Issuu on Google+

União sindical contra Dilma As centrais sindicais postaram em seus sites uma nota de repúdio ao "autoritarismo" do governo com os servidores federais em greve, que apoiam. Pág. 6 Ano 87 - Nº 23.686

Página 4

Conclusão: 23h45

www.dcomercio.com.br

Jornal do empreendedor

R$ 1,40

São Paulo, sábado, domingo e segunda-feira, 11, 12 e 13 de agosto de 2012

Lalo de Almeida/Folhapress

Rei

DA RAINHA PARA O

Pascal Lauener/Reuters

Pelé foi a surpresa no apagar da chama olímpica em Londres. O estádio o recebeu como à Rainha: aplaudindo de pé. Agora, é com o Brasil. Voltamos com 17 medalhas, só três de ouro. A prata mais lamentada foi a do futebol. A meta para 2016: 30 medalhas.

HOJE:

Caderno de Esporte

Farshid Tighehsaz/Isna/Reuters

Terremoto: o Irã conta 300 mortos.

Haddad abre série com candidatos a prefeito na ACSP

Foram dois terremotos seguidos e 36 tremores secundários no sábado, no noroeste iraniano. As buscas (foto) já foram encerradas. Pág. 8

Haddad (PT) se apresentará às 17h. O www.acsp.com.br vai transmitir. Pág . 7

Na vez de Jefferson, sobra para Lula. No julgamento do Mensalão, defesa pedirá citação do ex-presidente. Pág. 5 Newton Santos/Hype

Ele não se move, mas cuida da mobilidade.

Coordenador do Conselho de Economia da ACSP recebe prêmio hoje. Pág. 16

Rick fez o Mobilize. Ele tem a mesma doença que Stephen Hawking. Pág. 9

Marcos Mendes/LUZ

Roberto Macedo, o Economista do Ano.

ISSN 1679-2688

23686

9 771679 268008

A fábrica espanhola que desafia a crise A Fernandez y Roche faz chapéus. E prospera graças aos judeus ortodoxos. Pág. 17


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

sábado, domingo e segunda-feira, 11, 12 e 13 de agosto de 2012

É fundamental que a empresa possa ampliar a produção sem onerar demasiadamente seus custos. Delfim Netto

pinião

PRIMEIRO, O EMPREGO! DELFIM NETTO

A

diminuição da alíquota do IPI dos automóveis produziu seus efeitos – praticamente acabou com o excesso de estoques nas fábricas – e o que se espera das empresas é que continuem a batalhar para reduzir preços e melhorar a qualidade, de forma a manter aquecida a demanda dos produtos da indústria. Acredito que o governo pode aproveitar agora para olhar a forma de arrecadação nos demais setores da produção, ampliando os prazos de recolhimento do imposto, uma vez que a cada momento se observa que há um constrangimento de crédito na pequena e média indústria. As empresas não têm acesso ao crédito por vários motivos, dentre os quais o fato de que os bancos estão muito contidos, preocupados em primeiro lugar com a evolução do próprio setor, num mundo em que a persistência da crise bancária continua criando enormes dificuldades para o financiamento à produção. Seria muito bom para a sociedade se o governo federal, em lugar de servir a um único setor, prorrogasse por 30, 60 ou 90 dias o prazo de recolhi-

ções, as desonerações de folha e a dilatação de prazos de recolhimento dos impostos são medidas que somente têm justificativa se a contrapartida for a manutenção dos empregos.

S

mento do IPI nos demais segmentos industriais, que agora pagam antes do faturamento. E deveria negociar acordos com os estados para estes também concederem prazos na arrecadação.

N

ão é preciso fazer essa m u d a n ç a i n s t a n t aneamente, mas poderia iniciar com uma semana por mês e depois ir subindo os prazos de tal forma a dar aos pequenos e médios empre-

sários uma folga para que eles recuperem o fôlego, renovando o entusiasmo e retomando os seus projetos de

ampliação da capacidade. Seria uma forma muito mais eficiente de usar o produto da arrecadação, permitindo mu-

dar esse regime terrível que obriga a empresa a recorrer ao crédito bancário para recolher o tributo antes de receber o faturamento. É fundamental que a empresa possa ampliar a produção sem onerar demasiadamente seus custos. Mais importante até do que a simples isenção a uns poucos setores, será mais útil ampliar o acesso a um universo maior de empresas, beneficiando toda a economia. É evidente que essas isen-

O governo poderia olhar agora para os demais setores da produção, ampliando os prazos de recolhimento do IPI.

SEM GRAVATA? SÓ NO CHUVEIRO... A

vida, todos sabem, é feita de ironias. E com elas também se escreve a história. Em 1972, eu era repórter da Jovem Pan e estudava jornalismo no período da manhã, na atual Unip, e direito à noite, no Largo São Francisco. De dia, nas aulas de jornalismo e nas reportagens, eu não usava terno e gravata. À noite, para frequentar os bancos da Academia de Direito da USP, era obrigado a usar gravata e para isso precisava mudar de roupa, às vezes até no carro, com dificuldade, estacionado no velho centro paulistano. O Centro Acadêmico XI de Agosto vinha lutando junto à direção da faculdade pela abolição do uso obrigatório da gravata nas dependências da escola. Engajei-me na campanha até pelo desconforto a que era submetido diariamente. Era diretor da Faculdade de Direito da USP o professor José Pinto Antunes, conhecido por Pantú. O presidente do Centro Acadêmico era Antonio de Gouveia Junior.

PAULO SAAB

No pouco tempo de que dispunha, atuei na da Diretoria Social do Centro na campanha pela abolição do acessório.

N

a reportagem da emissora de rádio eu cobria de tudo um pouco. Era repórter da "Geral", no jargão jornalístico. Certo dia, de plantão no horário do Jornal da Manhã (perdendo aula de comunicação, mas era bolsista da própria rádio...) num intervalo comercial, o todo-poderoso Fernando Vieira de Melo, diretor de jornalismo (e de tudo) da rádio, me perguntou na frente do dono da emissora (Antonio Augusto Amaral de Carvalho, o Tuta): "Ô garoto, o que significa Augusto?", com

olhar maroto. Respondi na lata: "Soberbo, soberano". Até hoje acho que ele pensou que eu ia indicar o Tuta e dizer: é ele... Naquela mesma tarde, Vieira de Melo me chamou em seu "aquário" na redação e comunicou: "A partir de amanhã você começa a cobrir o Palácio do Governo. De paletó e gravata". Era o governo Laudo Natel, no período militar, em que os governadores eram nomeados pelo poder central e referendados no Estado. Vigia o AI-5 e o Decreto 477, que proibia atividades políticas nas faculdades e colégios. No dia seguinte, paletó comprado às pressas, gravata já surrada pelo uso

noturno, abri meu posto de reportagem no Palácio dos Bandeirantes onde ficaria por mais três anos. À noite fui para a faculdade, paramentado. Não precisei me trocar, pois estivera de gravata o dia todo. No Centro Acadêmico XI de Agosto havia muito movimento. Estavam comemorando o decreto interno de abolição do uso da centenária gravata! Depois daquele episódio coincidente, e até recentemente, eu só tirava a gravata na hora do banho...

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Claudio Vaz Edy Luiz Kogut Érico Sodré Quirino Ferreira Francisco Mesquita Neto João de Almeida Sampaio Filho João de Favari Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Paulo Roberto Pisauro Renato Abucham Roberto Faldini Roberto Mateus Ordine

ANTÔNIO DELFIM NETTO É PROFESSOR EMÉRITO DA FEA-USP, EX-MINISTRO DA

FAZENDA, DA AGRICULTURA E DO PLANEJAMENTO CONTATODELFIMNETTO@TERRA.COM.BR

iro

te

on

ro

M

nd

a Ev

A

"juventude" de hoje em dia, com todo respeito e liberdade que desfruta, não sabe de nada... Nem causa tem num país infestado pelos maus valores e pela corrupção oficial desenfreada. BRASIL DE HOJE Na lista de ex-presidentes do Centro Acadêmico XI de Agosto, consta no ano de 1985 (dez anos após a minha formatura) o nome de Fernando Haddad, eleito pelo partido interno

eria absurdo o governo abrir mão de impostos para manter o nível da atividade e simultaneamente estimular o corte de postos de trabalho. O objetivo maior de toda a política econômica – ou pelo menos este deveria ser em qualquer lugar do mundo – é dar sustentação aos níveis de emprego. O Brasil tem atualmente uma situação melhor do que a maioria dos países nesses tempos de crise porque entendeu, desde o início, que o fundamental era garantir o emprego de sua gente. Na busca desse objetivo, não somente ampliou as condições de aumentar a oferta de trabalho como de também expandir o consumo e melhorar os padrões da distribuição da renda na sociedade – construindo, enfim, uma situação bastante confortável em matéria de emprego.

denominado "Pravda" – como se sabe, o antigo nome do jornal oficial do Partido Comunista da União Soviética de Lenin e Stalin, entre outros. Candidato à prefeitura paulistana em 2012 e ex-ministro da Educação de Lula e Dilma, Haddad conseguiu não ser

contaminado – ao menos, não em todos os sentidos. É um feliz torcedor do Tricolor do Morumbi. Em 2005, quando ele ainda era ministro, entregueilhe em mãos a camisa do São Paulo autografada por todos os jogadores, campeões do Paulistão daquele ano. Belos e bons tempos em que o Tricolor ganhava algo! PAULO SAAB É JORNALISTA E ESCRITOR

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, João de Scantimburgo, Marcel Solimeo Diretor-Responsável João de Scantimburgo (jscantimburgo@acsp.com.br) Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Edi tor-Chefe: José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br) Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br) Editores Seniores: Bob Jungmann (bob@dcomercio.com.br), Carlos de Oliveira (coliveira@dcomercio.com.br), chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), Estela Cangerana (ecangerana@dcomercio.com.br), Luciano de Carvalho Paço (luciano@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Luiz Antonio Maciel (maciel@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br) Editor de Fotografia: Alex Ribeiro Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Fernando Porto (fporto@dcomercio.com.br), Ricardo Ribas (rribas@dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br) Subeditores: Marcus Lopes e Rejane Aguiar Redatores: Adriana David, Eliana Haberli e Evelyn Schulke, Ricardo Osman, Tsuli Narimatsu Repórter Especial: Kleber Gutierrez (kgutierrez@dcomercio.com.br), .Repórteres: André de Almeida, Fátima Lourenço, Guilherme Calderazzo, Ivan Ventura, Karina Lignelli, Kelly Ferreira, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mariana Missiaggia, Mário Tonocchi, Paula Cunha, , Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves, Sandra Manfredini, Sílvia Pimentel, Vera Gomes e Wladimir Miranda. Gerente Executiva e de Publicidade Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estado, Folhapress, Efe e Reuters Impressão OESP GRÁFICA S/A Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3180-3175. Fax 3180-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3180-3197, 3180-3983, Fax 3180-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3180-3544, 3180-3176 , Fax 3180-3355 Esta publicação é impressa em papel certificado FSC®, garantia de manejo florestal responsável, pela Oesp Gráfica.

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3180-3737 REDAÇÃO (011) 3180-3449 FAX (011) 3180-3046, (011) 3180-3983 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 11, 12 e 13 de agosto de 2012

3

o Fé em São Dimas pinião

QUANDO A CHINA TREME OU BALANÇA, QUASE TODOS OS OUTROS PAÍSES SÃO AFETADOS.

N

a ilha, a situação nacional, como sempre, é acompanhada atentamente. E há repercussões interessantes, como o mais novo filho de Bilibiu da Misericórdia. Bilibiu está entradinho nos anos, mas continua, depois de uns vinte ou trinta filhos com esposas e raparigas diversas, em franca atividade procriativa. Contam-me que ele confessa aos amigos que quer parar. "Mas não posso, tenho mulher para atender, tenho responsabilidade", diz ele. E, na terra que já deu ao mundo Edminoelsons, Crismátemos, Agalateias, Voshitonluizes, Rosexcelsas, Widmarksons e tantos outros exemplos de criatividade onomástica, ele se destaca pela originalidade com que costuma batizar os filhos. Assim de cabeça, para citar apenas alguns, lembremos Compulsórimo José (pedreiro hoje em Salvador, assim chamado em alusão ao empréstimo compulsório), JKBrasílica (professora primária também radicada em Salvador, cujo nome verdadeiro não tem essas três iniciais maiúsculas porque o escrivão bronqueou) e Raimundo Jangojânio (barraqueiro na feira de São Joaquim, igualmente radicado em Salvador, nome em clara homenagem aos dois presidentes). Não nascia filho de Bilibiu já fazia algum tempo, mas agora vem mais um por aí. Hoje em dia, adivinhar o sexo da criança perdeu a graça, porque a mulher vai ao hospital, faz lá um exame que televisiona a barriga por dentro e volta sabendo se é homem ou mulher. E esse que vai nascer daqui a uns meses é homem, de maneira que Bilibiu não precisou esperar para encontrar um nome. Acha

JOÃO UBALDO RIBEIRO bonito o do ex-tesoureiro do PT e o menino deverá ser batizado como Dilúvio Soares. Dilúvio Soares da Abolição, depois de acrescentado o nome de família de Bilibiu. Houve quem quisesse dissuadi-lo, mas ele é mais teimoso do que cinco mulas – e em breve poderemos contar com Dilúvio Soares entre nossos mais jovens conterrâneos, a ilha sempre na vanguarda.

H

á outras repercussões aqui e ali. De fonte limpa, soube que Negão, dono do festejado Restaurante do Negão, no largo da Quitanda, está estudando um menu para a alta estação, em que o ponto alto vai ser uma esplêndida moquequinha de arraia, à altura do renome gastronômico da casa. Até aí, nenhuma novidade, só que essa moqueca vai ser inteiramente de arraias pequenininhas, miudinhas mesmo, uma moqueca de arraia miúda. O nome dessa moqueca será "Moqueca da Cadeia". É um belo lance mercadológico. O freguês entra, pede o cardápio e pergunta o que é moqueca da cadeia, ao que lhe respostam que se trata de uma moquequinha de arraia, e mais nada dizem até a chegada do prato. Vendo então aquelas arraias miudinhas, o freguês inquirirá sobre a razão e aí, com um formoso sorriso nativo, a garçonete explicará que é mo-

queca da cadeia e na cadeia só entra arraia miúda, ele não sabia? Como todo prato do Negão, essa moqueca deverá ser magistral e, com certeza, se tornará o must do próximo verão; Negão é esperto. Tem também o Tira-gosto CPI (uma farta porção de bocas de siri), o Zé Polvinho Brasileiro (polvo frito, com uma lula recheada de farofa por cima), o Pirão Político (feito com farinha do mesmo saco) e o Baiacu dos Outros, que ainda não sei bem como é, mas acho que é alguma coisa com o governo. E quem pensar que Zecamunista está alheio a tudo, não conhece a fibra do velho agitador. De fato, ele passou alguns dias ausente, mas estava em cidades bem maiores, defendendo um trocado no pôquer e aproveitando as horas vagas para organizar núcleos locais de seu Instituto Político de Corrupção Aplicada, com o que almeja, como acho que já contei, "tirar da marginalidade milhões de corruptos hoje excluídos e sem oportunidade, pois, enquanto houver uma só vocação de corrupto sem ter onde corromper ou ser corrompida, não haverá uma verdadeira democracia no Brasil".

D

iz ele que ficou muito animado com a receptividade dos prefeitos e vereadores contatados. "Todos são ladrões ou aspirantes", dis-

se ele. "Tenho de reconhecer que nosso país é fantástico, o potencial é incalculável." Mas o julgamento do mensalão o vem preocupando bastante. Num papo meio confessional, ele me disse que estava com medo de que houvesse condenações. Com que cara ia ficar, diante dos futuros alunos e professores do instituto, a quem garantira por A mais B que a carreira de corrupto não oferecia nenhum risco? Mais uma pedra nos obstáculos à Revolução. O passado não oferece razões para temer o pior, mas nunca se sabe. – Bem, só me resta torcer. E também fiz uma promessa a São Dimas.

– Como é? Você o quê? São Dimas? – O padroeiro dos ladrões, você não tem nada que estranhar. Ladrão-também não é filho de Deus? Então tem direito a santo padroeiro. Esse São Dimas era de uma grande linhagem de ladrões, o pai dele ganhou o título de Princeps Latronum, do ramo desde o berço, bom santo, estou por dentro de tudo, conversei com o padre. – Mas como é esse negócio de santo com você? Outro dia, você passou pela frente da igreja e tirou o chapéu. Tudo bem, você disse que era por educação. Mas fazer promessa a santo? – Resolvi que também vou entrar na onda e ser pragmático, estou jogando em todas as

frentes. Prometi ao santo que, se o pessoal do mensalão for absolvido, não só mando rezar uma novena para ele, como fecho a pizzaria de Tinho e mando servir pizza de graça a quem aparecer, do meio-dia à meianoite, alimentando os famintos e propagando o símbolo dos apadroados dele. – Mas, rapaz, quem diria, um comunista fazendo promessa a santo. – Você não entende nada de alta política. Tem quem vá tomar a bênção a Dr. Maluf. Eu fui ao santo. Me considero em melhor colocação. JOÃO UBALDO RIBEIRO É CRONISTA, ROMANCISTA E PERTENCE À ACADEMIA

BRASILEIRA DE LETRAS.

UM PERFIL DOS CONSUMIDORES CHINESES Reinhard Krause/Reuters

P

ara informar se o mundo vai bem ou não, observadores em geral e economistas em particular se baseiam em diversos termômetros – e um deles sempre é a China. Não era assim 30 anos atrás, quando tanto China quanto Rússia representavam basicamente riscos militares, fazendo oscilar os orçamentos de defesa do mundo ocidental mas não suas economias como um todo. Agora, quando a China treme ou balança, praticamente todos os outros países são afetados. Neste ano, isso está acontecendo: a crise mundial também está incomodando o governo e os empresários daquele país, porque a demanda mundial caiu, o volume de compras idem e parte da salvação dos chineses – tal como acontece aqui – é o seu mercado interno. Com uma população de 1,4 bilhão de habitantes consumindo de tudo, a China

Divulgação

chineses estão Consumidores ndo se moderniza

tem uma classe média que já representa 60% dos cidadãos, ou 817 milhões de habitantes. É praticamente quatro vezes o tamanho da população brasileira, ou seja, um potencial de consumo gigantesco sob qualquer perspectiva. O publicitário Tom Doctoroff, presidente da filial da agência de propaganda J. Walter Thompson em Shangai, fez uma boa análise desse assunto em What Chinese Want: Culture, Communism and China's Modern Consumer ("O que querem os chineses: cultura, comunismo e o moderno consumidor da China", editora Palgrave Macmillan, 272 páginas). Há vinte anos trabalhando no país, Doctoroff assistiu à chegada de marcas como Apple, Starbucks, Buick, Nike e muitas outras, como também viu a ascensão de marca locais, todas interessadas em capturar e dominar uma parte desse mercado.

V

ender na China não é simples, ele explica: muitos empreendimentos ocidentais fracassaram por não entenderem o consumidor chinês. As empresas ocidentais que vão para lá têm de lidar com um número enorme de variáveis, mas praticamente apenas duas tendências essenciais: de um lado, uma elevada taxa de poupança e aversão ao pagamento de juros; de outro, uma atração pelo luxo, e a disposição dos chineses em pagar até 20% mais do que o salário de um ano inteiro por um carro novo. Por mais que haja uma

PAULO BRITO

Os chineses têm aversão a pagar juros, mas gostam de luxo aparente ocidentalização dos costumes, incluindo a popularização do Natal, o que acontece é que os consumidores chineses estão se modernizando, conta Doctoroff, mas sem abandonar a sua cultura. Hoje, os chineses até se interessam por marcas que sejam, não "estrangeiras", mas "globais", e que consigam atender ao eterno conflito do cidadão chinês, dividido entre ambições e deveres – mais do que identidade pessoal, o chinês cultiva seus laços com a família e a nação. Não existe individualismo como no ocidente. Essa é a charada

que todo anúncio e todo produto devem resolver. É por isso que um anúncio de cerveja, por exemplo, não pode apenas apelar para o prazer proporcionado pela bebida: é preciso ligar o ato de beber a temas pragmáticos como o aumento da confiança ou ganhos financeiros. Analogamente, um artista não tem o mesmo valor social de um engenheiro ou de um professor, já que os benefícios da arte são intangíveis. É um país onde poucas pessoas procuram psicólogos, por temerem perder sua personalidade;

onde não ter filhos é considerado um fracasso irrecuperável. E, se por um lado os chineses são mais do que adeptos dos dispositivos digitais como os computadores, notebooks, celulares tablets e smartphones, seu comportamento no comércio eletrônico mostra que eles continuam fieis às tradições: fecham negócios online, mas muitas transações entre vendedor e comprador continuam sendo concluídas frente a frente. Por mais que a produção da China tenha caído, ela ainda cresce a quase 8% ao ano, e a sua demanda por matérias primas e energia também é enorme, podendo comprometer a oferta mundial de vários desses itens, como mostra a economista Dambisa Moyo. Nascida em Zâmbia, formada em seu país mas com pós-graduações na Europa (Oxford) e EUA (Harvard), Moyo , ela faz um alerta não só sobre uma possível escassez, como também sobre o impacto que desta sobre os preços – e suas consequências. Estas previsões estão em seu último livro: Winner Take

All: China's Race for Resources and What it Means for Us ("O vencedor leva tudo: a corrida da China por recursos e o que isso significa para nós", Editora Allen Lane, 272 páginas). Como em economia nenhuma previsão é perfeita ou à prova de contestações, as teses de Dambisa Moyo sobre a demanda de commodities e minerais por parte da China sofrem ataques de vários colegas e de jornalistas especializados, especialmente por serem baseadas nas projeções de séries históricas.

O

s críticos dizem que é uma abordagem "malthusiana", ou seja, que ela não considera as possíveis evoluções da tecnologia. Pode ser – mas não há como prever melhor: as conclusões de seus estudos mostram simplesmente o que acontecerá se as condições atuais não mudarem. Pode-se argumentar contra as hipóteses de Dambisa Moyo com a futura descoberta de mais minas e jazidas, ou com o desenvolvimento de variedades mais produtivas de plantas, mas isso demora anos, às vezes décadas para que implique a mudança de uma tendência. Hoje, o Brasil é um grande produtor em agropecuária, mas é público o fato de que a Embrapa e as universidades brasileiras passaram os últimos 40 anos trabalhando para que isso acontecesse. PAULO BRITO É JORNALISTA, GRADUADO EM ECONOMIA E MESTRE EM COMUNICAÇÃO E SEMIÓTICA


DIÁRIO DO COMÉRCIO

4

GibaUm

3 Servidores

do Executivo federal estão proibidos de espiar o mensalão no STF por celular, internet ou até na TV Justiça.

gibaum@gibaum.com.br

k Coca-cola não é suco de frutas, avião não é pássaro e usuário de drogas não é traficante.

FREI BETTO // criando frases de adesão à campanha pela descriminalização das drogas.

Foto: BusinessNews

Dois anos antes Faltando quase dois anos para a Copa de 2014, grupo de participantes do governo – entre eles, personagens da Casa Civil, Gabinete de Segurança Institucional, Secretaria Geral da Presidência e Ministério dos Esportes – já discutem quais exautoridades futebolísticas da Fifa e da CBF estarão no camarote da Presidência da República na abertura e encerramento do campeonato mundial. As conversas – e as muitas discussões – passam também pelo Itamaraty, especialmente depois da repercussão internacional das denuncias envolvendo João Havelange e Ricardo Teixeira. Resumo da ópera: por sua história, Havelange, que estará com 98 anos na época, estará no camarote. Teixeira não deve passar nem na porta. 333

MAIS CARROS As importadoras de automóveis aguardam o novo regime automotivo a ser determinado pelo governo para anunciar investimentos no país. A Land Rover quer investir R$ 200 milhões numa fábrica e produzir aqui o Freelander. As obras poderiam começar no ano que vem, mas dependem da aprovação do desconto do IPI. Se não der, a Land Rover leva a fábrica para o México. Por outro lado, a Ferrari estava se preparando para inaugurar sua primeira loja no Brasil, no Rio, no Fashion Mall. Em cima da hora, adiou o projeto – e sem data para retomá-lo.

A modelo brasileira Yasmin Brunet, 24 anos, filha de Luiza Brunet, que está voltando a morar no Brasil com o namorado (e modelo) Evandro Soldati, acaba de ganhar um ensaio na revista italiana Max , onde faz topless sem a menor cerimônia. Ela sempre teve vocação precoce nessa habilidade: muito jovem, foi fotografada toda nua para um livro de Terry Richardson (ela numa página, Luiza na outra). Na matéria de Max , Yasmin conta que seu jogador de futebol favorito é Wagner Love, do Flamengo e o mais sexy, Thiago Silva, hoje jogando no Paris Saint-Germain. 333

Vocação precoce

333 A presidente Dilma Rousseff gosta de rótulos: agora, chama de novo ciclo da economia brasileira sua tentativa de discutir com empresários alternativas para o crescimento do país, que anda rolando ladeira abaixo. A cereja do bolo é a simplificação do PIS/Cofins, mais a redução do custo de energia. Só que a legislação do PIS/Cofins é muito complicada: é uma engenharia tributária de resultados fiscais difíceis de serem calculados – e mostrados. E o governo precisa tomar medidas que provoquem resultados visíveis. A redução das tarifas de energia pode acontecer na renovação das concessões do setor elétrico. Mais: novas medidas devem ajudar a indústria no geral, não apenas setores, como as montadoras e fabricantes de linha branca. E a anunciada redução de juros, por sinal, ainda não mostrou nada, especialmente porque a maioria dos bancos exibe dados falsos.

Novo ciclo de Dilma

SÓ DUAS O ex-ministro José Carlos Dias, que defende Kátia Rabelo no julgamento do mensalão , reclamou porque a ministra Carmen Lucia saiu do plenário. Não sabia que, nos últimos cinco anos, ela só faltou a duas sessões plenárias. Uma delas foi para visitar Itamar Franco no hospital em São Paulo (quando ele foi governador de Minas, Carmen Lucia chefiava o Ministério Publico mineiro). Outra foi no dia de sua posse no TSE. Não falta nem agora em sessão plenária alguma no STF mesmo acumulando a presidência do TSE. 333

Alexandre Birman é filho de Anderson Birman (Arezzo), criou a marca Schutz e acaba de inaugurar, em São Paulo, a segunda loja de calçados com seu nome no Shopping Iguatemi (a primeira é na Rua Oscar Freire). Sapatos de piton, outros com detalhes metálicos e escapins cap toe, são as marcas registradas de Alexandre Birman, que vai abrir logo uma Schutz em Nova York. Na noite de inauguração, estavam lá Johana Stein Birman, primeira-dama da marca (esquerda), Iara Jereissatti, primeira-dama do Iguatemi (centro) e Paola de Orleans e Bragança (direita). 333

Festa de sapatos

Só 76 igrejas Como parte das comemorações do centenário de nascimento de Jorge Amado, está sendo lançado, Bahia de Todos os Santos – Guia de ruas e mistérios de Salvador, 26 anos depois de sua primeira edição. O livro ganhou revisões do próprio escritor diversas vezes até 1986. Em 1945, ele falava de uma “cidade provinciana, doce, bela” e reclama que era “pobre de hotéis, paupérrima de restaurantes, sem teatros e pequena vida noturna”. Depois, fala de João Gilberto, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Mário Cravo e Mãe Stella de Oxossi. E sobre as igrejas: “Diz a lenda que Salvador conta com 365 igrejas, uma para cada dia do ano. Dizem os amigos dos números exatos que igrejas e capelas somam 76, pouco importa”. 333

h IN Cap toe.

h

Há dias, depois de ter sido liberado por seus médicos para as campanhas municipais, Lula recebeu, na mesma tarde, seu advogado e compadre Roberto Teixeira e o ex-ministro Delfim Netto, que aconselhava o expresidente quando esteve no poder e agora, vira e mexe, está com Dilma Rousseff. Com Delfim, a conversa ficou em torno da economia mundial e a posição do Brasil. Quase no final da visita, Lula lembrou o que Delfim anda fazendo no PMDB: “Você está dando força na área econômica da campanha do Chalita?” E o ex-ministro na maior sinceridade: “Estou, sim: ele é o candidato do meu partido”. E a conversa não esticou. 333

3 MAIS:

a ordem é direta de Dilma Rousseff. Quem for apanhado em flagrante, como na escolhinha, vai para fora da classe.

Como votar 333 O presidente do Supremo Tribunal Federal, Ayres Britto, começa a semana definindo como vai se dar a leitura dos votos do julgamento do mensalão. Será definido se cada ministro proferirá de uma única vez o voto sobre a condenação ou absolvição de todos os réus, se a opção será por núcleos do esquema ou se a deliberação se dará analisando um réu de cada vez. Por outro lado, os grandes advogados que participam do julgamento do mensalão, apostam que os votos de Joaquim Barbosa e Ricardo Lewandowski serão básicos, formando dois pólos. Só que ninguém arrisca um placar.

TRILOGIA DE FÉ O Osservatore Romano acaba de anunciar que o Papa Bento 16 já terminou o terceiro volume de sua trilogia Jesus de Nazaré , aguardado pela comunidade católica em todo o planeta. Os livros são sobre a vida e ensinamentos de Jesus e o terceiro tem como foco sua infância. A partir do original em alemão, língua de Bento 16, serão feitas diversas traduções em todo o mundo e o lançamento acontecerá ao mesmo tempo em diversos países e antes do final do ano. 333

MISTURA FINA QUALQUER prognóstico sobre o resultado do julgamento do mensalão, é um tiro no escuro. São 38 réus que podem provocar até 1.089 sentenças distintas e somar 3,7 mil anos caso condenados, todos eles, à pena máxima. 333

O SENADO tem mais servidores comissionados, contratados sem concurso do que concursados: são 3.190 contra 3.174. Apesar dos comissionados serem maioria, o salário médio dos efetivos é muito superior: R$ 24,9 mil contra 6,5 mil. Em média, um servidor do Senado, concursado ou não, ganha perto de 15,7 mil. Em julho, a Casa gastou quase R$ 100 milhões com remuneração de servidores: R$ 79 milhões com efetivos e R$ 20,7 milhões com comissionados. 333

333

Do outro lado

sábado, domingo e segunda-feira, 11, 12 e 13 de agosto de 2012

OUT

Peep toe.

De sírios e libaneses 333 O ex-ministro Miguel Jorge, o vice-presidente Michel Temer, o publicitário Roberto Duailibi e Nabiha Abdalla Chohfi, criadora do Hospital do Coração, são alguns dos biografados no livro Libaneses e Sírios que Fazem o Brasil, de Carlos Abumrad, que acaba de ser lançado em São Paulo. Suas famílias têm em comum com tantas outras, que vieram da Síria e do Líbano, a busca de melhores oportunidades no país. O livro é o segundo da série de biografias que integram o projeto Arabian Cult e ainda terá uma série de outros lançamentos.

333 SEGUNDO a Anatel, a telefonia brasileira precisaria de R$ 380 bilhões para tirar o atraso. È o equivalente a 380 Maracanãs.

QUEM diria: o cheiro de feijão do Brasil serviu de inspiração para o novo perfume de Chanel, Coco Noir. A fragrância conta com notas da semente mais popular do cardápio verde e amarelo, além de perfumes de rosas, jasmim, incenso de baunilha. O novo perfume será lançado dia 17 na Europa. 333

ESTÁ constituída a fila dos que deverão ir depor na CPI do Cachoeira do final deste mês até a primeira quinzena de setembro: por ordem, Luiz Antonio Pagot, ex-Dnit; Fernando Cavendish, dono da Delta; e Paulo Vieira de Souza, ex-Dersa. O advogado de Paulo é José Luis de Oliveira Lima, o Juca, que anda ganhando holofotes na defesa de José Dirceu no julgamento do mensalão. 333

O CANTOR Zezé Di Camargo, que já anunciou oficialmente a separação de Zilu, acha mulher “muito complicada”. E explica: “Estou solteiro, não tem ninguém mesmo. Queria amar as mulheres, namorar as mulheres, transar com as mulheres e casar com os homens. Homem não dá problema, mulher é muito problemática”.

333

Colaboração: Paula Rodrigues / A.Favero

CHARGE DO DIA


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 11, 12 e 13 de agosto de 2012

5 MUITOS Mais uma leva de réus busca hoje convencer STF de sua inocência

olítica

POUCOS Mas apenas 11% dos brasileiros acreditam que eles serão condenados

Pedro Ladeira/AE

José Cruz/ABr

Voltem ao trabalho!. Ordem da presidente Dilma Rousseff para que sua equipe "não perca um minuto" da jornada de trabalho vendo o julgamento do processo do Mensalão pela TV Justiça.

De volta: ministros do STF retomam sessão com defesa de mais cinco réus. Apenas 11% da população acreditam que haverá condenações.

Defesa de Jefferson pedirá a citação de Lula

Wilson Dias/ABr

Meu marido não é bicheiro. O Carlos que eu conheço é empresário. Trabalhou com loteria no Estado de Goiás. Andressa Mendonça, atual mulher do bicheiro, que optou por se manter em silêncio na CPI.

O

A denúncia é fantasmagórica, e o Ministério Público ignorou provas dos autos nua e cruelmente para sustentar sua tese. Alberto Zacharias Toron, advogado de defesa do deputado e candidato a prefeito de Osasco, João Paulo Cunha (PT-SP). Marcos Oliveira/Agência Senado

O silêncio dela [Andressa] pode ter sido uma forma de assentir. Deputado Odair Cunha (PT-MG), relator da CPI do Cachoeira.

Advogado pretende questionar da tribuna por que o nome dele não foi incluído no processo do Mensalão

Pelo jeito, a bela resolveu ser fera. Mentirosa! Cascateira! Senadora Kátia Abreu (PSD-TO), depois de acusar Andressa Mendonça de ser responsável por tentativa de chantagem. Eu não tenho um Lula nem um não Lula como cabo eleitoral. José Serra, candidato tucano à Prefeitura de São Paulo.

Sempre respeitei seu dinamismo, mas tínhamos vidas profissionais distintas. Posso responder pelo que conheço e pela minha conduta. Andréa Aprigio, ex-mulher de Cachoeira, dizendo que a relação que mantém com o bicheiro é decorrente da "cordialidade do vínculo familiar" existente entre eles.

Lógico que estou chateada. Não só eu quanto a sociedade toda. Foi machismo! Comentário da assessora parlamentar Denise Rocha Leitão, que protagonizou um vídeo em que aparece fazendo sexo e foi exonerada do Senado semana passada.

