Issuu on Google+

Guerra à corrupção Ed Ferreira/AE

Arquivo/ABr

Hoje, 8º Dia Internacional Contra a Corrupção, a ONU lança campanha mudial e disponibiliza o 'Track', sistema que permite rastrear os problemas em cada país e quais as medidas tomadas. Por aqui, estão programados protestos em 17 cidades. Pág. 7

PM delator preso. Queria devolver propina.

Ministro das Cidades se dá bem Diante de poucos senadores – e só um da oposição –, foi cômodo para Negromonte negar as acusações. Pág. 6

MuCo, em constante expansão. Confira a galeria de cartazes e outras novidades em www.muco.com.br

Ano 87 - Nº 23.516

Conclusão: 23h55

João Dias Ferreira fez as denúncias que levaram a demissões no Ministério do Esporte. Pág. 7

Pimentel desgastado Presidente avisa ministro: não quer nenhuma denúncia sem resposta. Pág. 5

Jornal do empreendedor

www.dcomercio.com.br

R$ 1,40

São Paulo, sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Press TV/AFP

Um drone nas mãos do Irã Teerã divulga imagens do mais avançado avião-espião dos EUA e faz festa com interceptação. Fim dos segredos tecnológicos? Pág. 9

VOO 447 Uma tragédia "normal" Ordem do computador de bordo do avião, que mudou padrão de voo, pode ter confundido pilotos. Pág. 10 Divulgação

Reprodução

Divulgação

Toyota Prius, ecologicamente eletrizante. Divulgação

Andamos na nova versão do híbrido cobiçado mundo afora. Ele chega em 2012. Pág. 20 ISSN 1679-2688

23516

9 771679 268008

Compras em Paris, com personal shopper. Boa Viagem, pág 22

HOJE Chuvoso durante o dia e a noite. Máxima 25º C. Mínima 19º C.

AMANHÃ Chuvoso durante o dia e a noite. Máxima 23º C. Mínima 17º C.

d

cultura

Cheio de ação, animação Gato de Botas chega aos cinemas na companhia de Shrek.

Charles Dickens escreveu Um Conto de Natal há 168 anos. Desde então, a história dá filhotes que incluem, entre outros, Tio Patinhas, Flintstones e a boneca Barbie. No mesmo espírito, a Cia. Cisne

Gabriela Spadoni/Divulgação

Negro de Dança apresenta O Quebra Nozes. Já o Sesi realiza seu 11º Panorama de Dança.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Nesse caso, não adianta culpar a desarranjada oposição e muito menos a imprensa. José Márcio Mendonça

pinião

Walter Alves/AE

EYMAR MASCARO

FOGO AMIGO AMEAÇA O PT

Q

MAIS PRESSÃO POR GASTOS

N

o início da década de 1980, cerca de 80% das receitas no orçamento da União eram "desvinculadas", isto é, de livre alocação pelo Executivo na sua proposta orçamentária ao Congresso. Com o passar dos anos, foram sendo criadas destinações específicas às receitas do Tesouro e da Previdência Social – as chamadas "vinculações", despesas obrigatórias que o governo não pode deixar de contemplar na proposta de lei orçamentária. Hoje, a situação inverteu-se e menos de 20% da receita tributária e de contribuições é de livre aplicação para atender a novas prioridades de gastos. Na quinta-feira o Senado derrubou uma nova tentativa de engessar ainda mais o orçamento público. Desta vez, o projeto de lei que regulamenta a Emenda 29 pretendia obrigar a União a destinar 10% da receita à saúde, o que vincularia mais R$ 35 bilhões da receita tributária. Embora as vinculações de receitas da União sejam herança da Constituição de 1988, há fatos novos a formar pressões nesse sentido e ampliar os gastos. A questão voltou à baila com a votação, no Congresso, da renovação da Desvinculação de Receitas da União (DRU), mecanismo que permite ao Executivo ter mais flexibilidade na alocação de recursos públicos. A DRU não aumenta as receitas disponíveis do governo federal e não pode afetar as transferências constitucionais para os estados e municípios. A desvinculação somente pode dar-se após calculadas as transferências às unidades subnacionais. Tampouco a DRU

ROBERTO FENDT afeta as contas primárias da União, já que seu impacto é inferior a R$ 10 bilhões em despesas orçadas em 2012 de R$ 2,1 trilhões.

A

renovação ou não da DRU não deve servir de pretexto para aumentar gastos. Pois é óbvio que se forem vinculados mais R$ 35 bilhões à saúde, outras rubricas orçamentárias ou serão sacrificadas ou o governo aumentará ainda mais seu endividamento para cobrir as novas despesas. Outra ameaça à execução do orçamento fiscal, paradoxalmente, vem das economias com o pagamento de juros sobre a dívida pública com a queda da taxa Selic. Já comentei faz tempo, aqui neste espaço, que a redução gradativa da taxa Selic promovida pelo Banco Central desde agosto iria criar problemas para a execução do orçamento fiscal.

Seria de esperar que uma redução do pagamento de juros sobre a dívida pública melhorasse as contas fiscais – com a queda da Selic a conta de juros ficou menor. O problema é que justamente essa economia está levando alguns a pretender aumentar os gastos, sob os mais variados pretextos, como o de melhorar a saúde e a educação.

A

irresponsabilidade de alguns ignora que as pressões por maiores gastos públicos já estão embutidas na proposta orçamentária original. O caso do aumento do salário mínimo em 14%, logo no início do próximo ano, é exemplar, embora esteja longe de ser o único. O País tem cerca de 28 milhões de aposentados e pensionistas. Dois terços desses beneficiários, mais ou menos ( 19 milhões de pessoas) , recebem o mínimo legal. Cada R$ 1 de aumento no

A opção pelo aumento do salário mínimo e a vinculação dos benefícios previdenciários ao seu valor implica necessariamente reduzir despesas e não elevar gastos.

mínimo gera aumento mensal de R$ 19 milhões nos encargos da Previdência. Com o aumento de R$ 75 reais no salário mínimo, os gastos previdenciários devem aumentar cerca de R$ 18 bilhões, computado o 13º salários dos aposentados e pensionistas.

N

ão estou entrando no mérito do valor do reajuste. Essa matéria constitui águas passadas, já que é hoje disposição legal e o aumento será concedido. O que se tem de deixar claro é que a opção pelo aumento do salário mínimo e a vinculação dos benefícios previdenciários ao seu valor implica necessariamente reduzir, e não aumentar, outras despesas. É contra isso que se rebelam alguns ao pretenderem aumentar os gastos públicos. Fez bem o senhor ministro da Fazenda ao afirmar que a meta fiscal será mantida até 2014. Como o orçamento nacional não é impositivo, pois fixa somente o teto para os gastos, o Executivo tem à disposição o instrumento necessário à manutenção da meta, o contingenciamento de despesas. A continuarem as pressões pelo aumento ilimitado dos gastos públicos, o governo não está tolhido na execução do orçamento. Terá apenas que manter o seu compromisso com a estabilidade econômica e ter vontade política de sustentá-la. Agora mesmo, com o apoio dos partidos que compõem a chamada base aliada, o Executivo foi capaz de bloquear no Senado mais uma iniciativa de vinculação de receitas orçamentárias. Que continue assim, para seu próprio bem e para o bem do País. ROBERTO FENDT É ECONOMISTA

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Cláudio Vaz Edy Luiz Kogut Érico Sodré Quirino Ferreira Francisco Mesquita Neto João de Almeida Sampaio Filho João de Favari Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Paulo Roberto Pisauro Renato Abucham Roberto Faldini Roberto Mateus Ordine

uando admite que pode ter candidatura própria à presidência da República em 2014, o PSB está valorizando sua pule para cobrar mais caro pelo apoio ao candidato do PT, seja Dilma Rousseff, seja Lula. Os socialistas, na verdade, já dispõem até de um candidato a vice-presidente na chapa petista, que é o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, reeleito presidente do partido. Ameaçar com candidato próprio é a forma encontrada para forçar o PT a incluir o partido na sua chapa presidencial. O PSB, porém, terá de vencer um obstáculo que parece ser intransponível, caso tente lançar o vice, porque o PMDB tem lugar assegurado ao lado do futuro presidenciável do PT. O próprio Michel Temer já trabalha para renovar seu mandato de vice por mais quatro anos, a partir de 2014. Dilma e Temer desfrutam, numa boa, das delícias do poder. O PMDB é o principal partido aliado de Dilma, depois do PT, mas também o PSB tem garantido apoio quando a presidente necessita de votos para aprovar matérias de seu interesse no Congresso. PMDB e PSB, contudo, tem algo em comum: ambos parecem que vão caminhar com pernas próprias em cidades importantes nas eleições de prefeito no ano que vem. Os socialistas estão acertando, por exemplo, coligações com o PSDB em Capitais de invejáveis colégios eleitorais, enquanto o PMDB se recusa em apoiar o candidato do PT à prefeitura de São Paulo, dando preferência ao lançamento de candidato próprio.

PSDB, que se arma para voltar ao poder em Brasília, em 2014, procura encontrar uma fórmula que ajude o partido a romper o círculo de alianças que dá sustentação a Dilma Rousseff. A dificuldade dos tucanos, no entanto, é que os partidos aliados do PT não tem interesse no rompimento com a presidente, por um motivo óbvio: eles ocupam cargos em quase todos os escalões do governo. Além disso, Dilma mantém alto índice de aceitação de seu governo, com seu prestígio crescendo também no exterior, graças à repercussão que alcança fora do País a faxina que promove nos ministérios acusados de corrupção. O PSDB continua lapidando duas pré-candidaturas presidenciais, sendo que os dois pretendentes à legenda representam dois estados de

O

O PSDB, que se arma para voltar ao poder em Brasília, em 2014, procura uma fórmula que ajude o partido a romper o círculo de alianças que dá sustentação a Dilma Rousseff.

peso no colégio eleitoral do País, São Paulo e Minas. pretendente mineiro, Aécio Neves, iniciou visitas aos estados para caitituar a simpatia de dirigentes dos diretórios regionais, mas faz uma pausa nesta véspera de festas de fim de ano, prometendo retomar as viagens em janeiro, enquanto seu rival, o paulista José Serra tem-se movimentado na direção de antigos assessores no governo do Estado, na Prefeitura da Capital e no Ministério da Saúde.

O

erra se recusa a aceitar outra candidatura à prefeitura paulistana porque seu sonho é conseguir uma terceira candidatura ao Planalto. Apesar do arroubo de legendas como o PSB, que falam em candidatos próprios ao Planalto, o certo é que o poder em Brasília vai ser disputado novamente por PT e PSDB. Os tucanos insistem na tentativa de derrubar o índice de aceitação de Dilma nas pesquisas, usando as denúncias de corrupção no governo para desmoralizar a presidente. O partido, porém, não obteve o efeito desejado, porque Dilma tem afastado com rapidez os envolvidos em irregularidades nos ministérios, como no caso recente da demissão do ex-ministro Carlos Lupi. Quanto aos dois presidenciáveis do partido, José Serra tem sido mais contundente nas suas críticas ao governo do PT, enquanto Aécio Neves é considerado uma das peças mais apagadas da oposição no Senado.

S

EYMAR MASCARO É JORNALISTA E COMENTARISTA POLÍTICO MASCARO@BIGHOST.COM.BR

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, João de Scantimburgo, Marcel Solimeo Diretor-Responsável João de Scantimburgo (jscantimburgo@acsp.com.br) Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Edi tor - Ch e fe: José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br) Chefia de Reportagem: Teresinha Leite Matos (tmatos@acsp.com.br) Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br) Editores Seniores: Bob Jungmann (bob@dcomercio.com.br), Carlos de Oliveira (coliveira@dcomercio.com.br), chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), Estela Cangerana (ecangerana@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Luiz Antonio Maciel (maciel@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br) Editor de Fotografia: Alex Ribeiro Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Kleber Gutierrez (kgutierrez@dcomercio.com.br) Ricardo Ribas (rribas@dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br) Subeditores: Marcus Lopes e Rejane Aguiar Redatores: Adriana David, Darlene Delello, Eliana Haberli e Evelyn Schulke Repórteres: Anderson Cavalcante (acavalcante@dcomercio.com.br), André de Almeida, Fátima Lourenço, Ivan Ventura, Karina Lignelli, Kelly Ferreira, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mariana Missiaggia, Mário Tonocchi, Paula Cunha, Rafael Nardini, Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves, Sandra Manfredini, Sergio Leopoldo Rodrigues, Sílvia Pimentel, Vera Gomes e Wladimir Miranda. Gerente PL Arthur Gebara Jr. (agebara@acsp.com.br) Gerente Executiva Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estado, Folhapress, Efe e Reuters Impressão OESP GRÁFICA S/A Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3244-3175. Fax 3244-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3244-3197, 3244-3983, Fax 3244-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3244-3544, 3244-3046 , Fax 3244-3355

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3244-3737 REDAÇÃO (011) 3244-3449 FAX (011) 3244-3046, (011) 3244-3123 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

o

3

C O M P R A R É M U I T O G R A T I F I C A N T E , M A S N Ã O P R E E N C H E VA Z I O S I N T E R I O R E S .

pinião

COMPRO, LOGO EXISTO A

ssim como as empresas (pessoas jurídicas) necessitam ter um ponto de equilíbrio nas suas contas mensais, as pessoas físicas também precisam estabelecer controles adequados de suas receitas e despesas a cada mês, sob pena de, não o fazendo, virem a adentrar os portais do inferno das dívidas, muitas delas impagáveis. Comprar, nos dias que correm, é a coisa mais prática e fácil do mundo. Através das ondas da web, os shoppings virtuais estão abertos 24 horas por dia, todos os dias, o ano inteiro. Com um simples "clic" do mouse, pode-se comprar de tudo sem sair do conforto de casa. O problema – e sempre tem um problema no meio do caminho para atrapalhar – é quando as faturas chegam. Fala-se muito da importância do ser acima do ter – e o ser, no sentido ontológico, é a condição primária do indivíduo existir para o mundo e, assim, estabelecer suas relações de consumo, daí sua validação capital; mas, neste artigo, como mote para uma serena reflexão, formulo aqui a seguinte pergunta: é possivel ser sem o ter, o possuir? Ou numa variação dessa pergunta original: é possível alguém ser feliz sem ter absolutamente nada? Fábula antiga diz que o homem verdadeiramente feliz é aquele que sequer possui uma camisa para "chamar de sua". Bordão publicitário de uma rede varejista, por sua vez, fica repetindo "ad nauseam" que a condição de "ser feliz" é uma só: poder comprar tudo o que se deseja. Será mesmo? Sem entrar em firulas filosóficas, e sempre numa linguagem simplificada, ninguém precisa ser doutor em Psicologia para notar que o consumismo (o perigo terrível de todos os "ismos") é prejudicial ao indivíduo, às famílias e ao próprio planeta Terra como habitat da grande teia da vida, onde tudo está imbricado numa simbiose perfeita, digamos assim. Consumir o quê? Quando consumir? O quanto consumir? Essas perguntas não possuem respostas tão simples como nor-

LUIZ OLIVEIRA RIOS Alguém aí se lembra de uma senhora chamada Imelda Marcos, que foi a primeira - dama das Filipinas, famosa por ter no seu "acervo" 1150 pares de sapatos?

C malmente se pensa, pois as variáveis envolvidas em cada questão acima são quase infinitas. No entanto, considerando que somos animais consumidores por natureza, porém dotados da capacidade de raciocinar (será?), quando o ato de comprar é submetido a uma análise lógica o consumo se reveste de valor e, de imediato, deixamos de, como se diz, fazer besteiras com o nosso suado dinheirinho.

nichos personalizados que não nos deixam esquecer disso. No cipoal insano de sugestões publicitárias da atualidade, resumidamente, o que dizem diretamente tais mensagens? "Compre agora, mas comece a pagar bem depois!". "Você pode pagar em até 60 vezes em parcelas fixas de 'apenas' .....". E nesses apelos consumistas de alta octanagem, num flagrante desrespeito à lógica da Matemáti-

E

i s p o rq u e a e x p re s s ã o "consumo consciente", tirando os noves fora e os ecochatos de plantão, deveria ser matéria escolar obrigatória desde o jardim da infância. Mas não sejamos ingênuos utopistas: toda compra envolve imperativos emocionais de alto impacto. Estão aí os apelos publicitários em todos os veículos da mass media e de

VÃO-SE OS DEDOS, FICAM OS ANÉIS

O mesmo ministério ficou com o mesmo PC do B e o mar de grana também. Com os outros ministérios, a mesma coisa. Os dedos foram-se, mas os anéis ficaram.

ca Financeira, muitas propagandas pregam que o valor do preço à vista é o "mesmo" que o cliente obterá comprando a prazo. Isso nem Pitágoras conseguiria explicar. Quem sabe Freud! O ponto comum dessas mensagens publicitárias, muitas delas de péssimo gosto (e, quando sonoras, ensurdecedoras) é sua capacidade de dar um nó na mente dos consumidores, levando-os a não

Ter coisas, quando forem adquiridas de maneira honesta, dentro da capacidade financeira de cada um, e quando delas se usufrui com prazer, é algo positivo

mais perceberem a diferença entre desejo e necessidade. Tudo passa a ser de extrema "necessidade". De repente, "eu-não-posso-mais-viver-sem-ter-a marca xyz", mesmo que o meu poder aquisitivo não me permita isso.

O

curioso é que todos nós precisamos comprar bens de consumo, digamos, sapatos. Mas precisamos comprometer todo o orçamento doméstico na compra de sapatos? E agora, eis a encrenca armada aqui: as mulheres, que geralmente amam sapatos, precisam de quantos pares? Uma amiga minha, no seu último "censo de sapataria", contou 63 pares de calçados, isso sem contabilizar 14 sandálias do tipo "rasteirinha" adquiridas nos últimos três meses, e mais 5 botinhas que são um "must".

F

oi-se o sétimo dedo da mão da Cacica, seis por corrupção; jabutis do Cacico, que os colocou em cima da árvore antes de deixar o governo e passar o cargo. Deixou, nada; passou, nada. Continua dono do pudê, dono da Cacica, da indiaiada e da cumpanherada, como sempre foi, é e será. 0 Cacico não deixou o pudê; desculpe a repetição, na minha profissão "repetition is reputation". Repito, pois, por ênfase: deixou o pudê coisa nenhuma. Afirmou estar "desencarnado", não desencarnou; seu abantesma está firme, disfarçado de Cacica. Poderia ser um "crossdresser" e deixou uma herança bendita. Pergunte à Cacica, que mais parece ser o Cacico "crossdressado", se "tudo isso que está aí" não é uma herança bendita. "Crossdresser" não é ofensa, não é expressão homofóbica sujeita a processo, nem tem nada a ver com homossexualismo. O cartunista Laerte é um "crossdresser" assumido, aparece em público vestido de mulher e não tem nada de viado – é um homão feio à beça, com mulher e filhos. O coitado é tão feio que parece sósia da secretária das Políticas Públicas para as Mulheres, aquela que encrencou sozinha – ninguém lhe deu a mínima bola – com uns bonitos comerciais em que La Bündchen aparecia de calcinha e sutiã. (Se ela aparecesse vestida daquele jeito em Ipanema, Leblon ou no Calçadão, magrela, sem frente nem verso como é, duvido que alguém virasse a cabeça para olhá-la de novo). FHC legou a "herança maldita"ao lullopetismo, como se sabe. Serviços sociais da dona Ruth Cardoso, garfados e rebatizados. Privatizações de enorme sucesso, xingadas de "piratizações" e agora copiadas. Economia estável e inflação controlada, subtraídas de quem as criou para serem incorporadas à mentira do "nunca antes neçepaíz", na maior cara de pau. Lei de Responsabilidade Fiscal substituída pela Irresponsabilidade Fiscal, "lei" de autoria mais que conhecida. Cito uma frase de George Orwell (em 1984): "Em tempos de embustes e mentiras, dizer a verdade é um ato revolucionário." Façamos a revolução. Deus fez o Mundo e o Cacico fez o resto. Maoistas ardorosos (ainda existem,

omprar é sempre gratificante, mas existem vazios internos no ser humano que nenhum bem material será capaz de preencher. O ter coisas, quando adquiridas de maneira honesta, dentro da capacidade financeira de cada um, e quando delas se usufrui com prazer, é algo positivo, que encontra aprovação inclusive na literatura exarada das sagradas escrituras. De fato, o dinheiro – não sejamos hipócritas – na medida certa pode não trazer a genuina felicidade (não disponível via meios mercantilistas), mas propicia, sim, mais qualidade de vida ao seu possuidor. E o dinheiro, por fim, nunca é um mal em si mesmo, posto que a raiz de toda maldade está no amor ao dinheiro, até porque "onde estiver o vosso tesouro, ali estará também o vosso coração". O aforismo correto, então, no entender deste escrevinhador, deveria ser: Existo, logo compro! LUIZ OLIVEIRA RIOS É PROFISSIONAL DE MARKETING E VENDAS E COLUNISTA DO

DIÁRIO DO COMÉRCIO. OLIVEIRA.RIOS@HOTMAIL.COM

NEIL sem anéis

Ferreira até stalinistas ardorosos existem e os que não estão em Cuba estão no Brasil, você os encontra nos tablets do Dirceu e do Franklin Martins) dizem que a China pede o reconhecimento à sua modesta participação na obra do Cacico. Querem que seja repetida a expressão como está no Livrinho Vermelho: "Deus fez o Mundo e o Cacico e a China fizeram todo o resto". "No pasarán": La Pasionaria daria a palavra de ordem. Os marqueteros do Cacico mandam mais do que os dos maoístas e não permitirão que esse desastre aconteça com a História Oficial do Mundo. Não a História do Mundo para Crianças, do Monteiro Lobato, livro em que aprendi a ler aos cinco anos, guiado por meu pai. Nesse ninguém tasca, nem a cumpanherada do Ministério da Inducassão, que acusou Lobato de ser "racista". Saio no tapa se o "Comissariado da Verdade" se atrever a meter a colher torta na obra de Lobato. upi, o penúltimo a cair – nunca há o último, o próximo sempre aponta ali na esquina – "caiu de podre", como disse o Estadão num preciso editorial. Como Dirceu, deve saber onde os presuntos foram desovados. Pode ser um arquivo "inqueimável". "Inqueimável" ainda não está no Aurélio Atualizado, mas aposto que na próxima encarnação estará, isso se não passar esse tal controle da mídia, paixão não oculta do núcleo duro do lullo-petismo radical. Apanhado com as quatro mãos na massa, Lupi vangloriou-se de só sair "a bala" e declarou seu "amor a Dilma". Isso todo mundo está José Serra (careca) de saber, como sabe também que o PIG, Partido da Imprensa Gorpista, mandava-lhe duas balas

L

calibre 12 no peito, em manchetes diárias indesmentíveis. Até o Comitê de Ética que assessora a Cacica mandou-lhe um balaço no meio da testa: "Você é um fanfarrão ! Pede pra sair !" Os outros cinco estrelos da corrupa todo mundo conhece de trás para diante. Nessas águas turvas, pesco o Orlando Silva, PC do B, herói do Pan do Rio, orçado em 800 Mi, que acabou custando 4 Bi, também um incentivador incansável das ONGs, desde de que fossem pertencentes aos cumpanheros do Comitê Central do PC do B. esquei o Silva porque ele perdeu a imensa boca que é a construção das obras para a Copa de 2014. Mas ninguém está chorando o leite derramado. O mesmo ministério ficou com o mesmo PC do B e o mar de grana também. Com os outros ministérios, a mesma coisa, sairam os ministros mas os partidos continuaram. Os dedos foram-se, os anéis ficaram, à disposição dos novos dedos. Acredite se quiser, das mesmas mãos. Corrupa de mãe pra filhos. As bolas da vez são o Negromonte, para quem a coisa está pra lá de afrodescendente e o Pimentel, o ministro Porreta, jabuti da Cacica, um paloffinho que enricou com milhõesinhos cobrados de empresas "aliadas", que passaram a ganhar concorrências de obras públicas. PS: Ergo um brinde ao Doutor Sócrates, irmão do são-paulino Raí e pai de outro são-paulino, advogado do São Paulo.

P

"NUNCA ANTES NA HISTÓRIA DEÇEPAÍZ"... NEIL FERREIRA É PUBLICITÁRIO


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Solução I G U I N T E R I O R

O

A

D

L

N

D

A

A

M S

D L A M A S E R E S S E Z I L E F

E I D V

P R O B L E M A S

I

M U N D O C M E N T E I N A

4 -.GERAL

A FELICIDADE Melhorar o MUNDO é melhorar os SERES humanos. A compaixão é a compreensão da IGUALDADE de todos os seres, é o que nos dá força INTERIOR. Se só pensarmos em nós mesmos, nossa MENTE fica restrita. Podemos nos tornar mais FELIZES e, da mesma forma, comunidades, países, VISANDO um mundo melhor. A MEDICINA já constatou que quem é mais feliz tem menos PROBLEMAS de saúde. Dalai LAMA.

O F G I P T P O Z I U L B E Y

M R U M Z S Y V C V B I D Z I

H L C C P E W G N X X N V G H

R K L I R Z I A Q F H T Y L S

M H V H O I L F U D Y E D D K

I Q F P B L A Q J U K R L D P

O O D R L E M O Q C C I Y W S

T A X S E F A D P O H O X W Q

L L N O M F S E X O K R G K V

L X M M A E E T Z C I M B O F

F B E U S S R E B G O C C U F

X Y N N N J E D A D L A U G I

L E T D Q R S H W M W F X J P

W G E O W K T L J B E P K S Q

A N I C I D E M Q K H T Y I V

D N R B C V I S A N D O O U H

K X R J M M G G N A I N N D X

B Y R F T Z C V F M N E E J M

J E T W N N A A W U Y B Y D U

Por: José Nassif Neto

D I M O G S G A X I W C J C K


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

5 CASO PIMENTEL Cada vez mais o recente episódio remete a um outro, o de Palocci.

olítica

CASO LUPI O ex-ministro recupera o valor das diárias que havia devolvido

Abatido, Pimentel dá explicações Ministro foi recebido reservadamente pela presidente, conversou por dez minutos e não escondeu o desgaste com as denúncias. Serra cobrou rigor na investigação Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr - 15.09.11

D

O ministro disse ainda que o urante dez minutos, o ministro do antigo dono poderia ser contaDesenvolvimento, tado e confirmaria não só a Indústria e Comér- prestação do serviço como o cio Exterior, Fernando Pimen- pagamento de R$ 130 mil. tel, esteve reunido com a presiApesar de o bombardeio dente Dilma Rousseff, ontem, continuar e de os problemas se no Palácio do Planalto, para somarem, interlocutores da apresentar mais explicações presidente tentam minimizar sobre as novas denúncias sur- os fatos justificando que "ele gidas na mídia. está trabalhando" e que "a vida A presidente não quer que as segue". Como exemplo, aponacusações fiquem sem respos- taram o fato de Pimentel ter tas. Pela pripassado o dia meira vez, o de ontem no ministro aprePlanalto, com sentava-se agendas preÉ uma questão de abatido pelo viamente marisonomia, porque fato de conticadas com Dilnuar a ser atama. No entanoutros já tiveram cado e ter de problemas. Ou o ex- to, para mancontinuar a se ter conversa ministro Palocci defender. reservada com estava abaixo de O crescente Pimentel, a qualquer suspeita? presidente sodesgaste de Pimentel já licitou que ele JOSÉ SERRA preocupa o antecipasse a Planalto, mas sua ida ao Paauxiliares de Dilma garantem lácio. Por enquanto, nada indique ele continua desfrutando ca que ele esteja fora do goverda confiança da presidente. no, mas o ministro já afirmou No encontro com Dilma, o que "tudo tem um limite". Piministro informou que conse- mentel vai acompanhar Dilma guiu localizar o primeiro dono na viagem que ela fará a partir da empresa ETA Bebidas do de hoje na Argentina, porém Nordeste, que fica em Paulista, ele regressará no mesmo dia. região metropolitana do ReciProtocolo – A oposição decife, com quem havia tratado o diu atacar Pimentel em outras serviço de consultoria. O anti- frentes, depois que o governo go proprietário havia se muda- conseguiu impedir que o mido para os Estados Unidos e o nistro desse explicações na Cânovo empresário, para quem a mara. Ontem, o líder do PSDB, empresa foi vendida, não tinha Duarte Nogueira (SP), protoconhecimento do contrato as- colou no Conselho Adminissinado anteriormente entre Pi- trativo de Controle das Ativimentel e a empresa, para ela- dades Financeiras (Coaf) pediborar um estudo de mercado. do de informações sobre as

Ninguém no Brasil está acima de qualquer suspeita. Ninguém, na vida pública, está. Esse é um assunto que tem de ser investigado. JOSÉ SERRA

Pimentel: a pedido de Dilma, terá de dar respostas a todas as acusações. Mas a situação está cansando o ministro, que avisou: "há limites".

transações feitas por Pimentel e pela sua empresa, a P-21. No ofício encaminhado, o líder tucano pergunta se existem no Coaf registros de ocorrências suspeitas, atípicas ou investigações em andamento relativas às transações bancárias efetuadas nos anos de 2009 e 2010 por Pimentel ou pela P21. Além disso, os tucanos registraram representações no Ministério Público Federal do

Distrito Federal e na Comissão de Ética da Presidência da República solicitando abertura de investigação para apuração de suposta prática de improbidade por parte de Pimentel. Abaixo de suspeita – O exgovernador de São Paulo, José Serra, defendeu que sejam investigadas as denúncias divulgadas contra o Pimentel, cuja empresa de consultoria teria faturado mais de R$ 2 milhões

entre 2009 e 2010. Serra rebateu ainda a defesa feita pelo presidente nacional do PT, Rui Falcão (leia abaixo), ao ministro, segundo o qual, "ele estaria acima de qualquer suspeita". Para o tucano, "ninguém no Brasil está acima de qualquer suspeita, ninguém, na vida pública, está", afirmou Serra, defendendo que "esse é um assunto que tem de ser investigado". Na avaliação de Serra, o caso

Pimentel deve ser tratado com isonomia, em referência ao exministro da Casa Civil, Antonio Palocci, que deixou o governo após denúncia de enriquecimento com ganhos de sua consultoria. "É uma questão de isonomia, porque outros já tiveram problemas por conta disso", cobrou Serra. "Ou Palocci estava abaixo de qualquer suspeita?". (AE)

Andre Lessa/AE

Para Falcão, 'um ministro acima de qualquer suspeita' Presidente nacional do PT sai em defesa de Fernando Pimentel

Rui Falcão não vê razão para convocar o ministro a depor no Congresso e ressalta o rigor da administração petista para com a corrupção no governo. "Ficou ultrarrigorosa".

