referentes ao procedimento arbitral, assim como por quaisquer procedimentos auxiliares, incluindo procedimentos utilizados para compelir a arbitragem, requerer medidas cautelares ou confirmar ou desconsiderar uma sentença arbitral. O Tribunal Arbitral deverá ser o único e exclusivo juízo competente para determinar se uma parte se qualifica como parte prevalecente para os fins deste § 12º do Art. 27. § 13º As partes concordam que a arbitragem deverá ser mantida confidencial e que a existência dos procedimentos e quaisquer elementos da arbitragem (incluindo alegações, depoimentos ou outros documentos submetidos, trocados ou revelados por uma das partes à outra, testemunhos, sustentações orais e quaisquer decisões ou sentenças) não deverão ser divulgados além do Tribunal Arbitral, da Corte de Arbitragem, das partes envolvidas na arbitragem, seus representantes, assessores legais e profissionais, e qualquer pessoa necessária à condução da arbitragem, exceto se legalmente requerido em procedimentos judiciais relacionados à arbitragem ou outros. § 14º A não ser que de outra forma acordado por escrito, as partes deverão continuar a diligentemente exercer seus respectivos deveres e obrigações de acordo com este Estatuto enquanto o procedimento arbitral estiver pendente de decisão.” 5.9. Consolidação. Em virtude da aprovação das modificações do caput do Art. 5º e dos Art.s 12, 14 e 27 do Estatuto Social da Cia., nos termos dos Itens 5.5, 5.6. 5.7 e 5.8 acima, consolidar o Estatuto Social, o qual passará a vigorar nos termos do Anexo II à presente ata. 5.10. Ratificação do Contrato de Subscrição (Subscription Agreement). t Ratificar a celebração, pela Cia., do Contrato de Subscrição (Subscription Agreement)t assinado em 25/05/2012, bem como ratificar as obrigações assumidas pela Cia. no referido contrato. 6. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, esta reunião foi suspendida para que esta ata lavrada fosse lida e assinada por todos os presentes. Presidente: Navin Goel; Secretário: Alessandro Piero Porro. Acionistas presentes: CapSogeti 2005 SAS, BDS Technology LLC, Braxis Tecnologia da Informação S.A., CPM Holdings LTD, Cristal Delaware LLC, Infors Investimentos Ltda., Jose Luiz Teixeira Rossi, NextGenb LLC, SBS Serviços de Informática Ltda., Serpartners Participações e Administração S.A. União Participações Ltda., GIF Mining Holdings LLC, David Shpilberg e Caixa Participações S.A. Barueri, 28/06/2012. (ass.) Alessandro Piero Porro – Secretário. Estatuto Social. Capítulo I – Denominação, Sede, Objeto e Duração. Art. 1º – A CPM BRAXIS S.A. é uma sociedade anônima, que se rege por este Estatuto e demais disposições legais que lhe forem aplicáveis. Art. 2º – A Cia. tem sede na cidade de Barueri, Estado de São Paulo e pode, por deliberação da Diretoria, abrir, manter e fechar filiais, Centros de Assistência Técnica, escritórios, depósitos, agências de representações ou outras dependências de qualquer natureza no País, e no exterior, com a aprovação adicional do Cons. de Administração. Art. 3º – A Cia. tem por objeto social: (a) a industrialização, importação, exportação, locação, instalação e manutenção de máquinas, acessórios e programas para computadores, equipamentos de telecomunicações, automação bancária, digitalização, arquivamento e processamento de documentos e imagens, e de periféricos relativos aos produtos acima especificados; (b) a prestação de serviços relacionados a cursos de treinamento e assessoria na área de informática e de telecomunicações; (c) a representação comercial de pessoas físicas e jurídicas, domiciliadas no País ou no exterior; (d) oferecimento e desenvolvimento de serviços de consultoria em negócios, organizações, processos e tecnologia da informação; (e) o oferecimento, desenvolvimento e implementação de projetos de desenvolvimento, manutenção e projetos de reestruturação de sistemas; (f) desenvolvimento e implementação de programas de capacitação e treinamento em negócios e tecnologia; (g) desenvolvimento e implementação de projetos de integração em tecnologia da informação; (h) a distribuição e marketing de componentes e serviços de informática; (i) a participação em outras sociedades comerciais ou civis no País ou no exterior, como sócio, cotista ou acionista; (j) a prestação de assistência técnica a terceiros, bem como a comercialização de quaisquer produtos em geral, inclusive de produtos primários, semi-manufaturados e manufaturados; e (k) o desenvolvimento de atividades de armazenamento, inventário e administração de estoque de terceiros. Art. 4º – O prazo de duração será por tempo indeterminado. Capítulo II – Do Capital Social e Ações. Art. 5º – O capital social é de R$ 1.217.223.803,17, dividido em 279.195.457 ações, nominativas, todas escriturais e sem valor nominal, sendo (a) 253.631.152 ações ordinárias; (b) 12.274.045 ações preferenciais classe “A”, sem direito a voto, conversíveis em ações ordinárias; e (c) 13.290.260 ações preferenciais classe “B”, sem direito a voto, conversíveis em ações ordinárias. § 1º: Cada ação ordinária terá direito a um voto nas deliberações da Assembléia Geral. § 2º: A Cia. poderá emitir (i) ações preferenciais classe “A”, nominativas, escriturais, sem valor nominal e sem direito a voto, conversíveis em ações ordinárias, que terão prioridade no reembolso de capital no caso de liquidação da Cia., com prêmio equivalente a 12% sobre o preço de sua emissão caso venha a ser deliberada a liquidação da Cia. no prazo de 18 meses a contar da data de emissão dessas ações, bem como (ii) ações preferenciais classe “B” nominativas, escriturais, sem valor nominal e sem direito a voto, conversíveis em ações ordinárias, que terão prioridade no reembolso de capital no caso de liquidação da Cia., sem prêmio. § 3º: A Cia. está autorizada a aumentar seu capital social até o limite de 260.000.000 de ações, sendo 150.000.000 de ações ordinárias e 110.000.000 de ações preferenciais, das quais 50.000.000 poderão ser ações preferenciais classe “A” e 60.000.000 poderão ser ações preferenciais classe “B”, independentemente de reforma estatutária, mediante deliberação do Cons. de Administração, que fixará as condições da emissão, estabelecendo se o aumento se dará por subscrição pública ou particular, o preço e as condições de integralização. § 4º: Dentro do limite do capital autorizado, o Cons. de Administração poderá deliberar a emissão de bônus de subscrição. § 5º: O Cons. de Administração poderá outorgar, de acordo com plano aprovado pela Assembléia Geral, opção de compra ou subscrição de ações a seus administradores e empregados, assim como aos administradores e empregados de outras sociedades que sejam controladas direta ou indiretamente pela Cia., sem direito de preferência para os acionistas. § 6º: Dentro do limite do capital autorizado, a emissão de ações, debêntures conversíveis em ações e bônus de subscrição, cuja colocação seja feita mediante venda em bolsa de valores ou subscrição pública, ou ainda mediante permuta por ações, em oferta pública de aquisição de controle, poderá dar-se com exclusão do direito de preferência dos acionistas, ou redução do prazo para o seu exercício. § 7º: As ações da Cia. serão escriturais, mantidas em conta de depósito em nome de seus titulares, junto à instituição financeira autorizada pela Comissão de Valores Mobiliários – CVM e indicada pelo Cons. de Administração, podendo ser cobrada dos acionistas a remuneração de que trata o § 3º do art. 35 da Lei nº 6.404/76. Art. 6º – A Cia. não poderá emitir partes beneficiárias. Capítulo III – Da Administração da Cia. – Seção I – Da Assembléia Geral. Art. 7º – A Assembléia Geral tem poderes para decidir todos os negócios relativos ao objeto da Cia. e tomar as resoluções que julgar convenientes à sua defesa e desenvolvimento. § 1º: A Assembléia Geral reunir-se-á ordinariamente uma vez por ano e, extraordinariamente, sempre que convocada nos termos da Lei ou deste Estatuto. § 2º: Nas Assembléias Gerais, os acionistas deverão apresentar, com até dois dias de antecedência, além dos documentos de identificação, acompanhados, conforme o caso, de mandato que comprove a representação com reconhecimento da firma do outorgante, o comprovante expedido pela instituição depositária. § 3º: A Assembléia Geral será instalada e presidida pelo Presidente do Cons. de Administração ou, na sua ausência, por qualquer membro do Cons. de Administração designado previamente pelo Presidente do Conselho, ou na ausência da designação pelo Presidente do Cons. de Administração, por qualquer acionista escolhido pelos presentes, o qual indicará um secretário para auxiliá-lo. Art. 8º – Sem prejuízo das demais matérias previstas em lei, dependerá da aprovação da Assembléia Geral a prática dos seguintes atos societários: (i) qualquer alteração do objeto social da Cia.; (ii) desenvolvimento de atividades fora do objeto social ou da linha de negócios da Cia.; (iii) fixação e alteração do montante global da remuneração dos membros do conselho de administração e da diretoria da Cia.; (iv) qualquer aumento ou redução do capital social da Cia. (exceto se dentro dos limites do capital autorizado) com ou sem emissão de quaisquer títulos ou valores mobiliários, e qualquer emissão de valores mobiliários conversíveis em ações da Cia.; (v) fusão, incorporação, incluindo incorporação de ações, cisão, alteração de tipo societário ou qualquer outra reestruturação ou reorganização societária relevante diretamente envolvendo a Cia.; (vi) recompra, desdobramento, grupamento, conversão ou resgate de quaisquer títulos ou valores mobiliários de emissão da Cia.; (vii) liquidação, dissolução, falência, recuperação judicial, liquidação judicial ou extrajudicial da Cia.; (viii) qualquer alteração na política de dividendos estabelecida no Estatuto; (ix) outorga e alteração de quaisquer planos de opção de compra de ações envolvendo a Cia.; (x) inclusão de quaisquer títulos ou valores mobiliários em bolsa de valores ou mercado de ações regulado ou mercado similar, bem como oferta pública de ações de títulos ou valores mobiliários de emissão da Cia.; e (xi) escolha da instituição ou empresa especializada responsável pela determinação do Valor Econômico da Cia., a partir de lista tríplice apresentada pelo Cons. de Administração, a qual será responsável pela preparação do laudo de avaliação das ações da Cia., em caso de cancelamento de registro de cia. aberta. Seção II – Dos Órgãos da Administração. Sub-Seção I. Disposições Gerais. Art. 9º – A administração da Cia. será exercida por um Cons. de Administração e por uma Diretoria. § 1º: A Assembléia Geral fixará o montante global da remuneração dos administradores, cabendo ao Cons. de Administração efetuar a distribuição da verba individualmente. § 2º: A posse dos administradores estará condicionada à assinatura do termo respectivo, lavrado em livro próprio. § 3º: Os administradores da Cia. deverão aderir à Política de Negociação de Valores Mobiliários de emissão da Cia., mediante assinatura do termo respectivo. Sub-Seção II – Do Cons. de Administração. Art. 10 – O Cons. de Administração será composto por 9 membros efetivos, com igual número de suplentes, indicados pela Assembléia Geral, com mandato unificado de 1 ano, permitida a reeleição. § 1º: O Cons. de Administração reunir-se-á trimestralmente ou sempre que necessário, por convocação de seu Presidente, ou pela maioria de seus membros, através de carta, telegrama, fac-símile, correio eletrônico, ou outro meio de comunicação com comprovante de recebimento, com antecedência mínima de 48 horas, podendo tal convocação ser dispensada se presente a totalidade dos conselheiros. § 2º: Em caso de vacância de um ou mais dos