Page 1

Conclusão: 23h45

Ano 87 - Nº 23.581

www.dcomercio.com.br

Jornal do empreendedor

R$ 1,40

São Paulo, terça-feira, 13 de março de 2012

A MAGIA DO FUTEBOL

IOF Governo volta a usar sua arma preferida na guerra cambial. Pág. 15

Após 23 anos, ao longo dos quais foi colecionando denúncias de corrupção, Ricardo Teixeira (abaixo), pressionado pela Fifa e desgastado com Dilma, deixou o comando da CBF. Mas nem apareceu. Quem deu a notícia foi o sucessor, José Maria Marin. Ele chegou falando em continuidade – e trocando o nome de Ronaldo pelo de Romário, que, aliás, festejou a saída: "Exterminamos um câncer do futebol." Págs. 5 e 6

A VINGANÇA DE DILMA Derrotada no Senado, tira Romero Jucá da liderança. Página 7

Arte de Paulo Zilbermann sobre foto de Tasso Marcelo/AE Marcos D'Paula/AE Paulo Pampolin/Hype

Zé Carlos Barretta/Hype

A Cidade quer investir Mauro Ricardo Costa, secretário municipal de Finanças (ao lado de Rogério Amato, presidente da ACSP), explica como São Paulo vai reduzir despesas para investir. Pág. 13

Palavra da Fazenda Em evento na ACSP, Andrea Calabi, secretário da Fazenda do Estado, diz, ao lado de Amato e Schoueri, que estuda reduzir obrigações acessórias. Pág. 13 Grupo de Oposição Síria/AFP

Síria dos horrores

Massacre na vizinhança de Homs deixa 47 mortos, entre mulheres e crianças (ao lado). Rebeldes acusam as forças de Assad pela chacina, enquanto o governo diz que as mortes são obra dos opositores. Pág. 9 Newton Santos/Hype

Uma carona pela história HOJE Sol com pancadas de chuva Máxima 30º C. Mínima 18º C.

AMANHÃ Sol com pancadas de chuva Máxima 32º C. Mínima 19º C. ISSN 1679-2688

23581

9 771679 268008

Confira as idas e vindas dos paulistanos no Museu dos Transportes Públicos. Pág. 10

Cerco aos penetras de empresas Os hackers de teleconferências se multiplicam e ameaçam empresas. É hora de um contra-ataque eficaz. Informática. Pág. 21


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

terça-feira, 13 de março de 2012

A questão é se a redução mais acentuada da Selic será capaz de incentivar, ainda neste ano, o consumo e o investimento. Roberto Fendt

pinião

As metas e rumos do Banco Central

PAULO SAAB

A LUTA PELO FIM DOS PRIVILÉGIOS

D ROBERTO FENDT

N

o regime de metas ortodoxo de inflação, o Banco Central tem como missão manter o poder de compra da moeda. Para isso utiliza como instrumento uma segunda meta, para a taxa de juros. Quando há risco de que a inflação suba, o BC aumenta sua meta de juros, retirando liquidez da economia, retraindo o investimento privado e o consumo das famílias. Quando a inflação tende a ficar abaixo da meta, o BC faz o oposto, tornando mais rentável o investimento privado e reduzindo a rentabilidade da poupança das famílias, estimulando o consumo. Esse é o mundo do regime de metas de inflação puro. Mais e mais, porém, estamos nos afastando da pureza do regime, introduzindo outros objetivos para o Copom do BC. Esses novos objetivos, já explicitados durante a crise de 2008, ganharam aparentemente maior prioridade com a forte desaceleração da economia em 2011 e início deste ano. Com a redução da taxa Selic em 0,75 ponto percentual para 9,75% ao ano, o BC já atingiu a primeira de suas novas metas: reduzir a taxa nominal de juros a um dígito. O mercado entendeu o recado e projeta agora uma taxa anual de 8,5% até o final do ano. Caso se confirme, ela será a menor desde julho de 2009. Se considerarmos a taxa de juros real, isto é, a taxa nominal praticada no mercado, e dela deduzirmos a projeção do IPCA para os próximos 12 meses, ela está no momento em torno de 3,2% – inferior mesmo à taxa de juros

É questionável a eficácia com que se desincumbirá o BC, simultaneamente, de suas novas tarefas, que hoje parecem incluir uma trinca de objetivos: inflação, crescimento e câmbio.

real do BC praticada logo após a crise de 2008. A preocupação com a taxa real de juros justifica-se pelos dois novos objetivos do BC: o desempenho da economia real e o câmbio. Reverter a forte desaceleração da economia é a segunda meta do BC. Os dados de janeiro, contrariando as expectativas, vieram piores que o esperado, talvez até pelo próprio Banco Central.

N

ão há consenso com relação às causas da desaceleração em 2011 e à continuidade do baixo crescimento industrial em janeiro. Já apontamos aqui, nesse espaço, que o crescimento estrutural da nossa economia é baixo, pelos nossos próprios padrões do passado, bem como comparado ao desempenho de outras economias emergentes. As causas aparentes de uma baixa taxa estrutural de crescimento são a nossa baixa taxa de poupança, combinada com altíssima tributação (relativamente ao grupo de países emergentes, em que nos situamos) e forte intervenção do Estado na economia.

A questão é saber se a redução mais acentuada da Selic daqui para a frente será capaz de incentivar, ainda neste ano, o consumo e o investimento, retomando-se a produção industrial.

P

arte do problema poderia ser sanada com a desvalorização do câmbio, o terceiro objetivo aparente do BC. Com o câmbio excessivamente valorizado, retraem-se as exportações de produtos manufaturados, atingindo diretamente a atividade industrial. O câmbio valorizado torna também mais competitivas as importações no mercado interno, afetando novamente a produção industrial. As medidas pontuais tomadas até agora pelo governo para socorrer os setores que mais sofrem com a concorrência externa são casuísticas e não vão à raiz do problema. Se a redução da Selic desincentivar o suficiente a entrada de recursos externos, será garantido um patamar mais alto para o câmbio, sem os efeitos colaterais negativos do casuísmo protecionista. Tudo isso faz

sentido e não é fácil perceber que opções o governo teria para lidar com esses problemas, acumulados ao longo dos anos. Falta vontade política, tanto no governo como na oposição, para ir ao cerne da questão: o persistente déficit nominal do setor público.

É

possível que a nova rodada de cortes mais acentuados da Selic impulsionem o crescimento da economia em 2012. O problema está em 2013. Há problemas imediatos a sanar. Um deles é a compatibilidade da taxa Selic com a remuneração das cadernetas de poupança. Outro, o fato de que as taxas aplicadas à renegociação das dívidas dos Estados e municípios com a União, em 1997, são superiores à nova Selic projetada. Mas são problemas solúveis. É questionável a eficácia com que se desincumbirá o BC, simultaneamente, de suas novas tarefas, que parecem incluir uma trinca de metas – inflação, crescimento e câmbio. Se o mercado estiver correto em suas projeções para os juros futuros, provavelmente o BC já está trabalhando com uma meta implícita de inflação da ordem de 5% ou 5,5% em 2013. Se essa meta fosse explícita e adequadamente justificada, o dano seria pequeno, já que um ponto a mais ou a menos na inflação tem pouco significado. Mas, em agosto passado, o BC havia apontado que atingiria a meta de inflação em período mais longo, provavelmente em 2013. A dúvida é se isso será possível.

egundo a notícia, a proposta objetiva acabar com todas as possibilidades de foro privilegiado para ocupantes de cargo no Executivo, Legislativo e Judiciário, nos casos de infrações penais comuns. Quando vier à luz o projeto, vamos nos empenhar em que sejam também abrangidos atos infracionais decorrentes do exercício do mandato. O senador Cunha Lima, segundo a notícia, considera o foro privilegiado uma flagrante exceção do principio da igualdade, não passando de um privilegio que impede a isonomia garantida pela Constituição. Para o parlamentar, com toda razão, o princípio constitucional da igualdade constitui um dos pilares do Estado Democrático de Direito e é essencial para

S

a promoção do tratamento isonômico. Ainda me permitiria acrescentar: o foro privilegiado e a falta de rito sumário para punir os criminosos aboletados numa função pública relevante, como hoje existem, significam uma atestado prévio de autorização, sem punição, para o assalto aos cofres públicos. Pelo informativo do Senado, os senadores Pedro Taques, do PDT de Minas Gerais, e Cícero Lucena ,do PSDB da Paraíba, disseram, em plenário, apoiar a iniciativa do colega. MENSALÃO Na mesma linha de combater os maus políticos, governantes e agentes públicos, a coluna abriu o blog www.euquerorespeito.org.br , pelo qual os brasileiros podem pedir ao STF que julgue os réus do mensalão antes da prescrição do processo. As adesões recebidas (ainda há tempo se você, leitor, quiser aderir) serão encaminhadas até o final deste mês ao STF como forma de expressão de uma parcela representativa da população brasileira que deseja o julgamento. Não podemos deixar prosperar a impunidade, o abuso, o assalto aos cofres públicos nem manter as coisas como estão hoje. Recomendo também ao leitor, se ainda não o fez, que tome conhecimento do editorial da Veja deste último final de semana. em sempre, fora deste espaço de jornal, com licença da imodéstia, a verdade é dita tão claramente. E a verdade é o que mais tem faltado na relação entre o poder público e a população brasileira. Nossas autoridades, nossos políticos, estão se especializando em se apropriar da verdade e em transmutá-la ao seu sabor, dando nova versão, mentirosa, falsa, aos fatos. Notadamente na última década isso virou uma constante.

N

PAULO SAAB É JORNALISTA E ESCRITOR.

O TAMANHO DO PIB O ministro Mantega proclamava no ano passado que o crescimento do PIB seria de 4 a 4,5%. Houve erro no calculo porque não foi incluída a produção de escândalos, a produção de verbas para a compra de partidos,

igrejas e votos, a produção de cabides de empregos e cargos de diretoria em estatais, a maquiagem em instituições financeiras, etc. Isso tudo somado daria o PIB da China. João Alfredo Castelo Branco - São Paulo

ROBERTO FENDT É ECONOMISTA

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Claudio Vaz Edy Luiz Kogut Érico Sodré Quirino Ferreira Francisco Mesquita Neto João de Almeida Sampaio Filho João de Favari Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Paulo Roberto Pisauro Renato Abucham Roberto Faldini Roberto Mateus Ordine

iz uma notícia enviada pela Agência Senado que um dos integrantes do Senado Federal, Cássio Cunha Lima, do PSDB da Paraíba, está coletando assinaturas para apresentar uma proposta de emenda constitucional com o objetivo de extinguir, por prerrogativa de função, o chamado "foro privilegiado". Sabe o leitor desta coluna o empenho que temos feito, já há algum tempo, nesta direção, buscando – além da supressão desse privilégio – também a criação de um rito sumário para julgamento de crimes cometidos por parlamentares e governantes de alto escalão, hoje acobertados pela legislação, para agirem impunemente. Isso basta para dizer que, se não houver nenhum tipo de pegadinha na proposta a ser apresentada pelo senador paraibano, todo cidadão brasileiro de bem deve se voltar para apoiar a proposição. Acabar com a sem-vergonhice acobertada pela lei é fundamental para o Brasil se civilizar de vez. Para que uma PEC – proposta de emenda constitucional – seja apresentada é preciso que pelo menos 27 dos 81 senadores subscrevam a propositura.

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, João de Scantimburgo, Marcel Solimeo Diretor-Responsável João de Scantimburgo (jscantimburgo@acsp.com.br) Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Editor-Chefe: José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br) Chefia de Reportagem: Teresinha Leite Matos (tmatos@acsp.com.br) Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br) Editores Seniores: Bob Jungmann (bob@dcomercio.com.br), Carlos de Oliveira (coliveira@dcomercio.com.br), chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), Estela Cangerana (ecangerana@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Luiz Antonio Maciel (maciel@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br) Editor de Fotografia: Alex Ribeiro Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Fernando Porto (fporto@dcomercio.com.br), Ricardo Ribas (rribas@dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br) Subeditores: Marcus Lopes e Rejane Aguiar Redatores: Adriana David, Darlene Delello, Eliana Haberli e Evelyn Schulke Repórteres Especiais: Fernando Gabeira, Kleber Gutierrez (kgutierrez@dcomercio.com.br), . Repórteres: Anderson Cavalcante (acavalcante@dcomercio.com.br), André de Almeida, Fátima Lourenço, Ivan Ventura, Karina Lignelli, Kelly Ferreira, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mariana Missiaggia, Mário Tonocchi, Paula Cunha, Rafael Nardini, Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves, Sandra Manfredini, Sergio Leopoldo Rodrigues, Sílvia Pimentel, Vera Gomes e Wladimir Miranda. Gerente Executiva e de Publicidade Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estado, Folhapress, Efe e Reuters Impressão OESP GRÁFICA S/A Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3244-3175. Fax 3244-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3244-3197, 3244-3983, Fax 3244-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3244-3544, 3244-3046 , Fax 3244-3355

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3244-3737 REDAÇÃO (011) 3244-3449 FAX (011) 3244-3046, (011) 3244-3123 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 13 de março de 2012

o

pinião

3

GOVERNOS TÊM SE DESENVOLVIDO COM MENOS VELOCIDADE E EFICIÊNCIA DO QUE EMPRESAS. Reprodução

N

o dia 9 de novembro de 1989, quando o muro de Berlim começou a ser derrubado, depois de ter dividido a Alemanha durante 28 anos, muita gente concluiu que aquela era também a demolição do comunismo – a sociedade sem classes, sem Estado, onde todas as decisões seriam tomadas democraticamente pela coletividade. Acabariam ali, também, as esperanças do socialismo, etapa pela qual todos passaríamos antes de chegar ao comunismo. O que aconteceu depois, todos sabem: junto com o muro, caiu a "cortina de ferro", o conjunto de governos apoiados pela Rússia, enquanto ela própria e a China passaram ao capitalismo de Estado. Hoje, fico com a impressão de que o comunismo resiste apenas em algumas mentes saudosas e na suíte de Fidel Castro, no palácio do governo de Havana. Mas engana-se quem achar que o mundo está livre das disputas pela supremacia de modelos econômicos: elas se tornaram muito mais complexas, porque agora estão acontecendo entre diferentes formas de capitalismo, como mostra David Rothkopf em Power, Inc. - The Epic Rivalry Between Big Business and Government-and the Reckoning That Lies Ahead (em português, a melhor tradução seria "Poder S/A - a épica rivalidade entre grandes negócios e governo - e o ajuste de contas que vem aí", editora Farrar, Straus & Giroux, 436 páginas). A vantagem é que, ao menos por enquanto, todas as formas de extremismo perderam o crédito, tanto o comunismo – fosse o modelo chinês ou soviético – quanto o capitalismo selvagem. O modelo americano de capitalismo foi inicialmente vitorioso, mas perdeu terreno ao longo do tempo e atualmente existem diferentes formatos de capitalismo disputando a liderança no mundo. Não é uma luta declarada, mas ela está acontecendo, sim, e as vitórias ou derrotas aparecem nos PIBs, nas taxas per capita, na velocidade de crescimento e em outras grandezas estatísticas ao final de cada ano fiscal. É certo que os mais bem sucedidos serão examinados, entrevistados e certamente imitados. Isso aconteceu, entre outras razões, por causa da crise econômica iniciada em 2008: ela precipitou de-

PAULO BRITO exatamente que as multinacionais tenham crescido e se tornado tão fortes, mas que os governos do mundo inteiro não tenham conseguido acompanhar seu ritmo, sua velocidade.

A Stora Enso, empresa mais antiga do mundo, é um exemplo de interação entre o capital privado e governo ao longo da história.

As empresas e o poder cisões que fizeram a maior parte do mundo abandonar o estilo americano de gerir a economia - o laissez faire é um liberalismo extremo, que também oferece risco elevado.

R

othkopf identifica então vários países, com estilos de capitalismo que estão crescendo mais rapidamente, ou competindo com maior firmeza, ou combatendo a desigualdade de forma mais eficaz do que os EUA. Em todos esses casos, o governo exerce um papel mais forte na economia – seja ele a China, Suécia ou Cingapura. Além de todos esses dados, Rothkopf, ex-sub-secretário de Comércio na administração de Bill Clinton, estudou detalhes das relações entre empresas e governos para tirar várias conclusões importantes – entre as quais, que elas mandam na maioria dos países do planeta, e que a grande diferença

entre elas está em seu papel e sua responsabilidade nos setores público e privado. Pode não parecer novidade, porque muitas das conclusões de Power, Inc nós já conhecemos. Mas vê-las escritas de forma organizada e coerente ajuda-nos a ter certeza de que nossas observações estavam corretas. Um dos exemplos mais emblemáticos da interação entre empresas e governos é a história da Stora Kopparberg, a empresa mais anti-

ga do mundo, com sede na Suécia. A Stora começou a operar em 1288, explorando uma mina de cobre descoberta por acaso junto à cidade de Falun. A partir de 1500, os governantes da Suécia passaram a usar o dinheiro obtido com as vendas de cobre para expandir os poderes do Estado e exercer autoridade sobre a igreja. Durante a primeira metade do século 17, a Stora tornou-se o principal fornecedor de cobre para as munições

Lamentável não é que as multinacionais tenham crescido e se tornado tão fortes, mas que os governos do mundo inteiro não tenham acompanhado esse ritmo.

utilizadas pelos exércitos que guerreavam na Europa.

Q

uando a demanda por cobre caiu, a empresa voltou-se para a produção de ferro e venda de madeira e produtos de papel. No final do século 19, tornou-se independente do Estado, preparando o cenário para sua expansão: em 1988, seus ativos em imóveis, especialmente terras, tinham uma área equivalente a metade da Bélgica. Em 1998, fundiuse com a concorrente finlandesa Enso, mudou o nome da Stora Enso e sua sede para Helsinque. "Hoje", diz Rothkopf, "a Stora possui, administra ou arrenda terras plantadas na Europa, Ásia e América do Sul equivalentes ao Catar." Com escritórios em 35 países, seu faturamento anual de US$ 20 bilhões é maior do que o PIB de quase uma centena de países. O que o autor lamenta não é

O

resultado é que em muitos países eles falham, especialmente ao exercer prerrogativas tradicionalmente reservadas para si, como controlar as suas próprias moedas, regulamentar as empresas que operam dentro de suas fronteiras e fornecer uma rede de segurança básica para seus cidadãos. Por outro lado, ele mostra que o país mais rico do mundo, os Estados Unidos, permitiu que os endinheirados e bem relacionados "supercidadãos" distorcessem o processo político de modo a prejudicar o interesse público. O que dizer, então, do Brasil, onde o processo político é utilizado por cidadãos interessados em enriquecer a si próprios, suas famílias ou as empresas nas quais têm interesse? PAULO BRITO É JORNALISTA, GRADUADO EM ECONOMIA E MESTRE EM COMUNICAÇÃO E SEMIÓTICA

CONTEM OS PROFESSORES COMPETENTES D

e vez em quando alguém me pergunta: "Além do seu, qual é o seu país preferido?". Tenho dado sempre a mesma resposta: Taiwan. "Taiwan? Por que Taiwan?", as pessoas indagam. Muito simples: porque Taiwan é uma ilha árida num mar repleto de tufões, sem recursos naturais para viver deles – ela tem de importar até areia e cascalho da China para o setor de construção – e, contudo, possui a quarta maior reserva financeira do mundo. Porque em vez de cavar o chão e aproveitar o que aparecesse, Taiwan aproveitou seus 23 milhões de habitantes (homens e mulheres), seu talento, energia e inteligência. Sempre digo a meus amigos em Taiwan: "Vocês são o povo mais sortudo do mundo. Como tiveram tanta sorte? Vocês não têm petróleo, minério de ferro, florestas, diamantes, nem ouro, só algumas pequenas jazidas de carvão e gás natural – e por causa disso vocês desenvolveram o hábito e a cultura de aprimorar as habilidades das pessoas, que vem a ser o recurso mais valioso e o único realmente renovável no mundo atualmente. " Isso era minha intuição. Mas agora nós temos a prova. Uma equipe da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) acabou de divulgar um curto e fascinante estudo mapeando a correlação entre desempenho nos exames do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa) – que a cada dois anos analisa as capacidades de matemática, ciência e compreensão de leitura de jovens de 15 anos em 65

países – e o total das receitas obtidas com recursos naturais em cada país participante. Em resumo, como os jovens do ensino médio estão em matemática, comparados com quanto se extrai de petróleo ou com quantos diamantes são retirados? Os resultados indicaram que havia uma relação "significativamente negativa entre o dinheiro que os países obtêm dos recursos naturais e o conhecimento e habilidades da população no ensino médio", segundo afirmou Andreas Schleicher, que supervisiona os testes do Pisa para a OCDE. Petróleo e Pisa não se misturam (vejam o mapa dos dados em http://www.oecd.org/datao ecd/43/9/49881940.pdf). Como a Patrick Lin/AFP

Bíblia registra, disse Schleicher, "Moisés guiou arduamente os judeus pelo deserto durante 40 anos – só para levá-los ao único país no Oriente Médio que não tinha petróleo. Mas Moisés pode ter feito o correto, no final das contas. Atualmente Israel tem uma das economias mais inovadoras e sua população goza de um padrão de vida que a maioria dos países ricos em petróleo da região não tem condições de oferecer". ssim, fique com o petróleo e use os livros. Segundo Schleicher, pelos últimos resultados do Pisa, os estudantes em Cingapura, Finlândia, Coreia do Sul, Hong Kong e Japão se sobressaem por ter ótimas notas no Pisa e poucos recursos naturais, enquanto Catar e Cazaquistão se destacam por terem as maiores receitas com petróleo e as menores notas no Pisa. (Arábia Saudita, Kuwait, Omã, Argélia, Bahrein, Irã e Síria destacaram-se da mesma forma nos testes das Tendências 2007 nos Estudos de Ciências e Matemáticas – TIMSS – ao mesmo tempo em que,

A

Taiwan aproveitou a inteligência de seu povo para crescer.

curiosamente, alunos do Líbano, Jordânia e Turquia – também países do Oriente Médio, mas com poucos recursos naturais – tiveram desempenho melhor). Com notas baixas no Pisa ficaram também estudantes de muitos países da América Latina ricos em recursos, como Brasil, México e Argentina. A África não foi analisada. anadá, Austrália e Noruega são também países com grandes níveis de recursos naturais – e mesmo assim tiveram bom desempenho no Pisa, em grande parte, afirma Schleicher, porque esses três países estabeleceram políticas específicas de poupança e de investimentos dos lucros desses recursos, e não apenas os consumiram. Junte tudo isso e os números dizem que, caso se queira realmente saber como um país vai agir no século 21, não conte suas reservas de petróleo ou minas de ouro, conte seus professores altamente competentes, pais envolvidos e estudantes comprometidos. As notas na escola, hoje, afirma Schleicher, são um poderoso indicador dos resultados econômicos e sociais que os países vão colher a longo prazo. Os economistas há muito tempo conhecem o "mal holandês", que ocorre quando um país se torna tão dependente em exportar recursos naturais que sua moeda dispara em valor e, como consequência, sua indústria doméstica é esmagada com a inundação de importações baratas, enquanto as exportações ficam muito caras.

C

O que a equipe do Pisa está revelando é uma doença análoga: as sociedades que ficam viciadas em seus recursos nacionais parecem desenvolver pais e jovens que perdem alguns de seus instintos, hábitos e incentivos para fazer a tarefa de casa e aperfeiçoar suas habilidades. or outro lado, afirma Schleicher, "em países com poucos recursos naturais – como a Finlândia, Cingapura ou Japão – a educação tem bom desempenho e alto status, em parte porque o povo em geral compreendeu que deve viver de seu conhecimento e de suas habilidades e que isso depende da qualidade da educação (...)". Cada pai, nesses países, sabe que a capacidade vai decidir as chances na vida das crianças e que nada mais vai salvá-las; assim, eles montaram toda uma cultura e um sistema educacional em volta disso!. Ou como meu amigo indo-americano K.R. Sridhar, o fundador da empresa de pilhas a combustível Bloom Energy, gosta de dizer: "Quando você não tem recursos, você se torna criativo". Essa é a razão pela qual os países estrangeiros com mais empresas listadas no Nasdaq são Israel, China/Hong Kong, Taiwan, Índia, Coreia do Sul e Cingapura – nenhum dos quais consegue sobreviver só com seus recursos naturais. Mas também há uma importante mensagem para o mundo industrializado nesse estudo. Nestes tempos de dificuldades econômicas, é tentador manter nosso padrão de vida contraindo dívidas

P

THOMAS L. FRIEDMAN financeiras ainda maiores para o futuro. "Com certeza, há um papel para o estímulo em uma recessão prolongada, mas a única forma sustentável de crescimento é dar mais conhecimento e capacidade de concorrer, colaborar e de se conectar de forma que leve nossos países para frente", defende Schleicher. Em resumo, diz ele, "conhecimento e habilidade se tornaram a moeda global das economias do século 21, mas não há nenhum banco central que imprima essa moeda. Todo mundo tem de decidir por si mesmo o quanto será impresso". om certeza é ótimo ter petróleo, gás e diamantes; eles compram empregos. Mas vão enfraquecer nossa sociedade a longo prazo, a não ser que sejam usados para construir escolas e uma cultura de aprendizado contínuo. "O que vai nos manter caminhando para frente", complementa Schleicher, é sempre "o que você mesmo traz para a mesa".

C

THOMAS L. FRIEDMAN É COLUNISTA DO NEW YORK TIMES E TRÊS VEZES GANHADOR DO PRÊMIO PULITZER TRADUÇÃO: RODRIGO GARCIA


DIÁRIO DO COMÉRCIO

4 -.GERAL

GibaUm

3 Anderson Silva, do MMA, 3 MAIS: Steven Seagal já o lança em abril sua autobiografia e já vai pensando no futuro. Em Los Angeles, faz curso para ser ator.

gibaum@gibaum.com.br

SILVIO SANTOS // 81 anos, sobre a veterana atriz da Globo, hoje com 69 anos. Fotos: Paula Lima

O recém-empossado ministro da Pesca, Marcelo Crivella, foi para o Rio, onde mora, em viagem oficial e ficou indignado, ao chegar lá, que sua pasta não tem carro chapa branca, nem batedores no Estado. Em cima da hora, seu secretário-executivo, brigadeiro da reserva Átila Maia, conseguiu arrumar carro e dois batedores. Quando o trânsito piorava, os batedores recorriam a sirene para abrir caminho e Crivella sorria de satisfação. Mais: um dos problemas que deverá enfrentar em seu ministério, é o segurodesemprego ao pescador artesanal, que atingirá 641 mil beneficiários este ano e comerá R$ 1,6 bilhão. É para ajudar pescadores impossibilitados de exercerem o oficio na época de reprodução dos peixes. Denúncias estimam que do total atendido, quase um terço não é pescador. 333

NÃO QUER 333 O ex-ministro Antonio Palocci está avisando amigos, admiradores, petistas de todos os tipos e, de certa forma, até o ex-presidente Lula (ele deverá descansar mais dez dias em casa), que quer distância da campanha de Fernando Haddad à prefeitura de São Paulo e, mais ainda de qualquer movimentação objetivando levantar fundos para a empreitada. De um lado, lembra até hoje que nenhum petista o defendeu na época da consultoria; de outro, está operando a consultoria e ganhando dinheiro sem enfrentar qualquer estresse de uma campanha – ou de um candidato.

Clima retrô Quinta-feira próxima, a Sony estréia às 21 horas (legendada) e passa depois a ser exibida no mesmo horário, a partir do dia 23, a série Pan Am, ambientada nos anos 60 e retratando a rotina dos pilotos e comissárias de bordo da mais famosa companhia aérea do mundo, fundada em 1927 e encerrada em 1991, falida. Tem a moda da época, o glamour da atividade da aeromoça (ninguém no Brasil usava a expressão comissária de bordo) e os romances, com direito a muito sexo. É uma série de aposta no clima retrô, como a vitoriosa Mad Men, exibida pela HBO. 333

QUESTÃO DE TOM Até hoje, se alguém pode se orgulhar de jamais ter ouvido um tom de voz acima do habitual da presidente Dilma Rousseff em suas conversas é o vice-presidente Michel Temer, presidente licenciado do PMDB – e que tem apoiado, com discrição, as reivindicações dos rebeldes do Congresso. Embora venha sendo convocado cada vez menos pela Chefe do Governo, Temer sabe que, para ela, ele é o ponto ideal de intermediação junto aos peemedebistas do Congresso. Mais: usa sempre um tom polido, embora com trechos coloquiais. E é seu tom que impede Dilma de subir o dela.

