Issuu on Google+

Ano 87 - Nº 23.747

Jornal do empreendedor

R$ 1,40

www.dcomercio.com.br

São Paulo, sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Paulo Pampolin/Hype

Conclusão: 23h55

Rogério Amato, presidente da Facesp e da ACSP: manifesto para gerar ações.

A MARCA DE UMA NOVA ERA

MANIFESTO

13° Congresso Facesp reúne lideranças de 420 associações comerciais do Estado de São Paulo para discutir novos rumos, depois de "mapeado o DNA". Caderno Especial

Ideia e texto, pág. 13.

VOTO DISTRITAL A defesa de Afif, pág. 15.

NOSSA POSIÇÃO Opinião semanal, pág. 2.

BOA VISTA Parceria tecnológica. Pág. 14.

Uma coroa cor de rosa à espera de Haddad

O Chevrolet Onix, com a nova "cara" da GM, tem bom preço (a partir de R$ 29.990), tecnologia acima da média, belo design, é confortável... Vai ser difícil de bater. Pág. 25

No sudoeste da França, a capital do vinho é também uma cidade efervescente que merece ser degustada. Boa Viagem. Pág. 26

Disney/Divulgação

Luiz Prado/LUZ

É para bater. Concorrentes.

Laurent Reiz/Divulgação

Divulgação

Bordeaux, safra 2012.

Novo prefeito receberá 8 dos 30 andares do Edifício Martinelli , no centro da Cidade, recuperados. A conclusão do projeto agora está em suas mãos. Pág. 10 Leo La Valle/EFE

d

cultura

Multidão frita o governo de Cristina em Buenos Aires

Singela (re)animação Victor, inconformado com a morte de seu cão, trata de trazê-lo de volta à vida em Frankenweenie (foto), animação do diretor Tim Burton que chega hoje aos cinemas. Outra estreia que promete é Argo, produzido, dirigido e protagonizado por Ben Afleck. Aproveite ainda o fim de semana para conferir a obra da artista plástica Ana Maria Pacheco, a dança da consagrada cia. chinesa Legend Lin Dance Theatre, para saborear a história dos Numanthia na Roda do Vinho...

Panelas na mão, manifestantes foram às ruas e aplicaram sua receita (o panelaço) para protestar contra inflação, criminalidade e corrupção. Familiar? Pág. 9 Página 4 ISSN 1679-2688

23747

9 771679 268008


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

O cotidiano da vida política em Brasília, porém, mostra que essas ameaças têm efeitos quase nulos. José Márcio Mendonça

pinião

Nossa Posição estará todas as quintasfeiras neste mesmo espaço.

NOSSA POSIÇÃO A

s Associações Comerciais são entidades de caráter municipal que se caracterizam por intensa participação na vida de suas comunidades, contribuindo para o desenvolvimento das economias locais e para o maior bem estar de suas populações. As Associações Comerciais, no entanto, por sua trajetória mais do que centenária de participação na vida política, econômica e social do País, conquistaram o direito de opinar sobre os principais acontecimentos que afetam não apenas as atividades

empresariais, mas, também, aqueles que afetam a coletividade ou indivíduos em sua condição de cidadãos. Mais do que o direito, as AC s têm o dever de se posicionar na defesa de seus princípios, no apoio às justas aspirações dos empresários e na luta pelos interesses gerais da sociedade. Precisamos difundir nossa posição em defesa da liberdade como um bem fundamental, do qual derivam a livre iniciativa e a democracia como mecanismos capazes d e p e r m i t i r o d e s e n v o l v imento econômico e social, e a criação de oportunidade

para a realização pessoal dos cidadãos a partir do esforço individual de cada um e da solidariedade de todos. Cabe às ACs mostrar aos governos e à sociedade que o empreendedorismo, por meio do apoio às micro e pequenas

empresas e do microempreendedor individual é o caminho para a expansão da riqueza e para a redução da pobreza, mantendo a luta contra a elevada tributação e a excessiva burocracia, que tolhem o espírito empresarial e o de-

Vamos defender a liberdade como um bem fundamental, do qual derivam a livre iniciativa e a democracia, mecanismos essenciais ao desenvolvimento econômico e social do País.

senvolvimento da economia. Com o objetivo de transmitir à sociedade os compromissos das Associações Comerciais com a defesa dos interesses gerais da comunidade, os valores que nortearam suas trajetória e suas posições em relação a fatos políticos, econômicos e sociais que possam afetar a atividade empresarial e a vida da população, publicaremos semanalmente, a partir da próxima quinta feira, a Nossa Posição. Nossa Posição procurará refletir – com base na história das entidades, de seus princípios e valores, e da análise de atos e fatos que possam afetar

o presente ou o futuro da sociedade brasileira, e não apenas da classe empresarial - o posicionamento das Associações Comerciais sobre os temas que exigirem sua manifestação.

E

speramos que Nossa Posição seja divulgada por todas as Associações Comerciais em suas cidades, com as observações adicionais que julgarem convenientes, para que os empresários e a sociedade saibam que podem contar com nossas entidades na defesa das liberdades e do desenvolvimento econômico e social do Brasil.

OS RISCOS DA INTRANSIGÊNCIA André Dusek/Estadão Conteúdo

A

presidente Dilma Rousseff avisou aos comensais do PT e do PMDB, na terça-feira, no Palácio da Alvorada, que não aceitará modificações na Medida Provisória 579, com as regras para prorrogação dos contratos das empresas de energia elétrica – passo primordial para a promessa do governo de reduzir a conta de luz no País em 20%, em média, e de 16% e a 18%, conforme o tipo de consumo. O recado foi mais diretamente para o PMDB e mais diretamente ainda para o senador Renan Calheiros, escolhido a dedo para relatar a MP e evitar sustos. É uma espécie de "vestibular" para o senador alagoano, um teste de sua fidelidade canina ao Palácio do Planalto e de sua liderança entre os colegas congressistas. Se não passar, terá comprometido o apoio oficial à sua candidatura à presidência do Senado. Mesmo considerando-se, para efeito de raciocínio, que a proposta do governo seja perfeita, o aviso da presidente é impertinente; tem o vezo autoritário da personalidade dela e que às vezes não consegue disfarçar. E um pouco, também, do partido ao qual ela pertence. Como Dilma "não admite" modificações, pode-se perguntar, se o Legislativo é um poder independente? Ou não é, ao menos totalmente, no Brasil de hoje? A MP 579 enfrenta resistências e já gerou ruídos desagradáveis no setor de eletricidade, pela mesma raiz: nasceu nos escaninhos da burocracia, sem nenhum debate com as partes interessadas. Foi um edito "real". O cotidiano da vida política em Brasília, porém, mostra que essas ameaças têm efeitos quase nulos. Veja-se que, entre convictos e aderentes – estes mais

JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA terça-feira do festivo convescote com peemedebista e petistas, com a aprovação, pela Câmara, com folgada maioria, das novas regras de distribuição dos royalties do petróleo e da parcela de participação específica sobre a exploração dos poços petrolíferos.

A

A presidente Dilma enviou um recado impertinente aos aliados do PMDB sobre a votação da MP 579.

interessados em compensações por votos prestados do que convictos – a presidente Dilma Rousseff conta com uma bancada de apoio na Câmara dos

Deputados com mais de 400 parlamentares, mais de 70% do conjunto de congressistas. No Senado a maioria é menos folgada, mas mesmo assim mais do que suficiente para

fazer chover se a presidente assim o quiser. E, no entanto, em questões cruciais, o Palácio do Planalto acumula fragorosas derrotas. A mais recente ocorreu na

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Claudio Vaz Edy Luiz Kogut Érico Sodré Quirino Ferreira Francisco Mesquita Neto João de Almeida Sampaio Filho João de Favari Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Paulo Roberto Pisauro Renato Abucham Roberto Faldini Roberto Mateus Ordine

presidente despachou para o Congresso, para conversar sobre o tema com sua base, a ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, e o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, ambos senadores licenciados – portanto, pelo menos em tese, com boa capacidade de negociação. A missão era dizer que a redivisão não deveria atingir os poços já licitados e que o que fosse recolhido deveria ser todo destinado à educação. Nenhum dos dois pedidos (ou seria ordem para os aliados?) foi atendido e agora a presidente vê-se na delicada situação de vetar parte do projeto – desagradando 25 governadores e cerca de 5.500 prefeitos – ou indisporse com dois aliados de fé e alguns prefeitos capixabas e fluminenses. E ainda com o risco de enfrentar uma longa e desgastante batalha judicial. Semanas atrás Dilma já havia passado por outro vexame quando, apesar de todos os esforços em contrário dos seus ministros, a Câmara aprovou uma proposta que torna obrigatória a aplicação de um valor correspondente a

10% na área de educação – medida que o Senado dificilmente barrará, dado o seu apelo popular. Dilma contava então com o dinheiro do petróleo para cobrir a obrigação. Na lista de passivos entre o governo e seus aliados nos últimos tempos deve ser incluída também a aprovação, duas vezes, pelo Congresso, de partes do Código Florestal totalmente em desacordo com que Dilma entende como o mais adequado. Tanto que ela foi obrigada a vetar parte do projeto e editar em seguida um decreto para tapar os buracos deixados pelo veto, indispondo-se, ao mesmo tempo, com uma parcela dos ruralistas e com uma facção ambientalista.

O

que todos esses episódios revelam é a incapacidade do governo de negociar (no bom sentido, e não na base da troca, nomeações, ministérios) e transigir quando necessário. O modelo é: "O governo falou, tá falado". E bata-se continência. Não funciona. A presidente vai ter de dialogar mais, e abandonar o vezo autoritário que emana do Palácio do Planalto se não quiser ter dissabores maiores. JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA É JORNALISTA E ANALISTA POLÍTICO

A coluna de Eymar Mascaro será publicada na edição de segunda-feira.

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, João de Scantimburgo, Marcel Solimeo Diretor-Responsável João de Scantimburgo (jscantimburgo@acsp.com.br) Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Edito r-Ch efe : José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br) Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br) Editores Seniores: Bob Jungmann (bob@dcomercio.com.br), Carlos de Oliveira (coliveira@dcomercio.com.br), chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), José Roberto Nassar (jnassar@dcomercio.com.br), Luciano de Carvalho Paço (luciano@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Luiz Antonio Maciel (maciel@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br) Editor de Fotografia: Alex Ribeiro Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Fernando Porto (fporto@dcomercio.com.br), Ricardo Ribas (rribas @dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br) Subeditores: Marcus Lopes e Rejane Aguiar Redatores: Adriana David, Eliana Haberli e Evelyn Schulke, Ricardo Osman, Tsuli Narimatsu Repórter Especial: Kleber Gutierrez (kgutierrez@dcomercio.com.br), .Repórteres: André de Almeida, Fátima Lourenço, Guilherme Calderazzo, Ivan Ventura, Karina Lignelli, Kelly Ferreira, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mariana Missiaggia, Mário Tonocchi, Paula Cunha, , Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves, Sandra Manfredini, Sílvia Pimentel, Vera Gomes e Wladimir Miranda. Gerente Executiva e de Publicidade Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estadão Conteúdo, Folhapress, Efe e Reuters Impressão S.A. O Estado de S. Paulo. Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3180-3175. Fax 3180-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3180-3197, 3180-3983, Fax 3180-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3180-3544, 3180-3176 , Fax 3180-3355 Esta publicação é impressa em papel certificado FSC®, garantia de manejo florestal responsável, pela S.A. O Estado de S. Paulo.

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3180-3737 REDAÇÃO (011) 3180-3449 FAX (011) 3180-3046, (011) 3180-3983 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

o

pinião

A

ntes que alguém tire conclusões apressadas e imagine que vai ler uma apologia do presidente reeleito Barack Obama, está equivocado. Caso fosse americano, eu votaria no deputado Ron Paul se ele fosse candidato – ou em Romney, depois que Ron Paul perdeu a chance de tornar-se o candidato republicano. Na eleição presidencial americana, a verdadeira questão é saber se Obama ganhou ou Romney perdeu – não, evidentemente, pelo número de votos, mas pela campanha que cada um fez. Romney perdeu porque tentou ser tudo para todo mundo. No final, acabou não sendo nada para ninguém. E desse modo, entre o certo e o duvidoso, o eleitor acabou preferindo quem conhecia por seus parcos acertos e por seus muitos erros. O republicano também pesou a mão ao pretender caracterizar Obama como um perigoso socialista. Saber se Obama é socialista ou não, não é mais relevante. Até porque o presidente reeleito é simplesmente um populista, como, de resto, a maioria dos primeiros mandatários das democracias modernas. Os populistas modernos guiam suas opções de política pela consulta permanente e em tempo real dos desejos e das inclinações das maiorias. Para onde tende a opinião pública, é nesta mesma direção que vai o governo. Não se fazem mais Reagans e Tatchers como antigamente. Não compro o argumento de muitos analistas de que Romney perdeu por esposar algumas das principais ideias conservadoras. Ron Paul as teria exposto com mais vigor e coerência e poderia ter sido eleito, caso fosse ele o candidato opositor de Obama. Me-

3

OBAMA BENEFICIOU-SE DE DIVERSOS EVENTOS FORTUITOS EM SUA REELEIÇÃO.

UM RESULTADO ÓBVIO Doug Mills/The New York Times

ROBERTO FENDT

Obama se reelegeu com o desemprego na estratosfera e a economia morna e terá muitos abacaxis à frente para descascar. nos ainda prejudicou Romney surgir como o candidato do Tea Party. Seu problema não foi a associação com esse movimento das bases americanas, mas o fato dele depois ter se perdido quando isso passou a ser duramente atacado pela grande imprensa democrata.

A

s ideias dos conservadores do Tea Party inc l u e m o r e c o n h e c imento de que foi o governo democrata de Bill Clinton que gestou a maior crise financeira e econômica desde a Grande Depressão da década de 1930. Incluem também a reação à paranóia do falso ambientalismo, que nos afirma

ameaçados por um aquecimento sufocante e que encobre os mais variados interesses. A respeito desse tema, comentei nesse espaço, na última terça-feira os resultados do respeitado Serviço Meteorológico Britânico que mostra que não ocorreu aquecimento algum na última década. Não foram as ideias, portanto, que derrotaram Romney, foi sua indecisão em proclamá-las. Não foi a incorporação de seu candidato a vice presidente à chapa que lhe tirou votos. Ao contrário, se tivesse sido vigoroso em mostrar que os EUA também padecem de um crônico deficit estrutural em suas contas públicas e

Ants Scriptum: O bate-boca doMinistro Joaquinzão com o Advogado de Defesa Douto Doutor Lewandowski, agora com a participação do Ministro Marco Aurélio, que anda com o capeta no corpo, é jogo de cena, aprendido nas novelas da Globo e ensaiado no chazinho de 30 minutos, que dura mais de uma hora. O truque aumenta a audiência, em queda por excesso de repetição das cenas. Recomendo controlar o lítio que andam tomando, em excesso ou escassez.

apontado o caminho austero correto para saná-lo, teria obtido mais votos. Obama beneficiou-se de diversos eventos fortuitos que o ajudaram a eleger-se. Primeiro, a percepção dos eleitores de que ele havia recebido o país em frangalhos, depois do que o eleitor considerou uma desastrosa administração George W. Bush. O eleitor queria dar um crédito a um candidato novo, que não fazia parte da velha elite política americana, e que prometia mundos e fundos. Também não atrapalhou o envolvimento pessoal do presidente ao solidarizar-se com as vítimas do furacão Sandy.

Encharcado até os ossos, Obama estava presente junto às vítimas e despachava telefonemas de madrugada aos governadores dos estados atingidos – inclusive os pertencentes à oposição. Pelos seus feitos, Obama jamais seria reeleito. A herança que receberá de seu próprio primeiro governo não é benfazeja. Após quatro anos, o desemprego está praticamente no mesmo patamar do dia de sua posse. Seus megalômanos programas sociais deixarão uma herança maldita para os seus sucessores – assim mesmo, no plural. É difícil dizer quanto de sua eleição deveu-se ao compro-

ROBERTO FENDT É ECONOMISTA

BEBO PRA ESCREVER, ESCREVO PRA ESQUECER

NEIL bebaço

Ferreira

I

n vino veritas – aprendi latim nas sessões do julgamento do Mensalão. Mas preciso tomar cuidado; meu fígado está reclamando dos textos longos. Esta coluna, por exemplo, não passa no bafômetro. "A grande derrotada na eleição é a verdade". "Os (...) candidatos fizeram da mentira uma arma". Mas (...) apostou todas as fichas na ideia de que os fatos podem ser ignorados impunemente". Parece um acurado comentário sobre a eleição de São Paulo; não é. É o colunista Kevin M. Kruze, do NY Times, falando da eleição americana. Lá como cá, Lulas há. "A nível de" enganação, nada temos a aprender com ninguém; já ensinamos. Quero esquecer que o Procurador Geral da República recusou proteção ao Valério – ou porque não quer ouvir mais, pois já sabe tudo e quer deixar quieto o que pode vir a mais, ou quer ver outro arquivo morto, como PC Farias, Celso Daniel e Toninho de Campinas.

metimento do ex-presidente Bill Clinton com sua campanha. Eleito pela primeira vez quando a economia mal começava a deslanchar, depois de um período recessivo, Clinton colheu os resultados que haviam sido plantados pelo ex-presidente Bush pai: no decorrer de seu governo o setor privado criou o maior número de empregos durante um período de oito anos e a inflação foi a mais baixa das últimas décadas. Já Obama se reelegeu com o desemprego na estratosfera e com a economia ainda morna, contrariando o conhecido refrão da política americana que ninguém se reelege com a economia em compasso de espera. Desde já, descascará diversos abacaxis: o "precipício fiscal" de 31 de dezembro próximo e o convívio com uma câmara dos deputados majoritariamente republicana e hostil. A eleição apertada, em que obteve menos votos do que no primeiro mandato, poderá chamar a atenção de Obama para a insatisfação dos eleitores com seu primeiro governo. Se assim acontecer, será muito bom para os EUA – e, por tabela, para o restante do mundo.

Quero esquecer a eleição do Poste da Vez; os corruptores e corruptos condenados pelo STF, a ameaçar de vendetta o STF e a "Imprensa Gorpista a sirvisso da burguesia suja".

O

Advogado de Defesa Lewandowski, o capinha-preta Toffoli e as estagiárias, as meninas Weber e Carmem Lúcia, tentando provar que a culpa é do sofá e que Dirceu O Inocente, Delúbio Bocca Chiusa, Genoíno O Pobrezinho e João Paulo Cinquenta Contos Cunha são almas puras, isentas de malícia. Quero esquecer que Lula não está nos autos e "fora dos autos fora do Mundo", asseguram-me os Excelsos Capas-Pretas, os da nossa confiança, que os há; e os outros. O indigitado Vilão fala como bode, fede como bode; bode é – expiatório. Dou nome ao bode, Marcos

Valério, mais citado na imprensa do que o Neymar. Nas novelas da Globo, as vilãs e vilões são os heróis prediletos, como aquela maluca que jogava seus desafetos escada abaixo– sou o maior fã dela. E o vilão que fugiu de jatinho para Cuba com a mala cheia de dinheiro, dando banana para os idiotas honestos que ficaram chupando o dedo; esse aí voltou e virou "Capitão do Time".

V

alério meteu a mão em cumbuca e deixou um montão de impressões digitais, pegou uns 40 anos e é capaz de ir "pro ralo sozinho". Garantiu que sozinho não vai; tô esperando ele abrir o bico e cantar. A quadrilha condenada está crente de que não vai puxar cana. Se puxar, a Primeira Posta dá indulta. Na Novilígua, "posta" é feminismo de poste, "Presidenta" é feminismo de

Presidento e "dá indulta" é feminismo de dá indulto.

N

a Bolsa de Apostas de Londres da minha casa, são pule de 10 as apostas no resultado "Nenhum mensaleiro de alto coturno vai pegar cana". Abro apostas na coluna "Eles vão processar Joaquinzão por calúnia, injúria e difamação" e exigir gordas "indenizações por danos morais". Foi zebra a quadrilha ser condenada por "Formação de Quadrilha"; não quero acordar e descobrir que tudo foi um sonho. Não há alma boa de Setsuan pra me acordar do sonho mau – a ideia de jerico desses 58%, que entregaram São Paulo à voracidade pantagruélica da cambada cumpanhera. Nunca antes na história "deçepaíz" houve tanta roubalheira; perto "dus cumpanhero qui erraro", A. de Barros e PC Farias

eram molequinhos arteiros. Sumpólo si entregou-se. Eu num si entrego não; caio de botina, faca nos dentes, trabuco na mão. Tô bão, já tô escrevendo torto por linhas retas; tô esquecendo.

S

umpólo será cobaia de "programas sociais e econômicos", a serem treinados aqui com vistas à eleição de 2014, ano em que a alcateia planeja invadir o Palácio dos Bandeirantes. "Xis" por cento pros bolsos cumpanheros não é previsão, é certeza. Imagine a cumpanherada com esse big queijo da Serra da Estrela nas bocarras, pra comer com torradinhas. Acreditam que a Primeirona Posta (feminismo de "Primeirão Poste") está com o Planalto no papo, mas sei lá se o Fazedor de Postes não estaria cheio de vontade de usar a Faixa, que nunca tirou por estar tatuada no peito varonil, Salve, Salve. Como se sabe, "Salve" é

palavra de ordem pros cumpanhero du PTCC. Bebi, escrevi e não esqueci. Lula, Maluf , a Posta e o Outro Poste estão a praticar sexo grupal ni nóis nos meus pesadelos. Não gostei, vou reescrever. A arte de escrever é o ofício de reescrever; pra reescrever, preciso re-beber. Reforço meu Johnnie com uns tapas num California Gold. O blend funciona; esqueci.

O

que lembro, lembro em êxtase. "Manda-a-fumaça-docachimbo-pra-cachola/ Acende-puxa-prendepassa/ Maresia-sente-amaresia uuu...". Não há capa de Veja que resista ao Gabriel O Pensador, sente a maresia uuu... Não há Mensalão que resista às capas de Veja. Você acredita que o STF resiste a todos os Homens do Presidente? Eram os Deuses Astronautas? Eu acredito. É como voto. Nada é mais ridículo do que um véio de cabeça torta. NEIL FERREIRA É PUBLICITÁRIO


DIÁRIO DO COMÉRCIO

4

GibaUm

3 Ayres Britto deixa o

Supremo e continua morando em Brasília. E lá, pode acabar fazendo carreira na política.

gibaum@gibaum.com.br

k Sempre fui de namorar, né? Então, já namorei muito Shrek, nesta vida, muito ogro.

SABRINA SATO // passando a limpo sua vida de namoradeira.

Fotos: BusinessNews

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

3 MAIS: o PSD quer que ele concorra ao Senado em 2014 pelo Distrito Federal. Considera seu nome praticamente imbatível.

Conversa a dois Na conversa que teve, esta semana, no Palácio da Alvorada, com a presidente Dilma Rousseff, Lula lhe garantiu que nunca esteve com Marco Valério, conforme depoimento que o publicitário teria dado em setembro ao Ministério Publico e que é mantido sob sigilo judicial. O ex-presidente acha que Valério “blefa” e que não tem nenhuma prova, até mesmo sobre outras denúncias, que envolvem o secretário-geral da Presidência, Gilberto Carvalho e o ex-ministro Antonio Palocci.

333

FILHA ÚNICA Superando Lula Até o final de seu primeiro mandato, Dilma Rousseff poderá indicar mais um nome ao Supremo, além dos três que já indicou, (Luiz Fux, Rosa Weber e Teori Zavascki). É para a vaga de Ayres Britto. Se for reeleita em 2014, poderá indicar mais cinco ministros ao STF, totalizando oito, ou seja, dois a mais do que Lula em seus dois períodos de governo. Aposentam-se entre 2014 e 2018, Celso de Mello, Marco Aurélio Mello, Ricardo Lewandowski, Rosa Weber e o recém-indicado Teori Zavascki. 333

BROCA NA MÃO Depois do seriado Como aproveitar o fim do mundo, Fernanda Young e Alexandre Machado deverão escrever outro para a Globo. O projeto de O Dentista Mascarado acaba de ser aprovado pela direção da emissora e deverá estrear em abril do ano que vem. É a história de um homem que, de dia, combate cáries; à noite, combate crimes. Lembra o recém-lançado Arrow sobre as façanhas do Arqueiro Verde que, de dia, é milionário e à noite, caça bandidos usando arco e flexa. No caso da futura série global, o herói poderá caçar marginais munido de broca. 333

Na passarela, no tradicional Victoria´s Secret Fashion Show, em Nova York, elas são as angels, que desfilam com roupas (e asas, claro) inspiradas no mundo do circo; nos camarins do Lexington Armory, onde aconteceu o espetáculo, elas lembram a antiga Pink Panther. Todas as modelos da grife usam pequenos robes de seda rosa e fazem caras e bocas para reduzido grupo de fotógrafos com acesso ao local. Da esquerda para a direita, Adriana Lima; Alessandra Ambrosio (desfilou com o sutiã de US$ 2,5 milhões); Miranda Kerr (a mais sexy do mundo, segundo a GQ); a neerlandesa Doutzen Kroes; e mais uma brasileira (mineira), Barbara Fialho.

Panteras cor de rosa

333

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) já andou circulando pelo país, especialmente Nordeste, tentando ganhar imagem nacional para sair candidato ao Planalto em 2014. Agora, não quer ficar parado, vendo Dilma armar suas alianças pensando na reeleição. E também quer mais firmeza de seu próprio partido. De um lado, sabe que José Serra já extinguiu suas possibilidades; de outro, está cansado de ouvir rumores sobre uma suposta candidatura de Geraldo Alckmin. Por isso, vai sentar – olho no olho – com o governador de São Paulo: se quiser disputar a Presidência, tem seu apoio em Minas Gerais; se preferir sua própria reeleição, pedirá uma declaração pública de apoio ao nome de Aécio ao Planalto. 333

Olho no olho

333 Enquanto as cenas de estupro da personagem Jessica (Carolina Dieckmann) tiveram de ser cortadas por ordem da direção da Globo, quem acompanha a novela Salve Jorge, deGloriaPerez,ficamaisdoque surpreso com a alegria das mulheres num cativeiro em condição sub-humanas. Já foram violentadas, são exploradas e – surpresa – vivem dançando, como se tivessem aulas diárias. Detalhe: essa marcação inusitada está descrita no próprio texto da autora.

Nova jóia Não e exatamente a jóia de coroa, mas já desperta cobiças de todos os lados: a Secretária da Aviação Civil (SAC) faz parte das reivindicações da base aliada para a suposta e parcial reforma ministerial que aconteceria no começo de 2014. É que apenas com a privatização dos aeroportos de Guarulhos, Viracopos e Brasília, a secretaria terá mais de R$ 1 bilhão para investir por ano. 333

O GOVERNADOR Sérgio Cabral em um tem plano para suas férias de janeiro: implante de cabelos. Quer reduzir as entradas que aumentam e reforçar o topete. Obedece a observações da primeira-dama Adriana Ancelmo.

333

333 OS ÚLTIMOS rounds do julgamento do mensalão deverão fechar o ano em que o combate à corrupção chegou a ganhar as ruas de muitas cidades brasileiras. O pessoal do Congresso Nacional não deve ter visto ou ouvido: hoje, nada menos do que 145 projetos de combate à corrupção tramitam lá, alguns há mais de quinze anos. Na Câmara, existem 109 projetos; no Senado, outros 36.

SEU JORGE já gravou sua participação no especial de dezembro de Roberto Carlos, na Globo, que não terá apenas as empreguetes de Cheias de Charmes. Também Claudia Abreu e Titina Medeiros subirão ao palco do rei, devidamente caracterizadas como Chayene e Socorro, para cantar com ele. A participação de Catarina Migliorini, que vendeu sua virgindade por US$ 780 mil num leilão mundial, na Fashion Rio, acabou vetada, em cima da hora, pela TNG. A empresa alegou que havia recebido muitas reclamações, até clientes ameaçando não comprar mais produtos da marca. E ela acabou assistindo o desfile, sentada na primeira fila. Enquanto isso, no Facebook, há uma nova invasão de fotos de Catarina na praia, só com a parte inferior do biquíni e certamente, já estudando para debutar sua nudez total em revista masculina. 333

Barrada no baile

Ministeriáveis Nessa anunciada e parcial reforma ministerial, Edison Lobão, de Minas e Energia, pode retornar ao Senado e começar a pensar na sucessão de Roseana Sarney no Maranhão. Gabriel Chalita é um nome cotado para substituí-lo e agora, grande grupo defende o nome de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), embora muitos achem que é provocação. Por outro lado, se o futuro Ministério da Micro e Pequena Empresa for oferecido ao PSD de Gilberto Kassab, será polidamente recusado. Com Cidades e Transportes, a conversa é outra. E Gleisi Hoffmann deixa mesmo a Casa Civil: até seu chefe de gabinete já saiu, rumando para Curitiba. Vai organizar sua campanha ao governo do Paraná.

333

h IN Rivotril.

OUT

Lexotan.

Crise de desconfiança Obama reeleito, novas analises sobre os Estados Unidos, que já cumpriram sua terceira rodada de emissões de dólares do Federal Reserve, encontram consumidor americano endividado, embora menos do que em 2008. A dívida publica saltou de 70% do PIB para 100%, só que custa menos de 3% do PIB em juros (menor custo desde a década de 1930). As grandes empresas têm lucros enormes e dinheiro em caixa, perto de US$ 2 trilhões, segundo o Financial Times. Resumo da ópera: lá, a crise é de desconfiança (empresas, consumidores e bancos) diante do que pode vir pela frente. É a maior tarefa de Obama: se o medo entre os americanos acaba, o mundo vem atrás. 333

O PLANALTO quer o senador Gim Argelo (DF) na presidência do PTB, onde sucederia Roberto Jefferson. Não quer Campos Machado, deputado estadual em São Paulo, porque acha que ele é meio tucano e nem Armando Monteiro, que poderia abrir as portas do partido para Eduardo Campos (PSB).

333

A EMPRESA da família da decoradora Brunete Fracarolli (Mulheres Ricas), fabricante da Tubaína, está lançando novos produtos destinados aos consumidores corintianos: GuaraNação e TimãoBaina. Vem até com o símbolo do clube no rótulo. 333

h

ELAS DANÇAM!

MISTURA FINA

333

Faltou combinar 333 O acordo entre Dilma e o PMDB, que inclui a manutenção de Michel Temer na chapa em 2014 e apoio à eleição de Renan Calheiros para a presidência do Senado, ano que vem, só tem um problema: faltou combinar com bloco de parlamentares – e do próprio PMDB. Dez senadores estão articulando a candidatura do também peemedebista Jarbas Vasconcelos, de Pernambuco, para o cargo. Nesse caso, os socialistas da Casa, orientados por Eduardo Campos, com quem Jarbas virou amigo de novo, podem endossar a alternativa.

333 A nova mania entre as mulheres, especialmente as maisjovens,épintarumasóunha da mão de uma cor diferente das outras.Odedoanelaréofavorito para escolher a filha única ou unha solitária, que ainda pode ganhar alguma decoração, tipo listras ou desenhos.

O ATOR Henri Castelli e a modelo Isabeli Fontana (já foram casados) não reataram nenhum romance, depois de cinco anos de separação. Apenas vem se encontrando com maior freqüência porque tem um filho, Lucas, de seis anos de idade. Agora, uma recaída pode acontecer com qualquer um.

333

ACABA de naufragar a venda do jornal Hoje em Dia, de Edir Macedo, para grande grupo gráfico de Minas Gerais. O levantamento da área financeira teria sido o balde de água fria. Naufraga junto a venda do Correio do Povo, de Porto Alegre, que nem chegou a ter propostas encaminhadas de interesse de compra. 333

Colaboração: Paula Rodrigues / A.Favero

CHARGE DO DIA


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

5 UM SÉCULO A somatória abrange apenas cinco dos 25 réus condenados.

olítica

Juarez Rodrigues/Estadão Conteúdo – 29.06.06

Maria T. Correia/Estadão Conteúdo – 12.01.06

Laycer Tomaz/Agência Câmara – 27.08.05

Joedson Alves/Estadão Conteúdo – 10.08.05

OITO MILHÕES Essa é a quantia em reais que três de 25 réus terão de devolver.

Celso Jr./Estadão Conteúdo – 03.08.05

As penas somadas de Marcos Valério, Ramon Hollerbach, Rogério Tolentino, Cristiano Paz e Simone Vasconcelos (da esquerda para a direita) passam de 103 anos e faltam alguns crimes.

Mais de um século para núcleo publicitário

O

s ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) já concluiram, embora parcialmente, a dosimetria do núcleo publicitário do Mensalão. E, até agora, as penas somadas de Marcos Valério e dos ex-sócios Ramon Hollerbach, Cristiano Paz, do advogado Rogério Tolentino e da ex-funcionária Simone Vasconcelos já ultrapassam a cem anos. A definição parcial das penas foi anunciada na sessão de ontem, quando o presidente do STF, Carlos Ayres Britto, chamou o ministro Marco Aurélio Mello de "Marcos Valério", e o relator, o ministro Joaquim Barbosa, se equivocou com o sobrenome de Simone. Em vez de Vasconcelos, virou Simone Tolentino. Depois da condenação de Marcos Valério a 40 anos, 2 meses e 10 dias de reclusão, o STF terminou as dosimetrias de Ramon Hollerbach, condenado a 29 anos, 7 meses e 20 dias, e de Cristiano Paz, a 25 anos, 11 meses e 20 dias. Os dois foram punidos pelos crimes de formação de quadrilha, corrupção ativa, lavagem de dinheiro e peculato. Mas Hollerbach foi condenado ainda por evasão de divi-

sas, crime do qual Paz foi absolvido. Dai a diferença de 3 anos e 8 meses das penas entre os dois. Os ministros determinaram ainda que cada um terá que pagar multa de R$ 2,533 milhões, um pouco abaixo do estabelecido para Marcos Valério, de R$ 2,72 milhões. Até agora, R$ 7,786 milhões. O advogado Rogério Tolentino, que também foi sócio de Marcos Valério e atuou como defensor do publicitário, foi condenado a 5 anos e 3 meses pelos crimes de formação de

quadrilha e corrupção ativa. Falta ainda ser julgado pelo crime de lavagem de dinheiro. Neste caso, o relator pediu 5 anos, 3 meses e 10 dias de prisão, além de multa de R$ 345 mil. A definição será dada na sessão de segunda-feira. Durante o julgamento, a defesa de Tolentino fez uma intervenção para alegar que o relator havia errado ao apontar que Tolentino teria participado de 46 operações de lavagem de dinheiro. "Tendo em vista o tamanho do processo, imagino que houve uma con-

fusão quando falaram em 46 lavagens, pois elas estão relacionadas entre a SMP&B e o Banco Rural. O meu cliente está sendo processo por uma única lavagem. Espero ter esclarecido porque está em jogo a vida de uma pessoa", afirmou o advogado Paulo Sérgio Abreu e Silva. O relator disse que não se lembrava de cabeça e que a informação do seu gabinete era de que havia sido condenado por todas as operações. A sessão foi suspensa e na volta, Barbosa, ao propor dois anos

para o crime de formação de quadrilha, quase liberou Tolentino da pena, já que estaria prescrita. Marco Aurélio questionou a sentença e foi seguido pelos demais magistrados, o que forçou o relator a rever o seu voto a contragosto. Pena prescrita – Pela primeira vez no julgamento foi registrada a prescrição de uma pena aplicada a um dos 25 condenados. Os ministros definiram, pelo crime de formação de quadrilha, a pena de 1 ano e 8 meses de prisão para Simone Vasconcelos, ex-diretora

da agência SMP&B. A prescrição ocorre quando, depois de determinada a pena pelo juiz, já transcorreu o prazo máximo para que o réu seja preso. De acordo com o Código Penal, na fase de julgamento do processo, um crime com punição de até dois anos de prisão, por exemplo, prescreve em quatro anos após o recebimento da denúncia. No Mensalão, a abertura da ação penal foi em 2007 e o crime de Simone prescreveu em 2011. A ex-diretora de Marcos Valério, porém, foi condenada a 4 anos e 2 meses de reclusão e multa de R$ 143 mil pelo crime de corrupção ativa. Na segunda-feira, os magistrados deverão concluir a dosimetria dos crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Novo revisor – A defesa do deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP) entrou ontem com um pedido no STF para que seja indicado um novo revisor para a definição de suas penas no processo do Mensalão. Os advogados pedem isso porque a Corte definiu que só participariam da fixação da pena os ministros que tenham condenado os réus. O revisor do processo, Ricardo Lewandowski, votou pela absolvição de João Paulo. A estratégia é contrapor o voto do relator, considerado mais duro na aplicação das punições. A maioria dos ministros condenou o deputado por corrupção, peculato e lavagem de dinheiro por desvios de recursos da Câmara. O petista foi acusado de receber vantagem indevida para favorecer contratos de Marcos Valério com a Câmara. (Agências)

Lula Marques/Folhapress

Procurador-geral insiste na prisão imediata dos réus

O

procurador-geral da República, Roberto Gurgel, mesmo depois de conseguir no Supremo Tribunal Federal (STF) apoio ao seu pedido de retenção dos passaportes dos 25 condenados no Mensalão, afirmou ontem que vai insistir no pedido de prisão imediata assim que o julgamento terminar. Segundo Gurgel, "o que o Ministério Público Federal (MPF) vai defender e já vem defendendo é que não há motivo para que não se dê a execução definitiva imediata à decisão do STF", justificou. Ele explicou ainda que vai

enviar nova petição ao STF reforçando pedido de prisão, feita pela primeira vez ainda no início de agosto, quando começou o julgamento. Para Gurgel, a retenção dos passaportes dos 25 condenados, trata-se de uma medida que "tranquiliza" o MPF. Segundo Gurgel, "é uma ação corriqueira, prevista na legislação penal, que compreende não apenas a entrega dos passaportes pelos réus ao STF, como a comunicação às autoridades de fiscalização das fronteiras para que impeçam qualquer tentativa de saída do País, então é algo que

Lula Marques/Folhapress

tranquiliza na medida em que é preciso lutar pela efetividade da decisão do STF", justificou o procurador. Sobre as novas declarações de Marcos Valério, ele disse que não irá fazer nada, por enquanto. "Por um motivo muito simples, pois nada do que eventualmente ele venha a dizer ou tenha dito pode ser utilizado neste julgamento e também não pode resultar para ele em nenhum benefício", explicou Gurgel. Mesmo assim, avisou que vai se manifestar sobre "toda essa coisa de Marcos Valério" no final do julgamento. (Agências)

Joaquim Barbosa: relator do Mensalão atende pedido do Ministério Público e manda recolher passaporte dos réus do processo.

Relator envia para a PF lista de quem não pode deixar o País

O Roberto Gurgel: procurador fica "tranquilo" com a decisão de reter os passaportes, mas quer a prisão.

ministro Joaquim Barbosa, relator do Mensalão no Supremo Tribunal Federal, encaminhou ontem ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, documento no qual informou sobre a retenção dos passaportes dos 25 condenados na ação penal, entre eles o ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu. De acordo com o G1, Barbosa comunicou que os 25 réus não podem deixar o País sem autorização expressa da Corte. A medida tem o claro objetivo de evitar qualquer fuga. Barbosa esclareceu que tomou a medida após pedido do

procurador-geral da República, Roberto Gurgel. Pela decisão, os 25 réus terão de entregar os passaportes no gabinete de Barbosa em até 24 horas após serem notificados judicialmente. Os nomes de todos eles serão incluídos no sistema eletrônico da Polícia Federal nos aeroportos brasileiros. Em seu despacho, Barbosa explica que a retenção dos documentos "é medida imperativa". Para o relator, "a proibição de o acusado já condena-

do ausentar-se do País, sem autorização jurisdicional, revela-se medida cautelar não apenas razoável, como imperativa, tendo em vista o estágio avançado das deliberações condenatórias de mérito já tomadas nesta ação penal", determinou o relator. Antes mesmo da decisão de Barbosa, dois réus tinham encaminhado seus passaportes: o advogado Rogério Tolentino e o ex-deputado federal Pedro Corrêa (PP-PE). A entrega ocorreu na semana passada.

Leia mais sobre o Mensalão na página 6


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

A determinação é uma tentativa de intimidar os réus, cercear o direito de defesa e expor os demais ministros ao clamor popular. José Dirceu, sobre decisão do ministro Joaquim Barbosa, do STF.

olítica

credito

Dirceu: decisão sobre passaportes foi populista. Segundo ex-ministro, ato intimida réus não condenados e expõe STF ao clamor popular

O Collor interpela Gurgel por vazamento

C

om a suspeita de que o procurador-geral da República Roberto Gurgel tenha sido o autor do vazamento para a revista Veja de parte de depoimento secreto que o publicitário Marcos Valério teria prestado à Procuradoria, o senador Fernando Collor de Mello enviou ofício a Gurgel na segunda-feira pedindo informações sobre o referido depoimento, em que o réu do Mensalão teria dito que teme ser assassinado, pedia proteção da Justiça e se colocava à disposição da Justiça para conseguir o benefício da delação premiada. O Ofício de Collor de Mello requer "a confirmação de que o sr. Marcos Valério Fernandes de Souza, réu na Ação Penal n° 470, prestou novo depoimento a V. Exª nos últimos três meses deste ano".

Reprod

ução

Cobrança: em ofício, senador alagoano pede ao procurador geral explicações sobre matéria da Veja.

E acrescenta: "Em caso afirmativo, a data e o local em que o depoimento foi prestado, bem como as pessoas que dele participaram". Os rumores de que Valério tenha passado informações sigilosas à

imprensa não foram nem devidamente confirmados nem suficientemente desmentidos por parte do publicitário e do seu Advogado, o ciminalista Marcelo Leonardo. (DC)

Tipificação de crimes cibernéticos abre polêmica Especialistas entendem que projetos pouco acrescentam à atual legislação

A

a p r o v a ç ã o , a n t e o ntem, pela Câmara dos Deputados, de dois projetos de lei que incluem no Código Penal, criado em 1940, novos crimes cometidos na internet preenche uma lacuna na legislação, mas divide opiniões. Atualmente, como não há definição específica na lei penal para esses crimes, eles são enquadrados em outros delitos como difamação, falsificação e estelionato. Para saírem do papel, as duas propostas, que entre outros pontos tornam crime a invasão de computadores, a violação de senhas, a obtenção de dados sem autorização, a ação de hackers e a clonagem de cartão de crédito ou de débito, só dependem agora da sanção da presidente Dilma Rousseff. "Avaliamos [a aprovação das leis] como um momento

de amadurecimento da legislação, mas o melhor cenário para o tratamento integral vai se dar com a aprovação do marco civil da internet", avalia o secretário substituto de Assuntos Legislativos do Ministério da Justiça, Gabriel Sampaio. "Nossa expectativa é que o marco traga uma lei muito madura com uma legislação que também protege os direitos dos usuários e não só criminaliza". A votação do Marco Civil da Internet foi adiada anteontem, pela terceira vez, na Câmara. A previsão é de que a matéria seja analisada na próxima terça-feira. Segundo Sampaio, até agora, o delegado de polícia dependia da ocorrência de um outro crime para inciar a investigação e isso atrapalhava a prevenção dos delitos. “Quando você tem uma lei esAlessandra Martins/Ag. Câmara - 09.10.12

Com essas leis, você apenas cria mais do mesmo e estabelece um embaraço para a consolidação das leis. MIRO TEIXEIRA (PDT-RJ )

pecifica, como a que trata da invasão de computadores, por exemplo, isso previne que outras condutas mais graves tenham que acontecer para que a polícia haja”, explicou. Já o deputado Miro Teixeira (PDT-RJ), ex-ministro das Comunicações, criticou as propostas. "Nenhum crime praticado na internet deixa de ser punido por falta de lei", entende. "Com essas leis, você apenas cria mais do mesmo e um embaraço para a consolidação das leis". O presidente da Associação Brasileira de Internet (Abranet), Eduardo Neger, tem a mesma opinião. "O Brasil avançou na tipificação dos crimes, mas não na votação do marco civil. Estamos criminalizando antes de garantir os direitos e deveres dos usuários. Houve inversão na ordem de prioridades", reclama. (ABr)

Dirceu acusa Barbosa de cercear a liberdade de expressão, quando alega que os réus "adotaram comportamento incompatível e desrespeitoso com o Supremo". "Os argumentos cerceiam a liberdade de expressão e são uma tentativa de constranger e censurar, como se os réus não pudessem se defender e, mesmo condenados, continuarem a luta pela revisão de suas sentenças", escreveu Dirceu, no artigo intitulado O que justifica?. Apontado no processo como mentor do esquema de controlar o Congresso, durante o governo Luiz Inácio Lula da Silva, José Dirceu ressalta no texto que nunca se manifestou sobre o "mérito dos votos" dos ministros.

Desde que começou o julgamento do Mensalão no Supremo, no dia 2 de agosto, o exministro decidiu se afastar dos holofotes e combinou com seu advogado e equipe de assessoria que não daria entrevistas sobre o assunto, até o término das sessões. "Nenhum ministro encarna o Poder Judiciário – não estamos no absolutismo real. Nenhum ministro encarna a Nação ou o povo – não estamos numa ditadura. Mesmo acatando a decisão, tenho o direito de me expressar diante de uma tentativa de intimidar os réus, cercear o direito de defesa e expor os demais ministros ao clamor popular instigado, via holofotes de certa mídia, nestes quase quatro meses de julgamento", atacou o ex-ministro. "Nada vai me impedir de me defender em todos os foros jurídicos e instituições políticas. Mesmo condenado e apenado, não abro mão de meus direitos e garantias individuais do direito de me expressar e contraditar o julgamento e minha condenação", encerra Dirceu, em seu mais duro pronunciamento sobre a Ação Penal 470. (Estadão Conteúdo)

PF desmonta fraude em 4 estados

A

Polícia Federal fez ontem uma operação em quatro estados para desarticular um grupo suspeito de fraudar o Programa do Seguro-Desemprego, num esquema montado em várias cidades. Duas pessoas foram presas e documentos de pessoas físicas e jurídicas, carimbos, computadores e quatro veículos foram apreendidos.

Além da capital paulista, a operação, denominada Chakal, se estendeu aos municípios de Catalão (GO), Gurupi (TO), Uberlândia (MG), Ribeirão Preto (SP) e Jaboticabal (SP). Os mandados de prisão e de busca e apreensão foram expedidos pela 9ª Vara Criminal Federal em São Paulo. Segundo a PF, o inquérito policial, que teve início em ou-

tubro de 2011, foi elaborado a partir da suspeita do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) da ocorrência de fraudes relacionadas a 280 empresas que estariam declarando a contratação e demissão de empregados com a finalidade de requerer o seguro-desemprego. O MTE estima que a fraude supera R$ 30 milhões. (ABr) Fernando Bizerra/EFE – 07.08.12

Queixa: determinação "é puro populismo jurídico e uma séria violação ao direito dos réus", diz Dirceu.

ex-ministro José Dirceu afirmou ontem que a decisão do relator Joaquim Barbosa de mandar apreender os passaportes dos 25 réus condenados no processo do Mensalão "é puro populismo jurídico e uma séria violação aos direitos dos réus ainda não condenados". "[A determinação do Supremo] É uma tentativa de intimidar os réus, cercear o direito de defesa e expor os demais ministros ao clamor popular", ataca Dirceu, no mais duro pronunciamento feito por ele sobre a ação penal 470, desde que começou o julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF). Apontado como o articulador de compra de votos no Congressop e principal acusado no Mensalão, o ex-ministro afirmou ontem, em seu blog, que é "exagerada" a medida, uma vez que "todos os réus estão presentes por meio de seus advogados legalmente constituídos". Os condenados, inclusive o ex-ministro, terão 24 horas após a intimação para entregar os documentos e estão impedidos de sair do País.

Andressa Mendonça: depois dos socos do exmarido Wilder Morais foi viver com o bicheiro Carlinhos Cachoeira. E virou musa.

Revelação: Andressa, mulher de Cachoeira, apanhou do ex.