Divulgação

Dida Sampaio/AE

Acho que o sofrimento é indelével. A pena da execração pública é perpétua e cruel. Advogado Antonio Cláudio Mariz de Oliveira, na defesa da ex-diretora do Banco Rural, Ayanna Tenório, destacando, em sua exposição no STF, que ela não atuava na área financeira.

ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deverá ser novamente citado hoje, na retomada do julgamento do mensalão no Supremo Tribunal Federal. A defesa do presidente do PTB, Roberto Jefferson, pretende questionar da tribuna por que o nome Lula não foi incluído no processo do mensalão, mesma pergunta que levou ao tribunal em seguidas petições. Todas rejeitadas. Nas alegações finais encaminhadas ao STF, o advogado de Jefferson, Luiz Francisco Corrêa Barbosa, classificou como "omissão" a decisão do então procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, de não incluir nas suas investigações e na denúncia o nome de Lula. Na sexta-feira passada, as defesas do deputado Valdemar Costa Neto (PR-SP), do extesoureiro do extinto PL, Jacinto Lamas e de seu irmão, Antonio Lamas, citaram o ex-presidente ao pedir a absolvição de seus clientes. Os advogados destacaram que Lula deveria ter sido investigado. Um dos integrantes da Corte afirmou reservadamente que o nome de Lula não foi incluído no processo por estratégia do Ministério Público. Se Lula fosse denunciado, as investigações ficariam travadas. Em recente entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, o ministro Marco Aurélio Mello também questionou a ausência de Lula: "Você acha que um sujeito safo como o presidente Lula não sabia?". Roteiro - O advogado de Jefferson seguirá o mesmo roteiro dos demais réus. Confirmará que houve repasses de recursos, como acusa o Ministério Público, mas insistirá na tese de que o dinheiro era parte de um acordo eleitoral entre PTB e PT. Assim, tentará livrar seu cliente das acusações de corrupção passiva e de lavagem de dinheiro. Barbosa afirmará que a acusação não confirma a suposta compra de votos. Além disso, o advogado dirá que seu cliente não tinha como supor que o dinheiro teria origem ilegal. O STF ouvirá, até a quartafeira, as últimas defesas dos réus. O relator do processo, ministro Joaquim Barbosa, começa a proferir seu voto na quinta-feira. De acordo com as estimativas de integrantes do tribunal, o ministro deve levar três ou quatro dias para concluir a leitura de seu voto. Depois, votará o ministro Ricardo Lewandowski, revisor da ação. Em seguida, se houver tempo, o ministro Cezar Peluso antecipa seu voto. Peluso completa 70 anos no dia 3 de setembro e deve deixar a

Corte até o dia 31 deste mês. Descrença – Apesar de a maioria dos brasileiros (73%) querer a condenação dos réus do Mensalão, apenas 11% deles acreditam que de fato isso ocorrerá. Já quando a pergunta é sobre a absolvição dos acusados, apenas 5% quer que isso aconteça, mas 43% acreditam que eles não serão punmidos.

Os números são de uma pesquisa do Datafolha, publicada ontem no jornal Folha de S. Paulo. O instituto entrevistou 2.562 brasileiros, em 1 5 9 m u n i c ípios do País, no dia 9 passado. A margem de erro é de dois pontos porcentuais, para mais ou para menos. A pesquisa também mostra que 37% dos entrevistados acreditam que haverá conde-

Mensalão

nação, mas sem ir para a prisão. Além disso, metade dos pesquisados diz que o caso não terá influência sobre o voto nas eleições para prefeito, que ocorrem neste ano. Sobre as informações do Mensalão, 81% dos entrevistados dizem saber o que foi o escândalo, e 75% que 38 réus foram denunciados e estão sendo julgados pelo STF. Outra dado do levantamento é que 82% dos entrevistados acham que o Mensalão foi um caso de corrupção, 7% acredita que foi caixa dois de campanha eleitoral e 11% não sabem. (Agências)


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

sábado, domingo e segunda-feira, 11, 12 e 13 de agosto de 2012

A Polícia Federal é o principal órgão de inteligência do País Renato Figueiredo, presidente de sindicato da PF, em MG.

olítica

Maioria está de olho nos mensaleiros

H

avia muitas dúvidas – e também muita torcida – a respeito do conhecimento e do interesse da população brasileira não propriamente política do Mensalão e do julgamento da dita Ação Penal 470 no Supremo Tribunal Federal (STF). Para muitos, o interesse era pequeno ou nenhum, o que deixaria mais tranquilos alguns dos réus, temerosos de alguma influência da opinião pública no voto dos ministros da Suprema Corte, embora todos façam questão de dizer que acreditam num julgamento puramente técnico. E deixa também aliviados os que temem influência eleitoral das decisões do STF. Estas ainda são duas questões em aberto – algum peso da sociedade e o peso das condenações ou absolvições nas urnas municipais de outubro, o que só se saberá depois de acontecidas. Porém, a dúvida sobre como o Mensalão é recebido pela população começa a ser dissipada. Ao contrário do que disse na sexta-feira passada o presidente do PT, deputado estadual Rui Falcão, os brasileiros não estão atentos apenas à Olimpíada de Londres e às peripécias dos personagens das novela das nove Avenida Brasil. O exemplo se encontra na pesquisa divulgada ontem pelo jornal Folha de S. Pa u l o , na qual foram ouvidas 2.562 pessoas na quinta-feira, quarto dia de julgamento. Do universo dos pesquisados, 81% dizem que tomaram conhecimento do Mensalão e 75% têm conhecimento do julga-

JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA mento. Segundo ainda o levantamento do DataFolha, 73% acham que os réus devem ser condenados (apenas 5% defendem que eles sejam inocentados), mas somente 11% acreditam que serão punidos de fato. Essas não são boas notícias para os advogados e seus patrocinados, apesar dos argumentos que os mais estrelados dos defensores já desfilaram no plenário do Supremo Tribunal Federal. A batalha da opinião pública pelo menos até agora está sendo perdida por eles. O que explica um certo nervosismo já visível na bancada dos advogados. Parece que algumas estratégias das defesas não se encaixaram bem em favor dos réus no caso. Ao que tudo indica, os coroados defensores, confiantes demais no início do julgamento no STF, começaram a sentir que seu conhecido brilho não está sendo tão intenso assim. E que também, embora concatenadas, as defesas estão apresentando algumas contradições entre si.

Centrais apoiam greve e denunciam 'autoritarismo' Sindicalistas se reúnem em favor de servidores, reclamam do tratamento dado a eles e cobram negociações

A

s principais centrais sindicais do País divulgaram ontem uma carta de apoio à greve dos servidores federais em todo o Brasil. O documento, assinado pelos presidentes da CTB, CUT, Força Sindical, Nova Central e UGT, foi publicado no site das entidades e repudia o que chama de "autoritarismo" do governo no trato das demandas dos trabalhadores. O comunicado também defende o aprofundamento das negociações entre as partes para a normalização dos serviços públicos afetados. A paralisação já conta com mais 30 categorias e 350 mil servidores, entre policiais federais, fiscais da Receita, inspetores da vigilância sanitária, professores e outros. A falta de efetivo vem causado transtornos como filas nos aeroportos, bloqueio de mercadorias nos portos, cancelamentos das aulas nas universidades e atrasos no funcionamento do Judiciário federal. No comunicado, as centrais pedem a regulamentação da Convenção 151 – da Organização Internacional do Trabalho (OIT) –, que trata do direito à greve e organização coletiva dos trabalhadores. As entidades criticam o corte de ponto e a substituição de grevistas pelo governo, já que isso "serve apenas para acirrar os ânimos e pôr lenha na fogueira do descontentamento do funcionalismo público federal". As centrais atribuem a situação atual à falta de disposição desta e de outras administrações em dialogar com os funcionários, e afirmam que "há décadas (os trabalhadores são) submetidos a uma política de desvalorização da carreira e de arrocho salarial". Reafirmam também que a saída para a paralisação está na disposição das partes de se sentarem à mesa e negociarem "até a exaustão".

Toninho Almada/AE

Policiais federais protestam no aeroporto de Confins, em BH: pizza de cinco comprimento e 10 quilos. Pizza – Policiais federais de Minas Gerais distribuíram ontem uma pizza gigante no Aeroporto Internacional de Confins, na Grande Belo Horizonte. O ato, iniciado às 11h30, foi organizado pelo Sindicato dos Policiais Federais do Estado de Minas Gerais (Sinpef-MG) e, segundo seus dirigentes, serviu em especial para mostrar o risco do aumento da corrupção com a falta de investimen-

to na Polícia Federal. Agentes, escrivães e papiloscopistas da PF estão em greve no País desde o dia 7. A pizza, de 5 metros de comprimento e 10 quilos, foi distribuída a passageiros e funcionários do aeroporto. Seus 300 pedaços acabaram em 45 minutos e foram acompanhados de panfletos com as principais reivindicações dos grevistas: reestruturação da carreira,

reajuste salarial, contratação de mais funcionários e uma direção sindical mais representativa da categoria policial. A pizza, segundo o presidente do sindicato Sinpef-MG, Renato Figueiredo, é uma alusão ao julgamento do Mensalão, bem como a todos os processos abertos por conta de investigação da PF. "A Polícia Federal é o principal órgão de inteligência do País". (AE)

3,2 mil ex-prefeitos na disputa A maioria (570) é de MG. Desse total, 2.736 tentam a reeleição – 75% dos eleitos em 2008.

C

erca de 3,3 mil ex-prefeitos disputarão eleições de outubro. Um estudo da Confederação Nacional dos Municípios (CNM) aponta que 3.299 prefeitos eleitos nos anos de 1996, 2000 e 2004 buscam um novo mandato em 2012. O número supera o total de 2.736 políticos eleitos em 2008 e que tentam na eleição de outubro a reeleição, o que corresponde a 74,8% dos pre-

feitos que tinham condições de concorrer novamente ao cargo em todo o Brasil. Os prefeitos eleitos em 1996 e que concorrem a um novo mandato somam 793 e estão presentes em todos os estados. A lista inclui ainda 1.431 candidatos que foram prefeitos de 2001 a 2004 e 1.075 que exerceram mandato entre 2005 e 2008. Minas Gerais é o Estado que tem mais candidatos nesta si-

tuação, quando são analisados os números absolutos. Dos políticos que estão na disputa pelas prefeituras mineiras, 570 foram prefeitos em mandatos anteriores, a maioria entre 2001 e 2004. Minas Gerais possui 853 municípios, 15% do total brasileiro. O campeão em termos proporcionais, no entanto, é o Rio de Janeiro. O estado tem 92 municípios e 77 ex-prefeitos na disputa. (AE)

Ficha Limpa já 'pegou' nesta eleição É o que acredita o procurador regional eleitoral de São Paulo, André de Carvalho Ramos. A Procuradoria recebeu 23 recursos de candidatos impugnados pela nova lei. Victor Soares/ABr – 22.07.2003

Mário Tonocchi A escolha de um candidato com ficha limpa deveria ser prioridade para os partidos políticos.

A

Lei da Ficha Limpa "pegou" já na primeira eleição em que entrou em vigor, neste ano. É o que acredita o procurador regional eleitoral de São Paulo, Paulo André de Carvalho Ramos. De acordo com ele, desde o último dia 3 até agora, a Procuradoria recebeu 23 recursos de candidatos impugnados pela nova lei que barra candidatos com fichassujas nas eleições. Em 15 dos pedidos, a Procuradoria (PRE-SP) acredita que devem ser mantidas as impugnações. "Nos julgamentos que tivemos até agora, uma questão surpreendente é que o TRE rechaçou todas as alegações dos advogados", afirmou Ramos. Segundo o procurador, praticamente todos os candidatos barrados pela Ficha Limpa ocuparam cargos públicos e tiveram contas reprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) e pelo Tribunal de Contas da União (TCU), encarregados da fiscalização do uso de recursos públicos. Outro motivo é a condenação em órgãos colegiados por improbidade administrativa. "Essa também é uma hipótese muito frequente", afirmou Ramos. O procurador regional eleitoral disse ainda que, mais do

PAULO DE CARVALHO RAMOS

Paulo André de Carvalho Ramos: "TRE rechaçou todas as alegações". que à aplicação da lei, os cancelamentos das candidaturas devem-se à escolha dos nomes pelos partidos políticos. "A escolha de um candidato com ficha limpa deveria ser prioridade para os partidos políticos", observou. Os candidatos impugnados

podem recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ou ao Supremo Tribunal Federal (STF). Para o procurador, entretanto, não terão êxito: "Pelo que tenho visto das argumentações, entendo que dificilmente esses recursos alcançarão êxito".

Fatos pretéritos – Entre os casos de candidatos barrados está o de Terezinha do Carmo Salesse (PTB), de Bento de Abreu, condenada por captação ilícita de sufrágio, em 2004. A candidata argumentou que não haveria inelegibilidade, uma vez que a condenação ocorreu antes da vigência das alterações trazidas pela Lei Complementar 135/2010 (Ficha Limpa). No entanto, para o procurador regional eleitoral, a aplicação da Lei da Ficha Limpa é correta, mesmo em relação a fatos pretéritos. "É de conhecimento geral que, quando do julgamento das Ações Declaratórias de Constitucionalidade nº 29 e nº 30, as questões relativas à inconstitucionalidade da Lei Complementar nº 135/2010 foram examinadas a fundo e afastadas pelo Supremo Tribunal Federal", afirmou o procurador no recurso. O TRE-SP, por unanimidade

e acolhendo o parecer da PRESP, rejeitou a alegação de inconstitucionalidade de aplicação da Lei da Ficha Limpa a fatos pretéritos, e manteve o indeferimento do registro de candidatura de Terezinha do Carmo Salesse. Para fazer valer a Lei da Ficha Limpa e requerer as impugnações de candidatos condenados por órgãos colegiados, a Procuradoria lançou mão de listas de tribunais de contas, Justiça Civil, Militar e Eleitoral, e até de conselhos regionais profissionais. Em cinco dias – prazo que a lei determina para que sejam pedidas as impugnações – analisaram 80 mil candidatos. Para Ramos, até o momento não há notícias de que algum candidato "ficha-suja" tenha escapado da análise. Criada por meio de projeto popular, a Lei da Ficha Limpa (Lei Complementar 135/ 2010) torna inelegíveis pessoas condenadas em órgão

Diferentemente de outros anos, a maioria dos partidos está respeitando a proporcionalidade entre os sexos. PAULO DE CARVALHO RAMOS

colegiado (segunda instância) por diversos tipos de crimes comuns e eleitorais nos oito anos anteriores à eleição. Nas eleições de 2010, o Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu decisões baseadas na lei, mas considerou que ela se aplica a todos os casos nas eleições de 2012. Cotas – A Procuradoria Regional Eleitoral de São Paulo também atua no cumprimento do parágrafo 3º do artigo 10 da Lei 9.504/1997. Esse dispositivo estabelece que, das candidaturas apresentadas pelo partido ou coligação, deve haver um mínimo de 30% e um máximo de 70% de candidaturas de cada sexo. Um dos casos emblemáticos de aplicação da lei de cotas de gênero nas eleições deste ano, em São Paulo, segundo Ramos, ocorreu em Jaú, no interior. Na sessão do último dia 7 deste mês, o Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo indeferiu toda a chapa da coligação entre PSD e PSL, por descumprimento das cotas de candidaturas por sexo. A coligação tinha mais de 70% de candidatos homens. "Creio que também estamos caminhando bem nesse quesito das cotas. Agora, diferentemente de outros anos, a maioria dos partidos está respeitando a proporcionalidade entre os sexos", observou o procurador regional.


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 11, 12 e 13 de agosto de 2012

7 É uma oportunidade para mostrarmos o que achamos necessário para o desenvolvimento da cidade. Rogério Amato, presidente da ACSP e da Facesp.

olítica

Mário Tonocchi

Haddad inicia série de encontros na Associação Comercial

A

Associação Comercial de São Paulo (ACSP) abre hoje uma série de encontros e debates com os principais candidatos à prefeitura paulistana nas eleições deste ano. O primeiro convidado a apresentar suas propostas e explicar suas intenções é o petista Fernando Haddad (PT), que confirmou presença para as 17h desta segunda-feira. O encontro será realizado Os encontros na ACSP com os principais candidatos à prefeitura já viraram tradição, diz o presidente Amato. no 9° andar da sede da ACSP, Luiz Prado/Luz – 15/12/2011 n a R u a B o a Nelson Antoine/AE – 2/8/2012 Vista, 51, no centro de São Paulo. O debate também pode ser assistido pela Web TV ACSP no seguinte endereço elet r ô n i c o : w w w. a c s p . com.br. O presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), Amato: "Cumpriremos esse papel mais uma vez neste ano". Rogério Ama- Haddad: apresentação de planos de governo a empreendedores. to, afirmou que é uma tradição da história Raízes municipais – De acor- em que, aqui em São Paulo, as ção Comercial de São Paulo tros com os candidatos prevê democrática da Associação do com o presidente da ACSP e nossas 15 sedes distritais po- prepara uma lista de reivindi- para o dia 20 deste mês a prepromover o ciclo de debates da Facesp, como as Associa- dem apresentar propostas de cações coletadas entre suas sença de Soninha Francine, do com os principais candidatos. ções Comerciais têm raiz em trabalho construídas a partir 15 distritais espalhadas pela PPS. Já no dia 27, ainda de "É uma importante oportu- seus municípios, crescem dos problemas reais que cada cidade de São Paulo. O texto, agosto, haverá um encontro e nidade para conhecer de per- suas responsabilidades nos uma delas vivencia diaria- contendo as solicitações e as um debate com o candidato do to seus programas de governo processos de escolha em elei- mente junto a seus associados reivindicações gerais e espe- PDT Paulinho da Força. e para mostrar o que nós, em- ção para prefeitos, contribuin- e entidades parceiras, em cíficas de cada região coberta Gabriel Chalita (PMDB) tem preendedores, achamos ne- do para o debate e o levanta- suas regiões de atuação na ca- pelas distritais, será entregue encontro marcado para o dia 3 cessário para o desenvolvi- mento das necessidades tan- pital. E vamos cumprir esse a todos os candidatos a prefei- de setembro, enquanto Celso mento econômico, social e to dos empresários como da papel mais uma vez neste to nesta eleição municipal de Russomanno participa de decultural da nossa cidade", ob- comunidade. ano", afirmou Amato. outubro. bate no dia 11 de setembro. servou Amato. "Trata-se de um momento Reivindicações – A AssociaAgenda – A lista dos enconPrêmio Maiores e Melhores–

O candidato tucano José Serra encerra o ciclo de encontros com os candidatos no dia 24 de setembro. Nesse mesmo dia será realizada a entrega das premiações da Edição 2012 do prêmio Maiores e Melhores da Associação Comercial de São Paulo. Comprometimento – A Distrital Norte da ACSP realizou, no final do mês passado, seu encontro com vereadores ligados aos bairros da região. No evento, denominado "Comprometimento do Vereador com a Zona Norte", os candidatos receberam um documento relacionando 25 reivindicações nas áreas de segurança, iluminação pública, melhorias no sistema viário e transporte, entre outras, que os membros da Distrital Norte aprovaram como "principais necessidades" da região. P a r t i c i p aram, pelo PSD, o coronel Camilo; e, pelo DEM, o empresário David Fernandes, ambos candidatos pela primeira vez ao legislativo. Também compareceram, disputando a reeleição, pelo mesmo partido, o PSD, o vereador Ushitaro Kamia. Pelo PSDB, compareceu o vereador Claudinho de Souza; pelo PSDB, o vereador Aníbal de Freitas Filho; e pelo PP, o vereador Wadih Mutran.

ANÚNCIO DE INÍCIO DA 1ª DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA DE COTAS SUBORDINADAS MEZANINO Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Money Plus Microfinanças CNPJ/MF n° 15.675.220/0001-92

A SOCOPA – SOCIEDADE CORRETORA PAULISTA S.A., sociedade anônima, inscrita sob o CNPJ/MF sob o nº 62.285.390/0001-40, com sede na Av. Brigadeiro Faria Lima, 1.355 – 3° andar, na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo (a “Administradora”), comunica o início da distribuição pública de até 3.000 (três mil) Cotas Subordinadas Mezanino de emissão do FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS MONEY PLUS MICROFINANÇAS (o “Fundo”), com Valor Unitário de Emissão de R$ 1.000,00 (mil reais) na Data da 1ª Subscrição de Cotas (as “Cotas Subordinadas Mezanino” e a “Oferta”), no montante total de:

R$3.000.000,00 Classificação de Risco das Cotas Subordinadas Mezanino Liberum Ratings BB-(f)* de Longo Prazo / CP4(f)* de Curto Prazo Código ISIN das Cotas Subordinadas Mezanino: BRMNYPCTF004 Classificação na ANBIMA: FIDC Financeiro Foco de Atuação: FIDC Financeiro Multicarteira

Nos termos do Regulamento do Fundo, a Administradora está autorizada a emitir, em nome do Fundo, uma ou mais classes de Cotas Subordinadas Mezanino. A distribuição pública das Cotas Subordinadas Mezanino foi deliberada pela Administradora em 11 de maio de 2012. A Oferta de Cotas Subordinadas Mezanino foi registrada na Comissão de Valores Mobiliários (a “CVM”), em 07 de agosto de 2012, sob o nº CVM/SRE/RFD/ 2012/016, mediante protocolo dos documentos exigidos no parágrafo primeiro do Artigo 20 da Instrução CVM nº 356, de 17 de dezembro de 2001 (a “Instrução CVM n° 356/01”). As Cotas Seniores e Subordinadas Junior poderão ser objeto de distribuição pública com esforços restritos ou pública, nos termos do Capítulo XIII do Regulamento. Não há programação para a emissão de Cotas Seniores pelo Fundo, sendo certo que a mesma não ocorrerá até o encerramento da oferta de Cotas Subordinadas Mezanino. A publicação deste Anúncio de Início marca o início do período da distribuição das Cotas Subordinadas Mezanino, o qual se encerrará em 5 de fevereiro de 2013. I. CARACTERÍSTICAS DA OFERTA 1. A Oferta: A Oferta compreenderá o total de 3.000 (três mil) Cotas Subordinadas Mezanino, com valor nominal de R$1.000,00 (um mil reais) na Data da 1a Subscrição de Cotas Subordinadas Mezanino, perfazendo um total de R$ 3.000.000,00 (três milhões de reais). As Cotas serão todas escriturais e mantidas em conta de depósito em nome dos seus respectivos titulares, correspondentes a frações ideais do patrimônio líquido do Fundo (o “Patrimônio Líquido”). 2. Regime de Distribuição e Instituição Responsável pela Distribuição: As Cotas Subordinadas Mezanino serão colocadas pela SOCOPA – SOCIEDADE CORRETORA PAULISTA S.A., sociedade anônima, inscrita sob o CNPJ/MF sob o nº 61.820.817/0001-09, com sede na Av. Brigadeiro Faria Lima, 1.355 – 3° andar, na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, em regime de melhores esforços em mercado de balcão organizado e serão registradas para distribuição no MDA - Módulo de Distribuição de Ativos da CETIP, a qual efetuará a liquidação da distribuição e a custódia eletrônica das Cotas. 3. Valor Mínimo de Investimento: O valor mínimo individual de aplicação por investidor interessado em adquirir as Cotas Subordinadas Mezanino no âmbito das Ofertas será de R$ 25.000,00 (vinte e cinco mil reais). 4. Data de Emissão das Cotas Subordinadas Mezanino: A Data de Emissão das Cotas Subordinadas Mezanino é 15 de agosto de 2012. 5. Prazo de Distribuição das Cotas Subordinadas Mezanino: As Cotas Subordinadas Mezanino serão publicamente distribuídas em até 180 (cento e oitenta) dias, contados da data da publicação deste Anúncio de Início. 6. Meta de Rentabilidade: As Cotas Subordinadas Mezanino terão ainda como Meta de Rentabilidade Prioritária a acumulação de 160% (cento e trinta e cinco por cento) das Taxas DI, calculadas diariamente, sob forma de capitalização composta, com base em um ano de 252 dias úteis, sendo, portanto, o acréscimo do valor unitário de referência entre dois dias úteis imediatamente adjacentes definido conforme fórmula a seguir (a “Meta de Rentabilidade Prioritária”): 7. Negociação das Cotas Subordinadas Mezanino: As Cotas Subordinadas Mezanino serão registradas para negociação na CETIP S.A. Mercados Organizados, de acordo com a legislação vigente, observado que: (i) os Cotistas do Fundo (os “Cotistas”) serão responsáveis pelo pagamento de todos os custos, tributos ou emolumentos decorrentes da negociação ou transferência de suas Cotas; e (ii) caberá exclusivamente aos eventuais intermediários da negociação assegurar que os adquirentes das Cotas sejam investidores qualificados nos termos da legislação em vigor (os “Investidores Qualificados”). Na hipótese de negociação das Cotas Seniores, a transferência de titularidade para a conta de depósito do novo Cotista e o respectivo pagamento do preço será processado pelo Agente Escriturador (o “Agente Escriturador”) somente após a verificação, pelo intermediário que representa o adquirente, da condição de investidor qualificado do novo Cotista. 8. Condições de Subscrição e Integralização das Cotas Subordinadas Mezanino: As Cotas Subordinadas Mezanino serão emitidas por seu valor unitário de emissão, estabelecido na forma do Regulamento, acrescido dos valores correspondentes à remuneração calculada na forma do Artigo 39 do Regulamento, a partir da data de subscrição das Cotas Subordinadas Mezanino, na data em que os recursos sejam colocados pelos Investidores Qualificados à disposição do Fundo. A condição de Cotista caracteriza-se pela abertura, pelo Agente Escriturador, de conta de depósito em nome do investidor. Quando de seu ingresso no Fundo, cada Cotista deverá assinar o Termo de Adesão ao Regulamento (o “Termo de Adesão ao Regulamento”) e indicar um representante responsável e seu respectivo endereço de correio eletrônico para o recebimento das comunicações que lhe sejam enviadas pelo Administrador ou pelo Custodiante (o “Custodiante”), nos termos do Anexo II do Regulamento. Não será cobrada taxa de ingresso pelo Administrador. A integralização das Cotas Subordinadas Mezanino poderá ser efetuada por meio de: (i) Transferência Eletrônica Disponível - TED, mediante débito em conta de titularidade do Cotista; ou (ii) por meio do MDA - Módulo de Distribuição de Ativos, operacionalizado pela CETIP – CETIP S.A. - Mercados Organizados. 9. Amortização e Resgate de Cotas Subordinadas Mezanino: As Cotas Subordinadas Mezanino serão resgatadas após 42 (quarenta e dois) meses contados da Data de Emissão (a “Data de Resgate”), observado o previsto no Capítulo XIV do Regulamento. As Cotas Subordinadas Mezanino, estas serão amortizadas em 36 parcelas mensais a partir do 7o mês contado da data inicial da Oferta. Os pagamentos da amortização serão realizados no dia 30 de cada mês, sendo cada data de pagamento da amortização uma “Data de Amortização”. O valor a ser pago como amortização em cada Data de Amortização correspondera a 2,7% (dois inteiros e sete décimos por cento) do valor das Cotas Subordinadas Mezanino em cada Data de Amortização. A ocorrência de feriado na cidade em que seja sediada a Administradora não alterará a data prevista para qualquer resgate ou amortização, devendo as mesmas ser pagas nas datas originalmente previstas. Na hipótese de a data prevista para qualquer resgate ou amortização não ser dia útil ou ser feriado na cidade de São Paulo, referida amortização ou resgate será realizado no primeiro Dia Útil ou Dia útil na cidade de São Paulo, conforme o caso, imediatamente subsequente. 10. Data de Início de Distribuição Pública das Cotas Subordinadas Mezanino: A Oferta de Cotas Subordinadas Mezanino terão o seu início na data de publicação deste Anúncio de Início. 11. Razão de Garantia: A Consultora verificará, todo Dia Útil, (i) desde a Data da 1ª Subscrição de Cotas Subordinadas Mezanino até a última data de resgate de Cotas Subordinadas Mezanino, se a relação, expressa em valores percentuais, entre o valor da somatória das Cotas Subordinadas Junior do Fundo do Patrimônio Líquido e Valor do Patrimônio Líquido do Fundo (a “Razão de Garantia das Cotas Mezanino”) é igual ou superior a 10% (dez por cento) (a “Relação Mínima das Cotas Mezanino”). II. INFORMAÇÕES SOBRE O FUNDO E AS COTAS SUBORDINADAS MEZANINO 1. O Fundo: O Fundo foi constituído em 11 de maio de 2012, sob a forma de condomínio fechado. O Fundo caracteriza-se por ser “monocedente” e “multi-sacados”, estando o Fundo habilitado a adquirir direitos de crédito decorrentes de operações de crédito em microfinanças celebradas pela Money Plus SCMEPP Ltda., formalizadas por meio de Cédulas de Crédito Bancário emitidas pelos Devedores, e que sejam garantidas por alienação fiduciária de veículos (em conjunto com seus respectivos anexos, seguros, garantias e outros instrumentos vinculados, conforme aplicável), sendo que cada parcela devida sob cada cédula de crédito bancário, será considerada individualmente um Direito de Crédito (os “Direitos de Crédito”). Os Direitos de Crédito adquiridos pelo Fundo contarão com a coobrigação da Cedente e com a obrigação de recompra por esta, caso os mesmos não sejam adimplidos por seus Devedores. 2. Objetivo do Fundo: O objetivo do Fundo é proporcionar aos seus Cotistas a valorização de suas Cotas por meio da aplicação de seu Patrimônio Líquido na aquisição de (i) Direitos de Crédito que atendam aos Critérios de Elegibilidade estabelecidos no Capítulo V do Regulamento; e (ii) Ativos Financeiros, observados todos os índices de composição e diversificação da carteira do Fundo estabelecidos no Regulamento (a “Política de Investimento e Composição da Carteira”). 3. Prazo de Duração do Fundo: O Fundo tem prazo de duração indeterminado. 4. Público-Alvo e Considerações Quanto à Adequação do Investimento: O Fundo é destinado exclusivamente a Investidores Qualificados. O investimento nas Cotas Subordinadas Mezanino do Fundo é adequado a investidores que tenham por objetivo alcançar retornos superiores à Taxa DI. A rentabilidade alvo não representa, nem deverá ser considerada, sob qualquer hipótese ou circunstância, como uma promessa, obrigação, garantia ou sugestão de rentabilidade da Administradora aos Cotistas. O investimento nas Cotas Subordinadas Mezanino do Fundo não é adequado a investidores que (i) necessitem de liquidez considerável, uma vez que a negociação das Cotas Subordinadas Mezanino no mercado secundário brasileiro é restrita; e (ii) não estejam dispostos a correr risco de crédito de pessoas físicas em operações de microfinanças, e/ou da Cedente. 5. Política de Investimento, Diversificação e Composição da Carteira do Fundo: Decorridos 90 (noventa) dias do início das atividades do Fundo, este deverá ter alocado no mínimo 50% (cinquenta por cento) do seu Patrimônio Líquido em Direitos de Crédito, observados os Critérios de Elegibilidade estabelecidos no Capítulo V do Regulamento. O Fundo poderá, conforme o caso, alocar a totalidade do saldo remanescente de seu patrimônio líquido não

