Page 1

Ano 87 - Nº 23.641

Conclusão: 23h30

Jornal do empreendedor

www.dcomercio.com.br

R$ 1,40

São Paulo, quinta-feira e sexta-feira, 7 e 8 de junho de 2012

COWBOYS VERDES DA FLORESTA Em relatório (à esq.), o Greenpeace acusa a JBS, maior empresa de carne do mundo, a violar acordo pelo qual não compraria gado de desmatador ou de pastos em terras indígenas na Amazônia. Foi o que bastou para afugentar oito importadores internacionais. A JBS publicou um desmentido ameaçando cobrar do Greenpeace o prejuízo que tiver. A poucos dias da Rio+20, o governo Dilma se envolve nesse rodeio: a JBS recebeu dinheiro do BNDES. Pág. 16

Cachoeira arrasta mais um Pedida prisão de ex-governador e ex-senador Maguito Vilela, do PMDB. Ele é acusado de beneficiar a Delta em Aparecida de Goiânia, onde é prefeito. Pág. 5 DreamWorks Animation/Divulgação

Allison Joyce/Reuters

Sangria não estanca na Síria Só China e Rússia resistem à ONU e seguram Assad, enquanto continuam os massacres. Pág. 9 José S. Coelho/DC

Em dois semipesados da Iveco, 41 versões. Conheça os novos Tector e Tector Attack – e suas possibilidades. Pág. 21

d

cultura

Mauro Holanda/Divulgação

Fred Prouset/Reuters

Madagascar 3, leãozinho em destaque, chega à Cidade. Também nas telas, Violeta Parra, além de clássicos de Bergman (abaixo). No palco, brilham textos de Ésquilo e Dante. Vá à Roda do Vinho e saiba que ser muitos é pouco para o chef Mario Batali. Mais: bebês, bruxinhas do bem...

Fernando Porto/DC

Divulgação

Chame o cardápio. Saborear (e namorar) é preciso.

Um conto do mago futurista O Contribuinte, de Ray Bradbury. Pág. 25

Dia dos Namorados ao ponto. Pág. 26

Das telas para San Fernando Visite LA, a cidade dos estúdios de cinema, e esbarre nas celebridades de Hollywood que circulam pelo Vale de San Fernando. Boa Viagem. Pág. 22

HOJE Nublado com chuva Máxima 15º C. Mínima 9º C. AMANHÃ nublado Máxima 18º C. Mínima 10º C.

ISSN 1679-2688

23641

9 771679 268008


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

quinta-feira e sexta-feira, 7 e 8 de junho de 2012

Somente em abril, os bancos espanhóis perderam depósitos de mais de 30 bilhões de euros. Roberto Fendt

pinião

Resta pouco tempo para a Espanha Juan Medina/Reuters

E

m 1931, quando se ensaiava a saída da Grande Depressão iniciada em 1929, a quebra do banco austríaco Kreditanstalt iniciou uma onda de falências bancárias em toda a Europa. Essa sequência de quebras aprofundou a Grande Depressão e impediu a retomada do crescimento – que de fato só ocorreria ao final da Segunda Guerra mundial, com todos os seus horrores e seus 50 milhões de mortos. Hoje, a Espanha está à beira da quebra de um de seus bancos. Não é preciso muita imaginação para perceber que um evento dessa natureza, se vier a materializar-se, poderá precipitar uma cadeia de falências no sistema financeiro espanhol, contribuindo para aumentar os problemas com que se debate o país. Pior: dadas as ligações existentes entre os bancos de todos os países da zona do euro – e, por extensão, da União Europeia, as inadimplências dos bancos espanhois transbordariam para os sistemas bancários de toda a Europa. Os sinais disso estão mais do que claros há muito tempo. Somente em abril, os bancos espanhóis perderam depósitos de mais de 30 bilhões de euros. No ano, esse valor se aproxima de 100 bilhões. O destino de todo esse dinheiro são os países considerados "seguros", quer por estarem fora da zona da moeda comum, como o Reino Unido e os Estados Unidos, ou a Alemanha – embora no centro da zona do euro, o país considerado porto seguro pela forma austera como conduz suas finanças. Não somente a fuga de recursos da Espanha em direção ao que se julga a segurança evidencia a fragilidade de seu sistema financeiro. Em severa recessão, com escassas perspec-

ça-feira, do ministro da Economia da Espanha, de que as portas do financiamento se fecharam para seus bancos. A prova maior disso é o rápido crescimento do prêmio de risco-país espanhol, que se aproxima de 7% ao ano. O que fazer? O conceituado semanário inglês The Economist, em reportagem na edição dessa semana, afirma que o tempo para resolver os problemas financeiros da Espanha está se esgotando. Para a revista, o que se requer é uma mudança radical na forma de tratar o problema.

O

Entrada da Bolsa de Valores, em Madri: a caminho de mostrar uma perda de 30% do valor de suas ações só este ano. tivas de retorno em investimentos em renda variável, a bolsa de Madrid está a caminho de mostrar perda de 30% do valor de suas ações neste ano.

ROBERTO FENDT

E

ssa desvalorização do mercado acionário ocorre em momento em que as taxas de juros na Europa, Estados Unidos e Japão estão no chão. As taxas de juros de curto prazo nos EUA e Japão estão próximas de zero; na Europa, em torno de 1% ao ano. Papéis de dez anos do Reino Unido rendem pouco mais de 1,5% ao ano, e do Tesouro americano pouco menos do que isso. Na Alemanha, o rendimento de papéis do governo está em pouco mais de 1%. Não se trata, portanto, de um

alavancagem nos mercados financeiros. Esse processo persiste até que é revertido pelo excesso de endividamento dos consumidores, desalavancagem financeira e pânico dos depositantes, em fuga em direção a aplicações mais seguras.

problema especificamente espanhol, mas de todo o sistema financeiro do mundo desenvolvido, embora os riscos maiores estejam situados atualmente na Espanha – pois os mercados parecem já ter precificado a possibilidade de uma saída da Grécia da zona do euro. A que se pode atribuir tudo isso, quando se imaginava

que o mundo – e principalmente os seus banqueiros centrais – já havia aprendido a impedir que fenômenos dessa natureza se repetissem? Pelo visto, bisamos a sequência de todas as crises financeiras do passado. Nelas, há uma fase inicial de euforia, com surtos de aumento do consumo e crescimento da

N

os Estados Unidos de 2008, o processo se deu em torno de uma bolha imobiliária; o mesmo ocorreu na Espanha, com sua própria bolha. Com o agravante de que os governos da zona do euro, e não tanto no caso da Espanha, também estão excessivamente endividados e com dificuldade de financiamento. Nesse contexto, é dramática a afirmação, na última ter-

cerne do problema espanhol e, por extensão, da zona do euro, reside em seus bancos. A austeridade fiscal, necessária a longo prazo, não vai resolver o problema premente dos bancos a caminho da insolvência. É preciso, antes de tudo, que se faça uma faxina nos balanços dessas instituições. Para fazê-la, é preciso retirar os ativos podres dos balanços dos bancos e capitalizálos – a exemplo do que foi feito recentemente nos Estados Unidos e que fizemos aqui em 1995 com o Proer (Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Sistema Financeiro Nacional). Naturalmente, retirar os ativos podres requer recursos públicos – que, no caso da Espanha talvez cheguem a 100 bilhões de euros. A experiência com outras crises semelhantes sugere que o momento de reestruturar os bancos espanhóis é agora. Esperar mais apenas aumentará o tamanho do problema e o risco de iniciar-se uma crise sistêmica, muito maior do que aquela que poderia decorrer de uma saída da Grécia da zona do euro. ROBERTO FENDT É ECONOMISTA

A EUROPA ESTÁ OUVINDO O DR. PANGLOSS A

luta pela liberdade no mundo tem muito que agradecer a estadistas, pregadores e políticos em geral, mas deve muito igualmente aos irreverentes e ironistas que, em todas as épocas, apontaram caminhos – e, mais que tudo, denunciaram os falsos rumos e as soluções ingênuas. Na França, a sátira e a mordacidade abriram caminho – não a golpes de espada, mas a sorrisos e muita risada – em defesa da verdade, da justiça e do bem comum. E foi lá que Voltaire e sua língua ferina se puseram à frente de um pequeno exército de intelectuais que resgatou a liberdade de pensamento e a democracia, esquecidos desde os tempos de uma Grécia que ainda não havia trocado Péricles por Papandreu. Cândido, ou O Otimismo

(Candide, ou l'Optimisme) é uma uma narrativa filosófica publicada em tom de sátira no ano de 1759, de autoria de François Marie Arouet, para sempre conhecido como Voltaire. Mas esse pensador tão corajoso não se atreveu a assinar seu nome no livro, usando o pseudônimo de Monsieur le docteur Ralph, para não ser levado de novo aos porões da Bastilha. A obra foi completada em três dias, sob a forte impressão do terremoto de Lisboa, ocorrido meses antes, e conta a história de um jovem, Candide, que vivia em fartura e felicidade, recebendo os ensinamentos de Leibniz pela voz de um instrutor e amigo, o filósofo Pangloss. Esse intelectual picaresco era o otimista renitente para quem "tudo vai bem no melhor dos mundos possíveis", e que

LUIZ CARLOS LISBOA definia o homem perfeito como aquele que consegue trabalhar em seu jardim. Desse otimismo arrebatado ele contagiou Candide, mas um pequeno escândalo inspirado por Eros fez com que seu jovem discípulo perdesse o conforto e as regalias que o cercavam e, falando francamente, fosse posto do olho da rua. Ora, como se sabe, uma das dificuldades do otimismo é manter-se intacto na pobreza e no desencanto. Na vida real do nosso tempo, a alguns países com economias diferentes foi oferecido algo semelhante a

uma moeda forte, e a eles foi pedido que se comportassem como nações ricas ou ao menos capazes de se refazerem após grandes refregas e uma prolongada sobriedade. Mas como toda expectativa demasiado otimista, essa também precisou de uma revisão e de um de recálculo, e é com isso que a visão panglossiana do mundo jamais conta. A maioria dos países agregados no projeto da comunidade europeia foi envenenada pelo sonho de prosperidade logo após o longo e tenebroso inverno da guerra e da economia controlada

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Claudio Vaz Edy Luiz Kogut Érico Sodré Quirino Ferreira Francisco Mesquita Neto João de Almeida Sampaio Filho João de Favari Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Paulo Roberto Pisauro Renato Abucham Roberto Faldini Roberto Mateus Ordine

soviética. E a partir daí as expectativas se desobraram porque todos, afinal, querem para si o melhor e ainda aguardam o reconhecimento do mundo. Quanto ao jardim que todos devem plantar , arremate do projeto pícaro e alegre do Dr. Pangloss, não foi mais do que um pequeno espasmo do excitado filósofo, que quis dar um tom bucólico à sua retórica. Nada que possa impressionar um economista ou inquietar uma bancada conservadora numa assembleia qualquer.

C

omo se vê no Otimismo, o fracasso segue o passo dos descuidados. Voltaire sabia fazer o mundo sorrir, o que é mais difícil do que fazer rir, e obtinha isso até da monarquia europeia que o odiava por seus ditos impenitentes. Luis XV mandou jogá-lo por duas

vezes na Bastilha (1717 e 1726), onde dizem que conheceu gente tão interessante quanto o Marquês de Sade e alguns vagabundos que contavam histórias que o escritor mais tarde usou nos seus livros. Voltaire discutia ideias através de personagens que criava e o Dr.Pangloss foi o anti-herói que ele inventou para ridicularizar o otimismo, a seu ver exagerado e talvez perigoso, de Leibniz . Como se os gregos e outros povos europeus pudessem dispensar a austeridade que a Alemanha e economistas de outros países teimam em recomendar, apoiados apenas no "tudo vai bem no melhor dos mundos possíveis". LUIZ CARLOS LISBOA É JORNALISTA E ESCREVE DE PRINCETON (EUA)

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, João de Scantimburgo, Marcel Solimeo Diretor-Responsável João de Scantimburgo (jscantimburgo@acsp.com.br) Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Edi tor-Chefe: José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br) Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br) Editores Seniores: Bob Jungmann (bob@dcomercio.com.br), Carlos de Oliveira (coliveira@dcomercio.com.br), chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), Estela Cangerana (ecangerana@dcomercio.com.br), Luciano de Carvalho Paço (luciano@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Luiz Antonio Maciel (maciel@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br) Editor de Fotografia: Alex Ribeiro Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Fernando Porto (fporto@dcomercio.com.br), Ricardo Ribas (rribas@dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br) Subeditores: Marcus Lopes e Rejane Aguiar Redatores: Adriana David, Eliana Haberli e Evelyn Schulke, Ricardo Osman, Tsuli Narimatsu Repórter Especial: Kleber Gutierrez (kgutierrez@dcomercio.com.br), . Repórteres:André de Almeida, Fátima Lourenço, Ivan Ventura, Karina Lignelli, Kelly Ferreira, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mariana Missiaggia, Mário Tonocchi, Paula Cunha, , Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves, Sandra Manfredini, Sílvia Pimentel, Vera Gomes e Wladimir Miranda. Gerente Executiva e de Publicidade Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estado, Folhapress, Efe e Reuters Impressão OESP GRÁFICA S/A Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3180-3175. Fax 3180-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3180-3197, 3180-3983, Fax 3180-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3180-3544, 3180-3176 , Fax 3180-3355

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3180-3737 REDAÇÃO (011) 3180-3449 FAX (011) 3180-3046, (011) 3180-3983 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 7 e 8 de junho de 2012

o

pinião

3

L I N G U A G E M C H AV Ã O A P O S TA N O E F E I T O E M O C I O N A L I M E D I AT O D A S PA L AV R A S .

E

m artigo anterior, mencionei alguns termos da "língua de pau" que domina hoje o debate público no Brasil, inclusive e sobretudo entre intelectuais que teriam como obrigação primeira analisar a linguagem usual, libertando-a do poder hipnótico dos chavões e restaurando o trânsito normal entre língua, percepção e realidade. Mas estou longe de pensar que os chavões são inúteis. Para o demagogo e charlatão, eles servem para despertar na plateia, por força do mero automatismo semântico decorrente do uso repetitivo, as emoções e reações desejadas. Para o estudioso, são a pedra de toque para distinguir entre o discurso da demagogia e o discurso do conhecimento. Sem essa distinção, qualquer análise científica da sociedade e da política seria impossível. A linguagem dos chavões caracteriza-se por três traços inconfundíveis: 1) Aposta no efeito emocional imediato das palavras, contornando o exame dos objetos e experiências correspondentes. 2) Procura dar a impressão de que as palavras são um traslado direto da realidade, escamoteando a história de como seus significados presentes se formaram pelo uso repetido, expressão de preferências e escolhas humanas. Confundindo propositadamente palavras e coisas, o agente político dissimula sua própria ação e induz a plateia a crer que decide livremente com base numa visão direta da realidade. 3) Confere a autoridade de verdades absolutas a afirmações que, na melhor das hipóteses, têm uma validade relativa. Um exemplo é o uso que os nazistas faziam do termo "raça". É um conceito complexo e ambíguo, onde se misturam elementos de anatomia, de antropologia física, de genética, de etnologia, de geografia humana, de política e até de religião. A eficácia do termo na propaganda dependia precisamente de que esses elementos permanecessem mesclados e indistintos, formando uma síntese confusa capaz de evocar um sentimento de

OLAVO DE CARVALHO entorpecentes posando de intelectual e professor. A frequência com que as palavras-gatilho são usadas no debate nacional como símbolos de premissas autoprobantes, valores inquestionáveis e critérios infalíveis do certo e do errado já mostra que o mero conceito da atividade intelectual responsável desapareceu do horizonte mental das nossas "classes falantes", sendo substituído por sua caricatura publicitária e demagógica.

C

A PALAVRA-GATILHO identidade grupal. Eis por que a Gestapo mandou apreender o livro de Eric Voegelin, História da Ideia de Raça (1933), um estudo científico sem qualquer apelo político: para funcionar como símbolo motivador da união nacional, o termo tinha de aparecer como a tradução imediata de uma realidade visível, não como aquilo que realmente era – o produto histórico de uma longa acumulação de pressupostos altamente questionáveis.

te para denegrir ideias tão estranhas ao fascismo como a liberdade de mercado, o antiabortismo ou o ódio popular ao Mensalão. Certa vez, num debate, ouvi um ilustre professor da USP exclamar "liberalismo é fascismo!". Gentilmente pedi que a criatura citasse um exemplo – unzinho só – de governo fascista que não praticasse um rígido controle estatal da economia. Não veio nenhum, é claro. A palavra "fascismo", na boca do distinto,

D

o mesmo modo, o termo "fascismo", que cientificamente compreendido se aplica com bastante propriedade a muitos governos esquerdistas do Terceiro Mundo (v. A. James Gregor, The Ideology of Fascism, 1969, e Interpretations of Fascism, 1997), é usado pela esquerda como rótulo infaman-

não era o signo de uma ideia ou coisa: era uma palavra-gatilho, fabricada para despertar reações automáticas. Deveria ser evidente à primeira vista que os termos usados no debate político e cultural raramente denotam coisas, objetos do mundo exterior, mas sim um amálgama de conjecturas, expectativas e preferências humanas; que, portanto, nenhum deles tem qualquer significado além do feixe de contradições e dificuldades que encerra, através

O termo "facismo" é usado pela esquerda para denegrir ideias tão estranhas ao fascismo como a liberdade de mercado, o anti-abortismo ou o ódio popular ao Mensalão.

das quais, e só através das quais, chegam a designar algo do mundo real. Você pode saber o que é um gato simplesmente olhando para um gato, mas "democracia", "liberdade", "direitos humanos", "igualdade", "reacionário", "preconceito", "discriminação", "extremismo" etc. são entidades que só existem na confrontação dialética de ideias, valores e atitudes. Quem quer que use essas palavras dando a impressão de que refletem realidades imediatas, não problemáticas, reconhecíveis à primeira vista, é um demagogo e charlatão. Aquele que assim escreve ou fala não quer despertar em você a consciência de como as coisas se passam, mas apenas uma reação emocional favorável à pessoa dele, ao partido dele, aos interesses dele. É um traficante de

omo chegamos a esse estado de coisas? Investigá-lo é trabalhoso, mas não substancialmente complicado. É só rastrear o processo da "ocupação de espaços" na mídia, no ensino e nas instituições de cultura, que foi, pelo uso obsessivamente repetitivo de chavões, uniformizando a linguagem dos debates públicos e imantando de valores positivos ou negativos, atraentes ou repulsivos, um certo repertório de palavras que então passaram a ser utilizadas como gatilhos de reações automatizadas, uniformes, completamente predizíveis. Se você é treinado para ter sempre as mesmas reações diante das mesmas palavras, acaba enxergando somente o que é capaz de dizer, e dificilmente consegue pensar diferente do que os donos do vocabulário o mandaram pensar. Esse foi um dos principais mecanismos pelos quais a festiva "democratização" do Brasil acabou extinguindo, na prática, a possibilidade de qualquer debate substantivo sobre o que quer que seja. OLAVO DE CARVALHO É ENSAÍSTA, JORNALISTA E PROFESSOR DE FILOSOFIA

A PROPÓSITO DE RATINHO, RATÃO E RATAZANAS. Q NEIL uem primeiro falou desses animaizinhos de estimação não fui eu, foi um agente duplo disfarçado de marquetero, plantado pela zelite inimiga da subida da classe popular ao pudê. Essa classe popular estava (e está) de amigação com a granfinagem pátria da mais pura, da legítima, da escocesa e com a mais rica banqueirada, nunca antes vista "neçepaíz". Não acrescento a fina flor da corrupa nacional, pois tenho medo de esquecer algum exemplar e cometer uma injustiça. O falso marquetero fez duas obras-primas de contrainformação, desperdiçadas pela zelite distraída. A primeirona foi um anúncio de tv, entregando de bandeja tudo o que a cumpanherada faria se conquistasse o pudê nas eleições de 2002. A segundona, ao confessar anos depois, ao vivo na tv, chorando lágrimas verdes de dólares recebidos nos paraísos fiscais por serviços prestados – entre eles a autoria da maior mentira aparecida até hoje em capanhas políticas, aquela do "Fulaninho paz e amor". Senhores advogados de porta de jornal, data venia, não escrevi nenhum nome, descarto portanto ações de

calúnia, injúria e difamação, ou de danos morais. O anúncio, não sei se todos lembram, era um monte de ratos saindo da toca para roer uma bandeira brasileira e arrastar trapos para a sua toca, fingindo que eram seus adversários que faziam isso e eles combateriam a praga.

E

ra o "Mein Kampf" deles (se o mundo tivesse prestado atenção no "Mein Kampf" do Adolf, teria se precavido) – tudo estava lá, tim-tim por tim-tim. No anúncio dos ratos, o marquetero pago a peso de ouro – acho que pelos dois lados –, fez uma dedoduragem que entendi e acreditei em gênero, número e grau – a rataiada, solta, iria comer tudo e destruir o país. Eu sabia quem era a rataiada, todo mundo sabia; ninguém se importou e a rataiada tomou conta, comeu e está comendo quase tudo, destruiu e está destruindo quase tudo. A rataiada transmitiu a Peste Negra que matou mais da metade da população da Europa, na Idade Média. Aqui a Peste é Vermelha e a situação é de matar de medo. Ou reagimos e o Brasil acaba com a rataiada ou a rataiada

ratoeira armada

Ferreira acaba com o Brasil; simples assim. Não vou falar de quem você está pensando. Sei que imagina, ou torce a favor, ou torce contra, ou não liga a mínima, que se ponho no título "A propósito de Ratinho, Ratão e Ratazanas" é porque você encontrará algo sobre aquelezinho, aquelezão e aquelas zonas, especialmente aquela zona que tá fazendo beicinho agora

concedidos por universidades reconhecidas por sua elevada reputação acadêmica, sediadas em países africanos e no Reinado do ABC. Não vale argumentar com a premiação por coalizão, dada de mão beijada a esse Cara. A supradita cuja foi dada pela coalizão du gauche, o jornal exquerdista Le Monde; droite, Sarkozy e a divina Carla; et du centre, Sorbonne.

M

E

ais um assunto do qual não entendo patavina – como todos os outros que nem desconfio o que sejam e vivo descomendo opinião sobre eles, principalmente futebol e política –, só quem nada entende desses assuntos pode ser são-paulino e anti-lulista, como eu; zelite confesso. "A Propósito de Ratinho, Ratão e Ratazanas" nada tem a ver com certo Cara que ostenta uns sete Doutorados Honoris Causa, mais que FHC, desconfio que

sta "societas sceleris" mancomunou-se para incensar certo ego pantagruélico, na tentativa de empurrar-lhe não se sabe se isentos de propinoduto, os caças Rafale, inúteis, obsoletos e caríssimos, para salvar a crise bleu blanc rouge, alonsanfã. Sarkozy, du droite, do alto da sua dívida (ou debaixo dela), acenou-lhe com a Secretaria Geral da ONU; Le Monde, (ex) du gauche, apresentou-o como o "Homem Mais Importante

da Política Mundial", naquele momento; a Sorbonne, du centre, tansformou-o em Doutor Honoris Causa da noite para a noite, sem esquentar sequer um banco escolar, o que muito o orgulha Aqui, a la bas, se diria que essa "societas sceleris" seria apenas "formação de quadrilha", tão inocente que no julgamento do mensalão, no STF, está à beira do precipício da prescrição e se nele cair, arrastará a porção ainda restante da vergonha nacional.

V

ergonha ? Não existe pecado abaixo do Equador nem debaixo dos edredons do BBB 13 (ou 12, nada sei de sacanagens explícitas na tv ou praticadas nos esconsos). O motivo de tais honrarias internacionais foi, para nosso orgulho e glória, a tese na qual tal Cara gastou uma vida inteira pesquisando, criando, redigindo, jura que não teve ghost writer, e defendendo, sobre Literatura Comparada – comparou livro com esteira de academia de ginástica (sabe das coisas de academia,

acadêmico é, e de longa data). A tese: "Andar na esteira é tão chato quanto ler um livro". Falou e disse. Esta é uma obra de realidade, qualquer semelhante com ficção é pura coincidência. (A coincidência é uma aberração científica. Coincidências não existem; se existirem não gosto delas). O Rei Juan Carlos veio, viu e caçou uma elefanta ("¿por que não te calas, Neil Ferreira?". Com esta frase economizei dezenas de e-mails dos meus desafetos). NEIL FERREIRA É PUBLICITÁRIO


DIÁRIO DO COMÉRCIO

4

GibaUm

3 Vanderlei Luxemburgo

já se ofereceu para testemunhar contra Ronaldinho Gaúcho no processo do Flamengo.

gibaum@gibaum.com.br

k Dilma é romântica e gosta de sonhar. CARLOS ARAÚJO // ex-marido e hoje amigo da presidente.

TUDOIGUAL Foi apenas o que se pode chamar de um balão de ensaio a informação de que o governo preparava novas normas para o funcionamento das emissoras de televisão (afinal, operam sob concessão), que acabariam com a venda de espaço para igrejas evangélicas e empresas de televendas. De largada, as grandes igrejas trataram de acionar suas bancadas e o governo recuou. O pastor Silas Malafaia, da Assembléia de Deus – Vitória em Cristo, é quem esperneou, de cara, publicamente: “Seria a primeira vez que eu, Valdemiro Santiago, R.R. Soares e Edir Macedo estaríamos unidos”. 333

Araponga Show Acaba de ser inaugurada no Discovery Times Square, em Nova York, uma nova e surpreendente atração: é uma exposição chamada Espião, o mundo secreto da espionagem, que entra no mistério da espionagem internacional e de seus heróis e vilões. Apresenta centenas de artefatos, alguns saídos dos cofres da CIA e do FBI. Entre tantos, tem uma motocicleta desmontável da 2ª Guerra Mundial (podia ser lançada de paraquedas e montada em segundos) e a máquina alemã Enigma para criar mensagens secretas, fora uma sela de camelo usada por um dos primeiros agentes da CIA no Afeganistão depois dos ataques do 11 de Setembro. Aparelhos de escuta, há um festival. 333

DOIS EM UM O ex-presidente Lula não esconde que está radiante com os rumos da CPI do Cachoeira que, cada vez mais, parecem cair em cima do governador Marconi Perillo (PSDB), que não suporta desde os tempos da explosão do mensalão, quando garantiu tê-lo avisado do propinoduto, a bordo do carro presidencial, em Brasília. Só que também está preocupado: os defensores de Marconi tratam de espalhar que, se a carga em cima do governador de Goiás, for excessiva e mais do que direcionada, ele tratará de repetir na CPI a mesma conversa daqueles tempos. 333

“Dize-me, espelho meu, quem é mais bela do que eu?” É a pergunta que a rainha (Charlize Teron) faz ao espelho, que responde, como sempre: “É Branca de Neve” (agora, vivida por Kristen Stewart, ex-Bella, da saga Crepúsculo), que está em alta. No mesmo mês, aparece nas capas e recheios de Interview, Elle e Vanity Fair, revelando diversas facetas, dando seus primeiros passos na sensualidade (“Quando criança, eu era um garoto e usava roupas do meu irmão”) até descobrir sua paixão por grandes grifes do mundo da moda. Além de tudo, é a nova queridinha do exigente Karl Lagerfeld (destaque).

Kristen em alta

333

O secretário-geral do Itamaraty, embaixador Ruy Nogueira (é o segundo posto mais alto da diplomacia brasileira), deverá se aposentar em fevereiro do ano que vem. O nome mais cotado para substituí-lo é o da embaixadora Maria Luiza Viotti, atual representante do Brasil na ONU. Dilma gosta muito dela: todas as vezes que reclama de uma ação do ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, fica pensando em fazer de Maria Luiza sua sucessora. A Chefe do Governo acha que uma saia no comando das Relações Exteriores ficaria muito bem num governo pilotado por uma mulher, embora Patriota tenha sido convidado por ela ainda nos tempos de campanha.

Saia bem cotada

333

Nas revistas dedicadas à boa forma física, dietas, ginásticas e outros truques para manter curvas e exibir o sonhado corpão, stars e starlets contam seus segredos e até dão suas receitas. Nesses dias, Bruna Linzmeyer, na capa de Corpo a Corpo (esquerda), confessa que bebeu inúmeras xícaras de chá por dia, misturando ervas, como folha de laranjeira, hortelã com gengibre e outras tantas e Fernanda Souza (direita) aparece em Shape, depois de tratar de seu hipotireoidismo, volta ao Pilates e deixa a barriga sarada com Muay Thai.

Dose dupla

333

Só ameaça

técnico foi afastado do clube carioca por causa de um desentendimento com o craque-baladeiro.

Na mesma semana em que o rei Juan Carlos, da Espanha, vem ao Brasil pedir socorro e o ministro da Fazenda e Administração Pública de seu país. Cristóbal Montoro, adverte que o governo espanhol perdeu acesso a empréstimos para refinanciar suas dívidas, o Banco Santander Brasil, campeão de reclamações no Procon, aparece igualmente campeão dos juros do cheque especial no ranking de 30 instituições listadas pelo Banco Central. Hoje, os juros do cheque especial do Santander Brasil estão em 10,31% ao mês, o que significa 224,62% ao ano.

A CPI mista pediu ao Itamaraty que fornecesse roteiro de viagens de Demóstenes Torres, sua mulher Flávia e de Carlinhos Cachoeira nos últimos dez anos: acredita que no cruzamento dessas informações surgiríam indícios de suposta lavagem de dinheiro lá fora. O Itamaraty, contudo, passou a relação de viagens e destinos diretamente para o Ministério da Justiça. Demóstenes já teve três passaportes diplomáticos nos últimos dez anos. Sua mulher, Flávia, apenas um e os passaportes do casal têm validade até 2016. 333

AZUL E BRANCO Nem só de doações a projetos de Madonna ou aos cofres dos partidos políticos em ano não eleitoral, vive a generosidade de Luis Octávio Índio da Costa, agora afastado do comando do Banco Cruzeiro do Sul, repleto de irregularidades que levaram a um rombo de R$ 1,3 bilhão. No carnaval, o bloco Timoneiros da Viola,dobairrodeMadureira,no Rio, foi totalmente financiado por ele. Nos últimos três anos, Índio da Costa também investiu na Portela, escola de samba do mesmo bairro. É um apaixonado da azul e branca.

333

MISTURA FINA 333 A ESCRITORA paulista Lygia Fagundes Telles, autora de Ciranda de Pedra e outras tantas obras, acadêmica, está enviando um recado à presidente Dilma Rousseff a propósito da crise mundial e das viagens presidenciais: “Dê três voltas na sua casa antes de ir para a casa dos outros”. É um velho ditado chinês da dinastia Ming, que Lygia ouviu do líder comunista Mao Tse Tung, quando visitou a China na década de 60.

333 A PRESIDENTE Dilma Rousseff afastou Ricardo Flores da presidência da Previ, maior fundo de pensão do país dos funcionários do Banco do Brasil. Administrativamente, contudo, quem pediu demissão foi ele. É que, usando dessa alternativa, Flores se encaixa no Programa para Executivo em Transição, que é uma espécie de segurodesemprego de luxo para altos executivos que deixam o banco.

O EX-presidente Lula deverá retomar suas viagens internacionais (seus médicos autorizaram, inicialmente, apenas para paises vizinhos) ainda este mês: vai a Buenos Aires, conversar com a presidente Cristina Kirchner, com a qual sempre manteve excelentes relações. 333

333

h IN

Empreguete .

h

Quando Lula afirmou, no programa de Ratinho, que “a única hipótese de voltar a ser candidato é se ela não quiser”, provocou outra leitura no PMDB. O ex-presidente teria lançado uma espécie de aviso antecipado aos petistas mais radicais que, a partir de agora, não se furtarão a fazer quase uma campanha para que ele seja candidato em 2014 – e não Dilma. E se emplacar essa alternativa, a manutenção de Michel Temer na vice e o acordo com o PMDB vai para o espaço (mesmo porque Lula está com a candidatura de Gabriel Chalita, idéia do vice-presidente, entalada na garganta).

333

3 MAIS: hoje no Grêmio, o

Passaporte vermelho

Fotos: BusinessNews

Gosta de holofote

quinta-feira e sexta-feira, 7 e 8 de junho de 2012

OUT

Periguete.

Nua na parede 333 Mariana Ximenes, totalmente nua, em três fotos juntas (é um triptico), acabou virando atração especial da nova exposição no Rio do fotógrafo e artista plástico Miguel Rio Branco. Na inauguração (nas fotos, ela está de costas e não aparece seu rosto), a própria Mariana tratou de avisar que era ela na parede e que havia sido “uma honra ser objeto do trabalho” do autor. Detalhe: quem espera ver três fotos estimulantes, vai acabar se decepcionando. Mariana aparece com o corpo retorcido, destacando músculos nas costas, nada que inspire eventuais delírios.

333 RONALDINHO Gaúcho consegue irritar até patrocinadores. Na entrevista coletiva de sua apresentação no Atlético Mineiro, o jogador apareceu ao lado de duas latinhas de Pepsi. Ele tem contrato com a CocaCola até 2014. O BMG, que patrocina o Atlético, a propósito, não quis participar da operação de contratação de Ronaldinho. A popularidade dele entre empresas patrocinadoras não é lá essas coisas.

UMA EDITORA que produz luxuosas revistas, em papel couchê, como Inesquecível Casamento (para noivos) e Inesquecível Festa (para o público infantil e adolescente), com separatas especiais para clientes que pagam, lançará agora outra publicação. Vai se chamar Momento Inesquecível, exclusivamente dedicada aos casamentos gays. 333

Colaboração: Paula Rodrigues / A.Favero

CHARGE DO DIA


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 7 e 8 de junho de 2012

5 POLÊMICA Ex-presidente Lula teria tentado evitar o julgamento do Mensalão este ano

olítica

CONSENSO Ministros do Supremo se aliaram e marcaram a data do julgamento

Pedida prisão de ex-governador goiano O ex-governador e ex-senador Maguito Vilela (PMDB) é mais um político goiano acusado de envolvimento com a quadrilha do contraventor Carlinhos Cachoeira. José Cruz/ABr – 6/7/2005

A

tual prefeito de Apa- milhões em bens e nas contas recida de Goiás, o ex- da Delta, e R$ 3,5 milhões no governador e ex-se- patrimônio e contas de Maguinador Maguito Vilela to e dos outros acusados – (PMDB) é outro político goiano meio milhão cada um. O Minisacusado de envolvimento tério Público ainda pede a cascom a quadrilha de Carlinhos sação do mandato do prefeito, Cachoeira. Ele é acusado de a suspensão dos seus direitos beneficiar a Delta em contra- políticos e dos demais acusatos de recolhimento de lixo na dos por cinco a oito anos, pacidade que administra. gamento de multa e indeniza"Para procuradores, Ma- ção, além da proibir todos de guito direcionou licitação pa- contratarem com o governo ra beneficiar a Delta em Apa- por cinco anos. recida de Goiânia", afirma o O caso está nas mãos do juiz site Congresso em Foco , que Gustavo Dalul Faria. explica o caso em pormenoMaguito reage – Em entrevisres, a seguir. ta ao mesmo Congresso em FoEm mais um desdobramen- co , o prefeito e o advogado da to das revelações da Opera- prefeitura afirmaram que não ção Monte Carlo, da Polícia Fe- houve prestação de serviços deral, que desmontou a qua- sem contrato, nem mesmo drilha do bicheiro Carlinhos acerto com a empreiteira. Cachoeira, o Ministério PúbliDizendo-se perseguido por co de Goiás abriu dois procedi- promotores que, segundo ele, mentos que, se aceitos pela querem apenas destaque no Justiça, podem levar à prisão e noticiário, Maguito prometeu ao bloqueio processar os d e m e i o m ipr omo tor es lhão de reais de Justiça por em bens e danos morais Que palhaçada c o n t a s b a ne ainda exigir é essa? Eu não cárias do exprocesso adgovernador e min istrat ivo tenho que suportar ex-senador contra eles esse tipo de de Goiás Mano Conselho injustiça. São guito Vilela Nacional do cabo de chicote (PMDB). Hoje Ministério Púpara fins políticos. prefeito de blico. Aparecida de "Que palhaMAGUITO VILELA Goiânia, Maçada é essa? guito contraEu não tenho tou a Delta Construção para que suportar esse tipo de injusfazer a coleta de lixo na cidade tiça. São cabo de chicote para que administra, que é a segun- fins políticos", reagiu Maguito, da maior cidade do estado. De na noite de quarta-feira. acordo com a PF e a ProcuraMaguito criticou a postura doria Geral da República, Ca- do promotor de Justiça Élvio choeira e o senador Demóste- Vicente Silva, principal resnes Torres são sócios ocultos ponsável pela ação, dizendo da empreiteira de Fernando que ele é o único dos 20 proCavendish". motores da cidade que "cria Na avaliação de quatro pro- problemas com todo mundo", motores do Ministério Público ao chamar secretários para de Goiás (MPGO), Maguito fa- prestar esclarecimentos. voreceu a Delta numa licitaMas a verdade é que as inção de "cartas marcadas", v e s t i g a ç õ e s d a O p e r a ç ã o com indícios de "um acordo Monte Carlo, da Polícia Fedemonetário" e "espúrio" entre o ral, que deslindou a quadrilha prefeito e a construtora, que de Cachoeira, já mostravam incluiu a prestação de serviços que Maguito temia o trabalho mesmo sem contrato. de Élvio. É o que afirma o próOs promotores Élvio Vicen- prio Carlinhos Cachoeira, conte da Silva, Ana Paula Vieira forme um grampo da PF de 14 Nery, Fernando Krebs e Villis de abril de 2011. Marra Gomes ajuizaram uma Na conversa, Cachoeira diz ação civil pública contra Ma- a um interlocutor que o prefeiguito; a Delta; o ex-diretor da to de Aparecida o procurou, empresa no centro-oeste, disse estar "com medo" e que Cláudio Abreu; a prefeitura, e "um tal de Élvio" estava "peuma série de servidores do gando no pé demais dele". município na Vara de Fazenda Maguito disse que a Delta Pública de Aparecida de Goiâ- (leia mais sobre Delta na p. 8) nia. Pelo suposto favoreci- ofereceu o menor preço pela mento à empreiteira, eles pe- coleta de lixo e desafiou o MP a dem o cancelamento do con- encontrar superfaturamento. trato atual e a realização ime- Ele oferece sigilos bancário, diata de nova licitação. fiscal e telefônico para comMais: exigem que sejam blo- provar que não participou de queados, liminarmente, R$ 20 acordo espúrio com a Delta.

