Issuu on Google+

GREVE DA PF

Ano 87 - Nº 23.435

www.dcomercio.com.br

Conclusão: 23h50

Jornal do empreendedor

R$ 1,40

São Paulo, sexta-feira, 12 de agosto de 2011

CPI

MISTA

É a reação às críticas feitas, até por Dilma, aos "abusos" da Operação Voucher. Pág. 8

Oposição quer unir forças de deputados e senadores para investigar a corrupção nos ministérios de Dilma. Pág. 6

'ONG

fantasia' à disposição

Deputada acusada de cobrar 10% de propina

Ibrasi era utilizada para desviar verbas do Turismo. Página 5

Funcionários do Turismo apontam esquema de Fátima Pelaes (PMSDB-AP). Página 7

LULA E TEMER, os novos monitores Ex-presidente e o atual vice aconselham Dilma a afagar a base aliada. Página 8

APELO DAS

Sung-Il Kim/Corbis

Sérgio Lima/Folhapress

CATACUMBAS DO CONGRESSO

Si todos brasileiros focem digninos... teriamos um Brazil melhor.

Candangos que fizeram Brasília gravaram suas esperanças num fosso descoberto ontem. Pág. 8

Crise? País tem R$ 1 trilhão para se garantir. Quantia é somatória das reservas do Tesouro, dos depósitos compulsórios no BC e dos dólares. Pág. 15

Divulgação

Rafael Koch Rossi

d

cultura

Fiat entra forte na briga dos pesos pesados Com o Freemont, sua versão do Chrysler Journey. Pág. 18

Rejane Tamoto/DC

A série por vinícolas fascinantes faz escala hoje no Chile. Boa Viagem, pág. 20 HOJE Sol Máxima 26º C. Mínima 13º C.

AMANHÃ Sol Máxima 28º C. Mínima 17º C.

ISSN 1679-2688

9 771679 268008

23435

François Duhamel/Paramount Pictures

BRUXAS

Para beber, ler, visitar: vinhas Concha y Toro.

Depois de fazer sucesso nas telas, em 1980, a peça As Bruxas de Eastwick estreia nesta semana em montagem paulistana (alto). Repaginada para ser musical, anuncia um semestre de humor e vitalidade. Nos cinemas, o destaque é Super 8 (acima). Mais: a literatura requintada da Islândia; música para os jovens aprenderem o prazer de ouvir. E Roda do Vinho.

Paulo Pampolin/Hype

Para selar uma data de solidariedade Pai e filho, bons de cozinha, convidam para um domingo especial. Pág. 24


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Estar desempregado é uma das principais causas da baixa estima e da perda de pertencimento social. Roberto Fendt

pinião

Carl de Souza/AFP

EYMAR MASCARO

MARTA NÃO TEM MEDO DE LULA?

A

A onda de violência que atinge Londres pode ser um reflexo do intervencionismo do Estado na economia, que acaba gerando o desemprego.

GUERRA DE TODOS CONTRA TODOS

T

homas Hobbes publicou em 1651, em plena Guerra Civil inglesa, o livro que é considerado um dos mais influentes trabalhos da ciência política: Leviatã, ou a Matéria, Forma e Poder de uma Sociedade Civil e Eclesiástica. Nele, Hobbes estabelece pela primeira vez os fundamentos de um governo legítimo, estabelecido por um contrato social entre os cidadãos, para impedir a bellum omnium contra omnes, a guerra de todos contra todos. Os tempos em que viveu o autor eram de barbárie, como ocorre em todas as guerras civis, quando se reverte, nas palavras de Hobbes, a um estado de natureza, aquela condição dissoluta de ausência de autoridade, sem sujeição às leis e a um poder coercitivo que ate as mãos e impeça a rapina e a vingança. Sem a sujeição à autoridade da Lei, se tornaria impossível a segurança básica de que depende uma vida sociável e civilizada. Em um estado de barbárie, explicou Hobbes, não haveria lugar para a produção, porque a apropriação dos seus frutos seria incerta, Consequentemente, não haveria cultura nem o conhecimento, e tampouco as artes e a literatura. O pior de tudo é que estaria sempre presente o medo sem fim de uma morte violenta. Em uma frase, Hobbes sumaria magistralmente tudo: no estado de natureza, a vida do homem se torna "solitária, pobre, cruel, bruta e curta". Foi para evitar essa vida solitária, pobre, cruel, bruta e curta que se instituíram governos, autoridades públicas reconhecidas como tal pela cidadania, de modo a evitar a guerra de todos contra todos, em que os mais profundos desejos privados tornam-se a medida de todo o bem e todo o mal. Pois bem: temos assistido diariamente a BBC a mostrar-nos as estúpidas explosões de violência

ROBERTO FENDT que vêm ocorrendo em Londres e outras cidades da Grã Bretanha desde a semana passada. Propriedades são destruídas e incendiadas, lojas são invadidas e os produtos roubados, carros de bombeiros e ônibus são depredados.

H

á quem diga que a democracia chegou a uma encruzilhada e que há de se repensar suas instituições. Mas a democracia é meramente um método de escolha voluntária dos governantes pelos governados, embora o melhor até agora conhecido. Não se lhe pode imputar responsabilidade pela insanidade. Já outros afirmam que na raiz do problema está a falta de perspectiva da juventude inglesa, ocasionada principalmente pelo desemprego. Os números mostram que a taxa de desemprego atingiu 7,7% da população economicamente ativa do país em maio último – nada menos que

2,45 milhões de pessoas. E, como na maioria dos países europeus, o desemprego incide mais entre os mais jovens. Para os que veem no desemprego a origem da revolta, a causa primeira é o "neoliberalismo", essa expressão vaga e amorfa que serve para designar a origem de todos os males do mundo.

M

as o que causa de fato o desemprego? Nas sociedades contemporâneas, o mercado encarrega-se de harmonizar os desejos dos vendedores e compradores, seja de bens, serviços ou recursos financeiros. Ali, onde há poucos impedimentos ao livre funcionamento do mercado, formam-se contínua e voluntariamente preços que fazem com que o que é trazido ao mercado seja voluntariamente adquirido. Basta ir a uma feira livre para constatar o fato: os preços variam durante a manhã, até que qualquer excesso de produ-

Podem ser as intervenções bem intencionadas do governo no mercado que estão levando à falta de perspectiva das pessoas, induzindo-as à violência, como em Londres.

tos ofertados seja eliminado. É a queda do preço que permite ao feirante não ter de levar de volta o produto que trouxe para vender e ao consumidor comprar mais. No mercado de trabalho, contudo, isso não ocorre. Uma parafernália de restrições impede que os salários subam ou desçam em resposta a desequilíbrios entre a oferta e a demanda por mão de obra. Em muitos países, como no Brasil, uma legislação herdada do fascismo é a verdadeira responsável por impedir que as pessoas possam livremente vender sua força de trabalho ao preço que lhes convier.

É

também esse resquício autoritário no mercado de trabalho, no qual é proibido pagar abaixo de um valor arbitrariamente definido pelo governo, que induz as empresas a preferir empregados experientes (mais velhos) a jovens recém saídos da escola. E é essa mesma proibição de pagar abaixo desse valor arbitrário que deixa sem emprego também os mais velhos, se o valor da sua produtividade para a empresa ficar abaixo do mesmo valor arbitrário. Estou convencido de que isso explica porque uma boa parte dos mais de dois milhões de britânicos estão desempregados. Mas não acredito que o desemprego em si seja a única origem da violência. Nas sociedades modernas, estar desempregado é uma das principais causas de baixa estima e perda de pertencimento social. Podem ser as intervenções bem intencionadas do governo que estão levando à falta de perspectiva das pessoas, induzindo-as à violência e instaurando, 360 anos depois, na terra de Hobbes, o estado de natureza, o bellum omnium contra omnes. ROBERTO FENDT É ECONOMISTA

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Cláudio Vaz Edy Luiz Kogut Érico Sodré Quirino Ferreira Francisco Mesquita Neto João de Almeida Sampaio Filho João de Favari Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Paulo Roberto Pisauro Renato Abucham Roberto Faldini Roberto Mateus Ordine

dúvida no PT é saber até quando Marta Suplicy vai sustentar o desafio que fez a Lula, ao manter sua pré-candidatura à prefeitura de São Paulo, contra a vontade do ex-presidente, que continua defendendo a escolha do ministro Fernando Haddad. A senadora está convicta de que é a única no partido em condições, por exemplo, de derrotar os candidatos do PSDB e de outros partidos. Da mesma forma que "inventou" Dilma Rousseff para enfrentar Serra em 2010, Lula entende que pode repetir o sucesso "inventando" um outro candidato jejuno para concorrer à mais importante prefeitura do País. Para Lula, Marta tem um alto índice de rejeição, sobretudo na classe média, que poderia comprometer sua eleição, principalmente no 2º turno. Apesar de pesquisas recentes indicarem que também o tucano José Serra enfrenta no momento uma rejeição considerada alta, Lula parte do princípio de que o PT deve lançar um nome novo à sucessão de Gilberto Kassab; daí, sua decisão de bancar a candidatura do ministro da Educação. Marta está certa num ponto: ela lidera as pesquisas na Capital, juntamente com José Serra. Mas a senadora não é a única pretendente no PT à candidatura à prefeitura. Também o ministro Aloísio Mercadante deseja concorrer no ano que vem. ercadante foi candidato ao governo do estado no ano passado e acredita que criou uma base eleitoral interessante na Capital, que poderia render dividendos nas eleições do ano que vem. A desconfiança de Lula é que a oposição faça campanha contra Marta Suplicy, explorando, por exemplo, a infeliz frase "relaxa e goza". Além disso, o PSDB continua se referindo à senadora como a "Martaxa", lembrando as taxas que Marta criou no município quando foi prefeita. Enquanto isso, o PT trabalha com a hipótese de que o PSDB só teria chance de vencer a eleição para prefeito em São Paulo no caso de seu candidato vir a ser José Serra. Os petistas desdenham dos demais pretendentes à candidatura no PSDB, considerando-os "fracos de voto". Para os petistas, além do tucano, o partido vai enfrentar outros candidatos perigosos,

M

Marta está certa num ponto: ela lidera as pesquisas na Capital, juntamente com José Serra. Mas a senadora não é a única pretendente no PT à candidatura.

como o vice-governador Guilherme Afif Domingos, que deve representar o PSD nas eleições. O sonho de Geraldo Alckmin é reconquistar a prefeitura paulistana. Como virtual candidato à reeleição, Alckmin deseja que seu partido controle a Capital, porque a região concentra 10 milhões do total de 30 milhões de eleitores no Estado. mesmo sonho, no entanto, é alimentado por Lula, que vem se reunindo com outras lideranças do PT pregando a necessidade do partido eleger prefeitos nos principais municípios do Estado, especialmente na Capital. Detalhe: se Dilma Rousseff for candidata à reeleição, o PT não afasta a possibilidade de Lula se candidatar à sucessão de Alckmin. Lula já admitiu essa hipótese em conversa com empresários. Enquanto PT e PSDB discutem internamente o modelo ideal de campanha para o ano que vem, o prefeito Gilberto Kassab corre contra o tempo para conseguir registrar o seu PSD até 7 de outubro. Pela legislação, os partidos só podem concorrer com candidatos próprios se estiverem devidamente registrados no TSE um ano antes das eleições. O prefeito tem negado acusações de que o PSD estaria recorrendo até a nomes de eleitores já mortos para conseguir o número mínimo de assinaturas para a obtenção do registro na justiça eleitoral. Kassab acusa as oposições de tentar impedir que o PSD dispute as próximas eleições municipais. Na verdade, a oposição está descontente porque perdeu importantes quadros para o partido que o prefeito está criando.

O

EYMAR MASCARO É JORNALISTA E COMENTARISTA POLÍTICO MASCARO@BIGHOST.COM.BR

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, João de Scantimburgo, Marcel Solimeo Diretor-Responsável João de Scantimburgo (jscantimburgo@acsp.com.br) Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Editor-Chefe: José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br) Chefia de Reportagem: Teresinha Leite Matos (tmatos@acsp.com.br) Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br) Editores Seniores: Bob Jungmann (bob@dcomercio.com.br), Carlos de Oliveira (coliveira@dcomercio.com.br), chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), Estela Cangerana (ecangerana@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Luiz Antonio Maciel (maciel@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br) Editor de Fotografia: Alex Ribeiro (aribeiro@dcomercio.com.br) Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Ricardo Ribas (rribas@dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br) Subeditores: Fernanda Pressinott, Kleber Gutierrez, Marcus Lopes e Rejane Aguiar Redatores: Adriana David, Eliana Haberli, Evelyn Schulke, e Sérgio Siscaro Repórteres: Anderson Cavalcante (acavalcante@dcomercio.com.br), André de Almeida, Fátima Lourenço, Geriane Oliveira, Ivan Ventura, Kelly Ferreira, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mário Tonocchi, Neide Martingo, Paula Cunha, Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves, Sandra Manfredini, Sergio Leopoldo Rodrigues, Sílvia Pimentel, Vera Gomes e Wladimir Miranda. Gerente PL Arthur Gebara Jr. (agebara@acsp.com.br) Gerente Executiva Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estado, Folhapress, Efe e Reuters Impressão OESP GRÁFICA S/A Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3244-3175. Fax 3244-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3244-3197, 3244-3983, Fax 3244-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3244-3544, 3244-3046 , Fax 3244-3355

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3244-3737 REDAÇÃO (011) 3244-3449 FAX (011) 3244-3046, (011) 3244-3123 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

3

o A notícia que mudaria tudo pinião

E

ste é um momento econômico assustador. A resposta de que precisamos não é fácil, mas totalmente óbvia. Precisamos de um Grande Acordo entre os dois partidos dos Estados Unidos – e precisamos agora. Até que se leia a notícia abaixo, estaremos presos num mundo de sofrimento. Ei-la: "Foi uma entrevista coletiva como a Casa Branca nunca tinha visto. O presidente Barack Obama, de pé no Salão Leste, estava acompanhado pelo presidente da Câmara dos Deputados, John Boehner, pelo líder da minoria no Senado, Mitch McConnell, pelo líder da maioria no Senado, Harry Reid, e pela líder da minoria na Câmara, Nancy Pelosi. O presidente pediu que Boehner falasse primeiro. 'Meus colegas norte-americanos'– começou o republicano de Ohio – 'acabamos de sair de uma reunião com o presidente, motivados por este momento de perigo econômico extraordinário. Nosso partido, como vocês sabem, está convencido de que a principal causa de nosso declínio econômico é que temos dívidas demais, que o governo ficou grande demais e os impostos e regulamentações estão sufocando nosso dinamismo. Mas tenho de admitir que, durante anos, nosso partido contribuiu para essa carga tributária e essa farra dos gastos governamentais'. 'Não somos inocentes e, assim, devemos ao país uma estratégia para governar e para consertar um problema que ajudamos a criar – em vez de simplesmente bloquear o presidente. O Partido Republicano é melhor do que isso e tem mais a oferecer ao país. Por isso informamos ao presidente que nossos congressistas estão prontos para reabrir imediatamente as negociações sobre um Grande Acordo para tratar dessas questões de uma vez por todas e tudo estará na mesa de nossa parte – incluindo uma reforma

SÓ UM GRANDE ACORDO, E LOGO, ENTRE OS DOIS PARTIDOS DOS EUA, PODE CONTER A CRISE.

tributária que tape todos os buracos e elimine os subsídios esbanjadores além de, se for necessário, aumento de impostos'. 'Para aqueles que votaram em nós, fiquem certos de que vamos levar nossos valores conservadores para essas negociações e enfatizaremos os mercados e as meritocracias, mas também um espírito de compreensão e o reconhecimento de que os dois lados terão de ceder, se pretendemos chegar ao tipo de acordo orçamentário abrangente do qual o país precisa. 'Para meus colegas do Tea Party, eu digo: obrigado, a paixão de vocês ajudou a estimular o país a agir – mas o país não pode ser governado, e nosso futuro travado, somente fazendo reverências às paixões de um único grupo, liberal ou conservador. Sei que os ativistas do Tea Party são patriotas de verdade e que vão trabalhar conosco também. Presidente Barack Obama, vamos consertar o país juntos, e depois disputar em 2012 sobre como administrar melhor uma torta que está crescendo em vez de uma que está diminuindo.'

THOMAS L. FRIEDMAN

A coisa mais importante que tem de estar na mesa de negociação entre democratas e republicanos não é somente um plano para tornar o país solvente. Um acordo permitiria tornar o país melhor e garantir que outra geração aproveite o sonho americano.

O

bama abraçou calorosamente Boehner, foi para o tablado e afirmou: 'Presidente Boehner e senador McConnell, obrigado pelo seu compromisso de agir em prol de nossos interesses nacionais mais elevados. Permitam-me dizer publicamente qual o meu compromisso com vocês: Pedi a Erskine Bowles e Alan Simpson que prestigiem sua comissão sobre o déficit e utilizem suas recomendações de como cortar gastos e aumentar arrecadação como ponto inicial para nossas negociações. O grupo passará a se chamar Comissão Nacional para a Recuperação Norte-Americana – porque além dos membros originais da Comissão Bowles-Simpson, ela também incluirá o senador McConnell, o presidente Boehner, o senador

Reid e a congressista Pelosi, e seu objetivo será essencialmente um plano para a recuperação norteamericana'. 'Tudo estará na mesa – corte de gastos, reforma tributária e aumento de impostos, um esboço para reestruturar as dívidas dos norte-americanos cujas casas estão debaixo d’água e os investimentos de que precisamos para renovar os recursos primários de nossa força – infraestrutura,

educação e pesquisa científica. Cada item será integrado e cronometrado para minimizar a dor e maximizar a criação de empregos – e o pacote inteiro será apresentado ao Congresso para uma votação aprova-ou-derruba. Estou confiante que uma verdadeira reforma nos tributos e nos direitos vai desencadear bilhões de dólares em investimentos.' 'Mas a coisa mais importante que estará na mesa não será simples-

mente um plano para tornar nosso país solvente. Será um plano para tornar os Estados Unidos melhor e garantir que outra geração vai aproveitar o sonho norte-americano. Qualquer pessoa sensata que olhe para os investimentos de estímulo que fiz em educação, energia limpa, pesquisa e infraestrutura, saberá que esse tem sido meu objetivo desde o começo. Mas sei que esses investimentos não podem ser sustentados sem um novo acordo sobre

orçamento a longo prazo. 'E também tenho uma confissão a fazer: fiz um trabalho ruim ao integrar minhas ideias sobre construir um país, incluindo o sistema de saúde, numa visão simplista para que as pessoas compreendessem para onde eu estava indo. Também permiti que considerações políticas táticas – como abandonar a Comissão Bowles-Simpson – interferissem, e assim muitos norte-americanos perderam de vista minhas prioridades. Isso não vai ocorrer novamente. Ninguém ama mais este país do que eu e meus colegas democratas. Vamos levar nossas tradicionais preocupações por justiça social e igualdade a essas negociações, e não vamos abandoná-las até que um Grande Acordo para garantir que a grandeza norte-americana seja transformado em lei.'

N

essa hora, todos os cinco l í d e re s a p e r t a r a m a s mãos e se retiraram para o Salão Oval. Eram exatamente 9h29 da manhã. Um minuto depois, a Bolsa de Valores de New York abriu. O índice Dow Jones estava em alta de 1.223 pontos – um recorde histórico. Triste é que muito disso é fantasia, mas facilmente – com um pouco de vontade política – poderia se tornar realidade. THOMAS L. FRIEDMAN É COLUNISTA DO NEW YORK TIMES E TRÊS VEZES GANHADOR DO PRÊMIO PULITZER TRADUÇÃO: RODRIGO GARCIA

"ONTEM LONDRES FOI BOMBARDEADA; PENA QUE VOCÊ NÃO VIU, FOI UM BOM PROGRAMA” NEIL apavorado

Ferreira As reportagens da tevê de ontem, anteontem e tresantontem mostravam que "ontem Londres foi bombardeada..." – não pelos nazistas de 70 anos atrás, mas pelos neonazistas de hoje.

O

título desta coluna é também o título de um anúncio histórico feito para uma rede de tevê – acho que a Record, mas a memória falha, pode ter sido outra que estava apresentando semanalmente uma série de documentários sobre a 2ª Guerra Mundial. A agência era a "Ai Jesus" da publicidade brasileira e, na época, a mais criativa. Alguma cabeça genial do planejamento sugeriu não fazer anúncios comuns tipo "Veja hoje..." porque presumia que o número de quem "veria hoje" seria muito menor do que o de quem "perdeu ontem..." O tiro na mosca foi certeiro e a campanha publicitária ficou à altura da qualidade dos documentários exibidos – o que só acontece raramente. "Ontem Londres foi bombardeada; pena que você não viu, foi um bom programa", mostrava as ruínas, os incêndios, a fumaceira negra e as centenas de vítimas civis, com grande número de idosos e crianças,

deixadas pelos pesados bombardeios nazistas da noite anterior. A Inglaterra resistia. Em uma das cenas mais dramáticas, o documentário mostrava a Rainha saltando entre os escombros, para abraçar e consolar a população atingida e mostrar-lhe sua solidariedade. Rainha recusou-se a abandonar Londres até o fim da guerra, e seu gesto passou para a História. Ela ficou no Palácio de Buckingham, correndo o risco de sofrer os ataques da Luftwafe, sem aceitar o conselho da sua equipe de segurança, que recomendava a mudança para o interior. Teimosa, não foi; deu um exemplo de coragem lembrado até hoje. E o que mostravam as reportagens da tevê de ontem, anteontem e tresantontem ? (meu Aulete Digital confirma a existência de "tresantontem"). Mostravam que "Ontem Londres foi bombardeada..." – não pelos nazistas de setenta anos atrás,

A

mas pelos neonazistas de hoje, "manos" de moletons e capuzes quebrando tudo, atirando pedras e coquetéis Molotov, tocando fogo em edifícios, saqueando supermercados e lojas de bebidas e eletrodomésticos da capital do país democrático que os acolheu e aos seus pais ou avós, que deixaram seus países de origem no Norte da África, Oriente Médio, Índia e Paquistão. Todo mundo viu e não foi um bom programa. u estava em Paris quando os "banlieuses", em geral filhos de imigrantes ilegais que nasceram na França e tinham todos os direitos dos cidadãos franceses, tocaram fogo nos subúrbios (os "banlieues") e em algumas ruas da capital. Seu líder discursava: "Em duas gerações seremos maioria no Congresso", tantos eram os filhos que faziam ano após ano. O que eles queriam ? Mais do que já tinham – e tinham muito naquele Estado paternalista e pesadão para os contribuintes.

E

Agora, a encrenca explodiu em Londres porque um afrodescendente teria sido morto dentro de um carro da polícia. É possivel, nenhum policial de nenhuma parte do mundo é santo. Mas é possivel também que haja exagero e a massa tenha sido movida por boatos e manobrada por interesses obscuros. ão vi nem li evidências de que o acontecido realmente aconteceu, mas não consigo ver nem ler tudo que acontece. No caso do brasileiro morto por policiais no metrô de Londres, havia corpo, testemunhas e confissão. No caso de agora, até agora nada. Sou neto de imigrante que veio do Oriente Médio. Meu avô veio porque aqui era muito melhor do que lá. Hoje, tenho a convicção de que vivemos num país que abriga a maior corrupção de todos os tempos – talvez seja melhor do que na Grécia e na Palestina. Ao lado do bombardeio de Londres, os jornais, as rádios e as

N

tevês nos bombardeiam com a vasta trambicagem dos ministérios nacionais. Hoje é o escândalo do Turismo, que abafou o da Agricultura, que abafou o dos Transportes, que abafou o do Mermão Paloffi (Mermão do Cara). Se a investigação no Turismo for fundo – os Federais já encanaram 38 –, vai chegar na gestão da Relaxa e Goza, que pode resvalar no seu mandato na Prefeitura de Sumpólo; e aí vai se reencontrar com o Mermão Paloffi, ele ainda em Ribeirão Preto. Teríamos a redescoberta da Rodovia do Escândalo do Lixo, ligando Sumpólo a Ribeirão Preto. Nem por isso saio por aí jogando pedras na polícia, coquetéis Molotov nas sedes dos partidos da base alugada, saqueando lojas e supermercados. Que dá vontade, dá; mas faço um esforço sobrehumano e venço a vontade. PS 1: O Poste, em atitude de completo desnorteio, consulta a Ideli e Gilberto Carvalho, na falta de melhores quadros. O Poste está sozinho num mato sem cachorro. Não tenho dó; quem mandou se meter? PS 2: Piratas atacam turistas no Rio Solimões, um ônibus é sequestrado no Rio, arrastão em São Paulo, assaltos no Rio Grande do Sul: estamos em guerra e perdendo. OBAMA PRECISA DE UM MALAN. NEIL FERREIRA É PUBLICITÁRIO


DIÁRIO DO COMÉRCIO

4 -.GERAL

GibaUm

3 FHC estréia hoje como blogueiro no Observador Político. Vai aproveitar para falar sobre corrupção nos altos escalões.

gibaum@gibaum.com.br

«

k Médico de pobre é pai de santo. Fotos: Terry Richardson/Harper´s Bazaar

Francisca de Ch

LOBISTAS Depois que os ex-ministro José Dirceu e Antonio Palocci ganharam muito dinheiro com prestação de serviços de consultoria (a expressão lobby ainda é demonizada no Brasil porque não está regulamentada), dois tradicionais nomes do segmento, ambos com mais de 40 anos de janela, Luiz Affonso Romano e Paulo Jacobsen vão lançar o livro Perfil da Consultoria no Brasil. Querem esclarecer e informar muita coisa da área, o que pode e o que não pode e não apenas em consultoria, mas também em treinamento e palestras. 333

MISTURA FINA NESSES dias de tensão entre Planalto e Câmara dos Deputados, o secretário particular de Dilma, Anderson Dornelles, que gosta de cinema e, vira e mexe, loca ou sugere algum DVD à presidente, comenta que a cena política atual lembra o título de um famoso filme de Ettore Scola, Feios, sujos e malvados. 333

MAIS UMA grife de acessórios de luxo, criada há 70 anos em Nova York por seus artesãos, chega a São Paulo: é a Coach, cujas bolsas (sapatos também) estão entre as favoritas das socialites do mundo inteiro. Dando certo em São Paulo, depois estica para o Rio e Brasília. 333

Solução O T T

S A C R I F I C A R E I U

I

A

D D

R

A M

R

V O

S

I R

V

A

E R

R

Colaboração: Paula Rodrigues,Alexandre Favero

V

E

h

Circulou por São Paulo, quase despercebida, a atriz Geena Davis, a eterna Thelma do filme Thelma & Louise (com Susan Sarandon). Veio com o marido, o cirurgião plástico Reza Jarrahy e a convite da jornalista Ana Paula Padrão, que está lançando o portal Tempo de Mulher, que pretende mapear o comportamento da mulher atual, especialmente na classe C. Geena comanda, nos Estados Unidos, um instituto que defende o tratamento respeitoso à mulher no showbiz . Numa de suas poucas noites em São Paulo, jantou no restaurante Trindade e morreu de amores pela carne seca servida lá. 333

B

Carne seca

333 MALGRADO Amilcare Dallevo garanta que tudo vai bem na Rede TV!, enquanto salários, pagamentos a terceirizados e fornecedores e até ao Ibope, estão atrasados, a situação começa a ficar mais apertada. Agora – quem diria – até o pro-labore do sócio e diretor Marcelo Carvalho, também apresentador do programa Mega-Senha, está atrasado.

S

Microshort (hot pants).

Microvestido.

U

OUT

A

h IN

333 O GOVERNADOR do Rio Grande do Sul, que foi ministro da Justiça e, em sua época, aconteceram outras operações da Polícia Federal, garante que uma ação como a Operação Voucher , com 200 agentes em campo em três Estados, levando mais de 30 presos ao Amapá, não sai por menos R$ 700 mil, incluindo-se todas as despesas, de horas-extras a consumo de combustível, alimentação, aviões e helicópteros e até uso de celular.

I

M

O ex-ministro e consultor José Dirceu circulou, nesses dias, por Brasília e teve conversas com vários políticos, incluindo-se o presidente do Senado, José Sarney. Para muitos, confessou que está “preocupado com os erros que vem sendo cometidos por Dilma” em seu relacionamento com partidos. Seu temor maior é que ela “não conclua seu mandato”. Dirceu também teria se encontrado com Gilberto Carvalho, secretáriogeral da Presidência e a presidente, informada dos comentários dele, não resistiu e falou para Gilbertinho: “Diga a seu amigo que eu chego ao final do mandato e até me reelejo”. 333

A PRESIDENTE Dilma Rousseff acaba de ser convidada para a largada do Rock in Rio, em setembro. O cerimonial ainda não confirmou sua presença a Roberto Medina. Malgrado seja admiradora de Mônica Salmaso e Fernanda Takai, o show de estréia é de Elton John – e Dilma gosta dele. 333

L

O

R

333

Gula desenfreada

R

Bruna Lombardi e Carlos Alberto Ricelli (esquerda) pilotaram, em São Paulo, no Iguatemi, a pré-estréia de Onde Está a Felicidade? , comédia romântica dirigida por ele e protagonizada por ela, ao lado de Bruno Garcia e outros, que está iniciando sua carreira dia 19. O casal vive na ponte-aérea São Paulo-Los Angeles, onde mantém residência há anos. Entre amigos e convidados, também estavam lá Luisa Mell (centro) e Juliana e Caio Luiz de Carvalho (direita), ele o presidente da SPTuris.

Pré-estréia romântica

O

O sapateiro de luxo Christian Louboutin acaba de perder, em Nova York, ação contra YSL América. Ele queria exclusividade no uso das suas famosas solas vermelhas. Suas criações foram usadas no filme Sex and the City por Sarah Jessica Parker (na série de TV, ela usava Jimmy Choo). A decisão garante o direito da YSL ao vermelho, sob o argumento que “a cor tem função vital estética na indústria da moda”. Agora, a brasileira Carmen Steffens, que também está sendo processada por Louboutin, já ficou animada.

333

Depois que seu carro quase foi assaltado, há semanas, por um bandido que usava um revolver de brinquedo e que fugiu, o vice-presidente Michel Temer, que reforçou substancialmente sua segurança (agora, três carros e oito agentes armados acompanham Temer onde quer que vá), continua não querendo correr o menor risco. Dois dias antes da festa de premiação das 500 Maiores de Dinheiro , promovida pela revista IstoÉ Dinheiro , no Terraço Daslu, chegaram lá dez homens de preto (eles usam óculos escuros, para lembrar o pessoal da FBI que conhecem do cinema) e vistoriaram todo o local. Não deixaram de lado nem os toaletes femininos. 333

I

SOLA VERMELHA

Toalete também

U

Donald Trump, dono da licença do concurso Miss Universo, virá a São Paulo, em setembro, para a final deste ano, pela primeira vez realizada no Brasil. A modelo Isabeli Fontana é a primeira confirmada para formar no júri e a transmissão será de Rede Bandeirantes. Dia 27 próximo, haverá um coquetel de boas vindas às candidatas tendo como palco o The Society, clube da rua Marquês de Paranaguá, nas vizinhanças do velho centro de São Paulo, que funciona num antigo casarão, todo reformado pelo arquiteto Sig Bergamin. Detalhe: o The Society vem funcionando focado no público gay .

333

asceu em Dijon, na França, em 1572. Quando jovem casou-se com o barão de Chantal e alguns anos depois ficou viúva; após se dedicar à educação dos filhos, foi viver em um convento. Em 1610, com Francisco de Sales, fundou a Congregação da Visitação Santa Joana de Santa Maria. tal an

O

Misses no clube gay

N

O U T R O S

AlbertoLuchetti,conhecido homem de televisão, dono da AllTV, primeira emissora pele web, estava entre os 35 presos pelaPoliciaFederalna Operação Voucher. Não foi algemado, nem nada: era para ser conduzido a PF, onde prestou esclarecimento sobre sua participação na licitação do Ministério do Turismo (ele não ganhou, só que havia a suspeita de que teria participado apenas para tornar possível a fraude). Luchetti, que hoje toca uma produtora de TV, foi liberado na hora. Ele já dirigiu o Domingão do Faustão (Globo) e foi diretor da Rede Bandeirantes.

333

12 de Agosto

B

SÓ CONDUZIDO

Há anos, o deputado federal e ex-ministro Roberto Cardoso Alves, o Robertão (era do PMDB de São Paulo), figura inteligente e bem-humorada, popularizou a máxima de São Francisco para bem definir como deveriam ser as relações entre governo e parlamentares: É dando que se recebe. Hoje, diante do abalo na base aliada pela faxina que está longe de terminar e da não liberação das emendas parlamentares, a situação da presidente Dilma Rousseff vai se tornando mais complicada. Ou seja: a Chefe do Governo não dá e consequentemente, não recebe. Os deputados federais, que já se recusam a votar assuntos de interesse do Planalto, preparam um bote maior. A situação já foi classificada como clima de emboscada: quando o Executivo mais precisar do Legislativo, a resposta não virá. No meio do tiroteio, a ministra Ideli Salvatti lembra a peça de Oduvaldo Vianna Filho: Se ficar o bicho come, se correr, o bicho pega. 333

Brincando com fogo

em estrear num video blog, onde aparecerá em programetes. Escrever não é exatamente seu forte.

A

O diretor-executivo da Polícia Federal, Paulo de Tarso Teixeira, pode até prestar os esclarecimentos pedidos pelo ministro José Eduardo Cardozo, da Justiça, sobre a Operação Voucher – e o uso de algemas. O que não significará qualquer recuo da entidade: há decisão do Supremo sobre algemas que podem ser utilizadas quando houver indicio de fuga ou desequilíbrio do preso. No aeroporto de Congonhas, o exdeputado Colbert Martins, foi preso e algemado, sem esboçar reação, na frente dos ministros Paulo Bernardo (Comunicações) e Orlando Silva (Esportes). O que a Polícia Federal quer, não avisando ninguém de suas operações, é impedir o vazamento dos mandados de busca, apreensão e detenção, como aconteceu no episódio de Vavá, irmão de Lula e também com a Odebrecht que, avisada, entrou com habeas corpus preventivo.

333

333 Georgia May Jagger, 19 anos, a filha de Mick Jagger e Jerry Hall que vem dando certo na carreira de modelo (Chanel, Versace, Hudson Jeans e no Brasil, Bo.Bô), vai ganhar um ensaio especial na Harper’s Bazaar de setembro, devidamente transformada na ex-primeira-ministra britânica Margaret Thatcher (destaque), que ficou mundialmente conhecida como Dama de ferro. A travessura fotográfica é de Terry Richardson, que começou com o penteado e criou situações diversas: no gabinete da residência da Downing Street, ao lado de um bobby e até a bordo de um taque de guerra.