U

ma denúncia feita à Delegacia da Mulher de Goiânia revela que Andressa Mendonça, atual mulher de Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, teria sido espancada com "vários socos", de acordo com o site 247. O episódio, revelado só agora, teria acontecido em maio de 2010 durante uma festa na fazenda do então marido e atual senador Wilder Morais (DEM-GO). Tudo começou quando Andressa flagrou o pai dos seus dois filhos acariciando uma das convidadas. O boletim de ocorrência, datado de 2 de maio de 2010, poucos meses antes da separação do casal, relatou episódio em que o ainda

suplente de Demóstenes Torres teria agredido Andressa ao final de uma festa numa propriedade da família. No documento, ela registrou que foi agredida fisicamente pelo marido quando estavam na fazenda Toca da Orca, em Nerópolis (GO). Orca é o nome da construtora e incorporadora do senador. No boletim, ela disse que o casamento dos dois já durava cinco anos e que a "relação nunca foi harmoniosa", mas que ela vinha tentando manter a relação devido aos filhos. Um dia antes da queixa, Wilder e Andressa haviam oferecido uma festa na fazenda, "onde receberam muitos convidados e houve

muita bebida alcoólica". Já no final, cansada, Andressa decidiu dormir mais cedo. Ainda de acordo com o BO, por volta das 23 horas ela acordou e foi até a cozinha, quando surpreendeu Wilder "fazendo carícias em uma de suas convidadas". Andressa esperou a saída de todos para cobrar uma explicação. De acordo com o boletim, o senador "veio dando vários socos em seu corpo, inclusive na cabeça, ficando a vítima com lesões". Apesar da denúncia, Andressa não fez exames para comprovar ou não a agressão. O episódio teria precipitado a separação e levado Andressa a conviver com Cachoeira, de quem o casal era muito próximo.


p Royalties: Dilma quer estudar proposta DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

7

Minha confiança é que a presidenta vete a parte que diz respeito a contratos assinados. Sérgio Cabral Filho, governador do Rio de Janeiro.

olítica

Presidente entende que o Rio e o Espírito Santo não podem ser prejudicados com a revisão de uma regra que já está em vigor. Mas ainda não decidiu o que fazer. Uéslei Maarcelino/Reuters

A

Dilma chegou a comentar que não gostaria de assumir o desgaste que sofreu com o Código Florestal.

Maia recua e busca solução para erro na partilha

D

epois de afirmar ontem que o impasse em torno dos royalties do petróleo estava "encerrado", o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), recuou. E disse que ainda analisava, junto com o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), uma solução sobre o erro matemático do projeto. Os dois parlamentares se reuniram ontem no fim da tarde para discutir o texto, mas não encontraram soluções para o caso. Decisão adiada – Segundo Marco Maia, somente na semana que vem é que haverá uma decisão sobre o que fazer com o projeto aprovado anteontem pelos deputados. "Não está resolvido, não. Eu estou até refazendo a minha argumentação", afirmou ele. Estamos analisando, do ponto de vista dos regimentos da Câmara e do Senado, o que é possível fazer", concluiu. Mais cedo, Maia havia des-

cartado a possibilidade de anulação da votação do projeto. Também disse que uma nova votação não seria realizada – posição que foi mantida pelo petista depois da reunião com Sarney. "Não há repetição de votação, isso está claro". O texto aprovado pelos deputados na terça-feira tem um erro técnico, em que a soma total dos recursos dos royalties a serem distribuídos é de 101%. E os deputados aprovaram o texto que havia passado no Senado, onde o erro matemático ocorreu. Relator do projeto, o senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) argumenta que há apenas uma falha de redação. O peemedebista apresentou ontem um pedido para correção do texto por meio de decisão da Mesa da Câmara – em uma manobra política para evitar uma nova discussão ou votação do projeto. No pedido, Vital do Rêgo sugere a modificação do porcen-

tual de 3% para 2% no repasse dos recursos para os municípios que sejam afetados pelas operações de embarque e desembarque de petróleo e gás natural e hidrocarbonetos, a partir de 2017. Contrários à mudança por meio da correção técnica, deputados e senadores do Rio afirmam que a modificação não é apenas de redação, mas de mérito do projeto. Por isso, dizem eles, é que não é possível fazer uma a simples mudança do texto aprovado sem que os parlamentares discutam novamente os royalties. "Isso é um erro de conteúdo. Está claro, no texto aprovado, que o porcentual era de 3% para os municípios afetados", afirmou o senador Lindbergh Farias (PT-RJ). "Eles erraram e estão querendo dizer que é uma correção formal. Em casos como esse, a questão tem que ir para a Comissão de Constituição e Justiça do Senado", concluiu. (Agências)

presidente Dilma Rousseff reiterou, ontem, por meio do "Blog do Planalto", que ainda não tomou decisão sobre vetar o projeto de partilha dos royalties, aprovado pela Câmara na terça-feira. Dilma pretende analisar o caso a fundo e já repassou à Advocacia Geral da União o tema para emitir parecer. Ela quer que o Congresso Nacional também assuma sua parte de responsabilidade no caso, já que está favorecendo mudanças com as quais o Planalto não concorda. Por isso, vai dispor dos 15 dias de prazo regimental, depois que o projeto chegar à casa Civil, para decidir o que fazer. A presidente entende que o Rio de Janeiro e o Espírito Santo não podem ser prejudicados, com a revisão de uma regra que já está em vigor. Mas ainda não sabe o que fazer. O governo não pensa em questionar a decisão no Supremo Tribunal Federal, deixando isso aos estados prejudicados. Há setores do governo que acreditam que Dilma possa até não vetar nenhum trecho da lei para não ter de assumir um ônus que não é seu. Dilma chegou a comentar que não gostaria de assumir o mesmo desgaste que assumiu no caso do Código Florestal. Nesse processo o governo tem três preocupações. A primeira, é realizar os leilões programados pela Agência Nacional do Petróleo, para o ano que vem. Para isso, é necessário que exista uma lei em vigor, ainda que não atenda integralmente ao governo. A segunda é conseguir recursos para a educação, já que a emenda que destinava 100% dos royalties para educação caiu. Neste caso, a ideia para reverter essa derrota é fazer uma emenda ao PNE (Plano Nacional de Educação) reconduzindo os 100% dos royalties para a educação. A terceira é que o governo entende que é preciso preservar as regras de distribuição

dos royalties do petróleo das áreas já licitadas, a questão é como fazer isso. Não está definido se é o caso do Planalto vetar isso, ou sancionar, deixando que os Estados prejudicados ingressem no Supremo Tribunal Federal para tentar reverter esta situação. Ed uca çã o – O ministro da Educação, Aloizio Mercadante afirmou que ainda é possível

A presidente tem instrumentos e meios para interferir nessa decisão. ALDO REBELO vincular o repasse integral dos recursos dos royalties do présal para a educação. "Vamos, junto ao Senado Federal, continuar lutando para que os royalties sejam encaminhados para a educação". E lembrou que o PNE (Plano Nacional de Educação) prevê destino de 10% do PIB (Produto Interno Bruto) para a educação. Hoje, a média é 5%. Eventos esportivos – O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, rebateu declaração do governador do Rio de Janeiro, Sérgio

Andre Dusek/Estadão Conteúdo

Mercadante acredita ser possível obter verba para a Educação e, para governador Cid Gomes, isso que pode ser feito por meio do Plano Nacional de Educação.

Sentindo-se 'injustiçado', Cabral já ameaça ir ao STF. Governador do Rio diz que Adin está pronta, se presidente sancionar o texto.

O

governo do estado do Rio já tem pronta uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) contra a nova distribuição dos royalties e participações especiais da exploração petrolífera prevista no projeto de lei recémaprovado pelo Congresso Nacional. A Adin será enviada ao Supremo Tribunal Federal (STF) se a presidente Dilma Rousseff sancionar o texto de autoria do senador Vital do Rêgo (PMDB-PB). O governador Sérgio Cabral

Filho (PMDB) tem dito que o recurso ao STF é uma hipótese não considerada nem por ele nem por sua assessoria jurídica. Na prática, a situação é outra. A Adin está pronta, preparada pela Procuradoria-Geral do Estado, para, assim como fez o governo do Espírito Santo, seguir ao STF caso Dilma sancione o projeto de lei. A Adin sustentará que o trecho do projeto do senador Vital do Rêgo que trata da redistribuição de quantias relacionadas a contratos já firmados

Pedro Ladeira/Estadão Conteúdo - 07.11.12

Planalto afaga Campos De olho na reeleição, Dilma se aproxima do PSB e tenta recompor a base aliada.

D

epois de jantar na terça-feira com representantes do PMDB e do PSB, principais partidos da base aliada, a presidente Dilma Rousseff disse ontem que "todos precisam de afago". De olho na reeleição, ela tenta recompor a base aliada, que enfrentou estresses e divergências durante as últimas eleições municipais. Questionada se o PSB, rival do PT em diferentes capitais nas eleições municipais, precisa de afago, respondeu: "O PSB? Todos precisam de afago. Todos. Quem não precisa de afagos em sendo humano?".

O PSB? Todos precisam de afago. Todos. Quem não precisa de afagos ? DILMA ROUSSEFF A presidente está empenhada em desatar nós políticos e apaziguar pontos de tensão entre partidos aliados. Líderes da base interpretam esse movimento como um dos primeiros passos da presidente para consolidar sua reeleição.

Na quarta-feira, Dilma teve um jantar reservado com o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, principal liderança do PSB, legenda que pleiteia a presidência da Câmara. O governador do Ceará, Cid Gomes, que defende o apoio do PSB para a reeleição de Dilma e o nome de Eduardo Campos para a presidência em 2018, disse que ficou magoado com a participação de Lula na eleição em Fortaleza. Lula não só foi à capital cearense apoiar o candidato petista como atacou o adversário, apoiado por Gomes. (Folhapress)

Cabral, dizendo que não vê relação entre a distribuição dos royalties do petróleo e a realização de eventos esportivos: "Não consigo conceber qual a relação entre um episódio que ainda está em curso. A decisão final é após a sanção. Não vejo sentido nessa discussão". Segundo ele, a questão dos royalties não está concluída porque a presidente ainda não sancionou a lei: "A presidente tem instrumentos e meios para interferir nessa decisão. Eu não tenho como interpretar qual seria a relação entre Copa das Confederações, Copa do Mundo e os royalties". Exagero – O governador do Ceará, Cid Gomes (PSB), disse que o Rio de Janeiro não terá a perda que está proclamando com a nova fórmula de rateio dos royalties do petróleo, aprovada nesta semana pela Câmara: "É exagero do Cabral. Se ele tiver problema no Rio, nós, do Ceará, poderemos fazer tanto os jogos da Copa quanto a Olimpíada". Cid Gomes disse que vai reiterar o pedido para que Dilma não vete a proposta. Segundo ele, faltou ao projeto reforçar que os recursos dos royalties iriam 100% para a educação, mas isso que pode ser feito por meio do Plano Nacional de Educação. (Agências)

Cabral Filho: "Não contem com o governo do estado sem esses recursos. Não tenho como pagar a dívida com a União, não tenho como pagar aos pensionistas".

fere o artigo 20 da Constituição Federal. O artigo assegura o ressarcimento a estados e municípios produtores de petróleo e gás natural. Limi nar – Deputados das bancadas do Rio de Janeiro e do Espírito Santo entraram ontem com um pedido de liminar para que o Supremo Tribunal Federal (STF) suspenda a tramitação do projeto de lei que modificou a distribuição das receitas de petróleo. A nova divisão dos royalties, segundo parlamentares das duas bancadas, impõe perdas bilionárias na arrecadação dos dois Estados. O documento, assinado pelos deputados Anthony Garotinho (PR-RJ), Rose de Freitas (PMDB-ES) e Hugo Leal (PSC-RJ), argumenta que o projeto é inconstitucional porque fere princípios dos entes federativos. "O projeto de lei em si gera um colapso nas finanças públicas do Rio de Janeiro. Gera no Estado uma perda de R$ 4 bilhões no ano que vem. É absolutamente inviável. O Estado fecha as portas", diz a ação. O pedido vai tramitar em conjunto com um mandado de segurança protocolado no ano passado no Supremo, que solicitava a suspensão da tramitação do projeto que estava em votação no Senado. O processo será relatado pelo ministro Luiz Fux, que deve decidir "em breve", segundo sua assessoria. (Agências)


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Ao tomar esta decisão [sobre as sedes da Copa das Confederações], colocamos na balança a economia da cidade e o orgulho dos cidadãos. José Maria Marin, presidente da CBF e do Comitê Organizador Local.

olítica

Sérgio Lima/Folhapress

Índios voltam a protestar contra atribuição para demarcar terras Eles não concordam com a transferência dessa prerrogativa da União para o Congresso

V

Revolta: comunidades de várias etnias reclamam contra mudança de poder de legislar sobre delimitação de reservas.

Copa da Confederações: seis sedes Rio, Belo Horizonte, Salvador, Brasília, Fortaleza e Recife receberão os jogos do torneio, definiu ontem a Fifa. Daniel Guimarães/Frame/Estadão Conteúdo

A

Fifa confirmou que a Copa das Confederações será realizada em seis sedes: Rio, Belo Horizonte, Salvador, Brasília, Fortaleza e Recife. O torneio será entre os dias 15 e 30 de junho de 2013. "Ao tomar esta decisão, colocamos na balança a economia da cidade e o orgulho dos cidadãos", disse José Maria Marin, que acumula a função de presidente da CBF e do Comitê Organizador Local, em um pronunciamento feito nesta quinta-feira, em São Paulo. "Sabemos que não escolhemos o caminho mais fácil", completou o dirigente. Destas, a que estava mais ameaçada de ficar fora era Recife, por conta do ritmo lento nas obras. No entanto, O atraso na entrega dos estádios do Maracanã e da Fonte Nova (Salvador) enfraqueceu o argumento da Fifa para deixar a capital pernambucana fora da Copa das Confederações, em junho de 2013, principal evento antes da realização da Copa de 2014.

Olho no lance: José Maria Marin, Aldo Rebelo e Marco Polo Del Nero anunciam as cidades que sediarão os jogos, apesar dos atrasos nas obras de alguns estádios.

A entidade exige que dois jogos-testes sejam feitos em cada estádio (seis sedes) antes da competição – havia o temor de que os pernambucanos não estivessem pontos. Recife programa fazer o primeiro jogo no dia 14 de abril, 11 dias antes de evento similar no Maracanã, previsto para o fim de abril, e dois meses antes do início da competição,

em 15 de junho. A Arena Fonte Nova passará por esse teste no fim de março. Já estão garantidos na Copa das Confederações: Brasil, Taiti, Espanha, México, Japão, Itália e Uruguai. Resta definir o representante africano. Ingressos – O ingresso mais barato para a Copa das Confederações custará R$ 57. Cada pessoa poderá comprar no

máximo seis bilhetes por jogo. A Fifa deixou claro que a compra só será feita no site oficial da entidade (fifa.com). Os bilhetes foram divididos em quatro categorias, sendo a 1 a mais cara e a 4, a popular, permitida apenas para brasileiros residentes no País. O preço de R$ 57 será justamente para a categoria 4 e será possível a compra de meiaentrada para estudantes e integrantes de programas sociais como o Bolsa Família. O ingresso mais caro, com exceção dos camarotes, custará R$ 418 e será para a final, que acontecerá no Maracanã. Vendas – Haverá ainda uma pré-venda dos ingressos a clientes da Visa, patrocinadora da Copa-2014. Essas pessoas também só poderão comprar entradas da categoria 4. A pré-venda acontecerá entre os dias 21 e 30 de novembro. Ou seja, quem optar por comprar seu ingresso nesta leva não saberá a qual partida vai assistir, já que o sorteio dos grupos acontece apenas no dia 1º de dezembro. Ineficiência – Enquanto a Fifa anunciava as seis sedes da Copa das Confederações, o Tribunal de Contas da União (TCU) apresentava um diagnóstico preocupante das obras da Copa de 2014. A partir disso, o tribunal sugeriu ao governo que, diante da ineficiência na execução dos investimentos, retire empreendimentos da matriz de responsabilidades. Segundo o órgão, das 44 obras de mobilidade financiadas pela Caixa, 38 não tiveram nenhum desembolso por ora. Muitas não tiveram os empréstimos sequer contratados. Parte tem sido tocada apenas com recursos de Estados e municípios, correndo o risco de ficar pela metade, caso os trâmites dos financiamentos não se concretizem. Nada menos que 35% têm data de entrega prevista para maio ou junho de 2014, às vésperas do evento. (Agências)

estidos com traje tra- fronto ocorrido na manhã de dicionais, com rostos anteontem na região do rio Tepintados, chocalhos les Pires – divisa entre os Estanas mãos e entoando dos de Mato Grosso e do Pará. canções de protesto, cerca de Oficialmente, oito pessoas 250 indígenas percorreram o ficaram feridas no episódio: Salão Verde da Câmara, on- dois policiais, atingidos por tem. O manifesto é contra pos- flechas, e seis índios. Dois ínsíveis avanços na Casa da pro- dios, com ferimentos à bala posta que altera a Constituição nos braços, foram transferie transfere da União para o Con- dos ainda na quarta-feira para gresso a prerrogativa de apro- Cuiabá. var e ratificar a demarcação Por telefone de Jacareacandas terras indígenas. ga (PA), o índio Sandro Waru "Com a bancada ruralista Munduruku, filho do cacique que está aí, da Aldeia Tenunca mais les Pires, disv a m o s c o nse que foi ens e g u i r d econtrado onA portaria traz marcar terras tem manhã o vários limites para o c o r p o d o í nindígenas", disse Sonia dio Adenílson usufruto dos povos Guajajaras, Krixi, 28, que indígenas, além de u m a d a s r eestava desainstalar presentantes parecido desempreendimentos do grupo indíde o confrongena. to. "O corpo em nossas terras. Segundo foi achado SONIA GUAJAJARAS ela, outro tedentro do rio, ma que tamcom quatro tibém causa apreensão aos in- ros no peito e um na cabeça. d í g e n a s é a p o r t a r i a Foi uma covardia o que fize303/2012, de autoria da AGU ram, um verdadeiro massa(Advocacia Geral da União). cre", afirmou o índio. "A portaria traz vários limiA ação da PF fazia parte da tes para o usufruto dos povos Operação Eldorado, que comindígenas, além de instalar bate uma rede de exploração empreendimentos em nossas de garimpos ilegais de ouro na terras sem que nós possamos região. Líderes das etnias ser consultados", afirmou mundurucu e caiabi, segundo Guajajaras. as investigações, participaSegundo ela, após encontro vam do suposto esquema. com o ministro Gilberto CarvaO conflito ocorreu, segundo lho (Secretaria-Geral da Presi- a PF, no momento em que dência da República) e com o agentes cumpriam a ordem ministro Luís Inácio Adams judicial que determinava a (AGU), recebeu a garantia de destruição de balsas usadas que a portaria não será publi- para a extração de ouro no rio cada enquanto o STF (Supre- Teles Pires. Segundo essa vermo Tribunal Federal) não deci- são, os agentes foram atacadir sobre a questão da demar- dos pelos índios. cação de terras indígenas. Waru disse que o pai do índio Atualmente, o Supremo supostamente morto no conprecisa concluir a análise de fronto viu quando o filho foi recursos envolvendo a de- atingido e aponta um delegamarcação da Terra Indígena do da PF (um dos feridos) como Raposa Serra do Sol. o autor dos disparos. De acordo com os manifes"O pai dele viu o delegado tantes estavam presentes no atirando nele. Depois ele pasmanifesto povos da Estados sou um rádio para nós e falou: do Amazonas, Maranhão e Ma- o meu filho levou um tiro e está to Grosso do Sul. desaparecido o dia todo. A PF Morte – Líderes da etnia falou para ele: o seu filho está mundurucu afirmam que um vivo por aí", relatou Waru. "Hoíndio foi morto a tiros pela Po- je achamos o corpo e estamos lícia Federal durante o con- revoltados". (Agências)

Tribunais ambientais para conter corrupção

P

ara garantir que a corrupção não comprometa as metas do desenvolvimento sustentável, 44 países já adotaram a criação de tribunais ambientais. A informação foi dada por Manish Bapna, presidente do Instituto de Recursos Mundiais, durante debate na 15ª Conferência Internacional Anticorrupção, ontem em Brasília. Bapna explicou que a tecnologia já permite que dados sobre desmatamento de florestas ou degradação de recifes de corais no mundo sejam disponibilizados para toda a sociedade. Porém, a criação de tribunais é fundamental para que as irregularidades sejam julgadas, argumentou Bapna. "Transparência não é suficiente", disse. "Parte da solução é criar informações e disponibilizá-las, mas é preciso também criar espaços onde as pessoas possam re-

correr e fazer denúncias". Bapna lembrou de um projeto lançado, há 15 anos pelo WRI (sigla do instituto, em inglês) em que imagens de florestas que estavam em processo de concessão foram disponibilizadas ao público. Segundo ele, várias organizações ambientais e movimentos sociais passaram, então, a monitorar essas áreas, por meio da internet. Com o avanço tecnológico, Bapna destacou que as florestas em todo o mundo, mesmo em lugares remotos, poderiam ser mapeadas com imagens claras. "Podemos detectar o desmatamento ilegal em qualquer lugar do mundo", assegurou. "Temos oportunidades de dar este acesso às organizações não governamentais e à sociedade civil, e isto promoverá uma profunda transformação", garantiu Bapna. (ABr)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

9

Reuters

NEVASCA Ainda sob impacto da tempestade Sandy, Nova York acordou ontem coberta por uma camada de neve. A crise de energia fez o prefeito decretar racionamento de gasolina na cidade.

nternacional

Panelas indignadas contra o governo de Cristina Kirchner Cansados da insegurança e inflação, argentinos vão às ruas em todo o país e até no exterior. Leo La Valle/EFE

I

nsatisfeitos com a inflação, a insegurança e a corrupção, os argentinos bateram panelas na noite de ontem para protestar contra o governo de Cristina Kirchner. O protesto, convocado pelas redes sociais, reuniu milhares de pessoas em vários pontos da cidade de Buenos Aires, do interior do país e até do exterior. A presidente, porém, evitou comentar o panelaço, e preferiu evocar o marido, seu antecessor Néstor Kirchner, como exemplo de valentia em momentos difíceis. O famoso obelisco da avenida 9 de Julio, uma das principais vias de Buenos Aires, foi tomado por argentinos, portando bandeiras, faixas de protestos, e panelas, a tradicional "ferramenta" das manifestações populares nesse país. Uma multidão também se reuniu em frente à residência oficial de Olivos, onde vive a presidente. Várias faixas manifestavam a contrariedade dos portenhos à tentativa de alguns políticos ligados à presidente de tentar um segundo mandato consecutivo. "Infames traidores da pátria", dizia um dos cartazes, carregado por um argentino em meio a buzinaços de um trânsito completamente interrompido pelos protestos. A cidade vive o caos desde quarta-feira, quando um apagão deixou 3 milhões de pessoas sem luz. Autoridades negaram que o blecaute esteja relacionado à falta de investimentos e sugeriram que houve "sabotagem". Argentinos que vivem em países da Europa e na Austrália

Convocadas pelas redes sociais, as passeatas contra o governo argentino tiveram como ponto de encontro o Obelisco, símbolo de Buenos Aires. também bateram suas panelas e demais utensílios de cozinha em um ruidoso protesto. Os manifestantes também reclamam da manipulação da Justiça por parte do governo, do autoritarismo e do discurso que divide a sociedade. Em seu primeiro ano de segundo mandato, Cristina adotou medidas que provocam reações negativas dos vários segmentos da sociedade, especialmente da classe média e dos empresários, como os controles do câmbio, com a proibi-

ção da compra de dólares e barreiras contra importações. Os protestos foram batizados como 13S e 8N, em alusão à campanha oficial contra o Grupo Clarín e à aposta que o governo faz ao dia 7 de dezembro (7D). Nessa data, vence a medida cautelar que protege o grupo do cumprimento da polêmica Lei de Mídia, pela qual teria que vender ativos, especialmente o segmento mais rentável do holding multimídia, as emissoras de TV a cabo e outras concessões.

As três datas 13S, 8N e 7D marcam o ritmo político da Argentina e acentuam a polarização da sociedade. Aparentemente, o movimento foi convocado sem a interferência dos grupos políticos de oposição à presidente. Democracia - Em discurso no começo da tarde, Cristina evocou seu marido, o falecido expresidente Néstor Kirchner, e lembrou que ele lhe ensinou a "não afrouxar nunca", nem nos piores momentos. "Hoje mais que nunca a gran-

de homenagem para ele é seguir adiante", disse Cristina, emocionada, durante a inauguração do centro "Amigo Kirchner" na cidade de Ezeiza, na província de Buenos Aires. Cristina afirmou ainda que a Argentina vive um momento de "liberdade de expressão nunca visto antes". "Estamos vendo uma democracia total, onde cada um pode viver, pode dizer o que pensa", disse a mandatária em seu perfil na rede social Facebook. (Agências)

Obama à beira do abismo

O

presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ainda não fez nenhum pronunciamento desde seu discurso de vitória nas eleições, em Chicago, na madrugada de quartafeira. Discreto, ele preferiu retornar a Washington e trabalhar em favor de um acordo com o Congresso para resolver a urgente crise fiscal no país. Ontem, Obama gastou parte do dia em telefonemas a quatro políticos da liderança democrata e republicana no Congresso. Em pauta, um acordo para discutir na próxima semana o problema do "abismo fiscal", que governo e Congresso precisam resolver até o final de dezembro. Se não houver acordo para cortar gastos do governo ou aumentar impostos, automaticamente entrarão em vigor, em janeiro, cortes de US$ 600 bilhões no orçamento de governo, que ameaçam levar os EUA de volta à recessão, da qual escaparam há somente três anos. Brasil - A presidente Dilma Rousseff conversou por telefone com Obama no início da tarde de ontem. Na conversa, Dilma o parabenizou pela reeleição, defendeu ampliar as relações comerciais e de investimentos entre os dois países e manifestou a intenção de reencontrá-lo "em breve". Segundo a Secretaria de Imprensa da Presidência do Brasil, Obama disse que neste momento está empenhado em resolver questões relacionadas ao orçamento, mas que gostaria de se encontrar com Dilma assim que possível. O mandatário afirmou ainda que gostaria de fortalecer a parceria entre os dois países e que vê potencial para expandir as relações bilaterais nos próximos anos. (Agências)

Fotos: Jason Lee

'Vou viver e morrer na Síria' Assad rejeita exílio e diz que não é marionete do Ocidente

O Sai Hu Jintao, entra Xi Jinping (acima): delegados decidem futuro do Partido Comunista.

Corrupção: o mal que ameaça a China. Subornos e privilégios a autoridades podem provocar a queda do Estado, alerta presidente Hu Jintao.

E

m seu último discurso após dez anos à frente do Partido Comunista chinês, o presidente Hu Jintao disse ontem que a corrupção pode provocar "a queda do Estado" e exortou membros do governo a controlar a atividade de suas famílias. "Funcionários graduados devem exercitar estrita autodisciplina e fortalecer a educação e a supervisão de suas famílias e seu pessoal. Não devem nunca buscar nenhum privilégio", disse Hu a cerca de 2.300 delegados na abertura do 18º Congresso do partido que governa a China. "Ninguém está acima da lei. Se falharmos em lidar bem com esse tema (corrupção), pode se tornar fatal para o partido e até mesmo provocar seu colapso e

a queda do Estado", afirmou. Neste ano, o Partido Comunista atravessou uma de suas piores crises tendo como pivô o ex-dirigente Bo Xilai. Cotado para o Comitê Permanente, instância máxima do país, Bo foi expurgado após revelações de práticas de corrupção que teriam levado sua mulher a matar um empresário britânico. Além disso, reportagens da Bloomberg e do The New York Times mostraram, respectivamente, que as famílias de Xi Jinping, futuro líder máximo, e Wen Jiabao, atual premiê, acumularam milhões de dólares em negócios com empresas próximas ao governo. Em ambos os casos, o governo chinês censurou as reportagens no país, bloqueando o acesso à internet.

Além de defender o combate à corrupção, Hu qualificou como principais desafios do país o aprofundamento das reformas, a redução da diferença entre ricos e pobres e a busca por um modelo de desenvolvimento econômico menos nocivo à natureza. Ele também advertiu para o desequilíbrio entre a prosperidade das metrópoles chinesas e a miséria nas áreas rurais. Sucessão - O Congresso inaugurado ontem, e que termina no dia 14, representa o começo da despedida de Hu do poder. Durante a reunião, o dirigente cederá o título de secretáriogeral do partido ao vice-presidente do país, Xi Jinping, que também o sucederá no próximo ano na chefia de Estado. Até o momento se desconhe-

ce que caminho será tomado pelos futuros líderes. Só se sabe que o trabalho será dificultado por um arrefecimento do crescimento econômico que já dura três anos, após superar os dois dígitos, e que muitos analistas esperam que continue. Xi mantém suas cartas escondidas. Divulgar os planos não é uma boa estratégia antes de chegar ao poder em um regime onde as diferentes facções governam por consenso. Por isso, se desconhece se ele tentará imprimir um cunho reformista a seu mandato ou se optará por continuar a política de seu antecessor Hu Jintao, um tecnocrata que chegou ao poder entre esperanças de mudança, mas cuja década à frente do país se caracterizou pela inércia. (Agências)

presidente sírio, Bashar al-Assad, rejeitou qualquer sugestão de que possa fugir da Síria ao declarar ontem que vai "viver e morrer" no país. O comentário ocorreu dois dias depois de o primeiroministro britânico, David Cameron, sugerir que o mandatário receberia uma "saída segura" de Damasco se isso garantisse o fim da guerra civil no país. Assad disse também que não é um fantoche do Ocidente. "Não sou uma marionete. Não nasci no Oriente para ir ao Ocidente ou a outro país. Sou sírio, feito na Síria, e vou viver e morrer na Síria", disse Assad em inglês a uma rede de televisão russa. Citações da entrevista foram colocadas no site da TV russa com legendas em árabe. O presidente sírio também fez alertas contra uma possível intervenção militar estrangeira, no momento em que o Ocidente toma passos para fortalecer os insurgentes que tentam derrubar o governo sírio. "Eu não acredito que o Ocidente caminhe nessa direção (de aumentar o apoio aos rebeldes). Mas se fizer isso, ninguém poderá prever as consequências", afirmou Assad. A entrevista, que ocorreu em lugar não re-

Reuters - 09/12/10

Assad não irá a lugar algum velado, deverá ser exibida na íntegra hoje. Oposição - Os comentários desafiadores de Assad coincidiram com uma reunião histórica no Catar ontem da oposição síria para firmar um acordo sobre um novo órgão reunindo grupos rebeldes dentro e fora da Síria. Apoiadas pelos EUA, as negociações salientam o papel central do Catar no esforço para acabar com o regime de Assad, à medida que o país do Golfo Pérsico, que financiou a revolta da Líbia para derrubar Muamar Kadafi, tenta se posicionar como atuante em uma Síria pós-Assad. "Eu sou mais forte do que Kadafi", disse Assad ao entrevistador, de acordo com um post do editor-chefe da emissora no Twitter. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10

c

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

ÍCONE DA CIDADE Um dos detalhes que compõem a decoração externa do prédio Martinelli, no centro de São Paulo. Primeira fase da restauração está quase concluída. O resto depende do novo prefeito.

Fotos de Luiz Prado/Luz

idades

Depois de cinco anos de trabalho e R$ 2 milhões em recursos, a primeira fase da restauração do prédio Martinelli, um dos pioneiros no Centro de São Paulo, deverá estar terminada no próximo mês. A recuperação total das características originais do edifício corde-rosa dependerá agora do prefeito eleito Fernando Haddad. Por ora, oito dos 30 andares que compõem o edifício já foram recuperados. Símbolo de arrojo nas primeiras décadas do século passado, o prédio passou por trabalhos de impermeabilização de pisos, limpeza e recomposição de paredes. Para visitar o prédio basta agendar pela internet.

Na cobertura, o palacete onde morou o comendador Giuseppe Martinelli, construtor do prédio.

Reprodução

Do terraço (acima), uma visão de outro símbolo da Capital, o edifício Altino Arantes, o antigo prédio do Banespa. À direita, o imigrante italiano Giuseppe Martinelli.

O edifício Martinelli, com seus 30 andares: um dos ícones da cidade.

Restauro do Martinelli à espera de Haddad Mariana Missiaggia

D

Restauração das mansardas falsas foi feita manualmente administrador do Martinelli. Tombado pelo patrimônio histórico desde 1992, a restauração do edifício de concreto armado e 130 metros de altura deve seguir à risca seus traços originais. Na atual fase de recuperação, a primeira intervenção foi a impermeabilização do piso dos três últimos andares. Em seguida, ocorreu a limpeza, a recomposição das paredes e dos balaústres. A reparação da cobertura de ardósia com mansardas falsas foi feita manualmente. As portas e janelas, feitas em pinho de Riga, foram recuperadas e envernizadas de forma

idêntica ao que eram nos anos 20 do século passado. Tom rosado - As janelas de bronze foram recuperadas, o piso do terraço trocado por ladrilhos hidráulicos, idênticos aos originais - e mais resistentes. As escadas de mármore de Carrara da entrada do palacete da cobertura ganharam o brilho de antigamente. O tom rosado, cor original do prédio, começa a ressurgir nas paredes externas, que, na verdade, não receberam tinta, mas argamassa. Outro trabalho muito detalhado foi o de restauração e reposição dos elementos artísticos

O sonho realizado de um imigrante italiano

P

r o j e t a d o p e l o i m igrante italiano Giuseppe Martinelli, o edifício começou a ser erguido em 1925 e foi inaugurado em 1929, com 20 andares. Nesse período, prédios com dez andares eram considerados altíssimos. A polêmica ganhou ainda mais repercussão quando a construção, que deveria ter 14 pisos, chegou aos 30. Considerado um dos símbolos arquitetônicos do Brasil, o Martinelli teve três momentos: o auge, a decadência e a recuperação. Em seus primeiros anos, o prédio agregou comércios sofisticados em suas dependências, como o Hotel São Bento. Seu rico acabamento lhe trouxe fama. Palacete - No terraço com vista para toda a cidade foi erguido um palacete, onde morava o conde e comendador Martinelli e sua família. Lá, aconteciam grandes banquetes rega-

dos a champanhe. Por tapetes vermelhos passavam altos representantes da elite paulistana. Durante a Revolução Constitucionalista de 1932, o terraço do palacete serviu de posto de observação. Anos depois, o prédio foi confiscado pelo governo brasileiro. Em 1944, o Martinelli foi leiloado e arrematado por um grupo de investidores, que o transformou em condomínio. Porém, o abandono fez com que o edifício se tornasse um grande cortiço. O estado de degradação era tanto que a demolição do edifício foi considerada pelas autoridades. Em 1975, pressionada pela população e pela imprensa, a Prefeitura de São Paulo desapropriou parte do prédio e o reformou. Quatro anos mais tarde, o Martinelli estava pronto e ocupado por escritórios e secretarias municipais, como segue até hoje. (M.M.)

Luiz Guarnieri/Estadão Conteúdo

Werther Santana/Estadão Conteúdo

o Vale do Anhangabaú, no Centro, é possível avistar uma equipe de profissionais trabalhando na restauração do edifício Martinelli. Com a degradação do prédio, o Departamento do Patrimônio Histórico (DPH) autorizou o início do restauro, e já se passaram cinco anos de um trabalho minucioso. Finalizada a primeira etapa, o resgate completo da beleza original do Martinelli vai depender do prefeito eleito de São Paulo, Fernando Haddad. Oito dos 30 andares que compõem o edifício, localizado entre as ruas Líbero Badaró, São Bento e avenida São João, já foram recuperados. Depois de 30 anos sem reformas, o Martinelli, símbolo de arrojo nas primeiras décadas do século passado, deve voltar a ser o que era. Traços originais - "As infiltrações eram os principais problemas e já tinham começado a danificar o prédio, inclusive o palacete do conde, de três andares, na cobertura do edifício", disse Walter Camargo,

neoclássicos da fachada do 22º ao 26º andar. Cada piso recebeu um tipo de serviço específico. Como boa parte do trabalho é puramente artesanal, o tempo de execução é bastante longo. Detalhes - "O grosso desse projeto está terminado. Agora restam detalhes que devem concluídos até o início de dezembro", disse Camargo. Dois milhões e meio de reais foram gastos até o momento. A próxima etapa seria recuperar a fachada do 18º ao 21º andar, bem como os andares inferiores que, também não foram restaurados e, agora, dependem da aprovação do novo prefeito. Quem quiser ver de perto a renovação do Martinelli pode participar de uma visita monitorada para conhecer o prédio e parte de sua história. As visitas acontecem às segundas, terças e sextasfeiras e aos sábados. Com as ciclovias e os passeios ciclísticos pelo Centro, o edifício passou a abrir suas portas a visitantes também aos domingos. As visitas devem ser agendadas pelo site do edifício: (www.prediomartinelli.com.br/ visitas.php).

REFORMA – O prefeito Gilberto Kassab vistoriou ontem o Autódromo de Interlagos, que irá receber o GP Brasil de Fórmula 1, em 25 de novembro. A principal mudança ocorreu na área de escape, na curva do S do Senna, onde a parte gramada e a caixa de brita foram substituídas por asfalto com tinta antiderrapante.

CHUVA – A forte chuva que atingiu São Paulo no fim da tarde de ontem provocou alagamentos e prejudicou o trânsito. Às 19h, a cidade registrava 213 quilômetros de congestionamentos. Por volta das 18h, foram reportados sete pontos de alagamento, dos quais pelo menos dois eram intransitáveis.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

c

11 As mortes já estão em processo de queda. Governador Geraldo Alckmin

idades

Novos confrontos em SP deixam 9 mortos Assassinatos ocorreram na Capital e na Grande São Paulo. Presos ligados ao Primeiro Comando da Capital (PCC) começam a ser transferidos para presídios federais. Grizar Junior/Folhapress

Edison Temoteo/Estadão Conteúdo

Os bandidos abordaram uma viatura da guarda de Cotia e dispararam Grizar Junior/Estadão Conteúdo

Durante confronto, dois homens foram baleados após atacarem guardas civis em Cotia, na Grande São Paulo. Mario Ângelo/Estadão Conteúdo

Integrantes da Guarda foram protegidos pelos coletes à prova de balas

Alckmin: violência diminui.

O

governador Geraldo Alckmin disse ontem que o momento violento pelo qual o Estado passa está perto de acabar. "As mortes já estão em proces-

so de queda. Eu tenho feito um acompanhamento diário, elas já estão caindo", respondeu o governador. Ao contrário do secretário de Segurança, Antonio Ferreira Pinto, que afirmou que as mortes de policiais eram aleatórias, Alckmin assumiu que esses assassinatos são uma reação do crime organizado ligado ao tráfico de drogas. (Agências) Jardins: homem foi baleado pela PM após assaltar posto de gasolina.

Fellipe Sampaio/SCO/STF

de um posto de gasolina nos Jardins, zona sul. Depois de levar R$ 230, ele foi abordado por policiais e reagiu, de acordo com a polícia. Transferência – Acusado de ser o mandante de seis mortes de policiais militares neste ano, o detento Francisco Antonio Cesário da Silva, conhecido como Piauí, foi retirado ontem da penitenciária 1 de Avaré (SP). Ele foi encaminhado para a penitenciária federal de Porto Velho (RO). Silva é considerado o chefe do PCC (Primeiro Comando da Capital) na favela Paraisópolis. Sua transferência foi acordada na reunião entre os governos estadual e federal como uma das medidas adotadas para tentar reduzir a criminalidade. Anteontem, o governo de São Paulo transferiu dois integrantes do PCC para um presídio de segurança máxima. A remoção ocorreu após investigação da Polícia Federal descobrir que eles comandavam ações criminosas de dentro da prisão onde estavam. (Agências)

(Doug Mills/The New York Times

A

Grande São Paulo registrou mais uma noite de violência, com nove pessoas mortas e duas feridas a tiros, além de três suspeitos de crimes presos. Uma das mortes confirmadas pela Polícia Militar (PM) ocorreu em Taboão da Serra. Também foram registrados dois ataques a agentes do Estado em um intervalo de cinco horas, entre as 19h30 de quarta-feira e o começo da madrugada de ontem. Cinco das mortes ocorridas na madrugada foram em supostos confrontos entre policiais e criminosos. Os quatro homicídios foram cometidos por pessoas não identificadas. Um ataque a uma equipe da Guarda Civil de Cotia acabou com duas pessoas mortas e dois suspeitos presos na noite de quarta-feira. De acordo com a PM, quatro homens em um veículo roubado abordaram uma viatura da guarda e dispararam contra o carro. Em Santo André, o soldado Humberto Gonçalves foi baleado ao ser vítima de um ataque no Jardim Las Vegas. À paisana, o policial militar saía da casa de um amigo quando foi alvo de um criminoso que o aguardava escondido. Após o ataque, o atirador fugiu. Segundo PM, Gonçalves foi encaminhado a um hospital e passa bem. Em Diadema, um homem morreu e outro foi ferido e preso durante suposto confronto com policiais militares. Segundo a polícia, a dupla foi flagrada quando tentava roubar um veículo. Praticamente no mesmo horário, um homem morreu e outro foi preso após uma suposta troca de tiros com policiais militares em Itaquaquecetuba. Na Capital, no começo da madrugada, um homem morreu baleado pela PM após assaltar a loja de conveniência

O PRATO IDEAL Newton Santos/Hype

O

JOAQUIM & OBAMA

O

Dia Nacional da Consciência Negra, em 20 de novembro, poderá fugir das comemorações habituais pelo menos na programação da Pastoral Afro. Nas duas missas especiais – uma na Catedral da Sé, às 10h, no dia 20, e a outra na Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, no Largo do Paissandu, às 10h30, dia 25 – os altares deverão ostentar os retratos do ministro Joaquim Barbosa e do presidente Barack Obama, que acaba de ser reeleito. Reuniões já estão marcadas a partir da semana que vem para

promover os preparativos. A ideia não é nova: em 2008, em missa similar na Igreja de Santa Ifigênia, o nome do presidente norte-americano foi projetado no altar. As duas missas serão em estilo afro, com acompanhamento de atabaques. Padre José Eanes de Jesus, 70 anos, pároco Igreja Santo Eduardo, no Pari, e militante da pastoral, ostentará sua túnica africana verde e branca. A propósito, a etíope Ifigênia, discípula do evangelista Mateus, foi a primeira santa de origem africana da Igreja Católica.

O PSB NA HISTÓRIA

O

Metrópole - Permite-se abdicar da carne, segundo pregam os vegetarianos? Lara - Não. Ela tem qualidades, como por exemplo, o ferro, mais adequado do que o feijão. O que

se deve evitar é a fritura por imersão. Dar preferência aos grelhados. (Lara Natacci, 42 anos, nutricionista, residente em Campo Belo)

extraordinário destaque que o Partido Socialista do Brasil (PSB) ganhou nessas eleições oferece a oportunidade de refrescar a memória dos eleitores mais velhos e esclarecer os mais jovens. Este partido nasceu em 1947, na esteira da redemocratização do País após o fim da ditadura do Estado Novo (leia-se Getúlio Vargas), fundado pelo trio João Mangabeira, Hermes de Lima (foto) e Domingos Vellasco. Os dois primeiros são mais conhecidos. João Mangabeira (1880-1964) teve longa carreira parlamentar e Hermes de Lima (1902-1978) entrou para a nossa história por ter sido o primeiro dos três premiês no nosso curto regime

Reprodução

Hospital das Clínicas, Incor e a Latimed, uma agência de comunicação ligada à saúde, fizeram uma parceria para promover a campanha Meu Prato Ideal, que começa a ser propagada pelo País. A iniciativa tem a finalidade de tornar mais práticas e populares as orientações para conduzir uma alimentação saudável e eficiente contra a obesidade, conforme esclarece a nutricionista Lara Natacci, envolvida no projeto. Metrópole - Em que consiste a campanha? Lara Natacci - Consiste em divulgar um modelo cotidiano de prato que atenda às necessidades do organismo e não estimule a obesidade. Visa simplificar as informações a respeito para tornar as orientações mais enxutas e assimiláveis. Foi montado após muitos estudos e se resume nos seguintes procedimentos: metade do prato preenchida com legumes crus e cozidos; ¼ com carboidratos: arroz, farofa, batata e/ou purê, macarrão; ¼ com proteínas, combinadas entre animal e vegetal – feijão, lentilha, grão de bico, soja. Existe uma variante para criança, nas mesmas medidas.

parlamentarista, improvisado em 1961 para evitar uma guerra civil, devido à recusa dos ministros militares em dar posse ao vice João Goulart, depois da renúncia do presidente Jânio Quadros.

O partido teve adesão maciça de intelectuais. A lista é longa: Rubem Braga, José Lins do Rêgo, Antonio Cândido, José Honório Rodrigues, Hélio Pellegrino, Sérgio Buarque de Holanda e por aí afora. Saiu de cena com o movimento militar de 1964 e retornou com a redemocratização a partir de 1985. Na sua carta de princípios pregava romanticamente a gradual e progressiva socialização dos meios de produção e a manutenção da propriedade privada "nos limites de possibilidades da utilização, sem prejuízo do coletivo". Na época, Lênin deve ter se revirado no seu mausoléu na Praça Vermelha, em Moscou.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

12

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Brad Pitt designer O astro de Hollywood Brad Pitt fez uma parceria com Frank Pollaro (à direita), um empresário do setor moveleiro, e lançou sua própria coleção de móveis, que inclui mesas, poltrona e cama. A edição é limitada e as peças não podem ser levadas para casa por menos de US$ 40 mil. Apaixonado por arquitetura e design, Brad Pitt desenha móveis desde a década de 1990, mas só agora decidiu investir no ramo. Suas criações serão exibidas em uma mostra em Nova York entre 13 e 15 de novembro. http://bit.ly/RemTLn

Logo Logo

O relógio de 'deus'

www.dcomercio.com.br

Valentin Flauraud/Reuters

A Christie’s de Genebra leiloará na segunda-feira o raríssimo relógio Patek Philippe que pertenceu ao 'deus' da guitarra Eric Clapton. A peça deve ser vendida por algo entre US$ 2,5 milhões e US$ 4 milhões.

C ELEBRIDADES H UMOR

Lady Gaga se declara William Volcov/Folhapress

A CTRL+ praticidade O comando CTRL sempre inspira piadas como esta do colar (Ctrl+V), recortar (Ctrl+X) e desfazer (Ctrl+Z), mas a Perpetual Kid vende um produto que transforma a brincadeira em utilidade: abrir garrafas. http://bit.ly/Q0jpzn

cantora norte-americana Lady Gaga jogou futebol e cantou com crianças ontem na comunidade do Cantagalo, na Zona Sul do Rio de Janeiro. Antes da visita, Lady Gaga havia aparecido na varanda de seu hotel em Ipanema vestida apenas com uma camiseta da seleção brasileira para cumprimentar seus fãs e pendurou uma faixa na qual declarou seu amor pelo Rio de Janeiro. No Cantagalo, além de jogar futebol, ela cantou seu sucesso Born This Way com dezenas de crianças e conheceu o projeto Criança Esperança. A cantora, que chegou ontem ao Rio vai se apresentar hoje no Parque dos Atletas. No domingo, ela faz um show no estádio do Morumbi.

Fotos: Carlo Allegri/Reuters

Vestindo a camisa da seleção brasileira, cantora estendeu uma faixa na sacada de seu quarto: "I love Rio".

Na passarela

Entre as angels da grife, as supermodelos brasileiras Alessandra Ambrósio e Adriana Lima (à direita).

O canal de TV norte-americano CBS transmitiu na noite de quarta-feira, ao vivo, o desfile anual da grife Victoria's Secret. O designer da coleção, Thomas Todd, levou à passarela 65 figurinos, que foram desfilados por 28 Angels (modelos). L UXO A RQUEOLOGIA

Helmut, o mamute Benoît Tessier/Reuters

Valentin Flauraud/Reuters

Arquiduque

Saúde de Niemeyer piora O diamante Arquiduque Joseph, considerado um dos mais bonitos do mundo e um dos raros livres de qualquer imperfeição será leiloado em Genebra no dia 13. Pesando 76,02 quilates, a pedra deve ser vendida por US$ 20 milhões.

A TÉ LOGO

O estado de saúde de Oscar Niemeyer se agravou por problemas nas funções renais e "inspira cuidados", informou ontem o Hospital Samaritano, onde o arquiteto de 104 anos está internado desde terça-feira. A piora fez os médicos descartarem a possibilidade de dar alta ao arquiteto, que está lúcido e respira sem a ajuda de aparatos. Esta é a terceira hospitalização de Niemeyer neste ano. Na terça-feira, ele foi internado para exames, apenas dez dias após ter recebido alta de uma longa hospitalização por desidratação. (EFE)

Acesse www.dcomercio.com.br para ler a íntegra das notícias abaixo:

L OTERIAS

L

Novo single dos Stones, "One More Shot", não entusiasma crítica britânica

L

Primeira-dama da França cobra indenização de 85 mil euros por biografia

L

Um esqueleto quase completo de um mamute, que teria vivido entre 125 mil e 200 mil anos atrás, foi descoberto no sítio de Changissur-Marne, perto da cidade de Meaux, na França. Os ossos serão analisados. O animal já recebeu um nome dos cientistas: Helmut.

