Page 1

Dilma: um olho no imposto, outro em Mantega.

Ano 87 - Nº 23.751

Conclusão: 23h35

Israel Antunes/Folhapress

A ACSP tem motivos para acreditar que a presidente sancionará a lei que determina a discriminação dos impostos na nota fiscal. Já o ministro Mantega avalia que há dificuldades técnicas para a implantação e que Dilma deve vetar o projeto. Pág .13

Jornal do empreendedor

www.dcomercio.com.br

R$ 1,40

São Paulo, quinta-feira e sexta-feira, 15 e 16 de novembro de 2012

STF? Condenados do Mensalão querem importar justiça.

Xi, a China mais conservadora. Lideranças menos reformistas do PC chinês emplacam Xi Jinping no lugar de Hu Jintao. Pág. 9

Nir Elias/Reuters

Divulgação

Bleibel/NYTS

Inconformados com o processo, julgamento e sentenças, condenados do Mensalão devem recorrer a corte e parecer internacionais como contraponto ao STF. Advogados vão à Comissão Interamericana de Direitos Humanos, da Organização dos Estados Americanos. E José Dirceu quer o parecer do jurista alemão Claus Roxin, mestre da teoria do domínio do fato, usada para incriminá-lo. Pág. 5

A reedição turbinada da Blazer A GM lança a Trailblazer, tudo novo, completíssima. Pág. 21

Rafting, tirolesa, arvorismo... e agora, gastronomia. Nova aventura em Brotas. Boa Viagem, pág. 22

Paris Filmes/Divulgação

GUERRA DE MÍSSEIS

d

cultura

Mohammed Saber/EFE

Família israelense se refugia de foguetes palestinos em Nitzan (acima) enquanto palestinos enterram líder do Hamas (abaixo), morto em bombardeio de Israel. Pág. 8

Divulgação

ISSN 1679-2688

23751

9 771679 268008

Página 4

A Saga Crepúsculo – Amanhecer Parte 2 (foto) vai fazer muita gente ir ao cinema. Outro grande sucesso, o panetone, chega com novidades. Acompanhe a "batalha do açúcar" dos vinicultores alemães na Roda do Vinho, a guerra artística pela capa de Madonna no MIS, as exposições que tomam os quatro cantos da Cidade...


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

quinta-feira e sexta-feira, 15 e 16 de novembro de 2012

Como sempre ocorre nessas situações, o futuro dirá quem está certo.

pinião

Roberto Fendt

EYMAR MASCARO

PULGA NA ORELHA DOS TUCANOS

O

OS EUA, O PETRÓLEO E O PRÉ-SAL.

É

assunto do momento e provavelmente o leitor já terá passado os olhos sobre alguma coisa a respeito: os Estados Unidos não mais dependerão, em futuro próximo, das importações de petróleo para satisfazer a demanda interna. Isso graças às suas imensas reservas de xisto, a serem convenientemente exploradas. O mantra já vinha sendo repetido nos últimos meses por quase todo mundo ligado à área de energia; agora, ganhou um novo apoio com a publicação do relatório Perspectivas para a Energia Mundial (World Energy Outlook) divulgado no dia 12 de novembro pela Agência Internacional de Energia. A Agência é uma organização independente, sediada em Paris, criada em 1974 pela Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Na última quinta-feira, a OPEP (Organização dos Países Produtores de Petróleo) admitiu pela primeira vez que fontes "não convencionais" de petróleo modificam o panorama petrolífero mundial.

D

e que se trata? A descoberta de novas tecnologias de exploração das grandes reservas de petróleo e gás em depósitos de xisto nos EUA e no Canadá prometem tornar os dois países independentes do restante do mundo no atendimento às suas demandas por energia. Imagine-se por um momento as consequências dos EUA autossuficientes em hidrocarbonetos: o país deixaria, por exemplo, de importar petróleo da Venezuela (hoje os EUA são o principal mercado di presidente Hugo Chávez). Melhor ainda, ficaria livre da depen-

ROBERTO FENDT dência das importações provenientes do Oriente Médio, onde mantém um enorme contingente de tropas para assegurar o fornecimento ao país.

M

as as consequências não param por aí. O balanço de pagamentos dos EUA apresentaria uma significativa melhoria, pois por volta de 2020, pelos especialistas, o país já não precisaria mais importar petróleo. E mais interessante para os EUA: por volta de 2030, o país se tornaria exportador de petróleo, melhorando ainda mais as suas contas externas. Como inveterado questionador, busquei uma opinião diferente: é minha obrigação para com o leitor, para que forme sua própria opinião. Quando o tema é estampado nos maiores jornalões do mundo, busco fontes alternativas. Algumas foram reproduzidas recentemente por Kate Mackenzie, do Financial Times londrino, com dados interessantes sobre a produtividade dos poços de extração de petróleo no estado americano de Montana.

Os dados mostram que o pico da produção teria ocorrido no início de 2006 e depois a produção por poço reduziu-se à metade, relativamente ao máximo de volume anteriormente obtido. Até o momento, as novas tecnologias de extração ainda não foram suficientes para aumentar a produtividade dos poços. As informações disponíveis indicam que o tempo comercial de vida dos poços é, atualmente, de apenas seis anos. Essa conta tem base, ao que parece, numa estimativa de reservas de até 167 bilhões de barris, só na formação de Bakken, no estado Americano de Dakota do Norte. Com a tecnologia hoje disponível, pouco mais de 1% dessas reservas são exploráveis em escala comercial, o que corresponde aos cerca de seis anos de extração.

I

sso não significa que os EUA não devam aumentar sua produção de petróleo a partir do xisto nos próximos anos. Os campos de Bakken e Eagle Ford se tornarão áreas de pro-

OPEP estima corte na demanda por petróleo de seus países membros no período 2013-2016 e grande oferta de novas fontes.

dução superiores a um milhão de barris por dia – resultado impressionante, obtido com aquilo que os americanos têm de melhor: a determinação em encontrar soluções para problemas (no caso a dependência do petróleo estrangeiro) e a capacidade de criar novas tecnologias para resolvê-los. Mas, ao menos por hora, se os cálculos dos especialistas estão corretos, o mundo não deve ser varrido por um mar de petróleo de forma duradoura – a produção aumentará mas não abalará os fundamentos do mercado petrolífero mundial. Se assim for, as perspectivas para a exploração de petróleo no pré-sal brasileiro não serão questionadas.

H

á alguns anos, os modelos de previsão da produção futura de petróleo não punham muita fé na exploração do xisto. Agora, eles estão prevendo que os EUA venham rapidamente, em menos de 20 anos, a tornar-se exportadores líquidos do produto. Como sempre ocorre nessas situações, o futuro dirá quem está certo. Em seu relatório, a OPEP estima um corte na demanda por petróleo produzido pelos seus países membros no período 2013-2016 e grande crescimento na oferta proveniente de outras fontes –aí incluídas o óleo de xisto americano, das areias betuminosas canadenses, e de petróleo convencional produzido no Mar Cáspio e no Brasil. Mas não menciona os EUA como um potencial exportador. São essas as condições para que todo o esforço e os recursos aplicados no présal não sejam perdidos. ROBERTO FENDT É ECONOMISTA

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Claudio Vaz Edy Luiz Kogut Érico Sodré Quirino Ferreira Francisco Mesquita Neto João de Almeida Sampaio Filho João de Favari Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Paulo Roberto Pisauro Renato Abucham Roberto Faldini Roberto Mateus Ordine

senador paulista Aloysio Nunes Ferreira instalou uma pulga atrás da orelha de Geraldo Alckmin e outra, maior ainda, na orelha de Aécio Neves, ao comentar que o PSDB ainda não definiu quem serão os candidatos aos principais cargos executivos – governo do Estado e presidência da República – nas eleições de 2014. Aloysio mexeu num enxame de abelhas, porque Alckmin é candidato declarado à reeleição e, Aécio, ao Planalto. Alckmin e Aécio Neves sabem que Aloyzio é o aliado nº 1 de José Serra. Apesar das últimas derrotas de Serra, o senador ainda acredita na força eleitoral dele. Também Serra dá mostras de que não jogou a toalha no tablado e avalia que pelos votos recebidos nas duas últimas eleições de que participou, e foi derrotado, teve expressivas votações: na de presidente, em 2010, contra Dilma Rousseff, obteve 44 milhões de votos e, na de prefeito, contra Fernando Haddad, 2,6 milhões. Prova de que pode almejar a uma nova candidatura ao Executivo foi a entrevista ao reconhecer a derrota para Haddad: "Vamos em frente", disse ele.

N

o próprio PSDB, porém, são poucos os que acreditam que Serra tenha chance de ganhar uma nova eleição para qualquer cargo executivo: prefeito, governador ou presidente da República. Na hipótese de "inventar" de ser candidato a governador, Serra baterá de frente com Geraldo Alckmin, aspirante à reeleição. Serristas estariam dispostos a sugerir que o partido realize uma prévia para indicar o candidato. A exemplo de Alckmin, também Serra entende que sua base eleitoral no interior do Estado é forte e, além disso, o PSDB está estruturado em todos os 645 municípios paulistas. Mas ambos não conseguiram amealhar a mesma força eleitoral na Capital. Outra briga indigesta que Serra compraria seria

Comentário do senador Aloysio Nunes sobre candidatos às próximas eleições para governador e para o Planalto deixa Alckmin e Aécio cismados.

com Aécio Neves, que já se comporta como presidenciável do partido. O senador diz e repete que a fila andou no PSDB e que chegou a vez de Minas indicar o próximo candidato à sucessão de Dilma. O senador mineiro lembra que São Paulo indicou os dois últimos candidatos ao Planalto pelo PSDB: Alckmin e o próprio Serra. Apesar da boa vontade de Aloysio Nunes, o PSDB – tanto o Waldemir Barreto/Agência Senado

diretório estadual de São Paulo como o nacional – reserva espaço limitado para José Serra em 2014.

S

e não conseguir emplacar uma candidatura ao Palácio dos Bandeirantes e nem obter legenda para concorrer ao Planalto, restarão a Serra duas opções: voltar a ser deputado com expressiva votação ou tentar preencher a vaga que se abrirá no Senado com o fim do mandato de Eduardo Suplicy. Neste último caso, o tucano teria de disputar a vaga contra o próprio Suplicy, candidato do PT à reeleição. As últimas derrotas prejudicam Serra no partido. Admitese na classe política que está acontecendo com Serra o que ocorreu com outras lideranças políticas nacionais, que passaram a se eleger apenas para as casas legislativas. Para o Executivo, a carreira política desses líderes chegou ao fim da linha. EYMAR MASCARO É JORNALISTA E COMENTARISTA POLÍTICO MASCARO@BIGHOST.COM.BR

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, João de Scantimburgo, Marcel Solimeo Diretor-Responsável João de Scantimburgo (jscantimburgo@acsp.com.br) Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Edito r-Ch efe : José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br) Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br) Editores Seniores: Bob Jungmann (bob@dcomercio.com.br), Carlos de Oliveira (coliveira@dcomercio.com.br), chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), José Roberto Nassar (jnassar@dcomercio.com.br), Luciano de Carvalho Paço (luciano@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Luiz Antonio Maciel (maciel@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br) Editor de Fotografia: Alex Ribeiro Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Fernando Porto (fporto@dcomercio.com.br), Ricardo Ribas (rribas @dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br) Subeditores: Marcus Lopes e Rejane Aguiar Redatores: Adriana David, Eliana Haberli e Evelyn Schulke, Ricardo Osman, Tsuli Narimatsu Repórter Especial: Kleber Gutierrez (kgutierrez@dcomercio.com.br), .Repórteres: André de Almeida, Fátima Lourenço, Guilherme Calderazzo, Ivan Ventura, Karina Lignelli, Kelly Ferreira, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mariana Missiaggia, Mário Tonocchi, Paula Cunha, , Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves, Sandra Manfredini, Sílvia Pimentel, Vera Gomes e Wladimir Miranda. Gerente Executiva e de Publicidade Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estadão Conteúdo, Folhapress, Efe e Reuters Impressão S.A. O Estado de S. Paulo. Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3180-3175. Fax 3180-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3180-3197, 3180-3983, Fax 3180-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3180-3544, 3180-3176 , Fax 3180-3355 Esta publicação é impressa em papel certificado FSC®, garantia de manejo florestal responsável, pela S.A. O Estado de S. Paulo.

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3180-3737 REDAÇÃO (011) 3180-3449 FAX (011) 3180-3046, (011) 3180-3983 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 15 e 16 de novembro de 2012

o

3

PA P E L D O S E U A É F U N D A M E N TA L PA R A N Ã O H AV E R U M A E X P L O S Ã O D A S Í R I A .

pinião

O PESADELO DE OBAMA

O

escândalo sexual envolvendo dois dos nossos importantes oficiais militares da área de informação não poderia ter surgido em um momento pior: o Oriente Médio nunca esteve mais instável e próximo a explosões múltiplas e interconectadas. Praticamente todos os presidentes norte-americanos, desde Dwight Eisenhower tiveram um país do Oriente Médio que causou problemas. Para Ike, foram a guerra civil no Líbano e a invasão do Sinai por Israel. Para Lyndon Johnson, a Guerra dos Seis Dias, em 1967. Para Nixon, a guerra de 1973. Para Carter, a revolução iraniana. Para Ronald Reagan, o Líbano. Para George H.W. Bush, o Iraque. Para Bill Clinton, a alQaida e o Afeganistão. Para George W. Bush, o Iraque e o Afeganistão. Para o primeiro mandato de Barack Obama, Irã e Afeganistão novamente. Para o segundo mandato de Obama, receio que possa acontecer o pesadelo completo – todos eles de uma só vez. O Oriente Médio todo explode em um espetáculo gigantesco de som e luz de guerras civis, países em colapso e deslocamento de refugiados, enquanto a pedra angular da região inteira – a Síria – se despedaça e a desordem se espalha pela vizinhança. E há quem se preocupe com o "abismo fiscal"..

D

esde o começo da revolta/guerra civil síria, alertei que enquanto a Líbia, o Egito, o Iêmen, o Bahrein e a Tunísia implodiram, a Síria explodiria se uma solução política não fosse encontrada logo. Foi exatamente isso o que ocorreu. O motivo pelo qual a Síria explode é que suas fronteiras são particularmente artificiais, e todas suas comunidades internas – sunitas, xiitas, alauitas, curdos, drusos e cristãos – estão ligadas a parentes nos países próximos e estão tentando atraílos para receber ajuda. Da mesma forma, a Arábia Saudita, governada por suni-

sem controle; os refugiados agora estão fugindo e o veneno xiita-sunita lançado pelo conflito sírio está tensionando as relações entre as mesmas comunidades no Iraque, Bahrein, Líbano, Arábia Saudita, Turquia e Kuwait. Mas o Iraque também nos ensina outra lição: xiitas e sunitas não estão fadados a se matarem. Sim, a guerra civil deles data do século 7. E, sim, quando eles começaram ir um atrás dos outros no Iraque, fizeram isso com uma violência impressionante. Não há nada como uma briga dentro da fé.

THOMAS L. FRIEDMAN tas, está lutando uma guerra terceirizada contra o Irã, governado por xiitas na Síria e Bahrein, que é a base da Quinta Frota da Marinha dos EUA. Na semana passada o Bahrein testemunhou uma série de ataques a bomba ao mesmo tempo em que o regime de Bahrein, liderado por sunitas, retirou a cidadania de 31 xiitas ativistas políticos.

E

E

agora alguém na Síria decidiu começar a lançar morteiros destinados a Israel. O que fazer? Eu continuo achando que a melhor forma de compreender as opções reais – e elas são terríveis – é estudando o Iraque, que, como a Síria, é constituído em grande parte por sunitas, xiitas, cristãos e curdos. Por que o Iraque não explodiu como a Síria depois que Saddam foi derrubado? A resposta: Estados Unidos. Para o bem e para o mal, os Estados Unidos no Iraque desempenharam o equivalente geopolítico de abafar uma granada – que nós mesmo jogamos. Isto é, nós puxamos o pino; derrubamos Saddam; desencadeamos uma explosão enorme na forma da disputa pelo poder entre xiitas e sunitas. Milhares de iraquianos foram mortos juntos com mais de 4.700 soldados norte-americanos, mas a presença das tropas dos EUA no Iraque evitou que a violência se espalhasse. Nossa invasão tanto provocou a guerra civil no Iraque quanto a restringiu ao mesmo tempo. Depois que essa guerra

civil sunita-xiita acabou por si mesma, conseguimos um acordo de divisão de poder, frágil e imperfeito, entre xiitas, sunitas e curdos. Depois fomos embora. Não está totalmente claro que o acordo deles vai sobreviver à nossa saída. Contudo, a lição é que se você está tentando derrubar um desses regimes multissectários de mão de ferro, realmente ajuda ter uma potência estrangeira que possa

conter as explosões e mediar uma nova ordem. Há bem pouca confiança nessas sociedades para que consigam isso por eles mesmos.

C

ontudo, a guerra civil da Síria foi disparada por rebeldes majoritariamente sunitas tentando derrubar o presidente Bashar Assad e seu governo da minoria alauita-xiita. Não há potência externa disposta a abafar a granada síria e ser a parteira de uma nova ordem. Assim o incêndio alastra-se

P

Fernando Bizerra Jr/EFE

Foi um gol de anjo Um verdadeiro gol de placa Que a galera agradecida assim cantava Joaquinzão Maravilha, nós gostamos de você Joaquinzão Maravilha, faz mais um pra gente ver."

F

echo as aspas. Digo eu: o Eminente Jurisconsulto Jorge Ben disse tudo o que eu gostaria de dizer e com rara sabedoria. Joaquinzão Maravilha viu que estava sendo marcado homem a homem e nem sempre com lealdade pelo defensor Lewandowski, jogando em linha com seus cumpanheros de time Toffoli, Weber e Cármen Lúcia. A intenção era segurar a contenda no zero a zero para que, na prorrogação, o ala de contenção Ayres Britto fosse retirado do jogo pela expulsória e impedido de participar da decisão final por pênaltis. Lewandowski

adentrou o gramado (adentrou, boa essa) com sua estratégia adrede desenhada pelo técnico Thomaz Bastos – fazer cera do começo ao fim na 2ª feira, quando seria a última participação de Ayres Britto; na 4ª participaria do jogo- homenagem e daria volta olímpica por ser sua última atuação.

M

as ambos não contavam com a surpreendente capacidade de improvisação e dribles estonteantes dignos de um Pelé, do Joaquinzão Maravilha. Data maxima venia, Pelé que me desculpe, mas Negão é o Joaquinzão Maravilha. Joaquinzão Maravilha deu uma finta espetacular ao inverter a pauta e iniciar a contenda pelo Núcleo Político, com Dirceu, Genoíno e Delúbio naquele momento à beira do xadrez, que virão a habitar. Lewandowski se autoexpulsou "em sinal de protesto" porque não poderia ficar horas falando do Núcleo Financeiro. Dirceu, Genoíno, Delúbio e a Clique dos 4, Lewandowski, Toffoli, Weber e Cármen Lúcia dançaram; "é pau é pedra é o fim do caminho".

Lula afirma que não viu a sessão histórica que condenou seus principais asseclas, como nada viu do Mensalão, o que me leva a oferecer a ele o endereço do meu oftalmo, um dos mais bem conceituados de São Paulo, nível Sírio-Libanês, que é o da sua preferência. Aproveito ainda a minha boa vontade para oferecer a ele os serviços dos meus amigos da NASA, para trazê-lo de volta do mundo da Lua, de onde afirma que "o Mensalão não existe". Meu notório saber jurídico me dá o direito de exigir uma Capa- Preta pra mim. Empatei com o Toffoli em sabença jurídica; decorei a sentença mais culta e bem fundamentada que ele pronunciou: "Acompanho o Ministro Revisor"; para isso foi nomeado, sabe-se.

D

irceu O Inocente e o núcleo duro do PT– ele mesmo, Rui Falcão, a famiglia Tatto, a Vovó Periguete Relaxa e Goza e a numerosa claque dirceusista – insistem em afirmar que a gangue foi condenada por um Tribunal de Exceção; concordo: a exceção foi o Lula, que deveria estar lá

THOMAS L. FRIEDMAN É COLUNISTA DO NEW YORK TIMES E TRÊS VEZES GANHADOR DO PRÊMIO PULITZER TRADUÇÃO: RODRIGO GARCIA

NEIL

JOAQUINZÃO MARAVILHA, FAZ MAIS UM PRA GENTE VER. eço venia para citar ipsis litteris as palavras do Eminente Jurisconsulto Professor Doutor Jorge Ben. Abro aspas: "E novamente ele chegou com inspiração Com muito amor, com emoção Com explosão e gol, Sacudindo a torcida aos 33 minutos Do segundo tempo Depois de fazer uma jogada celestial E gol ! Tabelou, driblou Lewandowski Deu um toque driblou o Toffoli Só não entrou com bola e tudo Porque teve humildade e gol! Foi um gol de classe Onde ele mostrou sua malícia e sua raça

ntretanto, quando a ordem foi restaurada, xiitas e sunitas iraquianos, muito dos quais eram casados entre eles, estavam dispostos a trabalhar juntos e até concorrer juntos em partidos multissectários nas eleições de 2009-2010. Portanto a situação não é desesperadora. Sei que autoridades norteamericanas estão seduzidas pela ideia de tirar a Síria do campo iraniano e levá-la para o ocidental, derrubando Assad. Isso deixaria meu dia feliz também, mas sou cético sobre se iria acabar com o conflito. Receio que derrubar Assad, sem uma terceira parte dentro da Síria para arbitrar uma transição, poderia causar não só uma guerra civil na Síria, mas uma que se espalhasse pela região. É um tiro longo, mas deveríamos continuar tentando trabalhar com a Rússia – a advogada da Síria – para ver se conseguimos obter um acordo de divisão de poder dentro da Síria e uma força multinacional liderada pela ONU para supervisioná-lo. De outra maneira, esse incêndio somente tende a aumentar e se espalhar, enquanto o ácido desse conflito xiitasunita corrói os laços que unem o Oriente Médio e separam essa região do caos.

APLAUDINDO DE PÉ

FERREIRA sentadinho no banco dos réus. Lula foi o maior beneficiário pela esculhambação de costumes que foi a tentativa, em parte conseguida, da compra de um dos Três Poderes, que colocou em risco a existência do Estado Democrático e de Direito. Do latim, decorei os nomes dos novos suspeitos, apontados com o dedo (indigitados), com insistência pelo Douto Advogado de Defesa Doutor Lewandowski. O contumaz Bis In Idem, que aparece todas as vezes em que seus constituintes passam a receber sentenças condenatórias; e a suspeita Vita Ante Actum, certamente uma das garotas de vida airada da equipe de Mary Jean Corner, submersa na clandestinidade, mas em pleno uso e gozo do direito constitucional ao trabalho, legítimo e de alto valor social, como bem pode atestar Mermão Paloffi. Chefe da numerosa e caríssima banca defensora, o Douto Defensor Doutor Lewandowski, de cara demonstrou o ato de ofício que colocaria em prática: gastar tempo, obstruir, atrasar, falar demais,

ler votos intermináveis e repetitivos, enfim lewandowskiar o julgamento com a barriga.

P

assou séculos sentado em cima da sua função de Revisor, com os objetivos de: (1) Impedir os votos do Ministro Peluso, que se aposentaria; conseguiu. O Ministro Peluso pouco participou do julgamento. (2) Impedir que o resultado saísse antes da eleição; conseguiu em parte: as condenações ficaram conhecidas, mas não as punições. (3) Na fase das punições, fez de tudo para atrasar os trabalhos, caiu no campo, chamou a maca, demorou uma eternidade para bater os tiros de meta, levava horas pra cobrar um lateral, com a intenção de impedir, pela aposentadoria, que o Ministro Ayres Britto votasse as penas a serem impostas. Quase conseguiu. Aos 33 minutos do segundo tempo, Joaquinzão Maravilha fez a jogada celestial e gol! Você sabe o resto e vibrou comigo. Cana Neles ! NEIL FERREIRA É PUBLICITÁRIO


DIÁRIO DO COMÉRCIO

4

GibaUm

3 Lula ainda não sabe se

vai à reunião do diretório nacional do PT, em dezembro, de desagravo para Dirceu, Genoíno e Delúbio.

gibaum@gibaum.com.br

k Passou no Fantástico uma matéria sobre esses ataques em São Paulo. Criminosos assistem e fazem igual.

CESAR GRUBBA // secretário da Segurança Pública de Santa Catarina, novo foco de violência com ônibus queimados.

Fotos: Kristian Scüller

Um e outro A ira de José Dirceu contra o ministro Luiz Fux (é a mesma que Lula sente por Joaquim Barbosa e, nos dois casos, sempre com direito a manifestações não publicáveis) tem duplo motivo: além das posições radicais dele contra os petistas mensaleiros, Dirceu lembra que Fux foi uma indicação do ex-ministro Antonio Palocci, que, durante todo esse período de agonia, não lhe fez nenhum telefonema. Nada de novo: nos dois episódios duros de Palocci, nos governos Lula e Dilma, que provocaram duas vezes sua queda, Dirceu também nunca lhe telefonou.

333

ACHANDONADA 333 Nesses dias, depois das penas impostas pelo Supremo a José Dirceu e José Genoino, o ex-presidente Lula foi questionado sobre o que achava das condenações. E escapou: “Não achei porque não vi”. Os de melhor memória lembram que, nos tempos da ditadura militar, Juca Chaves usou o mesmo tom numa resposta dada, num show, perguntadosobreoqueachavado regime: “Não acho nada porque tenho um amigo que achou e nunca mais acharam ele”.

333 Favorita de Pedro Almodóvar e Woody Allen, a atriz Penélope Cruz, espanhola, 38 anos, é a estrela do Calendário Campari 2013. Roupas obedecendo o vermelho da bebida e fotos inspiradas em superstições: número 13, quadro torto, abrir guarda-chuva em casa, corvo, passar debaixo de escada e por aí vai. Em cima, à esquerda, com espelho quebrado; ao centro, chapéu dentro de casa; e a à direita, muito sal derramado no chão. Antes dela, já estrelaram o mesmo calendário Salma Hayek, Eva Mendes, Jessica Alba e Milla Jovovich.

Dama de vermelho

333 Advogados de políticos e banqueiros condenados já estão pensando em ingressarem com habeas corpus preventivo para seus clientes, imaginando que, no recesso do Supremo, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, apresente formalmente novo pedido de prisão imediata dos mensaleiros , mesmo que ainda estejam faltando definições complementares (a publicação dos acórdãos é uma delas). Tenha ou não o julgamento terminado (deverá mesmo ser concluído só ano que vem), o STF entra em recesso com Joaquim Barbosa já presidente da Corte, devendo ser o plantonista natural do tribunal. Se quiser, poderá se revezar com o vice (Lewandowski) ou outros ministros. E sozinho no plantão, com total poder de decisão, ninguém aposta que Barbosa não acolha um pedido desse tipo de Roberto Gurgel.

Plantão de risco

Olho na companhia 333 Na segunda-feira, o governador Sérgio Cabral quer colocar na rua, no centro do Rio, mais de 100 mil pessoas numa passeata contra a tunga dos royalties do petróleo. A seu lado – quem diria – estará Anthony Garotinho, por conta da perda que Campos de Goytacazes, cidade administrada por sua mulher Rosinha, terá se Dilma não vetar a lei aprovada pelo Congresso. O senador Lindbergh Farias, já abençoado por Lula para disputar o governo do Rio em 2014 pelo PT, fica de fora: quer defender o Rio no round do petróleo, só que em melhor companhia.

Metamorfose 2 333 Lula sempre dizia que era “uma metamorfose ambulante”, inspirado pela canção de Raul Seixas. Agora, pelo que se vê, é Dilma Rousseff que vai protagonizando sua metamorfose, realizando vôos solos e se distanciando de seu criador. Em menos de quinze dias, conversou com PT, PMDB, PSB e PSD, alinhado a base aliada. A gerente durona permanece, só que está tomando gosto e jeito para a política, onde há de ter jogo de cintura. De vez em quando, revela ter ido buscar sua inspiração no próprio Lula. Ou seja: é candidatissima à reeleição em 2014.

LADY GAGÁ A veterana Nana Caymmi, 71 anos, resolveu mudar de Ipanema, onde morava lá há anos, para um apartamento em Copacabana,ondemoroumuitos anos de sua vida. Nana acha que Copacabana, mesmo um tanto decadente, tem mais característica de bairro e até mais sossego. E argumenta: “Estou ficando velha e quero muita tranqüilidade. Não tem a LadyGaga?EusouaLadyGagá”. 333

MISTURA FINA O NOVO secretário-geral do Itamaraty, na vaga de Ruy Nogueira, que se aposentará no ano que vem, será o embaixador Enio Cordeiro, hoje em Buenos Aires. Para seu lugar, irá José Antonio Marcondes de Carvalho, hoje em Caracas. E lá na frente, Dilma convocará Ruy Nogueira para algum cargo especial no Planalto, próximo dela.

333

QUEM está chegando e São Paulo é Bernice King, filha de Martin Luther King: vai receber dia 20 próximo, na Faculdade Zumbi dos Palmares, o Troféu Raça Negra. 333

“Nunca fiz uma dieta na vida. Não consigo me imaginar escrava dessas coisas”. É modelo plus size brasileira, Fluvia Lacerda, 32 anos, manequim 48, que vive em Nova York e que está lançando no Brasil sua primeira coleção GG (do 44 ao 54), batizada como De Onde Eu Vim . Ela nasceu em Roraima e as roupas têm estampas com referencias a frutas, animais e mata. Podem ser comprados na internet e lojas multimarcas. Acima com pouca roupa, Fluvia na Vogue italiana e no destaque, escondida atrás de um véu, na Plus Size americana. Medidas: 109-88-121.

Plus size em campo

333

Todo cuidado é pouco O tratamento à base de plasma ao qual o ministro Joaquim Barbosa se submeteu em Dusseldorf, na Alemanha, não surtiu o menor efeito de melhora em sua coluna. E agora, ele já decidiu: será operado na Filadélfia, no hospital da Universidade da Pensilvânia, onde funciona um centro de estudos sobre a área de referência mundial. Aos mais chegados, ele confessa ter certo receio de uma cirurgia no Brasil e lembra que o presidente João Figueiredo, operado no Rio, ficou com uma perna mais curta que a outra. 333

h IN Empadinha.

h

O SBT ainda acaba indo parar no Guinness como a emissora de TV aberta que mais reexibe novelas, sem contar com Chaves, cujo volume de reapresentações nem mesmo o pessoal de lá sabe calcular. Já foram reapresentadas Carrossel (original), Chiquititas, Maria do Bairro, Simplesmente Maria, Eu Compro Essa Mulher, Os Ricos Também Choram, só para começo de conversa. Agora, enquanto reapresenta Maria Mercedes, prepara a reexibição, pela quinta vez, de A Usurpadora. 333

já os petistas, nem convidaram Dilma. Só de ouvir falar, ela mandou avisar que não perdesse tempo. Não vai e ponto.

É O QUE se pode chamar de antiga receita: observadores da cena política nacional estão atribuindo notas plantadas na mídia sobre uma eventual candidatura do ministro Joaquim Barbosa à Presidência em 2014 a ala petista ligada ao exministro José Dirceu.

333

QUINTA VEZ

3 MAIS:

333

Alô, alô Lula tem ligado, diariamente, mais de uma vez, para José Dirceu. Está preocupado com ex-chefe da Casa Civil de seu primeiro período de governo, coordenador de todas suas campanhas e que, nos velhos planos, seria o escolhido para sucedê-lo no Planalto. Dirceu, vira e mexe, perde o controle e despeja pelo telefone coisas que Lula esperava não ouvir.

quinta-feira e sexta-feira, 15 e 16 de novembro de 2012

OUT

Coxinha.

Presidente Maia! 333 O presidente da Câmara Federal, Marco Maia (PT-RS), já está conformado de que retornará mesmo ao baixo clero da Casa, sem conseguir um ministério. Agora, passará quatro dias alegrinho: Dilma viaja, o vice Michel Temer também e Maia assume a Presidência, sem maiores riscos para os mais de 190 milhões de brasileiros. E já avisou que não irá, a bordo de avião presidencial, a Canoas, sua terra natal e berço político, como fez, há muitos anos, Paes de Andrade com Mombaça, interior de Pernambuco.

ROBERT De Niro chega ao Rio em dezembro para anunciar, ao lado do prefeito Paes de Andrade, a realização na cidade, em agosto do ano que vem, do Festival de Tribeca, do qual é diretor e sócio majoritário. Hoje, esse festival é considerado um dos mais importantes da produção mundial do cinema independente, ao lado do festival de Sundance, também nos Estados Unidos. 333

NO ALMOÇO da bancada do PSD com Gilberto Kassab, em Brasília, nesta semana, os parlamentares endureceram: se não for o prefeito de São Paulo que ocupará um ministério de Dilma, querem que seja um dos integrantes da bancada.

333

333 BRASILEIROS são sempre criticados quando pegam carona em hits mundiais, em versões em português: agora, caminho inverso, foi a vez do rapper Pitbull, que fez shows por aqui no mês passado. Ele acaba de incluir em seu novo CD, Global warming, sua versão do Tchu tchu tcha, sucesso da dupla João Lucas e Marcelo.

Colaboração: Paula Rodrigues / A.Favero

CHARGE DO DIA


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 15 e 16 de novembro de 2012

5 OUTRA CORTE Advogados que defendem o PT avisam que vão recorrer na OEA.

olítica

MUITA PENA Advogados de executivos querem condenação leve para seus clientes.

Advogados vão apelar para a OEA A linha de defesa é a mesma para os condenados: o duplo grau de jurisdição.