Lembrando Thatcher

3 MAIS: Lula também pensa

R

No ataque

ZECA PAGODINHO // dando sua visão peculiar sobre o estado de saúde do país.

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

O EGOISTA

Deve-se ter consciência de que uma pessoa tem DIREITO de VIVER por AMOR a si próprio, sem se SACRIFICAR pelos OUTROS e sem esperar que os outros se sacrifiquem por ela. Porem não tem o direito de USAR força física para TOMAR algo VALIOSO ou impor suas idéias aos outros. Esta pessoa pode SUBIR na vida, mas não se concebe DERRUBAR a dos outros.

J W X G K H I O Q C B N T R M

H Y D V V A L I O S O I A N K

B M A U R M W E S A E B J D Q

L G S C W K X K Z C U X I O Y

H A O R I B U S X R C V Y X Z

R F W C H S O K R I I V S E K

C C G K N R Y E P F Q U D X L

J K Q L H A D S V I X X Y W P

O J Z N M D D T I C C Q T T C

G U W O B N B I I A D T B D R

F F R J O A F V R R H W G B H

Y R R V Y V A R W E T F X M O

S U H D Y U P E B P I S W O F

R S M Y M A U L H U Q T Q U I

G E M R D I R H U R F S O T R

Q Y V I M P U A F B G A Q R T

X A L I F B T Z M S W V E O O

E H O J V U V Q U O Z W J S F

U S G T H Y I R G E T S P E C

Por: José Nassif Neto

E T D I T L L C P V J F D J C


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

5 R$ 5,5 MILHÕES Preço para fortalecer a cadeia produtiva de turismo no Amapá

olítica

R$ 2,75 MILHÕES Valor pago pelos estudos sobre logística no turismo do Amapá

Turismo de fachada com dinheiro público Empresários simulam preços, serviços e concorrência para fraudar licitações no governo com a cumplicidade de servidores federais Wilson Pedrosa/AE

O

s empresários amigos do esquema de corrupção no Ministério do Turismo simulavam cotações de preços para fraudar as licitações. É o que revela uma gravação telefônica da Operação Voucher, da Polícia Federal, feita com autorização judicial. Pela conversa é possível entender como os empresários envolvidos agiam para fraudar os convênios com a organização não-governamental Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Infraestrutura Sustentável (Ibrasi). Num diálogo ocorrido no dia 21 de julho, Hugo Leonardo Gomes, dono de uma empresa de fachada, é procurado por um amigo de nome Ricardo, que estava preocupado com a visita da PF. A empresa dele foi usada para simular uma cotação de preços para favorecer a empresa de Hugo. Faz de conta – A conversa deles, gravada pela PF, mostra que os dois conheciam o esquema de simular cotação de preços para que a empresa de fachada fosse "contratada" e recebesse os recursos do Ibrasi. O desentendimento aparente só acontece no diálogo porque Ricardo está com os agentes na empresa. Ele conta para Hugo que está recebendo a visita da PF naquele momento. A partir daí, pergunta por que uma empresa dele, a R8, foi usada para simular uma cotação de preços no convênio do Ibrasi. "A Polícia Federal tá aqui querendo saber que porra

A PF tá aqui querendo saber, que eles estão investigando um negócio, que a minha empresa está sendo investigada.

Sede do Ibrasi em Macapá: a entidade, que teria fraudado convênio de R$ 4,4 milhões, agora é suspeita de ter feito o mesmo procedimento em outro acordo. O que mudaria é o valor, de R$ 5,5 milhões.

é essa, que eles estão investigando um negócio, que a minha empresa está sendo investigada. Que porra é essa", insiste Ricardo. E Hugo explicou: É bicho, orçamento. Tipo assim entrou eu, tu e o Guilherme e eu que ganhei". Bico fechado – A cúpula do Ministério do Turismo presa pela PF pouco esclareceu, até agora, nos depoimentos prestados sobre os convênios suspeitos com a pasta. O secretário-executivo Frederico Silva Costa usou o direito constitucional de permanecer calado. Não respondeu nem mesmo às

CONVERSA GRAVADA PELA PF

perguntas sobre a sua relação com os donos do Ibrasi, nem em relação à gravação telefônica em que, de acordo com a PF, ele orienta o empresário Fábio de Mello a como montar uma entidade de fachada sem fins lucrativos Já o secretário nacional de Desenvolvimento de Programas para o Turismo, Colbert Martins, declarou à PF que autorizou a liberação de R$ 900 mil para o Ibrasi, em abril deste ano, com base em nota técnica e análise jurídica do ministério. Alegou também que, na época, havia assumido o cargo

há pouco menos de 30 dias. Completou seu depoimento com um "nunca desconfiei de irregularidades" no convênio. Quem também negou totalmente qualquer envolvimento com o esquema foi o ex-secretário-executivo Mário Augusto Lopes Moysés. Afirmou desconhecer os donos do Ibrasi e quaisquer irregularidades nos convênios. Assim como Colbert, alegou que autorizava os pagamentos no governo passado com base em notas técnicas. Investigações– As investigações da PF levaram à prisão

36 pessoas de um total de 38 suspeitas de participar de um esquema de desvio de dinheiro público. Na quarta-feira, foram liberadas 18 e outras 18, entre elas a cúpula do ministério, continuam presas. As fraudes chegam, até o momento, a R$ 3 milhões em um convênio de R$ 4,4 milhões do ministério com o Ibrasi, para capacitação profissional no Amapá. Mas há indícios de fraudes em pelo menos outros dois convênios firmados pelo ministério. Um deles seria o segundo com o Ibrasi e o outro com a Cooperativa de Negó-

cios e Consultoria Turística (Conectur). Esses dois ainda estariam em fase de investigação pelo Tribunal de Contas da União (TCU), de acordo com informações obtidas pelo G1. Uma festa – O segundo acordo com o Ibrasi prevê a liberação, em setembro deste ano, de R$ 5,5 milhões, para a implantação de "processos participativos para o fortalecimento da cadeia produtiva de turismo no Amapá". Implantação essa, segundo o TCU, que contém diversas irregularidades semelhantes a que originou a Operação Voucher. Já o convênio com a Conectur foi assinado em 2008 e encerrado no ano passado, com a liberação em parcela única de R$ 2,75 milhões para estudos e pesquisas sobre logística no turismo no Amapá. (Agências)


p Oposição quer CPI mista para investigar DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Vamos exibir ao Brasil, quem quer a faxina na administração pública e quem só fala da boca para fora. José Agripino Maia, presidente do DEM, (RN)

olítica

Após últimas denúncias, parlamentares decidiram mais uma vez juntar esforços para, enfim, criar uma comissão parlamentar que venha a apurar os escândalos Wilson Dias/ABr

P

residentes e líderes de ção da crise pela presidente partidos de oposição Dilma Rousseff. decidiram ontem "Já começamos as conversas unir esforços na ten- com parlamentares da base. tativa de instalar uma CPI mis- Muitos não querem ser resta (com deputados e senado- ponsabilizados pelos erros cores) no Congresso para investi- metidos no governo. Com esse gar as denúncias de corrupção esforço, vamos tentar instalar a no governo federal. CPI", disse o líder do DEM na Apesar de a oposição já estar Câmara, ACM Neto (BA). Um dos alvos da oposição é colhendo assinaturas para instalar uma CPI no Senado para o PR, que teve seus principais quadros afasinvestigar o t a d o s d o M iMinistério dos Transportes, a nistério dos nova ofensiva Tr a n s p o r t e s depois da "limtem por objetiA CPI é o último vo ampliar o fopeza" que Dilinstrumento que co para apurar ma promoveu restou à oposição. na pasta para denúncias em Uma crise profunda apurar denúnvárias pastas levou à paralisia do governo. cias de corrupção. Também Minoria na de projetos estão na mira, Câmara e no do governo. Senado, a opodeputados e DUARTE NOGUEIRA (PSDB-SP) senadores do sição aposta PMDB, PTB e e m d i s s i d ê ncias na base governista para PDT – que sinalizaram apoiar conseguir as 171 assinaturas as investigações. "A CPI é o último instrumende deputados e 27 de senadoto que restou para a oposição res para protocolar o pedido. DEM, PSDB e PPS vão bus- investigar. Há uma crise procar partidos aliados do gover- funda que levou à paralisia de no insatisfeitos com a condu- projetos do governo", disse o

ACM Neto, Agripino e Torres: líderes se juntam para tentar de novo recolher as assinaturas necessárias.

líder do PSDB na Câmara, deputado Duarte Nogueira (SP). Para o presidente do DEM, José Agripino Maia (RN), a meta da oposição é discutir publicamente a criação da CPI: "Vamos coletar assinaturas e exibir ao Brasil, pela internet e em meios de comunicação, quem quer de verdade a faxina na administração pública e quem é que quer falar só da boca para fora, por isso a divulgação na internet. E que parlamentares de que partido assinaram". Ele negou que a estratégia seja "um mecanismo de pressão" para que aliados insatisfeitos do governo mas, sim, "um mecanismo de clareza de procedimentos". Segundo o presidente do DEM, serão divulgados também os nomes de quem colaborar para a instalação da CPMI.

Amplo espectro – No requerimento de criação da CPI, a oposição pede que sejam investigados os seguintes ministérios: Transportes, Cidades, Agricultura, Reforma Agrária, Trabalho e Turismo. Além de:

Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), Valec (estatal de ferrovias), Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) e

da ANP (Agência Nacional do Petróleo). "E mandamento constitucional, a atuação deste Parlamento, no sentido de fiscalizar todos esses fatos que vieram a público", diz o requerimento. (Agências)

Paulo Liebert/AE - 01/08/2011

SECRETARIA DE COORDENAÇÃO DAS SUBPREFEITURAS Subprefeitura Campo Limpo

COMUNICADO O SUBPREFEITO DE CAMPO LIMPO, SR. ALEXANDRE MARGOSIAN CONTI, no uso de suas atribuições legais, COMUNICA a realização do certame abaixo: EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS N° 001/SP-CL/2011 PROCESSO: 2011-0.097.001-7 OBJETO: CONTRATAÇÃO DE OBRAS DE CONTENÇÃO DE MARGEM DO CÓRREGO NA RUA FRANCISCO DE HOLANDA, EM ÁREA SOB JURISDIÇÃO DESTA SUBPREFEITURA. ENTREGA DAS PROPOSTAS: 02/09/2011 até as 13:00 horas. ABERTURA PÚBLICA: 02/09/2011 às 14:00 horas. LOCAL: PMSP SUBPREFEITURA CAMPO LIMPO - Rua Nossa Senhora do Bom Conselho, n° 59 - Jardim Laranjal - São Paulo - SP. EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS N° 013/SP-CL/2011 PROCESSO: 2011-0.198.919-6 OBJETO: CONTENÇÃO DE ENCOSTA AV. ANDORINHA DOS BEIRAIS COM RUA SETE ANOS DE LUTA - PARQUE FERNANDA, EM ÁREA SOB JURISDIÇÃO DESTA SUBPREFEITURA. ENTREGA DAS PROPOSTAS: 02/09/2011 até as 13:00 horas. ABERTURA PÚBLICA: 02/09/2011 às 15:00 horas. LOCAL: PMSP SUBPREFEITURA CAMPO LIMPO - Rua Nossa Senhora do Bom Conselho, n° 59 - Jardim Laranjal - São Paulo - SP.

SECRETARIA DA SAÚDE DIVISÃO TÉCNICA DE SUPRIMENTOS - SMS.3 ABERTURA DE LICITAÇÃO Encontram-se abertos no Gabinete: REABERTURA - PREGÃO PRESENCIAL 227/2011-SMS.G, processo 2010-0.168.095-9, destinado a CONTRATAÇÃO de EMPRESA ESPECIALIZADA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS DE SUPORTE DE 1° E 2° NÍVEL COM SUPORTE REMOTO, 2º NÍVEL PRESENCIAL E 3º NÍVEL COM GERENCIAMENTO DE EQUIPAMENTOS EM GARANTIA, MANUTENÇÃO, PLANEJAMENTO E INSTALAÇÃO DE HARDWARE E SOFTWARE, PARA O ATENDIMENTO AOS ÓRGÃOS DA SMS, para SMS/Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI, do tipo menor preço. A sessão pública de pregão ocorrerá às 14 horas do dia 24 de agosto de 2011, a cargo da 3ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO PRESENCIAL 244/2011-SMS.G, processo 2011-0.032.598-7, destinado ao registro de preços para FORNECIMENTO de MEDICAMENTOS MANIPULADOS I, para Divisão Técnica de Suprimentos - SMS.3/Grupo Técnico de Compras do tipo menor preço. A sessão pública de pregão ocorrerá às 10 horas do dia 13 de setembro de 2011, a cargo da 5ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO PRESENCIAL 247/2011-SMS.G, processo 2010-0.261.860-2, destinado ao registro de preços de MÁSCARA LARÍNGEA DESCARTÁVEL TAMANHOS Nº 3, 4 E 5, para SMS/Serviço de Atendimento Móvel de Urgência - SAMU/Divisão Técnica de Fiscalização, Comunicações e Informações, do tipo menor preço. A sessão pública de pregão ocorrerá às 10 horas do dia 15 de setembro de 2011, a cargo da 5ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. RETIRADA DE EDITAL O edital do pregão acima poderá ser consultado e/ou obtido nos endereços: http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br, ou, no gabinete da Secretaria Municipal de Saúde, na Rua General Jardim, 36 - 3º andar - Vila Buarque São Paulo/SP - CEP 01223-010, mediante o recolhimento de taxa referente aos custos de reprografia do edital, através do DAMSP, Documento de Arrecadação do Município de São Paulo. DOCUMENTAÇÃO - PREGÃO PRESENCIAL Os documentos referentes ao credenciamento, os envelopes contendo as propostas comerciais e os documentos de habilitação das empresas interessadas, deverão ser entregues diretamente ao pregoeiro, no momento da abertura da sessão pública de pregão.

SECRETARIA DE COORDENAÇÃO DAS SUBPREFEITURAS AVISO DE ABERTURA DE LICITAÇÃO SPMB/COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO Acham-se abertas na Subprefeitura de M’Boi Mirim, sita à Avenida Guarapiranga, nº 1265 - Parque Alves de Lima - CEP 04902-903 - São Paulo - SP - sala de Licitações - 1º andar, as seguintes licitações: Tomada de Preços nº: 03/SPMB/2011 Processo nº: 2011-0.042.620-1 Objeto: Contratação de empresa para manutenção e contenção de taludes em área de risco na Rua Mahamed Aguil. Entrega dos envelopes: dia 30/08/2011 às 13h30 Abertura: dia 30/08/2011 às 14h00 Tomada de Preços nº: 04/SPMB/2011 Processo nº: 2011-0.042.624-4 Objeto: Contratação de empresa para obra de contenção de talude em área de risco na Rua Orlando de Araujo Braga. Entrega dos envelopes: dia 30/08/2011 às 09h30 Abertura: dia 30/08/2011 às 10h00 Os editais e seus anexos poderão ser obtidos gratuitamente por “download” na página http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br, ou na Sede desta Subprefeitura na Supervisão de Administração e Suprimentos, mediante o recolhimento através da DAMSP - Documento de Arrecadação do Município de São Paulo aos cofres públicos na importância de R$ 0,15 (quinze centavos) por folhas em conformidade com o Decreto Municipal n° 51.157/09, ou ainda mediante a entrega de (um) CD-ROM, no horário das 09h às 12h e das 13h às 16h, até 24 (vinte quatro) horas da data fixada para a abertura do presente certame. Todas as empresas interessadas em participar dos Certames deverão efetuar vistoria no local de execução dos serviços, com a finalidade de verificar as condições físicas para a execução dos mesmos. A saída para a realização da vistoria será da Sede desta Subprefeitura endereço constante no preâmbulo deste edital, onde as licitantes receberão a “declaração de vistoria”, que será assinado por responsável técnico da Coordenadoria de Infra-Estrutura Urbana e Obras. As empresas interessadas na presente licitação deverão entrar em contato com a Coordenadoria de Obras pelo telefone (11) 3396-8430/8431 das 09h às 17h, marcando presença para realização da visita ao local de execução dos serviços.

Bernardo e Passos falarão ao Congresso

O

ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, afirmou ontem , que irá ao Congresso Nacional nos próximos dias para esclarecer dúvidas sobre denúncias de fraudes no Ministério dos Transportes e no Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit). "Pretendo ir assim que for agendado", comentou. "Faz parte do processo democrático prestar contas ao Congresso". Bernardo lembrou que recebeu convite do Congresso Nacional para esclarecer denúncias de seu envolvimento em negociações de contratos para obras de ferrovias e rodovias no Paraná. "Alguns jornais publicaram que o Pagot (Luiz Antonio Pagot, ex-diretor do Dnit) teria dito que eu tinha responsabilidade no Dnit. Acho que vocês viram que o Pagot disse que não falou isso. Houve um convite, inclusive com concordância da base aliada, e eu acho que é uma obrigação ir lá. Não vejo problema algum nisso". Para Bernardo, as mudanças recentes feitas no governo não são problemáticas e sim obrigatórias quando surgem denúncias contra integrante. "A partir do momento em que se tem sinais de irregularidades, o governo tem obrigação de cuidar disso e a posição da presidente Dilma foi muito clara em tomar providências".

Segundo ele, a presidente tem tratado todos os ministros da mesma maneira. "Ela chama o ministro e diz que ele tem que resolver isso, tomar providências cabíveis. Se precisar tirar gente, ela tira gente. E, evidentemente, ela faz isso considerando que o ministro merece a confiança e tem condição de o fazer. Tem caso de gente que saiu, outros que estão tomando providências". O ministro concedeu a entrevista depois de reunião com empresários da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) sobre investimentos no setor das telecomunicações, que, segundo ele, deve crescer muito e acelerar a economia nos próximos anos. No encontro, Paulo Bernardo falou a empresários sobre investimentos que serão feitos para a Copa de 2014. "Falamos de banda larga, TV a cabo e investimentos que faremos para termos internet com conexões ultrarrápidas até 2014". P a s so s – O ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, comparecerá à Comissão de Infraestrutura (CI) do Senado na próxima terça-feira, para prestar esclarecimentos sobre denúncias de corrupção na pasta. Passos é o terceiro ministro que comparece à comissões do Senado, só este mês, para falar de irregularidades em ministérios. O procedimento dos minis-

Bernardo: " Faz parte da democracia prestar contas ao Congresso".

tros de aceitarem os convites dos parlamentares (e que se repete na Câmara dos Deputados) atende à orientação do governo. O Planalto espera, dessa forma, esvaziar as iniciativas da oposição de criar CPIs e de convocar ministros para que expliquem as denúncias de corrupção nas suas pastas. Na quarta-feira, estiveram no Senado os ministros Wagner Rossi e Carlos Lupi – Agricultura e Trabalho. O ministro do Turismo, Pedro Novais, também foi convocado pela

oposição, mas o pedido de convocação foi transformado em convite pelos governistas e será votado na semana que vem, na Comissão de Turismo. Na sessão de ontem da CI, a presidente da comissão, senadora Lúcia Vânia (PSDB-GO), informou que o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão (PMDB), receberá senadores em seu gabinete na próxima quarta-feira para tratar do cronograma de leilões das concessões elétricas que vencem a partir de 2014. (Agências)

Turismo em SP apoia Novais Entidades ligadas à área na capital dão respaldo ao ministro atingido por acusações de fraudes e prisões

P

residentes de entidades de Turismo em São Paulo disseram ontem, na capital, que o ministro Pedro Novais, cuja pasta foi atingida por denúncias de corrupção, tem o apoio do empresariado do setor. Segundo eles, as acusações de fraude em convênios investigadas pela Operação Voucher, da Polícia Federal (PF), devem ser confirmadas e os culpados, punidos. Os representantes das entidades se reuniram para anunc i a r a u n i ã o d a A b a v - S P, Aviesp, Sindetur-SP e Abracorp sob uma mesma sede. Edmar Bull, presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagens de São Paulo (Abav-SP), confirmou total apoio ao ministro. "Se depender da gente, ele tem todo o respaldo. O minis-

Elza Fiúza/ABr

tro tem muita capacidade. É um político de mais de 70 anos, tem inteligência e pode fazer muita coisa desde que trabalhe com uma boa equipe e tenha interesse em conhecer o setor", afirmou o presidente do Sindicato das Empresas de Turismo de São Paulo (Sindetur-SP), Eduardo do Nascimento. Já o presidente da Associação das Agências de Viagens Independentes do Interior do Estado de São Paulo (Aviesp), William Périco, admitiu que a operação da PF levou o setor a uma situação muito desagradável: "Espero que o que está acontecendo no ministério leve a uma maior rigidez na avaliação dos convênios". O presidente da Abav Nacional, Carlos Alberto Amorim Ferreira, disse que a gestão de Novais ainda está no come-

Novais: muita capacidade e inteligência', segundo o Sindetur.

ço e é preciso aguardar maiores esclarecimentos da PF: "A gente quer um ministro forte". Francisco Leme da Silva, da Associação Brasileira de Viagens Corporativas (Abracorp), afirma que o escândalo

no ministério não atinge as atividades da iniciativa privada no Turismo. E conclui: "Se toda essa operação estiver sendo feita para haver seriedade no setor e acabar com a corrupção, tem o nosso total apoio". (AE)


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

7 Pesquisa a gente tem que tratar com respeito. Agora, não se pode pautar ação só em pesquisa. Presidente Dilma Rousseff

olítica

Leonardo Prado/Agência Câmara

Deputada recebeu dinheiro desviado do Turismo Acusação contra Fátima Pelaes (PMDB-AP) foi feita por quatro investigados

P

Fogo cruzado: depoimentos apontam deputada do Amapá como beneficiária da maior parte dos recursos.

Dilma: depois da faxina, a terraplenagem Presidente não fala de crise nos Transportes, só na crise econômica internacional

N

um périplo no Ceará que incluiu visita às obras de terraplenagem de estradas federais, a presidente Dilma Rousseff não fez comentários sobre a crise política no governo federal, que vem sofrendo uma série de acusações de corrupção, com seguidas demissões em vários escalões de diversos ministérios. Indiferente às cobranças da oposição e da própria base aliada, ela passou, literalmente, como um trator sobre o assunto que mais agita o Planalto no momento. Bem ao estilo do seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva, a presidente preferiu dizer ontem, em Fortaleza, que está muito "preocupada" e "atenta" à crise internacional e que é preciso "preservar o mercado interno" de seus efeitos. Segundo ela, há uma "turbulência" no mundo – e é nisso que ela esta concentrada. Em entrevista a rádios locais, a presidente disse que para preservar o mercado interno

Alex Costa/Diário do Nordeste/Folhapress

elo menos quatro depoimentos de investigados na Operação Voucher à Polícia Federal afirmam que a deputada Fátima Pelaes (PMDB-AP) recebeu parte dos recursos desviados do esquema fraudulento no Ministério do Turismo. Ela é a autora da emenda que deu origem aos convênios suspeitos. De acordo com os relatos, a deputada teria montado um esquema no Amapá para levar recursos públicos para si própria e para a campanha à sua reeleição em 2010. Um dos depoimentos é de Merian Guedes de Oliveira, que aparece como secretária da Conectur, uma entidade fantasma que, segundo a investigação, foi subcontratada pelo Ibrasi por R$ 250 mil e teve convênio com o próprio Ministério do Turismo em 2009, no valor de R$ 2,5 milhões. Merian disse que foi avisada pelo seu patrão e dono da Conectur, Wladimir Furtado, que a deputada Fátima Pelaes ficaria com os recursos do Turismo. Furtado foi preso na terçafeira. De acordo com o depoi-

mento, Merian "ficou sabendo de Wladimir que na divisão do dinheiro a deputada Fátima Pelaes ficou com maior parte do dinheiro destinado à empresa, inclusive tendo Wladimir comentado que o dinheiro destinado a empresa não seria suficiente para pagar os encargos financeiros". O dinheiro refere-se ao primeiro repasse no valor de R$ 2.5000.000,00". Só para ela – No depoimento, ela disse que Wladimir estava preocupado por ter sido incluído pela deputada neo esquema de desvio de dinheiro público, o que poderia culminar com a prisão de ele. Merian ainda afirmou à PF que "os demais repasses de dinheiro/recurso feitos a empresa Conectur, na verdade foram desviados para a deputada Fátima Pelaes, não tendo ficado qualquer valor com a empresa ou com Wladimir". À PF, Wladimir Furtado disse que "nunca entregou nenhum dinheiro para Fátima Pelaes". Entretanto, um depoimentodo sobrinho dele, David Lorrann Silva Teixeira, confirmou a mesma versão da secretária.

Ele aparece na investigação como tesoureiro da Conectur. Segundo ele, "seu tio falava que ganharia 10% do total e a deputada federal Fátima Pelaes ficaria com aproximadamente R$ 500.000,00 do total". Pressa – A deputada, segundo ele, tinha "pressa" para liberar os recursos. Outro depoimento que menciona Fátima Pelaes foi dada por Errolflynn de Souza Paixão, que já foi sócio da Conectur. Segundo ele, "Wladimir chegou a dizer que o dinheiro seria devolvido à deputada". Outra depoente, Hellen Luana Barbosa da Silva, afirmou que, na sua opinião, "a deputada Fátima Pelaes indicou o Ibrasi (entidade que recebeu duas emendas de R$ 9 milhões de Fátima) para receber parte do dinheiro para financiar sua campanha à reeleição". Procurada em seu gabinete, a deputada não foi localizada. Sua assessoria foi informada sobre o conteúdo das gravações em poder do jornal O Estado de S. Paulo, que pediu uma entrevista. A deputada, porém, não respondeu. (AE)

Dnit tem mais de mil processos Tapa-buracos: presidente reconhece crítica à inoperância federal.

é preciso proteger o consumo, promover o crescimento da economia e, ao mesmo tempo, fazer a inclusão social. Ela também elogiou o governador Cid Gomes, que denunciou o descaso federal com as estradas cearenses por total inépcia do ministério dos Transportes. Dilma disse que ele tinha razão e que agora o governo vai tratar de recuperar as rodovias.

Pesquisa – Dilma também desdenhou a pesquisa CNI/Ibope, divulgada anteontem, que apontou queda na sua avaliação pessoal e do governo. Disse ser "importante saber que ocorreu essa variação", mas afirmou que não irá se pautar por pesquisas. "Pesquisa a gente tem que tratar com respeito. Agora, não se pode pautar ação só em pesquisa". (Agências)

Pagamentos suspeitos somam R$ 400 milhões, diz a Corregedoria do órgão

A

corregedoria do Departamento Nacional de Infraestrutura dos Transportes (Dnit) acumula mais de mil processos sobre pagamentos suspeitos, que somam R$ 400 milhões nos últimos oito anos. Todos eles estão sob a responsabilidade do corregedor Augusto César Carvalho Barbosa Souza, apadrinhado pelo PR, que

escapou, até agora, da degola do Dnit. O corregedor ficou conhecido por, no mês passado, ter sido "desindicado" pela presidente Dilma Rousseff para assumir a diretoria de Administração e Finanças do Dnit. A cúpula do órgão caiu em meio à crise de corrupção nos Transportes, mas Souza, peça-chave na blindagem de ir-

regularidades, foi mantido. Ao menos 1.080 processos referem-se a pagamentos – chamados de "reconhecimento de dívida" – feitos sem amparo contratual ou previsão orçamentária. Oficialmente, o Dnit diz que trabalha com o número de 481 porque, argumenta, alguns pagamentos estão relacionados a um mesmo contrato. (AE)

Dida Sampaio/AE

CGU: apuração levará mais de 3 meses Ministro Jorge Hage diz que instaurou sindicâncias em três ministérios, mas que resultados podem demorar

E

m encontro ontem com deputados e senadores que vão criar um grupo anticorrupção no Congresso, o ministro Jorge Hage (Controladoria Geral da União) disse que instaurou sindicâncias para apurar irregularidades em três ministérios e órgãos onde há denúncias de corrupção no governo federal. Hage afirmou, segundo relatos dos parlamentares, que as investigações devem ser concluídas em mais de três meses. "Ele tem auditores em to-

dos os ministérios envolvidos em corrupção. Disse que até mesmo a operação (Voucher) da Polícia Federal no Ministério do Turismo contou com as investigações da CGU", afirmou o senador Randolfe Rodrigues (PSol-AP). Oito deputados e senadores se reuniram com Hage e prometeram acompanhar as ações de todos os órgãos da República envolvidos nas investigações. O grupo promete reunir deputados e senadores tanto da base de apoio da presidente Dilma Rousseff quanto da

oposição, em uma ação suprapartidária. Os parlamentares sugeriram a Hage abrir mão das emendas individuais que recebem no Congresso para repassá-las à CGU – para auxiliar no combate à corrupção dentro do governo. "A CGU é um órgão com Orçamento anual de R$ 62 milhões, enquanto o Dnit tem R$ 12 bilhões e a Vale, R$ 4 bilhões", disse o senador Pedro Taques (PDT-MT). Os parlamentares também prometeram colocar em vota-

ção, na Câmara e no Senado, projetos que priorizem o combate à corrupção. "Vamos acelerar esses projetos. Está se criando uma cultura conformista de que manda investigar, mas a gente quer acompanhar as investigações", afirmou o deputado Chico Alencar (PSol-RJ). Algemas – No encontro, os deputados e senadores defenderam a operação da Polícia Federal que desmontou um esquema de fraudes no Ministério do Turismo – inclusive com a prisão do secretário-executi-

Hage: as investigações sobre as denúncias estão em curso.

vo da pasta, Frederico Costa. "O problema não é o uso de algema, mas de corrupção. No caso da corrupção, a algema é até didática", disse Randolfe.

Taques fez críticas a autoridades que condenaram o uso de algemas na Operação e que não há mobilização contra o uso das algemas". (Folhapress)

CNBB: denúncias causam indignação Ed Ferreira/AE - 11.08.11

Nota da entidade diz que acusações de corrupção no governo provocam "perplexidade e insegurança"

A

Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou ontem uma nota na qual declara que as denúncias recentes de corrupção no governo causam um clima de "perplexidade, insegurança e indignação". O texto da nota, formulado pelo Conselho Episcopal Pastoral da CNBB, que está reunido em Brasília, diz ainda que "os princípios éticos da verdade e da justiça exigem exemplar apuração dos fatos com a consequente punição dos culpados, porque não se pode transigir diante da malversação do emprego do dinheiro

público. Sacrificar os bens devidos a todos é um crime que clama aos céus por lesar, sobretudo, os pobres". A nota diz ainda que as instituições de Estado têm demonstrado solidez, mas que o aperfeiçoamento da democracia exige uma administração transparente e uma profunda reforma política. Mas o presidente da CNBB, dom Raymundo Damasceno Assis elogiou a atuação da presidente Dilma Rousseff em relação às denúncias de corrupção. De acordo com o cardeal, as demissões no Ministério dos Transportes e no Departamento Nacional de Infraestru-

tura de Transportes (Dnit), demonstram que o governo está buscando mais transparência: "O governo está no seu começo ainda e, realmente, essas medidas têm sido bastante claras, que sinalizam evidentemente para uma gestão pública muito mais transparente, muito mais honesta, porque, de fato, tem ocorrido demissões". Para ele, a presidente deve ser informada antecipadamente sobre operações da Polícia Federal (PF), como a que prendeu 38 pessoas esta semana, suspeitas de integrar um esquema de corrupção no Ministério do Turismo. "Não podem ser operações

arbitrárias, decididas por uma pessoa ou um grupo de policiais, mas (...) dentro de um quadro de normas que regulam as ações da Polícia Federal. É normal que a presidente saiba o que está acontecendo no País. Se nós nos informamos pelos meio de comunicação, ela também deve tomar conhecimento, com antecipação". Dom Assis cobrou que as normas constitucionais e a dignidade humana sejam respeitadas nessas operações. Disse que "é preciso aguardar a defesa dos acusados antes de condená-los e que, concluídas as investigações e encontrados os culpados, haja punição". (ABr)

Se nós nos informamos pelos meio de comunicação, a presidente também deve tomar conhecimento. DOM RAYMUNDO DAMASCENO ASSIS


p Brasília dos deputados. E a dos operários

DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Que os homens de amanhã que aqui vierem tenham a compaixão dos nossos filhos e que a lei se cumpra. Frase escrita, em 1959, por operário que ajudou a construir Brasília.

olítica

José Cruz/ABr

O presidente da Câmara, Marco Maia, visita o fosso descoberto no Congresso. Desde 1959, pedidos escritos pelos operários na parede ficaram apenas na esperança, como hieróglifos.

