Page 1

COMBATE PRAGAS DA CORRUPÇÃO DIA DE

ÀS DEZ

Dida Sampaio/Estadão Conteúdo Fábio Motta/Estadão Conteúdo

Conclusão: 23h40

Ano 87 - Nº 23.848

www.dcomercio.com.br

Jornal do empreendedor

São Paulo, quarta-feira, 10 de abril de 2013

R$ 1,40

Coincidência: 150 promotores e 1.300 policiais, em 12 estados, combateram 10 pragas da corrupção que devoraram, como gafanhotos, moscas e piolhos bíblicos, R$ 1,1 bi. Embora ontem fosse o Dia Nacional de Combate à Corrupção, a ação foi inesperada. A cada front, um nome: Robusta, Máscara Negra, Fratelli... continua na página 6

Página 4

Gurgel quer processo do STF contra Feliciano Procurador-geral da República acusa deputadopastor de discriminação a homossexuais. Feliciano disse ontem que só deixa a Comissão de Direitos Humanos se os mensaleiros Genoino e João Paulo também renunciarem aos cargos na CCJ. Pág. 5

MEIO AJUDA, MEIO NEGÓCIO. A Petrobras deve contratar grupo de Eike. "É negócio, não se trata de ajuda", diz Graça Foster com seu copo meio cheio (ou meio vazio?). Pág. 11

KCNA/Reuters

Kim, louquinho para a guerra nuclear 'comemorativa'. Há 20 anos, Kim Jong-il, papai de Kim Jong-un, chegava à Comissão de Defesa da Coreia do Norte (festa acima). Mais: na próxima segunda, comemora-se o nascimento de Kim Il-sung, fundador do país e vovô de Jong-un. Como prova de amor aos antepassados, o herdeiro apronta seus mísseis. Segundo os EUA, um lançamento é iminente. Pág. 7

Werther Santana/Estadão Conteúdo

Pênalti contra Haddad. Ele cai: é gol! Atenção, prefeito na defesa. A bola vem e ele cai antes de pegá-la. Mais frango, pág. 8. E atenção, prefeito no ataque: mais 147 km de corredores de ônibus. ISSN 1679-2688

23848

9 771679 268008


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Bernardo é o Judas que o PT está queimando em nome de seu projeto de "controle social da mídia". José Márcio Mendonça

pinião

Sérgio Lima/Folhapress

ARISTÓTELES DRUMMOND

PATRULHAMENTO INTOLERÁVEL

É

Ministro Paulo Bernardo, das Comunicações, tem posições pragmáticas que andam incomodado uma parte das bases petistas.

APANHANDO POR DILMA

A

lgumas semanas atrás o professor Eugênio Bucci escreveu um artigo publicado no Estadão com o sugestivo título de "O PT contra o PT", no qual criticava os ataques desferidos por um ramo do petismo ao ministro das Comunicações, Paulo Bernardo – um dos expoentes do partido, com a mulher, a também ministra Gleisi Hoffman – no Paraná. Gleisi, por sinal, é a candidata potencial do PT ao governo paranaense. Eugênio Bucci não é o que se poderia chamar de um "suspeito de sempre", um membro da tão decantada elite que defende a mídia "conservadora e comprometida". Ele é um jornalista com título de doutorado, amigo do prefeito petista Fernando Haddad, que o indicou para compor uma comissão de notáveis da cidade de São Paulo, e nos primeiros anos do governo Lula presidiu a Radiobras (Empresa Brasileira de Comunicação).

M

esmo passada a Semana Santa, ocasião propícia para essas queimações, Paulo Bernardo é o Judas que o PT está queimando em nome de seu projeto de "controle social da mídia" – segundo os petistas abraçados à causa, apenas um processo de democratização dos meios de comunicação, mas que nas entrelinhas defende mesmo é o controle do conteúdo que a imprensa deve publicar. Tanto que essas conversas, velhas como a Sé de Braga petista, inclusive em discursos de Lula – nos quais o ex-presidente se queixa abertamente do comportamento da imprensa, da incompreensão da grande mídia –, ressurgem

JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA sempre que há algo no ar não do agrado das elites petistas. Durante, por exemplo, o julgamento do Mensalão, o assunto foi muito invocado pelos petistas, desgostosos com as notícias sobre o trabalho do Supremo Tribunal Federal (STF).

E

steve também na ordem do dia quando surgiram as revelações sobre Rosemary e seus bebês e, em seguida, depois do depoimento secreto do publicitário Marcos Valério ao Ministério Público dizendo que o ex-presidente Lula sabia o que se passava naquela época, depoimento este que deve gerar a abertura de uma investigação oficial. O tema vai e volta, mas é recorrente no discurso petista. Neste ano, foi eleito como uma das prioridades do partido. É válida – e necessária – a discussão para uma modernização da legislação brasileira sobre o setor, com algumas leis velhas de muitos anos para um ambiente totalmente

renovado, tanto política como tecnologicamente. Mas por trás do discurso de que é preciso adaptar a lei aos novos tempos, às novas mídias e outras coisas tais, está a tentativa de controlar também o conteúdo do que se divulga. O que é inadmissível, pois atinge o sagrado direito à informação de todo cidadão. Paulo Bernardo incomoda, em primeiro lugar, porque se recusa a enviar para o Congresso Nacional o anteprojeto de uma nova Lei de Comunicação de Massas, preparado pelo ministro das Comunicações do governo Lula, Franklin Martins, e deixado como herança para Dilma Rousseff. A proposta, nascida de uma série de debates mais ou menos controlados, promovidos pelo governo em todo o País, tem diversos pontos positivos. Suas entrelinhas, porém, são grosseiras. Bernardo engavetou o projeto e, ao contrário do que dizem os petistas, afirma que ele não é prioritá-

Por trás do discurso de que é preciso adaptar as leis do setor de comunicação aos novos tempos e novas mídias, está a tentativa de controlar também o conteúdo do que se divulga.

rio. E mais: que não cabe entrar na questão do conteúdo da informação. O ministro das Comunicações está incomodando também porque estaria preparando um acordo com as empresas de telecomunicações que daria a elas o direito de ficar com a infraestrutura existente quando das privatizações, avaliadas em R$ 17 bilhões, e que eles teriam de devolver em 2025, em troca de investimentos para a expansão mais rápida dos serviços de banda larga de alta velocidade no País. Além disso, com o mesmo propósito, o ministro anunciou a intenção de desonerar em R$ 6 bilhões de impostos as empresas de telefonia. Bernardo parece estar sendo apenas pragmático. A Telebras, que foi ressuscitada há algum tempo para gerir o Plano Nacional de Banda Larga, não conseguiu sucesso, como quem conhece o mundo das estatais já previa. O risco imediato é termos problemas nesta área na Copa do Mundo. Há uma correria desenfreada para ver se nada de ruim acontece nas cidades-sede da Copa das Confederações.

A

gora, quem conhece a presidente Dilma Rousseff, com seu estilo concentrador, seu zelo, sem senso de autoridade e sua "dureza", terá dificuldades de imaginar que dois temas desse alcance sejam decididos apenas pelo ministro da área, no caso, o ministro Paulo Bernardo. Nem pensar. Bernardo, na verdade, está apanhando porque o PT não pode (e não tem coragem de) bater em Dilma. JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA É JORNALISTA E ANALISTA POLÍTICO

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Cesário Ramalho da Silva Edy Luiz Kogut João Bico de Souza José Maria Chapina Alcazar Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Miguel Antonio de Moura Giacummo Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Renato Abucham Roberto Mateus Ordine Roberto Penteado de Camargo Ticoulat Sérgio Belleza Filho Walter Shindi Ilhoshi

inacreditável a naturalidade com que certos setores do mais primitivo radicalismo ideológico tentaram constranger o governador de São Paulo pela nomeação de um assessor. Donos da verdade, intolerantes e determinados a julgarem as nomeações do chefe do Executivo Estadual, infiltraram na imprensa alusões descabidas que merecem repulsa. O jovem assessor Ricardo Salles demonstra gosto pela vida pública desde muito cedo. Foi candidato a deputado estadual duas vezes, tendo passado dos 25 mil votos na última eleição. É um democrata, de formação católica, que defende o papel da livre empresa no processo de desenvolvimento econômico e social do País. Com honestidade intelectual e coragem pessoal, encara o movimento de 64 como um fato histórico, já que estava longe ter nascido quando o mesmo ocorreu. Mas, pela leitura e depoimentos que conhece, avalia que ali a a sociedade se mobilizou e sensibilizou os militares para a intervenção.

comprometida com os movimentos de esquerda não se manifestava. Um tento para a democracia.

N

a verdade, os conservadores, como Ricardo Salles, são na sua maioria pluralistas; respeitam as opiniões divergentes, mas não abrem mão de manifestar suas convicções e de acreditar nesta ou naquela corrente. A mais, voltando a 64, sabem que o movimento surgiu na sociedade civil, que os governadores que comandaram o processo – de Minas, São Paulo, Guanabara, Paraná e Rio Grande do Sul – eram políticos e eleitos diretamente. E que a maioria dos ministros foi composta por civis e os presidentes militares foram eleitos em sessões do Congresso, com a presença de ilustres brasileiros que formavam a bancada de oposição.

N

enhuma novidade, uma vez que estão nos jornais da época e nos anais do Congresso a manifestação da vontade nacional. O sr. João Goulart caiu sob aplausos do empresariado, da chamada grande imprensa e de boa parte do Congresso. Semanas depois, o Congresso elegeu o marechal Castelo Branco para presidente da República, inclusive com voto aberto do senador Juscelino Kubitscheck e teve como vice-presidente o político mineiro José Maria Alckmin – sem parentesco com o governador de São Paulo – que era do PSD, um partido conservador e a cuja bancada pertencia o deputado Ulysses Guimarães. Junto a outros jovens, Salles fundou um movimento cujo site deve ser visitado. Criativos no nome "Endireita Brasil", defendem os valores dominantes na sociedade brasileira, do liberalismo econômico, da ordem, do respeito à propriedade, dos reclamos contra os abusos fiscais, com ênfase na moralidade. Há muito a juventude não

Escolha de Alckmin gerou críticas que são incabíveis em um sistema democrático

O

governador Geraldo Alckmin, que reúne em sua equipe diferentes correntes de opinião, de maneira a buscar melhor servir a população, merece aplausos por agregar um jovem educado, correto, respeitado e admirado pela sua geração, para ajudá-lo neste momento em que os Estados vivem uma crise preocupante em suas contas. Certamente, a ajuda dos defensores da ordem e da paz pode ser mais útil do que a dos que vivem com a ideia fixa do revanchismo e ainda raciocinam na base da luta de classes. ARISTÓTELES DRUMMOND É JORNALISTA E VICE-PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DO RIO DE JANEIRO. aristotelesdrummond@mls.com.br

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, Marcel Solimeo Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Editor-Chefe: José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br). Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br). Editores Seniores: chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), José Roberto Nassar (jnassar@dcomercio.com.br), Luciano de Carvalho Paço (luciano@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br). Editor de Fotografia: Alex Ribeiro. Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Heci Regina Candiani (hcandiani@dcomercio.com.br), e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br. Subeditores: Marcus Lopes, Rejane Aguiar e Ricardo Osman. Redatores: Adriana David, Evelyn Schulke e Tsuli Narimatsu. Repórteres: André de Almeida, Karina Lignelli, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mariana Missiaggia, Mário Tonocchi, Paula Cunha, Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves, Sandra Manfredini, Sílvia Pimentel e Wladimir Miranda. Gerente Executiva e de Publicidade Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estadão Conteúdo, Folhapress, Efe e Reuters Impressão S.A. O Estado de S. Paulo. Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3180-3175. Fax 3180-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3180-3197, 3180-3983, Fax 3180-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3180-3544, 3180-3176 Esta publicação é impressa em papel certificado FSC®, garantia de manejo florestal responsável, pela S.A. O Estado de S. Paulo.

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3180-3737 REDAÇÃO (011) 3180-3449 FAX (011) 3180-3046, (011) 3180-3983 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 10 de abril de 2013

o

3

CHAVEZ FOI O ESPANTALHO USADO PELA ESQUERDA PARA DISTRAIR OBSERVADORES DOS EUA.

pinião

DUAS PERGUNTAS

A

revista acadêmica Intelligencer, do Patrick Henry College, de Purcellville, Virginia, enviou-me esta semana algumas perguntas sobre a situação política na América Latina. As respostas que ofereci a pelo menos duas delas não me parecem desprovidas de interesse para o leitor brasileiro. Pergunta: Quais foram as causas da mudança da América Latina para o socialismo/comunismo depois de a região ter alcançado algum sucesso no capitalismo? Resposta: A história da América Latina no último meio século pode se dividir em três etapas. Primeiro vieram as ditaduras militares e a derrota da esquerda armada. Depois, a volta da democracia e uma fase de entusiasmo epidérmico pelo capitalismo liberal, coincidindo com a queda do comunismo no leste europeu. Por fim, a ascensão geral das esquerdas. É evidente que a terceira etapa foi preparada durante a segunda, quando a opinião pública parecia imaginar que o comunismo estava morto e enterrado para sempre, mas na verdade apenas se fazia de morto para assaltar o coveiro. O que aconteceu foi que, na época, a direita não entendeu de maneira alguma o processo de transformação interna do movimento comunista.

O

s militares haviam se concentrado no combate à esquerda armada, sem fazer praticamente nada contra o comunismo no campo ideológico e cultural, que, precisamente na época da maior repressão, ia sendo discretamente dominado pelos esquerdistas. Na quase totalidade dos países da América Latina, estes dominavam o aparato cultural e jornalístico, justamente no instante em que a queda da União Soviética lançava entre eles um estado de confusão ideológica muito propício a uma revisão estratégica profunda,

OLAVO DE CARVALHO O governo e a mídia dos Estados Unidos entraram num tal estado de alienação que chegaram a acreditar que havia na América Latina duas esquerdas, uma totalitária e ameaçadora, representada por Hugo Chávez, e outra democrática e até pró-americana, personificada por Lula – mas Lula foi o fundador e, por doze anos, o dirigente máximo do Foro de São Paulo.

que veio a acontecer com rapidez extraordinária – sem que a direita, então embriagada de ilusão triunfalista, nem sequer o percebesse. Essa revisão foi composta pelos seguintes itens: (1) a reforma organizacional dos partidos comunistas, que abandonaram a antiga linha vertical de comando para adotar uma organização mais flexível em "redes" e propiciar a articulação estratégica entre todas as facções de esquerda, passando por cima de antigas dissensões ideológicas; (2) uma mudança radical no discurso ideológico, que, em vez da transformação estrutural da economia, passou a enfatizar toda sorte de interesses grupais antagônicos ao sistema, ao qual já não se declarava guerra abertamente, mas se combatia desde mil lados ao mesmo tempo, lançando na sociedade uma confusão dos diabos. Essas transformações refletem aquilo que Augusto del No-

ce chamou, um tanto ironicamente, de "suicídio da revolução": dissolvida toda visão clara de um futuro socialista, a luta revolucionária esfarelou-se em mil e uma linhas de combate aparentemente inconexas que, segundo o mesmo del Noce, não faziam avançar a causa socialista ostensivamente, mas iam corroendo todos os valores morais e culturais da sociedade capitalista, que, assim, assumia feições cada vez mais malignas e odiosas. As novas gerações de adeptos do capitalismo, já educa-

das fora dos valores morais e culturais que sustentavam o regime, colaboraram nesse processo, entregando-se a um pragmatismo amoral que transformava o capitalismo precisamente no monstro que os esquerdistas desejariam que ele fosse. Os esquerdistas, por sua vez, aproveitavam-se disso para fomentar a corrupção e ao mesmo tempo denunciá-la, lançando as culpas no capitalismo. O conjunto tornou-se tão confuso que ninguém, na direita, compreendia o que es-

O governo e a mídia dos EUA chegaram a crer que havia na América Latina duas esquerdas: uma totalitária, de Chávez, e outra democrática, de Lula.

tava acontecendo. Atônitos e paralisados, os políticos conservadores e liberais (no sentido latino-americano do termo) foram cedendo a um avanço ideológico cujo perfil comunista de conjunto lhes escapava por completo, Foi assim que a facção que no começo dos anos 90 parecia quase extinta veio a se tornar a dominadora quase absoluta do continente. Pergunta: O presidente Hugo Chávez teve ampla responsabilidade nessa mudança? Resposta: Não, de maneira alguma. Chávez foi apenas o espantalho usado pela esquerda para distrair os observadores norte-americanos, que concentravam nele as suas atenções enquanto empreendimentos de muito maior envergadura, dirigidos desde o Brasil, isto é, desde o foro de São Paulo, iam consolidando a posição das esquerdas no continente.

AGORA É PARA VALER D

esde 1º de março, casais homossexuais paulistas podem se dirigir aos Cartórios de Registro Civil de Pessoas Naturais e realizar o casamento civil, ou a conversão da união civil em casamento, exatamente como fazem os casais heterossexuais. Essa possibilidade surgiu a partir de norma publicada pela Corregedoria Geral da Justiça do Estado de São Paulo, que determinou o procedimento igualitário nos cartórios. É a evolução que se pode chamar de natural a partir da decisão tomada pelo Supremo Tribunal Federal, em 5 de maio de 2011. Àquela época, o STF reconheceu a união homoafetiva como entidade familiar e consagrou a possibilidade de casais do mesmo gênero oficializarem a união civil. O que isso representou na prática? Representou os mesmos direitos e deveres que se consagram aos casais heterossexuais em união estável.

os cidadãos – os direitos consagrados aos heterossexuais deveriam ser estendidos também a estes. Foi com esse pensamento que muitos casais homossexuais pleitearam na Justiça o direito ao casamento igualitário. A partir dessa demanda, a Corregedoria Geral da Justiça do Estado de São Paulo determinou que isso fosse possível sem a interferência do Judiciário.

Assim, a partir de agora, os casais homoafetivos paulistas podem, também, converter a união estável em casamento. Ou, como já foi dito, partirem direto para o casamento civil – sem "escalas", digamos assim. Isso representa uma série de direitos. O mais concreto e imediato é a obtenção da certidão de casamento,

documento que basta como prova de união do casal. Pode-se também escolher o regime de bens. Quando os cônjuges não fazem essa opção, ele automaticamente se configura como comunhão parcial de bens. Por outro lado, se houver opção por outro regime de bens, a lei brasileira determina que se faça o pacto antenupcial, uma escritura pública que obrigatoriamente deve ser lavrada no registro de imóveis que fica na circunscrição do imóvel onde o casal vai residir. Nesse documento, os cônjuges decidem a administração dos bens e outras questões patrimoniais, de acordo com a conveniência do casal. Feito o pacto antenupcial, este deve ser encaminhado ao Cartório de Registro Civil de Pessoas Naturais onde será efetivado o casamento.

É

SXC

A

o mesmo tempo, a decisão do STF abriu uma lacuna importante. Ora, se casais homossexuais se configuram como uma entidade familiar, a partir do conceito de isonomia – que é a aplicação da lei de forma igualitária para todos

possível também, com o casamento civil, efetuar a adoção do patronímico – ou seja, adotar o sobrenome do parceiro – e a adoção de filhos em conjunto. Também é bom lembrar que de posse da certidão de casamento, ainda que os cônjuges morem distantes um do outro, não há necessidade de provar a união, nos casos em que isso for necessário. O "casamento gay" já é uma realidade em 11 países. Na América Latina, a Argentina saiu na frente,

IVONE ZEGGER seguida pelo Uruguai. No Brasil, essa realidade existe em oito estados. Além de São Paulo e do Distrito Federal, outros seis estados normatizaram o casamento gay: o primeiro a fazê-lo foi Alagoas; posteriormente foram Piauí, Bahia, Ceará, Paraná e Mato Grosso do Sul. Então, muitos poderão perguntar: é possível cruzar fronteiras e se casar em outro estado? Não. Na verdade, a única possibilidade é quando os cônjuges ou um dos cônjuges tem residência fixa em mais de um estado, sendo que num deles o casamento homoafetivo é permitido. E se nos dois estados a lei não permitir, a união será impossível até o momento.

A

ssim, a primeira etapa para a realização do casamento civil é o processo de habilitação. Nele, os noivos devem ir ao Cartório de Registro Civil de Pessoas Naturais mais próximo de suas residências fixas e dar entrada nos papéis. O cartório procede então à publicação do edital dos

M

ais realista foi a visão das FARC (Forças Armadas Revolucionárias) da Colômbia, que logo enxergaram na fundação dessa entidade a salvação e o futuro do movimento comunista. Chávez só se tornou membro do Foro quando este já tinha cinco anos de existência e seus planos estratégicos para o domínio continental estavam em plena execução. Nunca houve entre Chávez e o Foro, ou entre Chávez e Lula, a mínima divergência. O próprio Lula, em dois discursos, que chegaram a ser reproduzidos no site oficial da Presidência da República brasileira, reconheceu que o Foro tinha elevado e mantido Hugo Chávez no poder. Este foi um instrumento dócil da entidade, encarregado de condensar em si os temores internacionais, acobertando as operações de conjunto do Foro no restante do continente. OLAVO DE CARVALHO É ENSAÍSTA, JORNALISTA E PROFESSOR DE FILOSOFIA

proclamas no próprio local e no Diário Oficialdo município. A tarefa do cartório é tornar o anúncio do casamento o mais público possível. Ao final de 15 dias, se não houver qualquer manifestação de impedimento, os noivos serão considerados habilitados ao casamento. Se os noivos moram em municípios ou estados diferentes, cada qual terá os proclamas publicados pelo cartório próximo ao seu local de residência fixa. Aquele do casal que se deslocar de um estado para outro, para realizar o casamento, deverá estar munido do documento de autorização emitido pelo cartório para que o casamento se efetive.

P

ara quem reside nos estados onde não é possível realizar o casamento, é importante lembrar que embora não dê plenos direitos, a possibilidade de oficializar a união civil homoafetiva já é um avanço, principalmente em favor daqueles que, com a morte do companheiro ou companheira, se veem na situação de ter de abrir mão de bens que foram adquiridos em conjunto. Portanto, nesses casos, o mais correto a fazer é oficializar a união civil e posteriormente tentar a conversão por via judicial. IVONE ZEGER É ADVOGADA ESPECIALISTA EM DIREITO DE FAMÍLIA E

SUCESSÃO. MEMBRO EFETIVO DA COMISSÃO DE DIREITO DE FAMÍLIA DA OAB/SP; É DE "HERANÇA: PERGUNTAS E RESPOSTAS" E "FAMÍLIA: PERGUNTAS E RESPOSTAS" WWW.IVONEZEGER.COM.BR


DIÁRIO DO COMÉRCIO

4

GibaUm

3 Vale

tudo: candidato ao governo do Rio, Anthony Garotinho, está tentando convencer Zeca Pagodinho a ser seu vice.

gibaum@gibaum.com.br

k “Colocamos as alianças e fomos à Sacré-Coeur, já que somos as duas católicas. Fomos fazer nossas orações e pedir proteção.”

DANIELA MERCURY // contando sobre seu casamento em Paris com Malu Verçosa. Fotos: Paula Lima / Divulgação

3 MAIS: um dos pontos para o convencimento do pagodeiro é que Garotinho garante que, Zeca eleito, poderá cuidar melhor de Xerém.

Copa gastronômica O chef Claude Troisgros e Pelé apadrinham, dia 8 de maio, nos salões do Gotham Hill, na Broadway, em Nova York, a 4ª edição da Copa Gastronômica Gols pela Vida, em beneficio do hospital do Instituto Pequeno Príncipe, em noite black-tie e a mil dólares por cabeça. Do Brasil, Claude levará Alex Atala e Roberta Sudbrack, que dividirão a cozinha com Daniel Boulud (oito restaurantes estrelados no mundo) e com Daniel Humm, do NoMad, que alcançou nota máxima do The New York Times .

333

PAI VICIADO Aos 37 anos, Isabella Lemos de Moraes, filha mais velha do empresário João Flávio de Moraes, lança, na semana que vem, o livro Agora é Viver, onde conta o que foi a vida de sua família devido ao vicio do pai, durante 25 anos, em cocaína e crack. Ela é neta de Wilson Lemos de Moraes, que morreu há dois anos, fundador da Supergasbrás. Durante muito tempo, João Flávio foi o maior amigo de Roberto Carlos. Hoje, com 62 anos, deixou as drogas há cinco anos e tenta sobreviver com todas as marcas deixadas pelo vicio. 333

A maior atriz da Espanha dos anos 50 e 60, Sarita Montiel, que morreu esta semana e que viu no filme La Violetera seu maior sucesso mundial, teve uma vida repleta de histórias. Fumava dois charutos cubanos por dia, hábito que havia adquirido com Ernest Hemingway e adorava provocar as mulheres, sentando até no colo de homens em seus espetáculos. Foi casada quatro vezes e teria sido amante do rei Juan Carlos. No começo dos anos 60, esteve em São Paulo (veio varias vezes ao Brasil) e foi recebida no Palácio dos Campos Elíseos pelo então governador Adhemar de Barros, que ficou enlouquecido por ela. Detalhe: era e é amada até hoje pelas bibas nacionais. 333

VIROU MUSA 333 A Central de Atendimento ao Telespectador da Rede Globo informa que a delegada Helô, personagem de Giovanna Antonelli na novela Salve Jorge, é a grande musa da série, aparecendo no topo dos pedidos do publico para informações sobre roupas, maquiagens, acessórios e até papéis de parede, fora cabelos e esmalte de unhas. A bolsa amarela que a delegada usa virou objeto de desejo e a capa de celular, que imita um soco inglês, está sendo vendida nos camelôs de São Paulo e Rio de Janeiro. Nanda Costa, a Morena , não consegue nem chegar perto.

Fora do campo Malgrado o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, tenha dito que não existe nada no governo para tirar José Maria Marin, presidente da CBF, da presidência do COL – Comitê Organizador Local, que cuida da Copa de 2014, a própria Dilma Rousseff vem tratando do assunto. Joseph Blatter, presidente da Fifa, acha mesmo que, crescendo o movimento contra o presidente da CBF por conta do episodio de Vladimir Herzog, será ruim para a imagem da Copa. Não comandando o COL, ele permanecerá na CBF, mas à distância. E longe de Dilma e Blatter no palanque principal.

333

VÔO SOLO O empresário José Batista Junior, que levou o frigorífico JBS-Friboi à mais alta posição no mercado de carnes do país, teria vendido sua participação na holding do grupo, a J&F, aos irmãos Joesley e Wesley Batista. Ninguém fala em números e muita gente aposta que é apenas uma manobra, agora que quer se candidatar ao governo de Goiás. Estava, aliás, comprometido com o PSB de Eduardo Campos, mas teria capitulado diante da insistência do vice Michel Temer e estaria arrumando as malas para o PMDB. 333

Noite de esquenta

333 Na véspera da Inspiration Gala, em São Paulo, para levantar fundos ao The Foundation for Aids Research, Alexandre Birman (Schutz), bancou uma noite de esquenta no Baretto, o bar do hotel Fasano;: lá entre outras, da esquerda para direita, Fergie e Dita von Teese, Kate Moss, Isabeli Fontana e Karolina Kurkova. Os eventos da Josh Wood Productions já levantaram US$ 6 milhões entre Nova York, Paris, Los Angeles e São Paulo. É uma iniciativa cara: as estrelas não cobram, mas não pagam hotel, comida e passagens. É uma forma de atrair milionários. Algumas marcas patrocinam para que famosos sejam fotografados ao lado de seus logotipos. E há até vendas combinadas, para incentivar os convidados.

O diretor de jornalismo da Rede Globo, Ali Kamel, não achou exagerada a abordagem no Fantástico e, na manhã seguinte, no programa de Fátima Bernardes, do casamento de Daniela Mercury com Malu Verçosa. Antes, por poucos segundos, a mesma história havia sido exibida no Jornal Nacional, considerado o mais importante noticioso de TV do país. A Central Globo de Jornalismo e Esporte encara a união gay grande assunto à medida em que, entre as protagonistas, tem uma figura nacionalmente conhecida e disposta a falar abertamente sobre o tema. No Fantástico, Daniela contou que sua primeira paixão por uma mulher foi em 1991: deu 20 pontos de audiência. De quebra, também foi capa de Época.

Super-dose polêmica

333

MISTURA FINA 333 DILMA Rousseff gostou de chutar a bola no novo estádio Arena Fonte Nova e dia 27, quer repetir no Maracanã. Em Salvador, contudo, os baianos arrepiaram quando Dilma chutou a bola com o pé esquerdo. Alguns, beiraram o desespero por conta da superstição.

OUTRA atração da Erotika Fair, em São Paulo, destinada às mulheres é um simulador de sexo oral, que vem vendendo muito mais do que um outro estimulador que serve até de despertador matinal. Esse funciona como uma hélice de ventilador composta de 10 mini-linguinhas que rodam na velocidade de rotação desejada. O brinquedinho custa R$ 500.

333

AINDA Sarita Montiel: a diva espanhola que morreu pode ser ouvida, semanalmente, na trilha sonora de Tapas e Beijos, com sua interpretação memorável de Sábado em Copacabana, de Dorival Caymmi e Jorginho Guinle. É uma música cult que já foi gravada por diversos artistas, entre tantos Dick Farney, Lucio Alves, Maria Bethânia, Gal Costa e muitos mais. 333

Yves Saint-Laurent deve estar se revirando na tumba: ele gostava de vestir estrelas de rock, desde que com muito glamour. O francês Heidi Slimane, que assina a marca, prefere escandalizar. Seu último desfile grunge foi liquidado pelos experts em moda. Agora, não contente, resolve lançar a nova campanha com as coleções Saint-Laurent, sem mostrar as roupas e com figuras surpreendentes. Recorreu a algumas que ainda chocam: Courtney Love (esquerda), Kim Gordon (direita), Ariel Pink, e de quebra, até Marilyn Manson.

Adeus ao glamour

333

Romance em Búzios O estilista Marc Jacobs e seu namorado brasileiro (ele é ator pornô) Harry Louis, estão em temporada em Buzios. Foram passear de barco, Jacobs de bermuda e camisa e Harry, só de sunga. Juntos, um segurança e uma assessora. Depois, caminharam de mãos dadas pela praia da Ferradura e voltaram ao Rio. A viagem romântica é por conta dos 50 anos do estilista, comemorados esta semana.

333

h IN

Uma unha diferente das outras.

h

Até Adhemar

OUT

Unhas com desenhos coloridos.

Setentona 333 O travesti Rogéria, que completa 70 anos no mês que vem e que está comemorando 50 anos de carreira, aparece no programa de Marília Gabriela e garante que jamais passou numa cirurgia de troca de sexo: “Adoro o homem que sou”. Carioca de nascimento, Rogéria começou a trabalhar como maquiadora, depois vedete, cantora, jurada de televisão e atriz. Ela participava do grupo Les Girls, que fez sucesso nos anos 60, ao lado de Valéria, Carlos Gil e outros. Detalhe: seu nome verdadeiro é Astolfo Barroso Pinto. E, no programa, ela não deixou por menos: “Até meu sobrenome sempre me perseguiu”.

DE UM lado, o senador tucano Aloysio Nunes Ferreira, do grupo de José Serra, tem repetido que não pensa em deixar o PSDB, caso o exgovernador se transfira para o PPS; de outro, Alberto Goldman, que foi vice de Serra, é o primeiro a admitir essa hipótese, alegando que “não há mais lugar para serristas no partido”.

333

A PRÉ-candidata à Presidência, caso seu partido seja registrado, Marina Silva, agora quer promover jantares em restaurantes mais populares buscando correligionários que ajudem na coleta de 540 mil assinaturas para a efetivação do Rede no TSE. O primeiro deles foi em Brasília, no XiqueXique, a R$ 100 por cabeça – e não conseguiu lotar o local.

333

Colaboração: Paula Rodrigues / A.Favero

quarta-feira, 10 de abril de 2013


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 10 de abril de 2013

5 PSD A Corregedoria da Câmara dos Deputados ficará a cargo do deputado Átila Lins (PSD-AM), conforme acordo firmado com o PMDB.

olítica

Feliciano só sai se 'levar' mensaleiros

Procurador entra na briga contra pastor

O

procurador-geral da República, Roberto Gurgel, pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) que abra um processo criminal contra o deputado e pastor Marco Feliciano (PSC-SP) por discriminação contra homossexuais. Gurgel sustenta que Feliciano veiculou mensagens no Twitter que induzem à discriminação dos homossexuais. Segundo ele, na mensagem, Feliciano diz que a "podridão" dos sentimentos dos homoafetivos leva ao ódio, ao crime e à rejeição. "A simples leitura da declaração do investigado evidencia o seu caráter discriminatório e agressivo." "É evidente que há justa causa para a instauração de ação penal, na medida em que a declaração feita pelo investigado na rede social violou direitos fundamentais elementares e instigou os demais membros da sociedade, principalmente seus seguidores, a adotarem semelhante postura", completou Gurgel. Sobre Feliciano, o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), disse: "Regimentalmente, como presidente, estou no meu limite, mais do que isso não posso fazer. Não posso ser ditador, jamais seria. Não posso querer impor minha vontade à Casa, jamais faria. Tenho que obedecer o regimento." E defendeu que não pode haver conflito de papéis: "Ele não pode dissociar a sua palavra de presidente da Comissão e a de pastor." (Agências)

Ele bateu o pé e conseguiu. Condicionou seu cargo na CDH à saída de Genoino e João Paulo da CCJ.

D

epois da reunião de cerca de duas horas com líderes partidários, o deputado Pastor Marco Feliciano (PSCSP) manteve sua firme disposição de continuar na presidência da Comissão de Direitos Humanos (CDH) da Câmara. O colégio de líderes se dividiu, o que deu a Feliciano mais argumentos para ficar. Ele foi firme. Disse que só deixaria a presidência da Comissão se João Paulo Cunha (PT-SP) e José Genoino (PT-SP) saíssem da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). O clima foi tenso. Ao contrário do que se esperava, não houve pressão maciça pela renúncia dele. Líderes de PMDB, PR, PSD, PRB e PMN defenderam que ele tinha o direito de ficar no cargo. Do outro lado, além do presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDBRN), ficaram, basicamente, os líderes de PT, PPS, PDT, PCdoB e PSol. O PSDB tomou decisão partidária de nem sequer participar do encontro após avaliar não haver saída regimental para resolver o problema.

Segundo parlamentares, Feliciano portou-se como vítima de perseguição. Afirmou que nada ia demovê-lo da posição de comandar a CDH e chegou a pedir "misericórdia" dos adversários. Chegou a prometer que vai se policiar em declarações futuras. E só cedeu ao apelo para recuar da decisão de fechar todas as reuniões da Comissão. Feliciano anunciou que fará reuniões abertas, mas avisou que pode recorrer de novo a medidas como retirar manifestantes ou mudar de plenário se os protestos impedirem os trabalhos. Na saída da reunião, dois deputados bateram boca. Ivan Valente, líder do PSol, dava entrevista criticando o pastor Feliciano quando foi interrompido por gritos de Jair Bolsonaro (PP-RJ). "Você é um torturador, deveria estar preso", reagiu um irritado Valente. "Se você tivesse participado daquele momento estaria no saco, imbecil", disse Bolsonaro. "Torturador", rebateu Valente. "Se tem alguma prova denuncie", retrucou o deputado do PP. (Agências)

Lula fala em Bolsa Família Mundial Em Londres, ele encontra Bono e expõe projetos sociais. E o cantor é só elogios ao ex-presidente.

Barbosa: 'declarações impertinentes, ofensivas'.

O

O

ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teve um encontro ontem com o cantor irlandês Bono, da banda U2, em Londres. Os dois se reuniram por uma hora e discutiram a proposta de criação de um "Bolsa Família mundial". "Some os US$ 9,5 trilhões gastos para salvar bancos norte-americanos e europeus, depois da crise de 2008, mais os US$ 1,7 trilhão despejados pelos EUA na guerra do Iraque, e você terá mais de US$ 11 trilhões. Isso significa que os recursos jogados na farra dos bancos e na invasão do Iraque seriam suficientes para montar um mega-programa Bolsa Família que atenderia a todos os pobres do mundo durante 150 anos", afirmou Lula. Segundo o texto da assessoria de Lula, Bono

disse que Lula é o "grande interlocutor mundial dos pobres" após a saída do sulafricano Nelson Mandela da cena política. "Você é o único interlocutor capaz de falar com capitalistas e socialistas, com dirigentes dos países ricos e com as lideranças do terceiro mundo." O músico propôs parceria entre o Instituto Lula e a ONE, organização criada por ele para estimular programas contra a fome em países africanos. Bono conta que, com o apoio dos bilionários americanos Bill Gates e George Soros, a ONE começou a fazer, na Tanzânia, um projeto de produção de alimentos inspirado no trabalho da Embrapa em Gana. No fim do encontro, Bono elogiou Lula: "Você é hoje a única pessoa em condições

de liderar uma cruzada internacional para transformar o Bolsa Família num programa planetário, que atenda a todos os pobres do mundo." O músico prometeu ir junto com Lula ao primeiro jogo da Copa do Mundo de 2014. Crime eleitoral – O procurador regional eleitoral Renato Brill de Góes, que atua perante o Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal, remeteu ontem pedido de investigação de suposta prática de crime eleitoral por Lula para duas frentes diferentes. Depois de verificar que não há nenhuma autoridade com foro privilegiado que justificaria sua atuação, Brill de Goés enviou para o promotor eleitoral que atua na 1ª Zona Eleitoral da capital o pedido para apurar a

suspeita de que houve crime de falsidade ideológica na prestação de contas da campanha de Lula em 2002. Segundo informações da assessoria de imprensa da Procuradoria Regional da República na 1ª Região (PRR1), a investigação terá como base o relato do publicitário Marcos Valério à Procuradoria Geral da República durante o julgamento do Mensalão, no qual ele foi condenado a 40 anos de prisão. A apuração deve envolver, segundo o procurador, a Usiminas. Pelos mesmos fatos, o procurador regional mandou para a Procuradoria Geral Eleitoral o pedido para apurar se houve alguma irregularidade de natureza cível cometida pela campanha presidencial. (Agências)

Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) divulgou nota em que chama de "impertinentes e ofensivas" as declarações do presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Joaquim Barbosa, sobre a criação de novos Tribunais Regionais Federais (TRFs). Em reunião com dirigentes de associações de juízes, na última segunda-feira, Barbosa afirmou que a aprovação dos quatro tribunais ocorreu de forma "sorrateira" e "à base de cochichos". Na reunião, Barbosa disse, em tom de ironia, que as novas sedes, aprovadas pela Câmara na semana passada, seriam instaladas "em resorts". Em resposta, a OAB afirma agora que a criação dos tribunais tramitou nor-

malmente no Congresso e foi debatida publicamente. Negociata – O senador Jorge Viana (PT-AC) afirmou ontem que nunca fez "nenhuma negociata, nada sorrateiramente". A declaração veio em resposta à ironia de Barbosa, sobre a medida "sorrateira". Viana disse que se sentiu ofendido: "Nunca fiz nenhuma negociata, nunca fiz nada sorrateiramente, o texto tramitou no Congresso Nacional e ainda foi votado no Conselho Nacional de Justiça (CNJ)". Já o senador Aníbal Diniz (PT-AC) acrescentou: "Se fosse uma pessoa eleita pelo povo, dizer para só lhe dirigir a palavra quando fosse pedido seria manchete em todo lugar. Se isso não é uma atitude ditatorial, então o que é?". (Agências)

Raimundo Pacco/Estadão Conteúdo

'O Haiti é aqui' e fica no Acre

O

governador do Acre, Tião Viana (PT), assinou ontem decreto de emergência social para tentar amenizar as dificuldades dos imigrantes haitianos no Estado. Tião Viana criticou a posição dos Ministérios das Relações Exteriores (MRE) e da Justiça. "Nós temos tido um apoio muito tímido do Ministério da Justiça e uma insensibilidade marcante por parte do Ministério das Relações Exteriores." "Por várias vezes, eu já tratei dessa questão com o (ex) ministro Gonzaga Patriota, coloquei a gravidade da situação." E ele entende que a maneira mais eficaz de "limitar" o trânsito de haitianos é extinguir o visto do governo do Peru dos imigrantes que vêm do Equador. "Apontei o caminho para uma solução e até agora

não percebi nenhum movimento nessa direção. O ministério tem se mostrado insensível à questão." Desde dezembro de 2010, quando chegou à fronteira o primeiro grupo de haitianos em fuga após a série de terremotos que assolou o país, 4,3 mil imigrantes passaram pelo limite do Acre com o Peru, passando pelo Equador. Hoje, mais de 1,2 mil haitianos estão em Brasileia e Epitaciolândia. Isso teve custo contabilizado em mais de R$ 3 milhões ao governo do Acre. É mais de seis vezes o gasto que o governo federal teve com ajudas pontuais nesses casos. Segundo contas da Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos, até hoje, a administração federal já arcou com R$ 650 mil.

