Page 1

Conclusão: 23h50 Ano 87 - Nº 23.932

www.dcomercio.com.br

Jornal do empreendedor R$ 1,40

São Paulo, sexta-feira, 9 de agosto de 2013 Martin Schutt/Corbis

O ministro da Economia da Turígia e um diretor da Siemens inspecionam um gerador em Erfurt

POR DENTRO DA TURBINA DO PROPINODUTO MARCA SIEMENS

Agora manchete no Brasil, o propinoduto mundial da Siemens foi fechado em 2008. A revista Der Spiegel conta toda a história.

Propina era abatida no imposto de renda

O escândalo custou US$ 3,3 bi à Siemens

Serra destaca incoerência da denúncia. PT tenta CPI.

Novo CEO diz que empresa precisa de novo começo

Páginas 5, 17 e 18

Condenado por fraude, Cassol pode ser cassado. O senador Ivo Cassol (PP-RO) foi condenado no STF a 4 anos, 8 meses e 26 dias por fraudes em licitações. E ainda poderá ser cassado. Pág. 6 Divulgação

FIM DE SEMANA ensaio fotográfico PAPAI Um reúne pais e

seus bebês, em belos flagrantes. A mensagem pode ser resumida assim: carinhosamente... A comédia Jacinta põe no palco uma atriz de talento (Andrea Beltrão) que representa uma Talvez, não. O Megane R.S. poderá chegar logo ao Brasil. Pág. 23 atriz-não-atriz. Vamos rir.

Página 13

Acima, a imagem de um sonho. Só um sonho?

Divulgação

TEATRO

Divulgação

Toda maneira de amor

Nova leva de hostels em SP Modernos, sofisticados, sustentáveis... Pág. 24

Ben Affleck e Olga Kurylenko: Amor Pleno, do mesmo diretor de Árvore da Vida. Estreia hoje. ISSN 1679-2688

23932

Página 4

9 771679 268008

Vinho com(o) sobremesa Roda do Vinho


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Saúde e educação andam juntas; não dá para privilegiar uma. São quase irmãs siamesas. José Márcio Mendonça

pinião

Dida Sampai/Estadão Conteúdo

O ROTO E O ESFARRAPADO

O

Dilma quer discutir com aliados a votação da proposta de divisão dos royalties do petróleo

QUEBRANDO O GELO

A

presidente Dilma Rousseff convocou os líderes dos partidos governistas na Câmara para uma nova reunião, em menos de uma semana, no Palácio do Planalto, para discutir com eles, especificamente, uma das propostas mais explosivas (na opinião oficial) da chamada pautabomba que Câmara e Senado prometem debater e votar neste segundo semestre. O primeiro encontro de Dilma com os aliados desde muito tempo, na segunda-feira, foi para quebrar o gelo entre ela e os congressistas amigos. O tema desse encontro será a votação, pelos deputados, da proposta de divisão dos royalties do petróleo, dos novos, do pré e do pós-sal, já aprovada pelos senadores. A presidente precisa resolver esta questão porque o governo espera receber, até o fim do ano, uma bolada de R$ 15 bilhões da primeira concessão no pré-sal, o campo de Libra, e os parlamentares querem botar também esta dinheirama na fatia que será distribuída para ser usada no Orçamento de algumas áreas sociais.

E

stes R$ 15 bilhões o governo está reservando todo para ajudar a cumprir a promessa de conseguir um superávit fiscal, neste ano, de pelo menos 2,3%. Nesse

ponto já surge um incômodo, pois não se tem certeza absoluta de que os recursos de Libra, a serem confirmados em leilão em outubro, entrarão de fato nos cofres do Tesouro ainda em 2013. Apesar dos esforços oficiais para cumprir o cronograma do primeiro leilão do pré-sal, pode aparecer algum empecilho de última hora, ou – o que não é nada improvável– alguma contestação judicial para atrasar o aporte desses recursos a tempo do fechamento das contas deste ano.

I

ncomodam à presidente Dilma, particularmente, dois pontos da proposta aprovada pelos senadores e agora nas mãos dos irriquietos deputados: (1) a determinação de que a totalidade dos royalties seja imediatamente distribuída, quando o propósito é deixar uma parte reservada em um fundo social; (2) a divisão dos royalties entre os setores de educação (75%) e saúde (25%), quando ela deseja que os 100% sejam totalmente destinados à área educacional. Os aliados, especialmente os do PMDB, estão intransigentes, pelo menos até aqui. Somente o PT parece estar fechado com a presidente – mesmo assim muito mais pelo princípio da obediência do que pelo da convicção. Dá para entender perfeita-

CONTADORES OU DELATORES? Não concordo com as regras para que profissionais de contabilidade e auditores relatem ao governo operações suspeitas de lavagem de dinheiro dos clientes ("Contadores, os novos agentes contra o crime", edição de 7/08, pag.11). O dever de fiscalização é do governo e não do profissional de contabilidade, que não pode obrar com dolo, culpa ou negligência; mas obrigar

o profissional a dedurar os próprios clientes é demais e deveria era ser rechaçado pelo conselho da categoria. O governo paga muito bem a seus fiscais para atuar nisso. Bola fora do Conselho. E lembremos que o contador está preso ao sigilo profissional. Sérgio Luis D. Maciel - Campos dos Goytacazes - RJ

Muito embora seja salutar a prática de coibição de lavagem de dinheiro, é

estilo oratório – e em sua mais peculiar ainda interpretação das passeatas juninas –, esta distribuição dos royalties que defende vai ao encontro do pedido das ruas.

JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA mente a insistência de Dilma no primeiro ponto. Por mais que o pré-sal seja uma imensa riqueza a ser explorada por muitos e muitos anos, não se trata de um bem eterno, é um bem finito. Portanto, é bom que se reserve parte dos seus rendimentos para as gerações futuras. Não dá para pensar apenas no curto, ou no máximo, no médio prazo. Os países mais avançados que possuem tais riquezas agem nesta linha: são comedidos na bonança para não sofrerem falta algum tempo depois.

Q

uanto à birra para destinar 100% da receita com royalties à educação, sem ao menos permitir que um quarto disso vá para os serviços médico-hospitalares, já foge à compreensão do senso comum. Em Minas Gerais, anteontem, quando em um momento de raro humor Dilma disse "respeitar o ET de Varginha", ela ensaiou uma explicação. Segundo disse a presidente, em seu peculiar

impressionante a intromissão na vida íntima das pessoas e empresas. O sigilo fiscal já não existe mais para as pessoas de bem. Só vale para os políticos. A balbúrdia de informações hoje prestadas ao Fisco, através de informações tipo sped, NF-e, EFD contribuições, Sintegra etc, torna pública a vida de contribuintes, o que acho um absurdo e um grande desrespeito às empresas e pessoas.

H

á um extraordinário equívoco no caso. A "voz rouca" não estava gritando especificamente e somente por mais e melhor educação. Gritava por mais e melhores serviços públicos em geral – e entre eles a saúde também se sobressaiu. Aliás, todas as mais recentes pesquisas de opinião sobre o tema, feitas pelos dois mais conhecidos institutos do País nesta atividade, o DataFolha e o Ibope, colocam sempre a saúde no topo da lista das queixas da população com relação à qualidade dos serviços sociais prestados – ou melhor, não prestados – pelo governo à população. Saúde e educação andam juntas; não dá para privilegiar uma. São quase siamesas. E se faltam recursos para as áreas sociais, faltam igualmente para todos. É o caso de se perguntar ao governo – e o seu superministro Aloizio Mercadante, por acaso titular da pasta da Educação, tem de responder convincentemente: por que tudo para a educação e quase nada para a saúde? JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA É JORNALISTA E ANALISTA POLÍTICO

Muito bonito tudo isso, considerando inclusive que 2013 é o ano da contabilidade, e que estamos ganhando cada dia mais e mais responsabilidades, reconhecimento .... Mas qual a contrapartida para esta nova obrigação? Não digo nem em valores monetários, mas ao menos em treinamento!

Jaldo N. Gouvêa Camaquã, RS

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Cesário Ramalho da Silva Edy Luiz Kogut João Bico de Souza José Maria Chapina Alcazar Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Miguel Antonio de Moura Giacummo Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Renato Abucham Roberto Mateus Ordine Roberto Penteado de Camargo Ticoulat Sérgio Belleza Filho Walter Shindi Ilhoshi

Raquel Ipatinga Minas Gerais

PSDB programou fazer a campanha para os seus candidatos a presidente e aos governos estaduais explorando o mensalão do PT, processo julgado pelo STF que deve levar para a cadeia algumas estrelas do partido. O que o PSDB não esperava era pelo tsunami que se abateu sobre o partido, com a explosão do escândalo da formação de cartel para encarecer obras do metrô de São Paulo em cerca de 30%, propiciando o pagamento de propinas, só Deus sabe para quem. As denúncias feitas pelo CADE envolvem três governadores tucanos, Mário Covas (já falecido), José Serra e Geraldo Alckmin. O escândalo ganhou destaque na imprensa imparcial. Alckmin tenta obter documentos investigados – mas a Justiça tem negado sua liberação, com o argumento de que o processo corre em segredo. Candidato à reeleição, o governador tucano sabe que o escândalo vai servir de caldo para os adversários. As pesquisas apontam favoritismo de Alckmin, que é perseguido, por ora, pelo candidato do PMDB, o presidente da FIESP, Paulo Skaf.

F

uturamente, Alckmin e Skaf serão caçados pelo candidato-poste do PT, escolhido por Lula, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, que já transferiu seu domicílio eleitoral do Pará para São Paulo. As campanhas de presidente e governador prometem se transformar em fogo cruzado entre PT e PSDB, com acusações mútuas da prática de corrupção. É o roto falando do esfarrapado Os dois partidos têm decidido as últimas eleições no 2º turno. Alckmin não foi o único a sentir o golpe com o tsunami tucano: também José Serra conheceu o peso das denúncias.

S

erra continua alimentando a esperança de se candidatar ao Planalto pela terceira vez. Como está isolado no PSDB, por imposição do presidente do partido, o presidenciável Aécio Neves, o tucano paulista está pensando seriamente em migrar

EYMAR MASCARO

Campanhas para presidente e governador prometem se transformar em fogo cruzado entre PT e PSDB. para o PPS ou PSD, uma vez que foi negado a ele a realização de prévias para a escolha do candidato do PSDB. O PSDB está em campanha, embora tímida, tentando alavancar a candidatura de Aécio. Alguns tucanos ligados ao senador dizem que ele cresceu nas pesquisas, mas, até prova em contrário, Aécio oscilava entre 13% e 15% de intenção de voto. Houve quem no partido dissesse inclusive que José Serra estava com índice superior ao dele.

T

omando por base os últimos Datafolha e Ibope, Aécio só estava na frente de Eduardo Campos, que tem 7% da preferência dos eleitores, contra 20% de Marina Silva, a 2ª colocada e 33% da petista Dilma Rousseff. Durante encontro de tucanos em Brasília, houve um forte tititi, que repercutiu em coluna social, fomentando a notícia de que o PSDB teria recebido uma pesquisa – que ninguém viu– garantindo que Aécio teria tomado a liderança de Dilma Rousseff na preferência dos eleitores. A presidente perdeu milhares de votos, como foi constatado pelo Datafolha e Ibope, após as manifestações de rua que atingiram todos os políticos e partidos, mas ainda continuava em 1º lugar na corrida presidencial, de acordo com os os dois institutos de pesquisa. EYMAR MASCARO É JORNALISTA E COMENTARISTA POLÍTICO MASCARO@BIGHOST.COM.BR

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, Marcel Solimeo Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Editor-Chefe: José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br). Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br). Editores Seniores: chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), José Roberto Nassar (jnassar@dcomercio.com.br), Luciano de Carvalho Paço (luciano@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Marcus Lopes (mlopes@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br). Editor de Fotografia: Agliberto Lima. Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Heci Regina Candiani (hcandiani@dcomercio.com.br), Tsuli Narimatsu (tnarimatsu@dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br. Subeditores: Rejane Aguiar e Ricardo Osman. Redatores: Adriana David, Evelyn Schulke, Jaime Matos e Sandra Manfredini. Repórteres: André de Almeida, Karina Lignelli, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mariana Missiaggia, Mário Tonocchi, Paula Cunha, Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves e Sílvia Pimentel. Gerente Executiva e de Publicidade Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estadão Conteúdo, Folhapress, Efe e Reuters Impressão S.A. O Estado de S. Paulo. Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3180-3175. Fax 3180-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3180-3197, 3180-3983, Fax 3180-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3180-3544, 3180-3176 Esta publicação é impressa em papel certificado FSC®, garantia de manejo florestal responsável, pela S.A. O Estado de S. Paulo.

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3180-3737 REDAÇÃO (011) 3180-3449 FAX (011) 3180-3046, (011) 3180-3983 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

o

pinião

3

CONDENAÇÃO À PENA DE MORTE NOS ESTADOS UNIDOS AINDA É MAIOR PARA OS NEGROS.

Amarcord: Spy x Spy.

Q

uem se deliciou com Amarcord (Fellini, 1973) e, por algumas décadas, com a Mad Magazine, me dará licença para misturar lembranças tão bagunçadas e descosturadas, uma nada a ver com a outra – essas e todas as outras tudo a ver comigo. Estamos no Brasil do lulopetismo e a única coisa "costurada" é a corrupção, agora ameaçando com sujeira braba pessoas que respeito e em quem votei e votarei. Pode haver o escândalo que houver, voto no Alckmin porque estou acostumado, como os petistas votam no lulopetismo porque estão acostumados, como muito bem afirmou o intelectual francês Chicô Buarquê du Holandá, apesar da mensaleirada provada, condenada e sentenciada, da rosegueitada e centenas de outros; mais sujeira impossível. Se o meu castigo veio de trem e não a cavalo, como é da vox populi vox Deles, paciência; que será será, whatever will be will be. Sou o maior fã que conheço do Don Martin, mais que vivo na minha coleção da Mad Magazine. A lembrança de Don Martin puxa a de Sergio Aragones e suas tirinhas Spy vs Spy, habitantes das periferias dos quadrinhos (quadrões), sempre como um animado ponto de exclamação espalhado pela revista inteira, e a capa sempre trazendo a cara sorridente de seu patrono, Alfred E. Neuman (“What, me worry”), com uma enorme falha de um dente da frente faltante no meio da boca.

A

ragones e seus personagenzinhos doSpy vs S py , como se fossem duas manchinhas negrinhas uma espionando a outra, fez da CIA, KGB e FBI motivo de risos, zombarias, chistes, piadas e chacotas. Aragones vivo, ou à noite, puxando os pés dos arapongas de todos o países, merece ser reverenciado pelas mãos hábeis ao elaborar a ação dos personagens e cérebro cheio de chispas, cujo trabalho criador ácido, mexeu com o traba-

NEIL what me worry Ferreira

lho deste redator de publicidade. Me fez rir e pensar.

O

cara da CIA espionando o Brasil é puro Aragones, eu não o levo a sério, levando-o a sério. As perguntas que deixam nossos arapongas de cabelo em pé, são: "Quem leva nas cuecas e algibeiras as maçarocas de dólares, euros ou reais ?" "Quem faz tudo pra vazar sómente o escolhido a dedo, pra enlamear o inimigo da vez, sem nenhuma acusação formal ter sido feita ?" Os arapongas de carterinha são tão secretos que são de Segurança Nacional, como os cartões de crédito corporativos 5 Estrelas (Vermelhas): todo mundo sabe que existem mas nunca ninguém viu nenhum. Se os arapongas vissem as seriezinhas de TV que não perco, saberiam de cara que o cara da CIA está espionando a CIA por falta do que fazer e de

quem espionar . Amarcord, era isso que Spy vs Spy desnudava com ironia, um espionando o outro que espiona o cara da sala ao lado, que o espionava. Amarcord – o Santo Padre me veio à cabeça no meio dessa lambança de texto, hoje deve ser dia de lembranças represadas. Sabemos que vai voltar à nossa casa, que a fez dele, para de novo ostentar a coroa de espinhos e carregar o lenho nos ombros magrelinhos. O sofrimento é em dose dupla e sem gelo.

Os países finalistas, candidatos finalistas a sediar a Segunda Vinda, foram o Brasil e a belicosa Argentina, que ameaça de novo o Império Britânico de invasão das Ilhas Malvinas/Falkllands.

A

disputa só desempatou a favor do Brasil porque a nossa Kirchner é tão falsa como uma nota de três dólares, pior nesse quesito "Falsidade" do que a verdadeira, La Loca de Buenos Aires; daí saiu vencedora; daí o Brasil venceu; e daí somos bicampeões da Ta-

Se os arapongas vissem as seriezinhas de TV que não perco, saberiam de cara que o cara da CIA está espionando a CIA por falta do que fazer e de quem espionar.

ça Chico de Deus. Eles podem ter Messi, mas o nosso ponta de lança é Deus, conforme o Felipãozinho do time do Céu escalou: "Deus é brasileiro". A Kirchner de araque assegura a qualquer um sofrimento em dobro, como o que Chico de Deus exige para viver, mas comigo não, violão: quem nasce pra sofrer é joelho de beata. Amarcord, a Galanteza de Deus, toda vestidinha de branco, sandálias de dedo nos pés, quer nos provar que o seu destino na vida é sofrer. Só falta a ele torcer para o São Paulo, não o São Paulo ex-figurão romano das altas, mas o São Paulo dos que carregam a cruz que é o JotaJota.

A

limpeza dos esgotos e fossas habitadas por uma nova espécie de ratazanas, tidas como da raça Mensaléricas, dará um trabalhão semelhante ao de Hércu-

les, o de limpar as Cavalariças do Rei Áugias; será outro milagre que Chico Galanteza terá que realizar, pois a situação fede de tapar o nariz. Terá de desocupar o Quebródomo da Paulista, invadido por ninjas mascarados, que se sentem proprietários legais por "usocampião" do território, que produz ônibus incendiados, vitrinas quebradas, lojas depredadas e lojas saqueadas. Amarcord, vejo Don Martin nos quadrinhos (quadrões) com personagens com pezões tão pezão que são uma proto citação ao vice do Sérgio Malandro e seu candidato ao governo do Rio, que continua lindo, aquele abraço, pobre Rio, mas a corrupa é queimadinha de sol e com marquinhas. Amarcord meu sonho que virou pesadelo por nunca ter sido realizado, é o pagamento da minha dívida externa: morar em Paris por alguns muitos anos – tenho até o endereço de flatzinho no Marrais 3.

C

uidado Alckmin, Serra, Aécim, porque vai chover bomba suja agora que La Kirchner falsa, a de cá, vai fazer o Diabo – que ela disse que pode pois a eleição de 2014 já começou. Alemanha! Alemanha! Aqui é a Grécia. Can you spare a bill, sis, please ! Poste Escrito: La Kirchner de cá provocou frisson na galáxia ao proclamar Urbi et Orbi que respeita o ET de Varginha. Eu também acredito em ETs, não perco X Files e aceito, assim como Carl Sagan, que "A verdade está la fora". Pegue seu OVNIDilma e voa pra fora, procurar juízo pra este país. NEIL FERREIRA É PUBLICITÁRIO

PENA DE MORTE POR SER NEGRO CHARLES OGLETREE JR.

Q

uase 50 anos após o fim da segregação racial oficial, afroamericanos ainda enfrentam a execução por causa da raça. Duane Buck poderá ser um deles. Ele foi condenado em 1997 pelo assassinato de duas pessoas no condado de Harris, Texas, onde fica a capital do Estado, Houston. Ele não nega a culpa nos crimes, e sem dúvida deve ser punido. Mas o que houve na fixação da pena de Buck é estarrecedor, até para o Texas, que já liderou o país em número de linchamento de negros – e é hoje o executor mais prolífico da nação. Na fase de definição de pena – quando o júri deveria decidir por pena de morte ou prisão perpétua –, o promotor chamou o testemunho de um psicólogo, para quem a raça do réu o tornava mais propenso à violência no futuro.

O promotor perguntou: "O senhor determinou que o fator sexo, ou seja, que um homem é mais violento do que a mulher, porque as coisas são assim, e que o fator raça negra, aumenta a periculosidade futura?" "Sim", respondeu o psicólogo Walter Quijano. Como a conclusão de periculosidade futura é prérequisito para a sentença de morte no Texas, o promotor disse que o júri deveria se valer do testemunho e considerar que

Buck representaria um perigo futuro. O júri aceitou a recomendação e Buck foi sentenciado à morte.

E

sse não foi o único caso no qual o Texas se valeu desse elo falso e ofensivo entre raça e periculosidade para obter a pena capital. Em 2000, John Cornyn, então procurador-geral do Estado, e agora senador, identificou seis casos nos quais promotores se valeram da previsão desse mesmo especialista em raça, que testemunhou três vezes pela

defesa e outras três pela acusação, para despachar afro-americanos e latinos para o corredor da morte. Cornyn, republicano, admitiu que a exploração texana dos medos e estereótipos raciais era inconstitucional e prometeu que todos os seis homens – incluindo Buck – teriam novas sentenças, isentas de discriminação racial. O Texas manteve a promessa em cinco casos, mas sem motivo aparente, continuou com a execução de Buck.

A

lém do mais, estudo recente do estatístico Ray Paternoster, da Universidade de Maryland, mostra que na época do julgamento de Buck a promotoria pública do condado de Harris tinha uma probabilidade três vezes maior de pedir a pena capital contra réus afro-americanos do que para brancos em situação similar, e que os júris do condado revelavam duas vezes maior chance de impor sentenças de morte a afro-americanos. A sentença de morte de Buck ecoa o passado discriminatório e sem lei dos EUA, incluindo uma época na

qual afro-americanos eram linchados por suspeita de crimes que no caso de brancos davam um ano de cadeia. Embora os linchamentos sejam relíquia do passado, a discriminação racial que os motivou continua a dominar a justiça criminal americana de hoje.

O

presidente Obama falou sobre esse passado por ocasião da absolvição de George Zimmerman das acusações de homicídio na morte do rapaz negro Trayvon Martin, na Flórida. "E quando se pensa no porquê, ao menos na comunidade afroamericana há muita dor em relação ao que ocorreu, e está vendo essa questão através de uma série de experiências e de uma história que não desaparece", afirmou. Ainda não foi estabelecida a data da execução de Buck. Enquanto isso, continuam os esforços a seu favor. Mais de cem personalidades proeminentes do Texas e de todo o país – incluindo um ex-governador texano, antigos juízes e promotores, líderes dos direitos civis, membros do clero, ex-

presidentes da associação de advogados – pediram uma nova e justa definição de sentença. E mais de 50 mil pessoas fizeram esse pedido à promotoria pública do condado de Harris. Até a vítima sobrevivente no caso, Phyllis Taylor, e uma das promotoras do julgamento de Buck, Linda Geffin, concordam que ele merece outra sentença.

E

ste país fez um progresso enorme desde a época em que linchamentos eram corriqueiros. Mas o caso de Duane Buck nos lembra que ainda temos um caminho longo pela frente. Ele não pode ser executado com base em uma sentença oriunda de parcialidade racial e discriminação. O Texas deve cumprir a promessa e garantir que ele receba uma nova e justa fixação de pena. Resolver o problema da raça no sistema criminal norte-americano é complicado. Resolver o caso de Buck não é. CHARLES J. OGLETREE JR. É PROFESSOR DE DIREITO EM HARVARD E DIRETOR DO INSTITUTO PARA RAÇA E JUSTIÇA CHARLES HAMILTON HOUSTON. THE NYTS NEWS SERVICE/SYNDICATE


DIÁRIO DO COMÉRCIO

4

)KDC7O

Félix

de Amor à Vida é considerado o vilão gay mais querido do Brasil e vai virar capa do CD da trilha internacional da novela.

gibaum@gibaum.com.br

2 “Queria dizer que tenho muito respeito pelo ET de Varginha.” DILMA ROUSSEFF // Dilma Rousseff, na cidade mineira, sobre a lenda da visita de um extraterrestre na década de 90. Fotos: Russell James

Diplomados lá fora Nas 1.600 inscrições de médicos estrangeiros no Ministério da Saúde interessados em se habilitar para trabalhar no Brasil através do projeto Mais Médicos , não foram apenas de candidatos da Argentina, Espanha e Portugal. Há também uma grande parcela de brasileiros formados nas duas faculdades de medicina de Havana, que foram para lá com bolsas de estudos, dentro de um acordo entre Lula, quando estava na presidência e Cuba. Esses ficam aguardando um acordo bilateral a ser assinado entre os dois países. Também entre os diplomados na Argentina, há muitos brasileiros.

OUTRO D. PEDRO No começo da semana, no velho centro do Rio, em companhia do acadêmico Marcos Villaça, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso foi experimentar seu fardão de imortal, com o alfaiate Diógenes Cardoso, que sempre confecciona as peças. Entusiasmado, pediu para Villaça fazer uma foto dele com o fardão ainda alinhavado em seu celular. Mais tarde, mandou para a namorada Patrícia Kundrat, que comentou, em seguida, com bom humor: “Ficou com jeito de imperador, fazendo o estilo de D. Pedro I”.

Água de coco, chá e vitaminas ricas da Amazônia, extraídas de alimentos que se transformam numa festa de antioxidantes: essa é a receita básica da linha de bebidas da Amazon Power, voltadas para a saúde, que estão chegando ao mercado mundial. Para a campanha de lançamento, os fabricantes tratam de unir forças com as poderosas e bem-amadas modelos brasileiras Adriana Lima (Guaraná), à esquerda, Cintia Dicker (Camu Camu), ao centro, e Emanuela de Paula (Pfaffia e Açaí). O fotografo australiano Russell James tratou de aplicar uma produção exótica em cada uma delas, com rostos pintados e um jungle touch.

Sabor de Amazônia

O Brasil vive semanas emocionantes do processo eleitoral: o prazo final para troca de partidos é no começo de outubro, ou seja, a menos de dois meses. Ninguém deverá congelar planos e movimentos eleitorais, embora paire no ar muito receio do que a nova onda de protestos de rua pode provocar e quem poderá atingir. Embora FHC garanta que José Serra não deixará o partido, o PPS ainda acha que, em cima da hora, ele se bandeará para a agremiação, lançando sua candidatura à Presidência. A cúpula de seu partido já avisou que, se ele quiser, será o candidato tucano ao Senado, mesmo sob ameaças de José Anibal, secretário de Energia do governo Geraldo Alckmin, que resolveu entrar na disputa.

Prazo curto

MAIS:

é a primeira vez que um vilão figura nesse posto e Matheus Solano ganhou também dois contrátos publicitários.

Só casamentos O mercado de casamentos deverá movimentar, este ano, R$ 16 bilhões e o ABC paulista acaba de ganhar o primeiro shopping brasileiro, em São Bernardo do Campo, totalmente dedicado às noivas. Chama-se Emporium das Noivas e terá de tudo na área dos casórios: joalherias, agências de viagens, vestidos de noivas e madrinhas, fotografo, buffet, dentistas e até consórcios para casamento. E, claro, terá lojas especializadas em casamento gay. A região do Grande ABC realiza 20 mil casamentos por ano, enquanto que a capital paulista, mais de 65 mil.

QUEM DIRIA Outra preciosidade do novo show de Angela Ro Ro, 63 anos: “Outro dia, eu ligo a TV e vejo a Zezé Motta falando que uma vez, há algum tempo, a gente transou. Agora, você vê: a pessoa vai para a televisão dizer uma verdade dessas!” Mais: Ro Ro prepara novo disco, que sairá pela Biscoito Fino, com a participação de alguns artistas convidados. Maria Bethânia já está confirmada.

MISTURA FINA EM 2012, os recursos dos funcionários do Banco do Brasil com ações do grupo EBX de Eike Batista somavam R$ 15 milhões. Hoje, não passam de R$ 300 mil. O fundo de pensão dos funcionários dos Correios, o Postalis, terceiro maior do país, com 130 mil participantes, já acumula perdas de quase R$ 1 bilhão.

A INICIATIVA é de Renan Calheiros, já adotada pela Mesa do Senado: será extinto o ressarcimento de despesas médicas de ex-senadores e seus familiares. Beneficiados pela mordomia, formam 216 pessoas em todo o país. No ano passado, despesas médicas foram de R$ 3,8 milhões, incluídas as feitas por ex-senadores.

O MINISTÉRIO da Cultura acaba de aprovar, via Lei Rouanet, R$ 302,9 mil para captação de patrocínio para o segundo livro da escultora Bia Doria, Raízes do Brasil. Ela está comemorando 10 anos de carreira e sempre utilizando matéria prima da natureza para suas gigantescas obras.

Agências quebradas

OUTRACADEIRA Na reunião com líderes da base aliada no Congresso, a presidente Dilma Rousseff deixou transparecer que a ministra Ideli Salvatti, das Relações Institucionais, será prestigiada e mantida em seu posto. Por outro lado, Gleisi Hoffmann, da Casa Civil, já acertou com a Chefe do Governo, que não quer deixar o Planalto neste ano. E Aloizio Mercadante, da Educação, que continua viajando com Dilma, agora já fala aos aliados que deverá substituir Guido Mantega, na Fazenda. Lula é radicalmente contra.

Adriana Birolli, 25 anos, afastada das novelas desde o ano passado, criou um novo site e, de largada, resolveu abusar da sensualidade. Apesar do clima e da cama, ela descarta a possibilidade de posar para qualquer revista masculina. “Não tenho nenhum desejo agora, quem sabe um dia?” Ela é contratada da Globo até 2016 e longe das telinhas, está excursionando pelo Brasil com a peça Manual Prático da Mulher Desesperada, que avisa logo que não é o caso dela. “Teatro preenche a gente: é uma estréia a cada noite”.

Manual da desesperada

Falsas informações A OGX de Eike Batista suspendeu as atividades em três campos de petróleo, que desencadeou a crise na empresa e em outras do conglomerado. O Ministério Público corre atrás do empresário: a petroleira emitiu comunicados fraudulentos onde dizia “ter descoberto novos poços de óleo” (o que não se confirmou) e as ações decolaram na Bolsa. No Congresso, deverá ser instalada a CPI do BNDES para investigar empréstimos de mais de R$ 10 bilhões a Eike. Há quem garanta que, por recomendação de Lula, a base aliada deverá impedir sua instalação: Batista e o ex-presidente são muito amigos.

/

Não são poucas as agências bancárias quebradas nas últimas semanas por vândalos que se misturam nas manifestações de rua e os prejuízos ficam por conta das instituições financeiras, que não fazem seguro contra esse tipo de dano. Se os bancos fossem fazer seguro de todas suas redes, o preço seria muito elevado. Em algumas agências quebradas, as instituições estão tentando reconstruir fachadas com material mais forte e vidros blindados, o que encarece as obras. Estima-se que a reconstrução de uma agência custe entre R$ 300 mil e R$ 400 mil, dependendo dos equipamentos inutilizados. Detalhe: os bancos não falam sobre a quebradeira. Temem novas ações localizadas dos vândalos.

/ IN

OUT

Botas cano alto.

Botas militares.

Sucessor escolhido O ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel (PT-MG) deverá deixar o governo no final do ano ou no começo de 2014 para se dedicar a sua candidatura ao governo de Minas Gerais. Ex-companheiro de guerrilha de Dilma Rousseff, ele vem aparecendo em terceiro lugar nas pesquisas de intenção de votos e está preparando o mineiro, professor de Economia da Universidade Federal de Minas Gerais e presidente da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial, Mauro Borges, para sucedê-lo. Pimentel tem um acordo com Dilma: se ele não se elege e ela se reelege, volta ao ministério.

DEMISSIONÁRIO, o presidente da Autoridade Publica Olímpica, Márcio Fortes, pediu para sair do cargo depois de uma série de atritos com o PCdoB. Aos mais chegados, ele diz que o partido, que comanda o Ministério do Esporte, “infernizou sua vida”.

AGORA, a guerra na área pessoal também: o governador Eduardo Campos, de Pernambuco, não foi ao casamento de Pedro, filho do ministro Fernando Bezerra, da Integração – e de seu partido – com Renata Vidigal, em São Paulo. Bezerra anda ameaçando se bandear para os lados de Dilma Rousseff, no ano que vem.

PARA QUEM anda fazendo confusão: o Cade examina a pratica de cartel denunciada pela Siemens e incluindo outras empresas, como Alstom e Bombardier. Dependendo do caso, se aconteceu há mais de cinco anos, poderá ser arquivado e nenhuma companhia será processada. Agora, quem investiga o festival de propinas nas licitações de trens da CPTM e do Metrô de São Paulo é o Ministério Público e a Polícia Federal.