333

Balzac dizia e até virou antiga marchinha de carnaval: “Mulher, só depois dos 30”. Mariana Weickert (primeira foto à esquerda), que tem um programa de moda na GNT, acaba de desembarcar nos 30 anos e comemorou em São Paulo, na Casa Panamericana, com mais de 500 convidados, incluindo família e velhos amigos que vieram do sul. Famosas de todos os tipos é que não faltava: da segunda foto à esquerda para a direita, Fernanda Motta (ela deu dois beijos no príncipe Harry, no final do campeonato de pólo); Thalyta Pugliesi, de volta depois de anos nos Estados Unidos; Carolina Ferraz; Bia Aydar; e Marcelle Bittar, ainda em fase loura. 333

Festa de 30 anos

Novos dados sobre aborto no Brasil: hoje, são realizados de 729 mil a 1,25 milhão de abortos por ano no país. A maioria das mulheres que abortam tem entre 20 e 29 anos (de 51% a 82%), vivem em relacionamento estável (70%) e têm pelo menos um filho. Estima-se que 5,3 milhões de mulheres no Brasil já tenham abortado ilegalmente, das quais 55% precisaram ficar internadas em hospitais públicos para recuperação. Segundo o Ministério da Saúde, morrem por ano no país, em decorrência do aborto ilegal, pelo menos 250 mulheres. Pelas últimas pesquisas, 82% dos brasileiros acham que a legalização do aborto não deve ser alterada, 14% que deveria ser descriminalizada e 4% não têm posição. Nesse universo, 65% das mulheres são católicas e 25% evangélicas. 333

Raio-X do aborto

Quem agüentou doses dominicais do médico Drauzio Varella no Fantástico naquela série sobre tabagismo, não perde por esperar. Em abril, ele está de volta com uma série sobre acidentes domésticos, do tipo queimaduras, choques elétricos, quedas e outras do gênero. Nos blogs de humor que fazem piadas com Drauzio Varella, um deles garante que, em sua volta ao Fantástico, fará chamadas do tipo “Vocês lembram da minha voz? Continua a mesma”. Como o antigo comercial de Colorama, sem o complemento referente aos cabelos. 333

SONS TÍPICOS 333 No Houaiss , está escrito: “Borborigmo – Ruído gorgolejanteprovocadopelo deslocamento de líquidos ou de gasesemmeiolíquido,contidos nos intestinos”. Agora – quem diria – borborigmo virou até boneco e protagoniza novo comercial do medicamento Luftal, antigases, que volta ao universo da propaganda depois de três anos. No comercial, há som de borborigmo internamente. Demais sons não são apresentados.

MISTURA FINA NO PRÓXIMO dia 22, pousa no aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, o maior avião de passageiros em operação no planeta: é o Airbus A380 (dois andares) e, no dia seguinte, aterrisa no Galeão. Depois, vai para Santiago do Chile, onde fica até dia 29 para participar da Fidae, a maior feira da aviação da América Latina. Dia 30, passa por Buenos Aires e de lá, para Paris.

333

O EX-presidente Fernando Henrique Cardoso já recebeu a primeira cópia do documentário sobre seu legado, com quase uma hora de duração, feito pela Câmara Federal. Faz a defesa da gestão do líder tucano e é recheado de depoimentos de amigos e ex-amigos, entre eles José Serra e o próprio Lula. O filme será lançado em abril, marcando o inicio da campanha municipal do PSDB em todo o país, especialmente em São Paulo.

333

Um dos musicais mais remontados do mundo e que virou filme em 1971, com Topol no comando do elenco, Um Violinista no Telhado, começa sua temporada em São Paulo, no Teatro Alfa. Em outras montagens da Broadway, de Zero Mostel a Alfred Molina fizeram o papel principal, agora entregue a José Mayer (foto á esquerda, depois da estréia com Bruna Lombardi). Entre tantos que foram aplaudir o super-musical, estavam Ellen Roche (centro) e Mariana Kupfer (direita), ainda batalhando sua carreira de cantora. 333

Noite de estréia

Tatu em campo O mascote da Copa 2014 será mesmo um tatu: será azul, short verde e camisa branca. Ganhará traços de desenho animado japonês e nas vinhetas, o tatu vira uma bola de futebol. Poderá ganhar bonecos, sob risco de encalhe: tatu não é exatamente um bicho inspirador. Somente em outubro, o tatu-mascote será apresentado ao público e, em seguida, começará uma campanha para arrumar um nome para ele. O símbolo da Copa 2014 já foi suficientemente criticado: é ruim esteticamente, foi plagiado e tem também a cor vermelha, que muita gente acha que é por causa do PT. 333

h IN Étnico.

h

Bispo com sirene

convidou para um filme. Não deu devido a agenda. A voz não atrapalharia, afinal, existe dublagem.

Drauzio de volta

«

k Susana Vieira ainda existe?

terça-feira, 13 de março de 2012

OUT

Excesso de étnico.

Vire-se! 333 O presidente do Senado, José Sarney, ouviu nos corredores da Casa, sem que ela percebesse sua presença, a ministra Ideli Salvatti, das Relações Institucionais, fazer piadinha sobre o comportamento do veterano político – e até gargalhar da própria gozação. Sarney não disse nada: limitou-se a virar as costas e seguir para outro lado. Ideli correu atrás, tentando achar uma justificativa e, claro, até pedindo desculpas. Ele não desculpou. Agora, em qualquer evento onde Ideli esteja, Sarney chega, cumprimenta tomo mundo – e pula, na maior cara dura, a ministra. Ideli até já pediu socorro a Dilma. E a presidente não quis saber: “Vire-se e conserte logo essa situação”.

O GOVERNADOR do Ceará, Cid Gomes, estava em São Paulo nesses dias e mandou sinais para ver se poderia visitar o ex-presidente Lula ainda no Sírio-Libanês. A ex-primeira-dama Marisa Letícia vetou sumariamente. Cid, aliás, depois de ter virado as costas para Dilma Rousseff em reunião no Nordeste, caiu na super-lista negra do governo. A ordem geral é não ser atendido por nenhum ministro. 333

MUITOS petistas de São Paulo acham que José Dirceu poderia substituir Antônio Palocci na tarefa de “abrir portas” para grande doadores para a campanha de Fernando Haddad. Outros petistas acham que essa alternativa significaria “um grande risco”.

333

MIELE, Rogéria e Chico Caruso farão um show juntos, pela primeira vez, no Rio, que tem estréia marcada para abril. Nome: Mènage à Trois. Será no estilo cabaré, meio vaudeville. Miele tem uma história na área de pocket-shows, Chico Caruso também incursiona na área com o irmão Paulo Caruso e Rogéria, que começou aos 20 anos no grupo Les Girls, já viajou o Brasil inteiro com espetáculo semelhante ao lado de Agildo Ribeiro. 333

Colaboração: Paula Rodrigues / A.Favero

CHARGE DO DIA


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 13 de março de 2012

5 O GOSTO Teixeira diz que não é fácil administrar paixão. Mesmo assim ficou 23 anos

olítica

Ricardo Teixeira, enfim, pendura as chuteiras

O TEMPO Marin assume e diz que administração da CBF foi estupenda

Ele renunciou simultaneamente da Confederação Brasileira de Futebol e do Comitê Organizador Local da Copa de 2014, após comandar soberanamente o futebol brasileiro por 23 anos e dois meses. Saiu para não ter de enfrentar acusações de corrupção. Em carta, negou tudo.

Sérgio Moraes/Reuters - 12.12.11

H

omem forte do futebol brasileiro há 23 anos, Ricardo Teixeira deixou ontem o comando do esporte mais popular do País, após uma série de acusações de irregularidades, da conquista de alguns títulos e a pouco mais de dois anos da Copa do Mundo no Brasil. Embora tenha conquistado muito poder ao longo do tempo, Teixeira foi perdendo força nos últimos anos à frente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Teixeira, de 64 anos, assumiu a presidência da CBF em 1989 prometendo acabar com os desmandos na entidade que, já naquela época, não eram poucos. Mas o que ele conseguiu em sua gestão foi justamente colecionar denúncias de corrupção. Uma das mais graves foi o caso da falência da antiga parceria de marketing da Fifa, a ISL. O brasileiro estaria entre dirigentes que supostamente receberam propina da ISL nos anos 90 para garantir contratos lucrativos de direitos de TV e patrocínios de Copa do Mundo à empresa. A ISL faliu em 2001. A Fifa, que tem Teixeira em seu comitê executivo, prometeu divulgar, em outubro, os dados de um processo na Justiça suíça sobre o tema. No mesmo mês, a Polícia Federal abriu investigação contra Teixeira por suspeita de crimes de remessa ilegal de dinheiro ao Brasil e lavagem de dinheiro relacionados a ISL. Teixeira nega – Ontem, três

Fiz o que estava ao meu alcance, renunciei à saúde. Fui criticado nas derrotas e subvalorizado nas vitórias. RICARDO TEIXEIRA

dias após anunciar uma licença médica da CBF, o dirigente divulgou carta na qual renuncia à presidência da entidade e também comunica a saída do Comitê Organizador Local (COL) da Copa de 2014. "Presidir paixões não é uma tarefa fácil em nosso País", escreveu. No documento, Teixeira assinalou que aqui "futebol é associado a duas imagens: talento e desorganização". "Quando ganhamos, exaltam o talento, e quando perdemos, exaltam a desorganização. Fiz o que estava ao meu alcance, renunciei à saúde. Fui criticado nas derrotas e subvalorizado nas vitórias", disse Teixeira. A carta de demissão foi lida por José Maria Marin, que, aos 79 anos, assumirá a chefia da CBF até 2015. Apesar das justificativas de Teixeira, foi o caso ISL, prestes a explodir, que teria pesado em sua saída. Com os laços estremecidos com o presidente da Fifa, Joseph Blatter, e sem um bom relacionamento com a presidente Dilma Rousseff, a

pressão da Fifa e do governo para ele sair era constante. De acordo com uma fonte ligada a CBF, ele estava desagradando os dois lados. O governo, pela relação ruim com um dos organizadores do evento; e, a Fifa, por não ajudar a aprovar temas sensíveis como a Lei Geral da Copa, venda de bebidas alcóolicas, ingressos e outros. Em dezembro, Teixeira anunciou o ex-atacante Ronaldo como novo integrante do COL, numa decisão vista para tirar o dirigente da linha de frente do mundial. CPI e títulos – Outras denúncias envolveram a gestão de Teixeira, ex-genro do presidente de honra da Fifa, João Havelange, como acusações de nepotismo no preenchimento de cargos na CBF, omissão de rendimentos, pagamentos a campanhas políticas de dirigentes esportivos, entre outras. Em 2000, ele depôs na CPI da CBF/Nike, que apurou irregularidades no futebol brasileiro e, naquela época. também se licenciou do cargo por razões médicas. Mas a CPI não obteve resultados e Teixeira seguiu se reelegendo. Cumpria o quinto mandato, prorrogado de 2007 até 2014. Fifa – Embora não comente oficialmente, a entidade considerou "positiva" a saída de Teixeira, mas teme por mais atrasos no cronograma da Copa por conta de disputas políticas. A Fifa quer uma definição rápida da nova administração, e pergunta: "Quem é esse Marin?". (Agências)

Ricardo Teixeira: sobrevivente de várias acusações, até bater de frente com a Fifa e o governo brasileiro.

Marin assume e já comete mais uma gafe Ele troca o nome de Ronaldo pelo de Romário, mas garante que fica no poder até 2015. Há quem não concorde e os "rebeldes" exigem novas eleições na entidade

A

o se apresentar como o novo presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e também do Comitê Organizador Local (COL) da Copa de 2014, José Maria Marin anunciou, com toda pompa, que iria assumir o COL "ao lado de um grande ex-jogador, Romário", disse. Em seguida, ao perceber a gafe, corrigiu. "É Ronaldo". O atual deputado federal Romário de Souza Faria (PSBRJ) é um dos principais críticos à organização da Copa de 2014

(veja na página 6). Já o empresário Ronaldo Luís Nazário de Lima integra o conselho de administração do COL e é um dos principais nomes da organização do Mundial. Por ser o vice-presidente mais velho da CBF, Marin assume o comando da entidade aos 79 anos. Representante do Sudoeste e ex-governador de São Paulo, no início dos anos 80, o dirigente foi recentemente flagrado, por câmaras de tevê, colocando no bolso uma das medalhas da premiação do

título da Copa São Paulo de Juniores, conquistado pelo Corinthians no dia 25 de janeiro. Na ocasião, Marin disse que se tratava de "uma cortesia" da Federação Paulista de Futebol, da qual foi presidente entre 1982 e 1986. Ontem, visivelmente incomodado com o assunto, reafirmou que foi "uma cortesia" e que "não era para ter essa repercussão toda", pois "tudo foi uma verdadeira piada". O presidente da FPF, Marco Polo del Nero, confirmou a versão do novo presidente da

Ricardo Moraes/Reuters

José Maria Marin: incomodado com o episódio da medalha no início do ano, quando enfiou uma em seu bolso. Disse que foi "cortesia" e que o assunto virou uma piada.

CBF e ratificou que a medalha foi cortesia da entidade . Marin, que foi jogador do São Paulo e governador por alguns meses em substituição a Paulo Maluf, no início dos anos 80, foi destacado, no começo do mandato de Teixeira na CBF, como relações públicas internacionais. Continuidade – Ontem, depois de ler a carta de renúncia de Teixeira, Marin comentou que a sua gestão será de continuidade e que vai manter a entidade como está, apesar de os diretores terem deixado os cargos à disposição. "Imediatamente mencionei a todos que não se trata de uma nova gestão, mas só um novo presidente", afirmou Marin. Para o novo presidente, a administração de Teixeira foi "exemplar, estupenda, um modelo". O ex-presidente do Corinthians, Andres Sanchez, também esteve na sede da CBF, no Rio. Atual diretor de seleções, ele também colocou o cargo à disposição. E, segundo Marin, não deve sair. Em relação ao revezamento

Não se trata de nova gestão, só um novo presidente. A administração de Ricardo Teixeira foi estupenda, um modelo. JOSÉ MARIA MARIN

no comando da entidade, como foi cogitado por presidentes de federações antes da renúncia de Teixeira, Marin disse que pode haver somente quando ele estiver fora do País. Assim, seria um revezamento de vice-presidentes em substituição a ele no período em que estiver no exterior. Rebeldes – A leitura da carta de renúncia de Teixeira por Marin contou com a presença de 20 dos 27 presidentes de fe-

derações estaduais na sede da CBF, no Rio. Um dos sete ausentes, o mandatário da entidade baiana, Ednaldo Rodrigues, disse que já sabia da notícia. E, no papel de um dos líderes das federações rebeldes, acrescentou que o grupo não aceita Marin até 2015, quando estão haverá novas eleições. Segundo Rodrigues, "essas federações têm um propósito que não mudou ao que era antes", afirmou o dirigente, sobre a exigência por novas eleições. De acordo com o dirigente baiano, a movimentação envolve pelo menos o Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Pará e Paraná. Antes do Carnaval, quando a saída de Teixeira já parecia iminente e os rebeles começaram a se articular, o presidente da federação gaúcha, Francisco Novelletto, explicou o motivo pelo qual não aceitaria Marin. "O mandato prorrogado foi o do Teixeira". (Folhapress)

Mais sobre a saída de Teixeira na página 6

Agora o São Paulo elogia a CBF

O

São Paulo, clube que havia rompido com Ricardo Teixeira e a cúpula da Confederação Brasileira de Fuitebol (CBF) nos últimos anos, emitiu ontem um nota desejando sorte ao novo presidente da entidade. O presidente do São Paulo, Juvenal Juvêncio, elogia José Maria Marin e o clube do Morumbi deixa clara a forte ligação com o novo dirigente do futebol

nacional, que também foi ex-jogador do São Paulo. "O doutor Marin é um advogado ilustre, com uma trajetória importante no futebol, inclusive com experiência dentro do campo. Temos plena confiança de que ele vai trazer um novo momento para o futebol brasileiro. Desejamos a ele toda sorte e apoio neste momento", afirmou Juvêncio no site do clube. Além de advogado,

Marin foi jogador do São Paulo na década de 50, governador do Estado e presidente da Federação Paulista de Futebol antes de assumir o cargo na CBF. De acordo com o São Paulo, Marin esteve no Morumbi, no domingo, e acompanhou a vitória da equipe sobre a Portuguesa por 2 a 1, pelo Campeonato Paulista. Ele foi recebido pela cúpula do São Paulo. (Folhapress)


p 'Exterminamos um câncer do futebol' DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

terça-feira, 13 de março de 2012

Para mim, particularmente, não vai mudar nada. Vamos seguir em frente. Fico triste, no entanto, pelo Ricardo (Teixeira). Bebeto, ex-jogador de futebol e membro do COL.

olítica

O comentário é do deputado federal e ex-jogador Romário, que nunca escondeu seu descontentamento com a longevidade de Ricardo Teixeira à frente da CBF Leonardo Prado/Agência Câmara - 01.06.11

O

deputado federal Romário (PSB-RJ) celebrou ontem à tarde o anúncio da saída definitiva de Ricardo Teixeira do comando da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), e com palavras duras. Em texto contundente, publicado em sua conta no Facebook, o Baixinho comparou a queda de Teixeira ao "extermínio de um câncer", apesar de dizer que acha "muito difícil e quase impossível" que "a CBF dê uma nova cara para o nosso futebol". Na mensagem, Romário alfineta o novo presidente da CBF, José Maria Marin e diz esperar que o cartola siga na linha, "senão, teremos que exterminar a AIDS também". Apesar da desconfiança, o deputado socialista deseja boa sorte ao novo presidente. Abaixo, a íntegra da carta:

Boa tarde, Galera! Hoje podemos comemorar. Exterminamos um câncer do futebol brasileiro. Finalmente, Ricardo Teixeira renunciou a presidência da CBF. Espero que o novo presidente, João (sic) Maria Marin, o que furtou a medalha do jogador do Corinthians na Copa São Paulo de Juniores, não faça daquele ato uma constante na Confederação. Senão, teremos que exterminar a AIDS também. Desejo boa sorte ao novo presidente e espero que a partir de hoje (acho muito difícil e quase impossível) a CBF dê uma nova cara para o nosso futebol.

Bola na rede: Romário comemora a saída de Ricardo Teixeira e torce para que José Maria Marin não siga os passos dele no cargo.

Tô muito feliz em saber que participei deste momento de vitória e de mudança. Não só acredito (...), que uma limpeza geral deve ser feita na CBF. Só então poderemos ficar tranquilos de que a mudança acontecerá em todos os sentidos.

Álvaro Dias lamenta: 'Saída demorou muito'

O

André Dusek/AE - 05.03.12

senador Álvaro Dias (PSDB-PR), disse ontem, em pronunciamento na tribuna, que o governo deveria influir na escolha do dirigente do Comitê Organizador Local (COL) da Copa de 2014, como forma de garantir a lisura no uso do dinheiro público destinado ao empreendimento. De acordo com o senador, apenas 8,8% das verbas destinadas à competição esportiva têm origem privada. Por isso, ele requereu ao ministério dos Esportes informações sobre todos os compromissos assumidos pelo governo. "O povo está pagando pela organização da Copa", afirmou, acrescentando que "a responsabilidade é do governo brasileiro".

Dias lamentou ainda que a renúncia de Ricardo Teixeira, tanto da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) quanto do COL não tivesse ocorrido muito antes. O senador, que em 2001 presidiu a CPI do Futebol para investigar denúncias de irregularidades na entidade, atribuiu a longevidade de Teixeira à cumplicidade de autoridades do Legislativo, do Executivo e do Judiciário, cooptadas pelo poder econômico e político. "A renúncia de Teixeira se dá muito mais em resposta à pressão externa que interna, porque no Brasil ele obteve apoio de dirigentes e políticos que chegaram a se manifestar na forma de apelo para que ele continuasse dirigindo a CBF", acusou Dias.

Dias evoca CPI do Senado como um dos fatores da queda de Teixeira

O senador recordou que foi exatamente a CPI do Futebol, realizada há pouco mais de dez anos no Senado, que revelou a existência de contas correntes de paraísos fiscais liga-

COMUNICADO

SECRETARIA DA SAÚDE AUTARQUIA HOSPITALAR MUNICIPAL Torna público que realizará no dia e hora a seguir determinado: Pregão Presencial nº: 033/2012 - Processo nº 2012-0.041.171-0 Objeto: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA FORNECIMENTO EM CONSIGNAÇÃO DE MATERIAIS PARA CIRURGIAS ORTOPÉDICAS - TRAUMA 1 - COM COMODATO DE EQUIPAMENTOS, MATERIAIS E INSTRUMENTAIS A SEREM UTILIZADOS NAS UNIDADES HOSPITALARES PERTENCENTES À AUTARQUIA HOSPITALAR MUNICIPAL. Data Abertura: 26/03/2012 - às 09:00hs Endereço: Rua Frei Caneca, nº 1398/1402 - 2º andar - Consolação - São Paulo - Capital. Custo do Edital: R$ 6,45 Pregão Presencial n°: 030/2012 - Processo nº. 2012-0.041.113-3 Objeto: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA FORNECIMENTO EM CONSIGNAÇÃO DE MATERIAIS PARA CIRURGIAS ORTOPÉDICAS QUADRIL E OMBRO - COM COMODATO DE EQUIPAMENTOS, MATERIAIS E INSTRUMENTAIS A SEREM UTILIZADOS NAS UNIDADES HOSPITALARES PERTENCENTES À AUTARQUIA HOSPITALAR MUNICIPAL. Data Abertura: 26/03/2012 - às 09:00 horas Endereço: Rua Frei Caneca nº 1398/1402, 2º andar - Consolação - São Paulo - Capital. Custo do Edital: R$ 7,20 Pregão Presencial nº: 024/2012 - Processo nº 2012-0.041.130-3 Objeto: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA FORNECIMENTO EM CONSIGNAÇÃO DE MATERIAIS PARA CIRURGIAS ORTOPÉDICAS - JOELHO - COM COMODATO DE EQUIPAMENTOS, MATERIAIS E INSTRUMENTAIS A SEREM UTILIZADOS NAS UNIDADES HOSPITALARES PERTENCENTES À AUTARQUIA HOSPITALAR MUNICIPAL. Data Abertura: 26/03/2012 - às 09:00hs Endereço: Rua Frei Caneca, nº 1398/1402 - 2º andar - Consolação - São Paulo Capital. Custo do Edital: R$ 6,90 Pregão Presencial n°: 025/2012 - Processo nº. 2012-0.041.164-8 Objeto: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA FORNECIMENTO EM CONSIGNAÇÃO DE MATERIAIS PARA CIRURGIAS ORTOPÉDICAS - MÃO E PÉ - COM COMODATO DE EQUIPAMENTOS, MATERIAIS E INSTRUMENTAIS A SEREM UTILIZADOS NAS UNIDADES HOSPITALARES PERTECENTES A AUTARQUIA HOSPITALAR MUNICIPAL. Data Abertura: 26/03/2012 - às 14:00 horas Endereço: Rua Frei Caneca nº 1398/1402, 2º andar - Consolação - São Paulo Capital. Custo do Edital: R$ 6,30 O edital de pregão poderá ser consultado e/ou obtido no site: http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br ou no Núcleo de Licitações da Autarquia Hospitalar Municipal, situada na Rua Frei Caneca, nº 1398/1402, 9º andar - Consolação - São Paulo - Capital. das 9:00 ás 16:00 hs ou mediante depósito em nome da Autarquia Hospitalar Municipal - Conta Corrente: 5415-1 Agência: 1897-X (Banco do Brasil) - (Apresentar comprovante do depósito).

foram acrescido R$ 260 milhões ao orçamento original com 11 aditivos em contratos. Nem todos, porém, comemoraram. O ex-jogador Bebeto disse que "foi uma surpresa" a saída de Teixeira e que "só ele poderia explicar o que aconteceu". O ex-treinador da Seleção Brasileira, Carlos Alberto Parreira, campeão da Copa de 94, disse que o ex-dirigente deixa "um legado muito positivo, de muitas vitórias". Para Patrícia Amorim, presidente do Flamengo, a renúncia de Teixeira foi "surpreendente", mas ela espera que o estatuto da CBF seja respeitado e que não "prejudiquem a organização do Campeonato Brasileiro", afirmou ao site G1 . (Agências)

Ministério do Esporte vai 'continuar cooperando'

SECRETARIA DA SAÚDE

REF: - PREGÃO Nº 026/2012 RETIFICAÇÃO DE EDITAL Comunicamos aos Srs. Fornecedores em relação ao PREGÃO 026/2012 - Proc. 2012-0.041.099-4 - CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA FORNECIMENTO EM CONSIGNAÇÃO DE MATERIAIS PARA CIRURGIAS ORTOPÉDICAS E NEUROLÓGICAS - CRÂNIO - COM COMODATO DE EQUIPAMENTOS, MATERIAIS E INSTRUMENTAIS A SEREM UTILIZADOS NAS UNIDADES HOSPITALARES PERTENCENTES À AUTARQUIA HOSPITALAR MUNICIPAL; marcado para o dia 22/03/2012 às 09:00 horas, publicado no DOC dia 09/03/2012 pág. 93, o seguinte: DO EDITAL ANEXO I IV - DOCUMENTAÇÃO DE HABILITAÇÃO Excluir a exigência de apresentação de Laudo contida no item 4.2 do Anexo I do Edital. A data de abertura do certame e as demais cláusulas e condições permanecem inalteradas.

das a Teixeira. Essas contas estableciam uma triangulação de recursos que chegavam ao Brasil. Recentemente a BBC de Londres, lembrou Dias, apresentou ao mundo fatos crimi-

nosos relacionados ao futebol os quais tiveram origem naquela CPI do Senado. De acordo com o senador, a CPI do Futebol indiciou 17 dirigentes, de federações e de clubes, incluindo Teixeira. Em razão das apurações do colegiado , mais de R$ 160 milhões foram recuperados pela Receita Federal e Banco Central, decorrentes de transações marginais realizadas com a venda e empréstimos de jogadores a clubes do exterior. Dias questionou ainda a utilização e os custos da manutenção futura das obras previstas para a Copa de 2014, repetindo denúncias já divulgadas de superfaturamento como na reforma do estádio Mané Garrincha, em Brasília. Até agora

O

Ministério do Esporte enviou uma nota de dois parágrafos comentando sobre a troca no comando tanto da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) como do Comitê Organizador Local da Copa-2014 (COL). Ontem, Ricardo Teixeira renunciou ao cargo das duas instituições por meio de uma carta lida por José Maria Marin, o dirigente que assumirá as suas funções no futebol brasileiro. "Diante do anúncio da nova liderança do Comitê Organizador Local (COL) para a Copa do Mundo de 2014, o Ministério do Esporte reafirma sua determinação de continuar cooperando com a entidade responsável pela organização do Mundial. Seguiremos trabalhando em harmonia para o êxito das tarefas comuns necessárias ao sucesso do evento", encerra nota. Por ser o vice com mais idade na CBF, Marin, 79, deve permanecer no cargo até 2015. Bebeto – O ex-atacante Bebeto, um dos membros do COL (Comitê Organizador Local da

Helvio Romero/AE

Aldo Rebelo com a nadadora Michelle Lenhardt: trabalho seguirá em harmonia pelo sucesso da Copa, diz.

Copa-2014), disse que não esperava a renúncia de Ricardo Teixeira da CBF e do próprio comitê, ontem. "Me pegou de surpresa. Me ligaram, falando que o presidente tinha renunciado", disse, em entrevista ao Sportv.

"Mas estou bem tranquilo. Vou continuar o meu trabalho junto com o Ronaldo e estamos torcendo para que tudo dê certo, sempre pensando positivo. Tudo aquilo que a gente se propõe a fazer, nós brasileiros, a gente consegue".

E completou: "Para mim, particularmente, não vai mudar nada. Vamos seguir em frente. Fico triste, no entanto, pelo Ricardo. Foi ele quem me convidou para ser um dos membros do COL. Mas a vida continua". (Folhapress)

Saída de Teixeira agradou Dilma

A

saída de Ricardo Teixeira, agora ex-presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), agradou à presidente Dilma Rousseff, disse um assessor da presidente. O afastamento em relação ao governo foi uma das causas da renúncia do dirigente esportivo que passou 23 anos à frente da entidade.