Os 1,2 mil haitianos se acomodam em local que só comportaria 200 pessoas. Custos com energia, aluguel e três alimentações diárias são bancados pelo governo do Acre, com ajuda pontual do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. "Se nós tivermos um momento de violência ali, que poder de polícia o governo do Estado tem para tratar essa questão?", questionou o governador. Além de haitianos, há etíopes, senegaleses, dominicanos, nigerianos e indianos. O governo do Acre suspeita que a região virou rota do tráfico internacional de humanos. "É como se estivesse formada uma rota internacional migratória que se associa à crise social que vive o povo do Haiti", disse. (Estadão Conteúdo)

Custos com energia, aluguel e alimentação dos 1,2 mil haitianos são bancados pelo governo do Acre.


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Essa é apenas uma parte da quadrilha. Ainda investigamos funcionários do Detran. Marcos Alex Vera de Oliveira, promotor de Justiça do Mato Grosso

olítica

L.A. Adolfo/ Folhapress

Falsificação e venda de documentos

Sentenças

A

gentes do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) cumpriram cinco mandados de prisão e outros cinco de busca e apreensão no Mato Grosso contra acusados de envolvimento na venda de decisões judiciais em favor de traficantes de drogas. Uma suposta negociação de compra de liberdade teria custado mais de R$ 1 milhão na cidade de Porto Esperidião. Além disso, foram constatadas duas tentativas de suborno de um assessor jurídico da Vara Especializada contra o Crime Organizado e Administração Pública.

A

operação Risco Duplo investiga há seis meses a venda de Carteira Nacional de Habilitação (CNH) em Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e São Paulo. As fraudes podem ultrapassar os R$ 500 mil. Os suspeitos são funcionários de autoescolas e aliciadores que tinham a função de cooptar clientes interessados na compra de CNHs e na aquisição de cursos que permitam a condução de cargas perigosas e de passageiros. O coordenador do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), declarou que há indícios de que funcionários do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) de Mato Grosso forneciam o papelmoeda utilizado na fabricação dos documentos, já que o material não teria sido furtado. Segundo o promotor de Justiça Marcos Alex Vera de Oliveira, os clientes eram pessoas semi analfabetas que não teriam condições de passar no exame e que precisavam da habilitação para trabalhar. "Essa é apenas uma parte da quadrilha. Ainda estamos investigando funcionários do Detran nos dois Estados", garantiu o promotor. Oliveira disse ainda que uma psicóloga é suspeita de fraudes em exames psicológicos no Detran. Foram expedidos ontem sete mandados de prisão: seis em Anastácio, Ivinhema, Nioaque, Jateí e Sidrolândia, em Mato Grosso do Sul, e um em Cuiabá, Mato Grosso. O principal suspeito de liderar a quadrilha e o irmão dele foram detidos em Anastácio. Os detidos por envolvimento no grupo podem ser indiciados por falsidade ideológica e formação de quadrilha. Os que forem identificados como compradores podem ser enquadrados por corrupção ativa.

Quadrilha Cheque da Assembleia Legislativa do Mato Grosso em poder de Avilmar de Araújo, investigado por montar e receber de empresas fantasmas.

MP TENTA EXPURGAR A MALDIÇÃO NACIONAL Mais de 150 promotores e 1.300 policiais promoveram ontem, no Dia Nacional do Combate à Corrupção, operações conjuntas para desmantelar esquemas criminosos de corrupção que seriam responsáveis por desvios acima de R$ 1,1 bilhão.

O

Ministério Público realizou ontem operações de combate à corrupção em 12 Estados para desarticular uma série de esquemas suspeitos de desviar recursos públicos federais, estaduais e municipais com fraudes em licitações. Entre os suspeitos e presos, há ex-prefeitos e empresários. As verbas públicas sob investigação, somadas, ultrapassam R$ 1,1 bilhão, com pagamento de propinas, superfaturamento de produtos e serviços, utilização de empresas fantasmas, lavagem de dinheiro, sonegação fiscal e enriquecimento ilícito de agentes públicos e empresários. A "Operação Nacional Contra a Corrupção" cumpriu 92

mandados de prisão, 337 mandados de busca e apreensão, 65 mandados de bloqueio de bens e 20 mandados de afastamento das funções públicas. Participaram da operação cerca de 150 promotores e 1.300 policiais federais, rodoviários, civis, militares, servidores de Tribunais de Contas, Controladoria-Geral da União, Receitas Federal e Estaduais. As ações foram coordenadas pelo Grupo Nacional de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco), em parceria com a Polícia Federal e o Ministério Público Federal. As ações foram realizadas na Bahia, no Ceará, no Espírito Santo, em Mato Grosso, em Mato Grosso do Sul, em Minas Gerais, em Pernambuco, no Paraná, no Rio Grande do Norte, no

Rio de Janeiro, em Rondônia e em São Paulo. EMENDAS EM SÃO PAULO O Estado de São Paulo concentrou a maior parte da operação Fratelli, que investiga contratos suspeitos firmados com prefeituras de 80 municípios da região, no total de mais de R$ 1 bilhão, com a empreiteira Demop. A empresa centralizou o maior montante de verbas originárias de emendas parlamentares da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp). Foram cumpridos 13 mandados de prisão contra empresários, funcionários públicos e políticos e 160 mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça Federal. Equipes

do Gaeco cumpriram mandados de busca nas prefeituras de Urupês, Catiguá, Paulo de Faria, Palestina, Guapiaçu, Ibirá, Uchoa, Monte Aprazível, Ariranha, Novo Horizonte,Potirendaba, Catanduva, Fernandópolis, Jales, Votuporangae também de Cafelândia. Muitas delas ficaram ontem com as portas fechadas por conta da operação. PROPINA Na capital fluminense, a polícia tentou cumprir seis mandados de prisão contra membros do tráfico de drogas no Morro da Mangueira. Eles eram acusados de atuar na região e de oferecer propina a um PM lotado em uma unidade pacificadora. (Agências)

Sonegação fiscal

A

Reunião Plenária (informações, debates e busca de soluções) TEMA:

Os desafios no agronegócio

operação Robusta foi montada para combater a sonegação fiscal na compra e venda de café. A produção anual de café do Rio de Janeiro é de 250 mil sacas. O Rio de Janeiro enviou ao Espírito Santo, no entanto, mais de 3 milhões de sacas em 2012, o que chamou a atenção das autoridades. As investigações duraram um ano. No esquema, o produto do Espírito Santo era vendido dentro do próprio Estado, mas com nota fiscal de empresas supostamente de fachada do Rio de Janeiro e de Minas Ge-

Shows superfaturados

PALESTRANTE:

Roberto Rodrigues Ex-Ministro da Agricultura e Coordenador do Centro de Agronegócios da Fundação Getúlio Vargas Dia: 15 de abril de 2013, segunda-feira Horário: 17 horas Local: Rua Boa Vista, 51 - 9º andar - Centro - SP Assista ao vivo no site: www.acsp.com.br (clique no banner WebTV ACSP)

rais. A estimativa é que, nos últimos três anos, o esquema tenha lucrado mais de R$ 180 milhões. Aproximadamente R$ 2 bilhões em notas fiscais eletrônicas foram emitidas pelas empresas envolvidas no esquema. No Rio de Janeiro, a operação cumpriu três mandados de busca e apreensão. Em, sete empresas e dois escritórios de contabilidade foram alvos. No Espiríto Santo, 10 mandados de prisão temporária contra empresários foram cumpridos, principalmente em cidades do interior.

O

nze suspeitos de participar de um esquema de corrupção que desviou R$ 13 milhões com a contratação fraudulenta de shows musicais, entre 2008 e 2012, foram presos no Rio Grande do Norte na operação Máscara Negra. Os gastos nas festas foram feitos com 90% de valores recebidos em royalties do petróleo e mais de 70% do recebido do Fundo de Participação dos Municípios. A sede da Prefeitura de Guamaré foi alvo de busca e apreensão, assim como as secretarias de Turismo e Finanças, cujos secretários foram presos.

As casas de uma ex-primeira dama da cidade e do atual chefe de gabinete da prefeitura, também preso, foram alvo da operação. A Promotoria aponta que a Prefeitura de Guamaré gastou em 2012 R$ 6.138.548 para contratar atrações musicais. O ex-prefeito Emilson de Borba Cunha (PTN), está procurado pela Justiça. Quatro mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Salvador (BA) e um em Serrinha (BA). A ação foi um aporte da investigação potiguar, por se tratar dos mesmos grupos musicais. (Folhapress)

O

ex-prefeito de Porto Velho, Roberto Sobrinho, foi preso em Rondônia. Cinco mandados de prisão foram expedidos, depois que 25 servidores da prefeitura e da Empresa Municipal de Desenvolvimento Urbano (Emdur) foram investigados por desvios de dinheiro, por meio de uma organização criminosa instalada no órgão e que seria chefiada pelo então prefeito. O ex-vereador Mario Sérgio e o policial militar Edson Penha Ribeiro Filho também foram presos.

Desvios

E

m Garanhuns (PE), quatro pessoas foram presas, suspeitas de desviar cerca de R$ 260 mil em verba pública do Hospital Regional Dom Moura, uma das mais importantes unidades de saúde da região. Entre eles está uma ex-diretora do hospital q u e c o m a ndou a unidade de 2007 a 2012. Foram presos ainda um auxiliar administrativo, um ex-porteiro que seria usado como "laranja" e a mulher do ex-porteiro. Foram apreendidas câmeras fotográficas, notebooks, pendrives e outros materiais que serão analisados pelos peritos.

Fraude

A

Polícia Civil, em conjunto com os promotores do Ministério Público Estadual, cumpriu os 30 mandados de busca e apreensão expedidos na operação de combate à corrupção na Prefeitura de Quixeramobim (CE). A ação ocorreu na sede da prefeitura e nas residências do prefeito, do vice-prefeito, de secretários e do procurador-geral do município. Todos são suspeitos de fraudar licitações na ordem de R$ 6 milhões relativas a serviços públicos, obras e compra de combustível.

Pirataria

M

ais de 20 mandados de prisão foram cumpridos em Apucarana, Londrina, Cambé e outras duas cidades no norte do Paraná. Ao todo, foram expedidos 24 mandados de prisão e 46 de busca e apreensão no Estado. A operação foi batizada localmente de "Jolly Roger", em alusão à bandeira pirata. Em Apucarana, empresários estariam pagando propina à policiais para poder fabricar mercadorias ilícitas. Além disso, eles também são suspeitos de sonegação fiscal e lavagem de dinheiro.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 10 de abril de 2013

7

nternacional

DANÇA DA GUERRA A

Reuters

'CHÁVEZ' NA CABEÇA O candidato a presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, usou um chapéu adornado com um pássaro durante um comício ontem. Na semana passada, ele provocou polêmica ao afirmar que o "espírito de Hugo Chávez" se manifestou na forma de um "passarinho" e o abençoou.

Festa em Pyongyang: norte-coreanos celebram mais uma data do regime dos Kim. Com os mísseis prontos para lançamento. KCNA/Reuters

O

secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, advertiu ontem que mesmo um pequeno erro de cálculo envolvendo as tensões na península coreana pode se transformar em uma "situação incontrolável". Ban, que foi chanceler sulcoreano, quer que a Coreia do Norte baixe o tom de sua "retórica provocativa". "O atual nível de tensão é muito perigoso. Um pequeno incidente causado por erro de cálculo ou erro de julgamento pode criar uma situação incontrolável", disse ele a jornalistas em Roma. Ban disse que pediu às autoridades norte-coreanas que se abstenham da "retórica provocativa" e que pediu aos países vizinhos para exercerem sua influência sobre Pyongyang. "Eu falei com a liderança chinesa e vou discutir isso com o presidente Barack Obama na quinta-feira", acrescentou ele. "O nível de tensão na península coreana não é útil para ninguém" afirmou Ban, acrescentando que todos os lados devem "acalmar as tensões e iniciar o diálogo". O secretário-geral também pediu que Pyongyang reabra o parque industrial de Kaesong, cujas atividades foram suspensas após a retirada dos 53 mil trabalhadores norte-coreanos do único projeto conjunto em vigor entre o Norte e o Sul. Ban qualificou Kaesong como o "projeto de cooperação de maior êxito" entre as duas Coreias. (Agências)

Kim Hong-ji/Reuters

Moradores de Pyongyang dançam nas ruas da capital da Coreia do Norte em homenagem a Kim Jong-il, pai do atual líder Kim Jong-un. Na Coreia do Sul, os exercícios militares continuam.

Até as Farc se uniram à marcha pela paz

E

Um terremoto (quase) nuclear Tremor de 6,3 graus de magnitude atinge a região da usina de Bushehr, matando 37 pessoas.

P

ara o Irã, o Dia Nacional da Tecnologia Nuclear não passou despercebido. Os eventos oficiais, porém, foram ofuscados por um terremoto de 6,3 graus de magnitude, que sacudiu a região de Bushehr, local da primeira usina nuclear do país, matando 37 pessoas e ferindo outras 850. Segundo Teerã, o reator não foi danificado. Moradores assustados correram para as ruas no momento do tremor, que ocorreu às 16h22 locais (8h52 em Brasília), disse a agência Fars. O epicentro foi em Kaki, no sul do Irã, a 60 quilômetros de Bushehr. Há problemas no abastecimento de água e de energia elétrica, além de telefonia, por causa do rompimento de encanamentos e cabos. Os vilarejos de Shanbe e Sana sofreram sérios danos, disse o Crescente Vermelho (versão islâmica da Cruz Vermelha).

Pyongyang no limite do 'incontrolável'

Divulgação/EFE

O sismo não abalou o presidente Ahmadinejad, que inaugurou novas minas e uma usina de produção de urânio no país.

Outra vila teria sido completamente destruída. Muitas casas em áreas rurais da província são feitas de barro e ruíram facilmente com o terremoto. O abalo sísmico ainda foi

sentido no Kuwait, Bahrein e Emirados Árabes Unidos. Apesar da destruição na região próxima, a planta de Bushehr não foi afetada, assim como os índices de radiação,

que continuaram nos padrões normais. De acordo com o diretor da usina, Mahmoud Jafari, a instalação é capaz de resistir a terremotos de até 8 graus de magnitude. (Agências)

x -g u e rr ilheiros, soldados, grup o s d e e squerda, civis, defensores de d i r e i t o s h umanos e o presidente Juan Manuel Colombianos pedem fim do conflito armado Santos foram ontem às ruas de Bogotá e de outras cida- – e alguns opositores do godes da Colômbia para ex- verno, que a consideraram pressar apoio ao processo de um ato eleitoral de Santos. paz do governo com as For"O país hoje está se exças Armadas Revolucioná- pressando contra a violênrias da Colômbia (Farc). cia, que causou tantas feriOs únicos ausentes na das, tanta dor. É um apoio à marcha, apoiada até pelas paz para que não haja mais Farc, foram os setores ultra- vítimas", disse Santos, que conservadores – que veem a vestia uma camiseta com a opção militar como a única frase: "Minha contribuição é saída para o conflito armado acreditar". (Agências)

John Vizcaino/Reuters

Coreia do Norte gosta de uma guerra. Mas também não perde uma festa. Em meio à crescente tensão com o vizinho ao sul, os norte-coreanos foram às ruas ontem para celebrar o aniversário de 20 anos da eleição de Kim Jong-il, pai do atual líder norte-coreano, como presidente da Comissão de Defesa Nacional do país. Mas o dia que todos aguardam é 15 de abril, data limite para um possível lançamento de míssil norte-coreano, em comemoração ao nascimento do fundador da Coreia do Norte, Kim Il-sung – avô do atual ditador Kim Jong-un. Segundo os Estados Unidos, os preparativos já estão prontos. O serviço de inteligência norte-americano revelou que Pyongyang pode lançar algum de seus mísseis balísticos a qualquer momento, informou a rede CNN, citando fontes oficiais sob anonimato. O a l m i r a n t e S a m u e l L ocklear, comandante das forças dos EUA no Pacífico, disse que os militares norte-americanos acreditam que a Coreia do Norte tenha levado para a sua costa leste um número não especificado de mísseis Musudan, com alcance em torno de 5 mil quilômetros. Locklear disse que o Musudan tem condições de atingir Guam, território norte-americano no Pacífico, mas não ameaça o Havaí ou o território continental dos EUA. O almirante, que compareceu ontem a uma audiência do Senado norte-americano, afirmou que os EUA têm capacidade para interceptar um míssil, mas pode optar por não fazer isso, caso a trajetória não se mostre perigosa. Alerta - No estilo habitual, o regime da Coreia do Norte intensificou ontem suas ameaças e recomendou aos cidadãos estrangeiros que deixem a Coreia do Sul para escaparem de um confronto atômico. "A situação na península coreana está avançando para uma guerra termonuclear em razão das ações cada vez mais indisfarçavelmente hostis dos Estados Unidos e de seu fantoche belicista, a Coreia do Sul, e sua movimentações para uma guerra contra" o Norte, disse o Comitê de Paz Ásia Pacífico da Coreia do Norte. Para a maioria dos analistas, o risco de guerra é mínimo, e a escalada deriva sobretudo da necessidade de afirmação do jovem líder norte-coreano, Kim Jong-un, que tem cerca de 30 anos e governa há pouco mais de um ano. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

c

quarta-feira, 10 de abril de 2013

TRANSPORTE RÁPIDO Os novos corredores de ônibus terão algumas novidades, como a possibilidade de ultrapassagem dos veículos em alguns trechos, para aumentar a velocidade. Também estão previstas ciclovias.

idades

Ônibus: Haddad engata novos corredores. Prefeitura promete a construção de 147 quilômetros de novos corredores exclusivos na cidade. Entre as vias escolhidas estão a 23 de Maio, Bandeirantes e Radial Leste. endimentos imobiliários e comerciais – o dinheiro seria usado para bancar as próprias desapropriações. Questionado sobre os impactos que as obras e os corredores devem causar no tráfego dos carros, Tatto disse que a prioridade da gestão é o transporte público. "Com mais velocidade, mais qualidade, nossa expectativa é que as pessoas deixem o carro e migrem para o transporte público", afirmou. Os novos corredores estão orçados em R$ 6,1 bilhões. O cronograma é que os projetos sejam concluídos até setembro e a licitação das obras até o fim do ano, para que elas comecem no início de 2014. Na campanha, Haddad prometeu construir 150 quilômetros de corredores de ônibus. Além dos 147 km apresentados hoje, outros 66 planejados pela gestão Gilberto Kassab (PSD) já tiveram a licitação concluída e as obras devem começar nos próximos meses. Bicicletas – A Prefeitura também está preparando a licitação para um novo sistema de empréstimo bicicletas na cidade. A ideia é que o sistema tenha estações espalhadas por todas as regiões da cidade e haja 50 mil bicicletas disponíveis. O objetivo, segundo Tatto, é integrar o transporte por bicicletas com o transporte público. Por isso, diz, haverá estações de empréstimo próximas a terminais e corredores de ônibus e estações do metrô. O sistema deverá ser integrado ao Bilhete Único, assim o usuário poderá fazer empréstimos de bicicletas e andar de ônibus pagando uma tarifa única. (Folhapress)

Zé Carlos Barretta/Hype

Mauro Júnior da Silva, um dos beneficiados do programa Pedal Social: folga no salário com a economia do transporte.

Pedal social é uma mão na roda para quem precisa de transporte Mariana Missiaggia

E

le já era famoso pela Bicicloteca. Agora, Robson César Correia Mendonça, 63 anos, está empenhado em um novo projeto, o Pedal Social. O objetivo é emprestar bicicletas durante o primeiro mês de trabalho a quem não tem dinheiro para o transporte, até receber o primeiro salário. O cadastro é simples. Os interessados devem ir até a sede do Pedal Social (Rua José Bonifácio, 395, Centro), comprovar que conseguiu um emprego e que não tem condições de bancar o deslocamento até receber o primeiro ordenado. Se houver disponibilidade, a pessoa já sai pedalando na hora. O empréstimo dura 30 dias e, após esse período, a bicicleta deve ser devolvida exatamente da maneira que foi entregue, com pneus em boas condições e sem estar amassada ou riscada. Em prática desde outubro de 2012, todas foram devolvidas sem danos. Peso – "Um estudo informal nos mostrou que a população de baixa renda, que ganha até um salário mínimo, chega a

Divulgação

A

Prefeitura de São Paulo anunciou ontem as avenidas que receberão os primeiros corredores de ônibus planejados pela gestão Fernando Haddad (PT). As vias exclusivas serão construídas nas zonas sul e leste, em vias congestionadas como a 23 de Maio, Bandeirantes, Celso Garcia e Radial Leste. Ao todo, o plano é entregar 147 quilômetros de corredores e 12 terminais de ônibus até o primeiro semestre de 2016. As informações que vão embasar os projetos das obras foram apresentados ontem em audiência pública pela Secretaria Municipal de Transportes. A ideia é que os corredores sejam implantados preferencialmente à esquerda, com faixa de ultrapassagem e paradas a cada 500 metros. Ciclovias – A secretaria também pretende construir ciclovias, implantar a cobrança de passagem na plataforma – para agilizar o embarque dos passageiros – e enterrar a fiação elétrica nos novos corredores. Também serão feitas obras como túneis e viadutos, mas os locais ainda estão em estudo. Outra proposta é equipar os semáforos dos novos corredores para priorizar o tráfego dos ônibus. De acordo com o secretário dos Transportes, Jilmar Tatto, em algumas avenidas haverá a desapropriação de lotes de imóveis. O objetivo é alargar os corredores e promover uma requalificação urbanística da área. A ideia é que os espaços não utilizados sejam revendidos à iniciativa privada para a construção de empre-

Lincoln Paiva, do Mobilidade Urbana: auxílio no orçamento. comprometer 1/3 do salário com transporte. É muito no orçamento", disse Lincoln Paiva, 45 anos, presidente do Instituto de Mobilidade Urbana e responsável pelo desenvolvimento do Pedal Social. Ex-morador de rua, Mendonça conhece bem a realidade e as dificuldades da população de baixa renda. É ele quem cadastra os interessados e distribui as bicicletas. "Tirando os que chegam bêbados ou drogados, esse grupo é formado por pessoas que querem mudar de vida, mas que não recebem nenhum tipo de apoio. O que fazemos é simples e ajuda muito", disse. Hoje, 16 pessoas participam do projeto e

outras 120 aguardam uma oportunidade semelhante. Doações – Todas as bicicletas disponíveis foram doadas e o número é limitado diante da demanda. Por isso, quem tiver interesse em ajudar pode participar doando uma bicicleta usada, mas que esteja em bom estado. É só enviar um e-mail para lp@mobilidadeverde.org. "As pessoas me veem nos jornais e na televisão divulgando o projeto e acham que estou cheio de dinheiro. Isso é mentira. Aceitamos e precisamos de mais doações para ampliar nosso sistema de empréstimo", esclareceu Mendonça. Mauro Júnior da Silva, 33 anos, é um dos

beneficiados. Ele trabalha como responsável pelo bolsão de motos da Rua José Bonifácio, no Centro. Seu salário de R$ 500 sofria uma redução de R$ 150 todo mês com os gastos de ônibus no trajeto Centro-Paraisópolis, onde mora com a família. Há 15 dias, com a ajuda do Pedal Social, Silva já sentiu um alívio em seu orçamento. Ele sai de sua casa às 7h e chega ao Centro às 8h para trabalhar. Às 17h, faz o caminho contrário e retorna para casa. É ele quem organiza o funcionamento do estacionamento com 60 motos e garante a segurança do local. Cambuci – No último sábado, o Pedal Social chegou também ao Cambuci, na Rua Silveira Campos, na altura do número 474. Outras 10 bicicletas, doadas pela comunidade da região, estão disponíveis. No novo endereço, o sistema de empréstimo das magrelas vai ser um pouco diferente. Os trabalhadores utilizarão as bicicletas nos dias de semana e, aos finais de semana, elas serão alugadas para um projeto de cicloturismo, cuja renda será revertida para as famílias carentes da região.

Fotos: Werther Santana/Estadão Conteúdo

É GOOOOOOOOOOOOOL!!!!!

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), escorregou e caiu ao tentar defender uma bola durante visita a um campo de futebol em uma escola na Rua Pedro Marceneiro, no Parque São Paulo, na zona sul da capital paulista, ontem de manhã. Haddad arrancou risadas do público ao tentar defender um pênalti, pois acabou engolindo um belo "frango", como se diz no jargão futebolístico. Mais cedo, o prefeito também visitou a unidade da Guarda Civil Metropolitana (GCM) dedicada às questões ambientais. Ele vestiu o uniforme do grupamento.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 10 de abril de 2013

9

Concertos do Municipal. Com a música de Ravel.

d

O pianista Sergio Tiempo, discípulo da celebrada Martha Argerich, será a estrela desta semana no espetáculo programado pela Orquestra do Teatro Municipal. Ele tocará o Concerto para Piano e Orquestra em Sol Maior de Maurice Ravel. Ainda no repertório da orquestra, a Abertura de Fosca, ópera de Carlos Gomes, e a Sinfonia Nº 9 em Do Maior D. 944, de Franz Schubert. Teatro Municipal. Praça Ramos de Azevedo. Tel.: 3397-0327. Sábado (13). 20h. Domingo (14). 11h. R$ 20 a R$ 60.

cultura

Um romance que cai bem Renato Pompeu

E

O Brasil de Operilda

A

inspiração maior do espetáculo Operilda na Orquestra Amazônica é a obra de Villa-Lobos, A Floresta Amazônica. Mas a pesquisa da trilha vai além, desfilando ritmos, estilos e autores. Desde a música sacra de Padre José Maurício a peças de Camargo Guarnieri, Tom Jobim, Car-

los Gomes, Alberto Nepomuceno, Chiquinha Gonzaga e Ernesto Nazareth. Momentos marcantes: citações da ópera O Guarani, Batuque (Nepomuceno), o Abre-Alas (Chiquinha) e chorinhos (Nazareth). O espetáculo, dirigido por Regina Galdino, foi idealizado pela atriz Andrea Bassit. Bassit (na

pele de Operilda), conhecida na série Aprendiz de Maestro, apresenta-se agora sem um regente. Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Álvares Penteado, 112. Tel.: 3113-3651. Domingo (14). 11h. R$ 6 e R$ 3. Até 28/7. Aprendiz de Maestro Na Sala São Paulo, João

Maurício Galindo rege episódio inédito da série com a história do índio Piá e da francesa Francette, personagens de obra famosa de Villa-Lobos. Sala São Paulo. Praça Julio Prestes, 16. Tel.: 32233966. Índio de Casaca. Sábado (20). 11h. R$ 55 a R$ 65. A partir de 3 anos.

Chorinho bem ilustrado André Domingues

F

No alto: Nazareth, Pixinguinha, Garoto, Chiquinha Gonzaga. Acima: Elizeth Cardoso e Jacob do Bandolim.

az alguns anos que o choro brasileiro se tornou objeto de interesse e até de estudo no exterior, criando uma demanda ainda não bem atendida por publicações que traduzam o que é a complexa e saborosa malha de ritmos e melodias nascida no Brasil ainda nos tempos do Império. O recente livro Chorinho Brasileiro: Como Tudo Começou, da jornalista Carla Aranha, busca ocupar esse espaço traçando um panorama do gênero em caprichosa edição bilíngue. Do ponto de vista historiográfico, o livro dilui informações de biografias, almanaques e alguns poucos estudos sérios disponíveis, mas acaba esquecendo elementos importantes, como a presença central das bandas de música na produção e na divulgação do choro da segunda metade do século XIX às primeiras décadas do século seguinte. Seus pontos fortes são o ótimo trabalho iconográfico e o inteligente CD que traz encartado, dividido entre obras de compositores antigos e fundamentais - cujos direitos já estão em domínio público -, como Joaquim Callado, Chiquinha Gonzaga, Anacleto de Medeiros e Ernesto Nazaré, e alguns contemporâneos de qualidade, como Maurício Carrilho e Luciana Rabello. Vale conhecer.

ntre aqueles povos hispano-americanos nossos vizinhos, a quem chamamos em tom ao mesmo tempo de carinho e de superioridade, de cucarachos, já ganharam o Nobel de Literatura personalidades do Chile (duas vezes, Gabriela Mistral e Pablo Neruda), da Guatemala (Miguel Ángel Asturias), do Peru (Mario Vargas Llosa), etc., enquanto nós ficamos até agora a nenhum. Mas agora, da Colômbia de Gabriel García Márquez (outro Nobel), nos chega este romance O Ruído das Coisas ao Cair (Alfaguara), de Juan Gabriel Vásquez, 40 anos, nascido em Bogotá e há 13 anos, desde os 27, morando em Barcelona, Catalunha. O romance é de tão alta qualidade que transformou em aliados no seu elogio dois velhos inimigos de longa data, García Márquez e Vargas Llosa, que por questiúnculas de ordem política e de ordem amorosa chegaram a se pegar a tapas muitas décadas atrás. Mas que livro é esse, que reúne a unanimidade de inimigos figadais entre si? Suas sutilezas começam já no ruído do título: trata-se do ruído das bolas numa mesa de bilhar, mas se trata também da tendência das instituições mais sagradas de cada país tropical em geral e latinoamericano em particular a desabar a qualquer momento com um som surdo de traque. Diz a apresentação, adequadamente, na contracapa: "Uma narrativa de intrigas e paixões em meio à violenta história recente da Colômbia. Antonio Yammara é um jovem professor de Bogotá que passa seu tempo livre no bilhar próximo à universidade em que leciona. Sua vida muda quando conhece Ricardo Laverde, ex-presidiário que pagou um alto preço pela ligação com o tráfico internacional de drogas. Quando Laverde é assassinado, Yammara decide investigar os motivos do crime e não só mergulha nos brutais eventos do narcotráfico como verá seu próprio passado, repleto de culpas e segredos, com outros olhos. O Ruído das Coisas ao Cair narra a busca pela solução de um enigma, em que todos sairão de alguma forma transformados, inclusive nós leitores, que saímos ao mesmo tempo machucados, engrandecidos e mais sábios

após a leitura. Tratando de um tema candente da atualidade de seu país, e que é um drama humano em escala planetária e que afeta dezenas de milhões de pessoas, o narcotráfico, de finalidades nefandas desde sempre, embora sempre comece por propagandear momentos de recreação inocente, e depois passa a se propor a proporcionar êxtase duradouro e felicidade permanente, o livro cai como uma luva nos interesses do leitor contemporâneo. Serão necessárias algumas décadas para avaliar se a qualidade da obra de Vásquez vai superar sua fama efêmera. Como o narcotráfico se interliga a tudo na Colômbia, da política ao futebol, passando pelas celebridades da vida artística e pelos sisudos temas da alta cultura nacional, sem contar suas ligações com uma guerrilha rural que começou décadas atrás com finalidades alardeadas como nobres, de transformação das desigualdades entre os colombianos, mas evoluiu como sócia do tráfico de drogas que não introduz nenhuma mudança nas regiões que domina, além da cobrança de tributos aos cidadãos e empresas e instituições dos territórios controlados pelos guerrilheiros, esse romance é um microcosmo do triste e sofrido mundo maior que é a Colômbia em particular e a América Latina em geral. Como aconteceu muitas vezes com escritores hispanoamericanos, como o peruano Vargas Llosa e o colombiano García Márquez, que precisaram abandonar seu país para poder melhor o conhecer, Vásquez também só pôde descobrir a Colômbia. No Brasil é diferente: os grandes escritores, como Machado de Assis e Mário de Andrade, além de Ana Maria Gonçalves, pouco saíram de suas cidades natais ou de adoção, mas puderam descobrir não só o Brasilzão como o mundão lá fora, enquanto outros escritores, com vivência no estrangeiro, só conseguiram descobrir cada Brasil regional: Monteiro Lobato, Guimarães Rosa, Milton Hatoum e Murilo Carvalho. Somente Clarice Lispector descobriu todo o Brasil ao circular pelo Exterior. A tais alturas aspira Vásquez. Só o tempo dirá se ele de fato as alcançou.

LITUÂNIA EM SP A Orquestra Sinfônica Nacional da Lituânia dá sequência à Temporada 2013 do Mozarteum Brasileiro. Sob a direção de Vladimir Lande, interpreta a Sinfonia n] 4 em Fá Maior Op. 67 de Shostakovich e a Sinfonia Nº 4 em Fá Maior Op. 36 de Tchaikovsky. A chinesa Xiayin Wang solará o Concerto para Piao e Orquestra em Fá Maior de George Gershwin. Sala São Paulo. Praça Júlio Prestes, 16. Tel.: 3223-3966. Sábado (13). 21h. Domingo (14). 19h. R$ 80 a R$ 300.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10

quarta-feira, 10 de abril de 2013

www.dcomercio.com.br

M EIO AMBIENTE

Pandas ou vinho?

Citações ilustradas Inspirado em citações famosas de pensadores como Lao Tsé, George Bernard Shaw, Margaret Mead, Santo Agostinho e Albert Einstein, ou de empresários como Steve Jobs, o artista plástico e designer Tang Yau Hoong, da Malásia, criou uma série de ilustrações inspiradoras. O resultado é um conjunto de pôsteres que podem ser adquiridos na loja virtual do próprio artista. "A paciência é companheira da sabedoria." – Santo Agostinho

"Tenha fome, seja tolo." – Steve Jobs

Até 2050, o aquecimento global diminuirá em média 68% as terras propícias ao cultivo de uva na Europa. Se quisermos vinho, o cultivo de uvas terá de ser realizado em terras mais frias, o que poderá afetar o habitat ameaçados, como os pandas, na China. O cenário é previsto em um estudo da Conservation International divulgado nesta semana. Bordeaux, Toscana, Califórnia e Chile são as áreas de cultivo de uva mais ameaçadas. N ERDS

http://shop.tangyauhoong.com/

T RÁFICO DE PESSOAS C ASA

Google contra o crime

Drinks servidos com classe Desenhados por Jeff Henderson e feitos artesanalmente, esses dispensers para bebidas alcoólicas são feitos em pedras encontradas na costa da Nova Inglaterra. As pedras são furadas e conectadas a uma torneirinha. Depois disso, basta encaixar a garrafa de sua bebida favorita para servir drinks para os amigos com toda classe.

O

Google anunciou ontem a concessão do prêmio Global Impact Award, avaliado em cerca de US$ 3 milhões, a três organizações dedicadas à luta contra o tráfico de pessoas, a fim de desenvolver uma rede global de ajuda, segundo informou o blog na companhia. Esta quantidade eleva a US$ 14,5 milhões o valor doado pela gigante de internet para causas contra o tráfico ile-

http://bit.ly/10Jv2L0

gal de produtos e seres humanos desde 2011. "O tráfico de pessoas, o comércio de narcóticos e o contrabando de armas têm algo em comum: seus doentios lucros alimentam conflito, instabilidade e repressão no mundo todo", afirmaram Jared Cohen e Jacquelline Fuller, diretores do Google Ideas e Google Giving, em comunicado. Segundo os dados apresentados pela empresa, o tráfico de seres humanos gera pelo

menos US$ 32 bilhões de lucro por ano e "escraviza 21 milhões de pessoas". As organizações que receberão os recursos do Google – Polaris Project, Liberty Asia e A Strada International – iniciarão o serviço internacional de ajuda "Global Human Trafficking Hotline Network" para compartilhar dados que possam ajudar a identificar criminosos. As organizações já atuam nos EUA, sudeste asiático e Europa.

Camiseta wireframe Hierarquia, fluxo, função e espaço. Essas quatro variáveis, que são essenciais na hora de definir o funcionamento de um website vêm estampadas nesta camiseta, representadas visualmente, como todo bom wireframe deve ser. A ideia é exclusiva do site UgMonk e a camiseta está à venda em diversos tamanhos, mas apenas na cor branca, por US$ 26 no site da marca. http://bit.ly/XYS7Yr

Karl-Josef Hildenbrand/EFE

A RTE

Fotografia de passaporte L

O artista espanhol Yago Partal brinca com a ideia de fazer fotos de animais para documentos imaginários. As obras combinam fotografia e ilustração. Reuters

http://zoopor traits.com

T ECNOLOGIA

R IO

DEVORADORES - Tronco de uma bétula de 10 metros de altura roído por castores na cidade de Lengenwang, na Baviera, Alemanha. A árvore não é a única próxima ao riacho local que sofreu com a voracidade dos roedores, mas é a que está em pior estado.

Cristo Redentor é mapeado

WhatsApp nega que estaria à venda

A equipe do Google Street View iniciou nesta semana o mapeamento do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro. Este será o primeiro lugar da América Latina a ser filmado do ponto de vista do visitante. As imagens são capturadas com a Trekker, espécie de mochila equipada com câmeras HD que registram imagens através de 15 lentes diferentes. Os estádios do Morumbi e do Pacaembu, em São Paulo, também serão mapeados.