Colaboração:

Paula Rodrigues / Alexandre Favero

sexta-feira, 9 de agosto de 2013


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

5 NOTIFICADOS O Ministério Público notificou os ex-governadores do DF, Joaquim Roriz (PSC) e José Roberto Arruda (sem partido), sobre a abertura de investigação para apurar fraude na licitação e no contrato de manutenção do metrô.

olítica

PT estuda instalar CPI da Siemens Mensagem de executivo da Siemens mencionando José Serra pode ser transformada em combustível inflamável contra a administração tucana em São Paulo

O

PT avalia instalar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Câmara após e-mail de executivo da multinacional alemã Siemens revelar que o ex-governador de São Paulo José Serra (PSDB) teria sugerido um acordo, em 2008, à empresa para evitar o travamento de uma licitação para a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), como revelou ontem o jornal Folha de S.Paulo. "Está demonstrada a participação de agentes públicos. Isso mostra a urgência de instalação de uma CPI", disse o deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP), designado pela liderança petista na Câmara como articulador da coleta das 171 assinaturas necessárias para a criação da comissão de inquérito. Ele afirmou que a coleta começaria ainda ontem, mas que o grosso das assinaturas deverá vir na próxima terça-feira, quando a Câmara dos Deputados estará mais cheia.

para a CPI. Ele descarta, nesse primeiro momento, tentar a convocação de Serra ou de executivos da Siemens em comissões específicas da Casa. ALIADOS Líderes da oposição saíram em defesa de Serra. Eles consideram que as denúncias não comprovam que o ex-governador tinha conhecimento da existência do cartel. "Eu confio na probidade das pessoas que estão citadas neste caso, são nomes de uma história de bem feitos no partido. Mas são fatos a serem esclarecidos", disse o presidente do DEM, José Agripino (RN). Líder do PSDB, o senador Aloysio Nunes Ferreira (SP) defendeu Serra e disse que o ex-governador deveria ganhar um "prêmio de honra ao mérito" pela atitude de ameaçar suspender a licitação para garantir o pagamento do menor preço. "A posição do governo de

São Paulo foi que se a Siemens Vice-líder do PSDB no Senaconseguisse impugnar o re- do, Álvaro Dias (PR) afirmou sultado, o governo ia anular a que o cartel deve ter existido licitação mesmo correndo o de fato em gestões tucanas risco de atrasar a entrega dos em São Paulo, mas que isso trens", disse o tucano. não significa o envolvimento Segundo o de governasenador, o dores do governo de PSDB – que São Paulo denão teriam Está demonstrada fende que toconhecimena participação de dos os fatos to de irregulasejam esclaridades ocoragentes públicos. recidos. ridas em suas Isso mostra a Nunes disgestões. urgência de abrir se que não uma CPI. "não tem o CARTEL menor cabiO tucano PAULO TEIXEIRA, mento" a disse que, DEPUTADO (PT-SP) comparação quando foi entre as degovernador núncias do cartel com o Men- do Paraná, só descobriu a exissalão do PT. "O PT foi benefi- tência de um cartel na sua gesciário de um esquema que tão porque foi alertado por um durou anos. Se ocorreu o car- técnico "competente" sobre a tel, o governo é a vítima. Dife- irregularidade. rente do PT, nós queremos "Não vamos tapar o sol com que sejam punidos aqueles a peneira, tudo indica que que porventura tenham par- existe o cartel. Vamos apontar ticipado." os responsáveis. Mas os car-

téis são concretizados à distância de quem governa", disse Álvaro Dias Ele afirmou acreditar que as denúncias envolvendo Serra e os governadores Geraldo Alckmin e Mário Covas, em São Paulo, sejam fruto da disputa eleitoral de 2014. "É claro que isso está sendo alimentado por interesses políticos eleitorais. É do jogo, para atingir o PSDB." Um dos mais próximos aliados de Serra, o deputado federal e presidente do PPS, Roberto Freire (SP), disse que o email do executivo da Siemens não faz acusações ao ex-governador. "Não há nenhuma acusação que o desabone", disse Freire, que tenta atrair Serra para seu partido. Segundo ele, o episódio não muda em nada a receptividade a Serra dentro do PPS. "Não há qualquer constrangimento", garantiu. Freire afirma que o PPS defende uma ampla investiga-

O

governo de São Paulo vai lançar hoje uma comissão externa, formada por representantes de entidades e organizações da sociedade civil, para investigar as denúncias de formação de cartel em licitações dos sistemas de trem e metrô do Estado. O objetivo da gestão Geraldo Alckmin (PSDB) é passar a imagem de que o Estado é vítima de um acordo entre as empresas que venceram as concorrências. O grupo será formado por ao menos 15 integrantes, indicados por instituições e entidades de classe como a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), a Associação Brasileira de Imprensa (ABI), a Transparência Brasil e Instituto Ethos. (Agências)

Para Serra, informação é 'absurda'. Ex-governador nega conversa privada com funcionários da Siemens e destaca incoerências da denúncia

O

SEM BLINDAGEM "Diferentemente do lulopetismo, nós não blindamos ninguém", afirmou. Apesar das denúncias, a oposição não acha necessário que o Congresso investigue as gestões do PSDB em São Paulo para apurar a existência do cartel. "Isso é uma questão estadual. Se o Congresso entrar na investigação, estaria entrando numa questão que é do Estado", afirmou Agripino. (Folhapress)

Alckmin vai lançar comissão paralela e independente

O EMAIL A mensagem relata uma conversa que um diretor da Siemens, Nelson Branco Marchetti, diz ter mantido com Serra e seu secretário de Transportes Metropolitanos, José Luiz Portella, durante congresso do setor ferroviário em Amsterdã, na Holanda. Teixeira afirma ver indícios de crime por parte de José Serra, embora o conteúdo do e-mail não indique que o tucano sabia da existência de um cartel. "Na minha avaliação, está caracterizada fraude na licitação", afirmou o deputado, em relação ao fato de o tucano ter sugerido que a Siemens poderia ser subcontratada pela concorrente CAF, que já havia apresentado preço mais baixo para o fornecimento de 40 trens para a CPTM. O petista diz que o esforço central do partido, rival histórico de Serra, será conseguir as assinaturas

ex-governador de São Paulo José Serra (PSDB) contestou ontem as informações contidas no e-mail de um executivo da empresa alemã Siemens a superiores, publicadas ontem pelo jornal Folha de S. Paulo. De acordo com a publicação, o funcionário da Siemens afirma que Serra sugeriu que a empresa entrasse em acordo com a concorrente espanhola CAF para evitar que uma pos-

ção sobre o conluio entre as empresas fornecedoras do metrô paulista. "O PPS defende que o cartel seja investigado, de forma transparente, sem sigilo para quem quer que seja", afirma, em referência ao fato de o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), órgão federal antitruste responsável pelas investigações, ter negado acesso dos papéis relativos ao caso ao governo de SP.

sível disputa judicial de ambas pelo contrato provocasse atraso na entrega de trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Resposta – Serra negou a conversa privada com funcionários da Siemens e elencou fatos para questionar as informações publicadas pelo jornal, além de qualificá-las como "absurdas". Acompanhe passo a passo o que ele questionou

1 – Na data da troca de emails dos executivos da Siemens, a licitação já havia sido concluída, e a Siemens já havia recorrido à Justiça e ao Banco Mundial para anular o pleito. Portanto, segundo Serra, não faria sentido propor que a Siemens fizesse acordo com a vencedora CAF. 2 – Segundo Serra, o processo licitatório para a aquisição dos trens foi conduzido pelo Banco Mundial (Bird), que

Fernando Amorim/ EC - 06.08.13

José Serra, ex-governador de São Paulo, questiona as informações publicadas pela Folha de S.Paulo.

adota regras rígidas para concorrências. Só o Bird poderia cancelar ou suspender a licitação contestada pela Siemens, segundo o ex-governador. 3 – O governo do Estado de São Paulo defendeu na Justiça a licitação, contra ação movida pela Siemens. 4 – A Siemens não fez outros contratos com o governo paulista, o que descarta a possibilidade de a empresa ter sido compensada pela perda da licitação do metrô. O ex-governador disse ainda que defendeu a concorrência vencida pela CAF, que permitiu reduzir em 15% o valor dos trens. "Um paradigma", segundo ele. A denúncia – Segundo denúncia da Folha de S.Paulo, o email faz parte da documentação entregue pela Siemens ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), ligado ao Ministério da Justiça, que apura a suspeita de formação de cartel para a venda e manutenção de trens do Metrô e da CPTM em São Paulo. A reportagem sustenta que a Siemens, que fez a segunda melhor proposta na licitação para a compra de 40 trens, ameaçava entrar na Justiça contra a concorrente espanhola CAF, que havia vencido a disputa. (Agências)

Lula lança Padilha ao governo de São Paulo

E

m discurso planejado la presidente Dilma Rousseff. para dar a largada na "A causa é justa", disse Lula. campanha estadual, o A candidatura de Padilha à ex-presidente Luiz Inácio Lula sucessão do governador Geda Silva lança hoje a candida- raldo Alckmin foi definida em tura do ministro da Saúde, Ale- meados de junho, quando ele xandre Padilha, ao governo de transferiu o domicílio eleitoral São Paulo. Diante das dificul- de Santarém, no Pará, para dades previstas para formar São Paulo. A ordem era não faalianças destinadas ao palan- lar publicamente sobre o asque de 2014, sunto, para o PT decidiu que o minisacelerar o tro não virasprocesso, se alvo da contrariando oposição anA única chance de orientação do tes da hora. enfrentar a Palácio do O "acordo" Planalto, que máquina do PSDB é c o m e ç o u a não quer ver o ruir quando o começar a programa ministro da mobilização por Mais Médicos Justiça, José Padilha com contaminado Eduardo Carantecedência. pela disputa dozo, disse, política. antes do DEPUTADO EDINHO SILVA Lula abrirá anúncio do o "Encontro " M a i s M é d ido Interior", que reunirá pre- cos", que o candidato seria Pafeitos, senadores, deputados dilha. "Você me pôs na fogueie militantes do PT até sábado, ra", brincou Padilha. Na época, 10, em Bauru (SP). Ele preten- Cardozo também aparecia na de defender Padilha das críti- lista dos pré-candidatos do PT cas de profissionais da saúde ao Bandeirantes. por causa do "Mais Médicos" e O presidente do PT paulista, alfinetar os tucanos. deputado Edinho Silva, diz que "Você se meteu numa guer- a "única chance" de enfrentar a ra", disse Lula a Padilha duran- "máquina do PSDB" é começar te almoço com ele, em São a mobilização por Padilha com Paulo, no fim do mês passado. antecedência. "Não dá para o E prometeu incluir o programa PT ficar paralisado por causa nos discursos pelo País, uma das tarefas do Ministério da estratégia também usada pe- Saúde." (Estadão Conteúdo)


p Dilma mima as Forças Armadas 6

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

O Itamaraty quer ser campeão da transparência, da implementação da Lei de Acesso à Informação. Antonio Patriota, ministro das Relações Exteriores

olítica

Joel Rodrigues/ EC

SUPERSALÁRIOS

TCU impõe prazo a Itamaraty

Presidente decidiu atacar em todas as frentes, tentando minimizar sua queda de popularidade. Agora chegou a vez de afagar os militares.

A

presidente Dilma Rousseff, que participou da cerimônia de apresentação de oficiais-generais promovidos, no Palácio do Planalto, ontem, afirmou que "as Forças Armadas brasileiras são fundamentais para o êxito da nossa política externa pacífica". Segundo ela, a política ocorre "por meio da relação de confiança mútua" estabelecida com os países com os quais o Brasil mantém relações: "A cooperação militar com a América do Sul é a base para a manutenção do ambiente de paz hoje. Construímos um cinturão de paz em que não há espaço para guerras e conflitos entre as nações e muito devemos nos orgulhar disso num mundo divido por conflitos de todas as naturezas."

Construímos um cinturão de paz em que não há espaço para guerras e conflitos entre as nações num mundo divido por conflitos. DILMA ROUSSEFF

A presidente disse também que as Forças Armadas do País estão em áreas estratégicas para a segurança internacional. "Essa presença é ilustrada pelas destacadas posições ocupadas nas missões de paz sob a égide da Organização das Nações Unidas (ONU)." Por último, disse que as Forças

O

Armadas desempenharam papel importante para a segurança de eventos internacionais, como a Copa das Confederações e a Jornada Mundial da Juventude. Inflação – Ao final da cerimônia, Dilma foi questionada por jornalistas sobre o comportamento da inflação. "A queda da inflação é uma maravilha", disse Dilma, enquanto deixava o evento, em referência ao indicador oficial de inflação, o IPCA, divulgado na véspera, que mostrou forte desaceleração dos preços em julho. Indagada se haveria um adiamento do projeto do Trem de Alta Velocidade (TAV, conhecido por trem-bala), que tem leilão previsto até o fim do ano, Dilma emendou: "A cesta básica é mais importante." (Estadão Conteúdo)

Dilma em clima de festa: cerimônia de apresentação dos novos oficiais.

Presidente estreita relação com base Líder do PT no Senado diz que ela vai colaborar no diálogo, necessário diante das novas regras dos vetos.

Essa foi uma demanda clara. Ela responde não só assumindo o compromisso, mas realizando encontros. SENADOR WELLINGTON DIAS Congresso, que prevê sessões a cada 30 dias. Sobre o novo marco da mineração, cuja derrubada tem sido um apelo de parlamentares, Dias afirmou que a urgência "não está vinculada à prioridade do governo". E disse

que foi autorizado que o líder do governo na Câmara, Henrique Fontana (PT-RS), negocie a retirada da urgência. Um dos projetos que não podem ser votados enquanto vigorar a urgência do marco da mineração é o que destina os royalties do petróleo para a saúde e a educação. Sobre esse tema, o senador disse que o governo mantém a defesa de que só 50% dos rendimentos do Fundo Social do petróleo se destinem às áreas sociais. Dias afirmou que a presidente Dilma pretende ampliar os encontros com parlamentares e que os líderes da base no Senado devem ser recebidos novamente na próxima terça-feira, 13.

ROSEANA

Dida Sampaio/ EC - 18.04.09

Pedimos a ela que o Senado seja menos caixa de ressonância e mais porta-voz do governo. A gente se sentia inútil. SENADOR JORGE VIANA

Segundo senadores presentes, ela mais ouviu que falou. Mostrou preocupação com a análise de vetos pelo Congresso, no próximo dia 20, e prometeu diminuir o envio de medidas provisórias ao Legislativo. "Pedimos a ela que o Senado seja menos caixa de ressonância e mais porta-voz do governo. Porque, do jeito que estava, a gente se sentia muito inútil", disse Jorge Viana (PT-AC) após a reunião. Este ano, essa é a primeira vez que ela recebe senadores petistas em bloco para audiência exclusiva. Inicialmente marcada para anteontem, a reunião foi transferida para ontem, após remanejamento de agendas. (Folhapress)

MEC

A

governadora do Maranhão, Roseana Sarney (PMDB), reagiu ontem ao pedido de cassação de seu mandato, de acordo com parecer do procurador-geral da República, Roberto Gurgel. Por meio da Secretaria de Comunicação Social do Governo do Estado, Roseana afirmou que seu mandato "é legítimo, conquistado por meio do voto direto e dentro de um processo democrático e limpo". Em seu parecer, Gurgel defendeu a saída de Roseane e de seu vice, Washington Luiz Oliveira (PT), dos cargos por abuso de poder político e econômico nas eleições de 2010. De acordo com as investigações, o governo do Estado intensificou a celebração de convênios e aumentou o repasse de recursos para os municípios às vésperas do pleito. "As minhas ações foram transparentes e dentro da lei, exercerei meu mandato até o fim", declarou ela.

MPs – Dilma recebeu ontem no Palácio do Planalto a bancada do PT no Senado para uma reunião de "avaliação política". Tentando estreitar laços com o Congresso, ela passou mais de três horas conversando com a base de seu partido.

A Ó RBITA

PENA DE MORTE

O

juiz Roberto Bacellar, candidato à presidência da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), defendeu pena de morte para juízes corruptos. "Não se admite pena de morte no Brasil, eu sou contra a pena de morte, mas para esse tipo de autoridade, como juiz, como polícia, que pratica atos de corrupção, aí até mesmo a pena de morte eu acho que seria adequada no País. É duro isso que estou falando, mas é porque quem tem o dever de dar proteção para o cidadão, de ser firme, correto, não pode ser corrupto." As declarações de Bacellar agitam a toga. Aliados consideram que ele foi "imprudente" ao pregar a pena capital para os próprios pares envolvidos com malfeitos. Adversários fazem críticas. Há 24 anos na carreira, ele é juiz estadual no Paraná, onde já integrou o Conselho Estadual de Direitos Humanos, e preside a Escola Nacional da Magistratura. Sua manifestação foi publicada em 1.º de julho na imprensa do Piauí. A AMB aloja cerca de 15 mil juízes em todo o País, é a maior e mais influente entidade da classe. A plataforma eleitoral de Bacellar prega o resgate "da força da magistratura para um País melhor".

Polícia Federal prendeu na madrugada e na manhã de ontem 18 pessoas em Curitiba e em Cascavel, acusadas de integrarem uma quadrilha especializada em desviar recursos públicos voltados para a educação técnica do Paraná. O prejuízo com as fraudes pode ter atingido R$ 6,6 milhões, só no setor de ensino à distância do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Estado do Paraná (IFPR). A ação, batizada de "Operação Sinapse" envolveu 200 policiais e contou com o apoio da Controladoria Geral da União (CGU) .

DEFESA

A

Comissão de Constituição e Justiça da Câmara recebeu ontem a defesa do deputado Natan Donadon, preso desde o fim de junho e expulso pelo PMDB após ter se tornado o primeiro parlamentar preso no exercício do mandato desde o regime militar (1964-1985). O conteúdo da defesa ainda não foi divulgado pela CCJ, nem pelo relator do processo de perda de mandato, o deputado Sérgio Zveiter (PSD-RJ). A esperança da defesa é que o deputado seja anistiado pela Câmara. Zveiter tem prazo de até cinco sessões do plenário para apresentar relatório.

Geraldo Magela/ Ag. Senado

O

líder do PT no Senado, Wellington Dias (PI), disse ontem que a presidente Dilma Rousseff vai assumir uma postura de mais diálogo com os parlamentares antes de o Executivo enviar medidas importantes ao Legislativo. "Tanto nas reuniões com os líderes na Câmara quanto no Senado, essa foi uma demanda clara. Ela (Dilma) responde não só assumindo o compromisso, mas realizando esses encontros." "O resultado disso é facilitar que um projeto, antes de ser enviado, tenha já um diálogo." O petista afirmou que esse diálogo se torna mais necessário diante das novas regras de apreciação de vetos pelo

Senador Ivo Cassol (PP-RO) condenado a 4 anos, 8 meses e 26 dias.

STF condena Ivo Cassol por fraude em licitações

O

plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) condenou ontem, por unanimidade, o senador Ivo Cassol (PP-RO) a 4 anos, 8 meses e 26 dias de detenção, no regime semiaberto, mais multa de R$ 201. 217,05, por crimes de fraudes em licitações. Ao fim de julgamento que consumiu duas sessões plenárias, os corréus Salomão da Silveira e Erodi Antonio Matt também foram condenados pelos mesmos ilícitos e pena, além de multa de R$ 134.544,70. O dinheiro será revertido aos cofres do município de Rolim de Moura (RO). Salomão da Silveira era o presidente da comissão de licitações durante o mandato de Cassol como prefeito do município de Rolim de Moura (RO). Erodi Matt era o vice-presidente daquela comissão. Mas a maioria dos ministros livrou os principais acusados e os ou-

tros empresários réus da acusação de formação de quadrilha, por não ter ficado comprovada a associação de mais de três deles para a prática de todos os 12 crimes de fraudes constatados no processo. Os três condenados perdem os seus direitos políticos, e o senador Ivo Cassol pode ter o seu mandato cassado, depois que o STF enviar ofício ao Senado dando conta da condenação do parlamentar, embora os ministros não tenham chegado, mais uma vez, a um consenso sobre a perda automática do mandato a partir do trânsito em julgado da sentença condenatória. Só os ministros Joaquim Barbosa, Gilmar Mendes, Marco Aurélio e Celso de Mello defendem a perda automática do mandato, sem referendo do Senado. Os crimes foram cometidos entre 1998 e 2002. (Folhapress)

Itamaraty terá um prazo de dois meses para limitar a remuneração de seus servidores ao teto constitucional – salário pago a um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), hoje fixado em R$ 26.723,13, segundo o Tribunal de Contas da União (TCU). O órgão aprovou ontem relatório que determina ainda, num prazo de 120 dias, o fim do uso de fator de correção cambial para pagamento de servidores do Itamaraty lotados no exterior. Esse índice é diferente para cada posto no exterior e tem como objetivo corrigir diferenças cambiais de acordo com o custo de vida nos países. Mas auditoria do TCU no Ministério das Relações Exteriores mostrou que esse cálculo resultava em uma remuneração acima do permitido pela legislação. Na folha de pagamento de maio, 344 servidores, de um total de 2.083, estavam nessa situação. "Os maiores valores de remuneração identificados somaram R$ 52.290,88 em abril e R$ 56.133,34 em maio", afirma relatório do ministro Benjamin Zymler. O TCU aponta que o cálculo para a remuneração não tem embasamento legal – ele foi definido por meio de exposição de motivos feito pelo MRE à Presidência da República– e que esse procedimento não é "sistemático" ou "transparente". "Essa ausência de critérios e normativos aumenta o risco de adoção de critérios casuísticos e pessoais, que poderia gerar aumento de despesas irregulares, o que viola os princípios, que regem a administração pública, tais como o princípio da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência", afirma o órgão. O TCU determina, então, que num prazo de quatro meses seja feito um projeto de lei com regras para o pagamento dos servidores lotados no exterior. No relatório, o MRE se posiciona sobre o tema: argumenta que o procedimento visa impedir que o valor pago no exterior seja menor àquele que seria depositado se o servidor estivesse no Brasil. O TCU rebate: "O argumento não se mostra convincente, tendo em vista que para os servidores lotados no Brasil, para os quais o princípio também deve ser aplicado, exige-se a edição de lei específica para reajuste de remuneração". A decisão não causa desconforto ao Ministério das Relações Exteriores, segundo o titular Antonio Patriota. "Pelo contrário, nos dá segurança de que agora estaremos dentro das melhores práticas, segundo o carimbo do TCU", disse ele, ontem, na Associação Comercial do Rio de Janeiro – a ACRJ. (Folhapress)


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

7 Eu preferiria deixar o cargo com a decisão condenatória já sendo cumprida efetivamente. Roberto Gurgel, procurador-geral da República

olítica

Felipe Sampaio/ STO/ STF

TSE suspende acordo de repasse de cadastro O plenário do TSE terá de avaliar o acordo para determinar se será extinto

A

c or r e ge d o ra - g er a l Eleitoral, Laurita Vaz, suspendeu o acordo firmado entre o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e a Serasa, que previa o compartilhamento de informações do cadastro eleitoral, composto por mais de 141 milhões de eleitores. Numa decisão ontem pela manhã, Vaz disse entender que há "risco de quebra de sigilo de informação a mim confiadas, às quais, por hora, ainda estão preservadas". Por isso, ela decidiu suspender o contrato até o que plenário da corte decida sobre o assunto. Não há informações, contudo,

se tal análise será feita hoje pelos ministros. O acordo feito entre o TSE e a Serasa Experian prevê o repasse de informações e dados pessoais dos eleitores à empresa, segundo denúncia do jornal Estado de S.Paulo. Cármen Lúcia, ontem, afirmou que a parceria foi firmada por Laurita Vaz, o que, em sua opinião, pode ter se precipitado. "Seria melhor que isso fosse levado a plenário para que a população soubesse o que aconteceu, o que é isso, quais as consequências, para evitar outro tipo de situação como essa", afirmou a presidente do TSE.

Apesar dos termos de cooperação terem sido publicados no Diário Oficial em julho, o diretor-geral do TSE, Anderson Vidal Corrêa, garantiu que até o momento não houve troca de informações entre as instituições. Corrêa afirmou que todos os dados que seriam repassados ao Serasa são públicos. Óbitos – "A única informação que passaremos de forma proativa é nosso cadastro de óbitos. O restante só será confirmado pelo TSE se está correto ou não. A Serasa nos envia o nome de um consumidor com o nome da mãe, e o TSE só vai dizer se o nome da mãe es-

Cármen Lúcia: "Seria melhor que isso fosse levado a plenário para evitar outro tipo de situação como essa." tá correto ou não, não vai fornecer o nome da mãe", explicou ele. De acordo com a resolução do TSE 21.538, de 2003, as informações constantes no cadastro eleitoral serão acessíveis a instituições públicas, privadas e a pessoas físicas. Ela veda, porém, o repasse dos seguintes dados: filiação,

data de nascimento, profissão, estado civil, escolaridade, telefone e endereço. Corrêa disse que no acordo a Serasa vai fornecer 5.000 certificados digitais para membros e servidores da Justiça Eleitoral. Levando em conta o preço de varejo do produto, os certificados custariam R$ 1,5 milhão.

Em nota distribuída ontem, a Serasa afirma que o convênio tem como objetivo "a verificação de dados para evitar fraudes contra consumidores brasileiros". Na prática, com a decisão, o plenário do TSE ainda terá de avaliar o acordo para determinar se será extinto ou implementado. (Folhapress)

Dida Sampaio/ EC

Deputado exige apuração do caso Juiz Marlon Reis, do MCCE, fala ao deputado Cândido Vacarezza (PT-SP).

Juiz defende discutir campanha

A

reforma política precisa centrar as atenções em dois eixos, segundo o juiz Marlon Reis, do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE): no financiamento de campanha e no sistema de eleições em vigor no País. "Precisamos centrar a atenção nas eleições proporcionais e no financiamento de campanha", disse Reis, que participou ontem da primeira audiência pública do grupo de trabalho que discute a elaboração de uma reforma política na Câmara, coordenado pelo deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP).

Outras discussões que envolvem o tema, como a suplência de senadores, são secundárias e insuficientes para mudar com profundidade o sistema político do País. "Ninguém vai chamar uma mudança superficial de reforma política", disse ele. É preciso, justificou, uma pressão externa porque existe descrença mútua entre os partidos para levar um projeto adiante. "A sociedade não está confortável em delegar a missão (da reforma política) para setores considerados diretamente interessados. Fazer a mudança do sistema, na nos-

sa opinião, não acontecerá sem um fator externo, que é superior à insegurança entre os partidos". O juiz também argumentou que a pesquisa do Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope), encomendada pela Ordem os Advogados do Brasil (OAB) divulgada no dia 6, revela que a maior parte da população quer uma reforma política com validade para 2014. Mas essa validade é questionada por Vaccarezza: "Eu também desejo (para 2 0 14 ) . O problema é que somos regidos pela Constituição e pelas leis do País." (EC)

O

deputado federal Carlos Zarattini (PT-SP) encaminhou ontem representação ao Ministério Público Federal (MPF) contra o acordo entre o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e a Serasa envolvendo o repasse de dados de 141 milhões de eleitores. Apesar de a presidente do Tribunal, ministra Cármen Lúcia, ter defendido a suspensão imediata do acordo, ele pede, além de cancelamento, apuração de responsabilidades pela medida. E ressalta que, mesmo anulado, o acordo "não afasta

os danos que podem ter sido causados aos direitos fundamentais dos cidadãos". "É bastante provável que os dados cadastrais, alocados em banco de dados eletrônico, já tenham sido disponibilizados para a Serasa. Nessa perspectiva, é preciso apurar as responsabilidades civis, administrativas e, eventualmente, criminais, dos responsáveis pela adoção da medida inconstitucional e ilegal, o que se requer com urgência", defende a representação. No documento, o petista afirma que

o acordo atende a "interesses exclusivos de servidores ou membros da Corte Eleitoral, que poderia ser atendido de outras formas, inclusive com o orçamento da própria Corte e através de vários órgãos credenciados". Zarattini diz que é "ingênuo" imaginar que o sigilo das informações seja preservado: o acordo só beneficia a Serasa, que teria acesso aos dados de todos os cidadãos adultos "com algum potencial econômico" e usaria as informações para transações comerciais. (Estadão Conteúdo)

COMECE BEM SUA CONSTRUÇÃO OU REFORMA

Gurgel deixa o cargo frustrado Procurador diz que gostaria de deixar o posto com os mensaleiros no xadrez

O

procurador-geral da República, Roberto Gurgel, disse ontem que se sente frustrado por deixar o cargo no próximo dia 15, antes da conclusão do julgamento do Mensalão e expedição dos mandados de prisão contra os condenados. "O julgamento dos embargos está previsto para se iniciar no dia 14. Caso se inicie no dia 14, participarei pelo menos da 1ª sessão relacionada ao julgamento do recurso. Frustração existe, sim. Eu preferiria deixar o cargo com a decisão condenatória já sendo cumprida efetivamente. Ou seja, com a perda de mandatos parlamentares e com a expedição dos mandados de prisão em relação aqueles réus condenados a penas privativas de liberdade." Gurgel, que deixa o cargo depois de 2 anos de mandato, disse acreditar que seu substituto fará um bom trabalho na etapa final do Mensalão e poderá mostrar "que todos os cidadãos brasileiros estão ao alcance do sistema de Justiça". Sobre a possibilidade de um procurador interino assumir o comando do MP no período de

Felipe Sampaio/STF - 21/02/2012

Desde 1926

Ferramentas elétricas, acessórios e várias opções de artigos a laser para medição, você encontra aqui. Roberto Gurgel, procurador-geral, admite: "Frustração existe, sim". transição entre seu mandato e o do próximo PGR, que ainda não foi escolhido pela presidente Dilma Rousseff, Gurgel disse que o ideal seria que isso não acontecesse. Gurgel também falou sobre o parecer que enviou ao Tribunal Superior Eleitoral favorável à cassação da governadora do Maranhão, Roseana Sarney. Segundo ele, houve um crescimento exagerado em programas do governo justamente num ano eleitoral. "Eu tenho feito todo o esforço no sentido de limpar a área

para o colega ou a colega que vai me substituir. Eu tenho feito esforço no sentido de devolver ao máximo tudo aquilo que está na Procuradoria Geral. Quanto a esse processo especificamente, havia uma representação em que se atribui a governadora, digamos, diversas condutas relacionadas essencialmente, entre outras coisas, a programa de habitação popular que teria tido um crescimento digamos exagerado precisamente no ano eleitoral e muito próximo já das eleições". (Folhapress)

A Pizzimenti possui diversas linhas de produtos de elétrica, hidráulica e pintura, ferramentas manuais, equipamentos de proteção individual (EPI) e sinalização, máquinas, lonas e telas, escadas, impermeabilizantes, material de fixação, de movimentação de cargas, cordas, correntes, ferragens e lubrificantes.

Serra Circular

Fone: 11

3340-7200 • Fax: 11 3340-7226


DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

ESPIONAGEM Agentes dos EUA liam teor de mensagens eletrônicas

nternacional

GUERRA DO VIETNÃ Pai e filho são resgatados após passarem 42 anos na floresta

DEPOIS DO RAMADÃ

A violência chega de raspão a Assad

M

ilhões de muçulmanos do mundo á r a b e c o m e m oram ontem o Eid alFitr, que marca o fim do mês de jejum do Ramadã e que este ano perdeu seu típico espírito de festa devido à tensão e aos conflitos políticos que sacudiram a região. Na Síria, insurgentes afirmaram ontem ter atacado um veículo de um comboio que transportava o presidente Bashar al-Assad para uma mesquita em Damasco. Caso confirmada, essa ofensiva será a ação mais direta realizada por rebeldes contra o regime sírio em mais de dois anos de crise. O Ministério da Informação da Síria, no entanto, nega a revelação de que tenha havido um ataque contra Assad. Pouco depois, o presidente foi mostrado pela televisão estatal durante orações em uma mesquita de Damasco para comemorar o feriado. As imagens mostraram Assad sorrindo enquanto ele caminhava pelo corredor da mesquita. De acordo com o Exército Livre da Síria, o comboio que transportava Assad foi atacado com mais de 37 morteiros depois de os rebeldes terem coletado informações sigilosas a respeito da localização do ditador. O general Firas al-Bitar, chefe de uma brigada responsável pela ação, disse à TV Al Arabiya ser possível que Assad estivesse em outro carro do comboio.

Já o porta-voz do grupo rebelde Liwa al-Islam, que participou do ataque, disse à rede Al Jazeera ter certeza de que veículos foram atingidos por foguetes por volta das 7h (1h no Brasil). Diversas pessoas teriam sido mortas. A violência também atingiu a população síria durante o feriado sagrado. Mais de 1.700 pessoas foram mortas pelas tropas do regime durante o mês do Ramadã, segundo a oposição. Desde o início do levante, em março de 2011, mais de 100 mil pessoas morreram, pelas estimativas da Organização das Nações Unidas (ONU). Não só a violência aumentou, como também os preços dos produtos básicos, o que acrescentou mais Sana/Reuters sofrimento aos sírios. Mayed Niazi, secretáriageral de um partido opositor, anunciou em sua página do Facebook que não comprará ovos, frango, iogurte e outros produtos l á c t e o s d urante uma sem a n a e nquanto os comerciantes não baixarem seus preços. Assad (centro) aparece em mesquita de Damasco após suposto ataque a seu comboio (Agências) Asmaa Waguih/Reuters

Manifestações, orações e serpentina no Egito.

M

ilhares de islamitas egípcios saíram pelas ruas do Cairo ontem para celebrar o fim do mês sagrado do Ramadã e exigir a volta do presidente deposto, o também islamita Mohamed Morsi, apesar das ameaças do governo de retirar das ruas os partidários do ex-líder. A esposa de Morsi, Nagla Mahmoud, apareceu de surpresa sobre o palanque da principal manifestação, no leste do Cairo, para pedir a volta de Morsi ao cargo. Em seu discurso na praça Rabea al Adauiya, ela ressaltou que o Egito "é islâmi-

co" e prometeu que Morsi "está voltando, se Deus quiser". Esta foi a primeira aparição de Nagla desde a queda de Morsi em 3 de julho. Desde então, o ex-líder está incomunicável. No outro acampamento de protesto, na praça de Al Nahda, os islamitas reforçaram as medidas de segurança com sacos de areia e muros de pedra. Ao lado das montanhas de pneus e pedras, várias crianças celebraram o feriado do Eid alFitr – que vai até o próximo domingo – com serpentinas, balões e brincadeiras como trampolins e pingue-pongue.

Para palestinos, um passo para frente e outro para trás.

E

ntre os palestinos, o fim do Ramadã também foi marcado por tensão. Apesar do anúncio de uma nova rodada de negociações com Israel, autoridades palestinas advertiram que o diálogo pode ser interrompido por causa da decisão israelense de construir mais moradias em assentamentos na Cisjordânia. A Administração Civil de Israel aprovou a construção de 878 unidades residenciais em vários assentamentos. A aprovação é preliminar, e a construção depende de longo processo burocrático, incluindo a aprovação de um conselho de planejamento e do Ministério da Defesa. A presença e expansão dos colonos israelenses nos terri-

tórios palestinos resultaram no congelamento das negociações em 2010, levando a quase três anos de pausa. Após hiato diplomático, ambas as partes reiniciaram o diálogo em Washington no fim de julho, após intenso esforço do secretário de Estado norteamericano, John Kerry. Ontem, os Estados Unidos anunciaram que a próxima etapa das negociações de paz entre Israel e palestinos será em 14 de agosto em Jerusalém, seguida de encontro em Jericó, na Cisjordânia. Para a ONG israelense Paz Agora, a autorização das novas moradias é uma "prova das intenções nada genuínas do governo de negociar seriamente". (Agências)

Ronen Zvulun/Reuters

Partidários de Morsi celebram o fim do Ramadã com festa e protesto "Não sairemos daqui até a restituição de Morsi e o restabelecimento da legitimidade. Vamos nos defender com o pouco que temos", disse o professor universitário Mohammed Ali, à agência Efe. Em contraste com o protesto convocado por grupos islamitas sob o lema de "O Eid da vitó-

ria", os opositores de Morsi se reuniram na praça Tahrir do Cairo para participar da oração coletiva e apoiar o Exército. O imã Gomaa Mohammed Ali, que comandou as preces na Tahrir, pregou contra a violência e pediu o desmantelamento dos acampamentos islamitas por meios pacíficos. (Agências)

Palestinos visitam cemitério em Jerusalém no feriado muçulmano Enrique Marcarian/Reuters

Mais um panelaço contra Cristina

SECRETARIA DA SAÚDE DIVISÃO TÉCNICA DE SUPRIMENTOS - SMS.3 ABERTURA DE LICITAÇÃO Encontra-se aberto no Gabinete, o seguinte pregão: PREGÃO ELETRÔNICO 231/2013-SMS.G, processo 2012-0.269.177-0, destinado à aquisição de MATERIAIS DE ELÉTRICA E HIDRÁULICA, FERRAMENTAS E EQUIPAMENTOS PARA MANUTENÇÃO PREDIAL PARA USO NAS UNIDADES DO SAMU-192, para a Divisão Técnica de Fiscalização, Comunicações e Informações - DTFCI/Serviço de Atendimento Móvel de Urgência - SAMU 192, do tipo menor preço. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 9 horas do dia 21 de agosto de 2013, pelo endereço www.comprasnet.gov.br, a cargo da 4ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. RETIRADA DE EDITAL O edital do pregão acima poderá ser consultado e/ou obtido nos endereços: http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br; www.comprasnet.gov.br, quando pregão eletrônico; ou, no gabinete da Secretaria Municipal da Saúde, na Rua General Jardim, 36 - 3º andar - Vila Buarque - São Paulo/SP - CEP 01223-010, mediante o recolhimento de taxa referente aos custos de reprografia do edital, através do DAMSP, Documento de Arrecadação do Município de São Paulo. DOCUMENTAÇÃO - PREGÃO ELETRÔNICO Os documentos referentes às propostas comerciais e anexos, das empresas interessadas, deverão ser encaminhados a partir da disponibilização do sistema, www.comprasnet.gov.br, até a data de abertura, conforme especificado no edital.