Cedente

Custodiante

Administrador

Gestor

investido em Direitos de Crédito em (a) moeda corrente nacional; (b) títulos de emissão do Tesouro Nacional; (c) títulos de emissão do Banco Central do Brasil; (d) operações compromissadas lastreadas nos títulos mencionados nas alíneas “b” e “c” acima, contratadas com Instituições Autorizadas (conforme definido no Regulamento); (e) cotas de fundos de investimento de renda fixa, administrados ou não pela Administradora, que apliquem preponderantemente nos ativos listados em “b” e “c” acima; e (f) certificados e recibos de depósito bancário e demais títulos, valores mobiliários e ativos financeiros de renda fixa de emissão das Instituições Autorizadas, exceto cotas do Fundo de Desenvolvimento Social (FDS). Os valores integrantes da Reserva de Amortização e Resgate poderão ser aplicados exclusivamente em Ativos Financeiros com liquidez diária. 6. Patrimônio Líquido: O patrimônio líquido do Fundo corresponderá ao somatório dos valores dos Direitos de Crédito e dos Ativos Financeiros integrantes da Carteira do Fundo, subtraídas as exigibilidades referentes aos Encargos do Fundo referidos no Capítulo XXI do Regulamento e às provisões referidas no Capítulo XVIII no Regulamento (o “Patrimônio Líquido”). 7. As Cotas: As Cotas consistem em frações ideais representativas do patrimônio do Fundo. O Fundo possui duas classes de Cotas Subordinadas, sendo elas: Cotas Subordinadas Mezanino e Cotas Subordinadas Junior. Não há data estabelecida para a emissão de Cotas Seniores pelo Fundo, sendo certo que a mesma não ocorrerá até o encerramento da oferta de Cotas Subordinadas Mezanino. Quando emitidas, as Cotas Seniores gozarão de prioridade de amortização e/ou resgate em relação às Cotas Subordinadas Mezanino e às Cotas Subordinadas Junior. As Cotas Subordinadas Mezanino gozam de prioridade de amortização e/ou resgate em relação às Cotas Subordinadas Junior. As Cotas Subordinadas Junior subordinam-se às Cotas Seniores e às Cotas Subordinadas Mezanino para efeito de amortização e/ou resgate, observado o disposto no Regulamento do Fundo. 8. As Cotas Subordinadas Mezanino: As Cotas Subordinadas Mezanino são transferíveis e terão a forma escritural, permanecendo em contas de depósito em nome de seus titulares. As Cotas Subordinadas Mezanino constituem frações ideais do patrimônio do Fundo. As Cotas Subordinadas Mezanino têm as seguintes características, vantagens, direitos e obrigações comuns: (a) prioridade de amortização e/ou resgate em relação às Cotas Subordinadas Junior; (b) valor unitário de emissão de R$ 1.000,00 (um mil reais); (c) seu valor unitário calculado todo dia útil, para efeito de definição de seu valor de integralização, amortização ou resgate, observados os critérios definidos no Artigo 39 do Regulamento; e (d) direito de todas e quaisquer matérias objeto de deliberação nas Assembleias Gerais de Cotistas, sendo que a cada Quota Subordinada Mezanino corresponderá 1 (um) voto. 9. Informações Adicionais: O Prospecto do Fundo contém informações adicionais e complementares a este Anúncio de Início, que possibilitam aos potenciais investidores uma análise detalhada dos termos e condições da Oferta e dos riscos a ela inerentes. É recomendada aos potenciais investidores a leitura do Prospecto do Fundo, antes da tomada de qualquer decisão de investimento. III. ADMINISTRADORA DO FUNDO O Fundo é administrado pela Socopa - Sociedade Corretora Paulista S/A, sociedade anônima, inscrita sob o CNPJ/MF sob o nº 62.285.390/0001-40, com sede na Avenida Brigadeiro Faria Lima, 1.355 – 3° andar, na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo. IV. CUSTODIANTE O Banco Paulista S.A., sociedade anônima, inscrita no CNPJ/MF sob n° 61.820.817/0001-09, com sede na Av. Brigadeiro Faria Lima, 1.355 – 1° andar, na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo é o responsável pela prestação dos serviços de escrituração das Cotas do Fundo, de custódia e controle dos Direitos de Crédito integrantes da Carteira do Fundo, de forma a cumprir com o Artigo 38 da Instrução CVM 356, na qualidade de instituição financeira regularmente autorizada pelo Banco Central do Brasil e credenciada perante a CVM, para prestar os serviços de custódia qualificada, escrituração e controladoria ao Fundo (o “Custodiante” ou o “Agente Escriturador”, conforme o caso), nos termos da regulamentação aplicável. V. GESTORA DA CARTEIRA Para prestação de serviços de gestão da Carteira, o Fundo contratou a High Seas Mira Capital Administradora De Carteiras De Recursos E Consultoria Ltda., empresa com sede na Avenida das Américas, nº 15.511, loja E - Parte, na Cidade do Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro, inscrita no CNPJ sob o nº 05.946.654/0001-26. VI. CONSULTORA DE CRÉDITO Para prestação de serviços de consultoria de crédito, o Fundo contratou a Money Plus Participações Ltda., sociedade limitada empresária, inscrita perante o CNPJ/MF sob o no 09.154.317/0001-57, com sede na Rua da Consolação, 1.681, 4o andar, cj. 41, Bairro da Consolação, Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo. VII. CEDENTE DOS DIREITOS DE CRÉDITO A originadora e cedente dos Direitos de Crédito para o Fundo será a Money Plus SCMEPP Ltda., entidade autorizada a funcionar pelo BACEN, com sede na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Rua da Consolação, 1.681, 4o andar, cj. 41, Bairro da Consolação, Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo inscrita no CNPJ/MF sob nº 11.581.339/0001-45. VIII. EMPRESA DE AUDITORIA Para prestação de serviços de auditoria das contas do Fundo foi contratada a Ernst & Young Terco Auditores Independentes S/S, sociedade com sede na cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Av. Presidente Juscelino Kubitschek, 1830, Torre I - 5º E 6º, inscrita no CNPJ/MF sob nº 61.366.936/0001-25. IX. AGÊNCIA DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO As Cotas do Fundo têm classificação de risco atribuída pela Liberum Ratings Serviços Financeiros Ltda., sociedade inscrita sob o CNPJ/MF sob o nº 14.222.571/0001-75, com sede na Rua Tabapuã, 145. Cj-29 na cidade de São Paulo, Estado de São Paulo. O relatório de classificação de risco deverá ser atualizado, no mínimo, trimestralmente, e ficar à disposição dos Cotistas na sede e agências da Administradora. X. OUTRAS INFORMAÇÕES O Prospecto, o Regulamento do Fundo e o Suplemento das Ofertas estão disponíveis na sede e na página da rede mundial de computadores da Administradora (www.socopa.com.br). Mais informações poderão ser obtidas junto à Administradora, no endereço abaixo indicado: • Socopa - Sociedade Corretora Paulista S/A, Avenida Brigadeiro Faria Lima, 1.355 – 3° andar, na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo. Endereço eletrônico: https:// negocios.socopa.com.br/Arquivo/FIDCMoneyPlus_Prospecto.pdf. Adicionalmente, o Prospecto, o Regulamento do Fundo e os Suplementos das Ofertas encontram-se à disposição dos investidores para consulta e reprodução nas páginas da rede mundial de computadores da CVM e da CETIP, conforme indicado a seguir: • Comissão de Valores Mobiliários Rua Sete de Setembro, nº 111, 5º andar, Centro, CEP 20159-900, Rio de Janeiro - RJ Endereço eletrônico: www.cvm.gov.br • Cetip S.A. - Mercados Organizados Avenida Brigadeiro Faria Lima, 1.663 1º andar, Jardim Paulistano CEP: 01452-001, São Paulo - SP Endereço eletrônico: www.cetip.com.br/Comunicados-Documentos (Categoria de Documento: Prospectos de Fundos de Investimento – Cotas de Fundos Fechados/Título: FIDC Money Plus Microfinanças / Ano : 2012) A Oferta foi registrada na CVM, em 07 de agosto de 2012, mediante protocolo dos documentos exigidos no parágrafo primeiro do Artigo 20, Parágrafo 1º da Instrução CVM 356, sob o nº CVM/SRE/RFD/2012/016. As aplicações do Fundo, referidas no Regulamento e Prospecto, apresentam riscos e não há garantia de completa eliminação da possibilidade de perdas para o Fundo e para o investidor. O investimento no Fundo sujeita o investidor a riscos, conforme descrito na seção “Fatores de Risco” do Prospecto e do Regulamento. Ainda que a Administradora mantenha um sistema de gerenciamento de riscos da Carteira, não há garantia de completa eliminação de possibilidade de perdas no Fundo e para o investidor. Além disso, a rentabilidade obtida pelo Fundo no passado não representa garantia de rentabilidade futura para o investidor. As informações contidas neste Anúncio de Início estão em consonância com o Prospecto e com o Regulamento do Fundo. É recomendada a leitura cuidadosa do Prospecto e do Regulamento, com especial atenção às informações que tratam do objetivo e política de investimento do Fundo, da composição da Carteira do Fundo e das disposições do Prospecto e do Regulamento que tratam dos fatores de risco aos quais o Fundo e o investidor estão sujeitos. Ainda que a Administradora mantenha sistema de gerenciamento de riscos, não há garantia de completa eliminação de possibilidade de perdas para o Fundo e para o investidor. Além disso, a rentabilidade que venha a ser obtida pelo Fundo não representará garantia de rentabilidade futura para o investidor. O Fundo não conta com garantia de sua Administradora, da Gestora, do Custodiante, dos Cedentes, da Consultora do Fundo, ou de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do Fundo Garantidor de Créditos - FGC. A rentabilidade obtida no passado não é garantia de rentabilidade futura. Ao investidor é recomendada a leitura cuidadosa do Prospecto e do Regulamento do Fundo ao aplicar seus recursos. Leia o prospecto definitivo antes de aceitar a oferta. “O registro da presente distribuição não implica, por parte da CVM, garantia da veracidade das informações prestadas ou em julgamento sobre a qualidade do Fundo, de sua Administradora ou das Cotas a serem distribuídas.”

Auditores

Agência de Classificação de Risco


DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

sábado, domingo e segunda-feira, 11, 12 e 13 de agosto de 2012

SÍRIA Líder de oposição volta a defender zona de exclusão aérea

nternacional Arte sobre foto - Divulgação/Reuters

m um movimento surpresa de consequências imprevisíveis, o presidente egípcio, Mohammed Morsi, remodelou ontem a cúpula das poderosas Forças Armadas do país ao colocar na reserva o marechal Hussein Tantawi, ministro da Defesa, e o chefe do EstadoMaior do Exército, Sami Anan. Morsi ainda anulou um decreto que dava amplos poderes às Forças Armadas no país. Morsi (na foto, entre Tantawi e An an ) indicou dois generais para os lugares vagos. Tantawi e Anan se tornarão conselheiros presidenciais, sugerindo que ambos teriam concordado com a decisão. O presidente, ligado à Irmandade Muçulmana, também substituiu os comandantes da Marinha e da Aeronáutica e nomeou o juiz Mahmoud Mekki como seu vice-presidente – o segundo vice a ser nomeado no país em 30 anos. O ex-presidente Hosni Mubarak, que foi deposto em um levante em 2011, havia nomeado o seu chefe de espionagem Omar Suleiman como o segundo no poder apenas poucos dias antes de ser forçado a renunciar. Durante o regime de Mubarak, Mekki defendeu a independência do Judiciário do país e criticou com frequência as fraudes eleitorais. Disputa - No entanto, a decisão mais controvertida foi uma nova declaração constitucional que anula a aprovada pelos militares em junho, poucas horas depois do fechamento das urnas das eleições. Desta forma, Morsi retira a cúpula militar do Poder Legislativo e inicia o caminho do Egito rumo a um Estado civil. Na época, os críticos dos militares falaram de um "golpe de Estado brando" quando as Forças Armadas aprovaram as emendas constitucio-

O Egito aposenta seus generais Em anúncio surpresa, o presidente Mohammed Morsi reduz poderes dos militares e afasta dois poderosos generais, entre eles o ministro da Defesa, Hussein Tantawi. nais de forma unilateral. "O presidente decidiu anular a declaração constitucional adotada em 17 de junho pelo CSFA (Conselho Supremo das Forças Armadas), que dirigia então o país e no qual se apropriava do Poder Legislativo", disse o porta-voz da Presidên-

cia, Yasser Ali, em anúncio pela TV estatal. Não estava claro se o presidente tinha a autoridade constitucional para revogar o decreto. Nem se as mudanças haviam sido acordadas com os militares ou seriam um contra-ataque surpresa de Morsi.

ISNA/Reuters

Morsi assumiu oficialmente a Presidência do Egito no dia 30 de junho. Desde então, ele trava duro braço de ferro com os militares pelo controle do país. Apesar de transferiram o poder a Morsi, os militares não saíram de cena. O general Mohamed el Asser disse à Reuters que as decisões tinham sido "baseadas em consultas com Tantawi e com o conselho militar". Agora é preciso esperar a reação do Exército e da sociedade egípcia perante uma manobra que outorga a Morsi, o pouco carismático líder ligado à Irmandade Muçulmana, um poder praticamente absoluto. Morsi passa a "gozar de todas as prerrogativas estipuladas na cláusula 56" da Constituição provisória, entre as quais está a autoridade legislativa. O Parlamento está atualmente dissolvido por uma decisão do Tribunal Constitucional, que encontrou irregularidades em sua formação. Morsi tentou reinstalar a Casa, mas em julho a Suprema Corte suspendeu a decisão presidencial. Sinai - As mudanças anunciadas por Morsi acontecem também após o assassinato de 16 policiais egípcios por militantes radicais, há uma semana, na Península do Sinai. O episódio, próximo da fronteira com Israel e Faixa de Gaza, teria envergonhado os militares e exposto graves falhas de segurança das forças egípcias. Em resposta, Morsi demitiu na semana passada o chefe de inteligência horas depois que helicópteros bombardearam alvos no Sinai, o maior ataque na zona em quase 40 anos. As operações militares continuam. Ontem, tropas egípcias mataram sete supostos militantes rebeldes após invadirem seus esconderijos perto da fronteira com Israel. (Agências)

Mehr/Reuters

Irã encerra busca por sobreviventes Terremotos que abalaram noroeste do país mataram pelo menos 300 pessoas Equipes de resgate encerraram ontem as buscas por sobreviventes dos dois terremotos no noroeste do Irã que mataram pelo menos 300 pessoas e feriram mais de 2,6 mil no sábado, informaram as autoridades iranianas. Pelo menos 20 vilarejos foram totalmente destruídos. Ahmad Reza Shajiei, responsável pelas operações de resgate, informou que mais de 5 mil tendas foram armadas para abrigar as mais de 16 mil

pessoas que ficaram sem teto. Segundo o governo, as buscas terminaram relativamente rápido porque a área nas cercanias do epicentro dos tremores é remota e pouco populosa. "Eu vi pessoas que tiveram a casa inteira destruída", disse Tahir Sadati, um fotógrafo local, à Reuters. "As pessoas precisam de socorro, de roupas, barracas, cobertores, pão." A Organização das Nações Unidas (ONU), Estados Uni-

dos, Rússia, Turquia e os Emirados Árabes Unidos ofereceram ajuda ao povo no Irã. O primeiro tremor do sábado atingiu magnitude 6,4 e ocorreu 60 quilômetros a nordeste de Tabriz, uma cidade longe das áreas de petróleo e das usinas nucleares conhecidas do Irã. O segundo tremor ocorreu 11 minutos depois e teve magnitude 6,3. A região ainda foi atingida por cerca de 36 tremores secundários. (Agências)

ISNA/Reuters

86 anos de Fidel O ex-presidente cubano Fidel Castro completa 86 anos, hoje, longe da vista, mas não da lembrança, enquanto os cubanos refletem sobre o seu futuro e o deles em uma época de mudança em um dos últimos países comunistas do mundo. Fidel está longe do público há quase dois meses, sem aparecer nem publicar artigos na mídia estatal desde 19 de junho. Para comemorar o aniversário do ex-líder, foram anunciadas exposições e feiras populares por todo o país. (Agências)

Reuters - 19/04/2011

E

ISRAEL Exército testa sistema de aviso urgente à população por SMS


sábado, domingo e segunda-feira, 11, 12 e 13 de agosto de 2012

c

DIÁRIO DO COMÉRCIO

9 ESFORÇO RECOMPENSADO Ricky em sua estação de trabalho. Doença tirou-lhe todos os movimentos. Agora, ele se comunica por meio de um leitor óptico.

idades

Fotos de Newton Santos/Hype Charles W. Luz

ier/Reuters - 26

O físico Stephe

/04/2007

n Hawking, qu

e sofre da mes

ma doença.

Ricky Ribeiro, especialista em administração pública, sofre de esclerose lateral amiotrófica e usa programa especial para se comunicar.

Limite, uma palavra sem sentido para Ricky.

Vítima de esclerose lateral amiotrófica, doença que lhe tirou todos os movimentos, mas não afetou sua mente, Ricky Ribeiro é um dos responsáveis pelo portal Mobilize – Mobilidade Urbana Sustentável. Como o físico Stephen Hawking, ele se comunica por meio de um leitor que interpreta os movimentos de sua pupila.

Marisa Folgato

R

icky Ribeiro tem 31 anos e é um exemplo de superação. Graduado em Administração Pública pela Fundação Getúlio Vargas (FGV-EAESP), com mestrado em Sustentabilidade pela Universidade Politécnica da Catalunha e MBA Executivo pela Universidade de Barcelona, ele é um dos responsáveis pela elaboração dos projetos do portal Mobilize – Mobilidade Urbana Sustentável, que entre fevereiro e abril realizou o Levantamento Calçadas do Brasil. O trabalho foi desenvolvido por uma equipe de mais de 20 profissionais coordenados por Ricky que, teoricamente, teria uma séria limitação: a esclerose lateral amiotrófica, doença degenerativa que lhe tirou todos os movimentos, sem afetar sua mente. Hoje, Ricky Ribeiro se comunica por meio de um equipamento, o tobii eye, um leitor óptico que interpreta os movimentos da pupila. "Criei uma tabela de comunicação com palavras usuais e outra com o alfabeto para me comunicar quando não estou no computador." A doença é a mesma do físico Stephen Hawking, um dos principais cientistas do mundo. A esclerose se manifestou em 2008. "Trabalhava e morava no Recife, costumava correr na praia, andar de bicicleta, fazer esportes, mas comecei a sentir que a perna falhava e às vezes eu caía." Foram seis meses entre os primeiros sintomas e a descoberta da doença. Um choque – "No dia em que recebi o diagnóstico, entrei na internet, li sobre a doença e tudo era negativo. Foi um choque, fiquei muito triste e chorei. Mas minha tristeza durou apenas um dia." Já no dia seguinte reagiu. "Foquei em duas coisas: tentar combater a doença de todas as formas possíveis e escolher atividades prazerosas para fazer quando não estivesse em tratamento." Acupuntura, medicina ortomolecular, transplante de células-tronco, tratamento espiritual, medicina alemã, além de fisioterapia, fono, terapia ocupacional etc. Tentou de tudo. "Também fiz curso de fotografia, aula de política, estudei, visitei parques e equipamentos culturais pela cidade, dividi apartamento

O portal Mobilize – Mobilidade Urbana Sustentável: um dos trabalhos foi o Levantamento Calçadas do Brasil.

Na tela do computador de Ricky Ribeiro, trabalho sem limites. com minha irmã, viajei enquanto pude e encontrei muito meus amigos." Segundo ele, tudo foi mais fácil porque tem "o privilégio de ter uma família que nunca mediu esforços para buscar todas as alternativas de tratamentos e lazer". Cidadania – Após um ano de dedicação aos tratamentos, resolveu partir para uma ação mais social. "Comecei a pesquisar sobre mobilidade urbana sustentável." Encontrava apenas poucas informações espalhadas pela internet. "Percebi que não existia um único endereço eletrônico que reunisse todos esses dados e idealizei o Mobilize, que concretizei com a ajuda de amigos." Da ideia até o Mobilize no ar foram oito meses. O portal é parte da Associação Abaporu, que Ricky e dois amigos criaram em 2003 para atuar em projetos sócio-educativos em educação e cidadania. Referência – Segundo ele, a intenção é fazer do Mobilize (www.mobilize.org.br), que entrou no ar este ano, referência na geração de conteúdo sobre mobilidade urbana sustentável, fomentar o debate público sobre a temática e "disseminar

uma cultura cidadã participativa em prol da melhoria da qualidade de vida nas cidades". Os resultados já estão aparecendo. "Lançamos o site com o Estudo Mobilize 2011, um diagnóstico inédito da mobilidade urbana no Brasil." A campanha das calçadas surgiu após a constatação, nesse estudo, de que 30% dos deslocamentos diários nas cidades são feitos a pé. "Quando buscamos dados sobre as condições das calçadas (acessibilidade, obstáculos, pavimentação, iluminação...), nenhum órgão público dispunha das informações. Criamos a campanha com o objetivo de chamar a atenção para um tema tão básico, mas esquecido por todos: afinal, todos somos pedestres!" Calçadas – O relatório final da Campanha Calçadas do Brasil deve ser entregue formalmente para autoridades dos Ministérios Públicos (Estadual e Federal) e Ministério das Cidades. Foram avaliados 102 endereços de 12 capitais brasileiras. A situação mais alarmante é a da Ladeira da Fonte, em Salvador, que obteve nota 0,25 de um total de 10. O melhor no ranking foi o Calçadão da Barra, com a maior nota (10), a mes-

ma da Avenida Faria Lima (uma quadra após a Avenida Europa), em São Paulo. "Estamos fazendo a nossa parte como cidadãos. Cabe aos governantes fazerem a parte deles também." Os planos não param: para a Semana de Mobilidade Urbana, em setembro, o Mobilize lançará uma nova seção, a Acompanhe a Mobilidade nas Cidades. “Será um instrumento para que qualquer pessoa possa conhecer as obras e cobrar o cumprimento de promessas e prazos.”

Mobilidade – Ele ressalta que o tema mobilidade, com certeza, está ganhando evidência pela proximidade da Copa, em 2014, e das Olimpíadas, em 2016. "O Brasil tem uma excelente oportunidade para mostrar sua competência. Por outro lado, tem também uma grande responsabilidade." Será a chance, conforme Ricky, de reverter "décadas de descaso dos governos com políticas públicas que priorizassem o transporte coletivo sustentável como metrô e trens, valorizassem o cami-

nhar como meio de locomoção e preservação da saúde e incorporassem a bicicleta como meio de transporte". Ou seja, hora de o Mobilize e Ricky arregaçarem as mangas de novo. "Perdi os movimentos, mas tenho o privilégio de ter todo o tempo para pensar. Até o mês passado, ficava oito horas por dia trabalhando no Mobilize. Agora, após uma broncopneumonia e uma internação, ganhei uma traqueostomia, estou em tratamento, mas já vou voltando a trabalhar no Mobilize".


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10

sábado, domingo e segunda-feira, 11, 12 e 13 de agosto de 2012

acsp

NA FORMALIDADE As mulheres já são 46% dos empreendedores individuais (EIs) registrados no Estado. Elas lideram o ranking de formalização.

distritais

Carl Dwyer/SXC

O Sebrae-SP projeta que, em 2020, 42% dos empregadores paulistas serão mulheres.

André de Almeida

A

participação das mulheres no mundo do empreendedorismo vem crescendo nos últimos anos, inclusive em um grupo que colabora de forma especial com a economia paulista: as empregadoras. Segundo pesquisa do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo (Sebrae-SP), 31% das empresas formalmente constituídas no Estado entre 1995 e 1997 eram propriedade de mulheres. Entre 2003 e 2007, essa fatia subiu para 37%. Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ainda mostram que o percentual de mulheres entre os empregadores, que era de 24% em 2001, subiu para 29% em 2009. Mantida a atual tendência de expansão, o Sebrae-SP projeta que, em 2020, 42% dos empregadores paulistas serão mulheres. Quanto aos empreendedores por conta própria, ou seja, empreendimentos sem empregados, a participação das mulheres aumentou de 32% para 38% de 2001 para 2009. Em 2020, a projeção é que este número suba para 47%. Diante desse quadro e com o objetivo de compartilhar histórias de mulheres que conseguiram sucesso em micro e pequenas empresas, além de cooperativas, gerando riqueza e novos postos de trabalho, os escritórios regionais do Sebrae-SP na capital se uniram e promoveram o evento 'Mulheres de Negócios'. O encontro foi realizado semana passada na Casa de Portugal, no bairro da Liberdade. "A proposta foi abrir

É importante cada mulher, profissionalmente, descobrir as suas habilidades e aprofundá-las. MALCOM MONTGOMERY, GINECOLOGISTA E ESCRITOR.

G Ir Agendas da Associação e das distritais

Hoje I Debates – Às 17h, o

presidente da ACSP, Rogério Amato, coordena a primeira reunião do Ciclo de Debates com os candidatos à Prefeitura, com a presença de Fernando Haddad, da Coligação Para Mudar e Renovar São Paulo. Rua Boa Vista, 51/9º andar, plenária.

Agora, elas são empregadoras. O percentual de mulheres entre os empregadores era de 24% em 2001 e subiu para 29% em 2009.

É importante ter paixão pelo que se faz. Empreender é gratificante. PAOLA TUCUNDUVA, SÓCIA DA ROTOVIC LAVANDERIA INDUSTRIAL E APRESENTADORA DO PROGRAMA ALMA DO NEGÓCIO.

um espaço para que elas falassem de seus trabalhos e de suas rotinas, além de trocarem experiências", disse Patrícia Marinangelo, uma das organizadoras. Experiências - No início do encontro, três empresárias de sucesso em seus ramos de atuação contaram suas experiências, discutiram sobre o avanço feminino no mercado de trabalho, apontaram pontos fortes e fracos no comando de pequenas e médias empresas, entre outras questões. Uma delas foi a empreendedora Paola Tucunduva, sócia da Rotovic Lavanderia Industrial e apresentadora do Programa Alma do Negócio. Em sua palestra, que teve o título 'Liderança Feminina', Paola ressaltou a importância de se trabalhar em equipe, sempre em busca da máxima eficiência. "É importante ter paixão pelo que se faz e, constantemente, estar em busca do auto conhecimento. Empreender é gratificante", afirmou. Para a diretora da indústria de sistemas de comunicação para chamadas de enferma-

I Vila Maria – Às 19h30,

reunião Empreender/Núcleo de Beleza. Rua do Imperador, 1660.

Amanhã I Pinheiros – Às 19h,

abertura oficial das comemorações do aniversário do bairro em parceria com a subprefeitura de Pinheiros. Simão Álvares, 517 I Jabaquara – Às 19h30, 22ª reunião Ordinária da Diretoria Executiva e Conselho Diretor, com a palestra Os seis passos para obter sucesso nos negócios, com Patrícia Atui – da Action Coach. Avenida Santa Catarina, 641.

gem Sincron, Liliana Cherfen, a máxima eficiência defendida por Paola tem como base uma série de comportamentos empreendedores. Entre eles destacam-se o planejamento sistemático, comprometimento, persistência, exigência de qualidade e excelência, autoconfiança, estabelecimento de metas, riscos calculados e boa rede de contatos. A mesma opinião tem a fundadora da CooperArte, Rosana Sanjuliano, vencedora estadual do Prêmio Sebrae Mulher de Negócios 2010 na categoria negócios coletivos. Fundada em 2008, a cooperativa garante trabalho e ren-

da para dezenas de jovens na região da Vila Prudente. "O processo de capacitação do Sebrae e, posteriormente, o prêmio, contribuíram muito para o crescimento da empresa", contou Rosana. Serviços – O portfólio com os produtos e serviços oferecidos pelo Sebrae-SP também foi apresentado, da mesma forma que a edição de 2012 do Prêmio Mulher de Negócios, destinado a estimular e dar visibilidade ao empreendedorismo feminino. Este ano, as inscrições, gratuitas, podem ser feitas até o dia 31 deste mês e maiores informações podem ser obtidas no endereç o w w w . m u l h e r d e n e g ocios.sebrae.com.br. No final do encontro, o ginecologista, obstetra e escritor Malcom Montgomery falou sobre as características próprias da mulher que precisam ser trabalhadas ao longo do caminho profissional, do empreendedorismo e da maternidade, a aspectos como concentração e inteligência emocional. "É importante cada mulher, profissionalmente, descobrir as suas habilidades e aprofundá-las. Ela deve aceitar e trabalhar sem culpa, de forma equilibrada, as três facetas inerentes ao sexo feminino, ou seja, ser

A máxima eficiência tem como base uma série de comportamentos empreendedores. LILIANA CHERFEN, DIRETORA DA INDÚSTRIA DE SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO.

I São Miguel – Às 19h30, 15ª reunião ordinária da Diretoria Executiva e Conselho Diretor. Av. Marechal Tito, 1042. I Tatuapé - Às 19h30, reunião Projeto Empreender/Núcleo Automoti vo. Rua: Apucarana, 1.388.

Quarta I China - Às 9h, o presidente

da ACSP, Rogério Amato, abre seminário sobre Huizhou, China. Teatro do Hotel Renaissance, alameda Santos, 2233, Cerqueira César. I Comus - Às 17h, o conselheiro da ACSP José

Candido Senna coordena a reunião do Comitê de Usuários de Portos e Aeroportos do Estado de São Paulo (Comus), com palestra de Sildomar Tavares de Arruda, cerente de Infraestrutura da ALL América Latina Logística. Rua Boa Vista, 51/11º andar. I Pinheiros – Às 18h, missa em ação de graças pelo aniversário do bairro em parceria com a Subprefeitura de Pinheiros. Igreja da Cruz Torta, av. Professor Frederico Hermann Junior, 105.

Quinta I Comércio Exterior – Às 17h,

A capacitação contribuiu muito para o crescimento da empresa. ROSANA SANJULIANO, FUNDADORA DA COOPERARTE E VENCEDORA ESTADUAL DO

PRÊMIO SEBRAE MULHER DE NEGÓCIOS 2010. mãe, esposa e profissional no mercado de trabalho", disse. Avanço - Na opinião da superintendente da Distrital Santo Amaro da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), Rita de Cássia Campagnoli, as mulheres estão assumindo o papel de empregadoras e empresárias com muita c o m p e t ê ncia. "Ainda não estão em condições de igualdade c o m o s h omens, principalmente as pequenas empr eendedoras. Mas trata-se de um avanço que deve ser comemorado", afirmou. De fato, as mulheres já são 46% dos empreendedores individuais (EIs) registrados no estado de São Paulo. Elas lideram o ranking de formalização no setor de serviços: 75% no comércio de roupas; 77% em cabeleireiros e 56% em lanchonetes, por exemplo. "A ACSP e suas distritais colaboram para a

o conselheiro da ACSP Roberto Ticoulat coordena reunião do Conselho de Comércio Exterior. Rua Boa Vista, 51/11º andar. I Santo Amaro – Às 18h, reunião da CTPU-D, coordenada por Luiz Augusto Barbosa. Avenida Mário Lopes Leão, 406. I Mooca – Às 19h30, palestra sobre Motores P7, ministrada pela SPAAL, reunião do Núcleo de Reparadores Automotivos do Projeto Empreender, realizada por Pedro Ferreira Filho. Rua Madre de Deus, 222. I Penha – Às 19h30, 23ª

formalização e capacitação dessas trabalhadoras por meio de suas comissões, palestras, sessões de negócios, entre outras ações. Além disso, a entidade é uma das gestoras do Centro de Cidadania da Mulher da Prefeitura de São Paulo", concluiu a dirigente.

A ACSP e suas distritais colaboram para a formalização e capacitação dessas empreendedoras. RITA DE CÁSSIA CAMPAGNOLI, SUPERINTENDENTE DA DISTRITAL SANTO AMARO DA ACSP.

reunião ordinária e 8ª edição da Homenagem à Maçonaria Penhense, beneficente, com renda destinada à Creche Izabel. Golden House, avenida Condessa Elizabeth de Robiano, 2100.

Sexta I Penha – Às 9h30 e 14h30

curso de coral infanto juvenil. Às 15h30, curso de coral adulto. Avenida Gabriela Mistral, 199.

Sábado I Pinheiros – Às 15h30, show

com Orleans Jazz Band e Ricardo Herz Trio. Praça dos Omaguás S/N, em frente à FNAC.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 11, 12 e 13 de agosto de 2012

facesp

11 DESDE NOVEMBRO Lançado oficialmente em novembro de 2011, o programa foi implantado efetivamente no início deste ano. No total, participam 22 empresas.

regionais

Nem só de flores vive Holambra Fotos: Divulgação

Projeto chamado Roteiro Turístico pretende qualificar hotéis, restaurantes e agências de viagem do município paulista. André de Almeida

U

m projeto de qualificação de empreendimentos está colaborando para o desenvolvimento da colorida Holambra, no interior paulista, estância turística conhecida nacionalmente por preservar a cultura de seus imigrantes holandeses e por ser a maior produtora de flores e plantas ornamentais da América Latina. O projeto em questão, chamado Roteiro Turístico de Holambra, é desenvolvida em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e tem o poio da prefeitura e da Associação Comercial e Empresarial (ACE). Lançado oficialmente em novembro de 2011, o programa foi implantado efetivamente no inicio deste ano. No total, 22 empresas de três setores foram contempladas: gastronomia – 14 bares, restaurantes e confeitarias; hotelaria – seis hotéis, pousadas e campings; e duas agências de turismo receptivo. A meta é preparar os proprietários das empresas e os profissionais da área para aprimorar a gestão dos negócios e os serviços oferecidos aos turistas e aos clientes locais. "Uma vez preparados, res-

taurantes, agências, bares e hotéis, e demais empresas integrantes, poderão oferecer melhores serviços, o que é decisivo para agradar ao visitante e garantir seu retorno a Holambra", afirma Cláudia Adriana Mouro, gestora do projeto pelo Sebrae . "O programa pretende trabalhar também para inserir o município, cada vez mais, no mercado turístico nacional". Metodologia - Desde o inicio do projeto, as empresas participam de encontros, capacitação, discussões, seminários, consultorias individuais e visitas técnicas. A última delas foi realizada à Feira Internacional de Produtos e Serviços para a Alimentação Fora do Lar, a Fispal, em São Paulo. Na primeira fase, que vai até dezembro de 2013, os empresários discutirão atendimento ao cliente, técnicas de venda, pós-venda e infraestrutura dos estabelecimentos. Todo processo de consultoria é gratuito. Grande parte das atividades – encontros, cursos e oficinas de capacitação – é realizada na sede da ACE, que teve um papel fundamental na mobilização e formação dos grupos. "A maioria dos participantes é composta por nossos associados. Trata-se de um projeto muito interessante, já que, além de fortalecer o turismo, beneficiará o segmento

Portal de entrada da cidade de Holambra

Em Marília, ações dirigidas aos empreendedores.

E

m reunião entre a Associação Comercial e Industrial de Marília (Acim) e o Escritório Regional do Sebrae da cidade foi acertada uma série de ações com objetivo de assessorar o empreendedor local. "Vamos fazer com que o empreendedor tenha suporte para melhorar o desempenho da própria empresa", disse Libânio Victor Nunes, presidente da Acim. "Temos vários programas, mas podemos melhorar a oferta de atendimento”, afirmou Fábio Ravazi Gerlach, gerente do Sebrae.

A estância turística de Holambra é conhecida por preservar a cultura dos imigrantes holandeses e pela produção de flores e plantas ornamentais comercial e de serviços", ressalta Suzi Celegatti, gerente da ACE. Até o final do mês, mais dois segmentos irão integrar o projeto: atrativos turísticos e artesanato. Outra fase – Depois de concluída a primeira etapa, se houver interesse, o grupo de empresas segue para a fase seguinte, que engloba conceitos de administração, fluxo de caixa, marketing, financeiro, entre outros. "No final da primeira fase, as empresas que participarem de todo o processo de capacitação e se adequarem, farão parte de um catálogo turístico que mostrará os principais atrativos do município e que será distribuído em agências de turismo do País e em feiras e eventos", diz Cláudia Mouro. Na área de hotelaria, o programa já promoveu dois seminários e dois encontros devolutivos. Nas reuniões, o grupo discutiu questões práticas so-

Será possível desenvolver um trabalho de atendimento único e coletivo na sede da Acim ou pelo Programa Sebrae Móvel, em regiões da cidade apontadas pela Acim. "Poderemos promover palestras, oficinas, cursos e investir em atividades de tecnologia e inovações”, disse Elton Aquinori Yokomizo, consultor do Sebrae. Na parte de orientação ao Empreendedor Individual (EI) e ao Micro Empreendedor Individual (MEI), ações pontuais serão realizadas entre as duas instituições. Ficou decidido que nos dias 26 de setembro, 17 de outubro e 21 de novembro acontecerão encontros com empresários pela manhã, quando Acim e Sebrae orientarão sobre questões como gestão, marketing e legislação. "Hoje 69% dos empreendedores querem trabalhar formalizados. Isto é um universo muito grande que devemos atingir", disse Fábio.

À esquerda, o Museu do Imigrante. Abaixo, o Holambra Garden Hotel, que integra o programa de qualificação do Sebrae. bre os temas dos seminários. Outra ação foi a consultoria individual. O consultor visitou cada uma das empresas para conhecer de perto o empreendimento, analisá-lo e discutir com o proprietário ou gerente, as adaptações e melhorias necessárias. Os setores de gastronomia e agências de turismo também passaram por atendimento semelhante. Aprovação - Apesar de o projeto ainda não estar concluído, os participantes aprovam a iniciativa, que torna o dia a dia de suas empresas mais eficiente. Uma das integrantes do projeto desde o inicio é a gerente do Holambra Garden hotel, Ivonne de Wit. Com base nas atividades, a funcionária já conseguiu implementar novas ideias na gestão. "O projeto tem trazido discussões práticas a respeito da hotelaria atual e está fazendo com que reavaliemos nossas rotinas. A proposta do catálogo também nos ajudará muito", diz Ivonne. O programa ainda permitiu um reagrupa-

mento do setor e a retomada do Núcleo de Hospedagem da ACE, do qual participam empresas do segmento. Outra participante é a empresária Izilda Aparecida Menendes, da Casa da Esfiha. "Passei a enxergar problemas e soluções que antes não via. O projeto chegou no momento certo, pois estava pensando em buscar uma consultoria, o que me custaria um bom dinheiro".