cargos de conselheiro, não havendo suplente, o Cons. de Administração poderá eleger um ou mais conselheiros substitutos o(s) qual(is) permanecerá(ão) no cargo até a primeira Assembléia Geral que se realizar após aquela data. Para os fins deste Estatuto, considerar-se-á ocorrida a vacância em caso de morte, incapacidade permanente, renúncia, destituição ou ausência injustificada por mais de três reuniões consecutivas. § 3º: Em caso de ausência ou impedimento temporários, os membros do Cons. de Administração serão substituídos pelos respectivos suplentes vinculados, se houver, ou, na ausência destes, por outro conselheiro, munido de procuração com poderes específicos. Nesta última hipótese, o conselheiro que estiver substituindo o conselheiro ausente ou impedido, além de seu próprio voto, expressará o voto do conselheiro ausente. § 4º: Os conselheiros poderão participar das reuniões do Cons. de Administração por intermédio de conferência telefônica, vídeo-conferência ou por qualquer outro meio de comunicação eletrônico, sendo considerados presentes à reunião e devendo confirmar seu voto através de declaração por escrito encaminhada ao secretário da reunião por carta, fac-símile ou correio eletrônico logo após o término da reunião. Uma vez recebida a declaração, o secretário da reunião ficará investido de plenos poderes para assinar a ata da reunião em nome do conselheiro. § 5º: O conselheiro deve ter reputação ilibada, não podendo ser reeleito, salvo dispensa da Assembléia Geral e a maioria dos membros do Cons. de Administração, não se computando o voto do referido conselheiro, aquele que (i) ocupar cargos em sociedades não Afiliadas à Cia. ou às subsidiárias que possam ser consideradas concorrentes da Cia.; ou (ii) tiver ou representar interesse conflitante (interesse outro que não o de uma Afiliada) com a Cia.; não poderá ser exercido o direito de voto pelo conselheiro caso se configurem, supervenientemente, os mesmos fatores de impedimento. § 6º: Os membros do Cons. de Administração deverão permanecer em seus cargos e no exercício de suas funções até que sejam eleitos seus substitutos ou assumam os seus respectivos suplentes, exceto se de outra forma for deliberado pela Assembléia Geral de acionistas. § 7º: As despesas razoavelmente incorridas pelos membros do Cons. de Administração para comparecer a reuniões e outros compromissos relacionados à sua posição, incluindo, mas não se limitando a passagens aéreas, acomodação e outros, serão arcados pela Cia.. § 8º: Os acionistas poderão indicar observadores para participar de qualquer reunião do Cons. de Administração ou de qualquer outro comitê a este relacionado, sem qualquer direito de voto ou veto, mas podendo discutir toda e qualquer matéria na ordem do dia de respectivas reuniões. Os observadores receberão, concomitante aos membros do Cons. de Administração e/ou membros de qualquer comitê a este relacionado, conforme o caso, pelo mesmo meio, convocações e notificações de quaisquer reuniões relacionadas, incluindo, cópia de materiais e documentos fornecidos a tais membros. Os observadores poderão, também, comparecer a reuniões do Cons. de Administração ou de qualquer comitê a este relacionado nos termos do Art. 10 § 4 acima. Art. 11 – O Cons. de Administração poderá determinar a criação de comitês de assessoramento destinados a auxiliar os respectivos membros do Cons. de Administração, bem como definir a respectiva composição e atribuições específicas. § Único: Sem prejuízo do acima disposto, a Cia. terá 2 Comitês permanentes com papel consultivo (e não vinculativo), cada um dos quais será composto por 4 membros, conforme abaixo: (a) Comitê de Administração e Estratégia, o qual deverá auxiliar o Cons. de Administração, no desenvolvimento de suas atividades relacionadas a finanças, controle, administração de talentos, remuneração de administradores, assuntos legais, novos negócios, investimentos e acompanhamento dos resultados da Cia. e da performance de administradores. Neste caso, o Comitê de Administração e Estratégia deverá, em tempo, emitir uma recomendação não vinculativa prévia à reunião do Cons. de Administração acerca das matérias abaixo: (i) eleição, avaliação e destituição, a qualquer tempo, de administradores, bem com definição de seus deveres e atribuições específicos, nos casos em que o presente Estatuto for omisso; (ii) fiscalização da gestão dos administradores, examinar, a qualquer tempo, livros e documentos societários da Cia., requerer informação relacionada a contratos relevantes celebrados ou em vias de celebração, bem como sobre quaisquer outros atos. (iii) definição do critério a ser adotado para remuneração variável e planos de opção dos administradores e empregados a serem outorgados pela Cia. e aprovados pelo Cons. de Administração; (iv) emissão de ações ou outros títulos e valores mobiliários conversíveis em ações pela Cia.; (v) emissão de recomendação acerca do relatório de administração e das contas; (vi) revisão da estratégia a longo prazo a ser seguida pela Cia. e suas subsidiárias; (vii) revisão da performance dos orçamentos de investimento anual e plurianual, bem como orçamentos operacionais a serem preparados pela Cia.; (viii) acompanhamento da avaliação da performance econômico-financeira da Cia., por meio de reuniões mensais realizadas com a administração da Cia.; (ix) emissão de recomendação acerca de propostas ou conselhos para a Diretoria e Assembléia Geral; (x) participação, inicial ou subseqüente, da Cia. como sócia ou acionista ou outra capacidade similar no empreendimento de outra Pessoa, a concessão de tal participação em garantia a obrigação de terceiros não relacionados à operação da Cia., bem como alienação de qualquer interesse material relacionado aos ativos da Cia.; (xi) alienação, oneração e aquisição de bens para o ativo permanente em valor superior a R$ 5.000.000,00; (xii) firmar acordos ou conceder renúncia no âmbito de processos judiciais, administrativos, medidas cautelares ou qualquer outra demanda legal, administrativa ou procedimento arbitral, bem como compensação voluntária de tributos, que resultem ou possam resultar em direitos ou obrigações, individualmente considerados, em valor superior a R$ 1.000.000,00; e (xiii) análise e acompanhamento de operações relevantes envolvendo a Cia. e seus acionistas e subsidiárias, bem como a promoção da integração da Cia. em atividades internacionais de seu acionista controlador. (b) Comitê Especial de Auditoria, o qual deverá, em tempo, emitir uma recomendação prévia à reunião do Cons. de Administração acerca das matérias abaixo: (i) escolha e contratação de auditores independentes da Cia.; (ii) aprovação das práticas contábeis e critérios da Cia.; (iii) acompanhamento do endividamento da Cia. e suas características; e (iv) revisão dos balancetes patrimoniais trimestrais e das demonstrações financeiras da Cia.. Art. 12 – O Cons. de Administração terá 1 Presidente e 2 Vice-Presidentes, todos eleitos pelo Cons. de Administração. Art. 13 – O Cons. de Administração instalar-se-á mediante a presença da maioria de seus membros e deliberará validamente pelo voto favorável da maioria de seus membros eleitos (exceto disposição em contrário constante de quaisquer Acordos de Acionistas firmados pelos acionistas da Cia. e arquivados na sede social da Cia.). § Único: As decisões do Cons. de Administração constarão de ata que será assinada pelos presentes. Art. 14 – Compete ao Cons. de Administração, pela maioria simples de votos (exceto disposição em contrário constante de quaisquer Acordos de Acionistas firmados pelos acionistas da Cia. e arquivados na sede social da Cia.): (i) fixar a orientação geral dos negócios da Cia., aprovando as diretrizes, política e objetivos básicos, para todas as áreas principais de atuação da Cia.; (ii) aprovar os planos de negócio e orçamentos anuais, os planos de investimentos, não previstos no orçamento, e os novos programas de expansão da Cia., bem como acompanhar a sua execução; (iii) eleger e destituir os diretores da Cia. e fixar-lhes as atribuições e competências; (iv) fiscalizar a gestão dos Diretores, examinar, a qualquer tempo, os livros e papéis da Cia. e solicitar informações sobre contratos celebrados ou em via de celebração, bem como sobre quaisquer outros atos; (v) atribuir, do montante global da remuneração fixada pela Assembléia Geral, os honorários mensais, a cada um dos membros da administração da Cia.; (vi) atribuir, conforme o caso, aos membros da administração a sua parcela de participação nos lucros apurados em balanços levantados pela Cia., inclusive intermediários, dentro dos limites determinados pela Assembléia Geral; (vii) manifestar-se sobre o relatório da administração e as contas da Diretoria, autorizar a distribuição de dividendos intermediários e, se distribuídos estes com base em resultados apurados em balanço intermediário, fixar a participação nos lucros a que farão jus os diretores; (viii) escolher, substituir e destituir os auditores independentes; (ix) autorizar qualquer mudança nas políticas contábeis ou de apresentação de relatórios da Cia., exceto se exigido pelos princípios contábeis geralmente aceitos nas jurisdições em que a Cia. ou suas Afiliadas operam; (x) convocar a Assembléia Geral quando julgar conveniente ou por exigência legal ou estatutária; (xi) submeter a deliberação da Assembléia Geral proposta de alteração deste Estatuto; (xii) deliberar, dentro dos limites do capital autorizado, sobre a emissão de ações da Cia. e bônus de subscrição, fixando as condições de emissão, inclusive preço e prazo de integralização, podendo, ainda, excluir o direito de preferência ou reduzir o prazo para o seu exercício nas emissões, cuja colocação seja feita mediante venda em bolsa ou por subscrição pública, ou em oferta pública de aquisição de controle, nos termos estabelecidos em lei; (xiii) outorgar, de acordo com plano aprovado pela Assembléia Geral, opção de compra ou subscrição de ações a seus administradores e empregados, assim como aos administradores e empregados de outras sociedades que sejam controladas direta ou indiretamente pela Cia., sem direito de preferência para os acionistas, na forma do disposto no Art. 5º, § 4º deste Estatuto; (xiv) aprovar a prestação de fiança, aval, indenização ou outra garantia em favor de terceiros ou de sociedade em que a Cia. houver efetuado investimento, direta ou indiretamente; (xv) fixar critérios gerais de remuneração e política de benefícios (benefícios indiretos, participação no lucro e/ou nas vendas) da administração da Cia.; (xvi) aprovar a assunção de empréstimos (incluindo instrumentos de dívida) ou outro financiamento em uma operação ou em uma série de operações, no valor agregado igual ou superior a R$ 10.000.000,00 por ano fiscal; (xvii) aprovar a assunção de despesas, em operação única ou em uma série de operações identificadas e relacionadas em valor superior a R$ 20.000.000,00 por ano fiscal; (xviii) aprovar a emissão de instrumentos de dívida ou similares não conversíveis em ações, assunção, renovação ou qualquer outra forma de financiamento ou endividamento pela Cia. ou qualquer de suas subsidiárias, em valor, em uma operação única ou em uma série de operações identificadas e relacionadas, que seja, pelo menos, 25% mais alto do que o valor aprovado pelo Cons. de Administração para o orçamento operacional anual, conforme alterado de tempos em tempos pelo Cons. de Administração, bem como qualquer extensão ou modificação dos prazos de referidas dívidas; (xix) aprovar a constituição de joint venture, parceria, operação ou qualquer negociação societária similar fora do curso normal de negócios da Cia. e/ou de suas subsidi-