A

rgentinos fizeram um panelaço, na noite de ontem, para protestar contra o governo de Cristina Kirchner. Desde setembro de 2012, é o quinto protesto convocado pelas redes sociais contra corrupção, insegurança, inflação, entre outras bandeiras. O protesto gerou polêmica

pois coincidiu com o último dia de campanha antes das primárias dos partidos políticos, no domingo, para escolher seus candidatos ao Congresso. As siglas, porém, cancelaram os eventos em respeito ao luto pelos mortos na explosão de um prédio, em Rosário, na terça-feira. (Agências)

Argentinos protestam contra a presidente Cristina Kirchner e seu marido, Néstor.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

9

BRAM - Bradesco Asset Management S.A. Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Empresa da Organização Bradesco CNPJ 62.375.134/0001-44 Sede: Av. Paulista, 1.450 - 6º Andar - Bela Vista - São Paulo - SP RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas,

No encerramento do 1º semestre de 2013, a BRAM possuía sob gestão R$ 288,810 bilhões distribuídos em 651 Fundos de Investimento e Submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do semestre findo em 30 de junho de 2013, da BRAM - Bradesco Asset 230 Carteiras Administradas, atendendo um total de 2.749.168 investidores. No semestre, a BRAM registrou Lucro Líquido de R$ 18,049 milhões, correspondente a R$ 1.936,16 por lote de mil ações, Patrimônio Líquido de Management S.A. Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários (BRAM), de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, aplicáveis às instituições R$ 271,936 milhões, proporcionando rentabilidade anualizada de 13,71%. autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. Agradecemos aos nossos clientes o apoio e confiança e aos nossos funcionários e colaboradores a dedicação ao trabalho. A BRAM, empresa controlada pelo Banco Bradesco BBI S.A., é especializada na gestão de recursos de terceiros de diversos segmentos do mercado, São Paulo, SP, 19 de julho de 2013. como Varejo, Bradesco Prime, Bradesco Private, Bradesco Empresas, Corporate e Investidores Institucionais, além dos Internacionais. É líder no ranking de Diretoria melhores gestores de fundos de investimentos para institucionais, segundo levantamento da revista Investidor Institucional.

BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE JUNHO - Em Reais mil ATIVO CIRCULANTE ............................................................................................................................................... DISPONIBILIDADES (Nota 4) ....................................................................................................................... TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS E INSTRUMENTOS FINANCEIROS DERIVATIVOS (Nota 5) ......... Carteira Própria ............................................................................................................................................. OUTROS CRÉDITOS (Nota 6)...................................................................................................................... Rendas a Receber......................................................................................................................................... Diversos......................................................................................................................................................... OUTROS VALORES E BENS........................................................................................................................ Despesas Antecipadas.................................................................................................................................. REALIZÁVEL A LONGO PRAZO................................................................................................................. OUTROS CRÉDITOS (Nota 6)...................................................................................................................... Diversos......................................................................................................................................................... PERMANENTE ............................................................................................................................................. INVESTIMENTOS (Nota 7) ........................................................................................................................... Participações em Coligadas e Controladas: - No País........................................................................................................................................................ Outros Investimentos..................................................................................................................................... Provisões para Perdas .................................................................................................................................. IMOBILIZADO DE USO (Nota 8)................................................................................................................... Outras Imobilizações de Uso......................................................................................................................... Depreciações Acumuladas............................................................................................................................ DIFERIDO (Nota 9) ....................................................................................................................................... Gastos de Organização e Expansão............................................................................................................. Amortização Acumulada ............................................................................................................................... INTANGÍVEL (Nota 10).................................................................................................................................. Ativos Intangíveis........................................................................................................................................... Amortização Acumulada ............................................................................................................................... TOTAL ...........................................................................................................................................................

2013 294.269 989 280.087 280.087 13.165 9.811 3.354 28 28 3.300 3.300 3.300 3.379 122

2012 257.524 7 247.430 247.430 10.063 7.558 2.505 24 24 3.142 3.142 3.142 4.404 501

334 (212) 2.168 6.425 (4.257) 1 263 (262) 1.088 2.682 (1.594) 300.948

379 334 (212) 2.418 6.271 (3.853) 16 263 (247) 1.469 2.544 (1.075) 265.070

PASSIVO CIRCULANTE ............................................................................................................................................... OUTRAS OBRIGAÇÕES .............................................................................................................................. Sociais e Estatutárias (Nota 13d) .................................................................................................................. Fiscais e Previdenciárias (Nota 12a)............................................................................................................. Diversas (Nota 12b).......................................................................................................................................

2013 21.134 21.134 381 11.137 9.616

2012 15.543 15.543 322 7.553 7.668

EXIGÍVEL A LONGO PRAZO....................................................................................................................... OUTRAS OBRIGAÇÕES .............................................................................................................................. Fiscais e Previdenciárias (Nota 12a)............................................................................................................. Diversas (Nota 12b).......................................................................................................................................

7.878 7.878 5.294 2.584

6.303 6.303 3.826 2.477

PATRIMÔNIO LÍQUIDO ................................................................................................................................ Capital: - De Domiciliados no País (Nota 13a) ........................................................................................................... Reservas de Lucros (Nota 13c).....................................................................................................................

271.936

243.224

133.000 138.936

117.000 126.224

TOTAL ...........................................................................................................................................................

300.948

265.070

As Notas Explicativas são parte integrante das Demonstrações Contábeis.

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DOS SEMESTRES FINDOS EM 30 DE JUNHO - Em Reais mil

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO - Em Reais mil

2013 RECEITAS DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA ........................................................................................ Resultado de Operações com Títulos e Valores Mobiliários (Nota 5b) ......................................................... RESULTADO BRUTO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA....................................................................... OUTRAS RECEITAS/(DESPESAS) OPERACIONAIS................................................................................. Receitas de Prestação de Serviços (Notas 14 e 21)..................................................................................... Despesas de Pessoal (Nota 15) .................................................................................................................... Outras Despesas Administrativas (Nota 16).................................................................................................. Despesas Tributárias (Nota 17) ..................................................................................................................... Resultado de Participações em Coligadas e Controladas (Nota 7a) ............................................................ Outras Receitas Operacionais (Nota 18)....................................................................................................... Outras Despesas Operacionais (Nota 18)..................................................................................................... RESULTADO OPERACIONAL ..................................................................................................................... RESULTADO ANTES DA TRIBUTAÇÃO SOBRE O LUCRO ...................................................................... IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL (Nota 20a e b) ........................................................... LUCRO LÍQUIDO.......................................................................................................................................... Número de ações (Nota 13a) ........................................................................................................................ Lucro por lote de mil ações em R$................................................................................................................

2012 11.692 11.692 11.692 7.612 43.589 (24.658) (6.924) (3.256) (746) 187 (580) 19.304 19.304 (8.298) 11.006 9.322.059 1.180,64

9.707 9.707 9.707 21.740 59.849 (25.572) (7.809) (4.367) (244) 19 (136) 31.447 31.447 (13.398) 18.049 9.322.059 1.936,16

Eventos Saldos em 31.12.2011.....................................................................

Capital Social 105.000

Aumento de Capital com Reservas .................................................. Lucro Líquido.................................................................................... Destinações: - Reservas................................................................... - Dividendos Propostos...............................................

12.000 -

550 -

Saldos em 30.6.2012.......................................................................

117.000

8.366

117.858

-

243.224

Saldos em 31.12.2012.....................................................................

117.000

8.913

128.146

-

254.059

Aumento de Capital com Reservas .................................................. Lucro Líquido.................................................................................... Destinações: - Reservas................................................................... - Dividendos Propostos...............................................

16.000 -

902 -

Saldos em 30.6.2013.......................................................................

133.000

9.815

As Notas Explicativas são parte integrante das Demonstrações Contábeis.

Reservas de Lucros Lucros Legal Estatutárias Acumulados 7.816 119.506 (12.000) 10.352 -

11.006 (10.902) (104)

(16.000) 16.975 -

18.049 (17.877) (172)

129.121

-

Totais 232.322 11.006 (104)

18.049 (172) 271.936

As Notas Explicativas são parte integrante das Demonstrações Contábeis.

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA DOS SEMESTRES FINDOS EM 30 DE JUNHO - Em Reais mil 2013

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO DOS SEMESTRES FINDOS EM 30 DE JUNHO - Em Reais mil 2012

Fluxo de Caixa das Atividades Operacionais: Lucro Líquido antes do Imposto de Renda e Contribuição Social .......................................................

31.447

19.304

Ajustes ao Lucro Líquido antes dos Impostos.......................................................................................

916

1.557

Despesas com Provisões Cíveis e Fiscais ................................................................................................

144

272

Depreciações e Amortizações ...................................................................................................................

528

539

Resultado de Participações em Coligadas e Controladas.........................................................................

244

746

Lucro Líquido ajustado antes do Imposto de Renda e Contribuição Social .......................................

32.363

20.861

(Aumento)/Redução em Títulos e Valores Mobiliários e Instrumentos Financeiros Derivativos ................

(10.770)

(1.715)

(Aumento)/Redução em Outros Créditos e Outros Valores e Bens ...........................................................

(1.545)

(318)

Aumento/(Redução) em Outras Obrigações..............................................................................................

(2.237)

(3.511)

Imposto de Renda e Contribuição Social Pagos........................................................................................

(16.913)

(14.953)

Caixa Líquido Proveniente/(Utilizado) das Atividades Operacionais .....................................................

898

364

Fluxo de Caixa das Atividades de Investimentos: Alienação de Imobilizado de Uso ................................................................................................................

2

Aplicações no Imobilizado de Uso...............................................................................................................

(16)

8 (328)

Aplicações no Intangível..............................................................................................................................

(138)

(67)

Caixa Líquido Proveniente/(Utilizado) nas Atividades de Investimentos...............................................

(152)

(387)

Aumento/(Redução) de Caixa e Equivalentes de Caixa...........................................................................

746

(23)

Caixa e Equivalentes de Caixa - Início do Período .......................................................................................

243

30

Caixa e Equivalentes de Caixa - Fim do Período ..........................................................................................

989

7

Aumento/(Redução) Líquido, de Caixa e Equivalentes de Caixa ............................................................

746

(23)

Descrição 1 - RECEITAS .................................................................................. 1.1) Intermediação Financeira.................................................. 1.2) Prestação de Serviços....................................................... 1.3) Outras ................................................................................. 2 - INSUMOS ADQUIRIDOS DE TERCEIROS ................................ Materiais, Energia e Outros ........................................................ Serviços de Terceiros.................................................................. Comunicações ............................................................................ Serviços Técnicos Especializados .............................................. Propaganda, Promoções e Publicidade...................................... Transporte ................................................................................... Processamento de Dados........................................................... Manutenção e Conservação de Bens ......................................... Viagens ....................................................................................... Outras ......................................................................................... 3 - VALOR ADICIONADO BRUTO (1-2) .......................................... 4 - DEPRECIAÇÕES E AMORTIZAÇÕES ...................................... 5 - VALOR ADICIONADO LÍQUIDO PRODUZIDO PELA ENTIDADE (3-4)........................................................................ 6 - VALOR ADICIONADO RECEBIDO EM TRANSFERÊNCIA ...... Resultado de Participações em Coligadas e Controladas .......... 7 - VALOR ADICIONADO A DISTRIBUIR ....................................... 8 - DISTRIBUIÇÃO DO VALOR ADICIONADO............................... 8.1) Pessoal ............................................................................... Proventos ............................................................................. Benefícios ............................................................................ FGTS ................................................................................... Outros Encargos .................................................................. 8.2) Impostos, Taxas e Contribuições ..................................... Federal ................................................................................. Municipal.............................................................................. 8.3) Remuneração de Capitais de Terceiros ........................... Aluguéis ............................................................................... 8.4) Remuneração de Capitais Próprios ................................. Dividendos ........................................................................... Lucros Retidos .....................................................................

As Notas Explicativas são parte integrante das Demonstrações Contábeis.

2013 69.439 9.707 59.849 (117) (6.657) (74) (499) (1.802) (1.240) (484) (164) (1.452) (135) (475) (332) 62.782 (528)

%

62.254 (244) (244) 62.010 62.010 23.012 9.776 4.317 794 8.125 20.325 19.233 1.092 624 624 18.049 172 17.877

112,0 15,7 96,5 (0,2) (10,7) (0,1) (0,8) (2,9) (2,0) (0,8) (0,3) (2,3) (0,2) (0,8) (0,5) 101,3 (0,9)

2012 54.888 11.692 43.589 (393) (5.782) (185) (332) (1.744) (677) (552) (232) (1.029) (221) (476) (334) 49.106 (539)

100,4 (0,4) (0,4) 100,0 100,0 37,1 15,8 6,9 1,3 13,1 32,8 31,0 1,8 1,0 1,0 29,1 0,3 28,8

48.567 (746) (746) 47.821 47.821 22.018 10.230 3.746 752 7.290 14.194 13.431 763 603 603 11.006 104 10.902

% 114,8 24,4 91,2 (0,8) (12,1) (0,4) (0,7) (3,6) (1,4) (1,2) (0,5) (2,2) (0,5) (1,0) (0,8) 102,7 (1,1) 101,6 (1,6) (1,6) 100,0 100,0 46,0 21,4 7,8 1,6 15,2 29,7 28,1 1,6 1,3 1,3 23,0 0,2 22,8

As Notas Explicativas são parte integrante das Demonstrações Contábeis.

NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1) CONTEXTO OPERACIONAL A BRAM - Bradesco Asset Management S.A. Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários (BRAM ou Instituição) tem como objetivo praticar operações e atividades atinentes às disposições legais e regulamentares aplicáveis às sociedades da espécie, inclusive a administração de carteira de valores mobiliários por intermédio de carteiras de fundos, clubes de investimentos e outros assemelhados, além da execução de outros serviços ou atividades correlacionados à administração de recursos, podendo, para tal fim, celebrar convênios, bem como comprar e vender participações societárias e participar como sócia ou acionista de outras Sociedades. É parte integrante da Organização Bradesco (Organização), sendo suas operações conduzidas de forma integrada a um conjunto de empresas, que atuam nos mercados financeiros e de capitais, utilizando-se de seus recursos administrativos e tecnológicos, e suas demonstrações contábeis devem ser entendidas neste contexto.

f) Investimentos Os investimentos em empresas controladas e coligadas, com influência significativa ou participação de 20% ou mais no capital votante são avaliados pelo método de equivalência patrimonial. Os incentivos fiscais e outros investimentos são avaliados pelo custo de aquisição, deduzidos de provisão para perdas/redução ao valor recuperável (impairment), quando aplicável.

g) Imobilizado Corresponde aos direitos que tenham por objeto bens corpóreos destinados à manutenção das atividades ou exercidos com essa finalidade, inclusive os decorrentes de operações que transfiram os riscos, benefícios e controles dos bens para a entidade. É demonstrado ao custo de aquisição, líquido das respectivas depreciações acumuladas, calculadas pelo método linear de acordo com a vida útil2) APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS econômica estimada dos bens, sendo: móveis e utensílios e máquinas e equipamentos, sistemas de comunicação e segurança - 10% ao ano, sistemas de As demonstrações contábeis foram elaboradas a partir das diretrizes contábeis emanadas das Leis nos 4.595/64 (Lei do Sistema Financeiro Nacional) processamento de dados 20% ao ano e ajustado por redução ao valor recuperável (impairment), quando aplicável. e 6.404/76 (Lei das Sociedades por Ações) com as alterações introduzidas pelas Leis nos 11.638/07 e 11.941/09, para a contabilização das operações, associadas às normas e instruções do Conselho Monetário Nacional (CMN) e do Banco Central do Brasil (BACEN). Incluem estimativas e premissas, tais h) Intangível como: estimativas do valor justo de determinados instrumentos financeiros; provisões cíveis, fiscais e trabalhistas; perdas por redução ao valor recuperável Corresponde aos direitos adquiridos que tenham por objeto bens incorpóreos destinados à manutenção da entidade ou exercidos com essa finalidade. (impairment) de títulos e valores mobiliários classificados nas categorias de títulos disponíveis para venda, mantidos até o vencimento; e ativos não Compostos por softwares, que estão registrados ao custo, deduzidos da amortização pelo método linear durante a vida útil-estimada (20% ao ano), a partir da data da sua disponibilidade para uso e ajustados por redução ao valor recuperável (impairment), quando aplicável. Gastos com o desenvolvimento interno financeiros e outras provisões, quando aplicável. Os resultados efetivos podem ser diferentes daqueles estabelecidos por essas estimativas e premissas. de softwares são reconhecidos como ativo quando é possível demonstrar a intenção e a capacidade de concluir tal desenvolvimento, bem como mensurar As Demonstrações Contábeis foram aprovadas pela Administração em 19 de julho de 2013. com segurança os custos diretamente atribuíveis ao mesmo, que serão amortizados durante sua vida útil estimada, considerando os benefícios econômicos futuros gerados. 3) PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS i) Redução ao valor recuperável de ativos (Impairment) Os ativos financeiros e não financeiros são avaliados para verificar se há evidência objetiva de que tenha ocorrido uma perda no seu valor recuperável. A evidência objetiva de que os ativos financeiros perderam valor pode incluir o não pagamento ou atraso no pagamento por parte do devedor, indicações de b) Apuração do resultado processo de falência ou mesmo, um declínio significativo ou prolongado do valor do ativo. O resultado é apurado de acordo com o regime de competência, que estabelece que as receitas e despesas devam ser incluídas na apuração dos resultados Uma perda por redução ao valor recuperável (impairment) de um ativo financeiro ou não financeiro é reconhecida no resultado do período se o valor contábil dos períodos em que ocorrerem, sempre simultaneamente quando se correlacionarem, independentemente de recebimento ou pagamento. As operações do ativo ou unidade geradora de caixa exceder o seu valor recuperável. com taxas prefixadas são registradas pelo valor de resgate, e as receitas e despesas correspondentes ao período futuro são apresentadas em conta redutora dos respectivos ativos e passivos. As receitas e despesas de natureza financeira são contabilizadas pelo critério pro rata dia e calculadas com base j) Provisões, ativos e passivos contingentes e obrigações legais - fiscais e previdenciárias O reconhecimento, a mensuração e a divulgação das provisões, das contingências ativas e passivas e também das obrigações legais são efetuados de no método exponencial, exceto aquelas relacionadas a operações no exterior, que são calculadas com base no método linear. acordo com os critérios definidos pelo CPC 25, o qual foi aprovado pela Resolução nº 3.823/09 do CMN, sendo: As operações com taxas pós-fixadas ou indexadas a moedas estrangeiras são atualizadas até a data do balanço. • Ativos Contingentes: não são reconhecidos contabilmente, exceto quando a Administração possui controle da situação ou quando há garantias reais c) Caixa e equivalentes de caixa ou decisões judiciais favoráveis, sobre as quais não caibam mais recursos, caracterizando o ganho como praticamente certo e pela confirmação da Caixa e equivalentes de caixa são representados por disponibilidades em moeda. capacidade de sua recuperação por recebimento ou compensação com outro passivo exigível. Os ativos contingentes, cuja expectativa de êxito é provável, d) Títulos e valores mobiliários - Classificação são divulgados nas notas explicativas; • Títulos para negociação - adquiridos com o propósito de serem ativa e frequentemente negociados. São registrados pelo custo de aquisição, acrescidos • Provisões: são constituídas levando em consideração a opinião dos assessores jurídicos, a natureza das ações, a similaridade com processos anteriores, dos rendimentos auferidos e ajustados pelo valor de mercado em contrapartida ao resultado do período; a complexidade e o posicionamento de Tribunais, sempre que a perda for avaliada como provável, o que ocasionaria uma provável saída de recursos para • Títulos disponíveis para venda - são aqueles que não se enquadram como para negociação nem como mantidos até o vencimento. São registrados pelo a liquidação das obrigações e quando os montantes envolvidos forem mensuráveis com suficiente segurança; custo de aquisição, acrescidos dos rendimentos auferidos em contrapartida ao resultado do período e ajustados pelo valor de mercado em contrapartida • Passivos Contingentes: de acordo com o CPC 25, o termo “contingente” é utilizado para passivos que não são reconhecidos, pois a sua existência ao patrimônio líquido, deduzidos dos efeitos tributários, os quais só serão reconhecidos no resultado quando da efetiva realização; e somente será confirmada pela ocorrência ou não de um ou mais eventos futuros e incertos que não estejam totalmente sob o controle da Administração. • Títulos mantidos até o vencimento - adquiridos com a intenção e capacidade financeira para sua manutenção em carteira até o vencimento. São registrados Os passivos contingentes não satisfazem os critérios de reconhecimento, pois são considerados como perdas possíveis, devendo apenas ser divulgados pelo custo de aquisição, acrescidos dos rendimentos auferidos em contrapartida ao resultado do período. em notas explicativas, quando relevantes. As obrigações classificadas como remotas não são provisionadas e nem divulgadas; e Os títulos e valores mobiliários classificados nas categorias de negociação e disponível para venda, bem como os instrumentos financeiros derivativos, são • Obrigações Legais - Provisão para Riscos Fiscais: decorrem de processos judiciais, cujo objeto de contestação é sua legalidade ou demonstrados no balanço patrimonial pelo seu valor justo estimado. O valor justo geralmente baseia-se em cotações de preços de mercado ou cotações de constitucionalidade que, independentemente da avaliação acerca da probabilidade de sucesso, têm os seus montantes reconhecidos integralmente preços de mercado para ativos ou passivos com características semelhantes. Se esses preços de mercado não estiverem disponíveis, os valores justos são nas demonstrações contábeis. baseados em cotações de operadores de mercado, modelos de precificação, fluxo de caixa descontado ou técnicas similares, para as quais a determinação Detalhamento dos processos judiciais, bem como a segregação e movimentação dos valores registrados, por natureza, estão apresentados na Nota 11. do valor justo possa exigir julgamento ou estimativa significativa por parte da Administração. k) Outros ativos e passivos a) Moeda funcional e de apresentação As demonstrações contábeis estão apresentadas em Real, que é a moeda funcional da Instituição.

e) Imposto de renda e contribuição social (ativo e passivo) Os créditos tributários de imposto de renda e contribuição social sobre o lucro líquido, calculados sobre adições temporárias, são registrados na rubrica “Outros Créditos - Diversos”, e a provisão para as obrigações fiscais diferidas é registrada na rubrica “Outras Obrigações - Fiscais e Previdenciárias”. Os créditos tributários sobre as adições temporárias serão realizados quando da utilização e/ou reversão das respectivas provisões sobre as quais foram constituídos. Tais créditos tributários são reconhecidos contabilmente com base nas expectativas atuais de realização, considerando os estudos técnicos e análises realizadas pela Administração. A provisão para imposto de renda é constituída à alíquota-base de 15% do lucro tributável, acrescida de adicional de 10%. A contribuição social sobre o lucro é calculada considerando a alíquota de 15% para empresas do segmento financeiro. Foram constituídas provisões para os demais impostos e contribuições sociais, de acordo com as respectivas legislações vigentes. De acordo com a Lei nº 11.941/09, as modificações no critério de reconhecimento de receitas, custos e despesas computadas na apuração do lucro líquido do período, introduzidas pela Lei nº 11.638/07 e pelos artigos 37 e 38 da Lei nº 11.941/09, não terão efeitos para fins de apuração do lucro real, devendo ser considerados, para fins tributários, os métodos e critérios contábeis vigentes em 31 de dezembro de 2007. Para fins contábeis, os efeitos tributários da adoção das mencionadas leis estão registrados nos ativos e passivos diferidos correspondentes. A composição dos valores de imposto de renda e contribuição social, a demonstração dos seus cálculos, bem como a origem e previsão de realização dos créditos tributários estão apresentados na Nota 20.

Os ativos estão demonstrados pelos valores de realização, incluindo, quando aplicável, os rendimentos e as variações monetárias, auferidos (em base pro rata dia) e provisão para perda, quando julgada necessária. Os passivos demonstrados incluem os valores conhecidos e mensuráveis, acrescidos dos encargos e das variações monetárias, incorridos (em base pro rata dia). l) Eventos subsequentes Correspondem aos eventos ocorridos entre a data-base das demonstrações contábeis e a data de autorização para sua emissão. São compostos por: • Eventos que originam ajustes: são aqueles que evidenciam condições que já existiam na data-base das demonstrações contábeis; e • Eventos que não originam ajustes: são aqueles que evidenciam condições que não existiam na data-base das demonstrações contábeis. Não houve qualquer evento subsequente que requer ajustes ou divulgações para as demonstrações contábeis encerradas em 30 de junho de 2013. 4) CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA Em 30 de junho - R$ mil 2013 Disponibilidades em moeda nacional ...................................................................................................... Total de disponibilidades (caixa) .........................................................................................................

2012 989 989

7 7

5) TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS E INSTRUMENTOS FINANCEIROS DERIVATIVOS a) Classificação por categorias e prazos Em 30 de junho - R$ mil 2013

Títulos (1) Títulos para negociação (3) Letras financeiras do tesouro .............................................................. Letras do tesouro nacional .................................................................. Notas do tesouro nacional................................................................... Certificados de depósito bancário ....................................................... Debêntures .......................................................................................... Fundos de investimento....................................................................... Notas promissórias.............................................................................. Outros.................................................................................................. Total em 2013 ..................................................................................... Total em 2012 .....................................................................................

1 a 30 dias 3.556 37.999 116 41.671 62.840

31 a 180 dias 4.787 7.520 12.307 25.414

181 a 360 dias 8.534 10.912 147 19.593 29.516

Acima de 360 dias 175.556 9.924 191 19.966 879 206.516 129.660

Valor de mercado/ contábil (2) 192.433 9.924 37.999 18.623 20.113 995 280.087

Valor de custo atualizado 192.433 9.924 37.999 18.623 20.113 995 280.087

2012 Valor de mercado/ contábil (2)

Marcação a mercado -

Marcação a mercado

152.355 40.518 28.015 19.273 3.234 615 3.420 -

-

247.430

-

(1) As aplicações em cotas de fundos de investimento foram distribuídas de acordo com os papéis que compõem suas carteiras, preservando a classificação da categoria dos fundos. No encerramento do período, os investimentos em fundos exclusivos administrados pelo Conglomerado Bradesco somavam R$ 279.971 mil (2012 - R$ 247.319 mil). Na distribuição dos prazos, foram considerados os vencimentos dos papéis, independentemente de sua classificação contábil; (2) Valor de mercado dos títulos e valores mobiliários é apurado de acordo com a cotação de preço de mercado disponível na data do balanço. Se não houver cotação de preços de mercado disponível, os valores são estimados com base em cotações de distribuidores, modelos de precificação, modelos de cotações ou cotações de preços para instrumentos com características semelhantes. No caso das aplicações em fundos de investimento, o custo atualizado reflete o valor de mercado das respectivas cotas; e (3) Para fins de apresentação do Balanço Patrimonial os títulos classificados como “para negociação” estão demonstrados no ativo circulante. continua...


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

...continuação

BRAM - Bradesco Asset Management S.A. Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Empresa da Organização Bradesco CNPJ 62.375.134/0001-44 Sede: Av. Paulista, 1.450 - 6º Andar - Bela Vista - São Paulo - SP NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS b) Resultado de títulos e valores mobiliários

16) OUTRAS DESPESAS ADMINISTRATIVAS

Semestres findos em 30 de junho - R$ mil 2013 2012 Aplicações em fundos de investimento ................................................................................................... 9.707 11.692 Total ........................................................................................................................................................ 9.707 11.692 c) A BRAM não possuía operações com instrumentos financeiros derivativos em 30 de junho de 2013 e de 2012. 6) OUTROS CRÉDITOS a) Rendas a receber 9.811 2.258 7.553 9.811

Em 30 de junho - R$ mil 2012 1 7.557 2.267 5.290 7.558

5.012 772 738 25 107 6.654

Em 30 de junho - R$ mil 2012 4.031 753 801 8 54 5.647

2013 Dividendos a receber ............................................................................................................................ Serviços prestados a receber .............................................................................................................. • Tarifa de serviços.................................................................................................................................. • Taxa de administração de fundos de investimentos ............................................................................. Total ........................................................................................................................................................ b) Diversos 2013 Créditos tributários (Nota 20c)................................................................................................................. Depósitos em garantia de recursos fiscais.............................................................................................. Adiantamentos e antecipações salariais ................................................................................................. Impostos e contribuições a compensar ................................................................................................... Outros...................................................................................................................................................... Total ........................................................................................................................................................

7) INVESTIMENTOS a) Os ajustes decorrentes da avaliação pelo método de equivalência patrimonial dos investimentos, foram registrados em contas de resultado, sob a rubrica de “Resultado de participações em coligadas e controladas”. Em 30 de junho - R$ mil Quantidade Patrimônio de ações Participação Ajuste decorrente Capital líquido Prejuízo possuídas no capital Valor contábil de avaliação (1) Empresa social ajustado (2) ajustado (em milhares) social % 2013 2012 2013 2012 2bCapital S.A. ...... 6.167 (648) (489) 20.891 50,0 (324) 379 (244) (746) Total ..................... (324) 379 (244) (746)

Comunicação........................................................................................................................................... Processamento de dados........................................................................................................................ Serviços técnicos especializados............................................................................................................ Propaganda, promoções e publicidade ................................................................................................... Aluguéis................................................................................................................................................... Depreciações e amortizações ................................................................................................................. Viagens.................................................................................................................................................... Serviços de terceiros............................................................................................................................... Transportes.............................................................................................................................................. Manutenção e conservação de bens....................................................................................................... Despesas de material.............................................................................................................................. Outras...................................................................................................................................................... Total ........................................................................................................................................................

Semestres findos em 30 de junho - R$ mil 2013 2012 1.802 1.744 1.452 1.029 1.240 677 484 552 624 603 528 539 475 476 499 332 164 232 135 221 74 185 332 334 7.809 6.924

17) DESPESAS TRIBUTÁRIAS

Contribuição à COFINS........................................................................................................................... Impostos sobre serviços - ISS................................................................................................................. Contribuição ao PIS................................................................................................................................. Impostos e taxas ..................................................................................................................................... Total ........................................................................................................................................................