Os primeiros estão de braços cruzados. Os outros a construíram rios terceirizados, quando tentavam localizar a origem de um vazamento de água, descobriram um fosso fechado de concreto que data da construção do prédio, em 1959. Ontem o presidente da Câmara, deputado Marco Maia (PT-RS), visitou o local e pode ler as mensagens deixadas pelos anônimos que fizeram Brasília de verdade. Elas estão abaixo da plataforma de concreto que sustenta as duas cúpulas do Congresso Nacional. Tudo igual – São frases, como afrescos no tempo, que expressam o sentimento político dos operários e falam da solidão e da esperança no futuro. "Que os homens de amanhã

que aqui vierem tenham a compaixão dos nossos filhos e que a lei se cumpra" ou "Si todos brasileiros focem digninos de honra e honestidade, teríamos um Brazil bem melhor". Tem ainda: "Só temos uma esperança nos brasileiros de amanhã. Brazil de hoje, Brazil de amanhã", entre outras. Em cima, por pura birra, os deputados impediram a votação, por exemplo, do projeto de extradição entre o Brasil e a China e forçaram o fim da sessão. E nada vai para o plenário até a reunião dos aliados com a

Beto Barata/AE

Esse clima, de não querer votar nada, pode se repetir a qualquer momento e, quando acontecer, vamos avaliar. DEPUTADO CÂNDIDO VACCAREZZA, LÍDER DO GOVERNO NA CÂMARA

ministra Ideli Salvatti, das Relações Institucionais, prevista para terça-feira. Estresse – O líder do governo na Câmara, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP) minimizou a crise entre o governo e a base parlamentar, bem como a obstrução. Para ele, houve um estresse na base por uma conjunção de fatores e que em torno de 150 deputados aliados não estavam dispostos a votar em nada. Por isso, ele achou melhor não forçar. De acordo com o líder do governo, "essa conjunção de fatores já terá se diluído até terçafeira", afirmou, acrescentando que não houve nenhuma ação objetiva que o governo tenha tomado para desfazer o estresse. Segundo ele, no momento oportuno o governo vai apresentar o calendário de liberação de emendas. Em sua avaliação, o que aconteceu ontem "foi detonado pelo clima" e que "esse clima", de não querer votar nada, "pode se repetir a qualquer momento e, quando acontecer, vamos avaliar". Apesar do clima, Vaccarezza fez questão de elogiar a base aliada, pois nunca, nem mesmo o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, teve uma situação de tanta tranquilidade com a base, como a presidente Dilma Rousseff. Com isso, o líder do governo assegurou que "não ter votado nada, não altera nada". Para ele, foi pura de-

monstração de força. Quanto a liberação de emendas dos parlamentares, Vaccarezza garantiu que "as emendas que forem compatíveis com os programas que o governo vem executando, serão liberadas, sem problemas". Gelado e com cerração – Depois de sair do fosso, Maia usou uma metáfora para descrever o momento conturbado da base aliada no Congresso. Prevendo dificuldades em votações importantes, como a da prorrogação da Desvinculação das Receitas da União (DRU), o presidente da Câmara destacou o momento político, em Brasília. "O clima na base está como no Rio Grande do Sul de manhã cedo, gelado e

com cerração", disse. Maia admitiu que o governo vai precisar melhorar sua articulação política para aprovar a prorrogação da DRU. "Vai necessitar de uma sintonia fina para votações como esta", afirmou. Ele destacou que os prazos são exíguos. A DRU permite ao governo manejar livremente 20% das receitas do orçamento vinculadas a áreas como a saúde. O mecanismo está em vigor até o fim deste ano e o governo deseja prorrogar a DRU até 2015. Para isso, Câmara e Senado precisam aprovar uma mudança na Constituição até o final do ano. O governo precisará de 308 votos na Câmara e 49 no Senado. (Agências)

Lula Marques/Folhapress - 09.08.11

C

erca de 200 deputados decidiram desde ontem cruzar os braços e barrar todas as votações na Câmara até terça-feira. O Partido da República (PR), o PMDB, o PP, o PTB e o PST, optaram pela obstrução por que estão insatisfeitos, com a demora do Executivo em liberar as emendas parlamentares, e irritados com o tratamento dispensados a eles pelo governo. A rebelião no andar de cima ganhou o apoio da oposição, menos do PSol. Uma situação jamais imaginada por quem ajudou a construir o Congresso Nacional, há mais de 50 anos. Na segunda-feira, funcioná-

AGORA SABE – Depois de marcar sua candidatura com o reconhecimento de que não sabia o que faz um deputado federal, o palhaço Tiririca, agora ocupante da Câmara, já tem uma certeza: "Aqui é uma fábrica de loucos", descobriu, em desabafo.

Temer propõe afinar o diálogo com o governo Dida Sampaio/AE

Vice-presidente endossa conselho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva

O

vi ce-preside nte pactuação', mas é preciso manda República, Mi- ter muito sólida a relação entre c h e l Te m e r, e n- PMDB e PT, com destaque ao dossou o conselho governo federal", avaliou o vidado anteontem pelo ex-presi- ce-presidente. Temer negou que a relação dente Luiz Inácio Lula da Silva à sua sucessora no Palácio do entre as duas legendas esteja Planalto, Dilma Rousseff. Te- estremecida e disse não acredimer defendeu que haja um me- tar que a devassa promovida no Ministério do lhor diálogo do Tu r i s m o , n a Poder Executivo Operação Voucom o Legislativo cher, possa levar e que é necessário Eu não usaria a a retaliações do manter uma relapalavra PMDB no Conção sólida entre 'repactuação', g r e s s o N a c i oPT e PMDB, em mas é preciso nal. especial com o go"Não há o malverno federal. manter sólida a estar que se ima"O PMDB tem relação entre gina". Ele consiuma relação muiPMDB e PT. derou que houto sólida com o MICHEL TEMER ve "exageros" na governo federal e ação policial e é preciso apenas que haja maior diálogo, con- reconheceu que ficou "chocaversações que são comuns na do" com o uso de algemas na relação entre o Legislativo e o detenção dos suspeitos pela Executivo", afirmou, após par- PF. "De vez em quando eu ouço ticipar de evento de filiação do ex-governador de São Paulo dizer que há provas robustas, Luiz Antônio Fleury Filho, na mas onde estão as provas?", questionou. "Confesso a vocês capital paulista. Dilma procurou Lula na que a história das algemas pequarta-feira para conversar gou muito mal". Temer lembrou que uma súsobre a crise que assola sua administração, sobretudo a ins- mula do Supremo Tribunal Fetabilidade na base de sustenta- deral (STF) determina que as ção política do governo federal algemas só devem ser utilizano Congresso. O ex-presidente das em caso de periculosidade teria aconselhado Dilma a pro- intensa. "Convenhamos, fazer mover mais encontros com de- o que fizeram com o ex-depuputados e senadores, fazer afa- tado Colbert Martins, que tem gos nos parlamentares e "re- o apreço de toda Câmara, foi absolutamente desnecessário. pactuar a coalizão". "Eu não usaria a palavra 're- Esse cuidado é precisa tomar".

Que crise? – O presidente nacional do PT, Rui Falcão, negou ontem, em Curitiba, que haja qualquer crise envolvendo partidos aliados, particularmente o PMDB, ou que as acusações de corrupção estejam interferindo no trabalho normal do governo federal. "Não há qualquer crise, não vim aqui tratar de crise. Não há crise nos ministérios, os ministros continuam trabalhando, o PAC, o Minha Casa Minha Vida estão funcionando". Segundo Falcão, Dilma age de forma correta em relação à corrupção, assim como teria feito o ex-presidente Lula, em sua gestão. (AE)

Temer: "É preciso apenas mais conversações, são comuns na relação entre o Legislativo e o Executivo".

PF reage à crítica de Dilma e ameaça parar

A

s entidades de representação dos delegados e peritos da Polícia Federal rebateram as acusações da presidente Dilma Rousseff de que ocorreram abusos na Operação Voucher da PF. Em campanha por reajustes salariais, eles ameaçam convocar paralisações, previstas para este mês. As manifestações foram emitidas em nota assinada pela ADPF (Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal), pela Fenadepol (Federação

Nacional dos Delegados de Polícia Federal) e pela APCF (Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais). De acordo com a nota, "as críticas do governo à Operação Voucher, conduzida pela Polícia Federal em Brasília, repercutiram negativamente entre essas duas carreiras (delegados e peritos da PF)". O presidente da ADPF, Bolivar Steinmetz, afirmou que "a Polícia Federal já está sofrendo com a agenda econômica do governo, não pode ser pautada também

pela sua agenda política". Ainda segundo o texto, as entidades "consideram promover paralisações neste mês agosto para cobrar melhorias na Polícia Federal. Desde outubro de 2009, as duas categorias negociam com o Governo Federal sem sucesso. Assembleias estão sendo convocadas para decidir o que fazer diante da posição da União". As categorias pedem aumento a fim de repor as perdas inflacionárias por meio de um reajuste de 6,5% em 2012.

Antônio Góis, presidente da Fenadepol afirmou que "nenhum servidor público suporta três, quatro, cinco anos sem reposições salariais. Isso reflete negativamente no desempenho policial". As entidades também cobram o fim dos cortes no orçamento da PF. "Infelizmente, o governo não enxerga a Polícia Federal como um investimento. O maior prejudicado com o contingenciamento na PF é o próprio estado brasileiro", diz o presidente da APCF, Hélio Buchmüller. (Folhapress)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

9

nternacional

O

governo britânico está estudando interromper os serviços de redes sociais online, como Blackberry Messenger, Facebook e Twitter, durante o período de agitação nas ruas, disse o primeiro-ministro David Cameron ontem. O anúncio suscitou acalorados debates, uma vez que esse tipo de iniciativa, quando adotada por outros países, foi amplamente tachada de repressiva e condenada. Em janeiro, autoridades egípcias interromperam os serviços de internet e telefonia móvel durante os protestos contra o então ditador Hosni Mubarak. A China costuma ser rápida no bloqueio de comunicações online que considere subversivas. A polícia e políticos britânicos dizem que redes sociais, em especial o Blackberry Messenger, da Research in Motion (RIM), foram usadas por arruaceiros para coordenarem seus atos durante os quatro dias de distúrbios nesta semana. A RIM informou que está cooperando com as autoridades de órgãos regulatórios, da Justiça e das telecomunicações, mas não quis informar se iria entregar detalhes de usuários ou de conversas à polícia. Os serviços criptografados da RIM vêm sendo acusados de ter auxiliado ataques de militantes na Índia e de permitir na Arábia SauNão se trata dita e Emirade pobreza, dos Árabes trata-se de... U n i d o s c o numa cultura versas de hoque glorifica mens e mulhea violência. res sem parenDavid tesco – o que é Cameron vetado pelas normas religiosas desses países. Por outro lado, a mídia social online também foi amplamente usada pela população britânica nos últimos dias para troca de informações para ajudar a evitar locais de tumultos e coordenar a limpeza das ruas depois das desordens. Críticas - O reforço policial usado para acalmar Londres e outras cidades vem sendo alvo de críticas de governos da Líbia e do Irã, que acusam o governo britânico de utilizar "mercenários" para reprimir os distúrbios de forma "selvagem". O governo líbio chegou a usar contra Cameron a mesma retórica que o Ocidente habitualmente emprega contra o ditador Muamar Kadafi, ao dizer que o premiê "perdeu sua legitimidade e deve sair". Um balanço divulgado pela polícia britânica ontem indicou que mais de 1.400 pessoas já haviam sido detidas, sendo mais de mil somente na capital. Em sua defesa, Londres propôs uma reunião com Teerã para "tratar de suas preocupações" relativas ao respeito dos direitos humanos. (Agências)

Tiros e bombas no Ministério de Defesa da Estônia

U

m homem invadiu ontem o prédio do Ministério de Defesa da Estônia, na capital Tallin, lançou uma bomba de fumaça, abriu fogo contra os presentes e tentou sequestrar dois funcionários. Ninguém ficou ferido. Ex-membro do Exército, o homem foi morto quando a polícia chegou ao local, disseram autoridades ontem. Uma equipe das forças especiais invadiu o prédio, retirou as pessoas e matou o atirador. Inicialmente, a polícia havia dito que ele se suicidara. A TV local disse que o homem falava russo. A Estônia, um pequeno Estado báltico de 1,3 milhão de pessoas, foi república soviética por 50 anos. (Agências)

IRÃ

Amigo e parceiro do Brasil

R

Censura virtual na Grã-Bretanha O premiê David Cameron estuda bloquear redes sociais como o Twitter, Facebook e Blackberry Messenger durante períodos de distúrbios nas ruas. Países que adotaram essa medida, como o Egito e a China, foram tachados de repressivos. Anthony Devlin/AFP

Olivia Harris/Reuters - 09/08/11

A polícia já deteve mais de 1.400 pessoas envolvidas nos tumultos

O premiê fará 'tudo o que for necessário' para restabelecer a ordem

epresentantes do Brasil e do Irã se reuniram esta semana e concordaram em reforçar as relações entre os dois países. O encontro seria um sinal de que a presidente Dilma Rousseff vai seguir o exemplo de seu antecessor e demonstrar a independência diplomática do Brasil em lidar com uma nação que vem sendo criticada por causa de seu polêmico programa nuclear, informou a rede CNN. A reunião teria ocorrido na terça-feira passada entre a subsecretária-geral de Política do Itamaraty, Maria Edileuza Fontenele, e o vice-chanceler iraniano, Ali Ahani, revelou a CNN, citando a estatal iraniana Press TV. Na ocasião, os dois diplomatas defenderam "a rápida implementação dos acordos" alcançados pelos dois países no passado. Essa cooperação inclui áreas como agricultura, biocombustíveis e tecnologia. Segundo a Press TV, Fontenele descreveu o Irã como um dos "mais importantes parceiros do Brasil" e um país "influente" no cenário mundial. Tal elogio pode provocar críticas dos Estados Unidos e de outros países, uma vez que Teerã está sob sanções devido ao seu suposto programa de armas nucleares. Mas o Brasil, uma potência emergente, estaria se esforçando para consolidar sua posição no cenário internacional, inserindo-se em um dos conflitos mais desafiadores do mundo, disse a CNN. Por sua vez, Ahani teria dito esta semana que o Brasil e o Irã têm "relações amigáveis" e que seu governo estava ansioso para expandir os laços bilaterais. O Irã também aumentou a cooperação com a Venezuela e Cuba, informou a Press TV.

Ahmad Gharabli/AFP

E DE NADA ADIANTOU Damasco mantém repressão contra oposição. EUA pressionam aliados da Síria a exigir saída de Assad.

A

s recentes chamadas para o fim da violência parecem não ter surtido efeito no presidente sírio, Bashar al-Assad. Tropas sírias invadiram ontem uma cidade próxima à fronteira com o Líbano, Qusair, onde mataram a tiros pelo menos 11 pessoas e deixaram um número indeterminado de feridos, informou o Observatório Sírio de Direitos Humanos, com sede em Londres. Soldados sírios também invadiram Saraqeb, uma cidade do noroeste do país, perto da fronteira com a Turquia, um dia depois de as autoridades declararem que militares tinham saído da região, revelaram ativistas. Após impor novas sanções à Síria, os Estados Unidos exortaram outros países a exigir a saída de Assad. "Queremos ver a China e a Índia caminhando conosco, porque esses dois países têm grandes investimentos em energia dentro da Síria", justificou a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, à emissora CBS. "Queremos que a Rússia pare de vender armas ao regime de Assad", acrescentou. Na quarta-feira, um grupo de diplomatas da Índia, Brasil e África do Sul esteve em Damasco pedindo a Assad que encerre a campanha contra os manifestantes que, segundo grupos de direitos humanos, já deixou cerca de 1.700 mortos

Divulgação/AFP

Assentamentos em Jerusalém

Oriente Médio: cada vez mais longe da paz.

O Governo sírio divulga foto de manifestação a favor do presidente Assad em Damasco

desde meados de março. O ataque a Saraqeb é digno de nota porque o local fica em uma província na fronteira com a Turquia. A região registrou intensos protestos e centenas de sírios fugiram para o país vizinho ontem. A ação militar ocorreu um dia depois de o Ministério da Informação ter levado jornalistas à província de Idlib, onde fica Saraqeb. Um militar disse aos jornalistas que as tropas estavam se retirando para seus quartéis e saindo dos bairros residenciais das cidades da província. (Agências)

Ministério do Interior de Israel deu autorização para a construção de 1.600 apartamentos em Jerusalém Oriental e vai aprovar mais 2.700 nos próximos dias, disseram membros do governo, ontem, detalhando um plano que pode complicar os esforços para dissuadir os palestinos de declarar o reconhecimento do Estado palestino durante a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em setembro. O anúncio atraiu críticas dos palestinos e de grupos israelenses contrários aos assentamentos, que acusam o governo de usar os protestos contra os altos custos de moradia para justificar economicamente a questão. Os palestinos se opõem às construções em Jerusalém Oriental porque isso afasta suas expectativas de estabelecer a capital de seu futuro Estado na cidade sagrada. (AE)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10

c

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

DANÇA PAGA Dançarino profissional cobra entre R$ 100 e R$ 250, por três horas de baile. O preço varia conforme as exigências do evento.

idades

Personal dancer, o amigo de todas as horas no salão de baile

Profissional garante a alegria na pista

D

Serviço é procurado por pessoas que querem aprender a dançar ou só procuram um par Valdir Sanches

U

m torturante bandaid no calcanhar podia não fazer dif e re n ç a p a r a s enhoras sessentonas que amam dançar. O que doía era a falta de um cavalheiro para ser o par. Nestes tempos modernos, felizmente, o mal está sanado. A dama pegará o cartão de seu personal dancer predileto e telefonará para ele. Se for Diego Paiva, ela entrará no salão com um jovem de 25 anos, camisa social discreta, nos pés um elegante sapato de dança e, no corpo, um discreto perfume amadeirado. E o melhor, para a finalidade: um exímio dançarino de salão. A dama leva Diego ao lugar do baile, paga a entrada, se houver, e o que for consumido. No caso de Diego, bebidas sem álcool (ele não bebe). Por três horas de baile, vai pagar o dançarino entre R$ 100 a R$ 250, dependendo do caráter do evento, roupas exigidas, etc. Mas a despesa pode ficar bem mais em conta, se for dividida com outras senhoras. Há personal dancers que aceitam sair com três ou mais senhoras para dançar. Diego limita o número a duas. Salão – As senhoras sem par, que não querem valer-se de um personal dancer, têm uma outra solução. Há na cidade salões de baile como o Dançata, no número 1063 da rua Joaquim Floriano, no Itaim-Bibi. A entrada custa R$ 30. Para as desacompanhadas, recomenda-se a compra de umas tantas fichas, à venda por R$ 3. As senhoras poderão ocupar uma das mesas, no salão de 300 metros quadrados, onde situam-se a pista e um bar. O som estará envolvendo o espaço, com ritmos para dançar a dois. Samba, bolero, forró... Uma vez acomodadas, notarão uma garrafinha verde sobre a mesa. Na verdade é um abajur. Quando o acenderem, o baile vai começar para elas. É o sinal de que querem dançar. Logo serão tiradas por cavalheiros vestidos com jeans e blazer pretos e camiseta cereja – os personal dancers da casa. Na lapela do blazer ostentarão um button com seu nome. Eles conduzirão a dama pelo salão. Uma música, duas, três. Por elas, pagarão com uma, duas, três fichas. É o inverso do que ocorria na Pauliceia da boemia, em meados do século passado – auge dos bailes de salão. A casa mais famosa, o Avenida Danças, ficava na avenida Ipiranga. Nela trabalhavam dançarinas profissionais, as táxi-girls. Os homens compravam um cartão e, a cada dança, funcionários faziam nele uma perfuração. Ao sair, pagavam pelo número de furos. O Dançata não tem nada de boemia. É um lugar refinado, com outras atividades ligadas à dança. Só há bailes nos fins de semana. Um, com uma variedade de ritmos, na sexta-feira. Começa às dez e termina cinco horas depois, às 3h. Outro, exclusivamente com tango, ritmo obrigatório nos salões e academias de dança. Não é o tango-show, com quase acrobacias, que se vê em filmes. Mas a dança diferenciada, com rodopios, também

chamada milonga. Este baile vai das oito a uma. Curso – Os personal dancers não aprenderam a dançar sozinhos. São jovens, muitas vezes da periferia, que viram uma oportunidade em uma academia de dança. Começam um curso de dançarino, como bolsistas. Aprendem, de graça, todos os tipos: samba, gafieira, samba-rock, pagode, samba-

no-pé, salsa, forró, zouk (parecido com a lambada), tango. Ensino– Quando começam a dançar bem, os bolsistas retribuem à escola. Integram a equipe de ensino, completando pares: as alunas precisam de um par para dançar e aprender. Com o ciclo completo, os dançarinos podem optar pela carreira de professor de dança (na própria escola, se desejarem). Ou tentar o mundo artístico. Ou então ser personal dancer. Diego Paiva, em seus 25 anos, trilhou esse caminho na academia Interacto, na Casa

Verde, zona norte. O dono da escola, fundada há dez anos, Roberto Mota, conhece muito bem a dança, como conhece a vida. Sabe por que mulheres com sessenta anos para mais procuram os personal dancers. "São senhoras que, se forem a um baile, não serão tiradas para dançar", diz Roberto. "Elas não fazem parte do padrão de estética dos salões." São, na grande maioria, senhoras divorciadas ou viúvas. Tem bom poder aquisitivo, mas medo de sair com uma pessoa estranha. No entanto, adoram dançar. Muitas vão à escola aprender a dançar bem. Mas não têm coragem de ir a um salão de baile. Ética – Nas saídas com os personal pode ser negociado algo mais do que a dança? Roberto diz que a escola orienta alunos que querem se tornar personal dancer. "Ensinamos como eles devem agir de uma forma justa e ética."

Há o perigo, ele diz, de um personal se aproveitar de alguma maneira das senhoras, "até sexualmente". "Se não tem caráter, acha que pode agir, porque ninguém ficará sabendo. Quando é sexo pago, essa visão me incomoda." Se não for algo mal intencionado, Roberto acha "até certo ponto comum, natural", um envolvimento entre o personal e sua contratante. Afinal, a iniciativa pode partir dela. A seleção para os candidatos a uma bolsa de estudos na Interacto é "rigorosa e diferenciada". Há testes sobre ritmo, harmonia de movimentos com outras pessoas, para dar dois exemplos. Mas existe outra fase igualmente importante. A pessoa não precisa ser bonita, alta ou baixa, esguia. "Tem que ser bem apessoada, e bem cuidada. Ter estilo, arrumar-se bem, cuidar do cabelo, da pele." Não precisa ser culta, mas ser sociável. "Queremos ver nos olhos que ela quer tornar-se uma pessoa melhor." Isso inclui mulheres, mas, pelo menos nessa escola, nenhuma das alunas pretende ser personal dancer.

iogo Paiva está se saindo muito bem em sua carreira de dançarino, mas não é por ela que pretende chegar ao estrelato. Para este propósito, tem outro sonho. Quer ser ator. Até lá, para pagar os estudos e viver, tem uma atividade convencional, e outra não. Ensina dança de salão, como professor particular. E leva senhoras da "melhor idade" para dançar, como personal dancer. Gosta das duas atividades, mas a última o encanta mais. "É um trabalho agradável, que dá muito prazer." As senhoras que o solicitam pelo telefone possuem bom poder aquisitivo e adoram dançar, mas não têm quem as leve ao salão de baile. Como se viu, são divorciadas, viúvas ou casadas com maridos que não dançam. Para atender estas, diz Diego, não há constrangimento. "Às vezes elas levam o marido ao baile." Não há, afinal, nada que se esconda de maridos. "Meu trabalho é divertir", diz Diego. "Quero dar prazer a quem gosta de dançar." Um cavalheiro e uma dama, dançando pelo salão. "Não é uma exibição pessoal. Mas momentos de alegria e descontração." Apesar de tudo, não pode surgir uma proposta amorosa? Bem, Diego admite que sim. "Os personal dancer estão sujeitos a cantadas e propostas." Diz que "alguns aceitam", mas não é seu caso. "Levo a profissão somente como dança". Antes de se interessar pela atividade, Diego se envolvia casualmente com ela, no palco, na escola de teatro. Um dia a irmã de uma colega da escola o convidou para conhecer uma academia de dança, a Interacto. Ele aceitou o convite e sua vida mudou. Fez teste para bolsista e foi aprovado. Ganhou a bolsa de estudos e a dança entrou definitivamente em sua vida. No devido tempo, passou a completar par. As alunas precisavam de rapazes para poder dançar e aprender. Diego era um deles. Logo, passou a assistente de professor. "Era uma vida muito corrida, por causa das aulas de teatro, mas muito prazerosa", lembra. Entre as alunas havia senhoras e algumas delas começaram a convidá-lo a ir a bailes. Sempre que podia, Diego atendia ao convite. Certo dia, há três anos, uma aluna deu-lhe um presente. "Eram cartões pessoais, com meu nome e telefone". Nele havia também a atividade: personal dancer. Os cartões foram bem recebidos por senhoras sem par. Hoje, Diego continua os estudos, na Escola Superior de Artes Célia Helena, no Itaim Bibi. Para ajudar nas despesas, dá aulas particulares de dança (e-mail diegosdpl@hotmail.com). Um dos lugares preferidos pela senhoras é o restaurante Bambu, na avenida Moreira Guimarães, 299, no Aeroporto, zona sul. A casa tem pista de dança e duas bandas. Abre para o público nas noites de quinta a sábado, e nas tardes de domingo. Outro lugar citado pelo personal é o restaurante Andrade, de comida nordestina, na rua Artur de Azevedo, em Pinheiros. "Lá é para quem gosta de forró, só toca isso." O personal conta que às vezes janta ou almoça, mas em outras prefere apenas tomar suco de frutas ou água. A despesa, como se viu, é paga pelas contratantes. (VS)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

c

11

Foi um valor de aporte considerado razoável pela FGV para que a Nova Luz fosse considerada interessante para as empresas que forem fazer as obras. Miguel Bucalem, secretário municipal de Desenvolvimento Urbano

idades

Nova Luz: Prefeitura vai bancar R$ 350 mi Prefeito apresentou ontem o plano consolidado da recuperação da Cracolândia. Iniciativa privada não vai mais custear total do empreendimento.

A

ntes um projeto que seria tocado e bancado inteiramente pela iniciativa privada, a Nova Luz já está ficando cara para a Prefeitura. O município terá de bancar pelo menos R$ 350 milhões para que "a conta feche" - ou seja, para que o lucro das construtoras envolvidas na obra compense os investimentos de revitalização dos 45 quarteirões da área. A ideia da polêmica lei da concessão urbanística (que dá às empresas o direito de demolir, construir e lucrar com a venda de apartamentos) era que o concessionário bancasse sozinho os investimentos em melhorias urbanas, como reforma de ruas, do mobiliário urbano, construção de praças e ciclovias, obras de drenagem e creches. Só que o custo da Nova Luz, que nascerá a partir da Cracolândia, é alto: R$ 750 milhões só para desapropriações, mais R$ 255 milhões em infraestrutura. Assim, segundo estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV) que consta do projeto urbanístico consolidado da Nova Luz, apresentado ontem, a Prefeitura terá de fazer um aporte de R$ 355 milhões para ajudar a bancar as obras. Só com esse subsídio público a concessionária poderá ter lucro no final de todo o processo, calculado em R$ 96 milhões. "Foi um valor de aporte considerado razoável pela FGV para que a Nova Luz fosse considerada interessante para as empresas que forem fazer as obras", disse o secretário municipal de Desenvolvimento Urbano, Miguel Bucalem. O aporte público para garantir o lucro das empresas pode ser ainda maior. Segundo a oposição na Câmara, as desapropriações estão subestimadas. Se elas virarem uma batalha jurídica, os gastos serão maiores. Além disso, o projeto ganhou um dispositivo que permite que

Divulgação

Projeto dá prioridade a pedestres e ciclistas

P

edestres e ciclistas terão prioridade nos 45 quarteirões da Nova Luz. Pelo projeto final apresentado ontem, a Prefeitura se comprometeu a garantir a construção e a reforma de 7,5 quilômetros internos de vias com intervenções para estimular o deslocamento a pé ou por bicicleta. A ciclovia principal (separada da pista dos carros) ficará na avenida Rio Branco, entre a Ipiranga e a Duque de Caxias, avenida pela qual se estenderá até a rua Mauá, em direção à Estação da Luz. Para isso, a Rio Branco perderá uma faixa de carros de cada lado. O espaço dará lugar também a linhas de árvores

com jardins de chuva - um canteiro aberto, dotado de um sistema capaz de absorver a água. Redutores de velocidade de carros também serão instalados perto das faixas de travessia, nos cruzamentos com ruas transversais. E uma ciclofaixa pintada no chão se estenderá por outras 14 ruas. SP antiga - A rua Vitória inteira deverá ser transformada em um bulevar exclusivo de pedestres e ganhará, assim como trechos de outras sete vias, pavimentação especial, com calçada de granito e piso de paralelepípedo. As luminárias serão históricas, do tipo São Paulo antiga. (AE) Divulgação - 31/01/2011

Execução de todo o projeto deverá levar até 15 anos, com intervenções profundas na área central

os donos de imóveis façam suas próprias obras de revitalização de modo a não serem desapropriados. Ou seja, os proprietários poderão se unir e fazer, por conta própria, intervenções nos imóveis de uma quadra. Uma construtora, então, poderá construir um prédio sem ser concessionária da Nova Luz e nada reinvestir em obras de melhorias urbanas. Segundo a Prefeitura, esse dispositivo foi colocado no

projeto a pedido dos moradores. "Caso ocorra essa participação voluntária, estudaremos como será o processo e como será a participação do município", disse Bucalem. A cerimônia de apresentação do projeto contou com a presença do prefeito Gilberto Kassab. 15 anos - A Nova Luz entra agora em fase de licenciamento ambiental, que pode durar dois meses. Depois disso, o edital será colocado em con-

sulta pública. Se tudo correr dentro do cronograma, as obras poderão começar no primeiro semestre do ano que vem e terminar em um prazo de 15 anos. A primeira etapa, que vai durar cinco anos, vai contemplar obras de melhorias na avenida Rio Branco, rua Mauá, avenida Cásper Líbero e rua das Andradas. (AE) Confira a íntegra do projeto da Nova Luz em www.dcomercio.com.br

SÃO VITO VAI VIRAR ASFALTO – O entulho da demolição dos edifícios São Vito e Mercúrio, no Centro de São Paulo, será usado como asfalto ecológico na pavimentação de 18 vias da cidade. As ruas e avenidas selecionadas totalizam uma área de 72 mil m² e uma extensão de mais de 10,7 km, nas subprefeituras de Campo Limpo (zona sul), Freguesia do Ó (zona norte), Guaianases, Itaquera, São Miguel e São Mateus (zona leste).

Reprodução

A brasileira Júlia da Silva Bruhns, mãe do escritor Thomas Mann, nasceu em um casarão do século XVIII em Paraty (mais à esq.)

Wilton Junior/AE

A SINGULAR DONA JÚLIA a Baia de Paraty erguese um casarão do século XVIII que pode ruir a qualquer momento. Uma reportagem a respeito, publicada pelo Estadão no início da semana, iluminou novamente a figura de Júlia da Silva Bruhns (1851-1923), que ali nasceu e residiu até os seus cinco anos e que estaria em secular esquecimento se não fosse mãe de Thomas Mann, Prêmio Nobel de Literatura/1929. Na verdade, poucos brasileiros, e raros estrangeiros, sabem que o célebre escritor alemão nasceu de um ventre brasileiro. A mãe dela, Maria Luisa da Silva, era uma mestiça com sangue português e índio. De modo que, por tabela, os textos belos e complexos do filho embutem nas suas letras a alma dos tamoios ou tupinambás que habitavam o litoral fluminense. O pai, Johan Ludwig Bruhns, era um alemão que explorava engenho de açúcar. Quando se viu viúvo com a filha de cinco anos, teve a reação, talvez teutônica, de entregá-la aos cuidados de parentes na cidade de Lübeck, no norte da Alemanha. Lá ela se desenvolveu e, mal saída da adolescência, casou com um rico comerciante de nome Johan Heinrich Mann, com o qual teve cinco crianças. As duas primeiras, Heinrich e Thomas, se dedicariam às letras. O mais velho, ta-

N

Metrópole - No seu livro Pedaço de Mim (2002) o senhor publica um ensaio sobre Júlia da Silva Bruhns. Ela teria pesado na formação de Thomas Mann como escritor? João Silvério Trevisan - Pela sua origem, ela era uma exilada dentro da família. O próprio Thomas Mann disse que foi essa exilada quem trouxe a arte e o interesse artístico para dentro do lar dos Mann. Ele se referia às raízes brasileiras da mãe e sentia o sangue latino, vamos dizer assim, nas veias. Dizia ser um moreno entre loiros. Metrópole - Críticos e estudiosos da

obra de Mann ressaltam seu papel nas criações. Trevisan - Mann dizia, completando o papel da mãe referido acima, que Júlia veio trazer a disrupção à família, no sentido de romper, transformar. Aliás, em Doutor Fausto há uma alusão profundamente simbólica à figura e presença da mãe, que

Paulo Pampolin/Hype

TAMBÉM FEZ O ESCRITOR NASCER é a da borboleta brasileira Hetaera-Esmeralda. Este nome vem das heteras, cortesãs das sociedades gregas antigas e da cigana Esmeralda, personagem de O Corcunda de Notre-Dame, de Victor Hugo. Metrópole -A família Brunhs ainda tem representantes no Brasil? Trevisan - Sim. Em Campinas e no Rio Grande do Sul. João Silvério Trevisan, 65 anos, escritor, morador no Centro

lentoso escritor, seria bem mais conhecido e comentado se o irmão não fosse um gênio, algo como Rivelino que, embora superior a Maradona nos gramados, não atingiu tal patamar por ter sido contemporâneo de Pelé. Júlia enviuvou relativamente jovem, aos 40 anos, em 1891. Três anos depois estava morando em Munique – uma espécie de Rio de Janeiro da Alemanha –, fazendo de sua casa um salão parecido com aquele que Gertrude Stein (18741946) viria a ter futuramente em Paris, onde predominavam tertúlias e saraus artísticos. Quem assistiu ao saboroso filme "Meia Noite em Paris", de Wood Allen, que está em cartaz na Cidade, sabe do que se trata. Uma mãe sempre influencia na formação dos filhos. No seu caso, é uma presença notória nos livros de Mann, circunstância reconhecida uniformemente pelos críticos e estudiosos de sua obra. Está, por exemplo, presente em Gerda Arnoldson, personagem do livro Os Buddenbrooks (1901), que marca a estréia de Mann. É a Mãe Consuelo em Tônio Kröeger (1903). Inspirou a mãe de Gustav Von Aschenbach do célebre Morte em Veneza (1912), que originou o extraordinário filme do mesmo nome, do diretor Luchino Visconti (1906-1976). Seus traços também estão na senadora Rodde do Doutor Fausto (1947). Ela morreu em um hotel, rodeada pelos filhos.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

12 -.LOGO

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Olhos de diamante Uma empresa indiana em Mumbai colocou à venda lentes de contato para lá de especiais – com diamantes e ouro 18 quilates.

INTEGRAÇÃO

www.shekhareye.com

Logo Logo

Turistas fazem snorkel ao lado de um tubarãobaleia de 6 metros de comprimento na Baía de Hanifuru, nas Maldivas. Centenas desses animais, além de raias gigantes, se reúnem na região nesta época do ano.

www.dcomercio.com.br

David Loh/Reuters

A PPLE M ODISMO

China encontra mais 22 lojas falsas

Reprodução

A Tatuagem nos dentes: hit no Japão. A última moda em Tóquio, no Japão, são tatuagens nos dentes. Os desenhos preferidos são pequenos diamantes ou qualquer outra coisa com brilho. Mas há quem prefira personalizar a estampa, criando desenhos exclusivos. Sorria!

s autoridades da cidade de Kunming, no sudoeste da China, identificaram outras 22 lojas Apple Stores não autorizadas, depois de a divulgação de uma loja falsa na cidade ter causado controvérsia internacional. A Administração da Indústria e Comércio de Kunming, capital da província de Yunnan, informou que as lojas receberam ordens de deixar de usar o logotipo da Apple, depois que a Apple China as acusou de

concorrência desleal e de violar sua marca registrada, informou a mídia estatal chinesa ontem. A agência de fiscalização de mercado anunciou que criaria uma linha para denúncias telefônicas e que reforçaria sua fiscalização. A notícia não informava se as lojas vendiam produtos Apple falsos ou legítimos, mas sim contrabandeados.