Para procuradores, Maguito direcionou licitação para beneficiar a Delta em Aparecida de Goiânia. CONGRESSO EM FOCO

Maguito Vilela: para procuradores, ele estaria envolvido na quadrilha de Cachoeira, beneficiando a Delta.

Ministro quer turno extra no STF Carlos Humberto/STF – 6/6/2012

O

ministro Marco Aurélio Mello, do STF (Supremo Tribunal Federal), vai propor a realização de sessões extras da corte durante o período de julgamento do Mensalão. A ideia é criar um turno de trabalho matutino do plenário para dar conta das outras causas do tribunal. Segundo o ministro, há cerca de 700 processos aguardando inclusão na pauta do pleno do Supremo, alguns prontos para julgamento desde o ano de 2000. "É preciso evitar que esses processos fiquem paralisados", disse. Pela programação do STF, o processo do Mensalão começará a ser julgado no dia 1º de agosto. Os 14 primeiros dias do mês serão dedicados ao Mensalão, com cinco sessões por semana, de segunda a sexta. Depois disso, a causa vai tomar três dias de cada semana até o fim do julgamento. Para Marco Aurélio, o ideal seria, durante o período, realizar pelo menos duas sessões matutinas do pleno: "É preciso harmonizar o julgamento da ação penal 470 (do Mensalão) com os outros feitos da jurisdição". Advogados dos acusados também demonstraram preocupação com o calendário do STF para o julgamento do Mensalão. Alguns criticaram o fato de o roteiro prever cinco sustentações orais por dia. O criminalista Márcio Thomaz Bastos, defensor de José Roberto Salgado, ex-vice-presidente do Banco Rural, lembrou que advogados do caso

Ministros do Supremo conversam com a imprensa depois de definir o início do julgamento do Mensalão propuseram ao STF que fossem feitas, no máximo, três sustentações orais por dia. "Uma coisa é ouvir debates em um júri. Outra é ouvir sustentações orais, uma atrás da outra. Quando chega a vez do quarto ou quinto advogado, ninguém mais presta muita atenção", disse Bastos. Segundo Antônio Claudio Mariz de Oliveira, criminalista que defende a ex-dirigente do Banco Rural Ayanna Tenório, "os advogados que falarem ao final das sessões encontrarão ministros desatentos pelo cansaço". Bastos, Mariz e outros três advogados afirmaram, na quarta-feira, que não vão tomar medidas jurídicas para tentar mudar a programação

do julgamento. Popstars – Ainda ontem, o secretário nacional de comunicação do PT, deputado André Vargas (PR), criticou a transmissão de sessões do Supremo pela televisão: "Em outros países o STF é muito mais austero", disse. "Aqui no Brasil, não. Tem membros do STF que viraram popstars. Esse formato, de ter julgamentos importantes transmitidos pela televisão... Isso não está certo." A transmissão ao vivo de sessões começou em agosto de 2002. Marco Aurélio Mello, o ministro que sancionou a lei de criação da TV Justiça quando ocupou interinamente a Presidência da República, afirmou que essa prática é um fa-

to "positivo". "No setor público, muito embora alguns talvez não estejam acostumados, deve permanecer a transparência. A publicidade é que viabiliza o acompanhamento pelos contribuintes do que é feito na administração pública e permite a cobrança da eficiência. Ninguém busca espetáculo." Mesmo criticando as transmissões pela televisão, André Vargas disse que o PT não será prejudicado: "Já enfrentamos isso em 2005 e muita gente falou que o PT ia acabar. No ano seguinte, elegemos uma expressiva bancada de deputados e reelegemos Lula. Os que apostaram no fim do PT deram com os burros n'água e agora vão dar de novo". (Agências)

Protógenes diz que vai se defender

O

deputado Protógenes Queiroz (PC do B-SP) afirmou ontem em seu perfil no microblog Twitter que vai se defender contra o parecer apresentado pelo deputado Amauri Teixeira (PT-BA), que recomenda a abertura de processo disciplinar contra ele no Conselho de Ética da Câmara. "Recebo com respeito e tristeza o parecer do deputado Amauri Teixeira, do PT. Contraria os depoimentos dos delegados e documentos que me inocentam. Vou me defender!" Protógenes já usara a rede social para dizer que esse pedido visava desviar o foco da CPI do Cachoeira e para se defender: "Talvez o erro ético maior foi requerer a CPMI do Cachoeira e revelar os ladrões desta República e aqueles que

Andre Dusek/AE – 6/6/2012

Dida Sampaio/AE – 10/5/2012

Amauri Teixeira pondera: "Os fatos requerem imediata apuração".

Protógenes disse que recebeu com tristeza o parecer do relator

se revelam no processo". Ele acusa o relator da representação, movida contra ele pelo PSDB, de cumprir acordo entre PT e PSDB para desviar as investigações da Delta. Investigação – Relatório pre-

Cachoeira – e Protógenes integra a CPMI do Cachoeira. O deputado foi alvo de representação do PSDB após gravações feitas pela PF indicarem sua proximidade com Idalberto Matias Araújo, o Da-

liminar apresentado anteontem pelo deputado Amauri Teixeira defende que o Conselho de Ética da Câmara investigue se houve quebra de decoro parlamentar de Protógenes por ligação com o grupo de

dá, apontado como integrante do grupo de Cachoeira. Em seu parecer, Teixeira admite a representação do PSDB e aponta que "há indícios suficientes que revelam ter o representado se portado

de forma incompatível com o decoro parlamentar, justificando a instauração de processo ético-disciplinar". "Um parlamentar não pode agir como tudo indica que tenha agido o deputado, mantendo relacionamento próximo com um notório contraventor e, pior, o auxiliando diante das investigações levadas a cabo pela Polícia Federal". Para Teixeira, os fatos são "consistentes, graves e requerem imediata apuração em processo ético-disciplinar", aponta no texto. O parecer do petista deve ser votado na terça-feira pelo conselho. Se for aprovado, o relator terá prazo de 90 dias para investigar o caso, ouvindo testemunhas e o deputado, além de analisar material dos inquéritos da PF. (Folhapress)


p Greve no ensino superior, até quando? DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

quinta-feira e sexta-feira, 7 e 8 de junho de 2012

O PSDB se solidariza à luta e lamenta que a educação seja tratada com tamanho desprezo pelo PT. Deputado Sérgio Guerra (PE), presidente do PSDB.

olítica

Paralisação já atinge 51 instituições, sem data para nova negociação que discutiria a principal reivindicação dos docentes, a revisão do plano de carreira. Andre Dusek/AE – 21/5/2012

A

greve dos professores das universidades federais já completou mais de 20 dias com adesão de profissionais de 51 instituições. Ainda não há previsão para o fim da paralisação, já que, desde que e foi decretada, não houve reunião de negociação entre a categoria e o Ministério do Planejamento. Na terça-feira, o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, reuniu-se com o comando de greve e informou que nova reunião será feita na próxima semana, mas o encontro ainda não foi marcado, segundo o Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes). Após a Marcha Unificada dos Servidores Públicos – que reuniu diversas categorias em Brasília no início da semana –, membros dos sindicatos se encontraram com o secretário executivo adjunto do Ministério do Planejamento, Valter Silva. Segundo Aloísio Porto, do Comando de Greve do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes), não houve nova proposta. "O MEC chamou a gente para conversar, mas por causa da pressão". A principal reivindicação dos docentes é a revisão do plano de carreira. Em acordo firmado em 2011, o governo prometeu um reajuste de 4%, incorporação de parte das gratificações e revisão do plano para 2013. Os dois primeiros pontos já foram atendidos,

mas não houve avanço na revisão da carreira. O Ministério da Educação considera a greve precipitada, já que, para Mercadante, há tempo suficiente de reformular a carreira antes que seja fechado o Projeto de Lei Orçamentária para 2013, o que ocorrerá até 31 de agosto. PSDB se manifesta – Em nota, o PSDB critica a "herança maldita" de Fernando Haddad na Educação e se solidariza com universitários. "Nos últimos anos, o que vimos na Educação Federal foi muita ação de marketing e pouquíssima ação concreta", diz trecho assinado pelo presidente do partido, deputado Sérgio Guerra (PE). A legenda cita não somente a greve que atinge 80% das universidades federais e prejudica mais de 1 milhão de alunos, mas também as falhas no Enem, as deficiências estruturais das "novas" faculdades e os baixos salários dos docentes. "O PSDB se solidariza à luta de professores e estudantes e lamenta que a educação, o bem mais elementar de uma nação, seja tratada com tamanho desprezo pelo PT", destaca Guerra, em trecho do documento, que lamenta a situação. "Estamos assistindo, assustados, a uma greve que atinge 80% das universidades federais e que já dura mais de 20 dias. Estima-se que mais de um milhão de alunos estejam sem aulas. (ABr)

Cardozo diz que acredita na participação de Marta na campanha do companheiro de chapa, Fernando Haddad. Marta tem escapado desses eventos.

Ministro quer Marta em campanha

O

ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, declarou ontem, durante visita à capital argentina, que a ex-prefeita paulistana Marta Suplicy "é uma companheira histórica do Partido dos Trabalhadores" e que "estará na campanha do Fernando Haddad". O ministro afirmou em tom confiante: "Não tinha dúvidas disso." Em declarações aos correspondentes brasileiros em Buenos Aires, Cardozo preferiu não comentar os motivos que levaram Marta a adiar sua participação na campanha para agosto, quando começa a propaganda eleitoral de rádio e TV. "Não sei o que aconteceu...

Não sei se houve problemas pessoais. Não vou entrar em detalhes, porque não sei. Mas a Marta estará na campanha. Ela tem uma presença muito forte na cidade. Além disso, Marta é uma petista incorporada à vida do partido". O ministro afirmou que ele também vai participar da campanha: "Participarei, seguramente. Será uma campanha forte. Não posso participar durante a semana. Mas, nos fins de semana quero estar, dedicando-me muito à campanha dele." Cardozo sustentou que era muito cedo para fazer previsões eleitorais sobre uma eventual vitória de Haddad. "Acho que nós podemos ven-

cer. Quando, se no primeiro ou segundo turno? A vida dirá..." O ministro pensa em participar de campanhas em outras cidades. "Isso é coisa que varia de ministro para ministro. Eu fui secretário-geral do PT. Então, além de participar em São Paulo, nos fins de semana, irei a outras cidades para fazer campanha". Mensalão – Cardozo preferiu não comentar a discussão do Mensalão no Supremo Tribunal Federal: "Se eu fosse deputado, poderia falar. Mas, como ministro da Justiça não posso fazer comentários sobre o assunto. O que posso dizer é que o Judiciário tem os seus tempos e saberá decidir de forma certa a questão". (Agências)

Serra faz viagem "relâmpago" a Nova York

O

pré-candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, José Serra, aproveitou o feriado para uma viagem "relâmpago" a Nova York. De acordo com sua assessoria, a visita servirá para ele "ver de perto como a cidade está promovendo a interação online entre a prefeitura e os cidadãos". O tucano estará de volta a São Paulo no domingo, quando pretende participar da Parada Gay. A concentração será no vão do Masp, às 10h, de onde os manifestantes seguirão em marcha da Avenida Paulista até a Praça Roosevelt. Já o petista Fernando Haddad não tem agenda prevista para o fim de semana prolongado. Ele visitou a associação que organiza a Parada Gay, mas não vai participar do ato – viaja com a família. A senadora Marta Suplicy (PT-SP) é aguardada, mas faltou ao lançamento da campanha de Haddad. (Folhapress)

Pobreza cai, mas há muita ineficiência. Tese apresentada pela doutoranda Luciana Rosa de Sousa aponta a falta de integração entre várias ações e programas desenvolvidos por vários ministérios

P

Divulgação/2012

ara erradicar a pobreza até 2014, como prometeu Dilma Rousseff quando era pré-candidata à Presidência da República, o governo brasileiro tem à sua disposição, na Universidade, um conjunto de instrumentos e perspectivas. Um desses instrumentos é a tese sobre a ineficiência dos programas de transferência de renda na erradicação da miséria no Brasil, México e Peru, defendida pela professora da PUC Campinas e da Faculdade de Campinas (Facamp) e doutoranda no Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (IE-Unicamp) Luciana Rosa de Souza. Em relação ao Brasil, Luciana aponta dois problemas: a ampliação dos programas de

Os pobres precisam de políticas públicas, afirma Luciana de Souza.

O professor Walter Belik diz que, na maioria dos casos, há apenas um "alívio da pobreza". Jarbas Oliveira/Folhapress – 23/5/2002

Os programas são bons, mas não podem existir sozinhos. É preciso transferir renda, habitação, saúde e educação. WALTER BELIK transferência de renda e a pluralidade de iniciativas. "São várias ações, vários programas divididos por diversos ministérios... E um não conversa com o outro. Isso fez com que a efetividade dos programas se reduzisse muito. Não há ações integradas." Rede de proteção – O estudo indica o que falta a mexicanos, peruanos e brasileiros: "A criação de uma rede de proteção social mais ampla, para que as pessoas deixem de ser dependentes do Estado". Walter Belik, orientador da pesquisa e professor titular de Economia Agrícola da Unicamp, explica que, na maioria dos casos, o que ocorre é um "alívio da pobreza". E é aí que entra a necessidade de am-

No município de Caridade (CE), família sobrevive com os recursos da bolsa do governo federal. pliação do atendimento social. Segundo Luciana Rosa, os programas de transferência de renda são emergenciais e, em um segundo momento, a pobreza precisa ser assistida por políticas públicas que consolidem o fim da pobreza. "As pessoas pobres carecem de serviços essenciais de todas as naturezas", diz Rosa. "Elas

precisam de políticas públicas na área de saúde, educação, transporte, moradia, segurança. Não adianta repassar R$ 200 por mês para um beneficiado e esperar que, ao cabo de algum tempo, ele consiga se inserir no mercado de trabalho e se manter com seus próprios recursos, sem que tenha recebido educação formal ou quali-

ficação profissional." Solução ampla– O estudo não nega a efetividade das medidas, mas traça uma substancial diferença entre "redução da taxa de pobreza" e "superação definitiva do problema". Para Belik, "os programas são bons, mas não podem existir sozinhos". "O tratamento precisa ser multidimensional –

transferência de renda, habitação, saúde e educação." Luciana Rosa, autora da tese, considera que uma boa política social seria aquela que se estendesse a toda a sociedade. "Enquanto for algo apenas para pobre, o quadro não vai mudar." Programas brasileiros– No Brasil, são dois os principais programas sociais de transferência de renda, o Bolsa Família (carro-chefe das gestões Lula, e hoje o principal programa da América Latina) e o Brasil Sem Miséria, implantado por Dilma Rousseff nos primeiros seis meses de governo. O Bolsa Família, que já encontrou adeptos em muitos países da América do Sul, como a Venezuela de Hugo Chávez, bateu recorde de atendimento e de orçamento no ano passado: 13,3 milhões de famílias e R$ 17,1 bilhões desembolsados. O programa dá dinheiro a famílias pobres com renda mensal inferior a R$ 140 por pessoa. Para receberem o benefício (de R$ 32 a R$ 306, segundo o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome), devem cumprir algumas exigências, como manter as crianças de até 15 anos na escola, com apenas 15% de faltas. Uma extensão do Bolsa Família, o Brasil Sem Miséria, além de transferência de renda, é estruturado com base na

Não adianta repassar R$ 200 por mês e esperar que, depois de um tempo, o beneficiado consiga trabalhar e se manter. LUCIANA ROSA DE SOUZA ampliação de serviços públicos e inclusão produtiva. Latinos menos pobres – Dados da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal) no fim do ano passado mostram que o número de pobres na América Latina recuou de 177 milhões, em 2010, para 174 milhões no fim de 2011. Essa queda de 31,4% para 30,4% da população total está dentro da tendência observada na região nos últimos vinte anos (19902010), quando a população pobre diminuiu 17 pontos percentuais, de 48,4% para 31,4%. Dos 174 milhões de pobres, 73 milhões vivem em pobreza extrema, segundo a Cepal. Na época em que os números foram anunciados, a secretária-executiva da organização, a mexicana Alicia Bárcena, atribuiu a redução mais ao bom ritmo econômico da região do que aos programas públicos. (VB)


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 7 e 8 de junho de 2012

7 O custo da web é infinitamente menor que o da TV, do rádio e da mídia impressa em campanha. Deputado Chico Macena (PT)

olítica

Adriana Spaca/AE – 30/5/2012

Candidatos vão investir na internet para ganhar votos Na balança, o custo-benefício dessa mídia: ganha o eleitor, ganha o candidato. Guilherme Calderazzo

P

artidos e respectivos pré-candidatos à Prefeitura de São Paulo já definiram estratégias de uso da web na campanha para a eleição de outubro. É que eles consideram a interatividade desse meio fundamental para conquistar eleitores por intermédio do debate democrático de ideias e dos programas de governo. "A conectividade entre as pessoas e o livre acesso à informação são bens de valor inestimável que o avanço da tecnologia trouxe a nossos dias. O uso da internet na campanha é uma vantagem a mais em benefício do eleitor", diz Celso Russomano, pré-candidato a prefeito pelo Partido Republicano Brasileiro (PRB). Segundo ele, a web não tem a mesma eficiência da TV, mas essas mídias se complementam. "Para qualquer candidato, será um diferencial importante estar bem posicionado na grande rede." Interatividade – O vereador Chico Macena (PT-SP), secretário de comunicação da précandidatura do petista Fernando Haddad à prefeitura, diz que a vantagem das redes sociais na web é a interatividade entre candidato e eleitor. "As redes permitem o diálogo entre as partes. São mais um instrumento de divulgação do programa de governo, das propostas e alternativas do candidato para a capital." Macena acrescenta que, na web, é possível aprofundar a

A conectividade e o livre acesso à informação são bens inestimáveis que o avanço da tecnologia trouxe aos nossos dias. CELSO RUSSOMANO discussão sobre as propostas políticas de forma democrática 24 horas por dia. Por seu caráter livre e democrático, a internet permite a ampliação do círculo de pessoas que discutem as ideias e as propostas da candidatura, avalia José Serra, pré-candidato do PSDB à prefeitura. Mas, segundo ele, é preciso ter o que dizer, pois discussões vazias não mobilizam a rede. Conteúdo – Os pré-candidatos e as respectivas equipes de comunicação já sabem como vão usar os vários instrumentos da internet em busca de votos. Segundo Serra e equipe, na campanha, darão atenção a cada uma das formas da web – site, blog e rede social, sem perder de vista a mensagem a ser passada. Para Russomano, o segredo do relacionamento em qualquer instrumento da web é um só: "Ser você mesmo o tempo todo. Há alguns anos mantenho as mídias sociais e outros canais de interatividade abertos e atualizados, para diálogo intermediários. Na campanha, devo seguir assim". Diretrizes de campanha – O site do PT, segundo Macena, será o grande instrumento de comunicação e de informação oficial da campanha de Haddad. "Vamos pôr na web, nesta semana, as diretrizes da campanha para consulta

Helvio Romero/AE – 26/9/2011

Russomano: "Uma vantagem a mais em benefício do eleitor". Newton Santos/Hype – 5/6/2007

Chico Macena: "Interatividade entre candidato e eleitor". pública. A interatividade ainda se dará com imagens do dia a dia da campanha nas redes sociais". Ainda segundo ele, haverá o Twitter e o Facebook oficiais da campanha, e o Twitter pessoal do candidato. "A interatividade tem de ser efetiva." Macena acrescenta que, além disso, a pré-candidatura de Haddad será impulsionada pela atuação do "movimento de militantes virtuais" do PT, que participa de blogs, do Facebook, do Twitter e do YouTube para discutir políticas públicas e propostas do partido para as cidades e o País. Devido às experiências político-eleitorais anteriores, os pré-candidatos evitam as ineficiências em busca de votos na rede. "Ineficiência na rede é manter uma posição sisuda e não acessível aos eleitores", diz Russomano. A equipe de Serra repetirá uma prática bem-sucedida na eleição presidencial de 2010. Mais uma vez, abrirá espaço para o internauta participar da elaboração do plano de governo da pré-candidatura Serra. Baixo custo – Os pré-candidatos dizem que o uso da internet em campanha política tem custo baixo, com equipes de poucos profissionais. Segundo Russomano, gasta-se bem menos na internet que na TV. "O custo da web é infinitamente menor que o da TV, do rádio e da mídia impressa em campanha", concorda Macena. E acrescenta que na TV o custo é calculado por minutos, e o preço de uso é elevado. "Nas redes sociais ficamos 24 horas discutindo de forma direta, democrática, com os internautas. E o gasto é baixíssimo", diz o petista. O PSDB ainda não tem informação sobre valores a serem gastos na campanha à prefeitura paulistana. Temas envolventes – Seja como for, os pré-candidatos pretendem definir temas para envolver amplamente os internautas-eleitores nos debates eleitorais. Segundo Macena, "o PT vai priorizar os temas mais graves da cidade, como a questão da mobilidade urbana. Queremos discutir nossas

propostas para superar os problemas de trânsito e de transporte na capital". Segundo ele, Haddad e o PT vão estimular as discussões na área da saúde e mostrar o que o partido propõe para melhorar a marcação de exames médicos e de atendimento em unidades de saúde. Quanto à educação, diz que a sigla vai expor propostas para valorizar o professor, garantir-lhe mais qualificação profissional e mostrar como pretende desenvolver a escola com aula em tempo integral. "Ainda vamos apresentar um programa de habitação bastante audacioso, outro sobre a democratização do acesso à internet, que em muitos casos será gratuito, e como pretendemos tornar São Pau-

Nas redes sociais ficamos 24 horas discutindo de forma direta, democrática, com os internautas. E o gasto é baixíssimo. CHICO MACENA lo um centro de criação de tecnologia de ponta." Mostrar a verdade – Segundo Russomano, todos os pontos do programa do PRB serão debatidos. "Nosso objetivo é elucidar todas as dúvidas do eleitor sobre todos os pontos do programa". Para Serra, a internet é um ambiente de participação. "Vamos expor ideias, propostas, argumentos. Cada eleitor poderá interagir comigo e com os outros internautas. Ele terá oportunidade de participar do debate de propostas, do qual sairão as melhores propostas para a cidade." Os três pré-candidatos à prefeitura paulistana apresentam a mesma vacina contra possíveis difamações, ofensas e inverdades que possam surgir na web contra cada um deles: mostrar a verdade dos fatos, tantas vezes quantas forem necessárias.

Vamos expor ideias, propostas, argumentos. Cada eleitor poderá interagir comigo. Ele poderá participar do debate do qual sairão as melhores propostas para a cidade. JOSÉ SERRA


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

quinta-feira e sexta-feira, 7 e 8 de junho de 2012

O PSD não é um partido de oposição sistemática, nem de adesão. Autodefinição do Partido Social Democrático no programa gratuito na TV

olítica

Alex de Jesus/AE – 4/6/2012

Na TV, o PSD diz que não é de oposição nem de adesão. O Partido Social Democrático levou ao ar ontem, no horário político gratuito, seu primeiro programa desde que foi criado, com o slogan: Um partido ligado no Brasil.

U

m partido ligado no Brasil. Foi com esse slogan que o Partido Social Democrático (PSD), legenda fundada pelo prefeito Gilberto Kassab, se apresentou aos eleitores ontem à noite, às 20h30, em seu primeiro programa partidário em rede nacional. A propaganda eleitoral obrigatória da sigla durou cinco minutos, conforme decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A equipe de publicitários que gravou e finalizou o programa é a do marqueteiro Luiz Gonzalez, responsável também pela campanha de José Serra (PSDB) à Prefeitura de São Paulo. Durante o programa, o PSD tentou explicar ao eleitor sua posição política dizendo

Somos [o Partido Social Democrático] uma sigla que vota com o Brasil GUILHERME AFIF

que não se tratar de um partido de oposição sistemática, nem de adesão. "Somos uma sigla que vota com o Brasil", definiu o vice-governador Guilherme Afif Domingos, que fundou o PSD junto com Kassab. O programa teve ainda a participação dos governadores e líderes da

sigla na Câmara e no Senado. Gilberto Kassab e Guilherme Afif também discursaram. O partido exibiu ainda o ex-presidente do Bando Central Henrique Meirelles que se filiou ao PSD no ano passado e é responsável pelo programa econômico da sigla. Na propaganda, o PSD divulgou ferramentas em mídias sociais. O slogan, aliás, remete à interação que o partido pretende promover com eleitores na internet. O PSD também ressaltou que é hoje a terceira força política do Congresso Nacional, atrás apenas do PT e do PMDB em número de deputados, e que tem representantes em todos os estados do país. (Folhapress)

André Dusek/AE – 11/4/2012

O presidente do PSD, Gilberto Kassab, participou do primeiro programa do partido na TV e no rádio.

Dívida da Delta com o BNDES é de R$ 160,3 milhões

P

lanilha de financiamentos concedidos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) à Delta Construções mostra que a empreiteira recebeu R$ 139 milhões entre 2010 e 2012, período das investigações que deram origem à Operação Monte Carlo. O valor representa mais da metade do total de empréstimos (R$ 249,7 milhões) obtido pela construtora, suspeita de envolvimento com integrantes da organização de Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. O valor da dívida da Delta com o sistema BNDES-Finame é de R$ 160,3 milhões, com vencimentos até 2020. Só no governo da presidente Dilma Rousseff foram mais de R$ 119 milhões, dos quais R$ 75,1 milhões em 2011. É o maior valor desde 2001, início das operações financeiras da construtora com o banco. Investigada pela CPI do Cachoeira, a empresa teve o sigilo bancário quebrado pelos parlamentares. A análise dos dados mostra que, no período em que a Delta irrigou contas de empresas suspeitas de serem de fachada, o BNDES emprestou R$ 20,5 milhões à empreiteira, por meio de operações indiretas. Relatórios da Polícia Federal registram empresas cu-

139 milhões foi a quantia recebida pela Delta entre 2010 e 2012, período das investigações da Operação Monte Carlo. ja única fonte de renda identificada eram os repasses da Delta. Entre elas estão a Alberto e Pantoja Construções, que recebeu R$ 26,2 milhões, e a Brava Construções, com R$ 13 milhões. Ambas eram gerenciadas por Geovani Pereira, tesoureiro de Cachoeira e operador financeiro do esquema do contraventor. Na segunda-feira, a Delta entrou com medida para evitar a falência, depois que a holding J&F Participações desistiu da compra da empreiteira, alegando "crise de confiança e credibilidade". Durante a negociação da venda da Delta para a holding, o governo barrou um requerimento da oposição para convocar o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, e represen-

tantes das empresas. Os parlamentares queriam obter esclarecimentos sobre a compra, com a justificativa de que o frigorífico JBS, uma das principais empresas da holding, recebeu aportes milionários do banco nos últimos anos. Agnelo rompe contrato – Para tentar se desvincular da Delta antes de depor à CPI do Cachoeira, o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), determinou o rompimento do contrato de limpeza que a empresa mantinha com o governo por força de liminar desde 2010. A decisão foi anunciada após a Justiça do Distrito Federal cassar a liminar nesta semana. A decisão vem mais de um ano depois de o próprio governo constatar fraudes na execução dos contratos pela Delta. Em inspeção realizada em janeiro e fevereiro de 2011, a Secretaria de Transparência do DF constatou superfaturamento nos valores pagos, descumprimento de itens previstos em licitação e prestação de serviços de qualidade inferior à prevista. A Delta detinha dois lotes do serviço de limpeza, o que correspondia a cerca de 70% do mercado no DF. Na varrição, os inspetores constataram que a empresa recebia o dobro do que deveria. (AE)

Valter Campanato/ABr – 6/6/2012

O ministro Marco Aurélio integra a comissão que aplicará a Lei de Acesso à Informação no STF

STF decidirá transparência

A

plena aplicação da Lei de Acesso à Informação no Supremo Tribunal Federal (STF) ainda pode demorar a ocorrer. Os ministros decidiram na quarta-feira, em sessão administrativa,

que uma comissão interna vai estudar o assunto antes que as regras sejam aprovadas pelos demais ministros. A comissão é formada pelos ministros Marco Aurélio Mello, Joaquim Barbosa e Ricardo

SECRETARIA DA SAÚDE DIVISÃO TÉCNICA DE SUPRIMENTOS - SMS.3 ABERTURA DE LICITAÇÕES Encontram-se abertos no Gabinete, os seguintes pregões: PREGÃO PRESENCIAL 183/2012-SMS.G, processo 2011-0.360.616-2, destinado ao registro de preço para fornecimento de Sistema de Gestão integrada de Serviços em Rede Hospitalar, com fornecimento de Leitos completos de Terapia Intensiva “CTI”, Insumos para seu manuseio, com programa de Educação Continuada e Suporte Logístico de Acordo com a Demanda das Unidades da Secretaria Municipal da Saúde, para a Coordenação de Apoio e Desenvolvimento da Gerência Hospitalar - COGERH, de SMS.G, do tipo menor preço. A sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 14 horas do dia 25 de junho de 2012, a cargo da 3ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO PRESENCIAL 186/2012-SMS.G, processo 2012-0.058.808-4, destinado à aquisição de Impressoras, para a Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI, do tipo menor preço. A sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 10:00 horas do dia 22 de junho de 2012, a cargo da 6ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. RETIRADA DE EDITAIS Os editais dos pregões acima poderão ser consultados e/ou obtidos nos endereços: http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br; www.comprasnet.gov.br, quando pregão eletrônico; ou, no gabinete da Secretaria Municipal da Saúde, na Rua General Jardim, 36 - 3º andar - Vila Buarque - São Paulo/SP - CEP 01223-010, mediante o recolhimento de taxa referente aos custos de reprografia do edital, através do DAMSP, Documento de Arrecadação do Município de São Paulo. DOCUMENTAÇÃO - PREGÃO PRESENCIAL Os documentos referentes ao credenciamento, os envelopes contendo as propostas comerciais e os documentos de habilitação das empresas interessadas, deverão ser entregues diretamente ao pregoeiro, no momento da abertura da sessão pública de pregão.

Lewandowski. Os dois últimos também estão finalizando os votos do processo do Mensalão na condição de relator e revisor, respectivamente. Mesmo com a pauta do mensalão em destaque, os ministros do STF entenderam que a comissão da Lei de Acesso deve trabalhar "com urgência". Em reunião administrativa no último dia 22 de maio, o STF decidiu divulgar, nominalmente, salários e vantagens recebidos pelos ministros e servidores da Corte, mas os dados ainda não estão disponíveis. A regulamentação da Lei de Acesso à Informação no Supremo valerá apenas para a própria Corte, já que cada tribunal do país tem autonomia para decidir suas próprias regras. Nesta quarta-feira, o Tribunal Superior do Trabalho (TST) informou que será o primeiro tribunal superior a divulgar salários de ministros e servidores. Britto ensaiou discutir a Lei de Acesso à Informação no Judiciário na sessão de terça-feira do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). No entanto, como a reunião já durava muitas horas, ele preferiu deixar o assunto para a próxima sessão, dentro de duas semanas. (Folhapress)

Mendes Ribeiro diz que o Brasil sairá da Rio+20 "muito mais consciente da economia verde"

Como será o Brasil sustentável

O

ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro Filho, apresentou na quartafeira o documento oficial de sua pasta para a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20. Segundo o ministro, o evento “tem uma tarefa educacional muito grande” e o País sairá da conferência “muito mais forte, mais consciente da economia verde”. Ribeiro disse que o Brasil tem enorme prestígio internacional na área e 40 ministros da Agricultura de todo o mundo já confirmaram presença. Entre eles, 12 marcaram reuniões bilaterais para tratar de interesses mútuos.

O documento, chamado "Contribuição da Agropecuária Brasileira na Construção de uma Sociedade sem Fome e sem Miséria e de uma Economia Sustentável", tem dez premissas: qualidade do alimento, associativismo e cooperativis-

mo, liberalização dos mercados agrícolas, universalização da segurança alimentar, assistência técnica e extensão rural, biotecnologia, agricultura orgânica, sustentabilidade da matriz energética, sistemas agroflorestais e agricultura de baixo carbono. Entre os destaques da atuação do ministério para a sustentabilidade, Ribeiro citou a Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica e o Plano Agricultura de Baixo Carbono, que pretende reduzir a emissão de gases de efeito estufa na próxima década entre 125 milhões e 156 milhões de toneladas de gás carbônico equivalentes. (ABr)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 7 e 8 de junho de 2012

9 PIRÂMIDE Parlamento egípcio costura acordo por assembleia constituinte

nternacional

TERRORISMO Tropas do Iêmen enfrentam membros da AlQaeda e 25 morrem

UM ULTIMATO A ASSAD: DEIXE O PAÍS. EUA e União Europeia repudiaram novo massacre ocorrido sob o regime do ditador. Mas Rússia e China mantiveram seu apoio e limitam ação internacional.

A

secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, condenou ontem o governo da Síria, acusando o presidente Bashar al-Assad de intensificar a repressão que já deixou milhares de mortos. "A violência patrocinada pelo regime, que testemunhamos de novo em Hama, é simplesmente inconcebível", afirmou. "Assad aumentou o nível de sua brutalidade, e a Síria não vai e não pode ser um lugar pacífico, estável ou democrático até Assad deixar o poder e sair do país." Hillary disse que "estamos revoltados", em referência ao mais recente massacre, na quarta-feira, no qual cerca de 80 pessoas, incluídas mulheres e crianças, foram mortas a tiros e facadas. As mortes ocorreram em Mazraat al-Qubair, na província de Hama. Observadores da Organização das Nações Unidas (ONU) ficaram sob fogo ontem quando tentavam chegar ao local. A oposição considera Assad o responsável pelas mortes. Já o governo acusou "terroristas". A informação sobre o ataque aos observadores partiu do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon. Segundo ele, os observadores tentavam chegar às fazendas, na província de Hama, quando o carro em q u e e s t avam sofreu disparos de a r m a s l eO povo v e s . N enhum deles sírio está sangrando. ficou ferido, disse Ban. Eles E l e s aquerem lientou que "existe um paz e dignidade. c r e s c e n t e risco de BAN KI-MOON uma guerra civil em grande escala na Síria". E que não há sinal de trégua entre as forças oficiais e os rebeldes. "O povo sírio está sangrando", lamentou. "Eles estão furiosos. Querem paz e dignidade. Mas, acima de tudo, eles querem ação." O enviado especial da Organização das Nações Unidas (ONU) e da Liga Árabe para a Síria, o ex-secretário-geral da ONU, Kofi Annan, advertiu contra a permissão de que "assassinatos em massa virem parte da realidade diária na Síria". Annan negociou um plano de cessar-fogo entre governo e opositores que deveria ter vigorado a partir de 12 de abril, mas a trégua foi repetidamente desrespeitada. Ontem, as tropas sírias bombardearam Talbisé, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), que registrou 41 mortos. Desses, 23 são civis, 15 militares e três combatentes rebeldes. A Síria negou que esse massacre tenha ocorrido. Europa – A União Europeia (UE) também condenou a crescente violência. A chefe de política externa da UE, Catherine Ashton, repudiou os "horríveis e inesquecíveis" massacres de civis. "É inaceitável que qualquer parte no conflito sírio, seja força do governo ou da oposição, continue a cometer esses atos hediondos de violência contra civis inocentes", disse Ashton. Mas os governos da Rússia e China mantiveram o apoio a Assad. O ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, garantiu que "não haverá mandato no Conselho de Segurança para uma intervenção". O governo chinês declarou que é totalmente contrário a "qualquer tentativa de promover uma mudança forçada de regime". (Agências )

Ali Jarekji/Reuters

Um tabefe nazista no berço da democracia

A

campanha eleitoral na Grécia ficou feia ontem em transmissão ao vivo pela TV. O porta-voz do partido de extrema-direita, e de cunho nazista, Alvorada Dourada, Ilias Kasidiaris, após trocar acusações de "comunista" e "fascista", avançou contra duas políticas de esquerda em um talk-show, arremessando água em uma delas e batendo três vezes no rosto da outra. A violência, uma semana e meia antes de eleições cruciais no país, chocou os gregos, uma vez que buscam evitar uma catastrófica saída da zona do euro. Promotores emitiram imediatamente um mandado de prisão contra Kasidiaris, cujo partido alarmou a Europa ao vencer 21 dos 300 assentos do Parlamento nas inconclusivas eleições realizadas no dia 6 de maio. O Alvorada Dourada, que veementemente repudia o rótulo de neonazista, foi acusado de ataques violentos contra imigrantes na capital Atenas. A legenda nega o envolvimento nos atentados, insistindo que é um grupo patriótico nacionalista fazendo campanha com uma plataforma de livrar o país de imigrantes ilegais. (AE)

Reprodução/Reuters

Baixaria ao vivo na TV grega

Vampiro: manifestantes protestam contra a permanência do ditador Assad no poder em frente à embaixada síria em Amã, na Jordânia.