P ERSONALIDADE

Filarmônica de Bruxelas é a primeira orquestra a ler partituras em tablets

Concurso 3040 da QUINA 08

61

62

64

65


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

13

CONGRESSO FACESP

MANIFESTO

NOSSA FORÇA PODE MAIS

Acompanhe a leitura do manifesto feita pelo ator Paulo Goulart

Paulo Pampolin/Hype

O

espírito empreendedor está em nós e acreditamos que é em conjunto que se alcança mais. Somando força, podemos reverter crises, organizar ações e explorar melhor as oportunidades. É por isso que somos associação: para integrar e unir e, assim, representar e desenvolver. Nossa força vem de cada um dos nossos associados, independentemente do seu porte e setor. Ela vem também do compromisso dos nossos colaboradores e voluntários em mais de 400 associações que cobrem nosso estado. Com muita ética e transparência, construímos, ajudamos a crescer, representamos, informamos e formamos. Fazemos acontecer. Temos uma longa história de realizações. Juntos, já fizemos muito para nossas cidades, e ainda vamos fazer muito mais. Somos a Associação Comercial, e nossa força é ser... A alma paulista/ Fonte de inspiração/ Voz que representa e luta/ Justa/ Livre, / Que constrói o futuro. Fábio Guinalz/Folhapress

Rogério Amato (esq.). Paulo Goulart e Nicete Bruno (dir.), no show de Roberto Carlos.

Uma ideia a ser seguida O Manifesto surgiu depois de uma extensa pesquisa realizada ao longo de seis meses. E o conceito exposto no texto deve ser concretizado em ações.

N

ossa força pode mais. Esta é a mensagem principal do Manifesto que será ouvido hoje, na voz do ator Paulo Goulart, no último dia do 13º Congresso da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo, a Facesp, que acontece em Campos do Jordão. A Facesp – presidida por Rogério Amato, também presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) – integra associações comerciais de 420 cidades paulistas e atraiu mais mais de mil pessoas para o encontro deste ano, entre líderes e representantes das próprias das associações, palestrantes, personalidades empresariais e políticas. É entre eles que o conceito principal do Manifesto deve se perpetuar. "A frase sintetiza a master idea (ideia central), produto do estudo de gestão de marcas que realizamos ao longo de seis meses”, explicou Jaime Troiano, presidente do Grupo Troiano de Branding. Responsável pelo projeto mercadológico encomendado pela Facesp, foi realizado pela Brighthouse Brasil, subsidiária da tradicional empresa sediada em Atlanta

(EUA), que o grupo representa na América Latina. A missão, segundo Troiano, foi identificar o propósito da organização, a justificativa de sua existência e a bandeira sob a qual todas as associações comerciais paulistas se unem. Ou expressar a razão de ser das associações na visão de seus diferentes públicos. Direta ou indiretamente relacionados. "O propósito é, acima de tudo, um elemento de caráter motivacional, levando as pessoas envolvidas em uma organização – empresa, instituição ou entidade – a sentirem que sua contribuição é maior do que a simples tarefa operacional que executam", afirmou. Exemplo é o filme Tempos Modernos, de Charles Chaplin, em que um operário aperta um parafuso, sem perceber a transcendência de seu trabalho. Porque na verdade ele vai mais além do que imagina, ao ser peça fundamental na fabricação de uma máquina importante. "Propósito é também a resposta da pergunta: se as associações comerciais de São Paulo desaparecessem, o que o Estado perderia? Perderia seu principal elemento de integração

e unificação de metas empresariais, empreendedorismo, livre expressão vocacional, luta pela liberdade econômica e ampliação de mercados. E também a bandeira que integra todos esses sentimentos, em torno do livre exercício capitalista”, disse.

Sua finalidade é motivar, através da emoção, a certeza de que o slogan Nossa Força Pode Mais abraça o ideal de todas as associações. JAIME TROIANO, PRESIDENTE DO GRUPO TROIANO DE BRANDING

O trabalho de branding começou pela execução de uma pesquisa para perceber a transcendência de seu trabalho. "Entrevistamos pessoalmente 100 pessoas, ao longo de seis meses, trabalho que gerou o Manifesto a ser apresentado hoje

no congresso em Campos do Jordão", afirmou Troiano. A leitura do texto, feita pelo autor Paulo Goulart, foi gravada e poderá ser acompanhada pela platéia. O Manifesto também foi traduzido visualmente em vídeo que, posteriormente, irá rodar por todas as associações comerciais paulistas. "Sua finalidade é motivar, através da emoção, a certeza de que o slogan Nossa Força Pode Mais abraça o ideal de todas as associações", indica o publicitário. A master idea se desdobra em várias ações concretas que tornem o conceito algo concreto. "Cada palavra foi calculada cuidadosamente: ‘nossa’ dá a ideia de família e integração; ‘pode’ sintetiza a capacidade de realização; e ‘mais’ revela que a associação comercial ultrapassa o que foi até hoje, projetando-se no futuro", explicou. O conceito deve ser concretizado em cada pequena ação da Facesp. "Embora possa ter suas palavras modificadas, o conceito será mantido, tornandose o cartão de visitas das associações comerciais paulistas, Encerra a ideia de

integração, sentimento de família e berço de lideranças, as qualidades que geraram o Manifesto, expresso na frase que organiza todo o pensamento", definiu. Para se chegar até o slogan foram avaliados os pilares das associações comerciais: amplificação da voz individual do empreendedor através da união com seus pares, receitas e nascedouro de líderes empresariais. "Estas quatro ideias geraram o Manifesto que, por sua vez, sintetiza a master idea", explicou. O Manifesto é o próprio roteiro do filme, que projeta imagens de pessoas praticando esportes, trabalhando, as fachadas de associações de vários municípios do Estado. "Como às vezes é difícil às pessoas expressarem seus sentimentos por uma marca, aplicamos na pesquisa o método projetivo, apresentando a imagem de vários animais. Indagando qual mais se assemelharia à personalidade das associações comerciais e por qual motivo, os escolhidos foram o cavalo, por sua imponência, e o leão pela força e poder", afirmou Troiano. Nossa Força Pode Mais. Armando Serra Negra


DIÁRIO DO COMÉRCIO

14

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

No congresso, uma nova era. Com o tema Mapeando nosso DNA, Construindo Resultados, o encontro pretende erguer as bases para a atuação das AC's. Mário Tonocchi

O

13º Congresso Facesp marcou o início de uma nova era para todas as 420 associações comerciais do Estado e que compõem a federação. Os novos rumos estão baseados em uma pesquisa que modelou o tema do encontro: Mapeando nosso DNA, Construindo Resultados. O trabalho envolveu e consultou todos os segmentos que se

relacionam com a Facesp, construindo as bases para a atuação das associações pelos próximos anos. A Boa Vista Serviços, que teve participação ativa no congresso, aproveitou para anunciar uma parceria com o Centro Universitário Eurípedes de Marília (Univem) para o desenvolvimento de softwares que possibilitaram aos usuários dos serviços da empresa realizar consultas pré-venda em diferentes plataformas, como tablets e smartphones.

Na área de comunicação, a Facesp lançou o AC Celular, um novo e inovador modelo de negócio que será oferecido para as associações comerciais. O 13º Congresso também lançou o Gastômetro, uma ferramenta que ajudará na fiscalização da destinação dos recursos recolhidos em impostos em todo território nacional, com foco na defesa da livre empresa, do empreendedorismo e na evolução econômica do Brasil. Também passaram por intensos debates as estratégias

para o fortalecimento da atuação dos conselhos de mulheres empreendedoras e as tendências do varejo mundial. Outro lançamento feito no congresso foi a a Campanha do Leão Amigo, que propiciará às associações comerciais contribuir para o fortalecimento de suas cidades através da destinação de recursos do Imposto de Renda para os Fundos Municipais do Direito das Crianças. O anúncio nacional do programa acontecerá oficialmente na segunda-feira.

Inovação: Boa Vista cria centro de pesquisas tecnológicas. Objetivo é o desenvolvimento de softwares que darão acesso aos produtos e serviços da Boa Vista por meio de tablets e smartphones. O investimento em tecnologia própria é parte da estratégia agressiva da empresa para os próximos anos. Paulo Pampolin/Hype

Renato Carbonari Ibelli

A

Boa Vista Serviços fechou parceria com o Centro Universitário Eurípides de Marília (Univem) para a criação de um centro de pesquisas e inovações tecnológicas. A parceria, que será oficializada segunda-feira, envolverá 400 profissionais que trabalharão no desenvolvimento de softwares que darão acesso aos produtos e serviços da Boa Vista por meio de tablets, smartphones e outros meios eletrônicos. Segundo Dorival Dourado, presidente da Boa Vista, o cetro de pesquisa trabalhará em três frentes. Será estruturada uma fábrica de softwares, um departamento de pesquisa de programas de Um dos motivos modelagem para o crescimento estatística – da empresa é a uma das gama de produtos e principais serviços que apostas da empresa oferece. para se ROSELI GARCIA, destacar no DIRETORA DE REDE DA mercado – e BOA VISTA SERVIÇOS. um departamento de desenvolvimento de plataformas de mobilidade, como programas para smartphones. "A parceria com a Univem é uma maneira de agregar conteúdo nacional em nossos produtos. A Boa Vista é uma empresa verde e amarela", disse Dourado ontem, durante o 13° Congresso Facesp. O investimento em tecnologia própria é parte da estratégia agressiva da Boa Vista para os próximos anos.

Para 2013, Dourado projeta que a Boa Vista cresça 30%, baseando-se na expectativa de que o mercado de crédito avance por volta de 12%. Destaques – Um dos destaques dessa expansão serão os novos produtos de modelagem estatística. A Boa Vista prepara 15 lançamentos de produtos para 2013, sendo que a maioria deles é voltada para esta área de atuação. Este tipo de produto permite, porxemplo, que as empresas que os adquirirem façam análises precisas do risco de concessão de crédito, e também ajudam a otimizar a recuperação de dívidas e a prospectar clientes, entre outras finalidades.

"Temos cases concretos de programas de modelagem que permitiram a algumas empresas ampliarem em 200% seu sucesso na prospecção de clientes”, disse Dourado. O Cadastro Positivo também está na linha de frente das ações da Boa Vista para os próximos anos. Também chamado de cadastro do bom pagador, esta ferramenta vai conter informações de consumidores que estão em dia com os seus pagamentos. A promessa é que estes consumidores, por sua vez, consigam diferenciações e facilitações na hora de comprar ou de financiar, por conta de seus históricos positivos.

Para o mercado de crédito a expectativa é que, ao ter em mãos o cadastro dos bons pagadores, a concessão de empréstimos seja mais criteriosa e a inadimplência caia. A aposta do mercado é que essa queda na inadimplência possa refletir na redução dos juros. O cadastro positivo ainda precisa ganhar maturidade no Brasil. Sua regulamentação só se deu no final de outubro. Os birôs de crédito, entre eles a Boa Vista, trabalham agora para captar consumidores para o cadastro. Para Dourado, o cadastro positivo ainda levará pelo menos quatro anos para ganhar massa crítica de consumidores e, de fato, funcionar efetivamente.

Ao longo desse período Dourado A parceria é uma projeta que a maneira de agregar Boa Vista conteúdo nacional torne-se a aos produtos. A Boa primeira Vista é uma empresa de análise de empresa verde e crédito do amarela. mercado. DORIVAL DOURADO, "Nossa meta PRESIDENTE DA BOA VISTA. é crescer pelo menos 25% nos próximos anos, nos tornando líderes do mercado". Roseli Garcia, diretora de rede da Boa Vista Serviços, destacou que um dos motivos para o crescimento e consolidação da empresa no País é a gama de produtos e serviços que a Boa Vista tem apresentado ao mercado.

Fotos: Paulo Pampolin/Hype

Fádua Sleiman, presidente do Conselho da Mulher da Facesp

Alencar Burti e Rogério Amato em palestra do Empreender

Mais de mil pessoas no primeiro dia do congresso.

Palestra da Boa Vista Serviços: auditório lotado.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

15

Planos para beneficiar o contribuinte e o eleitor Em palestra magna, Guilherme Afif Domingos, vice-governador, defende o voto distrital e a discriminação do valor dos impostos nas notas fiscais de produtos e serviços. Fotos: Paulo Pampolin/Hype

Mário Tonocchi

O

O vice-governador Guilherme Afif Domingos durante Congresso Facesp

vice-governador de São Paulo e expresidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e da Facesp, Guilherme Afif Domingos, defendeu, em palestra magna do 13º Congresso Facesp, o voto distrital e o projeto de lei de sua autoria que determina a discriminação do valor dos impostos nas notas fiscais de produtos e serviços. O projeto de Lei 1472/2007 que determina a discriminação dos impostos regulamenta o parágrafo único do artigo 150 da Constituição, redigido por Afif quando deputado constituinte, já aprovado pelo Senado por unanimidade e que aguarda decisão da Câmara dos Deputados. "O problema é que ainda falta compreensão por parte da Receita Federal para dar andamento ao projeto", disse o vice-governador. Para Afif, o voto distrital é essencial para a reforma política. Segundo ele, esta mudança no sistema eleitoral altera a estratégia das campanhas eleitorais com a redução drástica do número de candidatos, facilitando a compreensão do eleitor no processo.

O vice-governador de São Paulo fez ainda um balanço de suas atividades políticas ao longo de sua carreira. "Tudo começou em 1963, quando ingressei na universidade, onde fui procurado para compor uma chapa como orador. Nas primeiras apresentações, me pautei em um manifesto, mas depois peguei o hábito de falar e nunca mais parei. Os jovens precisam participar desse processo e envolvimento das causas importantes", disse. Entre outras atividades Afif presidiu em duas ocasiões, 1982/87 e 2003/07, a Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e a Federação

Carlos Pavel, Rogério Amato, José Chapina Alcazar, Dorival Dourado e Alencar Burti.

Projeto Empreender traz novidades Encontro conta história do programa e apresenta versão mais avançada, o Empreender Competitivo. André de Almeida

N

os painéis do 10º Encontro Estadual do Empreender as associações comerciais (ACs) puderam conhecer a história do programa e as novidades para 2013, além de sua versão mais avançada, o Empreender Competitivo. O Projeto Empreender foi lançado há dez anos pela Facesp em parceria com o Sebrae-SP. Atualmente está implantado em 80 ACs no Estado. "Além dessas 80 associações, muitas outras entidades que já passaram pelo projeto desenvolvem trabalhos paralelos, utilizando a metodologia aprendida”, afirmou o coordenador estadual do Empreender pela Facesp, Nelson Andujar. Desde 2002, quase 15 mil empresas filiadas a 316 ACs participaram do projeto, por meio de 1,4 mil núcleos setoriais.

Co mpe ti tiv o – O Empreender Competitivo, por sua vez, surgiu em 2010 e, diferentemente do Empreender tradicional, tem um prazo definido de dois anos para ser implantado. As empresas devem apresentar um projeto mais completo, com começo, meio e fim, indicar suas necessidades e os valores necessários para seu crescimento. "Para fazer parte do Empreender Competitivo, as empresas já devem ter passado pela modalidade tradicional do projeto", explicou Andujar. Nos últimos dois anos, 32 ACs e 807 micro e pequenas empresas passaram pelo programa, por meio de 37 projetos, que geraram ótimos resultados: o faturamento delas aumentou quase 30%, enquanto o número de postos de trabalho cresceu 25%. O convênio com o Sebrae nacional venceu em julho, mas a Facesp já apresentou outro pro-

jeto, visando a renovação por mais dois anos. “A ideia agora é contemplar 85 projetos e 2,3 mil empresas, um crescimento de quase 300% nos beneficiados", disse Andujar. Lançamentos – No encontro, o coordenador de Projetos da Facesp, Marcelo Nunes, lançou a revista e o DVD com casos de sucesso do Empreender Competitivo no Estado. Ao todo, 37 projetos bem sucedidos. O DVD será distribuído para todas as federações do País, além do Sebrae. Já as revistas, com tiragem de 10 mil unidades, serão entregues para as ACs filiadas à Facesp, empresários que integram o programa e outras federações. Durante os trabalhos, foram mostrados casos de sucesso do Empreender Competitivo no Estado. Na opinião do superintendente da Facesp, Natanael Miranda dos Anjos, o sucesso do Empreender deve-se muito à bem sucedida parce-

das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp). Entre suas realizações estão o Sistema Integrado de Pagamento de Impostos (Simples), que beneficia milhões de pequenos empresários, o Microempreendedor Individual (MEI), que regulariza as atividades dos trabalhadores informais e o Impostômetro, painel que informa em tempo real o quanto os consumidores pagam de tributos. Outra realização foi o Programa Estadual de Qualificação Profissional (PEQ), com cursos gratuitos para quem procura uma oportunidade no mercado de trabalho.

ria entre a entidade e o Sebrae e ao empenho dos presidentes das ACs e de executivos das entidades. "Queremos ampliar e fortalecer cada vez mais essa parceria. Visitei muitos núcleos setoriais no interior de São Paulo e pude verificar resultados extremamente positivos", afirmou o gerente do Sebrae, Juares Ferreira de Paula Filho. O presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae-SP, Alencar Burti, ressaltou a importância da tarefa de empreender no Brasil, “uma atividade que requer paixão, amor pelo que se faz”. Já o presidente da Facesp e da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), Rogério Amato, concluiu, lembrando os valores em comum defendidos pela Facesp, ACSP e entidades parceiras. "Parabenizo os dez anos do Encontro Estadual do Projeto Empreender', finalizou.

Conciliar sem depender da justiça: o meio mais rápido.

A

Câmara Brasileira de Mediação e Arbitragem Empresarial (CBMAE) promove, do dia 26 deste mês até 1º de dezembro, uma nova etapa de conciliações voltada principalmente para micro e pequenas empresas. De acordo com o coordenador da entidade, Eduardo Vieira, os encontros de conciliação acontecerão nas sedes de 50 associações comerciais do Brasil “principalmente nos estados de São Paulo e Minas Gerais”, disse. A câmara apresentou um workshop no Congresso Facesp. No último mutirão, realizado em agosto pela rede de Câmaras e Postos Avançados de Conciliação Extraprocessual (PACEs) da CBMAE, foram atendidas 6.335 pessoas físicas e 202 empresas, que acabaram em 877 conciliações com 76% de sucesso nos

acordos. O valor negociado foi de mais de R$ 1,1 milhão. A CBMAE foi criada em 2000 em uma parceria do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) com o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) para a aplicação dos Métodos Extrajudiciais de Solução de Controvérsias (MESCs). “As pessoas e as empresas estão descobrindo cada vez mais as vantagens de negociar e não esperar por décadas a solução na Justiça”, observou. De acordo com o conselheiro do CNJ José Roberto Neves Amorim, coordenador do Comitê Gestor do Movimento Conciliar é Legal, a VII Semana Nacional de Conciliação, iniciada iniciada quarta-feira pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), deve superar as 349 mil audiências realizadas no ano passado, gerando R$ 1 bilhão em valores acordados. (MT)

Fotos: Paulo Pampolin/Hype

Rodrigo Borges, vice-presidente e fundador do Buscapé.

Juares Ferreira de Paula Filho, gerente do Sebrae

Nelson Andujar, coordenador estadual do Empreender pela Facesp.

Ronaldo Abreu, coordenador de Expansão Regional da Facesp.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

16

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

CONGRESSO FACESP Fotos: Paulo Pampolin/Hype

Marcelo Tas no painel As Novas Gerações, o Empreendedorismo e o Futuro do Trabalho.

Cartões e certificação estão no DNA

P

ACCelular, um jeito novo de se comunicar. André de Almeida

A

Facesp lançou na tarde de ontem, durante o painel As Novas Gerações, o Empreendedorismo e o Futuro do Trabalho , uma ferramenta que facilitará a comunicação entre os associados das associações comerciais (ACs), trará vantagens, economia e dinamizará as atividades das empresas. Trata-se da plataforma ACCelular, uma rede móvel de comunicação empresarial cujos detalhes serão apresentados hoje. Segundo o superintendente da Facesp, Natanael Miranda dos Anjos, as micro e pequenas empresas serão as mais beneficiadas. "Os funcionários de uma mesma empresa poderão falar entre si sem cus-

to algum, com tarifas ilimitadas, gerando uma economia considerável. Priorizaremos nosso atendimento, que dará uma resposta imediata", afirmou. Os planos para os associados poderão ser alterados online e de acordo com as necessidades de cada um. Para o presidente da Facesp e da ACSP, Rogério Amato, o ACCelular dará uma nova dimensão às ACs. "Mais do que uma plataforma de altíssima tecnologia, é uma ferramenta que ajudará a conquistar novos associados, uma vez que aumentará a lucratividade das empresas. Serviços como este estão no nosso DNA e mostram a força do movimento das associações comerciais", disse Amato. Aprovação - O painel foi mediado pelo jornalista e apresentador de televisão Marcelo

Tas, que elogiou a proposta do congresso e o lançamento do ACCelular. "Este evento é poderoso, já que as associações comerciais compõem uma rede consolidada e histórica. A natureza do mundo em que estamos entrando, por sinal, é a da convivência em rede". Na opinião de Tas, a natureza da rede em que vivemos se transformou e continua mudando muito rápido. Assim, para atrair os jovens ao associativismo, por exemplo, o apresentador acredita que há a necessidade de olhá-lhos sem preconceito, procurando aprender novos conceitos. "Eu aprendo muito com os meus filhos. Na rede, não basta falar e escrever. É muito importante saber ouvir", afirmou. Quanto à proposta do ACCelular, Tas acredita que "uma plataforma móvel é algo

Ligados em quem tem mais de 50

Ferramenta, que será lançada oficialmente hoje, facilitará comunicação entre empreendedores ligados às associações comerciais e trará economia e mais dinamismo às empresas.

extremamente alinhado com a mudança que a gente vive". Participação – Também participaram do painel Marcos Calliari, autor do livro Geração Y (nascidos entre 1980 e 1995) e sócio-diretor da Agência Namosca, e Rodrigo Borges, vice-presidente e fundador do Buscapé. Para Calliari, "entender esta geração é entender o futuro e o modo como as instituições precisam mudar hoje, seja na política, na educação, no mundo corporativo ou mesmo na família". Já para Borges, "quem deseja entrar no mercado de ecommerce, deve ser criativo e flexível, mas sem esquecer que, onde há mais oportunidades há mais competição". Gastômetro - Rogério Amato vai anunciar hoje a criação do Gastômetro, um portal que mostrará ao contribuinte

Este evento é poderoso, já que as associações comerciais compõem uma rede consolidada e histórica MARCELO TAS, JORNALISTA E APRESENTADOR DE TV brasileiro como os governos Federal, estaduais e municipais gastam aquilo que arrecadam com os impostos. "Será uma espécie de Google do gasto público. O contribuinte poderá procurar, por exemplo, quanto uma prefeitura gastou para comprar giz para uma determinada escola", explicou Amato.

Mulheres buscam mais espaço no empreendedorismo

Renato Carbonari Ibelli Mário Tonocchi

O

varejo precisa ficar atento à tendência de envelhecimento da população brasileira. Segundo dados do Instituto Brasileiro de geografia e estatística (IBGE), em 2020 pelo menos 25% da população brasileira terão mais de 50 anos. Até 2050 este grupo, que hoje representa 18% , será metade dos brasileiros. Este movimento, segundo Maurício Morgado, professor de marketing e varejo da Fundação Getúlio Vargas (FGV) obrigará os lojistas a repensarem seus pontos de vendas. Apostar nesse público não é um negócio ruim. Durante o 13° Congresso Facesp, o professor da FGV lembrou que os consumidores dessa faixa etária normalmente estão com a vida financeira estabilizada, permitindo que 'pequenas indulgências' sejam feitas durante as compras. "Não é um público que vai consumir somente bens de primeira necessidade, mas que pode se dar ao luxo de levar algo a mais. De se presentear", disse Morgado. Mas atrair esse público mais velho exige alguns cuidados simples, segundo Morgado, como uma música mais tranquila na loja, comunicação visual mais sóbria, letras maiores nas etiquetas, cadeiras para descanso e cores menos marcantes. Enfim,

A Paulo Pampolin/Hype

rojeções do Sebrae indicam que, até 2015, existirão nove milhões de micro e pequenas empresa no País, principalmente no setor de serviços. Com base neste cenário, a Facesp está otimista quanto à expansão de seus produtos, como a Certificação Digital e o cartão ACCredito. Estes assuntos foram discutidos no painel Mapeando o Nosso DNA – Produtos & Serviços Facesp , dentro do 13º congresso da entidade. De acordo com o coordenador estadual de Produtos e Serviços da Facesp, Giovanni Guerra, uma das metas para o próximo ano é que cada associação comercial fortaleça sua atuação em prestação de serviços aos associados e ao retorno financeiro dos negócios. Para isso, serão seguidas cinco linhas de atuação: revisão mensal do planejamento realizado, em vez de anual; estabelecimento de metas mais bem definidas e detalhadas; lançamento de novos produtos; criação de equipes de apoio em cada Região Administrativa (RA); e trabalho com a inteligência de mercado. "É importante ter informações dos municípios onde desejamos trabalhar. Para implantar produtos, é preciso conhecer a realidade local", disse. Cartão – Uma das principais apostas da Facesp para 2013 é a expansão dos cartões ACCredito, um sistema de gestão de benefícios focados nos funcionários das empresas ligadas às associações comerciais. Segundo o coordenador de Expansão Regional da Facesp, Ronaldo Abreu, 66 cidades trabalham com o ACCredito em suas quatro modalidades: convênio, alimentação, educação e social. São quase 70 mil cartões ativos. "Trata-se de uma ótima opção de receita para as associações comerciais", afirmou Abreu. A meta para 2013 é dobrar o número de cartões transacionados, que este ano deve fechar em torno de 50 mil unidades. Hoje, durante o Congresso, será lançado a modalidade ACCredito Refeição. Certificação – O coordenador de Operações da Facesp, Antonio Fernandes, destacou a importância do certificado digital, que permite que o seu titular assine digitalmente qualquer documento ou transação eletrônica. Inúmeros serviços já se valem do Certificado Digital. As empresas costumam utilizar o serviço para identificar corretamente seus colaboradores, parceiros e clientes em qualquer tipo de transação eletrônica, assinando seus contratos de forma 100% digital na internet. (AA)

Maurício Morgado: lojistas terão de repensar seus pontos de venda. meios que tornem a loja um ambiente mais agradável ao público com mais de 50. Dependendo do segmento do varejo, tais cuidados precisam se estender aos produtos vendidos. "Lojas de roupas devem se preocupar em oferecer tecidos naturais, roupas mais largas, com tons mais amenos e menos decotadas. Não é um público que quer se vestir de Lady Gaga", brincou o professor da FGV. Morgado ressaltou que o varejo pode ter duas formas de abordar esse público. Com lojas voltadas exclusivamente para essas pessoas, ainda raras no País, ou com a mescla de produtos para diferentes públicos. "Independentemente do modelo adotado, o importante é que o varejista comece a pensar em trabalhar o consumidor mais velho", afirmou. Mas as medidas não signifi-

cam envelhecer a loja. Quem não se adequar aos novos canais de venda também será passado para trás. Morgado apontou, durante sua palestra, a necessidade de o varejo se tornar multicanal. Em especial a internet e a telefonia móvel abrem uma gama de possibilidades para que os lojistas exponham seus produtos e serviços. Hoje, por exemplo, a tecnologia celular já permite acompanhar os passos dos consumidores. Fazendo a triangulação dos sinais que o celular recebe é possível saber onde o consumidor está. Isso abre espaço para que lojistas, por exemplo, façam promoções imediatas, enviadas por mensagem no celular, para um potencial comprador que passa perto de sua loja. "A tecnologia existe, falta um pouco de coragem para o varejo adotar", disse Morgado.

participação da mulher no empreendedorismo e na gestão dentro do associativismo foi discutida no encontro do Conselho da Mulher, no programação do 13º Congresso. A coordenadora-geral do Conselho da Mulher Empresária (CME) da Facesp, Fádua Sleiman, disse que o caminho das mulheres é longo e exige firmeza. "Das 420 associadas da Facesp, só 15 possuem conselhos da mulher empreendedora. E no comando das associações são apenas 40, ou seja, dez por cento", afirmou. No congresso foram debatidas ferramentas para a criação de redes de informação entre as empreendedoras ativas de suas associações comerciais, para ampliar o leque de atendimento e difundir a criação de novos conselhos voltados para os interesses das mulheres empreendedoras. “Hoje temos a facilidade de comunicação por um e-mail. Precisamos organizar essas informações para difundi-las melhor e com mais frequência”, disse. Para Avani Tortato Slomp Rodrigues, presidente do Conselho Nacional da Mulher Empresária (CNME), órgão da Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do

Brasil (CACB), criado em 24 de abril de 2002, participar de associações é fundamental para as mulheres empresárias. "Muitas mulheres estão entrando para a área de exportação com suas empresas, principalmente para a América Latina, por meio dos trabalhos desenvolvidos pelos conselhos voltados para as mulheres. Eu mesmo conheço cinco exportadoras", observou. Tanto Fádua quanto Avani afirmam que ampliar a participação feminina no empreendedorismo e no gerenciamento efetivo de empresas é fundamental para o crescimento de todos. “Ao ocupar mais espaços, as mulheres não estão competindo com os homens. Estão contribuindo para o crescimento de todos”, diz Avani. A presidente do CNME promete que até a conclusão de seu mandato, no final de 2013, instalará conselhos estaduais da mulher em todas as 27 federações estaduais do Brasil. Hoje estão instalados em 13. No encontro das mulheres, Norma Burti, esposa do ex-presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) Alencar Burti recebeu uma homenagem das participantes por seu empenho no avanço da mulher no empreendedorismo e no gerenciamento de associações.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

e

17 EM ALTA Vendas de motocicletas em outubro cresceram 17% ante setembro

conomia Adriano Vizoni/Folhapress – 1/4/11

Eliana Haberli

do município, também ganhando metros quadrados corporativos, a região de Alphaville (R$ 70 por metro quadrado para locação em média). "Agora a empresa tem mais condições de escolher para onde ir, se quer se instalar com espaço e modernidade em um local mais distante, e de valor menor, como Alphaville, ou pagar pela imagem corporativa e a facilidade de acesso da Faria Lima, por exemplo", diz Simone. Os preços de venda mostrados pelo levantamento seguem o ranking liderado pela região da Faria Lima (R$ 19 mil em média o metro quadrado), com o Itaim Bibi em segundo lugar (R$ 16,75 mil o metro quadrado) e a Berrini em terceiro (R$ 15,6 mil o metro quadrado em média). O eixo de avanço na oferta de escritórios modernos, mostra a pesquisa, segue a tendência iniciada nos anos 1960 com a caminhada da avenida Paulista para a Faria Lima, acentuada nos anos 1980 e 1990 com a ocupação da marginal do Pinheiros e da Berrini. "Não houve mudança nos principais eixos, houve crescimento", diz Simone.

U

m fator de alívio para as empresas que procuram imóveis comerciais de bom padrão em São Paulo surgiu neste semestre: a taxa de vacância subiu para 10%, escapando dos 4% de 2010 e dos 6% registrados em média em 2011, que indicavam penúria de opções no mercado corporativo. O dado é de uma pesquisa da Herzog Imóveis Industriais e Comerciais, que mostra a alta na taxa de imóveis disponíveis como consequência de 344 mil m² de unidades que serão entregues até o final do ano na cidade. São Paulo tem hoje quase 2,5 milhões de m² de área de escritórios A e AA e caminha para 3 milhões de m², cifra que poderá ser atingida em 2014. "A demanda ainda é maior que a oferta", diz a diretora de imóveis industriais da Herzog, Simone Santos. "Mas estamos caminhando para uma situação mais equilibrada. As empresas já podem planejar." O acréscimo de metros quadrados ao estoque de imóveis comerciais de bom nível em São Paulo teve a maior contribuição da região da Berrini, a avenida Engenheiro Luiz Carlos Berrini, na zona sul, que s o z i n h a d everá ter quase 160 mil m² a mais neste ano. "Além da região da Berrini, já consolidada como eixo de escritórios modernos da cidade, o mercado explora o que chamamos de "Berrini nova", nas p r o x i m i d ades do Shopping Morumbi e da Chácara Santo Antonio", diz Simone, que observa incorporadoras, construtoras e fundos de recursos imobiliários na corrida pelo aumento da oferta. Os escritórios da Berrini alcançaram, segundo a pesquisa, valor médio de locação por metro quadrado de R$ 127,50. As regiões mais atraentes continuam sendo lideradas por Faria Lima e Nova Faria Lima (a região mais nobre, com preços de locação por metro quadrado entre R$ 185 e R$ 240), o Itaim Bibi (média de R$ 152,50) a Vila Olímpia (média de R$ 140) a Paulista (média de R$ 120), a Marginal Pinheiros (R$ 100), a região da Verbo Divino (R$ 100) e, fora

DEBÊNTURES Captação alcançou R$ 10,9 bilhões em outubro, mostra Anbima.

Mercado de escritórios perto de equilíbrio em SP Entrega de mais 344 mil m² de unidades comerciais de alto padrão deve aproximar oferta da demanda

Marcelo Justo/Folhapress – 14/3/12

O acréscimo de metros quadrados ao estoque de imóveis comerciais de nível mais alto na capital paulista deve ter a maior contribuição da região da Luiz Carlos Berrini (acima), que sozinha deverá ter quase 160 mil m² a mais neste ano. Faria Lima (alto) se mantém atraente.

Realidade paulistana: 79% longe do padrão A.

E

scritórios classificados de AA pelo mercado imobiliário são os que oferecem as melhores características para o conforto, o desempenho e a segurança dos funcionários – sistema de ar-condicionado central com termo-acumulação de gelo e controle de volume de ar variável; sistema de prevenção e combate a incêndio, escadas de emergência, sprinklers, detectores de fumaça; lajes superiores a 800 m²; segurança patrimonial; piso elevado; uma

vaga de garagem para cada 35 m² de escritório; sistemas de supervisão e gerenciamento predial; acabamentos externos e internos de qualidade. Os escritórios da categoria A também apresentam arcondicionado central, malha de piso, bom sistema de segurança contra incêndio, bons acabamentos internos e externos e lajes superiores a 400 m², divididos no máximo em dois conjuntos. A maior parte dos prédios comerciais de São Paulo

(79%, segundo pesquisa da Herzog) não alcança esses padrões. É o caso do centro paulistano, que vem sendo abandonado desde meados do século passado, como local preferencial para a localização das modernas empresas. "O centro, infelizmente, não despertou o interesse das grandes empresas e dos grandes investidores para a recuperação dos endereços corporativos" diz a diretora da Herzog Imóveis Industriais

e Comerciais, Simone Santos. "Já muitos edifícios do centro do Rio de Janeiro seguem a tendência de recuperação de grandes capitais em todo o mundo, que modernizam essas unidades" diz a executiva, apontando que a oportunidade para a recuperação da área central paulistana pode surgir na sequência de uma exploração de unidades residenciais, que já se verifica na cidade recentemente. (EH)

Sinais de acomodação no setor residencial Alta do metro quadrado em seis capitais e no Distrito Federal foi de 0,8% em outubro, menor variação desde setembro de 2010, de acordo com o índice FipeZap.

O

s preços dos imóveis prontos, novos e usados, dão sinais cada vez mais fortes de acomodação em algumas capitais. Em outubro, a valorização média do metro quadrado em seis capitais brasileiras e no Distrito Federal foi de apenas 0,8%, a menor variação mensal registrada desde setembro de 2010, início da série histórica do índice FipeZap. No Distrito Federal e em Fortaleza, as cotações recuaram 1,1% e 1%, respectivamente. Na capital federal, o preço médio já havia caído 1,7% em setembro.

O mercado imobiliário residencial passa por um ajuste, iniciado em meados do ano passado, explica o economista Eduardo Zylberstajn, coordenador do índice FipeZap. Depois do boom de preços que houve nos anos anteriores, as cotações dos imóveis passaram a apresentar algumas oscilações para cima, mas na média a trajetória é de desaceleração. Até o ano passado, o movimento de alta nos preços era generalizado. "Agora, há capitais, e regiões dentro das próprias cidades, com comportamento mais distinto", ressalta Zyl-

Diversos bairros, ou segmentos de imóveis, pelo número de dormitórios, começam a ter estabilidade ou até queda de preços. EDUARDO ZYLBERSTAJN, COORDENADOR DO ÍNDICE FIPEZAP berstajn. "O que chama a atenção é que diversos bairros, ou segmentos de imóveis, pelo número de dormitórios, começam a ter estabilidade ou até queda de preços." Em São Paulo, referência para o setor, o preço médio do metro quadrado subiu 1,1%, ante 1,5% em setembro. "Foi

uma desaceleração bem importante, que reforça a tendência de acomodação maior dos preços nos próximos meses", diz. Há um ano, os preços na capital paulista subiam a um ritmo de 3% ao mês. Além da redução dos preços registrada em Fortaleza e no Distrito Federal, a valorização

dos imóveis prontos em Salvador não ficou muito diferente da variação dos índices de inflação: alta de apenas 0,4% de setembro para outubro. No Rio de Janeiro e no Recife, as cotações dos imóveis repetiram o desempenho registrado em São Paulo: alta de 1,1%. Em Belo Horizonte, a valorização foi de 1%. No período de 12 meses encerrado em outubro, a variação de preços do metro quadrado dos imóveis acumula alta de 14,4%, praticamente a metade do período anterior. Em outubro do ano passado, esse número era 29%.

O índice FipeZap reúne informações dos preços do metro quadrado dos imóveis, usados e novos, exceto lançamentos. As informações são de anúncios na internet. Em outubro, o preço médio do metro quadrado nas sete regiões pesquisadas atingiu R$ 6.882. A maior cotação foi dos imóveis do Rio de Janeiro, cujo preço do metro quadrado foi de R$ 8.452, seguido por Distrito Federal (R$ 8.056) e São Paulo (R$ 6.882). O menor preço foi apurado em Salvador, onde o metro quadrado foi anunciado a R$ 3.808. (Estadão Conteúdo)


18 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de novembro de 2012


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

e

19 O 'Projeto Jari' ocupava uma área do tamanho do Estado de Sergipe entre o Pará e o Amapá.

conomia Fotos: Divulgação

'Projeto Jari', mais um sonho que acaba.

O americano Daniel Ludwig construiu uma fábrica no Japão e a transportou até a Amazônia. O que parecia delírio deu certo por algum tempo.

Fábrica de celulose na Amazônia fechará em janeiro Karina Lignelli

A

s s i m c o m o a F o rdlândia e a estrada de ferro MadeiraMamoré, mais um p r o j e t o d e e mpreendedores n or te -a me ri canos para explorar terras na Amazônia tem data marcada para chegar ao fim. É o caso da Jari Celulose, Papel e Embalagens – empresa que começou em 1967 com o sonho do bilionário Daniel Keith Ludwig de produzir celulose de eucalipto às bordas da floresta –, que irá interromper a produção da matéria-prima do papel em 90 dias, ou seja, em janeiro de 2013. A informação é do Grupo Orsa, que controla os ativos da empresa desde 2000. A decisão de suspender o "Projeto Jari" se deve à estratégia do grupo de buscar alternativas consideradas atrativas para sua unidade fabril em

Arte MAX

Almeirim (PA). A revisão do modelo de negócios da Jari na área de papel e celulose foi noticiada pela Agência Estado

Produção industrial teve queda

A

produção industrial queda na produção, período recuou em 12 dos no qual o Estado acumulou 14 locais pesquisados perda de 8,5%. A região pelo Instituto Brasileiro de Nordeste não teve alteração Geografia (IBGE) em significativa entre sua setembro, na comparação produção de agosto e com agosto. As principais setembro, após acumular quedas foram registradas ganho de 1,6% em três em Goiás (-2,9%), meses consecutivos de eliminando parte do avanço expansão. de 10,2% do mês anterior, Na comparação com Rio de Janeiro (-2,7%), setembro de 2011, também Paraná houve queda (-2,6%) e da produção Santa industrial Catarina em 12 dos (-2,2%). 14 locais Segundo o pesquisados. IBGE, O recuo mais dos 14 locais Espírito intenso foi pesquisados pelo Santo percebido no (-1,9%), Espírito IBGE em setembro Ceará Santo, com tiveram produção (-1,6%), 11,9%, Minas Gerais pressionado mais baixa que no (-1,4%), pelo mês imediatamente Amazonas comportaanterior. (-1,3%) e mento São Paulo negativo na (-1,2%) produção também apresentaram dos setores de metalurrecuos acima da média gia básica, extrativo e de nacional, de 1%. Já alimentos e bebidas. Pernambuco (-0,7%), Rio Foram destaques também Grande do Sul (-0,4%) e as quedas acentuadas na Bahia (-0,1%) tiveram queda produção dos Estados do abaixo da média. Paraná (-8,9%), Santa O único local em que a Catarina (-8,3%), Ceará produção industrial cresceu (-8,2%), Rio de Janeiro em setembro foi o Pará, com (-7,7%), Goiás (-7,5%) e alta de 2,6%. O resultado Rio Grande do Sul (recuo interrompeu três meses de de 5,1%) (Agências)

12

em outubro. Na ocasião, o presidente do grupo, Sergio Amoroso, disse que a empresa estudava alternativas e a possibilidade de migrar para o mercado de especialidades (produção de celulose sintética para a fabricação de remédios, tecidos etc). Então, anunciou a decisão aos clientes para que não fossem assinados novos contratos a partir de janeiro. A fábrica de Almeirim tem capacidade de produção de

410 mil toneladas/ano de celulose de eucalipto (a chamada "celulose de mercado") e com o volume produzido até agora garante ter estoque para atender seus clientes até março. A decisão final sobre o futuro da unidade paraense será tomada pelo Orsa até o final de 2012. De acordo com analistas de mercado como o banco JP Morgan, que comentou seus efeitos positivos na última terça-feira, a medida beneficiará as demais empresas do setor, já que reduzirá a pres-

são esperada pelo mercado pelo início das operações da fábrica da Eldorado em Três Lagoas (MS) este mês, e da Suzano e da Arauco/Stora Enso em 2013. M em ór ia – Ao antecipar a explosão da demanda de celulose no mundo, nas décadas de 1960/70, o bilionário Daniel Keith Ludwig, que mandou construir uma fábrica de papel e celulose em Kobe (Japão), voltou seus olhos para o Brasil, que estava prestes a entrar na era do "Milagre Econômico", e os amplos espaços até então inexplorados da Floresta Amazônica. A produção de celulose e outros itens correlatos às margens do Rio Jari (PA) – que deram origem ao "Projeto Jari" – começou em 1967, após Ludwig adquirir uma área do tamanho do Estado de Sergipe entre o Pará e o Amapá. Enfrentando a desconfiança das autoridades militares da época para instalar um parque fabril numa área totalmente sem infraestrutura, Ludwig fez com que uma usina termoelétrica e a própria fábrica fossem rebocados do Japão, num percurso que durou 53 dias, para o Rio Jari, na

Vila Munguba. Além das instalações, o projeto ocupava uma área de 16 mil km², que incluía uma cidade para os trabalhadores, com hospital e escolas. O custo da implementação foi de US$ 200 milhões, e a cidade chegou a ter 30 mil habitantes. Em 1982, sem apresentar os resultados esperados, Ludwig declarava ter gasto cerca de US$ 863 milhões no projeto e repassou o empreendimento a empresários brasileiros, que também não encontraram uma solução para os problemas sociais e ambientais que dominaram o Vale do Jari, segundo o Grupo Orsa. O grupo, que passou a controlar a Jari Celulose em 2000, após dois anos de negociação com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), se comprometeu a quitar dívidas com credores e tratou o passivo econômico, social e ambiental em conjunto. Na época, a Jari tornou-se viável e sustentável economicamente, com áreas de colheita e produção certificadas pelo grupo Forest Stewardship Council (FSC), com sede na Alemanha. Com Estadão Conteúdo

Airbus espera vender mais no Brasil Gilberto Abelha/Estadão Conteúdo

Kelly Ferreira

O

crescimento econômico e o consequente aumento das classes emergentes transformaram o Brasil no quarto maior mercado de tráfego de passageiros do mundo, depois dos Estados Unidos, China e Japão, e estão rendendo ótimas perspectivas para o setor. De acordo com a Previsão de Mercado Global da Airbus, empresa do grupo EADS, o Brasil precisará adquirir 1.060 novas aeronaves entre 2012 e 2031 para atender a demanda de linhas aéreas nacionais e estrangeiras, além de servir o crescente mercado de viagens aéreas do País. A demanda projetada é de mais de US$ 160 bilhões. Desde 2009 o tráfego aéreo internacional cresceu 34% e o Brasil, por ser um dos principais destinos do turismo internacional, e ter uma das dez maiores áreas metropolitanas do mundo, recebendo mais de um terço do tráfego de longo curso para a América Latina, deverá começar a operar com aeronaves de grande porte como o A380.

Fabricante europeia tem 47% do mercado local, e quer atingir 52%. "O A380 pode transportar 525 passageiros numa configuração de três classes, sendo a melhor solução para aliviar o crescente congestionamento de tráfego aéreo do Brasil. Por causa de seus custos unitários e desempenho imbatíveis, o A380 deverá ser a clara escolha de aeronave para as linhas aéreas que operam no Brasil, especialmente em vista da proximidade da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos. O Brasil torna-se, a cada dia que passa, um candidato mais forte para

o A380", disse Rafael Alonso, vice-presidente executivo da Airbus para a América Latina e Caribe. A expectativa positiva do mercado aéreo atinge outros países da América Latina. De acordo com previsão da Airbus, ao longo dos próximos 20 anos, as linhas aéreas que operam no continente necessitarão de mais de 2.100 novas aeronaves, sendo 1.660 de corredor único, 420 de corredor duplo e 40 de grande porte, totalizando cerca de US$ 242 bilhões. Em todo o mundo, cer-

ca de 28.200 novas aeronaves no valor de US$ 4 trilhões serão necessárias para atender a demanda futura. Com cerca de 700 aeronaves vendidas e uma carteira de pedidos de outros de 350 para serem entregues, A Airbus totaliza perto de 450 aparelhos em operação na América Latina e Caribe. Nos últimos dez anos, ela triplicou sua frota em operação, entregando mais de 60% de todos os aviões em serviço na região. No Brasil, a Airbus tem 47% do mercado de aeronaves e pretende chegar em 2014, ano de Copa do Mundo, com 52%. Recentemente, as companhias LAN e TAM, que se uniram e criaram a Latam, se tornaram importantes consumidoras da Airbus, em termos de pedidos, aeronaves em serviço e reservas. Juntas, elas já encomendaram 380 aviões e possuem 239 em operação. Entre outras companhias que investem em Airbus estão a AviancaTaca, que inclui a AeroGal, do Equador, a Interjet e a Volaris, a Avianca Brasil e a Aerolíneas Argentinas.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

20

e

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Amazon procura para a operação brasileira um analista sênior com "forte compreensão do sistema tributário do País".

conomia

Fotos: Divulgação

ARTE URBANA

O

uísque escocês Passport, da Pernod Ricard, lança o Passport Art Edition 2012, com o intuito de chegar mais perto do público jovem. O convidado para criar uma arte exclusiva nas garrafas deste ano foi o artista plástico e músico Alexandre Cruz, mais conhecido pelo pseudônimo Sesper, um dos nomes mais influentes da arte urbana no Brasil. Seu trabalho reúne colagem, pintura, serigrafia, papel, madeira e até discos, entre outros itens de suas coleções particulares.

O COINTREAU DE LUMIÈRE

U

CASAMENTO

C

ampanha publicitária criada pela Commonwealth apresenta o novo modelo compacto com diferenciais usualmente oferecidos apenas em versões mais sofisticadas da Chevrolet, o Onix. Ele é o primeiro carro da categoria a trazer o exclusivo MyLink, um sistema multimídia de conectividade com uma tela de 7” touchscreen com o qual o usuário emparelha seu smartphone e reproduz músicas, vídeos, fotos e faz ligações telefônicas, via bluetooth. O Chevrolet Onix também permitirá numerosas personalizações, com cerca de cem acessórios disponíveis, como por exemplo, adesivos temáticos nas partes externa e interna do carro, com os temas Joy, Race e 24 Hours. Um casamento perfeito, segundo a campanha, para o bolso e o conforto especialmente dos que estão ingressando no universo automobilístico.

Envie informações para essa coluna para o e-mail: carlosfranco@revistapublicitta. com.br

Amazon já monta estrutura no Brasil

PROXIMIDADE com o Louro José

DORINHA

O

Saint-Barthélemy-d’Anjou, o confeiteiro Adolphe Cointreau, com a ajuda de seu irmão, Edouard-Jean, fundou a destilaria Cointreau & Cie para produzir licores feitos à base de frutas típicas da região do Vale do Loire. O grande sucesso, porém, viria anos depois, em 1875, quando o filho de um dos fundadores, Edouard Cointreau, criou uma bebida elaborada a partir dos óleos essenciais de cascas de laranjas doces e amargas, com uma aparência clara e límpida, muito diferente dos opacos licores produzidos na época. Para distinguir sua bebida das demais, foi criada uma garrafa quadrada bojuda, com cantos arredondados, de cor escura (âmbar) e com uma fita vermelha, que se tornaria símbolo da marca com o pierrô desenhado pelo artista Nicolas Tamago. Os irmãos Lumière levaram a bebida para as telas e ambos resistem ao tempo, como os bons e doces licores, ainda que suavemente amargos, como a vida.