Semestres findos em 30 de junho - R$ mil 2013 2012 2.714 2.086 1.092 763 449 344 112 63 4.367 3.256

18) OUTRAS RECEITAS (DESPESAS) OPERACIONAIS Semestres findos em 30 de junho - R$ mil 2013 2012 3 2 27 10 137 (67) (287) (6) (128) (7) (25) (50) (119) (117) (393)

Dividendos recebidos/JCP ...................................................................................................................... Reversão de outras provisões operacionais............................................................................................ Recuperação de encargos e despesas ................................................................................................... Atualizações monetárias e variações cambiais....................................................................................... (1) Ajuste decorrente de avaliação considera os resultados apurados, periodicamente, pelas companhias e inclui variações patrimoniais das investidas não Indenizações cíveis ................................................................................................................................. Ressarcimento a clientes ........................................................................................................................ decorrentes de resultado, quando aplicáveis; e (2) O valor da participação de R$ 324 mil no Patrimônio Líquido a Descoberto está registrado em Passivo a Descoberto na rubrica “Outras Obrigações” Outras...................................................................................................................................................... Total ........................................................................................................................................................ (Nota 12b). b) Composição de Outros Investimentos 19) TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS Em 30 de junho - R$ mil a) As transações com controlador e empresas coligadas estão assim representadas: 2013 2012 Em 30 de junho - R$ mil Investimentos por incentivos fiscais ........................................................................................................ 218 218 2013 2012 2013 2012 Certificados de investimentos.................................................................................................................. 99 100 Outros investimentos ............................................................................................................................... 17 16 Ativos Ativos Receitas Receitas Subtotal .................................................................................................................................................. 334 334 (passivos) (passivos) (despesas) (despesas) Provisão para perdas em investimentos por incentivos fiscais ....................................................... (212) (212) Disponibilidades: Total ........................................................................................................................................................ 122 122 Banco Bradesco S.A. ....................................................................... 989 7 8) IMOBILIZADO DE USO Dividendos: Demonstrado ao custo de aquisição. As depreciações são calculadas pelo método linear, com base em taxas anuais que contemplam a vida útil-econômica Banco Bradesco BBI S.A. ................................................................ (381) (322) dos bens. Aluguel: Em 30 de junho - R$ mil Alvorada Cartões, Crédito, Financiamento e Investimento S.A. ...... (273) (259) Custo líquido Serviços prestados: de depreciação Bradesco S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários ................ (5) (5) Taxa Custo Depreciação 2013 2012 b) Remuneração do pessoal-chave da Administração Imóveis de uso: Anualmente na Assembleia Geral Ordinária é fixado: - Móveis e equipamentos de uso...................................................... 10% 2.585 (1.146) 1.439 1.516 - Sistema de segurança e comunicação .......................................... 10% 954 (568) 386 458 • O montante global anual da remuneração dos Administradores, que é definido em reunião do Conselho de Administração da Organização Bradesco, a ser - Sistema de processamento de dados ............................................ 20% 2.886 (2.543) 343 444 paga aos membros do próprio Conselho e da Diretoria, conforme determina o Estatuto Social; e Total em 2013 .................................................................................. 6.425 (4.257) 2.168 • A verba destinada a custear Planos de Previdência Complementar aberta dos Administradores, dentro do Plano de Previdência destinado aos Funcionários Total em 2012 .................................................................................. 6.271 (3.853) 2.418 e Administradores da Instituição. Para 2013, foi determinado o valor máximo de R$ 4.800 mil (2012 - R$ 5.500 mil) para remuneração dos Administradores (proventos) e de R$ 4.800 mil 9) DIFERIDO Os valores registrados no diferido referem-se a gastos com desenvolvimento de logística em implantação, e seu valor do custo líquido de amortização (2012 - R$ 4.600 mil) para custear planos de previdência complementar de contribuição definida. corresponde a R$ 1 mil (2012 - R$ 16 mil), tendo como valor amortizado acumulado R$ 262 mil (2012 - R$ 247 mil). Os valores registrados até 8 de Ainda em relação à remuneração da Administração, a atual política estabelece que 50% do valor líquido da remuneração variável, caso haja, deve ser dezembro de 2008 foram mantidos neste grupo até a sua amortização, de acordo com a Carta-Circular BACEN nº 3.357/08, e a partir dessa data passou a destinada à aquisição de ações PN do Banco Bradesco S.A., que terão sua movimentação disponível em 3 parcelas iguais, anuais e sucessivas, vencendo ser registrado no ativo intangível. a primeira parcela no ano subsequente da data de pagamento. Este procedimento está aderente à Resolução CMN nº 3.921/10, que dispõe sobre a política de remuneração de administradores de instituições financeiras. 10) INTANGÍVEL Os gastos com desenvolvimento de sistemas e softwares, com custo líquido de amortização correspondente a R$ 1.088 mil (2012 - R$ 1.469 mil), tendo Benefícios de Curto Prazo a Administradores amortização acumulada de R$ 1.594 mil (2012 - R$ 1.075 mil). Semestres findos em 30 de junho - R$ mil 2013 2012 11) PROVISÕES, ATIVOS E PASSIVOS CONTINGENTES E OBRIGAÇÕES LEGAIS - FISCAIS E PREVIDENCIÁRIAS Proventos................................................................................................................................................. 1.044 1.989 a) Ativos Contingentes Contribuição ao INSS .............................................................................................................................. 235 447 Não são reconhecidos contabilmente ativos contingentes. Total ........................................................................................................................................................ 1.279 2.436 b) Provisões e passivos contingentes classificados como perdas prováveis e Obrigações Legais - Fiscais e Previdenciárias Benefícios pós-emprego A Instituição é parte em processos judiciais, de natureza cível e fiscal, decorrentes do curso normal de suas atividades. Na constituição das provisões a Administração leva em conta: a opinião dos assessores jurídicos, a natureza das ações, a similaridade com processos Semestres findos em 30 de junho - R$ mil anteriores, a complexidade e o posicionamento de Tribunais, sempre que a perda for avaliada como provável. 2013 2012 A Administração entende que a provisão constituída é suficiente para atender às perdas decorrentes dos respectivos processos. 2.163 1.737 O passivo relacionado à obrigação legal em discussão judicial é mantido até o ganho definitivo da ação, representado por decisões judiciais, sobre as quais Planos de previdência complementar de contribuição definida............................................................... Total ........................................................................................................................................................ 2.163 1.737 não caiba mais recursos, ou a sua prescrição. A Instituição não possui benefícios de longo prazo de rescisão de contrato de trabalho ou remuneração em instrumento baseado em ações, nos termos do I - Processos cíveis São pleitos de indenização por dano moral e patrimonial. Essas ações são controladas individualmente por meio de sistema informatizado e provisionadas CPC 10 - Pagamento Baseado em Ações, aprovado pela Resolução CMN nº 3.989/11, para seu pessoal-chave da Administração. sempre que a perda for avaliada como provável, considerando a opinião de assessores jurídicos, natureza das ações, similaridade com processos anteriores, Outras informações complexidade e posicionamento de Tribunais. Não existem em curso processos administrativos significativos por descumprimento de normas do Sistema Conforme legislação em vigor, as instituições financeiras não podem conceder empréstimos ou adiantamentos para: Financeiro Nacional ou de pagamento de multas que possam causar impactos representativos no resultado financeiro da Instituição. a) Diretores e membros dos Conselhos consultivos ou administrativo, fiscais e semelhantes, bem como aos respectivos cônjuges e parentes até o 2º grau; II - Obrigações Legais - Provisão para riscos fiscais b) Pessoas físicas ou jurídicas que participem de seu capital, com mais de 10%; e A Instituição vem discutindo judicialmente a legalidade e constitucionalidade de alguns tributos e contribuições, os quais estão totalmente provisionados não obstante as boas chances de êxito a médio e longo prazo, de acordo com a opinião dos assessores jurídicos. Essas obrigações legais e as provisões c) Pessoas jurídicas de cujo capital participem, com mais de 10%, a própria instituição financeira, quaisquer diretores ou administradores da própria avaliadas como de risco provável, tem acompanhamento regular de suas evoluções nos trâmites do Judiciário, e no decorrer ou no encerramento de cada instituição, bem como seus cônjuges e respectivos parentes até o 2º grau. Dessa forma, não são efetuados pelas instituições financeiras empréstimos ou adiantamentos a qualquer subsidiária, membros do Conselho de Administração processo, poderão resultar em condições favoráveis à Instituição, com a reversão das respectivas provisões. ou da Diretoria Executiva e seus familiares. III - Movimentação das Provisões Em 30 de junho - R$ mil 20) IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL Fiscais e a) Demonstração do cálculo dos encargos com imposto de renda e contribuição social Cíveis Previdenciárias (1) Semestres findos em 30 de junho - R$ mil No início do semestre ........................................................................................................................... 157 4.997 Atualização monetária ............................................................................................................................. 4 140 2013 2012 No final do 1º semestre de 2013 (Nota 12) .......................................................................................... 161 5.137 Resultado antes do imposto de renda e contribuição social............................................................ 31.447 19.304 No final do 1º semestre de 2012 (Nota 12) .......................................................................................... 243 4.745 Encargo total do imposto de renda e contribuição social às alíquotas de 25% e 15%, respectivamente (12.579) (7.722) (1) Compreende, substancialmente, obrigações legais. Participações em coligadas e controladas .............................................................................................. (98) (298) c) Passivos Contingentes classificados como perdas possíveis Efeito das adições e exclusões no cálculo dos tributos: A Instituição mantém um sistema de acompanhamento para todos os processos administrativos e judiciais em que a Instituição figura como “autora” ou Despesas indedutíveis líquidas de receitas não tributáveis .................................................................... (835) (104) “ré” e, amparada na opinião dos assessores jurídicos, classifica as ações de acordo com a expectativa de insucesso. Periodicamente são realizadas análises Outras...................................................................................................................................................... 114 (174) sobre as tendências jurisprudenciais e efetivada, se necessária, a reclassificação dos riscos desses processos. Neste contexto, os processos contingentes Imposto de renda e contribuição social do semestre........................................................................ (13.398) (8.298) avaliados como de risco de perda possível não são reconhecidos contabilmente. O principal processo com essa classificação é a Autuação de IRPJ e CSLL, b) Composição da conta de resultado de imposto de renda e contribuição social relativos aos anos-bases de 2007 a 2010, lançados sobre glosa de amortização de ágio na aquisição de investimentos, no valor de R$ 11.665 mil. Semestres findos em 30 de junho - R$ mil d) Em 30 de junho de 2013 não há processos contingentes avaliados como de perda possível de natureza relevante. 2013 2012 12) OUTRAS OBRIGAÇÕES Impostos correntes a) Fiscais e previdenciárias Imposto de renda e contribuição sociais devidos.................................................................................... (12.772) (7.570) Em 30 de junho - R$ mil Impostos diferidos 2013 2012 Constituição/(realização) no semestre, sobre adições temporárias........................................................ (626) (728) Impostos e contribuições sobre lucros a pagar ....................................................................................... 9.460 5.035 Imposto de renda e contribuição social do semestre........................................................................ (13.398) (8.298) Provisão para riscos fiscais (Nota 11b) ................................................................................................... 5.137 4.745 c) Origem dos créditos tributários de imposto de renda e contribuição social Impostos e contribuições a recolher........................................................................................................ 1.677 1.447 R$ mil Provisão para impostos e contribuições diferidos (Nota 20c).................................................................. 157 152 Total ........................................................................................................................................................ 16.431 11.379 Saldo em Saldo em b) Diversas 31.12.2012 Constituição Realização 30.6.2013 Em 30 de junho - R$ mil Provisões cíveis................................................................................ 63 1 64 2013 2012 Provisões fiscais............................................................................... 1.235 56 1.291 Provisão para pagamentos a efetuar....................................................................................................... 11.715 9.798 Provisão para desvalorização de títulos e investimentos ................. 89 89 Provisão para passivos contingentes - cíveis (Nota 11b)........................................................................ 161 243 Provisão para participação nos lucros/gratificações ........................ 4.083 3.143 3.821 3.405 Obrigações por aquisição de bens e direitos .......................................................................................... 104 Outros............................................................................................... 168 68 73 163 Passivo a descoberto - Participação Acionária na 2bCapital (Nota 7a) .................................................. 324 Total dos créditos tributários (Nota 6b)........................................ 5.638 3.268 3.894 5.012 Total ........................................................................................................................................................ 12.200 10.145 Obrigações fiscais diferidas (Nota 12a)............................................ 155 2 157 13) PATRIMÔNIO LÍQUIDO Crédito tributário líquido das obrigações fiscais diferidas ........ 5.483 3.266 3.894 4.855 a) Capital social d) Previsão de realização dos créditos tributários sobre diferenças temporárias O capital social, no montante de R$ 133.000 mil (2012 - R$ 117.000 mil) totalmente subscrito e integralizado, é composto por 9.322.059 ações ordinárias, Em 30 de junho de 2013 - R$ mil nominativas escriturais, sem valor nominal. Diferenças temporárias b) Movimentação do capital social Imposto Contribuição Quantidade de renda social Total de ações R$ mil Saldo inicial em 1.1.2013 ...................................................................................................................... 9.322.059 117.000 2013........................................................................................................... 329 197 526 Aumento de capital com reservas AGO/E (1)...................................................................................... 16.000 2014........................................................................................................... 829 497 1.326 Saldo final em 30.6.2013 ....................................................................................................................... 9.322.059 133.000 2015........................................................................................................... 1.016 763 1.779 705 454 1.159 (1) Em 18 de março de 2013, o BACEN homologou a AGO/E de 15 de fevereiro de 2013 que deliberou o aumento do capital social, mediante a utilização de 2016........................................................................................................... parte do saldo de Reservas de Lucros - Estatutária no montante de R$ 16.000 mil, sem emissão de ações. 2017........................................................................................................... 139 83 222 Total .......................................................................................................... 3.018 1.994 5.012 c) Reservas de Lucros Em 30 de junho - R$ mil A projeção de realização de crédito tributário trata-se de estimativa e não é diretamente relacionada à expectativa de lucros contábeis. 2013 2012 O valor presente dos créditos tributários, calculados considerando a taxa média de captação, líquida dos efeitos tributários, no montante de R$ 4.709 mil Reservas de Lucros .............................................................................................................................. 138.936 126.224 (2012 - R$ 3.811 mil) de diferenças temporárias. - Reserva Legal (1).................................................................................................................................. 9.815 8.366 21) OUTRAS INFORMAÇÕES - Reserva Estatutária (2) ......................................................................................................................... 129.121 117.858 (1) Constituída obrigatoriamente à base de 5% do lucro líquido do período, até atingir 20% do capital social realizado, ou 30% do capital social, acrescido a) Gerenciamento de riscos das reservas de capital. Após esse limite a apropriação não mais se faz obrigatória. A reserva legal somente poderá ser utilizada para aumento de capital A atividade de gerenciamento dos riscos é altamente estratégica em virtude da crescente complexidade dos serviços e produtos e da globalização dos ou para compensar prejuízos; e negócios da Organização Bradesco, motivo de constante aprimoramento desta atividade na busca das melhores práticas. (2) Visando à manutenção de margem operacional compatível com o desenvolvimento das operações ativas da Sociedade, pode ser constituída em 100% A Organização Bradesco exerce o controle corporativo dos riscos de modo integrado e independente, preservando e valorizando o ambiente de decisões do lucro líquido remanescente após destinações estatutárias, sendo o saldo limitado a 95% do Capital Social Integralizado. colegiadas, desenvolvendo e implementando metodologias, modelos, ferramentas de mensuração e controle. Promove ainda a atualização dos colaboradores d) Dividendos e juros sobre o capital próprio em todos os níveis hierárquicos, desde as áreas de negócios até o Conselho de Administração. Aos acionistas estão assegurados juros sobre o capital próprio e/ou dividendo mínimo obrigatório, em cada exercício, que somados não seja inferior a O processo de gerenciamento permite que os riscos sejam proativamente identificados, mensurados, mitigados, acompanhados e reportados, o que se faz 1% do lucro líquido ajustado, nos termos da legislação societária. Fica a Diretoria autorizada a declarar e pagar dividendos intermediários, especialmente necessário em face da complexidade dos produtos financeiros e do perfil da atividade da Organização Bradesco. semestrais e mensais, utilizando-se das contas de Lucros Acumulados ou de Reservas de Lucros existentes, e, podendo ainda, autorizar a distribuição de A BRAM como parte integrante da Organização Bradesco adota a estrutura de gerenciamento de riscos desta, no gerenciamento de risco de crédito, de lucros a título de juros sobre o capital próprio em substituição total ou parcial aos dividendos intermediários, ou, em adição aos mesmos. mercado, de liquidez e operacional. O cálculo dos dividendos relativos aos semestres findos em 30 de junho está demonstrado a seguir: b) A BRAM administra fundos de investimentos em Títulos e Valores Mobiliários, cujos patrimônios líquidos em 30 de junho de 2013, somaram R$ mil R$ 288.810.489 mil (2012 - R$ 265.858.603 mil), cuja receita de taxa de administração desses fundos no período foi de R$ 59.849 mil (2012 - R$ 43.589 mil), 2013 2012 registrado em receita de prestação de serviços. Lucro Líquido........................................................................................................................................... 18.049 11.006 (-) Reserva Legal - 5% sobre o lucro....................................................................................................... (902) (550) c) Em aderência ao processo de convergência com as normas internacionais de contabilidade, o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) emitiu vários Base de cálculo ....................................................................................................................................... 17.147 10.456 pronunciamentos contábeis, bem como suas interpretações e orientações, os quais serão aplicáveis às instituições financeiras somente quando aprovados Dividendos propostos .............................................................................................................................. 172 104 pelo CMN. Percentual em relação ao lucro líquido ajustado..................................................................................... 1,0% 1,0% Os pronunciamentos contábeis já aprovados foram: Valor em Reais por lote de mil ações ...................................................................................................... 18,45 11,16 • Resolução nº 3.566/08 - Redução ao Valor Recuperável de Ativos (CPC 01); 14) RECEITAS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS • Resolução nº 3.604/08 - Demonstração do Fluxo de Caixa (CPC 03); O valor de R$ 59.849 mil (2012 - R$ 43.589 mil) corresponde às receitas auferidas na gestão de recursos de terceiros, calculado com base em percentual • Resolução nº 3.750/09 - Divulgação sobre Partes Relacionadas (CPC 05); definido em contrato de intermediação de negócios (Nota 21). • Resolução nº 3.823/09 - Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes (CPC 25); • Resolução nº 3.973/11 - Evento subsequente (CPC 24); 15) DESPESAS DE PESSOAL • Resolução nº 3.989/11 - Pagamento baseado em Ações (CPC 10); Semestres findos em 30 de junho - R$ mil • Resolução nº 4.007/11 - Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro (CPC 23); e 2013 2012 Proventos................................................................................................................................................. 9.776 10.230 • Resolução nº 4.144/12 - Pronunciamento Conceitual Básico (R1). Encargos sociais ..................................................................................................................................... 3.354 3.392 Atualmente, não é possível estimar quando o CMN irá aprovar os demais pronunciamentos contábeis do CPC e tampouco se a utilização dos mesmos será Benefícios................................................................................................................................................ 4.317 3.746 de maneira prospectiva ou retrospectiva. Participação dos empregados nos lucros................................................................................................ 7.857 7.104 Treinamento............................................................................................................................................. 146 178 A DIRETORIA Provisão para processos trabalhistas...................................................................................................... 122 8 Luiz Filipe Lopes Soares – Contador – CRC 1SP208127/O-5 Total ........................................................................................................................................................ 25.572 24.658

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Aos Administradores da BRAM - Bradesco Asset Management S.A. Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários São Paulo - SP

também, a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações contábeis tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião.

Examinamos as demonstrações contábeis da BRAM - Bradesco Asset Management S.A. Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários (“Instituição”), que Opinião compreendem o balanço patrimonial em 30 de junho de 2013 e as respectivas demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos Em nossa opinião, as demonstrações contábeis acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da BRAM - Bradesco Asset Management S.A. Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários em 30 de junho de 2013, o desempenho de suas de caixa para o semestre findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. operações e os seus fluxos de caixa para o semestre findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis às instituições Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. A Administração da Instituição é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil e pelos controles internos que ela determinou Outros assuntos como necessários para permitir a elaboração de demonstrações contábeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Demonstrações do valor adicionado Examinamos também, as demonstrações do valor adicionado (DVA), elaboradas sob a responsabilidade da Administração da Instituição, para o semestre Responsabilidade dos auditores independentes Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações contábeis com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com findo em 30 de junho de 2013, que estão sendo apresentadas como informações suplementares. Essas demonstrações foram submetidas aos mesmos procedimentos de auditoria descritos anteriormente e, em nossa opinião, estão adequadamente apresentadas, em todos os seus aspectos relevantes, em as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja relação às demonstrações contábeis tomadas em conjunto. planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis estão livres de distorção relevante. Osasco, 08 de agosto de 2013 Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações contábeis. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos José Claudio Costa relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstrações contábeis da Instituição para planejar os procedimentos de auditoria que são KPMG Auditores Independentes Contador CRC 1SP167720/O-1 apropriados nas circunstâncias, mas não para fins de expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos da Instituição. Uma auditoria inclui, CRC 2SP014428/O-6


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

c

11

idades Michael McElroy/The New York Times

Produtores da Great Lakes Brewing Co., em Ohio, nos Estados Unidos: uso de peças artesanais de barro para resgatar antigas receitas de cerveja.

Quando pedir a cerveja gelada, faça um brinde ao arqueólogo. Nos Estados Unidos, produtores artesanais de cerveja investem em receitas da bebida resgatadas até dos antigos mesopotâmicos. Sarah Lyall *

A

cerveja estava cheia de bactérias, quente e levemente azeda. Pelos padrões contemporâneos, seria um lote estragado na Great Lakes Brewing Co., cervejaria artesanal de Ohio, nos Estados Unidos, onde as máquinas despejam garrafas e mais garrafas de "porters", "escuras" e "ales" claras. Ultimamente, porém, a Great Lakes vem tentando imitar uma era passada. Requisitando a ajuda de arqueólogos da Universidade de Chicago, a empresa tenta, há mais de um ano, reproduzir a cerveja suméria de cinco mil anos usando apenas vasos de barro e uma colher de madeira. "Como é possível estar neste negócio sem querer saber como os antepassados inventaram suas fórmulas e tecnologia?", indaga Pat Conway, um dos proprietários da empresa. Como o interesse pela cerveja artesanal vem crescendo nos Estados Unidos, o mesmo se dá com as colaborações entre acadêmicos da bebida antiga e cervejarias independentes dispostas a ajudá-los a ressuscitar receitas perdidas de algumas das cervejas mais velhas já produzidas. "A questão envolve muito trabalho de detetive, dedução e busca pela informação em outras fontes para tentar desvendar o mistério ", disse Gil Stein, diretor do Instituto Oriental da Universidade de Chicago, entidade envolvida para garantir a precisão histórica do projeto. "Nós reconhecemos que, para obter a compreensão verdadeira desses diferentes aspectos do passado, se faz necessário trabalhar com pessoas que sabem coisas que nós desconhecemos." Existe uma discussão não resolvida nos círculos acadêmicos sobre o possível fato da cerveja ter sido o principal motivo para o povo da Mesopotâmia, considerada o berço da

civilização ocidental, cerca de dez mil anos atrás, se dedicar à agricultura. Canu dinho – Por volta de 3.200 a.C, aproximadamente na época em que os sumérios inventaram a escrita, a cerveja já desempenhava um papel importante nos costumes e mitos da região. Bebida por canudinho por todas as classes sociais, também se acredita que ela tenha sido uma fonte de água potável e nutrientes essenciais, sendo fermentada em palácios e nas casas comuns. Durante o reinado de Hamurabi, os taberneiros corriam o risco de serem afogados caso ousassem cobrar demais. Contudo, com todas as anotações que os sumérios fizeram sobre os ingredientes e a distribuição das bebidas, nenhuma receita exata foi encontrada. Fi-

Como é possível estar neste negócio sem querer saber como os antepassados inventaram suas fórmulas e tecnologia? PAT CONWAY, DA GREAT LAKES caram apenas textos cuneiformes que dão dicas vagas do processo de fermentação, talvez nenhum mais poético do que o Hino a Ninkasi, deusa suméria da cerveja. D a t a d o d e a p r o x i m a d amente 1.800 a.C., a canção já arrebatou cervejarias modernas. Uma cerveja baseada no hino foi feita como parte de uma parceria, no começo da década de 1990, entre a Anchor Brewing Co., de São Francisco, e a Universidade de Chicago, onde uma bem conhecida interpretação do texto foi traduzida em 1964. Desde então, reproduções de bebidas alcoólicas antigas ganharam popularidade, em grande parte em função da parceria entre a Dogfish Head Craft

Brewery, Delaware, e Patrick E. McGovern, arqueólogo da química do Museu da Universidade da Pensilvânia. Em conjunto, eles recriaram cervejas da China pré-histórica, do antigo Egito e de indícios encontrados naquela que se acredita ser a tumba do rei Midas. "Das diferentes pessoas que fazem bebidas fermentadas, as microcervejarias são as mais dispostas a experimentar", disse McGovern. "Elas estão prontas a tentar de tudo." A Great Lakes não pretende vender sua cerveja, também baseada no Hino a Ninkasi, ao público. Ao contrário de outros que recriam receitas antigas em equipamentos modernos, o projeto é, acima de tudo, um exercício educativo. A coisa ganhou forma com a troca de e-mails entre especialistas em sumérios de Chicago tentando compreender a a b o r d a g e m " f o r a d o s p adrões" que se mostrou mais difícil do que se imaginava. C er âm ic a – Em vez de tanques de aço inoxidável, o Instituto Oriental deu à cervejaria vasos de cerâmica modelados de acordo com artefatos escavados no Iraque na década de 1930. Ao manter a evidência arqueológica, a equipe teve sucesso ao preparar o malte de cevada no telhado da cervejaria. Também se pediu ajuda a um padeiro de Cleveland na produção de um "pão de cerveja" com jeitão de tijolo para ser utilizado como fonte de levedura – com certeza a parte mais difícil do processo.

Com as carreiras dedicadas a estudar a cultura suméria, os arqueólogos afirmaram que ter cervejeiros profissionais envolvidos na iniciativa os ajudaram a fazer perguntas nas quais não haviam pensado. "Ficamos consultando a evidência e encontrando novas dicas que possam nos ajudar a escolher entre as diferentes interpretações", disse Tate Paulette, doutorando e principal pesquisador do projeto. "Estamos mergulhados no estudo da Mesopotâmia, e este é um aspecto fundamental que não compreendemos por completo." Degustação – Embora o projeto ainda não tenha acabado, os vasos de fermentação da Great Lakes já são uma atração popular aos passeios guiados pela cervejaria. A empresa pretende exibir a cerveja suméria em eventos em Cleveland e Chicago no final deste verão do Hemisfério Norte, oferecendo uma degustação pública da cerveja final ao lado da receita idêntica feita pelas técnicas mais recentes de produção. Enquanto isso, ainda é preciso fazer alguns ajustes. Após meses de experimentação no laboratório da cervejaria, Nate Gibbon, cervejeiro da Great Lakes, passou um dia inteiro à beira de um barril cerâmico, cozinhando ao lado de um gramado. O fogo para aquecer o barril era alimentado por esterco. O lote, temperado com cardamomo e coentro, fermentou durante dois dias, mas se

Mediservice - Administradora de Planos de Saúde S.A. CNPJ no 57.746.455/0001-78 - NIRE 35.300.360.249 Grupo Bradesco de Seguros e Previdência Ata da Reunião da Diretoria, realizada em 10.6.2013 Aos 10 dias do mês de junho de 2013, às 11h, na sede social, Avenida Ipiranga, 210, 12 o andar, República, São Paulo, SP, CEP 01046-010, reuniram-se os membros da Diretoria da Sociedade sob a presidência do senhor Marcio Serôa de Araujo Coriolano. Durante a reunião, os Diretores deliberaram registrar o pedido de renúncia ao cargo de Diretor da Sociedade, formulado pelo senhor Jackson Fujii, em carta desta data, cuja transcrição foi dispensada, a qual ficará arquivada na sede da Sociedade, para todos os fins de direito, consignando-se, nesta oportunidade, agradecimentos pelos serviços prestados durante sua gestão. Em consequência, a Diretoria da Sociedade fica assim composta: Diretor-Presidente: Marcio Serôa de Araujo Coriolano; Diretor Gerente: Ivan Luiz Gontijo Júnior; Diretores: Enrique Adan Y Coello; Flávio Bitter; Haydewaldo Roberto Chamberlain da Costa; Manoel Antonio Peres; Mauro Silverio Figueiredo; Sérgio Azoury Galvão; Vinicius José de Almeida Albernaz. Nada mais foi tratado, encerrando-se a reunião e lavrando-se esta Ata que os Diretores presentes assinam. aa) Marcio Serôa de Araujo Coriolano, Ivan Luiz Gontijo Júnior, Enrique Adan Y Coello, Flávio Bitter; Haydewaldo Roberto Chamberlain da Costa e Vinicius José de Almeida Albernaz. Declaramos que a presente é cópia fiel. Mediservice Administradora de Planos de Saúde S.A. aa) Marcio Serôa de Araújo Coriolano e Sérgio Azoury Galvão. Certidão - Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia - Junta Comercial do Estado de São Paulo - Certifico o registro sob número 279.638/13-9, em 25.7.2013. a) Gisela Simiema Ceschin - Secretária Geral.

revelou azedo demais para o paladar moderno, disse Gibbon. Da próxima vez, ele vai adoçar com mel ou tâmaras. De acordo com os arqueólogos, sem sistemas de limpeza sofisticados para livrar os vasos das bactérias naturais, os bebedores mesopotâmicos talvez estivessem mais familiarizados com sabor avinagrado e indesejado da cerveja. Todavia, mesmo com os palpites

mais bem fundamentados, eles acham que o paladar sumério talvez nunca seja recuperado. "Estamos lidando com questões que nunca terão uma resposta final", disse Paulette. "É um vaivém, tentando seguir chegar mais perto de uma melhor compreensão. Estamos muito à vontade com isso." * The New York Times News Service/Syndicate


DIÁRIO DO COMÉRCIO

12

c

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

idades

Laudo nos EUA pode reabrir caso Nardoni Defesa do casal Alexandre e Anna Carolina Jatobá sustenta que Isabella Nardoni pode não ter sido estrangulada pela madrasta e deve pedir habeas corpus. Grizar Junior/Futura press

A

defesa do casal Nardoni pretende usar um laudo feito nos Estados Unidos para tentar uma reviravolta no caso Isabella Nardoni, nos próximos meses. De acordo com o advogado do casal condenado pela morte da menina, Roberto Podval, as análises do Instituto de Engenharia Biomédica da George Washington University, mostram que as marcas no pescoço da vítima não foram causadas pelas mãos da madrasta, Anna Carolina Jatobá. A acusação diz que a jovem foi esganada pela madrasta e depois jogada do sexto andar do edifício London, na zona norte de São Paulo, pelo pai, Alexandre Nardoni. O crime aconteceu em 2008, quando a criança tinha cinco anos. Podval diz que o estudo, que foi divulgado ontem pelo jornal O Estado de S.Paulo, desconstrói toda a acusação do caso que foi feita em torno da asfixia da menina.

Não dá para saber exatamente o que deixou aquela marca no pescoço. O laudo é inconclusivo.

Chacina na zona norte: PM volta atrás em denúncia. Ao lado, o casal Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá: reviravolta no caso.

diz Podval, foi informado ao casal, que está na penitenciária de Tremembé (SP). Podval disse que desconhecia a reação dos dois ao saber da notícia. Com esse novo laudo, assinado pelo diretor do instituto, James K. Hahn, a defesa do casal planeja incluir as novas provas para pedir um habeas corpus para os condenados. Se isso não for aceito, ele não descarta entrar com uma revisão criminal para apresentar o laudo. C on d e na ç ã o – Alexandre Nardoni e Anna Carolina foram condenados pela morte da fi-

Re

produção lha dele no dia 27 de março de 2010, após cinco dias de júri popular. O casal responde pelo crime de homicídio triplamente qualificado (motivo torpe, sem condições de defesa da vítima e de modo cruel). Alexandre recebeu pena de 31 anos. Anna Carolina foi sentenciada em 26 anos. O casal recorreu, mas a Justiça ainda analisa os recursos. A pena de Alexandre foi maior do que a da mulher porque a legislação prevê um acréscimo de pena quando o crime é cometido contra Isabella Nardoni: menina foi morta em 2008. descendente. (Agências)

O

coronel Wagner Dimas, comandante do 18º Batalhão da Polícia Militar, voltou atrás em sua afirmação de que a cabo Andreia Regina Pesseghini teria denunciado a ligação de PMs com roubos a caixas eletrônicos. Dimas disse à Corregedoria da corporação que se perdeu durante a entrevista concedida na quarta-feira à Rádio Bandeirantes. Segundo a Polícia Militar, a policial, que trabalhava no 18º BPM, não participou de qualquer denúncia. Andreia, seu marido (sargento da Rota), seu filho, sua mãe e uma tia foram encontrados mortos em casa na última segunda-feira. A versão das polícias Civil e Militar é de que o filho do casal de PMs, Marcelo Eduardo Pesseghini, de 13 anos, teria matado a família e cometido suicídio.

No fim do dia, a Secretaria de Segurança Publica (SSP) divulgou o Termo de Declarações à Corregedoria da Policia Militar onde o coronel Wagner Dimas esclarece sua posição. Segundo o novo relato, Dimas não sabia que a conversa, por meio do celular, se tratava de uma entrevista gravada. O comandante negou à Corregedoria a existência de qualquer denúncia formal por parte da cabo. Ele disse ainda que Andreia não forneceu "qualquer dado", mesmo que informalmente, a respeito do assunto. Dimas argumentou que se perdeu ao tentar se explicar para o repórter. Perguntado se algum oficial de seu batalhão foi transferido ou afastado por suspeitas de irregularidades, o comandante negou a informação. (Agências) Marcos Bezerra/Estadão Conteúdo

PROTESTO FECHA CONGONHAS

ROBERTO PODVAL

Podval, que ontem estava nos Estados Unidos, receberá o estudo completo e diz que "o mais surpreendente" é que as marcas no pescoço de Isabella não foram feitas por mãos humanas. "Não dá para saber exatamente o que deixou aquela marca no pescoço. O laudo é inconclusivo nesse ponto, mas o que é certo é que não foi a mão de ninguém", relata o advogado. O estudo foi feito nos últimos nove meses e utilizou moldes das mãos do casal. O resultado,

A

eronautas e aeroviários fizeram ontem um protesto de mais de quatro horas no Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo. Os manifestantes sentaram nos balcões e impediram o check-in dos passageiros. Por causa disso, o terminal ficou fechado para pousos até 9 horas da manhã e um em cada três voos teve atraso. O trânsito na região ficou prejudicado. Posteriormente, os passageiros ainda enfrentaram dificuldade para fazer check-in e embarcar nos voos da TAM, principal alvo dos protestos, após anúncio da demissão de mais de 800 aeronautas da empresa. Nos balcões da companhia, passageiros eram

informados sobre os remanejamentos. O Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA) fechou um acordo com a TAM para amenizar os efeitos das demissões de 811 pilotos e comissários de bordo. O ajuste incluirá um programa de demissão voluntária e licenças não remuneradas. Aprovado em assembleia, o acordo é defendido pelos sindicalistas "É um direito da empresa. Eles tiveram prejuízo de bilhões.", disse o presidente do SNA, Marcelo Ceriotti. Os termos do acordo foram levados ao Ministério Público do Trabalho. Os funcionários que aderirem ao PDV receberão uma indenização e seis meses de plano de saúde. (Estadão Conteúdo)

DELEGADOS – Dos 93 distritos policiais da Capital, 44 deixaram de registrar ocorrências entre 10h e 14h de ontem, por causa da greve dos delegados pela valorização da carreira. À tarde, cerca de 300 policiais fizeram uma passeata no Centro até a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo, na Rua Líbero Badaró.

Rodrigo Dionísio/Estadão Conteúdo-23/07/13

PARA COMPREENDER AS...

...E APRENDER COM ELAS

U

ma breve troca de ideias com oficiais da Polícia Militar – da ativa e reserva – nesta semana indica que a atual onda de manifestações está provocando intensos estudos a respeito na corporação. Um dos tópicos mais instigantes é a ideia de criar uma polícia especial para atuar junto aos movimentos, no sentido de decifrar suas singularidades, que fogem da experiência acumulada no terreno, concentradas nos pleitos difusos. O principal problema está na já decantada ausência de interlocutores legitimados para dialogar com a Polícia Militar e a necessidade de encontrá-los. A falta dessa vanguarda de negociações e a lacuna de liderança abre espaço para os ataques de vândalos cujos propósitos ainda são obscuros. (Um coronel da reserva acredita que tais ações têm a finalidade de esvaziar e desmoralizar a bandeira básica das mobilizações, que é a faxina moral do País. Nesse aspecto, as passeatas brasileiras mais se identificam com Maio de 1968 na sua impalpável pauta em favor

Rastro de destruição na rota de protesto realizado no Centro de São Paulo da ética e da liberdade existencial do que com a Primavera Árabe e seus objetivos políticos específicos).

MANIFESTAÇÕES DE RUA... Já existe uma concordância de que manifestantes mascarados devem ser sumariamente retirados da multidão, pois a ocultação do rosto pressupõe más intenções, além de

estabelecer situações ambíguas, considerando a origem do procedimento, que ganhou corpo por influência dos zapatistas, na província de Chiapas, no México. Ali o hábito de cobrir a cabeça e rosto com o gorro apelidado de 'passamontanha', extremamente popular entre a população como proteção ao costumeiro frio de lugares altos, tornou-se uma oportuna camuflagem. O uso de lenços amplos imitando os

bandidões do faroeste foi utilizado em movimentos de protesto contra ditadores na América Central, particularmente em El Salvador. Blusas e camisas improvisadas como máscaras foram destacadas nas frequentes intifadas do Oriente Médio. Todas as modalidades caracterizaram combatentes políticos vulneráveis e vitimados que os vândalos querem aparentar.

A sucessão de passeatas também está produzindo ensinamentos práticos à Polícia Militar. A disseminação dos coletes reflexivos – então restritos aos policiais de trânsito – é um bom exemplo. Permite a identificação do policial à distância para, no caso, balizar os manifestantes e confirmar o propósito de que a polícia está ali para protegê-los – um conceito que está sendo exaustivamente trabalhado – inclusive do vandalismo. O incêndio em sacos de lixo, facilmente inflamáveis por causa do plástico, que ficam acessíveis aos vândalos no roteiro de ruas das manifestações, é outro detalhe a ser resolvido, ou melhor, removido, assim como as caçambas. Em princípio, o fogo provocado, a rigor, não tem maiores riscos. Mas, através das câmeras de televisão, produz imagens assustadoras, sobretudo ameaçadoras, que sobressaltam a população. Não por acaso as viaturas da Força Tática, grupamento que está atuando assiduamente nas manifestações, vem circulando com extintores de incêndio para debelar as fogueiras.