Bicicleta-bomba mata nove Além dos mortos, 35 pessoas ficaram feridas. O local é um conhecido berço de movimentos separatistas. Waheed Khan/EFE

A

explosão de uma bicicleta-bomba em uma escola muçulmana da cidade de Quetta, no Paquistão, ontem, causou a morte de nove pessoas, entre elas quatro crianças, informou uma fonte policial. Além dos mortos, o atentado, que ocorreu na região de Saryab, deixou 35 pessoas feridas. A escola realizava uma cerimônia de graduação no momento da explosão. Como um alto cargo da polícia local deveria participar desta cerimônia, as autoridades haviam adotado exaustivas medidas de segurança para evitar a entrada de explosivos. A maioria das vítimas é de alunos e familiares que se encontravam do lado de fora do edifício principal. Quetta é a capital da província de Baluquistão, uma das regiões mais conflituosas do Paquistão, e berço de movimentos separatistas armados e de facções jihadistas, além de ser palco de frequentes episódios violentos de caráter sectário. Os ataques contra as forças da ordem e os assassinatos de funcionários e trabalhadores de distintas etnias,

Ferido é amparado após atentado em escola muçulmana na cidade de Quetta. EUA criticam país. especialmente da punjabi, que é majoritária no Paquistão, são relativamente frequentes e atribuídos aos grupos separatistas baluchis. Dureza – O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Leon Panetta, fez ontem duras críticas contra o Paquistão devido

ao suposto apoio que o país dá aos grupos insurgentes estabelecidos em seu território. "Temos muito claro que será complicado ter um Afeganistão seguro enquanto os terroristas estiverem a salvo no Paquistão, de onde podem promover ataques contra nossas

forças", afirmou Panetta em Cabul, na sede do Ministério da Defesa afegão. Ele disse aos talibãs que "seu momento terminou", e lembrou o acordo pelo qual a Otan continuará no país após a retirada das tropas em 2014. (EFE)

Polícia descobre dossiê do banco do Vaticano

P

oliciais italianos que fizeram buscas na casa e no escritório de Ettore Gotti Tedeschi, ex-chefe do banco do Vaticano, descobriram um dossiê confidencial relativo aos três anos em que ele passou no cargo. O dossiê parece ter sido preparado por Tedeschi para se defender das acusações sobre irregularidades na sua gestão à frente do banco Instituto para as Obras da Religião (IOR), do qual foi demitido em maio, acusado de negligência. A demissão, que se seguiu à prisão do mordomo do papa Bento 16, pela acusação de furtar documentos pontifícios, marcou o auge de um escândalo de vazamentos que abala o Vaticano desde janeiro. Tedeschi e o diretor-geral do IOR, Paolo Cipriani, foram postos sob suspeita em 2010, quando o banco não conseguiu explicar a origem de 23 milhões de euros transferidos entre contas mantidas pela instituição em dois outros bancos. O valor chegou a ser congelado por promotores, mas acabou sendo liberado. Católico conservador, Tedeschi, de 67 anos, participa do conselho do banco estatal italiano Cassa Depositi e Prestiti, e é presidente de operações bancárias de varejo na Itália do Banco Santander. (Reuters)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 7 e 8 de junho de 2012

c

10

idades

Fotos de Paulo Pampolin/Hype

No Pátio do Colégio, carro passa em velocidade pela faixa de pedestre sem semáforo.

Ainda que os números da CET mostrem uma animadora redução no número de atropelamentos e mortes de pedestres, o fato é que uma simples caminhada pelo Centro de São Paulo revela uma série de conflitos entre pedestres e motoristas. Atravessar uma via sem a ajuda de um semáforo ou de um agente da CET é uma temeridade e o risco de um acidente está sempre presente. Até o fim do ano, a Prefeitura promete progressos nas ruas, mas ainda falta alguma urbanidade.

Há pedestres que esperam quase um minuto na calçada, à espera da boa vontade de um motorista ou de um motoqueiro.

Atravessar rua ainda é ato de coragem Mariana Missiaggia

U

m ano de campanha de proteção deveria ser o suficiente para que pedestres e motoristas de São Paulo já se entendessem bem diante das faixas de segurança. Nesse período, de acordo com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), o número de atropelamentos caiu 8,2% na Capital, onde três pessoas morrem atropeladas a cada dois dias. O DC percorreu cinco pontos de travessia sem semáforo no Centro e percebeu que, mesmo com o programa, as faixas de pedestres sem a proteção do semáforo ainda causam sensação de insegurança para quem atravessa ou tenta atravessar. No início de maio, a CET divulgou uma redução de 37,5% no número de mortes por atropelamento na região Centro/Paulista, primeira zona onde o programa foi implantado. Já os atropelamentos tiveram redução de 22,8% no Centro e de 8,2% em toda a cidade. A Prefeitura comemora o resultado, mas tem como meta elevar esses números para 50% até o fim do ano. A pesquisa também revelou que o respeito do motorista em relação ao pedestre aumentou 16%. Mesmo assim, no Centro, onde circulam dois milhões de pessoas por dia, cruzar vias públicas continua sendo uma aventura. Seguindo a orientação da CET, o esquema é pisar na faixa e, lentamente, tentar atravessar a rua estendendo a mão em sinal de "pare" para os carros. O comportamento dos motoristas diante dessa cena é o mais variado possível. A maioria, simplesmente, não para. E ainda buzinam e gesticulam, repreendendo quem tenta atravessar. Apesar do mau comportamento, tais motoristas ainda se comportam melhor do que aqueles que aceleram quando se deparam com um pedestre na faixa. Já os que param, não o fazem com um semblante muito amigável. Acostumado com o desrespeito ao pedestre, Jorge Luiz Grappegia, 77 anos, diretor do

O gesto da mão ajuda e, muitas vezes, é eficaz. Mesmo assim, é preciso ter paciência e muita cautela.

4.647 peulistanos foram vítimas de atropelamentos durante 2010.

so".

as passo por is

o. Todos os di

“É complicad Elaine Ribeiro:

4.263 paulistanos foram vítimas de atropelamentos durante 2011.

13,6

milhões de reais é o gasto anual da CET na manutenção das faixas de pedestres. Motoqueiros estão entre os maiores perigos para os pedestres departamento de auditoria do Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE), já se conformou com a ideia de priorizar a fluidez dos veículos no trânsito. Diariamente, por volta das 12h30, Grappeggia sai para almoçar e atravessa a rua Boa Vista, na altura do número 50, onde há uma faixa de pedestre, mas não há semáforo. Após esperar quase dois

minutos na calçada para tentar atravessar a via, ele desistiu e seguiu até uma faixa com semáforo, em frente à rua 3 de Dezembro. “Isso já se tornou um hábito. Fico um tempo esperando, mas se não acumula mais gente para atravessar e nenhum veículo para voluntariamente, opto por não interromper o trânsito”, disse Grappeggia. Com um olho no relógio e o

outro no trânsito, Angélica Batista Ferreira, 31 anos, funcionária pública, calcula dez minutos a mais em seus trajetos a pé por conta das travessias. “Só é bom quando tem agente da CET por perto. Caso contrário, você tem que se impor e, mesmo assim, os veículos não param. O jeito é correr entre o intervalo de um carro e outro”, disse Angélica, enquanto atravessava a Boa Vista, em frente ao Pátio do

Jorge Luiz Grappegia, 77 anos: não quer atrapalhar o trânsito. Colégio e ao muita gente é Tribunal de surpreendida por Justiça do Estado motos em alta Tem dias que de São Paulo. velocidade, eu fico Na rua Quintino tendo de retornar Bocaiúva com a contando o correndo para a rua Benjamin calçada. tempo e a Constant, as Elaine Ribeiro, média de irmãs Mariana de 25 anos, espera é de Nogueira secretária, e 50 segundos. Gonçalves, 23 outras três anos, analista de pessoas LUCIANA, PEDESTRE sistemas, e tentaram Luciana Nogueira atravessar Gonçalves, 27 anos, analista quatro vezes essa via e foram de sistemas, tiram uma impedidas por motos e média do tempo de espera carros. Cansada, Elaine para uma travessia. “Fico recorreu ao gesto da esperando a boa vontade de mãozinha e foi respeitada. “É alguém. Tem dias que eu fico complicado. Todos os dias contando o tempo e a média passo por isso. E mesmo da espera é de 50 segundos. demorando, tenho que E ainda tem gente que me diz admitir que a situação que é pouco tempo. Eu melhorou uns 40%”, disse. discordo”, disse Mariana. Para a CET, as eventuais No cruzamento da rua dificuldades que os pedestres Quintino Bocaiúva com a rua ainda enfrentam deverão ser Riachuelo, carros e motos sanadas gradativamente e impedem a passagem de devem diminuir de maneira pedestres, insistentemente, expressiva até o fim do ano. e só param quando têm a De acordo com a Companhia, passagem impedida pelos que investe 13,6 milhões de ônibus, que dentre os reais por ano na manutenção veículos que circulam nas de faixas de pedestres, “este ruas são os que dão maior último balanço confirma a prioridade aos pedestres na tendência de diminuição de faixa de segurança. acidentes e de óbitos de De acordo com a CET, esses pedestres, após o motoristas participaram de lançamento da campanha”. palestras sobre a importância São Paulo registrou 4.647 do respeito à faixa de atropelamentos em 2010 e segurança. Ainda assim, 4.263 em 2011.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 7 e 8 de junho de 2012

c

11 Para termos água, mobilizamos nossos filhos". Yunfa Adaga, morador do Níger.

idades

Uma infância perdida em busca de água Cada vez menos crianças frequentam as escolas do Níger, na África. Em vez de estudar, são obrigadas a passar os dias em busca de água num país cada vez mais seco. Adam Nossiter/The New York Times

Adam Nossiter *

H

á crianças que deixam de ir à escola por causa de guerras ou doenças. No Níger, país africano ensolarado onde secas ocorrem com frequência alarmante, um dos principais obstáculos à educação é a sede e a luta por água. As aulas já tinham começado em uma escola, quando um grupo de crianças, todas em idade escolar, atravessou um campo arenoso e se aproximou de outros jovens, posicionados com seus animais em torno de buracos profundos no solo. Como a baixa pluviosidade secou o interior do país, a busca por água se tornou cada vez mais difícil. A tarefa de conseguir água geralmente cabe às crianças do Níger, algumas de no máximo 10 ou 11 anos. Elas montam em mulas e percorrem até 8 km nos arredores da cidade, com baldes gigantes de plástico, alguns do tamanho das próprias crianças, amarrados às laterais dos animais. Quanto mais elas trabalham, mais vazias ficam as salas de aula do Níger. "São meus pais que me mandam fazer isso", disse Sani Abdu, de 11 anos, um menino de camiseta azul que franzia um dos olhos por conta do sol quente da manhã. O outro estava inchado. Ele deixaria os poços lamacentos de Baban Tapki, no entorno de Zinder, apenas às 10h, seguindo para sua escola, na região rural, com duas horas de atraso. Ele disse invejar as crianças que não têm o "dever de buscar água", ou o "corvée de l'eau", como é chamada a prática da caminhada e retirada de água de poços profundos em baldes ou potes com o uso de cordas. É um trabalho penoso e traiçoeiro, já que muitas

No Níger, país africano castigado pelas secas, crianças deixam de frequentar a escola para procurar água. crianças perdem o equilíbrio e caem nos poços. "Os outros alunos estão mais avançados do que eu, mas preciso pegar a água", disse Sani sobre os seus colegas de classe que escapam da tarefa e chegam à escola na hora certa. O Níger é um dos países com mais baixa classificação no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da Organização das Nações Unidas (ONU), e está sujeito a secas e crises de fome. Na última década, houve três graves faltas de alimentos relacionadas à seca e ataques de insetos. Neste ano, talvez um terço da população esteja enfrentando problemas de fome. O déficit na pluviosidade no ano passado – a curta estação chuvosa terminou mais cedo e as chuvas caíram rara e irregularmente – deixou a terra sem os tanques de superfície dos quais dependem muitas das 17

milhões de pessoas do Níger, a maioria agricultores de subsistência. Quase um terço da população está enfrentando déficit alimentar no momento. Porém, de modo mais imediato, as pessoas precisam ter acesso à água, e como é cada vez mais difícil achar bons poços, a tarefa de encontrá-los recai sobre a próxima geração. Nos distritos rurais no entorno de Zinder, a segunda maior cidade do Níger, um terço dos estudantes abandonou as es-

colas, que não passam de simples cabanas de juncos secos. "É a busca por água que os mantêm fora da escola", disse Salissou Sahirou, uma autoridade da área da educação de Baban Tapki. "Todas as escolas estão paralisadas", disse Sylvain Musafiri, alto funcionário da ONU que atua em Zinder. Nas salas improvisadas que se sobressaem entre os parcos e desérticos arbustos de Garin Gona, quase todas as crianças levantam as mãos quando o professor pergunta quantas chegam atrasadas por causa do dever de buscar água. Oumaraou Lawali, de 11 anos, disse que havia acordado às 4h30 para andar cinco km em busca de água. Mais tarde, depois da aula, ele repetiria a viagem. "À noite, fico cansado". Segundo o professor Maman Boukari, crianças frequentemente adormecem na aula.

A procura por água é uma constante em anos bons e ruins, já que 80% da população não têm água corrente. Mas neste ano, a situação "está pior, e não vai melhorar", disse a professora, Barki Hima. "É o sol. Este ano está realmente difícil. As crianças estão chegando com duas horas de atraso." Em Zinder, uma metrópole poeirenta de cerca de 350 mil pessoas que fica perto da fronteira com a Nigéria, houve manifestações na última primavera por conta da falta de água. Enfurecidos, os moradores queimaram pneus e ergueram barricadas de pedras nas ruas de areia desta cidade histórica, que foi capital de um poderoso sultanato hauçá e, mais tarde, tornou-se a colônia francesa que se transformou no Níger. Nas esquinas das ruas onde há fontes públicas, a água é engarrafada e vendida, fazendo com que as fontes fiquem tão secas quanto todos os outros lugares. Numa tarde recente, homens e meninos coletavam água de um lago imundo nos arredores da cidade. Todos se preocupam com a falta de água, mas são as crianças, principalmente as meninas, que ficam encarregadas de procurar por ela. Os mais pobres entre os pobres mandam os filhos procurarem água. Poucos questionam esse sistema em um país que possui uma das mais altas taxas de na-

talidade do mundo e uma das mais rápidas taxas de crescimento populacional, onde as mulheres têm cerca de sete filhos, em média. Dois terços do Níger ficam no deserto do Saara. "Eu já tive que mandar meus filhos procurarem água", disse Ado Louche, uma autoridade escolar em Zinder. À medida que mais e mais crianças saem em busca de água, suas perspectivas para o futuro ficam cada vez piores. Após frequentar a escola por um ano em uma aldeia perto de Zinder, Zuero Mutari, 13 anos, teve de abandonar os estudos, há nove anos, durante uma seca, para buscar água. A escola "me interessa porque vejo que outros frequentam as aulas", disse Zuero, que dirige um carrinho com enormes baldes. Nos poços de Baban Tapki, três irmãs disseram que nenhuma havia ido à escola um dia sequer. "Estamos matriculadas, mas não vamos", disse Maria Bugagi, de 12 anos, acompanhada pelas irmãs Balik e Rahila. "Temos de buscar água." As longas buscas trazem o receio de agressão sexual. "Para termos água, mobilizamos nossos filhos", disse Yunfa Adaga. "Nossas crianças chegam atrasadas à escola. Por isso, não estão aprendendo." Adaga costumava gerenciar um poço público em Zinder, mas ele secou. * The New York Times News Service/Syndicate

Fotos: Newton Santos/Hype

DO ROSSIO A SÃO PAULO...

E

m principio, parece estranho dizer que caminhar pelo centro antigo da Cidade nesses dias de chuva equivale a chapinhar os sapatos em um terreno alagadiço. Façam uma experiência, por exemplo, na Rua XV de Novembro ou na Três de Dezembro. Ou observem as manchas de umidade pelas canelas das calças compridas. Falta apenas o gramado agreste sob o qual se esconde a água, substituído ali pelo mosaico português, mas o efeito é mesmo, representado pelas poças acumuladas à flor do piso. Não se trata, como pode parecer à primeira vista, da aplicação de material inadequado para a função, pois neste caso o problema também estaria infernizando a população da cidade de Lisboa, que é praticamente coberta na totalidade pelas mesmas pedras. A propósito, o tradicional Rossio, a mais emblemática praça da capital portuguesa, seu centro nervoso há mais de seis séculos, assim

se apresenta na sua área de 8.712 m². O uso do mosaico permitiu decorá-lo com desenho de ondas pretas e brancas, que nos é familiar, por ter sido reproduzido nas calçadas de Copacabana e virado cartão-postal. Resta ainda dizer que o nome oficial do Rossio é Dom Pedro IV, 28º rei português, que vem a ser nosso Dom Pedro I. ...COM OU SEM POÇA NO... Adriano Marques, 36 anos, diretor da Conclave Pisos, empresa especializada em revestimentos de calçadas, instalada na Zona Leste de São Paulo, sabe perfeitamente que a diferença entre Lisboa e a capital paulista está na forma de fazer o assentamento das pedras. Lá, elas são superpostas diretamente sob uma base de areia, na qual se admite, no máximo, uma mistura com cal para produzir alguma 'liga' a fim de facilitar a fixação, se necessário, falando, bem entendido, de uma superfície plana, como é a do nosso centro. Cada mosaico deve ficar a uma distância aproximada de meio centímetro entre um e outro no sentido de formar uma rede de apoio entre eles e, simultaneamente, favorecer a drenagem das águas da chuva. Trata-se de ofício tão minucioso que os calceteiros portugueses – assim são chamados os aplicadores – ganharam fama pela sua habilidade em manejar os martelinhos com os quais vão aparando arestas para ajustar o conjunto. Não por acaso, são formados na prestigiosa Escola de Calceteiros da Câmara Municipal de Lisboa.

...BELO PISO PORTUGUÊS A comparação de procedimentos entre as duas cidades demonstra que nós temos muito que aprender com os portugueses . Aqui, na tentativa de buscar a 'liga' referida acima, costuma-se introduzir cimento à areia numa proporção que enrijece a mistura ao contato com a água, dificultando a drenagem. Para agravar, os espaços entre as pedras são bem mais largos do que a medida recomendada, dimensionando a resistência. Façam, por favor, o teste com a ponta do

guarda-chuva na próxima chuva. Por outro lado, a boa ciência no assentamento encerra um segredo que pode ser resumido na expressão "puxar o nível do piso". A cada metro quadrado de colocação é preciso fazer o rebaixamento de um centímetro do revestimento a partir da área central, de modo a propiciar a caída da água, providência que prevenirá a formação das poças. "As poças do centro antigo indicam que o piso está muito alto", afirma Adriano Marques, sugerindo que o rebaixamento deve ter sido negligenciado.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

12

quinta-feira e sexta-feira, 7 e 8 de junho de 2012

Reproduções

Super-lábios Inspirado nos super-heróis do filme Os Vingadoreso maquiador Celine Nonon criou maquiagens com as marcas mundialmente famosas. O trabalho foi fotografado pelo londrino Jonathan Knowles.

O logotipo do Twitter: antes e agora: cor mais forte e mudança sutil.

www.jknowles.com

M ODA T ÊNIS

H UMOR

Prada, com medo da crise. O

Gonzalo Fuentes/Reuters

grupo italiano de moda Prada alertou que um aprofundamento da crise da zona do euro pode afastar os turistas que gastam muito dinheiro e que protegeram as empresas de luxo da instável economia global. Eles também ajudaram a elevar o faturamento trimestral da fabricante dos cobiçados sapatos e bolsas de couro, informou a grife. Os lucros do primeiro trimestre dobraram na criadora dos coloridos vestidos da Miu Miu, baseada em Milão, supe-

rando o crescimento da receita, mas a companhia não está imune das preocupações com a zona do euro, com a lenta recuperação dos EUA e com uma possível desaceleração da Ásia. "Se a crise grega espalharse para a Espanha ou Itália, isso iria diminuir o fluxo de turistas. E se afetar os turistas, nos impactaria também", afirmou o vice presidente da Prada, Carlo Mazzi. A Ásia, que representa aproximadamente 38% das vendas da marca, cresceu 47%,

enquanto a receita nos EUA subiu em mais de um terço. O varejo é um grande motivador de crescimento para a Prada, que confirmou uma expansão planejada de sua cadeia, acrescentando 260 lojas nos próximos três anos, a maioria em cidades novas. O mercado de luxo da China prepara-se para crescer entre 18% e 20% apenas neste ano, superando as previsões de um dígito para Europa, Américas e Japão, de acordo com a consultoria norte-americana Bain. (Reuters)

Reprodução

Yvonne, vaca vidente A vaca Yvonne, que escapou de seu pasto na Baviera (sul da Alemanha) há um ano, é a nova candidata a vidente de jogos de futebol, substituindo o polvo Paul, da copa de 2010. Ela vai tentar adivinhar os resultados da seleção alemã durante a Eurocopa 2012.

SHARAPOVA Primeira do mundo

Aula de anatomia Meias criadas pelo russo Anton Repponen imitam a textura e a aparência de pés e pernas, como vistos numa aula de anatomia.

Filipe Araújo/AE

http://bit.ly/LvO67S

A russa Maria Sharapova comemorou ontem a recuperação da primeira posição no ranking mundial feminino de tênis. Ela enfrentará a italiana Sara Errani na final do torneio de Roland Garros.

R ECORDE

As irmãs mais velhas do mundo

D ESIGN

As inglesas Dorothy Richards e Marjorie Ruddle, de 108 e 105 anos de idade, respectivamente, entraram ontem para o livro Guinness dos Recordes como as irmãs mais velhas do mundo. A soma das idades de Dorothy e Marjorie dá 213 anos, 7 meses e 10 dias, o que representa "o número mais elevado de duas irmãs vivas", segundo a organização do Guinness. As irmãs se reencontraram recentemente.

Acenda Good Boy e Good Puppy é o nome dessas luminárias. Sim, o botão de desligar é o cocô. http://bit.ly/KwbVAQ

A RTE

Reproduções

L

FÉ - Imagem da procissão de Corpus Christi organizada da Arquidiocese de São Paulo. A procissão, presidida por Dom Odilo Scherer, saiu da igreja de Santa Ifigênia e atravessou o viaduto rumo à Catedral da Sé.

I NTERNET

LinkedIn e eHarmony violados

O brasileiro Rodrigo Torres transforma notas em matéria-prima para sua arte que combina recortes e colagens. Entre 14 e 17 deste mês, suas obras integram a Art Basel, a feira internacional de arte contemporânea de Basel, na Suíça.

As colagens misturam moedas de vários países

www.ar tbasel.com

O rock além da vida

A TÉ LOGO

Acesse www.dcomercio.com.br para ler a íntegra das notícias abaixo:

L

Nanopartículas inibem 100% de metástases linfáticas em ratos

L

Depois do LinkedIn, o site de relacionamento eHarmony também confirmou ter sofrido violação de dados que comprometeu as senhas de parte de seus usuários. De acordo com nota no site, uma "pequena fração" foi afetada. Ao todo, 8 milhões de senhas teriam sido atingidas, sendo que 1,5 milhão pertencem a usuários do eHarmony e 6 milhões eram da rede social para profissionais LinkedIn. O LinkedIn confirmou na quarta-feira que senhas de alguns usuários vazaram na web. A descoberta foi feita por profissionais de segurança. Analistas dizem que é provável que os hackers que roubaram as senhas também tenham os endereços de e-mails correspondentes.

Valores revelados

Antidepressivo pode reduzir avanço de tumores, diz pesquisa

O ilustrador Hetch deu vida a seu humor mórbido e a sua paixão pelo rock em uma série de ilustrações para a grife Famous Dead Clothing. As imagens mostram famosos cantores em seu, digamos, "pósvida". As roupas e a caracterização dos personagens são fiéis e não deixam dúvidas. Entre os personagens retratados, Jimi Hendrix (acima), Amy Winehouse e Kurt Cobain. www.famousdeadclothing.co.uk


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 7 e 8 de junho de 2012

e

13 SEM MILHO E SOJA Na Argentina, greve de produtores afeta transporte de grãos e eleva preços.

conomia

Fotos: Roberto França/ JC/AE - 22.06.08

Chegou a hora do 'milagre' de São João

O mês de junho pode se tornar uma boa oportunidade de negócio para as indústrias e comércios de alimentos, vestuário e adereços. No Nordeste, os arraiais também atraem turistas.

Caruaru de braços abertos: lá os festejos juninos movimentam cerca de R$ 200 milhões, o equivalente a 8% do Produto Interno Bruto (PIB) de Pernambuco.

Renato Carbonari Ibelli

A

s festas de São João, que se estendem ao longo de todo o mês de junho, chegam a ser os eventos de maior impacto na economia de municípios do Nordeste. Em Caruaru, no estado de Pernambuco, os festejos juninos movimentam cerca de R$ 200 milhões no período, o equivalente a 8% do Produto Interno Bruto (PIB) da cidade, que é de aproximadamente R$ 2,4 bilhões. Já no estado de São Paulo, embora os arraiais sejam tradicionais pelo interior, eles não aparecem entre os principais geradores de receita da região. O São João em Caruaru é um dos mais tradicionais do País. Ele atrai 1,2 milhão de pessoas que exigem esforço extra do comércio para atender a de-

Paula Cunha

Amendoim: vendas crescem entre 20% e 30% nesta época do ano.

manda. Segundo a prefeitura da cidade, no ano passado foram gerados 10 mil empregos temporários para dar conta do aquecimento nos setores de comércio e serviço. Para este ano, as festas em Caruaru receberam R$ 8 milhões em investimentos originados entre público e privado. Uma sondagem feita durante a festa junina de Caruaru, no ano passado, revelou que o Gasto Médio Individual Diário (GMID) dos turistas que estiveram na cidade para o evento foi de R$ 216. Esse gasto incluiu despesas com hotéis, refeições e transporte. Como comparação, durante a Semana Santa, outra data de forte apelo turístico para as cidades do estado de Pernambuco, o GMID foi de R$ 142. Em Pernambuco, as festas de São João só perdem para o carnaval em geração de recei-

ta e quantidade de turistas. Outra festa junina tradicional é realizada em Campina Grande, no estado da Paraíba. Ela atrai dois milhões de pessoas e gera cerca de R$ 150 milhões em receitas para a cidade de acordo com a prefeitura de Campina Grande. Nesse montante está incluída a receita oriunda das vendas realizadas nos arraiais, nos restaurantes e comércio em geral que vendem mais com o aumento dos turistas. O período também é um importante gerador de receita para os artesãos locais. Em Campina Grande, a expectativa é de que o comércio artesanal tenha um incremento nas vendas de mais de 40% se comparado com os demais períodos do ano. No artesanato local os destaques são as roupas de algodão e as bonecas de pano.

Produtos de época estimulam compras em supermercados

Impostos se escondem até nas fantasias juninas: 36,41% de imposto.

Paçoca tem 36,54% de imposto embutido no preço final

LUXO EM CRISE Prada teme que crise da zona do euro afaste os turistas de luxo

D

e acordo com a Associação Paulista de Supermercados (Apas), a expectativa é de crescimento de 10% nas vendas gerais entre junho e julho, ante igual período do ano passado, só por causa das festas juninas. Já a comercialização de itens específicos, como milho de pipoca, canjica, amendoim, quentão, vinho e pinhão, deve superar de 20% a 30% o resultado dos mesmos meses em 2011. A procura por esses produtos sazonais também contribui para o aumento da circulação de pessoas nas lojas, o que acaba por estimular as compras. No Grupo Pão de Açúcar, por exemplo, as lojas das bandeiras Pão de Açúcar e Extra esperam elevação de 70% nas vendas em geral, motivadas pelos arraiais. No caso da paçoca e do pé de moleque, as vendas poderão crescer 12% sobre os resultados obtidos em 2011. As variedades de milho de pipoca devem crescer 5%. Já as vendas de cervejas e

queijos devem crescer 70% e 15%, respectivamente. No caso dos doces, as indústrias especializadas esperam aumento de consumo da ordem de 20% a 25% em todo o País e elevam sua produção para atender esta demanda. Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Chocolate, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados (Abicab), a produção atingiu 45,4 mil toneladas em 2011, volume 2% maior que o do ano anterior. A Yoki Alimentos, por exemplo, lançou recentemente os sabores groselha e cobertura de chocolate para a pipoca de microondas, dentre um universo de 15 sabores diferentes. Outra novidade é o pó para sorvete de milho verde em embalagens de 150 gramas. A Santa Helena Alimentos, indústria com duas unidades produtivas no interior paulista, também se preparou para atender a demanda para as festas juninas, que representa 28% de suas vendas. A expectativa é de aumento de 20% na comercialização dos itens fabricados à base de amendoim

frente ao mesmo período do ano passado. Além dos doces tradicionais, ela oferece uma linha de snacks salgados, que também são consumidos nesta época do ano. Segundo a Nielsen, empresa de pesquisas, as vendas de pipocas para microondas registraram aumento de 9,4% em valor real de dezembro de 2010 a novembro de 2011. Em quilos, a comercialização apresentou alta de 3,4% no mesmo período. Tributos – A carga tributária dos itens mais consumidos durante as festividades de junho pode chegar a 61,56%, de acordo com um estudo do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT). Os produtos mais fortemente tributados são os fogos de artifícios e o quentão, seguidos do vinho, com 54,73% (veja tabela acima). Ou seja, quem faz a festa mesmo é o governo. O preço do cachorro quente é o que tem a menor incidência de tributos, com 15,28%. Os impostos se escondem até nas fantasias usadas nas festas juninas. Do preço final da roupa,

36,41% são destinados aos cofres públicos. Vestuário e festas – Na Rica Festa, vestidos e camisas caipiras podem ser adquiridos a preços que variam de R$ 135 a R$ 296 em dois endereços na capital. As lojas da região da rua 25 de março também esperam desempenho positivo. A previsão da Univinco, entidade que congrega os lojistas da região, é de que haverá aumento de 12% nas vendas em junho contra igual mês de 2011. A procura por itens juninos deverá crescer mais expressivamente a partir do dia 15. Por enquanto, a atenção está nos produtos voltados para as comemorações da Parada Gay, que acontece neste domingo.

Fotos: d

ivulgaçã

Indústria lança novo sabor de pipoca de microondas

o


14 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 7 e 8 de junho de 2012


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 7 e 8 de junho de 2012

e

15

Essa ação inesperada vai ajudar o Brasil na venda de seus produtos para aquele país, no ingresso de dólares via IED. Tony Volpon, da corretora Nomura Securities

conomia

União Europeia critica barreiras

A

China precisa atenuar as exigências feitas às empresas europeias que pretendem investir no país. Só assim Bruxelas e Pequim poderão iniciar a negociação de um acordo que resultaria em bilhões de euros de novos investimentos. A opinião é do ministro europeu de Comércio, Karel de Gucht. Uma onda de investimentos chineses pode levar US$ 250 a 500 bilhões em capital novo para a Europa nesta década. Mas De Gucht disse que o ônus sobre investidores europeus – incluindo as regras que exigem o compartilhamento de tecnologias com firmas chinesas – dificulta o aprofundamento dos vínculos entre investidores. Durante um seminário para autoridades e empresários da União Europeia (UE), De Gucht disse que a China é citada pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) por ter "o mais restritivo regime para investimentos estrangeiros em "todo o G20". Os obstáculos variam de sociedades obrigatórias, que valem para os carros, até a proibição total de propriedade estrangeira em grande parte do mercado postal e de serviços, disse De Gucht. "Em alguns casos, o direito de investir é condicionado à transferência forçada de tecnologia", afirmou o ministro. O comércio entre UE e China deve atingir neste ano US$ 625 bilhões. As exportações contribuem para manter a economia europeia fora da recessão. (Reuters)

Notas com diferentes valores de yuan são expostas em janelas com arranha-céus ao fundo, em Xangai. Ontem, o Banco do Povo da China cortou a taxa de juros em 0,25 ponto.

Corte de juros na China pode reanimar economia brasileira A medida inesperada vai permitir o avanço das exportações brasileiras e reforçar investimentos estrangeiros

A

decisão da China de cortar os juros em 0,25 ponto percentual, para 6,31% ao ano, é positiva para a economia brasileira, estagnada desde o início do segundo semestre de 2011. De acordo com economistas, o estímulo monetário na China permitirá um avanço nas exportações brasileiras, com a melhora dos termos de troca, além de reforçar investimentos estrangeiros diretos

(IED) e reanimar as expectativas de empresários. "Essa ação inesperada vai ajudar o Brasil na venda de seus produtos para aquele país, no ingresso de dólares via IED", disse Tony Volpon, diretor de pesquisa da corretora Nomura Securities para mercados emergentes na América Latina. Os economistas da corretora japonesa Nomura estimam que o Produto Interno Bruto (PIB) da China crescerá 8,4%

neste ano, acima do piso de 7,5% para o crescimento econômico estabelecido pelo governo chinês. Para os especialistas, a decisão do Banco Central Chinês atenua o pessimismo que tomou conta dos mercados globais nas últimas semanas devido à paralisia política na zona do euro, que está em recessão. Segundo Volpon, a "China salvou o mundo" em 2008 e 2009 quando adotou um robusto programa de investi-

mentos próximo a US$ 500 bilhões com o objetivo de sustentar seu patamar de crescimento em um momento no qual a economia global ingressava na pior recessão desde a Grande Depressão de 1929. "Muito da expansão de 7,5% do PIB registrada pelo Brasil em 2010 foi motivada pela reação vigorosa da China com aquele pacote fiscal", disse Volpon. Para ele, a vinculação da economia brasileira em relação à chinesa é tão forte que

uma parcela da avaliação negativa de investidores em relação ao País surgida recentemente vinha da avaliação generalizada de que as autoridades em Pequim não agiriam com rapidez para sustentar seu padrão de expansão como fez há três anos. Para Alberto Ramos, da Goldman Sachs, a ação da China "reduz as chances de revisar para baixo a previsão de crescimento de 2,9% para o Brasil neste ano". (AE)

Espanha é rebaixada pela Fitch A agência de classificação de risco estima que o país vai precisar de 100 bilhões de euros para se recuperar Andrea Comas/Reuters

A

agência de classificação de risco Fitch Ratings rebaixou o rating da dívida de longo prazo em moeda estrangeira e em moeda local da Espanha de A para BBB. A medida preocupa políticos e investidores ao redor da Europa. O receio é de que o País não encontre o dinheiro necessário para cobrir os empréstimos imobiliários. A expectativa é que o governo espanhol busque um pacote internacional de socorro para o seu sistema financeiro. A Fitch estima que a Espanha poderá precisar de 100 bilhões de euros,

ou US$ 136 bilhões, para reforçar seu sistema bancário. A estimativa anterior era de que essa soma seria de 30 bilhões de euros. O ministro de Finanças, Cristóbal Montoro, já havia alertado que a Espanha estava ficando rapidamente sem recursos para financiar sua dívida e que "a porta dos mercados não está aberta para o país". Já o ministro da Economia, Luis de Guindos, não quis de pronunciar. O secretário do Tesouro do Reino Unido, George Osborne, disse ontem que o sistema bancário

Ministro da Economia, Luis de Guindos, prefere o silêncio. precisa de injeção de capital sem piorar a situação da sua dívida soberana. (AE)

Leia mais sobre a situação espanhola na página 2


DIÁRIO DO COMÉRCIO

16

e

quinta-feira e sexta-feira, 7 e 8 de junho de 2012

Como a maior empresa de carnes do planeta continua massacrando a Amazônia. Título de relatório do Greenpeace

conomia

Greenpeace tenta domar a JBS ONG acusa a brasileira JBS, maior produtora de carne do mundo, de desmatar a Amazônia e conclama boicote internacional

R

eportagem do The Washington Post , publicada ontem, revela que o Greenpeace está liderando um boicote internacional contra a maior empresa de carnes do mundo, a brasileira JBS-Friboi – que tem o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) como sócio. Na última quarta-feira, a ONG publicou um relatório com o título "JBS – Reprovada: Como a maior empresa de carnes do planeta continua massacrando a Amazônia". Nele, o Green peace descreve, após 18 meses de trabalho, como fazendas irregulares na Amazônia fornecem seu gado aos matadouros da JBS, que, por sua vez, vende a carne do abate a empresas estrangeiras de processamento. "Dessa forma, produtos derivados de carne de procedência duvidosa chegam às prateleiras dos supermercados em todo o mundo", conclui. A JBS é o maior frigorífico em operação na região da Amazônia Legal, com 30 unidades de abate. Atua na área de alimentos, couro, colágeno e latas. O relatório do Greenpeace foi feito com base em observações de seus próprios investigadores e em relatos do Ibama, órgão brasi-

leiro de proteção ambiental. "Ao analisar as práticas de negócios da JBS, o Greenpeace encontrou, mais uma vez, inúmeros novos casos de fornecedores da JBS, direta ou indiretamente, envolvidos na

devastação ilegal da floresta, na invasão de áreas protegidas, de terras indígenas e também agricultores que usam trabalho escravo", disse a ONG em comunicado. Empresa nega – A JBS nega todas

as acusações e informa que buscará a Justiça. "As informações e o relatório mencionando a JBS são falsas, incorretas e levam a sociedade a fazer julgamentos errados", disse a empresa em um comunica-

do à imprensa. "Por esta razão, a companhia tomará as medidas judiciais cabíveis contra o Greenpeace para obter o ressarcimento pelos danos de imagem". Ataque ao governo – O relatório do Greenpeace vem duas semanas antes da Rio +20, Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, e expõe o governo brasileiro. "Além de permitir o massacre do Código Florestal, o governo é ele próprio sócio do desmatamento e de violações de direitos humanos na Amazônia”, afirma André Muggiati, coordenador do Greenpeace, no site da ONG. "Após uma injeção de R$ 3,24 bilhões em junho do ano passado, o BNDES agora controla 31,4% da empresa, investimento que torna o governo brasileiro sócio da JBS no desmatamento", diz. Boicote – Grandes compradores internacionais como Nike, Wal Mart e Carrefour já disseram que vão cortar laços com quaisquer fornecedores que não tenham a sua cadeia de produção limpa. Oito grandes clientes da JBS na Europa, como Adidas, Tesco, Clarks, Ikea, Princess, Sainsbury’s, Asda e a gigante de alimentos Sligro Food Group, já informaram à empresa que cancelaram ou não renovarão seus contratos. As multinacionais exigem transparência e monitoramento. "Aguardamos as novas diretrizes da JBS para atingir a meta do desmatamento zero. Até que isso aconteça, suspendemos as negociações de novos contratos", afirmou a Princess, em nota.