J

osé Dirceu, José Genoino e Delúbio Soares, assim como outros condenados no julgamento do Mensalão, devem apelar, ainda neste ano, à Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA), de acordo com o site Brasil 247. O Brasil é signatário do Pacto de San José, que prevê o duplo grau de jurisdição. Além da apelação, advogados de defesa estão recorrendo a pareceres de juristas para contestar a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). Um documento de 22 de novembro de 1969, que coincidentemente completará 43 anos no dia da posse de Joaquim Barbosa como presidente do STF, é o trunfo que será usado pelos réus condenados para contestar o julgamento. Trata-se do Pacto de San José da Costa Rica do qual o Brasil é signatário e que versa sobre direitos humanos e garantias judiciais. Um dessas garantias é o duplo grau de jurisdição, que garante a todo indivíduo o direito a um recurso contra eventuais penas impostas pelo Judiciário. Sem defesa – No caso do Mensalão, os 40 acusados, mesmo aqueles que não tinham foro privilegiado, foram julgados direto no STF. Por isso, no início do processo, o advogado Márcio Thomas Bastos, que defendeu José Roberto Salgado, ex-vice-presidente do Banco Rural, apresentou memorial solicitando o desmembramento da ação, que foi indeferido pelo STF, diferentemente do que ocorreu com o Mensalão mineiro, que envolve o PSDB. Assim todos foram julgados no STF sem direito a recurso, sem o duplo grau de jurisdição. No caso de Dirceu, um dos trunfos poderá ser um parecer do jurista alemão Claus Roxin, que aperfeiçoou a teoria do domínio do fato, usada

para condená-lo. E de forma equivocada, segundo o autor da doutrina. Por isso, o advogado José Luiz de Oliveira Lima embarca para a Alemanha nos próximos dias com a missão de solicitar o parecer. Condenado – O Brasil passou a reconhecer a jurisdição da Corte Interamericana de Direitos Humanos em 1998. É um órgão judicial autônomo cujo propósito é aplicar e interpretar a Convenção Americana de Direitos Humanos. No ano passado, o Brasil já foi con-

denado pela Corte a reparar os familiares de Damião Xavier, morto por maus tratos numa clínica psiquiátrica do Ceará, conveniada ao Sistema Único de Saúde (SUS). Além disso, foi obrigado a realizar uma investigação para esclarecer o desaparecimento forçado de 70 pessoas envolvidas na Guerrilha do Araguaia. Outro caso de repercussão que chegou à Corte foi o de Maria da Penha Maia Fernandes, que deu origem a Lei Maria da Penha para coibir violência contra a mulher. Passaporte – O deputado federal João Paulo Cunha (PTSP) apresentou recurso ao STF contra a decisão do relator Joaquim Barbosa de reter os passaportes dos 25 condenados no processo. Os advogados do petista alegam que a decisão de reter os documentos teria de ser submetida ao plenário. "Jamais poderia ter sido monocraticamente", afirmou o ad-

André Dusek/Estadão Conteúdo – 04.10.12

José Luiz de Oliveira Lima: advogado de José Dirceu vai até Alemanha para encomendar parecer. vogado Alberto Toron. "É razoável que o peticionário comunique ao STF qualquer viagem que faça, mas não há qualquer necessidade de se acautelar seu passaporte". Notas – Depois de o PT divul-

gar nota com diversos ataques ao STF no qual a executiva do partido afirmou que o STF fez "política ao julgar o caso" e que desrespeitou "garantias constitucionais" para "criminalizar o PT", o PSDB

emitiu ontem manifesto de apoio à Corte. "O STF vem cumprindo seu papel e tem contribuído para o fortalecimento da democracia no Brasil", diz, em nota, Sérgio Guerra, presidente do PSDB.

A decisão de reter os passaportes dos réus do Mensalão teria de ser submetida ao plenário. Jamais poderia ser isolada. ALBERTO TORON

O STF vem cumprindo seu papel e tem contribuído para o fortalecimento das nossas instituições e da democracia no Brasil. SÉRGIO GUERRA

Defesa critica penas 'excessivas' para executivos José Roberto Salgado foi condenado a 16 anos. Ele era vice-presidente do Banco Rural, cargo ocupado hoje por Vinicius Samarane, apenado a mais de oito anos.

O

s advogados dos dois réus ligados ao Banco Rural, José Roberto Salgado e Vinicius Samarane, ex-vice-presidente e exdiretor do banco, respectivamente, divulgaram nota na qual criticam o exagero na condenação de seus clientes. Salgado foi condenado a 16 anos e 8 meses de reclusão e

multa de R$ 1 milhão pelos crimeses de formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta e evasão de divisas. Samarane a 8 anos e 9 meses e multa de R$ 598 mil por gestão fraudulenta e evasão de divisas. O advogado de Salgado, Márcio Thomaz Bastos, criticou a decisão "excessiva" por entender que

o seu cliente "não autorizou os empréstimos citados no processo e não participou das operações consideradas como evasão de divisas". Ele já avisou que vai recorrer, mas ainda espera a discussão em plenário para a redução da pena. Bastos defende que três dos quatro crimes, exceto formação de quadrilha, sejam

Dida Sampaio/Estadão Conteúdo – 27.11.12

O meu cliente não autorizou os empréstimos descritos no processo do Mensalão. THOMAZ BASTOS

considerados como um só, na modalidade deletiva. Neste caso, só a pena mais grave é considerada e acrescida de até dois terços. Maurício de Oliveira Campos Júnior, que defende Samarane, também argumenta que seu cliente não participou dos fatos pelos quais foi condenado e levanta a possibilidade de que os crimes sejam reconsiderados como continuidade deletiva no fim do julgamento. Queixa – A Comissão Executiva Nacional do PT divulgou na quarta-feira documento criticando o Supremo Tribunal Federal (STF) e ontem o PSDB lançou um manifesto de apoio. As críticas da legenda são pelas condenações de José Dirceu, ex-ministro da Casa Civil; de José Genoino, ex-presidente do PT, e de Delúbio Soares, ex-tesoureiro do partido. A executiva acusa o STF de ter feito um julgamento político, de não garantir o direito de defesa dos réus e ainda dar valor de prova a indícios. Já o PSDB assinalou que "o julgamento do Mensalão honra as instituições brasileiras e aponta na direção de um País mais igual, no qual a impunidade não prevalece". Na visão do

PT, o STF "negou aos réus que não tinham direito ao foro especial a possibilidade de recorrer às instâncias inferiores da Justiça, pois suprimiu-lhes a defesa, que é um direito fundamental da cidadania internacionalmente consagrado", destacou a nota da executiva do PT. Além disso, para o partido o STF foi

O executivo José Roberto Salgado foi condenado a 16 anos e 8 meses de reclusão e multa de R$ 1 milhão. parcial ao decidir pelo desmembramento do Mensalão mineiro e negar pedido nesse sentido para o Mensalão do PT. Ou seja, "dois pesos, duas medidas para situações idênticas tratadas desigualmente", afirmou o documento. A cúpula petista também disse que o tribunal condenou sem provas. "O julgamento não foi

isento, de acordo com os autos e à luz das provas. Ao contrário, foi influenciado por um discurso paralelo e desenvolveu-se de forma pouco ortodoxa", acusou o texto. "Houve flexibilização do uso de provas, transferência do ônus da prova aos réus, presunções, ilações, deduções, inferências e a transformação de indícios em provas". Para o PT, ao condenar José Dirceu tendo como base a teoria do domínio do fato, a mais alta Corte brasileira "cria um precedente perigoso, o de alguém ser condenado pelo que é e não pelo que teria feito". Pela teoria considerase autor não apenas quem executa um crime, mas também quem poderia ter, devido a sua função, capacidade de decisão sobre a sua realização. O ex-presidente do STF, ministro Carlos Ayres Britto, relativizou as críticas. "Faz parte da liberdade de expressão. Cada um tem a sua opinião. Dizem que o Supremo inovou, mas não inovou em nada. Novo é o caso". (ABr)

Leia mais sobre o Mensalão na página 6


p Mensalão mineiro está parado há 7 anos DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

quinta-feira e sexta-feira, 15 e 16 de novembro de 2012

A legislação tem papel fundamental no combate à corrupção porque dá obrigatoriedade ao que é estabelecido. Deputado Mendes Thame (PSDB-SP)

olítica

Ação civil que pede a devolução do dinheiro aos cofres públicos está emperrada no Supremo. Ex-governador Eduardo Azeredo e Marcos Valério são os principais réus. Alexandra Marins/Agência Câmara - 30.10.12

U

ma ação civil com Os procuradores e promotopedido de ressarci- res apontam na ação civil que mento de dinheiro o governo de Minas autorizou aos cofres públicos de forma ilegal o pagamento por fatos relacionados ao de R$ 3 milhões das estatais mensalão mineiro está há sete Companhia Mineradora de Mianos parada no Supremo Tri- nas (Comig, atual Codemig) e bunal Federal (STF). Companhia de Saneamento Nela, o Ministério Público do Estado (Copasa) para a pediu o bloqueio de bens até o SMPB, de Marcos Valério, com limite de R$ 12 milhões do ex- o objetivo de patrocinar o governador, ex-presidente do evento esportivo Enduro da PSDB e atual deputado federal Independência de 1998. TraEduardo Azeredo e de outros ta-se da maior parte do dinheidez requeridos – entre eles ro do desvio apontado na ação Marcos Valério Fernandes de do Mensalão mineiro. "O esSouza e o atual senador Clésio quema delituoso verificado no Andrade (PMDB-MG). ano de 1998 foi a origem e o laAlém da boratório" do ação civil, o Mensalão fes u p o s t o e sderal, segunquema de do o ex-procudesvios de rerador-geral da O esquema delituoso República Ancursos públiverificado no ano de tonio Fernancos e de empréstimos 1998 foi a origem e o des de Souza. fraudu lentos A Promotolaboratório do para bancar a ria de Defesa Mensalão federal. , campanha à do Patrimônio ACUSAÇÃO DO EX-PROCURADOR- Público tamreeleição de GERAL DA REPÚBLICA. ANTONIO Azeredo ao bém prepara FERNANDES DE SOUZA. g o v e r n o m inova ação neiro e de aliacontra réus do dos em 1998 é Mensalão mialvo de três ações criminais – neiro, pedindo bloqueio de duas no STF e uma na Justiça bens e a devolução de recurmineira. sos públicos que saíram do anO relator da ação civil no ca- tigo Banco do Estado de Minas so é Carlos Ayres Britto, que se Gerais (Bemge) e foram parar aposenta no domingo. O mi- na campanha à reeleição de nistro indicado para substituí- Azeredo. lo deverá assumir a relatoria Outros R$ 500 mil de empreda ação, cujo prosseguimento sas do grupo Bemge foram aguarda, desde 2005, o julga- destinados supostamente pamento pelo plenário de dois ra o patrocínio do Iron Biker, recursos de defensores. outro evento esportivo orgaA expectativa é que a ação nizado pela SMPB. A ação decivil do Mensalão mineiro só verá cobrar o ressarcimento, entre na pauta do Supremo em valores corrigidos, de cerapós a conclusão do Mensalão ca de R$ 1,2 milhão . (Estadão federal. Conteúdo)

Eduardo Azeredo: ação que pede o ressarcimento do dinheiro utilizado em sua campanha à reeleição ao governo de Minas, em 1998, ainda aguarda julgamento.

Barbosa será 'empossado' por Fux

O

ministro Joaquim Barbosa, que assume a presidência do Supremo Tribunal Federal (STF) na próxima quinta-feira, começará o mandato quebrando o protocolo da corte. Barbosa convidou o colega Luiz Fux para discursar na cerimônia. Pela tradição, a tarefa caberia ao decano – o mais antigo do tribunal – Celso de Mello. Barbosa é amigo de Fux. Ambos são docentes na Faculdade de Direito da Universidade do Estado do Rio de Ja-

neiro (UERJ). Durante o julgamento do Mensalão, Fux quase sempre acompanhou o relator em seus votos e chegou a defendê-lo em discussões com os demais ministros da Corte. O novo presidente substituirá o ministro Carlos Ayres Britto, que se aposenta no dia 18, quando completa 70 anos. Até a posse, Barbosa deverá assumir interinamente o cargo de presidente do tribunal. Barbosa chegou ao Supremo em 2003, por in-

dicação do presidente Lula. É o primeiro negro a assumir a presidência do STF. Novo bate-boca – Na sessão de quarta-feira, Barbosa teve um novo desentendimento com o revisor Ricardo Lewandowski, ao tentar mais uma vez inverter a ordem da sessão para cassar o mandato de João Paulo Cunha e impedir a posse de José Genoino na vaga do deputado Carlinhos Almeida (PT-SP), eleito prefeito de São José dos Campos.

Ao tentar colocar em discussão a cassação, Barbosa foi barrado por Lewandowski. "Quem faz a ordem é o relator", bradou o ministro. "Sua ordem é a desordem", respondeu o revisor. Uma cassação antecipada dos dois parlamentares contraria a Constituição Brasileira, já que a ação não terá transitado em julgado enquanto não forem apresentados todos os embargos e seu acórdão não tiver sido publicado. (Folhapress)

Brasil se alinha contra corrupção parlamentar País terá, pelo menos, representação na Gopac, entidade que reúne congressistas de 40 países empenhados na boa governança legislativa e combate às falcatruas.

A

Organização Global de Parlamentares contra a Corrupção vai ter uma representação no Brasil. O líder da minoria na Câmara, deputado Antonio Carlos Mendes Thame (PSDB-SP), foi convidado para conduzir sua instalação no País, prevista para 2013. A Gopac, sigla em inglês da organização, é uma rede internacional de parlamentares dedicados à boa governança e ao combate à corrupção. Desde a sua criação, em 2002, a entidade tem promovido intercâmbios entre congressistas para disseminar ideias, casos de sucesso, boas práticas e ações efetivas no combate à corrupção. Atualmente, deputados e senadores de 40 países integram a organização, que tem sede em Ottawa (Canadá) e representações nos cinco continentes. No Brasil, a Gopac será representada por cinco parlamentares, entre deputados e senadores. A lista dos participantes ainda não está definida. A homologação dos nomes deve ocorrer em uma reunião em fevereiro de 2013. Leis brasileiras – Mend es Thame destacou que a parce-

Antonio Augusto/Agência Câmara

ria com a Gopac vai ser benéfica para o Legislativo brasileiro, onde já são aprovadas leis que diretamente ou indiretamente combatem a corrupção. "O combate à corrupção não é apenas legislação, mas a legislação tem um papel fundamental, porque é ela que vai dar a obrigatoriedade naquilo que é estabelecido". O parlamentar disse que a criação de corregedorias e de tribunais de contas, os poderes do Ministério Público e a prerrogativa do Poder Legislativo de fazer uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) são exemplos de medidas de combate à corrupção. "Tudo passa por leis, é um arcabouço jurídico que tem que ser construído para proteger o Erário, para inibir atos de corrupção e para punir de forma exemplar aqueles que delinquirem". Academia Internacional – A Câmara aprovou na quartafeira o projeto de lei que ratifica o acordo para a criação da Academia Internacional Anticorrupção, com sede na Áustria. O projeto seguirá para análise do Senado. O Brasil assinou o acordo em 2010 e o principal objetivo da academia é funcionar como um centro de excelência vol-

É um arcabouço jurídico para proteger o Erário, inibir atos de corrupção e punir de forma exemplar os que delinquirem. MENDES THAME tado à educação, ao treinamento, à cooperação e à pesquisa em prevenção e combate à corrupção. A academia pretende ainda auxiliar os países a implantar a Convenção das Nações Unidas contra a Corrupção (UNCAC), da qual o Brasil é integrante. A academia tem mais de 50 membros, dentre eles Argentina, Chile, México, Áustria, Rússia e Turquia. O relator do acordo na Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional, deputado João Ananias (PCdoBCE), disse que o impacto da academia no Brasil poderá ser significativo "como instrumento para que as leis sejam efetivamente aplicadas; os crimes, punidos; e os desmandos, coibidos". (Agências)

Personagens históricos no Congresso

A

tores caracterizados como personagens históricos brasileiros acompanham os visitantes que atravessam os plenários e corredores da Câmara dos Deputados e do Senado. A mudança na programação das visitas guiadas no Congresso, que começou ontem, é uma homenagem aos 123 anos da Proclamação da República, comemorada neste dia 15 de novembro. O ex-presidente do Brasil,

ex-governador de Minas Gerais e ex-senador Itamar Franco (1930-2011) é um dos personagens da encenação. Também circula entre os visitantes o ex-senador Aristides Lobo (1836-1896). Jurista, político, jornalista, além de abolicionista, ele é considerado um dos pais da República. O inconfidente Joaquim José da Silva Xavier (1746-1792), Tiradentes, é outro personagem da história que se apresenta nas visitas guiadas.

Na encenação, a República é representada por uma mulher de vestes verdes. Histórico – Essa é a segunda vez em que atores dão vida a personagens da história brasileira no Congresso. Em 2010, artistas relembraram fatos marcantes do Parlamento brasileiro e da inauguração de Brasília. O projeto Visita em Cena foi premiado e, neste ano, atores contam como a República foi consolidada. (Folhapress)

CPI do Cachoeira: relatório final no dia 20 Relator avisa que até lá não fará mais reuniões nem ouvirá mais testemunhas

O

deputado Odair Cunha (PT-MG), relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) mista que investiga as relações criminosas de Carlinhos Cachoeira, deverá apresentar seu relatório final na terça-feira da próxima semana. Até lá, o esforço será para fechar o texto, e a CPMI não fará mais reuniões para ouvir testemunhas ou aprovar requerimentos. Odair Cunha tem evitado dar entrevistas, mas, antecipou que o relatório já possui mais de mil páginas. Ele promete também um texto "bastante contundente". O deputado informou ainda

que pedirá o indiciamento de todos os depoentes que se recusaram a falar na comissão de inquérito. Após a apresentação do relatório, estão previstas reuniões para leitura, discussão e finalmente votação do texto. De acordo com o relator, foram analisadas 69.694 páginas referentes a sigilos bancários, 11.333 folhas relativas a quebras de sigilo fiscal de 75 pessoas físicas e jurídicas, além de 45.594 páginas de extratos de ligações telefônicas. Novos pedidos – Mesmo sabendo que não têm mais chances de verem seus pedidos apreciados, os parlamentares continuam

apresentando novos requerimentos à comissão. Até o momento, já são 638, entre solicitações de convocações e informações, além de quebras de sigilo. Um deles, apresentado pelo senador Randolfe Rodrigues (PSol-AP), solicita detalhes sobre operações bancárias feitas por uma empresa apontada como laranja da Delta Construções. Cunha, porém, disse que todo o material deve ser encaminhado ao Ministério Público para uma possível continuação dos trabalhos. Já há, inclusive, uma representação do PSDB pedindo o prosseguimento. (Agência Câmara)


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 15 e 16 de novembro de 2012

7 Em 2011, o intercâmbio comercial entre Brasil e Espanha foi de US$ 8 bilhões – um crescimento de mais de 20% em relação a 2010.

olítica

Ed Ferreira/Estadão Conteúdo - 13.11.12

Dilma na Espanha, em defesa dos vistos brasileiros. Ela aproveita reunião de governantes para tratar das restrições à entrada no país

A

Dilma: reuniões na 22ª Cúpula Ibero-Americana de Chefes de Estado e Governo, em Cádiz, ao sul do país.

Governo estuda reajustes pedidos pelo Judiciário Propostas preveem aumentos que variam de 7,12% a 29,53% para os servidores

A

s propostas oficiais do Judiciário e do Ministério Público da União (MPU) ao Orçamento de 2013, que preveem respectivamente aumentos de 7,12% e de 29,53% nos salários de seus servidores, serão analisadas em conjunto com a proposta orçamentária apresentada pelo governo. O anúncio foi Romero Jucá: decisão de anexar as propostas do Judiciário federal e do MPU atende a liminares dos ministros Luiz Fux e Joaquim Barbosa, do STF, diz senador.

feito pelo relator-geral do projeto (PLN 24/2012), senador Romero Jucá (PMDB-RR). Jucá disse ter ouvido as ponderações dos representantes do Judiciário e pretende compatibilizar os pleitos com as previsões de receita disponíveis para as alterações do projeto do Executivo, que tramita no Congresso Nacional. Ele afirmou também que a decisão de anexar as propostas do Judiciário federal e do MPU atende a liminares nesse sentido, expedidas pelos ministros Luiz Fux e Joaquim Barbosa, do STF. Andre Dusek/Estadão Conteúdo - 01.11.12

O assunto foi para a Justiça no início de setembro, por iniciativa das três maiores entidades de classe de juízes do país. Elas contestaram, no STF, o fato de o Executivo ter retirado o orçamento original elaborado pelo Supremo da proposta apresentada ao Congresso Nacional em agosto. Segundo as entidades, a interferência é uma afronta à autonomia entre os Poderes. A ação do MPU é um mandado de segurança impetrado pelo procurador-geral, Roberto Gurgel. Após lembrar que a Constituição garante ao Ministério Público autonomia financeira e administrativa, Gurgel explicou que o corte feito pelo Executivo fere o princípio da separação dos poderes. No caso do Judiciário, a Advocacia-Geral da União (AGU) defendeu o Executivo argumentando que a proposta orçamentária fora mantida, anexa ao documento principal. Segundo a AGU, a ministra do Planejamento, Miriam Belchior, justificou a adequação devido ao complexo cenário econômico atual. (Agências)

presidente Dilma R o u s s e f f d e s e mbarcou ontem em Jerez, na Espanha, onde estreia na 22ª Cúpula Ibero-Americana de Chefes de Estado e Governo, em Cádiz, no sul do país. Depois ela segue para Madri, onde deve permanecer até o dia 19. A agenda de Dilma inclui uma série de reuniões políticas com o rei Juan Carlos e o primeiro-ministro, Mariano Rajoy. Em discussão, temas como ciência, tecnologia e inovação ou a crise econômica internacional. Nas conversas com as autoridades espanholas, a presidente pretende tratar da situação dos brasileiros que tentam entrar na Espanha e que até pouco tempo atrás sofriam restrições. Houve uma série de reuniões bilaterais entre diplomatas e técnicos para tentar melhorar o tratamento dispensado aos brasileiros, que reclamavam de preconceito e agressão. "Conseguimos encontrar caminhos para reduzir esses embaraços'', disse o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, referindo-se

Conseguimos encontrar caminhos para reduzir esses embaraços (de preconceito e agressão). ANTONIO PATRIOTA

aos avanços nas conversas com os representantes do governo da Espanha. Durante a visita, Dilma também pretende se reunir com estudantes que integram o Programa Ciência sem Fronteira e falar sobre os desafios criados pela crise econômica internacional. A cúpula reúne representantes de 22 países – Andorra, Argentina, Bolívia, Brasil Colômbia, Costa Rica, Cuba, Chile, República Dominicana, Equador, El Salvador, Espanha, Guatemala, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, Portugal, Uruguai e Venezuela. Também faz parte dos compromissos de Dilma ampliar os

acordos comerciais com a Espanha. Em 2011, o intercâmbio comercial entre os dois países foi de US$ 8 bilhões – um crescimento de mais de 20% em relação a 2010. As exportações somaram US$ 4,7 bilhões e as importações, US$ 3,3 bilhões (130% a mais que há 5 anos). Em 2011, a Espanha foi o 10º comprador do Brasil e o Brasil, o 16º comprador da Espanha. Quinta economia da União Europeia e 13ª do planeta, a Espanha é o 2º maior investidor externo no Brasil, com estoque acumulado de US$ 85,3 bilhões, e o 10º maior comprador das exportações nacionais, com volume superior a US$ 4 bilhões (2011), à frente de França, Rússia e Índia. O vice-presidente Michel Temer viajou na quarta para a Alemanha, onde se reúne com a chanceler Angela Merkel. Volta amanhã. Sem Dilma e Temer, o presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT-RS), assume, interinamente, a Presidência (pela 4ª vez). Há 8 meses, no cargo, chegou a cumprir 10 compromissos diários. (Agências)

MP facilita quitação de dívidas

A

presidente Dilma Rousseff editou uma Medida Provisória oferecendo melhores condições para que municípios e estados possam parcelar suas dívidas previdenciárias com a União. Hoje, o débito soma R$ 33 bilhões. A dívida vinha crescendo desde 2005 e a situação se

agravou este ano com a perda de receita das administrações locais devido ao mau momento da economia. O repasse de impostos recolhidos pela União, como o IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), ficou abaixo do esperado devido às desonerações feitas pelo Ministério da Fazenda.

A Medida Provisória 589, prevê que as administrações que aderirem ao parcelamento terão o equivalente a 2% da sua receita corrente líquida retida do valor que é repassado pelo governo por meio do FPE e do FPM – fundos de participação dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. (Folhapress)

Ano VII No 377 | 15 de Novembro de 2012 Próxima Edição: dia 22, quinta-feira

www.sescon.org.br AGENDA DE

HORA DE REAVALIAR A OPÇÃO TRIBUTÁRIA Abertura do prazo para agendamento da opção ao Simples Nacional dá largada para período de busca do regime tributário ideal para a redução da carga tributária no próximo ano-calendário

S

egundo dados do Sebrae, mais da metade das empresas brasileiras não ultrapassa o quinto ano de vida. Uma das ferramentas de que o empreendedor dispõe para não ser mais um nesta estatística é o planejamento tributário, que se propõe a buscar alternativas para a redução da carga tributária da organização, dentro das previsões legais. A base do planejamento é a opção acertada do regime tributário pela empresa, dentre as alternativas do Simples Nacional, Lucro Presumido e Lucro Real. A oportunidade de reavaliação é concedida às empresas apenas uma vez por ano e a abertura do prazo de agendamento para a opção ao Simples Nacional, em 1° de novembro, iniciou este período para o ano-calendário 2013. Antes da opção, porém, é preciso fazer um estudo minucioso da empresa, avaliar os prós e contras de cada regime tributário, verificar os resultados do ano anterior e até mesmo as tendências predominantes do segmento a qual está inserida. “Cada organização tem suas peculiaridades, que precisam ser levadas em consideração”, explica o presidente do

SESCON-SP, José Maria Chapina Alcazar. Os gastos com encargos sociais e a folha de pagamento, por exemplo, segundo o empresário contábil, são vitais para excluir ou incluir o Simples Nacional como opção mais adequada. “Ao contrário do que muitos pensam, nem sempre o sistema simplificado é o mais vantajoso. Em determinadas ocasiões ele pode até mesmo elevar a carga tributária da empresa”, esclarece. Chapina Alcazar observa ainda a importância de uma boa assessoria contábil num momento decisivo como esse. “O conhecimento técnico contribui significativamente para uma escolha menos onerosa dentro das possibilidades que a lei permite”, acrescenta o presidente do Sindicato, lembrando que essa opção pode ser determinante para o próprio sucesso ou fracasso do negócio. O prazo para agendamento da opção ao Simples Nacional vai até 28 de dezembro. Já o período para escolha direta ao sistema simplificado é feita em janeiro. As efetivações pelo Lucro Presumido e pelo Lucro Real são feitas, via de regra, até o mês de maio.

E

Filiado à:

Iniciativa:

Matemática Financeira em Perícia

28 de novembro, das 9h às 18h

Oficina de Apontamento de Cartões de Ponto

28 e 29 de novembro, das 18h30 às 22h30

ECF / CF-E-SAT - Alterações para 2013

28 de novembro, das 9h às 18h

DICAS&NOTAS

Fonte: IOB | www.iob.com.br

DEFINIDAS REGRAS DO PARCELAMENTO DE DÉBITOS DO SIMPLES NACIONAL INSCRITOS EM DÍVIDA ATIVA DA UNIÃO Por meio da portaria em referência, foi disciplinado o parcelamento de débitos apurados na forma do Simples Nacional, referentes ao ano-calendário de 2007, inscritos em Dívida Ativa da União, de que trata o art. 130-A da Resolução CGSN 94/11. (Portaria PGFN 802/12 DOU 1 de 12.11.12)

PRORROGADA VIGÊNCIA DE MP QUE INSTITUIU O REIF E ALTEROU A LEGISLAÇÃO FEDERAL Por intermédio de ato do Congresso Nacional, foi prorrogada por 60 dias a vigência da Medida Provisória 582/12 , que instituiu o Regime Especial de Incentivo ao Desenvolvimento da Infraestrutura da Indústria de Fertilizantes (Reif) e alterou a legislação relativa ao IPI e a contribuições previdenciárias, PIS e Cofins. (Ato CN 49/12 - DOU 1 de 12.11.12)

SESCON-SP TRANSFORMA 23º EESCON EM EVENTO SUSTENTÁVEL m mais uma iniciativa de responsabilidade social, o SESCON-SP neutralizou todo o impacto ambiental derivado de meios de transporte, energia, água e geração de resíduos na realização da 23ª edição do Encontro das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo entre os dias 26 e 28 de setembro, em Campos do Jordão. Os 5.020 quilos de gás carbônico emitidos durante o evento foram compensados por meio da substituição de fonte de energia não renovável por energia renovável de baixo impacto ambiental na Pequena Central Hidroelétrica (PCH) Garganta da Jararaca, localizada no Campo Novo do Parecis - Mato Grosso. Por esta ação, recebeu o selo Evento Neutro Azul - Responsabilidade Compartilhada. “A busca pelo equilíbrio do nosso planeta é uma das questões primordiais deste novo século. Por isso, a intenção foi dar nossa parcela de contribuição para a preservação do meio ambiente e o exemplo para que outras entidades, empresas e instituições façam o mesmo”, destaca o presidente do SESCON-SP, José Maria Chapina Alcazar.

CURSOS

PRORROGADA MP QUE INCLUIU NOVOS SETORES NA DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO A MP 582/12, que, entre outras disposições, determinou que as empresas fabricantes de novos produtos, sob os códigos da TIPI referidos em seu anexo, como carnes e miudezas refrigeradas, tintas e vernizes, produtos de beleza, navalhas e aparelhos de barbear, passarão, a partir de 1º.01.2013, a ter a contribuição previdenciária básica de 20% substituída pela de 1% sobre a receita bruta, teve seu prazo de vigência prorrogado por 60 dias. (Ato CN 49/12 - DOU 1 de 12.11.12)

Fique por dentro dos acontecimentos da semana, não perca a TV SESCON-SP! 23º EESCON realizado entre os dias 26 e 28 de setembro, em Campos do Jordão

Av. Tiradentes, 960 | Luz | São Paulo / SP | CEP: 01102-000 (a 50m da estação Armênia do metrô) Tel.: (11) 3304-4400 | Fax: (11) 3304-4510 Envie sugestões para: espacosescon@sescon.org.br

Todas as quartas-feiras às 22h na TV Aberta nos canais: 09 da NET; 72 e 99 da Vivo TV e 186 da Vivo TV Digital.

SESCON-SP | Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas no Estado de São Paulo AESCON-SP | Associação das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo Presidente: José Maria Chapina Alcazar | Gestão: 2010/2012


DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

quinta-feira e sexta-feira, 15 e 16 de novembro de 2012

JORDÂNIA Protestos contra alta de combustível deixa 2 mortos, 70 feridos e 150 presos

nternacional

SÍRIA Turquia reconhece coalizão opositora e França sugere envio de armas

Ronen Zvulun/Reuters

Foguete é disparado de Gaza contra Israel. Pelo menos 306 mísseis foram lançados ontem.

Mohamed Saber/EFE

Em Israel e Gaza, corrida por abrigo. Alerta máximo em Israel: sirenes tocam em Tel-Aviv pela primeira vez desde a Guerra do Golfo e 30 mil reservistas se preparam para a luta. Militantes palestinos disparam mais de 306 foguetes contra Israel e fazem as primeiras vítimas. Ataques de Israel atingem 340 alvos em Gaza, matando ao menos nove pessoas.

O

s confrontos entre Israel e a Faixa de Gaza tiveram uma escalada perigosa ontem, com a morte de pelo menos mais nove palestinos e três israelenses – elevando a 19 o número de pessoas mortas desde quarta-feira, quando Israel lançou ataques aéreos contra o território palestino. Militantes do movimento Hamas, que controla a Faixa de Gaza, e da Jihad Islâmica, dispararam mais de 306 foguetes contra Israel ontem. Dois deles caíram em Tel-Aviv, confirmando o temor em Israel de que grupos de Gaza iriam retaliar com foguetes de maior alcance. Um foguete disparado de Gaza atingiu um apartamento na cidade israelense de Kyriat Malachi, matando três pessoas. Já os bombardeios de Israel, que atingiram 340 alvos em Gaza, mataram ontem pelo menos nove palestinos. Na noite de ontem, pela hora local, Israel começou a deslocar soldados para a fronteira com a Faixa de Gaza, o que pode indicar que uma invasão terrestre é iminente. Pelo menos 12 caminhões foram vistos levando soldados e equipamentos, bem como ônibus que transportavam militares e se dirigiam ao litoral. O mi-

Reuters

Mohamed Abdallah/Reuters

Nir Elias/Reuters

Militantes do Hamas enterram seu líder militar (acima). Israelenses se refugiam de mísseis (à dir.).

Israel está preparado para desenvolver qualquer ação que for necessária para defender sua população.

Os povos que se levantaram (na Primavera Árabe) não podem ver o sangue palestino derramado.

BENJAMIN NETANYAHU

ISMAIL HANIYEH

nistro da Defesa de Israel, Ehud Barak, autorizou a convocação dos reservistas para uma possível ação. O Exército de Israel disse que pode mobilizar rapidamente 30 mil soldados. "Eu ordenei hoje aos militares que acelerem a mobilização e estejam prontos para qualquer evento", disse Barak. Militares de Israel disseram que a mobilização tem como objetivo uma possível invasão terrestre de Gaza, mas afirmam que ne-

nhuma decisão foi tomada. Os dois mísseis que caíram em Tel-Aviv, 70 quilômetros ao norte da Faixa de Gaza, não deixaram vítimas. Mas o governo alertou a população com alto-falantes e sirenes e muitos moradores correram pelas ruas, uma situação incomum em Tel-Aviv. Alguns moradores diziam: "eu não acredito nisso" e calmamente iam para casa ou abrigos. É a primeira vez desde a pri-

meira Guerra do Golfo, em 1991, que a maior área metropolitana do país entra em alerta de bombardeio. Analistas especulam que o Hamas deve ter tido acesso a mísseis iranianos para poder atingir Tel-Aviv. Os mísseis Fajr, de fabricação iraniana, tem alcance de 75 quilômetros, suficiente para ameaçar a capital comercial de Israel. O Exército israelense disse que os ataques destruíram dezenas de Fajr, e minimizou os disparos contra Tel-Aviv. Em Gaza, eles foram comemorados como uma vitória pelo Jihad Islâmico, o grupo que assumiu sua autoria. "Ampliamos o alcance da batalha para chegar a Tel-Aviv e o que está por vir será ainda maior", disse o grupo em comunicado. Por sua vez, o líder do Hamas, Ismail Haniyeh, pediu ao mundo árabe-muçulmano, em par-

Ao vivo, os ataques de Israel.