Lupi recebe suas diárias de volta. Estava tudo certo Controladoria Geral da União devolve dinheiro ao ex-ministro do Trabalho

O

ex-ministro do Trabalho, Carlos Lupi, recebeu de volta, ontem, R$ 1.736,00 de diárias pagas quando fez uma viagem ao Maranhão, em dezembro de 2009. No mês passado, quando surgiram acusações de que recebeu verba oficial para cumprir agenda partidária no Estado, Lupi decidiu devolver o dinheiro. A verba era destinada para gastos com alimentação, hotel e locomoção para os três dias de viagem. De acordo com o site Contas Abertas, a Controladoria Geral da União (CGU) confirmou, em nota técnica, a regularidade do recebimento

das diárias. Segundo a CGU, a agenda oficial do ex-ministro está devidamente registrada na motivação da viagem e ele participou de todos os eventos programados. Lupi esteve entre os dias 11 e 13 no Estado. No domingo, dia 13, ele não teve compromissos oficiais, mesmo assim recebeu diárias do ministério. Neste dia, Lupi esteve em um encontro partidário em Timon, no interior do Maranhão. Transposição – Acusado de ter abandonado as obras de transposição do rio São Francisco, o ministério da Integração Nacional divulgou ontem nota para dizer que as

obras não estão paradas, embora informações do próprio ministério dão conta que 6 dos 14 lotes estão paralisados. No texto, o governo reafirma que novos empregos estão sendo criados. "Atualmente, o projeto São Francisco emprega mais de 3.800 pessoas em seus dez lotes que estão em atividade e novos empregos serão criados, em breve, nas frentes de trabalho em Jati (CE) e Cabrobó e Salgueiro (PE)." De acordo como o ministério, quatro dos lotes parados voltarão a funcionar em janeiro e fevereiro, "num sinal de que as obras não estão paradas." (Folhapress)

O

presidente nacional do PT, deputado estadual Rui Falcão (SP), saiu ontem em defesa do ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel. "Acho que, pela sua história de vida e pela sua conduta pública, o ministro Pimentel está acima de qualquer suspeita", afirmou Falcão, após participar de reunião da diretoria da Central Ú n i c a d o s Tr a b a l h a d o re s (CUT), em São Paulo. Segundo o presidente do PT, "não há nenhuma razão para o ministro estar sob suspeita": "Considero que as explicações que ele já deu não são só satisfatórias como irretorquíveis, definitivas e muito claras". Embora tenha admitido que Pimentel ainda possa ser convocado para dar explicações no Congresso, Falcão acredita que não há motivos para submeter o ministro ao questionamento dos parlamentares. "Não vejo razões para maiores explicações". O presidente do

Considero que as explicações que ele já deu não são só satisfatórias como irretorquíveis, definitivas e muito claras. RUI FALCÃO

PT ressaltou que a presidente Dilma Rousseff, ao iniciar o governo, prometeu conduzir uma gestão marcada pela conduta "límpida e transparente". Segundo o dirigente, essa "conduta" vem se acentuando desde o governo Luiz Inácio Lula da Silva por meio da atuação da Controladoria Geral da União (CGU), dos portais de transparência do governo e do reaparelhamento da Receita e da Polícia Federal. "Hoje os mecanismos de controle são ultrarrigorosos".

Falcão lembrou que, nos casos de denúncias contra ministros, a presidente Dilma tem trabalhado sempre com a presunção de inocência, mas ainda assim não deixa de agir nos casos extremos. "Uma vez comprovado o malfeito, ou a pessoa se afasta ou é afastada, como ocorreu com o ex-ministro do Trabalho, Carlos Lupi, para não se converter em desgaste político". Ao ser questionado sobre o número de ministros que deixaram o governo por denúncias de irregularidades, o presidente do PT não perdeu a oportunidade de alfinetar o governo do PSDB. "Sugiro que vocês computem quantos ministros passaram pelo governo Fernando Henrique Cardoso", afirmou. "Acho que a nossa média está menor do que a dele". O dirigente petista também voltou a criticar o aparelhamento do ministério do Trabalho, defendendo "novas políticas" para a pasta. (AE)

Em BH, sócio pede demissão Na carta, Otílio Prado disse que saía para preservar o ministro e o prefeito

O

sócio de Fernando Pimentel, ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, na empresa de consultoria e projetos P-21, Otílio Prado, deixou ontem o cargo que ocupava na prefeitura de Belo Horizonte. No pedido de exoneração, que foi aceito pelo prefeito Márcio Lacerda (PSB), ele disse que pretendia evitar "constrangimento indevido" à administração municipal. Outras versões apontam que Lacerda teria pressionado Otílio a deixar a função de assessor para tentar blindar a sua gestão das denúncias sobre os

serviços prestados pela empresa de consultoria. Oficialmente, no entanto, a versão é de que foi o sócio de Pimentel quem tomou a decisão de sair. Um aliado relata que Otílio se sentiu especialmente atingido quando foi divulgada a informação de que uma empresa de seu filho, Gustavo Prado, seria uma das clientes da P-21 e teria recebido dinheiro da construtora HAP Engenharia, que tem contratos com a prefeitura de Belo Horizonte. A carta de demissão foi enviada ontem à tarde, mas a exoneração só deverá ser concretizada hoje, uma vez que era fe-

riado municipal na capital mineira. No texto, Otílio avalia que "inexiste incompatibilidade" entre o cargo exercido na prefeitura e sua participação na P-21. Mesmo assim, ele pediu para deixar o cargo. Na carta, escreveu que a questão assumiu ares que vão além das questões factuais e "não quero de nenhuma forma criar constrangimento indevido à figura do prefeito, pessoa pela qual nutro o maior respeito e reafirmo a minha lealdade, e tampouco causar prejuízo à imagem dessa administração e também à figura do ministro Pimentel". (Agências)


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Você sabe o que é um museu? Eu também não, mas vamos descobrir.

olítica

Tiririca

E

m uma sessão com poucos senadores, e só um da oposição, o ministro das Cidades, Mário Negromonte, prestou explicações ontem em audiência pública na Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado sobre as recentes denúncias contra ele e irregularidades na sua pasta. Apenas o líder do PSDB no Senado, Álvaro Dias (PR), fez menção direta a denúncias contra o ministro. Questionou o ministro sobre sua participação na suposta fraude de parecer técnico emitido pelo ministério para que o governo federal financiasse a construção de uma linha de Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) em Cuiabá. Além da idade – "Minha idade de mentir já passou. Se tiver qualquer Bíblia para fazer juramento, eu farei". Reportagem do jornal O Estado de S. Paulo publicada há duas semanas acusou servidores da pasta de forjar documento que autorizou mudanças em projeto, ampliando o custo da obra para R$ 1,2 bilhão – R$ 700 milhões a mais do que o previsto na proposta original. Segundo a matéria, a diretora de Mobilidade Urbana do Ministério das Cidades, Luiza Gomide Vianna, teria participação direta na fraude. "Se houve erro no procedimento é a CGU (Controladoria Geral da União), o TCU, o Ministério Público e a sindicância vão apontar. E não vamos pas-

Houve um procedimento esdrúxulo, uma fraude documentada (...) e avalizada pelo governo. ÁLVARO DIAS

José Cruz/Ag. Senado

Não tem irregularidades, houve divergência no parecer e a diretora substituiu o parecer. Ela tem poder para isso. MÁRIO NEGROMONTE

Negromonte: 'Não estou preocupado em sair do Ministério, nem em ficar. Estou preocupado em fazer um bom trabalho, estou fazendo'.

No Senado, Negromonte nega irregularidades Sem pressão, ministro ficou à vontade para rebater acusações de fraude em parecer técnico. sar a mão na cabeça de ninguém," afirmou na audiência. "Eu não determinei à diretora, não pedi ao chefe de gabinete que alterasse o parecer. Eles têm autonomia, são técnicos". O ministro frisou que só tomou conhecimento da revisão do parecer após o fato ser noticiado pela imprensa. E gastou maior parte do tempo defendendo a diretora de ter forjado

novo parecer, com o mesmo número oficial do anterior, contrário à medida, inserindoo a partir da folha 139 do processo, página em que começava a primeira análise. Para Dias, se o procedimento fosse correto e as intenções, insuspeitas não haveria necessidade de ocultar o procedimento. "Houve um procedimento esdrúxulo que não tem

outra denominação a não ser o de se constituir numa fraude documentada. Seria uma fraude avalizada pelo governo". Ao defender a servidora, o ministro disse que ela e demais técnicos têm autonomia para agir. "Não tem irregularidades, apenas houve divergência no parecer e a diretora substituiu o parecer, ela tem poder discricionário para isso".

Tiririca afirma que 'agora dá baile' na Câmara

Prorrogação da DRU é aprovada em primeiro turno

Um ano depois de assumir mandato, deputado discursa e desabafa na Casa

Eu sei o que um deputado faz. Trabalha muito e produz pouco, pois o regime aqui da Casa é muito engessado. TIRIRICA

Governo tem pressa: quer aprovar emenda antes que DRU perca validade

Beto Oliveira/Ag. Câmara

E

Depois, em entrevista coletiva, disse que estava "se sentindo o astro dos astros" ao ser chamado de presidente por outros parlamentares. "Eu não deixei de ser palhaço de circo, de ser quem eu sou. Os primeiros meses foram difíceis. Eu não sabia como os colegas iam me receber, mas foi muito bem. O sistema é enrolado, mas é legal". No final, sem marcar datas, disse que já estava preparado para fazer sua estreia na tribuna do plenário da Câmara. Ca mpan ha – O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), subordinado ao Ministério da Cultura, estuda lançar uma campanha estrelada por Tiririca pela valorização dos museus, segundo a assessoria de imprensa do instituto. "Você sabe o que é um museu? Eu também não, mas vamos descobrir". Segundo o deputado, esta deverá ser sua fala na campanha pela popularização dos museus no País. A ideia de parafrasear seu slogan de campanha eleitoral partiu do presidente do Ibram, José Nascimento: "Achei sensacional. O Nascimento que propôs o slogan e eu topei na hora. Se eu não gostasse, falava. Mas achei demais. É importante popularizar o museu. De

m meio a intensas negociações com aliados e sob protesto da oposição, o governo conseguiu avançar ontem no Senado com a emenda constitucional que prorroga a DRU (Desvinculação das Receitas da União) até 2015. Os senadores aprovaram, em 1º turno, o texto que renova esse mecanismo, permitindo que o governo gaste como quiser 20% de suas receitas. A DRU perde validade em 31 de dezembro e o governo corre contra o tempo para aprovar a prorrogação antes do dia 23 – início do recesso parlamentar. Como se trata de uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional), o texto ainda terá que passar por mais uma votação no plenário da Casa. Se for aprovado, será promulgado pelo Congresso. Os governistas esperam concluir a votação do texto em 20 de dezembro. Na votação de ontem, 59 votos foram favoráveis e 12 contrários a prorrogação.

Os primeiros meses foram difíceis. Eu não sabia como os colegas iam me receber, mas foi muito bem. O sistema é enrolado, mas é legal. TIRIRICA onde eu venho pouca gente sabe o que é. Acham que é coisa de velho", disse ele – que é natural do Ceará – ao Portal G1. A assessoria de imprensa do Ibram confirmou a ideia de usá-lo como garoto-propaganda. Não há previsão de data de lançamento da campanha. Tiririca afirmou que apoia inciativas museológicas, como a criação de Museu Itinerante do Circo e a inclusão da cultura circense no Museu da Diversidade Brasileira. Circos – Ontem, ele comandou audiência pública para discutir a cobrança de tarifas e concessão de alvarás para a instalação de circos no País. Tiririca é autor de projeto de lei que prevê a criação de programas assistenciais específicos para profissionais do circo. Segundo o deputado, "burocracia" e "discriminação" dificultam a difusão da arte circense pelo País . (Agências)

Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr

Q

uase um ano depois de assumir seu mandato, Tiririca (PR-SP) ou Francisco Everardo Oliveira e Silva, o deputado federal mais votado do País, comandou uma audiência pública na Câmara dos Deputados sobre a questão do circo. Pela primeira vez, fez um discurso na Casa – um relato breve sobre sua trajetória profissional no circo. Na fala, fez um desabafo: disse que pensou em desistir de ser parlamentar, que sofreu preconceitos, mas que "agora dá baile dentro da Câmara". O primeiro discurso como deputado foi em novembro, quando Tiririca presidiu uma audiência pública, em São Paulo – também sobre o circo. Ontem, ele aproveitou para criticar os trabalhos do Congresso: "Eu sei o que um deputado faz. Trabalha muito e produz pouco, pois o regime aqui da Casa é muito engessado". Apesar de comandar durante quase três horas o debate na Comissão de Educação e Cultura, Tiririca quase não precisou fazer leitura. Ele só leu os nomes e os cargos dos convidados. No final, um secretário da comissão soprou em seu ouvido o que deveria dizer ao encerrar os trabalhos. Durante a condução dos trabalhos da sessão, Tiririca fez várias piadas e foi elogiado diversas vezes por seus colegas e por profissionais circenses.

Ele destacou que a mudança no projeto, que anteriormente previa a construção de corredor para ônibus na cidade, sede da Copa do Mundo de 2014, foi solicitada pelo governador do MT, Silval Barbosa. E que o valor adicional de R$ 700 milhões será financiado pelo governo estadual. Dias questionou a denúncia de Veja, de que parlamentares

do PP, partido do ministro, teriam recebido oferta de mesada para apoiá-lo. Negromonte afirmou que a revista ouviu seus adversários no partido e que nada ficou provado sobre a reportagem. B od e – Dias questionou a postura do ministro em relação à Festa do Bode, em Paulo Afonso, na Bahia, cujos organizadores colocaram placas com patrocínios de empresas estatais e o nome do ministro. Dias queria saber se o ministro tinha patrocinado a festa. Negromonte explicou que o sindicalista Belmiro do Bode costuma imprimir o nome de empresas e de políticos nas placas para depois da festa pedir doações e pagar a festa e que ele não fez doação, mas já ajudou financeiramente em outras ocasiões e que, nesta edição, pediu que a Chesf analisasse o pedido para patrocínio da festa. "Depois ele (Belmiro Bode) pediu desculpas por documento, dizendo que não tinha autorização para colocar os nomes na placa". No final da sessão, questionado pelos jornalistas se temia perder o cargo, Negromonte respondeu que não estava preocupado "em ficar ou sair". "A presidente nunca me chamou para conversar sobre isso. Não estou preocupado em sair do Ministério, nem em ficar. Estou preocupado em fazer um bom trabalho e estou fazendo isso". (Agências)

Nenhuma das emendas à proposta ar ticuladas pela oposição foi apresentada. O governo pressionou os aliados a retirarem assinaturas – eram necessárias 27. Pelo menos 6

20% da receita é o que o governo poderá gastar como quiser, segundo o texto aprovado. governistas, recuaram, entre eles Ricardo Ferraço (PMDBES), Cristovam Buarque (PDTDF), Paulo Davim (PV-RN). O Palácio do Planalto considera a extensão do prazo essencial, pois desbloqueará cerca de R$ 62,4 bilhões. O dinheiro, segundo o governo, deve contribuir para a meta do

superavit primário de 2012, prevista em R$ 71,4 bilhões. Outro argumento do governo é que esse mecanismo é importante para combater à crise econômica internacional. Para conquistar os senadores, intensificou-se o ritmo de liberação de verbas parlamentares, indicação de cargos e pendências estaduais. O líder do governo, Romero Jucá (RR), nega pressão. "O governo conversou e explicou aos senadores a importância desse instrumento". PSDB, DEM e PSol argumentam que a desvinculação não é mais necessária com a estabilização da economia. Não é o que pensa José Sarney (PMDB-AP): "A prorrogação da DRU é um tema que não pode dividir ninguém. O País não está imune a essa crise". (Folhapress)

Senadores correm contra o tempo para concluir votação antes do dia 23, o início do recesso parlamentar.


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

7

ONU escancara corrupção no mundo Portal Track, que dá acesso a dados dos principais países, será lançado hoje . Fernando Porto

S

e g u n d o o D e p a r t amento de Estado dos EUA, o sistema jurídico brasileiro está sobrecarregado atualmente por causa da corrupção que prevalece nos tribunais locais. Outro relatório, da organização norte americana Freedom House, aponta que as reformas no Judiciário têm sido abrandadas pela ineficiência judicial, a ponto de os juízes utilizarem regularmente formalidades legais para anular os esforços do governo no desenvolvimento do País, incluindo medidas que visam a privatização de estatais e reforma dos sistemas públicos (saúde, educação etc). Essas e outras diversas informações sobre a corrupção brasileira não se encontram em um portal brasileiro, mas sim em um portal que engloba as principais nações. E nada é mais propício para o Dia Internacional contra a Corrupção do que uma ferra-

menta que permita ao cidadão consciente rastrear os casos de desvio de dinheiro público de seu país e saber quais medidas legais efetivas estão sendo tomadas. Esse "presente" foi disponibilizado recentemente pelo UNODOC (United Nations Office on Drugs and Crime), o departamento da ONU responsável pelo combate às drogas e ao crime organizado. A plataforma da organização na web é um rastreador anticorrupção conhecido como TRACK que, além do nome sugestivo de "rastro", é abreviação para a sigla Tools and Resources for Anti-Corruption Knowledge (Ferramentas e Recursos para o Aprendizado Anticorrupção). No interessante portal, a plataforma é alimentada pelo banco de dados da Biblioteca Jurídica da Convenção das Nações Unidas contra a Corrupção (UNCAC, em inglês), com medidas legais e não jurídicas de 175 países sob sua jurisdição, abordando o que está sendo feito por cada na-

ção para a recup e r a ç ã o d e a t ivos desviados por esquemas de corrupção. Tratase de munição pesada, que pode ser consultada tanto pelos governos dos paísesmembros da ONU como também por ONGs e pelo público em geral. Na grande plataforma, ilustrada também em um map a - m ú n d i (htt p://www.track .uno dc. org/ Leg a l L i b r a r y / P ages/map.aspx), o didatismo anticrimes é garantido pela reunião de ferramentas de análise criadas e administradas por organizações parceiras da organização em todo o mundo. Um dos parceiros na pesquisa é o Bing, o buscador da Microsoft, rival do Google, que garante mais dinamismo e rapidez na hora de alimentar o banco de dados com medidas governamentais e notícias recentes sobre casos de corrupção. Ao acessar o perfil do Brasil, por exemplo, chega-se ao portal h t tp : / /w w w.b u s in e s s- a n ti corruption.com/country-profiles/latin-america-the-caribbean/brazil/snapshot que cita o País como modelo positivo na criação de medidas jurídicas anticorrupção, mas ressalva que a luta "enfrenta obstáculos em termos de implementação e de falta de apoio político". Ainda no perfil do Brasil, o TRACK aponta como maiores riscos de corrupção o excesso de agências reguladoras governamentais que as empresas têm que lidar, "aumentando a probabilidade de demandas por subornos de funcionários pú-

Fotos: Reprodução

Vamos aprofundar o conhecimento sobre os projetos que podem ser implementados com rapidez. Carla Zambelli, uma das líderes do movimento Nas Ruas.

olítica

blicos"; a complexidade do sistema tributário, que cria oportunidades para cobradores de impostos corruptos pedirem propinas para relaxar inspeções; e, é claro, a conhecida cultura de corrupção nas licitações para contratos públicos. Também no perfil, notícias de jornais do mundo inteiro sobre corrupção no Brasil são atualizadas quase diariamente. Campanha global – Além da disponibilização da plataforma TRACK, o UNODOC aproveitou o Dia Internacional contra a Corrupção para lançar uma campanha global sobre o tema, oferecendo material promocional ( h t t p : / / w w w. u n o d c . o rg / yo ur no co un ts /e n/ pr in t/ index.html) como posters e logos da entidade, para todos veículos de mídia e comunidades empenhados na luta contra a corrupção, inclusive com versões do material em português.

Posters da campanha contra os desvios de dinheiro público

Lula Marques/Folhapress - 18.10.11

PM delator é preso com R$ 159 mil e explica: devolvia uma propina.

No Dia Internacional contra a Corrupção, protestos nas ruas Arregimentados pela internet, grupos fazem manifestações em 17 cidades

O

Guilherme Calderazzo

G

João Dias Ferreira: PM continua protagonizando escândalos no DF

rupos apartidários de internet de combate aos corruptos e corruptores voltam hoje às ruas, em 17 cidades, das quais nove são capitais, em dez estados, para celebrar o Dia Internacional Contra a Corrupção, instituído pela ONU, em 9 de dezembro de 2003, com a assinatura de 110 países. No essencial, eles vão, mais uma vez, exigir o fim do voto secreto no entre parlamentares no Congresso Nacional, prioridade do Judiciário para julgar processos de corrupção, o fim do foro privilegiado para parlamentares e autoridades, a aprovação pelo Supremo Tri-

bunal Federal da Lei da Ficha Limpa e que a corrupção se torne crime hediondo. Além disso, em São Paulo, acontece o 1º Congresso Contra a Corrupção, organizado pelo grupo de internet Nas R u a s ( w w w . f a c e b ook.com/nasruas). Os temas vão girar em torno da reforma política e dos mecanismos de combate à impunidade. "Vamos aprofundar o conhecimento sobre os projetos e as propostas contra a corrupção que podem ser implementados com rapidez", disse Carla Zambelli, uma das líderes do Nas Ruas. O congresso será mediado pelo jurista, ex-deputado federal e ex-vice-prefeito da capital Hélio Bicudo.

P as s ea t as – Ainda em São Paulo, o grupo de internet anticorrupção Mudança Já (w ww.f ac eb oo k. co m/ mudancaja) promove o Desfile dos Corruptos, com o objetivo de satirizar os envolvidos em escândalos de corrupção. Para isto, vão usar máscaras de políticos e fantasias. A manifestação do Mudança Já (MJ) ocorre no vão do Masp, a partir das 17 horas. Também ali a União Contra a Corrupção (UCC), que reúne até o momento 13 grupos de internet, dos quais 11 criados em São Paulo, um em Belo Horizonte e outro no Rio de Janeiro, também realiza ação contra os corruptos. A UCC e o MJ farão passeata na Avenida Paulista, a partir das 19h30.

desde 1926

DC

policial militar João Dias Ferreira, pego anteontem na sede do governo do Distrito Federal com R$ 159 mil, disse à Polícia Civil que o dinheiro era propina dada pelo irmão e pela chefe de gabinete do secretário de Governo, Paulo Tadeu, principal aliado do governador Agnelo Queiroz (PT). Ferreira foi preso após jogar o dinheiro na mesa de servidoras, por injúria e lesão corporal. À polícia, disse que foi devolver o dinheiro. Segundo o advogado dele, André Cardoso, Dias recebeu "inúmeras" propostas de propina de pessoas ligadas a Queiroz. Ele foi o pivô de denúncias contra Orlando Silva, ex-Esporte. (Folhapress)

PRODUTOS PARA CONSTRUÇÃO

FERRAMENTAS PARA CONSTRUÇÃO

Trena Laser

Rua Carneiro Leão, 143 - Brás - São Paulo

(

(11)

3340-7200

Fax (11)

3340-7202

.com.br


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

O nosso mandato vive por causa dos movimentos sociais. Carlos Eduardo Giannazi, deputado estadual do PSol.

olítica

Adriano Lima/News Free/AE

Sem teto inaugura o 'ocupe o que puder' Victória Brotto

À Luiz Prado/LUZ

Manifestantes, durante passeata na Paulista, abrem faixas e protestam por moradias e contra a criminalização dos movimentos sociais. Depois foram recebidos na Assembleia Legislativa e ganharam apoio do PSol, que denunciou prefeituras que estão discriminando-os.

s seis da manhã A g e l d a G o n ç a lves, 45, acordava no quarto improvisado dentro do barraco em um terreno abandonado em Santo André (ABC Paulista). O terreno, que pertence a uma empresa devedora da prefeitura, fora ocupado por ela e mais 150 famílias há quase três meses sob a coordenação do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). O MST de dona Agelda junto com o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), o Movimento das Fábricas Ocupadas e o Movimento Urbano dos Sem Teto (Must) vieram à capital ontem para reivindicar moradia e "não criminalização dos movimentos sociais". O ato público, pela manhã, contou com cerca de 300 pessoas no Museu de Arte de São Paulo (MASP. Depois fizeram passeata pela Avenida Paulista que terminou no escritório da presidente Dilma Rousseff. Guilherme Boulos, coordenador nacional do MTST, informou ao Diário do Comércio que foi agendada pelo gabine-

te paulista de Dilma uma reunião entre os movimentos e o secretário-geral da Presidência, ministro Gilberto Carvalho, no dia 19. À tarde, cerca de 200 manifestantes foram à Assembleia Legislativa de São Paulo participar de uma audiência pública marcada pelo deputado estadual do PSol, Carlos Eduardo Giannazi. Antes, almoçaram arroz, feijão preto e omelete. "Estava tudo azedo", contou Elen Diver, 18, vizinha de dona Agelda no acampamento em Santo André e também militante do MST. Segundo a coordenação, as marmitas foram cedidas pela prefeitura de São Paulo. Ao contrário de dona Agelda que mora sozinha ("eu e Deus"), Elen reside com o filho Guilherme, de quatro anos. Sentadas no fundo do auditório, as duas ouviam a fala do deputado Giannazi. "O nosso mandato vive por causa dos movimentos sociais. Precisamos denunciar a criminalização dos movimentos no Estado", disse numa referência às sete prefeituras do estado que "entraram com ação judicial proibindo manifestações em frente às suas sedes."

Homofobia: votação é adiada de novo Após sessão com muitos protestos e bate-bocas entre evangélicos e gays, projeto que criminaliza hostilidades foi postergado pela relatora Marta Suplicy (PT-SP).