O mesmo ponto de vista tem Daiana Tamata da Silva, da agência de turismo Holambrasil. Ao ingressar no mercado, recentemente, Daiana recebeu orientações que a ajudaram a planejar melhor o negócio e a conhecer ainda mais a área em que atua. "Futuramente, o projeto, além de oferecer a capacitação, também vai colaborar para a divulgação da empresa", conclui.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

12

sábado, domingo e segunda-feira, 11, 12 e 13 de agosto de 2012

A ARTE DA GRAVIDADE Desafiando a lei da gravidade, o artista coreano Yun-Woo Choi usa jornais e revistas para instalações.

Logo Logo www.dcomercio.com.br

www.yunwoochoistudio.com

E XPOSIÇÃO H UMOR

C ÃES E GATOS

Fila impressionante

S

ob sol forte, um grand e n ú m e r o d e p e ssoas enfrentou ontem filas de até quatro horas, desde o início da manhã, para visitar a exposição Impressionismo: Paris e a Modernidade, em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil, na região central de São Paulo. No sábado, a espera era de duas horas, segundo os organizadores da mostra. A exposição reúne 85 obras

do movimento impressionista vindas do Museu D'Orsay, em Paris. De cores intensas, pinceladas soltas e figuras cotidianas, as pinturas podem ser contempladas pelo público que resiste na fila. Há desde quadros do francês Claude Monet a obras do holandês Vincent Van Gogh. A chamada "virada impressionista", que atravessou a madrugada de sábado para domingo, recebeu mais de 16

mil pessoas, segundo a organização. Durante a semana, a fila começou às 8h, duas horas antes do CCBB abrir. Surpreendido pela grande procura do público, o centro cultural já marcou novas datas para a "virada impressionista". O evento acontecerá nos dias 7 e 8 de setembro e 5 e 6 de outubro. (Folhapress) CCBB: Rua Álvares Penteado, 112, Centro. Tel. (11) 3113-3651. Grátis. Classificação: livre

Hospital público vai ganhar espaço O único hospital veterinário público do Brasil, destinado a cães e gatos, foi inaugurado há 42 dias na capital paulista e já anuncia a ampliação do espaço físico. O novo prédio, que fica a 200 metros do antigo, se somará ao já existente para que a equipe do hospital eleve a quantidade de atendimentos em 20% a 25%. (Folhapress)

Bruno Zanardo/AE

I MAGENS

Fabricando uma pin-up O ator norte-americano Robert Downey Jr. virou o tema de uma brincadeira divertida: vários artistas recriam sua imagem como pin-up. http://pin-up-rdj.tumblr.com/

S ÃO PAULO

Bienal do Livro: um sucesso. Livro de São Paulo, no Pavilhão do Anhembi. Segundo a organização, 80 mil pessoas passaram pela feira no sábado.

L

Debates para o público adolescente e longas filas nas sessões de autógrafo marcaram o primeiro fim de semana da 22ª Bienal do J. Duran Machfee/AE

MISS SÃO PAULO - Francine Pantaleão (candidata de Jaú), 23 anos, vencedora do Miss São Paulo 2012, após receber a coroa durante evento no Palácio de Convenções do Anhembi, na zona norte da cidade.

A RTE

Arte manipulada O artista digital Crymz faz uma manipulação de imagens para recriar retratos clássicos com rostos de celebridades, como a 'Rainha Amy Winehouse' e a 'Monalisa Spears'. Mais no site. http://cr ymz.deviantart.com/galler y/

L OTERIA

Mega-Sena acumula: R$ 28 mi.

C A R T A Z

Economia verde Menos consumo, mais investimentos em meio ambiente. Essa é a mensagem do artista Yuken Teruya, que criou uma série de imagens intitulada: "Construindo uma economia verde". Veja outras ilustrações no site. http://bit.ly/P563Ov

A TÉ LOGO

Acesse www.dcomercio.com.br para ler a íntegra das notícias abaixo:

Operário morre após ser atingido por placa de concreto no Alphaville

L

Homem é preso ao tentar extorquir R$ 280 mil em São José dos Campos

L

Obras do artista gráfico Fernando Rodrigues estão expostas no Ibotirama Bar. Rua Augusta, 1236.

L

VISUAIS

E M

Unicamp abre três novos cursos de graduação em Limeira

A Mega-Sena acumulou depois que ninguém acertou as seis dezenas do concurso 1.415, sorteado na noite de sábado. A expectativa é que o próximo sorteio, na quarta-feira, pague R$ 28 milhões para o bilhete ganhador. Na última semana, excepcionalmente, a Mega-Sena teve três concursos – um na terça, outro na quinta e um no sábado, quando foram sorteados os números 26 - 36 - 40 - 46 - 49 - 51.


e CAIXA 1 conomia

O seu consultor financeiro

13

sábado, domingo e segunda-feira, 11, 12 e 13 de agosto de 2012

Olhe com CUIDADO seus EXTRATOS bancários

O que pode ou não pode cobrar

C

onheça os serviços que podem ou não ser cobrados e compare-os com os que estão nas cestas dos bancos. O importante é saber o que você realmente usa.

Dez serviços que não podem ser cobrados 1 - Fornecimento de cartão de débito 2 - 2ª via do cartão de débito que não seja solicitada pelo cliente (não vale nos casos de perda, roubo, furto, danificação e outros motivos não imputáveis ao banco). 3 - Quatro saques por mês no caixa, por meio de cheque ou em terminal de autoatendimento. 4 - Duas transferências entre contas na própria instituição por mês 5 - Dois extratos por mês, com a movimentação dos últimos 30 dias. 6 - Consultas na internet 7 - Fornecimento de extrato consolidado anual, até 28 de fevereiro de cada ano, com a descrição das tarifas cobradas no período. 8 - Fornecimento de até dez folhas de cheques por mês 9 - Compensação de cheques 10 - Prestação de serviço por meios eletrônicos, no caso de contas exclusivamente eletrônicas.

Newton Santos/Hype – 10/12/2007

Serviços essenciais

Atenção às tarifas que podem ou não ser cobradas evita prejuízos aos correntistas

REJANE TAMOTO

Serviços prioritários

Serviços especiais Cobrados com base em legislação e regulamentação específicas. Exemplos são os serviços referentes ao crédito rural, ao Sistema Financeiro da Habitação (SFH), ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), ao Fundo PIS/PASEP, às contas-salário e operações de microcrédito (resolução nº 3.422). Serviços diferenciados 20 serviços que podem ser cobrados desde que o banco informe de maneira clara as condições de utilização e de pagamento: 1 - Abono de assinatura 2 - Aditamento de contratos 3 - Administração de fundos de investimento 4 - Aluguel de cofre 5 - Aval e fiança 6 - Avaliação, reavaliação e substituição de bens recebidos em garantia. 7 - Câmbio 8 - Carga e recarga de cartão pré-pago 9 - Cartão de crédito diferenciado 10 - Certificação digital 11 - Coleta ou entrega em domicílio 12 - Corretagem envolvendo títulos, valores mobiliários e derivativos. 13 - Custódia 14 - Envio de mensagem automática sobre a movimentação ou lançamento em conta ou cartão 15 - Extrato com informações adicionais 16 - Fornecimento de atestados, certificados e declarações. 17 - Cópia ou segunda via de comprovantes e documentos 18 - Cartão de crédito personalizado 19 - 2ª via emergencial de cartão de crédito 20 - Leilões agrícolas Fonte: Banco Central e Instituto de Defesa do Consumidor (Idec)

V Ê

20 serviços que os bancos podem cobrar, segundo a resolução do BC 3.919 1 - Cadastro para início de relacionamento 2 - Fornecimento de 2ª via de cartão de débito e de poupança 3 - Exclusão do Cadastro de Emitentes de Cheques sem Fundos (CCF) 4 - Contraordem (ou revogação) e oposição (ou sustação) ao pagamento de cheque 5 - Fornecimento de folhas de cheque e emissão de cheque administrativo 6 - Cheque visado 7 - Saque de conta de depósito à vista e de poupança 8 - Depósito identificado 9 - Fornecimento de extrato mensal e de um período da conta 10 - Fornecimento de cópia de microfilme, microficha ou assemelhado. 11 - Transferência por DOC (incluindo agendamento) 12 - Transferência por TED (incluindo agendamento) 13 - Transferência entre contas na própria instituição (mais de duas ocorrências) 14 - Ordem de pagamento 15 - Concessão de adiantamento a depositante 16 - Cartão de crédito básico (nacional e internacional) 17 - Fornecimento de 2ª via de cartão de crédito 18 - Utilização de canais de atendimento para retirada (no País ou exterior) 19 - Pagamento de contas com a função crédito 20 - Avaliação emergencial de crédito

ocê já olhou seu extrato hoje? Sabe quais as tarifas de serviços que s e u b a n c o p o d e c obrar? A atenção para acompanhar a conta e o conhecimento sobre as cobranças corretas são desafios para o cliente. Embora o Banco Central (BC) regule as tarifas que podem ser cobradas, os bancos lideram o ranking de reclamações do Procon-SP. Quem ocupa a primeira posição é o Itaú, com 6.814 reclamações neste ano. Do total, 3.562 queixas se referiam a cobranças indevidas. Depois de Telefônica/Vivo e Claro, a empresa que gerou mais queixas, foi o Bradesco, com 3.537 queixas, sendo 1.747 de cobran��a indevida. A diretora de atendimento do Procon-SP, Selma do Amaral, diz que de tempos em tempos surgem tarifas abusivas. Ela afirma que o BC demorou para proibir a tarifa de envio de boleto, considerada abusiva pela entidade. "Outro caso é a tarifa de terceiros para automóveis, que o cliente pagava, mas na verdade era uma comissão que o vendedor recebia no momento da venda do automóvel. Ela é proibida desde março do ano passado."

Tarifa de cadastro A cobrança hoje mais polêmica é a tarifa de cadastro, cobrada quando o cliente inicia relacionamento com o banco. O problema é que, na prática, o consumidor tem arcado com essa tarifa em mais de uma ocasião quando, por exemplo, faz financiamento de veículo. "Recebemos muitas queixas de clientes que fazem o financiamento na concessionária e são correntistas do banco que faz a operação. Eles já têm o cadastro, mas estão sendo cobrados de novo." Em alguns casos, um serviço que o banco prestava gratuitamente passa a ser cobrado. O jornalista João Sorima Neto conta que foi surpreendido por uma tarifa de R$ 60 na hora de trocar reais por euros no Bradesco. Cliente Prime há seis anos, ele diz que nunca pagou pela operação, que costuma fazer anualmente. "A atendente disse que essa é uma tarifa sobre operações de câmbio e que o valor é fixo", relata. O Bradesco informou que a tarifa é referente à compra e venda de papel moeda e é cobrada desde março passado. Segundo o BC, a tarifa pode ser cobrada por estar na categoria de serviços diferenciados (veja quadro).

Selma, do Procon-SP, diz que o único jeito de evitar o pagamento de tarifas indevidas é o acompanhamento constante do extrato. Outra recomendação ao cliente é que avalie os serviços que de fato usa. É possível adquirir só serviços essenciais, gratuitos e obrigatórios.

"Os gerentes não informam sobre essa opção. E a forma de classificação que o banco adota para oferecer um pacote é com base na renda, mas, na verdade, a escolha do pacote deve obedecer às necessidades de uso", diz a gerente Jurídica do Instituto de Defesa do Consumidor

(Idec), Maria Elisa Novais. Segundo a diretora, poucos consumidores pesquisam tarifas avulsas, porque a maioria adere a um pacote. "O problema é que não há padrão na maioria dos pacotes de serviços dos bancos, o que dificulta a comparação", avalia. Segundo ela, é difícil escolher pelo preço, assim como é classificado no Sistema de Divulgação de Tarifas de Serviços Financeiros da Federação Brasileira de Bancos (Febraban). No site, o consumidor pode consultar as tarifas de serviços prioritários avulsos e os valores dos diferentes pacotes. Pela regulamentação, as instituições financeiras são obrigadas a oferecer um pacote padronizado (inclui cadastro, oito saques, quatro extratos mensais, dois extratos do mês anterior e quatro transferências na própria instituição). Para a coordenadora institucional da Proteste, Maria Inês Dolci, o consumidor tem de avaliar constantemente as cestas de serviços e, se for o caso, mudar o pacote. "O consumidor precisa sempre questionar e pesquisar no seu banco. Muitas vezes ele não tem ideia de que pode mudar de pacote", diz.

Anúncio de Início de Distribuição Pública de Quotas do FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO BÚSSOLA - FII CNPJ/MF nº 13.083.342/0001-64 PETRA - PERSONAL TRADER CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. Rua Pasteur, 463 – 11º andar, Curitiba – PR CNPJ/MF sob o nº 03.317.692/0001-94 COORDENADOR Comunica o início da distribuição pública de até 10.000 (dez mil) quotas nominativas e escriturais, com valor unitário de R$ 1.000,00 (um mil reais) na data de emissão, divididas em 4 (quatro) séries, perfazendo o montante total de até

R$ 10.000.000,00 I.

II.

NATUREZA DO EMlSSOR: O FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO BÚSSOLA - FII, registrado na Comissão de Valores Mobiliários – CVM sob o código CVM nº 173-2, em 14 de dezembro de 2010, é um fundo de investimento imobiliário, regido pelo seu Regulamento, pela Instrução CVM nº 472/08 e pelas demais disposições legais e regulamentares que lhe forem aplicáveis (“Fundo”), e administrado pelo BANCO PETRA S.A., instituição financeira com sede na Cidade de Curitiba, Estado do Curitiba, na Rua Pasteur, 463, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 11.758.741/0001-52 (“Administradora”). CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DAS QUOTAS A SEREM DISTRIBUÍDAS: A emissão das quotas observará as seguintes características e condições aprovadas na Assembleia Geral de Quotistas do Fundo realizada em 25 de abril de 2011 e retificadas na Assembleia Geral de Quotistas do Fundo realizada em 14 de junho de 2012: 1. Número de Ordem da Emissão: 2ª (segunda) Emissão. 2. Número de Séries: 4 (quatro) Séries. 3. Quantidade de Quotas da Emissão: até 10.000 (dez mil) quotas. 4. Quantidade Quotas da 1ª Série: até 3.000 (três mil) quotas. 5. Quantidade de Quotas da 2ª Série: até 2.000 (duas mil) quotas. 6. Quantidade de Quotas da 3ª Série: até 2.000 (duas mil) quotas. 7. Quantidade de Quotas da 4ª Série: até 3.000 (três mil) quotas. 8. Preço de Emissão das Quotas: R$ 1.000,00 (um mil reais) cada, atualizado mensalmente conforme variação do resultado operacional do Fundo, calculado pela somatória das provisões de receitas dos imóveis e rentabilidade financeira líquida, deduzidas as provisões das despesas do Fundo previstas no Artigo 33 do Regulamento, a partir da data da 1ª (primeira) integralização de quotas do Fundo, sendo a aplicação inicial mínima no valor correspondente a 50 (cinquenta) quotas, no âmbito da distribuição primária. 9. Montante da Emissão: o valor total da 2ª Emissão será de R$ 10.000.000,00 (dez milhões de reais). 10. Forma de Integralização: as quotas do Fundo serão integralizadas à vista, em moeda corrente nacional, na data da subscrição. A critério da Administradora, poderá ser admitida a integralização de quotas em Imóveis, observado o previsto no Artigo 12 e seus parágrafos da Instrução CVM nº 472/08, bem como a política de investimentos do Fundo. 11. Direitos das Quotas: As quotas do Fundo correspondem a frações ideais de seu patrimônio, serão de uma única classe e terão a forma nominativa e escritural. A cada quota corresponderá um voto nas deliberações da Assembleia Geral de Quotistas do Fundo, que serão adotadas pela maioria simples das quotas presentes em cada oportunidade, exceto nos casos específicos em que se exija quorum diverso de deliberação nos termos do Regulamento. Nos termos do artigo 2º da Lei 8.668, de 25 de junho de 1993, conforme alterada, o quotista não poderá requerer o resgate de suas Quotas por se tratar de um fundo fechado. 12. Regime de colocação das Quotas: a colocação das quotas do Fundo será realizada pelo Coordenador sob o Regime de Melhores Esforços 13. Público Alvo: o Fundo é destinado a investidores pessoas físicas e jurídicas, Investidores Institucionais, residentes e domiciliadas no Brasil ou no exterior, bem como fundos de investimento, doravante em conjunto denominados “Investidores”, sendo garantido aos Investidores o tratamento igualitário e equitativo. 14. Prazo de Subscrição: o prazo de distribuição das quotas será de até 180 (cento e oitenta) dias, contados da data de publicação deste Anúncio de Início de Distribuição. 15. Procedimento da Distribuição: a distribuição pública das quotas será efetuada pelo regime de melhores esforços, não sendo utilizada a sistemática de reserva. O Coordenador deverá assegurar: (i) que o tratamento aos Investidores seja justo e equitativo; (ii) a adequação do investimento ao perfil de risco de seus respectivos clientes; (iii) que seus representantes de venda recebam previamente exemplar do Prospecto para leitura obrigatória e que suas dúvidas possam ser esclarecidas por pessoa designada pelo próprio Coordenador. Dessa forma, na distribuição das quotas do Fundo: (i) não será utilizada a sistemática que permita o recebimento de reservas; (ii) serão atendidos quaisquer Investidores interessados na subscrição das quotas; e (iii) deverá ser observado ainda o disposto no item 11 abaixo, não sendo admitidas quotas fracionárias. 16. Distribuição Parcial: Será admitida a subscrição parcial das quotas da 2ª Emissão, desde que sejam colocadas, no mínimo, todas as quotas da 1ª Série. Caso não seja subscrita a totalidade das quotas da 1ª Série, a 2ª Emissão será cancelada, ficando o Coordenador obrigado a ratear entre os subscritores, na proporção das quotas subscritas e integralizadas da emissão, os recursos financeiros captados pelo Fundo e, se for o caso, os rendimentos líquidos auferidos no período, sendo certo que não serão restituídos aos quotistas os recursos despendidos com o pagamento de tributos incidentes sobre a aplicação financeira, os quais serão arcados pelos quotistas na proporção dos valores subscritos e integralizados.

Coordenador

Administrador

Caso não seja subscrita a totalidade das quotas das demais séries (2ª, 3ª e 4ª Séries), o Administrador poderá cancelar o saldo não colocado e encerrar a distribuição, a seu exclusivo critério e a qualquer tempo. Não poderá ser iniciada a distribuição de uma nova Série de quotas antes de totalmente subscrita a distribuição da Série anterior. 17. Negociação: as quotas serão negociadas exclusivamente no mercado secundário junto à BM&FBovespa – Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros, observado o disposto no Prospecto e Regulamento do Fundo. 18. Declaração de Inadequação: o investimento em quotas de Fundos de Investimento Imobiliário não é adequado a investidores que necessitem de liquidez, tendo em vista que os Fundos de Investimento Imobiliário encontram pouca liquidez no mercado brasileiro, a despeito da possibilidade de terem suas quotas negociadas em bolsa ou mercado de balcão organizado. Além disso, os Fundos de Investimento Imobiliário têm a forma de condomínio fechado, ou seja, não admitem a possibilidade de resgate de suas quotas, sendo que os seus quotistas podem ter dificuldades em realizar a venda de suas quotas no mercado secundário. III. CARACTERÍSTICAS DO FUNDO: 1. Objetivo: o Fundo, constituído sob a forma de condomínio fechado, é uma comunhão de recursos e tem por objeto preponderante o investimento em negócios imobiliários, por meio da venda e compra de flats e unidades de condomínio-hotéis, tanto no que se refere a imóveis prontos, quanto em fase de incorporação e/ou construção (“Imóveis Alvo”), objetivando obter ganhos de capital com a venda, de acordo com deliberação do Comitê de Investimentos, e desde que atendam aos critérios de enquadramento e à política de investimentos do Fundo. O Fundo poderá, ainda, (i) adquirir imóveis residenciais, comerciais ou mistos, tanto no que se refere a imóveis prontos, quanto em fase de incorporação e/ou construção (“Outros Imóveis” e, em conjunto com os Imóveis Alvo, “Imóveis”); e (ii) locar ou arrendar os Imóveis enquanto não forem alienados. 2. Resgate: o Fundo é constituído sob a forma de condomínio fechado, não havendo resgate de quotas, a não ser por ocasião do término do prazo de duração do Fundo ou de sua liquidação. 3. Prazo de Duração: o Fundo terá prazo de duração indeterminado. 4. Risco: as aplicações feitas pelo Fundo sujeitam-se aos riscos previstos na seção “Fatores de Risco” do Prospecto. IV. COORDENADOR DA DISTRIBUIÇÃO: Nome: PETRA - PERSONAL TRADER CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. Endereço: Rua Pasteur, 463 – 11º andar, Curitiba – PR V. ADMINISTRADOR E ESCRITURADOR: Nome: BANCO PETRA S.A. Endereço: Rua Pasteur, 463, Curitiba – PR VI. REGlSTRO NA CVM - COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS: A emissão foi registrada na CVM em 03/08/2012 sob o nº CVM/SER/ RFI/2012/023 VII. DATA DO INÍCIO DA DISTRIBUIÇÃO DAS QUOTAS: 13/08/2012 “O registro da presente emissão não implica, por parte da CVM, garantia de veracidade das informações prestadas ou em julgamento sobre a qualidade do Fundo emissor, bem como sobre as quotas a serem distribuídas”. VIII. INFORMAÇÕES ADICIONAIS: Maiores esclarecimentos a respeito desta distribuição, bem como cópias do Regulamento e do Prospecto e quaisquer outras informações complementares sobre a presente distribuição poderão ser obtidas junto ao Administrador, ao Coordenador, à Comissão de Valores Mobiliários ou ainda à BM&FBovespa – Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros, nos endereços abaixo: BANCO PETRA S.A. Av. Paulista, 1842 – 1º andar, cj. 17 - 01310 923 - São Paulo – SP Rua Pasteur, 463 – 11º andar - 80250-080 - Curitiba – PR Telefone: (11) 3526-9001 - Fac-símile: (11) 3526-9001 Website: www.bancopetra.com.br/documentos/BUSSOLA-PROSPECTO.pdf PETRA - PERSONAL TRADER CTVM S.A. Av. Paulista, 1842 – 1º andar, cj. 17 - 01310 923 São Paulo – SP Rua Pasteur, 463 – 11º andar - 80250-080 Curitiba – PR Telefone: (11) 3526-9001 - Fac-símile: (11) 3526-9001 Website: www.petracorretora.com.br/documentos/BUSSOLA-PROSPECTO.pdf COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS – CVM Rua Sete de Setembro, 111 – 2°, 3°, 5°, 6° (parte), 23°, 26° ao 34° andares CEP 20050-901 – Rio de Janeiro – RJ Telefone: 55 21 3233-8686 - Website: www.cvm.gov.br Rua Cincinato Braga, 340 – 2º, 3º e 4º andares CEP 01333-010 – São Paulo – SP Telefone: 55 11 2146-2000 BM&FBOVESPA S.A. – Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros Rua XV de Novembro, 275 - CEP 01013-001 - São Paulo – SP Telefone: 55 11 3233-2000 - Website: www.bmfbovespa.com.br

Gestor Imobiliário

Consultor de Investimentos

Assessor Legal


14 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 11, 12 e 13 de agosto de 2012


sábado, domingo e segunda-feira, 11, 12 e 13 de agosto de 2012

e

DIÁRIO DO COMÉRCIO

15 O consumidor está ávido por novos sabores. Rogério Byczyk, gerente de marketing da Predilecta

conomia

Molhos ganham mercado Fabricantes de temperos prontos para salada pegam carona na demanda pela alimentação saudável e concorrem entre si lançando cada vez mais sabores Fátima Lourenço

O

m/

poli

am lo P

e

Hyp

Pau

penho da empresa com esses molhos, detalha a executiva, acontece próximo aos grandes centros. "A mulher também está mais presente no mercado de trabalho e busca praticidade", acrescenta Gesica. Para a Castelo, tradicionalmente conhecida pelos vinagres da marca, os molhos prontos para salada representam 3% do faturamento total. É pouco, mas tem crescido ano a ano, revela a executiva. Nos Estados Unidos, ela compara, esses molhos são vendidos em embalagens de um litro para o consumidor fi-

nal. Aqui, os volumes ainda pequenos envolvidos nas operações com molhos para salada afastam os grandes grupos do segmento. A Castelo atua de forma mais concentrada no Sudeste, mas se prepara para expandir a linha de molhos de salada para o Nordeste. Hábitos – Por aqui, a empresa intensifica ações direcionadas aos jovens, para destacar a importância da alimentação saudável e o "toque diferenciado" que seus molhos podem proporcionar em outras receitas, além da salada. "O próprio consumidor nos mos-

Divulgação

brasileiro não tem tradição como consumidor de molhos para salada, mas a mudança de hábitos da população, impulsionada pela dinâmica da vida urbana e o novo cenário econômico, trouxe alento ao segmento, atualmente abastecido por marcas como Hellmann´s (Unilever); Liza (Cargill); Castelo e Predilecta. No ano passado, segundo pesquisa Nielsen, o volume de vendas desses produtos nos supermercados cresceu 4,3%, um salto de 2,723 mil toneladas (em 2010) para 2,839 mil toneladas. O consumo junto ao autoserviço reflete apenas um dos lados da demanda. Atualmente, e especialmente nos grandes centros urbanos, os molhos prontos para salada também são servidos ao consumidor que se alimenta fora de casa, em estabelecimentos como restaurantes, lanchonetes e padarias. "O food service é um canal estratégico, porque gera experimentação natural", justifica a gerente comercial e de marketing da Castelo Alimentos, Gesica Cereser. A empresa lançou molhos para salada (rosé, italiano, limão, caseiro, balsâmico e parmesão) em 2002 e sete anos depois os relançou em nova formulação e embalagem. Atualmente, conta Gesica, a Castelo Alimentos vende os produtos dessa categoria no varejo, no atacado e para distribuidores especializados em food service. O melhor desem-

trou isso", justifica a gerente. De acordo com a pesquisa Nielsen, os maiores crescimentos no volume de vendas de molho para saladas, de 2010 para 2011, aconteceram nas regiões centro-oeste e

nordeste, com 20,6% e 11,7%, respectivamente. "A Grande São Paulo e o interior do estado (crescimento de 3,5% e recuo de 3,4%, respectivamente, na mesma base de comparação) já têm a cultura

de consumo do molho para salada, da alimentação fora do lar. Por isso o crescimento é maior no nordeste e no centrooeste. E também por causa da ascensão social nessas regiões", justifica o analista de mercado do instituto de pesquisa, Marcelo Fazio. Expansão – Na Predilecta, mais conhecida pelos seus molhos de tomate e produtos derivados de goiaba, os molhos para salada ainda são complementos de linha, mas observados como "uma categoria muito interessante", conforme define o gerente de marketing Rogério Byczyk. Em maio último, durante a feira da Associação Paulista de Supermercados (Apas), a empresa acrescentou três novos sabores (ervas finas, iogurte e caseiro) à categoria, até então oferecida nas opções parmesan, italian, french e lemont. "O consumidor está ávido por novos sabores", justifica o executivo. A Liza também divulgou, recentemente, o lançamento de um novo sabor, o balsâmico. Com ele, a empresa passa a trabalhar com oito alternativas de molhos para salada. De acordo com a empresa, a marca é líder nesse mercado, com 34,6% de participação no volume total. A concorrente Unilever, com atuação nesse segmento desde 2010, não revela números. A empresa atua para o consumidor final, com opções em embalagens de 475 ml e 236 ml – nos sabores caseiro, italiano, parmesão e rosê.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

16

sábado, domingo e segunda-feira, 11, 12 e 13 de agosto de 2012

e Roberto Macedo é o Economista do Ano A receita óbvia (do País se defender da crise externa) é tornar a economia brasileira menos dependente da economia mundial. Roberto Macedo, economista

conomia

O coordenador do Conselho de Economia da ACSP, Roberto Macedo, recebe hoje em São Paulo o prêmio da Ordem dos Economistas do Brasil (OEB) Fotos de Marcos Mendes/LUZ

Eliana Haberli

O

economista Roberto Macedo, coordenador do Conselho de Economia da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, ganhou o prêmio Economista do Ano de 2012, da Ordem dos Economistas do Brasil (OEB), que vai ser entregue hoje. O prêmio é concedido a profissionais que se destacam por sua contribuição ao desenvolvimento e por estimular a reflexão sobre a complexidade econômica da sociedade. Segundo Manuel Enriquez Garcia, presidente da OEB e do Conselho Regional de Economia de São Paulo (Corecon-SP), o prêmio se tornou um dos mais respeitados reconhecimentos aos profissionais da área. Macedo foi indicado em uma lista com quatro nomes por economistas de todo o País e eleito pelos associados da OEB. Falante, crítico e espirituoso, Macedo "esquece" propositalmente de citar o ministro da Fazenda, Guido Mantega, ganhador do prêmio no ano passado, na conversa com o Diário do Comércio nas vésperas de receber a homenagem. DC - Ao receber esse prêmio, o senhor tem a sensação de dever cumprido? Roberto Macedo – Nesta altura do campeonato, tenho várias medições. Vejo o prê-

mio como um reconhecimento do meu trabalho até aqui, Mas não quero saber de parar. Aposentadoria não está no meu radar, adoro trabalhar, e acho que a aposentadoria pode fazer mal à saúde. Considero uma honra o fato de que passei a integrar uma galeria de premiados com nomes como Roberto Campos, Mário Simonsen, Delfim Netto, Armínio Fraga, Celso Furtado, André Lara Resende, Eduardo Giannetti da Fonseca, entre outros. DC - O senhor não citou o vencedor do prêmio no ano passado, o ministro da Fazenda, Guido Mantega. Roberto Macedo – Do Mantega, continuo discordando, como agora com a sua insistência em que os bancos ampliem a oferta de crédito. No momento, com o mau estado da economia, afetando expectativas de empresários e consumidores, mais o já elevado endividamento e inadimplência de muitos, seria razoável conjecturar que também pode estar faltando demanda por parte de interessados com perfis de risco aceitáveis pelos bancos. DC - Quando um economista faz alertas sobre os riscos que determinados caminhos de condução da política econômica traz (por exemplo, excesso de gastos do governo e falta de investimentos) e a coisa não dá certo, sente alegria ou tristeza ao constatar

Ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Roberto Macedo tem reconhecimento por sua contribuição ao País. que estava correto? Roberto Macedo – Posso responder por mim. É um duplo sentimento. A gente gosta de acertar, mas não do mal que vem quando a gente alerta quanto a um risco, e ele se materializa. É preciso separar uma coisa da outra. E bom mesmo é quando a gente acredita e dá certo. Como acreditei em agosto de 2011 quando o BC optou por antecipar um ciclo de redução da Selic (juros básicos da economia), apesar da objeção do mercado. Espero que continue dando certo. Politicamente, sou de oposição ao governo federal, mas não torço pelo seu fracasso na economia, porque todos nós perderíamos com isso. DC - Quais os principais riscos da atual condução da política econômica governamental? Roberto Macedo – Para a política monetária, é o da inflação voltar. Se isso acontecer, espero que o BC e o governo

Do Mantega, continuo discordando, como agora com a sua insistência em que os bancos ampliem a oferta de crédito. ROBERTO MACEDO, ECONOMISTA não reajam logo retomando a receita antiga, de aumentar a Selic e ficar nisso. No caso do spread, também entendo louvável o empenho do governo em reduzi-lo, mas ele também precisa fazer sua parte, no caso dos depósitos compulsórios, dos impostos e avançar com o cadastro positivo, para ampliar a correspondência entre o risco do tomador de crédito e os juros que ele paga. Vejo risco também nas medidas que o governo vem tomando para soerguer a economia. Ele fica em medidas táti-

cas, apagando incêndios aqui e ali, escolhendo quem vai levar seus incentivos e desonerações, em uma visão não articulada e parcial do que se passa na economia. Falta uma abordagem com medidas coordenadas, estratégicas e de amplo alcance. Outra visão que tenho do governo é a de que ele é obcecado com a ideia de ampliar a demanda, em particular a de consumo e via crédito, e relega a um segundo plano a expansão da oferta, que depende de investimentos. DC - Na coletânea de trabalho "Para o Próximo Presidente", da revista Digesto Econômico, no final do governo Lula, o senhor coordenou artigos que abordavam as posições citadas. Alguma coisa mudou de lá para cá? Roberto Macedo – A estratégia que vejo adequada continua sendo aquela, a de focar na ampliação da taxa de investimentos do governo e da

Uma trajetória que reúne academia e mercado

R

oberto Macedo é economista pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA USP) – onde também foi chefe do Departamento de Economia e diretor– mestre e doutor em Economia pela Universidade Harvard (EUA) – na qual foi assistente de professor titular. Ele lecionou na Universidade Mackenzie, foi professor visitante nas universidades de Kobe (Japão), Internacional da Flórida (EUA) e fez pós-doutorado na universidade de Cambridge, Inglaterra. É assessor da Faculdade de Economia da FAAP, na qual é editor da Revista de Economia & Relações Internacionais. É conselheiro administrativo da Nossa Caixa Desenvolvimento, agência de fomento do governo estadual. Foi economista do Banco Central, presidente da Eletros (associação do setor de eletroeletrônicos de consumo), e do Sindigás (de distribuidores de gás liquefeito de petróleo). Foi presidente da Ordem dos Economistas do Brasil em duas gestões e membro do Comitê Latino Americano da Econometric Society. Suas publicações incluem o livro Seu Diploma, sua Prancha – Como Escolher a Profissão e Surfar no Mercado de Trabalho, da Saraiva,

economia relativamente ao seu PIB (Produto Interno Bruto), e procurar remover todos os obstáculos que vêm impedindo esse aumento, em particular a postura do governo que arrecada demais e investe de menos. E ainda reluta em ampliar as PPPs (Parcerias PúblicoPrivadas) e, no caso do Pré-sal, insiste em dar à Petrobras mais atribuições do que ela consegue tocar, com o que ficamos em uma espécie de "pré-Pré-sal" que não anda. DC - Como o País pode se defender da crise do euro? Roberto Macedo – Dessa e de outras crises externas, a receita óbvia é tornar a economia brasileira menos dependente da economia mundial. A melhor defesa seria ampliar a poupança interna e fortalecer a economia com mais investimentos, para torná-la menos vulnerável aos ventos que sopram de fora. Infelizmente, o Brasil e seu governo não acordaram para essa obviedade.