Incontáveis revendedores não autorizados da Apple e de outras marcas de produtos eletrônicos em toda a China vendem produtos autênticos, mas compram os bens no exterior e os contrabandeiam para o país a fim de escapar dos impostos. Em julho, foram realizadas inspeções em mais de 300 lojas de Kunming, depois que um post no blog de uma norteamericana que mora na cidade

expôs uma falsa Apple Store, que copiava de modo quase perfeito as lojas originais, a ponto de até seus funcionários acreditarem estar trabalhando para a fabricante norte-americana do iPhone e iPad. A lei chinesa protege marcas registradas e proíbe empresas de copiar o padrão visual de outras companhias. Mas a fiscalização é limitada e outros países se queixam de que os esforços da China para combater o roubo de propriedade intelectual estão defasados. (Reuters)

H IPERSÔNICO AFP

AFP

C OPA

'Estádios prontos em dezembro, 2013' A presidente Dilma Rousseff disse ontem que todos os estádios da Copa do Mundo de 2014 no Brasil estarão concluídos até dezembro de 2013, apesar do atraso no cronograma de obras de algumas das 12 arenas, como as de São Paulo e Natal (RN), que só deverão ficar prontos meses antes do Mundial. As duas cidades já foram descartadas da Copa das Confederações, evento teste do Mundial que será realizado em junho 2013, mas a Fifa disse que para o Mundial os estádios podem

ser entregues até fevereiro de 2014. No caso da arena do Corinthians, que está sendo construída na zona leste da capital paulista, as obras só começaram no fim de maio e têm previsão de duração de 30 a 33 meses. A preparação brasileira para a Copa recebeu duras críticas da Fifa este ano, especialmente em relação ao ritmo de obras nos estádios e na modernização da infraestrutura de transportes e aeroportos, mas a entidade passou a elogiar o país recentemente. (Reuters)

E SCULTURA Divulgação

L

L

Avião experimental capaz de voar a 20 vezes a velocidade do som foi lançado ontem de uma base da Força Aérea americana na Califórnia, mas perdeu o contato com os controladores 36 minutos após a decolagem.

Astrônomos do Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian, nos EUA, afirmam ter descoberto que um exoplaneta – que fica fora do sistema solar – absorve mais de 99% da luz, ou seja, é mais escuro que carvão.

G RANDIOSIDADE S OROS

Reprodução

L

Brasileira processa megainvestidor

O Algarve, em Portugal, é palco de um festival inusitado que reúne escultores de todas as partes do mundo para criar obras em areia. Até o dia 15 de outubro.

Í NDIOS Divulgação

L

Parque da Disney, em Xangai, promete ser um dos melhores.

Membros de comunidades indígenas na Colômbia se reúnem em Medellín. Dos 120 grupos do país, 37 estão ameaçados de extinção por causa de conflitos armados.

O projeto da Disneylândia de Xangai, que começará a ser construída nos próximos meses para inauguração em 2015, terá um rio artificial de 10 quilômetros de comprimento e 60 metros de largura. O castelo será o maior entre os parques da Disney em vários países.

C ÂNCER

Gianecchini não tem previsão de alta A TÉ LOGO

L OTERIAS Concurso 660 da LOTOFÁCIL 03

04

05

06

07

08

09

12

14

15

16

17

19

24

25

Acesse www.dcomercio.com.br para ler a íntegra das notícias abaixo:

Túnel vai ligar as duas margens do Estuário de Santos, entre Santos e Guarujá.

L

Jogar bituca na rua e em outros lugares públicos dará multa de R$ 50 em Sorocaba (SP)

L

Segundo o centro médico, o "estado geral é bom e não há previsão de alta". A doença foi descoberta após o ator, de 38 anos, ser internado no hospital com suspeita de faringite. (AE)

L

O Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, divulgou ontem boletim médico sobre o estado de saúde do ator Reynaldo Gianecchini, diagnosticado com câncer linfático (linfoma não Hodgkin).

O bilionário George Soros foi processado em US$ 10 milhões por uma ex-atriz brasileira que disse que ele não cumpriu a promessa de dar a ela um apartamento caro na região do Upper East Side, em Manhattan. Adriana Ferreyr, de 28 anos, disse que Soros prometeu por duas vezes durante os cinco anos que eles ficaram juntos comprar apartamentos para ela, mas nunca cumpriu, aponta o processo aberto na quarta-feira na Suprema Corte Estadual de Nova York. Soros completa 81 anos hoje e está entre os investidores mais admirados do mundo. Seu advogado considerou o processo "frívolo".

Policiais que atiraram contra ônibus sequestrado no Rio são indiciados por lesão corporal

Concurso 2668 da QUINA 16

22

54

67

77


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

e

13 TAM E LAN Fazenda vai recomendar ao Cade que aprove a fusão sem restrição

conomia

A

s vendas do comércio varejista subiram 7,1% em junho deste ano na comparação com junho do ano passado. Em comparação com o mês anterior, as vendas do varejo tiveram alta de 0,2%, na série com ajuste sazonal. A informação foi dada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Até junho, as vendas do setor acumulam altas de 7,3% no ano e de 8,9% nos últimos 12 meses. A receita nominal do comércio varejista cresceu 0,6% em junho, na comparação com o mês anterior, na série com ajuste sazonal, segundo o IBGE. Em relação a junho de 2010, a alta na receita foi de 12,1%. No ano, a receita nominal do segmento acumula expansão de 12,2% e, em 12 meses, de 13,3%. A média móvel trimestral ficou em 0,7%. Revisão – O IBGE revisou a taxa de variação das vendas d o c o m é rc i o v a re j i s t a e m maio, na comparação com o mês anterior. O dado de volume foi recalculado de alta de 0,6% para alta de 0,7%. Também houve revisão nas vendas de fevereiro ante janeiro, que passaram de uma alta de 0,2% para alta de 0,1%; na taxa de janeiro ante dezembro, que saiu de alta de 1,4% para alta de 1,3%; e na taxa de dezembro ante novembro, que saiu de alta de 0,2% para crescimento de 0,1%. Bens duráveis – Os preços em baixa de bens duráveis, como eletrodomésticos, microcomputadores e automóveis, vêm impulsionando as vendas do varejo, mesmo após as me-

Vendas do varejo sobem 7,1% em junho Preços em baixa de bens duráveis, como eletrodomésticos e microcomputadores vêm impulsionando as vendas, mesmo com taxa de juros mais elevada. Paulo Pampolin/ Hype

Os preços de muitos produtos à venda tiveram deflação, de até dois dígitos, um ótimo estimulante para a decisão de compra.

didas de contenção ao crédito e aumento das taxas de juros. "As atividades nas quais há deflação vêm crescendo (nas vendas), mesmo com as restrições do crédito", disse o gerente da coordenação de Serviços e Co-

Em junho, emprego na indústria recuou 0,2% ante maio.

O

emprego indus- gas aos trabalhadores da int r i a l d i m i n u i u dústria, já descontadas as in0,2% no mês de ju- fluências sazonais, apresennho ante maio, na tou queda de 0,6% em compasérie histórica livre de in- r a ç ã o c o m o m ê s fluências sazonais, apontou a imediatamente anterior, após Pesquisa Industrial Mensal ter registrado recuos de 0,3% de Emprego e Salário (Pimes), em março e de 0,5% em abril e divulgada ontem pelo Insti- ficar próximo à estabilidade tuto Brasileiro de Geografia e em maio (0,1%), segundo inEstatística (IBGE). Com isso, o formações do IBGE. Com esses resultados, a índice de média móvel trimestral mostrou variação ne- média móvel trimestral do gativa de 0,1% no trimestre número de horas pagas teve variação negativa de 0,3% na encerrado em junho. passagem Na compad o s t r i m e sração com jutres encerranho de 2010, dos em maio o emprego e junho, sua industrial segunda taxa apresentou negativa expansão de por cento foi a c o n s e cu t i v a , 0 , 7 % e m j uexpansão do valor período em nho deste q u e a c u m uano. A variada folha de lou perda de ção acumulapagamento real na 0,5%. da em 2011 é Ainda na de 1,9%. No indústria no s é rie com acumulado primeiro semestre ajuste sazodos 12 meses deste ano. nal, na comencerrados paração com em junho, o o primeiro triemprego industrial registrou crescimen- mestre, o número de horas pagas recuou 0,4% no segundo to de 3,1%. Folha de pagamento – O va- trimestre do ano, após ter relor da folha de pagamento real gistrado expansão de 0,9% nos dos trabalhadores da indústria três primeiros meses de 2011. Estabilidade – No confroncresceu 0,7% em junho ante maio, na série com ajuste sazo- to com junho de 2010, o númenal, após ter avançado 0,5% na ro de horas pagas ficou estável, leitura anterior, segundo os após 16 taxas positivas consecutivas nesse tipo de comparanúmeros do IBGE. No confronto com junho de ção. O acumulado no primeiro 2010, o valor da folha de paga- semestre deste ano ficou em mento real cresceu 3,6%. No 1,6%, desacelerando, porém, o primeiro semestre de 2011, a ritmo de crescimento frente alta foi de 5,5%. O acumulado aos meses anteriores. A taxa acumulada nos últidos últimos 12 meses mostrou ligeira redução no ritmo de mos 12 meses foi de 3,1% em crescimento, ao passar de 7,6% j u n h o , m a s t a m b é m v e m apontando avanços menos inem maio para 7,2% em junho. Horas pagas – Em junho de tensos desde fevereiro, quan2011, o número de horas pa- do registrou alta de 4,5%. (AE)

5,5

mércio do IBGE, Reinaldo Pereira. "O preço vem beneficiando o comércio." A atividade de móveis e eletrodomésticos registrou alta de 16,3% no volume de vendas em relação a junho do ano pas-

sado, sendo responsável pela principal contribuição (37%) do resultado das vendas do varejo no período, que foi de 7,1%. No acumulado do ano, a taxa foi de 17,7% e nos últimos 12 meses, de 17,1%. O bom re-

sultado é explicado pela manutenção do crescimento do emprego e do rendimento, assim como pela queda dos preços dos eletrodomésticos. Os preços de eletrônicos ficaram 5,8% menores nos últimos 12

FECOMERCIO Famílias pagaram mais de R$ 85 bilhões em juros no 1º semestre

meses, segundo o IPCA. A atividade de veículos, motos, partes e peças registrou crescimento de 13,2% em relação a junho de 2010, acumulando no semestre e nos últimos 12 meses variações de 12,1% e 14,2%, respectivamente. A redução de preços dos veículos novos, de 3,8% em 12 meses pelo IPCA, em função da concorrência, também impulsionou as vendas. Outro setor beneficiado pelos preços mais baixos é o de equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação, responsável pelo quarto maior impacto na formação da taxa global de vendas no varejo (13%). Houve aumento de 34,3% no volume de vendas em junho, na comparação com igual mês do ano anterior, e taxas acumuladas no semestre de 14,6% e nos últimos 12 meses de 18,7%. Trata-se da atividade com o maior patamar de crescimento em junho ante maio, de 9,1%. A redução de preços foi de 13,6% para microcomputadores e de 6,1% em aparelhos telefônicos, nos últimos 12 meses, segundo o IPCA. "Além de você ter câmbio influenciando – a maior parte dos componentes é importada, quando não o produto inteiro –, no caso da informática ainda tem o incentivo governamental com redução de imposto para a venda de microcomputadores para a diminuição da exclusão digital, para que as pessoas de baixa renda tenham acesso à internet. É uma coisa que também influencia para baixo o preço", disse o gerente do IBGE. (AE)

Preços caem 0,25% para classe baixa Deflação perde força entre famílias de menor renda. O IPC-C1 acumula altas de 3,39% no ano.

A

deflação perdeu força entre as famílias de baixa renda no mês de julho. É o que mostra o Índice de Preços ao Consumidor - Classe 1 (IPC-C1), voltado para famílias com renda mensal de até 2,5 salários-mínimos, e que mostrou queda de 0,25% em julho, após cair 0,31% em junho. Com esse resultado, o índice acumula altas de 3,39% no ano e de 6,49% em 12 meses. A taxa do IPC-C1 em julho também ficou abaixo da variação média de preços entre famílias mais abastadas, com renda mensal entre um e 33 salários-mínimos, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor - Brasil (IPC-BR), e que caiu 0,04% no mesmo mês. As taxas de inflação acumulada

no ano e em 12 meses do IPCC1 também foram menores do que as apresentadas pelo IPCBR, que acumula elevações de 3,75% no ano e de 6,58% em 12 meses até julho. Duas das sete classes de despesas usadas para cálculo do índice tiveram acréscimos nos preços. É o caso de Alimentação (de uma retração de 1,2% para decréscimo de 0,92%) e Despesas Diversas (de 0,11% para 0,2%). Isso porque houve queda mais fraca e aceleração de preços em itens importantes em cada uma dessas classes de despesa – em frutas (de um recuo de 8,11% para queda de 2,03%) e em alimento para animais domésticos (de 1,1% para 2,06%). Os outros grupos tiveram desaceleração de preços em julho e contribuíram para a con-

tinuidade de taxa negativa no indicador. É o caso de Transportes (de 0,19% para 0,02%), Educação, Leitura e Recreação (de 0,39% para 0,11%), Vestuário (de 0,77% para 0,52%), Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,35% para 0,18%) e Habitação (de 0,32% para 0,29%). Entre os produtos pesquisados, as mais expressivas elevações de preços foram encontradas em aluguel residencial (0,56%); sardinha fresca (11,28%); e sabão em barra (1,9%). Já as mais expressivas quedas foram registradas em tomate (16,64%); batata-inglesa (10,82%); e frango inteiro (4,09%). As famílias de baixa renda devem sofrer menos com preços altos nos próximos meses, de acordo com o economista

A tendência entre as famílias de baixa renda é de desaceleração de preços ANDRÉ BRAZ, FGV da Fundação Getúlio Vargas (FGV) André Braz. Embora a deflação percebida pelas pessoas de menor poder aquisitivo tenha enfraquecido e o mês de agosto mostre sinais de retorno do indicador ao terreno positivo, Braz explicou que o cenário atual é pressionado por fatores sazonais. "A tendência entre as famílias de baixa renda é de desaceleração de preços", afirmou. (AE)

Alta de 0,36% no supermercado

O

s preços dos produtos comercializados nos supermercados subiram 0,36% em julho, após caírem 0,15% em junho. Esse foi o desempenho do Índice de Preços dos Supermercados (IPS), calculado pela Associação Paulista de Supermercados (Apas), em conjunto com Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). A Apas destacou que, tradicionalmente, esse é um período de retração nos preços, mas pressões pontuais em algumas categorias elevaram o índice em julho. Em 12 meses, o IPS atinge expansão de 6,16%; e, de janeiro a julho, de 1,25%. Nas altas, o destaque é para a categoria de cereais (0,55%), como feijão e milho – com altas de 2,14% e 0,63%, respectivamente. As carnes tiveram aumento de 0,49%, e o preço do leite subiu 0,5% em julho.

Paulo Pampolin/Hype

Os alimentos industrializados apresentaram em julho alta de 0,39%, com destaque para panificados (1,81%), doces (1,68%) e biscoitos e salgadinhos (1,31%). Já o grupo dos produtos in natura apresentaram variação de 0,09%, com destaque para as categorias de frutas (2,04%) e verduras (2%). Entre as frutas, os maiores im-

Aumento de preços em julho reflete influência de pressões pontuais

pactos foram verificados no limão (16,17%), banana (5,23%), maçã (5%) e uva (14,04%). Entre as verduras, as pressões se deram no alface (5,19%) e na cebolinha (8,02%). Os preços da categoria bebidas alcoólicas apresentaram elevação de 0,04%, com destaque para cerveja – que subiu 0,33%. Já as bebidas não alco-

ólicas tiveram alta de 0,61%, sendo 1,3% no suco de fruta e 0,78% nos refrigerantes. Os preços do grupo de produtos de limpeza subiram 1,46%, sendo de 2,05% o sabão em pó e de 2,05% o sabão em barra. O grupo dos artigos de higiene e beleza auxiliaram a puxar o índice geral para baixo, pois apontaram queda de 0,38%, com destaque para a retração dos preços de xampu (de 1,88%) e da fralda descartável (de 2,89%). Entre as maiores quedas de preços dos produtos nos supermercados destacaram-se a carne suína (1,98%), leite em pó (1,51%), óleo de soja (1,31%), enlatados e conserva (0,5%) e azeitona (2,41%). (AE)


14 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

COMÉRCIO

sexta-feira, 12 de agosto de 2011


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

e

15 Os consumidores querem itens que não agridam o meio ambiente e usem menos recursos naturais. Elisa Quartim, consultora em design sustentável

conomia

IBOVESPA (São Paulo)

DOW JONES (Nova York)

FTSE 100 (Londres)

DAX (Frankfurt)

+ 3,79%

+ 3,95%

+3,11%

+ 3,28% Leia mais na página 14.

País tem R$ 1 trilhão anticrise Esse colchão de segurança permite à ministra do Planejamento afirmar que o governo não pretende alterar dotação de recursos para os projetos Rodrigues Pozzebom/ABr

O

governo brasileiro dispõe atualmente de um cordão de isolamento de pelo menos R$ 1,1 trilhão para proteger a economia dos efeitos de um agravamento da crise internacional. Esse colchão é formado pelo dinheiro que o Tesouro Nacional tem em caixa para rolar a dívida pública, os depósitos compulsórios recolhidos pelo Banco Central (BC) e os dólares das reservas internacionais. Essa proteção é quase 40% maior do que o disponível antes da crise de 2008. No caixa do Tesouro estão depositados cerca de R$ 200 bilhões, que podem ser usados para pagar títulos que estão vencendo. Já o dinheiro dos compulsórios soma R$ 416,79 bilhões , e poderá ser liberado para garantir crédito no mercado interno e oferta de recursos em reais na economia. Para reforçar esses recursos, as reservas internacionais brasileiras já somam US$ 350,881 bilhões. Segundo o BC, houve uma alta de US$ 62,306 bilhões nas reservas deste ano – 21,59% a mais em relação ao estoque registrado no final de 2010, de US$ 288,575 bilhões. Esse aumento decorre das compras diárias que o BC tem efetuado com a finalidade de reduzir a oferta de dólares no mercado doméstico.

Programas – A crise que afeta os Estados Unidos e alguns países da Europa não alterará a meta de investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). A garantia foi dada ontem pela ministra do Planejamento, Miriam Belchior. Ela disse que não se cogita rever as decisões já tomadas. "Os investimentos são fundamentais, inclusive, para enfrentar essas turbulências." Ela informou que estão preservados os recursos destinados ao Programa Minha Casa, Minha Vida, cujos desembolsos para este ano alcançam mais de R$ 30 bilhões, e que também não haverá mudança nos demais projetos. "Estamos preocupados, mas serenos para enfrentar essa situação. Vamos ver como evolui o quadro para pensar se serão necessárias outras medidas." Mantega – O ministro da Fazenda, Guido Mantega, pretende discutir com os países da União de Nações SulAmericanas (Unasul) medidas para fortalecer o bloco e impedir que a crise econômica mundial contagie a região. Formada por 12 países, a Unasul promove até hoje uma reunião em Buenos Aires para discutir a situação da economia. Mantega embarcou ontem para a capital argentina e à noite se reuniu com o ministro da Eco-

nomia e Finanças Públicas do país vizinho, Amado Boudou. "Vamos conversar sobre a crise e as consequências nos países da América Latina, e as medidas que podemos tomar para nos fortalecer e impedir que sejamos contagiados", afirmou. Rating – A agência de classificação de risco japonesa R&I elevou ontem a nota do Brasil de BBB- para BBB. A agência

Consumidor quer mais 'produtos verdes' no mercado Neide Martingo

destacou o aumento do número de famílias na classe média e o mercado interno robusto. Para 2012, contudo, a R&I destacou algumas preocupações. Uma é a pressão por aumento de salários de servidores públicos e de benefícios de pensão, além da expansão de gastos com infraestrutura para a Copa do Mundo de 2014. No entanto, a agência ponde-

Divulgação

M

A

Em sua versão sustentável, o Banco Imobiliário é feito com peças de plástico verde, material obtido da canade-açúcar.

O setor de alimentos também está engajado. As tampinhas dos leites UHT das linhas Ninho e Molico, da Nestlé, são feitas com derivados de cana – o que contribui para reduzir as emissões de gases que geram o efeito estufa. A Taeq, do Grupo Pão de Açúcar, reutiliza as embalagens de papel deixadas pelos clientes nas Estações de Reciclagem e nos caixas verdes para serem reaproveitadas. E a Coca-Cola utiliza uma garrafa PET na qual o etanol da cana substitui parte do petróleo utilizado como insumo.

"O consumidor está mais consciente. As empresas precisam enfrentar a concorrência e priorizar o cuidado com o meio ambiente", afirmou o coordenador da pós-graduação em embalagens do Instituto Mauá, Antonio Cabral. Já a professora de pós-graduação da Escola Superior de P ro p a g a n d a e M a r k e t i n g (ESPM), Gisela Schulzinger, abordou os preços mais altos dos produtos sustentáveis. "Isso vai mudar com o tempo, à medida em que seja registrado o aumento dos processos."

Dificuldade de manuseio pode prejudicar consumo

Q

uem sofre um "acidente de consumo" e se machuca tentando abrir uma embalagem poderá nunca mais comprar o produto. Esse foi um dos pontos abordados ontem no Encontro Internacional de Inovação, com o tema Design Universal, organizado pela Associação Brasileira de Embalagem (Abre), em São Paulo. Uma das palestrantes do evento, a coordenadora do Instituto de Defesa do Consumidor (Idec), Lisa Gunn, citou uma pesquisa feita pelo

instituto para demonstrar o que o consumidor quer da embalagem: segurança, praticidade e sustentabilidade. Além disso, ela deve esclarecer se foi feita com material reciclado – e se é reciclável. Entre as embalagens mais difíceis de serem manuseadas, foram indicados os vidros com tampa metálica e lacre, e as de vinagre – já que o lacre tipo "fita" se quebra e a pessoa tenta abrir a tampa até com os dentes. As embalagens de CDs e DVDs também ganharam destaque. (NM)

Para Miriam, os investimentos são essenciais para se enfrentar as turbulências externas.

Cipoal tributário brasileiro confunde contribuintes Sílvia Pimentel

uitas empresas se preocupam em vend e r p ro d u t o s e m embalagens sustentáveis, que priorizam os cuidados com o meio ambiente – uma forma de projetar a marca de forma positiva. Mas esse tipo de ação pode deixar de ser um diferencial. "Os consumidores estão cada vez mais preocupados com sustentabilidade. Eles querem itens que não agridam o meio ambiente e usem menos recursos naturais", disse a consultora em design sustentável Elisa Quartim. Ela citou a Política Nacional de Resíduos Sólidos, que leva as empresas a mudar seus processos, inclusive da embalagem, para incentivar a reciclagem de lixo e o manejo correto dos produtos. Fabricantes, distribuidores e comerciantes têm que recolher as embalagens usadas. "Foi criada a responsabilidade compartilhada entre sociedade e governo." Não é difícil encontrar exemplos de companhias que integraram a sustentabilidade no dia a dia. A Brinquedos Estrela escolheu o tradicional jogo Banco Imobiliário para inovar. O produto é feito com peças de plástico verde, material obtido da cana-de-açúcar; o tabuleiro, a caixa e as cartas são de papel reciclado. Essa versão custa, em média, R$ 10 a mais do que a tradicional – chega a R$ 90. Além disso, a empresa aboliu o plástico shrink (fininho e elástico), que envolvia as embalagens dos jogos. O diretor de marketing da Estrela, Aires Leal Fernandes, explicou os motivos da empresa. Segundo ele, a companhia quer "assumir a responsabilidade que as empresas têm de cuidar do meio ambiente, e também oferecer um diferencial para elevar as vendas".

rou que há pouca possibilidade de a disciplina fiscal do País ser corroída seriamente. Para melhorar ainda mais a classificação, a R&I indicou que o governo brasileiro precisa eliminar gargalos para o crescimento econômico por meio de investimentos crescentes. Também seria ainda preciso aumentar o combate à inflação. (Agências)

complexidade da legislação tributária no Brasil prejudica as empresas e engorda os cofres públicos. Pesquisa da consultoria Fiscosoft mostra que 55,4% das companhias já recolheram o Imposto sobre Serviços (ISS) com alíquota maior que a exigida pelo fisco local por não acompanharem a legislação. Outro dado preocupante é que 51% dos contribuintes pagaram imposto para dois municípios diferentes. No Brasil, os municípios podem estabelecer regras de arrecadação e fiscalização do imposto – e desvendá-las é um desafio para prestadores e tomadores de serviços. "O ideal é obter acesso rápido à legislação e de forma atualizada", afirmou a gerente de tributos municipais da Fiscosoft, Fernanda Bernardi. Mas isso nem sempre acontece. Durante a apuração

Sobem vendas de papelão

A

s vendas de papelão ondulado no Brasil em julho subiram 1,79% na comparação com igual mês do ano passado, para 275,71 mil toneladas, informou ontem a Associação Brasileira do Papelão Ondulado (ABPO). Na comparação com junho, as vendas do insumo que representa um termômetro da atividade econômica do País, subiram 1,7%. As vendas no acumulado dos sete primeiros meses de 2011 somam 1,845 milhão de toneladas, praticamente estável em relação às 1,833 milhão de toneladas de igual período do ano passado. (Reuters)

da pesquisa, constatou-se que há municípios que nem publicam as regras – elas são afixadas em murais na prefeitura. De acordo com o levantamento, apenas 25% das empresas utilizam informações e regras atualizadas. Além disso, 71% das empresas indicaram que atualizam as informações em prazo superior a um mês. Deste universo, 5,9% reveem a legislação uma vez por ano. Efeitos – De acordo com o levantamento, 38,2% das empresas foram multadas por atraso no pagamento do ISS ou por não cumprirem exigências legais. O pagamento em atraso sempre acarreta a aplicação de multa e, caso esse recolhimento ocorra após o início de uma ação fiscal, o valor é maior. A lei complementar 116/ 2003 é a mais importante na legislação do ISS, e estabelece que os municípios podem adotar alíquotas entre 2% e 5%. Segundo a pesquisa, 47,1% das empresas já recolheram o valor

máximo por desconhecerem a alíquota fixada para a sua atividade. Segundo a consultora, isso decorre da falta de informação atualizada sobre o valor correto a ser pago. Apesar da legislação complementar, os municípios podem modificar as alíquotas, respeitando os limites máximos e mínimos. E muitas alterações valem a partir de sua data de publicação. São Paulo, por exemplo, recentemente reduziu o valor da alíquota de determinados serviços – como os que envolvem a administração de fundos, cuja alíquota passou de 2,5% para 2%, e de cartões de crédito e débito, agora tributados em 2%. Diferentemente dos municípios que usam o mural como meio de comunicação, as alterações do fisco paulista constam do site da Prefeitura. "A realidade é outra, até porque essas mudanças foram amplamente divulgadas antes da publicação da norma", concluiu.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

16

e

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Fusões e aquisições movimentaram menos recursos em 2011.

conomia

INVENCIONICES S/A O Fotos: Divulgação

DIA DO NEYMAR agência Loducca criou campanha bemhumorada para a Nextel fazendo uso de Neymar, o jogador de futebol que é a sensação do momento com o mote: “Dia do Neymar comemorar um dos poucos títulos que ainda não tinha: o de pai", realçando o forte laço que o jogador tem com o pai.

A

APOIO ao tratamento do câncer

ENGAJADO McDonald's anuncia para 27 de agosto o dia do McFeliz, em que parte da venda do Big Mac, tanto avulso como em combos, vai para o Instituto Ronald Mcdonald, que apoia instituições que tratam do câncer infanto-juvenil. O instituto já anunciou que, em breve, terá mais uma unidade de tratamento em Jaú, no interior de São Paulo, em parceria com o Hospital do Câncer de Jaú, onde a Federação Brasileira de Entidades de Combate ao Câncer (Febec) realiza trabalho exemplar de voluntariado, porque carinho e uma doação são o melhor remédio nesses casos.

O

ANO XXV ANO XXV

APOIO:

CENOFISCO Apoio: Cenofisco

www.contabil.com.br

SEXTA-FEIRA, 12 DE AGOSTO DE 2011

A

A

CHACRINHA já dizia: quem não se comunica se estrumbica.

do votos como moeda de troca. Mas voltando à publicidade, muitos agora vendem a ideia de que quem não cair na rede é peixe fora d'água. De fato, o mundo se digitaliza rapidamente e as plataformas de comunicação evoluem muito rápido. Em 1989, os CDs invadiram o mercado, e em 1999, as famosas bolachas de vinil deixaram de rodar nas casas, enquanto em 2009, começou a febre dos MP3, MP4 e os CDs estão perdendo rapidamente o mercado, mas não importa a plataforma, o que continua a rodar é a música, o conteúdo. Na publicidade é isso que também está em jogo.

O chato é perceber que o conteúdo anda caindo de qualidade, mas é a credibilidade que ainda estabelece a comunicação, chega mais perto do coração da gente, então não importa a plataforma, o bom e velho negócio da publicidade será o de estimular a venda, oferecendo ao consumidor uma experiência e aquela sensação de felicidade e bem-estar. O resto é conversa fiada, ladainha para boi dormir e as nomenclaturas em inglês, coisa de quem não sabe se comunicar. E quem não se comunica, como dizia o velho Chacrinha, se estrumbica. Alô, alô Terezinha, buzina para essas invencionices.

Envie informações para essa coluna para o e-mail: carlosfranco@revistapublicitta. com.br

PAPAI motociclista curte a vida e a liberdade

LONGEVO AO VOLANTE s postos Ipiranga começam a vender lubrificantes de marca própria para motocicletas. Aproveitando o mês em que se comemora, neste domingo, o Dia dos Pais, a agência Talent ousou na criatividade e um longevo pilota moto nas curvas da estrada, vivendo a vida adoidado. Com o envelhecimento da população brasileira, cada vez mais eles estão na moda.

O

FÉRIAS PROPORCIONAIS NA RESCISÃO Há alguma lei ou jurisprudência recente a respeito de pagar férias proporcionais na rescisão de contrato como pedido de demissão com menos de um ano de trabalho? Alguma coisa que tenha força de lei? Saiba mais acessando:[www.empresario.com.br/legislacao]. RETENÇÃO DO INSS PELO TOMADOR UmaempresaoptantedoSimplesquerealizamanutençãoemEquipamento de Ar-condicionado de empresas,disponibilizando uma equipe de funcionários que fica nas dependências do tomador do serviço.Na emissão da Nota Fiscal de Serviços deve haver a retenção do INSS pelo Tomador? Saiba mais:[www.empresario.com.br/legislacao].

de valor. Nos primeiros seis meses deste ano, 20%. Para o presidente do subcomitê de fusões e aquisições da Anbima, Bruno Amaral, o ano passado foi de recordes e é natural que houvesse diminuição do ritmo agora. Mas ele diz que as incertezas quanto ao financiamento das dívidas nos Estados Unidos e nos países da Europa afetam mais o mercado acionário do que o de fusões e aquisições. "O impacto é baixo porque as empresas fazem estratégias de longo prazo nesse tipo de negociação." O setor que mais se destacou no semestre foi o de Tecnologia da Informação (TI) e Telecomunicações (Telecom), responsável por 45,3% do volume total do semestre. Foram nove operações que movi-

mentaram R$ 34,1 bilhões, a maior parte decorrente da reestruturação societária das empresas controladas pela Telemar Participações, que movimentaram R$ 20,8 bilhões. A segunda maior operação foi a incorporação da Telesp pela Vivo – R$ 11,3 bilhões. A área de óleo, gás, siderurgia e mineração, além dos setores bancário e de energia elétrica, também tiveram incremento. Bebidas – Conforme Amaral, o resultado do segundo semestre será incrementado pelo setor de alimentos e bebidas, com a compra da Schincariol pela japonesa Kirin e o acordo para a venda de ativos que a BRFoods fez com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Outro destaque foi o au-

mento no volume movimentado por aquisições entre empresas brasileiras – o maior do semestre – de R$ 31,1 bilhões em 30 operações. O valor foi 48,8% maior do que o de igual período do ano passado, de R$ 20,9 bilhões. Houve queda de 70,7% nas aquisições de empresas estrangeiras por brasileiras – R$ 12,3 bilhões neste ano ante R$ 42 bilhões em 2010. Segundo Amaral, o resultado foi influenciado pelo cenário de incertezas nos Estados Unidos e na Europa, o que faz com que as empresas estudem movimentos de consolidação interna. "Isso deve continuar no segundo semestre," diz. As aquisições de empresas brasileiras por estrangeiras cresceu para R$ 19 bilhões.

DC

www.agenda-rural.com.br

OPERAÇÕES COM LIVROS DIDÁTICOS Estabelecimento varejista enquadrado no regime Simples Nacional pode usufruir da imunidade tributária atribuída às operações com livros didáticos? Saiba mais: [www.empresario.com.br/legislacao].

Você precisa saber quem está contratando.

DESCREDENCIAMENTO DE USUÁRIO. Contribuinte paulista que adotou voluntariamente a utilização da Nota Fiscal Eletrônica modelo 55 para todas as operações realizadas poderá voltar ao sistema anterior e emitir exclusivamente a Nota Fiscal modelo 1? Saiba mais acessando:[www.empresario.com.br/legislacao].

www.cgipesquisas.com.br

• Não aceite meias informações: exija informações por inteiro. • Evite prejuízos e aborrecimentos.

CRÉDITO NA COMPRA DE ATIVO IMOBILIZADO O valor do IPI destacado na nota fiscal de compra de um bem para o ativo imobilizado pode ser lançado a crédito no livro fiscal? Saiba mais acessando a íntegra no site:[www.empresario.com.br/legislacao].

• Oferecemos um serviço completo e seguro, que vai resultar em tranquilidade para sua empresa. (PABX) 11 3297-3080

AGENDA FISCAL® AGOSTO/ 11 Informação com orientação sobre os vencimentos do mês de Agosto. Acesse a íntegra no site: [www.agenda-fiscal.com.br].

© HÍFEN – todos os direitos reservados

AGENDA

TIRANDO A ROUPA

s fusões e aquisições de empresas movimentaram R$ 75,3 bilhões no primeiro semestre, volume menor do que o de igual período do ano passado, de R$ 91,7 bilhões. Segundo a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), o resultado é o segundo maior da série iniciada em 2006. Até junho, foram 73 operações, duas a menos do que as 75 do primeiro semestre de 2010. O volume das negociações se manteve, mas houve redução no número de operações com valor superior a R$ 1 bilhão. Em 2010, mais de 30% dos negócios estavam nessa faixa

ADICIONAL NOTURNO Gostaria de saber se além do adicional noturno é devido qualquer outro acréscimo no salário da mulher que trabalha à noite? Saiba mais acessando a íntegra no site:[www.empresario.com.br/legislacao].

