Issuu on Google+

NOVO BATALHÃO DE 32 RECRUTADO PELA INTERNET São Paulo, sábado, domingo e segunda-feira, 6, 7 e 8 julho de 2013

Dilma exige explicações de Tio Sam bisbilhoteiro A notícia de que os EUA espionam nossos telefonemas e transmissões de dados levou a presidente a mais uma reunião ministerial extraordinária. E ela distribuiu missões: Patriota (Relações Exteriores, foto abaixo) vai exigir explicações; Cardoso (Justiça) pode acionar a PF; e Bernardo (Comunicações), a Anatel. Pág. 5

www.dcomercio.com.br

Luiz Roberto Lima/Folhapress

Gritos por Morsi, no Cairo e em São Paulo.

Conclusão: 23h40

Ano 87 - Nº 23.909

Jornal do empreendedor

R$ 1,40

Parentes de heróis da Revolução Constitucionalista, como Camila Giudice (foto), usam as redes sociais para preservar a memória do movimento. Pág. 8

Islamitas egípcios querem presidente deposto de volta. Mesmo grito foi ouvido ontem no Paraíso (foto) em protesto de sírios, libaneses e palestinos. Pág. 10 J. Duran Machfee/Folhapress

Impostômetro bate em R$ 800 bilhões

Facesp: integrar para crescer. Seminários estimulam as 420 Associações Comerciais do Estado de São Paulo. Página 12

Marca chegou 5 dias antes da registrada em 2012. Pág. 23 Renato Silvestre/Folhapress

Amauri Nehn/Estadão Conteúdo

O drama do carrinho virtual abandonado Ilha de Heliópolis em chamas: três mortos.

Veja como lojistas do e-commerce lidam com aqueles internautas que iniciam, mas não concluem suas compras. Pág. 21

Nos EUA, proteção total aos animais artistas. É O SANTOS DOS MENINOS Um livro de 131 páginas regula tudo no set de filmagem, até como os insetos estão autorizados a picar. Pág. 13

Sem Muricy Ramalho, é a quarta vitória (2 a 0): agora, contra o Tricolor, que perde a primeira sem Ney Franco. Aconteceu no Morumbi: o menino goleador Giva (foto) e Cia. deram bom trato à bola, sem a sombra de Neymar. Já o São Paulo, nem com o craque Ganso em campo... Esporte. Págs. 15 e 16

Moradores dizem que um balão causou o incêndio na favela. Pelo menos 17 pessoas ficaram feridas e 860, desabrigadas. Pág. 9 ISSN 1679-2688

23909

Página 4

9 771679 268008


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

sábado, domingo e segunda-feira, 6, 7 e 8 de julho de 2013

Alguns "sinais vitais" da conjuntura preocupam, mas não temos nenhuma situação dramática. Delfim Netto

pinião

AINDA OS RUÍDOS Ed Ferreira/Estadão Conteúdo

H

á duas semanas o ministro da Fazenda, Guido Mantega, participou de uma audiência na Câmara dos Deputados onde se discutiu a política fiscal e a questão dos cortes de gastos nas despesas do governo. Ele colocou a sua posição, mostrando que o governo está empenhado na redução do déficit e que reconhece que alguns cortes já poderiam ter sido feitos. Para o ministro Mantega, a questão fiscal é o mais importante problema a ser resolvido pelo governo. Restou claro que um dos objetivos futuros é realizar uma política que em três, quatro ou cinco anos leve ao déficit nominal zero. Em meio às críticas da oposição parlamentar, ele lembrou que no exercício da política econômica o governo da presidente Dilma Rousseff tem enfrentado com sucesso alguns dos nossos mais sensíveis problemas estruturais. São os casos da Previdência do funcionalismo público; a desoneração das folhas de pagamento no setor privado e a limitação das despesas nos próximos três anos, por conta dos reajustes do funcionalismo público; e mais a diminuição das taxas reais de juros, bem como a redução das tarifas de energia elétrica, dentre outros.

É

preciso reconhecer que tem havido muito mais acertos do que erros na administração dos problemas econômicos, às vezes um aprendizado lento prejudicado por uma comuni-

DELFIM NETTO ros"? É verdade que, agora, alguns analistas mudaram de posição: não se trata mais da falta de recursos da empresa, mas do nível de seu endividamento (que eles mesmos financiaram!) que é a nova preocupação...

E O ministro Guido Mantega reconhece: dos problemas do País, o mais importante a ser resolvido pelo governo é a questão fiscal. cação defeituosa que gera um clima pouco amistoso e aumenta os ruídos no curto prazo. O que importa, no entanto, é que as soluções estão apontando na direção correta: as medidas vão maturar e num prazo de dois ou três anos seus efeitos sobre a produtividade da economia nacional serão sentidos. Alguns "sinais vitais" da conjuntura preocupam, mas

não temos nenhuma situação dramática: 1) a nossa dívida não é exagerada, apesar de ser uma das mais altas dentre os países emergentes; 2) a nossa taxa de inflação não está fora de controle, embora seja desconfortável; 3) o nosso déficit em conta corrente não é ainda uma preocupação, mas seguramente não é uma coisa sustentável. Além de incertezas do setor

privado e sugestões extravagantes sobre a política monetária, há ainda preocupações justificadas sobre o futuro da indústria nacional, dizimada por uma política cambial descuidada e pela falta de clareza da política para o setor. Tudo isso, entretanto, não justifica a afirmação de que parece ter diminuído o apetite do capital estrangeiro em participar nos grandes projetos

de desenvolvimento nacional. Há aqui, também, um evidente exagero por parte dos analistas do setor financeiro. Se não, como conciliar a dimensão dessas dúvidas com as recentes manifestações positivas do capital estrangeiro? Em primeiro lugar, como explicar o sucesso do financiamento obtido justamente pela Petrobras, que praticamente construiu uma "curva de ju-

ACORDO TRAZ GRANDE MUDANÇA E

nas cortes canônicas, é a denominada "falta de discrição de juízo", ou seja, uma imaturidade grave que impede aos nubentes coexistirem sob o mesmo teto, com o cumprimento das obrigações inerentes ao conúbio. Isto é nulidade para o direito canônico, mas não para o direito civil ou estatal. Pelo que se pode avaliar, a tendência é que a Justiça brasileira homologue qualquer casamento declarado nulo pela corte máxima da Igreja, o Tribunal da Assinatura Apostólica, localizado em Roma. casamento. Vale dizer: a Igreja e o Estado têm graves responsabilidades em tutelar os valores da família.

R

esta saber se a Justiça brasileira homologará apenas as sentenças em que a nulidade provier de causa relevante, tanto para o direito civil e para o direito canônico, ou de causa de nulidade exclusivamente canônica. Explico. Por exemplo, a coação irresistível, como

uma ameaça de morte, torna nulo o casamento tanto no aspecto cível quanto no canônico. Ora, se o noivo foi compelido a se casar sob o prenúncio de um mal terrível, infligido pelo pai da noiva, cuida-se de um casamento nulo.

O

utro exemplo diz respeito à idade. É nulo para a Igreja e para o Estado um casamento em que o noivo tiver 11 anos de vida (ou menos). Com efeito,

existem causas de nulidade exclusivamente canônicas, não referendadas pelo direito civil. Uma hipótese, bastante comum nos tribunais eclesiásticos, é a chamada "exclusão do bem da fidelidade". Um dos nubentes, ou ambos, foi sempre infiel, privando com outros parceiros sexuais desde o namoro. Este casamento é nulo para a Igreja. Outra possibilidade, uma das mais ocorrentes

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Cesário Ramalho da Silva Edy Luiz Kogut João Bico de Souza José Maria Chapina Alcazar Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Miguel Antonio de Moura Giacummo Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Renato Abucham Roberto Mateus Ordine Roberto Penteado de Camargo Ticoulat Sérgio Belleza Filho Walter Shindi Ilhoshi

ANTÔNIO DELFIM NETTO É PROFESSOR EMÉRITO DA FEA-USP, EX-MINISTRO DA FAZENDA, DA AGRICULTURA E DO PLANEJAMENTO CONTATODELFIMNETTO@TERRA.COM.BR

EDSON LUIZ SAMPEL

SOBRE NULIDADE DO CASAMENTO m junho último o Superior Tribunal de Justiça (STJ) convalidou uma sentença canônica de nulidade de casamento. O relator do processo, ministro Felix Fischer, estribou-se no artigo 12 do Acordo Brasil-Santa Sé. Com efeito, diz o parágrafo primeiro do artigo: “A homologação das sentenças eclesiásticas em matéria matrimonial, confirmadas por órgão de controle superior da Santa Sé, será efetuada nos termos da legislação brasileira sobre homologação de sentenças estrangeiras.” Penso que de agora em diante haverá muitos requerimentos de homologação de sentenças judiciais oriundas do poder judiciário da Igreja católica. Pelo pacto internacional celebrado com a Santa Sé, o Brasil se compromete a dar validade jurídica às decisões relativas a matrimônios, nada mais. A Igreja sempre reivindicou sua competência para estatuir as normas que digam respeito ao

m segundo lugar, como entender a resposta do mercado ao lançamento do Banco do Brasil? E, por último, como negar o sucesso da 11ª licitação de blocos exploratórios de petróleo e gás, feito pela Agência Nacional do Petróleo, que arrecadou quase R$ 3 bilhões em bônus de assinatura de 142 blocos numa área equivalente a 100 mil quilômetros quadrados, depois de cinco anos de espera?

É

, aliás, o que se depreende da leitura do resumo da primeira homologação deste tipo, postado no site do STJ. O relator coloca como premissas para a convalidação o fato de o casamento haver sido celebrado em conformidade com o direito civil, bem como a previsão do ato homologatório no acordo. Parece não haver nenhuma referência à causa de nulidade contemplada

simultaneamente pelo direito civil e pelo direito canônico. A grande novidade trazida pelo Acordo BrasilSanta Sé consiste em que os envolvidos nestes processos, após a devida homologação, passarão a ostentar o estado civil de solteiro, e não mais de divorciado. Isto é simplesmente revolucionário! Os tribunais eclesiásticos do Brasil estão repletos de pedidos de nulidade de matrimônio. Sabemos que grande parte dos brasileiros opta pelo casamento religioso (canônico) na Igreja católica. Perante a nossa legislação não há outro caminho para a declaração de nulidade de casamento, com o retorno ao estado civil de solteiro, a não ser pelo processo canônico, conforme as novas e perspectivas delineadas pelo acordo Brasil Santa-Sé. EDSON LUIZ SAMPEL É DOUTOR EM DIREITO CANÔNICO E PROFESSOR DA ESCOLA DOMINICANA DE

TEOLOGIA (EDT ).

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, Marcel Solimeo Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Editor-Chefe: José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br). Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br). Editores Seniores: chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), José Roberto Nassar (jnassar@dcomercio.com.br), Luciano de Carvalho Paço (luciano@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Marcus Lopes (mlopes@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br). Editor de Fotografia: Agliberto Lima. Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Heci Regina Candiani (hcandiani@dcomercio.com.br), Tsuli Narimatsu (tnarimatsu@dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br. Subeditores: Rejane Aguiar e Ricardo Osman. Redatores: Adriana David, Evelyn Schulke, Jaime Matos e Sandra Manfredini. Repórteres: André de Almeida, Karina Lignelli, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mariana Missiaggia, Mário Tonocchi, Paula Cunha, Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves e Sílvia Pimentel. Gerente Executiva e de Publicidade Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estadão Conteúdo, Folhapress, Efe e Reuters Impressão S.A. O Estado de S. Paulo. Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3180-3175. Fax 3180-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3180-3197, 3180-3983, Fax 3180-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3180-3544, 3180-3176 Esta publicação é impressa em papel certificado FSC®, garantia de manejo florestal responsável, pela S.A. O Estado de S. Paulo.

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3180-3737 REDAÇÃO (011) 3180-3449 FAX (011) 3180-3046, (011) 3180-3983 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 6, 7 e 8 de julho de 2013

o

pinião

3

COMO MEDIDAS SIMPLES PODEM REDUZIR EM MUITO OS PROBLEMAS NACIONAIS.

PAULO SAAB

A VOZ DO POVO

SUGESTÕES PARA DEBELAR A CRISE

A

título de colaboração e sem nenhum outro interesse que não ajudar o País, ofereço abaixo uma singela lista de atitudes que a nossa "presidenta" poderia tomar com urgência e que sinalizaria de forma efetiva aos brasileiros que ela tem mesmo o desejo de ser uma boa governante e não uma marionete política. Ei-las:

L

ogo que as manifestações de rua começaram, Zecamunista, entremeando a fala com alguns suspiros nostálgicos, surpreendeu todos os presentes no Bar de Espanha, ao revelar que não iria a Salvador, tomar parte nos protestos. A cruel verdade era que o vigor combativo da sua juventude já o abandonava e longe, muito longe, iam os dias gloriosos em que, por exemplo, foi preso por ter planejado, comandado e quase concluído com êxito um plano de ação gastrointestinal, para neutralizar a Polícia Militar do Estado da Bahia e assim evitar a repressão de uma das muitas passeatas subversivas em que saía, desde o tempo de Getúlio .

N

a madrugada antes da passeata, à frente da Guarda Proletária do Alto das Pombas, esteve prestes a despejar, nas caixas d'água dos quartéis, um extrato concentradíssimo de erva-cagona que o finado Vavá Paparrão conseguiu nos matos da Ilha dos Porcos, capaz de levar a vítima a comparecer ao trono de cinco em cinco minutos, não se dedicando a mais nada durante pelo menos um dia ou dois. – Mas fui traído, me dedaram, mataram a revolução brasileira no nascedouro – lembrou ele, com certo amargor. E quase me enquadram como terrorista e mais uma porção de coisas e, se meu advogado não fosse o grande dr. Mococa, eu podia ter pegado uma cana feia. Mas o dr. Mococa defendeu a tese de que erva-cagona era arma de efeito moral e, se a PM podia usar armas de efeito moral, o cidadão também podia. Dr. Mococa é muito bom e o juiz era linha auxiliar do partidão, de maneira que me soltaram, só me enfiaram um funil na boca e entornaram aqui dentro meia caneca de óleo de rícino, antes de eu sair da cadeia. Naquela época isso era besteira e em alguns o funil nem era na boca, meu santo é forte. No tempo do petróleo é nosso, foi muito pior, uma vez me deram um banho de mergulho em petróleo cru que eu levei semanas para tirar todo, o pessoal da repressão engrossava numa boa.

A

gora não. Chegara a pensar em fazer um esforço e aparecer nem que fosse para constar, mas podia até atrapalhar, já não era homem de linha de frente, o bom agitador deve reconhecer suas limitações e não comprometer o êxito da luta revolucionária. Mas isso não significava que ele estava abdicando de suas convicções, nada mais distante da realidade. Já se encontrava na ilha, por ele constituí-

CORTANDO GASTOS Muito se fala em corte de gastos. Aguardemos as providências. Uma delas, certamente, será diminuir o número de ministérios, pois se 39 não foram capazes de mexer uma só palha, qual a serventia de tantos, a não ser

JOÃO UBALDO RIBEIRO do e em treinamento por ele ministrado, o grupo das voluntárias avançadas do Memededê, o Movimento das Mulheres-Damas Democráticas, composto pela fina flor do Lupanar do Moura, tradicional estabelecimento do ramo, em Nazaré das Farinhas, além de diversas amadoras politizadas e ansiosas por participar da vida nacional, projeto de alto impacto. Além disso, diante da notícia do plebiscito, tinha decidido colaborar no esclarecimento dos eleitores itaparicanos. Se houver plebiscito, não podemos fazer feio, temos que mostrar preparo. Já ia até começar umas pesquisas preliminares e, para não dizerem que escolhia a seu bel-prazer, tinha preferido sortear um cidadão para entrevistar.

S

orteio é sorteio e quiseram os fados que o sorteado fosse Tucão de Evilásia, neto de finado Bidu da Misericórdia. Versado em várias artes, da pintura de paredes e da limpeza de pes-

cado à colheita de mangas e à capinação, Tucão é pessoa por todos estimada na coletividade, pelo seu trato gentil, conduta incriticável e disposição prestimosa. Mas, ponderaram diversos, nunca se destacou muito pela cultura e há quem garanta que a professora Sazinha pediu aposentadoria depois de ter ficado repuxada dos nervos, por ter tido Tucão como aluno durante uns dez anos, sem que ele saísse do curso primário. Não haveria como Zecamunista escolher outro, um Ary de Maninha ou um Jacob Branco, campeões da oratória e do conhecimento?

Z

eca negou-se a fazer a troca, o sorteio estava sacramentado e era à prova de mutreta, o governo não se metia e nada de medalhões e elitismo. O objetivo era traçar o perfil do eleitor e ninguém podia negar que Tucão era um cidadão normal, como qualquer outro. Falai no Mendes, à porta o tendes, já diziam os antigos.

O doutor Mococa defendeu a tese de que erva-cagona era arma de efeito moral e, se a polícia podia usar armas de efeito moral, o cidadão também podia.

Eis que, nesse mesmo instante, assoma à entrada a figura afável de Tucão. Ainda bem que conseguira chegar antes de Manolo ficar com sono às seis horas da tarde e botar todo mundo para fora do bar. Estivera entretido com a televisão, vendo os protestos. E se detivera um pouquinho mais, para prestar atenção na explicação do plesbicítio. – Plebiscito - corrigiu Zeca. – Plebliscito - disse Tucão. – Ple-bis-ci-to. – Plesbicito. – Plebiscito! – É minha língua que não dá, mas eu sei como é – explicou Tucão. Eu sempre tive esse problema da língua preguiçosa. Professora Sazinha… – Tudo bem, mas pelo menos você já sabe o que é. – Claro que eu sei, a televisão explicou. O pessoal saiu nos protestos, aquele sufoco medonho, bomba, porrada, todo mundo pedindo providências para os problemas, e aí chega a presidenta e discursa que ficou sabendo desses problemas que antes ela não tinha resolvido porque desconhecia e agora passou a conhecer e, na qualidade de presidenta disso tudo aqui, apresentava logo tudo completamente resolvido, atendendo a todos os pedidos com grande satisfação e rapidez, o qual atendimento era esse que hoje está tão falado. – O plebiscito - disse Zeca. – Isso mesmo, o plesbicíntio – disse Tucão, caprichando na pronúncia. Ninguém pode dizer que não resolveu tudo, é ou não é? JOÃO UBALDO RIBEIRO É CRONISTA, ROMANCISTA E PERTENCE À

ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS.

o desperdício do dinheiro público que é meu, seu, nosso? Que se corte na carne luxos como diárias caríssimas em viagens de autoridades, enquanto tanta pobreza persiste no País; que se impeça fretes de aviões da FAB para "otoridades" irem a casamentos e estádios; que

se moderem as mordomias; que verbas altas deixem de ser ofertadas a blogs de jornalistas chapa branca e artistas da patota; que se restrinjam publicidades oficiais com atores globais militantes e por aí vai. E que se coloque ao menos sob controle a corrupção, pois

isso sim corrói o sistema por dentro, levando o País à falência múltipla dos órgãos. Eliana França Leme - S. Paulo

G Reduzir os ministérios pela metade a partir do critério do interesse público e não partidário/eleitoral. G Eliminar, com dispensa imediata dos cargos, ao menos 50% dos contratados sem concurso público, em comissão, usando somente critério de competência. G Reduzir imediatamente gastos com mordomias, viagens, cabeleireiros e maquiadores, bem como assessores contratados sem necessidade para o funcionamento da República. G Fechar e vender próprios públicos de representação de órgãos de governo em estados, cidades e exterior, onde não haja interesse público evidente. G Ministros e funcionários do alto escalão do governo terão de morar em Brasília, pagando aluguel do

próprio bolso, durante o período em que servirem ao governo. G Ministros, funcionários graduados e apaniguados, bem como familiares e amigos, estão proibidos de utilizar, mesmo de carona, aviões do governo, da FAB, a qualquer título, sem autorização expressa da presidente da República, publicada no Diário Oficial, com justificativa. G Proibir senadores, deputados, assessores, amigos, namorados e namoradas, familiares e outros de utilizar aviões da República, em qualquer circunstância. Em caso oficial, viajar com autorização expressa da presidente da República, publicada no Diário Oficial, com justificativa. G Eliminar pelo menos 50% da frota de veículos oficiais à disposição de funcionários públicos e ministros, assessores, diretores, que devem se servir do transporte público ou de seus veículos particulares, adquiridos com seus salários. G Trabalhar todos os dias, das 8h da manhã às 8h da noite, dando exemplo a todos os servidores, do primeiro ao último escalão, sem

despesas aos cofres públicos devido a mordomias e transportes cercados de seguranças e assessores dispensáveis. G Não passar férias e descansos em feriados em locais públicos que representem despesas de transporte, hospedagem, alimentação e segurança para membros da comitiva e convidados. G Não realizar festas, recepções, jantares, homenagens ( a não ser em caso de evidente interesse público) à custa do erário para satisfazer interesses pessoais, políticos ou eleitorais. G Eliminar as verbas destinadas a "comprar base de apoio no Congresso Nacional, entidades estudantis ou trabalhadoras, com o objetivo de “cooptar" apoio para os interesses do governo. G Tornar públicos, transparentes e justificados todos os gastos, sem exceção, realizados com dinheiro público e cartões corporativos do governo, hoje usados de forma secreta por ministros, diretores, secretários, secretárias, chefes, chefetes, assessores de assessores etc. G Acionar os mecanismos da República para p rocessar e por na cadeia qualquer um que praticar ou favorecer atos

de privilégios, corrupção e malversação do dinheiro público. G Parar de propor ações, factoides, cortinas de fumaça, destinadas a desviar a atenção da população revoltada com o grau de ineficiência e corrupção do mundo oficial. G Governar para o País e não para garantir a reeleição da "presidenta" (pobre Brasil) ou a volta de Lula. G Governar para todos e não só para fazer eleitores cativos dependentes das esmolas do governo, com dinheiro arrancado via impostos escorchantes daqueles que hoje estão abandonados e de fato produzem e sustentam o País. G Demitir a atual equipe econômica e colocar no lugar quem entenda de fato de economia e estanque a volta da inflação . G Assumir que a população pode ter opinião própria e que ela é a dona do País e não quem está no governo temporariamente mas quer se eternizar. Teria muito mais a dizer, mas para começar, esta parece ser uma carta de boa intenção. PAULO SAAB É JORNALISTA E ESCRITOR


DIÁRIO DO COMÉRCIO

4

)KDC7O

Depois da aprovação do

projeto do Ecad, no plenário do Senado, Roberto e Erasmo Carlos e Caetano Veloso evaporaram.

gibaum@gibaum.com.br

2 “Eu morro de inveja da facilidade com que o senhor vence eleição.” LULA // senador (PSDB-MG) e pré-presidenciável, cumprimentando FHC por sua eleição na Academia Brasileira de Letras. Fotos: J.R.Duran

Por recomendação de João Santana, Dilma Rousseff vai aumentar o número de suas viagens pelos estados brasileiros, anunciando pequenas ou grandes obras. É a receita encontrada para que a Chefe do Governo supere a crise que assola o país e recupere os pontos percentuais perdidos nas últimas semanas. Embora não signifique o atendimento imediato de quaisquer reivindicações das manifestações de rua, Santana acha que “ela deve ir para a rua”, como fez Lula na época do mensalão. Nem na campanha de 2010, Dilma foi ao encontro “dos braços do povo”. Mais: esse tipo de ação merecerá um superesquema de proteção policial. Ela teme algum tipo de agressão.

VENDE-SE Além do jato Legacy 600, Eike Batista está vendendo seu suntuoso iate Pershing, de 115 pés e 5.100 cavalos, comprado há cinco anos. É o maior barco, o mais caro e ultraveloz ancorado em marinas brasileiras, batizado de Pink Fleet. Custou US$ 19 milhões. Também o restaurante Mr. Lam, de comida chinesa, poderá ser passado adiante: anda vazio. Apenas a Mercedes SLR McLaren, que tem na parede de sua sala de visitas, deverá ser poupada: custa R$ 2,7 milhões. Outra igual a essa foi destruída, num desastre, pelo filho Thor Batista.

CPI do BNDES De um lado, o BTG Pactual, de André Esteves, cancela a linha de crédito de US$ 1 bilhão para as empresas de Eike Batista; de outro, descobre-se que o total de empréstimos do BNDES para seu grupo é de R$ 10,4 bilhões que, dependendo do futuro de suas companhias, estão ameaçados de virar pó. Esses empréstimos são dados pelo BNDES com juros de 6% do ano, com dois anos de carência e longo prazo. No Congresso, já floresce, devido a esses e outros empréstimos, a idéia de uma CPI do BNDES que, dependendo, pode virar um problema bem maior do que o plebiscito.

VAI PRA CASA! Alexandre Padilha, ministro da Saúde, área onde se concentram os maiores problemas do governo Dilma Rousseff, na condição de pré-candidato ao governo de São Paulo, anda visitando diversas cidades do interior do Estado, com ou sem obras para inaugurar. Em muitos locais, tem sido brindado com um antigo bordão usado num quadro de Jô Soares, nos tempos em que fazia programa de humor. O personagem (homônimo do ministro) louvava a mulher que tinha – e que o traia. Aí, alguém gritava: “Vai pra casa, Padilha!” No caso do ministro, a recomendação nada tem a ver com sua mulher: é por causa dos maus resultados na Saúde.

Menos de oito meses depois da morte de seu marido, o ator e diretor de cinema e TV, Marcos Paulo, a atriz Antonia Fontenelle, 40 anos, é capa e recheio da nova Playboy, num ensaio assinado por J.R.Duran. A revista apresenta Antonia como “socialite , atriz do balacobaco (alusão à sua novela na Record), louraça belzebu, viúva mais famosa do Brasil ou furacão”. Faltou usar a expressão candanga, já que ela nasceu em Brasília. Antonia diz que Marcos Paulo sempre a apoiou e sabia que, se um dia aparecesse na publicação, seria como mulher dele. E não deixa por menos: “Quero ficar na história de Playboy ”.

Aviúva do ano

Durante os últimos anos, quando anunciava uma empreitada nova por dia e ocupava a sétima colocação no ranking da Forbes dos maiores bilionários do planeta, atribuía-se ao empresário Eike Batista o toque de Midas . Na mitologia grega, Midas foi um rei que pediu ao deus Poseidon um dom: tudo que ele tocasse viraria ouro. No começo, foi uma maravilha, só que depois deu fome e ele viu que tinha feito um mau negócio. Agora, quando deixa a presidência do Conselho da MPX, empresa de energia e a mais promissora do grupo, que ainda tem outras seis, inicia-se o colapso da EBX. Por isso, banqueiros e ex-diretores de suas companhias, estão lhe brindando com outro tipo de toque. Tudo o que ele toca ou já tocou, vai virar outra coisa.

Outro toque

disposto a sair na foto ao lado de Renan Calheiros, que teve de se contentar com o segundo escalão dos artistas.

Rei da censura Antes da reunião de Dilma com artistas para falar de direitos autorais, Roberto Carlos ficou conversando com ela, sozinho, no gabinete, por cerca de 20 minutos, privilegio que a maioria dos ministros não conseguiu em dois anos e meio de governo. Quem pediu a conversa reservada foi ele: mobiliza apoios para censurar, na Justiça, um trabalho acadêmico sobre moda e comportamento da Jovem Guarda, de Maria Zimmermann, que, embora traga um desenho do cantor na capa e um foto sua no miolo, não faz menção a sua vida intima.

FUSÕES No governo Lula havia 27 ministérios; no governo Dilma, já são 39, incluindo secretarias com status de ministério. Agora, como até o ex-presidente acha que a redução do número de ministérios teria repercussão popular, significando empenho presidencial no enxugamento da máquina, Dilma Rousseff começa a pensar no assunto. E volta a cogitar a fusão das secretarias da Igualdade Racial, Políticas para Mulheres e Direitos Humanos numa única Pasta. Também Integração Nacional e Cidades poderiam ser fundidas e até Educação com Cultura.

MISTURA FINA NO PROGRAMA do Ratinho, a ex-ministra do Meio Ambiente e pré-presidenciável Marina Silva, defendeu a gestão dos ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e Lula: um “trabalhou a favor da estabilidade econômica” e outro “investiu na inclusão social”. E também disse ser contraria à reeleição, inclusive de Dilma Rousseff com a qual, a propósito, nunca manteve nem mesmo relações cordiais.

TATÁ Werneck, a Valdirene de Amor à Vida, atração especial da novela, (há quem aposte que Paola Oliveira estaria reagindo contra o destaque que vem sendo dado à humorista), é baixinha, mas nem por isso – e é ela que garante – deixa de inspirar os homens. “Não sou gostosona, mas eu me amo. Foi pelo meu jeito de humor que as pessoas já se sentiram atraídas por mim”.

Julho movimentado para Gisele Bündchen: estrela duas capas consecutivas da Vogue Itália, fotografa nova campanha para a H&M de Londres, comemora lançamento de sua coleção de lingerie Intimates e é musa da campanha da Louis Vuitton, ao lado de Isabeli Fontana, Karen Elson e Carolyn Murphy. De quebra, comemorou o feriado de 4 de Julho (é o mais importante dos Estados Unidos) postando no Instagram uma foto sua de biquíni com motivo da bandeira de lá e o mesmo desenho ao fundo. E a mensagem: “Happy 4th July!”

Gisele à americana

Truques capilares Se os mensaleiros conseguirem convencer, através de seus advogados, a maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal a iniciar um segundo tempo do julgamento do maior escândalo político nacional, na apreciação dos embargos nos próximos dias, que ninguém duvide: Joaquim Barbosa estaria disposto a renunciar e não apenas à presidência da Alta Corte, mas ao próprio exercício da função de ministro. Declaratórios ou infringentes, os embargos se transformaram hoje na conspiração dos derrotados. E Barbosa, não compactuando com tudo isso, pode virar o candidato que derrotaria Dilma Rousseff nas eleições do ano que vem.

/

Nas ruas

MAIS: nenhum deles estava

/ IN

OUT

NOS BLOGS de humor: tem sem-terra, sem-casa, sememprego e logo poderá ganhar nova categoria. No futuro, Eike Batista poderá ser o primeiro sem-bilhão.

A CANTORA Marisa Monte, que já participou de manifestação no Rio, acaba de compor (com Dadi e Arnaldo Antunes) uma música sobre a luta dos brasileiros nas ruas por conquistas. Em turnê nos Estados Unidos, já cantou a composição, ainda sem título, explicou o que era e ganhou cinco minutos de palmas ininterruptas.

Bones.

CSI.

EM SALVADOR, onde foi anunciar o Plano Safra do SemiÁrido, que destinará R$ 4 bilhões para pequenos agricultores abatidos pela estiagem e acabou apoiando as manifestações de rua, a presidente Dilma Rousseff, vira e mexe, abria largo sorriso. À essa altura do campeonato, ninguém conseguiu entender do que ela ria tanto.

Quase primeira-dama Se Henrique Eduardo Alves, presidente da Câmara, foi de jato da FAB ao Rio, para assistir a final da Copa das Confederações e fazer bonito junto à noiva Laurita Arruda, a moça até merece. Bonita, jornalista, blogueira e figura querida nas rodas de Natal, Laurita também experimentou as emoções de ser primeira-dama nas 24 horas que Henrique respondeu interinamente pela Presidência da República, quando também voaram juntos em outro jato – e esse, da Presidência. O blog de Laurita chama-se Território Livre e outros blogueiros de lá, que já viram a moça discursar, apostam que ela vai entrar para política.

Colaboração:

Paula Rodrigues / Alexandre Favero

sábado, domingo e segunda-feira, 6, 7 e 8 de julho de 2013


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 6, 7 e 8 de julho de 2013

REFORMA MINISTERIAL Apesar de pressionada, Dilma avisa: não tem pressa na reforma e não entregará ministérios com "porteira fechada" a partidos aliados.

No atropelo para virar o jogo, Dilma acabou magoando seus dois principais aliados, o ex-presidente Lula e o vice Michel Temer, ao mandar um emissário consultar Fernando Henrique sobre a sua proposta de reforma política, antes de apresentá-la aos líderes dos partidos que ainda a apoiam no Congresso. Chefe da Secretaria de Imprensa no governo Lula, o jornalista Ricardo Kotscho.

Roberto Barroso/ABr

olítica

Grampo dos EUA arrepia Dilma

Marcos Oliveira/Agência Senado

Não sou daqueles que acreditam que o povo não é capaz de entender o plebiscito porque as perguntas são complicadas. Presidente Dilma Rousseff

Ministros são convocados às pressas após denúncia de que os EUA monitoram as comunicações do Brasil

Nelson Jr./SCO/STF

Eu me sinto extremamente lisonjeado, apesar de não ser político e jamais ter participado de campanha política. É excelente para a minha vida pessoal, para o meu histórico.

Não tenho a menor vontade de me lançar candidato a presidente da República.

Há grupos que sempre se apropriam de frases publicitárias, muitas vezes criadas pelas próprias marcas, para reverberar suas mensagens de manifestação. As pessoas transformam (as campanhas) em vídeos satíricos de crítica social e em hashtags adaptadas. Adilson Batista, fundador da agência Today, ao comentar o uso de propagandas como palavras de ordem nos protestos de rua Quem sabe o mico dos presidentes, e a confissão de erro do Henrique Alves, combinadas com a impaciência das ruas, acabe de vez com esses "voos da alegria". Chico Alencar (PSol-RJ) apresentou projeto para disciplinar voos de jatinhos da FAB

Eduardo Knapp/Folhapress

Joaquim Barbosa, ministro do STF sobre a pesquisa Datafolha O Senado deveria se limitar a votar questões que envolvem conflitos entre as unidades federativas. Ele usurpa suas funções. A extinção é uma proposta radical, nosso objetivo é dialogar com a sociedade. Vagner Freitas, presidente nacional da CUT, na proposta de extinção do Senado

Fabio Pozzebom/ ABr

A

Como temos no Brasil um centralismo muito grande, nos momentos de dificuldade também as pessoas tendem a responsabilizar o governo federal. Por isso a queda da presidente foi maior. Senador Aécio Neves sobre a queda de Dilma Rousseff nas pesquisas

Com uma lei anticorrupção as empresas internacionais teriam incentivos renovados para direcionar seus investimentos ao Brasil, posto que o ambiente negocial do país estaria revestido de maior transparência e segurança jurídica. Senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES)

Luis Macedo/Câmara dos Deputados

5

denúncia publicada ontem pelo jornal O Globo , de que telefonemas e transmissões de dados de empresas e brasileiros teriam sido alvo de espionagem por parte do governo dos Estados Unidos, levou a presidente Dilma Rousseff a convocar uma reunião logo pela manhã no Palácio da Alvorada. "Já vínhamos acompanhando o caso, mas agora a história mudou de patamar", afirmou o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo. Segundo o jornal, a Agência Nacional de Segurança (NSA) teria tido acesso a milhões de informações do Brasil, por meio de convênios com empresas privadas norte-americanas que teriam também contatos comerciais no País. A denúncia foi feita com base em documentos obtidos por Edward Snowden, o mesmo técnico que denunciou a espionagem de cidadãos norteamericanos. Segundo a reportagem, o Brasil foi o país mais espionado da América Latina e o volume de coleta de dados aqui estaria apenas um grau abaixo do praticado nos EUA. Na reunião, Dilma aprovou uma série de providências sugeridas por sua equipe. No campo político, o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, informou que interpelaria o governo dos EUA (leia mais abaixo). Com o ministro da Justiça, Eduardo Cardozo, foi discutida a possibilidade de a Polícia Federal (PF) entrar nas investigações. Segundo Bernardo, isso será feito caso as informações prestadas pelos EUA não sejam suficientes. De sua parte, Bernardo vai colocar a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) para questionar as empresas

Paulo Bernardo diz que se a ONU não regular a internet a tendência é que os países limitem o acesso à rede de telecomunicações no País, concentrado mais em emprepara saber se há algum con- sas e políticos do que propriatrato que preveja a troca de in- mente em cidadãos. formações com empresas Dilma aprovou a sugestão norte-americanas. "Se existir, de avançar em propostas leé ilegal e inconstitucional", fri- gislativas destinadas a melhosou. Ele, r a r a s e g uacha, porém, rança de dapouco provádos no País. A vel que tais ministra das Vínhamos d oc um en to s Relações Insacompanhando existam. titucionais, O mais proIdeli Salvatti, o caso (de vável, acredifoi orientada espionagem), mas ta, é que a sua pedir ao agora a história posta espioCongresso mudou de patamar. que dê priorinagem tenha ocorrido no dade à votaPAULO BERNARDO, trânsito das ção do marco MINISTRO DAS COMUNICAÇÕES i nf or ma çõ es civil da internos cabos net. submarinos. "Se você faz uma Além disso, o Ministério da ligação para o Japão, ela passa Justiça está concluindo um anpelos Estados Unidos", expli- teprojeto de lei que melhorará cou. Ele acha também que a a proteção de dados indivicoleta de dados deve ter se duais.