Até o início da noite de ontem Dilma não tinha conversado com José Maria Marin, substituto de Teixeira na CBF – que é uma entidade privada – e no Comitê Organizador Local, responsável pela organização da Copa do Mundo de 2014. A presidente autorizou apenas o ministro dos Esportes, Aldo Rebelo, a falar sobre o tema (leia acima).

Por hora, disse o aliado da presidente, ela está mais preocupada em acalmar os conflitos com sua base aliada no Congresso e pediu a Aldo que a mantivesse informada sobre eventuais desdobramentos. Nesta terça-feira (13) ela visitará o Senado para receber um prêmio, em uma tentativa de mostrar deferência ao Congresso após a derrota na

votação para reconduzir ao cargo o diretor-geral da Agência Nacional de Transportes Terrestre (ANTT). Para evitar protagonismo de Teixeira, envolvido em denúncias de corrupção e investigado por uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), Dilma deu demonstrações públicas de apoio a Pelé como a cara dao Copa no Brasil. (Folhapress)


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 13 de março de 2012

7

É fundamental para o governo a aprovação do Bernardo Figueiredo? Então, a conversa tem de ser hoje. Senador Eduardo Braga (PMDB-AM)

olítica

Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr

R

econhecido entre aliados e adversários como o eterno líder do Palácio do Planalto no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR) sobreviveu a três governos de partidos e estilos diversos. Mas depois de conduzir a tropa parlamentar dos presidentes Fernando Henrique Cardoso (PSDB), Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, ao longo de 18 anos seguidos, sucumbiu ontem. Não sobreviveu à votação do diretor da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). Seu sucessor é Eduardo Braga (PMDB-AM). Eleito senador pelo PSDB em 1994, Jucá estreou na liderança de FHC e se saiu bem nas lutas contra a oposição petista. Dono de um temperamento afável, de uma conversa fácil e de uma paciência incansável, sempre se destacou como hábil articulador de plenário. No balanço geral, foi tão bom líder de governo que ao final do segundo mandato do presidente Lula foi acusado pelos próprios correligionários de ser mais governista que peemedebista, superando a docilidade do presidente do Senado, José Sarney (PMDBAP), e do líder da bancada, Renan Calheiros (AL), para com o Planalto. Enquanto foi acusado de cuidar mais de seus interesses pessoais no governo que das demandas da bancada, resistiu. Enfraqueceu quando ameaçou enfrentar Renan e Sarney na disputa interna pelo comando nacional do PMDB, ainda no fim da era Lula. Caiu

Dilma: objetivo é fazer um rodízio na liderança do governo, o que também deve atingir o líder do governo na Câmara, Cândido Vacarezza.

Dilma dá início à faxina parlamentar Jucá perde liderança com a primeira grande derrota de Dilma, a votação da ANTT. Entra Eduardo Braga. agora, com a complacência da dupla, depois de acusado de passar avaliação errada ao go-

Pedro França/Ag. Senado - 24.11.2011

verno na votação da ANTT. Foi Braga quem avisou a ministra (Relações Institucionais) Ideli Salvatti que havia riscos de derrota. Pediu uma conversa urgente, antes da votação. Quando Ideli perguntou se podia ser na semana seguinte, ele respondeu: "É fundamental para o governo a aprovação do Bernardo Figueiredo?" Ela respondeu: sim. "Então, a conversa tem de ser hoje".

Jucá sobreviveu a dois governos, mas não à votação do diretor da ANTT).

O encontro não ocorreu, mas o novo líder não responsabilizou a ministra. Relatou a amigos que votara em favor do adiamento da votação precisamente para sinalizar ao governo que "a tragédia estava a caminho". Disse até que "Ideli fora enganada", por não ter recebido os informes corretos sobre a rebelião silenciosa dos governistas. A partir de agora, o dono oficial do termômetro é ele. Braga é quem dirá ao governo se a temperatura subiu a ponto de adiar a votação. Ex-governador do Amazonas, Braga está no primeiro mandato no Senado. Em conversa com Renan, Dilma disse que seu objetivo com a substi-

tuição é fazer um "rodízio" na liderança do governo – o que deve atingir também o líder do

governo na Câmara, Candido Vacarezza (PT-SP). As informações foram confirmadas pela assessoria de Renan. Prêmio – Hoje, a presidente receberá do Senado o prêmio Bertha Lutz. A solenidade de entrega está marcada para as 10h, no Plenário. Dilma é uma das cinco premiadas do ano. A distinção é concedida a personalidades femininas que contribuíram para a ampliação dos direitos e do espaço da mulher na sociedade, sob vários pontos de vista. Dilma é a primeira mulher a ocupar o cargo de presidente da República no Brasil. Sua trajetória começou na luta contra o regime militar, tendo sido presa e torturada. Além de Dilma, serão agraciadas Maria do Carmo Ribeiro, ex-mulher do dirigente comunista Luiz Carlos Prestes (1898-1990); a primeira senadora da história do Brasil, Eunice Mafalda Michiles; a representante da Comissão Pastoral da Terra Rosali Scalabrin; e a professora associada do Departamento de Ciência Política da Universidade Federal da Bahia Ana Alice Alcântara da Costa, do Programa de PósGraduação em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres. Esta será a 11ª premiação desde a criação do diploma, em 2001, com o nome de Bertha Lutz (1894–1976) – uma das pioneiras do feminismo no País, líder na luta pelo direito de voto das mulheres. José Sarney e Marco Maia devem falar na cerimônia. Também é esperado o pronunciamento de Dilma. (Agências)

Arthur Monteiro/Ag. Senado - 07.03.12

Eduardo Braga, ex-governador do Amazonas, assume a liderança.

Direito de resposta entra em votação no Senado Comissão deve analisar amanhã o novo texto propondo prazo de 60 dias e condições específicas de direito de resposta dos ofendidos por matérias jornalísticas Dorivan Marinho/AE - 05.05.12

Requião: "É preciso que o assunto seja regulamentado por lei.

A

Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) pode analisar amanhã projeto de lei que busca regular o direito de resposta de pessoas ofendidas por matérias jornalísticas. De autoria do senador Roberto Requião (PMDB-PR), o Projeto de Lei do Senado (PLS) 141/2011 tenta suprir a lacuna criada em 2009, quando a Lei de Imprensa (Lei 5.250/1967) foi declarada inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal.

Segundo Requião, esse vazio precisa ser preenchido com novo marco normativo. Para ele, "apesar de a Constituição garantir o direito de resposta, é preciso que o assunto seja regulamentado por lei", já que os códigos Civil e Penal não têm o detalhamento necessário. O texto assegura o direito de resposta ou retificação, gratuito e proporcional ao agravo, ao ofendido em matéria que atente contra honra, intimidade, reputação, conceito, nome, marca ou imagem de pessoa fí-

sica ou jurídica. Segundo o projeto, a retificação espontânea impedirá o exercício do direito de resposta, mas não a ação de reparação moral. Relator do projeto na CCJ, o senador Pedro Taques (PDTMT) propõe diversas alterações no texto, entre elas a retirada da possibilidade de acréscimos que fariam com que as respostas, no caso de rádio e TV, tivessem duração maior que a da matéria questionada. Além disso, o relator propõe alterar a data de início da con-

tagem do prazo de 60 dias para o exercício do direito de resposta. Taques sugere que se conte o prazo a partir da publicação da primeira matéria considerada ofensiva. No projeto de Requião, a previsão é de que a contagem se dê a partir da publicação da última divulgação ou matéria. O senador apresentou o projeto em 2011, depois de arrancar o gravador de um repórter por discordar de sua pergunta – se ele abriria mão da aposentadoria como ex-governador. (Agências)


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

terça-feira, 13 de março de 2012

Não tenho problema em romper o contrato se posso contratar outra empresa. Vou chamá-los e vou romper. Deputado Júlio Delgado (PSB-MG)

olítica

Wilson Dias/ABr

Processo contra Pimentel? É o que recomenda o relator a Comissão de Ética da Presidência da República

O

A explicar: ministro deve ser processado para justificar recebimento de R$ 2 milhões em consultorias.

Corregedoria cobra dados de negócios do neto de Sarney

O

corregedor da Câmara, Eduardo da Fonte (PP-PE), cobrou ontem explicações do deputado Sarney Filho (PVMA) sobre os negócios de uma empresa de Gabriel José, seu filho. O parlamentar e pelo menos outros cinco colegas repassaram recursos da cota parlamentar a Metagov Comu n i c a ç ã o, e m p r e s a d e marketing digital. Um dos três sócios da empresa, Gabriel é neto de José Sarney (PMDB-AP), presidente do Senado. A informação foi publicada pelo jornal Folha de São Paulo. "É uma história que precisa ser esclarecida", disse Eduardo da Fonte. "Como corregedor, porém, eu tenho de ser provocado para poder tomar alguma atitude".

O deputado do PV afirma que rescindiu o contrato antes de seu filho entrar para a Metagov. Um ato da Mesa da Câmara proíbe o pagamento de serviços por meio da cota parlamentar prestados por empresas de parlamentares ou de seus parentes de até terceiro grau. "Contratei a Metagov pela qualidade de seus serviços na minha área de atuação. Naquela ocasião, meu filho não tinha nenhuma relação com a empresa. Assim que ele passou a compor o quadro da empresa, atendendo a um pedido da própria Metagov e cumprindo a legislação, encerrei o contrato de prestação de serviços com o meu gabinete", diz nota distribuída por Sarney Filho. Em texto publicado em seu site, a empresa também ne-

ga qualquer irregularidade em sua atuação na Câmara. Afirma que todos os contratos com deputados foram assinados antes de Gabriel virar sócio, o que aconteceu em novembro de 2011. Ressalta que em outubro de 2011 foi rescindido o contrato com Sarney Filho devido justamente ao ingresso de Gabriel na sociedade. Para a empresa, as suspeitas de que seus contratos contaram com a ajuda do novo sócio ou de seu pai "constituem ilações improcedentes". Depois da divulgação, três deputados, Roberto Freire (PPS-SP), Renan Filho (PMDB-AL) e Júlio Delgado (PSB-MG), anunciaram que vão romper contratos com a Metagov para o desenvolvimento de sites e ações em redes sociais. (AE)

Deputado vai cancelar contrato Júlio Delgado (PSB-MG) diz que não sabia que a Metagov era ligada a Gabriel Sarney

O

deputado Júlio Delgado (PSB-MG) explicou ontem que decidiu cancelar o contrato com a Metagov Comunicação, empresa ligada a um neto do presidente do Senado, José

Sarney. "Para não pairar qualquer tipo de suspeita, e, em função deste constrangimento, prefiro cancelar". Delgado afirmou que não sabia que a Metagov era

Luiz Alves/Agência Câmara - 02.06.11

Melhor parar: Júlio Delgado diz que quer evitar suspeitas e constrangimentos – e por isso decidiu romper contrato com a Metagov, empresa à qual Gabriel Sarney é ligado.

ligada a Gabriel Cordeiro Sarney, 24, filho do deputado Sarney Filho (PV-MA). A informação foi revelada na edição de ontem do jornal Folha de S. Paulo. A empresa recebeu verbas da Câmara dos Deputados nos últimos meses, driblando normas criadas para evitar que parentes de congressistas sejam beneficiados dessa maneira. Gabriel, ao que se sabe, cuidaria da "inteligência política" do negócio. "Eu não sabia disso. Não tenho problema em romper o contrato se posso contratar outra empresa. Vou chamálos e vou romper", disse Júlio Delgado, que repassou R$ 33 mil à Metagov por meio de sua verba indenizatória, para serviços de comunicação. Gabriel Sarney é um dos três sócios da Ideaspread Participações, criada em agosto do ano passado e registrada no mesmo endereço da Metagov, no bairro de Moema, em São Paulo. (Folhapress)

conselheiro Fábio Coutinho, relator do caso do ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, defendeu ontem que a Comissão de Ética da Presidência da República abra um processo e peça esclarecimentos ao petista, envolvido em denúncias por conta da prestação de serviços de consultoria. Um pedido de vista, no entanto, deu mais duas semanas de sobrevida ao ministro – a próxima reunião da comissão está marcada para o dia 26 deste mês. "(O relator Fábio Coutinho) entendeu que se reclamava o p ro s s e g u i m e n t o d o c a s o , abrindo-se o procedimento", disse o presidente da comissão, Sepúlveda Pertence. Participaram da reunião seis conselheiros, entre eles Américo Lourenço Lacombe, nomeado pela presidente Dilma Rousseff na semana passada. De acordo com Sepúlveda, os demais membros da comissão não chegaram a se manifestar sobre o caso, já que o pedido de vista foi feito logo após a leitura do relatório. A oposição vê semelhanças entre a situação de Pimentel e a do ex-ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, que caiu do governo devido à denúncia de ter o patrimônio ampliado em 20 vezes após a prestação de serviços de consultoria. Pimentel é alvo de denúncias de que sua empresa, a P-21 Consultoria e Projetos, teria faturado mais de R$ 2 milhões com consultorias entre 2009 e 2010. Crise – O caso voltou a assombrar o Palácio do Planalto no final do ano passado, quando o governo já dava a crise como superada. Pimentel é um dos interlocutores mais próximos de Dilma, que tem enfrentado nos últimos dias o momento de maior crise política do seu governo, ao ser confrontada com as insatisfações e retaliações da base aliada.

Os elementos que nós temos são as reportagens. A partir delas, decidimos abrir e pedir informações. SEPÚLVEDA PERTENCE

Pimentel esteve com a presidente ontem pela manhã. Ele deve acompanhar o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, em viagem hoje à noite para o México, onde vai tratar do acordo automotivo firmado com aquele país. Banco – A Comissão de Ética também decidiu abrir procedimento para apurar a conduta do ex-vice-presidente de Atacado, Negócios Internacionais e Private Bank do Banco do Brasil, Allan Toledo. A decisão foi motivada por reportagens da Folha de S. Paulo que mostraram que movimentações financeiras de Toledo chamaram atenção do Conselho de Controle de Atividades Financeiras. Foram feitos cinco depósitos, no valor total de R$ 1 milhão, entre janeiro a julho de 2011, quando ele ocupava uma vice-presidência do BB. Ele argumento que o dinheiro é da venda de um imóvel.

A relatoria do caso está nas mãos de Américo Lacombe, que já decidiu encaminhar pedido de informações a Toledo. "Os elementos que nós temos são as reportagens. A partir delas decidimos abrir e pedir informações", disse o presidente da Comissão de Ética, Sepúlveda Pertence. A reportagem mostrou que a escritura do imóvel que Toledo afirma ter vendido foi registrada dois dias após a entrevista à Folha de S. Paulo sobre o caso. Naquele momento, Toledo só exibiu um compromisso de compra e venda da casa, que pertencia a Liu Mara Fisca Zerey, de quem ele é herdeiro. O imóvel foi vendido ao empresário Wanderley Mantovani, que tem relações societárias com o frigorífico Marfrig. Em 2009, o Marfrig recebeu empréstimos de R$ 750 milhões do BB. A Folha revelou que o dinheiro saiu do Marfrig e passou pela conta de Mantovani até chegar a Toledo. A Comissão também decidiu aplicar uma censura ética ao ex-ministro Wagner Rossi (Agricultura) pelo uso de jatinhos da Ourofino Agronegócios para viagens particulares, o que o levou a pedir demissão do cargo. (Agências) Wagner Rossi: Comissão determinou uma censura ética ao ex-ministro por uso de jatinhos.

Antonio Cruz/ABr – 03.08.11

Comissionados quintuplicaram Senadores multiplicam assessores contratados como seus cabos eleitorais

À

s vésperas da aprovação da reforma administrativa que deveria moralizar o quadro de pessoal do Senado, senadores de diversos estados e de quase todos os partidos continuam transformando a casa em cabide de empregos para abrigar cabos eleitorais e apadrinhados. Os parlamentares multiplicaram por até cinco vezes o total de cargos comissionados em seus gabinetes e pelo menos 25 deles empregam "fantasmas" em escritórios políticos montados nos estados, segundo divulgou o jornal O Globo neste fim de semana.

A farra das nomeações continuou solta no Senado apesar da crise institucional em que a Casa mergulhou desde 2009, por conta dos atos secretos denunciados em uma série de reportagens publicada no jornal O Estado de S. Paulo. O Guia do Parlamentar – cartilha entregue a cada senador que assume o mandato – fixa em 12 assessores o limite de contratações. Mas eles usam uma brecha criada por normas internas para desmembrar o número de comissionados. Com isso, o gasto anual, apenas com o item alimentação, aumentou em 157%. A despe-

sa saltou de R$ 7,4 milhões para R$ 19,2 milhões ao ano. Isso porque todo servidor do Senado, independentemente do salário, tem direito a um vale refeição de R$ 628 mensais. Caso a regra fosse observada, os senadores teriam no total 972 servidores comissionados, mas empregam 2.505, o que representa um gasto de R$ 1,6 milhão ao mês somente com esse benefício. Os senadores que mais empregam são Ivo Cassol (PPRO), com 69 cargos; Clóvis Fecury (DEM-MA), 56; Fernando Collor (PTB-AL), 54; e João Ribeiro (PR-TO), com 53. (AE)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

nternacional

9 VENEZUELA Chávez volta ao país esta semana e começará sessão de radioterapia

Reuters

terça-feira, 13 de março de 2012

BOLÍVIA Evo Morales defende a legalização e uso da folha de coca

Bulent Kilic/AFP

Gritos silenciados em Homs Massacre de mulheres e crianças ocorreu no dia da reunião entre Annan e Assad

A

oposição síria ao regime de Bashar al-Assad denunciou ontem mais um massacre em Homs, um dos principais redutos dos rebeldes, onde teriam sido encontrados os corpos de ao menos 47 mulheres e crianças. Já o governo da Síria acusou "grupos terroristas" pelos crimes. Enquanto os principais diplomatas do mundo discutiam a situação da Síria no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), as autoridades em Damasco e os rebeldes trocavam acusações sobre a autoria do massacre de Homs. A oposição chegou a pedir uma intervenção militar internacional urgente. O massacre foi perpetrado no domingo à noite, horas depois da reunião realizada em Damasco entre o enviado da ONU e da Liga Árabe para a Síria, Kofi Annan, e o presidente Bashar al-Assad. Os ativistas culparam as forças do regime pelo massacre, enquanto Damasco responsabi-

lizou "gangues terroristas", ao afirmar que os grupos sequestraram moradores, os mataram e fizeram imagens dos corpos, em uma tentativa de desacreditar as forças sírias. Hadi Abdallah, ativista que mora em Homs, declarou à agência France Presse que os corpos de 26 crianças e 21 mulheres, alguns com as gargantas cortadas e outros com marcas de facadas, foram encontrados após um "massacre" nos bairros de Karm el-Zaytoun e AlAdawiyeh. "Algumas das crianças foram atingidas na cabeça por objetos pontudos, uma menina foi mutilada e algumas mulheres foram estupradas antes de serem mortas", disse ele. Armas - Na Turquia, o dirigente do Conselho Nacional Sírio (CNS), George Sabra, pediu à comunidade internacional que "arme o Exército Livre da Síria", formado por dissidentes do Exército de Assad. O ELS, principal interlocutor da oposição, revelou que governos estrangeiros já estariam enviando armamentos, mas não

especificou quais. Eles também clamaram por uma zona de exclusão aérea e intervenção militar estrangeira no país. Um membro do ELS afirmou à agência Efe que o grupo matou 250 militares sírios na periferia de Damasco. Pressão - As reivindicações do CNS e os ataques rebeldes coincidiram com uma reunião no Conselho de Segurança da ONU, na qual os participantes voltaram a pedir cessar-fogo, e EUA, França e outros países condenaram as mortes. A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, acusou o regime de Assad de "cinicamente" lançar ofensivas militares enquanto se encontrava com Kofi Annan no final de semana. Hillary ainda argumentou que as ofensivas contra civis da "máquina militar" de Assad não podem ser comparadas às ações de resistência dos opositores. "Não pode se esperar que cidadãos indefesos, diante de ataques de artilharia, acabem com a sua capacidade de se defender." (Agências)

Garoto refugiado protesta contra regime de Bashar al-Assad, durante manifestação na Turquia. NIr Elias/Reuters

Cessar-fogo à vista entre Israel e palestinos Mediadores egípcios acreditam que fim de bombardeios pode ocorrer ainda hoje

D

epois de quatro dias de hostilidades que resultaram em 25 palestinos mortos na Faixa de Gaza e em mais de 150 foguetes disparados contra Israel, o Egito anunciou ontem que um cessar-fogo está próximo. Segundo o embaixador egípcio nos territórios palestinos, Yasser Othman, a trégua poderá entrar em vigor ainda hoje. Desde o início da nova escalada de violência, o governo egípcio tenta negociar uma trégua entre Israel e o grupo islâmico Hamas, que controla Gaza. Uma autoridade de segurança egípcia afirmou à Reuters que ambos os lados "concordaram em acabar com as atuais operações", incluindo a promessa incomum de Israel de "parar com assassinatos". Fontes médicas disseram que desde sexta-feira passada já foram mortos 20 militantes e cinco civis na Faixa de Gaza, e que 80 pessoas, a maioria civis, ficaram feridas. No lado israelense, houve pelo menos oito feridos. O Exército israelense disse que realizou ontem nove ataques aéreos contra locais de onde foram lançados foguetes e contra um local onde armas estavam estocadas. Os bombardeios israelenses mataram quatro militantes e um idoso com sua filha, segundo autoridades. O ataque mais recente aconteceu já ao anoitecer, matando dois militantes perto da Cidade de Gaza. Os confrontos começaram depois que dois dirigentes da facção Comitês Populares de Resistência, acusados por Israel de tramarem um ataque ao seu território a partir do Sinai (Egito), foram mortos na sexta-feira por um bombardeio israelense. Israel havia sinalizado que não abriria mão das operações "preventivas" para evitar ataques palestinos. (Agências)

Menahem Kahana/AFP

Policiais israelenses isolam local atingido por foguete palestino na cidade de Ashdod, no sul do país. Mohammed Abed/AFP

Pena de morte para soldado que matou civis afegãos

O

Garoto palestino recebe tratamento médico em hospital de Gaza

O inimigo número 1 do Egito TELHADO DE FERRO

E

m estado de alerta desde o início da mais nova onda de violência, Israel tem sido alvo de dezenas de foguetes palestinos. No entanto, nenhum israelense foi morto na escalada atual e os danos à propriedade foram pequenos. O motivo do sucesso é a eficácia do novo sistema antimísseis, chamado Cúpula de Ferro. O escudo foi criado para proteger civis israelenses de foguetes lançados a partir da Faixa de Gaza, no sul, e do grupo radical libanês Hezbollah, no norte.

O sistema é composto de câmeras e radares que identificam foguetes e os abatem em poucos segundos após seu lançamento. Cada míssil interceptor custa cerca de US$ 40 mil. Devido ao alto custo, somente foguetes que ameaçam regiões populosas são abatidos. Com o sucesso do escudo, Israel estuda ampliar sua capacidade para interceptar mísseis mais sofisticados, com um alcance superior a 40 quilômetros, capazes de atingir a região central do país. (Agências)

O

Parlamento do Egito, de 508 deputados e cuja maioria é formada por políticos islamitas, votou e aprovou por unanimidade ontem o apoio à expulsão do embaixador de Israel do país e a suspensão das exportações de gás natural ao Estado judeu. A moção foi em grande parte simbólica, uma vez que só o conselho da junta militar que governa o Egito pode tomar essas decisões. A moção não deverá ter impacto sobre as relações entre o Egito e Israel, mas sinaliza que mudanças enormes estão ocorrendo no Egito, após a queda do regime de Hosni Mubarak em

fevereiro do ano passado. A votação ocorreu após a apresentação de um relatório elaborado pelo comitê de Assuntos Árabes do Parlamento, o qual afirma que o Egito "nunca" será um amigo, parceiro ou aliado de Israel. O relatório descreve Israel como o "inimigo número 1" do Egito e apoia a resistência palestina "em todas as suas formas" contra as "políticas agressivas de Israel". O Egito foi o primeiro país árabe a assinar um tratado de paz com Israel em 1979. O acordo, porém, produziu uma "paz armada" e muitos egípcios veem Israel como inimigo. (AE)

secretário de Defesa dos EUA, Leon Panetta, afirmou ontem que o soldado responsável por matar 16 civis no Afeganistão, no último sábado, poderá ser punido com a pena de morte. Oficiais norte-americanos afirmam que o ataque foi uma ação de um soldado "não autorizado". "Meu entendimento é que nessas ocasiões isso pode ser considerado", disse Panetta, após declarar que o caso seria julgado pela Justiça militar norte-americana. Panetta classificou a ação como um "fato isolado" e que não alterará os planos para a retirada gradual das tropas dos EUA, que deverá ser concluída em 2014. "A guerra é um inferno. Esses tipos de incidentes sempre acontecerão, sempre acontecem em qualquer guerra", justificou. O presidente afegão, Hamid Karzai, revelou que nove das vítimas da chacina eram crianças e três eram mulheres. O Taleban prometeu vingar as mortes. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10

c

terça-feira, 13 de março de 2012

MEMÓRIA Maquete de trólebus antigo exposto no Museu dos Transportes Públicos. Acervo reúne peças que contam a história do transporte na cidade de São Paulo, incluindo um semáforo operado de maneira manual pelos guardas civis nos anos 1940.

idades Fotos: Newton Santos/Hype

Carta de motorneiro concedida pela Prefeitura de São Paulo aos antigos condutores de bondes na cidade

Antigas propagandas de produtos instaladas em bondes e ônibus que circulavam em São Paulo no século passado

Pequenas placas eram instaladas nos quepes dos profissionais

Bondes, ônibus, jardineiras e trólebus. Acervo da extinta Companhia Municipal de Transportes Coletivos (CMTC) mostra como o paulistano se virava, ao longo das décadas, para circular na metrópole utilizando o transporte coletivo. Dos primeiros bondes de madeira puxados a burro ao metrô, visitante embarca em uma divertida aventura pelo tempo. Marcus Lopes

Museu do transporte é viagem pela história de SP

S

Bonde "Gilda", que levava os passageiros rumo à avenida Angélica

Relógios de várias épocas que pertenciam à administração da CMTC

Muito antes do Bilhete Único, a população utilizava pequenos passes de bondes para embarcar nos veículos

S ERVIÇO Museu dos Transportes Públicos Gaetano Ferolla – Avenida Cruzeiro do Sul, 780 (próximo à estação Armênia do metrô). Horário: Terça-feira a domingo, das 9 horas às 17 horas. Entrada franca. Telefone: 3315-8884. www.sptrans.com.br/museu

ão Paulo não perdeu o bonde da história no que diz respeito à preservação da memória do transporte coletivo da cidade. Para quem gosta de conhecer melhor a trajetória da metrópole, vale a pena visitar o Museu dos Transportes Públicos Gaetano Ferolla. Ali, o visitante descobre como os paulistanos faziam para ir e vir desde 1872, quando foi inaugurado o primeiro serviço de bonde por tração animal. "A história do transporte coletivo está intimamente ligada ao desenvolvimento de São Paulo", explica o atual diretor do museu, Henrique Di Santoro Júnior. Segundo ele, o espaço nasceu graças ao trabalho de Gaetano Ferolla, um antigo funcionário da extinta Companhia Municipal de Transportes Coletivos (CMTC), estatal municipal que era a responsável pelo serviço de transporte público na capital paulista. Em meados da década de 1960, ele começou a reunir material e veículos da empresa que estavam saindo de circulação, principalmente os bondes, já cogitando montar um museu público, que foi inaugurado em 1984. "Ele era um visionário, pois via que os bondes estavam sendo retirados de circulação e já pensava na importância de criar um espaço como este", diz Santoro. Ele tem razão. Graças à dedicação de Ferolla, hoje podemos conhecer os mais diversos bondes que circularam n a s ru a s d a c i d a d e d e s d e 1900, quando foi inaugurada a primeira linha de bonde elétrico, ligando o Centro à Barra Funda. A novidade mereceu até um texto do escritor Oswald de Andrade, saudando a novidade. Um dos bondes expostos foi construído no início do século passado e que, além dos passageiros sentados, transportava pessoas penduradas no estribo. Um outro modelo, fechado, foi importado dos Estados Unidos em 1947 e aqui logo recebeu o apelido de "Gilda", pois transitava apenas em trajetos nobres, como as avenidas Angélica e Paulista. Para se ter uma ideia de como os bondes foram importantes, na década de 1950 havia 472 deles circulando na capital paulista, dos quais 129 eram chamados de "camarão", por causa da sua cor vermelha. E para quem acha que eram veículos antiquados e desengonçados, Santoro lembra que, na época, eles chegavam a atingir até 60 km/h. Hoje, a velocida-

Não é de hoje que o paulistano sofre com a superlotação do transporte público, como mostra a foto ao lado. Acima, antigo trólebus da frota da CMTC que circulou na cidade.

de média dos veículos na cidade não passa dos 29 km/h. Em relação aos ônibus, os mais novos poderão conhecer os famosos ônibus executivos da CMTC, que circularam na década de 80 e que eram mais confortáveis, e caros, do que os comuns. Fofão – Há ainda os trólebus, muitos deles fabricados pela própria CMTC, e o famoso "fofão" – ônibus de dois andares comprados durante a administração do ex-prefeito Jânio Quadros. Ao inaugurar o veí-

culo pintado de vermelho, Jânio soltou uma de suas muitas pérolas na época: "Me sinto em Londres", disse o prefeito, comparando São Paulo com a capital inglesa. O acervo não se restringe aos veículos. Um dos objetos mais curiosos é um semáforo manual da década 1940. Ele era operado por um guarda civil, que alternava as cores de acordo com o volume do tráfego, e disparava uma campainha quando passava do verde para o vermelho. Passes – Há ainda algumas

raridades, como carteiras de cocheiros, passes antigos, condutores de bondes e a primeira carteira de habilitação da cidade de São Paulo, expedida no dia 13 de janeiro de 1904, em nome de Menotti Falchi. Atualmente, o museu recebe cerca de dois mil visitantes, a grande maioria estudantes, mas a ideia da administração é aumentar o número de passageiros para embarcar em uma viagem por um pedaço importante da história de São Paulo.