O WhatsApp negou que ontem esteja em negociações de venda para o Google por US$ 1 bilhão. No início da semana, sites especializados dos EUA anunciaram que o gigante de buscas teria feito uma oferta para comprar o aplicativo de mensagens instantâneas via internet. Em dezembro, foi divulgada a intenção do Facebook de comprar o aplicativo. Na época, o WhatsApp disse que as notícias eram imprecisas.

E SPAÇO

Nasa desiste de missão à Lua

L OTERIAS Concurso 1166 da DUPLA SENA Primeiro sorteio 03

09

35

Segundo sorteio 38

41

21

39

41

66

74

03

05

09

35

41

48

L

Concurso 3164 da QUINA

44

EXTINTO - Fóssil de um mamute de Colúmbia descoberto por arqueólogos mexicanos. Encontrado no distrito de Milpa Alta, na Cidade do México, o fóssil deve ter mais de 10 mil anos, estimam especialistas.

A agência espacial norte-americana, Nasa, não pretende mais enviar astronautas à Lua, ao menos no futuro próximo e com financiamento dos EUA. Segundo o site especializado SpacePolitics, agora os recursos do país investidos em projetos espaciais serão direcionados para enviar o homem a um asteroide e, eventualmente, a Marte. "A Nasa não vai para a Lua com um humano como principal projeto enquanto eu viver, provavelmente. E o motivo é que só podemos fazer um determinado número de coisas", garantiu o astronauta Charles Bolden, de 66 anos, diretor da agência espacial.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 10 de abril de 2013

e

11 BOLSA O principal índice da Bovespa encerrou o pregão ontem em alta, impulsionado pelas ações de Vale e Petrobras. O Ibovespa subiu 1,49%, a 55.912 pontos. O giro financeiro do pregão foi de R$ 8,45 bilhões.

conomia

Sérgio Lima/Folhapress

É UM NEGÓCIO. NÃO SE TRATA DE AJUDA. A frase é da presidente da Petrobras, Graça Foster, e foi dita ontem quando ela anunciou a possibilidade de contratar serviços do Grupo EBX, de Eike Batista.

Empresário Eike Batista: perdas expressivas na Bovespa, mas sinal animador do governo.

Fábio Motta/Estadão Conteúdo

O

Grupo EBX, do empresário Eike Batista, é um dos que poderão fornecer infraestrutura e outros serviços à Petrobras no médio e no longo prazo, afirmou ontem a presidente da estatal, Maria das Graças Foster. "É um negócio. Não se trata de ajuda", afirmou Graça Foster, como prefere ser chamada a executiva, após detalhar o plano de negócios da estatal do período 2013-2017 na sede da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan). A estatal está considerando o grupo de Eike como potencial parceiro, por exemplo, para reduzir seus custos na sua necessidade de investimentos em logística, acrescentou a executiva. "A Petrobras não pode tudo, não quer fazer tudo, construir tudo nem ser dona de tudo. Isso inviabiliza e dificulta a própria companhia. Queremos usar o máximo o que os outros tenham, pagando preço de mercado", disse a presidente da estatal. Resultados – As empresas de Eike Batista têm sido questionadas por investidores, registrando perdas na BM&FBovespa, em meio a dificuldades em apresentar resultados operacionais robustos. Após a declaração de Graça Foster, os papéis da LLX ampliaram a alta ontem, chegan-

do a subir mais 10%. A LLX Logística, uma das empresas "X", símbolo de multiplicação usado pelo empresário Eike Batista, recuperou uma pequena parcela das perdas recentes. A emp r e s a d e l ogística encerrou em alta A Petrobras não de 6,74%. Enpode tudo, não quer tre as demais co mp an hi as fazer tudo, nem ser do empresádona de tudo. Isso rio Eike Batisinviabiliza e ta, OGX e dificulta a própria MMX não concompanhia. seguiram manter o GRAÇA FOSTER, DA PETROBRAS c o m p o r t amento positivo e encerraram em baixa de 1,79% e 2,4%, respectivamente. Graça Foster explicou que a Petrobras avalia há meses Graça Foster: nega que a Petrobras esteja agindo em socorro ao empresário. quais parcerias poderá realizar para reduzir necessidades de investimento. O objetivo é O terminal 1 é uma constru- parceiros. A empresa de logís- promisso com a disciplina de usar infraestrutura de tercei- ção em mar com uma ponte de tica de Eike quer dar priorida- capital e garantiu que "desinros mediante pagamento de acesso com três quilômetros de operacional para embar- vestimentos (ou seja, vendas tarifas. de extensão. O terminal 2, ao ques de minério de ferro em de US$ 9,9 bilhões) serão feitos Porto de Açu – A Petrobras já lado, será instalado no entor- seu terminal no Porto de Açu, no Brasil e no exterior". havia mencionado em mea- no de um canal para navega- já que a LLX decidiu incluir Graça disse que quanto medos de março que considerava ção, que contará com 6,5 qui- mais berços de atracação pa- nos a companhia for a mercao Porto de Açu, de Eike Batista, lômetros de extensão, com ra petroleiros do que para na- do tomar empréstimos, mais no norte fluminense, como mais de 13 quilômetros de vios de minério no terminal poderá investir. Por isso, preuma das opções logísticas pa- cais. que constrói em parceria com cisa aumentar a produção e o ra a empresa. O Porto de Açu Originalmente concebido a Anglo. refino. "Não haverá novas está sendo construído para para operações de minério de Ações – Graça Foster voltou emissões de ações", disse, duabrigar empreendimentos de ferro, o porto tem a compa- a dizer que a estatal não fará rante o evento que detalhou o vários tipos, principalmente nhia Anglo American como só- novas emissões de ações. A plano de negócios para o peno setor de petróleo. cia e já atraiu vários outros executiva reafirmou o com- ríodo 2013-2017. (Agências)

42% da produção virá do pré-sal

A

A Petrobras reduziu a importação de derivados de petróleo entre 10 mil e 15 mil barris/dia nos três primeiros meses do ano.

Marcos de Paula/EC

Petrobras terá 42% de sua produção em 2017 vinda do pré-sal, disse o diretor de Exploração e Produção da estatal, José Formigli, durante o evento realizado ontem no Rio de Janeiro. "Hoje produzimos 300 mil barris no pré-sal, e para 2017 42% virão do pré-sal ", disse Formigli. Ele acrescentou que 35% virão de áreas concedidas no pré-sal e 7% da cessão onerosa também no pré-sal. A Petrobras estima que a produção de petróleo em 2017 será de 2,750 milhões de barris por dia. Refino – No último domingo a petrolífera atingiu novo recorde de processamento em suas refinarias, totalizando 2,149 milhões de barris por dia, segundo o diretor de Abastecimento da estatal, José Carlos Cosenza, que também participou do evento. "Isso reduz de forma substantiva a necessidade de importação com esse nível de processamento", afirmou Cosenza. A Petrobras reduziu a importação de derivados de petróleo entre 10 mil e 15 mil barris/dia no primeiro trimestre deste ano, por conta do aumento do refino para patamares recordes. A empresa está importando cerca de 245 mil barris/dia de

diesel e gasolina – patamar que deverá ser mantido até o final do ano, anunciou ontem Cosenza. "A redução do primeiro trimestre é uma boa tendência", disse o executivo. "Vamos ver se a gente consegue manter." A importação de diesel pela Petrobras é preponderante, somando cerca de 195 mil barris/dia. A gasolina responde

por cerca de 50 mil barris de petróleo ao dia, informou o diretor de Abastecimento. A forte importação de derivados de petróleo foi uma das causas para a piora dos resultados da estatal no ano passado, já que os preços dos combustíveis comercializados no País não acompanham os preços internacionais. No ano passado, o lucro da estatal re-

cuou 36%, para R$ 21,18 bilhões, configurando o menor lucro anual da empresa desde 2004. "A política de preço da Petrobras não mudou, é de médio e longo prazo, e não repassamos volatilidade. É importante ter um mercado comprador e consumidor crescente. Sabemos as consequências perversas de inflação fora do controle", declarou Graça Foster. Nos últimos 12 meses, o governo autorizou quatro reajustes nos preços do diesel e dois para a gasolina, mas a paridade entre preços nacionais e externos ainda não foi alcançada. "A nossa paridade com preços internacionais não atingiu seu melhor nível porque tivemos depreciação do real, como nossos preços são em reais nossos custos são maiores e a não paridade foi ampliada", disse a executiva. Mas o consumo de combustíveis tem aumentado acima da taxa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do País. O consumo de gasolina cresceu com aumento da frota de carros flex e pelos preços mais competitivos do combustível frente ao álcool. "A demanda descolou do PIB e estamos correndo atrás dela", frisou Cosenza. (Agências)

Governo anuncia hoje mais um pacote de ações

O

governo concluiu uma agenda de ações estratégicas para 19 setores da economia para aumentar a competitividade brasileira. O documento, feito com base nas sugestões colhidas dentro dos conselhos de competitividade, será entregue hoje ao setor privado durante reunião do Conselho Nacional de Desenvolvimento Industrial (CNDI). O documento estabelece metas e datas para a implementação das medidas de política industrial. Entre as ações está a criação de um Regime Especial de Estímulos para as atividades de Exploração, Avaliação, Desenvolvimento e Produção de Petróleo e Gás Natural (Repeg), que dará incentivos tributários para toda a cadeia, como os sistemistas. A previsão de implementação do novo regime é dezembro deste ano. Para dar cumprimento ao regime automotivo em vigor, há ainda a previsão

de implantar um sistema de aferição do conteúdo nacional de peças nos produtos automotivos em setembro deste ano e a criação, até outubro de 2014, de uma política para aumentar a agregação de valor local na produção de autopeças, motopeças e peças para máquinas agrícolas e rodoviárias. O governo prepara ainda para o início do segundo semestre o lançamento de um pacote de medidas para estimular os fabricantes de máquinas e equipamentos para o setor de defesa. O governo pretende criar também um Plano de Saneamento Fiscal das micro, pequenas e médias empresas da cadeia de autopeças até o final do ano que vem. Outra meta é estender para o fim de 2014 o Programa de Sustentação do Investimento (PSI), que tem linhas de financiamento subsidiadas para bens de capital e exportação. Outra medida é a desoneração de PIS e Cofins sobre matériasprimas petroquímicas. (EC)


12 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 10 de abril de 2013


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 10 de abril de 2013

e Diniz eleito para o Conselho da BRF

13 A Embraer recebeu novas encomendas do Super Tucano e está apostando firme no cargueiro KC-390

conomia

Eduardo Knapp/Folhapress

Apenas 6,08% dos acionistas da companhia foram contrários à escolha de Abílio Diniz, que ontem realizou novo leilão de ações preferenciais que possui do Pão de Açúcar.

A

cionistas da BRF Brasil Foods elegeram ontem, em assembleia realizada em Itajaí (SC), o empresário Abilio Diniz como o novo presidente do Conselho de Administração. O vice-presidente será Sérgio Rosa, ex-presidente da Previ, fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil, um dos principais acionistas da BRF. A maioria dos presentes foi favorável a Diniz: do total de votos representando mais de 80% do capital da companhia, apenas 6,08% foram contrários e 12,81% se abstiveram. Diniz substitui Nildemar Secches, executivo que esteve à frente da formação da empresa, resultante da incorporação da Sadia pela Perdigão. Sua indicação à BRF levantou questionamento. O grupo francês Casino, que controla o Pão de Açúcar, considera que há conflito de interesse, por ele exercer a mesma função de presidente do Conselho na rede varejista. O Casino alega que tal situação

implica riscos à governança corporativa e pede que ele renuncie ao Pão de Açúcar. Além dos papéis preferenciais, Diniz detém ações ordinárias da Wilkes, holding de controle da varejista. Considerando o capital social total do Pão de Açúcar, o empresário ainda mantém perto de 11% de participação. Ele tem garantido por contrato o direito de permanecer na presidência do Conselho de Administração, independentemente de sua fatia na companhia. Ontem, poucas horas antes de ter o seu nome avaliado pelos acionistas da BRF, Diniz promoveu novo leilão de venda de ações preferenciais que possui do Pão de Açúcar. O leilão previa inicialmente 7,964 milhões de ações dele, mas outros acionistas entraram na operação e elevaram o total para 8,836 milhões de preferenciais, segundo duas fontes. A ação no leilão saiu a R$ 107,15, segundo as fontes. Assim, o total chegou a quase R$ 947 milhões – R$ 853,3 milhões cabem a Diniz.

Diniz reduziu sua participação no total de ações preferenciais do Pão de Açúcar de cerca de 20%, antes de dezembro, para pouco mais de 5%. Foi o terceiro leilão de venda de papéis preferenciais do Pão de Açúcar por Diniz, após transações em dezembro de 2012 e janeiro deste ano com as quais o empresário levantou cerca de R$ 150 milhões e R$ 1,5 bilhão, respectivamente. Com o leilão de ontem, realizado por meio do fundo Santa Rita como os anteriores, Diniz reduz sua participação no total de ações preferenciais do Pão de Açúcar de cerca de 20%, antes de dezembro, para pouco mais de 5%. Segundo uma das fontes, a operação dá prosseguimento ao processo de diversificação dos investimentos do empresário, que no meio do ano passado transferiu o controle da varejista brasileira ao francês Casino, conforme acordo de acionistas firmado anos antes.(Reuters)

Embraer vende nove Tucanos

Divulgação

O

presidente da Embraer Defesa e Segurança, Luiz Carlos Aguiar, anunciou ontem que a companhia vendeu nove unidades do avião de ataque leve Super Tucano, sem informar os valores das vendas. Seis delas vão para a Guatemala, para auxiliar no combate ao tráfico de drogas; outras três para o Senegal, n a África. Com as encomendas, sobe para dez o número de países que utilizam aquele modelo: República Dominicana, Chile, Colômbia, Equador, Brasil e Guatemala (América Latina) mais Angola, Burkina Fasso, Mauritânia e Senegal (África). Para a Guatemala, além dos aviões, a Embraer entregará um centro de comunicações, segundo Aguiar. Esse é o primeiro pedido da Embraer que inclui operações de comando e controle desde que incorpo-

O Super Tucano operará em dez países, na América Latina e África. rou a Atech, empresa especializada neste campo. Aguiar afirmou também que a atividade de vendas do Super Tucano acelerou desde que a empresa ganhou uma licitação nos Estados Unidos para fornecer 20 unidades dele para a Força Aérea norteamericana – negócio de R$

428 milhões, fechando apesar dos protestos da rival Beechcraft. "Países que não estavam no nosso radar estão pedindo informações", ressaltou Aguiar. A fábrica para a montagem do Super Tucano em Jacksonville, Flórida, deve estar pronta em sete meses, informou o executivo. (Reuters)

Cargueiro a preço competitivo

O

preço do jato de transporte militar KC-390, que a Embraer está desenvolvendo sob contrato com a Força Aérea Brasileira (FAB) será competitivo e irá "incomodar a concorrência", segundo Luiz Carlos Aguiar. O KC-390 é visto como um possível substituto a versões mais antigas do C-130 Hercules, da Lockheed-Martin. A fabricante brasileira espera fazer o primeiro voo teste no segundo semestre de 2014.

Boeing pesquisará no País

Quando apresentou o projeto de seu cargueiro, em abril de 2009, a Embraer via demanda global de 700 unidades para a aeronave em 15 anos e disse que pretendia ter um terço do total. A projeção feita anos atrás não incluía mercados importantes como os Estados Unidos, que devem agora ser incorporados às novas estimativas depois que a Embraer fez, em junho passado, um acordo com a Boeing para que a gigante

A

Boeing terá um centro de pesquisa em São José dos Campos (SP), disse ontem a presidente da unidade da empresa norteamericana no Brasil, Donna Hrinak. O novo centro deve ser inaugurado ainda neste ano e terá o objetivo de

norte-americana dê suporte comercial para a venda do KC390. "A gente está fazendo um estudo novo, atualizando tudo o que aconteceu, e vamos dar uma visão de mercado nova pra todo mundo", afirmou Aguiar. A Embraer tem assinadas algumas cartas de intenção de compra do cargueiro, além da FAB, por outras forças aéreas de países parceiros no projeto, como Argentina, Portugal e República Tcheca.(Reuters)

desenvolver projetos de tecnologia aeroespacial com instituições governo e empresas brasileiras como a Embraer, complementou a empresa em nota. Este será o sexto centro da empresa fora dos EUA (Reuters)

Dados da CNI mostram atividade industrial ainda em marcha lenta

A

utilização da capacidade instalada na indústria brasileira ficou em 82,6% em fevereiro segundo dados dessazonalizados, ante 84,5% em janeiro, em leitura revisada, informou a Confederação Nacional da Indústria. No período, o faturamento real dessazonalizado da indústria caiu 3,7% frente a janeiro. Já as horas trabalhadas

na produção aumentaram 0,4%, enquanto o emprego, massa salarial e rendimento médio apresentaram variações de 0,3%, 1,9% e 0,4%, respectivamente, no período. Ao apresentar o desempenho de fevereiro, a CNI avaliou que "as oscilações entre queda e crescimento dos indicadores que medem a atividade industrial são sinais de que a indústria ainda não encontrou sua trajetória de crescimento". O setor industrial não tem conseguido mostrar trajetória consistente de crescimento, depois dos resultados fracos de 2012. Em fevereiro a produção industrial do país recuou 2,5% em relação a janeiro, no pior resultado mensal em pouco mais de quatro anos, e praticamente revertendo a alta de 2,6% vista em janeiro. (Reuters)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

14

e

quarta-feira, 10 de abril de 2013

A alíquota da multa (do FGTS) deve reduzir, mas estamos discutindo. Romero Jucá, senador (PMDB-RR)

conomia

Fotos: Paulo Pampolin/Hype

A Inoar Professional (esq.) lançou o Extreme Premium Oil – que reúne o óleo de Argan, Mirra, Macadâmia e Rosa Imperial. A Tonederm mostrou o Velox, ultrassom para combater a celulite e gordura localizada.

Tecnologia a favor da beleza A Hair Brasil, realizada em São Paulo, apresentou novidades para manicures, cabeleireiros e esteticistas. Entre os destaques, o Shampoo Seco. Rejane Tamoto

C

om 900 marcas expositoras, a 12ª edição da Hair Brasil – Feira Internacional de Beleza, Cabelos e Estética – que terminou ontem – revelou centenas de novidades para os profissionais de salões de beleza. Além de muitos cremes de tratamento, xampus e finalizadores para os cabelos, outros produtos inovadores provocaram a curiosidade dos visitantes. Confira: Um dos estandes com rodinhas de mulheres era o do Perfect Nail, que apresentou a película em gel para decoração de unhas. O gel "derrete" em contato com a base ou esmalte extra brilho e a estampa adere à unha, sem a necessidade de cola. Para retirar os excessos do gel, o fabricante indica a limpeza normal, com palito, algodão e acetona. Nesta edição da feira, a película foi apresentada na versão metalizada, com cinco estampas e diferentes tonalidades. A fabricante Perfect Nail, de Esteio (RS), oferece ao todo 250 combinações das películas em gel, entre cores e modelos de desenhos diferentes.

Um dos estandes mais animados na ala de cabelos foi o da Inoar Professional, com muita música eletrônica. A empresa que tem como carrochefe a linha de produtos para escova progressiva, lançou na feira o Extreme Premium Oil – que reúne o óleo de Argan, Mirra, Macadâmia e Rosa Imperial – para tratamento e proteção dos fios. Outro foi o Inoar BB Cream Hair, linha de tratamento dermatológico para restauração capilar. Para limpar as madeixas sem o uso de água, a Batiste lançou o Shampoo Seco, com uma fórmula que retira a oleosidade da raiz dos cabelos. Segundo o fabricante, o produto também impede desbotamento de tingidos, dá volume e movimento. Há versões para bolso e para retoque dos fios brancos. Outro estande com novidade tecnológica foi o da Tonederm, que lançou o Velox, ultrassom utilizado em tratamentos corporais de combate à celulite e gordura localizada. Como o próprio nome diz, o produto promete ser mais rápido e reduzir o tempo de cada seção, dos atuais 50 minutos, para 20 minutos cada. "Ele é mais potente do que o ultras-

som comum. Pesquisa realizada com 84 pacientes que não realizam nenhum tipo de dieta mostra que há uma redução de 6 cm de gordura abdominal após oito aplicações do Velox", diz o diretor executivo da Tonederm, Cristiano Paganin. O equipamento custava R$ 11 mil na feira. Segundo Paganin, a empresa fabrica produtos portáteis, na faixa de R$ 2 mil. "Nos envolvemos em pesquisas com universidades e estamos expandindo nossos negócios para outros países, como Equador. Pretendemos abrir mercados na Costa Rica e Paraguai. O faturamento com a exportação das máqui-

nas no primeiro trimestre deste ano foi de US$ 350 mil, um crescimento de 100% sobre o mesmo período do ano anterior", diz o executivo. Mais do que ficar bonita, a cliente do salão de beleza quer relaxar. Com essa ideia, a marca italiana Maletti expôs o Kromo Wash, um assento massageador, que emite luzes coloridas sobre a cabeça da cliente, no próprio lavatório. Na feira, ele foi vendido a R$ 12,5 mil, parcelado em dez vezes. O vendedor da Maletti Thiago Lisboa diz que a cromoterapia é um serviço a mais no salão, que pode ser cobrado separadamente ou ser um mimo top para as clientes.

Acima à esq., a Maletti expôs o Kromo Wash, assento massageador que emite luzes coloridas sobre a cabeça da cliente no lavatório. Acima, a Perfect Nail trouxe a película em gel para decoração de unhas.

Domésticas devem ter boleto único para INSS e FGTS

O

governo deu ontem aval para que o Congresso aprove a unificação da cobrança do INSS e do FGTS em boleto único para as empregadas domésticas, o chamado "Supersimples". Representantes do Ministério da Fazenda, Caixa Econômica Federal, Receita Federal e Ministério do Trabalho disseram estar de acordo com a proposta para facilitar o pagamento dos tributos pelos patrões depois que o Congresso aprovou emenda constitucional que amplia os benefícios às domésticas. O grupo se reuniu com o senador Romero Jucá (PMDBRR), relator da comissão que discute a regulamentação da emenda. O modelo em discussão prevê que cada empregador cadastre seu nome e do funcionário em um site, a ser definido pelo governo, insira o valor do salário pago ao empregado e, automaticamente, o site fará o cálculo do valor a ser pago pelo patrão com INSS e FGTS. Em seguida, o patrão imprime o boleto bancário com o valor total a ser recolhido com os tributos – que terá um código de barras para ser pago no banco. A ideia é também incluir o seguro desemprego por acidente de trabalho no mesmo boleto, que

atualmente varia de 1% a 3% do benefício no Imposto de do salário total do Renda (IR). Segundo ele, só empregado. consegue o desconto quem O principal entrave ao não utiliza a declaração boleto único é a data de simplificada, por isso a recolhimento dos tributos – medida não terá "impacto FGTS no dia 7 de cada mês, significativo" à população. enquanto o INSS perto do dia FGTS – Os representantes 15. Jucá disse que a ideia é do governo sinalizaram a Jucá antecipar todos para o dia 7. que não concordam com a Caberá ao governo, de proposta de redução da acordo com o relator, definir multa do FGTS para os casos como a cobrança única será de demissão sem justa causa, distribuída entre os órgãos uma vez que o Brasil é que recolhem as signatário do tratado contribuições, como a Caixa e internacional da Organização a Previdência. Internacional do Trabalho "Há concordância das (OIT) que prevê "igualdade" áreas do governo de entre todos os trabalhadores. que deve haver um O relator defende boleto único. que a alíquota seja Estamos discutindo de até 10% para os os valores de empregados contribuição", domésticos, mas afirmou o senador. disse que o Ainda não há assunto ainda definição sobre precisa ser dos possíveis "aprofundado" empregados mudanças nas com a equipe domésticos alíquotas do INSS econômica e o e do FGTS Ministério do recolhidas por patrões e Trabalho. empregados, mas Jucá Jucá afirmou que, apesar propõe fixá-las em 8%. Hoje, dos tratados internacionais, é os patrões recolhem 12% de preciso levar em conta que as INSS, os empregados, a famílias têm uma dinâmica média de 8%, e a alíquota do diferente das grandes FGTS é também de 8%. O empresas, por isso os patrões relator vai sugerir que o deveriam ter a multa seguro desemprego para as reduzida nos casos de domésticas seja de 1%. demissão sem justa causa. "A Em contrapartida à alíquota da multa (do FGTS) redução da alíquota do INSS, deve reduzir, mas estamos Jucá sugere o fim da dedução discutindo. Temos que

PEC

procurar garantir a equidade, mas está claro que o trabalho doméstico tem peculiaridades", afirmou. O governo também prometeu analisar a proposta de redução das multas e parcelamento das dívidas de patrões que não recolhem INSS dos empregados domésticos, o chamado "Refis" das domésticas. Jucá disse que, com facilidades para a anistia dos débitos, haverá maior formalização de empregadas domésticas no País. "A Receita vai discutir a nossa proposta". Regulamentação – No encontro, representantes do governo admitiram que há aspectos específicos que precisam ser regulamentados na emenda constitucional, como o caso das babás e cuidadores de idosos que trabalham mais que as 8 horas diárias estabelecidas pelo Congresso. O Ministério do Trabalho prometeu apresentar proposta, em dez dias, para os casos em que não há consenso em torno da emenda. "A questão trabalhista é mais complexa. Há normas gerais na CLT que se chocam com a dinâmica do trabalho doméstico. Ainda em abril teremos uma posição para tranquilizar as famílias e os empregadores", disse o relator. (Folhapress)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 10 de abril de 2013

15

e Smartphones brasileiros desonerados A única coisa que podemos fazer é acreditar no governo, em que haverá tecnologia 4G (na Copa das Confederações). Temos de ter paciência". Walter de Gregorio, diretor de comunicação da FIFA

conomia

Celulares inteligentes fabricados no Brasil têm agora alíquota zero do PIS/Cofins. É uma renúncia fiscal de até R$ 500 milhões. Divulgação

O

governo zerou onO decreto prevê que um ato tem as alíquotas do do Ministério das ComunicaPrograma de Inte- ções a ser divulgado proximag r a ç ã o S o c i a l e mente definirá as característiContribuição para o Financia- cas técnicas que o celular demento da Seguridade Social verá ter para se enquadrar na (PIS/Cofins) que incidem so- categoria um smartphone bre celulares inteligentes fa- com internet em alta velocidabricados no Brasil, segundo de e consequentemente ser decreto publicado no Diário desonerado. Oficial da União (DOU), que inDentre as características cluiu o segmento no Programa técnicas necessárias do celude Inclusão Digital. lar, que deverão constar do De acordo com o decreto, ato estão conectividade wi-fi, que incluiu os aplicativo de smartphones navegação e em legislação email, "sistema de 2005 que deoperacional A redução no sonerou o segque disponibilipreço ao mento, apenas ze kit de desenconsumidor aparelhos com volvimento por valor de venda terceiros, tela deve ser de d e a t é R $ igual ou supeaté 30% em 1.500. rior a 18 centírelação aos A desonerametros quadrasmartphones ção também dos e aplicatiimportados atingiu roteavos desenvolvidores digitais dos no País", com preços no informou o mivarejo de até R$ nistério. 150, também fabricados no A pasta acrescentou que poPaís. derá no ato estabelecer valoSegundo o Ministério das res inferiores ao previsto no Comunicações, a desonera- decreto, "a depender dos reção deve levar a uma redução quisitos técnicos estabelecino preço final ao consumidor dos". de até 30% em relação aos iPad Mini – A fabricante da smartphones importados, Apple no Brasil recebeu aval que pagam também Imposto da Agência Nacional de Telesobre Produtos Industrializa- comunicações (Anatel) para dos (IPI). produzir e vender os iPads Mini A redução dos impostos no feitos na planta de Jundiaí segmento dos celulares inteli- (SP). A autorização da agência gentes deve implicar em uma foi emitida na última sexta-feirenúncia fiscal de até R$ 500 ra. Segundo a agência regulamilhões ao ano, de acordo dora, qualquer novo equipacom os cálculos do ministério. mento de telecomunicação

Exigência de conteúdo nacional no leilão da 4G

O

governo vai manter no próximo leilão de Internet móvel de quarta geração (4G) exigência de um percentual mínimo de conteúdo nacional para as operadoras que vencerem a disputa, prática adotada no ano passado no primeiro leilão dessa tecnologia. "Ainda não sei o percentual, mas a exigência vai continuar", disse ontem o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo. O leilão de 4G na faixa de 700 megahertz deve ocorrer no início do ano que vem. A exigência deve contemplar equipamentos fabricados no Brasil e tecnologia nacional, a serem adquiridos pelas operadoras que vencerem a disputa pelas faixas de frequência. Na Copa Ao escolher em 2007 o Brasil como sede da Copa do Mundo de 2014, a Fifa cobrou do governo brasileiro a garantia de um "serviço exemplar" de telecomunicações. A promessa do governo foi de que haveria a oferta de serviços de internet móvel de quarta geração (4G). Mas, a pouco mais de dois meses do início da Copa das Confederações, evento-teste para o Mundial, o País ainda não possui uma oferta consistente de 4G nem mesmo para os clientes regulares das operadoras de telefonia móvel e ainda apresenta problemas na qualidade dos serviços nas redes atuais. "A única coisa que podemos fazer é acreditar no que o governo diz, que haverá tecnologia 4G. Temos de ter paciência", disse o diretor de comunicação da Fifa, Walter de Gregorio, durante encontro com correspondentes da mídia

estrangeira no Rio de Janeiro, nesta semana. A Fifa, que repetidamente tem cobrado do Brasil nos últimos anos que acelere o ritmo dos preparativos, está preocupada com um possível "black-out" das comunicações. Com mais de 4 mil jornalistas credenciados para a Copa das Confederações e estádios lotados, há a expectativa de uma enorme demanda por capacidade de rede. As operadoras apontam a falta de regras para instalação de antenas como um dos principais problemas, enquanto a Lei Geral das Antenas circula no Congresso desde 2012 e ainda não foi aprovada em caráter definitivo. Na sexta-feira, o secretário-geral da Fifa alertou que "nem todos os aspectos operacionais estarão a 100%" na Copa das Confederações devido aos atrasos na entrega dos estádios. Problemas – O governo garante que a infraestrutura de telecomunicações nos estádios estará pronta para os eventos. "No caso da Telebrás quase todos os investimentos já foram feitos e, no caso das empresas de telecomunicações, elas tiveram um pouco mais de demora por conta da liberação dos estádios, mas são empresas que têm facilidade de investir", disse ontem o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo. Segundo ele, serão instaladas antenas fixas nos estádios a serem compartilhadas entre as operadoras, com sinal para 2G, 3G e 4G. Mas os atrasos nas obras de algumas arenas, também podem atrapalhar. (Reuters)

Segundo a Apple, não há previsão de quando serão iniciadas as vendas nem de qual será o valor do iPad Mini no Brasil.

329 dólares é o preço inicial do tablet nos mercado norteamericano, o que equivale a cerca de R$ 650. precisa passar por uma série de testes antes de receber homologação. Nesse trâmite, os aparelhos passam por um processo de certificação para verificar, por exemplo, se o aparelho obedece a regulamentação do País para emissão de radia-

ção, interferência, proteção acústica e elétrica. A venda de iPads Mini no Brasil já havia sido autorizada desde novembro do ano passado, mas a agência limitava essa permissão aos aparelhos produzidos na unidade da Foxconn em Shenzhen, na China.

Agora, a produção nacional também entrou na lista de fabricantes autorizados pela reguladora. Sem Previsão – De acordo com a assessoria de imprensa da empresa, não há previsão de quando serão iniciadas as vendas nem qual será o valor

do dispositivo no Brasil. Em nota, a Apple diz que "infelizmente não tem qualquer informação" para explicar por qual motivo o iPad Mini ainda não chegou ao Brasil. Nos Estados Unidos, o tablet é vendido a partir de US$ 329 (cerca de R$ 650). (Agências)

Betacred Companhia Securitizadora de Créditos Financeiros CNPJ 06.050.986/0001-90 Demonstrações Financeiras Balanço Patrimonial Encerrado em 31 de Dezembro de 2012 - Em R$ (Reais) - Sem Centavos ATIVO 2012 2011 PASSIVO 2012 2011 Circulante 832.215 938.287 Circulante 19.313.386 18.111.907 Caixa e Equivalentes de Caixa 209.868 532.750 Fornecedores 1.136 13.347 Caixa e Bancos C/Movimento 209.868 532.750 Contas a Pagar 98.356 31.854 Aplicações Financeiras - Impostos a Pagar 673.589 42.441 Créditos 622.347 405.537 Remunerações a Pagar 307.380 321.134 Direitos de Crédito - Outras Contas a Pagar Outros Créditos - Empréstimos 18.230.605 17.703.130 Impostos a Recuperar 580.488 316.955 C/C Empresas Ligadas 2.321 Despesas Antecipadas 41.859 88.581 Não Circulante 425.860 3.378.639 Não Circulante 74.348 105.814 Exigível a Longo Prazo 425.860 3.378.639 Realizável a Longo Prazo 65.530 91.492 Empréstimos 2.726.876 Depósitos Judiciais 65.530 91.492 Provisão para Contingências 425.860 651.763 Permanente 8.445 13.053 Patrimônio Líquido (18.832.683) (20.446.446) Imobilizado 21.978 36.298 Capital Social 2.713.635 2.713.635 (-) Depreciação Acumulada (13.533) (23.245) Prejuízos Acumulados (21.546.318) (23.160.080) Diferido - Total do Passivo 906.563 1.044.100 Diferido 63.144 63.144 Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido (-) Amortizações Acumuladas (63.144) (63.144) em 31 de Dezembro de 2012 - Em R$ (Reais) - Sem Centavos Intangível 373 1.269 Capital Lucros e Intangível 4.480 4.480 Eventos Social (Prejuízos) Acumulados Totais (-) Amortizações Acumuladas (4.107) (3.211) Saldos em 31/12/10 2.713.635 (21.114.227) (18.400.592) Total do Ativo 906.563 1.044.100 Prejuízo do Exercício (2.045.852) (2.045.852) Saldos em 31/12/11 2.713.635 (23.160.080) (20.446.446) Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras Prejuízo do Exercício 1.613.763 1.613.763 Exercício Findo em 31/12/2012 2.713.635 (21.546.318) (18.832.683) 1. Contexto Operacional: A empresa dedica-se exclusivamente a aquisi- Saldos em 31/12/12 ção de créditos financeiros oriundos de operações praticadas por bancos, consideradas prováveis. h) Demais ativos e passivos circulantes e não cirsociedades de créditos, sociedades de arrendamento mercantil, compa- culantes: Os demais ativos são apresentados ao valor de custo. Os passinhias hipotecárias, associações de poupança e empréstimo e pela Caixa vos são demonstrados por valores conhecidos ou calculáveis, acrescidos, Econômica Federal, na forma da Resolução nº 2.686, de 26 de janeiro de quando aplicável, dos correspondentes encargos correspondentes de acor2000. 2. Apresentação das Demonstrações Financeiras: As demonstra- do com os contratos vigentes. i) Apuração do resultado e critério de recoções financeiras foram elaboradas em conformidade com a Lei das Socie- nhecimento da receita de recuperação de créditos: O resultado das operadades por Ações e contemplam as alterações constantes na Lei 11.638 de ções é apurado em conformidade com o regime de competência dos exer28 de dezembro de 2007 e em conformidade com as Normas Brasileiras cícios, sendo a receita de recuperação de crédito reconhecida quando da de Contabilidade. As principais práticas contábeis adotadas foram as se- efetiva realização. 2012 2011 guintes: a) Caixa e Equivalentes de Caixa: Consistem em numerários man- 3. Imobilizado Custo Depreciações Líquido Líquido tidos em caixa, contas correntes bancárias de livre movimentação e aplicaR$ R$ % R$ R$ ções financeiras de liquidez imediata. As aplicações financeiras estão re- Contas 10 gistradas ao custo, acrescido dos rendimentos incorridos até as datas dos Instalações 16.728 8.286 10 8.442 10.115 balanços, que não superam o valor de mercado. b) Impostos a recuperar: Móveis e utensílios 5.250 5.247 20 3 2.938 As antecipações ou valores passíveis de compensação são demonstrados Computadores e Periféricos 10 no ativo circulante de acordo com a previsão de sua realização. c) Imobili- Máquinas e Equipamentos 21.978 13.533 8.445 13.053 zado: Os bens foram registrados ao custo de aquisição e são depreciados Soma 2012 2011 de forma linear utilizando taxas conforme demonstrado na nota explicativa 4 - Intangível Custo Amortização Líquido Líquido nº 3. d) Intangível: Composto por licenças de uso de programas com prazo R$ R$ % R$ R$ de vida útil de 5 anos conforme demonstrado na nota explicativa nº 4. e) Contas 4.480 4.107 20 373 1.269 Empréstimos: Estão acrescidos dos respectivos encargos incorridos até a Programas de Computador 4.480 4.107 373 1.269 data do balanço de acordo com as cláusulas contratuais, conforme men- Soma cionado na nota explicativa nº 5. f) Provisões para Imposto de Renda e 5 - Exigível a Curto Prazo: Empréstimos tomados no Exterior em Reais Contribuição Social: O imposto de renda é computado sobre o lucro tribu- com juros de 3% a.a. vencíveis trimestralmente. Valor da Parcela Valor dos Juros Total tável pela alíquota de 15%, acrescido do adicional de 10% para os lucros 15.002.097 465.641 15.467.738 que excederem R$240.000,00 no período de 12 meses, enquanto que a Vencido 1.467.914 25.130 1.493.044 contribuição social é computada pela alíquota de 9% sobre o lucro tributá- 17-jan-13 1.258.962 10.862 1.269.824 vel, reconhecidos pelo regime de competência e com base no Lucro Real. 15-abr-13 g) Provisão para Contingências: A provisão para contingências foi constituída com amparo em pareceres de assessores jurídicos em montantes 17.728.973 501.632 18.230.605 suficientes para cobrir perdas provenientes de ações contra a companhia Total Curto Prazo Nurik Araújo Costa - Administrador

Demonstração do Resultado do Exercício de 2012 Em R$ (Reais) - Sem Centavos 2012 2011 Receita Operacional Bruta 10.372.547 12.964.292 Receita de Cobrança 10.372.547 12.964.292 (-) Deduções da Receita Bruta (442.993) (327.144) Deduções das Receitas (Impostos) (442.993) (327.144) Receita Operacional Líquida 9.929.555 12.637.148 (-) Custo de Captação e Serviços (2.787.204) (9.149.306) Resultado Operacional Bruto 7.142.351 3.487.842 Despesas Operacionais (4.889.502) (5.533.694) Despesas com Pessoal (3.947.360) (4.713.662) Despesas com Materiais 94 (4.481) Serviços Profissionais (97.244) (16.834) Despesas com Aluguéis (46.578) Despesas Gerais (90.483) (7.866) Receitas/Despesas Financeiras (749.697) (696.180) Despesas Tributárias (41.611) Depreciações e Amortizações (4.812) (6.483) Resultado antes do IRPJ e CSLL 2.252.849 (2.045.852) Imposto de Renda (463.563) Contribuição Social s/ Lucro Líquido (175.523) Lucro/ (-) Prejuízo do Exercício 1.613.763 (2.045.852) Demonstração de Fluxo de Caixa - ANO 2012-(Em Reais) Sem Centavos Das Atividades Operacionais 2012 2011 Lucro / (-) Prejuízo do Exercício 1.613.763 (2.045.852) (+) Depreciações 4.812 6.483 (+) Custo de Amortização de Direito de Crédito 5.046.639 (+) Custo da Baixa de Ativo Imobilizado 692 (+) Provisões (Reversões) para Contingências (225.904) (461.679) (+/-) Juros e Encargos com Empréstimos 845.827 883.771 (Aumento) Diminuição em Impostos a Recuperar (263.532) 324.228 (Aumento) Diminuição em Outros Créditos 72.684 269.814 Aumento (Diminuição) em Fornecedores (12.211) (45.688) Aumento (Diminuição) Impostos a Recolher 631.148 3.410 Aumento (Diminuição) em Remunerações a Pagar (13.755) (46.861) Aumento (Diminuição) em Outras Contas a Pagar 66.502 9.937 Caixa Líquido Gerado nas Atividades Operacionais 2.720.025 3.944.201 Atividades de Financiamento Pagamento de Juros e Principal de Empréstimos (3.045.228) (10.823.449) Empréstimos de Curto Prazo 2.321 Caixa Líquido Consumido nas Atividades de Financiamento (3.042.907) (10.823.449) Redução Líquida nas Disponibilidades (322.882) (6.879.248) Saldo de Caixa em 01/01 532.750 7.411.998 Saldo de Caixa em 31/12 209.868 532.750 Composição do Caixa Caixa 1.500 2.496 Banco c/ Movimento 208.368 530.254 Aplicação Financeira Total 209.868 532.750

6. Capital Social: O Capital Social é de R$ 2.713.634,55 (dois milhões, setecentos e treze mil, seiscentos e trinta e quatro reais e cinqüenta e cinco centavos) divididos em 10.000 (dez mil) ações ordinárias nominativas sem valor nominal, pertencentes a pessoas jurídicas do exterior.

