Page 1

Ar-condicionado: 48,22%

Capa com impostos à mostra...

Celular: 39,80%

Evandro Monteiro/Hype

E lá vamos para R$ 1,4 trilhão Um trilhão antes do meio-dia e mais 2 bilhões no final da noite: a voracidade do Leão é insaciável. Vamos acabar o ano com R$ 1,4 trilhão. "O importante é que o contribuinte saiba que tem direito a cobrar o bom uso do dinheiro arrecadado", lembrou o presidente da ACSP e Facesp, Rogério Amato.

Impressora: 33,67%

Conclusão: 23h50

Ano 87 - Nº 23.457

www.dcomercio.com.br

Jornal do empreendedor

São Paulo, quarta-feira, 14 de setembro de 2011

R$ 1,40

Terno: 35,30%

Joias: 50,44% Agliberto Lima/AE

Óculos escuros: 44,18%

Relógio: 53,14%

Apito: 39,48%

Um apitaço saudou a marca do triLeão abaixo do novo Impostômetro, na rua Boa Vista. No Pátio do Colégio, um mini-feirão do imposto revelou quanto imposto se esconde em alguns produtos do dia a dia. Págs. 13 e 15 Aciarp

Roupa: 39,67%

Biquíni: 42,19%

Calça: 34,76% Sapato: 36,17%

Apitaço ouvido também no interior

Racismo na passarela da Miss Universo HOJE Nublado com chuva Máxima 20º C. Mínima 15º C.

AMANHÃ Parcialmente nublado Máxima 21º C. Mínima 13º C. ISSN 1679-2688

23457

9 771679 268008

Foi a angolana Leila da Costa Vieira Lopes ser coroada para mensagens racistas eclodirem na internet. "O racismo é uma doença que precisa ser tradada", reagiu a mais bela. Pág. 10

Agliberto Lima/ DC

Darren Decker/Reuters

Associações Comerciais de todo Estado (na foto acima, manifestantes em Ribeirão Pires) dizem não ao excesso de impostos. E sim à transparência na destinação dos tributos. Pág. 16

Corda: 34,00% Jornal: 14,09%


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

É um concubinato feito para durar e que mais atrelado ainda ficará com as eleições municipais. José Márcio Mendonça

pinião

A TEORIA DA DEPENDÊNCIA

JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA

José Cruz/ABr

M

enos de duas semanas atrás, o PT realizou um grande convescote em Brasília, com direito à presença de sua maior estrela, o ex-presidente Lula, e de sua segunda fulguração, a presidente Dilma Rousseff, com o objetivo de estabelecer uma agenda própria do partido para os próximos anos, a começar pelas disputas eleitorais de 2012. Nos últimos tempos, a agenda petista foi a agenda do governo – ou melhor, a agenda de Lula. Mas Lula é Lula, o PT em estado puro, e Dilma é Dilma, com origem partidária no PDT, petista apenas 3G. O partido sentia, assim, necessidade de firmar seu ideário. Acabou não sendo bem sucedido em seu propósito, apesar das aparências, como mostrou o recuo na questão do controle social da mídia, democratização dos meios de comunicação, marco regulatório ou que nome se queira dar àquilo que os petistas, Lula inclusive, entendem deva regular a vida da chamada mídia. O que seria uma resolução virou uma recomendação, que não empolga nem a presidente da República nem o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, a quem Dilma entregou tarefa de discutir um projeto sobre o tema elaborado por Franklin Martins na era Lula e que até agora não teve tempo de se debruçar sobre ele.

S

obre outros temas também não houve grandes avanços, a não ser sobre o óbvio, que não altera a ordem dos fatores na equação palaciana. O documento petista ficou um documento para "harmonizar" as correntes internas, não uma obra que possa influenciar decisões palacianas.

paz de institucionalizar as relações políticas no Congresso, tornou-se também dependente dos seus dependentes, na tal busca da governabilidade. Havendo pendências não contornáveis no legislativo, o Palácio do Planalto fica então à mercê dessas forças – como ocorreu agora com a necessidade de votar a prorrogação da Desvinculação das Receitas da União (DRU). Será a boa hora para o PMDB dar o troco, naquele "toma lá dá cá" que a presidente negou existir pela televisão. Os peemedebistas dirão o quanto é impossível romper esse círculo vicioso. É um concubinato feito para durar e que mais atrelado ainda ficará com as eleições municipais.

Dilma, com Michel Temer à direita e senadores do PMBD: a base aliada quer mostrar que também tem influência no governo Com Lula, o PT falava e era ouvido, com Dilma ele escuta.

E

sta semana é a vez do PMDB cansado de guerra tentar transformar o discurso do "fomos eleitos, governamos juntos" que passou a usar desde que fez de Michel Temer o vice de Dilma. O partido marcou para amanhã um grande fórum em Brasília, no qual pretende dar uma demonstração de potência, levando à capital federal mais de 2 mil militantes de todo o País, a maior parte prefeitos e vereadores. O propósito é o lançamento da estratégia eleitoral para o ano que

IVONE ZEGER

C

uratela? Palavra estranha. Tem a ver com tutela? Ou é uma espécie de procuração? É interdição? A palavra é incomum e de alguma forma está muito próxima da tutela, da interdição e, para complicar mais, também tem parentesco com a procuração. Confuso? Vamos ver o que é cada uma delas. Resumidamente, a tutela é atribuída pelo juiz a um adulto para que esse possa proteger e orientar um menor – criança ou adolescente – e administrar seus bens quando os pais não estão presentes por motivo de morte, ausência por longo período ou perda do poder familiar. A procuração é o ato no qual uma pessoa nomeia outra de sua confiança para fazer determinadas ações em seu nome. As pessoas envolvidas – a que dá a procuração, chamada outorgante, e a que recebe, chamada procurador – estão

geralmente na posse de suas faculdades mentais e, em geral, a procuração atende a uma necessidade prática. Já a interdição é uma medida judicial que declara a incapacidade de pessoas com mais de 18 anos de exercer atos da vida civil. É o primeiro passo para se ter a curatela decretada. Chegamos então à tão curiosa palavra: curatela. Trata-se do instituto jurídico utilizado para dar poderes a uma pessoa – chamada curador – para que proteja, zele, oriente e administre bens de outra pessoa que não pode mais exercer os atos da vida civil. Quem decreta a curatela é o juiz e, que determina também quem será o curador.

A

curatela se aplica a adultos, pessoas maiores de 18 anos. O Código Civil Brasileiro indica como passíveis de curatela as pessoas sem capacidade para discernir, as

vem. Igualzinho ao PT. O objetivo real é marcar influência num governo que não está muito interessado nesse tipo de influência. Igualzinho ao PT.

Quem viu a entrevista quase doméstica da presidente Dilma Rousseff domingo, na televisão, percebeu que ela trata a questão com certo distanciamento buro-

Será boa hora para o PMDB dar o troco, naquele toma lá dá cá que a presidente negou existir na televisão. Os peemedebistas dirão o quanto é impossível romper esse círculo vicioso.

CURATELA: APESAR DO NOME, UM PAPEL CLARO. que têm enfermidade mental – com estágio patológico da mente – ou deficiência mental, seja por déficit de inteligência congênito ou adquirido. A lei considera, ainda, os toxicômanos – dependentes de drogas – como relativamente incapazes . A curatela é necessária quando, não raro, há necessidade de internação para tratamento. Alcoólatras também podem ser curatelados, porque podem agir sob psicose decorrente do álcool.

problemas dessa ordem está relacionada a recursos e bens. Não é à toa. Na maioria dos casos, pessoas incapazes de gerir o próprio destino costumam não ter noção de valores monetários, não fazem ideia das consequências de seus atos e normalmente exigem tratamento e cuidados médicos que requerem dinheiro. Esse é um dos significados de "não ser capaz de exercer os atos da vida civil".

C

om intenção de proteger a família, também são considerados passíveis de curatela os "pródigos", aqueles que não têm limites para gastar recursos materiais, que agem de maneira compulsiva, assim como os viciados em jogos de apostas, e que colocam em risco o patrimônio pessoal e familiar. Quase sempre, a primeira preocupação da família com

No caso de jovens com deficiência intelectual, a curatela é uma realidade já prevista pelos pais e se concretiza quando o jovem atinge a maioridade, a partir do requerimento da

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Cláudio Vaz Edy Luiz Kogut Érico Sodré Quirino Ferreira Francisco Mesquita Neto João de Almeida Sampaio Filho João de Favari Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Paulo Roberto Pisauro Renato Abucham Roberto Faldini Roberto Mateus Ordine

crático, como um osso do ofício. Desde a crise de Palocci ela "evoluiu" nas suas relações com a base aliada, mas muito mais na aparência do que na vida real. E é este o incômodo que o PMDB (aliás, a base aliada de modo geral) não consegue ruminar. Mas também não tem força para expelir, tal a dependência que esses partidos desenvolveram em relação ao governo, suas verbas, seus empregos, suas benesses. Não dá para nenhum sair pelo mundo arrotando liberdades, autonomia. A única arma desses grupos é que o governo, a partir das composições lançadas por Lula, inca-

curatela ao juiz. Ou pode ser requerida quando as situações relacionadas acima ganham proporções incontroláveis, ou a partir de um acidente que criou uma limitação. A curatela pode ser permanente ou transitória, já que a pessoa pode voltar ao estado normal.

A

ssim, a curatela pode ser parcial. Por exemplo, uma pessoa que não pode administrar seus negócios por um tempo, por problemas físicos ou longo tratamento hospitalar, mas que está bem mentalmente, pode ele mesmo pedir a nomeação de um curador para tratar da sua vida civil ou de parte dela. Um idoso acamado, mas lúcido, também pode requerer um curador. Qualquer pessoa interessada em proteger uma pessoa nessas condições pode requerer a curatela. Em geral, antes da curatela se obtém a interdição.

S

ó há um caminho. Outras forças, ainda que eventuais, fora do esquema, inteferirem, mesmo pontualmente. Por isso, no mundo partidário oficial, não se viu com bons olhos algumas manifestações dos "indignados" no 7 de Setembro, enquanto no âmago do governo a coisa não tenha sido mal vista. Por isso, também, o ciúme crescente por causa da aproximação da presidente com alguns oposicionistas e com os movimentos de aliados "independentes". O problema é que a presidente Dilma precisa manter discurso e atitudes dúbias para não gestar uma explosão dos amigos. JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA É JORNALISTA E ANALISTA POLÍTICO

A curatela pode ser exercida, em primeiro lugar, pelo cônjuge ou companheiro; depois, por aquele que já detinha a tutela (pai, mãe ou outros parentes). Os pais são curadores legítimos e podem também indicar o curador em testamento. Se falecerem sem fazê-lo, o juiz pode nomear um parente próximo ou, na falta deste, um terceiro de sua confiança. O Ministério Público, por várias razões, também pode lançar mão da curatela. Ao decretá-la, o juiz determina os limites da interdição. O curador pode ser substituído quando não puder mais cumprir com as suas atribuições (se ficar doente, sofrer um acidente ou falecer). Mas destituir um curador não é tão fácil, mesmo quando entre os parentes há o coro dos descontentes. Embora legalmente se possa encaminhar reclamações ao juiz, é difícil conseguir uma liminar de destituição. O tema é vasto, extremamente importante e continuaremos a tratar dele no próximo artigo. IVONE ZEGER É ADVOGADA ESPECIALISTA EM DIREITO DE FAMÍLIA E

SUCESSÃO, AUTORA DOS LIVROS "HERANÇA: PERGUNTAS E RESPOSTAS" E "FAMÍLIA: PERGUNTAS E RESPOSTAS" WWW.IVONEZEGER.COM.BR

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, João de Scantimburgo, Marcel Solimeo Diretor-Responsável João de Scantimburgo (jscantimburgo@acsp.com.br) Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Edi tor - Ch e fe: José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br) Chefia de Reportagem: Teresinha Leite Matos (tmatos@acsp.com.br) Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br) Editores Seniores: Bob Jungmann (bob@dcomercio.com.br), Carlos de Oliveira (coliveira@dcomercio.com.br), chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), Estela Cangerana (ecangerana@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Luiz Antonio Maciel (maciel@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br) Editor de Fotografia: Alex Ribeiro (aribeiro@dcomercio.com.br) Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Ricardo Ribas (rribas@dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br) Subeditores: Fernanda Pressinott, Kleber Gutierrez, Marcus Lopes e Rejane Aguiar Redatores: Adriana David, Eliana Haberli, Evelyn Schulke, e Sérgio Siscaro Repórteres: Anderson Cavalcante (acavalcante@dcomercio.com.br), André de Almeida, Fátima Lourenço, Ivan Ventura, Kelly Ferreira, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mário Tonocchi, Neide Martingo, Paula Cunha, Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves, Sandra Manfredini, Sergio Leopoldo Rodrigues, Sílvia Pimentel, Vera Gomes e Wladimir Miranda. Gerente PL Arthur Gebara Jr. (agebara@acsp.com.br) Gerente Executiva Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estado, Folhapress, Efe e Reuters Impressão OESP GRÁFICA S/A Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3244-3175. Fax 3244-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3244-3197, 3244-3983, Fax 3244-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3244-3544, 3244-3046 , Fax 3244-3355

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3244-3737 REDAÇÃO (011) 3244-3449 FAX (011) 3244-3046, (011) 3244-3123 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

o

3

BC AGIU POR ANTECIPAÇÃO, REDUZINDO JURO MESMO COM POSSÍVEL ALTA DA INFLAÇÃO.

pinião

Queda de juros: bom sinal?

A

essa altura dos acontecimentos, duas semanas após a inesperada queda da taxa de juros, muito já foi escrito a respeito e, portanto, sobra pouco para acrescentarmos a este assunto. Creio que você, caro leitor, deve estar suficientemente bem informado e, melhor, já deve ter feito seu próprio juízo sobre se tal decisão foi acertada ou não. Queda de juros é saudável em qualquer economia. Nós, que havíamos criticado o Banco Central (Bacen) outras vezes por ser demasiadamente lento em suas decisões – e pior – excessivamente político em outras, não poderíamos deixar de dizer que, para o comércio, para a indústria, para o consumidor, a queda na taxa de juros foi importante. E, melhor, rompemos com uma situação antiga, na qual o Bacen só era visto como independente e com credibilidade se aumentasse os juros! O que incomodou mesmo neste caso foi o jogo da dissimulação, a calma aparente, a tentativa de mascarar uma dura realidade. A recente queda nos juros pouco (ou nada) teve a ver com a disposição do governo federal em cortar mais R$ 10 bilhões em despesas, medida anunciada às vésperas da reunião do Copom (Comitê de Política Monetária), e vendida como um esforço extra do governo em abrir espaço para queda nos juros. A verdade é que a situação, que já não é boa, pode piorar. A ata da reunião do Copom, publicada no último dia 8 de setembro, coloca a questão internacional como pano de fundo da tomada de decisão; entretanto, nem de longe tangencia a questão interna brasileira.

A

ntes de avançar, porém, vamos voltar um pouco no tempo. Com a crise global de 2008, mãe desta que estamos vendo nascer, o governo federal apostou no aquecimento da economia, para fazer o mercado interno crescer e evitar uma freada brusca que abafasse o discurso do "nunca antes na história deste país". Para isso, ampliou os gastos públicos, em especial os gastos com salários e previdência, bem como expandiu o crédito, através dos

P

MANUELITO MAGALHÃES JÚNIOR

bancos públicos, valendo-se de empréstimos do Tesouro Nacional. Ao mesmo tempo, promoveu uma renúncia fiscal em setores escolhidos. Deu certo em 2008. O Brasil ultrapassou a marolinha, mas a receita não pode ser repetida nesse momento, seja porque nossa dívida pública cresceu de lá para cá, seja porque os gastos crescentes do governo (e não são os R$ 10 bilhões cortados que farão diferença) impedem uma nova rodada de renúncias fiscais e de ampliação das despesas públicas. A nova crise mundial pega o Brasil em um momento interno bem mais desfavorável. Ao contrário de 2008, o mercado de automóveis experimenta um vigoroso pé no freio, com pátios lotados e férias coletivas para empregados. O setor imobiliário também dá sinais importantes de interrupção da trajetória ascendente. Na cidade de São Paulo, a queda no ritmo das vendas de imóveis foi da ordem de 31% no primeiro semestre. Mas é a indústria que escandaliza os números e impõe a todos nós uma preocupação com o futuro.

or outro lado, dados da Fundação Centro de Estudos em Comércio Exterior (Funcex) mostram uma queda de 17% na exportação de produtos manufaturados, quando comparamos o primeiro semestre de 2011 com o mesmo período de 2008. A participação da indústria de transformação no total exportado, que era de 80% em 2002, recuou para 50% no primeiro trimestre de 2011. Este movimento da economia permaneceu oculto pelo excepcional crescimento do setor de serviços e das exportações de matérias primas e commodities agrícolas. Mas pode ficar cada vez mais visível à medida que se avizinha uma crise econômica internacional possivelmente de proporções maiores que a que assistimos em 2008, e sem o aquecimento do mercado interno como válvula de escape. O Bacen sabe mais do que quer contar acerca dos riscos externos e internos e dos choques que advirão dos dois fronts. Só salientar na ata do Copom que "a recente deterioração da economia global deve provocar impacto no Brasil" é pouco para uma autoridade monetária explicar uma medida que se sabia polêmica. Não estaremos exagerando se afirmarmos que o Bacen agiu por antecipação, reduzindo os juros mesmo com um cenário que ainda aponta para aumento de inflação. A impressão é que optamos por culpar o mundo e retardar o anúncio de que estamos desacelerando rapidamente, fruto de algumas opções do passado e, portanto, a inflação não será problema à frente. Analistas e fontes do governo apontam que existe espaço para novas quedas nos juros. Só falta ficar claro se isso será um bom ou um mau sinal.

A

nalisando os números do PIB brasileiro, vê-se que a indústria de transformação expandiu-se, de julho de 2008 até julho de 2011, apenas 1%! No mesmo período, o setor de serviços cresceu 10,5%! Segundo a Pesquisa Mensal de Emprego, que recolhe dados nas seis maiores regiões metropolitanas do país, o emprego industrial cresceu 2,2%, entre julho/2008 e julho/2011, enquanto o emprego na área de serviços avançou em 11,8%! Aí está uma herança maldita para o governo federal se ocupar. A tabelinha entre juros altos e câmbio sobrevalorizado, aliada a um abandono completo de projetos de modernização da nossa infraestrutura, tornou o Brasil um país exportador de plantas industriais e de empregos. A péssima qualidade da infraestrutura brasileira ficou evidente no novo ranking global de competitividade divulgado pelo Fórum Econômico Mundial. O Brasil, que ocupava a 84ª posição despencou para a 104ª.

MANUELITO P. MAGALHÃES JÚNIOR

Essa nova crise internacional, diferentemente da anterior, pega o Brasil em um momento interno bem mais desfavorável.

É ECONOMISTA E DIRETOR DA COMPANHIA DE SANEAMENTO

BÁSICO DO ESTADO DE SÃO PAULO (SABESP). FOI PRESIDENTE DA EMPRESA PAULISTA DE PLANEJAMENTO METROPOLITANO (EMPLASA) E SECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO DA CIDADE DE SÃO PAULO.

Carl de Souza/ AFP

ENCONTRANDO ESPERANÇA NA LÍBIA

Q

uando eu estava entrando na Líbia vindo da Tunísia, há cerca de uma semana, um soldado chamado Ayman me barrou afirmando que eu não tinha um visto. Eu ressaltei que seu grupo tinha derrubado o governo que emitia os vistos. Mas, nesse tipo de impasse, o cara com a arma vence. E ele era Ayman. Por fim, ele surgiu com uma solução. Eu lhe daria uma carona para sua cidade natal, Zawrah, e a exigência de visto desapareceria. Cerrei os dentes e lhe disse para subir no carro. Esse incidente revela um receio que muitos norte-americanos têm dos rebeldes líbios? Eles são simplesmente arruaceiros que vão criar sua própria tirania ou o caos? Em particular, depois que apoiamos Hamid Harzai no Afeganistão só para vê-lo dominado pela corrupção, é justo perguntar se os rebeldes líbios farão algo melhor. As incertezas são reais. Mas, depois de minha recente visita à Líbia, estou cautelosamente otimista. O que é particularmente impressionante é a escassez de assassinatos por vingança e saques em Trípoli, a capital. Houve uns poucos incidentes nos quais soldados rebeldes aparentemente executaram prisioneiros, e africanos negros foram tratados de uma forma horrível (são acusados de serem mercenários a

serviço de Moammar Kadafi). Mas a grande maioria dos líbios que serviram a esse regime não foi molestada. Pude ver muitos líbios fugindo para a Tunísia e, supostamente, muitos deles eram seguidores de Kadafi. Mas os rebeldes não os incomodavam ou roubavam seus pertences. E, até onde eu posso dizer, as casas e os carros de luxo que os seguidores deixaram para trás em grande parte têm permanecido intocáveis, tanto pelos seus vizinhos quanto pelos rebeldes.