C

om o auditório lotado de militantes gays e evangélicos, a Comissão de Direitos Humanos (CDH) do Senado adiou mais uma vez a votação do PLC 122, que criminaliza os atos de homofobia. Após quase três horas de debates acalorados, a reunião foi encerrada em meio aos gritos de guerra de ambas as frentes. Lideranças evangélicas puxaram um "Glória, glória, aleluia", dando ares de culto à reunião, enquanto gays e simpatizantes, em minoria, rebatiam: "Nossa luta é todo dia, contra o

Militante gay favorável à aprovação exibe camiseta no embate com os evangélicos. SECRETARIA DE COORDENAÇÃO DAS SUBPREFEITURAS SUBPREFEITURA VILA MARIA/VILA GUILHERME

NOTIFICAÇÃO O Subprefeito de Vila Maria/Vila Guilherme, JOSE LUIZ SANCHES VERARDINO, em conformidade com o disposto no art. 5º, parágrafo 1º do Decreto 15.627/79 de 15/12/79 e item 2.4 da Portaria nº 022/SMSP/GAB/2005, notifica os proprietários dos veículos abaixo relacionados a comparecerem a esta Subprefeitura à Rua General Mendes nº 111, no prazo de 30 dias a contar da data desta publicação, para providenciarem sua retirada, satisfeitas as exigências legais, sob pena de serem alienados por meio de leilão: MARIA LUCIA RIBERO Placa BGI 9552 - SÃO PAULO Chassi 9BWZZZ11ZGP003492 VW FUSCA 1.600 - MOD./1986 FAB./1985 - BRANCA Processo 2011-0.301.767-1 FRANCISCO CARLOS MENDONÇA DE FREITAS Placa BVP 2086 - SÃO PAULO Chassi 9BWZZZ30ZGT111262 VW PARATI LS - MOD./FAB. 1986 - CINZA Processo 2011-0.301.799-0 ADEMIR DE OLIVEIRA DOS SANTOS Placa BGA 3896 - JANDIRA - SÃO PAULO Chassi 9BWZZZ30ZET454619 VW GOL BX - MOD./FAB. 1984 - CINZA Processo 2011-0.301.810-4

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMUNICADO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 49/SME/2011 - 2011-0.295.427-2 - AQUISIÇÃO DE GIZ BRANCO E GIZ COLORIDO Comunicamos que, em razão de erro de digitação no sistema www.comprasnet.gov.br fica a abertura da Sessão Pública do Pregão nº 49/SME/2011, objetivando a aquisição de 184.780 (cento e oitenta e quatro mil, setecentos e oitenta) caixas de giz branco, e 128.287 (cento e vinte e oito mil, duzentos e oitenta sete) caixas de giz colorido, adiada para o dia 22/12/2011 às 10:00 horas.

SECRETARIA DO VERDE E DO MEIO AMBIENTE COMUNICADO DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL Nº 90/SVMA/2011 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 2011-0.197.043-6 OBJETO:CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOSTÉCNICOS DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL FAZENDA DO CARMO. A COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO - CPL.4 torna público que a sessão de Abertura do Pregão Presencial em epígrafe será realizada no dia 22 de dezembro de 2011, às 13:00 horas, na Rua do Paraíso, 387/389, 11º andar, no prédio da SVMA. O caderno de licitação, composto de edital e dos anexos, poderá ser obtido sem custo, através da Internet pelo site http://e-negocioscidadesp. prefeitura.sp.gov.br, onde os interessados deverão se cadastrar conforme orientações ou retirado, mediante a entrega de 1 (um) CD-R ou CD-RW sem uso, na Unidade de Licitação, situada na Rua do Paraíso, nº 387/389, 9º andar, Paraíso, nesta Capital, das 09h00 às 17h00, tels.3396-3104/ 3396-3103 e fax 3396-3106.

SECRETARIA DO VERDE E DO MEIO AMBIENTE COMUNICADO DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL 089/SVMA/2011 - PROC. ADM. 2011-0.098.618-5 OBJETO: Aquisição e instalação de brinquedos em madeira aparelhada para playgrounds infantis, destinados aos novos parques municipais implantados e em implantação da SVMA, em estrita concordância com as especificações técnicas constantes no ANEXO I e no ANEXO IA do Edital. A COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO - CPL.1 torna público que a sessão de Abertura do Pregão Presencial em epígrafe será realizada no dia 22 de DEZEMBRO de 2011,às 14:00 horas,na Rua do Paraíso,387/389,térreo,no prédio da SVMA. O caderno de licitação, composto de edital e dos anexos, poderá ser obtido sem custo, através da Internet pelo site http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br, onde os interessados deverão se cadastrar conforme orientações ou retirado, mediante a entrega de 1 CD-R ou CD-RW sem uso, na Unidade de Licitação, situada na Rua do Paraíso, nº 387/389, 9º andar, Paraíso, nesta Capital, das 09:00 às 17:00 horas, tels. 3396-3104/ 3396-3103 e fax 3396-3106 ou 3396-3095.

racismo e a homofobia". A relatora, senadora Marta Suplicy (PT-SP), pediu novo adiamento da votação, com receio de uma derrota que levaria ao arquivamento do projeto, que tramita há 12 anos no Congresso. Segundo cálculos da petista, se o seu substitutivo fosse votado ontem, o placar final seria de 7 a 7, sem margem alguma de segurança. Apesar do novo adiamento, senadores enxergaram avanços na discussão. "O debate foi mais tranquilo que das outras vezes", avaliou Marta. Na saída, o senador Magno Malta (PR-ES) – a voz mais enfática contra o projeto – cumprimentou o presidente da ABGLT (Associação Brasileira de Gays, Lésbicas e Travestis), Toni Reis, e demonstrou disposição para o diálogo. "Disse a ele que queremos respeito e conviver em paz, ele respondeu que quer o mesmo", relatou Reis. Segmentos do movimento gay celebraram o adiamento, porque se opunham à votação do substitutivo de Marta, por considerar que ela recuou em questões fundamentais. "O discurso abrandou, é importante que o Estado não se exima. Não querem dar educação nem punição, nenhuma parcela está tão desprotegida quanto nós", protestou Luiza Habib, da Associação de Pais e Mães de LGBT. Apesar do racha no movi-

Sérgio Lima/Folhapress

Dida Sampaio/AE

mento, o presidente da ABGLT acha que o substitutivo de Marta é o texto possível. "É melhor do que nada para quem só tem um deserto". Para Toni Reis, o maior retrocesso em relação ao texto original é a não equiparação do crime de racismo à homofobia: "Não podemos hierarquizar a discriminação", salienta. Durante o debate, Magno Malta – aplaudido por uma claque de fiéis da Assembleia de Deus – polemizou ao afirmar que "não se pode comparar raça com quem fez uma opção sexual" e que "a nação não é homofóbica". Os gays reivindicam a equiparação da homofobia ao racismo, que constava do texto original aprovado na Câmara. 'Doença' – "A homossexualidade não é uma opção. Se eu acho que posso curar alguém, isso virou doença. Sem essa compreensão é complicado que tenhamos um avanço", rebateu Marta. Ela também ressaltou que o Brasil vive um surto de homofobia, em que os gays são agredidos frequentemente nas ruas. "Nunca vi alguém esfaquear uma pessoa porque é deficiente, isso é raro". (AE) Confronto: auditório foi tomado por defensores e adversários do projeto, que tramita há 12 anos no Congresso e já foi aprovado pela Câmara.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

9 SÍRIA Ativistas pedem uma greve nacional no domingo para pressionar Assad

nternacional

ESTADOS UNIDOS Novo tiroteio na Universidade Virginia Tech deixa dois mortos

Press TV/AFP

Um segredo para Alá Nas mãos do Irã, a tecnologia do mais avançado avião-espião dos EUA.

A

televisão estatal Teerã frisou que tem a do Irã exibiu onintenção de investigar e tem um vídeo do recuperar a tecnologia do suposto avião-espião drone, o mais avançado não tripulado dos Estados aviões não tripulados dos Unidos, um dron e, de reconhecimento e esque Teerã afirma ter interpionagem dos EUA, para ceptado dentro de seu esseu próprio uso. paço aéreo no último doO Irã qualificou o incimingo. Após divulgar as dente como uma "ação Vídeo mostra avião capturado por Irã imagens, o Irã fez um prohostil" e convocou a emtesto formal contra a invasão Sentinel, que parecia intacto. baixadora da Suíça em Teerã, em seu espaço aéreo. Os EUA, que admitiram Livia Leu Agosti, que repreO vídeo de dois minutos nesta semana que perderam senta os interesses nortemostra militares inspecionan- o controle do avião teleguia- americanos no país, para mado o que a TV identifica como do, disseram que estão estu- nifestar seu protesto e pedir o avião teleguiado RQ-170 dando as imagens. compensações. (Agências)

Militares inspecionam o drone, que parece intacto. Faixas com caveiras dizem: "Morte à América".

Mohamed Abed/AFP

Uma bola de fogo no centro de Gaza Ataque aéreo israelense mata dois militantes em rua movimentada do território palestino. Horas depois, foguetes caem do lado israelense.

U

Palestinos observam os destroços do carro atingido em ataque israelense. Dois membros do braço armado do Hamas morreram no atentado.

O RETORNO DO VILÃO Putin acusa os Estados Unidos de instigar os protestos contra as eleições

A

s recentes declarações da secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, questionando a integridade do processo eleitoral russo, resultaram em uma nova troca de farpas na já desgastada relação Washington-Moscou. Ontem, o primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, acusou Hillary de instigar os opositores russos aos protestos pelos resultados que deram maioria para o seu partido, o Rússia Unida (RU), na Câmara Baixa do Parlamento. Em resposta, a norteamericana disse ter expressado preocupações "bem fundamentadas" sobre a questão. Segundo Putin, as declarações de Hillary "deram um sinal" a ativistas no país. "Eles escutaram o sinal e, com o apoio do Departamento de Estado, começaram a trabalhar ativamente", disse o premiê, que já é candidato a mais um mandato à Presidência, em 2012. Ele disse ainda que Washington tem gastado "centenas de milhões" de dólares para influenciar a política russa. Centenas de manifestantes foram presos em protestos reprimidos nesta semana em várias cidades russas. Os Estados Unidos expressaram séria preocupação sobre o modo como se deu a eleição russa, que Hillary insinuou não ter sido livre nem justa. Ontem, a secretária disse que sua crítica ao pleito foi bem fundamentada e assegurou que os EUA continuarão defendendo os "direitos do povo russo". Não só as críticas às eleições que têm minado a relação entre os dois países. Hillary reafirmou ontem que os EUA seguirão com o projeto de um sistema antimísseis na Europa mesmo

Petr Josek/Reuters

RIA Novosti/Reuters

m ataque aéreo israelense contra um carro matou dois supostos militantes palestinos do Hamas e feriu cinco pessoas, ontem, em uma rua movimentada no centro de Gaza, informaram autoridades israelenses. Trata-se do segundo ataque deste tipo nesta semana após um período de relativa calma ao longo da fronteira entre a Faixa de Gaza e Israel. Logo após o ataque, cinco foguetes lançados por militantes palestinos caíram no sul de Israel, sem deixar vítimas. O carro estava perto de um parque lotado no centro de Gaza quando foi atingido. O veículo se transformou em uma bola de fogo após o impacto do foguete e os corpos dos dois homens ficaram carbonizados. Centenas de palestinos se aglomeraram ao redor dos destroços do carro, que foi atingido no começo da tarde (horário local). Testemunhas disseram ter visto aviões não tripulados do Exército israelense sobrevoando o lugar. Cinco pedestres também ficaram feridos, disse Adham Abu Salima, funcionário do Ministério da Saúde de Gaza. Segundo médicos e testemunhos, este foi o primeiro ataque israelense na Cidade de Gaza desde 2009. Ihab Ghussein, porta-voz do Ministério da Saúde, disse que o ataque aéreo foi "um crime injustificável cometido em

uma área populosa e é parte da intensificação das medidas contra a Faixa de Gaza". Israel responsabiliza o governo do Hamas na região por qualquer atividade violenta realizada contra seu território. O Hamas, grupo islâmico que se opõe a Israel, governa a Faixa de Gaza desde 2007. Israel costuma atacar veículos com pessoas suspeitas de serem militantes. Uma dessas ações, realizada na manhã de quarta-feira, matou um militante e deixou dois feridos. Defesa - Ações israelenses similares já deram início a confrontos no passado entre Israel e o Hamas, que governa Gaza. Após o ataque de ontem, o Exército de Israel alegou que os dois homens que estavam no carro haviam planejado se infiltrar em Israel para atacar soldados e civis, na fronteira entre Israel e a península egípcia do Sinai. O objetivo das Forças Armadas de Israel foi um "terrorista filiado às Brigadas dos Mártires de Al Aqsa, assim como outros terroristas do norte da Faixa de Gaza", afirmou o Exército israelense, em comunicado. Os militares afirmaram que um dos militantes esteve envolvido em ataques suicidas realizados em Israel cinco anos atrás, que mataram civis israelenses. Uma emissora de rádio do Hamas identificou os mortos como sendo os irmãos Essam Al-Batsh e Sobhi Al-Batsh, integrantes do braço armado do grupo palestino. (Agências)

Sebastien Pirlet/Reuters

Queda de braço no Egito Militares e islâmicos disputam poder

O Medvedev (à esq.) promete investigações; Putin (centro) culpa os EUA; e Hillary diz que defenderá o povo.

com a oposição de Moscou. Investigação - O presidente russo, Dmitri Medvedev, admitiu ontem que as supostas fraudes nas eleições parlamentares do país serão investigadas. "As perguntas que os descon-

tentes levantam sobre as eleições são razoáveis. Se há irregularidades é preciso investigálas, mas para isso há juízes", afirmou. "Não há uma máquina eleitoral perfeita", reconheceu. Para o grupo de monitora-

mento Observatório Cidadão, o partido de Putin recebeu bem menos votos do que o registrado oficialmente. Segundo o Observatório, o RU obteve 30% dos votos, e não 50% como divulgado oficialmente. (Agências)

anunciado embate entre a junta militar que governa o Egito e a Irmandade Muçulmana, cujo partido foi o mais votado na primeira fase das eleições parlamentares, teve ontem o primeiro round. Banido no país até a deposição do ditador Hosni Mubarak, em fevereiro, o grupo islâmico decidiu boicotar um conselho nomeado pelos generais para fiscalizar a redação da nova Constituição. Em tese, o Parlamento terá

de escolher os cem deputados que escreverão a Constituição. Mas os generais afirmam que o Parlamento não será representativo da sociedade, portanto, eles vão indicar um conselho para proteger a nova Carta de ideias religiosas extremistas. Desconfiado de que o conselho usurpará os poderes do Parlamento, a Irmandade retirou seus representantes. "O conselho militar está determinado a se virar contra a vontade do povo", disse o porta-voz do grupo, Mahmoud Ghozlan. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10

c

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Reuters/Marinha do Brasil

TRAGÉDIA Os 228 passageiros do voo AF-447, entre Rio e Paris, morreram depois que o Airbus da Air France caiu no Oceano Atlântico. As causas da tragédia ainda são discutidas.

idades

Voo AF-447: um acidente "normal" Divulgação/Aeronáutica - 08/06/2009

Tudo indica que a tragédia com o voo AF447, que em 31 de maio de 2009 caiu no Atlântico matando todos os seus 228 passageiros, pode ter sido causado por uma ordem do computador de bordo, que mudou o padrão de voo, confundindo os pilotos. Falhas em cadeia de sistemas de segurança podem levar a acidentes absolutamente "normais" se for levada em conta a lógica da tecnologia. No texto abaixo, o blog "Boing Boing" compara artigo da revista "Popular Mechanics", sobre o acidente do AF-447, com o livro "Normal Accidents" do sociólogo Charles Perrow. Veja as conclusões.

Destroços do voo AF-447, que caiu em 2009 no Oceano Atlântico, matando todos os seus 229 ocupantes: sequência de erros Reuters/BEA - 04/04/2011

N

o exato momento em que os primeiros corpos de passageiros brasileiros que morreram no acidente do voo AF-447 chegam ao País para serem sepultados, o sociólogo Charles Perrow, da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, pode trazer alguma luz sobre os motivos que levaram a essa tragédia sobre o Oceano Atlântico, no dia 31 de maio de 2009, na qual morreram 228 pessoas. Em sua obra Normal Accidents, living with high-risk technologies ou Acidentes Normais, vivendo com tecnologias de alto risco, escrita 10 anos antes do desastre com o Airbus A330 da Air France, a tese defendida por Charles Perrow, por mais estranha que pareça, é essa mesma: catástrofes envolvendo falhas tecnológicas são absolutamente normais. Trocando em miúdos, Perrow afirma que sempre que nos deparamos com uma situação de risco inerente ao uso de uma tecnologia, tentamos construir sistemas que levem em conta o óbvio, a mais simples possibilidade de falha para, evidentemente, evitá-la. Ocorre que, quanto mais tentamos eliminar riscos, mais complexos se tornam os sistemas de prevenção. E muitas vezes, chega-se a um sistema tal que as interações entre seus diferentes processos de proteção podem, ironicamente, provocar falhas ainda maiores e cada vez mais difíceis de serem previstas. Mais: essa espiral de medidas de segurança podem até mesmo impedir a percepção de uma falha no momento em que ela estiver acontecendo. A conclusão de Perrow é dura. Segundo ele, temos de tomar decisões sobre processos tecnológicos a partir do pressuposto de que jamais poderemos fazer uma tecnologia livre de riscos. Impossível não relacionar a tese de Perrow com o acidente ocorrido sobre o Atlântico, abordado ainda esta semana pela revista norte-americana Popular Mechanics ", em artigo de Jeff Sábio e comentado por Maggie Koerth-Baker, no blog Boing Boing. O título convida à leitura: What Really Happened Aboard Air France 447 ou "O que realmente aconteceu a bordo do Air France 447". No texto, Sábio trabalha com a transcrição dos gravadores de voz recupera-

ução

Reprod

O livro de Charles Perrow, que pode ser adquirido na Amazon: não há tecnologia totalmente segura

Mehdi Fedouach/AFP - 12/05/2011

Parte do trem de pouso do Airbus A 330 da Air France, que caiu no mar

pazes de compreender a natureza dos problemas. Não foi o mau tempo nem o mau funcionamento dos instrumentos - nem mesmo uma cadeia complexa de erros - que condenaram o voo AF-447 ao desastre. Na verdade, o que derrubou o avião foi um erro simples, mas persistente por parte de um dos pilotos", informa a revista E o texto continua:

Uma das caixas-pretas, recuperada do fundo do oceano

dos da aeronave. Num primeiro momento, tem-se a impressão de que a tragédia foi causada por um erro humano, por pilotos idiotas. Mas há mais coisas acontecendo além disso e aí entra o inevitável recurso à obra de Perrow. Segundo Maggie Koerth-Baker, muitas vezes o que chamamos de falha humana é, na verdade, uma sequência de erros simples e inerentes ao trabalho com sistemas complexos. Vamos a alguns trechos importantes trazidos pela Popular

M ec h a ni c s. Serão parágrafos cheios de tensão e que vão elevar a frequência cardíaca do leitor, embora ele possa muito bem imaginar a conclusão. " Agora sabemos que, de fato, o voo AF-447 atravessou nuvens associadas a um grande sistema de tempestades, que seus sensores de velocidade congelaram e que o piloto automático da aeronave foi desconectado. Na confusão que se seguiu, os pilotos perderam o controle do avião porque reagiram de forma incorreta à perda dos instrumentos de bordo e pareciam inca-

"Julgamentos humanos, tomadas de decisões, é claro, nunca são feitas no vácuo. Pilotos fazem parte de um sistema complexo que pode aumentar ou reduzir a probabilidade de erros. Após o acidente, a questão mais importante é saber se os procedimentos em relação a instrumentos de voo, treinamento da tripulação e procedimentos na cabine de comando podem ser equacionados de modo a que ninguém nunca mais cometa os mesmos tipos de erros ou se a interferência humana (em processos tecnológicos) pode sempre levar a um resultado catastrófico. Afinal, os homens que caíram com o AF-447 eram três pilotos altamente treinados, voando numa das frotas mais prestigiadas do mundo. Se eles estavam aptos a pilotar um avião em perfeitas condições sobre o oceano, então o que essa aeronave poderia

questionar: 'Nossos pilotos nunca fariam uma coisa dessas' "? A revista afirma que dos pilotos parece ter mantido o nariz do avião levantado durante todo o desenrolar do acidente, insistindo mais e mais nessa manobra, apesar de ter sido a pior coisa que poderia ter feito. Ao mesmo tempo, todos no cockpit parecem ter ignorado completamente um sistema de alarme que lhes informava insistentemente que o avião estava perdendo sustentação (estolando, na linguagem aeronáutica). E por que eles fariam isso? Esse é o tipo de erro que pilotos altamente treinados não devem cometer. Mas eles fizeram isso. E fizeram porque conheciam (ou pensavam que conheciam) o complexo sistema de segurança da aeronave. Tome-e como exemplo o alarme de estol. Como alguém poderia ignorá-lo? E a revista prossegue: "Ainda assim, os pilotos continuaram a ignorá-lo. A razão: eles acreditaram que seria impossível o avião perder a sustentação, o que não é uma ideia totalmente irracional. O Airbus é um avião fly-by-wire (que voa por instrumentos).

As informações de controle não são levadas diretamente para os painéis de controle, mas para um computador, que, em seguida, as transformam em comandos que movem os ailerons, o leme e os flaps, por exemplo". Na grande maioria dos casos, o computador funciona dentro do que é conhecido como "lei normal". Significa que ele não aprovará qualquer movimento que possa levar a aeronave a perder seu padrão de voo. "Na 'lei normal', você não pode estolar um avião", diz Godfrey Camilleri, um instrutor que ensina os sistemas do Airbus 330 para pilotos norte-americanos. Mas a partir do momento em que o computador perdeu seus dados de velocidade (os sensores estavam congelados), ele desligou o piloto automático e mudou a "lei normal" para "lei alternativa", um regime de voo com menos restrições para o piloto. "Na 'lei alternativa', você pode estolar um avião", disse Camilleri. Assim, é bem possível que o comandante Bonin nunca tenha voado numa aeronave em "lei alternativa". Por isso, pode ter imaginado que o aviso de perda de sustentação era falso, quando, na verdade, era verdadeiro. É aí que a obra de Charles Perrow e o voo AF-447 cruzam seus caminhos. Entra em cena um conceito que Perrow chama de "incompreensibilidade". Pessoas envolvidas em um acidente dessa magnitude, muitas vezes não conseguem descobrir rapidamente o que está acontecendo. Isso porque, em situações de alto estresse, o cérebro reverte para o bem os processos que nos ajudam a compreender o mundo: você pensa nas coisas que praticou mil vezes, no que lhe foi dito que pode acontecer, caso venha a acontecer. Mas e se realidade não combinar com a sua formação? Então o cérebro encontrará maneiras para que elas combinem e tudo faça sentido naquele momento. Tal processo poderá levar a erros que só exacerbam o problema. No caso do voo AF447, o resultado dessa sequência de erros gerada por uma tomada de decisão do computador e não levada a sério pelo piloto foi a queda no oceano e a morte de todos a bordo. Em www.dcomercio.com.br a íntegra do artigo da revista "Popular Mechanics"


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

c

11 Disponibilizamos muitas vagas para auxiliar de serviços gerais. Adriana Batista, da Treze Facility, agência de empregos

idades Fotos de Chico Ferreira/Luz

Empregos desfilam em calçadão do Centro Velho Agências, folhetos e "homens-placa" oferecem centenas de vagas na Rua Barão de Itapetininga Mariana Missiaggia

uma vez por semana em busca de novas oportunidades na área administrativa. Camila uem caminha pela trabalhou durante um ano coRua Barão de Itapeti- mo operadora de telemarkeninga, no Centro, ting, justamente o setor com percebe que o calça- mais ofertas na Barão de Itapedão é uma verdadeira feira de tininga. O salário gira em torno empregos a céu aberto e destino de R$ 750 por mês, para uma de centenas de desempregados. jornada de trabalho de sete horas por dia. A Os postes de única exigêniluminação focia é possuir o ram tomados ensino médio por páginas completo. impressas que Além de estampam conferir com oportunidades atenção as vaprof iss ion ai s, gas coladas as agências de nos postes, emprego receCamila recorbem candidare às agências tos às vagas e de emprego. os "homensApenas na placa" utilizam Barão de Itao corpo para petinga exisanunciar muitem mais de tas ofertas de 50 delas. Enemprego. tre elas, a Tre“Como tra- Adriana Batista, funcionária da balhava aqui Treze Facility: movimento intenso z e F a c i l i t y Serviços, no perto, sempre ficava de olho nas vagas. Prefi- piso térreo do número 140, ro vir aqui porque não confio que recruta auxiliares de limem sites. Gosto de ir até a agên- peza, porteiros, atendentes e cia e ter um contato mais pró- recepcionistas. De acordo ximo”, diz Camila Neves de com Adriana Batista, 26 anos, Matos, 21 anos, que está de- funcionária da Treze Facility, mais de 100 pessoas passam sempregada há um mês. Esperançosa, ela vai à Barão diariamente pelo local. Homem-placa – Outra trade Itapetininga pelo menos

Q

Oferta de vagas é abundante nos postes do calçadão da Rua Barão de Itapetininga. Setor que oferece mais oportunidades é o de telemarketing.

dicional maneira de selecionar futuros empregados são os "homens-placa" ou "homenssanduíche", como também são conhecidos. Eles carregam uma espécie de colete forrado de vagas de trabalho. Manobrista, eletricista, auxiliar de cozinha, motorista e muitas outras profissões são expostas por pessoas que mais parecem um outdoor humano. Ontem, às 13h, mais de 40 "homens-placa" recolhiam currículos e anunciavam oportunidades em seu corpo, na Barão de Itapetininga. Segundo Adriana, eles recolhem cerca de 200 currículos diariamente. Porém, 50% destes currículos são descartados porque procuram vagas apenas no setor administrativo. “Mesmo tendo o homemplaca como orientador acabamos recebendo currículos indevidos. Ainda assim, somos muito procurados por porteiros e disponibilizamos muitas vagas para auxiliar de serviços gerais”, disse Adriana,

afirmando que cerca de 20 pessoas, entre 19 e 55 anos, conseguem empregos todos os dias na empresa. Complemento – Luis Pereira da Costa, 66 anos, aposentado, complementa sua renda há um ano e meio com essa dinâmica de trabalho. Pereira presta o serviço de homem-placa para a sociedade cooperativa Nova Coop. Ele chega todos os dias no mesmo horário – 9h – e vai embora às 17h, depois de receber cerca de 150 currículos. De acordo com Pereira, essa atividade pode render, no máximo, um salário mínimo para quem for contratado e trabalhar seis dias por semana. Já aqueles que trabalham como diarista recebem R$ 20 por oito horas de trabalho. Outra remuneração possível é optar pelas comissões. “A comissão depende da quantidade de pessoas que forem à empresa contratante por indicação do homem-placa. Aí já viu, né. É tudo ou nada”, explicou Pereira.

Luiz Ribeiro da Costa: aposentado completa sua renda mensal oferecendo vagas de emprego no calçadão

A 120, ESTACIONADO...