Contadora - Adriana Rodrigues - CRC SP-219466/O-8

REC Guadalupe S.A. CNPJ/MF nº 08.545.254/0001-05 Relatório da Diretoria Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as Demonstrações Financeiras condensadas da Sociedade, referentes aos exercícios findos em 31/12/2012. A Diretoria Balanço Patrimonial em 31 de dezembro - Em milhares de reais Demonstração dos Fluxos de Caixa Exercícios findos em 31 de dezembro - Em milhares de reais 2012 2011 2012 2011 2012 2011 Contro- Conso- Contro- ConsoContro- Conso- Contro- ConsoContro- Conso- Contro- ConsoAtivo ladora lidado ladora lidado Passivo e patrimônio líquido ladora lidado ladora lidado ladora lidado ladora lidado Circulante 1 12.977 8 19.271 Circulante 32 11.571 12 103.504 Fluxo de caixa das ativ. operac. (1.204) (1.204) (8.276) (8.276) Caixa e equival. de caixa (Nota 4) 1 119 8 101 Fornecedores (Nota 10) 32 839 11 1.834 Prejuízo do exercício Ativos financeiros ao valor justo Impostos e contribuições (Nota 11) 365 1 554 Ajustes de receitas e despesas não envolvendo o caixa por meio de resultado (Nota 5) 2.826 - 14.411 Retenções técnicas (Nota 12) 1.746 5.995 Resultado de controlada por Aluguéis a receber (Nota 6) 8.871 4.315 Empréstimos (Nota 13) 8.621 - 95.121 equivalência patrimonial 61 6.057 Impostos a recuperar 488 444 Não circulante - 89.072 8.495 Ganhos com ativos financeiros Despesas antecipadas 673 - Empréstimos (Nota 13) - 76.930 por meio de resultado (228) (155) Não circulante 73.957 174.786 71.014 176.397 Receita diferida (Nota 14) - 12.142 8.495 Juros s/empréstimos e financiamentos 430 61 Depósitos judiciais 32 32 - Total do passivo 32 100.643 12 111.999 Amortização de intangível 11 5 Investim. em controlada (Nota 7) 73.925 - 71.014 - Patrimônio líquido (Nota 15) 73.926 87.120 71.010 83.669 Deprec. de propriedades p.investim. 5.812 479 Propriedades p/investim. (Nota 8) - 167.423 - 170.241 Capital social 60.495 60.495 60.495 60.495 Depreciação do imobilizado 782 58 Imobilizado (Nota 9) 7.306 6.121 Adiantamentos para futuro Variações nas contas de ativo e passivo Intangível 25 35 aumento de capital 29.765 29.765 25.645 25.645 Impostos a recuperar (44) (440) Prejuízos acumulados (16.334) (16.334) (15.130) (15.130) Despesas antecipadas (32) (673) 73.926 73.926 71.010 71.010 Depósitos judiciais (32) 73 Participação dos acionistas Aluguéis a receber - (4.556) (4.315) não controladores - 13.194 - 12.659 Fornecedores 20 (995) (13) (7.167) Total do ativo 73.958 187.763 71.022 195.668 Total do passivo e patrim. líquido 73.958 187.763 71.022 195.668 Impostos e contribuições (189) 1 6.238 Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido - Em milhares de reais Obrigações trabalhistas (38) Atribuível aos acionistas controladores Participação dos Total do Retenções técnicas - (4.249) Capital Adiantam. p/futuro Prejuízos acionistas não patrimônio Receita diferida 3.647 6.406 social aumento de capital acumulados Total controladores líquido Em 31 de dezembro de 2010 8 60.487 (6.854) 53.641 9.276 62.917 Caixa líquido consumido nas atividades operacionais (1.155) (1.488) (2.231) (7.040) Adiantamentos para futuro aumentos de capital (Nota 15) 25.645 - 25.645 25.645 Fluxo de caixa das ativ. de invest. Adiantamentos para futuro aumentos de capital em Aquisição de ativos financeiros ao controlada pelos acionistas não controladores (Nota 15) 4.452 4.452 valor justo por meio de resultado - 11.813 - (14.256) Aumento de capital (Nota 15) 60.487 (60.487) Prejuízo do exercício (8.276) (8.276) (1.069) (9.345) Aquisição de propriedades para investimentos - (2.995) - (99.698) Em 31 de dezembro de 2011 60.495 25.645 (15.130) 71.010 12.659 83.669 Adiantamento para futuro aumentos Adiantamentos para futuro aumentos de capital (Nota 15) 4.120 4.120 4.120 de capital em controlada (2.972) (24.507) Adiantamentos para futuro aumentos de capital em Aquisição de bens do ativo imob. - (1.967) (6.149) controlada pelos acionistas não controladores (Nota 15) 546 546 Caixa líquido gerado (consumido) Prejuízo do exercício (1.204) (1.204) (11) (1.215) nas atividades de investimento (2.972) 6.851 (24.507) (120.133) Em 31 de dezembro de 2012 60.495 29.765 (16.334) 73.926 13.194 87.120 Fluxo de caixa das ativ. de financ. Demonstração do Resultado Exercício findo em 31 de dezembro - Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma Captação de empréstimos 95.060 2012 2011 2012 2011 Liquidação de empréstimos - (10.000) Contro- Conso- Contro- ConsoContro- Conso- Contro- ConsoAdiant. p/futuro aumentos de capital 4.120 4.120 25.645 25.645 Receitas operacionais ladora lidado ladora lidado ladora lidado ladora lidado Adiantamentos p/futuro aumentos Receitas (Nota 16) - 24.265 4.083 Atribuível a de capital em controlada pelos Despesas operacionais Acionistas da Companhia - (1.204) - (8.276) acionistas não controladores 535 3.383 Desp. gerais e administr. (Nota 17) (1.143) (13.995) (2.220) (7.828) Participação dos não controladores (11) - (1.069) Caixa líquido gerado (consumido) Despesas tributárias (1) (192) (479) Média ponderada de ações no das atividades de financiamento 4.120 (5.345) 25.645 124.088 Despesas comerciais (Nota 18) - (1.939) - (5.201) final do exercício (em milhares) - 60.495 - 60.495 Aumento líquido (redução) de Partic. no prej. de controlada (Nota 7) (61) - (6.057) - Prejuízo básico e diluído por ação caixa e equivalentes de caixa (7) 18 (1.093) (3.086) Outras receitas 2 4 atribuível aos acionistas da Lucro (prejuízo) operacional (1.205) 8.141 (8.277) (9.421) Companhia ao final do exerc. - R$ 0,02 (0,14) Caixa e equivalente de caixa no início do exercício 8 101 1.101 3.187 Resultado financeiro (Nota19) Não houve outros resultados abrangentes nos exercícios divulgados, porCaixa e equivalentes de caixa Receitas financeiras 2 228 1 155 tanto não se apresenta uma demonstração do resultado abrangente. no fim do exercício 1 119 8 101 Despesas financeiras (1) (9.582) (79) As Demonstrações Financeiras completas, acompanhadas das Notas Resultado financeiro líquido Prejuízo do exercício

1 (1.204)

(9.352) (1.215)

(8.276)

76 Explicativas e do Relatório dos Auditores Independentes estão à disposi(9.345) ção dos Acionistas na sede da Companhia.

Jorge Carlos Nuñez - Diretor Bianca Carnicer Micheloni - Contadora CRC 1SP 253.163/P-7


16 -.ECONOMIA/LEGAIS

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 10 de abril de 2013


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 10 de abril de 2013

e IGP-DI sobe 0,31% e indica aceleração

ECONOMIA/LEGAIS - 17

conomia

O Índice Geral de Preços-Disponibilidade Interna (IGP-DI), medido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), mostra alta tanto no atacado quanto no varejo do País.

O

Índice Geral de Preç o s - Di s p o n i b il i d ade Interna (IGP-DI) subiu 0,31% em março, ante elevação de 0,20% em fevereiro, com aceleração dos preços tanto no atacado quanto no varejo, informou ontem a Fundação Getúlio Vargas (FGV). A leitura de março ficou acima das expectativas em levantamento da Reuters, cuja mediana de 20 previsões apontava para alta de 0,21%. As projeções variaram de avanço de 0,07% a 0,39%. Com o resultado, o índice acumula alta em 12 meses de 7,97%, ante avanço de 8,24% nos 12 meses até fevereiro. Depois de o IPCA-15, em março, ter se aproximado no acumulado em 12 meses do teto da meta do governo, de 6,5% pelo IPCA, o cenário atual é de preocupação com a inflação tanto no mercado quanto no governo. Hoje, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) divulga os dados de março do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial. Em março, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-DI) registrou inflação de 0,12%, após apresentar alta em fevereiro de 0,09%. O índice calcula as variações de preços de bens agropecuários e industriais nas transações em nível de produtor e responde por 60 por cento do IGP-DI. Entre a origem dos produ-

7,97 por cento foi a alta do IGP-DI nos últimos 12 meses, segundo informou a FGV. Alta da inflação preocupa o governo e o mercado. tos, os industriais tiveram alta de 0,46%, ante avanço de 0,31% no mês anterior. Já os produtos agropecuários registraram queda de 0,72%, ante recuo de 0,48% em fevereiro. Em relação aos estágios de produção, o índice relativo a Bens Finais apresentou variação positiva de 1,18% por cento em março, ante 1,03% no mês anterior. O índice do grupo Bens Intermediários mostrou queda de 0,17%, ante recuo de 0,09% em fevereiro. Varejo – Por sua vez, o Índice de Preços ao Consumidor (IPCDI), registrou alta de 0,72%, ante avanço de 0,33% em fevereiro. O índice mede a evolução dos preços às famílias com renda entre um e 30 salários mínimos mensais e corresponde a 30% do IGP-DI. Três das oito classes de despesa componentes do índice apresentaram acréscimo em suas taxas de variação. (Reuters)

Safra será 12% superior à de 2012

O

Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de março projeta uma safra de 181,3 milhões de toneladas de grãos em 2013, informou ontem o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Se confirmada, a safra será 12% superior à do ano passado. O IBGE revisou a safra de 2012, que passou de 162,1 milhões de toneladas para 161,9 milhões de toneladas. A estimativa de março para a safra de 2013 foi 1,2% menor do que o previsto em fevereiro, o equivalente a 2,2 milhões de toneladas a menos. A área de grãos a ser colhida em 2013 será de 52,7 milhões de hectares, segundo o LSPA. O resultado representa um aumento de 7,9% em relação à área colhida em 2012, que ficou em 48,8 milhões de hectares. No entanto, houve redução de 214.574 hectares (menos 0,4%) em relação ao total previsto no levantamento de fevereiro. As três principais culturas – arroz, milho e soja –, que representam 92,5% da produção de cereais, leguminosas e oleaginosas, respondem por 86% da área a ser colhida em 2013.

Em relação a 2012, houve aumento de 0,9% na área de arroz, de 8,1% para o milho, e de 10,5% para a soja. O arroz terá um avanço de 5,1% na produção, enquanto o milho virá com uma safra 5,0% maior, e a soja tem previsão de aumento de 23,2%. Chuvas – As chuvas que atingem a região produtora de cana do centro-sul do Brasil têm provocado lentidão na colheita e na moagem da matéria-prima do açúcar e do etanol, apontou ontem a Somar Meteorologia em relatório. "As chuvas que vêm ocorrendo de forma frequente desde o início do outono estão impossibilitando que os trabalhos de colheita prossigam de forma contínua e, portanto, sem interrupções", disse a Somar. A moagem da cana-deaçúcar já começou em várias regiões. "Porém os valores de área colhida até o momento estão bem mais baixos do que os valores observados no mesmo período de 2012." A Somar disse ainda que, devido à previsão de chuva para esta semana em todas as regiões produtoras, as condições para a realização da colheita não estarão favoráveis. (Agências)

Ativo/Circulante Notas 2012 Caixa e equivalentes de caixa 05 3.149.138 Aplicações financeiras 06 2.942.452 Contas a receber de clientes 07 1.236.468 Contas a receber de imóvel vendido 08 5.846.035 Adiantamentos a funcionários 135.626 Adiantamentos a fornecedores 12.063 Outros direitos realizáveis 3.586 Despesas de exercício seguinte 15.453 Total do Ativo Circulante 13.340.821 Não Circulante: Depósitos judiciais 70.589 Outros direitos realizáveis 173.841 Imóvel destinado à venda 0 Imobilizado 09 78.939.848 Intangível 10 188.419 Total do Ativo Não Circulante 79.372.697 Total do Ativo 92.713.518 Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido

Descrição Saldos em 01/1/2011 Incorpor. do Déficit do Exerc. 2010 p/ o Patrimônio Social Ajuste de exercício anterior Doações patrimoniais Déficit do Período Saldos em 31/12/2011 Incorpor. do Déficit do Exerc. 2011 p/ o Patrimônio Social Doações patrimoniais Superávit do Período Saldos em 31/12/2012

2011 1.321.869 1.323.764 914.882 0 144.384 24.046 19.301 12.644 3.760.890 68.997 161.267 3.626.976 79.121.894 179.915 83.159.049 86.919.939

Patrimônio Social 86.307.680

Superávit/ Déficit do Exerc. (2.499.426)

Total 83.808.254

(2.499.426) (1.285) 30.272 0 83.837.241

2.499.426 0 0 (1.178.110) (1.178.110)

0 (1.285) 30.272 (1.178.110) 82.659.131

(1.178.110) 22.390 0 82.681.521

1.178.110 0 7.150.221 7.150.221

0 22.390 7.150.221 89.831.742

Nota 01. Contexto Operacional-A Associação Instrutora da Juventude Feminina é uma associação civil de natureza confessional, beneficente, filantrópica, sem fins econômicos e/ou lucrativos, de caráter educacional, cultural e de assistência social, tendo por finalidade a Educação, a Cultura e a Assistência Social, por meio da promoção da infância, da adolescência, da juventude e de adultos.A Associação Instrutora da Juventude Feminina teve seu estatuto social primitivo registrado em 09 de fevereiro de 1907, na cidade de São Paulo – SP, sendo certificada como Entidade de Beneficente de Assistência Social através da Portaria 73/2011 da Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação, pelo período de 01 de janeiro de 2010 a 31 de dezembro de 2012.A administração protocolou tempestivamente o processo de renovação do Certificado, nos termos da Legislação vigente, sob o número 23.000.018101/2012-84, estando em análise no término da elaboração das Demonstrações Financeiras. A entidade foi declarada de utilidade pública federal através do Decreto 59801/1966, de utilidade pública estadual através da Lei nº 5868/1960 e de utilidade pública municipal, na cidade de São Paulo, pelo Decreto nº 4687/1960. Para o cumprimento de seus objetivos sociais, a Associação Instrutora da Juventude Feminina mantém as seguintes unidades: Unidades de Ensino – Educação Básica Colégio Madre Alix São Paulo-SP Colégio Nossa Senhora do Morumbi São Paulo-SP Colégio Stella Maris Santos-SP Escola São Carlos Porto Alegre-RS Escola O Semeador Juazeiro do Norte-CE Escola Poço de Jacó Juazeiro do Norte-CE Escola Nossa Senhora da Esperança Viamão-RS Unidades de Assistência Social Instituto Sedes Sapientiae São Paulo-SP Centro Educacional Santo Agostinho Erechim-RS Demais unidades (unidades inativas) Instituto Nossa Senhora das Graças Porto Alegre-RS Assistência Social Nossa Senhora do Pilar Fortaleza-CE As atividades das unidades Instituto Nossa Senhora das Graças, Escola São Carlos e Assistência Social Nossa Senhora do Pilar foram encerradas a partir de 01 de janeiro de 2013. Nota 02. Base de Preparação das Demonstrações Financeiras-i) Declaração de conformidade: As demonstrações financeiras foram preparadas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil (BR GAAP). Foram observados os preceitos estabelecidos pela Resolução do Conselho Federal de Contabilidade 1409/2012 que aprovou a Interpretação ITG 2002 – Entidades sem Finalidade de Lucros. A emissão das demonstrações financeiras foi autorizada pela diretoria da Entidade. ii) Bases de mensuração: As demonstrações financeiras foram preparadas com base no custo histórico, exceto os instrumentos financeiros que foram mensurados pelo valor justo. iii) Moeda funcional: As demonstrações financeiras são apresentadas em Real, que é a moeda funcional da Entidade.Todas as informações financeiras, apresentadas em Real, foram arredondadas para a unidade de um Real (R$ 1) mais próxima, exceto quando indicado de outra forma. iv) Uso de estimativas e julgamentos: A preparação das demonstrações financeiras exige que a Administração faça julgamentos, estimativas e premissas que afetam a aplicação de políticas contábeis e os valores reportados de ativos, passivos, receitas e despesas. Os resultados reais podem divergir dessas estimativas. Estimativas e premissas são revistas de uma maneira contínua. Nota 03. Resumo das Principais Políticas e Práticas Contábeis-As políticas e práticas contábeis descritas abaixo foram aplicadas de maneira consistente no período apresentado nessas demonstrações financeiras, exceto nos casos indicados em contrário. a) Classificação de Itens Circulantes e Não Circulantes-No Balanço Patrimonial, ativos e obrigações vincendas ou com expectativa de realização dentro dos próximos 12 meses são classificados como itens circulantes e aqueles com vencimento ou com expectativa de realização superior a 12 meses são classificados como itens não circulantes.b) Compensação entre contas-Como regra geral, nas demonstrações financeiras, os ativos e passivos, ou receitas e despesas não são compensados entre si, exceto quando a compensação é requerida ou permitida por um Pronunciamento ou Norma Brasileira de Contabilidade e esta compensação reflete a essência da transação.c) Instrumentos financeiros-A Entidade reconhece os depósitos bancários na data em que foram originados. Um ativo financeiro deixa de ser reconhecido quando os direitos contratuais aos fluxos de caixa do ativo expiram, ou quando a Entidade transfere os direitos ao recebimento dos fluxos de caixa contratuais sobre um ativo financeiro em uma transação no qual, essencialmente, todos os riscos e benefícios da titularidade do ativo financeiro são transferidos.A Entidade possui os seguintes ativos financeiros não derivativos: (1) depósitos bancários, (2) investimentos financeiros (aplicações financeiras) mantidos até seu vencimento; (3) recebíveis. d) Caixa e equivalentes de caixa-São classificados como caixa e equivalentes de caixa: numerários em espécie, depósitos bancários disponíveis e aplicações financeiras de curto prazo, de alta liquidez, que são prontamente conversíveis em um montante conhecido de caixa e que estão sujeitas a um insignificante risco de mudança de valor. e) Aplicações financeiras-Correspondem a aplicações financeiras de curto prazo, prontamente conversíveis em um montante conhecido de caixa, sujeitas a um insignificante risco de mudança de valor, com prazo pré-determinado, destinadas a reserva financeira ou de recursos provenientes de um Convênio ou Parceria.f) Contas a receber de clientes-Demonstrados pelo valor de realização, incluindo, quando aplicável, os respectivos rendimentos e variações monetárias até a data de encerramento das demonstrações financeiras, bem como ajustado pela Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa, constituída sobre os títulos de 2012 com base no histórico proporcional de inadimplência e integralmente sobre os títulos vencidos de exercícios anteriores. g) Imobilizado e Intangível-Os itens do Imobilizado e do Intangível estão mensurados pelo custo histórico de aquisição ou construção, acrescido de correções monetárias calculadas até 1995, bem como de reavaliação dos imóveis realizada durante o ano de 2007, deduzidos das depreciações e/ou amortizações acumuladas. A depreciação e a amortização são calculadas sobre os custos dos ativos Imobilizados e Intangíveis. Seu reconhecimento no resultado está baseado em método linear estimando a vida útil de cada parte do item.h) Outros Ativos-Os demais ativos estão apresentados ao custo de aquisição, atualizados conforme disposições legais ou contratuais, ajustados ao valor provável de realização. i) Passivo Circulante e Não Circulante-Os passivos estão registrados pelo seu valor estimado de exigibilidade, ajustados a valor presente quando aplicável, com base em taxas de desconto que refletem as melhores avaliações do mercado quanto ao valor do dinheiro no tempo e os riscos específicos destes passivos, e acrescidos, quando aplicável, dos correspondentes encargos e variações monetárias incorridas, em base "pro-rata-dia".As antecipações de mensalidades educacionais correspondem aos valores nominais de parcelas de anuidades escolares relativas ao ano de 2013 recebidas antecipadamente. A Provisão para Os recursos obtidos por Convênios (com entidades públicas e privadas) e a sua aplicação, quando destinados a projetos específicos, são contabilizados em contas patrimoniais.Nota 13. Patrimônio Líquido-(i) Patrimônio Social-O Patrimônio Social refere-se ao resultado apurado em cada exercício, incorporado para manutenção dos objetivos sociais da Entidade (ii) Superávit/ Déficit do Período O resultado do exercício está sendo mantido em conta específica, enquanto não aprovado pela assembléia de associadas. Após sua aprovação será transferido definitivamente para o Patrimônio Social. (iii) Doações patrimoniais Correspondem a bens recebidos em doação que integraram o Ativo Imobilizado.(iv) Não remuneração de membros de sua diretoria A Associação não remunera os membros componentes de sua diretoria, conselheiras, associadas, sócias benfeitoras ou equivalentes e não distribui ou concede vantagens sob nenhuma forma. Nota 14.Custos Os custos apurados nos exercícios de 2012 e de 2011 estão assim compostos: Exercício de 2012 Custos dos serv. Projetos de Descrição educacionais assist. social Custos com pessoal (7.770.057) (1.257.290) Custos com materiais aplic. e demais custos (372.278) (198.110) Totais (8.142.335) (1.455.400) Custos dos serviços educacionais - Educação Básica (6.780.241) - Educação Não Formal (1.362.094) - Total (8.142.335) Exercício de 2011 Custos dos serv. Projetos de Descrição educacionais assist. social Custos com pessoal (7.857.156) (1.258.746) Custos com materiais aplic. e demais custos (328.760) (102.558) Totais (8.185.916) (1.361.304) Custos dos serviços educacionais - Educação Básica (6.963.629) - Educação Não Formal (1.222.287) - Total (8.185.916) Nota 15. Despesas Gerais e Administrativas-As despesas gerais e administrativas apresentam a seguinte composição nos exercícios de 2012 e de 2011: Descrição 2012 2011 Despesas com pessoal (7.029.329) (7.038.480) Prestadores contratados (1.493.428) (1.448.606) Depreciação/Amortização (604.422) (662.546) Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa (131.135) (818.060) Provisão para Contingências Trabalhistas e Cíveis 101.918 65.600 Demais despesas gerais e administrativas (3.380.864) (2.970.403) Totais (12.537.260) (12.872.495) Depreciação/Amortização - Apurada de itens do Imobilizado Nota 09 (534.512) - Apurada de itens do Intangível Nota 10 (17.989) - Apur. imóv. destin. à venda (vend. ao longo período) (51.921) Total (604.422) Nota 16. Outras Receitas e Outras Despesas-Nos quadros seguintes estão compostas as Outras Receitas e as Outras Despesas dos exercícios de 2012 e de 2011: Outras Receitas Descrição 2012 2011 Locações e sub-locações 770.436 707.111 Receita da alienação de bens do ativo imobilizado 10.825.300 449.096 Outras receitas 230.708 188.714 Totais 11.826.444 1.344.921 Outras Despesas Descrição 2012 2011 Custo dos bens alienados do ativo imobilizado (3.579.555) (437.096) Outras despesas (623) (2.067) Totais (3.580.178) (439.163) Nota 17.Resultado Financeiro O resultado financeiro discrimina-se como segue: Descrição 2012 2011 Rendimentos de aplicações financeiras 227.981 310.999 Encargos de cobrança 119.186 118.282 Descontos concedidos no recebimento (112.705) (106.012) Juros de operações de empréstimo (96.833) (11.288) Outros (72.703) (71.755) Totais 64.926 240.226 Nota 18. Assistência Social-A Associação Instrutora da Juventude Feminina na condição de entidade beneficente de assistência social em educação, certificada pela Portaria 73/2011 da Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação, durante o exercício de 2012, cumpriu os requisitos exigidos pela Lei 12101/2009 e o Decreto 7237/2010 para manutenção da certificação e isenção prevista por esta legislação. Em junho de 2012 a administração protocolou tempestivamente o processo de renovação do Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social, em conformidade com a Legislação Vigente, sob o número 23.000.018101/2012-84, estando o processo em análise pelo Ministério da Educação e da Cultura. De acordo com o artigo 8º do Decreto 7237/2010 o protocolo de renovação servirá como prova de certificação até o julgamento do processo pelo Ministério competente. Sua atividade preponderante é a Educação Básica (Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio). A Associação também atua com a atividade de Assistência Social em projetos, programas e serviços específicos. A seguir serão especificados os requisitos cumpridos conforme a Legislação supracitada: a) Educação- Nos termos do Artigo 13 da Lei 12101/2009, a entidade com atuação na área de Educação, entre outros requisitos, deve aplicar anualmente em gratuidade, pelo menos 20% (vinte por cento) da receita educacional anual efetivamente recebida. Complementarmente deverá: • Demonstrar a adequação às A unidade Instituto Sedes Sapientiae integra o Sistema Único de Assistência Social – SUAS por meio do serviço de proteção social às crianças e adolescentes vítimas de violência, abuso e exploração sexual e às suas famílias, desenvolvido mediante convênio com a Secretaria Municipal de Assistência Social – SMADS (São Paulo), supervisionado pelo Centro de Referência de Assistência Social – CRAS Lapa. c)Informação adicional – Contabilidade segregada por área de atuação Nos termos do artigo 33 da Lei 12101/2009, a Associação Instrutora da Juventude Feminina, mantém a escrituração contábil segregada por área de atuação, evidenciando o patrimônio líquido, as receitas, os custos e as despesas de cada atividade desempenhada. Nota 19. Benefícios Fiscais-A Associação Instrutora da Juventude Feminina na condição de entidade sem fins lucrativos e beneficente de assistência social, nos termos da legislação vigente, se beneficiou do não recolhimento de impostos e contribuições durante o exercício de 2012. A seguir estão estimados os principais benefícios obtidos nos anos de 2012 e de 2011: Descrição Valores estimados 2012 2011 Contribuição social sobre o faturamento – COFINS 697.000 670.000 Cota patronal da contrib.ao Instituto Nacional do Seguro Social – INSS 3.730.424 3.664.568 Contribuição social sobre o lucro líquido – CSLL 624.760 0 Imposto de Renda Pessoa Jurídica – IRPJ 1.711.445 0

Passivo/Circulante Notas 2012 2011 Salários e encargos sociais 425.893 432.800 Antecipações de mens. educacionais 835.027 780.822 Fornecedores 276.826 269.665 Impostos e contribuições a recolher 8.218 12.778 Empréstimos e financiamentos 0 782.221 Obrigações c/ férias e encargos sociais 610.721 623.454 Provisão para contingências 11 461.449 669.887 Verbas de convênios 12 257.828 232.095 Outras contas a pagar 5.814 3.292 Total do Passivo Circulante 2.881.776 3.807.014 Não Circulante:Emprést. e financiamentos 0 453.794 Total do Passivo Não Circulante 0 453.794 Patrimônio Líquido: Patrimônio Social 13 82.681.521 83.837.241 Superávit/Déficit do período 13 7.150.221 (1.178.110) Total do Patrimônio Líquido 89.831.742 82.659.131 Total do Passivo e do Patrimônio Líquido 92.713.518 86.919.939 Férias e Encargos Sociais foi constituída em montante julgado suficiente para cobertura dessas obrigações com os funcionários, considerando os períodos vencidos e os proporcionais, apropriadas até a data de encerramento do balanço. Está classificada como “Obrigações c/ férias e encargos sociais”.j) Apuração do Resultado-O resultado é apurado pelo regime de competência do exercício e considera os rendimentos, os encargos e os efeitos calculados por índices e taxas oficiais, ou variações incidentes sobre os ativos e passivos e os efeitos dos ajustes dos ativos ao valor de realização, quando aplicável.k) Julgamento e Uso de Estimativas Contábeis-A preparação das demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil requer que a administração da Entidade se baseie em estimativas para o registro de certas transações que afetam os ativos e passivos, receitas e despesas, bem como a divulgação de informações sobre dados das suas demonstrações financeiras. Os resultados finais dessas transações e informações, quando de sua efetiva realização em períodos subsequentes, podem diferir dessas estimativas. As políticas contábeis e áreas que necessitam de um maior grau de julgamento e uso de estimativas, na preparação das demonstrações financeiras, correspondem aos passivos contingentes, que são provisionados ou não de acordo com a expectativa de êxito, obtida e mensurada em conjunto com a assessoria jurídica da Entidade. Portanto, sempre que necessária, uma provisão é reconhecida em função de um evento passado, desde que haja uma obrigação legal ou construtiva que possa ser estimada de maneira confiável, e é provável que um recurso econômico seja exigido para liquidar a obrigação. Nota 04. Gerenciamento de Riscos-A Diretoria tem responsabilidade global pelo estabelecimento e supervisão da estrutura de gerenciamento de riscos da Entidade.As políticas são estabelecidas para identificar, analisar e definir limites e controles apropriados, e para monitorar riscos e aderência aos limites.Nota 05. Caixa e Equivalentes de Caixa-Os valores relativos ao Caixa e Equivalentes de Caixa, na data do balanço, discriminam-se como segue: Descrição 31.12.2012 31.12.2011 Caixa: numerários em espécie 6.417 11.639 Depósitos bancários: contas correntes 114.630 94.923 Aplicações financeiras 3.028.091 1.215.307 Totais 3.149.138 1.321.869 Caixa e equivalentes de caixa (Ativo Circulante) 3.149.138 1.321.869 Nota 06. Aplicações Financeiras-As aplicações financeiras, na data do balanço, estão assim compostas: Descrição 31.12.2012 31.12.2011 Aplicações financeiras 2.942.452 1.323.764 Totais 2.942.452 1.323.764 Aplicações financeiras (Ativo Circulante) 2.942.452 1.323.764 As aplicações financeiras são de curto prazo, de alta liquidez, de fácil conversão em espécie, destinadas a reserva financeira ou de recursos proveniente de Convênio ou Parceria. Esses investimentos financeiros referem-se, substancialmente, a aplicações remuneradas a taxas baseadas no Certificado de Depósito Interbancário - CDI. O seu valor contábil, no encerramento do exercício de 2012, correspondia ao valor de mercado. Nota 07. Contas a Receber de Clientes-As contas a receber de clientes correspondem a títulos vencidos e vincendos, conforme especificado abaixo, estando ajustadas pela Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa. O saldo do balanço patrimonial está assim composto: Descrição 31.12.2012 31.12.2011 Serv. educacionais a receber - Educação Básica 1.847.293 1.177.800 Serv. de educação não formal - Cursos Livres 133.218 120.774 Cheques a receber 416.307 498.520 Acordos e cobranças jurídicas 3.056.477 3.197.342 Outros valores a receber 11.081 15.835 Provisão para créditos de liquidação duvidosa (4.227.908) (4.095.389) Totais 1.236.468 914.882 Contas a receber de clientes (Ativo Circulante) 1.236.468 914.882 Nota 08. Contas a Receber de Imóvel Vendido-Está classificado nesta conta o saldo a receber do imóvel vendido no Estado do Rio Grande do Sul. O saldo no encerramento do exercício corresponde às parcelas vincendas ao longo do ano de 2013, acrescidas dos encargos contratuais previstos, apropriados até a data do balanço. Descrição 31.12.2012 Contas a Receber de Imóvel Vendido 5.846.035 Totais 5.846.035 Contas a Receber de Imóvel Vendido 5.846.035 O produto da venda do imóvel está sendo aplicado na manutenção das atividades a Associação Instrutora da Juventude Feminina, conforme estabelecido em seu Estatuto Social. Nota 09. Imobilizado-O Imobilizado está demonstrado pelo custo de aquisição ou construção, acrescido de correções monetárias calculadas até 1995, bem como de reavaliação dos imóveis, realizada durante o ano de 2007, deduzidos das depreciações e/ou amortizações acumuladas, calculadas pelo método linear a taxas estabelecidas em função do tempo de vida útil, fixado por espécie de bens, conforme segue: 31.12.2012 31.12.2011 Deprec. e/ou Descrição Custo Amort. Acum. Residual Residual Terrenos 67.651.291 0 67.651.291 67.651.291 Edificações 12.684.650 (2.607.109) 10.077.541 10.395.106 Máq., Móveis e utens. 976.560 (727.209) 249.351 169.179 Equip. e instalações 977.205 (899.125) 78.080 47.733 Equip. de informática 887.997 (755.836) 132.161 119.853 Veículos 316.050 (272.085) 43.965 74.026 Benfeit. em imóv. de terc. 218.039 (71.912) 146.127 167.928 Benfeit. em imóv. próprios 631.915 (140.644) 491.271 463.419 Outras imobilizações 84.540 (63.886) 20.654 29.109 Imobiliz. em andamento 49.407 0 49.407 4.250 Totais 84.477.654 (5.537.806) 78.939.848 79.121.894 Movimentação do Imobilizado:

Detalhes Notas 2012 2011 Receitas/Sem Restrição: -Serviços educacionais 25.049.932 24.866.170 -Serviços educacionais-gratuidades 3.146.363 3.926.520 -Atendimentos psicológicos 242.652 179.907 -Doações e contribuições 152.760 249.351 Total das Receitas 28.591.707 29.221.948 Dedução das Receitas Gratuid. educacionais c/Programas (ativid.) (3.146.363) (3.926.520) Bolsas concedidas por convenção coletiva (1.356.229) (1.214.121) Serviços educacionais cancelados (684.514) (1.480.459) Descontos concedidos (2.430.577) (2.505.227) Total das Deduções das Receitas (7.617.683) (9.126.327) Receita Líquida 20.974.024 20.095.621 Custos com Programas (Atividades) Custos dos serviços educacionais 14 (8.142.335) (8.185.916) Projetos de assistência social 14 (1.455.400) (1.361.304) Total dos Custos com Programas (Ativid.) (9.597.735) (9.547.220) Superávit Bruto 11.376.289 10.548.401 Despesas e Receitas Operacionais Gerais e administrativas 15 (12.537.260) (12.872.495) Outras receitas 16 11.826.444 1.344.921 Outras despesas 16 (3.580.178) (439.163) Total de Despesas e Receitas Operacionais (4.290.994) (11.966.737) Resultado Antes do Resultado Financeiro 7.085.295 (1.418.336) Resultado financeiro 17 64.926 240.226 Superávit/Déficit do Período 7.150.221 (1.178.110)