PALANQUE MÓVEL – Ao lado, antigo calhambeque da Prefeitura de São Paulo que serviu ao ex-presidente da República Washington Luís durante o período em que ele ocupou o cargo de prefeito paulistano. Segundo o diretor do Museu dos Transporte Públicos, Washington Luís, quando chegava para inspecionar uma obra municipal, subia na caçamba da caminhonete para fazer um discurso. (M.L.)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 13 de março de 2012

c

11 Na última semana eu transportei um casal de espanhóis durante o dia todo. Carlos Eduardo Salles Ferraz, taxista

idades

Taxista da Copa vai saber inglês e espanhol Curso de capacitação promovido pelo Sebrae abrange as doze cidades que sediarão jogos da Copa do Mundo de 2014. Meta é qualificar 80 mil profissionais. Mariana Missiaggia

Fotos de Newton Santos/Hype

“W

elcome to Brazil!” É com essa frase que os taxistas de todo o Brasil darão boas-vindas aos turistas que chegarão ao País para a Copa do Mundo. Até 2014, milhares de taxistas de doze capitais brasileiras estarão preparados para acolher seus passageiros falando também em inglês e espanhol. Os cursos são promovidos pelo Sebrae, em parceria com o Serviço Social do Transporte (Sest) e o Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (Senat), e fazem parte do projeto "Taxista Nota 10", que também oferece o curso de Gestão de Negócios. “Com a vida agitada desses profissionais, eles não querem ouvir falar em estudar, ficar horas dentro de uma sala. Como o nosso curso é à distância, eles podem estudar enquanto aguardam o passageiro ou quando preferirem”, explica Darcy Paulino Lucca Junior, 39 anos, coordenador estadual do projeto "Taxista Nota 10" em São Paulo. Os cursos de línguas têm duração média de um ano e não podem ser feitos simultaneamente. No término, o aluno/taxista será submetido a uma avaliação escrita e de múltipla escolha. Para receber o certificado, o aluno deverá alcançar a nota mínima seis. “Quando ele (taxista) se sentir apto, passará por uma validação de conhecimento profissional. Ela vai medir se ele é capaz de se comunicar com seus passageiros e orientá-los na língua estrangeira”, disse Lucca Junior. O projeto já capacitou sete mil taxistas nas doze cidades que participarão da Copa do Mundo (Belo Horizonte, Brasília, Cuiabá, Curitiba, Fortaleza, Manaus, Natal, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo)

Taxista, Carlos Eduardo Salles Ferraz (esq.) estuda espanhol e estudará inglês. Acima, Darcy Paulino Lucca Junior, coordenador do projeto em SP. Abaixo, o material didático.

e pretende atingir 80 mil profissionais da área até a abertura da Copa. São Paulo representará 50% desse total. O taxista Carlos Eduardo Salles Ferraz, 55 anos, faz parte desse grupo. Há duas semanas, ele ficou sabendo da oportunidade e se inscreveu no curso de espanhol no mesmo dia. Desde então, ele corre contra o tempo e aproveita qualquer momento livre para se dedicar ao estudo da língua. “Levo o material comigo a todos os lugares que vou e não tenho um horário

específico. Vai de acordo com a rotina do meu dia”, disse Ferraz, afirmando que estuda o idioma, no mínimo, 1 hora por semana. “Na última semana eu transportei um casal de espanhóis durante o dia todo e ontem tive uma passageira chilena. Me senti bem nas duas situações e antes de começar o curso eu não teria coragem de aceitar esse tipo de corrida. Aprendi muito com eles”, disse. Além do curso de espanhol, o taxista já se programou para cursar inglês no próximo ano.

O presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae-SP, Alencar Burti, acredita na capacitação da classe como diferencial. “Ao aliarmos nossos conhecimentos e recursos, queremos melhorar a competitividade deste segmento tão importante na cadeia do turismo, por meio de orientação e capacitação de qualidade. Esperamos que estes empreendedores consigam estar entre os melhores do País”, disse. Outra proposta do Sebrae é o curso de gestão de negócios com discussões sobre

empreendedorismo, turismo e hospitalidade, gestão financeira, administração do tempo, marketing pessoal e conscientização para a Copa. Também realizado à distância, o curso tem duração de 15 meses. No fim, cada profissional receberá o adesivo "Taxista Nota 10", que poderá fixar em seu veículo. Para Darcy, o taxista será uma peça importante durante a Copa e este símbolo será um diferencial perante os concorrentes. As inscrições para os cursos de línguas

estrangeiras devem ser feitas em uma das unidades do Sest/Senat. No momento da inscrição, o aluno ganhará um kit composto por um caderno de estudo, com o texto básico de cada lição, conteúdos gramaticais, glossário e um caderno de exercícios que traz as atividades de fixação e revisão. Além disso, haverá um CD de áudio, para que o aluno acompanhe todos os diálogos presentes no caderno de estudos. Os cursos são gratuitos e destinados apenas a taxistas .

Caso Eliza: advogado culpa Macarrão Reprodução TV Globo

Eliza Samúdio, ex-amante do ex-goleiro Bruno

O

advogado Wasley César Vasconcelos renunciou ontem à defesa de Luiz Henrique Ferreira Romão, o "Macarrão", acusado de matar Eliza Samúdio, de 25 anos, examante do ex-goleiro Bruno Fernandes, do Flamengo. Ele anunciou a renúncia em sua página no Facebook alegando "questões de foro íntimo", mas a desistência do caso ocorreu no mesmo dia em que o novo advogado do atleta, Rui Caldas Pimenta, anunciou uma mudança de estratégia da defesa, que vai confirmar a morte

da jovem, mas sem a participação do jogador. Eliza foi vista pela última vez entre 9 e 10 de junho de 2010 e a Justiça determinou que Bruno, Macarrão, o ex-policial civil Marcos Aparecido dos Santos, o "Bola", e Sérgio Rosa Sales, primo do goleiro, sejam levados a júri popular pelo assassinato da jovem, cujo corpo nunca foi encontrado. Até então, a defesa dos acusados negava que Eliza estivesse morta devido à falta de materialidade. "Tese de que ela não morreu porque não tem corpo é falta de leitura do Código Penal. E a turma (acusados) acreditou nos

advogados", disparou Rui Pimenta. A mesma tese já havia levado o advogado Cláudio Dalledone Júnior, então defensor de Bruno, a deixar o caso sob a alegação de que este é "um argumento infantil e retórico". Além de confirmar o assassinato, o advogado Caldas Pimenta vai alegar à Justiça que quem matou Eliza foi Bola, como acusou a polícia, mas por ordem de Macarrão e não de Bruno. "Macarrão levou Eliza para o Bola assassinar. E ocorreu como já foi narrado. Enforcaram e deram partes para cachorros comerem. Devem ter colocado o

resto em um forno de pneus e acabou", disse. Para o advogado, Macarrão, que tem tatuado nas costas a frase "Bruno e Maka, a amizade nem mesmo a força do tempo irá destruir, amor verdadeiro", estava "se sentindo mal amado" porque o goleiro manteve relacionamento com Eliza. Segundo Pimenta, apesar de o goleiro e Macarrão, que era seu braço-direito, se conhecerem desde criança, eles não conversam mais. "Eles brigaram na cela e o Bruno não fala mais com o Macarrão porque está pagando essa cadeia por causa dele", disse. (AE)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 13 de março de 2012

www.dcomercio.com.br

AFP

12 -.LOGO

A crise anunciada Foto mostra encosta ocupada por plantação de arroz em Yuanyang, na província chinesa de Yunnan. A Organização das Nações Unidas divulgou ontem um relatório em que aponta: para compensar a pressão das mudanças climáticas e do crescimento demográfico – estimado 2 a 3 bilhões de pessoas nos próximos 40 anos – será necessário aumentar em mais de 70% a produção agrícola e em 19% a oferta de água potável.

F UTEBOL

Timão desiste do Imperador Adriano não faz mais parte do elenco do Corinthians. O clube divulgou nota ontem à noite dizendo que o contrato com o Imperador foi rescindido. Na nota, a diretoria afirma que o atacante de 30 anos "está dispensado de reapresentar-se amanhã (hoje)". A quebra de vínculo foi amigável, mas decisão pelo rompimento foi do clube. A RTE E SCULTURA

G @DGET DU JOUR

O jubileu da rainha na sua casa

A obra perdida de Da Vinci Max Rossi/Reuters

E

Essa é para os súditos e admiradores da rainha Elizabeth II que também têm preocupações ecológicas. para comemorar o jubileu da rainha, o site I want one of those colocou à venda por 15 libras uma boneca de Elizabeth II com direito a coroa e à inconfundível bolsa. A boneca também acena para as visitas sem precisar de pilhas ou eletricidade. A rainha é movida a energia solar.

specialistas anunciaram ontem em Florença, na Itália, que teriam encontrado vestígios de uma obra inacabada que pode ser de Leonardo da Vinci. A obra teria sido descoberta graças a microcâmeras instaladas para inspecionar um afresco de Vasari em uma parede do Salão dos Quinhentos no Palazzo Vecchio, sede da prefeitura de Florença. Por baixo da obra foi descoberta uma pintura cuja tinta seria a mesma utilizada por Da Vinci para pintar a Mona Lisa. "A composição de manganês e ferro encontrada no pigmento preto foi identificada exclusivamente nas pinturas de Leonardo", explicou Maurizio Seracini, professor de História da Arte da Universidade de San Diego. A obra seria o afresco, há muito tempo perdido, A Batalha de Anghiari, mas a pesquisa "não foi conclusiva", segundo Seracini. Historiadores acreditam que anúncio pode ser uma operação publicitária e acusam os especialistas de danificarem o afresco de Vasari, pintado em 1563, chamado de Batalha de Marciano.

Amores de papel Frank Tjepkema é o criador de emaranhadas esculturas em papel inspiradas no mecanismo de relógios. Segundo ele, a complexidade dos corações é uma referência à complexidade do amor. Reprodução do afresco de Leonardo Da Vinci que teria sido encontrado

http://bit.ly/xeI0S2

AFP

Detalhe do afresco de Vasari sendo analisado por uma microcâmera

Terje Bendiksby/Reuters

http://bit.ly/wmLD9C

E M

Meteorito cai em Oslo

C A R T A Z

Um meteorito considerado extremamente raro por conter fragmentos de várias rochas diferentes caiu no telhado de uma casa em Rodelokka, no centro de Oslo. Segundo especialistas, a Noruega é o país mais "atingido" por meteoritos. Desde 1848 foram 14.

VISUAIS Mostra 'Storyboard' apresenta obras do artista plástico José Damasceno no Centro Cultural Vergueiro. Rua Vergueiro, 1000, Paraíso, tel.: 3397-4002. Grátis. L OTERIAS Concurso 725 da LOTOFÁCIL 01

05

06

07

09

10

12

13

15

16

17

18

21

24

25

Concurso 2845 da QUINA 05

31

40

43

49

F OTOGRAFIA

Comendo o arco-íris O fotógrafo Henry Hargreaves é o autor de várias séries de imagens que exploram alimentos como elementos estéticos. Na série "Alimentos do arco-íris" ele reproduz imagens de pratos e sobremesas pintados com corantes nas cores do espectro da luz do sol. Veja outras imagens da série e outras de suas criações no site. http://henr yhargreaves.com/

I LUSTRAÇÃO C ELEBRIDADES

Cirurgia de Hebe foi bem sucedida A cirurgia à qual a apresentadora Hebe Camargo, de 83 anos, foi submetida no domingo, para a retirada de um tumor que causava obstrução intestinal, foi um sucesso, afirmou ontem o filho da apresentadora. Segundo o boletim médico divulgado na tarde de ontem pelo Hospital Israelita Albert Einstein, o estado de saúde de Hebe é considerado estável. A nota, assinada pelo cirurgião Antonio Luiz de Vasconcellos Macedo, informou que Hebe continuará internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e passa

bem. Ela já recebeu visita de familiares, se levantou da cama e o quadro evolutivo é considerado favorável, segundo o hospital. A apresentadora teve um câncer no peritônio, membrana que envolve o aparelho digestivo, detectado no início de 2010. Ela ficou 12 dias internada e passou por meses de sessões de quimioterapia e, em abril, os médicos disseram que a doença havia entrado em remissão. Em setembro do ano passado, no entanto, ela voltou a fazer tratamento quimioterápico

preventivamente. Os médicos não divulgaram nenhuma previsão de quando Hebe deve ser transferida da UTI para o quarto. A expectativa é de que ela passe alguns dias internada e em repouso, mas não deverá ser submetida a novas sessões de quimioterapia. A assessoria de imprensa da Rede TV!, emissora em que a apresentadora trabalha, informou que as gravações do programa da Hebe estão suspensas por tempo indeterminado, até sua total recuperação.

O fim da beleza Magnus Gjoen mistura imagens de crânios às de peças porcelanas e pinturas clássicas para lembrar a fragilidade e a finitude das obras de arte. www.saatchionline.com/magnusgjoen


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 13 de março de 2012

e

13 PETRÓLEO Estaleiro de Eike Batista construirá 11 navios-tanque até 2017

conomia

AEROPORTO Primeira lanchonete popular vai ser aberta no Afonso Pena

Fazenda reconhece complexidade tributária Secretário estadual criticou sistema e disse que governo estuda redução de obrigações acessórias em SP

Sílvia Pimentel

Paulo Pampolin/Hype

O

secretário da Fazenda do Estado de São Paulo (Sefaz-SP), Andrea Calabi, afirmou ontem que reconhece as dificuldades das empresas brasileiras em lidar com a complexidade tributária, na comparação com as nações do grupo dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China). "O Brasil tem mais instituições do que a Rússia, menos miséria do que Índia, mais democracia que a China mas, no campo tributário, vivemos uma situação preocupante de esquizofrenia", disse o secretário, em palestra promovida pelo Conselho de Altos Estudos de Finanças e Tributação (Caeft), na sede da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). Nem mesmo a sistemática da substituição tributária, amplamente utilizada pelo governo paulista para a cobrança antecipada do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), foi poupada pelo secretário. "É um instrumento grosseiro entre outros pontos porque dispersa a estrutura de produção. Mas, do ponto de vista da arrecadação, é eficiente porque reduz a sonegação de impostos. Provavelmente, com o tempo, essa sistemática deixará de existir", previu. Durante a reunião, acompanhada de almoço, com empresários, economistas e advoga-

O Brasil tem mais instituições do que a Rússia, menos miséria do que Índia, mais democracia que a China mas, no campo tributário, vivemos uma situação preocupante de esquizofrenia. ANDREA CALABI, FAZENDA DE SP

Calabi (esq.) afirmou, ao lado de Amato (centro) e Schoueri, que, com o tempo, a substituição tributária deixará de existir.

dos tributaristas, sob a coordenação do vice-presidente da ACSP e coordenador do Caeft, Luis Eduardo Shoueri, Calabi se mostrou disposto a dialogar com o empresariado e informou que a Sefaz estuda a redução do número de obrigações acessórias para o contribuinte paulista. No entanto, existem obstáculos a serem superados. "Existe uma grande dificul-

dade para uniformizar obrigações acessórias, muitas medidas dependem de mudanças na legislação e, além disso, falta consenso entre os Estados no âmbito do Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária )", justificou. O secretário disse que, na declaração do Simples Nacional, há Estados querendo exigir número maior de dados das empresas. A mesma falta de consenso ocorre com a questão da guerra fiscal. Os Estados não se entendem há muito tempo e muitos ainda concedem incentivos

fiscais sem o aval do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz). "Há estados que querem manter os incentivos fiscais vigentes por dez anos. De fato, é um assunto complexo. E na ausência de uma política de planejamento regional, será muito difícil resolver a questão da disputa entre os Estados", afirmou. Link – Sobre a quantidade e duplicidade das obrigações acessórias impostas pelos fiscos de todas as esferas, apesar do projeto SPED (Sistema Público de Escrituração Digital) –

Prefeitura quer cortar dívidas e aumentar investimentos Em reunião na ACSP, secretário de Finanças fala do esforço para acertar as contas públicas e explica porque não se vê contrapartida à elevação da arrecadação. Zé Carlos Barretta/Hype

Renato Carbonari Ibelli

O

secretário municipal de Finanças de São Paulo, Mauro Ricardo Costa, informou ontem, na reunião plenária da Associação Comercial de são Paulo (ACSP), que a Prefeitura encaminhará ao Legislativo, no próximo mês, projeto de lei que fixa em R$ 3,8 mil o teto das aposentadorias pagas aos servidores e pensionistas da capital paulista. A ação faz parte de um pacote de medidas que visa aumentar a capacidade de investimentos, reduzindo as despesas públicas. Hoje, as despesas com os aposentados municipais chegam a R$ 3,3 bilhões, mas a receita previdenciária é de R$ 2 bilhões, gerando um déficit de R$ 1,3 bilhões que se acumula anualmente. Na reunião plenária, Rogério Amato, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp) destacou a importância do diálogo entre os empresários e o poder público. "Somente comendo uma tonelada de sal juntos é que descobrimos quem são nossos parceiros. É isso que estamos buscando com a administração pública", disse Amato. O projeto de lei do Executivo municipal prevê ainda a possibilidade de os servidores optarem por uma previdência complementar. "Com a mudança que propomos, queremos estancar o déficit futuro. Quanto ao acumulado no passado não

Nossa margem de manobra para investir é pequena. MAURO RICARDO COSTA, SECRETÁRIO DE FINANÇAS DE SÃO PAULO

tem jeito, somente com mudanças constitucionais", afirmou Costa. A previdência é apenas um dos ralos pelo qual escoa grande parte da receita da capital. A dívida pública da Prefeitura é atualmente de R$ 64 bilhões, a maior parte, um total de R$ 48 bilhões, contraída junto à União. Segundo o secretário de Finanças, 18% do orçamento da cidade é destinado anualmente para abrandar essa despesa. O problema é que o recurso não cobre nem os juros que se acumulam. De acordo com o Ricardo Costa, o prefeito Gilberto Kassab tem avançado nos diálogos com a União para repactuar essa dívida. O secretário disse que a proposta da Prefeitura levada à presidente da República Dilma Rousseff é modificar a forma de correção do débito. Atualmente, o montante devido é corrigido pelo Índice geral de Preços – Disponibilidade Inter-

na (IGP-DI), mais 9% ao ano. A proposta apresentada à União é a correção pelo IGP-DI, mais 6% ao ano, com amortização de R$ 6 bilhões. "Se a correção for revista, a dívida cai para R$ 24 bilhões, considerando a amortização", disse Costa. Esse valor menor – resultante da nova correção apresentada – poderia ser pago até 2030 segundo o secretário de finanças, prazo final para cumprimento da quitação do débito. "Da maneira que está, a dívida é impagável. Ela vai chegar em 2030 a R$ 210 bilhões, comprometendo 40% do orçamento anualmente para sua quitação. A cidade vai ficar ingovernável", afirmou. As explicações do secretário na plenária da ACSP foi uma tentativa de mostrar aos empresários por que os investimentos na cidade não são compatíveis com o aumento regular da arrecadação. De 2004 até então, a arrecadação

da Capital cresceu 71%, passando de R$ 13 bilhões para R$ 32 bilhões em 2011. Em grande parte esse crescimento foi devido ao combate à sonegação. Para tanto, foram adotadas medidas, como a Nota Fiscal eletrônica (NF-e), que tiveram impacto direto sobre os empresários. Os empresários cobram retorno do acréscimo de arrecadação, mas os investimentos na cidade estão muito aquém do arrecadado. Em 2011, eles foram de R$ 6 bilhões. Segundo Costa, isso ocorre porque "94% da receita municipal" já está vinculada, seja com dívidas, previdência ou com obrigações constitucionais, como recursos para educação e saúde. "Nossa margem de manobra para investimento é pequena. Só com um novo pacto federativo, que mude o reparte da arrecadação entre União, estados e municípios, podemos mudar isso", disse.

que prometia simplificar o cumprimento das obrigações –, o presidente da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp) e da ACSP, Rogério Amato, disse que essas exigências complicam a vida não só dos contribuintes, mas também do governo. Por isso, ele defendeu a importância da criação de um " link" de contato permanente com o governo para que essas questões sejam discutidas em conjunto. "A regularidade de encontros promovidos para discutir ques-

tões que mais afetam os associados tem sido proveitosa. A ACSP, as 420 associações do interior, além das 15 distritais, podem se transformar em uma espécie de sensores, não só do ponto de vista técnico, como prático, informando os associados sobre os assuntos tratados e os seus desdobramentos", disse Amato. Também participaram da reunião os vice-presidentes da ACSP, Roberto Matheus Ordine, Edy Kogut, Luiz Roberto Gonçalves, Nelson Kheirallah, Nilton Molina, Renato Abucham e Paulo Pisauro.

Portos: parada de navio deve baixar de 17 para 2 dias.

P

ara dar conta do crescimento de demanda pelos serviços portuários, o governo federal tem apostado na desburocratização de diversos procedimentos. Segundo a Secretaria de Portos, atualmente os navios podem levar até 17 dias entre a chegada aos portos, a descarga dos contêineres e a saída da embarcação. "Mas, com os programas que estão sendo implantados, vamos reduzir isso para dois dias", disse o diretor do Departamento de Sistemas e Informações Portuárias da Secretaria de Portos, Luís Cláudio Montenegro. Segundo ele, a expansão da economia causa reflexos imediatos na movimentação portuária do País, o que torna necessário, além de

investimentos, "um olhar cuidadoso" com a infraestrutura. "O crescimento do movimento nos portos é pelo menos duas vezes maior do que o aumento do Produto Interno Bruto (PIB). Portanto, se o PIB cresceu quase 3% em 2011, o movimento portuário cresceu 6%. E isso pode gerar congestionamento", disse. Entre as ações que estão sendo implementadas pelo governo, Montenegro destaca o Porto sem Papel, programa que concentra, de forma eletrônica na internet, informações enviadas pelas agências marítimas para a liberação de atracação e operação dos navios. Com ele, são eliminados os trâmites de 112 documentos (em diversas vias) e 935 informações para seis órgãos diferentes. (ABr)

Prazo de entrega da Rais é prorrogado para dia 23

O

governo prorrogou de 9 para 23 de março o prazo para que as micro e pequenas empresas que estão no Simples Nacional e em outros regimes tributários (Lucro Presumido e Lucro Real) entreguem a Relação Anual de Informações Sociais (Rais), ano-base 2011. Quem não cumprir o prazo estará sujeito à multa de R$ 425,64, que pode ser acrescida de R$ 106,40 por bimestre de atraso. De acordo com o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), problemas ocorridos no programa gerador da declaração estão fazendo com que o Serpro, responsável pelo recebimento e processamento das declarações, analise as remessas com lentidão, o que inviabilizou a entrega de todas as declarações dentro do prazo. Até as 8 horas da última quinta-feira, apenas 5,5 milhões de estabelecimentos tinham conseguido enviar as informações. No ano passado, foram 7,7 milhões de declarações ao todo. (Ag. Sebrae)


14 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 13 de março de 2012


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 13 de março de 2012

e

15 Uma das principais preocupações é com a perda de competitividade da indústria nacional, acentuada pela valorização do real.

conomia

Bay Ismoto/AFP Photo

Medida é a segunda tentativa neste mês de afastar capital de curto prazo e conter valorização do real

Governo volta a estender cobrança de IOF

O

governo endureceu mais uma vez diante do que chama "guerra cambial". Em mais uma tentativa de conter a entrada de dólares no Brasil e a valorização do real, o governo anunciou ontem a terceira restrição a operações cambiais em menos de duas semanas – e reforçou, também, que outras medidas para coibir a especulação com a moeda brasileira devem ser anunciadas a qualquer momento. Empréstimos no exterior com prazo de até cinco anos serão taxados com Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) de 6%, segundo a medida anunciada pelo Ministério da Fazenda. Até fevereiro, essa alíquota atingia apenas captações até dois anos. No dia 1º de março, o governo estendeu o prazo para três anos. Ontem, fez a nova alteração. A restrição maior ao crédito

externo contribuiu para que o dólar fechasse a R$ 1,805, alta de 1,18%. No mês, a moeda já subiu 5,19%. No ano, ainda acumula queda de 3,42% (veja texto nesta página). A alta recente nas cotações foi vista dentro do governo como sinal de que as medidas estão no caminho certo. Plano – Segundo fontes da equipe econômica, a estratégia de defesa do real está se ampliando e o governo procura montar um plano mais forte para enfrentar a escalada da "guerra cambial". Por isso, decidiu que era preciso "pesar a mão" na restrição a empréstimos externos e deixar o mercado em alerta sobre a possibilidade de mais mudanças, aumentando a imprevisibilidade de suas ações. A Fazenda afirmou, em nota, que a medida reforça a decisão de reduzir o fluxo de capital especulativo que entra no País, para lucrar com a diferença entre os juros nos países

Trabalhadores e patrões contra desindustrialização

E

m reunião realizada ontem, em São Paulo, na sede da Força Sindical, trabalhadores e empresários decidiram fazer uma mobilização nacional contra o que chamam de processo de desindustrialização no País e marcaram o principal ato para o dia 4 de abril, na Capital paulista, quando esperam concentrar 100 mil pessoas. O acordo foi fechado entre a Força Sindical e entidades patronais, entre as quais a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq). Importações – O presidente da Fiesp, Paulo Skaf, citou alguns problemas que contribuem para a perda de competitividade da indústria: câmbio alto, preço da energia e as importações que concorrem com os produtos nacionais de forma desigual. "O Brasil está vivendo um processo de desindustrialização. O governo precisa tomar medidas urgentes para reverter essa situação. Precisamos de uma ruptura com o atual modelo de gestão econômica", afirmou Skaf. Será lançada também a frente parlamentar em Defesa da Indústria Nacional no dia 27 de março no Congresso Nacional. O pífio resultado da indústria em 2011 e a queda da atividade industrial no início de 2012 motivam a união de trabalhadores e patrões, o que deve elevar a pressão sobre o governo para medidas que beneficiem o setor industrial. (Folhapress)

avançados e no Brasil. O governo também quis restringir a entrada de dólares para aplicações de curto prazo. As restrições a empréstimos externos começaram em 2011, por causa do aumento no número de empresas e bancos que buscam se endividar fora do País, onde os juros são mais baixos. Em março do ano passado, o governo taxou com 6% de IOF empréstimos de até um ano. Uma semana depois, estendeu a cobrança para captações de até dois anos. Tsu n am i – Agora, com os países desenvolvidos injetando mais dólares na economia e reduzindo juros, a entrada de recursos voltou a crescer, o que pode gerar um "tsunami monetário", como disse a presidente Dilma Rousseff. Na semana passada, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, havia dito que anunciaria medidas econômicas a "todo momento", "todas as semanas", para calibrar e estimu-

lar a economia. Uma das principais preocupações é com a perda de competitividade da indústria, acentuada pela valorização do real. Há duas semanas, o BC também restringiu financiamentos em dólar à exportação, por entender que algumas operações tinham caráter especulativo. O governo ainda pode acabar com o prazo para o Tesouro antecipar a compra de dólares para pagar a dívida externa ou usar o Fundo Soberano do Brasil (FSB) para comprar moeda estrangeira. Pro blem a – Uma fonte do governo afirmou, entretanto, que o problema pode persistir porque neste ano as empresas já levantaram cerca de US$ 20 bilhões no exterior com venda de títulos e a maioria com prazos acima de cinco anos. A Petrobras fugiu dessa regra ao emitir US$ 1,25 bilhão com vencimento em três anos em fevereiro.