Azeite Andorinha traz para a TV sua famosa personagem, a Andorinha Dorinha. Parte da estratégia de marketing adotada pela marca portuguesa nos últimos dois anos, a carismática andorinha, retoma o contato com seu público nos merchandisings realizados no programa Mais Você, apresentado por Ana Maria Braga. Após retornar da Europa, no início do ano, Dorinha já participou de uma ação especial realizada no Big Brother Brasil, onde recebeu os participantes do reality em um jantar regado a azeite Andorinha e no decorrer do ano compartilhou dicas sobre o universo dos azeites em suas aparições no Mais Você. Nessa toada, a Andorinha vai acabar mesmo desbancando o inteligente Louro José.

MOVA-SE

O

Sesc acaba de anunciar o lançamento da campanha Move Brasil, que tem como objetivo principal incentivar a prática de atividades físicas e do esporte em todo o País. Lançada durante o Congresso MOVE 2012, no Sesc Vila Mariana, a iniciativa vai unir organizações sensíveis ao tema para assumirem o desafio de levar a atividade física e o esporte para a vida da população brasileira. A campanha é assinada pela Ogilvy Rio.

Chinesa Lenovo registra lucro 12,6% maior

Microsoft investe em centro de pesquisa

A

Amazon ainda não tem data oficial para estrear no Brasil, mas a empresa está empenhada na montagem da operação nacional. Sob o comando de Alexandre Szapiro, que em setembro assumiu a operação da Amazon brasileira, ela está contratando 14 profissionais. Os cargos vão de engenheiros para o data center a gerente para cuidar da aquisição de terrenos para os galpões de distribuição. Entre outras posições, a empresa precisa de um analista sênior com "forte compreensão do sistema tributário brasileiro e dos processos governamentais" e de um gerente de produto para cuidar do leitor digital Kindle. Procurada, a Amazon não comentou. Circulam rumores de que a empresa estaria tentando acelerar sua chegada por aquisições: os alvos seriam as operações da B2W (Submarino e Americanas.com) ou a Saraiva.com. (Folhapress)

um mercado cada vez mais multifacetado e com multiplataformas de distribuição de conteúdo, não deixa de ser uma boa notícia o fato de que o brasileiro deve deixar neste ano R$ 1,992 bilhão nas bilheterias dos cinemas. O dado é de pesquisa Pyxis Consumo do Ibope, que revela também que a classe B (24% dos domicílios) deve ser responsável por 55% do investimento na chamada sétima arte. Em seguida aparece a classe C, que representa 53% dos lares do País e 23% do potencial de consumo de cinema. Já as classes A, D e E correspondem a 21% e 2% dos gastos, respectivamente. Em relação às regiões, o Sudeste é o maior consumidor em potencial para o cinema, com participação em 60% e um consumo per capita de R$ 15,83 por ano. Sul e Nordeste aparecem com 13% e 14%, nessa ordem. Entre aqueles que têm o hábito de ir ao cinema, grupo que representa 17% dos consumidores das regiões metropolitanas, a preferência pelos filmes se divide. Quando considerados todos os frequentadores, os filmes de ação e aventura são os mais vistos (63%), seguidos por comédias (56%), filmes de suspense (31%) e romances (26%). Considerando apenas os homens, a preferência pelo gênero de ação e aventura se mantém, sendo ainda mais expressiva: 75% deles gostam e assistem a esse estilo. Porém, entre as mulheres, o percentual cai para 52%. A maior preferência feminina é pelas comédias (58%). Melhor: o cinema tem se mostrado, mais uma vez, uma alternativa importante de mídia, o que faz com que redes de exibição continuem a investir na melhoria das salas para conquistar novos consumidores e anunciantes. Os pais do cinema, os irmãos Lumière, foram os primeiros a perceber o potencial do cinema como mídia publicitária. É da famosa dupla francesa o primeiro filme comercial do mundo, realizado para Cointreau. Trazia o famoso e apaixonado pierrô da marca meio alto, com o uso de espelhos e ele se assustando vendo seu corpo mudar de cabeça para baixo. O comercial fez tremendo sucesso. A história de Cointreau é tão velha quanto a do cinema, e é bom que ambos resistam. Em 1849, em

L

O investimento de R$ 200 milhões da companhia norte-americana de softwares irá para o Rio de Janeiro e deve ser feito ao longo dos quatro próximos anos

A

Microsoft vai investir R$ 200 milhões em um novo centro de pesquisa no Rio de Janeiro, disseram executivos da empresa, ajudando os esforços do Brasil a gerar empregos no setor de alta tecnologia em uma economia há muito baseada em commodities e na indústria de base. O investimento, a ser feito ao longo de três e quatro anos, vai se concentrar no desenvolvimento de novas tecnologias de busca, de acordo com o executivo do mais alto escalão da Microsoft na América Latina, Hernan Rincon. O centro de pesquisa da Microsoft – um dos quatro escritórios desse gênero abertos no ano e o primeiro na América Latina – integra esforços para renovar o distrito portuário do

Rio de Janeiro antes da Olim- des multinacionais. A partir da píada de 2016. década de 1980, muitos desHá tempo sede de petrolei- prezaram a cidade à medida ras e mineradoras, o Rio atraiu que o crime disparava, a inatenção recenfraestrutura temente por u r b a n a d eseu cenário caía e o governascente de no se tornava startups ligacaótico. A Cisdas à internet, co anunciou oferecendo a planos para bilhão de reais deve empreendedoum centro de ser o investimento res acesso a pesquisa no sol, areia e caRio neste ano, da taiuanesa Foxconn pital inicial juntando-se a para a construção sem os engarinstalações rafamentos, a similares de de um complexo poluição e ouGeneral Elecindustrial em t r o s i n c ô m otric, HalliburSão Paulo. dos de São ton, Baker Paulo. Hughes e SchO i n v e s t ilumberger. mento da Microsoft também Autoridades disseram que reforça a crescente atração não concederam à Microsoft exercida pelo Rio sobre gran- isenções fiscais para assegu-

1,0

rar o investimento, mas a presidente Dilma Rousseff priorizou a geração de mais empregos no setor tecnológico brasileiro como uma maneira de incentivar a inovação e a produtividade. Após longas negociações sobre desonerações e outros benefícios, a taiuanesa Foxconn anunciou no mês passado que investirá R$ 1 bilhão para construir um novo complexo industrial em São Paulo. A Foxconn é o nome comercial da Hon Hai, principal montadora de aparelhos da Apple. O Brasil obriga operadoras de telefonia móvel a construir novas redes com a presença de pelo menos 60% de componentes nacionais, levando fabricantes de equipamentos a estabelecer fábricas locais. (Reuters)

enovo caminha para se tornar a líder mundial na fabricação de computadores pessoais, mas, com os PCs perdendo espaço entre os consumidores, a companhia chinesa depositou suas esperanças de crescimento no segmento de smartphones e tablets, dominado por Apple e Samsung Eletronics. A empresa divulgou um aumento de 12,6% no lucro líquido trimestral, chegando a US$ 162 milhões, o menor crescimento em cerca de dois anos, apesar de superar a previsão de analistas de US$ 156,3 milhões. No período de seis meses encerrado em setembro, a receita de PCs da Lenovo foi responsável por quase 90% da receita total, de US$ 16,7 bilhões, e cresceu 14%. A receita da divisão de internet móvel e itens digitais mais que dobrou, para US$ 1,3 bilhão no período. (Reuters)

Flip Assessoria Contábil Ltda - EPP

Tel/Fax: (11) 3106-3777 3106-3999

Cel. (11) 99868-4544 - VIVO / 7739-1247 - Nextel ID 11*28868 Rua Álvares Penteado, 185 - 5º Andar - Conjs. 508 a 510 - Centro - São Paulo

w w w. f l i p c o n t a b i l . c o m . b r

Não pague juros abusivos! Redução do valor da parcela.

Antonio 7593-5575 (VIVO) 8387-9704 (TIM) 9440-2411 (CLARO)

Revisional de Financiamento de Veículo

Ligue agora! Fone: 11 2685 1559

www.ellosassessoria.com.br

modas Onde você encontra tudo o que procura!

Tel.: 11

2514-5650

• Confecções e Aluguel de Roupas para Festas • Noiva, Daminha etc.

Rua José Vieira Guimarães, 145


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

e

21 Para este ano, o Banco do Brasil espera que a carteira total de empréstimos e financiamentos avance entre 17% e 21% em relação ao ano passado.

conomia

Lucro do Banco do Brasil recua 5,7% Receitas menores com as operações de crédito no terceiro trimestre determinaram piora do resultado, assim como ocorreu com os bancos privados no período.

A

ssim como seus principais concorrentes do setor privado, o Banco do Brasil (BB) sofreu no terceiro trimestre os efeitos da mudança de cenário no sistema financeiro nacional: o lucro líquido caiu 5,7% na comparação com igual período de 2011. A razão principal é justamente a receita menor com as operações de empréstimos e financiamentos. Os ganhos no período atingiram R$ 2,7 bilhões, ante R$ 2,9 bilhões em igual período do ano passado. "Grande parte da queda do lucro é reflexo da redução da taxa básica de juros (Selic)", reconheceu o vice-presidente de Finanças do BB, Ivan Monteiro. Os investidores não gostaram dos números e as ações do banco caíram 4,28% no pregão de ontem da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). O principal termômetro do mercado acionário, o Ibovespa, recuou 1,7%. Para o analista de instituições financeiras da Austin Rating Luís Miguel Santacreu, os principais pontos negativos do balanço do BB foram as quedas do lucro líquido e da rentabilidade (que ficou em 18,5% no terceiro trimestre), apesar da forte expansão do crédito no ano. Diferentemente dos bancos privados, o BB acelerou a concessão de empréstimos este ano, como parte do esforço do governo para reativar a economia. Entre janeiro e setembro, o BB expandiu o crédito em 19,4%, em comparação a 7,3% do Itaú Unibanco, 9,2% do Bradesco e 10,1% do San-

Arte de Max sobre foto de Newton Santos/Hype

tander "Por isso, era de se esperar que o juro mais baixo tivesse um efeito menor nos números do BB", afirmou Santacreu. "Para manter os níveis anteriores de lucro e rentabilidade, só existem dois caminhos para o BB: elevar as taxas de juros cobradas dos clientes ou aumentar ainda mais o ritmo de alta do crédito, o que traz riscos." Estratégia – O BB indicou que continuará agressivo nos empréstimos ao longo do próximo ano e também disse que

2,7 bilhões foi o lucro líquido apurado pelo Banco do Brasil no segundo trimestre deste ano, de acordo com balanço divulgado ontem. espera um acirramento da concorrência com os bancos privados. "As projeções para 2013 ainda não foram concluídas, mas a concorrência, que foi menor este ano, deve se acirrar nos próximos meses. O apetite das instituições privadas deve aumentar à medida que a economia retome seu crescimento", avaliou o vicepresidente de negócios de varejo do BB, Alexandre Abreu. De acordo com ele, o crescimento do crédito em 2013 não deve ser "muito diferente" do

visto este ano, em meio a um possível "aumento forte" da concorrência. Neste ano, o BB espera que a carteira total de empréstimos avance entre 17% e 21%. Outro fator que contribuiu para a queda do lucro do BB no período de julho a setembro foi a alta nas provisões para devedores duvidosos (PDD). Na contramão, aliás, dos bancos privados, que no terceiro trimestre deram os primeiros sinais de trégua de diminuição dessas reservas. No BB, essas provisões totalizaram R$ 3,764 bilhões, 2,4% mais que no trimestre anterior. Inadimplência – Outro fator que ainda pesou nos resultados do BB foram as perdas do banco Votorantim, ocasionadas, principalmente, por conta da carteira de crédito para a compra de veículos. Considerando a inadimplência do Votorantim, o número de calotes do BB ficou em 2,17% no terceiro trimestre, com pequena elevação ante o indicador de 2,15% visto no segundo trimestre, sempre considerando os atrasos acima de 90 dias. No entanto, a taxa é a metade da inadimplência vista nos grandes bancos privados. Santander e Itaú Unibanco têm o maior indicador, de 5,1%, e Bradesco o menor, de 4,1%. A expectativa de Rogério Calderón, diretor Corporativo de Controladoria do Itaú Unibanco, e de outros executivos de bancos privados é de que a inadimplência de atraso superior a 90 dias continue caindo nos próximos trimestres. (Estadão Conteúdo)

BC vê cenário mais favorável Diretor espera economia com inflação menor e mais crescimento

O

Banco Central vê um cenário macroeconômico mais favorável nos próximos meses, caracterizado por menos inflação e mais crescimento. No aspecto fiscal, o BC indica permanência da disciplina no setor público, apesar de contar com o cumprimento da meta de superávit de R$ 139,8 bilhões. O diretor de Política Econômica do BC, Carlos Hamilton Araújo, buscou minimizar a flexibilização fiscal dizendo que o cenário de trabalho da autoridade monetária é de cumprimento da meta cheia de R$ 155,9 bilhões no ano que vem, com continuidade da queda da relação entre a dívida líquida e o Produto Interno Bruto (PIB). "Trabalhamos com cenário de permanência da disciplina fiscal no setor público", afirmou, em Recife. "A meta será cumprida com ajuste em 2012 e sem ajuste em 2013", acrescentou. Esta semana, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, reconheceu que o governo não cumprirá a meta cheia de superávit primário e que será necessário descontar investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Ele disse, porém, que

Ed Ferreira/EC - 9/11/2011

Araújo: atividade voltou a crescer, com ritmos regionais distintos. espera fazer o mínimo possível de abatimento. Para o ano que vem, o diretor do BC afirmou que a retomada do crescimento econômico contribuirá com os esforços do governo para fazer a economia para pagar os juros da dívida sem necessidade de ajustar a meta, "Acreditamos que a recuperação da atividade vai ser elemento importante para a construção do superávit primário", disse. Inflação – Após sucessivas altas da inflação, Hamilton projetou um cenário mais favorável para a variação de preços no País, a partir da análise do comportamento do atacado. "Se imaginarmos os preços no atacado como antecedentes do que vai acontecer

com os preços ao consumidor mais adiante, é razoável imaginar que os preços ao consumidor estarão respondendo a mudanças ocorridas e registradas nos preços ao atacado", disse. Ele se referia ao recuo de 0,31% no Índice Geral de Preços-Disponibilidade Interna (IGP-DI) em outubro, na primeira deflação nesse indicador desde dezembro de 2011. Em setembro, houve alta de 0,88%. Para o BC, a atividade econômica retomou o crescimento no terceiro trimestre, mas com ritmos distintos entre as regiões. "Há melhora na perspectiva da economia. Nossa visão é que no segundo semestre deste ano e em 2013 haverá um crescimento bem mais intenso", afirmou. (Reuters)

Preços no e-commerce recuaram

O

s preços de produtos do comércio eletrônico caíram 0,64% em média em outubro ante setembro, de acordo com o índice da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas e do site Buscapé (Fipe/Buscapé). Nos últimos 21 meses, os preços no e-commerce apresentaram tendência deflacionária, com altas só em agosto de 2011 (0,59%) e em janeiro

deste ano, com 0,90%. Das 151 categorias de produtos pesquisadas em 10 grupos, 73 tiveram queda média de preço de 1,47% e 78 tiveram aumento médio de 0,79% em outubro. Com relação aos grupos, oito dos dez registraram queda nos preços, com destaque para Fotografia (-2,39%), Eletrônicos (1,62%), Telefonia (-1,58%) e Brinquedos e Games (-0,87).

Na comparação com o mesmo mês de 2011, o índice recuou 8,92%, com nove dos dez grupos apresentando variação negativa. Na mesma análise, 113 das 151 categorias de produtos tiveram queda média de 9,92% dos preços e 38 tiveram variação positiva de 2,09%. Os destaques ficaram por conta do grupo de Eletrônicos (-18,59%) e Fotografia, com 13,07%. (EC)

Compulsório cai em dois meses

A

s mudanças anunciadas pelo Banco Central (BC) nas regras dos depósitos compulsórios em setembro já levaram a uma redução de R$ 29,454 bilhões nesse estoque de recursos, o valor está próximo da estimativa feita na época pela autoridade monetária, que previa impacto de R$ 30 bilhões. Dados do BC mostram que o saldo passou de R$ 382,024 bilhões no final de agosto para R$ 352,570 bilhões no final de outubro, uma queda de 8%. As mudanças

atingiram o compulsório a prazo, que recuou de R$ 86,323 bilhões para R$ 69,277 bilhões no período, e o recolhimento da exigibilidade adicional, que caiu de R$ 132,445 bilhões para R$ 120,569 bilhões. Elas foram anunciadas em 14 de setembro, mesmo dia em que o BC liquidou os bancos Cruzeiro do Sul e Prosper. Considerado um dos principais seguros do País contra crises de falta de liquidez, o compulsório terminou 2011 no maior nível da história, R$ 448,542

bilhões. Desde então, esse saldo já recuou R$ 95,972 bilhões, ou 21%. Ontem, o BC anunciou ajustes na norma divulgada em setembro para ampliar o número de bancos (cujas carteiras de crédito, quando vendidas, geram abatimento no recolhimento do compulsório a prazo para o banco comprador). A mudança entra em vigor imediatamente e produz efeitos para o cálculo do recolhimento de 5 a 9 de novembro. (Estadão Conteúdo)


DIà RIO DO COMÉRCIO

22 -.ECONOMIA/LEGAIS

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

e Pressão sobre os Estados endividados É o momento em que os espíritos começam a ficar desarmados. Marco Antonio Carvalho Teixeira, professor da FGV

conomia

Governo Dilma deve condicionar a aprovação da alíquota única de ICMS à renegociação das dívidas dos Estados e barganhar com a troca do índice de correção

O

governo federal deverå condicionar a proposta de unificação da alíquota do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), em 4%, para as operaçþes interestaduais à renegociação das dívidas dos Estados, segundo analistas políticos. Um sinal de que o governo poderå atrelar a proposta para por fim à guerra fiscal do ICMS à renegociação foi dado na última quarta-feira, com o anúncio da troca do índice atual de correção das dívidas estaduais – formado pelo IGP-DI mais uma taxa de 6% a 9% por ano, ou seja, cerca de 13% pela taxa båsica de juros, a Selic, em 7,25% ao ano. Para o cientista político Carlos Melo, do Insper, ao colocar em pauta a reforma do ICMS o governo Dilma Rousseff sinaliza que deverå utilizå-la como uma moeda de troca na renegociação das dívidas de Estados e atÊ dos municípios. "Essa renegociação Ê inevitåvel, porque muitas dívidas foram contraídas durante o governo Fernando Henrique Cardoso

( P S D B ) , quando a taxa båsica de juros superou os 40% ao ano", disse Melo. Em março de 1999, o Comitê de Política Monetåria (Copom) aumentou a Selic de 25% para o recorde de 45% ao ano – em função do cenårio externo. "A pressão para a renegociação dessa dívida antiga serå inevitåvel, jå que a Selic agora estå em 7,25%, e o governo terå de ceder. Mas não serå de graça. Por isso, a questão do ICMS serå colocada pelo governo na negociação", disse Melo. "Portanto, esse Ê o momento certo para a discussão dessa questão, que Ê a mais sensível na reforma tributåria", completou. O jogo – O tambÊm cientista político e professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Marco Antonio Carvalho Teixeira

Citação, Prazo 20 dias, Proc. n° 0033993-82.2010.8.26.0002. O Dr. Carlos Eduardo Prataviera, Juiz de Direito da 3ª Vara Civel Regional de Santo Amaro da Capital. Faz Saber a JosÊ Antonio Campos Paiva, CPF 058.971.578-04 que Portoseg S/A CrÊdito, Financiamento e Investimento, lhe ajuizou Ação de Rito Ordinårio, objetivando a cobrança de R$ 15.258,53 (junho/2010), referente ao Contrato de Emissão e Utilização de Cartão de CrÊdito, pela Porto Seguro Visa de emissão da autora. Estando a rÊ em lugar ignorado, foi deferida a citação por edital, para que no prazo de 15 dias a fluir após o prazo supra, contestem a ação, sob pena de presumirem aceitos os fatos alegados pela autora. Serå o edital afixado e publicado na forma da lei.

lembrou que o objetivo central da proposta de unificação da alíquota do ICMS Ê por fim à guerra fiscal. "A guerra fiscal Ê depredatória. Isso (unificação) tornarå o sistema tributårio brasileiro cooperativo, como deveria ser", disse. Teixeira concorda, entretanto, que a proposta faz parte do jogo da renegociação de dívidas dos Estados. "É moeda de troca para um acordo vantajoso da dívida, um estímulo; uma mão då e outra tira", disse. Segundo ele, o momento político atual, após as eleiçþes municipais e a dois anos das

estaduais e da federal, Ê o ideal para a discussão dos tributos. "É o momento em que os espíritos começam a ficar desarmados." Apesar do clima eleitoral arrefecido, a presidente Dilma Rousseff poderå angariar dividendos políticos em 2014, caso a proposta de unificar o ICMS tenha sucesso atÊ lå, na avaliação do cientista político e professor da Universidade Federal do ABC (UFABC) SÊrgio Praça. "AlÊm de agradar alguns governadores, com a ampliação do bloco de apoio, se a propos-

      H  H  >Â&#x2020; % H K Â&#x2020;   Â&#x152;]Â&#x2030;       &%*      @! "   <  #     * # &+  &<  ]   W > #  

H HK  y+   W > # ?@HK Q &Â&#x2020;Â&#x17D;{{ ={k{#Â&#x17D;{kÂ&#x2039;{ Â&#x17D;&Â&#x152;{\Â&#x17D;Â&#x2039; =Â&#x152;&Â&#x17D;\{Â&#x17D;Â&#x152; ^Â&#x2020;& Â&#x17D;Â&#x2039;\ \={Â&#x152;Â&#x2039; {Â&#x17D;k&Â&#x2039;{Â&#x17D;k W Â&#x201A;  % %    Â&#x2020; Â&#x20AC;  < Â&#x20AC;   Â&#x2030;  *]%  Â&#x152;Â? ? @ >% K *  *  [   < Â&#x201E; H @@  <  Â&#x152;Â?  ?H %   *] 

   %  *+ %   < [ %    *  [    < %Â&#x2030;  W*  *   

Â&#x2030; y+   W {  Â&#x2030; % ] ]  [ [    *

 *  Q % H   [ *Â&#x2021;   *  %  [ + *  * % % % <    [ ] & Â&#x20AC;  *   [;  *+  [ %   Â&#x160;

Â&#x153; 8CTC %sXGN FQ (QTWO 4GIKQPCN ++  5CPVQ#OCTQ 52 {      FKCU  Â&#x201E;   ? H >H?K  "< kÂ&#x2021;+ ]       ! "  <#Â&#x2021; %Â&#x152;]&% & [ %#Â&#x2018;&={Â&#x152;.WK\%CTNQU#NXGU6QNGFQ ##Â&#x201E;H ? 

 @ Q /CTV $GN %QOGTEKCN .VFC '22 W Â&#x201A; /QPKVxTKC +Â&#x201A;< +   Q  Â&#x152;Â?  @  > +    K Q  Â&#x20AC;   %'] Â&#x2030;   [<*]% * *WQÂ&#x201E; ? H @ ?     @ @Â&#x2014; H  @Â&#x2014; H ? @Â&#x2014;    @  H @ <  Â&#x152;Â?     ; {Â % #  << *       {  Q  % ] ]  [ [    *  *  Q %  FKCU  [

*Â&#x2021;   FKCU *  *]  Â&#x2030;+     W Â&#x20AC;   [  %+ ] + *     *      ;< Â&#x201A; >   K * % % <    [ ] & Â&#x20AC;  *   * ;  [;  *+  [ %   &  @  

%KVCnlQ  2TC\Q  FKCU  2TQE   PÂ? FG 1TFGO  # &TC ,CEKTC ,CEKPVQ FC 5KNXC ,Ws\C FG &KTGKVQ FC Â&#x153; 8CTC %sXGN (C\ 5CDGT C 2QPVWCN %QOoTEKQ FG +PUWOQU #ITsEQNCU .VFC PC RGUUQC FG UGW TGRTGUGPVCPVG NGICN G C 8CNVGT %TGOQPG\K SWG /QPUCPVQ FQ $TCUKN .VFC CLWK\QW WOC #nlQ /QPKVxTKC QDLGVKXCPFQ Q TGEGDKOGPVQ FG 4  CDTKN   CETGUEKFQU FG LWTQU G EQTTGnlQ OQPGVhTKC TGHGTGPVG CQ FoDKVQ TGRTGUGPVCFQ RGNCU FWRNKECVCU PÂ?U   G  PQU XCNQTGU FG 4  4  G 4  TGURGEVKXCOGPVG 'UVCPFQ QU TGSFQU GO NWICT KIPQTCFQ HQK FGHGTKFC C EKVCnlQ RQT GFKVCN RCTC SWG GO  FKCU C HNWKT CRxU QU  FKCU UWRTC RCIWGO Q XCNQT UWRTC FGXKFCOGPVG EQTTKIKFQ SWG QU VQTPCTlQ KUGPVQU FCU EWUVCU G JQPQThTKQU CFXQECVsEKQU QW GODCTIWGO UQD RGPC FG EQPXGTUlQ FQ OCPFCFQ FG EKVCnlQ GO GZGEWnlQ 5GTh Q RTGUGPVG GFKVCN CHKZCFQ G RWDNKECFQ PC HQTOC FC NGK $  G 

1ÂŞ VARA CĂ?VEL DO FORO REGIONAL VI - PENHA DE FRANĂ&#x2021;A EDITAL DE INTIMAĂ&#x2021;Ă&#x192;O - PRAZO DE 20 DIAS. PROCESSO NÂş 0003724-58.2004.8.26.0006. O(A) Doutor(a) Anderson Antonucci, MM. Juiz(a) de Direito da 1ÂŞ Vara CĂ­vel, do Foro Regional VI - Penha de França, da Comarca de SĂ&#x192;O PAULO, do Estado de SĂŁo Paulo, na forma da Lei, etc. FAZ SABER a LUCY BITTAR FIGUEIREDO, CPF/MF 100.692.18854 e MARCO AURĂ&#x2030;LIO GUEDES FIGUEIREDO, CPF/MF 033.988.528- 90, (coproprietĂĄrios dos imĂłveis) que, pelo presente edital, expedido nos autos da ação de Despejo por Falta de Pagamento requerida por CENTERLESTE EMPREENDIMENTOS COMERCIAIS LTDA contra CONFATEX COMERCIAL LTDA e outros, ficam intimados da penhora procedida sobre a parte ideal cabente aos coexecutados Gilberto Costa Alves e CecĂ­lia Isabel Guedes Figueiredo Alves, dos seguintes imĂłveis: 1) (1/6) apartamento nÂş 1419, localizado no pavimento superior do EdifĂ­cio Luiz GĂłes, sito Ă  Rua Luiz GĂłes, na SaĂşde, 21Âş subdistrito, matriculado sob nÂş 61.124, no 14Âş Oficial de Registro de ImĂłveis desta Capital/SP; 2) (1/6) imĂłvel consistente em um prĂŠdio e respectivo terreno Ă  Rua das Glicinias nÂş 80, SaĂşde, 21Âş subdistrito, matriculado sob nÂş 98.233, no 14Âş Oficial de Registro de ImĂłveis desta Capital/SP. Encontrando-se os coproprietĂĄrios supramencionados em lugar incerto e nĂŁo sabido, foi determinada a intimação da penhora por EDITAL. SerĂĄ o presente edital, por extrato, afixado e publicado na forma da lei, sendo este FĂłrum localizado na Rua JoĂŁo Ribeiro, 433, 5Âş andar - Sala 501, Penha de França - CEP 03634-010, Fone: 1120936612r6004, SĂŁo Paulo-SP.

             !

 "# $%$$ &%'*'+'$' 7<==>*? 7? @7? BHK@N Q@ WN QQ' XW7?  @  Y Z@  [@ \]H!  ^@ @H _`H  N@!  

       H  j@N   !' ^ k  ^@!!  W Q@ [  W Q@ @ @@HH Q@ @! @@HH W@ H   wH Z@@  XH @ @ w@y k@@ H@ k@@ j!    X [ # {&%    ! @|  !@ !K! ` @ ]N !N ` !}~[ H > !@ y            ~W7@N?        @ ]~  N`H H!HW   k@@ ^[HH & [   Z@ # & k@@   Z@ !@] # {$'<+'< +  H   H[  N  !_j!  @W H[H'  N @N    @ H @ !  @N! @ y  @W  <& 7yW?   jH@   !@  @W  H 7 ? !N  j' @Â&#x20AC;  @ H @ @ j  ]H!  j@N  H'

{  Â&#x201E;  Â&#x201E; \  =% Â&#x17D;%Â&#x2021;<  *  %  ; k \Â&#x17E;Â&#x17D; `Â&#x152;Â&#x2039;{ > # Â&#x201E; ?@ @KÂ&#x2014;  %   ;        {;  Â&#x2039; {; Â&#x201A;     @ HHH  > @K Q  * {Â&#x17D;Â&#x152; Â&#x2020;&Â&#x161; { Â&#x152;"\^Â&#x2020; > # Â&#x201E; ?? H@K Â&#x2020;   Â&#x2030; ] Â&#x152;%      ! "   <  #        %   %*&   [ %    #Â&#x2018; &={Â&#x152; Q % [    ] ?     ]% * < &  H ?  Â&#x2039;&   <Â&#x2030;  Â&#x2018;`w{Â&#x152;k \{Â&#x17D;\Â?{& >Â&#x2019;Â&#x2019;Â&#x2019; Â&#x201C; %%+ K *   '  < Â&#x20AC;  *Â&#x201D;+ * ]  <  

% % !  %    * %   +Q   *+    |H W   Â&#x2030; %     <%+      |H W   ]  Q% %  < ]  *    < [  Â&#x201A;Â&#x20AC; ] *   ! *  %    

  k<%+     | W   %  %      %+     |H W    WÂ&#x201A;   !  % Q  +%  Â&#x20AC;  ]  Q% %       [   H Â&#x2C6;  <  < >  ?         < &   H ?K  +% %Â&#x2021;< +;   [ % '  <   *   ={| \  

 + Â&#x201E;   Q  Â&#x2018;   % % " & Â&#x17D; +     =  y   %  %   %  [  *   Â&#x152; \ " &+ W ; Â&#x152;  ] %  [  [   [  %+   % H % %  Â&#x20AC;      %  [  %        Â&#x2020;+Â&#x201A;  %  @H  Â&#x201E; Â&#x152;Â&#x17D;  %*  + Â&#x201E; @ @  "\Â&#x17D;Â&#x2DC;Â?Â&#x2020;| Â&#x152;Â?

H  >]  K  Q  Â&#x20AC;      [<      k`&|   [  %  [ % " >H  K  "H>  K W  {;Q Â&#x2020;kÂ&#x17D;Â&#x2DC;Â&#x203A;{& { "{k| * <   Â&#x2019;Â&#x2019;Â&#x2019; Â&#x201C; %%+  \{Â&#x17D;\Â&#x2020;{Â&#x17D;Â&#x152;Â&#x2020;| Â&#x2020;   Â&#x20AC;   *   #+ Â&#x2018;Â&#x201C; % `{& Â&#x201E; @?    `{& Â&#x201E; @  W =+  &< `{& Â&#x201E; @?H %*W * ]      Â&#x2018;Â&#x201C; % `{& Â&#x201E;   y{kÂ&#x2039;Â&#x2020;  Â&#x152;{Â&#x17D;=Â&#x2020; { Â&#x152;Â&#x152;{Â&#x2039;Â&#x2DC;Â?Â&#x2020;  Â&#x2020; *   + 

% <   *  <Â&#x2030;  ]  *Â&#x2021; Â&#x201A;  =  =  & >+ %  ]Â&#x192;K   <Â&#x2030;   Â&#x2019;Â&#x2019;Â&#x2019;++%+  *     W       +% % < Â&#x20AC;  *  %  \   <Â&#x2030;  *]% % W    +Â&#x20AC;  Â&#x2020;  Â&#x2039;{ Â? Â&#x2039; [ Â&#x192; { Â  * <  *    Â&#x2030;  >%K  Â&#x201D;    

%      \  Â&#x2020;[|   Â&#x2018;Â&#x201C; % Â?  # @ HH = Â&#x17D;Â&#x201D; ]Â&#x192; @H  @ {% Â&#x2030; H W  *Â&#x2021;  

%  \  

% + Â&#x20AC; % % %  ' *  *Â&#x2021; Â? %% *   +%  %   [  *Â&#x2021; 

  *   % Q 

% W    *Â&#x2021;  [ %  Â&#x20AC; %W     %* *   *  % ] + <  % <  ]  Â&#x20AC;  HÂ&#x2C6; +   <  

%     <    

%  Â&#x20AC; [ % *]% %  *  * 

% [ % '  *]% %   <%  Â&#x20AC;  % *]%  *    H  %    Â&#x2C6;  <  

% >  ?   K Â&#x152;{Â&#x17D;Â&#x2DC;Â?Â&#x2020;  {Â&#x153;{`Â&#x2DC;Â?Â&#x2020;| & >K>K ;>K>K *Â&#x2021;  *+   % * ] [ *]   <   Â&#x201A;>K  >K >K +%>K  [ %   ] H  Â&#x2021;]   < < Â&#x20AC; *  Â&#x2030;    W  ] *     ] %* +Â&#x2021;   [  *]% %*W  * [  % ;*  Q Â&#x2122; %  ;  < *   [    *  ]  k  < Â&#x20AC; >K ;>K *]  %* Â&#x2022;     < % Â&#x201A;   W Â&#x20AC;  <    % <  \  Â&#x2020;[  HÂ&#x2C6; > * K +   <

*] > < ;QÂ?K Â&#x2020;Â&#x152;Â&#x2020;| & [ %      *  < Â&#x20AC; >K ;>K   %  *  <] % *   

*  HÂ&#x2C6; > * K +   <   Â&#x17E;"Â&#x17D;& { {&\Â&#x152;{Â&#x17D;{kÂ&#x2039;Â&#x2020;&| % *   Â&#x2020;[  < 

 Â&#x2122;     Â&#x2021;     [    < ]Â&#x2030; Â&#x201E; ?? Â&#x201E;   ^]Â&#x2021;* * Â? &    * [ >K  ?  %| Â&#x; Â&#x201C; %%+  *  [  ; +% %  Â Â&#x201A;]   [  Â&#x17D;kÂ&#x2039;Â&#x17D;Â&#x2020;  ]' *   *   <]    [ %   *   % * k    W<     *  Â&#x201A;]% ÂĄ{< Â  +   +% 

 Â&#x20AC; *   

%ÂĄ Â&#x161; <  &W  *Â&#x20AC;    %+  Â&#x2122; <  + +  ]  + *  [   ]   "     <  Â&#x20AC; [ %  Â&#x20AC; }  *Â&#x2026;      < % Q    & Â&#x20AC; *   * ;  [; *+  [ %   Â&#x160;

ta diminuir a guerra fiscal e gerar mais recursos para investir serĂĄ um grande trunfo para Dilma em 2014", disse. Ainda na avaliação da Praça, a presidente "par e c e t e r e ntendido mais do que seus antecessores que serĂĄ impossĂ­vel fazer reforma tributĂĄria abrangente", e que a saĂ­da, adotada por ela, ĂŠ o parcelamento do programa. "Ă&#x2030; a mesma lĂłgica da reforma polĂ­tica, o que facilita a criação de um consenso sem para passar congresso", concluiu. Proposta â&#x20AC;&#x201C; O governo propĂ´s que as alĂ­quotas interestaduais (cobradas nas operaçþes em que a mercadoria ĂŠ fabricada em um Estado e consumida em outro) caiam dos nĂ­veis atuais, que sĂŁo 12% e 7%, para 4%. A queda seria gradual, em oito anos.

A pressão serå inevitåvel, jå que a Selic agora estå em 7,25%, e o governo terå de ceder. Mas não serå de graça. CARLOS MELO, CIENTISTA POL�TICO

Reconhecendo que algumas unidades da Federação perderão receitas com essa mudança, propôs a criação de um fundo de compensação com valor estimado entre R$ 7 bilhþes e R$ 8 bilhþes. Outro fundo a ser criado, de desenvolvimento regional, viabilizaria investimentos de infraestrutura para atrair aportes. O fundo começarå com R$ 4 bilhþes, mas chegarå a R$ 12 bilhþes anuais a partir do quinto ano. Parte do dinheiro Ê do Orçamento. Somados, os recursos chegarão a R$ 172 bilhþes. (Estadão Conteúdo)

      H   H >Â&#x2020; % ?@ K      W  Â&#x2039; ]  Â&#x2039;;         H! "   <  * # &+  W \ ]   >`{& Â&#x201E; H@  K  '  Â&#x152;* \ >Q[ ] K  *   *  ] Q {&Â&#x2020;k Â&#x152;Â&#x2020;={Â&#x152;Â&#x2039;Â&#x2020; { Â&#x2020;`Â&#x152; W Â&#x201A;  % %   ] % ]% +Â&#x201A;<  *]%  WQ Â&#x201E;  H  <  Â&#x152;Â?       Q  W \ +% %  WQ Â&#x201E;  H   <  Â&#x152;Â?      Q  '  Â&#x152;* \    Â&#x201E; Â&#x201A;  Â&#x20AC; ;   + ]'  *    {  Q  % ] ]  [ [    *  *  Q  *    H   [

*Â&#x2021;   *  <%  <   * % Â&#x201A;  Q 

*  Â&#x152;Â? ? [  

>K WQ *      + *  * % % % <    [ ] *   & Â&#x20AC;  *   [;  *+  [ %   Â&#x160;

                         ! "   #%   &'  * # &+  ;   &< = > #  ?@H?K Q W [ * * %   <  \] * *   ^_`k w_`ky \{{ ] %  | }~  *    *

]%  %W *   +           %  [W  Q     *   [ WÂ&#x20AC; %  >K  Q  Â Â&#x201A;] <  > K [ ;*     %  %   % %  <   Â&#x192; [%  [ % * < %W *    Q     <         %       \ Â&#x201E; HH@@Â&#x2026; Â&#x2020;+Â&#x201A;<    Â&#x201A;  *   Â&#x201A;] % *      Â&#x201A;  <     *Â&#x2021;  [ % ] Â&#x201A; ;* %  < +  [ %  * W   %  \ +% % Â&#x201A;% <   +  Â Â&#x201A;] % H Â&#x2C6; >Q * K *   %    %  ]%  %W <   + +  Q []   % %  Â&#x20AC;  < +'    Â&#x2030;  *]%   *  W Â&#x20AC;  <    % %' ] {  Â&#x2030; % ] ]  [ [     *  *  Q % H   [ *Â&#x2021;   *    [ + *  * % % % <    [ ] *   & Â&#x20AC;  *   [;  *+  [ %   Â&#x160;

1ÂŞ Vara CĂ­vel da Comarca de JacareĂ­/SP. EDITAL DE INTIMAĂ&#x2021;Ă&#x192;O da penhora realizada nos presentes autos de EXECUĂ&#x2021;Ă&#x192;O requerida por BANCO DO BRASIL contra NUTRION INDĂ&#x161;STRIA E COMĂ&#x2030;RCIO DE JACAREĂ? LTDA, LUIZ ANTONIO DE SOUZA e MARINA DUARTE FERREIRA proc. 445/2007 prazo de 30 dias. O Exmo Sr. Dr. PAULO ALEXANDRE AYRES DE CAMARGO,MM.Juiz de Direito da 1ÂŞVara CĂ­vel da Comarca de JacareĂ­/SP,na forma da lei, etc. FAZ SABER a todos quantos o presente edital virem ou dele conhecimento tiverem,e em especial Marina Duarte Ferreira, RG 15.717.169 e CPF 041.197.52852, lhe foi proposta ação de EXECUĂ&#x2021;Ă&#x192;O ajuizada por BANCO DO BRASIL S/A, lastreada em CĂŠdula de CrĂŠdito Industrial nÂş 20/01067-2 para que pague no prazo de trĂŞs dias o valor de R$ 48.581,09 calculado atĂŠ abril/2007, sob pena de penhora, e oferte embargos do devedor no prazo de 15 dias a contar a citação , ficando tambĂŠm intimada acerca da penhora que recaiu sobre o imĂłvel descrito: um lote de terreno sob nÂş 15 da quadra 7 no Jd. Pitoresco, Bairro ColĂ´nia, com ĂĄrea de 300m², cadastrado na prefeitura municipal sob nÂşT-44.003.005/0,matrĂ­cula 15.965,ficha 1,Livro 2,registrado em 14/05/1982,no CartĂłrio de Registro de ImĂłveis de JacareĂ­.E para que chegue ao conhecimento de todos e ninguĂŠm no futuro, possa alegar ignorância, expediu-se o presente edital, com prazo de 30 dias, o qual serĂĄ fixado no local de costume e publicado na forma da lei, atravĂŠs do qual fica o executado Marina Duarte Ferreira, INTIMADO, para, caso queira venha apresentar impugnação no prazo legal de 15 (quinze) dias. Na forma e sob as penas da lei. Dado e passado nesta cidade. JacareĂ­/SP, aos 15 de outubro de 2012. {  !  !   {Â&#x2039;{ Â&#x17D;{\  =% Â&#x17D;%Â&#x2021;<  *  %  ; \{Â&#x2020;k{ {Â&#x152;{Â&#x17D;Â&#x152; Â&#x17D;k^Â&#x2020; > #  H?? K +% %  *  * * Â&#x20AC;  k Â&#x152;Â&#x17D;  {Â&#x152;{Â&#x17D; {Â&#x152;{Â&#x17D;Â&#x152; Â&#x17D;k^Â&#x2020; > #  H?? K  %   ;       Â&#x2021;  % [  {;  ? ?? ???  > ??? ??K Q  * ¢k{Â&#x152;\{_ Â&#x2039;Â&#x2020;ykÂ&#x2020;Â&#x2018;Â&#x2018;Â&#x17D; `kÂ&#x17D;Â&#x2020;Â&#x152; > #  ?@@ K Â&#x2020;    &< ]      ! "   <  #Â&#x2021; % Â&#x152;]  & %  &   [ %    #Â&#x2018; &={Â&#x152; Q % [    ] ?     ]% * < &  H ?  Â&#x2039;&   <Â&#x2030;  Â&#x2018;`w{Â&#x152;k \{Â&#x17D;\Â?{& >Â&#x2019;Â&#x2019;Â&#x2019; Â&#x201C; %%+ K *   '  < Â&#x20AC;  *Â&#x201D;+ * ]  <  

%  !  %     @   %+     ?| W   %  %      %+     ?| W   ]  Q% %  <

]  *    < [  Â&#x201A;Â&#x20AC; ] *   !  %        %+     ?|  W   %  %   @       ?|    WÂ&#x201A;   !  % Q  +    ]  Q% %       [    Â&#x2C6;  <  < >  ?         < &   H ?K  %Â&#x2021;< +;   [ % '  <   *   Â&#x17D;ÂŁ"{\| {Â&#x2039;{ Â&#x17D;{\ >H Â&#x2C6;K  % * Â&#x2030;   Â&#x152; #  Â&#x2039;   Â&#x201E;  ] Â&#x152; =   Â&#x2039;Â&#x192;   

 *       %   *   =

      ?Â&#x201E; &+  Â? & %  %  Q%  %Â&#x2021;< W *     %  [ Â&#x2014;     %  %  [  %  Â&#x201E; ?  * *    Â&#x17D; *   {%* % Â&#x17D;%+Â&#x20AC;  \ *  Q  % H %  [  %  Â&#x201E;   * *    Â&#x17D; *   {%* % Â&#x17D;%+Â&#x20AC;  \ * [ %  %  [  % % [;  % % Â&#x20AC;    @ @ %¤   Â&#x201E; 

?H  Â&#x201E; Â&#x152;Â&#x17D;  *&   + Â&#x201E; ?   H ={k#{Â&#x17D;Â&#x2039;Â&#x2020;Â&#x152;Â&#x17D;&| Â&#x152;Â&#x192;  * +  Â? Q ] %  <@ >  @??HK * Â&#x20AC;      @H %¤ < | ?   >  K "\Â&#x17D;Â&#x2DC;Â?Â&#x2020;  {Â&#x2039;{ Â&#x17D;{\ >H Â&#x2C6;K| Â&#x152;Â? ?H  >%  K Q  Â&#x20AC;      [<   k`&|   [  %  [ % Â&#x152;? >  ?K  {k^Â&#x2020;Â&#x152; {Â&#x153;{~`{k Â&#x2020;kÂ&#x17D;Â&#x2DC;Â&#x203A;{& { "{k| * <   Â&#x2019;Â&#x2019;Â&#x2019; Â&#x201C; %%+  \{Â&#x17D;\Â&#x2020;{Â&#x17D;Â&#x152;Â&#x2020;| Â&#x2020;   Â&#x20AC;   *   #+ Â&#x2018;Â&#x201C; % `{& Â&#x201E; @?    `{& Â&#x201E; @  W =+  &< `{& Â&#x201E; @?H %*W * ]      Â&#x2018;Â&#x201C; % `{& Â&#x201E;   y{kÂ&#x2039;Â&#x2020;  Â&#x152;{Â&#x17D;=Â&#x2020; { Â&#x152;Â&#x152;{Â&#x2039;Â&#x2DC;Â?Â&#x2020;  Â&#x2020; *   + 

% <   *  <Â&#x2030;  ]  *Â&#x2021; Â&#x201A;  =  =  & >+ %  ]Â&#x192;K   <Â&#x2030;   Â&#x2019;Â&#x2019;Â&#x2019;++%+  *     W       +% % < Â&#x20AC;  *  %  \   <Â&#x2030;  *]% % W    +Â&#x20AC;  Â&#x2020;  Â&#x2039;{ Â? Â&#x2039; [ Â&#x192; { Â  * <  *    Â&#x2030;  >%K  Â&#x201D;    

%      \  Â&#x2020;[|   Â&#x2018;Â&#x201C; % Â?  # @ HH = Â&#x17D;Â&#x201D; ]Â&#x192; @H  @ {% Â&#x2030; H W  *Â&#x2021;  

%  \  

%

+ Â&#x20AC; % % %  ' *  *Â&#x2021; Â? %% *   +%  %   [  *Â&#x2021; 

  *   % Q 

% W    *Â&#x2021;  [ %  Â&#x20AC; %W     %* *   *  % ] + <  % <  ]  Â&#x20AC;  HÂ&#x2C6; +   <  

%     <    

%  Â&#x20AC; [ % *]% %  *  * 

% [ % '  *]% %   <%  Â&#x20AC;  % *]%  *    H  %    Â&#x2C6;  <  

% >  ?   K Â&#x17E;"Â&#x17D;& { {&\Â&#x152;{Â&#x17D;{kÂ&#x2039;Â&#x2020;&| *% *   Â&#x2020;[  < 

 Â&#x2122;     Â&#x2021;     [    < ]Â&#x2030; Â&#x201E; ?? Â&#x201E;   ^]Â&#x2021;* * Â? &    * [ >K  ?  %| Â&#x; Â&#x201C; %%+ #>%K >K ;>K Â&#x17D;kÂ&#x2039;Â&#x17D;Â&#x2020;>&K  ]' *    Â&#x201A;>%K  >K *   % * k    W<     *  Â&#x201A;]% ÂĄ{< Â  +   %Â&#x2021;< 

  *   

%ÂĄ ; < Â&#x2030;+  Â&#x17D; Â&#x2039;`Â&#x17D;Â&#x2039;Â&#x152;  % ;  %* Q   + ]  <  

%   %      }*Â&#x2026;  * Â&#x20AC;] [ Â&#x201D;  Â&#x2039;k % *   ;  * 

%  <  Â&#x20AC; [ %  Â&#x20AC; }  *Â&#x2026;      < % Q    & Â&#x20AC;  *   * ;  [;  *+ [ %   Â&#x160;

{  Â&#x201E;  Â&#x201E; \  + %Â&#x2021;<  *  %  ; =Â&#x152;&Â&#x17D;k Â&#x17D;k`&Â&#x2039;Â&#x152;Â&#x17D;\ & >k  H? ?  ? ?K  %   ;       {; Â?       >    K Â? Q  * {\{Â&#x2039;Â&#x152;Â&#x2020; `\Â&#x2020; {Â&#x2039;Â&#x152;Â&#x2020; Â&#x2020;\Â&#x17D;Â&#x2039;k {\{Â&#x2039;Â&#x152;Â&#x17D;Â&#x17D;{ { &Â?Â&#x2020; `\Â&#x2020; & >k  ?H

@ ?K    { #  {<        ! "   <  #Â&#x2021; % Â&#x152;]  +Q &   [ %    #Â&#x2018; &={Â&#x152; Q % [    ] ?     ]% * < &  H ?  Â&#x2039;&   <Â&#x2030;  Â&#x2018;`w{Â&#x152;k \{Â&#x17D;\Â?{& >Â&#x2019;Â&#x2019;Â&#x2019; Â&#x201C; %%+ K *   '  < Â&#x20AC;  *Â&#x201D;+ * ]  <  