Reprodução

BERTHA LUTZ (1894-1976) A bióloga carioca criou a Federação Brasileira pelo Progresso Feminino em 09/08/1922

E

m 1922, num 09 de agosto como hoje, a bióloga carioca Bertha Lutz criou a Federação Brasileira pelo Progresso Feminino que teve como bandeira a implantação do direito da mulher ao voto, que viria a tornar-se realidade com a Constituinte de 1934. Ela era a filha mais velha do célebre Adolpho Lutz (1855-1940), médico de origem suíça

que "inventou" a Medicina Tropical e que dá nome ao respeitado instituto de pesquisa da nossa Cidade. Formou-se na Sorbonne, em Paris, e, seguindo as pegadas do pai, especializou-se em sapos. Sua lembrança aqui é uma homenagem, já que, historicamente, os modernos movimentos feministas do País pouco falam sobre ela.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

13

Dostoievsky ilustrado

d

cultura

Exposição reúne litografias feitas em 1917 por Lasar Segall, inspiradas na novela Uma Criatura Dócil, de Fiodor Dostoievsky. Museu Lasar Segall. Rua Berta, 111. Tel.:2159-0400. Segunda e quarta a domingo, 11h às 19h. Grátis.

Simone Silvério/Divulgação

DOCES COMBINAÇÕES José Guilherme R. Ferreira

Papais e seus bebês (quase sempre dorminhocos). Cenas de um belo ensaio, retratadas em fotos que comovem e ensinam.

Aristocrata inglês e seu Porto. Abaixo, rótulo de um grande Sauternes.

CARINHOSAMENTE Rita Alves

U

ma bela turma de pais está reunida no Shopping Cidade Jardim. E quem quiser admirá-la, pode ir ao local até o próximo dia 18. O grupo integra a exposição De Pai para Filho, da fotógrafa Simone Silvério. A mostra, em cartaz na sanduícheria Tostex®, abriga 20 imagens de pais com os filhos. Nas fotos somente duas crianças são mais velhas, uma

com três meses e outra com seis. O restante retrata bebês com menos de 15 dias. Algumas imagens trazem elementos da profissão ou do hobbie dos pais, como uma em que o bebê aparece dentro do chapéu do pai palhaço. Outra mostra uma bola de basquete unindo pai e filho. Simone conta que quem decide se a pose vai ou não ser feita é o bebê. "Tem bebê que fica numa boa, que

O

único problema com os chamados vinhos de sobremesa é ... a sobremesa, escreveu em tom de blague o romancista americano Jay McInerney, com a convicção de que esses vinhos, tão bons e requintados, têm vida própria. Não é difícil concordar com ele. Outro autor, Kevin Zraly, faz um jogo de palavras: doces satisfações podem advir tanto do vinho com a sobremesa quanto do vinho como sobremesa. Zraly é enólogo e educador. Durante anos formou sob essa ótica sommeliers e enófilos no Windows on the World, o famoso restaurante destruído nos ataques de 11 de setembro em Nova York. (Há uma posição radical sobre o assunto, a de Hemingway. Conta a lenda que, em dia de toureiro enfezado, o escritor teria disparado: homem que come sobremesa é porque não bebeu o suficiente). Alguém tem alguma dúvida sobre a personalidade emancipada de um Porto ou de um Sauternes ? Um gole deste último, de preferência com uma fatia de foie gras, sempre encabeça aquelas divertidas listas das coisas indispensáveis a degustar antes de bater as botas. Negligenciados durante muitos anos, os vinhos doces passaram a ganhar espaço na carta de restaurantes, avançando hoje nas prateleiras das importadoras. A demanda também têm estimulado vinícolas, inclusive no Brasil, a reservar algumas fileiras para o seu rótulo de sobremesa. Os vinhos doces eram "como aquele parente gentil que de alguma maneira fica encoberto por outro na foto da família", compara o escritor Mark Oldman. Hoje já conseguem aparecer na fotografia. Porto e Sauternes são os arquétipos dos vinhos de sobremesa. Mais tradicional, o vinho do Porto tem sua elegância e poder baseados na fortificação (recebe aguardente vínica durante a fermentação). É o mais inglês dos vinhos portugueses. Ele pode ser um vinho de meditação, companhia solitária na leitura de um livro. Mas quando acompanhado, no queijo Stilton encontra a harmonização mais clássica. E pode ir à mesa com sobremesas à base de chocolate amargo. No batalhão fortifiAcima, elegante cado do Porto estão alinhados o Sherry garrafa de espanhol, o Madeira icewine.

dorme profundamente. Outros não aceitam determinadas posições", diz. "A segurança, o conforto, são primordiais. Se tento uma pose e percebo que o bebê não gostou, não insisto."

Shopping Cidade Jardim (Tostex®). Avenida Magalhães de Castro, 12000 - 2º. piso - loja 31, Morumbi, tel: 3758-3485. Grátis. Até 18 de agosto.

SER OU NÃO UMA ATRIZ Sérgio Roveri

A

Divulgação

lém de caravelas, degradados, religiosos e exploradores de toda ordem, Portugal teria despachado para o Brasil, em meados do século XVI, uma jovem magra, sempre vestida de preto, com cabelos desfiados até a altura dos ombros e conhecida por lá apenas como Jacinta. Foi uma viagem de punição e não de lazer: considerada a pior atriz do mundo, Jacinta levou à morte uma rainha portuguesa, que ficou sem ar diante de uma de suas performances calamitosas. Desde aquele trágico dia, a jovem viu-se condenada a desfilar suas habilidades artísticas, ou a absoluta falta delas, pelo calor dos trópicos. A história desta personagem fictícia, em tom de fábula atemporal que faz referência a

Shakespeare, Nelson Rodrigues e Gil Vicente, é retratada na comédia rock Jacinta, criação coletiva do dramaturgo Newton Moreno, do diretor Aderbal Freire-Filho e do músico Branco Mello e que tem como protagonista a atriz Andréa Beltrão. A peça, que Beltrão define como um passeio cheio de significado pelo universo do teatro, entra em cartaz nesta sexta (9), no Teatro do Sesc Vila Mariana. A partitura musical é a primeira prova de que a peça não se mostra preocupada com a coerência cronológica - em suas andanças pelo Brasil, que a levarão de São Vicente ao Rio de Janeiro, do Recife a Salvador, até culminar com sua chegada à linha do Tratado de Tordesilhas, Jacinta canta rock e dança frevo diante de um público tão reduzido quando perplexo. Nesta turnê forçada pelo Novo Mundo, a personagem chega a criar um grupo com três marginais fugitivos. Ao

lado deles, apresenta um número inédito para um inquisidor português, e o resultado é novamente avassalador: o inquisidor morre e seu assistente junta-se à trupe, que também ganhará, em breve, a adesão de um coveiro. São tantos e tão variados os acontecimentos no destino de Jacinta, que o público poderá acusá-la sim de falta de talento, mas jamais de ter uma vida vazia. Durante a temporada paulistana de Jacinta, que se estende até o dia 22 de setembro, está previsto o lançamento do CD com as 13 canções e os nove temas instrumentais executados ao vivo no espetáculo por uma banda de quatro músicos. Ao lado de Andrea Beltrão (foto), estão no elenco de Jacinta os atores Augusto Madeira, Gillray Coutinho, Isio Ghelman, José Mauro Brant e Rodrigo França,

Jacinta. Estreia hoje (9). Teatro do Sesc Vila Mariana. Rua Pelotas, 14. Tel.: 5080-3000. Sexta e sábado, 21h. Domingo, 18h. R$ 32.

A COMPLEXA ARTE DE AMAR monstrar emoções. Perfeito. A parceira de Affleck, Kurylenko, tem olhos expressivos, é belíssima. A mulher que lhe cabe interpretar é complexa, sensível, algo etérea. Rachel McAdams é a outra, que bagunça tudo na vida do casal. Mas o melhor de todos os personagens é vivido pelo espanhol Javier Bardem. Ele encarna um padre atormentado por dúvidas profundas, questionamentos que vão além da religião. Ouve confissões e vai adentrando poços da alma alheia, enquanto a sua própria desfalece. Amor Pleno não é diversão fácil. Mas pode valer a pena para quem procura cinema-reflexão.

Arquiv

A

mor Pleno (To The Wonder, 2012, EUA, 1h53 de duração) é um filme denso e lento. Dirigido por Terrence Malick - o mesmo de Árvore da Vida -, o longa adentra situações sobre diversos aspectos relacionados à arte de amar, além de modalidades de amor. Entre uma mulher e um homem, pais e filhos, o amor de Deus pela humanidade e desta pelo Criador, que se traduz em fé - ou a falta dela. Os protagonistas são o americano Ben Affleck e a russa Olga Kurylenko (foto). Afleck, como ator, é um excelente diretor (ganhou o Oscar por Argo). Seus méritos na frente das câmeras são bem mais modestos. Mas Malick, perspicaz, escalou o ator para um papel de sujeito que tem dificuldade para de-

o DC

Lúcia Helena de Camargo

Rótulo de um vin santo

da ilha portuguesa de mesmo nome, e o Marsala da Sicília. Para o Sherry, recomenda-se um perfumado sorvete de baunilha ou uma sobremesa de figos O Madeira vai bem com torta de nozes ou uma sobremesa de chocolate ao leite, ou mesmo um doce regado com café, como o tiramisu. Os doces de figo também combinam com o Marsala (é claro que os marinheiros do almirante Nelson, que tinham o Marsala como vinho da vitória, não tinham essa possibilidade!).. O segundo arquétipo de vinho de sobremesa é o Sauternes de Bordeaux. Mais aristocrático, sempre surpreende os iniciantes com seu inusitado currículo. Afinal, como é possível um vinho de cor e doçura inimitáveis ter origem numa coisa feia dessas: uvas apodrecidas depois de atacadas por um fungo? Até parece história de queijo! Um néctar esplendoroso resulta da vinificação de uvas sémillion e sauvignon blanc completamente atacadas pelo Bortrytis cinerea, a chamada "podridão nobre". A mágica é que o fungo desidrata cada bago, concentrando açúcar. Na fermentação, nem todo açúcar se transforma em álcool e é essa a graça e a doçura natural da história, que tem o Château d'Yquem como emblema de excelência. O Sauternes é o maior representante da categoria "latest harvest", a colheita tardia, com uvas superamadurecidas. Na mesma linha do Sauternes estão os Tokaji da Hungria e outros vinhos doces elaborados no Vale do Loire e na Alsácia, além do Beernauslese e do Trockenbeerenauslese, feitos tanto na Alemanha quanto na Áustria. Zraly indica para o acompanhamento desses vinhos tortas de frutas, o indefectível crème brulée, pudim de creme, bolos de avelãs ou, por contraste, queijo Roquefort. Na lista de irresistíveis e versáteis vinhos de sobremesa com vida própria estão os vini dolciitalianos, sendo o mais incensado deles o Vin Santo, tradicionalmente preparado na Toscana com as uvas Trebbiano e Malvasia. Pelo menos um historiador garante que o nome desse vinho está ligado aos monges que iam de casa em casa atendendo a necessitados e doentes. O vinho servido que gerava conforto teria recebido a alcunha de "vinho santo" (Matt Kramer tem pelo menos outra meia dúzia de versões). No rito do vin santo estão os biscotti, que são mergulhados sem vergonha nas pequenas taças. McInerney lista em Bacchus and Me (Vintage Books/Random House/2002), vários outros vinhos doces do Piemonte, como o Moscato d'Asti, o Picolit do Friuli, sem esquecer o Recioto de Valpolicella, preparado a partir de uvas passas, como os passitos e moscatos da ilha de Pantelleria, na Sicília. Santorini, na Grécia, também faz seus vin santo. Mas o doce "incandescente" Mavrodaphne de Patras, que conquistou o escritor Henry Miller antes da Segunda Guerra, é talvez o par mais harmonioso para seus doces de pistache. Do outro lado do mundo, vinificados na Alemanha e no Canadá a partir de uvas congeladas no pé, os icewines passaram a viajar o mundo em pequenas garrafas de pura doçura.

José Guilherme R. Ferreira é membro da Academia Brasileira de Gastronomia (ABG) e autor do livro Vinhos no Mar Azul – Viagens Enogastronômicas (Editora Terceiro Nome)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

14

Logo

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

www.dcomercio.com.br

Nuvem de gás Fotografia divulgada ontem pela Nasa mostra a Corrente de Magalhães, faixa de gás que se estende pela Via Láctea, sobre a Terra. Nasa/EFE

C IÊNCIA D ESIGN

M ODA

Avanço contra o autismo

C

ientistas dos EUA decifraram uma série de padrões biológicos que possibilitam o diagnostico do autismo em crianças menores de um ano, segundo uma pesquisa apresentada ontem na cidade australiana de Adelaide. A pesquisa, divulgada durante a Conferência para o Autismo na Ásia-Pacífico, mostra como a rede genética interrompe a produção de células cerebrais que acarretam a doença, que afeta uma em cada 100 crianças em maior ou menor medida. A descoberta representa

um grande avanço para diagnosticar o autismo, cuja identificação dos primeiros sintomas "é complexa e complicada", segundo Eric Courchesne, professor de neurociência da Universidade da Califórnia. "É o primeiro descobrimento em genes cerebrais e nos mostra que o sistema genético poderia ser um fator importante para futuras pesquisas de tratamentos, no desenvolvimento de evidências adiantadas do autismo", disse o pesquisador ao canal "ABC". Segundo Courchesne, com estas técnicas de diagnóstico adiantadas, a doença poderia

Fotos: Reuters

ser identificada em crianças de um a dois anos. Atualmente, só é possível diagnosticá-la entre os três e cinco anos. "Isto significa que elas vão passar a receber um tratamento antes e, por isso, terão um resultado melhor", apontou. O cientista declarou que as redes genéticas podem apresentar uma maior compreensão da doença e, inclusive, em algum dia, chegar a uma prevenção. "Durante anos me perguntei qual é o sistema que causa o autismo, e tenho que dizer que este é um descobrimento muito emocionante", disse Courchesne. (EFE) Jan Kruger/Reuters

Talheres 'orgânicos' O designer Qiyun Deng inspirou-se em vegetais para criar sua linha de talheres e louças. A ideia, criativa, é apenas um conceito.

Na passarela, tricô feito por prisioneiros. Modelos desfilam roupas da grife Doisélles tricotadas por detentos da penitenciária Campos Pires, em Fortaleza.

cargocollective.com/qiyun

I NTERNET

Anunciantes boicotam Ask.fm

T WITTER

Desmond Tutu tem conta suspensa GOL - Uma nova tecnologia apresentada ontem em Londres promete ajudar os juízes a decidirem quando apitar um gol. Ao cruzar a linha de gol, a bola envia uma mensagem ao relógio do juiz confirmando a marcação.

H ISTÓRIA Pascal Rossignol/Reuters

portal, no qual usuários enviam perguntas para outros de forma anônima. Após encontrar as ofensas contra sua filha, Dave Smith iniciou uma campanha no Facebook para pedir maiores controles no portal contra o anonimato de seus usuários, uma iniciativa que conseguiu o apoio de 30 mil pessoas em quatro dias. Vodafone e Save the Children foram dois dos anunciantes que retiraram suas marcas do portal.

L

Anunciantes britânicos retiraram ontem sua publicidade da rede social Ask.fm depois que uma adolescente de 14 anos se suicidou por sofrer bullying através do portal. O fato indignou a população e o primeiro-ministro, David Cameron. Hannah Smith foi achada sem vida na sextafeira passada. Segundo seu pai, ela se suicidou por causa dos insultos e ameaças que recebeu em seu perfil no H UMOR

Silêncio Chupeta da Perpetual Kid "abaixa o volume" do choro do bebê.

O arcebispo anglicano e prêmio Nobel da Paz Desmond Tutu teve sua nova conta no Twitter suspensa por "seguir agressivamente" outros usuários, poucas horas depois de sua criação. "O Twitter não explicou por que seguir 30 pessoas pode ser interpretado como 'seguir agressivamente'", lamentou a Fundação Desmond & Leah Tutu em comunicado. P ET

http://bit.ly/ 14onYYx

L

Turista caminha entre as ruínas de um prédio no vilarejo de Oradour-sur-Glane, perto de Limoges. O local foi palco de um massacre cometido por soldados nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. Eles assassinaram 644 crianças, mulheres e homens e destruíram a cidade em junho de 1944.

A TÉ LOGO

Acesse www.dcomercio.com.br para ler a íntegra das notícias abaixo:

L OTERIAS

39

53

Estreia de Wagner Moura em Hollywood é elogiada pelo New York Times

L

23

Seleção brasileira permanece na nona colocação no ranking da Fifa

L

18

L

Concurso 3260 da QUINA

Reino Unido tem 'baby boom' e maior aumento populacional da Europa

58

Brinquedo engraçadinho Humunga Tounge é um brinquedo para cães em forma de língua. A proposta é apenas criar momentos divertidos e fotos curiosas com seu melhor amigo. Ideal para substituir a clássica bolinha. http://bit.ly/1ep2P1U


sexta-feira, 9 de agosto de 2013

DIÁRIO DO COMÉRCIO

conomia

Nada de iPads e TVs.

e

15

É a vez das gravatas, sapatos e perfumes. Consumidores estão mais cautelosos para este Dia dos Pais, dizem especialistas. E devem optar por presentinhos. Karina Lignelli e Renato Carbonari Ibelli

Fotos de Paulo Pampolin/Hype

O

Dia dos Pais, a ser comemorado neste domingo, deve ser marcado por presentes como gravatas, calçados e perfumes, nada muito caro, e se possível comprado à vista. Nos últimos meses, segundo os especialistas, os consumidores vêm mostrando mais cautela na hora de ir às compras e disposição de menos gastos – a atitude deve prevalecer na homenagem do fim de semana. Os comerciantes, portanto, devem se preparar para redobrar esforços no atendimento e na exposição nas vitrines. As estimativas de crescimento das vendas do comércio nesta data são de cerca de 3%, de acordo com projeções da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e da Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop). Aperspectivada ACSP surge de dados recolhidos pela Boa Vista Serviços, administradora do Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC). "A data deve ser marcada por presentes pessoais", afirma o economista da ACSP, Emilio Alfieri, que diz que a projeção de 3% está coerente com o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do País em 2013. A cautela maior do consumidor é para compras a crédito com parcelamentos longos, acrescenta. "Comprar à vista não compromete tanto o orçamento, e presentear no Dia dos Pais é muito mais influência de fatores sócio-econômicos do que conjunturais", diz Alfieri. Shopping – No setor de shopping centers, lojistas não haviam observado aumento expressivo na movimentação para o Dia dos Pais como em lojas de moda masculina, por exemplo, segundo o diretor de relações institucionais da Alshop, Luiz Augusto Ildefonso da Silva. "O que se espera é um movimento um pouco mais intenso nesta sexta-feira, salvo se houver movimentação extraordinária no sábado – o que não é peculiar", afirma ele, que por sua vez acredita que "seguramente" isso se deve à propensão menor por compras das pessoas. "O consumidor está mais retraído e o gasto vai ser menor mesmo. E pode ser que os filhos comprem menos, e os que estiverem com nível de endividamento maior esperem melhorar a situação, para no Natal comprar mais", diz Ildefonso da Silva. Alfieri, da ACSP, lembra que a projeção para o Dia dos Pais deste ano é ligeiramente maior que a alta das vendas registrado na primeira quinzena de agosto 2012, de 2,7%. "Em termos históricos, o crescimento na data costuma ser de 5% ou 6%. Mas desde que o PIB começou a desacelerar, em 2010, ficou na faixa dos 3% – o que para as condições atuais, é um número normal", observa. Ildefonso da Silva é da mes-

CONSUMIDORES

É que pai não faz questão de ganhar presente. Mas não dá para deixar sem nada, não é? FABIANA FERNANDES DE MORAES, QUE PROCURAVA NO CENTRO UM SAPATO PARA O PAI.

COMERCIANTES

Tenho percebido maior participação dos filhos nas compras. A mudança pode ser indicativo de que a data ganha força. VALTER COSTA BATISTA, GERENTE DA MUNDIAL CALÇADOS.

Minha mãe me disse: seu pai precisa de um terno novo. Tem de ter corte italiano. E aqui estou eu, procurando um.

Percebo que o consumidor está mais contido. Está tentando quitar as dívidas para voltar a comprar no fim do ano.

WILIAN GODINHO, QUE PERCORREU LOJAS DE VESTUÁRIO.

ELIENE MARIA DA HORA, GERENTE DA EMPÓRIO, NO CENTRO.

ma opinião. "Em 2012, o setor cresceu 4%, mas o lojista acha a projeção deste ano boa em vista da realidade nacional: inflação mais alta, propensão do consumidor a comprar menos. Se chegar aos 3%, o lojista vai é ficar feliz", conclui. Promoções – No dia a dia do lojista, a dinâmica é um pouco diferente. Valter Costa Batista,

gerente da Mundial Calçados da rua Direita, no Centro, projeta aumento de 20% nas vendas da sua loja na semana do Dia dos Pais. A perspectiva otimista é fundamentada em uma estratégia usada por ele com sucesso no ano anterior: as promoções para a data foram casadas com liquidações de queima de estoque das coleções primave-

ra e verão. "Deu certo no ano passado, por isso projetamos um crescimento parecido para este ano", afirma. Claro que a estratégia acaba maquiando as vendas direcionadas especificamente aos pais, mas o gerente da Mundial garante que tem se surpreendido com a crescente presença de jovens em busca

COMPRAS EM LOJAS E NÃO PELA INTERNET

P

ara o Dia dos Pais, 79% dos consumidores pretendem comprar presentes em lojas físicas. É o que revela levantamento nacional da Boa Vista Serviços, administradora do Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC), que aponta que, além de optar por esse canal de vendas, o consumidor planeja desembolsar até R$ 100 em roupas e acessórios como cintos,

sapatos e tênis. "Apesar do evidente crescimento do e-commerce no País, a experiência física da compra do presente neste Dia dos Pais ainda é preferência para boa parte dos consumidores. Muitos buscam o ambiente interno da loja e maior interação para conhecer melhor as características do presente que irão adquirir", diz Fernando Cosenza, diretor de

marketing da Boa Vista Serviços. Do universo de consumidores que pretende comprar em lojas físicas, 61,7% pagarão à vista em dinheiro, 24,2% querem utilizar cartão de débito e 8,4% preferem cartão de crédito próprio em parcela única. Já o total de consumidores que planeja comprar via internet e privilegia o pagamento do presente com cartão de crédito de terceiros em parce-

la única representa 29% do total. Em segundo lugar aparecem, empatados com 16%, cartão de crédito próprio e boleto, ambos em parcela única. Os dados mostram que 27% dos consumidores têm planos de comprar roupas e acessórios, enquanto 16% dão preferência aos celulares e 11% devem optar por itens de perfumaria para presentear os seus pais.

de alguma lembrança. "Um tempo atrás era comum ver esposas procurando presentes para o marido nesta data. Porém, mais recentemente, tenho percebido uma maior

participação dos filhos nas compras. Essa mudança de hábito pode ser indicativo de que a data vem ganhando força", comentou Batista. Ranking – O Dia dos Pais disputa com o Dia das Crianças pela quarta posição no ranking das principais datas para o varejo. Talvez a data ganhasse mais ênfase ainda se os próprios pais colaborassem um pouco mais, sugere a comerciante Fabiana Fernandes de Moraes. "É que pai não faz questão de ganhar presente", disse. "Mas não dá para deixar sem nada, não é?", dizia Fabiana enquanto escolhia um calçado para o seu pai. Se os filhos estão cada vez mais na linha de frente na data, como sugeriu Batista, a participação das mães se torna cada vez mais estratégica. Fabiana é quem estava na loja comprando, mas dos bastidores, sua mãe é quem dava as dicas do que comprar. "Afinal, ninguém melhor do que elas para saber do que eles precisam." Esta parece ser a regra. Com ar pensativo, o enfermeiro Wilian Godinho estudava cuidadosamente uma vitrine. "Minha mãe me disse: seu pai precisa de um terno novo. E aqui estou eu, procurando um." As coisas complicam quando o pai tem gosto refinado. "Mas não é qualquer terno. Tem de ter corte italiano." Godinho confessa que para atender a esta necessidade do pai gastará bem mais do que desembolsou na data em 2012. "Sem problema. Sou alguém hoje por causa do meu pai. Devo muito mais do que um terno a ele", disse. E mais uma vez a pesquisa da Boa Vista Serviços se confirma: presentes mais caros não são tão comuns no Dia dos Pais, e camisas, perfumes e gravatas estão entre os mais requisitados. Não é à toa que o Empório da Gravata faz projeções otimistas. Lá, os produtos que mais saem nesta época são justamente camisas sociais e as gravatas, sendo que o preço médio dos presentes para os pais varia de R$ 50 a R$ 110. Segundo Eliene Maria da Hora, gerente da unidade da Empório que fica na rua do Comércio, no Centro, suas vendas devem crescer entre 30% a 40% neste Dia dos Pais. E poderiam ser melhores, de acordo com a lojista. "Percebo que o consumidor está mais contido. Está tentando quitar as dívidas para voltar a comprar no fim do ano", diz a gerente.

PREFEITURA MUNICIPAL DE ALUMÍNIO/SP PREGÃO PRESENCIAL PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 27/2013 – PROC. 33/2013 OBJETO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE REMANUFATURA E FORNECIMENTO DE CARTUCHOS E TONERS PARA ATENDER OS DEPARTAMENTOS DA PREFEITURA. Encerramento: 21/ 08/2013, às 9h30. O edital poderá ser adquirido gratuitamente no site: www.aluminio.sp.gov.br ou no Paço Municipal, à Av. Antônio de Castro Figueirôa, 100, Alumínio/SP, sob custas de R$ 22,40. Informações (11) 4715-5500- ramal 5509. Vera Lúcia Machado Moura - Pregoeira PREGAO PRESENCIAL Nº 32/2013 - PROCESSO Nº 39/2013 OBJETO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM SOLUÇÃO PARA GERENCIAMENTO DE FREQUÊNCIA EM TEMPO REAL, PARA GERENCIAR ATÉ 900 FUNCIONÁRIOS DA PREFEITURA, INCLUINDO AS LICENÇAS E SERVIÇOS. Encerramento: 22/08/2013, às 9h30. O edital poderá ser adquirido gratuitamente no site: www.aluminio.sp.gov.br ou no Paço Municipal, à Av. Antônio de Castro Figueirôa, 100, Alumínio/SP, sob custas de R$ 20,80. Informações (11) 47155500- ramal 5314. Kátia Alves Leal - Pregoeira

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência CHEFIA DE GABINETE - AVISO DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA Nº 002/2013 - SEDPcD - (PROCESSO Nº 44178/2013) A COMISSÃO ESPECIAL DE LICITAÇÃO da SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA torna público que realizará às 10h00 horas do dia 27 de setembro de 2013, no 2º andar do Prédio desta Secretaria de Estado, localizado na Avenida Auro Soares de Moura Andrade, 564 – Portão 10 – Memorial da América Latina – Barra Funda, nesta Capital, CONCORRÊNCIA Nº 002/2013 - SEDPcD, do tipo Melhor Técnica e Preço, objetivando a contratação de empresa para prestação de serviços técnicos especializados de engenharia, objetivando o gerenciamento e supervisão do empreendimento Centro Integrado de Avaliação e Laboratório da Condição Funcional do Atleta Paraolímpico Brasileiro – Centro Paraolímpico Brasileiro, a ser construído na Rua Amborés nº 145, Bairro Cidade Vargas – São Paulo/SP, na forma da Lei federal nº 8.666/93. O Edital e seus anexos estão à disposição dos interessados na sede desta Secretaria de Estado, sita à Avenida Auro Soares de Moura Andrade, 564 – Portão 10 – Memorial da América Latina – Barra Funda/SP, de segunda a sexta-feira, no horário das 10:00 às 17:00 horas. O Edital também encontra-se disponível no endereço eletrônico www.imesp.com.br - opção: negócios públicos. COMISSÃO ESPECIAL DE LICITAÇÃO da SEDPcD.


16 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de agosto de 2013


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

17

e Como a Siemens perdeu o rumo

No início de 2007, a própria existência da Siemens esteve em jogo.

conomia

Dinah Deckstein, Martin Hesse e Thomas Tuma*

Por trás da demissão do CEO Peter Löscher há uma longa história de brigas internas, em uma companhia que procura seu lugar no mundo.

Fotos: Siemens Press

P

oucos dias antes de uma bomba explodir ao seu redor, Joe Kaeser, diretor financeiro da Siemens, contava histórias sobre o grande mundo que é a empresa. Com franqueza surpreendente, descrevia a maneira como quase todos na empresa "recentemente, pareciam um pouco desequilibrados." Por isso, a pergunta era inevitável: Como a Siemens pode emergir de sua crise? A resposta: "Você teria que perguntar ao CEO, Peter Löscher. O CEO deve nos dizer onde estamos indo, nosso objetivo. O trabalho do CFO é perguntar como chegar lá". Exatamente duas semanas depois dessa conversa, tudo mudou. Löscher foi demitido do cargo e Kaeser foi escolhido como seu sucessor. Na semana passada, ele ainda comentava sobre os resultados trimestrais escassos da empresa, e horas depois, já estava dando as suas primeiras entrevistas como chefe. Agora, como o novo CEO da Siemens, ele já não parece tão afável. Uma luta raramente vista na indústria alemã está sendo travada nos bastidores, no conselho fiscal da Siemens, por dois dos líderes empresariais mais poderosos da Alemanha: Gerhard Cromme, 70 anos, que preside o conselho e um de seus membros, Josef Ackermann, 65 anos, ex-presidente-executivo do Deutsche Bank. A disputa entre os dois experientes executivos, que podem ser ferozes como lobos, se tornou tão acesa que até a chanceler Angela Merkel deixou claro que desejava ver a calma retornar a Munique. Mas calma não é exatamente o forte do mais tradicional grupo industrial da Alemanha, onde tudo é sempre maior do que nos demais: as encomendas, as metas, as batalhas e os desastres. E esses últimos foram muitos, recentemente, incluindo o fiasco no setor de energia solar, bilhões em aquisições mal concebidas, 600 milhões de euros em baixas contábeis causados pelas turbinas eólicas espalhadas pelo Mar do Norte e repetidos adiamentos na entrega de 16 trens ICE de alta velocidade para a Deutsche Bahn, a ferrovia nacional alemã. A força de trabalho da Siemens é de 370 mil colaboradores, distribuídos por 200 países do mundo, exceto na Coreia do Norte. Os funcionários são responsáveis por cerca de 8.900 invenções por ano. A empresa emprega cerca de 18 mil engenheiros de software (nem mesmo a Microsoft tem mais que isso) e a sua receita anual é de 78 bilhões de euros, em produtos que os consumidores comuns geralmente só notam quando quebram. Talvez um dos problemas da companhia seja contar apenas com grandes clientes. Vendeu sua divisão de telefonia móvel; refrigeradores e máquinas de lavar louças que levam seu logotipo são fabricados em parceria com a Bosch, que a Siemens não dirige. Enfim, a corporação perdeu parte de sua conexão com o povo alemão, mas mesmo assim sempre permaneceu sendo exclusivamente alemã. Tanto o país quanto a empresa são grandes, respeitados, sem senso de humor e ambiciosos. Ambos estão à procura de um novo papel – a Alemanha na Europa, a Siemens no mundo.

que culminou com a demissão de Löscher, é preciso voltar a 2005, quando o então presidente-executivo Heinrich von Pierer passou o bastão para Klaus Kleinfeld. Tudo estava em ordem na época e cada executivo tinha sua cadeira designada na mesa do conselho em Munique. Os executivos só falavam na sua vez e ninguém era culpado quando algo dava errado, porque o comando coletivo não atribuía responsabilidade individual. Então, houve 15 de novembro de 2006, uma quarta-feira, quando promotores e investigadores revistaram cerca de 30 escritórios da Siemens, assim como as casas de altos executivos. A empresa tinha desenvolvido um sistema de propina ao longo de décadas. Até a aprovação de uma lei anticorrupção para empresas em 1998, esses "gastos úteis" eram até considerados dedutíveis de impostos na Alemanha. Mesmo após a lei entrar em vigor, a Siemens manteve as velhas práticas, pois não parou – ou não podia parar – de pagar propina para clientes potenciais. Siegfried Russwurm, atualmente CEO da poderosa divisão industrial da empresa, se recorda que, poucos meses depois, dirigia para casa certa noite e viu a reportagem de capa da Spiegel sobre a empresa em um posto de gasolina. Imediatamente virou ao contrário o cartão magnético com o logo da empresa preso em seu cinto, para que ninguém visse onde ele trabalhava. "Fiquei envergonhado", conta. Não foi o único. O escândalo de propina foi um duro golpe para os funcionários. Mas o

pior não foi a perda da imagem e da autoconfiança. A Comissão de Valores Mobiliários (SEC) americana ameaçou colocar a empresa em uma lista negra e os executivos em Munique se preocuparam se isso resultaria em perda de contratos em todo o mundo. Naqueles meses no início de 2007, a própria existência da Siemens esteve em jogo. Medo x valores Com o escândalo, primeiro, o presidente do conselho fiscal, Heinrich von Pierer, teve que ser afastado – Cromme se incumbiu disso. Uma semana depois, teve que ser encontrado um sucessor para Kleinfeld. Durante a busca, altamente informal, Cromme soube de Löscher por meio de conhecidos e chamou-o a Frankfurt, para conversar. Logo Löscher, na época trabalhando na empresa farmacêutica americana Merck, era o novo presidente-executivo da Siemens. Löscher recebeu crédito pelo fato de todo o escândalo ter custado "apenas" 2,5 bilhões de euros à empresa. Como primeiro presidente-executivo da Siemens trazido de fora, conseguiu fazer uma limpeza sem ter que pedir desculpas. Mas enquanto os alemães estavam preocupados com seus próprios interesses, os negócios prosperavam e, juntamente com eles, a concorrência. "Todo mundo estava relaxando e poupando forças", lembra Joe Kaeser. "Todo mundo exceto a Siemens". Löscher limpou a bagunça, recrutou novas pessoas, reestruturou a empresa, enfatizou o diálogo e deixou as operações cotidianas aos cuidados

dos chefes de divisão – o tipo de gestão que faz bem. Funcionou, apesar de os funcionários se mostrarem mais motivados pelo medo do que pelo entusiasmo. Porém, como alguém pode prescrever uma mudança de curso necessária para uma força de trabalho global sair de uma cultura do medo e buscar uma forma de crescimento ainda baseada em valores? E quais são exatamente esses valores? "Você se sente como se estivesse em um daqueles contos de fadas onde o cavaleiro acabou de matar o dragão. E agora ele tem que reconquistar o coração da princesa", compara Kaeser. "Mas nós estávamos esbaforidos, na ponte para a torre, enquanto o dragão atrás de nós estava começando a cuspir fogo de novo". Nessa fase, Löscher começou a cometer seus primeiros erros. Na primavera de 2011, ele anunciou uma meta de vendas de 100 bilhões de euros – um quarto acima do resultado atingido àquela altura. Também disse que o retorno das vendas aumentaria em 12%, embora sem contar como e por quais meios tais metas seriam atingidas. Em vez disso, apresentou um programa de corte de custos que enfureceu os representantes dos funcionários. O segundo mandato de Löscher começou no verão de 2012 e não começou bem. Os trens ICE para a Deutsche Bahn não estavam prontos. Os negócios no Mar do Norte se transformavam em um pesadelo. O CEO ainda não conseguia ouvir os dragões, mas eles já estavam sibilando. Seus associados mais próxi-

mos diziam que ele operava de modo binário: um–zero; pergunta–resposta; problema?–solução!; preto–branco. Ele não conseguia enxergar os diversos tons de cinza ao seu redor. Mas a Siemens é uma paleta gigante com vasta gama de tons cinza. O chefe de uma grande corporação alemã está sempre em um casulo. Por mais diversas que as influências externas sejam, ele permanece protegido delas. Mas mesmo após cinco anos na Siemens, Löscher ainda não contava com confidentes. "Nos primeiros dois anos, um novo chefe tem os funcionários que herda", diz um membro do conselho . "Depois disso, tem aqueles que merece". Dragões de aproximam No dia 8 de abril deste ano, às 8h15, Löscher foi dar um passeio pelo gigantesco (2,5 mil metros quadrados) stand da Siemens na Feira de Hannover, onde algumas centenas de funcionários da companhia trabalhavam. Deu tapinhas nas costas e apertou a mão de muita gente, mas fez isso de maneira mecânica, como o robô industrial que estava prestes a mostrar à chanceler Angela Merkel e ao presidente russo Vladimir Putin. É um problema que sua equipe de assessoria de imprensa enfrentava com frequência. Fotos de Löscher são sempre bem-vindas porque nos dias bons eles se parece um pouco com George Clooney. Mas gravações de entrevistas quase não podem ser usadas porque ele é flexível como uma trema. Na feira, ele fez o que alguns

Depois de acidentes nos Estados Unidos, as turbinas de energia eólica fabricadas pela empresa foram colocadas sob suspeita e ficaram sujeitas a inspeção.