Bernardo considera essas duas medidas no campo legislativo importantes, mas de alcance limitado. "Toda a governança da internet está nas mãos dos Estados Unidos, numa empresa privada sediada na Califórnia", comentou. Assim, nem todas as normas aprovadas aqui teriam validade para serviços na rede. "Isso não está certo." O governo brasileiro defende a criação de um organismo internacional para regular a web. Esse é um dos debates que o Itamaraty pretende levantar nas Nações Unidas (ONU). O ministro avalia que, se esse passo institucional não for dado, a tendência é que países comecem a limitar o acesso à rede. "Não defendo isso, de forma alguma, mas países como a China já limitam." (Estadão Conteúdo)

Patriota aciona embaixadores Luiz Roberto Lima/ Estadão Conteúdo

O

ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, reforçou a intenção do governo brasileiro de cobrar explicações dos Estados Unidos sobre a espionagem de cidadãos brasileiros pela Agência de Segurança Nacional norte-americana nos últimos dez anos. "O governo brasileiro recebeu com grave preocupação o problema", disse Patriota, que leu uma declaração, no início da tarde de ontem, em Paraty, no litoral fluminense. Segundo ele, foram acionados o embaixador brasileiro em Washington e também o embaixador norte-americano em Brasília. "O governo brasileiro promoverá no âmbito da União Internacional de Telecomunicações o aperfeiçoamento das regras. O Brasil deverá propor às Nações Unidas

Patriota reforça intenção do Brasil de cobrar explicações dos EUA sobre denúncia a iniciativa de proibir abusos e invasão das informações dos usuários da rede de comunicações para garantir segurança cibernética que proteja os di-

reitos dos cidadãos e preserve a soberania dos países", afirmou Patriota. Questionado sobre a possibilidade de o governo dispor

dos dados em posse dos jornalistas que fizeram a reportagem, Patriota afirmou que medidas nesse sentido já foram tomadas. (EC)


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

Pegue o ônibus, vá para o pronto-socorro. Está tudo ruim, com atendimento péssimo, até perigoso. André Tamandaré

olítica

A

ndré Tamandaré, 33 anos , não deveria estar tão zangado. Ao longo da última década, ele – que abandonou os estudos – mudou-se para uma casa própria, conseguiu um emprego estável e ganhou dinheiro suficiente com sua namorada de longa data, Rosimeire de Souza, para levar suas duas crianças para a classe média no Brasil. Agora, como trabalhador da área de saúde pública em um imenso bairro de periferia no Rio de Janeiro, Tamandaré é o tipo de cidadão que o governo do Brasil pensa estar realizado. Em vez disso, ele é um dos mais de um milhão de pessoas no maior país da América Latina que foi às ruas em uma onda de protestos em massa. Os brasileiros estão protestando contra a má qualidade de escolas, hospitais e transporte público. Eles estão protestando contra o aumento dos preços, o crime e a corrupção. Estão criticando a classe política que não conseguiu ver a insatisfação crescente que levou às manifestações. Combinadas, as preocupações refletem o crescente mal-estar no Brasil de quase 200 milhões de pessoas de que o muito prometido salto do País para o mundo desenvolvido tenha caído por terra, mais uma vez. "Você só precisa passear um pouco para ver o desenvolvimento que falta", disse Tamandaré, fumando um cigarro em um banquinho de plástico ao lado de uma mesa em sua pequena cozinha. "Pegue o ônibus, vá para o pronto-socorro. Está tudo ruim, com atendimento péssimo, até perigoso. Fico muito chateado." As manifestações, provocadas inicialmente contra um aumento nas tarifas de transporte público, no primeiro momento atraíram a juventude em sua maioria, educada da classe média tradicional do Brasil – uma minoria que, historicamente, tem tido mais em comum com a elite rica do que as dezenas de milhões de brasileiros que, até recentemente, estavam na pobreza. As manifestações decolaram, porém, quando a nova classe média do Brasil juntouse à briga. "Isso é a raiva das pessoas que já não ficam contentes só por ter um feijão e arroz na mesa", disse Rodrigo Dutra, um documentarista em Duque de Caxias, outro bairro trabalhador do subúrbio do Rio que está estudando as diferenças entre os recentes protestos e os tumultos que se seguiram a uma escassez de alimentos em 1962. Muito tem sido falado nos últimos anos sobre a classe média emergente do Brasil – acima de tudo pelo Partido dos Trabalhadores (PT), que está no poder desde 2003. Exportações de commodities em expansão, um consumidor ansioso e programas sociais ambiciosos alimentaram uma década de crescimento econômico estável, que alçou 35 milhões brasileiros da pobreza. Mas agora, com a economia mais fraca, muitos na nova classe média dizem que sua ascensão tão apregoada deixa muito a desejar. Aula - "É relativo", disse Dione Brandão, uma professora, depois de uma recente marcha ao longo da avenida Atlântica, no bairro de Copacabana, no Rio. "Não adianta o governo aumentar o meu consumo e ao mesmo tempo diminuir segurança, educação." Os brasileiros da classe média estão expressando algumas das mesmas frustrações que alimentam conflitos na Turquia, no Egito e em outros lugares. As demandas variam em cada país, mas refletem em comum lutar para que os governos de países em desenvolvimento atendam às crescentes expectativas. A própria noção de classe média no Brasil é bastante diferente dos padrões da América do Norte e Europa Ociden-

sábado, domingo e segunda-feira, 6, 7 e 8 de julho de 2013

Marcelo Fonseca/Brazil Photo Press/EC

Milhares de pessoas nas ruas contra o aumento da passagem de ônibus, no centro do Rio de Janeiro. Tanto no Rio como em São Paulo as manifestações fizeram baixar as tarifas.

Nova classe média engrossa protestos Manifestações de rua registradas nas últimas semanas contam com a presença da nova classe C. Depois dos eletrodomésticos, brasileiro quer saúde e educação. Diego Assis/Agência O Dia/ EC

Grupo reúne-se por mais segurança e educação em frente a casa do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, na semana passada.

Você só precisa passear um pouco para ver o desenvolvimento que falta. SAÚDE PÚBLICA DA PERIFERIA DO

Adotamos um modelo que gasta muito em transferências a pessoas físicas, mas fica faltando para o público.

Não adianta o governo aumentar o meu consumo e ao mesmo tempo diminuir segurança, educação.

As condições de vida dos brasileiros melhoraram, mas talvez, as aspirações dos brasileiros aumentaram.

RIO DE JANEIRO

SAMUEL PESSOA, DA FGV

DIONE BRANDÃO, PROFESSORA

MARCELO NERI, DO IPEA

ANDRÉ TAMANDARÉ, AGENTE DE

tal. Não há subúrbios arborizados e Volvos para a nova classe média aqui. Em vez disso, o termo classe média é usado de forma ampla para incluir quase qualquer um capaz de pagar o aluguel, colocar comida na mesa e talvez pagar as parcelas da geladeira, microondas ou televisor que o governo do Brasil apregoa como um sinal de seu surgimento. A chamada "Classe C", o degrau mais baixo de classe média do Brasil, tem renda de

R$ 1.730 por mês, cerca de US$ 790, e, diferentemente da classe média um degrau acima, depende muito de serviços públicos de transporte, educação e saúde. Atrasos – O problema é que o Brasil investe muito menos em serviços públicos do que qualquer outra grande economia. Quando a democracia surgiu após duas décadas de regime militar, a Constituição do Brasil de 1988 consagrou o estilo europeu de aposenta-

doria e outros benefícios sociais, apesar das limitações da economia em desenvolvimento do país. "Adotamos um modelo que gasta muito em transferências a pessoas físicas, mas fica faltando para o público", disse o economista Samuel Pessoa, da Fundação Getúlio Vargas, no Rio. Assim, mesmo com uma carga tributária sobre a população em níveis semelhantes aos de Suíça, Canadá e Austrália, chegando a cerca de 35%

da economia, o Brasil gasta a maioria de seus recursos em despesas de pessoal e programas sociais. Em vez de melhorar estradas, ferrovias ou escolas, o dinheiro vai para o pagamento de aposentadorias, salários e transferências do setor público aos governos estaduais e municipais, que usam os recursos para seus próprios gastos elevados de uma espécie similar. Menos de 5% das despesas do governo em 2012 foram em direção

a investimentos, de acordo com um estudo recente da Credit Suisse. Mas o desemprego permanece perto da mínima histórica no País, o legado de uma década que, para muitos, foi notável. Uma demanda voraz por minério de ferro, soja e outras commodities para a China e o rápido crescimento de outros emergentes impulsionou a arrecadação do governo e estimulou o crescimento em setores multiplicadores da economia do Brasil. Mas o crescimento do Brasil também está esgotado. A demanda por matérias-primas da China abrandou. Consumidores brasileiros, entretanto, nunca estiveram tão endividados como agora. G o v er n o - O governo tem suas explicações para as manifestações. O ministro interino da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República e presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Marcelo Neri, avalia que os protestos podem estar refletindo mais uma insatisfação da “velha nova classe média” do que dos pobres com os serviços públicos. “Uma possibilidade é que essa nova classe média seja a 'velha nova classe média'. Ela vem ascendendo há dez anos, são 40 milhões de pessoas que, talvez, queiram outras coisas além de mais renda e do trabalho, como educação de qualidade e de saúde”, disse. Segundo Neri, os avanços da última década aceleraram a queda da desigualdade. A renda dos brasileiros 10% mais pobres, por exemplo, cresceu 550% mais rápido que a dos 10% mais ricos. Já o rendimento de uma família chefiada por analfabeto subiu 88,6% no período. “Não está claro quem são os manifestantes, mas suspeito que não seja mulher negra de periferia”, disse. Na avaliação dele, a melhora das condições de vida da parcela mais pobre “pode ter gerado certo inconformismo em pessoas que se sentiram ficando para trás”. Porém, para ele, a insatisfação é contra os serviços públicos de educação e de saúde, públicos e privados, de maneira geral, pois, na última década, houve ganhos reais em todas as classes. “As condições objetivas de vida dos brasileiros melhoraram, mas talvez, as aspirações dos brasileiros aumentaram mais do que o que foi entregue, gerando uma insatisfação com o sistema”, disse Neri. (Agências)


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 6, 7 e 8 de julho de 2013

7 Meu negócio é fazer justiça e restaurar a confiança pública no Estado. David Green

olítica

Andrew Testa/ The New York Times

Inglaterra intensifica combate à corrupção Novo diretor de órgão britânico que investiga fraudes graves e corrupção, David Green, quer recobrar a confiança do povo na procuradoria contra o crime. Green em seu escritório em Londres. Para ele, crime de colarinho branco não pode oferecer privilégios.

D

avid Green, 59 anos, diretor do Serious Fraud Office, órgão britânico que investiga corrupção e fraudes graves (SFO, na sigla em inglês), anda com o espírito combativo. Na mesa de seu escritório, uma pedra tirada da Trafalgar Square, em Londres, está sobre uma placa comemorando o sinal que o almirante Horatio Nelson enviou à frota na véspera da Batalha de Trafalgar, em 1805. Diz: "A Inglaterra espera que cada homem cumpra seu dever." Segundo Green, seu dever é reviver a confiança em sua função de promotor principal de casos sérios de fraude e corrupção. Ele pretende alcançar seu intento com um dos maiores casos que o SFO já assumiu: o inquérito de manipulação da Libor, taxa interbancária de juros compilada diariamente pela Associação de Banqueiros Britânicos. O órgão pretende apresentar em breve acusações de

fraude criminal contra Thomas Hayes, ex-operador do UBS e do Citigroup Inc., segundo uma pessoa bem informada a respeito do caso. Acusado de fraude no final do ano passado pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos, Hayes é visto como personagem central no esquema de manipulação da taxa. Ele desempenhou um papel proeminente no caso contra o UBS que, por meio de acordo, se considerou culpado por fraude e pagou cerca de US$ 1,5 bilhão em multas. As acusações criminais contra Hayes seriam as primeiras dos promotores britânicos por suspeita de manipulação da Libor. "As pessoas querem saber do sucesso nos grandes casos que ocupam as manchetes e, inevitavelmente, a Libor vem à mente", afirmou Green durante a entrevista. "Meu negócio é fazer justiça e restaurar a confiança pública no Estado de Direito. O público precisa ter confiança de que os crimi-

nosos de colarinho branco são cos falidos na Islândia. O SFO tratados como criminosos, se desculpou e abriu um inque não receberão privilégios quérito interno, mas também nem uma sentença que lhe acumulou custos jurídicos permita uma escapatória no enormes que podem contifim das contas." nuar a crescer. Quando Green assumiu o Uma vergonha adicional cargo de diretor do organismo aconteceu em 2011, quando o de combate a fraudes, em SFO decidiu não investigar a abril do ano L i b o r e e mpassado, purrou a resapós 25 anos p on sa b il id acomo promode para a auSe sua conduta é tor e advogatoridade de criminosa e ficar do de defesa, s e r v i ç o s f ie l e e n c o nnanceiros. sob a jurisdição do trou uma enEnquanto o SFO, nós iremos tidade cuja Departamenatrás de todas as reputação to de Justiça formas possíveis. estava mais começa a inpara lá do que vestigar o caDAVID GREEN, DIRETOR para cá e o so Libor a parDO SERIOUS FRAUD OFFICE moral dos t i r d o e x t efuncio nários rior, o SFO havia chegado ao fundo do po- alegou que seria um novo esço. Dois empresários londri- torvo em meio a recursos já nos, os irmãos Robert e Vin- bastante dilatados. cent Tchenguiz, levaram a Apesar do aumento das baagência à justiça por conta de tidas matutinas que geram uma investigação malfeita publicidade positiva contra com suas conexões com ban- suspeitos de transgressões e

Renan desembarca do passe livre

O

presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), anunciou na última sexta-feira, por meio de nota da Secretaria de Imprensa do Senado, que devolverá aos cofres públicos os R$ 32 mil referentes à viagem que fez no dia 15 de junho em avião da Força Aérea Brasileira (FAB) entre Maceió, Porto Seguro e Brasília. No texto da nota, Renan não se manifestou sobre o motivo da viagem nem informou se viajou com acompanhantes. De acordo com o jornal Folha de S.Paulo, ele foi a Porto Seguro a fim de participar, em Trancoso (BA), do casamento de uma filha do senador Eduardo Braga (PMDB-AM), líder do governo no Senado. A assessoria de do Senado não confirmou a informação do jornal. 'CLARO QUE NÃO' No dia anterior, ao ser indagado por jornalistas se pagaria pela viagem, o presidente do Senado respondeu: "Claro que não". Ele também disse que usou o avião porque, como presidente do Senado, exerce um cargo de representação. "Deixa eu explicar. O avião da FAB usado por mim é um avião de representação. E eu o utilizei como tenho utilizado sempre, na representação como presidente do Senado", declarou na ocasião. EXEMPLO DA CÂMARA O presidente da Câmara, Henrique Alves (PMDB-RN), também usou um avião da FAB, para viagem de ida e volta com seis acompanhantes de Natal ao Rio de Janeiro, entre 28 e 30 de junho. Nesse período, ele disse que teve encontro com o prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB-RJ) e assistiu à final da Copa das Confederações, entre Brasil e Espanha. Depois da divulgação da viagem, Alves anunciou a devolução de R$ 9,7 mil – o equivalente ao cobrado em passagens comerciais.

Nota – "O senador Renan Calheiros está recolhendo aos cofres públicos R$ 32 mil – relativos ao uso da aeronave em 15 de junho entre Maceió, Porto Seguro e Brasília, objeto de dúvidas levantadas pelo noticiário", diz a nota do Senado. O texto informa ainda que Renan Calheiros fará uma consulta ao Conselho de Transparência do Senado, integrado por representantes da sociedade civil, para que o órgão se manifeste sobre o uso da aeronave por ocupantes de cargos de representação. (Agências)

dos discursos ameaçadores, o SFO granjeou a imagem de um promotor que ladrava sem morder. A reputação era tão ruim que quando o governo começou a mudar a forma pela qual regulava o setor financeiro após a crise financeira, cogitou-se a sua extinção. Green conhece muito bem esses problemas. Segundo ele, uma das primeiras coisas que fez ao chegar foi definir claramente a missão da organização. Ao contrário do antecessor, Richard Alderman, ele não se interessa em dar orientação e fechar acordos com os réus nos processos. "Sentença é coisa de juiz. Estou aqui para processar." "Havia a percepção generalizada neste país e no exterior de que o SFO não tinha estômago para processar e preferia o caminho mais fácil do acordo e de que emburrecera e passara a cuidar de casos fáceis e menos complexos." Segundo ele, essa época terminou e seu recado aos cri-

BBD Participações S.A. CNPJ no 07.838.611/0001-52 - NIRE 35.300.335.295 Ata da Reunião Extraordinária no 58, do Conselho de Administração, realizada em 30.4.2013 Aos 30 dias do mês de abril de 2013, às 9h30, na sede social, Cidade de Deus, Prédio Prata, 4o andar, Vila Yara, Osasco, SP, reuniram-se os membros reeleitos para integrar este Conselho na Assembleia Geral Ordinária realizada nesta data, com mandato até a Assembleia Geral Ordinária de 2014, os quais assinam a presente Ata, que servirá como termo de posse. De conformidade com o disposto no “caput” do Artigo 22 do Estatuto Social, os Conselheiros procederam a eleição, entre si, do Presidente e do Vice-Presidente deste Órgão, tendo a escolha recaído nos nomes dos senhores: Presidente - Lázaro de Mello Brandão; Vice-Presidente - Antônio Bornia. Estando vencido o mandato da atual Diretoria, os Conselheiros, atendendo ao disposto no “caput” do Artigo 26 do Estatuto Social, procederam a eleição dos membros que integrarão o referido Órgão, tendo sido reeleitos os senhores: Diretor-Presidente: Lázaro de Mello Brandão, brasileiro, casado, bancário, RG 1.110.377-2/SSP-SP, CPF 004.637.528/72; Diretor Vice-Presidente: Antônio Bornia , brasileiro, viúvo, bancário, RG 11.323.129/SSP-SP, CPF 003.052.609/44; Diretores: Mário da Silveira Teixeira Júnior, brasileiro, casado, bancário, RG 3.076.007-0/SSP-SP, CPF 113.119.598/15; e Luiz Carlos Trabuco Cappi , brasileiro, casado, bancário, RG 5.284.352-X/ SSP-SP, CPF 250.319.028/68, todos com domicílio na Cidade de Deus, Vila Yara, Osasco, SP, e com mandato até a 1 a Reunião do Conselho de Administração que se realizar após a Assembleia Geral Ordinária de 2014, sendo que permanecerão nas suas funções até que a Ata da Reunião deste Órgão que eleger os novos membros em 2014 seja arquivada na Junta Comercial e publicada. Os Diretores reeleitos declararam, sob as penas da lei, que não estão impedidos de exercer a administração de sociedade mercantil em virtude de condenação criminal. Em seguida, os Conselheiros declararam que, relativamente ao montante global anual para remuneração dos Administradores, aprovado na Assembleia Geral Ordinária realizada nesta data, abrem mão do direito ao recebimento de qualquer valor a título de remuneração. Nada mais foi tratado, encerrando-se a reunião e lavrando-se esta Ata que os Conselheiros presentes assinam. aa) Lázaro de Mello Brandão, Antônio Bornia, Mário da Silveira Teixeira Júnior, João Aguiar Alvarez, Denise Aguiar Alvarez, Luiz Carlos Trabuco Cappi, Carlos Alberto Rodrigues Guilherme, Milton Matsumoto, Julio de Siqueira Carvalho de Araujo, Domingos Figueiredo de Abreu, José Alcides Munhoz, Aurélio Conrado Boni, Sérgio Alexandre Figueiredo Clemente e Marco Antonio Rossi. Declaramos para os devidos fins que a presente é cópia fiel da Ata lavrada no livro próprio e que são autênticas, no mesmo livro, as assinaturas nele apostas. BBD Participações S.A. aa) Antônio Bornia e Mário da Silveira Teixeira Junior. Certidão – Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia – Junta Comercial do Estado de São Paulo – Certifico o registro sob número 212.774/13-0, em 7.6.2013. a) Gisela Simiema Ceschin – Secretária Geral.

NCF Participações S.A. CNPJ no 04.233.319/0001-18 - NIRE 35.300.183.371 Ata da 26a Assembleia Geral Extraordinária realizada em 20.5.2013 Data, Hora, Local : Em 20.5.2013, às 15h, na sede social, Cidade de Deus, Vila Yara, Osasco, SP, CEP 06.029-900, no Salão Nobre do 5o andar. Mesa : Presidente: Lázaro de Mello Brandão; Secretário: Carlos Alberto Rodrigues Guilherme. Quórum de Instalação: Totalidade do Capital Social. Edital de Convocação: Dispensada a publicação, de conformidade com o disposto no Parágrafo Quarto do Artigo 124 da Lei no 6.404/76. Ordem do Dia: I. Aprovar a assinatura, pela Companhia, do segundo aditamento ao “Instrumento Particular de Escritura da Primeira Emissão de Debêntures Simples, Não Conversíveis em Ações, da Espécie Quirografária, com Garantia Adicional Real, em Série Única, para Distribuição Pública, com Esforços Restritos de Colocação, da NCF Participações S.A.” (“Segundo Aditamento à Escritura” e “Escritura”, respectivamente), para: a) ampliar o prazo de vencimento das Debêntures, que passará a ser de 3 (três) anos contados da data de emissão das Debêntures, de forma que a data de vencimento das Debêntures passe a ser o dia 25 de maio de 2014; e b) alterar a remuneração das Debêntures, que passará a ser de 107,00% (cento e sete por cento) da variação acumulada da taxa média diária dos DI – Depósitos Interfinanceiros de um dia, over extra grupo (“Taxa DI”); II. Aprovar a assinatura, pela Companhia, do quinto aditamento ao “Contrato de Alienação Fiduciária de Ações em Garantia e Outras Avenças” (“Quinto Aditamento ao Contrato de Alienação Fiduciária” e “Contrato de Alienação Fiduciária”, respectivamente), de forma a refletir a alteração do prazo de vencimento e da remuneração das Debêntures; III. Aprovar o pagamento da remuneração das Debêntures da seguinte forma: a) no período compreendido entre a data da primeira subscrição e integralização das Debêntures, qual seja, 09 de junho de 2011, até 25 de maio de 2013, será incorporado ao Valor Nominal Unitário a razão de 107,50% (cento e sete inteiros e cinquenta centésimos por cento) da variação acumulada da Taxa DI (“Remuneração Inicial”); e b) no período compreendido entre 25 de maio de 2013 (inclusive) até a data de vencimento das Debêntures, as Debêntures farão jus à remuneração equivalente a 107,00% (cento e sete inteiros por cento) da variação acumulada da Taxa DI (“Remuneração Subsequente”). A Remuneração Subsequente será calculada de forma exponencial e cumulativa pro rata temporis por Dias Úteis decorridos sobre o saldo do valor nominal unitário das Debêntures desde a data de incorporação da Remuneração Inicial, qual seja, 25 de maio de 2013, devendo ser paga em uma única parcela na data de vencimento das Debêntures (ou na data do resgate antecipado facultativo ou na data do vencimento antecipado das Debêntures em razão da ocorrência de um dos eventos de inadimplemento previstos na Escritura, se for o caso); IV. Aprovar o pagamento, aos debenturistas, do valor equivalente a 0,10% (dez centésimos por cento) incidentes sobre o valor nominal unitário das Debêntures em circulação, acrescido da Remuneração Inicial, calculada pro rata temporis desde a data da efetiva subscrição e integralização das Debêntures, qual seja, 09 de junho de 2011, até a data de celebração do Segundo Aditamento à Escritura, em razão das alterações à Escritura de que trata o item I acima, sendo tal valor devido também na data de celebração do Segundo Aditamento à Escritura; e V. Aprovar a assinatura, pela Companhia, de todos os demais documentos eventualmente necessários para efetivar as deliberações aqui consubstanciadas. Deliberações: Instalada validamente a Assembleia e após a discussão da matéria, os acionistas aprovaram, por unanimidade de votos e sem quaisquer restrições: I. a assinatura, pela Companhia, do Segundo Aditamento à Escritura, para que: a) os itens 4.1.4 e 4.2.1 da Escritura passem a vigorar com as seguintes novas redações: “4.1.4. Prazo e Data de Vencimento: As Debêntures terão prazo de vencimento de 3 (três) anos contados da Data de Emissão, com vencimento em 25 de maio de 2014 (“Data de Vencimento”). 4.2.1. No período compreendido entre a data da primeira subscrição e integralização das Debêntures, qual seja, 09 de junho de 2011, até 25 de maio de 2013, será incorporado ao Valor Nominal Unitário a razão de 107,50% (cento e sete inteiros e cinquenta centésimos por cento) da variação acumulada da taxa média diária dos DI – Depósitos Interfinanceiros de um dia, over extra grupo (“Taxa DI”), expressa na forma percentual ao ano, base 252 (duzentos e cinquenta e dois) Dias Úteis, calculadas e divulgadas pela CETIP, no informativo diário disponível em sua página na internet (www.cetip.com.br) (“Remuneração Inicial”). 4.2.1.1 No período compreendido entre 25 de maio de 2013 (inclusive) até a Data de Vencimento, as Debêntures fazem jus à remuneração equivalente a 107,00% (cento e sete inteiros por cento) da variação acumulada da Taxa DI, expressa na forma percentual ao ano, base 252 (duzentos e cinquenta e dois) Dias Úteis, calculadas e divulgadas pela CETIP, no informativo diário disponível em sua página na internet (www.cetip.com.br) (“Remuneração Subsequente” e, em conjunto com a Remuneração Inicial, “Remuneração”). A Remuneração Subsequente será calculada de forma exponencial e cumulativa pro rata temporis por Dias Úteis decorridos sobre o Saldo do Valor Nominal Unitário desde a data de incorporação da Remuneração Inicial, qual seja, 25 de maio de 2013, devendo ser paga em uma única parcela na Data de Vencimento (ou na data do Resgate Antecipado Facultativo ou na data do vencimento antecipado das Debêntures em razão da ocorrência de um dos Eventos de Inadimplemento, se for o caso). O cálculo da Remuneração obedecerá à seguinte fórmula: J = VNe x (Fator DI – 1) onde: J = Valor da Remuneração devida na Data de Vencimento, calculado com 6 (seis) casas decimais, sem arredondamento; VNe = Valor Nominal Unitário das Debêntures, ou saldo do Valor Nominal Unitário das Debêntures (conforme aplicável), Informado/calculado com 6 (seis) casas decimais, sem arredondamento; e FatorDI = corresponde ao produtório da Taxa DI com uso percentual aplicado a partir da data de início de capitalização ou da data de incorporação, inclusive, até a data de pagamento da Remuneração, exclusive, calculado com 8 (oito) casas decimais, com arredondamento, apurado da seguinte forma:

Fa to r D I

=

n

k =1

 +  1 TD I k × p  10 0  

onde: k = número de ordem da Taxa DI, variando de 1 (um) até n; n = número total de Taxas DI, consideradas na apuração do “FatorDI”, sendo “n” um número inteiro; p = percentual aplicado sobre a Taxa DI, informado com 2 (duas) casas decimais, equivalente a 107,50 (cento e sete inteiros e cinquenta centésimos) ou 107,00 (cento e sete inteiros), conforme o caso; e TDI k = Taxa DI de ordem k, expressa ao dia, calculada com 8 (oito) casas decimais com arredondamento, apurada da seguinte forma:

minosos é claro. "Se sua conduta é criminosa e ficar sob a jurisdição do SFO, nós iremos atrás de você de todas as formas possíveis." Após assumir, Green simplificou a estrutura do órgão ao criar duas divisões para fraude e outras duas para suborno, além de contratar novos integrantes para a diretoria, incluindo Geoffrey Rivlin, juiz aposentado, temido e respeitado por ser detalhista, para ajudar a preparar casos a serem processados. John Fingleton, CEO da Fingleton Associates, que dá consultoria a clientes a respeito de questões regulatórias, afirmou que Green "contratou pessoas boas e está tentando colocar o lugar em ordem". Porém, a seu ver, o trabalho definitivamente não é fácil. "O SFO penou muito com a falta de recursos, e o combate ao crime na Grã-Bretanha costuma ser muito mais difícil do que nos EUA", onde existem menos encargos no processo e os acordos são comuns. Green fica particularmente irritado com a sugestão de que o organismo se recusava a começar investigações por ser caro demais. "Absurdo", ele falou, antes de acrescentar, "deplorável". "Não vou permanecer neste posto e agir dessa forma", enfatizou. O inquérito da Libor é o maior entre os 67 casos abertos do SFO, representando um empreendimento enorme que levou Green a dobrar a equipe de investigadores, que chegaram a 60. Alguns investigadores foram emprestados para o fisco, e existem funcionários de grandes empresas de contabilidade e reguladores estrangeiros. Segundo ele, um acordo para troca de pessoal com o Departamento de Justiça está nos estágios finais. *The New York Times

TDI

k

 DI =   100

k

 + 1  

1 252

− 1

onde: DI k = Taxa DI de ordem k, divulgada pela CETIP, válida por 1 (um) Dia Útil ( overnight), utilizada com 2 (duas) casas decimais.”; b) os itens 4.2.1.1 a 4.2.1.6 da Escritura sejam renumerados para 4.2.1.2 a 4.2.1.7; II. a assinatura, pela Companhia, do Quinto Aditamento ao Contrato de Alienação Fiduciária, para que o Anexo II do Contrato de Alienação Fiduciária passe a vigorar com a seguinte redação: “[…] Data de Vencimento e Pagamento de As Debêntures terão prazo de vencimento de 3 (três) anos contados da Data de Principal e Remuneração: Emissão, vencendo-se assim em 25 de maio de 2014. O Valor Nominal Unitário das Debêntures e a Remuneração serão integralmente pagos na Data de Vencimento (ou na data do vencimento antecipado das Debêntures em razão da ocorrência de um dos eventos de inadimplemento, conforme previstos na Escritura, se for o caso). […] Taxa de Juros:

No período compreendido entre a data da primeira subscrição e integralização das Debêntures, qual seja, 09 de junho de 2011, até 25 de maio de 2013, será incorporado ao Valor Nominal Unitário a razão de 107,50% (cento e sete inteiros e cinquenta centésimos por cento) da variação acumulada da taxa média diária dos DI – Depósitos Interfinanceiros de um dia, over extra grupo (“Taxa DI”), expressa na forma percentual ao ano, base 252 (duzentos e cinquenta e dois) Dias Úteis, calculadas e divulgadas pela CETIP, no informativo diário disponível em sua página na internet (www.cetip.com.br) (“Remuneração Inicial”). No período compreendido entre 25 de maio de 2013 (inclusive) até a Data de Vencimento, as Debêntures fazem jus à remuneração equivalente a 107,00% (cento e sete inteiros por cento) da variação acumulada da Taxa DI, expressa na forma percentual ao ano, base 252 (duzentos e cinquenta e dois) Dias Úteis, calculadas e divulgadas pela CETIP, no informativo diário disponível em sua página na internet (www.cetip.com.br) (“Remuneração Subsequente” e, em conjunto com a Remuneração Inicial, “Remuneração”). A Remuneração Subsequente será calculada de forma exponencial e cumulativa pro rata temporis por Dias Úteis decorridos sobre o saldo do Valor Nominal Unitário desde a data de incorporação da Remuneração Inicial, qual seja, 25 de maio de 2013, devendo ser paga em uma única parcela na Data de Vencimento (ou na data do Resgate Antecipado Facultativo ou na data do vencimento antecipado das Debêntures em razão da ocorrência de um dos Eventos de Inadimplemento, se for o caso).

[…]” III. o pagamento da remuneração das Debêntures da seguinte forma: a) no período compreendido entre a data da primeira subscrição e integralização das Debêntures, qual seja, 09 de junho de 2011, até 25 de maio de 2013, será incorporado ao Valor Nominal Unitário a razão de 107,50% (cento e sete inteiros e cinquenta centésimos por cento) da variação acumulada da Taxa DI (“Remuneração Inicial”); e b) no período compreendido entre 25 de maio de 2013 (inclusive) até a data de vencimento das Debêntures, as Debêntures farão jus à remuneração equivalente a 107,00% (cento e sete inteiros por cento) da variação acumulada da Taxa DI (“Remuneração Subsequente” e, em conjunto com a Remuneração Inicial, “Remuneração”). A Remuneração Subsequente será calculada de forma exponencial e cumulativa pro rata temporis por dias úteis decorridos sobre o saldo do valor nominal unitário das Debêntures desde a data de incorporação da Remuneração Inicial, qual seja, 25 de maio de 2013, devendo ser paga em uma única parcela na data de vencimento das Debêntures (ou na data do resgate antecipado facultativo ou na data do vencimento antecipado das Debêntures em razão da ocorrência de um dos Eventos de Inadimplemento, se for o caso); IV. o recebimento, pelos debenturistas, de pagamento no valor equivalente a 0,10% (dez centésimos por cento) incidentes sobre o valor nominal unitário das Debêntures em circulação, acrescido da Remuneração Inicial, calculada pro rata temporis desde a data da efetiva subscrição e integralização das Debêntures, qual seja, 09 de junho de 2011, até a data de celebração do Segundo Aditamento à Escritura, em razão das alterações à Escritura de que trata o item I acima, sendo tal valor devido também na data de celebração do Segundo Aditamento à Escritura; e V. a assinatura, pela Companhia, de todos os demais documentos eventualmente necessários para efetivar as deliberações aqui consubstanciadas. Encerramento: Nada mais havendo a ser tratado, foi encerrada a Assembleia, da qual se lavrou a presente ata que, lida e achada conforme, foi assinada pelo Presidente, pelo Secretário e pelos acionistas presentes. aa) Presidente: Lázaro de Mello Brandão; Secretário: Carlos Alberto Rodrigues Guilherme; Acionistas: Cidade de Deus - Companhia Comercial de Participações; Fundação Bradesco e Nova Cidade de Deus Participações S.A., representadas por seu Diretor-Presidente, senhor Lázaro de Mello Brandão. Declaração: Declaro para os devidos fins que a presente é cópia fiel da Ata lavrada no livro próprio e que são autênticas, no mesmo livro, as assinaturas nele apostas. a) Carlos Alberto Rodrigues Guilherme – Secretário. Certidão - Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia - Junta Comercial do Estado de São Paulo Certifico o registro sob número 210.209/13-6, em 4.6.2013. a) Gisela Simiema Ceschin - Secretária Geral.


g

DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

sábado, domingo e segunda-feira, 6, 7 e 8 de julho de 2013

eral

O BATALHÃO DO FACEBOOK Redes sociais e sites na internet ajudam a preservar a memória dos combatentes da Revolução de 1932, cuja data será comemorada amanhã, 9 de julho. Fotos: Divulgação

Valdir Sanches

A

ferramenta ligada à Revolução Constitucionalista de 1932 não tem mais a ver com pás que cavam trincheiras. A missão é outra: conservar a memória dos paulistas que se bateram contra a ditadura de Getúlio Vargas. As ferramentas atuais chamam-se Facebook, Twitter, site e blog. Os mecanismos são usados por filhos, netos e outras pessoas da sociedade para que essa história de bravura não termine quando o último combatente vivo se for. Em 1998, 800 deles estavam vivos. Eram 54 em 2011, e 41 em 2012. Hoje somam 30. A Sociedade Veteranos de 32/MMDC tem criado meios para preservar a memória dos combatentes. Seu presidente, o coronel Mário Fonseca Ventura, diz que as providências trouxeram de volta nomes de ilustres combatentes que estavam esquecidos. Entre os novos meios, estão os Núcleos de Correspondência do Interior. Já são vinte deles. O primeiro, de Itapetininga, foi criado em 2011. O mais recente, de Amparo, em maio. Os núcleos têm sua página na internet, com histórias dos combatentes, registros de solenidades, artigos e outras informações relevantes. Na Capital, o Núcleo Cadete Ruytemberg Rocha, tenente morto em combate, é mantido pelos alunos oficiais da Academia da Polícia Militar do Barro Branco, na zona norte. Um deles, Aruan Baccaro de Freitas, diz que o propósito é “preservar e difundir a memória e os valores de 32”. “Queremos provocar influência positiva para essa e para as próximas gerações.” Pintura – A sociedade dos veteranos mantém também a Comissão dos Familiares dos Heróis de 1932, COFAM. A presidente atual é Camila Giudice, neta de Paulo Lobato Giudice. Em 2001, aos 19 anos, ela fazia monitoria no Monumento do Soldado Constitucionalista, no Obelisco do Ibirapuera, quando descobriu que seu próprio avô estava sepultado lá. Pintou um qua-

dro dele, e recuperou sua história. Paulo Lobato Giudice e seu irmão, Carlos, se alistaram sem contar um ao outro, muito menos à sua mãe. No front, em Pindamonhangaba, trocavam munição, quando, surpresos, se encontraram. Mulheres da família também atuaram, como enfermeiras. Na família, não houve baixas. Camila edita o jornal eletrônico “32 em Movimento”, que está no site da associação (www.sociedademmdc.com.br). O que propõe a comissão dos familiares? “Transmitir mensagens sobre os heróis, unir o maior número possível de parentes, para manter a revolução viva. Os combatentes saíram de casa sem saber se iam voltar, por paixão, para defender o País. Eram do povo,

nunca tinham atirado e conviviam com angústia de ter que matar.” Outra criação da sociedade dos veteranos é o Exército Constitucionalista de 1932. Simbólico, representa todos os combatentes vivos. Um de seus comandantes foi Dirce Pacheco e Silva, 93 anos, mulher do médico Antonio Carlos Pacheco e Silva. A ga sa l ho s – Dirce comandou suas oito irmãs e um batalhão de mulheres para fazer, na casa dela, luvas e agasalhos para os soldados usarem no front. O marido alistou-se e é lembrado por seu ativo trabalho como médico. De 10 a 26 de julho, examinou oito mil voluntários, em São Paulo. O Exército também foi comandado por Alfredo Pires Filho, que atuou na revolução com doze anos de idade em sua cidade, Sorocaba. Com uniforme de escoteiro, viajava de bonde para levar a correspondência de batalhões para o comando militar e ataduras para os hospitais. Aos 92 anos, Alfredo recorda vivamente sua participação. O atual comandante é Amado Rúbio. Ele passa o comando para Willian Sacco Mascarenhas Horth, em solenidade neste 9 de Julho, em frente ao obelisco. Willian estará usando uniforme igual ao dos combatentes de 32. Em 24 de junho, a entrega da Medalha Constitucionalista, na Assembleia Legislativa, foi marcada por uma coreografia feita por cadetes fardados daquela mesma forma.