%  Â&#x201E; \ %     @   %+       | W   %  %      %+       | W   ]  Q% %  < ]  *    < [  Â&#x201A;Â&#x20AC; ] *   Â&#x201E; \ %        %+       | W   %  %   @        |    WÂ&#x201A;   Â&#x201E;  % Q  +    ]  Q% %       [    Â&#x2C6;  <  < >  ?         < &   H ?K  + +;   [ % '  <   *   ={k&| K `% [   *  %  w  % =y

Â? ; ;H %%   ]  %%   <   %%   W   HH %% <  [   Â&#x152;  Â&#x2022;%   [ HÂ&#x2026; > H?%%K < Â&#x2013; % Â&#x2030;  Â&#x2026;%% %+  Â&#x201E; H H < %| Â&#x152;Â? H@  >Â&#x201A;W  KÂ&#x2014; K `% [   *  %  w  % =y

Â? ; ;H %%   ]  %%   W   HH %% <  [   Â&#x152;  Â&#x2022;%   [ HÂ&#x2026; > H?%%K < Â&#x2013; % Â&#x2030;  Â&#x2026;%% %+  Â&#x201E; H H  < %| Â&#x152;Â? H@  >Â&#x201A;W  K \"Â&#x17D;Â&#x2DC;Â?Â&#x2020; Â&#x2039;Â&#x2020;Â&#x2039;\ Â&#x2020;& ={k&| Â&#x152;Â? H?  >Â&#x201A;W  K  Q < Â&#x20AC;       [<   Â  "Â&#x17D;&Â&#x17D;Â&#x2039;Â&#x2DC;Â?Â&#x2020;| Â&#x17D;  % <  +% <   *       Â&#x2122; Â&#x152; Â&#x2030; Â  "  H " \<  & &     ] Â&#x2021;*  *    %  [ * {%     [ *Â&#x20AC;   ; =  Â&#x17D;  &    < Â&#x20AC; %     ! "   <  #Â&#x2021; % Â&#x152;]  +Q &  Q  Â&#x20AC;  ' + < Â&#x161; <  &W  *Â&#x20AC;    %+  Â&#x2122; <  + +  ]  + *  [   ]   "    Â&#x2020;kÂ&#x17D;Â&#x2DC;Â&#x203A;{& { "{k| * <   Â&#x2019;Â&#x2019;Â&#x2019; Â&#x201C; %%+  \{Â&#x17D;\Â&#x2020;{Â&#x17D;Â&#x152;Â&#x2020;| Â&#x2020;   Â&#x20AC;   *   #+ Â&#x2018;Â&#x201C; % `{& Â&#x201E; @?    `{& Â&#x201E; @  W =+  &< `{& Â&#x201E; @?H %*W * ]      Â&#x2018;Â&#x201C; % `{& Â&#x201E;   y{kÂ&#x2039;Â&#x2020;  Â&#x152;{Â&#x17D;=Â&#x2020; { Â&#x152;Â&#x152;{Â&#x2039;Â&#x2DC;Â?Â&#x2020;  Â&#x2020; *   + 

% <   *  <Â&#x2030;  ]  *Â&#x2021; Â&#x201A;  =  =  & >+ %  ]Â&#x192;K   <Â&#x2030;   Â&#x2019;Â&#x2019;Â&#x2019;++%+  *     W       +% % < Â&#x20AC;  *  %  \   <Â&#x2030;  *]% % W  

 +Â&#x20AC;  Â&#x2020;  Â&#x2039;{ Â? Â&#x2039; [ Â&#x192; { Â  * <  *    Â&#x2030;  >%K  Â&#x201D;    

%      \  Â&#x2020;[|   Â&#x2018;Â&#x201C; % Â?  # @ HH = Â&#x17D;Â&#x201D; ]Â&#x192; @H  @ {% Â&#x2030; H W  *Â&#x2021;  

%  \  

% + Â&#x20AC; % % %  ' *  *Â&#x2021; Â? %% *   +%  %   [  *Â&#x2021; 

  *   % Q 

% W    *Â&#x2021;  [ %  Â&#x20AC; %W     %* *   *  % ] + <  % <  ]  Â&#x20AC;  HÂ&#x2C6; +   <  

%     <    

%  Â&#x20AC; [ % *]% %  *  * 

% [ % '  *]% %   <%  Â&#x20AC;  % *]%  *    H  %    Â&#x2C6;  <  

% >  ?   K Â&#x152;{Â&#x17D;Â&#x2DC;Â?Â&#x2020;  {Â&#x153;{`Â&#x2DC;Â?Â&#x2020;| & >K>K ;>K>K *Â&#x2021;  *+   % * ] [ *]   <   Â&#x201A;>K  >K >K +%>K  [ %   ] H  Â&#x2021;]   < < Â&#x20AC; *  Â&#x2030;    W  ] *     ] %* +Â&#x2021;   [  *]% %*W  * [  % ;*  Q Â&#x2122; %  ;  < *   [    *  ]  k  < Â&#x20AC; >K ;>K *]  %* Â&#x2022;     < % Â&#x201A;   W Â&#x20AC;  <    % <  \  Â&#x2020;[  HÂ&#x2C6; > * K +   < *] > < ;QÂ?K Â&#x2020;Â&#x152;Â&#x2020;| & [ %      *  < Â&#x20AC; >K ;>K   %  *  <] % *   

*  HÂ&#x2C6; > * K +   <   Â&#x17E;"Â&#x17D;& { {&\Â&#x152;{Â&#x17D;{kÂ&#x2039;Â&#x2020;&| % *   Â&#x2020;[  < 

 Â&#x2122;     Â&#x2021;     [    < ]Â&#x2030; Â&#x201E; ?? Â&#x201E;   ^]Â&#x2021;* * Â? &    * [ >K  ?  %| Â&#x; Â&#x201C; %%+ #>%K >K>K ;>K>K Â&#x17D;kÂ&#x2039;Â&#x17D;Â&#x2020;>K>&K  ]' *  +% %  W    +   %Â&#x2021;< % * ] [       *   <]    [ %   *   % * k    W<     *  Â&#x201A;]%  <  Â&#x20AC; [ %  Â&#x20AC; }  *Â&#x2026;      < % Q    & Â&#x20AC;  *   *

;  [;  *+  [ %   Â&#x160;

{  !  !   Â&#x2020;& Â&#x17D;Â&#x152;{Â&#x17D;Â&#x2039;Â&#x2020;& { Â&#x2020; Â&#x152;Â&#x2020;Â&#x17D;&&ÂŚÂ&#x152;Â&#x17D;Â&#x2020;& Â&#x2020; Â&#x152;Â&#x2020;Â&#x152;{&  +% %Â&#x2021;<  *  %  ; Â&#x2020;Â?Â&#x2020; Â&#x152;Â&#x2020;Â&#x152;Â&#x17D;y`{& { Â&#x2020;\Â&#x17D;"{Â&#x17D;Â&#x152; > # @@K Â&#x152;{kÂ&#x17D;"\Â&#x2020; {Â&#x152;{Â&#x17D;Â&#x152; > #   K  #Â&#x2018;{k Â&#x17E;=\Â&#x17D; { &`Â&#x152;Â&#x161;  %   ;        % Â&#x2020; Â&#x20AC;  % [  {;      H >@ K Q  * &Â&#x17D; Â&#x2020;Â&#x152;y{ Â&#x17D;kÂ&#x2020;Â&#x152; Â&#x2020;Â&#x152;Â&#x2DC;Â&#x203A;{& { k{yÂ&#x2020;Â&#x17D;Â&#x2020;& Â&#x17D;Â&#x2020;=Â&#x17D;\Â&#x17D;§Â&#x152;Â&#x17D;Â&#x2020;& \Â&#x2039; { >k  H?H  K Â&#x2020;   y+  "    k      ! "   <  #Â&#x2021; %  %   &% Â&#x2030;&   [ %    #Â&#x2018; &={Â&#x152; Q % [    ] ?     ]% * < &  H ?  Â&#x2039;&   <Â&#x2030;  Â&#x2018;`w{Â&#x152;k \{Â&#x17D;\Â?{& >Â&#x2019;Â&#x2019;Â&#x2019; Â&#x201C; %%+ K *   '  < Â&#x20AC;  *Â&#x201D;+ * ]  <  

%  ¨  %        %+     ?| W   %  %      %+     ?| W   ]  Q% %  < ]  *    < [  Â&#x201A;Â&#x20AC; ] *   !  %        %+     ?| W   %  %   ?  Â&#x201A;     ?|    WÂ&#x201A;   !  % Q  +    ]  Q% %       [    Â&#x2C6;  <  < >  ?         < &   H ?K  +% +;   [ % '  <   *   ={| Â&#x2020;& Â&#x17D;Â&#x152;{Â&#x17D;Â&#x2039;Â&#x2020;& { Â&#x2020; Â&#x152;Â&#x2020;Â&#x17D;&&ÂŚÂ&#x152;Â&#x17D;Â&#x2020;& Â&#x2020; Â&#x152;Â&#x2020;Â&#x152;{& Q  ; *% +      Q    % %  % k< ^ Â&#x2022;      ^ Â&#x2022;  %   &% Â&#x2030;&     %  [  *   Â&#x152; Â&#x2014;  %  [  [  %    ?    * H %  [   [     [   Q% 

 W *   %Â&#x2021;< %    *  Q  % H %  [  %  % k &W  ;  % Â&#x20AC;    H %¤ ; < Â&#x20AC;   [    Q     + Â&#x201E;       Â&#x2020;+Â&#x201A;  %  Â&#x201E; H Â? Â&#x152;Â&#x17D;  &% Â&#x2030; ={k#{Â&#x17D;Â&#x2039;Â&#x2020;Â&#x152;Â&#x17D;&| [ %     < Â&#x2122; [ @  H    %Â&#x2021;< +Â&#x201A;  % +[      Â&#x192; % %   >  %¤  Â&#x20AC;    K   >  %¤  Â&#x20AC;    K  % Â&#x2030;

   <  "\Â&#x17D;Â&#x2DC;Â?Â&#x2020;| Â&#x152;Â?

H  >+   K Q  Â&#x20AC;      [<      k`&|   [  %  [ % < >  K {k^Â&#x2020;Â&#x152; Â&#x2020;& Â&#x17D;Â&#x152;{Â&#x17D;Â&#x2039;Â&#x2020;&  %*   <  %Â&#x2021;<      ; [ >*  Â&#x201E; ? K *   "   & <  ;  #   &% Â&#x2030; Â&#x2020;kÂ&#x17D;Â&#x2DC;Â&#x203A;{& { "{k| * <   Â&#x2019;Â&#x2019;Â&#x2019; Â&#x201C; %%+  \{Â&#x17D;\Â&#x2020;{Â&#x17D;Â&#x152;Â&#x2020;| Â&#x2020;   Â&#x20AC;   *   #+ Â&#x2018;Â&#x201C; % `{& Â&#x201E; @?    `{& Â&#x201E; @  W =+  &< `{& Â&#x201E; @?H %*W * ]      Â&#x2018;Â&#x201C; % `{& Â&#x201E;   y{kÂ&#x2039;Â&#x2020;  Â&#x152;{Â&#x17D;=Â&#x2020; { Â&#x152;Â&#x152;{Â&#x2039;Â&#x2DC;Â?Â&#x2020;  Â&#x2020; *   + 

% <   *  <Â&#x2030;  ]  *Â&#x2021; Â&#x201A;  =  =  & >+ %  ]Â&#x192;K   <Â&#x2030;   Â&#x2019;Â&#x2019;Â&#x2019;++%+  *     W       +% % < Â&#x20AC;  *  %  \   <Â&#x2030;  *]% % W  

 +Â&#x20AC;  Â&#x2020;  Â&#x2039;{ Â? Â&#x2039; [ Â&#x192; { Â  * <  *    Â&#x2030;  >%K  Â&#x201D;    

%      \  Â&#x2020;[|   Â&#x2018;Â&#x201C; % Â?  # @ HH = Â&#x17D;Â&#x201D; ]Â&#x192; @H  @ {% Â&#x2030; H W  *Â&#x2021;  

%  \  

% + Â&#x20AC; % % %  ' *  *Â&#x2021; Â? %% *   +%  %   [  *Â&#x2021; 

  *   % Q 

% W    *Â&#x2021;  [ %  Â&#x20AC; %W     %* *   *  % ] + <  % <  ]  Â&#x20AC; +  ] [ %| K %   < * < 

]   Â&#x2C6;  <  % [ + HÂ&#x2C6; +   <  

%Â&#x2014; +K %   < * <   ??Â&#x2C6;  ? Â&#x2C6;  < [ + Â&#x2C6;  % +   <  

%Â&#x2014; K %   < * <   ?Â&#x2C6;   Â&#x2C6;  < [ + Â&#x2C6;  % +   <  

%Â&#x2014; K %   < * < ]  [   @?Â&#x2C6;  < [ + Â&#x2C6;  % +   <  

% % W% W*Â&#x2021;  Â&#x20AC;  <   <    

%  Â&#x20AC; [ % *]% %  *  * 

% [ % '  *]% %   <%  Â&#x20AC;  % *]%  *    H  %    Â&#x2C6;  <  

% >  ?   K Â&#x152;{Â&#x17D;Â&#x2DC;Â?Â&#x2020;  {Â&#x153;{`Â&#x2DC;Â?Â&#x2020;| & >K>K ;>K>K *Â&#x2021;  *+   % * ] [ *]   <   Â&#x201A;>K  >K >K +%>K  [ %   ] H  Â&#x2021;]   < < Â&#x20AC; *  Â&#x2030;    W  ] *     ] %* +Â&#x2021;   [  *]% %*W  * [  % ;*  Q Â&#x2122; %  ;  < *   [    *  ]  k  < Â&#x20AC; >K ;>K *]  %* Â&#x2022;     < % Â&#x201A;   W Â&#x20AC;  <    % <  \  Â&#x2020;[  HÂ&#x2C6; > * K +   <

*] > < ;QÂ?K Â&#x2020;Â&#x152;Â&#x2020;| & [ %      *  < Â&#x20AC; >K ;>K   %  *  <] % *   

*  HÂ&#x2C6; > * K +   <   Â&#x17E;"Â&#x17D;& { {&\Â&#x152;{Â&#x17D;{kÂ&#x2039;Â&#x2020;&| % *   Â&#x2020;[  < 

 Â&#x2122;     Â&#x2021;     [    < ]Â&#x2030; Â&#x201E; ?? Â&#x201E;   ^]Â&#x2021;* * Â? &    * [ >K  ?  %| Â&#x; Â&#x201C; %%+ #>%K >K>K ;>K>K Â&#x17D;kÂ&#x2039;Â&#x17D;Â&#x2020;>K>&K  ]' *  +% %  W    +   %Â&#x2021;< % * ] [       *   <]    [ %   *   % * k    W<     *  Â&#x201A;]% ÂĄ{< Â  +   %Â&#x2021;< 

  *   

%ÂĄ ; < Â&#x2030;+  Â&#x17D; Â&#x2039;`Â&#x17D;Â&#x2039;Â&#x152;  % ;  %* Q   + ]  <  

%   %      }*Â&#x2026;  * Â&#x20AC;] [ Â&#x201D;  Â&#x2039;k % *   ;  * 

%  <  Â&#x20AC; [ %  Â&#x20AC; }  *Â&#x2026;      < % Q    & Â&#x20AC;  *   * ;  [;  *+  [ %   Â&#x160;

{  !  !   +% %Â&#x2021;<  *  %  ; Â&#x2020;Â?Â&#x2020;  Â&#x152;{Â&#x17D;Â&#x2020; \"{& `kÂ&#x17D;Â&#x2020;Â&#x152; > # ?H@   ?K   %W Â&#x152;Â&#x17D;k Â&#x152;Â&#x2020;^ { Â&#x2020;Â&#x152;{& \"{& > # HH@ K +% %    "\{Â&#x17D; Â&#x2020;&Â&#x161;  Â&#x152;`Â&#x2018; > # H  K   * Â&#x152;Â&#x17D;  kÂ&#x17D; `k^  Â&#x152;`Â&#x2018; > #  @  K  %   ;        {;      ?  >  K Q  * \` {Â&#x152;Â&#x17D;Â&#x2020; { \{Â&#x17D; k{Â&#x2039;Â&#x2020; > #  @ K Â&#x2020;   Â&#x2030;    <W      ! "   <  #Â&#x2021; %  %   & +&   [ %    #Â&#x2018; &={Â&#x152; Q % [    ] ?     ]% * < &  H ?  Â&#x2039;&   <Â&#x2030;  Â&#x2018;`w{Â&#x152;k \{Â&#x17D;\Â?{& >Â&#x2019;Â&#x2019;Â&#x2019; Â&#x201C; %%+ K *   '  < Â&#x20AC;  *Â&#x201D;+ * ]  <  

%  !  %     @   %+      H| W   %  %      %+      H| W   ]  Q% %  < ]  *    < [  Â&#x201A;Â&#x20AC; ] *   !  %        %+      H| W   %  %   @       H|    WÂ&#x201A;   !  % Q  +    ]  Q% %       [    Â&#x2C6;  <  < >  ?         < &   H ?K  +% +;   [ % '  <   *   ={| `% 

 ] *  Â&#x201E;   Q  }Â&#x2026;  % % } % Â&#x152; "Â&#x2026;   =

  *      %  [ ' ]| %   %   ]  * H %  %* % 

  Â&#x20AC;   H  %¤ [   [  %  Â&#x152;       Q%   W *   %Â&#x2021;< %   Â&#x201E;    Q  %   Â&#x201E;    [ % Â&#x20AC;    + Â&#x201E; H @ ?@   Â&#x2020;+Â&#x201A;    Â&#x201E; ?H Â? Â&#x201E; Â&#x152;Â&#x17D;  & + ={k#{Â&#x17D;Â&#x2039;Â&#x2020;Â&#x152;Â&#x17D;&| [ %     <  [  Â&#x2122; [ @      % [    %*   *<% [ %| <% Â&#x2039;Â&#x2030;

| %*        Â&#x201A;    <  W * <+ * <   ] ]% % Â&#x20AC;      @%  <% &*  | %*   %       %Â&#x20AC;  

 % Â&#x20AC;      H?%  <% Â&#x17D;[  | %*  * +W       Â&#x20AC;   W

Q  % Â&#x20AC;     @@@?%  

  Â&#x20AC;       Â&#x152;Â? H H%  "\Â&#x17D;Â&#x2DC;Â?Â&#x2020;| Â&#x152;Â? H   >W  K Q  Â&#x20AC;      [<      k`&|   [  %  [ % Â&#x152;H >  ? K ^Â&#x17D; Â&#x2020;Â&#x2039;{ % [<  \*Â&#x2030;   % kÂ&#x2014;  [ % < >  K {k^Â&#x2020;Â&#x152;      * Â&#x2021;  >*  Â&#x201E;   HH  ?K *   ! "   Â&#x2039; +W  & +&  % [<  " Â&#x2030;      *     W     Â&#x2020;kÂ&#x17D;Â&#x2DC;Â&#x203A;{& { "{k| * <   Â&#x2019;Â&#x2019;Â&#x2019; Â&#x201C; %%+  \{Â&#x17D;\Â&#x2020;{Â&#x17D;Â&#x152;Â&#x2020;| Â&#x2020;   Â&#x20AC;   *   #+ Â&#x2018;Â&#x201C; % `{& Â&#x201E; @?    `{& Â&#x201E; @  W =+  &< `{& Â&#x201E; @?H %*W * ]      Â&#x2018;Â&#x201C; % `{& Â&#x201E;   y{kÂ&#x2039;Â&#x2020;  Â&#x152;{Â&#x17D;=Â&#x2020; { Â&#x152;Â&#x152;{Â&#x2039;Â&#x2DC;Â?Â&#x2020;  Â&#x2020; *   + 

% <   *  <Â&#x2030;  ]  *Â&#x2021; Â&#x201A;  =  =  & >+ %  ]Â&#x192;K   <Â&#x2030;   Â&#x2019;Â&#x2019;Â&#x2019;++%+  *     W       +% % < Â&#x20AC; 

*  %  \   <Â&#x2030;  *]% % W    +Â&#x20AC;  Â&#x2020;  Â&#x2039;{ Â? Â&#x2039; [ Â&#x192; { Â  * <  *    Â&#x2030;  >%K  Â&#x201D;    

%      \  Â&#x2020;[|   Â&#x2018;Â&#x201C; % Â?  # @ HH = Â&#x17D;Â&#x201D; ]Â&#x192; @H  @ {% Â&#x2030; H W  *Â&#x2021;  

%  \  

% + Â&#x20AC; % % %  ' *  *Â&#x2021; Â? %% *   +%  %   [  *Â&#x2021; 

  *   % Q 

% W    *Â&#x2021;  [ %  Â&#x20AC; %W     %* *   *  % ] + <  % <  ]  Â&#x20AC;  HÂ&#x2C6; +   <  

%     <    

%  Â&#x20AC; [ % *]% %  *  * 

% [ % '  *]% %   <%  Â&#x20AC;  % *]%  *    H  %    Â&#x2C6;  <  

% >  ?   K Â&#x152;{Â&#x17D;Â&#x2DC;Â?Â&#x2020;  {Â&#x153;{`Â&#x2DC;Â?Â&#x2020;| & >K>K ;>K>K *Â&#x2021;  *+   % * ] [ *]   <   Â&#x201A;>K  >K >K +%>K  [ %   ] H  Â&#x2021;]   < < Â&#x20AC; *  Â&#x2030;    W  ] *     ] %* +Â&#x2021;   [  *]% %*W  * [  % ;*  Q Â&#x2122; %  ;  < *   [    *  ]  k  < Â&#x20AC; >K ;>K *]  %* Â&#x2022;     < % Â&#x201A;   W Â&#x20AC;  <    % <  \  Â&#x2020;[  HÂ&#x2C6; > * K +   < *] > < ;QÂ?K Â&#x2020;Â&#x152;Â&#x2020;| & [ %      *  < Â&#x20AC; >K ;>K   %  *  <] % *   

*  HÂ&#x2C6; > * K +   <   Â&#x17E;"Â&#x17D;& { {&\Â&#x152;{Â&#x17D;{kÂ&#x2039;Â&#x2020;&| *% *   Â&#x2020;[  < 

 Â&#x2122;     Â&#x2021;     [    < ]Â&#x2030; Â&#x201E; ?? Â&#x201E;   ^]Â&#x2021;* * Â? &    * [ >K  ?  %| Â&#x; Â&#x201C; %%+  #>%K >K>K ;>K>K Â&#x17D;kÂ&#x2039;Â&#x17D;Â&#x2020;>K>&K  ]' *  +% %  W    +   %Â&#x2021;< % * ] [      *   <]    [ %   *   % * k    W<     *  Â&#x201A;]% ÂĄ{< Â  +   %Â&#x2021;< 

  *   

%ÂĄ ; < Â&#x2030;+  Â&#x17D; Â&#x2039;`Â&#x17D;Â&#x2039;Â&#x152;  % ;  %* Q   + ]  <  

%   %      }*Â&#x2026;  * Â&#x20AC;] [ Â&#x201D;  Â&#x2039;k % *   ;  * 

%  <  Â&#x20AC; [ %  Â&#x20AC; }  *Â&#x2026;      < % Q    & Â&#x20AC;  *   * ;  [;  *+  [ %   Â&#x160;

{  !  !   =% %Â&#x2021;<  *  %  ; \Â&#x2020;`Â&#x152;{kÂ&#x2DC;Â&#x2020; \{Â&#x17D;Â&#x2039;{ Â&#x17D;Â&#x17D; > #  @?@? K +% %   *  * * Â&#x20AC;  &Â&#x17D;\"k Â&#x152;\Â&#x17D; { Â&#x2039;^{`& Â&#x17D;Â&#x17D; > # H ??H? K +% %    W*Â&#x20AC;  =kÂ&#x2020; ={Â&#x152;Â&#x17D;k`& Â&#x2020; =Â&#x152;&Â&#x17D;\ &  %   ;        % &%Â&#x20AC;  % [  {; Â?  H    >   HHK Â? Q  * Â&#x2020;kÂ&#x2020;Â&#x17D;kÂ&#x17D;Â&#x2020; Â&#x2020;k`kÂ&#x2039;Â&#x2020; Â&#x152;{&Â&#x17D;{kÂ&#x17D;\ Â&#x152;Â&#x2020;{Â&#x2039;Â&#x2020; & {Â&#x152;Â&#x17D;& >k  HH  @  K *  * *   & &Â&#x152; kÂ&#x2039; kÂ&#x17D;Â&#x2020; kÂ&#x2039;& > # ? @H?K Â&#x2020;    &< ]      ! "   <  #Â&#x2021; % Â&#x152;]  & %  &   [ %    #Â&#x2018; &={Â&#x152; Q % [    ] ?     ]% * < &  H ?  Â&#x2039;&   <Â&#x2030;  Â&#x2018;`w{Â&#x152;k \{Â&#x17D;\Â?{& >Â&#x2019;Â&#x2019;Â&#x2019; Â&#x201C; %%+ K *   '  < Â&#x20AC;  *Â&#x201D;+ * ]  <  

%  !  %        %+      | W   %  %      %+      | W   ]  Q% %  <

]  *    < [  Â&#x201A;Â&#x20AC; ] *   !  %        %+      | W   %  %          |    WÂ&#x201A;   !  % Q  +    ]  Q% %       [    Â&#x2C6;  <  < >  ?         < &   H ?K  +% +;   [ % '  <   *   ={| `% * % Â&#x201E;     Â&#x201E;   {[  =   Â&#x201A; Â&#x152; Â&#x201A;  %Â&#x2030;   Â&#x2122; {  ÂĽ=  % Â&#x201E;     Â&#x201E; &+  Â? *  &

 % % Â&#x20AC;  * <<  H@ %¤ % Â&#x20AC;   %   %¤ 

*  % <]   % Â&#x20AC;  %%  {[     H %¤ Â&#x2030;%  Â&#x20AC;  %%  +  

*  ? %¤  @%¤  Â&#x20AC;  %%   % *]  * [  %  ]    ??%¤ 

*W  % [       Â&#x2C6;  

  + Â&#x201E; H @H? Â&#x2020;+Â&#x201A;    Â&#x201E;   HH Â? Â&#x201E; Â&#x152;Â&#x17D;  *&  ={k#{Â&#x17D;Â&#x2039;Â&#x2020;Â&#x152;Â&#x17D;&| {[  *  %Â&#x2030; % %  H  %*  ]  %|       Â&#x201A;   W   %Â&#x2021;  +W    Â&#x20AC;    < \"Â&#x17D;Â&#x2DC;Â?Â&#x2020;| Â&#x152;Â? @H  H >+   K  Q < Â&#x20AC;       [<      k`&|   [  %  [ % Â&#x152; > @ ??HK ^Â&#x17D; Â&#x2020;Â&#x2039;{ % [<  = =%   =  &Â&#x2014;  [ % Â&#x152;@ >   K  {k^Â&#x2020;Â&#x152; {Â&#x153;{~`{k  {Â&#x2039;{ Â&#x17D;{\ >H Â&#x2C6;K  %Â&#x2021;< [ %  *W * [             ! "   <  #  Â&#x152;] Â&#x17D;Â&#x17D; Â? & %   Q  *W  <  +   Â&#x2039;Â&#x2020;Â&#x2039;\Â&#x17D;{  %Â&#x2021;<  Q ]| }#  | {;* <   *  [  ]  Â&#x152;@  %  Â&#x201E;   HH  %Â&#x2021;< ]   Â&#x201E; Â&#x152;Â&#x17D;  &  &  *    *W  +     %Â&#x2021;< % QÂ&#x2026; Â&#x2030;+ ;Q   Â&#x2030; +     % Â&#x152;Â?   ?  %   % >K ;>K W Â&#x20AC; ;  Â&#x20AC; +   *     +% >  HH=   K Q  Â&#x20AC; *  < %   [ % [      Â&#x2020;k`Â&#x152;&Â&#x2020; { Â&#x152;{Â&#x2020;Â&#x152;{& { {Â&#x17D;& Â&#x17D;& Â&#x2020;&Â&#x17D;Â&#x2DC;Â&#x203A;{&| {%   

%   Â&#x2030;  ;Q  *  % * ] [ *     }* * %Â&#x2026;  Â&#x20AC; * [ Â&#x192; +   %   Â&#x2030;+      *  < Â&#x2030;      >  %    ?   K ] % + ]  <  

% % *   ;   Â&#x2030;+ * %  ;Q >  < *  %   [  [   Â&#x20AC;  *+  

%K %  Â&#x2030;  <  *  *]%  Â&#x2030;+  Â&#x17D; Â&#x2039;`  *     Â&#x20AC;  ;  %    Â&#x2020;kÂ&#x17D;Â&#x2DC;Â&#x203A;{& { "{k| * <   Â&#x2019;Â&#x2019;Â&#x2019; Â&#x201C; %%+  \{Â&#x17D;\Â&#x2020;{Â&#x17D;Â&#x152;Â&#x2020;| Â&#x2020;   Â&#x20AC;   *   #+ Â&#x2018;Â&#x201C; % `{& Â&#x201E; @?    `{& Â&#x201E; @  W =+  &< `{& Â&#x201E; @?H %*W * ]      Â&#x2018;Â&#x201C; % `{& Â&#x201E;   y{kÂ&#x2039;Â&#x2020;  Â&#x152;{Â&#x17D;=Â&#x2020; { Â&#x152;Â&#x152;{Â&#x2039;Â&#x2DC;Â?Â&#x2020;  Â&#x2020; *   + 

% <   *  <Â&#x2030;  ]  *Â&#x2021; Â&#x201A;  =  =  & >+ %  ]Â&#x192;K   <Â&#x2030;   Â&#x2019;Â&#x2019;Â&#x2019;++%+  *     W       +% % < Â&#x20AC;  *  %  \   <Â&#x2030;  *]% % W    +Â&#x20AC;  Â&#x2020;  Â&#x2039;{ Â? Â&#x2039; [ Â&#x192; { Â  * <  *    Â&#x2030;  >%K  Â&#x201D;    

%      \  Â&#x2020;[|   Â&#x2018;Â&#x201C; % Â?  # @ HH = Â&#x17D;Â&#x201D; ]Â&#x192; @H  @ {% Â&#x2030; H W  *Â&#x2021;  

%  \  

% + Â&#x20AC; % % %  ' *  *Â&#x2021; Â? %% *   +%  %   [  *Â&#x2021; 

  *   % Q 

% W    *Â&#x2021;  [ %  Â&#x20AC; %W     %* *   *  % ] + <  % <  ]  Â&#x20AC;  HÂ&#x2C6; +   <  

%     <    

%  Â&#x20AC; [ % *]% %  *  * 

% [ % '  *]% %   <%  Â&#x20AC;  % *]%  *    H  %    Â&#x2C6;  <  

% >  ?   K Â&#x17E;"Â&#x17D;& { {&\Â&#x152;{Â&#x17D;{kÂ&#x2039;Â&#x2020;&| % *   Â&#x2020;[  < 

 Â&#x2122;     Â&#x2021;     [    < ]Â&#x2030; Â&#x201E; ?? Â&#x201E;   ^]Â&#x2021;* * Â? &    * [ >K  ?  %| Â&#x; Â&#x201C; %%+ #>%K >K>K ;>K>K Â&#x17D;kÂ&#x2039;Â&#x17D;Â&#x2020;>K>&K  ]' *    Â&#x201A;>%K  >K *   % * k    W<     *  Â&#x201A;]% ÂĄ{< Â  +   %Â&#x2021;< 

  *   

%ÂĄ ; < Â&#x2030;+  Â&#x17D; Â&#x2039;`Â&#x17D;Â&#x2039;Â&#x152;  % ;  %* Q   + ]  <  

%   %      }*Â&#x2026;  * Â&#x20AC;] [ Â&#x201D;  Â&#x2039;k % *   ;  * 

%  <  Â&#x20AC; [ %  Â&#x20AC; }  *Â&#x2026;      < % Q    & Â&#x20AC;  *   * ;  [;  *+  [ %   Â&#x160;


sexta-feira, 9 de novembro de 2012 VANGUARDA AGRO S.A. - Companhia p Aberta de Capital p Autorizado - CNPJ/MF nÂş 05.799.312/0001-20 FATO RELEVANTE CELEBRAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DE ACORDO DE SUBSCRIĂ&#x2021;Ă&#x192;O Em cumprimento ao disposto no artigo 157, §4Âş, da Lei nÂş 6.404, de 15.12.1976, conforme alterada (â&#x20AC;&#x153;Lei das S.A.â&#x20AC;?), e na forma da Instrução da ComissĂŁo de Valores MobiliĂĄrios (â&#x20AC;&#x153;CVMâ&#x20AC;?) nÂş 358, de 3.03.2002, conforme alterada, a Vanguarda Agro S.A. (â&#x20AC;&#x153;Companhiaâ&#x20AC;? ou â&#x20AC;&#x153;V-Agroâ&#x20AC;?), sociedade por açþes de capital aberto, com sede na Cidade de SĂŁo Paulo, Estado do SĂŁo Paulo, na Av. Presidente Juscelino Kubitschek, nÂş 1.726, conjunto 113, Vila Nova Conceição, CEP 04543-000, cujas açþes ordinĂĄrias estĂŁo admitidas Ă  negociação no segmento do Novo Mercado da BM&FBovespa S.A. - Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros (â&#x20AC;&#x153;BM&FBovespaâ&#x20AC;?) sob o cĂłdigo VAGR3, vem informar aos seus acionistas e ao mercado em geral o quanto segue: Na presente data, a Companhia recebeu comunicação de cada um dos seguintes acionistas, diretos e/ou indiretos, Fundo de Investimento Multimercado CrĂŠdito Privado VNT (â&#x20AC;&#x153;Fundo VNTâ&#x20AC;?), EWZ Investments LLC (â&#x20AC;&#x153;EWZâ&#x20AC;?), Bonsucex Holding S.A. (â&#x20AC;&#x153;Bonsucexâ&#x20AC;?), Bruno Szwarc (â&#x20AC;&#x153;Brunoâ&#x20AC;?), Helio Seibel (â&#x20AC;&#x153;Helioâ&#x20AC;?), Fundo de Investimento Multimercado CrĂŠdito Privado Veritas (â&#x20AC;&#x153;Fundo Veritasâ&#x20AC;?), Silvio Tini de AraĂşjo (â&#x20AC;&#x153;Silvioâ&#x20AC;?), Otaviano Olavo Pivetta (â&#x20AC;&#x153;Otavianoâ&#x20AC;?), Mineração Buritirama S.A. (â&#x20AC;&#x153;Buritiramaâ&#x20AC;?) e Salo Davi Seibel (â&#x20AC;&#x153;Saloâ&#x20AC;? e, em conjunto com Fundo VNT, EWZ, Bonsucex, Bruno, Helio, Fundo Veritas, Silvio, Otaviano, Buritirama e Salo, os â&#x20AC;&#x153;Acionistasâ&#x20AC;?), informando que: Considerando a realização, no dia 07 de novembro de 2012, de uma ReuniĂŁo do Conselho de Administração da Vanguarda Agro S.A. (â&#x20AC;&#x153;RCAâ&#x20AC;?), na qual foi aprovado que (a) seja submetida Ă  deliberação dos acionistas proposta de aumento do capital social no montante de R$ 350.000.000,10, com a emissĂŁo e subscrição privada de 1.166.666.667 açþes ordinĂĄrias, nominativas, escriturais e sem valor nominal, pelo preço de emissĂŁo de R$ 0,30 por ação, fixado nos termos do artigo 170, § 1Âş, inciso III, da Lei das S.A., com base no preço mĂŠdio das açþes de emissĂŁo da Companhia na BM&FBovespa entre 10.08.2012 e 6.11.2012, com a aplicação de um desĂĄgio de 17,63% (â&#x20AC;&#x153;Aumento de Capitalâ&#x20AC;?); e (b) seja submetida Ă  deliberação dos acionistas a alteração do estatuto social para (i) a exclusĂŁo dos dispositivos estatutĂĄrios relacionados ao mecanismo de l e (ii) o aumento do prazo de mandato da Diretoria para 2 (dois) anos, o que somente proteção Ă  dispersĂŁo acionĂĄria (poison pill); produzirĂĄ efeitos e serĂĄ aplicĂĄvel para os diretores eleitos apĂłs a assembleia geral ordinĂĄria de 2013 (em conjunto a â&#x20AC;&#x153;Alteração do Estatuto Socialâ&#x20AC;?), entĂŁo apĂłs a realização da RCA, nesta data, cada um dos referidos Acionistas e a GĂĄvea Investimentos Ltda., sociedade limitada com sede na Cidade do Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro, na Avenida Ataulfo de Paiva, 1.100, 7Âş andar, CEP 22.440-035, inscrita no CNPJ/MF sob o nÂş 05.669.128/0001.66 (GĂĄvea Investimentos Ltda. por um ou mais fundos de investimento ou outros veĂ­culos de investimento por ela administrados ou geridos, â&#x20AC;&#x153;GĂĄveaâ&#x20AC;?) celebraram um Acordo de Subscrição e Outras Avenças (â&#x20AC;&#x153;Acordo de Subscriçãoâ&#x20AC;?) tratando sobre certos direitos e obrigaçþes entre a GĂĄvea e cada um dos Acionistas, individualmente, no âmbito do Aumento de Capital. No Acordo de Subscrição, os Acionistas e a GĂĄvea assumiram o compromisso de, atendidas as condiçþes listadas abaixo, subscrever e integralizar atĂŠ a totalidade do Aumento de Capital, conforme as disponibilidades de sobras e cessĂľes de direitos de preferĂŞncia que ocorrerem na Companhia, de forma que, apĂłs o Aumento de Capital na forma prevista no Acordo de Subscrição, a GĂĄvea passe a ser acionista da Companhia e titular de açþes ordinĂĄrias representativas de, no mĂ­nimo, 5,74% e, no mĂĄximo, 14,34% do capital social. A eficĂĄcia do Acordo de Subscrição estĂĄ sujeita Ă  aprovação da Alteração do Estatuto Social. O compromisso do investimento da GĂĄvea estĂĄ sujeito Ă s seguintes condiçþes: (a) seja aprovado o Aumento de Capital; e (b) nĂŁo aprovação ou celebração, pela Companhia, atĂŠ a data de realização da assembleia geral que aprovar o Aumento de Capital, de contratos de endividamento em valores superiores a R$ 15.000.000,00 e de investimentos ou desinvestimentos em valores superiores a R$ 15.000.000,00. Uma vez implementado o Aumento de Capital, e enquanto a GĂĄvea for titular de açþes ordinĂĄrias de emissĂŁo da Companhia equivalentes a, no mĂ­nimo, 3% de seu capital social total e votante, cada um dos Acionistas, de forma individual, obrigou-se perante a GĂĄvea a (A) atĂŠ a Assembleia Geral OrdinĂĄria de 2014, votar favoravelmente Ă  eleição de 1 (um) membro para o Conselho de Administração da Companhia indicado pela GĂĄvea; (B) a partir da Assembleia Geral OrdinĂĄria de 2014, (B.1) somente envolver-se na formação de chapa para o Conselho de Administração da Companhia caso referida chapa inclua uma pessoa indicada pela GĂĄvea; e (B.2) votar suas açþes de modo a buscar eleger para o Conselho de Administração da Companhia uma chapa que inclua a pessoa indicada pela GĂĄvea; e (B.3) nĂŁo solicitar que a votação para a eleição do Conselho de Administração da Companhia seja realizada pelo processo de voto mĂşltiplo, sendo certo que a GĂĄvea tambĂŠm se obrigou perante cada um dos Acionistas em relação a este item (B.3). Por fim, os Acionistas assumiram, no Acordo de Subscrição, o compromisso firme, irrevogĂĄvel e irretratĂĄvel de votar favoravelmente Ă  aprovação do Aumento de Capital e da Alteração do Estatuto Social. A Companhia, em cumprimento Ă  regulamentação da CVM e ao regulamento do Novo Mercado, manterĂĄ seus acionistas e o mercado informados sobre a existĂŞncia de qualquer informação ou fato relevante envolvendo a Companhia, atravĂŠs da BM&FBovespa, da CVM e do seu website (www.v-agro.com.br/ri). SĂŁo Paulo, 8 de novembro de 2012 Bento Moreira Franco Diretor Presidente e de Relaçþes com Investidores

DIĂ RIO DO COMĂ&#x2030;RCIO

ECONOMIA/LEGAIS - 23

FHB Participaçþes e Incorporaçþes S/A â&#x20AC;&#x201C; CNPJ/MF nÂş 05.380.314/0001-80 Demonstraçþes Financeiras referentes aos exercĂ­cios sociais encerrados em 31 de dezembro de 2010 e 2009 (Em reais, com centavos) Balanços Patrimoniais Demonstração de Resultado Ativo 31/12/2010 31/12/2009 Passivo 31/12/2010 31/12/2009 Receita Bruta Operacional 31/12/2010 31/12/2009 Circulante 6.133.310,15 2.997.161,33 Circulante 1.324.109,80 385.701,07 Receitas de vendas 1.212.142,70 2.011.200,79 Disponibilidades 236.719,30 124.151,96 Contas a pagar 1.314.000,00 371.730,00 Deduçþes das Vendas Aplicação Financeira 52.615,43 36.567,30 Obrigaçþes Fiscais 6.436,38 12.334,40 Impostos sobre as vendas (43.572,66) (73.990,82) Impostos a recuperar â&#x20AC;&#x201C; 205,35 Obrigaçþes Trabalhistas 3.673,42 1.636,67 Receita Operacional LĂ­quida 1.168.570,04 1.937.209,97 Contas a receber 386,63 1.370,15 NĂŁo Circulante 32.753.779,04 26.024.967,35 Custos das Vendas: Lucro Bruto 1.168.570,04 1.937.209,97 Estoque 5.843.588,79 2.834.866,57 ExigĂ­vel a longo prazo 2.371.756,65 3.364.114,71 (Despesas) Receitas Operacionais: NĂŁo Circulante 27.944.578,69 23.413.507,09 Contas a pagar 2.371.756,65 1.625.114,71 Administrativas (186.374,97) (94.073,52) RealizĂĄvel a longo prazo 712.654,31 2.736.288,86 Adto. para aumento de Capital â&#x20AC;&#x201C; 1.739.000,00 Despesas com Pessoal (86.627,63) (65.500,07) Contas a receber 712.654,31 2.736.288,86 PatrimĂ´nio lĂ­quido 30.382.022,39 22.660.852,64 Financeiras 11.315,78 18.302,20 Investimentos 26.863.113,88 20.387.407,73 Capital social 10.210.282,00 8.471.282,00 NĂŁo dedutĂ­veis (1.974,89) (2.417,56) Controladas e coligadas 23.347.035,11 16.642.830,18 Resultados acumulados 20.171.740,39 14.189.570,64 TributĂĄrias (17.272,07) â&#x20AC;&#x201C; Outros Investimentos 3.516.078,77 3.744.577,55 Total do Passivo 34.077.888,84 26.410.668,42 Resultado de equivalĂŞncia patrimonial 7.760.639,66 4.688.708,41 Imobilizado 370.910,50 291.910,50 7.479.705,88 4.545.019,46 caso de imĂłveis em construção, a parcela em estoque corresponde ao (-) Depreciação acumulada (2.100,00) (2.100,00) 8.648.275,92 6.482.229,43 custo incorrido das unidades ainda nĂŁo comercializadas. O custo compre- Resultado operacional 368.810,50 289.810,50 1.452.693,86 2.781.103,88 ende materiais, mĂŁo de obra (prĂłpria ou contratada de terceiros) e outros Outros Resultados operacionais Total do Ativo 34.077.888,84 26.410.668,42 10.100.969,78 9.263.333,31 custos de construção relacionados, incluindo o custo financeiro do capital Resultado antes da tributação Notas Explicativas Ă s Demonstraçþes Financeiras (16.366,61) (32.806,78) aplicado (encargos financeiros de contas a pagar por aquisição de terre- Imposto de renda (14.091,14) (25.751,30) 1. Contexto operacional â&#x20AC;&#x201C; A FHB Participaçþes e Incorporaçþes S.A. ĂŠ nos e das operaçþes de crĂŠdito imobiliĂĄrio, incorridos durante o perĂ­odo de Contribuição Social uma sociedade anĂ´nima de capital fechado domiciliada na R. Joaquim Flo- construção). d) Passivos: Reconhecidos no Balanço quando a Cia. possui Resultado do ExercĂ­cio 10.070.512,03 9.204.775,23 riano, 466, 2Âş and., sl. 01, SĂŁo Paulo-SP, foi constituĂ­da em 28/10/2.002, sob uma obrigação legal ou constituĂ­da como resultado de um Evento passado, 31/12/2010 31/12/2009 a denominação de Bonanza Empreendimentos ImobiliĂĄrios Ltda. Tendo sida sendo provĂĄvel que um recurso econĂ´mico seja requerido para liquidĂĄ-la. 683.162,86 683.162,86 transformada em sociedade anĂ´nima atravĂŠs da assemblĂŠia de 18/08/2006, Alguns passivos envolvem incertezas quando ao prazo e valor, sendo esti- Terrenos Unids. a comercializar 5.160.425,93 2.151.703,71 onde passou a adotar a atual razĂŁo social. A Cia. tem como atividade espe- mados na medidas em que sĂŁo incorridos e registrados atravĂŠs de provisĂŁo. 5.843.588,79 2.834.866,57 cifica a incorporação imobiliĂĄria, a compra e venda de imĂłveis prĂłprios, As provisĂľes registradas tendo como base as melhores estimativas do risco Total construção de imĂłveis destinados a venda, e o loteamento de imĂłveis envolvido. e) Obrigaçþes por aquisição de imĂłveis: SĂŁo demonstrados 6. Investimentos â&#x20AC;&#x201C; Os investimentos em sociedades controladas e coliprĂłprios ou de terceiros, bem como a participação em outras sociedades pelas obrigaçþes contratualmente estabelecidas para aquisição de terrenos, gadas sĂŁo representados por açþes ou quotas conforme descriminadas 31/12/2010 31/12/2009 comerciais ou civis, como acionista ou quotista inclusive como controladora acrescidas, quando aplicĂĄvel, dos correspondentes encargos e variaçþes abaixo: 1.945.167,29 1.941.667,29 2. Apresentação das demonstraçþes financeiras â&#x20AC;&#x201C; As demonstraçþes monetĂĄrias incorridas. f) Tributação: As Receitas de Incorporação e venda Visconde do Rio Claro Ltda 1.429,00 1.429,00 financeiras foram elaboradas de acordo com as prĂĄticas contĂĄbeis adotadas de imĂłveis sĂŁo sujeitas aos impostos e contribuição do regime presumido Jd. Giovana Empreend. Imob. Ltda 1.049.816,54 1.049.816,54 no Brasil, em conformidade com a legislação societĂĄria e contemplam em optada pela Cia. as alĂ­quotas de 0,65% e 3% para PIS e COFINS, respecti- Anfab Pedroso Alvarenga SPE Ltda 10.000,00 10.000,00 sua totalidade as alteraçþes da lei 11.638 de dezembro de 2007. 3. Princi- vamente. Esses encargos sĂŁo apresentados como dedução das receitas de Melo Alves Incorporadora Ltda 4.749.911,49 4.749.911,49 pais prĂĄticas contĂĄbeis â&#x20AC;&#x201C; a) Disponibilidades: As disponibilidades com- incorporação e venda de ImĂłveis na demonstração do resultado. A Tributa- Lindencorp Invest. e Partic. S/A 608.763,19 608.763,19 preendem saldo em caixa e depĂłsitos bancĂĄrios. b) Contas a receber de ção sobre lucro compreende o imposto de renda e a contribuição social, o CCS Cardoso de Almeida S/A 14.981.947,60 8.281.242,67 clientes: A comercialização das unidades ĂŠ efetuada, substancialmente, imposto de renda ĂŠ computado sobre o lucro tributĂĄvel pela alĂ­quota de 15%, LDI Desenv. ImobiliĂĄrio S/A Total 23.347.035,11 16.642.830,18 durante as fases de lançamento e construção dos empreendimentos. As acrescido do adicional de 10% para os lucros que excederem R$ 240 no pecontas a receber de clientes, nesse caso, sĂŁo constituĂ­das aplicando-se rĂ­odo de 12 meses, enquanto que a contrib. social ĂŠ computada pela alĂ­quota 7. PatrimĂ´nio Liquido â&#x20AC;&#x201C; ApĂłs a integralização de capital no valor de o percentual encontrado da relação entre o custo incorrido das unidades de 9% sobre o lucro tributĂĄvel, reconhecidos pelo regime de competĂŞncia. R$ 1.739.000,00 que se encontrava na conta de Afac, o Capital Social 31/12/2010 31/12.2009 da Cia. passou a ser de R$ R$ 10.210.282,00 divididos em 10.210.282 vendidas (incluindo o terreno) e seu custo total orçado, sobre a receita das 4. Caixas e Equivalentes de Caixa unidades vendidas, ajustada segundo as condiçþes dos contratos de venda, Caixa e Bancos 236.719,30 124.151,96 açþes, todas as açþes ordinĂĄrias nominativas, sem valor nominal e sendo assim determinado o montante das receitas acumuladas a serem Aplicação 52.615,43 36.567,30 com direito a voto. Diretoria reconhecidas, sobre o qual se deduz as parcelas recebidas. c) ImĂłveis a Total 289.334,73 160.719,26 Comercializar: Os imĂłveis prontos a comercializar estĂŁo demonstrados ao 5. Estoque de ImĂłveis a Comercializar â&#x20AC;&#x201C; Referem-se aos gastos jĂĄ incorri- Flavio Haddad Buazar Osvaldo Nascimento Gonçalves da Silva custo de construção, que nĂŁo excede ao seu valor lĂ­quido realizĂĄvel. No dos das unidades nĂŁo comercializadas, e dos terrenos a comercializar. CRCSP 127.932/O-9 Evolution Partners Participaçþes S.A.