Demais premiados

A

lém do Economista do Ano, no evento de hoje da Ordem dos Economistas do Brasil, no Buffet Rosa Rosarum, em São Paulo, serão entregues os seguintes prêmios: Economistas: Eduardo Henrique Accioly Campos Governador do Estado de Pernambuco Francisco da Silva Coelho - Ex-presidente da Ordem dos Economistas do Brasil e ex-vicepresidente do Corecon-SP (em memória) Economista Chefe Roberto Padovani - Votorantim Corretora Economista do Setor Público Miguel Colasuonno - Diretor Administrativo da Eletrobrás - Centrais Elétricas Brasileiras

Macedo é mestre e doutor por Harvard (1998); Macroeconomic volatility and social vulnerability in Brazil: the Cardoso government (1995-2002) and perspectives; Financiamento del Desarollo Series, Santiago: Nações Unidas - CEPAL, 2004; Os Efeitos da Privatização sobre o Desempenho Econômico e Financeiro das Empresas Privatizadas, em co-autoria, na Revista Brasileira de Economia, (2005); Fundamentos para a Reformulação da Política Macroeconômica, texto integrante da coletânea Para o próximo Presidente que coordenou para a revista Digesto Econômico, da ACSP, com 35 artigos de diversos autores, entre 2009 e 2010. (EH)

Indústria e Sustentabilidade Ambev - Companhia de Bebidas das Américas - Victorio Carlos de Marchi Ensino e Pesquisa Maria Helena Garcia Zockun - Pesquisadora da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas Agricultura Jorge Matsuda, do grupo Matsuda Menção Especial Mansueto Almeida Júnior - Economista do Instituto de Pesquisas Econômicas aplicadas (IPEA) Medalha de Honra ao Mérito Edmar Bacha - Diretor do Instituto de Estudos e Política Econômica da Casa das Garças. (EH)


sábado, domingo e segunda-feira, 11, 12 e 13 de agosto de 2012

DIÁRIO DO COMÉRCIO

17

e A fantástica fábrica de chapéus pretos Eles (os chapéus) estão nos salvando da crise. Miguel Garcia Gutierrez, diretor-gerente da fábrica da Fernandez y Roche

conomia

Apesar da crise econômica, a companhia Fernandez y Roche, fundada há 127 anos na Espanha, vai muito bem vendendo produtos para Jerusalém e Nova York. Fotos de Laura Leon/International Herald Tribune

Doreen Carvajal*

D

esde sua fundação, 127 anos atrás, a fábrica Fernandez y Roche, situada no entorno da capital da Andaluzia, Sevilha, na Espanha, resistiu a todas as crises já enfrentadas por chapeleiros. Ela superou a tendência de não usar chapéu que descartou os chapéus fedora na década de 1930. Sobreviveu à queda da popularidade das biretas e dos chapéus "saturno" usados por padres católicos romanos. Agora, está passando pelas intempéries do declínio nas vendas espanholas do símbolo mais básico da Andaluzia, o chapéu cordobês de abas duras apreciado por montadores de cavalo e toureiros de ocasião. Mas, apesar da crise econômica espanhola, a empresa de chapéus continua próspera, graças a uma improvável fonte de receitas: as vendas de milhares de chapéus pretos por ano para judeus hassídicos Satmar de Jerusalém e do bairro do Brooklyn, em Nova York. "Eles estão nos salvando da crise", disse Miguel Garcia Gutierrez, de 35 anos, diretorgerente da fábrica da Roche, oficialmente conhecida como Industrias Sombrereras Españolas, que opera em um parque industrial em Salteras, a cerca de 14 quilômetros de Sevilha. "Temos um mercado importante na Espanha para chapéus tradicionais, mas com a crise, as vendas caíram entre 20% e 30% nos últimos três anos. Mas nossas exportações de chapéus para os judeus ortodoxos estão aumentando." Ar tis tas – O negócio está prosperando, embora os artesãos únicos da Andaluzia estejam sofrendo com a queda na demanda nos fracos mercados domésticos. Isso inclui todo mundo, desde artistas cujas famílias há gerações fabricam "borlas" – as franjas de seda que balançam nos elaborados carros alegóricos religiosos – até famílias que bordam vestes para as estátuas da Virgem Maria que desfilam por Sevilha durante as importantes atividades da semana de Páscoa. Os Satmar, uma das maio-

As peças ganham acabamento manual, mas sofisticado. Têm um público fiel em importantes mercados.

res seitas hassídicas do mundo, com mais de 150 mil membros, deixaram a Hungria e a Romênia após a Segunda Guerra Mundial. Eles se estabeleceram em Williamsburg, Brooklyn, seu reduto principal. Há também comunidades em Jerusalém e Londres. A fábrica espanhola começou a fornecer chapéus para enclaves do grupo no Brooklyn em 1980, depois que um chapeleiro americano fechou e uma loja no Brooklyn, a Kova Quality Hatters, começou a procurar novos fabricantes. Hoje, a fábrica ainda produz monteras tradicionais para toureiros, um nicho de mercado estável, e chapéus militares com copa alta e penacho, feitos a partir de uma coleção de mais de dois mil moldes de madeira. Mas o segmento que tem crescido mais para a empresa é o dos chapéus pretos básicos de feltro. Mais de 12,5 mil deles são vendidos por ano – sendo em grande parte adquiridos pela crescente seita Satmar. Mais de 70% de todos os seus chapéus são exportados para os Estados Unidos, Inglaterra, Japão, Bélgica e Israel. O s c h apéus produzidos para o mercado judeu ortodoxo não estão listados em nenhum catálogo ou site. Os três modelos populares aderem a tendências distintas: Bent Up, Snap Brim e The Clergy, que não tem vinco na copa e se liga diretamente à aba. "Pode parecer que eles são todos chapéus pretos muito semelhantes, mas na verdade esse grupo inclui tendências diferentes", disse Garcia. "Os estilos estão em constante evolução, mudando a altura da copa ou a largura da aba." Essas diferenças quase imperceptíveis em chapéus pretos básicos são importantes marcadores. A afirmação é de Ester Muchawsky-Schnapper, etnógrafa e curadora de uma p o p u l a r e xposição que está atraindo 800 pessoas por dia ao Museu de Israel, e m J e r u s além, sobre a vida e os costumes dos judeus hassídicos, inclusive a s e i t a S a tmar e seus chapéus. Alguns grupos usam chapéus com fitas de cetim em toda a copa que se dobra, fazen-

Unidade da Fernandez y Roche: a empresa continua próspera graças às vendas de chapéus pretos para judeus hassídicos Satmar de Jerusalém e do Brooklyn.

Na linha de produção, Miguel Garcia Gutierrez, diretor da fábrica da Roche (ao centro, de gravata), recebe dois clientes de Nova York. Por ano, são vendidos mais de 12,5 mil chapéus pretos básico de feltro.

do uma curva do lado direito, enquanto outros preferem usá-lo no esquerdo, disse Muchawsky-Schnapper, acrescentando que essas diferenças refletem as escolhas dos líderes dos grupos e membros. As abas são uma característica decisiva. "É possível distinguir os diferentes grupos por seus chapéus", disse ela, observando que outra seita hassídica, o Movimento Lubavitch, atribui significado a um vinco em forma de triângulo na copa, que quer dizer "conhecimento, sabedoria e compreensão". Os Satmar de Jerusalém usam um chapéu bastante básico de pelo de coelho, que é mais aveludado que os chapéus dos Sat-

mar de Nova York, conta ela. Na vizinhança do Parque Borough, no Brooklyn, vive Albert Ehrman, da segunda geração da sua família a cuidar da loja Kova Quality Hatters, que, com sua fachada de tijolo, já tem meio século de idade. Ele viaja todo ano para o sul da Espanha com a esposa, Miriam, para inspecionar pessoalmente os chapéus da linha The Clergy, a mais popular entre seus clientes Satmar. Máquinas – Neste verão, ele passou horas medindo abas de chapéus com uma pequena régua de metal para verificar se estavam uniformes, exigindo um "rebordo bom, fino" para o modelo The Clergy, que recentemente foi ficando

mais raro e sendo vendido por até US$ 175 nos EUA. A fábrica está equipada com madeiras raras, antigas máquinas de pentear que datam da virada do século passado e são usadas para produzir diferentes feltros, feitos de peles de coelho, lebre e castor. A maioria dos seus 40 funcionários conheceu o ofício na fábrica, porque não existem aulas para modistas. No verão, quando o ar está seco, o feltro ganha a forma de copa e é reforçado com uma resina dourada da Índia, antes de ser moldado adequadamente. As costureiras adicionam cinteiros, fitas e etiquetas, algumas trabalhando em antigas máquinas de costura Willcox e Gibbs. "Tentamos deixar tudo perfeito", afirmou Ehrman, falando alto para conseguir ser ouvido em meio ao barulho da fábrica. "Nossos clientes são muito mais específicos do que as pessoas que atuam na fábrica. A forma deve ser correta. Quando usam o chapéu, eles querem ficar com uma aparência de frescor, não de quem vestiu algo comum." Uma visita à loja de Ehrman

é um rito de passagem para as gerações de famílias que trazem os filhos de 13 anos para escolher chapéus The Clergy e Snap Brim espanhóis, muitas vezes simplesmente chamados de "Roche", abreviação do nome da empresa, Fernandez y Roche, embora, por coincidência, o nome também signifique "cabeça" em hebraico. "É algo fascinante para mim", disse Simon Yisrael Feuerman, de 49 anos, psicoterapeuta de Nova Jersey que usa o seu chapéu Snap Brim aos sábados e é da terceira geração de clientes fiéis da "Roche" que compram na loja Kova. "A identidade masculina é bastante profunda na comunidade. O único momento em que se tem vaidade é quando se vai à Kova. Ficam olhando para o chapéu", disse ele. "Quando se está com o Roche, as diferenças são cruciais. A aba é muito grande? Será que isso me deixa muito gordo? Não existe nada mais importante do que o chapéu. Nem mesmo uma guerra nuclear." O que ele acha do forro de marfim do seu chapéu Snap Brim ser estampado pelo nome de uma distante empresa de Sevilha e pelas palavras "Feito na Espanha"? "É algo muito distante", respondeu ele, com uma leve risada. "Ninguém pensa nisso. As pessoas olham para você como se você fosse louco. Na cabeça das pessoas, o chapéu poderia ter vindo direto da época de Moisés." * The New York Times


DIÁRIO DO COMÉRCIO

18 -.ECONOMIA/LEGAIS

e

sábado, domingo e segunda-feira, 11, 12 e 13 de agosto de 2012

No atual contexto, é natural as empresas adiarem investimentos para privilegiar a geração de caixa. Antonio Corrêa de Lacerda, professor de economia

conomia

US$ 95 bilhões suspensos Essa é a soma de investimentos no País que foram extintos ou adiados pelas empresas nos últimos dois meses, diante da crise.

P

Yuriko Nakao/ Reuters

N

os últimos dois meses, pelo menos US$ 95 bilhões em investimentos no Brasil foram suspensos ou tiveram seus cronogramas de entrada em operação postergados. A lista inclui companhias como Anglo American, Vale, Braskem, JAC Motors e, principalmente, a Petrobras. Apenas a estatal do petróleo revisou projetos orçados em mais de US$ 50 bilhões. A siderurgia também foi muito afetada por essa pisada no freio. O plano de investimentos do setor de US$ 17,4 bilhões até 2017, foi adiado sem previsão de retomada. Além dos projetos que estão na geladeira, outros empreendimentos dados como certos agora enfrentam muita dificuldade para sair do papel. É o caso da construção de fábricas ainda em estudo por Volkswagen, Volvo, BMW e Land Rover, no Rio. Juntos, esse projetos estão orçados em cerca de US$ 4 bilhões. Estagnação – A interrupção reflete a cautela das companhias diante da desaceleração da economia brasileira e da crise na Europa e nos Estados Unidos, que reduz a demanda externa por seus produtos. "Nesse contexto, é natural as empresas adiarem investimentos para privilegiar a geração de caixa", diz o professor de economia da PUCSP, Antonio Corrêa de Lacerda. Ele calcula que o Produto Interno Bruto (PIB) acumulado de julho de 2011 a junho de 2012 esteja próximo de zero.

Empresas se mostram cautelosas com os recursos, diante do freio na economia brasileira e da crise na Europa, que reduz a demanda por seus produtos.

Lacerda classifica o quadro como um "efeito cautela" de grandes grupos, que não veem urgência em ampliar sua capacidade de produção. O lado positivo, diz, é que não houve projetos cancelados. O problema é que o adiamento de planos por empresas âncoras do País gera uma reação em cadeia. "Quando uma Vale ou uma Petrobras adiam ou reduzem investimentos, isso se multiplica Há um efeito manada entre fornecedores e concorrentes", acredita. Cortes – O presidente da Vale, Murilo Ferreira, não esconde a preocupação com o atual momento "desafiador". Du-

 9DUD &tYHO GR )RUR 5HJLRQDO GD /DSD ± 63 (',7$/ '( /(,/­2 '(  H  35$d$ H GH LQWLPDomR GR (63Ï/,2 '( :,/621 -26e '( $*8,$5 QD SHVVRD GH VHX LQYHQWDULDQWH H GH &$50(0 '( &$0326 $*8,$5 GHSRVLWiULD  LQVFULWD QR &3)0) VRE R Qž  H GD SURSULHWiULD $'02 &216758725$ ( ,1&25325$'25$ /7'$ LQVFULWD QR &13-0) VRE R Qž  $ 'UD /~FLD +HOHQD %RFFKL )DLELFKHU 00 -Xt]D GH 'LUHLWR GD  9DUD &tYHO GR )RUR 5HJLRQDO GD /DSD  63 QD IRUPD GD OHL )$= 6$%(5 DRV TXH R SUHVHQWH (GLWDO GH  H  3UDoD GR EHP LPyYHO YLUHP RX GHOH FRQKHFLPHQWR WLYHUHP H LQWHUHVVDU SRVVD TXH SRU HVWH -Xt]R SURFHVVDPVH RV DXWRV GD $omR GH &REUDQoD GH &RQGRPtQLR SHOR 3URFHGLPHQWR 6XPiULR DMXL]DGD SRU &21'20Ë1,2 5(6,'(1&,$/ 3$548( '26 3È66$526 HP IDFH GR (63Ï/,2 '( :,/621 -26e '( $*8,$5 QD SHVVRD GH VHX LQYHQWDULDQWH H GH &$50(0 '( &$0326 $*8,$5  3URFHVVR Qž  Qž DQWLJR  H TXH IRL GHVLJQDGD D YHQGD GR EHP GHVFULWR DEDL[R GH DFRUGR FRP DV UHJUDV H[SRVWDV D VHJXLU '2 ,0Ï9(/  2 LPyYHO VHUi YHQGLGR HP FDUiWHU $' &25386´ H QR HVWDGR HP TXH VH HQFRQWUD $V IRWRV H D GHVFULomR GHWDOKDGD GR LPyYHO D VHU DSUHJRDGR HVWmR GLVSRQtYHLV QR 3RUWDO ZZZPHJDOHLORHVFRPEU '$ 9,6,7$d­2  $V YLVLWDV GHYHUmR VHU DJHQGDGDV YLD HPDLO YLVLWDFDR#PHJDOHLORHVFRPEU '$ 35$d$ ± $ SUDoD VHUi UHDOL]DGD SRU 0(,2 (/(75Ð1,&2 DWUDYpV GR 3RUWDO ZZZPHJDOHLORHVFRPEU '$ 35$d$ ± $ SUDoD VHUi UHDOL]DGD SRU 0(,2 (/(75Ð1,&2 DWUDYpV GR 3RUWDO ZZZPHJDOHLORHVFRPEU D  3UDoD WHUi LQtFLR QR GLD  jV KV H VH HQFHUUDUi GLD  jV KV RQGH VRPHQWH VHUmR DFHLWRV ODQFHV LJXDLV RX VXSHULRUHV DR YDORU GD DYDOLDomR QmR KDYHQGR ODQFH LJXDO RX VXSHULRU DR YDORU GD DYDOLDomR VHJXLUVHi VHP LQWHUUXSomR D  3UDoD TXH WHUi LQtFLR QR GLD  jV KV H VH HQFHUUDUi QR GLD  jV KV RQGH VHUmR DFHLWRV ODQFHV FRP QR PtQLPR  GR YDORU GD DYDOLDomR '2 &21'8725 '$ 35$d$ ± $ SUDoD VHUi FRQGX]LGD SHOR /HLORHLUR 2ILFLDO 6U )HUQDQGR -RVp &HUHOOR *RQoDOYHV 3HUHLUD PDWULFXODGD QD -XQWD &RPHUFLDO GR (VWDGR GH 6mR 3DXOR ± -8&(63 VRE R Qž  '2 9$/25 0Ë1,02 '( 9(1'$ '2 ,0Ï9(/ ± 1D  3UDoD R YDORU PtQLPR SDUD D YHQGD GR LPyYHO FRUUHVSRQGHUi D  VHVVHQWD SRU FHQWR

GR YDORU GD DYDOLDomR MXGLFLDO TXH VHUi DWXDOL]DGD DWp D GDWD GD DOLHQDomR MXGLFLDO '26 /$1&(6 ± 2V ODQFHV SRGHUmR VHU RIHUWDGRV SHOD ,QWHUQHW DWUDYpV GR 3RUWDO ZZZPHJDOHLORHVFRPEU '26 'e%,726 ± (YHQWXDLV {QXV VREUH R LPyYHO FRUUHUmR SRU FRQWD GR DUUHPDWDQWH H[FHWR HYHQWXDLV GpELWRV GH ,378 H GHPDLV WD[DV H LPSRVWRV TXH VHUmR VXEURJDGRV QR YDORU GD DUUHPDWDomR QRV WHUPRV GR DUW  ³FDSXW´ H SDUiJUDIR ~QLFR GR &71 '2 3$*$0(172  2 DUUHPDWDQWH GHYHUi HIHWXDU R SDJDPHQWR GR SUHoR GR LPyYHO DUUHPDWDGR QR SUD]R GH DWp KV YLQWH H TXDWUR KRUDV DSyV R HQFHUUDPHQWR GD SUDoDFLrQFLD GD OLEHUDomR GR ODQFH FRQGLFLRQDO DWUDYpV GH JXLD GH GHSyVLWR MXGLFLDO HP IDYRU GR -Xt]R UHVSRQViYHO VRE SHQD GH VH GHVID]HU D DUUHPDWDomR '$ &20,66­2 ± 2 DUUHPDWDQWH GHYHUi SDJDU j 0(*$/(,/2(6 *(6725 -8',&,$/ D WtWXOR GH FRPLVVmR R YDORU FRUUHVSRQGHQWH D  FLQFR SRU FHQWR VREUH R SUHoR GH DUUHPDWDomR GR LPyYHO $ FRPLVVmR GHYLGD j 0HJD /HLO}HV QmR HVWi LQFOXtGD QR YDORU GR ODQFH H QmR VHUi GHYROYLGD DR DUUHPDWDQWH HP QHQKXPD KLSyWHVH VDOYR VH D DUUHPDWDomR IRU GHVIHLWD SRU GHWHUPLQDomR MXGLFLDO RX SRU UD]}HV DOKHLDV j YRQWDGH GR DUUHPDWDQWH H GHGX]LGDV DV GHVSHVDV LQFRUULGDV '2 3$*$0(172 '$ &20,66­2  2 SDJDPHQWR GD FRPLVVmR GD 0(*$/(,/2(6 *(6725 -8',&,$/ GHYHUi VHU UHDOL]DGR HP DWp KV YLQWH H TXDWUR KRUDV D FRQWDU GR HQFHUUDPHQWR GD SUDoDFLrQFLD GD OLEHUDomR GR ODQFH FRQGLFLRQDO DWUDYpV GH JXLD GH GHSyVLWR TXH ILFDUi GLVSRQtYHO QR VLWH GR JHVWRU RX VHUi HQYLDGD SRU HPDLO '$ $'-8',&$d­2 ± 1D KLSyWHVH GH DGMXGLFDomR GR LPyYHO SHOR H[HTXHQWH HVWH ILFDUi UHVSRQViYHO SHOD FRPLVVmR GHYLGD 7RGDV DV UHJUDV H FRQGLo}HV GD 3UDoD HVWmR GLVSRQtYHLV QR 3RUWDO ZZZPHJDOHLORHVFRPEU $ SXEOLFDomR GHVWH HGLWDO VXSUH HYHQWXDO LQVXFHVVR QDV QRWLILFDo}HV SHVVRDLV H GRV UHVSHFWLYRV SDWURQRV 5(/$d­2 '26 %(16 26 ',5(,726 25,81'26 '2 ,167580(172 '( 9(1'$ ( &2035$ 62%5( 2 ,0Ï9(/  0DWUtFXOD Qž  GR ž &DUWyULR GH 5HJLVWUR GH ,PyYHLV GH 6mR 3DXOR63 ± $SDUWDPHQWR  ORFDOL]DGR QR ž DQGDU GR %ORFR & GHQRPLQDGR (',)Ë&,2 &$1È5,2 LQWHJUDQWH GR 5(6,'(1&,$/ 3$548( '26 3È66$526 VLWXDGR QD 5XD GD %LFD Qž  HVTXLQD FRP D $YHQLGD 3DXOD )HUUHLUD Qž  QR ž 6XEGLVWULWR ± 1RVVD 6HQKRUD GR Ï FRQWHQGR D iUHD SULYDWLYD GH Pð H iUHD FRPXP GH Pð QHVWD LQFOXtGD iUHD LGHDO QD JDUDJHP FROHWLYD ORFDOL]DGD QRV ž H ž VXEVRORV GR FRQMXQWR FRP GLUHLWR D JXDUGD H HVWDFLRQDPHQWR GH XP YHtFXOR GH SDVVHLR GH SDGUmR RX SRUWH PpGLR RX SHTXHQR DX[LOLDGR SRU PDQREULVWD HP XPD GDV YDJDV LQGHWHUPLQDGDV SHUID]HQGR D iUHD UHDO WRWDO GH Pð FRUUHVSRQGHQGR OKH XPD IUDomR LGHDO GH  QR WHUUHQR FRQGRPLQLDO PDWULFXODGR VRE R Qž  GHVWH 5HJLVWUR H QDV GHPDLV SDUWHV FRPXQV &RQYHQomR GH FRQGRPtQLR UHJLVWUDGD VRE R Qž  QHVWD 6HFUHWDULD &RQVWD QR ODXGR GH DYDOLDomR TXH R DSDUWDPHQWR VH ORFDOL]D QR SULPHLUR DQGDU FRP YLVWD SDUD R IXQGR GR ORWH RQGH VH ORFDOL]D D FKXUUDVTXHLUD GH XVR FROHWLYR GRV PRUDGRUHV 2 PHVPR p FRPSRVWR GH  GRUPLWyULRV  EDQKHLUR VDOD FR]LQKD H iUHD GH VHUYLoR FRP iUHD DSUR[LPDGD GH Pð &RQWULEXLQWH Qž  &RQVWD QR VLWH GD 3UHIHLWXUD GH 6mR 3DXOR63 TXH R GHYHGRU p LQH[LVWHQWH QD 'tYLGD $WLYD SDUD R Q~PHUR GH FRQWULEXLQWH LQIRUPDGR 'pELWRV GHVWD DomR QR YDORU GH 5  ± -XQKR 9DORU GD $YDOLDomR 5  &HQWR H 2LWHQWD H 7UrV 0LO 7UH]HQWRV H 7ULQWD H 7UrV 5HDLV H 7ULQWD H 7UrV &HQWDYRV -XQKR TXH GHYHUi VHU DWXDOL]DGR DWp D GDWD GD DOLHQDomR FRQIRUPH WDEHOD GH DWXDOL]DomR PRQHWiULD GR 7-636mR 3DXOR  GH MXQKR GH  (',7$/ '( &,7$d­2  35$=2 '(  ',$6 352&(662 1ž  2 $

'RXWRU D /LGLD 5HJLQD 5RGULJXHV 0RQWHLUR &DEULQL 00 -XL] D GH 'LUHLWR GD  9DUD &tYHO GR )RUR )RUR 5HJLRQDO ,,  6DQWR $PDUR GD &RPDUFD GH GH 6­2 3$8/2 GR (VWDGR GH 6mR 3DXOR QD IRUPD GD /HL HWF )D] 6DEHU D 0DULD GH )DWLPD /RSHV 2OLYHLUD &3)  TXH %9 /HDVLQJ $UUHQGD PHQWR 0HUFDQWLO 6$ DMXL]RX $omR GH 5HLQWHJUDomR  0DQXWHQomR GH 3RVVH UHODWLYR DR &RQWUDWR GH $UUHQGDPHQWR 0HUFDQWLO Qž  ILUPDGR HP  HP TXH D UHTXHULGD DUUHQGRX GD UHTXHUHQWH R YHtFXOR PDUFD )LDW PRG 3DOLR :HHNHQG $GYHQW DQR GH IDEULFDomR  FRU EUDQFD SODFD &==  UHQDYDP  FKDVVL %' HLV TXH D VXSGD GHL[RX GH SDJDU DV SUHVWDo}HV FRPELQDGDV DSHVDU GH QRWLILFDGD $MXL]DGD D SUHVHQWH IRL GHIHULGD D OLPLQDU UHLQWHJUDQGR j DXWRUD QD SRVVH GR UHIHULGR EHP FRQVRDQWH DXWR GH UHLQWHJUDomR GH SRVVH ODYUDGR HP  GH DEULO GH  (QFRQWUDQGRVH D UHTXHULGD HP OXJDU LQFHUWR H QmR VDELGR IRL GHWHUPLQDGD D VXD &,7$d­2 SRU (',7$/ SDUD RV DWRV H WHUPRV GD DomR SURSRVWD H SDUD TXH QR SUD]R GH  GLDV TXH IOXLUi DSyV R GHFXUVR GR SUD]R GR SUHVHQWH HGLWDO DSUHVHQWH UHVSRVWD 1mR VHQGR FRQWHVWDGD D DomR SUHVXPLUVHmR DFHLWRV SHOR D V

Up X V  FRPR YHUGDGHLURV RV IDWRV DUWLFXODGRV SHOR D V DXWRU D HV  6HUi R SUHVHQWH HGLWDO SRU H[WUDWR DIL[DGR H SXEOLFDGR QD IRUPD GD OHL VHQGR HVWH )yUXP ORFDOL]DGR QD 5XD $OH[DQGUH 'XPDV   &(3  6mR 3DXOR63 6mR 3DXOR  GH DJRVWR GH  %  H 

(GLWDO GH &LWDomR 3UD]R GH  GLDV H[SHGLGR QRV DXWRV GD $omR GH 8VXFDSLmR 3URFHVVR 1ž  868&  2 $ 'RXWRU D 0DULD &DUROLQD GH 0DWWRV 00 -XL] D GH 'LUHLWR GD  9DUD GH 5HJLVWURV 3~EOLFRV GR )RUR &HQWUDO &tYHO GD &RPDUFD GH GH 6mR 3DXOR GR (VWDGR GH 6mR 3DXOR QD IRUPD GD /HL HWF )D] 6DEHU D R 3DXOR /HLWH 0DVFDUHQKDV 6DUD GH &DUYDOKR 0DVFDUHQKDV UpXV DXVHQWHV LQFHUWRV GHVFRQKHFLGRV HYHQWXDLV LQWHUHVVDGRV EHP FRPR VHXV F{QMXJHV HRX VXFHVVRUHV TXH <XWDND 6KLR]XND &HOLQD .D]XNR .DWR 6KLR]XND *ODXFLD 6KLR]XND 7VXEDPRWR $QGUH 7DNDVKL 7VXEDPRWR &ODXGLD 6KLR]XND )LRUL H 6DQGUR (GXDUGR )LRUL DMXL]RX UDP DomR GH 8VXFDSLmR YLVDQGR D GHFODUDomR GH GRPtQLR VREUH R LPyYHO ORFDOL]DGR QD 5XD $PEURVLD Qž  3DUTXH *XDUDQL 6mR 3DXOR 63 FRP iUHD GH Pð FRQWULEXLQWH Qž DOHJDQGR SRVVH PDQVD H SDFtILFD QR SUD]R OHJDO (VWDQGR HP WHUPRV H[SHGH VH R SUHVHQWH HGLWDO SDUD FLWDomR GRV VXSUDPHQFLRQDGRV SDUD QR SUD]R GH  TXLQ]H GLDV D IOXLU DSyV R SUD]R GH  GLDV FRQWHVWHP R IHLWR VRE SHQD GH SUHVXPLUHPVH DFHLWRV FRPR YHUGDGHLURV RV IDWRV DUWLFXODGRV SHOR DXWRU 6HUi R SUHVHQWH HGLWDO SRU H[WUDWR DIL[DGR H SXEOLFDGR QD IRUPD GD OHL %  H  ,QWLPDomR3UD]R  GLDV 3URF Qž GH 2UGHP  2 'U 9LWRU )UHGHULFR .PSHO -XL] GH 'LUHLWR GD  9DUD &tYHO )D] 6DEHU D *DQF -DNLHO 0H\OHFK 0DUWKD *DQF ,VUDHO $URQ +LUV]EHUJ &KDMD 0LUOD :DMFKPDQ +LUV]EHUJ +HUQH\N 1LVHQMJFZD /XWD 1LVHQMJFZD $UWXU &\WU\QRZLF] H 0DULD &\WU\QRZLF] TXH D $omR GH 3URFHGLPHQWR 6XPiULR UHTXHULGD SRU &RQGR PLQLR (GLILFLR &H]DULR 0RWWD -XQLRU IRL MXOJDGD SURFHGHQWH FRQGHQDQGR RV UpXV DR SDJDPHQWR GH 5    (VWDQGR RV UpXV HP OXJDU LJQRUDGR H[SHGLXVH R SUHVHQWH SDUD TXH HP  GLDV D IOXLU DSyV RV  GLDV VXSUD SDJXHP R YDORU VXSUD RX DSUHVHQWHP EHQV D SHQKRUD VRE SHQD QmR R ID]HQGR VHU DFUHVFLGR GH PXOWD QR SHUFHQWXDO GH  GR PRQWDQWH GD FRQGHQDomR TXDQGR VHUi SHQKRUDGR EHQV SDUD JDUDQWLD GD H[HFXomR SRGHQGR QR SUD]R GH  GLDV RIHUHFHU LPSXJQD omR 6HUi R SUHVHQWH HGLWDO SRU H[WUDWR DIL[DGR H SXEOLFDGR QD IRUPD GD OHL 6mR 3DXOR  %  H  &LWDomR  3UD]R  GLDV  3URF   Qž GH 2UGHP  2 'U 5RGULJR &pVDU )HUQDQGHV 0DULQKR -XL] GH 'LUHLWR GD  9DUD &tYHO )D] 6DEHU D KHUGHLUD :LOPD $OOHJUHWWL RX :LOPD $OOHJUHWWH TXH %DUWKRORPHX &RFLROLWR H VP (O]D /LSL &RFLROLWR $QWRQLR &RFLROLWR -XQLRU H VP )HOLFLD $OEXTXHUTXH &RFLROLWR 0DQRHO 7DPDOOR *DUFLD H VP /XL]D &RFLROLWR 7DPDOOR DMXL]DUDP XPD DomR GH $GMXGLFDomR &RPSXOVyULD WHQGR FRPR FRUUpXV 9LFHQWH 'DTXLQR $OOHJUHWWH H RXWURV REMHWLYDQGR TXH RV UpXV RXWRUJXHP DRV UHTWHV D (VFULWXUD 'HILQLWLYD GH 9HQGD H &RPSUD GR LPyYHO VLWXDGR QD 5XD 3DFKRDO 0RUHLUD Qž  H  ž VXEGLVWULWR0RRFD VRE SHQD GH DGMXGLFDomR FRPSXOVyULD (VWDQGR D UHTGD HP OXJDU LJQRUDGR IRL GHIHULGD D FLWDomR SRU HGLWDO SDUD TXH HP  GLDV D IOXLU DSyV RV  GLDV VXSUD FRQWHVWH D DomR VRE SHQD GH SUHVXPLUHPVH DFHLWRV RV IDWRV 6HUi R SUHVHQWH HGLWDO SRU H[WUDWR DIL[DGR H SXEOLFDGR QD IRUPD GD OHL 6mR 3DXOR  GH MXOKR GH  %  H  (GLWDO GH ,QWLPDomR3UD]R  GLDV 3URF Qž    Qž GH 2UGHP  2 'U 6HUJLR GD &RVWD /HLWH -XL] GH 'LUHLWR GD  9DUD &tYHO GD &DSLWDO QD IRUPD GD /HL )D] 6DEHU D )DELDQR 2UWRODQ )UDQFR 5* 63 H &3)  PDULGR GD H[HFXWDGD 0DUWD /HRQ ÈYLOD )UDQFR 5* 63 H &3)  TXH QRV DXWRV GD DomR GH 3URFHGLPHQWR 6XPiULR WHQGR FRPR FRUUp )DELDQD /HRQ )UDQFR 5*  UHTXHULGD SRU &RQGRPtQLR (GLILFLR 0RUDGD GR 6RO &13-  SURFHGHXVH D SHQKRUD GR DSDUWDPHQWR Qž  ORFDOL]DGR QR ž DQGDU GR (GLItFLR 0RUDGD GR 6RO VLWXDGR QD 5XD /LVERD Qž  ž 6XEGLVWULWR-DUGLP $PpULFD PDWUtFXOD  GR ž &5, GD &DSLWDO DYDOLDGR HP 5  PDUoR  (VWDQGR R PDULGR GD H[HFXWDGD HP OXJDU LJQRUDGR IRL GHIHULGD D LQWLPDomR GD SHQKRUD SRU HGLWDO SDUD TXH HP  GLDV D IOXLU DSyV RV  GLDV VXSUD LPSXJQDU VRE SHQD GH SURVVHJXLU D DomR DWp ILQDO SUHVXPLQGRVH DFHLWRV RV IDWRV 6HUi R SUHVHQWH HGLWDO SRU H[WUDWR DIL[DGR H SXEOLFDGR QD IRUPD GD OHL %  H 