Chico Ferreira/Luz

E

s/Hype Newton Santo

ste mês de dezembro poderia ser perfeitamente chamado de "mês do 120". É que, além da Paulista, o 2º Batalhão Coronel Herculano de Carvalho e Silva, da Polícia Militar, sediado na Vila Esperança, Zona Leste, também está completando 120 anos. À semelhança da avenida, está entronizado na história da Cidade, pois nasceu com a criação da PM, então chamada de Força Pública, em 1891. Mas sua importância é maior do que um simples registro

POR QUE NÃO IR AO TRIANON? Metrópole – Como a Associação Paulista Viva, que o senhor preside, avalia a Avenida Paulista nos seus 120 anos? Antonio Carlos Franchini – Hoje, a Paulista é uma avenida estabilizada. Seus principais problemas – necessidade de piso adequado; iluminação, sinalização e policiamentos eficientes; camelôs – estão equacionados. Metrópole – Até a venda de yaksoba na calçada foi resolvida? Franchini – Até yaksoba. De modo que hoje a Paulista Viva está mobilizada para explorar

... NA VILA ESPERANÇA.

melhor o potencial da avenida em favor da Cidade. Metrópole – Dê um exemplo? Franchini – O Parque Trianon, também conhecido como Siqueira Campos, deveria ser melhor usufruído pelos paulistanos, principalmente aqueles que gravitam em torno da Paulista. Diariamente, circulam por ali 1,5 milhão de pessoas. O parque é uma área nobilíssima. Seus cerca de 48 mil m² são uma parte preservada da Mata Atlântica. Ali tem exemplares de cedro, pau-ferro, sapucaia, jequitibá, palmito – árvores belíssimas e confortadoras –

cronológico. Com menos de um ano de existência, foi combater os revoltosos da Revolução Federalista (18911895), que, liderados por Gumercindo Saraiva e o senador Gaspar Martins, pretendiam derrubar o presidente Floriano Peixoto (1839-1895) e instalar o parlamentarismo no País. Iniciado no Rio Grande do Sul, o movimento se alastrou por Santa Catarina e Paraná, abalando a jovem República, fundada dois anos antes.

O que abrigam aves e esquilos. É um lugar de relaxamento, acolhimento e de contemplação. Metrópole – Mas o que tem de errado com o Parque Trianon? Franchini – Por causa da vegetação densa, que sombreia as alamedas internas, ganhou ao longo

do tempo – foi criado em 1892 – a fama injustificada de ser um lugar inseguro. Há um certo temor de frequentá-lo. Uma das metas da associação é a de dissipar esse fantasma. (Antonio Carlos Franchini, 59 anos, publicitário, presidente da Associação Paulista Viva)

2º Batalhão fora posto em combate por ordem do presidente do Estado Bernardino de Campos (1841-1915) a pedido de Floriano e libertou Curitiba, então sitiada pelos rebeldes. "Nessa época, o batalhão ganhou o apelido de 'Dois de Ouro', alusão ao seu nome e à façanha, que permanece até hoje", informa seu atual comandante, o tenente-coronel João Abner Nossa, de 52 anos. Nos anos 20, o Dois estava novamente nos campos de batalha lutando contra as tropas de Miguel Costa que faziam parte da Coluna Prestes. E por fim, em 1932, teve o

destacado papel de defender o estratégico "Túnel da Mantiqueira", na atual Rodovia Fernão Dias, impedindo a passagem dos soldados getulistas que vinham de Minas Gerais rumo à Capital. Teve 18 baixas. Aliás, o chefe dessa operação foi justamente o coronel Herculano, comandante da unidade e que mais tarde lhe emprestou o nome. Convém lembrar que a PM é boa de briga. Também lutou na Guerra do Paraguai, ainda sem ostentar a denominação, na Guerra de Canudos e na II Guerra, fazendo parte da Força Expedicionária Brasileira (FEB).


DIÁRIO DO COMÉRCIO

12 -.LOGO

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

I MPRENSA

Parque da Lanterna

Número recorde de jornalistas presos

Reuters

O número de jornalistas presos no mundo é de 179 em 2011, o índice mais elevado em 15 anos, segundo o último informe do Comitê para a Proteção de Jornalistas (CPJ) publicado ontem. O Irã encontra-se pelo segundo ano consecutivo à frente desta lista, com 42 jornalistas presos, seguido pela Eritreia, com 28, China, com 27, Mianmar, com 12, e Vietnã, com nove. A associação não governamental, com sede em Nova York, ressalta que os profissionais são, em sua maioria, redatores, redatoreschefe e fotógrafos, em especial do setor da internet e 45% são independentes. "Os jornalistas independentes, que frequentemente não gozam do apoio institucional necessário para resistir à pressão do Estado ou para poder se defender perante a justiça, são os que sofrem o maior peso neste aumento sem precedentes de prisões", indicou no informe o diretor-geral do CPJ, Joel Simon.

Trabalhadores instalam lanternas gigantes no formato de vasos no primeiro patrimônio imaterial da China, o festival da Lanterna de Hefei, na província de Anhui.

I NTERNET

E NERGIA

C ASA

A web na sua língua

S

e você já se deparou com um site na web em norueguês ou árabe e ficou sem saber do que se tratava, sabe o quanto um tradutor instantâneo pode ser útil. Bem, agora esse serviço já foi inventado. Chama-se Duolingo. A criação é de Luis von Ahn, que saiu da Guatemala para os EUA com a intenção de estudar matemática e acabou se envolvendo no projeto que pretende traduzir os conteúdos da internet a todos os idiomas, como uma forma de dar acesso à web para todos. Ahn foi nomeado o intelectual mais influente do

Eletricidade na sola do pé Engenheiros da Universidade de Wisconsin criaram tênis que produzirem energia enquanto você caminha. O calçado tem um sistema interno de eletrodos envolvidos em um líquido que transmite a corrente elétrica. A energia é transferida para baterias por conexão micro-USB. http://bit.ly/uU1lxL

R ECICLAGEM

ano, em 2011, pela revista Foreign Policy, e está na lista das 100 pessoas mais criativas do mundo dos negócios em 2010. O grande salto de Ahn foi deixar de confiar nos sistemas de tradução. "Pensamos que talvez pudéssemos usar a computação, mas vimos que não, que por enquanto a tradução é muito ruim e precisamos de humanos". No Duolingo, é possível aprender um novo idioma ao se traduzir frases. Primeiro, sentenças curtas, e com o aumento do nível de fluência, orações mais longas. O "estudante" recebe três

Fotos: Arno Burgi/AFP

Roma no ano 312 Uma gigantesca pintura circular intitulada "Roma 312" está em exibição no Panometer, em Dresden, Alemanha. O trabalho foi produzido com base no panorama histórico criado por Josef Buehlmann e Wagner Alexander a partir do ano 1889. Na obra em exposição, que pretende simular o tamanho real das edificações da metrópole que tinha mais de um milhão de habitantes no ano de 312 d. C.. A data é importante porque marca a conversão do Império Romano ao Cristianismo, com a vitória do imperador Constantino sobre seu oponente Maxêncio na Batalha da Ponte Mílvia sobre o rio Tibre. O panorama de 360 graus "Roma 312" ficará em exposição na Alemanha a partir de amanhã até 2 de setembro de 2012.

http://bit.ly/tYwKKM

L OTERIAS Concurso 694 da LOTOFÁCIL 01

03

06

08

09

10

11

14

15

16

18

19

20

21

24

Concurso 2766 da QUINA 28

39

58

59

77

Chega de brigar com os palitinhos Você até gosta de comida oriental, mas não é dos mais hábeis no manuseio dos palitinhos. Pensando em pessoas como você, a designer Aïssa Logerot criou o Spoonplus, uma peça na qual você pode afixar os palitos incômodos e obter, instantaneamente, o conforto de uma colher. http://bit.ly/uMWWXt

M ARKETING

Quanto custa um seguidor?

A obra é considerada o maior panorama em 360 graus do mundo, com 106 metros de comprimento e 31 metros de altura

Um email enviado pelo Twitter para potenciais clientes vazou na internet e revelou quanto os anunciantes pagam por seguidores em ações na rede de microblogs. O documento divulgado pelo site ClickZ diz que o "custo por seguidor", no caso de contas promovidas, fica entre US$ 2,5 e US$ 4, enquanto o "custo por engajamento" (que mede o número de cliques, retuítes e respostas) gira entre US$ 0,75 e US$ 2,50. As empresas que adquirem o serviço de contas promovidas na rede social firmam contratos de, no mínimo, três meses, e se comprometem a um gasto mínimo de US$ 15 mil.

A RTE

Tuiteiros são bem-vindos O jornal norte-americano Los Angeles Times publicou uma reportagem mostrando que em alguns teatros dos EUA, tuiteiros que não conseguem deixar de usar seus gadgets para informar seus seguidores sobre o evento de que participam agora já são bemvindos. A solução para não atrapalhar outras pessoas da plateia foi criar uma área especial com assentos reservados para pessoas que querem tuitar enquanto apreciam o espetáculo no palco. A área, batizada como "tweet zone" é vista como estratégica por alguns produtores de espetáculos, já que a divulgação que a peça ou show pode obter nas redes sociais funciona como um atrativo para o público. Além disso, com a iniciativa, os atores podem acompanhar em tempo real a reação da plateia - ou parte dela.

Reprodução

O site Reciclart, que publica ideias e dicas de reciclagem de materiais, destacou ontem uma criação da artista Alejandra Martínez. Ela utiliza velhas garrafinhas de Gatorade para criar flores artificiais para decoração. Detalhe: os "vasos" também são reciclados.

http://duolingo.com/

H ISTÓRIA

T ECNOLOGIA

Flores de Gatorade

frases de um mesmo parágrafo, e elas também aparecem para outros alunos virtuais. Um sistema computadorizado compara as respostas e escolhe a que teve mais incidências. "As traduções não são perfeitas, mas comprovamos que são muito, muito boas", garante o criador do projeto. O site de aprendizado/traduções começou com espanhol, inglês e alemão. A intenção é ampliálo para francês, italiano e chinês. Mais adiante, os 15 principais idiomas do mundo devem estar na lista. (Efe)

Homens de PVC Teatros da Broadway podem adotar em breve a ideia. Segundo o Los Angeles Times, os assentos especiais foram utilizados pela primeira vez no Lyric Opera, no estado norteamericano do Kansas em 2009. A casa reservou 100 cadeiras para tuiteiros durante a última apresentação do espetáculo HMS Pinafore.

Tubos de PVC em centenas de pedaços são a base das esculturas do coreano Kang Duck-Bong. Mais no site abaixo. http://bit.ly/sqPiVL


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

e

13 SEGUROS Mercado no Brasil deve fechar o ano com um crescimento de 17,1%, segundo a Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais (CNseg).

conomia

Meta da inflação por um fio

A

inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fechou novembro com taxa de 0,52%, ante uma variação de 0,43% em outubro, informou ontem o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O IPCA é o índice oficial utilizado pelo Banco Central (BC) para cumprir o regime de metas de inflação, determinado pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Até novembro, o indicador acumula alta de 5,97% no ano, bem próximo de atingir o teto para 2011. A meta do ano é de 4,5%, com margem de 2 pontos percentuais para cima (6,5%) ou para baixo (2,5%). Em 12 meses, o índice registra aumento acumulado de 6,64%. A última vez em que houve a superação da margem do IPCA foi em 2003, quando o limite máximo estipulado pelo CMN era igual ao atual, de 6,5%, e o indicador encerrou o período em 9,3%. Nos dois anos anteriores, marcados por graves crises econômicas, o BC também perdera a luta para estabilizar os preços, e o teto da inflação do governo foi rompido. Este ano, com um IPCA em 12 meses encerrados em no-

v e mb r o e m 6 , 6 4 % , e c o n omistas calculam que, se o índice de dezembro superar 0,5%, a autoridade monetária terá perdido mais uma batalha para a inflação. Causas – A coordenadora de Índices de Preços do IBGE, Eu- rato, sendo o principal impaclina Nunes, avaliou que o au- to a puxar a taxa do IPCA para mento da demanda nesta épo- baixo. Entre os itens não alica de fim de ano é o principal mentícios, a variação foi de fator que explica a alta dos pre- 0,35%, abaixo da taxa de outuços dos alimentos, que exerce- bro, de 0,39%. ram a maior pressão sobre a inEmpregado doméstico – O flação de noaumento de vembro. 1,36% nas desO aumento pesas com emde 2,63% nos pregados dopreços das mésticos, na carnes na paspassagem de sagem de ououtubro para por cento foi quanto tubro para nonovembro, fez representou o grupo v e m b r o p uo item se torxou a inflação nar o segundo alimentação na de 0,52%. Comaior impacinflação de novembro, to na alta de mo resultado, o g r u p o a l ipuxado pelo preço da 0,52% na inflamentação e ção medida carne, que teve bebidas acelepelo IPCA, no aumento de 2,63%. rou a alta para p e r í o d o , s e1,08%, após gundo o IBGE. ter registrado Na leitura anvariação de 0,56% em outubro. terior, o item empregados doEsse grupo foi responsável por mésticos tinha subido 0,1%. 48% da taxa total do IPCA em Também ficaram mais caros novembro. os serviços de manicure, que Entre os alimentos em que- passaram de 0,88% em outuda, o leite ficou 2,02% mais ba- bro para 1,98% em novembro;

48

cabeleireiro (de 0,54% para 1,19%); e costureira (de 0,41% para 1,64%). Os aumentos fizeram o grupo despesas pessoais passar de uma alta de 0,22% em outubro para 0,88% em novembro, a segunda maior variação entre todos os grupos no período, superada apenas pela dos alimentos (1,08%). Também apresentaram aceleração na alta dos preços ou fim de deflação os grupos artigos de residência (de -0,2% em outubro para 0,05% em novembro) e comunicação (de 0,13% para 0,39%). Transportes – Os preços das passagens aéreas desaceleraram em novembro, contribuindo para amenizar o impacto do grupo transportes na inflação medida pelo IPCA no mês. Segundo o IBGE, que divulgou o índice ontem, a queda na gasolina também levou o grupo a uma ligeira alta, de 0,01%, após ter registrado variação positiva de 0,48% em outubro. As passagens aéreas subi-

O IPCA fechou novembro em 0,52% e acumula alta de 5,97% no ano, bem próximo do teto da meta do governo para 2011, que é de 6,5%. Com isso começam a ficar mais evidentes os riscos da escalada dos preços superar o máximo permitido, o que não acontece há oito anos.

ram, em média, 3,91% em novembro, enquanto em outubro a alta chegou a 14,26%. Já o litro de gasolina ficou 0,25% mais barato no mês passado, após ter tido um aumento de 0,17% no mês anterior. No entanto, o litro do etanol

ficou mais caro, saindo de uma queda de 0,36% para uma alta de 1,28%, na mesma base de comparação. Outros itens, como seguro voluntário (de 4,5% em outubro para -0,56% em novembro) e automóveis, tanto novos (de -0,09% para 0,51%) quanto usados (de 0,15% para -1,08%), tiveram queda de preços. (Agências)

IPC-S e INPC aceleram

A

inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) acelerou na primeira semana deste mês – de 0,53 em novembro para 0,63% até o dia 7 – informou ontem a Fundação Getúlio Vargas (FGV). Foi o maior resultado desde a segunda quadrissemana de setembro (0,69%). As sete classes de despesa componentes do índice apresentaram acréscimo: alimentação (de 0,78% para 0,94%), vestuário (de 0,87% para 1,2%) e transportes (de 0,08% para 0,2%), educação, leitura e recreação (de 0,39% para

0,47%), habitação (de 0,52% para 0,55%), saúde e cuidados pessoais (de 0,43% para 0,5%) e despesas diversas (de 0,41% para 0,45%). INPC – O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) subiu 0,57% em novembro, após ter alta de 0,32% em outubro, segundo divulgou ontem o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com o resultado, até o mês passado, o índice acumula altas de 5,54% no ano e de 5,83% em 12 meses. O INPC mede a variação dos preços para as famílias com renda de um a seis saláriosmínimos e chefiadas por assalariados. (AE)

Newton Santos/Hype

Copom sinaliza novos cortes na Selic

O

Banco Central (BC) admite que a crise internacional contagiou o Brasil. Se até outubro o Comitê de Política Monetária (Copom) tratava a contaminação apenas como uma possibilidade, a ata da última reunião do grupo mostra que o fenômeno já está em curso e, segundo o BC, ajudará a reduzir o ritmo da inflação em 2012 para um patamar próximo de 4,5%, no centro da meta. Por isso, houve espaço para cortar o juro pela terceira vez seguida, para 11% ao ano. Diante da aposta que os preços tendem a desacelerar ainda mais nos próximos meses, o BC reforçou a expectativa dos economistas de que é possível reduzir o juro mais vezes até que a taxa Selic tenha um dígito em 2012. Os cortes, somados às medidas de incentivo ao crédito, tentam reanimar a economia, que ficou estagnada no terceiro trimestre. O plano é baratear financiamentos para levar famílias às compras e, assim, amenizar o efeito da crise. Divulgada ontem, a ata do encontro da semana passada mostra que as preocupações do BC com a inflação são de-

c re s c e n t e s . M e s m o c o m o movimento é potencializado IPCA acima da meta no perío- com a atividade doméstica do de 12 meses – alta de 6,64%, estagnada. acima do limite de 6,50% – o co"O alívio da inflação, mesmo mitê reafirmou que o pico da que gradual, dará mais conforinflação aconteceu no terceiro to para o Comitê seguir impletrimestre e que, agora, os pre- mentando sua política de corços começam a "recuar na dire- tes moderados, ao longo das ção da trajetória de metas". Por próximas três reuniões, levanisso, o BC acredita em inflação do a Selic para 9,5%", prevê o "ao redor do valor central da diretor do departamento de meta" em 2012, abaixo do que pesquisas e estudos econômifoi indicado cos do Bradesna ata da reuco, Octavio de nião anterior, Barros, em reem outubro, O alívio da inflação latório quando a preA s s i m c odará mais conforto visão estava mo o Bradespara o Comitê "acima do vaco, outras insseguir com cortes lor central". t i t u i ç õ e s remoderados ao Parte dessa forçaram ondesaceleração longo das próximas tem a aposta pode ser atrique o juro detrês reuniões b u í d a à i nve continuar OCTAVIO DE BARROS, DIRETOR fluência da em quedas DO BRADESCO crise externa. moderadas Com a crise inde 0,5 ponto ternacional, diminuem as percentual nos primeiros mecompras em todo o mundo e ses de 2012, o mesmo ritmo preços começam a cair. A retra- visto desde agosto. Portanto, ção é sentida no Brasil, por o texto enterrou, pelo menos exemplo, via produtos básicos por enquanto, a hipótese que – as chamadas commodities. a dose dos cortes poderia auApenas em novembro, o mentar. Quedas mais fortes preço médio desses produtos só devem vir em caso de "rupcaiu 1,7%, segundo o BC. O tura" do quadro externo, co-

mo o calote da dívida de algum país europeu ou quebra de instituição financeira. Juros mais baixos devem alavancar os empréstimos e estão alinhados com o plano do governo de acelerar a economia via crédito. Com a estratégia, o BC mudou a avaliação sobre o futuro dos financiamentos. Até outubro, previa "moderação na expansão" dessas operações. Agora, passou a trabalhar com "expansão moderada". Ou seja, previa pé no freio e atualmente espera aceleração. A ata do Copom mostra ainda que os juros menores seguem como operação principal na política do BC. Porém, outras opções estão na mesa. Entre economistas, cresce a expectativa que o governo possa usar outros instrumentos que reduzem o custo dos financiamentos e aumentam a oferta de crédito, como a liberação de parte dos depósitos compulsórios parcela do depósito dos clientes que é mantida no BC. A medida está em estudo e deverá ser acionada em breve pelo Banco Central. (AE)

Heron: reduções da Selic são consistentes com demanda robusta em 2012.

Para economista, BC foi coerente.

O

presidente do Conselho Regional de Economia (Corecon-SP), Heron do Carmo, disse que são coerentes os argumentos dados pelo Banco Central (BC) na ata do Comitê de Política Monetária (Copom), divulgada ontem, de que as reduções implementadas na taxa Selic são consistentes com uma demanda robusta em 2012 e, ao mesmo tempo, com uma taxa de inflação ao redor de 4,5%. Segundo Heron, são muitos os fatores que contribuirão com a desaceleração da inflação – para ele, o ano terminará com IPCA em torno de 5%. Ele cita como exemplos a nova ponderação dos

pesos dos grupos que compõem o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (IPCA) na Pesquisa do Orçamento Familiar (POF), a própria desaceleração da economia e as boas condições reservadas pelo governo federal para investimentos em infraestrutura, o que resultará em redução de custos e queda nos preços dos produtos. O economista prevê também que, a partir do próximo ano, dadas essas condições, o Banco Central poderá reduzir o ritmo de cortes na Selic. As declarações foram feitas durante almoço de confraternização do Corecon-SP, na Capital paulista. (AE)


14 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

e

15 Pesquisa do Ipea indica que 8,22% das famílias brasileiras estão muito endividadas. No mês anterior, o percentual era de 7,9%.

conomia

Confiança do lojista na berlinda Índices que medem a expectativa dos comerciantes mostram mistura de esperança com incertezas com relação ao futuro de seus negócios No entanto, a CNC admitiu que, embora os empresários tenham notado melhora nos estoques, esses ainda se encontram em "níveis insatisfatórios". FGV – Já o Índice de Confiança do Comércio (Icom) caiu 4,5% no trimestre finalizado em novembro, ante igual período de 2011. O recuo foi mais intenso do que o registrado em desempenho anterior, referente ao trimestre encerrado em outubro (-3,3%). A informação foi anunciada ontem pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) que divulgou a Sondagem Conjuntural do Comércio, terceira edição da nova pesquisa da instituição, elaborada em parceria com o Banco Central (BC). Segundo a FGV, no caso dos dois indicadores componentes do Icom, o Índice de Situação Atual (Isa-Com) caiu 6,5% no trimestre encerrado no mês de novembro, ante recuo de 4,5% apurado no trimestre finalizado em outubro. Já o Índice de Expectativas (Ie-Com) recuou 3% no trimestre até novembro ante queda de 2,5% no trimestre encerrado em outubro. No desempenho mensal, os sinais também são negativos. O Icom caiu 6% em novembro, sobre igual mês de 2010, ante à queda de 8,1% em outubro, no mesmo tipo de comparação. O Isa-Com recuou 9,5% em novembro em relação a um ano antes e o Ie-Com teve queda de 3,3% no mês passado ante igual mês do ano anterior, em comparação com uma queda de 7,4% em outubro em relação a um ano antes. (AE)

Juros de operações de crédito voltam a subir

A

pós três meses consecutivos de queda, as taxas de juros das operações de crédito voltaram a subir em novembro, refletindo o cenário econômico internacional, segundo a pesquisa da Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac) divulgada ontem. A entidade ressaltou que o levantamento não captou a última redução da taxa básica de juros (Selic), que deverá refletir na próxima pesquisa. Das seis linhas de crédito pesquisadas para consumidores, uma se manteve estável em 10,69% ao mês (cartão de crédi-

M YÓTICA THO SHOPPING ELDORADO Piso 1 - Loja 229-A 11 3815-5747

to rotativo) e as demais foram elevadas. Na média, passou de 6,6% ao mês, em outubro, para 6,67% (veja quadro abaixo). O juro do comércio subiu de 5,44% para 5,46% na passagem de outubro para o mês de novembro. No financiamento de automóveis em bancos, a taxa média passou de 2,16% para 2,20%, enquanto no empréstimo pessoal, também em bancos, a taxa subiu de 4,31% para 4,39% ao mês. Já no empréstimo pessoal em financeiras, a taxa média apresentou crescimento de 8,76% ao mês em outubro para 8,88% em novembro. (Agências)

A intenção de contratar funcionários para atender ao crescimento característico nas vendas de final de ano no comércio cresceu 3% em novembro ante outubro.

L.C.Leite/LUZ

O

empresário do comércio apresentou em novembro o mais elevado nível de confiança desde março deste ano. O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) subiu 0,3% em novembro ante outubro, segundo informou ontem a Confederação Nacional do Comércio de B e n s , S e r v i ç o s e Tu r i s m o (CNC). O indicador, calculado em uma escala que vai até 200 pontos, passou de 113,3 pontos para 113,8 pontos de outubro para novembro. Entretanto, a CNC fez uma ressalva. Entre os três sub-índices componentes do ICEC, o indicador que mede a percepção do empresário quanto às condições atuais caiu 0,5% em novembro ante outubro. Já o índice que apura as expectativas dos empresários do setor permaneceu relativamente estável, em igual período de comparação (0,2%). Mas o índice que mede as expectativas de investimentos dos empresários do setor subiu 1,1% em novembro ante outubro. A intenção elevada de contratar funcionários, para atender ao crescimento característico nas vendas de final de ano no comércio, aliado à melhora na percepção do comerciante quanto ao seu nível de estoques conteve, em parte, o impacto das respostas negativas dos empresários na formação do indicador em novembro. Somente a intenção de contratar funcionários atingiu, em novembro, o maior patamar desde o início da pesquisa em março deste ano.

Consumidor está mais otimista

E

studo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) detectou que 55,6% das famílias brasileiras acreditam que agora é um bom momento para consumir bens duráveis, Outras 40,6% afirmam não ser um momento ideal. A região Nordeste é a líder nessa questão, com 63,5% das famílias otimistas, seguida pelas regiões Sudeste e CentroOeste com 59,7% e 59,3%, respectivamente. A pesquisa levanta ainda o grau de endividamento familiar: no Brasil, 8,22% das famílias estão muito endividadas (ante 7,9% no mês anterior) e 55,59% das famílias declaram não ter dívidas, ante 54,2% em outubro. A maior parte das famílias muito endividadas fica no Norte (11,67%), seguida pelo Nor-

deste (10,8%), Sul (9,55%), Su- quanto isso, 45,62% das famílias deste (6,04%) e, por último, o querem pagar parcialmente as Centro-Oeste (4,56%). contas (ante 48,5%) e 33,81% As famílias não terão conque declaram dições de panão ter dívidas gar as contas são divididas atrasadas nesda seguinte te mês, ante maneira: 37,2% no mês maior concenanterior. por cento das famílias tração no CenO otimismo brasileiras tro-Oeste das famílias (83,86%), seem relação à declararam não ter guida pelas rerealidade sodívidas em novembro, giões Sudeste cioeconômica (66,23%), dedo País apresegundo o Ipea. Em p o i s S u l sentou leve outubro, o percentual (52,97%), Norqueda em noera de 54,2%. deste (42,07%) v e m b r o , s ee N o r t e gundo o Índi(24,67%). ce de ExpectaCerca de 18,13% das famílias tivas das Famílias (IEF) do Ipea. O pretendem pagar as contas atra- indicador passou de 64,7 em ousadas em sua totalidade. En- tubro para 63,7 no mês passado.

55,59

Em novembro de 2010, o indicador registrou 65,6 pontos. Na escala do Ipea, a pontuação acima de 60 pontos indica otimismo; abaixo de 40, pessimismo. A redução da taxa foi causada pelo decréscimo de confiança no Norte, Nordeste e CentroOeste, superior à alta apresentado pelas outras duas regiões. O Centro-Oeste continua sendo a região com as maiores expectativas, mas, houve uma queda de 6,6 pontos de outubro (75,5) para novembro (68,9). Em contrapartida, o Sul obteve um acréscimo de 7,4 pontos em relação ao mês anterior, apresentando, em novembro uma expectativa de 68,3 pontos. Já o Sudeste teve uma alta de 2,9 pontos em relação ao mês anterior, ficando com 65,4 pontos em novembro. (Folhapress)

Indústria de cartões cresce menos

O

s cortes da taxa básica de juros, a Selic, e as recentes medidas do governo federal para estimular o consumo devem ser sentidos mais fortemente na segunda metade de 2012, no entanto, não devem impedir uma desaceleração da indústria de cartões, projetou ontem a Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs), entidade que representa o setor. A previsão para o próximo ano é de uma expansão de aproximadamente 20% do faturamento em relação aos R$ 667 bilhões previstos para o acumulado de 2011. O setor, que havia começado este ano com um avanço anual de 26% no primeiro trimestre, está chegando a dezembro com um aumento de 23%. Para o presidente da Abecs, Claudio Yamaguti, o setor

Evandro Monteiro/Hype

refletiu a desaceleração provocada pelo aumento das medidas macroprudenciais, de dezembro passado, e da alta da taxa Selic, nos primeiros meses de 2011. "As (novas) medidas de estímulo do governo só terão maior reflexo no segundo semestre (de 2012)", disse Yamaguti. A desaceleração recente só não foi maior devido à tendência estrutural de maior uso dos cartões para pagamento, em lugar de cheque e dinheiro, e ao aumento da base da plásticos. De acordo com a Abecs, o total de cartões em circulação chegou a 670 milhões de unidades em setembro, um avanço de 10% em 12 meses. E a fatia dos plásticos no total de pagamentos, que foi de 24% em 2010, subiu para 25,5% neste ano. "Há um espaço ainda

As vendas por meio do plástico devem aumentar 20% no próximo ano

enorme para crescer", afirmou Yamaguti. Ele estimou que a participação dos cartões nas transações privadas subirá até 36% do total em 2015. Exterior – Outro elemento que contribuiu para a expansão do setor foram os gastos de brasileiros no exterior. Mesmo com o aumento do Imposto sobre

Operações Financeiras (IOF) determinado pelo governo em março nessas operações, as compras fora do País com cartões subiram 18% em 12 meses até setembro, para R$ 5,5 bilhões. "O IOF maior talvez não tenha sido suficiente para inibir as compras no exterior", disse o executivo. (Reuters)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

16

e

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

É um avanço, por permitir que empresas se legalizem e não fiquem sujeitas a multas. Marcel Solimeo, da ACSP

conomia

Alvará para empresas em edifícios antigos

BRF e Marfrig: ativos trocados.