REDE Dâ&#x20AC;&#x2122;OR SĂ&#x192;O LUIZ S.A.

CNPJ/MF nÂş 06.047.087/0001-39 - NIRE 35.300.318.099 EDITAL DE CONVOCAĂ&#x2021;Ă&#x192;O ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINĂ RIA Ficam os senhores acionistas da Rede Dâ&#x20AC;&#x2122;Or SĂŁo Luiz S.A. (â&#x20AC;&#x153;Companhiaâ&#x20AC;?) convocados para se reunirem em Assembleia Geral ExtraordinĂĄria, no dia 21 de novembro de 2012, Ă s 12h, na sede da Companhia, localizada na Rua Francisco Marengo nÂş 1312, TatuapĂŠ, CEP 03.313-000, na Cidade e Estado de SĂŁo Paulo, para deliberar sobre a seguinte ordem do dia: (i) RerratiďŹ cação das deliberaçþes tomadas na assembleia geral extraordinĂĄria da FMG Empreendimentos Hospitalares S.A. (â&#x20AC;&#x153;FMGâ&#x20AC;?) de 10.11.2010 (â&#x20AC;&#x153;AGE de 10.11.10â&#x20AC;?), sociedade incorporada pela Companhia, que aprovou as incorporaçþes do Hospital e Maternidade Assunção S.A., Assunção Imagem S.A. e Ressonância S.A., para consignar os imĂłveis de propriedade de tais sociedades que compunham o acervo lĂ­quido incorporado pela FMG na AGE de 10.11.10; (ii) RerratiďŹ cação das deliberaçþes tomadas na assembleia geral extraordinĂĄria da FMG de 30.11.2010 (â&#x20AC;&#x153;AGE de 30.11.10â&#x20AC;?), que aprovou a incorporação do Hospital e Maternidade Brasil S.A., para consignar os imĂłveis de propriedade de tal sociedade que compunham o acervo lĂ­quido incorporado pela FMG pela AGE de 30.11.10; (iii) RerratiďŹ cação das deliberaçþes tomadas na assembleia geral extraordinĂĄria da Companhia de 31.10.2011 (â&#x20AC;&#x153;AGE de 31.10.11â&#x20AC;?), que aprovou as incorporaçþes do Hospital Realcordis S.A., Hospital de ClĂ­nicas de Bangu Ltda., Hospital Geral de Bangu Ltda., Casa de SaĂşde e Maternidade Rio de Janeiro S.A. e Casa de SaĂşde e Maternidade Joari S.A., para consignar os imĂłveis de propriedade de tais sociedades que compunham o acervo lĂ­quido incorporado pela Companhia na AGE de 31.10.11; (iv) RerratiďŹ cação das deliberaçþes tomadas na assembleia geral extraordinĂĄria da Companhia de 30.12.2011 (â&#x20AC;&#x153;AGE de 30.12.11â&#x20AC;?), que aprovou a incorporação do Vivalle Serviços de SaĂşde Ltda., para consignar os imĂłveis de propriedade de tal sociedade que compunham o acervo lĂ­quido incorporado pela Companhia na AGE de 30.12.11; (v) RerratiďŹ cação das deliberaçþes tomadas na assembleia geral extraordinĂĄria da Companhia de 03.07.2012 (â&#x20AC;&#x153;AGE de 03.07.12â&#x20AC;?), que aprovou as incorporaçþes da Santa Luzia Participaçþes S.A., Hospital Santa Luzia S.A. e Hospital do Coração do Brasil S.A., para consignar os imĂłveis de propriedade de tais sociedades que compunham o acervo lĂ­quido incorporado pela Companhia na AGE de 03.07.12; (vi) A ratiďŹ cação de todas as demais deliberaçþes tomadas nas assembleias acima referidas; e (vii) Aprovação do Segundo Plano de Opção de Compra de Açþes a ser outorgado a determinados empregados e administradores da Companhia. O acionista ou seu representante legal deverĂĄ comparecer Ă  Assembleia Geral munido dos documentos hĂĄbeis para comprovação de sua identidade e, na hipĂłtese de representação do acionista, de instrumento de mandato regularizado na forma da lei. SĂŁo Paulo, 08 de novembro de 2012. Jorge Neval Moll Filho - Presidente do Conselho de Administração

BR Partners Corretora de TĂ­tulos e Valores MobiliĂĄrios S.A. FHB Participaçþes e Incorporaçþes S.A. CNPJ/MF nÂş 05.380.314/0001-80 â&#x20AC;&#x201C; NIRE 35.300.334.523 Resumo da Ata de AssemblĂŠia Geral ExtraordinĂĄria realizada em 30 de dezembro de 2011 SumĂĄrio das decisĂľes: 1. Aumento do capital social da Cia. de R$ 10.210.282,00 para R$ 11.217.674,00, sendo este aumento no valor de R$ 6.527.098,00, mediante a emissĂŁo de 1.007.392 novas açþes da Cia., com valor nominal de R$1,00 por ação e ĂĄgio no valor de R$ 5,4792 por ação, integralizados mediante a capitalização de crĂŠditos conferidos Ă  Sociedade, a tĂ­tulo de Adiantamento para Futuro Aumento de Capital (â&#x20AC;&#x153;AFACâ&#x20AC;?), conforme abaixo: (i) EmissĂŁo de 208.374 novas açþes ordinĂĄrias, todas nominativas e com valor nominal e ĂĄgio, com o preço de emissĂŁo unitĂĄrio de R$ 6,4792, totalizando R$ 1.350.098,00, sendo o valor de R$ 208.374,00 lançados na conta de capital, e R$1.141.724,00 lançados na conta de reservas de capital (ĂĄgio), tudo conforme boletim de subscrição anexo (Anexo 1), subscritos pela nova sĂłcia, que ora ingressa na Sociedade, DCH Empreendimentos e Participaçþes Ltda.; (ii) EmissĂŁo de 24.849 novas açþes ordinĂĄrias, todas nominativas e com valor nominal e ĂĄgio, com o preço de emissĂŁo unitĂĄrio de R$ 6,4792, totalizando R$161.000,00, sendo o valor de R$ 24.849,00 lançados na conta de capital, e R$ 136.151,00 na conta de reservas de capital (ĂĄgio), tudo conforme boletim de subscrição anexo (Anexo 2), subscritos pela nova sĂłcia, que ora ingressa na Sociedade, SAF 3 Corp., atual denominação de Santa Beatriz Desenvolvimento ImobiliĂĄrio S.A. (iii) EmissĂŁo de 190.918 novas açþes ordinĂĄrias, todas nominativas e com valor nominal e ĂĄgio, com o preço de emissĂŁo unitĂĄrio de R$ 6.4792, totalizando R$ 1.237.000,00, sendo o valor de R$ 190.918,00 lançados na conta de capital, e R$ 1.046.082,00 na conta de reservas de capital (ĂĄgio), tudo conforme boletim de subscrição anexo (Anexo 3), subscritos pela nova sĂłcia, que ora ingressa na Sociedade, Lindencorp Partners, sociedade devidamente constituĂ­da e organizada de acordo com as leis de Ilhas Cayman, com sede em GĂŞnesis Building, 3th Floor. P.O. Box 32338-SMB â&#x20AC;&#x201C; FINAB â&#x20AC;&#x201C; International Corporate Management Services Ltd., Grand Cayman, Ilhas Cayman, CNPJ/MF nÂş 06.283.651/0001-12, neste ato representada por seus representantes legais Sr. Flavio Haddad Buazar e Ana Cristina Bueno Porta Nova Buazar, jĂĄ qualificados acima, por meio de conferĂŞncia de açþes representativas do Capital Social da empresa Lindencorp Investimentos e Participaçþes S/A. (iv) EmissĂŁo de 583.251 novas açþes ordinĂĄrias, todas nominativas e com valor nominal e ĂĄgio, com o preço de emissĂŁo unitĂĄrio de R$ 6,4792, totalizando R$ 3.779.000,00 sendo o valor de R$ 583.251,00 lançados na conta de capital, e R$ R$3.195.749,00 na conta de reservas de capital (ĂĄgio), tudo conforme boletim de subscrição anexo (Anexo 4), subscritos pela jĂĄ sĂłcia, FHB Corporation. 2. Alteração do artigo alteração do Art. 5Âş do Estatuto Social da Cia. que passa a ter a seguinte redação: â&#x20AC;&#x153;Art. 5Âş â&#x20AC;&#x201C; O capital social da Cia. ĂŠ de R$ 11.217.674,00, dividido em 11.217.674 açþes, sem valor nominal, totalmente integralizadas em moeda corrente nacional.â&#x20AC;? 3. Atualização do objeto social da Cia. com a inclusĂŁo da atividade de prestação de serviços de consultoria e assessoria em operaçþes imobiliĂĄrias. 4. Alteração do Art. 2Âş do Estatuto Social da Cia., que passa a ter a seguinte redação: â&#x20AC;&#x153;Art. 2Âş â&#x20AC;&#x201C; A Cia. tem como objeto social a incorporação imobiliĂĄria, a compra, venda e locação de imĂłveis prĂłprios, o loteamento de imĂłveis prĂłprios ou de terceiros, bem como a participação em outras sociedades comerciais ou civis, como acionista ou quotista, inclusive como controladora, e a prestação de serviços de consultoria e assessoria em operaçþes imobiliĂĄrias.â&#x20AC;?

PREFEITURA MUNICIPAL DE PEREIRA BARRETO/SP PROCESSO NÂş 39760/2012 - CONCORRĂ&#x160;NCIA PĂ&#x161;BLICA NÂş 003/2012 RERRATIFICAĂ&#x2021;Ă&#x192;O A Prefeitura de Pereira Barreto-SP, leva ao conhecimento de quem possa interessar que o Processo supraepigrafado sofreu a seguinte rerratificação: a) Ficam suprimidos os anexos: VI - Cronograma FĂ­sico-financeiro; e X â&#x20AC;&#x201C; Memorial Explicativo ao Cronograma FĂ­sico-financeiro. b) Fica acrescentado ao edital o Anexo XI - Cronograma de Execução FĂ­sica e Desembolso Financeiro. c) Fica alterado o Anexo V no item 4.3 â&#x20AC;&#x201C; Paredes de Alvenaria para preço unitĂĄrio R$ 69,16. d) Fica redesignado para as 14h do dia 10 de dezembro de 2012 o protocolo dos envelopes de documentação e proposta do processo em epĂ­grafe. Pereira Barreto-SP, 08 de novembro de 2012. Arnaldo Shigueyuki Enomoto - Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINDAMONHANGABA EDITAL RESUMIDO PREGĂ&#x192;O NÂş 306/2012 A Prefeitura torna pĂşblico que se acha aberto no Depto. de Licitaçþes e Compras, sito na Av. N. Sra. do Bom Sucesso n° 1.400, Bairro Alto do Cardoso, o PP nÂş 306/12, referente Ă  â&#x20AC;&#x153;Aquisição de 01 (um) conjunto, composto de cesta aĂŠrea isolada dotada de carroceria compartimentada a ser utilizada pela Secretaria de Obras e Serviços desta municipalidadeâ&#x20AC;?, com encerramento dia 23/11/12 Ă s 8h e abertura Ă s 8h30. O edital estarĂĄ disponĂ­vel no site www.pindamonhangaba.sp.gov.br. Maiores informaçþes poderĂŁo ser obtidas no endereço supra das 8h Ă s 17h ou atravĂŠs do tel.: (12) 3644-5600. Pindamonhangaba, 08 de novembro de 2012. PREGĂ&#x192;O NÂş 307/2012 A Prefeitura torna pĂşblico que se acha aberto no Depto. de Licitaçþes e Compras, sito na Av. N. Sra. do Bom Sucesso n° 1.400, Bairro Alto do Cardoso, o PP nÂş 307/12, referente Ă  â&#x20AC;&#x153;Contratação de empresa especializada para locação de serviço de trator sobre esteira, modelo D4, a ser utilizado pela Secretaria de Obras e Serviços desta municipalidadeâ&#x20AC;?, com encerramento dia 23/11/12 Ă s 13h30 e abertura Ă s 14h. O edital estarĂĄ disponĂ­vel no site www.pindamonhangaba.sp.gov.br. Maiores informaçþes poderĂŁo ser obtidas no endereço supra das 8h Ă s 17h ou atravĂŠs do tel.: (12) 3644-5600. Pindamonhangaba, 08 de novembro de 2012.

PREFEITURA MUNICIPAL DE BROTAS - SP AVISO DE PREGĂ&#x2022;ES PRESENCIAIS - NÂş 075/2.012 e NÂş 076/2.012 Acham-se abertas, na Prefeitura Municipal de Brotas: PregĂŁo Presencial nÂş 075/2.012 - Objeto: quisição de material de limpeza, higiene pessoal e descartĂĄveis. Encerramento: 26/11/2.012, Ă s 09:00 horas. PregĂŁo Presencial nÂş 076/2.012 - Objeto: Aquisição de pedras para calçada, tipo portuguesa. Encerramento: 27/11/2.012 Ă s 09:00 horas. Os Editais, na Ă­ntegra, poderĂŁo ser retirados no Setor de Administração de Materiais, sito Ă  Rua Benjamin Constant, nÂş 300, Centro, Brotas â&#x20AC;&#x201C; SP, de segunda Ă  sexta feira, das 13:00 horas Ă s 16:30 horas ou atravĂŠs do site: www.brotas.sp.gov.br. Brotas, 08/11/2.012. VALDETE APARECIDA SARRO - Administração de Materiais

FALĂ&#x160;NCIA, RECUPERAĂ&#x2021;Ă&#x192;O EXTRAJUDICIAL E RECUPERAĂ&#x2021;Ă&#x192;O JUDICIAL Conforme informação da Distribuição CĂ­vel do Tribunal de Justiça de SĂŁo Paulo, foram ajuizados no dia 08 de novembro de 2012, na Comarca da Capital, os seguintes pedidos de falĂŞncia, recuperação extrajudicial e recuperação judicial: Requerente: Construlocmaq Construtora e Locadora de MĂĄquinas Ltda. - Requerido: Construtora Beter S/A. - Avenida Heitor Antonio Eiras Garcia, 3295 - ButantĂŁ - 1ÂŞ Vara de FalĂŞncias. Requerente: Lanchonete Negozio Ltda. - Requerido: Dag ComĂŠrcio e Distribuição de Velas ArtĂ­sticas Ltda. - Rua Francisco LeitĂŁo, 469 - Conjunto 204 - Pinheiros - 2ÂŞ Vara de FalĂŞncias.

CNPJ 16.695.922/0001-09â&#x20AC;&#x201C;NIRE 35.300.443.136 Ata da Assembleia Geral ExtraordinĂĄria realizada em 20/8/2012 Data, HorĂĄrio e Local: Realizada no dia 20/8/2012, Ă s 9hs, na sede, em SP/SP, Av.Brig.Faria Lima, 3.355, 26°, cj 261, Itaim Bibi. Convocação e Presença: Presentes os acionistas que representam a totalidade do capital social, em razĂŁo do que fica dispensada a convocação, nos termos do art.124, §4Âş, da Lei nÂş 6.404, de 15/12/76, conforme alterada (â&#x20AC;&#x153;Lei das S.A.â&#x20AC;?), conforme assinaturas constantes do Livro de Presença dos Acionistas.Mesa:Assumiu a presidĂŞncia dos trabalhos o Sr.Ricardo Fleury Cavalcanti de Albuquerque Lacerda, que convidou o Sr. Pedro Oliva Marcilio de Sousa para secretariĂĄ-lo. Ordem do Dia: Deliberar sobre: (i) alteração do art.15 do Estatuto Social com vistas a aumentar o nĂşmero de membros da Diretoria; (ii) aceitar o pedido de renĂşncia de um dos Diretores; e (iii) eleição de membros da Diretoria Deliberaçþes: Instalada a Assembleia, apĂłs a discussĂŁo das matĂŠrias, os acionistas, por unanimidade de votos e sem quaisquer restriçþes resolveram: Aprovar a alteração do nĂşmero mĂĄximo de membros da Diretoria dos atuais 4 membros para 7 membros. Os Acionistas ainda decidiram criar uma Diretoria Administrativa que serĂĄ responsĂĄvel por todas as atividades administrativas da Cia.. Deste modo, estas 3 novas vagas foram distribuĂ­das da seguinte maneira: (i) 1 Dir.Administrativo; e (ii) 2 diretores comerciais adicionais. Considerando a aprovação da matĂŠria os acionistas decidem aprovar a alteração do Art.15Âş do Estatuto Social, que passa a vigorar com a seguinte nova redação: â&#x20AC;&#x153;Art.15°-A Diretoria serĂĄ composta por 2 a 7 diretores, acionistas ou nĂŁo, residentes no paĂ­s, eleitos pela Assembleia Geral, e por esta destituĂ­veis a qualquer tempo, para um mandato de 3 anos, permitida a reeleição.§ 1°-Os diretores terĂŁo as seguintes designaçþes e competĂŞncias, alĂŠm das competĂŞncias comuns a todos os diretores: 1 Diretor Presidente: ResponsĂĄvel pela representação institucional, definição das polĂ­ticas e estratĂŠgias, bem como das deliberaçþes da assembleia de acionistas;1 Dir.Financeiro: ResponsĂĄvel pela preparação das demonstraçþes financeiras e da gestĂŁo financeira da Corretora; 1 Dir.Operacional: ResponsĂĄvel pelas operaçþesdaCorretora;1Dir.Administrativo:ResponsĂĄvelpelasatividadesadministrativasdaCorretora;eatĂŠ3Dir.Comercial:ResponsĂĄvel pela definição da polĂ­tica comercial e a relação com clientes. § 2°-Em caso de vacância de um dos cargos de diretoria, o Dir.Presidente cumularĂĄ o cargo de Dir.Comercial e vice-versa, e o Dir.Financeiro cumularĂĄ o cargo de Dir.Comercial e vice-versa. No caso da vacância de qualquer desses pares, os diretores remanescentes deverĂŁo convocar assembleia de acionista para eleição dos diretores necessĂĄrios ao funcionamento da Diretoria e, definirĂŁo, de forma provisĂłria, a divisĂŁo da competĂŞncia entre os diretores em exercĂ­cio atĂŠ que ocorra a posso dos demais diretores.â&#x20AC;? Aceitar a renĂşncia apresentada nesta data pelo Sr. Jairo Eduardo Loureiro Filho, RG nÂş 9.947.949 SSP/SP e CPF/MF nÂş 032.508.808-09, ao cargo de Dir.Comercial.Os Acionistas conferem quitação para o diretor renunciante para os atos praticados no exercĂ­cio do cargo.O presidente aproveitou a oportunidade para agradecer ao diretor renunciante pelo exercĂ­cio do cargo.Com a criação da Diretoria Administrativa os acionistas decidem remanejar a Diretora Andrea Capelo Pinheiro, eleita como Diretora Operacional na AGC realizada em 10/2/2012, para o cargo recĂŠm-criado de Diretora Administrativa. Neste sentido, os acionistas decidiram eleger para o cargo de Dir.Operacional, o Sr.SĂŠrgio Carbone, RG nÂş 9.764.619-2 SSP/SP e CPF/MF nÂş 022.604.388-65.Finalmente, os acionistas decidiram eleger os Srs.JoĂŁo Paulo CaramTucci, RG nÂş 18.922.510-5 SSP/SP e CPF/MF nÂş 267.248.468-62 e Jorge Henrique Peixoto da Silva, RG nÂş 25.765.622-4 SSP/SP e CPF/MF nÂş 253.559.508-76, para o cargo de Dir.Comercial.Todos os Diretores sĂŁo eleitos com mandato a se expirar na AGO da Cia. que deliberar s/as demonstraçþes financeiras do exercĂ­cio de 2014. Os Diretores aceitaram os cargos para os quais foram eleitos, tendo apresentado os documentos comprobatĂłrios do atendimento das condiçþes prĂŠvias de elegibilidade previstas na legislação e regulamentação vigentes, em especial na Resolução n° 3.041/02 do Conselho MonetĂĄrio Nacional (â&#x20AC;&#x153;CMNâ&#x20AC;?), conforme alterada, afirmando expressamente, sob as penas da lei, que nĂŁo estĂŁo impedidos, por lei especial, de exercer a administração da Sociedade, e nem condenados ou sob efeitos de condenação, a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos pĂşblicos; ou por crime falimentar,desonegaçãofiscal,deprevaricação,decorrupçãoativaoupassiva,peitaousuborno,concussĂŁo,peculato;oucontraaeconomia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra as normas de defesa da concorrĂŞncia contra as relaçþes de consumo, a fĂŠ pĂşblica ou a propriedade.Dessa forma, os Diretores ora eleitos tomam posse em seus cargos, mediante a assinatura dos respectivosTermos de Posse no Livro de Atas de ReuniĂŁo de Diretoria.Os diretores eleitos tomarĂŁo posse, mediante a assinatura do termo de posse em livro prĂłprio em atĂŠ 30 dias apĂłs a aprovação da eleição pelo Banco Central do Brasil, fazendo as declaraçþes necessĂĄrias para os fins do art.147 da Lei 6.404, de 15/12/76. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, foi encerrada a Assembleia, da qual se lavrou a presente Ata que, lida e achada conforme, foi por todos assinada. SP, 20/8/12. Mesa: Ricardo Fleury C. de Albuquerque Lacerda-Pres. e Pedro Oliva Marcilio de Sousa-Secr.. Acionistas: BR Partners Participaçþes Financeiras Ltda.-Ricardo Fleury C. de Albuquerque Lacerda e Andrea Capelo Pinheiro; BR Advisory Partners Participaçþes S.A.-Ricardo Fleury C. de Albuquerque Lacerda e Andrea Capelo Pinheiro. Diretores Eleitos: Andrea Capelo Pinheiro-Diretora Administrativa, Sergio Carbone-Dir.Operacional, JoĂŁo Paulo Caram Tucci-Dir.Comercial e Jorge Henrique Peixoto da Silva-Dir.Comercial. Jucesp nÂş 472.354/12-7 em 29/10/2012.Gisela S.Ceschin-Secr.Geral.

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAĂ&#x2021;Ă&#x192;O

GOVERNO DO ESTADO DE SĂ&#x192;O PAULO

CNPJ/MF nÂş 13.438.849/0001-93 - NIRE nÂş 35300392248 Ata da Assembleia Geral ExtraordinĂĄria realizada em 09 de outubro de 2012 I.Data,HoraeLocal:Realizadaem09/10/2012,Ă s10hs,nasede.II.Convocação:Dispensada.III.Presença:Totalidade.IV.Mesa:Presidente: Pedro Manso Cabral Filho SecretĂĄrio: Fabio Pereira de Carvalho. V. Deliberação:Os acionistas presentes deliberaram, por unanimidade de votos e sem quaisquer restriçþes, aumentar o capital social da Cia.,mediante a emissĂŁo de 942.000 novas açþes ordinĂĄrias, nominativas e sem valor nominal, em tudo idĂŞnticas Ă s jĂĄ existentes, no montante de R$ 942.000,00.Desta forma, os acionistas decidem alterar o Art.5Âş do Estatuto Social da Cia., que passarĂĄ a vigorar com a seguinte redação:â&#x20AC;&#x153;Art.5Âş-O Capital Social ĂŠ de R$ 2.742.000,00, dividido em 2.742.000 açþes ordinĂĄrias, todas nominativas e sem valor nominal.§ 1o-Todas as açþes da Cia.serĂŁo nominativas, facultada adoção da forma escritural, em conta corrente de depĂłsito mantida em nome de seus titulares, junto a uma instituição financeira a ser indicada pela Diretoria, podendo ser cobrada dos acionistas a remuneração de que trata o § 3o do Art.35 da Lei nÂş 6.404/76.§ 2o-Cada ação ordinĂĄria corresponde a um voto nas deliberaçþes das Assembleias Gerais. § 3Âş-Ă&#x2030; vedada Ă  Cia. a emissĂŁo de partes beneficiĂĄrias.â&#x20AC;? Por fim, diante da deliberação acima tomada, os acionistas resolvem manter as demais disposiçþes do Estatuto Social, bem como consolidĂĄ-lo, o qual passa a vigorar na Ă­ntegra comaseguintenovaredação:â&#x20AC;&#x153;EstatutoSocialdaEvolutionPartnersParticipaçþesS.A.-Cap.I-Denominação,Sede,PrazodeDuração e Objeto-Art.1Âş-A Evolution Partners Participaçþes S.A. ĂŠ uma sociedade anĂ´nima, que se regerĂĄ pelas leis e usos do comĂŠrcio, por este Estatuto Social e pelas disposiçþes legais aplicĂĄveis. Art. 2Âş-A Cia. tem por objeto a participação em outras sociedades civis ou comerciais, como sĂłcia, acionista ou quotista (holding). Art. 3Âş-A Cia. tem sede e foro em SP/SP, com endereço na R.FlĂłrida, 1.670, cj. 52, Cidade Monçþes, CEP 04565-001, podendo, por deliberação da Diretoria, criar e extinguir filiais, sucursais, agĂŞncias, depĂłsitos e escritĂłrios de representação em qualquer parte do territĂłrio nacional ou no exterior. Art. 4Âş-O prazo de duração da Cia. ĂŠ indeterminado. Cap. II-Capital Social e Açþes-Art.5Âş-O Capital Social da Cia.ĂŠ de R$ 2.742.000,00, dividido em 2.742.000 açþes ordinĂĄrias, todas nominativas e sem valor nominal. § 1o-Todasas açþes da Cia. serĂŁo nominativas, facultada adoção da forma escritural, em conta corrente de depĂłsito mantida em nome de seus titulares, junto a uma instituição financeira a ser indicada pela Diretoria, podendo ser cobrada dos acionistas a remuneração de que trata o § 3o do Art. 35 da Lei nÂş 6.404/76.§ 2o-Cada ação ordinĂĄria corresponde a um voto nas deliberaçþes dasAssembleias Gerais da Cia.. § 3Âş-Ă&#x2030; vedada Ă  Cia. a emissĂŁo de partes beneficiĂĄrias. Art. 6Âş-Os certificados representativos das açþes serĂŁo sempre assinados por 2 (dois) Diretores, ou mandatĂĄrios com poderes especiais, podendo a Cia.emitir tĂ­tulos mĂşltiplos ou cautelas.§ Ă&#x161;nico-Nas substituiçþes de certificados, bem como na expedição de segunda via de certificados de açþes nominativas, serĂĄ cobrada uma taxa relativa aos custos incorridos.Art.7Âş-Em caso de abertura de capital, a Cia.deverĂĄ aderir a segmento especial de bolsa de valores ou de entidade mantenedora de mercado de balcĂŁo organizado que assegure, no mĂ­nimo, nĂ­veis diferenciados de prĂĄticas de governança corporativa.Cap. III-Administração-Art. 8Âş-A Cia. serĂĄ gerida e administrada inicialmente por uma Diretoria, podendo instaurar um Cons. de Administração a qualquer tempo, mediante deliberação da Assembleia Geral. § Ă&#x161;nico-Cabe Ă  Assembleia fixar a remuneração global ou individual dos Diretores da Cia..Sefixadaglobalmente,caberĂĄaoCons.deAdministraçãodeliberarsobreasuadistribuiçãoindividual.Cap.IV-Cons.deAdministração-Art. 9Âş-O Cons. de Administração, quando instaurado, serĂĄ composto por 3 membros, eleitos pela Assembleia Geral para o exercĂ­cio da função, podendo ser reeleitos.§ 1Âş -AtĂŠ que o Cons.de Administração seja instaurado, todas as atribuiçþes que lhe sĂŁo designadas por este Estatuto Social ficarĂŁo a cargo da Assembleia Geral. § 2Âş-Um dos membros do Cons. de Administração serĂĄ eleito Presidente, pela maioria de votos de seus membros, na primeira reuniĂŁo apĂłs a posse dos membros ou sempre que ocorrer vacância do cargo de Presidente.§ 3Âş-O mandatodosmembrosdoCons.deAdministraçãoserĂĄunificadoeoseuprazoserĂĄde1ano,estendendo-seatĂŠaAGOdoanosubsequente ao de sua eleição. § 4Âş-Findo o mandato, os membros do Cons. de Administração permanecerĂŁo no exercĂ­cio dos cargos atĂŠ a posse dos novos Conselheiros.§ 5Âş-No caso de ausĂŞncia permanente de 2 Conselheiros, as reuniĂľes do Cons.ficarĂŁo suspensas atĂŠ a convocação de uma AGE para eleger os novos membros.§ 6Âş-Os membros do Cons. de Administração poderĂŁo ser substituĂ­dos a qualquer momento, por deliberação da Assembleia Geral. Art. 10-As reuniĂľes do Cons. de Administração serĂŁo realizadas somente na presença da maioria dos membros do Cons.de Administração, sendo que as decisĂľes poderĂŁo ser validamente tomadas somente pelo voto da maioria dos membros presentes na referida reuniĂŁo do Cons.de Administração, cabendo ao Presidente, alĂŠm de seu voto pessoal, o voto de qualidade de desempate. § Ă&#x161;nico-Os conselheiros poderĂŁo participar das reuniĂľes do Cons. de Administração por intermĂŠdio de conferĂŞncia telefĂ´nica, videoconferĂŞncia ou por qualquer outro meio de comunicação eletrĂ´nico, sendo considerados presentes Ă  reuniĂŁo e devendo confirmar seu voto atravĂŠs de declaração por escrito encaminhada ao Presidente do Cons. por carta, fac-sĂ­mile ou correio eletrĂ´nico logo apĂłs o tĂŠrmino da reuniĂŁo. Uma vez recebida a declaração, o Presidente do Cons. ficarĂĄ investido de plenos poderes para assinar a ata da reuniĂŁo em nome do conselheiro. Art. 11-As convocaçþes das reuniĂľes do Cons. de Administração indicarĂŁo a ordem do dia e serĂŁo enviadas por meio de comunicação escrita aos respectivos membros do Cons. de Administração, com pelo menos 3 dias de antecedĂŞncia, dispensando-se tais convocaçþes quando houver o comparecimento da totalidade dos seus membros.As convocaçþes das reuniĂľes do Cons.de Administração deverĂŁo ser assinadas pelo Presidente do Cons.e na ausĂŞncia deste por qualquer outro Conselheiro.§ Ă&#x161;nico-SerĂŁo consideradas regulares as reuniĂľes a que comparecerem todos os membros do Cons. de Administração, independente de quaisquer formalidades preliminares ou desdequetodosmanifestemporescritosuaconcordâncianadispensadetaisformalidades.Cap.V-Diretoria-Art.12-ADiretoriaserĂĄcomposta por no mĂ­nimo 2 e, no mĂĄximo,4 Diretores, todos sem designação especĂ­fica, eleitos e destituĂ­veis pelo Cons. de Administração ou, na ausĂŞncia deste, pela Assembleia Geral, os quais deverĂŁo ser indivĂ­duos residentes no paĂ­s.§ 1Âş-Os Diretores disporĂŁo dos poderes necessĂĄrios e convenientes para conduzir a gestĂŁo dos negĂłcios e assuntos da Cia., na forma da Lei e do presente Estatuto Social.§ 2Âş-Os Diretores serĂŁo eleitos por prazo de 2 anos e estarĂŁo dispensados de prestar qualquer tipo de caução em garantia de sua gestĂŁo.§ 3Âş-Em caso de vaga, serĂĄ convocada reuniĂŁo do Cons.de Administração ou, na ausĂŞncia deste, Assembleia Geral, para eleição do respectivo substituto, que completarĂĄ o mandato do Diretor substituĂ­do. § 4Âş-Em suas ausĂŞncias ou impedimentos eventuais, os Diretores serĂŁo substituĂ­dos por quem vierem a indicar.Art.13 A Cia.serĂĄ representada pela assinatura:(i) conjunta de 2 Diretores;(ii) conjunta de 1 Diretor e de 1 procurador da Cia., observados o § 1Âş a seguir e os limites de poder do respectivo procurador; ou (iii) nas hipĂłteses do § 3Âş a seguir, mediante a assinatura individual de qualquer Diretor ou procurador, observados o § 1Âş a seguir e os limites de poder do respectivo procurador.§ 1Âş-Os Diretores poderĂŁo, conjuntamente, nomear procuradores para a Cia., devendo especificar os poderes conferidos na respectiva procuração, cujo prazo de validade nĂŁo poderĂĄ ser superiora1 ano, ressalvadas as procuraçþes outorgadas com a clĂĄusula ad judicia, que poderĂŁo ter prazo indeterminado.Na falta de determinação de prazo de validade nestas procuraçþes, presumir-se-ĂĄ um prazo de validade de 01 ano.§ 2Âş-Todas as procuraçþes outorgadas em nome da Cia.conterĂŁo clĂĄusula especĂ­fica obrigando os procuradores a apresentar o respectivo instrumento de mandato aos terceiros com quem tratarem. Sem prejuĂ­zo de tal obrigação, a Cia. poderĂĄ averbar e arquivar na Junta Comercial competente os instrumentos de procuração que contiverem limitação de poderes e seus instrumentos de modificação ou revogação, quando aplicĂĄvel.§ 3Âş-A Cia. poderĂĄ ser representada pela assinatura individual de qualquer Diretor ou procurador, observado o § 1Âş supra, perante quaisquer instituiçþesfinanceiras,comosseguintesfinsespecĂ­ficos:abrir,movimentareencerrarcontasbancĂĄrias,assinandoosrespectivosformulĂĄrios; realizar e encerrar quaisquer aplicaçþes;sacar valores, assinar e endossar cheques, solicitar quaisquer ordens de pagamento, independente do respectivo valor e beneficiĂĄrio;solicitar extratos e demais informaçþes.Art.14-SĂŁo expressamente vedados, sendo ineficazes e inoperantes com relação Ă  Cia., os atos de qualquer dos acionistas, Diretores, procuradores ou empregados que utilizarem o nome da Cia. ou a envolverem em negĂłcios ou operaçþes estranhos ao objeto social, tais como fianças, inclusive em contratos de locação residencial, avais, endossos ou quaisquer outras garantias em favor de terceiros, exceto se expressamente aprovados por acionistas representando 75% do capitalsocial,emsededeAssembleiaGeraldeAcionistas.Cap.VI-AssemblĂŠiaGeral-Art.15-AAssembleiaGeralreunir-se-ĂĄ,ordinariamente, dentro dos 4 meses subsequentes ao tĂŠrmino do exercĂ­cio social para fins previstos em lei e, extraordinariamente, sempre que os interesses sociais assim o exigirem.§ 1o-As Assembleias serĂŁo instaladas e presididas pelo Presidente do Cons.de Administração ou, na sua ausĂŞncia, por acionista escolhido por maioria de votos dos presentes Ă  Assembleia Geral. O Presidente da Assembleia indicarĂĄ um secretĂĄrio para auxiliĂĄ-lo nos trabalhos.§ 2o-Asdeliberaçþes da Assembleia Geral, ressalvadas as exceçþes previstas em lei e neste Estatuto, serĂŁo tomadas por maioria de votos, nĂŁo se computando os votos em branco. § 3o-Osacionistas poderĂŁo ser representados nas Assembleias Gerais por mandatĂĄrios nomeados na forma do § 1o do Art.126 da Lei 6.404/76, devendo os respectivos instrumentos de mandato ser depositados, na sede social, com 03 dias de antecedĂŞncia da data marcada para realização da Assembleia Geral. Cap.VII-Cons. Fiscal-Art. 16-O Cons. Fiscal, que nĂŁo terĂĄ carĂĄter permanente, somente serĂĄ instalado por solicitação dos acionistas na forma da lei, e serĂĄ composto por 3 membros efetivos e 3 membros suplentes, acionistas ou nĂŁo, eleitos pela AssembleiaGeral em que for requerido o seu funcionamento. § 1o-Os membros do Cons.Fiscal, quando em exercĂ­cio, terĂŁo direito a remuneração a ser fixada pela Assembleia Geral que os eleger.§ 2o-As deliberaçþes do Cons.Fiscal serĂŁo tomadas por maioria de votos e lançadas no livro prĂłprio.Cap.VIII-Exercicio Social e Lucros-Art. 17-O exercĂ­cio social durarĂĄ de 1Âş de janeiro a 31 de dezembro de cada ano. Ao fim de cada exercĂ­cio a Diretoria farĂĄ elaborar, com base na escrituração mercantil, as demonstraçþes financeiras previstas em Lei, observadas as normas entĂŁo vigentes, as quais compreenderĂŁo a proposta de destinação do lucro do exercĂ­cio.Art. 18-A Cia.distribuirĂĄ, em cada exercĂ­cio social, dividendos obrigatĂłrios de, no mĂ­nimo, 25% do lucro lĂ­quido ajustado, calculado de acordo com o que dispĂľe o Art.202 da Lei nÂş 6.404/76.Art.19-Os dividendos atribuĂ­dos aos acionistas serĂŁo pagos nos prazos da lei, somente incidindo correção monetĂĄria e/ou juros se assim for determinado pela Assembleia Geral, e, se nĂŁo reclamados dentro de 3 anos contados da publicação do ato que autorizou sua distribuição, prescreverĂŁo em favor da Cia.. Art. 20-A Cia. poderĂĄ levantar balanços semestrais, ou em perĂ­odos menores, e declarar, por deliberação da Assembleia Geral, dividendos Ă  conta de lucros apurado nesses balanços, por conta do total a ser distribuĂ­do ao tĂŠrmino do respectivo exercĂ­cio social, observadas as limitaçþes previstas em lei.§ 1o-Ainda por deliberação da Assembleia Geral, poderĂŁo ser declarados dividendos intermediĂĄrios, Ă  sua conta de lucros acumulados ou de reservas de lucros existentes no Ăşltimo balanço levantado. § 2o-TambĂŠm, mediante decisĂŁo da Assembleia Geral, os dividendos ou dividendos intermediĂĄrios poderĂŁo ser pagos a tĂ­tulo de juros sobre o capital social. § 3o-Dividendos intermediĂĄrios deverĂŁo sempre ser creditados e considerados como antecipação do dividendo obrigatĂłrio. Art. 21-A Cia. deverĂĄ submeter suas demonstraçþes financeirasĂ  auditoria anual por auditores independentes registrados na ComissĂŁo de Valores MobiliĂĄrios. Cap. IX-Liquidação-Art. 22-A Cia. somente serĂĄ dissolvida e entrarĂĄ em liquidação por deliberação da Assembleia Geral ou nos demais casos previstos em lei.§ 1o-Ă&#x20AC; Assembleia Geral que deliberar sobre a liquidação caberĂĄ nomear o respectivo liquidante e fixar-lhe a remuneração.§ 2o-A Assembleia Geral, se assim solicitarem acionistas que representem o nĂşmero fixado em lei, poderĂĄ instalar o Cons. Fiscal para o perĂ­odo da liquidação. Cap. X-Resolução De Conflitos-Art. 23-Todas as controvĂŠrsias, oriundas diretamente do presente Estatuto Social ou relativas Ă  Cia. deverĂŁo ser submetidas Ă  arbitragem, de carĂĄter vinculante entre os acionistas.Anteriormente Ă  instauração do procedimento arbitral, os acionistas deverĂŁo, de comum acordo, determinar as regras a serem seguidas durante a arbitragem. Caso nĂŁo haja concordância entre as Partes dentro de 10 dias no tocante ao estabelecimento das normas a serem seguidas na arbitragem, as Partes desde jĂĄ acordam em utilizar as regras da Câmara de Mediação e Arbitragem de SĂŁo Paulo-CIESP.O procedimento arbitral serĂĄ realizado em SP/SP, Brasil, em lĂ­ngua portuguesa, sob os auspĂ­cios da Câmara de Mediação e Arbitragem de SĂŁo Paulo-CIESP. Cap. XI-Disposiçþes Gerais-Art. 24-A Cia. disponibilizarĂĄ, sempre que solicitada por quem de direito, os contratos celebrados com partes a ela relacionadas, acordo de acionistas e programas de opçþes de aquisição de açþes ou de outros tĂ­tulos ou valores mobiliĂĄrios de emissĂŁo da Cia..VII.Encerramento:Nada mais.Mesa: Pedro Manso Cabral Filho-Presidente e Fabio Pereira de Carvalho-SecretĂĄrio.Jucesp nÂş 465.176/12-4 em 24/10/2012.Gisela Simiema Ceschin-SecretĂĄria Geral.

Vanguarda Agro S.A. - Cia. Aberta - CNPJ/MF nÂş 05.799.312/0001-20 - NIRE 35.300.380.657 FDE AVISA: PREGĂ&#x192;O ELETRĂ&#x201D;NICO DE REGISTRO DE PREĂ&#x2021;OS NÂş 67/00022/12/05 OBJETO: AQUISIĂ&#x2021;Ă&#x192;O DE LEITOR DE CĂ&#x201C;DIGO DE BARRAS A FUNDAĂ&#x2021;Ă&#x192;O PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAĂ&#x2021;Ă&#x192;O - FDE comunica Ă s empresas interessadas que se acha aberta licitação para Aquisição de Leitor de CĂłdigo de Barras. As empresas interessadas poderĂŁo obter informaçþes e verificar o Edital a partir de 09/11/2012, no endereço eletrĂ´nico www.bec.sp.gov.br ou na sede da FDE, na SupervisĂŁo de Licitaçþes, na Av. SĂŁo LuĂ­s, 99 - RepĂşblica - CEP: 01046-001 SĂŁo Paulo/SP, de segunda a sexta-feira, no horĂĄrio das 08:30 Ă s 17:00 horas, ou verificar o edital na Ă­ntegra, atravĂŠs da Internet no endereço: http://www.fde.sp.gov.br. A sessĂŁo pĂşblica de processamento do PregĂŁo EletrĂ´nico serĂĄ realizada no endereço eletrĂ´nico www.bec.sp.gov.br, no dia 27/11/2012, Ă s 10:00 horas, e serĂĄ conduzida pelo pregoeiro com o auxĂ­lio da equipe de apoio, designados nos autos do processo em epĂ­grafe e indicados no sistema pela autoridade competente. Todas as propostas deverĂŁo obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital e seus anexos e serĂŁo encaminhadas, por meio eletrĂ´nico, apĂłs o registro dos interessados em participar do certame e o credenciamento de seus representantes previamente cadastrados. A data do inĂ­cio do prazo para envio da proposta eletrĂ´nica serĂĄ de 09/11/2012, atĂŠ o momento anterior ao inĂ­cio da sessĂŁo pĂşblica. HERMAN JACOBUS CORNELIS VOORWALD Respondendo pela PresidĂŞncia Decreto s/nÂş de 03/10/2012

REDE BRASILEIRA DO TERCEIRO SETOR

ReuniĂŁo Conselho Gestor - REBRATES CNPJ nÂş 03.858.380/0001-98 - CONVOCAĂ&#x2021;Ă&#x192;O De acordo com o art. 27 e seus parĂĄgrafos e demais dispositivos do Estatuto Social da Rede Brasileira do Terceiro Setor â&#x20AC;&#x201C; REBRATES (Rua Boa Vista, 76 â&#x20AC;&#x201C; 5Âş andar, SĂŁo Paulo, Capital) ďŹ cam os Srs. Conselheiros convocados para a ReuniĂŁo do Conselho Gestor, que serĂĄ realizada no dia 27 de novembro de 2012, Ă s 09h30, na Rua Nestor Pestana, 147 - 1Âş andar, nesta Capital, no AuditĂłrio Ă?talo Brasil Portieri, da Associação CristĂŁ de Moços de SĂŁo Paulo â&#x20AC;&#x201C; ACM, para tratar da seguinte Ordem do Dia: 1) Açþes relativas Ă  certiďŹ cação das entidades (CEBAS); 2) ComissĂŁo da Criança e do Adolescente; 3) ComissĂŁo da Pessoa com DeďŹ ciĂŞncia; 4) ComissĂŁo de Finanças; 5) Campanha de destinação de recursos para Projetos aprovados no FUMCAD- Fundo Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente; 6) Palavra Livre. SĂŁo Paulo, 8 de novembro de 2012. MarĂ­sia Donatelli - Presidente do Conselho Gestor.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SĂ&#x192;O CARLOS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAĂ&#x161;DE - FUNDO MUNICIPAL DE SAĂ&#x161;DE PREGĂ&#x192;O ELETRĂ&#x201D;NICO FMS NÂş 110/2012 - PROCESSO ADMINISTRATIVO NÂş 2751/2012 Faço pĂşblico, de ordem do Senhor SecretĂĄrio Municipal de SaĂşde, que se encontra aberto o PregĂŁo EletrĂ´nico FMS nÂş 110/2012, tendo como objeto o registro dos preços dos remĂŠdios que fazem parte da nova Relação Municipal de Medicamentos, conforme descrição, especificaçþes e quantidades constantes nos Anexos II e V. O Edital na Ă­ntegra poderĂĄ ser obtido nos sites: www.licitacoes-e.com.br e www.saocarlos.sp.gov.br, opção Licitaçþes. O recebimento e a abertura das propostas dar-se-ĂŁo atĂŠ as 8 horas do dia 23 de novembro de 2012 e o inĂ­cio da sessĂŁo de disputa de preços serĂĄ Ă s 9 horas do dia 23 de novembro de 2012. Maiores informaçþes pelo telefone (16) 3374-1830. SĂŁo Carlos, 08 de novembro de 2012. Chayana Antonio de Moura - Pregoeira.

SANTA URSULINA PARTICIPAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES NIRE NÂş 35.203.089.579 - CNPJ NÂş 53.380.282/0001-29 ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINĂ RIA Em atenção ao disposto no art. 1.084, §1Âş, do CĂłdigo Civil, SANTA URSULINA PARTICIPAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES LTDA. torna pĂşblico que, em assembleia geral extraordinĂĄria realizada de 31/10/2012, Ă s 14h00, aprovou por unanimidade dos presentas quotistas, redução do capital social excessivo em relação ao objeto social, de R$2.425.800,00 (dois milhĂľes, quatrocentos e vinte cinco mil e oitocentos reais) para R$1.806.800,00 (um milhĂŁo, oitocentos e seis mil e oitocentos reais), com a consequente redução da quantidade de quotas, permanecendo o valor de R$1,00 cada uma. (aa) SERGIO CIMATTI e DALVA CIMATTI - quotistas.

                        !      "  !        #  !  #

 

    $      %&' ! ( )

Publicidade Legal

Anuncie!

