Page 1

Na missa de D. Odilo Scherer, na que seria sua igreja em Roma, orou-se pela escolha do novo papa a partir de amanhã. Ele próprio entre os cotados, falou em alemão, italiano e português. Ao "tempo difícil", acrescentou: "Mas alegre". Pág. 7

Eleição em abril. E Chávez na frente. A campanha eleitoral deve começar dia 2 de abril para o voto no dia 14. Mas Chávez saiu na frente. Fotos dele são vendidas nas ruas. Sem-enterro, ele é um poderoso cabo eleitoral para seu candidato, Maduro. Pág. 7

Newton Santos/Hype

Nas missas dos cardeais, D. Odilo vê tempo difícil.

Jorge Dan Lopez/Reuters

Esperando a fumaça branca

Agora, na Assembleia. O 1º Marco da Paz em órgão público. Pág 6

Mastrangelo Reino/Estadão Conteúdo

Ano 87 - Nº 23.827

Conclusão: 23h55

Jornal do empreendedor

www.dcomercio.com.br

R$ 1,40

São Paulo, sábado, domingo e segunda-feira, 9, 10 e 11 de março de 2013

Fábio Braga/Folhapress

Adriano Lima/Brazil Photo Press/Estadão Conteúdo

Braço preso no carro foi atirado no rio Divulgação

Alex Siwek mostra onde jogou fora o braço direito de David Santos, que atropelou na Paulista, às 5h50, e não socorreu. Ele pegou a bicicleta por trás, o ciclista bateu no parabrisa, que o amputou. Alex deixou um amigo em casa, guardou seu carro e foi a pé entregar-se. Recusou o exame de dosagem alcoólica. Ficou preso, sem fiança. David, nas Clínicas, está estável. Ciclistas reagiram protestando na Paulista. Pág. 8 Javier Lizón/EFE

Você acha que ele é Falklands ou Malvinas?

Ele tem 541 anos, um palácio em Florença e está agonizando. O suntuoso Palazzo Salimbeni é a sede do banco Monte dei Paschi, o mais antigo do mundo. Na última 4ª, seu porta-voz foi achado morto lá. Pág. 15

Moradores da ilha, motivo de tensões diplomáticas entre Argentina e Reino Unido há três décadas (incluindo uma guerra), foram às urnas ontem para dizer se querem continuar do lado da rainha. Pág. 7

ISSN 1679-2688

23827

Página 4

9 771679 268008


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

sábado, domingo e segunda-feira, 9, 10 e 11 de março de 2013

Seria ridículo dizer que os economistas foram causa eficiente da crise. Eles foram apenas coadjuvantes do processo. Delfim Netto

pinião

'INACEITAVELMENTE ALTO !'

A

inda hoje, analistas financeiros em várias partes do mundo culpam apenas os países devedores – "gastadores irresponsáveis"– pelo pr olo nga men to da crise na Comunidade Europeia, ressalvando a conduta virtuosa dos países credores. São especialmente zelosos em afastar o "foco" das patifarias feitas pelos intermediários financeiros e com enorme cuidado evitam responsabilizálas pela tragédia do desemprego que atinge 30 milhões de trabalhadoras e trabalhadores no velho continente e sequer fazem referência aos outros 20 milhões nos esquecidos vizinhos do norte da África. Poucos se interessam realmente em consultar as estatísticas da Organização Internacional do Trabalho para conferir o que o prêmio Nobel de economia Paul Krugman identificou como o "problema real", ao concluir um recente e magistral artigo em que aponta "os erros da doutrina que domina o discurso econômico da elite", há três anos nos Estados Unidos: "É hora de colocar de lado a obsessão com o déficit e lidar com o problema real, o desemprego inaceitavelmente alto". Na preparação e expansão dos fatos que levaram à crise deflagrada em 2008 nos Estados Unidos, cujos efeitos continuam nos castigando, não existem inocentes: governos falharam miseravelmente e o

DELFIM NETTO minar a ideia do velho presidente Reagan: "Os governos não são a solução, são o problema"! Mas é ridículo, também, isentá-los de qualquer responsabilidade. Produziriam trabalhos científic o s n a A c a d emia, onde se faria "ciência pela ciência", na qual não é proibido inventar universos que não existem. Não teriam, entretanto, responsabilidade pelo mau uso de seus modelos, mesmo porque estes não se referem, necessariamente, a este mundo...

O setor financeiro sem regulação, como o velho escorpião da fábula, cumpriu o seu objetivo, matando o setor real da economia, enquanto alguns economistas, gloriosamente, defendiam "matematicamente" a alta qualidade dos maus feitos, desenvolvendo teorias

para justificar as patifarias construídas no alegre incesto com os poderes políticos incumbentes.

O

"problema real" que daí resultou – e que até hoje nos barbariza – pode ser comprovado numa proposição simples: os mi-

lhões de poupadores que confiaram seus recursos aos administradores financeiros ficaram pobres e desempregados. Os administradores ficaram trilionários e não precisam de emprego! Seria ridículo e pretensioso dizer que os economistas foram causa eficiente da crise. Eles foram apenas coadju-

CIDADANIA NO ENCALÇO DOS POLÍTICOS

D

epois que a sociedade se indignou, foi às ruas e aprovou no parlamento a lei contra a compra de votos em 1999 e a Lei da Ficha Limpa em 2010, surge uma nova e decisiva oportunidade de atuação da cidadania: a reforma política. Em sequência ao vertiginoso processo que atingiu mais de um 1,5 milhão de assinaturas pelo impeachment do senador Renan Calheiros, em fevereiro, dezenas de organizações da sociedade civil iniciaram debates sobre que tipo de reforma política é mais objetivo para mobilizar os cidadãos e mais viável para desencadear o processo legislativo. Todos sabemos que o maior problema da democracia é ser um sistema político de representação em que os mandatos acabam sendo mais dos partidos e dos eleitos do que dos cidadãos eleitores, os verdadeiros donos dos mandatos. E a crise de representatividade

JORGE MARANHÃO é um fenômeno da maioria das democracias ocidentais.

N

a última semana de fevereiro, na sede da OAB em Brasília, as 35 organizações que formam o MCCE (Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral) iniciaram as discussões sobre a proposta de reforma política e já chegou a um consenso quanto ao tema central: o financiamento de campanhas eleitorais, com destaque para a criação de instrumentos legais que proíbam empresas de fazer doações a candidatos e partidos, um dos

grandes focos de corrupção política. (Veja o vídeo do MCCE na internet com o alerta sobre as consequências de doações ilícitas de empresas às campanhas eleitorais: www.youtube.com/watch? v=cx7Cn6p163s.) A ideia do grupo é reeditar uma grande campanha de coleta de assinaturas para um projeto de lei de iniciativa popular, nos mesmos moldes do feito para a Lei da Ficha Limpa, mas acompanhada de forte movimentação na internet. A expectativa é alcançar, ainda neste semestre, 1,3 milhão de assinaturas impressas necessárias, dentro da atual legislação, para que um projeto de lei de iniciativa popular possa tramitar no Congresso. O juiz Márlon Reis, um dos idealizadores da Lei da Ficha Limpa, lembra que na primeira reunião sobre o tema, em 2009, compareceram cinco pessoas. "Agora, já temos de início 35 organizações, representando centenas de entidades e milhões de

pessoas em todo o país". A grande novidade é que qualquer cidadão pode participar do processo de elaboração do projeto de lei, a ser redigido por uma comissão relatora do MCCE, por meio do email reformapoliticamcce@ gmail.com.

A

iniciativa das Eleições Limpas já repercute no Congresso e o projeto de lei relatado pelo deputado Henrique Fontana (PT-RS), que não tramitava por alegada "falta de consenso", já virou prioridade – segundo ele, "para não ser atropelado pelo projeto de lei de iniciativa popular do MCCE". O próprio presidente da Câmara, Henrique Alves, confirmou a votação da reforma política pelo plenário nos dias 9 e 10 de abril. Os principais pontos em votação: o financiamento público de campanha, a coincidência temporal das eleições municipais, estaduais e federais, a ampliação da participação da sociedade na apresentação

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Claudio Vaz Edy Luiz Kogut Érico Sodré Quirino Ferreira Francisco Mesquita Neto João de Almeida Sampaio Filho João de Favari Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Paulo Roberto Pisauro Renato Abucham Roberto Faldini Roberto Mateus Ordine

vantes (e algumas vezes beneficiários) do processo. Ajudaram a criar uma "ideologia" que pretendia dar base "científica" ao papel do mercado financeiro desregulado na aceleração do desenvolvimento econômico e do bem estar do mundo. A mensagem construída a partir da fantástica hipótese dos "mercados perfeitos" tinha com consequência subli-

de projetos de iniciativa popular, inclusive por meio da internet e outros itens. Ambos os processos, da coleta de assinaturas da sociedade e da tramitação do PL dos parlamentares, serão mutuamente enriquecedores. Houve, ainda, avanço nas discussões da comissão do MCCE sobre as formas de democracia direta, uma vez que esta tem sido a grande tendência mundial, com o advento de novas ferramentas e sistemas de internet de participação direta e que podem mudar totalmente o modelo de representação política tradicional – como aconteceu

grande paradoxo nesse processo, no qual parece não haver ator que tenha sido sua causa eficiente, é ignorar quem está recebendo a conta do mau feito: são os mais de 50 milhões de desempregados (sem contar os dos Estados Unidos), que estão nas ruas recusando-se a pagar as "falhas" dos governos e dos atores dos mercados financeiros. ANTÔNIO DELFIM NETTO É PROFESSOR EMÉRITO DA FEA-USP, EX-MINISTRO DA FAZENDA, DA AGRICULTURA E DO PLANEJAMENTO CONTATODELFIMNETTO@ TERRA.COM.BR

nas eleições na Itália, com a campanha de Beppe Grillo toda feita pelas redes sociais. Ou em 2011, quando a ativista social Anna Hazare mobilizou 35 milhões de pessoas, na Índia, para pressionar os políticos locais a aprovar uma legislação anti-corrupção, usando um sistema de "chamadas não atendidas", pelo qual os cidadãos ligavam para um número de telefone e deixavam uma chamada perdida para demonstrar que apoiavam a causa. JORGE MARANHÃO É DIRETOR DO INSTITUTO DE CULTURA DE CIDADANIA A VOZ DO CIDADÃO. JORGE@AVOZDOCIDADAO.COM.BR

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, João de Scantimburgo, Marcel Solimeo Diretor-Responsável João de Scantimburgo (jscantimburgo@acsp.com.br) Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Editor-Chefe: José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br). Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br). Editores Seniores: chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), José Roberto Nassar (jnassar@dcomercio.com.br), Luciano de Carvalho Paço (luciano@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br). Editor de Fotografia: Alex Ribeiro. Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Heci Regina Candiani (hcandiani@dcomercio.com.br), e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br. Subeditores: Marcus Lopes, Rejane Aguiar e Ricardo Osman. Redatores: Adriana David, Evelyn Schulke e Tsuli Narimatsu. Repórteres: André de Almeida, Karina Lignelli, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mariana Missiaggia, Mário Tonocchi, Paula Cunha, Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves, Sandra Manfredini, Sílvia Pimentel, Vera Gomes e Wladimir Miranda. Gerente Executiva e de Publicidade Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estadão Conteúdo, Folhapress, Efe e Reuters Impressão S.A. O Estado de S. Paulo. Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3180-3175. Fax 3180-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3180-3197, 3180-3983, Fax 3180-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3180-3544, 3180-3176 Esta publicação é impressa em papel certificado FSC®, garantia de manejo florestal responsável, pela S.A. O Estado de S. Paulo.

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3180-3737 REDAÇÃO (011) 3180-3449 FAX (011) 3180-3046, (011) 3180-3983 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 9, 10 e 11 de março de 2013

3

o SEREMOS TODOS TELEFONES pinião

LINHAS TELEFÔNICAS JÁ FORAM UM EXCELENTE INVESTIMENTO E DEIXADAS COMO HE RANÇ A.

E

sse negócio de Google tirou a graça de muitas coisas. E dificultou a vida dos que mourejam nas letras, obrigados por profissão e ganha-pão a escrever com regularidade, fazendo o que podem para atrair o interesse de leitores e mostrar serviço, pois bem sabem que a mão que afaga é a mesma que apedreja e o quem-te-viu-quem-te-vê será o destino inglório daqueles que dormirem no ponto. Antes do Google, o esforçado cronista recorria a almanaques e enciclopédias e deles, laboriosamente, extraía novidades para motivar ou adornar seu texto. Agora todo mundo pode fazer isso num par de cliques. Além do mais, o cronista podia também exibir-se um pouco, o que talvez trouxesse algum benefício ao combalido Narciso que carrega n’alma, além de realçar-lhe a reputação. Somente alguns poucos, entre os quais ele, tinha tal ou qual informação, ou lembrava certos pormenores, em relação ao assunto comentado. O Google acabou com isso e quem hoje em dia chegar ao extremo de escrever algo do tipo "você sabia?" se arrisca à desmoralização instantânea. Mesmo consciente desses perigos, ouso dizer que a maior parte de vocês não sabia que ontem foi o dia do telefone. Eu por acaso sabia e me lembrei assim que vi a data no calendário. E também já sabia de uma porção de coisas adicionais, inúteis mas talvez vistosas. Tudo isso, juro que é verdade, sem recorrer ao Google. Faz mais tempo que eu gostaria de admitir, escrevi um trabalho escolar sobre Alexander Graham Bell, o inventor do telefone, e não me esqueci de fatos importantíssimos. Para começar, Bell não era americano, como geralmente se pensa; era escocês. E, se vocês pasmaram com esta, pasmem com a próxima: nos primeiros telefones, não se falava e escutava ao mesmo tempo, era como nos walkietalkies dos filmes de guerra americanos e os interlocutores tinham que dizer "câmbio", ao terminarem cada fala. E, sim, D. Pedro 2º garantiu o papel do Brasil no sucesso da invenção. Os historiadores americanos lembram como Sua Majestade, durante uma feira internacional em Filadélfia, ficou estupefato com o no-

JOÃO UBALDO RIBEIRO vo aparelho e exclamou: "Meu Deus, isto fala!" Parece que ele botou mais fé na novidade que os americanos, porque o presidente americano Rutherford B. Hayes declarou mais tarde que se tratava de um aparelho interessante, mas sem nenhuma utilidade. D. Pedro ganhou um e as centrais telefônicas começaram a se instalar no Brasil, notadamente no Rio de Janeiro e, segundo eu li, tinham o hábito de pegar fogo com grande frequência.

va a mão na careca, parecendo ajeitar uma cabeleira invisível e, depois que contaram a ele que funcionava com eletricidade, acho que nunca mais tocou em nenhum. E mais sensacionais revelações eu teria a fazer, mas suspeito que todas podem ser achadas no Google, para quem for suficientemente obsedado. O que não se acha no Google são minhas memórias pessoais em relação ao telefone. A primeira lembrança é o telefone lá de casa, quando morávamos em Aracaju. Se não me engano, o número era 631 e o aparelho ocupava um espaço solene, no corredor de entrada. Recordo as duas enormes baterias, com o formato de pilhas de lanterna, mas muito maiores. Pegava-se o fone, rodava-se a manivela e

falava-se com a telefonista, para pedir a ligação.

N

essa época, Salvador já tinha telefones automáticos, parecidos com os que a gente via no cinema e com um número enorme. O da casa de meu tio Cecéu, por exemplo, era 8521 e eu causava grande inveja em meus colegas de Aracaju, quando dizia que meu telefone em Salvador tinha esse numerozão – e sem telefonista. Já as ligações interurbanas eram um problema, mesmo em Salvador ou qualquer outra cidade. Nem sempre se conseguia e o telefonema tinha que ser programado com muita antecedência. Às vezes, esperava-se o dia inteiro pela ligação. Quando a

Em um futuro próximo, os recém-nascidos, ainda na maternidade, terão vários chips implantados no cérebro e serão conectados antes mesmo de aprenderem a falar.

O

coronel Ubaldo, meu avô, como vários de s e u s c o n t e m p o r âneos, na hora de falar no telefone, botava o paletó e passa-

É PRECISO PENSAR NO BRASIL... T

em muita gente, neste exato momento, e boa parte sempre em torno do circulo do poder público, pensando em como levar vantagem obtendo recursos, de forma certamente ilícita, em cima dos cofres públicos. Esse número, caro leitor, é muito maior do que você imagina. Felizmente, tem também quem pensa o Brasil por olhos decentes. Talvez até a maioria da população, mas seu silêncio obsequioso favorece os maus intencionados. Mas vamos falar de quem pensa em favor do Brasil. Em uma simples conversa com o empresário Alexandre Bérgamo, por exemplo, ouvi dele observações e proposições que compartilho com os leitores, por se tratar da busca de melhor a gestão

da coisa pública. Ele diagnostica com clareza meridiana o pequeno crescimento da economia, além de outros fatores que estão corroendo a base economia nacional, como o pequeno número de empresas na Bolsa de Valores, a redução de opções no portfólio das empresas financeiras, a guerra cambial, entre outros fatores, que empurram para o consumo interno e a diminuição de

nossa industrialização e competitividade mundial.

A

ponta ele nossa diminuta educação para "serviços", os custos básicos de energia, transportes, educação, impostos elevados demais para as empresas (e pessoas físicas, palpito eu) sem contrapartida por parte das gestões executivas, federal, estadual e municipal. E mais: aumento de todo tipo de criminalidade, incluindo fraudes e corrupção; falta de planos estratégicos; burocracia pública e até privada, baseadas na falta de confiança da sociedade; sindicatos que não pensam no todo; mídia não alinhada com interesses comuns de desenvolvimento; conflitos de toda ordem; ausência de políticas públicas e gestão

correta, enfim, uma gama de questões mal resolvidas, mal encaminhadas, que mantêm o País preso, quando deveria estar caminhando a passos largos. Sugere o empresário com que falei (sejamos otimistas como ele) que o Congresso Nacional inicie um amplo debate do que haveria de comum para todos nós, de modo que ocorra um crescimento sustentável perene. Em sua visão, uma espécie de conselho de administração do País: as pessoas influentes, os órgãos reguladores, a universidade, a mídia, todos deveriam participar de uma espécie da criação de uma plataforma de governança comum à sociedade brasileira. Sendo otimista como ele, para não desanimar de vez da falta de seriedade pública nas terras tupiniquins (entre outras origens) ouso opinar no sentido de que a iniciativa parta da própria sociedade, sem esperar que o poder público, notadamente o

conversa se iniciava, as vozes se perdiam numa fanfarra de zumbidos, estalos, pequenos estampidos e ruídos de toda espécie, em que os telefonadores se esgoelavam em gritos altos e palavras repetidas aos berros. Era inevitável a suspeita, em alguns casos convicção, de que seria mais eficaz chegar à janela e soltar esses berros na direção da cidade para onde se telefonava, levando o papo diretamente no gogó, sem precisar de nenhum aparelho. Pois é, nada como um dia depois do outro. Ainda passei por mentiroso, quando, regressado ao Brasil depois de uma longa temporada nos Estados Unidos, contei que o sujeito em Los Angeles discava diretamente para Nova York, na outra ponta do país, a ligação se completava como se fosse local e se ouvia perfeitamente a voz do lado de lá. Estabelecia-se um silêncio constrangido entre os ouvintes e não eram raros comentários elogiando minha fértil imaginação de romancista. O curioso é que lá eu também passava pela mesma situação, quando contava que, no Brasil, havia gente que esperava a instalação de um te-

Congresso Nacional, que tem agenda própria, corporativista, vá se preocupar em melhorar um país que para eles é perfeito.

N

ão vislumbro – é uma opinião pessoal – na cena nacional, seja política, social, empresarial, uma única liderança capaz de empolgar um projeto de construção nacional acima dos interesses partidários e econômicofinanceiros dos envolvidos nos cargos de poder. A massa brasileira desconhece o que se passa. Sobrevive hoje com bolsas que as mantém cativas de um projeto de poder. A oposição não existe de fato – e nem de direito, porque não exerce as prerrogativas como tal, diante das impropriedades permanentes do Executivo. A parcela da sociedade que pensa, enxerga, discerne, assim como Bérgamo, é órfã de lideranças capazes de conduzir projetos de envergadura nacional,

lefone durante décadas e as linhas eram valorizadas como excelente investimento e deixadas como herança. Por fim, chegaram os celulares e tabletes. Tem gente que não larga o celular nem no chuveiro e dizem que já é até um acessório sexual indispensável para muitos. Creio que, no futuro próximo, os recémnascidos, ainda na maternidade, terão vários chips implantados no cérebro e serão conectados antes de aprenderem a falar, talvez numa rede social especializada.

U

m chip, secretamente instalado no celular do cônjuge infiel, mostrará à parte corneada o endereço exato do motel onde o (a) sem-vergonha prevarica. Um aplicativo ora sendo aperfeiçoado saberá, por sutis alterações na voz, quando quem fala está mentindo. Realizase o sonho de não passarmos de uma colmeia toda interligada, em que não haverá vida privada. Feliz dia do telefone para todos. JOÃO UBALDO RIBEIRO É CRONISTA, ROMANCISTA E PERTENCE À

ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS.

PAULO SAAB suprapartidários e voltados para o bem do Brasil e não de seus dirigentes, políticos e asseclas, que "chupinham" as energias e recursos da produção empresarial, dos esforços liberais e da classe dita trabalhadora. Trabalhadores somos todos nós.

S

e houver alguém que assuma dizer o que deve ser feito, como deve ser feito, ele deve ser saudado. Amanhã podem ser dois, três... até termos um País de gente digna, como temos, mas também de governança e política minimamente decentes. PAULO SAAB É JORNALISTA E ESCRITOR


DIÁRIO DO COMÉRCIO

4

GibaUm

3 Delúbio

Soares foi ao Recife participar de feira de imóveis e lançar site de vendas, como tem em São Paulo e Goiânia.

gibaum@gibaum.com.br

k “A maior característica feminina é ter 1001 utilidades.” JULIANA PAES // atriz, no Dia Internacional da Mulher. Fotos: Jacques Dekequer / Divulgação

Questão de imagem Desde 1999, antes de se tornar amigo de Lula, quando começou a viajar para o Brasil e até agora, Hugo Chaves sempre manteve por aqui uma empresa da assessoria de imprensa para cuidar de sua imagem. E, pessoalmente, sempre cultivou características de boa praça – e de quebra, galanteador, paquerando até reporteres. No começo de seus anos de presidente, ainda era casado com Maria Isabel, mãe de seus quatro filhos e que teria largado Chávez para ficar com seu professor de tênis. 333

NÃO FALA 333 Fausto Camunha , assessor de imprensa de José Maria Marin, tem sido procurado por diversos jornalistas e até correspondentes de órgãos estrangeiros que querem entrevistar o presidente da CBF sobre as acusações que rolam sobre sua suposta participação noepisódiodeVladimirHerzog nos tempos da ditadura militar e da amizade que tinha com o delegado Sérgio Paranhos Fleury. Camunha repete a todos a mesma cantilena: Marin não falará sobre isso e nem sobre o movimento na web que recolhe assinaturas sob o bordão Fora Marin .

Ela era a médica bissexual Remy Hadley, também chamada Thirteen na série House M.D. e também participou de The O.C.: agora, a atriz Olivia Wilde (ela tirou o sobrenome do irlandês Oscar Wilde), 28 anos, é a contratada da Bo.Bô e veio rapidamente a São Paulo para a campanha de inverno da marca. Conheceu bares da Vila Madalena, bebeu caipirinha de frutas vermelhas e entrou na cerveja. Olivia avisa que não acorda cedo, não faz ginástica, nem dieta e se considera gulosa. No Brasil, aprendeu a tomar café da manhã com açaí. Banana com granola é outra novidade. “Se não fosse atriz, seria chef de cozinha”. 333

Treze na moda

333 A presidente Dilma Rousseff viajou para prestar homenagem a Hugo Chávez, na semana passada, a bordo do Airbus A319 da FAB, levando junto o ex-presidente Lula, o assessor Marco Aurélio Garcia e o governador da Bahia, Jaques Wagner, entre outros. Poderia ter levado até José Dirceu caso o STF permitisse sua ida a Caracas. Lula ficou mais do que surpreso com o volume de venezuelanos nas ruas, chorando a morte de Chávez. Chegou até a comentar com Wagner e não resistindo, perguntou: “Se acontecesse alguma coisa comigo, você acha que os brasileiros também iriam às ruas chorando?” E o baiano: “Certamente e em quantidade muito maior”.

Muito mais

De um lado, Cristiana Oliveira, 49 anos, a eterna Juma de Pantanal, exibe sua boa forma na capa e recheio da nova Shape: ele é Yolanda de Salve Jorge e emagreceu 25 quilos da novela anterior para cá, sem muito esforço. A saída foi a dieta detox: “Não emagreço sofrendo. Quando tenho vontade de uma macarronada, mando ver”. De outro lado, Thaissa Carvalho, 30 anos, que será Isabel, piloto da Força Aérea Brasileira na nova novela Flor do Caribe, que está estreando hoje. Não há muito segredo no corpaço: “Quem usa, cuida. Nada de excessos, mas mantendo o prazer”. 333

Dose dupla

Nascerá de novo

Na favela de Heliópolis, que tem coral e até orquestra, mais agências bancárias, moram cerca de 125 mil pessoas. Agora, acaba de se instalar por lá uma clinica de dermatologia e aumenta a cada dia o volume de moradoras interessadas em aplicar botox ou gordura para ganhar toque de mocidade no rosto. Detalhe: preços módicos e até em parcelas.

A TV venezuelana está exibindo um clipe, assinado pelo baiano João Santana, sobre a morte de Hugo Chávez, com gente chorando nas ruas misturadas com imagens do coronel e a repetição de seu slogan Chávez, el corazón de mi pátria. A música de fundo – também de autoria de João Santana – à certa altura, diz que “ele nascerá de novo” e que “a luz que nos leva não se apagará jamais”. Se o marqueteiro associou Lula a Lincoln, não chega a ser surpresa associar, de certa forma, Jesus a Chávez. 333

h

h IN

OUT

Jaquetão cinza listrado.

Jaquetão cinza liso.

Mulher completa Depois da cirurgia de mudança de sexo, a ex-BBB Ariadna Arantes festejou, na semana passada, pela quarta vez, o Dia Internacional da Mulher: “Eu posso, sou uma mulher completa. Não basta usar minissaia, tem que ter coragem e aquela força feminina que vem de dentro”. E emenda: “É muito mais fácil ser mulher. Eu era muito infeliz na época em que tinha um piupiu. Ser mulher é um sonho. Até ir no ginecologista é bom”.

333

Prêmio com fama 333 Luciano Coutinho, presidente do BNDES e um dos raros queridinhos de Dilma Rousseff, recebe dia 16 de maio, no Waldorf Astoria, em Nova York, o título de Homem do Ano dado pela Câmara de Comercio BrasilEstados Unidos. Como sempre, haverá um grande jantar para 800 pessoas que compram seus convites e aproveitam para uma boa ocasião de network. A história do prêmio é recheada de incidentes de percurso: quase 50% dos homenageados enfrentaram períodos turbulentos depois. Luciano dá risada: “Sou um homem de muita fé”.

MAIS CABELOS O governador de Pernambuco, Eduardo Campos, pré-candidatoaoPlanalto,foium dos primeiros políticos a fazer implante de cabelos, no Recife, com o cirurgião Fernando Basto, o mesmo que cuidou da cabeleira do ministro José Múcio Monteiro e de José Dirceu. Agora, seus cabelos estão rareando no alto da cabeça (na frente e nas entradas, permanecem os implantados) e Campos já está programando nova intervenção de Basto para cobrir a área desmatada.

333

MISTURA FINA O SENADOR José Sarney deverá se licenciar do mandato em breve para terminar o livro Testamento para Roseana , onde promete contar detalhes da política brasileira em seus últimos 65 anos de vida pública. 333

FERNANDO Meirelles tem um novo projeto para a Globo: é uma série criada por seu filho Quico, com produção da O2 Filmes que, com muito humor, vai girar em torno de atores mais velhos que só ganham papéis de avôs (o que não acontece na TV americana e européia e menos ainda no cinema). Estréia prevista apenas para o ano que vem.

333

NA FAVELA 333

e a um amigo confessou que "a história do mensalão não virou piada de salão", conforme tinha previsto.

333 AS MULHERES representam 46% da força de trabalho do Poder Executivo: ao todo, a administração federal tem 241,6 mil servidoras publicas federais ativas. É a maior quantidade de mulheres dos últimos três anos, segundo dados do Ministério do Planejamento. Em 2009, as mulheres chegaram ao número recorde de 244,8 mil, o maior dos últimos 16 anos.

Vai de metrô 333 O bilionário Luiz Barsi, também chamado de “rei dos dividendos da Bovespa”, que andou metralhando o investidor Lírio Parisotto, trabalha há 16 anos num escritório sem decoração no centro de São Paulo, com móveis antigos e televisores de tubo empilhados e uma persiana quebrada. Vai trabalhar de metrô e costuma dirigir uma Zafira. Quando criança, morou em cortiço e trabalhou de engraxate. Sua mulher, há pouco tempo, queria um SUV: ele comprou um Chery Tiggo chinês, de R$ 50 mil.

3 MAIS: não falou de política

Estrela gospel No fim de semana, o The New York Times e a rede de televisão NBC dedicaram grandes matérias à brasileira Aline Barros, pastora evangélica, cantora, compositora e bióloga marinha, com mais de vinte discos gravados e que está fazendo shows nos Estados Unidos. No roteiro, New Jersey, Massachusetts e Georgia, onde mora, por sinal, o bilionário Edir Macedo, da Universal. Aline foi a primeira evangélica a conquistar um Grammy Latino (2004), hoje tem mais quatro e uma coleção de outros prêmios. Ela canta em inglês também, tem lotado arenas americanas e mais de seis milhões de discos vendidos. É pastora da igreja Comunidade Evangélica Internacional Zona Sul, no Rio. 333

A FUNKEIRA Tati Quebra Barraco está internada no Hospital São Luis, em São Paulo, onde já teria se submetido a 25ª cirurgia plástica. Desta vez, fez nova lipoaspiração e colocou prótese de silicone de 200 ml. Depois da recuperação, vai se dedicar às gravações de seu novo clipe, Fã Incubada.

333

LARISSA Riquelme, paraguaia que ficou famosa na Copa de 2010 por guardar o celular entre os seios, deverá passar 20 dias no Brasil em junho. Quer assistir aos jogos da Copa das Confederações e aproveitará para lançar produtos exóticos da Hot Flowers, rede que abastece as sex shops dos países do Mercosul.

333

A CANTORA Maria Gadú e sua companheira, Lua Leça, acabam de se mudar para um apartamento na Urca, no Rio de Janeiro e estão terminando a decoração. Como casais civilizados, mandaram fazer pequenos cartões sociais que estão enviando aos mais chegados, informando da casa nova. Nada de internet, não.

333

Colaboração: Paula Rodrigues / A.Favero

sábado, domingo e segunda-feira, 9, 10 e 11 de março de 2013


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 9, 10 e 11 de março de 2013

olítica

5

PRIMEIRO ESCALÃO: REFORMA À VISTA. A presidente Dilma Rousseff planeja para esta semana a reforma ministerial. O chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos, Moreira Franco (PMDB-RJ), deve ser transferido para a Secretaria de Aviação Civil; o ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro (PMDB-RS), pode ficar no lugar de Moreira Franco; na Agricultura, o mais cotado é o deputado Antônio Andrade (PMDB-MG); no Trabalho, o deputado Brizola Neto (PDT-RJ) deve ser substituído por Manoel Dias, secretário-geral do PDT. O novo Ministério das Micro e Pequenas Empresas está reservado para o vice-governador de São Paulo, Guilherme Afif Domingos, do PSD.

Rio: 'Até o fim' pelo dinheiro dos royalties.

Governador Sérgio Cabral (PMDB), que já suspendeu pagamentos, diz: "O que é do Rio tem que continuar do Rio". Todo mundo acha que o Bolsa Família a gente faz na canetada. O Bolsa Família precisou de arte e engenho. Precisou de vontade política. Presidente Dilma Rousseff.

D

Antonio Cruz/ABr

Vi na declaração da presidente uma insistência em dizer que o Bolsa Família não foi feito em uma canetada. Certamente não foi em uma canetada. Foi um decreto presidencial. E não custa refrescar a memória dos brasileiros: decreto assinado pelo presidente Lula, que, na verdade, incorporava os programas criados pelo presidente FHC. Senador Aécio Neves (PSDB-MG), rebatendo Dilma. O Brasil se tornou caro antes de se tornar rico. Geraldo Alckmin (PSDB), governador de SP.

José Cruz/ABr

Me deixa em paz, rapaz. Vá chafurdar no lixo como você faz sempre. Joaquim Barbosa, presidente do STF e do CNJ, a repórter de 'O Estado de S.Paulo'. Eu já disse a Dilma e ao Lula, eu não sou quinta coluna. Quem achar que eu sou quinta coluna, que eu estou querendo sabotar o meu partido, querendo sabotar o presidente do meu partido, está redondamente enganado. Cid Gomes (PSB) , governador do Ceará, sobre a virtual candidatura ao Planalto do presidente do seu partido, Eduardo Campos, governador de Pernambuco.

epois de suspender os pagamentos a fornecedores e autorizar uma ação no Supremo Tribunal Federal que pede a derrubada de toda a lei dos royalties do petróleo, o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), usou o horário gratuito do PMDB na TV para anunciar que irá "até o fim" na defesa dos recursos do Estado. Em inserção de 30 segundos exibida no fim de semana, o governador disse que "o que é do Rio tem que continuar do Rio". Com a derrubada, pelo Congresso Nacional, do veto da presidente Dilma Rousseff ao trecho da lei que tratava da distribuição dos royalties, o Estado e municípios fluminenses perderão R$ 75 bilhões até 2020. "É justamente no momento em que o Rio se fortalece que querem tirar do nosso Estado um direito que é de todos nós: os royalties do petróleo. Eu quero dizer a você que vamos lutar até o fim", disse Cabral no espaço do PMDB nacional, cedido ao partido no Rio. O prefeito Eduardo Paes e o vice-governador Luiz Fernando Pezão, précandidato à sucessão de Cabral, também

defenderam os royalties do Com o futuro dos recursos Rio em inserções do PMDB. dos royalties incerto, até que "Já fui prefeito, hoje sou o STF julgue as ações de vice-governador. Sei como inconstitucionalidade dos os recursos dos royalties governos do Rio, do Espírito são importantes para o Santo e de São Paulo, o nosso povo. Vamos lutar quadro eleitoral no Rio segue pelo que é nosso. O que é em clima de confronto entre do Rio tem que ser PT e PMDB. Apesar da respeitado", disse Pezão. excelente relação de Cabral SUCESSÃO EM JOGO – A com Dilma e Lula, aliados do derrubada do governador veto da reclamam que o presidente Dilma governo federal acontece em um não agiu no momento de Congresso para Já fui prefeito, extrema tensão evitar a queda do hoje sou viceentre o PMDB e o veto da PT do Rio por presidente. governador. causa da Lembram que, Sei como os sucessão de desde 2009, recursos dos Cabral. O PMDB quando foi royalties fluminense exige discutido o são importantes marco que o senador petista Lindbergh regulatório do para o nosso Farias desista da petróleo, o então povo. pré-candidatura presidente Lula LUIZ FERNANDO ao governo e prometia a PEZÃO apoie Pezão. Se Cabral que o isso não Rio não teria acontecer, os peemedebistas perdas, mas deixou que do Rio ameaçam retirar o mudanças na regra da apoio à reeleição da partilha avançassem. presidente Dilma Rousseff No governo Dilma, a Cabral e o prefeito Eduardo queixa é contra o estilo Paes (PMDB) se queixaram de beligerante de Cabral, que, Lindbergh ao ex-presidente em vez de negociar, teria Lula. Os peemedebistas confiado na força de atos contam com Lula para públicos e da campanha convencer o senador a em defesa do Rio que desistir mais uma vez da promoveu no último ano. disputa, como fez em 2010. No Congresso, Rio, Espírito

Santo e São Paulo ficaram isolados contra 23 Estados e o Distrito Federal. A bancada do Rio age unida contra a mudança nas regras, mas a sintonia na defesa dos recursos dos royalties para o Estado não diminui as divergências políticas. O PMDB do Rio diz estar confiante na intervenção de Lula para que Lindbergh desista da candidatura, mas a diferença agora é que o senador, ao contrário de 2010, tem apoio do PT nacional e da bancada de deputados federais. Lindbergh diz que não vai desistir desta vez e tem como alternativa, caso seja obrigado a abrir mão da pré-candidatura, trocar o PT pelo PSB do governador de Pernambuco e possível candidato a presidente Eduardo Campos. Cabral, por sua vez, na hipótese de Lula e o PT nacional continuarem a estimular a pré-candidatura de Lindbergh Farias, cogita deixar o governo em abril do ano que vem e concorrer a uma vaga no Senado, na chapa de Pezão. O vice-governador assumiria o cargo e ganharia visibilidade, enquanto Cabral faria se dedicaria à campanha.