Acima, Camila Giudice, presidente da Comissão dos Familiares dos Heróis de 1932. Ela fez um quadro do avô, Paulo Lobato Giudice, que combateu em 32 (ao lado). À esquerda, o simbólico exército constitucionalista, com fardas iguais às da época.

Coronel Irany, um dos muitos heróis do campo de guerra.

E

m maio de 1932, um rapaz de 18 anos, estudante de Farmácia, alistou-se na Força Pública (hoje Polícia Militar). Queria seguir a carreira de seu pai, oficial. Em 9 de julho estoura a revolução. Na noite de 11 de julho está com uniforme de campanha, no trem que parte da Estação da Luz, sob ovação de uma multidão. Aos cem anos, completados no mês passado, o coronel Irany Paraná do Brasil fala desses fatos, nomes e datas como se fossem recentes. O destino final do trem foi Eleutério, um lugarejo perto da divisa com Minas Gerais. “Não sabíamos se íamos defender São Paulo ou atacar Minas”, recorda, como está em seu livro 1932 A Guerra de São Paulo, publicado em 2005. O que souberam foi assustador. Um outro batalhão, o Paes Leme, estava a caminho. Seu comandante pretendia atacar Pouso Alegre, cidade mineira próxima à divisa com São Paulo. “Dizia ter sido enviado pelo Poder Civil”, conta Irany. O Batalhão Paes Leme reforçaria o 7º Batalhão da Força Pública – o de Irany. O

O levante, por Belmonte. 7º tinha duas companhias prontas, mas uma maioria de voluntários inexperientes. Para cumprir a missão, teriam que passar pelo inimigo, o 8º RAM, Regimento de Artilharia de Montanha, uma Força com privilegiada posição, maior efetivo e armamento, o que incluía obuses de bateria e fuzilaria. O plano encontrou resistência em reuniões de comando. Mas organizou-se um precário posto médico de emergência e os medicamentos vieram de uma farmácia. Estes ficaram a cargo de Irany. O Batalhão Paes acabou partindo por conta própria para o ataque a Pouso Alegre. Em seu livro, Irany registra o depoimento de um soldado “daquele batalhão suicida”.

“Foi estraçalhado nos arredores da cidade mineira. Houve dezenas de mortos, feridos e mutilados (...) Lutávamos um contra vinte.” Tão logo soube dos fatos, o comando em Eleutério mandou reforços para impedir o avanço do inimigo e socorrer os feridos. Irany atuou intensamente neste trabalho e no improvisado posto médico. Era um soldado que iniciara o curso de cabo. Hoje, advogado e farmacêutico, relembra, em seu apartamento na Parada Inglesa, zona norte: “Por ter participado do episódio de Pouso Alegre fui efetivado como cabo. E, por mostrar aptidão, promovido a 3º Sargento.” No novo posto, esteve no front em várias cidades. Participou de observações, esperou o inimigo dispondo de pouquíssima munição, com companheiros usando a “matraca”- uma falsa arma que produzia o som de metralhadora. “Não tínhamos nenhuma condição de resistência, nem de continuar aquela luta desigual do Brasil contra São Paulo.” Estavam em Palmital, no sudoeste, quando veio a notícia do armistício. (V.S.)

Maria Sguassábia, a valente soldado de São João da Boa Vista.

M

aria se aproximou de alguns soldados que estavam deitados e, de arma em punho, gritou: “Rendam-se!” Nenhum deles esboçou qualquer reação, nem procurou a arma. Limitaram-se a comentar, admirados: "É uma moça!”. Maria Sguassábia era professora de crianças em São João da Boa Vista, no leste paulista, divisa com Minas Gerais, quando a Revolução eclodiu. Da janela da escola, viu um soldado atirar o fuzil e o uniforme no mato e sair correndo. Dias depois, deixou a filha de nove anos com o administrador de uma fazenda, apanhou a arma e vestiu o uniforme. Nunca tinha dado um tiro. A descrição que abre esta matéria está na página do Núcleo de Correspondência da Sociedade dos Veteranos de 32/MMDC, de São João da Boa Vista. Há mais: o tenente que comandava aqueles soldados tentou fugir. Maria foi atrás dele, apontou o fuzil e deu-lhe voz de prisão. O tenente se recusou a entregar sua arma: “Mas isto é um absurdo, um oficial ser preso por uma mulher.” O oficial que comandava a soldado Maria surgiu. Entendeu o constrangimento do outro. Desarmou-o e o prendeu. Por essa ação, Maria foi promovida a cabo.

São João da Boa Vista vivia sob a ameaça da tropa legalista, fiel ao governo de Getúlio Vargas, sediada na mineira Poços de Caldas, logo do outro lado da divisa. Os civis foram evacuados, mas Maria ficou. Seu irmão Antonio se apresentara às tropas paulistas. Uma noite disse a Maria que iam avançar.

Maria durante a revolução Nesse momento, ela tomou a decisão de vestir a farda deixada pelo desertor. Esperou a noite e subiu no último caminhão do comboio. Na trincheira, vê vultos se movendo e puxa o gatilho. O recuo da arma dá forte pancada em seu ombro. Continua a atirar e sofrer com

os golpes. A munição acaba, não sabe recarregar. O irmão, com quem se encontrara, a ensina. Antonio, na verdade, quer que ela volte. O comandante das tropas também. O caso vai parar no Estado Maior. Vem a resposta: se aguentar, fica. Maria é incorporada oficialmente, como soldado Mário Sguassábia. Maria/Mário participou de enfrentamento com mortos e feridos. Uma bala resvalou por seu capacete. Corriam o risco de serem massacrados. “Manteve-se calma, tornando-se alvo da admiração e estima de todos os companheiros. Na segunda-feira, encharcada até os ossos, faminta, esfarrapada, assistiu à debandada do inimigo.” Em outra ação, Maria e os seus envolveram-se em dez combates em quatro dias. Ela viu companheiros morrerem, experimentou a derrota e a necessidade de recuar. “Lutou desesperadamente.” Por essa ação, foi promovida a sargento. Com o fim do conflito, voltou para São João da Boa Vista e foi trabalhar como costureira. Mais tarde, reincorporada à Secretaria da Educação, voltou a ser professora. Stela Rosa (Maria era apelido) morreu em 1973, com 74 anos. (V.S.)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 6, 7 e 8 de julho de 2013

c

9 CASARÃO DA PAULISTA A Justiça decidiu qua a Residência Joaquim Franco de Mello, um dos últimos casarões da Av. Paulista, terá de ser restaurada. O imóvel ficou por mais de 20 anos em meio a uma batalha judicial para que o Estado indenizasse os proprietários pelo tombamento, em 1992. Agora, a conta milionária para recuperar a edificação de 4.720 m² e 35 cômodos será dividida entre herdeiros, governo do Estado e Prefeitura.

idades

Amauri Nehn/Estadão Conteúdo

O incêndio começou por volta da 1h em um barraco e se espalhou rapidamente. 60 bombeiros trabalharam no combate ao fogo, controlado às 4h.

Heliópolis: chamas e três mortes. Moradores da favela dizem que um balão causou o incêndio de grande proporção na Comunidade da Ilha, em Heliópolis. Pelo menos 17 pessoas ficaram feridas, sendo duas em estado grave.

U

m incêndio de grande proporção atingiu na madrugada de ontem a favela Conhecida como comunidade da Ilha, na região de Heliópolis, zona sul de São Paulo. Ao menos três pessoas morreram e 17 ficaram feridas, duas delas em estado grave, segundo Marcos Palumbo, chefe da comunicação dos bombeiros. O incêndio começou por volta da 1h em um barraco da favela na avenida Almirante Delamare e se espalhou rapidamente. Ao menos 22 equipes, cerca de 60 homens, trabalharam no combate ao fogo, que foi controlado às 4h. O Hospital de Heliópolis, vizinho à favela, não foi atingido e nenhum paciente precisou ser removido devido a fumaça. As causas do incêndio serão investigadas, mas moradores da favela comentam que a queda de um balão teria iniciado o incêndio. MORADORES – A cabeleireira Maria Ivone Jesus dos Santos, de 34 anos, que mora há nove anos no local com o marido e a filha, adolescente, estava dormindo quando ouviu os vizinhos gritando que a favela estava pegando fogo. Segundo Maria Ivone, o fogo se alastrou tão rapidamente que ela perdeu quase tudo que estava na casa, inclusive uma máquina de lavar que ganhou há três dias do marido. "Só deu tempo de salvar a minha gatinha, a bíblia, o microfone que eu louvo ao senhor, uma TV e a CPU do computador."

O metalúrgico desempregado Marcos de Santana Almeida, 25 anos, foi surpreendido pelo incêndio quando chegava em casa com a mulher, Laiane Almeida Santana, 16. Eles perderam tudo. Quando viu o fogo, a reação de Almeida foi ligar para a mãe para avisar que estava bem. "Vi as paredes da minha casa desabando e comecei a chorar de desespero." Almeida disse que só deixa o local quando receber uma posição da Prefeitura para onde as famílias serão levadas ou o pagamento de auxílio aluguel. "Já tem protesto pelo País, a gente para tudo." P RE FE IT UR A – Segundo o subprefeito do Ipiranga, Luiz Henrique Girardi, pelo menos 60% da favela foi condenada pelo fogo . Funcionários da Prefeitura cadastraram, na quadra da escola de samba Imperador do Ipiranga, os moradores afetados para a distribuição de cobertores, colchões, cestas básicas e kits de higiene. Segundo Girardi, a subprefeitura ainda não tinha, no início tarde de ontem, o número fechado de moradores afetados, mas estudava um local para a abertura de um abrigo. "Já deu para perceber pelo número de pessoas que nem todos terão casas de parentes para se abrigar, precisamos nos preparara para o pior", disse. Mais tarde, a Defesa Civil informou que 860 pessoas ficaram desabrigadas. (Agências)

Rhian Carlos Berghetti Dantas/Estadão Conteúdo

Dilma libera verba para reconstrução de mercado

A

presidente Dilma Rousseff telefonou ontem para José Fortunati, prefeito de Porto Alegre, informando que o governo vai liberar recursos para a reconstrução do Mercado Público, parcialmente destruído por um incêndio na noite de sábado. O Mercado Público foi inaugurado em 1869 e, desde 1990, quando foi restaurado, é tombado pelo Patrimônio Histórico e Cultural de Porto Alegre. (Agências)

legenda

Nivaldo Lima/Estadão Conteúdo

Motos: um ladrão morto e outro preso na Marginal do Tietê.

U

Alvo preferencial dos bandidos: motocicletas esportivas de grande cilindrada.

Regata com protesto

M

oradores de Ilhabela, no litoral norte de São Paulo, aproveitaram a largada da regata Ilhabela Sailing Week, na manhã de ontem, para protestar contra a possibilidade de alterações nas regras de ocupação da cidade. Foi a segunda manifestação em menos de 24 horas. Com faixas que diziam, por exemplo, "Bonete não está à venda" e "Bonete e Castelhanos, os últimos sobreviventes", manifestantes em pelo menos nove barcos se aproximaram das embarcações que participavam da com-

petição. A largada não foi prejudicada pelo protesto e não houve conflito. As duas comunidades, habitadas majoritariamente por pescadores, são do tipo Z2, classificação que restringe as atividades desenvolvidas no local. Projeto apresentado pela prefeitura propõe que Bonete e Castelhanos tornemse áreas Z4, o que permite urbanização e loteamento das áreas. O projeto também prevê alterar a classificação de área em frente ao porto para Z5, o que abriria brechas para a instalação de indústrias.

m assaltante foi baleado e morto e outro, preso por roubo de motocicletas na Marginal do Tietê, sentido Castello Branco, na altura da ponte Atílio Fontana, no começo da tarde de ontem. Segundo a polícia, entre 8h e 12h, os dois roubaram pelo menos três motos. Policiais do 5° Batalhão pediram o bloqueio da via ao 2° Batalhão do Policiamento de Trânsito e a avenida foi fechada. Ao ver as viaturas, o rapaz que conduzia a motocicleta atirou contra os policiais, que revidaram, baleando-o. Elenão resistiu. O seu comparsa foi preso.

SECRETARIA DA SAÚDE DIVISÃO TÉCNICA DE SUPRIMENTOS - SMS.3 ABERTURA DE LICITAÇÕES Encontra-se aberto no Gabinete, o seguinte pregão: PREGÃO ELETRÔNICO 197/2013-SMS.G, processo 2013-0.064.364-8, destinado ao registro de preço para o fornecimento de FRASCO PARA DRENAGEM TORÁCICA, para a Divisão Técnica de Suprimentos - SMS.3/Grupo Técnico de Compras - GTC/Área Técnica de Material Médico Hospitalar, do tipo menor preço. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 10 horas do dia 23 de julho de 2013, pelo endereço www.comprasnet.gov.br, a cargo da 1ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. RETIRADA DE EDITAL O edital do pregão acima poderá ser consultado e/ou obtido nos endereços: http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br; www.comprasnet.gov.br, quando pregão eletrônico; ou, no gabinete da Secretaria Municipal da Saúde, na Rua General Jardim, 36 - 3º andar - Vila Buarque - São Paulo/SP - CEP 01223-010, mediante o recolhimento de taxa referente aos custos de reprografia do edital, através do DAMSP, Documento de Arrecadação do Município de São Paulo. DOCUMENTAÇÃO - PREGÃO ELETRÔNICO Os documentos referentes às propostas comerciais e anexos, das empresas interessadas, deverão ser encaminhados a partir da disponibilização do sistema, www.comprasnet.gov.br, até a data de abertura, conforme especificado no edital.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10

sábado, domingo e segunda-feira, 6, 7 e 8 de julho de 2013

DESASTRE EM SAN FRANCISCO Caixa-preta do Boeing 777 da sul-coreana Asiana Airlines revela que a velocidade estava abaixo do normal no momento do pouso. Duas estudantes chinesas morreram e vários feridos correm o risco de paralisias permanentes.

nternacional Fotos: Khaled Abdullah/Reuters

No Egito, expectativas ainda no ar. Após a rejeição islamita de ElBaradei, advogado surge como nome para o cargo de premiê. Nas ruas, os protestos continuam.

Jatos deixam um rastro no céu do Cairo, uma tática que está sendo aplicada nos últimos dias para reforçar a autoridade dos militares.

D

ivididas, as facções políticas no Egito passaram o fim de semana discutindo o candidato ideal para o cargo de primeiro-ministro do país. Depois que o político liberal e vencedor do prêmio Nobel da Paz, Mohammed ElBaradei, teve o nome recusado por grupos islamitas, Ziad Bahaa-Eldin, um advogado social democrata surgiu como forte candidato. Nas ruas do Cairo, partidários e opositores do golpe militar que depôs no último dia 3 de julho o presidente islamita Mohammed Morsi voltaram a medir suas forças com grandes manifestações. Após ter assumido como presidente interino e dissolvido a câmara alta do Parlamento dominada pelos islamitas em apenas dois dias, o atual desafio de Adly Mansour é buscar um sucessor para o primeiro-ministro Hisham Qandil, que tinha sido nomeado por Morsi. Após horas de negociações entre as facções liberal e secular e islamitas ultraconservadores, a nomeação de ElBaradei chegou a ser confirmada pela agência estatal Mena no sábado, e foi desmentida no dia seguinte. Líder do partido Al Dustur (A Constituição), ElBaradei é conhecido pela simpatia que desperta entre os jovens revolucionários. No entanto, ele é uma figura pouco apreciada

J. Duran Machfee/FuturaPress/Folhapress

Partidários do presidente deposto Morsi protestam contra golpe entre os islamitas, em especial os salafistas do Al Nour, que criticaram "não terem sido consultados" sobre a nomeação. O Al Nour é o segundo maior partido islamita do país, atrás da Irmandade Muçulmana de Morsi. Com a rejeição do líder reformista, o porta-voz do presidente interino afirmou à TV egípcia que Ziad Bahaa-Eldin é o principal candidato ao posto e que ElBaradei assumiria o cargo de vice-presidente. Bahaa-Eldin, de 48 anos, declarou à Associated Press que "ainda está pensando sobre o assunto". Advogado comercial graduado em Oxford, Bahaa-Eldin chefiou a autoridade de investimento do país nos últimos anos de Mubarak no poder, mas pediu demissão antes de o ditador ser derrubado.

Protestos - A instabilidade também continua nas ruas da capital egípcia. As manifestações de ontem foram convocadas dois dias após um enfrentamento entre grupos rivais deixar 36 mortos e mais de mil pessoas feridas. Os adversários de Morsi reuniram-se na praça Tahrir, no Cairo, e no palácio presidencial em uma atmosfera festiva. Diferente de sexta-feira, não houve confronto com soldados. Houve muitos gritos de celebração quando jatos militares deixaram um rastro no céu em formato de coração acima da praça, uma tática que está sendo aplicada por eles nos últimos dias para reforçar autoridade. Um grupo de músicos folclóricos tocaram bateria e flauta em um clima de festa. No outro lado da cidade, dezenas de milhares de outros

O EGITO É AQUI – Sírios, palestinos e libaneses deixaram as divergências de lado e reuniram-se ontem na praça Oswaldo Cruz, no bairro do Paraíso, em São Paulo, para protestar contra a derrubada do presidente do Egito, Mohammed Morsi. Os manifestantes reivindicam que o governo brasileiro corte relações com o Egito por causa do 'fim da democracia' naquele país.

manifestantes contra a Irmandade Muçulmana juntaram-se diante do palácio presidencial. Mohamed Manndouh, um estudante de administração de 21 anos, explicou o sentimento de muitos que apoiam a intervenção militar. "Eu vim protestar porque rejeito o terror da Irmandade", disse. Já os partidários de Morsi e da Irmandade Muçulmana concentraram-se em um grande número de pessoas do lado de

fora de uma mesquita no nordeste da cidade e da sede da Guarda Republicana, onde dizem que Morsi está preso. "Não vamos sair até Morsi retornar. Do contrário, vamos morrer como mártires", disse Hanin Ahmad Ali Al-Sawi, de 55 anos, enquanto soldados e policiais observavam por trás de um arame farpado. Ela permanece no local com seus cinco filhos há seis dias. Os protestos foram convo-

cados horas após a Promotoria pedir a prisão de três dirigentes do Partido Liberdade e Justiça, braço político da Irmandade – o vice-presidente do partido, Esam el-Arian, o membro da executiva Mohamed el-Beltagui e o clérigo Safwat Higazi. Eles são acusados de incitar a violência. Nos últimos dias, a Irmandade recebeu cerca de 300 ordens de prisão contra seus membros. (Agências)

Christinne Muschi/Reuters

Uma tragédia virando a curva

E

quipes dos bombeiros e da polícia continuaram ontem as buscas por 40 pessoas desaparecidas após o descarrilamento de um trem na cidade de Lac-Mégantic, no Canadá. O acidente causou a explosão de 73 vagões-tanque que levavam petróleo e deixou pelo menos cinco mortos. Devido à explosão, cerca de 40 casas e estabelecimentos comerciais no centro da cidade foram destruídos. Dentre eles, um bar onde estavam 50 pessoas no momento da explosão. O fogo impediu que os socor-

ristas chegassem perto dos vagões e a fumaça podia ser vista muito tempo depois do acidente. Os moradores foram forçados a fugir da cidade, de 6 mil habitantes, que fica cerca de 250 quilômetros ao leste de Montreal e 16 quilômetros a oeste da fronteira com o Estado de Maine, nos Estados Unidos. O trem levava petróleo do Estado de Dakota do Norte, nos EUA, para o leste canadense e estava parado, sem condutor. Foi quando começou a ganhar velocidade e acabou descarrilando na curva. Segundo The

Ninguém se livra do Exército

O

Bombeiro avalia destruição provocada por locomotiva desgovernada Montreal Maine & Atlantic, responsável pela composição, os freios estavam acionados. O petróleo transportado caiu

em um rio que passa pelo centro da cidade. Ainda não há estimativas sobre o impacto ecológico do acidente. (Agências)

Conselho de Ministros israelense, presidido pelo primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, aprovou ontem o projeto de lei que prevê o alistamento obrigatório dos jovens ultraortodoxos pela primeira vez desde a criação do Estado de Israel, em 1948. O projeto, rejeitado pela comunidade ultraortodoxa, ainda deve passar pelo Parlamento antes de entrar em vigor. "Nosso objetivo é duplo: integrar os jovens ultraortodoxos no Exército e no serviço social e, o que não é menos importante, integrá-los na força de trabalho do país", destacou Netanyahu.

A relação entre o serviço militar e os altos níveis de pobreza neste grupo se explica pelo fato de que para materializar a isenção do Exército os jovens ultraortodoxos devem se comprometer a não abandonar as academias rabínicas nas quais estudam até avançada idade, o que lhes impede de trabalhar. A nova lei afetará por ano cerca de 8 mil desses jovens e contempla o alistamento de cerca de 5 mil deles a partir de 2017. Ao contrário dos demais jovens, que se alistam aos 18 anos de idade, os ortodoxos deverão fazer isso aos 21. (EFE)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 6, 7 e 8 de julho de 2013

11

acsp

Fotos: Paulo Pampolin/Hype

distritais

Com ajuda é mais fácil vender

A vitrine potencializa a visibilidade dos produtos e deve contar a história da loja, o segmento alvo e o mix de produtos, sem poluir.

Palestra realizada na Distrital Tatuapé, em parceria com o Sebrae, orienta empreendedores a modernizar e organizar suas lojas para alavancar os negócios. André de Almeida

H

á oito meses, quando abriu uma loja de roupas femininas em Higienópolis, o empresário Nicolau Nemer Júnior teve uma série de dúvidas sobre como deveria ser a disposição interna dos produtos, a montagem da vitrine e a iluminação. Com a ajuda do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), esclareceu os pontos pendentes e seu empreendimento hoje é um bom exemplo de como uma loja deve estar organizada. Muito mais do que um simples detalhe estético ou visual, o layout pode influir diretamente nas vendas. "Hoje em dia, com a concorrência dos varejistas de shoppings e das franquias, geralmente bem estruturados, as lojas de rua têm de estar muito bem organizadas", explicou o consultor de Varejo do Sebrae, Fábio de Azevedo, na palestra "Modernize sua Loja", realizada na Distrital Tatuapé da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). Os lojistas, segundo ele, precisam inovar e criar uma experiência de consumo agradável aos clientes, fidelizando-os. "A comunicação com o consumidor começa pela fachada e se dá de fora para dentro", afirmou. É pela fachada que acontece o primeiro contato visual do consumidor com a loja. "Com a Lei Cidade Limpa, já não vale mais o tamanho do outdoor ou da fachada. Os empresários devem buscar recursos nos elementos de arquitetura e nas cores. O uso de luminosos quase sempre é interessante", disse Azevedo. Foi exatamente o que fez Nicolau, que resolveu iluminar o nome da loja na fachada. Já o gerente de uma loja de artigos esportivos no Centro, Oswaldo da Silva, além da iluminação, também fez um letreiro com cores fortes e vibrantes, com o objetivo de se diferenciar dos vizinhos. Vitrine - Depois da fachada, o próximo elemento de contato do consumidor com a loja é a vitrine. De acordo com o consultor do Sebrae, o espaço não

G Ir Agendas da Associação e das distritais

Quarta I Jabaquara – Às 9h30,

reunião do Projeto Empreender Núcleo Saúde e Bem-Estar. Avenida Santa Catarina, 641.

Quinta I Comus – O conselheiro

da ACSP José Candido Senna coordena reunião do Comitê de Usuários dos Portos e Aeroportos do Estado de São Paulo (Comus) para discussão do tema Aeroporto 24 horas Viracopos. O encontro

Com a concorrência dos shoppings e das franquias, as lojas de rua têm de estar muito bem organizadas

o cliente sem atrapalhar a visualização dos produtos pelos outros consumidores. Nesse formato também é importante a formação de estoque, além do uso de equipamentos de apoio para a demonstração dos produtos, como tomadas ou iluminação especial, por exemplo", disse Azevedo. Diferenciais - A escolha dos equipamentos para a exposição dos produtos merece um cuidado especial. Eles devem garantir a preservação dos itens e a boa comunicação. A funcionalidade também é importante, de modo a permitir fácil mobilidade, limpeza e manutenção. Na loja de esportes de Oswaldo, por exemplo, as gôndolas e araras contam com rodinhas, adaptando-se facilmente a eventuais trocas de lugar dos produtos e alteração no layout do estabelecimento.

Outro fator que garante um importante diferencial a uma loja é a iluminação. Ela deve ser pensada por setores a serem iluminados de forma distinta. A comunicação visual, por sua vez, tem de ser feita para facilitar o contato com o consumidor. O uso de cores e a disposição dos equipamentos ajudam a criar a ambientação. É importante não ter barreiras na entrada da loja que atrapalhem o acesso dos clientes e os corredores devem permitir uma boa circulação das pessoas. Por fim, serviços adicionais como estacionamento, área de descanso ou espera, consertos e ajustes, garantia e prazos de trocas estendidos, atendimento especial para trocas, embalagens especiais, mensagens personalizadas e serviços de instalação são decisivos para o sucesso nas vendas.

FÁBIO DE AZEVEDO, CONSULTOR DE

VAREJO DO SEBRAE

Nicolau Nemer Júnior (acima) teve ajuda do Sebrae na sua loja. Abaixo, Oswaldo da Silva, gerente de loja de artigos esportivos. não deve ser montada de forma artística, mas de maneira técnica, onde cada detalhe transmite uma informação. A vitrine potencializa a visibilidade dos produtos e deve contar a história da loja, o segmento alvo e o mix de produtos, sem poluir. Tem de ser proporcional às dimensões da fachada, expor os produtos na altura do ponto focal e sua iluminação deve ter a intensidade correta, de forma a não produzir reflexos ou modificar as cores dos produtos. "Trocamos os produtos da vitrine toda semana, colocando as novidades que quere-

contará com a presença do gerente de Relações Institucionais da Aeroportos Brasil Viracopos Campinas, Carlos Alcantara. Às 16h, rua Boa Vista, 51/9º andar, plenária. I Penha – Às 19h30, reunião Ordinária da Diretoria Executiva e Conselho Diretor. Av. Gabriela Mistral, 199. I São Miguel – Às 19h30, a distrital realiza a 3ª reunião Ordinária da Diretoria Executiva e Conselho Diretor. Av. Marechal Tito, 1042.

Sexta I Penha – Às 9h, a distrital,

em parceria com o Sebrae, realizará a palestra Código de Defesa. Av. Gabriela Mistral, 199.

mos trabalhar. A iluminação focada nos produtos ajuda a destacá-los melhor", explicou Nicolau. "Optamos por construir todas as vitrines de vidro, de forma que os consumidores possam visualizar toda a área da loja mesmo quando estiverem passando pela calçada", completou Oswaldo. Formatos - O formato de um estabelecimento - autosserviço, delivery ou venda assistida, por exemplo - influi na maneira sobre como deve ser desenvolvido o seu layout. No caso do autosserviço, como há uma grande variedade de produtos, as lojas têm que estar prepara-

das para que haja o mínimo de reposição possível. Nesses empreendimentos, o cliente é que tem que achar determinado produto. Daí a importância de uma boa comunicação visual e da necessidade de separar os produtos de lista das novidades e dos promocionais, com pouca área de estoque. Já nas lojas com venda assistida, o papel do vendedor é fundamental. Ele tem que estar preparado e ter conhecimento dos produtos, que devem estar bem posicionados no interior do estabelecimento. "O layout deve ser feito de modo que o vendedor atenda

Grafitaço vai mudar as cores da Casa de Cultura do Butantã

O

s muros da Casa de Cultura Butantã vão ganhar novas cores e desenhos em grafite no dia 14, domingo, das 8h às 18h, e alguns dos artistas responsáveis pelo trabalho serão escolhidos por um concurso promovido pela subprefeitura do bairro. As inscrições para participar do grafitaço da Casa de Cultura podem ser feitas até quartafeira, às 17h, na própria Casa de Cultura, rua Junta Mizumoto, 13. Os interessados devem levar CPF e RG, próprio ou do responsável pelo grupo, além de um esboço do projeto artístico a ser desenvolvido. A atividade irá funcionar na modalidade

"concurso de projetos", respeitando a estética e a criatividade artística individual, mas os participantes devem orientar para temas referentes a arte, cultura, sociedade e história local. Os espaços para os murais têm entre 2 e 3 metros de extensão por 2,5 metros de altura, mas podem variar conforme o número de inscritos aprovados. Serão aceitos entre 40 a 60 trabalhos, sendo que a Subprefeitura do Butantã reserva-se o direito de convidar até cinco artistas. Na quinta, às 19h30, haverá uma reunião com os grafiteiros cujas inscrições forem aceitas.

Área para praça na Mooca já é de utilidade pública

A

Subprefeitura da Mooca, a Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente e o Conselho Ambiental de Desenvolvimento Sustentável (Cades/Mooca) deram o primeiro passo para a concretização de um antigo sonho da comunidade: a instalação de um parque na Rua Padre Benedito Maria Cardoso, altura do número 121, entre as ruas Cassandoca e dos Trilhos. Com aproximadamente 4,9 mil metros quadrados, a área particular foi declarada de utilidade pública a ser desapropriada para a instalação do parque, conforme decreto já publicado no Diário Oficial da

Cidade. Assim foi dado início aos trâmites legais necessários para a implantação da área verde. Conforme e subprefeitura do bairro, a região onde ficará a praça necessita ampliar o índice de cobertura vegetal, e a área verde é uma das últimas da região, rodeada de construções. Por isso precisa ser preservada. O parque é uma conquista da população, que há décadas luta pela aprovação do projeto. A subprefeitura do bairro pretende também ampliar as ações, com o aumento da arborização, dos canteiros e das praças, colaborando para a melhoria das condições climáticas e de lazer na região.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

12

sábado, domingo e segunda-feira, 6, 7 e 8 de julho de 2013

facesp

POR REGIÕES A Facesp tem hoje 20 Regiões Administrativas (RAs) no estado e cada seminário reúne duas delas.

regionais

Para integrar e Paulo de Paula/Acirp

crescer

Dez seminários regionais promovidos pela Facesp no interior, litoral e capital, pretendem integrar as mais de 420 associações comerciais filiadas no Estado. Os encontros prosseguem até agosto. André de Almeida

A

Rogério Amato, da ACSP e Facesp, Adriana Cássia, da Acirp, Natanael Miranda dos Anjos, da Facesp, e Antonio Carlos Parise, da RA 14.

Empreendedores lotam auditório em Rio Preto: até agosto, o interior do Estado terá um total de oito encontros.

ACE de Guarulhos promove palestras

A

Associação Comercial e Empresarial (ACE) de Guarulhos, no mês de seu aniversário, programou um ciclo de palestras para os empreendedores. Os encontros, que começam na quarta-feira, a partir das 19h, na Casa do Empreendedor – sede da entidade, são gratuitos e têm como objetivo proporcionar novos conhecimentos aos empreendedores da cidade da Grande São Paulo. As palestras acontecem até dia 18. No total, serão sete encontros. A primeira palestra terá como tema "Inteligência de Negócios – Gestão de Dados como estratégia para alavancar negócios", com Victor Armbrust e Carlos Cruz, especialistas do Instituto Avançado de Formação Educacional (Iafesp). Entre os temas do ciclo estão também "Quanto você enxerga com clareza as oportunidades do seu negócio", "Educação Financeira e Qualidade de Vida", "Questões Jurídicas: Regulamentação de Empresas & Legislação Trabalhista", "Novas tendências na gestão de vendas", "Questões econômicas e impacto financeiro nas empresas" e "Que tipo de líder você é na empresa". As palestras são gratuitos, porém a ACE-Guarulhos solicita aos participantes que doem um litro de leite integral. As doações serão revertidas para o Núcleo Assistencial Anália Franco. A ACE fica na avenida João Bernardo Medeiros, 278, no bairro Bom Clima. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 21379306 ou no site www.aceguarulhos.com.br. Parceria – A ACE e a Caixa Econômica Federal firmaram uma parceria: a entidade passa a ser a mais nova correspondente do banco na cidade. A ACEGuarulhos disponibilizará aos associados e a população os principais serviços da Caixa. Inicialmente, serão duas soluções: a abertura de contas e o crédito consignado.