Fone: 11 3180 3175

Ficam os Srs. acionistas da Cia., com sede na Cidade de SĂŁo Paulo/SP, na Av. Pres. Juscelino Kubistchek nÂş 1726, conj. 113, Vl. Nova Conceição, CEP 04.543-000, CNPJ/MF nÂş 05.799.312/0001-20, convocados a participar da AGE da Cia., que se realizarĂĄ, em 1ÂŞ convocação, no dia 23/11/2012, Ă s 10hs, na sede da Cia., a fim de deliberarem sobre os seguintes assuntos: (i) a ampliação do prazo de mandato da Diretoria para 2 anos, com alteração do caput do art. 14 e do caput do art. 19 do Estatuto Social da Cia.; (ii) a exclusĂŁo dos dispositivos estatutĂĄrios de proteção Ă  dispersĂŁo acionĂĄria (poison pill), l com alteração no Estatuto Social da Cia., especificamente exclusĂŁo do §2Âş e reordenação dos demais parĂĄgrafos do art. 36; exclusĂŁo do art. 39; e renumeração dos demais art.s do Estatuto, bem como as remissĂľes de art.s e parĂĄgrafos; (iii) criação de capital autorizado, de forma que a Cia., por deliberação do Conselho de Administração, possa aumentar o seu capital social, sem a necessidade de modificação estatutĂĄria, atĂŠ o limite de R$ 2.628.000.000,000, com a inclusĂŁo dos §§ 1Âş e 2Âş no art. 5Âş do Estatuto Social da Cia., bem como a reordenação do parĂĄgrafo Ăşnico existente nesse art.; alteração do inciso â&#x20AC;&#x153;viiâ&#x20AC;? do art. 13, parĂĄgrafo Ăşnico, do Estatuto Social da Cia.; e inclusĂŁo do inciso â&#x20AC;&#x153;xxiâ&#x20AC;? no art. 18, caput, do Estatuto Social da Cia.; (iv) o aumento do capital social da Cia. no montante de R$ 350.000.000,10, com a subscrição privada e emissĂŁo de 1.166.666.667 açþes ordinĂĄrias, nominativas, escriturais e sem valor nominal, com a consequente alteração do art. 5Âş, caput, do Estatuto Social da Cia.; (v) a alteração do art. 38, inciso â&#x20AC;&#x153;iiâ&#x20AC;?, do Estatuto Social da Cia.; e (vi) a consolidação do Estatuto Social da Cia. Disposiçþes Gerais: (i) Para fins de melhor organização dos trabalhos, recomenda-se aos acionistas da Cia. o depĂłsito na sede da Cia., com 72hs de antecedĂŞncia da realização da AGE, dos seguintes documentos: (a) documento de identidade, (b) comprovante da respectiva posição acionĂĄria, expedido pela instituição depositĂĄria das açþes escriturais ou em custĂłdia, e (c) na hipĂłtese de representação do acionista, o respectivo instrumento de procuração, formalizado nos termos da lei; (ii) A Proposta da Administração, incluindo versĂŁo marcada do Estatuto Social com as possĂ­veis alteraçþes, estĂĄ disponĂ­vel no site da Cia. (www.v-agro.com.br/ri), bem como no site da ComissĂŁo de Valores MobiliĂĄrios (www.cvm.gov.br); e (iii) No caso de representação do acionista, conforme mencionado no item (i) (c) acima, a Cia. recomenda o depĂłsito prĂŠvio do respectivo instrumento de procuração (cuja minuta encontra-se no Manual de Assembleia, disponĂ­vel no website da Cia., www.v-agro.com.br/ri), podendo, ainda, ser enviada por e-mail para ri@v-agro.com.br. Os originais dos documentos referidos, ou suas cĂłpias, dispensada a autenticação e o reconhecimento de firma, deverĂŁo ser exibidos Ă  Cia. atĂŠ o momento da abertura dos trabalhos da respectiva AGE. SP, 07/11/2012. Salo Davi Seibel - Presidente do Conselho de Administração.

GOVERNO DO ESTADO DE SĂ&#x192;O PAULO Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com DeficiĂŞncia CHEFIA DE GABINETE - AVISO DE LICITAĂ&#x2021;Ă&#x192;O PREGĂ&#x192;O PRESENCIAL NÂş 002/2012 - PROCESSO NÂş 118201/2012 OBJETO: Contratação de empresa especializada em serviços de fornecimento de passagens aĂŠreas, nacionais e internacionais, nas classes econĂ´mica, executiva ou primeira classe, envios de PTAs, traslados, hospedagem e alimentação em hotĂŠis, nacionais e internacionais, para atender a Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com DeficiĂŞncia. Acha-se aberto o PregĂŁo Presencial nÂş 002/2012, destinado Ă  Contratação de empresa especializada em serviços de fornecimento de passagens aĂŠreas, nacionais e internacionais, nas classes econĂ´mica, executiva ou primeira classe, envios de PTAs, traslados, hospedagem e alimentação em hotĂŠis, nacionais e internacionais, para atender a Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com DeficiĂŞncia, cuja abertura da sessĂŁo pĂşblica estĂĄ marcada para o dia 30/11/2012, Ă s 10h00, na Sede desta Secretaria, sita Ă  Avenida Auro Soares de Moura Andrade, 564 - PortĂŁo 10 - Barra Funda - SĂŁo Paulo/SP. O Edital na Ă­ntegra encontra-se disponĂ­vel no endereço eletrĂ´nico www.imesp.com.br - opção: negociospublicos e resumidamente no endereço eletrĂ´nico www.pregao.sp.gov.br

Sindicato do ComĂŠrcio Atacadista de Louças, Tintas e Ferragens no Estado de SĂŁo Paulo Edital de Convocação O Presidente da Entidade supra, no uso das atribuiçþes que lhe sĂŁo conferidas pelo Estatuto, convoca todos os integrantes de sua diretoria e da categoria econĂ´mica por ela representada, para participarem da Assembleia Geral ExtraordinĂĄria a ser realizada no dia 14 de novembro de 2012, Ă s 16h, em primeira chamada, na sua sede social, Rua Major SertĂłrio, 88 â&#x20AC;&#x201C; 4Âş andar, Salas 402 e 403, Vila Buarque, nesta cidade, a fim de deliberar sobre a seguinte ordem do dia: 1) Alteração do Estatuto por motivo de mudança da sede do Sindicato. 2) Mudança da Sede do Sindicato da Rua CapitĂŁo Mor JerĂ´nimo LeitĂŁo, 108 â&#x20AC;&#x201C; 2Âş andar â&#x20AC;&#x201C; Conjunto 26 - Centro, nesta cidade, para Rua Major SertĂłrio, 88 â&#x20AC;&#x201C; 4Âş andar, Salas 402 e 403, Vila Buarque, nesta cidade. NĂŁo havendo, na hora acima indicada, nĂşmero legal de participantes para a instalação dos trabalhos em primeira convocação, a Assembleia Geral ExtraordinĂĄria serĂĄ realizada Ă s 17h, em segunda convocação, com o quorum legal. SĂŁo Paulo, 09 de novembro de 2012. Renaldo Pizzimenti - Presidente.

Planihold S.A. CNPJ/MF nº 56.817.786/0001-99 - NIRE 35.300.123.395 Edital de Convocação - AssemblÊia Geral Extraordinåria Ficam convocados os srs. acionistas a comparecer à AssemblÊia Geral Extraordinåria que se realizarå no dia 16 de novembro de 2012, às 10:00 horas, na sede da Companhia, localizada na Rua Tenente Negrão, 140, 5º andar, Cj. 51, Itaim Bibi, São Paulo-SP, para deliberarem sobre a seguinte ordem do dia: reeleição dos Diretores da Companhia, nos termos do artigo 10 do Estatuto Social. São Paulo, 6 de novembro de 2012. Planihold S.A., Jairo Eduardo Loureiro-Diretor Presidente. (09, 10 e 13/11/2012)

VOITH TURBO LTDA. torna pĂşblico que recebeu da CETESB a Licença PrĂŠvia e de Instalação N° 29000730 e requereu a Licença de Operação para FAB DE PEĂ&#x2021;AS E ACESSĂ&#x201C;RIOS PARA VEĂ?CULOS AUTOMOTORES , sita Ă  RUA FRIEDRICH VON VOITH, 825, PRĂ&#x2030;DIO 19, JARAGUĂ , SĂ&#x192;O PAULO/SP.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

24

e

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Esperamos que não haja estiagem e que a segunda safra de milho seja revista. Mauro Andreazzi, gerente de Agropecuária do IBGE

conomia Dirceu Portugal/ EC - 15.03.10

A

s previsões climáticas, com indicação de chuvas dentro da normalidade nos próximos meses, favorecem a boa produtividade das lavouras de grãos e a colheita de uma safra recorde estimada em até 181,55 milhões de toneladas em 2012/13. A afirmação partiu do diretor de Política Agrícola e Informações da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Silvio Porto, durante a divulgação dos dados do segundo levantamento de intenção de plantio realizado em campo pelos técnicos da empresa. Segundo o diretor, na região Nordeste existe a possibilidade de irregularidade de chuvas, por causa da incidência do fenômeno climático La Niña, o que pode dificultar a recuperação das perdas provocadas pela estiagem neste ano. Por enquanto, a Conab trabalha com a perspectiva de aumento de até 19,8% na produção de grãos da região Nordeste, para 14,8 milhões de toneladas, graças à projeção de aumento de 17% na produtividade. Na região Sul, castigada pela falta de chuvas no início deste ano, a previsão é de aumento de até 20,6% na produção, estimada no limite máximo em 69,7 milhões de toneladas. O crescimento mais expressivo, de até 34,1%, é esperado para o Rio Grande do Sul, onde na safra passada houve quebra de 27,5% da produção de grãos. Para o Centro-Oeste a perspectiva é de aumento de quase 2% na safra, que deve atingir 72,5 milhões de toneladas, consolidando a região na liderança da produção brasileira de grãos.

Clima favorece safra recorde em 2013 Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e IBGE têm o mesmo prognóstico IBGE –E o primeiro prognóstico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para 2013 também é de uma safra recorde, de 170.913.202 de toneladas, 5,1% maior do que a deste ano, de 162.571.949 de toneladas, que, por sua vez, já é 1,5% su-

perior à de 2011. O que irá puxar o acréscimo no próximo ano será, principalmente, a soja e o milho. A estimativa de produção de soja no próximo ano é de 79,7 milhões de toneladas, 46,4% da safra. Neste ano, o grão respondeu por 40,4% do

total. Estima-se, portanto, um crescimento de 21,5% da produção, entre os dois anos, e de 5,7% na área a ser colhida. A soja deverá ocupar áreas antes destinadas ao milho primeira safra, algodão herbáceo, feijão primeira safra, arroz e pastagens.

A área colhida do produto deverá passar de 24,9 milhões de hectares este ano para 26,3 milhões de hectares em 2013, com destaque para Mato Grosso, onde se espera acréscimo de 7%, com área colhida de 7,5 milhões de hectares. A estimativa de produção no Es-

tado é de 23,3 milhões de toneladas, 6,9% mais do que neste ano. A produção de milho, estimada em 66.142.463 toneladas, deve responder por 38,7% da safra total, ante participação de 44% no ano anterior. O acréscimo em relação a 2012 ocorrerá na primeira safra do ano, cuja produção deve passar de 33.204.224 toneladas para 34.776 450 toneladas. "O volume da segunda safra é só projeção, por isso, a estimativa de queda. Mas esperamos que não haja no próximo ano os problemas climáticos de 2012, de estiagem, e que a estimativa da segunda safra seja revista", disse o gerente da coordenação de Agropecuária do IBGE, Mauro Andreazzi. A área plantada do milho está diminuindo em virtude da expansão da soja. As lavouras, porém, têm mostrado aumento da produtividade, destacou o técnico do instituto. A área colhida do grão em 2013 é projetada em 14.719.153 hectares, ante 14.340 802 hectares neste ano. Nos dois casos, da soja e do milho, prevalecerá o estímulo dos preços dos grãos à produção. Neste ano, o preço da soja no mercado futuro alcançou R$ 75 por saca de 60 kg. Atualmente, o produto está sendo negociado a R$ 55 por saca. Em 2013, a Região Sul deverá retomar a primeira posição entre as produtoras de grãos. Deverá responder por 39,6% da safra, ante a participação de 39,0% do Centro-Oeste. "A Região Centro-Oeste tem mais área do que a Sul, com o passar do tempo, deve liderar a produção de grãos", afirmou Andreazzi. (Estadão Conteúdo)

Jonas oliveira/ EC - 09.09.04

Soja deverá 'arrebentar'

A

Importação de trigo deve aumentar

A

previsão de importação de trigo pelo Brasil, um dos maiores importadores globais, foi elevada ontem para 7 milhões de toneladas na temporada 2012/13, segundo dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). O volume é maior que as 6,7 milhões de toneladas projetadas no relatório estatal de outubro e também representa um aumento ante as importações do cereal feitas em 2011/12, que totalizaram 6 milhões de toneladas. A alta das importações se dará por conta de uma menor produção e diminuição da qualidade do cereal devido ao clima "extremamente

desfavorável", disse a Conab. A estatal estimou a produção em 4,46 milhões de toneladas, ante 5 milhões de toneladas na previsão de outubro. Essa projeção representaria uma queda ante o volume registrado em 2011, quando o País produziu 5,78 milhões de toneladas. A safra de trigo está em fase final de colheita no Paraná. No Rio Grande do Sul, produtores já colheram metade da produção esperada. A safra foi afetada por estiagem na época de plantio, geada no período crítico, chuvas de granizo e excesso de chuvas na colheita. Custos – Com uma produção menor, o País terá neces-

sariamente em um aumento das importações. "Estima-se que a demanda global deverá se manter em 10,4 milhões de toneladas, da mesma forma que a moagem industrial se manterá no patamar de 10,1 milhões de toneladas, igual a do ano anterior", acrescentou. A Conab também projetou em relatório que "o País arcará com um custo de US$ 2,4 bilhões de dólares para manter o abastecimento interno, sem se considerar o custo com a transferência do produto e com as importações de farinha de trigo, que tendem a ser maiores devido à conjuntura atual", de acordo com o relatório. (Reuters)

Unica faz publicidade

A

pós quatro anos sem grandes ações na mídia e em momento de retração no consumo, a indústria do etanol promove nova campanha publicitária para tentar convencer a população a abastecer seu carro com o combustível. A partir do próximo domingo (11) e até 15 de dezembro, peças publicitárias em todas as mídias, além de ações promocionais nos postos, destacarão o "impacto positivo" do uso de etanol como combustível potente e limpo. O slogan "Coloca etanol, o

combustível completão" será apregoado pelo ator Lucio Mauro Filho, do seriado "A Grande Família", que, no papel de frentista, abordará donas de casa, trabalhadores e estudantes para mostrar as vantagens do etanol. A questão do preço está fora da campanha, mas a União da Indústria da Cana-de-Açúcar (Unica) aproveita o momento em que o etanol está competi-

tivo em São Paulo, Estado que representa metade do consumo do combustível no País, para "reativar o consumidor", nas palavras do diretor de comunicação corporativa da Unica, Adhemar Altieri. Segundo a Agência Nacional de Petróleo, na última semana o preço do etanol representava 66,60% do valor da gasolina em São Paulo. (Estadão Conteúdo)

safra de soja do Brasil na temporada 2012/13 foi estimada em um recorde ontem pelo Ministério da Agricultura, com produtores plantando a oleaginosa como nunca se viu no País, no embalo dos preços recordes registrados no mercado internacional após a quebra de produção nos Estados Unidos. A colheita foi prevista entre 80,08 milhões e 82,99 milhões de toneladas, praticamente estável na comparação com a previsão divulgada em outubro, de acordo com levantamento

da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Na projeção do mês passado, a estatal havia estimado a safra em um intervalo de 80,06 milhões a 82,8 milhões de toneladas. O Brasil está em processo de plantio da safra de soja. Se for confirmada a previsão, terá uma safra que superará o recorde anterior, de 75,32 milhões de toneladas de 2010/11. Além disso, poderá superar os Estados Unidos na produção na temporada 2012/13, assumindo a liderança global. Na temporada

passada (2011/12), quando a seca afetou a produção no Sul do país, o Brasil produziu 66,3 milhões de toneladas de soja. O segundo levantamento de intenção de plantio confirmou a tendência de aumento de área registrada no levantamento anterior. O cultivo foi previsto entre 26,43 milhões e 27,38 milhões de hectares, crescimento entre 5,5% e 9,3% ante a safra passada. Esse crescimento da área plantada se deve aos excelentes preços de comercialização. (Reuters)

Diminui a área plantada de algodão

A

área a ser cultivada com algodão no País na safra 2012/13 deve diminuir entre 20,6% e 27,8% em relação ao período anterior, para entre 1.005,8 mil e 1.106,2 mil hectares. O resultado faz parte do segundo levantamento de intenção de plantio para a safra 2012/13, divulgado ontem pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Segundo a Conab, o fraco desempenho pode ser atribuído, entre outros fatores, "às baixas cotações do produto nos mercados interno e externo, aos favoráveis níveis de preços das commodities concorrentes (milho e soja), notadamente na Região Centro-Sul e, sobretudo, à forte elevação dos custos de produção". O Estado do Mato Grosso, líder na produção, apresenta recuo de 21,0% no ponto médio, diminuindo a área para 573,3 mil hectares ante 725,7 mil hectares cultivados na safra anterior. O Estado da Bahia, segundo na produção nacional, aparece na pesquisa reduzindo a área cultivada em 29% no ponto médio, para 121,1 mil hectares. A produção nacional de algodão em pluma deve cair para entre 1 477,1 mil (-21,3% ante a safra passada) e 1.624,5 mil toneladas (-13,5%). Arroz – O plantio do arroz, informa a Conab, segue em ritmo acelerado nos dois principais Estados produtores – Rio Grande do Sul e Santa Catarina – , que, juntos, cultivam aproximadamente 45% da área com o cereal, e uma produção que em determinados anos atinge 70% da safra nacional. Neste segundo levantamento de intenção de plantio, a estimativa de produção para a próxima safra nacional de arroz está entre 11,5 milhões e 11,7 milhões de toneladas, ou seja, uma produção praticamente idêntica à do ano passado, em uma área que decresce no intervalo entre 3,3% e 1,6%. Leilão – Hoje, a Conab realiza novo leilão de venda de arroz, após duas semanas. A pausa

Marcos Bergamasco/ Folhapress - 05.05.05

Conab prevê até 27,8% menos áreas plantadas atendeu a uma demanda da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz), que pedia maior intervalo nas vendas do cereal para equilibrar a oferta no mercado com as negociações dos arrozeiros. Segundo Renato Rocha, presidente da Federarroz, em outubro o produtor intensificou as vendas para pagar as despesas de custeio da safra, o que deixou o mercado superofertado. Nos leilões – avisos 409 e 410 – serão ofertadas cerca de 80 mil toneladas de arroz. (Estadão Conteúdo)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Nº 439

DCARR

25

No final do mês (28 e 29), a JAC Motors lançará o pequeno J2 e realizará a cerimônia de "pedra fundamental", em Camaçari (BA), do seu complexo industrial.

CHEVROLET ONIX

O próximo campeão de audiência? Novo modelo vai causar danos na concorrência na faixa dos compactos. Suas principais armas: bom preço (a partir de R$ 29.990), design, conforto e desempenho. CHICOLELIS/ANTÔNIO FRAGA

N

a ampla renovação de seus produtos, a General Motors do Brasil segue a tendência mundial de quase todos os fabricantes da atualidade e os modelos ficam, pelo menos na dianteira, com a "mesma cara". É bem verdade que isso é um pouco cansativo, mas torna possível, de longe, identificar um carro da marca. Com a enorme grade dividida pela "gravata", símbolo da Chevrolet, nos carros e utilitários, o design é muito bonito, agressivo e dá um ar de força e dinamismo. Bons exemplos disso são a nova S10, o Cruze, a Captiva e o Cruze Sport6, este, um dos carros mais elegantes e belos que a GM já fez no Brasil. Agora chega o Onix, com o mesmo DNA no design, esportivo, e traseira hatch, muito agradável. O novo carro vai dar trabalho à concorrência. Ele tem tudo para ser um sucesso de vendas, a começar pelo seu preço: R$ 29.900 na versão básica, 1.0, com air bag duplo frontal, ABS com EDB e direção hidráulica. O 1.0 mais caro custa R$ 34.990 e agrega, entre outros ítens, arcondicionado. Com motor 1.4, os valores vão de R$ 35.290 a R$ 41.990. Na dianteira, os faróis afilados acompanham o contorno

Fotos: Divulgação

Imponente e elegante, o Onix oferece conforto interno e tecnologia embarcada acima da média do segmento.

da lateral, com linhas que ampliam a esportividade. O capô curto e o para-brisas em um ângulo mais agudo reforçam a elegância do modelo. A traseira arqueada e levemente arredondada, com aerofólio integrado, para-lamas e para-choques salientes dão agilidade ao Onix. É inegável a personalidade do modelo. De autoria dos departamentos de design e engenharia do Brasil, o Chevrolet Onix vai ser comercializado em dezenas de países em todo o mundo. Aqui, serão três pos-

sibilidades de acabamento, LS, LT e LTZ, e duas motorizações: 1.0 e 1.4 litro. Apesar de ser um hatch compacto, o Onix tem bom espaço interno e acabamento surpreendente. Como em quase todos os carros, o mais agradável é "carregar" apenas quatro passageiros, mas o Onix acomoda até cinco pessoas sem problema graças à sua distância de entre-eixos, 2.528mm, a maior do segmento (como exemplo, podemos usar o Cruze, com entreeixos de 2.685 mm).

A posição de dirigir é boa e os bancos dianteiros, confortáveis – mas o do motorista poderia abaixar um pouco mais, para pessoas que gostam ou para quem tem estatura mais elevada. Por sua vez, os traseiros poderiam ter o encosto mais inclinado. Quem gosta de carros mais "altos", como a grande maioria das mulheres, vai se sentir em "casa". No porta-malas, capacidade para 280 litros. O modelo também possui um bom nível de tecnologia embarcada, inclusive acima de carros de categoria supe-

SALÃO DA MOTOCICLETA Newton Santos/Hype

Atrações extra-motos Falta de lançamentos leva salão a promover diversão para os visitantes MÁRIO TONOCCHI/CHICOLELIS

C

om poucos lançamentos, o Salão da Motocicleta 2012 investe na diversão, test-drives, venda de produtos para motociclistas como capacetes e macacões com descontos, além de leilões de cinco mil produtos entre eles motocicletas novas e usadas para atrair cerca de 100 mil visitantes ao Centro de Exposições Imigrantes, até domingo. Uma curiosidade no salão é que as fabricantes não estão presentes oficialmente, mas representadas por revendas, como acontece com a Honda e a Yamaha, as principais. A mostra reúne cerca de 300 modelos. Os testes das motos são oferecidos pelas marcas Honda, Yamaha e Piaggio e acontecem na área externa de 18 mil metros quadrados onde também são realizados campeonatos de wheeling e free style. O evento também apresenta bicicletas elétricas e tem espaço reservado para fabricantes de peças, principalmente chineses e coreanos.

Um dos principais lançamentos no Salão foi o anúncio do início da importação dos modelos MP3 300 Yourban e Vespa 300 GTV Série Especial da italiana Piaggio pela Global Scooter, concessionária oficial da marca e da Vespa no Brasil. O MP3 300 é um scooter com três rodas (duas na dianteira e uma na traseira) com 278 cilindradas e 22 cv de potência para torque de 23,2 N.m a 6.500 rpm. Importado da Itália, o modelo chega no primeiro lote com 15 unidades ao preço de R$ 37,9 mil cada. Já a Vespa 300 GTV Série Especial conta com bancos de couro e rodas cromadas. Foram mantidas as linhas vintage, com elementos que retomam a década de 50, como o farol no para-lama e o guidão cromado. Vai custar, para o consumidor brasileiro, R$ 27,9 mil. A Yamaha apresenta no Salão a linha 2013 da média cilindrada XJ6. A esportiva de 600 cc chega às lojas da marca no Brasil a partir de janeiro ao preço de R$ 27.850 na versão naked e de R$ 28.990 na versão com carenagem. A XJ6 2013 tem painéis laterais

redesenhados, conjunto óptico mais compacto, novas alças para passageiro, painel de instrumentos com nova iluminação de fundo em LED, novo forro do assento, piscas transparentes, tampa do tanque de combustível em preto e afinador de corrente modificado. A linha 2013 também traz novo esquema de pintura em duas cores: Midnight Black e Competition White. A Harley-Davidson apresenta todos os seus modelos, sem lançamentos. Para o Salão, levou uma Fat Boy modelo 2009 na qual o dono gastou R$ 120 mil na customização, a folheando 46 peças a ouro. A customização também ampliou a potência da moto de seus originais 89 para 146 cavalos.

S ERVIÇO Ingressos para o Salão da Motocicleta: R$ 30 para adultos e R$ 15 para menores de 12 anos, na bilheteria. Descontos na compra pela internet, pelo site www.salaodamotocicleta.com.br.

Harley, sempre em destaque, tem até peças em ouro. Motos para crianças e bicicletas elétricas são atrações, além da "invasão" chinesa.

rior. Para os motoristas mais jovens, vai ser um verdadeiro delírio. Entre outras funções, o Onix dispõe do sistema multimídia MyLink, que permite ao usuário trazer músicas, fotos, vídeos e aplicativos do celular para dentro do veículo, além de fazer ligações telefônicas via Bluetooth. Motorizações – São dois os motores do Chevrolet Onix, ambos com câmbio manual de cinco marchas. Também desenvolvidos pela engenharia brasileira, os motores funcionam por meio de um sistema de injeção sequencial com ignição independente por cilindro, o SPE/4 (Smart Performance Economy 4 cylinders). São quatro no total, cada qual alimentado por uma bobina individual da mesma classe das utilizadas no Chevrolet Camaro, o que resulta em menos trabalho ao motor e redução no desperdício da energia por

ele gerado. A versão 1.0 do Onix rende 80 cavalos quando abastecida a etanol e 78 cavalos com gasolina, ambas a 6.400 rpm. O torque máximo, com etanol, é de 9.8kgfm a partir de 5.200 rpm, e 9.5kgfm quando alimentado a gasolina, na mesma faixa de rotação. O Onix vai de 0 a 100km/h em 13,3s (etanol) e 13,7s (gasolina), atingindo a velocidade máxima de 167km/h e 162km/h, respectivamente. Já a versão 1.4 litro do modelo produz 106 cavalos quando abastecida a etanol e 98 cavalos a gasolina, ambas a 6.000 rpm. O torque máximo, com etanol, é de 13.9 kgfm a partir de 4.800 rpm e 12.9 quando alimentado a gasolina, com mesma rotação. Segundo números do fabricante, com etanol, o Onix vai de 0 a 100km/h 10,1s podendo atingir até 180km/h. Com gasolina, são 10,6s e a mesma máxima.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

26

t

urismo

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

OS NÚMEROS Bordeaux é a 6ª cidade da França e recebe 3 milhões de visitantes por ano. A seu redor, mais de 117 hectares de vinhedos

Espelho d'agua diante da Praça da Bolsa de Valores: um espetáculo feito de água e bruma.

Antonella Salem

Divulgação

B

ordeaux remete à imagem de uma cidade elegante e tradicional, como a famosa bebida produzida nos vinhedos a seu redor. Capital da Aquitânia e porta de entrada para a maior e mais antiga região de vinhos finos do mundo, a menos de três horas de TGV ou 50 minutos de voo de Paris, ela é ainda mais do que isso. Além das gloriosas construções do século 18, Patrimônio Mundial pela UNESCO desde 2007, Bordeaux tem ares cosmopolitas, uma concentração de jovens entre seus 238 mil habitantes, bairros descolados, muita cultura e arte, lojasconceito, restaurantes e mercados. E surpreende seus visitantes pelo espírito do "joie de vivre" (a alegria de viver). Nem sempre foi assim. Em 2003, se tratava de uma cidade suja e sem vida, cujas edificações históricas perderam o brilho com o tempo. Bordeaux floresceu revitalizada e rejuvenescida a partir de 2004, nas mãos do prefeito Alain Juppé, ainda hoje no poder. Mudou da água para o vinho. Capital mundial do vinho à altura do título. As ruas do centro ficaram livres de carros, as edificações em pedra foram limpas e recuperadas, um bonde elétrico supermoderno passou a ligar os principais pontos aos subúrbios e a zona das docas, ao longo do Rio Garonne, foi reabilitada de forma esplendorosa. Uma de suas principais atrações: um espelho d'água arrojado de 3.450 metros quadrados, projetado pelo paisagista Michel Corajoud e palco de um espetáculo visual que tem um ciclo de 20 minutos e reflete os belos prédios da Praça da Bolsa de Valores. Primeiro, uma camada de água ultrafina e refrescante sobre a qual se caminha descalço. Então, a água seca como magia (há um moderno mecanismo subterrâneo) e do subsolo surge uma bruma. Se antes caminhavase na água, agora quem passa parece estar entre as nuvens. Em um passeio a pé a partir dali, pelo coração da cidade,

NA CAPITAL DO VINHO No sudoeste da França, Bordeaux pulsa como uma cidade rejuvenescida e vibrante

Fotos: Antonella Salem

imperdível também ver o bairro do Triângulo de Ouro e suas lojas de grife, o centro comercial Galerie des Grands Hommes e a Rue Sainte Catherine, onde estão os grandes magazines, como Zara, Sephora, H&M, Galeries Lafayette e Fnac. Para comprar livros, porém, Mollat (15, Rue Vital Carles) é o endereço local. Vinhos, na L'Intendant (2, Allées de Tourny), que se assemelha a

uma biblioteca da bebida, em uma torre de 12 metros. Arte? No Musée des Beaux-Arts (20, Cours d'Albret), que expõe obras europeias dos séculos 16 ao 20. Parte dele está em reformas e reabrirá em 2013. Ícones arquitetônicos no centro incluem a Cathédral St.André, vizinha do museu, a Praça Quincones e o Grand-Théatre. Com mais de dois séculos e arquitetura do francês Victor

Acima, Museu do Vinho, que ocupa uma adega de 1720, e o bonde elétrico em pleno centro. À dir., Museu de Arte Contemporânea, um antigo armazém.

Louis – o mesmo do Palais Royal de Paris –, o teatro está aberto para visitação em dias e horários determinados (sempre à tarde) e vale a pena assistir a um concerto, balé ou ópera. Chartrons – Domingo tudo fecha em Bordeaux e ocorrem as feiras de rua. Em St. Michel, há um caótico mercado de pulgas, mas o bairro para ir é Chartrons, onde nasceu o comércio internacional do vinho. Lá, às margens do Garonne, há muitas delícias regionais, entre macarrons e foies, canelés (bolinhos típicos caramelizados), frutas e peixes. Imperdível fazer uma degustação de ostras de Arcachon (costa da Aquitânia). Adiante no caminho pelos hangares, chega-se ao Quai des Marques, um complexo de lojas de outlet. Além de roupas, há utilitários para cozinha, incluindo as cobiçadas forminhas para madaleines (os bolinhos franceses). No bairro, os antigos armazéns, utilizados no passado para o comércio de vinhos, abrigam muitos antiquários e lojas de móveis e objetos de design, abertos de segunda a sábado. Na Rue Notre Dame você vai sentir um gostinho do Marais de Paris. Lá também estão dois dos museus interessantes. O Museu do Vinho e do Negócio (41, Rue Borie) ocupa uma adega de 1720 e possui uma coleção de objetos históricos. O Museu de Arte Contemporânea (Entrepôt, 7, Rue Ferrère) impressiona pela arquitetura do armazém para produtos coloniais. Sempre expõe obras de jovens artistas e seu restaurante é a dica para um brunch. O fim de tarde pode ser em um dos muitos cafés do cais, onde o pôr-do-sol será ao som de música "house", bebericando um Grand Cru. É assim a Bordeaux do século 21. Viagem a convite da Atout France, da Air France e do Turismo da Aquitânia

Moderna zona das docas, ao longo do Rio Garonne; bairro de Chartrons (foto no meio) e seus antiquários e lojas de design; e o Grand-Théatre, marco arquitetônico de Bordeaux.

RAIO X COMO CHEGAR A Air France (www.airfrance.com.br) tem voos entre São Paulo e Paris, com conexão para Bordeaux. A partir de R$ 2.055. ONDE DORMIR Grand Hôtel de Bordeaux & Spa: 2-5 Place de La Comédie, www.ghbordeaux.com. Um clássico diante do Grand-Théatre, com decoração por Jacques Garcia, francês que mescla peças antigas e contemporâneas. O restaurante com mesas na calçada Brasserie L'Europe vive cheio e Le Pressior d'Argent tem uma estrela Michelin e uma carta de vinhos com mais de 400 referências. O hotel oferece o serviço de "wine concierge", que possibilita desde reserva de degustações até o contato com os donos das melhores vinícolas. Diárias a partir de 240 euros. Maison Fredon: 5, Rue Porte de La Monnaie, www.latupina.com. Uma casa de 1750 transformada em hotel pelo restauranteur Jean-Pierre Xiradakis. Na mesma ruazinha estreita de seus restaurantes, tem cinco quartos decorados com peças de design escolhidas a dedo. Diárias a partir de 180 euros. Hôtel Particulier: 44 Rue Vital Carles, www.lhotel-particulier.com/. Do

lado da Cathédral St.-André, uma mansão do século 19 restaurada sob a direção de Pascale Daney e Alizée San José ( mãe e filha). Estilos clássico e moderno se misturam. A partir de 97 euros. ONDE COMER La Tupiña: 6, Rue Porte de La Monnaie, Divulgação

Jean-Michel Thomas promove degustações no Grand Hôtel.

www.latupina.com/. O prefeito de Bordeaux, Alain Juppé, é cliente fiel. Com atmosfera simples, tem entre as especialidades o carneiro cozido em sete horas. Jean-Pierre Xiradakis, que abriu a casa há 43 anos, costuma estar por lá. Na mesma rua, há os outros restaurantes e bares do empresário. Café Tupina, para drinques, almoço e jantar; Au Comestible, uma mercearia; Kuzina, de peixes; e Bar Cave de La Monnaie, para tomar vinhos. L'Entrecôte: 4 Cours du 30 Julliet. Foi em 1959 que Paul Gineste de Saurs criou o primeiro Le Relais de Venise Son Entrecôte em Paris. Henri, seu filho, abriu a casa em Bordeaux em 1966. Atenção aos horários (12h às 14h; e 19h15 às 22h45). É comum ter fila. Menu fixo a 17 euros por pessoa. Le Gabriel: 10, Place de la Bourse. www.chateauxhotels.com/. Vá ao bistrô, de estilo moderno e comida francesa contemporânea. Há um restaurante gourmet no andar de cima. Café Napoléon: 6 bis Cours du 30 Juillet, www.cafenapoleon3.com. Vale pelo caráter histórico. Fica do lado do teatro e serve especialidades locais, como magret de pato. Ibaïa Café: Quai des Chartrons,

Antonella Salem

Paris

França Bordeaux

ibaiacafe.fr. Para beber e comer e ver o pôr-do-sol ao som de "house". FAÇA AS MALAS Melhor época: na colheita, que varia a cada ano, entre agosto e outubro. Tours e pacotes: o Bordeaux Tourist Information Office (12 Cours du XXX Juillet, www.bordeauxtourisme.com) promove tours pela cidade e vende pacotes de duas noites na cidade (com hospedagem, tour com degustação em uma vinícola, passe para os museus, city tour e cupons de desconto) a partir de 110 euros por pessoa. Passeio: a meia hora de carro da cidade, vale ir ao histórico Château de Roquetaillade (chateauroquetai llade.free.fr/), na posse da mesma família há 700 anos. Não produz vinhos. A proprietária será sua guia.

Monumento Histórico da França, Château de Roquetaillade tem interiores por Viollet-le-Duc.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

27

Em Frankenweenie, de Tim Burton, o pequeno Victor traz de volta à vida Sparky, seu companheiro canino morto em um atropelamento. Filmado em preto e branco e com o humor típico do diretor, é diversão garantida para quem tem mais de dez anos.

d

cultura

A (re)animação de Burton Lúcia Helena de Camargo

A

animação Frankenweenie (EUA, 2012, 87 minutos), dirigida por Tim Burton, tem a estética e os elementos do imaginário do diretor que já apareceram em Noiva Cadáver, O Estranho Mundo de Jack (produzido por ele) e outros. Em preto e branco, desta vez o assunto é singelo: o amor de um menino por seu cão e a imensa tristeza que ele sente quando o cachorro morre. Quem já teve um animal de estimação certamente compreenderá melhor o sentimento. Mas todos são capazes de entender e se emocionar. A base para a trama é um episódio da infância de Burton – que aos nove anos viu morrer seu cão Pepe. O menino desta história é Victor Frankenstein, cujo cachorro, Sparky, estrela os filmes caseiros que adora fazer. Quando o animal é atropelado e morre, fica inconsolável. "Sparky vai viver para sempre dentro do seu coração", diz a mãe. "Não quero a ideia dele dentro do meu coração, quero ele aqui ao meu lado", retruca o menino. E vai à luta para conseguir o que deseja. Incumbido de apresentar um projeto para a aula de ciências, inventa um mecanismo para trazer o cão de volta à vida. Tem sucesso, mas o cão fica, digamos, diferente. E pior: os colegas de escola descobrem – porque em todos os lugares há sempre aquele garoto com menos talento e muita inveja dos progressos alheios. Com todos querendo tirar proveito da invenção de Victor, instala-se o caos. Construída em stop motion – técnica que filma bonecos

quadro a quadro – a animação contém poucos efeitos especiais de computação gráfica. Burton já havia filmado o roteiro em 1984, em um curta com atores. Como jamais foi lançado comercialmente, poderá ser um bom material para ser incluído entre os extras quando chegar às lojas nos formatos DVD e blu-ray. Frankenweenie também traz homenagens. A cena da cabine telefônica é claramente uma referência ao clássico Os Pássaros, de Alfred Hitchcock. Procure e achará ainda citações de Nosferatu, A Dança dos Vampiros, entre outros filmes de terror e terrir. Essa é a primeira produção de Tim Burton dos últimos anos sem o ator Johnny Depp. A voz de Victor é feita por Charlie Tahan. Winona Ryder fala por Elsa, estranha menina cujo gato faz premonições de maneira inusitada. O bichano "deixa" em sua caixa de areia coco no formato de letras. E Martin Landau é a voz por trás do professor M. Rzykruski. Christopher Lee faz Drácula. Como não se trata exatamente de um filme para crianças (a recomendação etária é para maiores de dez anos), entraram em cartaz diversas cópias com som original em inglês, legendadas em português. Algumas cenas são em 3D, mas quem só puder ver em 2D não perderá quase nada. O efeito de três dimensões não acrescenta muito. Aqui o mais interessante é mesmo a trama bem amarrada e a verve de Burton, com seus bizarros personagens e humor negro afiadíssimo.

Warner Bros/Divulgação

Em Argo, Afleck vive Tony Mendes, especialista da CIA em resgates.

Suspense entre Estados Unidos e Irã. Por Ben Afleck. S

e você lesse que a trama de filme é a seguinte: agentes da CIA se disfarçaram de produtores de ficção científica para resgatar reféns americanos no Irã, se interessaria em assistilo? Ou nem perderia seu tempo, pensando que se trata de uma produção barata e estapafúrdia, altamente inverossímil, criada por algum roteirista bêbado? Pois essa é a história de Argo (EUA, 2012, 120 minutos). E os acontecimentos nos quais se baseia são 100% reais. Ben Afleck faz produção (com George Clooney e Grant Heslov), dirige e protagoniza, na pele de Tony Mendez, um especialista em tirar gente de lugares difíceis, a serviço da CIA, chamado para solucionar uma questão de Estado. Em 4 de novembro de 1979, com a revolução islâmica a pleno vapor no Irã, uma turba de militantes fanáticos invade a embaixada dos EUA na capital, Teerã. São feitos reféns 52 funcionários americanos. Seis conseguem escapar e pedem refúgio na embaixada do Canadá, onde permanecem escondidos por meses. Mas o governo americano sabe que se eles forem encontrados, muito provavelmente serão mortos. Então Mendez inventa o plano mirabolante para resgatá-los. "Esta é a melhor entre todas as

ideias ruins que temos", explica ao comando, quando questionado sobre as chances de sucesso da missão. O roteiro, escrito por Chris Terrio, teve como base o livro The Master of Disguise, de Antonio J. Mendez, e a matéria The Great Escape publicada em 2007 na Wired Magazine, de Joshuah Bearman. O episódio demorou a vir à tona porque somente no ano 2000, durante a presidência de Bill Clinton, foi tirada a tarja de "sigilosa" da pasta com os documentos relacionados à operação. Estão em Argo Alan Arkin (o avô em A Pequena Miss Sunshine), Bryan Cranston (protagonista da série de TV Breaking Bad), Kyle Chandler (o dono do gato na série Early Edition) e o comediante John Goodman. A escolha de elenco, aliás, é um dos grandes trunfos. Os atores que vivem os funcionários americanos são quase idênticos às pessoas reais. As fotos aparecem lado a lado no final. Nesse terceiro longa como diretor, Affleck consegue criar suspense na hora certa, manter o mistério nas situações-chave sem trapacear o espectador e aliviar a tensão com bom humor. Sobra espaço até para a aparição de um clone de Chewbacca, o alienígena peludo que copilota a nave em Guerra nas Estrelas.

Disney/Divulgação

Victor e Sparky: quem pode culpar um menino por querer seu cão morto de volta?

Do fundo do mar à Transilvânia Ainda não começou a temporada de estreias que visam os escolares em férias, mas além de Frankenweenie, continuam em cartaz animações para os pequenos espectadores. O Mar Não Está pra Peixe – Tubarões à Vista (The Reef 2 High Tide, 2012, EUA, 88 minutos) provavelmente vai agradar mais quem tem menos de 12 anos de idade. Conta a saga do peixinho Pi, que derrota o tubarão Troy em uma briga, fazendo com que ele seja capturado em uma armadilha. Troy fica preso em uma jaula submarina e recebe injeções de substâncias que o fazem ficar maior e mais forte. Quando é libertado, parte para o recife onde vive Pi, em busca de vingança. Então Pi vai precisar da ajuda de todos para enfrentar Troy. A união faz a força.

Na mesma linha de desenho destinado a crianças pequenas – este principalmente para meninas – é Tinker Bell - O Segredo das Fadas (Tinker Bell: Secret of the Wings, 2012, EUA, 92 minutos). Tinker Bell, criada em 1953 e até os anos de 1980 conhecida no Brasil como Sininho, é uma fada que mora no Vale das Fadas. Mas foge e vai parar no Bosque do Inverno, onde não consegue voar e tudo fica mais complicado. É o quarto filme da fada lançado pela Disney. Os outros, disponíveis em DVD, são Tinker Bell - Uma Aventura no Mundo das Fadas (2008); Tinker Bell e o Tesouro Perdido (2009) e Tinker Bell and the Great Fairy Rescue (2010). Diversão também para adultos (sem excluir os pequenos) é Hotel Transilvânia (Hotel

Transylvania, 2012, EUA, 91 minutos). O conde Drácula comanda um resort e decide dar uma festa para o aniversário de 118 anos de sua filha Mavis. Convida os amigos lobisomens, múmias, zumbis e outros monstros. Cada um com sua bizarra idiossincrasia, são esquisitos e adoráveis. A agitação aumenta quando aparece na festa um humano não convidado. Há ainda Valente (Brave, 2012, EUA, 100 minutos), ótima animação dos estúdios Pixar sobre a princesa da Escócia que decide lutar, com arco e flecha na mão, pelo direito de escolher seu próprio marido. Ela vai cometer um erro terrível, mas a chance de um final feliz é grande, embora neste caso não se faça qualquer concessão ao piegas para contar a história. (LHC)

Mavis, filha de Drácula que completa 118 anos de idade. Em Hotel Transilvânia.

CICLO Louis Malle: do romance ao documentário. Fotos: Divulgação

Ascensor para o Cadafalso: Maurice Ronet e Jeanne Moreau na história que tem crimes e traições embalados pela música de Miles Davis.

A

té o dia 25 duas salas paulistanas trazem a retrospectiva O Cinema de Louis Malle: Versátil e Polêmico, para homenagear os 80 anos do nascimento do cineasta francês, celebrados no dia 30 de outubro. O Centro Cultural Banco do Brasil e o Cinusp Paulo Emílio apresentarão 21 filmes, entre ficções e documentários de Louis Malle. Invocado já no título da mostra, seu estilo marcado pela controvérsia e diversidade de gêne-

ros que levava às telas poderá ser visto em diversos bons exemplos de sua grande obra, como o cheio de suspense A scensor Para o Cadafalso; o intenso Trinta Anos Esta Noite; os polêmicos O Sopro no Coração e Pretty Baby (Menina Bonita), além de muitos outros como Atlantic City, Zazie no Metrô, Lacombe Lucien, Adeus, Meninos e até o documentário O Mundo do Silêncio, feito em 1956 parceria com Jacques Cousteau, com imagens do

Mediterrâneo ao Oceano Índico, passando pelo Mar Vermelho, que tornou-se o primeiro filme do gênero a ser premiado com a Palma de Ouro no Festival de Cannes, além de vencedor do Oscar na categoria. A programação inclui um debate sobre a sexualidade nos filmes de Louis Malle, centrado no filme Os Amantes, no contexto da revolução cultural em curso no início dos anos 1960. O bate-papo conta com a presença do cura-

dor da mostra, Marcos Kurtinaitis, e da crítica literária e professora de Literatura Brasileira da USP, Eliane Robert Moraes. Será ainda editado um livreto com a programação, sinopses, fotos e fichas técnicas. (LHC)

CCBB. Rua Álvares Penteado, 112. Centro. Tel.: 3113-3651. R$ 4. www.bb.com.br Cinusp. Rua do Anfiteatro, 181. Colmeia. Favo 4. Cidade Universitária. Tel.: 3091-3540. Grátis. www.usp.br/cinusp


DIÁRIO DO COMÉRCIO

28

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

d

cultura

D. Pedro II e seus amigos judeus Esse é o nome da obra de Sonia Sale que, com elegância e simplicidade, retrata essa relação. Luiz Carlos Lisboa

A

formação do único grande monarca brasileiro, o imperador dom Pedro II, tem sido tomada por historiadores e educadores no Brasil e no exterior como modelo refinado de seriedade, dedicação, eficiência e dignidade. Os que procuram em nossa história uma imagem destacada de administrador e juiz, a uma só vez isento e devotado defensor das causas e dos interesses nacionais, voltam sempre à mesma figura de homem culto, elegante e discreto que recebeu por batismo, como era costume nas monarquias da época, o longo nome de Pedro de Alcântara João Carlos Leopoldo Salvador Bibiano Francisco Xavier de Paula Leocádio Miguel Gabriel Rafael Gonzaga. Dom Pedro II foi uma criança solitária e pouco cercada do afeto tradicional que envolve a família brasileira, uma vez que perdeu sua mãe com apenas um ano de idade, tendo o pai, dom Pedro I, casado em segundas núpcias com a princesa d. Amélia. Aos cinco anos ele já era o imperador do Brasil, estando o poder de fato nas mãos da chamada Regência Trina, composta pelo marquês de Caravelas, pelo senador Vergueiro e pelo general Lima e Silva. Em 1837, ao completar nove anos, o imperador já falava e escrevia em francês e inglês. Seus professores foram, naturalmente, os melhores de sua época no Brasil. Seu primeiro amigo foi Félix Emílio Taunay, que lhe ensinava grego e história

universal sob um ângulo liberal e independente. O latim, a religião e a matemática, ministrados por frei Pedro de Santa Mariana, eram temperados com ideias humanistas e ao discípulo eram abertas questões de todo gênero. As ciências e as artes vinham acompanhadas dos ofícios mecânicos, de modo a não separar teoria e prática em todos os conhecimentos. O rapaz alto, de olhos azuis e muito tímido que cresceu no palácio de São Cristóvão, no Rio, foi desde cedo um apaixonado da arte e da beleza e foi também fascinado pela ciência e pela técnica. Essa formação ajudou a criar o sábio moderno que de fato dom Pedro II foi no tempo em que viveu. Quando em 18 de julho de 1840 foi coroado imperador do Brasil, tinha amadurecido como pensador, mas ainda havia nele um vazio afetivo e três anos depois acabou por ceder à sugestão de conselheiros de procurar uma esposa nas casas reais da Europa. Casou-se com Thereza Maria Christina, descendente dos Bourbon e dos Habsburgo, e com ela teve três filhos, d. Afonso, a princesa Isabel e d. Pedro Afonso, que morreu precocemente. Por esse tempo, os sempre renovados conflitos e perseguições religiosas no continente europeu fizeram com que muitos estrangeiros migrassem para o Brasil. Dedicado aos estudos de história e ao aprendizado de línguas, o imperador havia se interessado, além do sânscrito, pela língua hebraica, pela história do povo judeu e suas vicissitudes. No Brasil, os judeus só começaram a se organizar após 1808, depois que novas ondas migratórias chegaram a Pernambuco e a outros Estados brasileiros. Nas finanças, o judeu Dênis Samuel fora dos primeiros a ganhar a confiança da Casa Real. Em 1872, d. Pedro II foi a Londres e lá se encontrou com

esse experimentado banqueiro ram da amizade pessoal do imque havia servido com lealdade o perador por seu brilho pessoal e primeiro e o segundo impérios no sua preferência por discutir as Brasil, na sua relação com os mer- questões que empolgavam d. cados financeiros europeus. Tam- Pedro II. O dr. Karl Henning, probém o financista José Buchental, fessor de hebraico e sânscrito do casado com a filha da baronesa de imperador, os pianistas Louis Sorocaba, havia impressionado o Moreau Gottschalk e Alexandre imperador com a seriedade com Levy foram alguns deles. que abordava os temas de sua esA correspondência do impepecialidade. Eram homens honra- rador com artistas e intelectuais dos e muito minuciosos. no mundo chamou sempre a A partir daí, o imperador apro- atenção de historiadores que ximou-se cada vez mais daque- estudaram sua vida. Intelecles que partilhavam com ele a ob- tuais judeus, como o grão-rabijetividade e a inclinação pelo de- no francês Benjamim Mossé, desenvolvimento pessoal e, princi- claravam de público sua admip a l m e n t e , p e l a s c a u s a s ração pelo grande filósofo e pennacionais. Essa aproximação na- s a d o r d e b r i l h o , d o n o d e tural e esse interesse mútuo são admirável modéstia, que era o mostrados com elegância e sim- monarca brasileiro. plicidade na obra D. Pedro II e seus O livro de Sonia Sales é ilustraamigos judeus, de do com fotos, cartas receSonia Sales (editob i d a s e c o rra Kelps, 2011, r e s p o n d ê nGoiás), a partir de cia enviada Sois home e l a b o r a d a p e sp e l o i m p e r am de s e ntimentos quisa nos arquid or àqueles elevados: vos do Museu Imq u e o h o n r asois uma n ação perial de Petróram, segundo generosa . T e ndes a polis, no Institue l e m e s m o d idupla van tagem de to Histórico e zia e escreveu, uma terra virgem e d Geográfico com sua amizae uma raça Brasileiro e na de. E entre as antiga. Biblioteca Nacartas há uma do Victor Hug cional no Rio escritor francês o de Janeiro. Victor Hugo que Com o problema das secas e traça um perfil do monarca do das enchentes no Brasil aborda- S e g u n d o I m p é r i o b r a s i l e i r o : d o c o m n o t á v e l m i n ú c i a p o r "Sois homem de sentimentos Charles Nathan em carta dirigida elevados: sois uma nação geneao imperador, este descobriu rosa. Tendes a dupla vantagem que podia contar com estrangei- de uma terra virgem e de uma raros que ofereciam sua experiên- ça antiga. Um passado histórico cia no Brasil para ajudar em dife- vos prende ao continente civilirentes e variadas circunstân- zador. Reunis a luz da Europa ao cias. Foram muitos os nomes de sol da América. É em nome da descendência judaica que ajuda- França que vos glorifico". ram com ideias e financiamento aquele Brasil que começava a Luiz Carlos Lisboa crescer no Segundo Império braé jornalista e escreve de sileiro, mas havia também os Princeton, EUA. inúmeros outros que partilhaAlgute@gmail.com

Renato Modernell, a fábula como notícia e a notícia como fábula. Autor acaba de lançar a ficção Gird, o Quarto Mago e a não-ficção A Notícia Como Fábula – Realidade e Ficção se Confundem na Mídia. Renato Pompeu

O

consagrado escritor, jornalista e professor universitário gaúcho Renato Modernell, 59 anos, radicado em São Paulo há quatro décadas, virou notícia e fábula ao mesmo tempo ao ter acabado de lançar uma ficção, Gird, o Quarto Mago, edição do autor, e a não-ficção A Notícia Como Fábula – Realidade e Ficção se Confundem na Mídia, pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Summus Editorial. Virou notícia por causa da encantadora e mágica fábula que escreveu sobre o persa Gird, o quarto mago após os Três Reis Magos que testemunharam o nascimento de Jesus e que vai acompanhar a Paixão de Cristo. A partir da ideia de que, na Pérsia de mais de dois mil anos atrás, começou a acontecer a calamidade de o fogo esquentar cada vez menos até se tornar fogo frio, alarmando a população, Modernell cria com muita segurança e precisão um

mundo mais do que surrealista, em que acontecem as coisas mais insólitas e absurdas, mas com uma lógica implacável e uma tranquilidade olímpica mesmo nas descrições mais inusitadas e fantásticas. É a narrativa em estado puro, pois paira suspensa e em rigoroso suspense com total independência em relação ao chamado mundo real. Ele cria um mundo imaginário e imaginoso, maravilhoso no sentido filosófico do tema, em que se vão sucedendo cenas regidas por leis naturais e relações sociais totalmente desenvolvidas pela fecunda fabulação do autor. Tal é a capacidade criativa de Modernell que a sua narração de situações irreais parece irrepreensivelmente verossímil. O sentimento que desperta no leitor, quando pincela cada cena e cada fala, é o de que não há dúvida de que, se isso pudesse realmente acontecer, aconteceria do modo como está sendo descrito.