A

lém disso, passei por dezenas de pontos de checagem dos rebeldes armados e nunca me pediram "baksheesh", que significa propina ou presente. O que sabemos das principais lideranças rebeldes é também razoavelmente encorajador. Mahmoud Jibril, o primeiroministro interino do Conselho Nacional de Transição, obteve seu doutorado na Universidade de Pittsburgh e também deu aulas ali. Já Mustafa Abdul-Jalil, o presidente interino do conselho, é um ex-ministro da Justiça que desafiou Kadafi ao defender a libertação de prisioneiros políticos. Ali Tarhouni, o ministro das Finanças, é um economista da Universidade de Washington. Alguns norte-americanos

NICHOLAS D. KRISTOF dos países mais ricos da região.

Jovens em Trípoli celebram momento de liberdade. População rejeita a ideia de uma nova ditadura. mostram receio de que os extremistas islâmicos assumam o controle da Líbia, mas bem poucos dos líderes rebeldes são associados ao fundamentalista islâmico. Uma exceção é Abdel Hakim Belhaj, um comandante militar em Trípoli, que afirma que foi torturado pela CIA em 2004. Contudo ele disse a Rod Nordland, meu colega do Times, que tudo está perdoado e que ele valoriza o papel norteamericano na revolução líbia. Com sinceridade, digo que qualquer governo líbio representativo precisa incluir fundamentalistas como Belhaj, que foi particularmente corajoso ao ficar contra o regime de Kadafi. O humor na Líbia é tanto pró-Islã quanto pró-Ocidente. Ocasionalmente, eu me deparava com líbio-americanos

que viajaram para a Líbia a fim de se unir à revolução. Chamei um rebelde perto de meu hotel de "Texas", pois foi lá que ele aprendeu seu inglês arrastado.

H

á também o doutor Rida Mazagri, um neurocirurgião de Virgínia Ocidental, que voltou para sua Líbia natal a fim de cuidar de pacientes em áreas controlados pelos rebeldes. Mazagri foi detido pelas forças de Kadafi e nada foi ouvido sobre ele durante cinco meses. Muitos de nós imaginamos que ele estivesse morto, mas os rebeldes o libertaram de uma prisão em Trípoli. Ele acabou de voltar e teve uma recepção de herói em Virgínia Ocidental. O clima em Trípoli parece bastante tolerante e disposto a perdoar, além de exultante com

as perspectivas de democracia. "Agora somos livres", disse-me um engenheiro chamado Belgassim Ali. "Façam um jornal para apoiar Kadafi; não me importo. Mas nada de ditadura!" É verdade que os rebeldes estão atomizados em pequenos grupos armados e alguns viram os olhos para o conselho rebeldes. A maioria tem pouca experiência em governar e eles brigam entre eles. Contudo, novamente, os rebeldes coordenaram unidades de combate heterogêneas e tentaram conseguir a rendição de áreas resistentes, como Sirte, cidade natal de Kadafi, em vez de simplesmente entrar disparando as armas. O novo governo da Líbia também terá a vantagem de obter acesso a dezenas de milhões de dólares em fundos congelados e ao petróleo que torna a Líbia um

S

ou um defensor da intervenção humanitária para evitar genocídio ou atrocidades em massa – quando as estrelas se alinham, como eu acredito que ocorreu na Líbia – mas talvez eu esteja me enganando para justificar nosso bombardeio. Contudo, parece-me que a intervenção militar da Otan evitou um massacre em Benghazi, salvou inúmeras vidas líbias e pôs o país no caminho da esperança. Países como Estados Unidos, França, Grã-Bretanha e Catar realizaram algo histórico ao apoiar uma operação militar que em grande parte tratava de salvar vidas, não interesses nacionais. Enquanto muita coisa pode dar errado, minha sensação é que a Líbia está avançando, com idas e vindas, rumo a um futuro bem melhor do que seu passado opressivo. NICHOLAS D. KRISTOF É COLUNISTA DO NEW YORK TIMES. TRADUÇÃO: RODRIGO GARCIA


DIà RIO DO COMÉRCIO

k Tem fila. EstĂŁo na frente a presidente Dilma e o ex-presidente Lula.

ÂŤ

EDUARDO CAMPOS // governador de Pernambuco (PSB), sobre sua candidatura Ă PresidĂŞncia em 2014. Fotos: AlĂŞ de Souza

Com novas travessuras do ministro Pedro Novais, do Turismo (ele Ê do PMDB e apoiado por JosÊ Sarney) para, que antes de sua posse virou atração nacional pela famosa festinha no motel paga com dinheiro público, seu nome volta a ser cotado para sair. A seu lado, outro a beira da degola Ê o ministro do Trabalho, Carlos Lupi (PDT) e tambÊm Mårio Negromonte, das Cidades (os dois tambÊm debaixo de chuva de denúncias). O PP de Negromonte, depois da recusa do senador Francisco Dornelles de assumir o ministÊrio, trabalha para emplacar o do senador Ciro Nogueira (PP-PI). Para quem tem memória curta: nos tempos de Severino Cavalcanti na presidência da Câmara, Ciro era considerado seu mentor intelectual.

333

NA FRENTE 333 Em dezembro do ano passado, antes de posse de Pedro Novais no MinistÊrio do Turismo, esta coluna publicou que ele usava dinheiro público, de 2003 a 2010, quando era deputado federal pelo PMDB do Maranhão, para pagar a cozinheira Doralice Bento de Sousa, que trabalhava em seu apartamento em Brasília. Ela recebia como secretåria parlamentar da Câmara, nomeada por Novais e cozinhava tambÊm nas residências dele em SãoLuizenoRio.Anteriormente, havia sido empregada do exdeputadoMarceloBarbieri,hoje prefeito de Araraquara, no interiordeSãoPaulo.Ouseja:as denúncias que agora chegam à mídia, estão quase oito meses atrasadas.

Chineses pelados 333 Nas pequenas entrevistas com as finalistas do Miss Universo, desta vez, SaintExupÊry e seu O Pequeno Príncipe conseguiram escapar. O que não impediu a formulação de perguntas fora de propósito (a da guerra, ajudou a derrubar a brasileira Priscila Machado). A modelo Isabeli Fontana fez outra pergunta sobre nudismo para a Miss China, que atÊ se saiu bem. Afinal, o Partido Comunista proíbe nudismo por lå. No passado, contudo, a China tinha uma tradição milenar, que virava festa: marinheiros rebocavam barcos totalmente pelados e com grande platÊia.

OLHO NO OSCAR 333 Quem diria: Deborah Secco foi escolhida melhor atriz (jĂşri e voto popular) por sua atenção em Bruna Surfistinha na festa da 6ÂŞ edição do PrĂŞmio Contigo de Cinema. No filme, ela aparece nua em 70% das cenas. Agora, Bruna Surfistinha estĂĄ inscrito para representar o Brasil, na disputa de uma vaga entre os indicados ao Oscar de melhor filme estrangeiro em 2012. O resultado sai dia 20, no Rio e Deborah estĂĄ confiante: “JĂĄ pensaram eu no tapete vermelho?â€?

AtÊ a revista Brasileiros, de HÊlio Campos Mello, exIstoÉ , acaba de recorrer a uma celebridade do showbiz para bem comemorar sua 50ª edição: Fernanda Lima, que logo estarå de volta com Amor & Sexo, na Globo, aparece fotografada por Alê de Souza, homenageando quatro nomes conhecidos da televisão brasileira. Na capa, com a chamada Alô, alô, Fernandinha, lembra Chacrinha (à esquerda), seguindo-se Hebe Camargo, Silvio Santos e uma paquita, no melhor estilo das antigas assistentes de Xuxa Meneghel.

AlĂ´, alĂ´, Fernandinha!

333

333 Com a venda de seis milhĂľes de exemplares do livrinho Ă gape, o padre Marcelo Rossi jĂĄ embolsou R$ 18 milhĂľes e agora, com os 450 mil CDs que a Sony lançou (uma extensĂŁo do livro) caminha para mais de R$ 1,5 milhĂŁo. HĂĄ quem aposte que ele deu R$ 25 milhĂľes, do bolso prĂłprio, para ajudar na construção do super-templo, projeto de Ruy Ohtake, em SĂŁo Paulo, com capacidade para 100 mil pessoas (maior que Aparecida). Com o CD Minha Benção jĂĄ vendeu 1,4 milhĂŁo e com o DVD Paz Sim, ViolĂŞncia NĂŁo outras 490 mil cĂłpias, fora livros e outros CDs lançados anteriormente. Para os analistas, o padre Marcelo Rossi jĂĄ chegou aos R$ 100 milhĂľes. Na missa dominical, no templo em funcionamento, onde ele testa suas mĂşsicas (ĂŠ um “fantĂĄstico laboratĂłrio humanoâ€?), comparecem cerca de 60 mil pessoas e a coleta nunca ĂŠ menor que R$ 250 mil.

CifrĂľes da fĂŠ

333 Na platĂŠia e nos bastidores da final do concurso Miss Universo, da esquerda para a direita: Isabeli Fontana, de Dolce&Gabbana (ela veio direto do eixo Nova York-Paris, por conta do Vogue Fashion Night Out ); Adriane Galisteu (usou outro vestido para apresentar o concurso na TV); NathĂĄlia GuimarĂŁes, a melhor Miss Brasil dos Ăşltimos anos; e atĂŠ a rainha das emergentes , Val MarchiorI, que vai estrear em Mulheres Ricas (Record), com decote generoso.

Bastidores do Miss Universo

Torcendo com os dedos A eleição de Miss Universo rendeu, para a Band, mĂŠdia de 8 pontos com picos de 11, praticamente o dobro de sua mĂŠdia Ă s egundas-feiras. A noite de glĂłria de angolana Leila Lopes nĂŁo foi a noite de glĂłria de Adriane Galisteu. O mĂ­nimo que fez foi anunciar que “estava torcendo com os dedosâ€? e dizer que, no jĂşri, “estamos muito bem representados por Felipe Massaâ€? (era o piloto HĂŠlio Castro Neves). AlĂŠm disso, exibia um visual mais do que roliço, que era pior quando entravam os comerciais do programa Project Runway , que ela irĂĄ apresentar. 333

h IN

Pratos multicoloridos.

h

Fila cresce

OUT

Pratos clĂĄssicos.

ImmaculÊe no Brasil Quem vem ao Brasil, entre 10 e 12 de novembro, para encontros e conferências, Ê a mundialmente conhecida e sobrevivente do genocídio de 1994, em Ruanda, onde mais de um milhão de pessoas foram brutalmente assassinadas, inclusive sua família, ImmaculÊe Ilibagiza. Ela Ê autora do livro Sobrevivi para Contar – O Poder da FÊ me Salvou de um Massacre, bestseller em 15 línguas do mundo. Para escapar dos jovens hútus, viveu 91 dias confinada num banheiro minúsculo com mais sete mulheres famintas e milagrosamente, nunca foi encontrada. Hoje, mora em Nova York, trabalha na ONU, ganhou o prêmio Mahatma Gandhi, Ê doutora honoris causa de Notre Dame e Saint John, criou um fundo para sobreviventes de genocídios e agora sua história deverå ser transformada em filme. 333

uma, serão rodados 3.000 exemplares e reservas podem ser feitas pela internet. Preço: R$ 6.500.

AtĂŠ lĂĄ fora 333 O jornal espanhol El PaĂ­s, um dos mais influentes da Europa, acaba de dedicar uma grande matĂŠria Ă nova posição de Dilma Rousseff, que recuou na batalha contra a corrupção e que atĂŠ avisou que sua “faxina ĂŠ contra a misĂŠriaâ€?. E estranha a atitude da presidente justamente quando os brasileiros decidem ir Ă s ruas contra a corrupção, uma ação que foi entendida como de apoio Ă  chefe do Governo. O jornal ironiza dizendo que “deve ser um caso raro no mundo uma população apoiar um presidente contra os corruptos e ela nĂŁo assumir essa guerraâ€?. O que El PaĂ­s nĂŁo sabe: no recente encontro do PT, em BrasĂ­lia, Lula cobrou da pupila uma posição, argumentando que a fama de condescendente com a corrupção “havia caĂ­do no colo deleâ€?.

CARA DO JADER 333 “Fiquei a cara do Jader Barbalho. Passei trĂŞs meses me olhando no espelho e vendo o Jader! Botei na boca e parecia uma boneca inflĂĄvelâ€?. É FafĂĄ de BelĂŠm, contando uma experiĂŞncia traumĂĄtica de teve com botox, quando achou que ficou parecida com a polĂŞmico polĂ­tico, paraense como ela, numa matĂŠria na revista Joyce Pascowitch. Mais adiante, conta que nunca se sentiuatraĂ­dapormulher:“Gosto dotoquedohomem,docheirodo homem, da pegadaâ€?. JĂĄ plĂĄstica ĂŠ outra coisa: FafĂĄ jĂĄ fez.

MISTURA FINA O TABLÓIDE londrino Daily Mail estampou, nesses dias, grande foto da Miss Colômbia, Catalina Robayo, surpreendida em meio a um passeio de misses, em São Paulo, num momento de distração, deixando ver que não usava calcinha. Em cima, o título: Don’t forget underwear, misses! 333

333 QUANDO a presidente Dilma afirma que “gosta do cheiro de papel dos livrosâ€?, nĂŁo estĂĄ sendo nem um pouco original. HĂĄ anos, Luis Fernando VerĂ­ssimo repete que “gosta do cheiro dos livros, novos e antigosâ€?. A Associação Brasileira da IndĂşstria GrĂĄfica, penhorada, agradece – aos dois, claro.

333 A PREFEITURA do Rio quer trazer o tenor italiano Andrea Bocelli para cantar na passagem em Copacabana. As negociaçþes, contudo, ficaram complicadas depois que os responsåveis souberam o cachê do italiano: US$ 4 milhþes.

333 DEPOIS que viu, na marcha contra a corrupção em Brasília, a camisa negra ser adotada pelos brasileiros inconformados com a roubalheira no governo, o expresidente Lula resolveu deixar de lado as camisas negras que vem usando (gola redonda e polo). E numa recaída, acaba de voltar às suas camisas vermelhas, algumas atÊ desbotadas porque estavam fora de uso.

O GOVERNADOR de Santa Catarina, Raimundo Colombo, ex-DEM e agora no PSD de Gilberto Kassab, vem se encontrando, sucessivas vezes, com a ministra das Relaçþes Institucionais, Ideli Salvatti, petista do mesmo Estado. De repente, viraram amigos de infância. 333

NA REVISTA francesa Positif de cinema, Woody Allen garante que um de seus cinco livros favoritos ĂŠ MemĂłrias PĂłstumas de BrĂĄs Cubas, de Machado de Assis. Paulo Coelho deve estar inconsolĂĄvel.

Solução

                        

          

gibaum@gibaum.com.br

3 MAIS: RC escolheu uma a

# -,    0    $  +. 4  

   ' * 

 5    

  %'     

  (   



     

1    $



+ $  , - + $ 

      

#      

    

$ 

%        & 

6       7 8

1  9 

  

 $9

   

 



          !"         

1    

 )3  5 =    

       

333

Colaboração: Paula Rodrigues,Alexandre Favero

       



       

vida de Roberto Carlos para colecionadores, pesarå 25 quilos e serå lançado em novembro.



GibaUm

3 O livro com 500 fotos da

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

            

4 -.GERAL

)> 

  $    

,  ' ' -,  /

+   $     

 

%

  

#         

2 3    +    

  

 )   & 

<  /  $

  .

/ 

%  $,   $      

:     $  ; 

7?@8 A '  $   ? 

    @   "    !  $ 


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

5 BOM CHEFE Novais pagava em dia a sua governanta, com dinheiro público.

olítica

BOA AUXILIAR Doralice lavava, cozinhava e ainda dava expediente na Câmara.

Pedro Ladeira/Frame/AE - 23.08.11

Oposição (e até o PMDB) pede a saída de Novais Denúncia complica ministro, que teria usado dinheiro público para pagar governanta

O

líder do PSDB na Câmara, deputado Duarte Nogueira (SP), anunciou ontem que o partido estuda entrar com uma representação no Ministério Público do Distrito Federal contra o ministro do Turismo, Pedro Novais, por improbidade administrativa. Denúncia da Folha de S. Paulo desta terça-feira mostrou que durante sete anos, de 2003 a 2010, período no qual Novais exerceu o mandato de deputado federal pelo PMDB do Maranhão, a governanta Doralice Bento Sousa foi paga com salário da Câmara, onde ela era lotada como secretária parlamentar. O dinheiro público, neste caso, foi usado de maneira irregular. Neste ano, já mi-

nistro, Doralice deixou de ser governanta e foi contratada como recepcionista por uma empresa terceirizada do Ministério do Turismo. Nogueira afirmou que avalia ainda se vai à Procuradoria Geral da República (PGR) contra o ministro por peculato, pelo fato de ele ter recontratado via empresa terceirizada a sua ex-governanta. "É o claro uso do cargo para benefício pessoal", disse o tucano. "Isso não tem nada de normal e tem de ser investigado". Para o líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), o fato de Novais ter usado verba pública para pagar Doralice não altera a sua situação no ministério. De acordo com o líder, Novais conti-

Infográfico/Folhapress

Este senhor já está há não sei quantos anos como deputado e não tem tradição ou história e ocupa pasta importante ao País. PEDRO SIMON (PMDB-RS) nua "firme e forte" na pasta. Eduardo Alves argumentou que nenhuma acusação de irregularidades no Turismo o atingiu. "É claro que ele continua firme e forte. Não há nada de concreto contra ele, a funcionária o ajudava no gabinete e não há nada de errado", afirmou. "Ele não foi denunciado pelo Ministério Público, não foi nem citado pelas denúncias na pasta", acrescentou Alves. Não é esse o entendimento do senador Pedro Simon (PMDB-RS), para quem o episódio é uma oportunidade para a presidente Dilma Rousseff executar o que disse, de que o seu governo seria formado por pessoas ficha lima e com competência. "É uma denúncia que apareceu, não foi a oposição que trouxe", justificou Simon. "Este senhor já está há não sei quantos anos como deputado e não tem tradição ou história e ocupa uma pasta importante para o País, que terá Copa do Mundo e Olimpíada. Vamos ver agora se não tem mesmo o toma-lá-dá-cá" Saída – Quem também voltou a pedir a saída do ministro, foi a vice-presidente da Câmara, deputada Rose de Freitas (PMDB-ES). Em sua avaliação, o ministério está "refém" das suspeitas de irregularidades. "Não tem outra maneira, ele precisa sair, pois passa o tempo todo se explicando, não há ação do ministério", afirmou Rose. "E também não dá para tapar os olhos e os ouvidos". A vice-presidente já havia pedido que Novais deixasse o cargo depois de a Polícia Federal revelar irregularidades em convênios do Turismo com organizações não-governamentais firmados a partir de projetos de deputados federais. Ela disse ainda que vai, junto com outros deputados, conversar com o líder do partido, Eduardo Alves, para que ele tome uma atitude sobre a situação do colega. Embora Alves seja padrinho político do ministro e tenha avaliado que ele continua "firme" e "forte"

Novais, por enquanto, só tem apoio do seu padrinho político, o líder do PMDB, Henrique Eduardo Alves.

no cargo, também acha que Novais deve dar esclarecimentos sobre o uso do dinheiro público para pagar o salário da governanta. Já Roberto Gurgel, procurador-geral da República, explicou que precisava ter "maiores informações" sobre as novas denúncias envolvendo Novais antes de decidir sobre possíveis investigações. "Só li sobre o caso", afirmou Gurgel. "Mas isso vai se somar a todos os procedimentos que se encontram no Ministério Público, alguns que já são objeto de investigação", explicou. Resposta – A ministra de Re-

A

nistério, desempregada desde 2010 e em dificuldades, Dora distribuiu currículo em várias empresas e foi contratada pela Visão quando surgiu a oportunidade. O dono da empresa, José Raimundo Oliveira Silva, negou ter sofrido pressão para contratá-la. "Não houve interferência direta ou indireta do ministro", disse Raimundo, acrescentando que "não conheço e nunca estive pessoalmente com o ministro". Especializada em selecionar mão de obra terceirizada, a Visão tem contrato com o Turismo desde 2009, quando Novais não era ministro, segundo

Não tem outra maneira, ele precisa sair, pois passa o tempo todo se explicando, não há ação do Ministério do Turismo. ROSE DE FREITAS (PMDB-ES)

Duarte Nogueira, líder dos tucanos, estuda apresentar representação por improbidade administrativa.