Detalhes Notas 2012 2011 Fluxo de Caixa das Ativid/ Operac/ Superávit/Déficit do período 7.150.221 (1.178.110) Aj. p/ conciliar o result/ às disponib/s geradas pelas atividades operacionais: Depreciação e amortização 15 604.422 662.546 Prov. p/ contingências cíveis e trabalhistas (208.438) (341.838) Result. da alienação de bens do ativo imob. (7.283.980) (12.000) Juros e encargos sobre empréstimos 96.650 11.288 Ajustes de exercícios anteriores 0 (1.285) Variações nas contas a receber com clientes (321.586) 391.057 Variações nos adiantamentos concedidos 20.741 (7.077) Variações nas aplicações financeiras (1.618.688) (547.321) Outras variações ativas (1.260) (17.657) Var. nas contas a pagar com fornecedores 7.161 108.869 Var. nas antecipações mens. Educacionais 54.205 (170.440) Variações nas obrigações com funcionários (6.907) 11.472 Variações nas provisões trabalhistas (12.733) (46.541) Variações nas obrigações tributárias (4.560) (1.790) Outras variações passivas 28.255 215.884 Caixa Líq. Aplic. nas Ativid. Operac. (1.496.497) (922.943) Fluxo de Caixa das Ativid. de Invest. Aplicações no Ativo Imobilizado (352.466) (369.036) Aplicações no Ativo Intangível (26.493) 0 Recursos aplic. em imóvel destinado à venda (4.500) (40.000) Doações patrimoniais recebidas 22.390 30.272 Recursos da venda de bens do Ativo Imobil. 5.017.500 449.096 Caixa Líq. Proveniente nas Ativid. de Invest. 4.656.431 70.332 Fluxo de Caixa das Ativid. de Financiamento Entrada de recursos proveniente de empréstimos 0 800.000 Recursos aplicados na liq. de emprést. (1.332.665) (171.271) Caixa Líq. Aplic./Proven. das Ativid.de Financ. (1.332.665) 628.729 Variação do Caixa e Equivalentes de Caixa 1.827.269 (223.882) Variação Líq. de Caixa e Equival. de Caixa 1.827.269 (223.882) Caixa e Equival. de Caixa-Início do Exercício 1.321.869 1.545.751 Caixa e Equival. de Caixa-Final do Exercício 3.149.138 1.321.869 Descrição 2012 2011 Custo corrigido: Saldos em 01/01 de 84.160.369 88.334.328 Aquisições 352.466 369.036 Alienações (35.181) (594.406) Reclassificação de imóvel destinado à venda 0 (3.948.589) Saldos em 31/12 de 84.477.654 84.160.369 Deprec./Amortizações: Saldos em 01/01 de (5.038.475) (4.916.375) Depreciações/Amortizações (534.512) (589.101) Alienações 35.181 157.310 Reclassificação de imóvel destinado á venda 0 309.691 Saldos em 31/12 de (5.537.806) (5.038.475) Nota 10. Intangível-O Intangível está demonstrado pelo custo de aquisição dos direitos, menos a amortização calculada pelo método linear a taxas estabelecidas em função do tempo de vida útil, fixada por modalidade de direito, conforme segue: 31.12.2012 31.12.2011 Deprec. e/ou Descrição Custo Amort. Acum. Residual Residual Sist., aplicat. e “softwares” 200.316 (160.931) 39.385 30.881 Direitos de uso e patentes 149.034 0 149.034 149.034 Totais 349.350 (160.931) 188.419 179.915 Movimentação do Intangível: Descrição 2012 2011 Custo corrigido: Saldos em 01/01 322.857 322.857 Aquisições 26.493 0 Saldos em 31/12 de 349.350 322.857 Amortizações: Saldos em 01/01 de (142.942) (121.419) Amortizações (17.989) (21.523) Saldos em 31/12 de (160.931) (17.942) Nota 11. Provisão para Contingências-A Entidade adota a prática de registrar provisões para contingências mediante a análise de sua assessoria jurídica quanto ao risco de êxito das ações. Com base no relatório apresentado pelos advogados, as ações de natureza trabalhista e cível, apresentavam valor de perda provável no montante de R$ 461.449 em 31 de dezembro de 2012 (R$ 669.887 em 31 de dezembro de 2011). Nota 12. Verbas de Convênios-A Associação firmou convênios para manutenção de projetos específicos de assistência social para crianças, adolescentes, jovens e adultos. Nos quadros abaixo estão resumidas as operações realizadas em 2012 com Verbas de Convênios: Resumo das Verbas de Convênios do exercício de 2012, com saldo a devolver em 31 de dezembro de 2012: Recursos Recursos Saldo a Unidade Órgão Convênio recebidos aplicados devolver Escola Poço de Jacó Pref. Municipal Juzaeiro do Norte SME (Secretária Municipal Educação) 24.400 24.216 184 Escola Nossa Sra. Esperança Pref. Municipal Viamão SME (Secretária Municipal Educação) 94.303 94.303 0 Centro Educ. Santo Agostinho Pref. Municpal Erechim Convênio 84 8.000 7.954 46 Projeto Peti Ação Sócio-educativa p/crianças adolescentes em Centro Educ. Santo Agostinho Pref. Municipal de Erechim stiuação de trabalho - CONV 06/2006 0 0 4.864 (1) Centro Educ. Santo Agostinho Pref. Municipal de Erechim Faça o Crescer 0 0 2.347 (1) Centro Educ.Santo Agostinho Pref. Municipal de Erechim Núcleo Recretativo Santa Monica 0 0 (1.135)(1) Centro Educ. Santo Agostinho Poder Judic. Just. Federal-Erechim Justiça Federal Erechim 26.469 18.333 8.136 Centro Educ. Santo Agostinho Pref. Municipal de Erechim Condicae 20.325 20.325 0 Instituto Sedes Sapientiae Secret. de Est. da Saúde DST/HIV/AIDS-Litoral Norte 115.088 40.896 74.192 Instituto Sedes Sapientiae Pref. Municip. São Paulo DST/HIV/AIDS-Parelheiros 160.000 102.246 57.754 Instituto Sedes Sapientiae Pref. Municip. São Paulo Atenção à Adolescência e a Juventude 59.869 59.869 0 Instituto Sedes Sapientiae Pref. Municip. São Paulo Sentinela ZO 321.840 257.537 64.303 Instituto Sedes Sapientiae Pref. Municip. São Paulo Sentinela Butantã 316.010 268.873 47.137 Totais 1.146.304 894.552 257.828 Movimentação do Ano de 2012 Descrição Recursos recebidos Recursos aplicados Saldo a devolver Saldos do início do exercício 740.623 514.604 232.095 Operações realizadas no ano de 2012 405.681 379.948 25.733 Saldos no final do exercício 1.146.304 894.552 257.828 Observações: (1) Saldo remanescente do exercício de 2010. diretrizes e metas do Plano Nacional de Educação – PNE; • Atender aos padrões mínimos Informações complementares: de qualidade, aferidos pelos processos de avaliação conduzidos pelo Ministério da Educação; Detalhamento das Gratuidades da Educação Básica por Programa Grat. Integral Grat. Parcial Total • Ofertar bolsas de estudo nas proporções: (i) no mínimo, uma bolsa de estudo integral para Unidade (522.679) (116.066) (638.745) cada 9 alunos pagantes da educação básica; (ii) bolsas parciais de 50%, quando necessário Colégio Madre Alix (222.851) (280.098) (502.949) para o alcance do número mínimo exigido. No quadro seguinte está demonstrado o atendi- Colégio Nossa Senhora do Morumbi Colégio Stella Maris (309.988) (152.141) (462.129) mento dos requisitos exigidos: Escola São Carlos (385.700) 0 (385.700) Descrição 2012 Escola O Semeador (361.330) 0 (361.330) Serv. Educac. (vide quadro das inf. complementares) 28.196.295 Escola Poço de Jacó (365.500) 0 (365.500) - Educação Básica 21.746.076 Escola Nossa Senhora da Esperança (429.800) 0 (429.800) - Educação Não Formal – Cursos Livres 6.450.219 Totais (2.597.848) (548.305) (3.146.153) Ded. da Rec. Educação (vide quadro das inf. complement.) (7.617.683) Quadro auxiliar da apuração da Gratuidade Aplic. Comparativo das - Gratuidades educacionais (Educação Básica) (3.146.153) informações da apuração com a Demonstração do Resultado do Período - Gratuidades educacionais (Educação Não Formal) (210) Descrição 2012 - Bolsas concedidas por convenção coletiva (Educação Básica) (1.324.018) Serviços Educacionais 28.196.295 - Bolsas concecidas por convenção coletiva (Educação Não Formal) (32.211) - Serviços Educacionais 25.049.932 - Demais descontos (Educação Básica) (2.421.036) - Serviços Educacionais–Gratuidade 3.146.363 Deduções das Receitas (7.617.683) - Demais descontos (Educação Não Formal) (9.541) Gratuidades educacionais c/ Programas (Atividades) (3.146.363) - Serviços cancelados (Educação Básica) (12.214) - Educação Básica (3.146.153) - Serviços cancelados (Educação Não Formal) (672.300) - Educação Não Formal (210) Receita educ. efetiv. rec. do ano de 2012 (Educ. Básica) 13.487.596 Bolsas concedidas por convenção coletiva (1.356.229) - Receita Educacional 21.746.076 - Educação Básica (1.324.018) - Dedução da Receita (6.903.421) - Educação Não Formal (32.211) - Títulos baixados como perda ou incobráveis (55.183) Serviços educacionais cancelados (684.514) - Saldo a receber no encerramento do exercício (1.299.876) - Educação Básica (12.214) Receita educ. efetiv. recebida de anos anteriores, - Educação Não Formal (672.300) no ano de 2012 (Educação Básica) 574.803 Descontos concedidos (2.430.577) Receita educ. efetivamente recebida (Educação Básica) 14.062.399 - Educação Básica (2.421.036) - Educação Não Formal (9.541) Mínimo a ser aplicado (20%) 2.812.480 Com relação aos demais itens requeridos (adequar às diretrizes do PNE e atender aos Gratuidade aplicada: 3.146.153 padrões mínimos de qualidade), as unidades de educação básica da Associação Instrutora - Bolsas Integrais 2.597.848 da Juventude Feminina estão em plena regularidade perante o Ministério da Educação. - Bolsas Parciais 548.305 Critérios para concessão da gratuidade educacional: As gratuidades educacionais são Percentual aplicado 22,37% concedidas aos beneficiários que preenchem os requisitos do artigo 14 da Lei 12101/2009, Proporção de Alunos (Educação Básica): como segue: (i) A bolsa de estudo integral será concedida ao aluno cuja renda familiar mensal - Total de alunos matriculados no ano de 2012 1.903 per capita não exceda a 1 ½ (um e meio) salário mínimo por mês;(ii) A bolsa de estudo parcial (em todas as unidades de Educação Básica) será concedida ao aluno cuja renda familiar mensal per capita não exceda o valor de 3 (três) - Total de alunos com gratuidade integral em salários mínimos. Nos termos do artigo 31 do Decreto 7237/2010, para as turmas iniciadas bolsas de Assistência Social 645 antes de 30 de novembro de 2009, estão sendo mantidos, até a conclusão da etapa da edu- Total de alunos com bolsas integrais concedidas cação básica presencial, os descontos concedidos para o atendimento do percentual mínimo de gratuidade previsto no Decreto 2536/1998. b) Assistência Social A Associação Instrutora por força de Convenção Coletiva de Trabalho - CCT 87 da Juventude Feminina atua na atividade de Assistência Social em projetos, programas e - Total de alunos com demais bolsas integrais 13 serviços específicos. Nos termos do artigo 18 da Lei 12101/2009 estes serviços e ações - Total de alunos pagantes (incluindo alunos com bolsas parciais) 1.158 são realizados de forma gratuita, continuada e planejada para os usuários e a quem deles - Quantidade de bolsista integral p/cada aluno pagante da necessitar, sem qualquer discriminação, para crianças, jovens e adultos. Em cumprimento educ. básica (não consideradas as bolsas concedidas pela da determinação da Resolução CNAS 16/2010, os projetos, programas e serviços realizados CCT e demais bolsas integrais) 1 para cada 1,80 foram cadastrados nos Conselhos Municipais de Assistência Social. Entre outros aspectos, o cadastramento destes projetos visa enquadrá-los na Tipificação Nacional dos Serviços Socioassistenciais previstos na Resolução CNAS 109/2009. No quadro seguinte estão resumidos os projetos, programas e serviços mantidos ao longo do exercício de 2012, com a respectiva estatística de atendimentos realizados neste período: Unidade Atividades realizadas Dados quantitativos Instituto Sedes •Serviços de proteção e atendimento de média complexidade à família e indivíduos: 1.561 Sapientiae atividade de atendimentos psicoterápicos gratuitos. Beneficiados 3.471 Atendimentos Centro Educacional •Serviços de convivência e fortalecimento de vínculos. Atividades de experiências lúdicas, culturais e sociais. 224 Santo Agostinho Assessoramento em defesa da cidadania e geração de rendas: informática, corte/costura, entre outros. Benefic. de Programas 682 Particip. de Ações e Demais Atividades Além destes projetos, programas e serviços são realizadas outras atividades no âmbito da Assistência Social em parceria com entidades públicas e privadas, cuja estatística está demonstrada no quadro abaixo: Unidade Atividades realizadas Dados quantitativos Instituto Sedes CEPIS – Centro de Educação Popular 1.756 Sapientiae •Assessoria para o fortalecimento das organizações e movimentos populares. Participantes

Instituto Sedes Sapientiae

CNRVV – Centro de Referência às Vítimas de Violência •Atendimento voltado às crianças e aos adolescentes vítimas de violência doméstica. Os atendimentos são realizados no município de São Paulo, nas regionais: Lapa e Butantã. •Implantação de pólos de prevenção em instituições sócio educacionais; •Propicia espaço para estudo, aprofundamento e reflexão acerca da questão da violência; •Formação de profissionais para o enfrentamento ético e crítico do fenômeno da violência doméstica.

Instituto Sedes Sapientiae

NURAAJ – Núcleo de Referência em Atenção à Adolescência e à Juventude: •Atendimento psicoterápico voltado para adolescentes e jovens, com idade entre 12 e 17 anos e 11 meses, bem como para suas famílias; •Garantia dos direitos das crianças e adolescentes. Projeto DST/HIV/AIDS:

Instituto Sedes Sapientiae

•Formar e capacitar jovens em situação de vulnerabilidade, como multiplicadores de prevenção em DST/HIV/AIDS e gravidez não desejada.

Atendimentos: 2.721 - Lapa 1.387 - Butantã 1.334 Beneficiados: 801 - Lapa 614 - Butantã 187 Participantes dos Fóruns: 578 Beneficiados: 63

4.585 Participantes

Nota 20. Coberturas de Seguros-A Administração da Associação adota a política de contratar cobertura de seguros para bens sujeitos riscos por montantes considerados suficientes para cobrir eventuais sinistros, considerando a natureza de sua atividade.Em 31 de dezembro de 2012 a cobertura de seguros era assim composta: Descrição LMI - Limite máximo p/ indenização Incêndio, queda de raio e explosão 15.790.000 Danos elétricos 208.000 Recomposição de documentos 26.250 Impacto de veículos e queda de aeronaves 438.000 Perda de aluguel 10.000 Vendaval, fumaça, impacto veículos e terremoto 316.000 Quebra de vidros 15.000 Despesas fixas 20.000 Equipamentos eletrônicos com roubo 50.000 Roubo e furto de bem 62.000 Subtração de bens 210.000 Tumultos/greves/lock-out 10.000 Responsabilidade civil em operações 220.000

Companhias seguradoras:Porto Seguros Cia Seguros Gerais, MapfreVera Cruz Seguradora S/A, Allianz Seguros S/A e Bradesco Auto/RE Cia de Seguros.Vigência: Renovação anual Descrição LMI - Limite máximo p/ indenização Casco 100% FIPE Danos materiais 800.000 Danos corporais 900.000 Invalidez permanente 20.000 APP - Morte 48.000 Companhias seguradoras: Porto Seguros Cia Seguros Gerais, Mapfre Vera Cruz Seguradora S/A, HDI Seguros S/A, Itaú Seguros de Auto e Residenciais S/A e Allianz Seguros S/A. Vigência: Renovação anual

O Conselho para Assuntos Econômicos e Fiscais (CAEF), da Associação Instrutora da Juventude Feminina (AIJF), no exercício de suas funções legais e estatutárias, em reunião no dia 28 de fevereiro 2013 às 10:00 horas, na sede da Associação, à Rua Bartira, 1004 – São Paulo – SP, com seus membros titulares Pompéa Maria Bernasconi e Guaracema Siqueira Tupinambá e como membro suplemente em exercício substituindo

a titular Maria Valéria Vasconcelos Rezende, Marivone Ferreira de Jesus, examinaram o Relatório Anual da Administração e as Demonstrações Financeiras compreendendo o Balanço Patrimonial e as respectivas Demonstrações do Resultado dos Periodos, das Mutações do Patrimônio Líquido, dos Fluxos de Caixa e as Notas Explicativas correspondentes ao ano de 2012, encerrado em 31 de dezembro. Com base nos exames efetua-

dos, os membros do Conselho para Assuntos Econômicos e Fiscais (CAEF) entendem que essas demonstrações representam, de forma adequada, em todos os aspectos relevantes, a situação econômico-financeira da Associação Instrutora da Juventude Feminina (AIJF). São Paulo, 28 de fevereiro de 2013. Pompéa Maria Bernasconi, Guaracema Siqueira Tupinambá e Marivone Ferreira de Jesus

Ilmas. Sras. Administradoras e Associadas da Associação Instrutora da Juventude Feminina - São Paulo–SP Examinamos as demonstrações contábeis da Associação Instrutora da Juventude Feminina, que compreendem o balanço patrimonial levantado em 31 de dezembro de 2.012 e as respectivas demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da administração da Entidade sobre as demonstrações contábeis-A administração da Entidade é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações contábeis, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações contábeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos auditores independentes-Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre

essas demonstrações contábeis com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações contábeis. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstrações contábeis da Associação Instrutora da Juventude Feminina para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins de expressar uma

opinião sobre a eficácia desses controles internos da Entidade.Uma auditoria inclui, também, a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações contábeis tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Opinião sem ressalva-Em nossa opinião, as demonstrações contábeis acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da Associação Instrutora da Juventude Feminina em 31 de dezembro de 2012, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o período findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. Curitiba, 13 de março de 2.013. Audiacto Auditores Independentes SS Sandro Gabriel da Silva Kaiber CRC-PR – 04.618/0-9-S-SP Contador CRC – PR – 045.891/O

Valdete Contin Diretora Presidente Clauton Marcos Bernardino Contador CRC 1PR 044.652/O-8 “S” - SP


DIÁRIO DO COMÉRCIO

18 -.ECONOMIA/LEGAIS Insight Participações 3 S.A. CNPJ/MF n° 13.407.594/0001-00 – NIRE 35300391951 Ata da Assembléia Geral Extraordinária realizada em 03 de Novembro de 2011 Data, Hora e Local: Realizada no dia 03/11/2011, às 10hs, na sede social, em SP/SP, R. Pamplona n° 818, 9°, cj. 92, Jd. Paulista. Composição da Mesa: Presidente: Cícero Augusto Oliveira de Alencar; Secretário: Reginaldo Cazubek. Convocação e Presenças: Dispensada a convocação diante da presença da totalidade dos acionistas, que esta ata subscrevem, nos termos do §4° do art. 124 da Lei n° 6.404/76. Ordem do Dia: (i) aumento do capital social da Cia.; (ii) investimento na Folhamatic Tecnologia em Sistemas S.A.; e (iii) aprovação da nova redação do estatuto social da Cia. e sua consolidação. Deliberações: (i) aumentar o capital social da Cia. de R$ 73.704.400,00 para R$ 85.601.910,00, um aumento, portanto, de R$ 11.897.510,00, mediante a emissão de 11.897.510 novas ações ordinárias, nominativas, sem valor nominal, com preço de emissão de R$ 1,00 por ação, fixado com base no Art. 170, §1°, II, da Lei n° 6.404/76, as quais foram totalmente subscritas e integralizadas, de acordo com o Boletim de Subscrição constante do Anexo I à presente ata; (ii) aprovar o investimento pela Cia. na Folhamatic Tecnologia em Sistemas S.A., sociedade por ações com sede em Americana/SP, na Rodovia Luiz de Queiroz (SP 304), Km 127.5, Nova Americana, CNPJ/MF sob n° 64.555.626/0001-47, mediante a subscrição de novas ações ordinárias, no valor total correspondente ao aumento do capital social mencionado no item (i) acima; e (iii) consolidar o Estatuto Social da Cia., que passa a vigorar com nova redação, na forma do Anexo II à presente ata. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, encerrou-se a sessão, tendo-se antes redigido e feito lavrar a presente ata em forma de sumário, nos termos do Art. 130, §1° da Lei n° 6.404/76, a qual, lida e achada conforme, foi devidamente assinada. SP, 03/11/2011. Mesa: Cícero Augusto Oliveira de Alencar-Presidente; Reginaldo Cazubek-Secretário. Acionista: FundVII FIP-Fundo de Investimento em Participações-José Alexandre Costa de Freitas-Diretor; Alexandre Lodi de Oliveira-Procurador. “Estatuto Social-Capítulo I-Da Denominação, Sede, Objeto e Duração-Art. 1°. A Insight Participações 3 S.A. (“Cia.”) é uma sociedade por ações regida pelo presente Estatuto Social, pela Lei n° 6.404, de 15/12/1976, conforme alterada (“Lei das S.A.), e pelas disposições legais que lhe forem aplicáveis. Art. 2°. A Cia. tem sua sede, foro e domicílio na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, e poderá instalar, alterar e encerrar filiais, depósitos e agências em outras praças do Pais e do exterior, mediante deliberação da Diretoria. Art. 3°. A Cia. tem por objeto a participação em outras sociedades, como sócia ou acionista, no país ou no exterior. Art. 4°. A Cia. tem prazo indeterminado de duração. Capítulo II-Do Capital Social e das Ações-Art. 5°. O capital social totalmente subscrito e integralizado em moeda corrente nacional é de R$ 85.601.910,00, dividido em 85.601.910 ações ordinárias, nominativas e sem valor nominal. §1°. A Cia. poderá adquirir suas próprias ações, com o objetivo de cancelá-Ias ou mantê-Ias em tesouraria, para posterior alienação. §2°. A ação é indivisível em relação à Cia.. Quando a ação pertencer a mais de uma pessoa, os direitos a ela conferidos serão exercidos pelo representante do condomínio. §3°. As ações são nominativas e a sua propriedade será presumida pela anotação nos livros sociais competentes. Mediante solicitação de acionista neste sentido, serão emitidos títulos ou certificados representativos de ações, assinados pelo Diretor Presidente, isoladamente. Art. 6°. A Cia. poderá, nos aumentos do capital social, emitir ações ordinárias ou ações preferenciais, ou somente de um tipo, sem guardar proporção entre as ações de cada espécie ou classe, observando-se, quanto às ações preferenciais, o limite máximo de 50% do total das ações emitidas, de acordo com o disposto no Art. 15, §2°, da Lei das S.A. Art. 7°. As ações representativas do capital social são indivisíveis em relação à Cia. e cada ação ordinária confere ao seu titular o direito a um voto nas Assembleias Gerais. Art. 8°. As emissões de ações, bônus de subscrição e debêntures conversíveis em ações, deverão ser aprovadas pela Assembleia Geral. §Único. É vedado à Cia. emitir partes beneficiárias. Art. 9°. É assegurado direito de preferência aos acionistas para subscrição dos aumentos do capital social da Cia., na proporção do número de ações que possuírem, regendo-se o exercício desse direito de acordo com a legislação aplicável. Capítulo III-Da Assembleia Geral-Art. 10. A Assembleia Geral reunir-se-á, ordinariamente, nos 4 primeiros meses após o encerramento do exercício social, e, extraordinariamente, sempre que os interesses sociais o exigirem. §1°. A Assembleia Geral será convocada e instalada em observância às disposições legais aplicáveis. A Assembleia Geral será presidida por qualquer acionista ou qualquer dos Diretores, conforme for escolhido pela maioria dos acionistas presentes à Assembleia Geral. O Presidente da Assembleia Geral convidará, dentre os presentes, o secretário dos trabalhos. §2°. As deliberações da Assembleia Geral, ressalvadas as exceções previstas em lei, serão tomadas por acionistas representando a maioria do capital social votante da Cia. presentes à Assembleia Geral. §3°. O Presidente da Assembleia Geral deverá observar e fazer cumprir as disposições de Acordo de Acionistas arquivado na sede social, não permitindo que se computem os votos proferidos em contrariedade com o conteúdo de tal acordo. Art. 11. Compete à Assembleia Geral além das atribuições conferidas em Lei, deliberar acerca das seguintes matérias: (i) reformar este Estatuto Social; (ii) eleger e destituir, a qualquer tempo, os administradores da Cia.; (iii) tomar, anualmente, as contas dos administradores, e deliberar sobre as demonstrações financeiras por eles apresentadas; (iv) escolher auditores independentes devidamente registrados na Comissão de Valores Mobiliários para serem responsáveis pela auditoria anual das demonstrações financeiras da Cia., podendo destituí-los a qualquer momento; (v) autorizar a emissão de debêntures; (vi) suspender o exercício dos direitos dos acionistas; (vii) deliberar sobre a avaliação de bens com que os acionistas concorrerem para a formação do capital social; (viii) deliberar sobre a transformação, fusão, incorporação e cisão da Cia., sua dissolução e liquidação, eleger e destituir liquidantes e julgar-lhes as contas; (ix) autorizar os administradores a confessar falência e pedir recuperação judicial ou extrajudicial; e (x) estabelecer as diretrizes da participação da Cia. em outras sociedades. §Único. As deliberações da Assembleia Geral serão válidas somente se tomadas em conformidade com as disposições da Lei das S.A. Capítulo IV-Da Administração-Art. 12. A Cia. é administrada por uma Diretoria, composta por 2 Diretores, sem designação específica, eleitos pela Assembleia Geral, com prazo de gestão de 1 ano, permitida a reeleição. §1°. A Diretoria é o órgão executivo e de representação da Cia., cabendo-lhe assegurar o funcionamento regular desta, tendo poderes para praticar todos e quaisquer atos relativos aos fins sociais, exceto aqueles que por Lei ou pelo presente Estatuto Social dependam de prévia aprovação da Assembleia Geral. §2°. Os Diretores são investidos em seus cargos mediante assinatura do termo de posse no livro correspondente e permanecem no exercício de suas funções até a eleição e posse de seus substitutos. §3°. No caso de ausência ou incapacidade temporária de qualquer Diretor, este deverá ser substituído interinamente por substituto designado pela Diretoria. No caso de vaga em decorrência de renúncia, falecimento ou incapacidade permanente de qualquer membro, ou de sua recusa em cumprir suas respectivas obrigações, o Diretor deverá ser substituído por substituto designado pela Diretoria, até o preenchimento do cargo pela primeira Assembleia Geral que vier a ser realizada, devendo o Diretor substituto completar o mandato do Diretor substituído. Art. 13. Compete aos Diretores: (i) planejar, coordenar, dirigir e administrar todas as atividades da Cia., exercendo as funções executivas e decisórias; (ii) representar a Cia., perante as suas sociedades controladas e coligadas bem como perante todas as sociedades em que a Cia. detiver participação societária, observadas as disposições e avenças de eventuais acordos de acionistas, se houver; e (iii) exercer a supervisão geral de todos os negócios da Cia., coordenando e orientando suas atividades. Art. 14. Os atos a seguir enumerados só poderão ser praticados pelos Diretores mediante prévia aprovação da Assembleia Geral: a) celebração de quaisquer contratos, incluindo quaisquer documentos que envolvam ou possam envolver a Cia. em obrigações; b) concessão de garantias, assim como assunção de obrigações de terceiros, que não se insiram nos negócios rotineiros ou no planejamento da Cia., além dos demais casos previstos nesta cláusula; c) concessão de créditos, inclusive para subsidiárias e sociedades coligadas; d) constituição, aquisição ou alienação de outras sociedades, bem como constituição, aquisição ou alienação de participações nestas; e e) outorga de procurações em nome da Cia.. Art. 15. A Diretoria reunir-se-á sempre que os interesses sociais o exigirem, mediante convocação de qualquer um dos Diretores. §1°. As reuniões da Diretoria são instaladas com a presença da totalidade de seus membros, devendo ser escolhido pelos Diretores um secretário da reunião, não havendo necessidade de que tal secretário seja membro da Diretoria. §2°. Os membros da Diretoria que participarem das reuniões por

Insight Participações 3 S.A. CNPJ/MF nº 13.407.594/0001-00 - NIRE 35300391951 Ata da Assembléia Geral Extraordinária realizada em 12 de julho de 2012 Data, Hora e Local: 12/7/2012, às 10hs, na sede social, SP/SP, R.Pamplona, 818, 9º, cj.92, Jardim Paulista, CEP 01405-001.Composição da Mesa: Presidente: José Tavares de Lucena. Secretário: Augusto Cesar Barbosa de Souza. Convocação e Presenças: Dispensada a convocaçãodiantedapresençadatotalidadedosacionistasdaCia.,queestaatasubscrevem,nostermosdo§4ºdoArt.124daLeinº6.404/76. Ordem do Dia:(i) deliberação ç sobre a alteração da denominação social da Cia.para Sage Cielo Participações S.A.(ii) alteração do Art.1º do Estatuto Social da Cia.; e (iii) consolidação do Estatuto Social da Cia.. Deliberações: Após a discussão da Ordem do Dia, os acionistas aprovaram, por unanimidade de votos, sem qualquer ressalva:(i) alterar a denominação social da Cia.para Sage Cielo Participações S.A.;(ii) aprovar a alteração redação: ç do Art. 1º do Estatuto Social da Cia., que passa a vigorar g com a seguinte g ç “Art. 1º A Sage Cielo Participações S.A. (“Cia.”) é uma sociedade por ações regida pelo presente Estatuto Social, pela Lei nº 6. 404, de 15.12.1976, conforme alterada (“Lei das S. A.”), e pelas disposições legais que lhe forem aplicáveis.” (iii) consolidar o Estatuto Social da Cia., que passa a vigorar com nova redação, na forma do Anexo I à presente ata.Encerramento:Nada mais.São Paulo, 12/7/2012.Mesa:JoséTavares de Lucena-Presidente e Augusto Cesar Barbosa de Souza-Secretário. Acionistas:W.Y.L.S.P.E. Empreendimentos e Participações Ltda.-p. José Tavares de Lucena.“Estatuto Social-Capítulo I -Da Denominação, Sede, Objeto e Duração-Art. 1º. A Sage Cielo Participações S.A.(“Cia.”) é uma sociedade por ações regida pelo presente Estatuto Social, pela Lei nº 6.404, de 15.12.1976, conforme alterada (“Lei das S.A.”), e pelas disposições legais que lhe forem aplicáveis. Art. 2°. A Cia. tem sua sede, foro e domicílio em SP/SP, e poderá instalar, alterar e encerrar filiais, depósitos e agências em outras praças do País e do exterior, mediante deliberação ç da Diretoria. Art. 3°. A Cia. tem por objeto a participação em outras sociedades, como sócia ou acionista, no país ou no exterior. Art. 4º. A Cia. tem prazo indeterminado de duração. Capítulo II-Do Capital Social e das Ações-Art.5º.OcapitalsocialtotalmentesubscritoeintegralizadoemmoedacorrentenacionalédeR$85.601.910,00,divididoem85.601.910 ações ordinárias, nominativas e sem valor nominal.§ 1°. A Cia.poderá adquirir suas próprias ações, com o objetivo de cancelá-las ou mantê-las em tesouraria, para posterior alienação.§ 2°. A ação é indivisível em relação à Cia..Quando a ação pertencer a mais de uma pessoa, os direitosaelaconferidosserãoexercidospelorepresentantedocondomínio.§3°.Asaçõessãonominativaseasuapropriedadeserápresumida pela anotação nos livros sociais competentes.Mediante solicitação de acionista neste sentido, serão emitidos títulos ou certificados representativos de ações, assinados pelo Diretor Presidente, isoladamente.Art. 6º. A Cia.poderá, nos aumentos do capital social, emitir ações ordinárias ou ações preferenciais, ou somente de um tipo, sem guardar proporção entre as ações de cada espécie ou classe, observando-se, quanto às ações preferenciais, o limite máximo de 50% do total das ações emitidas, de acordo com o disposto no Art. 15, § 2º, da Lei das S.A. Art. 7°. As ações representativas do capital social são indivisíveis em relação à Cia.e cada ação ordinária confere ao seu titular o direito a um voto nas Assembleias Gerais. Art. 8º. As emissões de ações, bônus de subscrição e debêntures conversíveis em ações, deverão ser aprovadas pela Assembleia Geral. § Único. É vedado à Cia. emitir partes beneficiárias. Art. 9º. É assegurado direito de preferência aos acionistas para subscrição dos aumentos do capital social da Cia., na proporção do número de ações que possuírem, regendo-se o exercício desse direito de acordo com a legislação aplicável. Capítulo III - Da Assembleia Geral-Art. 10. A Assembleia Geral reunir-se-á, ordinariamente, nos 04 primeiros meses após o encerramento do exercício social, e, extraordinariamente, sempre que os interesses sociais o exigirem. § 1°. A AssembleiaGeralseráconvocadaeinstaladaemobservânciaàsdisposiçõeslegaisaplicáveis.AAssembleiaGeralserápresididaporqualquer acionista ou qualquer dos Diretores, conforme for escolhido pela maioria dos acionistas presentes à Assembleia Geral. O Presidente da Assembleia Geral convidará, dentre os presentes, o secretário dos trabalhos. § 2º. As deliberações da Assembleia Geral, ressalvadas as exceções previstas em lei, serão tomadas por acionistas representando a maioria do capital social votante da Cia. presentes à Assembleia Geral. § 3º. O Presidente da Assembleia Geral deverá observar e fazer cumprir as disposições de Acordo de Acionistas arquivado na sede social, não permitindo que se computem os votos proferidos em contrariedade com o conteúdo de tal acordo.Art.11. Compete à Assembleia Geral, além das atribuições conferidas em Lei, deliberar acerca das seguintes matérias: (i) reformar este Estatuto Social; (ii) eleger e destituir, a qualquer tempo, os administradores da Cia.; (iii) tomar, anualmente, as contas dos administradores, e deliberar sobre as demonstrações financeiras por eles apresentadas; (iv) escolher auditores independentes devidamente registrados na Comissão de Valores Mobiliários para serem responsáveis pela auditoria anual das demonstrações financeiras da Cia., podendo destituí-los a qualquer momento; (v) autorizar a emissão de debêntures;(vi) suspender o exercício dos direitos dos acionistas; (vii) deliberar sobre a avaliação de bens com que os acionistas concorrerem para a formação do capital social; (viii) deliberar sobre a transformação, fusão, incorporação e cisão da Cia., sua dissolução e liquidação, eleger e destituir liquidantes e julgar-lhes as contas; (ix) autorizar os administradores a confessar falência e pedir recuperação judicial ou extrajudicial; e (x) estabelecer as diretrizes da participação da Cia.em outras sociedades.§ Único. As deliberações da Assembleia Geral serão válidas somente se tomadas em conformidade com as disposições da Lei das S.A. Capitulo IV- Da Administração-Art. 12. A Cia. é administrada por uma Diretoria, composta por 02 Diretores, sem designação específica, eleitos pela Assembleia Geral, com prazo de gestãode01ano,permitidaareeleição.§1°.ADiretoriaéoórgãoexecutivoederepresentaçãodaCia.,cabendo-lheassegurarofuncionamento regular desta, tendo poderes para praticar todos e quaisquer atos relativos aos fins sociais, exceto aqueles que por Lei ou pelo presente Estatuto Social dependam de prévia aprovação da Assembleia Geral.§ 2°. Os Diretores são investidos em seus cargos mediante assinatura do termo de posse no livro correspondente e permanecem no exercício de suas funções até a eleição e posse de seus substitutos.§ 3°. No caso de ausência ou incapacidade temporária de qualquer Diretor, este deverá ser substituído interinamente por substituto designado pela Diretoria.No caso de vaga em decorrência de renúncia, falecimento ou incapacidade permanente de qualquer membro, ou de sua recusa em cumprir suas respectivas obrigações, o Diretor deverá ser substituído por substituto designado pela Diretoria, até o preenchimento do cargo pela primeira Assembleia Geral que vier a ser realizada, devendo o Diretor substituto completar o mandato do Diretor substituído. Art. 13. Compete aos Diretores:(i) planejar, coordenar, dirigir e administrar todas as atividades da Cia., exercendo as funções executivas e decisórias; (ii) representar a Cia., perante as suas sociedades controladas e coligadas bem como perante todas as sociedades em que a Cia. detiver participação societária, observadas as disposições e avenças de eventuais acordos de acionistas, se houver;e (iii) exercer a supervisão geral de todos os negócios da Cia., coordenando e orientando suas atividades. Art. 14. Os atos a seguir enumerados só poderão ser praticados pelos Diretores mediante prévia aprovação da Assembleia Geral:(i) Celebrar quaisquer acordos, contratos ou termos de compromissos com valor superior a R$500.000,00; (ii) Alterar o endereço de quaisquer das filiais ou da matriz da Cia.; (iii) Contratar empregados, colaboradores ou prestadores de serviços com remuneração individual bruta anual superior a R$250.000,00; (iv) Contratar empregados, colaboradores ou prestadores de serviços de modo a exceder o limite agregado de remuneração bruta anual de R$1.000.000,00; (v) Rescindir contratos ou acordos que gerem indenização superior a R$500.000,00 por contrato; (vi) Vender, ceder ou transferir, a titulo gratuito ou oneroso, ativos da Cia. com valor superior a R$50.000,00 por operação; (vii) Vender, ceder ou transferir, em uma série de operações correlatas, a titulo gratuito ou oneroso, ativos da Cia.de modo a exceder o limite anual de R$500.000,00 em valor de ativos;(viii)Vender, ceder ou transferir, a titulo gratuito ou oneroso, ativos de propriedade intelectual da Cia.; (ix) Realizar pagamentos envolvendo montante superior a R$1.000.000,00, exceto aqueles realizados em favor de sociedades controladas, controladoras ou em controle comum com a Cia. ou com acionistas da Cia.; (x) Emitir cheques em nome da Cia.em montante superior a R$1.000.000,00 por operação ou acima de R$10.000.000,00 por ano; (xi) Realizar transferéncia bancária em montante superior a R$1.000.000,00 por operação ou acima de R$10.000.000,00 por ano;(xii) Dispor de recursos da Cia.a qualquer título em montante superior a R$1.000.000,00 por operação ou acima de R$10.000.000,00 por ano, exceto em operações entre de sociedades controladas, controladoras ou em controle comum com a Cia. ou com acionistas da Cia.; (xiii) Aceitar e emitir letra de câmbio, nota-promissória e títulos de crédito em geral, em montante superior a R$1.000.000,00 por operação ou acima de R$10.000.000,00 por ano; (xiv) Contratar empréstimo ou emitir títulos de divida, prestação de garantias ou constituição de ônus sobre quaisquer ativos da Cia. e/ou de qualquer de suas subsidiárias, caso o valor da respectiva operação ou o valor total de uma série de operações correlatas seja superior a R$1.000.000,00; (xv) Celebrar qualquer contrato ou operação com partes relacionadas da Cia. e/ou de qualquer de suas subsidiárias; (xvi)