Não se trata, como se poderia cogitar, de que Modernell tenha sucumbido à presente voga mística da ficção mundial. Nem de que ele tenha pagado um tributo aos novos tempos. Trata-se, isso sim, de uma espetacular façanha de fabulosidade. Com muito engenho, ele na verdade cria, para além do antigo realismo mágico da literatura latino-americana e para além do sectarismo religioso dos grandes best-sellers internacionais da atualidade, uma espécie de racionalismo mágico, ou lógica mística. A tal ponto Modernell nos envolve com sua fala mansa que em momento algum nos surpreendemos ou nos chocamos com a sucessão de milagres que ele descreve. Com simplicidade que chega à candidez, desfilam acontecimentos mágicos

como um sonho ou como um conto de fadas, que abordam questões tão complexas como o desenvolvimento e o exercício da sexualidade e a salvação da alma de cada um. Resumindo, confrontados com Gird, estamos diante de um virtuoso exercício de virtualidade, em que, rigorosamente, Modernell vai além do surrealismo e da chamada escrita automática. Aqui, o escritor não escreve o que lhe vem à cabeça, o que vem de seu subconsciente e de seu inconsciente. Ao invés de ser resultado de uma imediaticidade instantânea, o livro é resultado de uma

laboriosa, cuidadosamente arquitetada, criação de uma nova realidade, sólida como um bloco de tijolos, apesar de totalmente imaginária. Já em A Notícia como Fábula, originalmente uma tese de mestrado na Universidade de São Paulo, Modernell inverte totalmente a situação e discute, por meio de um cotejamento entre textos jornalísticos, a difícil relação dos seres humanos com a realidade que se presume existir fora do pensamento de cada um. Por trás do debate sobre as relações entre a notícia de um jornal ou revista e o "fato" que teria ocorrido e dado origem à notícia, por trás do problema de que a notícia publicada no jornal ou revista é apenas uma versão, inevitavelmente falha, daquele acontecimento, sendo o jornalista apenas alguém que, como todo mundo, viu apenas parcialmente o que ocorreu, está uma discussão tão antiga quanto a humanidade: até que ponto um

ser humano pode realmente "observar" o mundo externo? Com apresentação do bem conhecido jornalista José Carlos Marão, experimentado repórter da famosa revista que tinha o significativo nome de Realidade, o ensaio de Modernell lembra uma antiga constatação do jornalista Paulo Pompeu, já falecido, que, com mais de meio século de jornalismo diário, chegou à conclusão de que só se pode acreditar numa notícia de jornal se não temos mais nenhuma fonte sobre o mesmo tema. Se tivermos outra fonte, saberemos que as coisas não foram bem assim. Mas isso é uma situação inelutável da condição humana: toda comunicação de um "fato" é parcial – apenas o jornalista, como comunicador profissional, procura reduzir ao máximo essa carga de subjetividade. Enfim, Modernell encarna tanto a notícia como a fábula em suas duas novas obras.

LADY GAGA NO ESTÁDIO DO MORUMBI Cantora americana apresenta a turnê The Born This Way Ball no domingo (11), às 20h30. R$ 190 a R$ 750. Central de vendas Tickets For Fun. Tel.: 4003-5588.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

CRIANÇA

29

Fotos: Divulgação

Confissões de Cecília Livro mostra cotidiano de divertida garota A instalação Noite Escura da Alma, um dos destaques da exposição.

Obra A Modern Bestiary-Mouse

ANA MARIA PACHECO COMO NUNCA SE VIU Rita Alves

A

partir deste sábado (10), a Pinacoteca do Estado abriga a primeira mostra representativa no País da artista goiana Ana Maria Pacheco (1943). Com curadoria de Carlos Martins, integrante da equipe da Pinacoteca, a exposição exibe cerca de 50 obras criadas entre 1998 e 2012, como gravuras, livros de artista, esculturas e instalações. Entre os destaques da individual, a instalação Noite Escura da Alm a (1999), cuja cena retrata uma situação intrigante e ameaçadora, com um ser rodeado por um grupo de pessoas. Ainda entre

C

os destaques, as instalações Memória Roubada I e Memória Roubada II (2008). Elas remetem à lembrança de um universo religioso que já não mais existe. O curador Carlos Martins conta que a seleção das obras foi feita há cerca de dois anos, durante uma passagem dele por Londres, cidade onde Ana Maria Pacheco vive desde 1973. "Já conheço a artista há muito tempo. Nos anos 70, quando ela estava em Londres, frequentamos a mesma escola de arte, a Slade School of Fine Art. Eventualmente, quando eu volto pra lá,

nos encontramos e há cerca de dois anos fui ao ateliê dela ver a quantidade de gravuras e esculturas disponíveis que seria interessante trazer", diz. "De lá pra cá, foram feitas as negociações de transporte seguro, de elaboração de textos de catálogo e da parte de atendimento do serviço educativo da Pinacoteca." De acordo com o curador, o mais interessante do trabalho da artista é a mescla da memória da cultura brasileira interiorana com o imaginário de mitologia e religiosidade de origem europeia. "Ela cria metáforas em si-

d

ecília, uma cultura adolescente prestes a completar 13 anos, não usou a internet para escrever seu diário. Também não aponta nela os problemas da escola. O cotidiano da garota alimenta seu caderno e pode ser conhecido no livro O Diário de Cecília, da escritora Sylvia Manzano. A obra mostra, com bom humor e linguagem jovial, o convívio de Cecília com a mãe, as mudanças no corpo típicas da idade, a necessidade de Apesar de ela ser bem dura ao identificar-se com o grupo, a impor limites, é uma adulta paixão dela pelos livros, pelas que tem senso de humor, que artes, e claro, pelos meninos. dá risada, e isso é muito raro Todas as situações foram hoje em dia. Os adultos são retratadas pelo ilustrador muito sérios quando Jótah. "Ilustrar O Diário de conversam com crianças e Cecília foi como mergulhar num jovens", diz. "Ainda acho que mar de valores e sentimentos ela poderia servir de modelo muito significativos na vida da para muitas mães que têm gente: família, saudades, medo de estabelecer limites." amigos, alegrias..." Na opinião da autora, Cecília Sylvia também fez esse também é exemplar. "Ela mergulho, colocando parte da gosta de ler, da escola, de arte, vida dela no livro. Cecília, por namora os meninos de classe exemplo, é o nome da irmã social diferente da dela e tem gêmea da autora. "Muitos boa vontade com a mãe. personagens do livro são de Reclama, mas obedece a mãe. verdade, como o Chicolu, Também é uma menina professor de teatro, e o Ivã." alegre, bem disposta." Para muitos leitores, quem O gosto de Cecília pela também parece real é a mãe leitura foi herança dos pais. de Cecília. Seu jeito rígido e Antes mesmo de começar a bem humorado faz com que escrever a sugerida lição de muitos adolescentes casa da escola – escrever no reconheçam nela a mãe que velho e bom diário, com direito eles têm em casa. "Tinha medo a cadeado e chave – a garota que eles não gostassem da tinha o hábito de ler. "A Cecília mãe porque ela é bem já gostava de ler. Os pais liam rigorosa. Mas eles adoram! muito para ela", conta a Dizem que é igual a deles. escritora. Sylvia acredita que muitos professores não conseguem transmitir o amor pela leitura porque eles mesmos não gostam de ler. "Acho que a escola mata a vontade do aluno de ler porque é tudo muito rigoroso, com caneta vermelha, apontando erros. Eu tenho um texto que diz que escrever é como cantar. Se a redação fosse dada na escola de uma forma prazerosa, acho que escrever seria tão natural quanto cantar." (RA)

MARIONETES Exposição lúdica e interativa trata sobre a arte e a tradição secular de confecção e manipulação de marionetes na República Tcheca e apresenta cerca de 80 bonecos criados por seis diferentes artistas. Caixa Cultural. Praça da Sé, 111, Centro, tel.: 3321-4400. Grátis.

tuações bastante interessantes, em que o jogo do poder está sempre presente em circunstâncias meio perversas de relações humanas, mais para o lado psicológico do que da tortura física. Quando aparece essa questão da tortura física, você é levado a ter essa dimensão psicológica desse jogo de poder", explica.

Pinacoteca do Estado. Praça da luz, 2, tel.: 3324-1000. Terça a domingo, das 10h às 18h. Quintas das 10h às 22h. R$ 6. Grátis aos sábados e às quintas após às 17h.

MESTRE CHINESA NO ALFA

A

companhia chinesa Legend Lin Dance Theatre, uma das mais importantes da Ásia, encerra neste fim de semana a Temporada de Dança do Teatro Alfa. Os bailarinos exibem o espetáculo Chants de la Destinée, criado pela coreógrafa e dançarina taiwanesa Lin LeeChen. O clima da peça é de introspecção, traduzido em uma narrativa lenta e calma, que homenageia a alma da Terra e a natureza. O espetáculo é o último de uma trilogia, criada em 1995 com o também belo Miroirs de Vie.

Lin Lee-Chen levou cerca de nove anos para concluir o espetáculo Chants de la Destinée e, durante o processo criativo, visitou várias tribos antigas. O resultado da passagem por tais lugares pode ser visto, por exemplo, no figurino e nos adereços usados pelos bailarinos no palco. Uma das características marcantes do trabalho da coreógrafa é usar sempre em suas criações referências da tradicional cultura popular de seu país, como ritos taoistas, cerimônias de oferendas e o

teatro. Com a companhia Legend Lin Dance, já passou pelos palcos da Alemanha, Itália, Estados Unidos e México. No fim de 2011, encantou a plateia de Paris com Chants de la Destinée, no Théâtre National de Chaillot. Antes da Legend Lin Dance Theatre, outros importantes grupos de dança participaram da Temporada de Dança do Teatro Alfa. Os franceses do Cirque Plume abriram a temporada com a coreografia L’Atelier du Peintre. Em seguida, o Grupo Corpo exibiu os

espetáculos Benguelê e Sem Mim. Já o Balé do Theatro Municipal do Rio de Janeiro mostrou Gala Roland Petit, em homenagem ao renomado coreógrafo francês. A São Paulo Companhia de Dança participou do evento com duas coreografias, Bachiana nº 1 e In The Middle, Somewhat Elevated e a Cia DCA (Decouflé & Complices Associés) – Philippe Decouflé exibiu Octopus. (RA)

Teatro Alfa. Rua Bento Branco de Andrade Filho, 722, tel.: 5693-4000. Sexta (9), 21h30, sábado (10), 21h e domingo (11), 18h. R$ 40 a R$ 150.

NAS CURVAS DO BURLESCO Ana Barella

P

lumas, glitter, figurinos glamourosos e femininos, maquiagem impecável e música jazz estilo cabaré marcam as aulas de dança de Lady Burly. A performance em foco é o burlesco, dança sensual muito popular nos cabarés americanos das décadas de 1920 e 1930. O estilo vem ganhando adeptas que buscam na dança trabalhar a sensualidade e perder alguns quilos. "O burlesco é o pai do strip tease. É uma mistura de cancan com dança do ventre, teatro de revista e mais algumas coisas que ninguém sabe ao certo o quê", conta Lady Burly. O movimento foi ressuscitado nos Estados Unidos na década de 1990 pela dançarina diva Dita Von Teese e ganhou força no Brasil depois da estreia do filme Burlesque, estrelado pelas cantoras Cher e Christina Aguilera em 2011. "Depois que saiu esse filme não parava de receber ligações pedindo que eu montasse a turma de burlesco", conta Lady Burly que já dava aulas de danças vintage como o rockabilly e charleston. Nos Estados Unidos, várias escolas de dança, e, até mesmo academias, já montaram aulas de burlesco. Por aqui, a escola de dança de Lady Burly é a primeira e única com aulas da modalidade. Há, no entanto, alguns grupos de dançarinas burlescas, como o The Burlesc Take Over, que se apresentam em casas

noturnas, festas e eventos, e também montam esporadicamente workshops de "sensualidade burlesca". De acordo com Lady Burly, o perfil de suas alunas varia muito – vai desde as mais novas até as cinquentonas. Ela conta que a maioria se inscreve nas aulas para entrar em contato com seu lado sensual e se exercitar. A artista plástica Clóris Fountainebleau, faz o curso de burlesco há dois anos e conta se sentiu atraída pelo modo que a dança trabalha a expressão corporal. “Desde que conheci achei uma forma de arte belíssima, pois explora o sensual sempre dentro de um contexto que envolve glamour e mistério envoltos num universo retrô”. Apresentações – Quem ficou curioso, a Escola de Burlesco da Lady Burly organiza uma vez por mês o espetáculo Revaudeville. As dançarinas do grupo Santa Burla se apresentam na balada Kitsch Club todos os sábados durante a festa Carrossel. Vale a pena conferir.

Revaudeville. Teatro Studio 184. Praça Roosevelt, 184. 2 de dezembro. 20h. Santa Burla. Kitsch Club. Avenida Vergueiro, 2676. 22h. Tel. 5083-1440. Escola de Burlesco da Lady Burly. Avenida Lins de Vasconcelos, 2748. Tel. 5083-0830.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

30

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Fotos: Mauro Holanda/Divulgação

Símbolos de resistência José Guilherme R. Ferreira

d

cultura

Pastéis de bobó de camarão. Acompanhada de um shot de cachaça Cambraia envelhecida um ano.

Um, três ou cinco anos. Escolha sua cachaça para o prato e o copo.

N

umancia saiu das páginas da história da Espanha para batizar vinhos de qualidade da região de Toro, em Castilla y Leon. Está nos rótulos das garrafas que saem da vinícola Numanthia, casa que desde 1998 maneja quatro vinhedos da cepa Tinta de Toro (a Tempranillo local), em área de 49 hectares ao longo do rio Duero, o mesmo Douro que corre em Portugal. Numancia é símbolo de coragem. A vilazinha celtíbera resistiu bravamente, isso há mais de 2.000 anos, ao assédio de 50 mil soldados e alguns generais do cônsul romano Cipião. E foi celebrada em tom de tragédia por Cervantes em El Cerco de Numancia (1582). Em vinte anos de cerco monumental, romanos empenhados em sufocá-los de fom e e s e d e c o n struindo muralhas de até 12 metros, os numancinos nunca se renderam. A última batalha foi selada com sacrifício de todos os seus habitantes, cena que o pintor Alejo Vera y Estaca reviveu em El Último Dia de Numancia (1880). Os vinhos de Toro, reconhecidos desde a Idade Média, cantados nos clássicos castelhanos e que "fizeram parte da aventura do Novo Mundo", já brigam em igualdade de condições com vinhos de Ribera Del Duero, Rioja e Priorato. São produzidos na extremidade oeste de Castilla y Leon e desde 1987 contam com o reconhecimento de "Denominación de Origen". A bodega

Lúcia Helena de Camargo

Não por acaso, o evento da Cambraia, na terceira edição, escolheu como sede o Bar de Janaína. "Não chegamos ao Bar da Dona Onça por acaso", diz Carolina Steagall Tommaso Harley, diretora da Indústria de Bebidas Pirassununga, produtora da Cachaça Cambraia. "Além de sua rica gastronomia inspirada na cultura do interior paulista, Janaína Rueda é grande apreciadora de cachaça e tem em seu bar uma carta com 47 diferentes rótulos da bebida." Janaína, que mora e mantém seu bar, sempre lotado, no Edifício Copan, possui com o marido, Jefferson, uma coleção com mais de 100 diferentes cachaças brasilei-

bochan. No copo vem o suco de laranja com cachaça Cambraia de três anos. É a grande atração do menu. O músculo cozido dá o sabor. O arroz de desmancha na boca. Absolutamente imperdível. Compota de caju Para sobremesa, Janaína inventou a deliciosa compota de caju com melaço de cachaça, com sorvete de b a u n i l h a . Acompanha drinque de melaço de cana com cachaça Cambraia cinco anos, a mesma do doce. O bar abre todos os dias ao meio-dia. De segunda a quarta, fica até 23h. De quinta a sábado, até meia-noite. Aos domingos, fecha às 17h. Não há interrupção no serviço à tarde. A casa não tem estacionamento próprio. Duas opções próximas são o Edifício Itália (Av. Ipiranga 344) e o Hotel Comfort (Rua Araújo 141).

Aquiles Rique Reis

A

No alto, o arroz embriagado, feito com mini grão e músculo cozido. No copo, suco de laranja com cachaça Cambraia de três anos. Acima, compota de caju na cachaça cinco anos. E as mentoras do cardápio: Carolina Steagall Tommaso Harley, da Cambraia, e Janaína Rueda, do Bar da Dona Onça.

2ª caipirinha grátis

N

José Guilherme R. Ferreira é membro da Academia Brasileira de Gastronomia (ABG) e autor do livro Vinhos no Mar Azul – Viagens Enogastronômicas (Editora Terceiro Nome)

A dama negra da música

Bar da Dona Onça. Avenida Ipiranga 200, Ed. Copan. Térreo. lojas 27/29. Tel.: 3257-2016. bardadonaonca.com.br www.cachacacambraia.com.br

bordo do DVD Iluminante (Biscoito Fino), mais uma vez nos chega a voz de Áurea Martins. Emoldurada por sua imagem sóbria e fascinante, a dama dos dissabores torna a dar vida à sua alma noturna. Nobremente, tudo o que essa negra linda canta tem sabor definitivo. Tudo se transforma em confiança quando saído de sua garganta. Notas límpidas, agudas ou graves são sinais divinos de um dom concedido a ela. No DVD, mais uma vez Áurea teve a seu lado Hermínio Bello de Carvalho. Timoneiro de olhar agudo, ele tem o faro aguçado por suas paixões. Áurea Martins é uma delas. A ela, o poeta dedica amor irrestrito, ela corresponde com sua áurica voz. Com a clarividência dos craques, Hermínio buscou um grupo coeso de músicos, distribuiuos num pequeno palco sem nenhum adorno, vestiu-os com sobriedade, iluminou-os com requinte... Estava pronta a cena onde Áurea se transformaria na grande dama da música brasileira. Sabedora do poder de sua voz, ela faz do canto uma fonte propagadora de esperança. Saborear seu cantar hipnótico é revigorar sonhos, é ver belezas onde poucos veem. Com algumas músicas já interpretadas por Áurea em Depontacabeça, seu CD anterior, também produzido por Hermínio, o repertório do DVD está dividido em duas partes. Na primeira, estão dez belas letras de HBC musicadas por sete de seus parceiros; na segunda, estão oito músicas de treze outros compositores. A iluminação ascende cada uma das músicas. Com criativos arranjos de Lucas Porto, delicadezas categóricas estão presentes nos solos, improvisos, dinâmicas, divisões rítmicas e em cada desenho em uníssono e duos instruDivulgação

47 rótulos

ras. "O convite só me estimulou a investir mais no uso da cachaça na cozinha, para realçar o sabor dos alimentos", afirma a chef. Para esquentar, a sugestão é a porção de meia dúzia de pastéis de bobó de camarão ao perfume de cachaça. É acompanhada de um shot de cachaça Cambraia envelhecida um ano. O petisco, que não integra o menu, custa R$ 29. O Menu Cambraia – Fogão & Alambique 2012 será servido durante um mês, até 9 de dezembro. Custa R$ 98 por pessoa, com pratos e a cachaça da harmonização. Outras bebidas, serviço e café são cobrados à parte. O cardápio começa com a entrada salada de polvo marinado em vinagrete de caipirinha e mel de Jataí, "rimando" (como gosta de dizer Janaína) com caipirinha brasileirinha feita de três limões: cravo caipira, galego e tahiti. O prato e o drinque são feitos com a cachaça Cambraia três anos. Para prato principal, chega o arroz embriagado na cachaça. O risoto é preparado com mini arroz do Vale do Paraíba, músculo cozido, couve rasgada e abóbora ca-

Divulgação

N

o clima que esquenta e esfria em São Paulo, sem relação com as estações do ano, pode ir bem uma refeição acompanhada de boa cachaça. Começa a ser servido nesta sexta (9) o Menu Cambraia – Fogão & Alambique 2012, que leva à mesa cachaças Cambraia envelhecidas um, três e cinco anos, harmonizadas com pratos criados por Janaína Rueda, do Bar da Dona Onça. Partindo do conceito que cachaça merece ser apreciada no dia a dia, Janaína a serve no restaurante desde sua abertura, em 2008. A bebida ali é a líder de vendas, superando vinho e até cerveja, geralmente a mais pedida.

Numanthia fica perto da vila de Valdefinjas, província de Zamora. As ruínas da velha Numancia ficam a 5 quilômetros da cidade de Soria. A associação dos vinhos de Toro com a brava Numancia tem pelo menos uma explicação. Em Toro há vinhedos que resistiram à praga da Phylloxera, que dizimou a cultura na Europa na segunda metade do século XIX. Portanto há mais de 150 anos produzem frutos sem que suas plantas tenham sido socorridas com enxertos. Cerca de 20 hectares dos terrenos da bodega Numanthia têm parreiras de 70 a 100 anos. E há ainda uma área de 4,8 hectares, em Argujillo, com vinhas raras de mais de 120 anos. O primeiro vintage Numanthia, apresentado pela família Erguren ao mercado em 1998, foi mais do que bem recebido pela crítica. Em 2006 a revista Wine Spectator selecionou seus rótulos como imperdíveis tintos espanhóis e apontou o início de um caminho de qualidade que vem sendo perseguido pela vinícola com seus Termes, Numanthia e Termanthia. Isso mesmo depois de a vinícola ter sido adquirida pelo grupo LVMH.

a happy hour do Genuíno, de segunda a sexta, das 17h às 20h30, quem pede uma caipirinha (foto) de cachaça ou vodca Orloff, leva a segunda grátis. O drinque custa a partir de R$ 14,50. Os lugares mais disputados são junto ao jardim de orquídeas, ipês e samambaias. Aos sábados, a casa serve a tradicional feijoada acompanhada de chorinho. O wi-fi é gratuito. Rua Joaquim Távora, 1217, Vila Mariana. Tel.: 5083-4040. www.genuinochopp.com.br

mentais. A mixagem é detalhista, nenhum som escapa à audição. O roteiro musical cria um ritmo que vai num crescendo arrebatador. Via Crucis (Vidal Assis, Lucas Porto e Hermínio Bello de Carvalho) começa com o sax de Denize Rodrigues. Logo surgem Vidal Assis e seu violão. O ritmo (Paulino Dias) e o cavaco (Luis Barcelos) crescem com o canto de Áurea. É o fim da primeira parte. Corte brusco. No palco, surge o Terra Trio. A imagem agora é em preto e branco. Há mudanças no posicionamento das câmeras e no enquadramento das imagens. Closes mostram Áurea e seu rosto sofrido. Ela quase não sorri. A música lhe basta. Com o Terra, ela canta um potpourri de quatro músicas. Um dos grandes momentos de um ótimo DVD. Num momento intenso, Áurea canta Pela Rua (J. Ribamar e Dolores Duran) à capella. Linda. Bala com Bala (João Bosco e Aldir Blanc) tem um arranjo no qual Áurea e a bateria ficam cara a cara. Como num rap, ela recita os versos, brincando de contrapontear com a bateria. Arrebatadora. Para cantar Maninh a, Áurea Martins recebe Chico Buarque num estúdio. Emocionada, a dupla canta e enternece. Chico abre uma segunda voz, enquanto Áurea derrama seu dilacerado canto na terra que se abre em fundo poço, onde o sofrimento contrai o ar da música que o redimirá. Os dois entrelaçam as mãos; Chico as beija; abraçam-se. Afagam-se. Fim. PS.: Carmélia Alves deixa um vazio abissal. Saudades.

Aquiles Rique Reis, músico e vocalista do MPB4.

CONCERTO A maestrina Alondra de la Parra rege a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo neste sábado (10), às 19h30. No programa, Abertura Leonora nº 3, Op.72b e Sinfonia nº 5 em Dó Menor, Op.67, do compositor Ludwig van Beethoven. Sala São Paulo. Praça Júlio Prestes, nº 16, tel.: 3367-9500. R$ 15.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

d

31

cultura

Carlos Magno e a Rainha Chardonnay (1 de 2) Carlos Celso Orcesi da Costa

A

maioria dos enófilos prefere tinto a branco. Ainda hoje se ouve, aqui e ali, o preconceito de que "brancos são vinhos menores". A maioria dos tintos revela mais complexidade, enquanto os brancos são reconhecidos pela acidez e frescor. Tudo tem sua hora e vez; por exemplo, não me imagino desarrolhando um pesado malbec no Réveillon na praia! Entre as castas brancas reina soberana uma rainha: Chardonnay, e diz a lenda que ela foi escolhida pelo imperador Carlos Magno (742-814). Para começar ela raramente decepciona no momento do plantio. Adapta-se aos solos calcários e arenosos, aceita climas quentes e frios, suporta bem o vento da Austrália, a chuva da Serra Gaúcha e a aridez de Mendoza, ou seja, ela não tem frescura... a não ser na boca. Na sua região de origem, a Borgonha, vai bem ao norte em Chablis, como ao sul em Macon (Pouilly Fuissé) como no meio (Coté D'Or). É fácil de cultivar e amadurece cedo, o que reduz o risco de perdas (chuva, vento e granizo) quando se aproxima a colheita. Também se destaca no quesito versatilidade. Pode ser deixada ao Deus dará, ou sofrer intervenção humana. No

Bruxelas - Rue des Bouchers primeiro caso produzirá vinhos alegres, minerais, à maçã e pera, para beber descontraidamente; no segundo, com a concentração no pé (poda verde), fermentação malolática e descanso em barris de carvalho, puxará para manteiga, abacaxi e pêssego, preenchendo a boca e puxando por notas fumadas amadurecidas

no carvalho. Esses "reservas" podem alcançar complexidade superior a certos tintos, como o Gaya y Rey, de Angelo Gaia do Piemonte, Cervaro Della Salla, de Antinori, um Bramare argentino, de Paul Hobbs, que o amigo Toninho ofereceu no Nectarine em Buenos Aires, momentos especiais. O melhor da

Chardonnay está no equilíbrio, o meio termo entre frescor e firmeza, pureza e intensidade, leveza demais e baunilha de menos. Esses são os vinhos que tenho procurado recentemente, como os excelentes Pulenta e Catena argentinos ou o Villa Francioni nacional. Depois da lua de mel, MH e eu

passamos 15 anos fabricando filhos, pagando BNH, comprando terreno e construindo casa, sem dinheiro para viajar à Europa. Lá por 1990 chegou a vez. A Vasp quebrou o monopólio da Varig inaugurando um voo mais barato, com novos MD-11 para Bruxelas. Tantos anos depois o choque de civilização começou justamente em Brugges, aquele encanto na Bélgica. Rodamos pela Alemanha, França e norte da Itália até voltarmos a Bruxelas, com dólares no bolso. Não se usava cartão de crédito. Na última noite escolhemos o que nos pareceu o mais simpático dentre as dezenas de restaurantes da Rue de Bouchers (rua dos açougueiros), com barracas expondo os frutos do mar à porta, mas sem as mesas de fora, porque era janeiro, o auge do inverno. Aliás, grande sensação aquele frio seco, eu advogado a viajar nas férias forenses. Embora viagem econômica,

Maria Helena e eu buscando hotéis três estrelas que, porém, em 1990 tinham padrão superior aos quatro estrelas nacionais, na última noite da viagem constatamos que "sobraram" dólares. Puxei a carta de vinhos e pedi Corton Charlemagne Grand Cru Louis Latour por qualquer coisa em torno de US$ 300, muito acima do padrão da viagem! Mas como lembra o agente 007 que fez 50 anos, "you only live twice" (apenas se vive duas vezes), uma brincadeira em relação ao determinismo de que "a vida é uma só". Aquele Corton Carlos Maior foi pura emoção, algo superior a qualquer coisa semelhante que havia tomado, como dito um choque de civilização. Resta saber o que o rei dos francos Carlos Magno, há 1.200 anos sepultado na magnífica capela octavada de Aachen (Aixla-Chapelle), tem a ver com os grandes brancos que perpetuaram o seu nome na Borgonha. Vamos voltar ao tempo da derrocada do Império Romano, das invasões bárbaras, e talvez reencontrar as Walkírias sobrevoando os campos de batalha em cavalos voadores, para recolher os soldados mortos e levá-los ao paraíso. Até porque no inferno não servem chardonnay.

Guga Melgar/Divulgação

Fotos: Chico Ferreira/LUZ

Atmosfera do MyNy Bar, no Itaim Bibi. Local já faturou 10 prêmios. Sucesso de público e crítica.

O Olho Azul da Falecida: texto de estilo demolidor.

Em minutos, o comovente drama sai de cena. Entra um vaudeville de humor negro. Sérgio Roveri

N

o centro do palco, um caixão modesto, com o corpo de uma idosa protestante, morta há três dias e já devidamente embalsamado. Ao lado, a figura do viúvo bonachão e deprimido pela perda da companheira de uma vida inteira. Nos cantos, duas coroas de flores enviadas pelos amigos, às quais se juntarão mais algumas no decorrer do velório. A cena, a princípio respeitosa, tem sua quietude quebrada pela entrada de uma enfermeira para avisar ao viúvo de que faltam poucos minutos para a chegada do carro funerário. Que ninguém se engane com as falsas pistas dadas pelo dramaturgo inglês Joe Orton na sequência inicial da peça O Olho Azul da Fale ci da – os indícios de um comovente drama serão varridos da cena em tempo recorde, para se revelar que o espetáculo é muito mais do que uma ácida comédia de costumes, é um vaudeville de humor negro. A morte da velha mulher é apenas um dos ingredientes usados pelo autor para compor um painel mirabolante que abre espaço para a ação de uma serial killer, roubo a bancos, conchavos interesseiros e incontáveis críticas à moral, à religião e ao costume dos ingleses. O Olho Azul da Falecida está entre os textos mais conhecidos de Joe Orton (foto), um dos nomes mais polêmicos da moderna dramaturgia inglesa, brutalmente assassinado em 1967, aos 34 anos. A

É O Olho Azul da Falecida, de Joe Orton

peça já teve duas montagens no Brasil, em 1968 e 1988, ambas com o ator Paulo Goulart à frente do elenco. A montagem atual, que entra em cartaz nesta sexta (9), no Teatro Geo, é uma produção carioca da Cia Limite 151, com direção de José Henrique e texto traduzido por Bárbara Heliodora. "Procurei ser o mais fiel possível ao texto e ao estilo demolidor de Joe Orton", diz o diretor. "Espero que o público seja generoso com a estranheza desses personagens." A ação se resolve na sala de es-

tar da família McLeavy, onde o corpo da matriarca está sendo velado. O único filho da falecida, o jovem Hal (o ator Marco Pigossi, também produtor do espetáculo), é um afetado ladrão de bancos que age em companhia de Dennis (Helder Agostinni), que além de agente funerário é também seu amante. Os dois acabam de roubar milhares de libras de uma agência bancária ao lado do cemitério da cidade – e decidem esconder o dinheiro dentro do caixão para despistar o detetive Truscott (em impressionante caracterização do ator Genézio de Barros), um homem falastrão e truculento obcecado pela ideia de que algo estranho ocorre na casa dos McLeavy. Truscott tem razão em suspeitar de que existe um criminoso no ambiente, o que ele não sabe é que não se trata apenas de um. A enfermeira Fay (Glaucia Rodrigues), criada num lar para crianças católicas, que assistiu a senhora McLeavy em seus últimos meses de vida, não passa de uma serial killer que já despachou sete maridos para o além – e mostra-se interessada em fazer do viúvo, papel do ator Élcio Romar, o seu oitavo companheiro.

O Olho Azul da Falecida. Estreia nesta sexta (9). Teatro Geo. Rua Coropés, 88. Pinheiros. Tel.: 3728-4930. Sexta às 21h30. Sábado às 21h. Domingo às 19h. R$ 60 a R$ 70.

No clima dos proibidos de NY Armando C. Serra Negra

Q

uem aprecia bons coquetéis, novidades de altíssima qualidade, e antigas que remontam há séculos, tudo isso encontrará no MyNy Bar e muito mais. Não à toa o elegante e transado estabelecimento já faturou 10 prêmios (quatro da revista Veja SP, dois da Época, dois da Prazeres da Mesa e dois da Revista Gula) em diferentes categorias, desde a inauguração há dois anos. Requinte no cardápio, atendimento e decoração, a arquitetura clean da fachada remete às brownstones novaiorquinas, de tijolos escuro-avermelhados. Entrando, uma paradinha diante da porta externa brindará o observador atento com a sensação sutil de estar prestes a adentrar um beco misterioso. A face grafitada, uma estrela do cinema antigo em parede de tijolos claros e rudes, busto em pose sensual, lenço cobrindo os cabelos ao estilo déco, sugere um muro estreito a se contornar: que lugar escuro, indefinido, talvez ilegal, haverá por detrás? Personifica-se o inesperado porteiro na quebrada escondido, sorriso rasgado abrindo a porta secreta e pivotante de 300 quilos, que

parte do grafite camuflou... Fosse a tecnologia contemporânea aos anos 1920, o MyNY seria um speakeasy impossível de Elliot Ness (1903-1957) flagrar. O tema da Lei Seca (1920-1933) norte-americana, ou The Noble Experience, inspira o bar. Pode-se admirar no lounge reservado do mezanino a manchete de primeira página no jornal The New York Times proclamando sua extinção, no dia 5 de dezembro daquele ano; o deputado e autor da lei Andrew Volstead (1860-1947) estampado na capa da revista Times de 1926; cartões de admissão de clientes nos speakeasies exclusivos. Um dandi flerta uma lady em mural negro a giz branco, bebericando um apropriado Gentleman Soul (uísque Gentleman Jack defumado com lascas genuínas de barris de Jack Daniels, suco de limão siciliano, maple e bitter de pêssego – R$ 34). No andar inferior, o detetive Spirit, de Will Eisner (19172005), corre através de outro beco, sedento do clássico Knickerboker Punch (rum, framboesas, Cointreau, suco de limão e o medieval óleo saccarum, de frutas cítricas – R$ 34). Ao fundo e à entrada mesas para casais, ao longo da parede b oo ts qu ad r a d o s c e ntram mesinhas redondas, descansando confortavelmente seis pessoas. Bebericam um esplêndido NeO barman Spencer Jr., mestre em ação. groni (gin, ver-

mute e Campari – R$ 27,50), saboreando generosos appetizers: mini cheeseburger (R$ 29), pork ribs confit (costelinhas de porco confitadas – R$ 22), arentini (croquete de risoto milanês recheado com queijo brie – R$ 27,50). Coloridas e primorosas caricaturas, de personagens que fizeram a história dos melhores bares proibidos de Nova York – porteiros, garçons e bartenders – perfilam-se olhando. Iluminação sedutora, garrafas feéricas em três andares da cristaleira espelhada, balcão de mármore travertino, estofados em capitonê de vinil hightech nos cadeirões vinho, e nos sofás dourados. Não bastasse bom gosto e sofisticação, é na magia de resgatar a tradição de preparar coquetéis – defumados, carbonatados, saborizados, gaseificados etc. – que está a maestria e o real segredo da casa. Um segredo aberto aos clientes. Produção 100% artesanal dos diversos tipos de gelo, ingredientes, elixires, xaropes e bitters, a gaseificação dos líquidos é feita manualmente com uma perline, às vistas do cliente. A inscrição MyNY escondendo a pronúncia "mini", quando for lá refira-se carinhosamente ao local: Minibar. Jazz ao vivo nas primeiras terças-feiras dos meses. A genial parceira do dono Daniel Fialdini com o barman Spencer Jr., profundos estudiosos da rica arte da coquetelaria, faz mágicas... Presto!

MyNY Bar. Rua Pedroso Alvarenga, 1285. Itaim Bibi. Tel: 3071-1166. www.mynybar.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

32

d

cultura

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Encontro apresentou tendências e perspectivas dos editores, principalmente universitários, para esse suporte do conhecimento humano. E as novas estratégias de produção e formação de leitores.

Edusp rascunha o futuro do livro Kleber Gutierrez

A

Edusp, uma das maiores editoras universitárias do mundo, resolveu comemorar seus 50 anos com o Simpósio Internacional Livros e Universidades, que reuniu até ontem algumas das figuras mais expressivas do universo editorial e acadêmico do Brasil e exterior para debater o passado, o presente e o futuro deste ícone do conhecimento: o livro. A mesa Entre Livros de Papel e Livros Digitais: A Convivência Possível – com John Donatich, da editora da Universidade de Yale, e Andreas Degkwitz, da Universidade Humboldt de Berlim, mediada por Carlo Carrenho, do site PublishNews – foi uma das mais concorridas e elevou a temperatura cerebral dos geralmente impassíveis intelectuais presentes.

A abertura foi feita por Donatich e sua visão quase romântica permeou a fala: "Não acredito que a expansão da internet e dos recursos digitais vá acabar com os livros de papel. Não é verdade que não se lê mais impressos, uma pesquisa nos EUA indicou que apenas 15% dos alunos preferem livros eletrônicos. Não podemos chegar a um ponto em que o acesso à informação seja mais importante do que seu processamento." Ele defende que o "conhecimento requer ferramentas que deem prazer. E será missão da grandes bancas digitais criar metadados. "É claro que é muito mais fácil usar meu laptop para fazer uma pesquisa do que ir a uma biblioteca e folhear dezenas de livros." É preciso ver que a tecnologia e a pesquisa em linha não

destroem o conceito de livro, elas melhoram a sua natureza." Ele, contudo, atesta que "é cansativa a leitura em uma tela brilhante. Enquanto que no livro sentimos o hálito do intelectual que o escreveu em cada página". Conforme Donatich, "é preciso fazer a defesa do impresso e eu gostaria que houvesse um movimento como o dos alimentos orgânicos ou da alimentação saudável para isso". Quanto à expansão do universo digital, ele entende que viver nele requer novas habilidades, tanto dos produtores quanto dos leitores. "Quem produz deve construir uma experiência cada vez mais rica. Mas é preciso cuidado para não criar leitores que nunca se transformem em escritores. E o público vai aprender a personalizar seus livros com anotações, fotos, filmes, arquivos de áudio e listas de e-mails para discussão." Quanto à prevalência do modelo digital, Donatich defende que "temos de proteger o legado cultural e o livro não será substituído pela blogosfera. Pense no gigantesco custo dessa migração. Tudo é ainda muito novo, e os provedores de conteúdo não são transparentes em seus motivos, que podem ser escusos, disfarçados de serviços. A internet precisa de uma multiplicidade que a proteja, só assim haverá democratização digital". Degkwitz entende que vivemos uma fase de transição dos impressos para os digitais.

"O que se configura na revolução mais importante para o setor editorial desde a descoberta da imprensa, que vem permitindo o empirismo em vez da hermenêutica." Nessa transição, o pensador vê que "as mídias digitais ainda tendem a copiar características dos impressos e desenvolver novos modelos é fundamental". Para Degkwitz, o PDF e outros formatos digitais "rígidos" estão com os dias contados. "O ambiente digital permite convergência de formatos de mídia que nunca um livro suportou: dados, texto, filmes, áudio." Ele entende que esse processo mudará a cadeia de valor editorial, com um grande envolvimento de todos os seus segmentos, formação de parcerias e criação de modelos de negócio". Essa revolução "vai permitir maior desenvolvimento da estrutura acadêmica e ampliar de maneira ainda desconhecida a elaboração das pesquisas e a divulgação de seus resultados, que poderão ser infinitamente melhorados, revisados". O alemão também espera pela compreensão "da influência das redes sociais, e seu trabalho colaborativo, ainda não medido". Ele prevê que "bibliotecas e livrarias podem transformar-se em editores de seu acervo, com a integração de novos serviços e de documentos interoperáveis". Apesar de vislumbrar "o fim do livro em papel", Degkwitz diz que ainda os teremos por longo tempo: "É um meio muito

familiar, mas possuiu limites em sua capacidade de apresentação de dados e conclusões". Donatich acredita que um grande desafio das bibliotecas e livrarias digitais será a escolha dos algoritmos que vão desenhar o modelo e conteúdo de suas estantes virtuais. "Quais títulos estarão lado a lado? Quando caminho por entre estantes cheias de livros posso me encantar com um ou outro por vários motivos. É preciso lembrar que você não sabe o que não conhece." Degkwitz aponta outro: "Bibliotecas digitais precisam entender como remunerar os diferentes elementos envolvidos com a criação cultural. Elas vão precisar se dedicar não ao acesso rápido à informação, mas sim à integração de conteúdos". O convidado da Yale estima que "os livros em papel podem voltar a ser o que eram na Idade Média: ícones, objetos de fetiche, relíquias. Serão produções com excelente papel, imagens incríveis, peças de arte para museus e colecionadores". Sobre uma possível ameaça das produções digitais independentes, o berlinense acredita que "os acadêmicos precisarão dos editores para desenvolver ferramentas e aplicativos que tornem seus trabalhos cada vez mais vivos" e atualizados, pois "um único

link rompido pode comprometer todo um projeto". Questionados sobre qual seria o livro digital perfeito, Donatich diz que é aquele com argumentos abertos e socializados. Degkwitz defende que seja um audiolivro, para ouvir confortavelmente. Para o mediador Carrenho, independentemente da plataforma ou do formato, o e-livro perfeito é aquele que possa ser deixado de herança para os filhos. O que, sabemos, o modelo de negócios em voga não permite.

Não acredito que a expansão da internet e dos recursos digitais vá acabar com os livros de papel John Donatich

A revolução digital foi o evento mais importante para o setor editorial desde a descoberta da imprensa Andreas Degkwitz Fotos: Newton Santos/Hype

GRIFOS E DEDICATÓRIAS. MUITO PRAZER. Heci Regina Candiani

Reproduções

E

lvis grifou trechos do livro O Profeta, de Kahlil Gibran. Carlos Drummond de Andrade escreveu muitas dedicatórias carinhosas para leitores que nunca conheceu. Hábitos de todos os bibliófilos, grifos e dedicatórias se transformaram, com a ajuda das redes sociais e blogs, em protagonistas de um prazer essencial de todo leitor: compartilhar sua relação com autores e obras. Para o jornalista Kleyson Barbosa, o prazer de grifar livros começou na adolescência. "Sempre gostei de pegar um livro grifado. Meu mundo é meio grifado. Conheço um casal que se apaixonou a partir do que cada um anotava nos livros", diz ele, que em janeiro 2011 criou o Tumblr Grifei num livro (grifeinumlivro.tumblr.com). A ideia: reunir imagens de trechos grifados, por ele ou por internautas que queiram colaborar, e compartilhá-los na internet. Colaboradores não faltam: nos últimos quatro meses ele recebeu mais de 1300 grifos. Na hora de escolher o que será publicado, o jornalista escolhe trechos ligados a fatos atuais, que são belos por si mesmos, independentemente do conjunto da obra. Aos poucos, Kleyson percebeu que o projeto é também um reflexo do que os internautas andam lendo. Obras como On The Road, de Jack Kerouac, Só Garotos, de Patti Smith e A Máquina de Fazer Espanhóis, de valter hugo mãe (que gosta de seu nome em letras minúsculas), são alguns dos campeões de grifos enviados para o projeto. Foi também para compartilhar sua paixão que a designer Mariana Guglielmelli criou um Tumblr. Ela, entretanto, tem curiosidade por dedicatórias e percorria sebos em busca de preciosidades para o Eu te Dedico (eutededico.tumblr.com). Logo o projeto ganhou a sim-

Uma leitora encontrou um exemplar de Amar se Aprende Amando, de Drummond, em uma biblioteca. A dedicatória foi fotografada e enviada para o blog Eu te Dedico.

entos, Citações e Pensam Fernando Pessoa

Trecho do livro Entrevistas, de Clarice Lispector. patia dos leitores e ela percebeu que, com as contribuições de internautas, dedicatórias que estavam escondidas em bibliotecas anônimas poderiam ser apreciadas por muitas pessoas. Em nove meses, Eu te Dedico recebeu mais de 500 contribuições. A cada semana, em média cinco dedicatórias são publicadas, acompanhadas da capa do livro e da história de amizade, amor ou família por trás daquelas palavras.

Grifo em Menino do Mato, de Manoel de Barros.

“No começo, achei que seria um espaço para mostrar as dedicatórias. Com o tempo, se transformou em um espaço de compartilhamento de histórias. Isso aconteceu de forma espontânea, os leitores começaram a mandar a história por trás da dedicatória. Devo isso a eles", diz Mariana. Para ela, o Tumblr acaba incentivando as pessoas a darem livros, com dedicatórias, de presente, e a lerem os livros que aparecem em seu Tumblr.

Tanto para Mariana como para Kleyson, o importante na hora de escolher o que será publicado é mesclar dedicatórias e grifos românticos, engraçados, surpreendentes e curiosos. Um pouco como isso tudo aparece mesclado no cotidiano de todos os leitores. Afinal, grifos e dedicatórias nada mais são do que maneiras de cada leitor se apropriar de seu livro e tornálo parte da própria história de vida.

Dedicatória ou anotação, a frase em Antologia Poética, de João Cabral de Melo Neto se relaciona com o estilo do autor.


DC 09/11/2012