Dora, como é conhecida, nega as acusações e na nova função é elogiada pelos seus empregadores 2003 a 2010, mas o seu salário era bancado pelos cofres públicos. Nesse período, não dava expediente no gabinete ou no escritório político de Novais. Em vez disso, fazia tarefas domésticas, como cozinhar, organizar a casa e comandar a faxina das diaristas. Novais e Dora negam. Em nota divulgada pela assessoria, o ministro afirmou que Dora era lotada no seu gabinete como secretária parlamentar e negou desvio de função. Seu trabalho era dar "apoio administrativo ao deputado e aos outros funcionários", disse. De acordo com a nota do mi-

aliada na Câmara. Segundo os participantes, no entanto, o assunto não foi mencionado entre uma garfada e outra. (Folhapress)

Andre Dusek/AE - 05.09.11

Ex-governanta agora é recepcionista ex-governanta da residência do ministro do Turismo, Pedro Novais, a goiana Doralice Bento Sousa trabalha, desde maio, como recepcionista da pasta. Ela presta serviços para a Visão Administração e Construção, que tem contrato de R$ 1,5 milhão anuais para fornecer mão de obra terceirizada ao ministério. Doralice dá expediente em anexo do ministério, que funciona em três andares do shopping ID, no Setor Comerical Norte de Brasília. Dora, como é chamada, foi governanta do então deputado federal Pedro Novais, de

lações Institucionais, Ideli Salvatti, afirmou que o ministro deve prestar esclarecimentos sobre o uso do dinheiro público. De acordo com Ideli, a postura adotada pela presidente Dilma, de cobrar explicações de ministros com suspeitas em suas pastas, tem sido sempre a mesma: "Ele é que deve responder". "O comportamento da presidente continua o mesmo, de que preste todos os esclarecimentos, que tome todas as providências, ou seja, o modelo é o mesmo". As declarações da ministra foram feitas após participar de almoço com a base

explicou. Pelo contrato, obtido em licitação por pregão presencial, a empresa fornece mais de 40 empregados ao ministério, entre recepcionistas, copeiros, garçons e contínuos. O contrato é atualmente o maior da empresa, que aindafornece pessoal para a Procuradoria Regional da República, a Fundação Nacional da Saúde e a Fundação Nacional de Arte, entre outros órgãos públicos. A ficha funcional de Doralice mostra que ela trabalha das 7h30 às 13h30, recebe R$ 956 mensais, vale refeição e transporte. É considerada uma funcionária exemplar. (AE)

MP vai investigar pagamentos a Doralice

O

Ministério Público Federal do Distrito Federal (MP) vai analisar os pagamentos que o ministro do Turismo, Pedro Novais, fez com dinheiro público para Doralice Bento de Sousa, governanta de sua casa no período que exerceu o mandato de deputado federal. Doralice era responsável pelos serviços domésticos, embora fosse contratada pela Câmara como secretária parlamentar. O MP já denunciou outros dois deputados que foram acusados, em 2009, de pagarem suas empregadas domés-

ticas com dinheiro público. A Justiça acolheu a denúncia e tornou os hoje ex-deputados Alberto Fraga e Osório Adriano réus por improbidade administrativa. A Procuradoria entendeu que houve enriquecimento ilícito. No caso de Novais, o MP irá analisar se abre inquérito contra ele ou arquiva o caso. Já está decidido, porém, que os gastos do ministro serão analisados. Além de contratar a empregada, Novais também usou dinheiro público para bancar uma festa num motel no fim do ano. (Folhapress)


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Ele é um procurador, servidor público, e não é possível ouvir isso e ficar de boca calada. Senadora Kátia Abreu (TO), queixando-se de Mario José Gisi

olítica

Dirceu: 'Que me julguem nos autos' Ex-ministro diz que gostaria de ser julgado logo, mas com base no processo. "Porque juízo político já tive na Câmara dos Deputados e fui cassado", argumenta. Fábio Motta/AE

O

Senador sorteia entradas para jogo no Pará

O

senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA) descobriu no sorteio de duas entradas para o jogo do Brasil com a Argentina, em Belém, no dia 28, um jeito de aumentar o número de seguidores no twitter. Ele usa o microblog desde 2009 para fazer oposição ao governo petista, falar de seus projetos e seu trabalho no Senado e trocar ideias com eleitores. Até segunda-feira, quando anunciou que faria o sorteio, Flexa Ribeiro tinha 7.833 seguidores. Ontem à noite eram 7.918. Se chegar a 10 mil seguidores até o dia 20, quando fará o sorteio, o senador pretende fazer outra promoção.

Na defesa: denúncias não se sustentaram no processo, alega Dirceu.

pria regional do Atlântico Sul. Temos que proteger nossa riqueza do pré-sal com uma Marinha (atuante) em águas azuis. Temos que ter Força Aérea produzindo caças no Brasil. Tem tecnologia para produzir não só aviões, como mísseis de defesa", discursou para cerca de 200 conferencistas, dos quais 80% estrangeiros. O presidente da Câmara, Charles Tang, o apresentou como uma espécie "de primeiro ministro" do governo que estru-

turou o processo de desenvolvimento brasileiro. Para Dirceu, o Exército brasileiro precisa ser "totalmente" modernizado, porque o país necessita de "uma Força Armada defensiva". "Nós não temos problema fronteiriço nem litígio político com nenhum país da América do Sul. Somos como a China, uma força em desenvolvimento. (...) A China é o principal fator de moderação de paz no mundo", afirmou. (Agências)

As entradas para o jogo do Brasil com a Argentina custaram R$ 90, cada uma. Serão sorteadas no dia 20 somente para os seguidores do twitter do senador. Para participar do concurso, o interessado tem de retransmitir uma frase que aconselha as pessoas a seguirem Flexa Ribeiro no twitter. Outra exigência é ser do Pará, Estado onde o senador recebeu 1.817.644 votos. Para a assessoria de Flexa Ribeiro, a exigência de que o candidato às entradas seja do Pará deve-se ao fato de que a partida ocorrerá em Belém, e não uma forma de fazer com que o eleitor local fique amarrado às propostas dele. (AE)

Geraldo Magela/Agência Senado - 18.08.09

ex-ministro José deral Roberto Jefferson (PTB), Dirceu disse on- que ficou conhecido como t e m q u e e s p e r a mensalão. que o julgamento Segundo Jefferson, parlado processo do mensalão pelo mentares da base aliada receSupremo Tribunal Federal biam pagamentos para votar (STF) ocorra com a maior rapi- de acordo com os interesses do dez possível. "É a única coisa governo Lula. Após o escândaque peço, mais nada. Que me lo, Dirceu deixou o cargo de julguem nos autos. Porque juí- chefe da Casa Civil e retornou zo político já tive na Câmara à Câmara. dos Deputados, e eu fui cassaAcabou sendo cassado pelos do sem provas. Como, aliás, o colegas e com isso perdeu o ditempo está mostrando", afir- reito de concorrer a cargos púmou. Dirceu é réu no processo blicos até 2015. do mensalão, em que é chamaDefesa – Em palestra no sedo pelo procuraminário sobre pedor-geral da Repútróleo produzido blica, Roberto Gurpela Câmara de gel, de "chefe da Comércio e Indúsquadrilha". tria Brasil-China, o É a única Antes dessa deex-ministro afircoisa que mou que "um país claração, no entanpeço, mais to, o ex-ministro da dimensão do nada. havia dito que soBrasil não pode deixar de ter um mente seus advoJOSÉ DIRCEU, gados se pronunpoder militar deRECLAMANDO ciariam sobre o fensivo tecnologiPRESSA NO SEU camente avançaprocesso no STF JULGAMENTO PELO do". Apontado por (Supremo Tribunal SUPREMO Federal). engano como representante da CaO e x - m i n i s t ro alegou, em defesa encaminha- sa Civil no programa do semida à Corte na semana passada, nário, ele fez elogios aos goverque as denúncias sobre a exis- nos do presidente Luiz Inácio tência do mensalão não se sus- Lula da Silva, que "transfortentaram ao longo do processo mou o Ministério da Defesa em realidade". penal. Dirceu cobrou do governo Para os advogados José Luís O l i v e i r a L i m a e R o d r i g o da presidente Dilma Rousseff Dall'Acqua, também não ficou mais investimentos nas Forças provada a participação de Dir- Armadas. Ele defendeu a moceu em esquemas ilegais, cujos dernização do Exército e da indícios o levaram a responder Marinha. Disse ainda que o por formação de quadrilha e Brasil precisa fabricar "mísseis corrupção ativa. de defesa" e voltar a produzir Em 2007, o Supremo aceitou caças de guerra para a frota da denúncia contra os 40 suspei- Aeronáutica. tos de envolvimento no supos"A indústria de defesa nato esquema denunciado em cional está sendo recriada. Te2005 pelo então deputado fe- mos que ter uma defesa pró-

Flexa Ribeiro: futebol ajuda a aumentar seguidores no Twitter

Lula Marques/Folhapress

Código Florestal: debate provoca bate-boca Kátia Abreu e Pedro Taques trocam acusações durante audiência pública

A

discussão sobre a reforma do Código Florestal, ontem, no Senado provocou um bate-boca entre a presidente da CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil), senadora Katia Abreu (TO), e o senador Pedro Taques (PDT-MT). A discussão foi acompanhada por um grupo de manifestantes da ONG Cerrado Vivo, que trajavam roupas de trabalhadores rurais. Taques reclamou da forma com que Katia Abreu rebateu argumentos levantados pelo subprocurador-geral do Ministério Público Federal, Mario José Gisi, durante audiência pública das quatro comissões que discutem o projeto.

A senadora ficou incomodada com as críticas de Gisi sobre o uso abusivo de agrotóxicos. Ela subiu o tom e disse que o procurador reclamava dos agrotóxicos porque recebia um salário de mais R$ 20 mil por mês e poderia comprar produtos orgânicos. Taques reagiu. Disse que o regimento do Senado determina que os convidados sejam bem tratados e que os senadores deveriam evitar o debate emocional. Na sequência, o pedetista disse que cumpre os votos que fez ao tomar posse no Senado e alfinetou a colega. "Eu não jurei respeitar o Estatuto da CNA". Katia Abreu o acusou de ser

SECRETARIA DA SAÚDE COORDENADORIA REGIONAL DE SAÚDE SUDESTE AVISO DE LICITAÇÃO Pregão Presencial 26/CRS-SE/2011. Proc. Adm. 2011-0.236.537-4. Objeto: LOCAÇÃO DE 46 VEÍCULOS COM MOTORISTA E COM FORNECIMENTO DE COMBUSTÍVEL, PARA ATENDER A COORDENADORIA REGIONAL DE SAÚDE SUDESTE, do tipo MENOR PREÇO GLOBAL MENSAL. Abertura: 29/09/2011 às 10:00 horas. Local: Rua Padre Marchetti, 557 1º andar - Sala de Reuniões - Ipiranga, São Paulo - SP. Edital disponível no site: http//www.enegocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br, cópia reprográfica ou mediante a CD-R virgem. Informações no endereço supra, das 08h00 às 17h00, ou pelo telefone: (11) 2064-9347 - Comissão Especial de Licitação.

SECRETARIA DOS NEGÓCIOS JURÍDICOS 3ª Vara da Fazenda Pública EDITAl DE CITAÇÃO PRAZO DE 20 DIAS PROCESSO N° 0012753-30.2000.8.26.0053 O(A) Doutor(a) Luis Manuel Fonseca Pires. MM. Juiz(a) de Direito da 3a Vara de Fazenda Pública, do Foro Foro Central -Fazenda Pública/Acidentes, da Comarca de de São Paulo, do Estado de São Paulo, na forma da Lei, etc. FAZ SABER a(o) João Dourado de Souza, nascido em 28/01/1950, Brasileiro, natural de Brotas de Macaubas-BA, pai JOAQUIM DOURADO DE SOUZA, mãe MARIA FRANCISCA DE SOUZA. Manoel Dourado de Souza, Brasileiro, José Barbosa Dourado de Souza. Brasileiro que lhe foi proposta uma ação de Desapropriação por parte de Municipalidade de São Paulo, alegando em síntese: expropriação da área de 9,50 m2 do imóvel sito à Rua Aramaça n° 88 Capital São Paulo, contribuinte municipal n° 133.185.0023 1. Encontrando -se o réu em lugar incerto e não sabido, foi determinada a sua CITAÇÃO, por EDITAL, para es atos e termos da ação proposta e para que, no prazo de 15 (quinze) dias, que fluirá após o decurso do prazo do presente edital, apresente resposta. Não sendo contestada a ação, presumir-se-ão aceitos, peío(a) (s) ré(u)(s), como verdadeiros, os fatos articulados peio(a)(s) autor(a)(es). Seré o presente editai, por extraio, afixado e publicado na forma da lei, sendo este Fórum localizado ia Viaduto Dona Paulina, 80, 5º Andar. Centro - CEP 01501-020. Fone: 32422333R2106, São Paulo-SP. São

corporativista, já que o senador é ex-procurador. "Não deveria ter jurado também em ser corporativista e defender os seus", afirmou a senadora. Irritado, Taques respondeu: "Quem tem turma é vossa excelência". Senadores interromperam a discussão e pediram que eles se acalmassem. Após o fim da audiência pública, a senadora disse que não poderia não rebater a visão preconceituosa do procurador. "Ele é um procurador, servidor público, e não é possível ouvir isso e ficar de boca calada. Ele não pode se manifestar de forma preconceituosa". Na véspera do início do debate do Código Florestal na CCJ (Comissão de Constitui-

A caráter: manifestantes da ONG Cerrado Vivo acompanharam as discussões vestidos como bóias-frias

ção e Justiça) do Senado, juristas discordaram ontem sobre os efeitos do texto. As principais divergências envolvem os pontos polêmicos da proposta, como a cha-

mada a anistia aos desmatadores e a participação de estados no processo de regularização ambiental. Representantes do Ministério Público sustentaram que o

texto do senador Luiz Henrique da Silveira (PMDB-SC), relator em três das quatro comissões que analisam a matéria, prejudica Áreas de Preservação Permanente. (Folhapress)

Royalties: votação em outubro Veto à partilha será votado no dia 5, prometeu o presidente do Senado, José Sarney, em evento com prefeitos Ed Ferreira/AE

O

presidente do Senado, José Sarney (PMDBAP), prometeu ontem colocar em votação no dia 5 de outubro o veto à divisão dos royalties do petróleo. A nova data foi estipulada após encontro com a diretoria da Confederação Nacional de Municípios, que realizou evento com cerca de 1,5 mil prefeitos em Brasília para pressionar principalmente pela partilha dos royalties e pela aprovação da Emenda 29 – que destina mais recursos para a Saúde. "Depois de algumas datas estipuladas, nós marcamos definitivamente a apreciação do veto para o dia 5", assegurou Sarney. A matéria que será apreciada é o veto do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva à emenda do ex-deputado Ibsen Pinheiro (PMDB-RS). O texto da emenda estabelecia que os

royalties do pré-sal seriam distribuídos entre estados e municípios, independentemente de serem produtores ou não. A divisão seria de acordo com as regras de partilhas dos Fundos de Divisão dos Estados e Fundo de Divisão dos Municípios. Um dos objetivos da CNM com a marcha ao Congresso foi pressionar pela aprovação da proposta do senador Wellington Dias (PT-PI). A medida prevê uma reserva dos royalties para os Estados produtores -Rio de Janeiro e Espírito Santo- e a divisão do restante dos recursos para o Fundo de Participação dos Estados e Fundo de Participação dos Municípios. Os valores previstos para 2010 para Rio e Espírito Santo (R$ 9,8 bilhões de um total de R$ 21 bilhões) seriam congelados). (Folhapress)

Sarney: fixação da data após evento que reuniu 1,5 mil prefeitos em Brasília para pressionar principalmente pela partilha dos royalties.


p Kassab cria braço sindical do PSD

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

7 O assunto do momento na Câmara dos Deputados é o PSD. Deputado federal Guilherme Campos (SP)

olítica

Werther Santana/AE - 11.09.11

De olho na força dos sindicatos, Kassab se une à 3ª maior central trabalhista

E

m meio à pressão dos opositores para impedir a liberação do registro do Partido Social Democrático (PSD) junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, lançou ontem o braço sindical da nova legenda. De olho na capilaridade dos movimentos sociais e na força das entidades sindicais, Kassab assinou a ficha de filiação de Ricardo Patah, presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT), considerada a terceira maior central sindical do País. Com a entrada de Patah – e mais 20 sindicalistas ligados à entidade, além de representantes de movimentos sociais –, Kassab se alia às bases que deram origem ao PT e segue o exemplo do PSDB, que recentemente criou um núcleo sindical para estreitar suas relações com a base dominada até então pelos petistas. Nilton Fukuda/AE - 12.09.11

Como presidente da UGT, Patah comanda 1.013 sindicatos que representam mais de 7 milhões de trabalhadores. No PSD, o sindicalista presidirá o núcleo responsável pelas políticas sociais do partido e terá à disposição 50% dos recursos da sigla provenientes do fundo partidário. "Será uma organização de mobilização, de ação", explicou Kassab. Segundo o prefeito, idealizador e presidente nacional do partido, 25% dos recursos do PSD serão destinados à direção executiva e os outros 25% para formação doutrinária, esta última sob a responsabilidade do vice-governador de São Paulo, Guilherme Afif Domingos. "É um passo consistente que o partido dá para ter representatividade. Isso mostra a importância que estamos dando para os movimentos sociais", comemorou Kassab, ao dar as boas-vindas ao sindicalista.

Até pouco tempo, Patah orgulhava-se de não ter vínculos com partido algum e de presidir uma entidade sindical pluripartidária. Após ser procurado por vários partidos, ele mudou de ideia quando o prefeito de São Paulo ofereceu a coordenação das ações sindicais e sociais, mais duas vagas na executiva nacional da sigla. Patah argumenta que fora da política a força da UGT era limitada: "As centrais têm papel importantíssimo, mas se elas não trabalharem com os entes (Congresso e governos), sempre terão limites para aprovação de projetos importantes. A participação no mundo político é fundamental". Patah defendeu a redução da jornada de trabalho para 44 horas semanais e logo ganhou o apoio de Kassab: "Vamos defender tudo aquilo que for estabelecido pelo partido". Segundo Patah, sua entrada no PSD já rendeu frutos. Ainda neste mês, a UGT deve assinar um acordo de cooperação com a Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária (CNA), presidida pela senadora Kátia Abreu (TO), para qualificação de trabalhadores rurais: "Só o fato de vir para o mesmo partido criou uma sinergia entre as entidades". (AE) Guilherme Afif será responsável por 25% dos recursos do PSD para a formação doutrinária.

Kassab: "Acredito que não tenha nada errado (documentos). O PSD nasce com a melhor das intenções".

Prefeito ignora PTB: 'Não vamos olhar para trás' Certo que PSD conseguirá registro, prefeito ignora pedido de suspensão do PTB

C

onvencido de que o Partido Social Democrático (PSD) conseguirá o registro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o presidente da nova sigla, Gilberto Kassab, ignorou a iniciativa do PTB de pedir à Justiça Federal que suspenda o processo de criação da legenda. O PTB pretende levar ao tribunal um laudo assinado pelo perito Ricardo Molina que aponta assinaturas falsas em documentos do PSD. "Não vamos olhar para o lado e nem para trás. O PSD é um partido que nasce com a melhor das intenções", disse o prefeito de São Paulo, ontem, após o ato de filiação de sindicalistas ao PSD (leia matéria acima).

Em tom diplomático, o criador da nova sigla afirmou que outros partidos têm o direito de questionar na Justiça o surgimento da nova sigla, mas que o argumento utilizado pelo PTB não tem fundamento. "Acredito que não tenha nada errado (com os documentos do PSD)", declarou Kassab. No mesmo ato de filiação de sindicalistas e representantes de movimentos sociais, Gilberto Kassab assinou a ficha do secretário municipal do Trabalho, Marcos Cintra. O laudo do perito questiona a autenticidade de uma das assinaturas de Cintra e da firma do ex-governador Cláudio Lembo.

Equilíbrio – Durante o evento, os aliados de Kassab aproveitaram para comemorar o nascimento da terceira maior bancada da Câmara dos Deputados. "O assunto do momento na Câmara é o PSD", comentou o deputado federal Guilherme Campos (SP). Já a deputada estadual Rita Passos atribuiu as denúncias contra o PSD à ação dos inimigos do "partido do equilíbrio", como ela define a nova sigla. "O PSD é um partido que nasce grande, por isso incomoda muita gente", afirmou a deputada, ao se dirigir a Kassab. Na cerimônia, o prefeito foi chamado de "comandante" e de "nosso chefe". (AE)


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Não vejo clima nenhum dentro da Câmara e do Congresso para criar novos impostos este ano. Marco Maia (PT-RS) presidente da Câmara

olítica

RODOANEL

Dilma e Alckmin: parceria entre afagos Em evento com o governador de São Paulo, a presidente libera R$ 1,72 bilhão para obras do trecho norte do Rodoanel, cujo investimento é de R$ 6,11 bilhões

A

presidente Dilma R$ 12,845 bilhões. Rousseff classifiTambém participaram do cou ontem o gover- evento o ministro dos Transnador de São Paulo portes, Paulo Sérgio Passos; a Geraldo Alckmin de "governa- ministra da Comunicação Sodor excepcional". A presidente cial, Helena Chagas; a senadoe o governador assinaram, no ra Marta Suplicy (PT); o secrePalácio dos Bandeirantes, a li- tário estadual dos Transportes, beração pelo governo federal Saulo de Castro Abreu; o preside R$ 1,72 bilhão para as obras dente da Assembleia Legislatido trecho norte do Rodoanel. va de São Paulo, Barros MuO investimento (nesse trecho) nhoz; e o prefeito de São Paulo, é de R$ 6,51 bilhões – R$ 1,72 bi- Gilberto Kassab. lhão da União, R$ 2,79 bilhões Outras parcerias– Estado e do governo do União trabalham estado e R$ 2 bijuntos para tirar lhões do Banco d o p a p e l a H iInt eramer icandrovia Tietê-PaFazemos do de Desenvolraná, orçada em (investimentos) vimento. R$ 1,5 bilhão, e o enquanto eles No evento de trecho norte do discutem como assinatura do Ferroanel, agora fica a crise das convênio, Alckem parceria já femin e Dilma trochada. dívidas dos caram amabiliDurante a maseus bancos. dades. Alckmin nhã de ontem, DILMA ROUSSEFF agradeceu à preDilma e Alckmin sidente pela parparticiparam do ceria no Rodoanel e ela retri- lançamento da pedra fundabuiu: "Unindo esforços para a mental do estaleiro Rio Tietê, necessidade do Brasil, nós con- em Araçatuba. seguimos fazer, ultrapassando Lá, Dilma disse que o Brasil outras considerações que não não é responsável pela crise insejam o bem público". ternacional, mas precisa ter O governador aproveitou condições de enfrentá-la: "Espara anunciar que hoje começa tamos dando um passo para o processo de licitação para o tornar o Brasil mais forte para trecho Norte do Rodoanel. enfrentar a crise, pela qual não A parceria no projeto, que somos responsáveis e a qual tevai até 2015, foi assinada em mos condições de enfrentar. 1999, quando o presidente era Porque fazemos, enquanto Fernando Henrique Cardoso. eles discutem como fica a crise As desapropriações estão pre- das dívidas dos seus bancos". vistas para janeiro de 2012: as Assunto prioritário na agenobras começam em março de da de Alckmin, o governo pau2012 e devem ser concluída em lista quer que Dilma autorize o 32 meses. O custo total dos se- limite de endividamento em t o r e s o e s t e , s u l e n o r t e é R$ 17 bilhões até 2013. (AE)

Nelson Antoine/Fotoarena/Folhapress

Alckmin e Dilma se cumprimentam durante assinatura da liberação de verba: para presidente, ele é um "governador excepcional".