Fotos: Divulgação

Envie informações para essa coluna para o e-mail: carlosfranco@revista publicitta. com.br

CANNES BRASILEIRA

O

m e rc a d o publ icitár i o b r a s ileiro embarca para o Festival Internacional de Publicidade de Cannes, no próximo fim de semana, com 3.419 peças para o certame que ocorre entre os dias 17 e 23, no balneário da Côte D'Azur. É um recorde histórico, superando o de 2001, quando 2.686 inscrições foram feitas. Mas aquele era um momento diferente: as agências brasileiras se assanhavam em acoplar aos nomes os sobrenomes ilustres das globais, as famosas sopas de letrinhas como DDB, BBH, Saatchi& Saatchi, BBDO e por aí vai. Muitos negócios foram fechados a ponto que, dez anos depois, nenhuma grande agência é hoje de capital 100% nacional. Todas têm parceiros internacionais, e as que continuam na trincheira são médias e pequenas. Só que, se não está mais em jogo o negócio de fusões e aquisições, por que tantas inscrições? É que, no momento em que a Europa está mergulhada numa crise, os brasileiros acreditam que poderão fazer a festa. Os Estados Unidos continuam a ter mais peças inscritas, num total de 5.058, e em terceiro lugar surge a Alemanha, com modestas 2.375, seguida pelo Reino Unido, com 2.343, berço, por exemplo, de Ridlewy Scott, que fez sucesso com filmes publicitários. E como acontece todos os anos, a maioria das peças brasileiras são da categoria impressos, com 948. É o território onde a AlmapBBDO se destaca ao lon-

go dos últimos anos por força da competente formação de seu presidente, Marcello Serpa, que estudou design na Alemanha e conhece o gosto europeu. Como o alemão Walter Gropius deu asas a uma escola de design, a Bauhaus, Serpa há muito entendeu que simplicidade é tudo, assim como Coco Channel que bebeu na mesma fonte – só não precisava ter mais que se apaixonado, colaborado com um oficial da Alemanha de Hitler, manchando um biografia de sucesso. As intenções de Gropius, nos turbulentos anos 1930, eram bem outras: criar um design que pudesse ser universal. Mas se o assunto é Cannes, voltemos ao balneário. Dessa vez, a surpresa brasileira fica pela queda de 27% no número de inscrições na categoria internet (Cyber) em relação ao ano passado e de 11% em Titanium, a categoria que premia as campanhas integradas. O sucesso que banners e aplicativos simples com muita criatividade faziam há cinco anos hoje é passado. A internet evoluiu e os brasileiros, agora, precisam entender mais do negócio e do riscado, portanto é risco entrar numa competição sem nada conquistar. Além disso, as produtoras de internet também já tiveram o seu momento de fusões e aquisições e os controladores, em especial os anfitriões franceses da Isobar, são bem mais econômicos em inscrições e hospedagem. Como todo brasileiro adora uma competição e se sente honrado em derrotar em Cannes os 97 países que estão participando, o negócio é torcer.

Campanha da Pepsi valoriza imagem das mães

POLÊMICA

A

Pepsi, marca da PepsiCo, que também é dona das marcas Ruffles, Kero Coco e H2OH, lança campanha criada pela AlmapBBDO, em que valoriza a imagem das mães, compradoras e inteligentes - claro, que levam esses produtos para casa, e sua relação com os filhos, dentro do bem sucedido conceito “Pode Ser Pepsi”. Numa conversa com o filho, a

mãe cobra mais dedicação ao surf, já que o garoto quer se dedicar profissionalmente a esse esporte. E como não poderia faltar um carinho materno para estimulá-lo a treinar, ela apresenta uma surpresa: a linda professora particular. É aí que entra a assinatura da campanha “Pode ser muito bom. Pode ser Pepsi”. Tem tudo para gerar polêmica.

CERVEJA 100%

D

epois de seis meses de imersão intensiva no universo das cervejas Itaipava e Crystal, a Y&R, agência do televisivo Roberto Justus, apresenta os novos conceitos “Itaipava, a cerveja 100%” e “Crystal. O melhor plano pra hoje”, ambas da Cervejaria Petrópolis. No momento em que o produto terá aumento de cerca de 2,8%, por decisão do

governo, a disputa promete. O grupo, que tem crescido no mercado, diz que esse será um dos seus maiores esforços de comunicação. E, se a Itaipava vai destacar que é feita com ingredientes 100% naturais e de qualidade, a Crystal busca atingir em cheio a classe C. Qual o melhor plano para hoje? O Plano C de Crystal, diz a campanha que ressalta que, geladinha, ela é sempre uma boa escolha.

Crystal de olho na classe C


quinta-feira e sexta-feira, 7 e 8 de junho de 2012

Itautec Locação e ComÊrcio de Equipamentos S.A. Grupo Itautec

CNPJ 62.209.820/0001-45 NIRE 35300147731 ATA SUMĂ RIA DA ASSEMBLEIA GERAL ORDINĂ RIA REALIZADA EM 30 DE ABRIL DE 2012 DATA, HORA E LOCAL: Em 30 de abril de 2012, Ă s 15:00 horas, na Av. Paulista, 2.028, 1Âş andar, sala 1, em SĂŁo Paulo (SP). MESA: MĂĄrio Anseloni Neto - Presidente; Guilherme Tadeu Pereira JĂşnior - SecretĂĄrio. QUORUM: Acionista representando a totalidade do capital social. PRESENÇA LEGAL: administradores da Sociedade. EDITAL DE CONVOCAĂ‡ĂƒO: dispensada a publicação de edital, face ao disposto no Artigo 124, § 4Âş, da Lei 6.404/76. AVISO AOS ACIONISTAS: dispensada a publicação dos avisos aos acionistas a que se refere o Artigo 133, nos termos do seu § 5Âş, da Lei 6.404/76. DELIBERAÇÕES TOMADAS POR UNANIMIDADE: ApĂłs discussĂŁo dos temas abaixo, foi deliberado: 1. Aprovar as Contas dos Administradores, o Balanço Patrimonial, as demais Demonstraçþes ContĂĄbeis, Notas Explicativas e o RelatĂłrio da Administração, relativos ao exercĂ­cio social encerrado em 31.12.2011, os quais foram publicados no “DiĂĄrio Oficial do Estado de SĂŁo Pauloâ€? (pĂĄg. 20) e “DiĂĄrio do ComĂŠrcioâ€? (pĂĄg. 23), ambos na edição de 29.3.2012. 2. Aprovar a destinação do lucro lĂ­quido do exercĂ­cio de 2011, no montante de R$ 3.203.326,47 (trĂŞs milhĂľes, duzentos e trĂŞs mil, trezentos e vinte e seis reais e quarenta e sete centavos), da seguinte forma: (a) R$ 160.166,32 (cento e sessenta mil, cento e sessenta e seis reais e trinta e dois centavos) para a conta de Reserva Legal; (b) R$ 760.790,04 (setecentos e sessenta mil, setecentos e noventa reais e quatro centavos) para pagamento aos acionistas, atĂŠ 31.05.2012, dos dividendos provisionados no valor de R$ 0,004556201 por ação, por conta do dividendo obrigatĂłrio do exercĂ­cio de 2011, tendo como base de cĂĄlculo, para os fins previstos no artigo 205 da Lei nÂş. 6.404/76, a posição acionĂĄria hoje registrada; e (c) R$ 2.282.370,11 (dois milhĂľes, duzentos e oitenta e dois mil, trezentos e setenta reais e onze centavos) para a conta de Reserva Especial. 3. Compor a Diretoria, para o mandato que se estenderĂĄ atĂŠ a posse dos que vierem a ser eleitos na Assembleia Geral OrdinĂĄria de 2013, mediante: a) fixação da quantidade de cargos a serem providos em 7 (sete), sendo o Diretor Presidente, 5 (cinco) Diretores Vice-Presidentes e 1 (um) Diretor; b) reeleição para os cargos de: Diretor Presidente: MĂ RIO ANSELONI NETO, brasileiro, casado, engenheiro, RG-SSP/SP 18.137.526-6, CPF 099.445.508-92, domiciliado em SĂŁo Paulo (SP), na Av. Paulista, 1.938, 5Âş andar; Diretores Vice-Presidentes: CLĂ UDIO VITA FILHO, brasileiro, divorciado, engenheiro, RG-SSP/SP 3.751.456, CPF 667.980.518-04, domiciliado em SĂŁo Paulo (SP), na Av. Paulista, 1.938, 13Âş andar; JOSÉ ROBERTO FERRAZ DE CAMPOS, brasileiro, casado, engenheiro, RG-SSP/SP 8.399.073-2, CPF 310.134.146-91, domiciliado em SĂŁo Paulo (SP), na Av. Paulista, 1.938, 12Âş andar; RICARDO HORĂ CIO BLOJ, brasileiro, casado, engenheiro, RG-SSP/SP 7.542.119, CPF 088.503.39810, domiciliado em JundiaĂ­ (SP), na Rua Wilhelm Winter, 301, Distrito Industrial; SILVIO ROBERTO DIREITO PASSOS, brasileiro, casado, administrador de empresas, RG-SSP/BA 11.474.738-54, CPF 428.217.031-04, domiciliado em SĂŁo Paulo (SP), na Rua JoĂŁo Boemer, 254 - 3Âş andar; e WILTON RUAS DA SILVA, brasileiro, casado, engenheiro, RG-SSP/SP 14.315.924, CPF 038.443.878-46, domiciliado em SĂŁo Paulo (SP), na Av. Paulista, 1.938, 17Âş andar; e c) eleição para o cargo de Diretor GUILHERME TADEU PEREIRA JĂšNIOR, brasileiro, casado, administrador de empresas, RG-SSP/SP 32.483.439-1, CPF 286.131.968-29, domiciliado em SĂŁo Paulo (SP), na Av. Paulista, 1938 - 5Âş andar. 4. Registrar o atendimento das condiçþes prĂŠvias de elegibilidade previstas nos Artigos 146 e 147 da Lei 6.404/76. 5. Manter a verba global e anual destinada Ă  remuneração dos membros da Diretoria em atĂŠ R$ 6.000.000,00 (seis milhĂľes de reais), que compreende tambĂŠm as vantagens ou benefĂ­cios de qualquer natureza que eventualmente vierem a ser concedidos, reajustada de acordo com a polĂ­tica de remuneração adotada pela Sociedade e que serĂĄ rateada na forma que vier a ser deliberada pela Diretoria. CONSELHO FISCAL: NĂŁo houve manifestação do Conselho Fiscal, por nĂŁo se encontrar em funcionamento. DOCUMENTOS ARQUIVADOS NA SEDE: RelatĂłrio da Administração, Balanço Patrimonial e demais Demonstraçþes ContĂĄbeis de 31 de dezembro de 2011. ENCERRAMENTO: Nada mais havendo a tratar e ninguĂŠm desejando manifestar-se, encerraram-se os trabalhos, lavrando-se esta ata que, lida e aprovada, foi por todos assinada. SĂŁo Paulo (SP), 30 de abril de 2012. (aa) MĂĄrio Anseloni Neto - Presidente; Guilherme Tadeu Pereira JĂşnior - SecretĂĄrio. Acionista: Itautec S.A. - Grupo Itautec (aa) MĂĄrio Anseloni Neto e Guilherme Tadeu Pereira JĂşnior - Diretor Presidente e Diretor, respectivamente. Certificamos ser a presente cĂłpia fiel da original lavrada em livro prĂłprio. SĂŁo Paulo (SP), 30 de abril de 2012. (aa) MĂĄrio Anseloni Neto - Presidente da Assembleia; Guilherme Tadeu Pereira JĂşnior - SecretĂĄrio da Assembleia. Secretaria de Desenvolvimento EconĂ´mico, CiĂŞncia e Tecnologia - Junta Comercial do Estado de SĂŁo Paulo - Certifico o registro sob nÂş 221.658/12-9, em 25.5.2012. (a) Gisela Simiema Ceschin - SecretĂĄria Geral.

Magna Sistemas Consultoria S.A. CNPJ/MF 01.165.671/0001-75 - NIRE 35.300.194.209 Ata AssemblÊia Geral Extraordinåria Realizada em 02/05/2011 Data, Hora e Local: Aos 02/05/2011, às 10:00 horas, na sede social da Companhia na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo. Convocação e Quorum: Foi constatada a presença dos acionistas representando 100% do capital social, conforme o livro de presença dos acionistas, dispensada a convocação, nos termos do parågrafo 4º do artigo 124 da Lei n.º 6.404/76. Composição da Mesa: Assumiu a presidência da AssemblÊia o Sr. JosÊ de Miranda Dias, que, convidou a mim, Adriano JosÊ Jureidini Dias, para secretårio e, em seguida, declarou instalados os trabalhos.Ordem do Dia. 1) Aprovar a criação de filial na cidade de Brasília, DF 2) Aprovar a alteração do objeto social 3) Aumento do capital com parte da reserva para investimento 4) Consolidação do Estatuto Social; 5) Assuntos Gerais. Deliberaçþes Tomadas por Unanimidade. 1) A AssemblÊia Geral Extraordinåria resolve por unanimidade aprovar a criação de filial na cidade de Brasília, DF, no endereço SRTVS, Quadra 701, Bloco O, Salas 842/846, Edifício Multiempresarial, CEP 700340-000; 2) resolvem alterar o artigo 3º do Estatuto Social, de forma a permitir representação de qualquer natureza, inclusive comercial, que passa a vigorar com a seguinte redação: Art. 3º- Constitui objeto da sociedade: a)consultoria, desenvolvimento, importação, exportação, comercialização, suporte, treinamento, publicaçþes e serviços de software e sistemas em geral;b) comercialização sob qualquer título, importação, exportação, manutenção e assistência tÊcnica de equipamentos e sistemas de informåtica, telecomunicaçþes e comunicação de dados, bem como serviços complementares a eles relacionados; c) Representação de qualquer natureza, inclusive comercial; d)participação em sociedades e empreendimentos que se afigurem potencialmente lucrativos para a sociedade. 3) incorporar parte da reserva para investmento ao capital social, no montante de R$ 182.000,00, com a conseqßente emissão de 182.000 açþes ordinårias, aumentando-o para R$ 1.010.000,00, nesta data, distribuindo as açþes ora emitidas para os acionistas nas mesmas proporçþes detidas por cada um; 4) Os acionistas decidiram consolidar o estatuto social que segue como anexo 1 da presente ata 5)como nada mais houvesse a tratar e como nenhum dos presentes quisesse usar a palavra, o Sr. Presidente suspendeu a sessão pelo tempo necessårio à lavratura da presente ata no livro próprio. Reaberta a sessão, a ata foi lida e achada conforme, e assinada pelos presentes. A presente Ê cópia fiel do original lançado no livro próprio. São Paulo (SP), 02 de maio de 2011. JosÊ de Miranda Dias - Presidente, Margarete da Cruz Peniza - Secretåria.Secretaria da Fazenda - JUCESP - certifico o registro sob o n° 186.110/11-0 em 16/05/2011. Kåtia Regina Bueno de Godoy - Secretåria Geral.

BV Leasing Arrendamento Mercantil S.A. NIRE: 35.300.150.082 - CNPJ: 01.858.774/0001-10 - Companhia Aberta AssemblĂŠia Geral de Debenturistas. Primeira Convocação. BV Leasing Arrendamento Mercantil S.A. convoca os Senhores Debenturistas da Segunda SĂŠrie da Quarta EmissĂŁo de DebĂŞntures Subordinadas NĂŁo ConversĂ­veis em Açþes da BV Leasing Arrendamento Mercantil S.A. para comparecerem, em primeira convocação, Ă  AssemblĂŠia Geral de Debenturistas da Primeira SĂŠrie, a realizar-se no dia 22 de junho de 2011, na Avenida das Naçþes Unidas, nÂş 14.171, Torre A, 18Âş andar, Vila Gertrudes, CEP 04794-000, SĂŁo Paulo/SP Ă s 10:00 horas. NĂŁo se registrando a presença de debenturistas que representem o nĂşmero mĂ­nimo para instalação da AssemblĂŠia Geral, ďŹ cam desde jĂĄ os Senhores Debenturistas convocados para segunda e Ăşltima convocação para o mesmo dia e local, Ă s 11:00 horas, para deliberar sobre (i) alteração da Escritura de EmissĂŁo, para prorrogar o prazo de vigĂŞncia das DebĂŞntures da Segunda serie atĂŠ 1Âş de julho de 2022; (ii) criar mecanismo de Repactuação para as DebĂŞntures da Segunda SĂŠrie e (iii) outros assuntos de interesse dos debenturistas. SĂŁo Paulo, 06 de junho de 2012. Bv Leasing Arrendamento Mercantil S.A. Marcos Lima Monteiro - Diretor de Relaçþes com Investidores.   : 1 < *' )   & '++,,+-1,.)*''/)()*-)'''* C#3 #3 6     6 9 "") %<#3    2= > $; 9  6  5  1   9  $  : 9    : 9      9 ) 6<    G 8         9 A $C"T  >C>"C T@$C  G@C C C  QC GC 1 $TG N< :  E9  N    N N5    9                A   ;   ; N;       Ai    5:  9    1       

          : 5    ) >  B R*7)('(9(+# 0'/39      A    5       9 8E  ;)    O 5  9  1  :9  A +, 9    < 9    :9         )  E     9  9           ) b

DIĂ RIO DO COMĂ&#x2030;RCIO

ECONOMIA/LEGAIS - 17 SV Holding Industrial S.A.

CNPJ/MF nº 12.112.243/0001-09 Relatório da Administração Senhores Acionistas: Submetemos a apreciação de V.Sas. as demonstraçþes financeiras relativas ao exercício social findo em 31 de dezembro de 2.011. Permanecemos à disposição de V.Sas. para quaisquer esclarecimentos que julgarem necessårios. São Paulo, 30 de abril de 2.012. Diretoria. Demonstraçþes do Resultado Exercícios Balanços Patrimoniais 31 de dezembro de 2011 e 2010 - (Em milhares de Reais - R$) findos em 31 de dezembro de 2011 e 2010 - (Em milhares de Reais - R$) Controladora Consolidado Controladora Consolidado Controladora Consolidado Ativo Notas 2011 2010 2011 2010 Passivo Notas 2011 2010 2011 2010 Notas 2011 2010 2011 2010 Circulante Circulante Receita operacional líquida 15 13.780 13.264 92.709 100.868 - (53.558) (70.788) Caixas e equivalentes Fornecedores 10 133 2.687 2.247 Custo dos serviços prestados 13.780 13.264 39.151 30.080 de caixa 4 21 1 11.200 57.151 EmprÊstimos 13 3.972 29.607 Resultado bruto Receitas (despesas) operacionais Clientes 5 7.338 26.193 Salårios e obrigaçþes sociais 148 2.446 4.883 Com vendas - (2.654) (3.070) Estoques 6 - 10.552 42.852 Obrigaçþes tributårias 17 1.571 3.230 Desp. gerais e administrativas 16 (1.777) - (8.378) (5.406) Dividendos a receber 862 - Partes relacionadas 11 5.249 4.193 Outras rec. (desp.) operac. líq. (497) - (4.340) 915 Resultado operacional antes Tributos a recuperar 1 529 2.274 Dividendos e juros sobre 11.506 13.264 23.779 22.519 Outros ativos 355 2.914 2.829 capital próprio 14 (b) / 11 3.316 132 3.615 do resultado financeiro 5 - 2.027 1.886 377 863 32.533 131.299 Outros passivos 151 1.167 1.047 Receitas financeiras Despesas financeiras (3) - (4.381) (1.799) Não circulante 449 3.316 17.224 48.822 Resultado financeiro líquido 17 2 - (2.354) 87 Contas a receber 5 1.086 Não circulante Result. antes da tribut. s/o lucro 11.508 13.264 21.425 22.606 Aplicaçþes financeiras 4 940 471 Partes relacionadas 11 2.879 8.786 Imp. de renda e contrib. social Corrente 9 - (3.034) (965) Depósitos judiciais 12 - 23.816 25.250 Provisão para demandas 9 - (6.111) (5.434) Tributos a recuperar 747 2.127 judiciais e administrativas 12 - 22.432 24.311 Diferidos Lucro líquido do exercício antes Imposto de renda e EmprÊstimos 13 - 15.956 19.546 da partic.dos não controladores 11.508 13.264 12.280 16.207 contribuição social diferidos 9 5.538 4.650 Outros passivos 32 65 - Partic. dos sócios não controlad. (772) (2.943) Outros ativos 50 50 110 32 - 41.332 52.643 Lucro líquido do exercício 11.508 13.264 11.508 13.264 A Companhia não possui outros resultados abrangentes que devam ser Investimentos 7 72.961 186.199 - Patrimônio líquido 14 Imobilizado 8 81 - 87.923 140.810 Capital social 51.061 50.000 51.061 50.000 apresentados na demonstração do resultado. Intangível 5 323 501 Reserva de capital 11.399 109.452 11.399 109.452 Demonstraçþes dos Fluxos de Caixa Exercícios 73.097 186.199 119.337 175.005 Reserva legal 575 575 - findos em 31 de dezembro de 2011 e 2010 - (Em milhares de Reais - R$) Controladora Consolidado Reserva estatutåria 8.032 9.948 8.032 9.948 Fluxo de caixa das ativ. operac. 2011 2010 2011 2010 Ajuste de avaliação Lucro antes do imposto de renda patrimonial 1.926 14.346 1.926 14.346 e da contribuição social 11.508 13.264 21.425 22.606 72.993 183.746 72.993 183.746 Result. da equival. patrimonial (13.658) (13.264) Participação dos sócios Depreciação e amortização 4 6.155 9.522 Provisão para demandas judiciais 872 8.701 não controladores - 20.321 21.093 (309) Total do patrimônio líquido 72.993 183.746 93.314 204.839 Provisão para liquidação duvidosa Provisão para ajuste ao valor Total do passivo e de realização dos estoques 143 Total do ativo 73.474 187.062 151.870 306.304 patrimônio líquido 73.474 187.062 151.870 306.304 Partic. dos sócios controladores (772) 1.589 (2.146) - 27.680 42.252 Demonstraçþes das Mutaçþes do Patrimônio Líquido Exercícios findos em 31 de dezembro de 2011 e 2010 - (Em milhares de Reais - R$) ParticiPatri- (Aumento) redução no ativo: - (2.148) 9.193 Total do pantes mônio Duplicatas a receber - (1.246) 3.367 Reserva Reserva Ajuste de Lucros patrinão liquido Estoques Dividendos 862 (862) Capital de Reserva estaavaliação acumumônio contro- consoliImp.de renda e contrib.social diferido - 11.172 social capital legal tutåria patrimonial lados líquido ladores dado Impostos a recuperar (1) 960 5.842 Saldo inicial - Constituição da sociedade Outros ativos (405) (742) (1.327) em integralização de cap. em 26/05/2010 1 1 1 Depósitos judiciais - (1.304) (10.803) Aumento de capital social em 27/12/2010 14.a 25.000 25.000 25.000 456 (862) (4.480) 17.444 Aumento de capital social e reservas Aumento (redução) no passivo: de capital em 28/12/2010 14.a/14.e 24.999 109.452 - 134.451 - 134.451 Fornecedores 133 1.704 (7.130) 148 763 963 Participação de não controladores inicial 24.036 24.036 Salårios e encargos 17 (21) (6.370) Lucro líquido do exercício - 13.264 13.264 13.264 Obrigaçþes tributårias 183 778 (4.666) Dividendos propostos 14.b (3.316) (3.316) (3.316) Outros passivos Partes relacionadas - (4.851) 610 Destinação do lucro - Constituição - (3.034) (255) de reservas de lucros 14.d 9.948 (9.948) - Imp. de renda e contrib. social pagos 481 (4.661) (16.848) Ajuste de aval. patrimonial de controladas 14.f 14.346 14.346 14.346 Caixa líquido gerado pelas Participação de não controladores (2.943) (2.943) atividades operacionais (1.209) (862) 18.539 42.848 Saldos em 31 de dezembro de 2010 50.000 109.452 9.948 14.346 - 183.746 21.093 204.839 Fluxo de caixa das ativ. de invest. Aumento de capital por conta cisão Em imobilizado e intangível (90) - (1.202) (25.650) parcial da SV Holding Ltda. em 01/11/11 14.a 1.061 1.061 1.061 Redução de participação Lucro líquido do exercício - 11.508 11.508 11.508 em coligadas/controladas 17.484 863 Distribuição de dividendos 14.d (9.948) (9.948) (9.948) Caixa líquido (aplicado) gerado Divid. antecipados - Lucros do exercício nas atividades de investimentos 17.394 863 (1.202) (25.650) em formação conf. ata em 03/10/2011 14.b (2.901) (2.901) (2.901) Fluxo de caixa das ativ. de financ. Divid.e juros s/cap. próprios pagos (16.165) - (16.165) Baixa de reserva de capital - AGE 10/01/2011 14.e - (98.053) (12.420) - (110.473) - (110.473) Redução de caixa proveniente de resgate de açþes - (43.461) Destinação do lucro do exercício - (3.662) 21.633 para reservas 14.d 8.032 (8.032) - Aum. (redução) de emprÊstimos Participação de não controladores (772) (772) Caixa líquido (aplicado) gerado nas atividades de financiamentos (16.165) - (63.288) 21.633 Reserva Legal 14.c 575 (575) Aumento (redução) de caixa Saldos em 31 de dezembro de 2011 51.061 11.399 575 8.032 1.926 72.993 20.321 93.314 e equivalentes de caixa 20 1 (45.951) 38.831 Caixa e equivalentes de caixa Diretoria Contador No início do exercício 1 - 57.151 18.320 No final do exercício 21 1 11.200 57.151 Odenir Antonio Valerio Edson Luiz Stadler Luiz Fernandes Costa - CRC 1SP126839/O-0 Aumento (redução) de caixa e equivalentes de caixa 20 1 (45.951) 38.831 As notas explicativas referentes às demonstraçþes financeiras encontram-se à disposição na sede da sociedade

  QC  += *=    :     aC Gl$C9   $60"6   & +'.)*(*)72(1.-  8 9     %G $C $C 69   $60"6   & ,7+)+'*)-.(1''  8 9       E 6$$C "  @G9   $60"6   & .'*)2*/)2'/0''    G$ GkC $"C C  @G9   $60"6   & .'*)2*/)2'/0'' $G $C  @G9   $60"6   & ./7)((2)72(0,.) C ) 5  %     9 "") %<    ,= > $;   6  $  : $    1 9      9 6? @9  A       +& *&  :    9    8        9 A   %;<   1    :  : ; N  N<   " "?C TC"]  aC Gl$C %G $C $C 6 1   & ,-,)'+)+//7)'',*2,1 (  & -*.0+//7 A  5         9      5    5B C "D> 1 C     E     E  F $CGH    A  )    : 8 

        5  : ;    III) 5  ) ) )  > QC 1    :   5     1  W 5  ) ) ) C QC X C  :  E  <   "C S$C9 O

  III) 5  ) ) 9  +=   E ;   +*0'-0*'+* P +,B''8   E  +20'-0*'+* P +,B''89     :     5        :4 : 8    5       :9  51 1E   :  *= 9 A  E ;   +20'-0*'+* P +,B'+8   E   +'0'70*'+* P +,B''89   :       ;  -'\    :   :  E                A   ) C $CGC C QC X C  :  E  <       C ) 6   %O $   a    9    % $     :  X %G$   & (22) C >C "["C  > C @ X  *= 9   ;          E  -'\ #     3    : N 9 A  E <  O     : N ) C $ X C    :          9 O   III) 5  ) ) ) C ]@C X   V        :      9   O  G     A  :  15   

  :      ) +.'9 LH E5 Z9  $) C a"C 1 C    E    5        9  < O *28 # A3 8        :0Y   :    9 O 5  N    %;<  E 9     <    :)  $C"QC X C    E 5 P "aC aC %G$9  ;  :9       ,\ #   3       :    )   :   P " 5    5  N  : E ;      :  E       8  8  9     :       : N    <  8  P     <      ) C a"C  $C"QC 1 C 5    :  "aQ aC %G$  E    <  O *28 # A3 8         :0Y   :    9 O 5  A E ;     5    E    1 )  %G$ QC X  8   N :     A  9  E  E     :  )     5   

  : : ;    III) 5  ) ) )  QC C @B C C C@ C "D> $C  "; & ++)2-,  *& $  5     $  : $   0 X        & 7. #   Y39 5 & -.    9         9 5     & +- # <  3  A  LH9  L> $8 8H9       : $   9       /9'' # 3          Z 9 5 5  8  9  *29/' # A     ; 3      9      9 9 *,9'' #  3      A  9     E   **.9*' M # <   Y   ;  A  39       9   9    +79 O  (+    9 <O   4    A  9    +,9 O  -+9    9 %O $h   64 9      O  & .-7   9 %   :  4        E        "    ) $    : A       1 5    :        5   ;B   O  X 55 :     X Y  9  8 9  <8) $  & '/)''*)'+-) >  :B R -+7)'(.9/( #  

<   9   Y       3  0*'+* A  E <  O     :    <:  E  %0) j

'&+6#. &' %+6#cÂŹ1 2TQEGUUQ PÂ?   E  %NCUUG #UUWPVQ 'ZGEWnlQ FG 6sVWNQ 'ZVTCLWFKEKCN  #UUWPVQ 2TKPEKRCN FQ 2TQEGUUQ 0GPJWOC KPHQTOCnlQ FKURQPsXGN 4GSWGTGPVG (WPFCnlQ 0QUUC 5GPJQTC #WZKNKCFQTC FQ +RKTCPIC 4GSWGTKFQ #UUQEKCnlQ FG 'FWECnlQ G #UUKUVqPEKC 5QEKCN 5lQ /CTEQU G QWVTQ '&+6#. &' %+6#cÂŹ1  24#<1 &'  &+#5 241%'551 0Â?  1 # &QWVQT C %CTGP %TKUVKPC (GTPCPFGU &G 1NKXGKTC // ,WK\ C FG &KTGKVQ FC Â&#x153; 8CTC %sXGN FQ (QTQ (QTQ 4GIKQPCN :  +RKTCPIC FC %QOCTEC FG FG 5ÂŹ1 2#7.1 FQ 'UVCFQ FG 5lQ 2CWNQ PC HQTOC FC .GK GVE (#< 5#$'4 C Q 'TPCPK $KEWFQ FG 2CWNC SWG NJG HQK RTQRQUVC WOC CnlQ FG 'ZGEWnlQ FG 6sVWNQ 'ZVTCLWFKEKCN RQT RCTVG FG (WPFCnlQ 0QUUC 5GPJQTC #WZKNKCFQTC FQ +RKTCPIC CNGICPFQ GO UsPVGUG # EQDTCPnC FQU CNWIWoKU PlQ RCIQU FC GORTGUC #UUQEKCnlQ FG 'FWECnlQ G #UUKUVqPEKC 5QEKCN 5lQ /CTEQU EQO UGFG PC 4WC #PVQPKQ )QOGU (GTTGKTC   +RKTCPIC  5lQ 2CWNQ TGHGTGPVG CQU OGUGU FG OCTnQ i LCPGKTQ  RGTHC\GPFQ WO OQPVCPVG FG 4  VGPFQ Q ToW EQOQ HKCFQT G RTKPEKRCN RCICFQT  'PEQPVTCPFQUG Q ToW GO NWICT KPEGTVQ G PlQ UCDKFQ HQK FGVGTOKPCFC C UWC %+6#cÂŹ1 RQT '&+6#. RCTC QU CVQU G VGTOQU FC CnlQ RTQRQUVC  GFKVCN FG EKVCnlQ EQO RTC\Q FG XKPVG FKCU RCTC GO VTqU FKCU RCICT Q FoDKVQ UQD RGPC FG UGTGO RGPJQTCFQU NKXTGOGPVG VCPVQU DGPU SWCPVQU DCUVGO RCTC C ICTCPVKC FC GZGEWnlQ %xFKIQ FG 2TQEGUUQ %KXKN CTVKIQU  G  EQO C TGFCnlQ FCFC RGNC .GK PÂ?   (KZQ GO  FG\ RQT EGPVQ FQ XCNQT FQ FoDKVQ CVWCNK\CFQ QU JQPQThTKQU CFXQECVsEKQU 2CIC C FsXKFC PQ VTsFWQ CEKOC KPFKECFQ QU JQPQThTKQU UGTlQ TGFW\KFQU RGNC OGVCFG 2QFGTh lQ Q U FGXGFQT GU  SWGTGPFQ CRTGUGPVCT FGHGUC UQD C HQTOC FG GODCTIQU PQ RTC\Q FG  SWKP\G FKCU EQPVCFQU FC LWPVCFC CQU CWVQU FQ OCPFCFQ FG EKVCnlQ 0Q RTC\Q FQU GODCTIQU RQFGTh Q GZGEWVCFQ TGEQPJGEGT Q EToFKVQ FQ GZGSÂ&#x20AC;GPVG G FGRQUKVCPFQ Q XCNQT EQTTGURQPFGPVG C  FCSWGNG EQDTCFQ GO GZGEWnlQ KPENWUKXG EWUVCU G JQPQThTKQU FG CFXQICFQ RQFGTh TGSWGTGT Q RCICOGPVQ FQ TGUVCPVG GO CVo  RCTEGNCU OGPUCKU CETGUEKFCU FG EQTTGnlQ OQPGVhTKC G LWTQU FG  CQ OqU UQD RGPC FQ CTTGUVQ EQPXGTVGTUG GO RGPJQTC Q SWCN TGECKW UQDTG C OGCnlQ RGTVGPEGPVG CQ EQGZGEWVCFQ 'TPCPK $KEWFQ FG 2CWNC FQ UGIWKPVG DGO RCTVG FG OCKQT hTGC UKVWCFQ PC 4WC )COC .QDQ OGFKPFQ O FG HTGPVG RCTC C EKVCFC 4WC )COC .QDQ RQT O FC HTGPVG CQU HWPFQU FG CODQU QU NCFQU VGPFQ PQU HWPFQU C OGUOC OGFKFC FC HTGPVG GPEGTTCPFQ C hTGC FG  O PQ Â? 5WDFKUVTKVQ +RKTCPIC Â? 4GIKUVTQ FG +OxXGKU FGUVC %CRKVCN UQD OCVTsEWNC PÂ?  (KEC Q 5T 'TPCPK $KEWFQ FG 2CWNC %2( PÂ?  4) P KPVKOCFQQ FG UWC PQOGCnlQ EQOQ FGRQUKVhTKQ FQ DGO CTTGUVCFQ EQPXGTVGTUGC CWVQOCVKECOGPVG GO RGPJQTC Q CTTGUVQ HNWKPFQ C RCTVKT FG GPVlQ Q RTC\Q FG SWKP\G FKCU RCTC GODCTICT TGO C GZGEWnlQ 1 RTC\Q FQ GFKVCN EQOGnCTh C EQTTGT C RCTVKT FG UWC RTKOGKTC RWDNKECnlQ G HKPFQ VCN RTC\Q EQOGnCTh C HNWKT CWVQOCVKECOGPVG Q RTC\Q FG VTqU FKCU RCTC RCICOGPVQ FC FsXKFC G CRxU GUUG RTC\Q Q FG SWKP\G FKCU RCTC QRQUKnlQ FG GODCTIQU i GZGEWnlQ 5GTh Q RTGUGPVG GFKVCN RQT GZVTCVQ CHKZCFQ G RWDNKECFQ PC HQTOC FC NGK UGPFQ GUVG (xTWO NQECNK\CFQ PC 4WC #IQUVKPJQ )QOGU  Â? CPFCT  5CNC  +RKTCPIC  %'2  (QPG   5lQ 2CWNQ52 5lQ 2CWNQ  FG OCKQ FG    :9  < *' )   ''2*//21'/)*''+)()*-)'''* C  6     6 9 "") %<     2= > $; 9  6  5  1        : 9  6    9 6<        < 5  #$6 *-+)*(7),,(1+'3 A C$ m Ca? QC "  G$ QC  $GG 8 N<   : "9        R +)'7+9/' #50*''+39             : 59      :   9        )    O 5 5 9       :  9  A +, 9     <    #   8E  ;39 5  A         59     :  : "  :9  ) ++'*  $$) C     E           ) b