2010 Em 2006 a taxa de forma dade do Pa s passou pe a pr me ra vez da metade e chegou a 50 6% Em 2009 o nd cador estava em 54 3% Os postos de empregos forma s t veram ma or cresc mento em reg ões ma s pobres e com mercado de trabaho menos estruturado O Norte aumentou em 85 7% o

número de v ncu os empregat c os forma s entre 2003 e 2010 e o Nordeste reg strou a ta de 64 9% Em re ação ao traba ho domést co em 2009 71 4% dos traba hadores desta categor a não possu am carte ra ass nada Em setembro do mesmo ano o rend mento méd o mensa era de R$ 408 AE

árias; aquisição ou subscrição pela Cia. ou qualquer de suas subsidiárias, de participação societária relevante em outra Pessoa; (xx) aprovar a venda, alienação ou transferência de todos ou substancialmente todos os ativos da Cia. e/ou de suas subsidiárias; (xxi) aprovar os termos e condições dos serviços a serem prestados pela Cia. ou suas subsidiárias nos termos de contratos globais celebrados por qualquer Afiliada da CapGemini S.A., desde que tais serviços sejam cobrados a uma taxa menor do que a média da margem bruta da Cia. ou de respectiva subsidiária para a linha de negócios em particular, tal como calculado no ano fiscal anterior; (xxii) sem prejuízo ao disposto no item (xxi) acima, aprovar a assinatura, término, alteração ou renúncia de quaisquer termos e condições de qualquer contrato, operação ou outra negociação pela e entre a Cia. e/ou suas subsidiárias, de um lado, e qualquer acionista, conselheiro ou diretor da Cia. ou de qualquer subsidiária, ou de qualquer de suas respectivas Partes Relacionadas e Afiliadas, de outro lado; (xxiii) fixar o conteúdo do voto a ser proferido pelo representante da Cia. nas Assembléias Gerais e reuniões das sociedades em que participe como sócia ou acionista, aprovar previamente as alterações do contrato social ou do estatuto social das sociedades em que a Cia. participa, inclusive aprovando a escolha dos administradores de sociedades controladas ou coligadas a serem eleitos com o voto da Cia.; (xxiv) fixar o conteúdo do voto a ser proferido pela Cia. ou qualquer de suas subsidiárias em Assembléia Geral de tais subsidiárias com relação aos assuntos listados no Art. 8 (incluindo aqueles que dependem de deliberação em Assembléia Geral, por requerimento legal) e neste Art. 14. (xxv) autorizar a concessão de qualquer modalidade de doação, contribuição ou auxílio, (i) no caso de o valor ser superior a R$30.000,00 por doação individual, ou R$100.000,00 acumulado em qualquer exercício fiscal, caso o beneficiário seja uma entidade sem fins lucrativos, e (ii) independentemente do valor, caso o beneficiário não seja uma entidade sem fins lucrativos; (xxvi) aprovar a aplicação de recursos oriundos de incentivos fiscais; (xxvii) tomar decisões relativas à estrutura de capital da Cia.; (xxviii) apreciar os resultados trimestrais das operações da Cia. e manifestar-se, previamente, sobre qualquer assunto a ser submetido à Assembléia Geral; (xxix) avocar para sua órbita de deliberação assuntos específicos de interesse da Cia. e deliberar sobre os casos omissos; (xxx) aquisição, subscrição ou Transferência, pela Cia. ou qualquer de suas subsidiárias de participação societária em qualquer Pessoa; (xxxi) (a) qualquer alteração no objeto social de qualquer subsidiária da Cia., (b) constituição de qualquer subsidiária e/ou desenvolvimento por qualquer subsidiária da Cia. de atividades fora de seu objeto social ou linha de negócios; (c) fixação em caso de alteração da remuneração global dos membros do conselho de administração de cada uma das subsidiárias da Cia.; (d) alteração no número de membros do conselho de administração de cada uma das subsidiárias da Cia.; (e) qualquer aumento ou redução de capital em cada uma das subsidiárias da Cia. e a emissão de quaisquer valores mobiliários conversíveis em capital de cada uma das subsidiárias da Cia.; (f) fusão, incorporação, incluindo incorporação de ações, cisão, alteração de tipo societário ou qualquer outra reestruturação ou reorganização societária relevante diretamente envolvendo qualquer das subsidiárias da Cia.; (g) recompra, desdobramento, grupamento, conversão ou resgate de quaisquer títulos ou valores mobiliários de emissão das subsidiárias da Cia.; (h) liquidação, dissolução, falência, recuperação judicial, liquidação judicial ou extrajudicial de cada uma das subsidiárias da Cia.; (i) outorga e alteração de quaisquer planos de opção de compra de ações envolvendo qualquer das subsidiárias da Cia.; e (j) inclusão de quaisquer títulos ou valores mobiliários emitidos por qualquer subsidiária da Cia. em bolsa de valores ou mercado de ações regulado ou mercado similar, bem como oferta pública de ações de títulos ou valores mobiliários de emissão de cada uma das subsidiárias da Cia.. (xxxii) qualquer aumento do capital social da Cia. ou de qualquer de suas subsidiárias, conforme autorizado por este Estatuto ou os estatutos das respectivas subsidiárias, com ou sem a emissão de novas ações, bem como a emissão de quaisquer valores mobiliários conversíveis em ações da Cia. ou de suas subsidiárias; (xxxiii) a criação de qualquer ônus nos ativos estratégicos fixos ou permanentes da Cia. ou de qualquer ativo da Cia. cujo valor contábil seja acima de R$ 10,000,000; (xxxiv) a criação de grupos de sociedades; (xxxv) a abertura de qualquer filial no Brasil ou no exterior fora do curso normal dos negócios; (xxxvi) a autorização de qualquer doação pela Cia. que não aquelas autorizadas nos termos deste Estatuto. § 1º: Os valores mencionados neste artigo serão corrigidos anualmente a partir de 30/09/2010, pelo índice IGP-M da Fundação Getúlio Vargas ou outro índice de base equivalente que venha a substituí-lo, ou na menor periodicidade possível. § 2º: Para os fins deste Estatuto, (i) “Afiliada” significa, com relação a qualquer pessoa jurídica, ou qualquer outra Pessoa direta ou indiretamente Controladora, Controlada por, ou sob controle comum com tal Pessoa; em caso de pessoa física, “Afiliada” também significa seu/sua esposo/esposa e parentes até o terceiro grau; (ii) “Controle” (incluindo seus significados relacionados, “Controlado por” e “sob controle Comum com”) significa, com relação a qualquer Pessoa, a posse, direta ou indireta, do poder de direcionar ou fazer com que seja direcionada a administração ou políticas de tal Pessoa, incluindo o poder de eleger a maioria dos membros do conselho de administração e/ou outros órgãos que administrem os negócios de tal Pessoa (seja por meio de titularidade de valores mobiliários, sociedade, ou titularidade de outra participação, por contrato ou de qualquer outra forma); (iii) “Pessoa” significa um indivíduo, sociedade, sociedade limitada, parceria, associação, fideicomisso, fundo ou outra pessoa jurídica ou organização, incluindo subdivisão política ou não; e (iv) “Parte Relacionada” significa, com relação a qualquer pessoa jurídica, qualquer detentor direto ou indireto de quaisquer quotas, ações ou outra participação em tal Pessoa e seus respectivos administradores. Sub-Seção III – Da Diretoria. Art. 15 – A Diretoria será composta por até 7 Diretores, sendo 1 Diretor-Presidente, 1 Diretor Financeiro e outros, que terão as atribuições definidas pelo Diretor-Presidente e aprovadas pelo Conselho de Administração, todos com mandato de 3 anos, permitida a reeleição. A Assembléia Geral terá poderes para alterar o presente Art. 15 pela maioria simples de votos. § 1º: Compete à Diretoria exercer as atribuições que a lei, o Estatuto e o Conselho de Administração lhe conferirem para a prática dos atos necessários ao funcionamento regular da Cia., podendo o Conselho de Administração estabelecer atribuições específicas para os cargos da Diretoria. § 2º: Ocorrendo vacância de cargo de Diretor, ou impedimento do titular, caberá ao Conselho de Administração eleger o novo Diretor ou designar o substituto, fixando, em qualquer dos casos, o prazo da gestão e a respectiva remuneração. § 3º: A Diretoria poderá, ainda, designar um dos seus membros para representar a Cia. em atos e operações no país ou no exterior, ou constituir um procurador apenas para a prática de ato específico, devendo a ata que contiver a resolução de Diretoria ser arquivada na Junta Comercial, se necessário. § 4º: A Diretoria reunir-se-á sempre que necessário e a convocação cabe a qualquer Diretor. § 5º: A reunião instalar-se-á com a presença de Diretores que representem a maioria dos membros da Diretoria. § 6º: As atas das reuniões e as deliberações da Diretoria serão registradas em livro próprio. § 7º: Compete: (a) ao Diretor Presidente, incluindo-se, mas não limitadas às seguintes atribuições: (i) coordenar a ação dos Diretores, analisando a performance individual de cada membro; (ii) organizar, dirigir e controlar a gestão global das unidades da Cia.; (iii) convocar e presidir as reuniões da Diretoria; (iv) propor ao Conselho de Administração as atribuições de cada Diretor; (v) tomar decisões de caráter de urgência de competência da Diretoria, ad referendum desta; (vi) representar a Cia. em assembléias gerais de acionistas e/ou de quotistas de sociedades que a Cia. seja acionista ou quotista, ou indicar um Diretor ou um procurador para representá-lo; e (vii) exercer as demais atribuições que lhe foram conferidas por este Estatuto ou pelo Conselho de Administração. (b) ao Diretor Financeiro, incluindo-se, mas não limitadas às seguintes atribuições: (i) manter a relação da Cia. com bancos, seguradoras, investidores existentes e potenciais, (ii) preservar a integridade financeira da Cia.; (iii) manter os ativos da Cia. devidamente segurados; (iv) gerir o fluxo de caixa da Cia.; (v) propor e contratar empréstimos e financiamentos, operações de tesouraria e outras operações financeiras; (vi) planejamento e controle financeiro e tributário; (vii) acompanhar os trabalhos de consolidação das informações contábeis da Cia., a fim de assegurar a correta demonstração da situação financeira da Cia.; (viii) prover a Cia. com as opções de financiamento mais vantajosas para atender suas necessidades de investimentos; (xi) planejar e gerenciar as despesas tributárias da Cia.; e (xii) zelar pela otimização da estrutura de capital da Cia.. § 8º: Os demais cargos e respectivas atribuições da Diretoria serão determinados posteriormente, mediante sugestão do Diretor-Presidente, e aprovados por deliberação do Conselho de Administração por maioria simples de votos. Art. 16 – A Diretoria tem todos os poderes para praticar os atos necessários à consecução do objeto social, por mais especiais que sejam, inclusive para ceder e onerar bens do ativo permanente, exceto com relação aos assuntos cuja deliberação incumbe ao Conselho de Administração ou à Assembléia Geral, bem como a transigir e consentir, observadas as disposições legais ou estatutárias pertinentes e as deliberações tomadas pela Assembléia Geral e pelo Conselho de Administração. Compete-lhe administrar e gerir os negócios da Cia., especialmente: (i) elaborar, submeter e discutir, primeiramente com o Comitê Especial de Auditoria e, posteriormente, ao Conselho de Administração, com pelo menos 45 dias antes do encerramento do ano fiscal, propostas de orçamentos operacional e de capital da Cia. e suas subsidiárias para o próximo ano, sendo que os orçamentos anuais propostos bem como qualquer alteração devem ser geralmente consistentes com os orçamentos dos anos anteriores aprovados pelo Conselho de Administração e com qualquer previsão de mercado e de economia apresentados por terceiros independentes; (ii) anualmente, o plano de trabalho, plano de negócios, novos programas de expansão da Cia., e de sociedades investidas, se houver; (iii) submeter, anualmente, à apreciação do Conselho de Administração, o Relatório da Administração e as contas da Diretoria, acompanhados do relatório dos auditores independentes, bem como a proposta de aplicação dos lucros apurados no exercício anterior; (iv) apresentar, trimestralmente, ao Comitê de Administração e Estratégia e, posteriormente, ao Conselho de Administração, o balancete econômico-financeiro e balanço patrimonial detalhado da Cia.; (v) observar e cumprir com as deliberações do Conselho de Administração, da Assembléia Geral e deste Estatuto; e (vi) decidir sobre qualquer assunto que não seja de competência privativa da Assembléia Geral ou do Conselho de Administração. Art. 17 – Ressalvados os casos dos parágrafos subseqüentes, os atos que criarem responsabilidade para com a Cia., ou dispensarem obrigações de terceiros para com ela, só serão válidos se tiverem: (i) a assinatura conjunta de 2 membros da Diretoria; ou (ii) a assinatura conjunta de 2 procuradores nomeados conforme procuração em vigor. § 1º: Os mandatos serão sempre assinados por 2 Diretores e outorgados para fins específicos e por prazo determinado, não excedente de 1 ano, salvo os que contemplarem os poderes específicos da cláusula ad judicia ou para patrocínios de processos administrativos, que poderão ser outorgados por 1 Diretor e por prazo indeterminado. § 2º: A Cia. poderá ainda ser representada por apenas 1 Diretor ou 1 procurador nos seguintes casos: (i) quando o ato a ser praticado impuser representação singular, será representada por qualquer diretor ou procurador com poderes especiais; (ii) em assuntos de rotina perante os órgãos públicos federais, estaduais e municipais, autarquias, sociedades de economia mista e sociedades privadas; (iii) na assinatura de correspondência sobre assuntos rotineiros; e (iv) na representação da Cia. em juízo. Capítulo IV – Do Conselho Fiscal. Art. 18 – A Cia. terá um Conselho Fiscal integrado por 3 a 5 membros efetivos e igual número de suplentes, de funcionamento não permanente, cuja instalação e atribuições obedecerão a Lei nº 6.404/76. Capítulo V – Do Exercício Social e Distribuição de Lucros. Art. 19 – O exercício social iniciar-se-á em 1º de janeiro e terminará no dia 31 de dezembro de cada ano. Art. 20 – Ao fim de cada exercício social, e no último dia de cada trimestre civil, serão levantadas as demonstrações financeiras previstas nas disposições legais em vigor. § 1º: O Conselho de Administração poderá declarar dividendos à conta de lucros ou de reservas de lucros, apurados em demonstrações financeiras anuais, semestrais ou trimestrais, que serão considerados antecipação do dividendo mínimo obrigatório a que se refere o Art. 22. § 2º: O Conselho de Administração poderá ainda determinar o levantamento de balanços mensais e declarar dividendos com base nos lucros então apurados, observadas as limitações legais. Art. 21 – O lucro líquido do exercício terá a seguinte destinação: (i) 5% para constituição da reserva legal, até atingir 20% do capital social; (ii) o necessário, quando for o caso, para a constituição da reserva para contingências, nos termos do art. 195 da Lei 6.404 de 15.12.1976; e (iii) o valor necessário para o pagamento do dividendo mínimo obrigatório previsto no Art. 22 deste Estatuto.§ Único: A participaç m C m m m % A C m m m m % m Ú O m m G m m C m A OC m m m G m m m m m m m A C m m A O m m G m C V D A C m m m G m C m m m C V A m A C m m m m m m D N m m D D m m m D m m m m m C m D m C m m D B O m m R m C m C m R C m C mm CC C m R C m m m m C m O m m C m m C m N m m m m m m m O m m m m m m m R C m m C m m m m m m D m m m m m m C m R C m C m m m m m m m m m m O m R m R m C m m m m m m m m m R m m D C m m N N U m m m D C m m B m m m m m m m m D m m m m m Q mR m m m m m m m C m m m m m m m Q m m m m O D O m m m m m m m m m m m m m m O m m m m m m m m m m m m m m m m C m m m m m m m m m m m C V D G A C m m m m G C m m C m C m G Sm m C –S G


DIÁRIO DO COMÉRCIO

20

et

sexta-feira, 20 de julho de 2012

O londrino Soho House, um clube fechado, está buscando espaço para abrir em São Paulo

urismo

conomia

Fotos: Divulgação

QUANDO A VIAGEM É NO HOTEL Os pequenos e estilosos hotéis estão na moda. Nos EUA, em 2011, eles cresceram 10%, enquanto os outros (gigantes), 6%. No Upper East, em Nova York, o Lowell lembra mais Europa que EUA. Madonna morou numa suíte. Clientes? Jennifer Lopez, Tom Hanks... Todos os quartos têm lareira e o hóspede escolhe se vai queimar lavanda ou eucalipto.