O controle do caixa

A

contece na escola Chieko Nishimura, no 18, um debate gratuito promovido pela Associação Comercial e Empresarial (ACE) de Pompeia em parceria com o Escritório regional do Sebrae. O tema será "Sei controlar meu dinheiro", com o consultor de empresas José Luis Valenciano. O objetivo é oferecer aos participantes a compreensão sobre o controle de caixa no dia a dia empresarial; ensinar a reconhecer a importância de se efetuar o controle diário

de entradas e saídas; e a elaborar o controle diário. A carga horária é de três horas. Para o presidente da ACE, Alair Mendes Fragoso, muitos empresários de pequenas, micro e macro empresas imaginam que este assunto é complexo. "É uma excelente oportunidade para que os empresários possam esclarecer dúvidas e principalmente aprender novas práticas de trabalho que sejam rentáveis", disse. Os interessados devem entrar em contato pelo telefone (14) 3452-1288.

Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp) realiza, pelo terceiro ano seguido, uma série de seminários regionais com o objetivo de integrar as mais de 420 associações comerciais (ACs) filiadas, além de promover o desenvolvimento das entidades. Até agosto serão oito encontros no interior paulista, um no litoral e outro na capital. A programação conta com palestras e painéis que abordam temas que fazem parte de uma estratégia para o fortalecimento e crescimento das ACs. Alguns dos assuntos abordados são "Ações da Boa Vista Serviços (BVS) para a Facesp", "Estratégias de comunicação", "Atualização de identidade visual", "Boas práticas de vendas", "Oportunidades de negócios" e "Estratégia de produtos". As primeiras cidades visitadas, em junho, foram Araçatuba e Bauru, seguidas por São José do Rio Preto e Ribeirão Preto. Na semana passada, foi a vez de São Carlos e Campinas sediarem os encontros regionais. Os próximos seminários serão em Itapetininga (30 e 31 de julho), São Paulo (01 e 02 de agosto), São José dos Campos (13 e 14 de agosto) e Santos (14 e 15 de agosto). Vantagens - De acordo com o presidente da Facesp e da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), Rogério Amato, os seminários estimulam o contato entre os integrantes das associações e os presidentes das entidades e são importantes para que todos trabalhem da mesma forma e em prol dos mesmos objetivos. Nos encontros, os participantes debatem questões referentes a três áreas de atuação da Facesp: administrativa, produtos/negócios e institucional. "Os seminários ajudam as ACs a se aproximarem umas das outras, conseguem atingir de forma eficaz todas as entidades das respectivas regiões e nos ajudam a descobrir as necessidades e estudar soluções", afirma Amato. "Também é uma forma de estreitarmos as relações com os novos dirigentes. O balanço tem sido extremamente positivo". Segundo o superintendente da Facesp, Natanael Miranda dos Anjos, os seminários, para os participantes, se diferenciam do congresso anual da entidade. "Enquanto no congresso os presidentes das ACs participam basicamente como ou-

vintes, nos encontros eles têm a oportunidade de expor suas ideias e opiniões, proporcionando maior integração", diz. Aprovação - Nas cidades onde os encontros já aconteceram, os dirigentes das ACs aprovaram a iniciativa. Cada seminário agrega a associação comercial da cidade que está sediando o evento e as outras entidades das respectivas Regiões Administrativas (RAs). Atualmente, a Facesp tem 20 RAs no estado e cada seminário reúne duas delas. "Todos ganham quando promovemos as forças comerciais locais e as cadeias que as envolvem. As ACs são polos agregadores de ideias e as ações ficam mais fáceis quando lutamos em grande número", ressalta o presidente da Associação Comercial e Industrial de Bauru (Acib), Paulo Roberto Martinello. Assim, segundo ele, os seminários promovem e aperfeiçoam o desenvolvimento, sempre buscando soluções e atualizações para as entidades. Na opinião do presidente da Associação Comercial e Industrial de São Carlos (Acisc), Alfredo Maffei Neto, o evento permitiu não apenas a troca de experiências entre as ACs da região, mas também a atualização de conhecimentos dos profissionais do segmento. "Foi uma excelente oportunidade para debatermos nossas atuais ações e novos projetos a serem implantados a médio e longo prazos", conclui o dirigente.

É uma forma de estreitarmos as relações com os novos dirigentes. O balanço tem sido positivo. ROGÉRIO AMATO, PRESIDENTE DA FACESP E ACSP.

Os japoneses e o café

O

s alunos – 16 japoneses, um espanhol e um brasileiro – do 54ºCurso de Classificação e Degustação de Café da Associação Comercial de Santos (ACS) iniciaram as sessões práticas de prova da bebida. O curso começou dia 1º e segue até o dia 25, com aulas diárias na ACS. Um dos professores, Davi Antonio Pinto Teixeira, de 80 anos e 70 de experiência no mercado cafeeiro, afirma que um dos objetivos das provas de bebida é que os alunos

agucem os cinco sentidos. O 54º Curso de Café é ministrado pelo professor Davi Teixeira e pelo professor Nilton Ribeiro e tem o acompanhamento da tradutora Sayoko Nakai. Além das aulas teóricas e da prática de degustação, haverá visitas técnicas a uma fazenda de café em Santo Antônio da Alegria, na região de Espírito Santo do Pinhal, Interior do Estado; à torrefadora Mitsui Alimentos, na Capital; e ao armazém de beneficiamento da Dínamo, em Santos.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 6, 7 e 8 de julho de 2013

13

Os direitos dos animais artistas. De insetos a rinos.

d

cultura

Michael Cieply

E

m um set de filmagem, até mesmo os insetos devem seguir as regras, se quiserem picar. E o livro de regras não é pequeno: são 131 páginas de diretrizes impostas pela American Humane Association (a associação protetora dos animais dos EUA) para produções televisivas e cinematográficas, para garantir as famosas palavras de aprovação: "nenhum animal foi ferido neste filme. Ainda assim, às vezes alguns animais se ferem durante as filmagens. O público reage, indignado. Há um ano, depois que o terceiro cavalo se feriu e precisou ser sacrificado na série Luck, da HBO, a empresa anunciou que cancelaria o programa. Incidentes como os ocorridos em Luck chamam a atenção para a associação e sua capacidade de monitorar e colocar em prática as próprias diretrizes. Grupos de defesa dos direitos dos animais permanentemente cobram a vigilência American Humane Association. A propósito, uma exfuncionária da associação entrou com um processo trabalhista, afirmando ter sido punida por reclamar publicamente contra maus tratos a cavalos. Há pouco tempo, houve uma reação em torno da morte de mais de vinte animais durante as filmagens de O Hobbit e da morte de um tubarão em um comercial da Kmart. Em um comunicado recente, a associação, com sede em Washington, afirmou que estava investigando a morte de

um cão que fora levado a uma clínica sob os cuidados da associação após mostrar sinais de stress pouco antes de a entidade ser chamada ao set de gravação de um comercial. Treinadores e outras pessoas do setor acusam a associação de manter um relacionamento muito próximo à indústria, que é quem patrocina a instituição. Já a instituição argumenta que tem dificuldades para vencer o desafio de proteger os animais na era da cinematografia moderna.

"Não conseguimos fiscalizar todas as filmagens" afirma Robin R. Ganzert, executiva-chefe da associação. Ganzert e outros sugerem que os recursos e a autoridade da associação são limitados demais em uma era de proliferação de produções de menor porte - filmes independentes, canais de TV a cabo, produções para a internet. As produtoras cinematográficas geralmente valorizam o certificado da associação, que costuma aliviar a preocupação do público em

relação às cenas com animais, e poucas pessoas sugeririam que a atual crise financeira cause dificuldades a um setor que fatura bilhões de dólares todos os anos. Ainda assim, conversas a respeito de uma possível reunião provocam uma reação exagerada entre treinadores de animais e outras pessoas que não foram convidadas, algumas das quais suspeitam que a associação esteja planejando uma tomada de poder para aumentar o faturamento e esconder as próprias falhas. Os treinadores já são submetidos a regulamentações pesadas por autoridades federais e estão especialmente irritados com a ideia de que a associação possa estar em busca de aumentar sua autoridade para além dos sets de filmagem, incluindo a certificação de quem abriga e fornece animais algo que acreditam ser uma tentativa de encontrar novas fontes de renda, por meio da cobrança de taxas. "Para nós, parece que eles estão se tornando uma organização de proteção dos animais menos interessada no que é certo ou errado no setor e mais preocupada em obter lucro", afirma Benay Karp, uma tratadora cuja empresa está equipada para fornecer gambás, cães-da-pradaria, beijaflores ou, se a ou, se a cena pedir, até mesmo um rinoceronte treinado. Em janeiro, Karp liderou um levante no qual mais de 40 treinadores de cães e outros animais confrontaram diretores da associação em seu escritório em Studio City. O grupo tem o direito de enviar observadores a qualquer filmagem que utilize animais e esteja ligada a sindicatos - além de poder encerrar qualquer produção que coloque em risco a saúde de um animal. Sendo assim, os observadores frequentemente

encaram um conflito entre a segurança dos animais e as exigências do cronograma de filmagem. O grupo é financiado por uma verba do Fundo de Avanço e Cooperação da Indústria Cinematográfica, organização sem fins lucrativos que recebe da indústria do entretenimento uma pequena contribuição ligada ao salário dos atores e que é supervisionada por produtores e membros do sindicato de atores Sag-Aftra. Diretores da Aliança dos Produtores de Cinema e Televisão, da Sag-Aftra e da IACF se negaram a comentar ou não responderam a nossos contatos sobre a verba destinada à associação de proteção aos animais. De acordo com Ganzert, no último ano fiscal que acabou no dia 30 de junho - a unidade de monitoramento de produções cinematográficas participou de 3.498 dias de filmagem e forneceu certificados para 570 produções. Em comparação, o ano fiscal que terminou em junho de 2003 contou com 2.392 dias de filmagem e apenas 144 certificações. Segundo Ganzert, embora as certificações tenham quase quadruplicado durante esse período, a verba anual dada pelo setor aumentou apenas 500 mil dólares, chegando a 2,1 milhões de dólares no atual ano fiscal - o que na verdade representa uma queda em relação ao pico recente de 2,5 milhões de dólares. Ao mesmo tempo, Ganzert, que se juntou à associação em 2010, depois de trabalhar para a Pew Charitable Trusts - impôs uma nova disciplina fiscal na organização controladora, que durante anos atuou com um déficit programado que lhe permitiu gastar 30 milhões de dólares a mais do que faturou na última década.

Para poder cortar quase 30 por cento dos gastos, Ganzert foi obrigada a reduzir a equipe, dispensando seus observadores da Unidade de Hollywood. Na reunião que será realizada, Ganzert afirmou que espera poder explicar que muitas filmagens com animais ligadas ao sindicato deixam de ser monitoradas por falta de dinheiro e que seriam necessários 5,8 milhões de dólares para ter o controle de todas. Enquanto isso, no fim de dezembro a antiga executiva da unidade cinematográfica da associação, Barbara Casey, processou o grupo e a HBO, que produziu a série Luck. O processo afirmava que ela havia sido dispensada depois de o grupo sucumbir ao que Casey chamou de pressão dos produtores para ignorar suas reclamações acerca do abuso aos cavalos. Alan Zuckerman, advogado da associação, afirmou em uma entrevista que Casey havia sido dispensada como parte de uma simples redução de pessoal. A HBO afirmou que qualquer afirmação de que o canal não cuidou bem dos cavalos "não tem absolutamente qualquer mérito". Ainda assim, Casey é descrita pelos antigos colegas como uma profissional consciente. Isso levou a uma série de denúncias, algumas das quais dirigidas à organização ativista Pessoas pelo Tratamento Ético dos Animais - que se opõe oficialmente ao uso de animais pela indústria do entretenimento, especialmente os animais de raças selvagens. Segundo Ganzert, as denúncias provavelmente seriam um subproduto inevitável da redução de pessoal da organização. "Não estamos ignorando os problemas", afirmou, "nós os abordamos com muita seriedade".

Michael Cieply Escreve para The New York Times

E mais: exposições, circo. Bons programas na Cidade. Arquivo DC

O

estilo do palhaço Slava (acima, esq.) é, antes de tudo, lírico. Esse russo, chamado Slava Polumin, sabe unir a emoção ao ilusionismo já conhecido do Cirque du Soleil, que também está na Cidade. Mas Slava é único em seu espetáculo Snowshow. Numa tempestade de neve, ele conta uma história emocionante. Imagine uma nevasca artificial (perfeita). Teatro Bradesco, Bourbon Shopping. Tel.: 36704141. Quinta (11) e Sexta (12). 20h. Sábado (13). 16h e 20h. Do-

mingo (14). 16h. R$ 30 a R$ 160. Nas telas, entrou em cartaz o belo Tabu ( T a bu / P or t u g al / B r as i l /A l emanha/França/2012/118 minutos). Dirigido pelo português Miguel Gomes, Tabu narra uma emocionante história de amor, cuja personagem é Aurora (Laura Soveral, na velhice; Ana Moreira, na juventude: foto). O monte Tabu, na África, compõe o cenário. Espaço Itaú de Cinema e Frei Caneca. 14 anos. Outro filme deslumbrante tem como personagem a artista performática Marina Abramovic,

que ficou três meses sentada (imóvel) no MoMA. diante de estranhos (à dir.). Marina Abramovic Artista Presente. De Matthew Akers, é programa obrigatório. CineSesc. 14 anos. Na extrema direita, duas grandes exposições: no alto, desenho Leda e o Cisne, de Leonardo da Vinci. CCBB. Rua Álvares Penteado, 112. Tel.: 31133651. Grátis. E na Estação Pinacoteca (3335-4990)estão reunidas 56 obras do gravador brasileiro, Oswaldo Goeldi. Trabalhos produzidos entre 1924 e 1960. (MMJ)

Preste atenção na mostra Mestres do Renascimento: Obras-Primas Italianas, que apresenta não só Leonardo da Vinci mas, também, Michelangelo, Ticiano e Boticelli.

Um modo diferente de ouvir Stevie Aquiles Rique Reis

A

pós A Sombra Confia no Vento, seu primeiro disco, lançado em 2011, Ricardo Machado nos chega agora com Vozvioletronicamente - Ricardo Machado Canta Stevie Worder (independente), um tributo à música deste músico extraordinário. Como no álbum anterior, Ricardo optou por um caminho que nada tem de corriqueiro. No de 2011, cantou canções que não se imaginaria no repertório de um intérprete - de forma quase inusitada, regravou, por exemplo, A Casinha Pequenina (canção popular tradicional) e Se Essa Rua Fosse Minha (modinha

tradicional). Mas o que poderia parecer num primeiro momento insólito era, na verdade, uma maneira audaciosa de ousar. Neste agora, Ricardo Machado continua trilhando caminhos que nem de longe se deve achar fácil de percorrer. Gravar Stevie Wonder cantando em inglês e dando às canções um toque de brasilidade musical denota um cantor para o qual o desafio da incerteza fala mais alto do que qualquer porto seguro. A ideia inicial era gravar os grandes sucessos do genial cantor e compositor norteamericano num formato bem simples, tipo voz e violão, dando

às canções um jeito brasileiro de ser com levadas e interpretações impregnadas da marca registrada que caracterizam Ricardo Machado como bom intérprete. Mas, quando as bases ficaram prontas, ele se tocou de que a inserção de algumas programações eletrônicas agregaria valor ao trabalho. E assim fez. Os arranjos couberam a Ricardo e Heitor Brandão, o violão (belo intermezzo em All in

Love Is Fair) está com este último e as programações são de Eric Brandão. A seleção das músicas Stevie Wonder(ful) ficou a cargo de Ricardo Machado não é difícil imaginar quão prazerosa foi tal tarefa. São dez canções de autoria do mestre: Isn't She Lovely, Lately, My Cherie Amour (parceria com Sylvia Moy e Henry Cosby), Overjoyed, You and I, Sir Duke, All in Love Is Fair, Ribbon in the Sky, You Are the Sunshine of

My Life e Ngiculela - Es una Historia - I Am Singing. Para entoá-las, com voz macia e delicada, Ricardo Machado entrega-se de corpo e alma. Um cantar com toques de delicada emoção e frescor, que faz os ouvintes perceberem os maravilhosos sucessos de Stevie Wonder de forma ainda não experimentada. Muitas vezes em falsete, mas sempre afinado, RM divide com finura as frases melódicas sem abusar do vibrato (excessivo no álbum anterior). Canta convicto da certeza de poder dividir encantos com seus ouvidores. Contudo, a utilização de

programações eletrônicas não surtiu o efeito esperado. Com participações irregulares, às vezes até colaboram com os arranjos (a exemplo de My Cherie Amour e Overjoyed), mas em outros momentos soam apenas estranhas e quase desconexas (Sir Duke). Melhor teria sido curtir apenas a simplicidade do voz e violão, a exemplo de You Are the Sunshine of My Life, em que RM entregase simplesmente ao que faz um crooner: reverenciar o ídolo que se dispôs a cantar.

Aquiles Rique Reis, músico e vocalista do MPB4.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

14

www.dcomercio.com.br

sábado, domingo e segunda-feira, 6, 7 e 8 de julho de 2013

Paisagens em alta velocidade Yurikamome é o nome do primeiro trem de alta velocidade do Japão, que liga Shimbashi a Toyusu desde 1995. Agora, a viagem se transformou em um vídeo produzido pelo usuário Darwinfish105. Nele você vê imagens como estas, acima, e tem a experiência visual de estar em um trem ultrarrápido.

Protótipo tem espaço para 4 passageiros.

Movido a sol Stella é o primeiro carro movido a energia solar e foi criado por estudantes holandeses.

http://youtu.be/lRR6Axaqs5U

http://bit.ly/14S9Bda

J OVENS A RTE

E NSINO

O papa está preparado Tomy Gentile/Reuteres

D

papa Francisco afirmou ontem que já está se preparando para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), evento católico que será celebrado entre os dias 23 e 28 de julho, no Rio de Janeiro. Após rezar a oração do Ângelus no Vaticano, tradicional celebração aos domingos, o pontífice cumprimentou os jovens ali presentes que pretendem viajar ao Rio de Janeiro e acrescentou: " Também estou me preparando para a jornada; caminharemos juntos para essa grande festa de fé". Será a primeira viagem do papa ao exterior desde

que ele foi eleito em março. A previsão é de que Francisco chegue ao Rio de Janeiro no dia 22 de julho, embora os responsáveis por sua segurança

admitam alterar a sua agenda em função das manifestações que porventura possam ocorrer nas ruas do Rio e em outras cidades brasileiras. (EFE)

Cursinho da USP: bolsa de R$ 300 A USP oferecerá um cursinho pré-vestibular, a partir de agosto, para alunos da rede pública. As aulas serão dadas na Cidade Universitária (Butantã), na Faculdade de Medicina (Pinheiros) e no campus da zona leste. Haverá vagas para mil alunos com boas notas no último vestibular, mas que não foram aprovados. Receberão uma bolsa mensal de R$ 300.

André M. Chang/Fotoarena/Folhapress

Esculturas em camadas Pinturas ou esculturas? As obras do artista Chu, do coletivo DOMA, mesclam as duas técnicas ao usar camadas diferentes de placas coloridas e recortadas. Ao mover as placas é possível criar imagens diferentes. http://graffitimundo.com/ar tists/chu/

I NTERNET

O AltaVista chega ao fim AltaVista começou a operar em dezembro de 1995 e rapidamente concorreu com Yahoo!, Lycos, Excite e outros até o final da década quando o Google começou a empurrar todos à quase irrelevância. A empresa Overture Services comprou o AltaVista em 2003 e, por sua vez, foi adquirida pelo Yahoo!. Em seu apogeu em 2000, o AltaVista tinha 20% do mercado de buscas. (EFE)

G @DGET

L

O AltaVista, um dos mais antigos buscadores de internet, deixará de existir nesta segunda-feira, numa lista de encerramento de plataformas anunciada pelo Yahoo!. O vice-presidente de plataformas do Yahoo!, Jay Rossiter, informou em um memorando que o fim, nas próximas semanas, do Yahoo! Axis, o Yahoo! Browser Plus, Citizen Sports e Yahoo! Webplayer. O

FESTIVAL DAS ESTRELAS - Mensagens de amor escritas em papeletas coloridas (Tanzaku) pendurados nos ramos de bambus (Sassadake) coloriram o bairro da Liberdade neste fim de semana. Foi a festa do Tanabata Matsuri (Festival das Estrelas) em sua 35ª edição.

Dispositivo contra a solidão Se você não gosta de fazer as refeições sozinho, esta tigela "antisolidão" (como o fabricante a chama) pode ser a solução. Ela tem espaço para seu iPhone e você pode interagir nas redes sociais, ver vídeos e conversar sem tirar as mãos dos talheres. http://bit.ly/144HcR9

Os carros da telona Jesús Prudencio é um artista apaixonado por carros e por filmes. Da união das duas paixões surgiu seu mais recente projeto: uma série de pôsteres que retrata os carros icônicos da telona, que são quase personagens coadjuvantes nas histórias. www.carsandfilms.com


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 6, 7 e 8 de julho de 2013

SUPLEMENTO EXCLUSIVO PARA

FUTEBOL INTERNACIONAL INTER 5 X 3 VASCO

GOIÁS 1 X 0 VITÓRIA

3 Com show de D'Alessandro,

o Internacional venceu o Vasco por 5 a 3, ontem à tarde, no Estádio Centenário, em Caxias do Sul. O treinador do Vasco, Paulo Autuori já ameaça deixar a equipe.

3 O gol salvador de Walter garantiu o triunfo do Goiás sobre o Vitória por 1 a 0, ontem, no Serra Dourada. Com oito pontos, o Esmeraldino deixou a zona de rebaixamento do Brasileiro.

ATLÉTICO-MG 3 X 2 CRICIÚMA

BOTAFOGO 1 X 0 FLUMINENSE

3 Mesmo com a cabeça na Libertadores, o Atlético-MG se superou ontem, no Independência, e venceu o Criciúma por 3 a 2, saindo da zona de rebaixamento e colocando o Tigre entre os quatro piores.

3 O Botafogo venceu o Flumi-

Colorado aumenta crise no Vasco

Galo reserva põe Tigre no buraco

15

PALMEIRAS

Um novo Verdão após a parada l

Esmeraldino sai da zona da degola

Gilson Kleina prometeu que o Palmeiras que voltaria após a parada para a Copa das Confederações seria diferente daquele dos seis primeiros jogos da Série B. E a partida contra o Oeste, no sábado, mostrou que ele estava correto. Não só pela goleada por 4 a 0, algo que o Verdão não conseguia há mais de um ano. Mas os números indicam que a equipe teve uma melhora considerável em alguns aspectos, sobretudo nos passes

Seedorf dá vitória ao Bota no clássico

nense no clássico disputado na Arena Pernambuco, ontem, e chegou à liderança do Brasileiro, com 13 pontos. O gol salvador veio com Seedorf, já no fim da partida.

e finalizações certas. Se antes a média era de 300 toques acertados por partida, no sábado foram 510. Já os chutes com direção praticamente dobraram: passaram de 6,7 por confronto para 12. Isso se deve, sobretudo, à boa atuação do meio de campo, comandado por Valdivia. – Com o Valdivia e Mendieta, vira um time técnico, que toca a bola. E mesclamos com os criadores e os operários. Só assim iremos longe – disse o treinador. IVAN STORTI

F

Estilo Giva cabeceia e faz o primeiro gol do Peixe no clássico

CABECA , VISÃO DE JOGO

MAURO BETING

FEITA! 0

maurobeting@lancenet.com.br

MENINOS DA VILA 4.0? No San-São dos treinadores não efetivados, o treinador santista foi mais feliz na mexida e ganhou o clássico de muitas chances e erros

S

eria uma derrota para demitir treinador não tivesse a diretoria são-paulina se antecipado e demitido Ney Franco dois dias antes. O São Paulo era melhor que o Santos em reconstrução quando levou um gol aos 12 minutos do segundo tempo e murchou. O Santos cresceu e ampliou com Cícero, aos 36, e fechou com justiça o placar de um jogo difícil de definir. Até mesmo entender. Como muitos no Morumbi não têm se entendido. Ou não enten-

dem mais nada. Diferentemente do Santos dos meninos que entram quase sempre bem. Melhor que a encomenda da direção do clube. Milton Cruz manteve o 4-2-3-1 de Ney Franco, mas inverteu os armadores. Osvaldo foi atacar pela direita, Jadson foi melhor aproveitado por dentro (apesar do mau aproveitamento de Luis Fabiano dos passes do armador) e Ganso, agora pela esquerda, longe da posição habitual, manteve o desempenho apático ha-

2

SÃO PAULO

Rogério Ceni Rodrigo Caio Lúcio Rhodolfo Juan Ademilson 36’/2º T Wellington Denilson Maicon 14’/2º T Jadson Ganso Aloísio 14’/2º T Osvaldo Luis Fabiano T: Milton Cruz

SANTOS

6,0 5,5 5,5 4,5 5,0 – 5,0 n 5,0 n 5,5

Aranha Galhardo G. Henrique Durval Léo E. Palmieri 33’/2º T Arouca Cícero Leandrinho Montillo Neilton Pedro Castro 31’/2º T Willian José Giva 12’/2º T T: C. Oliveira

7,0 5,0 7,0 5,5 6,0 6,5 6,0 n 7,0 5,5 7,5 7,0 6,0

bitual. No Santos, Claudinei Oliveira optou por Leandrinho e Neilton abertos – mas sem acompanharem o apoio dos laterais tricolores. A linha de zaga adiantada santista deu a Luís Fabiano boas chances mal aproveitadas no primeiro tempo, também pela ótima atuação de Aranha, e pelos impedimentos do artilheiro tricolor. Na segunda etapa, o Tricolor voltou no ataque. Jadson seguiu pensando bem e o jogo e passando ainda melhor. Mas perdeu gol feito

aos 8 minutos, quando o Santos seguiu marcando mal. Claudinei resolveu mudar, aos 12 minutos. Colocou Giva no lugar do atrapalhado William José. No tempo em que você leu este parágrafo ele abriu o placar de cabeça, em lance de Neilton. O São Paulo acabou. O Santos tomou gosto, foi empilhando chances, e ampliou em lance parecido com o do primeiro gol, desta vez com Cícero, de cabeça. Usando aquilo que o São Paulo esqueceu de usar dentro e fora de campo.

WINBLEDON

VÔLEI DE PRAIA

FÓRMULA 1

3 A espera terminou. Pela primeira

3 Ricardo e Álvaro Filho foram derrotados na final do Mundial de Vôlei de Praia, ontem. Em Stare Jablonki (POL), eles perderam para os holandeses Brouwer e Meeuwsen por 2 sets a 0, parciais de 21-18 e 21-16. Já os atuais campeões mundiais, Alison e Emanuel, também foram derrotados, mas na decisão do terceiro lugar. Eles perderam para os alemães Erdmann e Matysik por 2 sets a 0, parciais de 21-17 e 21-19. Entre as mulheres, Lili e Bárbara Seixas ficaram com o bronze ao vencerem as americanas April Ross e Whitney Pavlik por 2 sets a 0, parciais de 21-18 e 21-15.

3 O alemão Sebastian Vettel, da

6,5 5,0 6,0 5,0 5,0 5,5

4,5 7,5 7,0

JUIZ: Raphael Claus (SP) 7,0. Atuações seguras do árbitro e auxiliares GOLS: 12’ 2ºT Giva (0-1) ; 36’ 2ºT Cícero (0-2) RENDA/PÚBLICO: R$ 345.930,00/11.819 pagantes LOCAL: Morumbi, São Paulo (SP) GRAMADO: Bom

OUTROS LANCES UFC

Anderson apanha e pode dar adeus Murray vence e Brasil leva prata Líder Vettel 3 Após sofrer uma das derrotas brasileiro perde no Mundial ganha em casa mais surpreendentes da história do DONALD MIRALLE/ZUFFA LLC/GETTY IMAGE

Ultimate, para Chris Weidman, o brasileiro Anderson Silva fez uma revelação importante ainda no octógono do UFC 162. Sob vaias, durante entrevista concedida após o combate, Anderson declarou que não vai mais disputar o cinturão dos médios da organização - contrariando o presidente Dana White, que já havia garantido uma revanche imediata em caso de derrota do Spider. – Eu preciso dizer muito obrigado aos irmãos Fertitta, Dana White e Joe Silva (chefões do UFC). Chris é o novo campeão porque ele é o melhor agora – falou Anderson Silva.

Spider foi nocauteado no 2 o- round

vez na Era Aberta, os britânicos puderam ver um atleta da casa conquistar o título de Wimbledon, ontem. O fim do jejum, que já durava 77 anos (o último havia sido Fred Perry, em 1936), veio com Andy Murray (2º), que conquistou seu segundo Grand Slam na carreira após superar o sérvio Novak Djokovic (1º) por 3 sets a 0, parciais de 6-4, 7-5 e 6-4. Já o brasileiro Bruno Soares foi derrotado na final de duplas mistas. Ao lado da americana Lisa Raymond, ele perdeu para Daniel Nestor e Kristina Mladenovic, por 2 sets a 1, parciais de 7-5, 2-6 e 6-8.

Red Bull, venceu pela primeira vez na sua carreira o GP da Alemanha de Fórmula 1, ontem, no circuito de Nurbugring. O pódio foi completado pelo finlandês Kimi Raikkonen, em 2 o-, e pelo francês Romain Grosjean, que chegou na 3 a- posição. Felipe Massa abandonou logo no início. Com a vitória, Vettel se isolou na liderança do Mundial. O alemão, agora, tem 157 pontos, contra 123 do espanhol Fernando Alonso, que terminou em 4 o- na Alemanha, e 116 de Raikkonen. A próxima corrida será na Hungria, dia 28.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

16

sábado, domingo e segunda-feira, 6, 7 e 8 de julho de 2013 RODRIGO COCA/FOTOARENA

F

AXÉ EM SALVADOR Pato faz o seu primeiro gol

LAGOA

AZUL! VISÃO DE JOGO

MARCELO BRAGA

marcelobraga@lancenet.com.br

MOSTROU A CARA! Pato deixa o jejum de gols no passado, marca dois na Itaipava

Arena Fonte Nova e consegue a primeira vitória do Timão fora de casa, contra o Bahia

Q

cor azul, que fez o time de Guerrero & Cia parecer o Chelsea (ING), vítima da equipe no Mundial de 2012. Escalado aberto pela esquerda no 4-2-3-1, Pato só foi aparecer após um bom início do time da casa, que tinha um inspirado Anderson Talisca, de 19 anos – que já atua na Seleção sub20. Por duas vezes, com Raul e Madson, o Tricolor chegou pelas laterais, mas Fernandão não alcançou. Já Titi, após batida de falta do jovem destaque baiano, até marcou, mas a arbitragem assinalou impedimento de maneira correta. Dali em diante, só deu Timão. E só deu Pato.

uando um atacante perde chance clara de gol, põe as mãos na cara e balança a cabeça em lamentação. Ontem, Alexandre Pato colocou a palma da mão esquerda na face. O gesto, porém, era uma comemoração misteriosa para o primeiro dos dois gols que fez na vitória do Corinthians por 2 a 0 contra o Bahia, na Itaipava Arena Fonte Nova, a primeira do Timão fora de sua casa nesse Campeonato Brasileiro. O jejum de dez jogos sem marcar com a camisa alvinegra acabou. Ou melhor, mais ou menos. Afinal, era a estreia do novo terceiro uniforme na

Atacante comemorou o primeiro gol com uma mão no rosto, em sinal misterioso Primeiro, Guilherme deu bom lançamento, o camisa 7 se livrou de Madson na técnica e na malandragem – com um pequeno deslocamento –, e bateu na trave. No rebote, jogou para longe a má sorte. Alguns minutos depois, foi a vez de Romari-

nho cruzar, do mesmo Madson afastar mal e do atacante mandar a bola no ângulo esquerdo. Um golaço! Vitória definida e festa em Salvador... até o início do segundo tempo. Porque, aos 8 minutos, Renato Augusto teve de ser substituído com suspeita de fratura e afundamento no lado esquerdo da face após cotovelada involuntária de Souza. Titular pela primeira vez desde 24 de março, deixou o campo chorando. Sem Douglas e com Sheik e Danilo praticamente descartados para o jogo de volta da Recopa, dia 17, a lesão de Renato Augusto preocupa.

6 a- RODADA

6/7

TIME

PG

J

V

E

D

GP

GC

SG

V

1 o- Botafogo

13

6

4

1

1

9

5

4

2 o- Coritiba

12

6

3

3

0

8

5

3 o- Vitória

10

6

3

1

2

10

4 o- Fluminense

9

6

3

0

3

5 o- Cruzeiro

9

6

2

3

1

6 o- Internacional 7 o-

6

2

3

1

E

D

V

3

0

0

3

3

0

6

4

2

9

7

2

12

7

5

13

10

3

FORA E

D

AP PM

1

1

1

72.2% 109

0

0

3

0 66.6% 108

1

0

1

0

2

3

0

0

0

0

3 50.0% 105

2

1

0

0

2

1 50.0% 105

2

0

1

0

3

0 50.0% 105

9

6

2

3

1

5

3

2

1

2

0

1

1

1 50.0% 105

9

6

2

3

1

6

5

1

2

1

0

0

2

1 50.0% 105

9 o- São Paulo

8

6

2

2

2

8

5

3

1

0

2

1

2

0 44.4% 104

10 o- Santos

8

6

2

2

2

6

6

0

1

2

0

1

0

11 o- Bahia

8

6

2

2

2

6

8

-2

1

1

1

1

1

12 o- Goiás

8

6

2

2

2

5

9

-4

1

2

0

1

0

2 44.4% 104

13 o- Atlético-MG

7

6

2

1

3

6

7

-1

2

1

0

0

0

3 38.8% 103

14 o- Vasco

7

6

2

1

3

8

13

-5

2

1

0

0

0

3 38.8% 103

15 o- Portuguesa

7

6

1

4

1

6

6

0

1

2

0

0

2

1 38.8% 103

Ponte Preta

BAHIA

CORINTHIANS

Marcelo Lomba 5,5 Madson 3,5 Titi 5,5 Lucas Fonseca 5,0 Raul 5,0 Jussandro 5,0 23’/2º T Fahel 5,5 Rafael Miranda 5,0 Fabrício Lusa 5,0 n Anderson Talisca 6,5 n M. Gabriel 5,5 Fernandão 6,0 Souza 5,5 39’/1º T T: C. Borges 5,5

São Paulo 0x2 Santos Bahia 0x2 Corinthians Internacional 5x3 Vasco Goiás 1x0 Vitória Atlético-MG 3x2 Criciúma Botafogo 1x0 Fluminense

D. Britto M. Garrincha A. Pernambuco Canindé Morumbi Fonte Nova Centenário S. Dourada Independência A. Pernambuco

Cássio Edenílson Chicão Gil Fábio Santos Ralf Guilherme Renato Augusto Ibson 8’/2º T Romarinho Maldonado 42’/2º T Pato Léo 36’/2º T Guerrero T: Tite

6,5 6,5 7,0 6,5 6,0 7,0 7,5 6,5 6,5

7,5 – 8,0 6,0 6,5 7,5

JUIZ: Pericles Bassols Pegado Cortez (RJ) 7,0. Conduziu com tranquilidade e nem precisou abusar dos cartões. GOLS: 32’ 1ºT Pato (0-1) ; 42’ 1ºT Pato (0-2) RENDA/PÚBLICO: Não disponíveis LOCAL: Itaipava Arena Fonte Nova, Salvador (BA) GRAMADO: Ótimo

1 o- Chapecoense

PG

19

7

J

V

6

E

D GP GC SG

1 0 18

5 13

2 o-

Joinville

15

7

5 0

2 16

7

9

3 o-

Palmeiras

15

7

5 0

2 12

3

9

4 o-

Figueirense

13

7

4

1

2 14 10

4

5 o- América-MG

13

7

4

1

2 13 12

1

6 o-

Sport

12

7

4 0

3 12 10

2

7 o-

Paraná

11

7

3

2

2

5

1

11 a- RODADA

8 o- Icasa

10

7

3

1

3 12 11

1

10/7 - QUARTA-FEIRA *

9 o-

Bragantino

10

7

3

1

3

6

6 0

10 o-Atletico-GO

10

7

3

1

3

6

9 -3

7

4

21h

São Paulo x Bahia

Morumbi

7 a- RODADA

11 o-

9

7

2

3

2

12 o- Paysandu

8

7

2

2

3 10 10 0

2 44.4% 104 1 44.4% 104

13 o- Avaí

8

7

2

2

3

14/7 - DOMINGO

14 o-Boa

8

7

2

2

3

6 11 -5

15 o- Oeste

8

7

2

2

3

8 14 -6

16 o-ASA

6 11 -5

6

6

2

0

4

8

10

-2

0

0

3

2

0

1

33.3% 102

6

6

2

0

4

8

13

-5

2

0

1

0

0

3

33.3% 102

18 o-

6

6

1

3

2

7

7

0

0

1

2

1

2

0

33.3% 102

19 o- Atlético-PR

6

6

1

3

2

12

13

-1

0

3

0

1

0

2

33.3% 102

20 o- Náutico

4

6

1

1

4

4

11

-7

0

1

2

1

0

2 22.2% 100

PG: pontos ganhos, J: jogos, V: vitórias, E: empates, D: derrotas, GP: gols pró, GC: gols contra, SG: saldo de gols, AP: aproveitamento, PM: pontuação máxima. REGULAMENTO: A Série A será disputada no sistema de pontos corridos em dois turnos. Os quatro primeiros colocados (além do campeão da Copa do Brasil) disputarão a Libertadores 2014. Caso o campeão da Libertadores-2013 seja brasileiro, o terceiro se classifica, mas jogará o mata-mata da primeira fase. Para a Sul-Americana classificam-se os oito mais bem colocados excluindo os que estiverem disputando a quarta fase da Copa do Brasil-2014. Os quatro últimos colocados serão rebaixados para a Série B.