     :     C" aT? #$6B -*+),..)(*(1+,3B C 9 "") %<   "E    N9  *+= > $;   6 $   $  : 19      9 6? @9  A          8        9 A 9   %;<9   1    :  : ; N  N<   %C] >f  6aGC @C  C" aT?9   &) ,(.)'')*''-)+*7,/+1+ #2+,0*''-3    5         9      5    5B   X  +=   E ;   +* N8 *'+*9 P +2B2, 8) : 8    5    P  h  :  . #Y3    Ai    ;  += 4  *=   51 1E   :9  1   +, N8 *'+*9 P +2B2, 8   E   +' N8 *'+*9 P +2B2, 8)  $    X    E  <   "C S$C9 O   III)N ) ) 0  E  <    a  %  G 1   :  a : % 9   $%0"6   &) '().//)-7-0'''+1'+      C )   $ 9    % $     :  X %G$9  -7/)  > ";  >    @ X  += 9   ;         5   E    : N  A O R +)2(()',*9(- # 8: A      A          3 <  O  *'+*)  *= 9   ;         E  -'\ #     3    : N  9             P  :  N;<  A       < )    X C    :           9 O   III)N ) ) 0)  O  X   V        :      9   :     ) +.'9 E5 Z9  $ 5  E )    X     :   9   N             :  9       5   5     :   P a  %  G9 ,\ #   3     )     5    E  : ;    III)N ) ) 0)   :   E     5: E 9    $" & +)-*,0'/  %    5 ..,9  $ 5  )   :                 )  QC C @ 1 "D>B           @  9 & *',/9  @ 9 : 1 A          9 Z ) N " 9 <         

 @    ,29*'        9           h  8          A    ) $    5      @  9   N P    '/9  5     P     @   O  h .+9+. 9       /4   < h5 P A    5 O  h +*9*, 9       +*4   < h5 P A    5 O  h ..9(' 9       & ++4 5   8   )  @  4   < h5 P A    5   8       @   +*9'' 9 5   

 9     E  .(/9,'/ M) "; & +'-)*(,  5   2& $  5    : 0) $  & *//)+*+)''+'1,        " : 1)  8B +1 C     N   ; & +'-)*(,  5   2& $  5    : 0    N;<  *.= > $;   $   $1   8   5  ;  N<     & ,(.)'')*'''),-*.221'    6  T

   C  a8<9       ;       R ,/)-+-9'+9 N  *''/    : >)'*      ;4 *1 $    : >)'.      ;   8  A  )  B +1 C     N   ; & +'-)*(,  5   2& $  5    : 0    N;<  >    6  $  : 1      5  ;  N<    & ,7(),/')+0'71*    : >)'2      ;4 *1 C     N   ; & +'-)*(,  5   2& $  5    : 0    N;<  >    6  $  : 1      5

 ;  N<    & +*+)/',0',9 ;   & -'7)2,-)+1',)*9    : >)',      ;) O   EB R *,-)72+9++ # <  A         A     <  3 <  O   *'+*9 A  5 1      :) :B R +)2/')2..9-+ # 8: A     A   Y        3 <  O     *'+*) >  B R 2,')'2,92. #A  A   A     A  Y  3   <  O ',0*'++       O     8E  ;) :                    )   ) j   QC      :  6))C) CGC Cac$C d  $C"]$C  #$% & '.)/2-)+/*0'''+1++34           59         @ "D>9   9      :9     )  "") %;<   $   ;  *= > $;   $   0       6? @9  A          8        9 A   %;<   1        : C E9  <  :9 ) & *(+)'+)*''-)''*,7+1-0'''''+1''' # & (,,0*'+'39  A    ef G$ ?$T  "C #$% & '2)-'.)'*-0'''+1(,39 A  5          9      5    5B C @" 1 C     :     E  F $CGH    A  # 3)    : 8          5  : ;    III)<J  ) )  @B +3 G   " K 6 59   *-,9    89 ) %(,-7 X @'2-.//69   .7T*'.+,9  5     :)   R *')'''9'' # < 0*''(3) *3   g5 #3   .')'''02')'''       C)       R ,)-*29'' #   0*'++3) .3 "A      )   R +,)-+-92( #   0*'++3) 23 $     : ;)   R (),2.9'2 #   0*'++3) C  > `B R ,,)2'79,* #A   9 A      A    39 A  :   <  O  

 )  > QC 1 $ V                5 )    :   5     1  W<J  ) )     X    E  <   "C S$C9 O   III)<J  ) )  C+&  5:  E ; *2 N8 *'+*9 E +-B'' 8   1 '. #Y3  Z     9 E +-B'' 8 #*70'70*'+*3) $       : N    :      +&  5:9    51 1E   : O P +-B'' 8   .' 5 *'+* 1 *&  5:) C >C "["C  > C @ "D> X     5:9   ;          5   E    : N )   5   5:9 :  :         -'\ #     3    : N ) C $ X C    :          9 O   III)<J  ) )  C ]@C X C   :    <   5  O    E             #) +.'  $39    E    5   O    <9      ;9 E59 < 5E)  $C"QC > ^ ?G_" ` X C    E 5 P ?J       ;  :9       ,\ #   3     :    )   :   : E      :  E       8  8  9     :       : N 9  <  8  P 

   9 <      ) C a"C X C    E    5          #39 <     :   9   9  < O '. #Y3         O 5  N    %;<  E 9     <    :) C a"C  $C"QC 1 C 5    :  ?J       E    <  O '.#Y3         9 O

 8 9 C$       EB @ Z9 5Y .7,-9    *7-+(1(9 " ?J   1 $6 (.7).++)',(1,.)      :   %<9   8  P     9  :  ;        5               :  ?J     9

<      )        :  A   $$9    $" & +)-*,0'/9  %    5 ..,9  $)     5      : ;    III)<J  ) )    :                 ) b

     :     T  C> d%C #$6 2(2),'*)2.71.23  f "!G d%C #$6 .'2).(()((71+,3B C 9 "") %<    aK %9  (= > $;   $  19      9 6? @9  A          8        9 A 9   %;<9   1    : $  N<    $CC"[C 6[$C $C  T  C> d%C  CGC9   &) ,-*)'+)*''*)''/*/2 #,(.0*''*3 A  5         9      5    5B   X  +=   E ;   +* N8 *'+*9 P +.B+, 8) : 8    5    P  h  :  . #Y3    Ai    ;  += 4  *=   51 1E   :9  1   +, N8 *'+*9 P +.B+, 8   E   '2 N8

*'+*9 P +.B+, 8)  $    X    E  <   "C S$C9 O   III)N ) ) 0  E  <    a  %  G 1   :

 a : % 9   $%0"6   &) '().//)-7-0'''+1'+      C )   $ 9    % $     :  X %G$9  -7/)  > ";  >    @ X  += 9   ;         5   E    : N  A O R 2'+)**79+7 #A    <       <    3 <  O  *'+*)  *= 9   ;         E  7'\ #     3    : N )    X C  

 :           9 O   III)N ) ) 0)  O  X   V        :      9   :     ) +.'9 E5 Z9  $ 5  E )    X     :   9   N             :  9       5   5  

  :   P a  %  G9 ,\ #   3     )     5    E  : ;    III)N ) ) 0)   :   E     5: E 9    $" & +)-*,0'/  %    5 ..,9  $ 5  )   :                 )  QC C @ 1  B C   A  O      5   B  9 & -*   ;  9 -&    7&  9 <   )   $8 9 & ./9   O9 1  E   +7,9,'  A  9     18               :   A   +0**     A  8       :   ) "    & .,)(,'  *& $  5    1) T B        N   ; & .,)(,'  *& $ 1   8    $ V  6 9   R ,2*)-.(9*7 #A8  A               3 <  O     *'+*)  8B      N   ; & .,)(,'  *& $  5        %;<  *= > $;   $ 

1   8    & ,-*)'+)*''()',2,/-1' #/*0*''/3  : N<    $   Y  6E  @  @  T  C  N K "A  N  5  ;      N  8 ) :B R 2'+)**79+7 #A    <       <    3 <  O  *'+*) O  GB R .2)./-9,, # A   <        A    3 <  O   *'+*)

Itautec.com Serviços S.A. - Grupo Itautec

CNPJ 52.731.577/0001-77 NIRE 35300154789 ATA SUMĂ RIA DA ASSEMBLEIA GERAL ORDINĂ RIA REALIZADA EM 30 DE ABRIL DE 2012 DATA, HORA E LOCAL: Em 30 de abril de 2012, Ă s 17:00 horas, na Rua JoĂŁo Boemer, 254 (parte), em SĂŁo Paulo (SP). MESA: MĂĄrio Anseloni Neto - Presidente; Guilherme Tadeu Pereira Junior SecretĂĄrio. QUORUM: Acionistas representando a totalidade do capital social. PRESENĂ&#x2021;A LEGAL: administradores da Sociedade. EDITAL DE CONVOCAĂ&#x2021;Ă&#x192;O: dispensada a publicação de edital, face ao disposto no Artigo 124, § 4Âş, da Lei 6.404/76. AVISO AOS ACIONISTAS: dispensada a publicação dos avisos aos acionistas a que se refere o Artigo 133, nos termos do seu § 5Âş, da Lei 6.404/76. DELIBERAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES TOMADAS POR UNANIMIDADE: ApĂłs discussĂŁo dos temas abaixo, os Acionistas deliberaram: 1. Aprovar as Contas dos Administradores, o Balanço Patrimonial, as demais Demonstraçþes ContĂĄbeis, Notas Explicativas e o RelatĂłrio da Administração, relativos ao exercĂ­cio social encerrado em 31.12.2011, os quais foram publicados no â&#x20AC;&#x153;DiĂĄrio Oficial do Estado de SĂŁo Pauloâ&#x20AC;? (pĂĄg. 44) e â&#x20AC;&#x153;DiĂĄrio do ComĂŠrcioâ&#x20AC;? (pĂĄg. 24), ambos na edição de 29.3.2012. 2. Aprovar a absorção do prejuĂ­zo lĂ­quido apurado no exercĂ­cio de 2011, no montante de R$ 399.442,53 (trezentos e noventa e nove mil, quatrocentos e quarenta e dois reais e cinqĂźenta e trĂŞs centavos) por Reservas de Lucros/Reserva Especial, sendo R$ 55.523,79 dos lucros apurados em 2008 e R$ 343.918,74 em 2009. 3. Compor a Diretoria, para o mandato que se estenderĂĄ atĂŠ a posse dos que vierem a ser eleitos na Assembleia Geral OrdinĂĄria de 2013, mediante: (a) fixação da quantidade de cargos a serem providos em 7 (sete), sendo o Diretor Presidente, 5 (cinco) Diretores Vice-Presidentes e 1 (um) Diretor; (b) reeleição para os cargos de: Diretor Presidente: MĂ RIO ANSELONI NETO, brasileiro, casado, engenheiro, RG-SSP/SP 18.137.526-6, CPF 099.445.508-92, domiciliado em SĂŁo Paulo (SP), na Av. Paulista, 1.938, 5Âş andar; Diretores Vice-Presidentes: CLĂ UDIO VITA FILHO, brasileiro, divorciado, engenheiro, RG-SSP/SP 3.751.456, CPF 667.980.518-04, domiciliado em SĂŁo Paulo (SP), na Av. Paulista, 1.938, 13Âş andar; JOSĂ&#x2030; ROBERTO FERRAZ DE CAMPOS, brasileiro, casado, engenheiro, RG-SSP/SP 8.399.073-2, CPF 310.134.146-91, domiciliado em SĂŁo Paulo (SP), na Av. Paulista, 1.938, 12Âş andar; RICARDO HORĂ CIO BLOJ, brasileiro, casado, engenheiro, RG-SSP/SP 7.542.119, CPF 088.503.39810, domiciliado em JundiaĂ­ (SP), na Rua Wilhelm Winter, 301, Distrito Industrial; SILVIO ROBERTO DIREITO PASSOS, brasileiro, casado, administrador de empresas, RG-SSP/BA 11.474.738-54, CPF 428.217.031-04, domiciliado em SĂŁo Paulo (SP), na Rua JoĂŁo Boemer, 254 - 3Âş andar; e WILTON RUAS DA SILVA, brasileiro, casado, engenheiro, RG-SSP/SP 14.315.924, CPF 038.443.878-46, domiciliado em SĂŁo Paulo (SP), na Av. Paulista, 1.938, 17Âş andar; e (c) eleição para o cargo de Diretor: GUILHERME TADEU PEREIRA JĂ&#x161;NIOR, brasileiro, casado, administrador de empresas, RG-SSP/SP 32.483.439-1, CPF 286.131.968-29, domiciliado em SĂŁo Paulo (SP), na Av. Paulista, 1938 - 5Âş andar. 4. Registrar o atendimento das condiçþes prĂŠvias de elegibilidade previstas nos Artigos 146 e 147 da Lei 6.404/76. 5. Manter a verba global e anual destinada Ă  remuneração dos membros da Diretoria em atĂŠ R$ 1.000.000,00 (um milhĂŁo de reais), que compreende tambĂŠm as vantagens ou benefĂ­cios de qualquer natureza que eventualmente vierem a ser concedidos, reajustada de acordo com a polĂ­tica de remuneração adotada pela Sociedade e que serĂĄ rateada na forma que vier a ser deliberada pela Diretoria. CONSELHO FISCAL: NĂŁo houve manifestação do Conselho Fiscal, por nĂŁo se encontrar em funcionamento. DOCUMENTOS ARQUIVADOS NA SEDE: RelatĂłrio da Administração, Balanço Patrimonial e demais Demonstraçþes ContĂĄbeis de 31 de dezembro de 2011. ENCERRAMENTO: Nada mais havendo a tratar e ninguĂŠm desejando manifestar-se, encerraram-se os trabalhos, lavrando-se esta ata que, lida e aprovada, foi por todos assinada. SĂŁo Paulo (SP), 30 de abril de 2012. (aa) MĂĄrio Anseloni Neto - Presidente; Guilherme Tadeu Pereira JĂşnior - SecretĂĄrio. Acionistas: Itautec S.A. - Grupo Itautec (aa) MĂĄrio Anseloni Neto e Guilherme Tadeu Pereira JĂşnior - Diretor Presidente e Diretor, respectivamente; e ItaĂşsa - Investimentos ItaĂş S.A. (aa) Henri Penchas e Jairo Cupertino - Diretores Vice-Presidentes. Certificamos ser a presente cĂłpia fiel da original lavrada em livro prĂłprio. SĂŁo Paulo (SP), 30 de abril de 2012. (aa) MĂĄrio Anseloni Neto - Presidente da Assembleia; Guilherme Tadeu Pereira JĂşnior - SecretĂĄrio da Assembleia. Secretaria de Desenvolvimento EconĂ´mico, CiĂŞncia e Tecnologia - Junta Comercial do Estado de SĂŁo Paulo - Certifico o registro sob nÂş 223.495/12-8, em 28.5.2012. (a) Gisela Simiema Ceschin - SecretĂĄria Geral.

Vanguarda Agro S.A.

Companhia Aberta de Capital Autorizado - CNPJ/MF nÂş 05.799.312/0001-20 FATO RELEVANTE - RESCISĂ&#x192;O DE ACORDO DE ACIONISTAS A Vanguarda Agro S.A. (â&#x20AC;&#x153;Companhiaâ&#x20AC;? ou â&#x20AC;&#x153;V-Agroâ&#x20AC;?), sociedade por açþes de capital aberto, com sede estabelecida na cidade SĂŁo Paulo, Estado de SĂŁo Paulo, na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 1726, cj. 113, Vila Nova Conceição, CEP 04543-000, cujas açþes ordinĂĄrias estĂŁo admitidas Ă  negociação no segmento do Novo Mercado da BM&FBovespa S.A. - Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros (â&#x20AC;&#x153;BM&FBovespaâ&#x20AC;?) sob o cĂłdigo VAGR3, em cumprimento ao disposto no artigo 157, § 4Âş, da Lei nÂş 6.404, de 15 de dezembro de 1976, conforme alterada, e na Instrução da ComissĂŁo de Valores MobiliĂĄrios (â&#x20AC;&#x153;CVMâ&#x20AC;?) nÂş 358, de 3 de janeiro de 2002, conforme alterada, comunica aos seus acionistas e ao mercado em geral que foi recebido, na presente data, o documento abaixo descrito: (i) Termo de RescisĂŁo de Acordo de Acionistas firmado em 29 de julho de 2011 entre os acionistas Otaviano Olavo Pivetta, Tiradentes Fundo de Investimentos em Participaçþes e Vila Rica I Fundo de Investimentos em Participaçþes. A Companhia, em cumprimento a regulamentação da ComissĂŁo de Valores MobiliĂĄrios - CVM e ao regulamento do Novo Mercado, manterĂĄ seus acionistas e o mercado informados sobre a existĂŞncia de qualquer informação ou fato relevante envolvendo a Companhia, atravĂŠs da BM&FBovespa, da CVM, website www.v-agro.com.br/ri. SĂŁo Paulo, 06 de junho de 2012. Bento Moreira Franco - Diretor Presidente e de Relaçþes com Investidores.

FALĂ&#x160;NCIA, RECUPERAĂ&#x2021;Ă&#x192;O EXTRAJUDICIAL E RECUPERAĂ&#x2021;Ă&#x192;O JUDICIAL

NOS TERMOS DO PROVIMENTO CSM CXC/84, INFORMAMOS QUE NO DIA 06/06/2012 NĂ&#x192;O HOUVE PEDIDO DE FALĂ&#x160;NCIA NA COMARCA DA CAPITAL.

 += *=   @" "D>   :     "C 6C @C 6k #$6 & '--)*(()-.(1'(3  8  Gal " C $>TC #$6 & '-2)'/*)(,(17-3     :    8 E $CC6 "C  $CD$C 0$  #$% & ,')-27)*/-0'''+1',3     9       : C E9    :) ) & '+'*'*21.')*'',)()*-)'''.9  A    $CC"[C 6[$C " C %" #$% & ,-)'/-)77/0'''+1 2,3) C )  6  C  689 %<    .= > $;   6  5  % A 09      9 ) 6? @ A 9    5 -(/1  $$  5     ) $" +-*,0*''/  %09 O  ?G_" Q #III)<J  ) ) 3     1 9  E  Z   5:     :  +=   ;   *' %8 *'+*  +'B'' 89       *2 %8 *'+*  +'B'' 89  5 1  A    5      :9  

 NE 5    *=   ;   *2 %8 *'+*  +'B'+ 89       +. 5 *'+*  +'B'' 89  : 8N    +=9 : A   E  5  A  9 :          /'\   : #) -/*  $$ ) +.  ) $" ) +-*,0*''/3       9              ) "D>B   & ,+9 <   ,&     ; "  %  9  P   O "  9 (-9  Z 9 *+& 

9   E   **'97. *9 E  55 (29-- *9 E    ++,9++ *9 E     ;  2*'9,' *9      '9'7-/*.'(9 :       79-/*.'(\9          5    .#Y3       8 O 9 5       & +'9++9+*  *&    55 N     9   &'2-)+-')''7/12) C N   " & (+)27,  +2& $ : 0) @6CB C      O    

9  N9 :9 9 '.#Y3 ;  #      E      39 8 9 <89 E   9   Y  5 ) > QCB R -*,)'''9'' #       39 <  O #50*'+'39 A     <  O       :) SGB         ) '- '70++0*''.9 A   A      9    Z TC$      N       P $    $ 0$  9  5         5                   9    & +7(  5 1(29          R -*,)(-(9.2 <  O # 0*'++34  )'7 '*0+'0*''7 X TC ;     :  :9 ) ,(.)+')*''-)+'2*,.1, # ,('0*''-3 h   *= > $;   6  5  59    "   !   @  8 <9  7 > ;  1 C9    R +'.)'''9''9  >) '( */0'/0*'+' X TC9 ;     :  :9 ) ''.)'()-'''7+1- #$)+23 h    .= > $;   6  5  % A9     $   

$ 0$  9  " 6     C9    R .77)+*+9-' #  0*''(3) $C$GC  $C  " C `B    :9  O    A     ;5 9    < L   H9  E   Y    9     O  < 9          O   <:   : #     ) */'  $$39  5   15     :9    :  O      ;  Ai  #          :        E        3)   O   :  5  O  G9     9   E     0

   ) $C `  >B 3     5:   : N   V         #) ++  ) $" ) +-*,0*''/9     ) .+     34 3 : 8        <   :  Y    A     ;     :  51 1E9   :9   5   5:9 A    E   ;       E  8        #) +*  ) $" ) +-*,0*''/34 3  5   5:9     ) -/*  $$9 :  :         /'\ #     3   <   : #) +.  ) $" ) +-*,0*''/34 3       Y             : N   V9  8E  8    5:  E 5  Y   A    E      8       #) +2  ) $" ) +-*,0*''/34 3    :9    :              5     5  1 9     <    :        ) :  E       A    N     1      5     5 9    AA       : 8       5   #) +,  ) $" ) +-*,0*''/34 3  :           9     O  ;   5        #) +-  ) $" ) +-*,0*''/34 53   :    5   E ,\ #   3       :9 :        #) +7  ) $" ) +-*,0*''/34 83    :  9    E 5  N        %;<   : #) +(  ) $" )+-*,0*''/34 3     E  < O *2 # A3 8       )   :  5   E 5    #) +/  ) ) $" ) +-*,0*''/34 N3    :  E     N<      :    5   5     :   :9            ) -/2  $ 5   $ #) *'  ) ) $" ) +-*,0*''/34 J3 :           9  5   E       %;<9     O          A  N    P  :  %;<9   N;<  :  :    ) -/,  $$ #) *+  ) ) $" ) +-*,0*''/34 3   A           9 : E  5       9 9   

      O 9 E  Y #.3     9             : 9   9   E       P    A  #) -/'19 E5 Z9  $$3) 3    8 :  :        Y ;  + 8         :) CCB C  :  E  <      9 6  ?J  9 %G$ & 7+/9  9 %G$ & 722 %8 @   9 %G$ & 7/,9  8    5     " ?J  9 %G$ & .*() a"C $@C  " QC 1 C      9       O 5  N   @  @ )) #    5Y3  O

  III)

) )   < *2 8   <:   :9    E       :     O 5  8    E9 C$   X  Y  V ; 9  < O '+ # 3  Z         :       CB " ?J   X $6 (.7).++)',(1,.9 @ Z9 5Y .7,-9 $0$ *7-+(1()  O , 8        :9       E        X                   

)     <  A    8  <   9   :  E  8   "") %;<       :     5  ; )   :  E    5               5      ) " QC  k$G QCB  #3#3   #3#39    :   ;5 9 5  ;     N  #3    #3 #3 #39     5 -,+9  $ 5   $9  E    O   8 5     :9  5         5   8   : <   :   A P  :   :9                5 )   9  E #3   #3 5   h <   ; 9  N9 9 8E  ;   :       C ,\ #   3     5 # ;   A  3) $CCB            9  E #3   #3      5:             P ,\ #   3       ) d>  $$"CB       >       P :9        9 <      5O9 & +)//-9 -&  9 T5 9 $ X 9   9      #++3*+(21'/'' B W<J  ) )  6    9      8  "C 

5  9  :  N <     :  ) :    8         N5 ) F  V      9  :      F9     O  G0     A  :  15      :      ) +.'9 LH E5 Z9  $9    :      )      E    E  L H     : A  )  E     9  9           ) b                        !      " #$% & '()*+,)-./0'''+1'234            5     6    #$6 & *2,)-77)*7(12.3   $8   #$6 & *27)/7,)2+(1/-39     :         )  "") %;<

  $   ;  *= > $;   $   0       6? @9  A          8        9 A   %;<   1    :  : 5  59 ) & *(+)'+)*''/)''/'7+12 # & +(/+0*''/39  A    @@ " #$6 & 77-)(++)(,(1(739 A 

5          9      5    5B C "D> 1 C     E     E  F $CGH    A  # 3)   

: 8          5  : ;    III)<J  ) )  "D>B G      $K  9 ;     & +'9  A  69    

   L%   6 H     ;          9   +'9''         4 *,9''    9      & '-4 *,9''    A  9      &+* +'9''   9      &'/9      A  6     E   *,'9'' M) $  B 2+*++),*)2,)''7.*)')'.2-)''''') " & '.7*(-) C N    & .7)*(-  $  1) @6CB $     : O 9 5   P A       9     E  ;  *,'9'' M) > QCB R +.')-++922 #   9    <   A  A  3 <  O #N 0*'+*39 A

 E   <  O    ) SGB $        )* # +')',)*'++3  TC UC     A  )  > QC 1 $ V

               5 )    :   5     1  W<J  ) )     X    E  <   "C S$C9 O   III)<J  ) )  C +&  5:  E ; *2 N8 *'+*9 E +-B'' 8   1 '. #Y3  Z     9 E +-B'' 8 #*70'70*'+*3) $       : N    :      +&  5:9    51 1E   : O P +-B'' 8   .' 5 *'+* 1 *&  5:) C >C "["C  > C "D> X     5:9   ;            5   E    : N )   5   5:9 :  :         -'\ #     3    : N ) C $ X C    :          9 O   III)<J  ) )  C ]@C X C   :    <   5 

O    E             #) +.'  $39    E    5   O    <9      ;9 E59 < 5E)  $C"QC > ^ ?G_" ` X C    E 5 P ?J       ;  :9       ,\ #   3     :    )   :   : E      :  E       8  8  9     :       : N 9  <  8  P 

   9 <      ) C a"C X C    E    5          #39 <     :   9   9  < O '. #Y3         O 5  N    %;<  E 9     <    :) C a"C  $C"QC 1 C 5    :  ?J       E    <  O '.#Y3         9 O  8 9 C$       EB @ Z9 5Y .7,-9    *7-+(1(9 " ?J   1 $6 (.7).++)',(1,.)      :   %<9   8  P     9  :  ;        5               :  ?J     9 <      )        :  A   $$9    $" & +)-*,0'/9  %    5 ..,9  $)     5      : ;    III)<J  ) )    :                 ) b


DIĂ RIO DO COMĂ&#x2030;RCIO

18 -.ECONOMIA

Promosec Companhia Securitizadora de CrĂŠditos Financeiros CNPJ no 04.755.953/0001-10 - NIRE 35.300.188.209 Ata das Assembleias Gerais ExtraordinĂĄria e OrdinĂĄria realizadas cumulativamente em 2.4.2012 Data, Hora, Local: Aos 2 dias do mĂŞs de abril de 2012, Ă s 15h, na sede social, Cidade de Deus, PrĂŠdio Prata, 4 o andar, Vila Yara, Osasco, SP, CEP 06029-900. Presença: Compareceram, identificaram-se e assinaram o Livro de Presença os representantes do Banco Bradesco Financiamentos S.A., Ăşnico acionista da Sociedade. Verificou-se tambĂŠm a presença dos senhores Domingos Figueiredo de Abreu, Diretor, e AndrĂŠ Dala Pola, representante da empresa KPMG Auditores Independentes. Constituição da Mesa: Presidente: Julio de Siqueira Carvalho de Araujo; SecretĂĄrio: Antonio JosĂŠ da Barbara. Convocação: Dispensada a publicação do Edital de Convocação, de conformidade com o disposto no ParĂĄgrafo Quarto do Artigo 124 da Lei n o 6.404/ 76. Ordem do Dia: Assembleia Geral ExtraordinĂĄria: - examinar propostas da Diretoria para: a) aumentar o capital social no valor de R$150.000,00 (cento e cinquenta mil reais), elevando-o de R$3.000.000,00 (trĂŞs milhĂľes de reais) para R$3.150.000,00 (trĂŞs milhĂľes, cento e cinquenta mil reais), mediante a emissĂŁo de 815 (oitocentas e quinze) novas açþes ordinĂĄrias, nominativasescriturais, sem valor nominal, ao preço de R$184,049079755 por ação, com integralização Ă  vista, no ato da subscrição, com a consequente alteração do â&#x20AC;&#x153;caputâ&#x20AC;? do Artigo 6o do Estatuto Social; b) alterar o Estatuto Social, na alĂ­nea â&#x20AC;&#x153;gâ&#x20AC;? do Artigo 10, aprimorando a sua redação; Assembleia Geral OrdinĂĄria: I) tomar conhecimento dos RelatĂłrios da Administração e dos Auditores Independentes, e examinar, discutir e votar as Demonstraçþes ContĂĄbeis relativas ao exercĂ­cio social findo em 31.12.2011; II) eleger os membros da Diretoria; III) fixar o montante global anual da remuneração dos Administradores. Deliberaçþes: Assembleia Geral ExtraordinĂĄria: - aprovadas, sem quaisquer alteraçþes ou ressalvas, as propostas da Diretoria, desta data, registradas na reuniĂŁo daquele Ă&#x201C;rgĂŁo, a seguir transcritas: â&#x20AC;&#x153;a) aumentar o capital social no valor de R$150.000,00 (cento e cinquenta mil reais), elevando-o de R$3.000.000,00 (trĂŞs milhĂľes de reais) para R$3.150.000,00 (trĂŞs milhĂľes, cento e cinquenta mil reais), mediante a emissĂŁo de 815 (oitocentas e quinze) novas açþes ordinĂĄrias, nominativas-escriturais, sem valor nominal, ao preço de R$184,049079755 por ação, com integralização Ă  vista, no ato da subscrição. O preço de emissĂŁo foi fixado com base no valor contĂĄbil ajustado por ação da Sociedade em 31.3.2012, de conformidade com o disposto no Inciso II do ParĂĄgrafo Primeiro do Artigo 170 da Lei no 6.404/76. As açþes subscritas no referido aumento de capital terĂŁo direito a dividendos e/ou juros sobre o capital prĂłprio que vierem a ser declarados a partir da data de integralização do referido aumento de capital, fazendo jus tambĂŠm, de forma integral, a eventuais vantagens atribuĂ­das Ă s demais açþes a partir daquela data. Em consequĂŞncia, a redação do â&#x20AC;&#x153;caputâ&#x20AC;? do Artigo 6o do Estatuto Social serĂĄ alterada apĂłs completado todo o processo do aumento do capital; b) alterar o Estatuto Social, na alĂ­nea â&#x20AC;&#x153;gâ&#x20AC;? do Artigo 10, aprimorando a sua redação. Se aprovada essa proposta, a redação da alĂ­nea â&#x20AC;&#x153;gâ&#x20AC;? do Artigo 10 do Estatuto Social passarĂĄ a ser a seguinte: â&#x20AC;&#x153;Art. 10) - g) limitado ao montante global anual aprovado pela Assembleia Geral, realizar a distribuição das verbas de remuneração aos Administradores;â&#x20AC;?. Na sequĂŞncia dos trabalhos, os representantes do Banco Bradesco Financiamentos S.A., Ăşnico acionista da Sociedade, assinaram o respectivo Boletim de Subscrição, subscrevendo as 815 açþes ordinĂĄrias, nominativas-escriturais, sem valor nominal, e integralizando no ato, em moeda corrente nacional. Em seguida, o senhor Presidente comunicou aos presentes o seguinte: 1) ter sido totalmente subscrito e integralizado o aumento de capital no valor de R$150.000,00, consistente de 815 açþes ordinĂĄrias, nominativas-escriturais, sem valor nominal; 2) que verificada a subscrição integral e a integralização do aumento de capital o â&#x20AC;&#x153;caputâ&#x20AC;? do Artigo 6o do Estatuto Social passarĂĄ a vigorar com a seguinte redação: â&#x20AC;&#x153;Art. 6o) O Capital Social ĂŠ de R$3.150.000,00 (trĂŞs milhĂľes, cento e cinquenta mil reais), dividido em 6.815 (seis mil, oitocentas e quinze) açþes ordinĂĄrias, nominativas-escriturais, sem valor nominal.â&#x20AC;?. Assembleia Geral OrdinĂĄria: I) tomaram conhecimento dos RelatĂłrios da Administração e dos Auditores Independentes, e aprovaram, sem ressalvas, as Demonstraçþes ContĂĄbeis relativas ao exercĂ­cio social findo em 31.12.2011, de conformidade com a publicação efetivada, em 14.3.2012, nos jornais â&#x20AC;&#x153;DiĂĄrio Oficial do Estado de SĂŁo Pauloâ&#x20AC;?, pĂĄginas 11 e 12 e â&#x20AC;&#x153;DiĂĄrio do ComĂŠrcioâ&#x20AC;?, pĂĄginas 11 e 12; II) reeleitos membros da Diretoria, com mandato atĂŠ a Assembleia Geral OrdinĂĄria de 2013, os senhores: DiretorPresidente: Luiz Carlos Trabuco Cappi, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 5.284.352-X/SSP-SP, CPF 250.319.028/68; Diretores: Julio de Siqueira Carvalho de Araujo, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 55.567.472-1/SSP-SP, CPF 425.327.017/49; Domingos Figueiredo de Abreu, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 6.438.883-9/SSP-SP, CPF 942.909.898/53; e eleitos os senhores: JosĂŠ Alcides Munhoz, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 50.172.182-4/SSP-SP, CPF 064.350.330/ 72; AurĂŠlio Conrado Boni, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 4.661.428-X/SSP-SP, CPF 191.617.008/00; SĂŠrgio Alexandre Figueiredo Clemente, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 55.799.633-8/SSP-SP, CPF 373.766.326/20; e Marco Antonio Rossi, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 12.529.752-X/SSP-SP, CPF 015.309.538/55, todos com domicĂ­lio na Cidade de Deus, Vila Yara, Osasco, SP, CEP 06029-900, sendo que permanecerĂŁo nas suas funçþes atĂŠ que a Ata da Assembleia Geral OrdinĂĄria que eleger os novos membros em 2013 seja arquivada na Junta Comercial e publicada; III) fixado o montante global anual da remuneração dos Administradores, no valor de atĂŠ R$90.000,00, a ser distribuĂ­da em ReuniĂŁo da Diretoria, conforme determina a letra â&#x20AC;&#x153;gâ&#x20AC;? do Artigo 10 do Estatuto Social. Em seguida, os Diretores reeleitos e eleitos: 1) declararam: a) sob as penas da lei, nĂŁo estarem impedidos de exercer a administração de sociedade por lei especial, ou condenados a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos pĂşblicos; por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussĂŁo, peculato, ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra as normas de defesa da concorrĂŞncia, contra as relaçþes de consumo, a fĂŠ pĂşblica, ou a propriedade; b) que abrem mĂŁo do direito ao recebimento de qualquer valor a tĂ­tulo de remuneração, posto que jĂĄ recebem honorĂĄrios de outra Empresa da Organização Bradesco; 2) assinaram a presente Ata, que vale como termo de posse. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, o senhor Presidente esclareceu que, para as deliberaçþes tomadas, o Conselho Fiscal da Companhia nĂŁo foi ouvido por nĂŁo se encontrar instalado no perĂ­odo, e encerrou os trabalhos, lavrando-se a presente Ata, que lida e achada conforme, foi aprovada por todos os presentes que a subscrevem, inclusive pelo representante da empresa KPMG Auditores Independentes. aa) Presidente: Julio de Siqueira Carvalho de Araujo; SecretĂĄrio: Antonio JosĂŠ da Barbara; Administrador: Domingos Figueiredo de Abreu; Acionista: Banco Bradesco Financiamentos S.A., por seus Diretores, senhores Julio de Siqueira Carvalho de Araujo e Domingos Figueiredo de Abreu; Auditor: AndrĂŠ Dala Pola; Diretores reeleitos: Luiz Carlos Trabuco Cappi - Diretor-Presidente; Julio de Siqueira Carvalho de Araujo; Domingos Figueiredo de Abreu; Diretores eleitos: JosĂŠ Alcides Munhoz; AurĂŠlio Conrado Boni; SĂŠrgio Alexandre Figueiredo Clemente e Marco Antonio Rossi. Declaração: Declaro para os devidos fins que a presente ĂŠ cĂłpia fiel da Ata lavrada no livro prĂłprio e que sĂŁo autĂŞnticas, no mesmo livro, as assinaturas nele apostas. a) Antonio JosĂŠ da Barbara - SecretĂĄrio. CertidĂŁo - Secretaria de Desenvolvimento EconĂ´mico, CiĂŞncia e Tecnologia - Junta Comercial do Estado de SĂŁo Paulo - Certifico o registro sob nĂşmero 195.281/12-3, em 9.5.2012. a) Gisela Simiema Ceschin - SecretĂĄria Geral.