Reprodução

Ó RBITA

Fábio Rodrigues Pozzebom/ABr

MATA-BURRO

A

O caso do continente africano é sui generis: quase todas as seitas satânicas, de vodu, são oriundas de lá. Essas doenças, como a aids, são todas provenientes da África. Marco Feliciano (PSC-SP) , o deputado-pastor eleito presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara.

Antonio Cruz/ABr

A derrubada do veto está prevista na Constituição. O fundamento do veto da presidente Dilma foi justamente respeitar os contratos. Ela fez o que, no meu modo de ver, deveria ter feito. Isso criou um problema jurídico. O Supremo vai dizer a última palavra sobre essa matéria. Michel Temer (PMDB), vice-presidente da República, sobre os royalties do petróleo. Estamos só aguardando a publicação da lei para entrar com o recurso no STF. Sergio Cabral (PMDB), governador do Rio, sobre a derrubada dos vetos de Dilma.

A realidade do protesto virtual Líbia Florentino/Estadão Conteúdo

Acho que a matéria foi levada à votação em momento inadequado. Esperamos que a partir de agora seja possível retomar o diálogo e que seja possível evitar a judicialização do processo. Eduardo Campos (PSB), governador de Pernambuco, sobre rejeição no Congresso dos vetos de Dilma sobre os royalties.

Abaixo-assinado contra Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente do Senado, transformou-se em movimento.

D

ois minutos. Esse é o tempo necessário para acessar um manifesto online, ler os argumentos e se tornar um apoiador. No último ano, mais de 3 milhões de brasileiros agiram assim, e as duas maiores organizações mundiais de abaixo-assinados abriram filiais no País. A novidade piscou no radar da classe política, que ainda tenta aprender como lidar com esse mecanismo de pressão. Os números são superlativos e devem acompanhar o avanço da banda larga no País – hoje disponível para 30% dos brasileiros. Dois milhões assinaram petição para que a Câmara dos Deputados votasse o projeto da Lei da Ficha Limpa. Um milhão e 600 mil puseram seu nome contra a eleição de Renan Calheiros (PMDBAL) à presidência do Senado. Recém-eleito para presidir a Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, o pastor Marco Feliciano (PSC-SC) é alvo de manifesto por sua destituição com 180 mil apoiadores. Com tanta evidência, há quem tema que os abaixo-assinados online consolidem o "ativismo de sofá", enfraquecendo os protestos, como marchas em vias públicas.

Para pesquisadores, a tendência é irreversível: a internet consolidou ovo espaço para debate e formação de opiniões, provocando mudanças na cultura, na economia e transformações na política. Para Pedro Abramovay, diretor de campanhas da Avaaz (www.avaaz.org), ONG internacional de ativismo online (20 milhões de apoiadores, sendo 3 milhões brasileiros), o modelo tradicional de democracia representativa, com um voto a cada quatro anos, é insuficiente para dar conta de uma realidade na qual os cidadãos podem se conectar rapidamente em torno de um objetivo comum. "Tenho certeza de que a política nunca mais vai ser a mesma". Similar à Avaaz, a Change.org (www.change.org), com 23 milhões de usuários no mundo e 400 mil aqui, abriu seu escritório no País em outubro. A entidade não deleta petições, permite que duas campanhas com objetivos opostos coexistam e afirma não fazer lobby. "Não cabe à nossa equipe julgar o que é relevante ou não. Nossa política é confiar na transparência, para o bem e para o mal", diz a diretora de campanhas Graziela Tanaka. A organização é financiada pela venda de espaço em seu

site para quem busca dar maior visibilidade à sua campanha, modelo similar ao adotado por Google ou Facebook. Em dezembro, o Ministério Público do Estado de São Paulo hospedou na Change.org um manifesto contrário à aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 37, que retira o poder de investigação criminal dos promotores. Obteve 40 mil assinaturas. Para o professor Jorge Machado, coordenador do Grupo de Pesquisa em Políticas Públicas para o Acesso à Informação da USP, as campanhas online tendem a cair no esquecimento com facilidade, pois estão intimamente ligadas ao impacto de uma notícia. "É diferente do que levar dois ônibus de manifestantes para a Câmara. Mas uma não exclui a outra", afirma.

construção de mataburros na zona rural de Romaria (480 km de Belo Horizonte) durante a campanha eleitoral levou a Justiça Eleitoral a cassar, na semana passada, os diplomas do prefeito e do vice. O pedido de cassação de Ferdinando Resende Rati (PT), reeleito em outubro, e Geovani Leonardo Alves da Silva (PDT) surgiu após denúncia feita pela Promotoria de uso de bens públicos para a construção de mata-burros em fazendas próximas ao município. Além disso, foram apontados uso irregular de ambulâncias e propaganda institucional no site da prefeitura.

MORTE EM MG

A

s polícias Civil e Militar de Ipatinga (MG) deram início a um trabalho conjunto em busca dos suspeitos pelo assassinato do jornalista Rodrigo Neto de Faria, atingido por três tiros na madrugada de sexta-feira. Agentes de Belo Horizonte foram deslocados lá e passarão 15 dias investigando o caso.

NCF Participações S.A. CNPJ no 04.233.319/0001-18 Aviso aos Debenturistas A NCF Participações S.A. comunica aos Debenturistas da sua primeira emissão de debêntures simples, não conversíveis em ações, da espécie quirografária, com garantia adicional real, série única, que efetuará um Resgate Antecipado Facultativo parcial de debêntures em 15.3.2013 (“Resgate”), de conformidade com o disposto na cláusula 6.1 da Escritura da mencionada emissão. O valor do Resgate corresponderá ao Valor Nominal Unitário de cada Debênture a ser resgatada, acrescido da remuneração de 107,50% da variação acumulada das taxas médias diárias dos depósitos interfinanceiros - DI de um dia, calculada pro rata temporis, desde a data da primeira subscrição e integralização (9.6.2011) até a data do efetivo pagamento do Resgate (15.3.2013). Considerando o Resgate Antecipado Facultativo parcial, nos termos da cláusula 2.3 do Contrato de Alienação Fiduciária de Ações em Garantia e Outras Avenças, serão liberadas aproximadamente 32 milhões de Ações Alienadas. Osasco, SP, 8 de março de 2013. NCF Participações S.A. – Diretoria.


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

sábado, domingo e segunda-feira, 9, 10 e 11 de março de 2013

Lançar candidaturas agora vai levar ao cansaço do eleitor. Vai dispersar o eleitor do foco eleitoral Gaudêncio Torquato, consultor de marketing institucional e político.

olítica

Ueslei Marcelino/Reuters06/03/13

Dilma Roussef durante encontro com prefeitos e governadores em Brasília. Sua campanha à reeleição foi detonada por Lula.

Surto e intoxicação eleitoral Mário Tonocchi

A

antecipação da campanha eleitoral para a eleição presidencial de 2014 detonada pelo expresidente Luiz Inácio Lula da Silva e pela própria presidente Dilma Rousseff pode ser prejudicial para o processo eleitoral e até à democracia. A opinião é de especialistas em marketing eleitoral, cientistas políticos, agentes políticos da oposição e até do vice-presidente da República, o peemedebista Michael Temer que pede calma no debate eleitoral 19 meses antes do calendário eleitoral oficial do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Em plena campanha durante o expediente do Palácio do Planalto, Dilma já arrastou para o confronto político o senador Aécio Neves, até o momento o virtual candidato do PSDB; já colocou em movimento o potencial candidato pelo PSB, Eduardo Campos; e Marina Silva, que já está montando seu próprio partido, a #Rede. Para o jornalista, consultor de marketing institucional e político,

consultor de comunicação organizacional Gaudêncio Torquato, a antecipação do processo eleitoral é um atropelo da agenda e um desvio da ordem eleitoral. "Uma campanha tem cinco ciclos que passam pelo crescimento da campanha, que acontece dois meses depois do lançamento do candidato, de consolidação, quando o candidato já está maduro chegando até ao declínio que acontece naturalmente depois das eleições. Transportar tudo para um momento tão distante é um desajuste das campanhas que vai levar certamente ao gasto de mais dinheiro e até ao desvio de funções de servidores públicos de todos os partidos para a campanha antes do tempo." Para Torquato, geralmente os lançamentos de campanha são feitos no final do terceiro ano de mandato, preferencialmente em outubro, novembro ou dezembro. A candidatura é consolidada então nas convenções. "Lançar candidaturas agora vai levar ao cansaço do eleitor. Vai dispersar o eleitor do foco eleitoral", concluiu.

POLÍTICOS O vice-presidente da República, Michel Temer, acha que a composição da chapa de reeleição da presidente Dilma Rousseff deve ser tratada apenas no ano que vem. Para ele, deve-se "ir com calma" no assunto. Temer defendeu deixar a campanha e o lançamento da dobradinha PTPMDB novamente para 2014. "Seria quase uma indelicadeza, até porque ela não é candidata a presidente, será candidata no ano que vem, a chapa se formará no ano que vem. Se ela dissesse mais do que disse, eu diria que é um exagero retórico", observou há duas semanas depois de um encontro do partido. Já o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) criticou a "visão maniqueísta" do PT e do governo na condução da campanha antecipada para as eleições de 2014. FHC criticou também a atuação política do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Para o bem do Brasil, é preciso que as pessoas respeitem as regras e entendam que não devem tratar o adversário como inimigo. Infelizmente, a tática de

toda a vida do PT tem sido o oposto a isso", disse o ex-presidente na semana passada. Depois disso, Aécio Neves afirmou que sua candidatura "está na boca do povo." ESPECIALISTAS Cientistas políticos também condenam a antecipação eleitoral. Além de politizar a administração, o processo faz com que qualquer ação do governo passe a ser vista como eleitoreira pela oposição. Isso já aconteceu quando a presidente Dilma foi criticada pela oposição ao anunciar a inclusão de 2,5 milhões de brasileiros no Bolsa Família. Enquanto isso, segundo especialistas, o governo para. Deixam de serem discutidos assuntos importantes para o País, reformas relacionadas à própria política, desenvolvimento econômico e segurança pública. A antecipação eleitoral, segundo observadores do cenário político brasileiro, só se tornou possível depois de uma emenda constitucional que estabelece a reeleição, aprovada pelo ex-presidente Fernando Henrique

Cardoso durante o seu primeiro mandato, em 1997. OUTRO LADO O consultor e especialista em marketing político Carlos Manhanelli discorda dos prejuízos da antecipação de campanha eleitoral. Para ele, as campanhas brasileiras deveriam seguir o tempo do processo norteamericano que realiza uma eleição com debates realizados dois anos antes. "Esses debates anteriores servem para limpar o ambiente eleitoral. No Brasil, entretanto, a eleição se decide em três meses. Não há tempo para um debate mais aprofundado entre os candidatos. Ganha, assim, quem faz a melhor propaganda política nos meios eletrônicos de comunicação", defendeu o especialista. Manhanelli lembrou que o próprio ex-presidente Lula antecipou em dois anos a eleição que levou Dilma àpresidência em 2010. Com isso, na época, os estrategistas de campanha conseguiram mudar a imagem da então candidata de severa para a de mãe – determinando como o eleitor passou a ver Dilma.

Newton Santos/Hype

Na Assembleia, o 1º Marco da Paz em um órgão público. André de Almeida

O

Marco da Paz está na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. O monumento – idealizado pelo assessor da presidência da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), Gaetano Brancati Luigi –, se assemelha a um portal, com uma pomba e um sino, e tem como objetivo inspirar a humanidade sobre a importância da cultura de pacificação entre os povos. A cerimônia de inauguração do monumento na Assembleia, o primeiro em um órgão públi-

co, ontem pela manhã, contou com a presença de autoridades políticas e militares, líderes comunitários e diretores da ACSP. Com a nova unidade, agora são 15 os Marcos da Paz espalhados pelo Brasil e pelo exterior. Em São Paulo, ele se junta aos do Pátio do Colégio, Lapa, Tatuapé, Parque da Juventude e Jaçanã. Os municípios de Aparecida do Norte e Bertioga também possuem o monumento, da mesma forma que as cidades de Hidalgo, LagunaOaxaca e Cidade do México (México), Assis (Itália), Mendoza (Argentina), Punta Del Leste (Uruguai) e Xiaolin (China).

Cerimônia de inauguração do Marco da Paz na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, na manhã de ontem.

ORGULHO – De acordo com Luigi, implantar pela primeira vez o Marco da Paz em um órgão público é motivo de muito orgulho. "A Assembleia Legislativa é a casa do povo paulista. Me sinto muito honrado em poder levar o nome da

ACSP e a mensagem da cultura da paz para uma casa tão importante e também para diversas partes do mundo. A paz deve ser encarada como prioridade em nossas vidas." O presidente da Assembleia, deputado Barros Munhoz,

agradeceu a iniciativa da ACSP e ressaltou que a instalação do Marco da Paz ficará marcada como uma das suas principais realizações à frente da casa – seu mandato se encerra na próxima sexta-feira. "Estou terminando minha gestão em paz e

cultuando a paz", afirmou o deputado, que também recebeu uma réplica do monumento. Representando Rogério Amato, presidente da ACSP, Carlos Monteiro, vice-presidente da entidade, lembrou que as bandeiras defendidas pela ACSP há 118 anos, como a livre-iniciativa e a liberdade de empreender, sempre visaram a paz. "É um privilégio poder representar o presidente Rogério Amato, em nome de quem parabenizo pela iniciativa o deputado Barros Munhoz, grande amigo da casa". URNA – Durante o evento, os presentes escreveram mensagens sobre o tema 'Paz' em papéis distribuídos pela organização da cerimônia. Todo o conteúdo foi depositado em uma urna construída no local, que só será aberta daqui a 30 anos. O próximo monumento do Marco da Paz deve ser inaugurado em setembro em Orsomarso, na Itália.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 9, 10 e 11 de março de 2013

7 EFICIÊNCIA 1 Para cortar gastos, China reduz o número de ministérios de 27 para 25.

nternacional Miraflores/Reuters

EFICIÊNCIA 2 Os ministérios da Saúde e das Ferrovias foram eliminados

Tomas Bravo/Reuters - 08/03/13

A

corrida pelas eleições da Venezuela já está na rua, principalmente nas longuíssimas filas de apoiadores que esperam horas para visitar o caixão do ex-líder Hugo Chávez, fazendo juras para apoiar o sucessor preferido dele, Nicolás Maduro, ao invés do candidato de oposição Henrique Capriles. Em clara desvantagem, o opositor disse que continua na luta e acusou os chavistas de "usarem o corpo do presidente para fazer campanha política". Embora o Partido Socialista, da situação, seja o favorito no pleito de 14 de abril, os defensores da oposição estão tentando erguer seus ânimos para um mês de campanha. "Eu vou lutar com vocês, com todos vocês", disse Capriles, candidato derrotado por Hugo Chávez nas eleições de outubro, em discurso ao confirmar a aceitação de sua candidatura. O governador do Estado de Miranda ainda acusou os chavistas de usarem a morte de Chávez para ganho político. "Eles usam a pessoa que não está presente porque não têm nada a oferecer", afirmou. "O que eu posso oferecer é uma pátria unida." Chávez morreu na terça-feira passada, aos 58 anos, após uma batalha de dois anos contra um câncer. O líder da oposição ainda acusou Maduro de mentir ao país sobre o momento da morte do presidente, que não fez uma apa-

Em algo eles concordam: Maduro não é Chávez. Capriles: chavistas usam corpo do ex-presidente em campanha.

Tony Gentile/Reuters

Dylan Martinez/Reuters

No conclave, tempos difíceis. E alegres.

Cardeais eleitores celebraram missas ontem nas igrejas de Roma e rezaram por orientação espiritual antes do conclave para escolher um novo papa para liderar a Igreja Católica, atingida por escândalos de abuso sexual em todo o mundo, bem como acusações de corrupção. Considerado um dos cardeais mais cotados para virar pontífice, o arcebispo de São Paulo, dom Odilo Scherer, citou o "tempo difícil" e pediu orações pela Igreja. Ele rezou sua última missa antes do conclave de terça-feira na igreja Sant' Andrea Al Quirinale, em Roma. Na homilia, d. Odilo fez apenas uma menção breve à eleição que escolherá o novo pontífice. "Seguramente hoje todas as igrejas de Roma têm muita vibração e muita festa com a presença dos cardeais rezando pelo conclave", afirmou. No sermão, o cardeal de 63 anos contou a parábola do filho pródigo e pediu que as pessoas pensem mais em Deus. "Convido a orar para que a Igreja faça bem a sua missão neste tempo. Seguramente um tempo difícil, mas também alegre", disse. Já o cardeal Angelo Scola, arcebispo de Milão e outro candidato favorito para suceder o papa Bento XVI, declarou em sua missa em Roma

rição pública desde dezembro. "Nicolás (Maduro) não é Chávez!", disse o jovem candidato de 40 anos. "Nicolás mentiu para este país", disse Capriles. "Você apresentou uma mentira ao país. Eu não brinco com a morte, eu não brinco com a dor." Capriles afirma que, se eleito, ele vai copiar o modelo brasileiro de "esquerda moderna" para políticas econômicas e sociais. Chavistas - Em resposta, o presidente interino, Nicolás Maduro, de 50 anos, chamou Capriles de "irresponsável" e o acusou de incitar a violência com as declarações. Ex-motorista de ônibus e líder de sindicato, Maduro convocou para hoje a militância chavista para transformar a inscrição oficial de sua candidatura em seu primeiro ato de massas. Ele jurou continuar do ponto onde o líder parou. Em discurso perante a XII Conferência do Partido Comunista (PCV), Maduro prometeu manter e aprofundar a revolução bolivariana, mas admitiu entre soluços que é "uma verdade evidente" que ele não é Chávez, "falando estritamente da inteligência, do carisma, da força histórica, da capacidade de condução e comando, além da grandeza espiritual" do líder falecido. "Uma coisa é eu ser chavista" e "outra coisa é eu ser Chávez", disse, embora tenha ressaltado que "todos juntos somos Chávez e separadamente não somos nada". (Agências) Os favoritos na eleição do novo papa: o brasileiro Odilo Scherer (foto maior, à esq.) e o italiano Angelo Scola. Segundo analistas, Scola é apoiado por cardeais estrangeiros, distantes à Curia – que defende o brasileiro.

SECRETARIA DA SAÚDE

que o próximo pontífice deve seguir a forma dos últimos papas e tem que ser "santo". Scola é tido por vaticanistas como o candidato preferido de Bento XVI e apoiado por cardeais estrangeiros, distantes à Curia – que por sua vez apoia o cardeal brasileiro. Segundo a imprensa italiana, que não cita fontes, Scola contaria com 37 votos e Scherer com 29, números que evidenciariam que, por enquanto, não há um candidato forte capaz de unir o maior número de cardeais. Para ser eleito papa são necessários dois terços dos votos em todos os escrutínios. Os cardeais eleitores são 115, por isso são necessários pelo menos 77 votos. (Agências)

O nome é Falklands, Ilhas Falklands. Se depender dos moradores locais, arquipélago continua sendo território britânico. Marcos Brindicci/Reuters

Morador das Malvinas mostra seu lado patriótico e dança antes de depositar voto em urna.

Os moradores das Ilhas Malvinas (Falklands, para os britânicos) mostraram ontem seu lado mais patriótico ao saírem para votar no referendo sobre se desejam continuar como território do Reino Unido, cuja soberania é reivindicada pela Argentina. As tensões diplomáticas entre o Reino Unido e a Argentina já duram três décadas, depois que ambos os países foram à guerra pelo arquipélago. A embaixadora argentina em Londres, Alicia Castro, advertiu que o plebiscito não põe fim à disputa pela soberania das ilhas. Em declarações à rádio Mitre, de Buenos Aires, Alicia afirmou que a consulta "tem

um resultado previsível". "Apenas cidadãos britânicos participam e é organizado por britânicos, tudo isso para que digam que devem continuar sendo britânicos", declarou. O desdobramento da Union Jack (bandeira britânica) marcou o primeiro dos dois dias de plebiscito. O primeiro a depositar o voto na capital Port Stanley foi Graham France, um britânico de 79 anos que vive nas Malvinas há 23 anos. France disse à agência Efe que a intenção deste referendo é dizer "ao resto do mundo como nos sentimos" e por que a população considera que a Argentina não tem direito de reivindicar as ilhas. (Agências)

DIVISÃO TÉCNICA DE SUPRIMENTOS - SMS.3 ABERTURA DE LICITAÇÕES Encontram-se abertos no Gabinete, os seguintes pregões: PREGÃO ELETRÔNICO 063/2013-SMS.G, processo 2013-0.004.269-5, destinado ao registro de preço para o fornecimento de BROCAS ZECRYA NR. 151 - 23 mm e 28 mm, para a Divisão Técnica de Suprimentos - SMS.3/Grupo Técnico de Compras - GTC/Área Técnica de Odontologia, do tipo menor preço. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 9 horas do dia 27 de março de 2013, pelo endereço www.comprasnet.gov.br, a cargo da 3ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO ELETRÔNICO 064/2013-SMS.G, processo 2012-0.328.055-2, destinado ao registro de preço para o fornecimento de NIFEDIPINO EM COMPRIMIDOS OU COMPRIMIDOS REVESTIDOS DE LIBERAÇÃO PROLONGADA COM 20 MG, para a Divisão Técnica de Suprimentos - SMS.3/Grupo Técnico de Compras GTC/Área Técnica de Medicamentos, do tipo menor preço. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 9 horas do dia 28 de março de 2013, pelo endereço www.comprasnet.gov.br, a cargo da 3ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. RETIRADA DE EDITAIS Os editais dos pregões acima poderão ser consultados e/ou obtidos nos endereços: http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br; www.comprasnet. gov.br, quando pregão eletrônico; ou, no gabinete da Secretaria Municipal da Saúde, na Rua General Jardim, 36 - 3º andar - Vila Buarque - São Paulo/SP - CEP 01223-010, mediante o recolhimento de taxa referente aos custos de reprografia do edital, através do DAMSP, Documento de Arrecadação do Município de São Paulo. DOCUMENTAÇÃO - PREGÃO ELETRÔNICO Os documentos referentes às propostas comerciais e anexos, das empresas interessadas, deverão ser encaminhados a partir da disponibilização do sistema, www.comprasnet.gov.br, até a data de abertura, conforme especificado no edital.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

c

sábado, domingo e segunda-feira, 9, 10 e 11 de março de 2013

INDICIADO E PRESO Motorista foi indiciado por tentativa de homicídio doloso, omissão de socorro, fuga do local do crime e por crime de trânsito.

idades

Ciclista é atropelado na Paulista, perde o braço e motorista foge.

Acidente ocorreu antes da abertura da ciclofaixa instalada aos domingos na Avenida Paulista. Motorista, um estudante, tinha sinais de embriaguez e foi preso.

U

m estudante de psicologia alcoolizado dirigia em zigue-zague e em alta velocidade entre os cones da ciclofaixa da Avenida Paulista, ontem de madrugada, quando atropelou um ciclista. O braço da vítima foi decepado na hora e ficou preso no para-brisa do carro do estudante, que não parou e seguiu até a zona sul, onde jogou o membro no Córrego do Ipiranga, na Avenida Ricardo Jafet, a cerca de cinco quilômetros de distância do local do acidente. Alex Siwec, de 22 anos, dirigia o Honda Fit do pai e voltava da casa noturna Josephine, em Moema, na zona sul, com um amigo. Segundo testemunhas contaram à polícia, ele ia em direção ao Paraíso e estava na faixa exclusiva na altura da Paulista com a Rua Augusta. Em "velocidade acima da desenvolvida pelos demais carros", segundo contou o delegado Luis Francisco Segantin Júnior, da 1ª Delegacia Seccional, o rapaz ficou entrando e saindo da faixa, derrubando cones pelo caminho, até atingir o ciclista David Santos Souza, de 21 anos. Depois do acidente, que foi na altura da Estação Brigadeiro do Metrô, Siwec deixou o amigo em casa, na região da Saúde, também na zona sul e, antes de chegar no condomínio onde mora, parou na Ricardo Jafet e jogou o braço de Santos. Isso impediu que médicos do Hospital das Clínicas, para onde a vítima foi levada, pudessem tentar fazer o reimplante do membro. Segundo a polícia, ao estacionar o carro, o rapaz não entrou em casa: procurou uma base comunitária da Polícia Militar que fica a poucas quadras de distância do condomínio e se entregou. "Ele exalava álcool, mas se recusou a fazer o exame de etilômetro (bafômetro) e o exame de sangue. Mas o teste clínico constatou que ele ainda mantinha sinais de embriaguez", disse o subtenente Jaime de Souza Melo.

Fabio Braga/Folhapress

Adriano Lima/Estadão Conteúdo

Adriano Lima/Estadão Conteúdo

Acima, protesto de ciclistas na Avenida Paulista. À esquerda, Alex Siwek. Ao lado, a procura pelo braço da vítima.

Ao se entregar, o rapaz foi levado ao 78º Distrito Policial (Jardins). Policias chegaram a levá-lo de volta para o rio, para que ele indicassem o local onde o braço foi deixado. Bombeiros fizeram buscas no local, mas não acharam o membro. O advogado de Siwec, Pablo Navis Testoni, disse que o caso foi um acidente. "Ele, obvia-

mente, não tinha intenção de matar". Mas a polícia o indiciou por tentativa de homicídio doloso (intencional), omissão de socorro, fuga do local do crime e por crime de trânsito. Ele foi preso em flagrante e passaria a noite na carceragem do 2º Distrito Policial (Bom Retiro), no Centro. A polícia ainda vai ouvir testemunhas, inclusive o ami-

Temporal em São Paulo mata duas pessoas

O

eletricista Marcelo Furlan, de 36 anos, foi morto pela enxurrada no Ipiranga, zona sul, na noite do sábado. A primeira vítima da chuva do ano na cidade perdeu a vida porque decidiu salvar pessoas que eram levadas pela água em frente à casa dele. Com o irmão mais novo, Furlan conseguiu retirar três pessoas da correnteza, mas acabou arrastado pelas águas quando foi resgatar a estudante Bruna Beatriz Costa Santos, de 14 anos, que também morreu. O acidente aconteceu por volta das 19h. No sábado à tarde, a Defesa Civil divulgou que toda a cidade estava em estado de aten-

ção para enchentes. A Prefeitura chegou a informar que havia mais de 20 pontos de alagamento pela cidade. A Lapa, na zona oeste, foi um dos bairros mais castigados. No Ipiranga, na zona sul, o muro cedeu e o teto de um estacionamento desabou, atingindo vários carros. As inundações geraram problemas na Capital também na sexta-feira, quando 26 árvores caíram e as vias tiveram em torno de 260 quilômetros de lentidão. Alguns locais da cidade, como o bairro de Pinheiros, na zona oeste, ficaram sem energia elétrica tanto na sexta-feira como no sábado, devido às fortes chuvas. (Agências)

Adriano Lima/Estadão Conteúdo

Chuva: no Ipiranga, na zona sul, o teto de um estacionamento desabou.

go que estava no carro, e ver imagens de câmeras de segurança da região. A ciclofaixa da Paulista é montada por volta das 4h30, mas só entra em operação, com monitores, às 7h. A batida foi por volta das 5h30. Vítima – Souza ficou caído na Paulista até ser socorrido pelo Resgate, que o levou ao Hospi-

tal das Clínicas. Ele permanecia em observação, ontem à noite, após passar por uma cirurgia. Morador do Jardim Pantanal, zona leste, o rapaz trabalhava há 10 meses na limpeza exterior de prédios, usando rapel. Seguia para o Instituto do Câncer do HC. A bicicleta era seu meio de transporte pela cidade.

Protesto – Durante a tarde, cerca de 100 manifestantes se reuniram na Avenida Paulista para protestar contra o atropelamento de Souza. Eles percorreram a avenida até a altura do acidente e seguiram até o 78º Distrito Policial. A Rua Estados Unidos chegou a ser fechada por causa do protesto. (Agências)

No Rio, Ferrari atropela três pessoas em evento Luciano Belford/Estadão Conteúdo

U

ma Ferrari amarela, que participava de um evento promocional no Aterro do Flamengo, zona sul do Rio, ontem à tarde, atropelou e feriu três pessoas após seu motorista perder o controle do carro, segundo informações do Corpo de Bombeiros. O automóvel fazia parte de um evento demonstrativo promovido por uma companhia de bebidas patrocinadora da equipe de F1 Ferrari, e teve também a presença de Felipe Massa, piloto da escuderia. O brasileiro, que fez uma exibição pilotando uma Ferrari modelo 2010, não se envolveu no acidente. O atropelamento aconteceu na altura do morro da Viúva, cerca de dez minutos após a última passagem de Massa, que deu cinco voltas pelas pistas do aterro do Flamengo, sendo seguido por um grupo de outros carros da mesma marca ao fim de sua

O piloto Felipe Massa, durante o evento no Aterro do Flamengo exibição automotiva. Ciclista – "Nós estávamos atrás da grade e ele (o motorista da Ferrari amarela) perdeu o controle na curva. Com o impacto, um ciclista (que estava na plateia) foi jogado para o alto e a grade caiu em cima dele. Ele ficou muito ferido na cabeça", afirmou Cida Alves, que estava no evento. Outras duas pessoas também foram feridas, segundo os bombeiros. Uma delas foi liberada no local e outra foi levada, com o ciclista, para

o Hospital Municipal Souza Aguiar, no Centro do Rio. Ainda de acordo com Cida, que ajudou na retirada da grade de cima do ciclista ferido, o acidente não foi pior porque uma Ferrari vermelha que vinha logo atrás conseguiu frear. O motorista envolvido no acidente saiu do local escoltado por policiais militares e guardas municipais, após um princípio de tumulto. "Algumas pessoas correram para tentar ajudar o ferido, mas outras para agredir o

motorista", disse Cida. A assessoria do evento informou em nota que lamenta o incidente e que ele teria ocorrido após o encerramento do mesmo. "O evento teve a presença de milhares de pessoas sem nenhum acontecimento negativo de destaque. Ao final, depois do encerramento, fomos informados que um dos carros participantes se envolveu em um incidente ferindo três pessoas. Estamos acompanhando todos os acontecimentos e nossa principal preocupação é com a saúde e a integridade física de todos", disse a nota. Temporada – A temporada 2013 da Fórmula 1 será aberta no próximo domingo, com a realização do GP da Austrália, com largada prevista para as 3 horas (horário de Brasília). Massa será o único representante brasileiro no campeonato deste ano da principal categoria do automobilismo mundial. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 9, 10 e 11 de março de 2013

9

Fotos: Vitor Salgado/Hype

acsp distritais

30 anos da fábrica que virou espaço de cultura Uma exposição e o lançamento de um livro comemoram as três décadas do Sesc Pompeia Sesc Pompeia: a fábrica de geladeiras foi transformada num marco arquitetônico com a assinatura de Lina Bo Bordi (acima). Á esquerda, parte interna do complexo.

André de Almeida

O

Sesc Pompeia, um marco arquitetônico e cultural da cidade, completou oficialmente 30 anos de funcionamento em agosto do ano passado, mas o ponto alto das comemorações acontece agora. Está aberta uma exposição que conta a história da complexo, uma unidade fabril que foi restaurado nos anos 1970 pela renomada arquiteta Lina Bo Bardi e hoje recebe mais de um milhão de visitantes todos os anos. O lançamento de um livro contando toda a trajetória também faz parte das festividades. Desde que abriu as portas, o Sesc Pompeia já recebeu mais de 39 milhões de visitantes, que desfrutaram de uma programação de atividades como apresentações musicais e cênicas, ateliês para oficinas, ginásio, quadras poliesportivas, restaurantes e piscinas. "Trata-se de um espaço democrático

de convivência, entretenimento e lazer para todas as idades. O trabalho com os jovens é muito importante, trazendo uma grande contrapartida para a sociedade", afirma o superintendente da Distrital Lapa da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), Dimitrie Gheorghiu. Trajetória - A mostra, que leva o nome "Sesc Pompeia: 30 anos", utiliza fotos, catálogos, textos e recursos multimídia para contar a história do prédio em que o complexo cultural está instalado desde 1982. "Ao mesmo tempo em que fala da questão arquitetônica, a exposição trata um pouco também de tudo o que já foi oferecido ao público, em termos de atividades culturais, ao longo de três décadas", explica Juliana Okuda, técnica de programação do núcleo de exposições da unidade. Com curadoria e coordenação geral dos arquitetos André Vainer e Marcelo Ferraz,

que integraram a equipe de Lina Bo Bardi desde o início até o fim das obras, a mostra explica ao público como se deu a construção do espaço. A linha do tempo começa em 1938, quando o prédio foi construído pela empresa alemã Mauser & Cia Ltda., tendo como base um projeto inglês característico do início do século. Em 1945, a Indústria Brasileira de Embalagens Ibesa, fabricante de tambores, comprou a fábrica e instalou no local a Gelomatic, à época conhecida indústria de geladeiras a querosene. Ao chegar aos anos 1970, a

À esquerda, Tarcísio Conte, frequentador assíduo do Sesc Pompeia. Á direita, Juliana Okuda, técnica de programação do núcleo de exposições da unidade. Em 30 anos, foram 39 milhões de visitantes.

exposição retrata a restauração proposta e executada por Lina Bo Bardi. Os documentos trazem informações sobre os conceitos do mobiliário, estruturas da edificação e fatos curiosos. Completando, o evento dispõe de vídeos com entrevistas da arquiteta, maquete eletrô-

A mostra "Sesc Pompeia: 30 anos", usa fotos, textos, catálogos e recursos multimídia para contar a história do prédio.