LIBERTADORES

CRITÉRIOS DE DESEMPATE: 1) vitórias; 2) saldo de gols; 3) gols pró; 4) confronto direto (apenas entre dois times, somados os dois jogos); 5) menos cartões vermelhos; 6) menos cartões amarelos; 7) sorteio.

REBAIXAMENTO

13/7 - SÁBADO

16h Corinthians x Atlético-MG 16h Vitória x São Paulo 16h Coritiba x Atlético-PR 16h Grêmio x Botafogo 18h30 Criciúma x Goiás 18h30 Cruzeiro x Náutico 18h30 Vasco x Flamengo

Pacaembu Barradão Couto Pereira A. do Grêmio H. Hülse Mineirão M. Garrincha

São Caetano

6

18h30 Fluminense x Internacional Moacyrzão 18h30 Santos x Portuguesa V. Belmiro 21h Ponte Preta x Bahia M. Lucarelli

17 o- Criciúma Flamengo

2

TIME

Atlético-PR 1x1 Grêmio Flamengo 2x2 Coritiba Náutico 1x3 Ponte Preta Portuguesa 1x1 Cruzeiro

7/7 - ONTEM

55.5% 106

8 o- Grêmio

16 o-

Corinthians

9

CASA

0

3

9 11 -2

7

7

2

1

4

17 o- Ceará

7

7

1

4

2

6

18 o-América-RN

6

7

1

3

3

8 12 -4

8 a- RODADA

19 o-Guaratinguetá

4

7

1

1

5

9 17 -8

18h30 18h30 21h

20 o-ABC

20/7 - SÁBADO

São Paulo x Cruzeiro Criciúma x Grêmio Botafogo x Náutico

21/7 - DOMINGO 16h Atlético-PR 16h Santos 16h Internacional 16h Vitória 18h30 Goiás 18h30 Fluminense 18h30 Atlético-MG

x x x x x x x

Corinthians Coritiba Flamengo Bahia Portuguesa Vasco Ponte Preta

Morumbi H. Hülse A definir D. Britto V. Belmiro Centenário Barradão S. Dourada Maracanã Independência

* Jogo adiantado por conta da participação do São Paulo na Copa Suruga

7

-1

2 7 0 2 5 3 12 -9 P: pontos, J: jogos, V: vitórias, E: empates, D: derrotas, GP: gols pró, GC: gols contra, SG: saldo de gols REGULAMENTO: A Série B será disputada no sistema de pontos corridos em dois turnos. Critérios de desempate: 1) vitórias; 2) saldo de gols; 3) gols pró; 4) confronto direto (apenas entre dois times, somados os dois jogos); 5) menos cartões vermelhos; 6) menos cartões amarelos e 7) sorteio. Se houver empate entre dois clubes na definção de título, acesso ou rebaixamento, não serão aplicados os critérios 5, 6 e 7, realizando-se um jogo extra em campo neutro (em caso de empate, pênaltis). O campeão será o time que conquistar o maior número de pontos. Os quatro últimos colocados serão rebaixados para a Série C do ano seguinte. Os quatro primeiros garantem vaga na Série A de 2014.


e CAIXA 1 conomia

O seu consultor financeiro

17

sábado, domingo e segunda-feira, 6, 7 e 8 de julho de 2013

Conversar sobre dinheiro com o cônjuge é difícil, mas fundamental para encontrar o equilíbrio que levará à realização de sonhos.

Unidos pelo amor

e pelas finanças

Fotos: Divulgação

REJANE TAMOTO

C

asamento pode ser sinônimo de felicidade, mas quando não existe uma conversa franca a respeito do dinheiro vem o choque de realidade. De acordo com Gustavo Cerbasi, especialista em finanças pessoais e autor do best-seller Casais Inteligentes Enriquecem Juntos, o planejamento financeiro deve estar na frente de muitas decisões dos casais, sejam eles recém-formados ou mais experientes. Em palestra para o programa de educação financeira Vida Investe, da Fundação Cesp, Cerbasi disse que a queda do padrão de vida que o casamento traz no começo é natural. E é preciso trabalhar para que essa curva tenha uma trajetória de alta no decorrer dos anos. Mais do que planejamento financeiro, ambas as partes precisam buscar equilíbrio na relação que têm com o dinheiro. E isso é puramente comportamental. Defensor da flexibilidade no orçamento – sempre acompanhada de metas de poupança para a realização de sonhos e para a aposentadoria – Cerbasi destacou que o casal não deve cortar os pequenos gastos com as recompensas individuais e deve racionalizar as grandes despesas, como com casa, carro e escola. O especialista disse que a conversa sobre dinheiro não deve ser pautada pelo certo e pelo errado e sim pela busca de limites para ambos. "Um casal sempre começa na unidade, mas aos poucos a personalidade de cada um em relação ao dinheiro se revela. E quando um esconde um grande gasto ou problema financeiro do outro, por muito tempo (um ano ou mais), vira traição mesmo."

Um casal começa na unidade, mas aos poucos as personalidades em relação ao dinheiro se revelam. GUSTAVO CERBASI, CONSULTOR DE FINANÇAS PESSOAIS

CASAL EQUILIBRA DIFERENÇAS U

ma gastadora e um poupador que, às vezes, trocam de papéis. Ela é a psicóloga e coach Cynthia Morgensztern, de 35 anos. Ele é o empreendedor José Marcelo Morgensztern, de 41 anos. "Logo depois do casamento, ele descobriu que eu gostava de gastar. Consumia muito. Hoje sou mais controlada. Ele, embora poupador, gosta de tecnologia e, quando gasta, gasta bem", conta Cynthia, que assistiu à palestra de Gustavo Cerbasi promovida pela Fundação Cesp. Na avaliação deles, no passado essas diferenças nas formas de lidarem com o dinheiro chegaram a ser motivo de brigas do casal. Mas, depois de sete anos de convivência, eles acreditam ter conseguido equilibrar os comportamentos. "O que ajudou no processo é ter objetivos em comum e a ideia de que é preciso viver o presente com qualidade, sem deixar de pensar no futuro", afirma a psicóloga. Com um bebê a caminho e uma filha de dois anos, Cynthia e Marcelo agora poupam para a compra de um imóvel próprio, investem em renda fixa e têm planos de previdência para garantir o futuro da família. "O imóvel é nossa meta. Estamos na fase de querer ter um canto nosso, em boa parte por causa dos filhos. Antes queríamos ter mobilidade e agora é o momento da estabilidade", afirma Cynthia.

Ela considera que o equilíbrio alcançado ao lado do marido também pode ser atribuído à busca por educação financeira. "Começamos a fazer planilha há cerca de cinco anos, pois não conseguíamos guar-

dar dinheiro. Participamos de um curso de planejamento na bolsa de valores. Na época, nossos familiares também fizeram. O meu marido fez cursos sobre economia e finanças", relata. (RT)

Poupador x gastador No começo de um relacionamento, um é a cara-metade do outro. Dez anos depois, esse discurso acaba e é grande a chance de um ter um impulso mais gastador e o outro, mais controlador. "Após o casamento, a tendência é que o gastador consuma mais porque se sente protegido pela competência do outro em economizar. O poupador se sente ameaçado pelo consumo desenfreado de seu par e guarda mais. Os comportamentos se polarizam ao longo do tempo", explicou Cerbasi. O melhor jeito de lidar com isso é que um entenda o comportamento do outro e valorize suas qualidades. A dica é combinar de evitar exageros em ambos os lados, para colher o melhor de cada perfil, para o presente e para o futuro.

Valorize as diferenças As diferenças de ambos os aproximaram durante o namoro. "A ideia de viver melhor o presente encanta o poupador. E o gastador encontra alguém com pé no chão. Esse complemento na vida de ambos ajuda a criar a paixão e a vontade de estar junto. Os opostos se atraem na questão do dinheiro", disse. O pior que pode acontecer na vida do casal é um querer anular o sentimento do outro – e exigir uma personalidade diferente da que conheceu no namoro. "É importante separar uma verba para se cuidar para o seu par e manter a paixão acesa. Isso não acaba nunca."

Conta conjunta ou individual Cerbasi afirmou que a escolha deve ser feita depois de uma boa conversa sobre dinheiro, com o objetivo de descobrir quem é o impulsivo da relação. "E isso não é doença, é da natureza da pessoa mesmo. O descontrolado precisa apenas de regras. Uma delas pode ser ter uma conta particular para concentrar o consumo pessoal. O ideal é cada um depositar uma mesada meio a meio em conta particular para os gastos pessoais", recomendou o especialista. Se o casal for totalmente afinado em relação a objetivos e regras, Cerbasi disse que a conta conjunta torna tudo mais simples, com a desvantagem de dar um pouco mais de trabalho na hora de declarar o Imposto de Renda (IR). Mesmo assim, o especialista defende que uma quantia fique em um cartão separado, até mesmo para preservar a independência e liberdade financeira de cada um. "É um valor que a pessoa pode gastar por impulso ou doar sem dar satisfação ao parceiro. Serve até para fazer aquela surpresa. Não é agradável quando o outro sabe que presente vai ganhar no aniversário de casamento", disse.

Quando um ganha mais que o outro Cerbasi disse que as diferenças de renda de um casal só se mantêm por muito tempo se o que tem salário menor atua como suporte do que tem renda maior. Muitas vezes esse suporte é fundamental para que a renda do outro continue crescendo. Um exemplo é um profissional bem-sucedido que tem uma esposa que precisa parar de trabalhar porque o filho tem alergia a leite em pó. "È preciso entender que a renda não é particular depois do casamento. É da família. Se a carreira de um dos dois fracassa, o outro tem de estar preparado para assumir. Isso vale para o homem e para a mulher", observou Cerbasi.

Comunhão ou separação de bens Como o número de divórcios cresce no País (alta de 45,6% em 2011 sobre 2010, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a maioria dos casais opta pela proteção do regime de comunhão parcial de bens. Ao escolher essa opção ambos dividem meio a meio os bens conquistados após o casamento no caso de divórcio. "É uma defesa para quem não conhece muito bem o sentimento do outro em relação ao dinheiro. Mas quando ambos têm uma conversa muito franca sobre o assunto e não temem o divórcio, o regime de separação total de bens passa a ser o mais inteligente. Nesse regime, ambos conseguem ter o dobro de benefícios ao declarar o IR (dois limites de isenção, de dedução de gastos com educação e despesas médicas)." Ele disse que se o regime de separação total de bens for combinado a uma estratégia de construção de patrimônio se torna interessante e rentável. "Mas é para casais que tem um nível de educação financeira elevada. De forma geral, considerando a média da população brasileira, o mais recomendado é a comunhão parcial de bens", destacou.

Investir junto ou separado Investir é fundamental para realizar sonhos. É importante que o casal não esqueça de que há três tipos de sonho: o da família (planejamento para ter um filho e trocar de casa), o da aposentadoria e os individuais (que sempre são diferentes). Reservar dinheiro para que todos estejam bem é missão do planejamento financeiro do casal. "É importante para que ninguém se sinta prejudicado porque só ajuda a construir o patrimônio da família e não colhe nada. Quando isso acontece essa pessoa acaba sabotando o planejamento. É preciso conversar para ver o que tá faltando para essa pessoa ser feliz."


18 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 6, 7 e 8 de julho de 2013


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 6, 7 e 8 de julho de 2013

e

19 Em uma loja de moda jovem, as liquidações de inverno começaram após o Dia dos Pais em 2012 e, neste ano, a rede da qual ela faz parte decidiu antecipá-las para a primeira semana de julho.

conomia

Fotos: Newton Santos/Hype

os de maio.

sultados baix

uidação se

os Arezzo, a liq

ad Na loja de calç

os re ar compensar rvirá para tent

Liquidações dividem lojas de shopping Alguns estabelecimentos comerciais antecipam as promoções das coleções outono inverno na esperança de faturar mais. Outros aguardam para começar as liquidações com o objetivo de aproveitar um período em que ainda há temperaturas baixas. Paula Cunha

O

inverno começou oficialmente na segunda quinzena de junho. Junto com ele chegaram as liquidações da coleção outono/inverno em alguns shopping centers de São Paulo. Mas o movimento não é generalizado: nos centros de compras é possível observar, bem próximas umas das outras, lojas que ainda não se mobilizaram para reduzir os preços e outras que já anunciam descontos superiores a 50%. Normalmente, a queima de estoques ocorre a partir da segunda quinzena de julho. Luís Augusto Ildefonso, diretor de relações institucionais da Associação Brasileira de Lojistas de Shoppings (Alshop), argumenta que muitas redes de vestuário aguardam para começar as liquidações porque estamos em um período em que há muitos dias com temperaturas muito baixas e os lojistas querem aproveitar ao máximo este período. Na sua opinião, o que prejudica as vendas nesta época

23,3 por cento das lojas do Shopping Ibirapuera já iniciaram a temporada de queima de estoques, que geralmente começa em meados de julho. é a alternância de dias de frio intenso com outros mais quentes. Além disso, as manifestações contra o aumento dos preços das tarifas de ônibus também contribuíram para diminuir o movimento no varejo na capital paulista. Ainda assim, há inúmeros exemplos de lojas/shoppings que já deram a partida à queima de itens de inverno. Um deles é o Shopping Ibirapuera, localizado na zona Sul da cidade de São Paulo. Formado por

Na Armazém, reduzir os preços contribuiu para vender mais.

mais de 450 lojas, ele conta com cerca de 105 estabelecimentos que estão liquidando ou oferecendo algum tipo de oferta, ou seja, 23,3% do total. O restante parece em compasso de espera. De acordo com o setor administrativo do empreendimento, a liquidação de inverno do ano passado começou depois do Dia dos Pais, data comemorada no segundo domingo de agosto. A famosa rede de calçados femininos Arezzo iniciou sua tradicional queima de estoque exatamente na mesma época de sua liquidação do ano passado, disse a sub gerente Silvana Furtado. Talvez ela compense uma expectativa que não se concretizou: resultados melhores no mês de maio quando se comemora a, tradicionalmente, segunda melhor data para o varejo, o Dia das Mães. No entanto, dentro da unidade, no início de julho, os famosos sapatos e botas continuavam à venda nas vitrines. Na Armazém (Erva Doce), a gerente Gilmara Lima disse que a liquidação de inverno anterior começou no meio de julho em 2012 e, neste ano, iniciou-se em meados de junho. Na sua opinião, a estratégia de antecipar o corte de preços foi acertada e contribuiu para elevar o movimento na loja. O estabelecimento, de moda feminina, registrou, desde então, vendas superiores às observadas em maio. Especializado em moda feminina, outro empreendimento iniciou na segunda-feira passada a sua liquidação com descontos de até 50%, na mesma época em que adotaram a iniciativa no ano passado. Para os funcionários, o movimento dos últimos dias tem sido positivo e as clientes têm adquirido diversas peças, de blusas a calças e agasalhos. Em uma loja de moda masculina e feminina jovem, as liquidações de inverno começaram depois do Dia dos Pais em 2012 e, neste ano, a rede da qual ela faz parte decidiu antecipá-las para a primeira semana de julho. Apesar da iniciativa, um dos vendedores queixava-se que o movimento estava fraco em razão das reformas para troca de piso em

No Shopping Ibirapuera, composta por mais de 450 lojas, 105 estabelecimentos estão liquidando ou oferecendo algum tipo de oferta.

diversos pavimentos do shopping Ibirapuera. Outro estabelecimento que foi prejudicado pelas obras de recuperação de piso e pela Copa das Confederações foi uma unidade de uma cadeia de vestuário infantil. Por isso, ele não antecipou a liquidação de inverno neste ano, mesmo considerando que junho é, tradicionalmente, um mês fraco para a unidade.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

20

e

sábado, domingo e segunda-feira, 6, 7 e 8 de julho de 2013

A Copa do Mundo talvez tenha funcionado como um gatilho, mas ainda há muito a ser feito. Siyabonga Gama, diretor geral da Transnet

conomia

Empreendedores brasileiros bem-vindos à África do Sul Integrante do grupo Brics, o país convida as empresas do Brasil a se instalarem em seu território para de lá conquistarem o continente ou a Ásia. O ministro do Desenvolvimento Econômico diz que a posição geográfica privilegiada, aberta a rotas comerciais, e o povo caloroso são atrativos aos brasileiros. Fotos: Hein von Hörsten/Divulgação

Lúcia Helena de Camargo

A

África do Sul está de olho no Brasil. Mais novo integrante do grupo Brics (formado originalmente por Brasil, Rússia, Índia e China), o país africano somou oficialmente o "s" à sigla em abril de 2012 – em inglês é chamado de South Africa. Desde então, vem procurando meios de aumentar os negócios com os demais membros do grupo. Reunidos por estarem em estágio similar de desenvolvimento econômico, alguns Brics, porém, estão mais bem posicionados do que outros. Compare-se: quando se observam as taxas de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), o ritmo é bem parecido – ambas as economias deverão expandir-se em torno de 2,5% neste ano. O tamanho, porém, é bem diferente: o PIB brasileiro (para uma população de 198 milhões) alcançará US$ 2,3 trilhões em 2013, enquanto o da África do Sul (51 milhões de pessoas) vai chegar neste ano a US$ 384 bilhões. "O Brasil está em um estágio mais adiantado, por esse motivo convidamos empresas brasileiras a se instalarem aqui e aproveitarem nossa grande capacidade de expansão de negócios", diz Ebrahim Patel, ministro sul-africano do Desenvolvimento Econômico, em entrevista do Diário do Comércio. Mandela – A conversa aconteceu na semana passada na cidade de Pretória, capital administrativa do país, a poucas quadras do hospital MedClinic, no qual está internado há um mês o ex-presidente Nelson Mandela, que sofre de forte infecção pulmonar. Hoje com 94 anos, o líder abriu caminhos para a África do Sul deixar para trás o apartheid (a segregação entre negros e brancos), depois de passar 30 anos preso, por ser contrário ao regime vigente. Desde 1994, vive-se ali em uma democracia. O atual presidente Jacob Zuma, eleito em 2007, apesar de sua vida pessoal polêmica (chegou a ser acusado de estupro e fraude, mas não foi julgado, já que as acusações foram retiradas), pertence ao mesmo partido de Mandela, o Congresso Nacional Africano, e mantém a nação nos trilhos. Apenas estabilidade política, no entanto, não garante economia forte. O desemprego, cujo índice bate em 25%, é uma das maiores preocupações – vale lembrar que o desemprego no Brasil é inferior a 6%. O ministro Patel ressalta

que a criação de empregos está entre os pontos-chave para o desenvolvimento. "Quando a África do Sul se juntou aos Brics vimos isso como uma importante oportunidade para o desenvolvimento de mão de obra", afirma. "Queremos, acima de tudo, complementar nossa infraestrutura social, de saúde e educação. E nisso nossos parceiros internacionais podem nos ajudar bastante." Ele lembra que os 20 anos de democracia fizeram bem ao país. No entanto, a maioria negra (80%) ainda é a parcela da população que mais sofre. Copa do Mundo – A África do Sul firma a base de sua economia sobre produção de minérios como cobre e manganês. A extração de diamantes, que já foi significativa, vem caindo. A infraestrutura deficiente é um dos calcanhares de Aquiles que impedem o crescimento. Para sediar a Copa do Mundo de futebol em 2010, foram feitas grandes obras. Além de estádios, linhas de trens como a Gautrain, hotéis e outras construções de grande porte. "A Copa talvez tenha funcionado como um gatilho, mas ainda há muito a ser feito", diz Siyabonga Gama, diretor geral da Transnet, empresa governamental r es po ns áv el p e l o t r a n sporte de cargas, que emprega mais de 30 mil pessoas e transporta 201 mil toneladas de m er ca d or ia s por ano. O governo tem grandes projetos que abrangem toda a África, como construir uma linha de trem que ligaria o sul ao norte do continente, indo da Cidade do Cabo até o Cairo, no Egito. E o projeto de uma usina no Congo, que aproveitaria o grande potencial hidrelétrico do rio de mesmo nome – a energia poderia ser fornecida para toda a região. Os sul-africanos hoje consomem energia gerada por usinas atômicas e carvão. A província de Tshwane, na qual está a capital Pretória, criou um plano de melhorias que chega até 2055. Inclui de escolas a teatros, de ciclovias a monumentos a heróis. "Temos que planejar a longo prazo, não apenas para daqui a cinco ou dez anos", prega Lindiwe Kwe-

Da Cidade do Cabo ao Egito: o luxuoso Blue Train (acima) corta o país, mas governo tem plano de fazer linha de trem que cruze todo o continente.

Infraestrutura e mineração: o porto de Ngqura (ao lado) e a extração de manganês em Kuruman. Lúcia Helena de Camargo/DC

Convidamos empresas brasileiras a se instalarem aqui e aproveitarem nossa grande capacidade de expansão de negócios. EBRAHIM PATEL, MINISTRO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

le, a vice-prefeita. Não será fácil. "Chegamos a um número: melhorar significativamente nossa infraestrut u r a c u s t a r i a U S $ 4 0 0 b ilhões", calcula Patel – mais do que um PIB, portanto. Apenas

para modernizar Ngqura, estratégico porto de águas profundas, seriam necessários US$ 640 milhões. De onde viria o dinheiro? "Do governo, de empresas privadas e de parcerias internacionais."

Do Brasil, esperam cooperação para beneficiamento de minerais e energia verde. O ministro aposta principalmente na tecnologia para a produção de etanol. "Queremos que as empresas brasi-

leiras se instalem na África do Sul, não apenas para fornecer ao nosso mercado, mas também visando sua própria expansão mundial. Vamos crescer juntos", convida Patel, que lembra a localização da África do Sul como argumento para tornar seu país um bom lugar para empresas brasileiras montarem suas fábricas. "Nossa geografia é privilegiada. Temos fácil acesso às Américas, à Europa, Ásia e Oceania, estamos em uma ótima esquina do planeta. Além disso, nosso clima é ameno, temos invernos pouco rigorosos e povo acolhedor, quase tão simpático quanto os brasileiros." * A repórter viajou a convite da Brand South Africa.

Hora de ampliar o planejamento tributário Sílvia Pimentel

O

aumento do teto de faturamento anual para a opção pelo regime de pagamento de impostos federais conhecido como lucro presumido deve estimular a antecipação de um planejamento tributário pelas empresas neste ano. A Lei nº 12.814/2013, publicada em maio, aumentou o limite de faturamento dos atuais R$ 48 milhões para R$ 78 milhões por ano. O novo valor passa a

valer a partir de janeiro de 2014, mas escritórios de contabilidade começam a alertar aos empresários para a ampliação do teto – reivindicação antiga do setor produtivo – e seus impactos. Se antes era importante realizar com antecedência um planejamento tributário para reduzir a carga de impostos, a partir da medida isso se faz ainda mais necessário. Para o consultor da Confirp, Welinton Motta, muitas empresas deverão migrar do lucro real para o presumido, es-

timuladas pelo ajuste do valor. Será um movimento natural para quem deseja economizar tanto com o pagamento de impostos como na operacionalização da contabilidade. Até que entre em vigor a elevação do limite, o regime de lucro real é atualmente utilizado principalmente por grandes companhias, com faturamento anual superior a R$ 48 milhões e exige do empresário um controle maior, pois as regras são mais rígidas do ponto de vista tributário. A conta-

bilidade nesse caso é mais complexa gerando custos maiores. Já o regime do lucro presumido, entretanto, equivale ao "Simples" das empresas com faturamento até R$ 48 milhões, daí a atratividade em termos tributários e operacional. Embora mais atraente, é preciso fazer as contas para saber se o novo limite de R$ 78 milhões trará vantagens na redução da carga tributária. "Não é uma receita de bolo. É necessário avaliar caso a caso e o melhor enqua-

dramento depende de muitas variáveis, como a lucratividade e o tamanho da folha de salários", resume Motta. A importância de realizar um estudo e simulações que apontem o melhor regime de tributação vale também para as empresas que estão no Simples Nacional, o regime voltado para as micro e pequenas. Embora menos trabalhoso que os demais, nem sempre é a melhor opção. "Existem casos em que esse tipo de tributação não é o mais interessante, mesmo

que a companhia se enquadre nas especificações." Como regra geral, no regime de lucro presumido o fisco "presume" o lucro e fixa alíquotas de arrecadação para os diferentes setores aplicadas sobre o faturamento.


sábado, domingo e segunda-feira, 6, 7 e 8 de julho de 2013

e

DIÁRIO DO COMÉRCIO

21 Não basta levar pessoas ao site: é preciso investir em sua experiência na loja. Rodrigo Zimerman, da Direct Talk.

conomia

E-commerce corre atrás do cliente fujão É muito grande o número de internautas que começam a comprar em sites e desistem no meio ou "abandonam o carrinho", conforme o jargão. Os motivos são vários – alguns triviais – é há maneiras de resolver o problema.

Karina Lignelli

S

e em 2013 o e-commerce brasileiro deve atrair mais de 50 milhões de consumidores e movimentar R$ 28 milhões conforme prevê a consultoria e-bit, quem tem loja virtual deve ficar atento para não perder oportunidades com um dos principais "inimigos" da conversão em vendas pela internet: o abandono de carrinho. Hoje, cerca de 65% das pessoas que iniciam compras no ambiente virtual desistem antes da conclusão, aponta o instituto de pesquisa de origem dinamarquesa Baymard, especializado em e-commerce. Outro grupo que lida com o assunto, o americano Conversion Academy, vai além e investiga os motivos da desistência. Boa parte dela se deve ao fato de o consumidor ter interrompido o processo para pesquisar um pouco mais sobre os produtos que quer. Acontece que nem toda loja conta com pronto atendimento virtual para dar informações e tirar dúvidas no momento da compra, afirma Rodrigo Zimerman, diretor de novos negócios da Direct Talk (especialista em soluções de atendimento digital ao consumidor). O executivo cita outro dado, da Alkes Contact (empresa voltada ao atendimento a lojas virtuais), que mostra que 54% dos clientes procuram informações simples sobre procedimentos e compras – ou seja, dados que deveriam estar no site ou se já estão, não são apresentados da melhor forma. Na opinião de Zimerman, as empresas investem muito em atração de clientes para o site, mas pouco na retenção – e os índices de conversão baixos refletem esse desequilíbrio. "É preciso equilibrar a balança e melhorar a navegação – especialmente nas páginas mais críticas. Não basta apenas levar pessoas para o site: é preciso investir em sua experiência dentro da loja".

BAIXA CONVERSÃO Mas há um outro ângulo da mesma questão. A e-bit, que utiliza metodologia diferente para medir as vendas pela internet, mostra que a conversão no e-commerce brasileiro – ou seja, a proporção de gente que sai da loja virtual com a compra finalizada – é muito baixa, entre 1% e 1,5%, segundo o diretor geral Pedro Guasti. Ele considera o número de abandono da Baymard "razoável", ao se considerar todas as pessoas que acessam o site, inclusive as que só entraram e saíram da loja virtual, sem chegar ao carrinho. "Tudo depende do tipo de tráfego que há dentro do site, como a pessoa encontrou a loja na internet, se o lojista usa e-mail para mandar conteúdo relevante ao consumidor, se há tráfego qualificado por se investir em buscadores de preço, ou tráfego orgânico (busca por palavra-chave no Google)". A baixa conversão acontece, segundo ele, porque apenas lojas maiores, com infraestrutura para manter o site sempre ativo, com áreas de pesquisa ou de UX (de "experiência do usuário") conseguem avançar a taxas mais altas – em torno de 2%, 2,5%, mas ainda baixas frente ao mercado americano (3%) e à Amazon (4%). Entre os principais motivos para que a pessoa abandone a compra na internet, Guasti aponta problemas de tecnologia e usabilidade (forma de

acessar o site). Ou a loja virtual não se adaptou aos dispositivos e sistemas operacionais utilizados pelo consumidor (notebooks, tablets ou smartphones) ou o site é difícil de acessar. "Há sites em que é preciso passar por umas 20 etapas para fechar uma compra. O consumidor se perde", alerta. TECNOLOGIA A FAVOR Mas há meios para reverter esse quadro: Rodrigo Zimerman, da Direct Talk, lembra que hoje há dispositivos que mostram que, se o consumidor ficar mais de 30 minutos parado na tela de conclusão de compra, outra tela de contato se abre oferecendo informações ou assistência. Ou assistentes virtuais, como na Netshoes que, segundo Zimerman, conseguiu garantir retenção em 49% dos atendimentos dessa forma. Além da grande economia com a central de atendimento, não diminuiu qualidade nem a satisfação do cliente. "Muitas empresas conseguem reduzir em 60% a taxa de abandono de carrinhos investindo na navegação e no atendi- Há sites mento em momentos críticos – em que é como a hora de inserir informações do cartão de crédito", preciso passar por exemplifica o executivo. Para melhor retenção, Zi- umas 20 merman dá dicas, como conhe- etapas para cer bem os produtos (e dar sefechar uma gurança ao cliente quando pedir informações) e deixar o compra. O atendimento visível nos pontos consumidor de maior abandono, com ban- se perde. ners mais ostensivos oferecendo ajuda. Também é importan- PEDRO GUASTI te "manter a fila sob controle" – ou seja, não deixar o cliente esperando muito pelo atendimento virtual. "O chat não deve servir para suprir um site mal feito, mas para ajudar a melhorá-lo", orienta. Pedro Guasti, da e-bit, lembra que não há mais espaço para amadorismo. "Se as lojas grandes podem criar áreas de UX e contratar engenheiros para melhorar a usabilidade, as pequenas e médias empresas podem hospedar sua loja virtual em plataformas de e-commerce – e deixar essa 'responsabilidade' para elas –, além de escolher meios de pagamento que deem segurança ao cliente – e garantir índices de conversão altos", destaca.