Beverly Holdings S.A. CNPJ no 14.380.636/0001-10 - NIRE 35.300.413.687 Ata da Assembleia Geral OrdinĂĄria realizada em 15.3.2012 Data, Hora, Local: Aos 15 dias do mĂŞs de março de 2012, Ă s 14h, na sede social, Cidade de Deus, PrĂŠdio Prata, 4 o andar, Vila Yara, Osasco, SP, CEP 06029-900. Presença: Compareceram, identificaram-se e assinaram o Livro de Presença os representantes das acionistas da Sociedade. Constituição da Mesa: Presidente: Julio de Siqueira Carvalho de Araujo; SecretĂĄrio: Antonio JosĂŠ da Barbara. Verificou-se tambĂŠm a presença do senhor Domingos Figueiredo de Abreu, Diretor. Convocação: Dispensada a publicação do Edital de Convocação, de conformidade com o disposto no ParĂĄgrafo Quarto do Artigo 124 da Lei n o 6.404/76. Ordem do dia: I) tomar as contas dos Administradores, examinar, discutir e votar as Demonstraçþes ContĂĄbeis relativas ao exercĂ­cio social findo em 31.12.2011; II) eleger os membros da Diretoria; III) fixar o montante global anual da remuneração dos Administradores. Deliberaçþes: I) aprovadas, sem reservas, as contas dos Administradores e as Demonstraçþes ContĂĄbeis relativas ao exercĂ­cio social findo em 31.12.2011, registrando que, tendo em vista a Sociedade enquadrar-se no disposto no â&#x20AC;&#x153;caputâ&#x20AC;? do Artigo 294 da Lei no 6.404/76 e de conformidade com o disposto no Inciso II do jĂĄ mencionado Artigo, as referidas Demonstraçþes ContĂĄbeis nĂŁo foram publicadas e serĂŁo levadas a registro juntamente com esta Ata; II)reeleitos membros da Diretoria, com mandato atĂŠ a Assembleia Geral OrdinĂĄria de 2013, os senhores: Diretor-Presidente: Luiz Carlos Trabuco Cappi, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 5.284.352-X/SSP-SP, CPF 250.319.028/68; Diretores: Julio de Siqueira Carvalho de Araujo, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 55.567.472-1-SSP/SP, CPF 425.327.017/49; Domingos Figueiredo de Abreu, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 6.438.883-9/SSP-SP, CPF 942.909.898/53; e eleitos os senhores: JosĂŠ Alcides Munhoz, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 50.172.182-4/SSP-SP, CPF 064.350.330/72; AurĂŠlio Conrado Boni, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 4.661.428-X/SSP-SP, CPF 191.617.008/00; SĂŠrgio Alexandre Figueiredo Clemente, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 55.799.633-8/SSP-SP, CPF 373.766.326/20; e Marco Antonio Rossi, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 12.529.752-X/SSP-SP, CPF 015.309.538/55, todos com domicĂ­lio na Cidade de Deus, Vila Yara, Osasco, SP, CEP 06029-900, sendo que permanecerĂŁo em suas funçþes atĂŠ que a Ata da Assembleia Geral OrdinĂĄria de 2013 que eleger a Diretoria seja arquivada na Junta Comercial e publicada; III) fixado o montante global anual da remuneração dos Administradores, no valor de atĂŠ R$90.000,00, a ser distribuĂ­da em ReuniĂŁo da Diretoria, conforme determina a letra â&#x20AC;&#x153;gâ&#x20AC;? do Artigo 9 o do Estatuto Social. Em seguida, os Diretores reeleitos e eleitos: 1) declararam: a) sob as penas da lei, nĂŁo estarem impedidos de exercer a administração de sociedade por lei especial, ou condenados a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos pĂşblicos; por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussĂŁo, peculato, ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra as normas de defesa da concorrĂŞncia, contra as relaçþes de consumo, a fĂŠ pĂşblica, ou a propriedade; b) que abrem mĂŁo do direito ao recebimento de qualquer valor a tĂ­tulo de remuneração, posto que jĂĄ recebem honorĂĄrios de outra Empresa da Organização Bradesco; 2) assinaram a presente Ata, que vale como termo de posse. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, o senhor Presidente esclareceu que, para as deliberaçþes tomadas, o Conselho Fiscal da Companhia nĂŁo foi ouvido por nĂŁo se encontrar instalado no perĂ­odo, e encerrou os trabalhos, lavrando-se a presente Ata, que lida e achada conforme, foi aprovada por todos os presentes que a subscrevem. aa) Presidente: Julio de Siqueira Carvalho de Araujo; SecretĂĄrio: Antonio JosĂŠ da Barbara; Administrador: Domingos Figueiredo de Abreu; Acionistas: Bradesplan Participaçþes Ltda. e UniĂŁo Participaçþes Ltda., por seus Diretores, senhores Julio de Siqueira Carvalho de Araujo e Domingos Figueiredo de Abreu; Diretores reeleitos: Luiz Carlos Trabuco Cappi - Diretor-Presidente; Julio de Siqueira Carvalho de Araujo; Domingos Figueiredo de Abreu; Diretores eleitos: JosĂŠ Alcides Munhoz; AurĂŠlio Conrado Boni; SĂŠrgio Alexandre Figueiredo Clemente; e Marco Antonio Rossi. Declaração: Declaro para os devidos fins que a presente ĂŠ cĂłpia fiel da Ata lavrada no livro prĂłprio e que sĂŁo autĂŞnticas, no mesmo livro, as assinaturas nele apostas. a) Antonio JosĂŠ da Barbara SecretĂĄrio. CertidĂŁo - Secretaria de Desenvolvimento EconĂ´mico, CiĂŞncia e Tecnologia - Junta Comercial do Estado de SĂŁo Paulo - Certifico o registro sob nĂşmero 190.381/12-7, em 9.5.2012. a) Gisela Simiema Ceschin - SecretĂĄria Geral. 1ÂŞ Vara CĂ­vel do Foro Regional X â&#x20AC;&#x201C; Ipiranga EDITAL DE CITAĂ&#x2021;Ă&#x192;O - PRAZO DE 20 DIAS. PROCESSO NÂş 0105729-10.2008.8.26.0010/4. O(A) Doutor(a) Ana Lucia Romanhole Martucci, MM. Juiz(a) de Direito da 1ÂŞ Vara CĂ­vel, do Foro Regional X - Ipiranga, da Comarca de SĂ&#x192;O PAULO, do Estado de SĂŁo Paulo, na forma da Lei, etc. FAZ SABER a GNV CombustĂ­veis Ltda., CNPJ. 04.699.965/0001-75, na pessoa de seu representante legal; Maria Francisca Blau Pazini, CPF. 933.981.588-20; Rubens Tonelli, CPF/MF 020.742.738-00 e a LaĂ­s Uzzo Tonelli, CPF. 247.918.238-00, que Tower Brasil PetrĂłleo Ltda. lhe ajuizou uma ação DeclaratĂłria de RescisĂŁo Contratual, com pedido de antecipação de tutela, objetivando a imediata descaracterização da marca TOWER no estabelecimento, e a reintegração de posse dos equipamentos cedidos em comodato, bem como a declaração de rescisĂŁo do contrato celebrado, por inadimplemento, alĂŠm da condenação dos rĂŠus ao pagamento de indenização por perdas e danos. Requer ainda, a reintegração definitiva da autora na posse dos equipamentos, bem como a condenação dos rĂŠus aos Ă´nus de sucumbĂŞncia. Estando as rĂŠs em local ignorado, foi deferida a CITAĂ&#x2021;Ă&#x192;O por EDITAL, para que em 15 dias, a fluir apĂłs os 20 dias supra, contestem o feito, sob pena de presumirem-se verdadeiros os fatos alegados. SerĂĄ o edital, afixado e publicado na forma da lei, sendo este FĂłrum localizado na Rua Agostinho Gomes, 1455, 1Âş andar - sala 115, Ipiranga - CEP 04206-000, Fone: (11) 2273-6328, SĂŁo Paulo, 29 de maio de 2012.

Amapari Holdings S.A. CNPJ no 15.012.678/0001-61 â&#x20AC;&#x201C; NIRE 35.300.418.301 Ata da Assembleia Geral OrdinĂĄria realizada em 15.3.2012 Data, Hora, Local: Aos 15 dias do mĂŞs de março de 2012, Ă s 11h, na sede social, Cidade de Deus, PrĂŠdio Prata, 4 o andar, Vila Yara, Osasco, SP, CEP 06029-900. Presença: Compareceram, identificaram-se e assinaram o Livro de Presença os representantes das acionistas da Sociedade. Constituição da Mesa: Presidente: Julio de Siqueira Carvalho de Araujo; SecretĂĄrio: Antonio JosĂŠ da Barbara. Verificou-se tambĂŠm a presença do senhor Domingos Figueiredo de Abreu, Diretor. Convocação: Dispensada a publicação do Edital de Convocação, de conformidade com o disposto no ParĂĄgrafo Quarto do Artigo 124 da Lei no 6.404/76. Ordem do dia: I) tomar as contas dos Administradores, examinar, discutir e votar as Demonstraçþes ContĂĄbeis relativas ao exercĂ­cio social findo em 31.12.2011; II) eleger os membros da Diretoria; III) fixar o montante global anual da remuneração dos Administradores. Deliberaçþes: I) aprovadas, sem reservas, as contas dos Administradores e as Demonstraçþes ContĂĄbeis relativas ao exercĂ­cio social findo em 31.12.2011, registrando que, tendo em vista a Sociedade enquadrar-se no disposto no â&#x20AC;&#x153;caputâ&#x20AC;? e Inciso II do Artigo 294 da Lei n o 6.404/76, as referidas Demonstraçþes ContĂĄbeis nĂŁo foram publicadas e serĂŁo levadas a registro juntamente com esta Ata; II) reeleitos membros da Diretoria, com mandato atĂŠ a Assembleia Geral OrdinĂĄria de 2013, os senhores: Diretor-Presidente: Luiz Carlos Trabuco Cappi, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 5.284.352-X/SSP-SP, CPF 250.319.028/68; Diretores: Julio de Siqueira Carvalho de Araujo, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 55.567.472-1SSP/SP, CPF 425.327.017/49; Domingos Figueiredo de Abreu, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 6.438.883-9/SSP-SP, CPF 942.909.898/53; e eleitos os senhores: JosĂŠ Alcides Munhoz, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 50.172.182-4/SSP-SP, CPF 064.350.330/72; AurĂŠlio Conrado Boni, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 4.661.428-X/SSP-SP, CPF 191.617.008/00; SĂŠrgio Alexandre Figueiredo Clemente, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 55.799.633-8/SSP-SP, CPF 373.766.326/20; e Marco Antonio Rossi, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 12.529.752-X/SSP-SP, CPF 015.309.538/55, todos com domicĂ­lio na Cidade de Deus, Vila Yara, Osasco, SP, CEP 06029900, sendo que permanecerĂŁo em suas funçþes atĂŠ que a Ata da Assembleia Geral OrdinĂĄria de 2013 que eleger a Diretoria seja arquivada na Junta Comercial e publicada; III) fixado o montante global anual da remuneração dos Administradores, no valor de atĂŠ R$90.000,00, a ser distribuĂ­da em ReuniĂŁo da Diretoria, conforme determina a letra â&#x20AC;&#x153;gâ&#x20AC;? do Artigo 9 o do Estatuto Social. Em seguida, os Diretores reeleitos e eleitos: 1) declararam: a) sob as penas da lei, nĂŁo estarem impedidos de exercer a administração de sociedade por lei especial, ou condenados a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos pĂşblicos; por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussĂŁo, peculato, ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra as normas de defesa da concorrĂŞncia, contra as relaçþes de consumo, a fĂŠ pĂşblica, ou a propriedade; b) que abrem mĂŁo do direito ao recebimento de qualquer valor a tĂ­tulo de remuneração, posto que jĂĄ recebem honorĂĄrios de outra Empresa da Organização Bradesco; 2) assinaram a presente Ata, que vale como termo de posse. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, o senhor Presidente esclareceu que, para as deliberaçþes tomadas, o Conselho Fiscal da Companhia nĂŁo foi ouvido por nĂŁo se encontrar instalado no perĂ­odo, e encerrou os trabalhos, lavrando-se a presente Ata, que lida e achada conforme, foi aprovada por todos os presentes que a subscrevem. aa) Presidente: Julio de Siqueira Carvalho de Araujo; SecretĂĄrio: Antonio JosĂŠ da Barbara; Administrador: Domingos Figueiredo de Abreu; Acionistas: Bradesplan Participaçþes Ltda. e UniĂŁo Participaçþes Ltda., por seus Diretores, senhores Julio de Siqueira Carvalho de Araujo e Domingos Figueiredo de Abreu; Diretores reeleitos: Luiz Carlos Trabuco Cappi - Diretor-Presidente; Julio de Siqueira Carvalho de Araujo; Domingos Figueiredo de Abreu; Diretores eleitos: JosĂŠ Alcides Munhoz; AurĂŠlio Conrado Boni; SĂŠrgio Alexandre Figueiredo Clemente; e Marco Antonio Rossi. Declaração: Declaro para os devidos fins que a presente ĂŠ cĂłpia fiel da Ata lavrada no livro prĂłprio e que sĂŁo autĂŞnticas, no mesmo livro, as assinaturas nele apostas. a) Antonio JosĂŠ da Barbara - SecretĂĄrio. CertidĂŁo - Secretaria de Desenvolvimento EconĂ´mico, CiĂŞncia e Tecnologia - Junta Comercial do Estado de SĂŁo Paulo - Certifico o registro sob nĂşmero 196.589/12-5, em 11.5.2012. a) Gisela Simiema Ceschin - SecretĂĄria Geral.

Barinas Holdings S.A. CNPJ no 15.011.336/0001-27 â&#x20AC;&#x201C; NIRE 35.300.419.049 Ata da Assembleia Geral OrdinĂĄria realizada em 15.3.2012 Data, Hora, Local: Aos 15 dias do mĂŞs de março de 2012, Ă s 13h30, na sede social, Cidade de Deus, PrĂŠdio Prata, 4 o andar, Vila Yara, Osasco, SP, CEP 06029-900. Presença: Compareceram, identificaram-se e assinaram o Livro de Presença os representantes das acionistas da Sociedade. Constituição da Mesa: Presidente: Julio de Siqueira Carvalho de Araujo; SecretĂĄrio: Antonio JosĂŠ da Barbara. Verificou-se tambĂŠm a presença do senhor Domingos Figueiredo de Abreu, Diretor. Convocação: Dispensada a publicação do Edital de Convocação, de conformidade com o disposto no ParĂĄgrafo Quarto do Artigo 124 da Lei n o 6.404/76. Ordem do dia: I) tomar as contas dos Administradores, examinar, discutir e votar as Demonstraçþes ContĂĄbeis relativas ao exercĂ­cio social findo em 31.12.2011; II) eleger os membros da Diretoria; III) fixar o montante global anual da remuneração dos Administradores. Deliberaçþes: I) aprovadas, sem reservas, as contas dos Administradores e as Demonstraçþes ContĂĄbeis relativas ao exercĂ­cio social findo em 31.12.2011, registrando que, tendo em vista a Sociedade enquadrar-se no disposto no â&#x20AC;&#x153;caputâ&#x20AC;? do Artigo 294 da Lei no 6.404/76 e de conformidade com o disposto no Inciso II do jĂĄ mencionado Artigo, as referidas Demonstraçþes ContĂĄbeis nĂŁo foram publicadas e serĂŁo levadas a registro juntamente com esta Ata; II) reeleitos membros da Diretoria, com mandato atĂŠ a Assembleia Geral OrdinĂĄria de 2013, os senhores: Diretor-Presidente: Luiz Carlos Trabuco Cappi, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 5.284.352-X/SSP-SP, CPF 250.319.028/68; Diretores: Julio de Siqueira Carvalho de Araujo, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 55.567.472-1-SSP/SP, CPF 425.327.017/49; Domingos Figueiredo de Abreu, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 6.438.883-9/SSP-SP, CPF 942.909.898/53; e eleitos os senhores: JosĂŠ Alcides Munhoz, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 50.172.182-4/SSP-SP, CPF 064.350.330/72; AurĂŠlio Conrado Boni, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 4.661.428-X/SSP-SP, CPF 191.617.008/00; SĂŠrgio Alexandre Figueiredo Clemente, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 55.799.633-8/SSP-SP, CPF 373.766.326/20; e Marco Antonio Rossi, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 12.529.752-X/SSP-SP, CPF 015.309.538/55, todos com domicĂ­lio na Cidade de Deus, Vila Yara, Osasco, SP, CEP 06029-900, sendo que permanecerĂŁo em suas funçþes atĂŠ que a Ata da Assembleia Geral OrdinĂĄria de 2013 que eleger a Diretoria seja arquivada na Junta Comercial e publicada; III) fixado o montante global anual da remuneração dos Administradores, no valor de atĂŠ R$90.000,00, a ser distribuĂ­da em ReuniĂŁo da Diretoria, conforme determina a letra â&#x20AC;&#x153;gâ&#x20AC;? do Artigo 9 o do Estatuto Social. Em seguida, os Diretores reeleitos e eleitos: 1) declararam: a) sob as penas da lei, nĂŁo estarem impedidos de exercer a administração de sociedade por lei especial, ou condenados a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos pĂşblicos; por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussĂŁo, peculato, ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra as normas de defesa da concorrĂŞncia, contra as relaçþes de consumo, a fĂŠ pĂşblica, ou a propriedade; b) que abrem mĂŁo do direito ao recebimento de qualquer valor a tĂ­tulo de remuneração, posto que jĂĄ recebem honorĂĄrios de outra Empresa da Organização Bradesco; 2) assinaram a presente Ata, que vale como termo de posse. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, o senhor Presidente esclareceu que, para as deliberaçþes tomadas, o Conselho Fiscal da Companhia nĂŁo foi ouvido por nĂŁo se encontrar instalado no perĂ­odo, e encerrou os trabalhos, lavrando-se a presente Ata, que lida e achada conforme, foi aprovada por todos os presentes que a subscrevem. aa) Presidente: Julio de Siqueira Carvalho de Araujo; SecretĂĄrio: Antonio JosĂŠ da Barbara; Administrador: Domingos Figueiredo de Abreu; Acionistas: Bradesplan Participaçþes Ltda. e UniĂŁo Participaçþes Ltda., por seus Diretores, senhores Julio de Siqueira Carvalho de Araujo e Domingos Figueiredo de Abreu; Diretores reeleitos: Luiz Carlos Trabuco Cappi - Diretor-Presidente; Julio de Siqueira Carvalho de Araujo; Domingos Figueiredo de Abreu; Diretores eleitos: JosĂŠ Alcides Munhoz; AurĂŠlio Conrado Boni; SĂŠrgio Alexandre Figueiredo Clemente; e Marco Antonio Rossi. Declaração: Declaro para os devidos fins que a presente ĂŠ cĂłpia fiel da Ata lavrada no livro prĂłprio e que sĂŁo autĂŞnticas, no mesmo livro, as assinaturas nele apostas. a) Antonio JosĂŠ da Barbara SecretĂĄrio. CertidĂŁo - Secretaria de Desenvolvimento EconĂ´mico, CiĂŞncia e Tecnologia - Junta Comercial do Estado de SĂŁo Paulo - Certifico o registro sob nĂşmero 190.382/12-0, em 9.5.2012. a) Gisela Simiema Ceschin - SecretĂĄria Geral.

Dueville Holdings S.A. CNPJ no 14.469.641/0001-02 - NIRE 35.300.413.261 Ata da Assembleia Geral OrdinĂĄria realizada em 15.3.2012 Data, Hora, Local: Aos 15 dias do mĂŞs de março de 2012, Ă s 14h30, na sede social, Cidade de Deus, PrĂŠdio Prata, 4 o andar, Vila Yara, Osasco, SP, CEP 06029-900. Presença: Compareceram, identificaram-se e assinaram o Livro de Presença os representantes das acionistas da Sociedade. Constituição da Mesa: Presidente: Julio de Siqueira Carvalho de Araujo; SecretĂĄrio: Antonio JosĂŠ da Barbara. Verificou-se tambĂŠm a presença do senhor Domingos Figueiredo de Abreu, Diretor. Convocação: Dispensada a publicação do Edital de Convocação, de conformidade com o disposto no ParĂĄgrafo Quarto do Artigo 124 da Lei n o 6.404/76. Ordem do dia: I) tomar as contas dos Administradores, examinar, discutir e votar as Demonstraçþes ContĂĄbeis relativas ao exercĂ­cio social findo em 31.12.2011; II) eleger os membros da Diretoria; III) fixar o montante global anual da remuneração dos Administradores. Deliberaçþes: I) aprovadas, sem reservas, as contas dos Administradores e as Demonstraçþes ContĂĄbeis relativas ao exercĂ­cio social findo em 31.12.2011, registrando que, tendo em vista a Sociedade enquadrar-se no disposto no â&#x20AC;&#x153;caputâ&#x20AC;? do Artigo 294 da Lei no 6.404/76 e de conformidade com o disposto no Inciso II do jĂĄ mencionado Artigo, as referidas Demonstraçþes ContĂĄbeis nĂŁo foram publicadas e serĂŁo levadas a registro juntamente com esta Ata; II) reeleitos membros da Diretoria, com mandato atĂŠ a Assembleia Geral OrdinĂĄria de 2013, os senhores: Diretor-Presidente: Luiz Carlos Trabuco Cappi, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 5.284.352-X/SSP-SP, CPF 250.319.028/68; Diretores: Julio de Siqueira Carvalho de Araujo, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 55.567.472-1-SSP/SP, CPF 425.327.017/49; Domingos Figueiredo de Abreu, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 6.438.883-9/SSP-SP, CPF 942.909.898/53; e eleitos os senhores: JosĂŠ Alcides Munhoz, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 50.172.182-4/SSP-SP, CPF 064.350.330/72; AurĂŠlio Conrado Boni, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 4.661.428-X/SSP-SP, CPF 191.617.008/00; SĂŠrgio Alexandre Figueiredo Clemente, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 55.799.633-8/SSP-SP, CPF 373.766.326/20; e Marco Antonio Rossi, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 12.529.752-X/SSP-SP, CPF 015.309.538/55, todos com domicĂ­lio na Cidade de Deus, Vila Yara, Osasco, SP, CEP 06029-900, sendo que permanecerĂŁo em suas funçþes atĂŠ que a Ata da Assembleia Geral OrdinĂĄria de 2013 que eleger a Diretoria seja arquivada na Junta Comercial e publicada; III) fixado o montante global anual da remuneração dos Administradores, no valor de atĂŠ R$90.000,00, a ser distribuĂ­da em ReuniĂŁo da Diretoria, conforme determina a letra â&#x20AC;&#x153;gâ&#x20AC;? do Artigo 9 o do Estatuto Social. Em seguida, os Diretores reeleitos e eleitos: 1) declararam: a) sob as penas da lei, nĂŁo estarem impedidos de exercer a administração de sociedade por lei especial, ou condenados a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos pĂşblicos; por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussĂŁo, peculato, ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra as normas de defesa da concorrĂŞncia, contra as relaçþes de consumo, a fĂŠ pĂşblica, ou a propriedade; b) que abrem mĂŁo do direito ao recebimento de qualquer valor a tĂ­tulo de remuneração, posto que jĂĄ recebem honorĂĄrios de outra Empresa da Organização Bradesco; 2) assinaram a presente Ata, que vale como termo de posse. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, o senhor Presidente esclareceu que, para as deliberaçþes tomadas, o Conselho Fiscal da Companhia nĂŁo foi ouvido por nĂŁo se encontrar instalado no perĂ­odo, e encerrou os trabalhos, lavrando-se a presente Ata, que lida e achada conforme, foi aprovada por todos os presentes que a subscrevem. aa) Presidente: Julio de Siqueira Carvalho de Araujo; SecretĂĄrio: Antonio JosĂŠ da Barbara; Administrador: Domingos Figueiredo de Abreu; Acionistas: Bradesplan Participaçþes Ltda. e UniĂŁo Participaçþes Ltda., por seus Diretores, senhores Julio de Siqueira Carvalho de Araujo e Domingos Figueiredo de Abreu; Diretores reeleitos: Luiz Carlos Trabuco Cappi - Diretor-Presidente; Julio de Siqueira Carvalho de Araujo; Domingos Figueiredo de Abreu; Diretores eleitos: JosĂŠ Alcides Munhoz; AurĂŠlio Conrado Boni; SĂŠrgio Alexandre Figueiredo Clemente; e Marco Antonio Rossi. Declaração: Declaro para os devidos fins que a presente ĂŠ cĂłpia fiel da Ata lavrada no livro prĂłprio e que sĂŁo autĂŞnticas, no mesmo livro, as assinaturas nele apostas. a) Antonio JosĂŠ da Barbara SecretĂĄrio. CertidĂŁo - Secretaria de Desenvolvimento EconĂ´mico, CiĂŞncia e Tecnologia - Junta Comercial do Estado de SĂŁo Paulo - Certifico o registro sob nĂşmero 190.380/12-3, em 9.5.2012. a) Gisela Simiema Ceschin - SecretĂĄria Geral.

Rio Arda SP Participaçþes S/A %KVCnlQ 2TC\Q  FKCU 2TQE PÂ?  1TFGO PÂ?   1 &T /CWTKEKQ 6KPK )CTEKC ,WK\ FG &KTGKVQ FC Â&#x153; 8CTC %sXGN FC %QOCTEC FG 5lQ $GTPCTFQ FQ %CORQ52 (C\ 5CDGT C 5CPVC 'OsNKC +PF G %QO FG /xXGKU %02,  PC RGUUQC FG UGW TGRTGUGPVCPVG NGICN G PC SWCNKFCFG FG CXCNKUVC RGNC FsXKFC QTC GZGEWVCFC ,QUG 1UECT FQU 5CPVQU %2(   SWG $CPEQ /GTECPVKN FQ $TCUKN 5# NJG CLWK\CTCO WOC CnlQ /QPKVxTKC XKUCPFQ Q TGEGDKOGPVQ FG 4  LWPJQ  TGRTGUGPVCFQ RGNC EoFWNC FG EToFKVQ DCPEhTKQ CDGTVWTC FG EToFKVQ EJGSWG GORTGUC /$ EoFWNC PÂ?  RCEVWCFQ GPVTG CU RCTVGU GO  PlQ RCIQ 'UVCPFQ QU ToWU GO NWICT KIPQTCFQ HQK FGHGTKFC C EKVCnlQ RQT GFKVCN RCTC SWG PQ RTC\Q FG  FKCU C EQPVCT FQ HKPCN FQU  FKCU UWRTC RCIWGO Q RTKPEKRCN CETGUEKFQ FQU GPECTIQU NGICKU QW QHGTGnCO GODCTIQU UQD RGPC FG EQPUVKVWKTUG FG RNGPQ FKTGKVQ Q VsVWNQ GZGEWVKXQ LWFKEKCN PQU VGTOQU FQ CTV  CNsPGCU D G E FQ %2% 5GTh Q RTGUGPVG GFKVCN CHKZCFQ G RWDNKECFQ PC HQTOC FC NGK 'FKVCN FG %KVCnlQ 2TC\Q FG  FKCU GZRGFKFQ PQU CWVQU FC #nlQ FG 7UWECRKlQ 2TQEGUUQ 0Â? 

 1 # &QWVQT C 4GPCVC /QVC /CEKGN /CFGKTC &G\GO // ,WK\ C FG &KTGKVQ FC Â&#x153; 8CTC FG 4GIKUVTQU 2}DNKEQU FQ (QTQ %GPVTCN %sXGN FC %QOCTEC FG 5lQ 2CWNQ FQ 'UVCFQ FG 5lQ 2CWNQ PC HQTOC FC .GK GVE (C\ 5CDGT C ToWU CWUGPVGU KPEGTVQU FGUEQPJGEKFQU GXGPVWCKU KPVGTGUUCFQU DGO EQOQ GXGPVWCKU EzPLWIGU GURxNKQU GQW UWEGUUQTGU SWG )GTUQP #ODTQUKQ FG %CUVTQ #PIGNC .GQPKPC FQU 5CPVQU FG %CUVTQ CLWK\QW TCO CnlQ FG 7UWECRKlQ VGPFQ RQT QDLGVQ Q KOxXGN NQECNK\CFQ PC 4WC %CPFKFQ ,QUG 8KCPC CPVKIC 4WC 6TqU  PÂ?  UGPFQ SWG Q VGTTGPQ o FGUKIPCFQ RCTC GHGKVQ FG NQECNK\CnlQ EQOQ UGPFQ NQVG  FC SWCFTC % NQVGCOGPVQ FGPQOKPCFQ ,CTFKO FQ #NVQ hTGC FG O PGUVC %CRKVCN 'UVCPFQ GO VGTOQU GZRGFG UG Q RTGUGPVG GFKVCN RCTC EKVCnlQ FQU UWRTCOGPEKQPCFQU RCTC SWG PQ RTC\Q FG  SWKP\G FKCU C HNWKT CRxU Q FGEWTUQ FQ RTC\Q FQ GFKVCN  FKCU  EQPVGUVGO Q HGKVQ 5GTh Q RTGUGPVG GFKVCN RQT GZVTCVQ CHKZCFQ G RWDNKECFQ PC HQTOC FC NGK

INSTITUTO JOĂ&#x192;O COAN DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CNPJ nÂş 09.404.118/0001-50 Edital de Convocação para AssemblĂŠia Geral Ficam convocados os senhores associados do Instituto JoĂŁo Coan de Responsabilidade Social, (CNPJ nÂş 09.404.118/000150), neste ato representado por seu Presidente, o Sr. JoĂŁo Coan, a comparecerem na AssemblĂŠia de Associados que serĂĄ realizada no dia 13/06/2012, Ă s 17:30 horas, na sede social da associação, situada na Estrada Municipal TietĂŞ Rafard, km 09, Bairro Boa Esperança, na Cidade de TietĂŞ, Estado de SĂŁo Paulo, para deliberarem sobre: i) O encerramento das atividades e conseqĂźente dissolução da associação. TietĂŞ/SP, 13 de junho de 2012. JoĂŁo Coan-Presidente. (05,06 e 07/06/2012)

CNPJ/MF nÂş 13.008.381/0001-05 NIRE 35.300.387.988 Ata da AssemblĂŠia Geral ExtraordinĂĄria realizada em 19 de outubro de 2011 1. Data, hora e local: Aos 19/10/2011, Ă s 10 hs., na Av. Paulista, 2.073 â&#x20AC;&#x201C; Salas 317 e 318 (parte), Horsa I, Bela Vista â&#x20AC;&#x201C; CEP: 01311-300, SĂŁo Paulo-SP. 2. Convocação e Presença: Dispensada a convocação de acordo com o § 4Âş do Art. 124 da Lei nÂş 6.404/76, tendo em vista a presença da totalidade dos acionistas da Cia., conforme atestam as assinaturas no Livro de Presença de Acionistas. 3. Mesa: Presidente: Ricardo Panzenboeck Dellape Baptista, SecretĂĄrio: FabrĂ­cio Uemura. 4. Ordem do Dia: (i) Ratificar as renĂşncias do Diretor Presidente Eduardo Duarte, e da Diretora sem designação especĂ­fica Simone BĂźrck Silva; (ii) Eleger novos diretores; (iii) alterar a denominação da Cia.; e (iv) alterar a sede da Cia.. 5. Deliberaçþes: ApĂłs discutidas as matĂŠrias constantes da Ordem do Dia e feitos os respectivos esclarecimentos, os acionistas deliberaram, por unanimidade: 5.1. Ratificar as renĂşncias do Sr. Eduardo Duarte, carteira de identidade nÂş 34.140, OAB-RJ e CPF nÂş 024.974.417-15, do cargo de Diretor Presidente e a SrÂŞ. Simone BĂźrck Silva, carteira de identidade nÂş 173780-E, OAB-RJ e CPF nÂş 843.420.307-30, do cargo de Diretor sem designação especĂ­fica. 5.2. Eleger como diretores da Cia., para um mandato de 2 anos, os Srs. Ricardo Panzenboeck Dellape Baptista, RG nÂş 18.454.363-0 SSP/SP e CPF nÂş 285.286.31893, para o cargo de Diretor Presidente; Raphael Baptista Netto,RG nÂş 13.485.777 SSP/SP, e CPF/MF nÂş 087.793.248-43, para o cargo de Diretor sem designação especĂ­fica; e Iboty Brochmann Ioschpe, RG nÂş 8002419037 SSP/RS, e CPF/MF nÂş 000.922.820-91, para o cargo de Diretor sem designação especĂ­fica. 5.2.1. Neste ato, os administradores declaram, sob as penas da lei, que nĂŁo estĂŁo impedidos de exercer a administração da Sociedade, por lei especial, ou em virtude de condenação criminal, ou por se encontrarem sob os efeitos dela, a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos pĂşblicos; ou por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussĂŁo, peculato, ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra normas de defesa da concorrĂŞncia, contra as relaçþes de consumo, fĂŠ pĂşblica, ou a propriedade. 5.3. Fixar a remuneração global anual dos membros da Diretoria em R$ 21.255,00. 5.4. Alterar a denominação da Cia., que passarĂĄ a ser Granpar Participaçþes S/A. 5.5. Alterar a sede da Cia. para a Av. Brigadeiro Faria Lima, nÂş 2277, 20Âş andar, Jardim Paulistano, CEP: 01452-000, SĂŁo Paulo/SP. 5.6. Os acionistas autorizam a lavratura da ata na forma sumĂĄria, nos termos do Art. 130, § 1Âş do da Lei 6404/76. 6. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, lavrou-se a ata a que se refere esta AssemblĂŠia, a presente ata foi lida e aprovada pela unanimidade dos subscritores da Cia.. SĂŁo Paulo, 19/10/2011. Presidente â&#x20AC;&#x201C; Ricardo Panzenboeck Dellape Baptista, SecretĂĄrio â&#x20AC;&#x201C; FabrĂ­cio Uemura. Diretores Eleitos: Ricardo Panzenboeck Dellape Baptista, Raphael Baptista Netto, Iboty Brochmann Ioschpe. JUCESP â&#x20AC;&#x201C; Certifico o registro sob o nÂş 58.278/12-6 em 01/02/2012. Gisela Simiema Ceschin â&#x20AC;&#x201C; SecretĂĄria Geral.

               

   ! " # " $% &'     () *  #+,"  -  #    .' '"/ 0 - 0$   "1 2' 3   .  4 56 6   # -  4  (%  ' '"/ 0", #," 2' 3    .   6 5   # -  4  (% 7'   '     89' % 7'  3 &08 -8:;: 28  #; 8 0<=; -8;=% 1  3  > 3/   $ ? $" 7' 1 , 2;#8:&<  7'  @ 544%     ' '"  8    " "    9' % 1  1    3 "% 3  7'  3    %  1"' 3A 3     '3 % 1  3'  B 3/  %  'C   7' 3  ' >   D 1" 0 > "% 19  3'$"  1   " E #     44   4   

# "  8'  , % &'     5) *  #+,"   "  0 ; - 0$  & D 8'  &    0  # - 4 645 (466% 7' 08#  .;:=;MN 0;:H;!;8:08 8 8<#;MN 8 #<FH<; "/ K' ' '  ! A % , $  @ 4 6((%6 K'"/ % 3  3"     3    ,  ' % 1     3   3  8 D'  " "    % 1  1   '  3 "% 3  7'%   %  1"' 3A 3  '3    '  /  >   , + % 3 '  7' " ' 1  $ %  $ 3   ,    ! A   89' %  1      # # 0 > " 19  3'$"  1   " E

quinta-feira e sexta-feira, 7 e 8 de junho de 2012

AporĂŠ Holdings S.A. CNPJ no 15.011.651/0001-54 â&#x20AC;&#x201C; NIRE 35.300.418.646 Ata da Assembleia Geral OrdinĂĄria realizada em 15.3.2012 Data, Hora, Local: Aos 15 dias do mĂŞs de março de 2012, Ă s 11h30, na sede social, Cidade de Deus, PrĂŠdio Prata, 4 o andar, Vila Yara, Osasco, SP, CEP 06029-900. Presença: Compareceram, identificaram-se e assinaram o Livro de Presença os representantes das acionistas da Sociedade. Constituição da Mesa: Presidente: Julio de Siqueira Carvalho de Araujo; SecretĂĄrio: Antonio JosĂŠ da Barbara. Verificou-se tambĂŠm a presença do senhor Domingos Figueiredo de Abreu, Diretor. Convocação: Dispensada a publicação do Edital de Convocação, de conformidade com o disposto no ParĂĄgrafo Quarto do Artigo 124 da Lei no 6.404/76. Ordem do dia: I) tomar as contas dos Administradores, examinar, discutir e votar as Demonstraçþes ContĂĄbeis relativas ao exercĂ­cio social findo em 31.12.2011; II) eleger os membros da Diretoria; III) fixar o montante global anual da remuneração dos Administradores. Deliberaçþes: I) aprovadas, sem reservas, as contas dos Administradores e as Demonstraçþes ContĂĄbeis relativas ao exercĂ­cio social findo em 31.12.2011, registrando que, tendo em vista a Sociedade enquadrar-se no disposto no â&#x20AC;&#x153;caputâ&#x20AC;? do Artigo 294 da Lei n o 6.404/76 e de conformidade com o disposto no Inciso II do jĂĄ mencionado Artigo, as referidas Demonstraçþes ContĂĄbeis nĂŁo foram publicadas e serĂŁo levadas a registro juntamente com esta Ata; II) reeleitos membros da Diretoria, com mandato atĂŠ a Assembleia Geral OrdinĂĄria de 2013, os senhores: Diretor-Presidente: Luiz Carlos Trabuco Cappi, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 5.284.352-X/SSP-SP, CPF 250.319.028/68; Diretores: Julio de Siqueira Carvalho de Araujo, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 55.567.472-1-SSP/SP, CPF 425.327.017/49; Domingos Figueiredo de Abreu, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 6.438.883-9/SSP-SP, CPF 942.909.898/53; e eleitos os senhores: JosĂŠ Alcides Munhoz, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 50.172.182-4/SSP-SP, CPF 064.350.330/72; AurĂŠlio Conrado Boni, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 4.661.428-X/SSP-SP, CPF 191.617.008/00; SĂŠrgio Alexandre Figueiredo Clemente, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 55.799.633-8/SSP-SP, CPF 373.766.326/20; e Marco Antonio Rossi, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 12.529.752-X/SSP-SP, CPF 015.309.538/55, todos com domicĂ­lio na Cidade de Deus, Vila Yara, Osasco, SP, CEP 06029-900, sendo que permanecerĂŁo em suas funçþes atĂŠ que a Ata da Assembleia Geral OrdinĂĄria de 2013 que eleger a Diretoria seja arquivada na Junta Comercial e publicada; III) fixado o montante global anual da remuneração dos Administradores, no valor de atĂŠ R$90.000,00, a ser distribuĂ­da em ReuniĂŁo da Diretoria, conforme determina a letra â&#x20AC;&#x153;gâ&#x20AC;? do Artigo 9o do Estatuto Social. Em seguida, os Diretores reeleitos e eleitos: 1) declararam: a) sob as penas da lei, nĂŁo estarem impedidos de exercer a administração de sociedade por lei especial, ou condenados a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos pĂşblicos; por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussĂŁo, peculato, ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra as normas de defesa da concorrĂŞncia, contra as relaçþes de consumo, a fĂŠ pĂşblica, ou a propriedade; b) que abrem mĂŁo do direito ao recebimento de qualquer valor a tĂ­tulo de remuneração, posto que jĂĄ recebem honorĂĄrios de outra Empresa da Organização Bradesco; 2) assinaram a presente Ata, que vale como termo de posse. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, o senhor Presidente esclareceu que, para as deliberaçþes tomadas, o Conselho Fiscal da Companhia nĂŁo foi ouvido por nĂŁo se encontrar instalado no perĂ­odo, e encerrou os trabalhos, lavrando-se a presente Ata, que lida e achada conforme, foi aprovada por todos os presentes que a subscrevem. aa) Presidente: Julio de Siqueira Carvalho de Araujo; SecretĂĄrio: Antonio JosĂŠ da Barbara; Administrador: Domingos Figueiredo de Abreu; Acionistas: Bradesplan Participaçþes Ltda. e UniĂŁo Participaçþes Ltda., por seus Diretores, senhores Julio de Siqueira Carvalho de Araujo e Domingos Figueiredo de Abreu; Diretores reeleitos: Luiz Carlos Trabuco Cappi - DiretorPresidente; Julio de Siqueira Carvalho de Araujo; Domingos Figueiredo de Abreu; Diretores eleitos: JosĂŠ Alcides Munhoz; AurĂŠlio Conrado Boni; SĂŠrgio Alexandre Figueiredo Clemente; e Marco Antonio Rossi. Declaração: Declaro para os devidos fins que a presente ĂŠ cĂłpia fiel da Ata lavrada no livro prĂłprio e que sĂŁo autĂŞnticas, no mesmo livro, as assinaturas nele apostas. a) Antonio JosĂŠ da Barbara - SecretĂĄrio. CertidĂŁo - Secretaria de Desenvolvimento EconĂ´mico, CiĂŞncia e Tecnologia - Junta Comercial do Estado de SĂŁo Paulo - Certifico o registro sob nĂşmero 190.362/ 12-1, em 9.5.2012. a) Gisela Simiema Ceschin - SecretĂĄria Geral.