Brasil é desafio na transferência de pessoal

rante a divulgação do último balanço financeiro da mineradora, Ferreira revelou que decidiu reavaliar semanalmente o orçamento de todos os projetos de expansão e que a nova postura já vai nortear o plano estratégico da companhia para 2013. Para o economista e presidente da Inter B Consultoria, Claudio Frischtak, o aumento da capacidade ociosa da indústria nos últimos meses levantou uma "bandeira vermelha" para o investimento. As companhias, ressalta, só levam adiante projetos de expansão quando há uma perspectiva positiva de cresci-

mento do mercado, o que não se vislumbra atualmente. "O mercado jogou um balde de água fria. Ainda tem investimentos avançando, mas não no mesmo ritmo, não captando os mesmos recursos." O sc i l aç ã o– Para Fernando Puga, chefe do departamento de análise econômica do BNDES, essa série de adiamentos reflete a expressiva oscilação do cenário mundial e a dificuldade de se chegar a uma solução para a crise europeia. Embora o BNDES acredite que o investimento vá crescer acima do PIB nos próximos meses, o fraco desempenho do início do ano impedirá uma re-

(',7$/ '( /(,/­2 '(  H  35$d$ H GH LQWLPDomR GH 5+2',6 &216758d­2 ( &20e5&,2 /7'$ LQVFULWD QR &13-0) VRE R Qž  GR FUHGRU KLSRWHFiULR %$1&2 %5$'(6&2 6$ LQVFULWR QR &13-0) VRE R Qž  H GRV LQWHUYHQLHQWHV ILDGRUHV -26e $1*(/2 0$548(6 025(7=2+1 LQVFULWR QR &3)0) VRE R Qž  H VXD PXOKHU 6,20$5$ &5,67,1$ '( %$5526 025(7=62+1 LQVFULWD QR &3)0) VRE R Qž  H GD GHSRVLWiULD 6,%(/( 0(',1$ 6$&2 LQVFULWD QR &3)0) VRE R Qž  2 'U 3DXOR +HQULTXH 5LEHLUR *DUFLD 00 -XL] GH 'LUHLWR GD  9DUD &tYHO GR )RUR 5HJLRQDO GH 3LQKHLURV  63 QD IRUPD GD OHL )$= 6$%(5 DRV TXH R SUHVHQWH (GLWDO GH  H  3UDoD GR EHP LPyYHO YLUHP RX GHOH FRQKHFLPHQWR WLYHUHP H LQWHUHVVDU SRVVD TXH SRU HVWH -Xt]R SURFHVVDPVH RV DXWRV GD $omR GH 3URFHGLPHQWR 6XPiULR DMXL]DGD SHOD $'92&$&,$ %86+$76. < HP IDFH GH 5+2',6 &216758d­2 ( &20e5&,2 /7'$  3URFHVVR Qž   H TXH IRL GHVLJQDGD D YHQGD GR EHP GHVFULWR DEDL[R GH DFRUGR FRP DV UHJUDV H[SRVWDV D VHJXLU '2 ,0Ï9(/  2 LPyYHO VHUi YHQGLGR HP FDUiWHU $' &25386´ H QR HVWDGR HP TXH VH HQFRQWUD $V IRWRV H D GHVFULomR GHWDOKDGD GR LPyYHO D VHU DSUHJRDGR HVWmR GLVSRQtYHLV QR 3RUWDO ZZZPHJDOHLORHVFRPEU '$ 9,6,7$d­2  $V YLVLWDV GHYHUmR VHU DJHQGDGDV YLD HPDLO YLVLWDFDR#PHJDOHLORHVFRPEU '$ 35$d$ ± $ SUDoD VHUi UHDOL]DGD SRU 0(,2 (/(75Ð1,&2 DWUDYpV GR 3RUWDO ZZZPHJDOHLORHVFRPEU D  3UDoD WHUi LQtFLR QR GLD  jV KV H VH HQFHUUDUi GLD  jV KV RQGH VRPHQWH VHUmR DFHLWRV ODQFHV LJXDLV RX VXSHULRUHV DR YDORU GD DYDOLDomR QmR KDYHQGR ODQFH LJXDO RX VXSHULRU DR YDORU GD DYDOLDomR VHJXLUVHi VHP LQWHUUXSomR D  3UDoD TXH WHUi LQtFLR QR GLD  jV KV H VH HQFHUUDUi HP  jV KV RQGH VHUmR DFHLWRV ODQFHV FRP QR PtQLPR  GR YDORU GD DYDOLDomR '2 &21'8725 '$ 35$d$ ± $ SUDoD VHUi FRQGX]LGD SHOR /HLORHLUR 2ILFLDO 6U )HUQDQGR -RVp &HUHOOR *RQoDOYHV 3HUHLUD PDWULFXODGR QD -XQWD &RPHUFLDO GR (VWDGR GH 6mR 3DXOR ± -8&(63 VRE R Qž  '2 9$/25 0Ë1,02 '( 9(1'$ '2 ,0Ï9(/ ± 1D  3UDoD R YDORU PtQLPR SDUD D YHQGD GR LPyYHO FRUUHVSRQGHUi D  VHVVHQWD SRU FHQWR

GR YDORU GD DYDOLDomR MXGLFLDO TXH VHUi DWXDOL]DGD DWp D GDWD GD DOLHQDomR MXGLFLDO '26 /$1&(6 ± 2V ODQFHV SRGHUmR VHU RIHUWDGRV SHOD ,QWHUQHW DWUDYpV GR 3RUWDO ZZZPHJDOHLORHVFRPEU '26 'e%,726 ± (YHQWXDLV {QXV VREUH R LPyYHO FRUUHUmR SRU FRQWD GR DUUHPDWDQWH H[FHWR HYHQWXDLV GpELWRV GH ,378 H GHPDLV WD[DV H LPSRVWRV TXH VHUmR VXEURJDGRV QR YDORU GD DUUHPDWDomR QRV WHUPRV GR DUW  ³FDSXW´ H SDUiJUDIR ~QLFR GR &71 '2 3$*$0(172  2 DUUHPDWDQWH GHYHUi HIHWXDU R SDJDPHQWR GR SUHoR GR LPyYHO DUUHPDWDGR QR SUD]R GH DWp KV YLQWH H TXDWUR KRUDV DSyV R HQFHUUDPHQWR GD SUDoDFLrQFLD GD OLEHUDomR GR ODQFH FRQGLFLRQDO DWUDYpV GH JXLD GH GHSyVLWR MXGLFLDO HP IDYRU GR -Xt]R UHVSRQViYHO VRE SHQD GH VH GHVID]HU D DUUHPDWDomR '$ &$8d­2 ± 2 DUUHPDWDQWH QR FDVR GR ODQFH FRQGLFLRQDO GHYHUi GHSRVLWDU  GH] SRU FHQWR GR YDORU GD DUUHPDWDomR QR SUD]R GH KV GR HQFHUUDPHQWR GR OHLOmR SDUD JDUDQWLD GR -Xt]R H WDO YDORU VHUi DEDWLGR GR VDOGR UHPDQHVFHQWH GD DUUHPDWDomR SDUD TXLWDomR GR SUHoR DSyV R GHIHULPHQWR GR ODQFH FRPR ³ERP ODQFH´ 1R FDVR GH LQGHIHULPHQWR GR ODQFH R YDORU GHSRVLWDGR SRGHUi VHU OHYDQWDQGR LQWHJUDOPHQWH SHOR DUUHPDWDQWH '$ &20,66­2 ± 2 DUUHPDWDQWH GHYHUi SDJDU j 0(*$/(,/2(6 *(6725 -8',&,$/ D WtWXOR GH FRPLVVmR R YDORU FRUUHVSRQGHQWH D  FLQFR SRU FHQWR VREUH R SUHoR GH DUUHPDWDomR GR LPyYHO $ FRPLVVmR GHYLGD j 0HJD /HLO}HV QmR HVWi LQFOXtGD QR YDORU GR ODQFH H QmR VHUi GHYROYLGD DR DUUHPDWDQWH HP QHQKXPD KLSyWHVH VDOYR VH D DUUHPDWDomR IRU GHVIHLWD SRU GHWHUPLQDomR MXGLFLDO RX SRU UD]}HV DOKHLDV j YRQWDGH GR DUUHPDWDQWH H GHGX]LGDV DV GHVSHVDV LQFRUULGDV '2 3$*$0(172 '$ &20,66­2  2 SDJDPHQWR GD FRPLVVmR GD 0(*$/(,/®(6 *(6725 -8',&,$/ GHYHUi VHU UHDOL]DGR HP DWp KV YLQWH H TXDWUR KRUDV D FRQWDU GR HQFHUUDPHQWR GD SUDoDFLrQFLD GD OLEHUDomR GR ODQFH FRQGLFLRQDO DWUDYpV GH JXLD GH GHSyVLWR TXH ILFDUi GLVSRQtYHO QR VLWH GR JHVWRU RX VHUi HQYLDGD SRU HPDLO '$ $'-8',&$d­2 ± 1D KLSyWHVH GH DGMXGLFDomR GR LPyYHO SHOR H[HTXHQWH HVWH ILFDUi UHVSRQViYHO SHOD FRPLVVmR GHYLGD 7RGDV DV UHJUDV H FRQGLo}HV GD 3UDoD HVWmR GLVSRQtYHLV QR 3RUWDO ZZZPHJDOHLORHVFRPEU $ SXEOLFDomR GHVWH HGLWDO VXSUH HYHQWXDO LQVXFHVVR QDV QRWLILFDo}HV SHVVRDLV H GRV UHVSHFWLYRV SDWURQRV 5(/$d­2 '26 %(16 ± 0DWUtFXOD Qž  GR ž &DUWyULR GH 5HJLVWUR GH ,PyYHLV GH 6mR 3DXOR63  ,0Ï9(/ ± $SDUWDPHQWR Qž  ORFDOL]DGR QR ž DQGDU GR ³(',)Ë&,2 :,17(5 3$5. ´ VLWXDGR j 5XD $EGR $PEXED Qž  QD 9LOD $QGUDGH ž 6XEGLVWULWR ± 6DQWR $PDUR FRP D iUHD ~WLO GH Pð D iUHD FRPXP GH Pð H D iUHD FRPXP GH JDUDJHP GH Pð HVWD UHIHUHQWH D  YDJD LQGHWHUPLQDGD QD JDUDJHP FROHWLYD ORFDOL]DGD QRV ž ž H ž VXEVRORV SDUD D JXDUGD GH  YHtFXOR VXMHLWR D XWLOL]DomR GH PDQREULVWD SHUID]HQGR D iUHD WRWDO GH Pð FRUUHVSRQGHQGROKH XPD IUDomR LGHDO GH  QR WHUUHQR FRQGRPLQLDO 5HIHULGR HGLItFLR IRL VXEPHWLGR DR UHJLPH GH FRQGRPtQLR FRQIRUPH R UHJLVWUR Qž  IHLWR QD 0DWUtFXOD Qž  &RQVWD QD $Y  GHVWD PDWUtFXOD TXH FRQIRUPH R UHJLVWUR Qž  IHLWR QD 0DWUtFXOD Qž  YHULILFDVH TXH SRU LQVWUXPHQWR SDUWLFXODU FRP IRUoD GH HVFULWXUD SXEOLFD R LPyYHO REMHWR GHVWD PDWUtFXOD MXQWDPHQWH FRP RXWURV DFKDVH +,327(&$'2 DR %$1&2 %5$'(6&2 6$ LQVFULWR QR &13-0) VRE R Qž  ILJXUDQGR FRPR LQWHUYHQLHQWHV ILDGRUHV -26e $1*(/2 0$548(6 025(7=2+1 H VXD PXOKHU 6,20$5$ &5,67,1$ '( %$5526 025(7=62+1 &RQVWD QR 5  GHVWD PDWUtFXOD D SHQKRUD H[HTXHQGD GR LPyYHO REMHWR GHVWD PDWUtFXOD WHQGR VLGR QRPHDGD GHSRVLWiULD 6,%(/( 0(',1$ 6$&2 &RQWULEXLQWHV QžV   HP iUHD PDLRU 'pELWR FRQGRPLQLDO QR YDORU GH 5  $EULO H GpELWRV GHVWD DomR QR YDORU GH 5  $EULO  9DORU GD $YDOLDomR 5  GX]HQWRV H RLWHQWD H GRLV PLO TXLQKHQWRV H QRYH UHDLV H GH]RLWR FHQWDYRV -XQKR TXH VHUi DWXDOL]DGR DWp D GDWD GD DOLHQDomR FRQIRUPH WDEHOD GH DWXDOL]DomR PRQHWiULD GR 7-63 (GLWDO GH FLWDomRSUD]R  YLQWH GLDV 3URFHVVR Qž  2UGHP Qž  2 $ 'RXWRU D

3DWUtFLD 3LUHV 00 -XL] D GH 'LUHLWR 7LWXODU GD  9DUD -XGLFLDO GR )RUR 'LVWULWDO GH )HUUD] GH 9DVFRQFHORV GD &RPDUFD GH 3Ri GR (VWDGR GH 6mR 3DXOR QD IRUPD GD OHL )D] 6DEHU D 6DPXHO $QW{QLR &OHPHQWH SRUWDGRU GR &3) Qž  H GR 5* Qž  EUDVLOHLUR LQGXVWULiULR FDVDGR GHPDLV TXDOLILFDo}HV LJQRUDGDV $QW{QLR 0DUFRV )HUUHLUD GRV 5HLV SRUWDGRU GR &3) Qž  GHPDLV TXDOLILFDo}HV LJQRUDGDV H 5DLPXQGD 6ROkQLD +HQULTXH GH $OPHLGD TXDOLILFDomR LJQRUDGD TXH OKHV IRL SURSRVWD XPD DomR GH 5HVFLVmR &RQWUDWXDO &XPXODGD FRP 5HLQWHJUDomR GH 3RVVH UHTXHULGD SRU &203$1+,$ '( '(6(192/9,0(172 +$%,7$&,21$/ ( 85%$12 '2 (67$'2 '( 6®2 3$8/2 &'+8 REMHWLYDQGR GHFODUDU UHVFLQGLQGR R FRQWUDWR FHOHEUDGR UHIHUHQWH DR $SWR Qž  ORFDOL]DGR QR & 3 VLWXDGR QD 5XD $PpULFR 7UXIHOL VQž XQLGDGH HVWD TXH FRPS}H R &RQM +DELWDFLRQDO 3DUTXH 'RXUDGR )HUUD] GH 9DVFRQFHORV63  &(3  GHVFRQVWLWXtGR R YLQFXOR MXUtGLFR FRPSHQVDQGRVH HYHQWXDLV GLUHLWRV GHFRUUHQWHV GH EHQIHLWRULDV LPSOHPHQWDGDV QR EHP EHP FRPR R YDORU GHYLGR SHOD RFXSDomR JUDWXLWD GR LPyYHO GHVGH R DGYHQWR GD LQDGLPSOrQFLD DWp D GHVRFXSDomR HIHWLYD GR PHVPR GHWHUPLQDQGR D UHLQWHJUDomR GD DXWRUD QD SRVVH GR EHP FRQGHQDQGR RV UpXV DR SJWR GDV FXVWDV SURFHVVXDLV KRQRUiULRV DGYRFDWtFLRV H QDV GHPDLV FRPLQDo}HV OHJDLV (VWDQGR RV UpXV HP OXJDU LJQRUDGR IRL GHIHULGD D FLWDomR SRU HGLWDO SDUD TXH HP  GLDV D IOXLU DSyV RV  GLDV VXSUD FRQWHVWHP R IHLWR VRE SHQD GH SUHVXPLUHPVH FRPR YHUGDGHLURV RV IDWRV DOHJDGRV 6HUi R HGLWDO DIL[DGR H SXEOLFDGR QD IRUPD GD OHL Ƈ

2ª VARA DE FALÊNCIAS E RECUPERAÇÕES JUDICIAIS EDITAL DE CITAÇÃO - PRAZO DE 20 DIAS - PROCESSO Nº 000054904-78.2011 - PEDIDO DE FALÊNCIA. O Doutor Caio Marcelo Mendes de Oliveira, MM. Juiz de Direito da 2ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais, do Foro Central Cível, da Comarca de de São Paulo, do Estado de São Paulo, na forma da Lei, etc. FAZ SABER a CONSTRUÇÕES LUZPER LTDA CNPJ/MF. 61.275.657/0001-56 que GERDAU AÇOS LONGOS S/A., ajuizou um PEDIDO DE FALÊNCIA por ser credora da quantia de R$ 48.939,99, representada por duplicatas, devidamente protestadas. Estando a ré em lugar ignorado, foi deferida a citação por edital, para que em 10 dias, a fluir após os 20 dias supra, apresente defesa, podendo, nos termos do art. 98, parágrafo único da Lei 11.101/05 - depositar a quantia correspondente ao crédito reclamado, a ser acrescida de juros, correção monetária, honorários advocatícios fixados em 10% do valor do débito, custas e despesas processuais, sob pena de decretação da falência. Será o presente edital, por extrato, afixado e publicado na forma da lei, sendo este Fórum localizado na Praça João Mendes s/nº, 16º andar - salas 1618/1624, Centro - CEP 01501-900, Fone: 2171-6506. São Paulo, 17 de julho de 2012.

(GLWDO GH FLWDomR  SUD]R GH  GLDV 3URFHVVR Qž  2 $ 'RXWRU D $QGUHD )HUUD] 0XVD 00 -XL] D GH 'LUHLWR GD  9DUD &tYHO GR )RUR 5HJLRQDO ;, 3LQKHLURV GD &RPDUFD GH 6mR 3DXOR GR (VWDGR GH 6mR 3DXOR QD IRUPD GD /HL HWF )D] 6DEHU D R . HQQHG\ 0R\DQR )HUQDQGHV &3)  5*  %UDVLOHLUR TXH OKH IRL SURSRVWD XPD DomR GH 3URFHGLPHQWR 2UGLQiULR SRU SDUWH GH 62&,('$'( %(1(),&(17( ,65$(/,7$ ( %5$6,/(,5$ +263,7$/ $/%(57 (,167(,1 &13-   DOHJDQGR HP VtQWHVH TXH R UpX HVWHYH QDV GHSHQGrQFLDV KRVSLWDODUHV GD DXWRUD HP  SDUD DWHQGLPHQWR QD XQLGDGH GH 3ULPHLUR $WHQGLPHQWR UHDOL]DQGR H[DPHV ODERUDWRULDLV XOWUDVVRQRJUDILD H UHFHEHQGR PHGLFDPHQWRV HP FDUiWHU HVWULWDPHQWH SDUWLFXODU VHP FRQYrQLR PpGLFR  VHQGR TXH R WRWDO GDV GHVSHVDV GR UHIHULGR DWHQGLPHQWR DWLQJLUDP R YDORU GH 5    SRUpP WRGDV DV WHQWDWLYDV GH UHFHEHU DOXGLGR FUpGLWR IRUDP LQIUXWtIHUDV UHTXHUHQGR SRLV R DXWRU D FLWDomR GR UpX SDUD SDJDPHQWR GR GpELWR (QFRQWUDQGRVH R UpX HP OXJDU LQFHUWR H QmR VDELGR IRL GHWHUPLQDGD D VXD FLWDomR SRU HGLWDO SDUD RV DWRV H WHUPRV GD DomR SURSRVWD H SDUD TXH QR SUD]R GH  GLDV TXH IOXLUi DSyV R GHFXUVR GR SUD]R GR SUHVHQWH HGLWDO DSUHVHQWH UHVSRVWD 1mR VHQGR FRQWHVWDGD D DomR SUHVXPLUVH mR DFHLWRV SHOR D V Up X V  FRPR YHUGDGHLURV RV IDWRV DUWLFXODGRV SHOR D V DXWRU D HV  6HUi R SUHVHQWH HGLWDO SRU H[WUDWR DIL[DGR H SXEOLFDGR QD IRUPD GD OHL Ƈ &LWDomR H LQWLPDomR  3UD]R  GLDV 3URF  2UGHP  2 'U /XL] %HHWKRYHQ * LIIRQL )HUUHLUD -Xt] GH 'LUHLWR GD  9DUD &tYHO GR )RUR &HQWUDO GD &DSLWDO )D] 6DEHU D 0DULR 6HUJLR $WWDE 0DFKDGR 3RUWHOOD SRUWDGR GR 5* Qž 66363 H GR &3) Qž  FXUDGRU GD H[HFXWDGD 1LO]D 9HLJD $WWDE TXH ,9$1< ('8$5'2 6$5725, DMXL]RX XPD DomR GH $UUHVWR SRU HVWDU VRIUHQGR H[HFXomR SRU VHU ILDGRUD GD Up SRU GLYLGD SURYHQLHQWH GH ORFDomR FRPHUFLDO H[WUDtGD GRV DXWRV GD DomR GH ([HFXomR ² 3URFHVVR Qž  RUGHP   HP WUkPLWH QD  9DUD &tYHO GHVWH )RUR &HQWUDO GD &DSLWDO QR YDORU DWXDO GH 5  DWXDOL]DGR DWp QRYHPEUR FRQI IOV  GRV DXWRV (VWDQGR R FXUDGRU GD H[HFXWDGD HP OXJDU LJQRUDGR IRL GHIHULGD D VXD FLWDomR H LQWLPDomR SRU HGLWDO SDUD TXH QR SUD]R GH  GLDV D IOXLU DSyV RV  GLDV VXSUD SDJXH R GpELWR DWXDOL]DGR RX RIHUHoD EHQV i SHQKRUD VRE SHQD GH VHUHP FRQYHUWLGRV HP SHQKRUD RV DUUHVWRV HIHWXDGRV QR URVWR GRV DXWRV VREUH WRGRV RV EHQV GHVWLQDGRV j Up 1LO]D 9HLJD $WWDE QR LQYHQWDULR GH 0DULR $WWDE H RXWUR ± HVSROLR HP FXUVR SHUDQWH D  9DUD GD )DPtOLD H 6XFHVV}HV GHVWD &DSLWDO ± 6mR 3DXOR H[WUDtGRV GD DomR GH ,QYHQWDULR 3URF Qž   SDVVDQGR D IOXLU LQGHSHQGHQWHPHQWH GH TXDOTXHU RXWUD LQWLPDomR R SUD]R GH  GLDV SDUD HPEDUJDU D H[HFXomR H QD DXVrQFLD GR PHVPR SURVVHJXLUi D DomR DWp ILQDO 6HUi R HGLWDO DIL[DGR H SXEOLFDGR QD IRUPD GD OHL Ƈ

&LWDomR 3UD]R  GLDV 3URF Qž  2UGHP Qž  2 'U %UXQR 3DHV 6WUDIRULQL -XL] GH 'LUHLWR GD  9DUD &tYHO GD &RPDUFD GH * XDUXOKRV )D] 6DEHU D - RHOPD GH 2OLYHLUD &3)  H )UDQFLVFR 6LOYD : DQGHUOH\ &3)   TXH OKHV IRL SURSRVWD XPD DomR 2UGLQiULD GH 5HVFLVmR &RQWUDWXDO &XPXODGD FRP 5HLQWHJUDomR GH 3RVVH UHTXHULGD SRU &203$1+,$ '( '(6(192/9,0(172 +$%,7$&,21$/ ( 85%$12 '2 (67$'2 '( 6®2 3$8/2 &'+8 REMHWLYDQGR GHFODUDU UHVFLQGLQGR R FRQWUDWR FHOHEUDGR UHIHUHQWH DR $SWR Qž  ORFDOL]DGR QR ž DQGDU &RQG 3 /W 3 %ORFR ' VLWXDGR QD 5XD 9LD &DPLQKR 4XDWUR Qž  -G 0DULD GH /RXUGHV * XDUXOKRV63 &(3  XQLGDGH HVWD TXH FRPS}H R &RQM +DELWDFLRQDO * XDUXOKRV 234 GHVFRQVWLWXtGR R YLQFXOR MXUtGLFR FRPSHQVDQGRVH HYHQWXDLV GLUHLWRV GHFRUUHQWHV GH EHQIHLWRULDV LPSOHPHQWDGDV QR EHP EHP FRPR R YDORU GHYLGR SHOD RFXSDomR JUDWXLWD GR LPyYHO GHVGH R DGYHQWR GD LQDGLPSOrQFLD DWp D GHVRFXSDomR HIHWLYD GR PHVPR GHWHUPLQDQGR D UHLQWHJUDomR GD DXWRUD QD SRVVH GR EHP FRQGHQDQGR RV UpXV DR SJWR GDV FXVWDV SURFHVVXDLV KRQRUiULRV DGYRFDWtFLRV H QDV GHPDLV FRPLQDo}HV OHJDLV (VWDQGR RV UpXV HP OXJDU LJQRUDGR IRL GHIHULGD D FLWDomR SRU HGLWDO SDUD TXH HP  GLDV D IOXLU DSyV RV  GLDV VXSUD FRQWHVWHP R IHLWR VRE SHQD GH SUHVXPLUHPVH FRPR YHUGDGHLURV RV IDWRV DOHJDGRV 6HUi R HGLWDO DIL[DGR H SXEOLFDGR QD IRUPD GD OHL Ƈ

cuperação frente a 2011. No ano passado, a taxa de investimento observada no País foi de 19,3%, já abaixo do nível anterior à crise. "Na melhor das hipóteses, vamos manter constante a taxa de investimento em 2012, mas o cenário mais provável é de uma ligeira queda", diz. Os desembolsos do BNDES de janeiro a maio cresceram apenas 1% frente a igual período de 2011, estacionando em R$ 43,8 bilhões. Mas o economista destaca que houve alta nas consultas (27%) e enquadramentos (13%), o que sinaliza a disposição para investimentos futuros. (AE)

esquisa da Brookfield Global Relocation Services indica que o Brasil é o segundo país mais desafiador para as empresas que querem transferir funcionários para o exterior. Segundo a edição de 2012 da pesquisa Tendências para Realocações Globais, 9% das companhias apontam problemas na mudança de trabalhadores para o Brasil. O país mais problemático para 16% das empresa é a China. Em terceiro lugar vem a Índia. Entraves– Os principais entraves citados pelas empresas para mandar funcionários são as exigências trabalhistas locais, o processo para obter vistos de trabalho, o idioma, o sistema fiscal e a falta de infraestrutura em algumas localidades. De acordo com a pesquisa, China, Brasil, Austrália e Índia, respectivamente, são os mercados mais procurados pelas empresas que querem transferir funcionários para emergentes. China e Brasil estão nos planos de 5% das companhias ouvidas. Entre todos os mercados, o Brasil ocupa a 14ª posição, com 1% das respostas. Segundo o levantamento, 20% das empresas apontaram os EUA como destino para as transferência de funcionários e 14% indicaram a China. (Folhapress)

(',7$/ '( /(,/­2 '(  H  35$d$ H GH LQWLPDomR GR (63Ï/,2 '( $1,6 ',% QD SHVVRD GH VHX LQYHQWDULDQWH )(/,3( ',% 1(72 2 'U 5RGULJR &pVDU )HUQDQGHV 0DULQKR 00 -XL] GH 'LUHLWR GD  9DUD &tYHO GR )RUR &HQWUDO GD &DSLWDO 63 QD IRUPD GD OHL )$= 6$%(5 DRV TXH R SUHVHQWH (GLWDO GH ž H ž /HLOmR GR EHP LPyYHO YLUHP RX GHOH FRQKHFLPHQWR WLYHUHP H LQWHUHVVDU SRVVD TXH SRU HVWH -Xt]R SURFHVVDPVH RV DXWRV GD $omR &REUDQoD GH &RQGRPtQLR SHOR 3URFHGLPHQWR 6XPiULR TXH &21'20Ë1,2 (',)Ë&,2 6$17$ 526$ PRYH HP IDFH GH (63Ï/,2 '( $1,6 ',% QD SHVVRD GH VHX LQYHQWDULDQWH )(/,3( ',% 1(72  3URFHVVR Qž  &RQWUROH Qž  H TXH IRL GHVLJQDGD D YHQGD GR EHP GHVFULWR DEDL[R GH DFRUGR FRP DV UHJUDV H[SRVWDV D VHJXLU '2 ,0Ï9(/  2 LPyYHO VHUi YHQGLGR HP FDUiWHU $' &25386´ H QR HVWDGR HP TXH VH HQFRQWUD $V IRWRV H D GHVFULomR GHWDOKDGD GR LPyYHO D VHU DSUHJRDGR HVWmR GLVSRQtYHLV QR 3RUWDO ZZZPHJDOHLORHVFRPEU '$ 9,6,7$d­2  $V YLVLWDV GHYHUmR VHU DJHQGDGDV YLD HPDLO YLVLWDFDR#PHJDOHLORHVFRPEU '$ 35$d$ ± $ SUDoD VHUi UHDOL]DGD SRU 0(,2 (/(75Ð1,&2 DWUDYpV GR 3RUWDO ZZZPHJDOHLORHVFRPEU D  3UDoD WHUi LQtFLR QR GLD  jV KV H VH HQFHUUDUi GLD  jV KV RQGH VRPHQWH VHUmR DFHLWRV ODQFHV LJXDLV RX VXSHULRUHV DR YDORU GD DYDOLDomR QmR KDYHQGR ODQFH LJXDO RX VXSHULRU DR YDORU GD DYDOLDomR VHJXLUVHi VHP LQWHUUXSomR D  3UDoD TXH WHUi LQtFLR QR GLD  jV KV H VH HQFHUUDUi QR GLD  jV KV RQGH VHUmR DFHLWRV ODQFHV FRP QR PtQLPR  GR YDORU GD DYDOLDomR '2 &21'8725 '$ 35$d$ ± $ SUDoD VHUi FRQGX]LGD SHOR /HLORHLUR 2ILFLDO 6U )HUQDQGR -RVp &HUHOOR *RQoDOYHV 3HUHLUD PDWULFXODGR QD -XQWD &RPHUFLDO GR (VWDGR GH 6mR 3DXOR ± -8&(63 VRE R Qž  '2 9$/25 0Ë1,02 '( 9(1'$ '2 ,0Ï9(/ ± 1D  3UDoD R YDORU PtQLPR SDUD D YHQGD GR LPyYHO FRUUHVSRQGHUi D  VHVVHQWD SRU FHQWR GR YDORU GD DYDOLDomR MXGLFLDO TXH VHUi DWXDOL]DGD DWp D GDWD GD DOLHQDomR MXGLFLDO '26 /$1&(6 ± 2V ODQFHV SRGHUmR VHU RIHUWDGRV SHOD ,QWHUQHW DWUDYpV GR 3RUWDO ZZZPHJDOHLORHVFRPEU '26 'e%,726 ± (YHQWXDLV {QXV VREUH R LPyYHO FRUUHUmR SRU FRQWD GR DUUHPDWDQWH H[FHWR HYHQWXDLV GpELWRV GH ,378 H GHPDLV WD[DV H LPSRVWRV TXH VHUmR VXEURJDGRV QR YDORU GD DUUHPDWDomR QRV WHUPRV GR DUW  ³FDSXW´ H SDUiJUDIR ~QLFR GR &71 '2 3$*$0(172  2 DUUHPDWDQWH GHYHUi HIHWXDU R SDJDPHQWR GR SUHoR GR LPyYHO DUUHPDWDGR QR SUD]R GH DWp KV YLQWH H TXDWUR KRUDV DSyV R HQFHUUDPHQWR GD SUDoDFLrQFLD GD OLEHUDomR GR ODQFH FRQGLFLRQDO DWUDYpV GH JXLD GH GHSyVLWR MXGLFLDO HP IDYRU GR -Xt]R UHVSRQViYHO VRE SHQD GH VH GHVID]HU D DUUHPDWDomR '$ &20,66­2 ± 2 DUUHPDWDQWH GHYHUi SDJDU j 0(*$/(,/2(6 *(6725 -8',&,$/ D WtWXOR GH FRPLVVmR R YDORU FRUUHVSRQGHQWH D  FLQFR SRU FHQWR VREUH R SUHoR GH DUUHPDWDomR GR LPyYHO $ FRPLVVmR GHYLGD j 0HJD /HLO}HV QmR HVWi LQFOXtGD QR YDORU GR ODQFH H QmR VHUi GHYROYLGD DR DUUHPDWDQWH HP QHQKXPD KLSyWHVH VDOYR VH D DUUHPDWDomR IRU GHVIHLWD SRU GHWHUPLQDomR MXGLFLDO RX SRU UD]}HV DOKHLDV j YRQWDGH GR DUUHPDWDQWH H GHGX]LGDV DV GHVSHVDV LQFRUULGDV '2 3$*$0(172 '$ &20,66­2  2 SDJDPHQWR GD FRPLVVmR GD 0(*$/(,/2(6 *(6725 -8',&,$/ GHYHUi VHU UHDOL]DGR HP DWp KV YLQWH H TXDWUR KRUDV D FRQWDU GR HQFHUUDPHQWR GD SUDoDFLrQFLD GD OLEHUDomR GR ODQFH FRQGLFLRQDO DWUDYpV GH JXLD GH GHSyVLWR TXH ILFDUi GLVSRQtYHO QR VLWH GR JHVWRU RX VHUi HQYLDGD SRU HPDLO '$ $'-8',&$d­2 ± 1D KLSyWHVH GH DGMXGLFDomR GR LPyYHO SHOR H[HTXHQWH HVWH ILFDUi UHVSRQViYHO SHOD FRPLVVmR GHYLGD 7RGDV DV UHJUDV H FRQGLo}HV GD 3UDoD HVWmR GLVSRQtYHLV QR 3RUWDO ZZZFDQDOMXGLFLDOFRPEUPHJDOHLORHV $ SXEOLFDomR GHVWH HGLWDO VXSUH HYHQWXDO LQVXFHVVR QDV QRWLILFDo}HV SHVVRDLV H GRV UHVSHFWLYRV SDWURQRV 5(/$d­2 '26 %(16 ± 0DWUtFXOD Qž  GR ž &DUWyULR GH 5HJLVWUR GH ,PyYHLV GH 6mR 3DXOR63 ± ,0Ï9(/ 3UpGLR VRE RV QžV  H  GD 5XD $IHJDQLVWmR DQWLJD 5XD 'RLV H VHX WHUUHQR ORWH  GD TXDGUD  GR ORWHDPHQWR -DUGLP 6RODQJH ž 6XEGLVWULWR ± &DSHOD GR 6RFRUUR PHGLQGR  P HP GRLV VHJPHQWRV GH IUHQWH SDUD D 5XD $IHJDQLVWmR HP VHX ODGR GLUHLWR RQGH FRQIURQWD FRP R ORWH  PHGH GD IUHQWH DRV IXQGRV P GR RXWUR ODGR RQGH FRQIURQWD FRP -RmR &DSXWR PHGH  P WHQGR QRV IXQGRV  P RQGH FRQIURQWD FRP RV ORWHV  H  HQFHUUDQGR XPD iUHD GH  Pð &RQVWD QD $Y  GHVWD PDWUtFXOD D SHQKRUD H[HTXHQGD GR LPyYHO REMHWR GHVWD PDWUtFXOD WHQGR VLGR QRPHDGR GHSRVLWiULR R H[HFXWDGR QD SHVVRD GH VHX DGYRJDGR &RQWULEXLQWH Qž  &RQVWD QR VLWH GD 3UHIHLWXUD GH 6mR 3DXOR63 TXH QmR Ki GpELWRV LQVFULWRV QD 'tYLGD $WLYD SDUD R Q~PHUR GH FRQWULEXLQWH LQIRUPDGR H GpELWRV GH ,378 SDUD R H[HUFtFLR DWXDO QR YDORU GH 5    'pELWRV GHVWD DomR QR YDORU GH 5  )HYHUHLUR  9DORU GD $YDOLDomR 5  TXDWURFHQWRV H FLQTXHQWD H VHWH PLO QRYHFHQWRV H VHVVHQWD H QRYH UHDLV H VHVVHQWD H WUrV FHQWDYRV -XQKR TXH VHUi DWXDOL]DGR DWp D GDWD GD DOLHQDomR FRQIRUPH WDEHOD GH DWXDOL]DomR PRQHWiULD GR 7-63