ão

Reproduç

P Cenas reais do conflito em Israel e Gaza

ara conhecer detalhes exclusivos de um dos lados do conflito, é possível acessar o blog das Forças de Defesa de Israel – como são chamadas as Forças Armadas do país. Além de divulgar os números mais recentes dos confrontos, as autoridades israelenses postam vídeos

com cenas reais de sua ofensiva na Faixa de Gaza, como o ataque aéreo certeiro que matou o comandante do braço militar do grupo palestino Hamas, Ahmed Jabari, na quarta-feira. No vídeo, o suposto automóvel de Jabari é visto passeando pelas ruas da

ticular ao Egito, uma reação "firme" à ofensiva israelense em Gaza que "mostre aos ocupantes que os tempos mudaram" após a Primavera Árabe. "Os povos que se levantaram não podem ver o sangue palestino derramado", disse. Já o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse que o Exército está pronto para lançar uma ofensiva terrestre se for necessário. "Nenhum governo toleraria essa situação, na qual um quinto da nossa população vive sob a ameaça constante de ser atingida por um míssil. Israel está preparado para desenvolver qualquer ação que for necessária para defender sua população", disse. "É por isso que eu

Cidade de Gaza quando é atingido por uma explosão. Dirigentes do Hamas confirmaram que Jabari, que ocupava o topo de lista de "mais procurados" de Israel, foi morto em um bombardeio. Outros vídeos postados incluem diversos "ataques cirúrgicos" contra a infraestrutura do Hamas, entre as quais supostos armazéns, inclusive subterrâneos, que abrigam mísseis de militantes palestinos. Alguns deles,

autorizei as Forças de Defesa de Israel a realizarem ataques cirúrgicos contra a infraestrutura terrorista em Gaza." Netanyahu fazia referência ao incidente que começou a atual onda de violência, o ataque seletivo que matou Ahmed Jabari, chefe da ala militar do Hamas, na quarta-feira. O carro de Jabari foi explodido por uma bomba lançada por um caça de Israel. Milhares de pessoas participaram ontem do funeral dos restos mortais de Jabari em Gaza. Muitos levavam armas automáticas e disparavam para cima. "Queremos matar em nome de Deus", gritava a multidão furiosa. (Agências)

segundo as forças israelenses, seriam foguetes Fajr, de fabricação iraniana. As imagens aéreas divulgadas no blog mostram ainda que muitos mísseis palestinos estão localizados perto de locais com alta concentração de civis, como mesquitas e parques infantis. (Agências) Acesse o blog: http://www.idfblog.com/ 2012/11/14/live-updates-idfterror-targets-gaza/


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 15 e 16 de novembro de 2012

9

nternacional China Daily/Reuters

O novo Comitê Permanente (liderado por Xi Jinping e seguido por Li Keqiang) se apresenta pela primeira vez ao público no Grande Palacio do Povo em Pequim

~

ELES ESTAO CHEGANDO Nova liderança da China é anunciada, mas nomeações são consideradas da ala conservadora do Partido Comunista. Carlos Barria/Reuters

O

Partido Comunista da China nomeou ontem o seu novo Comitê Permanente, colegiado que governará o país durante os próximos cinco anos. A instância máxima do poder político será liderada pelo atual vice-presidente do país, Xi Jinping, empossado como secretário-geral. O partido revelou uma estrutura de liderança mais velha e conservadora, a qual parece improvável que tomará ações drásticas necessárias para atuar firmemente em questões urgentes como agitações populares, degradação ambiental e corrupção. Além de Xi, foram anunciados como integrantes do grupo que comandará o governo o vice-primeiro-ministro, Li Keqiang, e o vice-premiê encarregado dos assuntos econômicos, Wang Qishan. Todos são considerados políticos cautelosos. Os outros quatro membros do comitê têm reputação de serem conservadores. A nova cúpula partidária acabou com esperanças de que Xi iniciaria uma liderança que tomaria passos ousados para lidar com a desaceleração econômica na segunda maior economia do mundo, ou começar a afrouxar a mão for-

te do Partido Comunista na nação mais populosa do mundo. "Não vamos ver nenhuma reforma política porque muitas pessoas no sistema veem isso como sinais de fraqueza e possível extinção", declarou David Shambaugh, diretor do Programa de Políticas da China, na Escola Elliott de Assuntos Internacionais da George Washington University à Reuters. "Eles veem isso inteiramente através do prisma da União Soviética, da Primavera Árabe e das revoluções na Ásia Central, então eles não vão seguir esse caminho", acrescentou. Corrupção - O vice-premiê Wang, talvez o mais reformista nessa nova estrutura, recebeu o papel de combater o amplo abuso de poder por oficiais do partido, identificado tanto por Xi quanto pelo presidente Hu Jintao, que está saindo do cargo, como o maior perigo enfrentado pelo partido e pelo Estado chinês. "Nosso partido enfrenta muitos desafios severos, e também existem muitos problemas dentro do partido que precisam ser resolvidos, particularmente a corrupção e a desunião das pessoas", afirmou Xi em seu discurso de apresentação no Grande Palacio do Povo em Pequim.

A corrida para a sucessão foi ofuscada pelo maior escândalo envolvendo o Partido Comunista chinês em décadas, que terminou com o antes notório líder partidário Bo Xilai, chefe do partido na cidade de Chongqing, sudoeste do país, sendo expulso após sua esposa ser acusada de assassinar um empresário britânico. Bo, que não é visto em público desde o início deste ano, enfrenta possíveis acusações de corrupção e abuso de poder. Conservadores - Na luta de influências para ocupar as cadeiras no comitê, os "perdedores" foram os reformistas, aqueles que publicamente defenderam a necessidade de "uma mudança política". Uma fonte disse que uma votação informal foi realizada por mais de 200 membros votantes do comitê central do partido para escolher os sete integrantes do comitê permanente, entre 10 candidatos. Dois deles que tinham fortes credenciais reformistas – o chefe do partido de Guangdong, Wang Yang, e o líder da organização do partido, Li Yuanchao – não foram eleitos, assim como a única candidata mulher, Liu Yandong. "A liderança está dividida", disse Jean-Pierre Cabestan, especialista em política chine-

Em guarda: seguranças chineses protegem as entradas do Grande Palacio do Povo. sa na Hong Kong Baptist University, acrescentando, no entanto, que a nova estrutura poderia considerar mais fácil obter progresso através de reforma econômica do que com mudanças políticas. Esta é uma estrutura de comando mais velha, com a idade média do comitê de 63,4 anos, ante a média de 62,1 anos há cinco anos. Exceto por Xi, de 59 anos, e seu vice, Li Keqiang, de 54 anos, todos os outros no comi-

Os segredos de Petraeus Ex-diretor da CIA nega ter passado informação confidencial à amante

E

m suas primeiras declarações desde que renunciou na semana passada, o ex-diretor da CIA David Petraeus afirmou que nunca passou documentos confidenciais para sua amante, Paula Broadwell, e que sua renúncia não está relacionada ao atentado em Benghazi, na Líbia, como acusam republicanos. "Ele insistiu que nunca passou informação confidencial", relatou a repórter da CNN Kyra Phillips. Petraeus renunciou após o FBI descobrir que ele teve um caso com Paula, autora de sua biografia. O caso foi descoberto a partir de e-mails ameaçadores enviados à socialite Jill Kelley. Paula,

com ciúmes de Petraeus, enviou os e-mails anônimos a Jill. Na investigação, o FBI desco-

briu que John Allen, o comandante dos EUA do Afeganistão, enviou e-mails impróprios a Jill.

Allen havia sido indicado para ser o novo comandante da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), mas a nomeação foi suspensa. Ontem, o secretário de Defesa, Leon Panetta, anunciou que haverá revisão no ensino de ética para os militares. Petraeus depõe hoje em audiência no Congresso sobre os atentados em Benghazi em 11 de setembro deste ano, que levaram à morte do embaixador na Líbia, Chris Stevens. Legisladores acusam o governo de não atender a pedidos de mais segurança para norte-americanos na Líbia e dizem que a CIA ignorou sinais sobre um possível ataque. (Folhapress)

tê permanente possuem 64 anos ou mais e terão de se aposentar em cinco anos, quando o novo congresso do partido for realizado. Isso significa que o partido pode ter apenas adiado as reformas mais vitais até lá, embora, após esse período, Xi provavelmente possa ter mais independência na escolha de sua equipe. A atual estrutura foi finalizada por Xi e Hu, e pelo ex-presidente Jiang Zemin, que tem

mantido considerável influência no partido após o tumulto envolver Bo Xilai. Além de chefe do partido, Xi também foi indicado como chefe do maior comando militar da legenda, o que dá a ele dois dos três mais importantes cargos do país. Ele assumirá o cargo de presidente, detido por Hu, em março. Jiang, antecessor de Hu, não cedeu o comando militar até dois anos após passar a liderança do partido. (Agências)

Atlântica Capitalização S.A. CNPJ no 01.598.935/0001-84 - NIRE 35.300.148.240 Grupo Bradesco de Seguros e Previdência Ata da Assembleia Geral Extraordinária realizada em 30.4.2012 Data, Hora, Local: Aos 30 dias do mês de abril de 2012, às 10h30, na sede social, Avenida Paulista, 1.415, parte, Bela Vista, São Paulo, SP, CEP 01311-925. Presenças: Acionistas representando a totalidade do Capital Social, conforme se verifica de suas assinaturas no livro de presença. Mesa: Presidente: Norton Glabes Labes; Secretário: Tarcísio José Massote de Godoy. Convocação: Dispensada a convocação por Edital, de conformidade com o disposto no Parágrafo Quarto do Artigo 124 da Lei no 6.404, de 1976. Ordem do Dia: 1) eleger novo membro para compor a Diretoria da Sociedade; 2) ratificar designações de Diretores responsáveis por áreas de atuação perante à Superintendência de Seguros Privados – SUSEP. Deliberações: 1) Eleito Diretor, com mandato coincidente com o dos demais membros da Diretoria, até 29.3.2013, o senhor Eugênio Liberatori Velasques, brasileiro, casado, securitário, RG 07.293.428-4/IFP-RJ, CPF 445.999.357/ 00, com domicílio na Avenida Paulista, 1.415, parte, Bela Vista, São Paulo, SP, cujo nome será levado à aprovação da Superintendência de Seguros Privados - SUSEP, após o que tomará posse de seu cargo, sendo que permanecerá em suas funções até que a Diretoria a ser eleita no ano de 2013 receba a homologação da Superintendência de Seguros Privados - SUSEP e seja a Ata arquivada na Junta Comercial e publicada. O Diretor eleito preenche as condições previstas na Resolução CNSP no 136, de 7.11.2005, da Superintendência de Seguros Privados - SUSEP, e declarou, sob as penas da lei, que não está impedido de exercer a administração de sociedade mercantil em virtude de condenação criminal. Em consequência, a Diretoria da Sociedade fica assim composta: Diretor-Presidente - Norton Glabes Labes; Diretor Gerente - Ivan Luiz Gontijo Júnior; Diretores – Enrique Adan Y Coello, Eugênio Liberatori Velasques, Haydewaldo Roberto Chamberlain da Costa, Ricardo Alahmar e Tarcísio José Massote de Godoy; 2) ratificadas as seguintes designações; senhor Norton Glabes Labes - de Relações com a SUSEP e responsável pela Área Técnica de Capitalização; senhor Ricardo Alahmar - responsável pelo cumprimento do disposto na Lei n o 9.613, de 3.3.1998, que trata dos crimes de “lavagem” ou ocultação de bens, direitos e valores; e pelos controles internos específicos para a prevenção contra fraudes; senhor Haydewaldo Roberto Chamberlain da Costa - responsável pelo acompanhamento, supervisão e cumprimento das normas e procedimentos de contabilidade; e responsável administrativofinanceiro; senhor Tarcísio José Massote de Godoy - responsável pela implementação de controles internos das atividades da Sociedade. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, o senhor Presidente esclareceu que para as deliberações tomadas, o Conselho Fiscal da Companhia não foi ouvido por não se encontrar instalado no período e encerrou os trabalhos, lavrando-se a presente Ata, que lida e achada conforme, foi aprovada por todos os presentes, que a subscrevem. Assinaturas: Presidente: Norton Glabes Labes; Secretário: Tarcísio José Massote de Godoy; Acionistas: Bradesco Capitalização S.A. e Bradesco SegPrev Investimentos Ltda., por seus Diretores, senhores Ivan Luiz Gontijo Júnior e Haydewaldo Roberto Chamberlain da Costa. Declaração: Declaramos para os devidos fins que a presente é cópia fiel da Ata lavrada no livro próprio e que são autênticas, no mesmo livro, as assinaturas nele apostas. Atlântica Capitalização S.A. aa) Norton Glabes Labes e Ricardo Alahmar. Certidão - Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia - Junta Comercial do Estado de São Paulo - Certifico o registro sob número 487.311/12-7, em 5.11.2012. a) Gisela Simiema Ceschin – Secretária Geral.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10

c

quinta-feira e sexta-feira, 15 e 16 de novembro de 2012

PROJETO PILOTO Experiência realizada na Represa de Guarapiranga pode ser estendida para todo o País. Convênios podem ajudar a Marinha a patrulhar as águas brasileiras.

idades

Guarda Civil forma marinheiros de água doce Convênio entre a Prefeitura e a Marinha do Brasil transfere para a Guarda Civil Metropolitana a missão de patrulhar as águas da Represa de Guarapiranga. José Maria dos Santos

Fotos: Guty/Divulgação

E

m princípio, parece tratar-se de uma travessura do deus Netuno. Justamente em uma praia de São Paulo, lacustre, bem entendido, cidade que não tem mar – como gostam de lembrar e alardear os cariocas – está nascendo um projeto que irá disciplinar, em todo País, a fruição dos prazeres propiciados pela combinação de sol, brisas, ondas e areia. Haverá inúmeros benefícios, como se verá adiante. O mais notável refere-se aos atropelamentos por lanchas e jet ski, que deverão desaparecer do noticiário policial. Esta novidade está embutida em um programa de revitalização da represa de Guarapiranga, ora em andamento, que prevê providências e procedimentos para transformar nossas praias em ambientes civilizados. “Conforme o seu desenrolar, essa experiência paulistana deverá se desdobrar em toda a orla brasileira”, anuncia o Inspetor Dalmo Luiz Coelho Álamo, da Guarda Civil Metropolitana (GCM). Antes de prosseguir com as explicações, é necessário esclarecer por que a corporação está metida n e s s a e mpreitada, uma vez que qualquer assunto relativo às praias, inclusive as de represas, é atribuição exclusiva da Marinha. Mas ocorre que, e v i d e n t emente, a Arma não tem condições de vigiar todas as praias do País. Concentra prioritariamente seus esforços nos pontos estratégicos. Basta olhar n o s s a s g igantescas bacias hidrográficas e os oito mil quilômetros de litoral brasileiro para compreender essa opção. Nem a frota inglesa dos bons tempos da Rainha Vitória daria conta do recado. Por isso, a ideia de repassar tarefas localizadas para instituições regionais teve o mesmo efeito singelo de colocar o ovo de Colombo em pé. Está cabendo à GCM paulistana inaugurar a iniciativa. M a p e a m e n t o – A primeira etapa desse programa consistiu em um minucioso mapeamento de toda a orla da represa, no sentido de marcar território para as várias atividades de lazer próprias de uma praia. Esta divisão, que está sendo finalizada, reservará áreas específicas para banhistas e para a prática de esportes náuticos. Isto quer dizer que não haverá promiscuidade entre as partes, de modo a prevenir ris-

A ideia é a de ampliar esse efetivo. Já em 2013 teremos mais 10 condutores e naturalmente a frota vai aumentar. IDEM

Paulo Pampolin/Hype-11/03/2006

Membros da Guarda Civil Metropolitana são treinados pela Marinha para zelarem pelas águas da represa. Objetivo é transferir para o poder público municipal a missão de cuidar das águas da Guarapiranga.

Conforme o seu desenrolar, essa experiência paulistana deverá se desdobrar em toda a orla brasileira. DALMO LUIZ COELHO ÁLAMO

Guardas civis metropolitanos são capacitados para operarem barcos de patrulhamento da represa cos de acidentes. Já está definido que a faixa relativa ao bairro de Capela do Socorro terá 17 pontos de aproveitamento; a de Parelheiros, quatro, assim como no M’Boi Mirim. Uma boa notícia para as mães, sempre preocupadas com o excitamento de filhos pequenos quando vão à praia e ignoram os perigos, é que está extinta a farra de se colocar embarcações na água em qualquer lugar que o dono do equipamento decida.

Caso o barco não esteja registrado em alguma marina da represa, portanto com o acesso regulamentado, somente o fará através de uma rampa pública, cercada de cuidados. Todas essas ordenações darão novos e coloridos ares à represa, devido os cordões de bóias sinalizadoras para delimitar os espaços dos navegadores e dos banhistas. Patrulhas – Enquanto as pessoas estiverem se divertindo – a represa recebe, em média, cinco mil visitantes por dia nos pi-

cos mais quentes – quatro barcos da GCM irão cortar as águas da represa para fiscalizar e fazer valer as novas regras. Pela maneira como a tripulação deles foi capacitada, não se trata de marinheiros de água doce, o que é apenas uma forma de dizer, já que Guarapiranga não é salgada. Seus componentes foram treinados por especialistas da Marinha para controlar qualquer situação que se manifeste na areia ou debaixo dos seus cascos, aplicando

abordagens próprias dos preceitos náuticos. Os primeiros 10 condutores formados merecem uma menção especial. Eles já carregam no bolso a habilitação de mestre amador, um patamar bem acima do simples piloto dos barcos de recreio. Com essa carteira, eles podem praticar navegação costeira a um limite de 20 milhas, ou 37 quilômetros, inclusive para portos internacionais, conduzindo embarcações a vela ou motor. A partir dessa medida, cabem somente os grandes barcos transoceânicos. Esse preparo indica a seriedade do projeto. Re sga te – No momento, a GCM possui uma frota de quatro barcos, a serem ocupados por uma tripulação entre dois

ou três homens. Além das tarefas de controle, estão aptos a organizar operações de resgate e prestar socorros. Vão trabalhar com uma farda leve, constituída de short e camisa polo na cor azul marinho da corporação e tênis. Mas ninguém deve se iludir com essa descontraída apresentação esportiva: na cintura, carregarão o revólver calibre 38 ou a pistola 380, armas utilizadas pela Guarda. O turno de trabalho somente será encerrado quando morrer o último raio de sol. “A ideia é a de ampliar esse efetivo”, anuncia o inspetor Álamo. “Já em 2013 teremos mais 10 condutores e naturalmente a frota vai aumentar”. Convênio – Na segunda-feira passada, 12 de novembro, o prefeito Kassab se reuniu com as autoridades do 8º Distrito Naval, sediado em São Paulo, para definir a data de assinatura do convênio entre a Prefeitura e a Marinha, que deve ocorrer ainda antes do início deste verão, que se aproxima. A partir daí, o projeto de Guarapiranga passará imediatamente a ganhar vida e tornar-se referência para todas as nossas águas, do Oiapoque ao Chuí, passando por Canoa Quebrada, Porto das Galinhas, Abaeté, Copacabana, Jurerê e Lagoa dos Patos.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 15 e 16 de novembro de 2012

c

11 O índice de São Paulo é 10 por 100 mil habitantes, o menor do País. Governador Geraldo Alckmin, sobre a violência no Estado

idades

SP: após queda, mortes voltam a crescer. Pelo menos sete pessoas foram assassinadas em um intervalo de sete horas e meia, na Capital e cidades da Grande São Paulo. Policiais foram baleados em ataques.

D

epois de duas noites seguidas de queda no número de homicídios na região metropolitana de São Paulo, a Capital e os demais municípios, juntos, tiveram um saldo de pelo menos sete pessoas mortas e 12 feridas a tiros num intervalo de sete horas e meia, entre as 21 horas de quarta-feira e as 4h30 da madrugada de ontem. À tarde, um guarda civil à paisana morreu em Carapicuíba. Entre os baleados há dois policiais militares e um policial civil. Dois deles foram vítimas de ataques, o outro ficou ferido ao reagir a um assalto. Os casos foram registrados quase no mesmo horário, por volta das 23 horas de anteontem. A tentativa de roubo ocorreu em uma loja de salgados, na Rua Etelvina, na Penha, zona leste. O soldado Marcelo Gregório, de 26 anos, estava no local, à paisana, aguardando um pedido, quando três homens anunciaram o assalto. Lotado na 3ª Companhia do 51º Batalhão, o soldado reagiu e foi baleado nas costas. A vítima foi levada para o pronto-socorro do Tatuapé, mas a bala, que está alojada próximo à coluna, não foi retirada. Segundo a polícia, Gregório corre o risco de ficar pa-

Cris Faga/Estadão Conteúdo

raplégico. Outro cliente da lanchonete também foi acertado com um tiro em um dos braços e foi atendido no pronto-socorro de Ermelino Matarazzo. Os criminosos fugiram. Na região da Pedreira, na zona sul, a vítima foi um investigador do Departamento de Homicídios de Diadema, no ABC. Tarcísio Marcelino de Souza, 45 anos, foi atacado no bairro Eldorado, quando seguia pela Avenida Alda em seu veículo, um Chery prata. Dois homens surgiram de moto e passaram a atirar contra o policial civil, que também reagiu. No tiroteio, Souza foi ferido, mas teria conseguiu atingir um dos criminosos antes que eles fugissem. Baleado no peito e em uma das mãos, o investigador foi levado para o pronto-socorro Serraria, em Diadema, onde permanece internado, mas fora de perigo. Pouco depois, um homem não identificado, ferido a tiros, procurou socorro no Hospital do Jabaquara, onde acabou morrendo. Ainda não se sabe se é o mesmo que atacou o policial civil, uma vez que os suspeitos usavam capacetes, o que dificulta o reconhecimento. A rg en ti na – O governador Geraldo Alckmin procurou mi-

nimizar o problema e afirmou ontem que o índice de mortes no Estado de São Paulo é o menor do País, ao comentar a recente onda de violência que atinge a Grande São Paulo. O governador negou que haja uma crise na segurança pública do Estado. "O índice de São Paulo é 10 por 100 mil habitantes, o menor do País." Ele também comparou o Estado a outros países. "Aqui (o Estado de São Paulo) é maior que a Argentina. É preciso dar a devida (dimensão), se não se cria uma situação muito injusta, quase uma campanha contra São Paulo", finalizou o governador. Protesto – Familiares de policiais mortos fizeram uma manifestação ontem à tarde na Avenida Paulista. Eles começaram uma passeata por volta das 16h e ocuparam três faixas da pista sentido Consolação. Seguiram até o Cemitério do Araçá, onde fica o mausoléu da Polícia Militar. Boa parte dos presentes vestia roupas pretas e levava cruzes brancas. Os manifestantes carregaram bandeiras do Brasil e do Estado de São Paulo. O grupo também pediu a aprovação da PEC (Proposta de Emenda à Constituição), que iguala o piso salarial de todos os policiais estaduais do País. (Agências)

Familiares de policiais mortos fizeram um protesto contra a escalada da violência, ontem, na Avenida Paulista. J.Duran/Estadão Conteúdo

Em Santa Catarina, 36 ataques.

P

elo terceiro dia consecutivo, ônibus do transporte coletivo e bases da polícia sofreram ataques criminosos em Santa Catarina. Desde segunda-feira, segundo a Polícia Militar, foram registrados ao menos 36 ataques. No fim do dia, um homem acusado de ter ateado fogo em um ônibus morreu no hospital, após ter trocado ti-

ros com policiais Segundo a PM, 58 pessoas foram detidas para serem ouvidas e, destas, 31 foram presas. Na manhã de ontem, em Itajaí, o mecânico Marcelo Lima viu quando o veículo começou a pegar fogo em frente à casa da mãe dele. "As chamas estavam mais na parte de trás do ônibus, mas fiquei com medo de pe-

gar fogo em tudo", afirma. Por isso, ele entrou no ônibus e dirigiu por alguns metros até parar o coletivo em um terreno baldio. A onda de ataques já atinge dez cidades do Estado – Florianópolis, São José, Palhoça, Tijucas, Gaspar, Navegantes, Itajaí, Blumenau, Criciúma e Balneário Camboriú. (Folhapress)

FERIADO – Os paulistanos que ficaram na cidade aproveitaram o feriado de Proclamação da República, ontem, para passear nas ciclovias, como a da Avenida Paulista. O trânsito ficou lento em algumas das principais estradas do País, como a Via Dutra.

GLÓRIA E HONRARIAS...

O

piloto Rubens Borges Correa tornou-se herói dos paulistas justamente por algo que não fez. Atenção, senhores vereadores de São Paulo: a proximidade de dezembro oferece uma maneira condigna, sobretudo justa, de encerrar as celebrações dos 80 anos da Revolução Constitucionalista, que foram comemorados ao longo de 2012. Basta dar o seu nome a algum logradouro da Cidade, seja rua, praça ou viaduto. A justificativa é irrecusável. Correa, conhecido como Barbacena por ter nascido na cidade mineira, morava no Rio de Janeiro e fazia parte da esquadrilha do Exército Brasileiro. Nessa condição, recebeu ordem de bombardear tropas de São Paulo durante a Revolução de 1932, certamente conduzindo um biplano WACO, conhecido como "vermelhinho", devido à sua pintura, avião que foi bastante utilizado nas operações. Recusou-se a fazê-lo e provavelmente seu motivo foi de ordem ética, no sentido de não destruir compatriotas. A insubmissão lhe custou caro: foi expulso do Exército. Na verdade, aquele segundo

..PARA UM HERÓI MINEIRO...

E

is o que aconteceu. Ao deixar o Exército, Correia, desempregado, decidiu aproveitar o brevê, coisa rara naquele tempo, para ganhar a vida, entregando-se à publicidade aérea. Levantava vôo de um campo em Manguinhos com o seu aviãozinho para lançar panfletos de propaganda sobre o Rio ou com a clássica faixa de anúncio amarrada na cauda. Quando cumpria essa rotina, na manhã de sexta-feira, 18 de novembro de 1932, ele realizou alguns loompings elegantes, mas teve a infelicidade de bater uma das asas em armação de ferro sobre um prédio, espatifando-se no asfalto. O tórax esmagado não lhe permitiu chegar com vida ao hospital, mas, inexplicavelmente, o publicitário que o acompanhava saiu ileso. Os jornais cariocas dedicaram grandes espaços ao fato. O Correio da Manhã, por exemplo, hoje extinto, reservou-lhe meia página. Informava que Correa morava com a esposa e filha na Rua Cardoso, no bairro do Méier, e que antes de empreender a viagem fatal voara baixo sobre a casa para receber um aceno de Doralice com o lenço.

Fotos: Reprodução

O jornal também relata que três pessoas ficaram feridas, entre eles o "velho actor Theodoro Taveira, que se dirigia à casa de um parente, onde pretendia almoçar, de nome Pedro Berlanda".

...DA REVOLUÇÃO DE 1932

O

semestre foi fatal na sua vida. Durante o período da Revolução – de julho a outubro – perdeu sua carreira. Menos de um mês

depois, perderia a vida em um acidente aéreo no centro do Rio, na Rua do Matoso com a Praça da Bandeira, aos 26 anos.

Correio da Manhã, porém, não forneceu a informação que mais interessaria aos paulistas – a recusa de Correa em nos combater – talvez porque as feridas da Revolução estivessem ainda muito vivas. Mas o Estadão, na edição do mesmo 19 de novembro, fazia o esclarecimento em uma pequena nota dedicada ao desastre, naturalmente porque a atitude de Correa enobrecia o Estado. No entanto, a econômica deferência soa estranha, considerando que um desastre de aviação, que ainda hoje tem repercussões, era, naquele tempo, uma tragédia de superior envergadura dado à sua novidade.

Velório e enterro de Correa, no Cemitério de São Francisco Xavier, foram bancados por uma instituição denominada Centro Paulista, indicação de que o Estado não ficou indiferente ao seu heroísmo imobilizado ou, se preferirem, passivo. (O Estadão anota que o sepultamento se deu no Cemitério São João Batista, mas convém ficar com o Correio da Manhã, que era da terra.) Rubens Borges Correa formara-se aviador na Escola Militar de Aviação, criada pelo Exército em 1919. Por essa época o céu também era assunto do Exército. O Ministério da Aeronáutica só viria a ser criado em 1941.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

12

quinta-feira e sexta-feira, 15 e 16 de novembro de 2012

Os pets mais fotogênicos da rede Protagonistas de sites, concursos e blogs especializados, os pets são sucesso na internet. Há até quem crie perfis para seus bichinhos nas redes sociais para compartilhar fotos e detalhes de sua rotina. No meio dessa avalanche de imagens, Diana Eftaiha, do site The DPhoto selecionou as mais inspiradoras e bonitas, entre elas, as que ilustram esta página. Para ver outras fotos, visite o link abaixo.

www.dcomercio.com.br

http://bit.ly/jHjYjI

A RQUEOLOGIA T RANSPORTE

D ESIGN

As primeiras lanças

V

estígios encontrados num sítio arqueológico sul-africano indicam que, 500 mil anos atrás, ancestrais do homem já tinham desenvolvido a tecnologia arquetípica dos caçadores pré-históricos – lanças com pontas de pedra. A descoberta está descrita na edição de hoje da revista especializada Science, em artigo de Jayne Wilkins, da Universidade de Toronto (Canadá). Ela e seus colegas acharam mais de 200 pontas de lança, com tamanho médio de 7 cm, no sítio arqueológico de Kathu Pan 1, no interior da África do Sul. Os cientistas acreditam que os criadores tenham sido da espécie Homo heidelbergensis. Eram hominídeos de cérebro já avantajado, considerados os

ancestrais do Homo sapiens e dos neandertais. Antes da descoberta na África do Sul, as lanças mais antigas conhecidas datavam de 400 mil anos. Testes – A primeira suspeita sobre o uso dos artefatos veio do padrão de fragmentação em suas extremidades, que sugeria a trombada contra um alvo. A equipe criou réplicas das pontas de pedra para ver se elas davam mesmo boas extremidades de lança, o que de fato parece ocorrer. As pontas foram acopladas a bestas (tipo de arma medieval da "família" dos arcos geralmente disparada com um gatilho), que permitiam regular com precisão a força do golpe. E se mostraram capazes de penetrar com eficiência carcaças de gazela.

Da pedra à lança – Embora os primeiros exemplares de ferramentas de pedra afiadas tenham surgido há mais de 2 milhões de anos, a pesquisa indica que apenas há 500 mil anos os hominídeos tiveram a ideia de adicionar um cabo à pedra trabalhada. Por muito tempo, as pedras foram usadas com as mãos nuas como raspadores, machados de mão e perfuradores. Acredita-se que esses hominídeos mais primitivos dependessem relativamente pouco da caça para se alimentar, o que pode explicar o fato de a ideia não lher ter ocorrido antes. Suas principais fontes de proteína e gordura animal eram as carcaças de grandes mamíferos abatidos pelos grandes predadores do topo da cadeia alimentar, como os leões. (Folhapress)

Robert Pratta/Reuters

Qugo é um triciclo elétrico "portátil" da Segway, que pode ser "desmontado" em segundos para caber em qualquer canto. Ideal para deslocamento de pequenas distâncias. www.qugo.nl

C INEMA Giampiero Sposito/Reuters

Exército Berlusconi Usando máscaras do ex-primeiroministro Silvio Berlusconi, atores italianos fizeram aparição humorística e crítica na estreia do filme S.B. Io Lo Conoscevo Bene ("S.B., eu o conhecia bem"), no Festival de Cinema de Roma. Os atores mascarados são figurantes do filme. F RANÇA

CHEGOU "Le Beaujolais Nouveau est arrivée!” gritavam os franceses ontem, na cidade de Lion, ao rolarem os primeiros barris de vinho novo. A bebida fica pronta para o consumo cerca de dois meses após a colheita.

T ÓQUIO 2020 Reuters

Carla Bruni, modelo de novo.

J.M. Gershenson-Gates é o criador de uma linha de joias e acessórios que batizou como "A Mechanical Mind" ("Uma mente mecânica"). Baseado no steampunk (que mistura elementos contemporâneos a cenários antigos). As peças são vendidas pelo site Etsy. http://etsy.me/Ut76XI

H ISTÓRIA

Raridade

Galera real de Saboya, o último barco veneziano do século XVI, foi restaurado e será exposto em Turim, na Itália, a partir de hoje. P ERSONALIDADE

Pelé se emociona ao deixar hospital

L

A cantora e ex-primeira dama francesa, Carla Bruni, retomou sua carreira de modelo em um anúncio de fones de ouvido da marca Parrot. Em uma imagem em preto e branco feita pelo fotógrafo Jean-Baptiste Mondino, Bruni aparece de frente com os fones, criados pelo famoso designer francês Philippe Starck, ao redor do pescoço. Com esta aparição perante as câmeras, Carla Bruni recupera pouco a pouco sua carreira profissional, estacionada durante seus anos no Palácio do Eliseu ao lado do ex-presidente Nicolas Sarkozy. EM 2013, ela pretende lançar seu quarto disco.

Beleza mecânica

Alessandro Di Marco/EFE

Triciclo elétrico

Projeto vencedor para a reforma do estádio Kasumigaoka National, de Tóquio, para os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2020. Criado pelo arquiteto Zaha Hadid, o projeto foi o escolhido entre 46 propostas, 11 das quais selecionadas para a fase final. Construído há mais de 50 anos, o estádio precisou ser adaptado às novas tecnologias e exigências ambientais da capital japonesa e para poder abrigar as cerimônias de abertura e encerramento e as competições de futebol, atletismo e rugby da Olimpíada. As obras devem ser concluídas em 2019, a tempo das competições da Copa do Mundo de Rugby.

Submetido a uma operação no quadril no último sábado, Pelé teve alta ontem. Ao sair do Hospital Albert Einsten, em uma cadeira de rodas, o "Rei" tinha lágrimas nos olhos e declarou que não imaginava que o povo brasileiro se preocupa tanto com seu estado de saúde. Ele foi submetido a uma artroplastia total do quadril direito. A operação foi realizada devido ao desgaste da extremidade superior do fêmur, que foi extraída e substituída por prótese. (EFE)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 15 e 16 de novembro de 2012

e

13 AMIL Operadora teve prejuízo de R$ 226 milhões no terceiro trimestre deste ano

conomia

TIM Anatel decidiu suspender uma nova promoção da empresa Milton Mansilha/LUZ

IMPOSTO NA NOTA FISCAL

Dilma deve sancionar a lei Especialistas acreditam que presidente do País vai aprovar legislação que exige informações sobre taxas nas notas fiscais Sílvia Pimentel

A

exposição dos impostos nas notas fiscais no País, aprovada na terça-feira pela Câmara depois de seis anos e meio de tramitação, deverá receber o aval da presidente Dilma Rousseff, na opinião de diversos especialistas. "Acho muito difícil o veto a uma matéria com ampla aprovação no Senado e que regulamenta um dispositivo constitucional", disse o economista da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), Marcel Solimeo. O Projeto de Lei 1.472/2007 é resultado de uma ampla campanha pela conscientização tributária, liderada em 2006 pelo então presidente da ACSP e atual vice-governador de São Paulo, Guilherme Afif Domingos. Na época, ele levou 1,5 milhão de assinaturas em favor da discriminação dos impostos ao presidente do Senado, Renan Calheiros. Pelo texto aprovado, os documentos fiscais emitidos nas vendas ao consumidor de mercadorias e serviços devem expor o valor aproximado correspondente ao total de tributos federais, estaduais e municipais, cuja incidência interfere na formação dos respectivos preços de venda. Serão nove tributos no total, no caso de produtos nacionais. R en as ci me nt o – "É a maior revolução tributária. Estamos saindo da idade das trevas para o Renascimento", disse o administrador de empresas e professor de pós-graduação

da PUC de Minas Gerais, Roberto Dias Duarte. Ele lembra que a falta de transparência do sistema tributário é uma crítica recorrente. "O economista Mário Henrique Simonsen já dizia que, sem transparência, a democracia é uma farsa", disse. Na opinião do especialista, a aprovação do projeto não vai resolver os problemas crônicos do sistema tributário brasileiro, mas é um

passo importante. Ele acredita que a operacionalização da medida pelo comércio será simples, sem custos adicionais. "Não há a necessidade de indicação de cada tributo em separado. Apenas do total aproximado. Na prática, a maior parte das redes varejistas vai usar percentuais já calculados por várias entidades", disse, citando o Instituto Brasileiro de Planejamento Tribu-

tário (IBPT), a Associação Brasileira de Supermercados (Abras), a Fundação Getúlio Vargas (FGV) e a Associação Paulista de Supermercados. Para o consultor tributário da Crowe Horvath Brasil, Leandro Cossalter, como se trata de um projeto de iniciativa popular, é quase certo a sanção presidencial. "A sociedade requisita o detalhamento dos impostos. Se houver vetos, eles serão parciais, mantendo o coração do projeto", analisou. Na sua opinião, o consumidor é o maior beneficiado pela medida porque desconhece a complexidade do sistema tributário. E quando tomar consciência dessa distorção, e também da carga tributária invisível que paga quando compra um produto ou serviço, poderá cobrar do governo uma contrapartida nos serviços públicos. Também ganha o comércio. "Como o consumidor não sabe que, em média, 35% do preço final dos produtos corresponde a impostos, muitas vezes culpa o comerciante por praticar preço abusivo", disse. Governo – O presidente do Conselho Federal de Contabilidade de São Paulo (CRC-SP), Luiz Fernando Nóbrega, também comemorou a aprovação do projeto conhecido como De Olho no Imposto. "A partir de agora, o consumidor passará a ter a noção exata do peso da carga tributária sobre cada produto e serviço que adquire. E a tendência é de que seja

Campanha vitoriosa: o vice-governador de São Paulo, Guilherme Afif Domingos, liderou o movimento. mais exigente na cobrança do governo por melhores serviços, principalmente na saúde e na educação", afirmou, ao destacar que a discriminação dos impostos nas notas fiscais já ocorre em outros países, como os Estados Unidos. Para o contador, não haverá dificuldade para inserir essas informações no sistema de emissão de notas fiscais oferecido atualmente pelo mercado. "O trabalho será maior

Dilma não deve sancionar a lei

para os profissionais da contabilidade, que terão a tarefa adicional para honrar mais essa exigência legal imposta às empresas. Será mais um desafio para a classe contábil." O relator do projeto, deputado Guilherme Campos, líder do PSD na Câmara, também está confiante na sanção da presidente Dilma. "É um projeto de interesse de toda a sociedade", resumiu, ao lembrar que a sua aprovação foi possí-

vel graças à participação decisiva de todas as associações comerciais. O sócio da área de Tributos Indiretos e Aduaneiros da KPMG, Elson Bueno, aponta que a cultura do brasileiro de "quanto custa" vai mudar depois que for implantada a discriminação de impostos na nota fiscal, devido à diferença entre custo e preço final. "Nos EUA, o consumidor já sabe que a geladeira custa 10 e o preço final é 12", disse.