AranaĂş Holdings S.A. CNPJ no 15.011.846/0001-02 â&#x20AC;&#x201C; NIRE 35.300.418.328 Ata da Assembleia Geral OrdinĂĄria realizada em 15.3.2012 Data, Hora, Local: Aos 15 dias do mĂŞs de março de 2012, Ă s 13h, na sede social, Cidade de Deus, PrĂŠdio Prata, 4 o andar, Vila Yara, Osasco, SP, CEP 06029-900. Presença: Compareceram, identificaram-se e assinaram o Livro de Presença os representantes das acionistas da Sociedade. Constituição da Mesa: Presidente: Julio de Siqueira Carvalho de Araujo; SecretĂĄrio: Antonio JosĂŠ da Barbara. Verificou-se tambĂŠm a presença do senhor Domingos Figueiredo de Abreu, Diretor. Convocação: Dispensada a publicação do Edital de Convocação, de conformidade com o disposto no ParĂĄgrafo Quarto do Artigo 124 da Lei n o 6.404/76. Ordem do dia: I) tomar as contas dos Administradores, examinar, discutir e votar as Demonstraçþes ContĂĄbeis relativas ao exercĂ­cio social findo em 31.12.2011; II) eleger os membros da Diretoria; III) fixar o montante global anual da remuneração dos Administradores. Deliberaçþes: I) aprovadas, sem reservas, as contas dos Administradores e as Demonstraçþes ContĂĄbeis relativas ao exercĂ­cio social findo em 31.12.2011, registrando que, tendo em vista a Sociedade enquadrar-se no disposto no â&#x20AC;&#x153;caputâ&#x20AC;? do Artigo 294 da Lei no 6.404/76 e de conformidade com o disposto no Inciso II do jĂĄ mencionado Artigo, as referidas Demonstraçþes ContĂĄbeis nĂŁo foram publicadas e serĂŁo levadas a registro juntamente com esta Ata; II) reeleitos membros da Diretoria, com mandato atĂŠ a Assembleia Geral OrdinĂĄria de 2013, os senhores: Diretor-Presidente: Luiz Carlos Trabuco Cappi, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 5.284.352-X/SSP-SP, CPF 250.319.028/68; Diretores: Julio de Siqueira Carvalho de Araujo, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 55.567.472-1-SSP/SP, CPF 425.327.017/49; Domingos Figueiredo de Abreu, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 6.438.883-9/SSP-SP, CPF 942.909.898/53; e eleitos os senhores: JosĂŠ Alcides Munhoz, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 50.172.182-4/SSP-SP, CPF 064.350.330/72; AurĂŠlio Conrado Boni, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 4.661.428-X/SSP-SP, CPF 191.617.008/00; SĂŠrgio Alexandre Figueiredo Clemente, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 55.799.633-8/SSP-SP, CPF 373.766.326/20; e Marco Antonio Rossi, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 12.529.752-X/SSP-SP, CPF 015.309.538/55, todos com domicĂ­lio na Cidade de Deus, Vila Yara, Osasco, SP, CEP 06029-900, sendo que permanecerĂŁo em suas funçþes atĂŠ que a Ata da Assembleia Geral OrdinĂĄria de 2013 que eleger a Diretoria seja arquivada na Junta Comercial e publicada; III) fixado o montante global anual da remuneração dos Administradores, no valor de atĂŠ R$90.000,00, a ser distribuĂ­da em ReuniĂŁo da Diretoria, conforme determina a letra â&#x20AC;&#x153;gâ&#x20AC;? do Artigo 9o do Estatuto Social. Em seguida, os Diretores reeleitos e eleitos: 1) declararam: a) sob as penas da lei, nĂŁo estarem impedidos de exercer a administração de sociedade por lei especial, ou condenados a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos pĂşblicos; por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussĂŁo, peculato, ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra as normas de defesa da concorrĂŞncia, contra as relaçþes de consumo, a fĂŠ pĂşblica, ou a propriedade; b) que abrem mĂŁo do direito ao recebimento de qualquer valor a tĂ­tulo de remuneração, posto que jĂĄ recebem honorĂĄrios de outra Empresa da Organização Bradesco; 2) assinaram a presente Ata, que vale como termo de posse. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, o senhor Presidente esclareceu que, para as deliberaçþes tomadas, o Conselho Fiscal da Companhia nĂŁo foi ouvido por nĂŁo se encontrar instalado no perĂ­odo, e encerrou os trabalhos, lavrando-se a presente Ata, que lida e achada conforme, foi aprovada por todos os presentes que a subscrevem. aa) Presidente: Julio de Siqueira Carvalho de Araujo; SecretĂĄrio: Antonio JosĂŠ da Barbara; Administrador: Domingos Figueiredo de Abreu; Acionistas: Bradesplan Participaçþes Ltda. e UniĂŁo Participaçþes Ltda., por seus Diretores, senhores Julio de Siqueira Carvalho de Araujo e Domingos Figueiredo de Abreu; Diretores reeleitos: Luiz Carlos Trabuco Cappi - DiretorPresidente; Julio de Siqueira Carvalho de Araujo; Domingos Figueiredo de Abreu; Diretores eleitos: JosĂŠ Alcides Munhoz; AurĂŠlio Conrado Boni; SĂŠrgio Alexandre Figueiredo Clemente; e Marco Antonio Rossi. Declaração: Declaro para os devidos fins que a presente ĂŠ cĂłpia fiel da Ata lavrada no livro prĂłprio e que sĂŁo autĂŞnticas, no mesmo livro, as assinaturas nele apostas. a) Antonio JosĂŠ da Barbara - SecretĂĄrio. CertidĂŁo - Secretaria de Desenvolvimento EconĂ´mico, CiĂŞncia e Tecnologia - Junta Comercial do Estado de SĂŁo Paulo - Certifico o registro sob nĂşmero 190.433/12-7, em 9.5.2012. a) Gisela Simiema Ceschin - SecretĂĄria Geral.

Lecce Holdings S.A. CNPJ no 14.370.283/0001-78 - NIRE 35.300.413.385 Ata da Assembleia Geral OrdinĂĄria realizada em 15.3.2012 Data, Hora, Local: Aos 15 dias do mĂŞs de março de 2012, Ă s 15h, na sede social, Cidade de Deus, PrĂŠdio Prata, 4 o andar, Vila Yara, Osasco, SP, CEP 06029-900. Presença: Compareceram, identificaram-se e assinaram o Livro de Presença os representantes das acionistas da Sociedade. Constituição da Mesa: Presidente: Julio de Siqueira Carvalho de Araujo; SecretĂĄrio: Antonio JosĂŠ da Barbara. Verificou-se tambĂŠm a presença do senhor Domingos Figueiredo de Abreu, Diretor. Convocação: Dispensada a publicação do Edital de Convocação, de conformidade com o disposto no ParĂĄgrafo Quarto do Artigo 124 da Lei n o 6.404/76. Ordem do dia: I) tomar as contas dos Administradores, examinar, discutir e votar as Demonstraçþes ContĂĄbeis relativas ao exercĂ­cio social findo em 31.12.2011; II) eleger os membros da Diretoria; III) fixar o montante global anual da remuneração dos Administradores. Deliberaçþes: I) aprovadas, sem reservas, as contas dos Administradores e as Demonstraçþes ContĂĄbeis relativas ao exercĂ­cio social findo em 31.12.2011, registrando que, tendo em vista a Sociedade enquadrar-se no disposto no â&#x20AC;&#x153;caputâ&#x20AC;? do Artigo 294 da Lei no 6.404/76 e de conformidade com o disposto no Inciso II do jĂĄ mencionado Artigo, as referidas Demonstraçþes ContĂĄbeis nĂŁo foram publicadas e serĂŁo levadas a registro juntamente com esta Ata; II) reeleitos membros da Diretoria, com mandato atĂŠ a Assembleia Geral OrdinĂĄria de 2013, os senhores: Diretor-Presidente: Luiz Carlos Trabuco Cappi, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 5.284.352-X/SSP-SP, CPF 250.319.028/68; Diretores: Julio de Siqueira Carvalho de Araujo, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 55.567.472-1-SSP/SP, CPF 425.327.017/49; Domingos Figueiredo de Abreu, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 6.438.883-9/SSP-SP, CPF 942.909.898/53; e eleitos os senhores: JosĂŠ Alcides Munhoz, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 50.172.182-4/SSP-SP, CPF 064.350.330/72; AurĂŠlio Conrado Boni, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 4.661.428-X/SSP-SP, CPF 191.617.008/00; SĂŠrgio Alexandre Figueiredo Clemente, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 55.799.633-8/SSP-SP, CPF 373.766.326/20; e Marco Antonio Rossi, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 12.529.752-X/SSP-SP, CPF 015.309.538/55, todos com domicĂ­lio na Cidade de Deus, Vila Yara, Osasco, SP, CEP 06029-900, sendo que permanecerĂŁo em suas funçþes atĂŠ que a Ata da Assembleia Geral OrdinĂĄria de 2013 que eleger a Diretoria seja arquivada na Junta Comercial e publicada; III) fixado o montante global anual da remuneração dos Administradores, no valor de atĂŠ R$90.000,00, a ser distribuĂ­da em ReuniĂŁo da Diretoria, conforme determina a letra â&#x20AC;&#x153;gâ&#x20AC;? do Artigo 9 o do Estatuto Social. Em seguida, os Diretores reeleitos e eleitos: 1) declararam: a) sob as penas da lei, nĂŁo estarem impedidos de exercer a administração de sociedade por lei especial, ou condenados a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos pĂşblicos; por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussĂŁo, peculato, ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra as normas de defesa da concorrĂŞncia, contra as relaçþes de consumo, a fĂŠ pĂşblica, ou a propriedade; b) que abrem mĂŁo do direito ao recebimento de qualquer valor a tĂ­tulo de remuneração, posto que jĂĄ recebem honorĂĄrios de outra Empresa da Organização Bradesco; 2) assinaram a presente Ata, que vale como termo de posse. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, o senhor Presidente esclareceu que, para as deliberaçþes tomadas, o Conselho Fiscal da Companhia nĂŁo foi ouvido por nĂŁo se encontrar instalado no perĂ­odo, e encerrou os trabalhos, lavrando-se a presente Ata, que lida e achada conforme, foi aprovada por todos os presentes que a subscrevem. aa) Presidente: Julio de Siqueira Carvalho de Araujo; SecretĂĄrio: Antonio JosĂŠ da Barbara; Administrador: Domingos Figueiredo de Abreu; Acionistas: Bradesplan Participaçþes Ltda. e UniĂŁo Participaçþes Ltda., por seus Diretores, senhores Julio de Siqueira Carvalho de Araujo e Domingos Figueiredo de Abreu; Diretores reeleitos: Luiz Carlos Trabuco Cappi - Diretor-Presidente; Julio de Siqueira Carvalho de Araujo; Domingos Figueiredo de Abreu; Diretores eleitos: JosĂŠ Alcides Munhoz; AurĂŠlio Conrado Boni; SĂŠrgio Alexandre Figueiredo Clemente; e Marco Antonio Rossi. Declaração: Declaro para os devidos fins que a presente ĂŠ cĂłpia fiel da Ata lavrada no livro prĂłprio e que sĂŁo autĂŞnticas, no mesmo livro, as assinaturas nele apostas. a) Antonio JosĂŠ da Barbara SecretĂĄrio. CertidĂŁo - Secretaria de Desenvolvimento EconĂ´mico, CiĂŞncia e Tecnologia - Junta Comercial do Estado de SĂŁo Paulo - Certifico o registro sob nĂşmero 190.393/12-9, em 9.5.2012. a) Gisela Simiema Ceschin - SecretĂĄria Geral. '&+6#.&'+06+/#cÂŹ1&# 5 ':'%76#&# 5 '&155Ă&#x17D;%+1537#061ÂŤ2'0*14#'&+6#.&'+06+/#cÂŹ1%1/24#<1 &'  8+06' &+#5 2TQEGUUQ 0Â?  0Â? FG 1TFGO  8CNQT FC ECWUC 4    1 # &17614 # /Ă&#x2021;4%+# $.#0'5 // #  ,7+< # &' &+4'+61 FC Â&#x153; 8CTC %sXGN FC %QOCTEC FG )WCTWNJQU &1 '56#&1 &' 5ÂŹ1 2#7.1 0# (14/# &# .'+ GVE (#< 5#$'4 CQU SWG XKTGO QW VQOCTGO EQPJGEKOGPVQ FQ RTGUGPVG GFKVCN FG +06+/#cÂŹ1 FC U ':'%76#&# 5  0'+&' 6'+:'+4# .+/# 4) PÂ?  G %2(/( PÂ?  GZRGFKFQ EQO RTC\Q FG  XKPVG FKCU SWG RQT GUVG ,Ws\Q G TGURGEVKXQ %CTVxTKQ RTQEGUUC O UG C U 'ZGEWnlQ |GU FG %QDTCPnC 'O (CUG FG 'ZGEWnlQ SWG NJGU OQXG %10&1/+0+1 &1 '&+(+%+1 +06'40#6+10#. #+42146 (.#6 &GEQTTKFQ Q RTC\Q RCTC Q EWORTKOGPVQ KPVGITCN FC UGPVGPnC HQK RGPJQTCFC C SWCPVKC FG 4 

FW\GPVQU G EKPSWGPVC G FQKU TGCKU G EKPSWGPVC G FQKU EGPVCXQU FG UWC EQPVC EQTTGPVG XKC RGPJQTC QP NKPG UGPFQ CKPFC RGPJQTCFQ Q DGO QDLGVQ FC CnlQ SWCN UGLC CRCTVCOGPVQ PÂ?  NQECNK\CFQ PQ Â? CPFCT QW Â? RCXKOGPVQ FQ 'FKHsEKQ +PVGTPCEKQPCN #KTRQTV (NCV UKVWCFQ PC 4WC ,QUo FG #PFTCFG PÂ?  GUSWKPC EQO C 4WC ,QUo $GTPCTFQ /GFGKTQU G 4WC &T 'RKVhEKQ 2GUUQC EQO C hTGC RTKXCVKXC FG  OGVTQU SWCFTCFQU hTGC EQOWO FG  OGVTQU SWCFTCFQU RGTHC\GPFQ C hTGC VQVCN FG  OGVTQU SWCFTCFQU EQTTGURQPFGPFQNJG WOC HTCnlQ KFGCN FG  FQ VGTTGPQ ECDGPFQNJG Q FKTGKVQ C IWCTFC G Q GUVCEKQPCOGPVQ FG WO CWVQOxXGN FG RGSWGPQ QW OoFKQ RQTVG GO NWICT KPFGVGTOKPCFQ PQ GUVCEKQPCOGPVQ EQNGVKXQ FQ GFKHsEKQ NQECNK\CFQ PQ Â? QW Â? UWDUQNQU 4GHGTKFQ KOxXGN HQK UWDOGVKFQ CQ TGIKOG FG EQPFQOsPKQ G GPEQPVTCUG TGIKUVTCFQ PC OCVTsEWNC PÂ?  FQ Â? %CTVxTKQ FG 4GIKUVTQ FG +OxXGKU FG )WCTWNJQU52 'PEQPVTCPFQUG C U GZGEWVCFC U GO NWICT KPEGTVQ G PlQ UCDKFQ HQK FGVGTOKPCFC C +06+/#cÂŹ1 FC OGUOC RQT GFKVCN &# 2'0*14# TGCNK\CFC UQDTG QU DGPU FQU UxEKQU G FQU CVQU RTCVKECFQU RQT KPVGTOoFKQ FQ SWCN HKECO KPVKOCFQU FG UGW KPVGKTQ VGQT RCTC SWGTGPFQ QHGTGEGTGO +/27)0#cÂŹ1 PQ RTC\Q FG  SWKP\G FKCU KPKEKCPFQUG C EQPVCIGO CRxU Q FGEWTUQ FQ RTC\Q FG =RTC\Q FQ GFKVCN? FKCU FGUVG GFKVCN ' RCTC SWG EJGIWG CQ EQPJGEKOGPVQ FG VQFQU G RCTC SWG PQ HWVWTQ PKPIWoO RQUUC CNGICT KIPQTjPEKC GZRGFKWUG Q RTGUGPVG GFKVCN SWG UGTh CHKZCFQ G RWDNKECFQ PC HQTOC FC NGK )WCTWNJQU  FG OCTnQ FG 

PREFEITURA DO MUNICĂ?PIO DE SANTA GERTRUDES PregĂŁo Presencial 09/2012 A Prefeitura do MunicĂ­pio de Santa Gertrudes torna pĂşblico que, no dia e hora especificados, nas dependĂŞncias do Paço Municipal, Ă  Rua 01A, 332, Centro, Santa Gertrudes/SP, realizar-se-ĂĄ licitação, na modalidade PregĂŁo Presencial 09/ 2012, objetivando o registro de preços, pelo tipo menor preço global por lote, com vistas a eventual e futura contratação de empresa objetivando o fornecimento de equipamentos e serviços para implantação de oficinas de educação tecnolĂłgica, de forma parcelada e a pedido. O edital completo poderĂĄ ser retirado no endereço supracitado, no horĂĄrio das 8:00 Ă s 11:00 e das 13:00 Ă s 16:00 horas, sendo necessĂĄria a retirada no local. NĂŁo serĂŁo enviados editais pelo correio ou por e-mail. Os envelopes com as propostas e os documentos de habilitação devem ser protocolados atĂŠ as 9:30 horas do dia 27/06/2012 no Paço Municipal. A sessĂŁo de lances e julgamento serĂĄ neste mesmo dia Ă s 10:00 horas. Santa Gertrudes/SP, 06 de junho de 2012. Danielle Zanardi LeĂŁo â&#x20AC;&#x201C; Pregoeira.

PREFEITURA DO MUNICĂ?PIO DE SANTA GERTRUDES PregĂŁo Presencial 08/2012        5  6 54      4(6 ;  '  #">'  F ! % &'+      ) *  #+,"  - # "  #    #3" - 0$  !'    8 %  3   '

3  " "% #: &  4 ( 54% 7'   '   ; ! A %   1  9'  %  , 3 :G0H;0 HIJH80 0<8# FH;% 1  3 1   7' " '  '+ +'" 9',  ,"   4(%%    

  >        $"  H&0 %       K'      L  C%     3    /7'%    '  7'   3   '  3 3 '%  /  >   , +  19   L  ,"  D$ '"  8     7'   " "    % 1  1    3 "% 3  7'   %  1"' 3A    '3 % 3 '  7'  @ 5 5%4% '"   3    ,$ %  $ 3  '"  L  $  ,"  D$  3/     $ 7'  $ 3   1    %  1  3     6&%  #A   #," 0 > "% 19  3'$"  1   " E

A Prefeitura do MunicĂ­pio de Santa Gertrudes torna pĂşblico que, no dia e hora especificados, nas dependĂŞncias do Paço Municipal, Ă  Rua 01A, 332, Centro, Santa Gertrudes/SP, realizar-se-ĂĄ licitação, na modalidade PregĂŁo Presencial 08/ 2012, objetivando o Registro de Preços, pelo tipo menor preço global por lote, visando aquisiçþes futuras, parceladas e a pedido, de materiais de enfermagem. O edital completo poderĂĄ ser retirado no endereço supracitado, no horĂĄrio das 8:00 Ă s 11:00 e das 13:00 Ă s 16:00 horas, sendo necessĂĄria a retirada no local. NĂŁo serĂŁo enviados editais pelo correio ou por e-mail. Os envelopes com as propostas e os documentos de habilitação devem ser protocolados atĂŠ as 13:30 horas do dia 22/06/2012 no Paço Municipal. A sessĂŁo de lances e julgamento serĂĄ neste mesmo dia Ă s 14:00 horas. Santa Gertrudes/SP, 06 de junho de 2012. Danielle Zanardi LeĂŁo â&#x20AC;&#x201C; Pregoeira.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 7 e 8 de junho de 2012

e Montadoras devem cortar

ECONOMIA/LEGAIS - 19 Resinet Importação e Exportação S.A. CNPJ: 03.126.900/0001-78

conomia

A

s montadoras de veículos não descartam novas demissões no setor, apesar de a Associação Nacional de Veículos Automotores (Anfavea) dizer que a diminuição dos estoques ajudará a manter o nível de emprego. No entanto, o presidente da Anfavea, Cledorvino Bellini, já admite que os cortes, se ocorrerem, serão principalmente no setor de caminhões – que já passou por outros cortes. No fim de maio, enquanto montadoras como Ford, Volkswagen/Man, MercedesBenz, Scania e Volvo anunciavam paralisações das linhas de produção, para reduzir os estoques por conta da retração nas vendas, as autopeças anunciavam antecipação de férias e, em alguns casos, demissões. "Eventualmente alguma montadora pode ter problema, pode ter algum tipo de PDV (Plano de Demissão Voluntária). No setor como um todo eu vejo otimismo'', afirmou Bellini. IPI – O nível de estoques nos pátios ainda permanece estável em maio, apesar da desoneração do Imposto sobre Pro-

dutos Industrializados (IPI) anunciado pelo governo no mês passado. Segundo a Anfavea, as vendas nas novas condições demoraram a ser contabilizadas. Os carros que estavam no estoque tiveram de ser faturados de novo para se adequarem às mudanças. No mês, os veículos nos pátios das concessionárias e montadoras era suficiente para 43 dias de vendas, o maior nível desde novembro de 2008, durante a crise. O trâmite entre reenvio de nota fiscal às montadoras aumentou o intervalo entre a data da venda e do emplacamento. Segundo a Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), que congrega as concessionárias, algumas marcas ainda estão terminando esse processo. Bellini, da Anfavea, diz que as vendas do início de junho já ajudaram a trazer o número para menos de 40 dias. Ele acredita que os estoques retornem para níveis normais, de 30 a 35 dias, antes do fim das medidas, no final de agosto. (Folhapress)

YOKI ALIMENTOS S.A.

C.N.P.J./M.F.Nº61.586.558/0013-29 -NIRE Nº35300100743 AtadaAssem bléia GeralOrdinária e Extraordinária realizadaem 12deAbrilde 2012 Aosdozediasdomêsdeabrilde2012,àsnovehoras(09:00),em suasedesocialna AvenidaMiroVetorazzo,1661/1681,Bairro Demarchi, MunicípiodeSãoBernardodoCampo,EstadodeSãoPaulo,reuniram-seem AssembléiaGeralOrdináriaeExtraordinária,osSenhoresAcionistasdaYOKIALIMENTOS S.A.,representando o número legal,conforme assinaturase anotações apostasno“LivrodePresençadeAcionistas”,com asindicaçõesexigidaspeloArtigo127daLeinº6.404de15deDezembrode 1976.Naconformidadedoparágrafoúnico,doartigo17,doEstatutoSocial,foram escolhidosparapresidiresecretariarostrabalhos,pelaordem,oSr.MitsuoMatsunaga,DiretorPresidenteeoSr.ZiloMatsunaga,Diretor.Inicialmente,pordeterminaçãodoSr. PresidentedaMesa,oSr.Secretárioprocedeuaverificaçãodasassinaturaseanotaçõesapostasnolivrodepresençadeacionistas e,verificando o comparecimento de acionistas representando o número legal,declarou o Sr.Presidente instaladas as AssembleiasGerais,solicitandoaoSr.Secretárioqueprocedessealeiturado“EditaldeConvocação”publicadonosdias07,08e 09demarçode2012,àsfls63,91e91,respectivamentenoDiárioOficialdoEstadodeSãoPauloenosdias07,08e09demarço de2012,àsfls21,17e43,respectivamente,noDiáriodoComércio,cujoteorsetranscreve:“YokiAlim entosS.A.-C.N.P.J/M.F. nº61.586.558/0013-29EditaldeConvocação:Ficam convidadososSenhoresAcionistasdaYokiAlim entosS.A.,asereunirem em AssembléiaGeralOrdináriaeExtraordinária,arealizar-senodia12deabrilde2012,às09:00horas,em suasedesocial naAvenida Miro Vetorazzo,1661/1681,Bairro Demarchi,Cidade de São Bernardo do Campo,Estado de São Paulo,a fim de deliberarem sobreaseguinteOrdem doDia:1)MatériaOrdinária:a)tomarascontasdosadministradores,examinar,discutire votarasdemonstraçõesfinanceirasdo exercício de 2011;b)deliberarsobre a destinação do resultado líquido do exercício;2) MatériaExtraordinária:a)aumentodecapital,com aalteraçãodoartigo5ºdoEstatutoSocial;b)eleiçãodeDiretoria;c)outros assuntosdeinteressedasociedade.Osdocumentosaqueserefereoartigo133daLei6404/76,relativoaoexercícioencerrado em 31dedezembrode2.011,encontram-seadisposiçãodosacionistasnasededasociedade.SãoBernardodoCampo/SP,06 demarçode2012.MitsuoMatsunaga-DiretorPresidente.”Com referênciaàMatériaOrdinária,disseoSr.Presidenterelativamenteaoitem “a”queosdocumentosforam publicadosnodia03deabrilde2012,àsfls.53,noDiárioOficialdoEstadodeSão Pauloenodia03deabrilde2012,àsfls.17,noDiáriodoComércio,em cumprimentoaodispostonoparágrafo3ºdoartigo133da Lei6.404/76.Em seguida,solicitouaoSr.SecretárioquefizessealeituradoRelatóriodaDiretoria,BalançoPatrimonial,DemonstraçãodoResultadoedemaisDemonstraçõesFinanceirasreferentesaoexercícioencerradoem 31dedezembrode2011,esclarecendoquesobreamesadostrabalhosforam postosàdisposiçãodosSenhoresAcionistasváriosexemplares.Apósaleitura, foram osmesmosdocumentoscolocadosem exame,discussãoevotação,verificando-seaaprovaçãodetodos,porunanimidadedevotos,abstendo-sedevotarosimpedidosporlei.Prosseguindo,disseoSr.Presidenteque,relativamenteaoitem “b”da matériaordináriadaordem dodia,aDiretoriapropõe,quedolucrolíquidoapurado,nototaldeR$76.813.336,92(setentaeseis milhões,oitocentose treze mil,trezentose trinta e seisreaise noventa e doiscentavos),acrescido do valorde R$445.783,73 (quatrocentosequarentaecincomil,setecentoseoitentaetrêsreaisesetentaetrêscentavos)decorrentedadepreciaçãodo ajustedeavaliaçãopatrimonial,sejaefetuadaaseguintedestinação:1)R$3.840.666,85(trêsmilhões,oitocentosequarentamil, seiscentosesessentaeseisreaiseoitentaecincocentavos)paraaContadeReservaLegal;3)R$34.234.050,73(trintaequatro milhões,duzentosetrintaequatromil,cinqüentareaisesetentaetrêscentavos)paraaContadeReservaparaIncentivoFiscal; 4)R$1.946.247,53(um milhão,novecentosequarentaeseismil,duzentosequarentaesetereaisecinqüentaetrêscentavos) parapagamentodosDividendosaosacionistasnovalordeR$14,00(quatorzereais)porlotedemilações;5)R$37.238.155,54 (trintaesetemilhões,duzentosetrintaeoitomil,centoecinqüentaecincoreaisecinqüentaequatrocentavos)paraaContade ReservadeLucros.Colocadaapropostaem discussão,foielaaprovadapelaunanimidadedospresentes.Passandoparaoitem “c”daordem dodia,foiefetuadaaeleiçãodosMembrosdaDiretoria,sendoreeleitosporunanimidadedevotoseempossados com mandatode3(três)anos,com asabstençõeslegais,osseguintes:paraDiretorPresidenteSr.MitsuoMatsunaga,brasileiro, casado,administradordeempresas,residenteedomiciliadonaRuaAlbertoFaria,1557,AltodePinheiros,SãoPaulo,Estadode SãoPaulo,portadordaCéduladeIdentidadeRG nº2.921.405-1SSP/SP einscritonoCPF/MF sobonº006.960.058-91;para DiretorVice-Presidente-Sr.GabrielJoãoCherubini,brasileiro,casado,administradordeempresas,residenteedomiciliadona Av.JoséGalante,589-Apto.151,VilaSuzana,SãoPaulo,portadordaCéduladeIdentidadeRG nº8.273.244-9-SSP/SP einscrito noCPF/MF sobonº754.497.738-20;paraDiretor-Sr.Zilo Matsunaga,brasileiro,casado,contador,residenteedomiciliadona RuaJoãoFerreiradeAlmeida,625,ParqueEspacial,SãoBernardodoCampo,SãoPaulo,portadordaCéduladeIdentidadeRG nº2.644.586-4-SSP/SP einscritonoCPF/MFsobonº035.052.198-00;paraDiretora-Sra.MisakoMatsunaga,brasileira,casada,comerciante,residenteedomiciliadanaRuaAlbertoFaria,nº1557,AltodePinheiros,SãoPaulo,EstadodeSãoPaulo,portadoradaCéduladeIdentidadeRG nº3.017.225-1SSP/SP einscritanoCPF/MF sobonº111.376.958-03;eparaDiretora-Sra. YedaKitanoCherubini,brasileira,casada,socióloga,residenteedomiciliadanaAv.JoséGalante,nº589,Apto.151,VilaSuzana, SãoPaulo,EstadodeSãoPaulo,portadoradaCéduladeIdentidadeRG nº5.464.955-9SSP/SP einscritanoCPF/MF sobonº 766.149.218-00;fixandohonoráriosnovalorglobalmensaldeaté R$190.000,00(centoenoventamilreais),paraoquetodos ficaram cientesedeacordo.Observandoodispostonoparágrafoprimeirodoartigo15,CapítuloIV,doEstatutoSocial,oSr. Presidenteindagoudosacionistaspresentessealguém desejariaainstalaçãodoConselhoFiscal,ecomoninguém semanifestou e não houve qualqueroutro pedido formulado neste sentido,porunanimidade,o plenário deliberou que o Conselho Fiscalnãofuncionaráduranteopresenteexercício.PassandoaMatériaExtraordinária,em relaçãoaoitem “a”daordem do dia,quedizrespeitoàalteraçãodoartigo5ªdoEstatutoSocialcom acapitalizaçãodasreservasapuradas,disseoSr.PresidentequeháumapropostadaDiretoriaarespeito,determinandoaoSr.Secretárioqueprocedesseàleituradamesma,cujas cópiasencontravam-sesobreamesadostrabalhos,deseguinteteor:“PropostadaDiretoria:Senhoresacionistas:Temosa satisfaçãodeapresentaraV.Sas.asseguintespropostas:1.Respeitadosostermosdaletra“b”doparágrafo1ºdoartigo30 daLei6.404/76,sejam canceladasasaçõesmantidasem tesourariatotalizando6.662.651(seismilhõesseiscentosesessentaedoismil,seiscentosecinqüentaeuma),novalordeR$4.709.598,61(quatromilhões,setecentosenovemil,quinhentose noventaeoitoreaisesessentaeum centavos)asquaisserãobaixadas,nacontabilidade,em contrapartidaàcontadeReserva de Lucros,não havendo diminuição do capitalsocialda companhia,nem modificação na participação de cada acionista, nas139.017.681(centoetrintaenovemilhõesdezessetemilseiscentoseoitentaeuma)açõesordinárias.2.Sejapromovido oaumentodovalordocapitalsocialdeR$174.816.398,40(centoesetentaequatromilhões,oitocentosedezesseismil,trezentosenoventaeoitoreaisequarentacentavos),paraR$254.402.356,23(duzentosecinqüentaequatromilhões,quatrocentosedoismil,trezentosecinqüentaeseisreaisevinteetrêscentavos),medianteautilizaçãodeR$34.234.050,73(trinta equatromilhões,duzentosetrintaequatromil,cinqüentareaisesetentaetrêscentavos)daContadeReservaparaIncentivo Fiscal,deR$29.872.285,94(vinteenovemilhões,oitocentosesetentaedoismil,duzentoseoitentaecincoreaisenoventae quatrocentavos)daContadeReservadeLucros,deR$9.221.157,82(novemilhões,duzentosevinteeum mil,centoecinqüentaesetereaiseoitentaedoiscentavos)daContadeReservadeCapital,deR$6.258.463,34(seismilhões,duzentose cinqüentaeoitomil,quatrocentosesessentaetrêsreaisetrintaequatrocentavos)daContadeReservaLegal;3.O Capital Socialda Empresa de R$254.402.356,23 (duzentose cinqüenta e quatro milhões,quatrocentose doismil,trezentose cinqüenta e seis reais e vinte e três centavos),passa a serrepresentada por139.017.681 (Cento e trinta e nove milhões dezessetemilseiscentoseoitentaeuma),açõesordináriasnovalorunitáriodeR$1,83(um realeoitentaetrêscentavos).São BernardodoCampo/SP,12deabrilde2012,(aa)Mitsuo Matsunaga-DiretorPresidente,GabrielJoão Cherubini-Diretor Vice-Presidente,Zilo Matsunaga-Diretor,Misako Matsunaga-DiretoraeYedaKitano Cherubini-Diretora.”Submetidaa exame,foiapropostaaprovadaporunanimidadedevotos.Em razãodaaprovaçãooartigo5º.doEstatutoSocialpassaater aseguinteredação:“Artigo5ºO capitalsocialtotalmenteintegralizadoédeR$254.402.356,23(duzentosecinqüentaequatro milhões,quatrocentosedoismil,trezentosecinqüentaeseisreaisevinteetrêscentavos),divididoem 139.017.681(Centoe trinta e nove milhõesdezessete milseiscentose oitenta e uma)açõesordináriasnominativas,do valornominal unitário de R$1,83(um realeoitentaetrêscentavos)cadaação.ParágrafoÚnico-A sociedadepoderáemitiraçõespreferenciaissem direitoavoto,atéolimitelegaldemetade(50% )docapitalsocial.SãoBernardodoCampo/SP,12deabrilde2012.”Quantoao item “b”outrosassuntosde interesse da sociedade”o SrPresidente franqueou a palavra a quem dela quisesse fazeruso paraquaisquerassuntosdeinteresse.E,comoninguém quisfazerusodapalavra,suspendeuasessãopelotemponecessárioàlavraturadapresenteata,quelidaeachadaconforme,foiaprovadaevaidevidamenteassinadapeloSr.Presidenteda mesa,pormim,Secretário que a redigie portodososacionistaspresentes. Certificamosque a presente é cópia fielda ata lavradaem livroprópriodevidamenteaverbadonaJuntaComercialdeSãoPaulo.SãoBernardodoCampo/SP,12deabrilde 2012.(a)MitsuoMatsunaga-PresidentedaMesa;ZiloMatsunaga-Secretáriodamesa.JuntaComercialdoEstadodeSão Paulo-CertificooRegistroem 01.06.2012,sobonúmero:232.054/12-5(GiselaSimiemaCeschin-SecretáriaGeral).