L

Velhas práticas Para entender perfeitamente como ocorreu o confronto

O novo CEO Joe Kaeser (à esquerda na foto), ao lado do demitido, Peter Löscher. Este último, contratado em 2007, depois do escândalo das propinas que abalou a poderosa empresa alemã, não construiu uma base forte de apoio. Em 2011, começou a tomar decisões que deram errado.

podem chamar de discurso. Após sua fala, Russwurm, o chefe da divisão industrial, deu boas vindas à equipe. "Vai ser inacreditavelmente cansativo, porém, não deixem de se divertir um pouco também!", disse. "E não deixe as start-ups lhe impressionarem. Nem todo gadget que você vir numa mesa será nosso concorrente!" Suas observações foram recebidas com gargalhadas e aplausos. Mais tarde, Russwurm explicaria a tecnologia para a chanceler enquanto Löscher permanecia a seu lado. Löscher não é muito fã de 'photo opportunity', mas elas são importantes mesmo assim. À esta altura, o CFO Kaeser alertava pessoas dentro da companhia de que a meta de elevar as margens operacionais de 9,2%, em 2012, para 12% em 2014, poderia ser descartada. Os prejuízos nos setores de offshore estavam crescendo. Até mesmo as turbinas de energia eólica não estavam salvas. Nos Estados Unidos, houve acidentes com essas gigantescas hélices rotativas nos estados de Iowa e Califórnia. Felizmente ninguém se feriu, mas agora todas as turbinas tinham de ser inspecionadas. A entrega do ICE, trem de alta velocidade construído pela Siemens, ficou ainda mais atrasada. Os dragões se aproximavam. O chairman do conselho de uma companhia como a Siemens é o melhor amigo do CEO – enquanto as coisas estiverem indo bem. Mas ele se torna o adversário mais perigoso quando as coisas começam a descer ladeira abaixo. Gerhard Cromme tinha seus próprios problemas. Teve de abrir mão do seu igualmente prestigiosos emprego como chairman do conselho da ThyssenKrupp no final de março. A siderúrgica, além de prejuízos na ordem dos bilhões, estava às voltas com pequenos e grandes escândalos. Desde então, o único cargo de Cromme era na Siemens. Ali, em Hannover, era importante que nada desse errado. Mas numa empresa como a Siemens, que produz uma variedade tão grande, alguma coisa errada sempre está prestes a acontecer. Em 10 de abirl, Löscher se encontrou com o primeiro ministro russo, Dmitry Medvedev, nos arredores de Moscou. O evento foi chamado de "Diálogo do Futuro" e se deu num cubo feito de vidro, aço e concreto, que parecia saído de um filme de James Bond. As recepcionistas loiras pareciam ter sido produzidas em um laboratório de clonagem e vestiam saias da cor azul-turquesa da Siemens. O cubo, na pequena cidade de Skolkovo, é tido como a pedra monumental do Vale do Silício russo. Os promotores do projeto são Medvedev e o oligarca Viktor Vekselberg, que permaneceu indiferente quando jornalistas de Moscou lhe perguntaram sobre alegações de corrupção envolvendo a expansão de Skolkovo. Enquanto isso, Löscher elogiava a Rússia e conversava sobre "parcerias". A Siemens planeja investir 40 milhões de euros no centro de alta tecnologia. No passado, a companhia teria provavelmente subornado autoridades locais para assegurar pedidos. Hoje, o princípio de que uma mão lava a outra é conhecido internamente como "localização de criação de valores". A Siemens ajuda no processo de industrialização, que então se torna lucrativo para a Siemens. Tudo é limpo e legal.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

18

e

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Uma frase de Angelinha Jolie sobre câncer mexe com o departamento de Tecnologia Médica da companhia.

conomia

Duros jogos de (des)lealdades

T

udo claro e limpo, esse era o mantra de Löscher e ele incorporava isso também – com Putin, com Merkel e com o presidente dos EUA, Barack Obama. Em casa, no entanto, o ressentimento era crescente porque ele estava dando muito pouca atenção à Alemanha e gastando muito do seu tempo viajando de jatinho pelo mundo. Löscher, um nativo da região austríaca da Carinthia, sempre se viu como um cidadão global e já teve de enfrentar muitos outros desafios antes. Ele estudou em Viena e Hong Kong, e trabalhou no Japão, na Espanha, na Inglaterra e nos EUA. É casado com uma médica espanhola e seu sogro foi presidente do Barcelona FC. Ele apenas se emociona um pouco quando o assunto é futebol, a Áustria ou sua família – e seus três filhos. Ele não gosta de falar sobre eles. Quem ou o quê é Peter Löscher? "Um diplomata: calmo, firme e preciso", diz Jürgen Grossmann, um multimilionário, ex-chefe da RWE e um dos executivos alemães mais divertidos. Ele já levou Löscher duas vezes para participar da tradicional corrida de carros antigos Mille Miglia, em Brescia, na Itália, um espetáculo cheio de adrenalina. "Peter participou com uma incrível precisão e calma." Na primeira vez, eles bateram um Lancia Lambda 1928 quando o motor falhou. Os dois homens são amigos, mas eles não poderiam ser mais diferentes. Grossmann sempre fala alto e direto. O cosmopolita Löscher, por outro lado, é adaptável. Porém, continua um estranho em um dos mais importantes eventos alemães da Siemens, a Erlangen Bergkirchweih, o festival anual da cerveja na cidade bavariana de Erlangen. É importante saber que apesar de contas alemãs representarem apenas 14% das receitas do grupo, os alemães ainda formam um terço da mão de obra global da companhia. Quarenta mil funcionários da Siemens moram na área metropolitana de Nuremberg-Erlangen, a maior concentração de empregados da companhia num mesmo local. O Bergkirchweih é o maior festival de Erlangen, um evento de 12 dias durante as férias pentecostais. Erlangen e o festival de Bergkirchweih personificam o velho espírito da Siemens. Uma pessoa de fora como Löscher é sempre visto com ressalvas em Erlangen. Outro dragão ainda estava soltando fumaça. Havia muitos dragões agora. Nenhuma boa notícia O sindicato dos metalúrgicos da IG Metall e os membros do conselho ainda apoiavam Löscher, mas eles já eram vocalmente contra o programa de corte de custos. Cromme precisava de boas notícias, mas não havia nenhuma. É um cálculo direto: General Electric, a companhia com base em Munique e eterna rival, tinha 65 mil funcionários a menos que a Siemens. Sua receita era de 35 bilhões a mais e a capitalização de mercado três vezes maior. A imprensa estava começando a dissecar Löscher e a Siemens. Nesse caso, os alvos eram Cromme, Löscher e a Siemens em geral. A companhia tem cerca de 2 mil pessoas trabalhando no seu departamento de comunicação. Quando um blogueiro chinês fica aborrecido com sua geladeira Bosch-Siemens, isso pode desencadear uma guerra

Nem padrinhos fortes e briguentos resistiram a uma desabonadora comparação: a rival GE vale mais, com 65 mil empregados a menos.

Siemens Press

Num conglomerado com tantos interesses díspares, até a promissora energia solar acabou se tornando um fiasco, até agora.

de mídia na qual Munique é obrigada a reagir. Quando a atriz Angelina Jolie filosofa sobre o medo do câncer de mama pessoas na Siemens Tecnologia Médica sabem que elas têm uma pequena janela de oportunidade na qual podem explicar ao mundo os benefícios de seus aparelhos de raio-x. Comunicação é importante numa época onde todos usam Facebook e Twitter. Mas pode apenas reforçar or brecar tendências. Não consegue inverter o destino das notícias. Fumaça estava começando a subir do QG da Siemens. Quem precisava mais de quem: Cromme de Löscher ou Löscher de Cromme, que também estava sendo perseguido por abutres? Seu vice, Ackermann, repetidamente negava que queria se tornar chairman do conselho supervisor de Munique. Löscher tentou uma manobra arriscada na primeira semana de junho numa tentati-

va de mostrar força e autoconfiança. Em entrevistas coletivas e entrevistas, ele de repente se tornava crítico da posição do governo de se distanciar da energia nuclear e se aproximar da energia verde, conhecido na Alemanha como Energiewende, o que ele sempre apoiou. CEO com "cola" Em 5 de junho, ele se encontrou com jornalistas de Berlim na sala de conferências Marlene Dietrich, no hotel Wyndham Grand. Ele levou especialistas para lidar com detalhes técnicos e tinha uma 'cola' com números no bolso do terno. Os repórteres, céticos por natureza, apenas faziam anotações. Löscher disse coisas como: "Nossos custos estão ficando fora de controle" e "precisamos de uma maior fatia de mercado". Ele não é um caçador de dragões nato. À essa hora, ele já tinha de-

cidido contratar um novo chefe de comunicações, Michael Inacker, que era editor-chefe do jornal de negócios Handelsblatt. Löscher não confiava no então chefe de comunicações Stephan Heimbach, que era casado com a porta-voz do governo Merkel, tinha sido autor de discursos para o chanceler Helmut Kohl e um fiel empregado da Siemens. Löscher sentia que Heimbach era muito próximo de Cromme, que poderia interpretar sua substituição como uma mostra de confronto. Mas agora Inacker provavelmente não começaria no emprego novo em Munique. De repente, as coisas começaram a se mover rápido demais. Os dragões estavam a caminho. Em meados de julho, ficou evidente que a meta de 12% de retorno nas vendas até 2014, estabelecida por Löscher, não seria alcançada. O comitê de divulgação se reuniu para avaliar se os "mercados" precisa-

riam ser informados. Uma sucinta nota de seis linhas foi divulgada no dia seguinte e, em certo momento naquela tarde, 5,4 bilhões de euros foram temporariamente varridos das ações da Siemens. Sindicato na parada Todas as facções na empresa debatiam sobre o que havia dado errado na empresa. No sábado, 27 de julho, representantes de alguns investidores se encontraram no aeroporto de Munique, com o restante participando do encontro via videoconferência. Cromme queria colocar alguém no lugar de Löscher e Ackermann resistia à ideia. O ex-banqueiro tinha como aliados a empresária Nicola Leibinger-Kammüller e o CEO da Allianz, Michael Diekmann - os três argumentando que a maneira de tirá-lo não era honrosa. Já os funcionários, sob a tutela do chairman da IG Metall, Bertolt Huber, eram mais diretos e

Missão: preservar um ícone. A área de energia, "competência central" da companhia, é a que desperta mais entusiasmo em Kaeser.

A

Siemens é um ícone da indústria alemã – e Joe Kaeser espera que continue sendo. Na entrevista que se segue, o novo CEO conta por que a empresa precisa de um novo começo. Der Spiegel – Os críticos o acusam de minar as estratégias de seu antecessor Peter Löscher, como seu esforço para alcançar volume de negócios de 100 bilhões de euros. Joe Kaeser – Tenho apenas salientado, eventualmente, que tais metas devem ser apoiadas com substância. E esse comentário deveria ser perfeitamente aceitável, em uma empresa liderada por um conselho executivo que incentiva o debate aberto. DS – Quais são os maiores problemas da empresa? JK – Precisamos resgatar a calma para que possamos nos concentrar em nossos valores fundamentais. Nossa marca é a maior força. Ela reflete em tudo o que a empresa construiu por décadas – habilidade de engenharia, inovação, qualidade, confiabilidade e estabilidade financeira. DS – Mas uma série de problemas recentes – a falta de linhas de energia eólica e os atrasos na entrega de 16 trens de alta

velocidade – transmitem uma impressão diferente. JK – Esses são exatamente os problemas que a Siemens não pode suportar e que precisam ser enfrentados. DS – No passado, o senhor disse que a Siemens não precisa apenas fazer cortes, mas também investir em novos negócios. Agora que está no comando, onde irá atuar? JK – A eletrificação é a competência central da Siemens, continuarenos a desenvolver a cadeia de valor da empresa, que eu acredito que seja nosso maior potencial. DS – Isso é tudo? JK – Há mais espaço para eletrificação do que para geração de energia, transporte e distribuição. Em termos de eletrificação, métodos como a conversão de energia térmica oceânica requer uma perícia particular. A eletromobilidade é outro potencial de crescimento. Quando se trata de automação industrial, veremos também uma transformação de automação de hardware para software. Não podemos perder as oportunidades, como fizemos com a tecnologia de telecomunicações. Lamentavelmente, subestimamos a internet. Por toda a nossa

história e pelo fato de sermos líder de mercado, essa perda foi especialmente dolorosa. DS – Até o momento, o novo setor de "Infraestrutura e Cidades" parece caótico... JK – Mas não é, e não permitirei que os mais de 100 mil funcionários que trabalham no setor sejam demitidos. Eles se esforçam e se orgulham de seu trabalho, tanto quanto seus colegas de outros departamentos. A empresa sempre teve distintas vertentes. O setor de automação e tecnologias de infraestrutura para mobilidade, por exemplo, é um dos principais focos. Nos países em desenvolvimento, bem como os altamente desenvolvidos, é necessário que haja uma redução nos custos per capita de infraestrutura urbana. Queremos e somos capazes de ajudá-los nisso. DS – Qual é sua prioridade ? JK – Com o escândalo da corrupção, a Siemens foi tomada pelo clima de "alguma coisa tem que acontecer". Os funcionários ficaram chocados. Mas, estamos recomeçando. Não são os documentos de estratégia que determinam o futuro sucesso de uma empresa, mas sua cultura corporativa.

DS – Após as tentativas de Peter Löscher renovar a empresa, alguns veteranos na Siemens podem vê-lo como o anjo vingador da empresa. JK – Além de ser errado, me sentiria envergonhado se esse fosse o pensamento deles. Tenho orgulho de ser o CEO da Siemens. Mas, dadas as circunstâncias da minha nomeação, uma alegria excessiva seria imprópria. DS – Houve uma tensão não apenas entre funcionários e o conselho executivo, mas também por parte do conselho de supervisão. Você se sente comprometido com isso? JK – O que importa para mim é que minha nomeação foi unânime. Isso mostra que o conselho de supervisão é profissional e capaz de separar interesses individuais para o bem maior da empresa. DS – Até a chanceler [Angela] Merkel se mostrou preocupada com a empresa, dizendo que espera que tudo se resolva em breve. Você pode prometer isso? JK – Você me diz como serão as eleições gerais em setembro? Brincadeira à parte, agradeço a declaração da chanceler. A Siemens é, e continuará a ser, um dos ícones industriais da Alemanha. Me sinto honrado com a atenção.

unanimamente favoráveis à substituição de Löscher. Em 31 de julho, no entanto, todos se uniram e Joe Kaeser foi designado o novo CEO da Siemens. Quando ele deu sua primeira entrevista coletiva, às 14h30, parecia um diretor de casa funerária. Sua habilidade de permanecer calmo tinha sido atingida, assim como seu humor. Toda a carreira profissional do executivo - 33 anos foi feita na Siemens. Ele ainda mora na cidade onde nasceu, Arnbruck, e seu nome de batismo é Josef Käser. Após viver uns poucos anos nos Estados Unidos, ele se reinventou como Joe Kaeser. Funcionários gostavam deles, e o mercado também. O valor das ações estavam subindo de novo. Mesmo assim, Kaeser terá de encontrar algumas saídas nos próximos meses, pois a Siemens tem de atacar. A companhia obtém 2/3 das suas receitas em mercados saturados, onde não são esperados novos negócios significantes. Em outras palavras, o crescimento pode vir apenas de países emergentes ou em desenvolvimento - ou da descoberta de novas tecnologias. "Vamos reformar o mundo, com avanços e retrocessos", dispara Michael Süss, que tende a representar a facção mais dura do conselho. "Energia vai permanecer um negócio muito importante pelos próximos 100 anos." Só o crescimento impulsiona o valor das ações. E no longo prazo, somente uma ação de alto valor pode evitar que a Siemens eventualmente se quebre em pedaços. Um novo jogo está começando ainda que o antigo não tenha terminado. Mais atritos são esperados dentro do conselho supervisor, ainda que ninguém esteja disposto a comentar qualquer coisa publicamente daqui em diante. Alguns dos maiores acionistas acham que Cromme também deveria sair antes da próxima reunião de acionistas em janeiro de 2014. Da sua parte, Cromme poderia tentar tirar Ackermann do conselho, onde representantes dos empregados já não o aceitam devido a seu passado financeiro. Para eles, Ackermann será sempre a caricatura daquele executivo que só pensa nos lucros e fez o V da vitória no final do julgamento de 2006 acerca dos pagamentos de bônus a antigos diretores da Mannesmann - no qual era corréu por ser membro do conselho supervisor. Quem ganhou de quem? Todos saíram perdendo e ainda assim cada um tenta se sentir vencedor - mesmo que seja apenas do ponto de vista moral. No dia 1º de agosto à noite, Löscher passou bom tempo bebendo vinho com Berthold Huber, chairman da IG Metall no terraço do hotel Freisinger Hof, em Munique. Huber foi quem mais falou, enquanto Löscher escutava. Ele pode se consolar com mais de 20 milhões de euros em acordos e reservas de pensões da Siemens. Talvez Munique tenha sido o topo de sua carreira. O ar estava rarefeito lá. Como seus antecessores, aqueles seis anos continuarão a assombrá-lo. Mas o resultado é simples: no seu primeiro dia de trabalho, o valor de mercado da Siemens era de 103 bilhões de euros; no último dia, 83 bilhões. O consolo é que 2011 acabou sendo o melhor dos 166 anos de história da Siemens. Todo sucesso já contém a semente do fracasso. *Reportagem publicada na edição de 5 de agosto de Der Spiegel.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

ECONOMIA/LEGAIS - 19

Siqueira Empreendimentos e Participações Ltda. CNPJ nº 15.464.925/0001-60

ASSOCIAÇÃO SAÚDE DA FAMÍLIA – ASF A ASSOCIAÇÃO SAÚDE DA FAMÍLIA – ASF torna público que se acha aberto procedimento licitatório de SELEÇÃO DE FORNECEDORES – COLETA DE PREÇO Nº 014/2013, PROCESSO ASF Nº 043/2013, OBJETIVANDO A CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA NA ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA E ARQUITETURA PARA IMPLANTAÇÃO DA REDE HORA CERTA NO AMA ESPECIALIDADES PROFª MARIA CECÍLIA F. DONNAGELO – CRITÉRIO MENOR PREÇO GLOBAL. O edital na íntegra poderá ser consultado no sítio ASF:www.saudedafamilia.org e ou retirado na sede da Associação, sita à Praça Mal. Cordeiro de Farias, 65 (11) 3154-7050. Informações no endereço eletrônico:licitacoesasf@saudedafamilia.org | Data da Sessão Pública: 19/08/2013 às 09h30– Local da Sessão: Associação Saúde da Família, Praça Mal. Cordeiro de Farias, 65 – Higienópolis – São Paulo/SP.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINDAMONHANGABA ABERTURA DE EDITAL RESUMIDO CARTA CONVITE Nº 003/2013 A Prefeitura torna público que se acha aberta no Depto. de Licitações e Compras, sito na Av. N. Sra. do Bom Sucesso, n° 1.400, Bairro Alto do Cardoso, que na CV nº 03/13, que cuida da “Contratação de empresa especializada para prestação de serviços técnicos profissionais na execução de sondagens a percussão de simples reconhecimento”, com encerramento dia 19/08/13, às 9h, e abertura às 9h30. O edital estará disponível no site www.pindamonhangaba.sp.gov.br. e maiores informações poderão ser obtidas no endereço supra das 8h às 17h ou através do tel.: (12) 3644-5600. Pindamonhangaba, 08 de agosto de 2013. PREGÃO Nº 020/2013 A Prefeitura torna público que se acha reaberto no Depto. de Licitações e Compras, sito na Av. N. Sra. do Bom Sucesso, n° 1.400, Bairro Alto do Cardoso, que no PP nº 20/13, que cuida da “Contratação de empresa especializada em prestação de serviços de alinhamento, balanceamento, cambagem e cáster para atender os veículos pesados (caminhões) pertencentes à frota municipal, por um período de 12 (doze) meses.”, com encerramento dia 21/08/13, às 8h, e abertura às 8h30. O edital estará disponível no site www.pindamonhangaba.sp.gov.br. e maiores informações poderão ser obtidas no endereço supra das 8h às 17h ou através do tel.: (12) 3644-5600. Pindamonhangaba, 08 de agosto de 2013. PREGÃO Nº 131/2013 A Prefeitura torna público que se acha aberto no Depto. de Licitações e Compras, sito na Av. N. Sra. do Bom Sucesso, n° 1.400, Bairro Alto do Cardoso, que no PP nº 131/ 13, que cuida da “Contratação de empresa especializada na prestação de serviços de remoção terrestre de pacientes em ambulância de suporte avançado Tipo “D” com tripulação (incluindo: Manutenção e Combustível)”, com encerramento dia 21/08/13, às 15h, e abertura às 15h30. O edital estará disponível no site www.pindamonhangaba.sp.gov.br. e maiores informações poderão ser obtidas no endereço supra das 8h às 17h ou através do tel.: (12) 3644-5600. Pindamonhangaba, 08 de agosto de 2013. PREGÃO Nº 136/2013 A Prefeitura torna público que se acha aberto no Depto. de Licitações e Compras, sito na Av. N. Sra. do Bom Sucesso, n° 1.400, Bairro Alto do Cardoso, que no PP nº 136/13, que cuida da “Aquisição de refeição para os funcionários das campanhas antirrábica”, com encerramento dia 21/08/13, às 14h, e abertura às 14h30. O edital estará disponível no site www.pindamonhangaba.sp.gov.br. e maiores informações poderão ser obtidas no endereço supra das 8h às 17h ou através do tel.: (12) 3644-5600. Pindamonhangaba, 08 de agosto de 2013.

Ativo Circulante Caixa e equivalentes de caixa Instrumentos financeiros derivativos Valores a receber Estoques Ativos biológicos Partes relacionadas Despesas antecipadas Outros créditos Não circulante Realizável a longo prazo Valores a receber Partes relacionadas Total realizável a longo prazo Investimentos Imobilizado Ativos intangíveis Total do ativo

2012 2011 – – – – – – – – – – – – – – – – – – 233.672 – – – – – 233.672 – 233.672

Saldos em 31 de dezembro de 2011 Constituição do capital - 20.09.2012 Prejuízo do exercício Diluição de minoritários no capital da controlada Absorção de prejuízo do exercício com reserva de lucros Ajustes acumulados de conversão Saldos em 31 de dezembro de 2012

– – – – – – –

Passivo Circulante Mercadorias a entregar Fornecedores Empréstimos e financiamentos Partes relacionadas Outras contas a pagar Não circulante Empréstimos e financiamentos Mercadorias a entregar Total do passivo Patrimônio líquido Capital social Reservas de capital Reservas de lucros Prejuízos acumulados Patrimônio líquido atribuível aos controladores Participação de não controladores Total do passivo e patrimônio líquido

Capital Reserva de social capital – – 233.672 – – – – – – – – – 233.672 –

1. Contexto Operacional: A Siqueira Empreendimentos e Participações Ltda. é uma empresa Limitada, constituída em 20 de setembro de 2012 com sede na Avenida Magalhães de Castro, 4.800, 11º andar, sala 5, cidade de São Paulo - SP, a empresa tem por objetivo o cultivo de soja, milho, algodão e outros cereais; produção de sementes certificadas, produção de semente, mudas e outras formas de propagação vegetal certificadas; serviços de preparação de terreno, cultivo e colheita; fabricação de fertilizantes; comércio nos mercado interno e externo (importação e exportação) de produtos agrícolas, especialmente grãos vegetais e seus derivados, de fertilizantes, suas matérias-primas e seus subprodutos, além de defensivos agrícolas; exploração de serviços auxiliares aos transportes aquaviários; serviços auxiliares ao transporte de cargas em geral (logística de transporte ou agente de transportadoras); agenciamento marítimo e operador portuário; serviços de depósito e padronização; logística de depósito; consultoria de transportes em geral; constituir, participar ou investir, sob qualquer modalidade, em outras sociedades, empreendimentos ou entidades, cujos objetos sociais sejam direta ou indiretamente vinculados aos setores agropecuário e industrial; industrialização e beneficiamento, por conta própria ou de terceiros, de produtos agrícolas e seus subprodutos, de fertilizantes e seus derivados, de matérias-primas em geral e de defensivos agrícolas; celebração de contratos de arrendamento ou parceria rural; e administração de bens próprios. 2. Base de Preparação: a. Declaração de conformidade com as normas do Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC: As presentes demonstrações financeiras incluem as demonstrações financeiras individuais da controladora preparadas de acordo com o BR GAAP (“BR GAAP” - Brazilian Generally Accepted Accounting Principles). A emissão das demonstrações financeiras individuais foi autorizada pela Diretoria em 28 de março de 2013. b. Moeda funcional e moeda de apresentação: Essas demonstrações financeiras individuais e consolidadas são apresentadas em Reais, que é a moeda funcional da Companhia. Todas as informações financeiras são apresentadas em milhares de Reais, exceto quando indicado de outra forma. 3. Principais Políticas Contábeis: As políticas contábeis descritas em detalhes abaixo têm sido aplicadas de maneira consistente a todos os exercícios apresentados nessas demonstrações financeiras individuais. a. Imobilizado: • Reconhecimento e mensuração: Itens do imobilizado são mensurados pelo custo histórico de aquisição ou construção, deduzido de depreciação acumulada e perdas acumuladas de redução ao valor recuperável (impairment), quando necessário. Ganhos e perdas na alienação de um item do imobilizado são apurados pela diferença entre os recursos advindos da alienação e o valor contábil do imobilizado, e são reconhecidos em outras receitas/despesas operacionais no resultado. b. Redução ao valor recuperável - Impairment: i. Ativos financeiros (incluindo recebíveis): Um ativo financeiro não mensurado pelo valor justo por meio do resultado é avaliado a cada data de apresentação para

2012 2011 – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – 233.672 – 233.672 – – – – – – – – – – – 233.672 –

Reservas de lucros Ajustes de Lucros Reserva Lucros avaliação (prejuízos) legal retidos patrimonial acumulados Total – – – – – – – – – 233.672 – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – 233.672

Receitas Vendas líquidas de produtos Outras receitas Insumos adquiridos de terceiros Custos dos produtos vendidos Variação no valor justo de ativo biológico Materiais, energia, serviços de terceiros e outros Valor adicionado bruto Depreciação e amortização Valor adicionado líquido produzido pela Companhia Valor adicionado recebido em transferência Resultado de equivalência patrimonial Outras Valor adicionado total a distribuir Distribuição do valor adicionado Pessoal Impostos, taxas e contribuições Remuneração de capitais de terceiros Juros Aluguéis Remuneração de capitais próprios Lucros retidos Participação dos não controladores nos lucros retidos

2012 2011 – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

Receita operacional Custo dos produtos vendidos Lucro bruto Despesas comerciais, gerais e administrativas Resultado de equivalência patrimonial Outras receitas operacionais Resultado antes das receitas (despesas) financeiras Receitas financeiras Despesas financeiras Lucro (prejuízo) líquido do exercício - período Imposto de renda e contribuição social Lucro (prejuízo) líquido do exercício

2012 2011 – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – 2012 2011 – –

Resultado do exercício Resultados abrangentes Ajuste acumulado de conversão Resultado abrangente total Resultado atribuível aos: Acionistas controladores Acionistas não controladores Resultado abrangente total

– –

– –

– – –

– – –

2012 2011 Fluxo de caixa das atividades operacionais Lucro líquido/(prejuízo) do exercício Ajustes para conciliar o lucro líquido às disponibilidades aplicadas nas atividades operacionais: Depreciação e amortização Baixa do ativo imobilizado Imposto de renda diferido Resultado de equivalência patrimonial Ajuste a valor justo de mercadorias a entregar Resultado na venda de ativo imobilizado Variações nos ativos e passivos Estoques e adiantamento a produtor Instrumentos financeiros Ativo biológico Contas a receber Outros créditos Partes relacionadas Mercadorias a entregar Fornecedores Outras contas a pagar Caixa aplicado nas atividades operacionais Juros pagos Fluxo de caixa líq. aplicado nas atividades operacionais Fluxo de caixa de atividades de investimento Aumento de investimentos e participações Aquisição de imobilizado Aquisição de intangível Fluxo de caixa aplicado nas atividades de investimentos Fluxo de caixa de decorrente das ativ. de financiamento Aporte de capital de acionistas Mercadorias a entregar Perda de capital de não controladores Empréstimos e financiamentos tomados e pagtos. Caixa proveniente das atividades de financiamentos Aumento (redução) do caixa e equivalentes de caixa Demonstr. da (red.) aumento do caixa e equiv. de caixa Caixa e equivalentes de caixa no início do exercício Caixa e equivalentes de caixa no final do exercício Aumento (redução) do caixa e equivalente de caixa

– – – – – – –

– – – – – – –

– – – – – – – – – – – –

– – – – – – – – – – – –

– – – –

– – – –

apurar se há evidência objetiva de que tenha ocorrido perda no seu valor recuperável. Um ativo tem perda no seu valor recuperável se uma evidência – – objetiva indica que um evento de perda ocorreu após o reconhecimento ini– – cial do ativo, e que aquele evento de perda teve um efeito negativo nos fluxos – – de caixa futuros projetados que podem ser estimados de uma maneira con– – fiável. A evidência objetiva de que os ativos financeiros perderam valor pode – – incluir o não pagamento ou atraso no pagamento por parte do devedor, a – – reestruturação do valor devido ao grupo sobre condições de que a Companhia e suas controladas não considerariam em outras transações, indicações – – de que o devedor ou emissor entrará em processo de falência, ou o desapa– – recimento de um mercado ativo para um título. Além disso, para um instru– – mento patrimonial, um declínio significativo ou prolongado em seu valor justo abaixo do seu custo é evidência objetiva de perda por redução ao valor premissas se as condições econômicas e de crédito atuais são tais que as recuperável. Ao avaliar a perda de valor recuperável de forma coletiva a perdas reais provavelmente serão maiores ou menores que as sugeridas Companhia e suas controladas utilizam tendências históricas da probabilida- pelas tendências históricas. A Diretoria de de inadimplência, do prazo de recuperação e dos valores de perda Marcelo Monteiro - Contador CRC 1SP218864/O-0 incorridos, ajustados para refletir o julgamento da Administração quanto às

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

IMPRENSA OFICIAL DO ESTADO S.A.

IMPRENSA OFICIAL DO ESTADO S.A.

AVISO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 047/2013 A IMPRENSA OFICIAL DO ESTADO S/A-IMESP avisa aos interessados que fará realizar o Pregão Eletrônico nº 047/2013, para contratação de serviço de suporte e manutenção de hardware e software a seguir descritas e de acordo com as especificações técnicas e obrigações descritas no Memorial Descritivo: 01 (um) storage EMC Celerra NS 480, 01 (um) storage EMC Celerra NS120 e 04 (quatro) switches FC Cisco MDS 9124; 01 (um) storage EMC Centera Gen4LP; 01 (um) equipamento EMC Avamar Geração 3 – Software; 03 (três) equipamentos EMC Recover Point - OFERTA DE COMPRA Nº 283101280902013OC00054. O edital deverá ser retirado no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br, www.bec.fazenda.sp.gov.br ou www.e-negociospublicos.com.br. DATA DO INÍCIO DO PRAZO PARA ENVIO DA PROPOSTA ELETRÔNICA: 12/08/2013. DATA E HORA DA ABERTURA DA SESSÃO PÚBLICA: 23/08/2013, ÀS 09:30 HORAS. Marcos Antonio Monteiro Diretor Presidente

AVISO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 041/2013 A IMPRENSA OFICIAL DO ESTADO S/A-IMESP avisa aos interessados que fará realizar o Pregão Eletrônico nº 041/2013, para aquisição de 01 (uma) guilhotina para corte de papel, com largura de corte mínimo de 1,32 metros, conforme Memorial Descritivo – OFERTA DE COMPRA Nº 283101280902013OC00057. O edital deverá ser retirado no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br, www.bec.fazenda.sp.gov.br ou www.e-negociospublicos.com.br. DATA DO INÍCIO DO PRAZO PARA ENVIO DA PROPOSTA ELETRÔNICA: 12/08/2013. DATA E HORA DA ABERTURA DA SESSÃO PÚBLICA: 22/08/2013, ÀS 09:30 HORAS. Marcos Antonio Monteiro Diretor Presidente

CASA CIVIL

CASA CIVIL

RESPEITO POR VOCÊ RESPEITO POR VOCÊ

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROCURADORIA-GERAL

Ministério Público do Trabalho

IMPRENSA OFICIAL DO ESTADO S.A.

BPN Brasil Banco Múltiplo S.A.