Dólar fecha em R$ 1,80 após ação da Fazenda

O

governo sinaliza que vai endurecer o dólar fechou no maior nível tom contra a "guerra cambial". em cerca de dois meses Leilões – Apenas em 1º de março ontem, voltando ao patamar foram duas medidas sobre o de R$ 1,80 após o governo agir mercado de câmbio, cerca de um novamente no mercado de câmbio mês após o Banco Central (BC) ter para conter fluxos especulativos e retomado operações de compra de uma consequente valorização dólares nos mercados à vista e a excessiva do real. termo, bem como leilões de swap A moeda norte-americana subiu cambial reverso, que equivalem a 1,12 %, a R$ 1,8050 na venda, uma aquisição de moeda no maior nível desde 9 de janeiro, mercado futuro. quando fechou a R$ 1,8347. Foi a A autoridade primeira vez que a monetária não cotação fechou atuava no mercado acima de R$ 1,80 diretamente, no desde 11 de janeiro. entanto, desde o dia No mês, o dólar 5 de março. acumula apreciação "Claramente o de 4,94 %, maior por cento é a governo tem valorização mensal valorização da moeda apertado o cerco, e entre as 36 divisas isso tem criado um mais negociadas nos nor te-americana clima de mercados globais de neste mês, a maior insegurança. câmbio, de acordo Ninguém quer com dados da entre 36 divisas. arriscar ficar vendido Thomson Reuters. em dólar desse jeito", Na máxima do dia, afirmou o consultor o dólar chegou a financeiro da Previbank, Jorge Lima. subir a R$ 1,8336, com valorização O dólar no Brasil descolou do de 2,72 %, mas diminuiu o exterior, onde a moeda recuava movimento ao longo da tarde. cerca de 0,3 % frente a uma cesta Segundo o operador de câmbio de uma corretora paulista, o movimento de divisas. O mercado manteve as expectativas na véspera da decisão refletiu a entrada de exportadores, de política do Federal Reserve aproveitando a alta na cotação para (Fed), o banco central norteinternalizarem recursos a preços americano. As atenções hoje melhores. estarão voltadas para o comunicado A máxima aconteceu em dia em do Fed, que pode esfriar que o governo publicou decreto que perspectivas de uma nova rodada aumentou para cinco anos o prazo de estímulos pelo banco central de incidência do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) de 6% norte-americano, o que tende a dar força ao dólar. (Reuters) sobre empréstimos externos. O

4,94

No ano passado, conforme dados divulgados pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) houve nove emissões com prazo inferior a cinco anos, com US$ 31,4 bilhões, todas por instituições financeiras. A Anbima afirma que só haverá um equilíbrio enpor cento de Imposto sobre tre as operações de Operações Financeiras (IOF) captação externa e interna ao longo do serão cobrados dos ano quando a deempréstimos feitos no manda que vem se arrastando desde exterior com prazo de 2011 for atendida. pagamento de até 5 anos, Como Mantega segundo o governo federal. tem sido enfático de que tomará todas as medidas para evitar a valorização excessiva do real, no mercado financeiro há temor de que as ações afugentem investimentos do País. (Agências)

6


DIÁRIO DO COMÉRCIO

16

e

Há expectativa de novas medidas para incentivar o consumo como, por exemplo, nova redução do IOF nas operações de crédito. Miguel José Ribeiro de Oliveira, da Anefac

conomia

Bancos brasileiros são mais rentáveis que os dos EUA

O

s bancos brasileiros continuam mais rentáveis que os norte-americanos, mostra um estudo da Economatica, que acompanha desde 1999 as instituições de capital aberto, no Brasil e nos Estados Unidos (EUA). O retorno sobre o patrimônio líquido das instituições financeiras do Brasil (ROE) ficou em 13,97% em 2011, ante 7,63% das norteamericanas. Trata-se do oitavo ano consecutivo de liderança dos bancos brasileiros. O retorno, porém, caiu no ano passado quando comparado a 2010, . Naquele ano, estava em 15,57%. Nos bancos dos EUA, houve aumento do indicador, que em 2010 estava em 6,06%. O pior momento das instituições financeiras norte-americanas foi em 2009, auge da crise, quando o retorno sobre o patrimônio líquido caiu para 2,81%, de acordo com o levantamento da consultoria. A Economatica calculou a mediana do retorno sobre o patrimônio líquido usando os dados dos bancos de capital aberto dos EUA e Brasil. (AE)

terça-feira, 13 de março de 2012

Taxas de juros caem em fevereiro Apesar de recuo de apenas 0,07 ponto percentual na média, valor para pessoa física em operações de crédito é o menor desde 1995.

A

s taxas de juros das operações de crédito voltaram a cair em fevereiro, registrando a terceira redução mensal consecutiva. De acordo com a Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), a taxa média tanto para pessoa física quanto para empresas caiu 0,07 ponto percentual ante janeiro. Para pessoas físicas, o juro baixou para 6,33% ao mês (108,87% ao ano) – o menor nível desde 1995, início da série histórica feita pela Anefac – enquanto para pessoas jurídicas a taxa média passou para 3,72% ao mês (55,01% ao ano). Das seis linhas de financiamento pesquisadas, cinco apresentaram recuo e apenas uma se manteve estável em fevereiro – cartão de crédito, com taxa média de 10,69% ao mês e de 238,3% ao ano. A maior redução foi verificada nas taxas para empréstimo pessoal feito por bancos (de 0,18 ponto percentual), para uma média de 3,81% ao mês e de 56,63% ao ano. Também foram recordes históricos as taxas médias cobradas em fevereiro para juros do comércio, que recuaram 0,1 ponto percentual, para 4,95% ao mês e 78,56% ao ano; empréstimo pessoal por financeiras, que apresentou baixa de 0,05 ponto percentual, para 8,24% mensais e 158,61% anuais; e financiamento de automóveis por bancos (CDC), cuja taxa média caiu 0,04 ponto percentual, para uma média de 1,97% ao mês e de 26,38% ao

José Nascimento/Folhapress

ano. No cheque especial, o recuo foi de 0,01 ponto percentual, para 8,33% cobrados em média mensalmente – a menor taxa desde outubro – e 161,21% anualmente. No caso de empréstimos para pessoas jurídicas, duas linhas tiveram recuo em fevereiro ante o mês anterior, enquanto desconto de duplicatas permaneceu em 2,8% ao mês e 39,29% ao ano – a menor taxa média da série histórica, iniciada em 1999. Nos financiamentos de capital de giro, a queda foi de 0,18 ponto percentual, para 2,26% ao mês e 30,76% ao ano – a menor desde dezembro de 2009. Para conta garantida, a taxa média passou para 6 , 11 % m e n s a i s e 1 0 3 , 7 4 % anuais, queda de 0,01 ponto percentual. Para o coordenador do trabalho e vice-presidente da entidade, Miguel José Ribeiro de Oliveira, estas reduções podem ser atribuídas a fatores como as medidas que o Banco Central (BC) e o Ministério da Fazenda vêm promovendo para incentivar o consumo e evitar que a economia se retrairia diante do cenário externo (crise na Europa). "Destacamos a última redução da taxa básica de juros (Selic) promovida pelo BC em 18 de janeiro deste ano e a queda do IOF nas operações de crédito", diz. Segundo Oliveira, há ainda "expectativa de novas medidas a serem tomadas para incentivar o consumo como, por exemplo, nova redução do IOF nas operações de crédito". (Agências)

Oliveira: reduções de juros podem ser atribuídas ao último corte da taxa básica de juros (Selic) promovida pelo BC em 18 de janeiro deste ano e a queda do IOF nas operações de crédito.

Inadimplência tem alta de 2,9%

O

número de novos consumidores brasileiros registrados como inadimplentes no Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC) subiu 2,9% em fevereiro sobre janeiro, conforme a Boa Vista Serviços. Na comparação com fevereiro do ano passado, o aumento do número de registros foi de 14,3%. No entanto, o valor médio das dívidas em fevereiro, de R$ 1.175,50, recuou 2,93% ante fevereiro de 2011. De acordo com a Boa Vista, administradora do SCPC, a inadimplência retomou crescimento após estabilidade (0,1%) registrada em janeiro sobre dezembro. Para a entidade, as variações sobre fevereiro do ano anterior continuam refletindo o crescimento nos registros de inadimplentes ao longo de 2011. "O processo de diminuição nas taxas de juros e novas medidas de incentivo ao crédito que tentam compensar a diminuição da atividade econômica nacional podem trazer efeitos positivos sobre

Leandro Moraes/LUZ

Inadimplência subiu em fevereiro, mas o valor médio das dívidas, de R$ 1.175,50, recuou 2,93% em um ano.

a capacidade de pagamento dos consumidores, que ainda se apoiam em condições favoráveis de emprego e renda, mantendo a capacidade de consumo", afirma a Boa Vista, por meio de nota. A Região Norte foi a que apresentou o maior aumento da inadimplência

em fevereiro na comparação com janeiro: 6,8%. Na comparação com fevereiro do ano passado, a maior variação positiva se deu no Sudeste (17,6%), região que também acumula a maior alta nos dois primeiros meses do ano (18,5%). Recuperação – O total de consumidores excluídos dos

registros de inadimplentes aumentou 3,6% em fevereiro ante janeiro e 30,5% na comparação com o mesmo mês do ano passado. De acordo com a Boa Vista, no acumulado do bimestre contra o mesmo período do ano passado, o crescimento no número de registros excluídos foi de 27%. (AE)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 13 de março de 2012

e

ECONOMIA/LEGAIS - 17 A resposta dos consumidores ao novo iPad foi sem precedentes. porta-voz da Apple ao Wall Street Journal

conomia

Estoque do novo iPad está esgotado Tablet da Apple chega às lojas de dez países na sexta-feira, a preços que oscilam entre US$ 499 e US$ 829. Ainda não há previsão de lançamento no Brasil. Leon Leal/AFP Photo

Zara inaugura novo modelo de loja

N Entre as características do novo iPad estão a maior resolução de tela (2.048 x 1.536 pixels), como as da iPhone 4 e 4S. É também o primeiro a usar a tecnologia de conexão 4G.

M

enos de uma semana depois de ser lançado, o novo iPad já está esgotado para quem encomendou antecipadamente os aparelhos pela internet, segundo um comunicado da Apple divulgado ontem. Como os clientes que fizeram os pedidos pela internet terão de esperar entre duas e três semanas para receber o produto, os que optarem pela compra nas lojas terão antes o novo tablet. O novo iPad chega na próxima sexta-feira, dia 16, às lojas de dez países, incluindo os Estados Uni-

Gol e American Airlines têm acordo até 13 de agosto

O

acordo de compartilhamento de voos entre a Gol e a American Airlines se encerra no dia 13 de agosto, informou a companhia norte-americana. A partir desta data também será interrompida a integração entre os programas de milhagem das duas companhias. O fim da parceria entre as aéreas foi anunciado em dezembro do ano passado, depois que a norteamericana Delta Airlines entrou no capital da Gol com uma participação minoritária. Em seu site, a American Airlines informa que todos os prêmios de viagem da Gol devem ser reservados e emitidos até 12 de agosto. As viagens marcadas com as milhas obtidas na companhia devem ser realizadas em até um ano a partir desta data. Além disso, a American afirma que seus clientes não poderão fazer alterações nos trechos voados pela Gol durante esse período. Na época do anúncio do negócio com a Delta, o presidente da Gol, Constantino de Oliveira Junior, disse que o acordo com a American Airlines seria mantido até o fim do contrato, mas não informou data. Segundo Oliveira Junior, havia a possibilidade de renovação, porém em condições diferentes das atuais. A Gol disse que não há informações sobre negociações com a American nesse sentido. (AE)

dos. E no dia 23 começa a ser vendido em outros 25 países. Para o Brasil, ainda não há previsão de lançamento. "A resposta dos consumidores ao novo iPad foi sem precedentes", disse ontem um porta-voz da Apple ao Wall Street Journal. Em 2011, foram comercializados mais de 40 milhões de aparelhos das versões anteriores do iPad. Games – O novo iPad será vendido com preços que oscilam entre US$ 499 e US$ 829, dependendo do modelo escolhido. O novo tablet da Apple coexistirá com o iPad 2, que passa a ter um desconto de

US$ 100 no preço. Entre as novas características estão a maior resolução de tela (2.048 x 1.536 pixels), como as da iPhone 4 e 4S. O recurso é apontado como um sinalizador de que a nova versão do tablet da marca será um prato cheio para desenvolvedores de jogos. O aparelho conta ainda com câmeras frontal e traseira com maior definição e processador mais rápido do que os antecessores. É também o primeiro a usar a tecnologia de conexão 4G – ainda indisponível no Brasil. O equipamento eletrônico também funciona com 3G. (Folhapress)

Data, Hora e Local: Ao 1º dia do mês de março ç de 2012, às 9:00 horas, na sede social localizada na Avenida Angélica, g nos 2.330, 2.346 e 2.364, 7º andar, sala 720, Bairro Consolação, ç CEP 01228-200, na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo (“Sociedade”). ( ) Presença: (a) OAS S.A. (atual denominação de OAS Engenharia e Participações S.A.), sociedade por ações com sede na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Avenida Angélica, nos 2.330, 2.346 e 2.364, 9º andar, sala 904, Bairro Consolação, CEP 01228200, inscrita no CNPJ/MF nº 14.811.848/0001-05 e com seus atos constitutivos devidamente arquivados na JUCESP NIRE 35.300.380.011 (“OAS Participações”), neste ato devidamente representada por seus diretores, os Srs. Cesar de Araújo Mata Pires, brasileiro, casado pelo regime da comunhão parcial de bens, engenheiro civil, carteira de identidade profissional nº 8.745-D, CREABA, inscrito no CPF/MF nº 056.377.245-04, residente e domiciliado na Rua Waldemar Falcão, nº 759, apartamento 502, Bairro Brotas, CEP 40296-710, na Cidade de Salvador, Estado da Bahia e José Adelmário Pinheiro Filho, brasileiro, casado pelo regime da comunhão universal de bens, engenheiro civil, portador da carteira de identidade profissional nº 8.004-D, CREA-BA, inscrito no CPF/MF nº 078.105.635-72, residente e domiciliado na Avenida Oceânica, nº 1.545, apartamento 204, Bairro Ondina, CEP 40170-010, na Cidade de Salvador, Estado da Bahia; (b) CMP Participações Ltda., sociedade empresária limitada com sede na Cidade de Salvador, Estado da Bahia, na Rua Humberto de Campos, nº 251 (fundos), sala 18, Bairro Graça, CEP 40150-130, inscrita no CNPJ/MF nº 42.187.138/0001-91 e com seus atos constitutivos devidamente arquivados na Junta Comercial do Estado da Bahia sob o NIRE 29.202.775.989 (“CMP”), neste ato devidamente representada por seu sócio administrador, o Sr. Cesar de Araújo Mata Pires, já qualificado e (c) LP Participações e Engenharia Ltda., sociedade empresária limitada com sede na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Av. Angélica, nos 2.330, 2.346 e 2.364, 10º andar, sala 1020, Bairro Consolação, CEP 01228-200, inscrita no CNPJ/ MF nº 09.720.351/0001-41 e com seus atos constitutivos devidamente arquivados na JUCESP NIRE 35.222.433.000 (“LP”), neste ato devidamente representada por seu sócio administrador, José Adelmário Pinheiro Filho, já qualificado, únicas sócias representando a totalidade do capital social da Sociedade. Convocação: Dispensada a convocação, p ç em razão da presença p ç das sócias representando a totalidade do capital social, observado o disposto no § 2º, do art. 1072 da Lei nº 10.406/02 (“Código Civil Brasileiro”). Mesa: Presidente: Cesar de Araújo Mata Pires; Secretário: José Adelmário Pinheiro Filho. Ordem do Dia: Deliberar sobre (i) análise e aprovação do Protocolo e Justificação de Cisão Parcial da Sociedade com Incorporação da Parcela Cindida pela Línea Amarilla Brasil Participacom sede na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Avenida Angélica, nº 2.346, 9º andar, çções S.A., sociedade por p ações, ç g sala 908, Consolação, CEP 01228-200, inscrita no CNPJ/MF nº 11.395.604/0001-09 e com seus atos constitutivos arquivados na JUCESP NIRE 35.300.374.789 (“LAMBRA”), celebrado em 01 de março de 2012 (“Protocolo”); (ii) ratificação da indicação da IGAF LM Auditores Independentes, empresa especializada com registro no Conselho Regional de Contabilidade nº CRC-RJ 1284, com sede na Rua México, nº 11, 13º andar, na Cidade do Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro, inscrita no CNPJ/MF nº 29.184.207/000145, (“Empresa Avaliadora”) para avaliar a parcela a ser cindida do patrimônio líquido da Sociedade e posteriormente incorporada pela LAMBRA (“Parcela Cindida”); (iii) análise e aprovação do laudo de avaliação da Parcela Cindida preparado pela Empresa Avaliadora (“Laudo de Avaliação”); (iv) deliberação da Sociedade e posterior incorporação ç acerca da cisão parcial p p p ç da Parcela Cindida pela p LAMBRA, nos termos do Protocolo (“Cisão Parcial”); (v) análise e aprovação da redução do capital social da Sociedade em decorrência da Cisão Parcial no valor de R$ 1.000,00 (um mil reais), com a consequente alteração da Cláusula Quarta do contrato social da Sociedade; e (vi) ratificação dos atos já praticados pelos administradores da Sociedade no contexto da Cisão Parcial e autorizá-los a realizar todas as medidas e atos necessários para a implementação da Cisão Parcial, incluindo os registros junto às autoridades competentes e a publicação dos documentos relativos à Cisão Parcial. Deliberações: Após analisar as matérias constantes da Orç dem do Dia, as sócias da Sociedade, por unanimidade de votos: (i) Aprovaram o Protocolo, celebrado em 01 de março de 2012 pelos administradores da Sociedade e da LAMBRA que passa a integrar esta ata como Anexo I e, após rubricado pela mesa, ficará arquivado na sede social da Sociedade; (ii) Ratificaram a indicação e a contratação da Empresa Avaliadora para a avaliação da Parcela Cindida, a qual teve como base o balanço patrimonial da Sociedade com data-base de 31 de janeiro de 2012; (iii) Aprovaram o Laudo de Avaliação da Parcela Cindida elaborado pela Empresa Avaliadora, cuja íntegra consta do Anexo II à ppresente ata, o qual, q após p rubricado pela mesa, ficará arquivado na sede social da Sociedade; (iv) Aprovaram a Cisão Parcial da Sociedade, com versão da parcela cindida para LAMBRA, nos termos do Protocolo constante do Anexo I, passando a LAMBRA a ser a sucessora e responsável por todos os direitos e obrigações constitutivos da Parcela Cindida; (v) Aprovaram a redução do capital social da Sociedade em decorrência da Cisão Parcial no valor de R$ 1.000,00 (um mil reais), passando o capital social da Sociedade dos atuais R$ 585.000.000,00 (quinhentos e oitenta e cinco milhões de reais) para R$ 584.999.000,00 (quinhentos e oitenta e quatro milhões, novecentos e noventa e nove mil reais), dividido em 584.999.000 (quinhentos e oitenta e quatro milhões, novecentos e noventa e nove mil) quotas, tendo sido canceladas 1.000 (mil) quotas da Sociedade em decorrência da redução de capital ora aprovada, todas de propriedade da sócia OAS Participações. Tendo em vista a redução p ç ç do capital p social da Sociedade, resta alterado o caput da Cláusula Quarta do Contrato Social da Sociedade, a qual passa a vigorar com a seguinte redação: “Cláusula Quarta - O capital social é de R$ 584.999.000,00 (quinhentos e oitenta e quatro milhões, novecentos e noventa e nove mil reais), dividido em 584.999.000 (quinhentos e oitenta e quatro milhões, novecentos e noventa e nove mil) quotas, no valor nominal de R$ 1,00 (um real) cada uma, totalmente subscritas e integralizadas em moeda corrente nacional e distribuído da seguinte forma: Sócio: OAS S.A., Quotas: 584.998.996, Valor em R$: 584.998.996,00; Sócio: CMP Participações Ltda., Quotas: 2, Valor em R$: 2,00; Sócio: LP Participações e Engenharia Ltda., Quotas: 2, Valor em R$: 2,00; Total Quotas: 584.999.000, Total R$: 584.999.000,00. (vi) Ratificaram os atos já praticados pela administração da Sociedade no contexto da Cisão Parcial e autorizaram os administradores a realizar todas as medidas e atos necessários para p a implementação p ç da Cisão Parcial, incluindo os registros junto às autoridades competentes e a publicação dos documentos relativos à Cisão Parcial. Encerramento, Lavratura, Aprovação e Assinatura da Ata: Nada mais havendo a tratar, foram os trabalhos suspensos para lavratura desta ata. Reabertos os trabalhos, foi esta ata lida e aprovada, tendo sido assinada pelas sócias da Sociedade. São Paulo, 1 de março ç de 2012. Mesa: Cesar de Araújo Mata Pires, Presidente; José Adelmário Pinheiro Filho, Secretário. Sócias: OAS S.A., Cesar de Araújo Mata Pires, José Adelmário Pinheiro Filho; CMP Participações Ltda., Cesar de Araújo Mata Pires; LP Participações e Engenharia Ltda., José Adelmário Pinheiro Filho. Visto da Advogada: Maria Beatriz Lira Gomes, OAB/SP 187.620. JUCESP 102.019/12-5 em 07.03.12. Gisela Simiema Ceschin - Secretária Geral.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PEREIRA BARRETO/SP Processo nº 1470/2012 - Pregão nº 003/2012 RESUMO DO EDITAL Arnaldo Shigueyuki Enomoto, Prefeito de Pereira Barreto, Estado de São Paulo, faz saber que se acha aberta nesta Prefeitura de Pereira Barreto, até as 09:30h do dia 27/03/2012, a licitação na modalidade PREGÃO PRESENCIAL nº 003/2012, do tipo menor preço por item, objetivando o Registro de Preços para Aquisição de Pneus, Câmaras e Protetores para uso em diversos veículos da frota municipal, de acordo com a Lei Federal 10.520/2002. Para maiores informações ou o edital completo, os interessados poderão procurar o Departamento de Licitações desta Prefeitura Municipal, ou pelo telefone/fax (18)3704-8505, no horário de expediente normal, ou acessar o site www.pereirabarreto.sp.gov.br, ou ainda enviar e-mail para licitacao@pereirabarreto.sp.gov.br. Pereira Barreto, 12 de Março de 2012. Arnaldo Shigueyuki Enomoto - Prefeito SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: PREGÃO ELETRÔNICO DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 52/00001/12/05 OBJETO: CONFECÇÃO, FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO DE PLACAS DE INAUGURAÇÃO DE ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE ENSINO. A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para Confecção, Fornecimento e Instalação de Placas de Inauguração de Escolas da Rede Estadual de Ensino. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital a partir de 13/03/2012, no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br ou na sede da FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 - São Paulo/SP, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, ou verificar o edital na íntegra, através da Internet no endereço: http://www.fde.sp.gov.br. A sessão pública de processamento do Pregão Eletrônico será realizada no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br, no dia 26/03/2012, às 09:30 horas, e será conduzida pelo pregoeiro com o auxílio da equipe de apoio, designados nos autos do processo em epígrafe e indicados no sistema pela autoridade competente. Todas as propostas deverão obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital e seus anexos e serão encaminhadas, por meio eletrônico, após o registro dos interessados em participar do certame e o credenciamento de seus representantes previamente cadastrados. A data do início do prazo para envio da proposta eletrônica será de 13/03/ p 2012, até o momento anterior ao início da sessão pública. JOSÉ BERNARDO ORTIZ Presidente

100 dólares será o desconto que passará a ter o preço do iPad 2 da Apple, que coexistirá com o lançamento do novo tablet da marca.

a inauguração de seu mais novo endereço, na Quinta Avenida, em Nova York, a Zara vai apresentar amanhã um modelo de redesenho de loja que será seguido pelas demais unidades no mundo. Segundo Pablo Isla, presidente do grupo que controla a Zara, a arquitetura da unidade foi concebida para renovar a imagem da cadeia de lojas espanhola envolvida em 2011 em caso de trabalho irregular no Brasil que repercutiu globalmente. Isla afirmou ao jornal El País que o novo modelo será minimalista, como se fossem várias lojas no mesmo endereço. Diferentes espaços serão separados por biombos e o branco será a cor predominante, combinando tons de cinza e um jogo de luzes decorativas. No novo conceito, as roupas ficarão mais penduradas em paredes ou biombos e dispostas em mesas centrais. O imóvel da nova loja tem 3,5 mil metros quadrados e foi comprado por US$ 324 milhões. (Folhapress)