O

Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) deu aval, ontem, à operação de troca de ativos entre a BRF Brasil Foods e o grupo Marfrig. As empresas chegaram a um acordo para que a BRF pudesse cumprir o compromisso assumido junto ao órgão antitruste depois da aprovação da aquisição da Sadia pela Perdigão, que deu origem à companhia. A troca de ativos resolve as obrigações da BRF com o Cade e representa para o Marfrig um "alívio" em seus desafios financeiros. Na troca, o Marfrig sai ganhando: recebe fábricas, abatedouros e centros de distribuição da BRF, que rendem R$ 2 bilhões ao ano, e desiste de operações que geram receita inferior. No entanto, o alívio de caixa está longe de resolver os problemas do Marfrig, que sofre com alto endividamento (cerca de R$ 6 bilhões). Considerada a margem média de 10% das operações da Perdigão, a estimativa é que o negócio alivie o balanço do frigorífico em R$ 200 milhões ao ano. "Está longe de resolver, mas é mais uma 'bola dentro' após a venda das operações de logística da Keystone, nos Estados Unidos", disse um analista. O acordo prevê um pagamento parcelado de R$ 200 milhões do Marfrig à BRF. O desenho da operação foi apresentado ao Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que é sócio das duas companhias e um dos principais credores do Marfrig. A instituição considerou que o negócio foi a melhor forma de manter os ativos da BRF sob controle de uma empresa de capital nacional. Para o BNDES, a operação vem para auxiliar o Marfrig em um momento de dificuldades. Espaço – Interessava ao BNDES que os ativos da BRF fossem comprados por Marfrig ou JBS – outra gigante da qual o banco de fomento é sócio – para não deixar espaço para companhias estrangeiras e aumentar a musculatura dos grupos locais. O acordo previa que a BRF teria de vender todos os ativos da Perdigão a um só concorrente. A operação cumpriu uma meta do BNDES: "equilibrar o jogo" entre JBS e Marfrig. Segundo uma fonte, o JBS reduziu margens no mercado interno este ano, enfraquecendo ainda mais as contas do Marfrig. O acordo faz sentido para os dois lados. A BRF era obrigada a se desfazer dos ativos da Perdigão, pois os produtos da marca sairão de circulação por um período de três a cinco anos. Isso obrigou a empresa a se desfazer de oito centros de distribuição, duas plantas de abate de suínos, outras duas de aves e dez fábricas de alimentos processados. O Marfrig herdou algumas marcas, incluindo Rezende, Tekitos, Patitas, Light Elegant e Fiesta, além das margarinas Doriana e Quality. O Marfrig sai ganhando porque sua operação local ganha musculatura: os ativos de processados reforçam a estratégia de investir em negócios de margem maior. Os centros de distribuição resolvem outra questão: a dificuldade em conectar as operações industriais ao varejo, o que obriga a companhia a trabalhar com distribuidores terceirizados. Fontes que acompanham o mercado de alimentos no País afirmam que a BRF não deverá sofrer um grande abalo ao desistir da Perdigão. (AE)

Lei municipal institui Licença de Funcionamento Condicionado, que beneficia negócios instalados em perto de 1 milhão de endereços de São Paulo Karina Lignelli

O

esforço deu certo: a Lei 15.499, publicada no Diário Oficial do Município na última quarta-feira (7), instituiu a Licença de Funcionamento Condicionado, que vai beneficiar entre 700 mil a 1 milhão de empresas localizadas principalmente na região central de São Paulo, em edifícios antigos. A medida foi bem recebida, pois muitas não conseguiam o alvará de funcionamento porque os imóveis em que estão localizadas não se adequam à legislação atual. "Eles não atendem às exigências de acessibilidade e garagem, por exemplo, por cumprirem legislação da época em que foram construídos", explica Marcel Solimeo, economista-chefe da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), participante ativa das discussões na Câmara Municipal e uma das principais incentivadoras para que o PL 189/10 se transformasse em lei. Cadastro – Antes da sanção, não era possível nem tirar o Cadastro de Anúncios (ou Cadan, licença de colocação de placas indicativas na fachada dos estabelecimentos) da Prefeitura de São Paulo, de acordo com Solimeo. Porém, de agora em diante, as empresas conseguirão tirar alvará de licenciamento, ferramenta fundamental para o funcionamento dos imóveis que abrigam atividades comerciais, industriais ou de serviços. A nova licença é provisória e vale por um período de dois anos, prorrogável por mais dois, para análise das possibilidades de adaptação dos imóvel. "Realmente existem diferenças entre imóveis com base em legislação anterior, que consideravam algumas dessas áreas residenciais, e as exigências atuais. É um avanço, por permitir que empresas se legalizem e não fiquem sujeitas a multas", opina Solimeo. O economista avalia ainda que, mesmo não sendo uma solução definitiva, a licença permite que empresas legalizadas ganhem tempo, já que a maioria funciona em imóveis alugados. "Até porque muitas dessas leis podem ser revistas, como a de zoneamento ou do Plano Diretor da cidade. Por isso é altamente positivo que a Lei 15.499 tenha sido aprovada e sancionada", comemora. É importante lembrar que a nova lei municipal beneficiará só edificações que exerçam as atividades em até 1,5 mil m² de área total. (Veja a íntegra da lei em www.dcomercio.com.br)

2010

www.agenda-empresario.com.br

ANO XXV ANO XXV

APOIO:

CENOFISCO Apoio: Cenofisco

www.contabil.com.br

SEXTA-FEIRA, 09 DE DEZEMBRO DE 2011

EMPREGADOR DOMÉSTICO AO ADMITIR EMPREGADO DEVE ENVIAR O CAGED? Todos os empregadores, pessoas físicas e jurídicas, que mantiverem empregados,com exceção do empregador doméstico,no mês de sua admissão,desligamento,ou transferência,por iniciativa da empresa ou do empregado,devem ser informados no CAGED - Cadastro Geral de Empregados e Desempregados.Assim, o empregador doméstico não deve enviar CAGED. Base legal: Lei nº 4.923/1965.

www.agenda-rural.com.br

A LICENÇA PATERNIDADE É CINCO DIAS CORRIDOS OU CINCO DIAS TRABALHADOS DA DATA DO NASCIMENTO DO FILHO? A licença paternidade, quando não houver previsão na Convenção Coletiva,atéapresentedata,seráde5dias.Ressalta-sequealeiéomissa se os 5 dias serão dias úteis ou corridos.Sugerimos que a empresa considere apenas os dias úteis para o trabalho,desconsiderando sábados domingos e feriados,se o empregado não trabalha nestes dias. FÉRIAS PROPORCIONAIS Nas férias proporcionais também deve ser aplicada a tabela de faltas injustificadas para efeito de perda de dias de gozo? Como deve ser calculada essa proporcionalidade? Saiba mais acessando a íntegra do conteúdo no site:[www.empresario.com.br/legislacao]. PROCEDIMENTOS PARA RETIFICAÇÃO NA DASN Empresa precisa retificar a data de abertura na DASN,como entregar à retificadora? Saiba mais:[www.empresario.com.br/legislacao]. EXCEDER O LIMITE DE FATURAMENTO Empresa optante do simples nacional que exceder o limite de faturamento, de R$ 2.400 mil, continuará enquadrada no simples novamente em 2012? Saiba mais:[www.empresario.com.br/legislacao].

V

eja alguns destaques da Lei 15.499/11 que aborda a instalação de atividades comerciais nas edificações paulistanas. Capítulo VI das Disposições Gerais Art. 17 – A existência de registro no Cadastro Informativo Municipal CADIN, ainda que não tenha havido composição ou regularização de obrigações, não impede a emissão do Auto de Licença de Funcionamento Condicionado. Art. 1º A instalação e o funcionamento de atividades não residenciais em edificações em situação irregular, nos termos da legislação em vigor no âmbito do

Município de São Paulo, dar-se-á mediante a obtenção do Auto de Licença de Funcionamento Condicionado, ora instituído. Art. 2º O Auto de Licença de Funcionamento Condicionado será expedido para atividades comerciais, industriais, institucionais e de prestação de serviços, compatíveis ou toleráveis com a vizinhança residencial, exercidas em edificação em situação irregular, classificadas na subcategoria de uso não residencial - nR1 e nR2, nos termos do art. 154, incisos I e II, respectivamente, da Lei nº 13.885, de 25 de agosto de 2004, nas hipóteses permissivas de Auto de Licença de Funcionamento, nos termos da legislação em vigor.

Catálogos - Danfes - Folders Envelopes - Impressos em Geral Fone: 11 2031 5754 / andergraf@andergraf.com.br

Rua Tenente Miguel Délia, 541 - São Paulo/SP

BOAS FESTAS E PRÓSPERO ANO DE 2012

CONTABILIDADE CONTABILIDADE E ASSESSORIA E ASSESSORIA

O que dizem as disposições legais

www.andergraf.com.br

RETENÇÃO DE IRRF Qual o procedimento em relação a retenção de IRRF sobre aluguel de Pessoa Jurídica (Empresa) para Pessoa Jurídica (Imobiliária) e qual o procedimento de Pessoa Jurídica (Empresa) para Pessoa Física? Saiba mais acessando: [www.empresario.com.br/legislacao].

• GESTÃO FISCAL • ADMINISTRAÇÃO DO RH • CONTABILIDADE • LEGALIZAÇÃO • MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM

Condições de milhares de edifícios no centro da cidade são incompatíveis com exigências legais recentes

DANFE Personalizada e com serrilha no canhoto a partir de R$ 190,00 o milheiro

José Paulo Leal Ferreira Pires © HÍFEN – todos os direitos reservados

AGENDA

DEMITIDO POR JUSTA CAUSA Empregado foi demitido por justa causa, sendo que já recebeu a primeira parcela do 13º salário? Como posso me ressarcir deste valor? Saiba mais acessando:[www.empresario.com.br/legislacao].

Alex Ribeiro/ DC

A DV O G A D O “Sem advogado não há Justiça” jpfladv@uol.com.br - Fones: 11 3104 3646 / 3107 6837 Rua Riachuelo, 73 - 4º andar - Conj. 401 - Centro - São Paulo/SP


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

e

17 O mais importante hoje é analisar se a indústria brasileira está conseguindo competir. Humberto Barbato, da Abinee

conomia

Fotos: Divulgação

RESPEITO

LANÇAMENTO da GM na criação de Olivetto

Secretaria de Justiça do Estado de São Paulo lança hoje campanha de combate à homofobia no serviço público. A campanha tem como objetivo orientar servidores sobre algumas questões relacionadas ao direito e cidadania LGBT, como o tratamento pelo nome social a travestis e transexuais. O Estado de São Paulo, por meio do Decreto Estadual 55.888 de 17 de março de 2010, garante esse direito aos travestis e transexuais em órgãos públicos. O material educativo destaca o combate à homofobia, através da Lei Estadual 10.948, de 5 de novembro de 2001, e a importância das denúncias. A lei proíbe e pune qualquer manifestação de discriminação em razão da orientação sexual e identidade de gêneros, com advertência, multa, suspensão ou cassação de licença de funcionamento, em caso de estabelecimentos comerciais. O mote da campanha é "Travesti e Respeito – Olhe e veja além do preconceito."

A

COMPLETO m carro 100% planejado no Brasil para oferecer conforto, espaço interno e comodidade aos passageiros a bordo. É assim que a WMcCann está vendendo o Cobalt, o mais novo lançamento da GM. O carro tem o maior porta malas da categoria, com 563 litros, três anos de garantia, extensa possibilidade de conectividade (entrada USB, MP3 player, Bluetooth), direção hidráulica e ar condicionado de série, air bag duplo e freios ABS (opcional). O Cobalt será comercializado em 40 países e a agência que tem Washington Olivetto no comando de criação vai trabalhar o mote "Chevrolet Cobalt. Mais que um novo carro, uma nova referência" durante toda a fase de lançamento.

U

PERDIGÃO lança produto Assa Fácil para atrair as que não resistem às novidades do mercado

PARA AS NOVIDADEIRAS

O BLOWTEX: sensação de não usar nada.

SEM LENÇO, SEM DOCUMENTO. Blowtex, do grupo australiano Ansell e Skyn, terá sua linha de preservativos lançada nas festas de fim de ano. Os produtos Blowtex Skyn são ultra-finos e antialérgicos, o que levou a agência Salve, de Marcio Scavone, a criar o slogan "Sensação usar nada" reforçado por um casal nu com uma "tatuagem de roupa". No hotsite da marca foi criado game com um aplicativo também para iPhone com ideias para "cantadas" originais. É o xaveco 2.0. Para ativar a "Sensação usar nada" nas redes sociais, a campanha também desenvolveu um concurso cultural em que o premiado e uma acompanhante ganham uma noitada de gala em um motel 5 estrelas de São Paulo. Sonhar não custa nada.

A

mercado publicitário há nha à medida que a ave vai assando, muito identificou uma permitindo um dourado uniforme e consumidora típica e ge- assegurando uma ceia fácil e saboronerosa nos gastos no varejo: as novi- sa. Eduardo Bernstein, diretor de dadeiras. Isso mesmo. São aquelas Marketing de Cárneos da BRF Brasil consumidoras que não deixam as no- Foods, a gigante resultante da união vidades da indústria e dos serviços de Sadia e Perdigão, não esconde: "O em oferta no mercado passarem em objetivo é atrair dois novos perfis de branco, especialmente se forem sa- consumidoras: as mulheres que adoborosas e, em outras categorias, se ram novidades e aquelas que valorioferecerem conforto e bem estar e zam mais a praticidade e o sabor do mais ainda se tiverem embutida uma que o ritual de cozinhar em si". As nopromessa à La Dorian Gray, o perso- vidadeiras estão com tudo e estão, nagem icônico de Oscar Wilde, que sim, muito prosas. São elas os melhoreconquista a juventude, o viço e a res papagaios de campanhas, espalham notícias com muita facilidade e beleza. Neste fim de ano, não são poucas adoram surpreender. Tanto que o coas novidades para essas consumido- mercial de Perdigão, assinado pela ras. De cosméticos que se diluem Y&R, de Roberto Justus, mostra esse com água, evitando o suplício dos tipo de situação, com uma família se adstringentes, passando por calça- preparando para a ceia quando a fidos e bolsas mais maleáveis até che- lha anuncia que irá fazer o chester. gar a automóveis perfeitos para via- Em meio ao desespero geral, a mãe gens e com muitos porta-trecos. diz para o marido relaxar porque o A Perdigão decidiu não ficar de fo- produto é o Chester Assa Fácil Perdira das festas do final de 2011 e traz o Chester Assa Fácil, que dispensa o desEnvie informações para essa congelamento, já vem coluna para o e-mail: temperado dentro de carlosfranco@revistapublicitta. com.br uma embalagem interna especial que se abre sozi-

gão. Quando estão todos na mesa, a avó é a primeira a provar o prato e dá a sua aprovação usando um termo moderno: "Caraca!". A assinatura diz: "Chester Assa Fácil Perdigão, a novidade que já é tradição." Mas não é só a Perdigão que reserva esses mimos para as novidadeiras. A Whirpool, dona de Brastemp e Cônsul, lança refrigeradores com mais prateleiras e praticidade, e a GM, de olho em pesquisas que mostram o poder e a influência da mulher na escolha do carro, os recheia com porta-trechos, para carregar maquiagem e, no caso da executiva, a troca de roupa rápida e a mudança ágil de visual com retrovisores maiores, não para ver o carro que está atrás, mas para se ver e se maquiar mesmo. O espelho tem tudo a ver com a mulher. No varejo popular, as novidadeiras também são o alvo, pois não resistem a, por exemplo, trocar a decoração natalina quando percebem alguma novidade no mercado, como as leds que agora substituem, nas árvores natalinas e nas guirlandas, as lâmpadas chinesas. Para as novidadeiras, um prato cheio. E elas estão com tudo.

BANCO DO BRASIL e Cielo: proposta simples.

PROMOÇÃO DO BEBÊ FALANTE primeiro filme criado pela Lew’Lara\TBWA para o Banco do Brasil destaca a promoção “Compra Premiada Ourocard e Cielo”, uma parceria entre o Banco do Brasil e a operadora de cartões. No filme, uma senhora pede um sorriso a um bebê e o recém-nascido surpreende e inesperadamente começa a falar sobre uma promoção super complexa. É quando o ator Rodrigo Faro apresenta a ação do Banco do Brasil e da Cielo – muito mais simples e fácil de participar do que a proposta pela criança. O objetivo é incentivar a utilização dos cartões de crédito e débito Ourocard nos estabelecimentos comerciais credenciados à operadora de cartões. Para participar, basta fazer os pagamentos, das compras acima de R$ 30, com o cartão Ourocard por meio da máquina da Cielo. Automaticamente, os consumidores estarão concorrendo a prêmios instantâneos triplicados e a dez prêmios de R$ 300 mil. Os estabelecimentos credenciados também ganham.

O

Expansão de 8,5% nos eletroeletrônicos Bons resultados de 2011 são, no entanto, inferiores aos projetados no início do ano pela associação industrial desse segmento. Expectativa para 2012 é alta. Rafael Nardini

A

indústria eletroeletrônica deve encerrar este ano com faturamento de R$ 134,9 bilhões, resultado 8,5% maior que o obtido em 2010, de acordo com dados da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) divulgados ontem. Apesar de ser um pouco superior às últimas projeções – que apontavam crescimento de 8% no período –, o dado segue distante da expectativa inicial, que apontava alta de 13% no faturamento em 2011. No próximo ano, a Abinee acredita em números mais favoráveis, com elevação de 13% no faturamento, para R$ 152,53 bilhões. Para atingir esse valor, o setor deve chegar a dezembro de 2012 com alta de 13% (R$ 3,43 bilhões) nos investimentos e de 5% nas exportações (US$ 8,27 bilhões). A entidade prevê ainda crescimento de 15% nas importações, para US$ 46,1 bilhões, e de 2% no número de empregados. Humberto Barbato, presidente da entidade, vê com preocupação os sinais de desaceleração de 2011. "Há alguns anos, faturamento expressava o nível de atividade industrial. O mais importante hoje é analisar se a indústria (brasileira) está conseguindo competir", disse. "Para qual-

15 milhões de aparelhos celulares produzidos no exterior devem ser comercializados no País neste ano, mais que o dobro do número de 2010.

quer uma das moças que tiver um secador de cabelo produzido no Brasil, eu dou um computador", brincou. Segundo ele, é importante que o governo veja qual é a fatia do mercado atendida por meio de importações e quanto foi fabricado no País. A variação cambial foi classificada pela entidade como o principal problema para a competitividade da indústria, tanto pela valorização do dólar, como pela sua volatilidade. Neste ano, a moeda americana chegou a ser cotada abaixo de R$ 1,60, com média aproximada de R$ 1,67, valor 5% menor que o registrado um ano antes. Mas Barbato crê que isso deve ser apenas o ponto de partida. "O problema não está mais no câmbio. Precisamos criar um programa de incentivos de

compra de produtos brasileiros." Segundo dados da Abinee, o País deve encerrar o ano com a entrada de 15 milhões de aparelhos celulares produzidos no exterior, atingindo US$ 1 bilhão e aproximadamente 20% do mercado total. No ano passado, por exemplo, foram importados 7 milhões de telefones móveis. Mas a fragilidade do cenário cambial fez com que, de acordo com o gerente econômico da associação, Luiz Cezar Elias Rochel, as importações crescessem muito em setores tradicionalmente bem amparados pela indústria brasileira, como os produtos de Geração, Transmissão e Distribuição de energia elétrica (GTD). A Abinee acredita que o ano termine com alta de 54% nas importações nessa área. Na outra ponta, as vendas totais de produtos eletroeletrônicos brasileiros ao exterior devem fechar 2011 com tímida alta de 3%. “O mercado interno tem sido o salvador da pátria, já que as exportações não decolam”, disse Rochel. Empregos – As adições no número de empregados no setor devem ser 44% menores neste ano do que as feitas em 2010. A expectativa da Abinee aponta para a criação de 8,3 mil vagas, número bastante abaixo do verificado no ano passado, quando 14,9 mil trabalhadores foram integrados ao mercado.

Divulgação

Muhtar Kent, CEO da empresa, mostra o cofre onde ficará o segredo da fórmula usada desde 1886.

O esconderijo da Coca-Cola

A

Coca-Cola anunciou ontem que pela primeira vez na sua história de 125 anos mostrará ao público o cofre onde a fórmula secreta do refrigerante permaneceu guardada desde 1925, no que pode ser considerado um dos segredos industriais mais bem guardados de todos os tempos. O cofre do Banco Suntrust, em Atlanta, nos Estados Unidos, será levado para o museu "O mundo de Coca-Cola", também localizado nessa cidade. A fórmula secreta, no entanto, continuará escondida dentro dele e não será

exposta ao público. A exibição do cofre faz parte da mostra "A caixa-forte da fórmula secreta", que os visitantes podem ver a partir desta semana. "Este é um dia especial na história de CocaCola e a maneira perfeita para comemorar nosso 125º aniversário", disse o executivochefe da companhia americana, Muhtar Kent. O nascimento do refrigerante mais conhecido do mundo remonta a 1886, quando o médico John Pemberton inventou o xarope que deu origem à bebida. (EFE)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

18

e

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Para o presidente dos EUA, Barack Obama, a questão principal é saber se a União Europeia é capaz de reunir vontade política para superar a crise.

conomia

Europa tenta hoje firmar um pacto fiscal

Alex Domanski/Reuters

Líderes da União Europeia devem anunciar acordo sobre a adoção de regras fiscais mais rigorosas

O

s líderes da União Europeia (UE), reunidos em Bruxelas, teriam obtido na noite de ontem um acordo para a instituição de um "pacto fiscal" entre os países membros. A formalização do pacto na zona do euro deve ser anunciada oficialmente hoje na reunião de cúpula da UE. Segundo as informações confirmadas por um diplomata, os países da UE estão comprometidos com regras muito mais rígidas do que as atuais para os déficits fiscais e procedimentos para a emissão conjunta de dívida. O texto preliminar do acordo afirma que a zona do euro planeja antecipar para julho de 2012 a introdução do

Mecanismo Europeu de Estabilidade (ESM, na sigla em inglês), e garantir ao orgão licença para operar como um banco. A medida daria ao ESM acesso a linhas de liquidez do Banco Central Europeu (BCE), afirmou a fonte. Luxo – Mais cedo ontem, o presidente da França, Nicolas Sarkozy, afirmou que a Europa não terá uma segunda chance caso não consiga firmar hoje um acordo que permita ao continente enfrentar a crise. "Esse é um luxo que não podemos pagar", disse Sarkozy. "Se não chegarmos a um acordo, não haverá uma segunda chance." Já a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, disse que os líderes europeus devem resta-

Thiery Roge/Reuters

Integrantes do movimento "Ocupe Frankfurt" montaram acampamento diante da sede do Banco Central Europeu, nessa cidade da Alemanha.

belecer a credibilidade do euro, se necessário, alterando as regras que governam o bloco. "O euro perdeu credibilidade e essa credibilidade deve ser recuperada", disse Merkel. "Precisamos deixar claro que aceitamos uma integração maior entre os estados membros", afirmou. "Temos de sinalizar externamente que estamos as-

sumindo um compromisso conjunto. Somente palavras não são suficientes porque nem sempre ficamos presos às palavras", acrescentou. A Alemanha quer que todos os 27 países membros da UE – e não apenas os 17 que adotam o euro – participem dos planos para aumentar a integração fiscal. O anúncio oficial hoje do

acordo deixará isso claro. No final da tarde de ontem, fontes diziam que a Alemanha rejeitava pontos como a concessão de licença bancária ao Mecanismo Europeu de Estabilidade (ESM). De acordo com autoridade do governo alemão, o país não é a favor de um ESM funcionando junto com a Linha de Estabilidade

Financeira Europeia (EFSF, nas iniciais em inglês), assim como é contrário à emissão de dívida pela zona do euro. O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse ontem que a principal questão a saber hoje é se a UE será capaz de reunir vontade política suficiente para superar a crise na zona do euro. (Agências)

Lionel Ciromeau/Reuters

Mantega: "estamos vendo uma luz no fim do túnel."

O Se não chegarmos a um acordo hoje na reunião de cúpula, não haverá uma segunda chance.

Temos de sinalizar que estamos assumindo um compromisso. Palavras não são suficientes.

NICOLAS SARKOZY, PRESIDENTE DA FRANÇA

ANGELA MERKEL, CHANCELER DA ALEMANHA

BCE reduz taxa básica de juros para 1% Banco Central Europeu corta taxa em 0,25 ponto percentual, para garantir maior liquidez nos mercados.

O

Banco Central Europeu (BCE) agiu para aliviar a recessão econômica e evitar uma escassez de crédito na zona do euro, reduzindo ontem a taxa básica de juros em 0,25 ponto percentual e oferecendo aos bancos financiamento de longo prazo. Com a decisão, o BCE reduziu o juro básico para 1% ao ano, e sinalizou uma chance grande de recessão no ano que vem. Mas o presidente do BCE, Mario Draghi, desencorajou expectativas de que o banco possa aumentar a compra de bônus governamentais. Ele disse que o Fundo Europeu de Estabilização Financeira (EFSF) deveria continuar sen-

do a principal ferramenta para combater o contágio dos mercados de bônus, apesar de seus limites de alavancagem. Draghi acrescentou que é ilegal para o BCE emprestar dinheiro ao Fundo Monetário Internacional (FMI) com o objetivo de comprar bônus da zona do euro, parecendo vetar uma opção anticrise em cogitação. Para fazer contraponto a isso, ele anunciou uma medida inédita para ajudar os bancos em dificuldade da Europa, oferecendo liquidez de três anos e regras menos duras para empréstimos, também cortando o juro básico para uma mínima recorde. Tu r b u l ê n c i a s – Os bancos europeus precisam levantar 11 3781

2441

115 bilhões de euros (US$ 154 bilhões) para proteger os credores contra as turbulências dos mercados, incluídas dívidas podres dos governos, disse ontem a Autoridade Bancária Europeia (EBA, na sigla em inglês). Essa quantia é superior ao estimado em um relatório preliminar divulgado em outubro, que previa um déficit de 106,4 bilhões de euros para que os bancos elevem o nível de capital Tier 1 para 9%, cumprindo as regras da União Europeia. O aumento no volume total é resultado de uma revisão para cima no déficit de capital estimado para os bancos da Alemanha, Itália, Áustria e Bélgica. O déficit de capital dos bancos alemães seria de 13,1 bi-

lhões de euros, bem acima da quantia de 5,2 bilhões de euros estimada em outubro. Entre as instituições da França, o déficit seria de 7,3 bilhões de euros. Na Espanha, o déficit seria de 26,2 bilhões de euros. E na Itália, os bancos precisariam de 15,4 bilhões de euros em novo capital. Os bancos europeus têm até 20 de janeiro de 2012 para apresentar um plano de recapitalização à EBA, sendo que precisariam cobrir o déficit de capital até o fim de junho do ano que vem. Em novo alerta, a agência de classificação de risco Standard & Poor's (S&P) colocou ontem em revisão negativa os ratings de 15 instituições financeiras da Espanha. (Agências)

www.brjtelecom.com.br douglas@brjtelecom.com.br

ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse ontem acreditar que há uma "luz no fim do túnel" para a crise na zona do euro, ao avaliar que o Banco Central Europeu (BCE), com a redução dos juros (confira texto nesta página), se aproximou de um emprestador de última instância. "Estamos vendo luz no fim do túnel na questão europeia. É um longo túnel, mas pode ser uma luz importante," disse o ministro da Fazenda. Mantega afirmou que estava faltando para o BCE uma atuação mais elástica. "O BCE se aproximou mais de um emprestador de última instância, papel que ele vinha cumprindo de forma tímida, quase que envergonhada. Estou vendo que os países europeus estão percebendo que precisam co-

Bolsas fecham em queda

A

s bolsas da Europa fecharam em queda ontem, após o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, acabar com as especulações de que a autoridade monetária poderia aumentar suas compras de bônus de governos da zona do euro. O índice pan-europeu Stoxx 600 recuou 1,5%, para 237,71 pontos. A Bolsa de Milão teve um dos piores desempenhos, com o índice FTSE Mib recuando 4,29%, para 14.979,07 pontos. Em Frankfurt, o índice DAX 30 caiu

2,01%, para 5.874,44 pontos. Depois do BCE anunciar que cortou a taxa básica de juros em 0,25 ponto porcentual, Draghi disse que os tratados da União Europeia (UE) proíbem a autoridade monetária de emprestar diretamente para governos da região e afirmou que o banco central está constrangido por sua estrutura institucional. "Draghi acabou com as esperanças de compras de bônus mais agressivas", disse Joerg Kraemer, economista-chefe do Commerzbank. (AE)

Antonio Guida A DV O G A D O

NÃO CONTRATE NENHUM PROGRAMA DE COACHING SEM FALAR CONOSCO!