Homenagem e palestra no Centro Roberto Mateus Ordine é homenageado e José Maria Chapina Alcazar fala para empreendedores

A

Distrital Centro da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) homenageou o vice-presidente da entidade e coordenador institucional das Sedes Distritais, Roberto Mateus Ordine, pelo apoio dado à casa ao longo dos anos. "Hoje é um dia em que seus comandados se reúnem para homenageálo, já que muitos estão no final de seus mandatos. Parabéns por fazer parte da história dessa distrital, trabalhando tão bem em defesa do empreendedorismo e da livreiniciativa", disse o superintendente da Distrital Centro, José Alarico Rebouças. Acompanhado do presidente da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp) e da ACSP, Rogério Amato, Rebouças entregou uma placa para Ordine, que também é conselheiro nato da Distrital Centro. Após a homenagem, o coordenador geral do Conselho do Setor de Serviços (CSS) da ACSP, José Maria Chapina Alcazar, fez uma palestra com o tema "PIS/Cofins/Sped 2013 Empresas do lucro presumido, reflexos aos controles inter-

nica e registros históricos de shows, eventos e exposições realizados em todos esses anos. Além de curadores da mostra, Vainer e Ferraz são os organizadores do livro "Cidadela da Liberdade: Lina Bo Bardi e o Sesc Pompeia", a venda no local por R$ 80. Momentos - Muitos dos mo-

Luciano Amarante/Hype

G Ir Agendas da Associação e das distritais

Hoje I Noroeste – Às 14h30,

Roberto Ordine, José Alarico Rebouças, Rogério Amato, Alencar Burti e Chapina Alcazar na Distrital Centro. nos. Obrigação acessória". "Quem conhece a história do Ordine sabe que ele aqui plantou muitas sementes que geraram frutos maravilhosos", ressaltou Chapina. Também presente ao evento, o presidente do Cons e l h o D e l i b e r a t i v o d o S ebrae-SP, Alencar Burti, destacou a trajetória e a impor-

tância de Ordine para a ACSP. "Merece o respeito de todos que convivem com ele". O vice-presidente, emocionado com a homenagem, disse que tudo que conquistou não foi sozinho. "A ACSP é uma entidade apaixonante e tenho o privilégio de participar dessa família. Agradeço a confiança de todos", afirmou

Finalizando, o presidente Rogério Amato reconheceu a importância da iniciativa e parabenizou os que trabalham nas distritais. "Homenagear o Ordine é muito gratificante. Ele, como na letra do hino nacional, e com grande conhecimento de causa, não foge à luta. Parabéns!", concluiu Amato. André de Almeida

reunião Projeto Empreender - Núcleo Beleza. Às 19h, sessão solene em comemoração ao 128º aniversário do bairro de Pirituba, por iniciativa do vereador Paulo Frange. Rua Luis Braille, 8. I Pinheiros – Às 19h30, Destaque do Ano 2012, realização da Gazeta de Pinheiros em parceria com a distrital do bairro. Rua dos Pinheiros, 423 I Tatuapé – Às 19h30, reunião do Núcleo Mecânica de Motos do Programa Empreender. Rua Apucarana, 1.388.

Amanhã I Jabaquara – Às 19h30,

30ª reunião ordinária da Diretoria Executiva e Conselho Diretor e lançamento do Projeto Empreender. Palestra: Sebrae e sua importância para o Programa Empreender, com Arthur

mentos retratados na mostra marcaram a vida do administrador de empresas aposentado Tarcísio Conte. "Acho que já fiz quase todas as atividades que o Sesc oferece, como as oficinas de cerâmica e escultura. Hoje não perco um espetáculo teatral", conta. O aposentado frequenta a unidade desde o final dos anos 1980. "Venho pelo menos três vezes por semana, quando leio os jornais do dia e tomo meu café. Este é um Sesc inovador e a data certamente merece ser comemorada", ressalta. No próximo sábado (dia 16) ainda como parte das comemorações dos 30 anos do Sesc Pompeia, será aberta uma exposição com gravuras de Evandro Carlos Jardim. "Em maio pretendemos realizar a mostra 'Mais de mil brinquedos para crianças', uma homenagem à exposição 'Mil brinquedos para a criança brasileira', organizada por Lina Bo Bardi. Esperamos ter um ano de muitos eventos", conclui Juliana.

Achoa, gerente Regional Capital Centro Sebrae/SP. Caso de sucesso: “Liderança Empresarial”, por Sheila Gonçalves da Medicatriz. Avenida Santa Catarina, 641. I Tatuapé – Às 19h30, reunião do Núcleo Automotivo I do Programa Empreender. Rua Apucarana, 1.388.

Quarta I Butantã – Às 19h30,

reunião ordinária da Diretoria Executiva e Conselho Diretor da distrital. Rua Alvarenga, 591,

Quinta I Santo Amaro – Às 14h,

homenagem às Mulheres Empreendedoras. Avenida Mário Lopes Leão, 406. I Tatuapé – Às 19h30, lançamento do Programa Empreender 2013, com palestra sobre o tema: “Empreendedorismo e Competitividade das Empresas”, com Reinaldo Messias, Consultor de Administração do Sebrae/SP. Rua Apucarana, 1.388. Confirmar presença pelos telefones 20933411/2092-2979 ou dtatuape@acsp.com.br.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10

sábado, domingo e segunda-feira, 9, 10 e 11 de março de 2013

Fotos: Divulgação

facesp regionais

Botucatu, a mais de 200 quilômetros da Capital, terá a primeira pinacoteca do Interior paulista. O espaço, que deve abrir em 2014, receberá parte do acervo da cidade de São Paulo.

Ao alto, o prédio do fórum, que abrigará a pinacoteca, e o projeto do imóvel após a reforma. Abaixo, vista de Botucatu.

Mais arte para Botucatu P André de Almeida

Projeto - O prédio do antigo fórum, projetado na década de 1920, tem subarte do acervo do museu de ar- solo, térreo, primeiro e segundo pavite mais antigo da Capital, a Pi- mentos. De acordo com o projeto, no térnacoteca do Estado, poderá reo do edifício será instalado o MAC Itaser visto periodicamente, a jahy Martins, hoje localizado no Espaço partir do ano que vem, em Botucatu, a Cultural de Botucatu e que tem cerca de 235 quilômetros de São Paulo. A cida- 300 obras de artistas nacionais e interde irá abrigar a primeira pinacoteca do nacionais. O novo espaço terá também Interior paulista, que será instalada no recepção, bilheteria, café, loja e espaço antigo prédio do fórum. O imóvel irá para atividades educativas. passar por reformas antes de receber No primeiro andar ficará a área exas obras de arte. positiva da pinacoteca, O Governo do Estado reque receberá uma parte A pinacoteca passará, no total, R$ 11 da reserva técnica da pimilhões para o município, nacoteca localizada na deve abrir que ficará responsável Capital, além de um espaas portas pela reforma e adaptação ço educativo. Ainda não no que vem, do edifício de 2,8 mil meforam definidas quais tetros quadrados. No local las serão levadas para Boquando o também irá funcionar o tucatu, mas, segundo o edifício Museu de Arte Contemposecretário de Cultura, a completa rânea (MAC) Itajahy Marescolha levará em conta 90 anos. tins. A previsão é que o noobras mais conceituadas vo equipamento seja e de grande apelo popuinaugurado no primeiro lar, fazendo com que o losemestre de 2014, quando o edifício cal se torne mais atraente para os visicompleta 90 anos e o MAC chega a três tantes, incluindo alunos de escolas púdécadas de sua fundação. blicas e privadas da região. Segundo o secretário de Cultura de No segundo piso será instalada a Botucatu, Osni Ribeiro, quando o Gover- área administrativa, enquanto que o no de São Paulo apresentou a proposta subsolo será utilizado para serviços inde interiorizar as atividades da Pinaco- ternos. Como o novo espaço irá receteca do Estado, houve um interesse ime- ber periodicamente parte do acervo da diato por parte da prefeitura de Botuca- Pinacoteca do Estado, o grande salão tu. "Felizmente fomos contemplados. do júri do primeiro pavimento será ocuAbriremos em breve o processo de licita- pado por uma exposição de longa dução para as obras de restauro e reade- ração, tendo como tema um panorama quação do prédio, incluindo a instalação da arte brasileira da segunda metade de itens de acessibilidade. Acredito que do século 19 até os dias atuais. As salas as primeiras intervenções comecem até menores serão usadas para mostras o meio do ano", diz Ribeiro. temporárias de fotografia e gravura.

Reflexos - Quando estiver em funcionamento, a Pinacoteca de Botucatu poderá se tornar um importante atrativo turístico da região. A expectativa da prefeitura local de que as atividades beneficiem também as cidades distantes até 100 quilômetros. "Os visitantes, naturalmente, irão conhecer e comprar no comércio local, principalmente no setor de alimentação. Os reflexos positivos também serão sentidos entre os prestadores de serviços, como a rede hoteleira", afirma Emílio Angella Neto. presidente da Associação Comercial e Empresarial de Botucatu.

Na opinião do dirigente, a Pinacoteca terá, guardadas as devidas proporções, o mesmo nível de influência regional verificado quando da construção do Poupatempo em Botucatu, o único em um raio de 80 quilômetros e que foi inaugurado em janeiro de 2011. "Grande parte dos usuários do Poupatempo acabam dormindo no município, já que, em muitos casos, as pessoas precisam esperar o dia seguinte para retirar documentos. Ficamos realmente muito honrados com a vinda da Pinacoteca para cá", conclui o presidente da ACE.

Obra de Ramos de Azevedo

O

edifício do antigo fórum que abrigará a primeira Pinacoteca do Interior, o prédio da Pinacoteca do Estado e o imóvel ocupado pela Estação Pinacoteca, ambos na região central da Capital, têm uma importante característica em comum: foram projetados pelo escritório do renomado arquiteto Ramos de Azevedo (foto), nascido em São Paulo em 1851 e falecido em 1928. O escritório foi responsável pelos projetos das secretarias de Estado, no Pátio do Colégio; quartel da polícia, na Luz; Escola Politécnica; portal do Cemitério da Consolação; Theatro Municipal de São Paulo; Instituto Pasteur; Palácio das Indústrias; e agência central dos Correios, no

Anhangabaú. Francisco de Paula Ramos de Azevedo tinha uma grande habilidade para lidar tanto com o poder público quanto com a iniciativa privada e apesar das obras do escritório terem a sua assinatura, sabe-se que grande parte delas não foi diretamente projetada por ele. Ao longo de sua trajetória, ocupou caros como diretor da Companhia Mogyana de Estradas de Ferro, do Liceu de Artes e Ofícios e da Escola Politécnica. Também foi conselheiro da Caixa Econômica de São Paulo e da Comissão Administrativa do Theatro Municipal, além de presidente do Instituto de Engenharia e da Comissão de Obras da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. (AA)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 9, 10 e 11 de março de 2013

d

cultura

11

República Velha Pinacoteca do Estado abriga a exposição O Pensionato Artístico Paulista na República Velha (1889-1930), com 17 obras feitas entre 1889 e 1925, por artistas que participaram do Pensionato Artístico. No local, criações de nomes como Campos Ayres, Valle Júnior e Túlio Mugnaini. Pinacoteca do Estado. Praça da luz, 2, tel.: 3324-1000. Terça a domingo, das 10h às 18h. R$ 6. Grátis aos sábados e às quintas após às 17h.

Sarau na Casa das Rosas Luiz Octavio de Lima conta por que decidiu escrever a história do jornalista Antonio Pimenta Neves, condenado a 15 anos de prisão pela morte de Sandra Gomide.

O livro do crime de Pimenta

Quarta (13) tem sarau na Casa das Rosas. No evento O Menor Slam do Mundo cada participante tem 10 segundos para mostrar suas qualidades poéticas e performáticas ao público. A curadoria do jogo de poesias é assinada por Daniel Minchoni. Casa das Rosas Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura. Avenida Paulista, 37 (próximo à Estação Brigadeiro do Metrô). Tels.: 32856986/32889447. Quarta (13). 19h30.

A obra Pimenta Neves - Uma Reportagem consumiu mais de três anos de trabalho e somou mais de 100 entrevistas José Maria dos Santos

É

possível que o lançamento do livro Pimenta Neves Uma Reportagem (Scortecci Editora), ocorrido no último fim de semana na Livraria Martins Fontes (Paulista), coincida com um momento de alivio do seu principal protagonista, o jornalista Antônio Pimenta Neves, 76 anos. Está se aproximando a data em que poderá pedir o regime semi-aberto - relativo à sua pena de 15 anos - que lhe dão direito os dois quintos já cumpridos. Deixará para trás, portanto, as grades da prisão de Tremembé-2, no Vale do Paraíba. Na tarde de 20 de agosto de 2000 ele matou a tiros sua namorada Sandra Gomide, em um haras no município de São Roque (SP), produzindo um rumoroso crime passional, que acabou se transformando em clássico caso de burocracia judiciária que favorece criminosos incontestes. Luiz Octavio de Lima, carioca, 54 anos, consumiu três anos de pesquisa e somou mais de 100 entrevistas para concluir seu trabalho. Moveu-o a proximidade que mantinha com os personagens do episódio. Jornalista, conheceu Sandra e trabalhou por três anos com Pimenta, inclusive no Estadão, quando se deu o desfecho. Antes, Luiz Octavio havia trabalhado em O Globo, Folha de S. Paulo e Veja. Depois esteve nas revista Época e E xam e. Atualmente encontra-se no D i ário do Comércio.

Diário do Comércio - Qual foi a motivação para você escrever o livro? Luiz Octavio de Lima - Eu havia trabalhado com Pimenta no Estad ão . Aliás, foi ele quem me promoveu a editor-executivo de Internet. Por outro lado, Sandra também era do nosso meio. Foi uma das primeiras pessoas que conheci, em 1991, quando me mudei do Rio para São Paulo. Ela fazia parte de um grupo que saia junto. Sandra, que trabalhava na Gazeta Mercantil, namorava o Luiz Henrique Amaral, que era repórter de política da Folha de S. Paulo. Daí meu interesse. DC - Como você testemunhou o relacionamento dos dois? Luiz Octavio - Pimenta voltou

(...) Violências também ocorreram contra Sandra. A exesposa norteamericana não confirmou mas também não desmentiu agressões.

Eu apurei que ele (Pimenta) era uma pessoa em geral cordata e que voltou mudado dos EUA, para onde se transferira nos anos 70 dos EUA em 1995 e assumiu a Gazeta Mercantil no fim desse ano. Lá nos EUA ele havia trabalhado como correspondente em Washington, pela ordem, na Folha, Gazeta e Estadão além de ser diretor do Banco Mundial. Quando ele chegou à Ga zeta , Sandra era pouco mais do que uma estagiária. A diferença de idade entre ambos era de 30 anos. Talvez ele acreditasse no potencial dela. Mas o fato é que a favoreceu com sucessivas promoções. DC - Por essa ocasião, ele dava sinais de ser um homem violento? Luiz Octavio - Eu apurei que ele era uma pessoa em geral cordata e que voltou mudado dos EUA, para onde se transferira nos anos 70. DC - E Sandra? Como era? Luiz Octavio - Ela também mudou em decorrência do namoro. Tornou-se um tanto prepotente. Interferia nas escalas de folga, no funcionamento da redação. Começou a utilizar sua posição de mulher do chefe. Em 1997 Pimenta tornou-se diretor de redação do Es ta dã o. Prometeu que não levaria ninguém de suas relações para o novo emprego. Porém, levou. Inclusive Sandra. Naquele 'crescendo' ao qual me referi, os conflitos foram se acentuando e Pimenta passou a dar sinais de desordem psíquica. DC - Quais foram os sinais? Luiz Octavio - O mais evidente, com traços de megalomania, era o de proclamar que no E st a dã o mandava ele, mais do que a família Mesquita. A propósito, ele gostava de desafiar os Mesquitas. Fernão Mesquita, que era diretor de redação do Jornal da Tarde, filho do Dr. Ruy Mesquita e diretor de opinião do Estadão, conta que o orientou a publicar determinada nota, pedido que foi imediatamente rechaçado. Fernão aceitou a recusa por supor que se tratava de um principio, no sentido de blindar o espaço contra interferências individuais. Outro sinal foi a demissão sumária de um conceituado editor alegando que aquele profissional sofria de doença mental. Pimenta passou a carregar ar-

mas, que exibia sem constrangimentos. Outro comportamento inadequado foi o de se apresentar na redação com botas e trajes de montaria. As pessoas amigos e subordinados - passaram a comentar abertamente as recorrentes desavenças entre Pimenta e Sandra, inclusive a invasão que ele promoveu da casa dela numa dessas ocasiões. DC - Tudo indicava que sua violência latente passava a ganhar forma? Luiz Octavio - Há registros anteriores. Uma artista plástica relatou que foi emboscada e violentada por Pimenta. Engravidou e, por isso, fez aborto. Aliás, eu somente decidi fazer efetivamente o livro depois que essa pessoa aceitou em confirmar e descrever o episódio. DC - Como aconteceu? Luiz Octavio - Foi nos anos 70. Ele assediou intensamente essa mulher e foi rejeitado na mesma proporção. Um dia, a pretexto de agradecimento, convidou-a para jantar. Depois de se despedirem, ele a emboscou e consumou o ataque. Violências também ocorreram contra Sandra. A ex-esposa norte-americana não confirmou, mas também não desmentiu agressões. DC- Você procurou Pimenta para participar do livro? Luiz Octavio - Ele se interessou pelo livro. Combinamos que eu lhe enviaria 20 perguntas, cujas respostas seriam publicadas na íntegra, sem as tradicionais adaptações ditadas por necessidades editoriais. As questões abrangiam desde fatos da sua infância ao crime em si. Ele aceitou, chegou a me enviar algumas respostas. Mas depois desistiu de participar. Porém, utilizei o material que ele me enviou. DC - Por falar em infância, como era a família de Pimenta? Luiz Octavio - Era bem estruturada, segundo apurei. O pai era professor de português e inglês. Queria-o advogado, não jornalista. A família teve um episódio dramático: a morte da filha de 17 anos, irmã de Pimenta, que caiu de um prédio.

DC - Você se referiu às mudanças de caráter, de temperamento de Pimenta. Há indícios disso? Luiz Octavio - A medicação, consumida de forma inadequada, teria agravado o problema. Ele misturava álcool com antidepressivos e medicamentos contra disfunção erétil. Mas o que chama a atenção eram as demonstrações de megalomania, segundo descreve um diretor de marketing do jornal, portanto com contato frequente com o diretor de redação. Pimenta afirmava recorrentemente que os Mesquita não mandavam em nada no Estadão e que ele demitiu certas pessoas pelo simples motivo de que eram bem vistas pelos Mesquita.

A dança que conversa com os livros Espetáculo O Que Não Cabe Na Dança, com integrantes do Coletivo Baú, mostra dança que dialoga com as obras dos escritores Hilda Hilst e Mario Quintana. A apresentação integra o projeto Fora do Palco e mostrará no Jardim de Inverno do Sesc a performance dos intérpretes criadores Gabriela Caraffa, Jerônimo Bittebcourt, Natalia Fernandes e Rafael Lozano. Sesc Pinheiros. Rua Paes Leme, 195. Tel.: 3095-9400. Terça (12) e quarta (13), às 20h30. Grátis. Censura livre.

DC - O que o livro traz de novo sobre o crime? Luiz Octavio - Vários fatos. Destaco as primeiras 24 horas, que trazem revelações inéditas, como as negociações com a família Mesquita a respeito da sua entrega. E testemunhos que atestam a premeditação do crime. Semanas antes ele falava em matar Sandra. No dia anterior ao crime, um sábado, ele foi almoçar com a família de Sandra

Destaco (no livro) as primeiras 24 horas, que trazem negociações (...) a respeito de sua entrega. E testemunhos que atestam a premeditação (...). no sitio deles em São Roque. Alegou que tinha alguns objetos dela para entregar e que estava saudoso da comida da mãe dela, Dona Nilda. Nesse almoço Sandra esteve presente por instância no pai, no sentido de encerrar definitivamente o relacionamento entre os dois. Colocar uma pedra em cima. Suspeita-se que Pimenta esteve lá para assuntar onde Sandra ia. Tanto que, no dia seguinte, foi ao seu encontro no haras, onde a matou. DC - E por que precisaria assuntar? Luiz Octavio - Ela estava abrigada em lugar secreto para fugir das ameaças de Pimenta. Convém lembrar, conforme disse o jornalista Souliê do Amaral, que, 15 dias antes, Pimenta andou procurando algum ex-interno da Febem que permanecesse na marginalidade, para dar um corretivo em 'alguém'.

Tiê no Bar Brahma Amanhã (12) é dia de apreciar a cantora Tiê no Bar Brahma Centro. No repertório, canções de seus discos Sweet Jardim e A Coruja e o Coração, seu mais recente trabalho. A artista ainda apresentará versões de músicas da novela Avenida Brasil, veiculadas primeiramente em pocket shows transmitidos ao vivo pela internet e agora exibidas também durante sua turnê. Bar Brahma Centro. Av. São João, 677, Centro. Tel.: 33673601/02/03/04. 22h. R$ 40.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

12

Santa carona

sábado, domingo e segunda-feira, 9, 10 e 11 de março de 2013

15 segundos

Cadeira do Batman, proteção de super-herói para os pequenos.

Propaganda do Museu de Arte Contemporânea de Inhotim para o público estrangeiro traz o Maracanã recriado com pedaços de madeira e os dizeres: "A cada 15 segundos, a floresta brasileira perde uma área do tamanho de um campo de futebol. Desmatamento: cada segundo conta." Da agência Filadélfia.

http://bit.ly/VL3KW5

http://bit.ly/WXifI9

Pufe chique Vinte e seis anos depois da morte de Andy Warhol, este pufe é lançado para celebrar sua arte. Cada um custa US$ 465. http://fab.com/sale/17950/

J APÃO

Logo

www.dcomercio.com.br

Ainda sob ameaça nuclear Issei Kato/Reuters

D

ois anos depois que Fukushima presenciou a pior crise nuclear desde Chernobyl, o Japão passou do blecaute atômico ao planejamento da reativação de suas usinas, apesar dos protestos e dos movimentos antinucleares. Com apenas dois de seus mais de 50 reatores nucleares em operação, o novo governo japonês, liderado pelo conservador Shinzo Abe, ainda não revelou com clareza qual será sua política energética para o futuro, mas ofereceu pistas sobre sua inclinação para este tipo de energia. Embora seu antecessor,

Yoshihiko Noda, tenha prometido um futuro sem usinas nucleares a partir de 2030, a vitória por uma arrasadora maioria de Abe nas eleições de dezembro desenha um caminho de paulatino retorno à energia atômica.

"Re ativ aremos os reatores nucleares q u a n d o c o nfirmarmos que são seguros", anunciou o primeiro-ministro no início deste mês. "Faremos os maiores esforços para que não ocorram danos à vida dos cidadãos nem à atividade econômica", concluiu, embora tenha antecipado que a decisão final do governo não sairá do papel sem "o consentimento do povo japonês". (Agências)

Issei Kato/Reuters

E SPORTE

G @DGET DU JOUR

Zagallo ganha estátua no Engenhão A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) anunciou que já tem data a inauguração de estátua em homenagem a Mário Jorge Lobo Zagallo. A peça será exposta no Estádio Engenhão, no Rio, a partir do dia 31 de maio e vai celebrar a carreira do ex-atleta e extécnico de 81 anos, conhecido por ser o maior vencedor da história da Copa do Mundo. A homenagem a Zagallo ficará na entrada do estádio, na companhia das estátuas de Nilton Santos, Jairzinho e Garrincha. "Estarei em boa

companhia", disse o exjogador e ex-treinador. Durante a inauguração, estarão presentes a comissão técnica e os jogadores da Seleção, que têm treino marcado para o Engenhão no mesmo dia – o Brasil faz amistoso com a Inglaterra, em 2 de junho, no Maracanã. A homenagem é promovida tanto pela CBF como pelo Botafogo, time pelo qual Zagallo foi bicampeão carioca e onde viveu grande parte da sua carreira. (Estadão Conteúdo)

Volta às aulas Este fone de ouvido em formato de lápis promete encaixar perfeitamente nos ouvidos. O estilo exclusivo é um bônus para quem concordar em pagar por ele US$ 50. http://bit.ly/YCsgau

A NTIGUIDADES

L UTO

L

PROTESTOS EM TÓQUIO- Manifestações nas ruas da capital japonesa lembram, desde sábado, os dois anos do acidente nuclear de Fukushima (11/3/2011). Passeatas serão reforçadas hoje, diante do imperador Akihito.

A RTE

Morre a atriz Rosita Thomaz A atriz Rosita Thomaz Lopes, conhecida por interpretar personagens ricas nas novelas, como Letícia, em "Brilhante", e Úrsula Pelegrini, em "Pátria Minha", morreu sábado à noite, no Rio, de falência múltipla de órgãos. A atriz, que completaria 93 anos em junho, estava em casa. (Folhapress) R ECUPERAÇÃO

Zé Ramalho tem alta após cirurgia

A Terra é uma esponja Pets do passado O site Vintage Everyday, especializado em imagens antigas, fez uma seleção das fotografias de animais domésticos que ilustraram álbuns de família e cartões postais do passado. O gato tocador de banjo é um exemplo típico. Nas fotos, chama a atenção a como as cenas são produzidas para contar uma história, tendo os bichos como personagens. http://bit.ly/YNmu79

Jeffrey Allen Price recicla esponjas usadas para criar mapas. A ideia é explorar as texturas e as cores do material para expor as fronteiras de países e continentes. www.jeffreyallenprice.com

O cantor Zé Ramalho, de 63 anos, recebeu alta ontem após internação no Hospital Samaritano, no Rio. O músico se recuperava de uma cirurgia cardíaca feita na semana passada. O também cantor Emílio Santiago, de 66 anos, permanece internado no Rio, após sofrer um acidente vascular cerebral (AVC). (Estadão Conteúdo)

Ciência gráfica O artista gráfico Kapil Bhagat criou uma série de cartazes minimalistas em homenagem aos cientistas mais famosos do mundo. Aqui você vê Darwin, Arquimedes, Copérnico e Newton. Veja outros cartazes no site do artista. http://bit.ly/YICOGe


e CAIXA 1 conomia

O seu consultor financeiro

13

sábado, domingo e segunda-feira, 9, 10 e 11 de março de 2013 Lisi Niesner/Reuters

O cenário macroeconômico que serve de pano de fundo para os investimentos está nebuloso. Inflação em alta e a possibilidade de juros subirem podem exigir mudanças de estratégias. O melhor, então, apostar em custo menor e prazo maior.

REJANE TAMOTO

Miniaturas de touros em mesa de operador da bolsa alemã: animais são o símbolo dos momentos de alta – e incertezas.

O

que vai acontecer com a taxa de juros nos próximos meses? A inflação vai estourar o teto da meta de 6,5% e sair do controle neste ano? Como escolher uma aplicação nesse cenário? Responder a essas perguntas não tem sido tarefa fácil, já que os sinais do governo não deixam claro o rumo dos indicadores da economia que mais mexem no bolso do pequeno investidor. Especialistas em finanças pessoais dizem que neste momento será preciso buscar aplicações de longo prazo e de menor custo. "Cuidado com os fundos de investimentos que trabalham com o conceito de marcação a mercado (ajuste do preço dos títulos de acordo com a taxa de juros de cada dia). Se o juro subir, eles podem sinalizar perda", diz o professor de finanças do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper), Ricardo Humberto Rocha. De acordo com ele, o momento também não é propício para especular. "Se todo mês o investidor tentar acertar o que rende mais provavelmente vai perder dinheiro", afirma o professor. Cada vez mais o ganho real das aplicações em renda fixa encolhe por causa do aumento da inflação. O mês de fevereiro fechou com taxa de 0,6% do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), acima do que o mercado esperava. Em 12 meses, a inflação atingiu 6,31%, quase o teto da meta. A expectativa do banco HSBC é que já em março a inflação alcance o teto da meta de 6,5%, mas encerre o ano de 2013

Como INVESTIR agora? Segredo é o LONGO PRAZO. ainda em 5,5%. Para o economista da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) Emilio Alfieri, mesmo com a redução do preço da energia elétrica, a inflação não cedeu no mês passado. "Se em março o índice for de 0,4% já estoura o teto da meta e fica em 6,51%. Vamos aguardar o IPCA-15 (uma prévia do mês) de março." Segundo ele, a inflação é uma preocupação do governo e isso está claro no comunicado da mais recente reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central (BC), na semana passada, na qual a taxa básica de juros (Selic) foi mantida em 7,25% ao ano. "O comunicado só mencionou que o comitê vai avaliar as perspectivas para a inflação e não colocou a frase de que o juro seria mantido por um período suficientemente prolongado. Foi um texto duro, e não tinha as palavras habituais 'ainda' ou 'neste momento', o que indica que pode haver um aumento da Selic nos próximos meses", afirma o economista.

0,60 foi a taxa do IPCA de fevereiro, o que levou a inflação acumulada em 12 meses a 6,31%, perto do teto da meta, de 6,50%. Segundo Alfieri, o governo pode lançar mão de medidas como a desoneração de impostos para alimentos e de restrição ao consumo (como aumento do Imposto sobre Operações Financeiras) para conter a escalada dos preços. "O governo tem um teto de 6,5% para a inflação. Se passar disso, pode haver um aumento do juro em um ponto percentual, para 8,25%", afirma. Assim, hoje com a Selic a 7,25% ao ano e a inflação de 12 meses de 6,31%, o ganho real é menor do que 1%. "Quem levar em consideração

o Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), que em 12 meses é de 8,29%, tem juro real negativo", diz Alfieri. Em um cenário como esse, os especialistas em finanças pessoais recomendam ao investidor a pensar no longo prazo e – principalmente – não sair de aplicações sem antes verificar os custos com impostos que uma saída representaria agora. É difícil decidir a partir de uma possível alta da Selic, que ainda não é certa. Rocha, do Insper, lembra que quem tem um recurso sobrando agora pode diversificar com o título público pós-fixado Letras Financeiras do Tesouro (LFT), cuja rentabilidade segue a variação da Selic. A aplicação, no entanto, é uma aposta para quem acredita que o juro vai subir. Como a inflação já é uma realidade, o professor de finanças da Escola de Economia de São Paulo (EESP) da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Samy Dana sugere o título Notas do Tesouro Nacional série B (NTN-B). Esse papel rende a

variação do IPCA mais um cupom de juros, que pode ser pago na data de resgate ou semestralmente. Rocha, do Insper, lembra que a NTN-B é indicada para aquele dinheiro que vai ser investido em um prazo mais longo, de cinco anos.

Títulos com menos custos "Em termos de custos, a compra direta de títulos do Tesouro também é mais vantajosa do que a aplicação em fundos. O governo isentou a taxa de negociação dos papéis e algumas corretoras não cobram a taxa de corretagem", afirma Dana, da FGV. Assim, o investimento em títulos do Tesouro Direto permanecem tendo o custo de taxa de custódia de 0,3% ao ano pago para a BM&FBovespa e o Imposto de Renda (IR), cuja alíquota varia de 15% a 22,5% ao ano, dependendo do prazo de resgate do título. O consultor e educador financeiro André Massaro lembra que os títulos públicos

NA BOLSA, UMA FORCINHA DO EXTERIOR. Operando com pequenas oscilações (quase sempre para baixo) desde o início do ano, o mercado brasileiro de ações parece ter começado de fato 2013 na semana passada. Foi quando finalmente boas notícias conseguiram fazer subir de uma maneira mais vigorosa o Ibovespa, índice que serve de referência para os investidores. E elas vieram exatamente das empresas cujos papéis mais têm sofrido recentemente: Petrobras e as companhias X, do empresário Eike Batista. Outro alento veio do exterior, com pontuação recorde em Nova York e altas nas bolsas europeias. Embora ainda acumule perdas de 4,13% desde o primeiro pregão do ano, o Ibovespa conse-

guiu subir 2,72% na semana passada. O primeiro impulso veio do inesperado anúncio de elevação de 5% do preço do óleo diesel, medida que ajuda a estancar as perdas que a empresa tem tido com as importações do produto a preços mais altos do que vende no Brasil. Na visão dos investidores, o reajuste foi uma vitória da diretoria da estatal e a disparada das ações foi imediata: na quarta-feira, Petrobras PN subiu 8,76% e Petrobras ON ganhou 15,30%. De acordo com analistas, houve uma recomposição dos preços desses papéis, mas nem de longe os valores negociados no mercado refletem a operação da estatal – os preços ainda estão muito descontados por

causa da insistência do governo em usar a empresa como parte da política econômica. Outra notícia de impacto foi o anúncio da parceria entre o Grupo EBX, de Eike Batista, e banco de investimentos BTG Pactual, de André Esteves. O banco ficará responsável por montar estratégias financeiras para o grupo de Eike captar mais recursos, necessários para o avanço dos megaprojetos em que está envolvido. A informação, também inesperada, ajudou a valorizar as ações das empresas X, apesar de elas ainda estarem bem longe dos preços que tinham há um ano. Desde junho os papéis se desvalorizam por causa de dúvidas a respeito dos projetos. (RA)

também carregam riscos e os papéis negociados sofrem fortes oscilações de preços, em razão da especulação sobre o aumento dos juros. Ele diz que hoje é preciso buscar aplicações de baixo custo. "Hoje há três custos para se investir: inflação, imposto e com a instituição financeira. O investidor pode decidir e deve controlar os dois últimos, já que não tem controle sobre a primeira." Por isso, ele recomenda cuidado na hora de resgatar a aplicação, para não pagar mais impostos, e avaliar as taxas de administração dos fundos, que não podem exceder 2%. Também por causa da ausência de custos, a maioria dos investidores paulistas prefere a poupança. Segundo uma pesquisa da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomércio) feita com 2,2 mil paulistanos mostra que apenas 38,5% tem algum tipo de aplicação financeira. A mais utilizada, por 76% deles, é a caderneta de poupança. Massaro diz que não há mais razão lógica para permanecer na poupança. "O investimento em títulos do Tesouro tem um retorno maior e uma garantia de segurança superior a da caderneta." Segundo ele, uma exceção é a poupança antiga, que rende 0,5% fixo ao mês. "Quem tem dinheiro na aplicação antiga não deve mexer. É o único investimento com rentabilidade fixa e garantida hoje", afirma. A nova poupança, pelo contrário, rende 70% da taxa Selic ao mês. "Muitos investem por força do hábito mesmo", diz.