• GESTÃO FISCAL • ADMINISTRAÇÃO DO RH • CONTABILIDADE • LEGALIZAÇÃO • MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM

agência Lattitud, do grupo francês Havas, assina a promoção de lançamento do perfume The Golden Secret, da linha Antonio Banderas, no Brasil. O internauta que revelar um de seus segredos mais bem guardados ganha uma viagem para a Espanha e as 50 melhores frases um frasco do perfume, que promete ser "matador" para os corações femininos. Ninguém dúvida do sucesso de Banderas e os que encaram o desafiam podem conhecer as regras da campanha do perfume The Golden Secret no seguinte endereço: www.thesecretantoniobanderas.com.br/concurso

A

Fiat lança no Brasil o modelo Cinquecento, sucesso na Itália dos anos 1950, e que nesse movimento retrô está de volta às ruas. Adriane Galisteu foi escalada para tirar a roupa do carro e apresentar as suas linhas sofisticadas na edição de Playboy que chega neste fim de semana às bancas. "Tem coisas que a gente continua gostando mesmo com o passar do tempo: carro com design moderno e mulher com design gostoso", é o mote da peça publicitária criada pela Agência Fiat, que reúne profissionais da Leo Burnett Tailor Made e AgênciaClick Isobar. Para os que são fanáticos por carros vale conferir todas as novidades do Cinquecento no endereço eletrônico: www.facebook.com/fiat500brasil

Rejane Tamoto

LEGALMENTE EU POSSO CONCEDER LICENÇA REMUNERADA, E NA OCASIÃO DAS FÉRIAS FAZER A COMPENSAÇÃO? Esclarecemos que a licença remunerada será concedida por ato do empregador,nãopodendoserdescontadaoucompensadacomasférias do empregado,conforme inteligência do artigo 130,§ 1º da CLT.

CONTABILIDADE E ASSESSORIA

OLÉ PELA ESPANHA

Fusões e compras alcançam R$ 75 bi

2010

www.agenda-empresario.com.br

VIAGEM inspirada em Antonio Banderas

DC

NOVATO na função, campanha destaca relação do jogador com o pai.

mercado publicitário parece picado pela mosca azul das consultorias que propagam dificuldades para vender facilidades. Um movimento que domina o cenário de Recursos Humanos, onde imperam muitos "mauricinhos e patricinhas", os atuais "coxinhas e empadas". Profissionais que nunca pisaram no chão de fábrica e desconhecem o coração das empresas e o que de fato fazem os seus funcionários, mas que adoram comprar produtos de prateleira. É como escolher, na gôndola dos supermercados, um sabão em pó com nomes pomposos. Foi-se a era da verticalização, da horizontalização, do downsizing, outsizing, outsourcing, do core business e da otimização. Invencionices que procuram reinventar a roda e que, agora, chegam ao mercado publicitário. Essas ferramentas que atendem pelo nome de digital out home, digital in home, mobile marketing, network sourcing e outros menos cotados começam, acredite, a ganhar até associações de classe e de profissionais. Mas o que querem e o que prometem? A venda, simples assim: a venda, pois não se reinventa a roda. E o alvo, claro, é e será sempre o consumidor, no desejo de chegar ao seu coração e fazê-lo generosamente abrir a carteira e comprar. Compra-se, agora, mais que o produto, a sensação que ele transmite, de bem-estar, conforto, status, modernidade ou seus contrários – o retrô está em alta. E ainda que as "cassandras", aquelas figuras não tão mitológicas assim, apregoem o caos, com a redução do crédito por conta da crise americana – o que de fato pode ocorrer, nem americanos, nem brasileiros, nem chineses ou lituanos vão deixar de comer, beber, vestir e amar e o varejo continuará a existir assim como a indústria. Temporariamente, pode-se deixar de comprar aquele apartamento ou carro novos hoje, mas eles continuarão nos planos de amanhã. E, como os consultores de plantão, os republicanos americanos estão criando a dificuldade para depois vender a facilidade ten-

PLÁSTICOS Recuperadora Termoplástica Venda e Mão de Obra de ABS, PS e PP. Praça Antônio Soares Sebastião nº 14 - Santo Amaro São Paulo - SP - fone: 11 5666 0753


sexta-feira, 12 de agosto de 2011 PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO CARLOS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE PREGÃO ELETRÔNICO FMS Nº 059/2011 - PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 1537/2011 Faço público, de ordem do Senhor Secretário Municipal de Saúde, que se encontra aberto o Pregão Eletrônico nº 059/ 2011, tendo como objeto o registro de preços para honorários médicos referente à aplicação do medicamento ranibizumabe 10 mg/ml - 0,23 ml, conforme descrição, especificações e quantidades constantes nos Anexos II e VI. O Edital na íntegra poderá ser obtido nos sites: www.licitacoes-e.com.br e www.saocarlos.sp.gov.br, opção Licitações. O recebimento e a abertura das propostas dar-se-ão até às 8 horas do dia 26 de agosto de 2011, e o início da sessão de disputa de preços será às 9 horas do dia 26 de agosto de 2011. Maiores informações pelo telefone (16) 3362-1350. São Carlos, 11 de agosto de 2011. Chayana Antonio de Moura - Pregoeira

NOVA GASÔMETRO S/A CNPJ: 45.356.466/0001-62 Assembleia Geral Extraordinária - Convocação Convidamos os acionistas da empresa Nova Gasômetro S/A a reunirem-se em AGE, em 1ª convocação, dia 18/08/2011, às 14h, e em 2ª convocação, às 14h30, na Rua Chico Pontes, 1500, a fim de deliberarem sobre a seguinte ordem do dia: 1) Proposta de Rescisão do Instrumento Particular de Compra de Terreno em Permuta por Área Construída no Próprio Local e Outras Avencas firmado aos 16/8/2002, contratado com o Condomínio Apart Hotel Mart Center. 2) Proposta apresentada pela Diretoria Executiva de contratação de Instrumento Particular de Compra de Terreno em Permuta por Área Construída no Próprio Local e Outras Avencas a ser firmado com a empresa Vivenda SPE Mart Center Empreendimento Imobiliário Ltda., relativamente ao imóvel sito à Rua São Quirino, 823, Vila Guilherme, Capital, SP. Gilda Antonietta Orlando Cury - Presidente do Conselho de Administração.

Club Administradora de Cartões de Crédito S.A. CNPJ/MF nº 08.262.343/0001-36 COMUNICADO Club Administradora de Cartões de Crédito S.A., sociedade por ações de capital fechado, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 08.262.343/0001-36, com sede na Alameda Tocantins, 280, Alphaville, Barueri - SP, CEP: 06455-020, COMUNICA, para os devidos fins, que devido ao incêndio ocorrido nos dias 04 e 05 de julho de 2011, nas dependências da empresa Interfile Gestão de Documentos e Processos Ltda., na cidade de Jandira-SP, empresa com a qual mantém contrato de prestação de serviços de guarda e gestão de arquivo, foram destruídos pelo fogo os seguintes documentos de sua propriedade: contratos diversos, notas, livros e documentos fiscais, documentos e livros contábeis, documentos trabalhistas e previdenciários, documentos financeiros, documentos diversos de cobrança e pagamentos, propostas de adesão do Cartão Marisa, bem como os serviços a ele vinculados - tais como m m m m m m m m m m m m

GBM BRASIL - DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. CNPJ/MF Nº 09.391.874/0001-91 - NIRE Nº 33.300.285.822 ATA DE ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DATADA DE 26 DE JANEIRO DE 2011. Data, hora e local: no dia 26/01/2011, às 10 horas, na sede da Companhia, em São Paulo/SP, na Rua do Rocio nº 350, 4º andar, conj. 42, Edifício Atrium IX, Vila Olímpia, CEP 04552-000. 2. Convocação e Presença: Dispensada a publicação de editais de convocação, na forma do disposto no art. 124, § 4º da Lei No 6.404, de 15/12/1976 (“LSA”), por estarem presentes as acionistas representando a totalidade do capital social da Companhia, conforme assinaturas constantes no Livro de Presença de Acionistas da Companhia. 3. Mesa: Presidida pelo Sr. Alexandre Brandão Werneck e secretariada pelo Sr. Jorge Gutiérrez Chamlati. 4. Ordem do Dia: Deliberar sobre (i) a indicação dos Srs. Andrés Ramón Cuellar Dávila e Diego Bravo Ampudia como Diretores Executivos da Companhia; (ii) aumento do capital social da Companhia; (iii) alteração do Estatuto Social da Companhia e (iv) outros assuntos de interesse social. 5. Deliberações tomadas por unanimidade e sem reservas: Primeiramente, o Presidente propôs que a ata da presente assembléia fosse lavrada na forma sumária, nos termos do art. 130, § 1º da LSA, contendo apenas a transcrição das deliberações tomadas e com a omissão da assinatura dos acionistas. Ato contínuo, o Presidente iniciou a discussão e votação dos seguintes assuntos da ordem do dia, tendo sido tomadas as seguintes decisões pelos acionistas da Companhia, por unanimidade: 5.1. Indicar os Srs. Andrés Ramón Cuellar Dávila, cidadão mexicano, solteiro, economista, residente e domiciliado em São Paulo/SP, na Rua Prof. Atílio Innocenti nº 957, ap. 137, Vila Nova Conceição, CEP 04538-002, RNE nº V582184-U (temporário) expedido pelo Depto. da Polícia Federal e CPF/MF nº 060.826.597-75 e Diego Bravo Ampudia, cidadão mexicano, solteiro, bacharel em finanças, residente e domiciliado em Bosques de Panamá nº 23 frac. Bosques de Aragón, Cidade do México, México, CEP 57170, portador do passaporte mexicano nº P04360021941, com validade até 12/10/2014, para ocuparem cargos de Diretores Executivos da Companhia, sendo que a eleição e a posse dos mesmos ficam condicionadas à obtenção do visto permanente e autorização de trabalho, a serem emitidas pelas autoridades brasileiras competentes. 5.2. Aumentar o capital social da Companhia de R$6.714.695,20 para R$16.710.695,20 mediante aumento de R$9.996.000,00 com a consequente subscrição pela acionista GBMSA Holdings, INC, de 199.920.000 ações ordinárias, nominativas, sem valor nominal, ao preço de emissão de R$0,05 por ação, que são neste ato integralizadas pela referida acionista subscritora, em moeda corrente do país, no valor correspondente a R$9.996.000,00, conforme consubstanciado no contrato de câmbio no 11/001400 datado de 26/01/ 2011, celebrado com o Banco Bradesco S.A., sendo emitido, neste ato, o respectivo Boletim de Subscrição. A acionista Portfolio Investments, Inc. renuncia ao direito de preferência na subscrição do aumento de capital, na forma do Art. 171, §§ 4º e 6º da Lei das S.A. 5.3. Em virtude do aumento de capital deliberado, os acionistas presentes resolvem, também por unanimidade, alterar o “caput” do art. 5º do Estatuto Social, que passa a vigorar com a seguinte redação: “Art. 5º. O capital social é de R$16.710.695,20, representado por 235.885.970 ações ordinárias nominativas, sem valor nominal”. 6. Encerramento e aprovação da ata: Tendo sido dada a palavra aos demais presentes na assembléia, nada mais havendo a ser tratado, foram encerrados os trabalhos e suspensa a reunião pelo tempo necessário à lavratura desta ata, a qual lida e achada conforme, foi aprovada e assinada pelos membros da mesa e pelos acionistas presentes, quais sejam: (i) GBMSA Holdings, Inc.; e (ii) Portfolio Investments Inc., ambas representadas neste ato por seu procurador, Sr. Jorge Gutiérrez Chamlati, mexicano, casado, advogado, OAB/SP nº 166.772, RNE V246550-J emitido pelo CGPI/DIREX/DPF, e CPF/MF nº 215.972.348-77, residente e domiciliado em São Paulo/SP, escritório na Av. Dr. Chucri Zaidan, 920, 8º andar, Vila Cordeiro, CEP 04583-904, em São Paulo/SP. O presente é cópia fiel do original lavrado no livro próprio e são autênticas, no mesmo livro, as assinaturas nele apostas. São Paulo, 26/01/2011. Alexandre Brandão Werneck - Presidente da Mesa; Jorge Gutiérrez Chamlati - Secretário. Boletim de Subscrição de Ações da GBM Brasil - Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. 1) Subscritor: GBMSA Holdings, INC., uma sociedade constituída e organizada de acordo com as leis do Estado de Delaware, Estados Unidos da América, com sede em 1209 Orange Street, na cidade de Wilmington, Estado de Delaware, CNPJ/MF nº 09.126.112/0001-68, neste ato representada por seu bastante procurador, Sr. Jorge Gutiérrez Chamlati, mexicano, casado, advogado, OAB/SP nº 166.772, RNE V246550-J emitido pelo CGPI/DIREX/DPF, CPF/MF nº 215.972.348-77, residente e domiciliado em São Paulo/SP, escritório na Av. Dr. Chucri Zaidan, 920, 8º andar, Vila Cordeiro, CEP 04583-904, em São Paulo/SP. 2) Número de ações subscritas: 199.920.000 ações ordinárias nominativas, sem valor nominal. 3) Preço de emissão e valor total da subscrição: R$ 0,05 por ação, totalizando R$ 9.996.000,00. São Paulo, 26/ 01/2011. GBMSA Holdings, INC p.p. Jorge Gutiérrez Chamlati; Alexandre Brandão Werneck - Presidente da Mesa. Estatuto Social de GBM Brasil - Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S/A Capítulo I Denominação, Sede, Objeto e Duração Art. 1º GBM Brasil - Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. é uma sociedade anônima de capital fechado, regida por este Estatuto Social e pela legislação aplicável. Art. 2º A Companhia tem sede social e domicílio jurídico em São Paulo/SP, na Rua do Rocio, 350, 4º andar, conj. 42, Edifício Atrium IX, Vila Olímpia, CEP 04552-000. A Companhia poderá, por deliberação da Diretoria, abrir e fechar filiais em qualquer parte do País ou no exterior. Art. 3º A Companhia tem por objeto social: (a) a subscrição, isoladamente ou em consórcio com outras sociedades autorizadas, de emissões de títulos e valores mobiliários para revenda; (b) a compra e venda de títulos e valores mobiliários, por conta própria e de terceiros, observada a regulamentação baixada pelo Banco Central do Brasil e pela Comissão de Valores Mobiliários nas suas respectivas áreas de competência; (c) a administração de carteiras e custódia de títulos e valores mobiliários; (d) a subscrição, transferência e autenticação de endossos, de desdobramento de cautelas, de recebimento e pagamento de resgates, juros e outros proventos de títulos e valores mobiliários; (e) a instituição, organização e administração de fundos e clubes de investimento; (f) a constituição de sociedade de investimento - capital estrangeiro e a administração da respectiva carteira de títulos e valores mobiliários; (g) a prática de operações de conta margem, conforme regulamentação da Comissão de Valores Mobiliários; (h) a realização de operações compromissadas; (i) a prestação de serviços de intermediação e de assessoria ou assistência técnica em operações e atividades nos mercados financeiro e de capitais; e (j) exercer outras atividades expressamente autorizadas, em conjunto, pelo Banco Central do Brasil e pela Comissão de Valores Mobiliários. § Único: É vedado a Companhia as seguintes práticas: a) realizar operações que caracterizem, sob qualquer forma, a concessão de financiamentos, empréstimos ou adiantamentos a seus clientes, inclusive através da cessão de direitos, ressalvadas as hipóteses de operação de conta margem e as demais previstas na regulamentação em vigor; (b) cobrar de seus comitentes corretagem ou qualquer outra comissão referente a negociações com determinado valor mobiliário durante seu período de distribuição primária; (c) adquirir bens não destinados ao uso próprio, salvo os recebidos em liquidação de dívidas de difícil ou duvidosa solução, caso em que deverá vendê-los dentro do prazo de um ano, a contar do recebimento, prorrogável até duas vezes, a critério do Banco Central; (d) obter empréstimos ou financiamentos junto a instituições financeiras, exceto aqueles vinculados à aquisição de bens para uso próprio e à execução de atividades previstas no objeto social, observado o limite de duas vezes o respectivo patrimônio de referência para o conjunto dessas operações; (e) dar ordens às sociedades corretoras para a realização de operações envolvendo comitente final que não tenha identificação cadastral na bolsa de valores; e (f) a celebração de contratos de mútuo com pessoas físicas e pessoas jurídicas, financeiras ou não, exceto os contratos de mútuo referentes a operações de conta margem e de empréstimo de ações, celebrados nos termos da regulamentação em vigor. Art. 4º O prazo de duração da Companhia é indeterminado. Capítulo II Capital Social e Ações Art. 5º O capital social é de R$16.710.695,20, representado por 235.885.970 ações ordinárias nominativas, sem valor nominal. § 1º Cada ação ordinária confere ao seu titular o direito a um voto nas Assembléias Gerais. § 2º Os certificados de ações deverão ser assinados por 2 Diretores. Capítulo III Administração Art. 6º A Companhia será administrada por uma Diretoria, na forma da lei e do presente Estatuto Social. Art. 7º A remuneração da Diretoria será fixada pela Assembléia Geral. Art. 8º Os Diretores eleitos serão investidos nos seus cargos mediante assinatura de termo de posse, permanecendo no exercício de suas funções até a posse de seus respectivos substitutos. A entrada dos Diretores no exercício das suas funções estará sujeita a homologação da respectiva investidura pelas autoridades competentes. Art. 9º A Diretoria será composta por no mínimo 2 e no máximo 5 Diretores, sendo 1 o Diretor Geral, 1 o Diretor Comercial e os outros 3 Diretores Executivos. Os Diretores substituir-se-ão, uns aos outros nas suas respectivas ausências temporárias. Em caso de ausência permanente, uma Assembléia de Acionistas deverá ser convocada para eleger o correspondente substituto. § Único. Os Diretores estarão dispensados de caução e serão eleitos pela Assembléia Geral para mandatos de 1 ano, permitida a reeleição. Art. 10 A Diretoria, observadas as disposições deste Estatuto e da legislação aplicável, terá poderes gerais para administrar e conduzir os negócios da Companhia e decidir sobre a execução de atos e operações relacionados ao objeto social. § 1º As competências dos Diretores serão as seguintes: a) Compete ao Diretor Geral, dentre outras competências: (i) dirigir e supervisionar as operações da Companhia; (ii) administrar e reportar as finanças da Companhia às acionistas; (iii) representar a Companhia em juízo ou fora dele, ativa e passivamente; (iv) convocar as Assembléias Gerais; e (v) outorgar procurações. b) Compete ao Diretor Comercial: (i) coordenar e ser responsável pela supervisão da Ouvidoria da Companhia, bem como pela observância, nos termos da legislação aplicável, das normas legais e regulamentares relativas aos direitos do consumidor; (ii) implementar e acompanhar o cumprimento das medidas de prevenção e combate às atividades relacionadas com os crimes previstos na Lei nº 9.613 de 03/03/1998, nos termos da regulamentação em vigor; (iii) convocar as Assembléias Gerais na ausência do Diretor Geral; e (iv) realizar as demais atividades que lhe forem atribuídas no instrumento de sua nomeação. c) Compete aos Diretores Executivos, dentre outras competências: (i) buscar e gerenciar novos negócios da Companhia; (ii) coordenar as suas respectivas equipes nos trabalhos necessários para atingir seus objetivos; e (iii) coordenar e ser responsáveis pelo departamento de recursos humanos; todo o acima em conformidade com o objeto social da Companhia. § 2º a Companhia será representada e obrigar-se-á, sujeita aos demais limites e condições deste Artigo: a) pelo Diretor Geral agindo isoladamente; b) pelo Diretor Comercial agindo em conjunto com um dos Diretores Executivos ou com um procurador com poderes específicos; c) por dois Diretores Executivos em conjunto; ou d) por dois procuradores em conjunto, sempre, contudo, no âmbito do respectivo mandato. § 3º As seguintes matérias serão privativas da Diretoria: a) aprovar o plano financeiro e orçamento anual da Companhia; b) propor à Assembléia Geral modificações no Estatuto Social; c) deliberar sobre a contratação e destituição de auditores independentes; d) aprovar as diretrizes para contratação de empregados; e) abrir ou encerrar filiais, depósitos, escritórios de vendas, escritórios administrativos ou quaisquer outros estabelecimentos da Companhia; f) cumprir e fazer cumprir as deliberações da Assembléia Geral; g) fixar a orientação geral dos negócios da Companhia; h) estabelecer funções e orientar os Diretores no exercício das suas atribuições; i) decidir sobre os assuntos não previstos neste Estatuto e que não sejam de competência da Assembléia Geral; e j) eleger e destituir o Ouvidor. § 4º A assinatura de cheques e demais documentações financeiras emitidas pela Companhia, bem como transferências eletrônicas de valores, deverão ser realizadas conjuntamente por 2 (dois) Diretores, ou por um deles em conjunto com um procurador com poderes específicos. § 5º Nas ausências temporárias ou permanentes ou nos impedimentos do Diretor Geral, as procurações para representar a Companhia poderão ser assinadas pelo Diretor Comercial em conjunto com um Diretor Executivo, devendo constar a natureza da ausência ou impedimento na correspondente procuração. Art. 11 As reuniões da Diretoria serão convocadas por qualquer um dos Diretores. As convocações serão feitas por escrito e entregues pessoalmente ou enviadas por fax ou e-mail com, no mínimo, 3 dias de antecedência à data da reunião. Independentemente do acima disposto, em caso de emergência, qualquer Diretor isoladamente poderá convocar uma reunião com 24 horas de antecedência. § Único As reuniões da Diretoria serão presididas pelo Diretor Geral e na sua ausência pelo Diretor Comercial. Capítulo IV Conselho Fiscal Art. 12 A Companhia terá um Conselho Fiscal composto de 03 membros e respectivos suplentes. O Conselho Fiscal terá as funções estabelecidas em lei. Art. 13 O Conselho Fiscal terá caráter não permanente e será instalado quando assim solicitado pelos acionistas, na forma prevista em lei. Capítulo V Assembléias Gerais Art. 14 As Assembléias Gerais Ordinárias serão realizadas anualmente nos 4 meses seguintes ao final do exercício social. As Assembléias Gerais Extraordinárias serão realizadas sempre que os interesses da Companhia o exigirem. § 1º As Assembléias Gerais serão convocadas pelo Diretor Geral e, na sua ausência, pelo Diretor Comercial. § 2º As Assembléias Gerais Ordinárias e Extraordinárias serão instaladas, em primeira e segunda convocação, na forma prevista em lei. § 3º As Assembléias Gerais serão presididas pelo Diretor Geral ou pelo Diretor Comercial, quem nomeará um Secretário dentre os presentes na assembléia. § 4º As deliberações das Assembléias Gerais serão sempre tomadas por maioria absoluta de votos, ressalvadas as exceções previstas em lei. § 5º Os seguintes atos dependerão de aprovação prévia da Assembléia Geral: 1. onerar, adquirir ou alienar participações da Companhia em negócios ou sociedades, firmas individuais ou em qualquer outro empreendimento; 2. prestar garantias em empréstimos ou outras obrigações da Companhia ou de terceiros; 3. assinar contratos ou acordos de qualquer natureza, envolvendo valores iguais ou superiores a R$1.000.000,00 ou por prazo superior a 36 meses; 4. licenciar propriedade intelectual da Companhia; 5. conceder ou tomar empréstimos em valor superior a R$1.000.000,00; e 6. constituir, cindir, fusionar, incorporar, dissolver, liquidar ou transformar sociedades subsidiárias. Capítulo VI Ouvidoria Art. 15 A Ouvidoria terá a atribuição de assegurar a estrita observância das normas legais e regulamentares relativas aos direitos do consumidor, bem como de atuar como canal de comunicação entre a Companhia e seus clientes e usuários de seus produtos e serviços, inclusive no que tange à mediação de conflitos. Caberá à Ouvidoria: a) receber, registrar, instruir, analisar e dar tratamento formal e adequado às reclamações e/ou sugestões dos clientes e usuários dos produtos e serviços da Companhia, que não forem solucionadas pelo atendimento habitual realizado por suas agências e quaisquer outros pontos de atendimento; b) prestar, com a maior brevidade, os esclarecimentos necessários e dar ciência aos reclamantes acerca do andamento de suas demandas e das correspondentes providências adotadas pela Companhia, c) informar aos reclamantes o prazo previsto para a resposta final às reclamações e/ou sugestões encaminhadas, o qual não poderá ultrapassar 15 dias, contados da data da protocolização da ocorrência; d) encaminhar resposta conclusiva para a demanda dos reclamantes em prazo que não pode ultrapassar 15 dias; e) propor à Diretoria medidas corretivas ou de aprimoramento de procedimentos e rotinas, em decorrência da análise das reclamações e/ou sugestões recebidas; e f) elaborar e encaminhar à auditoria interna, ao comitê de auditoria, quando existente, e à Diretoria, ao final de cada semestre, relatório quantitativo e qualitativo acerca da atuação da Ouvidoria, contendo as proposições mencionadas no item acima. § Único A Companhia, através da Diretoria e do Diretor Comercial, criará condições adequadas para o funcionamento da Ouvidoria, garantindo que a sua atuação ocorra de forma transparente, independente, imparcial e isenta. Para tanto, será assegurado à Ouvidoria acesso irrestrito a todas as informações necessárias para a elaboração de resposta adequada às reclamações recebidas, com total apoio administrativo, devendo a Diretoria fornecer informações e documentos necessários para o exercício da atividade da Ouvidoria. Art. 16 O Ouvidor, que exercerá função autônoma em relação a qualquer outra área da Companhia, será eleito pela Diretoria, para um período de 2 anos, sendo permitida a sua reeleição. § Único O Ouvidor será destituído através do mesmo procedimento estipulado para a sua eleição no caput deste artigo. Capítulo VII Exercício Social, Demonstrações Financeiras e Dividendos Art. 17 O exercício social encerrar-se-á em 31 de dezembro de cada ano. Art. 18 Em 30 de junho e 31 de dezembro de cada exercício social, a Companhia levantará o balanço patrimonial e demais demonstrações financeiras exigidas por lei. O lucro então verificado terá a seguinte destinação: (a) 5% para a reserva legal, até que esta atinja 20% do capital social; (b) pelo menos 25% do lucro líquido, estipulado de acordo com o Art. 202 da Lei das Sociedades Anônimas, para pagamento do dividendo mínimo obrigatório aos acionistas; e (c) o saldo deverá ter a destinação deliberada pela Assembléia Geral, observada a legislação aplicável. § 1º A Companhia levantará também balanços semestrais para cumprir com a legislação aplicável, e ainda poderá levantar balanços intermediários a qualquer tempo para cumprir requisitos legais ou para fins de conveniência, inclusive para fins de distribuição antecipada de dividendos ou o pagamento e/ou crédito de juros às acionistas, a título de remuneração de capital próprio. § 2º Nos exercícios sociais em que for distribuído o dividendo obrigatório, poderá ser, por deliberação da Assembléia Geral Ordinária, distribuída aos Diretores participação no lucro do exercício até o teto legal permitido, a ser rateada entre os Diretores de acordo com o que for deliberado pela Assembléia Geral. Capítulo VIII Liquidação Art. 19 A Companhia entrará em liquidação nos casos previstos em Lei ou por deliberação dos acionistas, competindo à Assembléia Geral determinar a forma de liquidação e a nomeação do liquidante. Capítulo IX Disposições Finais Art. 20 A Companhia observará os acordos de acionistas arquivados na sua sede, quando existirem, sendo que os mesmos deverão ser apresentados ao Banco Central do Brasil logo após a sua celebração. Secretaria da Fazenda - Junta Comercial do Estado de São Paulo. Certifico o registro sob o nº 153.534/11-4 em 26/04/2011. Kátia Regina Bueno de Godoy - Secretária Geral.

DIÁRIO DO COMÉRCIO PETROVICH INSTRUMENTOS CIRÚRGICOS LTDA. torna público que recebeu da CETESB a renovação da Licença de Operação simplificada n° 45000255, válida até 09/08/2014, para fabricação de instrumentos não-elétricos para cirurgia, à Rua Padre Meliton Vigueira Penillos, 107, Vila Leopoldina, São Paulo/SP.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO CARLOS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE PREGÃO ELETRÔNICO FMS Nº 060/2011 - PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 1938/2011 Faço público, de ordem do Senhor Secretário Municipal de Saúde, que se encontra aberto o Pregão Eletrônico nº 060/ 2011, tendo como objeto a aquisição de colposcópios, conforme especificações e nas quantidades constantes nos Anexos II, III e IV. O Edital na íntegra poderá ser obtido nos sites: www.licitacoes-e.com.br e www.saocarlos.sp.gov.br, opção Licitações. O recebimento e a abertura das propostas dar-se-ão até às 8 horas do dia 26 de agosto de 2011, e o início da sessão de disputa de preços será às 9 horas e 30 minutos do dia 26 de agosto de 2011. Maiores informações pelo telefone (16) 3362-1350. São Carlos, 11 de agosto de 2011. Chayana Antonio de Moura - Pregoeira

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: COMUNICADO TOMADA DE PREÇOS - TIPO TÉCNICA E PREÇO Nº 46/00336/11/02 - Projeto Executivo de Estrutura, inclusive de Fundações em Tubulão e Sapata para atender o Projeto Padrão FDE “Perobal”, com capacidade de 08, 10, 12, 14 e 16 Salas de Aula e Blocos Isolados componíveis em Estrutura de Concreto Convencional. A Comissão Julgadora de Licitações comunica a nova data de entrega dos envelopes 1 (Proposta Técnica), envelope 2 (Proposta Comercial) e envelope 3 (Documentos de Habilitação), que será dia 14/09/2011, às 10:30h. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital na SEDE DA FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 - São Paulo/SP, ou através da Internet pelo endereço eletrônico www.fde.sp.gov.br. Os interessados poderão adquirir o Edital completo através de CD-ROM a partir de 12/08/2011, na SEDE DA FDE, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, mediante pagamento não reembolsável de R$ 40,00 (quarenta reais). Os invólucros contendo a Proposta Técnica, a Proposta Comercial e os documentos de Habilitação deverão ser entregues, juntamente com a Solicitação de Participação e a Declaração de Pleno Atendimento aos Requisitos de Habilitação, no Setor de Protocolo da Supervisão de Licitações - SLI na SEDE DA FDE, até 30 minutos antes da abertura da licitação. SOLICITAMOS ÀS EMPRESAS QUE JÁ ADQUIRIRAM ANTERIORMENTE O EDITAL QUE EFETUEM A TROCA PELA VERSÃO ATUALIZADA OU CONSULTEM PELO ENDEREÇO ELETRÔNICO (www.fde.sp.gov.br).

17 Emp re Comerc a Ltda

CN

M

Comun cado Emp e Come c a L da n a no CNP M ob o n 33 005 703 0001 61 om ede na A en da do Pa o 115 Sa a 67 A pha e Ba ue SP CEP 06429 120 COMUN CA pa a o de do n que de do ao n ênd o o o do no d a 04 e 05 de u ho de 2011 na dependên a da emp e a n e e Ge ão de Documen o e P oce o L da na dade de and a SP emp e a om a qua man ém on a o de p e a ão de e o de gua da e ge ão de a qu o o am de u do pe o ogo o egu n e do umen o de ua p op edade do umen o a do umen o on ábe do umen o nan e o do umen o e papé d e o e a o a e u a ão e ua a dade do pe odo omp eend do en e o ano de 1997 a 2006 a ém de ou o que po am e apu ado du an e o âm e do nqué o Po a n 316 11

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: TOMADA DE PREÇOS - TIPO TÉCNICA E PREÇO A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para execução de Elaboração de Projeto Executivo de Acessibilidade e Apresentação de Pasta Técnica contemplando a documentação relativa ao Projeto Técnico de Segurança: TOMADA DE PREÇOS Nº - PRÉDIO - LOCALIZAÇÃO - ÁREA (se houver) - PRAZO - ABERTURA DA LICITAÇÃO (HORA E DIA) 46/00315/11/02 - EE Prof. José Mazella - Rod. Oswaldo Cruz, KM-15 12010-970 Registro - Taubaté-SP - 90 (Elab. de Proj.) / 180 (Pasta Técnica); EE/EMEF Francisco Ribeiro Soares Júnior - Rua Rio de Janeiro, 517 14570-000 - Centro Buritizal-SP - 90 (Elab. de Proj.) / 180 (Pasta Técnica); EE Prof. Martinho Sylvio Bizutti - Rua Joaquina Angélica Ferreira, 210 14540-000 - Sta. R. Paraíso - Igarapava-SP - 90 (Elab. de Proj.) / 180 (Pasta Técnica) - 11:00 - 14/09/2011. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital, na SEDE DA FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 - São Paulo/SP, ou através da Internet pelo endereço eletrônico www.fde.sp.gov.br. Os interessados poderão adquirir o Edital completo através de CD-ROM a partir de 12/08/2011, na SEDE DA FDE, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, mediante pagamento não reembolsável de R$ 40,00 (quarenta reais). Os invólucros contendo a Proposta Técnica, a Proposta Comercial e os documentos de Habilitação, deverão ser entregues, juntamente com a Solicitação de Participação, a Declaração de Pleno Atendimento aos Requisitos de Habilitação e a garantia de participação, no Setor de Protocolo da Supervisão de Licitações - SLI na SEDE DA FDE, até 30 minutos antes da abertura da licitação. Esta Licitação será processada em conformidade com a LEI FEDERAL nº 8.666/93 e suas alterações, e com o disposto nas CONDIÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE. As propostas deverão obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital. JOSÉ BERNARDO ORTIZ Presidente

CIA TEXTIL NIAZI CHOHFl CNPJ 60.397.361/0001-45 - NIRE 35.300.067.860 Ata da Assembleia Geral Extraordinária Realizada em 15/07/2011 Data: 15 de julho de 2011, às 15:00 horas. Local: Sede Social à Rua 25 de Março, 603/611, Centro, CEP 01017-040, no ALIDADE do capital social, Município de São Paulo, no Estado de São Paulo. Presença: Acionistas representando a TOT TOTALIDADE dispensada a publicação dos Editais de Convocação, de acordo com o Art. 124, Parágrafo 4°, da Lei n° 6404, de 15.12.76. Mesa Diretora: Presidente: Reginaldo Chohfi; Secretária: Solange Maria Nassif Chohfi. Ordem do Dia: a) Convalidação de NIRE filial; b) Outros assuntos de interesse social. Deliberações: I - Os acionistas presentes, vem requerer a Junta Comercial do Estado de São Paulo, atribuição e convalidação de NIRE, para a filial sito a Rua Cavalheiro Basilio Jafet, 80, aberta juntamente com a empresa matriz no contrato constitutivo da empresa em sessão 03.07.1967, devidamente registrado sob NIRE 35300067860, no qual não foi atribuido NIRE para a filial acima descrita, sendo que a respectiva filial foi aberta no mesmo ato de abertura da matriz, segue anexo ao presente exigência da JUCESP para atribuição de nire, bem como microfilmagem de breve relato, sobre o ato de abertura da filial em conjunto com a matriz. II - Encerramento: Nada mais havendo a tratar, o Senhor Presidente ofereceu a palavra a quem dela quisesse fazer uso e como ninguém se manifestasse, declarou suspensos os trabalhos pelo tempo necessário à lavratura desta ata, que após lida e aprovada, vai assinada por todos os Acionistas presentes. São Paulo, 15 de Julho de 2011. Assinaturas: Presidente: Reginaldo Chohfi Chohfi; Secretária: Solange Maria Nassif Chohfi Chohfi. Acionistas: C.T .N.C Adminstração e Participações S/A. C.T.N.C S/A., T.N.C Administração e Participações S/A. S/A.; Diretor-Presidente: Reginaldo Chohfi Chohfi; Diretora Vice-Presidente: Solange Maria Nassif Chohfi Chohfi. A presente é cópia fiel da original. Reginaldo Chohfi - Diretor-Presidente; Solange Maria Nassif Chohfi - Diretora Vice-Presidente. Reginaldo Chohfi Chohfi, Presidente da .N.C Adminstração e Participações S/A. Mesa; Solange Maria Nassif Chohfi Chohfi, Secretária; C.T C.T.N.C S/A., Acionista, representada por Reginaldo Chohfi e Solange Maria Nassif Chohfi; T.N.C Adminstração e Participações S/A. S/A., Acionista, representada por Reginaldo Chohfi e Solange Maria Nassif Chohfi. Registrada na JUCESP sob o nº 299.451/11-2, em 01 de agosto de 2011.