Nos EUA, as taxas já são discriminadas. Experiência norte-americana é bem-sucedida. Lá os postos de combustíveis informam em placas os valores dos impostos.

Ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirma que há dificuldades técnicas e deixa claro que presidente poderá vetar o projeto

Divulgação Newton Santos/Hype

A

o contrário das expectativas de entidades empresariais e de economistas, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou em entrevista publicada na Folha de S. Paulo que há dificuldades para implantar a lei que obriga notas fiscais a discriminar quanto foi cobrado de tributos. No entender das palavras de Mantega, a presidente Dilma Rousseff poderá vetar o projeto aprovado no Congresso Nacional. Entre várias razões, ele apontou limitações técnicas para a implantação das medidas no País. Segundo o ministro, não será possível incluir tributos que são cobrados a posteriori, como o Imposto de Renda. "Por exemplo, o Imposto de Renda que é cobrado sobre o resultado das operações das empresas. Como é que uma empresa vai colocar na nota fiscal o Imposto de Renda se ela só sabe isso... [depois]? Ela pode até nem pagar se não tiver lucro", afirmou Mantega. Para esse caso específico, o Executivo considera impossível incluir informações sobre o

Guido Mantega, da Fazenda. IR baseado no lucro presumido das empresas. "Existe um problema operacional também, pois nós acabamos de implementar a nota fiscal eletrônica e nós teremos que modificar todo o programa de nota fiscal eletrônica para incluir um novo item. Isso parece fácil, mas é uma dor de cabeça operacional", argumentou. Por tudo isso, fica claro, na entrevista de Mantega, que há chances de veto ao texto aprovado. Mas técnicos da Fazenda ainda tentam formas de operacionalizar a medida.

Mantega afirmou ser favorável à transparência determinada pela lei. "Em princípio, eu sou a favor de a gente divulgar os tributos, mas levando em consideração essas ressalvas", acrescentou. Carga real – Segundo o presidente da Comissão de Direito Tributário da Ordem dos Advogados do Brasil (OABSP) e professor da Universidade Mackenzie, Antonio Carlos Rodrigues do Amaral, o projeto de lei aprovado na Câmara e no Senado é algo infactível. "Não há como sequer imaginar a viabilidade de se concretizar a 'aproximação' da carga tributária real de tributos tão díspares quanto ICMS, ISS, IPI, IOF, IR, CSLL, PIS, Cofins, Cide, cobrados sobre os regimes tributários mais diversos", escreveu Amaral em artigo publicado na Folha de S. Paulo. "O Congresso poderia, sim, simplificar o burocrático sistema tributário brasileiro. Dar transparência não é impor mais encargos e obrigações às empresas, mas contribuir para um sistema mais simples."

O

consultor e palestrante Charles Holland disse que "o povo vai ficar pasmo com o volume de impostos nos produtos e serviços adquiridos" se for sancionada a discriminação de impostos na nota fiscal pela presidente Dilma Rousseff. Holland afirmou que uma das "caixas pretas" do custo de impostos no Brasil é o combustível. "A imprensa noticiou há poucos dias que a Petrobras vende gasolina e diesel a R$ 1,2 e R$ 1,22, respectivamente. A diferença com os preços médios cobrados nos postos do Brasil, em torno de R$ 2,5 a R$ 2,9, são impostos – praticamente tudo. O remanescente é margem de lucro das distribuidoras." Para o consultor, a tributação sobre combustíveis no País é informação sigilosa na Petrobras e no governo federal. "Nos Estados Unidos todos os postos de gasolina Na bomba de gasolina e diesel: informações detalhadas. divulgam claramente os impostos em todas as bombas (varia de estado para estado). Ficam fixas por muitos anos. de extração, royalties etc)", disse o consultor Lá, o total de impostos federais e estaduais Charles Holland. sobre gasolina, normal ou super, é em O especialista acrescentou ainda: "Pelos torno de R$ 0,23 por litro. Aqui deve estar meus cálculos, os impostos sobre girando em torno de R$ 1,20 por litro de combustíveis no Brasil são cinco a seis gasolina comum (não incluindo os impostos vezes maiores do que nos Estados Unidos."


14 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 15 e 16 de novembro de 2012


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 15 e 16 de novembro de 2012

e Profissionais disputados a peso de ouro

15 O caminho para reduzir a carga tributária, dentro da lei, deve ser seguido por todas as empresas. Sílvio Vucinic, consultor jurídico do Sebrae-SP

conomia

Divulgação

O salário dos especialistas em planejamento tributário aumenta de 20% a 30% a cada ano. O fenômeno revela a confusão tributária do Brasil.

Sílvia Pimentel

O

s responsáveis pela área de impostos nas grandes corporações valem ouro no mercado brasileiro. No Guia Salarial 2012 preparado pela Hays, consultoria especializada no recrutamento de profissionais para a média e alta gerência, em parceria com o Insper Instituto de Pesquisas, o salário anual para o cargo de diretor de planejamento tributário em São Paulo variou de R$ 325 mil a R$ 585 mil, sem contar eventuais prêmios ou remunerações variáveis recebidas durante o ano. No levantamento anterior, a remuneração foi de R$ 286 mil a R$ 455 mil, também para São Paulo, o que significa ganhos bem superiores à inflação no período. Questão de necessidade – A alta complexidade da legislação tributária brasileira, as novas exigências fiscais e a necessidade cada vez maior

das empresas reduzirem legalmente seus custos com os impostos explicam o bom momento vivido pelos especialistas em "economia tributária" . De acordo com o gerente de expertise Taxation da Hays, Bruno Lourenço, os salários para essa categoria de profissionais estão entre os que mais se valorizaram nos últimos anos. De 2011 para 2012, a remuneração sofreu variação entre 20% e 30%. E a tendência é de que os salários continuem aquecidas por muito tempo ainda. "Hoje, o empresário brasileiro tem uma preocupação maior em acertar o pagamento de impostos. Ele não quer pagar a mais ou a menos, mas o valor correto", explica. E o chamado planejamento tributário é a ferramenta mais adequada para alcançar

esse objetivo, independentemente do porte da empresa. Cabe a esses profissionais, que antes encontravam oportunidades somente em consultorias, montarem estratégias de recolhimento de tributos baseadas numa legislação complexa e mutante, sem riscos para o negócio.

De acordo com Bruno, no emaranhado de leis e normas os impostos indiretos ocupam lugar de liderança no grau de dificuldade de análise, revisão e apuração. Dessa categoria faz parte por exemplo o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Hoje, cada Estado tem a sua legislação. E as empresas precisam estar atentas às normas de todos

os Estados em que atua. Mas esse conhecimento tem ultrapassado fronteiras. O guia salarial da Hays também constatou que, em 2011, houve uma demanda expressiva por profissionais com experiência em legislação de outros países. A valorização dos salários para esses profissionais pode ser atribuída, também, à dificuldade de se encontrar pessoas qualificadas para o cargo. De acordo com o gerente da Hays, atualmente o número de ofertas de emprego supera a quantidade de profissionais aptos. Um dos requisitos para a contratação é o domínio da língua inglesa. No Brasil, boa parte dos profissionais em nível gerencial precisa ter contatos frequentes com a matriz da empresa, que está fora do País, daí a exigência.

Micro – Enquanto as grandes empresas abrem vagas internas para contratar profissionais para cuidar do pagamento de impostos, as pequenas recorrem a escritórios de contabilidade para obter a economia tributária. Outras opções são as entidades empresariais ou o próprio Sebrae. "O caminho para reduzir a carga tributária, dentro da lei, deve ser seguido por todas as empresas", completa o consultor jurídico do SebraeSP, Sílvio Vucinic. O consultor explica que planejamento tributário nada mais é do que uma análise minuciosa do conjunto de normas legais e, a partir daí, se escolhe o que representa a maior economia. Para o universo das micro e pequenas empresas, o trabalho envolve principalmente a análise das leis de incentivos fiscais e regimes de tributação mais adequados para o pagamento de impostos. A recomendação vale inclusive para os empresários optantes

O empresário brasileiro tem uma preocupação maior em acertar o pagamento de impostos. Ele não quer pagar a mais ou a menos, mas o valor correto. BRUNO LOURENÇO, DA HAYS

pelo Simples Nacional. "Há casos de empresas que estão enquadrados no regime diferenciado de tributação há muito tempo e se acomodaram. Mas, fazendo as contas, descobriram que a migração para o lucro presumido, por exemplo, é mais vantajosa", explicou. Existem também as que faturam menos que R$ 60 mil por ano e que não estavam enquadrados como microemprendedores individuais, mas optaram pela adesão ao descobrirem que pagariam menos impostos.

Brasil é campeão na relação tributos/PIB na América Latina País tem o mais alto índice, considerando arrecadação e Produto Interno Bruto, dentre as nações latino-americanas, segundo estudo da OCDE.

A

32,4

por cento do Produto Interno Bruto (PIB) é quanto representou a arrecadação de impostos no Brasil no ano de 2010

s receitas tributárias brasileiras cresceram "consideravelmente" nas últimas duas décadas em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) e atingiram níveis superiores aos verificados em muitos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Essa é uma das constatações do documento Estatísticas sobre Receita na América Latina, divulgado pela entidade. Em 2010, a proporção dos tributos no Brasil em relação ao PIB foi maior do que em 17 países da OCDE, incluindo Austrália, Canadá, Japão, Nova Zelândia, Espanha, Suíça e EUA. "Historicamente, o Brasil tem sido o país da América Latina com a maior proporção de tributos em relação ao PIB durante o período de 19902009 (mas em segundo lugar, depois da Argentina, em 2010), mostrando percentuais semelhantes à média da OCDE, especialmente depois de 2004", diz o documento.

Segundo o estudo, em 2010, a relação entre a arrecadação de impostos e o PIB foi de 19,4% para os 15 países latino-americanos e de 33,8% para todos os países que integram a OCDE. Em relação especificamente ao Brasil, os impostos representaram 32,4% do PIB (ante 28,2% do PIB em 1990), ficando atrás apenas da Argentina (33,5%). Estrutura – Com relação à estrutura tributária, o documento destacou que o percentual de impostos indiretos (particularmente o ICMS) é alto no Brasil na comparação com os demais países da OCDE. A avaliação é de que as elevadas receitas provenientes da tributação indireta no Brasil estão ligadas a quatro formas distintas de ICMS, que são arrecadados pelos Estados, o que torna o sistema complexo. No caso da tributação direta, o estudo mostra que as receitas tributárias de impostos sobre os rendimentos e lucros têm desempenhado um papel secundário como fonte de receita na América Latina, mesmo com a tendência de alta observada de 1990-

2010. Essas tributos também cresceram no Brasil, mas, segundo o trabalho, em ritmo mais lento que a média na região. As receitas de impostos sobre a renda da pessoa física foram consideradas "especialmente baixas". Em contrapartida, as contribuições para a previdência contribuíram com proporção significativa

das receitas tributárias do Brasil nas últimas duas décadas, atingindo níveis próximos aos da OCDE. "Isso é explicado pela grande variação nos regimes de previdência. Ela representa a maior parte das receitas em países que têm regimes públicos e mistos, como Brasil, Costa Rica, Equador, Panamá e Paraguai." (Estadão Contéudo)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

16

e

quinta-feira e sexta-feira, 15 e 16 de novembro de 2012

A infraestrutura do Porto Central será dividida por áreas de atividade econômica, e o terminal operará 24 horas por dia, a semana inteira.

conomia Fotos: Rejane Tamoto

Quinto maior porto do mundo, e o principal terminal da Europa, Roterdã ocupa uma área total de 12.440 hectares e tem 1.220 empregados.

Porto de Roterdã traz know-how ao Brasil Terminal holandês responderá pela gestão do Porto Central, a ser construído em Presidente Kennedy, no Espírito Santo, num projeto de R$ 4 bilhões. Rejane Tamoto*

O

porto de Roterdã, na Holanda, o quinto maior do mundo e o principal terminal marítimo da Europa, vai trazer sua experiência em logística e gestão para a costa brasileira – em específico para o Porto Central, que será construído num terreno privado de 20 milhões de m2 (entre área portuária e industrial) em Presidente Kennedy, no sul do Espírito Santo. O projeto será realizado em parceria entre o Porto de Roterdã e a empresa Terminal Presidente Kennedy (TPK), a partir de um protocolo de intenções assinado em abril. A intenção é formar uma "joint venture" para tocar o projeto. O investimento no terminal de águas profundas será de R$ 4 bilhões e a previsão de início das obras é 2014. Na primeira fase desse empreendimento serão investidos R$ 1,5 bilhão, com o início das operações previsto para 2015. O Porto de Roterdã quer trazer sua experiência a outros portos brasileiros, e está de olho no aquecido mercado do País, no momento em que os vizinhos europeus atravessam uma crise econômica. Segundo o porta-voz do Porto de Roterdã, Minco Van Heezen, o projeto do Porto Central é o mais adiantado em termos de negociação, mas a companhia quer mais acordos. Na próxima semana, uma equipe do Porto de Roterdã participa de uma missão ao Brasil, junto com o príncipe herdeiro Willem-Alexander e a princesa Máxima. De acordo com Heezen, há dois anos o Porto de Roterdã havia iniciado conversas com o Porto de Suape, em Recife, que foram interrompidas. "O Brasil é um mercado muito importante. Também olhamos para a Malásia, Romênia, Índia e China", comenta.

No ano passado, o porto de Roterdã movimentou 434,6 milhões de toneladas, e o volume cresce 2% ao ano. O terminal é fruto de parceria entre o município e o governo holandês. Além de investir em mercados emergentes, Roterdã quer aumentar seu fluxo comercial com o País ao investir num porto brasileiro. "Isso pode nos trazer mais cargas, mas isso é decidido pelas companhias. Se acontecer, teremos uma receita extra", afirma o porta-voz. O acordo com Porto Central prevê a construção e operação parcial. "Nós adoramos ter problemas para solucionar e, com isso, gerar receitas. O Porto Central tem uma área de potencial. Recentemente fizemos o Porto de Sohar, em Omã, com critérios sustentáveis, que foi orçado em 1 bilhão de euros", observa. Em 2011, o porto de Roterdã movimentou 434,6 milhões de toneladas, volume que cresce a um ritmo de 2% ao ano. O terminal emprega 1.220 pessoas e tem um volume de negócios de 588 milhões de euros por ano. O porto é resultado de uma parceria entre o município de Roterdã

INICIAL

(75%) e o governo da Holanda (25%). Segundo Heezen, o investimento em melhorias é de 150 milhões de euros por ano. "O governo investe em rodovias e em todo o entorno, mas as empresas investem três ou quatro vezes mais em terminais e fábricas dentro do porto", diz o porta-voz. Porto Central – No porto de Roterdã, as empresas investem em terminais próprios e fábricas, para exportar diretamente do local. Nesse modelo de negócios, o transporte de carga em si não é um componente tão importante na receita. E esta forma de atração deve ser adotada pelo Porto Central. Segundo o diretor de implantação do Porto Central, José Maria Novaes, o prazo de construção e operação é de dez anos, e no momento o projeto está em fase de estudo de impacto ambiental (EIA). "Esperamos concluir o estudo até dezembro para obter a licença de construção e instalação até o final do ano que

AUTO MECÂNICA NILSON VENDAS DE PEÇAS AUTOMOTIVAS

CONTABILIDADE

3329 9339 Rua Mendes Caldeira nº 136 - 2º andar - sala 10 - Brás - SP

vem. Por enquanto, estamos fazendo o projeto básico de engenharia, prospecção de clientes, estudo de viabilidade e de mercado", afirma José Maria Novaes. Segundo ele, as conversas com o Porto de Roterdã começaram no final de 2011, quando uma equipe do terminal holandês avaliava como aproveitar melhor o potencial portuário do Espírito Santo, com anuência dos governos estadual e federal. A ideia é que o porto de águas profundas tenha berços de até 25 metros de profundidade para grandes navios de minério e petróleo e canais com até 10 metros para outros setores econômicos. O modelo de desenvolvimento de infraestrutura também será importado de Roterdã. A ideia é arrendar áreas para operadores e donos de cargas. "A ideia é que ele alugue o espaço não só preocupado com a carga, e sim com sua operação logística. Ele pode

Av. Cangaíba nº 3.270 Cangaíba - São Paulo 96459 7054 Evaldo Santos

produzir e já exportar do próprio porto. Essa é nossa visão de atender o cliente. Cada empresa vai ter o seu próprio projeto no porto", afirma o diretor da TPK. A área do Porto Central tem o diferencial de estar próxima a reservas do pré-sal e na rota com a Europa. 24 horas – O Porto Central terá o conceito de desenvolver a infraestrutura por meio de divisão de áreas por tipo de atividade industrial portuária, como química, minerais, agrícolas, supply e offshore. Com esta divisão serão feitos canais principais e secundários, com diferentes medidas de profundidade, de acordo com o porte dos navios. A intenção é que o porto tenha uma operação contínua de 24 horas por dia, durante sete dias por semana, por meio de canais principais. Novaes vê com bons olhos a intenção do governo de flexibilizar os investimentos privados em portos. "Acompanhamos com bastante atenção. Hoje, para o investimento valer a pena, é preciso atrair diversos clientes e operações para o projeto ser rentável. E além disso, ter visão de longo prazo", diz. * A repórter viajou a Roterdã a convite da Embaixada do Reino dos Países Baixos

Portão • Automatizado • Basculante • Deslizante • Pivotante Portas Janelas Grades Estruturas Metálicas Decoração em Ferro

Manutenção em geral

Serralheria Desde 1981

www.atserralheria.com Fone: (11)

2642-2173

Rua Senador Godói - 775 - Penha - SP


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 15 e 16 de novembro de 2012

e

17 A atriz Jane Fonda é a estrela principal da 7ª edição do Fórum da Longevidade que o Grupo Bradesco Seguros promove no próximo dia 27 em São Paulo

conomia

Fotos: Divulgação

CELEBRIDADES

A

LONGEVIDADE

E

se Deus inventou a mulher, como diz o título cinematográfico de Roger Vadim, ele não precisou inventar Jane Fonda, sua ex-mulher e filha do astro Henry Fonda. Ela sempre teve brilho próprio e chega aos 74 anos esbanjando felicidade e repassando uma receita de como enfrentar o tempo e se manter feliz. O corpo e a voz não são mais os mesmos de Barbarella, filme que a tornou símbolo sexual do cinema, mas a defesa sempre intransigente da vida, que lhe empresta uma aura de "deusa" continua inabalável. Jane Fonda foi às ruas contra a Guerra do Vietnã e sempre emprestou voz à causas humanitárias. É ela a estrela principal da sétima edição do Fórum da Longevidade que o Grupo Bradesco Seguros promove no próximo dia 27, no Hotel Unique, em São Paulo. No evento, a ganhadora de dois Oscar, escritora e ativista política vai dar a sua receita de sucesso. Não estará sozinha no palco que Bibi Ferreira, aos 90 anos, irá cantar. As duas vão mostrar que é possível viver bem e chegar inteira depois de décadas, sem perder o brilho muito menos a dignidade.

A crise na Europa e o corte de benefícios sociais pelos governos para enfrentar crise reforçam o papel fundamental da previdência privada e da plena atividade de pessoas que passaram dos 70 anos e estão vivendo mais, participando mais e ativamente da economia e da sociedade. Este será um tema para David Bloom, da Universidade de Harvard, que falará no mesmo fórum sobre os impactos do crescimento anual de 2,6% da população mundial com mais de 60 anos ante o crescimento de apenas 1,2% da população. E como o tema interessa a todos, não apenas aos que estão rompendo a barreira dos 60 anos, o Grupo Bradesco Seguros decidiu, até para evidenciar ainda mais a importância do produto, a previdência privada, do qual é líder de mercado, transmitir ao vivo pela internet (bradescoseguros.com.br) todas as palestras e o esperado brilho que Jane Fonda e Bibi Ferreira emprestarão ao evento. Não deixa de ser uma boa jogada de marketing e importante para democratizar a informação. Tudo a ver com Jane Fonda, para sempre Barbarella.

Level Up!, principal empresa de games do Brasil, acaba de lançar a campanha publicitária que leva celebridades para o mundo dos jogos eletrônicos. Chamada "Celebridades num mundo perfeito", a ação mostra todo o potencial do jogo "Perfect World", que possibilita criar os personagens nos mínimos detalhes. Os banners da campanha têm personagens criados no game que são exatamente iguais a personalidades, artistas e jogadores de futebol como o artilheiro do Santos.

PERSONAGENS dos games inspirados em pessoas famosas, como Neymar.

PRESENTE

A

crise europeia empurra as empresas do velho continente para além mar. A marca portuguesa Delta Q, por exemplo, acaba de desembarcar no Brasil e para conquistar os consumidores vai dar uma máquina de café expresso por cada unidade vendida. A promoção vai até o dia 24 de dezembro nas lojas Extra Hiper da Grande São Paulo.

EM CASA

O

TIM selecionou dez funcionários para divulgar a campanha "Portas abertas". Na primeira fase da campanha, assinada pela agência Neogama/BBH, a funcionária Kelly Fernandes (RJ) estampará os jornais de seis praças (Belém, Salvador, Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte e Brasília) para apresentar o Portal TIM Qualidade (tim.com.br/qualidade)

– que mostra as iniciativas da TIM para melhorias na rede, indicadores-chave de performance (KPI), incidentes e alertas na rede, cobertura, instalações de novas antenas e locais de hotsposts Wi-Fi da companhia. Depois do puxão de orelhas da Anatel, com suspensão de vendas de chips, as operadoras correm para mostrar seus investimentos.

MAGIA

O QUEM comprar uma cafeteira ganha outra Envie informações para essa coluna para o e-mail: carlosfranco@revistapublicitta. com.br

Boticário invade as redes sociais para falar de Natal e da magia dessa época do ano. A marca criou um portal de conteúdo exclusivo e muita interação, além de apostar em ações no metrô de São Paulo e em shoppings das principais capitais do País. Todas as ações digitais para o período estarão reunidas na plataforma boticario.com.br/natal e disponíveis também no Facebook. O intuito, claro, é encantar os consumidores.

PORTAL para interação com os consumidores


DIà RIO DO COMÉRCIO

18 -.ECONOMIA/LEGAIS

e

quinta-feira e sexta-feira, 15 e 16 de novembro de 2012

Este foi o Ăşltimo bom nĂşmero da Alemanha para o momento. Joerg Kraemer, economista-chefe do Commerzbank

conomia

Nova contração na zona do euro Economia do bloco econômico caiu 0,1% no terceiro trimestre do ano, depois de recuo de 0,2%. Alemanha e França apresentaram crescimento modesto.

A

crise da dívida arrastou a zona do euro para sua segunda recessão desde 2009 no terceiro trimestre, apesar do modesto crescimento de Alemanha e França, segundo dados divulgados ontem. As duas maiores economias cresceram, cada uma, 0,2% no período de julho a setembro. Mas a resiliência não conseguiu salvar o bloco de 17 naçþes, que tem sido atingido por medidas de austeridade, de uma contração geral ao passo que países como Holanda, Espanha, Itålia e à ustria encolheram. A economia da zona do euro caiu 0,1% no trimestre, seguindo um recuo de 0,2% no segundo trimestre. Esses dois trimestres de contração colocam a economia de 9,4 trilhþes de euros (US$ 12 trilhþes) da zona do euro em recessão, embora Itålia e Espanha jå estejam encolhendo por um ano e GrÊcia so-

Heino Kalis/Reuters

fre uma completa depressão. Uma recuperação na Europa ainda estå longe. A crise da dívida que teve início da GrÊcia no final de 2009 ainda estå repercutindo ao redor do globo e impedindo uma recuperação definitiva da Grande Recessão de 2008/2009 em boa parte do mundo. "Este foi o último bom número da Alemanha para o momento", disse o economistachefe do Commerzbank, Joerg Kraemer. "O clima de negócios... afundou." A maioria dos economistas espera que a Alemanha registre contração no quarto trimestre, pela primeira vez desde o final de 2011. A França provavelmente seguirå o mesmo caminho. Para o ano de 2012, a Comissão Europeia vê a zona do euro registrando contração de 0,4%, enquanto prevê crescimento de apenas 0,1% ao longo de 2013. Milhþes de trabalhadores

entraram em greve ao redor da Europa na última quartafeira para protestar contra cortes de gastos governamentais que eles afirmam estarem aprofundando a contração da região. Jå Alemanha e a Comissão Europeia dizem que as medidas são cruciais para sarar as feridas do bloco. "Estamos entrando numa nova recessão que Ê inteiramente causada por nós mesmos", disse o economista Paul De Grauwe, da London School of Economics. "É resultado de um excesso de medidas de austeridade em países do sul da Europa e a falta de disposição do norte para fazer qualquer outra coisa", afirmou. Bolsa – As açþes europeias caíram ontem para o menor nível em dois meses, na medida em que dados que mostraram que a zona do euro voltou à recessão assustaram investidores. O índice FTSEurofirst 300, que reúne as principais açþes europeias, fechou em queda

Vítimas da crise: famílias protestam contra o despejo na cidade de Valência, na Espanha. de 0,9%, a 1.078,90 pontos, um nível que não era visto desde o início de setembro. Açþes suíças e alemãs estavam entre as mais atingidas.

No entanto, crescentes expectativas de que a Espanha pedirĂĄ um pacote de resgate limitavam as perdas, com o Ă­ndice espanhol IBEX ganhando

0,3% e açþes de bancos da zona do euro engatando um rali. Analistas disseram que o mercado permanece sem uma direção clara. (Reuters)

&LWDomR 3UD]R GLDV3URF 2UGHP  $'UD 0DULVDGD &RVWD $OYHV )HUUHLUD-Xt]DGH 'LUHLWR GD Â? 9DUD &tYHO GR )RUR GD &RPDUFD GH 'LDGHPD63 )D] 6DEHU D =XOHLGH $SDUHFLGD 'LDV $]HYHGR &3)   TXH ,167,7872 0(72',67$ '( (16,12 683(5,25 OKH DMXL]RX XPD DomR 0RQLWyULD YLVDQGR R UHFHELPHQWRGH5  QRYHPEUR UHSUHVHQWDGRSHORFRQWUDWRGHSUHVWDomRGHVHUYLoRVHGXFDFLRQDLVILUPDGRHQWUH DVSDUWHVUHODWLYRVDRVHQFDUJRVILQDQFHLURVGRDQROHWLYRGHUHIHUHQWHVDRVPHVHVGHDJRVWRDGH]HPEURWRWDOL]DQGRR YDORUGH5 QmRSDJR(QFRQWUDQGRVHDUpHPOXJDULJQRUDGRIRLGHIHULGDDVXDFLWDomRSRUHGLWDOSDUDTXHHP TXLQ]H  GLDV D IOXLU DSyV R SUD]R GH  YLQWH  GLDV VXSUD FRQWDGRV D SDUWLU GD SXEOLFDomR GHVWH HGLWDO RIHUHoD HPEDUJRV PRQLWyULRV RX SDJXH D LPSRUWkQFLD VXSUD ILFDQGR FLHQWH GH TXH QHVWH ~OWLPR FDVR ILFDUi LVHQWD GH FXVWDV H KRQRUiULRV DGYRFDWtFLRVHGHTXHQDKLSyWHVHGHQmRRIHUHFLPHQWRGHHPEDUJRVVHUiLQLFLDGDDH[HFXomRFRQIRUPHSUHYLVWRQR/LYUR,, 7tWXOR,,FDStWXORV,,H,9 DUWGR&3& 6HUiRSUHVHQWHHGLWDODIL[DGRHSXEOLFDGRQDIRUPDGDOHLƇ 

&LWDomR3UD]RGLDV3URFHVVRQžQžGHRUGHP2'U$OYDUR/XL]9DOHU\ 0LUUD -XL] GH 'LUHLWR GD Â? 9DUD &tYHO &HQWUDO QD IRUPD GD OHL HWF )D] 6DEHU D -RVp 5REHUWR 5RPHLUR $EUDKmR TXH &DUORV $OEHUWR GH &DPSRV 0HQGHV 3HUHLUD DMXL]RX XPD $omR GH ,QGHQL]DomR FRP 3URFHGLPHQWR2UGLQiULRREMHWLYDQGRFRQGHQDURUpXDRSDJDPHQWRGHLQGHQL]DomRSRUGDQRVPRUDLVDRDXWRU HPTXDQWLDDVHUIL[DGDSHORMXOJDGRUDFUHVFLGRGHFXVWDVKRQRUiULRVHGHPDLVFRPLQDo}HV(VWDQGRDUHTGD HPOXJDULJQRUDGRIRLGHIHULGDDFLWDomRSRUHGLWDOSDUDTXHHPGLDVDIOXLUDSyVRVGLDVVXSUDFRQWHVWH VRESHQDGHSUHVXPLUHPVHDFHLWRVRVIDWRV6HUiRHGLWDODIL[DGRHSXEOLFDGRQDIRUPDGDOHL

Citação Prazo 20 dias Processo nÂş 0221229-17.2009.8.26.0002. A DrÂŞ Regina de Oliveira Marques, JuĂ­za de Direito da 5ÂŞ Vara do Foro Regional de Santo Amaro da comarca de SĂŁo Paulo, na forma da lei, etc. Faz saber a GRACILEIDE MARIA DA CONCEIĂ‡ĂƒO,RG 22.926.720-8 e CPF 310.357.568-89 que INSTITUIĂ‡ĂƒO PAULISTA ADVENTISTA DE EDUCAĂ‡ĂƒO E ASSISTĂŠNCIA SOCIAL ajuizou ação monitĂłria, objetivando recebimento de R$ 6.044,97 acrescidos de juros e correção monetĂĄria. Estando a requerida em lugar ignorado, foi deferida a citação por edital, para que em 15 (quinze) dias, a fluir apĂłs o prazo de 20(vinte) dias supra, pague o valor da dĂ­vida corrigido que o tornarĂĄ isento de custas e honorĂĄrios advocatĂ­cios ou embargue, sob pena de conversĂŁo do mandado de citação em execução. SerĂĄ o presente edital afixado e publicado na forma da lei ,sendo este FĂłrum localizado na Rua Alexandre Dumas, 206 - CEP 04717-000, SĂŁo Paulo-SP

 +  9 *5 "+  + .-3+55+*55-+)C)C-C/6 '  )3,CD*55-0+   +  E 2:> $  8 9  

 6< &  => :  ! :+ 9 1  %$ #2#%  #VY  '#8 ..+..*+)45D555)/3.0  ! "" "  ! "  : E: ; ## # ##    & # " :7 " A 9  

  G  1A >

 "   " " A  ! "  A:E   : !     ? : 

:   " " " "  "    :  !  "" !  >

 ? G"   "  S " B" )+55. )+,5)  !

  % :    : 2 :7"     : ??    1   

  N H "   " >: " !E"  ! I   P 35.+)-436  : 9   N A:7 *55- :N  ?  "  "!