Ata de Assembleia Geral Extraordinária Realizada em 1 de Março de 2012 Data, Hora e Local: Ao 1º dia de março de 2012, às 10:00 horas, na sede social da Línea Amarilla Brasil Participações S.A., localizada na Avenida Angélica, nº 2.346, 9º andar, sala 908, Consolação, CEP 01228-200, na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo (“Companhia”). Convocação: Dispensada convocação nos termos do artigo 124, § 4º da Lei nº 6.404/76 (“Lei das S.A.”). Presença: Acionista representando a totalidade do capital social da Companhia. Mesa: Presidente: Cesar de Araújo Mata Pires; Secretário: José Adelmário Pinheiro Filho. Ordem do Dia: (i) análise e aprovação do Protocolo e Justificação de Cisão Parcial da Construtora OAS Ltda., sociedade empresária limitada com sede na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Avenida Angélica, nos 2.230, 2.346 e 2.364, 7º andar, sala 720, Consolação, inscrita no CNPJ/MF nº 14.310.577/0001-04, com seus atos constitutivos devidamente arquivados na JUCESP sob o NIRE 35.217.263.011 (“COAS”) com Incorporação da Parcela Cindida pela Companhia, celebrado em 01 de março de 2012 (“Protocolo”); (ii) ratificação da indicação da IGAF LMAuditores Independentes, empresa especializada com registro no Conselho Regional de Contabilidade nº CRC-RJ 1284, com sede na Rua México, nº 11, 13º andar, na Cidade do Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro, inscrita no CNPJ/MF nº 29.184.207/0001-45, (“Empresa Avaliadora”) para avaliar a parcela a ser cindida do patrimônio líquido da COAS e posteriormente incorporada pela Companhia, a qual é composta da participação detida pela COAS na Línea Amarilla S.A.C., no valor de R$ 34.145.835,00 (trinta e quatro milhões, cento e quarenta e cinco mil, oitocentos e trinta e cinco reais) sociedade constituída de acordo com as leis da Republica do Peru, com sede na Avenida Camino Real, nº 456, Torre Real, Piso 16, Oficina nº 1.604, San Isidro, na Cidade de Lima, Peru (“Participação LAMSAC PERU”) e de um Adiantamento para Futuro Aumento de Capital - AFAC, realizado pela OAS S.A. (atual denominação de OAS Engenharia e Participações S.A, CNPJ/MF nº 14.811.848/0001-05 (“OAS Participações”), no valor de R$ 34.144.835,00 (trinta e quatro milhões, cento e quarenta e quatro mil, oitocentos e trinta e cinco reais) (“AFAC” e, em conjunto com “Participação LAMSAC PERU” (“Parcela Cindida”); (iii) análise e aprovação do laudo de avaliação da Parcela Cindida preparado pela Empresa Avaliadora (“Laudo de Avaliação”); (iv) aprovação da incorporação da Parcela Cindida pela Companhia nos termos do Protocolo (“Incorporação”); (v) aprovação de aumento do capital social da Companhia decorrente da Incorporação da Parcela Cindida; (vi) informar sobre a integralização do saldo do capital social; (vii) aumento do capital social da Companhia, mediante capitalização do AFAC; (viii) autorização para que os administradores da Companhia realizem todos os atos necessários ou convenientes para a implementação da Incorporação da Parcela Cindida, incluindo os registros junto às autoridades competentes e a publicação dos documentos relativos à Incorporação da Parcela Cindida; e (ix) consolidação do Estatuto Social. Deliberações: Após a discussão da ordem do dia, os acionistas, por unanimidade de votos, aprovaram: (i) o Protocolo, celebrado em 01 de março de 2012 pelos administradores da Companhia e da COAS, cuja íntegra consta do Anexo I à presente ata, o qual, após rubricado pela mesa, ficará arquivado na sede da Companhia; (ii) a ratificação da indicação da Empresa Avaliadora para avaliar a Parcela Cindida, que teve como base o balanço patrimonial da COAS com data-base de 31 de janeiro de 2012; (iii) o Laudo de Avaliação, cuja íntegra consta do Anexo II à presente ata, o qual, após rubricado pela mesa, ficará arquivado na sede social da Companhia; (iv) a Incorporação da Parcela Cindida, com o consequente aumento do capital social da Companhia no valor de R$ 1.000,00 (um mil reais), passando o capital social da Companhia dos atuais R$ 109.969.847,00 (cento e nove milhões, novecentos e sessenta e nove mil, oitocentos e quarenta e sete reais) para R$ 109.970.847,00 (cento e nove milhões, novecentos e setenta mil, oitocentos e quarenta e sete reais), integralizado mediante a contribuição e absorção da Parcela Cindida; como consequência do aumento de capital ora aprovado, foram emitidas 1.000 (mil) novas ações ordinárias, nominativas e sem valor nominal pela Companhia, as quais foram totalmente subscritas e integralizadas, mediante a absorção da Parcela Cindida, pela única acionista da Companhia, a OAS Participações, nesta data, conforme indicado no Boletim de Subscrição que integra a presente como Anexo III; (v) informar que o saldo do capital social a integralizar no valor de R$ 474.161,00 (quatrocentos e setenta e quatro mil, cento e sessenta e um reais), é totalmente integralizado no presente ato mediante capitalização de parte do AFAC absorvido pela Companhia em decorrência da Incorporação, detido pela única acionista, OAS Participações, contra a Companhia; (vi) aprovar o aumento do capital social da Companhia no valor de R$ 33.670.674,00 (trinta e três milhões, seiscentos e setenta mil, seiscentos e setenta e quatro reais), passando o capital social de R$ 109.970.847,00 (cento e nove milhões, novecentos e setenta mil, oitocentos e quarenta e sete reais) , para R$ 143.641.521,00 (cento e quarenta e três milhões, seiscentos e quarenta e um mil, quinhentos e vinte e um reais) mediante a emissão de 33.670.674 (trinta e três milhões, seiscentos e setenta mil, seiscentos e setenta e quatro) ações ordinárias, nominativas e sem valor nominal, ao preço de emissão de R$ 1,00 (um real), conforme alínea II, do Artigo 170 da Lei das S.A., as quais foram integralmente subscritas pela única acionista, OAS Participações, e integralizadas, neste ato, mediante a capitalização do crédito remanescente de AFAC, detido pela acionista contra a Companhia, em decorrência da Incorporação, conforme boletim de subscrição que integra a presente ata como Anexo III. Tendo em vista as deliberações aprovada nos itens (iv), (v) e (vi), foi alterada a redação do Artigo 5º do Estatuto Social da Companhia, o qual passa a vigorar da seguinte forma: “Artigo 5º. O capital social da Companhia é de R$ 143.641.521,00(cento e quarenta e três milhões, seiscentos e quarenta e um mil, quinhentos e vinte e um reais), dividido em 143.641.521 (cento e quarenta e três milhões, seiscentos e quarenta e um mil, quinhentos e vinte e uma) ações ordinárias, todas nominativas e sem valor nominal, totalmente integralizadas em moeda corrente nacional e/ou bens.” (vii) autorizar os administradores da Companhia para a prática de todos os atos necessários ou convenientes à implementação da Incorporação da Parcela Cindida ora aprovada, nos termos do Protocolo também aprovado, incluindo o registro junto às autoridades competentes, a atualização dos livros societários da Companhia e a publicação dos documentos relativos à Incorporação da Parcela Cindida. (viii) aprovar a nova redação e consolidação do Estatuto Social da Companhia, na forma do Anexo IV à presente. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, foi encerrada a Assembleia, da qual se lavrou a presente ata na forma sumária, nos termos do §1º do Artigo 130 da Lei das S.A. que, lida e achada conforme, foi assinada por todos. Assinaturas: Mesa: Cesar de Araújo Mata Pires, Presidente; e José Adelmário Pinheiro Filho, Secretário. Acionista: OAS S.A. (atual denominação de OAS Engenharia e Participações S.A., por Cesar de Araújo Mata Pires e José Adelmário Pinheiro Filho). A presente ata é cópia fiel da via lavrada em livro próprio. São Paulo, 1 de março de 2012. Mesa: Cesar de Araújo Mata Pires, Presidente; José Adelmário Pinheiro Filho, Secretário. Acionista: OAS S.A., Cesar de Araújo Mata Pires; José Adelmário Pinheiro Filho. JUCESP 102.021/12-0 em 07.3.12. Gisela Simiema Ceschin-Secretária Geral. Estatuto Social da Línea Amarilla Brasil Participações S.A., CNPJ 11.395.604/0001-09, NIRE 35.300.374.789 - Capítulo I. Da Denominação, Sede, Objeto e Duração. Artigo 1º. A Línea Amarilla Brasil Participações S.A. (“Companhia”) é uma sociedade por ações regida pelo presente Estatuto Social, pela Lei nº 6.404, de 15 de dezembro 1976, e alterações posteriores (“Lei das S.A.”), e pelas disposições legais que lhe forem aplicáveis. Artigo 2º. A Companhia tem sua sede, foro e domicílio na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Avenida Angélica, nº 2.346, 9º andar, sala 908, Consolação, CEP 01228-200, e poderá abrir, transferir e encerrar filiais, escritórios ou depósitos, em qualquer parte do território nacional e no exterior, mediante deliberação da Diretoria. Artigo 3º. A Companhia tem por objeto social a exploração de atividades relacionadas a concessões, permissões, autorizações ou qualquer outra forma de exploração comercial de serviços rodoviários, permitidos pela regulamentação local na República do Peru. Artigo 4º. A Companhia tem prazo indeterminado de duração. Capítulo II. Do Capital Social e das Ações. Artigo 5º. O capital social da Companhia é de R$ 143.641.521,00 (cento e quarenta e três milhões, seiscentos e quarenta e um mil, quinhentos e vinte e um reais), dividido em 143.641.521 (cento e quarenta e três milhões, seiscentos e quarenta e um mil, quinhentos e vinte e uma) ações ordinárias, todas nominativas e sem valor nominal, totalmente integralizadas em moeda corrente nacional e/ou bens. Parágrafo 1º. A Companhia poderá adquirir suas próprias ações, com o objetivo de cancelá-las ou mantê-las em tesouraria, para posterior alienação. Parágrafo 2º. A ação é indivisível em relação à Companhia. Quando a ação pertencer a mais de uma pessoa, os direitos a ela conferidos serão exercidos pelo representante do condomínio. Parágrafo 3º. As ações são nominativas e a sua propriedade será presumida pela anotação nos livros sociais competentes. Mediante solicitação de acionista neste sentido, serão emitidos títulos ou certificados representativos de ações, assinados pelo Diretor Presidente, isoladamente. Artigo 6º. A Companhia poderá, nos aumentos do capital social, emitir ações ordinárias ou ações preferenciais, ou somente de um tipo, sem guardar proporção entre as ações de cada espécie ou classe, observando-se, quanto às ações preferenciais, o limite máximo de 50% (cinqüenta por cento) do total das ações emitidas, de acordo com o disposto no artigo 15, parágrafo 2º, da Lei das S.A. Artigo 7º. As ações representativas do capital social são indivisíveis em relação à Companhia e cada ação ordinária confere ao seu titular o direito a um voto nas Assembleias Gerais. Artigo 8º. As emissões de ações, bônus de subscrição e debêntures conversíveis em ações, deverão ser aprovadas pela Assembleia Geral. Artigo 9º. É assegurado direito de preferência aos acionistas para subscrição dos aumentos do capital social da Companhia, na proporção do número de ações que possuírem, regendo-se o exercício desse direito de acordo com a legislação aplicável. Capítulo III. Da Assembleia Geral. Artigo 10. AAssembleia Geral reunir-se-á, ordinariamente, nos 4 (quatro) primeiros meses após o encerramento do exercício social, e, extraordinariamente, sempre que os interesses sociais o exigirem. Parágrafo 1º. AAssembleia Geral será convocada e instalada em observância às disposições legais aplicáveis. AAssembleia Geral será presidida por qualquer acionista ou qualquer dos Diretores, conforme for escolhido pela maioria dos acionistas presentes à Assembleia. O Presidente da Assembleia Geral convidará, dentre os presentes, o secretário dos trabalhos. Parágrafo 2º.As deliberações daAssembleia Geral, ressalvadas as exceções previstas em lei, serão tomadas por acionistas representando a maioria do capital social votante da Companhia presentes à Assembleia Geral. Parágrafo 3º. O Presidente da Assembleia Geral deverá observar e fazer cumprir as disposições de Acordo de Acionistas arquivado na sede social, não permitindo que se computem os votos proferidos em contrariedade com o conteúdo de tal acordo. Artigo 11. Compete à Assembleia Geral, além das atribuições conferidas em Lei, deliberar acerca das seguintes matérias: (i) reformar este Estatuto Social; (ii) eleger e destituir, a qualquer tempo, os administradores da Companhia; (iii) tomar, anualmente, as contas dos administradores, e deliberar sobre as demonstrações financeiras por eles apresentadas; (iv) autorizar a emissão de debêntures; (v) suspender o exercício dos direitos dos acionistas; (vi) deliberar sobre a avaliação de bens com que os acionistas concorrerem para a formação do capital social; (vii) deliberar sobre a transformação, fusão, incorporação e cisão da Companhia, sua dissolução e liquidação, eleger e destituir liquidantes e julgar-lhes as contas; (viii) autorizar os administradores a confessar falência e pedir recuperação judicial ou extrajudicial; e (ix) estabelecer as diretrizes da participação da Companhia em outras sociedades. Parágrafo Único. As deliberações da Assembleia Geral serão válidas somente se tomadas em conformidade com as disposições da Lei das S.A. Capítulo IV. Da Administração. Artigo 12. A Companhia é administrada por uma Diretoria, composta por 2 (dois) Diretores, sem designação específica, eleitos pelaAssembleia Geral, com prazo de gestão de 3 (três) anos, permitida a reeleição. Parágrafo 1º. A Diretoria é o órgão executivo e de representação da Companhia, cabendo-lhe assegurar o funcionamento regular desta, tendo poderes para praticar todos e quaisquer atos relativos aos fins sociais, exceto aqueles que por Lei ou pelo presente Estatuto Social dependam de prévia aprovação da Assembleia Geral. Parágrafo 2º. Os Diretores são investidos em seus cargos mediante assinatura do termo de posse no livro correspondente e permanecem no exercício de suas funções até a eleição e posse de seus substitutos. Parágrafo 3º. No caso de ausência ou incapacidade temporária de qualquer Diretor, este deverá ser substituído interinamente por substituto designado pela Diretoria. No caso de vaga em decorrência de renúncia, falecimento ou incapacidade permanente de qualquer membro, ou de sua recusa em cumprir suas respectivas obrigações, o Diretor deverá ser substituído por substituto designado pela Diretoria, até o preenchimento do cargo pela primeira Assembleia Geral que vier a ser realizada, devendo o Diretor substituto completar o mandato do Diretor substituído. Artigo 13. Compete aos Diretores: (i) planejar, coordenar, dirigir e administrar todas as atividades da Companhia, exercendo as funções executivas e decisórias; (ii) representar a Companhia, perante as suas sociedades controladas e coligadas bem como perante todas as sociedades em que a Companhia detiver participação societária, observadas as disposições e avenças de eventuais acordos de acionistas, se houver; e (iii) exercer a supervisão geral de todos os negócios da Companhia, coordenando e orientando suas atividades. Artigo 14. A Diretoria reunir-se-á sempre que os interesses sociais o exigirem, mediante convocação de qualquer um dos Diretores. Parágrafo 1º. As reuniões da Diretoria são instaladas com a presença da totalidade de seus membros, devendo ser escolhido pelos Diretores um Secretário da reunião, não havendo necessidade de que tal Secretário seja membro da Diretoria. Parágrafo 2º. Os membros da Diretoria que participarem das reuniões por meio de conferência telefônica ou outro sistema de telecomunicação, serão considerados presentes à reunião. Será ainda considerada regular a reunião da qual todos os Diretores tenham participado por meio de conferência telefônica ou outro sistema de comunicação, desde que as deliberações tomadas sejam objeto de ata assinada por todos os presentes posteriormente, ou que o respectivo voto seja enviado à sociedade na forma do parágrafo terceiro abaixo. Parágrafo 3º. Os membros da Diretoria poderão votar por e-mail, fax, carta ou telegrama, enviados à Companhia, em atenção do outro Diretor e caberá, neste caso, ao Secretário da reunião lavrar a respectiva ata, à qual o voto será anexado. Parágrafo 4º. Nas reuniões, a Diretoria deliberará por maioria de votos, cabendo a cada Diretor um voto. Parágrafo 5º. As atas das reuniões da Diretoria serão lavradas em livro próprio, permitida a utilização de sistema mecanizado. Artigo 15. A Companhia será representada da seguinte forma: (i) por dois Diretores em conjunto; (ii) por qualquer Diretor ou procurador, para a prática de atos que envolvam exclusivamente a representação da Companhia em processos judiciais e/ou administrativos, inclusive para a outorga de procurações para fins de representação da Companhia em citados processos; (iii) por um Diretor, em conjunto com um procurador com poderes específicos, nos termos do Parágrafo 1º abaixo; e (iv) por um ou mais procuradores com poderes específicos, nos termos do Parágrafo 1º abaixo. Parágrafo 1º. As procurações serão sempre outorgadas em nome da Companhia por 2 (dois) Diretores em conjunto, e terão prazo de validade limitado ao máximo de 1 (um) ano, exceto pelas procurações ad judicia, que podem ter prazo de duração superior a um ano ou mesmo indeterminado. Parágrafo 2º. AAssembleia Geral poderá autorizar expressamente a prática de outros atos que vinculem a Companhia por apenas um dos membros da Diretoria ou um procurador, ou ainda, pela adoção de critérios de limitação de competência, restringir, em determinados casos, a representação da Companhia a apenas um Diretor ou um procurador. Artigo 16. A remuneração dos Diretores será determinada pela Assembleia Geral, que pode fixá-la em montante anual global, obedecido o disposto no caput do art. 152 da Lei das S.A., cabendo à Diretoria, em Reunião de Diretoria, promover a distribuição e individualização da remuneração. Capítulo V. Do Conselho Fiscal. Artigo 17. O Conselho Fiscal da Companhia, com as atribuições estabelecidas em Lei, será composto de, no mínimo, 3 (três) e, no máximo, 5 (cinco) membros e igual número de suplentes, conforme definido pela Assembleia Geral que solicitar a sua instalação. Parágrafo 1º. O Conselho Fiscal não funcionará em caráter permanente e somente será instalado mediante convocação dos acionistas, de acordo com as disposições legais. Parágrafo 2º. O Conselho Fiscal terá um Presidente, eleito pela Assembleia Geral. Parágrafo 3º. Os membros do Conselho Fiscal serão investidos em seus cargos mediante a assinatura de termo de posse lavrado no respectivo livro de registro de atas das Reuniões do Conselho Fiscal. Parágrafo 4º. Em caso de vaga, renúncia, impedimento ou ausência injustificada a duas reuniões consecutivas, será o membro do Conselho Fiscal substituído, até o término do mandato, pelo respectivo suplente. Parágrafo 5º. Em caso de impedimento ou vacância permanente no cargo de um membro do Conselho Fiscal, e sem que haja suplente a substituí-lo, caberá ao Presidente do Conselho Fiscal imediatamente convocar uma Assembleia Geral da Companhia para eleger um novo membro efetivo do Conselho Fiscal e respectivo suplente, para preencher o cargo e completar o mandato do membro impedido ou vacante. Capítulo VI. Do Exercício Social e Demonstrações Financeiras. Artigo 18. O exercício social iniciar-se-á em 01 de janeiro e terminará no dia 31 de dezembro de cada ano, quando serão elaboradas as demonstrações financeiras previstas na legislação aplicável. Parágrafo 1º. Ao fim de cada exercício social, a Diretoria fará elaborar, com observância dos preceitos legais pertinentes, as seguintes demonstrações financeiras, sem prejuízo de outras demonstrações exigidas por Lei: (i) balanço patrimonial; (ii) demonstração das mutações do patrimônio líquido; (iii) demonstração do resultado do exercício; e (iv) demonstração dos fluxos de caixa. Parágrafo 2º. Fará parte das demonstrações financeiras do exercício a proposta da Administração sobre a destinação a ser dada ao lucro líquido, em observância do disposto neste Estatuto Social e na legislação aplicável. Parágrafo 3º. A Diretoria poderá levantar balanços semestrais ou em períodos menores, e distribuir dividendos ou constituir reservas com base nos mesmos, observadas as disposições e limitações legais aplicáveis. Artigo 19. O lucro líquido do exercício terá obrigatoriamente a seguinte destinação: (i) 5% (cinco por cento) para a formação da reserva legal, até atingir 20% (vinte por cento) do capital social subscrito; (ii) constituição de reserva para contingências, se proposto pela Administração e aprovado pelaAssembleia Geral; (iii) pagamento de dividendo obrigatório, nos termos do artigo 20 deste Estatuto Social; (iv) retenção de reserva de lucros com base em orçamento de capital, se proposto pela Administração e aprovado pela Assembleia Geral; (v) retenção de lucros para formação da reserva de investimentos prevista no parágrafo único abaixo; e (vi) o saldo do lucro líquido será objeto de distribuição de dividendos conforme proposto pela Administração e deliberação da Assembleia Geral. Parágrafo Único. A Companhia manterá reserva de lucros estatutária denominada “Reserva de Investimentos”, que terá por fim assegurar recursos para financiar aplicações adicionais de capital fixo e circulante e expansão das atividades sociais da Companhia e de suas empresas controladas e coligadas, a qual será formada com até 100% (cem por cento) do lucro líquido que remanescer após as destinações legais e previstas neste estatuto e cujo saldo, somado ao saldo das demais reservas nos termos da lei, não poderá ultrapassar 100 % (cem) do capital social da Companhia. Artigo 20. Os acionistas terão direito a receber, em cada exercício, a título de dividendo obrigatório, 25% do saldo do lucro líquido do exercício, ajustado nos termos da Lei das S.A. Parágrafo 1º. Sempre que o montante do dividendo obrigatório ultrapassar a parcela realizada do lucro líquido do exercício, a administração poderá propor, e a Assembleia Geral aprovar, destinar o excesso à constituição de reserva de lucros a realizar. Parágrafo 2º. AAssembleia Geral poderá atribuir aos administradores uma participação nos lucros, observados os limites legais pertinentes. Artigo 21. A Diretoria poderá deliberar o pagamento ou crédito de juros sobre o capital próprio, ad referendum da Assembleia Geral Ordinária que apreciar as demonstrações financeiras relativas ao exercício social em que tais juros foram pagos ou creditados, sendo que os valores correspondentes aos juros sobre capital próprio poderão ser imputados ao dividendo obrigatório. Capítulo VII. Da Prática de Atos Ultra Vires. Artigo 22. É expressamente vedado e será nulo de pleno direito o ato praticado por qualquer acionista, administrador, procurador ou funcionário da Companhia que a envolva em obrigações relativas a negócios e operações estranhos ao objeto social, sem prejuízo da responsabilidade civil ou criminal, se for o caso, a que estará sujeito o infrator deste dispositivo. Capítulo VIII. Da Liquidação - Artigo 23. A Companhia entrará em liquidação nos casos previstos em lei, cabendo à Assembleia Geral eleger o liquidante e os membros do Conselho Fiscal que deverão funcionar no período da liquidação, fixando-lhes a remuneração. Capítulo IX. Das Disposições Gerais. Artigo 24. Os casos omissos ou duvidosos deste Estatuto Social serão resolvidos pela Assembleia Geral, a eles aplicando-se as disposições legais vigentes. Artigo 25. A qualquer tempo, o tipo jurídico da Companhia poderá ser transformado em outro, por decisão de acionistas representando a maioria do capital social, em Assembleia Geral. Artigo 26. O presente Estatuto entra em vigor na data de sua aprovação pela Assembleia Geral.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

18

terça-feira, 13 de março de 2012

e Instituições antecipam restituição do IR Para que o comportamento das famílias seja mais ativo no comportamento geral do País são necessárias novidades. Marcio Pochmann, do Ipea

conomia

Principais bancos já oferecem linhas de crédito específicas que adiantam até 100% do total. Juros variam de 2,3% a 3%, dependendo do valor a ser emprestado. Silvia Pimentel

O

s principais bancos já lançaram lin h a s d e c ré d i t o para a antecipação da restituição do Imposto de Renda (IR), cujo prazo de entrega da declaração foi aberto no último dia 1º. As taxas de juros variam de 2,3% a 3%, dependendo do valor a ser emprestado. Alguns bancos antecipam até 100% do montante da restituição, desde que não ultrapasse determinados valores. A Caixa Econômica Federal definiu na semana passada o valor da taxa de juros. Para quem já tomou dinheiro emprestado na instituição, a taxa será de 2,42% ao mês. Caso seja o primeiro empréstimo, 2,8% ao mês. O pagamento será debitado em conta-corrente no momento em que a Receita Federal depositar o valor da restituição. Para essa linha, a Caixa empresta a partir de R$ 610 até R$ 30 mil, no valor de até 75% do montante de imposto a ser devolvido. Pela linha do Banco do Brasil, é possível antecipar até 100% do valor do imposto a ser restituí-

do, desde que não ultrapasse $ 20 mil para operações com garantia de fiança. Para operações sem garantia, o limite é R$ 5 mil. O banco cobra juros a partir de 2,3% ao mês. O pagamento será feito em parcela única e debitado em conta-corrente na data em que for liberada a restituição ou em 28 de fevereiro de 2013, dependendo do que ocorrer primeiro. No ano passado, o BB fechou 233 mil contratos de empréstimo do gênero, no valor de R$ 395 milhões. O Bradesco vai cobrar taxas a partir de 3% ao mês para empréstimos até o limite de R$ 20 mil. O empréstimo será quitado de uma só vez assim que a Receita liberar a restituição ou até dezembro de 2012. O Banco Itaú tem duas linhas de crédito, que podem ser contratadas até 31 de outubro deste ano. O pagamento deve ser feito no dia do recebimento da restituição ou em 17 de dezembro, data do último lote de restituição do IR, o que ocorrer primeiro. O empréstimo é feito a partir de R$ 500 e o banco cobra taxas de juros a partir de 2,6% ao mês. No Santander, o crédito tem limite mínimo de R$ 100. E as taxas foram fixadas a par-

tir de 2,99% ao mês. O educador financeiro Reinaldo Domingos, presidente do Instituto DSOP de Educação Financeira, recomenda cautela aos contribuintes que pretendem tomar um empréstimo, contando com o valor da restituição. "É preciso ter a certeza de que tudo está correto na declaração, pois caso apresente problemas, o documento será retido na malha fina da Receita Federal e o tomador terá de arcar com o empréstimo do próprio bolso", alerta. Para o especialista, a antecipação só vale para quem está precisando com urgência do dinheiro. "Antecipar a restituição para pagar uma dívida pode ser um bom negócio quando as taxas oferecidas pelos bancos forem mais baixas do que as da dívida original", exemplifica. A dica para quem decidir pelo empréstimo é enviar o mais rápido possível a declaração, pois aumentam as chances de receber a restituição mais cedo. Renata Reis, especialista em defesa do consumidor do Procon-SP, também destaca que é importante fazer uma pesquisa e comparar com outras linhas de crédito.

Confiança no emprego continua alta

A

confiança no mercado de trabalho é o principal fator que vem sustentando o otimismo das famílias, na avaliação de Marcio Pochmann, presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Na pesquisa Índice de Expectativas das Famílias (EF), divulgada ontem, 78,6% dos pesquisados declararam que se sentem seguros sobre a situação do responsável pela família em seu emprego. A fatia dos que se sentiam seguros na ocupação era um pouco maior em janeiro (80,7%), mas atualmente ainda demonstra grande confiança no mercado de trabalho. No entanto, a pesquisa verificou que apenas 38,6% das famílias esperam alguma melhora profissional do responsável pelo domicílio nos próximos seis meses. "A maior parte dos entrevistados acredita que não vai melhorar na ocupação. Eles estão seguros no emprego, mas não percebem possibilidade de melhora na sua renda ou na posição profissional", aponta Pochmann. O otimismo em relação ao futuro profissional cresce à medida que aumenta o grau de escolaridade e a renda das famílias. Entre os trabalhadores sem escolaridade, apenas 25,9% esperam melhora no emprego. Essa fatia aumenta para 36,8% entre os que têm ensino fundamental completo e para 52% entre os que possuem ensino superior incom-

pleto. Quanto à renda, os empregados que recebem entre um e dois salários mínimos são os menos otimistas, apenas 33,2% deles creem em uma melhora profissional. Já os trabalhadores que recebem entre cinco e dez salários mínimos estão mais confiantes: 47,3% deles acreditam em

uma evolução na ocupação. "À medida em que aumenta a escolaridade, aumenta a percepção de que é possível ascender profissionalmente. Em relação à renda, também há essa semelhança", notou Pochmann. As medidas tomadas pelo governo no segundo semestre

Masao Goto Filho/e-Sim

Pochmann: escolaridade aumenta otimismo sobre futuro profissional.

do ano passado, como o aumento do salário mínimo, a redução de impostos sobre eletrodomésticos e os cortes na taxa básica de juros, já não são suficientes para sustentar a confiança dos consumidores em 2012, disse Pochmann. O Índice de Expectativa das Famílias (IEF) voltou ao nível de janeiro de 2011, aos 67,2 pontos, após atingir o pico de 69 pontos em janeiro. "Houve queda na expectativa das famílias, mas não sabemos avaliar se houve acomodação após uma forte elevação, ou se está relacionada a uma trajetória de queda nas expectativas devido a uma pior evolução na atividade econômica do Brasil", disse Pochmann. Segundo o presidente do Ipea, o governo terá que apresentar novidades para voltar a elevar o otimismo das famílias e, consequentemente, ajudar a aumentar o Produto Interno Bruto (PIB) do País por meio do consumo. "Para que o comportamento das famílias seja mais ativo no comportamento geral do País são necessárias novidades. Até agora, as medidas tomadas (como o salário mínimo, o corte nos juros e a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados – IPI) foram suficientes para sustentar o consumo no ano passado. Mas, aparentemente, não são mais suficientes para manter a trajetória de gastos das famílias em 2012", avaliou o presidente do Ipea. (AE)

Pequena empresa fatura 8,8% mais

O

faturamento real das micro e pequenas empresas paulistas aumentou 8,8% em janeiro deste ano na comparação com igual mês do ano passado e chegou a R$ 28,3 bilhões – R$ 2,3 bilhões a mais que em 2011. Em comparação com dezembro, o faturamento apresentou queda de 12,6%, recuo esperado por conta de os números deste mês serem inflados pelas compras de Natal e o início de ano ser época de férias coletivas. Os dados são da pesquisa Indicadores, realizada pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado de São Paulo (Sebrae-SP). De acordo com a entidade, a alta verificada em janeiro foi influenciada pelos setores de serviços e comércio, que registraram elevações de 11,5% e 11,2%, respectivamente. As micro e pequenas empresas industriais tiveram queda de 3,2% no faturamento real em janeiro sobre igual mês de 2011. "Os resultados fracos da indústria são atribuídos aos efeitos

dos aumentos dos juros básicos no primeiro semestre de 2011 e à concorrência com importados", afirma nota divulgada pelo Sebrae-SP. O estudo indica resultados positivos em todas as regiões do estado em janeiro ante janeiro de 2011: Grande ABC (13,5%), Região Metropolitana de São Paulo (9,8%), interior (7,7%) e capital paulista

3,2 por cento foi a queda no faturamento real das micro e pequenas empresas industriais em janeiro sobre igual mês de 2011. (6,2%). O Sebrae-SP afirma esperar "ligeira melhora" no desempenho das micro e pequenas empresas da indústria a partir do segundo semestre por conta da redução dos juros iniciada em agosto de 2011. (AE)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 13 de março de 2012

e

ECONOMIA/LEGAIS - 19 A Vigor, subsidiária integral do Grupo JBS, é a quarta no ranking das empresas de lácteos e derivados do Brasil.