O que faz algumas empresas serem constantemente bem-sucedidas, apesar de qualquer crise que apareça no cenário econômico do Brasil ou do mundo? Elas se baseiam em seu principal capital: o capital humano.

correio@aescoladavida.com

www.aescoladavida.com

Fones: 11 2749 2162 / 2743 8968

Rua Palmeirina, 460 - São Paulo/SP

Direito Previdenciário - Aposentadorias Pensões e Revisões junto ao INSS e na Justiça Federal Fone: 11 2642 1199 - Cel: 11 9185 5369 Rua Domingos Silva, 26 - Penha - São Paulo/SP (antonioguida@uol.com.br) Fone:

Copiadora Marlin Copiadora Mar lin Azul Assessoria Contábil Ltda.

adsystem@terra.com.br adsystem.kika@terra.com.br Assessoria Contábil, Fiscal e Trabalhista. Abertura de Firma, Transferência. Encerramento, Certidões Negativas etc.

locar o Banco Central na frente do combate nessa crise." O ministro da Fazenda citou como passos a serem tomados pela autoridade monetária europeia a necessidade de garantir a emissão de títulos dos países europeus. "Ainda não é ideal, tem que avançar a ponto de dizer que ele vai comprar bônus dos países europeus, que vai garantir a rolagem dos bônus dos países europeus." Mantega voltou a afirmar que o Brasil está disposto a contribuir com mais recursos para o Fundo Monetário Internacional (FMI), mas somente depois de os países europeus se comprometerem também com mais aporte. Mantega rejeitou a ideia de injetar recursos em fundos para comprar títulos da dívida de países da zona do euro. (Reuters)

11 2914-9922

Rua Lino Coutinho, 1.579 - Sobreloja - Ipiranga - São Paulo/SP

Cópia coloridas e P/B Panfletos Cartões de Visita Revelação de Filmes Encadernação e Plastificação Apostilas para Cursos Av. João Dias, 2.054 - Sto. Amaro 11

5641-7396

11

3783 5872

Sua C Carga, arga, Nosso Compromisso

thiago@rwtransp.com.br adriano@rwtransp.com.br

www.rwtransp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

e

ECONOMIA/LEGAIS - 19 Arroz, milho e soja devem representar 90,6% da produção de cereais, leguminosas e oleaginosas.

conomia

Safra de grãos terá alta de 6,6% IBGE prevê que Brasil deve colher 159,5 milhões de toneladas em 2011. Entre 25 produtos selecionados, 16 terão produção maior neste ano, entre eles o café. Celso Júnior/AE

A

previsão do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de novembro projeta safra de 159,5 milhões de toneladas em 2011 no País, 0,1% menor ante o levantamento de outubro (159,7 milhões de toneladas). Se confirmada, a safra será 6,6% superior à do ano passado, quando foi de 149,6 milhões de toneladas. Os dados foram divulgados ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Arroz, milho e soja devem representar 90,6% da produção de cereais, leguminosas e oleaginosas; e responder por 82,3% da área a ser colhida neste ano, segundo o IBGE. Em comparação com a safra de 2010, arroz, milho e soja devem mostrar aumentos de 19%, de 0,3% e de 9,2% na produção deste ano, respectivamente. Com relação à área plantada, estas três culturas podem registrar altas de 1,7%, de 3,4% e de 3,3%, respectivamente em suas áreas a serem colhidas neste ano, ante 2010. Entre 25 produtos selecionados, 16 devem mostrar alta na produção deste ano. Três foram destacados pelo IBGE. O primeiro foi o café em grão, que embora deva ter recuo de 7,2% em sua produção, os 2,7 mi-

lhões de toneladas previstos (totalizando 44,5 milhões de sacas) representam um acréscimo de 0,3% em relação à estimativa do instituto apontada para este produto em outubro. O segundo produto destacado foi o feijão em grão, que deve mostrar aumento de 29,6% ante produção de 2010 no total de primeira safra; e recuos de 7,1% e de 8,8% nas segunda e terceira safras. A produção nacional de feijão, considerando as três safras do produto, está avaliada em novembro em 3.525.854 toneladas, inferior 1,4% em relação ao mês anterior. Já o terceiro produto foi o milho em grão, cuja produção deve crescer 3,1% na primeira safra neste ano frente 2010; e recuo de 3,7% na segunda safra. Em novembro, o IBGE apurou que a produção nacional do milho em grão em 2011, para ambas as safras, deve totalizar 56,2 milhões de toneladas. O montante é 0,3% inferior à estimativa de outubro apurada pelo instituto. Maior produção – A alta esperada de 0,6% na safra 2012 em relação ao ano anterior reflete estimativas de aumentos nas produções de cereais, leguminosas e oleaginosas nas regiões Nordeste (4,5%), Sudeste (2%) e Centro-Oeste (3,6%) no ano que vem. Segundo o IBGE, também é

Em relação à safra de 2010, arroz, milho e soja devem mostrar aumentos de 19%, de 0,3% e de 9,2% na produção deste ano, respectivamente.

esperado acréscimo de 2,8% na área a ser colhida em 2012, contra 2011, que deve totalizar 50 milhões de hectares no próximo ano. Isso porque é esperad o i n c re m e n t o d e á re a n a

maioria das unidades da federação, com exceção do Piauí, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná. Embora tenha admitido que pode ocorrer retração nos rendi-

Produção de trigo será 6,5% maior José Luis da Conceição/AEA

A

Safras da Rússia e Ásia contribuíram para a produção recorde do grão no mundo, de quase 700 milhões de toneladas.

produção global de trigo deve aumentar 6,5% neste ano e atingir um recorde de 694,8 milhões de toneladas em 2011, segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). Amplas safras na Rússia e na Ásia elevaram a estimativa de produção da FAO em relação a 2011. Apesar da perspectiva de que o início da temporada não indicará um crescimento forte, a FAO declarou que a produção global será 10 milhões de toneladas maior que em 2009. Reduções expressivas na oferta da América serão compensadas por uma recuperação nos países da antiga União Soviética, após a seca de 2010. A FAO informou que o culti-

vo de trigo deve continuar sendo uma opção atrativa para os produtores, pois os preços do grão estão semelhantes aos de 2010 e consumo deve superar a oferta em 2011/12. A Organização reduziu marginalmente sua previsão para a safra global de cereais em 2011, mas disse que ainda espera produção recorde de 2,323 milhões de toneladas, um aumento de 3,5% na comparação com o ano passado. As previsões para cereais secundários e arroz foram levemente reduzidas. No caso dos cereais secundários, reflete em grande parte ajustes para o milho nos Estados Unidos. Já para o arroz, a mudança se deve a perspectivas menores na Indonésia. (AE)

mentos de algumas culturas no País, em 2012, o IBGE destacou que, para a soja e para o milho primeira safra, as condições climáticas, nos principais centros produtores, foram excelentes

este ano, o que levou estes produtos a recordes de rendimentos médios. As informações do prognóstico representam 73,8% da produção nacional prevista. (AE)

Estoques agrícolas têm aumento de 8,9%

O

s estoques de produtos agrícolas cresceram 8,9% no primeiro semestre deste ano, ante igual período de 2011, conforme informou ontem o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em sua Pesquisa de Estoques. Os estoques de produtos agrícolas passaram de 41.833.657 toneladas, em junho de 2010, para 45.541.770 toneladas, em junho de 2011. Os maiores estoques registrados até junho deste ano foram de soja em grão (27.098.919 toneladas), que cresceram 40,8% no primeiro semestre deste ano ante igual período de 2010; seguido pelo milho em grão (7.217.887 toneladas), cujos estoques apresentaram queda de 40,6% no mesmo período; e arroz em casca

(6.230.299 toneladas), que teve crescimento de 31,5%, em igual período de comparação. Ainda segundo o instituto, houve queda de 18,3% nos estoques de trigo em grão (2.826.398 toneladas) e aumento de 7,9% nos estoques do café em grão (804.113 toneladas), no primeiro semestre ante igual período em 2010. A pesquisa mostrou acréscimo de 2,8% no número de estabelecimentos ativos, no final do primeiro semestre deste ano sobre o segundo semestre de 2010. Isso representa uma rede armazenadora de produtos agrícolas com 9.345 estabelecimentos ativos, dos quais 45,1% na região Sul, 22,5% na Sudeste, 21,1% na Centro-Oeste, 8,1% na Nordeste e 3,2% na região Norte. (AE)

Preços globais de alimentos recuam em novembro

A

Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) informou ontem que o índice dos preços globais dos alimentos em novembro recuou 0,5% em relação ao mês anterior, chegando aos 215 pontos, puxado principalmente pela queda das cotações do trigo. Os cereais, um dos principais componentes do indicador, tiveram depreciação de 1% em relação a outubro, segundo a FAO. "O recuo foi causado principalmente pelos preços do trigo, que declinaram 3%, enquanto os do arroz caíram apenas ligeiramente e os de grãos forrageiros ficaram praticamente inalterados", revelou documento da organização. A FAO explicou que significativos ajustes para cima na estimativa da oferta global de trigo na safra 2011/12, devido às perspectivas melhores para alguns países da Ásia

3 por cento foi a queda verificada na cotação internacional do trigo em novembro. A FAO informou que os preços dos alimentos caíram 0,5% no mês.

e da Federação Russa, contribuíram para a queda de preços verificada no mês passado. A organização acrescentou que a alta do dólar e a fraca perspectiva para economia mundial também puxaram as cotações do grão para baixo. Ainda assim, a FAO alertou que o índice de preços do cereal continuou 6 pontos acima do nível apurado em novembro do ano passado. (AE)

Hospital Geral de São Mateus “Dr. Manoel Bifulco” Pregão Eletrônico nº 368/11 - Processo nº 001.0140.000736/11 Acha-se aberto, no Hospital Geral de São Mateus “Dr. Manoel Bifulco”, a licitação na modalidade Pregão Eletrônico nº 368/11, referente ao Processo nº 001.0140.000736/11, cujo objeto é a EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO HOSPITALAR E DE NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO A SERVIDORES E/OU EMPREGADOS. A data da abertura da Oferta de Compra nº 090159000012011OC01174 será no dia 28/12/2011, a partir das 10h, através do sistema BEC no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br ou www.bec.fazenda.sp.gov.br. O (s) interessado (s) em participar desta licitação deverá (ão) indicar um representante devidamente credenciado, para apresentar-se no local de execução dos serviços para a visita técnica, com o objetivo de cientificar-se das condições do local da execução, para elaboração de sua proposta de preço. A vistoria técnica ocorrerá durante o período de publicidade do edital, com agendamento prévio pelo telefone (11) 2014-5186 no horário compreendido entre 09:00 horas às 17:00 horas, de segunda à sexta feira. O edital na íntegra está disponível para consulta e retirada no site www.e-negociospublicos.com.br e www.bec.sp.gov.br

CONSINT ADMINISTRADORA DE CONSÓRCIOS LTDA. CNPJ nº 51.702.181/0001-39 CONVOCAÇÃO Ficam os sócios quotistas da CONSINT ADMINISTRADORA DE CONSÓRCIOS LTDA., CNPJ nº 51.702.181/0001-39, convidados, de acordo com o Artigo 1.152 do Código Civil, para se reunirem na sede da Sociedade à Rua Pequetita nº 145, 9º andar, conj. 91, na cidade de São Paulo, dia 15 de dezembro de 2011, às 15 horas, em primeira convocação com a presença dos sócios que representem a totalidade do Capital com direito a voto; e, em segunda convocação, às 16 horas, com a presença de qualquer número, para deliberarem a respeito da seguinte Ordem do Dia: a) Atualização do Padrão Monetário e Contábil; b) Aumento de Capital Social; c) Consolidação do Contrato Social; d) Eleição de Diretores. São Paulo, 30 de novembro de 2011. Getê Administração e Participações S/S Ltda.

Palhagões Patrimonial e Participações S.A. CNPJ/MF nº 10.570.982/0001-00 e NIRE 35.300.364.201 Ata de Assembleia Geral Extraordinária Data, Hora e Local: 08/12/2011, às 10h, na sede social; Convocação: Dispensada em razão da presença da totalidade dos acionistas; Ordem do Dia: Proposta de redução do capital social; Deliberação unânime: reduzir o capital social em R$ 9.875.000,00, mediante o cancelamento de 9.875.000 ações e entrega de imóvel localizado no Município e Comarca de Ribas do Rio Pardo, MS, Fazenda Colina, como forma de dação em pagamento das ações canceladas. A presente ata é publicada na forma de extrato, conforme a lei. Mesa: ANTONIO ADELINO PEREIRA FERNANDES – Presidente; ALICE DOS ANJOS DIAS FERNANDES – Secretária. Acionistas: ANTONIO ADELINO PEREIRA FERNANDES, ALICE DOS ANJOS DIAS FERNANDES e LUIZ CARLOS DIAS FERNANDES.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO CARLOS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE PREGÃO ELETRÔNICO FMS Nº 098/2011 - PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 2932/2011 Faço público, de ordem do Senhor Secretário Municipal de Saúde, que se encontra aberto o Pregão Eletrônico FMS nº 098/2011, tendo como objeto a aquisição de equipamentos, para serem utilizados pelas Unidades da Secretaria Municipal de Saúde de São Carlos. O Edital na íntegra poderá ser obtido nos sites: www.licitacoese.com.br e www.saocarlos.sp.gov.br, opção Licitações. O recebimento e a abertura das propostas dar-se-ão até às 8 horas do dia 21 de dezembro de 2011, e o início da sessão de disputa de preços será às 9 horas e 30 minutos do dia 21 de dezembro de 2011. Maiores informações pelo telefone (16) 3362-1350. São Carlos, 08 de dezembro de 2011. Chayana Antonio de Moura - Pregoeira

União Cultural Tcheco-Brasileira. CNPJ/MF 43.306.240/0001-21 Edital de Convocação Assembléia Geral Extraordinária De acordo com as atribuições que me são conferidas pelo estatuto social da União Cultural Tcheco-brasileira (“UNIÃO”), venho, por meio deste, convidá-los para participarem da AGE (“AGE”) que acontecerá no próximo dia 15/12/11, às 18:00 horas em primeira convocação e, em não havendo quorum em segunda convocação às 18:30 horas, em sua sede social na Rua Cassiano Ricardo, 195, nesta Capital do Estado de São Paulo, a fim de deliberar sobre: a venda do imóvel em que se encontra a atual sede da UNIÃO acima citada pelo valor mínimo de R$ 1.500.000,00 a ser pago no período não superior a 90 dias a contar da realização da AGE ora convocada. São Paulo, 06/12/2011. José Hlavnicka - Presidente 07,08,09/12/2011


DIÁRIO DO COMÉRCIO

20

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Se você quer escolher a cor oficial do Mustang Cobra Jet 2013 (branco clássico, preto ou prata), envie, até o final do mês, sugestão para www.fordracing.com. O carro vai custar US$ 86 mil com motor aspirado e US$ 93 mil com supercharger.

Nº 395

DCARR JOSÉ GUILHERME R. FERREIRA – O carro já está ligado? – Está! – Mas não ouço nada! – É assim mesmo... o apertar o botão Power do Toyota Prius 2011, não espere o tradicional ronco do motor. Temos é um inusitado silêncio... Justamente porque, nesse momento, lá nas "entranhas" desse híbrido bem educado, quem está imperando é a eletricidade, aquela que, combinada a um motor a gasolina, faz desse carro verde um dos mais econômicos do planeta – uma média de consumo que pode chegar a 25 km/litro. E, contrariando o senso comum, na cidade. Também em silêncio, desabilitada a tecla P, acionado o modo ECO (de economia), apenas uma das "personalidades" desse carro, a partida do Prius automático pode ser "eletricamente" suave, até a chegada de ajuda e cuidados do motor a combustão... Um casamento que já dura 14 anos. Criado no Japão em 1997 e agora na terceira geração, o modelo enfrentou algumas resistências iniciais, mas hoje é cobiçado no mundo inteiro, em grande parte por suas qualidades de bom moço no quesito ambiental. Já roda em mais de 90 países e é um declarado caso de amor entre os americanos – um milhão de Prius dos 2,3 milhões já produzidos circulam nos Estados Unidos. O jornalista Tião Oliveira, do Jornal do Carro, escreveu do Japão, dizendo que as vendas desse Toyota por lá ultrapassaram as do mercado americano. O premiado escritor Thomas Friedman, colunista do New York Times, sempre que pode faz o papel de garoto-propaganda do modelo. Em uma de suas polêmicas teorias, os petrodólares andam financiando militantes islâmicos (e por tabela, o terror) e a saída... são as tecnologias alternativas, a do Prius, por exemplo. No Brasil, o hatch Prius começará ser vendido no segundo semestre de 2012, a preços entre R$ 100 mil e R$ 120 mil. Tudo ainda depende de muitas negociações, que passam pela diminuição de impostos de "carros verdes" e, em São Paulo, podem chegar até a "rodízio free". Era tempo. Os priusmaníacos brasileiros agradecem. Cansados das

A

reportagens e fotografias, à procura de um exemplar de "carne e osso" para chamar de seu ou simplesmente contemplar, eles estão sempre prontos para exclamações, seja na porta de uma padaria em São José dos Campos, no ferve-ferve das ruas próximas à 25 de Março, aqui em São Paulo, nos portões do estádio de São Caetano, em pleno dia de Campeonato Paulista de Natação, nas filas do pedágio.... Os nossos fãs do Prius, por enquanto, terão de se contentar com a visão das 12 unidades que já circulam pelo País em ritmo de promoção. O hatch, que apesar de toda aerodinâmica não é um carro propriamente esportivo, foi testado também por um seleto grupo de jornalistas brasileiros no Salão do Automóvel de Tóquio. Estes anotaram pequenas diferenças em relação ao modelo anterior, como o redesenho da parte inferior dianteira e as lanternas traseiras. E o porta-malas que, graças

PRIUS

O apaixonante híbrido a favor da natureza

Fotos: Divulgação

O câmbio lembra um joy stick de jogos eletrônicos e jatos modernos

Além de ecológico, o Prius mostra design agradável e moderno.

à remodelação de bancos, passou de 415 para 445 litros. – Além de ser bonito, gasta pouco combustível mesmo?, perguntam por toda parte. O Prius foi apontado como o híbrido mais econômico do mundo em 2011 pelo site TrueCare.com, ficando à frente do Lexus CT e do Honda Insigth. Pode chegar a 25,5 km/litro, com autonomia de 1.150 quilômetros (no tanque cabem 45 litros). O segredo da economia, explicam os técnicos, está no aprimoramento cons-

tante da tecnologia Toyota Hybrid Synergy Drive. Em outras palavras, tudo depende, em carros híbridos, da eficiência de interação, da divisão de tarefas entre o motor elétrico e o motor a gasolina. No caso do Prius 2011, a sinergia se dá entre um compacto motor à combustão de 1.798 cc e um motor elétrico de 650 Volts. Funcionando juntos, a potência máxima chega a 136 cv. Uma bateria autônoma, que dispensa carga externa, ajuda as tarefas. O Prius também guarda na

bateria a energia cinética produzida em suas evoluções e quando se pisa no acelerador o motor elétrico vai buscá-la. O desenvolvimento dessa tecnologia pioneira (daí o Prius, de "aquilo que vem antes", que os japoneses foram emprestar do latim) pode ser acompanhado em detalhes, em tempo real, num visor especial que projeta informações-chaves sobre a condução e a performance do veículo. O painel registra, por exemplo, o que uma pisada com mais ou menos for-

ça no acelerador significa em termos de gasto de combustível ou o ponto em que os motores e seus sistemas estão embalados em sintonia perfeita. Estrela do painel, o próprio Prius rodando como uma radiografia: flechinhas indicam as "veias" que ora levam eletricidade, ora a gasolina. Vemos também em progressão como o movimento das rodas e a frenagem é capaz de alimentar a bateria. Além do modo ECO, utilizado para calibragem da resposta e aceleração e otimização do controle do ar-condicionado, o sistema híbrido da Toyota disponibiliza outros três. No modo normal, a sinergia entre os dois motores é automática. Já quando o modo EV (sigla para Electric Vehicle) é acionado, o Prius se transforma num carro 100% elétrico, ideal para o trân-

sito em zonas urbanas e para os congestionamentos de São Paulo. Vai poder andar assim, sem ajuda do motorzão, até o término da carga da bateria híbrida. Para uma direção "turbinada", o modo disponível é o PWR (de Power). Do ponto de vista ambiental, o Prius é invejável. Além de economia de combustível, reciclagem é também com ele: 85% de seus componentes podem ser reaproveitados, 95% dos componentes da bateria de alta voltagem podem ser reutilizados. Além disso, segundo dados da Toyota, "a tecnologia do Prius produz aproximadamente 44% menos CO2 em comparação com um veículo convencional da mesma cilindrada". Não é preciso ser da tribo dos priusmaníacos para dizer que a Terra agradece.

FORD EDGE Fotos: Divulgação

AGORA, FALANDO PORTUGUÊS. Além do sistema multimídia ganhar comando no nosso idioma, novas versões reduziram preço do croossover. Ford Edge 2012

S

em muitas alterações da linha 2011, chega à rede de concessionárias Ford o luxuoso crossover Edge 2012. Como novidade tecnológica, o modelo passa a atender na nova geração do sistema multimídia SYNCMicrosoft, com comandos de voz em português, além de ter agora sistema GPS integrado com mapas do Brasil. Mas a melhor notícia na linha 2012 do crossover são os novos modelos, nas versões SEL e Limited, com opção de tração dianteira - anteriormente todas as versões eram oferecidas apenas com tração nas quatro rodas, 4WD. Com isso o valor de entrada, que ultrapassava os R$ 144 mil na linha 2011, agora passa a ser de R$ 119.900 no modelo SEL com tração dianteira. Ainda com tração dianteira, a versão Limited, com rodas de 20 polegadas, sistema

MyFord Touch/SYNC com GPS, porta-malas com abertura e fechamento elétricos, botão de partida Ford Power e acesso inteligente, câmera de ré, som Sony Premium, sistem a d e m o n itoramento de pontos cegos com alerta de tráfego cruzado, sensor de chuva e comando elétrico dos

bancos dianteiros, tem preço de R$ 133 mil. Com a inclusão de teto panorâmico, opcional, o preço é R$142 mil. Já com tração integral, a versão Limited custa R$138 mil, ou com a inclusão do teto panorâmico, R$ 147 mil. O Edge é equipado com motor V6 3.5 Ti-VCT, de 289

cavalos de potência, e transm i s s ã o a u t o m á t i c a S electShift, de 6 velocidades. O primeiro lote do Edge 2012 já desembarcou no Brasil importado do Canadá, e ainda não sofrerá a incidência da nova taxação de IPI para veículos importados. Após a chegada de novos lotes, ainda sem data prevista, o modelo deve sofrer aumento de cerca de 5% em seus preços e a empresa deve absorver o restante do imposto.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

21

DCARR FELIZ NATAL

Seu carro também merece carinho Na hora de comprar presentes neste final de ano não dá para deixar de fora seu companheiro de "horas e horas" no trânsito ANDERSON CAVALCANTE

F

altam poucos dias para o Natal. E é normal que se compre bons presentes, ou as "simples lembranças" para familiares e amigos. Mas não pode se esquecer do grande companheiro de "horas e horas" de trânsito: seu carro. As opções são muitas e em várias faixas de preço. Tudo para deixar a sua convivência com a caranga ainda mais feliz e confortável. Uma nova marca se arrisca no segmento de CD e MP3 Player. A Dazz, marca de entretenimento Maxprint, oferece boas ofertas, como o MP3 Player Automotivo DZ6515 com entrada para pen drive, SD Card ou entrada auxiliar que permite conexões com aparelhos MP3/MP4 player, telefone celular, iPod, iPhone, entre outros e tem preço sugerido R$99. Além dele, o CD Player MP3 Dazz tem entrada auxiliar para pen drives e iPod, além de CD Player. Possui frente removível, saída RCA de áudio. O preço, R$199. Se você é dono de "criatividade invejável", aproveite e participe do concurso cultural "O som do Natal é muito mais que Jingle Bells" da Pósitron, que vai premiar o autor da melhor postagem. Para participar, basta publicar na Fan Page da Pósitron (http://www.facebook.com/PositronFanPage), no Facebook, até 11 de dezembro de 2011, uma homenagem a alguém que faz o Natal especial e que música embala esta dedicatória. O vencedor poderá presentear seu carro com uma central multimídia Pósitron, modelo SP8860 NAV - DVD Player com navegador GPS, receptor de TV digital integrado (lembre-se que é proibido ligar o aparelho instalado na frente, quando você estiver ao volante) e Bluetooth -, além de ganhar também um vale-presente de R$ 100, válido para compras na loja virtual da livraria Saraiva. No dia 13 de dezembro (corra, você tem apenas quatro dias) a Comissão Julgadora do Concurso vai publicar as cinco melhores

postagens e colocará para votação pública até o dia 19 de dezembro. O resultado será divulgado, no Facebook, dia 20 de dezembro. Outra opção é oferecida pela marca Dalgas, um kit automotivo viva voz Bluetooth - que não interfere na atenção ao volante e evita multas. A instalação é rápida e segura, pois o kit dispõe de chicotes específicos com conexões Plug & Play para diversos modelos de veículos, evitando cortes na fiação original. Com garantia de 3 anos o equipamento pode ser encontrado no site www.dalgas.com.br ou pelo e-mail vendas@dalgas.com.br. A Movix e o Guia Quatro Rodas comercializam o Navegador Guia Quatro Rodas BR500TV, com TV digital, que avalia e classifica hotéis, restaurantes e atrações por todo o País de forma anônima e isenta. Com tela de 5 polegadas, o modelo conta com mapas do Brasil e da Argentina, tem alerta de radares e está à venda por R$ 449 no site www.navegadorguiaquatrorodas.com.br e nas principais lojas de varejo. Na moda - Também em alta está o envelopamento de veículos que, além de proteger a pintura, dá um visual diferenciado e

personalizado. Com valores que variam entre R$ 1.500 e R$ 3.500, dependendo do adesivo e da área aplicada - os mais utilizados são os foscos preto e branco -, a Foscomania - com lojas no Ipiranga, rua do Fico 334, e Itaim, av. Faria Lima 3.825, ambas em São Paulo - oferece várias estampas e cores. Motos também podem receber a película, com preços entre R$ 900 e R$ 1.500. Vale lembrar que, no caso de mudança total da cor do veículo, é necessário a alteração do documento do automóvel junto ao Detran

(Departamento Estadual de Trânsito). Para poderosos - Se o seu é um possante, que passa dos 200 km/h, você encontrará presente interessante para ele, pneus de alta performance, da linha Potenza S001, da Bridgestone, que custam em média R$ 500. Mas só compre estes pneus se o seu possante merecer este adjetivo. E para quem é dono de um carro que não alcança os 200, a marca oferece a Linha Potenza RE760 Sport, custando em média R$ 360.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

22

t

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

urismo

Fred Dufour/AFP

O brilho das compras em Paris De lojinhas de perfume a multimarcas, a capital francesa é o paraíso para as compras. Ainda mais se for na companhia de um personal shopper – profissional que conhece tudo do assunto

Fotos: Antonella Salem

Segredos da Cidade-Luz

P

Antonella Salem

específico. A pessoa tem um evento e não sabe o que vestir ou vai viajar e não sabe o que levar, ou quer fazer uma reforma de squeça a ideia de sair guarda-roupa. O que ela tiver sozinho para fazer em mente eu faço." Para isso, cocompras em Paris ou bra 75 euros a hora. E há o serem qualquer outro viço de compra de presentes canto do mundo. Á última en(pelo mesmo valor). "Um emtre os viajantes modernos e exipresário que está em Paris e não gentes – do executivo que não tem tempo de comprar um pretem tempo para comprar presente para a mãe, a irmã, a esposentes entre uma reunião e ousa... Me diz como elas são e tra à madame que quer Divulgação quanto quer gastar." comprar tudo das tenPara realizar os servidências da moda – é conços, Dione precisa bater tratar um personal shopperna. Que tipo de peça per. Isso mesmo, um proseus clientes mais procufissional que sabe tudo ram? "Tem muita gente inde moda e leva aos endeteressada em chapéu e em reços certos naquele desguarda-chuva, acho bem tino. Os serviços deste curioso." Um trabalho expert já é oferecido no inesquecível? "Tive uma cardápio de muitas agêncliente que queria ver a locias de viagens exclusija com a escada da Chanel vas e nos hotéis de luxo – aquela da Rue Cambon nas grandes cidades que aparece no filme. E esmundo afora. Dione, personal shopper brasileira. sa parte da loja não é aber"Todo dia vejo uma ta ao público. Conversei lá coisa nova em Paris. A experiência das lojas aqui é sitas a lojas e atrações ligadas ao e consegui o acesso. Ela chorou única", conta a brasileira Dione tema. "Pode ser uma fábrica de de emoção." Quem são os clienOcchipinti, que aproveitou a renda, uma exposição de moda, tes? Tenho muita cliente meximudança com o marido à capi- de acordo com o interesse da cana e elas gostam mais de brital francesa, há cerca de dois pessoa", diz Dione. Para até lho." As brasileiras? Adoram anos, para dar também uma quatro pessoas, cobra 270 euros cores e grifes! "Tem bastante guinada na profissão. Trocou a por quatro horas, e 450 euros pa- gente que vem atrás de novidacarreira de advogada pela de ra o dia inteiro. Já o tour para fa- de, quer ver marcas novas. E papersonal shopper. "Eu sempre zer compras (pelos mesmos ra isso, a personal é ideal." gostei de moda, de procurar o preços) inclui uma consultoria Numina Personal Shopper: que ficava bem em cada pessoa de imagem e leva às lojas que www.numinapersonalshopper. dependendo do estilo dela, têm o seu perfil. Primeiro, uma com/ (tem versão em mas nunca tinha desenvolvido conversa que identifica o seu esportuguês) e inclui um blog isso." Resolveu investir: Dione tilo de vida e, então, monta-se o com dicas – entre exposições e fez um curso de personal shop- roteiro. "Também posso ser con'como usar' roupas e per em Milão, outro de consul- tratada para suprir um objetivo acessórios.