"  "   "  "  ?  " ! "" $$+ 8=9   >   : 9  



 

  N  !E  " " " !  "" " 7  G "  > = " "  "  U " : E "+ " 

  N  :E E    ? ?   "   ! : !  ;   ). "  ?: !R" " *5 " "!   "  ?  "1 !  ! " /"  >  " " ? " : E " ! :"   "+  G  ! " : ?   !1:    ?   : + X

(GLWDOGHFLWDomRSUD]RGHGLDV3URFHVVRQÂ&#x17E;$'RXWRUD5RVDQJHOD0DULD7HOOHV00-Xt]D GH'LUHLWRGDÂ?9DUD&tYHOGR)RUR5HJLRQDO9,3HQKDGH)UDQoDGD&RPDUFDGH6mR3DXORGR(VWDGRGH6mR3DXORQD IRUPDGD/HLHWF)D]6DEHUD0DULD&kQGLGDGH0RXUD%UDVLOHLUDTXDOLILFDomRLJQRUDGDTXHOKHIRLSURSRVWDXPDDomRGH 3URFHGLPHQWR 2UGLQiULR SRU SDUWH GH $17Ă&#x2018;1,2 0$548(6 '( )5(,7$6 DOHJDQGR HP VtQWHVH 4XH SRU LQVWUXPHQWR GH HVFULWXUDGH&HVVmRGH'LUHLWRV+HUGLWiULRVFRPGDWDGHRUHTXHUHQWHDGTXLULXRVGLUHLWRVKHUHGLWiULRVVRERLPyYHO GD5XD5XWKGH0DWRV$PRULP$FRPRSUHoRGHYHQGDQDpSRFDGHHP&U SDUFHODGRVHPXPD SURPLVyULDGHHPDLVWUrVGHFRPLQLFLRHPHWpUPLQRHPFRPSURPHWHQGRVHDUp HP RXWXRUJDU HVFULWXUD GHILQLWLYD GD SURSULHGDGH SOHQD GR LPyYHO DSyV R SDJDPHQWR LQWHJUDO GDV SURPLVViRULDV QmR VHQGR FXPSULGRDWpDSUHVHQWHGDWD(QFRQWUDQGRVHDUpHPOXJDULQFHUWRHQmRVDELGRIRLGHWHUPLQDGDDVXDFLWDomRSRUHGLWDOSDUD RVDWRVHWHUPRVGDDomRSURSRVWDHSDUDTXHQRSUD]RGHGLDVTXHIOXLUiDSyVRGHFXUVRGRSUD]RGRSUHVHQWHHGLWDO DSUHVHQWHUHVSRVWD1mRVHQGRFRQWHVWDGDDDomRSUHVXPLUVHmRDFHLWRVSHODUpFRPRYHUGDGHLURVRVIDWRVDUWLFXODGRVSHOR DXWRU6HUiRSUHVHQWHHGLWDOSRUH[WUDWRDIL[DGRHSXEOLFDGRQDIRUPDGDOHLĆ&#x2021; 

'&+6#. &' %+6#cÂŹ1 24#<1 &'  &+#5 GZRGFKFQ PQU CWVQU FC #nlQ FG 7UWECRKlQ 241%'551 0Â?    1 # &QWVQT C 4GPCVC /QVC /CEKGN /CFGKTC &G\GO // ,WK\ C FG &KTGKVQ FC Â&#x153; 8CTC FG 4GIKUVTQU 2}DNKEQU FQ (QTQ %GPVTCN %sXGN FC %QOCTEC FG 5ÂŹ1 2#7.1 FQ 'UVCFQ FG 5lQ 2CWNQ PC HQTOC FC .GK GVE (#< 5#$'4 C #NGUUKCPFTC /KPEGXKEJWU QW #NGZCPFTG /KPEGXKEJWU 4GPCVQ $G\GTTC FC 5KNXC %QPHGEn|GU /' PC RGUUQC FQ TGR NGICN 5[NXKQ (WEKVQ G 0GW\C 8CEJVCIWG (WEKVQ 5GTIKQ 4QDGTVQ (TQPVGKTC 6JGQFQTQ /CTKQ .GRQTG G 4GDWPU 2QPEKCPQ FG #NOGKFC 5KNXCPC 8KFCN #TOGPIQN QW 5KNXCPK 8KFCN QW 5KNXCPC #TOGPIQN ,QUGNKC )QOGU (GTTGKTC #NFCKT 5KNXC FC %QUVC 0KGFLC 2KPVQ G 4QUC 2GNNGITKP )QDGVVK ToWU CWUGPVGU KPEGTVQU FGUEQPJGEKFQU GXGPVWCKU KPVGTGUUCFQU DGO EQOQ GXGPVWCKU EzPLWIGU GURxNKQU GQW UWEGUUQTGU SWG +01%'0%+# 14&10'5 (TCPEKUEC FG .QWTFGU 1TFQPGU .QRGU /CPQGN 1TFQPGU CLWK\QW TCO CnlQ FG 757%#2+ÂŹ1 VGPFQ RQT QDLGVQ Q KOxXGN NQECNK\CFQ PC 1DLGVKXCO QU CWVQTGU C UGPVGPnC FGENCTCVxTKC FQ KOxXGN WUWECRKGPFQ UKVWCFQ PC TWC (NQTKPFQ $ThU PÂ?  EQO hTGC FG O $GNGP\KPJQ EQPVTKDWKPVG PÂ?  PGUVC %CRKVCN 'UVCPFQ GO VGTOQU GZRGFGUG Q RTGUGPVG GFKVCN RCTC EKVCnlQ FQU UWRTCOGPEKQPCFQU RCTC SWG PQ RTC\Q FG  SWKP\G FKCU C HNWKT CRxU Q FGEWTUQ FQ RTC\Q FQ GFKVCN  FKCU  EQPVGUVGO Q HGKVQ 5GTh Q RTGUGPVG GFKVCN RQT GZVTCVQ CHKZCFQ G RWDNKECFQ PC HQTOC FC NGK $  G 

'&+6#. &' %+6#cÂŹ1 24#<1 &'  &+#5 GZRGFKFQ PQU CWVQU FC #nlQ FG 7UWECRKlQ 241%'551 0Â?    1 # &QWVQT C 4GPCVC /QVC /CEKGN /CFGKTC &G\GO // ,WK\ C FG &KTGKVQ FC Â&#x153; 8CTC FG 4GIKUVTQU 2}DNKEQU FQ (QTQ %GPVTCN %sXGN FC %QOCTEC FG 5ÂŹ1 2#7.1 FQ 'UVCFQ FG 5lQ 2CWNQ PC HQTOC FC .GK GVE (#< 5#$'4 C #TNKPFQ )COC%.18+5)#/#/#4+#2+'&#&')#/#5+.8#%CTNQU/QTCKUFC5KNXC*'4/+0+#)#/#&#.+.1GUO9CNFQOKTQ&CNKNQ 'TQPKVC (GTTGKTC .KOC )COC G UO 0GNUQP )COC 8#.37+4+# #2#4'%+&# &15 5#0615 )#/# 'FKUQP )COC 5QEKGFCFG %KXKN G 6GTTKVQTKCN FG .WEEC PC RGUUQC FQ 4GRTGUGPVCPVG .GICN &CXKF )COC G UO &QNQTGU %CDGnC )COC #XGNKPQ &K 4QDGTVQ G U O .CWTC FG ,GUWU &K 4QDGTVQ ToWU CWUGPVGU KPEGTVQU FGUEQPJGEKFQU GXGPVWCKU KPVGTGUUCFQU DGO EQOQ GXGPVWCKU EzPLWIGU GURxNKQU GQW UWEGUUQTGU SWG #PVQPKQ 0WPGU $CTCVC 5KNXKC (GTTGKTC $CTCVC CLWK\QW TCO CnlQ FG 757%#2+ÂŹ1 VGPFQ RQT QDLGVQ Q KOxXGN NQECNK\CFQ PC 4WC %QOCPFCPVG ,QlQ 4KDGKTQ FG $CTTQU PÂ?  Â? 5WDFKUVTKVQ%CPICsDC EQO hTGC FG O EQPVTKDWKPVG PÂ?  5lQ 2CWNQ52 'UVCPFQ GO VGTOQU GZRGFGUG Q RTGUGPVG GFKVCN RCTC EKVCnlQ FQU UWRTCOGP EKQPCFQU RCTC SWG PQ RTC\Q FG  SWKP\G FKCU C HNWKT CRxU Q FGEWTUQ FQ RTC\Q FQ GFKVCN  FKCU  EQPVGUVGO Q HGKVQ 5GTh Q RTGUGPVG GFKVCN RQT GZVTCVQ CHKZCFQ G RWDNKECFQ PC HQTOC FC NGK $  G 

 )< *< V $ $& !        @ 2#b   #Z 555+43*+66-/.*  " "" " !  "  "    "! A ! :  E     ?"     "" #B ))4+5)+*5))+555C.,/C '  B *36D*5))0 ? E 

   ;  c \  b  B 6C4+664+-3-/*5+   + > "  9   :> 8 9    )< &  => :    !"  8 D  ?   :  + @  ;   ?:    E 4-6/   E:   ! :  >+ $ )4*.D*556  8D  >N"  2  'OOO+E:: : "++1 0 ! : : :U "  /:  : > G  !T1:  ! E >

    '"0 1 ' "0 ! 7  '"0  )<    =    )6 #> 1  *5)* H" )5(55 7 "  N     *3 #> 1  *5)* H" )5(55 7 " E

/'"0  ;   " >: E:  "!    >:  ? 

 " AG

" E   !   *<    =    *3 #> 1  *5)* H" ))(55 7 "  N     )3  9 1  *5)* H" )5(55 7 " "  7A :   "  )< "   ; '"0 1 ' "0 " G'0 E '"0  ;   "   "

   :  ?   45Q  >: >:  ' + 46*    + )3   >+ $ + )4*.D*5560  1  R> : 1  "   ?    "   ! " :+  $ $&( '$ 0 $ b  

 C+*4 7  " A C*+455W  =   E: 1   " )3.5 7 ! !     E "  "  " "!" $  8"N  "  "      " 1" "

    G     "    : ),+)*6    R   E " 

R> " !"  8 /+ 1" >( R> : ! + %G N1 " + &V( P )5-+65555 '     $ : #>  "   "0  : 9   N '1 :D*5)*0+ #VY  &#(  ?  "!"    >   $ ' " :7 !   $E "   0 B )+4*.D*556 "! 1 : 9   " ( OOO+E:: : "++1 + (  : : " G : 9  ! : : :  $ =  2 "   8 B 44.+ 2$#   $V / " ! " '"0 1 ' "0    '"0 > G'0 " !"  "  >N" E  !R"  A  :      " : ++ '1   "" EJ  "0   >N"  " OOO+11++1  ! 9 *, 7 "  : 9  : : 1   > G " !"     ""   :   "!

 .Q '  !  0 "1  >:      >N" !E   7   1 G     F   "? J   : S   "! => :  ! 9  N 5) '0

 T :         : :      :  ?  :( $   2 "   F  )C6+5*.+3C-/5*     " : EJ   5434/\ D C)4.5/*+   N . 7 " !R"    

  :       1 G  / :  " U " !  !R"  F 

" "!    1   " / :  " ?   !R" +   "  ! 9 "  ;     7 : 9   !R"  : ?  " G  7   $$+ 8=9 ! !   !:  "  " : E " 1=> "+     " G ?    !E      !  ! :     ?  

U " !E   

 "+ :  >  " G 

    !E   ! 9 ). "    35Q  >:    ' + 465  0+ $#(   " 1 :    !"" 1 :  !  :   !E   " !:    E 465 ! GE ?    !

  :    ?   !E   " E ? ( 35Q         " " .Q  : :   ":    N 4 '" "0 !  :" !

/"       ;

 " ; + $V  \V(  '0'"0    '0'"0 !R"  !1:   :  !=E ?  !E  =>   "  A  '"0  :  '"0 '"0 1 ' "0  ?    E 4.)  R E   ""  > : > G ! "   N 

  7  " E  " !   : :  E  ! 1 R   ?  !E  ! 7  !  ?9

   ! "" ;  H      "

 >   !  : ? :   "  !  : E  + # " " > G '0    '0 !E  ! I    : 9   =>   " A " " " 7  G "  > = "   "" >    :  ?  : .Q '  !  0 "1  >: !E ' =>   ;

0+ ( 

 ?     " ! " > G '0    '0    " "! "" >:E "" " ! : : :   "!

"  .Q '  !  0 "1  >:   + ]&  $#( ! "": !   ?=  

" > 

     " R   : :  ?  : :: 9     

    B *.3 : ** 2 :7" ! : F   

 ! : : ? '))0*,5-/C,33 / :(   ^E:: : "++1  '0 '"0    '"0  " "" " #$ " " E U " "!  "  " A :: 9 " !    ! "":+ #  "  "  " 7>  "  " !

A:E + _>  " S " "1  R> :  G !       _  " ( N1 " D  " " 'GE :9  :  EG" 

= 0+  >

 " G ?     G `  !"a  "    " > ; 1  ! 7   "   >

 :   D   > ? G/: ` :a "1 " "! "1 :  +  G  ! " : !    ?   !1:    ?   : + X

'&+6#. &' %+6#cÂŹ1 24#<1 &'  &+#5 GZRGFKFQ PQU CWVQU FC #nlQ FG 7UWECRKlQ 241%'551 0Â?    1 # &QWVQT C )WKNJGTOG /CFGKTC &G\GO // ,WK\ C FG &KTGKVQ FC Â&#x153; 8CTC FG 4GIKUVTQU 2}DNKEQU FQ (QTQ %GPVTCN %sXGN FC %QOCTEC FG 5ÂŹ1 2#7.1 FQ 'UVCFQ FG 5lQ 2CWNQ PC HQTOC FC .GK GVE (#< 5#$'4 C5'4)*'+$'4'<76%*+&'$14#4')+0#&1)12#64+%+#4')+0#&1)1ToWUCWUGPVGUKPEGTVQUFGUEQPJGEKFQU GXGPVWCKU KPVGTGUUCFQU DGO EQOQ GXGPVWCKU EzPLWIGU GURxNKQU GQW UWEGUUQTGU SWG #PC .WEKC 6JGQFQTQ 6CINKGTK +FGOCT 6CDNKGTK /CTEKC +IPGU 6JGQFQTQ #NXGU 0KXCNVGT #NXGU 1UECT #WIWUVQ 6GQFQTQ 0GWUC )QOGU 6GQFQTQ 'NK\CDGVJ 6GQFQTQ (KO FG #TC}LQ CLWK\QW TCO CnlQ FG 757%#2+ÂŹ1 VGPFQ RQT QDLGVQ Q KOxXGN NQECNK\CFQ PC 4WC %QOGPFCFQT ,QUG #NXGU &KCU PÂ?  G # 8KNC 0CKT EQO hTGC FG O EQPVTKDWKPVG PÂ?  5lQ 2CWNQ52 CNGICPFQ RQUUG OCPUC G RCEsHKEC PQ RTC\Q NGICN 'UVCPFQ GO VGTOQU GZRGFGUG Q RTGUGPVG GFKVCN RCTC EKVCnlQ FQU UWRTCOGPEKQPCFQU RCTC SWG PQ RTC\Q FG  SWKP\G FKCU C HNWKT CRxU Q FGEWTUQ FQ RTC\Q FQ GFKVCN  FKCU  EQPVGUVGO Q HGKVQ 5GTh Q $  G  RTGUGPVG GFKVCN RQT GZVTCVQ CHKZCFQ G RWDNKECFQ PC HQTOC FC NGK

&,7$d­2 '$ 5(48(5,'$ 25,21 7(&12/2*,$ '( 32d26 /7'$ QD SHVVRD GH VXD UHSUHVHQWDQWH OHJDO 6UD 0,&+(/( 0$56$1 &20 35$=2 '(  ',$6 352&(662 1Â&#x17E;  25'(0 1Â&#x17E;  $ '5$ )$%,$1$ )(+(5 5(&$6(16 00D -Xt]D GH 'LUHLWR GD 3ULPHLUD 9DUD &tYHO GD &RPDUFD GH 6mR %HUQDUGR GR &DPSR (VWDGR GH 6mR 3DXOR QD IRUPD GD OHL HWF )$= 6$%(5 D UHTXHULGD 25,21 7(&12/2*,$ '( 32d26 /7'$ FDGDVWUDGD QR &13VRE QÂ&#x17E;  QD SHVVRD GH VXD UHSUHVHQWDQWH OHJDO 6UD 0,&+(/( 0$56$1 FDGDVWUDGD QR &3) VRE QÂ&#x17E;  TXH :*1 $66(6625,$ ( &2168/725,$ /7'$  0( PRYHXOKH XPD DomR 0RQLWyULD UHTXHUHQGR D DXWRUD j SURFHGrQFLD GD DomR SDUD UHFHELPHQWR GD LPSRUWkQFLD GH 5  DSXUDGD HP RXWXEUR GH  FUpGLWR RULXQGR GD GXSOLFDWD QÂ&#x17E;  ( HVWDQGR D UHTXHULGD VXSUDPHQFLRQDGD HP OXJDU LJQRUDGR IRL GHIHULGD D VXD &,7$d­2 QD SHVVRD GH VXD UHSUHVHQWDQWH OHJDO 6UD 0LFKHOH 0DUVDQ GRV WHUPRV GD DomR DMXL]DGD SDUD TXH QR SUD]R GH TXLQ]H  GLDV D IOXLU GR SUD]R VXSUD YHQKD HIHWXDU R SDJDPHQWR GR GpELWR UHFODPDGR DFUHVFLGR GD FRUUHomR PRQHWiULD H MXURV OHJDLV RX HP LJXDO SUD]R YHQKD RIHUHFHU HPEDUJRV VRE DV SHQDV GR DUW  & GR &3&LYLO 6HUi R SUHVHQWH DIL[DGR H SXEOLFDGR QD IRUPD GD OHL 6%&DPSR  GH 6HWHPEUR GH  %  H 

(',7$/ '( &,7$d­2 35$=2 '(  ',$6 H[SHGLGR QRV DXWRV GD $omR GH 8VXFDSLmR 352&(662 1Â&#x17E;     2 $ 'RXWRU D 5HQDWD 0RWD 0DFLHO 0DGHLUD 'H]HP 00 -XL] D GH 'LUHLWR GD Â? 9DUD GH 5HJLVWURV 3~EOLFRV GR )RUR &HQWUDO &tYHO GD &RPDUFD GH GH 6­2 3$8/2 GR (VWDGR GH 6mR 3DXOR QD IRUPD GD /HL HWF )$= 6$%(5 D R UpXV DXVHQWHV LQFHUWRV GHVFRQKHFLGRV HYHQWXDLV LQWHUHVVDGRV EHP FRPR VHXV F{QMXJHV HRX VXFHVVRUHVTXH1HOL%DUEX\&XQKD0RQDFFLH:DOWHU0RQDFFLDMXL]RX UDP DomRGH868&$3,­2YLVDQGRRLPyYHOVLWXDGR QD 3UDoD GD 5HS~EOLFD  FM  Â&#x17E; DQGDU Â&#x17E; SDYLPHQWR GR (GLItFLR 0DULD &ULVWLQD Â&#x17E; 6XEGLVWULWR &RQVRODomR FRQWULEXLQWH QÂ&#x17E;  FRP iUHD FRQVWUXtGD GH PĂ° VHQGR PĂ° GH iUHD ~WLO H PĂ° GH iUHD FRPXP FDEHQGROKH IUDomR LGHDO GH  DOHJDQGR SRVVH PDQVD H SDFtILFD QR SUD]R OHJDO (VWDQGR HP WHUPRV H[SHGHVH R SUHVHQWH HGLWDO SDUD FLWDomR GRV VXSUDPHQFLRQDGRV SDUD QR SUD]R GH  TXLQ]H GLDV D IOXLU DSyV R SUD]R GH  GLDV FRQWHVWHP R IHLWR VRE SHQD GH SUHVXPLUHPVH DFHLWRV FRPR YHUGDGHLURV RV IDWRV DUWLFXODGRV SHOR DXWRU 6HUi R SUHVHQWH HGLWDO SRU H[WUDWR DIL[DGR H SXEOLFDGR QD IRUPD GD OHL %  H 

              ! "   ! ## $%  & '()*)+,)-+..-/,.0 1    /     $ 2  '( .34+4-5+,6-/).0 " 7 "     & (     $$+ 8 9    : :   $ ; " 2   "  6< &  => :     "/  ?   :  @  " ;  ! "  : >   :  7    >  "" !"" ;  ! " 8=9 !  ""/" "  "     = :  A  : A 9  ! ## $  &         $ 2  !  "" B+ .4*+5)+)666+55*C)./5C ')-5D)6660 ; ? " E    >

  1  "  1     " E " !" "  " E (  !  F  )< !  G =    )6 > 1  *5)* H" )*(35 7"+ # 7>

 :  E:  "!  H ! I    >:  " 3 ' J"0 " "1" ;K "  =   )< ! L  *< !  " E /" /G "  !  

/"   ** > 1  *5)* H" )*(35 7" "   G  )* 9 1  *5)* H" )*(35 7"+  

     F  !  " G : 9  ! $ M#  >N"   : OOO+ :A  :++1 D: " G 

9  ! : 2 "   8  :  /     >" 2 "  8  : "   #8D$ "1  B+ 5-+366+4C4D555)/5) ! :  :  ?  :  + 

    :   8    :

 "    : F 8 "1 4C6+  &: $=  &

    F # )< !   >: =  !   >

  1  ! E  " G  >:  >:  A  : ; N P )))+)-,4. '   9  :     ;   " " ""     >"0  : 9 "  N " 1  *5)*+ # *< !   >: =  !   >

  "!

G  45Q '" ""  !  0  >:

 >:  A  :+   ""  2 "   8  : F     > G !E H 2 "   8  :   = :  ""  >:  "!

 .Q '  !  0 "1  !      R> :+ " :  " F " :  " >  " ?  " ! :    >N"   : OOO+ :A  :++1 D: + " N1 " F >  " S " "1  R> :   !            ! > "    + )35 ! GE ? T   R E  1 G  #  :+    F  !  !1:    : " " A  : 1     " ! "  ""! "

 !  ?       1 E   !E  >:   "" >  H 2 "   8  :  .Q '  !  0  >:   +  " " E " 

U " !: G> " "  "! => "   : OOO+ :A  :++1 D: +  :  1  G  "!"   : E ": !: G> :   >   $ B )+4*.D56  8  !   E 33.  R E  :+  !1:  " : "! > : " "" "  ? U " ! "" " " "!  >" !  "+ V  # / R> :(  !   B .* :: 9   .B 

  4B !>     ?=  7 ; 7 & E "   H >   " : ";   >  "   :>  ! =   1  "     G  T : -5+3*.5W G   )6+C44W G   " =  )55+56).W   ?  :   6-,C*W ; >:  )645,Q   + $ =: ,5+C4) ? 7 5)  ?=   E "  R> "    2 

/+  1 B *+5*+5-+5)3+5))+55.*/.+  7 "(  R> : 1A    =: B ,5+C4)   E "  R> "    2 

/ !    $$+8=9  56< &  => :     "/ ? ! 7   !  E    N1  A 9  "  "

B ).66D)66C  "  E "  +54L  "    =: B ,5+C4)   E "  R> "    2 

/ !    $$+8=9  56< &  => :     "/  ! 7   ;

  "  E "  +-+ N1 " ( P 35+64-65 '   : >  " " ""     " >   >"0  : 9 "  N " 1  *5)* ! : ;: "!

G  !        " "  ! GE ? T    +)35  R E  1 G  #  :+ >: ( P )))+)-,4. '   9  :     ;   " " ""     >"0  : 9 "  N " 1  *5)*+ N1 " "  ( P C,+3-)4. '"  ;   : 9 "     " " ""     >"0  : 9 "  N ? >  *5)* ! : ;: "!

G  !          7>

":   " "!

G ! "      "  + #   "+ X

 )< *< V $ $& !        @ 8  #VY  #8 #Z ,-+*-5+3)CD555)/..  " "" " !  "  "

    = :"  A  :   "" #B ))4+5)+*55,+55,),)/*D555555/555 '  B )*4D*55,0 ? E 

   ;  #   D  B 55+555+5555D)5C3/)5+   +  S  $     $ : 8=9    )< &  => :    !"  8 D  ?   :  + @  ;   ?:    E 4-6/   E:   ! :  >+ $ )4*.D*556  8D  >N"  2  'OOO+E:: : "++1 0 ! : : :U "  /:  : > G  !T1:  ! E >

    '"0 1 ' "0 ! 7  '"0  )<    =    )6 #> 1  *5)* H" )5(55 7 "  N     *3 #> 1  *5)* H" )5(55 7 " E

/'"0  ;   " >: E:  "!    >:  ? 

 " AG " E   !   *<    =    *3 #> 1  *5)* H" ))(55 7 "  N     )3  9 1  *5)* H" )5(55 7 " "  7A :   "  )< "   ; '"0 1 ' "0 " G'0 E '"0  ;   "   "

   :  ?   45Q  >: >:  ' + 46*    + )3   >+ $ + )4*.D*5560  1  R> : 1  "   ?    "   ! " :+  $ $&(  #B *)* ' 9 " 9 0  [  C '" 0  :      8$ #&  *< 2: 1  G  )+)4555"* '7  :   " ""   " ;  "0L  ? !    >" 

 *.55"+  :    ?     : B *)3 

 3-*5"+  :  ";   ?     :  E  ?     >+ $ 7 "  "    

 ,455 "+   ?  : E  

 3-*5"+ " ?

"  ?    : B *)C 

 *455"+ $ :  : B )4+.)6 ?  :  E "  R> " !"  8 +  "   $8 "1 B 54+5*)+53-+  ( R> : !   !"" > + &V( P ).5+55555 '   ;  $ :   "0  : 9   N 'E" D*5))0+ #(  E

   >:   : ! 7   "  ?   !  " J   ; ?   " =    #Z *)3 ""

      "  !  ": "  ? :  + #VY  &#(  ?  "!"    >   $ ' " :7 !   $E "   0 B )+4*.D*556 "! 1 : 9   " ( OOO+E:: : "++1 + (  : : " G : 9  ! : : :  $ =  2 "   8 B 44.+ 2$#   $V / " ! " '"0 1 ' "0    '"0 > G'0 " !"  "  >N" E  !R"  A  :      " : ++ '1   "" EJ  "0   >N"  " OOO+11++1  ! 9 *, 7 "  : 9  : : 1   > G " !"     ""   :   "!

 .Q '  !  0 "1  >:      >N" !E   7   1 G     F   "? J   : S   "! => :  ! 9  N 5) '0  T :         : :      :  ?  :( $   2 "   F  )C6+5*.+3C-/5*     " : EJ   5434/\ D C)4.5/*+   N . 7 " !R"       :       1 G  / :  " U " !  !R"  F 

" "!    1   " / :  " ?   !R" +   "  ! 9 "  ;     7 : 9   !R"  : ?  " G  7   $$+ 8=9 ! !   !:  "  " : E " 1=> "+    " G ?    !E      !  ! :     ?  

U " !E   

 "+ :  >  " G 

    !E   ! 9 ). "    35Q  >:    ' + 465  0+ $#(   " 1 :    !"" 1 :  !  :   !E   " !:    E 465 ! GE ?    !

  :    ?   !E   " E ? ( 35Q         " " .Q  : :   ":    N 4 '" "0 !  :" !

/"       ;

 " ; + $V  \V(  '0'"0    '0'"0 !R"  !1:   :  !=E ?  !E  =>   "  A  '"0  :  '"0 '"0 1 ' "0  ?    E 4.)  R E   ""  > : > G ! "   N    7  " E  " !   : :  E  ! 1 R   ?  !E  ! 7  !  ?9

   ! "" ;  H      "

 >   !  : ? :   "  !  : E  + # " " > G '0    '0 !E  ! I    : 9   =>   " A " " " 7  G "  > = "   "" >    :  ?  : .Q '  !  0 "1  >: !E ' =>   ;

0+ ( 

 ?     " ! " > G '0    '0    " "! "" >:E "" " ! : : :   "!

"  .Q '  !  0 "1  >:   + ]&  $#( ! "": !   ?=  

" > 

     " R   : :  ?  : :: 9     

   B *.3 : ** 2 :7" ! : F   

 ! : : ? '))0*,5-/C,33 / :(   ^E:: : "++1  '0 '"0    '"0  " "" " #$ " " E U " "!  "  " A :: 9 " !    ! "":+ #  "  "  " 7>  "  " !

A:E + _>  " S " "1  R> :  G !       _ 1   >  " N1 "   " " !" " ; "  "! "1 :      ++  >

 " G ?     G `  !"a  "    " >  ; " 1 " ! 7  " "   >

  :   D   > ? G/:" ` :a "1 " "! "1 :  +  G  ! " : !    ?   !1:    ?   : + X


quinta-feira e sexta-feira, 15 e 16 de novembro de 2012

e

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

conomia

Caem as vendas na rede mundial do Wal-Mart Maior varejista do planeta teve resultado negativo

O

Wal-Mart reportou ontem vendas trimestrais abaixo da expectativa de analistas, na medida em que a fraca economia mundial pressionou compradores não só nos Estados Unidos, mas globalmente. A maior varejista do mundo também disse que abriu inquéritos internos ou investigações sobre alegações de suborno no Brasil, China e Índia, somandose à sua investigação no México. As ações do Wal-Mart caíam 3,7% por volta das 14h14 de ontem, na medida em que as vendas em suas lojas de desconto nos Estados Unidos e na unidade Sam's Club vieram abaixo das expectativas – menores consumidores compraram em suas lojas na China e no Japão. "Quer você esteja no Reino Unido, na Argentina, no México, na China, nos Estados Unidos ou no Canadá, eu acho que todos os consumidores estão começando a ficar sob o mesmo tipo de pressão", disse o diretor financeiro Charles Holley, em teleconferência com jornalistas. Ainda assim, a companhia disse que as vendas até o mo-

mento neste mês foram melhores que o esperado nos Estados Unidos, na medida em que a estratégia de preços baixos tem atraído consumidores preocupados sobre seus empregos e custos de gasolina, energia e alimentos. Ven d as – As vendas totais avançaram 3,4% no trimestre encerrado em 31 de outubro, para US$ 113,2 bilhões. Analistas esperavam, em média, vendas de US$ 114,96 bilhões, de acordo com o Thomson Reuters. Excluindo o impacto de flutuações cambiais, as vendas teriam sido de US$ 114,9 bilhões, disse a companhia. As vendas internacionais subiram 2,4%, para US$ 33,16 bilhões, e teriam avançado 7,6% sem as flutuações cambiais, disse a companhia. O lucro operacional cresceu 4,8%. As operações internacionais do Wal-Mart seguem sob escrutínio, seguindo a publicação de um artigo pelo New York Times em abril sobre suposto caso de propina na unidade da varejista no México. A companhia disse que gastou milhões de dólares para tratar do assunto. (Reuters)

Os preços ao consumidor sobem 0,1% nos EUA

O

s preços ao consumidor nos Estados Unidos subiram em outubro, à medida em que os custos de moradia tiveram a maior alta em mais de quatro anos, enquanto os preços da gasolina recuaram em um impulso para o poder de compra do consumidor. O Índice de Preços ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) aumentou 0,1% no mês passado, em linha com as expectativas de analistas, mostraram dados do Departamento de Trabalho divulgados ontem. As informações apontaram ainda para apenas modestas pressões inflacionárias que parecem pouco prováveis em atrapalhar o plano do Federal Reserve (banco central dos EUA) de manter as taxas de juros baixas por

um período prolongado. Aluguel – Preços para moradia, incluindo aluguel, subiram 0,3% no mês, o maior avanço desde 2008, e responderam por mais da metade de todo o avanço do CPI. Os preços da gasolina nos Estados Unidos caíram 0,6% em outubro, após terem saltado 7% um mês antes. Esse foi o primeiro recuo no preço da gasolina desde junho. Custos mais elevados na bomsa tem forçado muitos consumidores norteamericanos a cortar outras despesas. No acumulado de 12 meses até outubro, os preços gerais ao consumidor aumentaram 2,2%. A maioria dos economistas não vê a inflação como uma ameaça para a economia norte-americana no curto ou longo prazo. (Reuters)

P&G corta 5,7 mil postos

A

Procter & Gamble pretende extinguir mais postos de trabalho nãoindustriais até 2016, além de cortar 10% dessa mão-deobra até o final de junho, numa tentativa de revigorar o maior fabricante mundial de produtos domésticos, que havia se tornado ineficiente. A P&G disse também que deve elevar sua recompra de ações de US$ 4 bilhões para US$ 6 bilhões, mas que esse movimento não deve impactar significativamente os dividendos. A empresa manteve as previsões do final de outubro para o faturamento e o lucro no atual trimestre e no ano fiscal. A P&G está num processo de eliminação de 5,7 mil empregos não-industriais até o final do ano fiscal que termina em junho. A decisão agora é de continuar enxugando de 2% a

DIÁRIO DO COMÉRCIO

4% dessa categoria por ano durante os anos fiscais de 2014 a 2016. Há meses a empresa, fabricante do detergente Tide e das fraldas Pampers, trabalha para melhorar sua estrutura e cortar custos. Ela admitiu que recentes lançamentos não fizeram tanto sucesso, caso do Swiffer. A P&G não explicou exatamente onde pretende cortar as vagas, mas antecipou que as unidades em mercados desenvolvidos serão mais afetadas do que nos países em desenvolvimento, onde há "significativas oportunidades de crescimento", segundo o diretor Jon Moeller. Concorrentes como Kimberly-Clark e Colgate-Palmolive também estão reduzindo sua folha de pagamentos por causa das más condições econômicas em mercados como EUA e Europa. (Reuters)

ECONOMIA/LEGAIS - 19

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA PREGÃO ELETRÔNICO DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 36/00387/12/05 OBJETO: ATA DE REGISTRO DE PREÇOS PARA AQUISIÇÃO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS - LOTE 1 FANFARRA BÁSICA A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para ATA DE REGISTRO DE PREÇOS PARA AQUISIÇÃO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS - LOTE 1 FANFARRA BÁSICA As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital a partir de 21/11/2012, no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br ou na sede da FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 - São Paulo/SP, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, ou verificar o edital na íntegra, através da Internet, no endereço: http://www.fde.sp.gov.br. A sessão pública de processamento do Pregão Eletrônico será realizada no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br, no dia 03/12/2012, às 10:00 horas e será conduzida pelo pregoeiro com o auxílio da equipe de apoio, designados nos autos do processo em epígrafe e indicados no sistema pela autoridade competente. Todas as propostas deverão obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital e seus anexos e serão encaminhadas, por meio eletrônico, após o registro dos interessados em participar do certame e o credenciamento de seus representantes previamente cadastrados. A data do início do prazo para envio da proposta eletrônica será de 21/11/ 2012, até o momento anterior ao início da sessão pública. HERMAN JACOBUS CORNELIS VOORWALD Respondendo pela Presidência Decreto s/nº de 03/10/2012

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO IMPRENSA OFICIAL DO ESTADO S.A. AVISO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 096/2012 A IMPRENSA OFICIAL DO ESTADO S/A-IMESP avisa aos interessados que fará realizar o Pregão Eletrônico nº 096/2012, para contratação de serviços continuados de assistência médica, hospitalar, métodos complementares de diagnósticos, tratamentos e serviços auxiliares, caracterizados como Plano ou Seguro Saúde Coletivo, englobando segmentos ambulatorial, hospitalar e obstétrico nos termos da legislação que regulamenta a matéria, para os diretores, empregados e seus dependentes legais e agregados remanescentes, estagiários e aprendizes da Imprensa Oficial – OFERTA DE COMPRAS Nº 283101280902012OC00090. O edital deverá ser retirado no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br, www.bec.fazenda.sp.gov.br ou www.e-negociospublicos.com.br. DATA DO INÍCIO DO PRAZO PARA ENVIO DA PROPOSTA ELETRÔNICA: 21/11/2012. DATA E HORA DA ABERTURA DA SESSÃO PÚBLICA: 03/12/2012, ÀS 09:30 HORAS. SP. 14/11/2012. Maria Felisa Moreno Gallego Diretora Vice-Presidente, respondendo pela Presidência.