Basiliopart Participações S.A. CNPJ/MF: 09.400.783/0001-75 – NIRE: 35300361687 Ata da Assembleia Geral Extraordinária, realizada em 25 de junho de 2012. Data, hora e local: no dia 25/06/2012, às 16hs, na sede social da Cia., localizada em SP/SP, na Avenida Brigadeiro Faria Lima, 1.309, 1° andar, sala F, Jardim Paulistano, CEP 01452-002. Presença e convocação: convocação dispensada nos termos do art. 124, §4°, da Lei n° 6404/76, em virtude dos acionistas representando a totalidade do capital social da Cia.. Mesa: Presidente: Maurício Ferreira Frizzarin, Secretário: Bruno Boaventura Soares. Ordem do dia: (i) alteração do art. 7° do Estatuto Social; (ii) alteração do art. 11 do Estatuto Social com a inclusão do § quarto; (iii) indicação do Sr. Jorge Carlos Pena Santos Carneiro para ocupar o cargo de Diretor da Cia.; e (iv) consolidação do Estatuto Social da Cia.. Deliberações: por unanimidade de votos, foram tomadas as seguintes deliberações: (i) aprovar a alteração do art. 7° do Estatuto Social da Cia., que passa a vigorar com a seguinte redação: “Art. 7° - A Cia. será administrada por uma Diretoria composta por até 03 membros, acionistas ou não, residentes no país, os quais serão designados Diretor Presidente, Diretor Vice Presidente e Diretor, sem designação específica, eleitos e destituíveis pela Assembleia Geral com mandato de 03 anos, destituíveis a qualquer tempo, permitida a reeleição.” (ii) aprovar a alteração do art. 11 do Estatuto Social da Cia. com, dentre outras alterações, a inclusão do § quarto, que passa a vigorar com a seguinte redação: “Art. 11 - A Cia. será representada, ativa e passivamente, em juízo ou fora dele, da seguinte forma: (i) por dois Diretores em conjunto; (ii) por qualquer Diretor ou procurador, para a prática de atos que envolvam exclusivamente a representação da Cia. em processos judiciais e/ou administrativos, inclusive para a outorga de procurações para fins de representação da Cia. em citados processos; (iii) por um Diretor, em conjunto com um procurador com poderes específicos, nos termos do § Primeiro abaixo; (iv) por dois procuradores com poderes específicos, nos termos do § Primeiro abaixo; e (v) por um Diretor ou um procurador com poderes especificos, nos termos do § Segundo abaixo. § 1° - As procurações outorgadas pela Cia. deverão ser assinadas por dois Diretores em conjunto, especificando-se no instrumento de mandato os atos e operações que poderão praticar, ressalvada a possibilidade de revogação da referida procuração pela Cia., a qualquer tempo. Com exceção das procurações ad judicia, que poderão ter prazo de validade indeterminado, as demais não poderão ter validade superior a 01 ano. § 2° - A Assembleia Geral poderá autorizar expressamente a prática de outros atos que vinculem a Cia. por apenas um dos membros da Diretoria ou um procurador, ou ainda, pela adoção de critérios de limitação de competência, restringir, em determinados casos, a representação da Cia. a apenas um Diretor ou um procurador. § 3° - São expressamente vedados, sendo nulos e inoperantes com relação a Cia., os atos de quaisquer dos acionistas, Diretores, procuradores ou funcionários que envolvam obrigações relativas a negócios ou operações estranhas aos objetivos sociais, tais como fiança, avais, endossos ou quaisquer outras garantias em favor de terceiros. § 4° - A Diretoria precisará ele prévia autorização dos acionistas, reunidos em Assembleia Geral para realizar os seguintes atos: (i) Celebrar quaisquer acordos, contratos ou termos de compromissos com valor superior a R$500.000,00; (ii) Alterar o endereço de quaisquer das filiais ou ela matriz da Cia.; (iii) Contratar empregados, colaboradores ou prestadores de serviços com remuneração individual bruta anual superior aR$250.000,00; (iv) Contratar empregados, colaboradores ou prestadores de serviços de modo a exceder o limite agregado de remuneração bruta anual de R$1.000.000,00; (v) Rescindir contratos ou acordos que gerem indenização superior a R$500.000,00 por contrato; (vi) Vender, ceder ou transferir, titulo gratuito ou oneroso, ativos da Cia. com valor superior a R$50.000,00 por operação; (vii) Vender, ceder ou transferir, em uma série de operações correlatas, a titulo gratuito ou oneroso, ativos da Cia. de modo a exceder o limite anual de R$500.000,00 em valor de ativos; (viii) Vender, ceder ou transferir, a titulo gratuito ou oneroso, ativos de propriedade intelectual da Cia.; (ix) Realizar pagamentos envolvendo montante superior a R$1.000.000,00, exceto aqueles realizados em favor de sociedades controladas, controladoras ou em controle comum com a Cia. ou com acionistas da Cia.; (x) Emitir cheques em nome da Cia. em montante superior a R$1.000.000,00 por operação ou acima de R$10.000.000,00 por ano; (xi) Realizar transferência bancária em montante superior a R$1.000.000,00 por operação ou acima de R$10.000.000,00 por ano; (xii) Dispor de recursos da Cia. a qualquer titulo em montante superior a R$1.000.000,00 por operação ou acima de R$10.000.000,00 por ano, exceto em operações entre de sociedades controladas, controladoras ou em controle comum com a Cia. ou com acionistas da Cia.; (xiii) Aceitar e emitir letra de cámbio, nota-promissória e titulos de crédito em geral, em montante superior a R$1.000.000,00 por operação ou acima de R$10.000.000,00 por ano; (xiv) Contratar empréstimo ou emitir títulos de dívida, prestação de garantias ou constituição de ónus sobre quaisquer ativos da Cia. e/ou de qualquer de suas subsidiárias, caso o valor da respectiva operação ou o valor total de uma série de operações correlatas seja superior a R$1.000.000,00; (xv) Celebrar qualquer contrato ou operação com partes relacionadas da Cia. e/ou de qualquer de suas subsidiárias; (xvi) Exercer o direito de voto da Cia. na qualidade de sócia ou acionista de qualquer de suas subsidiárias e em quaisquer outras sociedades, parcerias e joint ventures, incluindo para deliberar sobre a prática, por qualquer de suas subsidiária ou qualquer de tais outras sociedades, parcerias e joint ventures, de quaisquer dos atos indicados neste § como se relacionados a cada uma delas; (xvii) Nomear e destituir liquidantes e julgar suas contas; e (xviii) Iniciar qualquer procedimento de recuperação judicial ou extrajudicial, ou pedido de falência.” (iii) indicar o Sr. Jorge Carlos Pena Santos Carneiro, portador do passaporte n° L615986, para o cargo de Diretor da Cia., sendo a tomada de posse e o exercício do referido cargo condicionados á obtenção dos respectivos visto permanente e permissão de trabalho no Brasil, quando outorgados pelo Ministério de Trabalho e Emprego, através da Coordenação Geral de Imigração, com o pleito a ser encaminhado pela Cia. após o registro deste ato na Junta Comercial do Estado de São Paulo, e posterior eleição a ser deliberada em Assembleia Geral. (iv) consolidar o Estatuto Social da Cia., que passa a vigorar com nova redação, na forma do Anexo I á presente ata. Encerramento e lavratura da ata: Foram encerrados os trabalhos, antes lavrando-se esta ata, na forma sumária permitida pelo art. 130 da Lei 6.404/76, a qual vai assinada pelos presentes. Mesa: Maurício Ferreira Frizzarin - Presidente e Bruno Boaventura Soares Secretário. Acionista: Folhamatic Tecnologia em Sistemas S.A. Por: Maurício Ferreira Frizzarin, José Tavares Lucena. Cargo: Diretores. Estatuto Social - Capítulo I - Da Denominação, Sede, Objeto e Duração - Art. 1° - Basiliopart Participações S.A. é uma sociedade por ações regida pelas determinações deste Estatuto Social, e pelas disposições legais aplicáveis. Art. 2° - A Cia. tem sua sede e foro na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Avenida Brigadeiro Faria Lima, 1.309, 1° andar, sala F, Jardim Paulistano, CEP 01452-002, podendo, por deliberação da Diretoria, manter filiais, escritórios e representações em qualquer localidade do Pais ou do exterior. Art. 3° - A Cia. tem por objeto social a participação em outras sociedades, na qualidade de sócia, quotista ou acionista. Art. 4° - O prazo de duração da Cia. é indeterminado. Capítulo II - Do Capital Social e das Ações - Art. 5° - O capital social é de R$ 50.000.00, representado por 50.000 ações ordinárias nominativas, sem valor nominal. § 1° - O acionista que, por qualquer motivo, desejar ceder, alienar e/ou transferir a terceiros, a qualquer titulo parte ou a totalidade de suas ações, deverá notificar os demais acionistas de sua intenção, por meio de carta registrada com antecedência minima de 30 dias, informando todas as condições do negócio, incluindo o preço e a forma de pagamento. § 2° - A contar da data de recebimento da notificação mencionada no § anterior, os demais acionistas, terão um prazo de 30 dias para se manifestar sobre o exercício do direito de preferência. § 3° - Não havendo interesse dos demais acionistas na aquisição das ações do acionista retirante, este poderá cedê-Ias, transferi-Ias ou aliená-Ias a terceiro estranho à composição acionária § 4° - Caso os acionistas detentores da maioria do capital social da Cia. (Acionistas Majoritários) venham a alienar a totalidade de suas ações na Cia., ou parte desta suficiente que transferirá ao adquirente o poder de controle sobre a Cia., será garantido aos outros acionistas (Acionistas Minoritários) a venda conjunta de suas ações, nas mesmas condições oferecidas aos Acionistas Majoritários. § 5° - Ao receber a notificação de oferta feita pelos Acionistas Majoritários, os Acionistas Minoritários poderão, no prazo de 15 dias contados da notificação, optar por exigir a inclusão de todas as suas ações no lote de ações oferecido pelos Acionistas Majoritarios, pelo mesmo preço e nas mesmas condições. § 6°

quarta-feira, 10 de abril de 2013

meio de conferência telefônica ou outro sistema de telecomunicação, serão considerados presentes à reunião. Será ainda considerada regular a reunião da qual todos os Diretores tenham participado por meio de conferência telefônica ou outro sistema de comunicação, desde que as deliberações tomadas sejam objeto de ata assinada por todos os presentes posteriormente, ou que o respectivo voto seja enviado à sociedade na forma do §terceiro abaixo. §3°. Os membros da Diretoria poderão votar por e-mail, fax, carta ou telegrama, enviados à Cia., em atenção do outro Diretor e caberá, neste caso, ao secretário da reunião lavrar a respectiva ata, à qual o voto será anexado. §4°. Nas reuniões, a Diretoria deliberará por maioria de votos, cabendo a cada Diretor um voto. §5°. As atas das reuniões da Diretoria serão lavradas em livro próprio, permitida a utilização de sistema mecanizado. Art. 16. A Cia. será representada da seguinte forma: (i) por dois Diretores em conjunto; (ii) por qualquer Diretor ou procurador, para a prática de atos que envolvam exclusivamente a representação da Cia. em processos judiciais e/ou administrativos, inclusive para a outorga de procurações para fins de representação da Cia. em citados processos; (iii) por um Diretor, em conjunto com um procurador com poderes específicos, nos termos do §1° abaixo; e (iv) por um ou mais procuradores com poderes específicos, nos termos do §1° abaixo. §1°. As procurações serão sempre outorgadas em nome da Cia. por 2 Diretores em conjunto, e terão prazo de validade limitado ao máximo de um ano, exceto pelas procurações ad judicia, que podem ter prazo de duração superior a um ano ou mesmo indeterminado. §2°. A Assembleia Geral poderá autorizar expressamente a prática de outros atos que vinculem a Cia. por apenas um dos membros da Diretoria ou um procurador, ou ainda, pela adoção de critérios de limitação de competência, restringir, em determinados casos, a representação da Cia. a apenas um Diretor ou um procurador. Art. 17. A remuneração dos Diretores será determinada pela Assembleia Geral, que pode fixá-Ia em montante anual global, obedecido o disposto no caput do art. 152 da lei das S.A., cabendo á Diretoria, em Reunião de Diretoria, promover a distribuição e individualização da remuneração. Capítulo V-Do Conselho Fiscal-Art. 18. O Conselho Fiscal da Cia., com as atribuições estabelecidas em lei, será composto de, no mínimo, 3 e, no máximo, 5 membros e igual número de suplentes, conforme definido pela Assembleia Geral que solicitar a sua instalação. §1°. O Conselho Fiscal não funcionará em caráter permanente e somente será instalado mediante convocação dos acionistas, de acordo com as disposições legais. §2°. O Conselho Fiscal terá um Presidente, eleito pela Assembleia Geral. §3°. Os membros do Conselho Fiscal serão investidos em seus cargos mediante a assinatura de termo de posse lavrado no respectivo livro de registro de atas das Reuniões do Conselho Fiscal. §4°. Em caso de vaga, renúncia, impedimento ou ausência injustificada a duas reuniões consecutivas, será o membro do Conselho Fiscal substituído, até o término do mandato, pelo respectivo suplente. §5°. Em caso de impedimento ou vacância permanente no cargo de um membro do Conselho Fiscal, e sem que haja suplente a substituí-lo, caberá ao Presidente do Conselho Fiscal imediatamente convocar uma Assembleia Geral da Cia. para eleger um novo membro efetivo do Conselho Fiscal e respectivo suplente, para preencher o cargo e completar o mandato do membro impedido ou vacante. Capítulo VI-Do Exercício Social e Demostrações Financeiras-Art. 19. O exercício sóciaI iniciar-se-á em 01 de janeiro e terminará no dia 31 de dezembro de cada ano, quando serão elaboradas as demonstrações financeiras previstas na legislação aplicável. §1°. Ao fim de cada exercício social, a Diretoria fará elaborar, com observância dos preceitos legais pertinentes, as seguintes demonstrações financeiras, sem prejuízo de outras demonstrações exigidas por Lei: (i) balanço patrimonial; (ii) demonstração das mutações do patrimônio líquido; (iii) demonstração do resultado do exercício; e (iv) demonstração dos fluxos de caixa. §2°. Fará parte das demonstrações financeiras do exercício a proposta da Administração sobre a destinação a ser dada ao lucro líquido, em observância do disposto neste Estatuto Social e na legislação aplicável. §3°. A Diretoria poderá levantar balanços semestrais ou em períodos menores, e distribuir dividendos ou constituir reservas com base nos mesmos, observadas as disposições e limitações legais aplicáveis. §4°. As demonstrações financeiras anuais da Cia. deverão ser auditadas por auditores independentes escolhidos pela Assembleia Geral e devidamente registrados na Comissão de Valores Mobiliários. Art. 20. O lucro líquido do exercício terá obrigatoriamente a seguinte destinação: (i) 5% para a formação da reserva legal, até atingir 20% do capital social subscrito; (ii) pagamento de dividendo obrigatório, nos termos do Art. 20 deste Estatuto Social; e (iii) o saldo do lucro líquido será objeto de distribuição de dividendos conforme proposto pela Administração e deliberação da Assembleia Geral. Art. 21. Os acionistas terão direito a receber, em cada exercício, a título de dividendo obrigatório, 2% do saldo do lucro líquido do exercício, ajustado nos termos da Lei das S.A. §1°. Sempre que o montante do dividendo obrigatório ultrapassar a parcela realizada do lucro líquido do exercício, a administração poderá propor, e a Assembleia Geral: aprovar destinar o excesso à constituição de reserva de lucros a realizar. §2°. A Assembleia Geral poderá atribuir aos administradores uma participação nos lucros, observados os limites legais pertinentes. Art. 22. A Diretoria poderá deliberar o pagamento ou crédito de juros sobre o capital próprio, ad referendum da Assembleia Geral Ordinária que apreciar as demonstrações financeiras relativas ao exercicio social em que tais juros foram pagos ou creditados, sendo que os valores correspondentes aos juros sobre capital próprio poderão ser imputados ao dividendo obrigatório. Capítulo VII-Da Prática de Atos Ultra Vires-Art. 23. É expressamente vedado e será nulo de pleno direito o ato praticado por qualquer acionista, administrador, procurador ou funcionário da Cia. que a envolva em obrigações relativas a negócios e operações estranhos ao objeto social, sem prejuízo da responsabilidade civil ou criminal, se for o caso, a que estará sujeito o infrator deste dispositivo. Capítulo VIII-Da Liquidação-Art. 24. A Cia. entrará em liquidação nos casos previstos em lei, cabendo à Assembleia Geral eleger o liquidante e os membros do Conselho Fiscal que deverão funcionar no período da liquidação, fixando-lhes a remuneração. Capitulo IX-Do Juizo Arbitral-Art. 25. A Cia., seus acionistas, Diretores e membros do Conselho Fiscal obrigam-se a resolver, por meio de arbitragem, toda e qualquer disputa ou controvérsia que possa surgir entre eles, relacionada ou decorrente, em especial, da aplicação, validade, eficácia, interpretação, violação e seus efeitos das disposições contidas na Lei das S.A., neste Estatuto Social, nas normas editadas pelo Conselho Monetário Nacional, pelo Banco Central do Brasil e pela Comissão de Valores Mobiliários, bem como nas demais normas aplicáveis ao funcionamento do mercado de capitais em geral, conforme o caso. §1°. As disputas ou controvérsias serão solucionadas por meio de arbitragem a ser administrada pelo Centro de Mediação e Arbitragem da Câmara de Comércio Brasil-Canadá (“Câmara”), de acordo com o disposto no regulamento da Câmara (‘‘Regulamento da Câmara”). §2°. A arbitrage será decidida por um tribunal arbitral sediado na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, constituído por 3 árbitros a serem nomeados nos termos do Regulamento da Câmara. Não será permitida a instauração de arbitragem multilateral, ou seja, de procedimento arbitral composto por mais de dois pólos antagônicos entre si. Será, contudo, permitido haver mais de uma parte, pessoa física ou jurídica, em um dos pólos. §3°. Todo o procedimento arbitral será em língua portuguesa e serão aplicadas as leis brasileiras, inclusive, mas não se limitando, a lei n° 9.307, de 23 de setembro de 1996 (Lei Brasileira de Arbitragem). §4°. A Câmara deverá proferir sua sentença no Brasil, no prazo máximo de 12 meses contados da data de início da arbitragem, observado que referido prazo poderá ser prorrogado pela Câmara por um período adicional de até 6 meses, desde que justificadamente. §5°. Os honorários dos advogados e demais despesas e custos decorrentes do procedimento arbitral serão suportados por uma ou por ambas as Partes, como for decidido pela Câmara. §6°. Em face da presente cláusula compromissória, toda e qualquer medida cautelar deverá ser requerida (i) ao tribunal arbitral (caso este já tenha sido instaurado) e cumprida por solicitação do tribunal arbitral ao juiz estatal competente, ou (ii) diretamente ao Poder Judiciário (caso o tribunal arbitral ainda não tenha sido instaurado), no foro da comarca onde a medida cautelar deva ser cumprida pela parte requerida. §7°. As partes envolvidas na arbitragem deverão manter em sigilo todas e quaisquer informações relacionadas à arbitragem. Capítulo X-Das Disposições Gerais-Art. 26. Os casos omissos ou duvidosos deste Estatuto Social serão resolvidos pela Assembleia Geral, a eles aplicando-se as disposições legais vigentes. Art. 27. A qualquer tempo, o tipo jurídico da Cia. poderá ser transformado em outro, por decisão de acionistas representando, a maioria do capital social, em Assembleia Geral. Art. 28. O presente Estatuto entra em vigor na data de sua aprovação pela Assembleia Geral.” Reginaldo Cazubek-Secretário. Jucesp nº 24.762/12-0 em 06/01/2012. Gisela S. Ceschin-Secr. Geral. Exercer o direito de voto da Cia. na qualidade de sócia ou acionista de qualquer de suas subsidiárias e em quaisquer outras sociedades, parcerias e joint ventures, incluindo para deliberar sobre a prática, por qualquer de suas subsidiária ou qualquer de tais outras sociedades, parcerias e joint ventures, de quaisquer dos atos indicados neste § como se relacionados a cada uma delas;(xvii) Nomear e destituir liquidantes e julgar suas contas; e (xviii) Iniciar qualquer procedimento de recuperação judicial ou extrajudicial, ou pedido de falência. Art. 15. A Diretoria reunir-se-á sempre que os interesses sociais o exigirem, mediante convocação de qualquer um dos Diretores. § 1°. As reuniões da Diretoria são instaladas com a presença da totalidade de seus membros, devendo ser escolhido pelos Diretores um secretário da reunião, não havendo necessidade de que tal secretário seja membro da Diretoria.§ 2°. Os membros da Diretoria que participarem das reuniões por meio de conferência telefônica ou outro sistema de telecomunicação, serão considerados presentes à reunião. Será ainda considerada regular a reunião da qual todos os Diretores tenham participado por meio de conferência telefônica ou outro sistema de comunicação, desde que as deliberações tomadas sejam objeto de ata assinada por todos os presentes posteriormente, ou que o respectivo voto seja enviado à sociedade na forma do § terceiro abaixo.§ 3°.Os membros da Diretoria poderão votar por e-mail, fax, carta ou telegrama, enviados à Cia., em atenção do outro Diretor e caberá, neste caso, ao secretário da reunião lavrar a respectiva ata, à qual o voto será anexado.§ 4°. Nas reuniões, a Diretoria deliberará por maioria de votos, cabendo a cada Diretor um voto. § 5°. As atas das reuniões da Diretoria serão lavradas em livro próprio, permitida a utilização de sistema mecanizado.Art. 16. A Cia.será representada da seguinte forma:(i) por dois Diretores em conjunto; (ii) por qualquer Diretor ou procurador, para a prática de atos que envolvam exclusivamente a representação da Cia.em processos judiciais e/ ou administrativos, inclusive para a outorga de procurações para fins de representação da Cia. em citados processos; (iii) por um Diretor, em conjunto com um procurador com poderes específicos, nos termos do § 1º abaixo; (iv) por dois procuradores com poderes específicos, nos termos do § 1º abaixo;e (v) por um Diretor ou um procurador com poderes específicos, nos termos do § 2° abaixo.§ 1°.As procurações serão sempre outorgadas em nome da Cia. por 02 Diretores em conjunto, e terão prazo de validade limitado ao máximo de um ano, exceto pelas procurações ad judicia, que podem ter prazo de duração superior a um ano ou mesmo indeterminado. § 2°. A Assembleia Geral poderá autorizar expressamente a prática de outros atos que vinculem a Cia.por apenas um dos membros da Diretoria ou um procurador, ou ainda, pela adoção de critérios de limitação de competência, restringir, em determinados casos, a representação da Cia.a apenas um Diretor ou um procurador. Art. 17. A remuneração dos Diretores será determinada pela Assembleia Geral, que pode fixá-la em montante anual global, obedecido o disposto no caput do art. 152 da Lei das S.A., cabendo à Diretoria, em Reunião de Diretoria, promover a distribuição e individualizaçãodaremuneração.CapítuloV-DoCons.Fiscal-Art.18.OCons.FiscaldaCia.,comasatribuiçõesestabelecidasemLei,serácomposto de, no mínimo, 03 e, no máximo, 05 membros e igual número de suplentes, conforme definido pela Assembleia Geral que solicitar a sua instalação. § 1º. O Cons. Fiscal não funcionará em caráter permanente e somente será instalado mediante convocação dos acionistas, de acordo com as disposições legais. § 2°. O Cons. Fiscal terá um Presidente, eleito pela Assembleia Geral. § 3°. Os membros do Cons. Fiscal serão investidos em seus cargos mediante a assinatura de termo de posse lavrado no respectivo livro de registro de atas das Reuniões do Cons.Fiscal.§ 4°.Em caso de vaga, renúncia, impedimento ou ausência injustificada a duas reuniões consecutivas, será o membro do Cons. Fiscal substituído, até o término do mandato, pelo respectivo suplente.§ 5°. Em caso de impedimento ou vacância permanente no cargo de um membro do Cons. Fiscal, e sem que haja suplente a substituí-lo, caberá ao Presidente do Cons. Fiscal imediatamente convocar uma Assembleia Geral para eleger um novo membro efetivo do Cons.Fiscal e respectivo suplente, para preencher o cargo e completar o mandato do membro impedido ou vacante.CapítuloVI -Do Exercício Social e Demostrações Financeiras-Art.19.O exercício social iniciar-se-á em 01 de janeiro e terminará no dia 31 de dezembro de cada ano, quando serão elaboradas as demonstrações financeiras previstas na legislação aplicável. § 1°. Ao fim de cada exercício social, a Diretoria fará elaborar, com observância dos preceitos legais pertinentes, as seguintes demonstrações financeiras, sem prejuízo de outras demonstrações exigidas por Lei: (i) balanço patrimonial; (ii) demonstração das mutações do patrimônio líquido;(iii) demonstração do resultado do exercício;e (iv) demonstração dos fluxos de caixa.§ 2º.Fará parte das demonstrações financeiras do exercício a proposta da Administração sobre a destinação a ser dada ao lucro liquido, em observância do disposto neste Estatuto Social e na legislação aplicável.§ 3º. A Diretoria poderá levantar balanços semestrais ou em períodos menores, e distribuir dividendos ou constituir reservas com base nos mesmos, observadas as disposições e limitações legais aplicáveis.§ 4°. As demonstrações financeiras anuais da Cia.deverão ser auditadas por auditores independentes escolhidos pela Assembleia Geral e devidamente registrados na Comissão de Valores Mobiliários. Art. 20. O lucro líquido do exercício terá obrigatoriamente a seguinte destinação: (i) 05% para a formação da reserva legal, até atingir 20% do capital social subscrito; (ii) pagamento de dividendo obrigatório, nos termos do Art. 20 deste Estatuto Social; e (iii) o saldo do lucro liquido será objeto de distribuição de dividendos conforme proposto pela Administração e deliberação da Assembleia Geral.Art. 21. Os acionistas terão direito a receber, em cada exercício, a titulo de dividendo obrigatório, 02% do saldo do lucro líquido do exercício, ajustado nos termos da Lei das S.A.§ 1°. Sempre que o montante do dividendo obrigatório ultrapassar a parcela realizada do lucro líquido do exercício, a administração poderá propor, e a Assembleia Geral, aprovar destinar o excesso à constituição de reserva de lucros a realizar. § 2°. A Assembleia Geral poderá atribuir aos administradores uma participação nos lucros, observados os limites legais pertinentes.Art. 22. A Diretoria poderá deliberar o pagamento ou crédito de juros sobre o capital próprio, ad referendum da AGO que apreciar as demonstrações financeiras relativas ao exercício social em que tais juros foram pagos ou creditados, sendo que os valores correspondentes aos juros sobre capitalprópriopoderãoserimputadosaodividendoobrigatório.CapítuloVIl-DaPráticadeAtosUltraVires-Art.23.Eexpressamentevedado e será nulo de pleno direito o ato praticado por qualquer acionista, administrador, procurador ou funcionário da Cia.que a envolva em obrigações relativas a negócios e operações estranhos ao objeto social, sem prejuizo da responsabilidade civil ou criminal, se for o caso, a que estará sujeito o infrator deste dispositivo. CapítuloVIII -Da Liquidação-Art. 24. A Cia. entrará em liquidação nos casos previstos em lei, cabendo à Assembleia Geral eleger o liquidante e os membros do Cons. Fiscal que deverão funcionar no periodo da liquidação, fixando-lhes a remuneração. Capítulo IX- Do Juízo Arbitral-Art. 25. A Cia., seus acionistas, Diretores e membros do Cons. Fiscal obrigam-se a resolver, por meio de arbitragem, toda e qualquer disputa ou controvérsia que possa surgir entre eles, relacionada ou decorrente, em especial, da aplicação, validade, eficácia, interpretação, ç violação ç e seus efeitos das disposições ç contidas na Lei das S.A., neste Estatuto Social, nas normas editadas peloCons.MonetárioNacional,peloBancoCentraldoBrasilepelaComissãodeValoresMobiliários,bemcomonasdemaisnormasaplicáveis ao funcionamento do mercado de capitais em geral, conforme o caso. § 1°. As disputas ou controvérsias serão solucionadas por meio de arbitragem a ser administrada pelo Centro de Mediação e Arbitragem da Câmara de Comércio Brasil - Canadá (“Câmara”), de acordo com o disposto no regulamento da Câmara (“Regulamento da Câmara”).§ 2º.A arbitragem será decidida por um tribunal arbitral sediado em SP/SP, constituido por 03 árbitros a serem nomeados nos termos do Regulamento da Câmara. Não será permitida a instauração de arbitragem multilateral, ou seja, de procedimento arbitral composto por mais de dois pólos antagônicos entre si. Será, contudo, permitido haver mais de uma parte, pessoa física ou jurídica, em um dos pólos.§ 3°.Todo o procedimento arbitral será em língua portuguesa e serão aplicadas as leis brasileiras, inclusive, mas não se limitando, a Lei nº 9.307, de 23/9/1996 (Lei Brasileira de Arbitragem). § 4º. A Câmara deverá proferir sua sentença no Brasil, no prazo máximo de 12 meses contados da data de inicio da arbitragem, observado que referido prazo poderá ser prorrogado pela Câmara por um período adicional de até 06 meses, desde que justificadamente. § 5º. Os honorários dos advogados e demais despesas e custos decorrentes do procedimento arbitral serão suportados por uma ou por ambas as Partes, como for decidido pela Câmara. § 6º. Em face da presente cláusula compromissória, toda e qualquer medida cautelar deverá ser requerida (i) ao tribunal arbitral (caso este já tenha sido instaurado) e cumprida por solicitação do tribunal arbitral ao juiz estatal competente, ou (ii) diretamente ao Poder Judiciário (caso o tribunal arbitral ainda não tenha sido instaurado), no foro da comarca onde a medida cautelar deva ser cumprida pela parte requerida.§ 7°.As partes envolvidas na arbitragem deverão manter em sigilo todas e quaisquer informações relacionadas à arbitragem. Capítulo X - Das Disposições Gerais-Art.26.Os casos omissos ou duvidosos deste Estatuto Social serão resolvidos pela Assembleia Geral, a eles aplicando-se as disposições legais vigentes.Art. 27. A qualquer tempo, o tipo jurídico da Cia.poderá ser transformado em outro, por decisão de acionistas representando, a maioria do capital social, em Assembleia Geral. Art. 28. O presente Estatuto entra em vigor na data de sua aprovação pela Assembleia Geral.” Augusto Cesar Barbosa de Souza-Secretário. Jucesp nº 314.274/12-1 em 23/07/2012. Gisela S. Ceschin-Secr.Geral. - Caso os Acionistas Minoritários optem por exercer o direito de venda em bloco, os Acionistas Majoritários somente poderão transferir validamente suas ações se a transferência contemplas as suas ações e as ações detidas pelos Acionistas Minoritários. § 7° - Caso os Acionista Majoritários venham a alienar parte ou a totalidade de sua participação na Cia. a um terceiro, envolvendo ou não o poder de controle, e determine, a seu exclusivo critério, aos Acionistas Minoritários que alienem também suas respectivas participações societárias, os Acionistas Minoritários, desde ja manifestam sua concordáncia, em caráter irrevogável e irretratável, em participar da venda em bloco, pelo mesmo preço e pela mesmas condições oferecidas, aos Acionistas Majoritarios. § 8° - O direito de preferência previsto no § Primeiro desta Cláusula não se aplicará nas alienações efetuadas de acordo com o § Sétimo acima. Art. 6° - Cada ação ordinária corresponderá a 1 voto nas Assembleias Gerais. Capítulo III - Da Administração - Art. 7° - A Cia. será administrada por uma Diretoria composta por até 3 membros, acionistas ou não, residentes no pais, os quais serão designados Diretor Presidente, Diretor Vice Presidente e Diretor, sem designação especifica, eleitos e destituíveis pela Assembleia Geral com mandato de 03 anos, destituíveis a qualquer tempo, permitida a reeleição. Art. 8° - A remuneração global e/ou individual e demais vantagens dos membros da Diretoria serão fixadas anualmente pela Assembleia Geral. Art. 9° - No caso de vacância do cargo de Diretor, o substituto será eleito pela Assembleia Geral, dentro de 60 dias da data da vacância e servirá até completar o prazo de gestão do substituído. Art. 10 - A Diretoria terá os poderes e atribuições que a Lei e este estatuto lhe conferirem para assegurar o funcionamento regular da Cia., podendo decidir sobre a prática de todos os atos e realizações de todas as operações que se relacionarem com o objeto social e que não forem de competência privativa da Assembleia Geral. Art. 11 - A Cia. será representada, ativa e passivamente, em juízo ou fora dele, da seguinte forma: (i) por dois Diretores em conjunto: (ii) por qualquer Diretor ou procurador, para a prática de atas que envolvam exclusivamente a representação da Cia. em processos judiciais e/ou administrativos, inclusive para a outorga de procurações para fins de representação da Cia. em citados processos; (iii) por um Diretor, em conjunto com um procurador com poderes específicos, nos termos do § Primeiro abaixo; (iv) por dois procuradores com poderes específicos, nos termos do § Primeiro abaixo; e (v) por um Diretor ou um procurador com poderes específicos, nos termos do § Segundo abaixo, § 1° - As procurações outorgadas pela Cia.deverão ser assinadas por dois Diretores em conjunto, especificando-se no instrumento de mandato os atos e operações que poderão praticar, ressalvada a possibilidade de revogação da referida procuração pela Cia., a qualquer tempo.Com exceção das procurações ad judicia, que poderão ter prazo de validade indeterminado, as demais não poderão ter validade superior a 1 ano, § 2° - A Assembleia Geral poderá autorizar expressamente a prática de outros atos que vinculem a Cia. por apenas um dos membros da Diretoria ou um procurador, ou ainda, pela adoção de critérios de limitação de competência, restringir, em determinados casos, a representação da Cia. a apenas um Diretor ou um procurador. § 3° - São expressamente vedados, sendo nulos e inoperantes com relação à Cia., os atos de quaisquer dos acionistas, Diretores, procuradores ou funcionários que envolvam obrigações relativas a negóciós ou operações estranhas aos objetivos sociais, tais como fiança, avais, endossos ou quaisquer outras garantias em favor de terceiros, § 4° - A Diretoria precisará de prévia autorização dos acionistas, reunidos em Assembleia Geral para realizar os seguintes atos: (i) Celebrar quaisquer acordos, ,contratos ou termos de compromissos com valor superior a R$500.000,00; (ii) Alterar o endereço de quaisquer das filiais ou da matriz da Cia.; (iii) Contratar empregado, colaboradores ,ou prestadores de serviços com remuneração individual bruta anual superior a R$250.000,00; (iv) Contratar empregados, colaboradores ou prestadores de serviços de modo a exceder o limite agregado de remuneração bruta anual de R$1.000.000,00; (v) Rescindir contratos ou acordos que gerem indenização superior a R$500.000,00 por contrato; (vi) Vender, ceder ou transferir, a titulo gratuito ou oneroso, ativos da Cia. com valor superior a R$50.000,00 por operação; (vii) Vender, ceder ou transferir, em uma série de operações correlatas, a titulo gratuito ou oneroso, ativos da Cia. de modo a exceder o limite anual de R$500.000,00 em valor de ativos; (viii) Vender, ceder ou transferir, a titulo gratuito ou oneroso, ativos de propriedade intelectual da Cia.; (ix) Realizar pagamentos envolvendo montante superior a R$1.000.000,00, exceto aqueles realizados em favor de sociedades controladas, controladoras ou em controle comum com a Cia. ou com acionistas da Cia.; (x) Emitir cheques em nome da Cia. em montante superior a R$1.000.000,00 por operação ou acima de R$10.000.000,00 por ano; (xi) Realizar transferência bancária em montante superior a R$1.000.000,00 por operação ou acima de R$10.000.000,00 por ano; (xii) Dispor de recursos da Cia.a qualquer título em montante superior a R$1.000.000,00 por operação ou acima de R$10.000.000,00 por ano, exceto em operações entre de sociedades controladas, controladoras ou em controle comum com a Cia. ou com acionistas da Cia.; (xiii) Aceitar e emitir letra de câmbio, nota-promissória e títulos de crédito em geral, em montante superior a R$1.000.000,00 por operação ou acima de R$10.000.000,00 por ano; (xiv) Contratar empréstimo ou emitir títulos de dívida, prestação de garantias ou constituição de ônus sobre quaisquer ativos da Cia. e/ou de qualquer de suas subsidiárias, caso o valor da respectiva operação ou o valor total de uma série de operações correlatas seja superior a R$1.000.000,00; (xv) Celebrar qualquer contrato ou operação com partes relacionadas da Cia. e/ou de qualquer de suas subsidiárias; (xvi) Exercer o direito de voto da Cia. na qualidade de sócia ou acionista de qualquer de suas subsidiárias e em quaisquer outras sociedades, parcerias e joint ventures, incluindo para deliberar sobre a prática, por qualquer de suas subsidiária ou qualquer de tais outras sociedades, parcerias e joint ventures, de quaisquer dos atos indicados neste § como se relacionados a cada uma delas; (xvii) Nomear e destituir liquidantes e julgar suas contas; e (xviii) Iniciar qualquer procedimento de recuperação judicial ou extrajudicial, ou pedido de falência. Capítulo IV - Da Assembléia Geral - Art. 12 - À Assembleia Geral compete o exercício das unções que lhe são atribuídas em Lei e neste Estatuto Social. Art. 13 - A Assembleia Geral reunir-se-á ordinariamente dentro dos 4 primeiros meses seguintes ao término do exercício social, e, extraordinariamente, sempre que os interesses sociais o exigirem. Art. 14 - A Assembleia Geral será, instalada e presidida pelo Diretor Presidente ou seu substituto legal, o qual designará um membro, acionista ou não, para secretariar os trabalhos. Art. 15 - O Acionista poderá ser representado nas Assembleias Gerais por procuradores constituídos na forma da legislação vigente. Art. 16 - As deliberações da Assembleia Geral, ressalvadas as exceções previstas em lei, serão tomadas pela maioria do capital social. Capítulo V - Do Conselho Fiscal Art. 17 - O Conselho Fiscal somente funcionará nos exercicios sociais em que for instalado apedido dos Acionistas e será constituído por 3 membros efetivos e respectivos suplentes, que serão eleitos pela Assembleia Geral que deliberara sua instalação. § Único - A Assembleia Geral que deliberar sobre a instalação do Conselho Fiscal elegerá seus membros e fixará sua remuneração. Capítulo VI - Do Exercício Social, Demostrações Financeiras e Destinações - Art. 18 - O exercício social se inicia no dia 1° de janeiro e termina no dia 31 de dezembro de cada ano, e ao final de cada exercício serão elaboradas pela Diretoria as demonstrações financeiras previstas em lei. Art. 19 - A Diretoria poderá autorizar a distribuição aos acionistas de dividendos intermediários e/ou intercalares, resultantes de lucros apurados em balanço regurlamente levantado, observando as condições legais. Art. 20 - Do lucro líquido serão deduzidos: (a) os prejuízos acumulados e a previsão para imposto de renda; (b) parcela de 5% destinada à constituição de reserva legal, que não excederá a 20% do capital social; (c) parcela correspondente a reservas para contingências, nos exercícios em que ,a Assembleia Geral decidir constitui-Ias; (d) parcela não inferior a 25% do lucro líquido, destinada ao pagamento do dividendo mínimo obrigatório, na forma do art. 202 da Lei das Sociedades por Ações; e (e) o saldo, se houver, após as destinações supra, terá o destino que lhe for dado pela Assembleia Geral. Art. 21 - A Diretoria, “ad referendum” da Assembleia Geral poderá deliberar o pagamento de juros sobre capital próprio conforme facultado pela legislação. Capítulo VII - Da Dissolução e Liquidação - Art. 22 - A Cia. entrará em liquidação nos casos previstos em lei, competindo à Assembleia Geral deliberar sobre o processamento e nomear liquidante. Capítulo VIII - Das Disposições Transitórias - Art. 23 - Os casos omissos neste Estatuto Social serão resolvidos pelas disposições das leis em vigor, aplicáveis à espécie.” Bruno Boaventura Soares Secretário. Jucesp nº 291.776/12-7 em 06/07/2012. Gisela Simiema Ceschin-Secretária Geral.