E

toria em imagem e um mestrado em moda em Paris. Foi durante os estudos na CidadeLuz que conheceu a francesa Sarah-Mathilde Chan Kin e, juntas, criaram a empresa Numina – nome que tem origem na mitologia e quer dizer "transformação". São quatro serviços ao viajante. O tour de moda leva o cliente para um passeio que mistura vi-

Divulgação

A francesa Diptyque é uma das lojas indicadas para comprar perfumes especiais. Um passeio pelo bairro do Marais, com comércio aberto no domingo, revela lojinhas diferentes.

Natal com rock – Este ano, a loja de departamentos Galeries Lafayette se inspirou no rock e no astro internacional Iggy Pop para a sua decoração de Natal. A árvore, de 20 metros, é só luzes, guitarras e estrelas. Clientes que visitarem o magazine poderão ver apresentações de bandas, aprender guitarra com professores e provar o macaron criado especialmente por Pierre Hermé. Aos que quiserem atenção especial nas compras, há o serviço de personal stylist no espaço La Suite, decorado como um elegante apartamento parisiense. Macarons Hermé, chocolates Jean Paul Hévin, chás Mariage Frères e cafés Illy à vontade. É só marcar hora. Preços sob consulta. E-mail lasuite@galerieslafayette.com, tel. (33-1) 4282-8388.

aris é muito mais que as grandes marcas e boutiques. "Há muitas lojas de designers com peças únicas, por exemplo", diz a personal shopper. Dione indica passeios pelas regiões do Marais, de Montmartre e do Canal St. Martin, repletos de lojinhas. O DC pediu à especialista dicas de lojas quase secretas. Perfumes: uma loja que gosto muito e tem endereço no Marais chama-se The Different Company (10, Rue Ferdinand Duval, 75004, www.thedifferent company.com). São fragrâncias super diferentes e gostosas. Outras são: Diptyque (um dos endereços, 8, Rue des Francs Bourgeois, 75003, www.diptyque paris.com/), L'Artisan Parfumeur (um dos endereços, 34, Rue des Francs Bourgeois, 75003, www.artisanparfumeur.com/) e Maison Francis Kurkdjian (5, Rue d'Alger, 75001 www.franciskurkdjian.com/). E tem a inglesa Penhaligon's (209, Rue St-Honoré, www.penhaligons.com), que era frequentada por Winston Churchill. Lojas conceituais: Carole Fakiel (40, Rue Fabert, 75007, www.carolefakiel.com/), ela que desenha tudo, roupas, objetos de decoração. Mais conhecidas são a Muji (um dos endereços, 47 Rue Francs Bourgeois 75004, www.muji.fr/), que tem de tudo, bom preço e sem marca; Merci (111, Boulevard Beaumarchals, 75003, www.merci-merci.com/), mais moderna; e Bathroomgrafitti (4, Rue Sèvres, 75006, www.bathroomgraffiti.com), estilo jovem. Antiguidades: Village Suisse (54, Avenue de la Motte-picquet, 75015, www.villagesuisse.com), com preços razoáveis. Acessórios: Baby Buddha (68, Rue des Saints Peres, 75007, www.babybuddha.com/), tem uma seleção de bolsas e bijus.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

23

Quebra-Nozes, com produção de 120 artistas. E Panorama Sesi de Dança. Até o dia 18.

d

cultura

Ca

M rol

end

çã lga ivu a/D ç n o

o

Fotos: Heloisa Bortz/Divulgação

Sapatilhas e movimento. É Natal. Sérgio Roveri

Wiliam Aguiar/Divulgação

Contemporânea Já no palco do Teatro Popular do Sesi, o Panorama Sesi de Dança, que tem curadoria da crítica e jornalista Ana Francisca Ponzio, pretende ser uma rápida vitrine da dança contemporânea feita por artistas brasileiros que vivem aqui ou no Exterior, como no caso do bailarino e coreógrafo Guilherme Botelho, que mora na Europa há três décadas e vem agora mostrar seu trabalho à frente do grupo suíço Alias.

Hoje, sexta (9) e amanhã, sábado (10) sempre às 20h, o público poderá ver a mais recente coreografia do Alias, Sideways Rain, que estreou no ano passado e recebeu críticas elogiosas em várias capitais europeias. A peça mostra um recorte na carreira de Botelho e comprova que, mesmo longe do País há tantos anos, as raízes brasileiras são facilmente

identificáveis em sua obra. Quem assume o bastão no domingo, às 19h, é o músico e dançarino pernambucano Antonio Nóbrega, que vem mostrar Naturalmente - Teoria e Jogo de Uma Dança Brasileira. Com orquestra ao vivo e a presença das bailarinas Eugenia Almeida e Marina Abib, Nóbrega vai mostrar uma aula-espetáculo sobre a dança e a cultura brasileiras. O Panorama de Dança tem prosseguimento de quarta a domingo da semana que vem. A noite de quarta está reservada para o bailarino Cristian Duarte, que se propôs um desafio de fôlego: executar o solo The Hot One Hundred, composto por trechos de 100 coreografias das mais diversas épocas e estilos, criadas ou dançadas por mestres tão diversos quanto Pina Bausch, Bob Fosse e Nureyev. Outra grande companhia brasileira, o Ballet Stagium criou, especialmente para o projeto, a coreografia Stagium 40 anos, uma espécie de dança-documentário que vai passar em revista os principais momentos do grupo comandado por Márika Gidali e Décio Otero ao longo de suas quatro décadas. O trabalho do Stagium pode ser visto na quinta. A programação se completa com os espetáculos Jardim Noturno, da Cia. Siameses, na sexta, Memórias Paralelas, com Jean Abreu e Jorge Garcia, no sábado, e, no domingo, encerrando o evento, a Cia. Mário Nascimento, com seu Território Nu.

O Quebra-Nozes: há 28 anos parte do repertório da Cisne Negro Cia. De Dança. Agora, com reforço do exterior.

Clássico: música do compositor russo Tchaikovsky dá o tom no conto do escritor Ernst Hoffmann, nascido na Prússia em 1776.

O Quebra-Nozes. Teatro Alfa. Rua Bento Branco de Andrade Filho, 722. Tel.: 5693-4000. Segunda a quinta, 21h. Sexta, 21h30. Sábado, 17h e 21h. Domingo, 16h e 19h. R$ 30 a R$ 90. Panorama Sesi de Dança. Teatro Popular do Sesi. Avenida Paulista, 1313. Tel.: 3146-7405. Quarta a sábado, 20h. Domingo, 19h. Ingressos gratuitos distribuídos uma hora antes do início do espetáculo.

Wiliam Aguiar/Divulgação

também cai no sono e é então transportada para um reino de fantasias onde os brinquedos têm vida própria. Ao lado de um príncipe encantado, a garota irá conhecer o Reino das Neves e o Reino dos Doces, uma deixa para o balé exibir danças típicas de várias partes do mundo.

Wiliam Aguiar/Divulgação

D

e clássicos natalinos a coreografias contemporâneas e de ruptura. De garotinhas equilibradas em sapatilhas de ponta e saias de tutu a jovens atléticos que se apresentam descalços e com os peitos à mostra. Até o próximo dia 18, o cenário da dança na capital apresenta dois grandes eventos que apostam tanto na tradição, como no caso do grupo Cisne Negro e seu balé O Quebra-Nozes, quanto na pesquisa, a cargo do Panorama Sesi de Dança, que chega à 11ª edição. A Cisne Negro Cia. De Dança pode ser vista no Teatro Alfa levando adiante um clássico que já faz parte do seu repertório há 28 anos, o balé O Quebra-Nozes, baseado em conto do escritor Ernst Hoffmann, nascido na Prússia em 1776, com música do compositor russo Tchaikovsky. Criada em 1977, a Cisne Negro montou O Quebra-Nozes pela primeira vez em dezembro de 1982. Desde então e sem interrupções, o balé se transformou em um dos pontos altos da temporada natalina na cidade. Além dos bailarinos fixos da companhia, a Cisne Negro chamou alguns nomes de peso da dança para compor o atual elenco do Quebra-Nozes, cuja produção é composta por 120 artistas. De hoje, sexta (9) a domingo (11), os convidados são os primeiros bailarinos do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, Márcia Jaqueline e Denis Vieira. Dos dias 12 a 18, o reforço vem de fora, com Viara Natcheva, primeira bailarina do Staatsballet de Berlim, e Emil Yordanov, maior estrela do Sofia National Opera e Ballet. Dividido em dois atos, o Quebra-Nozes narra, de maneira lúdica e fantasiosa, uma noite de Natal única na vida de uma garotinha chamada Clara. De todos os presentes que recebeu, ela não escondeu sua predileção por um bonequinho quebranozes. Quando sua família já está dormindo, a garota volta à sala para brincar com o boneco. Depois de alguns minutos, Clara

Panorama Sesi: vitrine da dança contemporânea feita por artistas brasileiros.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

24

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

d

cultura

Muita ação e graça felina Gato de Botas traz o personagem de Shrek em aventura ao lado de Humpty Dumpt e Kitty Pata Mansa. Lúcia Helena de Camargo

F

ilhote da série de filmes Shrek, chega aos cinemas nesta sexta (9) a animação Gato de Botas. A trama tem ação o tempo inteiro. Talvez seja uma estratégia adotada para prender a atenção das crianças que hoje em dia frequentam as salas de cinema. Aparentemente, à geração habituada aos clipes não podem ser oferecidas pausas para respirar ou refletir. As sequências se desenrolam de maneira alucinada, com correrias, explosões, muita coisa acontecendo. Tudo ao mesmo tempo agora. Mas é preciso dizer: o roteiro é bem amarrado e o visual é impecável. Os recursos de três dimensões, concebidos ao longo das filmagens (e não incluídos depois, como alguns já fizeram) são convincentes, fazendo o ingresso mais caro dessas salas valer a pena. A saga começa muito antes de o Gato de Botas conhecer o ogro Shrek. O felino ainda jovem parte para uma aventura ao lado de Humpty Dumpty, o ovo, e da

conhecedora das ruas Kitty Pata Mansa. Eles querem riqueza. E tentarão roubar a famosa gansa que bota ovos de ouro. A jornada envolve feijões mágicos, caipiras do interior dos Estados Unidos, javalis selvagens, um grande deserto e talvez alguns gigantes. Antonio Banderas não faz apenas a voz do gato na versão original em inglês. O tom geral do filme é construído em torno da personalidade do espanhol. Há muitas canções nesse idioma e o local em que tudo se passa não deixa dúvidas sobre sua origem. Nas cópias dubladas em português – que serão vistas pela grande maioria dos brasileiros–, quem fala pelo gato é o dublador profissional Alexandre Alves Moreno, que já o dublava nos filmes anteriores da série. E tem experiência tanto em dublar felinos (fez a voz de Nermal em Garfield - O Filme) quanto em falar por Antonio Banderas (foi Alejandro De La Vega em A Lenda do Zorro). Sua voz aparece também como Wallace em Wallace e Gromit: A Batalha dos Vegetais e nos filmes

com atuação de Adam Sandler e Ben Stiller, entre outros. Um dos grandes trunfos de Gato de Botas é exibir de maneira verossímil os trejeitos dos felinos. Os amantes de gatos vão adorar a acuidade com que são mostrados os gatinhos perseguindo as luzes de uma singela lanterna, movimento que é aproveitado até em uma das coreografias da dança final. A maneira graciosa com que se lambem, ao tomar seu "banho de gato" e, principalmente, a cara de indefesos que fazem para conseguir com que os humanos façam tudo – absolutamente tudo – o que eles desejam também estão bem caracterizadas. E um exemplo de crueldade das pessoas aparece na história de Kitty, que teve as garras arrancadas. "Eles me amavam... mas talvez eu tenha pegado muito pesado com a cortina", diz ela. "Donos de gatos são estranhos", conclui o felino. Gato de Botas - 3D (Puss in Boots, EUA, 2011, 80 minutos). Direção: Chris Miller.

Um bom suspense sobre dinheiro

O Gato de Botas e Kitty Pata Mansa: gatinha teve as garras extirpadas por estranhos donos de gatos.

O futuro: voltas e contravoltas Renato Pompeu

A

primeira coisa a se notar no livro do ator canadense radicado nos Estados Unidos, Michael J. Fox (Caras & Caretas; Spin City e De Volta para o Futuro), 50 anos, livro intitulado Coisas Engraçadas Aconteceram no Caminho para o Futuro, lançado pela Planeta no Brasil mais de um após a edição americana original, é que a obra se destina, mais particularmente, a estudantes, e, mais amplamente, a fãs do ator de modo específico e de cinema em geral, e a todos os interessados em doença de Parkinson, em especial os pacientes, seus familiares, médicos e atendentes. Na verdade, o título original seria mais bem traduzido por "Uma coisa engraçada aconteceu no caminho para o futuro - Voltas e Contravoltas e Lições Aprendidas". Trata-se de uma avaliação sobre se, afinal de contas, valeu ou não a pena abandonar a escola no meio do secundário para se tornar um ator de sucesso. Fox nasceu como Michael Andrew Fox em 1961 em Edmonton, capital da Província de Alberta, no Canadá, filho de uma atriz e de um oficial militar. Como em geral acontece com as famílias de militares, a família de Fox mudou constantemente de endereço, e finalmente se radicou em Burnaby, perto de Vancouver, na Província da Columbia Britânica. O jovem era aluno da Escola Secundária Burnaby Sul, que abandonou aos 15 anos de idade para estrelar uma série da televisão canadense, "Leo e eu". Aos 18 anos, foi tentar o cinema em Los Angeles nos Estados Unidos. Ao se registrar no Sindicato de Atores da Tela dos EUA, para não ser confundido com o ator britânico também chamado Michael Fox, e não gostando do nome Andrew, se identificou como Michael J. Fox, em homenagem ao

ator Michael J. Pollard. Aqui se deve notar que a narrativa de Fox no novo livro (ele havia escrito outros dois) trata em seu início exatamente desses dois pontos: a saída da escola de Burnaby e o seu primeiro ano em Los Angeles, em que ganhou 50 mil dólares... e gastou 70 mil. O livro começa com uma avaliação do ensino na escola, comparado com a educação pela vida - ele se diz algo assim como doutor pela Universidade do Universal. O texto da segunda parte é organizado como uma grade curricular, com capítulos intitulados "Economia", "Literatura comparada", "Física", "Ciências políticas" e "Geografia". No capítulo "Economia", ele conta como ganhou 50 mil dólares em seu primeiro ano em Los Angeles... e como gastou nesse mesmo período exatamente 75 mil dólares!!! Teve de vender toda a mobília de sua casa na cidade americana e, para economizar, comia só macarrão e queijo, até que surgiu a oportunidade de fazer sucesso na televisão, exatamente como um personagem bastante conservador em suas finanças. Depois, veio a trilogia "De volta para o futuro". Com tudo isso, e outras coisas, ele, que não se dava bem com os números na escola, indo mal por exemplo em física e matemática, aprendeu a se educar economicamente, a ponto de ser o responsável pela arrecadação de fundos milionários para sua campanha sobre a doença de Parkinson. Assim, se se pode dizer que, se não foi bem em economia na escola, acabou, na vida, depois de no começo bater cabeça, aprendendo a lidar com dinheiro e com muito dinheiro, primeiro na

carreira de ator, depois como militante pró-parkinsonianos. Aliás, existe uma misteriosa relação entre sua carreira nas telas e o desenvolvimento de sua doença. Diagnosticado em 1991, aos 30 anos, ele só tornou pública a sua enfermidade em 1998, quando se tornou uma referência nas campanhas educativas sobre a doença e de incentivo a pesquisas sobre ela. Mas o importante é que, dos integrantes do pequeno elenco e da pequena equipe técnica de sua primeira série, "Leo e eu", ainda na televisão canadense, outros três integrantes passaram a sofrer, por volta da mesma época, quinze anos depois, da doença de Parkinson. Essa proporção inusitada levou muita gente a elaborar uma tese segundo a qual fatores ambientais das locações dessa série teriam influenciado na eclosão da moléstia, sem que tenha podido haver confirmação dessa hipótese. Por insistência de seu filho de quatro anos, Fox conseguiu um diploma de conclusão parcial do ensino secundário na mesma época em que descobriu sofrer do mal de Parkinson. Mas afinal, vale ou não a pena ser um bom aluno do ensino regular? Ele conclui: "É como eu já disse: não sou muito a favor de conselhos. Mas saio de cena com uma rápida análise. Ter controle sobre o próprio destino é um mito – e, de qualquer forma, é bem menos divertido. Preste atenção ao que acontece à sua volta. Leia o livro antes de ver o filme. Lembre-se: ainda que você, e só você, seja responsável pela sua felicidade, não há problema nenhum em ser responsável pela felicidade de mais alguém".

inheiro, dinheiro e dinheiro. Esses são os três assuntos principais do filme Margin Call - O Dia Antes do Fim. O vil metal, ainda que na forma de abstratos papeis, é a força que move todos os elementos desta história. No elenco estelar estão Kevin Spacey, Paul Bettany, Jeremy Irons, Zachary Quinto (foto), Demi Moore e Simon Baker, o protagonista da série televisiva The Menthalist (como o consultor-investigador Patrick Jane). No início da crise financeira de 2008, uma onda de demissões chega a uma empresa de investimentos de Wall Street. E acaba expondo uma falha fundamental nos negócios que pode levar tudo à bancarrota. Quem desvenda o problema, ao ter uma dica e fazer as contas certas, é o analista Peter Sullivan (Quinto). Os manda-chuvas serão informados, reuniões de emergência serão feitas. E tudo terá que ser resolvido dentro de 24 horas.

As quantias envolvidas são na casa de bilhões. Incentivados por gordos bônus, todos se empenham em fazer com que os papeis continuem em movimento, dentro da intrincada volatilidade da economia, doa em qual bolso doer. Ninguém passa por qualquer crise de consciência. Suspense bem dirigido, prende a atenção do começo ao fim, mesmo que você não seja interessado nos meandros do mercado financeiro. (LHC) Margin Call - O Dia Antes do Fim (Margin Call, EUA, 2011, 109 minutos). Direção: J.C Chandor. Com Kevin Spacey, Jeremy Irons, Zachary Quinto, Simon Baker, Demi Moore.

Paris Filmes/Divulgação

DOCUMENTÁRIO

Paramo

unt/Div

ulgaçã

o

D

Zeca Guimarães/Divulgação

Zeca Guimarães/Divulgação

O Rio e o amor, em músicas. André Domingues

S

e uma cidade como o Rio de Janeiro resolvesse cantar, que música sairia? Essa é instigante pergunta que move o documentário As Canções (Brasil, 2011, 90 minutos), de Eduardo Coutinho. Numa cadeira preta, com um cenário também negro e diante de uma câmera praticamente parada, o filme põe 18 habitantes da Cidade Maravilhosa (olha já uma música aí...) para narrar suas histórias de vida e cantar a capella, sem acompanhamento, as músicas que as marcaram. Nasce, então, um retrato sensível e afetivo da musicalidade carioca. A considerar pelos depoimentos de As Canções, quem pensa no Rio como uma terra de samba e pandeiro pode estar enganado. Os entrevistados até citaram um ou outro samba entre suas canções mais marcantes, mas os traços típicos do requebrado, da sensualidade, da malandragem ficaram distantes do primeiro plano. Todas, rigorosamente todas as músicas lembradas são românticas, preferencialmente ligadas a temas de rompimento amoroso. O recordista de citações, explicavelmente, é Roberto Carlos, não o terrível, mas o que pede "Onde você estiver/ Não se esqueça de mim...". As demais músicas lembradas seguem o mesmo

tom: A Volta do Boêmio; Sinto Ciúmes de Tudo; Retrato em Branco e Preto; Perfídia (mencionada duas vezes na adaptação brasileira da canção mexicana original). Uma exceção nesse reinado do amor poderia ser o suingue de Jorge Benjor em Que Nega É Essa?, mas a interpretação dada pelo entrevistado, lenta e com ênfase nos contornos melódicos, é francamente passional. O pendor sentimental é um traço genérico não só do carioca, mas do brasileiro, em geral, e o filme soube captar muito bem. Outro elemento musical muito popular que está presente é o som anasalado da voz, marcante em quase todos os entrevistados. (Mário de Andrade, estudioso e defensor de pronúncia brasileira no canto, adoraria). Vale notar, porém, que As Canções não é – e provavelmente nem pretendia ser – um retrato amplo e meticuloso da memória musical carioca. Há nele uma evidente manipulação dos depoimentos para fins artísticos. O perfil etário, com privilégio aos mais velhos, já é um sinal disso. Outro é a própria afinação dos participantes, bem melhor do que se costuma ouvir por aí, em qualquer Parabéns a Você de festinha infantil. Muitos deles, relatam ter familiaridade com a prática musical. Dois, inclusive,

chegam ao requinte de mostrar composições próprias. A ideia simples e interessante que norteia As Canções teve como complemento uma outra, igualmente original, usada na seleção dos entrevistados. Foi quando uma equipe de pesquisa circulou do Leblon à Feira de São Cristóvão, passando por Copacabana, Centro e Piscinão de Ramos, entre outros cenários cariocas famosos, levando cartazes com os seguintes dizeres: "Alguma música já marcou sua vida? Cante e conte sua história". Os interessados, então, foram se aproximando, cada um com um caso diferente, e os produtores colheram mais de 200 depoimentos. As cenas dessa etapa, porém, certamente repletas de curiosidades, o público não encontra no filme. É uma pena. Resta só o consolo de pensar que, se isso tudo foi filmado, no making of ainda pode virar mais um ótimo documentário.

A DIAMENTO O Campos Jazz Fest, que aconteceria de ontem, quinta (8) a domingo (11) , em Campos do Jordão, foi adiado para fevereiro. Segundo a organização, o motivo foi a não liberação dos recursos pela Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

25

d

cultura

Troque seus amigos virtuais por crédito no banco

Paulo Zilberman

Roberto Taddei

N

o começo era o ICQ. Meu número de usuário tinha apenas quatro dígitos. Antes de mim, o programa de batepapo da internet tinha cadastrado menos de três mil usuários. Um pouco antes do ICQ, ainda, me lembro de ter aberto uma conta no Clube do CD, em São Paulo, uma locadora de CDs. Meu número era o 66. Pegava emprestado os discos. Copiava no computador. Devolvia no dia seguinte. Descobri muita música ali na rua Capote Valente, coisas que jamais teria ouvido sem a internet. Depois vieram os blogs. Junto com os blogs, a mania dos rankings. O primeiro era o Technorati, que dava notas para blogueiros a partir de regras prédefinidas como quantidade e periodicidade dos posts, quantidade de links para outros blogs, e quantidade de links vindos de outros blogs. Meu technorati, como dizíamos, nunca passou do 15. Alguns blogueiros chegavam a ter índice 1000. Eu me dava bem no tempo do quem chegou primeiro. Com os

blogs e depois as redes sociais, o mérito passou a ficar com quem é mais articulado. Quer dizer, articulado virtualmente. Era o começo do Orkut. Falavase em cinco ou dez milhões de brasileiros na rede. Hoje, para comparar, o Facebook já passa dos 800 milhões. Na internet, agora, tudo se conta aos milhões. Ou quase tudo. Além do Orkut e do Facebook, ainda temos o Twitter, o Foursquare, o Instagram, o Google +, entre outros. Todos eles são construídos a partir de grupos de amigos, de redes sociais virtuais. O tal "fulano que amava ciclano, que namorava beltrano...". Só que agora ninguém tira ninguém pra dançar. É tudo online mesmo. Pensando nisso, ou para organizar essa bagunça e criar um novo ranking (essa mania interminável dos seres humanos em insistir que um é melhor do que o outros, não importa o que a cartilha dos direitos humanos diga), apareceu agora o Klout. Ou o índice Klout.

Já adianto que o meu é baixo, muito baixo. A ideia é cruzar todas as informações a respeito de suas contas pessoais em redes sociais, misturar os dados de todos os seus amigos, o que uns dizem dos outros, o que dizem a seu respeito, e montar a partir daí um panorama completo de quem é você em relação ao grupo social a que você pertence. Entre outras coisas, é possível descobrir quem você influencia, e se sentir vaidoso. Mas também atestar quem é que te influencia, mesmo que você jure que ninguém tenha visto você clicando naquele botão de "curtir" no Facebook na página daquele seu amigo do colégio que você não vê há anos. No Klout você descobre que as suas sábias frases compartilhadas entre os seus mais de 3 mil amigos virtuais não alcança de fato nem mesmo uns 50 gatos pingados. E também que desses 50, só uns seis é que repassam adiante a sua criatividade. É a tradução do que vem se firmando como a maldição do Facebook: "fala que eu te oculto".