CNPJ/MF nº 61.033.106/0001-86 – NIRE 35.300.160.258

Ata da Assembleia Geral Extraordinária realizada em 25 de junho de 2013. Data e Horário: 25 de junho de 2013, às 09:00 horas. Local: sede social, na Capital do Estado de São Paulo, na Av. das Nações Unidas, 8.501, 19º andar - Parte, Pinheiros, CEP 05425-070. Mesa: Presidente: Sr. Luiz Alberto Fortuna Stouthandel; Secretário: Sr. Rodrigo Cristoforo del Barrio. Presença: acionistas representando a totalidade do capital social. Convocação: dispensada a publicação dos Editais de Convocação, nos termos do § 4º do Artigo 124 da Lei nº 6.404/76. Ordem do Dia: deliberar sobre (i) o aumento do capital social da Companhia, em moeda corrente nacional, mediante a emissão de novas ações a serem emitidas pela Companhia; (ii) a consequente alteração da redação do artigo 5º do Estatuto Social; e (iii) a consolidação do Estatuto Social. Deliberações Tomadas por Unanimidade: (i) aumento do capital social da Companhia pelo valor de R$ 10.500.001,00 (dez milhões, quinhentos mil e um reais), em moeda corrente nacional, passando o capital social da Companhia de R$ 153.385.917,12 (cento e cinquenta e três milhões, trezentos e oitenta e cinco mil, novecentos e dezessete reais e doze centavos) para R$ 163.885.918,12 (cento e sessenta e três milhões, oitocentos e oitenta e cinco mil, novecentos e dezoito reais e doze centavos), totalmente subscrito e integralizado por ambos os acionistas, conforme boletim de subscrição anexo à presente como “Anexo I”, mediante a emissão de 10.500.001 (dez milhões, quinhentas mil e uma) novas ações ordinárias nominativas e sem valor nominal, ao preço de emissão de R$ 1,00 (um real) cada ação; (ii) tendo em vista o presente aumento do capital social da Companhia, o Artigo 5º do Estatuto Social passa a vigorar com a seguinte nova redação: “Artigo 5° - O capital social é de R$ 163.885.918,12 (cento e sessenta e três milhões, oitocentos e oitenta e cinco mil, novecentos e dezoito reais e doze centavos), dividido em 158.960.608 (cento e cinquenta e oito milhões, novecentas e sessenta mil, seiscentas e oito) ações ordinárias e sem valor nominal. As ações terão a forma nominativa, não conversível em outras formas.”; (iii) consolidação do Estatuto Social, conforme cópia anexa à presente como “Anexo II”, a qual, rubricada pela mesa, passa a integrar a presente ata para todos os fins e efeitos legais, nos termos do parágrafo 1º do artigo 130 da Lei nº 6.404/76, devendo o Estatuto Social, em sua nova versão, ser levado a registro em apartado à presente ata perante a Junta Comercial do Estado de São Paulo - JUCESP, após ter sido homologado pelo Banco Central do Brasil, ficando dispensada a sua publicação. Encerramento e Lavratura da Ata: nada mais havendo a ser tratado, o Sr. Presidente ofereceu a palavra a quem dela quisesse fazer uso e, como ninguém a pedisse, declarou encerrados os trabalhos e suspensa a reunião pelo tempo necessário à lavratura desta ata, a qual, reaberta a sessão, foi lida, aprovada e por todos os presentes assinada. Acionistas Presentes: BPN Participações Brasil Ltda., neste ato representada por seus Diretores Srs. Luiz Alberto Fortuna Stouthandel e Rodrigo Cristoforo del Barrio; e BPN Créditus Brasil - Promotora de Vendas Ltda., neste ato representada por seus Diretores Srs. Luiz Alberto Fortuna Stouthandel e Rubens do Prado. Data: São Paulo (SP), 25 de junho de 2013. Certificamos que a presente é cópia fiel da ata lavrada no livro próprio. Luiz Alberto Fortuna Stouthandel - Presidente da Mesa; Rodrigo Cristoforo del Barrio - Secretário da Mesa. JUCESP nº 295.458/13-6, em 01/08/2013. (a) Gisela Simiema Ceschin - Secretária Geral.

AVISO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 029/2013 A IMPRENSA OFICIAL DO ESTADO S/A-IMESP avisa aos interessados que fará realizar o Pregão Eletrônico nº 029/2013, para aquisição de 250 microcomputadores novos, acompanhados com monitores e sistema operacionais, idênticos (em configuração e aparência) e sem uso anterior, conforme Memorial Descritivo – OFERTA DE COMPRAS Nº 283101280902013OC00055. O edital RETIFICADO deverá ser retirado no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br, www.bec.fazenda.sp.gov.br ou www.e-negociospublicos.com.br. DATA DO INÍCIO DO PRAZO PARA ENVIO DA PROPOSTA ELETRÔNICA: 12/08/2013. DATA E HORA DA ABERTURA DA SESSÃO PÚBLICA: 22/08/2013, ÀS 09:30 HORAS. Marcos Antonio Monteiro Diretor Presidente

AVISO DE LICITAÇÃO Pregão Eletrônico n° 37/2013 Objeto: Contratação de empresa especializada para prestação de serviços de transporte rodoviário, entre as unidades da federação, de cargas, bagagens, veículos e bens pessoais de membros e de servidores e de seus dependentes e demais objetos de propriedade ou de interesse do Ministério Público do Trabalho em todo território nacional, conforme especificações e quantitativos constantes deste Edital e seus anexos. Edital disponível nos sites: www.comprasnet.gov.br e www.pgt.mpt.gov.br/portaltransparencia/ a partir de 09/08/2013. Data de abertura da sessãopública22/08/2013às14h00min,pelosistemawww.comprasnet.gov.br.Maiores informações: endereço: Setor deAutarquias Sul Quadra 04 Bloco LSala 1012 –Asa Sul – Brasília – DF; telefones (61) 3314-8906 e 3314-8775; e-mail: pgt.pregao@mpt.gov.br. Brasília – DF, 7 de agosto de 2013 JERRY ADRIANI RAMOS CIRQUEIRA Pregoeiro

CASA CIVIL RESPEITO POR VOCÊ

ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA TITAN Edital de Convocação Assembleia Geral para Eleição do Conselho Deliberativo, Conselho Fiscal e Aprovação das Contas do Ano de 2011 e 2012 da Associação Atlética Titan De acordo com o Estatuto, a Associação Atlética Titan, com sede nesta comarca, na Rua dos Prazeres, nº 106 fundos, Belenzinho, através de seu Conselho Deliberativo, devidamente representado por sua Vice Presidente Sra. Lilian Anunciatto Sguillar, CONVOCA através do presente edital, todos os seus Associados para uma Assembleia Geral Ordinária, que será realizada na sede da Associação Atlética Titan, às 17 horas, do dia 20 de agosto de 2013, com a seguinte ordem do dia: I- Eleição dos Membros do Conselho Deliberativo e do Conselho Fiscal; II- Aprovação das contas referente aos anos de 2011 e 2012; III - A Assembleia Geral instalar-se-á em primeira convocação às 17:00 horas, com a presença da maioria absoluta dos associados, caso este quorum não seja atingido a Assembleia Geral será instalada uma hora depois às 18:00 horas, em segunda convocação, com qualquer número de associados, não exigindo a lei quorum especial; IV - Os Associados que desejarem se manifestar na Assembleia Geral sobre os itens que compõem a ordem do dia deverão se inscrever previamente e por escrito perante a secretaria geral, dentro de seu horário de funcionamento, a partir da divulgação deste edital e até 5 dias antes da data da realização da Assembleia Geral, essas manifestações deverão restringir-se unicamente aos itens constantes da Ordem do Dia, que se encontra à disposição dos associados; V - Na sequência da Ordem do Dia, os itens, após discutidos, votados e decididos, não serão passíveis de reexame. O Estatuto Social encontra-se à disposição na AAT. São Paulo, 05 de agosto de 2013. LILIAN ANUNCIATO SGUILLAR - Vice-Presidente.

MAC Participações Societárias S.A. p ç CNPJ/MF nº 13.039.579/0001-48 – NIRE 35.300.388.321 Ata de AGO Realizada em 30 de Abril de 2013 Data, Hora e Local: 30/4/13, 11hs, na sede.Convocação: Dispensadas.Presenças: Totalidade. Mesa: Presidente: Mário Sérgio Moreira Franco e Secretária:Ana Cláudia Ferraz Franco.Deliberações: Dando início aos trabalhos, o Presidente da mesa esclareceu que a ata da assembléia seria lavrada em forma de sumário dos fatos ocorridos, contendo apenas a transcrição das deliberações tomadas, conforme facultaoart.130,§1°daLeidasS.A.Informou,ainda,quedocumentosoupropostas,declaraçõesdevotooudissidênciassobreasmatérias a serem deliberadas deveriam ser apresentadas por escrito à Mesa que, para esse fim, seria representada pelo Secretário da Assembléia. Os acionistas apreciaram as matérias constantes da ordem do dia e tomaram as deliberações que seguem, abstendo-se de votar os legalmente impedidos: (a) Aprovar, por unanimidade de votos dos acionistas presentes, na sua íntegra e sem ressalvas, o relatório anual da administração e as Demonstrações Financeiras da Cia. levantadas em 31/12/12, publicadas no “DOESP” na edição do dia 30/04/13 e no jornal “Diário do Comércio”, na edição do dia 30/04/13, observado que, nos termos do Art. 133, §4°, da Lei nº 6.404/76, a totalidade dos acionistas considerou sanada à inobservância dos prazos para a publicação de referidos documentos. (b) Aprovar, por unanimidade de votos dos acionistas presentes, a distribuição de dividendos no valor total de R$3.500.000,00 à conta de Reserva de Lucros, que foi distribuído aos acionistas a título de antecipação de dividendos durante o exercício encerrado em 31/12/12. (c) Reeleger, para compor a Diretoria da Cia., com mandato pelo prazo de 1 ano: (i) o Sr. Mário Sérgio Moreira Franco, RG n° 23.171.670-9 (SSP/SP) e CPF/MF nº 045.762.378-02, eleito para o cargo de Diretor Presidente;e (ii) a Sra.Ana Cláudia Ferraz Franco, RG nº 05.356.950-5 (IFP) e CPF/MF nº 734.320.087-91,eleitoparaocargodeSecretáriasemdesignaçãoespecífica.OsmembrosoraeleitosparaaadministraçãodaCia.aceitaram os cargos para os quais foram indicados, neste ato declarando que se obrigam a cumprir a lei e o Estatuto Social da Cia., bem como que não estão impedidos por lei especial, ou condenados:por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussão, peculato, contra a economiapopular,afépúblicaouapropriedade,ouapenacriminalquevede,aindaquetemporariamente,oacessoacargospúblicos,como previsto no § 1° do art. 147 da Lei nº 6.404/76. Encerramento: Nada mais. Mesa: Mário Sérgio Moreira Franco - Presidente; Ana Cláudia Ferraz Franco - Secretário.São Bernardo do Campo, 30/04/13.Karla Moreno Beluco Paes - OAB/SP 244435.Jucesp nº 225.463/13-1 em 13/06/2013. Gisela Simiema Ceschin-Secretária Geral.

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Transportadora Sinimbu S.A. CNPJ/MF nº 33.786.625/0001-80 – NIRE 35.300.342.518 Ata de AGO Realizada em 22 de Abril de 2013 1.Data,HoraeLocal:22/04/2013,11hs,nasede.2.Convocação:Dispensadas.3.Presenças:Totalidade.4.Mesa:Presidente:MárioSérgio MoreiraFrancoeSecretário:FernandoLuizSchettinoMoreira.5.Deliberações:Dandoinícioaostrabalhos,oPresidentedamesaesclareceu que a ata da assembléia seria lavrada em forma de sumário dos fatos ocorridos, contendo apenas a transcrição das deliberações tomadas, conforme faculta o art.130, § 1º da Lei das S.A.Informou, ainda, que documentos ou propostas, declarações de voto ou dissidências sobre as matérias a serem deliberadas deveriam ser apresentadas por escrito à Mesa que, para esse fim, seria representada pelo Secretário da Assembléia.Osacionistasapreciaramasmatériasconstantesdaordemdodiaetomaramasdeliberaçõesqueseguem,abstendo-sedevotar os legalmente impedidos: (a) Aprovar, por unanimidade de votos dos acionistas presentes, na sua íntegra e sem ressalvas, o relatório anual da administração e as Demonstrações Financeiras da Cia.levantadas em 31/12/2012, publicadas no “DOESP”na edição do dia 19/04/2013 e no jornal “ Diário do Comércio”, na edição do dia 19/04/2013, observado que, nos termos do Art.133, §4º, da Lei nº 6.404/76, a totalidade dos acionistas considerou sanada à inobservância dos prazos para a publicação de referidos documentos.(b) Aprovar, por unanimidade de votosdosacionistaspresentes,adestinaçãodolucrolíquidodoexercíciosocialencerradoem31/12/2012, nomontante deR$33.131.058,39, que será distribuído aos acionistas a título de dividendos referente ao exercício encerrado em 31/12/2012. (c) Aprovar, por unanimidade de votos dos acionistas presentes, a distribuição de dividendos no valor total de R$16.214.255,00 à conta de Reserva de Lucros constante do balanço patrimonial levantado em 31/12/2012.(d) Reeleger, para compor a Diretoria da Cia., com mandato pelo prazo de 1 ano:(i) o Sr.Mário Sérgio Moreira Franco, RG nº 23.171.670-9 (SSP/SP) e CPF/MF nº 045.762.378-02, eleito para o cargo de Diretor Presidente; e, (ii) o Sr. Fernando Luiz Schettino Moreira, RG nº 6.130.448 (SSP/SP) e CPF/MF nº 501.618.308-20, eleito para o cargo de Diretor sem designação específica.OsmembrosoraeleitosparaaadministraçãodaCia.aceitaramoscargosparaosquaisforamindicados,nesteatodeclarandoque seobrigamacumpriraleieoEstatutoSocialdaCia.,bemcomoquenãoestãoimpedidosporleiespecial,oucondenadosporcrimefalimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussão, peculato, contra a economia popular, a fé pública ou a propriedade, ou a pena criminal que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos, como previsto no § 1º do art.147 da Lei nº 6.404/76.6.Encerramento:Nada mais. Mesa: Mário Sérgio Moreira Franco - Presidente; Fernando Luiz Schettino Moreira - Secretário. Acionistas Presentes: Maria Thereza Moreira Franco, Fernando Luiz Schettino Moreira, Mário Sérgio Moreira Franco, Francisco Creso Junqueira Franco Júnior, Ana Lúcia Moreira Franco Ballvé, Augusto César Moreira Franco, João Paulo Moreira Franco, Rogério Moreira Franco, Ricardo Moreira Franco e MAC Participações Societárias S.A.representada por Mário Sérgio Moreira Franco.São Bernardo do Campo, 22/04/2013.Mário Sérgio Moreira Franco - Presidente;Fernando Luiz Schettino Moreira - Secretário.Jucesp nº 173.461/13-0 em 07/5/2013.Gisela Simiema Ceschin-Secretária Geral.

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: PREGÃO ELETRÔNICO DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 13/00011/13/05 OBJETO: FORNECIMENTO KIT LANCHE. A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para Fornecimento Kit Lanche. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital a partir de 09/08/2013, no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br ou na sede da FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 - São Paulo/SP, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, ou verificar o edital na íntegra, através da Internet no endereço: http:// www.fde.sp.gov.br. A sessão pública de processamento do Pregão Eletrônico será realizada no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br, no dia 22/08/2013, às 10:00 horas, e será conduzida pelo pregoeiro com o auxílio da equipe de apoio, designados nos autos do processo em epígrafe e indicados no sistema pela autoridade competente. Todas as propostas deverão obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital e seus anexos e serão encaminhadas, por meio eletrônico, após o registro dos interessados em participar do certame e o credenciamento de seus representantes previamente cadastrados. A data do início do prazo para envio da proposta eletrônica será de 09/08/2013, até o momento anterior ao início da sessão pública. BARJAS NEGRI - Presidente

CONFECÇÕES DE ROUPAS PROFECY LTDA.-EPP torna público que recebeu da CETESB a Licença Prévia e de Instalação n° 30001260 e requereu a Licença de Operação para Confecção, sob medida, de peças de vestuário, exceto roupas íntimas, na Rua Mandirituba, n° 55, Bairro Vila Regina, Cep 08225080, São Paulo, SP.

COMUNICADO DE EXTRAVIO IRSAN GALVANOTÉCNICA LTDA., inscrita no CNPJ nº 62.729.405/0001-12, COMUNICA O EXTRAVIO DO LIVRO INSPEÇÃO DO TRABALHO Nº 01.


20 -.ECONOMIA/LEGAIS

DIÁRIO DO COMÉRCIO

Publicidade Legal 3180 3175 www.dcomercio.com.br

sexta-feira, 9 de agosto de 2013


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Tropical Empreendimentos e Participações Ltda.

ALAOF BRASIL INFRA HOLDINGS S.A. CNPJ/MF nº 14.287.110/0001-90 - NIRE 35.300.412.435 ATA DA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 07 DE AGOSTO DE 2013 Data, Hora e Local: Realizada aos 07 (sete) dias do mês de agosto de 2013, às 10:00 horas, na sede social da Alaof Brasil Infra Holdings S.A. (“Companhia”), localizada na cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Avenida Brigadeiro Faria Lima, nº 2.391, 3º andar, conjuntos 31 e 32, Pinheiros, CEP 01.452-000. Convocação e Presença: Dispensada a publicação de edital de convocação, nos termos do artigo 124, parágrafo 4º, da Lei das Sociedades por Ações, tendo em vista a presença de acionistas representando a totalidade do capital social da Companhia, conforme se verifica das assinaturas constantes do Livro de Registro de Presença de Acionistas da Companhia. Mesa: A assembleia foi presidida pelo Sr. Emiliano Bochnia Machado e secretariada pelo Sr. Marcus Vinicius Varotti. Ordem do Dia: Reuniram-se os acionistas da Companhia para examinar, discutir e votar a respeito da seguinte ordem do dia: (i) a redução do capital social da Companhia, por julgá-lo excessivo, no montante de R$ 250.000,00 (duzentos e cinquenta mil reais), sem o cancelamento de ações, nos termos do artigo 173 da Lei das Sociedades por Ações; e (ii) a alteração do caput do Artigo 5º do Estatuto Social da Companhia, para refletir referida redução de capital, caso aprovada. Deliberações: Os acionistas presentes, após exame, discussão e votação das matérias, resolveram, por unanimidade de votos e sem quaisquer ressalvas ou restrições, o quanto segue: 1. Registrar que a ata que se refere à presente assembleia geral será lavrada na forma de sumário dos fatos ocorridos, conforme faculta o §1º do artigo 130 da Lei das Sociedades por Ações. 2. Aprovar, integralmente e sem ressalvas, por unanimidade de votos, a redução do capital social da Companhia, por julgá-lo excessivo, passando dos atuais R$ 113.255.052,00 (cento e treze milhões, duzentos e cinquenta e cinco mil e cinquenta e dois reais) para R$ 113.005.052,00 (cento e treze milhões, cinco mil e cinquenta e dois reais), uma redução, portanto, no montante total de R$ 250.000,00 (duzentos e cinquenta mil reais), realizada sem o cancelamento de ações de emissão da Companhia, nos termos do artigo 173 da Lei das Sociedades por Ações. 2.1. Consignar que, nos termos do artigo 174, § 1º, da Lei das Sociedades por Ações, durante o prazo de 60 (sessenta) dias contados da data de publicação da presente ata, eventuais credores quirografários por títulos que sejam anteriores à referida data de publicação poderão se opor à redução do capital social da Companhia ora deliberada. 2.2. Consignar, ainda, que a redução do capital social da Companhia ora deliberada somente se tornará efetiva, findo o prazo mencionado no item 2.1 acima, (i) mediante inexistência de oposição de credores quirografários por títulos anteriores à data de publicação da presente ata, ou, (ii) existindo oposição de algum credor, mediante pagamento do seu crédito ou depósito judicial da importância respectiva, conforme disposto no artigo 174, § 2º, da Lei das Sociedades por Ações. 2.3. Consignar, por fim, que a quantia total da redução do capital social da Companhia, no montante de R$ 250.000,00 (duzentos e cinquenta mil reais), será restituída aos acionistas da Companhia, proporcionalmente à participação de cada um no capital social da Companhia, em moeda corrente nacional, em até 20 (vinte) dias a partir da data em que se der o decurso do prazo previsto no artigo 174 da Lei das Sociedades por Ações para a efetivação da redução do capital social. 3. Em decorrência da deliberação tomada no item 2 acima, uma vez concluída a redução do capital social da Companhia e desde que atendidas as condicionantes previstas nos itens 2.1 e 2.2 acima, o caput do Artigo 5º do Estatuto Social da Companhia passará a vigorar com a seguinte nova redação: “Artigo 5º O capital social é de R$ 113.005.052,00 (cento e treze milhões, cinco mil e cinquenta e dois reais), dividido em 113.255.052 (cento e treze milhões, duzentas e cinquenta e cinco mil e cinquenta e duas) ações ordinárias, todas nominativas, sem valor nominal.” Encerramento: Nada mais havendo a ser tratado, foi encerrada a assembleia, da qual se lavrou a presente ata na forma de sumário que, lida e achada conforme, foi por todos os presentes assinada. São Paulo, 07 de agosto de 2013. (aa) Presidente: Emiliano Bochnia Machado; Secretário: Marcus Vinicius Varotti. Acionistas presentes: ALAOF Brasil Infra Holdings Fundo de Investimento em Participações; e ALAOF do Brasil Administradora de Valores Mobiliários e Consultoria Ltda. A presente ata confere com a original lavrada em livro próprio. São Paulo, 07 de agosto de 2013. Marcus Vinicius Varotti - Secretário.

ECONOMIA/LEGAIS - 21

CNPJ nº 15.055.021/0001-81 Demonstrações Financeiras - Exercícios Findos em 31 de Dezembro de 2012 e 2011 (Em milhares de Reais) Balanços Patrimoniais Demonstrações de Resultados Ativo 2012 2011 Passivo 2012 2011 2012 2011 – – Circulante – – Receita operacional Circulante – – Caixa e equivalentes de caixa – – Mercadorias a entregar – – Custo dos produtos vendidos (depreciação) (30) – Instrumentos financeiros derivativos – – Fornecedores – – Lucro bruto (30) – Valores a receber – – Empréstimos e financiamentos – – Despesas comerciais, gerais e administrativas – – Estoques – – Partes relacionadas – – Resultado de equivalência patrimonial – – – – Outras receitas operacionais Ativos biológicos – – Outras contas a pagar – – – – Resultado antes das receitas (despesas) financeiras Partes relacionadas – – Não circulante (30) – Despesas antecipadas – – Empréstimos e financiamentos – – Receitas financeiras – – – – Mercadorias a entregar – – Despesas financeiras Outros créditos – – 75.239 – Total do passivo – – Lucro (prejuízo) líquido do exercício - Período Não circulante (30) – 75.239 – Imposto de renda e contribuição social Patrimônio líquido – – Realizável a longo prazo 75.269 – Lucro (prejuízo) líquido do exercício (30) – Valores a receber – – Capital social – – – – Reservas de capital Partes relacionadas Demonstrações de Resultados Abrangentes – – Total realizável a longo prazo – – Reservas de lucros 2012 2011 (30) – Resultado do exercício Investimentos – – Prejuízos acumulados (30) – – – Imobilizado 75.239 – Patrimônio líquido atribuível aos controladores Resultados abrangentes – – – – Participação de não controladores Ativos intangíveis – – Ajuste acumulado de conversão 75.239 – Total do ativo 75.239 – Total do passivo e patrimônio líquido (30) – Resultado abrangente total Demonstrações das Mutações do Patrimônio Líquido Resultado atribuível aos: Reservas de lucros Ajustes de Lucros Acionistas controladores – – Capital Reserva Reserva Lucros avaliação (prejuízos) – – Acionistas não controladores Total Resultado abrangente total social de capital legal retidos patrimonial acumulados (30) – – – – – – – – Saldos em 31 de dezembro de 2011 Demonstrações dos Fluxos de Caixa - Método Indireto Constituição do capital - 20.09.2012 75.269 – – – – – 75.269 2012 2011 Prejuízo do exercício – – – – – (30) (30) Fluxo de caixa das atividades operacionais Diluição de minoritários no capital da controlada – – – – – – – Lucro líquido/(prejuízo) do exercício (30) – Absorção de prejuízo do exercício com reserva de lucros – – – – – – – Ajustes para conciliar o lucro líquido às disponibilidades Ajustes acumulados de conversão – – – – – – – aplicadas nas atividades operacionais: Saldos em 31 de dezembro de 2012 75.269 – – – – (30) 75.239 Depreciação e amortização 30 – Demonstrações do Valor Adicionado Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras Baixa do ativo imobilizado – – 1. Contexto Operacional: Tropical Empreendimentos e Participações Ltda. 2012 2011 Imposto de renda diferido – – é uma empresa Limitada, constituída em 20 de setembro de 2012 com sede Receitas – – Resultado de equivalência patrimonial – – na Avenida Magalhães de Castro, 4.800, 11º andar, sala 4, cidade de São Vendas líquidas de produtos – – Ajuste a valor justo de mercadorias a entregar – – Paulo - SP, as empresas tem por objetivo o cultivo de soja, milho, algodão e Outras receitas – – – – Resultado na venda de ativo imobilizado outros cereais; produção de sementes certificadas, produção de semente, Insumos adquiridos de terceiros – – – – mudas e outras formas de propagação vegetal certificadas; serviços de pre- Custos dos produtos vendidos – – Variações nos ativos e passivos paração de terreno, cultivo e colheita; fabricação de fertilizantes; comércio Variação no valor justo de ativo biológico – – Estoques e adiantamento a produtor – – nos mercado interno e externo (importação e exportação) de produtos agrí- Materiais, energia, serviços de terceiros e outros – – Instrumentos financeiros – – – – colas, especialmente grãos vegetais e seus derivados, de fertilizantes, suas Valor adicionado bruto Ativo biológico – – (30) – matérias-primas e seus subprodutos, além de defensivos agrícolas; explora- Depreciação e amortização Contas a receber – – (30) – ção de serviços auxiliares aos transportes aquaviários; serviços auxiliares ao Valor adicionado líquido produzido pela companhia Outros créditos – – – – transporte rodoviário de cargas em geral; serviços auxiliares ao transporte Valor adicionado recebido em transferência Partes relacionadas – – – – de cargas em geral (logística de transporte ou agente de transportadoras); Resultado de equivalência patrimonial Mercadorias a entregar – – – – agenciamento marítimo e operador portuário; serviços de depósito e padro- Outras Fornecedores – – (30) – nização; logística de depósito; consultoria de transportes em geral; constituir, Valor adicionado total a distribuir – – Outras contas a pagar (30) – participar ou investir, sob qualquer modalidade, em outras sociedades, em- Distribuição do valor adicionado – – Caixa aplicado nas atividades operacionais – – preendimentos ou entidades, cujos objetos sociais sejam direta ou indireta- Pessoal Juros pagos – – – – Fluxo de caixa líq. aplicado nas atividades operacionais mente vinculados aos setores agropecuário e industrial; industrialização e Impostos, taxas e contribuições – – – – Fluxo de caixa de atividades de investimento beneficiamento, por conta própria ou de terceiros, de produtos agrícolas e Remuneração de capitais de terceiros Juros – – Aumento de investimentos e participações seus subprodutos, de fertilizantes e seus derivados, de matérias-primas em – – Aluguéis – – Aquisição de imobilizado geral e de defensivos agrícolas; celebração de contratos de arrendamento ou – – (30) – Aquisição de intangível parceria rural; e administração de bens próprios. 2. Base de Preparação: Remuneração de capitais próprios – – Lucros retidos (30) – Fluxo de caixa aplicado nas atividades de investimentos a. Declaração de conformidade com as normas do Comitê de Pronun– – Participação dos não controladores nos lucros retidos – – Fluxo de caixa de decorrente das ativ. de financiamento ciamentos Contábeis - CPC: As presentes demonstrações financeiras incluem as demonstrações financeiras individuais da controladora preparadas quando necessário. • Depreciação: Itens do ativo imobilizado são deprecia- Aporte de capital de acionistas – – de acordo com o BR GAAP (“BR GAAP” - Brazilian Generally Accepted Ac- dos pelo método linear no resultado do exercício baseado na vida útil-econô- Mercadorias a entregar – – counting Principles). A emissão das demonstrações financeiras individuais mica estimada. Terrenos não são depreciados. Itens do ativo imobilizado são Perda de capital de não controladores – – foi autorizada pela Diretoria em 28 de março de 2013. b. Base de mensura- depreciados a partir da data em que são instalados e estão disponíveis para Empréstimos e financiamentos tomados e pagtos. – – ção: As demonstrações financeiras individuais foram preparadas com base uso, ou em caso de ativos construídos internamente, do dia em que a cons- Caixa proveniente das atividades de financiamentos – – no custo histórico com exceção dos seguintes itens materiais reconhecidos trução é finalizada e o ativo está disponível para utilização. As vidas úteis – – aumento (redução) do caixa e equivalentes de caixa nos balanços patrimoniais: c. Moeda funcional e moeda de apresentação: estimadas das aquisições de itens novos para o exercício corrente e o perío- Demonstr. da (red.) aumento do caixa e equiv. de caixa Essas demonstrações financeiras individuais são apresentadas em Reais, do comparativo são as seguintes: • Pastagens - 10 anos; • Obras e Instala- Caixa e equivalentes de caixa no início do exercício – – que é a moeda funcional da Companhia. Todas as informações financeiras ções - 10 anos. Os métodos de depreciação, as vidas úteis e os valores resi- Caixa e equivalentes de caixa no final do exercício – – são apresentadas em milhares de Reais, exceto quando indicado de outra duais são revistos a cada encerramento de exercício financeiro onde ajustes Aumento (redução) do caixa e equivalentes de caixa – – forma. d. Uso de estimativas e julgamentos: A preparação das demonstra- são reconhecidos como mudança de estimativas contábeis, caso haja indicações financeiras de acordo com as normas do CPC exige que a Administra- dores que demonstrem essa necessidade do ajuste. b. Redução ao valor entrará em processo de falência, ou o desaparecimento de um mercado ativo ção faça julgamentos, estimativas e premissas que afetam a aplicação de recuperável - Impairment: i. Ativos financeiros (incluindo recebíveis): para um título. Além disso, para um instrumento patrimonial, um declínio sigpolíticas contábeis e os valores reportados de ativos, passivos, receitas e Um ativo financeiro não mensurado pelo valor justo por meio do resultado é nificativo ou prolongado em seu valor justo abaixo do seu custo é evidência despesas. Os resultados reais podem divergir dessas estimativas. Estimati- avaliado a cada data de apresentação para apurar se há evidência objetiva objetiva de perda por redução ao valor recuperável. Ao avaliar a perda de vas e premissas são revistas de uma maneira contínua. Revisões com rela- de que tenha ocorrido perda no seu valor recuperável. Um ativo tem perda no valor recuperável de forma coletiva a Companhia e suas controladas utilizam ção a estimativas contábeis são reconhecidas no período em que as estima- seu valor recuperável se uma evidência objetiva indica que um evento de tendências históricas da probabilidade de inadimplência, do prazo de recutivas são revisadas e em quaisquer períodos futuros afetados. 3. Principais perda ocorreu após o reconhecimento inicial do ativo, e que aquele evento de peração e dos valores de perda incorridos, ajustados para refletir o julgamenPolíticas Contábeis: As políticas contábeis descritas em detalhes abaixo perda teve um efeito negativo nos fluxos de caixa futuros projetados que to da Administração quanto às premissas se as condições econômicas e de têm sido aplicadas de maneira consistente a todos os exercícios apresenta- podem ser estimados de uma maneira confiável. A evidência objetiva de que crédito atuais são tais que as perdas reais provavelmente serão maiores ou dos nessas demonstrações financeiras individuais. a. Imobilizado: • Reco- os ativos financeiros perderam valor pode incluir o não pagamento ou atraso menores que as sugeridas pelas tendências históricas. nhecimento e mensuração: Itens do imobilizado são mensurados pelo no pagamento por parte do devedor, a reestruturação do valor devido ao A Diretoria custo histórico de aquisição ou construção, deduzido de depreciação acumu- grupo sobre condições de que a Companhia e suas controladas não consiMarcelo Monteiro - Contador CRC 1SP218864/O-0 lada e perdas acumuladas de redução ao valor recuperável (impairment), derariam em outras transações, indicações de que o devedor ou emissor

Corredor Logística e Infraestrutura S/A CNPJ nº 15.114.494/0001-02 Demonstrações Financeiras - Exercícios Findos em 31 de Dezembro de 2012 e 2011 Balanços Patrimoniais 2012 2011 Passivo 2012 2011 10.050 50 Circulante – – 50 50 Fornecedores – – – – Empréstimos e financiamentos – – – – – – Partes relacionadas – – – – Outras contas a pagar – – 10.000 – – – – – Não circulante 34.392 – Empréstimos e financiamentos – – – – Patrimônio líquido 44.442 50 – – Capital social 44.442 50 – – Lucros acumulados – – – – – – Reserva legal – – 4.199 – Ajuste avaliação patrimonial – – 30.193 – 44.442 50 44.442 50 Total passivo e patrimônio líquido

Ativo Circulante Caixa e equivalentes de caixa Instrumentos financeiros derivativos Valores a receber Estoques Adiantamentos a fornecedores Partes relacionadas Outros créditos Não circulante

ATENTO BRASIL S.A. CNPJ/MF nº 02.879.250/0001-79 - NIRE 35.300.172.884 ATA DA ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA REALIZADA EM 30 DE ABRIL DE 2013 1. Data, Hora e Local da Assembleia: Realizada aos 30 de abril de 2013, às 10h00, na sede social da empresa, estabelecida na Avenida das Nações Unidas, 14.171, 4º andar, Torre Ebony, Vila Gertrudes, São Paulo/SP. 2. Convocação: Dispensada a publicação de Editais de Convocação, conforme o disposto no artigo 124, §4º da Lei nº 6.404, de 15.12.76, em decorrência de estarem presentes os acionistas representando a totalidade do capital social. 3. Mesa: Abertos os trabalhos pela Sra. Maria Cristina Cescon e secretariados por Luciana Maria Lopes Kapitaniec. 4. Ordem do Dia: (i) Aprovação das Demonstrações Financeiras de 31 de Dezembro de 2012; (ii) Deliberar acerca da destinação do resultado do Exercício Social de 2012; (iii) Deliberar a respeito da permanência do resultado em conta de reserva lucros e prejuízos acumulados. 5. Deliberações Tomadas por Unanimidade de Votos: Instalada a Assembleia e feita a leitura da Ordem do Dia, os acionistas deliberaram: (i) Apresentadas as Demonstrações Financeiras (Balanço Patrimonial, Demonstrações de Resultado e Notas Explicativas) correspondentes ao Exercício Social do ano 2012 (encerrado no dia 31 de dezembro desse ano), publicados aos 28 de março de 2013, no Diário Oficial Empresarial, na página 289 e no Diário do Comércio, na página 39. Não tendo sido requeridos outros esclarecimentos, os acionistas deliberaram aprovar as referidas Demonstrações Financeiras, permanecendo cópias dos documentos aprovados e arquivados na sede social. (ii) Com relação ao resultado do exercício social no valor de R$124.288.626,40, os acionistas deliberaram que do referido valor não serão distribuídos os dividendos mínimos obrigatórios, conforme faculdade prevista no artigo 202, §3º, II da Lei nº 6.404/76. (iii) Deliberaram também os acionistas, unanimemente, que o resultado do exercício mencionado no item (ii) acima permanecerá em conta de lucros e prejuízos acumulados, para absorção do prejuízo acumulado no exercício social de 2012, conforme faculdade prevista no artigo 189, caput, da Lei nº 6.404/76. 6. Encerramento: Nada mais havendo a ser tratado, os Acionistas encerraram a reunião, da qual se lavrou a presente ata que, lida e achada conforme, foi por todos aprovada e assinada. Mesa: Maria Cristina Cescon - Presidente; Luciana Maria Lopes Kapitaniec - Secretária. Acionistas Presentes: Atento Spain Holdco 4, S.A.U. (atual denominação da BC Spain Holdco 4, S.A.U., representada por Maria Cristina Cescon); e Atento Luxco 1 (atual denominação da BC Luxco 1, representada por Maria Cristina Cescon). Confere com o original, lavrada em livro próprio. Luciana Maria Lopes Kapitaniec - OAB/SP 168.364 - Secretária. JUCESP nº 239.069/13-4 em 27.06.2013. Gisela Simiema Ceschin - Secretária Geral.