CASA CIVIL RESPEITO POR VOCÊ

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA PAULISTA AVISO DE ABERTURA DE LICITAÇÃO Acha-se aberto, na Prefeitura do Município de Bragança Paulista, o seguinte certame licitatório: TOMADA DE PREÇOS 018/2012 OBJETO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA CONCLUSÃO DA REFORMA DO MERCADO MUNICIPAL COMPREENDENDO ESTACIONAMENTO, ESTABELECIMENTOS COMERCIAS COM ACESSO EXTERNO E SISTEMA DE PROTEÇÃO DE INCÊNDIOS DATA DE ABERTURA: 11.12.2012, às 09:30 horas. VISITA TÉCNICA: ATÉ 07.12.12 GARANTIA PARA LICITAR: ATÉ 10.12.12 Os editais completos estão disponíveis no Balcão da Divisão de Licitação, Compras e Almoxarifado. As informações poderão ser obtidas na Divisão de Licitação, Compras e Almoxarifado da Prefeitura Municipal, sita à Avenida Antonio Pires Pimentel nº 2.015, Centro ou por tel: (11) 4034-7056, em dias úteis, das 09:00 às 16:00 horas. Bragança Paulista, 14 de novembro de 2011. JOÃO ALBERTO SIQUEIRA DONULA SECRETÁRIO MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA PREGÃO ELETRÔNICO DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 36/00095/12/05 OBJETO: AQUISIÇÃO DE MESAS - ME-20, ME-21, ME-22, ME-23, ME-24, ME-25 E GAVETEIRO - GV-02 A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para AQUISIÇÃO DE MESAS - ME-20, ME-21, ME-22, ME-23, ME-24, ME-25 E GAVETEIRO - GV-02. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital a partir de 21/11/2012, no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br ou na sede da FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 - São Paulo/SP, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, ou verificar o edital na íntegra, através da Internet no endereço: http://www.fde.sp.gov.br. A sessão pública de processamento do Pregão Eletrônico será realizada no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br, no dia 03/12/2012, às 09:30 horas e será conduzida pelo pregoeiro com o auxílio da equipe de apoio, designados nos autos do processo em epígrafe e indicados no sistema pela autoridade competente. Todas as propostas deverão obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital e seus anexos e serão encaminhadas, por meio eletrônico, após o registro dos interessados em participar do certame e o credenciamento de seus representantes previamente cadastrados. A data do início do prazo para envio da proposta eletrônica será de 21/11/ 2012, até o momento anterior ao início da sessão pública. HERMAN JACOBUS CORNELIS VOORWALD Respondendo pela Presidência Decreto s/nº de 03/10/2012

PREFEITURA DA ESTÂNCIA BALNEÁRIA DE MONGAGUÁ/SP AVISO DE EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 053/2012 Acha-se aberto na Prefeitura da Estância Balneária de Mongaguá o Pregão Presencial nº 053/2012 - Objeto: Aquisição de móveis de escritório, berços e colchões, para serem utilizados nas unidades escolares e Creches municipais, e pela Diretoria de Assistência Social, conforme descrição no Anexo I. O início da sessão de lances dar-se-á às 09h30min, do dia 29 de novembro de 2012. O edital na íntegra encontra-se à disposição dos interessados, no endereço eletrônico www.mongagua.sp.gov.br, através do aplicativo Licitações Pregão Presencial. Para qualquer esclarecimento, entrar em contato pelos telefones (13) 3445-3067 – 3445-3082, e pelo e-mail licitação@mongagua.sp.gov.br - Salim Issa Salomão - Autoridade Competente.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINDAMONHANGABA EDITAL RESUMIDO PREGÃO Nº 312/2012 A Prefeitura torna público que se acha aberto no Depto. de Licitações e Compras, sito na Av. N. Sra. do Bom Sucesso n° 1.400, Bairro Alto do Cardoso, o PP nº 312/12, referente à “Contratação de empresa para sinalização vertical em solo no bairro do Pasin”, com encerramento dia 29/11/12 às 15h30 e abertura às 16h. O edital estará disponível no site www.pindamonhangaba.sp.gov.br. Maiores informações poderão ser obtidas no endereço supra das 8h às 17h ou através do tel.: (12) 3644-5600. Pindamonhangaba, 14 de novembro de 2012. PREGÃO Nº 316/2012 A Prefeitura torna público que se acha aberto no Depto. de Licitações e Compras, sito na Av. N. Sra. do Bom Sucesso n° 1.400, Bairro Alto do Cardoso, o PP nº 316/12, referente à “Aquisição de equipamentos e materiais para reposição em semáforo já instalados no Município”, com encerramento dia 29/ 11/12 às 8h e abertura às 8h30. O edital estará disponível no site www.pindamonhangaba.sp.gov.br. Maiores informações poderão ser obtidas no endereço supra das 8h às 17h ou através do tel.: (12) 36445600. Pindamonhangaba, 14 de novembro de 2012. Bom Jardim Empreendimentos Imobiliários Ltda. CNPJ/MF n.º 49.934.060/0001-70 Edital de Convocação Assembleia Geral Ficam convocados os Srs. quotistas a reunirem-se no dia 28/11/2012, às 15h00, na Av. Pres. Juscelino Kubitschek, 50, 14º andar, S. Paulo/SP na qual serão examinadas e votadas as seguintes matérias: (i) Relatório da Diretoria, do Balanço Patrimonial e das Demonstrações Financeiras relativas aos exercícios sociais findos em 31/12/2007, 2008, 2009, 2010 e 2011; (ii) Cessão e transferência de quotas em razão de falecimento de sócio; (iii) Aumento do Capital Social mediante a emissão de novas quotas e subscrição delas pelos sócios; (iv) Integralização das quotas subscritas pelos sócios com créditos detidos por eles na Sociedade; (v) Nova composição do Capital Social com a consequente alteração da Cláusula 5º do Contrato Social; (vi) Outros assuntos de interesse da Sociedade. S. Paulo, 08/11/2012. Maurício Ferraz de Camargo Filho. (13-14-15) STYLOFINO INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE QUADROS LTDA.-ME torna público que recebeu da CETESB a Licença de Operação N° 32006579, válida até 21/09/2015, para fabricação de quadros completos (com gravuras, estampas, etc.) , sito à Estrada de Belém, 575, Polo Industrial, Franco da Rocha/SP. LAVIE INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE PLÁSTICOS LTDA.-EPP torna público que solicitou junto à CETESB a Renovação de Licença de Operação para a atividade de Porta-cd (plástico),fabricação de, sita à R. Aron Master 217, Jardim Guançã, São Paulo/SP.

PAULO VASCONCELOS DE OLIVEIRA SUZANO-ME torna público que requereu da CETESB a Renovação da Licença de Operação, para fabricação de Prateleiras de madeira, sito à Av. Taiaçupeba, 820, Vila Amorim, Suzano/SP.

A empresa ADM Comércio de Roupas Ltda., CNPJ nº 04.744.781/0039-52, comunica a praça que, após diversas tentativas de contato, a Sra. Luana Teixeira da Silva, portadora da CTPS nº 25.221-Série 404-SP e RG nº 47.325.135-8-SSP, teve efetivação de Abandono de Emprego no dia 14/11/2012.

Pró Metalurgia S.A. Companhia Aberta CNPJ nº 56.994.924/0001-05 - NIRE 35.300.049.49-7 Ata de Assembleia Geral Extraordinária, Realizada em 28 de Setembro de 2012 Data, Hora e Local: 28/09/2012, às 10:00 h, na sede social da Pró Metalurgia S.A., na R. Manoel Antonio da Luz, 76, 1º A, nesta Capital do Estado de SP, reuniram-se os acionistas em AGE, representando mais de 2/3 das ações ordinárias escriturais com direito a voto, para deliberar e votar as matérias objeto da ordem do dia.Após a verificação do quórum, conforme as assinaturas apostas no Livro de Presença de Acionistas, na forma estatutária e legal, assumiu a presidência dos trabalhos o Sr. Luiz Augusto Trindade - Diretor-Presidente e Diretor de Relações com o Mercado, que convidou a mim, Jacinto Gonçalves, para secretário.Declarada instalada a AGE, na forma da legislação em vigor, determinou, o Sr. Presidente, que fossem lidos os termos do Edital de Convocação publicado no DOESP nos dias 25, 28 e 29/08/2012 e no DC, nos dias 25, 26, 27, 28 e 29/08/2012: “Pró Metalurgia S.A. Cia. Aberta - CNPJ nº 56.994.924/0001-05, NIRE 35.300.049.497 - Edital de Convocação - AGE - Ficam os Srs. acionistas convocados a comparecer à AGE a ser realizada no dia 28/09/2012, às 10:00 h, na sede social, na R. Manoel Antonio da Luz, 76, 1º A, bairro de Santo Amaro, SP/SP, para as necessárias deliberações a respeito da seguinte Ordem do Dia: (a) mudança de endereço da sede social; (b) alteração da redação do Art.2º do Estatuto Social; e (c) consolidação do Estatuto Social.SP, 15/08/2012 - Luiz AugustoTrindade - Presidente do Conselho de Administração e Diretor de Relações com o Mercado.Deliberações:tomadas por unanimidade de votos, da seguinte forma:(a) foi aprovada a mudança de endereço da sede da Cia.para a Av.Tégula, nº 888, EdifícioTopázio, Bloco F, módulo 17, S. 1, localizado dentro do CEA (Contro Empresarial Atibaia), no Bairro Ponte Alta, Atibaia, SP, CEP 12952-820, para reduzir custos operacionais e colocar a administração da Cia. junto com as atividades de produção, facilitando a comunicação e a tomada de decisões de forma mais célere e ágil, através da total integração das atividades administrativas e operacionais da Cia., sendo mantida a filial de Atibaia, SP, sem qualquer mudança ou alteração; (b) consequente a alteração do endereço da sede com a nova redação do Art. 2º do Estatuto Social, que passa a vigorar da seguinte forma: “Art. 2º - A sociedade tem sua sede e domicílio na Av.Tégula, nº 888, Edifício Topázio, Bloco F, módulo 17, sala 1, dentro do CEA (Centro Empresarial Atibaia), no Bairro Ponte Alta, na Cidade de Atibaia, SP, CEP 12952-820, podendo manter filiais, escritório de vendas, depósitos, agências ou representações em qualquer parte do território nacional e fora do País. § Único - A sociedade tem uma filial na Cidade de Atibaia, SP, localizada na Av. Tégula, nº 888, Edifício Topázio, Bloco F, módulos 17 e 18, dentro do CEA (Centro Empresarial Atibaia), no Bairro Ponte Alta, CEP 12952-820, onde funcionam suas instalações fabris, inscrita perante o CNPJ sob o nº 56.994.929/0002-96; NIRE 35.903.08803-6; Inscrição Estadual nº 190.175.214.115 e Inscrição Municipal nº 3.125-2.”; e (c) na sequencia, foi aprovada a adoção do texto consolidado do Estatuto Social, e que, em anexo, passa a fazer parte integrante e indissociável desta ata. Encerramento: Por fim, franqueou o Sr. Presidente a palavra a quem dela quisesse fazer uso sobre quaisquer outros assuntos de interesse social; e como ninguém se manifestou, foi declarada encerrada a AGE, e lavrada a respectiva ata. Luiz Augusto Trindade - Presidente da Mesa; Jacinto Gonçalves - Secretário da Mesa. Acionistas Presentes: Luiz Augusto Trindade; Jacinto Gonçalves; Elmo Donizetti Pimenta; Pp. Gible Empreendimentos e Participações Ltda., (Elmo Donizetti Pimenta); e Pp. Bac Cinco Empreendimentos e Participações Ltda. (Elmo Donizetti Pimenta).Procurações e Lista de presença anexas.A presente é cópia fiel do original.SP, 28/09/2012.Luiz AugustoTrindade - Presidente da Mesa, Jacinto Gonçalves - Secretário da Mesa. Visto do Advogado: Alexandre Palermo Simões - OAB/SP nº 95.398. JUCESP nº 488.936/12-3 em 07/11/2012. Gisela Simiema Ceschin - Secretária Geral. Estatuto Social da Pró Metalurgia S.A. - Companhia Aberta - CNPJ nº 56.994.924/0001-05 - NIRE 35.300.049.49-7 - Capítulo I - Denominação, Sede, Fins e Duração - Art. 1º - Pró Metalurgia S.A., é uma Cia.aberta constituída em 10/04/1948, que se regerá por este Estatuto Social e pelas disposições legais que lhe forem aplicáveis. Art. 2º - A sociedade tem sua sede e domicílio na Av. Tégula, nº 888, Edifício Topázio, Bloco F, módulo 17, sala 1, dentro do CEA, no Bairro Ponte Alta, na Cidade de Atibaia, SP, CEP 12952-820, podendo manter filiais, escritório de vendas, depósitos, agências ou representações em qualquer parte do território nacional e fora do País. § Único - A sociedade tem uma filial na Cidade de Atibaia, SP, localizada na Av.Tégula, nº 888, Edifício Topázio, Bloco F, módulos 17 e 18, dentro do CEA, no Bairro Ponte Alta, CEP 12952-820, onde funcionam suas instalações fabris, inscrita perante o CNPJ sob o nº 56.994.929/0002-96, NIRE 35.903.08803-6; Inscrição Estadual nº 190.175.214.115 e Inscrição Municipal nº 3.125-2. Art. 3º - A sociedade tem por objeto a indústria e o comércio de bicicletas, motocicletas, motonetas, motociclos, ciclomotores, triciclos, quadriciclos, brinquedos, aparelhos para ginástica e ortopédicos, carrinhos de tração manual, veículos com e sem mecanismos de propulsão; aparelhos eletrodomésticos, aparelhos eletroeletrônicos; artefatos, motos (jet ski) e motores para uso náutico e marítimo; geradores de força, motores elétricos e a explosão; óleos lubrificantes ou combustíveis; bem como, suas peças, acessórios ou quaisquer tipos de componentes; a exportação ou importação desses produtos; a intermediação de negócios e a representação comercial dentro e fora do País;a instituição e exploração de eventos esportivos ou de outra natureza;a instituição, contratação e execução de consórcios de produtos; assessoramento e/ou agenciamento internacional na comercialização de bens, ou artigos de consumo, duráveis ou não, e, principalmente, aqueles constantes do objeto principal; prestação de serviços de assessoramento e planejamento industrial e/ou comercial; prestação a terceiros de serviços de metalurgia em geral. Art. 4º - Para a consecução de seu objeto social, poderá a sociedade firmar acordos com outras empresas nacionais ou estrangeiras, e bem assim participar do capital de outras sociedades. Art. 5º - O prazo de duração da sociedade será por tempo indeterminado. Capítulo II - Do Capital Social e das Ações - Art. 6º - O capital social, totalmente subscrito e integralizado, é de R$ 67.063.033,80, representado por 72.409.994.474 ações, sem valor nominal, sendo 61.748.576.924 ações ordinárias: 52.777.900 ações preferenciais da classe “A”; e 10.608.639.650 ações preferenciais da classe “B”, todas elas escriturais, mantidas e controladas em contas de depósito de ações escriturais, em instituição depositária autorizada a manter serviços de ações, sem emissão de certificados, de conformidade com os Arts. 34 e 35 e respectivos parágrafos da Lei nº 6.404/76; e as ações preferenciais classe “A” e “B” terão os direitos referidos nos §§ 7º e 8º deste artigo.§ 1º - A sociedade poderá aumentar o capital social, independentemente de reforma estatutária, até o valor de R$ 215.000.000,00. A quantidade, por espécie e classe de ações emitidas será determinada pelo órgão que deliberar sobre aumento do capital social. § 2º - No limite do capital autorizado, o Conselho de Administração poderá deliberar sobre a emissão de ações, sem necessidade de guardar a proporção entre as existentes, quer seja entre as espécies quer seja entre as classes das ações preferenciais. Tal deliberação será transcrita no livro próprio, devendo estipular: (a) o número de ações, por espécie, ordinárias e/ou preferenciais, e a classe de ações preferenciais, objeto da emissão;(b) a forma de subscrição, se pública ou particular;(c) os valores fixos pelos quais as ações poderão ser subscritas; (d) os prazos para subscrição das ações; (e) as condições de integralização e outras que forem de interesse da sociedade. § 3º - Não terão os antigos acionistas direito de preferência, no caso de emissão de ações, debêntures ou partes beneficiárias em ações e bônus de subscrição, para colocação pública. § 4º - Por deliberação do Conselho de Administração poderá a sociedade, dentro do limite do capital autorizado, e de acordo com plano aprovado por Assembleia Geral, outorgar opção de compra de ações a seus administradores. Na outorga e no exercício pelos administradores dessa opção de compra, não haverá direito de preferência para os acionistas. § 5º - O acionista que não integralizar o capital subscrito nas condições estabelecidas, ficará, de pleno direito, constituído em mora, sujeitando-se à correção monetária permitida legalmente, multa de 10% do valor da prestação e juros legais de 12% ao ano, inclusive honorários advocatícios e custas judiciais no caso de cobrança executiva, observadas as demais disposições legais e condições da emissão. Os juros e a multa serão calculados sobre o valor corrigido; ou, se a sociedade preferir, poderá mandar vender as ações em Bolsa de Valores, nos termos do Art. 107 da Lei nº 6.404/76. § 6º - Às ações preferenciais, que não terão direito a voto nas deliberações da Assembleia Geral, fica assegurada a prioridade no reembolso do capital, no caso de liquidação da sociedade. As ações preferenciais poderão ser emitidas até atingirem 2/3 das ações representativas do capital social e são inconversíveis em ações ordinárias. A sociedade pode criar várias classes de ações preferenciais. A ação preferencial de uma classe não pode ser convertida em outra classe, exceto na hipótese prevista na letra “c” do parágrafo seguinte. § 7º - As atuais ações preferenciais da classe “A”, originalmente sem designação de classe, além do direito previsto no parágrafo anterior, terão mais os seguintes: a) dividendos mínimos de 8% ao ano, não cumulativos, calculados sobre o valor unitário da ação, este obtido pela divisão da conta capital pela quantidade de ações que a represente; b) direito de perceberem a diferença de taxa de dividendos, sempre que o dividendo de 25% do lucro líquido permitir o pagamento, às ações ordinárias, de dividendos superiores à taxa de 8% ao ano;e, c) direito de conversão em ação preferencial da classe “B”, a pedido do acionista. § 8º - As ações preferenciais da Classe “B”, criadas pela AGE de 02/05/1984, terão direito a dividendos de dez por cento maiores que dividendos atribuídos às ordinárias, além dos demais direitos estabelecidos no § 6º deste artigo. § 9º Os aumentos do capital social, por subscrição, poderão ser efetuados pela emissão de ações ordinárias ou preferenciais. Caberá ao órgão, que deliberar sobre aumento, o direito de determinar a espécie, bem como, no caso de ações preferenciais, a respectiva classe ou classes em que serão emitidas. § 10º - Todos os acionistas participarão dos aumentos de capital, por incorporação de reservas e de lucros suspensos, na proporção das ações possuídas, por espécie e classes, observada a legislação aplicável. § 11 - A pedido do acionista, a ação ordinária poderá ser convertida em ação preferencial, de qualquer classe, respeitado o limite fixado no § 6º deste artigo. § 12 - A sociedade, mediante autorização do Conselho de Administração, poderá negociar as próprias ações, observadas as formalidades legais e regulamentos pertinentes. Capítulo III - Da Administração da Sociedade - Art. 7º - A sociedade será administrada pelo Conselho de Administração e pela Diretoria Executiva, na forma da lei e deste Estatuto. Do Conselho de Administração - Art. 8º - O Conselho de Administração da Cia. será composto por, no mínimo, 3 membros e, no máximo, 5 membros, sendo um deles nomeado Presidente do Conselho. Os Conselheiros serão todos acionistas, residentes no País, eleitos e destituídos pela Assembleia Geral, com prazo de gestão de até 3 anos, permitida a reeleição. Art. 9º - Os membros do Conselho de Administração serão empossados mediante a assinatura do termo de posse no Livro de Atas do órgão e permanecerão em função até a posse de seus substitutos ou sucessores. Art. 10º - O Conselho de Administração reunir-se á sempre que os interesses sociais assim exigirem, através de convocação do Presidente do Conselho. § 1º - O quórum de instalação das reuniões do Conselho será de, no mínimo, dois de seus membros.§ 2º - Os Conselheiros poderão ser representados por outros Conselheiros, ou votar por carta, telegrama ou fax. § 3º - O Conselho de Administração deliberará por maioria de votos, cabendo ao Presidente do Conselho o voto de desempate. § 4º - Das reuniões do Conselho serão lavradas atas no livro próprio. § 5º - Em caso de vacância do cargo de Conselheiro, o substituto será nomeado pelos Conselheiros remanescentes e servirá até a primeira assembleia geral. Se ocorrer vacância da maioria dos cargos, a assembleia geral será convocada para proceder a nova eleição. Art. 11º - Compete ao Conselho de Administração, além das atribuições que lhe são conferidas pela lei e por este Estatuto:(a) fixar a orientação geral dos negócios da Cia.;(b) eleger e destituir os diretores da Cia. e fixar-lhes as atribuições, inclusive atribuindo a um Diretor a função de relações com o mercado; (c) fiscalizar a gestão dos diretores, examinar, a qualquer tempo, os livros e papéis da Cia., solicitar informações sobre contratos celebrados ou em vias de celebração, e quaisquer outros atos; (d) convocar a AGO, bem como a Extraordinária, quando julgar conveniente; (e) manifestar-se sobre o relatório da administração e as contas da Diretoria; (f) escolher e destituir os auditores independentes; (g) propor à Assembleia Geral alterações neste Estatuto; (h) deliberar, dentro do limite de aumento do capital autorizado, sobre aumentos de capital por subscrição, emissão de bônus de subscrição e a outorga de opção para subscrição futura de ações e sua emissão, quando solicitada, nos termos de plano de outorga de opção de compra de ações aprovado pela Assembleia; e (i) autorizar a Diretoria a praticar atos que, consoante este Estatuto, dependam de autorização do Conselho de Administração. Da Diretoria Executiva - Art. 12º - A Cia. terá uma Diretoria composta de até 4 membros, eleitos pelo Conselho de Administração, para os cargos de Diretor-Presidente e Diretores, com mandato de até 3 anos, permitida a reeleição. § Único - Os diretores serão empossados mediante assinatura de termo de posse lavrado no Livro de Atas de Reuniões da Diretoria e permanecerão em seus cargos no exercício pleno de seus poderes até a posse de seus substitutos ou sucessores. Art. 13º - No caso de vacância, vaga ou impedimento de qualquer membro da Diretoria, o substituto será indicado pelo Conselho de Administração. Art. 14º - A Diretoria reunir-se-á sempre que convocada pelo Diretor Presidente, ou por quaisquer 2 dos outros Diretores, agindo em conjunto. § 1º - As deliberações da Diretoria serão instaladas com a presença de, no mínimo, 2 Diretores e serão tomadas por maioria de votos, cabendo ao Diretor Presidente o voto de desempate. § 2º - As deliberações da Diretoria serão registradas em ata, e as respectivas reuniões serão presididas pelo Diretor Presidente, ou por seu substituto.Art. 15º - Compete à Diretoria, em decisão colegiada:(a) criar ou extinguir filiais, escritórios, depósitos e representações, no Brasil ou no exterior, e alterar a sede social; (b) preparar o Orçamento-Programa Anual, as demonstrações financeiras exigidas em lei, bem como levantar balanços trimestrais ou semestrais para fins de eventual distribuição de dividendos intermediários aos acionistas; (c) fixar os níveis de remuneração do pessoal, e nomear e demitir funcionários graduados da Cia. § Único - Compete aos diretores isoladamente, observado o disposto neste Estatuto: (a) praticar todos os atos de gestão necessários ao funcionamento da Cia., exceto os que, por determinação da Lei ou deste estatuto, constituam atribuição de outro órgão; (b) executar as disposições deste estatuto e as deliberações da Assembleia Geral e do Conselho de Administração; (c) representar a sociedade, em juízo ou fora dele, nos termos dos artigos seguintes. Art. 16º - É vedado à Diretoria praticar atos de qualquer natureza relativos a negócios ou operações estranhos ao objeto social, ou conceder em nome da sociedade garantias a terceiros de hipoteca, penhor, caução, fiança e aval, a não ser que expressamente autorizada pelo Conselho de Administração. Art. 17º - A Diretoria poderá autorizar a prática de atos gratuitos razoáveis em benefício de seus empregados ou da comunidade em que participe a empresa. Art. 18º - A sociedade obrigar-se-á validamente pela assinatura: (a) do Diretor Presidente, agindo isoladamente; (b) dos outros Diretores, agindo em conjunto de dois; (c) de 2 (dois) procuradores agindo em conjunto; ou de um Diretor em conjunto com um procurador, quando assim for estabelecido no respectivo instrumento de mandato e de acordo com a extensão dos respectivos poderes. Desse modo, em contratos, procurações “ad negocia” e “ad judicia”, na movimentação de contas bancárias, emissão de cheques, ordens de pagamento, emissão, aceite e endosso de notas promissórias, letras de câmbio e títulos de crédito de interesse e relacionados com o objeto social, na compra, permuta, venda e oneração de bens móveis, cessão de direitos e créditos, assinaturas de escrituras e documentos pertinentes, deverá ser observado o disposto na parte inicial deste artigo. Em casos especiais, tais como atos de representação da sociedade em Juízo, inclusive para prestar depoimentos, confessar, transigir, firmar acordos, dar e receber quitação, assim como perante a Previdência Social e Sindicatos, órgãos da Receita Federal, repartições públicas e autarquias federais, municipais e estaduais, Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, Banco Central, e para o endosso de duplicatas para desconto, caução ou cobrança, protesto de títulos e duplicatas, recebimentos e quitação de créditos da sociedade, a companhia poderá ser representada por um único Diretor sem designação especial, ou por um único procurador, de acordo com a autorização/poderes então especificamente concedida/outorgados, pelo Diretor Presidente. § Único - Os procuradores da companhia serão constituídos pelo Diretor Presidente, isoladamente, ou por dois Diretores em conjunto, devendo os respectivos instrumentos de mandato especificar os poderes conferidos e prazo de validade de dois anos, exceto para procurações ad judicia, que poderão ter maior prazo de validade ou ter prazo de validade indeterminado.Capítulo IV - Do Conselho Fiscal - Art. 19º - A sociedade poderá ter um Conselho Fiscal, de funcionamento não permanente, composto de três a cinco membros efetivos e igual número de suplentes, acionistas ou não, residentes no País, e observado o disposto nos arts. 161 a 165, da Lei nº 6.404/76. CapítuloV - Das Assembleias dos Acionistas - Art.20º - A AGO reunir-se-á, anualmente, nos quatro primeiros meses seguintes ao término do exercício social e a AGE sempre que a lei e os interesses exigirem a manifestação dos acionistas. § 1º - A Assembleia Geral, ressalvado o disposto no art. 123, da Lei nº 6.404/76, será convocada, instalada e presidida pelo Diretor Presidente, que, em suas faltas ou impedimentos temporários, poderá ser substituído na forma prevista no art. 12, sendo secretariada por quem for escolhido pelo Presidente. § 2º - As pessoas presentes à Assembleia deverão provar sua qualidade de acionista, observadas as disposições do art. 126, da Lei nº 6.404/76, sendo que os titulares de ações nominativas, que deverão apresentar documento hábil de sua identidade, são os únicos que poderão exercer o direito de voto, nos termos do art.112, da Lei nº 6.404/76.§ 3º - Para a alteração deste Estatuto, aumento do capital autorizado ou do capital social, emissão de debêntures, dissolução e nos casos previstos em lei, a Assembleia Geral somente será instalada com a presença de acionistas que representem dois terços do capital social com direito a voto, em primeira convocação, podendo, entretanto, instalar-se em segunda convocação, com qualquer número só podendo, essas matérias, ser aprovadas por metade, no mínimo, das ações com direito a voto, não se computando os votos em branco. CapítuloVI - Do Exercício Social e Resultados - Art.21º - O exercício social encerrar-se-á em 31/12 de cada ano civil, quando será levantado o Balanço Geral da sociedade, observadas as prescrições legais. Art. 22º - O lucro líquido apurado no balanço após as deduções, provisões e reservas permitidas em lei, bem como as deduções de favores fiscais, terá a seguinte aplicação: (a) 5% para constituição de reserva legal, destinada a assegurar a integridade do capital social, até o limite de 20%;(b) parcela necessária à constituição de reservas para contingências, por proposta da Diretoria Executiva; (c) 25% para a distribuição de dividendo aos acionistas, observado o disposto no parágrafo 7º do art. 6º, deste Estatuto;(d) verba de até 10% para pagamento de uma gratificação à Diretoria Executiva, a ser fixada pela Assembleia Geral que aprovar o Balanço e a ser distribuída de comum acordo entre os Diretores, observado o disposto no art. 152 da Lei nº 6.404/76; (e) o saldo que remanescer ficará à disposição da Assembleia Geral. Art. 23º - A Diretoria, devidamente autorizada pelo Conselho de Administração e “ad referendum” da AGO, poderá autorizar a distribuição de dividendos intermediários, com base nos resultados apurados em balanço semestral. Art. 24º - Os dividendos serão pagos no prazo de 60 dias, a contar da data do ato que autorizou a sua distribuição. § Único Os dividendos não vencerão juros nem correção monetária, sendo que os não reclamados, no prazo de 3 anos após a publicação do ato que os distribuiu, reverterão em favor da sociedade, nos termos do art. 287, inciso II, letra “a”, da Lei nº 6.404/76. Capítulo VII - Da Liquidação e das Disposições Finais - Art. 25º - Dar-se-á a liquidação da sociedade nos casos prescritos em lei, cabendo à Assembleia Geral que a determinar, fixar o modo de processá-la, eleger os liquidantes e o Conselho Fiscal que deverão funcionar nesse período. Art. 26º - Os casos omissos serão regulados pela legislação em vigor.

CCOMUNICADO Skaf Comércio de Bebidas e Frios Ltda - Me, CNPJ 04.429.542/0001-35, comunica o extravio do Livro de Registro de Recebimento de Impressos Fiscais e Termos de Ocorrências Modelo 6 da Secretaria da Fazenda, 01 Equipamento de ECF-IF marca: Bematech, modelo: MP-20 FI II ECF-IF – VER03.26, Cotepe: 28/03, nº de fabricação: 4708010400409 com data de autorização 05/02/2002. 12 de novembro de 2012. AMERICAN SISTEM, COMÉRCIO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO LTDA., sociedade empresária Limitada Inscrita no CNPJ sob o nº 73.081.697/0001-46, e com inscrição estadual junto à Secretaria da Fazendo do Estado de São Paulo n°114.056.955.110, declara para os devidos fins o extravio dos seguintes documentos: 1) Notas fiscais modelo 01 n° 628 à 650, autorizadas pela AIDF n° 1685; 2) Notas fiscais fatura série única n° 91 à 200, autorizadas pela AIDF n° 3186; 3) Notas fiscais de entrada série E-1 n° 01 à 50, autorizadas pelas AIDF n° 3185; 4) Livros de Registro de Apuração do ICMS n°04 à n°10 de 1999 à 2005 respectivamente; 5) Livros de Registro de Entrada n° 06 à n°12 de 1999 à 2005; e 6) Livros (14,15,17/11/12) de Registro de Saída n° 06 à n°12 de 1999 à 2005, respectivamente.

FALÊNCIA, RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL E RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Conforme informação da Distribuição Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, foram ajuizados no dia 14 de novembro de 2012, na Comarca da Capital, os seguintes pedidos de falência, recuperação extrajudicial e recuperação judicial: Reqte: Kimberly-Clark Brasil Indústria e Comércio de Produtos de Higiene Ltda. - Reqdo: SLR Sistema Logístico para Representações Ltda. - Rua Tabapuã, 474 - conj. 62 - Itaim Bibi - 02ª Vara de Falências Recuperação Judicial Reqte: Saenge Engenharia de Saneamento de Edificações Ltda. - Reqdo: Saenge Engenharia de Saneamento de Edificações Ltda. - Rua Joaquim Floriano, 72 - conj. 63 - Itaim Bibi - 02ª Vara de Falências


DIÁRIO DO COMÉRCIO

20

e

quinta-feira e sexta-feira, 15 e 16 de novembro de 2012

O "apelo" da sustentabilidade tem sensibilizado cada vez mais público, o que acaba agregando novos princípios às ações estratégicas das empresas.

conomia

Edifícios 'verdes' crescem no mercado Eles são projetados para economizar água, luz, mas custam mais. Renato Carbonari Ibelli

quadrados previstos para a Capital paulista para 2013 significam que 57% da reserva de edim 2013, a metade dos fícios lançados na cidade serão lançamentos de pré- "verdes". Na cidade do Rio de dios comerciais pre- Janeiro serão 50,7%. Em Curitivistos será composta ba, 90%. pelos chamados "prédios verA Brasilincorp é uma dessas des", aqueles empreendimen- incorporadoras que apostatos que buscam reduzir os im- ram nesse negócio. Ela prepapactos das suas atividades diá- ra para esse mês o lançamenrias sobre o meio ambiente. Se- to do edifício comercial Alvino rá um total de 3,3 milhões de Slaviero, na Avenida Faria Limetros quadrados de edifica- ma, Zona Oeste de São Paulo. ções com esse perfil, sendo um Ele nasce, de acordo com Muterço desse volume (1,2 milhão rilo Cerdeira, diretor da Braside metros quadrados) previs- lincorp, já com a pré-garantia tos para a cidade de São Paulo. de recebimento do selo LEED, As informações fazem parte de uma das principais certificaum estudo da Cushman & Wa- ções dadas aos edifícios consikefield, empresa global de con- derados sustentáveis. sultoria imobiliária. O que diferencia um edifício Esse movimento acontece comum de um "prédio verde" menos com os custos médios não é nenhuma tecnologia mido metro quadrado de um "pré- rabolante. A concepção arquidio verde" sendo tetônica é provasuperior a 10% se velmente um dos comparado a um principais difeedifício convenciorenciais. O Alvino nal. Evidentemen- Duplicamos o Slaviero, por te, um custo que encanamento exemplo, foi prochega até o consu- porque a água jetado com pé dimidor final dos es- da rua não pode reito elevado e paços. Mas como sem pilares censer misturada mostram os númetrais nos vãos, ros acima, a despei- com a de reúso. para permitir que to do dinheiro en- MURILO CERDEIRA, a luz do sol o prevolvido, a demanda DIRETOR DA BRASILINCORP encha em maior por esses empreenintensidade. dimentos sustentáveis é gran- Mais luz natural significa mede e crescente. Isso porque al- nor uso de luz elétrica. O argumas empresas perceberam condicionado é individual paque o aporte inicial maior é ra cada empresa instalada. compensado no longo prazo Assim, cada um cuida do seu por economia na conta de luz, gasto, ao passo que um arde água, de coleta de lixo, entre condicionado central ficaria lioutros. Além disso, o "apelo" da gado por 24 horas. sustentabilidade tem sensibiliClaro que há tecnologia de zado cada vez mais público, o ponta envolvida. Os vidros, que acaba agregando novos que permitem a entrada da luz, princípios às ações estratégi- são feitos para impedir a dissicas das empresas. pação do calor, o que reduz a Evidentemente, como a de- necessidade do ar-condicionamanda pelos prédios sustentá- do. As luzes artificiais, quando veis existe, as incorporadoras necessárias, podem ser usaperderam o medo de levantar das em menor quantidade por esses empreendimentos mais serem mais eficientes. As lumicaros. Os 1,2 milhão de metros nárias usadas refletem prati-

camente toda a luz, sem perdas. A soma desses elementos cria o que Cerdeira chama de "arquitetura bioclimática". Embora simples, essas ainda são medidas caras. "Para ter a central de reúso de água no prédio, por exemplo, temos de duplicar todo o encanamento porque a água da rua não pode ser misturada com a de reúso", diz o diretor da Brasilincorp. Os resultados dessas medidas, segundo a Green Build Council Brasil (CBC Brasil), ONG que presta consultoria a construções sustentáveis, se reflete na economia média de 30% na contra da luz, de até 50% nos gastos de água e até 80% na coleta de resíduos. É importante apontar ainda que um legítimo prédio verde é pensado para causar o menor dano ao meio ambiente desde sua construção até o seu funcionamento diário. Em sua construção são usadas, por exemplo, madeira certificada, cimento com escória (resíduo da produção de aço) da indústria siderúrgica, entre outros.

Como tudo isso encarece a obra, segundo Cerdeira, os custos ainda não tornam atrativos os prédios verdes residenciais. O estudo da Cushman & Wakefield mostra que, no caso da cidade de São Paulo, o estoque de prédios verdes estão concentrados na Berrini, Faria Lima, Vila Olímpia, Alphaville e na Marginal Pinheiros, regiões predominantemente permeadas por edifícios comerciais. Segundo Cerdeira, a pessoa física ainda leva em conta o custo final do imóvel, não a economia de longo prazo. Algo compreensível uma vez que o mercado imobiliário cresce puxado por imóveis voltados à classe média, cujo poder de compra não é tão flexível. Uma mãozinha do governo pode ajudar a popularizar os prédios residenciais verdes. "Se houvessem mais incentivos fiscais a esse tipo de empreendimento eles seriam mais baratos e a demanda maior. Com o aumento da demanda, a tendência dos preços é cair mais", diz Cerdeira.

Divulgação

E

Edifício comercial Alvino Slaviero, na Avenida Faria Lima: "verde".