Lucas Jackson/Reuters


14 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 9, 10 e 11 de março de 2013


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 9, 10 e 11 de março de 2013

e As ruínas do banco Monte dei Paschi

15

Obviamente, muitos bancos de investimento ganharam muito dinheiro com o Monte dei Paschi. Alessandro Profumo, presidente do banco Monte dei Paschi

conomia

O banco mais antigo do mundo, desde os tempos da família Médici, já recebeu US$ 5,1 bilhões em ajuda da Itália e ainda assim enfrenta a pior crise de sua história. Fotos: Massimo Berrutti/International Herald Tribune

* Jack Ewing e Gaia Pianigiani

N

a fachada de pedra do imponente Palazzo Salimbeni foi esculpido um nome que está ligado a cinco séculos de fortunas na Toscana: Monte dei Paschi, ou Monte dos Pastos. Desde os tempos da família Médici, em Florença, a 65 quilômetros ao norte, o banco Monte dei Paschi trouxe riquezas ao povo de Siena. Durante 541 anos, ele sobreviveu à guerra, à praga e ao pânico, sendo hoje o banco mais antigo em funcionamento no mundo. Mas além das arcadas na entrada do palácio Salimbeni, dentro dos escritórios imponentes do Monte dei Paschi di Siena, um fiasco completamente moderno conseguiu fazer o que os séculos não puderam. Fundado em 1472, o Monte dei Paschi foi praticamente arruinado pelas finanças do século XXI. Quando os problemas do banco aumentaram, o governo forneceu rapidamente um pacote de ajuda de US$ 5,1 bilhões, causando descontentamento em toda a Itália. Contudo, em nenhum lugar o choque é maior que em Siena. Para muitas pessoas, o Monte dei Paschi é mais que um banco. Ele é conhecido como "Babbo Monte", ou Papai Monte, o maior empregador e patrono da cidade. Até onde todos são capazes de se lembrar, o dinheiro do banco ajudou a sustentar instituições de caridade e organizações civis, incluindo o maior evento de Siena: o Palio, a corrida de cavalos que acontece todo verão em torno da Piazza del Campo. Na verdade, o maior acionista do banco, a instituição de caridade Monte dei Paschi Foundation, funciona há tempos como uma espécie de governo paralelo na cidade. Agora, todo mundo se pergunta o que vai acontecer com o dinheiro do Babbo Monte. "Nada mais cai do céu nos dias de hoje", afirmou Mario Marzucchi, presidente do Misericordia di Siena, que fornece tratamentos médicos para as pessoas pobres da cidade e opera uma frota de ambulâncias. A organização enfrenta dificuldades para se manter. Caterina Barbetti, presidente de uma cooperativa que coordena escolas de enfermagem, afirmou que foi forçada a reduzir o tratamento infantil para as famílias pobres. Ela contava com o Babbo Monte. "Agora ele foi embora". O Monte dei Paschi ocupa seu palácio no centro velho de Siena desde a fundação, embora tenha adotado ornamentos mais modernos, tais como vidros à prova de bala. Os arquivos do banco estão armazenados em um cofre que já foi utilizado para guardar armas. Na piazza em frente ao banco há uma estátua de Sallustio Bandini, um economista toscano do século XVIII que foi um dos primeiros defensores do livre comércio. A partir de agora o futuro do Monte dei Paschi depende de seu presidente, Alessandro Profumo, um importante banqueiro trazido de Milão. Profumo, de 56 anos, não tem medo de controvérsias. Em 2010, foi mandado embora da presidência de outro banco italiano, o UniCredit, depois que o governo da Líbia adquiriu boa parte das ações do banco. Sentado em uma sala decorada com um afresco iniciado no século XV e que mostra a Virgem Maria protegendo os cidadãos de Siena, Profumo afirmou que o Monte dei Paschi foi prejudicado em parte por suas transações com bancos internacionais. O JPMorgan Chase e outros ajudaram a encontrar as transações que acabaram por prejudicar o banco. Os bancos estrangeiros não foram acusados de má conduta, mas Profumo sugeriu que eles lucraram à custa do Monte dei Paschi. "Obviamente, muitos bancos de investimento ganharam muito dinheiro com o Monte dei Paschi", afirmou. "Eu diria que dinheiro demais." Em Siena, assim como em boa parte da Europa, bancos controlados por políticos forneceram empréstimos e empregos em troca de votos, além de patrocinarem instituições de caridade e organizações civis para angariar a boa vontade do público. Vincenzo Lou, CFO do AC

No centro velho de Siena, o banco ocupa toda a piazza, onde há uma estátua de Sallustio Bandini, um dos primeiros economistas defensores do livre comércio.

Alessandro Profumo, presidente do banco. Siena, equipe de futebol da cidade e outra antiga beneficiária da generosidade do Monte dei Paschi, comparou o sistema à forma como os imperadores romanos mantinham os cidadãos felizes com pão e circo. Os verdadeiros problemas do banco começaram em 2008, quando a instituição adquiriu o pequeno banco regional Antonveneta, que pertencia ao Santander. Analistas acharam que o valor de 9 bilhões de euros estava alto demais, e para complicar, o Monte dei Paschi pagou em dinheiro. Pressionado, o banco recorreu a uma série de transações para arrecadar dinheiro sem comprometer sua base de capital, uma medida que não está de acordo com as regulamentações bancárias. É aí que entra o JPMorgan. O banco americano ajudou o Monte dei Paschi a arrecadar cerca de um bilhão de euros em valores mobiliários que incluíam ações normais e títulos de dívidas. Desde que o Paschi continuasse lucrativo, as notas pagariam um dividendo fixo de cinco

por cento, parecido com o pagamento de um título. Porém, caso o banco tivesse problemas, os dividendos seriam interrompidos e as notas passariam a ser tratadas como ações. De acordo com o Banco Central da Itália, os gestores do Monte dei Paschi esconderam determinadas características da transação. "O MPS não revelou partes importantes da operação em questão ao Banco da Itália", afirmou Paola Ansuini, porta-voz do banco central, em uma entrevista por e-mail, referindo-se às notas designadas pelo JPMorgan. Promotores estão examinando a transação como parte de um amplo inquérito sobre os eventos que levaram aos problemas do Monte dei Paschi. Não há evidências de que o JPMorgan tenha feito algo ilegal. Embora critique o JPMorgan e outros bancos de investimento, o presidente do Monte dei Paschi afirmou que era responsabilidade do banco manter os reguladores informados. O JPMorgan se negou a comentar o caso. Contudo, há poucas dúvidas de que o JPMorgan tenha ajudado o banco a realizar a aquisição, que foi considerada imprudente por muitas pessoas e que enfraqueceu o Monte dei Paschi. Mais tarde, o Deutsche Bank, da Alemanha e o Nomura, do Japão, passaram a realizar transações inicialmente geridas pelo Monte dei Paschi, ajudando-o a esconder perdas de 730 milhões de euros e levantando novos questionamentos sobre a conduta dos bancos de investimento. Embora seu escritório seja apropriado para um príncipe renascentista, é difícil entender por que Profumo aceitou o serviço. Seu salário é equivalente a US$ 80.000, e ele não deve fazer muitos amigos em Siena. Juntamente com Fabrizio Viola, CEO do Monte dei Paschi desde o ano passado, Profumo está desmantelando o patronato que existiu por tanto tempo – e começou a cortar gastos. Ele e Viola demitiram funcionários politicamente bem conectados, fecharam centenas de filiais e eliminaram 4.000 postos de trabalho. "Não seremos empregadores de último recurso. Nem credores de último recurso. Seremos um bom banco. E isso já é o bastante", disse Profumo. * The New York Times

Porta-voz é achado morto na sede do banco

U

m porta-voz do Monte Paschi di Siena foi encontrado morto na última quarta-feira. Segundo repórteres que o conheciam, ele estava sob forte pressão de uma investigação sobre suspeitas de corrupção e fraude que desestabilizaram o banco mais antigo do mundo. David Rossi, nascido em 1961, foi encontrado morto na sede do banco em Siena, deitado sob uma janela aberta voltada para os fundos do edifício, uma fortaleza do século XIV restaurada. Autoridades de Siena investigam se Rossi, conhecido como um profissional sério e reservado, cometeu suicídio, disse uma fonte da Justiça. "Ele era uma pessoa muito séria, sob a pressão de um inquérito judicial que chegou a ele por meio de uma busca policial recente, ainda que não estivesse sob investigação", disse Andrea Greco, repórter do La Repubblica no site do jornal. Rossi, era o chefe de departamento de comunicação e entrou para a fundação Banca Monte dei Paschi di Siena, o maior acionista do banco, em 2001 como assistente do diretor Giuseppe Mussari. Quando Mussari assumiu a presidência do banco em 2006, Rossi permaneceu como porta-voz. Rossi, que não estava sob investigação direta, estava entre diversas pessoas cujas casas e escritórios foram palco de buscas no mês passado, como parte do inquérito ligado à compra do banco Antonveneta em 2007 e subsequentes perdas ligadas a complexas transações com derivativos. Mussari estava sob investigação diante de acusações de enganar reguladores, manipular mercados e dar falsas informações no prospecto sobre a transação do Antonveneta. (Reuters)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

16 -.ECONOMIA/LEGAIS

e

sábado, domingo e segunda-feira, 9, 10 e 11 de março de 2013

É importante que o governo entenda que as startups precisam de atenção especial. Gustavo Caetano, membro do conselho da AB Startups e CEO da Sambatech.

P U T R A T S

conomia

Um turbilhão chamado startup

Modelo de negócio recebeu R$ 1,7 bilhão de investimentos em 2012, mas não basta uma ótima ideia e dinheiro para se dar bem. Divulgação

Karina Lignelli

O

cenário do empreendedorismo digital e da inovação se amplia cada vez mais no País: levantamento da Associação Brasileira de Startups (AB Startups) aponta que hoje há em torno de 10 mil pequenas empresas do tipo em atividade no Brasil sendo que há cerca de 1.400 cadastradas na base de dados parceira da associação, o BizStart. No comando desses empreendimentos, como não poderia deixar de ser, 55% são jovens entre 20 e 23 anos, que essencialmente têm formação em áreas como tecnologia, marketing ou administração. Mesmo que esse modelo atue hoje em condições de extrema incerteza devido à burocracia, alta carga tributária e até pela necessidade de educar melhor esses empreendedores para montar planos de negócio, o segmento atraiu US$ 850 milhões (R$ 1,7 bilhão) em investimentos em 2012, segundo a AB Startups. Paolo Umberto Petrelli, diretor da entidade na região Centro-Oeste que também é um desses empreendedores, explica que a entrada de capital nessa indústria vem crescendo "absurdamente". Em 2005, explica, a média anual de investimentos era de US$ 700 milhões. Desde então, esse montante vem aumentando em torno de US$ 300 milhões por ano. "É uma indústria que cria oportunidades e destaca o País no quesito inovação",

PAOLO UMBERTO PETRELLI, AB STARTUPS

ressalta Petrelli. Projeto – Além de se organizar em uma associação sem fins lucrativos criada no formato startup, dirigida por jovens criadores de empresas do tipo para atuar no desenvolvimento da cena no País e fomentar o empreendedorismo digital, esses empreendedores já se movimentam em outras esferas: tramita no Senado Federal o Projeto de Lei 321/2012, que isentaria de impostos empresas desse porte com receita bruta de até R$ 30 mil por trimestre. Sob responsabilidade do senador Agripino Maia (DEMRN), o projeto é de autoria dos estudantes da Universidade de Brasília (UnB), Lucas Bispo de Oliveira e Murilo Medeiros.

No início de fevereiro, a AB Startups lançou uma petição online para recolher assinaturas para apoiar o projeto. "É importante que o governo entenda que as startups precisam de atenção especial, pois na maioria das vezes trabalham com inovações que exigem dinheiro, agilidade e pouca burocracia", afirma Gustavo Caetano, membro do conselho da AB Startups e CEO da Sambatech, empresa pioneira no conceito de logística digital que oferece soluções de vídeos online. "Com a aprovação dessa lei, o governo mostrará que aposta nessa nova modalidade de empresa como futuro do País", acredita Caetano. Aprendizado – Não só o cená-

Centro de Private Equity e Venture Capital da Fundação Getúlio Vargas (GVCepe) explica que, apesar de a cultura startup estar chegando fortemente ao Brasil há muito trabalho à frente no que diz respeito a educar esses empreendedores. "Quando se fala em startups brasileiras, podese dividir em 50% que efetivamente têm conteúdo inovador, e 50% que não têm. E se hoje há 6% ou 7% de empresas do tipo com bom conteúdo tecnológico, apenas uns 2% vão receber investimento de fundos de venture capital e outros", diz. "Há empreendedores de muita iniciativa, mas que não trazem verdadeiro diferencial para o mercado. A dificuldade é grande em encontrar os que possuam profunda visão de negócio para se enquadrar no panorama das startups. Muitas vezes, não se cria um negócio escalável para gerar um vetor de crescimento e se tornar uma supermarca, um produto de aceitação mundial, por falta de conhecimento",

rio de incertezas pode atrasar o desenvolvimento de uma startup. Petrelli explica que é comum esses empreendedores se entusiasmarem para entrar na "onda" do mercado, achando que basta apenas conseguir dinheiro para financiar a ideia. Porém, que não dá para começar um negócio à espera de faturar milhões sem trilhar o caminho do aprendizado: o correto, diz ele, é buscar conhecimento para criar um projeto no menor tempo possível e com investimento menor, além do apoio de metodologias que ajudam a diminuir riscos e ensinam como validar sua ideia até encontrar um modelo de negócio ideal. O professor Cláudio Vilar Furtado, diretor executivo do

afirma Furtado. En ga jam ent o – O principal problema que, além dos impactos tributários e burocráticos, faz com que 40% dessas empresas decretem falência antes de completar dois anos, segundo Petrelli, é desenvolver um produto que seria 100% funcional e inovador, e colocá-lo no ar sem conhecimento técnico para tentar validá-lo no mercado. Para eliminar essa dificuldade, explica, o ideal é procurar incubadoras/aceleradoras de negócios ou participar de eventos específicos – como o Startup Weekend, realizado em fevereiro em Brasília, onde o empreendedor teve 54 horas para desenvolver uma ideia e descobrir in loco, junto ao público, se essas pessoas estão dispostas a utilizar – e pagar – pelo seu produto. "Há milhões em dinheiro entrando nessa indústria, mas há poucos empreendedores qualificados. É preciso mostrar que sua ideia é bem aceita no mercado", afirma o dirigente da AB Startups.

Jovens apostam em suas ideias inovadoras

primeiro é um guia de restaurantes para ser consultado no celular em tempo real. O outro é um ecommerce de vendas diretas de bijuterias finas pela internet. Ambos os exemplos, criados por empreendedores de startups, mostram que, quando altamente criativa e bem desenvolvida, uma boa ideia atrai capital, entra logo no mercado e passa a dar retorno mais rapidamente, garantem especialistas na área. O Donde Voy, aplicativo para celulares com sistema A n d r o i d q u e b u s c a e r a n-

queia os restaurantes mais próximos ao usuário por meio de GPS, foi desenvolvido por quatro jovens de 23 a 25 anos – Pedro Cavalcanti, Vinícius Moreira, Renan Alves e Pedro de Cicco. Com investimento inicial de R$ 100 mil, o aplicativo entrou no ar em junho de 2012 disponível para usuários de São Paulo e Rio de Janeiro. Agora, com 3 mil restaurantes cadastrados, o aplicativo chegou a Belo Horizonte. "A expectativa é que em junho (quando completa um ano), o site atinja 683 mil visitas

Divulgação

O

É uma indústria que cria oportunidades e destaca o País no quesito inovação.

Aplicativo de restaurantes: Vinícius, Renan, Pedro e Pedro Cavalcanti. mensais, e esteja disponível em mais regiões do País", diz Cavalcanti. Outro exemplo é a Sophie

& Juliette, startup criada no formato de vendas diretas de bijuterias finas pela internet e redes sociais que, ao

contrário do que se pensa, mostra que as mulheres também estão à frente desse tipo de negócio. No ar desde julho de 2012, a plataforma, criada por Camila Souza em conjunto com o sócio Ronald Beigl, foi viabilizada com investimentos da IG Expansión e da Redpoint e.ventures. Segundo Camila, mesmo que o modelo já exista e seja sucesso nos EUA e na Europa, incubadoras e investidores concluíram que ele funcionaria muito melhor no Brasil porque brasileiras são as que mais consomem um

grande porcentual de sua renda em beleza. "Tivemos essa ideia para dar uma guinada nesse mercado de vendas diretas com a tecnologia do e-commerce e das redes sociais, pois ele não era atualizado há uns 100 anos", brinca a empreendedora, que diz que a meta do Sophie & Juliette é aumentar em 20% ao mês o número de estilistas/revendedoras, e em 30% o volume de vendas nos três primeiros meses do ano. LEIA MAIS SOBRE STARTUPS NA PAGINA 18


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 9, 10 e 11 de março de 2013

ECONOMIA/LEGAIS - 17

BR Advisory Partners Participações S.A. CNPJ/MF nº 10.739.356/0001-03 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas: Submetemos à apreciação de V.Sas. as Demonstrações Financeiras do BR Advisory Partners Participações S.A. (“Companhia”) da BR Advisory Partners Participações S.A. e suas controladas (“Consolidado”), relativas ao exercício social encerrado em 31 de Dezembro de 2012, acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes. Principais fatos ocorridos no período: No ano de 2012, apesar do ambiente de baixo crescimento econômico, a Companhia apresentou desempenho positivo, com receitas acima de R$ 80 milhões, lucro líquido de R$ 36 milhões e patrimônio líquido de R$ 208 milhões, resultando em um ROE de 17,3%. Participamos de algumas das mais relevantes operações de fusão e aquisição do mercado, assessorando clientes como: Repom, LGR, Brookfield,

Genesys, Redecard, Casino, Taurus, Geração Futuro, Fleetcor e Poit Energia. Fechamos o ano de 2012 como um dos maiores assessores no segmento de fusões e aquisições em número de transações anunciadas, segundo os rankings: Bloomberg (5º lugar), Thomson Reuters (6º lugar), MergerMarket (5ºlugar) e ANBIMA (5º lugar). Recebemos aprovação do Banco Central do Brasil para a instalação do BR Partners Banco de Investimento e da BR Partners Corretora de Títulos e Valores Mobiliários em Junho de 2012. Durante o segundo semestre implementamos toda a infraestrutura necessária do banco e da corretora para estamos operacionais já no primeiro trimestre de 2013. Também no segundo semestre de 2012, começamos a atuar nas áreas de Administração de Fundos e Mercado de

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Companhia Consolidado Ativo 2012 2011 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 23.432 18.640 48.703 36.317 Fornecedores e outras contas a pagar Ativos financeiros a valor justo por meio do resultado (Nota 5) 17.568 5.299 150.745 147.498 Salários e encargos sociais a pagar Contas a receber e outros recebíveis (Nota 6) 1.073 147 19.936 12.946 Dividendos a pagar (Nota 11 (c)) Dividendos a receber (nota 7 (a)) 16.971 2.025 – – Impostos a recolher Adiantamento a terceiros – 6 15 10 Provisões tributárias (Nota 15(b)) Tributos a recuperar 484 110 3.343 1.870 Valores a pagar Adiantamento distribuição de lucros – 960 – 960 Despesas antecipadas – – 96 135 Não circulante 59.528 27.187 222.838 199.736 Impostos diferidos (Nota 15(b)) Patrimônio líquido (Nota 11) Capital social Não circulante Reserva de capital Realizável a longo prazo Reserva de lucros Contas a receber de partes relacionadas (Nota 7 (b)) 7.749 2.033 Resultado de participação negativa de controlada Investimentos em controladas (Nota 8) 153.203 167.582 – 45 Ações em tesouraria Imobilizado (Nota 9) 5.525 6.310 6.200 6.805 Ativos intangíveis (Nota 10) 169 243 5.588 974 158.897 174.135 11.788 7.824 Participação dos acionistas não controladores 166.646 176.168 11.788 7.824 Total do ativo 226.174 203.355 234.626 207.560 Total do passivo e patrimônio líquido

Companhia 2012 2011 181 – 5.374 15 710 10.314 16.594

90 – – 2 90 – 182

1.281 163.550 31.949 23.114 – (10.314) 208.299 – 208.299 226.174

170 154.724 30.614 17.665 – – 203.003 – 203.003 203.355

Consolidado 2012 2011 1.713 – 6.269 1.392 3.205 12.415 24.994 1.332 163.550 31.949 23.114 – (10.314) 208.299 1 208.300 234.626

1.175 395 – 884 1.204 – 3.658 892 154.724 30.614 17.664 (21) – 202.981 29 203.010 207.560

As notas explicativas da administração são parte integrante das demonstrações financeiras

DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Reserva de capital Reserva de lucros Capital Ágio na emissão Lucros a social de Ações Outras Legal distribuir Em 1 de janeiro de 2011 141.364 28.207 – 1.559 – Emissão de ações (Nota 11 (a)) 13.360 2.407 – – – Dividendos pagos – – – – – Lucro líquido do exercício – – – – – Constituição de reservas – – – 1.436 14.670 Em 31 de dezembro de 2011 154.724 30.614 – 2.995 14.670 Capitalização de reservas (Nota 14 (a)) 8.626 – – – (8.626) Aumento de capital 200 – – – – Compra de ações em tesouraria – – – – – Dividendos – – – – (5.794) Lucro líquido do exercício – – – – – Destinação do lucro líquido Constituição de reservas – – – 1.687 18.432 Dividendos intercalares pagos – – – – – Outras Reservas – – 1.335 – (250) Em 31 de dezembro de 2012 163.550 30.614 1.335 4.682 18.432

Ações em tesouraria – – – – – – – – (10.314) – –

Lucros acumulados 811 – (14.045) 29.340 (16.106) – – – – – 36.238

Total 171.941 15.767 (14.045) 29.340 – 203.003 – 200 (10.314) (5.794) 36.238

– – – (10.314)

(20.119) (15.034) (1.085) –

– (15.034) – 208.299

As notas explicativas da administração são parte integrante das demonstrações financeiras

Capitais. As despesas operacionais do grupo BR Partners consolidado totalizaram R$ 34 milhões, já contabilizadas as despesas das subsidiárias. O principal componente das despesas, conforme esperado, foi relativo à folha de pagamentos, que inclui as despesas de pró-labore dos sócios-executivos. O número total de colaboradores chegou a 85, o incremento foi necessário devido à implementação do BR Partners Banco de Investimento e a BR Partners Corretora de Títulos e Valores Mobiliários. São Paulo, 11 de março de 2013 A Administração

DEMONSTRAÇÕES DO RESULTADO EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Companhia Consolidado 2012 2011 2012 2011 Operações continuadas Receita de serviços (Nota 12) 55.465 35.854 Lucro bruto 55.465 35.854 Resultado de equivalência patrimonial (Nota 8) 34.133 28.175 – – Receita de dividendos 534 427 – 427 Despesas comerciais – (238) – (251) Despesas administrativas (Nota 13) (1.474) (5.025) (34.644) (16.235) Lucro operacional 33.193 23.339 20.821 19.795 Receitas financeiras 5.368 8.979 25.360 19.105 Despesas financeiras (123) (3) (503) (26) Receitas financeiras, líquidas 5.245 8.976 24.857 19.079 Outras receitas operacionais 3 59 135 59 Outras despesas operacionais (16) – (341) – Receitas não operacionais (196) 2 (209) 6 Lucro antes do imposto de renda e da contribuição social 38.229 32.376 45.263 38.939 Imposto de renda e contribuição social (Nota 14) (1.991) (3.036) (9.222) (9.557) Lucro líquido do exercício 36.238 29.340 36.041 29.382 Atribuído à: Participação dos acionistas controladores 36.021 29.340 Participação dos acionistas não controladores 20 42 Ações em circulação no final do exercício (mil) 93.182 93.925 – – Lucro líquido por mil ações do capital social no fim do exercício – R$ 388,89 312,38 – – As notas explicativas da administração são parte integrante das demonstrações financeiras

DEMONSTRAÇÕES DOS FLUXOS DE CAIXA EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Companhia Consolidado 2012 2011 2012 2011 Fluxos de caixa de atividades operacionais Lucro líquido do exercício 36.238 29.340 36.041 29.382 Ajustes de receitas e despesas não envolvendo caixa Depreciação 791 596 904 631 Amortização 60 49 231 173 Outros 35 – 35 – Participação no resultado de controladas (34.133) (28.175) – – Receitas financeiras – líquidas (5.245) (8.976) (24.857) (19.079) (2.254) (7.166) 12.354 11.107 Variações no capital circulante Ativos financeiros a valor justo por meio do resultado (12.269) (5.299) (3.247) (147.498) Contas a receber de clientes e outros recebíveis (61.533) 282 (5.996) (12.313) Contas a receber de partes relacionadas 15.779 – – – Fornecedores e outras contas à pagar 47.169 (333) 18.827 1.761 Outros passivos 1.111 – 440 – Impostos 633 3.036 2.509 9.557 Caixa gerado nas operações (11.364) (9.480) 24.887 (137.386) Juros pagos – (3) – (26) Juros recebidos 520 8.979 10.545 19.105 Imposto de renda e contribuição social pagos (374) (5.159) (1.473) (11.952) Caixa líquido gerado pelas atividades operacionais (11.218) (5.663) 33.959 (130.259) Fluxos de caixa das atividades de investimento Aquisição de imobilizado (220) (3.137) (514) (3.509) Alienação imobilizado 207 – 207 43 Aquisição de ativos intangíveis (14) (143) (4.873) (914) Aquisição de participação societária (15.340) (128.145) – (45) Alienação de investimento 6.679 – 6.679 – Dividendos recebidos 53.486 12.600 – – Caixa líquido usado nas atividades de investimento 44.798 (118. 825) 1.499 (4.425) Fluxos de caixa das atividades de financiamento Recursos provenientes de emissão de ações 200 15.767 200 15.767 Compra de ações em tesouraria (10.314) – (10.314) – Valores concedidos à controladas (5.716) (1.805) – – Dividendos distribuídos (12.958) (12.620) (12.958) (14.045) Caixa líquido usado nas atividades de financiamento (28.788) 1.342 (23.027) 1.722 Aumento (redução) de caixa e equivalentes de caixa 4.792 (123.146) 12.386 (132.962) Caixa e equivalentes de caixa no início do exercício 18.640 141.786 36.317 169.279 Caixa e equivalentes de caixa no final do exercício (Nota 4) 23.432 18.640 48.703 36.317

NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) 1. Informações gerais – A BR Advisory Partners Participações S.A. (“Companhia”), é uma sociedade Consolidado 2012 2011 anônima, constituída em 20 de fevereiro de 2009, com sede em São Paulo, Estado de São Paulo. 428 139 Tem por objeto social a participação em outras sociedades, nacionais ou estrangeiras, na qualidade Bancos – Conta corrente e caixa 48.275 36.178 de sócia, quotista ou acionista, e a administração de bens próprios. Seu controlador direto é a BR Depósitos bancários de curto prazo 36.317 48.703 Partners Holdco Participações Ltda. e, em conjunto com as respectivas empresas controladas (“Grupo BR Partners”), compartilha as estruturas e os custos corporativos, gerenciais e operacionais. A Com- Os saldos de recursos em bancos são registrados pelos valores depositados no Banco Bradesco panhia participa como controladora das seguintes empresas: S.A. e os depósitos bancários de curto prazo referem-se principalmente a operações, lastreadas em % parti- debêntures, remuneradas a 99,5% do CDI e possuem liquidez imediata, com prazo de vencimento cipação de até 90 dias. Companhias controladas Principais atividades desenvolvidas 2012 2011 5. Ativos financeiros a valor justo por meio do resultado Companhia • BR Partners Assessoria Prestação de serviços de assessoria e consultoria 99,93 99,92 2012 2011 Financeira Ltda. Mantidos para negociação Prestação de serviços de consultoria e assessoria – 99,99 • BR Partners Investimentos Certificados de depósitos bancários 103 – a empresas e fundo de investimento Imobiliários S.A. (anteriorCotas de Fundo de Investimento mente BR Partners ConsulBR Partners Logística Fundo de Investimento em Participações(*) 3.492 – toria Especializada Ltda.) BR Partners Outlet Premium Fundo de Investimento em Participações(*) 9.718 – • BR Partners Gestão de Administração de carteira de títulos e valores 99,95 99,92 Ações de Companhias Fechadas Recursos Ltda. mobiliários e de gestão de recursos de terceiros Jaux Holdings S.A. 684 5.299 Prestação de serviços de assessoria e consultoria 99,99 99,99 • BR Partners Assessoria Rodobens Negócios Imobiliários S.A. 3.571 – na estruturação de operações de abertura e de Mercados de Capitais e 5.299 17.568 fechamento de capital Dívidas Ltda. (*) A Companhia não é cotista exclusivo dos fundos. • BR Partners Europe B.V. Consultoria em gestão empresarial 100,00 100,00 Consolidado • BR Partners Participações Participação em outras sociedades, nacionais ou 100,00 97,00 2012 2011 Financeiras Ltda. estrangeiras Mantidos para negociação As notas explicativas da administração são parte integrante das demonstrações financeiras Letras do Tesouro Nacional 15.291 – A emissão destas demonstrações financeiras foi autorizada pela administração em 27 de fevereiro Certificados de depósitos bancários 258 – de 2013. S.A. (anteriormente denominada BR Partners Consultoria Especializada Ltda.) para o Outlet Premium Cotas de Fundo de Investimento 2. Resumo das principais políticas contábeis – As demonstrações financeiras foram elaboradas Fundo de Investimento em Participações. Em 31 de dezembro de 2012, no saldo de contas a receber BR Partners Logística Fundo de Investimento em Participações 3.492 – pela Companhia de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil para pequenas e médias de clientes e outros recebíveis, não foi reconhecida provisão para créditos de liquidação duvidosa, BR Partners Outlet Premium Fundo de Investimento em Participações 9.718 – empresas – Pronunciamento Técnico CPC PME – Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas, uma vez que não foram identificadas situações que caracterizassem inadimplência. 7. Transações Total Fundo de Investimento Multimercado Investimento no Exterior (**) 117.731 122.104 emitido pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). As principais políticas contábeis aplicadas com partes relacionadas – A Companhia é controlada pela BR Partners Holdco Participações Ltda., Fundo de Investimento BR Global FIM Macro (**) – 20.095 na preparação destas demonstrações financeiras estão descritas a seguir. Essas políticas foram a qual detém 54,69% das ações da sociedade. A participação remanescente é distribuída entre outros Ações de Companhias Fechadas aplicadas de modo consistente nos exercícios apresentados, salvo quando indicado de outra forma. acionistas. As seguintes transações foram conduzidas com partes relacionadas: Jaux Holdings S.A. 684 5.299 2.1. Base de preparação e apresentação: As demonstrações financeiras foram elaboradas e estão (a) Dividendos a receber – Companhia Rodobens Negócios Imobiliários S.A. 3.571 – sendo apresentadas de acordo com o CPC para PMEs (R1). A preparação de demonstrações finanBR Partners BR Partners BR Partners BR Partners 150.745 147.498 ceiras em conformidade com o CPC PMEs (R1) requer o uso de certas estimativas contábeis e Asses. Particip. Gestão de Banco de também o exercício de julgamento por parte da administração da Companhia no processo de aplica- (**) A Companhia é cotista exclusivo do fundo, cuja carteira é composta principalmente de títulos Financeira Financeiras Recursos Investimento ção das políticas contábeis. 2.2. Demonstrações financeiras consolidadas: A Companhia consolipúblicos federais, LFT com vencimento em 2015, LTN com vencimento até 2015, NTN-B com Ltda. Ltda. Ltda. S.A. Total dou integralmente as demonstrações financeiras de todas as empresas controladas. Considera-se vencimento até 2016 e NTN-O com vencimento até 2013. 2.025 – – – 2.025 existir controle quando a Companhia tem o poder de controlar as políticas financeiras e operacionais 6. Contas a receber de clientes e outros recebíveis – O “Contas a receber de clientes”, no Conso- Em 31/12/2011 de uma entidade para auferir benefícios de suas atividades. As demonstrações financeiras consoli- lidado, em 2012, é composto substancialmente por prestação de serviços de consultoria financeira, Dividendos a receber 62.865 940 2.282 2.345 68.432 dadas incluem as demonstrações financeiras da companhia e de suas controladas. Na consolidação no montante de R$ 15.693, despesas a serem reembolsadas pelos clientes, de R$ 1.628 e valores a – – (2.345) (53.486) Dividendos recebidos (51.141) foram eliminados os saldos e as transações entre as companhias, através dos seguintes procedimen- receber de R$ 1.054 referente à venda das ações da empresa BR Partners Investimentos Imobiliários Em 31/12/2012 13.749 940 2.282 – 16.971 tos: a) eliminação dos saldos das contas de ativos e passivos entre as empresas consolidadas. b) eliminação dos saldos de investimentos da controladora com os saldos de capital, reserva e lucros (b) Contas a receber de partes relacionadas BR Partners BR Partners BR Partners BR Partners BR Partners Partners BR Partners (prejuízos) acumulados das controladas. c) destaque do valor da participação dos acionistas não Holdco Asses. Asses. Merc. Particip. Banco de Gestão Invest. BR de controladores nas demonstrações financeiras consolidadas. 2.3. Moeda funcional e moeda de Participações Financeira Capitais e Financeiras Investimento Recursos Imobiliários apresentação: Os itens incluídos nas demonstrações financeiras são mensurados de acordo com a Ltda. Ltda. Dívidas Ltda. Ltda. S.A. Ltda. S.A. Total moeda do principal ambiente econômico no qual a empresa atua (“moeda funcional”). As demonstraEm 1º de janeiro de 2.011 – 24 200 1 – 3 – 228 ções financeiras estão apresentadas em milhares de reais, que é a moeda funcional da Companhia Valores concedidos – 1.977 – 6 15 – 10 2.008 e, também, a sua moeda de apresentação. 2.4. Caixa e equivalentes de caixa: Caixa e equivalentes Pagamentos recebidos – – (200) – – (3) – (203) de caixa incluem dinheiro em caixa, depósitos bancário, outros investimentos de curto prazo de alta – 2.001 – 7 15 – 10 2.033 liquidez, com vencimentos originais de até três meses. 2.5. Instrumentos Financeiros: A Companhia Em 31 de dezembro 2.011 Valores concedidos 10 534 156 7.692 1 – 91 8.484 classifica seus ativos financeiros como mensurados ao valor justo por meio do resultado. A classifiPagamentos recebidos (10) (2.535) (156) (30) (16) – (21) (2.768) cação depende da finalidade para a qual os ativos financeiros foram adquiridos. A Administração – – – 7.669 – – 80 7.749 determina a classificação de seus ativos financeiros no reconhecimento inicial. (a) Ativos financeiros Em 31 de dezembro 2.012 mensurados ao valor justo por meio do resultado: Os ativos financeiros mensurados ao valor justo (c) Remuneração do pessoal-chave: O pessoal-chave da administração inclui os diretores e todos os administradores da Companhia e do Grupo. A remuneração paga ou a pagar ao pessoal-chave da por meio do resultado são ativos financeiros mantidos para negociação, ativa e frequente, ou assim administração por serviços prestados considera apenas benefícios de curto prazo. designados em seu reconhecimento inicial. Os ativos dessa categoria são classificados como ativos 8. Investimentos em Controladas – A Companhia possui em 31 de dezembro de 2012 os seguintes investimentos: circulantes. Os ganhos ou as perdas decorrentes das variações desses ativos mensurados ao valor 2012 2011 justo por meio do resultado são apresentados em “Receitas financeiras “ no período em que ocorrem. BR Partners Investimentos e Novos Negócios Ltda. – 127.345 1 – Os valores justos dos investimentos com cotação pública são baseados nos preços atuais de compra. BR Partners Corretora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. 600 38.317 Para os ativos financeiros sem mercado ativo ou cotação pública, a Companhia estabelece o valor BR Partners Assessoria Financeira Ltda. 4.710 61 justo através de técnicas de avaliação. Essas técnicas incluem o uso de operações recentes contra- BR Partners Assessoria de Mercados de Capitais e Dívidas Ltda. 142.019 – tadas com terceiros, a referência a outros instrumentos que são substancialmente similares, a análise BR Partners Participações Financeiras Ltda. 1.999 1.814 de fluxos de caixa descontados e os modelos de precificação de opções, quando aplicável, que fazem BR Partners Gestão de Recursos Ltda. 3.874 45 o maior uso possível de informações geradas pelo mercado e contam o mínimo possível com infor- BR Partners Europe BV 153.203 167.582 mações geradas pela administração da própria entidade. A Companhia avalia, na data do balanço, se há evidência objetiva de que um ativo financeiro ou um grupo de ativos financeiros está registrado A movimentação dos saldos de investimento no exercício findo em 31 de dezembro de 2012 segue abaixo: por valor acima de seu valor recuperável (impairment). 2.6. Contas a receber de clientes e outros Integralização/ Resultado de Dividendos Alienação/ recebíveis: As contas a receber de clientes são inicialmente reconhecidas pelo valor da transação e aumento equivalência recebidos/ Transferência subsequentemente mensuradas pelo custo amortizado com o uso do método da taxa de juros efetiva 2011 de capital patrimonial a receber de investimento 2012 menos a provisão para créditos de liquidação duvidosa. Uma provisão para créditos de liquidação BR Partners Banco de Investimentos duvidosa é constituída quando existe uma evidência objetiva de que a Companhia não receberá todos (anteriormente denominada BR Partners Investimentos e Novos Negócios Ltda.) 127.345 – 2.019 (2.345) (127.019) – os valores devidos de acordo com as condições originais das contas a receber. 2.7. Investimento em BR Partners Corretora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. – 1 – – – 1 controladas: Controladas são todas as entidades cujas políticas financeiras e operacionais podem BR Partners Assessoria Financeira Ltda. 38.317 – 27.642 (65.359) – 600 ser conduzidas pela Companhia para se beneficiar de suas atividades, geralmente com uma partici- BR Partners Assessoria de Mercados de Capitais e Dívidas Ltda. 61 5.300 (651) – – 4.710 pação acionária de mais da metade dos direitos de voto. As controladas são integralmente consoli- BR Partners Participações Financeiras Ltda. – 142.019 940 (940) – 142.019 dadas a partir da data em que o controle é transferido para a Companhia e deixam de ser consolida- BR Partners Gestão de Recursos Ltda. 1.814 – 2.468 (2.283) – 1.999 das a partir da data em que o controle cessa. As operações entre as empresas do Grupo, bem como BR Partners Investimentos Imobiliários S.A. os saldos, os ganhos e as perdas não realizados nas operações entre a Companhia e suas contro(anteriormente denominada BR Partners Consultoria Especializada Ltda.) – 7.700 226 – (7.926) – ladas foram eliminados. As perdas entre as empresas do Grupo são também eliminadas, exceto no BR Partners Europe BV 45 2.340 1.489 – – 3.874 caso de perda do valor recuperável, quando então, devem ser reconhecidas nas demonstrações 167.582 157.360 34.133 (70.927) (134.945) 153.203 financeiras consolidadas. 2.8. Imobilizado: Os itens do imobilizado são demonstrados ao custo histórico de aquisição menos o valor da depreciação e de qualquer perda não recuperável acumulada. • BR Partners Investimentos Imobiliários S.A. (anteriormente denominada BR Partners Financeiras Ltda. e BR Advisory Partners Participações S.A. decidiram alienar ao BR Partners Banco O custo histórico inclui os gastos diretamente atribuíveis necessários para preparar o ativo para o uso Consultoria Especializada Ltda.) – Empresa tem como objeto social a prática das seguintes ope- de Investimento S.A. ações ordinárias de emissão de sua titularidade. O acionista BR Partners Partipretendido pela administração. A depreciação de ativos é calculada usando o método linear para rações e atividades: realização de planejamento, desenvolvimento, implantação e investimentos na cipações Financeiras Ltda. alienou 14.998.999 (quatorze milhões, novecentos e noventa e oito mil e alocar custos, menos o valor residual, durante a vida útil, que é estimada como segue: • Máquinas e área imobiliária, nomeadamente em Shopping Centers e Outlets e em atividades correlatas, como novecentos, noventa e nove) ações ordinárias de sua titularidade e o acionista BR Advisory Partners equipamentos – dez anos; • Instalações – dez anos; • Móveis e utensílios – dez anos; • Equipamentos empreendedora, incorporadora, construtora, locadora e assessoria, exploração e gestão de imóveis Participações S.A. alienou 1.000 (um mil) ações ordinárias de sua titularidade, no valor de R$15.015. de informática e telefonia – cinco anos. 2.9. Ativos intangíveis: As licenças de software adquiridas próprios e/ou de terceiros e de estabelecimentos comerciais e a prestação de serviços conexos em • BR Partners Banco de Investimentos (anteriormente denominada BR Partners Investimentos são demonstradas pelo custo histórico menos amortização e perdas por impairment acumuladas. operações imobiliárias de imóveis próprios e/ou de terceiros; e participação em outras sociedades e Novos Negócios Ltda.) – O BR Partners Banco de Investimento S.A. tem por objeto social a prática Todos os ativos intangíveis são considerados como tendo uma vida útil definida. A amortização é empresárias e/ou em fundos de investimentos imobiliários. Em 01 de junho de 2012, foi deliberado de operações ativas, passivas e acessórias inerentes à carteira de investimento e câmbio. Em 30 calculada pelo método linear para alocar o custo das licenças de software adquiridas durante a vida o aumento de capital no montante de R$ 7.700, passando o capital da Sociedade de R$ 10 para de abril de 2012, conforme a 3ª Alteração do Contrato Social a BR Advisory Partners Participações útil estimada em cinco anos. 2.10. Provisões para perdas por impairment em ativos não financei- R$ 7.710 mediante a criação de 770.000.000 (setecentos e setenta milhões) de novas quotas, com S.A. cede e transfere 124.999.999 (cento e vinte e quatro milhões, novecentos e noventa e nove mil, ros: Os ativos não financeiros são revisados anualmente para verificação do valor recuperável. Quando valor nominal de R$ 0,01 (um centavo de real) cada uma conforme 5º alteração e consolidação do novecentos e noventa e nove) quotas para a BR Partners Participações Financeiras Ltda., no valor houver indício de perda do valor recuperável (impairment), o valor contábil do ativo será testado. Uma contrato social. Em 02 de julho de 2012, através da 6ª alteração do contrato social, o tipo societário de R$ 125.000. Em ata de assembleia foi deliberado o aumento de capital no montante de R$ 2.750. perda é reconhecida pelo valor em que o valor contábil do ativo exceda seu valor recuperável. Este BR Partners Consultoria Especializada Ltda. é alterada para sociedade por ações passando a ser • BR Partners Europe B.V. – Empresa com sede em Amsterdam, Holanda, cujo objeto social são último é o valor mais alto entre o valor justo de um ativo, menos as despesas de venda, e o valor em denominada BR Partners Investimentos Imobiliários S.A. Em 17 de dezembro de 2012 o acionista atividades de consultoria em gestão empresarial. Em 29 de fevereiro de 2012, conforme “Shareholder’s uso. Para fins de avaliação de perda, os ativos são agrupados nos níveis mais baixos para os quais controlador BR Advisory Partners Participações S.A. alienou 770.999.997 (setecentos e setenta Resolution” foi deliberado o aumento de capital no montante de EUR 1.019, equivalente a R$ 2.340, existam fluxos de caixa identificáveis separadamente (Unidades Geradoras de Caixa (UGCs)). Os milhões, novecentos e noventa e sete) ações da sua controlada BR Partners Investimentos Imobili- pela sócia BR Advisory Partners Participações S.A. ativos não financeiros que tenham sofrido redução, com exceção do ágio, são revisados para identi- ários S.A. (anteriormente denominada BR Partners Consultoria Especializada Ltda.) à BR Partners 9. Imobilizado Companhia ficar uma possível reversão da provisão para perdas por impairment na data do balanço. 2.11. For- Outlet Premium Fundo de Investimento em Participações pelo valor de R$ 7.730, sendo que 3 (três) Equip. Móveis, necedores: As contas a pagar aos fornecedores são inicialmente reconhecidas pelo valor justo. 2.12. ações remanescentes permanecerão com os conselheiros de administração, conforme contrato de Insta- informática Máquinas utensílios Capital social: As ações ordinárias e preferenciais são classificadas no patrimônio líquido. 2.13. compra e venda de ações, apurando um prejuízo na venda de R$ 196. • BR Assessoria de Merca- Custo lações e telefonia e equip. e equip. Outros Total Reconhecimento da receita: A receita compreende o valor justo da contraprestação recebida ou a dos de Capitais e Dívidas Ltda. – Empresa prestadora de serviços de assessoria e consultoria na Em 1º de janeiro de 2012 5.253 663 243 803 74 7.036 receber pela prestação de serviços no curso normal das atividades da Companhia. A receita é apre- estruturação de operações de abertura e fechamento de capital, captação de recursos no mercado Adições 14 168 – 38 – 220 sentada líquida de impostos, devoluções, abatimentos e descontos. A Companhia reconhece a receita financeiro e de capitais, reestruturação de dívidas, securitização de recebíveis e demais operações Baixas (40) (118) (49) – – (207) quando: (i) o valor da receita pode ser mensurado com segurança; (ii) é provável que benefícios relacionadas, dentro e fora do território nacional. Em 07 de fevereiro de 2012, conforme a 8ª Altera44 195 426 – – Transferências (665) econômicos futuros fluam para a entidade e (iii) quando critérios específicos tiverem sido atendidos ção e Consolidação do Contrato Social, foi deliberado o aumento de capital no montante de R$ 300, 757 389 1.267 74 7.049 Em 31 de dezembro de 2012 4.562 para a atividade da Companhia, conforme descrição a seguir. A receita e despesa financeira é reco- mediante a criação de 30.000.000 (trinta milhões) de novas quotas com valor nominal de R$ 0,01 Depreciação acumulada nhecida usando o método da taxa de juros efetiva. 2.14. Imposto de renda e contribuição social (um centavo de real) cada uma pela sócia BR Advisory Partners Participações S.A. Em 16 de julho Em 1º de janeiro de 2011 (487) (141) (21) (77) – (726) corrente: As despesas fiscais do exercício compreendem o imposto de renda e contribuição social de 2012, conforme a 9ª Alteração e Consolidação do Contrato Social, foi deliberado o aumento Depreciação anual (519) (152) (19) (87) (14) (791) corrente. Os encargos do imposto de renda e contribuição social corrente são calculados com base de capital no montante de R$ 5.000, mediante a criação de 500.000.000 (quinhentos milhões) de (41) (87) – (7) Transferências 141 (20) nas leis tributárias em vigor na data do balanço. A Companhia apurou o imposto de renda e a contri- novas quotas com valor nominal de R$ 0,01 (um centavo de real) cada uma pela sócia BR Advisory (313) (81) (251) (14) (1.524) Em 31 de dezembro de 2012 (865) buição social pelo regime tributário do lucro real. 2.15. Distribuição de dividendos: A distribuição de Partners Participações S.A. • BR Partners Assessoria Financeira Ltda. – Empresa prestadora de Valor contábil dividendos para os acionistas da Companhia é reconhecida como passivo nas demonstrações serviços de assessoria e consultoria financeira, particularmente em finanças corporativas, incluindo 522 222 726 74 6.310 Em 1º de janeiro de 2011 4.766 financeiras, no período em que a distribuição é aprovada por eles, ou quando da proposição do fusões, aquisições, vendas, incorporações, cisões, reestruturações societárias e demais operações Em 31 de dezembro de 2012 3.697 444 308 1.016 60 5.525 dividendo mínimo obrigatório previsto no Estatuto da Companhia. de intermediação de participações societárias, dentro e fora do território nacional, e a participação Consolidado 3. Gestão de risco financeiro – Os riscos financeiros das operações estão diretamente ligados aos no capital de outras sociedades de qualquer natureza, nacionais ou estrangeiras, na qualidade de Equip. Móveis, riscos dos ativos detidos pela Companhia, ainda que mantenha sistema de gerenciamento de riscos, sócia ou quotista. Em dezembro de 2012 houve apuração do montante de R$ 2.494 referente a Insta- informática Máquinas utensílios não há garantia de completa eliminação da possibilidade de perdas. Dentre os fatores de risco a que distribuição desproporcional de dividendos à sócia BR Advisory Partners Participações S.A. Durante lações e telefonia e equip. e equip. Outros Total a Companhia pode estar sujeita, destacam-se os seguintes: • Risco de mercado: o valor dos ativos, o exercício de 2012, houve o pagamento de dividendos de R$ 39.520. Em 31 de dezembro de 2012, Custo Em 1º de janeiro de 2012 5.293 1.149 256 802 74 7.574 especificamente seus instrumentos financeiros, pode variar em função de flutuações nas taxas de foram destinados dividendos referente ao próprio ano no montante de R$ 25.370 sendo que R$ 11.621 Adições 88 386 1 39 – 514 juros, preços e cotações de mercado; • Risco de crédito: consiste no risco de inadimplemento ou atraso foram pagos antecipadamente. • BR Partners Gestão de Recursos Ltda. – Prestadora de serviços Baixas (40) (118) (49) – – (207) no pagamento de juros ou principal pelos emissores dos ativos ou pelas contrapartes das operações, de administração de carteira de títulos e valores mobiliários e de gestão de recursos de terceiros, a 44 195 426 – – Transferências (665) podendo ocasionar, conforme o caso, a redução de ganhos ou mesmo perdas financeiras até o atuação nos mercados financeiros e de capitais como gestor ou administrador de fundos de invesEm 31 de dezembro de 2012 4.676 1.461 403 1.267 74 7.881 valor das operações contratadas e não liquidadas; • Riscos de liquidez: possibilidade de ocorrência timento em geral, nos termos da regulamentação aplicável, e a participação em outras sociedades Depreciação acumulada de desequilíbrios entre ativos negociáveis e passivos exigíveis que possam afetar a capacidade de como sócia, quotista ou acionista, no Brasil e no exterior, quaisquer que sejam seus objetos. Em 31 Em 1º de janeiro de 2011 (487) (185) (21) (77) – (770) pagamento da Companhia, levando-se em consideração as diferentes moedas e prazos de liquidação de dezembro de 2012, foi destinado dividendos referente aos lucros acumulados de R$ 2.283. • BR Depreciação anual (524) (258) (21) (87) (14) (904) de seus direitos e obrigações. Partners Participações Financeiras Ltda. – Empresa de participações no BR Partners Banco de (41) (87) – (7) Transferências 141 (20) 4. Caixa e equivalentes de caixa Companhia Investimento S.A. (anteriormente denominada BR Partners Investimentos e Novos Negócios Ltda.) e BR (436) (83) (251) (14) (1.681) Em 31 de dezembro de 2012 (870) 2012 2011 Partners Corretora de Títulos e Valores Mobiliários S.A., na qualidade de sócia, acionista ou quotista. Bancos – Conta corrente e caixa 34 25 Conforme alteração do contrato social de 3 de fevereiro de 2012, foi aprovado o aumento de capital Valor contábil 964 235 725 74 6.804 Em 1º de janeiro de 2011 4.806 Depósitos bancários de curto prazo 23.398 18.615 social no montante de R$ 15.000. Em 31 de dezembro de 2012, foi destinado dividendos referente ao Em 31 de dezembro de 2012 3.806 963 320 1.051 60 6.200 18.640 23.432 próprio ano de R$ 940. Em 2 de janeiro de 2013, os acionistas da Corretora, BR Partners Participações

www.brap.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

18 -.ECONOMIA/LEGAIS

sábado, domingo e segunda-feira, 9, 10 e 11 de março de 2013

BR Advisory Partners Participações S.A. CNPJ/MF nº 10.739.356/0001-03

… continuação das Notas Explicativas da Administração às Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2012 (em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) 10. Ativos intangíveis p Companhia Licença ç de uso de software Software Total Custo Em 1º de janeiro de 2012 Adições Baixas Transferências Em 31 de dezembro de 2012 Amortização acumulada Em 1º de janeiro de 2012 Amortização anual Transferências Em 31 de dezembro de 2012 Valor contábil Em 1º de janeiro de 2012 Em 31 de dezembro de 2012

292 14 – ((35) 271

9 – – – 9

301 14 – (35) ( 280

(58) (60) 7 ((111)

– – – –

(58) (60) 7 ( (111 )

234 160

9 9

243 169

Consolidado Á Licença de Ágio na aquisição uso desoftware Software de investimento Total Custo Em 1º de janeiro de 2012 Adições Transferências Em 31 de dezembro de 2012 Amortização acumulada Em 1º de janeiro de 2012 Amortização anual Transferências Em 31 de dezembro de 2012 Valor contábil Em 1º de janeiro de 2012 Em 31 de dezembro de 2012

432 213 ((35) 610

657 160 – 917

(64) (99) 7 ( ) (156

(51) (132) – (183 ( )

368 454

606 634

– 4.500 – 4.500

1.089 4.873 (35) ( 5.927

– – – –

(115) (231) 7 ( (339 )

– 4.500

974 5.588

11. Patrimônio líquido – (a) Capital social: Quantidade de ações emitidas e g ( totalmente integralizadas (milhares) Em 1º de janeiro de 2012– ações ordinárias 48.631 Em 1º de janeiro de 2012 – ações preferenciais 45.294 Ações ordinárias emitidas 2.333 Ações preferenciais emitidas 2.068 ( Ações preferenciais em tesouraria (5.144) Em 31 de dezembro de 2012 – ações ordinárias 50.964 Em 31 de dezembro de 2012 – ações preferenciais 42.218 As ações ordinárias e preferenciais são todas nominativas e sem valor nominal. A totalidade das ações da Companhia encontravam-se em circulação nas datas dos encerramentos dos exercícios de 2012 e 2011. Cada ação ordinária corresponderá a um voto nas deliberações de assembleias gerais e as ações preferenciais não conferirão aos seus titulares direito de voto. As ações preferenciais conferem a seus titulares a prioridade no reembolso do capital no caso da liquidação da Companhia. Os aumentos de capital social da Companhia poderão ser efetuados por deliberação da assembleia geral, no

DIRETORIA Diretor Presidente – Ricardo Fleury Cavalcanti de Albuquerque Lacerda

todo ou em parte, mediante a emissão de ações preferenciais até o limite legal. Em 13 de janeiro de 2011, a Companhia procedeu o aumento de seu capital no montante de R$ 2.593, mediante emissão de 1.399 milhares de ações preferenciais. Em 30 de junho de 2011, mediante a emissão de 3.665 milhares de ações ordinárias, procedeu o aumento de seu capital no montante de R$ 10.767. Em 31 de janeiro de 2012, a Companhia procedeu a capitalização de reservas no montante de R$ 8.626 mediante emissão de 2.333 milhares de ações ordinárias e 2.068 milhares de ações preferenciais. A assembleia geral poderá, observado o limite legal, emitir ações preferenciais de classe diversa da já existente ou aumentar classe de ações preferenciais sem guardar proporção com as demais. Na mesma assembleia foi deliberado o aumento de capital no montante de R$ 200. Em 09 de fevereiro de 2012 a Companhia e seu então acionista Brapinvest IV Fundo de Investimento em Participações celebraram um Contrato de Compra e Venda de Ações e Outras Avenças onde a Companhia adquiriu daquele acionista 5.143.726 ações preferenciais por R$ 10.314. O preço será integralmente pago mediante dação em pagamento de bônus de subscrição, cujos termos e condições continuam em negociação entre as partes. As ações adquiridas encontram-se em tesouraria. (b) Reserva de lucros: A reserva legal é constituída anualmente como destinação de 5% do lucro líquido do exercício e não poderá exceder a 20% do capital social. A reserva legal tem por fim assegurar a integridade do capital social e somente poderá ser utilizada para compensar prejuízo e aumentar o capital. “Outras reservas” refere-se à retenção do saldo remanescente de lucros acumulados, em observância ao artigo 196 da Lei das Sociedades por Ações. (c) Dividendos: Os acionistas terão direito a um dividendo obrigatório não cumulativo correspondente a totalidade do lucro liquido ajustado. Conforme previsto no Contrato Social da Companhia, é assegurado aos acionistas detentores de ações preferenciais um dividendo fixo, calculado como segue: Dividendo fixo = Lucro líquido ajustado X 0,6 quantidade de ações preferenciais q j , Xq ç p Quantidade total de ações ordinárias e preferenciais O Lucro líquido ajustado refere-se ao lucro líquido, acrescido da parcela de participação nos lucros dos executivos, quando aplicável. Dividendos intermediários e juros sobre o capital próprio serão sempre considerados como antecipação do dividendo fixo e do mínimo obrigatório. Em 2012 foram destinados dividendos intercalares conforme previsto no estatuto social no montante de R$ 12.540. Em 30 de junho de 2011, mediante aprovação da Assembleia Geral Extraordinária, o Grupo procedeu a distribuição de R$ 12.620 de dividendos intercalares ao seu acionista controlador direto. Adicionalmente, durante o exercício findo em 31 de dezembro de 2012, foram pagos ou destinados dividendos desproporcionalmente à respectiva participação, no montante de R$ 2.494 (2011 – R$ 1.425), aos quotistas não controladores da BR Partners Assessoria Financeira Ltda. O acordo de acionistas determina que o lucro líquido apurado até 31 de dezembro de 2012, deduzidos os dividendos intercalares serão capitalizados em uma ou mais assembleias convocadas para esse fim mediante a emissão de novas ações preferenciais e ordinárias. 12. Receitas de serviços – A Receita de serviços prestados está substancialmente representada por serviços de consultoria prestados pela BR Partners Assessoria Financeira Ltda. e BR Partners Europe BV, no montante de R$ 19.398 (2011 – R$ 34.198) e R$ 31.161 respectivamente, e serviços de gestão de recursos pela BR Partners Gestão de Recursos Ltda. no montante de R$ 4.906, líquida. 13. Despesas administrativas Companhia p 2012 2011 Despesas com aluguéis – 1.259 Despesas de propaganda e publicidade 275 – Despesas de serviços profissionais 71 1.171 Despesas com pessoal 145 1.226 Despesas de comunicação – 562 Despesas de viagens 70 117 Despesas de depreciação e amortização 851 645 Outros 62 45 1.474 5.025

Diretor – Renato Naigeborin

14. Imposto de renda e contribuição social Companhia p Imposto de Renda Contribuição Social Resultado antes da tributação sobre o lucro 38.229 38.229 Alíquota (25% de IR e 9% de CSLL) (9.533) (3.441) Adições/Exclusões Permanentes (369) (133) Adições/Exclusões Temporárias 853 307 Adições/Exclusões de Equivalência Patrimonial 8.533 3.072 Diferenças temporárias Constituição/Reversão do Período (942) (339) Despesa com IRPJ/CSLL ((1.458) ((533) A Companhia utiliza o método do lucro real para o cálculo do imposto de renda e da contribuição social, aplicando a taxa nominal sobre o montante de receitas financeiras apuradas no período (25% para Imposto de Renda e 9% para a Contribuição Social). No Consolidado, o cálculo do imposto de renda e da contribuição social de determinadas controladas utilizam o método do lucro real. Nas demais controladas, aplica-se o método do lucro presumido. Nas demais controladas o cálculo levou em consideração a taxa nominal do imposto de renda e da contribuição social, aplicadas sobre o montante de suas receitas operacionais (32% de presunção de lucro) e de suas receitas financeiras (25% para Imposto de Renda e 9% para a Contribuição Social). 15. Outras informações – (a) Contingências: Em 31 de dezembro de 2012 e 2011, a Companhia não é parte envolvida em processos trabalhistas, cíveis, tributários e outros. (b) Provisões tributárias p Companhia 2012 2011 Impostos correntes sobre o lucro do exercício (710) 90 Impostos diferidos ((1.281) 170 ((1.991) 260 Provisões tributárias Consolidado 2012 2011 Impostos correntes sobre o lucro do exercício 3.205 1.204 Impostos diferidos 1.332 892 Provisões tributárias 4.537 2.096 (c) Instrumentos financeiros derivativos: Durante os exercícios findos em 31 de dezembro de 2012 e 2011 a Companhia e suas controladas não operaram com instrumentos financeiros derivativos. (d) Seguros: O Grupo possui um programa de gerenciamento de riscos com o objetivo de delimitá-los, contratando no mercado coberturas compatíveis com o seu porte e operação. As coberturas, relativas às instalações em sua sede, foram contratadas por montantes considerados suficientes pela administração para cobrir eventuais sinistros, considerando a natureza da sua atividade, os riscos envolvidos em suas operações. Em 31 de dezembro de 2012, o montante de prêmio pago/a pagar pelo Grupo totalizava R$ 5.

Diretor – José Flávio Ferreira Ramos

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou por erro. Responsabilidade Aos Administradores e Acionistas BR Advisory Partners Participações S.A. Examinamos as demonstrações financeiras individuais da BR Advisory Partners Participações S.A. (a dos auditores independentes: Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas “Companhia”) que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2012 e as respectivas demonstrações financeiras com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brademonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa para o exercício sileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas findo nessa data, bem como as demonstrações financeiras consolidadas da BR Advisory Partners pelo auditor e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável Participações S.A. e suas controladas (“Consolidado”) que compreendem o balanço patrimonial con- de que as demonstrações financeiras estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a solidado em 31 de dezembro de 2012 e as respectivas demonstrações consolidadas do resultado, execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e das das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa para o exercício findo nessa data, assim divulgações apresentados nas demonstrações financeiras. Os procedimentos selecionados dependem como o resumo das principais políticas contábeis e as demais notas explicativas. Responsabilidade do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações da administração sobre as demonstrações financeiras: A administração da Companhia é res- financeiras, independentemente se causada por fraude ou por erro. Nessa avaliação de riscos, o ponsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações financeiras de acordo auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das com as práticas contábeis adotadas no Brasil para pequenas e médias empresas - Pronunciamento demonstrações financeiras da Companhia para planejar os procedimentos de auditoria que são Técnico CPC PME - Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas, e pelos controles internos apropriados nas circunstâncias, mas não para expressar uma opinião sobre a eficácia desses conque ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações financeiras livres troles internos da Companhia. Uma auditoria inclui também a avaliação da adequação das políticas

Consolidado 2012 2011 2.647 2.436 1.231 6 11.026 4.176 12.235 7.355 1.202 – 260 – 170 179 166 128 961 520 359 370 1.035 804 3.364 261 34.656 16.235

Despesas com aluguéis Despesas de propaganda e publicidade Despesas de serviços profissionais Despesas com pessoal Despesas de processamento de dados Despesas de manutenção e conservação de bens Despesas de transportes Despesas de água, energia e gás Despesas de comunicação Despesas de viagens Despesas de depreciação e amortização Outros

CONTADOR Hideo Antonio Kawassaki – CRC 1SP 184007/O-5

contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações financeiras tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Opinião: Em nossa opinião, as demonstrações financeiras acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da BR Advisory Partners Participações S.A. e da BR Advisory Partners Participações S.A. e suas controladas (“Consolidado”) em 31 de dezembro de 2012, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa, bem como o desempenho consolidado de suas operações e os seus fluxos de caixa consolidados para o exercício findo nessa mesma data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis para pequenas e médias empresas.2. São Paulo, 11 de março de 2013 PricewaterhouseCoopers Maria José De Mula Cury Auditores Independentes Contadora CRC 2SP000160/O-5 CRC 1SP192785/O

www.brap.com.br

e

P U T R A T S

Só quando o projeto é bom, mas bom mesmo. Aí, chove (investimentos). Mas nem sempre é possível criar algo tão sensacional ou inédito. José Eduardo Amato Balian, professor da ESPM

conomia

São Paulo, um ambiente que lembra o Vale do Silício. A característica empreendedora forte é semelhante, assim como dificuldades de financiamento e de formação de equipe.

M

Rafael Hupsel/Folhapress

esmo com startups espalhadas por todo o País, conforme a base de dados da BizStart (confira no quadro da página 16), o ambiente de negócios favorável, as incubadoras, aceleradoras e escolas especializadas que existem em São Paulo fizeram com que a região ocupasse o 13º lugar no top 20 do relatório Startup Ecossystem Report 2012, do Startup Genome Project, diz Paolo Umberto Petrelli, diretor da AB Startup. A pesquisa é feita com base em índices como disponibilidade de capital, desempenho, talento, tipo de apoio e tendências. "É um dos melhores ecossistemas para startups no mundo, e o principal local para esse tipo de empresa no País", explica. José Eduardo Amato Balian, professor do curso de administração da ESPM – que tem uma incubadora de negócios com mais de 300 alunos empreendedores –, diz que, além de a cidade representar 40% do Produto Interno Bruto (PIB) do País, possui um ambiente propício que a aproxima do Vale do Silício, na Califórnia (o primeiro do relató-

13

é a posição da Capital paulista no ranking mundial de ecossistemas de startup por possuir incubadoras, aceleradoras e ambiente de negócio favorável.