Presidente mantém sua agenda

A

presidente Dilma Rousseff manteve sua agenda ontem após a melhora da mãe. Na segundafeira, Dilma Jane Rousseff, 88, mãe da presidente, passou mal e Dilma transferiu sua pauta de compromissos para sua residência oficial, o Palácio da Alvorada.

Dona Dilma, como é conhecida, teve problema respiratório – uma "embolia pulmonar pequena", como afirmou o coronel Cleber Ferreira, médico da Presidência. Segundo a assessoria da Presidência, o problema foi atribuído à forte seca em Brasília.

Ela vinha reclamando de tosse nos últimos dias e foi levada a um hospital de Brasília. Mesmo assim, a presidente cumpriu seus compromissos em Araçatuba (SP) e São Paulo. Em Araçatuba, participou da cerimônia de lançamento da pedra fundamental do

Estaleiro Rio Tietê, no Parque Portuário de Araçatuba. E em SP, esteve na solenidade de assinatura do termo aditivo ao convênio de apoio financeiro para a construção do Rodoanel de São Paulo Trecho Norte, no Palácio dos Bandeirantes. Dilma retornou à Brasília às 18h. (Folhapress)

Sergio Lima/Folhapress

Maia garante votação da Emenda 29 para dia 28 Câmara votará mesmo sem saber de onde virão os recursos para a Saúde, disse.

O Ex-ministros e ministra Maria do Rosário entregam a Marco Maia documento pedindo liberação do projeto.

Genoíno pressiona aprovação da Comissão da Verdade Para assessor da Defesa, há consenso a favor entre líderes, ministros e militares

O

assessor especial do Ministério da Defesa, José Genoino, participou ontem de almoço com líderes da base aliada da Câmara para pressionar a aprovação do projeto de lei que cria a Comissão da Verdade. Presente no encontro, a ministra Ideli Salvatti (Relações Institucionais) confirmou a intenção de votar o texto do governo, sem mudanças, na próxima semana. Segundo Genoino, já há consenso entre líderes, ministros e militares para a aprovação da proposta. Ele enfatizou que o objetivo da Comissão da Verdade não é "abrir processos ou julgamentos contra quem quer que seja". "O projeto é um direito à memória e verdade. Não terá julgamento, nem perseguição. Inclusive (o projeto) proíbe ação persecutória e judicial. É um consenso para apurar a violação dos direitos humanos e promover a reconciliação nacional, respeitando a Lei da Anistia". "Não terá punição, não teremos processos judiciais, não terá rediscussão da Lei da

Anistia, apenas queremos saber a verdade", completou o líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP). O empecilho até agora são as medidas provisórias e um projeto de lei que trancam a pauta da Câmara. O projeto que cria a Comissão da Verdade só pode ser votado quando a pauta do plenário estiver liberada.

O projeto é um direito à memória e verdade. Não terá julgamento, nem perseguição – proíbe ação judicial e persecutória. JOSÉ GENOÍNO Emenda da saúde – A ministra Ideli também falou sobre a aprovação da regulamentação da emenda 29, que diz quanto estados, municípios e União devem investir na saúde. Segundo ela o cronograma do presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), de votar o texto no próximo dia

28, é "bastante adequado". Ideli disse que a discussão sobre a nova fonte para financiar a saúde não precisa ser feita imediatamente e precisa ser vista "dentro de um contexto". "Primeiro, vamos vencer a etapa da Câmara. Quando for para o Senado, veremos o que fazer". Ideli enfatizou que o governo é contra os senadores retomarem o texto original sobre a emenda 29 – que vincula à saúde 10% das receita bruta da União. "Realmente não se admitirá a volta (desse texto) sem nova fonte". Pré- sal – Ideli confirmou que o governo deve apresentar sua proposta hoje para evitar a derrubada do veto à emenda Ibsen – que determina divisão igualitária dos royalties do pré-sal entre todos os Estados e municípios. "Derrubar o veto não resolve o problema. No outro dia o assunto vai parar para julgamento do Supremo. Vamos apresentar números, para ver se conseguimos, a partir deles, mostrar as alternativas viáveis, sem que isso fique na conta da União. (Leia mais na página 6). (Folhapress)

presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), negou que tenha sofrido pressão do Palácio do Planalto para botar em votação a regulamentação da Emenda 29, que garante recursos para a saúde. "A presidenta Dilma Rousseff nunca me cobrou nada sobre esse tema. Nunca cobrou, em nenhum momento, posicionamento sobre a área da saúde. Se ela falou alguma coisa sobre isso em algum lugar, não foi comigo". Maia garantiu que a votação está mantida para o dia 28. A Câmara deverá votar o texto sem a definição de onde virão os recursos. Uma das sugestões é a tributação de dividendos de empresas. Ele descarta aumento de impostos.

"Não vejo clima nenhum dentro da Câmara e do Congresso para criar novos impostos este ano. Se até o dia 28 não tivermos solução, vamos continuar debatendo o assunto". A Câmara vai se reunir em comissão geral na próxima terça-feira (20) para debater o assunto. O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, é um dos convidados. Reforma política – Maia também disse que o projeto de reforma política será votado na Casa até a segunda quinzena de novembro. O cronograma considera que o relatório da comissão especial montada para discutir o assunto será votado até 28 deste mês. "Haverá 45 dias de prazo para votar no plenário da Câmara. Por isso vamos costurar os

acordos com os líderes para que na segunda quinzena de novembro a gente possa votar no plenário", disse Maia. A reforma política vai contemplar um total de quatro PECs (Projetos de Emendas Constitucionais) e um novo projeto de lei, que trata especificamente do sistema eleitoral, sobre a forma como os eleitores vão votar. Maia ressalta que as novas regras, mesmo se aprovadas neste ano, não valeriam para as eleições do ano que vem e sim a partir de 2014. A proposta do relator Henrique Fontana (PT-RS) prevê o financiamento público exclusivo de campanha. O partido faria lista de candidatos e depois do próprio político a ser votado por eleitores. (Folhapress)

Jarbas questiona falta de quórum Senador levanta questão da manutenção de quorum no Senado com Casa vazia

O

senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) apresentou ontem um pedido de informação à Mesa Diretora do Senado questionando a manutenção de quorum no plenário da Casa do dia 1 ao dia 6 deste mês, quando senadores estavam ausentes. Segundo Jarbas, a medida foi permitida porque a primeira vice-presidente, Marta Suplicy (PT-SP), determinou automaticamente a manutenção do painel. Jarbas reclama que Marta quebrou o protocolo e não consultou os líderes partidários sobre a medida. Segundo ele, a petista tem desrespeitado o rito de consultar os líderes partidários sobre o aproveitamento do quorum para outras sessões. Jarbas disse que o fato já ocorreu pelo

Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr - 16.02.09

Jarbas: "Manobra perigosa".

menos três vezes, sendo que a última na semana passada, véspera de feriado. Jarbas contou que, no dia 6, no dia 6, quando chegou, o plenário registrava 64 senadores – mas a Casa estava vazia. "Nesta legislatura, Jucá (Romero Jucá, líder do governo no Senado) pediu a manutenção do painel e a senadora Marta

Suplicy consentiu, sem consultar nenhum senador. Acho que é uma manobra perigosa. Afinal, desse jeito pode-se aprovar o que se quer. Isso implica presença remunerada". No intervalo, houve duas sessões não deliberativas, sem votações. Não há previsão no Regimento do Senado sobre o aproveitamento do painel. "É uma prática absolutamente incorreta. Primeiro, o painel é feito para se dar presença diária. Como só é aberto três dias – terças, quartas e quintas – é inadmissível que permaneça aberto de um dia para outro", afirmou Jarbas,. Mas Marta não estava no plenário. Segundo a assessoria, a petista estava em São Paulo acompanhando a presidente Dilma Rousseff. (Folhapress)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

9 ALÍVIO O ex-presidente argentino Carlos Menem foi absolvido das acusações de tráfico de armas para a Croácia e o Equador na década de 1990. Menem, de 81 anos, afirma que as armas teriam sido desviadas dos destinos originais: Venezuela e Panamá.

nternacional Reuters - 13/04/03

Omar Sobhani/Reuters

SITE/Reuters

Ayman al Zawahri, o sucessor de Bin Laden.

Al-Qaeda tenta voltar aos holofotes

A

rede Al-Qaeda divulgou ontem um vídeo com comentários em áudio do sucessor de Osama bin Laden, o egípcio Ayman al Zawahri, em ocasião do 10º aniversário dos ataques de 11 de Setembro nos Estados Unidos. Intitulado "O amanhecer de uma vitória iminente", o vídeo de uma hora de duração foi transmitido pelo braço midiático da AlQaeda, As Sahab, e divulgado em fóruns jihadistas, informou o grupo de monitoramento norte-americano SITE. Ele inclui um discurso de Zawahiri, que aplaude as revoluções que redundaram na Primavera Árabe. A Al-Qaeda perdeu considerável relevância como resultado da insurgência política no Oriente Médio e na África do Norte. "Eu espero que essas revoluções restabeleçam um islamismo autêntico e governos baseados na sharia (lei islâmica)", afirmou o novo líder da Al-Qaeda. Segundo Zawahri, "essas manifestações populares são uma forma de derrota dos Estados Unidos". O vídeo também mostra imagens inéditas de Bin Laden, antes de sua morte. Nele, o ex-líder da Al-Qaeda alerta que os norte-americanos se tornarão "escravos das grandes corporações" e do "dinheiro dos judeus". (Agências)

Oficiais afegãos observam local atingido por um dos ataques suicidas em Cabul. Prédios da polícia local também foram alvos dos militantes.

Os atentados aconteceram. No Afeganistão. Taleban ataca alvos do Ocidente, dois dias após aniversário do 11 de Setembro.

Perto do distrito diplomático fortemente vigiado, os insurgentes tomaram um prédio de vários andares ainda em construção e dispararam foguetes e fuzis automáticos contra diversas embaixadas e contra o quartel da Otan. Segundo as autoridades, entre os alvos dos insurgentes estavam também o Parlamento e o quartel-general da polícia de fronteiras. A polícia disse que ao menos sete insurgentes estiveram envolvidos nos ataques em Cabul. Quatro participaram do ataque realizado ao prédio e três tentaram realizar atentados suicidas. Os três suicidas foram mortos. Um foi morto na rodovia que liga a capital ao aeroporto e dois quando tentavam atacar prédios da polícia afegã no oeste de Cabul. O que estava na rodovia foi morto pela polícia, quando os tiros disparados atingiram sua veste, a qual foi detonada.

Daniel Garcia/AFP

U

Acidente entre ônibus e dois trens ocorreu no horário de pico da manhã

estivessem piscando. Moradores afirmaram que a cancela funcionava de modo irregular. As causas do acidente estão sendo investigadas. Com a força da colisão, o ônibus foi totalmente destruído ao ser arrastado pelo trem, que ainda descarrilou e bateu em outra composição que estava parada na estação. O motorista do ônibus morreu na hora, enquanto o condutor do trem foi retirado vivo e consciente após duas horas de trabalho das equipes de resgate. O acidente, ocorrido em horário de pico do uso de transporte público, paralisou o serviço da ferrovia Sarmiento, que liga Buenos Aires à periferia oeste da capital argentina. (Agências)

Dois policiais ficaram feridos pela explosão. Os outros dois detonaram suas vestes em um prédio da polícia, ferindo dois civis. Reação - As investidas coordenadas – dois dias depois de os Estados Unidos lembrarem o 10º aniversário dos atentados de 11 de Setembro – trazem uma inquietante mensagem para os líderes ocidentais e seus aliados afegãos sobre a capacidade de resistência e o alcance do Taleban. O grupo intensificou seus ataques na capital afegã neste ano. Analistas dizem que o objetivo é confrontar as alegações norte-americanas de que os EUA enfraqueceram a insurgência nos últimos dez anos. Os últimos atentados ocorreram em meados de agosto contra o Conselho Britânico, quando morreram nove pessoas, e no final de junho contra o hotel Intercontinental, onde um ataque coordenado causou a morte de 21 pessoas. Em Washington, a secretária de Estado norteamericana, Hillary Clinton, disse que os EUA farão tudo que puderem para combater os que realizam "ataques covardes". "Vamos garantir que quem fez esse ataque pagará por ele", disse. Já o presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, condenou o ataque e disse que ele não deterá que as forças afegãs assumam a responsabilidade pela segurança do país, quando a Otan e os EUA retirarem todas as tropas até 2014. (Agências)

A

Reuters - 10/09/11

Helicóptero sobrevoa local onde Taleban se abrigou

Choque fatal em Buenos Aires m acidente entre dois trens e um ônibus deixou pelo menos 11 mortos e mais de 200 feridos em Buenos Aires na manhã de ontem. Segundo as autoridades, vários dos feridos estão em estado "gravíssimo". O acidente, considerado o mais grave nas últimas décadas na capital portenha, aconteceu na linha de trens Sarmiento, que liga o subúrbio de Moreno à estação Once, no centro da cidade. Segundo imagens de um vídeo divulgado pelo governo municipal, a cancela, que normalmente indica se é possível atravessar ou não, estava apenas parcialmente baixada, ainda que as luzes que avisam sobre a proximidade do trem

Chávez, pronto para reeleição.

Massoud Hossaini/AFP

I

nsurgentes do Taleban dispararam granadas propelidas por foguete e tiros de rifles de assalto contra a embaixada dos Estados Unidos, a sede da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e outros prédios no coração da capital afegã, ontem, enquanto suicidas invadiam prédios da polícia, em um ataque que mostrou a capacidade dos militantes de levar sua luta para as proximidades do poder ocidental no Afeganistão. O governo estima que nove pessoas morreram e 23 foram feridas. Os atentados também demonstram a habilidade do Taleban de atacar áreas fortemente defendidas e coordenar ações em diversas regiões da cidade. Dado o armamento pesado que os terroristas conseguiram infiltrar no centro da capital, funcionários de segurança ocidentais no país especulam que os insurgentes tiveram ajuda dentro do Exército e polícia afegãos. O Taleban assumiu a responsabilidade pelos ataques, que segundo a Otan foram uma tentativa de frustrar os planos de transferir a segurança para as forças afegãs. Ontem, porém, a polícia de Cabul afirmou crer que os ataques possam ter sido obra da rede paquistanesa Haqqani, filiada ao grupo terrorista. Houve pouco dano à embaixada dos EUA, e nenhuma baixa dentro do prédio. Civis no lado de fora, incluindo uma garota que esperava por um visto, foram feridos. Nuvens de fumaça eram vistas na região perto da embaixada e helicópteros do Exército norte-americano sobrevoavam a área. A embaixada norte-americana fica na borda da região de Wazir Akbar Khan, onde também estão instaladas outras missões estrangeiras. Explosões foram ouvidas na maior parte do bairro.

Comissão Eleitoral da Venezuela marcou a eleição presidencial para 7 de outubro de 2012, antecipando o pleito que geralmente acontece em dezembro. Segundo críticos, a medida dá ao presidente Hugo Chávez uma certa vantagem, já que diminui o tempo de campanha para potenciais concorrentes. O anúncio foi feito no mesmo dia em que Chávez divulgou que espera estar totalmente recuperado do tratamento contra o câncer até o final do ano, em tempo para a Chávez: livre do câncer no fim do ano. campanha eleitoral para a presidência. O líder disse que fará uma quarta sessão de quimioterapia nos próximos dias. "Depois dessa quimioterapia, se Deus quiser será a última, eu sem dúvida começarei a me exercitar", afirmou ele, que diminuiu a rotina de trabalho durante o tratamento. (Agências)

INFORME PUBLICITÁRIO

Missão Econômica Romena no Brasil

U

ma delegação de grandes empresas da Romênia irá visitar Brasília e Rio de Janeiro, no período de 16 a 21 de setembro de 2011. A delegação é composta por presidentes, CEOs e executivos de empresas que atuam no campo da extração de petróleo, produção de equipamentos de energia, navios, produção de aço, material circulante e equipamentos ferroviários: Confind, Despa, Ropetlogging, Meximpex, Comes, PA Libra, Dosco, Chircu ProdImpex, Romarc. A delegação também será constituída de representantes do Ministério da Economia, Comércio e Negócios na Romênia e do Centro Romeno de Promoção do Comércio e Investimento Estrangeiro e da Associação Romena de Empreiteiras de Perfuração. Empresas brasileiras que pretendam se reunir

com a delegação romena são convidadas a participar do seminário econômico, seguido por reuniões bilaterais entre romenos e empresas brasileiras, em: ¾ 19 de Setembro, das 10h30min às 14h, na Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ). Rua da Candelária 9 – 11 º andar – Centro - Rio de Janeiro – RJ. Tel: (21) 2514-1276. Os representantes empresariais brasileiros podem entrar em contato com o: Sr. Viorel PREDOSANU Ministro-Conselheiro SECRETARIA COMERCIAL DA ROMÊNIA Alameda Casa Branca, 343/1.511 São Paulo – SP – CEP 01408-001 e-mail: ro_comercio@yahoo.com.br Tel: 0055-11-3171 2591


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10

c

quarta-feira, 14 de setembro de 2011 Paulo Pampolin/Hype - 23/03/2009

UM BEIJO NA PRAÇA A escultura que mostra um beijo circulou pela cidade antes de ser "resgatada" pelos alunos da São Francisco.

idades

"Pátria", a um passo da adoção

Paulo Whitaker/Reuters

Reprodução

Em 1922, durante as comemorações do centenário da Independência, era inaugurado na avenida Paulista um conjunto monumental de esculturas em homenagem a Olavo Bilac. Anos depois, a obra foi desmembrada e suas partes levadas para depósitos. Hoje, uma delas, "O Idílio", está no Largo São Francisco. "Pátria", uma mulher de bronze que compunha o monumento original, deverá ser acolhida pelo memorial que a Escola Superior de Soldados da Polícia Militar vai erguer em sua sede, em Pirituba.