30ª Vara Cível da Capital Citação. Prazo 20 dias. Proc. nº 583.00.2009.225125-0 (2687/2009). A Dra. Maria Rita Rebello Pinho Dias, Juíza de Direito da 30ª Vara Cível da Capital, na forma da lei, etc. Faz Saber a Jane Aparecida Pinto de Camargo, RG. 11.739.766-SSP/MG e CPF. 098.330.014-32 e a Osvaldo de Souza, RG. 20.526.196-6-SSP/SP e CPF. 279.343.848-07 que, Ana Paula Martins do Monte e Outra lhes ajuizaram uma ação de rito Ordinário, objetivando a declaração de inexistência de relação jurídica entre requerentes e requeridos, com a consequente rescisão do contrato de despejo do imóvel situado na Alameda dos Anapurus, nº 1.563, apto. 32, Moema, São Paulo/SP, sem prejuízo dos aluguéis ainda não pagos pelos requeridos e demais despesas inerentes à utilização do imóvel locado, os quais deverão ser pagos pelos requeridos às requerentes até a efetiva devolução das chaves; a condenação dos requeridos dos valores relativos aos aluguéis ainda não pagos pelos requeridos e demais despesas inerentes à utilização do imóvel locado, acrescidos de juros e correção monetária, conforme estipulado no Contrato de Locação; os quais deverão ser pagos às requerentes até a efetiva devolução das chaves; a condenação dos requeridos de valor relativo à indenização pelos danos morais causados pelos requeridos às requerentes em valor a ser arbitrado pelo MM. Juiz, além da condenação dos requeridos no pagamento dos honorários advocatícios. Estando os réus, em local ignorado, expede-se o presente edital para citação, para que em 15 dias, a fluir após os 20 dias supra, contestem o feito, sob pena de presumirem-se verdadeiros os fatos alegados. Será o presente edital, por extrato, afixado e publicado na forma da lei. São Paulo, 06 de julho de 2012. 'FKVCN FG œ G œ 2TCnC FG $GO +OxXGN G RCTC +PVKOCnlQ FG VGTEGKTQU KPVGTGUUCFQU GZRGFKFQ PQU CWVQU FC #nlQ FG 2TQEGFKOGPVQ 5WOhTKQ GO HCUG FG GZGEWnlQ TGSWGTKFC RQT %QPLWPVQ %QPFQOKPKCN $GXGTN[ *KNNU 2TQEGUUQ P    EQPVTC /,- 'ORTGGPFKOGPVQU G 2CTVKEKRCn|GU .VFC %02,  # &TC /hTEKC FG 5QW\C &QPKPK &KCU .GKVG ,Ws\C FG &KTGKVQ FC œ 8CTC %sXGN  (QTQ 4GIKQPCN +:  8KNC 2TWFGPVG52 PC HQTOC FC .GK GVE (C\ 5CDGT SWG PQ FKC  iU  JQTCU PQ NQECN FGUVKPCFQ CU JCUVCU R}DNKECU FQ (QTQ 4GIKQPCN +:  8KNC 2TWFGPVG52 i #X 5CRQRGODC  Q NGKNQGKTQ QHKEKCN QW SWGO UWCU XG\GU HK\GT NGXCTh C œ 2TCnC Q DGO KOxXGN CDCKZQ FGUETKVQ GPVTGICPFQQ C SWGO OCKU FGT CEKOC FC CXCNKCnlQ PlQ JCXGPFQ NKEKVCPVGU HKEC FGUFG Lh FGUKIPCFQ RCTC GXGPVWCN œ 2TCnC Q FKC  iU  JQTCU QECUKlQ GO SWG Q TGHGTKFQ KOxXGN UGTh GPVTGIWG C SWGO OCKU FGT UGO RTGLWs\Q FG CPhNKUG FQ ,Ws\Q SWCPVQ i QHGTVC EQO RTGnQ XKN UGPFQ SWG RGNQ RTGUGPVG GFKVCN HKECO C GZGEWVCFC G VGTEGKTQU KPVGTGUUCFQU KPVKOCFQU FCU FGUKIPCn|GU UWRTC +OxXGN C UGT 2TCEGCFQ #RCTVCOGPVQ P  NQECNK\CFC PQ  CPFCT FQ 'FKHsEKQ %GPVWT[ $NQEQ % KPVGITCPVG FQ GORTGGPFKOGPVQ ´%QPLWPVQ %QPFQOKPKCN $GXGTN[ *KNNUµ UKVWCFQ PC 4WC 5QNKFzPKQ .GKVG P   5WDFKUVTKVQ 8KNC 2TWFGPVG EQO hTGC }VKN RTKXCVKXC FG Oï hTGC FG ICTCIGO FG Oï EQTTGURQPFGPVG CQ FKTGKVQ FG WUQ FG  XCIC FG ICTCIGO hTGC EQOWO IGTCN FG Oï G C hTGC VQVCN EQPUVTWsFC FG Oï OCVTsEWNC  FQ  %4+52 #XCNKCnlQ 4    SWG UGTh CVWCNK\CFC CVo C FCVC FC CNKGPCnlQ LWFKEKCN FG CEQTFQ EQO QU sPFKEGU QHKEKCKU 8CNQT FQ FoDKVQ PGUVC CnlQ 4    &oDKVQ TGHGTGPVG C +267 4     EQPUVCPFQ VCODoO UQDTG Q KOxXGN FsXKFCU LWFKEKCKU G GZVTCLWFKEKCKU CVo Q GZGTEsEKQ FG  PQ XCNQT FG 4  ²# UWDTQICnlQ FG GXGPVWCKU VCZCU GQW KORQUVQ UQDTG Q KOxXGN QEQTTGTh UQDTG Q TGURGEVKXQ RTGnQ RCIQ³ 0lQ EQPUVC PQU CWVQU 4GEWTUQU RGPFGPVGU FG LWNICOGPVQ 5GTh Q GFKVCN CHKZCFQ G RWDNKECFQ PC HQTOC FC NGK 5lQ 2CWNQ  FG LWNJQ FG  $

2ª Vara de Registros Públicos - SP EDITAL DE CITAÇÃO PRAZO DE 20 DIAS, expedido nos autos da Ação de Usucapião, PROCESSO Nº 0112315-50.2009.8.26.0100 (93/09) O(A) Doutor(a) Renata Mota Maciel Madeira Dezem, MM. Juiz(a) de Direito da 2ª Vara de Registros Públicos, do Foro Central Cível, da Comarca de SÃO PAULO, do Estado de São Paulo, na forma da Lei, etc. FAZ SABER a Espólios de Arcilio Martins e de Giomar Ayres Martins na pessoa de seus inventariantes, Ivo Define Frascá, réus ausentes, incertos, desconhecidos, eventuais interessados, bem como eventuais cônjuges, espólios e/ou sucessores, que Antônia Lopez Jimenez de Azevedo, Antônio Pinho de Azevedo ajuizou(ram) ação de USUCAPIÃO, tendo por objeto o imóvel localizado na Rua Alves de Souza, nº 38, corresponde aos lotes nºs 66 e 67 da quadra 04 do loteamento denominado Jardim Amália, no 29º Subdistrito-Santo Amaro, com área de 672,00m2, contribuintes nºs 184.028.0066-0 e 184.028.0067-9, nesta Capital. Estando em termos, expede-se o presente edital para citação dos supramencionados para que, no prazo de 15 (quinze) dias, a fluir após o decurso do prazo do edital (20 dias), contestem o feito. Será o presente edital, por extrato, afixado e publicado na forma da lei. São Paulo, 10 de agosto de 2012. &LWDomR 3UD]R  GLDV 3URF    $ 'UD 9DQHVVD 9DLWHN XQDV =DSDWHU -Xt]D GH 'LUHLWR GD  9DUD &tYHO 5HJLRQDO GH 6DQWR $PDUR )D] 6DEHU DR %$1&2 6$17$1'(5 %5$6,/ 6$ &13-  QD SHVVRD GH VHX UHSUHVHQWDQWH OHJDO TXH &RQVWUXN &RQVWUXomR &LYLO HP *HUDO /WGD OKH DMXL]RX XPD DomR GH &RQVLJQDomR HP 3DJDPHQWR REMHWLYDQGR R SDJDPHQWR GR FKHTXH Qž  QR YDORU GH 5  OHYDGR D SURWHVWR SHOR UHTXHULGR MXQWR DR &DUWyULR GH 3URWHVWR GH /HWUDV H 7tWXORV GD &RPDUFD GH 6mR 3DXOR GHFODUDQGR R 00ž MXt]R D H[WLQomR GH VXDV REULJDo}HV GH SUHVWDomR GH FRQWDV (VWDQGR R UHTXHULGR HP OXJDU LJQRUDGR IRL GHIHULGD D VXD FLWDomR SRU HGLWDO SDUD TXH QR SUD]R GH  GLDV D IOXLU DSyV RV  GLDV VXSUD OHYDQWH R YDORU GHSRVLWDGR HP MXt]R RX FRQWHVWH D DomR VRE SHQD GH SUHVXPLUHPVH FRPR YHUGDGHLURV RV IDWRV DOHJDGRV SHOD DXWRUD 6HUi R HGLWDO DIL[DGR H SXEOLFDGR QD IRUPD GD OHL Ƈ


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 11, 12 e 13 de agosto de 2012

e

ECONOMIA/LEGAIS - 19 A confirmação da extensão do IPI reduzido é esperada para os últimos dias do prazo do benefício, no final do mês.

conomia

Mercado acredita na prorrogação do IPI baixo

Novo pacote do governo sai na quarta-feira Ministro da Fazenda Guido Mantega diz que estímulo será direcionado à infraestrutura e ao investimento

A

nalistas do setor automotivo acreditam que haverá prorrogação da redução da alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para estimular o consumo de veículos, que termina no dia 31, apesar da negação do ministro da Fazenda, Guido Mantega. A confirmação da extensão é esperada para os últimos dias do prazo. Os representantes do setor argumentam que o IPI reduzido reergueu o comércio de veículos, levou a um ajuste dos estoques nas montadores e a partir de julho abriu espaço para uma retomada da produção, com consequente alta no número de empregados. Agora, dizem, não há razão para o governo interromper o bom momento da indústria automotiva e comprometer o já fraco desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) de 2012. O ex-presidente da Ford Brasil e diretor do Centro de Estudos Automotivos (CEA), Luiz Carlos Mello, diz acreditar "piamente" na renovação da política de incentivo à compra do automóvel. "O governo não quer correr nenhum risco em relação ao impacto que uma nova crise no setor teria na economia", afirma, em relação a uma eventual freada no mercado de veículos caso o imposto volte a vigorar com a alíquota cheia. O ex-vice-presidente de Manufatura e Criação de Produção da Ford na

América do Sul e hoje consultor Luc de Ferran afirma que todos os agentes do setor com quem tem conversado confiam na prorrogação do benefício. Ferran destaca o efeito que o IPI reduzido teve sobre os estoques das montadoras, que em abril chegaram a 43 dias e ao final de julho foram reduzidos a 27 dias de vendas. Julian Semple, consultor sênior da Carcon Automotive, acredita que haverá a prorrogação, mas a decisão será anunciada na última hora para não interromper a corrida do consumidor às concessionárias em busca de um preço menor do veículo. "Sob o ponto de vista das montadoras, é melhor apostar na corrida agora e fazer o anúncio da prorrogação só no último momento", diz. Usados – Semple também chama a atenção para os efeitos que o IPI reduzido teve sobre o mercado de veículos usados. Assim que o pacote foi anunciado, no dia 21 de maio, o preço dos automóveis usados despencou, acompanhando a redução dos carros zero quilômetro. Após esse choque, segundo ele, o mercado deu início a um processo de ajuste de preços dos veículos de segunda mão. "A prorrogação não ajuda aquele segmento, mas se houver um novo choque, o mercado demoraria ainda mais para se ajustar", afirma. "Não prorrogar o benefício é ruim para todo mundo." (AE)

Fábio Rodrigues Pozzebom/ABr

O

governo federal prepara diversos incentivos à indústria para atenuar o impacto da crise global, que desacelerou a economia do País, disse o ministro da Fazenda, Guido Mantega, em entrevista publicada ontem no jornal "Correio Braziliense". A primeira fase desse pacote será anunciada na próxima quarta-feira e incluirá "uma expansão dos programas de investimentos em infraestrutura", que propiciará "um cenário de alta da economia" du-

Serão medidas que favorecerão o crescimento pela via do investimento, que hoje é a prioridade do governo. GUIDO MANTEGA, MINISTRO rante o segundo semestre deste ano, afirmou Mantega. O ministro não revelou detalhes do plano, que poderia incluir concessões ao setor privado, tanto nacional como estrangeiro, nas áreas de portos, aeroportos, estradas e ferrovias, e a reabertura da licita-

Com estímulo para portos, aeroportos e trem-bala, ministro ainda acredita que pode elevar o PIB em 4%. ção para a construção do trem de alta velocidade entre Rio de Janeiro e São Paulo. Mantega admitiu que "muitos empresários se aterrorizaram" pelo agravamento da crise global e seu impacto no Brasil, que reduziu as previsões de crescimento neste ano de 4,5% para menos de 3%. O pacote de incentivos, segundo o ministro, melhorará as percepções do setor privado, acelerará o ritmo do investimento privado e público e

deverá reforçar a previsão inicial, que a economia brasileira chegue a expandir-se cerca de 4% neste ano. "Será um conjunto de medidas que favorecerá o crescimento" pela via do investimento, "que é a prioridade do governo neste momento", indicou. Na opinião de Mantega, o cenário também não é negativo para o País, se 2012 concluir com um crescimento econômico próximo de 3%. "Uma boa taxa de expansão

da economia é a média de 5%, mas isso quer dizer que um ano pode ser de 6% e outro ano de 3%, de modo que a média se mantenha", destacou. Mantega também ratificou que, por causa da crise global, o governo tem restrições orçamentárias que lhe impedem de atender as reivindicações de dezenas de setores da administração pública que estão em greve. "Mas isso não quer dizer que não haverá aumentos", comentou. (Agências)

Mais 80 milhões de veículos

A

indústria automobilística mundial deve colocar este ano nas ruas perto de 80 milhões de veículos. São tantos automóveis que os próprios fabricantes já começam a buscar medidas que evitem o colapso no trânsito nas grandes cidades.

O grupo alemão Volkswagen, por meio de sua marca Audi, vai apoiar projetos que apresentem soluções para o caos urbano. O Brasil, que este ano deve ganhar mais 3,6 milhões de novos veículos nas ruas, está entre os seis países que concorrem ao apoio, com

um projeto na região da Luz, em São Paulo. Se for eleito, o projeto brasileiro receberá apoio financeiro da Audi. Os outros concorrentes são da região chinesa do Pearl River Delta, de Boston (EUA), de Mumbai (Índia), de Tóquio (Japão) e de Istambul

(Turquia). Segundo o presidente mundial da Audi, Rupert Stadler, o grupo não se vê apenas como fabricante, mas como provedor de mobilidade e informação. "A indústria precisa se preocupar com a falta de espaço em megacidades." (AE)

Fazenda Sete Lagoas Agrícola S/A

ITOCHU Brasil S.A.

CNPJ/MF nº 52.746.419/0001-90 – NIRE 35.300.026.683 Ata da Reunião do Conselho de Administração de 04 de julho de 2012 Data, Hora e Local: Em 04/07/2012, às 08 hs., na sede social da Cia., na Av. Prefeito Nelson Cunha, 800, Frente, sala 1, Conchal-SP. Presença: Com a presença dos conselheiros titulares, Sra. Liliane Joseph Françoise Van Parys e Sr. Miklós János Náday, e do Conselheiro Suplente, Sr. Alexander Edmond Paulus Van Parys Piergili Mezzaroma. Mesa: Sra. Liliane Joseph Françoise Van Parys – Presidente e Sr. Alexander Edmond Paulus Van Parys Piergili Mezzaroma – Secretário. Ordem do Dia: Prestados os esclarecimentos necessários à instalação da presente Reunião do Conselho de Administração pela Presidente do Conselho, esta informou aos presentes que: “Com base nas demonstrações financeiras da Sociedade, levantadas em 30/06/2012 e transcritas no Livro Diário nº 158, cujas cópias estão em poder dos Srs. Conselheiros, a Cia. acumulava o lucro de R$3.332.602,37, de forma que propõe apresentar à Diretoria, a fim de que esta, a teor do que permite o § único do Art. 31, do Estatuto Social, e ad referendum da próxima Assembléia Geral de Acionistas, delibere e aprove: a) distribuição antecipada de dividendos às 1.869 ações ordinárias e às 684 ações preferenciais, no valor de R$1.240,09 por ação, num total de R$3.165.949,77. Assinado: Liliane J. F. Van Parys – Presidente do Conselho de Administração.” Deliberação: Colocada em discussão a matéria, ela foi aprovada por unanimidade, e, consequentemente, a seguinte proposta será apresentada à Diretoria: 1) antecipe dividendos às 1.869 ações ordinárias e às 684 ações preferenciais, no valor de R$1.240,09 por ação, num total de R$3.165.949,77; e 2) que tal antecipação, de acordo com o Art. 31, § único, do Estatuto Social, seja submetida ao referendo dos acionistas, que deverão se manifestar na próxima Assembléia Geral de Acionistas. Encerramento: Não havendo qualquer outro pronunciamento, a Sra. Presidente encerrou os trabalhos, lavrando-se a presente ata que lida e achada conforme, segue assinada pelos presentes. Conchal-SP, 04/07/2012. (ass.) Liliane Joseph Françoise Van Parys – Presidente do Conselho e Conselheira Titular; Miklós János Náday – Conselheiro Titular; Alexander Edmond Paulus Van Parys Piergili Mezzaroma – Conselheiro Suplente e Secretário. Junta Comercial do Estado de São Paulo. Certifico o registro sob o nº 342.293/12-6 em 06/08/2012. Gisela Simiema Ceschin – Secretária Geral.

CNPJ/MF nº 61.274.155/0001-00 – NIRE 35.300.014.723 Ata da Assembléia Geral Extraordinária realizada em 10 de julho de 2012 Data e Local: Em 10 de julho de 2012, às 10:00 horas, em sua sede social, na Avenida Paulista, nº 37 – 19º andar, na Capital do Estado de São Paulo. Presença: Acionistas representando a totalidade do Capital Social, conforme se verificou pelas assinaturas constantes do Livro de Presença de Acionistas, dispensada a publicação de Editais de Convocação, conforme disposto no artigo 124, § 4º, da lei 6.404/76. Mesa Diretora: Presidente da Mesa: Masaki Hayashi; Secretário da Mesa: Ichizo Matsumura. Ordem do Dia: 01) Nomeação dos Srs. TAKAAKI ONISHI, YOSHITAKA TERASAWA, NORIO MATSUI e Sra.YUKI MATSUMOTO para os cargos de Diretores Gerente; 02) Destituição dos Srs. KEN ARAI e YASUSHI NAGAI dos cargos de Diretores Superintendente de Divisão e SHINICHI YANO, SHINTA SHIMABUKURO, KAZUYOSHI SATO, MASAKI TAKAHASHI e YUTO SUZUKI dos cargos de Diretores Gerente; e 03) Outros assuntos de interesse da sociedade. Deliberações: Foram aprovados por unanimidade de votos de todos os acionistas, com exceção dos legalmente impedidos: 01) A destituição dos Srs. KEN ARAI, do cargo de Diretor Superintendente de Divisão a partir de 28/05/2012; YASUSHI NAGAI, do cargo de Diretor Superintendente de Divisão a partir de 28/06/2012; SHINICHI YANO, do cargo de Diretor Gerente a partir de 12/04/2012; SHINTA SHIMABUKURO, do cargo de Diretor Gerente a partir de 24/04/2012; KAZUYOSHI SATO, do cargo de Diretor Gerente a partir de 31/05/2012; MASAKI TAKAHASHI, do cargo de Diretor Gerente a partir do dia 30/06/2012; e YUTO SUZUKI, do cargo de Diretor Gerente a partir de 30/06/2012, todos em virtude de seus retornos ao Japão, permanecendo vago estes cargos, até futura nomeação; e a nomeação dos Srs. TAKAAKI ONISHI, japonês, casado, do comércio, portador da identidade para estrangeiro RNE nº V827.865-X, inscrita no CPF/MF sob nº 235.569.698-58, residente na cidade de São Paulo – SP, a partir de 01/06/2012; YOSHITAKA TERASAWA, japonês, casado, do comércio, portador da identidade para estrangeiro RNE nº V827.867-T, inscrita no CPF/MF sob nº 235.569.588-13, residente na cidade de São Paulo – SP, a partir de 10/06/2012; NORIO MATSUI, japonês, casado, do comércio, portador da identidade para estrangeiro RNE nº V829.292-7, inscrita no CPF/MF sob nº 235.587.138-85, residente na cidade de São Paulo – SP, a partir de 16/06/2012; e Sra. YUKI MATSUMOTO, japonesa, solteira, do comércio, portador da identidade para estrangeiro RNE nº: V446.885-B, inscrita no CPF/MF sob nº 235.569.678-04, residente na cidade de São Paulo – SP, a partir de 06/06/2012, para os cargos de Diretores Gerente e os seus mandatos terminarão junto com os demais diretores, previsto para 30/04/2014, declaram expressamente, sob as penas da lei, que não estão impedidos de exercerem o comércio ou a administração da sociedade mercantil, em virtude de condenação criminal, nos termos do artigo 153 da lei nº 6.404 de 15 de dezembro de 1976. Encerramento: Nada mais havendo a tratar o Sr. Presidente ofereceu a palavra a quem dela quisesse fazer uso e como ninguém se manifestou, declarou suspensos os trabalhos pelo tempo necessário à lavratura desta Ata em livro próprio, a qual foi lida, aprovada e por todos assinada. São Paulo, 10 de julho de 2012. Presidente da Mesa – Masaki Hayashi e Secretário da Mesa – Ichizo Matsumura. (Aa). ITOCHU CORPORATION – Pp. Masaki Hayashi; e MASAKI HAYASHI. A presente é cópia fiel do original. São Paulo, 10 de julho de 2012. (ass.) Masaki Hayashi – Presidente da Mesa; Ichizo Matsumura – Secretário da Mesa. Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia. Junta Comercial do Estado de São Paulo. Certifico o registro sob o nº 314.896/12-0 em 23/07/2012. Gisela Simiema Ceschin – Secretária Geral.

AVISO DE ABERTURA DE LICITAÇÃO - TOMADA DE PREÇOS Nº 013/2012. A Comissão Permanente de Licitação através de sua Presidente torna público e para conhecimento dos interessados que se encontra aberta nesta Prefeitura – TOMADA DE PREÇOS Nº 013/2012, cujo objeto é a contratação de Empresa para implantação de 03 (três) academias ao ar livre, com fornecimento de todo material, equipamentos e mão de obra, conforme quantitativos e especificações descritas no Edital. O encerramento se dará no dia 30 de Agosto de 2012 às 09:00 horas. Poderão participar da licitação as empresas que possuem o Certificado de Registro Cadastral desta Prefeitura, e as que apresentarem e protocolarem toda a documentação necessária para o cadastro, até o terceiro dia anterior a data de recebimento dos Envelopes, ou seja, até o dia 27 de Agosto de 2012. O cadastramento deverá ser feito junto ao Departamento de Gestão de Suprimentos e Qualidade – Divisão de Licitações e Contratos, sito à Rua Alfredo Bueno, 1235 – Centro – Jaguariúna/SP, no horário das 08:00 às 16:00 horas. O Edital completo poderá ser consultado e adquirido no mesmo endereço citado acima, pelo valor de R$ 20,00 (Vinte Reais), ou obtido gratuitamente através do site www.jaguariuna.sp.gov.br, link Serviços a Empresas. Maiores informações poderão ser obtidas pelos telefones: (19) 3867-9780, com a Senhora Antônia Brasilino, (19) 3867-9801, com Lílian, (19) 3867-9757, com Aline; (19) 3867-9707, com Fernanda, (19) 3867-9786, com Elvis ou fone/fax (19) 3867-9779. C.P.L., 10 de Agosto de 2012. Antonia M. S. X. Brasilino - Presidente

Fazenda Sete Lagoas Agrícola S/A CNPJ/MF nº 52.746.419/0001-90 – NIRE 35.300.026.683 Ata da Reunião da Diretoria realizada em 04 de julho de 2012 Data, Hora e Local: Em 04/07/2012, às 12 hs., na sede social da Cia., na Av. Prefeito Nelson Cunha, 800, Frente, Sala 1, Conchal-SP. Presença: Convocada a Diretoria, nos termos do Art. 16, dos Estatutos Sociais, e instalada seguindo o que determina o § 1º do mesmo artigo, estavam presentes os Diretores Financeiro, Técnico e Comercial, respectivamente, Sr. Carlos Van Parys de Wit, Sr. Alexander Edmond Paulus Van Parys Piergili Mezzaroma e Sr. Leon Van Parys de Camargo Náday. Ordem do Dia: Tomar conhecimento, deliberar e aprovar, ou não, a Proposta do Conselho de Administração da Cia. encaminhada a esta Diretoria, datada de 04/07/2012, e concebida nos seguintes termos: “Com base nas demonstrações financeiras da Sociedade, levantadas em 30/06/2012 e transcritas no Livro Diário nº 158, cujas cópias estão em poder dos Senhores Diretores, a Cia. acumulava o lucro de R$3.332.602,37: 1) antecipe dividendos às 1.869 ações ordinárias e às 684 ações preferenciais, no valor de R$1.240,09 por ação, num total de R$3.165.949,77; e 2) que tal antecipação, de acordo com o Art. 31, § único, do Estatuto Social, seja submetida ao referendo dos acionistas, que deverão se manifestar na próxima Assembléia Geral de Acionistas.”. Assinado: Liliane J. F. Van Parys – Presidente do Conselho de Administração.” Deliberação: Colocada em discussão a matéria, ela foi aprovada por unanimidade, eis que à Diretoria cabe tal competência, nos termos do § único do Art. 31, do Estatuto Social. Consequentemente, será realizada: a) antecipação de dividendos às 1.869 ações ordinárias e às 684 ações preferenciais, no valor de R$1.240,09 por ação, num total de R$3.165.949,77; e b) que tal antecipação, de acordo com o Art. 31, § único, do Estatuto Social, será submetida ao referendo dos acionistas, que deverão se manifestar na próxima Assembleia Geral de Acionistas. Encerramento: Nada mais havendo a deliberar, a reunião foi encerrada, lavrou-se a presente ata que lida e achada conforme, segue assinada pelos presentes. Conchal-SP, 04/07/2012. (ass.) Carlos Van Parys de Wit – Diretor Financeiro; Alexander Edmond Paulus Van Parys Piergili Mezzaroma – Diretor Técnico; Leon Van Parys de Camargo Náday – Diretor Comercial. Junta Comercial do Estado de São Paulo. Certifico o registro sob o nº 342.294/12-0 em 06/08/2012. Gisela Simiema Ceschin – Secretária Geral.

Companhia Agrícola Usina Jacarezinho CNPJ/MF n. 61.231.478/0001-17 – NIRE 35.3.0001135-0 Assembléia Geral Extraordinária – Edital de convocação. A Diretoria da Companhia Agrícola Usina Jacarezinho (“Cia.”) vem pela presente cancelar a convocação ocorrida nos dias 02, 03 e 04 de agosto ficando os acionistas devidamente convocados a participarem, em primeira convocação, da Assembléia Geral Extraordinária que se realizará no dia 17/08/2012, às 10:00 horas, na sede social da Cia., situada na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Rua Leopoldo Couto de Magalhães, n° 110, Condomínio Edifício JK Tower, conjuntos 21 e 22, parte, Jardim Paulista, CEP 04542-000, com a seguinte Ordem do Dia: (a) re-ratificar as deliberações da Assembléia Geral Extraordinária ocorrida no dia 17 de julho de 2012 que aprovou a 2ª emissão de debêntures da Companhia, para distribuição pública com esforços restritos de colocação (”Oferta Restrita”), nos termos da Instrução da Comissão de Valores Mobiliários nº476, de 16 de janeiro de 2009, para alterar determinadas características das debêntures. São Paulo, 08/08/2012. A Diretoria 09,10,11/08/2012

União Cultural Tcheco-Brasileira CNPJ/MF 43.306.240/0001-21 Edital de Convocação - Assembléia Geral Extraordinária De acordo com as atribuições que me são conferidas pelo estatuto social da União Cultural Tcheco-brasileira (“UNIÃO”), venho, por meio deste, convidá-los para participarem da Assembléia Geral Extraordinária que acontecerá no próximo dia 23 de agosto de 2012, às 20:00 horas em primeira convocação e, em não havendo quorum em segunda convocação às 20:30 horas, a fim de deliberar sobre a aprovação das contas do exercício de 2011, bem como alterar o Estatuto Social da UNIÃO para constar a mudança da sede para a Rua Hideo Suguiyama, 79, CEP 04355-100, Parque Jabaquara, São Paulo–SP. São Paulo, 08 de agosto de 2012. José Hlavnicka-Presidente. (11,14 e 15/08/2012)

FALÊNCIA, RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL E RECUPERAÇÃO JUDICIAL Conforme informação da Distribuição Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, foram ajuizados no dia 10 de agosto de 2012, na Comarca da Capital, os seguintes pedidos de falência, recuperação extrajudicial e recuperação judicial: Requerente: Basfri S/A. Requerido: Turin Comércio e Entreposto de Carnes Ltda. Rua Tenente-Coronel Carlos da Silva Araujo, 370 – Loja 1 - Santo Amaro - 1ª Vara de Falências. Requerente: Jumbo Turismo Ltda. Requerido: Vidax Teleserviços S/A. Rua Sete de Abril, 230 10° Andar - Conjunto 103 - República - 2ª Vara de Falências. Requerente: Duplo Jato Anticorrosão S/C Ltda. Requerido: Macdarma Indústria e Comércio de Equipamentos para Ventilação e Exaustão Ltda. Rua Antonio Foster, 107 A – Vila Socorro - 2ª Vara de Falências. Requerente: Disconval Válvulas e Equipamentos Industriais Ltda. Requerido: Consórcio Alumpe. Avenida Doutor Cardoso de Melo, 1.855 – Vila Olímpia - 1ª Vara de Falências. Requerente: Plati Comércio de Produtos de Higiene e Limpeza Ltda. Requerido: Wic Serviços Terceirizados Ltda. EPP. Rua Scipião, 64 - Sala 2 – Vila Romana - 2ª Vara de Falências.

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA DA SERRA/SP AVISO DE LICITAÇÃO - CONCORRÊNCIA nº 01/2012 De conformidade com a necessidade desta Prefeitura Municipal, faço público, para conhecimento dos interessados, que se acha aberta, na Prefeitura deste Município, o Edital de CONCORRÊNCIA nº 01/2012, que tem como objeto a contratação de empresa especializada na execução de obras visando a construção da Creche Escola Dona Vila Tidinha na rua Antonio Zambom Sobrinho, Vila Tidinha, por empreitada por preço global, pelo tipo de menor preço, regida pela Lei Federal nº 8.666/ 93, suas alterações e demais legislações expressas no item 5 deste Edital. Os envelopes dos licitantes com a documentação e a proposta deverão ser entregues no Departamento de Compras e Licitações, sito à Praça Santo Zani n° 30, nesta cidade, até às 10:00 horas, do dia 18 de setembro de 2012. O início da abertura dos envelopes sera, às 11:00 horas, do dia 18 de setembro de 2012, na Sala de Licitações, sita à Praça Santo Zani n° 30, nesta cidade. Para participar da presente licitação as empresas interessadas deverão efetuar garantia prévia de R$ 17.250,00 (Dezessete Mil, Duzentos e Cinquenta Reais), correspondente a 1% do valor estimado da licitação, em uma das modalidades previstas no "caput" e parágrafo 1º do artigo 56, da Lei Federal nº 8.666/93, até o dia 13 de setembro de 2012. A Pasta Técnica, contendo o Edital e seus respectivos anexos, deverá ser retirada no Setor de Compras, sito á Praça Santo Zani n° 30, Paço Municipal desta cidade, a qual será fornecida das 09:00 às 11:00 horas e das 13:00 às 15:00 horas. Para conhecimento do público, expede-se o presente Edital, que será publicado pela Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, do Município de Santa Maria da Serra, em jornal de grande circulação no Estado e no Município e afixado em Quadro de Avisos, no saguão do Paço Municipal. Santa Maria da Serra, 10 de agosto de 2012. a) JOSIAS ZANI NETO - Prefeito Municipal. ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS Edital de Convocação de Assembleia Geral Extraordinária para Alteração Estatutária GERSON BATISTA, na qualidade de presidente da Associação dos Servidores do Hospital das Clínicas, no uso de suas atribuições estatutárias, convoca todos os associados no gozo de seus direitos para participarem da Assembleia Geral Extraordinária, a ser realizada na Rua Teodoro Sampaio, 305, 1° andar, no dia 12/09/2012, às 8h30min em primeira convocação e, às 9 horas, em segunda convocação para discussão e deliberação sobre as propostas de alteração dos seguintes artigos do Estatuto Social: Ser acrescido o parágrafo único ao artigo 3° para que os associados aposentados possam, até o prazo de 90 dias da data do desligamento, usufruir dos serviços da entidade com os mesmos direitos dos sócios regulares; Alterar os artigos 26° e 32° para que o mandato do Conselho Fiscal e da Diretoria seja quatro anos; Alteração do parágrafo 7°, do art. 33°, para que a comissão Eleitoral seja indicada pelo presidente da entidade, assegurando-se a participação de um membro de cada chapa concorrente. Alteração da redação do artigo 39° para que as alterações estatutárias entrem em vigor imediatamente após sua aprovação na AGE. São Paulo, 09 agosto de 2012. Gerson Batista - Presidente

COMPANHIA DE CIMENTO RIBEIRÃO GRANDE CNPJ Nº 27.184.944/0001-12 - NIRE 35300149068 EDITAL DE CONVOCAÇÃO Ficam convocados os senhores acionistas da Companhia de Cimento Ribeirão Grande a se reunirem em Assembleia Geral Extraordinária, a ser realizada na sede social situada no Estado de São Paulo, na Avenida José Cesar de Oliveira, n.º 111 – 8º andar, no dia 20 de agosto de 2012 às 10h00 (dez horas), para deliberarem sobre os assuntos constantes da seguinte Ordem do Dia: I - realização de grupamento de ações da Companhia; II – definição das providências a serem adotadas, com relação a possíveis frações de ações; III – adequação do art. 5º do estatuto social, tendo em vista as modificações ocorridas; IV - outros assuntos. Os acionistas, para se fazerem representar na Assembleia por procurador, deverão depositar na sede da Companhia, com antecedência de cinco dias da data da realização da mesma, o instrumento de mandato com poderes suficientes. Estão à disposição dos interessados os documentos a serem deliberados na AGE. São Paulo, 07 de agosto de 2012. Walter Shalka - Diretor Presidente

COMUNICADO - Abertura da empresa Ferreiro e Fernandes - Emergência Cardiológica e Pediátrica Ltda. em 05/07/2012, registro 33052 - 9º Cartório de Registro de Pessoa Jurídica da Capital - CNPJ 16.588.029/0001-76.