Cultura da sustentabilidade é recente O conceito de "prédio verde" só começou a ser discutido no Brasil em 2000, ainda restrito ao âmbito das universidades, mas agora já está se consolidando.

O

s "prédios verdes" ganham cada vez mais espaço no Brasil. É verdade que esse movimento resume-se basicamente aos edifícios comerciais. Segundo José Alves Pacheco, diretor de engenharia e sustentabilidade da Cushman & Wakefield, para que os empreendimentos residenciais tornem-se “verdes” será preciso estímulos governamentais. A cidade de São Paulo, por exemplo, tem leis que buscam adequar qualquer edificação às normas de sustentabilidade. Mas tais leis aguardam para serem regulamentadas desde 2009. Diário do Comércio – Um estudo da Cushman aponta que, em 2013, metade dos lançamentos dos prédios comerciais será composta por prédios verdes. Como se explica esse movimento? José Alves Pacheco – Muito desse movimento é resulta-

do da maior atratividade que o Brasil passou a ter para o mercado internacional. Empresas estrangeiras entraram no País já com a cultura da sustentabilidade fazendo parte da sua estratégia de gestão. É um movimento recente por aqui. O conceito de "prédio verde" só começou a ser discutido no Brasil em 2000, ainda restrito ao âmbito das universidades. Somente a partir de 2005 é surgem empresas interessadas em investir em empreendimentos sustentáveis. DC – As empresas estrangeiras ainda são as maiores interessadas nos prédios verdes construídos no Brasil? Pacheco - A maioria das empresas que se instalam nesses edifícios ainda são empresas estrangeiras, multinacionais. Mas os empresários brasileiros estão dando cada vez mais importância à questão da sustentabilidade ambiental.

Divulgação

José Alves Pacheco, diretor da Cushman & Wakefield. DC – Os empreendimentos residenciais também estão aderindo às políticas verdes no Brasil? Pacheco – Ainda são basicamente prédios comerciais mesmo. Mas o que temos notado é que à medida que as empreiteiras se envolvem com construções sustentá-

veis em prédios comerciais, elas acabam levando alguns processos para os empreendimentos residenciais, mesmo nos mais populares. No programa 'Minha Casa Minha Vida' já há discussões a respeito da implantação de sistemas de reaproveitamento de água. Existe a ten-

tativa de se criar uma referência (Norma Brasileira de Desempenho) para os processos de edificação, o que pode ser um primeiro passo para a criação da cultura da sustentabilidade nas construções. A norma não será uma referência para a sustentabilidade, mas criará parâmetros que podem levar a isso. DC – Faltam estímulos governamentais para difundir essas práticas? Pacheco – São poucos os estímulos governamentais. A Prefeitura do Rio de Janeiro instituiu o Quali Verde, uma certificação a empreendimentos que adotam práticas sustentáveis. Ela prevê, inclusive, benefícios fiscais. A contrapartida pela redução de impostos é importante para incentivar essa política. Na cidade de São Paulo existe a Política de Mudança do Clima (Lei 14.933/2009). A medida é boa, prevê pro-

cessos que levem a eficiência energética nas edificações, reúso de água, propõe também que as reformas de edifícios incluam essas práticas. A legislação, inclusive, aborda incentivos fiscais. O problema é que essa política foi aprovada pelo legislativo em 2009, mas ainda espera para ser regulamentada. A expectativa é que a nova prefeitura dê andamento a essa regulamentação. DC – O que estimularia um empresário a se instalar em um edifício verde? Pacheco – Ele terá redução das perdas operacionais. A economia de energia pode chegar a 50% comparando um edifício verde com um convencional. Além disso, alguns investidores e fundos de pensões hoje direcionam seus investimentos preferencialmente para empresas envolvidas com a questão da sustentabilidade.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 15 e 16 de novembro de 2012

21

Nº 440

DCARR CHEVROLET Divulgação

Trailblazer, o 7º lançamento, com 7 lugares e 2 motores.

Dois motores a escolher. Por dentro, conforto e segurança. No portamalas, até 1.830 litros.

GM renova a Blazer, que chega a diesel e a gasolina, por R$ 175.450 e R$ 145.450, em versões completas. Completíssimas! CHICOLELIS

E

m seu sétimo lançamento deste ano (cinco deles 100% novos), a Chevrolet apresentou, no início desta semana, a Trailblazer, versão totalmente renovada da Blazer, sucesso de vendas nos anos 90. Mas não pense naquele velho modelo. Tudo é diferente neste: os motores, 2.8 Turbodiesel CTDI, de 180cv e torque de 47,9 kilos (entregues nas primeiras 2.200 rpm) e gasolina 3.6 VVT, de 239cv, torque de 33,5 kilos (já acessíveis a 1.800 rpm); a suspensão traseira ganhou o sistema Five-link, com molas helicoidais, barra estabilizadora e amortecedores telescópicos hidráulicos pressurizados, que o deixam – em ambas versões – mais confortável e seguro em qualquer tipo de piso. Câmbio - Em ambas Trailblazer, câmbio automático de seis velocidades, com possibili-

RENAULT

dade de troca manual sequencial na alavanca. Para os que gostam, ou necessitam, o câmbio também oferece tração 4x4 e reduzida, com simples girar de um botão junto ao console. O uso destes sistemas pode ser iniciado com o carro em movimento a 120 e a 40 km/h, respectivamente. Nas descidas mais radicais, um sistema permite a você tirar o pé do acelerador, esquecer o freio e o carro desce suavemente e com segurança aquela "pirambeira" assustadora, na base do "olhe mamãe, sem os pés". Luxo interno - Tudo isso dentro de um ambiente requintado e confortável. Em uma única versão, a LTZ, os modelos diesel e gasolina abrigam bancos de couro, modernos sistemas de mídia, com tela touchscreen, air bags e ar-condicionado para sete pessoas. Os sistemas protetores para colisão, a partir do primeiro banco traseiro, são do tipo cor-

tina, nas laterais do carro. E o ar-condicionado pode ser regulado pelos ocupantes das duas fileiras, na traseira, por controles no teto. A segurança está também no ABS, EBD e controle de tração. Rodando - A Trailblazer recebe cinco adultos – nos dois últimos bancos é melhor levar as crianças ou pessoas de baixa estatura. O conforto é bom, mesmo na versão diesel, cujo som do motor não incomoda, uma característica desses novos propulsores a óleo. Na cidade, o torque garante boas arrancadas nos semáforos, sem exageros do "cantar dos pneus", mas com a garantia de não ficar para trás, em ambos modelos. Basta ver os números de 0 a 100 km/h. A gasolina leva vantagem: 9s1, contra 10s8 da diesel. Na estrada, ambas alcançam máxima de 180 km/h. Se você gostar de off-road, vá tranquilo, a Trailblazer vence bem obstáculos médios com

Clio, o mais barato do Brasil. Francesa renova seu carro de entrada e reduz preço para R4 23.290.

A

MOTOS

PCX 150, o novo scooter Honda.

A

Honda apresentou no último fim de semana o seu scooter, o PCX 150, com desenho novo, e ampliou sua linha de motos flex. O PCX faz parte da linha Family e chegará ao mercado em abril de 2013. O modelo traz uma novidade para o mercado: o Idling Stop System, que desliga o motor após ele permanecer em marcha lenta por mais de três segundos. Ao se acionar o acelerador, o propulsor volta a funcionar. É algo que se assemelha ao híbrido usado em automóveis. Com isso, o scooter torna-se extremamente econômica e de grande utilidade para uso urbano, no anda e para das cidades. Outra novidade Honda para o ano que vem são os motores flex que passarão a equipar os modelos CB 300R e XRE 300. Para as crianças, a CRF 110F, do segmento fora de estrada. Os pequenos entre 8 e 13 anos terão a pequena moto de 109 cm³ a partir de dezembro próximo para suas aventuras de cross. (chicolelis)

Divulgação

lém de baixar os preços – agora o carro mais barato do Brasil, o Autentique, apenas com duas portas, custa R$ 23.290 –, mudar a frente e a traseira do Clio, a Renault criou uma série de kits para que o comprador personalize o seu carro. São mais de 250 itens, que incluem desde faixas decorativas até jogos de rodas diferenciados, para atender ao gosto de cada "freguês". O carro, que já está à venda, é oferecido apenas com o novo motor 1.0 16V Hi Power Flex. A versão Expression é oferecida nas versões com duas ou quatro portas, que custam, respectivamente, R$ 24.290 e R$ 24.950. Além de anunciar seu modelo como o mais barato, a Renault garante que ele é também o campeão de economia, de acordo com o Programa de Etiquetagem do Inmetro, onde ele alcançou a marca de 15,8 km/l na estrada e 9,6 na cidade. O programa prevê testes em dinamômetro, onde são exigidos alguns quesitos e estabelecidas normas, mediante média estipulada pelo órgão, para que os índices sejam mais próximos ao uso normal pelo motorista. O carro é produzido na Argentina e, em razão disso, não sofrerá queda de oferta quando a fábrica da Renault no Paraná for fechada

seus sistemas 4x4 e reduzida. Para melhorar sua performance, troque os pneus de uso misto pelos especiais para fora de estrada. Mas só se for mesmo radical. Nas viagens de fim de semana para o sítio, nada a modificar. As malas - Se você for com toda a família, ocupando os sete lugares da Trailblazer, todo mundo vai ter que economizar na bagagem. Sobram 235 litros. Mas, por outro lado, se forem apenas duas pessoas, sobrará espaço para a mudança da casa nos 1.830 litros de capacidade. No tanque de combustível, 76 litros nas duas versões. Ela tem 1,84 m de altura, 2,13 m de largura e 4,88 m de comprimento. A fábrica não divulgou o consumo. Para os especialistas em fora de estrada: o ângulo de ataque (entrada nos obstáculos de aclive) é de 32° e o de saída (quando o veículo chega ao fim de uma descida mais íngreme), 21°.

para reforma total por dois meses, a partir de 8 de dezembro. Até 8 de fevereiro, Sandero, Duster e Logan terão suas produções suspensas. Após a reconstrução da linha de produção, a mesma aumentará em 50%, passando das atuais 200 mil unidades, para 350 mil. Com garantia de três anos, sem limite de quilometragem, o Clio ganhou preços fixos para suas revi-

sões. A primeira, após um ano de uso, custará R$ 180, a segunda, com dois anos, R$ 361 e a terceira, R$ 310. Entre os kits de personalização, o Sport deixa o carro com "cara de bravo" e custa R$ 1.450, o Look, R$ 632, com faixas decorativas, além do Estilo, para o interior do carro. A Renault acredita que 10% dos compradores do Clio vão levar um kit de personalização. O

ar-condicionado e a direção hidráulica, opcionais, custam, respectivamente, R$ 2.500 e R$ 1.100. O motor do Clio, com 77 cv (gasolina) e 80 (álcool), leva o carro a 167 e 168 km/h, fazendo de 0 a 100 km/h em 14,3s e 13,7s, respectivamente. No porta-malas, 255 l em condições normais e 596 l com os bancos traseiros rebatidos. chicolelis


DIÁRIO DO COMÉRCIO

22

t

quinta-feira e sexta-feira, 15 e 16 de novembro de 2012

urismo

Fotos: Divulgação

GIRO BRASILEIRO Divulgação

À esq., cozinha com fogão à lenha do Sítio Tamanduá. A tendência à mesa em Brotas é a comida típica caipira com um toque gourmet. No topo, prato do Brotas Bar e, acima, do Sítio Vila Del Capo.

BROTAS PARA GOURMETS Conhecida pelo turismo de aventura, a cidade a 250 km de São Paulo mostra que também tem vocação para a gastronomia. Ana Barella

B

rotas, a capital nacional da aventura, quer conquistar turistas pelo estômago. A cerca de 250 quilômetros de São Paulo, a cidade que atrai pessoas de todo País pela diversidade de esportes radicais, como rafting, tirolesa e arvorismo, se aventura na área gastronômica e prova que vai muito além da proposta inicial. Com uma gama de restaurantes relativamente diversificada, a tendência são as comidas típicas caipiras com um toque gourmet. Outras apostas são as sobremesas tradicionais, como a goiabada, agora reinventada em pratos divertidos; cardápios especiais para os esportistas e até mesmo drinques exóticos com o mote interiorano. Almoço no antiquário – Um passeio imperdível para quem for explorar a Brotas gastronômica é almoçar no Sítio Vila Del Capo. A 30 km da cidade, o espaço adquirido por uma família de italianos nos anos 80 é repleto de árvores nativas, ipês e até pés de pau-brasil. Primaveras cor-de-rosa decoram o jardim. Destaque para o orquidário, que vale a pena visitar. O restaurante típico italiano fica dentro de um antiquário com arquitetura inspirada nas obras de Antonio Giocondo, arquiteto italiano. O casarão de tijolos aparentes, com pé direito alto, acomoda as poucas mesas em meio às peças de antiguidade

à venda. Uma pedida é o ossobuco com polenta ao perfume de gorgonzola e, de sobremesa, a deliciosa pera ao vinho com sorvete de baunilha. Lanche no sítio – Para curtir o fim de tarde, uma opção é o Sítio Tamanduá, que produz goiabas e café. Nem precisa dizer que os quitutes são todos tradicionais, caseiros e deliciosos. Sucos, tortas e doces de goiaba fresquinhos são servidos junto ao delicioso café recém-colhido e moído manualmente. O destaque da casa é a fondue de goiabada, servida quente com queijo minas – uma delícia. O ambiente é caseiro, mesas distribuídas em um varandão de frente para o rio, com redes para os clientes curtirem o pôr-do-sol. Antes de aproveitar o fim de tarde no Sítio Tamanduá, uma

dica é fazer um passeio na propriedade do Hotel Fazenda Areia que Canta, que fica do outro lado do rio. Lá, os passeios são abertos ao público, como a caminhada até a nascente do Rio Tamanduá. O nome do hotel vem do barulho que a areia da nascente faz quando friccionada, produzindo um som parecido com o de uma cuíca. O programa (a R$ 30 por pessoa), que inclui caminhada pelo leito do rio, é acompanhado por monitores. Happy hour brotense – Uma sugestão para o happy hour, ou mesmo o jantar, é o Brotas Bar. O carro-chefe do restaurante é o cordeiro, mas quem estiver no clima dos esportes radicais poderá se interessar pelo cardápio de pratos preparados com alimentos funcionais (com propriedades saudáveis). Segundo Daniela Sanchez, gerente do restaurante, esta é uma tendência em todo o mundo e já que a cidade de Brotas tem um apelo de natureza faz sentido dar uma atenção especial. "Nada mais correto do que inserir alimentos saudáveis e funcionais para complementar a experiência dos clientes que passam um fim de semana praticando esportes em Brotas"

De entrada, porção de mini tapioca de queijo coalho e abóbora é uma boa pedida. Como prato principal, a lm ôn de ga s de soja ao pomodoro ac ompa nhadas de espaguete de pupunha ou o delicioso risoto de cevadinha, elaborado com queijo brie, tomates frescos e rúcula. O drinque da casa mais pedido é a caipirinha de banana, super doce e saborosa – feita com vodca ou saquê. Aventura – Com a pretensão de se tornar pólo cultural como Paraty e Ouro Preto, Brotas deu a largada ao mote gourmet investindo em seu primeiro festival gastronômico, que ocorreu em agosto e tem previsão para repetir a dose em 2013. Para Jean-Claude Razel, dono da empresa de aventuras Alaya, que está há 15 no mercado, a aposta na área gastronômica se deve ao esgotamento do tema aventura, c ar ro - ch ef e do turismo de Brotas. "Tod a s a s c achoeiras, corredeiras e riachos já foram explorados para o turismo de aventura. Não tem mais para onde crescer", conta. E acrescenta: "A gastronomia foi uma das saídas que a Abrotur encontrou para atrair mais turistas e Brotas não ficar refém dos passeios de aventuras", conta.

D A 30 km da cidade, o Sítio Vila Del Capo e seu casarão de tijolos aparentes (à esq.) abrigam um restaurante italiano. Brotas Bar (fotos abaixo) é a sugestão para o happy hour ou um jantar. Pratos levam ingredientes saudáveis.

uas novidades em e-commerce no Brasil. Primeiro, a chegada da Expedia, líder mundial em viagens online, presente em 30 países. O website brasileiro (expedia.com.br), recém-lançado, foi desenvolvido para que o nosso viajante monte sua própria viagem. Mais de 300 companhias aéreas, quase 155 mil hotéis (1.500 no País), locação de carro, pacotes e até atrações estão disponíveis para compra e há, ainda, aplicativo móvel para iPhone, iPad, smartphones e tablets Android. A outra boa-nova vem do grupo Laselva, há 65 anos no segmento de venda de livros. O Laselva Viagens (www.laselvaviagens. com.br) é um website que reúne boa oferta de hotéis no mundo e passagens aéreas. Segundo dados da PhocusWright, o Brasil é o mercado número um na América Latina para viagens online, sendo responsável por 42% das vendas do setor na região, totalizando US$ 6 bilhões. Divulgação

Nosso novo Relais & Châteaux

U

ma referência mundial na hotelaria de luxo, a rede Relais & Châteaux acaba de conceder sua chancela ao Saint Andrews (www.saintandrews.com.br), em Gramado, o hotel de Guilherme Paulus, presidente da GJP Hotéis & Resorts e fundador e sócio da CVC. No Vale do Quilombo, com 11 suítes, o hotel tem lustres checos e mordomos à disposição – só para citar alguns destaques. O grupo reúne mais três hotéis no Brasil entre seus 500 integrantes. Para serem aceitos, todos devem ter menos de 100 apartamentos e atendem a uma série de rigorosos padrões de qualidade – dos serviços à gastronomia.

Viagem a convite da Abrotur

Spa médico reformulado no Guarujá

COMO CHEGAR De São Paulo, pegue a Rodovia dos Bandeirantes até Limeira (145 km), entre na Washington Luís até o trevo de Analândia e faça o contorno para Brotas. De ônibus, a empresa Expresso de Prata (www.expressodeprata.com.br) opera o trecho. Passagem custa, em média, R$ 50.

ONDE COMER Sítio Vila Del Capo: Rodovia João Dorigon, km 7,5 São Pedro, www.viladelcapo.com.br/. Sítio Tamanduá: Rodovia SP 225, km 124,5, mais 3 km de estrada de terra, www.sitiotamanduabrotas.com.br/ Brotas Bar: Av. Mario Pinotti, 267, www.brotasbar.com.br/.

E

squeça os grandes hotéis paulistanos. Acaba de abrir as portas em Pinheiros o Guest 607 (guest607.com.br/), um "hostel boutique" idealizado pela empresária Cassia Saldanha, que se propõe a receber as pessoas como se fosse em sua própria casa. A decoração é com peças de design garimpadas ao redor do mundo – entre objetos do designer francês Philippe Starck e móveis Tonart. São só seis quartos (um deles coletivo; diárias a partir de R$ 90, com café da manhã) e serviços diferenciados, como cursos de fotografia com harmonização de vinhos.

Viagens com um clique

RAIO X

ONDE DORMIR Hotel Fazenda Recanto da Alvorada: www.recantoalvorada.com. Recomendado para famílias com crianças, graças à área de lazer, com piscinas, toboágua, lago, bosque, cavalos entre outras atividades. Diárias a partir de R$ 504 por casal. Pousada Frangipani: www.frangipani.com.br. Voltada para casais, não aceita menores de 14 anos. A partir de R$ 360.

Uma hospedaria para São Paulo

Arvorismo está na programação para adultos e crianças, pela operadora Alaya. PASSEIOS Hotel Fazenda Areia que Canta: www.areiaquecanta.com.br/. Aventura: a Alaya (www.alaya.com.br/) oferece desde trilha de quadricíclo (R$ 240 por pessoa) até Verticália (combo com escalada, tirolesa, arvorismo e rapel; a R$ 75 por pessoa). Às crianças, mini rafting (R$ 55) e Verticalinha (R$ 45). Pela Eco Ação (www.ecoacao.com.br), rafting (em média, R$ 90 por pessoa) e bóiacross (R$ 55).

N

ada como a praia para entrar em forma e cuidar da saúde. Um clássico na Enseada (Guarujá), o Casa Grande Hotel Resort & Spa (www.casagrande.com.br) reinaugurou seu spa sob a coordenação dos endocrinologistas Dr. Filippo Pedrinola e Dra Alessandra Rascovski. Com espaço reformado e ampliado, o Spasissimo (www.spasissimo.com.br) propõe seis programas – Emagrecimento, Detox, Corporativo, Controle de Estresse, Fitcor condicionamento físico cardiológico e Bebê e Gestante/Família –, que podem durar de quatro dias até mais de uma semana. Se preferir só um tratamento durante a estada, há desde faciais até massagens e banhos revitalizantes.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 15 e 16 de novembro de 2012

23

d

cultura

Fotografia, site specific, pintura, instalação. Faça suas escolhas entre as quatro e aventure-se pelas mostras nos quatro cantos da Cidade.

VISUAIS 4 Mostra Planos de Fuga - Uma Exposição em Obras apresenta trabalhos que dialogam com a arquitetura do Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Álvares Penteado, 112, Centro, tel.: 3113-3651. Grátis.

Divulgação

Rita Alves

Ocasião, trabalho inédito de Cildo Meireles: projeto de 1974 construído em 2004 é um dos destaques da coletiva Planos de Fuga - Uma Exposição em Obras.

Paul Trevor/Divulgação

Foto de Paul Trevor. Mozart Street, Toxteth, Liverpool, 1975: uma das grandes obras da mostra Observadores: Fotógrafos da Cena Britânica desde 1930 até Hoje.

80 anos do dia a dia britânico O público da cidade tem até o dia 25 deste mês para visitar a exposição Observadores: Fotógrafos da Cena Britânica desde 1930 até Hoje, em cartaz na Galeria de Arte do Sesi (Centro Cultural Fiesp - Ruth Cardoso). Com curadoria de João Kulcsár e Martin Caiger-Smith, a mostra traça um panorama da fotografia britânica dos últimos 80 anos, incluindo registros feitos com máquinas analógicas e também digitais. Entre os autores das imagens, mestres como Bill

Brandt, Martin Parr, Wolfgang Tillman, Derek Ridgers, Tony Ray-Jones, Daniel Meadows, Paul Nash e Keith Arnatt. No total, a exposição apresenta trabalhos de 36 fotógrafos. No foco das lentes estão a cultura local, os costumes e uma série de pessoas da Grã-Bretanha, reunidas em 240 imagens. Os visitantes encontrarão, por exemplo, tanto imagens de cenas urbanas quanto registros feitos da alta sociedade inglesa. Tais fotografias foram selecionadas

entre os seguintes lugares: Tate Gallery, National Portrait Gallery, British Council Collection, Arts Council Art Collection e Bolton Museum. O título da exposição foi inspirado no projeto Mass Observation, de 1937, que tinha como proposta examinar e documentar de forma antropológica a vida da classe trabalhadora inglesa. O projeto Mass Observation f oi criado pelo antropólogo Tom Harrisson, pelo poeta Charles Madge e pelo cineasta Humphrey Jennings.

Galeria de Arte do Sesi. Centro Cultural Fiesp - Ruth Cardoso. Av. Paulista, 1.313 (metrô TrianonMasp), tel.: 3146-7405 e 7406. Segunda, das 11h às 20h. Terça a sábado, das 10h às 20h. Domingo, das 10h às 19h (entrada até 20 minutos antes do fechamento). Agendamentos escolares e de grupos: de segunda a sexta-feira, das 10h às 13h e das 14h às 17h, pelo telefone 3146-7439 Grátis. Até 25 de novembro.

Fotos: Divulgação

Árbitro em foco O responsável por fazer cumprir as regras também ocupa também o Museu do Futebol a partir desta semana. Ele é tema da mostra interativa Será que Foi, Seu Juiz?, que une ciência, futebol e história para contar de forma lúdica as dificuldades da atividade do árbitro.

Museu do Futebol. Praça Charles Miller, s/n, tel.: 3664-3848. Terça a domingo, das 9h às 18h (bilheteria até as 17h). R$ 6. Grátis às quintas.

Será que Foi, Seu Juiz? : exposição no Museu do Futebol reúne obras que mostram o complexo ofício do árbitro, entre elas vídeos com polêmicas históricas de arbitragem e experimentos de ilusão de ótica.

Universo paralelo A partir deste sábado (17), os três andares da galeria Choque Cultural serão ocupados pelos trabalhos do artista plástico Rafael Silveira, expostos na individual Portais Dimensionais Visíveis a Olho Nu. Com 25 obras inéditas e uma instalação gráfica, a mostra tem a intenção de fazer com que o espectador reflita sobre sua percepção diante da realidade e crie um universo paralelo por meio das pinturas. Além das telas e de pinturas feitas em suportes menos tradicionais, como letrascaixas e painéis recortados, a exposição exibirá o curta-metragem O Gabinete do Dr. Silveira, sobre o trabalho do artista.

Choque Cultural. Rua João Moura, 997, Pinheiros, tel.: 3061-4051. Terça a sexta, das 11h às 18h. Sábado, das 15h às 18h. Grátis.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

24

quinta-feira e sexta-feira, 15 e 16 de novembro de 2012

Fotos: Divulgação

d

cultura

Você faz. Madonna decide. Ana Barella

A

té o dia 16 de dezembro, o Museu da Imagem e Som (MIS) irá sediar uma disputa acirrada. Os concorrentes em questão são 30 artistas de rua que expõem na mostra Arte Urbana no MIS . Para ganharem o prêmio, devem fazer o" impossível": impressionar a cantora pop Madonna. Na exposição, os artistas de rua mostram suas versões da capa do novo single de remixes da Madonna, SuperStar. Eles concorrem entre si para eternizar sua obra na coletânea de discos da diva. No final do ano, Madonna estará em turnê pelo Brasil para divulgar o álbum MDNA, visitará a exposição e escolherá a sua obra preferida. Todas as telas expostas têm 1 metro por 1 metro e foram produzidas com técnicas e estilo do graffiti. De acordo com Andre Sturm, diretor do MIS, trazer essa arte para um museu foi uma tarefa desafiadora. "A arte urbana é a cara de São Paulo. Para o MIS, é uma honra receber essas obras." Sturm conta que muitos dos que estão expondo nunca tiveram a chance de ter uma obra em um museu. A mostra Arte Urbana no MIS é fruto de oficinas de arte de rua do projeto Keep Walking Brasil, patrocinado pela Johnny Walker. Selecionados por meio de um edital do Museu da Imagem e do Som de São Paulo, os artistas tiveram a oportunidade de participar de diversos workshops ministrados pelo grafiteiro Binho Ribeiro e por Giovanni Bianco, diretor de arte da Madonna. O resultado: telas que abusam das cores e referências pop. De acordo com Leandro Medeiro, diretor de marketing do grupo Johnnie Walker, o concurso aproxima o público da cantora, pois quem quiser ajudar na

escolha da capa do disco só precisa entrar no Facebook do Projeto Keep Walking Brazil e votar. "Os fãs vão, por meio de votação, ajudar a formar a lista com as dez obras mais votadas. Paralelamente, o Giovanni vai indicar outras três obras", conta. A cada semana dez artistas serão eliminados, somente 10 capas chegarão às mãos da Madonna.

Clarisse Falcão e Gregório Duvivier: namorados dentro e fora de Fantástico Mundo de Gregório.

Arte Urbana no MIS. Museu da Imagem e do Som. Avenida Europa, 158. Tel.: 2117-4777. Até o dia 16 de dezembro. De terça a sexta. Das 12h às 22h. Sábados, domingos e feriados. Das 11h às 21h. Para votar: www.facebook.com/JohnnieWalkerBrasil.

O fantástico mundo do reality Duvivier realiza a ficção de si

G

regório Duvivier, 26 anos, ator, diretor, roteirista e produtor, é hype. Porta dos Fundos, programa sensação do YouTube que ele escreve, atua e dirige já tem cerca de 204 mil inscritos. Ele está em cartaz em duas peças: Z.É - cenas improvisadas, que chega à sua última temporada depois de dez anos em turnê, e Uma Noite na Lua, com direção de João Falcão. Faltava só ter seu próprio reality show. E não é que, pelo menos em parte, ele conseguiu? O Fantástico Mundo de Gregório, que estreou no Multishow na última segundafeira, é um falso reality show sobre a vida do ator. Brincando com a realidade e a ficção, a série retrata o bem-sucedido Gregório Duvivier através de um aspirante a ator fracassado. Tudo com muito improviso, ironia e um humor à la Woody Allen. Clarisse Falcão, cantora, atriz, web celebridade e namorada de Gregório também interpreta uma versão de si mesma e adiciona um

pouco mais de realidade à trama. Os "personagens" cativam. E ainda tem participações especiais que chamam atenção, como Bruno Mazzeo, Marcelo Adnet e João Falcão.

deixava a câmera gravando e ia criando. Tinha cena de cinco páginas que ficou com 30! Depois o Ian (SBL, diretor do programa) teve que trabalhar muito na edição (risos).

Como surgiu a ideia de fazer o programa? Gregório Duvivier – Foi uma ideia que eu tive com a Clarisse. A gente gosta muito de falsos documentários, como o The Office e Modern Family. Queríamos fazer alguma coisa parecida, que brincasse com o real. Um reality show que não fosse realmente reality, porque detestamos esse gênero. Na verdade eu não gosto muito de realidade. Por isso fiz o programa. Pude montar a minha própria história a partir de alguns fatos da minha vida.

E se esse programa fosse realmente um reality show. Como seria? Duvivier – Nossa! Seria muito chato, como todo reality. Não acontece muita coisa legal na minha vida. Na verdade acontece (risos). Mas o negócio é que eu acho a ficção muito mais verossímil do que a minha vida. É mais interessante, menos fake. Por exemplo, o meu personagem no programa é engraçado porque é uma versão de mim com meus defeitos piorados.

E como foi feito o roteiro, houve improviso? Duvivier – Eu, a Clarisse e o Sérgio Porto que escrevemos. A proposta era deixar o roteiro bem solto. A partir dele, trabalhávamos em cena. A gente

E como é trabalhar com a Clarisse? Duvivier – Nem parece trabalho, é lazer. Eu acho que trabalhar com a Clarisse é a coisa que eu mais gosto de fazer. A gente dá muito certo improvisando, já temos um ritmo. (AB)

Multicolorida sonoridade de São Paulo André Domingues

M

ais conhecido por suas crônicas, o escritor Otto Lara Resende possui em sua biografia um lado pouco conhecido: o de romancista. Na verdade, durante toda a sua vida ele escreveu apenas um romance, O Braço Direito. Mas foi um tiro único e certeiro, pois ganhou o Prêmio Jabuti de melhor romance em 1994. Outra fatia literária que acaba diluída na vasta obra do mineiro são as novelas. Diante disso, uma boa oportunidade acaba de chegar às livrarias com A Testemunha Silenciosa (Companhia das Letras, 168 páginas, R$ 31,50). Com seu estilo brilhante e perfeccionista, o livro traz duas novelas escritas

o acordeonista Caçulinha. Na próxima quinta-feira, por exemplo, será a vez do pianista Luiz Loy, que acompanhou meio mundo na noite paulistana e nos programas musicais da TV Record, e do contrabaixista Nenê Benvenutti, que tocou com Os Incríveis, Simonal e Elis Regina, entre muitos outros. O evento de lançamento também conta com uma exposição de 20 retratos feitos pelo fotógrafo Régis Filho e por vivências com músicos da época. Nesta quarta, dia 21, Jovito, Edmundo Villani-Cortês, Aluízio Pontes e Toniquinho descrevem sua formação, num tempo em que as escolas de música eram exclusivamente eruditas. O título Do calypso ao cha-chachá evoca a incrível diversidade do cenário paulistano daqueles tempos, com seu trânsito incessante entre bares, teatros, estúdios e auditórios de rádio e TV. O fato de trazer uma referência ao famoso verso final de Só Danço

por Otto no período em que morou com a família na Europa, como adido cultural do Brasil, na década de 1950. As duas novelas são ambientadas em Minas. A primeira delas, A Testemunha Silenciosa, se passa na fictícia Lagedo, certamente inspirada na São João Del Rey natal de Otto. Em meio aos acontecimentos da Revolução de 1930, o pequeno Juca Neto, que herdou o nome do pai e do avô, presencia uma tragédia familiar. O movimento que alçou Getúlio Vargas ao poder, porém, é apenas o pano de fundo para a história, que explora as tramas e conflitos familiares. A partir de determinado momento, Juca

S am ba , de Tom Jobim, porém, tem um significado especial. Acontece que a bossa, associada ao jazz, exerceu um papel central no cenário musical da época, espalhando-se pelas imediações da Praça Roosevelt. Outra turma que aparece bastante é a da Jovem Guarda, num acerto de contas com o velho e injusto desmerecimento da crítica. Apenas o pessoal do samba fica menos representado do que deveria. Variedade – Chama a atenção, também, a enorme variedade de procedências dos músicos. Em boa medida, eram vindos do interior, como o campineiro Laércio de Freitas e o bauruense Amilton Godoy, ou mesmo de outros Estados, a exemplo do pernambucano Heraldo do Monte ou do alagoano Hermeto Pascoal. Os paulistanos natos, contudo, não deixavam nada a dever, contando com o pianista César Camargo Mariano, o baterista Rubi-

nho Barsotti e o maestro Erlon Chaves, entre outros craques. Afora os grandes nomes e feitos, o livro Do calypso ao cha-cha-chá tem o mérito de resgatar o cotidiano dos músicos. Foi no dia a dia, nos bate-papos do Ponto dos Músicos (ficava na célebre esquina da Ipiranga com a São João) ou nos encontros na Praça da Sé, que a música foi se enraizando na cidade. Graças a eles, São Paulo já não seria lembrada apenas pelo cinza do concreto, mas, também, pela sua multicolorida musicalidade, comparável à dos maiores centros musicais do mundo.

Show: Luiz Loy e Nenê Benvenutti. Praça de convivência Sesc Bom Retiro. Quinta (22), às 18h. Grátis. Vivência: Formação e Informação Musical (Jovito, Edmundo Villani-Cortês, Aluízio Pontes e Toniquinho). Teatro Sesc Bom Retiro. Quarta (21), às 19h. Grátis.

OTTO Marcus Lopes

A Testemunha Silenciosa traz duas novelas do escritor mineiro

Luiz Loy: pianista faz show na próxima quinta (22) no Sesc Bom Retiro.

Arquivo DC

Q

uem imaginaria que a charmosa meia-luz das agitadas casas noturnas paulistanas dos anos 1960, em que brilharam artistas como Walter Wanderley e Hermeto Pascoal, fosse virar uma triste metáfora da história que deixaram? Passados 50 anos, o espirituoso contrabaixista Chu Vianna, o genial multi-instrumentista Boneca e outros fabulosos raramente passam de menções ocasionais na bibliografia especializada. Essa obscuridade imerecida torna fundamental o livro Do calypso ao cha-cha-chá: músicos em São Paulo na década de 60, do jornalista Fernando Lichti Barros, que retoma aquele quentíssimo momento da música paulistana com um texto inteligente e saboroso. O assunto é tão bom, que derivou, ainda, uma valiosa série de shows no Sesc Bom Retiro, Estamos Aí!, em que vem se reunindo a nata dos instrumentistas da época, tais como o pianista Gogô, o violonista Théo de Barros e

Théo de Barros: violonista é uma das atrações do projeto Estamos Aí.