GBM Brasil – Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. CNPJ/MF nº 09.391.874/0001-91 - NIRE nº 33.300.285.822 Ata de Assembléia Geral Extraordinária em 10 de Janeiro de 2011 1. Data, hora e local: No dia 10 de janeiro de 2011, às 10:00 horas, na sede da Cia., localizada no Rio de Janeiro, na Av. Ataulfo de Paiva, nº 341, sala 701, Leblon, CEP 22440-032. 2. Convocação e Presença: Dispensada a publicação de editais de convocação, na forma do disposto no art. 124, § 4º da Lei No 6.404/76, (“LSA”), por estarem presentes as acionistas representando a totalidade do capital social da Cia., conforme assinaturas constantes no Livro de Presença de Acionistas da Companhia. 3. Mesa: Presidida pelo Sr. Jose Hudson Moreno e secretariada pela Sra. Luciana Brandão Daltro Sodré. 4. Ordem do Dia: Deliberar sobre: (i) Transferir a sede da cia. da Cidade do Rio de Janeiro para São Paulo; (ii) Encerrar a agência da Cia. localizada em São Paulo; e (iii) outros assuntos de interesse social. 5. Deliberações tomadas por unanimidade e sem reservas: O Presidente iniciou a discussão e votação dos seguintes assuntos da ordem do dia, tendo sido tomadas as seguintes decisões pelos acionistas da Cia., por unanimidade: 5.1. Transferir a sede da Cia da Cidade e Estado do Rio de Janeiro, na Av. Ataulfo de Paiva, 341, sala 701, Leblon, CEP: 22440-032 para São Paulo/SP, na Rua do Rócio, 350, 4º andar, conj. 42, Edifício Atrium IX, Vila Olímpia, CEP.: 04552-000, onde está localizada a agência da Cia. 5.2. Encerrar a agência da Cia. localizada em São Paulo/SP, na Rua do Rócio, nº. 350, 4º andar, conj. 42, Edifício Atrium IX, Vila Olímpia, CEP 04552-000, em razão do exposto no item 5.1. 5.3. Em virtude das deliberações acima, os acionistas presentes resolvem, também por unanimidade, alterar o do Artigo 2º do Estatuto Social, que passa a vigorar com a seguinte redação: “Art. 2º. A Cia. tem sede social e domicílio jurídico em São Paulo/SP, na Rua do Rocio, nº 350, 4º andar, Conj. 42, Edifício Atrium IX, Vila Olímpia, CEP 04552-000. A Cia. poderá, por deliberação da Diretoria, abrir e fechar filiais em qualquer parte do País ou no exterior.” 5.4. Uma versão consolidada do Estatuto Social da Cia. constará como anexo da presente ata. 6. Encerramento e aprovação da ata: Tendo sido dada à palavra aos demais presentes na assembléia, nada mais havendo a ser tratado, foram encerrados os trabalhos e suspensa a reunião pelo tempo necessário à lavratura desta ata, a qual, lida e achada conforme, foi aprovada e assinada pelos membros da mesa e pelas acionistas presentes, quais sejam: (i) GBMSA Holdings, Inc.; e (ii) Portfolio Investments Inc., ambas representadas neste ato por seu procurador, Sr. Jorge Gutiérrez Chamlati, mexicano, casado, advogado, inscrito na OAB/SP nº 166.772, portador da RNE V246550-J, e inscrito no CPF/MF nº 215.972.348-77, residente e domiciliado em São Paulo/SP, com escritório na Av. Dr. Chucri Zaidan, 920, 8º andar, Vila Cordeiro, CEP 04583-904, em São Paulo/SP. O presente é cópia fiel do original lavrado no livro próprio. Rio de Janeiro, 10 de janeiro de 2011. Jose Hudson Moreno - Presidente da Mesa; Luciana Brandão Daltro Sodré - Secretária. Estatuto Social de GBM Brasil - Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S/A. Capítulo I - Denominação, Sede, Objeto e Duração: Art. 1º. GBM Brasil – Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. é uma sociedade anônima de capital fechado, regida por este Estatuto Social e pela legislação aplicável. Art. 2º.A Cia. tem sede social e domicílio jurídico em São Paulo/SP, na Rua do Rocio, nº 350, 4º andar, Conj. 42, Edifício Atrium IX, Vila Olímpia, CEP 04552-000. A Cia. poderá, por deliberação da Diretoria, abrir e fechar filiais em qualquer parte do País ou no exterior. Art. 3º. A Cia. tem por objeto social: (a) a subscrição, isoladamente ou em consórcio com outras sociedades autorizadas, de emissões de títulos e valores mobiliários para revenda; (b) a compra e venda de títulos e valores mobiliários, por conta própria e de terceiros, observada a regulamentação baixada pelo Banco Central do Brasil e pela Comissão de Valores Mobiliários nas suas respectivas áreas de competência; (c) a administração de carteiras e custódia de títulos e valores mobiliários; (d) a subscrição, transferência e autenticação de endossos, de desdobramento de cautelas, de recebimento e pagamento de resgates, juros e outros proventos de títulos e valores mobiliários; (e) a instituição, organização e administração de fundos e clubes de investimento; (f) a constituição de sociedade de investimento - capital estrangeiro e a administração da respectiva carteira de títulos e valores mobiliários; (g) a prática de operações de conta margem, conforme regulamentação da Comissão de Valores Mobiliários; (h) a realização de operações compromissadas; (i) a prestação de serviços de intermediação e de assessoria ou assistência técnica em operações e atividades nos mercados financeiro e de capitais; e (j) exercer outras atividades expressamente autorizadas, em conjunto, pelo Banco Central do Brasil e pela Comissão de Valores Mobiliários. § Único: É vedado a Companhia as seguintes práticas: a) realizar operações que caracterizem, sob qualquer forma, a concessão de financiamentos, empréstimos ou adiantamentos a seus clientes, inclusive através da cessão de direitos, ressalvadas as hipóteses de operação de conta margem e as demais previstas na regulamentação em vigor; (b) cobrar de seus comitentes corretagem ou qualquer outra comissão referente a negociações com determinado valor mobiliário durante seu período de distribuição primária; (c) adquirir bens não destinados ao uso próprio, salvo os recebidos em liquidação de dívidas de difícil ou duvidosa solução, caso em que deverá vendê-los dentro do prazo de um ano, a contar do recebimento, prorrogável até duas vezes, a critério do Banco Central; (d) obter empréstimos ou financiamentos junto a instituições financeiras, exceto aqueles vinculados à aquisição de bens para uso próprio e à execução de atividades previstas no objeto social, observado o limite de duas vezes o respectivo patrimônio de referência para o conjunto dessas operações; (e) dar ordens às sociedades corretoras para a realização de operações envolvendo comitente final que não tenha identificação cadastral na bolsa de valores; e (f) a celebração de contratos de mútuo com pessoas físicas e pessoas jurídicas, financeiras ou não, exceto os contratos de mútuo referentes a operações de conta margem e de empréstimo de ações, celebrados nos termos da regulamentação em vigor. Art. 4º. O prazo de duração da Companhia é indeterminado. Capítulo II - Capital Social e Ações: Art. 5º. O capital social é de R$6.714.695,20, representado por 35.965.970 ações ordinárias nominativas, sem valor nominal. § 1º. Cada ação ordinária confere ao seu titular o direito a um voto nas Assembléias Gerais. § 2º. Os certificados de ações deverão ser assinados por 2 Diretores. Capítulo III - Administração: Art. 6º. A Cia. será administrada por uma Diretoria, na forma da lei e do presente Estatuto Social. Art. 7º. A remuneração da Diretoria será fixada pela Assembléia Geral. Art. 8º. Os Diretores eleitos serão investidos nos seus cargos mediante assinatura de termo de posse, permanecendo no exercício de suas funções até a posse de seus respectivos substitutos. A entrada dos Diretores no exercício das suas funções estará sujeita a homologação da respectiva investidura pelas autoridades competentes. Art. 9º. A Diretoria será composta por no mínimo 2 e no máximo 5 Diretores, sendo 1 o Diretor Geral, 1 o Diretor Comercial e os outros 3 Diretores Executivos. Os Diretores substituir-se-ão, uns aos outros nas suas respectivas ausências temporárias. Em caso de ausência permanente, uma Assembléia de Acionistas deverá ser convocada para eleger o correspondente substituto. § Único. Os Diretores estarão dispensados de caução e serão eleitos pela Assembléia Geral para mandatos de 1 ano, permitida a reeleição. Art. 10. A Diretoria, observadas as disposições deste Estatuto e da legislação aplicável, terá poderes gerais para administrar e conduzir os negócios da Cia. e decidir sobre a execução de atos e operações relacionados ao objeto social. § 1º. As competências dos Diretores serão as seguintes: a) Compete ao Diretor Geral, dentre outras competências: (i) dirigir e supervisionar as operações da Companhia; (ii) administrar e reportar as finanças da Companhia às acionistas; (iii) representar a Companhia em juízo ou fora dele, ativa e passivamente; (iv) convocar as Assembléias Gerais; e (v) outorgar procurações. b) Compete ao Diretor Comercial: (i) coordenar e ser responsável pela supervisão da Ouvidoria da Companhia, bem como pela observância, nos termos da legislação aplicável, das normas legais e regulamentares relativas aos direitos do consumidor; (ii) implementar e acompanhar o cumprimento das medidas de prevenção e combate às atividades relacionadas com os crimes previstos na Lei nº. 9.613 de 03 de março de 1998, nos termos da regulamentação em vigor; (iii) convocar as Assembléias Gerais na ausência do Diretor Geral; e (iv) realizar as demais atividades que lhe forem atribuídas no instrumento de sua nomeação. c) Compete aos Diretores Executivos, dentre outras competências: (i) buscar e gerenciar novos negócios da Companhia; (ii) coordenar as suas respectivas equipes nos trabalhos necessários para atingir seus objetivos; e (iii) coordenar e ser responsáveis pelo departamento de recursos humanos; todo o acima em conformidade com o objeto social da Cia. § 2º A Cia. será representada e obrigar-se-á, sujeita aos demais limites e condições deste Artigo: a) pelo Diretor Geral agindo isoladamente; b) pelo Diretor Comercial agindo em conjunto com um dos Diretores Executivos ou com um procurador com poderes específicos; c) por dois Diretores Executivos em conjunto; ou d) por dois procuradores em conjunto, sempre, contudo, no âmbito do respectivo mandato. § 3º. As seguintes matérias serão privativas da Diretoria: a) aprovar o plano financeiro e orçamento anual da Cia.; b) propor à Assembléia Geral modificações no Estatuto Social; c) deliberar sobre a contratação e destituição de auditores independentes; d) aprovar as diretrizes para contratação de empregados; e) abrir ou encerrar filiais, depósitos, escritórios de vendas, escritórios administrativos ou quaisquer outros estabelecimentos da Cia.; f) cumprir e fazer cumprir as deliberações da Assembléia Geral; g) fixar a orientação geral dos negócios da Cia.; h) estabelecer funções e orientar os Diretores no exercício das suas atribuições; i) decidir sobre os assuntos não previstos neste Estatuto e que não sejam de competência da Assembléia Geral; e j) eleger e destituir o Ouvidor. § 4º. A assinatura de cheques e demais documentações financeiras emitidas pela Cia., bem como transferências eletrônicas de valores, deverão ser realizadas conjuntamente por 2 Diretores, ou por um deles em conjunto com um procurador com poderes específicos. § 5º. Nas ausências temporárias ou permanentes ou nos impedimentos do Diretor Geral, as procurações para representar a Cia. poderão ser assinadas pelo Diretor Comercial em conjunto com um Diretor Executivo, devendo constar a natureza da ausência ou impedimento na correspondente procuração. Art. 11. As reuniões da Diretoria serão convocadas por qualquer um dos Diretores. As convocações serão feitas por escrito e entregues pessoalmente ou enviadas por fax ou e-mail com, no mínimo, 3 dias de antecedência à data da reunião. Independentemente do acima disposto, em caso de emergência, qualquer Diretor isoladamente poderá convocar uma reunião com 24 horas de antecedência. § Único. As reuniões da Diretoria serão presididas pelo Diretor Geral e na sua ausência pelo Diretor Comercial. Capítulo IV - Conselho Fiscal - Art.12. A Companhia terá um Conselho Fiscal composto de 03 membros e respectivos suplentes. O Conselho Fiscal terá as funções estabelecidas em lei. Art. 13. O Conselho Fiscal terá caráter não permanente e será instalado quando assim solicitado pelos acionistas, na forma prevista em lei. Capítulo V - Assembléias Gerais. Art. 14. As Assembléias Gerais Ordinárias serão realizadas anualmente nos 4 meses seguintes ao final do exercício social. As Assembléias Gerais Extraordinárias serão realizadas sempre que os interesses da Cia. o exigirem. § 1º. As Assembléias Gerais serão convocadas pelo Diretor Geral e, na sua ausência, pelo Diretor Comercial. § 2º. As Assembléias Gerais Ordinárias e Extraordinárias serão instaladas, em primeira e segunda convocação, na forma prevista em lei. § 3º. As Assembléias Gerais serão presididas pelo Diretor Geral ou pelo Diretor Comercial, quem nomeará um Secretário dentre os presentes na assembléia. § 4º. As deliberações das Assembléias Gerais serão sempre tomadas por maioria absoluta de votos, ressalvadas as exceções previstas em lei. § 5º. Os seguintes atos dependerão de aprovação prévia da Assembléia Geral: 1. onerar, adquirir ou alienar participações da Cia. em negócios ou sociedades, firmas individuais ou em qualquer outro empreendimento; 2. prestar garantias em empréstimos ou outras obrigações da Cia. ou de terceiros; 3. assinar contratos ou acordos de qualquer natureza, envolvendo valores iguais ou superiores a R$1.000.000,00 ou por prazo superior a 36 meses; 4. licenciar propriedade intelectual da Cia.; 5. conceder ou tomar empréstimos em valor superior a R$1.000.000,00; e 6. constituir, cindir, fusionar, incorporar, dissolver, liquidar ou transformar sociedades subsidiárias. Capítulo VI - Ouvidoria - Art.15. A Ouvidoria terá a atribuição de assegurar a estrita observância das normas legais e regulamentares relativas aos direitos do consumidor, bem como de atuar como canal de comunicação entre a Cia. e seus clientes e usuários de seus produtos e serviços, inclusive no que tange à mediação de conflitos. Caberá à Ouvidoria: a) receber, registrar, instruir, analisar e dar tratamento formal e adequado às reclamações e/ou sugestões dos clientes e usuários dos produtos e serviços da Cia., que não forem solucionadas pelo atendimento habitual realizado por suas agências e quaisquer outros pontos de atendimento; b) prestar, com a maior brevidade, os esclarecimentos necessários e dar ciência aos reclamantes acerca do andamento de suas demandas e das correspondentes providências adotadas pela Cia., c) informar aos reclamantes o prazo previsto para a resposta final às reclamações e/ou sugestões encaminhadas, o qual não poderá ultrapassar 15 dias, contados da data da protocolização da ocorrência; d) encaminhar resposta conclusiva para a demanda dos reclamantes em prazo que não pode ultrapassar 15 dias; e) propor à Diretoria medidas corretivas ou de aprimoramento de procedimentos e rotinas, em decorrência da análise das reclamações e/ou sugestões recebidas; e f) elaborar e encaminhar à auditoria interna, ao comitê de auditoria, quando existente, e à Diretoria, ao final de cada semestre, relatório quantitativo e qualitativo acerca da atuação da Ouvidoria, contendo as proposições mencionadas no item acima. § Único. A Cia., através da Diretoria e do Diretor Comercial, criará condições adequadas para o funcionamento da Ouvidoria, garantindo que a sua atuação ocorra de forma transparente, independente, imparcial e isenta. Para tanto, será assegurado à Ouvidoria acesso irrestrito a todas as informações necessárias para a elaboração de resposta adequada às reclamações recebidas, com total apoio administrativo, devendo a Diretoria fornecer informações e documentos necessários para o exercício da atividade da Ouvidoria. Art.16. O Ouvidor, que exercerá função autônoma em relação a qualquer outra área da Cia., será eleito pela Diretoria, para um período de 2 anos, sendo permitida a sua reeleição. § Único. O Ouvidor será destituído através do mesmo procedimento estipulado para a sua eleição no caput deste artigo. Capítulo VII - Exercício Social, Demonstrações Financeiras e Dividendos. Art. 17. O exercício social encerrar-se-á em 31 de dezembro de cada ano. Art. 18. Em 30/06 e 31/12 de cada exercício social, a Cia. levantará o balanço patrimonial e demais demonstrações financeiras exigidas por lei. O lucro então verificado terá a seguinte destinação: (a) 5% (cinco por cento) para a reserva legal, até que esta atinja 20% (vinte por cento) do capital social; (b) pelo menos 25% (vinte e cinco por cento) do lucro líquido, estipulado de acordo com o Art. 202 da Lei das Sociedades Anônimas, para pagamento do dividendo mínimo obrigatório aos acionistas; e (c) o saldo deverá ter a destinação deliberada pela Assembléia Geral, observada a legislação aplicável. § 1º. A Cia. levantará também balanços semestrais para cumprir com a legislação aplicável, e ainda poderá levantar balanços intermediários a qualquer tempo para cumprir requisitos legais ou para fins de conveniência, inclusive para fins de distribuição antecipada de dividendos ou o pagamento e/ou crédito de juros às acionistas, a título de remuneração de capital próprio. § 2º. Nos exercícios sociais em que for distribuído o dividendo obrigatório, poderá ser, por deliberação da AGO, distribuída aos Diretores participação no lucro do exercício até o teto legal permitido, a ser rateada entre os Diretores de acordo com o que for deliberado pela Assembléia Geral. Capítulo VIII - Liquidação - Art. 19. A Companhia entrará em liquidação nos casos previstos em Lei ou por deliberação dos acionistas, competindo à Assembléia Geral determinar a forma de liquidação e a nomeação do liquidante. Capítulo IX - Disposições Finais - Art. 20. A Companhia observará os acordos de acionistas arquivados na sua sede, quando existirem, sendo que os mesmos deverão ser apresentados ao Banco Central do Brasil logo após a sua celebração.Certifico que este documento foi registrado sob o nº e data estampados mecanicamente. Kátia Regina Bueno de Godoy - Secretária Geral.

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: CONCORRÊNCIAS A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para execução de Reforma de Prédio Escolar e Construção de Ambientes Complementares com Fornecimento, Instalação, Licenciamento e Manutenção de Elevador: CONCORRÊNCIA Nº - PRÉDIO - LOCALIZAÇÃO - PRAZO - ÁREA (se houver) - PATRIMÔNIO LÍQUIDO MÍNIMO P/ PARTICIPAR - GARANTIA DE PARTICIPAÇÃO - ABERTURA DA LICITAÇÃO (HORA E DIA) 69/00192/11/01 - EE Pe. Chico - Av. Cel. Manoel Antonio Domingues de Castro, 83 - 12130-000 - Centro - Lagoinha/ SP - 300 - 402,45 - R$ 217.857,00 - R$ 21.785,00 - 09:30 - 14/09/2011. 69/00258/11/01 - EE Paulo Delicio - Rua Pedro Dias Batista, 146 - CEP: 18770-000 - Centro - Águas de Santa Bárbara-SP - 210 - 195,63 e EE José Penna - Rua 24 de Dezembro, 559 - CEP: 18740-000 - Bela Vista - TaquaritubaSP - 240 - 14,16 - R$ 163.338,00 - R$ 16.333,00 - 10:00 - 14/09/2011. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital e o respectivo Caderno de Encargos e Composição do BDI na SEDE DA FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 - São Paulo/SP, ou através da Internet pelo endereço eletrônico www.fde.sp.gov.br. Os interessados poderão adquirir o Edital completo através de CD-ROM a partir de 12/08/2011, na SEDE DA FDE, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, mediante pagamento não reembolsável de R$ 50,00 (cinquenta reais). Todas as propostas deverão estar acompanhadas de garantia de participação, a ser apresentada à Supervisão de Licitações da FDE, conforme valor indicado acima. Os invólucros contendo a PROPOSTA COMERCIAL e os DOCUMENTOS DE HABILITAÇÃO deverão ser entregues, juntamente com a Solicitação de Participação, a Declaração de Pleno Atendimento aos Requisitos de Habilitação e a garantia de participação, no Setor de Protocolo da Supervisão de Licitações - SLI, na SEDE DA FDE, até 30 minutos antes da abertura da licitação. Esta Licitação será processada em conformidade com a LEI FEDERAL nº 8.666/93 e suas alterações, e com o disposto nas CONDIÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE. As propostas deverão obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital. JOSÉ BERNARDO ORTIZ Presidente

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: TOMADAS DE PREÇOS A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para execução de Obras: TOMADA DE PREÇOS Nº - OBJETO - PRÉDIO - LOCALIZAÇÃO - PRAZO - ÁREA (se houver) - PATRIMÔNIO LÍQUIDO MÍNIMO P/ PARTICIPAR - GARANTIA DE PARTICIPAÇÃO - ABERTURA DA LICITAÇÃO (HORA E DIA) 69/00201/11/02 - Reforma de Prédio Escolar - EE/ETEC Cap. Getúlio Lima/Alcídio de Souza Prado (Cl Descentr) - Rua Vereador Omar Rocha, 174 - 14660-000 - Centro - Sales Oliveira/SP - 180 - R$ 72.462,00 R$ 7.246,00 - 09:30 - 30/08/2011. 69/00245/11/02 - Reforma de Prédio Escolar e Construção de Ambientes Complementares com Fornecimento, Instalação, Licenciamento e Manutenção de Elevador - EE Eng. Haroldo Guimarães Bastos - Rua Azarias de Azevedo Melo s/nº - 15620-000 - Centro - Macedônia/SP - 150 - 23,64 - R$ 53.186,00 - R$ 5.318,00 - 10:00 - 30/08/2011. 70/00126/11/02 - Reforma de Prédio Escolar e Construção de Ambientes Complementares com Fornecimento, Instalação, Licenciamento e Manutenção de Elevador - EE Isabel Ferreira da Silva - Rua José Benedito dos Santos (Limão), 187 - 08738-260 - Vila Brasileira - Mogi das Cruzes/SP - 150 - 49,80 - R$ 47.925,00 - R$ 4.792,00 - 10:30 - 30/08/2011. 70/00195/11/02 - Reforma de Prédio Escolar - EE Pe. José de Carvalho - Av. São Miguel, 1.888 - 03620-001 - Vila Buenos Aires - São Paulo/SP - 150 - R$ 47.366,00 - R$ 4.736,00 - 11:00 - 30/08/2011. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital e o respectivo Caderno de Encargos e Composição do BDI, na SEDE DA FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 - São Paulo/SP, ou através da Internet pelo endereço eletrônico www.fde.sp.gov.br. Os interessados poderão adquirir o Edital completo através de CD-ROM a partir de 12/08/2011, na SEDE DA FDE, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, mediante pagamento não reembolsável de R$ 40,00 (quarenta reais). Todas as propostas deverão estar acompanhadas de garantia de participação, a ser apresentada à Supervisão de Licitações da FDE, conforme valor indicado acima. Os invólucros contendo a PROPOSTA COMERCIAL e os DOCUMENTOS DE HABILITAÇÃO deverão ser entregues, juntamente com a Solicitação de Participação, a Declaração de Pleno Atendimento aos Requisitos de Habilitação e a garantia de participação, no Setor de Protocolo da Supervisão de Licitações - SLI na SEDE DA FDE, até 30 minutos antes da abertura da licitação. Esta Licitação será processada em conformidade com a LEI FEDERAL nº 8.666/93 e suas alterações, e com o disposto nas CONDIÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE. As propostas deverão obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital. JOSÉ BERNARDO ORTIZ Presidente

FA ÊNC A RECUPERAÇÃO EXTRA UD C A E RECUPERAÇÃO UD C A Con o me n o mação da D s bu ção C ve do T buna de us ça de São Pau o o am a u zados no d a 11 de agos o de 2011 na Coma ca da Cap a os segu n es ped dos de a ênc a ecupe ação ex a ud c a e ecupe ação ud c a RECUPERAÇÃO JUD C AL Req e E os Cons uções e Reves men o L da Reqdo E os Cons uções e Reves men o L da R Janda a do Su 373 – V a Gu he m na 2 V de Fa ênc as

Menor preço pelo mesmo espaço, só no DC

Maior cobertura pelo menor preço PUBL C DADE Fone 11 3244-3344 Fax 11 3244-3894

www.dcomercio.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

18

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

A Nissan mexicana iniciou a produção do March para o nosso mercado. Ele virá em outubro, com motores 1.0 e 1.6 e a marca já está mostrando o carro em 30 cidades brasileiras. Será o primeiro "popular" japonês no Brasil.

Nº 379

DCARR FREEMONT Fotos: Divulgação

A

Fiat precisava de um modelo grande, daqueles que fazem a cabeça dos norte-americanos e hoje suspiram por ele muitos consumidores nesta terra descoberta por Cabral. Como conseguir isso se os "brutamontes" não estão no perfil italiano? Além disso, a montadora europeia também queria entrar nos EUA, com seus modelos pequenos, especialmente o 500 (Cinquecento aqui e na Itália e Five Hundred no hemisfério norte), agora fabricado no México e que chegará ao Brasil em outubro, por um preço, segundo se especula, abaixo dos R$ 45 mil. A versão vendida aqui, polonesa, custava mais de R$ 70 mil. Como a situação da indústria automobilística nos EUA estava em baixa, após a crise de 2008, e, especialmente a Chrysler andava "mal das pernas", a Fiat foi lá e assumiu o controle (53%) da norteamericana. Juntou a fome com a vontade de comer, como diz o dito popular, e ainda vai, no futuro próximo, colocar seus motores pequenos e potentes, com turbo, substituindo os glutões V6 e V8 da Chrysler. Os 1.4 e 1.9 turbo da Fiat não deverão substituir 100% dos beberrões norte-americanos mas, com o tempo, ganharão terreno por oferecerem boa potência, consumir e, principalmente, poluir muito menos que o "V-oitão" querido dos norte-americanos. O Freemont - "Meu nome é Journey Chrysler, mas no Brasil pode me chamar de Freemont Fiat". Parodiando outro dito popular, esta é um definição rápida do modelo que a Fiat está lançando esta semana no Brasil: é a versão "italiana" do Chrysler, com diferença entre os motores e detalhes de decoração, internos e externos. O carro que a Fiat trará para o Brasil virá com motor menor que a versão da montadora dos EUA. Ao invés do V6, terá o 2.4 litros, DOHC, 16 válvulas, com comando de válvulas variável (Dual VVT). O câmbio, automático, tem quatro marchas com opção de mudanças se-

Chegou o grandalhão da Fiat Nunca antes na história da Fiat ela deu seu nome a um veículo de passeio tão grande CHICOLELIS

Ele vai concorrer com Hyundai IX35, Honda CRV e Chevrolet Captiva, entre outros

quenciais. Crianças vão adorar - Muitas vezes colocar as crianças na "cadeirinha" é um problema. Como os adultos não usam, elas também não querem usar (mas seja inflexível, têm que usar porque é bom para a saúde delas). No Fiat Freemont, há o sistema child booster que, com a elevação da parte central dos assentos, posiciona corretamente crianças com idades entre quatro e sete anos e meio. Completando, otimiza a geometria do cinto de segurança, garantindo proteção e conforto. Assim, os pequenos não se sentem diferentes, coisa que os incomoda. Também as mulheres vão se encantar com a posição de dirigir mais elevada e com os mais de 20 porta-objetos. O porta-malas leva até 2.301 litros de bagagens. Como acontece com a maioria dos modelos atualizados, o novo Fiat carrega equipamentos de alta tecnologia, oferecendo até seis air bags, sistema an-

tibloqueio de freios ABS, ESP e sistema anticapotamento (ERM – Electronic Roll Mitigation). Tem também piloto automático e sistema de trava e ignição em que a chave não precisa ser usada, bastando o motorista se aproximar do carro para que as portas se abram e acionar o botão "Power" para ligar o motor. Se você leva motos, pranchas, jet skys ou bikes, por exemplo, o sistema inteligente de controle de reboque (TSC Trailer Sway Control) evita oscilações perigosas. Custando R$ 81.900 e R$ 86.000 ele chega ao nosso mercado com duas versões, respectivamente Emotion e Precision, esta com lugar para sete ocupantes.. Grandalhão simpático - Como o seu "irmão" da Chrysler, o Journey, o Freemont tem um design robusto, com sofisticação. A frente, como destaca a Fiat, "está evidenciada por linhas modernas e musculosas,

que exaltam a personalidade forte do modelo". Na traseira, a mesma fórmula e lanternas iluminadas por LED. Po dentro, toda a modernidade disponível nos dias atuais: sistema Uconnect™ de multimídia com tela de 4.3 polegadas sensível ao toque. Em um único local controles de áudio (rádio/CD/MP3/USB e AUX In), telefonia, além de configurações de conforto, segurança e comodidade. Opções - O ar-condicionado pode ser digital com duas áreas distintas de temperatura (versão Emotion) ou para três áreas distintas (na Precision).

Nesta, com controle no teto, podem ser escolhidas três temperaturas diferentes: uma para o motorista, outra para o passageiro e a terceira para os ocupantes da segunda e terceira fileiras de bancos. O motor de quatro cilindros, de 2.4 litros, com 16V e duplo comando de válvulas no cabeçote DOHC com comando de válvulas do tipo Dual VVT oferece potência máxima de 172 cv a 6.000 rpm e torque máximo de 22,4 kgfm a 4.500 rpm. Os pneus "calçam" rodas de liga leve e aro de 16 polegadas (225/65 R16, Emotion); ou 17 polegadas, com pneus 225/65

R17 (Precision). São três anos de garantia e os compradores do Freemont farão parte do programa de relacionamento da Fiat, o Clube L'Unico com serviços de vendas e pós-vendas e com benefícios exclusivos, como hospedagem e transporte alternativo para motorista e passageiros, entre outros. A Fiat prevê a venda de 1.500 unidades/mês a partir de setembro. E crê no sucesso do Freemont, lançado em maio na Europa. Naquele mês foram 3 mil unidades vendidas e em que em julho estes números cresceram cerca de 30%, com 4 mil vendas.

150 traciona as rodas do Volt sempre. Sob o capô, e próximo ao motor de combustão interna, um par de motores elétricos e a caixa de câmbio continuamente variável (CVT). Ele não possui engrenagens escalonadas na unidade e não há ligação mecânica direta entre o motor de combustão interna e as rodas. Resumindo, você roda cerca de 60 quilômetros usando a carga das baterias, e, quando essa se esgota, entra em ação o motor a gasolina, alimentando as baterias. Será sempre o motor elétrico que vai movimentar as rodas, seja com carga das baterias ou com estas alimentadas pelo motor a explosão. No interior da unidade de tração, um ou ambos os motores elétricos tracionam o veículo com base no desempenho e velocidade para otimizar a eficiência. Um dos motores elétricos atua com função dupla, seja para ajudar a tracionar as rodas, ou para operar como um gerador para manter o pacote da bateria em seu nível mínimo. Para garantir a durabilidade a longo prazo dos motores elétricos, o fluido da transmissão é bombeado ao redor e através destas unidades para lubrificar e manter a temperatura baixa. No transporte de cargas, e nas rotações mais altas, o segundo motor elétrico será ativado conforme necessário. O sistema de propulsão Voltec avalia o melhor ponto de eficiência centenas de vezes por segundo e sem descontinuidade faz a

comutação da operação de um motor elétrico para dois motores elétricos para utilizar o mínimo de energia possível e ao mesmo tempo atender às necessidades do motorista. Na tomada – O procedimento de recarga do Volt é simples, e pode ser executado usando tomadas elétricas residenciais de 120V, ou por meio de uma estação de carga de 240V. O veículo é completamente recarregado em aproximadamente quatro horas utilizando tomada de 240V e em 10 a 12 horas em tomada de 120V. Após a conexão do veículo, os proprietários podem programar as cargas conforme o horário da partida ou horários de tarifas mais baixas – nos Estados Unidos. Aqui isto ainda não é possível, em razão da nossa legislação, que não permite revenda da energia pelas concessionárias. No interior, bom espaço para quatro pessoas, duas telas de LCD de sete polegadas e alta resolução: uma é o visor gráfico que trabalha como painel de instrumentos, a outra, no console central, inclui visor com touchscreen. A suspensão tem sistema McPherson na dianteira e semi-independente na traseira. O sistema de freio é regenerativo eletro-hidráulico, que capta energia durante as desacelerações, recarregando a bateria. No quesito desempenho, ele faz de 0 a 100 km/h em 9s.