Como evitar a fuga

A

lgumas empresas já investem em táticas ou estratégias para garantir a conversão em vendas e evitar o abandono de carrinho. A Sonoma, curadoria virtual de vinhos que, além de vendê-los, investe em educação sobre a bebida, é um desses exemplos. Um dos procedimentos, conta o CEO Alykham Kharim, é enviar email ao comprador 30 minutos depois do abandono, com dicas curtas de curadores sobre os itens em destaque. Outra é oferecer pequenos descontos, dependendo do valor da compra acumulada no carrinho. Essa providência obviamente gera conversão quase imediata, afirma Kharim. Há ainda os banners de retargeting (do inglês "re-mirar", ou seja mostrar anúncios novamente a consumidores que interagiram de alguma forma com o site), ou sommeliers que ligam para o cliente para falar sobre o produto – tática mais trabalhosa, segundo ele, mas com maior taxa de conversão. "Vinho requer experiência pessoal, e criar essa ligação fideliza muito. Aumentar a taxa de conversão é difícil e depende do dia, já que não há uma prateleira fixa no site, e muitos produtos esgotam rápido. Mas com as medidas, conseguimos reduzir em 10% o abandono de carrinho", afirma Kharim. Já a Mobly, loja virtual de móveis, decoração e acessórios para casa, aposta em outra tática para converter a venda: o remarketing (ferramenta que exibe "a mensagem certa para a pessoa certa", ou seja, de acordo com os interesses). Com ela, a loja armazena dados de consumidor, identifica banners no qual clicou e

prepara uma espécie de "contraataque", ao mostrar anúncios de produtos abandonados quando estiver em outros sites. "Alguém que foi ao carrinho e não comprou é valioso para a Mobly", diz o diretor de marketing Cesário Martins. Ele conta que, após instalar essa ferramenta, em fevereiro de 2012, a loja virtual "deu um salto" e mudou de patamar. "É uma forma de fazer o cliente ficar engajado e que gera impacto nas vendas." Em tempos de instituição de novas regras para o e-commerce e vendas coletivas – a Lei 7962/2013, em vigor há pouco mais de um mês e que exige adequação e investimentos por parte das empresas para atendê-las –, Rodrigo Zimerman, da Direct Talk, diz que investir tempo e dinheiro em atendimento ao cliente, de forma isolada, não gera diferencial para a loja. "Só consegue resultado quem encanta seus clientes. É preciso investir na capacitação dos profissionais de É preciso atendimento e em investir em processos eficientes profissionais que suportem as de demandas dos clientes. Depois vem atendimento a tecnologia. Esse e em caminho dá retorno: processos aumento que suportem de conversão, as demandas diminuição de carrinhos dos clientes. abandonados RODRIGO ZIMERMAN e fidelização", finaliza.(KL)


22 -.ECONOMIA/LEGAIS

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 6, 7 e 8 de julho de 2013


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 6, 7 e 8 de julho de 2013

e

ECONOMIA/LEGAIS - 23 A carga tributária sobre o valor de um videogame PlayStation é de 72,18%.

conomia

O Leão engole R$ 800 bi Em pouco mais de seis meses, essa marca de arrecadação tributária é alcançada pelas três esferas de governo – União, Estados e municípios – desde o primeiro minuto de 2013, de acordo com o Impostômetro. PREFEITURA MUNICIPAL DE CAPÃO BONITO-SP RERRATIFICAÇÃO DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA PÚBLICA Nº 01/2013 – RERRATIFICA-SE os anexos do presente certame licitatório, cujo objeto é a Contratação de empresa de engenharia especializada em Serviços de Gestão Territorial Fiscal Municipal, conforme especificações constantes do Anexo I – Termo de Referência do presente edital. Desta feita, PRORROGA-SE a data de encerramento (credenciamento e entrega dos envelopes) para a data de 23 de agosto de 2013, às 09:00 horas. Edital e melhores informações mediante o recolhimento da taxa de R$ 10,00 (dez reais) através de guia de arrecadação, no Setor de Licitações, sita o Paço Municipal localizado à Rua Nove de Julho, nº690, Centro, ou pelo Tel: (15) 3543-9900 – ramal 9936 ,de segunda a sexta-feira, das 09:00 às 11:00hs e das 13:00 às 16:00hs,ou através do e-mail: editalcapaobonito@gmail.com. Capão Bonito-SP, 04 de julho de 2013. Dr. JULIO FERNANDO GALVÃO DIAS - Prefeito Municipal – ABERTURA DE LICITAÇÃO TOMADA DE PREÇOS Nº 24/2013 – Contratação de empresa para pavimentação e recapeamento asfáltico, guias e sarjetas extrusadas e galeria para escoamento de água pluvial, nas ruas Brasílio Nunes, Frei Ponciano e avenida Ovídio Tristão de Lima Junior, para a Secretaria Municipal de Planejamento, deste Município, conforme especificações constantes dos Anexos pertencentes ao presente instrumento convocatório. O encerramento (protocolização dos envelopes nº 01 e 02) darse-á na data de 30 de julho de 2013, até às 09:00 horas. Edital e melhores informações mediante o recolhimento da taxa de R$ 10,00 (dez reais) através de guia de arrecadação, no Setor de Licitações, sita o Paço Municipal localizado à Rua Nove de Julho, nº 690, Centro, ou pelo Tel: (15) 3543-9900 – ramal 9936 ,de segunda a sexta-feira, das 09:00 às 11:00hs e das 13:00 às 16:00hs,ou através do e-mail: editalcapaobonito@gmail.com. Capão Bonito-SP, 04 de julho de 2013. TOMADA DE PREÇOS Nº 25/2013 – Contratação de empresa para construção de 01 (uma) creche na Av. Ovídio Tristão de Lima Junior, esquina com o prolongamento da Rua 09 de julho no Bairro Vila Maria, para a Secretaria Municipal de Planejamento, deste Município, conforme especificações constantes dos Anexos pertencentes ao presente instrumento convocatório. O encerramento (protocolização dos envelopes nº 01 e 02) dar-se-á na data de 30 de julho de 2013, até às 14:00 horas. Edital e melhores informações mediante o recolhimento da taxa de R$ 10,00 (dez reais) através de guia de arrecadação, no Setor de Licitações, sita o Paço Municipal localizado à Rua Nove de Julho, nº 690, Centro, ou pelo Tel: (15) 3543-9900 – ramal 9936 ,de segunda a sexta-feira, das 09:00 às 11:00hs e das 13:00 às 16:00hs,ou através do e-mail: editalcapaobonito@gmail.com. Capão Bonito-SP, 04 de julho de 2013. Dr. JULIO FERNANDO GALVÃO DIAS - Prefeito Municipal – PREGÃO PRESENCIAL Nº 79/2013 – Aquisição de óleo diesel S-10, para a Secretaria Municipal de Educação, deste Município, conforme especificação constante do anexo I – Termo de Referência, do presente instrumento convocatório. O encerramento (credenciamento e entrega dos envelopes) dar-se-á na data de 31 de julho de 2013, às 09:00 horas. Edital e melhores informações mediante o recolhimento da taxa de R$ 10,00 (dez reais) através de guia de arrecadação, no Setor de Licitações, sita o Paço Municipal localizado à Rua Nove de Julho, nº690, Centro, ou pelo Tel: (15) 3543-9900 – ramal 9936 ,de segunda a sexta-feira, das 09:00 às 11:00hs e das 13:00 às 16:00hs,ou através do e-mail: editalcapaobonito@gmail.com . Capão Bonito-SP, 04 de julho de 2013. PREGÃO PRESENCIAL Nº 80/2013 – Aquisição materiais e equipamentos para a vigilância epidemiológica, pertencente à Secretaria Municipal de Saúde, deste Município, conforme especificação constantes do anexo I – Termo de Referência, do presente instrumento convocatório. O encerramento (credenciamento e entrega dos envelopes) dar-se-á na data de 31 de julho de 2013, às 14:00 horas. Edital e melhores informações mediante o recolhimento da taxa de R$ 10,00 (dez reais) através de guia de arrecadação, no Setor de Licitações, sita o Paço Municipal localizado à Rua Nove de Julho, nº690, Centro, ou pelo Tel: (15) 3543-9900 – ramal 9936 ,de segunda a sexta-feira, das 09:00 às 11:00hs e das 13:00 às 16:00hs,ou através do e-mail: editalcapaobonito@gmail.com. Capão Bonito-SP, 04 de julho de 2013. PREGÃO PRESENCIAL Nº 81/2013 – Aquisição de 200 (duzentas) cestas básicas montadas para atender usuários do CREAS, pertencente à Secretaria Municipal de Assistência Social, deste Município, conforme especificação constante do anexo I – Termo de Referência, do presente instrumento convocatório. O encerramento (credenciamento e entrega dos envelopes) dar-se-á na data de 01 de agosto, às 09:00 horas. Edital e melhores informações mediante o recolhimento da taxa de R$ 10,00 (dez reais) através de guia de arrecadação, no Setor de Licitações, sita o Paço Municipal localizado à Rua Nove de Julho, nº690, Centro, ou pelo Tel: (15) 3543-9900 – ramal 9936 ,de segunda a sexta-feira, das 09:00 às 11:00hs e das 13:00 às 16:00hs,ou através do e-mail: editalcapaobonito@gmail.com. Capão Bonito-SP, 04 de julho de 2013. Dr. JULIO FERNANDO GALVÃO DIAS - Prefeito Municipal

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: Pregão Eletrônico nº 14/00008/13/05 OBJETO: Contratação de empresa para a prestação de serviços contínuos de apoio técnico visando a operação da Rede do Saber da Escola de Formação e aperfeiçoamento dos professores do Estado de São Paulo – EFAP, contemplando a concepção de soluções, especificação, implantação, manutenção, suporte e operação de redes e sistemas e apoio administrativo para suportar os projetos e atividades da rede de comunicação e formação continuada de professores e demais servidores públicos da rede estadual de ensino que utiliza maciçamente videoconferência, ambientes virtuais e ferramentas web, conforme detalhamento constante no ANEXO II – Especificações Técnicas, parte integrante deste Edital. ç g A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para: Contratação de empresa para a prestação de serviços contínuos de apoio técnico visando a operação da Rede do Saber da Escola de Formação e aperfeiçoamento dos professores do Estado de São Paulo – EFAP, contemplando a concepção de soluções, especificação, implantação, manutenção, suporte e operação de redes e sistemas e apoio administrativo para suportar os projetos e atividades da rede de comunicação e formação continuada de professores e demais servidores públicos da rede estadual de ensino que utiliza maciçamente videoconferência, ambientes virtuais e ferramentas web, conforme detalhamento constante no ANEXO II – Especificações Técnicas, parte integrante deste Edital. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital a partir de 10/07/2013, no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br ou na sede da FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 São Paulo/SP, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, ou verificar o edital na íntegra, através da Internet no endereço: http://www.fde.sp.gov.br. A sessão pública de processamento do Pregão Eletrônico será realizada no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br, no dia 24/07/2013, às 10:00 horas, e será conduzida pelo pregoeiro com o auxílio da equipe de apoio, designados nos autos do processo em epígrafe e indicados no sistema pela autoridade competente. Todas as propostas deverão obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital e seus anexos e serão encaminhadas, por meio eletrônico, após o registro dos interessados em participar do certame e o credenciamento de seus representantes previamente cadastrados. A data do início do prazo para envio da proposta eletrônica será de 10/07/2013, até o momento anterior ao início da sessão pública. BARJAS NEGRI Presidente

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ANDRADINA

EXTRATO DA 7ª PRORROGAÇÃO CONTRATUAL. PROCESSO Nº 104/09 – TOMADA DE PREÇOS Nº 06/09. OBJETO: Contratação de empresa especializada, para a realização de serviços de pavimentação asfáltica e construção de guias e sarjetas em diversas ruas do município – Convênio 0246358-10/2007. CONTRATANTE: Prefeitura do Município de Andradina. CONTRATADO: MC CONSTRUTORA E TOPOGRAFIA LTDA. Fica ajustado entre as partes que o prazo de vigência do contrato será prorrogado por mais 90 (noventa) dias. As demais cláusulas e condições dos contratos supra permanecem inalteradas. DATA: 05 de julho de 2013. JAMIL AKIO ONO – Prefeito Marina Pitanguy Decoração Express Ltda. - CNPJ: 13.447.160/0001-25 - NIRE: 35225237171 1ª Alteração de Contrato Social Data: 04.03.2013. A totalidade dos sócios da Marina Pitanguy Decoração Express Ltda., sede: R. Senador Vergueiro, 344 - Santo Amaro, SP/SP, Deliberam, reduzir o capital social, de R$712.186,00 para R$450.001,00, uma redução de R$262.185,00, que serão devolvidos de imediato, através de transferência de bem imóvel, correspondendo à proporção de quotas de redução que a sócia majoritária Marina Maldini Pitanguy possui na sociedade. Marina Maldini Pitanguy e Cynthia Pitanguy Viegas Silveira.

Comercial Lima Figueiredo S. A CNPJ Nº 72.111.370/0001-07 Assembléia Geral Ordinária Edital de Convocação Ficam convocados os Srs. Acionistas p/ realização de AGO dia 18/7/13, 10hs na sede, na Fazenda Itaiquara, Município de Tapiratiba/SP, p/ apreciar e deliberar s/ a seguinte ordem do dia: 1. Prestação de contas dos administradores, exame, discussão e votação das demonstrações financeiras relativas ao exercício social findo em 31/12/11 e 31/12/12; 2. Destinação do Resultado do Exercício; 3. Eleição dos membros da Diretoria p/ o próximo triênio e fixação de seus honorários. 4. Eleição dos membros do Cons. Fiscal e seus suplentes, caso decidida a sua instalação p/ o novo exercício. Estão à disposição dos Srs. acionistas, na sede, os documentos da Administração a que se refere o art.133, da Lei 6404/76. Tapiratiba, 5/7/13. A Diretoria. (05, 06 e 9/07/2013)

Impostômetro da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) registrou no último sábado, dia 6, por volta das 18 horas, o montante de R$ 800 bilhões. Segundo cálculos da entidade, esse é o valor de impostos recolhidos pelo contribuinte à União, Estados e municípios desde o primeiro dia de janeiro. A marca será alcançada com cinco dias de antecedência na comparação com o levantamento elaborado no ano passado. Para a ACSP, isso revela um crescimento na carga tributária. "Percebemos que a carga tributária brasileira é mesmo muito alta. O governo divulga a diminuição de impostos e nós, todos os dias, vemos os números do Impostô-

metro atingirem recordes", disse o presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), Rogério Amato. Férias – A ACSP divulgou comunicado com informações de um levantamento do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT) – cujos dados alimentam o Impostômetro – sobre os tributos embutidos nos produtos e serviços tipicamente relacionados com as férias de julho, como pacotes de viagem, cinema e teatro.

FALÊNCIA, RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL E RECUPERAÇÃO JUDICIAL

FT Sistemas Serviços e Aerolevantamento S.A Ativo 2012 Circulante /Caixa 4.774,28 Bancos conta movimento (36.212,92) Aplicação financeira 12.040,60 Créditos 813.370,40 Estoques 2.718,00 Total do ativo circulante 796.690,36 Ativo não Circulante/ Real a longo prazo 354.327,97 Investimentos 12.500,00 Ativo Permanente 7.648.379,82 Total do ativo não circulante 8.015.207,79

Total do Ativo

8.811.898,15

CNPJ 07.498.381/0001-20 Demonstrações Financeiras - (Valores Expressos Em Reais) Balanço Patrimonial de 2012 2011 Passivo 2012 2011 2.080,16 Circulante/ Emprestimos 1.244.044,34 1.692.845,10 (63.691,36) Fornecedores 215.730,61 121.837,14 500,00 Emprestimos bancarios 247.556,88 106.479,55 1.426.604,12 Débitos fiscais 166.228,60 79.818,44 2.718,00 Emprestimos terceiros 1.017.825,00 1.368.210,92 Débitos sociais 286.525,88 223.261,08 305.959,65 196.136,54 41.787,06 12.500,00 Contas a pagar Débitos com pessoal 131.865,83 101.836,83 6.037.656,39 952.848,24 46.560,08 6.356.116,04 Exigivel a longo prazo Patrimonio Líquido/Capital Social 6.615.005,57 5.984.921,78 Capital Social 2.572.000,00 2.572.000,00 Reserva de lucros 4.645.516,62 3.981.828,00 Lucros/Prejuízos Acumulados (602.511,05) (568.906,22) 7.724.326,96 Total do Passivo 8.811.898,15 7.724.326,96 Diretoria Nei Salis Brasil Neto - Diretor

Roseli Maria - Tec. Contabil - CRC - 225226/0-7/SP

Prefeitura Municipal de São Sebastião da Grama RETIFICAÇÃO - PREGÃO 32/2013 O município de São Sebastião da Grama leva ao conhecimento de todos os interessados em participar do Pregão Presencial nº 32/13, cujo objeto constitui-se da contratação de empresa especializada para fornecimento de tiras reagentes de glicose, com comodato de aparelhos de glicosímetro, destinados a atender a Rede Municipal de saúde da Prefeitura Municipal de São Sebastião da Grama, que o objeto do edital foi retificado,em consonância com o descritivo do Anexo I, passando a constar o seguinte: ATENÇÃO: DO COMODATO 1 - O aparelho de Glicosímetro deverá ter as seguintes especificações: Equipamento Portátil compatível com as Tiras ofertadas, calibração automática (com ou sem tira de calibração), volume de amostra máxima de 05 microlitros, memória de 450 (quatrocentos e cinquenta) registros. Leitura digital na faixa mínima de 20 a 500 mg/dl, tempo para resultado de teste até 10 segundos com volume de amostra de 2 a 5 microlitros. Em razão da presente retificação, fica prorrogado o Pregão Presencial 32/2013 para o dia 19/07/2013, às 09:30 horas.

TSA Participação e Administração de Bens e Imóveis S/A Extrato de Assembleia Geral Extraordinária em 10/06/2013 (”Cia.”), com sede na R. Américo Alves Pereira Filho, nº 57, sala 171 B, Morumbi, SP/SP, CEP 05688-000, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 02.983.635/0001-81, com seus atos constitutivos registrados na JUCESP sob o NIRE 35.300.413.237, informa que os Acionistas Deliberaram pela unanimidade em AGE, realizada em 10/06/2013, a redução do capital social não integralizado da Cia. em R$ 1.000.000,00, com o cancelamento de 2.000.000 ações ordinárias nominativas, sem valor nominal, que haviam sido subscritas pela acionista Planters Asset Management Inc. Após a aprovação e efetivação da redução de capital, Planters Asset Management Inc. deixará de ser acionista da Companhia. SP, 10/06/2013. Adriana Furegati Ellis - Presidente; Natalie Ellis - Secretária

tes pedidos de falência, recuperação extrajudicial e recuperação judicial: Requerente: Blend Bureau de Pré-Impressão e Indústria Gráfica Ltda. ME. Requerido: WT Indústria Gráfica Ltda. Rua Coronel Pedro Dias de Campos, 36 – Chacára Seis de Outubro - 2ª Vara de Falências.

O levantamento aponta que, do valor total pago por um pacote de viagem, 29,56% são impostos. Somente o pre-

AGRÍCOLA ESTREITO S.A.

Conforme informação da Distribuição Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, foram ajuizados no dia 05 de julho de 2013, na Comarca da Capital, os seguin-

ROGÉRIO AMATO, ACSP E FACESP

Companhia Fechada - CNPJ nº 09.520.093/0001-50 Demonstrações Contábeis para os Exercícios Findos em 31 de Dezembro de 2012 e de 2011 (Valores expressos em milhares de Reais) Balanço Patrimonial Demonstrações do Resultado 2012 2011 2012 2011 Ativo/Ativo Circulante 2012 2011 Passivo/Passivo Circulante Partes relacionadas 197 108 Administrativas, comerciais e gerais (692) (382) Disponibilidades 1 5.719 (169) (136) 11 538 Depreciações e amortizações Adiantamentos a fornecedores 4.888 2.136 Obrigações Fiscais e Sociais a pagar 208 646 Resultados não operacionais 1.271 13.018 1 1 Impostos a recuperar 441 – Resultado antes das receitas e despesas financeiras 410 12.501 4.890 7.856 Exigível a Longo Prazo: Obrig. Fiscais e Sociais a pagar Partes relacionadas 19.209 13.508 Despesas financeiras (150) (7.084) 142.343 142.272 Realizável a Longo Prazo: Partes relacionadas Outras Contas a pagar 24.630 27.641 Receitas financeiras 2 8.875 142.343 142.272 44.280 41.149 Resultado antes dos tributos s/lucro 263 14.292 Ativo Permanente: Investimentos 89.172 81.458 Patrimônio Líquido: Capital Social 180.134 175.019 Lucro líquido do exercício 263 14.292 5.944 2.692 Lucro/Prejuízo acumulado Imobilizado 17.727 17.464 Demonstrações dos Fluxos de Caixa 95.116 84.150 197.861 192.483 2012 2011 242.349 234.278 Total Total 242.349 234.278 Das atividades operacionais Demonstração da Mutação do Patrimônio Líquido Lucro líquido do exercício 263 14.292 os outros passivos financeiros (incluindo passivos designados pelo valor jusAjuste de Lucros ou to registrado no resultado) são reconhecidos inicialmente na data de nego- Ajustes para conciliar o resultado às disponibilidades Prejuízos Capital Avaliação ciação na qual a Companhia se torna uma parte das disposições contratuais consumidas pelas atividades operacionais Social patrimonial Acumulados Total do instrumento. A Companhia baixa um passivo financeiro quando tem suas Depreciações e amortizações 169 104 Saldos em 31 de Dezembro (1.271) (5.840) obrigações contratuais retiradas, canceladas ou vencidas. A Companhia tem Provisão para contingência de 2010 550 3.992 (143) 4.399 os seguintes passivos financeiros não derivativos: empréstimos, financia- Decréscimo/(acréscimo) em ativos Aumento de Capital 174.469 – – 174.469 mentos, fornecedores e outras contas a pagar. Estes passivos financeiros Dividendos a Receber – 500 Constituição de reserva legal – 5.840 7.775 13.615 são reconhecidos inicialmente pelo valor justo acrescido de quaisquer cus- Créditos diversos (2.752) (2.134) Saldos em 31 de Dezembro (Decréscimo)/acréscimo em passivos tos de transação atribuíveis. Após o reconhecimento inicial, estes passivos de 2011 175.019 9.832 7.633 192.484 financeiros são medidos pelo custo amortizado por meio do método dos ju- Outras contas a pagar (2.922) 24.398 Aumento de Capital 5.115 – – 5.115 ros efetivos. Os ativos e passivos financeiros são compensados e o valor lí- Obrigações trabalhistas e tributárias (86) 537 Lucro (Prejuízo) líquido Caixa proveniente das operações (6.599) 31.857 quido é apresentado no balanço patrimonial quando, e somente quando, a do exercício – – 263 263 Companhia tem o direito legal de compensar os valores e tem a intenção de Fluxo de caixa das atividades de investimento Saldos em 31 de Dezembro 3.824 liquidar em uma base líquida ou de realizar o ativo e quitar o passivo simul- Aquisição/Alienação de ativo imobilizado e intangível (3.421) de 2012 180.134 9.832 7.895 197.861 taneamente. Imobilizado: Os grupos de: terrenos, edificações e Veículos, Aquisição/Alienação de investimentos (6.443) (71.626) Caixa líquido aplicado nas atividades de investimento(9.864) (67.802) Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis são demonstrados pelo custo de aquisição acrescido da mais valia resultado 1. Contexto operacional: A Agrícola Estreito S.A., foi constituída em 28 de do custo atribuído (deemed cost), em conformidade com o Pronunciamento Das atividades de financiamento com acionistas 5.115 174.469 abril de 2008, e é uma empresa privada que dedica-se a investimentos imo- Técnico 37 - Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade, Integralização de capital biliários e a participações em outras sociedades, nacionais ou estrangeira. ICPC 10 - Interpretação sobre a Aplicação Inicial ao Ativo Imobilizado, emi- Contas a pagar a partes relacionadas - principal líquido 5.630 (132.806) Caixa líquido utilizado pelas atividades de 2. Apresentação das demonstrações contábeis: As demonstrações con- tidos pelo CPC, com base em avaliações efetuadas por avaliadores inde10.745 41.663 tábeis individuais da Companhia relativas ao exercício findo em 31 de de- pendentes, deduzida a subsequente depreciação, exceto para terrenos. financiamento com acionistas zembro de 2012 e de 2011 foram elaboradas e estão sendo apresentadas Demais itens do imobilizado estão demonstrados pelo custo de aquisição ou Aumento/(redução) líquido de caixa e equivalentes (5.718) 5.718 de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, com base nas dis- construção que inclui gastos que são diretamente atribuíveis à aquisição de de caixa posições contidas na Lei das Sociedades por Ações - Lei nº 6.404/76, alte- um ativo. O custo de ativos construídos pela própria Entidade inclui o custo Caixa e equivalentes de caixa No início do exercício 5.719 1 radas pela Lei nº 11.638/07, nos pronunciamentos, nas orientações e nas de materiais e mão de obra direta, quaisquer outros custos para colocar o 1 5.719 interpretações emitidas pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). ativo no local e condição necessária para que estes sejam capazes de ope- No final do exercício 3. Principais políticas contábeis: As políticas contábeis descritas em de- rar da forma pretendida pela Administração e custos de empréstimos sobre Aumento/(redução) líquido de caixa e equivalentes (5.718) 5.718 talhes a seguir têm sido aplicadas de maneira consistente a todos os perío- ativos qualificáveis para a capitalização. Quando partes de um item do imo- de caixa dos apresentados nestas demonstrações contábeis individuais e na prepa- bilizado têm diferentes vidas úteis, elas são registradas como itens individu- resultado do exercício. As mudanças nas provisões de perdas por redução ração do balanço patrimonial de abertura apurado em 1º de janeiro de 2012 ais (componentes principais) de imobilizado. Ganhos e perdas na alienação ao valor recuperável atribuíveis ao método dos juros efetivos são refletidas com a finalidade da transição para as normas IFRS e normas CPC, exceto de um item do imobilizado são apurados pela comparação entre os recursos como um componente de receitas financeiras. Os valores contábeis dos atinos casos indicados em contrário. Transações em moeda estrangeira são advindos da alienação com o valor contábil do imobilizado, e são reconheci- vos não financeiros da Companhia são revistos a cada data de apresentaconvertidas para as respectivas moedas funcionais pelas taxas de câmbio dos líquidos dentro de outras receitas no resultado. Depreciação: A depre- ção para apurar se há indicação de perda no valor recuperável. Caso ocorra nas datas das transações. Ativos e passivos monetários denominados e ciação é calculada sobre o valor depreciável, que é o custo de um ativo. A esta indicação, então o valor recuperável do ativo é determinado. No caso de apurados em moedas estrangeiras na data de apresentação são converti- depreciação é reconhecida no resultado baseando-se no método linear com ativos intangíveis com vida útil indefinida, o valor recuperável é estimado das para a moeda funcional à taxa de câmbio apurada naquela data. O ga- relação às vidas úteis estimadas de cada parte de um item do imobilizado, todo ano na mesma época. O valor recuperável de um ativo ou unidade genho ou perda cambial em itens monetários é a diferença entre o custo amor- já que este método é o que mais perto reflete o padrão de consumo de be- radora de caixa é o maior entre o valor em uso e o valor justo menos despetizado da moeda funcional no começo do período, ajustado por juros e nefícios econômicos futuros incorporados no ativo. Terrenos não são depre- sas de venda. Ao avaliar o valor em uso, os fluxos de caixa futuros estimapagamentos efetivos durante o período, e o custo amortizado em moeda ciados. Os métodos de depreciação, as vidas úteis e os valores residuais dos são descontados aos seus valores presentes por meio da taxa de estrangeira à taxa de câmbio no final do período de apresentação. Ativos e serão revistos a cada encerramento de exercício financeiro e eventuais ajus- desconto antes de impostos que reflita as condições vigentes de mercado passivos não monetários denominados em moedas estrangeiras que são tes são reconhecidos como mudança de estimativas contábeis. Redução ao quanto ao período de recuperabilidade do capital e os riscos específicos do mensurados pelo valor justo são reconvertidos para a moeda funcional à valor recuperável (impairment): Um ativo financeiro não mensurado pelo ativo. Para a finalidade de testar o valor recuperável, os ativos que não potaxa de câmbio na data em que o valor justo foi apurado. As diferenças de valor justo por meio do resultado é avaliado a cada data de apresentação dem ser testados individualmente são agrupados juntos no menor grupo de moedas estrangeiras resultantes na reconversão são reconhecidas no resul- para apurar se há evidência objetiva de que tenha ocorrido perda no seu ativos que gera entrada de caixa de uso contínuo que são em grande parte tado. Itens não monetários que sejam medidos em termos de custos históri- valor recuperável. Um ativo tem perda no seu valor recuperável se uma evi- independentes dos fluxos de caixa de outros ativos ou grupos de ativos (a cos em moeda estrangeira são convertidos pela taxa de câmbio apurada na dência objetiva indica que um evento de perda ocorreu após o reconheci“unidade geradora de caixa ou UGC”). Provisões: Uma provisão é reconhedata da transação. Ativos financeiros não derivativos: Os ativos ou passi- mento inicial do ativo, e que aquele evento de perda teve um efeito negativo cida, em função de um evento passado, se a Companhia tem uma obrigação vos financeiros são compensados e o valor líquido é apresentado no balan- nos fluxos de caixa futuros projetados, podem ser estimados de uma maneilegal ou construtiva que possa ser estimada de maneira confiável, e é prováço patrimonial somente quando a Companhia tem o direito legal de compen- ra confiável. A evidência objetiva de que os ativos financeiros perderam valor vel que um recurso econômico seja exigido para liquidar a obrigação. As sar os valores e tem a intenção de liquidar em uma base líquida ou de pode incluir: (i) o não pagamento ou atraso no pagamento por parte do deprovisões são apuradas por meio do desconto dos fluxos de caixa futuros realizar o ativo e liquidar o passivo simultaneamente. A Companhia tem os vedor, (ii) a reestruturação do valor devido à Companhia em condições que seguintes ativos financeiros não derivativos: empréstimos e recebíveis e ati- ela não consideraria em outras transações, (iii) indicações de que o devedor esperados a uma taxa antes de impostos que reflete as avaliações atuais de vos financeiros disponíveis para venda. Empréstimos e recebíveis são ativos ou emissor entrará em processo de falência, ou (iv) o desaparecimento de mercado quanto ao valor do dinheiro no tempo e riscos específicos para o financeiros com pagamentos fixos ou calculáveis que não são cotados no um mercado ativo para um título. Além disso, para um instrumento patrimo- passivo. Receitas financeiras e despesas financeiras: As receitas finanmercado ativo. Estes ativos são reconhecidos inicialmente pelo valor justo nial, um declínio significativo ou prolongado em seu valor justo abaixo do ceiras abrangem receitas de juros sobre fundos investidos (incluindo ativos acrescido de quaisquer custos de transação atribuíveis. Após o reconheci- seu custo é evidência objetiva de perda por redução ao valor recuperável. A financeiros disponíveis para venda) e variações no valor justo de ativos fimento inicial, os empréstimos e recebíveis são medidos pelo custo amorti- Companhia considera evidência de perda de valor para recebíveis. Todos os nanceiros mensurados pelo valor justo por meio do resultado que são recozado por meio do método dos juros efetivos, decrescidos de qualquer perda recebíveis significativos são avaliados quanto à perda de valor específico. nhecidos no resultado do exercício. A receita de juros é reconhecida no repor redução ao valor recuperável. Os empréstimos e recebíveis abrangem Uma redução do valor recuperável com relação a um ativo financeiro medido sultado do exercício, por meio do método dos juros efetivos. As despesas clientes e outros créditos. Disponibilidades abrangem saldos de caixa e in- pelo custo amortizado é calculada como a diferença entre o valor contábil e financeiras abrangem despesas com juros sobre empréstimos, líquidas do vestimentos financeiros com vencimento original de três meses ou menos a o valor presente dos futuros fluxos de caixa estimados descontados à taxa desconto a valor presente das provisões e variações no valor justo de ativos partir da data da contratação. Ativos financeiros disponíveis para venda são de juros efetiva original do ativo. As perdas são reconhecidas no resultado e financeiros mensurados pelo valor justo por meio do resultado que estão ativos financeiros não derivativos que são designados como disponíveis refletidas em uma conta de provisão recebíveis. Os juros sobre o ativo que reconhecidos no resultado do exercício. Custos de empréstimo que não são para venda ou não são classificados em nenhuma das categorias anteriores. perdeu valor continuam sendo reconhecidos por meio da reversão do des- diretamente atribuíveis à aquisição, construção ou produção de um ativo Os investimentos da Companhia em determinados títulos de dívida são clas- conto. Quando um evento subsequente indica reversão da perda de valor, a qualificável são mensurados no resultado do exercício por meio do método sificados como ativos financeiros disponíveis para venda. Após o reconheci- diminuição na perda de valor é revertida e registrada no resultado do exercí- de juros efetivos. Os ganhos e perdas cambiais são reportados em uma mento inicial, eles são medidos pelo valor justo e as mudanças, que não cio. Perdas de valor nos ativos financeiros disponíveis para venda são reco- base líquida. Imposto de renda e contribuição social: A provisão para o sejam perdas por redução ao valor recuperável, são reconhecidas em outros nhecidas pela reclassificação da perda cumulativa que foi reconhecida em imposto de renda e a contribuição social são calculados observando os criresultados abrangentes e apresentadas dentro do patrimônio líquido. Quan- outros resultados abrangentes no patrimônio líquido para o resultado. A per- térios estabelecidos pela legislação fiscal vigente, estão enquadrados na do um investimento é baixado, o resultado acumulado em outros resultados da cumulativa que é reclassificada de outros resultados abrangentes para o metodologia do “Lucro Real” e são calculados com base nas alíquotas de abrangentes é transferido para o resultado do exercício. Passivos financei- resultado é a diferença entre o custo de aquisição, líquido de qualquer reem- 15%, acrescidas do adicional de 10% sobre o lucro tributável excedente de ros não derivativos: A Companhia reconhece títulos de dívida emitidos e bolso e amortização de principal, e o valor justo atual, decrescido de qual- R$240 para imposto de renda e 9% sobre o lucro tributável para contribuição passivos subordinados inicialmente na data em que são originados. Todos quer redução por perda de valor recuperável previamente reconhecida no social sobre o lucro líquido. Paulo Roberto Moreira Garcez - Presidente Alessandro Jordana Reale - Contador - CRC 1SP247987/O-7

CNPJ 02.983.635/0001-81 - NIRE 35.300.413.237

CARDOSO COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS DE PUXADORES LTDA.-ME torna público que requereu junto à CETESB a Licença Prévia, de Instalação e de Operação para a atividade de “Laças e puxadores metálicos sem tratamento superficial, fabricação de” localizada à ESTR. TENENTE JOSÉ MARIA DA CUNHA, 274 - JD. RECORD município de TABOÃO DA SERRA/SP.

O governo divulga a diminuição de impostos e nós, todos os dias, vemos os números do Impostômetro atingirem recorde.

ço da passagem aérea tem 22,32% de tributos. A carga tributária embutida no valor de uma diária paga para deixar o cachorro num hotel para animais chega a 26,86%. Quem opta por ir ao teatro ou cinema desembolsa 30,25% somente em tributos. E para distrair as crianças em casa mesmo, a conta também sai recheada de tributos. Um iPad tem 39,12% de imposto embutido; brinquedos em geral têm 39,7%; um par de patins, 52,78% e um videogame PlayStation, a inacreditável carga de 72,18%.

Mutações do patrimônio liq p/ o exercício findo em 31/12/2012 p Social g Prejj acumul. Cap Res. Legal Total Saldos 31/12/11 2.572.000,00 3.981.828,00 (568.906,22) 5.984.921,78 Lucros/ Prej exerc. Const. Res. Legal 663.688,62 Saldos em Ajustes Exerc. Anter (117.979,77) Lucros/ Prej exerc. 84.374,94 Saldos 31/12/12 2.572.000,00 4.645.516,62 (602.511,05) 6.615.005,57 Demonstrações de resultados Exercícios findos em 31/12/2012 Receita operacional bruta 1.955.843,20 (-) Abatimentos da Receita Bruta (129.960,38) Receita Líquida 1.825.882,82 Custo das Vendas (519.429,80) Lucro Bruto Operacional 1.306.453,02 Despesas Operacionais / Receitas Financeiras (1.246.121,29) Despesas e Receitas não operacionais 878.676,84 Resultado Operacional Antes dos Tributos 939.008,57 Despesa de Provisão para CSLL e IRPJ (190.075,01) Resultado Operacional Antes das Participações 748.933,55 Resultado Líquido do Exercício 748.933,56

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: Pregão Eletrônico nº 57/00004/13/05 OBJETO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA SUBSTITUIR OS FIREWALLS ATUALMENTE INSTALADOS E EFETUAR A IMPLANTAÇÃO DE SWITCHES NAS UNIDADES ESCOLARES E DIRETORIAS DE ENSINO DA REDE PÚBLICA ESTADUAL DE SÃO PAULO E DEMAIS ÓRGÃOS VINCULADOS. A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para: Contratação de empresa para substituir os firewalls atualmente instalados e efetuar a implantação de switches nas unidades escolares e Diretorias de Ensino da Rede Pública Estadual de São Paulo e demais órgãos vinculados. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital a partir de 10/07/2013, no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br ou na sede da FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 São Paulo/SP, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, ou verificar o edital na íntegra, através da Internet no endereço: http://www.fde.sp.gov.br. A sessão pública de processamento do Pregão Eletrônico será realizada no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br, no dia 22/07/2013, às 10:00 horas, e será conduzida pelo pregoeiro com o auxílio da equipe de apoio, designados nos autos do processo em epígrafe e indicados no sistema pela autoridade competente. Todas as propostas deverão obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital e seus anexos e serão encaminhadas, por meio eletrônico, após o registro dos interessados em participar do certame e o credenciamento de seus representantes previamente cadastrados. A data do início do prazo para envio da proposta eletrônica será de 10/07/2013, até o momento anterior ao início da sessão pública. BARJAS NEGRI Presidente

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

PREFEITURA MUNICIPAL DE BIRIGUI

EDITAL Nº 056/2.013 RP de PREGÃO PRESENCIAL Nº 059/2.013. OBJETO:- Registro de preços para aquisição de materiais para derivação, manutenção e extensão de rede e ligação de água, destinados à secretaria de serviços públicos, água e esgoto, pelo período de 12 (doze) meses. data da abertura- 23/07/2.013, às 08:00 horas. Melhores informações poderão ser obtidas junto a Seção de Licitações na Rua Santos Dumont nº 28, Centro, ou pelos telefones (018) 3643.6126. O Edital poderá ser lido naquela seção e retirado gratuitamente no site www.birigui.sp.gov.br, Pedro Felício Estrada Bernabé, Prefeito Municipal, Birigui, 05/07/2013.

FDE AVISA: COMUNICADO Comunicamos que a sessão de processamento do Pregão Eletrônico n.º 14/00008/13/05 - Objeto: Contratação de empresa para a prestação de serviços contínuos de apoio técnico visando a operação da Rede do Saber da Escola de Formação e aperfeiçoamento dos professores do Estado de São Paulo – EFAP, contemplando a concepção de soluções, especificação, implantação, manutenção, suporte e operação de redes e sistemas e apoio administrativo para suportar os projetos e atividades da rede de comunicação e formação continuada de professores e demais servidores públicos da rede estadual de ensino que utiliza maciçamente videoconferência, ambientes virtuais e ferramentas web, conforme detalhamento constante no ANEXO II – Especificações Técnicas, que aconteceria às 10:00h do dia 05/07/2013, foi Suspensa a pedido da área solicitante, para alteração no Edital.


DIà RIO DO COMÉRCIO

24 -.ECONOMIA/LEGAIS

e

A inflação desacelerou em junho para 0,26%; em 12 meses acumula alta de 6,7%.

conomia

Inflação baixa, mas acumulado ultrapassa teto.