Leila: orgulho para Angola

Miss Universo: vitória incita o racismo na net

A

Foto reproduzida de um livro da época mostra o conjunto monumental erguido na avenida Paulista em 1922, em homenagem a Olavo Bilac

U

ma mulher de bronze, estendendo uma coroa de louros, pode sair ao Sol 75 anos depois de sepultada em um depósito da Prefeitura. Seu nome é P á t ri a . Compunha o conjunto monumental em homenagem a Olavo Bilac, inaugurado na avenida Paulista, em 1922, centenário da Independência. Quase quinze anos depois, em 1936, o conjunto foi desmontado para ampliação da avenida e as partes levadas para o depósito. Com o correr dos anos, figuras isoladas do monumento foram instaladas em pontos da cidade. No depósito restaram três, uma delas Pátria. A mulher de bronze talvez agora encontre um lar, no memorial que a Escola Superior de Soldados da Polícia Militar vai erguer em sua sede, em Pirituba, na zona oeste. Pátria terá seu lugar em algum ponto de uma parede de granito que constituirá o memorial. Nela estarão gravados os nomes dos ex-alunos da escola tombados em serviço (o projeto ainda não está definido). No conjunto original, o da Paulista, Pátria erguia a coroa de louros como se quisesse colocá-la na cabeça da figura de Bilac, que encimava a obra. O diretor da escola de soldados, coronel Luiz Eduardo Pesce de Arruda, esteve no depósito onde se guardam estátuas, geralmente com problemas, no Canindé. O tenente coronel Nilson Carletti, também presente, diz que Pátria agradou a Arruda. Seguiram-se entendimentos com a instituição responsável pelas obras e monumentos artísticos da cidade, o DPH, Departamento do Patrimônio Histórico da Prefeitura. Resultaram no seguinte: a escola vai apresentar estudos para a construção do memorial, com a inclusão de Pátria. Os conselheiros do DPH avaliarão os estudos e decidirão. Se aceitarem ceder a estátua, será por empréstimo, mas durante tempo indeterminado. O projeto do memorial prevê sua construção em uma área verde que pertence à escola. A área terá tratamento paisagístico e vias de circulação. Dois especialistas do DPH, Fábio Donadio e Fátima Antunes, acompanham as tratativas com interesse. Mas não arriscam palpite. "Depende da qualidade do projeto e de como a comissão vai entender a instalação de um fragmento (do conjunto monumental) em outro lugar", diz Fábio. Os dois corpos do conjunto

que, além de Pátria, estão no depósito, revelam Fábio e Fátima, são a Via Láctea e O Escoteiro. O primeiro está na face de trás do conjunto. Representa uma mulher e um homem voando. O outro é uma figura masculina no lado direito do monumento. A obra em homenagem a Olavo Bilac é do escultor sueco William Zadig (1884-1952), que viveu muitos anos em São Paulo, e teve ateliê no Liceu de Artes e Ofícios. Ele criou outras obras, como o monumento a João Mendes, na praça de igual nome. Em 1918 morria, aos 53 anos, o jornalista e poeta Olavo Bilac, fundador da Academia Brasileira de Letras, autor da letra do Hino à Bandeira, destacado militante de campanhas cívicas. Para homenageá-lo, a Liga Nacionalista, à qual estava ligado, encomendou o monumento a William Zadig. A liga, na verdade, tinha como maioria de seus integrantes alunos e professores das Arcadas, a Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, USP, no Largo São Francisco. Foram eles os maiores financiadores do monumento. O prefeito da época, Firminia-

no de Morais Pinto, cuidou da causa com zelo. O governador Washington Luiz inaugurou a obra como parte das comemorações dos cem anos da Independência. Mas... O conjunto monumental não foi sucesso de crítica, muito menos de público. Muitas vozes se levantavam contra o que consideravam uma obra de mau gosto. O arquiteto e urbanista Benedito Lima de Toledo escreveu, em seu Álbum Iconográfico da Avenida Paulista: "O resultado (da obra) foi lastimável. Além de revelar falta de percepção da paisagem, o monumento não tinha unidade plástica e, pior do que isso, não tinha poesia." Benedito fala sobre "o esquartejamento da obra", e conclui: "Do conjunto, só restou a imagem do gesto desolado do poeta que ficou a ouvir estrelas." Referência à primeira estrofe do célebre poema de Bilac Via Lacta: Ora (direis) ouvir estrelas! Certo Perdeste o senso! E eu vos direi, no entanto, Que, para ouvi-las muita vez desperto E abro as janelas, pálido de espanto...

A obra "O Edílio", que integrava o conjunto, foi resgatada por alunos da São Francisco e hoje está em frente à faculdade

Obra foi "raptada" pelos estudantes da São Francisco Arquivo DC

A

história conta que o prefeito de São Paulo em 1953, Jânio Quadros, descobriu, sem querer, que um francês e uma índia estavam se beijando nus no depósito de um viveiro de plantas da Prefeitura. A estátua O Idílio, esquecida no depósito, era parte do desmembrado monumento a Olavo Bilac inaugurado em 1922, na avenida Paulista. Por instruções de Jânio, a estátua foi instalada no Largo do Cambuci. Se Jânio quis agradar os moradores, o efeito foi o contrário. Os protestos contra o beijo – julgado imoral – ecoaram até nas redações dos jornais. O casal voltou para o depósito. Em meados dos anos 1960, o prefeito, agora Faria Lima, decidiu que a obra teria lugar na cidade. Mandou colocá-la no jardim de entrada do Túnel Nove de Julho. Desta vez foi um vereador, Antonio Sampaio, quem reagiu. Passou pelo lugar, viu a estátua e fez um discurso indignado na Câmara. Os amantes de bronze novamente corriam perigo. Foi então que entrou em cena "o famigerado Grupo II", do Centro Acadêmico XI de Agosto, da Faculdade de Direito do Largo São Francisco. Afinal, as Arcadas (como a faculdade é conhecida), haviam financiado a obra. Lê-se na revista XI de Agosto, de dezembro de 1966: "O presidente Sérgio Lazzarini (do centro acadêmico) convocou o famigerado Grupo II e toda a Academia para a transferência 'Manu Militari' (à força). Seria a pilhagem na Clóvis Cranchi Sobrinho/AE - 10/10/1988

Paulo Pampolin/Hype - 23/03/2011

Valdir Sanches

Jânio: protesto dos moradores

Bilac: homenagem das Arcadas

madrugada, que iria imortalizar esta geração acadêmica." O caminhão esperado para ação não apareceu, mas os estudantes não se apertaram. Alugaram o que abastecia de cana a Pastelaria do China, ali em frente. A caravana partiu, com estudantes entre as canas da carroceria. No local constataram que a estátua não estava cimentada no chão. "No braço, foi o Idílio para o caminhão, e daí para o largo (São Francisco)", onde está até hoje. Versos – Por fim, tudo terminou em versos, que alfinetavam Antonio Sampaio, o vereador. Uma estrofe: "Em silêncio partia a legião; Uma ideia somente tinha em vista; Trazer de volta para o sagrado chão; A ira vã de um falso moralista." As outras estátuas do monumento a Castro Alves estão em diferentes locais da cidade. "As mais viáveis foram instaladas primeiro", diz Fábio Donadio, do Departamento do Patrimônio Histórico (DPH), da Prefeitura. O busto de Olavo Bilac está na avenida Sargento Mário Kozel Filho, perto do QG do Comando Militar do Sudeste, no Ibirapuera. O Caçador de Esmeraldas representa os bandeirantes Fernão Dias e Borba Gato. Encontra-se no jardim da Escola Estadual Fernão Dias, em Pinheiros. O grupo Pátria e Família acha-se à frente da biblioteca da Praça José Moreno, que abre para a avenida Celso Garcia, no Parque São Jorge, zona leste. No Parque da Independência, onde fica o Museu Paulista (do Ipiranga), está a estátua Tarde, parte do monumento conhecido como O Pensador. (VS)

vitória da angolana Leila da Costa Vieira Lopes, 25 anos, no concurso de Miss Universo 2011, aguçou os apetites racistas no território livre da internet. Tão logo a coroa lhe foi colocada na cabeça, as mensagens que talvez fizessem até mesmo algum membro da juventude nazista corar de constrangimento começaram a espocar com a virulência característica dos seus militantes. Era insultuoso para eles que a mulher eleita como a mais bela do mundo fosse negra. O exemplo de algumas mensagens atesta o ressentimento. "Angolana? Depois falam que não é resultado arranjado. É pura cota, podia por uma macaca para competir que ganharia também. Foi totalmente aleatório, mas tinha que ser uma das pretinhas. Alguém assistiu essa porcaria? Sério?", escreveu um dos integrantes da comunidade brasileira do site stormfront.org, a respeito da Miss Universo 2011. "Confesso que nem assisti, pois já imaginava o que viria a acontecer. Agora só falta Hollywood chamar a vencedora para fazer o papel da filha do King Kong", declarou outro integrante na página. "O preconceito é uma doença que precisa ser tratada", disse a miss. "Felizmente, o racismo não me atinge, pois são as pessoas racistas que tem um problema. Devemos nos respeitar, independente do sexo, cor ou classe social", completou, em reportagem do portal Terra. Ela dedicou a tarde de ontem a providenciar seu visto de entrada nos Estados Unidos. Natural de Benguela, a mulher mais bonita do planeta já está aprendendo a lidar com os altos e baixos da fama. Orgulho – Ao contrário da imprensa brasileira, os veículos de comunicação da Angola preferiam não dar espaço para as manifestações preconceituosas. Optaram por destacar a vitória de Leila. Os dois principais diários, "O País" e "Jornal de Angola", de Luanda, a capital, escreveram que a eleição de Leila encheu a nação de orgulho. O fato não surpreendeu o franciscano Frei Davi Santos, responsável pela organização não-governamental (ONG) Educafro, que combate as manifestações racistas, particularmente contra os negros. "Os jurados do concurso e o povo brasileiro, ao colocarem nossa irmã Leila como a mais bela do mundo, mostraram que a sociedade mundial precisa descobrir que Deus colocou a beleza em todas etnias e não apenas nos povos eurodescendentes", afirmou Frei Davi. Ele anunciou que a Educafro entrará com uma representação no Ministério Público pedindo a punição contra crimes de racismo veiculados em sites na internet. (MM)


quarta-feira, 14 de setembro de 2011

3Instituto Meio: º

DIÁRIO DO COMÉRCIO

11

Fotos: Divulgação

CERÂMICA Diederichsen (dir.) acompanha trabalho em cerâmica.

setor

criatividade e geração de renda ONG auxilia na execução de projetos que possibilitem a comunidades viverem por conta própria. Mais de 1,5 mil pessoas já foram beneficiadas em 21 estados. Kelly Ferreira

U

ma ONG no mínimo diferente. É desta maneira que se pode definir o Instituto Meio, criado há seis anos com foco na geração de renda, que já atendeu mais de 50 comunidades em 21 estados, incluindo populações ribeirinhas, indígenas e quilombolas. Apoiando pelo menos uma etapa da cadeia produtiva, a ONG promove e auxilia na realização de projetos que possibilitem às comunidades viverem por conta própria, utilizando o que há de melhor na região, seja na área agrária, no turismo ou no artesanato. Cerca de 1,5 mil pessoas já foram beneficiadas com as ações. "Não damos o peixe, ensinamos a pescar. Mostramos, ensinamos e acompanhamos a comunidade até que ela consiga gerar renda sozinha, com seus próprios produtos. Assim, não dependerá mais de ninguém para se manter", explicou o designer Lars Diederichsen, um dos fundadores da ONG. Vocação – Antes de iniciar o projeto em uma comunidade, a equipe do instituto faz um diagnostico para identificar o potencial e a vocação de cada região, que pode ter o artesanato, a produção agrária ou o turismo, por exemplo, como carro chefe. O p a s s o s eguinte é buscar uma base de apoio em uma associação ou cooperativa local. A partir daí, o grupo começa a ser organizado, dividindo responsabilidades e traçando em que área de mercado a comunidade deverá atuar e como darão continuidade ao projeto. "Muitas vezes, as pessoas envolvidas no projeto não têm formação nenhuma. Apostamos nos cursos de capacitação e os acompanhamos para que eles tenham autonomia no futuro", explica o administrador Eduardo Parente, fundador da ONG.

Cerâmica – Com a comunidade Cerâmica Apiai aconteceu isso. O grupo, formado por mulheres que trabalhavam na lavoura de tomates, tinha dois lados opostos: a técnica para desenvolver os produtos e a dificuldade em gerar renda sozinho. "Hoje elas são proativas, participam de feiras, vendem seus produtos em todo o País. Desenvolveram até embalagens mais resistentes para o transporte do produto", disse Parente. Em média, cada uma das mulheres recebe uma renda mensal de R$ 800. O instituto procura formar em cinco importantes áreas de atuação. As duas primeiras são o desenvolvimento social comunitário, destinado a projetos de geração de renda em comunidades e o desenvolvimento empresarial, com foco na capacitação de empreendedores individuais. Depois dest e s , s e-

guem a responsabilidade social empresarial, com o desenvolvimento do conhecimento na formação de programas de responsabilidade social voltados à geração de renda e empreendedorismo; a inovação tecnológica, com uma equipe especializada na

gestão da inovação em pequenas e micro-empresas, inclusive da área rural; e o apoio à comercialização através de mecanismos de mercado que levem os produtos das comunidades e dos empreendedores aos consumidores e lojistas no Brasil e no exterior. Começo - O Instituto Meio foi criado em 2005 pelo designer Lars Diederichsen e pelo administrador Eduardo Parente. A perspectiva era de unir conhecimentos das duas áreas, agregando valor aos produtos por meio do design e transportando conhecimentos em gestão para grupos produtivos. Lars, que atuava junto a comunidades em Brasília e no norte do País desde 1996, pretendia unir o design, a matéria prima e a mão de obra locais para fazer produtos exclusivos e de qualidade, adequado às exigências do mercado e com renda para a comunidade.

N a m e sma época, Eduardo desenvolvia estudos de viabilidade, por meio de planos de negócios e planejamento estratégico, para pequenas empresas. Juntos, criaram o Instituto Meio, aplicando os planos de negócios de Eduardo e a criação de produtos de Lars,

Populações ribeirinhas, indígenas e quilombolas participam: projeto usa o melhor de cada na região, na área agrária, no turismo ou no artesanato, para gerar renda. À esquerda, executores do projeto em comunidade indígena.

com o foco na geração de renda em comunidades. O valor agregado aos produtos, com o design, mudou a forma de perceber os produtos genuinamente brasileiros, tanto pelos consumidores e lojistas como pelas próprias comunidades, que passaram a valorizar suas atividades. "O produto não é a garantia de uma renda estável para as comunidades. É preciso saber transformar a habilidade em um negócio e esse é um dos principais objetivos do Instituto Meio", afirma D ie d er i ch s en . Os projetos duram de 18 a 24 meses, sendo que cada grupo produtivo conta com cerca de 30 integrantes, que acabam envolvendo as famílias das áreas rurais, ampliando os beneficiados para cerca de 120 por projeto. A ONG atua em três frentes de trabalho: Desenvolvimento Social Comunitário, Desenvolvimento Empresarial e Responsabilidade Social Empresarial. "Não basta olhar somente para o produto, serviço ou processo de forma isolada, inovar deve fazer parte da cultura da empresa em todos os níveis. O Instituto Meio quer levar metodologias e conhecimentos às micro e pequenas empresas e empreendimentos comunitários, com o objetivo de garantir o seu crescimento", disse Parente.

Não damos o peixe, ensinamos a pescar. Mostramos, ensinamos e acompanhamos a comunidade até que ela consiga gerar renda sozinha LARS DIEDERICHSEN, UM DOS FUNDADORES DA ONG

A t u an t e - O instituto tem uma marca desde o seu lançamento: as novidades. A partir de 2007, a ONG passou a atuar junto ao Sebrae (Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) na execução do programa Sebraetec, de consultoria tecnológica, como entidade executora. Em 2008, foi iniciada a venda de produtos por meio de participação em feiras nacionais, como a Craft & Design e a Brazil Promotion. U m a n o d epois, o instituto passou a vender os produtos criados pelas comunidades por meio da loja virtual e, em 2010, na loja física instalada em São Paulo. No mesmo ano, começou o projeto Econegócios, que busca gerar renda em comunidades através da exploração sustentável de recursos naturais. Com tanto trabalho a fazer pelo Brasil foi preciso aumentar a equipe de colaboradores – nos últimos anos, ela cresceu 200%.

"Nesses cinco anos de trabalho, executamos projetos ambiciosos no Brasil e, agora, nossa meta é levar as metodologias para outros países. Estamos sempre buscando possibilidades de intercâmbio de conhecimentos na área de tecnologias sociais", disse Diederichsen. Virtual – Com o intuito de promover os produtos fabricados pelas comunidades, o Instituto Meio criou o Meio Shop, um canal para comercialização da produção das comunidades, focado na venda para brindes institucionais. Entre os produtos artesanais estão brinquedos, jogos, decoração, itens de cozinha e para escritório, moda e acessórios. Também existe a possibilidade de fazer encomendas de produtos.

"Os compradores do Meio Shop tem total segurança, com prazo de entrega e qualidade, visto que apenas trabalhamos com comunidades capacitadas, consideradas prontas para este mercado", explicou Parente.

S ERVIÇO Loja virtual no www.institutomeio.org/lojavirtual/


DIÁRIO DO COMÉRCIO

12 -.LOGO

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Logo Logo

C ASA

Hotel Aquário

www.dcomercio.com.br

Situado em duas ilhas do Oceano Índico, o Conrad Maldives Rangali é um resort de luxo com vários quartos que ficam sob o mar. A paisagem? Um aquário natural. http://bit.ly/oDoenl

Só falta a trilha sonora Fãs de canecas divertidas ou de produções cinematográficas de terror e suspense vão adorar a "Shark Attack Mug". à medida que a bebida vai sendo consumida, o tubarão assassino se revela no fundo da caneca. Legal para surpreender aquelas visitas mais impressionáveis. http://bit.ly/rj479c

C IÊNCIA T ÊNIS

Morre o inventor do biodiesel

I NTERNET

E os tuítes viraram estatísticas O Twitter anunciou ontem o Web Analytics, ferramenta de estatísticas sobre os posts de microblog. O serviço foi desenvolvido pela BackType, empresa de análise de redes sociais adquirida pelo Twitter em julho, e deve ajudar empresas a medir a eficiência, em número de visitas, de suas campanhas. De acordo com o fundador da BackType, Christopher Golda, três medidas merecem destaque na novidade: a quantidade de conteúdo compartilhado sobre determinado tema ou marca na rede, qual o tráfego gerado para os sites a partir de links em tuítes e como os botões do Twitter em sites vêm sendo usados.

M

orreu ontem, em Fortaleza, aos 70 anos, o cientista Expedito José de Sá Parente, inventor do biodiesel. Expedito Parente estava internado no Hospital São Carlos, após uma cirurgia de diverticulite (inflamação no intestino grosso) e morreu por complicações após a operação. O corpo será cremado na manhã de hoje, no cemitério Jardim Metropolitano. Expedito Parente foi responsável pela primeira patente mundial da produção de biodiesel por meio da transesterificação, a partir de plantas oleaginosas. A tecnologia,

pesquisada pelo cearense de modo pioneiro no final da década de 1970 e patenteada nos anos 1980, tardou a ser reconhecida no Brasil, tendo sido explorada no cenário internacional, o que rendeu a seu idealizador o reconhecimento da Organização das Nações Unidas (ONU), do governo americano, de empresas como a Boeing e órgãos como a agência espacial americana (Nasa). Expedito Parente graduouse na Escola Nacional de Química, hoje Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), em 1965, obtendo o mestrado em Ciências da Engenharia Química no ano

seguinte, também na UFRJ. Concluiu cursos de especialização em Tecnologia de Óleos Vegetais e em Engenharia de Óleos Vegetais, no Instituto de Óleos do Ministério da Agricultura, e em Tecnologia de Couros, na École Française de Tannerie, em Lyon, na França. Em 1967, Expedito Parente tornou-se professor assistente da Universidade Federal do Ceará (UFC), em Fortaleza, passando a professor adjunto em 1975. Foi na UFC, no final da década de 1970, que desenvolveu o método de produção de biodiesel que viria a submeter ao Instituto nacional de Propriedade Industrial (Inpi)

Sérvio Djokovic leva o US Open

em 1980, tendo sido garantida em 1983 a patente PI - 8007957 ("Processo de Produção de Combustíveis a partir de Frutos ou Sementes Oleaginosas"), a primeira no mundo para um processo de produção em escala industrial de biodiesel. Depois de sete anos aposentado da UFC, Expedito Parente criou a empresa Tecbio e passou a lucrar financeiramente com sua invenção. Entre seus clientes está a Boeing, a maior fabricante de aviões comerciais do mundo, para a qual a Tecbio desenvolve o bioquerosene, exatamente como Parente tentou fazer para a Força Aérea Brasileira há 30 anos. (AE)

Campeão do Aberto dos EUA na semana passada, Novak Djokovic ampliou ainda mais sua vantagem sobre Rafael Nadal no ranking da ATP. O sérvio, que bateu o espanhol na decisão do último Grand Slam do ano por 3 sets a 1, com parciais de 6/2, 6/4, 6/7 (3-7) e 6/1, colocou mais de quatro mil pontos de folga sobre o rival: 14.720 contra 10.620. Esta é a maior diferença que Djokovic conseguiu impor sobre Nadal desde que assumiu a liderança da lista, em julho deste ano. "Nole", como é chamado, já está assegurado como número 1 do mundo até o fim da temporada. Será a primeira vez desde 2004 que nem Nadal nem Roger Federer terminarão o ano no topo. "Pode-se dizer que este é meu ano, o ano onde joguei meu melhor tênis no Grand Slam", disse Djokovic. "É algo que me faz incrivelmente feliz. Definitivamente, será preciso muito esforço tentar repetir apenas a metade do que fiz neste ano no ano que vem.

N OVA ZELÂNDIA E M

C A R T A Z

Stefan Wermuth/Reuters

Para quando o carteiro chegar

TEATRO

D ESIGN

Divulgação

Mostra Sesc Teatro de Animação exibe o espetáculo 'Flutuações' do Grupo Contadores de Estórias de Paraty. Sesc Santana. Avenida Luiz Dumont Villares, 579, 21h. R$ 4.

A cidade de Queenstown, na Nova Zelândia, é conhecida por uma de suas ruas em que existem várias caixas do correio, uma ao lado da outra. A rua é uma espécie de instalação artística bem-humorada. Cada uma das caixas ali, algumas para receber a correspondência de mansões, representa algum animal, objeto ou ideia divertida. As caixas ficam na estrada para Arrowtown. A foto ao lado mostra uma combinação de fotos de algumas das divertidas criações dos neozelandeses.

Uma banheira de Fernando Pires

E UA Ethan Miller/AFP

Tempo ruim Imagem de raios na paisagem noturna de Las Vegas, nos EUA, ontem. A cidade deve enfrentar várias tempestades até amanhã, prevê a meteorologia.