A troca de informações entre grupos de investidores e empreendedores é fundamental para essa indústria rio, seguido por Tel Aviv, em Israel), com escolas renomadas de tecnologia e negócios e grupos de investidores que impulsionam essa indústria. "Aqui, há uma característica

empreendedora muito forte. Mas isso não quer dizer que não haja pessoas em outros estados com propensão a criar uma startup. Há muita gente com ideias legais, e as incubadoras, acele-

radoras e grandes eventos que aproximam empreendedores e investidores mostram que esse mercado está fervendo", complementa Balian. Mas as startups paulistanas

também encontram dificuldades, aponta a pesquisa – e semelhantes às encontradas no Vale do Silício. Entre elas, estão aquisição de clientes, construção do produto, financiamento e formação de equipe. Outro dado é que os empreendedores de São Paulo, ainda comparados aos do Vale do Silício, tem 59% menos chances de empreenderem em série. Já a média de idade deles é de 30,8 anos, e a maioria esmagadora, 93%, é formada por homens. (KL)

Os gringos estão de olho e têm dinheiro

A

promissora indústria de empresas inovadoras no País chama cada vez mais a atenção dos investidores estrangeiros. De acordo com o professor Cláudio Vilar Furtado, diretor executivo do GV Cepe, o capital proveniente do exterior é responsável por financiar em torno de 40% dessa indústria. Mas o

investimento não vai só para startups, explica Furtado, pois 46% dessas empresas estão em estágio inicial – ou seja, desde o seed capital (ou capital-semente) até o venture later estate (um segundo momento, quando o capital de risco investido está em andamento). "Desse montante, 7% são alocados no modelo startup", explica. "Isso

porque a predominância nesse tipo de empreendimento são soluções voltadas a softwares, internet, redes sociais ou comércio eletrônico, em que a criatividade pode ser aplicada rapidamente sem grande necessidade de investimento." Furtado menciona novamente que, o

investimento privado chega primeiro aos empreendedores com ideias muito boas e ampla visão de negócio. "Mesmo o Fundo Criatec (fundo de investimentos em capitalsemente lançado em 2007 pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES), por exemplo, que foi uma ideia fantástica, recebeu 3,6 mil

propostas de empreendedores em quatro anos. Mas apenas 36 foram investidos", diz, mencionando que a experiência brasileira não é diferente da norteamericana, mesmo que os laboratórios de pesquisa sejam bancados pelo governo com verbas milionários. O professor da ESPM, José

Eduardo Amato Balian, é da mesma opinião. Segundo ele, é muito difícil para esse tipo de empreendedor conseguir recursos no sistema financeiro ou com investidores. "Só quando o projeto é bom, mas bom mesmo. Aí, chove (investimentos). Mas nem sempre é possível criar algo tão sensacional ou inédito", diz. (KL)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 9, 10 e 11 de março de 2013

e

ECONOMIA/LEGAIS - 19 Em 2011 recebemos 12,1 milhões de turistas. No ano passado, foram 12,5 milhões. Luciane Leite, diretora de Turismo da SPTuris

conomia

Taxa de ocupação de hotéis caiu em São Paulo P ela primeira vez desde 2009, e apesar dos esforços de propaganda para atrair turistas para São Paulo, caiu a taxa de ocupação anual dos hotéis da Capital paulista. O ano de 2012 foi ruim para o setor. A ocupação média dos quartos no ano passado ficou em 65%, enquanto em 2011 o

setor comemorava o recorde de quase 70% de lotação. Os dados são da última pesquisa sobre meios de hospedagem da São Paulo Turismo (SP Turis). "Os números de agora têm mais a ver com a nossa realidade. O que houve em 2011 foi um pico de ocupação, algo atípico", afirma Toni

Sando, presidente executivo do São Paulo Convention & Visitors Bureau (SPCVB). Os preços também subiram: a diária média nos hotéis de São Paulo, hoje, é de R$ 295, ou 22% mais cara do que em 2011. O valor recorde foi em maio do ano passado, quando os quartos de hotel

chegaram a custar em média R$ 316. Para o setor, não houve um aumento, e sim uma "recuperação" dos preços, que estavam defasados. Toni Sando afirma que há uma falta de quartos em São Paulo em determinados períodos, como quando há shows internacionais, feiras e even-

tos. "É todo mundo querendo se hospedar no mesmo lugar, na mesma época. Se comercializássemos mais os quartos em datas alternativas, não haveria esse aumento no valor das diárias, puxado pela grande demanda e pouca oferta." A diretora de Turismo da SPTuris, Luciane Leite, afirma

que o turismo em São Paulo continua crescendo. "Em 2011 recebemos 12,1 milhões de turistas. No ano p a s s a d o , f o r a m 1 2 , 5 m ilhões", revela. Mas 76% do turismo de São Paulo é corporativo, ou seja, é gente que vem a trabalho e aproveita muito pouco a cidade. (EC)

BR Partners Banco de Investimento S.A. CNPJ/MF nº 13.220.493/0001-17 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas: Submetemos à apreciação de V. Sas. as Demonstrações Financeiras do BR Partners Banco de Investimento S.A., relativos ao exercício findo em 31 de dezembro de 2012, as quais seguem os dispositivos estabelecidos pelo Banco Central do Brasil. BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 2012 2011 Passivo Circulante 132.009 127.497 Circulante Disponibilidades 48 37 Outras obrigações (Nota 8) Aplicações Interfinanceiras de liquidez 12.080 15.251 Sociais e Estatutárias Aplicações no Mercado Aberto (Nota 5) 12.080 15.251 Fiscais e Previdenciárias Títulos e Valores Mobiliários e Instrumentos Diversas (Nota 8) Financeiros Derivativos 117.886 110.636 Exigível a Longo Prazo Carteira Própria (Nota 6) 117.886 110.636 Outras obrigações Outros Créditos 1.945 1.572 Diversas (Nota 8) Diversos (Nota 7) 1.945 1.572 Patrimônio Líquido Outros valores e bens 50 1 Capital Social – domiciliados no país Despesas antecipadas 50 1 Reservas de Lucros Permanente 1.210 927 Lucros acumulados Imobilizado de uso 581 371 Outras Imobilizações de Uso 669 377 Depreciações Acumuladas (88) (6) Intangível 629 556 Ativos Intangíveis 772 573 Amortizações Acumuladas ((143) ( (17) Total do Passivo e Patrimônio Líquido Total do Ativo 133.219 128.424 As notas explicativas da administração são parte integrante das demonstrações financeiras

2012 3.257 3.257 2.109 372 776 2.101 2.101 2.101 127.861 127.750 111 –

2011 1.079 1.079 – 36 1.043 – – – 127.345 125.000 – 2.345

133.219

128.424

NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) 1. Contexto operacional de não conformidade são comunicados à alta Administração que se reúne com o objetivo de avaliar e O BR Partners Banco de Investimento S.A. (“Banco”, “Banco BR Partners” ou “Instituição”), ante- monitorar tais eventos, de modo a garantir uma eficiente gestão dos riscos operacionais e mitigação riormente denominado BR Partners Investimentos e Novos Negócios Ltda., tem por objeto social a de possíveis perdas na Instituição. (b) Risco de mercado: Em conformidade com a Resolução nº prática de operações ativas, passivas e acessórias inerentes à carteira de investimento e câmbio. O 3.464/07 CMN o Banco BR Partners mantém estrutura específica para o gerenciamento dos riscos das Banco BR Partners é constituído sob a forma de sociedade por ações e domiciliado no Brasil, sendo operações sujeitas à variação cambial, taxa de juros, preços das ações e dos preços de mercadorias controlado diretamente pela BR Partners Participações Financeiras Ltda. e indiretamente pela BR (commodities) de suas transações. Este gerenciamento de risco de mercado é efetuado de forma Advisory Partners Participações S.A. As operações do Banco são conduzidas no contexto de um centralizada, por área administrativa que atua de forma independente a área de negócios. O Banco conjunto de instituições que atuam integradamente, e certas operações têm a co-participação ou a BR Partners realiza acompanhamentos diários dos níveis de exposição e assegura compatibilização intermediação de instituições integrantes do Grupo BR Partners. O benefício dos serviços prestados de suas posições frente aos limites regulatórios e operacionais. (c) Risco de liquidez: Objetivando o entre essas instituições e os custos das estruturas operacional e administrativa são absorvidos segundo gerenciamento da exposição ao risco de liquidez, o Banco adota instrumentos para controle de fluxo a praticabilidade e razoabilidade de lhes serem atribuídos, em conjunto ou Individualmente, por essas de caixa e previsão de necessidades ou excesso de recursos com devida antecedência, de tal forma instituições. A matriz do Banco está localizada na Avenida Brigadeiro Faria Lima, 3.355, na cidade de que seja possível a antecipação de medidas preventivas. Diariamente, a alta Administração recebe São Paulo. Em 30 de abril de 2012, através da Ata da Assembleia de Sócios, foi aprovado o Protocolo mapa para acompanhamento da reserva mínima de liquidez, que é utilizada para tomada de decisões e Justificação de Cisão Parcial e Incorporação do Acervo Líquido do Banco Porto Seguro S.A. (“BPS”) em conformidade com o Plano de Liquidez da Instituição. pelo Banco BR Partners, em sequência ao processo de aquisição pela BR Partners Participações 5. Aplicações interfinanceiras de liquidez Financeiras Ltda. das atividades privativas de instituições financeiras realizadas pelo BPS. Nessa Em 31 de dezembro de 2012, estavam constituídas por aplicações em compromissadas realizadas mesma data e com efeito a partir do dia 28 de abril de 2012 foi aprovada a alteração do tipo jurídico no mercado interbancário no valor de R$ 11.928 ( 2011 – R$ 15.251) lastreada em DI e indexada a da Instituição, de sociedade limitada para sociedade por ações, bem como sua denominação, de BR 101,1% do CDI com vencimento em 2015 sem carência no resgate e no valor de R$ 152 lastreadas em Partners Investimentos e Novos Negócios Ltda. para BR Partners Banco de Investimento S.A. Em 8 de debêntures indexada a 99,5% do CDI com vencimento em 2013 com carência já cumprida para resgate. junho de 2012, o Banco Central do Brasil (“BACEN”) autorizou o funcionamento da instituição, apro- 6. Títulos e valores mobiliários e instrumentos financeiros derivativos vando a transformação em banco de investimento e a realização de operações no mercado de câmbio. A carteira de títulos e valores mobiliários é composta por certificados de depósitos bancários (CDB) e aplicações em cotas de fundos de investimento classificados na categoria de “títulos para negociação”. A emissão das demonstrações financeiras foi autorizada pela diretoria em 27 de fevereiro de 2013. O valor de mercado dos CDBs representa o valor presente dos mesmos calculados com base no 2. Apresentação das demonstrações financeiras As demonstrações financeiras foram elaboradas de acordo com as Leis nº 11.638/07 e 11.941/09, custo atualizado acrescido dos rendimentos auferidos, lastreados a 98% do CDI, com vencimento em associadas às normas e instruções do BACEN e Conselho Monetário Nacional (“CMN”). Na elaboração 27 de julho de 2014. O valor da aplicação em cotas de fundos reflete o valor da última cota divulgada das demonstrações financeiras é necessário utilizar estimativas para contabilizar certos ativos, passivos pelo administrador do fundo, contemplando os resgates e aplicações do exercício. O custo atualizado e outras transações. As demonstrações financeiras da Instituição podem incluir, portanto, provisões (acrescido dos rendimentos auferidos) e o valor de mercado dos títulos e valores mobiliários em 31 necessárias para passivos contingentes, determinações de provisões para imposto de renda e outras de dezembro de 2012, são os seguintes: Classificação e composição da carteira Custo Valor de Mercado similares. Os resultados reais podem apresentar variações em relação às estimativas. O Comitê de Atualizado 2012 2011 Pronunciamentos Contábeis – (“CPC”) emitiu pronunciamentos relacionados ao processo de convergência contábil internacional, porém nem todos homologados pelo CMN. Os pronunciamentos contábeis Carteira própria 154 154 – já aprovados pelo BACEN são: • CPC – Pronunciamento conceitual básico R(1): homologado pela Certificados de depósitos bancários Resolução CMN nº 4.144/12; • CPC 01 (R1) – Redução ao valor recuperável de ativos – homologado Cotas de Fundo de investimento 117.732 117.732 90.541 pela Resolução CMN nº 3.566/08; • CPC 03 (R2) – Demonstrações dos fluxos de caixa – homologado Multimercado Investimento no Exterior (*) pela Resolução CMN nº 3.604/08; • CPC 05 (R1) – Divulgação sobre partes relacionadas – homologado BR Global Fundo de Investimento – – 20.095 pela Resolução CMN nº 3.750/09; • CPC 10 (R1) – Pagamento Baseado em Ações – homologado pela Multimercado Macro (*) 117.886 117.886 110.636 Resolução CMN nº 3.989/11; • CPC 23 – Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Total Erro – homologado pela Resolução CMN nº 4.007/11; • CPC 24 – Evento Subsequente – homologado (*) O Banco é cotista exclusivo dos fundos. pela Resolução CMN nº 3.973/11; • CPC 25 – Provisões, passivos contingentes e ativos contingentes O fundo de investimento Total Fundo de Investimento Multimercado Investimento no Exterior – Crédito – homologado pela Resolução CMN nº 3.823/09. Atualmente não é possível estimar quando o BACEN Privado é administrado pela BEM – Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. O Fundo é irá aprovar os demais pronunciamentos contábeis do CPC, nem tampouco se a utilização dos mesmos constituído sob forma de condomínio aberto com prazo indeterminado de duração, cuja estratégia será de forma prospectiva e retrospectiva para as demonstrações financeiras. de investimento é obter rentabilidade por meio de oportunidades oferecidas pelos mercados de taxa 3. Principais práticas contábeis de juros pós-fixadas e prefixadas, índices de preço, moeda estrangeira e renda variável, derivativos (a) Apuração do resultado: O resultado é apurado pelo regime de competência, que estabelece e commodities de forma que o Fundo fique exposto a vários fatores de risco, sem o compromisso de que as receitas e despesas devem ser incluídas na apuração dos resultados dos períodos em que concentração em nenhum fator em especial. Durante o exercício findo em 31 de dezembro de 2012 ocorrerem, sempre simultaneamente quando se correlacionarem, independentemente de recebimento e em 2011, a instituição não operou com instrumentos financeiros derivativos. ou pagamento. (b) Caixa e equivalentes de caixa: O caixa e equivalentes de caixa são representados 7. Outros créditos – Diversos por disponibilidades em moeda nacional e aplicações interfinanceiras de liquidez, com vencimentos 2012 2011 de até 3 meses e com risco insignificante de mudança de valor. (c) Aplicações interfinanceiras de Imposto de renda e contribuições a compensar 1.723 1.497 liquidez: As aplicações interfinanceiras de liquidez são avaliadas pelo custo de aquisição, atualizado Pagamentos a ressarcir (*) 214 73 pelas rendas auferidas até a data do balanço, deduzidas de provisão para desvalorização, quando Valores a receber de empresas ligadas – 1 aplicável. (d) Títulos e valores mobiliários e instrumentos financeiros derivativos: Os títulos e Diversos 8 1 valores mobiliários são registrados pelo custo de aquisição e ajustados a valor de mercado, apre- Total 1.945 1.572 sentados no Balanço Patrimonial conforme a Circular nº 3.068 do BACEN, sendo classificados de (*) Valores referentes a despesas gerais a serem reembolsadas pelos clientes na prestação de serviços. acordo com a intenção da Administração na categoria de “Títulos para negociação”, relativa a títulos 8. Outras obrigações adquiridos com o propósito de serem ativa e frequentemente negociados, apresentados no ativo (a) Fiscais e previdenciárias: Referem-se substancialmente a provisão de imposto de renda e circulante e avaliados pelo valor de mercado em contrapartida ao resultado do período. Os ganhos e contribuição social no valor de R$ 156, Pis e Cofins de R$ 60 e encargos trabalhistas no valor de perdas realizados e não realizados sobre esses títulos são reconhecidos no resultado. (e) Permanente: R$ 144. (b) Diversas Imobilizado de uso: Demonstrado ao custo de aquisição, deduzido da depreciação acumulada. As 2012 2011 depreciações são calculadas pelo método linear, com base em taxas anuais que contemplam a vida Provisões para pagamentos a efetuar – pessoal 277 121 útil-econômica dos bens, sendo móveis, instalações e equipamentos de comunicação – (10% ao Outras despesas administrativas 499 922 ano) e sistema de processamento de dados – (20% ao ano). Intangível: Correspondem aos direitos Credores diversos – País (*) 2.101 – adquiridos que tenham por objeto bens incorpóreos destinados à manutenção do Banco ou exercidos Total 2.877 1.043 com essa finalidade. Os ativos intangíveis com vida útil definida são amortizados no decorrer de um período estimado de benefício econômico. Compostos basicamente por softwares, que são registrados (*) Refere-se a obrigação por emissão de título remunerado à taxa Selic, como garantia do Porto Seguro Participações S.A. (anteriormente denominado Banco Porto Seguro S.A.) para possíveis contingênao custo, deduzido da amortização pelo método linear durante a vida útil estimada (20% ao ano), cias provenientes de processos administrativos ou judiciais caso exigidas ao Banco BR Partners. a partir da data da sua disponibilidade para uso. (f) Redução do valor recuperável de ativos não financeiros (impairment): O CPC 01 (R1) – “Redução ao valor recuperável de ativos”, aprovado 9. Imposto de renda, contribuição social Tributação sobre o resultado no exercício. pela Resolução CMN nº 3.566/08, estabelece a necessidade das entidades efetuarem uma análise Em milhares de reais Em milhares de reais periódica para verificar o grau de valor recuperável dos ativos imobilizado e intangível. Em 31 de período período dezembro de 2012, a Administração não identificou nenhuma perda em relação ao valor recuperável 1/1/12 a 28/4/12 29/4/12 a 31/12/12 de ativos não financeiros a ser reconhecida nas demonstrações financeiras. (g) Passivos circulante ContriContrie exigível a longo prazo: Demonstrados por valores conhecidos ou calculáveis, incluindo quando Imposto buição Imposto buição aplicável, os encargos incorridos. (h) Ativos e passivos contingentes e obrigações legais, fiscais e de renda Social de renda Social previdenciárias: O reconhecimento, a mensuração e a divulgação dos ativos e passivos contingentes, 3.053 3.053 356 356 e obrigações legais são efetuados de acordo com os critérios descritos definidos na Resolução nº Resultado antes da tributação sobre o lucro (764) (275) – – 3.823/09 e Carta-Circular nº 3.429 do BACEN. Contingências ativas – não são reconhecidas con- Alíquota (25% de IR e 9% de CSLL) Alíquota (25% de IR e 15% de CSLL) – – (89) (53) tabilmente, exceto quando da existência de evidências que propiciem a garantia de sua realização Adições/Exclusões Permanentes 6 (1) 16 (1) sobre as quais não cabem mais recursos. Contingências passivas – são reconhecidas contabilmente – – (17) (11) ( ) ( quando, baseado na opinião de assessores jurídicos e da administração, for considerado provável Adições/Exclusões Temporárias ((276) (90 ( ) ((65) ((758) o risco de perda de uma ação judicial ou administrativa, com uma provável saída de recursos para Despesa com IRPJ/CSLL 10. Patrimônio líquido a liquidação das obrigações e quando os montantes envolvidos forem mensuráveis com suficiente segurança. Os passivos contingentes classificados como perdas possíveis pelos assessores jurídicos (a) Capital social: O capital social totalmente subscrito e integralizado é representado por 127.750.000 são apenas divulgados em notas explicativas, enquanto aquelas classificadas como perda remota (cento e vinte e sete milhões, setecentos e cinquenta mil) ações ordinárias nominativas (2011 – não requerem provisão e divulgação. Obrigações legais – fiscais e previdenciárias – referem-se a 125.000.000 (cento e vinte e cinco de milhões de quotas)). Conforme Ata da Assembleia de Sócios demandas judiciais onde estão sendo contestadas a legalidade e a constitucionalidade de alguns de 30 de abril de 2012, foi deliberado o aumento de capital no montante de R$ 2.750, em moeda tributos e contribuições. (i) Imposto de renda, contribuição social, PIS e Cofins: Provisionados às corrente, mediante a incorporação da parcela cindida do Banco Porto Seguro S.A. pelo BR Partners alíquotas abaixo demonstradas, consideram, para efeito das respectivas bases de cálculo, a legislação Participações Financeiras Ltda., acionista majoritária do Banco, passando o capital social de R$ 125.000 vigente pertinente a cada encargo considerando a data em que foi alterado a atividade econômica para R$ 127.750, totalmente subscrito e integralizado, mediante a emissão de 2.750.000 (dois milhões, conforme a Ata da Assembleia de Sócios em 30 de abril de 2012, alterando seu objeto social para setecentos e cinquenta mil) ações com valor nominal de R$ 1,00 (um real) cada. (b) Reservas de lucros: A reserva legal é constituída anualmente como destinação de 5% do lucro líquido do exercício, exercer a atividade financeira. limitada a 20% do capital social. A reserva legal tem por fim assegurar a integridade do capital social Não financeira Financeira e somente poderá ser utilizada para compensar prejuízo e aumentar capital. (c) Dividendos e juros 1/1/12 à 28/4/12 29/4/12 à 31/12/12 sobre o capital próprio: Ao fim de cada exercício, os acionistas terão direito a um dividendo obrigatório Imposto de renda 15% 15% não cumulativo correspondente à totalidade do lucro líquido ajustado, podendo a diretoria informar aos Adicional de imposto de renda 10% 10% acionistas, com exposição justificada e aprovada por unanimidade em Assembleia Geral, deixar de Contribuição social 9% 15% distribuir lucros ou reter em reservas conforme a situação financeira do Banco. O Banco também poderá, PIS 1,65% 0,65% a qualquer tempo, ad referendum da Assembleia Geral, levantar balanços em períodos menores em COFINS 7,60% 4% A provisão para imposto de renda para instituição financeira é constituída à alíquota de 15% sobre o cumprimento a requisitos legais ou para atender a interesses societários, declarar a pagar dividendos lucro tributável, acrescida do adicional de 10% para o lucro tributável excedente a R$ 240 no exercício; intermediários, intercalares ou juros sobre capital próprio à conta de lucros do exercício corrente ou reserva de lucros de exercícios anteriores. Em 27 de abril de 2012, foi efetuada a distribuição de a provisão para contribuição social é constituída à alíquota de 15% sobre o lucro tributável. dividendos referentes ao lucro acumulado do exercício de 2011 no montante de R$ 2.345 (R$ 0,017 4. Processo de gestão de risco (a) Risco operacional: Em conformidade com o requerido pela Resolução nº 3.380/06 do CMN, a centavos por ação). Em 31 de dezembro de 2012, foi efetuada a destinação de dividendos referente BR Partners, mantém uma estrutura específica para o gerenciamento dos riscos relacionados às ao lucro acumulado do exercício de 2012 no montante de R$ 2.109. atividades operacionais. A gestão dos riscos operacionais é realizada através da disponibilização de 11 Transações com partes relacionadas ferramentas, divulgação de políticas e metodologias corporativas, com o intuito de evitar possíveis falhas A remuneração do pessoal-chave da administração, representado pela sua diretoria, no exercício foi ou inadequação dos processos executados por pessoas ou sistemas internos. Os pontos identificados de R$ 453 de salários e R$ 93 de encargos. DIRETORIA Diretor Presidente – Ricardo Fleury Cavalcanti de Albuquerque Lacerda Diretor Financeiro – Renato Naigeborin Diretor Operacional – Sérgio Carbone

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Período de 7 de Exercício fevereiro (início Segundo findo em 31 de das operações) semestre dezembro à 31 de dezembro 2012 2012 2011 7.682 16.448 6.733

Receitas da intermediação financeira Resultado de Operações com Títulos e Valores Mobiliários 7.682 16.448 6.733 Resultado bruto da intermediação financeira 7.682 16.448 6.733 Outras receitas (despesas) operacionais (7.663) (13.031) (3.213) Despesas de Pessoal (Nota 12b) (3.130) (5.057) (1.087) Outras Despesas Administrativas (Nota 12a) (4.107) (7.475) (2.125) Despesas Tributárias (358) (418) – Outras Receitas Operacionais 9 34 – Outras Despesas Operacionais (77) (115) (1) Resultado operacional 19 3.417 3.520 Resultado não operacional (8) (8) – Resultado antes da tributação sobre o lucro e participações 11 3.409 3.520 Imposto de renda e contribuição social (Nota 9) (1) (1.189) (1.175) Provisão para Imposto de Renda 4 (848) (317) Provisão para Contribuição Social (5) (341) (858) Lucro líquido do semestre/exercício 10 2.220 2.345 Número de ações/quotas (em milhares) 127.750 127.750 125.000 Lucro por ação/quotas no final do semestre/exercício – R$ 0,00008 0,01738 0,01876 As notas explicativas da administração são parte integrante das demonstrações financeiras

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO EM 31 DE DEZEMBRO (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Capital p social Reserva legal g Lucros acumulados Total Constituição de capital em 07 de fevereiro de 2011 125.000 – – 125.000 Lucro líquido do período – – 2.345 2.345 Em 31 de dezembro de 2011 125.000 – 2.345 127.345 Aumento de capital 2.750 – – 2.750 Lucro líquido do exercício – – 2.220 2.220 Destinação do lucro líquido Reserva legal – 111 (111) – Dividendos – – (4.454) (4.454) ( ) ( Em 31 de dezembro de 2012 127.750 111 – 127.861 Em 30 de junho de 2012 127.750 111 2.099 129.960 Lucro líquido do semestre – – 10 10 Destinação do lucro líquido Reserva legal – – – – Dividendos – – (2.109) (2.109) ( ) ( Em 31 de dezembro de 2012 127.750 111 – 127.861 As notas explicativas da administração são parte integrante das demonstrações financeiras DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Período de 7 de Exercício fevereiro (início Segundo findo em 31 de das operações) semestre dezembro à 31 de dezembro 2012 2012 2011 Atividades operacionais Lucro líquido 10 2.220 2.345 Depreciações e amortizações 112 208 23 Variação de ativos e obrigações operacionais Títulos e valores mobiliários e instrumentos financeiros derivativos (7.262) (7.250) (110.636) Outros créditos (287) (373) (1.572) Outros valores e bens 77 (49) (1) Outras obrigações (10) 1.943 1.079 Imposto de renda e contribuição social pagos 209 227 – Caixa líquido utilizado nas atividades operacionais (7.151) (3.074) (108.762) Atividades de investimento Aquisição de imobilizado de uso (243) (292) (377) Aplicações no ativo intangível (171) (199) (573) Caixa líquido utilizado nas atividades investimento (414) (491) (950) Atividades de financiamento Aumento de capital (Nota 10) – 2.750 125.000 Dividendos pagos (Nota 10) – (2.345) – ( Caixa líquido proveniente das atividades financiamento – 405 125.000 Aumento (Redução) líquida de caixa e equivalentes de caixa (7.565 ( ) (3.160 ( ) 15.288 Caixa e equivalentes de caixa no início do semestre/ exercício 19.693 15.288 – Caixa e equivalentes de caixa no final do semestre/ exercício 12.128 12.128 15.288 Aumento (Redução) líquida de caixa e equivalentes caixa (7.565 ( ( ) (3.160 ) 15.288 As notas explicativas da administração são parte integrante das demonstrações financeiras 12. Outras informações (a) Outras despesas administrativas referem-se: Despesas de aluguéis Despesas de serviços técnicos especializados Despesas de comunicações Despesas de processamento de dados Despesas de propaganda e publicidade Despesas de publicações Despesas de serviços de terceiros Despesas com condomínio Despesas de manutenção e conservação de bens Despesas de transportes Despesas de água, energia e gás Despesas tributárias Outras despesas

2012 2011 2.298 976 599 684 954 109 923 – 658 4 113 – 294 2 273 101 260 – 120 33 166 60 149 1 668 155 7.475 2.125 (b) Despesas de pessoal – incluem os salários e os encargos sociais pagos no exercício no montante de R$ 4.511, bem como benefícios de assistência médica, odontológica, seguro de vida, vale refeição e transporte. (c) Não há registro de processos judiciais de natureza tributária, cível ou trabalhista na data-base 31 de dezembro de 2012, cuja possibilidade de perda tenha sido classificada como provável ou possível. (d) Limites operacionais e gerenciamento de riscos: Consoante aos preceitos do Novo Acordo de Capital (Basiléia II), o Banco Central do Brasil publicou as Resoluções nº 3.380 e 3.464 e 3.721 que tratam das estruturas para gerenciamento de riscos operacionais e de mercado e de crédito, respectivamente. Publicou, também, as Circulares nº 3.360, 3.361 a 3.368, 3.383, 3.388 e 3.389, que definem as metodologias das parcelas de Capital necessárias para os Riscos de Crédito, Mercado e Operacional, respectivamente, bem como a Resolução nº 3.444, que altera as regras de apuração do Patrimônio de Referência e nº 3.490, que dispõe sobre a apuração do Patrimônio de Referência Exigido a ser aplicado a partir de 1º de julho de 2008. O Conglomerado econômico-financeiro, constituída pelo Banco e Corretora, utiliza como base o Patrimônio de Referência Exigido dividido por 11%, que é o capital mínimo exigido pelo BACEN, e em 31 de dezembro de 2012 atingiu o índice de 28,96%. 2012 Patrimônio de referência 142.876 Nível I 142.876 Patrimônio de referência exigido 54.261 Risco de crédito 14.003 Risco de mercado 35.639 Risco operacional 4.619 Margem 88.615 Índice de Basiléia 28,96% 13. Eventos subsequentes O Banco iniciou suas atividades em janeiro de 2013, tendo realizado operações de renda fixa e câmbio para as empresas do grupo BR Partners. Em 2 de janeiro de 2013, o BR Partners Banco de Investimento S.A. adquiriu a totalidade das ações da BR Partners Corretora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.

CONTADOR Diretora Administrativa – Andrea Capelo Pinheiro Diretor de Riscos e Operações – José Flávio Ferreira Ramos Diretor Comercial – Carlos Eduardo Fabrício Mendes / Marcelo Nóbrega da Costa

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Administradores e Acionistas BR Partners Banco de Investimento S.A. Examinamos as demonstrações financeiras individuais do BR Partners Banco de Investimento S.A. (“Instituição”) que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2012 e as respectivas demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa para o exercício e semestre findos em 31 de dezembro de 2012, assim como o resumo das principais práticas contábeis e as demais notas explicativas. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações financeiras – A administração da Instituição é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil – BACEN e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações financeiras livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro.

Responsabilidade dos auditores independentes – Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações financeiras com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações financeiras estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações financeiras. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações financeiras, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e a adequada apresentação das demonstrações financeiras da Instituição para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para expressar uma opinião sobre a eficácia dos controles internos da Instituição. Uma auditoria inclui também a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis

www.brap.com.br

Hideo Antonio Kawassaki CRC 1SP 184.007/O-5

feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações financeiras tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Opinião – Em nossa opinião, as demonstrações financeiras acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira do BR Partners Banco de Investimento S.A. em 31 de dezembro de 2012, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício e semestre findos em 31 de dezembro de 2012, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo BACEN. São Paulo, 11 de março de 2013 PricewaterhouseCoopers Auditores Independentes CRC 2SP 000.160/O-5

Maria José De Mula Cury Contadora CRC 1SP 192.785/O-4


DIÁRIO DO COMÉRCIO

20 -.ECONOMIA/LEGAIS

sábado, domingo e segunda-feira, 9, 10 e 11 de março de 2013

e Dilma corta impostos da cesta básica Não descuido um só momento do controle da inflação, pois a estabilidade da economia é fundamental para todos nós. Dilma Rousseff, presidente

conomia

Presidente faz apelo para que redução chegue ao consumidor. Ontem, o Grupo Pão de Açúcar se antecipou e anunciou preços menores já para hoje.

O

Grupo Pão de Açúcar anunciou ontem que começará a vender os itens da cesta básica com preços reduzidos a partir de hoje. O porcentual de redução de preços que chegará ao consumidor não foi divulgado. A redução será aplicada nas lojas Pão de Açúcar e Extra e nas vendas online.

Na última sexta-feira, a presidente Dilma Rousseff fez um pronunciamento em cadeia de rádio e televisão para anunciar a isenção de impostos federais sobre os produtos da cesta básica. O governo federal vai abrir mão de R$ 5,5 bilhões em receitas já neste ano. Nos cálculos da equipe econômica, a medida anunciada pela presidente Dilma deve re-

duzir em até 0,6 ponto porcentual o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deste ano. Carne bovina – Dos produtos que constam da cesta básica, as maiores renúncias fiscais serão na carne bovina e suína, aves, peixes, ovinos e caprinos, que totalizam R$ 2,1 bilhões neste ano. Todos os produtos da cesta

básica passam a ter as alíquotas do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) zeradas. No caso de açúcar e sabonete, haverá também renúncia de mais de R$ 420 milhões de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) em 2013. A presidente ampliou de 13 para 16 itens a composição

BR Partners Corretora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. CNPJ/MF nº 16.695.922/0001-09 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas: Submetemos à apreciação de V. Sas. as Demonstrações Financeiras do BR Partners Corretora de Títulos e Valores Mobiliários S.A., relativos ao exercício findo em 31 de dezembro de 2012, as quais seguem os dispositivos estabelecidos pelo Banco Central do Brasil. A Administração BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 2012 Passivo Circulante 15.485 Circulante Disponibilidades 142 Outras obrigações Títulos e valores mobiliários e instrumentos Sociais e Estatutárias financeiros derivativos 15.291 Fiscais e Previdenciárias (nota 7 a) Carteira Própria (Nota 5) 15.291 Diversas (nota 7 b) Outros créditos 52 Diversos (Nota 6) 52 Patrimônio Líquido (Nota 9) Permanente 158 Capital Social Intangível 158 Reservas de Lucros Ativos Intangíveis 160 Amortizações Acumuladas (2) (2 Total do Passivo e Patrimônio Líquido Total do Ativo 15.643 As notas explicativas da administração são parte integrante das demonstrações financeiras