Moisés Rabinovici

E

ntre renomados e enormes hotéis de cinco estrelas iguais nas principais cidades do mundo, e pequenos, aconchegantes, exclusivos, chiques e badalados, os hóspedes preferem... Claro! Reação dos gigantes da hotelaria: o Hyatt criou o hotel-butique Andaz, em Londres, multiplicado mundo afora, e controla o californiano Joie de Vivre. O Marriott plantou a série Edition em dezenas de cidades. O Intercontinental fez o Indigo; Sofitel, o Modo. E Sonesta, o Kept. Os viajantes se cansaram de hotéis que são os mesmos, não importa onde estejam. E o resultado, nos EUA, em 2011, o confirmou: os pequenos saíram da crise crescendo 10%, enquanto o restante, 6%. O primeiro hotel-butique, The Blake, em Londres, nos anos 80, ficou mais famoso do que a atriz Anouska Hempel, que o idealizou. Seu bar cobrava o preço mais alto da Inglaterra. Em compensação, os hóspedes eram chamados pelo nome e recebidos com abraço ou aperto de mão. Com sorte, veriam Virginia Woolf numa das mesas, até 1982, quando morreu. Mais que tudo, sentiam-se personagens de Funky Chic, ensaio que Tom Wolfe publicou na revista Rolling Stone e depois em livro, em 1976. Funky é uma das palavras em inglês mais difíceis de definir com precisão. Pode ser a melancolia do jazz, blues e soul; foi cunhada para descrever o cheiro de queijo velho, daí a generalizar-se como malcheiro; hoje a usam como bizarro, sem gosto ou estilo – e até como sinônimo de hotel-butique. Tom Wolfe diz no ensaio que cada pessoa, ou sua psique, a sua alma, é o produto da moda e de outras influências externas. Os gigantes que se apequenaram e se proliferam, focam em arquitetura arrojada, quartos com arte e tecnologia, conexão veloz e grátis para internet, lojinhas com produtos exclusivos, e talvez percam o ponto principal: a individualidade do hóspede, ou do dono, um ambiente com personalidade e o vaivém de celebridades (adorando ser) perseguidas por paparazzi, como nos três butique-hotéis que o convidamos a conhecer – um deles, o londrino Soho House, um clube fechado, está buscando espaço para abrir em São Paulo. Viagem a Miami a convite do Miami Convention & Visitors Bureau

Com clima de festa e glamour em Miami Beach, o Soho Beach House é um dos sete hotéis-clube da grife no mundo, frequentados por ricos e famosos.

Também em Miami Beach, o Mondrian aposta no tema da Bela Adormecida - obra do premiado artista holandês Marcel Wanders. O New York Times o batizou de Lady Gaga do design.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 20 de julho de 2012

t

21 Fotos: Divulgação

urismo

The Lowell

O

taxista do JFK não parte ao ouvir The Lowell, please", como se fosse o Waldorf Astoria. Precisa do endereço. Já na rua 63, Leste, fica procurando uma placa do hotel, mas ela é discreta, ao gosto do Cidade Limpa numa Nova York que pisca e brilha com cartazes. Estamos no Upper East Side, melhor mordida na Big Apple. Chegamos. Dis-

creto, a fachada art decô de tijolo e terracota. O prédio, de 1926, tem 17 andares. Ao entrar no lobby, o mundo muda, mais Europa do que EUA. E com o registro, todos os funcionários o chamarão pelo nome. O concierge tem a fama de obter ingressos esgotados para peças na Broadway. Se algum brasileiro quiser, ele poderá falar em português. Um bom vinho de boas-vindas, ou uma champanha, o esperam num dos 23 quartos luxuosos ou em alguma das 49 suítes. Madonna morou na suite Manhattan, antes que fosse redecorada em homenagem a Coco Chanel. Jennifer Lopez foi hóspede em fevereiro. E Tom Hanks, Tim Burton, Jo Malone, G w y n e t h P a ltrow... A noite na suíte Penthouse custa US$ 7.500. Os preços variam de US$ 750, no

quarto Deluxe King, a US$ hóspedes do Trump Interna3.275 na Lowell 2BR Suíte. cional, de Chicago, pagavam Há hóspedes brasileiros que US$ 25 por uma garrafa de voltam depois da primeira es- água com cristais Swarovski. tadia. O hotel não faz inconfi- Um hotel de Vancouver, no Cadências. Mas um empresário nadá, foi muito além das arportuguês sempre se mas convencionais encontra com "o c h o c o l a t e s , v iamigo dono de nhos e destilaharas" do inted o s . A c r e srior de São centou tubos Paulo. Ele próde oxigênio a prio "vive seu arsenal. aqui", porque Aos atletas, de Lisboa a Nova um fitness cenYork "são só seis hoter completo. E paMoisés Rabinovici ras de voo". ra saudosistas e romântiTodos os apartamentos têm cos, o chef pode preparar uma lareira. E o hóspede escolhe se cesta para piquenique no Cenvai queimar eucalipto ou lavan- tral Park. O restaurante, The da. Ao acordar, o New York Ti- Post House, serve um celebrames estará à porta. Bebe-se do New York steak. E não só água das ilhas Fiji. E usa-se, no para humanos. banheiro, a coleção de cosmétiSim, há um cardápio só para cos da Bulgari. Afundado num pets. Que tal o "Sophisticated banho de espuma, dá para ver Dog", filet mignon tartar (US$ TV ou DVD numa tela de plas- 24)? Ou o peito de frango "The ma, ou som do próprio iPod plu- Lean Dog"(US$ 13), acompagado no sistema Bose. nhado de arroz, ou batata, ou Ah, o minibar. Mais correto sardinhas? Talvez o cachorrichamá-lo de máxibar. Contém nho queira apenas snacks - um tudo que deveria, e o inespe- biscoito de osso, ou orgânico, rado. Nos anos 90, acirrada a chamado de Fresh Kisses. E guerra dos hotéis Golias con- tem também batata doce. tra o David dos butiques, o bar Se, numa emergência, o teve seu tempo de glória. Os hóspede precisar de uma bol-

Soho Beach House

B

adala ou balada? No clube e butique-hotel Soho Beach House a troca de letras não fará diferença. Aqui, as duas palavras se sobrepõem, uma só. É sentar no lobby, e pronto. Ali a um canto está o âncora de tevê atualmente bombando. E as duas jovens passando de máxi-minissaias são modelos da hora. Os paparazzi estão a postos. Badalação. Clima de balada. É Miami. Tanto quanto o sol na praia, glamour, sensualidade, "vibe", ou vibrações, devem pairar suspensas como partículas de deus. No Soho Beach House todos os respiramos. Mulheres siliconadas ou

embotocadas são raras. Talvez estejam ali perto, no imenso hotel Fontainebleu, onde um dia repórteres brasileiros plantonaram para seguir o então presidente Itamar e sua namorada, a major Doralice. Já a maioria dos homens parece ter saído da Academia - a de malhação, evidentemente. O repórter confessa que se sentiu um tanto deslocado. Mas persistiu, por dever de ofício. Um momento de confusão foi quando, debaixo do chuveiro "rainforest", uma verdadeira cachoeira, teve que decidir se usava gel para banho Knackered Cow, relaxante; ou Wild Cow, revigorante; ou Hor-

A

sa ou mala para levar o seu pet, aqui também poderá comprar, desde que avise um dia antes. São dois modelos, ambos Louis Vuitton. Mas o melhor do The Lowell deixei propositadamente para o fim. É a porta, aberta para a in-

crível Nova York. E num ponto maravilhoso, perto de tudo o que realmente interessa.

hospedagem. O sócio terá preferência no Cowshed Spa, talvez privilégio na mesa dos restaurantes, prioridade em reservas e receberá as revistas quadrimestrais de inovativo design, a Cookhouse e House Tonic. Ganhei de cortesia uma massagem. E não uma qualquer, porque a massagista, brasileira há muito americana, foi quem atendeu o exótico Tom Cruise, no dia em que ele fechou o Cowshed Spa para a festa de seus 49 anos, ano passado, enquanto filmava Rock of Ages na cidade. Se uma garrafa de água da piscina do Soho Beach em que Tom Cruise mergulhou está

valendo US$ 130 na e-bay, por ser considerada milagrosa pelos cientologistas, a cotação da minha pele pode ter valorizado um pouquinho. O charme britânico descontraído do Soho Miami tem certa nostalgia cubana pré-Fidel, anos 40. Fuma-se puros no Tiki Bar, pit-stop na trilha para a praia particular. Ventiladores de pé decoram 50 quartos com ar-condicionado. O sol é do Caribe. E o restaurante Cecconi, no térreo da badalação, ou das baladas, está invadido por trepadeiras.

The Lowell: 28 East 63rd Street (entre avenidas Madison e Park), Nova York, www.lowellhotel.com.

Fotos: Divulgação

Sala de massagem do spa da marca inglesa Cowshed; restaurante Cecconi (à dir.) e a "vibe" de eterna balada. ny Cow, excitante, todos da grife inglesa Cowshed spa, parceira da rede Soho. Mais de dez garrafas sobre o minibar (mini?), entre copos de cristais, limas e limões, também geram dúvida atroz. Tantas, e tão preciosas, qual beber? Melhor convocar o bartender por telefone. Ele virá preparar o seu coquetel. Mas o serviço aparecerá na sua conta. O primeiro Soho nasceu modesto, acima do restaurante Café Boheme, em Old Compton Street, no centro de Londres, em 1995. Hoje é um seleto clube frequentado por ricos e famosos em sete hotéis abertos em Nova York, Los Angeles, Berlim e Miami, mais 11 restaurantes e o pioneiro cinema londrino, Electric, em Notting Hill. São 4,5 mil associados e 3 mil candidatos na fila de espera, depois de um expurgo de cerca de mil membros "engra-

Mondrian propaganda oficial sustenta que Miami já ganhou o título de A Capital Mundial dos Hotéis-Butique. Parabéns, com uma ressalva: o critério adotado para proclamar-se campeã, o de ter menos de cem quartos, não é unânime. Muitas espeluncas são bem pequenas. E muitos listados como lifestyle, de 250 a 300 quartos, são aconchegantes, bons de serviço e até tratam seus hóspedes com certo grau de individualidade. Mas estamos na exuberante Miami, na Flórida da Disney, das viagens espaciais e da invasão de brasileiros, nos EUA

Fachada art decô; cosméticos Bulgari; e a porta (ou janela) aberta para a melhor fatia da Big Apple.

que cultuam exr e j u v e n e s c icessos e granmento; a mandiosidade. Ensão de Versatão temos hoce, em que ele téis que ostenfoi assassinatam a maior do, agora Villa piscina do By Barton G, mundo, o Biltt a m b é m c omore, por onde nhecida como vaga ainda o fan"não acredito tasma de Al Capoque fiquei aqui"; e ne; o Delano, que tem excentricidades tipo Moisés Rabinovici artistas como Gaudí, Salmúsica em fundo de piscivador Dalí, Man Ray e Mark na, e haja fôlego para escutar, Newson em seu acervo; um e o atual point da balada e da que foi pintado com as cores badalação, o FDR, ou Franklin de Matisse, The Shore Club; o Delano Roosevelt, o 32° presiThompson, ex-Victor, que ofe- dente americano. É como se rece um oásis subterrâneo de no Brasil a moçada fosse dançar na boate FHC, ou JK, iniciais que não acendem vibrações, "vibes", a palavra hoje mais impressa nas colunas sociais. E chegamos ao Mondrian, "o castelo da Bela Adormecida". É uma aposta em hotel-temático. "Queremos encantar o hóspede", explica o vice-presidente do grupo Morgans Hotel, JP Oliver. Foi um premiado artista holandês, Marcel Wanders, quem teve a ideia e a executou. Não à toa o New York Times o batizou de Lady Gaga do design. Todo branco brilhante na entrada vazia, mi-

vatados" em 2010. Sim, enforcados pela gravata. "O clube estava se tornando ponto de negócios", explicou o responsável pela Beach House, em Miami. A maior parte das vítimas era do Soho House de Nova York, no Meatpacking District. Mas o sacrifício "doloroso" passou. Agora o foco é a expansão que incluirá Milão, Istambul e São Paulo, até já visitada para prospecção, sem sucesso. Buscam locais com pedigree. Ocuparam em Miami o prédio art decô do Sovereign Hotel. E em Berlim estão na casa que abrigou a Juventude Hitlerista, comprada dos donos judeus. Os sócios da Soho House pagam de US$ 1.200 a US$ 2.400 por ano, dependendo da categoria escolhida entre cinco opções. A mais cara, Every House, dá direito a todos os clubes pelo mundo, mas não inclui a

Soho Beach House: 4.385 Collins Avenue, Miami Beach, www.sohobeachhouse.com.