G @DGET DU JOUR

Alarme Voldemort A TÉ LOGO

Acesse www.dcomercio.com.br para ler a íntegra das notícias abaixo:

Argentina e Brasil fazem esta noite, em Córdoba, o primeiro duelo pelo Superclássico das Américas

L

Tite nega que Corinthians dependa da sorte para liderar Brasileiro e defende méritos da própria equipe

L

http://bit.ly/oq6Jhl

L OTERIAS

L

O personagem mais terrível da série Harry Potter virou um detestável alarme. Nada mais apropriado. Voldemort não apita, mas grita feitiços e palavras malignas, além de se ilumina todo.

Uma banheira em forma de sapato feminino e salto alto. Assim é "Fetiche", criação do arquiteto e designer Fernando Pires que está sendo lançada pela Acqua Life Hidromassagem na Equipotel – feira de hotelaria, gastronomia, alimentação e turismo – que acontece em São Paulo. Convidado pela Acqua Life Hidromassagem a criar algo totalmente inédito no mercado de banheiras e ofurôs, Pires, conhecido como "arquiteto dos pés" por suas coleções de calçados, escolheu a forma de sapato cujo design reflete, logo à primeira vista, as características de suas criações: a estrutura arquitetônica milimetricamente calculada e o salto de grandes dimensões.

Coleção entomológica do Instituto Manguinhos, que tem cinco milhões de insetos, completa 110 anos

Devido a problemas operacionais, os sorteios dos concursos 1002 da DUPLA-SENA e 2695 da QUINA não foram divulgados ontem. Para conferir os números sorteados, acesse o site da Caixa Econômica Federal. www.cef.gov.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

e

13

Fotos: Luiz Prado/LUZ

conomia

Arrecadação tributária no ano alcançou o montante de R$ 1 trilhão ontem, com 35 dias de antecedência.

Conscientes, contribuintes devem se organizar em busca da utilização dos impostos pelos poder público na forma de serviços eficientes à população.

Depois da virada, é hora de agir. Essa complexidade tributária tem vários efeitos, um deles é estimular a informalidade.

A nova fase da mobilização é fazer com que o contribuinte saiba que tem o direito de cobrar o bom uso do dinheiro que entra nos caixas dos governos

ALENCAR BURTI, SEBRAE-SP

ROGÉRIO AMATO, ACSP E FACESP

Renato Carbonari Ibelli

O

Impostômetro da A s s o c i a ç ã o C omercial de São Paulo (ACSP) atingiu ontem, às 11h30, R$ 1 trilhão. Esse é o total de tributos arrecadado pelas três esferas de poder desde o início do ano. O montante foi atingido 35 dias antes do que fora alcançado em 2010. Isso significa cada vez mais dinheiro nos cofres dos governos. Centenas de contribuintes se reuniram em frente ao painel eletrônico, que fica na fachada da ACSP, na Rua Boa vista, no Centro, e fizeram um apitaço – mostrando que a população está acompanhando de perto o crescimento da arrecadação. Rogério Amato, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Es-

tado de São Paulo (Facesp), disse que o ato marca uma nova fase das mobilizações pelo correto uso dos recursos públicos. Para ele, o objetivo da primeira fase, iniciada em 2005, quando o Impo stômetro foi instalado na ACSP, era conscientizar a população de que ela paga imposto a cada compra de bens e serviços. "Essa consciência já está formada em grande parte da população. A nova fase da mobilização é fazer com que o contribuinte saiba que é um direito dele cobrar o bom uso do dinheiro que entra nos caixas dos governos", afirmou Amato. Um estudo do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT) apontava que em 2005 apenas 30% da população sabia que havia imposto embutido nos preços dos produtos adquiridos. Hoje, essa consciência é presente em 70% da população.

Uma das principais ferramentas dessa nova etapa da mobilização é o movimento Hora de Agir. Ele concentra suas ações no portal (www.horadeagir.com.br), por intermédio do qual o cidadão poderá veicular seu protesto contra o mau uso dos recursos públicos. A interação com o movimento é feita por meio das redes sociais e de vídeos, que podem ser gravados ou postados no próprio site. Nele é possível pedir diretamente aos deputados federais que deem a devida atenção ao Projeto de Lei 1.472, de 2007, que propõe a discriminação, nas notas fiscais, dos impostos embutidos nos preços. O projeto foi aprovado pelo Senado, mas está parado na Câmara. O ex-senador Jorge Bornhausen, coordenador do Conselho Político Social (Cops) da ACSP, apontou que o movimento Hora de Agir é a

Mais receita com alíquota menor

O

crescimento consistente da arrecadação nos últimos anos tornaria viável a redução de alíquotas de impostos. Essa é a posição de Gilberto Luiz do Amaral, coordenador de estudos do Instituto Brasileiro de P l a n e j a m e n t o Tr i b u t á r i o (IBPT). Nos últimos dez anos, a carga tributária saltou de 30% do Produto Interno Bruto (PIB) do País para 35%. Nesse perío-

do, Amaral lembra que houve a extinção de tributos e uma série de desonerações fiscais. Mesmo assim, houve crescimento da arrecadação. "Isso mostra que é possível desonerar sem prejuízo para os caixas do governo", disse o coordenador do IBPT ontem durante o registro de R$ 1 trilhão de tributos no ano pelo Impostômetro. O raciocínio é simples e foi usado pelo governo durante a

crise econômica tributária. Com a desoneração do setor produtivo, foi possível esse reduzir custos e colocar no mercado produtos com preços menores. Dessa maneira, o consumo aumentou puxando para cima a arrecadação de impostos sobre o consumo, que compensaram a desoneração inicial. Ao reduzir as alíquotas do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de veículos, linha branca e materiais de construção, o governo aqueceu o consumo desses itens. S aúde – Nesse período de dez anos, o brasileiro também viu o fim da Contribuição Provisória sobre Movimentações Financeiras (CPMF), que o governo ameaçou ressuscitar na forma de outro tributo por meio da Emenda 29. Mas, segundo o presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia, os recursos da Emenda 29 não

oportunidade de a sociedade se mobilizar por ideais comuns. "A população precisa ter uma posição mais ativa. Ela tem o dever de atuar como um fiscal do governo", comentou Bornhausen. O movimento Hora de Agir e as ferramentas presentes em seu portal permitem que a população adote a postura fiscalizadora lembrada pelo ex-senador. O principal intuito da mobilização é justamente dar voz ao contribuinte. Rogério Amato lembra que o Hora de Agir já começa forte por estar disseminado pelas 420 Asso-

ciações Comerciais presentes no Estado de São Paulo. "O movimento tem um grande potencial. Congregamos 10 mil lideranças dentro do estado. Agora elas têm de interagir para cuidar de grandes causas", disse o presidente da ACSP e da Facesp. Apitos – O apitaço do trilhão também foi reforçado com a presença do ex-presidente da A C S P, A l e n c a r B u r t i , q u e atualmente preside o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo (Sebrae-SP). "A mobilização da sociedade é o primeiro passo

para resolvermos o problema que é o cipoal tributário existente no País. Essa complexidade tributária tem vários efeitos, um deles é estimular a informalidade, que prejudica, em especial, as pequenas empresas", disse Burti. Durante o evento que marcou a entrada de R$ 1 trilhão nos cofres públicos, o contribuinte pôde visitar o Feirão do Imposto, um espaço que simula um pequeno mercado onde é possível ver exatamente o percentual de impostos embutidos nos preços de produtos de uso cotidiano.

Amaral, do IBPT: é possível desonerar sem prejuízo para os caixas do governo.

Evandro Monteiro/Hype

6% dos custos das empresas são causados unicamente para administrar os impostos ROGÉRIO AMATO, ACSP E FACESP

virão desse novo tributo. "Não há clima para imposto da Saúde," afirmou ontem. A carga tributária brasileira, em cerca de 35% do PIB, é uma das mais elevadas do mundo. Mas, segundo Amaral, o principal problema é a estrutura do sistema tributário do País, que permite que um tributo incida sobre o outro. "Dessa maneira, a alíquota nominal do ICMS, que seria 18%, na rea-

lidade torna-se uma alíquota efetiva de 22%", exemplificou o coordenador do IBPT. Esse sistema, que permite a multi-incidência de impostos, também cria o que Rogério Amato, presidente da Associação Comercial de São Paulo e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), chamou de "manicômio tributário". Devido a essa loucura, Amato disse

que "6% dos custos das empresas são causados unicamente para administrar os impostos". Não são apenas as empresas as afetadas pela alta carga tributária. Segundo o IBPT, até ontem, cada brasileiro já deixou para o governo neste ano uma média de R$ 5,2 mil em tributos. E até o fim de dezembro, deixará um total de R$ 7,7 mil. (RCI) Mais informações sobre o assunto nas páginas 15 e 16.


14 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 14 de setembro de 2011


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

e

15 Fico abismada com o valor arrecadado em impostos no País. Regiane Lourenço, funcionária pública

conomia Fotos Paulo Pampolin/Hype

Cidadão apita contra mordida do Leão Com apitos e bandeiras nas mãos, as pessoas mostraram ontem que são, cada vez mais, contribuintes conscientes na defesa do bom uso dos impostos. Neide Martingo

N

o momento em que o I mpo stô met ro marcou ontem R$ 1 trilhão, o casal Antônio Carlos Adoglio e Marta Adoglio apitou muito como sinal de protesto. Eles fizeram parte do apitaço, a manifestação pública pelo bom uso dos impostos no País. O casal costuma acompanhar os registros no painel eletrônico todos os dias. Mas a marca de R$ 1 trilhão atingida ontem, segundo eles, mereceu um ato especial. Marta é aposentada e fez questão de ir ao Centro da cidade com chapéu e óculos nas cores verde e amarelo. Ela adotou o apito, distribuído pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP) aos participantes do ato contra a alta carga tributária no País. Já o comerciante Adoglio, além de adereço amarelo, brandia a bandeira brasileira. "Eu li no Diário do Comércio notícia sobre a manifestação que seria organizada em frente ao Impostômetro e decidi comparecer", disse ele, diante do prédio da ACSP, na rua Boa Vista, endereço do painel eletrônico. "Trabalhei a vida toda para educar meus filhos, paguei faculdade para os quatro. Naquela época, eu não tinha

tempo para me informar. Hoje, percebo o quanto a população contribui em impostos e não vê retorno. Eu passo mal todo dia quando penso nisso", disse. Ao seu lado, Marta fez questão de informar que paga R$ 1,7 mil de convênio médico para a família. "Eu me sinto revoltada quando olho para os valores indicados no Impostômetro. Temos no Brasil alta cobrança de impostos, sem retorno em serviços para os cidadãos. Um dos meus filhos decidiu morar no exterior por conta dos problemas do País. O protesto é o caminho para que o cenário mude", disse ela. A funcionária pública Regiane Lourenço trabalha no Centro e está acostumada a ver os números do Impostômetro. Ontem, ela parou suas atividades para testemunhar a virada do R$ 1 trilhão em arrecadação de impostos no País. Conforme ela disse, não se importaria de pagar tantos impostos, se percebesse o retorno da cobrança, tanto para ela quanto para toda a sociedade. Revoltada – Regiane paga cerca de R$ 400 de convênio médico. A única filha da funcionária pública, já formada, estudou em uma faculdade privada, mas fez o ensino médio em uma instituição públi-

O casal de aposentados Antônio Adoglio e Marta protestou em defesa do País, a estudante Letícia Costa (à esq.) desconhecia a parte do Leão e Regiane Lourenço reclamou da falta de retorno.

ca. "A escola era considerada modelo. Mesmo assim, eu acompanhava os estudos dela e percebi que a qualidade tinha caído", declarou. Regiane se diz revoltada com o total de impostos pagos pelas pessoas. "Fico abismada com o valor arrecadado em impostos e o que nós temos de volta", afirmou ela, observando que o correto seria uma realidade em que os cidadãos pudessem confiar nas escolas e no sistema de saúde pública. Educativo – Um passeio escolar pelo Centro, de caráter

"turístico", virou também educativo. Esse foi o saldo do dia da estudante Letícia Costa Biscio, de 15 anos. A escola em que ela estuda planejou um passeio no Pateo do Collegio, cenário de fundação da cidade de São Paulo. E a turma acabou sabendo, na manhã de ontem, tudo sobre a cobrança de impostos no País. "Eu não entendia muito bem do assunto. Mas meus pais, em casa, vivem falando que pagam impostos demais, e recebem serviços de menos. Hoje quem vai puxar o assunto, du-

rante o jantar, sou eu. Preciso contar que o total pago até o momento em 2011 ultrapassa R$ 1 trilhão", disse Letícia. Sua colega, a estudante Natália de Mello Pedreira, de 14 anos, desabafou: "Não é possível que, nem arrecadando tanto dinheiro, as condições do País não melhorem", disse. A jovem considera que a educação que recebe na escola "não está ruim", mas poderia

melhorar. "O conteúdo das matérias não é o ideal. Sempre falta algo. E precisamos de material para fazer as lições e os trabalhos", afirmou Natália. "Com o dinheiro arrecadado, as condições deveriam melhorar". Ontem, no Pateo do Collegio, tanto jovens quanto idosos mostraram que é hora de agir contra a mordida do Leão. (leia mais sobre o Impostômetro e o apitaço nas páginas 13 e 16).

Feirão revela imposto escondido s o ç e r p s o n

A

datilógrafa aposentada Odaci Luzia Alexandre soube ontem o quanto é cobrado de impostos em cada um dos produtos que consome. Odaci visitou o Feirão do Imposto, montado no Pateo do Collegio, no Centro, pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP), com o objetivo de revelar à população o percentual de tributos embutidos em cada produto. Conforme ela lia as informações nos produtos, levava a mão à boca, indignada. "Como é possível que se pague tantos impostos, se a pobreza é tão grande e os serviços prestados pelo governo deixam a desejar?", perguntou ela. "Se eu contar o que vi aqui para meus parentes, eles vão dizer que eu sou louca", declarou Odaci. "Eu me sinto ultrajada". Nesta nova edição, o Feirão do Imposto teve o formato de um supermercado, com produtos exibidos nas

prateleiras. Mas em vez de estarem ali para serem levados para casa, os produtos continham informações sobre a parte do preço que fica com o Leão. As pessoas não gostaram do que viram. Na compra do pacote de um quilo de arroz ou de feijão, o consumidor paga 17% em impostos. No pacote de café, o índice de tributos é de 20%. No óleo de cozinha, chega a 26%, e na lata de refrigerante alcança 46%. Carro Zero – No Feirão do Imposto, outros índices foram revelados à população: quase a metade do preço de um carro zero quilômetro é formada por impostos (o índice é de 41% do valor final do carro). Na toalha de banho, o percentual é de 26%. No algodão, chega a 34%; no ferro de passar roupa, é de 45%; e no papel higiênico, 42% do valor vai para os governos. Uma das principais lembranças que a turista de Florianópolis e dona de casa

Luiza Mota levará de São Paulo é sobre o que aprendeu no Feirão. "Eu me pergunto para onde vai tanto dinheiro. Se a cobrança fosse menor, todos teriam condições de viver melhor. A informação sobre este assunto é imprescindível", disse Luiza. Mensagem – Durante a realização do evento, as pessoas podiam registrar seus protestos. A mensagem de vídeo era postada no site www.horadeagir.com.br. O portal, lançado ontem, permitiu que a população deixasse registrada sua opinião sobre a virada de R$ 1 trilhão – a mensagem, inclusive, poderia seguir para os deputados. O presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), Rogério Amato, falou sobre a importância desta campanha. "As pessoas têm que saber o quanto pagam em impostos no País. Primeiro é preciso haver

A aposentada Odaci Luzia ficou surpresa com o que viu: "Se eu contar vão dizer que sou louca." Ao lado, o Feirão no Pateo do Collegio.

informação, para que a população se movimente como cidadãos. Os contribuintes estão em escolas ou igrejas. Nós somos pagadores de impostos, e devemos saber o quanto pagamos", disse. O economista-chefe da ACSP, Marcel Solimeo, ressaltou que o cidadão pouco

sabe sobre a aplicação do dinheiro arrecadado pelo Leão. "O sistema tributário não é transparente. É preciso chamar a atenção da população sobre os direitos de cada um, para que se fiscalize o destino dos recursos", afirmou Marcel Solimeo. (NM)

As pessoas têm que saber o quanto pagam em impostos no País. É preciso informação. ROGÉRIO AMATO, PRESIDENTE DA ACSP E DA FACESP

O sistema tributário não é transparente. É preciso que se fiscalize o destino dos recursos. MARCEL SOLIMEO, ECONOMISTA-CHEFE DA ACSP Dona de casa Luiza Mota, indignada: "para onde vai tanto dinheiro?"


DIÁRIO DO COMÉRCIO

16

e

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

O País está em um dos maiores patamares tributários do mundo. Maurício Bellodi, da Associação Comercial e Empresarial de Rio Preto

conomia

Interior paulista adere à campanha Associações comerciais de todo o Estado montaram painéis com a carga tributária trilionária do País. Serviços deveriam melhorar, foi a tônica das manifestações. O segurança Antônio dos Reis, que aderiu ao evento, desabafou dizendo que a população paga impostos, mas não vê resultados. "Desanima, revolta e ainda vemos a corrupção em nosso País", desabafou. Americana – A Associação Comercial e Industrial de Americana (ACIA), além de apoiar as ações da Virada do Trilhão, montou o impostômetro da região , que registrou R$ 495.106.864,00 em arrecadação de impostos do dia 1 de janeiro a 12 de setembro de 2011. Segundo o vice-presidente da ACIA, José Antonio Camacho, "quando realizamos o Feirão do Imposto em Americana, muita gente desconhecia os impostos embutidos em todos os produtos, muitos acreditam que impostos são apenas IPTU, IPVA, Imposto de Renda. A população tem o direito de saber quanto paga de imposto e, assim, exigir dos governantes investimentos de qualidade nos serviços públicos", enfatizou. Marília – A diretoria da As-

sociação Comercial e Industrial de Marília (Acim) promoveu atividades, como o Feirão do Imposto, para chamar a atenção da comunidade quanto à elevada carga tributária existente no setor empresarial. "Queremos mostrar com isso que o setor produtivo é punido de forma radical, com a arrecadação de impostos que normalmente as pessoas não sabem de onde vem e para onde vão", disse o presidente da Acim, Sérgio Lopes Sobrinho. Limeira – Diretores, funcionários e moradores estiveram

presentes em frente à Associação Comercial e Industrial de Limeira (Acil) para participar do apitaço na cidade ontem. De acordo com o presidente da associação, Reinaldo Bastelli, "se a arrecadação fosse menor, muitas empresas hoje, tratadas como informais, sairiam da irregularidade, abrindo novos horizontes e se tornando formais, com maior fonte de renda para o Brasil". Votuporanga – Em Votuporanga, a Associação Comercial promoveu na área central da cidade, na Concha Acústica,

cerimônia que reuniu representantes de sindicatos, comerciantes e populares, para registrar o momento histórico. Um feirão de imposto com variadas mercadorias foi montado naquele local, chamando a atenção das pessoas. A solenidade começou no exato momento em que se chegou à marca do R$ 1 trilhão arrecadada, conforme o registro no telão. Falaram o presidente da Associação Comercial de Votuporanga, Marcos Gerólamo Aureliano, o vice-presidente da Federação das Asso-

ciações Comerciais do Estado de São Paulo regional (Facesp), Rolando César Castrequini Castilho Nogueira, e a diretora local do Procon, Andréa Isabel da Silva Thomé. "Nós não somos contra a cobrança de impostos, o que defendemos é que eles sejam aplicados em favor de melhorias na saúde, na educação, nos transportes, na segurança pública, na habitação popular, em tudo o que responda aos anseios e necessidades da população", disse Marcos Aureliano.

MUITO IMPOSTO, POUCO RETORNO

Ana Lídia Rizzo

Mobilização em frente à Associação Comercial e Industrial de Piracicaba. Empresários e moradores se uniram contra a situação tributária de arrecadação crescente sem a contrapartida em serviços e estímulo às empresas. Ayrton Photos

M

anifestações contra os abusos da carga tributária se espalharam ontem pelas associações comerciais do interior do Estado de São Paulo, que participaram do movimento da Virada do Trilhão, quando impostôm et ro s montados por cada uma das entidades, semelhantes ao da Capital paulista, marcaram a chegada dos 12 zeros na arrecadação geral dos tributos pagos pelos brasileiros. (Leia também nas págs. 13 e 15) Guarulhos – "Nós temos que nos mobilizar para pedir ao poder público – federal, estadual e municipal – que invista com eficiência o imposto que pagamos", enfatizou o presidente da Associação Comercial e Empresarial de Guarulhos, (ACE) Jorge Taiar, por volta de 11h20 na rua Dom Pedro II. "Não somos contra o pagamento de tributos, mas o que queremos é uma carga tributária justa", afirmou, em uma posição que seria repetida por dezenas de outras cidades.

Divulgação

VONTADE DE AGIR Ato público pacífico realizado ontem em Limeira, sob o patrocínio da Associação Comercial e Industrial da cidade. O movimento Hora de Agir captou a vontade de mudar a situação de sobrecarga brasileira.

PALAVRA DE ORDEM

Aciarp

Milena Maganin

O SOM DAS ONZE E MEIA

Manifestação em Ribeirão Pires. O evento foi bem-humorado mas o protesto da Associação Comercial, Industrial e Agrícola da cidade tinha o mesmo tom de seriedade das demais – chegou a hora de agir contra o excesso.