2012 628 628 283 221 124 15.015 15.000 15 15.643

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO DO PERÍODO DE 8 DE JUNHO A 31 DE DEZEMBRO DE 2012 (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Capital Reserva Lucros social legal acumulados Total g Constituição de capital em 08 de junho de 2012 15.000 – – 15.000 Lucro líquido do período – – 298 298 Destinação do lucro líquido Reserva legal – 15 (15) – Dividendos – – ((283) ( (283) Em 31 de dezembro de 2012 15.000 15 – 15.015 Em 30 de junho de 2012 15.000 3 65 15.068 Lucro líquido do semestre – – 230 230 Destinação do lucro líquido Reserva legal – 12 (12) – Dividendos – – ((283) ( (283) Em 31 de dezembro de 2012 15.000 15 – 15.015 As notas explicativas da administração são parte integrante das demonstrações financeiras NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) 1. Contexto operacional – A BR Partners Corretora de Títulos e de adicional de 10% para o lucro tributável excedente a R$ 240 no Valores Mobiliários S.A. (“Corretora”) é uma empresa integrante exercício. A contribuição social foi provisionada à alíquota de 15% do Conglomerado Financeiro do Grupo BR Partners e tem como sobre o lucro tributável. (g) Passivo circulante: Demonstrados objetivo complementar as atividades nas áreas de banco de inves- por valores conhecidos ou calculáveis, incluindo quando aplicável, timento, renda fixa, câmbio, consultoria e assessoria financeira, os encargos incorridos. bem como instituir a prestação de serviços de corretagem para 4. Processo de gestão de risco – (a) Risco operacional: Em clientes locais e clientes institucionais estrangeiros, nos termos conformidade com o requerido pela Resolução nº 3.380/06 do da Resolução 2.689. O Grupo BR Partners constituiu Corretora, CMN, a Corretora BR Partners, mantém uma estrutura específica sociedade de capital fechado no dia 10 de fevereiro de 2012 e para o gerenciamento dos riscos relacionados às atividades operecebeu autorização de funcionamento do Banco Central do Brasil racionais. A gestão dos riscos operacionais é realizada através (“BACEN”) no dia 8 de junho de 2012. A Corretora encontra-se da disponibilização de ferramentas, divulgação de políticas e em fase pré-operacional, aguarda o direito de acesso à Bolsa de metodologias corporativas, com o intuito de evitar possíveis Valores, Mercadorias e Futuros (BM&F BOVESPA S.A.) e prevê falhas ou inadequação dos processos executados por pessoas iniciar as atividades durante o primeiro trimestre de 2013. As ou sistemas internos. Os pontos identificados de não conformidemonstrações financeiras da Corretora foram aprovadas pela dade são comunicados à alta Administração que se reúne com Diretoria em 27 de fevereiro de 2013. o objetivo de avaliar e monitorar tais eventos, de modo a garantir 2. Apresentação das demonstrações financeiras – As demons- uma eficiente gestão dos riscos operacionais e mitigação de trações financeiras foram elaboradas de acordo com as Leis nº possíveis perdas na Instituição. (b) Risco de mercado: Em 11.638/07 e 11.941/09, associadas às normas e instruções do conformidade com a Resolução nº 3.464/07 CMN a Corretora BR BACEN e Conselho Monetário Nacional (“CMN”). Na elaboração Partners mantém estrutura específica para o gerenciamento dos das demonstrações financeiras é necessário utilizar estimativas riscos das operações sujeitas à variação cambial, taxa de juros, para contabilizar certos ativos, passivos e outras transações. As preços das ações e dos preços de mercadorias (commodities) demonstrações financeiras da Corretora podem incluir, portanto, de suas transações. Este gerenciamento de risco de mercado determinações de provisões para imposto de renda e outras simi- é efetuado de forma centralizada, por área administrativa que lares. Os resultados reais podem apresentar variações em relação atua de forma independente a área de negócios. A Corretora às estimativas. O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (“CPC”) BR Partners realiza acompanhamentos diários dos níveis de emitiu pronunciamentos relacionados ao processo de convergên- exposição e assegura compatibilização de suas posições frente cia contábil internacional, porém nem todos homologados pelo aos limites regulatórios e operacionais. (c) Risco de liquidez: CMN. Os pronunciamentos contábeis já aprovados pelo BACEN Objetivando o gerenciamento da exposição ao risco de liquidez, são: • CPC – Pronunciamento conceitual básico R(1): homologado a Corretora adota instrumentos para controle de fluxo de caixa pela Resolução CMN nº 4.144/12; • CPC 01 (R1) – Redução ao e previsão de necessidades ou excesso de recursos com devida valor recuperável de ativos – homologado pela Resolução CMN antecedência, de tal forma que seja possível a antecipação de nº 3.566/08; • CPC 03 (R2) – Demonstrações dos fluxos de medidas preventivas. Diariamente, a alta Administração recebe caixa – homologado pela Resolução CMN nº 3.604/08; • CPC 05 mapa para acompanhamento da reserva mínima de liquidez, (R1) – Divulgação sobre partes relacionadas – homologado pela que é utilizada para tomada de decisões em conformidade com Resolução CMN nº 3.750/09; • CPC 10 (R1) – Pagamento Baseado o Plano de Liquidez da Instituição. em Ações – homologado pela Resolução CMN nº 3.989/11; • CPC 5. Títulos e valores mobiliários e instrumentos financeiros 23 – Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação derivativos – A carteira de títulos e valores mobiliários está de Erro – homologado pela Resolução CMN nº 4.007/11; •CPC classificada conforme os critérios estabelecidos na Circular nº 24 – Evento Subsequente – homologado pela Resolução CMN nº 3.068/01 do BACEN, na categoria “para negociação”, sendo 3.973/11; • CPC 25 – Provisões, passivos contingentes e ativos composta de Letras do Tesouro Nacional (LTN). Tais ativos estão contingentes – homologado pela Resolução CMN nº 3.823/09. demonstrados no ativo circulante, independentemente do prazo Atualmente não é possível estimar quando o BACEN irá aprovar de vencimento, dado serem ativa e frequentemente negociados. O os demais pronunciamentos contábeis do CPC, nem tampouco se valor de mercado dos títulos públicos representa o valor presente a utilização dos mesmos será de forma prospectiva e retrospectiva dos mesmos, os quais foram calculados com base no fluxo de para as demonstrações financeiras. caixa futuro descontado pelas taxas praticadas pelo mercado. Os 3. Principais práticas contábeis – (a) Apuração do resultado: O saldos da carteira própria de títulos e valores mobiliários em 31 resultado é apurado pelo regime de competência, que estabelece de dezembro de 2012, bem como sua composição, estão assim que as receitas e despesas devem ser incluídas na apuração demonstrados: Classificação e composição da carteira dos resultados dos períodos em que ocorrerem, sempre simulValor de Acima taneamente quando se correlacionarem, independentemente de Mercado de 360 dias recebimento ou pagamento. (b) Caixa e equivalentes de caixa: Carteira própria O caixa e equivalentes de caixa são representados por disponi- Letras do Tesouro Nacional – LTN 15.291 15.291 bilidades em moeda nacional. (c) Títulos e valores mobiliários: Total 15.291 15.291 Os títulos e valores mobiliários são registrados pelo custo de aquisição e ajustados a valor de mercado, apresentados no Os títulos públicos estão registrados no Sistema Especial de Balanço Patrimonial conforme a Circular nº 3.068/01 do BACEN, Liquidação e de Custódia – SELIC do Banco Central do Brasil. sendo classificados de acordo com a intenção da Administração Durante o período de 8 de junho a 31 de dezembro de 2012 a na categoria de “Títulos para negociação”, relativa a títulos Corretora não operou com instrumentos financeiros derivativos. adquiridos com o propósito de serem ativa e frequentemente 6. Outros Créditos – Diversos: Referem-se à antecipações de negociados, apresentados no ativo circulante e avaliados pelo imposto de renda e contribuição social. valor de mercado em contrapartida ao resultado do período. Os 7. Outras Obrigações – (a) Fiscais e previdenciárias: Referemganhos e perdas realizados e não realizados sobre esses títulos -se substancialmente a provisão de imposto de renda e contrisão reconhecidos no resultado. (d) Permanente – Intangível: buição social no valor de R$ 209. (b) Diversas: Representadas, Correspondem aos direitos adquiridos que tenham por objeto por provisão de serviços de processamento de dados no valor de bens incorpóreos destinados à manutenção da Corretora ou R$ 59 e provisão para publicações no valor de R$ 65. exercidos com essa finalidade. Os ativos intangíveis com vida útil 8. Imposto de renda e contribuição social – Tributação sobre definida são amortizados no decorrer de um período estimado o resultado no período de 8 de junho a 31 de dezembro de 2012: Em milhares de reais de benefício econômico. Compostos basicamente por softwares, p período 8/6/12 a 31/12/12 que são registrados ao custo, deduzido da amortização pelo Imposto Contribuição método linear durante a vida útil estimada (20% ao ano), a partir de Renda Social da data da sua disponibilidade para uso. (e) Redução do valor recuperável de ativos não financeiros (impairment): O CPC Resultado antes da tributação sobre o lucro 514 514 01 (R1) – “Redução ao valor recuperável de ativos”, aprovado (129) (77) pela Resolução CMN nº 3.566/08, estabelece a necessidade das Alíquota (25% de IR e 15% de CSLL) 14 – entidades efetuarem uma análise periódica para verificar o grau Adições/Exclusões Permanentes (11) (6) de valor recuperável dos ativos imobilizado e intangível. Em 31 Adições/Exclusões Temporárias Diferenças temporárias de dezembro de 2012, a Administração não identificou nenhuma ( (3) ( (4) perda em relação ao valor recuperável de ativos não financeiros Constituição/ Reversão do Período (130 ( ) ((86) a ser reconhecida nas demonstrações financeiras. (f) Imposto de Despesa com IRPJ/CSLL renda e contribuição social: O imposto de renda e a contribuição 9. Patrimônio líquido – (a) Capital social: O capital social totalsocial são calculados em conformidade com as taxas e critérios mente subscrito é representado por 15.000.000 (quinze milhões) previstos na legislação vigente. A provisão para imposto de renda de ações ordinárias, nominativas sem valor nominal, emitidas foi constituída à alíquota de 15% sobre o lucro tributável, acrescida pelo valor de R$ 1,00 cada uma, sendo totalmente integralizadas

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO PERÍODO DE 8 DE JUNHO A 31 DE DEZEMBRO DE 2012 (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Período de 8 de junho Segundo à 31 de semestre dezembro 2012 2012 Receitas da intermediação financeira 557 662 Resultado de Operações com Títulos e Valores Mobiliários 557 662 Resultado bruto da intermediação financeira 557 662 Outras despesas operacionais (143) (148) Outras Despesas Administrativas (Nota 10 c) (118) (118) Despesas Tributárias (25) (30) Resultado operacional 414 514 Resultado antes da tributação sobre o lucro e participações 414 514 Imposto de renda e contribuição social (Nota 8) (184) (216) Provisão para Imposto de Renda (107) (130) Provisão para Contribuição Social (77) (86) Lucro líquido do semestre/ período 230 298 Número de ações (em milhares) 15.000 15.000 Lucro por ação no final do semestre/ período – R$ 0,015 0,020 As notas explicativas da administração são parte integrante das demonstrações financeiras DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA DO PERÍODO DE 8 DE JUNHO A 31 DE DEZEMBRO DE 2012 (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Período de 8 de junho Segundo à 31 de semestre dezembro 2012 2012 Atividades operacionais Lucro líquido do semestre/período 230 298 Depreciações e amortizações 2 2 Variação de ativos e obrigações operacionais Títulos e valores mobiliários e instrumentos financeiros derivativos (186) (15.291) Outros créditos (52) (52) Outras obrigações 254 291 Imposto de renda e contribuição social pagos 54 54 Caixa líquido proveniente (utilizado) nas atividades operacionais 302 ((14.698) Atividades de investimento Aquisição de intangível (160) (160) Caixa líquido utilizado nas atividades investimento (160) (160) Atividades de financiamento Constituição de capital – 15.000 Caixa líquido proveniente das atividades financiamento – 15.000 Aumento líquido de caixa e equivalentes de caixa 142 142 Caixa e equivalentes de caixa no início do semestre/ período – – Caixa e equivalentes de caixa no final do semestre/ período 142 142 Aumento líquido de caixa e equivalentes de caixa 142 142 As notas explicativas da administração são parte integrante das demonstrações financeiras mediante a aquisição de títulos públicos registrados no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (SELIC) do BACEN em 10 de fevereiro de 2012, na forma da legislação e regulamentação em vigor. Em 8 de junho de 2012, o BACEN procedeu à homologação da autorização de funcionamento da Corretora. Consequentemente, foi autorizada a desvinculação dos títulos públicos supra mencionados para a constituição do capital da Instituição. (b) Reservas de lucros: A reserva legal é constituída anualmente como destinação de 5% do lucro líquido do exercício, limitada a 20% do capital social. A reserva legal tem por fim assegurar a integridade do capital social e somente poderá ser utilizada para compensar prejuízo e aumentar capital. (c) Dividendos e juros sobre o capital próprio: Ao fim de cada exercício, os acionistas terão direito a um dividendo obrigatório não cumulativo correspondente à totalidade do lucro líquido ajustado, podendo a diretoria informar aos acionistas, com exposição justificada e aprovada por unanimidade em Assembleia Geral, deixar de distribuir lucros ou reter em reservas conforme a situação financeira da Corretora. A Corretora também poderá, a qualquer tempo, ad referendum da Assembleia Geral, levantar balanços em períodos menores em cumprimento a requisitos legais ou para atender a interesses societários, declarar a pagar dividendos intermediários, intercalares ou juros sobre capital próprio à conta de lucros do exercício corrente ou reserva de lucros de exercícios anteriores. Em 31 de dezembro de 2012, foi efetuada a destinação de dividendos referente ao lucro acumulado do exercício de 2012 no montante de R$ 283. 10. Outras informações – (a) Não há registro de processos judiciais de natureza tributária, cível ou trabalhista na data-base 31 de dezembro de 2012, cuja possibilidade de perda tenha sido classificada como provável ou possível. (b) A remuneração do pessoal-chave da administração são pagos pela BR Partners Banco de Investimento S.A. (c) Outras despesas administrativas referem-se: 2012 Despesas de serviços técnicos especializados 32 Despesas de serviços do sistema financeiro 9 Despesas de publicações 70 Outras despesas 7 118 Em 2013 a Corretora BR Partners irá analisar o quanto de despesas de pessoal e aluguel utilizam da estrutura do Banco que deveria ser transferida via rateio de custo. 11. Eventos subsequentes – Em 2 de janeiro de 2013, o BR Partners Banco de Investimento S.A. adquiriu a totalidade das ações da BR Partners Corretora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.

DIRETORIA Diretor Presidente – Ricardo Fleury Cavalcanti de Albuquerque Lacerda Diretora Administrativa – Andrea Capelo Pinheiro Diretor Financeiro – Renato Naigeborin

Diretor Comercial – João Paulo Caram Tucci Jorge Henrique Peixoto da Silva Diretor Operacional – Sérgio Carbone

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Administradores e Acionistas BR Partners Corretora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Examinamos as demonstrações financeiras individuais do BR Partners Corretora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. (“Instituição”) que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2012 e as respectivas demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa para o período de 8 de junho à 31 de dezembro de 2012 e semestre findos nesta data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações financeiras: A administração da Instituição é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil – BACEN e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações financeiras livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos auditores independentes: Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações financeiras com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações financeiras estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações financeiras. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos

CONTADOR Hideo Antonio Kawassaki CRC 1SP 184.007/O-5

de distorção relevante nas demonstrações financeiras, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e a adequada apresentação das demonstrações financeiras da Instituição para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para expressar uma opinião sobre a eficácia dos controles internos da Instituição. Uma auditoria inclui também a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações financeiras tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Opinião: Em nossa opinião, as demonstrações financeiras acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira do BR Partners Corretora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. em 31 de dezembro de 2012, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para período de 8 de junho à 31 de dezembro de 2012 e semestre findos nesta data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo BACEN. São Paulo, 11 de março de 2013 PricewaterhouseCoopers Auditores Independentes CRC 2SP 000.160/O-5

www.brap.com.br

Maria José De Mula Cury Contadora CRC 1SP 192.785/O-4

da cesta básica, ao somar paInflação – A presidente Dilma pel higiênico, pasta de dente e demonstrou forte desejo de sabonete. que a medida ajude a derrubar Empresários – O ministro da os preços. "Isso vai dar marFazenda, Guido Mantega, con- gem para a expansão dos nevocou para hoje uma reunião gócios", disse a presidente, ao com os principais empresários mandar um "recado" a produe representantes do setor de tores e comerciantes. Mais adians u p e rm e r c ate, ela foi dos e comérmais enfáticio varejista ca: "Não despara cobrar o cuido um só r e p a s s e momento do "imediato" controle da das desonepor cento foi quanto inflação, pois rações ao aumentou o Índice a estabilidaco ns umi do r. de da econoÉ neste ponto Nacional de Preços mia é fundaque o Grupo ao Consumidor mental para P ã o d e A ç útodos nós". car procurou Amplo (IPCA) em A presidense antecipar fevereiro, segundo te também com o anúndados do IBGE. anunciou que cio de ontem. o governo vai A presidendivulgar um te afirmou ainda que espera "contar" p a c o t e d e m e d i d a s " q u e com os empresários para que transformarão a defesa do o corte dos impostos reduza consumidor em política de Es"pelo menos" 9,25% o preço tado no Brasil". Dilma prometeu criar insdas carnes, do café, da manteiga, do óleo de cozinha, e trumentos legais "para pre12,5% o da pasta de dentes e miar as boas práticas e punir as más". E garantiu que vai redos sabonetes, entre outros. A partir do ano que vem, a forçar estruturas de defesa do renúncia fiscal total será de consumidor já existentes, como os Procons. (Agências) R$ 7,3 bilhões.

0,60

PREFEITURA MUNICIPAL DE CASTILHO/SP TERMO DE HOMOLOGAÇÃO PROCESSO LICITATÓRIO 06/13 - PREGÃO 03/13 Objeto: Aquisição de peças para manutenção da máquina varredora coletora, marca CMV, modelo VC 2.200 – Série: 005/010 - amarela. Considerando a adjudicação constante da ata dos trabalhos da sessão pública de julgamento, lavrada pelo Sr. Pregoeiro, designada pela Portaria nº 029, de 03/01/2013; e a regularidade do procedimento, hei por bem, com base na Lei Federal nº 10520, de 17 de julho de 2002, Homologar, os itens do objeto licitado, à empresa abaixo delineada e determinar que sejam tomadas as providências ulteriores. Schoen Comércio, Locação e Manutenção de Equipamentos Rodoviários Ltda-ME. Rua Engenheiro Frederico Dahne, 132 – 1º Andar – Bairro Sarandi. Porto Alegre – RS. CNPJ (MF): 13.260.754/0001-22. Valor: R$ 9.853,93 (Nove mil, oitocentos e cinquenta e três reais e noventa e três centavos). Castilho – SP, 07 de março de 2.013. Joni Marcos Buzachero - Prefeito. A Debitar (09.03.13)

PREFEITURA MUNICIPAL DE CASTILHO/SP PROCESSO LICITATÓRIO Nº 05/13 – PREGÃO Nº 02/13 Objeto: Contratação de agência de publicidade ou empresa jornalística para a divulgação dos atos administrativos externos, instrumentos legais, editais, contratos e demonstrativos financeiros. Edital de Rerratificação. 1 – Fica excluída da especificação dos itens 1 e 2 do Anexo I – Termo de Referência a exigência relativa ao formato Standard. 2 – Considera-se como de grande circulação no Estado de São Paulo, constante da especificação do item 2 do Anexo I – Termo de Referência, o jornal com tiragem mínima de 20.000 exemplares e com cobertura mínima de 40% dos municípios do Estado, incluindo-se a Capital, certificadas pelo IVC – Instituto Verificador de Circulação. 3 – A data prevista para o acolhimento das propostas e julgamento do certam, passa a ser até o dia 22 de março de 2013, às 9 horas. 4 – As demais cláusulas e condições permanecem inalteradas. Castilho – SP. 08 de março de 2013. Joni Marcos Buzachero – Prefeito. A Debitar (09.03.13)

PREFEITURA MUNICIPAL DE CASTILHO/SP PROCESSO LICITATÓRIO 10/13 - PREGÃO 05/13 Acha-se aberto, na Prefeitura do Município de Castilho, o Processo Licitatório 10/13, na modalidade de Pregão 05/13, na forma presencial, para contratação de empresa para prestação de Serviço de Telefonia Móvel Pessoal (SMP) e do Serviço de Telefonia Fixa Comutado (STFC) para Serviço de Longa Distância Nacional (LDN), plano digital pós-pago, a ser executado de forma contínua, com fornecimento de aparelhos telefônicos móveis em regime de comodato, numa quantidade estimada de (20) aparelhos, de modo a atender as necessidades Prefeitura Municipal de Castilho-SP, pelo período de 12 (doze) meses, a contar da assinatura do contrato. Data: 25 de março de 2013, às 09 horas. O edital, na íntegra, encontra-se à disposição dos interessados na Praça da Matriz, 247, Castilho. Informações complementares serão fornecidas pelo telefone (18) 3741-9000, ramal 9034 e pelo e-mail: licitacoescastilho@starsnet.com.br. A Debitar (09.03.13)

PREFEITURA MUNICIPAL DE CASTILHO/SP PROCESSO LICITATÓRIO 03/13 - TOMADA DE PREÇOS 01/13 Termo de Homologação e Adjudicação. Processo Licitatório 03/13. Tomada de Preços 01/13. Objeto: Locação de um imóvel urbano para abrigar o Departamento de Assistência, Previdência e Habitação e o Fundo Social de Solidariedade do Município. Considerando a regularidade do procedimento, hei por bem, com base no inciso VI, do artigo 43, da Lei Federal nº 8.666/93, de 21/06/1993, Homologar e Adjudicar o item do objeto licitatório, à licitante abaixo delineada: Antonio Teodoro Fontes. Sítio São José, s/nº - Bairro São Roberto. Castilho – SP. CPF: 004.648.618-61. Valor: R$ 2.000,00 (Dois mil reais) por mês. Castilho – SP, 08 de março de 2013. Joni Marcos Buzachero. Prefeito. A Debitar (09.03.13)

Blau Farmacêutica S.A. CNPJ/MF nº 58.430.828/0001-60 Ficam os Srs.Acionistas da Blau Farmacêutica S.A. (“Companhia”), convidados a participar da Assembleia Geral Ordinária (“AGO”), a ser realizada às 14:00 horas do dia 18/03/2013,na sede social da Companhia,localizada no Município de Cotia/SP,na Rod.RaposoTavares, Km 30,5, nº 2.833, Unidade I, Prédio 100, Bairro Barro Branco, CEP 06705-030, a fim de deliberar sobre a seguinte ordem do dia: (i) tomar as contas da administração, examinar discutir e votar as demonstrações financeiras relativas ao exercício findo em 31/12/2011; (ii) deliberar sobre a destinação do lucro líquido e distribuição de dividendos; e (iii) fixar a remuneração global anual dos administradores para o exercício de 2013. Informações Gerais: (a) Cópia dos documentos a serem discutidos na AGO ora convocada se encontra à disposição dos senhores acionistas na sede social da Companhia conforme informado pela Diretoria mediante publicações realizadas em 14, 15 e 16 de agosto de 2012, no Diário Oficial do Estado de São Paulo, fls. 21, 23 e 33, respectivamente; e no Diário do Comércio, fls. 35, 23 e 23, respectivamente. (b) O acionista que desejar ser representado por procurador deverá apresentar o respectivo instrumento de mandato, com poderes especiais para tanto e firmas devidamente reconhecidas, à Companhia até o dia 14/03/2013.Cotia, 06/03/2013.Marcelo Rodolfo Hahn - Presidente do Conselho de Administração.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CASTILHO/SP PROCESSO LICITATÓRIO 09/13 - PREGÃO 04/13 Acha-se aberto, na Prefeitura do Município de Castilho, o Processo Licitatório 09/13, na modalidade de Pregão 04/13, na forma presencial, para contratação de empresa especializada para prestação de serviços de monitoramento de alunos. Data: 26 de março de 2013, às 09 horas. O edital, na íntegra, encontra-se à disposição dos interessados na Praça da Matriz, 247, Castilho. Informações complementares serão fornecidas pelo telefone (18) 3741-9000, ramal 9034 e pelo e-mail: licitacoescastilho@starsnet.com.br. A Debitar (09.03.13) EPHARMA-PBM DO BRASIL S.A. CNPJ nº 03.448.808/0001-24 Convocação para Assembléias Gerais Ordinária Convocamos os srs. acionistas para se reunirem em AGO, às 14hs, e em 2ª convocação às 14:30hs, dia 19/3/2013, na sede da Cia., para tratarem dos seguintes assuntos: a. Tomar as contas dos administradores; b. Examinar, discutir e votar as demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31/12/2012, c. Deliberar aprovação para distribuição dos dividendos. Barueri, 08/3/2013. Luiz Carlos Silveira Monteiro-Diretor-Presidente. (08,09 e 12/3/2012)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 9, 10 e 11 de março de 2013

ECONOMIA/LEGAIS - 21

ePharma - PBM do Brasil S/A CNPJ nº 03.448.808/0001-24 Demonstrações Financeiras

Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2012 e de 2011 e 1o de janeiro de 2011 - (Em milhares de Reais)

EMPRESA METROPOLITANA DE TRANSPORTES URBANOS DE SÃO PAULO S.A. CNPJ: 58.518.069/0001-91 AVISO DE LICITAÇÃO TOMADA DE PREÇOS EMTU/SP Nº 001/2013 OBJETO: Contratação de serviços técnicos especializados de engenharia para desenvolvimento de Projeto Funcional de um Complexo de Integração Intermodal, reestruturação do transporte coletivo e requalificação urbana da Região de São Mateus. REALIZAÇÃO DA SESSÃO PÚBLICA: 11.04.2013 às 10h30, no Auditório do CECOM da EMTU/SP, na Rua Joaquim Casemiro, 290 – Planalto – São Bernardo do Campo / SP. O Edital completo está disponível na Internet, no sítio www.emtu.sp.gov.br. Também poderá ser retirado gratuitamente, no endereço acima, no Departamento de Compras e Contratos – DCC, das 08h00 às 17h00, mediante a apresentação da mídia CD-R (gravável), necessário para cópia do arquivo, até 10.04.2013. Os invólucros contendo a proposta técnica, propostas de preços e documentos de habilitação deverão ser entregues no dia 11.04.2013 das 10h00 às 10h30, no Auditório do CECOM da EMTU/SP. Outras informações poderão ser obtidas pelos tels.: 11 4341-1196, 4341-1040 e 43411470 ou e-mail licitacao@emtu.sp.gov.br.

Ativo

2012

Circulante Caixa e equivalentes de caixa Títulos e valores mobiliários Contas a receber de clientes e da rede credenciada Outros ativos circulantes Não circulante Partes relacionadas Depósitos judiciais Imposto de renda e contribuição social diferidos ativos Investimentos Imobilizado Intangivel Total do ativo

18.279 817 3.504

2011 01/01/2011 (Reapres.) (Reapres.) 14.571 11.518 3.689 2.055 2.018 2.171

13.631 327 11.444 1.840 37

8.614 250 9.183 1.263 29

7.132 160 7.267 303 138

3.142 2.015 1.171 3.239 29.723

4.398 769 1.226 1.498 23.754

4.618 769 1.019 420 18.785

Passivo

2012

Circulante Empréstimos e financiamentos Fornecedores e contas a pagar da rede conveniada Obrigações trabalhistas Obrigações tributárias Dividendos a pagar Outras contas a pagar Não circulante Empréstimos e financiamentos Provisões para demandas judiciais Patrimônio líquido Capital social Adiant. p/futuro aumento de capital Reserva de lucros Lucros acumulados Total do passivo e do patrim. líquido

15.452 26

2011 01/01/2011 (Reapres.) (Reapres.) 10.215 7.462 72 144

10.644 1.052 335 3.375 20 3.392 11 3.381 10.879 2.038 5.907 408 2.526 29.723

6.501 818 138 2.013 673 3.796 33 3.763 9.743 2.038 6.790 253 662 23.754

5.884 526 369 530 9 2.708 89 2.619 8.615 2.038 6.790 112 (325) 18.785

Demonstrações das mutações do patrimônio líquido em 31 de dezembro de 2012 e de 2011 - (Em milhares de Reais) Lucros / Capital social Adiant. p/futuro Reserva Subscrito A integralizar Integralizado aum. de capital legal (Prej.) Acum.

EMPRESA METROPOLITANA DE TRANSPORTES URBANOS DE SÃO PAULO S.A. CNPJ: 58.518.069/0001-91 AVISO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA A Empresa Metropolitana de Transporte Urbanos de São Paulo S.A. – EMTU/SP, faz saber que realizará em 03/04/2013, às 09h00, na Câmara Municipal de Poá (Rua Vereador José dos Santos Lima, 100), audiência pública que tem como propósito apresentar o Projeto do BRT Perimetral Alto Tietê, de transporte coletivo sobre pneus, cujo objetivo é estabelecer uma nova alternativa de transporte coletivo no sentido Norte-Sul, promovendo a ligação direta entre os municípios de Arujá, Itaquaquecetuba, Poá, e Ferraz de Vasconcelos, e desta região com a malha de transporte coletivo, rompendo a estrutura predominantemente concêntrica da atual rede sobre trilhos com uma ligação sobre pneus. O corredor irá permitir a reorganização e racionalização das linhas metropolitanas e municipais, através de um tronco de transporte de média capacidade, integrado com linhas de ônibus intermunicipais e municipais. Sua infraestrutura compreenderá terminais de passageiros, estações de embarque e desembarque cobertas e viário exclusivo. JOAQUIM LOPES DA SILVA JUNIOR - Diretor Presidente.

Brasbunker Participações S/A CNPJ/MF: 04.931.019/0001-02 - NIRE: 3530041414-4 Ata da Assembleia Geral Extraordinária, realizada em 13/12/2012 1. Data, Hora e Local: Em 13/12/2012, às 10hs, na sede. 2. Presenças: Totalidade. 3. Convocação: Dispensada. 4. Mesa: Presidente: Renato Cesar Lobato Nascimento Secretário:Pedro da Fonseca Corrêa.5. Deliberações: Por unanimidade de votos, foram tomadas as seguintesdeliberações:5.1AutorizarlavraturadaataaqueserefereestaAGE,nostermosdoart.130,§1º,daLeinº6.404/76.5.2Aprovar a criação de uma filial da Cia., a saber: Filial 8 - R. Manoel Duarte, 2.575, Gradim, em São Gonçalo/RJ. 5.3 Aprovar, em decorrência da criação da filial aprovada no item 5.2 supra, a alteração do art. 2º do Estatuto Social, que passa a vigorar com a seguinte redação: “Art. 2º. A Cia.tem sua sede, foro e domicílio na R.Senador Salgado Filho, 356, parte, Jd.Santense, em Guarujá/SP, e poderá instalar, alterar e encerrar filiais, depósitos e agências em outras praças do País e do exterior, mediante deliberação da Diretoria. § 1º. A Cia. mantém, ainda, cinco filiais, a saber:Filial 1 - R.Manuel Duarte, 2.999, parte, Porto do Gradim, São Gonçalo/RJ;Filial 2 - R.Lauro Muller, 116, salas 1406, 2.304, 2.305 e 2.306, Botafogo/SP;Filial 3 - PraçaTomas Cheehan, 26, Rocio, Paranaguá/PR;Filial 4 - R.Oscar Paulo da Silva, 264, JesusdeNazareth,Vitória/ES;Filial5-Av.dosPortugueses,100,TerminalAquaviáriodeSãoLuís,SãoLuís/MA;Filial6-R.ManuelDuarte, 2.222, parte, Porto do Gradim, São Gonçalo/RJ;Filial 7 - R.Frederico Gonçalves, Lotes 01 e 02, Quadra nº 146, Guaxindiba, São Gonçalo/ RJ;e Filial 8 - R.Manoel Duarte, 2.575, Gradim, São Gonçalo/RJ.”5.4 Consignar que na Filial 8, criada no item 5.2 supra, serão exercidas as seguintes atividades do Objeto Social:(ii) prestação de serviços de: a) conservação, limpeza e manutenção de instalações industriais; b) operação de cargas e descargas de navio e terminais de produtos de petróleo e seus derivados e petroquímicos;c) movimentação de carga e descarga de álcool e produtos derivados de petróleo e gás natural; d) transporte aquaviário, reboque e operação com barcaças para carregamento de óleo combustível, de petróleo e seus derivados;e)amarração e desamarração de navios; f) operação, manutenção e administração de lanchas, rebocadores, dragas e outras embarcações de apoio às instalações marítimas; g) transporte aquaviário na navegação marítima, interior, fluvial e lacustre; h) comércio de combustíveis líquidos e demais derivados de petróleo. 5.5 Aprovar, em decorrência do disposto no item 5.4 acima, a alteração do art.3º do Estatuto Social da Cia., que passa a vigorar com a seguinte redação: “Art.3º.A Cia.tem por objeto:(i) a propriedade, afretamento, armação, operação, manutenção e reparação de embarcações, bem como a navegação de longo curso, cabotagem, apoio e agenciamento marítimo, apoio portuário e interior; (ii) a prestação de serviços de: a) conservação, limpeza e manutenção de instalações industriais; b) operação de cargas e descargas de navio e terminais de produtos de petróleoeseusderivadosepetroquímicos;c)movimentaçãodecargaedescargadeálcooleprodutosderivadosdepetróleoegásnatural; d) transporte aquaviário, reboque e operação com barcaças para carregamento de óleo combustível, de petróleo e seus derivados; e) amarração e desamarração de navios;f) operação, manutenção e administração de lanchas, rebocadores, dragas e outras embarcações de apoio às instalações marítimas;g) transporte aquaviário na navegação marítima, interior, fluvial e lacustre;h) comércio de combustíveis líquidos e demais derivados de petróleo;i) consultoria na área ambiental, de prevenção e combate à poluição resultante do derramamento de petróleo e seus derivados, e substâncias poluentes agressivas ao meio ambiente;da coordenação à resposta a incidentes envolvendo derramamentodessesinsumos;alémdapromoçãoerealizaçãodecursosepalestrasparatreinamentosrelacionadosàproteçãoaomeio ambiente,importação,exportação,montagemecomércioatacadista,sobencomenda,demateriaisdestinadosaocombateàagressãoao meioambiente;e(iii)aparticipaçãoemoutrasempresas,comosóciaouacionista,especialmenteparticipaçãoemempresasvoltadaspara a atividade marítima de armação e operação de embarcações, transporte de granéis líquidos, construção e reparação de embarcações em geral e serviços de proteção ambiental e em estaleiros.§ Único - A sede e as filiais da Cia.terão objetos específicos conforme a seguir indicado: (i) Constitui objeto especifico para a sede e as filiais 1, 6 e 7 da Cia.: o desenvolvimento de todas as atividades indicadas no objeto social da Cia., conforme descrito no art.3º deste Estatuto Social;(ii) Constitui objeto especifico para a filial 2 da Cia.:ser o escritório administrativo, financeiro e comercial da Cia.; (iii) Constitui objeto especifico para as filiais 3, 4 e 5 da Cia.: (i) a propriedade, afretamento, armação,operação,manutençãoereparaçãodeembarcações,bemcomoanavegaçãodelongocurso,cabotagem,apoioeagenciamento marítimo, apoio portuário e interior;e (ii) a prestação de serviços de:a) conservação, limpeza e manutenção de instalações industriais; b) operação de cargas e descargas de navio e terminais de produtos de petróleo e seus derivados e petroquímicos; c) movimentação de carga e descarga de álcool e produtos derivados de petróleo e gás natural; d) transporte aquaviário, reboque e operação com barcaças para carregamento de óleo combustível, de petróleo e seus derivados;e) amarração e desamarração de navios;f) operação, manutenção e administração de lanchas, rebocadores, dragas e outras embarcações de apoio às instalações marítimas; g) transporte aquaviário na navegação marítima, interior, fluvial e lacustre; h) comércio de combustíveis líquidos e demais derivados de petróleo; i) consultoria na área ambiental, de prevenção e combate à poluição resultante do derramamento de petróleo e seus derivados, e substâncias poluentes agressivas ao meio ambiente; da coordenação à resposta a incidentes envolvendo derramamento desses insumos; além da promoção e realização de cursos e palestras para treinamentos relacionados à proteção ao meio ambiente, importação, exportação, montagem e comércio atacadista, sob encomenda, de materiais destinados ao combate à agressão ao meio ambiente;e (iv) Constitui objeto especifico para a filial 8 da Cia.: (ii) a prestação de serviços de: a) conservação, limpeza e manutenção de instalações industriais; b) operação de cargasedescargasdenavioeterminaisdeprodutosdepetróleoeseusderivadosepetroquímicos;c)movimentaçãodecargaedescarga de álcool e produtos derivados de petróleo e gás natural;d) transporte aquaviário, reboque e operação com barcaças para carregamento de óleo combustível, de petróleo e seus derivados;e) amarração e desamarração de navios;f) operação, manutenção e administração de lanchas, rebocadores, dragas e outras embarcações de apoio às instalações marítimas;g) transporte aquaviário na navegação marítima, interior, fluvial e lacustre; h) comércio de combustíveis líquidos e demais derivados de petróleo. 6. Encerramento: Nada mais. Guarujá, 13/12/2012. Mesa: Renato Cesar Lobato Nascimento-Presidente e Pedro da Fonseca Corrêa-Secretário. Jucesp nº 19.331/13-7 em 10/01/2013. Gisela Simiema Ceschin-Secretária Geral.

ADMINISTRAÇÃO E REPRESENTAÇÕES TELLES S/A

CNPJ (MF) nº 61.363.842/0001-00 - NIRE nº 35300016572 Extrato da Ata da Assembleia Geral Ordinária de 15 de fevereiro de 2013 Arquivada em seu inteiro teor na JUCESP sob n° 0.180.892/13-7 em 01/03/13. Presença da totalidade do capital social. Aprovação: 1) aprovação das demonstrações financeiras e do relatório da diretoria do exercício encerrado em 31 de dezembro de 2.012; 2) aprovação da correção da expressão monetária do capital; 3) eleição da Diretoria e aprovação de verba honorária da Diretoria para o exercício de 2.012; Srs. Antônio de Queirós Telles Júnior, Alice de Queirós Telles Cajado, Maria Emília de Queirós Telles Cunial; Izabel de Queirós Telles Cunial, Rosa Maria de Queirós Telles Cunali Melges, Antonio Queirós Telles Cunali, Marina Queirós Telles Cunial, Caio Rodrigues de Siqueira e Eduardo Rodrigues de Siqueira, para mais um mandato 03 anos e aprovação de verba da administração para o presente exercício de 2013 em até R$ 800.000,00 (oitocentos mil reais) globais anuais 4) pagamento de juros sobre o capital e de dividendo mensal; Dando por encerrada a presente Assembléia, lavrando-se dela a presente Ata, em livro próprio, que depois de lida e aprovada, vai por todos assinada, autorizada a sua publicação em forma sumária. São Paulo, 15 de Fevereiro de 2.013. Antonio de Queirós Telles Junior, Presidente da Mesa: Eduardo Rodrigues de Siqueira – Secretário. Acionistas presentes: Antonio de Queirós Telles Junior, Alice de Queirós Telles Cajado, p.p. Eduardo Rodrigues de Siqueira, Maria Emilia de Queirós Telles Cunial; Izabel de Queirós Telles Cunial; Rosa Maria de Queirós Telles Cunali Melges; Antonio Queirós Telles Cunali; Marina Queirós Telles Cunial; Caio Rodrigues de Siqueira e Eduardo Rodrigues de Siqueira.