Fotos: Divulgação

Todo branco, ao fundo do lobby surge uma escada negra circular; as luminárias lembram sinos gigantes e os chuveiros estão dentro de lustres; da piscina, uma das melhores vistas para a Biscayne Bay. nimalista, ao fundo do lobby surge, contrastante, uma escada negra circular, talvez a usada pela bruxa. Os lustres lembram sinos gigantes. E uma mesa comprida seria a dos anõezinhos, em cada ponta cadeiras maiores. A loja que nunca fecha é uma parede inteira que funciona como máquina de vendas eletrônica: joias, relógios, headphones e

gadgets. Mas os hóspedes recebem um cartão desconto para compras em Miami. A Bela Adormecida do Lady Gaga está mais para Barbie. As adolescentes que surgem em bandos dos elevadores na noite de sexta se vestem como Barbies. Na parede diante de cada cama dos 335 "estúdios" uma Barbie Adormecida observa e assusta o Hóspede

Despertando. É um incentivo a pular da cama mais rápido e se extasiar com a vista fantástica de Biscayne Bay. Aí você abre a torneira para uma ducha. E descobre onde o Lady Gaga pôs o chuveiro: dentro do lustre. Mondrian South Beach: 1.100 West Avenue, Miami Beach, www.mondrian-miami.com.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

22

sexta-feira, 20 de julho de 2012

O Fusca ganhou livro contando sua história. Escrito por Richard Copping e editado pela Alaúde, Fusca – O carro mais popular do mundo custa R$ 75 nas livrarias. Você tem desconto de 10% em www.alaude.com.br

Nº 426

DCARR VW GOL

Renovado para continuar líder O mais vendido ganhou novidades. O Voyage também. O Gol 1.0 custa R$ 27.990, apenas R$ 86 mais que a versão anterior. CHICOLELIS

L

íder de mercado há 25 anos, o Gol, que já teve produzidas 7 milhões de unidades, recebeu um "banho de loja" da Volkswagen, ganhando novo motor 1.0l TEC (o 1.6l também equipa o modelo), novos equipamentos de série e, claro, modificações na sua estética, com destaque para sua frente, que agora carrega o DNA da nova linguagem mundial do design da marca alemã. E os preços continuam os mesmos da versão anterior, salvo o do 1.0, que aumentou R$ 86. Isso mesmo, apenas oitenta e seis reais. Simultaneamente ao Gol, a Volkswagen apresentou também o modelo sedã da família, o Voyage, que já soma 1 milhão de unidades produzidas e exportação para 50 países. As exportações do Gol atingem 60 mercados pelo mundo. E Thomas Schmall, presidente da montadora assegura que

estes números crescerão. N e s t a n ova e d i ç ã o d a quinta geração, o Gol parece mais largo em razão do uso de elementos horizontais, porém as medidas permanecem as mesmas. Os faróis foram modificados – eles estão mais inclinados – e deixaram o carro mais "sério e compenetrado", conforme Luis Alberto Veiga, diretor de design da Volks no Brasil. Na traseira, as lanternas ganharam a "imagem noturna" da VW, com a letra L nitidamente invertida, como se encontra em modelos premium da marca, como o Jetta. Por dentro, além de

um painel com controles mais ergonômicos e elegantes, a VW colocou forro de pets nos assentos e encostos dos bancos, bem como no painel das portas, no Gol e no Voyage. Embora não seja novidade no mercado, os novos modelos ganharam um computador que dá algumas lições aos motoristas. Por exemplo, quando o ar condicionado é ligado durante o percurso, ele alerta sobre a necessidade de fe-

char um vidro aberto, para não se perder no consumo e na eficiência do equipamento: "ar condicionado ligado; fechar janelas". Ele também indica qual a melhor marcha (para cima ou para baixo) a ser usada – possibilitando melhor aproveitamento do motor e, consequentemente,

mais economia – e adverte se o motorista acelerar o carro quando parado ou quando der a par tida. A transmissão automatizada I-Motion foi mantida. O Voyage 1.0l está a venda por R$ 29.990; na versão 1.6l, R$ 34.590 com câmbio manual e R$ 37.190 com IMotion. O top de linha, o

Comfortline, por R$ 40.890 e R$ 43.490, respectivamente . O Gol 1.0l, o mais barato, custa R$ 27.990; o modelo intermediário, com motor 1.6l, R$ 31.890, manual e R$ 34.940, automatizado. O top de linha do Gol, com motor 1.6l, I-Motion, R$ 40.890 e o mecânico, R$ 38.290.

Frente ou traseira, o DNA da VW.

MOTOS

NOVIDADES HONDA Japonesa revigorada com pacote de lançamentos nas linhas 2012/13

A

moto Honda do Brasil programou um pacote de sete lançamentos e mudanças de seus modelos para revigorar a marca no mercado nas linhas 2012/2013. Entre as novidades estão a NC 700X, modelo da linha crossover, já fabricada no Brasil, e sua irmã maior, a importada VFR 1200X Crosstourer. A primeira moto é tipicamente urbana. Custa R$ 27.490 (versão Standard) e R$ 29.990 (com freios CABS). O segundo modelo, automático e ainda sem preço definido, é estradeiro. Ainda na linha de grande cilindrada, a Honda conta com a GL 1800 Gold Wing modelo 2012 ( preço sugerido de R$ 92 mil) e a CBR 1000RR Fireblade 2012. Além da remodelação visual, a Gold Wing tem a capacidade de carga ampliada de 147 para 150 litros. Já a Fireblade, com novo grafismo, carenagens, conjunto ótico e mapa de injeção eletrônica, tem preço sugerido de R$ 54 mil. Para o segmento on-off road, a montadora resgatou um grande sucesso de média cilindrada fabricado entre 1999 e 2009, a Falcon. O modelo 2013, que estará nas concessionáriasem outubro, tem injeção eletrônica para atender às atuais normas de emissão de poluentes, o Promot 3 (Programa de Controle da Poluição do Ar por Motociclos e Veículos Similares). Agora denominado NX 400i Falcon, o modelo tem preço sugerido de R$ 18,9 mil. A versão 2013 da NXR 150 Bros, com carenagem reformulada e novo farol com lâm-

pada de 35W, chega um pouco antes, em setembro. Mantido o sistema bicombustível, na versão ES custa R$ 8.640, e R$ 8.990 na ESD. A Honda também olhou para a baixa cilindrada e relançou a Biz 100, scooter mais barato e mais simples tecnologicamente que deve recolocar a montadora no competitivo mercado das pequenas urbanas. O problema da Honda neste segmento foi investir muito na Biz 125, o que a tornou cara diante de seus concorrentes. A 125, entretanto, permanece. Em movimento – A nd a mo s nos modelos NC 700X e Biz 100 no campo de provas da Honda de Manaus (AM) e na Fireblade 2013 na pista da fazenda Capuava, em Indaiatuba (SP). O diferencial da 700X é o deslocamento do tanque de combustível para a parte de baixo do banco. Com isso sobrou espaço para um "porta-luvas" onde originalmente seria o tanque com espaço para um capacete. Muito útil. A alteração mexeu com o

centro de gravidade do veículo, deixando a frente leve, com fácil controle e muito divertido na pilotagem. As marchas são curtas e a velocidade final no painel marcou 168 km/h, em quinta marcha. A sexta marcha, denominada superoverdrive, é bem elástica. A CBR 1000RR recebeu pequenas mudanças na versão 2012. Além do novo design na pintura, tem novos desenhos nas carenagens. As suspensões, recalibradas, também melhoraram a tração e o comportamento da motocicleta. O motor é o mesmo quatro cilindros em linha, que atinge 178 cv de potência máxima. O painel passou a ser totalmente digital e o mapeamento da injeção eletrônica, alterado, deixou o motor mais homogêneo. A mudança no mapeamento trouxe uma moto muito mais dócil e amigável na pilotagem. O preço sugerido pela fábrica é de R$ 59.900, para a versão Standard, e de R$ 62.900, com freios ABS. Mário Tonocchi

NC 700X e Biz 100 (acima); VFR 1200X Crosstourer (abaixo); e GL 1800 Gold Wing (à esq.).


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 20 de julho de 2012

23

d Nas ondas do rádio cultura

Após nove décadas de transmissões, Magaly Prado conta em livro a história do veículo de comunicação que é a cara do Brasil. André Domingues

D

elay é um termo técnico que indica o retardo do som transmitido de forma eletrônica em relação à emissão original. Normalmente, é um problema. No caso da memória do rádio, funciona também como uma triste metáfora. Às vésperas da celebração de nove décadas de existência, o popularíssimo rádio brasileiro ainda tem um sensível atraso nos trabalhos que procuram dar conta

da sua profundidade no tempo e nas diversas regiões do pais. Daí o motivo para se prestar atenção especial ao lançamento do livro História do Rádio no Brasil, da professora, pesquisadora e radialista Magaly Prado, que desenha um grande painel com cronologia, temas, personalidades e emissoras mais relevantes. É uma obra que, feita com apoio de diversos colaboradores e com cuidado suficiente para penetrar nas

pesquisas acadêmicas, surge desde já como referência indispensável. Vale notar que, antes do marco inicial dessa história, 1922, o Brasil já teve experiências muito relevantes com transmissão sem fios, seja com o padre gaúcho Roberto Landell de Moura, cujas experiências em 1892 representam um pioneirismo mundial, seja com a Rádio Clube de Pernambuco, que testou a rádiotelegrafia com

sucesso em 1919. O início oficial do rádio no Brasil coube à data e ao cenário mais pomposos possíveis: 7 de setembro de 1922, dia do Centenário da Independência, na grandiosa Exposição Universal do Rio de Janeiro. Era uma enorme praça de eventos aberta em pleno centro da cidade, pontuada por luxuosos pavilhões, dedicada a apresentar as maravilhas da modernidade. Naquela noite, os já deslumbrados visitantes puderam

ouvir um discurso do presidente Epitácio Pessoa e uma roufenha e distorcida – porém mágica! – transmissão sem fios da ópera O Guarany, encenada no Teatro Municipal. Não apenas o Rio, mas também Niterói, Petrópolis e São Paulo receberam aparelhos receptores para testemunhar aquele momento histórico. Poucos meses depois da emissão inaugural, foi fundada a primeira emissora, a Rádio Sociedade do Rio de Janeiro, do cientista

Roquete Pinto. Menos de uma década adiante, o rádio já contava com grandes comunicadores como Cazé, Almirante, Noel Rosa, Ary Barroso e César Ladeira, entre muitos outros, e se tornava o principal veículo de comunicação de massa brasileiro. As ondas geradas em suas antenas, enfim, inundaram e sacudiram tudo o que veio pela frente: a arte, a política, o esporte, a informação e, sem exagero, a própria identidade nacional.

Uma música importante de cada ano. E o grito na hora do gol.

Qual foi o maior desafio na escrita de História do Rádio no Brasil? Magaly Prado: A gente não tem muito livro sobre a história do rádio brasileiro, quer dizer: a gente tem muitos livros sobre rádios específicas, mas não tem nenhum que conte a história

Onde é possível encontrar as transmissões originais, fontes primárias dessa história? Magaly: O acesso é difícil, já que boa parte está fechada em

acervos particulares. Com a internet, isso melhorou bastante. A partir do livro, fiz um site, historiadoradionobrasil.com.br, que vai ter bastante material desse tipo e, inclusive, vai ter uma música importante de cada ano. Por que o rádio penetrou tanto na identidade nacional? Magaly: Nos primeiros tempos, o rádio trouxe muita emoção pela música e pela ficção; depois, chegou aos ouvintes pelo lado informativo. Grande

parte do povo não acostumado à leitura conseguiu tomar parte do mundo a partir daí. Para onde vai o rádio neste início de século? Magaly: Ele vai se moldando com as novas tecnologias. Tem muita gente pesquisando o rádio digital e o rádio por internet. Acho que o rádio por internet pode predominar, já que abre muitas possibilidades novas e tem um custo infinitamente menor do que o das instalações de antenas e receptores digitais. Sem falar que a tecnologia de transmissão digital ainda tem problemas sérios de alcance e de delay, algo em torno de seis segundos. É bem mais do que a diferença da TV, que faz os telespectadores dos aparelhos convencionais gritarem gol antes dos que têm sinal digital. (AD)

Magaly Prado: além da obra escrita, pesquisa digi tal, site e preparação de um segund o volume.

Nesta edição: Mostra Sesc de Artes; a socialite Wendi Murdoch, arte tecnológica e Balé da Cidade no Municipal. Comida entregue em casa, que combina com um bom filme. Show de Tom Zé. E o longa brasileiro que estreia no cinema e na TV.

Juan Esteves

inteira. Então, fui pedindo ajuda para profissionais das mais diversas regiões, fui pegando contribuições de pesquisadores, até formar esse livro. O problema maior foi cobrir o Brasil todo, e não ficar só no Rio e em São Paulo. Muita coisa ficou de fora e, por conta disso, vou fazer um segundo volume daqui a um ano ou dois. Divulgação

M

agaly Prado envolveu-se com o rádio das mais diferentes formas ao longo dos seus 30 anos de carreira: primeiro assumindo diversas funções no radialismo, sobretudo na Rádio USP; depois, trabalhando como jornalista, escrevendo comentários sobre o rádio; por fim, atuando como pesquisadora e professora universitária, mergulhando no ensino e nos estudos mais profundos. Tanta experiência colaborou, sem dúvida, para a amplitude de sua História do Rádio no Brasil.