Presidente da Associação Comercial e Empresarial de Guarulhos, Jorge Taiar, apita no centro da cidade. "Nós temos que nos mobilizar para pedir ao poder público que invista com eficiência o imposto que pagamos", disse. O mesmo som e a mesma reivindicação foram ouvidos em dezenas de praças centrais de cidades paulistas na manhã de ontem.

CONTRA EXCESSO DE TRIBUTOS Em Ribeirão Preto, manifestação na chegada dos 12 zeros da carga tributária. Evento foi realizado pela Associação Comercial e Industrial da cidade.

Marco Antonio Mendonça

MAIS VIGILÂNCIA

Divulgação

O presidente da Associação Comercial e Empresarial de São José do Rio Preto (Acirp), Maurício Bellodi, falou ontem à imprensa. "O nosso objetivo é fazer com que a sociedade se torne mais vigilante para exigir do Estado a eficiência dos serviços públicos. "

EXAGERO E DECEPÇÃO Também a Associação Comercial e Empresarial de José Bonifácio se fez ouvir ontem. Os impostos são exagerados e o retorno, decepcionante.

Marcella Milani/ Divulgação

João Martini

VIRADA NA ACIC

PELA JUSTIÇA TRIBUTÁRIA Abertura da Feira de Negócios do Centro Norte Paulista, ontem em Catanduva. No local, o presidente da Associação Comercial e Empresarial da cidade, Fernando César Braz, falou aos presentes sobre o Impostômetro.

Reunião na Associação Comercial e Industrial de Campinas em torno do Impostômetro. Na mesa, o tesoureiro Gilberto Moraes Bueno, o economista Laerte Martins e o secretário Antonio Gustavo Lyrio de Almeida.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

e

ECONOMIA - 17 O setor imobiliário continua muito forte. O financiamento continua crescendo. Nilo Lopes, técnico da Coordenação de Serviços e Comércio do IBGE

conomia

Vendas no varejo voltam a crescer De acordo com dados divulgados pelo IBGE, a receita do setor apresentou em julho elevação de 7,1% em comparação com igual mês de 2010.

A

s vendas no varejo cresceram 1,4% e a re c e i t a n o m i n a l aumentou 1,6% em julho, na comparação com junho, de acordo com dados divulgados ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo o levantamento, esse foi o terceiro mês consecutivo de taxas positivas em volume de vendas e o 16º em receita nominal. Na comparação com julho de 2010, o crescimento nas vendas foi 7,1%. Oito das dez atividades apresentaram aumento no volume de vendas na passagem de junho para julho, com destaque para móveis e eletrodomésticos (4,1%). Em seguida, vêm hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (1,6%); artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (1,1%); livros, jornais, revistas e papelaria (1,1%); veículos e motos, partes e peças (0,9%); combustíveis e lubrificantes (0,8%); material de construção (0,6%); e outros artigos de uso pessoal e doméstico (0,6%). As variações negativas foram registradas nos setores de equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (12,5%) e tecidos, vestuário e calçados (2,9%). Na comparação com julho do ano passado, todas as atividades cresceram: móveis e eletrodomésticos (21,4%); equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (15,9%); artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (10,3%); veículos

Patrícia Cruz/LUZ

Para o IBGE, o bom desempenho do ramo de hiper e supermercados não deverá se repetir, em razão do impacto da inflação sobre os preços dos alimentos.

e motos, partes e peças (8,8%); material de construção (7,5%); livros, jornais, revistas e papelaria (6,6%); hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (4,5%); outros artigos de uso pessoal e doméstico (3%); tecidos, vestuário e calçados (1,4%) e combustíveis e lubrificantes (0,4%). Ainda na comparação com igual período do ano passado, das 27 unidades da Federação,

apenas o Amapá apresentou queda no volume de vendas (de 2,7%). Os destaques em termos de taxa de crescimento foram registrados por Tocantins (25%), Rondônia (18%), a Bahia (10,7%), Paraíba (10,2%) e Pernambuco (10,1%). Em comparação com junho deste ano, 23 das 27 unidades federativas apresentaram volumes de vendas positivos, com destaque para o Acre (5,2%), Roraima (4%), Rondô-

Veículos: demanda está saturada.

Nacho Doce/Reuters

O

fraco desempenho das vendas do setor de veículos e motos está relacionado com uma saturação da demanda, e não pelas dificuldades criadas pelas medidas do governo para a concessão de crédito. A avaliação foi feita ontem pelo técnico da Coordenação de Serviços e Comércio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Nilo Lopes. A atividade de veículos, motos, partes e peças teve expansão de 0,9% nas vendas em julho ante junho, de acordo com a Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) do IBGE. Na leitura anterior, na mesma base de comparação, o setor tinha registrado queda de 0,9%. "Não é por causa do crédito. A gente acha que há uma saturação da demanda em função do crescimento muito forte dos anos anteriores. Chega a um ponto que não dá mais para crescer como vinha crescendo", disse Lopes. Na comparação com julho do ano passado, a venda de veículos e motos cresceu 8,8%. Em 2011, as vendas acumulam alta de 11,5%, e de 13,7% nos últimos 12 meses, até julho.

Vendas automotivas subiram apenas 0,9% entre junho e julho

Construção – Já a atividade do material de construção registrou expansão de 0,6% nas vendas em julho, na comparação com o mês anterior. Em relação a julho de 2010, o segmento registrou alta de 7,5%. Em 2011, houve expansão nas vendas de 11,7% – percentual que chega a 13,3% ao se considerar o total acumulado dos últimos 12 meses. "O setor imobiliário continua muito forte. O financiamento continua crescendo. Então, o setor de material de construção com taxas positivas tem relação com o finan-

Montadoras entram em greve

T

rabalhadores de duas montadoras e de uma fábrica de autopeças instaladas na região de Campinas (SP) decretaram greve depois de rejeitarem propostas de reajuste salarial. A paralisação ocorreu parcialmente nas unidades da Honda em Sumaré, da MercedesBenz em Campinas, e também na fábrica de autopeças da Benteler Automotiva. Segundo o dirigente do Sindicato dos Metalúrgicos de Campinas e Região, Eliezer Mariano, as empresas não atenderam as reivindicações da categoria, que pede reajuste de 17,45% e equiparação do

piso salarial entre as empresas do setor. "É possível negociar, mas os índices apresentados pelas empresas não consideram o problema da inflação, do aumento de produtividade e do custo de vida no estado." O sindicato dos trabalhadores informou que a Honda propôs 11% de reajuste, e a Mercedes, 10%. A proposta da Benteler, de 8,3%, foi apresentada pelo sindicato patronal do setor de autopeças. Na tarde de ontem havia ainda a possibilidade de que os trabalhadores da Toyota em Indaiatuba também iniciassem uma paralisação das suas atividades . (Folhapress)

ciamento no setor imobiliário", explicou Lopes. Ele também ressaltou que a atividade de material de construção "também cresce em função do crédito e da renda". De acordo com a avaliação do técnico do IBGE, o setor de móveis e eletrodomésticos vem mantendo taxas de crescimento semelhantes às contabilizadas ao longo do ano passado. "A mudança de posição da classe menos favorecida para uma classe mais alta resultou nesse aumento. Isso vem com uma demanda reprimida", afirmou. (AE)

Volkswagen Brasil investirá R$ 1 bi até final do ano

A

Volkswagen do Brasil poderá dobrar a capacidade de uma de suas fábricas ou construir uma nova até o final do ano. De acordo com a edição online do jornal Va lo r, o presidente da empresa, Thomas Schmall, avaliou que a operação brasileira necessita, no curto prazo, de um acréscimo de produção diária de 600 a 700 veículos, especialmente entre os comerciais leves. O aporte, seja na construção de uma nova unidade ou na duplicação da capacidade de alguma já em atividade, deverá atingir cerca de R$ 1 bilhão.

nia (3,6%), o Tocantins (3,4%) e o Maranhão (3,3%). Já os estados que computaram queda no volume de vendas foram o Amapá (7,7%), Alagoas (1,1%), o Amazonas (0,8%) e o Rio Grande do Sul (0,3%). Retomada – Após dois meses de fraco desempenho, as vendas do ramo de hipermercados, supermercados e demais lojas de alimentos voltaram a crescer com força em julho na esteira da deflação dos

produtos alimentícios naquele mês, de 0,34%, segundo o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Ao lado do setor de móveis e eletrodomésticos, o ramo sustentou o resultado do varejo em julho. O bom ritmo das vendas dos supermercados pode não se repetir em agosto, já que o preço dos alimentos retomou a tendência de alta e subiu 0,72%. Na avaliação de Nilo Lopes de Macedo, técnico da

Coordenação de Comércio e Serviços do IBGE, os supermercados sentiram neste ano a pressão dos preços do grupo alimentação, que vigorou no até o segundo trimestre. Para ele, o comércio cresce em ritmo menos intenso neste ano, mas ainda forte. A perda de fôlego se deveria à inflação mais alta, aos juros maiores e às medidas para segurar o crédito, ainda que com uma influência menor. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

18 -.ECONOMIA

e

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Novo Windows é tão agradável que você vai querer tocar todas as telas. Steven Sinofsky, presidente da divisão Windows.

conomia Alex Gallardo/Reuters

Microsoft mostra a nova cara do Windows Mudanças no visual do sistema são as mais radicais em pelo menos 15 anos

S

ob o conceito de "reimaginar o Windows", a Microsoft apresentou ontem seu novo sistema operacional, o Windows 8, criado para rodar em tablets, desktops e celulares com telas sensíveis ao toque. A interface é a maior mudança de design desde o Windows 95. No lugar de ícones pequenos e estáticos, a tela de início é um mosaico de painéis móveis, personalizados e atualizados em tempo real, apelidados de "azulejos". Ainda não há previsão de lançamento, mas a expectativa é chegar às lojas em 2012. "Começamos a pensar no Windows 8 em junho de 2009, meses antes de mandar às lojas o Windows 7. Naquela época não havia tablets (como hoje)", lembrou Julie LarsonGreen, vice-presidente da divisão Windows, no lançamen-

to, realizado em Anaheim, na Califórnia. "Passamos a ouvir o tempo todo que as pessoas queriam tocar a tela." Qualquer computador com Windows 7 poderá rodar a nova versão, mesmo sem monitores touchscreen, por meio de teclado ou mouse. "Eu garanto, é tão agradável que você vai querer tocar todas as telas daqui pra frente", afirmou Steven Sinofsky, presidente da divisão Windows. Com um sistema operacional único, o conceito é facilitar o compartilhamento de dados entre aparelhos, todos conectados à nuvem, armazenamento na internet à distância. Sinofsky e Larson-Green fizeram demonstrações de alguns aplicativos instalados em um tablet com processador ARM. Segundo eles, todos os programas serão criados de "forma harmoniosa" e

Reuters

Nova versão traz um mosaico de painéis móveis, os "azulejos".

"totalmente imersivos". Por exemplo, um aplicativo reúne todas as redes sociais num só lugar. E todos os contatos de sua agenda estão conectados às tais redes – não mostram apenas o telefone e o e-mail, e sim as atualizações e fotos postadas. As possibilidades de multitarefa também foram destacadas. É possível ver vídeos e jogar caça-palavras ao mesmo tempo, ao ler notícias e tuitar com telas abertas lateralmente. O Windows 8 trará um novo navegador Explorer, no qual desaparecem barras de endereço e outros penduricalhos, usando a tela inteira para o site visitado. Um movimento do dedo na parte inferior faz com que as barras reapareçam. Quando o usuário quiser dividir uma notícia ou um link com seus amigos, basta outro toque na lateral para abrir uma barra que possibilita o compartilhamento rápido via e-mail ou via redes sociais. "É mágica com seus dedos", disse Sinofsky. O Windows 8 também foi instalado e apresentado em um laptop HP (que rodava Windows 7), e a rapidez da inicialização, em menos de dez segundos, arrancou aplausos da plateia. "Vocês estão vendo esta tela preta porque o sistema operacional é mais rápido até mesmo do que o monitor", disse um dos diretores da empresa. (Folhapress)

Durante a apresentação, Sinofsky ressaltou a facilidade do sistema para compartilhar links e notícias.

Banda larga mais veloz em 2012

A

faixa de frequência de 2,5 gigahertz (Ghz), que permite a prestação de serviço de tecnologia 4G, com maior velocidade de banda larga, será licitada até o ano que vem. Segundo o conselheiro da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), João Batista de Rezende, a data-limite com a qual o órgão regulador trabalha é 30 de abril de 2012 para o leilão, que terá três faixas de 20MHz e uma de 10MHz. O espectro não é todo leiloado, pois já é ocupado por provedores de Serviço de Distribuição de Sinais Multiponto Multicanais (MMDS), como operadoras de TV a cabo. Essas empresas serão ressarcidas durante o leilão, em valor a ser divulgado somente no edital. "A faixa de 2,5GHz é

fundamental para a Copa de 2014. E a agência vai seguir o cronograma", afirmou Rezende, após painel de debates no segundo dia do evento Futurecom, que está sendo realizado em São Paulo. Como são quatro lotes e cinco operadoras previstas para a disputa, não haverá espectro adicional para todas. "Espectro será um bem raro no futuro, e vital para as empresas", comentou. Após o leilão de 2,5GHz, será a vez da faixa de 3,5Ghz, que a Anatel já colocou em consulta pública, e depois uma nova faixa, de 450MHz, para atender localidades em zona rural. "Ainda estamos estudando o modelo de negócios dessa faixa", disse o conselheiro. Também está nos planos da oferta de espectro pela

Anatel a revisão da faixa de 700MHz, hoje utilizada para radiodifusão, mas que tem capacidade técnica para prestar serviço de internet móvel. "O debate terá de ser bem costurado política e tecnicamente, para liberar parte dessa faixa para a comunicação móvel, como já ocorre nos Estados Unidos", afirmou Rezende. Segundo ele, o tema terá de acompanhar algum incentivo para a digitalização da TV aberta, de forma que sobre banda para a futura licitação da faixa de 700MHz. O prazo para a digitalização entre radiodifusoras é 2016, mas, de acordo com Rezende, a Anatel pode vir a estudar a modelagem antes disso, prevendo também mecanismo de ressarcimento, como no caso do 2,5Ghz. (AE)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

e

ECONOMIA/LEGAIS - 19 Enfrentamos carência de mão de obra, falta de materiais e burocracia. João Crestana, presidente do Secovi-SP

conomia

BVS lança consulta online Ferramenta facilitará atuação de micro e pequenas empresas no ambiente do comércio virtual

A

B o a Vi s t a S e r v i ç o s (BVS), da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), que publica este Diário do Comércio, está lançando um novo produto. Trata-se da loja virtual de serviços e consultas (loja.boavistaservicos.com.br). Dessa forma, será possível tornar mais fácil a inserção de pequenas e médias empresas no comércio online. O leque de serviços oferecidos pela BVS, empresa administradora do SCPC, inclui relatórios cadastrais, apontamentos de devolução de cheques, informações sobre veículos e relatórios analíticos, por meio dos quais é possível avaliar o comportamento de pagamento e a capacidade de crédito de consumidores e empresas. De acordo com o presidente da BVS, Dorival Dourado, a loja virtual vai ao encontro da realidade das pequenas e médias empresas, que utilizam cada vez mais a internet em seus negócios em razão das vantagens trazidas pelo meio virtual. "De acordo com um levantamento feito pela ACSP, uma em cada três empresas paulistanas faz negócios pela internet. Essa é uma alternativa cada vez mais utilizada pelo pequeno e médio empre-

Leandro Moraes/LUZ

A internet é uma alternativa cada vez mais utilizada pelo pequeno e médio empresário. DORIVAL DOURADO, PRESIDENTE DA

BOA VISTA SERVIÇOS

sário, pois permite mais velocidade e flexibilidade", disse. Relevância – Atualmente existem mais de 3 milhões de empresas de pequeno porte no País. Juntas, elas representam em torno de 20% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, de acordo com dados levantados pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Em-

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

presas (Sebrae ). Este segmento demanda cada vez mais soluções que possam ser aplicadas às suas necessidades e, dessa forma, apoiar sua constante expansão – tanto em termos de tamanho quanto de profissionalização da gestão. Um recente estudo realizado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BN-

DES) também mostrou que, em cinco anos, as empresas com até quatro funcionários abriram 70 mil vagas, enquanto as de maior porte fecharam 63 mil postos de trabalho. Esses números demonstram a relevância do segmento para a economia nacional. Diante desse cenário, a BVS fundamenta seu princípio de investir, de forma maciça e contínua, em tecnologia, passando a proporcionar a seus clientes dos mais variados portes e segmentos a possibilidade de realizar consultas "pré-pagas" pela web. "Essa opção também traz praticidade ao empreendedor, que pode tanto acessar os serviços quanto recarregar seus créditos em qualquer local com internet disponível. A modalidade de consulta também traz velocidade no tempo de resposta, garantindo ao empresariado mais agilidade em suas decisões", explicou Dourado. Os tipos de consultas disponíveis na loja virtual são os seguintes: de cheques (SCPC e Cheque); de veículos (Certocar); de cadastros (Accerto para pessoa física e pessoa jurídica); e sobre pendências financeiras (Relatório Analítico ou Simplificado, SCPC e Certocred).

Secovi cancela salão

O

Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP) informou ontem que, em razão da atual escassez da oferta de imóveis para atender à demanda dos consumidores, decidiu cancelar a edição 2011 do Salão Imobiliário São Paulo (Sisp) – evento que ocorre anualmente no Anhembi, em São Paulo. Segundo o presidente do Secovi-SP, João Crestana, a falta de opções de imóveis para exposição no mercado de São Paulo vem dificultando a aceleração do ritmo das obras por parte das empresas. "Enfrentamos uma carência de mão de obra, falta de materiais de construção e burocracia na aprovação de projetos", afirmou. De acordo com o Secovi-SP, o evento – no qual as empresas expõem opções de imóveis diretamente aos consumidores – deverá ser retomado em 2012. No entanto, as edições do evento deverão ocorrer apenas a cada dois anos. Em 2010, o mercado imobiliário de São Paulo registrou crescimento na participação da classe média na compra de imóveis. Isso resultou no escoamento dos estoques das incorporadoras e no aumento de preços das unidades habitacionais novas e usadas. A edição do ano passado da Sisp apresentou 250 mil imóveis novos e usados, residenciais e comerciais. A maior procura dos consumidores foi por imóveis na faixa de R$ 120 mil a R$ 300 mil. Os organizadores registraram nos quatro dias da feira vendas totais de R$ 650 milhões. (AE)