conomia

Vigor pretende triplicar negócios em dez anos

1,5

Empresa lança plano de expansão no mercado nacional e espera financiá-lo com recursos obtidos em bolsa

A

listagem da Vigor na BM&FBovespa abrirá espaço para futuras captações com emissão de novas ações e dívida no exterior, visando financiar a expansão da companhia que prevê mais que triplicar o faturamento em um prazo de até dez anos, disse ontem o presidente da divisão de lácteos do JBS, Gilberto Xandó. "Depois de tudo consolidado e aprovado, aí tem duas possibilidades... Pode emitir mais ações e pode arrumar empréstimos, como fazer uma emissão de bônus no exterior. Aí dependerá do mercado", afirmou o presidente Xandó. A Vigor fechou 2011 com faturamento de R$ 1,5 bilhão, mas estima atingir receita de R$ 5 bilhões nos próximos anos, baseada em seu programa de expansão que prevê incremento das vendas em Estados vizinhos a São Paulo, partindo de Minas Gerais e do Paraná, e gradativamente reforçando operações no Rio de Janeiro, Espírito Santo, Santa Catarina e Goiás. Ra nk in g – A Vigor, subsidiária integral do Grupo JBS, é a quarta no ranking das empresas de lácteos e derivados do Brasil, com 6,9 % de participação, atrás de Nestlé, Danone e Brasil Foods. Segundo o executivo, nos úl-

timos três anos a empresa cres- atribuído a questões tributárias, ceu mais que o dobro da média de acordo com Xandó. "Mas o do mercado e a expectativa é resultado operacional da emmanter esse ritmo. Os investi- presa é positivo", disse ele. Passivo – Laudo do banco mentos realizados nos últimos anos em linhas como de iogur- Bradesco indicou que o passite e requeijão, segundo Xandó, vo total da companhia em 20 permitem à Vigor "continuar de janeiro estava em R$ 856 micrescendo neste ritmo supe- lhões, sendo a maior parte em rior à média do mercado brasi- exigíveis de longo prazo. O valor patrimonial da ação leiro até 2013". Em meados de fevereiro, o apontada pelo banco na ocasião JBS anunciou planos de separar do anúncio da operação de troca de ações era a Vigor por meio d e R $ 11 , 9 1 , de uma oferta de para 100 mipermuta em que lhões de ações. os acionistas do O mercado de leite Segundo o frigorífico podeestá em ascensão. executivo, se a rão trocar parte Comissão de das ações no gruLeite e derivados Valores Mobipo por papéis a são a primeira liários (CVM) serem emitidos porta de entrada e a própria pela empresa de para o acesso às companhia lácteos. proteínas. seguirem o Xandó enxerprazo total ga a operação GILBERTO XANDÓ, DO JBS protocolar como uma alterprevisto para nativa para aumentar a velocidade de cres- a operação, o edital sairia em meados de abril. Esse é o docucimento da companhia. Segundo ele, o plano de ex- mento que vai trazer informapansão é baseado atualmente ções sobre a relação de troca e no crescimento orgânico da em quanto efetivamente a Vicompanhia, que tem geração gor foi avaliada. O valor apontado pelo laudo de caixa suficiente para cobrir as dívidas da empresa. O exe- servirá de referência para os cutivo não quis detalhar de membros do Conselho de Adquanto é a geração de caixa da ministração do JBS, que se reunirão para definir o valor final companhia atualmente. A Vigor fechou o ano passado da relação de troca, o que deve com prejuízo de R$ 7,6 milhões, ocorrer após as autorizações

dadas pela CVM. O prazo para os acionistas se candidatarem à troca das ações do JBS pelas da Vigor é de mais 30 dias, após as autorizações. Os bancos responsáveis por coordenar a operação são o Bradesco e o JPMorgan. Proteínas – Xandó, que assumiu a empresa há cerca de sete meses, ressaltou que o setor de lácteos vem se beneficiando da melhoria de renda da população brasileira, com ascensão das classes C e D. "O mercado de leite está em ascensão. O leite e os derivados do leite são a primeira porta de entrada para o acesso de proteínas para o mercado consumidor brasileiro", disse o presidente da divisão de lácteos. Questionado sobre possíveis aquisições, Xandó afirmou que "não vamos nunca falar que não estamos abertos a oportunidades. Tenho que ficar sempre atento, mas o nosso plano foi construído basicamente no crescimento orgânico". A empresa trabalha com um programa de investimentos de R$ 350 milhões até 2015, dos quais R$ 45 milhões foram aplicados nos últimos dois anos para expandir a capacidade de produção. A partir de agora, os aportes incluirão também investimentos para infraestrutura logística, como a construção de centros de distribuição. (Reuters)

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA PAULISTA AVISO DE ABERTURA DE LICITAÇÃO

Associação Paulistana dos Condutores de Transporte Complementar da Zona Leste CNPJ 04.753.520/0001-26

para Esclarecimentos sobre “Ata do Conselho Fiscal de 07/02/2012” Pelo presente edital convoco todos os associados para Assembléia Geral Extraordinária, a realizar-se no dia 22 de Março de 2012, na Rua JoaquimMarra,1783-VilaMatilde-SP. A1ªconvocaçãodar-se-áàs10:00horas,restandoasdemais,senecessárias,acadahorasubsequente, para“EsclarecimentossobreaAtadoConselhoFiscalde07/02/2012”.SãoPaulo,09deMarçode2012.WilsonRobertoRibeiro-DiretorPresidente.

Acham-se abertos na Prefeitura do Município de Bragança Paulista os seguintes certames licitatórios: PREGÃO PRESENCIAL Nº 053/2012 OBJETO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ESCOLAR, PREPARAÇÃO DE MERENDA ESCOLAR COM FORNECIMENTO DE TODOS OS GÊNEROS ALIMENTÍCIOS PARA ATENDER ALUNOS DA REDE PÚBLICA DE ENSINO. DATA DE ABERTURA: 29/03/2012, às 09:30 O edital completo está disponível no site da prefeitura “www.braganca.sp.gov.br”. As informações poderão ser obtidas na Divisão de Licitação, Compras e Almoxarifado da Prefeitura Municipal, sita à Avenida Antonio Pires Pimentel, nº 2.015, Centro, ou pelo telefone (11) 40347056 / 59, em dias úteis das 09:00 às 16:00 horas. Bragança Paulista, 12 de março de 2012. JOSÉ PEREIRA DE GODOI CHEFE DA DIVISÃO DE LICITAÇÃO, COMPRAS E ALMOXARIFADO

Extravio de Documentos A empresa: IVAN MARQUES RODRIGUES FLORICULTURA – ME, inscrita no CNPJ: 04.957.107/ 0001-83 e I.E.: 116.348.590.117, declara para os devidos fins que foram extraviados: Talão de NF Consumidor de nº 001 a 500 (Em uso) AIDF 1756; Talão de NF Modelo 1 de nº 001 a 050 (Em uso) AIDF 7505; Livro de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrência Modelo 06.

Banco Bradesco BBI S.A.

CNPJ no 06.271.464/0001-19- NIRE 35.300.335.791 Assembleias Gerais Ordinária e Extraordinária Edital de Convocação Convidamos os senhores acionistas desta Sociedade a se reunirem em Assembleias Gerais Ordinária e Extraordinária a serem realizadas cumulativamente no próximo dia 19 de março de 2012, às 8h, na sede social, Cidade de Deus, Prédio Prata, 4o andar, Vila Yara, Osasco, SP, a fim de: Assembleia Geral Ordinária: I) tomar conhecimento dos Relatórios da Administração e dos Auditores Independentes e examinar, discutir e votar as Demonstrações Contábeis relativas ao exercício social findo em 31.12.2011; II) deliberar sobre proposta da Diretoria para a destinação do lucro líquido do exercício encerrado em 31.12.2011 e distribuição de dividendos; III) eleger os membros da Diretoria da Sociedade; IV) fixar o montante global anual da remuneração dos Administradores. Assembleia Geral Extraordinária: · deliberar sobre proposta da Diretoria para alterar o Estatuto Social, na alínea “g” do Artigo 9 o, aprimorando a sua redação. Documentos à Disposição dos Acionistas: este Edital de Convocação e as Propostas da Diretoria encontram-se à disposição dos acionistas na Sede da Sociedade e na Bradesco S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários, Instituição Financeira Depositária das Ações da Sociedade, na Avenida Paulista, 1.450, 7o andar, Bela Vista, São Paulo, SP. Cidade de Deus, Osasco, SP, 8 de março de 2012. Luiz Carlos Trabuco Cappi - Diretor-Presidente. 9, 10 e 13.3.12

FALÊNCIA, RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL E RECUPERAÇÃO JUDICIAL Conforme informação da Distribuição Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, foram ajuizados no dia 12 de março de 2012, na Comarca da Capital, os seguintes pedidos de falência, recuperação extrajudicial e recuperação judicial: Requerente: Angel’s Segurança e Vigilância Ltda. Requerido: Kwikasair Cargas Expressas S.A. Avenida Morgan Dias de Figueiredo, 6.159 – Parque Novo Mundo - 1ª Vara de Falências.

bilhão de reais foi o faturamento da empresa do Grupo JBS no ano passado. O objetivo da companhia é conseguir receita de R$ 5 bilhões nos próximos anos.

OAS Engenharia S.A. Em Constituição Escritura de Constituição da Sociedade OAS Engenharia S.A. 9ºTabelião de Notas São Paulo-SP - Comarca de São Paulo - Estado de São Paulo -Tabelião Paulo Roberto Fernandes Livro nº 9755 - Pág.nº 167 - DL - PrimeiroTraslado Saibam quantos esta pública escritura virem que aos 06/02/2012, nesta Cidade e Capital do Estado de São Paulo, no prédio sito na Av.Angélica número 2.330, onde a chamado vim, perante mim, Tabelião, compareceu como “Outorgante Constituinte”, a OAS S.A., sociedade anônima, com sede e foro nesta Capital, na Av. Angélica nº 2.330/2.346/2.364, 9º andar, sala 904, Consolação, CNPJ/MF nº 14.811.848/0001-05, com seus atos constitutivos registrados na Junta Comercial do Estado de São Paulo (JUCESP), NIRE 35.3.0038001-1, e estatuto social consolidado em 29/12/2011, registrado na JUCESP nº 25.778/12-2, neste ato representada por seus diretores, Cesar de Araújo Mata Pires, brasileiro, casado pelo regime da comunhão parcial de bens, engenheiro civil, portador da carteira de identidade profissional nº 8.745-D CREA/BA e da carteira de identidade RG nº 611.452 - SSP/BA, inscrito no CPF/MF sob nº 056.377.245-04, residente e domiciliado na RuaWaldemar Falcão, nº 759, apto.502, Brotas, Salvador - BA e José Adelmário Pinheiro Filho, brasileiro, casado pelo regime da comunhão universal de bens, engenheiro civil, portador da carteira de identidade profissional nº 8.004-D - CREA/BA e da carteira de identidade RG nº 918.407-40 - SSP/BA, CPF/MF nº 078.105.635-72, residente e domiciliado na Av.Oceânica, nº 1.545, apto.204, Ondina, Salvador - BA. Os presentes conhecidos e identificados por intermédio dos documentos supra mencionados e ora exibidos, do que dou fé.E, pela outorgante, OAS S.A., por seus representantes acima nomeados e qualificados, me foi dito o seguinte: I - que, a outorgante constituinte, decidiu como lhe faculta a Lei 6.404, de 15/12/1976, em seu art. 251, a constituição de uma sociedade anônima subsidiária integral, que se denominará OAS Engenharia S.A., que terá o capital subscrito de R$ 100,00, divido em 100 ações ordinárias nominativas e sem valor nominal, totalmente integralizado neste ato, pela única acionista, OAS S.A., subscrição essa feita em moeda corrente do país.II - que, na conformidade do já exposto a OAS S.A.em pagamento de 100% do capital social da sociedade anônima subsidiária integral, ora constituída, neste ato, efetua o depósito da quantia de R$ 100,00, junto ao Banco do Brasil S.A. (agência 3064-3, localizada na Av. Paulista, 2300, São Paulo/SP). III - que a sociedade anônima subsidiária integral ora constituída, se regerá pelo seguinte Estatuto Social:“Capítulo I - Da Denominação,Duração,Sede e Objeto Social” - Art. 1 - OAS Engenharia S.A. (“Companhia”) é uma sociedade anônima, regida pelo presente Estatuto Social e pelas disposições legais que Ihes forem aplicáveis especialmente Lei nº 6.404, de 15/12/1976 (“LSA”), e suas alterações posteriores, vigorando por prazo indeteminado. Art. 2 - A Cia. tem sua sede e foro na Av. Angélica, nº 2.330/2.346/2.364, 7º andar, sala 704, Consolação, São Paulo - SP, local onde funcionará o seu escritório administrativo, podendo abrir filiais, escritórios e representações em qualquer localidade do país ou do exterior, mediante deliberação da Diretoria.Art. 3º - A Cia.tem por objetivo social a (i) exploração da atividade de engenharia civil e da indústria de construção civil e pesada, inclusive gerenciamento e execução de projetos e obras; (ii) importação e exportação em geral; (iii) compra, e venda de materiais, máquinas e equipamentos; (iv) compra e venda de imóveis sem corretagem; (v) locação de bens móveis; (vi) aproveitamento e exploração de jazidas minerais; (vii) serviços de dragagem e transporte/navegação marítima, fluvial e lacustre; (viii) manutenção e montagem industrial, instalações e montagens elétricas, eletrônicas, eletromecânicas e mecânicas; e (ix) participação como sócia ou acionista de outras sociedades no Brasil e no Exterior de qualquer ramo, podendo inclusive, constituir e participar em consórcio de empresas e abrir novos estabelecimentos, sucursais e filiais em qualquer localidade do Território Nacional e no Exterior. “Capítulo II Capital Social e Ações”- Art.4 - O capital social é de R$ 100,00, dividido em 100 ações ordinárias, nominativas e sem valor nominal, totalmente integralizadas, tudo em moeda corrente nacional. Art. 5 - As ações da Cia. são assegurados os direitos que a Lei confere às ações de cada espécie. Parágrafo Primeiro: Cada ação ordinária dá direito a um voto nas deliberações das Assembleias Gerais. Parágrafo Segundo: A Cia., nos termos da Lei, poderá adquirir ações de sua emissão, para cancelamento ou manutenção em tesouraria para posterior alienação, mediante autorização da Assembleia Geral.“Capítulo III - Da Administração”- Art. 6 - A Cia.será administrada por uma Diretoria Executiva, com os poderes conferidos em Lei e por este Estatuto Social, dispensando-se a constituição de caução em garantia das gestões. Parágrafo Primeiro: A remuneração da Diretoria Executiva será fixada anualmente pela Assembleia Geral. Parágrafo Segundo: Os membros da Diretoria Executiva tomarão posse na forma do que dispõe o art. 149 da LSA, tendo os requisitos, impedimentos, deveres, obrigações e responsabilidades contempladas na mesma Lei, artigos 145 a 158. Art. 7 - A Diretoria Executiva é composta por 02 Diretores, residentes no País, eleitos e destituíveis a qualquer tempo, pela Assembleia Geral, com mandato de 03 anos, permitida a reeleição, com as designações seguintes: Diretor Presidente e Diretor Vice-Presidente.Parágrafo Primeiro: Ao final de seus mandatos, os Diretores permanecerão em seus cargos até a posse de seus dos novos Diretores.Parágrafo Segundo:No impedimento ou ausência temporária do Diretor Presidente, este será substituído pelo Diretor Vice-Presidente. Parágrafo Terceiro: Em caso de vacância ou, impedimento definitivo de cargo da Diretoria, o substituto será eleito pela Assembleia Geral e exercerá, quando for o caso, as funções pelo tempo que faltar ao diretor substituído.“Capítulo IV - Funcionamento da Diretoria Executiva” - Art. 8 - A Diretoria reunir-se-á sempre que os interessest sociais o exigirem e suas reuniões serão presididas pelo Diretor Presidente. Parágrafo Primeiro: As reuniões serão sempre convocadas por qualquer dos Diretores. Parágrafo Segundo: As deliberações da Diretoria constarão em Atas lavradas em livro próprio e serão tomadas por consenso. Parágrafo Terceiro: Em caso de empate, em se verificando qualquer impasse entre os Diretores, a matéria objeto da discussão e impasse será levada à deliberação da Assembleia Geral, que decidirá em última instância sobre o assunto. “CapítuloV - Competência da Diretoria e Representação”- Art. 9 À Diretoria compete: I - propor à Assembleia Geral as diretrizes fundamentais, dentro dos objetivos e metas da Companhia, para exame e deliberação; II - assegurar o bom andamento dos negócios sociais, decidir e praticar todos os atos necessários à realização do objeto da Companhia, desde que não sejam da Competência exclusiva da Assembleia Geral e também não necessitem de prévia aprovação na forma deste Estatuto; III - promover convênios e contratar nos limites impostos pela Assembleia Geral, dentro dos fins da Companhia, com pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado, nacionais ou estrangeiras;IV - onerar e alienar bens móveis ou imóveis, inclusive os integrantes do ativo permanente, prestar garantias a obrigações próprias e prestar quaisquer garantias a obrigações de terceiros nos termos do Parágrafo Segundo do Artigo 10 deste Estatuto Social; V - aprovar, no âmbito de sua alçada, os critérios relativos aos cargos e salários e ao regime disciplinar dos empregados da Companhia;VI - elaborar e apresentar ao final de cada exercício social as Demonstrações Financeiras, na forma da LSA, instruídas com o Parecer dos Auditores Independentes, para apreciação do Conselho Fiscal, se instalado, e aprovação pela Assembleia Geral; VII - elaborar e propor à Assembleia Geral o Orçamento da Companhia; VIII - instalar escritórios de representação da Companhia em locais de interesse para os negócios sociais, quando necessário; IX - aprovar normas e manuais da Companhia; e X representar a Companhia ativa e passivamente, bem como a prática de todos os atos necessários ou convenientes à administração dos negócios sociais, respeitado os limites previstos em lei ou no presente Estatuto Social. Art. 10 - Observadas as disposições contidas no presente Estatuto Social, a representação da Cia., em juízo ou fora dele, ativa ou passivamente, perante terceiros e repartições públicas federais, estaduais ou municipais, considerando-se a Cia. validamente obrigada pela assinatura de qualquer diretor. Parágrafo Primeiro: A Cia.poderá, através de assinatura conjunta de 02 Diretores, constituir procuradores, outorgando-lhes, por prazo determinado não superior a 02 anos, poderes específicos de administração exceto os poderes da cláusula “ad judicia” ou para a defesa dos interesses da Companhia em processos administrativos, que poderão ser outorgados por prazo indeterminado. Parágrafo Segundo: Fica estabelecido, entretanto, que, para oneração, aquisição e alienação de imóveis, emissão de cheques, outorga de avais e fianças (exceto fianças concedidas em contratos de locação), a Companhia se obrigará mediante a assinatura de: (i) 02 Diretores; (ii) de 01 Diretor e 01 (hum procurador, nos limites dos poderes que lhes forem conferidos;ou (iii) de 02 procuradores, nos limites dos poderes que lhes forem conferidos.ParágrafoTerceiro:É vedado o uso da denominação social em avais,fianças e dações de bens e garantias em negócios estranhos à Companhia,exceto:(i) em relação às empresas nas quais a Companhia participe como sócia ou acionista, direta ou indiretamente; (ii) quando se tratar de empresas das quais os acionistas participem em conjunto como sócios ou acionistas; ou (iii) quando expressa e especificamente aprovado por todos os acionistas da Companhia em Assembleia Geral.“Capítulo VI - Conselho Fiscal” - Art. 11 - O Conselho Fiscal somente será instalado nos exercícios sociais em que for convocado mediante deliberação dos acionistas, conforme previsto em Lei. Art. 12 O Conselho Fiscal,quando instalado,será composto por no mínimo 03 e no máximo 05 membros e por igual número de suplentes, eleitos pela Assembleia Geral de Acionistas, sendo permitida a reeleição, com as atribuições e prazos de mandato previstos em lei. Parágrafo Primeiro: A remuneração dos membros do Conselho Fiscal será estabelecida pela Assembleia Geral de Acionistas que os eleger. Parágrafo Segundo: Aplica-se ao Conselho Fiscal, quanto às normas de eleição, requisitos, impedimentos, investidura, obrigações, deveres e responsabilidades o que dispõe a LSA, artigos 161 a 165. “Capítulo VII - Assembleias Gerais” - Art. 13 - Respeitada a legislação em vigor, a Assembleia Geral será convocada na seguinte ordem: a) pelo Diretor Presidente; b) pelo Diretor Vice-Presidente, nos casos de ausência ou impedimento do Diretor Presidente;c) pelas pessoas legalmente habilitadas nos termos da LSA.Parágrafo Único: Os trabalhos da Assembleia Geral serão dirigidos por mesa composta de presidente e secretário, escolhidos pelos acionistas presentes. Art. 14 - As Assembleias Gerais serão realizadas: a) ordinariamente e anualmente, com a finalidade prevista no art.132 da LSA, nos quatro primeiros meses subsequentes ao encerramento do exercício social; e, b) extraordinariamente, sempre que os interesses sociais o exigirem. “Capítulo VIII - Exercício Social, Lucros e Dividendos”- Art.15 - O exercício social terá início em 01 de janeiro e terminará em 31 de dezembro de cada ano,findo o qual serão alaborados o balanço geral e as demonstrações financeiras exigidas em lei.Art.16 - Do resultado do exercício apurado na forma da legislação em vigor serão deduzidos os prejuízos acumulados, se houver, e provisão para o Imposto de renda. Art. 17 Após procedidas as deduções referidas no artigo anterior, a Assembleia Geral poderá atribuir aos administradores e funcionários uma participação sobre os lucros remanescentes respeitadas as lotações legais. Art. 18 - O saldo, após deduzidas as participações no resultado, configurará o lucro líquido do exercício, que será objeto de proposta à Assembleia Geral, e terá a seguinte destinação: a) 5% para a constituição de Reserva Legal, que não excederá 20% do Capital Social;b) formação de Reservas para Contingências, caso haja necessidade; c) constituição de Reservas de Lucro a Realizar, se for o caso, na forma prevista pela legislação; d) pagamento de dividendos anuais obrigatórios de, no mínimo 25% sobre o lucro líquido do exercício, ajustado na forma da lei de acordo com as deduções previstas nos itens “a”, “b”e“c”anteriores;e e) a Assembleia Geral resolverá sobre o destino do saldo remanescente do lucro líquido do exercício.Art.19 - A Cia.poderá levantar balanços mensais e sobre eles decidir sobre o pagamento de dividendos. Parágrafo Único: A Diretoria Executiva poderá declarar dividendos intermediários à conta de reserva de lucros verificada no Balanço.“Capítulo IX - Liquidação”- Art.20 - A Cia.entrará em liquidação nos casos previstos em Lei, competindo à Assembleia Geral eleger o liquidante e os membros do Conselho Fiscal que deverão funcionar no período da liquidação, fixando-lhes a remuneração. IV - a seguir foi pela outorgante constituinte, nomeada a seguinte Diretoria: Diretor Presidente, Sr. Cesar de Araújo Mata Pires, brasileiro, casado, engenheiro civil, portador da carteira de identidade profissional nº 8.745-D CREA/BA e da carteira de identidade RG nº 611.452 - SSP/BA, CPF/MF nº 056.377.245-04, residente e domiciliado na R.Waldemar Falcão, nº 759, apto. 502, Brotas, Salvador - BA e Diretor Vice-Presidente Sr. José Adelmário Pinheiro Filho, brasileiro, casado, engenheiro civil, portador da carteira de identidade profissional nº 8.004-D - CREA/BA e da carteira de identidade RG nº 918.407-40 - SSP/BA, CPF/MF sob nº 078.105.635-72, residente e domiciliado na Av.Oceânica, nº 1.545, apto.204, Ondina, Salvador - BA.Os diretores ora eleitos, tomarão posse mediante a lavratura de termo próprio no Livro de Atas de reuniões da Diretoria, dispensada a garantia de gestão, para mandato de 3 anos a partir da presente data, permitida a reeleição, devendo permanecer em seus cargos até que sejam eleitos seus substitutos. V - os administradores ora eleitos declaram sob as penas da lei, que (i) aceitam a indicação do cargo; (ii) não estão impedidos por lei especial, de exercer a administração de sociedades empresárias; (iii) não foram condenados por crime falimentar, de prevaricação ou suborno, concussão, peculato, contra a economia popular, a fé pública ou a propriedade ou a pena criminal que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos.VI - que , a presente constituição da sociedade anônima subsidiária integral denominada OAS Engenharia S.A., é feita pela outorgante contituinte, com assistência pra os fins do que dispõe o § 2º, do art. 1º da Lei 8.906 de 04/07/1994, do advogado Diego Sales Seoane, brasileiro, casado, OAB/SP nº 227.229 e no CPF/MF sob nº 798587915-34, com endereço comercial na Av. Angélica, 2.346, 9º andar, Consolação, São Paulo/SP. VII - que, tendo sido atendidas todas as formalidades legais e pertinentes, a outorgante constituinte, declara definitivamente constituída a subsidiária integral denominada OAS Engenharia S.A., e em plena vigência seu Estatuto Social retro transcrito. A presente escritura deverá ser apresentada e arquivada perante a Junta Comercial do Estado de São Paulo, para que produza os efeitos legais. Assim o disseram, dou fé - A pedido dos representantes da Outorgante, lavrei a presente escritura, a qual feita lhes li e, por acharem-na conforme, a outorgaram, aceitaram e assinam, dou fé. - Eu, (a) Renato Hodlich Figueiredo, escrevente habilitado, a digitei e escrevi. Eu, (a.) Paulo Roberto Fernandes, Tabelião, a subscrevo e assino. (a.a.) //// Paulo Roberto Fernandes //// Cesar de Araújo Mata Pires //// José Adelmário Pinheiro Filho //// nada mais: Trasladada na mesma data, dou fé. Eu, nonono nonono nonono nonono a conferi, subscrevo e assino em público e raso. Em testº da verdade: JUCESP/NIRE nº 3530043568-1 em 02/03/2012. Gisela Simiema Ceschin Secretária Geral.

2011

Companhia Brasileira de Alumínio CNPJ/MF nº 61.409.892/0001-73 Demonstrações Financeiras

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas: Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as Demonstrações Financeiras relativas aos exercícios findos em 31 de dezembro de 2011, compostas pelo Balanço patrimonial e Demonstração do resultado. Queremos agradecer aos nossos clientes, fornecedores e prestadores de serviços, pelo apoio e cooperação e a confiança em nós depositada, e em especial aos nossos colaboradores, pelo empenho apresentado. São Paulo, 13 de março de 2012. A Diretoria.