Sacramento, o pai, perde gradativamente o contato com a realidade, em um movimento que lembra muito José Arcadio Buendía, o patriarca de Cem Anos de Solidão, de Gabriel García Márquez. A diferença é que o personagem de Otto não foi amarrado na árvore, mas fundou uma igreja. A segunda novela, A Cilada, também se passa em Minas. No caso, a narrativa se concentra em um avarento da cidade, um Ebenezer Scrooge do interior mineiro, que acaba engolido pela própria ganância. "O horror moral da avareza paralisa simbolicamente a ruptura e justifica o mundo como tal; na velha moldura do Brasil

agrário, tudo já está escrito. As duas novelas de A Testemunha Silenciosa são um belo momento da tensão literária brasileira, que cinquenta anos depois continua viva entre nós", diz Cristovão Tezza, no posfácio do livro.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 15 e 16 de novembro de 2012

25

COMO UM SOL DA MEIA-NOITE d cultura

A conclusão da saga

Lúcia Helena de Camargo Fotos: Paris Filmes/Divulgação

Bella e a filha Renesmee, com Edward e o amigo Jacob.

B

ella (Kristen Stewart) vira vampira. Isso os fãs da saga já sabem. Os detalhes sobre sua adaptação à nova existência estão em A Saga Crepúsculo - Amanhecer Parte 2, que chegou neste feriado aos cinemas. O filme começa exatamente onde acabou Amanhecer – Parte 1: com close nos olhos vermelhos da recém-transformada. "Meu tempo como humana acabou, mas eu jamais me senti tão viva. Nasci para ser uma vampira", diz a moça, e parte em seguida para trucidar um felino na mata. Esta sequência final da saga não será o filme que ganhará o Oscar, mas deve agradar aos leitores de Stephenie Meyer, já

que é fiel aos livros. Mostra o assombrosamente rápido desenvolvimento de Renesmee (Mackenzie Foy), a filha de Edward (Robert Pattinson) e Bella, e as complicações que surgem do fato de a menina ser metade humana, metade vampira. O lobisomen Jacob (Taylor Lautner) assume a função de protetor da criança, depois de ter um "imprinting" por ela. Como se ele descobrisse que é o amor da sua vida. Um bebê? Sim, soa estranho. Mas o fenômeno é explicado de singelamente, sem margem a interpretações maliciosas. Os Volturi, espécie de família real dos vampiros que vive na

Itália, são os vilões da vez, ao questionar o direito da pequena Renesmee à vida. Para ajudar os Cullen, aparecem bebedores de sangue de todos os cantos do planeta. Europeus, japoneses e até brasileiros. O Brasil, aliás, está bastante presente na saga. A lua de mel do casal, tema central de Amanhecer – Parte 1, foi ambientada em uma ilha próxima ao Rio de Janeiro. E neste Amanhecer – Parte 2, além

da série, que foi uma fase maravilhosa de suas vidas etc, enfim tudo o que se espera que digam. Pattinson só escorregou no Festival de Cannes, onde esteve para lançar Cosmópolis, estrelado por ele (em interpretação elogiada), afirmando ter se sentido "ator de verdade pela primeira vez" no bizarro filme de David Cronnenberg. Os fãs de Crepúsculo – as fãs, principalmente – não devem concordar. E talvez até as caras e bocas pouco expressivas de Isabella Swan sejam fruto de uma atuação minimalista ditada pela direção. Kristen Stewart se saiu muito bem no papel da tresloucada Marylou, no longa

Na Estrada, dirigido por Walter Salles. Já Lautner ainda não conseguiu provar seu valor fora da saga. No ano passado, protagonizou o fraco Sem Saída. Em 2014 vai estrelar Tracers, na pele de um entregador que pedala sua bicicleta para fugir da Máfia. O desafio: mostrar talento sem precisar tirar a camisa.

A Saga Crepúsculo Amanhecer Parte 2 ( The Twilight Saga: Breaking Dawn Part 2, EUA, 2012, 116 minutos). Direção: Bill Condon. Com Kristen Stewart, Robert Pattinson, Taylor Lautner.

O QUE É DE NELSON

Divulgação

Divulgação

Odete Lara em Bonitinha, Mas Ordinária: sessão na Cinemateca neste sábado (17), às 19h.

N

de vampiras amazônicas, um índio brasileiro da etnia ticuna chega para resolver uma questão importante. O País, no entanto, não entrou na rota dos lançamentos do filme. Apenas Taylor Lautner apareceu para um breve tour pela capital fluminense. Em outubro, muito antes da estreia. Os atores têm concedido entrevistas dizendo lamentar o fim

elson Rodrigues (1912-1980) é o homenageado até 2 de dezembro na Cinemateca Brasileira. Para celebrar o centenário de nascimento do dramaturgo, o cinema exibe adaptações de seus textos. A primeira obra de Nelson a ir para as telas foi Meu Destino é Pecar (1952, 72 minutos). Com direção de Manuel Peluffo, conta

a história de uma jovem que se casa com um viúvo e descobre que a antiga mulher do marido foi morta por cães. E começa a ser atormentada por aparições do fantasma da morta. O folhetim foi publicado nas páginas de O Jornal, em 1944, assinado sob o pseudônimo de Suzana Flag. Sucesso, aumentou a tiragem da publicação, propriedade do magnata Assis Chateaubriand.

O filme será exibido neste domingo (18), às 18h30, e no sábado (1º de dezembro), às 21h. Entraram na programação Bonitinha, Mas Ordinária (1963, 100 minutos), estrelado por Jece Valadão e Odete Lara, com exibição neste sábado (17), às 19h. O Beijo, de Flávio Tambellini, versão para a peça O Beijo no Asfalto, passa quarta (28), às 20h30, e domingo (2 de

Fernanda Montenegro e Paulo Gracindo em cena de A Falecida, dirigido por León Hirszman. dezembro), às 16h. Ainda em novembro, no domingo (25), às 18h30, A Falecida (1965, 85 minutos), primeiro longa do cineasta León Hirszman, e primeiro e elogiado papel da atriz Fernanda Montenegro no cinema. Dois grandes clássicos de Nelson Rodrigues serão projetados em novas cópias 35mm. O Casamento (1975, 111 minutos) traz o ator Paulo Porto

no papel de um pai de família apaixonado pela filha, mote para uma sucessão de tragédias bem ao gosto do escritor. E Toda Nudez Será Castigada (1972, 103 minutos), de Arnaldo Jabor, com Paulo Porto, Darlene Glória, Paulo César Pereio, Paulo Sacks, mostra Herculano, homem que depois da morte da esposa faz o juramento ao filho de que nunca mais se relacionará com outra

mulher. Com o passar do tempo, a promessa se torna um fardo insuportável. O filme foi premiado com o Urso de Prata no Festival de Berlim de 1973. (LHC)

Cinemateca Brasileira. Largo Senador Raul Cardoso, 207. Tel.: 3512-6111 (ramal 215). R$ 8. Grátis para estudantes do ensino fundamental e médio de escolas públicas. www.cinemateca.gov.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

26

quinta-feira e sexta-feira, 15 e 16 de novembro de 2012

SALVE O PANETONE!

A batalha do açúcar

De frutas, chocolate ou bacalhau, ele não pode faltar na mesa natalina.

José Guilherme R. Ferreira

Panetones do Pão de Açúcar: tradicional é responsável por 40% das vendas. O Grupo Pão de Açúcar oferece 20 sabores de panetones doces e salgados, de fabricação própria. "Nosso objetivo é comercializar 4,5 milhões de panetones", diz Andréa Sylos, gerente comercial de padaria do grupo. Segundo ela, 40% dos panetones comprados são de frutas, outros 40% de gotas de chocolate. Mas os salgados já tomam 10% das vendas, sendo que o mais popular é o de provolone com calabresa. Há ainda de três queijos, bacalhau, tomate seco com azeitona preta. Os preços vão de R$ 4,99 (frutas) a R$ 16,90 (trufas). Parte do lucro é destinada à Associação de Assistência à Criança Deficiente AACD. grupowww.paodeacucar.com.br Salgados - Também de produção própria, a padaria Bella Paulista, que funciona 24 horas, aposta este ano nos panetones salgados, em sabores como presunto, salaminho, queijo provolone, calabresa, milho verde e azeitonas. Por R$ 3,15 a unidade com 100 gramas e R$ 13,10 com 500. O tradicional sai por R$ 3,80 na versão menor e R$ 13,50 na maior. Há o Pandoro,

feito apenas com massa de panetone, sem qualquer recheio, R$ 7,60, com 500 gramas. www.bellapaulista.com A Cacau Show, com 1.200 lojas no Brasil, traz lançamentos como o panetone Brigadeiro (R$ 29,90). Com 600 gramas, tem na massa gotas de chocolate ao leite e granulado e recheio de brigadeiro. Na linha gourmet, a marca traz a caixa Formatos Belga (R$ 19,90), de chocolates em formatos natalinos, feitos com chocolate belga ao leite e branco. www.cacaushow.com.br Sofisticados - Na Kopenhagen, a novidade é o panetone trufado de chocolate com avelãs. Com 650 gramas, custa R$ 49,90. A rede está lançando ainda torradas natalinas (R$ 39,90 com 140 gramas), feitas de massa de panetone; canutti de Natal (105 gramas, R$ 19,90). E outros da sua segunda marca, Brasil Cacau, como crispie árvore de Natal (50 gramas, R$ 5,40); e o combo pipoca (R$ 9,90, com 160 gramas) que vem com pipoca coberta de chocolate. www.kopenhagen.com.br www.chocolatebrasilcacau.com.br

águia alemã que nos interessa veste um cacho de uvas como armadura e tem, nos últimos anos, sobrevoado outros campos de batalha: os vinhedos e os mercados internacionais. A águia assim vestida é símbolo da VDP, Verband Deutscher Qualitäts – und Prädikatsweingüter, uma das mais antigas associações de vitivinicultores do mundo, criada em 1910. Desde 1982, a águia aparece solenemente em rótulos e hoje até em algumas cápsulas, chancelando vinhos com muitos "predicados". Pelo menos 200 desses produtores associados à VDP são também lideranças do setor e enfrentam corajosamente a lei do vinho alemão, de 1971, calcada principalmente no teor de açúcar da bebida. Eles enxergam certa tirania na inspeção outonal de agentes públicos que medem tão somente a quantidade de açúcar das uvas, que por sua vez determina o peso do mosto e a futura classificação dos vinhos, tudo sob a égide dos graus Oechsle. "Do

açúcar para o terroir" é portanto um contramovimento importante, analisa o crítico Stephan Reinhardt no seu recém-lançado The Finest Wines of Germany (Fine Wine Edition/2012). A vinicultura alemã, tão celebrada na Idade Média, custou a recobrar seu vigor depois que vinhos açucarados, baratos e de baixa qualidade inundaram as prateleiras mundo afora nos anos 1970, personalizados nas garrafas azuis de Liebfraumilch e no bombardeio da tradução do rótulo: "O leite da mulher amada". O novo guia da série Fine Wine traz justamente o perfil de 70 produtores (de 24 mil em atividade hoje), todos com uma nova visão de vinho alemão, preocupados com a especificidade das uvas, dos terrenos, e com os processos de vinificação. Os vinhos premium, por exemplo, tem carregado um Erste Lage, um número "1" que abraça um cacho de uvas (comparável a um Grand Cru da Borgonha). Na verdade, a VDP quer ainda mais qualidade do que prevê a própria lei. Isso implica na redução da área dos vinhedos, no aprimoramento das instalações e no manejo sustentável das parreiras. Sob a visão da águia, vinhedos VDP precisam ter 80% de Riesling – a uva típica do país – e também de tintas da família da Pinot.

José Guilherme R. Ferreira é membro da Academia Brasileira de Gastronomia (ABG) e autor de Vinhos no Mar Azul (Terceiro Nome)

'O VINHO É LIBERAL?', PROVOCA TOM WARK. Os principais Estados americanos produtores de vinho (pontos pretos no mapa) e também os "bebedores" ajudaram a reeleger o presidente Obama (vitorioso nas áreas azuis). A tese é do blogueiro Tom Wark, do Fermentation. (Apenas o Texas é vinícola e romneyniano.) Acesse os mapas que ilustram a questão de Tom: "Is wine liberal?" www.fermentationwineblog.com/

O gênio do trombone Aquiles Rique Reis Henrique Peron/Divulgação

E

Da Bella Paulista: com doce de leite.

Kopenhagen: trufado de chocolate com avelã.

Henrique Peron/Divulgação

P

anetone é um dos símbolos da época natalina. Os fabricantes investem em novos sabores e esperam vender mais. O Grupo Pão de Açúcar tem expectativa de aumentar em 20% a venda do produto este ano. O tradicional – recheado de frutas cristalizadas e uvas passas – continua sendo o mais comprado, mas ganham espaço nas prateleiras os salgados. A constante é a massa característica. Selecionamos algumas opções gostosas para degustar e presentear. 50 horas - Entre as novidades está o Pullman Gourmet Olivier Anquier, feito com receita criada pelo francês. O recheio cremoso contém pedacinhos de nozes e chocolate belga. Segundo a empresa, o bolo leva cerca de 50 horas para atingir a textura, a cremosidade e o sabor ideais. Com 550 gramas, tem preço sugerido de R$ 17,90. A fábrica traz ao mercado também o panetone Ana Maria Mini Chef. A caixinha, boa para presentear crianças, inclui um panetone de 80 gramas, um sachê de 15 gramas de cobertura de chocolate e um pacotinho de 15 gramas com mini M&M's para decorar o bolo. Custa R$ 5,99. www.grupobimbo.com.br

A

Fotos: Divulgação

Lúcia Helena de Camargo

d

cultura

Mini bolo de festa

A

Alê Tedesco Bakery Shop chega com mini bolos natalinos (foto) de cacau com frutas secas caramelizadas, vendidos em pratinhos artesanais, em rosa com borda dourada ou azul com borda prateada. A R$ 26 cada. Para a época, faz também o stollen (R$ 44, meio quilo), bolo com receita alemã. E, claro, o panetone. Com 550 gramas, vendido a R$ 33,90. www.aletedesco.com.br

splêndido instrumentista, referência para gerações de músicos brasileiros e estrangeiros – ele que passou grande parte de sua vida no exterior –, o carioca Raul de Souza, aos 78 anos, está cada vez mais admirável. Numa celebração à sua genialidade, o Selo Sesc SP lançou uma caixa contendo um CD inédito, gravado em Curitiba, em 2010, e o DVD O Universo Musical de Raul de Souza, gravado ao vivo no Sesc Vila Mariana, no final de 2011. Em função do espaço disponível, escreverei hoje apenas sobre o DVD. Lá estão 13 músicas com intensa e sofisticada sonoridade. Ouro em pó em forma de composições, celeiro de interpretações da mais alta e explosiva linhagem brasileira e mundial. Treze músicas tocadas com arranjos que subvertem barreiras impostas à música por limitações geográficas e culturais, dando a ela uma linguagem tão universal quanto a do mundo musical de Raul de Souza. Ele tem a seu lado quatro jovens músicos, todos virtuosos e agregadores de valor ao som do mestre: Glauco Solter (baixo elétrico e acústico), Serginho Machado (bateria), Fábio Torres (piano e teclado) e Mário Conde (violão e guitarra). Repertório para ouvir e assistir ajoelhado, mãos postas nos ouvidos, tentativa de não deixar nenhuma nota escapar à audição. Tapetes orientais forram o chão. Luminárias pendem do alto, enquanto refletores lançam luz na horizontal e na vertical (a iluminação é ótima!); uma poltrona forrada de plástico, tipo anos 1960, está no centro do palco, emoldurada por uma fieira de flores, dando

pinta de serem de plástico e ao lado de um buquê de flores roxas – mais kitsch, impossível. Mas é a boa música que prevalece no ambiente. Experimenta-se ali sua mágica presença. Há músicas de gêneros variados: tema jazzístico, Spiritual (John Coltrane); bossa nova, Ela É Carioca (Tom Jobim); samba, A Flor e o Espinho (Nelson Cavaquinho, Guilherme de Brito e Alcides Caminha; aliás, não constam da ficha técnica do DVD os nomes de Guilherme e Alcides, uma pena); chorinhos, Vou Vivendo (Pixinguinha e Benedito Lacerda) e Urubu-Rei (Altamiro Carrilho); além de oito composições de Raul de Souza que permitem uma avaliação adequada desse seu talento, quase sempre ofuscado pelo esplendoroso trombonista. Além daqueles protagonizados por solos e improvisos de Raul e das atuações individuais e marcantes do quarteto, outros momentos gloriosos do DVD são os que têm o saxofonista e maestro Hector Costita, o compositor e pianista João Donato e o saudoso e inesquecível flautista Altamiro Carrilho (é dele a frase que usei no título), cada um brilhando em seu instrumento ao lado de Raul. Mas são o trombone de vara e o Souzabone, trombone de quatro válvulas armado em dó, instrumento inventado e patenteado por Raul, a grande atração desse primoroso DVD. Graças a eles, com seus timbres graves e volumosos, e por tudo o mais que ali se ouve, as músicas têm a energia que mistura jazz à gafieira e ao samba: música à música.

Aquiles Rique Reis, músico e vocalista do MPB4.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 15 e 16 de novembro de 2012

d

27

cultura

Carlos Magno e a Rainha Chardonnay (2 de 2) Carlos Celso Orcesi da Costa

O

fim do Império Romano coincidiu com as invasões bárbaras, povos ditos germânicos. Já ouviram a Cavalgada das Valquírias de Richard Wagner? As Valquírias eram amazonas montadas em cavalos voadores que vinham recolher os guerreiros mortos e levá-los ao paraíso. Daí o filmaço de Francis Ford Coppola sobre o Vietnã: Apocalypse Now, no caso os helicópteros simbolizando as valquírias no campo de batalha. Em síntese: crenças simplórias e civilização voltada à guerra, cujo último (?) sopro bélico se expressou no Deutschland Über Alles (Alemanha Sobre Todos) de Hitler. A meta (se é que possuíam) era saquear Roma: os visigodos em 410, os vândalos em 455 e outros. Mas como não conquistavam a alma, foram ficando, absorvendo aos poucos a cultura romana (religião e direito). Os francos originários da Francônia (Frankfurt) se fixaram na Gália romana, dando origem e nome à França. Na alta Idade Média a Igreja era a única instituição a se contrapor à barbárie, defendendo valores elevados, como o movimento "A Paz de Deus" (Concílio de Charoux, 989) que proibia a guerra em certos dias da semana e épocas do ano. Carlos Magno (742-814), um dos grandes da

Capela Octavada de Carlos Magno e Catedral de Aachen com a Capela no meio. civilização, acelerou o processo de aculturação impondo o cristianismo aos bárbaros. Teria dito: "Como um ferreiro martela uma ferradura, vou impor a verdadeira religião aos pagãos". Expulsou os lombardos e protegeu o Papado; ao norte conquistou a Vestfália, a Ostefália (775), o Saxe (781), a Bavária (784) e depois de dez anos de combates tomou a Saxônia (787), noroeste da atual Alemanha. Veio à Espanha, quando na volta Rolando, o principal dos doze pares de Francia (sua guarda pessoal), foi morto em Roncesvalles. Os atos finais de suas vitórias eram... batismos; os vencidos obrigados a se

converter. Alguns reis renitentes eram internados em monastérios, não sem antes terem os olhos cegados para maior aproximação com o Senhor. Embora magnânimo na vitória (para os padrões bárbaros de livre saque e estupro), mandou degolar 4.500 saxões, para que os demais se convencessem, digamos, das vantagens da fé cristã. No Natal de 800, em Roma, o Papa Leão III lhe coroou imperador do Sacro Império Romano-Germânico. Carlos Maior representou a fusão das tradições clássica, cristã e germânica (Marvin Perry, História Concisa da Civilização Ocidental, ed. Martins Fontes, p. 146). Sob

CM começou a ideia de uma só Europa, atualmente sustentada pelo mesmo espírito forte alemão, canalizado na disciplina e na determinação. Poderoso, construiu sua capital em Aix-laChapelle, atualmente Aachen, na Vestfalia, sul da Alemanha. MH, Guilherme, Mariana e eu visitamos Aachen, a capela palatina em forma octavada, patrimônio da humanidade segundo a Unesco, depois de 1.200 anos preservando o trono, a coroa e a espada do rei. Aachen está entre as maiores experiências que o turismo pode proporcionar. O incrível é que, embora Carlos tenha sido o artífice da união do Estado sob a autoridade real,

também plantou a semente do feudalismo, que advém de fee, até hoje 'pagamento por serviços prestados'. Em função das longas distâncias instituiu 250 condados administrados por vassalos com títulos hereditários, os condes. E como demarcava as fronteiras do império (marca espanhola, dinamarquesa etc) ungia grandes guerreiros para protegelas em pontos estratégicos, daí os marqueses. Depois vieram os vice-condes (viscondes), enfim uma nobreza que em razão das distâncias passou a exercer o poder de fato nos feudos autosuficientes. Com o tempo e a divisão do império o rei passou a dono simbólico das terras. Surgia

o feudalismo; graças à bondade do senhor os camponeses recebiam pequenas parcelas de terra para cultivo, por isso tinha, em contrapartida, entre outros privilégios, direito à primeira noite após os casamentos. Os dois noivos tinham motivos para se embebedarem! Voltando ao Corton Charlemagne Louis Latour que tomei em Bruxelas há 20 anos (web: dcomercio, dcultura) diz a lenda que o imperador se aborreceu com certa mancha de vinho tinto sobre sua túnica imaculada, ordenando a plantação de castas Chardonnay na Borgonha. Será verdade? Mais parece lenda; talvez apenas preferisse branco ao tinto, o que é aceitável em se tratando de borgonhas. Já tomei ótimos burgúndios brancos, Meursault, Chablis e Pulligny, até mesmo três Montrachet. Porém aquele Carlosmaior na Bélgica, até pela surpresa, permanece no olimpo de minha memória. Se entre os reis tintos há muita disputa, entre as rainhas a Chardonnay permanece soberana; as vices Riesling, Alvarinho e Viognier (depois a Sauvignon Blanc) não ameaçam o reinado da favorita do imperador. Ave Carlos: degole-se os ateus infiéis, dê goles aos teus fiéis.

Nana Moraes/Divulgação

Uma visão do que seria a malignidade de Fidel O retrato de um ditador autoritário, violento, assassino e terrorista. Renato Pompeu

O Priscila Fantini interpreta uma estrela de telenovela. Herson Capri é o experiente jornalista Pedro Pierre.

A entrevista improvável Sérgio Roveri

U

m experiente jornalista especializado em política internacional, com coberturas de guerra no currículo e uma certa autonomia para circular pelos corredores do poder em Brasília (já que o texto foi adaptado para o Brasil) tem a certeza de que sua carreira entrou em declínio, ao menos para os seus próprios padrões, quando é designado para fazer um trabalho cujo tema sempre esteve a anos-luz do seu campo de atuação – uma entrevista com uma estrela de telenovelas, uma mulher jovem e linda que tem seu rosto (e muitas vezes também seu corpo) constantemente estampado nas capas das principais revistas de celebridades do País, um tipo de publicação da qual ele sempre manteve uma distância nata. É sobre este improvável encontro entre o jornalista Pedro Pierre, vivido pelo ator Herson Capri, e a atriz Mariah, papel de Priscila Fantini, que se constrói a peça A Entrevista, em cartaz a partir desta sexta, 16, no

Teatro Vivo. O espetáculo é dirigido por Susana Garcia e tem direção geral de Daniel Filho – indício certeiro de que a linguagem cinematográfica promete exercer um peso extra sobre a montagem. A Entrevista é baseada no filme homônimo do diretor holandês Theo Van Gogh, lançado em 2003. A tradução e adaptação para o Brasil foi feita por Euclydes Marinho. Um ano após o lançamento de A Entrevista, Theo Van Gogh, parente distante do pintor holandês, foi assassinado aos 47 anos por um muçulmano revoltado contra seu último trabalho, o curta Submissão, que denunciava, em apenas dez minutos de cenas impactantes, a violência contra as mulheres praticada em alguns países islâmicos. Mas o tom de denúncia, tão peculiar na obra do cineasta, passa ao largo de A Entrevista. A peça é uma comédia recheada de situações de estranhamento, tensão sexual, atração mútua e revelações que causam espanto

de lado a lado. Enquanto o personagem do jornalista passou a vida na cola de políticos famosos, a atriz ocupou-se em fazer crescer sua coleção de namorados. A princípio ofendido e subestimado diante da reportagem que se vê obrigado a fazer, aos poucos Pierre irá perceber que existe, por assim dizer, algum conteúdo por trás das formas exuberantes da atriz. A diretora Susana Garcia diz que o texto de Theo Van Gogh é preciso e atual ao retratar esta relação cada vez mais íntima entre a mídia e as celebridades. Uma relação que, conforme o espetáculo revela, costuma oscilar de acordo com os interesses de cada parte – e, na maioria das vezes, em prejuízo da verdade.

A Entrevista, estreia nesta sexta, 16, no Teatro Vivo, Avenida Chucri Zaidan, 860, tel.: 7420-1520. Sexta às 21h30, sábado às 21h e domingo às 19h. R$ 50 a R$ 70.

s hoje cada vez mais raros defensores incondicionais do octogenário líder cubano Fidel Castro costumam apresentá-lo como o comandante de grandes feitos, como sistemas públicos supostamente eficientes de educação e de saúde, e chamam a atenção para que nas ruas de Cuba não há mendigos, moradores ou crianças de rua, nem na ilha existem desempregados. Por outro lado, a opinião pública está informada de que em Cuba não há liberdade de expressão ou de organização e de que vigora uma repressão implacável contra qualquer tipo de manifestação contra o governo, além de nas últimas décadas o país estar vivendo uma crise econômica crônica. No entanto, o escritor e polemista Hugo Montova, cubano radicado nos Estados Unidos, apresenta no livro Fidel, o Tirano Mais Amado do Mundo (o título do original em inglês, de 2005, é Fidel, o tirano favorito de Hollywood), o retrato de um Fidel que seria menos conhecido, um ditador autoritário, violento e assassino. Montova nasceu em Cuba em 1954, filho de um arquiteto e de uma professora de matemática, e sua família migrou para os Estados Unidos em 1961, dois anos após a tomada do poder por Fidel Castro e Che Guevara; de modo que o autor vive fora de Cuba desde os sete anos de idade.

O pai e um primo de Montova, Pedro, este militante católico, haviam sido presos pelas autoridades castristas; o pai foi libertado após três meses e comandou o êxodo da família, mas o primo morreu enquanto estava encarcerado, segundo Montova, por ter sido assassinado sob tortura. Já de acordo com autoridades cubanas, por ataque do coração. Plenamente adaptado à vida americana, os primeiros livros de Montova, em 2001 e 2003, foram inteiramente apolíticos, sobre caça submarina e nos pântanos ao longo do rio Mississipi. Isso apesar de ele se ter formado em ciência política. Este livro sobre Fidel, de 2005, entretanto, é basicamente um ataque às celebridades americanas que defendem o líder e/ou o regime cubano. Seus alvos mais conhecidos incluem o ator Jack Nicholson, o ator e cantor Harry Belafonte e o cineasta Steven Spielberg. Montova pergunta por exemplo como podem esses grandes personagens de Hollywood prestar homenagem a um dirigente que, afinal de contas, ameaçou desencadear uma guerra nuclear contra os Estados Unidos durante a crise de 1962, quando haviam sido instalados mísseis atômicos soviéticos em território cubano.

Baseado em informações de dissidentes cubanos, dos quais alguns antigos prisioneiros políticos e outros que apoiaram de início Fidel Castro, e mesmo ocuparam funções em seu governo, inclusive funções de vigilância política e de repressão, Montova afirma que, no início dos anos 1960, o líder comunista chegou a planejar uma série de atentados em Nova York, em que seriam usadas 500 toneladas de dinamite para destruir a Estátua da Liberdade, a estação ferroviária Grand Central e quatro estações de metrô em Manhattan, o distrito mais próspero da cidade. Ou seja, seria um atentado múltiplo, com a morte de milhares de pessoas, semelhante aos ataques comandados por Bin Laden em 11 de setembro de 2001. Montova se pergunta por quê, afinal, Bin Laden é execrado e Fidel é exaltado pelos chamados progressistas americanos. Montova apresenta completos dossiês sobre torturas em prisões cubanas e sobre a pobreza geral reinante em Cuba. Suas duas grandes conclusões são as seguintes: é absurdo que americanos eminentes, que vivem com todo conforto e com todas as liberdades, fiquem exaltando um líder tirânico e que teria destruído a economia cubana; é notável que os cubanos radicados nos EUA sejam os maiores defensores do capitalismo americano.

PROGRAMA CLÁSSICOS NA TV CULTURA Apresentação de concerto da Osesp regida por Louis Langrée. No programa, Mozart: Davidde Penitente, KV 469. Sábado (17), às 21h45.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

28

Música e dança nascidas em Pernambuco podem ser vividas e apreciadas, de graça, na Escola Estadual Professor Alves Cruz, em Pinheiros.

quinta-feira e sexta-feira, 15 e 16 de novembro de 2012

Aliás, com elas teve início a revolução educacional que fez o colégio passar de totalmente desacreditado para a 4ª posição no Idesp.

Fotos: Newton Santos/Hype

d MARACATU NA ESCOLA cultura

Jovens rodam suas saias de chita, marca do maracatu. Outros elementos presentes são o estandarte, o batuque e as toadas.

O Bloco de Pedra começa a tocar às 15h

Agbê: cabaça coberta com miçangas.

Todos os instrumentos, como as alfaias (tambores), são produzidos nas oficinas.

Kety Shapazian

A

lguma coisa acontece na Rua Alves Guimarães, 1511, todos os sábados à tarde. Certas pessoas, incomodadas, acham que não passa de barulho. A grande maioria, no entanto, enxerga ali uma revolução educacional. A Escola Estadual Professor Alves Cruz passou de um colégio completamente desacreditado no começo dos anos 2000 à instituição pública com a quarta melhor nota no Idesp (Índice de Desenvolvimento da Educação do Estado de São Paulo) na capital em

2012. E um dos responsáveis por essa reviravolta, quem diria, saiu das ruas de Recife: o maracatu, tradicional manifestação cultural da música pernambucana. "Isto é uma demonstração de sucesso fantástico", exalta Marcio Lozano, coordenador do Projeto Calo na Mão, uma iniciativa sóciocultural que promove atividades relacionadas ao maracatu de baque virado, como oficinas, cursos de introdução ao maracatu, workshops de construção e manutenção dos instrumentos e ainda de história dessa rica parte

da cultura nacional. O acesso às oficinas, realizadas aos sábados das 10h às 17h, é gratuito e irrestrito. Não há limite de idade também. E mesmo quem estiver apenas dando uma passadinha e quiser se arriscar com algum dos instrumentos de percussão ou passos de dança é bem-vindo. O projeto surgiu da ONG Fênix, criada para salvar a Alves Cruz do fechamento – um esforço coletivo para revitalizar o colégio que reuniu a sociedade civil e o Estado. "Tem um monte de gente fazendo com que a escola dê certo. O

sucesso depende de todos. Do Estado, dos pais dos alunos, da comunidade... E quando falo em comunidade não quero dizer apenas as pessoas que moram aqui perto. Eu não moro. O Gustavo também não", diz Lozano sobre Gustavo Nunes, que chegou em agosto de 2009 para colaborar na produção de um DVD sobre o maracatu na escola e "nunca mais foi embora". Desde a criação do projeto, o número de alunos dobrou e a Alves Cruz passou a operar em tempo integral. Há disciplinas

"não formais", escolhidas por alunos, que agora inclusive almoçam na escola, em conjunto com os professores. O modelo deu tão certo que a turma foi convidada para gestar um piloto de educação em tempo integral. Hoje, a escola é um dos poucos espaços gratuitos em São Paulo onde se pode aprender maracatu. Aberta todos os sábados a partir das 10h, a Alves Cruz recebe de 600 a 800 pessoas todos os sábados. Em tardes de sol, chegue um pouco antes das 15h, quando o grupo

Bloco de Pedra começa a tocar, para conseguir um lugar sob a sombra da enorme jaqueira que cobre parte da arquibancada. "Escola pública é aquela que a gente vai todo sábado. O resto é escola estatal", define Lozano, um ex-aluno da Alves Cruz. Sobre as reclamações que o projeto ainda recebe de alguns vizinhos, ele questiona: "Qual seria o lugar para a cultura popular? Se não é aqui na escola, onde é então? O que a gente faz com a cultura popular? Joga fora porque faz barulho?".

FLAUTA NA RUA André Domingues

Naquele tempo, sua naturalidade ao instrumento parecia uma mágica. Rapidamente, fez mestres como João Carlos Carrasqueira e Altamiro Carrilho anunciarem-no como um prodígio, gravou um disco e ganhou uma bolsa de estudos na Alemanha. Mas nunca foi à Europa nem confirmou as expectativas em torno de si. Bem cedo entrou no mundo das drogas e seguiu de mal a pior. Hoje, pode ser visto vagando pela região da Av. Vereador José Diniz. Costuma se virar com esmolas ganhas na esquina com a Rua José dos Santos Júnior. Não foram poucos os que tentaram reerguê-lo. Por isso, fica difícil desmentir quem também lembra Pixinguinha ao lhe dizer "sofres porque queres". Só vale lembrar, em sua defesa, que se viciou ainda muito novo, com

poucas condições de lutar contra a sedução do entorpecente. Se fosse fazer uma música Ela e Eu para a droga, não seria, certamente, uma polca alegre como a de Pixinguinha e Benedicto Lacerda. Seria puro desencanto. Aliás, se ele fosse fazer uma música homônima a alguma de Pixinguinha, talvez escolhesse mesmo A vida é um buraco. O encontro com Charles da Flauta, felizmente, não ficou só entre lamentos e soluços. Animado com os choros que saíam pelas caixas da rádio do evento, pediu que tocassem algum registro do recentemente falecido Altamiro Carrilho, a quem queria homenagear com um improviso. Puseram o clássico Flor Amorosa e sua flauta surrada, amarrada com um arame, tornou-se encantadora. Logo, as pessoas começaram a parar na calça-

da para assisti-lo. Era o Charles da Flauta há tanto esperado. E enquanto pediam para ver seu instrumento tão precário, sacou uma flautinha doce, daquelas usadas em musicalização infantil, e solou em andamento rápido o dificílimo choro 1 x 0, de Pixinguinha. Absolutamente espantoso. Ao menos por três ou quatro minutos, a arte venceu suas mazelas. Ficou a certeza de que, se um dia ele vencer a droga, ninguém o segura.

André Domingues

C

harles da Flauta foi uma grande promessa da música brasileira no final dos anos 1980, mas, infelizmente, ficou mais fácil encontrá-lo nas calçadas do que nos palcos. Há alguns anos, virou morador de rua. Sua resposta a essa situação: "Como dizia Pixinguinha, vou vivendo". A frase é triste, impotente, mas ao menos traz um alento: a música continua sustentando seu elo com o mundo. Charles apareceu na rádio do evento Brooklin Fest, realizado em meados de outubro no bairro da Zona Sul, ao ouvir um choro de Hamilton de Holanda. Chegou discreto e, quase cochichando, disse que havia tocado com Hamilton, que se chamava Charles. A pergunta foi inevitável: "Charles da Flauta?". Isso mesmo. Era o meninoprodígio descoberto pelo Fantástico em 1988, quando tocava com a família nas ruas de São Paulo.

DC 16/11/2012  

Diário do Comércio

Advertisement