Valente: a menina ruiva voluntariosa do novo filme da Disney-Pixar.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

24

sexta-feira, 20 de julho de 2012 Suzanne Plunkett/Reuters

Tanto no dial como na internet as emissoras apostam em programas segmentados que vão do jornalismo à música clássica. Encontre o seu no quadro.

d

Há uma semana, o programa noticioso mundial da BBC foi transmitido pela última vez do emblemático estúdio da emissora no edifício Bush House, no centro de Londres. A despedida foi apresentada pelo jornalista Ian Purdon. Lar do boletim World Service desde 1941, o estúdio foi o palco de transmissões de notícias históricas, em especial durante a Segunda Guerra. Diz a lenda que o espaço também inspirou George Orwell a escrever o clássico 1984. Orwell havia trabalhado no programa. A BBC resolveu colocar à venda, em um leilão online, tudo que havia no estúdio, incluindo fotografias de entrevistas de Paul McCartney e Henry Kissinger, um piano Steinway e todos os equipamentos de transmissão. O BBC World Service continua a ser transmitido, mas agora dos estúdios na rua Oxford e pode ser ouvido pela internet.

Nas ondas do rádio

cultura

André Domingues

A

pesar da divisão de atenções com a televisão e, mais recentemente, a internet, o rádio brasileiro não esmoreceu. Continua sendo feito com muita qualidade e inovação. Quem diria há alguns anos que seria possível uma emissora ter sucesso falando apenas do trânsito paulistano, como fez a Sulamérica Trânsito? Ou quem imaginaria que, passados mais de 30 anos, o veterano Moisés da Rocha continuaria dando as cartas no samba paulista com O Samba Pede Passagem, nas rádios Capital AM e Rádio USP? As atrações do rádio paulistano são muitas e variadas, como a própria cultura da cidade. Se na Rádio USP é possível ouvir o melhor samba, os fãs de rock nacional também têm seu ponto de encontro no inte-

ressante BR 102, da Kiss FM, emissora que, com o passar do tempo, foi incorporando novas fases e estilos ao seu rock clássico original. Do ponto de vista do noticiário, as opções também são fartas. O CBN Noite Total, por exemplo, se destaca pela profundidade com que investe no noticiário, na entrevistas e no universo cultural. Já no lado esportivo, vale notar o bom humor com que á apresentado o Na Geral, da Rádio Bandeirantes, feito por Beto Hora, Lélio Teixeira e José Paulo da Glória. Num panorama tão diverso, como esse, as rádios públicas se mantém como espaços de experimentação estética e resguardo de tradições. Na Cultura FM, dedicada à música erudita, chama a atenção a busca por aproximar direta-

mente o público dos produtores e pesquisadores de arte. Vão nessa linha o Supertônica, com o compositor Arrigo Barnabé, o Pergunte ao Maestro e o Encontro com o Maestro, com João Maurício Galindo, e a série Ideias Musicais, que traz programas encabeçados por gente como o pianista André Mehmari e o professor, músico e compositor Henrique Autran Dourado. Já na Cultura AM, chamam a atenção os projetos de exploração da diversidade da MPB, como Todos os Sons, de Lia Machado Alvim, centrado em música instrumental, e Veredas, de Júlio de Paiva, que viaja pela cultura popular. Nos dias de hoje não é possível desconhecer, ainda, a força de rádios e podcasts da internet, até porque todas as principais rádios

convencionais do mundo estão também ali (é o caso da poderosa rádio estatal inglesa BBC, parceira do Diário do Comércio, que pode ser acessada pelo bbc .co.uk /radio ). Entre milhares de opções, vale ressaltar uma que é especialmente representativa para a celebração desses 90 anos de rádio no Brasil: a Rádio Collectors MPB, que reproduz canções históricas da primeira metade do século passado. A rádio faz parte do site co lle cto rs .co m.b r, que oferece amostras e vende (legalmente) programas inteiros daquele tempo, como os célebres PRK 30 e Um Milhão de Melodias, da Rádio Nacional. São exemplares que fazem jus à qualificação “de Ouro” que marcou essa era do nosso rádio.

Informações sobre o trânsito: todos os dias e horários, na Rádio Sul América Trânsito (92,1 MHz). O Samba Pede Passagem: sábados, às 23h, e domingos, à meia-noite na Capital AM (1040 Mhz) e sábados e domingos, ao meio-dia, na Rádio USP (FM 93,7 MHz). Vira e Mexe: sábados, às 11h, na Rádio USP (FM 93,7 MHz) . BR 102: sábados, às 16h, na Kiss (FM 102,1). CBN Noite Total: de segunda a sexta, às 21h; sábados e domingos, às 23h, na CBN FM (90,5 MHz). Na Geral: de segunda a sexta, das 18h às 19h, na Rádio Bandeirantes (AM 840 MHz e FM 90,9 MHz).

Supertônica: quartas, às 21h, na Cultura (FM 103,3 MHz) Fim de Tarde: de segunda a sexta, às 10h e às 16h, na Cultura (FM 103,3 MHz). Encontro com o Maestro: domingos, às 10h, e segundas, às 21h, na Cultura (FM 103,3 MHz). Pergunte ao Maestro: de segunda a sexta, às 10h e às 16h, e sábados, às 10h, na Cultura (FM 103,3 MHz). Todos os Sons: sábados, às 20h, na Cultura (AM 1200 MHz) Veredas: segundas, às 20h, na Cultura (AM 1200 MHz). BBC: www.bbc.co.uk/radio Rádio Collectors: www.collectors.com.br

Shakespeare e as mazelas dos políticos Sérgio Roveri

Reprodução

Apelidos no mundo das letras

Sua Incelença, Ricardo III: palhaços, mambembes, carroças ciganas, cantigas fúnebres nordestinas e rock. te queriam: as mazelas dos políticos brasileiros. A segunda companhia brasileira presente na Mostra, o Grupo Lume, com sede em Campinas, baseou-se em conversas de um grupo de aspirantes à carreira artística para compor seu novo espetáculo, Os Bem-Intencionados. Em época de celebridades a toque de caixa, o Lume debruçase sobre o real interesse de alguém pela carreira artística e, com isso, consegue fazer uma radiografia de sua própria história. O braço internacional da mostra traz à cidade um dos últimos trabalhos do encenador americaAlessandro Soave

O

Pablo Pinheiro/Divulgação

que pode existir em comum entre a Inglaterra do século XV e o sertão nordestino dos dias de hoje? Ou entre a política brasileira atual e os bastidores da Guerra das Rosas, a sangrenta disputa pelo trono inglês que se estendeu de 1455 e 1487. A resposta está no aclamado espetáculo Sua Incelença, Ricardo III, uma impensável alquimia entre o nordeste brasileiro e as tragédias de William Shakespeare. Concebido pelo diretor mineiro Gabriel Villela e pelo grupo Clowns de Shakespeare, com sede em Natal, Rio Grande do Norte, Sua Incelença chega finalmente a São Paulo depois de uma série de apresentações em festivais brasileiros e internacionais. O espetáculo integra a eclética programação da Mostra Sesc de Artes, que reúne, entre hoje, sexta (20) e o próximo dia 29, alguns dos grandes nomes das artes cênicas contemporâneas, como o diretor americano Richard Maxwell, o artista visual belga Jan Fabre, o coletivo Gob Squad, formado por artistas ingleses e alemães e ainda os brasileiros do grupo Lume, que aproveitam a Mostra para estrear seu novo espetáculo, Os Bem-Intencionados. Inspirado no clássico R ic a rd o III, tragédia de Shakespeare que mostra a conturbada chegada de Ricardo, Duque de Gloucester, ao trono inglês, Sua Incelença, Ricardo III resultou num espetáculo de rua que abre espaço para palhaços, mambembes, carroças ciganas, cantigas fúnebres nordestinas e o rock do Queen e Supertramp. Esta moldura colorida, lúdica e brilhante não impediu que Villela e os Clowns de Shakespeare falassem do que eles realmen-

no Richard Maxwell, Neutral Hero. Com este espetáculo Maxwell dá continuidade à sua pesquisa sobre cidadãos anônimos que vivem de trabalhos insignificantes nas pequenas cidades americanas, o mesmo universo anteriormente explorado na peça Burger King, montada em São Paulo pelo Club Noir. Mas é atrás desta rotina absolutamente banal que o diretor localiza episódios de violência e cicatrizes deixadas pelas guerras. Já os interesses do dramaturgo e coreógrafo belga Jan Fabre não se restringem ao teatro. Em The Power of Theatrical Madness, ele recolhe elementos das artes visuais, da

performance e da música para se sair com uma leitura muito particular dos principais movimentos estéticos das últimas duas décadas. Os espaços públicos e como eles podem ser ocupados pelos cidadãos estão na fonte de pesquisa do espetáculo Revolution Now!, do coletivo Gob Squad, formado por artistas da Inglaterra e Alemanha. Sempre recorrendo à participação da plateia, o Gob pretende alertar sobre dois efeitos colaterais da vida moderna: a acomodação e a cultura de massa.

Mostra Sesc de Artes, de hoje, sexta (20) até dia 29. A programação completa e o valor dos ingressos (grande parte das atrações é gratuita) podem ser obtidos no site www.sescsp.org.br/mostrasesc

Acaba de chegar nas livrarias brasileiras o Dicionário de Apelidos dos Escritores da Literatura Brasileira, resultado de muito trabalho e de muita batalha de Claudio Cezar Henriques, professor titular de Língua Portuguesa da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). A obra, que saiu pela Editora Appris, de Curitiba, registra 213 apelidos de 131 escritores. Segundo Mauro de Salles Villar, coautor do Dicionário Houaiss, “é a mais aprofundada investigação sobre o tema que alguém já realizou na língua”. Cabe também lembrar que, em 1959, Carlos Drummond de Andrade escreveu a crônica Falta um Dicionário, na qual o escritor dizia que “dicionários, há-os de toda sorte por aí”, mas lembrava, na ocasião, que “ninguém, que eu saiba, se lembrou de fazer um dicionário de apelidos, que reunisse alcunhas famosas na sociedade, na política, na literatura brasileira”. Agora, Claudio Cezar Henriques com sua obra pode dizer que temos esse dicionário. Só que nele não consta o apelido do autor, que também é escritor. “Ganhei o prêmio Cidade do Recife, em 1998, com o romance Nictóbata Infesto”, contou. Porém, pelos critérios adotados, Claudio não pode ser incluído na obra enquanto não houver algum artigo ou estudo sobre esse romance. “Aí, alguém que saiba, poderá me chamar de Visigodo em vez de Claudio, apelido dos tempos da faculdade, pela vasta cabeleira e barba”. Ou então pode ser chamado de O Homem dos Apelidos. (Decio Viotto)

CARLA CAFFÉ NA PASSAGEM LITERÁRIA DA CONSOLAÇÃO Exposição A(e)rea Paulista reúne 20 cartazes, que juntos compõem o espigão da Avenida Paulista, criados pela artista plástica Carla Caffé. Grátis.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 20 de julho de 2012

d

25

cultura

S

Wendi Murdoch, uma socialite e tanto. Casey Kelbaugh/The New York Times

e alguém tem autoridade para dar conselhos sobre como se tornar insensível às críticas alheias, essa pessoa é Wendi Deng Murdoch, de 43 anos, tão ambiciosa e atarefada que nem mesmo a mais determinada das socialites de Manhattan aguentaria o seu pique. Desde que ela e Rupert Murdoch se casaram em 1999, Wendi, terceira esposa do dono do grupo de comunicações News Corporation e 38 anos mais jovem que ele, foi descrita como um "acessório de luxo" e, na pior das hipóteses, como alguém que queria dar um "golpe do baú". Ultimamente, porém, a intrincada narrativa de como Deng Wen Di, da província de Jiangsu, no leste da China, transformou-se na Wendi Murdoch do triplex Rockefeller na Quinta Avenida (e de outras casas em Beverly Hills e Carmel, na Califórnia; em Londres; em Cavan, no Sul da Austrália; e em Pequim) tem tomado outro rumo. Mesmo em um momento em que a empresa de seu marido enfrenta julgamento por um escândalo relacionado a escutas telefônicas em seus jornais britânicos, a esposa tem se destacado com sua própria carreira independente, mergulhando em um círculo social que inclui David Geffen, Larry Ellison, Tony Blair, Nicole Kidman e Bono, muitas vezes sem a presença do marido. Segundo um porta-voz da família, Wendi não quis ser entrevistada para este artigo, assim como outros membros da família. Mas muitos de seus amigos estavam dispostos a discutir a nova e, como dizem, mais coerente persona pública de Murdoch. Eles descrevem Wendi como alguém que, acima de quase tudo, trabalha fazendo redes de contato em

escala mundial. Ela organiza jantares anuais com mulheres poderosas, lançamentos de livros de amigos e reuniões regularmente. Em maio de 2011, quando Hugh Jackman, amigo de Wendi que fez uma pequena participação em A Flor da Neve e o Leque Secreto, filme produzido por ela, estava começando a subir ao palco para apresentar seu espetáculo solo em São Francisco, o projeto ainda era pouco conhecido. Até ela se envolver. "Surpreendentemente, a Wendi conseguiu atrair cerca de uma dúzia das pessoas mais influentes do setor", escreveu Jackman por e-mail. "Ela é a melhor relações-públicas que existe."