Biocoop Cooperativa de Trabalho dos Profissionais da Área da Saúde CNPJ 09.087.152/0001-48 Edital de Convocação - Assembléia Geral Ordinária A Presidente da Biocoop - Cooperativa de Trabalho dos Profissionais da Área da Saúde, no exercício dos poderes que lhe são conferidos pelos artigos 38 e seguintes da Lei nº 5764/71, Convoca a todos os associados cooperados para a Assembléia Geral Ordinária no dia 28/03/2013 em primeira convocação as 14 horas cuja instalação dependerá do quorum de 2/3 (dois terços) dos associados em pleno gozo dos direitos sociais, em segunda convocação as 15 horas, cuja instalação dependerá do quorum mínimo de metade mais um dos associados, em pleno gozo dos direitos sociais e, em terceira e ultima convocação, as 16 horas, cuja instalação dependera do quorum mínimo de 10 (dez) associados, à Rua Almeida Torres nº 245 - no bairro da Aclimação, São Paulo - SP, para deliberarem sobre a seguinte Ordem do dia: 1 - Prestação de contas do Conselho de Administração acompanhado de parecer do Conselho Fiscal, compreendendo: a) relatório de gestão; b) balanço levantado em 31 de dezembro de 2012; c) demonstrativo das sobras ou perdas; 2 - Destinação das sobras ou rateio das perdas; 3 - Eleição do Conselho Fiscal e 4 - Quaisquer outros assuntos de interesse social relacionados com a Ordem do Dia. São Paulo, 09 de Março de 2013. Sandra Regina da Silva - Diretora Presidente.

PREFEITURA DA ESTÂNCIA BALNEÁRIA DE MONGAGUÁ/SP AVISO DE EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 003/2013 - PROCESSO Nº 013/2013 Acha-se aberto, na Prefeitura da Estância Balneária de Mongaguá, o Edital do Pregão Presencial nº 003/2013, Processo nº 013/2013, cujo objeto é Aquisição de equipamentos para o Galpão de Triagem para catadores de materiais recicláveis, com entrega única no prazo de até 15 (quinze) dias, conforme descrição e quantidades constantes do Anexo I - Termo de Referência do edital. O Início da sessão de lances dar-se-á às 09h30min do dia 21/03/2013. O edital encontra-se à disposição dos interessados, no endereço eletrônico www.mongaguá.sp.gov.br, através do aplicativo “Licitações” Pregão Presencial; ou poderá ser retirado no Paço Municipal, sito à Avenida Getúlio Vargas, nº 67, 1º andar, Centro, Mongaguá/SP, CEP 11.730-000, na Seção de Licitações, podendo ser retirado mediante apresentação de PenDrive ou CD, no horário das 09h30 às 16h00, dias úteis, ou ainda por e-mail: licitacao@mongagua.sp.gov.br. Esclarecimento, contato: telefone (13) 34453067, telefax (13) 3445-3082 – Fátima Aparecida Machado - Autoridade Competente.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PEDRO DE TOLEDO/SP PROCESSO Nº 130/2013 - PREGÃO PRESENCIAL Nº 02/2013 A Prefeitura Municipal de Pedro de Toledo torna pública a abertura do Pregão Presencial nº 02/ 2013 - Processo nº 130/2013, que trata da Aquisição de Lousas Digitais Interativas para o Departamento de Educação, Esporte e Cultura, contrato de repasse n° 0259928-79/2008 do Ministério da Ciência e Tecnologia, na modalidade Pregão, por meio de Sistema Presencial. Recebimento do Credenciamento: 22/03/2013, às 09h00min. Recebimento dos Envelopes Proposta, Documentação de Declaração de pleno atendimento aos requisitos de habilitação: 22/ 03/2013, às 09h30min. O edital em inteiro teor encontra-se à disposição dos interessados, gratuitamente através do site: www.pedrodetoledo.sp.gov.br ou no Departamento de Compras/ Licitações da Prefeitura Municipal de Pedro de Toledo, de 2ª a 6ª feira, das 9:00 às 11:30 e das 13:00 às 16:00 horas, na Av. Coronel Raimundo Vasconcelos, 230 - Centro - Pedro de Toledo/ SP. Informações poderão ser obtidas no endereço acima ou pelo telefone (13) 3419-7000. Pedro de Toledo, 08 de março de 2013. SERGIO YASUSHI MIYASHIRO - Prefeito Municipal.

CONDOMÍNIO EDIFÍCIO IMPERADOR CNPJ nº 04.747.625/0001-72 – EDITAL DE CONVOCAÇÃO Convocamos os Srs. Condôminos do Condomínio Edifício Imperador, a participarem da ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA, a ser realizada em 21 de março de 2013, às 16h30, em 1ª convocação, com 50% (cinquenta por cento) dos votos +1, em 2ª convocação, às 17h00, com qualquer numero de presentes. Local: Rua do Gasômetro, 738 – Saguão. ORDEM DO DIA: 1) Aprovação das contas do período de 01/08/2013 a 28/02/2013; 2) Aumento de taxa Condominial, que se fará necessário devido o alto consumo de energia elétrica, água, manutenção e ao reajuste de folha de pagamento; 3) Pintura do Prédio; 4) Outros assuntos de interesse geral do condomínio. Informamos que os condôminos ausentes deverão se fazer representar por procuração particular com firma reconhecida. Somente terão direito a voto os condôminos que estiverem quites com suas obrigações condominiais. São Paulo, 08 de março de 2013. Dr. NELSON CANELOI - Síndico.

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: Tornando sem Efeito A Comissão de Pregão torna sem efeito, no Diário do Comércio de 08/03/2013, a publicação referente ao Pregão Eletrônico de Registro de Preços nº 36/00223/12/05, cujo objeto é a Aquisição de Pilha de Daniell e Dispositivo Eletrolítico com Tripé.

Em 31 de dezembro de 2010 (reapresentado) Divid. adicionais referentes ao exercício de 2010 Lucro líquido do exercício Constituição de reserva legal Dividendos mínimos do exercício Dividendos adicionais Em 31 de dezembro de 2011 (reapresentado) Divid. adicionais referentes ao exercício de 2011 Lucro líquido do exercício Constituição de reserva legal Dividendos mínimos do exercício Dividendos adicionais Dev. de adiat. para futuro aumento de capital Em 31 de dezembro de 2012

3.038 3.038 3.038

(1.000) (1.000) (1.000)

2.038 2.038 2.038

6.790 6.790 (883) 5.907

112 141 253 155 408

(325) (300) 3.441 (141) (671) (1.342) 662 (637) 6.031 (155) (1.190) (2.185) 2.526

Total 8.615 (300) 3.411 (671) (1.342) 9.743 (637) 6.031 (1.190) (2.185) (883) 10.879

Notas explicativas às demonstrações financeiras separadas em 31 de dezembro de 2012 (Em milhares de Reais) 1. Contexto operacional - A ePharma - PBM do Brasil S/A (“Companhia” ou “ePharma”) é uma sociedade anômina de capital fechado, sediada à Alameda Mamoré, nº 989 – 9° andar - conjunto 902 - Alphaville - Barueri – SP, e tem como principal objetivo o desenvolvimento e a comercialização de serviços de gestão de assistência farmacêutica e de saúde, provendo conhecimento e ferramentas tecnológicas para a sua implantação e operação. O principal produto da Companhia é o gerenciamento de programas de benefícios de medicamentos, utilizando o modelo de negócio Pharmacy Benefit Management (“PBM”), por meio de uma rede credenciada conectada eletronicamente. As empresas contratantes e a rede credenciada remuneram a Companhia por valores fixos mensais que consistem na sua principal base de receita. 2. Resumo das principais políticas contábeis - As principais políticas contábeis aplicadas na preparação e apresentação destas demonstrações financeiras estão definidas abaixo. Essas políticas foram aplicadas de modo consistente em todos os exercícios apresentados, salvo disposição em contrário. 2.1. Base de preparação e apresentação - As demonstrações financeiras separadas emitidas pela Companhia, estão de acordo com as Normas Internacionais de Contabilidade (International Financial Reporting Standards “IFRS”), considerando os preceitos da norma IAS 27 - Demonstrações financeiras separadas. A Administração da Companhia está apresentando suas demonstrações financeiras de acordo com o IAS 27, por entender que a avaliação dos investimentos em controladas pelo método de custo, como permitido pela referida norma, é o mais adequado à ePharma, pois suas investidas encontram-se em fase pré-operacional ou no início de suas atividades. A moeda funcional da Companhia é o Real, mesma moeda de preparação e apresentação das demonstrações financeiras. As demonstrações financeiras foram preparadas considerando o custo histórico como base de valor e ajustadas para refletir ativos e passivos financeiros mensurados ao valor justo por meio do resultado do exercício. A preparação de demonstrações financeiras requer o uso de certas estimativas contábeis críticas e também o exercício de

julgamento por parte da Administração da Companhia no processo de aplicação das políticas contábeis. Aquelas áreas que requerem maior nível de julgamento e possuem maior complexidade, bem como as áreas nas quais as premissas e estimativas são significativas para as demonstrações financeiras. 3. Estas demonstrações financeiras separadas foram aprovadas pela diretoria da Companhia em 06 de março de 2013, considerando os eventos subsequentes até esta data. Em consonância às práticas contábeis adotadas no Brasil, emitidas pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (“CPC”), e as IFRS, a Companhia está obrigada a elaborar suas demonstrações financeiras individuais e consolidadas, que foram emitidas separadamente, na mesma data de aprovação destas demonstrações financeiras. 2.2. Investimentos em controladas e coligadas - Os investimentos em empresas controladas e coligadas, são contabilizados com base no método de custo. É considerada uma controlada, a empresa na qual a ePharma detém mais da metade do capital social votante, diretamente ou por intermédio de ações dos acionistas da própria Companhia. 3. Patrimônio líquido - a) Capital social - Em 31 de dezembro de 2012 e de 2011, o capital subscrito era de R$3.038, representados em 3.037.885 ações ordinárias nominativas e não endossáveis, com preço de emissão de R$1,00 cada, dos quais R$2.038 encontravam-se integralizados. b) Reserva legal - A reserva legal é constituída anualmente como destinação de 5% do lucro líquido do exercício, após absorção dos prejuízos acumulados, e não poderá exceder a 20% do capital social. A reserva legal tem por fim assegurar a integridade do capital social e somente poderá ser utilizada para compensar o prejuízo e aumentar o capital. c) Distribuição de dividendos - De acordo com o estatuto da Companhia, fica assegurado aos acionistas o direito de recebimento de um dividendo anual mínimo obrigatório equivalente a 25% do lucro líquido, ajustado nos termos da lei. Fábio R. Benvindo - CRC 1SP255684/O-3

COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS EMPREGADOS NA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL NO ESTADO DE SÃO PAULO – APCEFCREDI-SP - ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA - EDITAL DE CONVOCAÇÃO - O Diretor-Presidente da COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS EMPREGADOS NA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL NO ESTADO DE SÃO PAULO – APCEFCREDI-SP, CNPJ (MF) nº 07.814.673/0001-24, no uso das atribuições que lhe confere o Estatuto Social, convoca os associados, que nesta data são em número de 301 em condições de votar, para reunirem-se em Assembleia Geral Ordinária, a realizar-se fora da sua sede social, em espaço cedido pela APCEF/SP, no Centro Comunitário (CECOM), à Av. Yervant Kissajikian, 1256 Interlagos - São Paulo/SP, no dia 23 (vinte e três) de março de 2013, às 8h (oito) horas, com a presença de 2/3 (dois terços) dos associados, em primeira convocação; às 9h (nove) horas, com a presença de metade mais um dos associados, em segunda convocação; ou às 10h (dez) horas, com a presença de no mínimo 10 (dez) associados, em terceira convocação, para deliberar sobre os seguintes assuntos: ORDEM DO DIA: 1. Prestação de Contas do 1º e 2º semestre do exercício de 2012 compreendendo o relatório da Administração do Demonstrativo de Sobras e Perdas e o Parecer do Conselho Fiscal; 2. Destinação das sobras apuradas (ou rateio das perdas) do exercício de 2012; 3. Aplicação do fundo de Assistência Técnica Educacional e Social – FATES; 4. Outros assuntos de interesse da cooperativa. As deliberações da Assembleia Geral Ordinária serão tomadas por maioria simples dos votos dos associados presentes (artigo 27, Parágrafo 3º, do Estatuto Social). Segundo dispõe o Artigo 31 do Estatuto Social, fica impedido de votar e ser votado, nas Assembleias Gerais, o associado que tenha sido admitido após a sua convocação e seja ou tenha sido empregado da cooperativa, até a aprovação das contas em Assembleia Geral do exercício em que deixou as funções. São Paulo, 11 de março de 2013. Leonardo dos Santos Quadros - Diretor-Presidente

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINDAMONHANGABA EDITAL RESUMIDO PREGÃO PRESENCIAL Nº 019/2013 A Prefeitura torna público que se acha aberto no Depto. de Licitações e Compras, sito na Av. N. Sra. do Bom Sucesso n° 1.400, Bairro Alto do Cardoso, o PP nº 19/13, referente à "Aquisição de Cardioversor para P. A. de Moreira César”, com encerramento dia 21/03/13, às 8h, e abertura às 8h30. O edital estará disponível no site www.pindamonhangaba.sp.gov.br. Maiores informações poderão ser obtidas no endereço supra das 8h às 17h ou através do tel.: (12) 3644-5600. Pindamonhangaba, 08 de março de 2013. PREGÃO PRESENCIAL Nº 020/2013 A Prefeitura torna público que se acha aberto no Depto. de Licitações e Compras, sito na Av. N. Sra. do Bom Sucesso n° 1.400, Bairro Alto do Cardoso, o PP nº 20/13, referente à “Contratação de Empresa Especializada em Prestação de Serviço de Alinhamento, Balanceamento, Cambagem e Caster, para atender os Veículos Pesados (Caminhões), pertencentes a Frota Municipal por um período de 12 meses”, com encerramento dia 21/03/13, às 10h, e abertura às 10h30. O edital estará disponível no site www.pindamonhangaba.sp.gov.br. Maiores informações poderão ser obtidas no endereço supra das 8h às 17h ou através do tel.: (12) 3644-5600. Pindamonhangaba, 08 de março de 2013. PREGÃO PRESENCIAL Nº 021/2013 A Prefeitura comunica que a PP n° 021/13, que cuida da “Aquisição de Gasolina C. Comum, Álcool Etílico Hidratado e Óleo Diesel S-10”, com encerramento dia 21/03/2013, às 14h, e abertura às 14h30. O edital estará disponível no site www.pindamonhangaba.sp.gov.br.Maiores informações poderão ser obtidas no endereço supra das 8h às 17h ou através do Tel.(12)3644-5600. Pindamonhangaba, 8 de março de 2013.

PREFEITURA DA ESTÂNCIA BALNEÁRIA DE MONGAGUÁ/SP AVISO DE EDITAL Pregão Presencial nº 004/2013 - Processo nº 044/2013 Acha-se aberto, na Prefeitura da Estância Balneária de Mongaguá, o Edital do Pregão Presencial nº 004/ 2013, Processo nº 044/2013, cujo objeto é Registro de preços para Locação de Caminhões e Máquinas com fornecimento de mão de obra e Combustível por hora produtiva, conforme descrição constante do Anexo I - Termo de Referência do edital. O Início da sessão de lances dar-se-á às 14h30min do dia 21/ 03/2013. O edital encontra-se à disposição dos interessados, no endereço eletrônico www.mongagua.sp.gov.br, através do aplicativo “Licitações” Pregão Presencial; ou poderá ser retirado no Paço Municipal, sito à Avenida Getúlio Vargas, nº 67, 1º andar, Centro, Mongaguá/SP, CEP 11.730-000, na Seção de Licitações, mediante apresentação de PenDrive ou CD, no horário das 09h30 às 16h00, dias úteis, ou ainda por e-mail: licitacao@mongagua.sp.gov.br. Esclarecimento, contato: telefone (13) 34453067, telefax (13) 3445-3082 - Fátima Aparecida Machado - Autoridade Competente.

FALÊNCIA, RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL E RECUPERAÇÃO JUDICIAL NOS TERMOS DO PROVIMENTO CSM CXC/84, INFORMAMOS QUE NO DIA 08 DE MARÇO DE 2013 NÃO HOUVE PEDIDO DE FALÊNCIA NA COMARCA DA CAPITAL.

Demonstrações dos resultados em 31 de dezembro de 2012 e de 2011 (Em milhares de Reais, exceto lucro por ação) 2012 2011 (Reapres.) Receita líquida 31.366 23.984 Custo com serviços prestados (9.857) (7.913) Lucro bruto 21.509 16.071 Despesas administrativas e gerais (12.078) (11.395) Outras despesas e receitas operacionais, líquidas (26) 462 (12.104) (10.933) Lucro antes do resultado financeiro 9.405 5.138 Resultado financeiro: Despesas financeiras (216) (213) Receitas financeiras 468 369 252 156 Lucro antes do imposto de renda e contrib. social 9.657 5.294 Imposto de renda e contribuição social - corrente (2.370) (1.633) Imposto de renda e contribuição social - diferido (1.256) (220) (3.626) (1.853) Lucro líquido do exercício 6.031 3.441 Média ponderada de ações disponíveis no exercício (em lotes de mil ações) 3.038 3.038 Lucro líquido por ação - básico e diluído (em Reais) 1,99 1,13 Demonstrações dos resultados abrangentes em 31 de dezembro de 2012 e de 2011 - (Em milhares de Reais) 2012 2011 Lucro líquido do exercício 6.031 3.441 Resultados abrangentes do exercício 6.031 3.441 Demonstrações dos fluxos de caixa em 31 de dezembro de 2012 e de 2011 - (Em milhares de Reais) 2012 2011 (Reapres.) Lucro líquido do exercício 6.031 3.441 Aj. de itens sem desemb. de caixa para conc. do lucro Depreciação e amortização 489 520 Provisão para demandas judiciais (382) 1.144 Provisão para crédito de liquidação duvidosa 135 527 Provisão para baixa de ativo imobilizado 145 Custo da baixa do imobilizado 47 Juros e encargos financeiros (140) 2 Imposto de renda e contribuição social (excluindo os valores pagos no exercício) 1.502 769 Outras receitas e despesas que não afetam caixa 310 Variações nas contas de ativo e passivo: Contas a receber de clientes e da rede conveniada (4.882) (2.009) Outros ativos circulantes (77) (431) Depósitos judiciais (9) 109 Fornecedores e contas a pagar da rede conveniada 4.143 617 Obrigações trabalhistas e tributárias 119 (488) Outras contas a pagar (885) 692 Fluxo de caixa líq. gerado pelas ativid. operacionais 6.236 5.203 Atividades de investimento Aquisição de imobilizado e intangível (2.367) (1.805) Adiantamento p/futuro aum. de capital em investida (505) Aumento (redução) em títulos e valores mobiliários (1.486) 153 Fluxo de caixa líq. aplic. nas ativid. de investimento (4.358) (1.652) Atividades de financiamento Empréstimos e financiamentos obtidos 32 Pagamento de empréstimos e financiamentos (inclui juros e encargos financeiros) (38) (159) Mútuo financeiro com partes relacionadas (1.179) (960) Dividendos pagos (2.650) (830) Devolução de adiantamento p/futuro aum. de capital (883) Fluxo de caixa líq. aplicado nas ativid. de financ. (4.750) (1.917) (Red.) / Aum. de caixa e equivalentes de caixa (2.872) 1.634 Caixa e equivalentes de caixa no início do exercício 3.689 2.055 Caixa e equivalentes de caixa no final do exercício 817 3.689 (Red.) / Aum. de caixa e equivalentes de caixa (2.872) 1.634 Informações suplementares aos fluxos de caixa: Imposto de renda e contribuição social pagos 2.124 1.084

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: Pregão Eletrônico de Registro de Preços nº 36/00223/12/05 OBJETO: AQUISIÇÃO DE PILHA DE DANIELL E DISPOSITIVO ELETROLÍTICO COM TRIPÉ. A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para: Aquisição de Kits de Equipamentos para Laboratório de Física. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital a partir de 11/03/2013, no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br ou na sede da FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 - São Paulo/SP, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, ou verificar o edital na íntegra, através da Internet no endereço: http://www.fde.sp.gov.br. A sessão pública de processamento do Pregão Eletrônico será realizada no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br, no dia 22/03/2013, às 09:30 horas, e será conduzida pelo pregoeiro com o auxílio da equipe de apoio, designados nos autos do processo em epígrafe e indicados no sistema pela autoridade competente. Todas as propostas deverão obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital e seus anexos e serão encaminhadas, por meio eletrônico, após o registro dos interessados em participar do certame e o credenciamento de seus representantes previamente cadastrados. A data do início do prazo para envio da proposta eletrônica será de 11/03/2013, até o momento anterior ao início da sessão pública. BARJAS NEGRI Presidente

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA ODESSA EDITAL DE LICITAÇÃO BENJAMIM VIEIRA DE SOUZA, Prefeito do Município de Nova Odessa, torna público que se acha aberto Pregão Presencial nº. 16/PP/2013, com encerramento dia 20/03/2013, às 09h15min, junto ao respectivo Departamento de Compras, situado a Avenida João Pessoa, 777 - Centro, Nova Odessa/SP, objetivando o registro de preços para futuras e eventuais contratações de serviços de sonorização, iluminação, filmagem, telões, locação de banheiros químicos, locação de arquibancadas, palco, gradil, fechamento de área, locação de gerador e locação de tendas para diversos eventos a serem realizados no município de Nova Odessa. O edital estará disponível no site: www.novaodessa.sp.gov.br, link licitações. Nova Odessa, 08 de março de 2013. Setor de Compras e Licitações

Phase Ltda CNPJ nº 45.246.832/0001-20 - N.I.R.E. 35.203.914.928 Ata de Reunião de Sócios Data, Hora e Local: 08/03/2013, às 10:00 horas, na sede social em São Paulo - SP; Convocação: dispensada; Presença: sócios detendo a totalidade das quotas da Sociedade; Mesa: Presidente - Lawrence Pih e Secretário - Terence Michael Pih; Ordem do Dia: deliberar a redução do capital da Sociedade tendo em vista o valor excessivo do capital social em relação ao objeto da Sociedade, restituindo-se aos sócios o valor nominal referente à proporção de suas quotas, alterando-se também a quantidade de quotas na proporção da redução. DeliberaçõesTomadas: aprovada por unanimidade, sem ressalvas ou restrições, a redução do capital da Sociedade em R$ 9.500.000,00, passando do valor atual de R$ 11.338.474,00 para R$1.838.474,00 totalmente subscrito e integralizado em moeda corrente nacional, com a equivalente redução do número de quotas representativas do capital da Sociedade em 1.838.474 quotas, distribuído na seguinte proporção: Rivale Representações Ltda - 1.592.522 quotas, Lawrence Pih - 241.152,Terence Michael Pih - 4.800 quotas. Encerramento: Nada mais havendo a ser tratado, foi oferecida a palavra a quem dela quisesse fazer uso e, como ninguém se manisfestasse, foram encerrados pelo tempo necessário à lavratura da presente a qual, reaberta a sessão, foi lida, achada conforme e por todos os presentes assinada. Mesa: Lawrence Pih Presidente;Terence Michael Pih - Secretário. Sócios Presentes: Rivale Representações Ltda, Lawrence Pih e Terence Michael Pih. (a.a.) Mesa: Presidente - Lawrence Pih, Secretário - Terence Michael Pih.Sócios: Rivale Representações Ltda Lawrence Pih; Lawrence Pih; e Terence Michael Pih.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

22

e

sábado, domingo e segunda-feira, 9, 10 e 11 de março de 2013

Vender por vender ou aprisionar os consumidores com cláusulas contratuais absurdas são ações que serão eliminadas das práticas mercadológicas. Alexandre Diogo, presidente do Instituto Ibero-Brasileiro de Relações com o Cliente (IBRC)

conomia

Nesta semana, são três datas importantes – aniversário do CDC, Dia Mundial do Consumidor e Dia do Ouvidor – que devem ser celebradas também pelas empresas.

Dias de festas para empresas e consumidores

Ouvir o cliente pode ser o grande diferencial para a fidelização

Paulo Pampolin/Hype

''O

N

esta semana são comemoradas três datas importantes para o consumidor: os 22 anos da entrada em vigor do Código de Defesa do Consumidor (hoje), o Dia Mundial do Consumidor (dia 15) e o Dia do Ouvidor (dia 16). Os defensores dos direitos de quem compra creem que essas datas também devem ser celebradas pelas empresas, porque os três movimentos buscam a harmonia nas relações de consumo entre os dois lados do balcão e, consequentemente, o equilíbrio, a segurança jurídica, a confiança e o desenvolvimento justificável. "Uma relação de cooperação entre consumidores e empresas corta custos e é um ganho para a sociedade, que

passa a ter um capital de confiança imprescindível para colocar o País e o consumidor em um patamar maior de fidelidade e desenvolvimento", declarou a essa coluna Ricardo Morishita, professor de Direito do Consumidor da Fundação Getúlio Vargas do Rio de Janeiro. O professor por vários anos dirigiu o Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), do Ministério da Justiça, período em que buscou a aproximação dos órgãos públicos de defesa do consumidor com o setor privado, com ganho para todos. Código A entrada em vigor do CDC estimulou a concorrência e a competição entre os próprios fornecedores. Um dos artigos

fundamentais é o 4º, que trata da ética e da lisura na competição entre fornecedores e na proteção ao consumidor. Neste artigo, os empresários podem se pautar na busca da boa relação com seus clientes não só com o objetivo de cumprir a legislação, mas de fidelizá-los, uma vez que a política nacional de relações de consumo tem por "objetivo o atendimento das necessidades dos consumidores, o respeito à sua dignidade, saúde e segurança e a proteção de seus interesses econômicos". Portanto, o equilíbrio introduzido pelo CDC nas relações de consumo é um caminho sem volta. Quando uma relação de consumo espelha uma relação de confiança, de cooperação, há ganhos para todas as partes.

consumidor tem direito a ser ouvido." Essa foi uma das frases que integrou a mensagem que o então presidente dos Estados Unidos John F. Kennedy escreveu ao Congresso Americano, lida em 15 de março de 1962, daí porque este dia passou a ser comemorado como o Dia Mundial do Consumidor, estabelecido pela Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU) 23 anos após a leitura. Além de ser ouvido, Kennedy escreveu que também são direitos básicos do consumidor a segurança, a informação e a escolha. Ele justificou sua mensagem dizendo que os consumidores precisam ser protegidos porque são maioria e "maioria não se organiza". Esses mesmos princípios estão presentes no Código de Defesa do Consumidor (CDC) brasileiro. E de que forma o consumidor pode ser ouvido por seus fornecedores e será que a comunicação entre empresa e consumidor é efetiva? Para Alexandre Diogo, presidente do Instituto Ibero-Brasileiro de Relações com o Cliente (IBRC), as empresas ainda não se conscientizaram que só vão ganhar dinheiro de verdade quando entenderem que o importante é ter o cliente fiel, retido em sua base. E isso só irá ocorrer se a empresa realmente se

A Política Nacional das Relações de Consumo tem por objetivo o atendimento das necessidades dos consumidores, o respeito à sua dignidade, saúde e segurança, a proteção de seus interesses econômicos, a melhoria da sua qualidade de vida, bem como a transparência e harmonia das relações de consumo, atendidos os seguintes princípios: (Redação dada pela Lei nº 9.008, de 21.3.1995) I - reconhecimento da vulnerabilidade do consumidor no mercado de consumo; II - ação governamental no sentido de proteger efetivamente o consumidor: a) por iniciativa direta; b) por incentivos à criação e desenvolvimento de associações representativas; c) pela presença do Estado no mercado de consumo; d) pela garantia dos produtos e serviços com padrões adequados de qualidade, segurança, durabilidade e desempenho. III - harmonização dos interesses dos participantes das relações de consumo e compatibilização da proteção do consumidor com a necessidade de desenvolvimento econômico e tecnológico, de modo a viabilizar os princípios nos quais se funda a ordem econômica (art. 170, da Constituição Federal), sempre com base na boa-fé e equilíbrio nas relações entre consumidores e fornecedores;

IV - educação e informação de fornecedores e consumidores, quanto aos seus direitos e deveres, com vistas à melhoria do mercado de consumo; V - incentivo à criação pelos fornecedores de meios eficientes de controle de qualidade e segurança de produtos e serviços, assim como de mecanismos alternativos de solução de conflitos de consumo; VI - coibição e repressão eficientes de todos os abusos praticados no mercado de consumo, inclusive a concorrência desleal e utilização indevida de inventos e criações industriais das marcas e nomes comerciais e signos distintivos, que possam causar prejuízos aos consumidores; VII - racionalização e melhoria dos serviços públicos; VIII - estudo constante das modificações do mercado de consumo. Artigo 6º São direitos básicos do consumidor: I - a proteção da vida, saúde e segurança contra os riscos provocados por práticas no fornecimento de produtos e serviços considerados perigosos ou nocivos; II - a educação e divulgação sobre o consumo adequado dos produtos e serviços, asseguradas a liberdade de escolha e a igualdade nas contratações; III - a informação adequada e clara sobre os diferentes pro

Ouvidorias Nesse contexto, as Ouvidorias estão tornandose cada vez mais indispensáveis e muitos setores estão sendo obrigados a criar esses departamentos por força de leis e resoluções. Exemplo é a recente Resolução 279/2013, da Superintendência de Seguros Privados (Susep), que torna obrigatória a criação de ouvidoria por sociedades seguradoras, entidades abertas de

previdência complementar e sociedades de capitalização. As empresas que atuam nesses setores devem, em 60 dias (vence em abril), estruturarem e operarem as Ouvidorias com o intuito de se tornarem um canal de comunicação entre as empresas e o cidadão para mediar conflitos e, também, educarem seus consumidores. "No mercado, há ainda a discussão se Ouvidoria é despesa ou lucro. Não é uma coisa nem outra, mas um benefício para a instituição. Ela evita até ações no Procon e na Justiça", diz Maria Inês Fornazaro, presidente da Associação Brasileira de Ouvidores (ABO-nacional) e ouvidora Geral do governo do Estado de São Paulo. Conforme Fornazaro, uma empresa que não tem Ouvidoria ou um ouvidor que não desempenha bem seu papel traz reflexos negativos. A prova é a lista de reclamação do Procon. "O ouvidor faz a avaliação de qualidade das questões apresentadas pelo consumidor e usa os números estatísticos a favor da empresa. Ele faz o papel de harmonização de interesses. Pode apontar as falhas, criticar, mas o objetivo final é sempre a melhoria do produto, da qualidade do produto ou do serviço", enfatiza a ouvidora.

FIQUE POR DENTRO

O QUE DIZ O CDC Artigo 4º

posicionar que o cliente é a parte mais importante e a sua satisfação deve ser vista como uma "entrega". "Temos muitas empresas míopes, que colocam seu exército somente para vender. Vender por vender ou aprisionar os consumidores com cláusulas contratuais absurdas, não lhe oferecendo as informações necessárias, são ações que, com o tempo, serão eliminadas das práticas mercadológicas." Entretanto, as empresas que se empenham no desenvolvimento de estruturas para "ouvir" o consumidor em suas demandas podem criar laços com seus clientes. Isso pode ser feito via Serviços de Atendimento ao Consumidor (SAC), call centers e Ouvidoria, disponibilizando inúmeras ferramentas para a comunicação entre os dois lados.

dutos e serviços, com especificação correta de quantidade, características, composição, qualidade e preço, bem como sobre os riscos que apresentem; IV - a proteção contra a publicidade enganosa e abusiva, métodos comerciais coercitivos ou desleais, bem como contra práticas e cláusulas abusivas ou impostas no fornecimento de produtos e serviços; V - a modificação das cláusulas contratuais que estabeleçam prestações desproporcionais ou sua revisão em razão de fatos supervenientes que as tornem excessivamente onerosas; VI - a efetiva prevenção e reparação de danos patrimoniais e morais, individuais, coletivos e difusos; VII - o acesso aos órgãos judiciários e administrativos com vistas à prevenção ou reparação de danos patrimoniais e morais, individuais, coletivos ou difusos, assegurada a proteção Jurídica, administrativa e técnica aos necessitados; VIII - a facilitação da defesa de seus direitos, inclusive com a inversão do ônus da prova, a seu favor, no processo civil, quando, a critério do juiz, for verossímil a alegação ou quando for ele hipossuficiente, segundo as regras ordinárias de experiências; IX - (Vetado); X - a adequada e eficaz prestação dos serviços públicos em geral.

REUNIÃO O maior número de processos que chegam aos Juizados Especiais trata do direito do consumidor. Essa foi a tônica dos comentários de Guilherme Ribeiro Baldan, presidente do Fórum Nacional de Juizados Especiais (Fonaje), durante a 3ª Reunião da Secretaria Nacional do Consumidor do Ministério da Justiça (Senacon/MJ) com o Sistema Nacional de Defesa do Consumidor (SNDC), ocorrida nos primeiros dias de março, em Brasília. "Precisamos mudar alguns paradigmas e dar ênfase ao papel dos Procons. É extremamente importante que os problemas sejam resolvidos nos Procons e não precisem ir ao Judiciário", enfatizou Baldan. Já o tema melhoria do atendimento ao consumidor no Brasil foi levantado por Ju-

liana Pereira, secretária Nacional do Consumidor (Senacon/MJ) na mesma reunião. Segundo ela, "trabalhamos muito para inclusão social que possibilitou o aumento do acesso a produtos e serviços. Agora, precisamos que esse acesso envolva, cada dia mais, a colaboração da sociedade, Estado e mercado pela melhoria do atendimento ao consumidor no Brasil".

AUTUAÇÕES Em Goiás, o Procon local autuou 77 empresas em fevereiro (27 bancos, 24 supermercados e 26 de outros setores). As irregularidades recorrentes foram venda casada, diferença de preço em compra à vista e a prazo e fila de banco.

Angela Crespo é jornalista especializada em consumo e-mail: doislados@dcomercio.com.br

Supermercado pagará indenização por vender comida vencida

P

or ter consumido produto vencido, um consumidor do Rio de Janeiro receberá do Wal Mart R$ 6 mil de indenização por danos morais. A decisão é da 15º Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio. O consumidor comprou três sopas instantâneas, que foram consumidas como almoço. À noite ele passou mal, tendo de recorrer a atendimento médico. Sua mãe pegou as embalagens na lixeira e constatou que estavam com data de validade vencida. Conforme o desembargador que julgou a ação, "a saúde é um dos bens jurídicos mais relevantes e sua ofensa justifica o valor indenizatório, sem contar que o consumidor teve de procurar ajuda médica, o que inegavelmente exacerba a ofensa", destacou ele em sua decisão. Fonte: Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ)

Diário do Comércio  

11 mar 2013

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you