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: TOMADAS DE PREÇOS A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para execução de Obras: TOMADA DE PREÇOS Nº - OBJETO - PRÉDIO - LOCALIZAÇÃO - PRAZO - ÁREA (se houver) - PATRIMÔNIO LÍQUIDO MÍNIMO P/ PARTICIPAR - GARANTIA DE PARTICIPAÇÃO - ABERTURA DA LICITAÇÃO (HORA E DIA) 69/00312/11/02 - Reforma (Restauro) de Prédio Escolar e Construção de Ambientes Complementares com Fornecimento, Instalação, Licenciamento e Manutenção de Elevador - EE Dr. Julio Mesquita - Rua Campos Salles, 35 - Cep: 13970-170 - Centro - Itapira/SP - 360 - R$ 108.132,00 - R$ 10.813,00 - 09:30 - 30/09/2011. 69/00328/11/02 - Construção de Cobertura de Quadra em Estrutura Mista e Pré Moldada de Concreto - EE Dr. Honorino Fabbri - Rua Osório Candido da Silva, 179 - Cep: 13185-012 - Jd Sumarezinho - Hortolândia/SP; EE Profª Maria Ivone Martins Rosa - Rua Luciano Ramos Ayala, 589 - Cep: 13181-460 - Jd Denadai - Sumaré/SP - 150 - R$ 82.868,00 - R$ 8.286,00 - 10:00 - 30/09/2011. 69/00477/11/02 - Construção de Cobertura de Quadra em Estrutura Mista e Pré Moldada de Concreto - EE Prof. Marciano de Toledo Piza - Av. Navarro de Andrade, 139 - Cep: 13506-820 - Cid Nova - Rio Claro/SP - 180 - 540,00 - R$ 48.781,00 - R$ 4.878,00 - 10:30 - 30/09/2011. 70/00201/11/02 - Construção de Cobertura de Quadra em Estrutura Mista e Pré Moldada de Concreto - EE Prof. Francisco Gonçalves Vieira - Rua Ilma Santos Batista, s/nº - Cep: 07700-000 - Laranjeiras - Caieiras/SP; EE Profª Elvira Parada Manga - Rua Apolo, 201 - Cep: 07780-000 - Vila Josefina - Franco da Rocha/SP - 150 - R$ 83.143,00 - R$ 8.314,00 - 11:00 - 30/09/2011. 70/00206/11/02 - Construção de Ambientes Complementares com Fornecimento, Instalação, Licenciamento e Manutenção de Elevador e Reforma de Prédios Escolares - EE/Cel. Francisco Ferreira Lopes - Rua Dr. Deodato Wertheimer, 426 - Cep: 08773600 - Mogilar - Mogi das Cruzes/SP - 120; EE Profª Josephina Najar Hernandez - Rua Pedro Paulo dos Santos, 2475 - Cep: 08750-710 - Jundiapeba - Mogi das Cruzes/SP - 60; EE Prof. Cid Boucault - Rua Profª Lucinda Bastos, 1250 - Cep: 08750580 - Nova Jundiapeba - Mogi das Cruzes/SP - 210 - 137,21 - R$ 121.244,00 - R$ 12.124,00 - 11:30 - 30/09/2011. 70/00218/11/02 - Reforma de Prédio Escolar - EE Faz Carmo III - Av. Paulo Gracindo, s/nº - Cep: 08490-000 - CHB Faz. do Carmo - São Paulo/SP - 180 - R$ 72.131,00 - R$ 7.213,00 - 14:00 - 30/09/2011. 70/00223/11/02 - Construção de Cobertura de Quadra em Estrutura Mista e Pré-Moldada de Concreto - EE Dr. Arlindo Aquino de Oliveira - Est. Moji/Taiacupeba, Km - 11 - Cep: 08765-340 - Caputera - Mogi das Cruzes/SP; EE Américo Sugai - Estr. Mogi-Quatinga Km 23, s/nº - Cep: 08751-970 - Faz. Pindorama - Mogi das Cruzes/SP - 150 - R$ 79.878,00 - R$ 7.987,00 - 14:30 - 30/09/2011. 70/00230/11/02 - Construção de Cobertura de Quadra em Estrutura Mista - EE Dr. Luis Arrobas Martins - Rua João Elias, 80 - Cep: 04726-070 - Sto. Amaro - São Paulo/SP - 150 - R$ 38.608,00 - R$ 3.860,00 - 15:00 - 30/09/2011. 70/00262/11/02 - Construção de Ambientes Complementares com Fornecimento, Instalação, Licenciamento e Manutenção de Elevador e Reforma de Prédio Escolar - EE Profª Flavia Vizibeli Pirro - Rua Pe. Abreu de Lima, 107 - Cep: 04358-030 - Prq. Jabaquara - São Paulo/SP - 210 - 37,99 - R$ 95.597,00 - R$ 9.559,00 - 15:30 - 30/09/2011. 70/00311/11/02 - Reforma de Prédio Escolar e Construção de Ambientes Complementares - EE Profª Francisca Batista de Trindade - Rua Paulo José Bazzani, 268 - Cep: 07130-030 - Macedo - Guarulhos/SP - 180 - 64,71 - R$ 83.966,00 - R$ 8.396,00 - 16:00 - 30/09/2011. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital e o respectivo Caderno de Encargos e Composição do BDI na SEDE DA FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 - São Paulo/SP ou através da Internet pelo endereço eletrônico www.fde.sp.gov.br. Os interessados poderão adquirir o Edital completo através de CD-ROM a partir de 14/09/2011, na SEDE DA FDE, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, mediante pagamento não reembolsável de R$ 40,00 (quarenta reais). Todas as propostas deverão estar acompanhadas de garantia de participação, a ser apresentada à Supervisão de Licitações da FDE, conforme valor indicado acima. Os invólucros contendo a PROPOSTA COMERCIAL e os DOCUMENTOS DE HABILITAÇÃO deverão ser entregues, juntamente com a Solicitação de Participação, a Declaração de Pleno Atendimento aos Requisitos de Habilitação e a garantia de participação, no Setor de Protocolo da Supervisão de Licitações - SLI na SEDE DA FDE, até 30 minutos antes da abertura da licitação. Esta Licitação será processada em conformidade com a LEI FEDERAL nº 8.666/93 e suas alterações, e com o disposto nas CONDIÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE. As propostas deverão obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital. JOSÉ BERNARDO ORTIZ Presidente

Industrial Battery Holdings S/A CNPJ nº 05.467.215/0001-30 - NIRE nº 35.300.374.134 Ata de Assembleia Geral Ordinária realizada em 30/08/2011. Data, Hora e Local: 30 de agosto de 2011, às 10:00 horas, no sede da sociedade localizada na cidade e Estado de São Paulo, na Rua Funchal, 573, 9o andar, cj. 94, sala 6 – Vila Olímpia - CEP 04551-060. Mesa: Presidente: Sr Antonio Carlos Rolim; Secretário: Sra. Gelza Bueno. Presença: Acionistas representando a totalidade do capital social com direito a voto, conforme assinaturas lançadas no Livro de Presença de Acionistas. Convocação: Dispensada nos termos do disposto no art. 124, parágrafo 4º, da Lei nº 6.404/76. Ordem do Dia: (i) Tomar as contas dos administradores, discutir e votar o Balanço Patrimonial e as demonstrações financeiras do exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2010, documentos esses publicados nos termos do § 4º, letra V, do art. 133 da Lei das Sociedades Anônimas, em 04 de agosto de 2011, no Diário Oficial Empresarial às fls. 2/3, e no Diário do Comércio às fls. 17 Setor Economia, mas já do conhecimento prévio dos Senhores Acionistas; (ii) eleger o Conselho de Administração e a Diretoria da Sociedade; (iii) fixar o limite máximo de valor da remuneração global anual dos Diretores; e (iv) re-ratificar os atos praticados pela administração da sociedade em razão da prorrogação tácita de seus mandatos. Deliberações: Após análise e discussão da matéria da ordem do dia, os acionistas deliberaram unanimemente (a) aprovar as contas dos administradores, o Balanço Patrimonial e as demonstrações financeiras do exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2010, cujas edições das publicações foram devidamente arquivadas e registradas na JUCESP, em seção de 26/08/2011, sob nºs 340.131/11-1 e 340.132/11-5; (b) a seguir foram reeleitos para compor o Conselho de Administração, como Presidente, o Sr. EDUARDO ALEJANDRO BOCCI, argentino, casado, administrador de empresas, portador da Cédula de Identidade para Estrangeiros RNE nº V289.680-4SP/MAF/SR/SP e inscrito no CPF/MF sob nº 223.322.418-33, residente e domiciliado na Capital do Estado de São Paulo, com escritório na Capital do Estado de São Paulo, na Rua Funchal, 573, cj. 94, sala 6, Vila Olímpia - CEP 04551-060; e como membros do Conselho, Sra. SILVIA RITA BOCCI, argentina, casada, contadora, portadora do Passaporte Argentino nº 14.015.366-N, domiciliada em Calle Rodriguez Peña, 202, piso 3, cidade de Buenos Aires, Argentina, C1021ABR, ora de passagem pelo país; e (c) Sr. ANTONIO CARLOS ROLIM, brasileiro, casado, advogado, portador do RG nº 6.064.056-SSP/ SP, inscrito no CPF/MF sob nº 053.833.638-23, residente e domiciliado na cidade de Carapicuíba, Estado de São Paulo, com escritório na cidade e Estado de São Paulo, na Rua Funchal, 573, 9o andar, CEP 04551-060; (c) estando presentes à assembléia todos os conselheiros, reelegeram esses para compor a Diretoria da Sociedade, como Presidente, Sr. EDUARDO ALEJANDRO BOCCI e, como Diretor sem designação específica, Sr. ANTONIO CARLOS ROLIM, ambos já acima qualificados, os quais expressamente declaram não estarem incursos nas penas da lei que os impeçam de exercer atividade mercantil; e (d) estabelecer para a Diretoria como limite máximo de valor da remuneração global anual o mesmo estabelecido pelo imposto de renda e (e) re-ratificar todos os atos anteriormente praticados pela administração. Quorum de Deliberação: As deliberações foram tomadas por unanimidade dos acionistas presentes. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, foi encerrada a reunião, da qual foi lavrada a presente ata que, depois de lida e achada conforme, foi impressa em 3 (três) vias de igual forma e teor, sendo assinada pelos presentes. São Paulo, 05 de agosto de 2011. (aa) EDUARDO ALEJANDRO BOCCI; SILVIA RITA BOCCI; e, ANTONIO CARLOS ROLIM. “Certificamos ser a presente cópia fiel da ata lavrada em Livro de Atas e Assembleias da Sociedade”. São Paulo, 30 de agosto de 2011. MESA: Antonio Carlos Rolim - Presidente; Gelza Bueno - Secretária. Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia - Junta Comercial do Estado de São Paulo - Certifico o registro sob o número 362.518/11-7, em 08.09.2011. Kátia Regina Bueno de Godoy - Secretária Geral.

Quer falar com 26.000 empresários de uma só vez?

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: PREGÃO ELETRÔNICO DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 36/00708/11/05 OBJETO: REGISTRO DE PREÇOS PARA AQUISIÇÃO DE CONSUMÍVEIS ATRAVÉS DA REDE DE SUPRIMENTOS PARA AS ESCOLAS DA COGSP. A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para Registro de Preços para Aquisição de Consumíveis Através da Rede de Suprimentos para as escolas da COGSP. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital a partir de 14/09/2011, no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br ou na sede da FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 - São Paulo/SP, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, ou verificar o edital na íntegra, através da Internet no endereço: http://www.fde.sp.gov.br. A sessão pública de processamento do Pregão Eletrônico será realizada no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br, no dia 27/09/2011, às 09:30 horas, e será conduzida pelo pregoeiro com o auxílio da equipe de apoio, designados nos autos do processo em epígrafe e indicados no sistema pela autoridade competente. Todas as propostas deverão obedecer rigorosamente ao estabelecido no edital e seus anexos e serão encaminhadas, por meio eletrônico, após o registro dos interessados em participar do certame e o credenciamento de seus representantes previamente cadastrados. A data do início do prazo para envio da proposta eletrônica será de 14/09/ 2011, até o momento anterior ao início da sessão pública. JOSÉ BERNARDO ORTIZ Presidente

FALÊNCIA, RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL E RECUPERAÇÃO JUDICIAL Conforme informação da Distribuição Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, foram ajuizados no dia 13 de setembro de 2011, na Comarca da Capital, os seguintes pedidos de falência, recuperação extrajudicial e recuperação judicial:

PUBLICIDADE Fone: 11 3244-3344 Fax: 11 3244-3894

O Jornal do Empreendedor

Reqte: CBFM Fomento Mercantil Ltda. Reqdo: Cinta Brasil Tecnologia em Transporte de Cargas Ltda. Rua José dos Reis, 45 – Vila Prudente - 1ª Vara de Falências. Reqte: Argamassas Argatex Ltda. Reqdo: Almatep Tecnologia em Construções Ltda. Rua Florida, 1.758 C - 10° Andar - Conjunto 101 – Brooklin Novo - 2ª Vara de Falências.

DECLARAÇÃO DE PROPÓSITO Clóvis Prince do Amaral, Portador RG nº 22.434.151-0 SSP/SP e do CPF nº 190.836.898-61. Declara sua intenção de exercer cargo de Administração no Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A., CNPJ 60.518.222/0001-22 e que preenche as condições estabelecidas no artigo 2º da Resolução nº 3.041, de 28 de novembro de 2002. Esclarece que, nos termos da regulamentação em vigor, eventuais objeções à presente declaração devem ser comunicadas diretamente ao Banco Central do Brasil, no endereço abaixo, no prazo de quinze dias contados da data da publicação desta, por meio formal em que os autores estejam devidamente identificados, acompanhado da documentação comprobatória, observado que o declarante pode, na forma da legislação em vigor, ter direito a vistas do processo respectivo. Banco Central do Brasil DEORF - Departamento de Organização do Sistema Financeiro Gerência Técnica em São Paulo Av. Paulista, nº 1804 - São Paulo - SP CEP: 01310-922

SANTA LUIZA VEÍCULOS LTDA. CNPJ 61.600.169/0001-77 - NIRE 35.201.014.857 Extrato da Ata da Assembleia Geral Extraordinária em 08/09/2011 Data, Hora e Local: 08/09/2011, às 10:00h, na sede, à Rua Padre Machado, 68 - Casa 03 - São PauloSP. Presença: totalidade dos sócios. Deliberações: Aprovada por unaminidade a redução do capital, de R$ 3.260.000,00 (três milhões, duzentos e sessenta mil reais) para R$ 32.600,00 (trinta e dois mil e seiscentos reais), uma vez que o mesmo se mostra excessivo ao objeto da sociedade. Encerramento: Nada mais. Sócios: Ney Tsutomu Takano e Chieko Takano.

CONVOCAÇÃO DE ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA Convocamos os senhores (as) cooperados (as) para Assembleia Geral Extraordinária da BAALBEK COOPERATIVA HABITACIONAL, que realizar-se-á no dia 25 de Setembro de 2011, em 1ª convocação, às 8h, com 2/3 dos cooperados, em 2ª convocação, às 9h, com metade dos cooperados mais um e em 3ª convocação, às 10h, com no mínimo 10 cooperados, na Rua Antonio de Barros, 461 – Tatuapé - SP, para deliberar, a seguinte pauta: 1. Distribuição das Unidades Habitacionais. São Paulo, 14 de setembro de 2011. Mauricio Francisco dos Santos - Conselheiro Presidente.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

20

e

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Os Brics vão discutir como fazer para ajudar a União Europeia a sair da crise. Guido Mantega, ministro da Fazenda

conomia

Alemanha aposta em solução para crise Governo da Holanda desmentiu ter considerado a quebra da Grécia como inevitável

A

chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou ontem que está "muito otimista" e tem certeza de que os países da zona do euro "encontrarão um caminho" para que a Grécia receba o segundo pacote de resgate. Durante entrevista que se seguiu à sua reunião em Berlim com o primeiro-ministro finlandês, Jyrki Katainen, ela afirmou que os analistas do bloco de moeda única "estão trabalhando" para conseguir uma solução que satisfaça a todos. A Finlândia havia exigido de Atenas garantias adicionais para fazer sua contribuição ao segundo resgate – posição que gerou polêmica em outros países da zona do euro e atrasou sua aprovação parlamentar. Merkel sustentou que "a Grécia não vai quebrar", mas ressaltou que a recuperação da competitividade no conjunto da zona do euro e do saneamento das contas públicas é um processo "longo", "lento" e "trabalhoso". Ela reconheceu que seu governo contempla to-

das as opções possíveis quando estuda a situação financeira da Grécia e da zona do euro, e que uma quebra do país teria "severas consequências" para todo o bloco econômico. Ontem, o Ministério de Finanças da Holanda desmentiu uma notícia divulgada pela imprensa local de que a pasta considera um default da Grécia inevitável. O ministério afirmou que tal evento é apenas um "cenário". Citando fontes que não foram identificadas, a emissora holandesa RTL Nieuws n ot iciou que o Ministério de Finanças do país considera um calote da Grécia inevitável, e que estaria pedindo um "default ordenado" do país, para evitar que o pânico se espalhe pela zona do euro. "A matéria não está correta. O ministério considera um default apenas como um cenário. Não estamos pedindo por um default ordenado", disse uma porta-voz. Euro – No entanto, a situação crítica das finanças europeias continua espalhando temores com relação à moeda co-

mum do continente. O presidente-executivo da Fiat, Sergio Marchionne, afirmou que o sistema do euro pode descarrilar se o líderes europeus não resolverem efetivamente a crise da dívida. "Acho que existe uma possibilidade, se alguns passos errados forem dados, do sistema sair dos trilhos", disse." EUA – Os líderes da zona do euro precisam mostrar aos mercados que estão se responsabilizando por sua crise de dívida e definir como combinar a união monetária com uma política orçamentária, disse ontem o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. "É difícil coordenar e acertar uma rota comum quando se tem tantos países com políticas

e situações econômicas diferentes", afirmou, de acordo com reportagem publicada no site do jornal El Mundo. "No final, os grandes países da Europa, os líderes da Europa precisam se reunir e tomar uma decisão sobre como coordenar a integração monetá-

ria com uma política fiscal coordenada mais eficaz", recomendou o presidente. Ele avaliou também que a fraqueza da economia global continuará até que a crise da zona do euro seja resolvida. O secretário do Tesouro norte-americano, Timothy

Geithner, deve pedir a ministros de Finanças da zona do euro na sexta-feira que acelerem a ratificação de mudanças no fundo de resgate do bloco e que considerem aumentar seu tamanho, de acordo com o relato de uma fonte da União Europeia (UE). (Agências)

Berlusconi: plano sai hoje. Mercados financeiros receiam que a dívida da Itália esteja fora de controle

A

Itália teve de pagar juros recordes para vender ontem seus bônus, lutando para acalmar os temores do mercado – que receia que o país esteja perdendo controle da dívida pública, podendo desencadear em uma crise que ameace a existência da zona do euro. O primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, disse que o plano de austeridade fiscal de 54 bilhões de euros será aprovado pelo Parlamento ainda hoje, prometendo buscar outras medidas para incentivar o crescimento econômico. Fontes disseram à Reuters que o governo também considera vender propriedades e empresas locais de serviços básicos para levantar fundos e ajudar na redução da dívida – que corresponde a 120% da produção nacional anual. A Itália tem dependido do Banco Central Europeu (BCE), que comprou bônus do país para manter seus custos de financiamento em um nível gerenciável, mas a disparada dos juros na semana passada su-

gere que os mercados perderam a fé na intervenção. O primeiro-ministro italiano também defendeu a solidez da economia italiana, reiterou sua firme determinação em adotar as medidas de ajuste e convocou a defesa do euro, a "bandeira" da Europa. Em um breve comparecimento diante da imprensa ao lado do presidente do Conselho Europeu, Herman van Rompuy, com quem se reuniu ontem em Bruxelas, Berlusconi afirmou que as bases econômicas da Itália são "boas", o déficit é o segundo mais baixo, as famílias italianas estão economizando e as empresas contendo seu déficit. O primeiro-ministro deu as declarações enquanto a taxa de risco da Itália superava os 400 pontos básicos, situandose nos níveis do início de agosto. Ele se mostrou tranquilo com o programa de ajuste, mas criticou a oposição, à qual acusou de se opor ao governo e às suas medidas para "arruinar a imagem do país". Berlusconi também reiterou

Europa poderá ter a ajuda dos Brics

O

s países do grupo Brics (formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) deverão discutir nos Estados Unidos, na próxima semana, formas de ajudar a União Europeia (UE) a enfrentar a crise econômica, informou ontem o ministro da Fazenda, Guido Mantega. "Os Brics vão se reunir na semana que vem, em Washington, durante um encontro, e nós vamos discutir como fazer para ajudar a UE a sair dessa situação", afirmou, referindo-se à reunião anual do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial, nos dias 23 e 25. De acordo com uma fonte do governo brasileiro, os Brics estariam em conversas iniciais a respeito de um aumento das compras de títulos denominados em euros, com a finalidade de amenizar a crise da dívida na Europa. China – O governo italiano estaria negociando com autoridades chinesas para que um fundo do gigante asiático compre bônus de sua dívida e invista em empresas estratégicas italianas, segundo informou ontem o jornal Financial Times. Uma fonte italiana disse ao jornal que a China possui cerca de 4% da dívida da Itália. Um porta-voz do Tesouro italiano confirmou que o ministro de Economia, Giulio Tremonti, se reuniu com uma delegação chinesa na semana passada. Mas ele não quis confirmar a notícia do FT, e nem o teor do encontro. (Agências)

a Van Rompuy sua "firme determinação" para conseguir o equilíbrio orçamentário em 2013, lembrando que seu governo promoveu a chamada "regra de ouro" para limitar o déficit na Constituição. Por tugal – O Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou o desbloqueio do segundo lance do empréstimo de US$ 3,4 bilhões a Portugal, como parte do pacote de ajuda financeira internacional estipulado em maio. O organismo já desembolsou 10,4 bilhões de euros para o país. Em uma nota de imprensa, Nemat Shafik, subdiretora-gerente do FMI, destacou o "forte compromisso" do governo luso com o programa de ajuste econômico. Ela ressaltou que, apesar de "o contexto externo, com pressões do mercado sobre alguns países da zona do euro e o arrefecimento da demanda das exportações continuar complexo, as recentes ações do Conselho Europeu para fortalecer a crise do euro aumentaram as possibilidades de sucesso". (EFE)

Aumenta número de pobres nos EUA

O

número de norte-americanos vivendo abaixo da linha de pobreza alcançou a cifra recorde de 46,2 milhões de pessoas em 2010, informou ontem o Escritório do Censo dos Estados Unidos. A taxa nacional de pobreza subiu pelo terceiro ano consecutivo, e teve aumento de 0,8%, passando a 15,1% da população. Em 2009, eram 43,6 milhões vivendo na pobreza. O relatório diz que o número de pobres é o maior desde que o órgão federal começou a publicar estimativas sobre a pobreza, há 52 anos. A taxa de empobrecimento é a maior desde 1993. A renda das residências dos EUA caiu 2,3%, passando a US$ 49,445 mil por ano em média, e o número de norte-americanos sem plano de saúde está em torno de 50 milhões. Déficit – O deficit orçamentário dos EUA nos primeiros 11 meses do ano fiscal de 20102011 segue em um nível mais baixo do que em igual período no ano anterior, segundo informou ontem o Departamento do Tesouro. Os EUA gastaram US$ 134,15 bilhões a mais do que haviam arrecadado em agosto. O número supera os US$ 90,53 bilhões apresentados no déficit de igual período de 2010, conforme ressaltou o jornal The Wall Street Journal. O déficit fiscal voltou a subir em agosto, após quatro meses consecutivos de baixa. No acumulado do ano fiscal de 2011, o déficit do governo totalizou US$ 1,23 trilhão, abaixo do US$ 1,26 trilhão registrado em igual período de 2010. (Folhapress)

Diário do Comércio  

14 set 2011

Advertisement