O

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou na sexta-feira que a inflação, medida pelo �ndice Nacional de Preços

sĂĄbado, domingo e segunda-feira, 6, 7 e 8 de julho de 2013

ao Consumidor Amplo (IPCA), desacelerou em junho para 0,26%. É a marca mais baixa desde o 0,08% positivo de junho do ano passado; porÊm, o

acumulado em 12 meses foi a 6,7%, maior alta desde os 6,97% de outubro de 2011. Dessa forma, foi ultrapassado o teto da meta estabelecida pelo governo, de 6,5%, com tolerância de 2 pontos percentuais. Por isso, fica reforçada a expectativa de que o Banco Central manterå o aperto monetårio na reunião da próxima semana do Comitê de Política Monetåria (Copom). O destaque do mês foi a desaceleração da alta dos preços de alimentos para 0,04%

ante 0,31% em maio. Segundo o IBGE, isso Ê resultado não apenas do comprometimento da renda por conta da inflação elevada, mas tambÊm da Copa das Confederaçþes e do fato de os comerciantes terem baixado os preços para reduzir os estoques acumulados depois de fecharem as portas nos dias de manifestaçþes. "O comÊrcio esteve fechado por muitos dias e o clima da Copa modifica håbitos de consumo ou direciona para produtos como cerveja e alimenta-

   

ção fora de casa. Foi um junho atípico", explicou a economista do IBGE, Eulina Nunes dos Santos. Colaboraram ainda para o resultado, os remÊdios, que ficaram eståveis no mês passado, depois de alta de 1,61% em maio e combustíveis, com queda de 1,67%. IGP-DI – TambÊm divulgado na última sexta-feira pela Fundação Getulio Vargas (FGV), o �ndice Geral de Preços-Disponibilidade Interna (IGP-DI) subiu 0,76% em junho, após elevação de 0,32% em maio, em

meio à aceleração dos preços no atacado. Em 12 meses, o índice acumula alta de 6,28%, ante 6,2% nos 12 meses atÊ o mês de maio. Em junho, o �ndice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-DI) – que responde por 60% do IGPDI – subiu 0,85%. Por sua vez, a alta do �ndice de Preços ao Consumidor (IPC-DI) – peso de 30% no IGP-DI – foi de 0,35%. Jå o �ndice Nacional de Custo da Construção (INCC-DI) – 10% do IGP-DI – avançou 1,15% em junho. (Reuters)

 



      &&'()*'+*),**     -./                      !"# $ %  . /   # 0   1!2  !"# $ % *'&34'3*),4*5    6 7 1 ' 2 / /     15    5            89  . . : ' ; *)4+&,()'&&4')' 3'*** ** '&4')4+&,* : <   0  1 10! $ % )&')33'& ),4 '   '  =  %>5 ?@     3 2  $9  $   1  A1 55  B   55 ' %C 1= <5  < 5  B    / / 3)&,  $ $  / /  ' $10 3 (A **&  8?A1 55  D  E! !!F1 :      !' GGG'.'' A/    H ,5  6  I  /    

       9   (A*4A *J K (7J* > 5   D    4A*4A *J K (7J* > 5  /,  <    /       5 B  .6 /       <   9   4A*4A *J K (7J > 55   D    &A*4A *J K (7J* > 55   >. .    55   < <      / / <  5     B   3*L       '  3&  $ $   ' J  ' $10 ' 3 (A **&         '   !MF M 1   =0#17    N 

  K   '  = #5   %  0 > =  5   ; ++ 5  +(,5    /  +(5  <  +5  ?  $5 E =5 

&; 1  : 1  5  3  B       '  = #5 (  B   B   <   <  B   >  5  B    ++5

  B   B    5  B    +(,=     / /  +(5  &  B  B     %  0 > =  5     << D B@ B 55 

  6   J*5(*O' 5 $  ; 3)' 3'**+3,4' 0  ; 4)'J 3' =#%8 17 $              5   5    / /    7    8P   9       '    =   #7   $ $



  5  5 < <5  5      5  5 5  5  @>5 5  5    5        ' 8P  9   %  0 > =  7 1    > ' 20#8 1N   7 9  5       > ' 2!MF7 Q +4'(**5 ( @  <      <>      5 @ D A * 5 <  6  @ D      -' R#N17 # $'  B     H >                  9     GGG'.'' A/' . /  $#N8  !!F :  !  6 @  /  ' 0  E  S 5     =A1 ; J+'4+*'  E0#8 ,  

  6 B  / /       

55   @   D +>    <  < >     

  55  D  / /    . .  =  =  1''    /T 6    D   GGG''' 5  B  ?9@ 65     B@  

 '  $011F :  

  6 

 >    6 5 $  85   @  D +>    

  5  9  5   

  (L  

             

           5 5    /  /  7 E :      : $# ?7 )'*34'(++A***,J355 = I55 /T / 3+*+55 $A$

&'&+&,+'  ?N$MF M N $  : # >   .  .    <5 <  B 6 6     ' 8  /  /   H  !      9          GGG'.'' A/'   .     A/    1 1  B             5  5  6   6       

      /   /     5(L    

 B  

   

          ' U21  1$! $0#817     

 K  5   B  / 7 /    4+,&(( A 4+,&&+35    ,7 V/'' ' V / %                #801     / H /  5    . .   @          ' #    >        ./' . / W -    5 

     

W5   D   8NA8      <   , /    

       ' J*5 XY   6/ B I5  $8#5         

'    6 B   6 X  Y         <   ' 1 6    5   5 B    B   'Z


sábado, domingo e segunda-feira, 6, 7 e 8 de julho de 2013

BR Partners Holdco Participações S.A. – (CNPJ em constituição) Ata da Assembleia Geral de Constituição da Sociedade por Ações realizada em 01/02/2013 1. Data, horário e local: Realizada em 01/02/2013, às 10 hs., na sede social. 2. Presenças: Presentes os fundadores e subscritores, representantes da totalidade do capital inicial da Sociedade, a saber: (a) Ricardo Fleury Cavalcanti de Albuquerque Lacerda, RG nº 15.413.181-7 SSP/SP e CPF/MF nº 088.785.278-58; e (b) Andrea Capelo Pinheiro, RG nº 28.174.147-5 SSP/SP e CPF/MF nº 256.600.043-34. 3. Mesa: Os trabalhos foram presididos pelo Sr. Ricardo Fleury Cavalcanti de Albuquerque Lacerda, que convocou o Sr. Caio Blaj para secretariá-lo. 4. Deliberações: O Sr. Presidente declarou instalada a Assembleia e informou que, como já era do conhecimento de todos, tinha a mesma por finalidade a constituição de uma sociedade por ações, sob a denominação de BR Partners Holco Participações S.A., na forma do projeto de Estatuto Social que se achava sobre a mesa. 4.1. Passou-se, então, à leitura e discussão do projeto de Estatuto Social, o qual, aprovado por unanimidade pelos presentes, foi anexado, em sua íntegra, à Ata desta Assembleia como seu Anexo I. 4.2. Informou o Sr. Presidente que sobre a mesa encontravam-se igualmente os Boletins de Subscrição do capital social, já assinados pelos acionistas, que subscreveram, no ato, a totalidade do capital da Sociedade, no valor de R$ 100,00, representado por 100 ações ordinárias, nominativas e sem valor nominal, emitidas pelo valor de R$ 1,00 cada uma. Conforme consta dos Boletins de Subscrição, que passam a fazer parte integrante da presente Ata como seu Anexo II, (a) o acionista fundador Ricardo Fleury Cavalcanti de Albuquerque Lacerda subscreveu 50 de ações ordinárias nominativas e integralizou, nesta data, R$ 50,00 em moeda corrente nacional; e (b) a acionista fundadora Andrea Capelo Pinheiro subscreveu 50 ações ordinárias nominativas e integralizou, nesta data, R$ 50,00 em moeda corrente nacional. 4.3. Atendidos os requisitos preliminares exigidos nos termos do Art. 80 da Lei 6.404/76, o Sr. Presidente declarou constituída a Sociedade de pleno direito. 4.4. Passou-se, a seguir, nos termos do Estatuto Social, à eleição dos membros da Diretoria, tendo sido eleitos pelas acionistas fundadoras os Srs. (a) Ricardo Fleury Cavalcanti de Albuquerque Lacerda, RG nº 15.413.181-7 SSP/SP e CPF/MF nº 088.785.278-58, eleito como Diretor Presidente; e (b) Andrea Capelo Pinheiro, RG nº 28.174.147-5 SSP/SP e CPF/MF nº 256.600.043-34, eleito como Diretora sem denominação específica, permanecendo em seus cargos até a eleição e posse de seus substitutos. 4.5. Após a eleição dos membros da Diretoria, foi aprovada a verba global de R$ 100.000,00 para a sua remuneração no corrente exercício, cuja distribuição será deliberada nos termos do Art. 13, § 3º do Estatuto Social. 4.6. Os Diretores aceitaram os cargos para os quais foram eleitos, afirmando expressamente, sob as penas da lei, que não estão impedidos, por lei especial, de exercer a administração da Sociedade, e nem condenados ou sob efeitos de condenação, a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos; ou por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussão, peculato; ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra as normas de defesa da concorrência, contra as relações de consumo, a fé pública ou a propriedade. Dessa forma, os Diretores ora eleitos tomam posse em seus cargos, mediante a assinatura dos respectivos Termos de Posse no Livro de Atas de Reunião de Diretoria. 4.7. O Sr. Presidente, por fim, esclareceu que os Diretores ficariam incumbidos de ultimar as formalidades remanescentes para registro da constituição da Sociedade perante os órgãos competentes. 5. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, foi encerrada a Assembleia, da qual se lavrou a presente Ata que, lida e achada conforme, foi por todos assinada. São Paulo, 01/02/2013. (ass.) Mesa: Ricardo Fleury Cavalcanti de Albuquerque Lacerda - Presidente, Caio Blaj - Secretário. Acionistas: Ricardo Fleury Cavalcanti de Albuquerque Lacerda, Andrea Capelo Pinheiro. Diretores: Ricardo Fleury Cavalcanti de Albuquerque Lacerda - Diretor Presidente, Andrea Capelo Pinheiro - Diretora. Advogado Responsável: Caio Blaj. Estatuto Social - Cap. 1º - Denominação, Objeto, Sede e Duração. Art. 1. A Cia. tem a denominação de BR Partners Holco Participações S.A., constituída sob a forma de sociedade anônima, e reger-se-á pelo presente Estatuto Social e pelas disposições legais aplicáveis. Art. 2. A Cia. tem por objeto a participação em outras sociedades comerciais e civis, como sócia, acionistas ou quotista, no país ou no exterior: Art. 3. A Cia. tem sede e foro na Av. Brig. Faria Lima, 3.355, 25º andar, sala 1, São Paulo-SP. § único. A critério da Diretoria, a Cia. poderá abrir e extinguir filiais ou quaisquer outros estabelecimentos no país ou no exterior. Art. 4. O prazo de duração da Cia. é indeterminado. Cap. 2º - Capital Social. Art. 5. O Capital Social totalmente subscrito e integralizado, em moeda corrente nacional, é de R$ 100,00, dividido em 100, ações ordinárias nominativas, com valor nominal de R$ 1,00 cada uma. § único. Cada ação ordinária dará direito a um voto nas deliberações das Assembleias Gerais. Art. 6. A propriedade de ações presumir-se-á pela inscrição do nome do acionista no livro de “Registro das Ações Nominativas”. Qualquer transferência de ações será feita por meio da assinatura do respectivo termo no livro de “Transferência de Ações Nominativas”. Art. 7. Mediante solicitação de qualquer dos acionistas, a Cia. deverá emitir certificados de ações. Os certificados de ações da Cia. deverão ser assinados pelo Diretor Presidente, em conjunto, com outro diretor ou, em conjunto, com um procurador constituído nos termos do Art. 17 deste Estatuto. Cap. 3º - Assembleia Geral. Art. 8. A Assembleia Geral reunir-se-á na sede social: (a) ordinariamente, dentro dos quatro meses subsequentes ao término do exercício social, para: (i) tomar as contas dos administradores e examinar e votar as demonstrações financeiras do exercício findo; (ii) deliberar sobre a destinação do lucro líquido do exercício e a distribuição de dividendos; (iii) eleger os membros da Diretoria, quando for o caso, e fixar a respectiva remuneração, de forma global ou individual; e (b) extraordinariamente, sempre que os interesses sociais da Cia. o exigirem. Art. 9. A Assembleia Geral será convocada pela Diretoria, representado por seu Presidente, com antecedência mínima de 8 dias, observadas as demais disposições legais atinentes, e será presidida pelo Presidente dessa Diretoria, o qual convidará alguém, dentre os presentes, para secretariar os trabalhos. No caso de ausência do Presidente da Diretoria, a Assembleia Geral será presidida pelo acionista que na ocasião for escolhido por maioria de votos dos presentes e secretariadas por quem ele indicar. § 1º. As disposições legais e do presente estatuto sobre as Assembleias Gerais serão regulamentadas no seu regimento interno, aprovado pelo próprio órgão. Art. 10. Os acionistas poderão fazer-se representar nas Assembleias Gerais por procurador constituído há menos de um ano, que seja acionista, ou administrador da Cia., ou advogado, ou instituição financeira, desde que o instrumento de procuração tenha sido depositado na sede social em até, no máximo, vinte e quatro horas antes da realização da Assembleia Geral. Art. 11. Ressalvadas as exceções previstas na Lei 6.404/76, a Assembleia Geral instalar-se-á em primeira convocação com a presença de acionistas que representem, no mínimo, um quarto do capital social com direito de voto e, em segunda convocação, instalar-se-á com qualquer número. Art. 12. Ressalvadas as exceções legais, as deliberações da Assembleia Geral serão tomadas por maioria absoluta dos votos dos acionistas presentes à Assembleia Geral. Cap. 4º - Administração. Art. 13. A Cia. será administrada por uma Diretoria composta por 2 membros, eleitos e destituíveis a qualquer tempo pela Assembleia Geral, com mandato de 2 anos, sendo permitida a reeleição. Um dos diretores terá a designação de Diretor Presidente, devendo a designação do outro diretor ser determinada na Assembleia Geral que o eleger. § 1º. Os administradores serão investidos em seus cargos mediante assinatura de termo de posse no livro próprio, dentro dos trinta dias subsequentes à sua eleição. § 2º. O prazo de gestão estender-se-á até a investidura dos novos administradores eleitos. § 3º. A Assembleia Geral estabelecerá a remuneração anual global dos administradores da Cia.. Art. 14. Em caso de vacância do cargo de Diretor Presidente ou de qualquer Diretor, a Assembleia Geral será convocada para eleição do substituto, observado o número legal mínimo. Art. 15. A Diretoria reunir-se-á sempre que convocada por qualquer dos Diretores; a convocação deverá ser feita por escrito, sendo admissível inclusive por “fac-símile”, com antecedência mínima de 2 dias úteis, sendo considerada regularmente instalada a reunião que contar com a presença da maioria dos membros em exercício. Art. 16. As deliberações da Diretoria serão tomadas pelo voto favorável da maioria dos Diretores presentes à reunião. Art. 17. A Cia. será representada, ativa e passivamente, mediante assinatura conjunta dos 02 Diretores ou, de 01 Diretor e 1 procurador, ou ainda, de 02 procuradores, legalmente constituídos e com poderes específicos. § 1º. Os procuradores serão nomeados por instrumento próprio, assinado pelos 02 Diretores, no qual se especificará os poderes conferidos e o prazo, sempre determinado, salvo quando outorgados a profissionais habilitados para o foro em geral, com os poderes da cláusula ad judicia et extra, ou para a defesa dos interesses da Cia. em processos administrativos. § 2º. As procurações ad judicia outorgadas pela Cia. poderão ser assinadas pelo Diretor Presidente isoladamente. Art. 18. É vedado aos Diretores e aos procuradores da Cia. obrigar a mesma em negócios estranhos ao objeto social, bem como praticar atos de liberalidade em nome da mesma ou conceder avais, fianças e outras garantias que não sejam necessárias à consecução do objeto social, ressalvadas as garantias às sociedades de que a Cia. participe como sócia quotista ou acionistas (direta ou indireta) e às sociedades pertencentes ao mesmo grupo empresarial da Cia.. Cap. 5º - Conselho Fiscal. Art. 19. O conselho fiscal da Cia. é de caráter não permanente, funcionando somente nos exercícios em que for instalado a pedido dos acionistas, composto por 3 membros efetivos e igual número de suplentes, ao qual competirão as atribuições previstas em lei. § único. A instalação e funcionamento do Conselho Fiscal obedecerão ao disposto no Art. 161 da Lei 6.404/76. Cap. 6º - Exercício Social e Demonstrações Financeiras. Art. 20. O exercício social coincidirá com o ano calendário e terminará no dia 31 de dezembro de cada ano, data em que serão levantados o balanço geral e os demais demonstrativos exigidos por lei, obrigatoriamente auditados por auditores independentes registrados junto à Comissão de Valores Mobiliários. § 1º. Do lucro líquido serão deduzidas: (a) uma parcela de 5%, destinada à constituição da reserva a que se refere o Art. 193 da Lei 6.404/76; (b) uma parcela destinada à formação de reservas para contingências, caso necessário, na forma do Art. 195 da Lei 6.404/76; e (c) uma parcela destinada ao pagamento do dividendo obrigatório, equivalente a 25% do lucro líquido, nos termos do Art. 202 da Lei 6.404/76. § 2º. O saldo remanescente ficará à disposição da Assembleia Geral, à qual caberá deliberar sobre a sua destinação. § 3º. A Cia. poderá levantar balanços semestrais ou, ainda, correspondentes a períodos menores, e declarar, por deliberação da Assembleia Geral, dividendos à conta do lucro apurado nesses balanços, observadas as disposições legais aplicáveis. § 4º. A Assembleia Geral poderá, também, declarar dividendos à conta de lucros acumulados ou de reservas de lucros existentes no último balanço anual. § 5º. Por deliberação da Assembleia Geral, poderão ser pagos juros sobre o capital próprio, imputando-se o valor dos juros pagos ou creditados ao valor do dividendo obrigatório, com base na legislação aplicável. Art. 22. Salvo a deliberação em contrário da Assembleia Geral, o dividendo será pago no prazo de 60 dias da data em que for declarado. Cap. 7º - Do Juízo Arbitral. Art. 23. A Cia., seus acionistas, administradores e os membros do Conselho Fiscal obrigam-se a resolver, por meio de arbitragem, toda e qualquer disputa ou controvérsia que possa surgir entre eles, relacionada ou oriunda, em especial, da aplicação, validade, eficácia, interpretação, ç , violação e seus efeitos, das disposições contidas na Lei 6.404/76, conforme alterada, no Estatuto Social da Cia.. § Único. Sem prejuízo da validade da cláusula arbitral, qualquer das partes do procedimento arbitral tem o direito de recorrer ao Poder Judiciário com o objetivo de, se e quando necessário, requerer as medidas cautelares de proteção de direitos, em procedimento arbitral instituído ou ainda não instituído, sendo que, tão-logo qualquer medida dessa natureza seja-lhe concedida, a competência para a decisão de mérito deve ser imediatamente restituída ao tribunal arbitral instituído ou a ser instituído. Cap. 8º - Liquidação. Art. 24. A Cia. entrará em liquidação nos casos previstos em lei, ou por deliberação da Assembleia Geral, que estabelecerá a forma da liquidação e, se for o caso, instalará o Conselho Fiscal para o período da liquidação, elegendo seus membros e fixando-lhes as respectivas remunerações. Cap. 9º - Disposições Gerais. Art. 25. Por deliberação da Assembleia Geral, a Cia. poderá transformar-se em outro tipo de sociedade, desde que para isso haja unanimidade dos acionistas. Art. 26. Os casos omissos neste Estatuto serão regulados pela Lei 6.404/76, conforme alterada, e demais normas legais pertinentes. São Paulo, 01/02/2013. (ass.) Mesa: Ricardo Fleury Cavalcanti de Albuquerque Lacerda - Presidente, Caio Blaj - Secretário. Acionistas: Ricardo Fleury Cavalcanti de Albuquerque Lacerda, Andrea Capelo Pinheiro. Diretores: Ricardo Fleury Cavalcanti de Albuquerque Lacerda - Diretor Presidente, Andrea Capelo Pinheiro - Diretora. Advogado Responsável: Caio Blaj. JUCESP sob o NIRE nº 3530045405-7 em 27/06/2013. Gisela Simiema Ceschin - Secretária Geral.

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA ODESSA AVISO DE RETIFICAÇÃO DE EDITAL A Prefeitura Municipal de Nova Odessa leva ao conhecimento dos interessados que o edital de Pregão Presencial n.º 75/PP/2013, do tipo menor preço por lote, que trata do registro de preços para futuras e eventuais aquisições de materiais hospitalares, sofreu alterações no Anexo I e II do Edital. Ficam suprimidos os lotes 04, 34, 37, 44, 47, 56, 58, 59, 60 e 61. Ficam excluídos os itens 01, 02, 07, 08, 09 e 10 do lote 48; excluído o item 06 do lote 45; excluído os itens 01 e 02 do lote 54; excluídos os itens 01 e 02 do lote 40; excluído o item 10 do lote 31. Ficam incluído os itens 05, 06 e 07 no lote 10; incluído os itens 04, 05, 06, 07 e 08 no lote 24; incluído os itens 02, 03, 04 e 05 no lote 17; incluído os itens 17 e 18 no lote 20; incluído os itens 03, 04, 05 e 06 no lote 05; incluído os itens 03, 04 e 05 no lote 19; incluído o item 16 no lote 31; incluído os itens 09, 10 e 11 no lote 36; incluído os itens 10 e 11 no lote 62. Fica retificado o item 20 do lote 35; ficam retificados os itens 05, 06, 07 e 08 do lote 36. A realização da sessão fica prorrogada para o dia 19 de julho de 2013, às 09h:15min. O Edital em inteiro teor, com as alterações introduzidas, estará à disposição dos interessados, de 2ª a 6ª feira, das 08h00min às 16h30min, junto ao Setor de Suprimentos e Licitações, localizado no Paço Municipal, à Avenida João Pessoa, nº. 777, Centro ou através do seguinte link de acesso: http://www. novaodessa.sp.gov.br/Licitacoes.aspx. A Prefeitura Municipal de Nova Odessa leva ao conhecimento dos interessados que o edital de Pregão Presencial n.º 60/PP/2013, do tipo menor preço, que trata da aquisição de registradores eletrônicos de ponto para uso geral das Secretarias da Prefeitura Municipal de Nova Odessa, sofreu alterações no Anexo I do Edital. O item 1.4 do anexo I passa a ter a seguinte redação: Possuir impressora térmica para impressão do comprovante de registro de ponto obrigatório para todos os funcionários, com corte total e automático ou corte manual por serrilha. Onde se lê no item 1.10 do anexo I: Que possua capacidade de armazenamento de 5.000.000 de registros na memória. Leia-se: Que possua capacidade de armazenamento de no mínimo 2.000.000 de registros na memória. Onde se lê no item 1.11 do anexo I: Cada equipamento deverá estar acompanhado de uma caixa contendo 6 bobinas de papel térmico para o equipamento oferecido, que atenda a portaria 1.510/09 TEM e mantenha impressão por 5 anos, com capacidade de cada bobina imprimir no mínimo 8.000 comprovantes. Leia-se: Cada equipamento deverá estar acompanhado de uma caixa contendo 6 bobinas de papel térmico para o equipamento oferecido, que atenda a portaria 1.510/09 TEM e mantenha impressão por 5 anos, com capacidade de cada bobina imprimir no mínimo 5.000 comprovantes. A data de realização da sessão pública fica prorrogada para o dia 23 de julho de 2013, às 14h:00min. O Edital em inteiro teor, com as alterações introduzidas, estará à disposição dos interessados, de 2ª a 6ª feira, das 08h00min às 16h30min, junto ao Setor de Suprimentos e Licitações, localizado no Paço Municipal, àAvenida João Pessoa, nº. 777, Centro ou através do seguinte link de acesso: http://www.novaodessa.sp.gov.br/Licitacoes.aspx. Nova Odessa, 05 de julho de 2013. Setor de Suprimentos e Licitações Apetece Sistemas de Alimentação S/A

CNPJ/MF nº 60.166.832/0001-04 – NIRE 3530044559-7 Certidão da Ata de Assembleia Geral Ordinária Data, hora e local: 30/04/2013, às 10 hs., na sede social. Convocação: dispensada a convocação pela imprensa, na forma do Art. 124, § 4º da Lei 6.404/76. Quorum de Instalação: presentes os acionistas detentores da totalidade das ações representativas do capital social, conforme assinaturas apostas no Livro de Presença de Acionistas. Mesa: Edna da Silva, presidente da assembleia e Lidia Leila da Silva, secretária. Ordem do Dia: a) Exame, discussão e votação do relatório da administração, balanço patrimonial e demonstrações financeiras referentes ao exercício findo em 31/12/2012; b) Eleição da diretoria; c) Outros assuntos de interesse da sociedade. Deliberações: a) Foram aprovados, sem restrições, o relatório da diretoria, as demonstrações financeiras e o balanço patrimonial referente ao exercício findo em 31/12/2012, publicado no DOE-SP e no Diário do Comércio na edição de 18/04/2013. Passando ao item b) da ordem do dia, são eleitos, neste ato, com mandato de 3 anos, para o período de 2013 a 2016, a diretoria da sociedade composta por Edna da Silva, RG nº 4.911.117-6 SSP-SP e CPF/MF nº 763.565.318-00; Lídia Leila da Silva, RG nº 4.907.841-0 SSP-SP e CPF/MF nº 032.719.178-33; Eunice da Silva Gomes Cunha, RG nº 3.633.405-4 SSP-SP e CNPJ/MF nº 033.817.198-31, e Luis Ricardo Ferri Botelho, RG nº 9.711.652 SSP-SP e CPF/MF nº 065.770.708-22. Declaração de Desimpedimento e Posse: declaram os diretores ora eleitos, que não incorrem no impedimento de que trata o § 1º do Art. 1.011 do Código Civil, uma vez que não foram condenados a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos ou por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussão, peculato ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra as normas de defesa da concorrência, contra as relações de consumo, a fé pública ou a propriedade. Ato contínuo, assinam o termo de posse. Em seguida, passando ao item c) da ordem do dia, foi dispensada a instalação do Conselho Fiscal conforme faculta o Art. 161 da Lei 6.404/76. Observações Finais: 1) Quorum das deliberações: Aprovado por unanimidade de votos dos Acionistas presentes; 2) Ficam arquivados na sede da sociedade os documentos citados; 3) Encerramento: Esgotada a ordem do dia e nada mais havendo a tratar, a Sra. Presidente declara encerrada a sessão, da qual lavrou-se a presente ata, lida, achada conforme e assinada por todos os presentes. (ass.) Edna da Silva – Presidente da Assembleia, Lidia Leila da Silva – Secretária. JUCESP – Certifico o registro sob o nº 213.267/13-5 em 10/06/2013. Gisela S. Ceschin – Secretária Geral. BRICKELL S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO CNPJ nº 12.865.507/0001-97 - NIRE 35300133340 Extrato da Ata da Assembléia Geral Extraordinária de 11/3/2013 Aos 11/3/2013, às 10hs na sede social. Presença: Totalidade. Mesa: Presidente: Nelson Nogueira Pinheiro; Secretário: Eduardo Rosa Pinheiro. Ordem do Dia e Deliberações: 1. Aumentar o capital social de R$20.294.316,00, dividido em 15.026.148 ações nominativas, sendo 7.513.074 ordinárias e 7.513.074 preferenciais, sem valor nominal, para R$20.749.792,40, dividido em 15.327.788 ações nominativas, sendo 7.663.894 ordinárias e 7.663.894 preferenciais, sem valor nominal, mediante a emissão de 301.640 novas ações nominativas, sendo 150.820 ordinárias e 150.820 preferenciais, ao preço unitário de R$1,51, totalizando R$455.476,40. Referidas novas ações são subscritas e integralizadas, neste ato, em moeda corrente nacional, pelos acionistas, conforme lista de subscrição anexa. 2. Reformar o “caput” do artigo 6º do Estatuto Social, que passa a vigorar com a seguinte redação: Art. 6º - O Capital Social é de R$20.749.792,40, dividido em 15.327.788 ações nominativas, sendo 7.663.894 ordinárias e 7.663.894 preferenciais, sem valor nominal. 2.1. Para efeito de arquivamento na JUCESP, o Estatuto Social, devidamente consolidado, é apensado ao nal da presente ata. Encerramento: Nada mais. SP, 11/3/2013. Nelson Nogueira Pinheiro - presidente. JUCESP nº 147.907/13-5 em 23.4.2013. Gisela Simiema Ceschin - Secretária Geral.

DIÁRIO DO COMÉRCIO

ECONOMIA/LEGAIS - 25 Plásticos Regina S/A - CNPJ nº 57.484.222/0001-44

Relatório da Diretoria Senhores acionistas: Em cumprimento às disposições estatutárias e legais, submetemos à apreciação de V.Sas. o Balanço Patrimonial e demais Demonstrações Contábeis encerradas em 31 de dezembro de 2011. A Diretoria Mauá, 31 de janeiro de 2012. Balanço Patrimonial encerrado em 31 de dezembro de 2011 (em reais) Demonstrativo de Resultado do Exercício 2011 2010 18.794.117,64 17.109.031,79 ATIVO 2011 2010 PASSIVO 2011 2010 Receita Bruta Operacional 2.704.848,07 2.230.497,71 Circulante 13.994.010,49 19.647.854,31 Circulante 1.940.871,01 1.671.708,69 Dedução da Receita Bruta 16.089.269,57 14.878.534,08 Realizável a Longo Prazo - Passivo não Circulante 23.142.371,13 20.927.274,72 Receita Líquida Operacional 11.634.763,37 10.766.866,77 Permanente 17.190.730,16 8.920.772,01 Patrimônio Líquido 6.101.498,51 5.969.642,91 Custo dos Produtos e Serviços 4.454.506,20 4.111.667,31 Total do Ativo 31.184.740,65 28.568.626,32 Total do Passivo 31.184.740,65 28.568.626,32 Lucro Bruto Despesa Operacional 1.932.782,00 1.558.369,96 Demonstração do Fluxo de Caixa - Método Direto (em reais) 1.040.710,95 3.553.108,57 Fluxo de Caixa das Ativ. Operacionais 2011 2010 Fluxo de Caixa das Ativ. de Investimentos 2011 2010 Receita Operacional Lucro Operacional 3.562.435,15 6.106.405,92 Recebimento de Clientes 17.959.089,91 17.575.392,30 Aplicação 6.113.454,62 18.690.383,60 17.621,57 Pagamento de Fornecedores 8.950.672,21 9.130.808,01 Resgate 5.694.949,27 19.842.243,71 Despesa não Operacional Lucro antes do IRPJ / CSLL 3.544.813,58 6.106.405,92 Pagamento de Funcionários 1.450.069,19 1.450.256,80 Rendimento s/Aplic. Financeira (Vr. Líquido) - 3.018.939,08 611.791,44 1.208.507,54 Encargos sobre Funcionários 881.099,88 950.601,15 Transferência para Longo Prazo 7.851.855,04 - IRPJ - Lucro Presumido 295.910,13 505.040,15 Benefícios para Funcionários 392.197,90 392.197,90 Rendimento Líquido s/Aplicação Financeira 794.392,84 - CSLL - Lucro Presumido 2.637.112,01 4.392.858,23 Pagamento de Pro-Labore 481.150,66 394.109,20 Caixa Líq. Prov. das Atividades Invest. (6.638.956,85) 1.867.078,97 Lucro Líquido do Exercício 2011 2010 Pagamento de Dividendos 290.160,00 268.200,00 Aum./Red. de Caixa e Equiv. de Caixa (5.653.843,82) 2.013.525,40 Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acum. Saldo Anterior - 17.022.259,40 Pagamento de Aluguel 470.444,86 445.265,27 Saldo de Caixa e Equivalentes de Caixa 2.637.112,01 4.392.858,23 Pagamento de Impostos 1.576.995,38 2.946.923,49 Saldo no Início do Período 19.647.854,31 17.634.328,91 Lucro Líquido do Exercício 290.160,00 268.200,00 Outros Pagamentos Operacionais 2.481.186,80 1.450.584,05 Saldo no Fim do Período 13.994.010,49 19.647.854,31 (-) Distribuição de Lucros 131.855,60 219.642,91 Caixa Líquido Prov. das Atividades Op. 985.113,03 146.446,43 Aum./Red. de Caixa e Equiv. de Caixa (5.653.843,82) 2.013.525,40 (-) Reserva de Legal (-) Dividendos a Pagar (PNC) 2.215.096,41 20.927.274,72 Nota Explicativa: O Capital Social de R$ 5.750.000,00 é dividido em 2.881.794 ações ordinárias, sem valor nominal Saldo Atual Roberto Angelo Dedomenici - Diretor Administrativo e Comercial Christiano Castellar - Técnico Contábil - CRC: 1SP222738/O-1

Plásticos Regina S/A - CNPJ nº 57.484.222/0001-44 Relatório da Diretoria Senhores acionistas: Em cumprimento às disposições estatutárias e legais, submetemos à apreciação de V.Sas. o Balanço Patrimonial e demais Demonstrações Contábeis encerradas em 31 de dezembro de 2012. Mauá, 31 de janeiro de 2013. A Diretoria Balanço Patrimonial encerrado em 31 de dezembro de 2012 (em reais) Demonstrativo de Resultado do Exercício 2012 2011 18.437.893,21 18.794.117,64 ATIVO 2012 2011 PASSIVO 2012 2011 Receita Bruta Operacional Dedução da Receita Bruta 3.147.071,61 2.704.848,07 Circulante 14.310.852,04 13.994.010,49 Circulante 2.187.133,84 1.940.871,01 1.529.082,16 16.089.269,57 Realizável a Longo Prazo - Passivo não Circulante 24.715.012,68 23.142.371,13 Receita Líquida Operacional 11.259.258,81 11.634.763,37 Permanente 18.795.400,20 17.190.730,16 Patrimônio Líquido 6.204.105,72 6.101.498,51 Custo dos Produtos e Serviços 4.031.562,79 4.454.506,20 Total do Ativo 33.106.252,24 31.184.740,65 Total do Passivo 33.106.252,24 31.184.740,65 Lucro Bruto Despesa Operacional 2.315.406,27 1.932.782,00 Demonstração do Fluxo de Caixa - Método Direto (em reais) 1.324.819,20 1.040.710,95 Fluxo de Caixa das Ativ. Operacionais 2012 2011 Fluxo de Caixa das Ativ. de Investimentos 2012 2011 Receita Operacional 3.040.975,72 3.562.435,15 Recebimento de Clientes 17.968.975,16 17.959.089,91 Aplicação 4.172.775,90 6.113.454,62 Lucro Operacional Despesa não Operacional 17.621,57 Pagamento de Fornecedores 9.816.823,03 8.950.672,21 Resgate 5.868.428,78 5.694.949,27 3.040.975,72 3.544.813,58 Pagamento de Funcionários 1.867.559,35 1.450.069,19 Transferência para Longo Prazo - 7.851.855,04 Lucro antes do IRPJ / CSLL IRPJ Lucro Presumido 672.575,87 611.791,44 Encargos sobre Funcionários 507.100,10 881.099,88 Rendimento Líquido s/Aplicação Financeira 1.325.842,92 794.392,84 CSLL - Lucro Presumido 316.255,59 295.910,13 Benefícios para Funcionários 420.393,65 392.197,90 Caixa Líq. Prov. das Atividades Invest. (369.809,96) (6.638.956,85) Lucro Líquido do Exercício 2.052.144,26 2.637.112,01 Pagamento de Pro-Labore 638.474,47 481.150,66 (1.296.898,09) (5.653.843,82) Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acum. 2012 2011 Pagamento de Dividendos 315.960,48 290.160,00 Aum./Red. de Caixa e Equiv. de Caixa Saldo Anterior Pagamento de Aluguel 549.357,57 470.444,86 Saldo de Caixa e Equivalentes de Caixa 19.647.854,31 19.647.854,31 Lucro Líquido do Exercício Pagamento de Impostos 1.599.816,74 1.576.995,38 Saldo no Início do Período 2.052.144,26 2.637.112,01 18.350.956,22 13.994.010,49 (-) Distribuição de Lucros Outros Pagamentos Operacionais 3.180.577,90 2.481.186,80 Saldo no Fim do Período 315.960,48 290.160,00 (1.296.898,09) (5.653.843,82) (-) Reserva de Legal Caixa Líquido Prov. das Atividades Op. (927.088,13) 985.113,03 Aum./Red. de Caixa e Equiv. de Caixa 102.607,21 131.855,60 Nota Explicativa: O Capital Social de R$ 5.750.000,00 é dividido em 2.881.794 ações ordinárias, sem valor nominal (-) Dividendos a Pagar (PNC) 1.633.576,57 2.215.096,41 Roberto Angelo Dedomenici - Diretor Administrativo e Comercial Christiano Castellar - Técnico Contábil - CRC: 1SP222738/O-1 Saldo Atual -