Ela é a melhor relações-públicas que existe. Hugh Jackman, ator Se houve um momento específico que marcou a ascendência de Wendi na imaginação pública, ele aconteceu durante o depoimento do marido em julho passado, perante uma subcomissão parlamentar britânica, sobre o escândalo de escutas telefônicas protagonizado por um de seus jornais, o News of the World. Vestindo um casaco cor de rosa, ela se sentou atrás dele, pulando instintivamente da cadeira para proteger o marido de uma torta jogada por um manifestante. "Até o incidente da torta, ela tinha realmente ficado marcada como a clássica esposa mais jovem com um toque de racismo e estereótipos", disse Andrew Butcher, ex-executivo sênior de comunica-

ção da News Corporation. "Aquilo mudou tudo para ela." "Foi um evento que pareceu finalmente dar legitimidade ao casamento", acrescentou. Se Wendi Deng Murdoch não tivesse casado com o mais poderoso magnata da mídia do mundo, sua vida seria provavelmente um retrato idealizado da história de imigrantes nos Estados Unidos. Terceira filha de um diretor de fábrica do Cantão, ela se muda para os Estados Unidos e consegue um emprego no restaurante Sichuan Garden, em Westwood, Califórnia, recebendo 20 dólares por dia e podendo tomar todas as sobras de sopa que conseguisse. Estuda à noite em uma faculdade suburbana, é aceita por uma das universidades mais prestigiosas dos Estados Unidos, entra no negócio da mídia e, de repente, se vê andando sobre tapetes vermelhos e organizando jantares no Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça. Mas a sua história não é um conto de imigrantes típico. Em 1998, depois que o New York Post anunciou que Rupert Murdoch e Anna, com quem tinha sido casado por 31 anos, tinham se separado de forma amigável, a empresa construiu uma narrativa amplamente aceita de que Murdoch e Wendi tinham se conhecido mais tarde, depois que ele e Anna já estavam separados, quando ela o acompanhou em uma viagem a Pequim. Na realidade, eles se conheceram meses antes, durante uma reunião pública informal na Star TV, de acordo com uma pessoa que era próxima a Murdoch na época. Em 1999, 82 convidados assistiram ao casamento dos dois a bordo do iate de 47 metros dele, o Morning Glory, no porto de Nova York.

The New York Times

Wendi, mulher de Rupert Murdoch, magnata das comunicações, durante festa em Miami.

Tecnologia em alta Rita Alves

N

a sede do Centro Cultural Fiesp, o desafio é escolher uma obra para começar o passeio, diante de tantas atraentes. Cumprida a primeira tarefa, a 13ª edição do Festival Internacional de Linguagem Eletrônica (File) é pura diversão. Em cartaz desde a última terçafeira (17), o File, considerado o maior evento brasileiro sobre arte digital, reúne instalações, animações, games, aplicativos e música eletrônica. Entre os destaques desta edição está o trabalho What a Loving, and Beautiful World, da japonesa Sisyu teamLab. De longe, uma grande parede projeta a caligrafia da artista, além de uma série de caracteres da caligrafia japonesa, os sho. Quando o visitante se aproxima e toca a tela é surpreendido por belos efeitos visuais e sonoros. O público também pode conhecer uma série de produções sonoras no File como, por exemplo, as criações da artista Renata Roman. Ela participa do evento com Alices, obra do poeta e dramaturgo Jarbas Capusso Filho, e Sons da Serra da Mantiqueira. Em Alices o

Fotos: Divulgação

What a Loving, and Beautiful World, instalação interativa criada pela artista japonesa Sisyu teamLab: toque das mãos produz recursos visuais com variações infinitas.

visitante ouve o diálogo entre duas mulheres vítimas da violência. Já Sons da Serra da Mantiqueira abriga paisagens sonoras registradas em São

Bento do Sapucaí, na Serra da Mantiqueira. Depois de sair do ambiente sonoro das serras, a sugestão é transportar-se literalmente para

os quadrinhos. Duvida? Então participe da instalação interativa Ideogenetic Machine, da chinesa radicada em Nova York chamada Nova Jiang. Ela criou uma

Balé, máscaras e medo no Municipal. Ana Barella

O

Balé da Cidade reafirma seu retorno em grande estilo. Depois de sofrer turbulências como cortes de verbas e mudanças na gestão do grupo, eles estreiam no Theatro Municipal de São Paulo. Os espetáculos Paraíso Perdido, com coreografia do grego Andonis Foniadakis – que já

assinou peças para companhias de porte como do Balé da Ópera de Lyon – e Cidade Incerta, assinado pelo português André Mesquita, marcam a volta de produções internacionais da companhia. O programa começa com a peça Cidade Incerta, baseada na obra O Livro do Desassossego de

Bernardo Soares (heterônimo de Fernando Pessoa), e com figurino assinado por Cássio Brasil. Já Paraíso Perdido é inspirada na obra do pintor holandês Hieronymus Bosch. Os 30 bailarinos que compõem o espetáculo usam máscaras e transmitem por seus movimentos marcantes sentimentos como

medo, agonia e histeria. A trilha sonora utiliza sintetizadores e a cenografia traz projeções audiovisuais.

Theatro Municipal de São Paulo. Praça Ramos de Azevedo, s/nº. Tel.: 3397-0327. Sexta (20). 21h. Sábado (21). 20h. Domingo (22). 17h. R$ 20 a R$ 60.

máquina que incorpora a imagem do visitante em um livro de quadrinhos gerado por algoritmos. Basta aguardar o fim da contagem regressiva que

aparece na tela e fazer sua pose. E ainda dá para receber a sua história em quadrinhos por e-mail. Outro divertido trabalho é a escultura cinética Túnel, criada pela dupla brasileira Rejane Cantoni e Leonardo Crescenti. O caminho do túnel, formado por 93 pórticos, oferece a chance de se caminhar por ele modificando seu formato de acordo com o peso do visitante. O File está dividido em diversos polos temáticos: File Instalações Interativas, File Games, File Maquinema, File Anima+, File Tablet, File Media Art, File Hipersônica e File Symposium e Workshop. Além de ocupar quatro espaços no Centro Cultural Fiesp, o File ainda apresenta outras atrações no Museu da Imagem e do Som (MIS) e nas estações de metrô Consolação e Trianon-Masp.

Centro Cultural Fiesp - Ruth Cardoso. Avenida Paulista, 1.313 (Metrô Trianon-Masp), tel.: 3146-7405/ 7406. Grátis. Museu da Imagem e do Som. Av. Europa, 158, Pinheiros, tel.: 2117-4777. Grátis.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

26

sexta-feira, 20 de julho de 2012

d

cultura

Férias: comida e diversão em casa. Lúcia Helena de Camargo Fotos: Divulgação

Zhang Yimou, mostra a determinação da menina-professora em manter seus 28 alunos na sala de aula. Ela sai em busca de um que foge da escola. No prato, a promoção de inverno da China House, com três opções de combos (inclui arroz chinês, salada e rolinho doce): filé da China e yakissoba (R$ 19,40) e frango xadrez (R$ 18,90, foto). www.chinahouse.com.br

Mauro

Holand

Playarte/Divulgação

a/Divu

lgação

Quem quer sair de casa neste frio? A pedida para o final de semana é alugar ou comprar bons filmes e pedir comida pelo serviço de entregas, para garantir alimentação e diversão sem se aventurar no frio ou na chuva ou no trânsito de férias. Aqui, algumas sugestões de duplas de filmes e comidas. Com comida chinesa, alugue Nenhum a Menos (1999). Dirigido por

No prato, filé de salmão.

Ponyo para o dia de chuva

As duas unidades (Vila Mariana e Jardins) do japonês Kiichi fazem entregas. Sugestão quente: teppanyaki de filé de salmão (R$ 31,20). Curiosidade: kiichi significa “feliz primeiro filho". http://kiichi.com.br/cardapio

Um dia chuvoso combina com Ponyo - Uma Amizade que Veio do Mar, desenho animado japonês sobre o menino Sosuke, de cinco anos, que encontra uma inusitada amiga à beira-mar. Dirigido em 2008 por Hayao Miyazaki, afeito a temas ambientais, traz uma lição. Para crianças pequenas.

Sofá com Julia

Peça um piggy

Quando o assunto é filme americano, a atriz Julia Roberts (foto) é uma das grandes representantes. Entre seus longas bons para ver no sofá de casa, Um Lugar Chamado Notting Hill (1999); Uma Linda Mulher (1990) e Erin Brockovich (2000).

Os novos sanduíches da lanchonete americana P.J. Clarke’s estão no menu delivery. A sugestão é o Piggy: com 60% de carne suína e 40% de carne bovina, leva creme de milho, molho barbecue, alface e tomate (R$ 36). http://pjclarkes.com.br

O prato Schlachtplatte (R$ 129) leva joelho e carrê suínos, salsichão e salsicha de vitela, servido com batatas e chucrute, no restaurante alemão Kontanz (www.konstanz.com.br). E cena do filme alemão Soul Kitchen (2009), de Fatih Akin, sobre uma atribulada cozinha.

Chocolate quente na xícara e na tela

P

ara preparar em casa um chocolate quente cremoso, a receita cedida pela fabricante Harald leva 400 gramas de Melken Chocolate Dark; 200 gramas do chocolate ao leite; 500 ml de leite integral (quente); 280 gramas de creme de leite; 30 ml de licor de menta (opcional) e canela em pó a gosto. Prepare derretendo os chocolates dark e ao leite separadamente (conforme as instruções das embalagens), depois misture o leite quente e o creme de leite e bata no liquidificador até formar um líquido cremoso. Adicione o licor de menta e sirva, polvilhando canela em pó. Rende dez xícaras de 140 ml.

O s c h o c ólatras não terão problemas em encontrar filmes sobre o tema. C hoc ola te (2001), dirigido por Lasse Hallström, conta a história de Vianne Rocher (Ju-

l i e t t e B i n oche), jovem mãe solteira que se muda para uma cidade rural da França e lá abre uma loja de chocolates. Os locais demoram a se acostumar com seu jeito liberal, principalmente depois da chega de um forasteiro (Johnny

Depp). Também com Depp, mas em papel cômido, A Fantástica Fábrica de Chocolate (2005), de Tim Burton, vai despertar o desejo pelo chocolate Wonka, hoje também vendido nas lojas. Na versão de 1971, dirigida por Mel Stuart, é Gene Wilder quem vive o estranho Willy Wonka. Já o mexicano Como Água para Chocolate (1992), de Alfonso Arau, fala sobre humores quentes em uma complicada família do, analogia à temperatura da bebida. E em Melhor que Chocolate (1999), duas moças, Maggie e Kim, se apaixonam, mas tudo complica quando a família de Maggie vem morar com ela.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 20 de julho de 2012

d

27

cultura

Emocionante Moscatel de Setubal Carlos Celso Orcesi da Costa

P

ortugal produz três grandes fortificados: Madeira, Porto e Moscatel de Setubal. Fortificar significa interromper a fermentação no meio, adicionando aguardente. Se fermentar nada mais é do que transformar o açúcar da uva em álcool, e se o enólogo interrompe o processo natural, sobra mais açúcar, sem contar que a aguardente (ou brandy) eleva o teor alcoólico, torna o vinho forte. Para comparar, se essa interrupção acontece quase no final da fermentação, quando a maioria do açúcar já se transformou em álcool, o fortificado será seco (o famoso Jerez espanhol). Daí que o Jerez e o MontillaMorriles são tomados como aperitivo, enquanto os fortificados portugueses são doces e portanto melhor apreciados à sobremesa. Como explicar a enormidade do Moscatel de Setubal? Não segue o método da desidratação natural na videira (Sauternes), nem o aditivo de mosto pastoso da própria uva (Tokay), nem a secagem em palha (Jura francês) ou dependurados no teto (passitos italianos), mas sim o tradicional método ibérico com adição de aguardente. Com a sutil diferença em relação ao Porto de que é brandy de uvas brancas. Comparando o Sauternes elegante e feminino com o Porto encorpado e masculino, o Moscatel de Setubal situa-se no meio termo, o que o qualifica talvez como o mais versátil vin doux em termos de harmonização com a sobremesa, ao lado do Tokay. Infelizmente o MS convive com seus próprios defeitos. A maioria dos vinhedos é plantada em solo de areia quente dos aluviões da foz do Tejo, quando o rio se curva em frente a Lisboa na margem direita e a Península de Setubal à esquerda. Alcochete, Pegões, Palmela, Pinhal Novo são zonas arenosas que - exceções a parte - facilitam maturação rápida, a resultar vinho açucarado e previsível, responsável pela pouca fama da apelação. A moscatel de origem grega tem doçura. E mais: vinho maduro já é sinônimo de muito açúcar. Ao se acrescentar aguardente (mais álcool), a doçura é potencializada, mascarando a acidez. Os grandes MS - como aliás todos os bons vinhos - preferem solos difíceis, no caso os calcáreos na base da Serra