VOLT

A

ndar em um carro elétrico causa uma sensação estranha ao motorista e demais ocupantes. Em primeiro lugar, ligado ou desligado, o barulho proveniente do seu motor é igual: nenhum. Depois, quando já em movimento, o que mais chama a atenção dentro do veículo é a barra que mostra a carga das baterias. Em seguida, o silêncio que permanece. No Chevrolet Volt, fabricado e vendido nos Estados Unidos, que a GM está expondo no Brasil (a empresa não tem planos para vendê-lo aqui), a autonomia da bateria é de aproximadamente 60 quilômetros. Por exemplo, usando o Rodoanel e saindo de São Caetano, sede da GM no ABC, em direção a Cotia, a barra logo abaixa de 55 para 50 km no tráfego interno. No congestionado trânsito da Raposo Tavares, em dia que caminhão despenca sobre a rodovia, a carga logo se extingue, assim como diminui – e muito – a autonomia de um veículo flex, no anda e para no caminho de volta para a Capital. Quando se esgota a carga, um motor 1.4 a gasolina entra em ação, passando energia para a bateria, que tem ligação direta com as rodas de tração do automóvel. Então começa a se ouvir o ruído do motor, como em qualquer carro. Para mostrar o Volt, a GM criou o programa "VoltExpedition Energias Renováveis", no qual jornalistas e convidados usarão cinco Chevrolet Volt, visitando

UM PASSEIO ELETRIZANTE O elétrico da Chevrolet vai viajar pelo Brasil

importantes universidades do País. A expedição vai passar por seis Estados: São Paulo, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Pernambuco, além do Distrito Federal, em Brasília. Nas universidades destas localidades, além de conhecer a tecnologia Voltec do primeiro carro elétrico de autonomia estendida produzido em escala no mundo, a comunidade acadêmica também terá a oportunidade de compartilhar pesquisas que estão sendo desenvolvidas no âm-

bito das energias renováveis. O Volt - A GM lançou este seu modelo elétrico neste ano. Ele tem o que a fábrica chama de "autonomia estendida", ou seja, o motor a combustão entra em ação e permite continuar o percurso, mesmo após o fim da carga nas baterias. Um segmento inteiramente novo no mercado automotivo global. O carro, segundo o fabricante, foi "projetado para oferecer os benefícios de um veículo elétrico sem as limitações de

autonomia associadas a outros veículos similares no mercado". É híbrido? O fabricante responde que, já que ele é tracionado 100% eletricamente e já que o motor a gasolina não transmite força diretamente para as rodas, apenas "reabastecendo" a bateria, que deverá ser recarregada em uma tomada, ele não é híbrido. No total, o Volt oferece uma autonomia de 560 km, sendo entre 40 e 80 km movido exclusivamente pela eletricidade. A unidade elétrica de tração

Ricardo Caruso e chicolelis


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

19

DCARR SERTÕES

OS CAMINHÕES NO RALLY Mudanças dão resistência e velocidade aos pesados da prova

G

o i á s, To c a n t i n s, Maranhão, Piauí e Ceará estão recebendo a 19ª edição Rally dos Sertões, principal competição off road do Brasil, iniciado anteontem em Goiânia e que terminará 4.026 km depois, na próxima sexta-feira (dia 19), em Fortaleza. A Mercedes-Benz levou um grupo de jornalistas do setor para conhecer de perto os modelos Atego 1725 4x4 utilizados

por duas tradicionais equipes "candidatíssimas" a conquistar o primeiro lugar na categoria. O favoritismo deve-se ao passado recente de títulos conquistados, sete entre nove, já que a marca da estrela começou a participar da prova em 2002. O caminhão da Mercedes é utilizado pela Salvini Racing (piloto Guido Salvini, navegador Flavio Bisi e copiloto Fernando Chweigert), vencedora do Rally dos Sertões com a Mercedes-Benz em

2003, 2006, 2007 e 2009, e pela Petrobras Lubrax (piloto André Azevedo e navegador Maykel Justo), que obteve vitórias em 2002, 2004 e 2008. Para sobreviver aos rígidos obstáculos da prova, como terra, areia, lama, poeira, pedra, rios e elevadas temperaturas, os modelos comuns sofrem al-

terações para que as equipes sejam mais competitivas. O Atego 1725 4x4 da Salvini Racing recebeu novos batentes hidráulicos na suspensão dianteira e amortecedores de competição, com melhor absorção, na suspensão traseira. O modelo da Petrobras Lubrax, além de novos amortecedores na traseira, teve o câmbio reforçado – o GO-210, usado em veículos pesados com motor de 12 litros. Como o do Atego é de 7 litros, esta solução proporciona maior torque de saída e melhor relação entre as marchas. Apesar do peso ser "aliviado" com a retirada de equipamentos e peças desnecessárias numa competição, o Atego, que sai de fábrica com 6,2 toneladas, vai para a prova com pouco mais de 7 toneladas, com o peso extra da gaiola de proteção, tanque de combustível para 500 litros de diesel, entre outros apetrechos indispensáveis. Outras mudanças são feitas

nos modelos, como a embreagem, normalmente de cerâmica, que tem de casar com a potência do motor 7.2 litros de seis cilindros que gera 400 cv de potência e 183,5 kgfm de torque máximo e leva o veículo a velocidades entre 170 e 180 km/h. Com o mesmo diesel dos caminhões normais, o de competição tem consumo médio entre 1,2 e 1,5 km/litro na areia e entre 2,5 e 4 km/litro na terra. Outra diferença em relação aos mode-

los de rua está na condução. Durante a prova, a tração 4X4 fica sempre acionada, mesmo em altas velocidades. Segundo as equipes, o valor do Atego 1725 4x4, cedido como comodato pela montadora para os competidores, é de pouco mais de R$ 240 mil, mas com o acréscimo de cerca de R$ 30 mil para estarem prontos para a prova. Agora, o valor da manutenção, nenhum deles se arriscou a dizer.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

20

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

tNAS VINHAS DA CONCHA Y TORO OS SENTIDOS DO VINHO O DC Boa Viagem visitou algumas das regiões vinícolas mais fascinantes do mundo. Esta é a segunda reportagem de uma série. Confira às sextas-feiras!

urismo

Divulgação

A visita à famosa vinícola chilena, a apenas 27 quilômetros ao sul de Santiago, é recheada de lendas e histórias. Rejane Tamoto Fotos: Rejane Tamoto

O

passeio a uma vinícola pode oferecer muito mais do que a degustação dos principais rótulos de uma marca. Na fazenda da Concha y Toro, localizada em Pirque, uma pequena cidade a 27 quilômetros ao sul de Santiago, no Chile, o visitante vai ouvir histórias e lendas centenárias que tornam a visita uma experiência enriquecedora e, por que não, divertida. Situada no Valle Del Maipo, região no sopé da Cordilheira dos Andes, a fazenda guarda pequenas surpresas logo na entrada, com animais cruzando os jardins. A partir do jardim principal, há uma bela vista de um lago rodeado por árvores de diferentes partes do mundo, inclusive araucárias. A primeira parada para as fotos é em frente à mansão colonial com colunas em estilo italiano, que era residência de verão da família que fundou uma das maiores empresas produtoras e exportadoras de vinhos da América Latina. A mansão pertencia a Don Melchor Concha y Toro, influente político e empresário chileno, que trouxe as primeiras cepas nobres de videiras de Bordeaux, na França, em 1883. Ao plantá-las no Valle Del Maipo, de clima mediterrâneo e de boa drenagem, as videiras prosperaram e, até hoje, enchem os olhos dos turistas.

Depois de uma breve caminhada entre vinhas vem o momento mais esperado do passeio: a primeira degustação. Em taças que são entregues pelo guia – um brinde para recordar a experiência depois –, o visitante pode degustar o carmenère Gran Reserva Série Riberas, um vinho concentrado, com taninos suaves e doces e notas de ameixas, chocolate e pimenta. É importante lembrar que cada passeio pode incluir a degustação de um rótulo diferente. Diabo – Don Melchor Concha y Toro deu início a um empreendim ento que se profissionalizou e expandiu no último século. Mas além deste legado, deixou uma lenda que permanece viva graças à curiosidade dos visitantes que vão à fazenda: a da presença de um diabo em uma de suas adegas. Católico, Don Melchor criou a história e fez questão de espalhá-la para afugentar os ladrões que furtavam as melhores garrafas de cada safra. A adega de tijolinhos, escura e trancada por grade, que ainda guarda os vinhos preciosos da empresa, ficou conhecida como o Casillero Del Diablo, nome também de um dos rótulos mais famosos da Concha y Toro. A história mexe com a imaginação dos turistas, que passam alguns minutos no escuro escutando a divertida história e, no final, conseguem

Na fazenda centenária no sopé da Cordilheira dos Andes, o visitante caminha entre as vinhas, vê as adegas e faz degustação de vinhos, incluindo exemplares com a uva carmenère, uma das principais do país.

ver, através das grades, a sombra do diabo. Depois de um encontro com o “capeta”, o passeio dá direito à degustação de um vinho tradicional, o cabernet sauvignon Marques de Casa Concha, rótulo que leva esse nome desde 1976 em homenagem ao título conquistado pela família séculos antes. A bebida tem toques de groselha, cedro, blackberry tar, é concentrada e com taninos firmes. A degustação é bom desfecho da visita à Concha y Toro, mas pode se tornar um convite para a degustação de vinhos ainda

Para espantar ladrões, Don Melchor Concha y Toro criou a lenda sobre um diabo em uma das adegas. A Casillero Del Diablo (à dir.) dá nome a um dos rótulos mais famosos. Depois do tour, a loja (abaixo) tem até creme de uva.

mais requintados no wine bar, que também serve queijos. O visitante que faz essa opção vai pagar um valor extra, mas pode aprender a escolher entre os diferentes tipos de vinhos, com a orientação de um sommelier. De qualquer forma, todo o passeio é uma inspiração para as compras na loja da marca, que oferece descontos especiais e tem souvenirs diferentes, como o creme ou o sabonete de uva. Um brinde e boa viagem!

Mansão colonial era residência de verão da família que fundou a gigante produtora.

Divulgação

Divulgação

A

região do Valle Del Maipo fica às margens do Rio Maipo e abriga a maioria das vinícolas tradicionais do Chile, algumas delas com caves do século XIX. Os vinhedos estão espalhados por toda a região, desde o sopé da Cordilheira dos Andes até o planalto central, e resultam nos melhores cabernet sauvignons do Chile. Tudo isso graças ao clima mediterrâneo bom, com estações definidas e de pouca chuva durante a colheita das uvas. Além de Concha y Toro, há Cousiño Macul e Undurraga, que são vinícolas tradicionais sugeridas pelos guias turísticos.

RAIO X Divulgação

O VALLE DEL MAIPO

Mas o visitante tem a opção de conhecer outras como Aquitania, Haras de Pirque, Perez Cruz, Santa Carolina e Santa Rita. Algumas delas são mais distantes e chegam a 80 km da capital chilena. Uma curiosidade do Valle Del Maipo é que a região foi o lugar da redescoberta da uva carmenère. Na Concha y Toro, esta variedade foi redescoberta na década de 90 depois de ter sido confundida com merlot por mais de um século. O vinho carmenère se tornou um dos principais do Chile após estudos sobre seu adequado cultivo, que exige boas áreas para o plantio. Durante as visitas guiadas é possível aprender sobre a história de cada empresa, as diferenças entre os tonéis de carvalho usados e, o melhor, degustar e perceber a variedade de rótulos bons que esta região do país oferece. (RT)

Tour pela Concha y Toro dura uma hora e inclui duas degustações.

COMO CHEGAR Concha y Toro: Virginia Subrecaseaux, 210, Pirque, tels. (56-2) 476-5269 e 4765680, www.conchaytoro.com. São 27 km a partir de Santiago. Para chegar lá, de táxi, a partir do centro de Santiago, a viagem dura 45 minutos. Outra opção é pegar um ônibus que sai da Plaza de Puente Alto. Ingresso para o tour de uma hora e mais duas degustações sai a cerca de US$ 17. De segunda a domingo, das 10h às 17h. Faça reserva na alta temporada (em junho e julho). Pacote: a TurisTour (tel. 56-2/ 488-0444, e-mail reservas@turistour.cl, www.turistour.cl) organiza uma excursão pela região do Valle Del Maipo. O passeio de quatro a cinco horas, com visita à Concha y Toro e à Undurraga ou à Cousiño Macul, custa US$ 72 por pessoa, com degustação em uma das duas vinícolas.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

21

TEATRO AQUECIDO Depois de fazer sucesso nas telas, na produção de 1987 estrelada por Jack Nicholson, Michelle Pfeiffer e Cher, As Bruxas de Eastwick chega aos palcos numa versão musical repleta de efeitos especiais – entre eles, chuva, fogo, levitação e voo dos atores sobre a plateia.

O espetáculo, que pode ser visto no Teatro Bradesco a partir de domingo (14), é o destaque de uma semana em que a agenda teatral está surpreendentemente agitada. Também cultura entram em cartaz Murro em Ponta de Faca, um clássico de

d

Augusto Boal que conta com a direção de Paulo José, Cartas de Amor Para Stálin, que traz Bete Coelho vivendo uma história real da época do comunismo russo, e Circuito Ordinário, peça de tom político com Denise Del Vecchio na pele de uma informante a serviço do governo.

Sérgio Roveri

O tédio das bruxas. Uma pândega.

Rafael Koch Rossi

E

As Bruxas de Eastwick. Domingo (14). Teatro Bradesco. Bourbon Shopping São Paulo. Rua Turiassu, 2100. Tel.: 4003-5588. Quinta e sexta. 21h. Sábado. 17h e 21h. Domingo. 16h e 20h. R$ 10 a R$ 190.

As bruxas dançam, cantam, dão sustos, divertem-se. E agitam a platéia.

Feroz jogo de gato e rato

Torvelinhos da censura

O

s personagens não carregam nomes próprios. São conhecidos apenas por comissário e informante. O país e a época não são conhecidos – o que permite supor que o diálogo entre eles poderia se dar em qualquer lugar e a qualquer tempo. O cenário é uma sala impessoal, insípida, ocupada apenas por duas cadeiras e uma escrivaninha. Com esta escassez de recursos, o jornalista e dramaturgo francês Jean-Claude Carrière construiu um feérico jogo de gato e rato na peça Circuito Ordinário, que estreia nesta sexta (12), no Teatro Anhembi Morumbi. Dirigidos por Otávio Martins, os atores Denise Del Vecchio (informante) e Henrique Benjamin (comissário) travam, ao longo de uma hora, um incansável pingue-pongue verbal em que o público, na maior parte das vezes, se verá impossibilitado de dizer qual dos dois é o dono da verdade. Mais que isso: se existe alguma verdade em jogo. A informante foi chamada à sala do comissário porque, nos últimos tempos, cresceu de maneira inédita a quantidade de denúncias contra ela. No início do interrogatório, ela afirma ter sido a autora das tais denúncias, como forma de convencer as pessoas a quem ela deve espionar de que ela própria também está sendo vítima de perseguições. Com isso, ganharia a confiança de suas vítimas e teria acesso liberado ao segredo delas. As reviravoltas no texto são tão intensas que, em dado momento, o próprio comissário acredita estar sendo espionado. Para a atriz Denise Del Vecchio, Circuito Ordinário é o retrato de um mundo em que a privacidade desapareceu. (SR)

E na

Léo Via

Clássico brasileiro

E

scrita por Augusto Boal em 1971, a peça Murro em Ponta de Faca, um clássico do teatro brasileiro contemporâneo, pode ser vista ainda hoje como um dos mais fidedignos retratos da realidade dos exilados políticos do Brasil e da América Latina. Quatro décadas depois, é inevitável constatar um certo envelhecimento na temática central do espetáculo, mas a dimensão humana dos personagens criados por Boal ainda é de uma impressionante atualidade. A montagem de Murro em Ponta de Faca que entra em cartaz nesta sexta (12) leva a assinatura de Paulo José – que já havia dirigido o mesmo texto em 1978, numa montagem histórica que trazia no elenco, entre outros, os atores Renato Borghi, Othon Bastos e Marta Overbeck. A peça volta aos palcos em sua versão original, sem cortes ou adaptações no texto. Murro em Ponta de Faca mostra a migração forçada de três casais brasileiros de classes sociais e ideologias distintas. O que une as duplas de intelectuais, operários e burgueses é o fato de terem sido obrigadas a deixar o País em busca de exílio na França, Argentina e Chile. Durante algum tempo, os casais não encontram outra saída a não ser a de compartilhar do mesmo espaço físico, um dado determinante para que um arsenal de conflitos venha à tona. Embora seja fiel à realidade histórica da América Latina nos anos de 1970, a peça procura expandir a questão do exílio, mostrando que desde tempos imemoriais o ser humano se viu levado, por diferentes motivos, a abandonar o lugar em que nasceu. Segundo Paulo José, mais do que nunca estamos vendo milhares de pessoas vagando pelo mundo sem pátria, sem porto e sem identidade. Claro que num contexto diferente daquele retratado pela peça, concorda o diretor, mas isso não faz estas pessoas serem menos exiladas do que as seis mostradas no texto. Murro em Ponta de Faca. Sexta (12). Sala 1 do Sesc Belenzinho. Rua Padre Adelino, 1000. Tel.: 2076-9700. Sexta e sábado. 21h30. Domingo. 18h30. R$ 24.

As diabruras das bruxas agora recheiam um musical cheio de invenções. Claudio Botelho, adaptador

Lenise Pinheiro

Circuito Ordinário. Sexta (12). Teatro Anhembi Morumbi. Rua Doutor Almeida Lima, 1134. Tel.: 2872-1457. Sexta. 21h30. Sábado. 21h. Domingo. 19h. R$ 20 a R$ 40.

Octavio Dias/Divulgação

mbora já tenha sido visto em quatro países (EUA, Rússia, Austrália e República Checa), o musical As Bruxas de Eastwick (foto) chega ao Brasil com algumas particularidades que garantem um ar de ineditismo ao espetáculo. A montagem que entra em cartaz neste domingo (14), no Teatro Bradesco, não reproduz nem os figurinos nem o cenário das versões estrangeiras. O texto e as canções também passaram por uma repaginação nacional e, segundo o adaptador e tradutor Cláudio Botelho, algumas músicas compostas originalmente para o espetáculo, e que ficaram de fora das montagens internacionais, serão recuperadas para a temporada brasileira. O musical, assim como o filme de 1987 estrelado por Jack Nicholson, Cher, Susan Sarandon e Michelle Pfeiffer, é inspirado no livro As Bruxas de Eastwick, publicado em 1984 pelo escritor americano John Updike (1932-2009). É a história de três amigas Alexandra (vivida pela atriz Maria Clara Gueiros), Jane (Sabrina Korgut) e Sukie (Renata Ricci) - que não toleram mais a vida maçante da pacata cidade de Eastwick. A rotina das mulheres torna-se muito mais apimentada após a chegada de um homem tão sedutor quanto misterioso, Darryl Van Horne (papel de Eduardo Galvão), que irá se envolver com as três. As diabruras promovidas pelo quarteto vão deixar os moradores escandalizados. Até o ponto em que as três mulheres irão se dar conta de que a vida poderia ser melhor sem a presença de Horne. Além da narrativa dinâmica e engraçada, o público irá se deliciar com a enxurrada de efeitos especiais que o musical de 26 atores e bailarinos promete, entre eles números de levitação, voos do elenco sobre a plateia, chuva e incêndios convincentes.

Circuito Ordinário (acima); Cartas de Amor para Stálin (centro) e Murro em Ponta de Faca.

scrita pelo dramaturgo espanhol Juan Mayorga, a peça Cartas de Amor Para Stálin, que entra em cartaz neste sábado (13), tem como ponto de partida um fato aparentemente verídico. Cansado de ver suas obras proibidas pela censura do regime soviético, o escritor russo Mikhail Bulgákov (1891-1940), autor do clássico O Mestre e Margarida, enviou ao ditador Josef Stálin uma carta em que rogava pela liberação de seus escritos. Stálin, que não escondia sua admiração pelos livros e peças de Bulgákov, teria então telefonado para o escritor. A ligação, no entanto, caiu nos primeiros minutos de conversa e nunca mais foi restabelecida. O que veio a seguir, ou seja, as tentativas obcecadas e neuróticas por parte de Bulgakóv em retomar as negociações com Stálin, é o recheio da peça que até agora permanecia inédita no Brasil. "O texto não se limita aos fatos políticos que dão sustentação à trama", diz a atriz Bete Coelho, responsável por dois personagens em cena, a mulher do escritor, Yelena, e o próprio Stalin, que surge nos momentos de delírio do intelectual. "A peça fala sobre a liberdade de criação e a relação entre os artistas e os poderosos. Esta é uma questão que independe do tempo e da geografia. Diz respeito a todos os países, em todos os momentos da história". A censura do regime soviético sobre a produção de Bulgákov, que também era médico, começou em 1926. Até sua morte, ocorrida em 1940 por falência renal, ele não conseguiu publicar uma única linha. A produção de Bulgákov sairia do ostracismo somente na década de 1980, com a chegada de Gorbachev ao poder. O espetáculo, dirigido pelo encenador baiano Paulo Dourado, concentra-se nos anos em que o intelectual viveu recluso em casa, de onde escrevia incansavelmente para Stálin. A falta de respostas mergulhou o escritor num estado de alucinação em que ele confundia o ditador com um caloroso companheiro de lutas. No papel de Bulgákov está o ator Ricardo Bittencourt, que Bete Coelho dirigiu no monólogo O Homem da Tarja Preta. O texto foi traduzido e adaptado pelo jornalista e escritor Manuel da Costa Pinto. Cartas de Amor Para Stálin. Sábado (13). Teatro do Sesc Santana. Avenida Luis Dumont Villares, 579. Santana. Tel.: 2971-8700. Sexta e sábado. 21h. Domingo. 18h. R$ 20.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

22

d

cultura

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Francois Duhamel/Paramount Pictures

Francois Duhamel/Paramount Pictures

Super 8, de J.J.Abrams, traz Elle Fanning em ótimo elenco infantil para contar história de estranho fenômeno ocorrido nos EUA em 1979.

GAROTOS, ZUMBIS E UM MISTÉRIO. Lúcia Helena de Camargo

S

teven Spielberg é somente o produtor de Super 8, que chega nesta sexta (12) aos cinemas. Mas o estilo do diretor de E. T. - O Extraterrestre e Contatos Imediatos do Terceiro Grau está em cada fotograma do filme, dirigido por J.J. Abrams. O longa mistura aventura, drama e ficção científica. Abrams, que possui experiência com longas sobre fenômenos estranhos (Cloverfield - Monstro) e séries do mesmo naipe, como Lost, comandou também Star Trek. Ele próprio escreveu o roteiro de Super 8, ambientando a trama em 1979, em plena Guerra Fria, para contar a

"Truffaut intuía a realidade da cena", diz Jean-Pierre Leáud, seu alter ego nas telas.

história de um grupo de crianças que roda um filme sobre zumbis, no formato super 8, na pequena cidade americana de Lillian, no estado de Ohio. Por acaso os jovens presenciam um catastrófico acidente de trem. O mistério começa quando se percebe que o descomunal nível de destruição é incompatível com a causa do desastre: uma picape que se chocara contra a locomotiva. Os efeitos especiais não deixam a desejar nessas cenas. Vagões se estatelam uns contra os outros, são lançados para o ar e rasgados como se fossem latas de atum. Por motivos que o espectador

rapidamente saberá, os meninos precisam guardar segredo sobre o que viram. Desse modo, não serão tomados como testemunhas na investigação que vai incorporar a polícia local e força aérea. Curiosamente, na direção do veículo causador da tragédia estava o professor de alguns dos garotos, entre eles Joe Lamb, o protagonista, encarnado por Joel Courtney. E de Alice Dainard, vivida por Elle Fanning. Ao que tudo indica, o talento para atuar corre no sangue da família. A irmã mais nova da ótima Dakota Fanning dá show e deixa muita atriz veterana no chinelo. Conseguiu-se, aliás, reunir

um grupo de meninos de competência bem acima da média. Outra marca de Spielberg – que costuma arrancar interpretações excelentes de elencos mirins – aqui herdada por seu discípulo Abrams. Além da dupla principal, destaque ainda para Riley Griffiths como Charles Kaznyk, o gordinho mandão que dirige o filmete sobre zumbis. E o dentuço Ryan Lee, como Carey, que carrega consigo todo o tempo um arsenal de bombinhas, para a eventualidade de precisar explodir alguma coisa. E ele sempre acha que algo tem que ser explodido... Os adultos em Super 8 são coadjuvantes. O pai de Joe é o

policial Jackson Lamb, interpretado por Kyle Chandler, conhecido pelo trabalho na série Early Edition (como Gary Hobson, que recebia o jornal do dia seguinte, em Chicago, com a ajuda de um gato amarelo) e recentemente pela atuação em Friday Night Lights, como treinador de um time colegial de futebol americano. Há ainda Ron Eldard, como Louis Dainard, o bêbado e irresponsável pai de Alice. Como em E. T. O Extraterrestre, o pessoal do governo figura como vilão. Os agentes escondem provas, deturpam informações, agem na surdina e só divulgam ao público a versão mais conveniente

Entre os extras do DVD está o curta Uma História D’Água, de Truffaut e Godard, sobre uma inundação perto de Paris.

Acossado, de Jean-Luc Godard, hoje considerado cult, foi um fracasso de público quando lançado, em 1959.

Não tive que construir reputações desprezadas nem criar gêneros desconhecidos", diz Antoine De Baeque.

Cinefilia mostra o fascício dos franceses pela atriz de Mônica e o Desejo, dirigido por Ingmar Bergman.

para eles. A União Soviética, naqueles anos inimiga número um dos EUA, é naturalmente a principal suspeita de ser a causadora do problema. Embora soe meio piegas quando bate na tecla do enaltecimento dos valores familiares, Super 8 tem ritmo para cativar até o final. E quando este chegar, espere os créditos. A sequência exibida é divertida. Super 8 (EUA, 2011, 112 minutos) Direção J.J. Abrams. Com Elle Fanning, Kyle Chandler, Joe Courtney, Ryan Lee, Gabriel Basso, Zach Mills.

No documentário: como os críticos da Cahiers du Cinéma inventaram uma nova forma de filmar.

F

rançois Truffaut (1932-1984) fugia de casa para ir ao cinema. Sem dinheiro para o ingresso, entrava na sessão pela porta dos fundos. Essa e outras pequenas malandragens praticadas pelo jovem francês estão no filme autobiográfico Os Incompreendidos (Les quatre cents coups), de 1959, pelo qual o cineasta ganhou o prêmio de direção no Festival de Cinema de Cannes. No mesmo ano, Jean-Luc Godard (1930) fazia Acossado (À Bout de Souffle), cujo roteiro foi baseado em uma história escrita por Truffaut, que por sua vez a concebeu usando artigos recortados de jornal. Antes de tomarem as rédeas das câmeras, eram ambos críticos de cinema da revista Cahiers du Cinéma, então dirigida por André Bazin. Os dois jovens, juntamente com Claude Chabrol, Jacques Rivette, e outros, iniciaram a nouvelle vague, movimento que tinha por objetivo fazer cinema autoral, diferente daquele que vinha sendo praticado. Filmes genais surgiram na época. Grande parte sem sucesso de bilheteria, hoje são cultuados nas cinematecas, como o próprio

ivulg Fotos: D

ação

Acossado, um fracasso de público quando lançado. As origens, detalhes, diálogos e imagens inéditas que ilustram a relação com os atores (como o passeio de Truffaut com JeanPierre Leáud, seu alter ego, por Cannes) estão no documentário Godard, Truffaut e a Nouvelle Vague, que sai agora em formato DVD pela Imovision. O roteiro do filme foi escrito por Antoine de Baeque, também colaborador da Cahiers (de 1984 1997), que passou anos reunindo fotos, artigos e depoimentos sobre os dois diretores. "Truffaut intuía a realidade da cena", afirma Leáud. No material extra do DVD está o curta Uma História D’Água (1961), dirigido em colaboração pelos dois cineastas. Com duração de 11 minutos, mostra um casal atravessando alagamentos na tentativa de chegar a Paris. Leve e engraçado, vamos seguindo a saga do rapaz e da moça, que calçam botas, sobem em muros, ora vão de carro, ora a pé. O argumento foi baseado na

aeque:

de B Antoine

.

Cinefilia

inundação real, ocorrida em 1958, nos arredores da capital francesa. "Truffaut captou as imagens e deixou na gaveta. A coisa ficou parada até Godard ver e decidir montar. Então incluíram esses diálogos nonsense divertidos e o curta tomou seu formato", relata De Baeque, que esteve em São Paulo na semana passada para lançamento de seu livro Cinefilia (CosacNaify). Na obra, o autor discute como ocorre a formação do público, a produção cinematográfica atual e o que as pessoas esperam ver na tela grande. "O cinema exige que se fale dele", postula. Começa modesto, sem pretensões. "A história do cinema foi feita sem mim. Não tive que construir reputações desprezadas nem criar gêneros desconhecidos". Depois segue defendendo suas teses embasadas por citações de trechos de artigos publicados na Cahiers e outras revistas, pelos mestres franceses que os hoje chamados "cinéfilos" adoram amar ou pelo menos amam odiar. De Baeque também descreve episódios ocorridos com alguns daqueles críticos que cinema que virariam cineastas, na França dos anos de 1960, como o fascício coletivo por Harriet Andersson, protagonista, em 1952, de Mônica e o Desejo, dirigido por Ingmar Bergman. "Eles descobriam, maravilhados, que Bergman tinha entendido melhor do ninguém como mostrar uma mulher: seus olhos, sua boca, seus contornos. Ficaram maravilhados", conta. Outra admiração que compartilhavam era por Alfred Hitchcock. O cineasta mais talentoso de todos os tempos, segundo Godard e Truffaut. (LHC)

Reprodução

OS CRIADORES DA NOUVELLE VAGUE

Jean-Luc Godard (de óculos) e François Truffaut: admiração por Bergman e Hitchcock.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

A

a

m e n

i

d

cultura

té o próximo dia 28, o Museu Brasileiro de Escultura reúne moda e artes visuais no mesmo espaço. A união perfeita pode ser vista pelo público na exposição USAnatomy, integrante do projeto Iguatemi Photo Series. A iniciativa já apresentou as mostras Heaven to Hell - Belezas e Desastres, de David LaChapelle (2008), Chop off Their Heads de Rankin (2009), A Message For You, de Guy Bourdin (2009) e Journey of a Dress, de Diane Von Furstenberg (2010). Dessa vez, quem ocupa o museu é o fotógrafo americano Steven Klein. Seu trabalho pode ser visto em 87 imagens, que exibem um universo audacioso, transgressor e fascinante. Muitos dos que fazem pose para o artista são figuras conhecidas pelo grande público. Estão lá celebridades como Madonna, Justin Timberlake, Britney Spears e Angelina Jolie (foto). O visitante também pode apreciar o vídeo Your Hallucination Is Now Complete e conhecer a trajetória de 15 anos de carreira de Klein. Chico Lowndes, curador de USAnatomy, afirma que "as imagens vanguardistas criadas por Steve Klein impressionam pela energia, pela força bruta, pelo fetichismo, resultado do seu approach inovador e criativo. Suas longas séries trazem narrativas épicas, muitas vezes subversivas, que resultam da exploração e confluência do movimento com o estático", diz. "Steven é capaz de ultrapassar os limites da fotografia tradicional de moda e ampliar sua presença no universo da arte. Sem dúvida é o grande criador de imagens icônicas nesse momento." O fotógrafo já participou de importantes campanhas de empresas como Calvin Klein, Dolce & Gabanna, Alexandre McQueen e Nike. Klein também faz vídeos e shows. Uma de suas últimas criações foi o videoclipe Alejandro, da também polêmica musa pop Lady Gaga. No Museu Brasileiro da Escultura (MuBE). Av. Europa, 218, tel.: 2594-2601. Terça a domingo, das 10h às 19h. Grátis. (RA)

Brad Pitt em A Árvore da Vida: relacionamento entre pai e filho da origem do universo até o fim.

Filhos e pais. Desde sempre.

N

este final de semana do Dia dos Pais, estreia um filme que fala da relação entre pai e filho ao longo dos séculos, desde o surgimento do universo até o fim dos tempos: A Árvore da Vida (Tree of Life, Estados Unidos, 2011, 138 minutos). Com direção de Terrence Malick e com Brad Pitt e Sean Penn no elenco, o filme foi o vencedor da Palma de Ouro no Festival de Cannes este ano. O longa discorre sobre os relacionamentos humanos de maneira lenta, com imagens que precisam ser interpretadas a cada nova sequência. O longa vem sendo chamado de "sensorial", por exibir imagens que apelam aos sentidos e não incluir muitos

diálogos. O foco é a trajetória de uma família americana no interior do Texas. Inclui imagens do cosmos e dinossauros. Malick, que dirigiu Além da Linha Vermelha (1998), demorou mais de dois anos para montar A Árvore da Vida. Gosta de um terrir (terror para rir)? Vá de Dylan Dog e as Criaturas da Noite (Dylan Dog: Dead of Night EUA, 2010), outra estreia desta sexta (12). O filme de Kevin Munroe é baseado nos quadrinhos de Tiziano Sclavi. Conta as aventuras do detetive especializado em casos sobrenaturais. Para quem prefere um suspense clássico, a boa pedida é o Cineclube 16 Mm: Ciclo Suspense, da Biblioteca Pública Roberto Santos (Rua Cisplatina, 505,

Ipiranga. Tel.: 2273-2390). Com ingresso gratuito, exibe, neste sábado (13), às 19h, o filme Anatomia de Um Crime (Anatomy of a Murder, EUA, 1959, 160 minutos), dirigido por Otto Preminger. Com James Stewart e Ben Gazzara, mostra o julgamento de um homem acusado de assassinato, quando a defesa começa a suspeitar da ligação da mulher dele com o morto. No domingo (14), às 16h, o destaque fica com Noites de Cabíria (Le Notti di Cabiria, Itália/França, 1957, 113 minutos). Com Giulietta Masina, Amedeo Nazzari e Franca Marzi, esse filme dirigido por de Federido Fellini conta a história da prostituta ingênua que sofre constantes desilusões amorosas. (LHC)

AO SOM DE TANGO ARGENTINO. E DE MPB.