Fone:

11 3180 3175

e Inflação desacelera na China em março conomia

A inflação ao consumidor perdeu força no mercado chinês devido, principalmente, à queda no custo dos alimentos. Resultado reflete o ritmo morno de recuperação econômica desse país asiático.

A

inflação ao consumidor da China desacelerou em março na comparação anual, uma vez que os preços de alimentos voltaram de máximas de nove meses e a deflação de preços ao produtor se aprofundou, mostraram dados ontem, deixando espaço para as autoridades manterem condições monetárias frouxas e nutrir uma recuperação nascente. Os dados da inflação de março da Agência Nacional de Estatísticas refletiram o ritmo morno de recuperação econômica que começou no fim do ano passado e devem reduzir os temores de que as condições monetárias possam ser apertadas em um estágio inicial do ciclo de recuperação. O índice de preços ao consumidor mostrou um aumento anual de 2,1%, bem abaixo do consenso do mercado de 2,4%. Os preços ao produtor caíram 1,9% ante o mesmo mês do ano passado, amplamente em linha com a previsão de um recuo de 1,8%, e uma queda mais acentuada do que os 1,6% de fevereiro. "A inflação mais baixa vai acalmar bastante as preocupações dos investidores de que as autoridades irão começar a apertar as condições monetárias", disse o economistachefe do JP Morgan em Hong Kong Haibin Zhu. Na comparação mensal, os preços ao consumidor caíram 0,9% contra o consenso do mercado de uma queda de

0,9 por cento foi o recuo nos preços ao consumidor em março, comparado com fevereiro. No ano, a inflação é de 2,1%. 0,6%, indicando um consumo retraído por causa de uma austeridade interna conduzida pelo governo, iniciada no fim de 2012, em uma tentativa de reduzir os banquetes e os presentes excessivos que estão frequentemente ligados à corrupção. Muito do resultado no índice de preços ao consumidor é explicado pelos preços de alimentos mais baixos, os quais economistas afirmam estarem se normalizando após o aumento sazonal do Ano Novo Lunar em fevereiro, em vez de refletir qualquer impacto maior de um surto de gripe aviária ou pânico, depois que milhares de porcos mortos foram jogados em um rio de Xangai. Ting Lu, economista-chefe do Bank Of America/Merrill Lynch em Hong Kong, acredita que a postura de política monetária da China ficará neutra durante a primeira metade de 2013. (Reuters)

EUA quer Alemanha consumindo mais

O

secretário de Tesouro dos Estados Unidos, Jack Lew, defendeu ontem que os países com superávit orçamentário adotem políticas de estímulo ao consumo doméstico, no que pareceu ser um recado à Alemanha. Lew foi a Berlim para uma reunião com o ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schaeuble. A Alemanha tem o maior superávit comercial da zona do euro, e no passado já rejeitou a pressão para adotar medidas que garantam maior equilíbrio nos fluxos comercias da Europa. "O motor do crescimento econômico precisa ser a demanda do consumidor, políticas que ajudem a estimular a demanda do consumo nos países que tenham essa capacidade seriam úteis",

disse Lew em entrevista coletiva ao lado de Schaeuble. Lew tem pressionado autoridades europeias a moderarem suas políticas de austeridade, como forma de estimular o crescimento, e fez um apelo a países superavitários, como a Alemanha, para impulsionarem o consumo para ajudar a tirar todo o continente das suas dificuldades econômicas. Mas Schaeuble e Lew se esforçaram em minimizar divergências, e o alemão argumentou que crescimento e consolidação orçamentária não são coisas excludentes. "Ninguém, incluindo a Europa, vê esse contraste entre consolidação fiscal e crescimento. Nossa posição comum é de crescimento sustentável", afirmou ele a jornalistas. (Reuters)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Klavier Investimentos S.A.

EMPRESA METROPOLITANA DE TRANSPORTES URBANOS DE SÃO PAULO S.A. CNPJ: 58.518.069/0001-91 TOMADA DE PREÇOS EMTU/SP Nº 001/2013 OBJETO: Contratação de serviços técnicos especializados de engenharia para desenvolvimento de Projeto Funcional de um Complexo de Integração Intermodal, reestruturação do transporte coletivo e requalificação urbana da Região de São Mateus. COMUNICADO DE ADIAMENTO Em virtude de esclarecimentos pendentes, comunicamos que a sessão pública de abertura e entrega de envelope da Licitação em epígrafe, programada para 11.04.2013, fica alterada para 26.04.2013, às 10h30, no Auditório do CECOM da EMTU/SP, na Rua Joaquim Casemiro, 290 – Planalto – São Bernardo do Campo / SP. O Edital continua disponível para download, no sítio www.emtu.sp.gov.br., e também pode ser retirado gratuitamente, no endereço acima, no Departamento de Compras e Contratos – DCC, das 08h00 às 17h00, mediante a apresentação da mídia DVD-R (gravável), necessário para cópia do arquivo, até 25.04.2013. O invólucro contendo a proposta de preços deverá ser entregue no dia 26.04.2013, das 10h00 às 10h30, no Auditório do CECOM da EMTU/SP. Outras informações poderão ser obtidas pelos tels.: 11 4341-1196, 4341-1040 e 4341-1470 ou e-mail licitacao@emtu.sp.gov.br.

Corbie Participações Ltda. CNPJ/MF n° 09.400.783/0001-75 – NIRE 35.222.130.392 Instrumento Particular de Primeira Alteração do Contrato Social Pelo presente instrumento particular. I. S&A Serviços Empresariais Ltda., sociedade limitada empresária, com sede em SP/SP, na Av. Brigadeiro Faria Lima, 1478, 7°, cj. 711, Jd. Paulistano, CNPJ/MF n° 04.273.441/0001-18, com seu Contrato Social devidamente registrado na JUCESP NIRE 35.216.699.451, em sessão de 08/02/2002, neste ato representado por sua representante legal Sra. Diva Maria Batista Martins Ramalho, RG n° 8.399.150-5-SSP/SP e CPF/MF n° 050.446.548-17; e II. Diva Maria Batista Martins Ramalho, RG n° 8.399.150-5-SSP/SP e CPF/MF n° 050.446.548-17; sócio representado a totalidade do capital social da Corbie Participações Ltda. sociedade limitada empresária regularmente constituída, com sede em SP/SP, na Av. Brigadeiro Faria Lima, 1478, 3°, cj. 307, s/ 29, Jd. Paulistano, CNPJ/MF n° 09.400.783/0001-75 e na JUCESP o NIRE 35.222.130.392, em sessão de 15/02/2008, resolvem, de comum acordo, alterar o contrato social da sociedade, na forma que segue: 1. Neste ato a sócia S&A Serviços Empresariais Ltda., já qualificada, cede e transfere, a título oneroso: (i) 455 quotas que possui no capital social da Sociedade, no valor nominal de R$ 1,00 cada uma, ao novo sócio Luiz Paulo Rosenberg, RG n° 337.750-SSP/DF, CPF/MF n° 034.341.688-34 e no C.R.E n° 10.857; (ii) 455 quotas que possui no capital social da Sociedade, no valor nominal de R$ 1,00 cada uma, ao novo sócio Renato Kocubej Soriano, RG 9.879.067-SSP/ SP, CPF/MF n° 116.210.168-70; (iii) 30 quotas que possui no capital social da Sociedade, no valor nomimal de R$ 1,00 cada uma, ao novo sócio Yuri Brancaglion Keiserman, RG n° 20.389.073-SSP/SP e CPF/MF n° 274.241.538-62; (iv) 50 quotas que possui no capital social da Sociedade, no valor nominal de R$ 1,00 cada uma, ao novo sócio Eduardo Muszkat, RG n° 6.602.805-SSP/SP, CPF/MF n° 063.681.348-79 e (v) 9 quotas que possui no capital social da Sociedade, no valor nominal de R$ 1,00 cada uma, à nova sócia Cristina Luiza Pereira, RG n° 35.108.177-X-SSP/SP e CPF/MF n° 303.799.918-70. 2. Neste mesmo ato a sócia Diva Maria Batista Martins Ramalho, já qualificada, cede e transfere, a título oneroso, 1 quota que possui no capital social da Sociedade, no valor de R$ 1,00 à nova sócia Cristina Luiza Pereira, já qualificada. 3. As quotas neste ato cedidas e transferidas encontram-se livres e desembaraçadas de quaisquer ônus, outorgando-se neste ato os cedentes, os cessionários e a sociedade, a mais ampla, irrevogável e irretratável quitação, para nada mais reclamar, seja a que título for, relativamente às quotas neste ato cedidas. 4. Decidem os sócios proceder o aumento do capital social no valor de R$ 1.000,00 para R$ 10.000,00, com o aumento efetivo de R$ 9.000,00, mediante a subscrição de 9.000 novas quotas, cada uma no valor unitário de R$ 1,00, totalmente integralizado neste ato em moeda corente nacional pelos sócios desta Sociedade. 5. Em decorrência do disposto acima, o Capítulo II do Contrato Social passa a contar com a seguinte redação: “II. Capital Social - 2.1. O capital social da Sociedade, totalmente subscrito e integralizado em moeda corrente nacional, nesta data, é de R$ 10.000,00, dividido em 10.000 quotas, com valor nominal de R$ 1,00 cada uma, distribuido entre os sócios da segiunte forma: Sócios; Quotas; Capital (R$): Luis Paulo Rosenberg; 4.550; 4.550,00. Renato Kocubej Soriano; 4.550; 4.500,00. Eduardo Muszkat; 500; 500,00.Yuri Brancaglion Keiserman; 300; 300,00. Cristina Luiza Pereira; 100; 100,00. Total; 10.000; 10.000,00. 2.2. A responsabilidade dos sócios é restrita no valor de suas quotas, mas todos respondem solidariamente pela integralização do capital social (Art. 1.052, CC/2002). 2.3. A cada quota de capital corresponde 1 voto nas deliberações societárias.” 6. Os sócios decidem alterar a denominação social, o endereço da sede social e o objeto social, com a consequente modificação do Capitulo I do Contrato Social que passará a vigorar com a seguinte redação: “1. Denominação, Sede, Objeto e Duração da Sociedade. 1.1. A sociedade é denominada Basiliopart Participações Ltda. 1.2. A sociedade tem sede na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Rua Visconde de Parnaíba, n° 3.387, apartamento 134-A, Belém, CEP 03045-002, podendo abrir e fechar filiais, escritórios e representações em qualquer localidade do pais ou no exterior, por deliberação da maioria do capital social, obedecidas as disposições legais vigentes. 1.3. A sociedade tem por objeto social a participação em outras sociedades, na qualidade de sócia, quotista ou acionista. 1.4. A sociedade tem seu prazo de duração por tempo indeterminado.” 7. Por fim, os sócios resolvem de comum acordo e na melhor forma de direito, aprovar: a) A transformação do tipo jurídico desta sociedade, de Sociedade Limitada Empresária para Sociedade de Ações, com o objetivo de melhor atender os interesses sociais. b) A substituição das 10.000 quotas atualmente existentes, representativas do capital social por 10.000 todas ações, ordinárias, nominativas e sem valor nominal, ficando o capital social social, totalmente subscrito e integralizado de R$ 10.000,00 dividido em 10.000 ações, todas ordinárias nominativas e sem valor nominal e de titularidade de Luiz Paulo Rosenberg, Renato Kocubej Soriano, Eduardo Muszkat, Yuri Brancaglion Keiserman e Cristina Luiza Pereira, já qualificados; distribuídas da seguinte forma: (i) Luiz Paulo Rosenberg possui 4.550 ações ordinárias nominativas sem valor nominal, no valor total de R$ 4.550,00; e (ii) Renato Kocubej Soriano, possui 4.550 ações ordinárias nominativas sem valor nominal, no valor total de R$ 4.550,00; (iii) Eduardo Muszkat possui 500 ações ordinárias nominativas sem valor nominal, no valor total de R$ 500,00; (iv) Yuri Brancaglion Keiserman possui 300 ações ordinárias nominativas sem valor nominal, no valor total de R$ 300,00; e (v) Cristina Luiza Pereira possui 100 ações ordinárias nominativas sem valor nominal, no valor total de R$ 100,00. c) A alteração da denominação social da sociedade para Basiliopart Participações S.A.. d) A eleição dos seguintes Diretores: (i) Luiz Paulo Rosenberg RG n° 337.750-SSP/DF, CPF/MF n° 034.341.688-34 e no C.R.E sob n° 10.857, designado Diretor Presidente e (ii) Renato Kocubej Soriano, RG 9.879.067-SSP/SP, CPF/MF n° 116.210.168-70, designado Diretor Vice Presidente. e) A remunerção global anual para os Diretores no valor de R$ 12.000,00. f) O Estatuto Social que, devidamente rubrificado por todos os acionistas, passa a integrar a presente Alteração Contratual como Anexo I, será mantido na sede da sociedade e devidamente arquivado na Junta Comercial do Estado de São Paulo. Os Diretores ora nomeados declaram, sob as penas da lei, que não estão impedidos de exercer a administração da Sociedade, em virtude de lei especial ou condenação criminal que os inabilite, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos, ou por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussão, peculato ou crime contra a economia popular, o sistema financeiro nacional, as normas de defesa da concorrência, as relações de consumo, a fé publica, ou crime contra a propriedade. E por estarem assim de pleno e comum acordo, assinam o presente instrumento particular de alteração contratual em 3 vias de igual teor e forma, na presença de duas testumunhas. São Paulo, 09 de setembro de 2008. S&A Serviços Empresariais Ltda. p. Diva Maria Batista Martins Ramalho. Diva Maria Batista Martins Ramalho; Luis Paulo Rosenberg; Renato Kocubej Soriano; Eduardo Muszkat; Yuri Brancaglion Keiserman; Cristina Luiza Pereira. Diretores: Luis Paulo Rosenberg e Renato Kocubej Soriano. Jucesp nº 318.321/08-7 em 22/09/2008. Cristiane da Silva F. Corrêa-Secretária Geral.

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: Pregão Eletrônico de Registro de Preços nº 36/00346/13/05 OBJETO: AQUISIÇÃO DE REFRIGERADOR 02 E 04 PORTAS. A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para: Aquisição de Refrigerador 02 e 04 Portas. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital a partir de 10/04/2013, no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br ou na sede da FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 São Paulo/SP, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, ou verificar o edital na íntegra, através da Internet no endereço: http://www.fde.sp.gov.br. A sessão pública de processamento do Pregão Eletrônico será realizada no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br, no dia 23/04/2013, às 09:30 horas, e será conduzida pelo pregoeiro com o auxílio da equipe de apoio, designados nos autos do processo em epígrafe e indicados no sistema pela autoridade competente. Todas as propostas deverão obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital e seus anexos e serão encaminhadas, por meio eletrônico, após o registro dos interessados em participar do certame e o credenciamento de seus representantes previamente cadastrados. A data do início do prazo para envio da proposta eletrônica será de 10/04/2013, até o momento anterior ao início da sessão pública. BARJAS NEGRI Presidente

Insight Participações 3 S.A. CNPJ/MF n° 13.407.594/0001-00 – NIRE 35300391951 Ata da AGE realizada em 19 de Junho de 2012 Data, Hora e Local: Realizada no dia 19/06/2012, às 10hs, na sede social, em SP/SP, R. Pamplona n° 818, 9°, cj. 92, Bairro Jd. Paulista. Composição da Mesa: Presidente: Alexandre Lodi; Secretária: Ana Clara Machado Corrêa. Convocação e Presenças: Dispensada a convocação diante da presença de Fund VII FIP - Fundo de Investimento em Participações, único acionista da Cia., que esta ata subscreve, nos termos do §4° do art. 124 da Lei n° 6.404/76. Ordem do Dia: (i) destituir o Sr. Reginaldo Cazubek do cargo de Diretor da Cia.; (ii) aprovar outorga de procuração em nome da Cia.; e (iii) autorizar o Sr. Cícero Augusto Oliveira de Alencar, na qualidade de único diretor da Cia., a adotar todas medidas necessárias ao cumprimento das deliberações desta Assembleia Geral. Deliberações: Após a discussão da Ordem do Dia, o acionista aprovou, sem qualquer ressalva: (i) Destituir o Sr. Reginaldo Cazubek, CRC-PR n° PR-029779/O-2, CPF/MF n° 704.332.599-49 do cargo de Diretor da Cia., que será oportunamente preenchido conforme nomeação feita pelo acionista: (ii) Aprovar, nos termos da Cláusula 14 (e) do Estatuto Social da Cia., a nomeação da Sra. Fabiane Roberta de Lima, carteira de identidade n° 6.286.050-2, expedida pelo SSP/PR, CPF/MF 954.862.089-87, como procuradora da Cia., com poderes para assinar, em conjunto com um diretor, todo e qualquer ato relacionado à venda, pelo acionista, de sua participação direta na Cia. e indireta na Folhamatic Tecnologia em Sistemas S.A. (“Folhamatic”), incluindo, mas não se limitando à notificação, a ser enviada pela Cia. à Folhamatic, que terá por objeto a conversão da totalidade das 2.558.088 ações preferenciais de titularidade da Cia. em igual número de ações ordinárias; e (iii) autorizar o Sr. Cícero Augusto Oliveira de Alencar, na qualidade de único diretor da Cia., a individualmente outorgar a procuração, descrita no item (ii) acima, bem como a adotar todas medidas necessárias ao cumprimento das deliberações desta Assembleia Geral. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, encerrou-se a sessão, tendo-se antes redigido e feito lavrar a presente ata em forma de sumário, nos termos do artigo 130, § 1° da Lei n° 6.404/76, a qual, lida e achada conforme, foi devidamente assinada. SP, 19 de junho de 2012. Mesa: Alexandre Lodi - Presidente, Ana Clara Machado Corrêa - Secretária. Acionista Presente: Fund VII FIP - Fundo de Investimento em Participações. São Paulo, 19 de Junho de 2012. Ana Clara Machado Corrêa - Secretária. Jucesp nº 285.635/12-8 em 03/07/2012.Gisela Simiema Ceschin-Secretária Geral.

OAS Empreendimentos S.A. CNPJ/MF Nº 06.324.922/0001-30 - NIRE Nº 35.3.0036333-7 Ata de Assembleia Geral Extraordinária de Acionista 1.Data,hora e local:31/12/2012, às 11hs, na sede.2.Presença:Totalidade.3.Convocação:Dispensada.4.Mesa:Cesar de Araújo Mata Pires (Presidente) e José Adelmário Pinheiro Filho (Secretário). 5. Deliberações: instalada a Assembleia, foram tomadas as seguintes deliberações, aprovadas pela acionista detentora de 100% do capital social da Cia. sem quaisquer ressalvas: (i) Aumento do Capital SocialdaCia.-Aumentarocapital socialdaCia.emR$138.170.599,00,correspondente àemissão de138.170.599 novasaçõesordinárias, nominativas e sem valor nominal, de acordo com o boletim de subscrição e integralização que compõe o Anexo I da presente ata, mediante a capitalização dos créditos detidos pela acionista OAS S.A.contra a Cia., no valor de R$ 138.170.599,00, registrados na conta de Passivo denominada Adiantamentos para Futuro Aumento de Capital (AFAC). Em razão da presente alteração, o capital social da Cia. passa de R$ 278.399.126,00, dividido em 278.399.126 ações, para R$ 416.569.725,00 dividido em 416.569.725 ações ordinárias, nominativas e sem valor nominal, totalmente subscritas e integralizadas em moeda corrente nacional.Dessa forma, a acionista decidiu alterar o Art.4º do Estatuto Social, que passa a ter a seguinte nova redação: “Art. 4º-O capital subscrito é de R$ 416.569.725,00, dividido em 416.569.725 ações ordinárias, nominativas e sem valor nominal, totalmente integralizadas em moeda corrente nacional.” (ii) Reforma e Consolidação do Estatuto Social-Reformar e consolidar o estatuto social da Cia., na forma do Anexo II da presente ata, de forma a refletir as deliberações tomadasnositensacima.6.Encerramento:Nadamais.CesardeAraújoMataPires(Presidente);JoséAdelmárioPinheiroFilho(Secretário); Acionista: OAS S.A., p/ Cesar de Araújo Mata Pires e José Adelmário Pinheiro Filho. São Paulo (SP), 31/12/2012.Mesa: Cesar de Araújo MataPires-PresidentedaMesaeJoséAdelmárioPinheiroFilho-Secretário.Acionistapresente:OASS.A.-CesardeAraújoMataPires/José Adelmário Pinheiro Filho.Jucesp nº 111.244/13-4 em 12/03/2013.Gisela Simiema Ceschin-Secretária Geral.

Brasmotor S.A CNPJ /MF nº 61.084.984/0001-20 – NIRE nº 35300026667 Edital de Convocação - AGO (1ª Convocação) São convidados os Senhores Acionistas da Brasmotor S.A. a se reunirem em Assembléia Geral Ordinária, no dia 26 de abril de 2013, às 09:30 horas, na sua sede social, Av. das Nações Unidas, nº 12.995, 32º andar, sala 3, São Paulo, SP, a fim de deliberarem sobre os seguintes assuntos propostos na Reunião do Conselho de Administração de 04 de abril de 2013, que constituirão a Ordem do Dia, a saber: 1. Aprovar o Relatório Anual da Administração, as Demonstrações Financeiras e o Parecer dos Auditores Independentes de 31.12.2012; 2. Ratificar a deliberação do Conselho de Administração ocorrida em 30 de outubro de 2012, que aprovou a distribuição e pagamento de dividendos e juros sobre capital próprio; 3. Deliberar sobre a proposta de destinação do lucro líquido do exercício encerrado em 31/12/2012. Somente poderão participar da Assembleia Geral Ordinária os Acionistas cujas ações escriturais estiverem inscritas em seu nome nos registros da Instituição Financeira Depositária, Banco Bradesco S.A. até 5 dias antes da realização da mesma. Nos 5 dias que antecederem a Assembléia Geral ficarão suspensos os serviços de transferência de ações. Os acionistas da Companhia deverão comparecer à Assembleia munidos dos seguintes documentos: (a) documento de identidade; (b) se for o caso, instrumentos de mandato para representacao do acionista por procurador, outorgado nos termos do Artigo 126, §1°, da Lei n°6.404/1976. São Paulo, 08 de abril de 2013. Armando Ennes do Valle Junior - Vice-Presidente do Conselho de Administração. (06, 09 e 10/04/2013)

PREFEITURA MUNICIPAL DE BROTAS - SP COMUNICADO DE SUSPENSÃO DA DATA DE ENCERRAMENTO DO EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº. 001/2.013 A Prefeitura Municipal de Brotas comunica, a quempossainteressar,queemdecorrênciadeanálisedoEditalemquestão,elevandose ainda em consideração que o funcionário responsável pela assinatura do atestado de visita técnica encontra-se gozando de férias laborais, e ainda a necessidade de melhor adequar o EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº. 001/2.013, aberto para CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA EXECUÇÃO DE SERVIÇOS CONSISTENTE NA REFORMA DA ILUMINAÇÃO DAS PRAÇAS “BENEDITO CALIXTO” E “DONA FRANCISCA RIBEIRO DOS REIS”, BAIRRO CENTRO, NA CIDADE DE BROTASSP, COM FORNECIMENTO DE MÃO-DE-OBRA, MATERIAIS E EQUIPAMENTOS NECESSÁRIOS À EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS, CONFORME PROJETO, MEMORIAL DESCRITIVO, ORÇAMENTO DETALHADO E CRONOGRAMA FÍSICO FINANCEIRO, para fins de substituir e incluir exigências, o que obriga aAdministração refazer parte do texto, fica SUSPENSA a data de Encerramento do referido certame. Após a devida alteração “sine die” será reaberto o prazo inicialmente estabelecido, com publicação de nova data e horário para encerramento. Os atuais detentores do edital e seus anexos deverão obter cópia, na íntegra, do Edital e seus respectivos anexos reformulados, diretamente no Setor deAdministração de Materiais, sito à Rua Benjamin Constant, nº 300, Centro, Brotas-SP, ou através do site www.brotas.sp.gov.br Brotas-SP,09deAbrilde2.013-GUINTHERMÜLLER–AdministradordeMateriais.

SADA PARTICIPAÇÕES S/A - CNPJ nº 97.482.897/000179 (Companhia Fechada) NIRE: 3530043654-7 - Edital de Convocação - Assembleia Geral Ordinária - Convocamos os Srs. Acionistas desta Cia., a comparecerem na Assembleia Geral Ordinária - AGO, que se realizará no dia 22/04/2013, às 10 horas, na sede social à Av. Nicola Demarchi, n.º 1500, Bloco 10, Sala 5, Jardim Botujuru, São Bernardo do Campo, São Paulo, CEP: 09.820-655, a fim de g deliberarem sobre as seguintes ordens do dia: a) Leitura, disç do Relatório de Administração, ç do Balanço ç cussão e votação Patrimonial das Demonstrações Contábeis e das Notas Explicativas, relativas ao exercício encerrado em 31/12/2012; b) Destinação do Lucro Líquido do Exercício; c) Outros assuntos de interesse social. SBCAMPO/SP, 10 de abril de 2013. Vittorio Medioli - Diretor Presidente. (10, 11, 12)

DACUNHA S.A. - CNPJ Nº 59.172.676/0001-05 (Companhia Fechada) NIRE: 35300042140 - Edital de Convocação - Assembleia Geral Ordinária - Convocamos os Srs. Acionistas desta Cia., a comparecerem à Assembleia Geral Ordinária - AGO, que se realizará no dia 22/04/2013, às 17: 00 horas, na sede social na Rua Daniel Tolloti, nº 609, Bairro Demarchi - SBC/SP, Cep.: 09.820010, a fim de deliberarem sobre as seguintes ordens do dia: A) Leitura, discussão e votação ç do Relatório de Administração do Balanço Patrimonial das Demonstrações Contábeis e das Notas explicativas ao exercício encerrado em 31/12/2012; B) Destinação do Lucro Liquido do Exercício; C) Outros assuntos de interesse social. São Bernardo do Campo/SP, 10 de abril de 2013. Vittorio Medioli - Presidente. (10, 11, 12)

Ambriex S/A. Importação e Comércio CNPJ 33.022.294/0001-01 – Aviso aos Acionistas À disposição, na sede doctos. do Art. 133, Lei 6404/76, exercício/2012. SP. 8/4/13. A Diretoria (9, 10, 11/4/2013) SADA TRANSPORTES E ARMAZENAGENS S/A. - (Comppanhia Fechada) CNPJ nº 19.199.348/0001-88 - NIRE 35300334167 - Edital de Convocação - Assembleia Geral Ordinária - Convocamos os Srs. Acionistas desta Cia., a comparecerem à Assembleia Ordinária-AGO, que se realizará no dia 22/04/2013, às 08:00 horas, na sede social, na Av. Nicola Demarchi, 1.500, Bairro Demarchi, na Cidade de São Bernardo do Campo, no Estado de São Paulo, CEP: 09.820.655, a fim de deliberarem sobre as seguintes ordens do dia: A) Leitura, discussão e votaç do Relatório de Administração ç do Balanço ç Patrimonial ção das Demonstrações Contábeis e das Notas Explicativas ao exercício encerrado em 31/12/2012; B) Destinação do Lucro Líquido do Exercício; C) Outros assuntos de interesse da Companhia. SBCAMPO (SP), 10 de abril de 2013. Vittorio p Medioli - Presidente. (10, 11, 12)

FALÊNCIA, RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL E RECUPERAÇÃO JUDICIAL Conforme informação da Distribuição Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, foram ajuizados no dia 09 de abril de 2013, na Comarca da Capital, os seguintes pedidos de falência, recuperação extrajudicial e recuperação judicial: Requerente: Disbra Diesel Comércio de Derivados de Petróleo Ltda. Requerido: CTP Construções Ltda. Rua Balthazar da Veiga, 386 – Térreo - Vila Nova Conceição - 2ª Vara de falências. Recuperação Judicial Requerente: Aquarius SBC Editora Gráfica Ltda. Requerido: Aquarius SBC Editora Gráfica Ltda. Avenida Alexandre Colares, 420 – Parque Anhanguera - 1ª Vara de Falências.

CNPJ/MF: 14.191.394/0001-17 – NIRE: 35.300.412.192 Ata de AGE realizada em 05 de Março de 2013 Data, Hora e Local: 05/03/13, 16hs, na sede, em SP/SP, R.Casa do Ator, n° 1.117, 2°a., S/24, Parte G.Convocação e Presença: Dispensada a publicação de editais de convocação, por estarem presentes os acionistas representando a totalidade do capital social da Cia., conforme Livro de Registro de Presença de Acionistas e da presente Ata. Composição da Mesa: Sr. Antonio José Monteiro da Fonseca de Queiroz-Presidente e Sr. Leonardo Dei Masso de Queiroz-Secretário.Ordem do Dia: Discutir e deliberar as seguintes matérias: (i) Proposta de aumento do capital social da Cia. e fixação do preço de emissão das novas ações a serem emitidas pela Cia.; (ii) Ratificação da nomeação e contratação dos peritos que avaliaram os bens conferidos ao capital social da Cia., bem como a aprovação do valor constante do Laudo de Avaliação apresentado; (iii) Proposta de alteração das regras de representação da Cia., para fins de inclusão de limitações aos poderes dos membros da Diretoria da Cia.; e (iv) Aprovação da nova redação do Estatuto Social da Cia.. Deliberações: Foram deliberadas, à unanimidade de votos dos presentes, sem restrições ou oposições, as seguintes matérias: (i) Homologaram a proposta de aumento do capital social da Cia., dos atuais R$ 18.657 .486,00 para R$ 19.331.066,00, mediante a emissão de 673.580 novas Ações Ordinárias Nominativas, sem valor nominal, com preço total de emissão de R$ 673.580,00 (as “Novas Acões ON”), as quais foram totalmente subscritas conforme Boletim de Subscrição anexo à presente ata (Anexo II), bem como, por consequência, aprovaram a alteração do Art. 5° do Estatuto Social da Cia., o qual passa a vigorar com a redação que lhe é dada a seguir: “Art.5° o capital social da Cia. é de R$ 19.331.066,00. dividido em 19.331.066 ações ordinárias nominativas, sem valor nominal. § Único. A totalidade das ações emitidas pela Cia. e detidas pelos acionistas foram alienadas fiduciariamente em favor do Banco Credit Suisse S.A., ou a seus sucessores e/ou cessíonários, em garantia de todas as obrigações, principais e acessórias assumidas por THP - Triunfo Holding de Participações Ltda. (i) nos termos das Cédulas de Crédito Bancário n° CSBRA 20091000067 a CSBRA 20091000091, emitidas em 21/10/09, conforme aditadas em 21/04/10 (a “CCBs 1ª.Tranche”), (ii) nos tennos das Cédulas de Crédito Bancário n° CSBRA 20100400054 a CSBRA 20100400063, emitidas em 20/04/10 (a “CCBS 2ª. Tranche”), (iii) nos termos do Contrato de Opção de Compra de Ações - Liquidação Financeira n° CSBRA 20091000066, de 26/10/09, (iv) nos contratos de garantia celebrados para garantir todas as obrigações, principais e acessórias, assumidas pela Sociedade perante o Credit Suisse S.A., e nos termos do Instrumento Particular de Contrato de Alienação Fiduciária de Direitos de Participação e Outras Avenças n° CSBRA20091000092 e seu aditamento n° 13 (aditatamento n°. CSBRA20121000149), que consolida a redação do aludido contrato, bem como os futuros aditamentos a esse contrato, tudo conforme acima cosignado; (ii) Aprovaram que a integralização da totalidade das referidas Novas Ações ON emitidas pela Cia. fosse realizada, neste mesmo ato, mediante a conferência ao capital social da Cia. dos bens descritos e identificados no Boletim de Subscrição. os quais foram conferidos ao capital social da Cia. pelo valor constante do aludido Boletim de Subscrição, para fins de integralização das Novas Ações ON subscritas pelo subscritor, conforme Proposta da Diretoria (Anexo III) e Laudo de Avaliação (Anexo IV); (iii) Ratificaram a nomeação e contratação dos peritos que avaliaram os bens conferidos ao capital social da Cia., bem como aprovaram os valores constantes do Laudo de Avaliação apresentado (o qual foi anexado à presente Ata na forma de Anexo lV e ficará arquivado na sede da Cia.); (iv) Aprovaram a proposta de alteração das regras de administração da Cia., a fim de condicionar a prática, pelos Diretores da Cia., de atos que impliquem na alienação ou criação de quaisquer ônus ou gravames sobre os bens móveis e/ou imóveis da Cia. e, em consequência, aprovaram a nova redação do Art. 15 do Estatuto Social da Cia., o qual passa a vigorar com a redação que lhe é dada a seguir: “Art.15 Compete à Diretoria exercer as atribuições que a lei e o Estatuto Social lhe conferirem para a prática dos atos necessários ao funcionamento regular da Cia., observadas as disposições previstas no Estatuto Social.§ 1° Os atos que importarem responsabilidade comercial, bancária, fmanceira ou patrimonial para a Cia. e quaisquer outros atos que criarem responsabilidade para a Cia. ou dispensarem obrigações de terceiros para com a Cia., somente serão válidos: (a) através da assinatura, em conjunto, dos 02 Diretores sem designação específica (observado o disposto no § Terceiro deste Art. 15); ou (b) através da assinatura isolada de um procurador devidamente constituído pela Cia. (observado o disposto no § Terceiro deste Art. 15 e no Art. 16 do Estatuto Social. § 2° Para a prática dos atas previstos no § Primeiro do Art.15, caso seja verificado o falecimento, ausência permanente declarada judicialmente, incapacidade permanente declarada judicialmente, impedimento permanente declarado judicialmente de qualquer dos Diretores em exercício, a Cia. deverá ser obrigatoriamente representada, como condição de validade: (a) Através da assinatura isolada do Diretor remanescente; ou (b) Através da assinatura de um procurador devidamente constituído pela Cia., observado o disposto no Art. 16 deste Estatuto Social. § 3° Sem prejuízo das regras de representação previstas nos §s Primeiro e Segundo deste Art. 15, fica estabelecido que, para a prática dos atos expressamente previstos nas alíneas “(a)” e “(b)” deste § Terceiro, sempre será necessária a aprovação prévia e por escrito, por parte dos acionistas da Cia., em assembleia geral da Cia., observado o quórum previsto no § Único do Art. 10 do Estatuto Social: (a) alienação e/ou transferência, a qualquer título, de bens móveis e/ ou imóveis da Cia., em especial, quotas sociais, ações e/ou qualquer outro valor mobiliário que a Cia. detém e/ou venha deter em pessoas jurídicas controladas ou coligadas; e (b) criação de qualquer tipo de gravame sobre os bens móveis e/ou imóveis da Cia., detém em especial, quotas sociais, ações e/ou qualquer outro valor mobiliário que a Cia. detém e/ou venha deter em pessoas jurídicas controladas ou coligadas.” (v) Aprovaram a nova redação do Estatuto Social da Cia., na forma do instrumento anexo à presente Ata (Anexo I); e (vi) Autorizaram a Diretoria da Cia. a tomar todas as medidas necessárias à execução das deliberações aprovadas nesta assembleia, em especial para formalizar a emissão das Novas Ações ON e os respectivos termos e registras necessários nos Livros da Cia.. Declarações: O acionista Sr. Rodolfo Del Masso de Queiroz, RG n°. 34.342.000 SSP/ SP e CPF/MF n° 352.951.418-70, renunciou expressamente ao seu direito de preferência para a subscrição proporcional das Novas Ações ON emitidas pela Cia.. Encerramento: Terminada a leitura, nada mais havendo a tratar, foi oferecida a palavra a quem dela quisesse fazer uso, como ninguém se manifestou, a assembleia foi suspensa pelo tempo necessário à lavratura da Ata em livro próprio, nos termos do Art. 130, da LSA, que após lida e aprovada, foi assinada por todos os presentes. Acionistas Presentes: (i) Antonio José Monteiro da Fonseca de Queiroz, RG n° 9.254.344 SSP/SP e CPFIMF n° 798.451.938-20; e (ii) Rodolfo DeI Massa de Queiroz, RG n°. 34.342.000 SSP/SP e CPF/MF n° 352.951.418-70. SP, 05/03/13. Rodolfo Del Masso de Queiroz (Presidente) e Leonardo DeI Massa de Queiroz (Secretário), neste ato autenticada pelo Presidente e Secretário da Mesa. Antonio José Monteiro da Fonseca de Queiroz - Presidente; Leonardo Del Masso de Queiroz - Secretário. Jucesp nº 125.804/13-1 em 28/03/2013. Gisela Simiema Ceschin-Secretária Geral.