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA Pregão Eletrônico de Registro de Preços nº 67/00014/12/05 OBJETO: Aquisição de tablets e suas respectivas capas para a Rede Estadual de Ensino da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para: Aquisição de tablets e suas respectivas capas para a Rede Estadual de Ensino da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital a partir de 13/08/2012, no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br ou na sede da FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 - São Paulo/SP, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, ou verificar o edital na íntegra, através da Internet no endereço: http://www.fde.sp.gov.br. A sessão pública de processamento do Pregão Eletrônico será realizada no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br, no dia 24/08/2012, às 09:30 horas, e será conduzida pelo pregoeiro com o auxílio da equipe de apoio, designados nos autos do processo em epígrafe e indicados no sistema pela autoridade competente. Todas as propostas deverão obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital e seus anexos e serão encaminhadas, por meio eletrônico, após o registro dos interessados em participar do certame e o credenciamento de seus representantes previamente cadastrados. A data do início do prazo para envio da proposta eletrônica será de 13/08/ p 2012, até o momento anterior ao início da sessão pública. JOSÉ BERNARDO ORTIZ Presidente

PREFEITURA MUNICIPAL DE IGARATÁ AVISO DE LICITAÇÃO - PREGÃO PRESENCIAL Nº 10/2012 - PROC. ADM. Nº 1229/2012 Objeto: Aquisição de um veículo adaptado, tipo van, para transporte especial de cadeirantes. Credenciamento e abertura: 29/08/2012, às 14h00. Local da retirada do Edital: Rua Inácio Fernandes Fortes, s/nº - Piso Superior - Salão Paroquial, Centro, Igaratá - SP, mediante solicitação via e-mail: licitacaoigarata@gmail.com. Maiores informações: telefone: (11) 4658-1577 ramal 203. Igaratá (SP), 10 de agosto de 2012. Fátima M. A. Prianti - Pregoeira

MS SERVIÇOS DE REPOSIÇÃO DE MERCADORIAS E PRODUTOS AO CONSUMIDOR LTDA. EPP, inscrita no CNPJ sob o nº 00.146.574/0001-72, Inscrição Estadual 117.141.917.116, estabelecida à Rua Desembargador do Vale, 713, na cidade de São Paulo - SP, declara, para os devidos fins, que, na data de 01/04/2012, foram extraviados talão de Nota Fiscal – Faturas de numeração 000001 a 000300, emitidas para venda de produtos.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

20

e

sábado, domingo e segunda-feira, 11, 12 e 13 de agosto de 2012

A Lei da Entrega obriga fornecedores de bens e serviços a combinar com o consumidor o turno para a entrega de produtos ou a realização do serviço.

conomia

Regulação em SP

Lei da Entrega ainda gera muitas reclamações

S

Consumidores continuam registrando suas queixas no Procon-SP

A

s empresas estão melhorando seus serviços de entregas aos consumidores. Essa é uma das interpretações que se pode fazer dos números do Procon-SP referentes às queixas de consumidores registradas no primeiro semestre sobre entregas em geral. Na comparação com o mesmo período de 2011, houve redução de 4,4 mil reclamações no órgão público de defesa do consumidor. A outra interpretação é que há muito ainda a se avançar.

Isso porque o número de registros sobre entregas é ainda alto: representaram 8% do total de 286 mil registros sobre todos os assuntos. Ou seja, 23 mil consumidores no primeiro semestre tiveram algum conflito com seu fornecedor na questão entrega. O total de 23 mil é referente a todos os tipos de problemas, não só o não cumprimento da Lei Estadual nº 13.747/09, conhecida como a Lei da Entrega com Hora Marcada, que desde 2009 já rendeu às empresas 560 autuações efetuadas pelo Procon-SP.

As multas variaram de R$ 212 a R$ 3 milhões. A Lei da Entrega obriga fornecedores de bens e serviços a combinar (e cumprir) com o consumidor o turno – manhã, tarde ou noite – para a entrega de produtos ou a realização do serviço. As empresas que atuam fora do Estado de São Paulo, mas realizam entregas a consumidores paulistas, também estão sujeitos à determinação legal, assim como as assistências técnicas e empresas que atuam na instalação de telefone, de internet

ou de TV por assinatura. Qualquer companhia que precisa ir até o consumidor tem de combinar primeiro com ele a data e o turno. E cumprir. Segundo o Procon-SP, a lei não obriga nenhuma empresa a entregar mercadorias ou prestar serviços ao consumidor nos três períodos. O que determina é que se deve combinar dia e período com o consumidor. "Uma empresa pode estabelecer que só entrega na parte da manhã e em alguns dias da semana. Isso não faz com que ela esteja descumprindo a lei."

ão Paulo não foi a primeira cidade a instituir esse tipo de legislação. Em 2001, no Rio de Janeiro, a Lei 3.669 tornou obrigatória a fixação de data e hora para a entrega de produtos ou realização de serviços. Mas como "não pegou" e objetivando reverter esse quadro, em 2011 entrou em vigor a Lei 5.911, determinando que as empresas têm a obrigação de cumprir a norma anterior e, mais, divulgá-la por meio de afixação de cartaz com o seguinte texto: "É direito do consumidor ter o produto adquirido entregue em dia e hora pré-estabelecidos no ato da compra. Lei 3.669/2001". A nova lei estabelece, inclusive, o tamanho do aviso assim como o corpo do texto. O não cumprimento acarreta multas, que são dobradas em caso de reincidência. Para São Paulo, a autora do projeto de lei da Lei da Entrega, deputada Vanessa Demo, vai sugerir até dezembro alterações que visam impedir taxas extras e ampliar a divulgação da lei, informa sua assessoria de imprensa. Ela está conversando com os líderes da bancadas dos partidos na Assembleia Legislativa para que sejam aprovadas as alterações necessárias. "Vamos tentar obrigar a fixação de cartazes

ou informar de alguma maneira o consumidor que ele tem o direito de agendar o dia e o período, assim como acontece com a Lei Antifumo e a lei que proíbe a venda de bebidas alcoólicas para menores de 18 anos", acrescenta Vanessa. Mato Grosso do Sul também tem lei própria (Lei nº 3.903, de 19 de maio de 2010) de normatização de entrega, com a fixação do dia e do turno para entrega de produtos e execução de serviços. E desde o dia 2 de agosto, Minas Gerais também colocou em vigor lei parecida, que vem dividindo opiniões entre comerciantes e representantes dos consumidores. A discussão tem a mesma pauta de todos os outros locais onde a lei de entrega passou a vigorar: a mobilidade urbana que impossibilita o cumprimento dos prazos. Os Estados da Federação que ainda não criaram lei própria poderão ser beneficiados caso o Projeto de Lei 700/2011, de autoria do deputado Eli Corrêa Filho, seja aprovado. A base do texto da nova lei é a legislação paulista sobre a Lei da Entrega. Em sua justificativa, o deputado diz “que cabe ao legislador identificar, conforme a reclamação do consumidor, qual a medida mais correta a ser tomada para defendê-lo”.

O QUE DIZ O CDC Artigo 56 As infrações das normas de defesa do consumidor ficam sujeitas, conforme o caso, às seguintes sanções administrativas, sem prejuízo das de natureza civil, penal e das definidas em normas específicas: I - multa; II - apreensão do produto; III - inutilização do produto; IV - cassação do registro do produto junto ao órgão competente; V - proibição de fabricação do produto;

VI - suspensão de fornecimento de produtos ou serviço; VII - suspensão temporária de atividade; VIII - revogação de concessão ou permissão de uso; IX - cassação de licença do estabelecimento ou de atividade; X - interdição, total ou parcial, de estabelecimento, de obra ou de atividade; XI - intervenção administrativa; XII - imposição de contrapropaganda. Parágrafo único. As sanções previstas

neste artigo serão aplicadas pela autoridade administrativa, no âmbito de sua atribuição, podendo ser aplicadas cumulativamente, inclusive por medida cautelar, antecedente ou incidente de procedimento administrativo. Artigo 57 A pena de multa, graduada de acordo com a gravidade da infração, a vantagem auferida e a condição econômica do fornecedor, será aplicada mediante procedimento administrativo, revertendo para o

Fique por dentro NOTIFICAÇÃO

RECLAMAÇÕES

A Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), do Ministério da Justiça, criada recentemente, notificou Banco do Brasil, Itaú, Bradesco, Votorantim, Volkswagem, Gmac SA, HSBC, Safra, Honda e Santander para prestar esclarecimentos por cobrança abusiva de taxas em financiamento de veículos. As instituições terão dez dias para fazer os esclarecimentos. A ação é resultado das denúncias de consumidores nos Procons de todo o País. A justificativa para a notificação é que se tornou comum a cobrança de taxas entre R$ 30 e R$ 2,5 mil na contratação de financiamentos.

PROCON MUNICIPAL Na capital paulista, o prefeito Gilberto Kassab instituiu, por meio do Decreto 53.241, de 27 de junho de 2012, o Procon municipal, mas com o nome de Serviço de Apoio ao Consumidor – o SAC municipal. Ele funcionará dentro da estrutura da Procuradoria-Geral do Município e será comandado por um procurador municipal. O objetivo é, depois de analisar as reclamações de consumidores e de entidades de defesa do consumidor, convocar a empresa denunciada para a assinatura de Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) visando a solucionar a questão de forma coletiva. Poderá, ainda, impetrar ação civil pública na Justiça se a empresa convocada se negar a assinar o TAC. O novo serviço municipal não fará fiscalização e nem aplicará punições administrativas às empresas.

Obrigar os estabelecimentos comerciais a manter em local visível o livro de reclamações dos consumidores é a proposta do Projeto de Lei 3418/12, do deputado Gabriel Guimarães (PT-MG), que tramita pela Câmara Federal. Se o estabelecimento tiver site, também deverá disponibilizar “livro” virtual com a mesma finalidade. Nesses livros, o consumidor poderá anotar sua reclamação, que deverá ser encaminhada aos órgãos de defesa do consumidor. Conforme a Agência Câmara,

em sua justificativa para o projeto, o parlamentar "observa que, atualmente, muitos consumidores deixam de registrar suas reclamações, o que gera uma falsa sensação de regularidade em estabelecimentos onde os problemas com consumidores são frequentes". "O livro de reclamações vai suprir essa lacuna", afirmou. O projeto de lei tramita em caráter conclusivo e será analisado pelas comissões de Defesa do Consumidor; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

ATUALIZAÇÃO Os três projetos de atualização do Código de Defesa do Consumidor (CDC) foram lidos no plenário do Senado na semana passada. As propostas de mudança do CDC são no comércio eletrônico, superendividamento do consumidor e ações coletivas. Um dos Projetos de Lei (PLS

Angela Crespo é jornalista especializada em consumo. E-mail: doislados@dcomercio.com.br

281/2012) cria nova seção no CDC para tratar de comércio eletrônico; outro, o PLS 282/2012 disciplina as ações coletivas, assegurando agilidade em seu andamento na Justiça e prioridade para seu julgamento; e o terceiro, PLS 283/2012, regulamenta o crédito ao consumidor e previne o superendividamento.

Fundo de que trata a Lei nº 7.347, de 24 de julho de 1985, os valores cabíveis à União, ou para os Fundos estaduais ou municipais de proteção ao consumidor nos demais casos. (Redação dada pela Lei nº 8.656, de 21.5.1993) Parágrafo único. A multa será em montante não inferior a duzentas e não superior a três milhões de vezes o valor da Unidade Fiscal de Referência (Ufir), ou índice equivalente que venha a substituí-lo. (Parágrafo acrescentado pela Lei nº 8.703, de 6.9.1993)

É crime a venda de produto vencido

O

Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou um comerciante por comercializar produtos alimentícios vencidos ou sem informação sobre a validade. Ele deverá prestar serviços à comunidade e pagar prestação pecuniária de um salário mínimo. A decisão reformou parcialmente sentença de primeira instância. O comerciante foi pego em fiscalização da Vigilância Sanitária e denunciado pelo Ministério Público (MP) em 2010. Na época, ele declarou à Delegacia de Polícia que, tendo sido notificado pela Receita Estadual quanto à obrigatoriedade de emitir nota fiscal, ficou envolvido com a aquisição de equipamentos e outros preparativos, conforme informações da assessoria de comunicação do Tribunal. Em primeira instância, o dono do estabelecimento foi condenado a dois anos de detenção em regime aberto. Depois, a pena foi substituída por prestação de

serviços à comunidade e pagamento de dois salários mínimos a entidade pública ou privada com fim social. O comerciante apelou e o desembargador do Tribunal entendeu que “o laudo não era genérico ou inespecífico, o proprietário ou representante legal do estabelecimento comercial responde administrativa e criminalmente pelas infrações cometidas em virtude da exposição à venda daqueles produtos impróprios ao consumo”. Por fim, disse que “o delito de expor à venda de mercadorias com o prazo de validade expirado se configura pela simples possibilidade de dano à saúde do consumidor”. O magistrado considerou que a decisão não merecia reforma quanto à prestação de serviços, mas no que dizia respeito à prestação pecuniária. Ele acolheu o pedido do comerciante e reduziu o valor a ser doado para um salário mínimo. Fonte: Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG)


Olivia Harris/Reuters

21

Chris Helgren/Reuters

Mike Segar/Reuters

Marko Djurica/Reuters

Mike Segar/Reuters

Brian Snyder/Reuters

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 11, 12 e 13 de agosto de 2012

Jonne Roriz/AE

Festa de encerramento de Londres-2012: a presença de elementos da cultura brasileira mostra que o mundo do esporte já olha para o Rio-2016, a primeira edição de uma Olimpíada numa cidade sul-americana

A

Olimpíada que consagrou o nadador norteamericano Michael Phelps como o mais vitorioso atleta de todos os tempos, se rendeu ao jamaicano Usain Bolt como o mais veloz habitante do planeta Terra e viu mais uma vez adiado o sonho brasileiro de um ouro no futebol é passado. Agora, o mundo do esporte já olha para o Rio-2016, a primeira edição de uma Olimpíada numa cidade sul-americana. E os brasileiros olham os resultados de seus atletas em Londres com certa preocupação. Foram 17 medalhas, o maior número da história, mas apenas três ouros, tantos quanto em Atlanta-1996 e em Pequim2008, menos do que os cinco conquistados em Atenas2004. Será que dá mesmo para acreditar na projeção feita pelo Comitê Olímpico Brasileiro de 30 medalhas, daqui a quatro anos, no Rio? Para isso, a entidade aposta que metade dos pódios será obtido por esportes tradicionais do País: vela, judô, atletismo, basquete, vôlei, futebol. O restante viria com investimento pesado em esportes com potencial para um grande número de conquistas. O carro-chefe do Brasil daqui a quatro anos será o judô. "Nosso objetivo é sermos a maior potência do mundo no Rio", revela Ney Wilson, diretor técnico da equipe brasileira. "Vamos lutar para termos condições de brigar pelas 14 medalhas em jogo", disse, animado pela medalha de ouro e três de bronze conquistadas pelo judô brasileiro em Londres. Para alcançar esse objetivo ambicioso, o judô aposta na equipe, que, segundo os

Paul Hanna/Reuters

O fracasso de Oscar, Neymar, Hulk e companhia na final olímpica aumenta a preocupação com o rendimento da Seleção na Copa de 2014 técnicos Luis Shinohara e Rosicleia Campos, é jovem e experiente. Sarah Menezes, Felipe Kitadai, Mayra Aguiar e Rafael Silva, medalhistas neste ano, são esperanças para o Rio. Em outros esportes, não faltam projetos. A natação feminina, por exemplo, terá um plano de urgência colocado em prática já nos próximos dias, segundo a Confederação Brasileira de

Desportos Aquáticos. Uma equipe de jovens talentos vai se reunir para treinamento específico e participação em competições internacionais. Outras modalidades serão fortemente incentivadas pelo COB em sua pretensão de duplicar o número de medalhas. O boxe é uma delas. Após quebrar em Londres o jejum de 44 anos sem pódio, os pugilistas sonham: "Vamos ter um

caminho semelhante ao do judô", garante o técnico João Carlos, há 16 anos no comando da seleção brasileira. "Em Londres, tínhamos potencial para subir seis vezes ao pódio. No Rio, vamos brigar por medalhas nas 13 categorias (dez no masculino e três no feminino)." No handebol, a honrosa participação do time feminino, perdendo nas quartas de final para a Noruega, campeã

mundial e olímpica, criou a esperança de uma grande participação em 2016. O time masculino também ganhará incentivo maior nos próximos quatro anos. O atletismo, que não rendeu uma medalha sequer em Londres, também terá investimento pesado para que um time forte possa competir em 2016. Atletas importantes como Maurren Maggi e Fabiana Murer

deverão ser substituídas por novas promessas. Para concretizar a previsão de 30 medalhas no Rio de Janeiro, o COB aposta que metade será conquistada por esportes tradicionais do País. Em Londres, no entanto, apenas o judô, com quatro medalhas, e o vôlei, com outras quatro distribuídas por quadra e praia, fizeram a alegria dos brasileiros. O futebol feminino, pela primeira vez na história olímpica, não chegou sequer às semifinais. E o futebol masculino, depois de vencer os cinco primeiros jogos, voltou a perder uma final olímpica, como nos jogos de Los Angeles-1984 e Seul2008, adiando mais uma vez o sonho do ouro olímpico, único título que ainda está faltando à Seleção cinco vezes campeã do mundo. A derrota de Neymar, Oscar, Hulk, Marcelo, Thiago Silva e companhia, na final da competição contra o México, surpreendeu até o presidente da Fifa, Joseph Blatter, que fez um involuntário alerta ao futebol brasileiro: "Não podemos esquecer que a equipe que estava em campo era a seleção nacional". Blatter pode até ter exagerado um pouco, mas tem uma boa dose de razão, pois a equipe que representou o Brasil em Londres é, pelo menos, a base da seleção principal. Há bons motivos, portanto, para que os dirigentes do futebol se preocupem com o futuro imediato, aquele que será jogado em campos brasileiros antes que a tocha olímpica aporte no Rio em 2016. Vêm aí a Copa das Confederações, no ano que vem, e principalmente a Copa do Mundo, em 2014.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

22

e

Não temos time para estar lá embaixo.” Bruno, goleiro do Palmeiras

sporte

A

sábado, domingo e segunda-feira, 11, 12 e 13 de agosto de 2012

VIRADA PRA CÁ, VIRADA PRA LÁ

s viradas marcaram a rodada do Brasileiro nos jogos dos times paulistas. O São Paulo perdeu do Grêmio, o Corinthians venceu o Coritiba e a Ponte foi derrotada pelo Inter, todos pelo placar de 2 a 1. No Morumbi, o São Paulo disputava diretamente uma das primeiras posições com o Grêmio. Saiu na frente no primeiro tempo, com um gol de Cícero, mas, no segundo, sofreu o empate (gol de cabeça do zagueiro Werley, aos 21 minutos) e a virada (André Lima, já aos 46). Assim, em vez de entrar no G-4, o tricolor parou no sétimo lugar. “Isso atrapalha a arrancada que queríamos dar”, reconheceu o técnico Ney Franco. “Mas não podemos desistir do campeonato, que nem chegou à metade.” Quem também parece não ter desistido é o Corinthians. Após três empates seguidos, voltou a vencer. A vítima foi o Coritiba, no Paraná, que saiu na frente no fim do primeiro tempo com um gol de Éverton Ribeiro, mas, no segundo, sofreu dois gols, marcados por Paulinho, de cabeça, e por Romarinho, de letra, aos 45. Com o resultado, o time do técnico Tite, invicto há oito rodadas, voltou à 10ª colocação, mas continua a 17 pontos do líder Atlético-MG, que se consolidou ainda mais na liderança ao vencer o Vasco, até então seu mais direto perseguidor, por 1 a 0. “É uma vitória com a cara do nosso time”, definiu o lateral-esquerdo corintiano Fábio Santos, que saiu aos 19 do segundo tempo, substituído pelo atacante Martínez. “Não desistimos em momento algum. Tem de ser assim.” Outro que não desistiu foi o Inter, mesmo após sofrer o primeiro gol da Ponte Preta, no BeiraRio. Com um gol de Mike marcado nos últimos instantes, o Colorado chegou aos 2 a 1 e continua sua briga com o Grêmio por um lugar no G-4. Três jogos, estes sem viradas, completaram a rodada para os paulistas. No sábado, o Santos saiu perdendo por 2 a 0 para o Atlético-GO, no Pacaembu, mas conseguiu chegar ao empate por 2 a 2. No domingo, a Portuguesa ficou no 1 a 1 com o Botafogo, no Canindé, e o Palmeiras, que segue na zona de rebaixamento, perdeu outra: 1 a 0 para o Fluminense, novo vice-líder, no Rio.

Mario Ângelo/AE

SÉRIE B

São Caetano sai do G-4

A

rodada da Série B terminou com o São Caetano, time paulista mais bem colocado na competição, fora do G-4. Mesmo jogando em casa, no sábado, o Azulão ficou no empate (1 a 1) com o líder Criciúma. Enquanto isso, jogando fora, no Vale do Paraíba, o Joinville fez 3 a 0 no Guaratinguetá, alcançou o mesmo número de pontos do São Caetano (30) e passa, agora, a superá-lo na quarta colocação pelo número de vitórias (9 contra 8), primeiro critério de desempate. Todos os demais times do Estado de São Paulo continuam muito mais próximos do rebaixamento que da zona de acesso à Série A. Com a derrota por 1 a 0 para o ASA, em Arapiraca (AL), na sexta-feira, o Guarani caiu da 14ª para a 15ª posição. Já dentro da zona de degola, estão o Bragantino (17º), que na terça passada perdeu em casa para o Ipatinga, por 2 a 0, o Guaratinguetá (18º) e o Grêmio Barueri (20º e último colocado), que também na sexta perdeu mais uma: 2 a 0 para o Ceará, em Fortaleza. Demais resultados: na terça, América-RN 0 x 2 Atlético-PR e Avaí 3 x 1 ABC. No sábado, Goiás 2 x 0 Boa, América-MG 1 x 2 Vitória e Paraná 4 x 0 CRB. Amanhã tem rodada completa: Joinville x Bragantino, Criciúma x América-RN, Ipatinga x Paraná, Vitória x Guará, CRB x Ceará, Guarani x Avaí, Barueri x Goiás, AtléticoPR x ASA, Boa x São Caetano e ABC x América-MG.

No Morumbi, o São Paulo de Maicon abriu a contagem no primeiro tempo, com Cícero, mas no segundo acabou derrotado pelo Grêmio por 2 a 1 Joka Madruga/AE

No Paraná, o Corinthians saiu perdendo do Coritiba por 1 a 0, mas conseguiu virar o resultado também para 2 a 1, gols de Paulinho e Romarinho

PELO BRASIL

 No sábado, pela Série C,

o Santo André fez 2 a 1 no líder Caxias e se aproximou do G-4 do Grupo B. No domingo, o Oeste perdeu (1 a 0) para a Chapecoense e é 6º no mesmo grupo.  Na Série D, o Mogi Mirim

empatou fora com o líder Cianorte-PR (0 a 0) e é segundo no Grupo 7. O Marília ganhou do Concórdia-SC, 1 a 0, em casa, mas é só o 4º colocado. No Grupo 8, o Mirassol, último colocado, perdeu outra: 4 a 0 para o Juventude, em Caxias (RS).


DIÁRIO DO COMÉRCIO

Phil Noble/Reuters

Max Rossi/Reuters

Kai Pfaffenbach/Reuters

23

Kai Pfaffenbach/Reuters

Fabrizio Bensch/Reuters

Eddie Keogh/Reuters

Kevin Coombs/Reuters

sábado, domingo e segunda-feira, 11, 12 e 13 de agosto de 2012

Eddie Koegh

OS CARAS

Fotos: Ivan Alvarado/Reuters

T

José Roberto Guimarães ganhou o terceiro ouro olímpico da carreira

Bernardinho tem seis medalhas no currículo, como atleta e técnico

 A pernambucana Yane

écnicos não ganham medalhas, mas nem por isso José Robero Guimarães e Bernardinho Rezende deixam de figurar entre os grandes heróis olímpicos brasileiros. Se atletas fossem, seus currículos estariam no topo do panteão: Zé Roberto como o maior campeão, com três medalhas de ouro, e Bernardinho como o mais “medalhado", com seis pódios. Eles não são amigos e têm personalidades bem diferentes, mas, cada um a seu modo, ajudaram o vôlei do Brasil a estar no póio da maioria das competições, especialmente em Olimpíadas. Campeão com o time masculino em Barcelona-92 e com o feminino em Pequim-2008, Zé Roberto liderou um time desacreditado, que precisou de um Pré-Olímpico regional, perdeu dois jogos na fase de classificação, salvou seis match points contra a Rússia, nas quartas de final, e perdeu o primeiro set da final por 25/11, mas buscou a virada e venceu os sets seguintes por 25/17, 25/20 e 25/17. “Eu gostaria de ser um grande escritor para escrever uma história como esta, mas não tenho capacidade, só Deus. É um final extremamente feliz”, disse. Para Bernardinho, a festa acabou com gosto amargo pela derrota de virada para a Rússia na decisão, parciais de 19/25, 20/25, 29/27, 25/22 e 15/9. Ele não sabe se fica no cargo. “Nossa base é boa, e temos meninos novos chegando. Mas, nos próximos anos, vamos ter que correr alguns riscos e o técnico tem de ser exclusivo”, diz o treinador, que se reveza entre a seleção e o time feminino do Unilever.

Bolt é "imitado" por Mo Farah, campeão dos 5.000 m e 10.000 m: jamaicano foi a grande figura dos Jogos

U

O CARA

sain Bolt repetiu em Londres quase todos os seus feitos da O l i m p í a d a d e P equim, em 2008: ganhou três medalhas de ouro, nos 100 m rasos, 200 m e revezamento 4x100 m. Só não bateu três recordes mundiais: o único veio no sábado, na prova coletiva, 36s84 e mais uma vitória implacável da Jamaica. Foi o suficiente para virar lenda - tanto que sua comemoração característica foi imitada por diversos vencedores nos últimos dias - como se vê na foto acima, de sábado, com outro astro, o fundista britânico Mo Farah, vencedor dos 5.000 m e dos 10.000 m. “Não dá para ficar melhor do que isso”, afirmou o corredor

 O ugandense Stephen

depois de sua terceira vitória, que não foi nada fácil - tanto que os americanos igualaram o recorde mundial anterior, de 37s04, que a Jamaica bateu no Mundial de 2011. A vitória só começou a ser selada pelo terceiro homem, Yohan Blake, o “escudeiro” de Bolt, prata dos 100 m e 200 m. Ele superou Tyson Gay e entregou o bastão a Bolt, que conseguiu manter e ampliar a vantagem sobre Ryan Bailey. “Quando Yohan Blake superou Tyson, eu sabia que tinha acabado, porque Bailey não ia me ultrapassar”, contou Bolt. “Peguei o bastão e pensei: corra por sua vida’. Mas Bolt é um monstro", lamentou Bailey. A prova teve até direito a um pequeno suspense: Bolt queMark Blinch/Reuters

Kiprotich venceu a maratona de Londres e

Darren Staples/Reuters

garantiu o primeiro ouro

Marques levou o bronze

olímpico para seu país

no pentatlo moderno, a

desde 1972, após assumir

última medalha a ser

a liderança a 5 km do fim.

definida nos Jogos de

Os quenianos Abel Kirui

Londres. Ela chegou na

e Wilson Kipsang

liderança à última prova, o

completaram o pódio. O

combinado de corrida e

Brasil teve dois entre os 10

tiro, empatada com Laura

primeiros: Marilson dos

Asadauskaite, da Lituânia,

Santos foi o quinto; Paulo

que levou o ouro, e

Roberto de Paula, o oitavo.

acabou ultrapassada pela britânica Samantha

Sergio Perez/Reuters

Murray. “Eu estava pronta. É o resultado de um trabalho muito bem-feito. Espero que essa vitória seja um divisor de águas no esporte e que desperte a atenção das pessoas para ele”, afirmou a atleta de 28 anos. Damir Sagolj/Reuters

 Foi mais duro do que Kevin Durant, LeBron James e  Quando o locutor

anunciou a vitória do lutador de azul na final da categoria até 75 kg do boxe, Esquiva Falcão olhou para seu uniforme. Ele estava de vermelho e teve de se contentar com a prata, melhor resultado do País. ”Paquerado” pelo MMA, ele jura: “Vou ficar no boxe olímpico e ser ouro no Rio.”

Kobe Bryant esperavam, mas os EUA levaram o ouro no basquete com a vitória sobre a Espanha por 107 a 100, definida apenas nos minutos finais. Durant fez 30 pontos.

ria levar embora o bastão, mas um árbitro da pista disse que ele teria de devolver a peça, ou o time seria desclassificado. Só depois que ele entregou o bastão é que o placar confirmou a vitória jamaicana. Bolt se sentiu até no direito de confrontar o presidente do COI, Jacques Rogge, para quem o jamaicano ainda não é uma lenda. “Eu ganhei três ouros, em duas Olimpíadas. Se isso não é suficiente, o que é preciso fazer?”, rebateu. Mas ele já disse que pode estar no Rio em 2016 para continuar escrevendo sua história. “Há a possibilidade. Vai ser difícil porque Blake vai estar melhor e surgirão outros gatos rápidos, mas agora não tenho objetivos. Só quero festejar."


DIÁRIO DO COMÉRCIO

Flavio Florido/Folhapress

Felipe Trueba/EFE

Flavio Florido/Folhapress

Sarah Menezes (judô)

Sergio Moraes/Reuters

sábado, domingo e segunda-feira, 11, 12 e 13 de agosto de 2012

Olivia Harris/Reuters

Mastrangelo Reino/Folhapress

Pilar Olivares/Reuters

Sergio Moraes/Reuters

24 -.ESPORTE

Lalo de Almeida/Folhapress

Arthur Zanetti (ginástica)

Seleção feminina de vôlei

Nosso recorde de medalhas Flavio Florido/Folhapress

Satiro Sodré/Folhapress

O Brasil jamais havia voltado de uma Olimpíada com tantas medalhas como agora. Foram 17 (3 de ouro, 5 de prata e 9 de bronze), que valeram o 22º lugar. Números que superam a campanha de Pequim 2008 em uma prata e um bronze, mas, em ouros, ficam atrás das 5 medalhas conquistadas em Atenas 2004. Nesta página, todos os medalhistas brasileiros em Londres.

Thiago Pereira (natação) Flavio Florido/Folhapress

Esquiva Falcão (boxe) Jonne Roriz/AE

Felipe Katai (judô) Murad Sezer/Reuters

Yamaguchi Falcão (boxe)

Alison e Emanuel (vôlei de praia)

Moacyr Lopes Junior/Folhapress

Ivan Alvarado/Reuters

Seleção masculina de futebol Toru Hanai/Reuters

Leo Barrilari/Folhapress

Mayra Aguiar (judô)

Seleção masculina de vôlei Satiro Sodré/AE

Murad Sezer/Reuters

Cesar Cielo (natação)

Rafael Silva (judô) FIVB

Lalo de Almeida/Folhapress

Robert Scheidt e Bruno Prada (vela)

Adriana Araújo (boxe) Mike Hutchings/Reuters

Larissa e Juliana (vôlei de praia)

Yane Marques (pentatlo)

Reprodução/Arquivo Celso Unzelte

almanaque

G

Celso Unzelte

Há 92 anos, as três primeiras medalhas

A

história das medalhas do Brasil começa na Olimpíada de Antuérpia, na Bélgica, em 1920, justamente a primeira vez em que o país disputou os Jogos. A equipe de tiro (foto à direita) trouxe nossas três primeira medalhas: ouro com Guilherme Paraense (primeiro da segunda fileira, da esquerda para a direita), na prova de pistola de velocidade. Prata

com Afrânio da Costa (na foto, ao lado de Paraense), na prova de tiro de pistola a 50 m. E bronze no tiro de pistola em

equipe, que era integrada também por Sebastião Wolf, Dario Barbosa e Fernando Soledade.

raças àqueles resultados, o Brasil terminou a Olimpíada de 1920 em 15º lugar, até hoje sua melhor colocação. As 17 medalhas em Londres 2012 deixaram o Brasil em 22º. Superam em uma prata e um bronze as 15 medalhas de Pequim 2008 (3 de ouro, 4 de prata e 8 de bronze), quando o país ficou em 23°. O maior número de ouros conquistados, no entanto, segue sendo o de Atenas 2004: 5, mais duas pratas e três bronzes, totalizando as 10 medalhas que colocaram o Brasil em 16º lugar naqueles Jogos Olímpicos.

108

medalhas tem agora ria o Brasil em toda a histó dos Jogos Olimpícos. São 23 de ouro, 30 de prata e 55 de bronze. As m medalhas de ouro viera o com a vela (6), o atletism ), (4), o judô (3), o vôlei (4 o vôlei de praia (2), o hipismo, a natação, a ). ginástica e o tiro (1 cada

CURTAS

 Morreu na segunda

passada, 6/8, aos 58 anos, o ex-zagueiro Antônio Carlos, campeão paulista pelo Santos em 1978.  Há 79 anos, em 13

de agosto de 1933, o Palestra Itália (atual Palmeiras) inaugurava as arquibancadas de concreto de seu estádio, atualmente em reforma.


Diário do Comércio