Domingos Soares Franco e a Degustação na JM da Fonseca

Lisboa à esquerda, Setubal à direita, na foz do Tejo. da Arrábida próximos a Sesimbra, Azeitão e o oeste de Palmela, quando a uva tem que lutar pela vida. Como escreveu Rui Falcão na "Wine - Essência do Vinho nº 62", a dificuldade "proporciona dificuldades de maturação. Uvas de clima fresco e forte influência atlântica, o que não é obstáculo sabendo-se que o vinho será posteriormente fortificado". Daí que os melhores MS, em sua perfeita imagem, têm "acidez quase violenta" que se liberta do açúcar enjoativo. Resultam então em vinhos equilibrados imensos e sensuais. Aliás o MS 2006 de Venâncio Costa Lima obteve o 1º lugar no concurso Muscats Du Monde realizado em Frontignan, no Languedoc (2011). O fato é que o Moscatel de Setubal entra na briga pelo pódio de melhor fortificado do mundo. Em fevereiro visitei três grandes produtores da Península, Horácio Simões, Bacalhôa e José Maria da

Fonseca. Na Horácio experimentamos vinho do próprio tonel, que compõe o blend do Excellent, garrafa a que devo minha paixão ao primeiro gole. A Adega Alentejana tem o Horácio Moscatel Roxo a R$ 110. Mais tarde ao jantar no elegante Palacio da Bacalhoa, para acompanhar a doçaria portuguesa nos foi servido (entre outros) o Bacalhoa Moscatel Roxo 1989, acobreado, com frescura ímpar por cima das notas adocicadas. Difícil descrever, novamente recorro à ideia do meio-termo, o equilíbrio entre acidez, doçura e frescura. Gigantesco. Tudo se fechou com chave-de-ouro no almoço do dia seguinte na José Maria da Fonseca. A casa do Periquita é fortíssima no Moscatel Roxo 20 Anos. A uva roxa, há 30 anos, beirou a extinção, recuperada por alguns produtores que, hoje em dia, disputam a primazia da salvação. De cada um deles ouvimos que o pioneirismo foi de seus avós. Ainda que não se

Emocionante Moscatel de Setubal 1910 saiba o nome do profeta, o resultado do milagre salta à boca: intenso, complexo e rico. Eis que não mais do que de repente o chefe Domingos Soares Franco nos surpreendeu com o Moscatel de Setubal Apoteca 1910. Não tem o fulgor da juventude, mas a virtude da velhice saudável, fôlego presente na boca, mais para doce do que ácido, para ser bebericado calmamente em respeito a seus 102 anos de vida. Emocionante.

Fotos: Newton Santos/Hype

Agenda diversificada: de Tom Zé a Ferragutti.

Ambiente do Zena Caffé Jardins. Abaixo, as caipirinhas de tomate-cereja, kiwi com pepino e uva com rúcula.

Delícias a bordo te com manjericão (R$ 19), além de outros coquetéis, os petiscos derivam: bruschettas, e/ou Fantasia, um mix de focaccia de azeitonas verdes, cebola roxa e sardenaira. Luzes tremulam no candelabro de garrafas de vinho, uma placa dourada atesta a Ospitalitá Italiana pela Camere di Commercio d'Italia, do Zena. Modo carinhoso dos nativos da Ligúria chamarem a capital da província, Genova, às margens do mar Mediterrâneo. O balneário mais famoso é Portofino, aldeia de pouco mais de 500 habitantes, vivendo do pescado e do turismo

vip. Um amplo painel fotográfico ao fundo do salão mostra o trecho entrecortado da costa, casarios típicos, vermelhos, amarelos, brancos, rosa, espraiandose entre duas pequenas baías, lanchas, barcos à vela e iates ancorados ao sol, mar calmo e azul profundo. Trompe - oeil, o painel se alonga no pincel, circulando a chaminé redonda do forno a lenha no canto. Fornaio e paninaro, Marcos Lisboa entende dos assados: panino canaglia (filé empanado, tomate, ovo e cebola fritos, pão integral com sal grosso e alecrim – R$ 28) focaccia della casa (massa folheada e recheada

com queijo stracchino). O desenho encontra o restante da foto, encostando nas prateleiras vazadas do bar. Mais verde brotando por detrás. A costa tirrena salpicada em quadros e quadrinhos, escotilhas para a maré sempre cheia. Como onda de quebra-mar o balcão avança, servindo para quem espera a vez bebericando: vermouth Carpano (R$ 14), grappa Bianca (R$ 27), cervejas Cerpa, Devassa e Stella Artois (R$ 7). Marulho forte, o aroma que sai da cozinha torna o ambiente apetitoso. O mar revolto pelas mesas falando alto alia-se à privacidade das conversas, dissimuladas tranquilamente na tormenta do vozerio. O navio apita: meringata al limone (sorvete de limão, minis suspiros, marshmallow – R$ 15); café Illy (R$ 55). Vada a bordo!

Zena Caffé Jardins. Rua Peixoto Gomide, 1901. Tel.: 3081-2158. Zena Caffé Itaim. Rua Manuel Guedes, 243. Tel.: 3078-6658. Aberto de domingo a quarta, meiodia à meia-noite. Quinta a sábado, meio-dia à 1h. www.zenacaffe.com.br

Divulga

L

a nave vá... Pinheirinhos esguios e retorcidos estão na moda, cerca viva, nos dois vasos grandes de ferro negro crescem fícus, nos Jardins. Na rampa do embarcadouro, com capacho verde, o nome Zena Caffé gravado discretamente ao lado. Alguns seguranças educados sob o ombrelone do valet service (R$ 18) impõem sossego. Deck amplo e agradável mantém a toada verde, forração de madeira tosca nas paredes, duas janelas, uma aberta com vasinho de flores, a outra fechada, enganam os olhos no muro cor de ferrugem. Zum zum zum de atendentes entre as mesas, de vários tamanhos para diferentes ocasiões: carpacci o genovês (R$ 33), coelho à moda ligúria (R$ 42,50). Vinhos chilenos, sul-africanos, americanos, espanhóis, argentinos, brasileiros: Merlot Miolo (R$ 62), Talento Salton (R$ 79). Rolha: R$ 50. Taças de Prosecco Mioneto Brut (R$ 18). Lançada a âncora ao pôr do sol – mangia e bevi entre 17h e 20h – das novas caipirinhas, uva com rúcula, kiwi com pepino, e toma-

ção

Armando Serra Negra

A agenda de shows para o final de semana promete atender a todos os gostos. As apresentações começam nesta sexta (20) com o descolado grupo musical A Banda Mais Bonita da Cidade no Estúdio Emme. Para quem não conhece, eles ganharam destaque com a música Oração, que virou um hit do You Tube no ano passado. No sábado (21) quem se apresenta é o irreverente compositor baiano Tom Zé, que faz uma reedição do show Jogos de Armar - Faça Você Mesmo no Sesc Vila Mariana. Para fechar o fim de semana, a dica é conferir no domingo (22) o show do compositor e arranjador Toninho Ferragutti, que apresentará canções do álbum O Sorriso da Manu, ainda inédito. (AB) A Banda Mais Bonita da Cidade. Sexta (20). 23h. Estúdio Emme. Avenida Pedroso de Morais, 1036. R$ 35. Tom Zé. Sesc Vila Mariana. Rua Pelotas, 141. Sábado (21). 21h. De R$ 6 a R$ 24. Toninho Ferragutti. Museu da Música Brasileira. Av. Brigadeiro Faria Lima, 2705. Domingo (22). 11h. Grátis.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

28

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Heroína de cabelos de fogo Valente é 1ª produção da Disney-Pixar protagonizada por uma menina. Isso é detalhe. O melhor: o filme é ótimo. Lúcia Helena de Camargo Fotos: Disney-Pixar/Divulgação

d

cultura

A

princesa Merida é uma menina inquieta, de long o s c a b e l o s r u i v o s c acheados. Esperta e hábil arqueira. Seus pais, o rei Fergus e a rainha Elinor, arranjam-lhe três pretendentes vindos de reinos vizinhos. Os aparvalhados rapazes não têm chance contra a impetuosidade da herdeira do trono, que luta pela oportunidade de escolher com quem e quando se casar. Ou até não se casar.

Sobre a animação Valente (Brave, 2012, EUA, 90), que estreia nesta sexta (20), muito já se falou sobre trazer a primeira heroína feminina em uma produção da Disney-Pixar. E co-dirigida por uma mulher, Brenda Chapman, que saiu do projeto pelas famigeradas "diferenças criativas". Em seu lugar ficou Mark Andrews, que havia travalhado como supervisor de história em Ratatouille e Os Incríveis. Assim, ambos assinam a direção.

Na verdade, menina ou menino protagonista, diretor homem ou mulher, não importa. O interessante é que trata-se de uma das melhores animações dos últimos tempos. Com roteiro superior a Carros 2, quase tão criativo quanto Monstros SA e com sequências poderosas como em Wall-E, para ficar na comparação apenas com filmes da própria casa. Ambientada na Escócia, com cenários impecáveis, a trama usa

feitiços perpetrados por uma bruxa para revelar sentimentos, aproveitando para mostrar consequências do velho ditado: "Cuidado com o que você quer, porque pode acabar conseguindo". E como Merida vai lidar com isso. O humor, marca registrada da Pixar, está presente do começo ao fim. E mais intensamente nas cenas estreladas pelos irmãos pequenos de Merida, os trigêmeos ruivíssimos que passam todas as

horas do dia planejando – e praticando – traquinagens. A voz de Kelly Macdonald será ouvida nas pouquíssimas cópias com som original que entram em cartaz na Cidade. Em inglês, Billy Connolly faz o rei e Emma Thompson, a rainha. A maioria dublada em português terá a cantora Manu Gavassi falando por Merida. Também estão entre os dubladores brasileiros Rodrigo Lombardi, Murilo Rosa e Luciano Szafir.

A trilha sonora do filme traz 17 faixas instrumentais compostas pelo escocês Patrick Doyle. No Brasil, o álbum terá canções exclusivas em português, a maioria na voz de Manu Gavassi. Também chega às lojas Valente: O Videogame, para as plataformas PlayStation 3 da Sony, Xbox 360 da Microsoft, Wii da Nintendo, Nintendo DS e PC/ Mac. Além, é claro, de produtos de papelaria, bonecos e brinquedos variados.

Menos que Nada chega ao mesmo tempo ao cinema, internet, DVD e TV.

Prana Filmes/Divulgação

Imovision/Divulgação

Chiara Mastroianni é Vera, filha de Madeleine, interpretada por Catherine Deneuve em As Bem Amadas.

Q

uem aprecia musicais e a cultura francesa poderá gostar de As Bem Amadas (Les Biens Aimés, 2012, França, 135 minutos), de Christophe Honoré. Ele traça um paralelo entre a Paris dos anos de 1960 e Londres dos anos 2000. Madeleine e Vera, mãe e filha, se apaixonam, sofrem, encontram e desencontram os amores de suas

vidas. O diretor trabalha novamente em parceria com o compositor Alex Beaupain, responsável pelas músicas de seus trabalhos anteriores, Canções de Amor e Não, Minha Filha, Você Não Irá Dançar. Outra estreia é Menos Que Nada (Brasil, 2012, 100 minutos), de Carlos Gerbase, que chega ao público em diversas plataformas.

Além da tela do cinema, será lançado paralelamente em DVD, pode ser visto na Internet e na TV. O longa conta a história de Dante (Felipe Kannenberg), que está internado num hospital psiquiátrico com diagnóstico de esquizofrenia. Ele não fala com ninguém, nem recebe visitas. A Dra. Paula (Branca Messina), jovem psiquia-

Rosanne Mulholland e Carla Cassapo no filme de Carlos Gerbase: doenças psiquiátricas em foco. tra, se interessa por Dante ao vêlo surtar no pátio do hospital. Disposta a desvendar as relações sociais do seu paciente, a médica faz uma série de entrevistas com pessoas que conviviam com Dante antes do internamento e que contam sobre seu passado. No elenco estão Rosanne Mulholland, Maria Manoella e Carla Cassapo.

As filmagens aconteceram entre dezembro de 2010 e janeiro de 2011, no Rio Grande do Sul, em hospitais psiquiátricos. A produção custou R$ 900 mil. O longa foi premiado no concurso para mídias digitais da Petrobrás em 2010. O Canal Brasil exibe o filme nesta sexta (20) às 22h. O site Multi-

livro (http://migre.me/9W2n8) começa a vender o DVD; o site Terra (www.terra.com.br) permite ver o longa (sem fazer download) até o dia 4 de setembro. E o Espaço Itaú de Cinema das cidades de São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Curitiba, Porto Alegre, Fortaleza e Salvador terá uma sessão por dia, sempre às 18h30. (LHC)

ÚLTIMOS DIAS DA MOSTRA MUNDO ÁRABE NO CCBB Até domingo (22), Centro Cultural Banco do Brasil exibe filmes que retratam a sociedade nos países árabes. Rua Álvares Penteado, 112. Centro. Tel.: 3113-3651. R$ 4.

DC 20/07/2012  

Diário do Comércio

Advertisement