O Klout recebe todas essas informações das outras redes sociais, de graça, e consegue assim saber mais do que todas elas. Já tem gente vendo oportunidade de negócio. Os usuários com alto índice Klout recebem ofertas de produtos e ganham acesso a promoções exclusivas. Além disso, o Movenbank, uma iniciativa baseada em Nova York, pretende usar a rede social para avaliar linhas de crédito e criar um banco "sem papel, sem plástico". Você começa conectando sua conta do Facebook e seu índice Klout e terminar adicionando a sua conta corrente física ao Movenbak. Como todas essas informações, o novo serviço deverá tratar os clientes não de acordo com o holerite, como faz o sistema bancário hoje, mas de acordo com o seu índice Klout. O fundador do Movenbank, Brett King, é autor do livro Bank 2.0, que discute as recentes mudanças de comportamento dos usuários do sistema bancário que deixaram de usar dinheiro e

cheque e passaram a pagar contas online e a usar terminais de atendimento eletrônico. King aponta outra iniciativa similar nos EUA, o banksimple.com, uma start-up financeira de Portland que promete também ser um banco sem agências, sem papéis e sem plásticos. Antes mesmo de começar a funcionar já levantou U$ 13 milhões e tem 50 mil clientes pré-cadastrados. Na minha lista de amigos do Facebook, do Twitter, do Instagram, do Linkedin etc, quase todos os meus amigos têm índice Klout maior do que o meu. Se aparecer finalmente uma linha de crédito para quem consegue, apesar de todas as facilidades, manter baixo o índice pessoal de sociabilidade digital, aí sim é que eu finalmente garanto a minha casa própria. Por enquanto, fico nostálgico ao lembrar do Clube do CD e do meu número de chegada: 66.

"A cidade não avança nem recua. A cidade é paralítica. Mas, de sua paralisia provêm a sua força e a sua permanência", afirma Drummond, no conto Vila de Utopia, do livro Confissões de Minas, publicado em 1944.

Roberto Taddei é escritor e jornalista.

ESTANTE

Confissões de Drummond O

s fãs de Carlos Drummond de Andrade estão rindo à toa. E têm motivos para isso. Em 2012, o mestre de Itabira será o principal homenageado na Feira Literária de Paraty (Flip). Enquanto a feira não chega, os leitores podem degustar as boas novidades que chegam por aí. A Editora Cosac Naify acaba de lançar mais dois livros de Drummond: Confissões de Minas (333 páginas, R$ 69 na loja virtual da editora) e Passeios na Ilha (342 páginas, R$ 69). As edições caprichadas da Cosac Naify são um alento aos fãs de Drummond, que já foram brindados pela editora com Poesia Traduzida, lançado recentemente. Encontrar as obras completas do escritor nas livrarias tornou-se uma raridade, já que as edições da Editora Nova Aguilar, que editou as Obras Completas de

Drummond, estão esgotadas e não há previsão de relançamento. Confissões de Minas foi a estreia de Drummond na prosa.

Publicado em 1944, o livro reúne textos escritos entre 1920 e 1940. Ali já dá para entender por que o autor chegou onde chegou. Após

começar a ler, não dá mais para largar. No texto em que lembra suas raízes, por exemplo, a pasmaceira de Itabira do Mato Dentro ganha uma dimensão fantástica, que só um Drummond conseguiria fazer. "A cidade não avança nem recua. A cidade é paralítica. Mas, de sua paralisia provêm a sua força e a sua permanência", afirma, no conto Vila de Utopia. "A cidade parece encantada. E de fato o é", completa o ilustre itabirano, que da sua Macondo acaba fazendo uma forte crítica à exploração desenfreada das riquezas brasileiras. No caso, ao fato de Itabira ter minério de ferro suficiente para "abastecer 500 mundos", mas seus cidadãos terem de se contentar com uma vida espartana e a prefeitura com um orçamento apertado. O livro é acompanhado por textos críticos de Antonio

Candido, Sérgio Milliet e Lauro Escorel, que versam sobre a importância de Carlos Drummond de Andrade para a literatura brasileira. Alguns anos depois, em 1952, seria lançado Passeios na Ilha. Nesse caso, há uma combinação de crônicas, contos e críticas literárias publicadas na imprensa da época. No prefácio, o escritor dá uma canja do que vem a seguir: "Este livro, não o escrevi: foi-se escrevendo ao sabor dos domingos, no suplemento literário do Correio da Manhã. Sua ausência de pretensão é quase insolente. Não prova nada, senão que continuamos vivendo; poucas ilusões resistem, mas cabe ao homem descobrir e usar suas razões de viver." Não é preciso dizer mais nada. Apenas ler.

Arquivo/AE

Marcus Lopes


DIÁRIO DO COMÉRCIO

26

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Os vinhos dos chefs José Guilherme R. Ferreira

A

d

rotina dos chefs nas cozinhas e adegas incorpora um sem número de exercícios de harmonização entre bebidas e pratos que entram em cena nas mesas de seus restaurantes. Por serem referenciais, essas dicas de quem está com a mão na massa são garimpadas no mundo inteiro. A bela fotógrafa Melanie Dunea, que vive em NY, acaba de lançar seu segundo livro sobre o assunto, My Last Supper – The Next Course (Rodale/2011), no qual pérolas de harmonização são apresentadas com expressivos portraits de cada chef. A pesquisa de Melanie começa com a pergunta básica: "Como seria sua última ceia na Terra?" O brasileiro Alex Atala, com tatuagens à mostra, faz uma sintética ode ao arroz com feijão – o "vício brasileiro". E diz que uma cachaça aromatizada com frutas e ervas da Amazônia acompanharia sua última refeição. Heston Blumenthal, do Fat Duck inglês, não dispensaria um roast beef com um Château-du-Pape, Domaine Beaucastel 1990. Paul Bocuse, à frente de uma série de restaurantes em Lyon, França, entre eles o Auberge du Pont de Collonges, escolheu o tradicional pot-au-feu como última refeição, acompanhado de pão rústico com linguiças de Lyon. Na taça, um cru de Saint-Amour, da safra mais recente, ou um Beaujolais, na clássica combinação: pratos da terra com os vinhos da terra.

cultura

Confiança no japonês Embarque no menu-degustação (que muda todo dia) do Shundi e Tomodachi.

José Guilherme R. Ferreira é membro da Academia Brasileira de Gastronomia e autor de Vinhos no Mar Azul – Viagens Enogastronômicas (Editora Terceiro Nome)

Lúcia Helena de Camargo do início da refeição, as restrições alimentares de cada comensal. Entre as iguarias que podem entrar nesse festival estão polvo com missô; sashimi de lula gigante com broto de cogumelo, alevinos, gema de ovo de codorna, sal negro havaiano e rosa do Himalaia (foto no alto) – que custa R$ 35 se pedido separadamente. Há agulhão selado com trufas e molho de wassabi (R$ 30); o Sudako de polvo (R$ 25); robalo com barbatana de tubarão e ovas de peixe voador. Do sushibar, vêm três opções de sushis: sushi de atum com foie gras (R$ 25 o par), sushi de barriga de salmão com raspas de limão siciliano e sal negro havaiano (R$ 22 o par) e sushi de enguia com shissô e ovas de peixe voador (R$ 22 o par). Da cozinha de Nildo Ramos saem vieiras grelhadas com berinjela, molho de missô e sal negro havaiano (R$ 45) e a pizza de sashimi de barriga de salmão, limão siciliano, rabanete e mostarda japonesa (R$ 45), prato inspirado em um dos tapas famosos do restaurante Comerç

24, em Barcelona, de Charles Abellan. Sobre a delicada massa, pode vir também atum ou algum peixe branco, acompanhado de molho tarê. Para dar um toque a mais em alguns dos sushis, há o wassabi japonês, menos picante e mais saboroso do que aquele que normalmente se encontra nos restaurantes nipônicos. E no copo vai bem um saquê, que pode ser escolhido na carta que conta com dezenas de rótulos de preços variados. Com um total de 85 lugares, o Shundi e Tomodachi conta com mesas e três reservados com tatames, para as festas íntimas. Há ainda na entrada mesinhas ao ar livre, geralmente ocupadas pelos fumantes. No salão com vista para o jardim interno corre um fio de água que espalha frescor no ambiente. Aproveite para relaxar. E confie no japonês para provar sabores surpreendentes. Shundi e Tomodachi. Rua Dr. Mário Ferraz, 402. Itaim Bibi. Tel.: 3078-6852.

Fotos: Tadeu Brunelli/Divulgação

Ronaldo Imai (de preto), Nildo Ramos e Willian Nishimura. Enzo Barone/Divulgação

Ambiente do restaurante, com vista para o jardim interno que dá acesso aos reservados.

Agulhão selado com trufas e m olho de wassa bi japonês, de sa bor mais intenso e men os picante.

Rosa Passos é uma obra-prima Aquiles Rique Reis

Divulgação

Q

uem aprecia a culinária japonesa e vive em busca de novidades gastronômicas vai gostar do novo cardápio do restaurante Shundi e Tomodachi. O sushiman Ronaldo Imai, depois de três anos afastado, está de volta ao comando da casa, trabalhando ao lado de Willian Nishimura, no sushibar, e Nildo Ramos, na cozinha. "A criação conjunta está funcionando", diz Ronaldo, que com apenas 25 anos já conta com dez anos de experiência. O menu-degustação, chamado de Omakassê, traz dez pratos frios e três quentes. Custa R$ 180 por pessoa, com bebidas e serviço à parte. Funciona como um menuconfiança, já que os pratos mudam a cada dia, para incluir ingredientes sazonais e frescos. Na prática, você não sabe exatamente o que chegará à mesa, mas como o próprio nome diz, pode confiar que comerá bem. Também porque há ainda a conhecida "trava de segurança": para evitar imprevistos desagradáveis, o chef segue a praxe de perguntar, antes

Rosa Passos: riqueza sonora

R

osa lançou É Luxo Só (Biscoito Fino), uma homenagem a Elizeth Cardoso. Fã da Divina, ela canta em seu louvor. Tudo começa com o acerto na escolha do repertório: dez obras-primas, à sua imagem e semelhança, sobejamente conhecidas pelos amantes de música boa. Tudo continua com um trio de craques: Lula Galvão (arranjos e violão), Jorge Helder (baixo acústico) e Rafael Barata (bateria, percussão e mixagem). A simplicidade aparente do instrumental contrasta com a sua riqueza sonora. Os arranjos são enxutos; a mixagem, com a voz de Rosa em primeiro plano secundada pelo violão, tendo o baixo e a bateria um pouco abaixo, é de rara precisão. Tudo vai além com Rosa Passos. Ela é única. Ninguém a iguala em voz nem em malícia. Sua voz... Ora, Rosa sublimou o ato de cantar... Liberto, é como se não cantasse, apenas esvoaçasse sobre as notas, como o beija-flor que toca a flor e nela se alimenta. Sua respiração permite divisões rítmicas, ricas como pedras mordidas pelo cinzel do pedreiro. Seu vibrato, tão discreto, quase não se nota, mas lá está ele, pronto para exercer sua importância. Ela começa... Meu Deus do céu! Olhos Verdes (Vicente Paiva). Introdução de tamborim e violão. Logo vêm baixo e bateria, cujo intermezzo fica a cargo desta. Voltam o violão e o tamborim. Rosa é puro suingue. As Rosas Não Falam (Cartola). Na introdução, o violão se vale da Cantilena da Bachiana Nº 5, de Villa-Lobos. Rosa vem. A bateria usa vassourinhas. O baixo coopera com o solo do violão. O Amor e a Rosa (Pernambuco e Antonio Maria). O arranjo dá ainda mais

sacolejo ao samba. O intermezzo é do baixo. Último Desejo (Noel Rosa). Violão e baixo numa levada sem ritmo, com a bateria indo leve nos pratos, começam. Entra a segunda parte e com ela a bateria, que tem o som adensado por leve reverber. O solo é do violão. Palhaçada (Haroldo Barbosa e Luiz Reis). O desempenho do trio é exuberante; talvez por isso a mixagem quase o tenha equilibrado à voz de Rosa. Melhor seria manter a equalização como a das outras faixas. Acontece (Cartola). Violão, a bateria com vassourinhas e o baixo iníciam. O intermezzo cabe ao violão. O sussurrar de Rosa tem dengo, tem bossa... Diz Que Fui Por Aí (Zé Kéti). As baquetas tocam no aro da caixa. O violão e o baixo entram. O samba soa íntimo. E assim vai ao final, quando o violão sola. Saia do Meu Caminho (Custódio Mesquita e Evaldo Rui). O violão sola a introdução. Plenos de elegância, baixo, bateria e violão lustram o bolero. O violão brilha no intermezzo. Três Apitos (Noel Rosa). Levemente, os pratos da bateria, com o violão, tocam a introdução. Com Rosa vem o trio. Segue-se novo solo de acordes do violão. É Luxo Só (Ari Barroso e Luiz Peixoto). O samba ligeiro permite aos instrumentistas o brilho que demonstraram ao longo de todas as dez faixas, e a Rosa, revelar a sincera alegria de ver sua homenagem a Elizeth ter se consagrado em êxito. Rosa é uma obra-prima. PS.: Que perda! Descanse em paz, Dr. Sócrates, craque da utopia. Aquiles Rique Reis, músico e vocalista do MPB4 Paulo Rubens Fonseca/Divulgação

Elizeth Cardoso: homenagem


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

27

d

cultura

A Adega da Torre de Prata Carlos Celso Orcesi

A

primeira viagem à Europa a gente nunca esquece. Em termos de gastronomia, meus pais Philomeno e Yolanda nos levaram a jantar no Tour D'Argent em Paris. O Torre de Prata, que teria sido fundado em 1582, em 1970 estava no auge da fama com 3 estrelas Michelin e as famosas mesas com vista para a catedral de Notre Dame e o Rio Sena. Naquele tempo preferíamos futebol e fórmula-1, tanto que insistimos para incluir no roteiro a estreia de Emerson Fittipaldi na Lotus, em Brands Hatch. Isso custou a meu pai um vôo de Milão a Londres, depois Roterdam de onde subimos o Rio Reno até a Suíça. Em Zurique meu irmão Plinio quase foi atropelado por um taxista que jogou o carro em cima dele. Ele saltou de lado e deu um soco na lateral do veículo. O motorista parou e veio para a briga e então me postei ao lado do irmão com postura de pugilista. Dois contra um o armário desistiu e foi embora. Conto esse episódio para mostrar quanto o Brasil era subdesenvolvido. Afirmo: São Paulo não tinha faixa de pedestres (vide Google-imagens "Anhangabaú 1970"). O taxista suíço ficou bravo porque atravessamos fora da faixa. Nacionalistas orgulhosos (o Brasil acabara de conquistar o tri no México) preferíamos estrogonofe com fritas. Acostumados a contestar a decisão dos mais velhos, achávamos jogar dinheiro fora jantar "no tal do Turdarjan". Meu pai, hoje vejo, era um santo. O maitre fez milagres para adaptar as iguarias da

À esquerda, a famosa vista e os corredores de vidro. E, abaixo, a carta de vinhos.

haute cuisine ao gosto de quatro caipiras na faixa dos 20 anos. Minha mãe manteve a classe, pedindo o famoso pato numerado (caneton, pato prensado criado em 1890) e recebeu uma ficha como lembrança, por exemplo nº 998.445. Atualmente o pato deve estar ultrapassando o nº 1.200.000. Antes da sobremesa Philó foi brindado com a deferência de visitar a adega. Para bem entender trago alguma estatística: (1) a maior adega da Fogo de Chão (Beverly Hills) tem 11 mil garrafas. Para apenas ficar com Nova York, a cidade que nunca dorme, (2) o Del Posto tem 2350 variedades e 35 mil garrafas, (3) Cru na 24, 5ª Avenida tem 4.200 variações e 150 mil; e (4) a maior é do Veritas na 43 East 20th com 3.500 tipos e 192 mil a descansar na adega.

Depois da Torre consta que o Taillevent, também em Paris, é a maior adega com 300 mil bouteilles no estoque! Agora sentem-se para ler: a carta do Tour d'Argent oferece 14 mil tipos e safras e guarda 500 mil garrafas na adega. Vejam abaixo a carta e os corredores da adega. Se mesmo hoje fico de queixo caído, imaginem em 1970 quando os restaurantes de São Paulo sequer possuíam adega e os tintos chegavam quentes à mesa. Naquela noite, ao descer com meu pai à adega fria (no 4º andar do restaurante que fica no 5º), compreendi imediatamente que nossa atitude crítica era reflexo da mais pura ignorância. Graças a meu pai evoluí. Vou buscar em cada viagem o que pode ser melhor, pouco importa se em Itu, Salvador ou

Bruxelas. E nem sempre o bom é caro. Quanto custou o jantar? Sei lá, os olhos da cara, o triplo de um bom jantar em Paris. Acontece que uma noite como aquela ninguém esquece; é impossível não perceber os sabores da alta cozinha. Aprendi que às vezes devemos fugir do lugar-comum, ousar, tentar compreender o novo (p. ex. a arte contemporânea que, muitas vezes, dá vontade de rir), perceber que catedrais são mais do que tijolos empilhados. Embora eu tenha registrado na íris aqueles corredores infindáveis de prateleiras de ferro e vidro lotadas, e até me orgulhe de minhas duas mil, meio milhão de garrafas continua sendo algo inimaginável. Hoje perdeu duas estrelas e um pouco da fama; mas é difícil superar a aura do templo.

Divulgação

Namoro em uma São Paulo à moda antiga Armando Serra Negra Fotos: Newton Santos/Hype

Entre Mundos: exposição exibe telas e desenhos da artista plástica e ilustradora Catarina Gushiken.

Sonhos coloridos

Piratininga: ambiente saudosista. Abaixo, Passarinho, mestre do chope.

P

Rita Alves trazidos desde a infância. "Meus trabalhos giram em torno de sonhos que acontecem em um universo paralelo e minha personagem central é uma figura feminina que evolui junto comigo", diz. A ilustradora conta que o título da mostra, Entre Mundos, veio a partir do curador Henrique Luz. "A ideia era contrastar duas fases". Luz afirma que o trabalho minucioso de Catarina, repleto de texturas, linhas e cores remete diretamente ao de seus ancestrais japoneses. "A forma com a qual suas 'bonecas' (termo que a artista usa para definir seus personagens femininos) são desenhadas pode parecer algo diferente para o olhar ocidental. Porém essa 'linha quebrada' do traço de Catarina está diretamente ligada à arte oriental", explica o curador. IQ Art Gallery, do Espaço Cultural Chakras. Rua Dr. Melo Alves, 294, Jardins, tel.: 3062-8813. Terça a quinta, das 12h à 1h. Sexta e sábado, das 12h às 2h. Domingo, das 12h à 0h. Grátis.

Divulgação

A

beleza tomou conta da IQ Art Gallery, do Espaço Cultural Chakras. A responsável por isso é a artista plástica e ilustradora Catarina Gushiken, autora da exposição Entre Mundos. A mostra apresenta cinco telas pintadas em acrílica e nanquim e 10 desenhos sobre madeira feitos em nanquim preto e dourado. Os trabalhos retratam dois temas distintos: leveza e texturas coloridas. "A fase leveza privilegia mais o desenho e o respiro de espaços, a colorida mais a pintura e o preenchimento total dos espaços com texturas", explica Catarina. Em Entre Mundos, o visitante encontra mulheres e animais retratados. "Algumas obras mostram animais, mas a personagem feminina é o foco da minha criação, pois através dela me recrio. E tudo que desenho é pensando neste universo lúdico que construo para ela a cada trabalho." Catarina explica que seu processo de criação consiste sempre em transportar para a pintura desejos e referências

Recortes do cotidiano

P

ense em alguma dupla divertida do universo dos quadrinhos. A partir de agora você pode acrescentar mais uma ao grupo: Paulo Crumbim e Cristina Eiko. O casal é personagem e autor do livro Quadrinhos A2 (140 páginas, R$ 15). A obra reúne histórias em quadrinhos autobiográficas publicadas no site quadrinhosa2.com, além de páginas inéditas, extras e uma

arte-final exclusiva para a versão impressa. Com sensibilidade, bom humor e uma pitada de mistério, os dois retratam nas páginas uma série de situações cotidianas. "Geralmente contamos nos quadrinhos os fatos que nos espantam ou quando nos afastamos de uma situação e vemos que vale a pena ela ser contada." O primeiro livro do casal surgiu a partir de pequenas charges feitas em cadernos de

rascunhos. Os desenhos foram ganhando quadros até virarem histórias em quadrinhos. "Levamos cerca de um ano para termos o material bruto deste primeiro livro. Digo 'bruto' porque a versão impressa tem uma arte-final diferente da que publicamos na web, com um trabalho de revisão e diagramação especial, junto com o conteúdo exclusivo para o livro", diz Crumbim. (RA)

rimaveras e damas da noite se entrelaçam no toldo de vidro art nouveaux, exalando perfume, debruçadas em pencas esparsas, sobre os clientes que entram ou saem do Bar Piratininga. Papeando numa das seis mesinhas redondas, aguardando o manobrista trazer os carros, pitando um cigarrinho mais de lado, sob a tipuana iluminada. À meia luz na calçada singela, o brilho do mercúrio (aff!) quebrado pelo verde frondoso, a vitrina de estilo parisiense do início do século XX – o nome do bar pintado em ouro velho em letras características – se amalgama com a atmosfera interior. À esquerda, o balcão do bar ondula em chopes Brahma bem tirados pelo mestre Passarinho, palheta na cabeça, de uma antiga cafeteira adaptada: claro (R$ 5,20), escuro (R$ 6,80). Também choram das garrafas de uísque generosas lágrimas de oito anos (R$ 13,80), 12 anos (R$ 16,50) e 15 anos (R$ 23,80); caipiroska de frutas (R$ 15), refris (R$ 4,80). O ambiente é saudosista, de uma São Paulo de malandros e melindrosas que não existe mais, relembrada no uniforme dos garçons, no Ford Bigode (sedã, 1929) estacionado em frente, em fotos P&B salpicadas na parede de tijolinhos, de personagens boêmios e cenários urbanos, em um grande painel sépia no mezanino intermediário. Pé direito triplo, das mesas à direita tem-se boa vista das compactas bandas de jazz e blues que se apresentam no mezanino superior (couvert artístico R$ 14, sextasfeiras e sábados), piano, guitarra, saxofone, clarineta. Na parede afixado, um contrabaixo acústico observa cabisbaixo a plateia, braço inclinado sobre o piano animado, amuado pela precoce aposentado-

ria decorativa. Por outro lado, a grande corneta de latão reluzente do gramofone é como uma bocarra aberta sobre o público, convidando à animadas seções musicais. Ela pousa sobre um expositor antigo de vidro, de bugigangas, geringonças e quinquilharias curiosas. Do teto pendem dois lampiões mortiços, um aviãozinho de metal e um balão como o que Cantinflas (1911-1993) e David Niven (1910-1983) deram A Volta ao Mundo em 80 Dias (1956), transportando para as telas uma das divertidas ficções de Julio Verne (1828-1905). Fundado em 1992, o Bar Piratininga é pioneiro na Vila Madalena, montado em uma casinha centenária, de fachada eleita como das mais belas e conservadas da cidade, pelo Clube dos Arquitetos de São Paulo, em 1997. Às vésperas de completar bodas de porcelana (20 anos) – dê uma olhada no interessante bibelô entre o gramofone e o contrabaixo. E experimente: linguiça caracol (recheada com provolone, R$ 25,50), mussarela de búfala na brasa (R$ 19,50), polentinha frita (R$ 15,80). Namore bastante e curta o som de primeira: o Piratininga, à moda antiga, foi feito justamente para isso! Bar Piratininga. Rua Wisard 149. Vila Madalena. Tel.: 3032-9775. Valet Service: R$ 15. Não aceita cheques.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

28

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Ilustração de John Leech tirada do livro Dickens' Christmas – A Victorian Celebration, de Simon Callow.

Flinstones: A história natalina na idade da pedra.

Um Conto de Natal, jovem aos 168 anos. O avarento e ranzinza Ebenezer Scrooge, além de detestar o Natal, não conseguia entender o porquê de tanta felicidade nessa época.

d

cultura

Kety Shapazian

Detalhe de uma janela no Museu Charles Dickens, em Londres.

A FAMOSA HISTÓRIA DE DICKENS CONTINUA EM ALTA

T

Fotos: Reprodução

No alto, Gerald Charles Dickens, tataraneto do autor. Acima, Alec Guinness, que interpretou Scrooge na rádio BBC, em 1951. Abaixo, Lawrence Olivier, em 1953, também na BBC.

io Patinhas (Uncle Scrooge, em inglês), criado em 1947 por Carl Banks e um dos personagens mais populares da franquia Walt Disney, é a personificação para as histórias em quadrinhos do avarento mais famoso da literatura – Ebenezer Scrooge –, o homem que não suportava o Natal, em Um Conto de Natal, de Charles Dickens. "O que é que o dia tem de tão alegre? Vou lhe falar o que é o Natal: apenas mais um dia de trabalho", diz, ou melhor, reclama Scrooge à certa altura do conto. Um dos maiores clássicos natalinos de todos os tempos, Um Conto de Natal (ou Uma Canção de Natal, Um Cântico de Natal, dependendo da tradução) tem sido adaptado, recriado, reproduzido e parodiado desde sua publicação, em 19 de dezembro de 1843.

Escrito em menos de um mês, inicialmente para quitar dívidas do autor, a história se transformou da noite para o dia em um sucesso, vendendo cerca de seis mil cópias em uma semana. Desde então, o conto de Dickens é anualmente lembrado de alguma maneira. Apenas no teatro, foram dezenas de adaptações. Duas montagens nos Estados Unidos estão em cartaz há mais de 30 anos: nas cidades de Mineápolis (desde 1975) e Memphis (1977). Tataraneto – Outra peça, criada em 1996, também continua em cartaz. Nela, o tataraneto de Dickens, Gerald Charles Dickens, interpreta 26 personagens em uma versão one-man-show do Conto. O avarento da Disney, ao lado de Mickey, protagonizou o desenho animado O Conto de Natal de Mickey, em 1983. Em 1992, Os Muppets adaptaram a obra em um

filme com Michael Caine no papel de Scrooge e Caco, o Sapo, no papel de Bob Cratchit. Gonzo aparece no papel do próprio Charles Dickens, narrando o longa. Nem Barbie escapou. O filme Barbie em A Canção de Natal é considerada a versão feminina da história. Nela, Eden Starling é uma cantora famosa – porém, egoísta – que odeia o Natal. Em 2009, a Disney lançou Os Fantasmas de Scrooge, em 3D, com Jim Carrey interpretando o rabugento. Há também referências da obra em inúmeros filmes. No final de Shrek, quando os personagens cantam juntos, o bonequinho de gengibre diz, apoiado numa muleta: "Deus abençoe a todos". Essa é uma fala de Tiny Tim, que também tem deficiência. Em O Expresso Polar, com Tom Hanks, o protagonista, que não acredita em Natal, passa por um vagão no trem completamente

carregado de bonecos quando uma marionete apresenta-se como Ebenezer Scrooge e o chama de cético. Na TV, houve diversos espetáculos, desde um show ao vivo em 1947 com John Carradine no papel principal até um musical animado do Mr. Magoo, em 1962. Os Flinstones e a Vila Sésamo também tiveram suas adaptações do Conto. No rádio, dois mestres, Alec Guinness e Lawrence Olivier, interpretaram Scrooge na BBC em Londres, em 1951 e 1953, respectivamente. Papai Noel – Mas de todas essas homenagens, talvez a mais singela tenha sido feita por uma menina que vendia flores em frente a um teatro de Londres. Surpresa, ela teria dito: "Morreu Dickens? E o Papai Noel, será que morreu também?"

Abaixo, o avarento Tio Patinhas. E Jim Carrey em Os Fantasmas de Scrooge, lançado pela Disney em 2009.

Ao lado, A Felicidade Não Se Compra. O clássico de Natal é uma versão ao contrário da história de Dickens. No lugar de um rabugento, um herói – George Bailey. O personagem criado por Frank Capra cai em desespero e é ajudado por um anjo, que lhe mostra como a vida seria se ele nunca tivesse existido. Abaixo, adaptação para teatro.


DC 09/12/2011