Divulgação

Rita Alves

A

música do compositor argentino Astor Piazzolla serviu de inspiração. A do maranhense Zeca Baleiro é ouvida pelo público. O africano Dumisani Maraire também integra a apresentação com uma de suas composições. O mix musical de artistas tão distintos embala o mesmo grupo: o Balé Jovem de São Paulo. Os dançarinos apresentam até domingo (14), na Sala Paissandu da Galeria Olido, as coreografias inéditas Nosso Tango e Thinking

About You, além de outras duas remontagens intituladas Barquinho e Meninas-Dínamo. O som do artista argentino Piazzolla é a trilha de Nosso Tango, criação de Saloly Furtado. A coreografia deste fim de semana mostra o resultado da mistura de um tango argentino com o balé clássico. Em Barquinho, é a música Zeca Baleiro que conduz os artistas, intérpretes da coreografia de João Maurício e Susana Yamauchi. A remontagem é assinada pela dupla Ana Luisa Seelaender e Ciça Meirelles e é um trecho da coreografia CUBO, do grupo LúDiCa DaNça. O coreógrafo Luiz Bongiovanni criou Meninas-

Dínamo, terceiro trabalho feito para o Balé Jovem de São Paulo. O artista escolheu a música do africano Dumisani Maraire como trilha, interpretada pelos americanos do Kronos Quartet. Já em Thinking About You, coreografia de Lourenço Homem, mistura balé clássico, dança contemporânea e yoga para tratar de paixão, tudo ao som de Handsome Boy Modelling School. Galeria Olido. Sala Paissandu. Av. São João, 473, Centro, tel.: 3331-8399 e 3397-0171. Sexta (12) e sábado (13), às 20h. Domingo (14), às 19h. Grátis (retirar senha uma hora antes)

Pai e filho, inspirados artistas da gastronomia. Eles se encontram e ensinam num dia muito especial. Página 24

Steven Klein

Fotos: Divulgação

C

23

VISUAIS

Imagem Filmes/Divulgação


DIÁRIO DO COMÉRCIO

24

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Paulo Pampolin/Hype

Um vinho para os porquinhos José Guilherme R. Ferreira

d

cultura

Pais e filhos com a mão na massa

P

eter Barry, da Vinícola Jim Barry Wines, no Clare Valley, Sul da Austrália, criou um blend de Shiraz e Cabernet Sauvignon, e fez questão de adicionar um pouco da cepa Malbec, não só para dar suavidade à sua mistura, mas também para melhor combinar com os porcos criados na sua propriedade. Quem conta a história é a escritora Tanya Scholes, que se encantou pelos rótulos homenageando os animais. Peter passou a se interessar por eles durante viagem à Espanha, onde provou os mais suculentos presuntos do mundo. Na volta à propriedade, comprou os primeiros e passou a engordá-los na

Dores e delícias dos negócios familiares. E promoções para o Dia dos Pais. Lúcia Helena de Camargo Fotos: Tadeu Brunelli/Divulgação

maior mordomia, seguindo o lema: "Porco feliz é porco mais gostoso". Chegou a curar algumas dessas carnes na sua bodega em Armagh e também as preparou em cortes refinados para familiares. Lançado em 2007, Three Little Pigs faz um tributo à arte da harmonização.

José Guilherme R. Ferreira é membro da Academia Brasileira de Gastronomia (ABG) e autor do livro Vinhos no Mar Azul – Viagens Enogastronômicas (Editora Terceiro Nome)

SACA-ROLHAS

Gladstone Campos/ Realphotos/Divulgação

O blogueiro Tom Wark acaba de criar a AWCC (American Wine Consumer Coalition), grupo de proteção aos americanos consumidores de vinho. A AWCC deve brigar pela queda de barreiras de comercialização que impede o livre trânsito da bebida entre os estados americanos. www.fermentation.com

Memória musical afetiva

No alto, Lucas e Luiz do Zzi Luca. Acima, caipirosca da Soggiorno. E fondue de queijo do Deck 18.

P

ara celebrar o Dia dos Pais, a sugestão é comer em restaurantes em que duplas de pais e filhos dão o tom. No restaurante Zzi Lucca, quem cozinha é o chef Lucas Ramos. Mas seu pai, Luiz Maria Ramos Filho, além de sócio do bar Genuíno, é dono da casa junto com o filho. E ajuda sempre que pode, seja com uma mão na cozinha ou com sugestões para o cardápio. Tanto o Zzi Lucca quanto o Genuíno ficam na movimentada rua Joaquim Távora, na Vila Mariana. Será que misturar família e negócios não gera conflitos? "Não é das relações mais fáceis", confessa Lucas. "Mas quase sempre a gente se entende bem. Temos também um pacto de discutir assuntos de trabalho somente no restaurante. Em casa, somos apenas pai e filho". Churrasco em casa Algumas celebrações são feitas no próprio restaurante, como ocorreu com o aniversário de Lucas este ano. "Facilita quando convidamos amigos, pois aproveitamos a estrutura do Zzi Luca", explica. O Dia dos Pais, porém, eles vão comemorar com um churrasco caseiro, já que o restaurante não abre aos domingos. No Zzi Luca o menu especial dos pais será servido no almoço e jantar do sábado (13). Com entrada, prato principal e sobremesa sai por R$ 49,90 por pessoa. E inclui, na entrada, creme de espinafre com mascarpone ou crostini de fígado de pato com maçã verde e vinagrete de mel. Para prato principal, espaguete com ragu, um dos preferidos de Lucas. A segunda opção é risoto à milanesa com ragu de ossobuco e cogumelos. E na sobremesa, panna

cotta. Inaugurado em 2010, o Zzi Luca Pasta e Vino tem 46 lugares. Fica na Rua Joaquim Távora, 1296, na Vila Mariana. Tel.: 3853-2018. Drinque grátis Já a pizzaria Soggiorno abre a topo vapor no domingo (14). E na data oferece uma caipirosca como cortesia a todos os pais que comerem ali. Entre as sugestões, a pizza Originale, carro-chefe da casa, que leva mussarela de búfala, queijo brie e presunto de Parma (R$ 59). Quem prefere uma clássica pode ir de calabresa – fatiada, com cebola, azeitonas pretas e orégano (R$ 49). A proprietária, Ducely Hungria Capellini, conta com a ajuda do pai, Gumercindo Hungria, na contabilidade da empresa. "Ele veio numa hora que eu estava precisando de ajuda, devido ao crescimento da Soggiorno. O fato de ser meu pai facilita muito, pois com um simples comentário ou olhar, já entendo o recado!", diz.

Aquiles Rique Reis

festas são sempre nos estabelecimentos, em horários de pouco movimento. O pai gosta das duas casas, mas não esconde a preferência por comer no bistrô. Entre seus pratos preferidos está blanquete de veau e cassoulet. Já os filhos são fãs de peixes e frutos do mar. O Bistrot Marcel oferece para a data o cardápio fechado de especialidades francesas, a R$ 98 por pessoa. Entre as atrações do menu estão sopa de cebola, souflê e magret

R

Bistrô e bar Os irmãos Claudia e Gabriel Zuferrey, proprietários do restaurante Le Bistrot Marcel e do Bar Deck 18, localizados um ao lado do outro na região da Berrini, mantêm uma relação tranquila com o pai, Ambroise Zufferey, que ajuda na administração das casas. Mas para isso dizem que precisam "separar o emocional do racional". Tarefa nem sempre amena, segundo ambos. "Às vezes é mais fácil porque nossa família é muito unida e temos uma relação de confiança grande, mas em outras é difícil porque o emocional acaba interferindo em situações de tomada de decisão", diz Gabriel Remy. As

(peito) de pato. Na sobremesa, pera cozida ao vinho Beaujolais e creme brulê. O bistrô fica na Rua Hans Oersted, 119, Brooklin. Tel.: 5505-2438. O Deck 18 também faz sua promoção de Dia dos Pais no dia anterior, sábado (18), já que não abre aos domingos. Os pais que pedirem o fondue Combinação Suíça (queijo e carne ou camarão), que custa R$ 120, ganham o fondue de chocolate para a sobremesa. O bar, com capacidade para 160 pessoas, fica à Rua Heinrich Hertz, 18, no Brooklin. Tel.: 5505-2438.

O Yali Gran Reserva Syrah 2008, da Viña Ventisquero, importado pela Dommo Brasil, é um dos Top 5 do Encontro de Vinhos, realizado no dia 4/08. O vinho premiado é produzido no Vale do Maipo. Amadurece entre 12 e 14 meses em barricas de carvalho e mais 6 em garrafa. www.domno.com.br

Pizza Originale da Soggiorno; pera cozida no vinho do Bistrot Marcel. E espaguete com ragu do Zzi Luca.

icardo Machado lançou A Sombra Confia ao Vento (independente), onde estão músicas que foram destaque no início e meados do século passado. São canções que fazem parte da memória musical afetiva do cantor; músicas que estão para ele como uma foto pendurada na parede da emoção... Assim como também para cada um de nós há um repertório que nos ampara desde sempre. Trilha sonora de nosso tempo de vida passada, presente e futura. Ricardo canta canções que não se imagina um intérprete selecionando para compor o repertório do seu álbum. Assim, soa de forma quase inusitada a regravação de A Casinha Pequenina (canção popular tradicional) e Se Essa Rua Fosse Minha (modinha tradicional). Mas o que pode parecer num primeiro momento insólito, é, na verdade, uma forma corajosa de reavivar emoções que já estão quase à flor pele. A verdade em forma de sentimentos que não voltam, mas se perpetuam através de melodias e versos longínquos. A seleção musical de RM segue apontando caminhos que nem de longe se pode achar fácil de ser trilhado. Misturando Chiquinha Gonzaga (Menina Faceira); Waldir Azevedo e Miguel Lima (Pedacinhos do Céu) e Carlos Gomes e Francisco Leite de Bittencourt Sampaio (Quem Sabe?) com Fredera (Sábado); Zé Renato, Juca Filho e Cláudio Nucci (Toada) com Cartola (O Mundo é um Moinho) e Nelson Cavaquinho e Guilherme de Brito (A Flor e o Espinho), o álbum adquire o jeitão de um panorama musical popular brasileiro. Ricardo Machado é afinado e divide com sabedoria as frases melódicas. Embora, por vezes,

abuse do vibrato nas notas mais longas, seu timbre é agradável; sua extensão vocal (embora também se saia bem nos agudos) tem como força maior as notas de escala intermediária. Mas o principal é que suas interpretações têm marca registrada, pois ele canta de mãos dadas com a emoção e convicto da beleza de poder dividir com seus ouvintes o chamamento que lhe sai do peito e ganha contorno de história vivenciada através da música. Com singeleza e contemporaneidade, em Prece ao Vento (Gilvan Chaves, Alcyr Pires Vermelho e Luiz Câmara Cascudo) Dirceu Leite brilha na flauta e Afonso Marins, no baixo; Melodia Sentimental (Villa-Lobos e Dora Vasconcelos) traz bela participação de Maria Clara Valle no cello; em Casinha Pequenina, destaque para o sete de Toni 7 cordas e o bandolim de Ricardo Calafate (arranjador e diretor musical); em O Trenzinho do Caipira (Heitor Villa-Lobos e Ferreira Gullar), o violão, mais o piano acústico de Kiko Horta, dão leveza à levada; em Serra da Boa Esperança (Lamar tine Babo), Kiko Horta arrasa no acordeom; e em Castigo (Dolores Duran) acompanhamento e o solo da guitarra de Ricardo Calafate nos tocam e emocionam pela brandura da lembrança. Ricardo Machado nos convence definitivamente de que, quando a sombra confia no vento, ambos voam juntos, do passado ao futuro, fazendo do presente o momento mágico de reverenciar as músicas que amamos. Aquiles Rique Reis, músico e vocalista do MPB4.

Miúcha sinfônica A cantora Miúcha volta aos palcos paulistanos para interpretar criações do mano Chico. É um belo momento, uma vez que Chico está lançando novo e charmoso álbum. Acompanhada por Orquestra Sinfônica na Série In Concert. Teatro Arthur Rubinstein. Tel.: 3818-8888. Rua Hungria, 1000. Sábado (13). 21h. R$ 140/R$ 70.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

d

25

cultura

O Melhor de Meus 22 Mil Jantares Carlos Celso Orcesi

A

vida é um tênue equilíbrio entre prazer e dever, matéria e espírito, gasto e poupança. Estamos sempre em dúvida entre a razão que nos aconselha parar, conservar, esperar, e a emoção que nos recomenda seguir, saltar, desafiar. Poupar para viver amanhã aquele imaginário futuro melhor ou gastar já numa noitada ou longa viagem? Há argumentos para cada escolha e apenas uma certeza: a virtude está no meio termo. A dizer com Aristóteles, o ideal não está nos extremos da temeridade ou da covardia, mas no equilíbrio da coragem. Depois de casar passei quinze anos pagando BNH e construindo casa, com um engenheiro (meu irmão) que dava um jeito quando a obra parava seis meses, viajando pelo Brasil ou no máximo ao Paraguai. Acelerava o carro pela estrada vazia às 4 da manhã e 1.300 kms. depois às 9 da noite jantávamos no "La Preferida" ou no "La Pergola" em Assunción. Até que chegou o momento: finalmente voltamos à Europa. Teria que

consultar o álbum de fotografias, mas seria algo em torno de 1991. Na época Paul Bocuse era o Pelé indisputado da culinária, criador da nouvelle cuisine supostamente menos calórica do que a clássica culinária francesa que, na verdade todas, abusam dos cremes e calorias. Reservei por fax seis meses antes. Meu Citroën turbo sentava na A-6 sem limite de velocidade. Na segunda noite... 'L'Auberge' em Collonges-auMont-d'Or, nos arredores de Lyon. A decoração é meio kitsch, principalmente o ambiente interno. Mas senhores... a comida é de ajoelhar. Viajei informado sobre os pratos principais, o mais famoso talvez a sopa de trufas Elysée que ele preparou para o presidente da França no dia em que recebeu a "Légion d'Honneur" (1975). Antes de chegar ao templo já havia escolhido o que comer. Pode-se optar entre três menus degustação e a la carte. O mais caro (Grande Tradition) custa 225 (R$ 525) e o mais barato (Classique) 140 (R$ 330) por

Loupe en Croûte au Sauce Choron pessoa. Confiante, deixei tudo para a memória, que se apagou tanto quanto o papel de fax. Lembro-me de alguns pratos, entre eles o robaloenvolto em

massa folhada (loupe en croûte) ao molho choron, no formato do peixe. Uma iguaria, bastando dizer que a massa folhada, se não tivesse peixe

dentro, já seria suficiente. A peça de resistência foi o "volaille de Bresse a la crême et aux morilles" cortado na mesa, algo que traduzido por 'frango' não dá conta da complexidade dos sabores. E a sobremesa, um sorvete em caldas e uma estrutura caramelizada que subia 40 centímetros acima do prato em forma de leque e torre, que Maria Helena foi quebrando aos poucos com a mão e derretendo na boca. O chefe Bocuse de avental branco com a gola nas cores da França, que apenas os cozinheiros condecorados pelo MOF (Meilleurs Ouvriers de France) podem usar, veio a todas as mesas dar uma palavrinha. Profissionalismo à flor da pele. Lembro-me de lhe ter dito qualquer coisa sobre o Brasil ao que ele respondeu "meus clientes brasileiros falam francês muito bem". Algum sarcasmo em relação à minha pronúncia? Mais provavelmente uma resposta-padrão. Não importa; hoje eu lhe diria outra coisa: "Maitre Bocuse, ce dîner était le meilleur de

ma vie". Quero dizer, o melhor jantar dentre os 21.900 dias do nascimento até aqui. E saibam meus leitores que acabei de visitar o "Noma" de Copenhague em maio. Se todos sabemos que a virtude está no meio-termo, há sempre a dúvida de saber aonde está, em cada caso, esse tal de equilíbrio. Se gosto de beber vinhos, bebe-los em demasia causa desprazer e insônia. Se gosto de comer bem, comer demais engorda. Não sei o que Aristóteles faria em meu lugar, mas considerando que a vida é curta, tomei a decisão de voltar logo a Collonges. Paul Bocuse é conhecido por não criar novas receitas; sua especialidade é repeti-las todos os dias. Em seu saite cita frase de Van Gogh que diz o seguinte: "como é difícil fazer o simples"! Modestos os dois. Tanto quanto é impossível retocar os girassóis, a Pietà de Michelangelo ou alterar o sorriso da Mona Lisa de Leonardo, também as receitas de Maître Bocuse deveriam ser tombadas pela Unesco.

DOCUMENTO André Domingues

A Islândia: 300 mil habitantes, progresso e alto índice de leitura.

Um requintado policial. Que vem de terras geladas. Renato Pompeu

D

a remota Islândia ("Terra do Gelo"), ilha nórdica a meio caminho entre a Europa e a Groenlândia, e da qual os brasileiros muito têm ouvido falar ultimamente, por causa de sua crise financeira e de seus vulcões que costumam tumultuar o tráfego aéreo europeu, conhecida também por seus gelos eternos e seus gêiseres, nos chega, dez anos depois de seu lançamento original, um romance policial bem estimulante e de alta qualidade literária, O Silêncio do Túmulo, de Arnaldur Indridason (Companhia das Letras) nfelizmente traduzido do inglês americano, e não do islandês. O autor é bem conhecido na Europa e nos EUA, já tendo ganhado o principal prêmio inglês de literatura policial, o Prêmio Adaga de Ouro, em 2005, outorgado pela Associação de Escritores de Mistério, e não há dúvida de que os ingleses sabem muito bem avaliar os romances policiais, já que são mestres no gênero. Foi a última edição do Prêmio Adaga de Ouro, pois a entidade de escritores policiais ingleses resolveu mudar o nome da premiação. Embora o país-ilha islandês (a edição brasileira é patrocinada pelo Fundo Islandês de Literatura) seja pouco conhecido no Brasil, a ambientação social do romance é bem familiar ao público brasileiro. Apesar de ser um país muito pequeno (em 1950, quando o Maracanã foi inaugurado, a população islandesa tinha total de 100 mil habitantes; lotaria apenas metade do estádio e seu povo registrava um dos maiores níveis de vida do mundo. Nas últimas décadas, então, antes da atual crise, o seu progresso foi

impressionante, a ponto de, em meio século, a população ter praticamente triplicado e mantido e melhorado sua alta qualidade de vida. Assim, as colinas em torno da capital, Reykjavik (forma adotada na tradução, embora exista em português o nome Reiquiavique), antes ermas, cobertas de neve e praticamente desabitadas, rapidamente se urbanizaram, com a construção, principalmente, de habitações populares - um fenômeno bastante conhecido nas periferias brasileiras, embora as casas populares islandesas sejam de alto padrão para nossos referenciais. Durante uma dessas construções, se encontra, perto de onde durante a Segunda Guerra Mundial se achava um quartel dos Aliados, um esqueleto, pertencente ao corpo de uma pessoa morta e enterrada, segundo a perícia, cerca de sessenta anos antes. O inspetor Erlendur, personagem bastante popular na Europa, e que consta de vários outros livros de Arnaldur Indridason, é encarregado de investigar o misterioso caso. A uma bem envolvente trama policial cheia de peripécias, se reúnem dramas familiares e individuais, no passado e no presente, dentro da rica tradição islandesa de inesquecíveis retratos literários. Rica tradição literária islandesa? Boa parte dos leitores e leitoras do nosso País pode estranhar essa constatação. Mas, com apenas 300 mil habitantes atualmente, a Islândia já tem um Prêmio Nobel de Literatura, obtido em 1955 pelo escritor Halldór Kiljan Laxness. Na verdade, habitado desde o século X, o país tem bem mais de mil anos de profusa produção literária de alto nível. Por exemplo, as histórias que

envolvem vikings, ou o Valhala, onde moram o deus Thor e outros deuses escandinavos, e mais a famosa saga dos "Eddas", são praticamente todas conhecidas a partir de textos medievais islandeses, pois foram preservados, não se tendo maior notícia de textos da época noruegueses, suecos ou dinamarqueses. Os islandeses sempre foram o povo que mais lê e mais escreve, proporcionalmente, no mundo, o que se costuma atribuir à prolongada noite nórdica e ao prolongado inverno, que não permitem que os habitantes possam sair de casa. Durante os séculos e séculos que se sucederam sem rádio e sem televisão, a escrita e a leitura se constituíram em principal hábito de lazer nacional, e isso persistiu mesmo depois de terem sido introduzidos os meios eletrônicos. Arnaldur Indridason, com apenas 50 anos, é o mais lido escritor islandês da atualidade, dentro e fora de seu país. Cumpre assinalar que o segundo D do seu segundo nome é uma letra do alfabeto islandês que não existe em português, uma espécie de D cortado como um T. E que Indridason não é sobrenome, sim um patronímico, isto é, uma indicação de que ele é filho de alguém chamado Indrida. Tal como acontece em geral com os políticos e os jogadores de futebol brasileiros, os autores islandeses, ou qualquer personalidade de seu país, são citados, mesmo na mídia ou em trabalhos acadêmicos, pelo prenome. Assim, esse escritor, que encanta ao mesmo tempo os fãs de tramas policiais intricadas e os apreciadores de alta literatura, é conhecido na Islândia como Arnaldur.

ssim como o pavão que consagrou em meados dos anos de 1970, o compositor cearense Ednardo, 66 anos, tem algo de mysteriozo, com todos os Ys e Zs possíveis. Sua trajetória teve um sucesso muito promissor no início, com Pavão Mysteriozo e outras belas canções, mas, inexplicavelmente, não conseguiu êxito parecido depois. Agora, em vez de se empenhar na retomada da sua fase menos conhecida, está preocupado com reavivar a memória do obscuro movimento Massafeira Livre, ocorrido no Ceará na virada dos anos 70 para os 80. É verdade que também foi padrinho e participante do coletivo, mas isso não ofusca um desprendimento pessoal incomum, enigmático, ali envolvido. Afinal, não se trata de um trabalhinho autorreferente e simples, mas da organização de um grande livro, Massafeira 30 Anos, com textos e iconografia plurais e bem cuidados, trazendo, ainda por cima, uma reedição do CD duplo gravado pelo movimento em 1979. Não por acaso, levou dois anos e meio para ficar pronto. O lançamento em São Paulo será neste sábado (13), com um show no Sesc Belenzinho, em que os ingressos tendem a se esgotar rapidamente. É mais um mistério, visto que, há anos, Ednardo anda distante dos holofotes. Massafeira Livre foi uma movimentação de diversas linguagens artísticas e abrangência imprecisa o livro estima em mais de 400 os participantes -, bem ao gosto dos agitados anos 70, com politização, coletivismo, regionalismo e psicodelia. "Aquela mobilização era uma emergência do tempo. Todos, de forma geral, compreenderam a importância de atuar coletivamente e Fortaleza nunca mais foi a mesma!", conta Ednardo. A música, naturalmente, ocupa

Turma do Pavão Mysterioso lança livro, CD e faz show em São Paulo.

um lugar de destaque em Massafeira, o que torna fundamental o disco duplo reeditado para o livro. Nele, entre diversos postulantes à carreira artística, brilharam, ao menos, duas boas revelações: Mona Gadelha, com Cor de Sonho, e Graco, com Pelos Cantos. Os outros destaques giravam em torno do próprio Ednardo, como a interpretação de O Sol é Que É o Quente, de Alano de Freitas, dividia com Aninha, ou o dueto com Belchior em Aurora, bonita parceria dos dois. A presença de Belchior, aliás, somada às de Fagner (infelizmente cortada da reedição por problemas com a viúva de um dos autores), Fausto Nilo, Rodger e Téti, mostra que a juventude do Massafeira Livre teve apoio importante dos mais velhos e já estabelecidos integrantes do Pessoal do Ceará. "O fio condutor dos movimentos da cultura cearense é como se fosse um caminho que tem pedras, pedregulhos, terra e buracos à frente, mas também trechos asfaltados atrás, feitos pelos que nos antecedem", descreve Ednardo. Para ilustrar essa afirmação, lembra que agora há um coletivo de artistas em atuação no Ceará, o Manifesta, que elege como precursores os artistas da Massafeira Livre. Assim, já são pelos menos três gerações reunidas. Contudo, perguntado sobre o sentimento de dever cumprido que essa sucessão poderia deixar, Ednardo prefere se esquivar: "De jeito nenhum! Só vou pendurar as chuteiras quando o Deus do céu não me quiser mais aqui... Por enquanto, ainda tenho muito dever pra cumprir!". Ednardo - Massafeira, 30 Anos. Teatro Sesc Belenzinho. Rua Padre Adelino, 1000. Tel.: 2076-9700. Sábado (13). 21h. R$ 32.

Maestro Jamil Maluf, da Orquestra Experimental de Repertório, conduz projeto dedicado aos jovens. Eles têm muito a aprender com os sons. Página 26

Nostalgia do pavão


DIÁRIO DO COMÉRCIO

26

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

d Aventura do som Espetáculo mistura aprendizado e diversão no Centro Cultural São Paulo

cultura

CONTOS Poesia sem palavras

Cercado pela música clássica Rita Alves Sylvia Masini/Divulgação

D

Brincando com Música: conceitos de execução, instrumentação e regência com Orquestra Experimental de Repertório e o ator Fernando Paz.

B

rincar é sinônimo de divertir-se, entreter-se, distrair-se, segundo o dicionário. E quem não gosta? No Centro Cultural São Paulo a ideia é essa, pelo menos para os espectadores do espetáculo Brincando com Música, série de concertos didáticos da Orquestra Experimental de Repertório. Além dos instrumentistas monitores, conduzidos pelos maestros Jamil Maluf (titular) e Juliano Suzuki (assistente), o projeto conta ainda com a participação do ator Fernando Paz. É com essa turma que adultos e crianças recebem conceitos de execução, instrumentação e regência, despertando assim o interesse pela música erudita. O maestro Jamil Maluf conta que desde o início da Orquestra Experimental de Repertório, fundada por ele em 1990, os concertos didáticos fazem parte da programação dos músicos. "Além de todos os espetáculos programados, temos sempre um projeto didático, criado para escolas e para o público em geral.

Em Brincando com Música trabalhamos pela primeira vez com humor. Essa é a grande novidade, ensinar conceitos de música clássica com humor", diz Maluf. Grande parte da interação da orquestra com o público acontece por conta do ator cômico Fernando Paz. Os ensinamentos sobre música são transmitidos pelo artista por meio de analogias com o cotidiano das pessoas. "Ele faz uma ligação com a vida das crianças." O maestro conta que uma das formas de se fazer essa conexão é quando o ator agrupa os instrumentos em família e cita avós, pais e outros parentes. "A criança vai se lembrar disso depois." E a escolha de Fernando Paz para o projeto não podia ter sido melhor. "Ele estudou violino e toca algumas vezes durante a apresentação. Além de ser um dos maiores atores cômicos, ele tem essa característica de ser uma pessoa perfeita para esse projeto." O repertório de Brincando com Música é variado, mas a principal composição executada, segundo Maluf, é a Suíte dos Comediantes, de Dmitri Kabalevsky. "A composição

do russo foi criada para ilustrar uma comédia. Combina com o espetáculo". Ele ainda afirma que o humor deixa o espetáculo mais dinâmico. "As pessoas têm sempre a ideia de que a música erudita é uma coisa séria, chata. A partir do momento em que esse universo é tratado de uma maneira mais informal, elas passam a ter uma familiaridade maior com o assunto." Outro equívoco, segundo o maestro, é crer que é preciso entender de música para gostar do concerto. "A pessoa tem que gostar de música, isso é o mais importante", diz. "O segredo do espetáculo é a forma de abordar o assunto." E pela reação da plateia a fórmula tem dado certo. Ao término do espetáculo, muitas crianças se aproximam dos músicos para conversar, distribuir abraços, tirar fotos com celulares. "Algumas perguntam, por exemplo, a opinião sobre tal marca de flauta. Mas o público é formado por vários tipos de pessoas. Tem desde aquela que está sendo introduzida no universo da música clássica até a

que já toca algum instrumento." Independente do conhecimento, todas as crianças vão receber ainda neste semestre uma apostila a cada espetáculo. O material conterá, por exemplo, palavras cruzadas e jogos dos sete erros relacionados à música. Outra novidade que será colocada em prática é a participação da plateia. "Vamos incluir um coral do público e mostrar que ele também tem um instrumento musical: a voz." Centro Cultural São Paulo. Sala Adoniran Barbosa. Rua Vergueiro, 1.000, tel.: 33833400. Agendamento para grupos de todas as idades e escolas das redes pública e privada pode ser feito pelo email: visitasccsp@prefeitura.sp.gov.br e informações pelo tel: 33974036. Dias das apresentações: Agosto: 18 e 25; Setembro: 1, 15, 22 e 29; Outubro: 6, 20 e 27; Novembro: 3, 10, 17 e 24; Dezembro: 1, 8 e 15. Horário: das 14h às 15h. Grátis (ingressos distribuídos uma hora antes do espetáculo para o público em geral.)

Maestro João Maurício Galindo comanda novo projeto, dedicado aos jovens músicos, sob inspiração da TV Cultura. (Galindo acima, detalhes abaixo.) No alto, regente Jamil Maluf anima jovens a descobrir a música (reportagem ao lado.)

ifícil imaginar Hans Christian Andersen (18051875) fora da biblioteca da criançada. Mas fazendo parte ou não da coleção de livros, os pequenos poderão apreciar suas histórias no teatro, a partir deste sábado (13). O espetáculo infantil Andersen Sem Palavras (acima), do Grupo Caleidoscópio, reestreia no Teatro Ruth Escobar. A montagem, com texto e direção de João Bresser, apresenta cinco contos do escritor dinamarquês: O Patinho Feio, Soldadinho de Chumbo, Os Namorados, A Menina dos Fósforos e O Sapo. Para contar tais histórias, a técnica do teatro de sombras foi a escolhida. O músico André Abujamra compôs especialmente para a montagem. A peça reúne os atores manipuladores Cássia Carvalho, Lenita Ponce, Tom Moraes e Erik Mureno. "O espetáculo une a magia do teatro de sombras com a poesia dos contos de Andersen. Feito um cinema mudo, sem palavras, figuras entram e saem de cena, acompanhadas por uma trilha musical criada especialmente para entreter e emocionar a plateia", explica Bresser. Comoção também causou a interpretação do ator Danny Kaye, no papel do escritor(abaixo), no filme americano Hans Christian Andersen (acima), de 1952. Dirigido por Charles Vidor, traz ainda no elenco Farley Granger, Zizi Jeanmaire, e Philip Tonge. Teatro Ruth Escobar. Sala Miriam Muniz. Rua dos Ingleses, 209, Bela Vista, tel: 3289-2358. Sábados e domingos, 17h. R$ 25. (RA)

Espaço para jovens músicos clássicos na TV Cultura R

egente, pesquisador, didata, comunicador (Rádio Cultura FM), João Maurício Galindo, titular da Sinfônica de Tatuí, assume mais uma responsabilidade. A de dirigir e apresentar promissor concurso de música clássica, voltado a jovens talentos (cantores e instrumentistas). Promovido pela TV Cultura (Fundação Padre Anchieta), é considerado o maior no gênero na América Latina. Os interessados podem se ins-

s o t n tale m s n Jove ncorre de co total l a um 100 mi R$

crever pelo site www.cmais.com.br/preestreia. "Este novo programa tem como finalidade revelar para o grande público como a área da música clássica está desenvolvida no País", diz Galindo. A pré-estreia terá 8 eliminatórias; 2 seminifinais e a finalíssima na Sala São Paulo. Prêmios: R$ 35 mil, 1º e R$ 15 mil, 2º, referentes a solistas e cameristas). As inscrições terminam nesta sexta (12). (DCultura)

Sombras e festa. Depois da queda do Muro.

A

o acordarem naquela manhã quente do dia 13 de agosto de 1961, os habitantes da cidade de Berli foram surpreendidos por uma terrível novidade: guardas da Alemanha Oriental, a comunista República Democrática Alemã (RDA), fechavam com arame farpado e concreto a fronteira que separava as partes oriental e ocidental da cidade, cortando o acesso de 16 milhões de alemães orientais ao Ocidente capitalista. Até aquele 13 de agosto de 1961, a RDA registrara a fuga de 3,5 milhões de pessoas para o lado ocidental da cidade desde a criação do "Estado dos trabalhadores e dos camponeses" em 1949 -- estado criado com o fim da ocupação soviética, uma das zonas ocupadas pelos aliados na Alemanha após a segunda Guerra Mundial, quando o território alemão foi repartido entre o setores americano, britânico, francês e soviético.

O Muro de Berlim tornou-se um marco da Guerra Fria. Até que na noite do dia 9 de novembro de 1989 multidões de alemães orientais subiram e atravessaram o muro e juntaram-se aos alemães ocidentais do outro lado, em uma inesquecível atmosfera de celebração. O Muro de Berlim começou a ser derrubado depois de 28 anos de existência, e sua queda fez o comunismo de todo o Leste Europeu entrar em colapso. É esse capítulo emocionante e recente da História mundial que vai ser contado no especial O Muro de Berlim, que The History Channel exibe nesta sexta (12, às 22h. Com 154 quilômetros de extensão, 302 torres de vigilância e 245 bunkers, o muro tinha ainda o reforço de valas, cercas, alarmes e armadilhas patrulhadas por cães, que impossibilitavam qualquer tentativa de fuga ou contato entre as partes ocidental e oriental do país. Mesmo

Fotos: Divulgação

Regina Ricca

Reportagens no History Channel assim 80 pessoas morreram ao tentar atravessá-lo. Além de revelar a tensão que se instaurou no local e que se propagou para o resto do mundo, o especial também traz depoimentos de pessoas que tentaram, sem sucesso, escapar do "muro

da mor te" utilizando diversos meios, como túneis, planadores, biplanos e até mesmo balões de ar quente, e entrevista historiadores, jornalistas, guardas, oficiais de segurança da Stasi (o serviço secreto da Alemanha oriental) e políticos.

A Festa dos Kikitos No sábado (13), o cinema nacional se veste de gala para acompanhar a sua mais importante premiação: a distribuição dos prêmios Kikitos durante o encerramento da 39ª edição do Festival de Cinema de Gramado. O Canal Brasil transmite a festa ao vivo, com apresentação da jornalista Simone Zuccolotto e comentários dos críticos de cinema Roger Lerina e Luiz Zanin Oricchio. Para os fãs efervescente cena cinematográfica nacional, outra boa dica é ver, nesta sexta (12), a partir das 20h, no SescTV a exibição dos filmes que receberam o "Prêmio Aquisição SescTV" na 21ª edição do Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo. Na edição de 2010, três curtas- foram contemplados com esse prêmio, sendo dois na seção KinoOiko, Formação do Olhar: Carlos, 6', com direção de Mariana Dornelas e Udimila Oliveira, e Todos

São Francisco, 15'20" de Nany Oliveira, e um na Mostra Brasil: Gaveta, 8'2", de Richard Tavares. Para encerrar a festa televisiva do fim de semana, nada como bailar, mesmo que seja no sofá, ao som do suingue de Wilson Simonal assistindo ao show O Baile do Simonal, que o Canal Brasil exibe no domingo (14), às 21h. Organizado pelos filhos do cantor, Wilson Simoninha e Max de Castro, o show foi gravado em 2009 no Vivo Rio (RJ) e traz artistas de diferentes gerações, como Diogo Nogueira, Os Paralamas do Sucesso, Caetano Veloso e Marcelo D2 rememorando canções imortalizadas pelo homenageado, que sabia como poucos comandar uma plateia. No roteiro do espetáculo, destacam-se País Tropical; Nem Vem Que Não Tem; Meu Limão, Meu Limoeiro; Mamãe Passou Açúcar em Mim; Balanço Zona Sul; Sá Marina e Que Maravilha.


Diário do Comércio