SÃO PAULO TRANSPORTE S/A CNPJ nº 60.498.417/0001-58

LEILÃO Nº 001/2013 AVISO A Comissão Especial de Licitações – Modalidade Leilão da SPTrans comunica que se encontra aberta a licitação, na modalidade leilão, do tipo maior lance, para a venda de materiais, sucatas, equipamentos e veículos pertencentes ao acervo patrimonial da SPTrans sob nº 001/2013, vinculado ao Processo Administrativo de Leilões - PALE nº 2013/001, regido pela Lei Federal nº 8.666, de 21 de junho de 1993, e alterações; Lei Municipal nº 13.278/02; Decreto Federal nº 21.981/32 com as alterações introduzidas pelo Decreto Federal nº 22.427/33, normas complementares e demais disposições deste Edital. OBJETO: venda de 189 (cento e oitenta e nove) lotes de materiais, sucatas, equipamentos e veículos pertencentes à SPTrans. Leiloeira Oficial: Silvana Regina Pinheiro Biasi, Leiloeira Oficial, credenciada pela São Paulo Transporte S.A. – SPTrans, CRC nº 14400608867 e sorteada em sessão pública de 08/12/2011, inscrita no CPF sob o nº 144.006.088-67 e na JUCESP sob o nº 502, auxiliada pelo Sr. Eduardo Consentino, devidamente estabelecidos na Avenida Fagundes Filho, 145 conjunto 22, Ed. Austin – Bairro Monte Alegre, São Paulo/SP, CEP 04304-010 - PABX (11) 4083-2575 - www.leilaoonline.net - www.biasileiloes.com.br. Data: 26/04/13, às 10h. Local: Av. Fagundes Filho, 145 Cj. 22 Ed. Austin - Vl. Monte Alegre São Paulo SP CEP 04304-010 - PABX (11) 4083-2575. Visitação: 22 a 25/04/13, horário comercial, nos endereços indicados no edital, com agendamento prévio pelos telefones (11) 2692-9431 ou (11) 2796-3299 - ramais 561 e 562, com os Srs. Sérgio ou Eduardo. São Paulo, 09 de abril de 2013. Jomar Santos de Lisboa Presidente da Comissão Especial de Licitações Modalidade Leilão. Basiliopart Participações S.A. CNPJ/MF: 09.400.783/0001-75 - NIRE: 35.300.361.687 Ata da Assembleia Geral Extraordinária, realizada em 2/12/2011 Data, hora e local: 2/12/2011, 10hs, na sede social da Cia., localizada em SP/SP, Av.Brig.Faria Lima, 1.309, 1°, s/F, Jardim Paulistano, CEP 01452-002. Presença e convocação: convocação dispensada nos termos do art. 124, §4°, da Lei n° 6404/76, em virtude dos acionistas representando a totalidade do capital social da Cia.. Mesa: Presidente: Maurício Ferreira Frizzarin, Secretário: Emerson CandidoVessoni de Oliveira.Ordem do dia: (i) aceitação das cartas de renúncia do Sr.Luis Paulo Rosenberg, do cargo de Diretor Presidente, e do Sr.Renato Kocubej Soriano, do cargo de DiretorVice-Presidente;e (ii) eleição dos Srs.Maurício Ferreira Frizzarin e Emerson CandidoVessoni de Oliveria para os cargos de Diretor Presidente e DiretorVice-Presidente, respectivamente.Deliberações: por unanimidade de votos, foram tomadas as seguintes deliberações:(i) aceitar as renúncias de Luis Paulo Rosenberg, RG nº 337.750 SSP/DF e CPF/MF nº 034.341.688-34, ao cargo de Diretor Presidente; e de Renato Kocubej Soriano, RG nº 9.879.067 SSP-SP e CPF/MF nº 116.210.168-70, ao cargo de Diretor Vice-Presidente, apresentadas nos termos das cartas de renúncia anexas. (ii) eleger, em razão das renúncias deliberadas acima, com mandato até a AGO que aprovar as demonstrações financeiras da Cia.referentes ao exercício de 2014, (i) o Sr. Maurício Ferreira Frizzarin, RG n° 20.891.506-0-SSP/SP e CPF/MF n° 109.951.928-47, para o cargo de Diretor Presidente, e o Sr. Emerson Candido Vessoni de Oliveira, RG n° 21205088-SSP/SP e CPF/MF n° 115.194.238-37, para o cargo de Diretor Vice-Presidente; os quais, presentes a esta AGE, declararam, sob as penas da lei, que não estão impedidos, por lei especial, de exercer a administração da Cia. e nem condenados ou sob efeitos de condenação, a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos; ou por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussão, peculato; ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra as normas de defesa da concorrência, contra as relações de consumo, a fé pública ou a propriedade, sendo desde logo investidos nos cargos para os quais foram eleitos mediante a assinatura dos respectivos termos de posse. Encerramento e lavratura da ata: foram encerrados os trabalhos, antes lavrando-se esta ata, na forma sumária permitida pelo art.130 da Lei 6.404/76, a qual vai assinada pelos presentes.Mesa: Maurício Ferreira Frizzarin-Presidente, Emerson Candido Vessoni de Oliveira-Secretário. Jucesp nº 508.293/11-0 em 27/12/2011.Kátia Regina Bueno de Godoy-Secretária Geral.

Springer S.A.

ECONOMIA/LEGAIS - 19 INSIGHT PARTICIPAÇÕES 3 S.A. CNPJ/MF nº 13.407.594/0001-00 - NIRE 35300391951 Ata da Assembléia Geral Extraordinária realizada em 25 de junho de 2012 Data, Hora e Local: 25/6/2012, às 10hs, na sede social, em SP/SP, R.Pamplona, 818, 9º, cj. 92, Bairro Jardim Paulista. Composição da Mesa: Presidente: Bruno Boaventura Soares; Secretário: José Tavares de Lucena. Convocação e Presenças: Dispensada a convocação diante da presença da totalidade dos acionistas da Cia., que esta ata subscrevem, nos termos do §4º do art.124 da Lei nº 6.404/76. Ordem do Dia: (i) deliberação sobre a conversão da totalidade das 2.558.088 ações preferenciais de titularidade da Cia., representativas de 57,80% do total de ações de emissão da Folhamatic Tecnologia em Sistemas S.A., sociedade anônima, com sede na Cidade de Americana/SP, Rodovia Luiz de Queiroz (SP304), Km 127,5, Bairro Nova Americana, CEP 13466-170, CNPJ/MF nº 64.555.626/0001-47 (“Folhamatic”), em igual número de ações ordinárias, conforme previsto pelo inciso V, § 3º da cláusula 5ª do Estatuto Social e cláusula 3.5 do Acordo de Acionistas da Folhamatic;(ii) apreciação da carta de renúncia do Sr.Cícero Augusto Oliveira de Alencar ao seu cargo de Diretor da Cia.; (iii) eleição dos Srs. Maurício Ferreira Frizzarin e José Tavares de Lucena para os cargos de membros da Diretoria; (iv) indicação do Sr. Jorge Carlos Pena Santos Carneiro para ocupar o cargo de membro da Diretoria da Cia.; (v) novo endereço da sede da Cia.e alteração do Art.2° do Estatuto Social, para incluir o endereço da sede da Cia.;(vi) alteração do Art. 14 do Estatuto Social da Cia.; e (vi) consolidação do Estatuto Social da Cia.. Deliberações: Após a discussão da Ordem do Dia, os acionistas aprovaram, por unanimidade de votos, sem qualquer ressalva: (i) exercer o direito de conversão da totalidade das 2.558.088 ações preferenciais de titularidade da Cia., representativas de 57,80% do total de ações de emissão da Folhamatic, em igual número de ações ordinárias, conforme previsto pelo inciso V, § 3º da cláusula 5ª do Estatuto Social e cláusula 3.5 do Acordo de Acionistas da Folhamatic, autorizando a Diretoria a notificar a Folhamatic bem como a realizar todos os demais atos que se façam necessários à plena efetivação da conversão ora aprovada; (ii) aceitar a renúncia de Cícero Augusto Oliveira de Alencar, brasileiro, viúvo, contador, portador da Cédula de Identidade CRC-RJ n° 026.938-8, inscrito no CPF/MF sob o nº 268.425.057-04, ao seu cargo de Diretor, apresentada nos termos da cartas de renúncia anexa, assinada e recebida na presente data; (iii) em razão da renúncia do atual administrador e da destituição do Sr. Reginaldo Cazubek, confonme Ata da AGE da Cia., realizada em 19/6/2012, eleger, com mandato até a AGO que aprovar as demonstrações financeiras da Cia. referentes ao exercício de 2012, (i) o Sr. Maurício Ferreira Frizzarin, brasileiro, casado, administrador de empresas, RG n° 20.891.506-0-SSP/SP, CPF/MF nº 109.951.928-47, residente e domiciliado na Cidade de Americana/SP, com escritório na R.Fernando Camargo, 500, s/54, Centro, CEP 13465-020 e o Sr. José Tavares de Lucena, brasileiro, casado sob o regime de comunhão parcial de bens, contador, RG n° 10.171.767 SSP/SP e CPF/MF n° 918.938.528-49, residente e domiciliado na Cidade de São Caetano do Sul/SP, R.Rafael Correa Sampaio, 1438, Bairro Santo Antonio, para os cargos de Diretor, os quais, presentes a esta AGE, declararam, sob as penas da lei, que não estão impedidos, por lei especial, de exercer a administração da Cia. e nem condenados ou sob efeitos de condenação, a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos; ou por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussão, peculato; ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra as normas de defesa da concorrência, contra as relações de consumo, a fé pública ou a propriedade, sendo desde logo investidos nos cargos para os quais foram eleitos mediante a assinatura dos respectivos termos de posse.(iv) indicar o Sr.Jorge Carlos Pena Santos Carneiro, português, casado, economista, portador do passaporte n° L615986, residente e domiciliado na Cidade de Matosinhos, Portugal, R.Roberto lvens, 1336 hab. 3.1, para o cargo de Diretor da Cia. em substituição ao Sr. Maurício Ferreira Frizzarin, sendo a tomada de posse e o exercício do referido cargo condicionados à obtenção dos respectivos visto permanente e autorização de trabalho, quando outorgados pelo Ministério de Trabalho e Emprego, através da Coordenação Geral de Imigração, com o pleito a ser encaminhado pela Cia.após o registro deste ato na Jucesp, e posterior eleição a ser deliberada em Assembleia Geral.(v) aprovar alteração ao endereço da sede da Cia., passando a ser na R.Antônio Nagib lbrahim, 350, Bairro Água Branca/SP, CEP 05036-060.Para incluir o novo endereço da sede no Estatuto Social, os acionistas aprovam a nova redação do Art. 2° do Estatuto Social, que passará a vigorar com a seguinte redação: “Art. 2°. A Cia. tem sua sede na R. Antônio Nagib lbrahim, 350, Bairro Água Branca/SP, CEP 05036-060, e poderá instalar, alterar e encerrar filiais, depósitos e agências em outras praças do País e do exterior, mediante deliberação da Diretoria.” (vi) aprovar a alteração do Art. 14 do Estatuto Social da Cia., que passa a vigorar com a seguinte redação: “Art. 14. Os atos a seguir enumerados só podertlo ser praticados pelos Diretores mediante prévia aprovação da Assembleia Geral: (i) Celebrar quaisquer acordos, contratos ou termos de compromissos com valor superior a R$500.000.00; (ii) Alterar o endereço de quaisquer das filiais ou da matriz da Cia.;(iii) Contratar empregados, colaboradores ou prestadores de serviços com remuneração individual bruta anual superior a R$250.000,00; (iv) Contratar empregados, colaboradores ou prestadores de serviços de modo a exceder o limite agregado de remuneração bruta anual de R$1.000.000,00; (v) Rescindir contratos ou acordos que gerem indenização superior a R$500.000,00 por contrato; (vi) Vender, ceder ou transferir, a titulo gratuito ou oneroso, ativos da Cia. com valor superior a R$50.000,00 por operação; (vii) Vender, ceder ou transferir, em uma série de operações correlatas, a titulo gratuito ou oneroso, ativos da Cia.de modo a exceder o limite anual de R$500.000,00 em valor de ativos;(viii)Vender, ceder ou transferir, a titulo gratuito ou oneroso, ativos de propriedade intelectual da Cia.;(ix) Realizar pagamentos envolvendo montante superior a R$1.000.000,00, exceto aqueles realizados em favor de sociedades controladas, controladoras ou em controle comum com a Cia.ou com acionistas da Cia.; (x) Emitir cheques em nome da Cia.em montante superior a R$1.000.000,00 por operação ou acima de R$10.000.000,00 por ano; (xi) Realizar transferência bancária em montante superior a R$1.000.000,00 por operação ou acima de R$10.000.000,00 por ano; (xii) Dispor de recursos da Cia. a qualquer título em montante superior a R$1.000.000,00 por operação ou acima de R$10.000.000,00 por ano, exceto em operações entre de sociedades controladas, controladoras ou em controle comum com a Cia. ou com acionistas da Cia.; (xiii) Aceitar e emitir letra de câmbio, nota-promissória e títulos de crédito em geral, em montante superior a R$1.000.000,00 por operação ou acima de R$10.000.000,00 por ano; (xiv) Contratar empréstimo ou emitir títulos de dívida, prestação de garantias ou constituição de ônus sobre quaisquer ativos da Cia. e/ou de qualquer de suas subsidiárias, caso o valor da respectiva operação ou o valor total de uma série de operações correlatas seja superior a R$1.000.000,00; (xv) Celebrar qualquer contrato ou operação com partes relacionadas da Cia. e/ou de qualquer de suas subsidiárias; (xvi) Exercer o direito de voto da Cia. na qualidade de sócia ou acionista de qualquer de suas subsidiárias e em quaisquer outras sociedades, parcerias e joint ventures, incluindo para deliberar sobre a prática, por qualquer de suas subsidiária ou qualquer de tais outras sociedades, parcerias e joint ventures, de quaisquer dos atos indicados neste § como se relacionados a cada uma delas; (xvii) Nomear e destituir liquidantes e julgar suas contas; e (xviii) Iniciar qualquer procedimento de recuperação judicial ou extrajudicial, ou pedido de falência.” (vii) aprovar a alteração do Art.16 do Estatuto Social da Cia., que passa a vigorar com a seguinte redação:“Art.16.A Cia.será representada da seguinte forma: (i) por dois Diretores em conjunto; (ii) por qualquer Diretor ou procurador, para a prática de atos que envolvam exclusivamente a representação da Cia.em processos judiciais e/ou administrativos, inclusive para a outorga de procurações para fins de representação da Cia.em citados processos;(iii) por um Diretor, em conjunto com um procurador com poderes específicos, nos termos do § 1° abaixo; (iv) por dois procuradores com poderes específicos, nos termos do § 1° abaixo; e (v) por um Diretor ou um procurador com poderes específicos, nos termos do § 2° abaixo.§ 1°. As procurações serão sempre outorgadas em nome da Cia.por 02 Diretores em conjunto, e terão prazo de validade limitado ao máximo de um ano, exceto pelas procurações ad judicia, que podem ter prazo de duração superior a um ano ou mesmo indeterminado. § 2°. A Assembleia Geral poderá autorizar expressamente a prática de outros atos que vinculem a Cia. por apenas um dos membros da Diretoria ou um procurador, ou ainda, pela adoção de critérios de limitação de competência, restringir, em determinados casos, a representação da Cia. a apenas um Diretor ou um procurador. “ (viii) consolidar o Estatuto Social da Cia., que passa a vigorar com nova redação, na forma do Anexo I á presente ata.Encerramento: Nada mais havendo a tratar, encerrou-se a sessão, tendo-se antes redigido e feito lavrar a presente ata em forma de sumário, nos termos do Art. 130, § 1° da Lei n° 6.404/76, a qual, lida e achada conforme, foi devidamente assinada. São Paulo, 26/6/2012. Mesa: Bruno Boaventura Soares - Presidente e José Tavares Lucena - Secretário. Acionista: W.Y.L.S.P.E. Empreendimentos e Participações Ltda. p. José Tavares Lucena. Jucesp nº 291.777/12-0 em 06/07/2012. Gisela Simiema Ceschin-Secretária Geral.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PEREIRA BARRETO/SP Pregão nº 007/2013 - Processo nº 1799/2013 RESUMO DE EDITAL ARNALDO SHIGUEYUKI ENOMOTO, Prefeito de Pereira Barreto-SP, faz saber que se acha aberto até as 14h30min do dia 24 de abril de 2013, o Pregão nº 007/2013, do tipo menor preço por item, que tem por objeto a contratação de empresa do ramo pertinente para fornecimento de combustíveis automotivos para uso no abastecimento dos veículos e máquinas da frota municipal, para o incremento do objeto do Pregão nº 001/2011, conforme descrito no Anexo I do Edital. Maiores informações no Dep. de Licitações pelo fone/fax (18) 3704-8505, pelo e-mail: licitacao@pereirabarreto.sp.gov.br, ou ainda o Edital completo no website: www.pereirabarreto.sp.gov.br. Pereira Barreto-SP, 09 de abril de 2013. Arnaldo Shigueyuki Enomoto - Prefeito Associação dos Adquirentes do Empreendimento Hotel Internacional de Guarulhos – ASSAHIGUARULHOS - EDITAL DE CONVOCAÇÃO Ficam convocados os Senhores Associados da Associação dos Adquirentes do Empreendimento Hotel Internacional de Guarulhos – ASSAHIGUARULHOS para se reunirem em ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA, a se realizar no dia 20 de abril de 2013, no Bristol Hotel, sito na Rua Soldado José de Andrade 63, centro, Guarulhos, SP, às 9 (nove) horas, em primeira convocação com 50% + 1 da totalidade dos associados ou às 9:30 (nove horas e trinta minutos), em segunda convocação, com qualquer número de associados, a fim de deliberar sobre a seguinte ordem do dia: 1 – Procedimento utilizado pela SYM32 quanto ao ressarcimento de cada unidade; 2 – Entrega dos documentos para comprovação da compra da unidade por cada associado que ainda não encaminhou a documentação à assessoria jurídica da Associação; 3 – Entrega dos comprovantes de pagamento à FERNANDEZ MERA por parte daqueles que ainda não encaminharam; 4 – Novas medidas a serem adotadas no caso do advogado da SYM32 não proceder ao ressarcimento das unidades no prazo indicado; 5 – Inclusão de novos associados na ASSAHIGUARULHOS; 6 – Assuntos de interesse geral. O associado poderá ser representado por procurador, munido de procuração específica, com firma reconhecida, e entregá-la diretamente ao Presidente da Associação. Atenciosamente, EDSON PENAS BATISTA - PRESIDENTE

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO

CNPJ nº 92.929.520/0001-00 - NIRE nº 35.300.121.953 - SOCIEDADE DE CAPITAL ABERTO ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA - EDITAL DE CONVOCAÇÃO São convidados os Senhores Acionistas da Springer S.A. para se reunirem em Assembléia Geral Ordinária, que se realizará no dia 29 de abril de 2013 às 11:00 horas, em sua sede social, na Rua Howard Archibald Acheson Junior, 55 - bloco A - 1º andar, na cidade de Cotia, estado de São Paulo, a fim de deliberarem sobre a seguinte ”Ordem do Dia”. I - Assembléia Geral Ordinária: a) Exame, discussão e votação das contas do exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2012, compreendendo o Relatório da Administração, Balanço Patrimonial, Demonstrações Financeiras e Parecer dos Auditores Independentes; b) Deliberar sobre a destinação dos resultados do exercício; c) Eleição dos membros do Conselho de Administração. Na forma do artigo 1º. da Instrução CVM nº 282, de 26/06/1998, o percentual mínimo do capital votante para solicitação de voto múltiplo é de 6%; d) Fixação da remuneração dos administradores da sociedade. (*) Nos termos do artigo 5º da Instrução CVM nº 481 de 17/12/2009, para serem admitidos nas Assembléias, os Acionistas titulares de ações escriturais ou em custódia deverão estar inscritos nos registros competentes, até 3 (três) dias antes da data marcada para a realização das assembléias gerais. Os acionistas poderão ser representados nas assembléias gerais por procurador constituído há menos de um ano, que seja acionista, administrador da sociedade, advogado ou instituição financeira. Cotia(SP), 08 de abril de 2013. ROGERIO PINTO COELHO AMATO - Presidente do Conselho de Administração (10,11,12)

AVISO DE LICITAÇÃO Pregão nº 014/2013 - Processo nº 206/2013 Acha-se aberto, no Ministério Público do Estado de São Paulo, o Pregão Presencial nº 014/2013 - Processo nº 206/2013, que tem por objeto a aquisição de filtro de linha e pen drive. O Edital da presente licitação encontrase à disposição dos interessados, gratuitamente, na Comissão Julgadora de Licitações, situada na Rua Riachuelo nº 115, 5º andar, sala 506, de 2ª a 6ª feira, das 09:30 às 18:30 horas, ou através da Internet nos Sites www.mp.sp.gov.br e www.e-negociospublicos.com.br. Os envelopes serão recebidos na sessão pública de processamento do Pregão, na Rua Riachuelo, nº 115, na sala 903, no dia 23/04/2013, e sua abertura dar-seá às 11:00 horas no mesmo dia e local. Comissão Julgadora de Licitações, em 05 de abril de 2013.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CASTILHO/SP

FDE AVISA: Ref.: CONVITE PARA AUDIÊNCIA PÚBLICA Convidamos todos os interessados para participar da audiência pública referente à Aquisição de firewall, switch, licença de antivírus de estação, sistema de gerenciamento centralizado e serviços de instalação, configuração, manutenção e suporte técnico, objetivando a modernização da rede nas Unidades Escolares e Diretorias de Ensino da Rede Pública Estadual de Educação de São Paulo e demais órgãos vinculados, com garantia de 24 (vinte e quatro) meses, conforme especificações técnicas e projeto básico, no dia 25/04/2013, às 10:00h, no Auditório da Fundação para o Desenvolvimento da Educação, situada à Avenida São Luís, 99 – 18º andar – Centro – São Paulo. As Especificações Técnicas, o Projeto Básico objeto desta audiência juntamente com o regimento encontram-se disponíveis no site da Fundação Para o Desenvolvimento da Educação: www.fde.sp.gov.br , como também na própria sede da Fundação Para o Desenvolvimento da Educação, no guichê da licitação.

PROCESSO LICITATÓRIO Nº 05/13 - PREGÃO Nº 02/13 Decisão do Prefeito no Processo Licitatório 05/13 - Pregão 02/13. Objetivo: Contratação de agência de publicidade ou empresa jornalística para a divulgação dos atos administrativos externos, instrumentos legais, editais, contratos e demonstrativos financeiros, com o objetivo de atender as necessidades da Administração. Considerando as razões fáticas e de direito discorridas pelo Sr. Pregoeiro, na ata dos trabalhos da sessão de julgamento de 04 de abril de 2013, decido, a teor do disposto no art. 109, § 4º, da Lei 8.666/93, NÃO CONHECER do recurso interposto pela empresa Editora Gráfica Dorival Donizete Barbosa Ltda. – EPP, por descumprimento do art. 4º, inc. XVIII, da Lei Federal 10.520/02. Castilho-SP, 08 de abril de 2013. Joni Marcos Buzachero - Prefeito. A Debitar (10.04.13)

PREFEITURA MUNICIPAL DE CASTILHO/SP PROCESSO LICITATÓRIO Nº 15/13 - TOMADA DE PREÇOS Nº 03/13 Acha-se aberto na Prefeitura do Município de Castilho, Estado de São Paulo, o Processo Licitatório 15/13, Tomada de Preços 03/13, objetivando a contratação de empresa especializada para construção de um campo de futebol society e vestiário. Tipo: menor preço. Valor orçado: R$ 221.940,52. Encerramento: dia 26 de abril de 2013, às 09 horas. O edital completo será fornecido aos interessados, na Praça da Matriz, 247, na cidade de Castilho, Estado de São Paulo, mediante o recolhimento da taxa de expediente no valor de R$ 80,00 (oitenta reais). Maiores informações poderão ser obtidas pelo telefone (18) 3741-9034. Joni Marcos Buzachero - Prefeito. A Debitar (10.04.13) PREFEITURA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA HIDROMINERAL DE ÁGUAS DE SÃO PEDRO TOMADA DE PREÇOS Nº 11/2013 A Prefeitura do Município da Estância Hidromineral de Águas de São Pedro, com sede à Praça Prefeito Geraldo Azevedo, 115, Centro, Águas de São Pedro/SP, torna público, para conhecimento de interessados, que se acha aberta a Tomada de Preços 11/2013, que objetiva a aquisição de não perecíveis, por fornecimento parcelado e a pedido. O edital poderá ser retirado diretamente no endereço supracitado, das 12:00 às 17:00 horas, de segunda a sexta-feira. Será exigido cadastramento prévio. Os envelopes com a documentação e a proposta deverão ser protocolados até às 12:30 horas do dia 30/04/2012 sendo que a abertura dos mesmos será neste mesmo dia às 13:00 horas. Águas de São Pedro/SP, 09/04/2013. Paulo César Borges - Prefeito Municipal.

Soccer Champions Assessoria e Consultoria Esportiva S/A CNPJ nº 13.985.998/0001-72 – Edital de Convocação – Assembleia Geral Ordinária A Soccer Champions Assessoria e Consultoria Esportiva S/A, estabelecida na Travessa Orsi, 21, cj. 3, sl. 02, Guarulhos/ SP, convoca os Acionistas da Cia., para a AGO, a ser realizada na Rua Dr. Ramos de Azevedo, 159, 16º and., sl. 1611, Guarulhos/SP, no dia 26/04/2013, com 1ª chamada às 12:00h e a 2ª chamada às 13:00h, quando terá início a AGO, onde serão discutidos os seguintes itens: • Examinar, discutir e votar as demonstrações financeiras relativas ao exercício findo em 31/12/2012; • Outros assuntos do interesse de todos. Guarulhos, 8/04/2013. Edmilson de Assis – Diretor Presidente. (09, 10 e 11/04/2013)

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CASTILHO/SP PROCESSO LICITATÓRIO Nº 14/13 - PREGÃO Nº 08/13 Acha-se aberto, na Prefeitura do Município de Castilho, o Processo Licitatório 14/13, na modalidade de Pregão 08/13, na forma presencial, para a contratação de empresa seguradora ou empresa corretora de seguro coletivo de acidentes pessoais. Data: 24 de abril de 2013, às 09 horas. O edital, na íntegra, encontra-se à disposição dos interessados na Praça da Matriz, 247, Castilho. Informações complementares serão fornecidas pelo telefone (18) 3741-9000, ramal 9034 e pelo e-mail: licitacoescastilho@starsnet.com.br A Debitar (10.04.13) ABEM – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESCLEROSE MÚLTIPLA EDITAL DE CONVOCAÇÃO - ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA O Presidente do Conselho Administrativo da ABEM – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESCLEROSE MÚLTIPLA, nos termos do Estatuto Social, CONVOCA, todos os associados, para participarem da Assembleia Geral Ordinária, a ser realizada no dia 25 de abril de 2013, em primeira chamada, às 15h, e, em segunda chamada, às 15h30, na sede da Associação, Av. Indianópolis, nº 2.752, Bairro de Planalto Paulista, Distrito da Saúde, Município de São Paulo, CEP 04062-003, a fim de deliberar sobre a seguinte ORDEM DO DIA: 1) Aprovação da Prestação de Contas de 2012; do Relatório de Atividades de 2012 e do Plano de Trabalho de 2013; 2) Aprovação do Estatuto Social, adequado; 3) ELEIÇÃO dos membros dos Conselhos Administrativo, Fiscal e Médico, para exercerem o mandato referente ao período de 01/ 05/2013 a 30/4/2016. São Paulo, 10 de abril de 2013. Luiz Alexandre Mucerino - Presidente.

ASSOCIAÇÃO SAÚDE DA FAMÍLIA – ASF A ASSOCIAÇÃO SAÚDE DA FAMÍLIA – ASF torna público que se acha aberto procedimento licitatório de SELEÇÃO DE FORNECEDORES, modalidade: Coleta de Preço nº 005/2013, Processo ASF nº 003/2013, objetivando a CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA EXECUÇÃO DE REFORMA E ADEQUAÇÃO NO IMÓVEL QUE ABRIGA O SERVIÇO DE RESIDÊNCIA TERAPÊUTICA – VILA PRUDENTE II, LOCALIZADO À RUA JAMANDUÁ, 50 – VILA PRUDENTE, INCLUINDO O FORNECIMENTO DE INSUMOS MATERIAIS, MÃO DE OBRA E EQUIPAMENTOS – CRITÉRIO MENOR PREÇO – EMPREITADA POR PREÇO GLOBAL. O edital na íntegra poderá ser consultado no sítio ASF: www.saudedafamilia.org e ou retirado na sede da Associação, sita à Praça Mal. Cordeiro de Farias, 65 (11) 3154-7050. Informações no endereço eletrônico: nmarussi@saudedafamilia.org Data da Sessão Pública: 22/04/2013, às 09h30 - Local da Sessão: Associação Saúde da Família, Praça Mal. Cordeiro de Farias, 65 – Higienópolis – São Paulo.

Soccer Champions Assessoria e Consultoria Esportiva S/A CNPJ nº 13.985.998/0001-72 – Edital de Convocação – Assembleia Geral Extraordinária A Soccer Champions Assessoria e Consultoria Esportiva S/A, estabelecida na Travessa Orsi, 21, cj. 3, sl. 02, Guarulhos/SP, convoca os Acionistas da Cia., para a AGE, a ser realizada na Rua Dr. Ramos de Azevedo, 159, 16º and., sl. 1611, Guarulhos/SP, no dia 24/04/2013, com 1ª chamada às 12:00h e a 2ª chamada às 13:00h, quando terá início a AGE, onde serão discutidos os seguintes itens: • Alteração de Endereço; • Proposta de aumento de Capital; • Abertura de Filial; • Proposta de alteração Estatutária; • Outros assuntos do interesse de todos. Guarulhos, 8/04/2013. Edmilson de Assis – Diretor Presidente. (09, 10 e 11/04/2013)

Terroir de Bragança Cia. de Café CNPJ/MF nº 01.997.526/0001-50 Balanço Patrimonial encerrado em 31/12/2012 – Retificação Na publicação do Balanço Patrimonial, inserido neste jornal na edição de 04/04/2013, na Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido, no Total do Saldos em 31/12/2011, onde se lê: 82.000.000,00. Leia-se: 22.060.000. No total do Saldos em 31/12/2012, onde se lê: 102.000.000,00. Leia-se: 42.060.000,00.

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: COMUNICADO Comunicamos que a sessão de processamento do Pregão Eletrônico nº 36/00115/13/05 - Objeto: Aquisição de Kits de Equipamentos para Laboratório de Física, que aconteceria às 09:30 do dia 10/04/2013, foi suspensa a pedido da área solicitante para alteração na Especificação Técnica constante do Edital.

AMICO SAÚDE LTDA. torna público que recebeu da CETESB a Renovação da Licença de Operação N° 45005556 , válida até 08/04/2017, para HOSPITAL. à R. AZEVEDO MACEDO, 92, VILA MARIANA, SÃO PAULO


DIÁRIO DO COMÉRCIO

20

e Vontade de paulistano consumir aumenta

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Títulos protestados de pessoas jurídicas corresponderam a 63% do total de protestos no País em março.

conomia

Paulo Pampolin/Hype

Estudo do Provar indica que o consumidor pretende comprar mais bens duráveis no segunda semestre. Dia das Mães e Dia dos Namorados serão as responsáveis pelo desempenho positivo. E-commerce, porém, tem leve recuo das intenções. A categoria Eletroeletrônicos foi uma das três que teve alta na intenção de compra em relação ao segundo trimestre do ano passado.

Paula Cunha

O

consumidor paulistano demonstra u m p e q u e n o a umento na disposição para consumir e pretende comprar um pouco mais no segundo trimestre deste ano em comparação com o período imediatamente anterior. É o que mostra a pesquisa realizada pelo Programa de Administração do Varejo (Provar), da Fundação Instituto de Administração (FIA). O estudo, elaborado em parceria com a Felisoni Consultores Associados,

aponta que 59,2% dos paulistanos têm intenção de adquirir um bem durável entre abril e junho, o que indica crescimento de 2,4 pontos percentuais ante aos três primeiros meses, quando a intenção ficou em 56,8%. No segundo trimestre de 2012, o índice atingiu os 58%. Apesar de o resultado positivo no índice do varejo, apenas três categorias registraram aumento na intenção de compra, o que indica que as recentes altas da inflação fizeram com que os consumidores assumissem uma postura de cautela. As informações do es-

tudo mostram, na opinião dos economistas da entidade, que o modelo de estímulo da economia através do consumo está começando a dar sinais de que está se esgotando, já que uma grande parte da população teve seu poder aquisitivo corroído pelas recentes altas de preços, especialmente de alimentos e outros produtos básicos. Para Claudio Felisoni de Angelo, presidente do Conselho do Provar/FIA, as datas comemorativas do segundo trimestre (Dia das Mães e Dia dos Namorados) serão as responsáveis pelo desempenho positi-

Radiografia do consumo Intenção de compra do consumidor na Capital paulista (em %) 90 88,6 80 70

80,7

87,0 87,5

77,2

76,2

90,0

Internet

88,3

86,7

71,8

76,5

72,4 58,0

60 50

1º tri

2º tri 3º tri 2010

4º tri

1º tri

2º tri 3º tri 2011

83,9

4º tri

1º tri

59,2 53,8

2º tri 3º tri 2012

Fonte: Programa de Administração de Varejo (Provar) da Fundação Instituto de Administração (FIA) e e-bit.

4º tri

1º tri 2º tri 2013

vo no período. Na sua avaliação, fatores como a já citada alta da inflação, os níveis de inadimplência dos consumidores em alta, com expectativa de situar-se em 7,87% em junho, e a consequente redução do poder aquisitivo dos salários são elementos que permitem questionar o modelo de expansão da economia pelo estímulo ao consumo e que já é momento de intensificar as medidas que valorizem a produção e o aumento da competitividade do setor produtivo brasileiro como um todo. Para ele, é preciso flexibilizar a taxa de juros para combater a inflação e criar condições mais favoráveis ao crescimento da economia como um todo. "O Dia das Mães tem um peso muito forte nas vendas, afinal é a segunda data mais importante do varejo nacional. Porém, em relação ao mesmo período do ano passado, o índice se mantém estável, o que indica que os consumidores estão muito cuidadosos em relação à decisão de compra, por conta da inflação, mesmo com estímulo ao crédito", ana-

Tecnologia e readequação da gestão podem elevar vendas Renato Carbonari Ibelli Com o volume de vendas menor, é preciso rever o número de funcionários e o horário de funcionamento.

A

perspectiva de desaceleração do consumo vai exigir do varejista capacidade adaptativa. Menos venda pode significar mais custo caso ajustes não sejam feitos no modelo de negócio. Para tanto, segundo Claudio Felisoni de Angelo, presidente do conselho do Programa de Administração do Varejo (Provar), da Fundação Instituto de Administração (FIA), investimentos em tecnologia e readequação da operação da loja serão necessários.

DC – O varejo vai demitir neste ano? Fe l is o n i – Não necessariamente, mas não tem como

eficiente do que era há 20 anos, é muito mais audaz, e acaba se adaptando às variações econômicas.

Divulgação

Diário do Comércio – Como o varejo pode se adaptar à desaceleração do consumo? Cláudio Felisoni – A desaceleração é mais acentuada entre os bens duráveis, o que explica os estímulos do governo oferecidos para estes produtos. Então, em um primeiro momento, o varejo tem de voltar suas estratégias para os bens de consumo corrente, que ainda vendem mais. O varejo também precisa adequar sua operação a nova realidade. Com o volume de vendas menor, os custos crescem. Por isso é preciso rever o número de funcionários e o horário de funcionamento, por exemplo.

CLAUDIO FELISONI, PROVAR

dourar a pílula. O varejo é intensivo em mão de obra, portanto, é natural que quando o crescimento das vendas é menor o aumento do pessoal empregado tende a ser menor também. O que não significa aumento de demissões, mas redução do ritmo de contratação. É provável que as contratações de temporários reduzam. DC – Qual a importância do emprego de tecnologia de gestão nestes períodos de acomodação da economia? Felisoni– O fator decisivo hoje para o varejo é conhecer o consumidor. E a tecnologia permite isso. Ferramentas de

inteligência comercial possibilitam, por meio de modelagem estatística, apontar o perfil de consumidores alvos para um negócio específico. Tendo o público-alvo identificado, fica mais fácil vender. DC – O varejo brasileiro se adapta facilmente a essas mudanças econômicas? Felisoni – O varejo do País é competitivo. Não estamos no nível do varejo norte-americano no que tange a implementação de tecnologias, mas aos poucos nossas redes vão adequando os pontos de venda às novas realidades e necessidades do consumidor moderno. Mas nosso varejo é muito mais

DC – A desaceleração do consumo é pontual? Seu ritmo voltará a acelerar quando? Felisoni – Difícil dizer. O que percebemos é que o reflexo dos estímulos do governo para aquecer a economia são bem menores do que o observado no ano passado. Isso porque os consumidores estão postergando as compras, principalmente por causa do crescimento da inadimplência. Assim podemos prever que a economia não será mais tão puxada pelo consumo. Por isso é importante o governo estimular os investimentos para que empregos sejam criados, gerando mais renda, o que continuará a movimentar a economia.

10 por cento do orçamento das famílias irá para o consumo entre abril e junho. Em igual período de 2012, o percentual era de 11,4%. lisou Felisoni. E acrescentou que o varejista precisará adotar estratégias especiais para conquistar os clientes. (leia mais abaixo) As três categorias apresentaram alta na intenção de compra ante o segundo trimestre de 2012: móveis (81,8%), eletroeletrônicos (25%) e eletroportáteis (8,3%). Todos os demais grupos analisados pelo estudo registraram quedas que oscilaram de 4,4% a 32,1%. O destaque mais expressivo ficou com a intenção de compra no

comércio eletrônico, que caiu 7,4 pontos percentuais sobre o primeiro trimestre para o total de 76,5%. Este foi o menor índice registrado desde 2007. Nuno Martins Dias, coordenador de Pesquisas do Provar, explicou que os consumidores estão mais seletivos, pesquisam os preços dos itens que desejam adquirir porque a disponibilidade de renda está menor em consequência da alta da inflação. O estudo indicou que 10% do orçamento das famílias será destinado ao consumo entre abril e junho. Em igual período de 2012, o percentual era de 11,4%. Na web – No caso do comércio eletrônico, Pedro Guasti, diretor geral do e-bit, parceira do Provar/Fia na realização da pesquisa, lembrou que o consumidor da internet é um público bem informado, com renda mensal superior a R$ 4 mil e, portanto, mais consciente dos rumos da economia nacional. Para ele, a queda na intenção de venda, de 83,9% no primeiro trimestre para 76,5% no segundo trimestre é consequência deste conhecimento da alta da inflação.

Títulos protestados caem 7,1% no trimestre Karina Lignelli

A

quantidade de títulos protestados registrou recuo de 7,1% no primeiro trimestre de 2013 ante igual período de 2012, aponta levantamento da Boa Vista Serviços, administradora do Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC). Na divisão por pessoa física, a baixa foi de 7%, e por empresas, de 7,5%. Essa tendência de queda, que já vem acontecendo nos últimos meses, se confirma ao se comparar o resultado ao primeiro trimestre de 2012 ante 2011, quando houve alta de 11% no total de protestos, explica o economista da Boa Vista Serviços, Flávio Calife. "A estabilidade nos níveis de emprego, que já vêm bem há algum tempo, a maior seletividade na oferta do crédito e o impacto dos juros mais baixos têm colaborado para a tendência de redução dos indicadores de inadimplência. Essa baixa era esperada, mas agora está se consolidando", ressalta. Por outro lado, na comparação mensal (março ante fevereiro), o número de protestos aumentou 16% na soma

entre pessoas física e jurídica. Para as primeiras, a alta foi de 27,2%, e para as demais, foi de 10,3% – expansão explicada pelo maior número de dias do terceiro mês do ano, segundo Calife. "Porém, quando se tiram esses efeitos, é possível ter uma visão mais ampla do movimento (de tendência de queda)", afirma. Quanto aos valores dos títulos protestados, o levantamento da Boa Vista Serviços mostra que a média foi de R$ 2.356, sendo que R$ 1.878 foi o valor correspondente à pessoas físicas, e R$ 2.635 às empresas. Regiões – No mês de março, títulos protestados de pessoas jurídicas corresponderam a 63% do total de protestos no País, sendo que o Sudeste representou a maior parte do volume (46,7%). A região, inclusive, registrou o maior decréscimo nos protestos comparada a março de 2012 (22,7%) – ante uma queda nacional de 19,3%. No acumulado do trimestre, porém, o Sudeste teve a maior diminuição, com recuo de 8,3% ante a média nacional (7%). Na sequência, vem o Sul (24,1%), Nordeste (15,2%), Centro-Oeste (9,2%) e Norte (4,8%).

DC 10/04/2013  

Diário do Comércio