FALÊNCIA, RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL E RECUPERAÇÃO JUDICIAL Conforme informação da Distribuição Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, foram ajuizados no dia 08 de agosto de 2013, na Comarca da Capital, os seguintes pedidos de falência, recuperação extrajudicial e recuperação judicial: Requerente: DTC Trading Company Ltda. Requerido: Laselva Comércio de Livros e Artigos de Conveniência Ltda. Rua Gomes de Carvalho, 1.467 – Vila Olímpia - 2ª Vara de Falências. Requerente: Sérgio Pollini Neto. Requerido: Nakar Serviços de Manutenção e Apoio Empresarial. Avenida Parada Pinto, 3.240 – Bloco 5 - Apartamento 56 – Vila Nova Cachoeirinha - 2ª Vara de Falências Recuperação Judicial Requerente: GCI Confecção de Produtos Têxteis Ltda. Requerido: GCI Confecção de Produtos Têxteis Ltda. Rua Camacam, 151 – Vila Anastácio - 2ª Vara de Falências.

Contas a receber Partes relacionadas Investimentos Imobilizado Bens intangíveis Total do ativo

Demonstrações das Mutações do Patrimônio Líquido Atribuível aos Controladores Reservas de lucros Ajustes de Lucros Capital social Reserva legal avaliação patrimonial (prejuízos) acumulados Total – – – – – 50 – – – 50 – – – – – – – – – – 50 – – – 50 – – – – – 44.392 – – – 44.392 – – – – – – – – – –

Lucro líquido do exercício Aumento de capital Constituição de reserva legal Retenção de lucros Saldos em 31 de dezembro de 2011 Prejuízo do exercício Aumento de capital Constituição de reserva legal Distribuição de dividendos Absorção de prejuízo do exercício com reserva de lucros – Ajustes acumulados de conversão – – Ajustes acumulados de conversão 44.442 Saldos em 31 de dezembro de 2012 Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras 1. Contexto Operacional: A Corredor Logística e Infraestrutura S/A foi constituída em 21 de outubro de 2011 e sediada em São Paulo - SP, dedicando-se à exploração de serviços auxiliares aos transportes aquaviários; serviços auxiliares ao transporte rodoviário de cargas em geral; serviços auxiliares ao transporte de cargas em geral (logística de transporte ou agente de transportadoras); agenciamento marítimo e operador portuário, serviços de depósito; logística de depósito, consultoria de transporte em geral, polo de transbordo rodoviário e ferroviário, armazenamento de cereais e correlatos, secagem pré-limpeza, pesagem e análise e classificação de grãos; constituir ou participar, sob qualquer modalidade de outras sociedades, consórcios ou entidades, cujos objetos sociais sejam direta ou indiretamente, vinculados acessórios ou instrumentais ao objeto da sociedade; e administração de bens próprios. A atividade da Companhia é garantida e quando necessária financiada pelos acionistas. Para a Companhia cumprir com seus compromissos de curto prazo os acionistas, se necessário, preveem efetuar aporte de capital. 2. Base de Preparação: a. Declaração de conformidade (com relação às normas IFRS e às normas do Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC): As presentes demonstrações financeiras incluem as demonstrações financeiras individuais da controladora preparadas de acordo com o BR GAAP (“BR GAAP” - Brazilian Generally Accepted Accounting Principles). A emissão das demonstrações financeiras individuais e consolidadas foi autorizada pela Diretoria em 28 de março de 2013. b. Base de mensuração: As demonstrações financeiras individuais foram preparadas com base no custo histórico. c. Moeda funcional e moeda de apresentação: Essas demonstrações financeiras individuais são apresentadas em Reais, que é a moeda funcional da Companhia. Todas as informações financeiras são apresentadas em milhares de Reais, exceto quando indicado de outra forma. d. Uso de estimativas e julgamentos: A preparação das demonstrações financeiras individuais de acordo com as normas IFRS e as normas do CPC exige que a Administração faça julgamentos, estimativas e premissas que afetam a aplicação de políticas contábeis e os valores reportados de ativos, passivos, receitas e despesas. Os resultados reais podem divergir dessas estimativas. Estimativas e premissas são revistas de uma maneira contínua. Revisões com relação a estimativas contábeis são reconhecidas no período em que as estimativas

– – – –

– – – – Demonstrações do Valor Adicionado

Receitas Vendas líquidas de produtos outras receitas Insumos adquiridos de terceiros custos dos produtos vendidos variação no valor justo de ativo biológico materiais, energia, serviços de terceiros e outros Valor adicionado bruto Depreciação e amortização Valor adicionado líquido produzido pela companhia Valor adicionado recebido em transferência Resultado de equivalência patrimonial Outras Valor adicionado total a distribuir Distribuição do valor adicionado Pessoal Impostos, taxas e contribuições Remuneração de capitais de terceiros Juros Aluguéis Remuneração de capitais próprios Lucros retidos Participação dos não controladores nos lucros retidos

Saldos em 31/12/2011 Lucro Liq. do Exerc. Reservas Saldos em 31/12/2012 Reserva de Lucros Saldos em 31/12/2011 Saldos em 31/12/2012 Receitas Produtos Industrializados Outras Receitas Operacionais Receitas Operacionais Brutas Impostos Incidentes Sobre Receitas Devoluções de Vendas Deduções de Receitas Operacionais Total de Contas de Resultados Ativas

Cap. Subiscrito 3.000.000,00 3.000.000,00

40.974.836,11 C 1.226.656,82 C 42.201.492,93 C 6.000.447,27 D 989.864,64 D 6 990.311,91 D 35.211.181,02 C

Reserva de Lucros 5.353.653,45 5.374.703,43 Legal 658.777,85 658.777,85

(=) Receita Líquida Operacional (=) Lucro Bruto Custos de Insumos Aplicados Custo da Mao De Obra Aplicada Outros Custos Industriais Custo dos Produtos Vendidos Mão de Obra Administrativas

Lucros Acum. 3.538.279,20 21.049,98 3.538.279,20 Lucros a Realizar 4.694.875,60 4.694.875,60

28.079.982,33 C 7.236.627,73 C 7.236.627,73 C 204.347,97 C 372.306,84 C 137.198,23 C 45.116,93 C 6.449.613,77 C 28.043,99 C 8.930.371,97 C 72.917,27 C 72.917,27 C 8.857.454,70 C 8.857.454,70 C 11.912.982,63 C 3.000.000,00 C 3.000.000,00 C 21.049,98 C 21.049,98 C 8.891.932,65 C 8.891.932,65 C 28.079.982,33C Total 8.353.653,45 3.538.279,20 21.049,98 11.912.982,63 Totais 5.353.653,45 5.353.653,45 35.211.181,02 C 35.211.181,02 C 10.723.829,10 D 1.241.112,63 D 13.015.679,05 D 24.980.620,78 D 1.060.394,43 D

– – – – – –

– – – – – –

2012 2011 Resultado do exercício – – Resultados abrangentes – – Ajuste acumulado de conversão – – Resultado abrangente total Resultado atribuível aos: Acionistas controladores – – – – Acionistas não controladores – – Resultado abrangente total Demonstrações dos Fluxos de Caixa - Método Indireto 2012 2011 Fluxo de caixa das atividades operacionais Lucro líquido/(prejuízo) do exercício – – Ajustes para conciliar o lucro líquido às disponibilidades aplicadas nas atividades operacionais: Depreciação e amortização – – Baixa do ativo imobilizado – – Imposto de renda diferido – – Resultado de equivalência patrimonial – – Ajuste a valor justo de mercadorias a entregar – – – – Resultado na venda de ativo imobilizado – – Variações nos ativos e passivos Estoques e adiantamento a produtor – – Instrumentos financeiros – – Ativo biológico – – Contas a receber – – Outros créditos – – Partes relacionadas – – Mercadorias a entregar – – Fornecedores – – – – Outras contas a pagar – – Caixa aplicado nas atividades operacionais – – Juros pagos Fluxo de caixa líquido aplicado nas atividades – – operacionais Fluxo de caixa de atividades de investimento Aumento de investimentos e participações – – Aquisição de imobilizado – – – – Aquisição de intangível – – Fluxo de caixa aplicado nas atividades de investimentos Fluxo de caixa de decorrente das atividades de financiamento Aporte de capital de acionistas – 50 Mercadorias a entregar – – Perda de capital de não controladores – – – – Empréstimos e financiamentos tomados e pgos. – 50 Caixa proveniente das atividades de financiamentos – 50 Aumento (redução) do caixa e equivalentes de caixa Demonstração da (redução) aumento do caixa e equivalentes de caixa Caixa e equivalentes de caixa no início do exercício 50 – 50 50 Caixa e equivalentes de caixa no final do exercício – 50 Aumento (redução) do caixa e equivalentes de caixa

Brooklyn Empreendimentos S.A.

CNPJ nº 96.221.767/0001-10 Demostrações ç Financeiras 28.079.982,33 D Passivo 23.878.358,04 D Passivo Circulante 13.515.579,93 D Débitos De Funcionamento 52.583,19 D Fornecedores 27.216,08 D Obrigações Tributárias 13.435.780,66 D Obrigações Trabalhistas 7.930.673,03 D Obrigações Previdenciárias 5.690.417,53 D Outros Débitos 2.240.255,50 D Fretes e Carretos A Pagar 2.432.105,08 D Passivo Não Circulante 2.427.526,80 D Débitos Com Terceiros 4.578,28 D Emprestimos E Financiamentos 4.201.624,29 D Tributos E Contribuições 2.952.048,54 D Tributos E Contribuições A Recolher 2.952.048,54 D 615.840,42 D Patrimônio Líquido Capital Integralizado 405.846,95 D Capital Social 71.893,47 D 138.100,00 D Reservas 633.735,33 D Reservas De Capital 1.580.451,18 D Reservas De Lucros 946.715,85 C Reservas De Lucros 28.079.982,33 D Total do Passivo e Patrimônio Líquido

2012 2011 – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

2012 2011 – – – – – – – – – – – –

são revisadas e em quaisquer períodos futuros afetados. 3. Principais Políticas Contábeis: As políticas contábeis descritas em detalhes abaixo têm sido aplicadas de maneira consistente a todos os exercícios apresentados nessas demonstrações financeiras individuais. a. Imobilizado: • Reconhecimento e mensuração: Itens do imobilizado são mensurados pelo custo histórico de aquisição ou construção, deduzido de depreciação acumulada e perdas acumuladas de redução ao valor recuperável (impairment), quando necessário. • Custos subsequentes: Gastos subsequentes são ca- arrendamento de 4 lotes do Terminal de Grãos do Maranhão - TEGRAM, pitalizados na medida em que seja provável que benefícios futuros associa- que é mensurado pelo custo de aquisição somados os valores empregados dos com os gastos serão auferidos pela Companhia e suas controladas. no consórcio do terminal. Gastos de manutenção e reparos recorrentes são registrados no resultado. A Diretoria b. Ativo intangível: Está reconhecido como ativo intangível a concessão do Contador - Marcelo Monteiro - CRC 1SP218864/O-0

Prema Tecnologia e Comércio S.A. Ativo Ativo Circulante Disponível Caixa Geral Bancos Conta Movimento Aplicações Financeiras Realizável A Curto Prazo Clientes Créditos por Estoque Créditos por Adiantamentos Adiantamentos A Fornecedores Impostos A Recuperar Ativo Não Circulante Créditos Por Emprestimos Emprestimos Outros Créditos Consorcios Créditos Depósito Judicial Credito Judicial Imobilizado Imobilizado Depreciações Acumuladas Total do Ativo

– – – – – – – 44.442

Demonstrações de Resultados Receita operacional Custos dos produtos vendidos Lucro bruto Despesas gerais e administrativas Outras (despesas) e receitas não operacionais Equivalência patrimonial Resultado antes das receitas e (despesas) financeiras líquidas Financeiras líquidas Variação cambial líquida Resultado financeiro líquido Imposto de renda e contribuição social diferidos Lucro (prejuízo) líquido do exercício Demonstrações de Resultados Abrangentes

Das Atividades Op.: (+) Lucro Líquido do Exercício 3.538.279,20 (+) Depreciação 1.230.030,53 (=) Lucro Líquido Ajustado 4.768.309,73 (Acréscimo)/Decréscimo do Ativo Circulante + RLP Clientes ( 5.690.417,53) Estoques de mercadorias ( 2.240.255,50) Adiantamento a Terceiros ( 2.427.526,80) (=) Total(Acréscimo)/Decrés. do Ativo Circulante + RLP(10.358.199,83) Fornecedores 204.347,97 Contas a Pagar 15.962.651,73 Provisão de IRPJ/CSLL 0,00 (=) Total Acréscimo/(Decréscimo) do Passivo Circ.+ELP 16.166.999,70 Total das Atividades Operacionais 10.577.109,60 Aquisição de Imobilizado ( 628.017,23) Total das Ativ. de Investimentos ( 628.017,23) Aquisição de Empréstimos Bancários 72.917,27 Aumento de Capital 21.049,98 Total das Atividades de Financiamentos 93.967,25 (1+2+3) Aum. Líquido de Caixa e Equiv. de Caixa 10.043.059,62 Outras Depesas Administrativas Despesas Administrativas Despesas de Vendas Despesas de Comercialização Despesas Fianceiras Despesas Financeiras Impostos Taxas e Contribuições Despesas Tributárias Despesas não Operacionais Resultados não Operacionais Total de Contas de Resultados Passivas (=) Lucro Operacional (=) Lucro Antes dos Imp., Particip. e Contribuições (=) Total do Lucro do Período:

806.853,27 D 1.867.247,70 D 191.341,52 D 191.341,52 D 25.271,86 C 25.271,86 D 4.589.334,14 C 4.589.334,14 D 19.085,82 C 19.085,82 D 31.672.901,82 D 3.538.279,20 C 3.538.279,20 C 3.538.279,20 C

CNPJ nº 61.364.022/0001-25 - NIRE 35300028694 Ata da Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária, realizada em 20/05/2013 Sumário dos fatos: art. 130 - par. 1º da Lei nº 6.404/76. Local, horário e data: sede social - às 10:30 hs - 20/05/2013. “Quorum”: 83,51%. Mesa: Presidente - Paulo Pompéia Gavião Gonzaga; Secretário - José Roberto Martinez de Camargo. Publicações: a) Documentos do art. 133 da lei nº 6.404/76 - Diário Oficial do Estado e Diário do Comércio, dia 28/03/2013. b) Convocação: Diário Oficial do Estado e Diário do Comércio, dias 10, 13 e 14/05/2013. Deliberações: I - Aprovadas as demonstrações financeiras referentes ao exercício social de 2012, julgando-se corretas as contas dos administradores. Não havendo outros assuntos a Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária foi finalizada, e com a aprovação da totalidade dos votos dos acionistas presentes, a presente Ata segue assinada. SP, 20/05/2013. a) Paulo Pompéia Gavião Gonzaga - Presidente da Mesa; José Roberto Martinez de Camargo - Secretário; Paulo Pompéia Gavião Gonzaga - Acionista. Jucesp sob o nº 263.879/13-6 em 16/07/2013.

Zurich Brasil Clube de Seguros CNPJ nº 18.221.101/0001-58 Edital de Convocação - Assembléia Geral Ordinária Ficam os associados da Zurich Brasil Clube de Seguros (a “Entidade”), convocados a se reunirem em Assembléia Geral Ordinária que será realizada no dia 20 de agosto de 2013, com início às 8h00min, na sede social da Entidade, localizada no Estado de São Paulo, na Rua Dr. Geraldo Campos Moreira, 240-7º andar, Brooklin Novo, CEP 04571-020, em primeira chamada e, não havendo número legal, em segunda chamada, às 8h30min, de acordo com o artigo 21 do Estatuto Social, para deliberarem sobre a seguinte ordem do dia: (i) Aprovação das contas referentes ao exercício social findo em 31 de dezembro de 2012; (ii) Eleição dos membros do Conselho Diretor; e (iii) Eleição dos membros do Conselho Fiscal; Encontram-se à disposição dos associados, na sede social da Entidade, cópias dos documentos referentes às matérias a serem deliberadas na Assembléia Geral Ordinária ora convocada. São Paulo, 06 de agosto de 2013. Luiz Fernando Barsotti-Diretor Presidente. (07,08 e 09/8/2013)

Krhtel Group Empreendimentos p e Participações Ltda.

CNPJ/MF nº 10.982.381/0001-05 Edital de Convocação para Assembléia Extraordinária de Quotista Os sócios administradores da Krhtel Group Empreendimentos e Participaçoes Ltda., empresa nacional inscrita no CNPJ/MF sob o nº 10.982.381/0001-05, com sede na Alameda Rio Negro, nº 1.105, 7º Andar, conjunto 72, em Barueri, Estado de São Paulo, de conformidade com a legislação vigente e o contrato social da empresa, convocam todos os sócios para participar da Assembleia Geral Extraordinária que terá a seguinte pauta/ordem do dia para discussão, votação e deliberação: Forma de distribuição de lucros, conforme parágrafo 1º, da cláusula 7ª do Contrato Social. Esta citada Assembléia será realizada em única chamada às 10hs00min do dia 21 de agosto de 2013, na sede da empresa Krhtel Group Empreendimentos e Participações Ltda., qual seja, na Alameda Rio Negro, nº 1.105, 7º. Andar, conjunto 72, em Barueri, Estado de São Paulo, desde que tenha a presença dos sócios que representam a maioria do capital social. Barueri, 07 de agosto de 2013. Administrador Demetre Georges Markakis. COMUNICADO DE EXTRAVIO A empresa ADVENTURE SPORTS INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA., inscrita no CNPJ sob o nº 03.709.604/0001-08 e INSCRIÇÃO ESTADUAL nº 115.568.523.118, comunica o extravio dos formulários contínuos da N.F.F. modelo 1A do nº 7273 a 7500 - da AIDF (SP) nº 147223395105-12/05.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

22

e

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

No Brasil, a tevê a cabo tem 17 milhões de assinantes, o que corresponde a um público impactado de 55 milhões de brasileiros, em 30% dos lares.

conomia

Reprodução

DÚVIDA: o que Bezos quer? fim? Bezos garante que não e deixa claro que precisa de conteúdo. Ele está absolutamente certo. Sem conteúdo, outras mídias, inclusive as digitais, como os e-books que hoje dominam as vendas da Amazon, não têm o que oferecer. E conteúdo, todos sabemos, precisa de credibilidade para conquistar o público, ainda que alguns abusem da paciência e da confiança de seus leitores. Conteúdo, aliás, é o drama que enfrentam hoje as empresas que ofertam televisão por assinatura em todo o

leira das Televisões por Assinatura (ABTA). Para o presidente da Associação Brasileira de Agências de Publicidade (Abap) e do Grupo Publicis, Orlando Marques, o cenário deve se alterar com esses canais disputando a verba que hoje segue para as revistas. Então deixaremos de falar do fim dos jornais e passaremos a falar do fim das revistas? Em comunicação, tudo é muito relativo. O fato, porém, é que as televisões por assinatura perceberam que precisam fisgar o público com entretenimento focado, o mes-

PELÉ E SANDUBA

mo que tem garantido a sobrevivência das revistas: ou seja, segmentado. O telespectador liga o canal para ver apenas o que gosta, assim como na banca de jornal compra a revista que trata do tema que deseja. Assim, a publicidade, também focada, passa a buscar esse público. E como editoras de revistas, a exemplo da Abril, começam a descontinuar publicações, as emissoras de televisão por assinatura têm aí um mercado a ser explorado. A decisão de Bezos não deixa de ser alento para produtores de conteúdo. As novas disputas vão se dar em diferentes plataformas, e há público para todos. O que algumas editoras despendem de recursos com consultorias vendendo soluções mágicas e economistas, fórmulas prontas de que todo investidor aposta quando se realizam cortes e reestruturações, é que embaça completamente o cenário. Afinal, o conteúdo nunca sairá de cena, apenas mudará de plataformas, e o público hoje, esse consumidor ávido por informação, é menos afeito a usar cabresto. Quem compra informação pronta sem questionamento hoje felizmente é uma minoria. É a dura lição que alguns veículos ainda terão de aprender, especialmente aqueles que insistem em desconhecer a classe C e acham que têm de falar apenas com o andar de cima. Quanto mais alto o público que miram, de poder e dinheiro, maior será o tombo desses veículos e de seus arrogantes jornalistas, que se acham donos da verdade, pronta e embalada para consumo.

Fotos: Divulgação

mundo. No Brasil, somam 17 milhões de assinantes, o que, segundo especialistas, corresponde a um público impactado de 55 milhões de brasileiros, em 30% dos lares. Em dez anos, o crescimento foi movido pelo ingresso da classe C no mercado. Só que, se o público cresceu numa ponta, a publicidade ainda é pequena na outra. Essa foi uma das conclusões a que chegaram debatedores que esta semana participaram, em São Paulo, da Feira e Congresso da Associação Brasi-

FERNANDA Montenegro: histórias.

O

s atores Fernanda Montenegro, Klara Castanho e Marcelo Serrado estrelam os filmes da primeira fase da campanha do Criança Esperança 2013. Eles vão contar histórias reais de gente que deu uma guinada na vida por força dos projetos apoiados pela Globo em parceria com a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura). Criada pela CGCOM, a estratégia segue o conceito “É a esperança que nos une”.

CARROCEIRA RICA

A

compra do The Washington Post por Jeff Bezos, o todo poderoso comandante da Amazon, por US$ 250 milhões, despertou entre os impressos de todo o mundo otimismo. Afinal, o que Bezos quer com o produto? Ainda que o jornal fundado em 1877 e responsável por desvendar o caso Watergate – que levou à renúncia Richard Nixon em 1974 – tenha tiragem diária de 480 mil exemplares, que chega a 840 mil aos domingos, os jornais não estão no

ESPERANÇA

O FIM OU O COMEÇO?

NARCISA e Ceará, catadores.

PELÉ, embaixador.

A

rede de lanchonetes Subway escalou Pelé como seu mais novo embaixador. O atleta do século 20 aparecerá em campanhas da marca juntado-se ao famoso time de "Famous Fans" da rede, que tem entre outros Michael Phelps (natação), Apolo Ohno (patinação de velocidade), Nastia Liukin (ginástica artística) e Ryan Howard (beisebol).

FAZER DIFERENÇA

E

m campanha assinada pela Africa, de Nizan Guanaes, o Itaú reforça o conceito #issomudaomundo, no qual são divulgados os projetos de educação, incentivo à cultura e mobilidade urbana. O comercial traz cenas das iniciativas apoiadas pelo Itaú e uma nova versão da canção "Change The World", desta vez interpretada por um coral de crianças. Além do filme de TV, a plataforma de comunicação contará com vinhetas, anúncios de mídia impressa e web e ações nas redes sociais. Tudo no pedal das bicicletas. Pedalar faz bem.

O

Guaraná Antarctica, da AmBev, decidiu comemorar o sucesso do lançamento da primeira garrafa 100% reciclada do Brasil, feita totalmente com outras PETs, de forma divertida e inusitada. Pediu ao programa “Pânico na Band” para convocar uma celebridade para ser carroceira por um dia, ajudando no trabalho das cooperativas e catadores de lixo. Para mostrar que todos devem se mobilizar pela causa, o “Pânico” foi atrás da socialite Narcisa Tamborindeguy e a convenceu a assumir a Carroça da Reciclagem. Ao lado dos apresentadores Carioca e Ceará, a socialite puxou a carroça pelas ruas de São Paulo coletando todo o tipo de garrafa PET. O resultado virou hit, é claro.

ITAÚ, sempre no pedal das bicicletas. Envie informações para esta coluna. E-mail: carlosfranco@revistapublicitta. com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 9 de agosto de 2013 Nº 476

DCARR NOVO FUSION HYBRID

23 Campeão de vendas da Chevrolet nos anos 80, o Monza deve voltar ao mercado na Europa. Um novo conceito do carro será apresentado no Salão de Frankfurt (12 a 22 de setembro) pela Opel, marca da GM do continente.

MEGANE R.S. Fotos: Divulgação

Se dirigir certo, ganha um jardim. Tela no painel mostra área verde crescendo quando você não abusa do acelerador

Torça para a Renault importar

U

ma pequena tela colorida, no lado direito do painel do novo Ford Fusion Hybrid, parece um pedaço de terra para se formar um jardim. Mas vai depender do motorista se ele vai nascer ou não. Só do motorista porque o carro estará pronto para fazer a parte dele. E vale a pena caprichar no dirigir porque o que aparecer na tela vai provar se o condutor se preocupou com a sustentabilidade e o meio ambiente. As folhas vão surgindo a cada recuperação da energia liberada pela bateria. E en-

cançar 100 km/h apenas com o motor elétrico. Uma velocidade cruzeiro boa, sem nenhum ruído de motor. Silêncio total – se numa boa estrada (pedagiada, claro!). O freio regenerativo é capaz de recuperar até 95% da energia perdida no rodar. No teste realizado na região de Itu, conseguimos alcançar 85%. Isso graças ao "professor" instalado no painel do carro, que indica a forma mais econômica e regenerativa de dirigir. Nele surgem orientações para que a autonomia do Fusion seja a maior possível. E é uma graça ver as f o l h a s s u rgindo da base da tela, formando o jardim. Isto, somado ao c o n f o r t o i nQuanto mais cuidado, mais o jardim cresce. terno, invejável, do carro, cher a tela de verde vira transmite enorme prazer q u a s e u m a o b s e s s ã o . em conduzi-lo, com a seguAlém do jardim, dirigindo rança dos itens de dirigibicerto será possível atingir lidade, freios ABS e oito airo melhor consumo entre os bags. E ainda ajuda o motoveículos brasileiros – de to- rista a estacionar. O piloto das as categorias – segun- automático permite seguir do o Inmetro/Conpet: 16,8 a velocidade do tráfego, km/l na cidade e 16,9 km/l mantendo a distância do na estrada. Um número veículo da frente escolhida significativo para um carro pelo motorista. A Ford adotou uma políticomo o Fusion, sedã de p o r t e g r a n d e , q u e p e s a ca de preço que entrega o novo Fusion Hybrido por duas toneladas. O segredo? O Fusion é R$ 9 mil a menos que o anum carro híbrido de última terior, R$ 124.900 e, pelo geração, mais econômico que oferece, tem custo-bee c o m m a i s a u t o n o m i a nefício melhor que a con(perto dos 1.000 km) que o corrência. O Toyota Prius, anterior graças à nova ba- c u s t a R $ 1 2 0 . 8 3 0 e n ã o teria de íons de lítio, 23 qui- tem todos os itens do Ford. los mais leve. Ela alimenta O Lexus CT200H, R$ 149 o motor elétrico que, junto m i l , t a m b é m n ã o é t ã o ao movido a gasolina At- completo quanto o Fusion. chicolelis kinson, somam 190 cv. O motor elétrico sempre gera uma desconfiança no que se ref e r e a p e rformance e a ut o no m ia . O Fusion Hybrid refuta i s t o a o a l-

A francesa ainda não "fechou" a importação do Megane R.S., mas se ela o trouxer, os amantes de esportivos vão adorar. Tomara que sim.

CHICOLELIS

S

ão 265 cv, 36,7 Kgfm de torque entregues pelo motor 2.0 L Turbo, a gasolina, que faz o Megane R.S. atingir a máxima de 254 km/h e alcançar os 100 km/h em 6 segundos. O câmbio, manual, como preferem os "puristas", tem seis velocidades e todos os "apetrechos" de segurança, como o ESP (programa eletrônico de estabilidade); ASR, que controla derrapagens e o auxílio em frenagem de emergência. Mas, para quem gosta de fortes emoções, basta acionar o botão que os inibe. O "piloto" escolhe o nível de assistência eletrônica desejado. O ABS não é desligado. Desenvolvido pela Renault Sport Technologies, o braço esportivo da marca francesa, fabricado na Espanha, ele é apresentado em duas versões. A

Sport, na cor amarela, e a Cup, na preta, que basicamente se diferem em termos de desempenho em curvas pelas nas rodas e pneus. Enquanto o primeiro vem calçado com pneus Dunlop Sport aro 19", e se comporta melhor nas curvas, a Cup traz Michelin Pilot Sport, aro 18", que o coloca no segundo lugar do podium do modelo. O R.S. faz parte da família de esportivos na qual se destacam o Megane F1 Team R26, o

Megane R26 R – que foram apontados c o m o o s e sportivos do ano pela Imprensa francesa em 2007 e 2008 –, o Twingo R.S. e outros. É impossível não admirar as linhas do R.S., que carrega o DNA da esportividade, prometendo – e cumprindo – excelente desempenho no asfalto. Além dos para-lamas, que abrigam rodas 18" ou 19", o para-choque dianteiro integra a grade de entrada de ar com uma lâmina do tipo F-1. Na traseira, a saída única do escapamento chama a atenção pelo belo som que emite quando o acelerador é exigido a mostrar a que veio o carro.

Por dentro, tudo remete a esportividade, com uma alavanca de câmbio bem dimensionada e colocada. No modelo Sport o banco tem regulagem elétrica e no Cup, manual, mas são iguais no quesito ergonomia. O som é de primeira, com todas as modernidades. Apesar de mostrar o R.S., a Renault não confirma sua vinda, mas faz pesquisas sobre sua aceitação junto aos mais variados públicos, incluindo imprensa e seus revendedores. Entre as perguntas do trabalho, uma dica de que tudo está pronto para ele vir: Qual o preço que você daria ao carro? Um dos valores mencionados, provavelmente, será o aplicado: entre R$ 80 mil e R$ 100 mil. Um detalhe: a Renault brasileira não mais acentua o nome do carro. O Mégane virou Megane.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

24

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

tNova geração de hostels em São Paulo urismo

Foi-se o tempo dos albergues sem charme. Seguindo tendência mundial, a nova leva de hostels da cidade é moderna, sofisticada, confortável e sustentável. Fotos: Divulgação

Bee W: nos Jardins, fachada com o bar (à esq.), que serve bolinhos de mortadela. Acima, bicicletas com PET reciclada para locação. Quartos têm colchões de qualidade e camas com tomadas.

Antonella Salem

R

ua Haddock Lobo, 167. É neste endereço paulistano nos Jardins que fica o recém-inaugurado Bee W Hostel, um albergue feito para a nova geração de mochileiros. Moderno, confortável e sustentável. Diante da fachada já se vê o bar, aberto ao público e cujo carro-chefe são os “chupitos”, diversos tipos de drinques servidos em copinhos de shot. No cardápio de comidinhas, bolinho de mortadela, hambúrguer de cordeiro e churros – delícias que há tempos atrás ninguém imaginaria encontrar em um meio de hospedagem do gênero. Passando a porta de entrada da casa de 1930, no Na Vila Mariana, o We Hostel ocupa uma mansão clássica (à dir. e acima) que recebeu toques de design. Em Pinheiros, Guest House 607 (abaixo, à esq.) tem estilo retrô – dos quartos, com banheiro coletivo, à cozinha. experiência em hostels pelo mundo, possui quartos aconchegantes (um deles coletivo) cujos mínimos detalhes na decoração foram pensados para que o hóspede se sinta em casa. Todos têm banheiro coletivo, exceto a suíte master. Dos serviços, o restaurante é de cozinha brasileira contemporânea, há aluguel de bicicleta e reservas para shows. O Guest 607 promove, ainda, cursos de fotografia e jantares harmonizados. E quem quiser

levar uma lembrança para casa, há pequeno empório onde é possível comprar compotas e geleias elaboradas com as frutas colhidas ali, no pomar. Bee W Hostel: tel. (11) 43279222, www.beew.com.br. Diárias a partir de R$ 50 por pessoa. We Hostel: tel. (11) 2615-2262, wehostel.com.br. A partir de R$ 53 por pessoa. Guest 607: tel. (11) 2619-6007, guest607.com.br. A partir de R$ 60 por pessoa.

Divulgação

corredor, bicicletas para locação, feitas com PET reciclada, chamam a atenção. Os amigos Gustavo Dermendjian, Diego Mariz, Luciano Fanucchi e Gustavo Rondon viajaram o mundo de mochila e se hospedaram em um semfim de hostels antes de idealizar e montar o seu. “Tudo foi pensado para o conforto”, ressalta Fanucchi. Sete quartos temáticos (retrô, Índia, Amazônia, Sampa...), com grafites nas paredes, acomodam até 50 hóspedes. Entre eles, suíte para dois, um com banheiro compartilhado e os outros coletivos (sendo um exclusivamente feminino). Todos têm pia e colchões de qualidade e as camas possuem tomada e luz individual para leitura. Coisa de primeiro mundo. O projeto é do arquiteto Marcos Thomé, que priorizou, além do conforto, a filosofia de ser ecologicamente correto. Há uma cobertura verde na laje superior para a captação das águas pluviais. Entre outras ações “verdes”, iluminação eficiente, com baixo consumo

energético e sensores, o uso de torneiras com temporizadores, válvulas redutoras de pressão e bacias com duplo acionamento, visando à redução do consumo de água potável. No terraço da cobertura, o Bee W mantém uma horta com produtos orgânicos e o hóspede conta com cartõezinhos com orientações para aprender a colher o que vai consumir. A cozinha coletiva inclui churrasqueira e o terraço é repleto de espreguiçadeiras. Coincidência ou não, estacionado no ponto de táxi logo em frente, há um veículo híbrido a postos. Design e charme – São Paulo abriga outros poucos e bons hostels bacanas. Como o We, fincado em design. Na Vila Mariana, a mansão clássica preserva elementos do século passado e recebeu toques contemporâneos em um projeto do arquiteto Felipe Hess, que também trabalhou para minimizar o impacto na natureza. Instalação de aquecimento por energia solar, por exemplo. Na decoração retrô, objetos antigos garimpados na Praça Benedito Calixto e no bairro do Bixiga se misturam aos modernos. Na recepção, há um lustre feito com tubos fluorescentes suspensos no ar. Das acomodações para até 46 pessoas, figuram uma suíte e um quarto privativo (com banheiro coletivo), e há ótima área de convivência, entre lounge e sala de TV. Já em Pinheiros, o Guest House 607 tem o estilo descolado e retrô do bairro. Criado pela chef de cozinha e empresária Cássia Saldanha, com vasta

NO RIO – O Rio de Janeiro também coleciona hostels modernos. O mais novo, Contemporâneo Hostel (contemporaneohostel.com.br), fica em casarão de 1904 em Botafogo, repleto de elementos de design. Móveis, por exemplo, são de nomes famosos como Jader Almeida, Carlos Mota e Sergio Rodrigues. Na foto, container transformado em bar.


Diário do Comércio - 09/08/2013  

Ano 87 - Nº 23.932 - São Paulo, sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you