Plásticos Regina S/A - CNPJ nº 57.484.222/0001-44 Relatório da Diretoria Senhores acionistas: Em cumprimento às disposições estatutárias e legais, submetemos à apreciação de V.Sas. o Balanço Patrimonial e demais Demonstrações Contábeis encerradas em 31 de dezembro de 2008. Mauá, 31 de janeiro de 2009. A Diretoria Balanço Patrimonial encerrado em 31 de dezembro de 2008 (em reais) Demonstrativo de Resultado do Exercício 2008 2007 16.866.578,40 12.008.528,55 ATIVO 2008 2007 PASSIVO 2008 2007 Receita Bruta Operacional 3.298.489,22 2.260.943,11 Circulante 14.707.054,28 12.051.475,34 Circulante 1.820.669,25 1.669.240,95 Dedução da Receita Bruta 13.568.089,18 9.747.585,44 Realizável a Longo Prazo - Exigível a Longo Prazo - Receita Líquida Operacional 9.581.666,93 6.154.569,04 Permanente 6.570.275,79 6.506.484,97 Patrimônio Líquido 19.456.660,82 16.888.719,36 Custo dos Produtos e Serviços 3.986.422,25 3.593.016,40 Total do Ativo 21.277.330,07 18.557.960,31 Total do Passivo 21.277.330,07 18.557.960,31 Lucro Bruto Despesa Operacional 978.689,08 1.022.287,35 Demonstração do Fluxo de Caixa - Método Direto (em reais) 423.426,35 123.727,85 Fluxo de Caixa das Ativ. Operacionais 2008 Fluxo de Caixa das Ativ. de Investimentos 2008 Receita Operacional Lucro Operacional 3.431.159,52 2.694.456,90 Recebimento de Clientes 16.411.889,70 Aplicação - Banco Real 186.624,44 Despesa não Operacional Pagamento de Fornecedores 7.393.152,73 Rendimento s/ Aplicação Financeira 365.939,03 Lucro antes do IRPJ / CSLL 3.431.159,52 2.694.456,90 Pagamento de Funcionários 749.748,24 54.328,50 IRPJ - Lucro Presumido 414.750,51 250.779,41 Encargos sobre Funcionários 85.652,32 IRRF s/ Rendimento Aplicação Financeira 498.234,97 CSLL - Lucro Presumido 216.261,55 140.622,79 Benefícios para Funcionários 332.652,43 Caixa Líquido Prov. das Atividades Invest. 2.800.147,46 2.303.054,70 Pagamento de Pro-Labore 312.957,06 Aum./Red.de Caixa e Equiv. de Caixa 2.369.049,20 Lucro Líquido do Exercício Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acum. 2008 2007 Pagamento de Dividendos 232.006,00 Saldo de Caixa e Equivalentes de Caixa Pagamento de Aluguel 261.231,76 Saldo Anterior 11.138.719,36 9.052.870,66 Saldo no Início do Período 9.762.923,31 Pagamento de Impostos 3.590.165,25 Lucro Líquido do Exercício 2.800.147,46 2.303.054,70 12.131.972,51 Outros Pagamentos Operacionais 1.583.509,68 Saldo no Fim do Período (-) Distribuição de Lucros 232.206,00 217.206,00 2.369.049,20 (+) Ajustes Períodos Anteriores Caixa Líquido Prov. das Atividades Op. 1.870.814,23 Aum./Red. de Caixa e Equiv. de Caixa Nota Explicativa: O Capital Social de R$ 5.750.000,00 é dividido em 2.881.794 ações ordinárias, sem valor nominal Saldo Atual 13.706.660,82 11.138.719,36 Roberto Angelo Dedomenici - Diretor Administrativo e Comercial Jose Martinelli - Técnico Contábil - CRC: 1SP053315/O-5

Plásticos Regina S/A - CNPJ nº 57.484.222/0001-44 Relatório da Diretoria Senhores acionistas: Em cumprimento às disposições estatutárias e legais, submetemos à apreciação de V.Sas. o Balanço Patrimonial e demais Demonstrações Contábeis encerradas em 31 de dezembro de 2009. Mauá, 31 de janeiro de 2010. A Diretoria Balanço Patrimonial encerrado em 31 de dezembro de 2009 (em reais) Demonstrativo de Resultado do Exercício 2009 2008 16.934.790,18 16.866.578,40 ATIVO 2009 2008 PASSIVO 2009 2008 Receita Bruta Operacional 2.985.239,54 3.298.489,22 Circulante 17.634.328,91 14.707.054,28 Circulante 1.964.257,77 1.820.669,25 Dedução da Receita Bruta 13.949.550,64 13.568.089,18 Realizável a Longo Prazo - Exigível a Longo Prazo - Receita Líquida Operacional 9.304.221,77 9.581.666,93 Permanente 7.102.188,26 6.570.275,79 Patrimônio Líquido 22.772.259,40 19.456.660,82 Custo dos Produtos e Serviços 4.645.328,87 3.986.422,25 Total do Ativo 24.736.517,17 21.277.330,07 Total do Passivo 24.736.517,17 21.277.330,07 Lucro Bruto Despesa Operacional 1.527.881,83 978.689,08 Demonstração do Fluxo de Caixa - Método Direto (em reais) 995.106,78 423.426,35 Fluxo de Caixa das Ativ. Operacionais 2009 2008 Fluxo de Caixa das Ativ. de Investimentos 2009 2008 Receita Operacional 4.112.553,82 3.431.159,52 Recebimento de Clientes 16.520.770,36 16.411.889,70 Aplicação – Unibanco/Banco Real 3.030.118,08 186.624,44 Lucro Operacional Despesa não Operacional Pagamento de Fornecedores 7.590.266,33 7.393.152,73 Rendimento s/Aplicação Financeira 365.939,03 4.112.553,82 3.431.159,52 Pagamento de Funcionários 1.314.407,94 749.748,24 Resgate – Unibanco (2.703.817,38) - Lucro antes do IRPJ / CSLL IRPJ - Lucro Presumido 349.978,98 414.750,51 Encargos sobre Funcionários 848.430,81 85.652,32 IRRF s/ Rendimento Aplicação Financeira 994.186,65 54.328,50 CSLL - Lucro Presumido 194.026,54 216.261,55 Benefícios para Funcionários 271.052,23 332.652,43 Caixa Líquido Prov. das Atividades Invest. 1.320.487,35 498.234,97 Lucro Líquido do Exercício 3.568.548,30 2.800.147,46 Pagamento de Pro-Labore 359.166,41 312.957,06 2.927.274,63 2.369.049,20 Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acum. 2009 2008 Pagamento de Dividendos 252.949,72 232.006,00 Aum./Red. de Caixa e Equiv. de Caixa Pagamento de Aluguel 450.521,09 261.231,76 Saldo de Caixa e Equivalentes de Caixa Saldo Anterior 13.706.660,82 11.138.719,36 14.707.054,28 9.762.923,31 Lucro Líquido do Exercício Pagamento de Impostos 1.924.998,36 3.590.165,25 Saldo no Início do Período 3.568.548,30 2.800.147,46 17.634.328,91 12.131.972,51 (-) Distribuição de Lucros Outros Pagamentos Operacionais 1.902.190,19 1.583.509,68 Saldo no Fim do Período 252.949,72 232.206,00 Caixa Líquido Prov. das Atividades Op. 1.606.787,28 1.870.814,23 Aum./Red. de Caixa e Equiv. de Caixa 2.927.274,63 2.369.049,20 (+) Ajustes Períodos Anteriores Nota Explicativa: O Capital Social de R$ 5.750.000,00 é dividido em 2.881.794 ações ordinárias, sem valor nominal Saldo Atual 17.022.259,40 13.706.660,82 Roberto Angelo Dedomenici - Diretor Administrativo e Comercial Christiano Castellar - Técnico Contábil - CRC: 1SP222738/O-1

Plásticos Regina S/A - CNPJ nº 57.484.222/0001-44 Relatório da Diretoria Senhores acionistas: Em cumprimento às disposições estatutárias e legais, submetemos à apreciação de V.Sas. o Balanço Patrimonial e demais Demonstrações Contábeis encerradas em 31 de dezembro de 2010. Mauá, 31 de janeiro de 2011. A Diretoria Balanço Patrimonial encerrado em 31 de dezembro de 2010 (em reais) Demonstrativo de Resultado do Exercício 2010 2009 17.109.031,79 16.934.790,18 ATIVO 2010 2009 PASSIVO 2010 2009 Receita Bruta Operacional 2.230.497,71 2.985.239,54 Circulante 19.647.854,31 17.634.328,91 Circulante 1.671.708,69 1.964.257,77 Dedução da Receita Bruta 14.878.534,08 13.949.550,64 Realizável a Longo Prazo - Passivo Não Circulante 20.927.274,72 - Receita Líquida Operacional 10.766.866,77 9.304.221,77 Permanente 8.920.772,01 7.102.188,26 Patrimônio Líquido 5.969.642,91 22.772.259,40 Custo dos Produtos e Serviços 4.111.667,31 4.645.328,87 Total do Ativo 28.568.626,32 24.736.517,17 Total do Passivo 28.568.626,32 24.736.517,17 Lucro Bruto Despesa Operacional 1.558.369,96 1.527.881,83 Demonstração do Fluxo de Caixa - Método Direto (em reais) 3.553.108,57 995.106,78 Fluxo de Caixa das Ativ. Operacionais 2010 2009 Fluxo de Caixa das Ativ. de Investimentos 2010 2009 Receita Operacional Lucro Operacional 6.106.405,92 4.112.553,82 Recebimento de Clientes 17.575.392,30 16.520.770,36 Aplicação 18.690.383,60 3.030.118,08 6.106.405,92 4.112.553,82 Pagamento de Fornecedores 9.130.808,01 7.590.266,33 Resgate 19.842.243,71 (2.703.817,38) Lucro antes do IRPJ / CSLL 1.208.507,54 349.978,98 Pagamento de Funcionários 1.450.256,80 1.314.407,94 Rend. s/Aplicação Financeira (Vr. Líquido) 3.018.939,08 - IRPJ - Lucro Presumido CSLL - Lucro Presumido 505.040,15 194.026,54 Encargos sobre Funcionários 950.601,15 848.430,81 IRRF s/Rendimento Aplicação Financeira 994.186,65 4.392.858,23 3.568.548,30 Benefícios para Funcionários 392.197,90 271.052,23 Caixa Líquido Prov. das Atividades Invest. 1.867.078,97 1.320.487,35 Lucro Líquido do Exercício Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acum. 2010 2009 Pagamento de Pro-Labore 394.109,20 359.166,41 Aumento/Red. de Caixa e Equiv. de Caixa 2.013.525,40 2.927.274,63 Pagamento de Dividendos 268.200,00 252.949,72 Saldo Anterior 17.022.259,40 13.706.660,82 Pagamento de Aluguel 445.265,27 450.521,09 Saldo de Caixa e Equivalentes de Caixa Lucro Líquido do Exercício 4.392.858,23 3.568.548,30 17.634.328,91 14.707.054,28 Pagamento de Impostos 2.946.923,49 1.924.998,36 Saldo no Início do Período (-) Distribuição de Lucros 268.200,00 252.949,72 19.647.854,31 17.634.328,91 Outros Pagamentos Operacionais 1.450.584,05 1.902.190,19 Saldo no Fim do Período (-) Reserva de Capital 219.642,91 Caixa Líquido Prov. das Atividades Op. 146.446,43 1.606.787,28 Aumento/Red. de Caixa e Equiv. de Caixa 2.013.525,40 2.927.274,63 (-) Dividendos a Pagar (PNC) 20.927.274,72 Nota Explicativa: O Capital Social de R$ 5.750.000,00 é dividido em 2.881.794 ações ordinárias, sem valor nominal Saldo Atual - 17.022.259,40 Roberto Angelo Dedomenici - Diretor Administrativo e Comercial Christiano Castellar - Técnico Contábil - CRC: 1SP222738/O-1

Plásticos Regina S/A - CNPJ nº 57.484.222/0001-44 Relatório da Diretoria Senhores acionistas: Em cumprimento às disposições estatutárias e legais, submetemos à apreciação de V.Sas. o Balanço Patrimonial e demais Demonstrações Contábeis encerradas em 31 de dezembro de 2007. Mauá, 31 de janeiro de 2008. A Diretoria Balanço Patrimonial encerrado em 31 de dezembro de 2007 Demonstr. das Origens e Aplic. de Recursos 2007 2006 2.303.054,70 2.449.914,21 ATIVO 2007 2006 PASSIVO 2007 2006 Lucro do Exercício 2.303.054,70 2.449.914,21 Circulante 12.051.475,34 10.237.983,80 Circulante 1.669.240,95 1.054.342,50 Total das Origens 887.255,61 54.602,97 Permanente 6.506.484,97 5.619.229,36 Patrimônio Líquido 16.888.719,36 14.802.870,66 Aplicações: Aquisições de Imobilizado 217.206,00 216.000,00 Total do Ativo 18.557.960,31 15.857.213,16 Total do Passivo 18.557.960,31 15.857.213,16 Dividendos Total das Aplicações 1.104.461,61 270.602,97 Demonstrativo de Resultado do Exercício Aumento/Redução Cap. Circ. Líquido 1.198.593,09 2.179.311,24 2007 2006 2007 2006 2007 2006 Receita Bruta Operacional 12.008.528,55 10.664.438,21 Lucro Operacional 2.694.456,90 2.873.219,62 Ativo Circulante 12.051.475,34 10.237.983,80 1.813.491,54 Dedução da Receita Bruta 2.260.943,11 1.834.139,90 Despesa não Operacional - Passivo Circulante 1.669.240,95 1.054.342,50 614.898,45 Receita Líquida Operacional 9.747.585,44 8.830.298,31 1.198.593,09 Lucro antes do IRPJ / CSLL 2.694.456,90 2.873.219,62 Aum./Red. Cap. Circ. Líquido Custo dos Produtos e Serviços 6.154.569,04 5.281.435,76 Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acum. 2007 2006 IRPJ Lucro Presumido 250.779,41 277.961,64 Lucro Bruto 3.593.016,40 3.548.862,55 9.052.870,66 6.818.956,45 140.622,79 145.343,77 Saldo Anterior Despesa Operacional 1.022.287,35 1.037.533,23 CSLL - Lucro Presumido Lucro Líquido do Exercício 2.303.054,70 2.449.914,21 Receita Operacional 123.727,85 361.890,30 Lucro Líquido do Exercício 2.303.054,70 2.449.914,21 (-) Distribuição de Lucros 217.206,00 216.000,00 Nota Explicativa: O Capital Social de R$ 5.750.000,00 é dividido em 2.881.794 ações ordinárias, sem valor nominal Saldo Atual 11.138.719,36 9.052.870,66 Roberto Angelo Dedomenici - Diretor Administrativo e Comercial Christiano Castellar - Técnico Contábil - CRC: 1SP222738/O-1

CAPPTA S.A. CNPJ (MF) nº 13.966.572/0001-71 – NIRE 35.300.437.314 Ata da Reunião do Conselho de Administração realizada em 15 de abril de 2013 Data, Hora e Local: 15/04/2013, 10 hs, sede social. Mesa: Presidente, Rodrigo Rasera e Secretária, Sandra Bolfer. Quorum: 100%. Convocação: Dispensada. Deliberações Unânimes: A) Aprovada proposta de aumento do capital dentro do limite do capital autorizado (art. 6º do estatuto). Capital passa de R$ 1.011.340,00 para R$ 1.064.568,00. Elevação de R$ 53.228,00 emitindo-se 53.228 ações nominativas de valor nominal e unitário de R$ 1,00 cada, sendo: 45.244 ações ordinárias e 7.984 ações preferenciais sem direito a voto e cujo único direito preferencial são dividendos mínimos equivalentes a 0,25% a.m. da respectiva participação nominal no capital da Cia, pelo preço total de emissão de R$ 1.000.154,12 e preço de emissão, por ação, de R$ 18,79 fixado conforme inciso I, §1º, art. 170, Lei 6404/76, sendo destinado R$ 53.228,00 à conta capital social e R$ 946.926,12 à conta reserva de capital. Novas ações emitidas, ordinárias e preferenciais, são idênticas às atualmente existentes de emissão da Cia. Pagamento do preço será à vista, em moeda corrente nacional, no ato da subscrição. Novas ações farão jus de forma integral a todos direitos outorgados a cada espécie, incluindo dividendos, juros sobre capital próprio, bonificações e eventuais remunerações de capital que vierem a ser declarados pela Cia. Todos acionistas detentores de ações da Cia. em 19/4/13 terão preferência na subscrição deste aumento de capital, no período de 22/4/13 a 22/5/13, na proporção das respectivas participações no capital social (art. 171, Lei 6404/76). Direito de preferência poderá ser livremente cedido a terceiros (art. 171, § 6º. Lei 6404/76). B) Autorizada Diretoria proceder à consecução e finalização do aumento de capital. Encerramento: Lavrada, lida, aprovada, assinada no inteiro teor. Barueri/SP. 15/4/13. Rodrigo Rasera, Sandra Ribas Bolfer, Roberta Vieira de Andrade, Amanda Luz Sant Anna, Claudia Gonçalves Lopes. Certidão da Jucesp: 192.932/13-5 em 27/05/2013.

HIGHLAND BRASILINVEST GESTORA DE RECURSOS LTDA.

CNPJ/MF Nº 12.594.102/0001-61 - NIRE 35224637672 AVISO AOS QUOTISTAS HIGHLAND BRASILINVEST GESTORA DE RECURSOS LTDA. (“SOCIEDADE”), em atendimento ao disposto no caput do artigo 133 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976, informa aos seus Quotistas que estão disponíveis para consulta de V. Sas., na sede da SOCIEDADE, os seguintes documentos pertinentes à Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária da SOCIEDADE, convocada para o dia 15 de agosto de 2013: (i) relatório da administração sobre os negócios sociais e os principais fatos administrativos dos exercícios findos de 2010, 2011 e 2012; (ii) cópia das demonstrações financeiras referentes aos exercícios sociais findos de 2010, 2011 e 2012; (iii) demonstrações financeiras pro forma de 2013, até dia 30 de abril; e (iv) plano de negócios e orçamento para o exercício social de 2013. Poderão acessar os documentos e informações pessoas com poderes específicos outorgados pelos Quotistas da SOCIEDADE, mediante agendamento prévio com, ao menos, 48 (quarenta e oito) horas de antecedência. A administração da Sociedade coloca-se à disposição para quaisquer esclarecimentos que se fizerem necessários. São Paulo, 03 de julho de 2013. Highland Brasilinvest Gestora de Recursos Ltda. Por: Gustavo Alejandro Prilick (Diretor Presidente)

Itaiquara Alimentos S.A. CNPJ 72.111.321/0001-74 Assembléia Geral Ordinária Edital de Convocação Ficam convocados os Srs. Acionistas p/ a realização de AGO dia 19/7/13, às 10hs na sede, na Fazenda Itaiquara, Município de Tapiratiba/SP, p/ apreciar e deliberar s/ a seguinte ordem do dia: 1. Prestação de contas dos administradores, exame, discussão e votação das demonstrações financeiras relativas ao exercício social findo em 31/12/11 e 31/12/12; 2. Destinação do Resultado do Exercício; 3. Eleição dos membros do Cons. de Administração p/ próximo triênio e fixação de seus honorários. 4. Eleição dos membros do Cons. Fiscal e seus suplentes, caso decidida a sua instalação p/ o novo exercício; 5. Outros assuntos de interesse social. Estão à disposição dos srs. acionistas, na sede social, os documentos da Administração a que se refere o art. 133, da Lei 6404/76, juntamente c/ os seguintes documentos: a) Relatório da administração; b) Demonstrações financeiras; c) Parecer dos auditores independentes; d) Parecer do Cons. fiscal. Tapiratiba, 04/7/13. Joaquim Augusto Bravo Caldeira - Pres. do Cons. de Administração. (04, 05 e 06/07/2013)

Transportes Arambari S.A. CNPJ nº 45.043.056/0001-61 Assembléia Geral Ordinária Edital de Convocação Ficam convocados os Srs. Acionistas p/ a realização de AGO dia 18/7/13, às 13hs na sede, situada na Fazenda Itaiquara, Município de Tapiratiba/SP, p/ apreciar e deliberar sobre a seguinte ordem do dia: a) Leitura, discussão e votação do Relatório da Diretoria, Balanço Patrimonial e Demonstrações Financeiras relacionadas com o exercício findo em 31/12/11 e findo 31/12/12; b) Destinação do resultado do exercício; c) Eleição dos membros da Diretoria p/ o próximo mandato. d) Eleição dos membros do Conselho Fiscal e seus suplentes, caso decidida a sua instalação. Estão à disposição dos senhores acionistas, na sede social, os documentos da Administração a que se refere o art. 133, da Lei 6404/76.Tapiratiba, 5/7/13. A Diretoria. (05, 06 e 9/07/2013)

Rockefeller 28 Empreendimentos Imobiliários S.A. CNPJ nº 14.457.050/0001-07 – NIRE 35.300.451.155 Ata da AGE realizada em 04 de Julho de 2013 Data,HoraeLocal:4/7/13,10hs,nasede.PresençaeConvocação:Acionistasrepresentandoatotalidade.DispensadaConvocação.Mesa: Presidente:LuizAugustoFariadoAmaral,eSecretário:Hans-PeterScholl.Deliberações:(i)reduzirocapitalsocialdaSociedadeporjulgá-lo excessivo, na forma do disposto no Art. 173 da Lei 6.404/76.(ii) a redução do capital social será no valor de R$ 1.250.000,00, passando o mesmo de R$ 11.800.100,00 para R$ 10.550.100,00. Em função da redução de capital, 1.250.000 ações de emissão da Sociedade e de titularidade da acionista TRX Metrofit Fundo de Investimento em Participações I, fundo de investimento em participações, constituído sob a forma de condomínio fechado, nos termos da Instrução CVM nº 409, de 18/8/04, conforme alterada, e da Instrução CVM nº 391, de 16/7/03, conforme alterada, CNPJ nº 17.421.945/0001-80 (“TRX METROFIT”) são canceladas no presente ato. (iii) todos os acionistas declaram expressamente neste ato concordar que a TRX Metrofit, cujas ações foram canceladas, será reembolsada no valor da redução do capital social. (iv) fica dispensada a aprovação disposta no Art. 173, §1º, da Lei 6.404/76, haja vista não estar em funcionamento o Conselho Fiscal.(v) em razão do acima deliberado o art.5º do Estatuto Social da Sociedade passa a vigorar com a seguinte redação:“Art. 5º O capital social da Sociedade, totalmente subscrito e parcialmente integralizado, em moeda corrente nacional, é de R$ 10.550.100,00 divididos em 10.550.100 ações ordinárias, nominativas e sem valor nominal.” (vi) Por conseguinte, os presentes autorizam a Diretoria da Sociedade a tomar todas e quaisquer providências necessárias e cabíveis para efetivar e implementar as deliberações desta Assembleia, inclusive publicações na forma da lei. Encerramento: Nada mais. SP, 4/7/13. Mesa: Luiz Augusto Faria do Amaral - Presidente; Hans-Peter Scholl - Secretário.Acionistas: TRX Metrofit Fundo de Investimento em Participações I - Por: BNY Mellon Serviços Financeiros DTVM S.A.; Hans-Peter Scholl; José Alves Neto; Fabio Figueiredo Carvalho.

ISPM Serviços de Informática Ltda. - CNPJ/MF nº 04.439.566/0001-75 - NIRE 33.208.039.144 Edital de Convocação - Reunião de Sócios Ficam convocados, pelo presente edital, todos os sócios da ISPM Serviços de Informática Ltda. (“Sociedade”) a se reunirem em Reunião de Sócios, a ser realizada no dia 17/07/2013, às 16:00 horas, na sede da Sociedade, na Cidade de São Paulo - SP, Rua Butantã, nº 518, 5°andar, Pinheiros, CEP 05424-000, para deliberar acerca da seguinte ordem do dia: (i) aumento do capital social da Sociedade; (ii) consolidação do Contrato Social da Sociedade. São Paulo, 05 de julho de 2013. João Carlos dos Santos Silva e Bruno Ferraz Musa, sócios.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

26

e

sábado, domingo e segunda-feira, 6, 7 e 8 de julho de 2013

As empresas precisam equacionar os procedimentos internos e os prazos para que todos os seus clientes sejam atendidos da mesma forma quanto a prazos Albert Deweik, diretor comercial da Neoassist.com

conomia

FIQUE POR DENTRO SENACON

Sua empresa está atendendo reclamações pelo SAC 2.0? A procura pelas redes sociais por consumidores ainda não é tão grande, mas, dependendo do comportamento das empresas, pode crescer com risco para a imagem.

O

consumidor brasileiro busca rapidez na interlocução com seus fornecedores, seja para reclamar, comentar, sugerir ou pedir informações. Nesse sentido, a mídia social vem se constituindo num excelente canal de relacionamento e, como mostra a pesquisa Tempo de resposta das empresas nas redes sociais, elaborada pela Scup, empresa que tem como foco 'ajudar' as empresas a trabalhar de forma eficiente com mídias sociais, as companhias são rapidíssimas quando um comentário é postado no Twitter ou no Facebook. De acordo com os dados compilados pela Scup, das 225.310 interlocuções entre seus clientes e os consumidores destes no Twitter e no Facebook de julho a dezembro do ano passado, 91% foram respondidas em menos de 24 horas. Isso não significa que o consumidor teve a solução para o seu caso no mesmo tempo. Só que o relacionamento entre empresas e consumidores no Brasil está sob o manto do Decreto 6.523/2008, que impôs regras para o atendimento ao consumidor. As normas tratam tão somente do atendimento via telefone. Nada diz sobre o SAC Online ou SAC 2.0. Sendo assim, as empresas precisam cumprir as determinações da Lei do SAC (como ficou conhecido o decreto) no atendimento online? Dirigida – Especialistas ouvidos por esta coluna ressaltam que é preciso saber quais setores do mercado estão atendendo via mídia social, uma vez que a Lei do SAC foi dirigi-

R

putados. De acordo com a Assessoria de Imprensa da secretaria, as medidas fazem parte do Projeto de Lei 5.196/2013 que estabelece mais independência aos Procons para promover medidas de correção contra infrações nas relações de consumo.

APROVAÇÃO Foram aprovadas em caráter conclusivo pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara Federal as novas regras para a criação de seguradoras especializadas em microsseguros. O projeto aprovado foi o substitutivo da Comissão de Finanças e Tributação ao Projeto de Lei 3266/08, do deputado Dr. Adilson Soares (PR-RJ). A CCJ acompanhou o voto do relator, deputado Sandro Mabel (PMDB-GO), pela constitucionalidade e juridicidade da proposta – o texto seguirá agora para o Senado, exceto se houver recurso para análise pelo Plenário da Câmara. Conforme a proposta, informa a Agência Câmara, o plano de microsseguro deverá ter li-

mite máximo de garantia ou de capital segurado, prazo máximo para pagamento de indenização, formas de comercialização e contratação simplificadas, inclusive por meios eletrônicos. O substitutivo retirou o teto mensal de R$ 40 para prêmios oferecidos pelas seguradoras. Além disso, caberá ao Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) disciplinar os microsseguros, bem como a autorização de funcionamento e a operação das empresas especializadas nesse tipo de seguro. O CNSP também estabelecerá regras específicas para o funcionamento das empresas de microsseguros (constituição, capital social, reservas e provisões técnicas).

FECHAMENTO Em Natal (RN), na semana passada uma ação conjunta entre os Procons estadual e municipal fechou por uma tarde uma loja C&A após apuração de denúncia de consumidor de que os produtos à venda tinham dois preços diferentes: um para pagamento com o cartão da empresa e outro para outras formas de pagamento. A loja só foi reaberta após os preços serem equiparados.

da aos regulados pelo poder público federal (bancos, operadoras de telefonia celular e fixa, empresas de transportes, energia elétrica, saneamento básico, TVs a cabo, dentre outros). As demais companhias não estão obrigadas a atender o consumidor por telefone no prazo de um minuto, tampouco apresentar solução em cinco dias úteis ou fazer o cancelamento de um serviço de imediato. Para Ana Paula Satcheki, advogada especializada em direito do consumidor do escritório Satcheki Advogados, mesmo que a Lei do SAC só use a terminologia 'telefone', por analogia as empresas devem seguir os mesmos critérios para todos os canais de atendimento. "Não é só uma questão de cumprir a lei. As empresas

precisam ser coerentes e transparentes com seus clientes. Ao dar vantagem para quem usa o atendimento eletrônico, está dando um tiro no próprio pé porque prioriza a imagem em detrimento ao atendimento ao seu cliente." Segundo ela, o consumidor que usa o telefone irá perceber essa diferenciação e passará a buscar também as mídias sociais, o que poderá não ser positivo para a imagem que se quer preservar. Já para Vinicius Zwarg, advogado especialista em direito do consumidor do escritório Emerenciano, Baggio e Associados, as empresas precisam ter bem claro que respeito ao Código de Defesa do Consumidor (CDC) é primordial nas relações de consumo e, embora a lei consumerista não estipu-

le prazos específicos para soluções de problemas de consumidores ou formas de atendimento, seu espírito é de implantação de políticas de defesa do consumidor. "O Decreto 6.523/2008 só regulamentou o que o CDC já estipulava. Portanto, o canal que a empresa vai usar para atender seu cliente não é relevante e, sim, como ela se comportará diante da manifestação do consumidor." Na opinião dele, o Brasil não tem problemas quanto à legislação na área de defesa do consumidor, mas as empresas precisam pinçar e aplicar o que há de positivo nas leis. "O CDC é de muito valor e é uma doutrina reconhecida internacionalmente. Assim, se é reconhecida é porque é muito boa. Só precisa ser cumprida à risca."

Diálogo é maior por telefone, e-mail e chat. espostas rápidas e tratamento diferenciado são determinantes para que os consumidores migrem para as mídias sociais no diálogo com seus fornecedores. Entretanto, estamos ainda longe de a maioria das interlocuções ser processada via esses canais. Albert Deweik, diretor comercial da Neoassist.com, plataforma multicanal para gerenciamento de centrais de atendimento, informa que apenas 10% dos consumidores vêm utilizando as mídias sociais para conversarem com seus fornecedores. Os outros 90% concentram o diálogo via telefone, chat e email. Esses números referemse às empresas que Neoassist

O fortalecimento dos Procons e a ampliação do atendimento aos consumidores de baixa renda foram os principais pontos defendidos pela secretária Nacional de Defesa do Consumidor, Juliana Pereira, em audiência pública realizada na quarta-feira passada na Câmara dos De-

mantém acordos comerciais. "Mesmo com um número reduzido de atendimento via eletrônica, as empresas precisam equacionar os procedimentos internos e os prazos para que todos os seus clientes sejam atendidos da mesma forma quanto a prazos, independentemente do canal que utilizaram para falarem com a empresa." Nas redes sociais, acrescenta Deweik, reputação e bom atendimento estão sempre em destaque e muito próximos e podem quebrar a imagem de uma empresa que levou anos para ser construída. Ainda segundo o diretor da Neoassist, o avanço do uso das mídias sociais como canais de

diálogo entre fornecedores e seus clientes dependerá de como as empresas vão se comportar. "Claro que respostas rápidas ou tratamento diferenciando dão forças a esses canais. E foram as próprias empresas que estimularam o consumidor a procurar as mídias sociais ao divulgarem suas promoções. Ao ter uma dúvida, o consumidor comentava abaixo da promoção e as empresas foram obrigadas a responder também ali. Se não respondiam ou optavam por canais privados para conversarem com o cliente, outros internautas criticavam a postura da companhia, o que era prejudicial à sua imagem." Outro detalhe destacado

por Deweik é que o consumidor tem por hábito, no pós venda, usar o mesmo canal de quando fez a compra. Se foi pelo e-commerce, vai procurar falar com a empresa na loja virtual ou nas redes sociais. "O importante é ter consciência que atendimento é o pilar de uma empresa. Esse é o diferencial para qualquer empresa em relação à concorrência nesta época em que se vendem commodities e os preços são praticamente iguais." Independentemente de qual setor a empresa está, o diretor de Neoassist é emblemático ao afirmar que o Decreto 6.523/2008 precisa ser cumprido, e esse pode ser o diferencial no mercado.

MULTAS No Piauí, pela primeira vez as operadoras de telefonia celular TIM, Claro, Oi e Vivo foram autuadas e poderão ter de pagar multas de mais de R$ 6 milhões. Elas podem recorrer. Os motivos das penalidades foram cobertura do serviço ineficiente, suspensão temporária de serviços, linhas cruzadas, serviço banda larga e 3G comercializados em cidades que não dispõem da tecnologia, sobrecarga do sistema e velocidade de navegação na internet inferior à ofertada. Conforme o Procon local, as reclamações não param de chegar e existem falhas também nas cobranças e no SAC. Se as operadoras não corrigirem os erros, o Procon promete tomar outras medidas. Angela Crespo é jornalista especializada em consumo e-mail: doislados@dcomercio.com.br

Indenização de R$ 5 mil será paga por casa de vidro a consumidora

A

entrega de produtos defeituosos a uma consumidora terminou em pagamento de indenização de R$ 5 mil por parte da empresa Casa do Vidro Representações e Serviços. A decisão é da 2ª Vara da Comarca de Maranguape, na Região Metropolitana de Fortaleza (CE). Na ação aberta pela consumidora, ela explica que em dezembro de 2011 comprou boxes para banheiro, pias, entre outros produtos da empresa, tendo recebido a promessa de entrega em 15 dias, mas ela só ocorreu dois meses depois e com defeitos. Reclamou e a solução só ficou na promessa, razão pela qual buscou a Justiça requerendo danos morais.

No julgamento do caso, no fim de junho, a juíza estabeleceu o pagamento de R$ 5 mil de reparação moral e determinou a substituição dos produtos defeituosos. Caso a empresa não cumpra as determinações, terá de pagar multa diária de R$ 100. Para a juíza, "caberia ao fornecedor (...) provar a inexistência de vícios no produto; ou que não havia ainda sido ultrapassado o trintídio legal para que eventual vício fosse sanado; ou mesmo que os defeitos, caso existentes, foram originados por uso indevido, em razão de culpa exclusiva do consumidor ou de terceiro". Fonte:Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE)

O QUE DIZ O DECRETO 6.523/2008 Artigo 1º Este Decreto regulamenta a Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990, e fixa normas gerais sobre o Serviço de Atendimento ao Consumidor-SAC por telefone, no âmbito dos fornecedores de serviços regulados pelo Poder Público federal, com vistas à observância dos direitos

básicos do consumidor de obter informação adequada e clara sobre os serviços que contratar e de manter-se protegido contra práticas abusivas ou ilegais impostas no fornecimento desses serviços. Artigo 2º Para os fins deste Decreto, compreende-se por SAC o serviço de atendimento

telefônico das prestadoras de serviços regulados que tenham como finalidade resolver as demandas dos consumidores sobre informação, dúvida, reclamação, suspensão ou cancelamento de contratos e de serviços. Parágrafo único. Excluemse do âmbito de aplicação deste Decreto a oferta e a

contratação de produtos e serviços realizadas por telefone. Artigo 3º As ligações para o SAC serão gratuitas e o atendimento das solicitações e demandas previsto neste Decreto não deverá resultar em qualquer ônus para o consumidor. Artigo 4º

O SAC garantirá ao consumidor, no primeiro menu eletrônico, as opções de contato com o atendente, de reclamação e de cancelamento de contratos e serviços. Artigo 5º O SAC estará disponível, ininterruptamente, durante vinte e quatro horas por dia e sete dias por semana,

ressalvado o disposto em normas específicas. Artigo 10º Ressalvados os casos de reclamação e de cancelamento de serviços, o SAC garantirá a transferência imediata ao setor competente para atendimento definitivo da demanda, caso o primeiro atendente não tenha essa atribuição.


'Diário do Comércio - 08/07/2013'