Demonstrações do resultado - Exercícios findos em 31 de dezembro Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma

Balanço patrimonial - Em milhares de reais

Ativo Circulante Caixa e equivalentes de caixa Aplicações financeiras Contas a receber de clientes Estoques Tributos a recuperar Instrumentos financeiros derivativos Dividendos a receber Outros ativos Não circulante Realizável a longo prazo Partes relacionadas Tributos diferidos Tributos a recuperar Outros ativos Investimentos Imobilizado Intangível

Total do ativo

31/12/2011

Controladora 31/12/2010

31/12/2011

13.852 991.167 262.709 601.471 104.684 122.501 37.230 36.952 2.170.566

255.041 1.571.771 331.683 345.741 202.834 59.022 33.747 29.950 2.829.789

51.499 1.009.246 285.058 633.266 106.958 122.501 29.660 42.731 2.280.919

3.067.157 313.469 216.860 3.143 972.949 4.880.312 445.849 9.899.739

12.070.305

3.016.370 102.008 92.620 3.224 1.130.377 4.421.157 447.582 9.213.338

12.043.127

3.067.140 316.735 218.752 27.803 469.129 5.259.179 666.040 10.024.778

12.305.697

Consolidado 31/12/2010 Passivo e patrimônio líquido Circulante Empréstimos e financiamentos 260.744 Fornecedores 1.610.585 Partes relacionadas 350.130 Salários e encargos sociais 382.959 Tributos a recolher 224.376 Dividendos a pagar 59.022 Adiantamento de clientes 29.834 Instrumentos financeiros derivativos 35.680 Contas a pagar - Trading 2.953.330 Outros passivos 3.005.275 104.449 102.991 16.243 445.408 5.240.008 676.220 9.590.594

12.543.924

Não circulante Empréstimos e financiamentos Partes relacionadas Contingências e obrigações tributárias Tributos diferidos Uso do bem público Outros passivos Patrimônio líquido atribuído aos acionistas da controladora Capital social Reservas de lucros Prejuízos acumulados Ajuste de avaliação patrimonial Total do patrimônio líquido dos acionistas controladores Participação dos acionistas não controladores Total do patrimônio líquido Total do passivo e patrimônio líquido

31/12/2011 246.476 234.255 124.165 91.605 12.374 8 4.276 49.064 2.122

Controladora 31/12/2010 396.074 192.165 106.728 84.519 16.088

31/12/2011

764.345

7.281 853.821

282.661 243.551 125.475 97.043 19.560 5.705 22.927 49.064 2.122 6.692 854.800

3.931.467 574.943 37.660 469.876 391.774 21.847 5.427.567

3.667.517 585.465 43.755 425.883 367.744 21.348 5.111.712

4.068.137 574.943 31.001 469.876 399.682 28.786 5.572.425

17.032 33.934

4.630.233 1.448.095 (241.046) 41.111

4.630.233 1.448.095 (734)

4.630.233 1.448.095 (241.046) 41.111

5.878.393

6.077.594

5.878.393

6.077.594 12.043.127

79 5.878.472 12.305.697

5.878.393 12.070.305

Consolidado 31/12/2010 Receita líquida Custo dos produtos vendidos 435.842 216.351 Lucro bruto 95.535 86.344 Receitas (despesas) operacionais 19.756 Com vendas 210 Gerais e administrativas 17.032 Outras receitas (despesas) 33.934 operacionais, líquidas 43.852 948.856 Lucro (prejuízo) operacional antes das participações societárias e do resultado financeiro 4.074.899 572.055 Resultado de participações societárias 42.556 Equivalência patrimonial 425.883 375.285 Resultado financeiro líquido 26.699 5.517.377 Lucro (prejuízo) antes do imposto de renda e da contribuição social Imposto de renda e contribuição social Correntes 4.630.233 Diferidos 1.448.095 Lucro líquido (prejuízo) do exercício Lucro líquido (prejuízo) atribuído aos (734) acionistas controladores Lucro líquido (prejuízo) atribuído aos 6.077.594 acionistas não controladores 97 Lucro líquido (prejuízo) do exercício 6.077.691 Lucro (prejuízo) líquido no fim do exercício 12.543.924 por ação - R$

31/12/2011 2.666.808 (2.408.868)

Controladora 31/12/2010 2.577.590 (2.063.116)

31/12/2011 2.936.842 (2.566.750)

Consolidado 31/12/2010 2.763.988 (2.174.665)

257.940

514.474

370.092

589.323

(81.435) (200.722)

(78.200) (150.544)

(81.856) (201.131)

(77.642) (155.749)

(70.526) (352.683)

987 (227.757)

(78.835) (361.822)

1.238 (232.153)

(94.743)

286.717

8.270

357.170

78.424

45.251

28.780

15.356

(411.981)

31.232

(440.516)

9.359

(428.300)

363.200

(403.466)

381.885

187.254 (241.046)

6.200 (105.580) 263.820

(26.786) 189.218 (241.034)

5.029 (123.098) 263.816

(241.046)

263.820

12 (241.034)

(4) 263.816

(0,26)

0,29

As demonstrações financeiras completas acompanhadas de relatório sem ressalvas, emitido pela Pricewaterhousecoopers Auditores Independentes, serão publicadas no Diário Oficial do Estado de São Paulo em 13/03/2012. Sergio Rodrigo Machado de Medeiros - CRC PR055771/O-7 “S” SP


DIÁRIO DO COMÉRCIO

20

e

terça-feira, 13 de março de 2012

Yi Gang, diretor da Administração Estatal do Câmbio, disse que o governo chinês vai prosseguir com reformas para tornar o preço da moeda mais "dirigido pelo mercado".

conomia Philippe Lopez/AFP Photo

Governo chinês deve estimular o crescimento A balança comercial do gigante asiático registrou em fevereiro déficit de US$ 31,4 bilhões, o maior da década. O dado alarmou as autoridades, que já falam em adotar medidas para fortalecer a economia do país.

A

utoridades econômicas chinesas sugeriram ontem tomar novas medidas para estimular o crescimento do país. As declarações vêm na sequência dos números preocupantes da balança comercial divulgados nesta semana, que apontaram uma forte desaceleração do setor. O país registrou um déficit comercial de US$ 31,480 bilhões em fevereiro, a maior cifra da década. Embora o volume exportado tenha aumentado 18,4%, na comparação de fevereiro deste ano com igual mês de 2011, e as importações, outros 39,6% no mesmo período, a agência chinesa responsável pelas estatísticas apontou que a base de comparação foi fraca. Feitos os ajustes para eliminar a sazonalidade dos números, a Agência de Alfândega da China apontou um modesto crescimento de 4% das exportações no mês passado, enquanto as importações tiveram uma queda de 9,4%. O titular do banco central

chinês afirmou ontem que há espaço para facilitar as condições de crédito – uma medida clássica para aquecer a economia –, mas que quaisquer iniciativas nesse sentido seriam graduais. Reservas – "Nós temos espaço para ajudar a taxa de reservas (parcela dos depósitos bancários que não pode ser emprestada). Por outro lado, é necessário averiguar se há motivos para fazer esse ajuste", disse Zhou Xiaochuan, em Pequim, durante a conferência anual do parlamento chinês. Entre os maiores bancos do país, o governo da China exige que pelo menos 20% dos depósitos bancários sejam mantidos em reserva. Pequim já relaxou essas exigências outras vezes, de modo a permitir a injeção de mais recursos na economia, mas desta vez, não deu indicações mais firmes de que vai rebaixar esse percentual. Zhou e outros representantes do Banco Popular da China afirmaram que a instituição está monitorando de perto a crise

europeia e outros fatores globais que possam afetar a economia do gigante asiático. "Nossa política monetária acompanha as condições da China e também os fatores internacionais. Nós vamos lidar com esses problemas de maneira responsável", acrescentou o dirigente do banco central chinês. C âm b i o – As autoridades chinesas também se manifestaram sobre um assunto delicado para o país, e que foi alvo de pressões recentes e constantes dos Estados Unidos: a taxa de câmbio. Americanos reclamam que Pequim mantém o preço da moeda chinesa artificialmente desvalorizado, de modo a baratear os produtos locais no mercado externo, em uma competição tida como desleal. Yi Gang, diretor da Administração Estatal do Câmbio, disse que o governo iria prosseguir com reformas para tornar o preço da moeda mais "dirigido pelo mercado", mas ele não divulgou mais detalhes do projeto. (Folhapress)

Porto de Xangai: importações cresceram 39,6% entre fevereiro último e igual mês de 2011.

Stephen Brashear/AFP Photo

Zona do euro dá sinal de melhora

O

s países da zona do euro – as 17 nações que adotam a moeda única – sinalizaram, nos primeiros meses deste ano, a recuperação de suas economias. Por outro lado, o Brasil e a China indicam abrandamento, mostram dados da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE). Em relatório divulgado ontem, a OCDE informou ainda que as economias dos Estados Unidos e do Japão lideram as perspectivas de crescimento. Para as economias da zona do euro, a OCDE apontou

A Boeing recebeu subsídios ilegais, diz relatório da OMC.

A

União Europeia (UE) declarou vitória ontem na longa disputa que mantinha com os Estados Unidos na Organização Mundial do Comércio (OMC) em torno dos subsídios americanos à fabricante de aeronaves Boeing. A vitória ocorre após a OMC ter publicado um relatório mantendo a decisão anterior de um painel da organização que declarava que a companhia dos EUA recebeu bilhões de dólares em subsídios ilegais do governo. Nos Estados Unidos, a Representação Comercial (USTR) disse que não houve derrota e que irá cumprir a decisão. A OMC manteve ontem a decisão de 2010 em que avaliou que a Boeing recebeu bilhões de dólares em subsídios ilegais do governo dos Estados Unidos e de agências federais. A organização avalia que tanto os EUA quanto os países da União Europeia deram ajuda financeira às suas fabricantes de aeronaves e violaram as regras de comércio global. Em maio do ano passado, em ação

movida pelos EUA, a OMC decidiu que os governos da UE também concederam bilhões de dólares em ajuda ilegal à Airbus. No relatório divulgado, a OMC afirma que a Boeing recebeu de US$ 5 bilhões a US$ 6 bilhões em subsídios ilegais do governo americano entre 1989 e 2006, disse a Comissão Europeia em comunicado no qual comenta a decisão. A OMC também afirmou que a Boeing deve receber US$ 3,1 bilhões em subsídios a partir de 2006 até 2024. O montante de ajuda ilegal concedida à Airbus, entretanto, supera a ajuda concedida à Boeing, segundo a OMC. Um julgamento anterior sobre a disputa comercial entre os dois países apresentada pelos EUA apurou que a Airbus recebeu US$ 18 bilhões em ajuda ilegal na forma de subsídios. "É verdade que a Boeing certamente aproveitou os benefícios do governo por um longo tempo", disse o diretor do Centro Europeu para Política Econômica Internacional, Fredrik

Erixon, em Bruxelas. "Mas, ao mesmo tempo, não se pode comparar a ajuda para a Airbus, que foi criada por decreto do governo", afirmou. A Comissão Europeia e a Airbus, entretanto, argumentaram que a OMC afirmou que o principal tipo de ajuda à Airbus – financiamentos a juros baixos pelos governos nacionais – é legal sob determinadas circunstâncias. A comissária da UE para o comércio, Karel De Gucht, disse que a União Europeia está pronta para iniciar "discussões incondicionais" com os EUA sobre a disputa em torno dos subsídios. Após a decisão de ontem, o representante comercial dos EUA, Ron Kirk, disse que o apoio americano à Boeing não foi uma derrota, uma vez que ficou abaixo do volume de financiamento concedido pelos governos europeus à concorrente Airbus. "Os EUA estão prontos para enfrentar todas as decisões da OMC, e esperamos que a União Europeia faça o mesmo", disse Kirk. (AE)

monetário comum e 0,1 ponto percentual na Grã Bretanha. No conjunto dos países do Brics (bloco que reúne o Brasil, a China, Rússia, Índia e África do Sul), a OCDE avalia "variações positivas no ritmo de crescimento, embora as economias russa e indiana estejam abaixo das demais". A OCDE analisou a situação econômica dos 33 países que integram a organização. "Os EUA e o Japão continuam a liderar a posição global. O crescimento forte, embora incerto, começa a aparecer em todas as outras grandes economias da OCDE e na zona do euro." (ABr)

Georges Gobet/AFP Photo

Fábrica da Boeing nos Estados Unidos: governo concedeu ajuda entre US$ 5 bilhões e US$ 6 bilhões.

sinais "mais fortes, embora incertos". A análise do crescimento das economias da China e do Brasil mostrou a tendência de ritmo abaixo da perspectiva global. O objetivo dos indicadores mensais da OCDE é apontar momentos de mudança nas atividades econômicas – que variam a longo prazo. Pontos – O principal indicador da OCDE, uma medida que busca sinalizar os pontos de virada da atividade econômica, subiu para a zona do euro em janeiro e ficou positivo na Grã Bretanha, somando 0,2 ponto percentual no bloco

APERTO FINANCEIRO NA ESPANHA – O presidente do Eurogrupo e primeiro ministro de Luxemburgo, Jean-Claude Juncker, põe as mãos no pescoço do colega e ministro das Finanças da Espanha, Luis De Guindos, durante encontro de ministros dos países da zona do euro realizado ontem na cidade de Bruxelas, na Bélgica. Eles divulgaram documento afirmando que a Espanha deve adiantar seu programa de redução dos déficits governamentais com um corte adicional de 0,5 ponto percentual em sua nova meta de déficit de 2012. Segundo o comunicado, a Espanha "expressou sua prontidão para considerar isso" em seu processo de definição do Orçamento. A Espanha havia concordado com a meta de ter um déficit orçamentário equivalente a 4,4% do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano, mas revisou essa meta para 5,8% do PIB, depois de reavaliar os déficits dos últimos trimestres do ano passado. Os ministros europeus também disseram que a Espanha comprometeu-se a reduzir seu déficit a "menos de 3% do PIB" em 2013.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 13 de março de 2012

21

A arquitetura da internet não é segura por princípio Ghassan Dreibi Junior, gerente de Borderless Networking da Cisco

nformática

n Hackers invadem reuniões e têm acesso a imagens e áudio. Eles podem até controlar posição das câmeras; saiba como se proteger.

ACESSÓRIOS

Mini projetor na palma da mão BenQ está lançando a segunda geração de mini projetores LEDs, que servem como dockstations para iPhones e iPods e não precisam de um PC para funcionar. O Joybee GP2 é leve, compacto, pesa 560 gramas e cabe na palma da mão. Ele reproduz até mesmo imagens contidas no pen drive com qualidade de uma tela grande (160 polegadas). Com plug and play, os usuários podem compartilhar vídeos, fotos e jogos com a família e amigos e é ideal para viagens, festas e até apresentações de empresas. O projetor suporta múltiplos formatos, cartão SD, USB Reader e pen drives. Pode ser conectado a iPads, tablets, smartphones e computadores pelo cabo HDMI. O preço sugerido do mini projetor Joybee GP2 para usuário final é de R$ 1.999. Mais informações na Maxgen pelo tel. (11) 2787-0250.

A

TABLETS

'Penetras' de videoconferências ameaçam empresas SÉRGIO VINÍCIUS m toda a internet, 150 mil sistemas de teleconferência podem ser facilmente hackeados. O alerta foi dado em reportagem publicada no jornal New York Times, a partir de dados fornecidos pela empresa de segurança Rapid 7, que recentemente realizou testes de falhas eletrônicas e invadiu salas de reuniões remotamente. O "hacker do bem" e diretor da companhia HD Moore conseguiu, sem sair de seu escritório, ter acesso a áudio e imagens – além de controlar a posição das câmeras – de uma conferência que ocorria em outro ponto da cidade. Ainda de acordo com a empresa que caça falhas eletrônicas, 2% de todas as plataformas de comunicação via rede IP (internet protocol, ou protocolo de internet) podem ser invadidas sem dificuldades. Essa fragilidade ocorre por uma série de motivos que, quando associados, tornam a ação de invasores bastante fácil. A não atualização dos softwares de conferências, o atendimento automático de chamadas e a incompatibilidade dos setores de comunicação e de segurança de uma empresa são alguns dos fatores que resultam em brechas. "A arquitetura da internet, pela qual a maior parte das videoconferências é realizada, não é segura por princípio. Assim, as companhias devem tomar precauções extras,

E

além do sistema de login e senha para entrar em um sistema de videoconferência ou reunião virtual", aponta Ghassan Dreibi Junior, gerente de desenvolvimento de negócios de Borderless Networking da Cisco, companhia que mantém sistemas de teleconferência. "Embora parte dos programas use criptografia para transferência de dados, é necessário ir além, investir em firewalls ou certificação digital." Outro fabricante de sistemas de videoconferência concorda com Dreibi Junior. De acordo com João Aguiar, Sr Systems Engineer, da Polycom, " a segurança de uma reunião passa sem dúvida alguma pelos mecanismos de criptografia dos sistemas de áudio e videoconferência sobre IP", mas vai além. "Muito se depende dos usuários envolvidos: cuidados como evitar chamadas entrantes de maneira automática, fazer o uso do bloqueio do microfone, bloquear conferências multiponto por senha e manter o gerenciamento inteligente de toda a rede são fundamentais para a confidencialidade da informação", comenta o executivo. "Ao extrapolar os limites dos sistemas, muitos ambientes demandam inclusive cuidados com a segurança física: telefones celulares dos participantes, acesso à sala e busca por dispositivos não desejados, entre outros."

5 DICAS PARA EVITAR CONVIDADOS INDESEJADOS 1. Mantenha os softwares de videoconferência sempre atualizados; quanto mais "up-to-date" menores as chances de invasões por brechas de segurança reconhecidas. 2. Integre as áreas de comunicação às de segurança de sua empresa; antes de iniciar o uso das ferramentas de videoconferência, verifique se sua rede de internet está protegida. 3. Além de proteger a área de reunião com login e senha, complementos como firewall e certificação digital para acesso são extremamente importantes 4. Desabilite recursos padrão em mecanismos de videoconferência; o sistema de recebimento de chamada automático é um convite à invasão. 5. Troque o sistema de login e senha de qualquer uma das camadas do sistema (firewall, administrador, usuário) a cada seis meses, sempre utilizando passwords alfanuméricos.

As dicas para incrementar a segurança, de acordo com os especialistas entrevistados pelo Diário do Comércio, são as mesmas tanto para usuários de plataformas profissionais proprietárias, como as desenvolvidas pela Cisco e Polycom, como para empresas de médio e pequeno porte que se servem de aplicações gratuitas, como Skype, plataforma Live Messenger ou Google. Além de utilizar ferramentas dedicadas de proteção dentro da empresa, recomendam recorrer a saídas que evitem a engenharia social como forma de ataques. "Todos os envolvidos nos processos de videoconferência, bem como de segurança e de sistemas da empresa, devem manter os programas utilizados nas reuniões virtuais atualizados. Quanto mais em dia, menor a chance do software ter brechas de segurança", aponta o especialista em segurança André Jaccon, diretor da Blue Systems. "Cada software possui suas respectivas vulnerabilidades. Um caso interessante, para dar como exemplo, é com relação ao Skype. Foi encontrado, meses atrás, uma forma de enviar códigos maliciosos para os usuários de videoconferências. O problema foi sanado rapidamente, mas somente quem atualizou o programa ficou protegido. Usuários de versões anteriores ao patch continuam em risco."

Pontos vulneráveis

Este até mergulha Fujitsu mostrou na CeBIT, evento de tecnologia na Alemanha, alguns produtos à prova d'água, entre eles, o tablet Arrow. O equipamento tem tela de 10 polegadas sensível ao toque, vem com acabamento emborrachado e pode ser mergulhado na água sem parar de funcionar (com exceção da tela que não aceita comandos de toque enquanto estiver submersa). O Arrow roda Android 3.2, vem com duas câmeras (frontal e traseira) e capacidade para 16 ou 32 GB. Durante o evento, a fabricante fez demonstrações do gadget dentro de um recipiente com água e até a presidente Dilma Rousseff o testou (foto). A partir de U$ 778 para a versão de 16 GB.

A

GADGETS

Galaxy 7.7: tela mais brilhante. Samsung está trazendo para o Brasil o tablet Galaxy 7.7 com tela Super Amoled Plus, 7,8 mm de espessura e peso de 335 gramas. O case é de aço escovado e tem cantos arredondados. O portátil suporta rede veloz HSPA e Wi-Fi e roda chip dual core de 1.4 GHz para rápido carregamento de páginas. A bateria tem duração de 10 horas em reprodução de vídeo. Vem com Android 3.2 otimizado para a tela do tablet e 16 GB de memória interna. Entre os serviços disponíveis estão o Game Hub, com vários jogos em rede de alta definição e já prontos para o novo formato, e o Readers Hub, com biblioteca de 2,3 milhões de livros, jornais e revistas, tudo em 49 idiomas. Por R$ 1.899 (16 GB).

A

D

e acordo com reportagem publicada no New York Times, o hacker HD Moore invadiu sistemas de videoconferência e pode até mesmo controlar as câmeras, além de obter recursos de áudio e de vídeo. Segundo a empresa Rapid 7, da qual o invasor faz parte, o maior problema é que companhias se atentam à segurança de diversos itens da rede (como e-mail ou arquivos em servidores remotos), mas ignoram equipamentos e software de reuniões remotas. Para Ghassan Dreibi Junior, gerente de desenvolvimento de negócios de Borderless Networking da Cisco, a própria estrutura da web facilita a invasão, já que, por padrão, trata-se de um sistema não seguro. "É necessário sempre reforçar a segurança de qualquer serviço baseado na rede com ferramentas específicas, como firewall." Para João Aguiar, Sr Systems Engineer, da Polycom, no caso da invasão de Moore, que os riscos apresentados pela Rapid 7 não referem-se à comunicação por videoconferência e sim "ao comportamento dos usuários do sistema, algo que serve para todo e qualquer equipamento utilizado no dia a dia, como bloquear o computador ou smartphone com senha para evitar o acesso indesejado de estranhos". "Quanto aos sistemas de videoconferência, há mais de 10 anos todos os equipamentos da Polycom criptografam informações de áudio, vídeo e conteúdo, impedindo o acesso indesejado" aponta Aguiar. "Prova da segurança dos equipamentos é seu uso em órgãos governamentais dos setores de inteligência, justiça e militar, entre outros."

PEN DRIVES

Não perca sua senha por aí annover, na Alemanha, sediou na semana passada o maior evento de tecnologia do mundo, a CeBIT, como já foi citado anteriormente nessa coluna. Apesar de ser voltado para as empresas, a feira teve atrativos para o consumidor final. Um deles foi este pen drive USB, da alemã Ubin. Ele garante a segurança dos dados do usuário, mesmo aos que esquecem ou perdem suas senhas. O dispositivo tem um sistema de leitura biométrica das digitais de quem precisar acessar o seu conteúdo. Basta passar o dedo no sensor para ele liberar, com a luz verde, as informações armazenadas no stick.

H


DIÁRIO DO COMÉRCIO

22

terça-feira, 13 de março de 2012

Serão lançados 50 novos modelos desses aparelhos 3D no Brasil, neste ano Fernanda Summa, gerente da área de tevês da LG nformática

A linha 3D domina os gadgets

T

tade da dos modelos LED), com cores contrastantes, funções de cinema 3D e Smart TV, Wi-Fi integrado e chip dual core. Esse mesmo modelo foi lançado na Consumer Electronic Show, de Las Vegas, em janeiro, e deve chegar ao País até o final do ano. Esses aparelhos permitem acesso ao menu inteligente com a ajuda do controle remoto Magic, que vem com uma tecla de scroll e reconhecimento de voz e gestos. Com ele, o usuário fala uma frase ou solicita o título de algum filme, por exemplo, e o conteúdo aparece na tela para ser visualizado. Essa busca é feita na internet ou em algum dispositivo conectado à tevê. Algum comentário sobre o futebol ou a novela também pode ser adicionado à rede social no

momento em que a pessoa está assistindo a programação. O produto não deve chegar por menos de R$ 20 mil. Mas outros modelos 3D e Smart, de vários tamanhos, previstos para o segundo semestre, terão preços mais acessíveis, garantem os executivos da LG. Do ano passado para cá, a LG conseguiu subir da sétima posição para a segunda em vendas de smartphones no Brasil, por isso está investindo pesado nesses modelos de celulares sofisticados. Entre os que estão chegando – alguns já mostrados durante o evento de mobilidade em Barcelona – destaca-se o Optimus 3D Max, cujas imagens podem ser visualizadas sem a necessidade de óculos especiais e com tela de 4.3 polegadas e preço estimado de R$ 1.900. O usuário pode produzir seus conteúdos em vídeo 3D porque o aparelho tem duas câmeras de 5 MPixels situadas atrás. É possível visualizar todos os arquivos em 2D, caso as imagens tridimensio-

Fotos: Divulgação

BARBARA OLIVEIRA

O Ultrabook slim Z330, desenvolvido com chip Intel, será colocado à venda a partir de R$ 2.699. Já a TV OLED 9600 tem tecnologia de reconhecimento de voz.

sergiokulpas@gmail.com

Portátil vendedor

G

Modelos de smartphones, televisores e monitores com recursos tridimensionais são os destaques da LG para o semestre, além de TV com comando de voz.

elevisores de telas fininhas com tecnologia OLED em 3D e recursos de internet e interatividade, monitores, ultrabooks, notebooks e smartphones com displays grandes e tridimensionais sem necessidade de óculos foram os destaques da nova linha de produtos a ser lançada ao longo deste ano pela LG. A marca está comemorando 15 anos de sua produção local no Brasil. No show room demonstrado pela fabricante coreana as vedetes foram os smartphones mostrados em Barcelona, durante o World Mobile Congress, e os aparelhos de TV Smart 3D em vários tamanhos e tecnologias. A empresa aposta no recurso tridimensional, mercado em que lidera no mundo em vários tipos de equipamentos. No Brasil não é diferente, pois as projeções de analistas do setor indicam que 23% das vendas totais de televisores de telas finas sejam com tecnologia 3D, e a LG deve abocanhar 50% desse segmento, segundo Fernanda Summa, gerente da área de tevês da empresa. "Serão lançados 50 novos modelos desses aparelhos no Brasil, neste ano". A empresa quer crescer 25% em 2012, se baseando em tecnologia, design e parcerias estratégicas. Chamou a atenção a TV OLED EM9600, de 55 polegadas e com apenas 4,4 mm de espessura (me-

Sergio Kulpas

nais cansem a vista. O aparelho Prada, parceria feita com a marca italiana, é outra novidade para quem gosta de estilo. Ele permite menu em preto e branco ou em cores em sua tela de 4.3 polegadas. Outros modelos são o L3, L5 e L7 em tamanhos diferentes, mas bem finos, e com preços abaixo de R$ 1.000. Três ultrabooks – Os notebooks slim desenvolvidos com chips Intel - das linhas Z330 e Z430 começam a ser fabricados em Taubaté (SP) a partir de agora para serem colocados à venda em maio a preços a partir de R$ 2.699. A LG lançou, ainda, uma família de monitores 3D e com tecnologia IPS (com melhor ângulo de visão, mesmo nas laterais), notebooks, aparelhos de som e equipamentos da linha branca.

randes varejistas dos EUA estão trocando o atendimento humano por aparelhos de mão. Segundo uma reportagem do NY Times, redes como Nordstrom, Macy's e C. Wonder perceberam que os clientes mais jovens são mais receptivos ao uso de tecnologias no espaço das lojas. A geração atual já cresceu com o ecommerce e sistemas de busca como o Google, e geralmente respondem "não" quando um atendente pergunta "posso ajudar com suas compras?". Mesmo redes que construíram sua reputação com o atendimento personalizado, como a loja de roupas Nordstrom, estão cedendo a essa tendência cada vez mais presente. Os "consumidores turbinados" da nova geração compram de modo sistemático e pragmático: pesquisam detalhadamente os itens desejados, checam opiniões sobre os produtos nas redes sociais, comparam preços e checam promoções e descontos. Em vez de adotar uma posição defensiva, algumas lojas e marcas estão abraçando a tendência, oferecendo gadgets para os clientes. A loja Bobbi Brown agora oferece TVs de alta resolução com tecnologia de toque, para demonstrações detalhadas de maquiagem – algo que antes era feito por profissionais na loja. A loja de calçados do jogador de basquete LeBron James agora tem 50 iPads disponíveis para os clientes, com todas as informações sobre os produtos. A Macy's está testando quiosques de cosméticos onde os clientes podem usar tablets para ver avaliações. Na C. Wonder, os provadores de roupas têm um painel de toque

onde a cliente pode personalizar a iluminação e a música. Essa onda de aparelhos nas lojas é na verdade a ponta mais recente do conceito de self-service automatizado, que começou anos atrás em supermercados e mercearias. Agora, o cliente pode entrar na loja e realizar suas compras sem qualquer interferência – o que é um ponto positivo para as lojas. Afinal, muitos consumidores simplesmente desistem de uma compra se forem abordados por um atendente. Preços acessíveis – O fator chave para a adoção cada vez maior dessas tecnologias é a aguda queda nos preços dos equipamentos, com uma intensa concorrência entre os fabricantes (isto é, entre a Apple e todos os outros). E as lojas não querem perder clientes que se dão ao trabalho de ir pessoalmente a uma loja, mas preferem usar recomendações do Pinterest, resenhas da Zappos e do Fashism e comentários no Facebook, do que interagir com um vendedor. Ricardo Quintero, diretor de desenvolvimento de mercado da Clinique, diz que há uma tendência entre os consumidores jovens que considera a interação com o vendedor uma perda de tempo. Os clientes surpreendem os varejistas mais antenados. A Nordstrom lançou um app no ano passado, para facilitar compras a distância, quando o consumidor estivesse em casa ou em trânsito. Mas os clientes passaram a usar o aplicativo para comprar mercadorias na própria loja, evitando a ajuda dos vendedores. Erik Nordstrom, presidente da rede, avalia que há uma grande mudança na definição de serviços ao consumidor no varejo.

DC 14/03/2012  

Diário do Comércio