BANCO MERCANTIL DO BRASIL S.A. CNPJ Nº 17.184.037/0001-10 COMPANHIA ABERTA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA EDITAL DE CONVOCAÇÃO Ficam convocados os senhores acionistas do Banco Mercantil do Brasil S.A., para a Assembleia Geral Extraordinária, a realizar-se no dia 09 de julho de 2012, às 10:00 (dez) horas, na sede social, na Rua Rio de Janeiro, 654/680 - 5º andar, em Belo Horizonte, Minas Gerais, a fim de discutir e deliberar a respeito da seguinte Proposta do Conselho de Administração, com parecer favorável do Conselho Fiscal: I - homologação do aumento do capital social deliberado pela Assembleia Geral Extraordinária de 27/02/2012, no valor de R$85.200.000,00 mediante subscrição particular de ações, com e emissão de 7.100.000 (sete milhões e cem mil) novas ações preferenciais nominativas escriturais; II - alteração do art. 4º do Estatuto Social para dispor sobre o aumento de capital. Todos os documentos relativos a pauta da Assembleia, exigidos a partir de 2010 pela Instrução CVM nº 481/09, estão disponíveis para consulta na sede do Banco, bem como no sitio da Comissão de Valores Mobiliários (www.cvm.gov.br). Somente as ações ordinárias terão direito a voto. Para participar da Assembléia, os acionistas pessoas físicas deverão exibir documento de identificação pessoal, sendo que os representantes dos acionistas pessoas jurídicas deverão exibir os documentos que legitimem a representação, inclusive contrato social ou estatuto social. Os acionistas que detenham ações custodiadas na BM&F Bovespa, deverão exibir extrato de ações custodiadas atualizado. Conforme normas estatutárias, quando da representação do acionista por mandatário, o respectivo instrumento de procuração deve ser depositado, contra recibo, na sede da Sociedade, até 05 (cinco) dias antes da data da Assembleia. Belo Horizonte,, 05 de jjunho de 2012. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO.

Submetemos à apreciação dos senhores acionistas o Relatório da Administração e as demonstrações financeiras da Resinet importação e Exportação S.A. referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2011. Situação macroeconômica - O ritmo da atividade econômica desacelerou em 2011, registrando umPIBde 2,7 %., inferior aos 7,5 %realizado em 2010.A inflação oficial medida pelo IPCA ficou em6,5 % atingindo o teto da meta pelo oitavo ano consecutivo. No ambiente internacional o ano de 2011 foi marcado por importantes eventos mundiais que interromperam o forte crescimento econômico do ano anterior. O desdobramento da crise dos países europeus e as dúvidas a respeito do desempenho da economia dos EUA e do crescimento da China mantiveram elevada a incerteza no cenário mundial. Em meio a essas adversidades, a economia brasileira mostrou-se novamente resiliente, ancorada em robustos fundamentos macroeconômicos e sustentada pelo dinamismo da demanda doméstica. Algumas medidas para manter o país em rota sustentável já foram adotadas, como a retomada de uma política monetária expansionista. Ainda que os canais de transmissão da crise externa tenham proporcionado um menor crescimento da economia brasileira, principalmente na parte final do ano, 2011 foi caracterizado por taxas de desemprego em patamares mínimos, elevada geração líquida de empregos formais e importantes ganhos reais de renda. Tais fundamentos, em conjunto com o dinamismo do mercado de crédito, continuaram sendo os principais vetores de impulso à demanda doméstica e funcionaram como fatores preponderantes para garantir uma maior resistência da economia aos efeitos adversos da crise nos países desenvolvidos. Ambiente empresarial - A Resinet continua investindo na diversificação de seu portfólio de produtos eno aumento da base de clientes, no entanto, o enfraquecimento do quadro econômico global, a partir do segundo semestre afetou a demanda e os preços dos produtos. Em reconhecimento a sua atuação neste mercado a Resinet em 2011, foi contemplada com os prêmios Destaque Pack Preferência 2011 Ativo Circulante Caixa e equivalentes de caixa Contas a receber de clientes Estoques Impostos a recuperar Demais contas a receber Não circulante Depósitos judiciais Demais contas a receber Imobilizado Intangível Total do ativo

Nota 4 5 6 7 12 8 9

Capital social 20.920

Reserva de lucros 25

2011 32.785 807 14.813 12.934 2.702 1.529 5.168 3.894 65 353 856 37.953

2010 33.693 698 18.242 10.175 2.775 1.803 3.782 2.967 436 379 37.475

Passivo Circulante Empréstimos e financiamentos Fornecedores Impostos e contribuições a recolher Outras Contas a pagar Não circulante Provisão para contingências Empréstimos e financiamentos Outras contas a pagar Patrimônio líquido Capital social Reservas de lucros Prejuízos acumulados Total do passivo

Lucros (prej.) acumulados (22.786)

(Segundo melhor fornecedor da indústria de embalagem no segmento de distribuição de resinas)e Prêmio PPR Plásticos em Revista ( TOP Distribuidor na região Centro-Oeste). No início do segundo trimestre implementamos o novosistema ERP – Dynamics AX. Resultados - O volume faturado (toneladas) apresentou um aumento de 11 %, passando de 33.475 toneladas em 2010 para 37.124 toneladas em 2011. O faturamento bruto apresentou um crescimento de 17% em relação a 2010, chegando a R$ 194 milhões de reais. O lucro bruto cresceu 11% em relação a 2010, passando de R$ 14.1 milhões para 15.8 milhões de reais, fazendo com que a margem bruta alcançasse 11,1 % em 2011. A Resinet apresentou um prejuízo liquido de R$ 0,6 milhão ante um lucro líquido de R$ 1,2 milhões em 2010. Embora o volume e faturamento tenham apresentado significativo crescimento, os resultados foram em parte reduzidos em face da desvalorização cambial e o aumento da inadimplência. Perspectivas 2012 - Já com o ano de 2012 em pleno curso, aAdministração da Resinet está focada em: • Aumentar a base de clientes ativos. • Consolidar e ampliar as parcerias no mercado de produtos com maior valor agregado. • Consolidar parcerias com Empresas do mercado americano e Oriente Médio, cuja base de produção permitirá maior competitividade aos produtos ofertados. • Aumentar o market-share os produtos com maior valor agregado. • Manter o controle dos custos e continuar com a melhoria na eficiência operacional. Agradecimentos - Queremos agradecer aos nossos acionistas, clientes, fornecedores e instituições financeiras pelo apoio e confiança depositados, e em especial aos nossos colaboradores pela contribuição e empenho apresentados. Estamos certos de que a excelência operacional e o comprometimento de nossos colaboradores são fatores que nos permitirão dar novos passos adiante, sempre em direção ao crescimento. A Administração Nota 10 11

12 10 13 13

2011 30.415 25.144 4.393 57 821 6.114 3.892 2.222 1.425 23.600 85 (22.260) 37.953

2010 30.095 24.883 4.648 45 519 7.329 2.967 4.328 34 52 21.600 85 (21.633) 37.475

As aplicações financeiras de liquidez imediata são realizadas com bancos de primeira liTotal nha, cuja rentabilidade dos investimentos aproxima-se com as do Certificado de Depósito (1.842) Interfinanceiro (CDI). Por ter liquidez imediata, foram consideradas como equivalentes de caixa nas demonstrações dos fluxos de caixa. Vale ressaltar que o resgate antecipado não 680 680 ocasiona perdas financeiras. Com vencimentos originais de três meses, ou menos. 1.153 1.153 5. Contas a receber de clientes 2011 2010 Duplicatas a receber 15.552 17.501 60 60 Títulos a receber 255 743 21.600 85 (21.633) 52 Provisão p/ créditos de liquidação duvidosa (994) (2) 14.813 18.242 2.000 2.000 Composição: 2011 2010 (627) (627) Títulos a vencer 11.186 12.617 23.600 85 (22.260) 1.425 Vencidos 4.366 4.884 01 a 60 dias 2.825 846 61 a 90 dias 241 109 91 a 120 dias 125 54 21 105 1. Contexto operacional - As atividades da Companhia compreendem a distribuição e a 121 a 150 dias Acima de 151 dias 1.154 3.770 comercialização de resinas termoplásticas no Brasil. A sede da Companhia é na cidade 15.552 17.501 de São Paulo-SP, onde está instalada a Administração, além de ter filiais nas cidades de Contas a receber de clientes Curitiba e Caxias do Sul. 2. Base de preparação - a. Declaração de conformidade com A provisão para crédito de liquidação duvidosa é constituída com base em análise quantirelação às normas do Comitê de Pronunciamentos Contábeis – CPC - As demonstra- tativa e qualitativa individual dos recebíveis, e quando necessário, constitui-se provisão em ções financeiras da Companhia foram preparadas de acordo com as políticas contábeis montantes suficientes para cobertura de eventuais perdas por não recebimentos. Abaixo 2010 2011 adotadas no Brasil (BR GAAP), as quais abrangem a legislação societária, as resoluções do demonstramos a movimentação da PCLD: Saldo 31/12/2010 Adições Saldo 31/12/2011 Conselho Federal de Contabilidade (CFC) e os pronunciamentos do Comitê de Pronuncia(2) (992) (994) mentos Contábeis para Pequenas e Médias Empresas (CPC PME). A Companhia não está Prov. p/créd/de liquid/ duvidosa (2) (992) (994) apresentando a Demonstração do Resultado Abrangente em função de não ter ocorrido ou2011 2010 tros resultados abrangentes nos exercícios apresentados. A emissão das demonstrações fi- 6. Estoques 6.583 6.296 nanceiras foi autorizada pela Diretoria em reunião realizada em 27 de abril de 2012. b. Base Matéria-prima 40 40 de mensuração - As demonstrações financeiras foram preparadas com base no custo his- Embalagens 4.243 3715 tórico. c. Moeda funcional e moeda de apresentação - Essas demonstrações financeiras Materiais em poder de Terceiros 2.068 124 são apresentadas em Real, que é a moeda funcional da Companhia. Todas as informações Importações em andamento 12.934 10.175 financeiras apresentadas em Real foram arredondadas para o milhar mais próximo, exceto 2011 2010 quando indicado de outra forma. d. Uso de estimativas e julgamentos - A preparação de 7. Impostos a recuperar 2.547 2.507 demonstrações financeiras em conformidade com o CPC PME, exige que a Administração ICMS 33 180 faça julgamentos, estimativas e premissas que afetam a aplicação de políticas contábeis e PIS e COFINS 54 41 os valores reportados de ativos, passivos, receitas e despesas. Desta forma, os resultados IPI 68 47 reais podem divergir dessas estimativas. Estimativas e premissas são revistas de uma ma- Imposto de renda e contribuição social 2.702 2.775 neira contínua e tais revisões são reconhecidas nos períodos em que são revisadas e em quaisquer períodos futuros afetados. Ativos e passivos sujeitos a estimativas e premissas O ICMS é composto por créditos apurados nas operações mercantis e de aquisição de incluem valor residual do ativo imobilizado, provisão para crédito de liquidação duvidosa, compra de mercadorias de estoque. Os saldos de PIS e COFINS refletem o atual regime de provisão para perda em estoques e provisão para contingências. 3. Principais políticas apuração desses tributos e são realizados por meio da compensação com as obrigações contábeis - As políticas contábeis descritas em detalhes a seguir têm sido aplicadas de advindas das operações próprias. O saldo de imposto de renda e contribuição social são maneira consistente a todos os exercícios apresentados nessas demonstrações financeiras. decorrentes, principalmente, de pagamentos a maior (antecipações). Saldo 31/12/2010 Adições Baixas Saldo 31/12/2011 a. Instrumentos financeiros - i. Ativos financeiros não derivativos - A Companhia reconhe- Movimentação: 2.507 18.793 18.753 2.547 ce os empréstimos e recebíveis e depósitos inicialmente na data em que foram originados. ICMS 180 13.024 13.171 33 Todos os outros ativos financeiros (incluindo os ativos designados pelo valor justo por meio PIS E COFINS IPI 41 6.349 6.336 54 do resultado) são reconhecidos inicialmente na data da negociação na qual se torna uma 47 84 63 68 das partes das disposições contratuais do instrumento. A Companhia deixa de reconhecer IR e contrib. social Taxa anual (%) 2011 2010 um ativo financeiro quando os direitos contratuais aos fluxos de caixa do ativo expiram, ou 8. Imobilizado 10% e 20% 167 167 quando transferem os direitos ao recebimento dos fluxos de caixa contratuais sobre um Veículos 20% 499 448 ativo financeiro em uma transação na qual essencialmente todos os riscos e benefícios da Computadores e periféricos 10% e 20% 441 439 titularidade do ativo financeiro são transferidos. Eventual participação que seja criada ou Móveis e utensílios 27% 334 334 retida nos ativos financeiros é reconhecida como um ativo ou passivo individual. A Compa- Benfeitoria em imóveis de terceiro 10% 130 130 nhia tem os seguintes ativos financeiros não derivativos: ativos financeiros registrados pelo Instalações até 10% 62 47 valor justo por meio do resultado e empréstimos e recebíveis.Ativos financeiros registrados Outros 1.633 1.565 pelo valor justo por meio do resultado - Um ativo financeiro é classificado pelo valor justo por meio do resultado caso seja classificado como mantido para negociação e seja desig- Depreciação acumulada (1.280) (1.129) nado como tal no momento do reconhecimento inicial. Os ativos financeiros são designados Total imobilizado 353 436 pelo valor justo por meio do resultado se a Companhia gerencia tais investimentos e toma Movimentação: 2010 2011 decisões de compra e venda baseada em seus valores justos de acordo com a gestão Saldo 31/12/2010 Adições Saldo 31/12/2011 de riscos documentada e a estratégia de investimentos. Os custos da transação, após o Veículos 167 167 reconhecimento inicial, são reconhecidos no resultado quando incorridos. Ativos financeiros Máquinas e equipamentos 47 15 62 registrados pelo valor justo por meio do resultado são medidos pelo valor justo, e mudanças Computadores e periféricos 448 51 499 no valor justo desses ativos são reconhecidas no resultado do exercício. Os ativos financei- Moveis e Utencílios 439 2 441 ros registrados pelo valor justo por meio do resultado abrangem as aplicações financeiras. Benfeit. em imóveis de terceiros 334 334 Empréstimos e recebíveis - Empréstimos e recebíveis são ativos financeiros com pagamen- Instalações 130 130 tos fixos ou calculáveis que não são cotados no mercado ativo. Tais ativos são reconhecidos 1.566 67 1.633 inicialmente pelo valor justo acrescido de quaisquer custos de transação atribuíveis. Após 9. Intangível o reconhecimento inicial, os empréstimos e recebíveis são medidos pelo custo amortizado Software Taxa anual (%) 2011 2010 através do método dos juros efetivos, decrescidos de qualquer perda por redução ao valor Implantação de software em curso 0% 835 318 recuperável. Os empréstimos e recebíveis abrangem contas a receber de clientes e outros Sistemas operacionais e softwares 20% 640 638 créditos. Caixa e equivalentes de caixa - Abrangem saldos de caixa, conta corrente e inves- Amortização acumulada (619) (577) timentos financeiros com vencimento original de três meses ou menos a partir da data da Total intangível 856 379 contratação. os quais são sujeitos a um risco insignificante de alteração no valor, e podem Movimentação: 2010 2011 ser utilizadas na liquidação das obrigações de curto prazo. ii. Passivos financeiros não deSaldo 31/12/2010 Adições Saldo 31/12/2011 rivativos - Passivos financeiros são reconhecidos inicialmente pelo valor justo acrescido de Implantação de software em curso 318 516 835 quaisquer custos de transação atribuíveis. Após o reconhecimento inicial, esses passivos Sistemas operacional e softwares 638 2 640 financeiros são medidos pelo custo amortizado através do método dos juros efetivos, quan- Amortização acumulada (577) (42) (619) do aplicável. A Companhia classifica os passivos financeiros não derivativos na categoria 379 477 856 de outros passivos financeiros. Tais passivos financeiros são reconhecidos inicialmente pelo 10. Empréstimos e financiamentos valor justo acrescido de quaisquer custos de transação atribuíveis. Após o reconhecimento Modalidade Garantias 2011 2010 inicial, esses passivos financeiros são medidos pelo custo amortizado através do método Capital de giro Dupls+Aval 17.200 22.030 dos juros efetivos. A Companhia tem os seguintes passivos financeiros não derivativos: em- Conta Garantida Dupls+Aval 4.019 4.120 préstimos e financiamentos, fornecedores e outras contas a pagar. b. Contas a receber de Compror Dupls+Aval 1.435 668 clientes - São registrados no balanço pelo valor nominal dos títulos representativos desses Vendor Aval 9 669 créditos, quando da transferência de propriedade das mercadorias. A provisão para créditos Finimp Dupls+Aval 4701 1.722 de liquidação duvidosa foi constituída com base na análise individual dos recebíveis, em Consignado Aval 2 2 montante considerado suficiente pela Administração para cobrir possíveis perdas. O ajuste 27.366 29.211 a valor presente do saldo do contas a receber de clientes não é relevante devido ao curto (-) Circulante (25.144) (24.883) prazo de sua realização. c. Estoques - Estão avaliados ao custo médio de aquisição, líquido Não circulante Dupls+Aval 2.222 4.328 dos impostos compensáveis quando aplicáveis, não excedendo o seu valor realizável líquido. Os vencimentos anuais classificados em longo prazo são os seguintes: Quando aplicável, é constituída provisão para desvalorização de estoques, obsolescência Vencimentos: de produtos e perdas de inventário físico. d. Imobilizado - i. Reconhecimento e mensuração 2013 2.222 - Itens do imobilizado são mensurados pelo custo histórico de aquisição ou construção, 2014 deduzido de depreciação acumulada. O custo inclui gastos que são diretamente atribuível à 2.222 aquisição de um ativo.O custo de ativos construídos pela própria Companhia inclui: • O custo Os empréstimos e financiamentos são obtidos para manutenção do capital de giro da Comde materiais e mão de obra direta; • Quaisquer outros custos para colocar o ativo no local panhia e estão representados substancialmente por cotações em moeda nacional e estrane condição necessários para que esses sejam capazes de operar da forma pretendida pela geira, sujeitos à variação monetária e cambial acrescida de juros, como segue: PÓS - CDI Administração; • Os custos de desmontagem e de restauração do local onde estes ativos +0,25% A 0,45% a.m 5.508; PÓS - CDI +ACIMA 0,46% a.m 3.018; PRÉ - 14% a 19 % a.a estão localizados. ii. Custos subseqüentes - Gastos subseqüentes são capitalizados na me- 14.139; Variação cambial + 2,5% A 3% a.a 4.701. Total 27.366 dida em que seja provável que benefícios futuros associados com os gastos serão auferidos 11. Fornecedores 2011 2010 pela Companhia. Gastos de manutenção e reparos recorrentes são registrados no resultado. Nacional 2.835 3.585 iii. Depreciação - Itens do ativo imobilizado são depreciados pelo método linear no resultado Estrangeiro 1.558 1.063 do exercício baseado na vida útil econômica estimada de cada componente. Terrenos não 4.393 4.648 são depreciados. Itens do ativo imobilizado são depreciados a partir da data em que são 12. Provisão para contingências - A Companhia é parte envolvida em processos tribuinstalados e estão disponíveis para uso. As vidas úteis estimadas para o exercício corrente tários e está discutindo essas questões tanto na esfera administrativa como na judicial, as e comparativos são as seguintes: • Instalações - 10 anos; • Máquinas e equipamentos; 10 quais, quando aplicáveis, são amparadas por depósitos judiciais. As respectivas provisões anos; • Móveis e utensílios; 5 a 10 anos; • Computadores e periféricos; 05 anos; • Veículos - 5 para contingências foram constituídas considerando a estimativa feita pelos assessores a 10 anos. Os métodos de depreciação, as vidas úteis e os valores residuais serão revistos a jurídicos, para os processos cuja probabilidade de perda nos respectivos desfechos foi avacada encerramento de exercício financeiro e eventuais ajustes são reconhecidos como muliada como provável e demais riscos fiscais não vinculados. A Administração acredita que dança de estimativas contábeis. e. Intangível - É avaliado ao custo de aquisição, deduzido a resolução destas questões não produzirá efeito significativamente diferente do montante da amortização acumulada e perdas por redução do valor recuperável, quando aplicável. Os provisionado. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010, os riscos contingentes, conforme opinião ativos intangíveis da Companhia são de vida útil definida, compostos por softwares que são dos assessores jurídicos e avaliação interna da Administração encontram-se descritos no amortizados por um prazo de cinco anos, definido com base no tempo de vida útil estimado quadro a seguir, estando estes riscos contingentes munidos por depósitos judiciais em sua e que reflete o benefício econômico do ativo intangível, cujo registro é feito na demonstração 2011 2010 do resultado do exercício, na rubrica “Outras (despesas) receitas operacionais, líquidas”. f. totalidade: Depósitos judiciais PIS 694 529 Perdas por não recuperação de ativos – Imobilizado e intangível - A Companhia analisa 3.198 2.438 periodicamente se existem evidências de que o valor contábil de um ativo não será recupe- Depósitos Judiciais COFINS Total 3.892 2.967 rado. O valor recuperável de um ativo é o maior valor entre: a) seu valor justo menos custos 2 que seriam incorridos para vendê-lo; e b) seu valor de uso. O valor de uso é equivalente ao Depósito Judicial Prest.Servicos 3.894 2.967 fluxo de caixa descontado (antes dos impostos) derivado do uso contínuo do ativo até o final Adicionalmente, há processos de natureza tributária e cível contra a Companhia, no valor da sua vida útil. Independentemente da existência de indicação de não recuperação de seu valor contábil, os saldos dos ativos têm sua recuperação testada pelo menos uma vez por aproximado de R$ 617 no exercício findo em 31 de dezembro de 2011, que foram avaliados ano. Quando o valor residual do ativo excede o valor recuperável, a Companhia reconhece pela Administração da Companhia e por seus assessores legais como sendo de risco posuma redução do saldo contábil desse ativo (impairment - deterioração). A análise do valor sível e, portanto, não foram provisionados. 13. Patrimônio líquido - a. Capital social - O recuperável é realizada por unidade de negócio, que é a menor unidade geradora de caixa capital social da Companhia em 31 de dezembro de 2011 é de R$ 23.600 (R$ 21.600 em possível para identificação dos fluxos de caixa. g. Demais ativos circulantes e não circu- 2010), totalmente integralizado dividido em 1.000.000 de ações ordinárias nominativas, sem % Capital 31/12/2011 lantes - São apresentados ao valor de custo, acrescido dos rendimentos e das variações valor nominal. 99,9998% 23.599,95 monetárias auferidas, quando aplicáveis, e deduzidos de provisão para refletir o valor de Plann Participações S.A. Samuel Wajsbrot 0,0001% 0,02 realização, quando necessário. h. Passivos circulantes e não circulantes - Reconhecidos 0,0001% 0,02 no balanço quando a Companhia possui uma obrigação legal ou como resultado de eventos Sérgio Wajsbrot Total 100,0000% 23.600,00 passados, sendo provável que recursos econômicos sejam requeridos para liquidá-los. Alguns passivos envolvem incertezas quanto ao prazo e valor, sendo estimados na medida em Na Assembléia Geral Ordinária e Extraordinária realizada em 02 de Agosto de 2011 foi que são incorridos e registrados por meio de provisão. As provisões são registradas tendo aprovado o aumento de capital social no montante de R$ 2.000 totalmente integralizado em como base as melhores estimativas do risco envolvido. i. Provisões para contingências - moeda corrente nacional,da seguinte forma R$ 1.999,96 pela Acionista Plann Participações São reconhecidas quando a Companhia possui uma obrigação legal ou construtiva como S.A R$ 0,2 pelo acionista Samuel Wajsbrot e R$ 0,2, pelo acionista Sérgio Wajsbrot. b. resultado de um evento passado e é provável que benefícios econômicos sejam requeridos Reserva legal - É constituída nos termos da legislação societária, na base de 5% do lucro para saldar a obrigação e uma estimativa confiável do valor possa ser feita. A despesa rela- líquido, observando-se o limite de 20% do capital social realizado ou 30% do capital social tiva a qualquer provisão é apresentada na demonstração do resultado, líquida de qualquer somado às reservas de capital. Após esses limites, as apropriações a essa reserva não são reembolso. j. Empréstimos e financiamentos - Atualizados por juros, encargos financeiros obrigatórias. A reserva legal somente pode ser utilizada para aumento de capital social ou 2011 2010 e variação monetária e/ou cambial, determinados em cada contrato, incorridos até a data de para absorção de prejuízos. 14. Receita líquida de vendas 193.691 166.073 encerramento do balanço. k. Imposto de renda e contribuição social - A tributação sobre Receita Bruta de Vendas (1.863) (1.059) o lucro compreende o imposto de renda e a contribuição social. O imposto de renda é com- Devoluções (49.924) (42.825) putado sobre o lucro tributável pela alíquota de 15%, acrescido do adicional de 10% para os Impostos e outras deduções 141.904 122.189 lucros que excederem R$ 240 no período de 12 meses, enquanto que a contribuição social Receita operacional líquida 2011 2010 é computada pela alíquota de 9% sobre o lucro tributável, reconhecidos pelo regime de 15. Despesas com vendas (2.536) (1.741) competência. As antecipações ou valores passíveis de compensação são demonstrados no Salários e encargos sociais (172) (602) ativo circulante ou não circulante, de acordo com a previsão de sua realização. l. Receita de Consultoria, assessoria e comissões (528) (285) vendas - A receita operacional da venda de bens no curso normal das atividades é medida Outras despesas comerciais (3.236) (2.628) pelo valor justo da contraprestação recebida ou a receber. A receita operacional é reconhecida quando existe evidência convincente de que os riscos e benefícios mais significativos Os valores descritos na rubrica “Outras despesas comerciais” são compostos em sua maioinerentes a propriedade dos bens foram transferidos para o comprador, de que for provável ria por despesas com Serasa (R$154), feiras e eventos (R$145), aluguel de veículos (R$52), que os benefícios econômicos financeiros fluirão para a Companhia, de que os custos as- propaganda e marketing (R$46) e gastos com viagens e representações (R$24). 2011 2010 sociados e a possível devolução de mercadorias pode ser estimada de maneira confiável, 16. Despesas gerais e administrativas (1.720) (1.322) de que não haja envolvimento contínuo com os bens vendidos, e de que o valor da receita Salários e encargos sociais (778) (418) operacional possa ser mensurada de maneira confiável. Caso seja provável que descontos Consultoria e assessoria (4.862) (3.862) serão concedidos e o valor possa ser mensurado de maneira confiável, então o desconto é Fretes, seguros e armazenagens (678) (636) reconhecido como uma redução da receita operacional conforme as vendas são reconheci- Outras despesas administrativas (8.038) (6.238) das. m. Resultado financeiro, líquido - As receitas financeiras abrangem receitas de juros 2011 2010 sobre aplicações em fundos de investimentos. A receita de juros é reconhecida no resultado 17. Outras (desp.) receitas operacionais, líquidas (697) (636) conforme o regime de competência. As despesas financeiras referem-se substancialmente Aluguéis (452) (484) a despesas com juros sobre empréstimos, financiamentos e variações monetárias cambias. Conservação, limpeza e segurança Água, luz e telefone (328) (308) O reconhecimento no resultado é conforme o regime de competência. (182) (309) 4. Caixa e equivalentes de caixa 2011 2010 Depreciação e amortização (994) Caixa 3 65 Provisão de créditos de liquidação duvidosa (1.206) Bancos conta movimento 798 111 Créditos baixados como perda (clientes) 2.845 1.920 Aplicações financeiras 6 522 Outras (despesas) receitas operacionais (1.014) 183 807 698 Saldo em 31/12/2009 Integralização de capital em espécie Lucro líq. do exercício Destinações: Reserva legal Saldo em 31/12/2010 Integralização de capital em espécie Prejuízo do exercício Saldo em 31/12/2011

Aos Diretores e Acionistas da Resinet Importação e Exportação S.A. São Paulo - SP - Examinamos as demonstrações financeiras da Resinet Importação e Exportação S.A. (“Companhia”), que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2011 e as respectivas demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa, para o exercício findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da Administração sobre as demonstrações financeiras - A Administração da Companhia é responsável pela elaboração e adequada apresentação das demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis para as pequenas e médias empresas (NBC TG 1000), assim como pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração dessas demonstrações financeiras livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos auditores independentes - Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações financeiras com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações financeiras estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações financeiras. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações financeiras, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstrações financeiras da Companhia para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins de expressar uma

Receita Líquida Custo dos produtos vendidos Lucro bruto (Despesas) receitas operacionais Despesas com vendas Despesas gerais e administrativas Resultado financeiro, líquido Outras (desp.) receitas operac., líquidas (Prej.) lucro antes do IR e contrib. social Imposto de renda e contribuição social (Prejuízo) / lucro líquido do exercício

Fluxo das atividades operacionais Lucro líquido do exercício Aj. p/reconc. o lucro líq.do exerc. ao caixa prov. das atividades operacionais: Provisão para créditos de liquidação duvidosa Depreciações Amortizações Baixa do ativo imobilizado Decréscimo (Acréscimo) nas contas de ativo Contas a receber de clientes Estoques Impostos a recuperar Demais contas a receber Depósitos judiciais Acréscimo (Decréscimo) nas contas de passivo Fornecedores Impostos e contribuições a recolher Provisões Diversas Demais contas a pagar Caixa líq. prov. (aplic.) das ativid. operacionais Fluxo das atividades de investimentos Adições no imobilizado Adições no intangível Caixa líquido aplicado nas ativid. de invest. Fluxo das atividades de financiamentos Ingressos de financiamentos Amortização do principal e juros Aumento de capital em dinheiro Caixa líquido prov. das ativid. de financ. Redução líquida em caixa e equiv. de caixa Caixa e equivalentes de caixa em 1º de janeiro Caixa e equivalentes de caixa em 31 de dezembro Variação de caixa e equivalentes de caixa

Nota 14

2011 141.904 (126.123) 15.781

2010 122.189 (108.026) 14.163

15 16 18 17

(3.236) (8.038) (4.129) (1.005) (16.408) (627) (627)

(2.628) (6.238) (4.058) 183 (12.741) 1.422 (209) 1.213

20

Nota

2011 (627)

2010 1.213

992 133 58 -

251 67 11

2.437 (2.759) 73 209 (927)

(2.533) (706) (3.821) -

(255) 12 925 268 539

(2.119) (967) 976 (7.628)

(67) (518) (585)

(409) (409)

(1.845) 2.000 155 109 698 807 109

6.476 680 7.156 (881) 1.580 698 (881)

Os valores descritos na rubrica “Outras (despesas) receitas operacionais” são compostos em sua maioria por credito presumido de ICMS (R$ 2.985) e despesas com IPTU (R$84) e outras (R$56). 18. Resultados Financeiros, Líquidos 2011 2010 Variação cambial ativa 1.110 578 Juros ativos 407 337 Descontos obtidos 1.680 642 Total receitas financeiras 3.197 1.557 Juros passivos (4.639) (3.949) Despesas bancárias (319) (248) Variação cambial passiva (1.693) (509) Outras despesas (675) (909) Total despesas financeiras (7.326) (5.615) Resultado financeiro líquido (4.129) (4.058) 19. Imposto de renda e contribuição social - Os cálculos de imposto de renda e contribuição social adotados nos exercícios de 2011 e 2010 foram efetuados considerando o regime de tributação adotado: • Lucro real - O imposto de renda e a contribuição social dos exercícios de 2011 e 2010, para sociedades que operam de acordo com o regime do lucro real são calculados com base nas alíquotas de 15% acrescida do adicional de 10% sobre o lucro tributável excedente de R$240 para imposto de renda e 9% sobre o lucro tributável para contribuição social sobre o lucro líquido. Os valores registrados como despesa de imposto de renda e contribuição social nas demonstrações contábeis estão conciliadas com as alíquotas nominais previstas em lei, conforme demonstrado a seguir: Conciliação entre alíquotas nominais e efetivas 2011 2010 Resultado antes dos impostos (627) 1.422 Alíquota nominal 34% 34% Imposto de Renda e Contrib.Social à alíquota efetiva Ajustes para cálculo da taxa efetiva Adições permanentes 49 90 Exclusões Permanentes (537) Benefícios fiscais (291) Total (578) 678 IR e contruição social no resultado do período 231 PATe Outros ( compensação prejuízo) (24) 209 20. Instrumentos financeiros - a. Instrumentos financeiros - As transações financeiras existentes envolvem ativos e passivos usuais e pertinentes à sua atividade econômica, particularmente aplicações financeiras com vencimentos a curto prazo, empréstimos e financiamentos. Essas transações são apresentadas no balanço pelo seu valor justo, acrescidas das respectivas apropriações de receitas e despesas que, tendo em vista a natureza das transações e os seus períodos de vencimento, se aproximam dos valores de mercado. b. Instrumentos financeiros derivativos - Em 31 de dezembro de 2011 e 2010, a Companhia não possuía nenhuma operação envolvendo instrumentos financeiros derivativos. c. Análise de sensibilidade - A Administração considera seu risco de mercado não sendo representativo, sendo sua exposição decorrente de moeda estrangeira esta concentrada no saldo de fornecedores estrangeiros, oriundo das importações de Polietileno. Todavia, o saldo apresentado nas demonstrações financeiras de 31 de dezembro de 2011 e 2010, não é considerado como representativo. d. Risco de taxa de juros - Este risco é oriundo da possibilidade de a Companhia incorrer em perdas por conta de flutuações nas taxas de juros que aumentem as despesas financeiras relativas a empréstimos captados no mercado. Não foram realizados contratos de derivativos para reduzir o risco específico da flutuação na taxa de juros. e. Risco com taxa de câmbio - Este risco decorre da possibilidade de a Companhia vir a incorrer em perdas por conta de flutuações nas taxas de câmbio, que reduzam ou aumentem valores captados no mercado.A exposição em dólar norte americano em 31 de dezembro de 2011 e 2010, apresentada no saldo de fornecedores é de USD 831 e USD 638, respectivamente. f. Risco de crédito - A Companhia pode incorrer na possibilidade de perdas com valores a receber oriundos de faturamentos de mercadorias. Para reduzir esse risco, constantemente é realizada a análise de crédito dos clientes. Para fazer face às possíveis perdas com créditos de liquidação duvidosa, foram constituídas provisões cujo montante é considerado suficiente pela Administração para a cobertura de eventuais perdas na realização de contas a receber. O valor contábil dos ativos financeiros que representam a exposição máxima ao risco do crédito, conforme apresentado: 2011 2010 Caixa e equivalentes de caixa 807 698 Contas a receber de clientes 14.813 18.242 Demais contas a receber 1.576 1.784 17.313 20.724 Administração entende que não há risco de crédito significativo no qual a Companhia esta exposta, considerando a características das contrapartes, níveis de concentração e relevância dos valores em relação ao faturamento. g. Risco de liquidez - Risco de liquidez é aquele em que a Companhia possa eventualmente encontrar dificuldades em cumprir com as obrigações associadas aos seus passivos financeiros que são liquidados com pagamentos à vista ou com outro ativo financeiro. A abordagem da administração no gerenciamento do risco de liquidez é de garantir o máximo possível que sempre se tenha liquidez suficiente para cumprir com suas obrigações ao vencerem, sob condições normais e de estresse, sem causar perdas inaceitáveis ou com risco de prejudicar a reputação da Companhia. A seguir são apresentadas as maturidades contratuais de passivos financeiros, incluindo pagamentos de juros estimados e excluindo o impacto de acordos de negociação de moedas pela posição líquida, bem como os ativos financeiros que são utilizados para gerenciar este risco. Vencimentos 2011 Valor contábil Até 1 ano 1 - 2 anos 2 - 4 anos acima 4 anos Emprést. e finan. 27.366 25.144 2.222 Fornecedores 4.393 31.759 25.144 2.222 Vencimentos 2010 Valor contábil Até 1 ano 1 - 2 anos 2 - 4 anos acima 4 anos Emprést. e finan. 29.211 24.883 4.328 Fornecedores 4.648 33.859 24.883 4.328 Não é esperado que fluxos de caixa apresentados acima sejam antecipados significativamente. h. Gestão de capital - A Companhia gerencia seu capital com o objetivo de proteger a sua capacidade operacional, mantendo uma estrutura de capital que possa oferecer o maior retorno possível aos seus acionistas, no entanto sem que isto a onere. De forma similar ao mercado, a Companhia monitora seu capital com base no índice de alavancagem financeira, o qual corresponde à dívida líquida, incluindo empréstimos de curto e longo prazo, dividida pelo capital total. i. Política de gestão de riscos - A Companhia possui uma política para gerenciamento de riscos cujo controle e gestão é de responsabilidade da Diretoria Financeira, que se utiliza de instrumentos de controle e profissionais capacitados na mensuração, análise e gestão de riscos. Adicionalmente, não são permitidas operações com instrumentos financeiros de caráter especulativo. Abaixo, demonstramos os valores contábeis, os quais não se diferenciam dos valores justos: Ativo 2011 2010 (i) Caixa e equivalentes de caixa 807 698 (ii) Contas a receber de clientes 14.813 18.242 (ii) Demais contas a receber 1.529 1.784 Total 17.149 20.724 Passivo (ii) Empréstimos e financiamentos 27.366 29.211 (ii) Fornecedores 4.393 4.648 (ii) Demais contas a pagar 821 184 Total 32.580 34.043 Classificação por categoria dos instrumentos financeiros: (ii) Empréstimos e recebíveis (iii) Passivos mantidos pelo custo amortizado. 21. Cobertura de seguros - Em 31 de dezembro de 2011 e 2010, a Companhia possuía cobertura de seguros contra incêndio e riscos diversos para os bens do ativo imobilizado e para os estoques, no montante de R$ 22.000 (R$ 22.000 em 2010). A Administração da Companhia entende que, pelo histórico de sinistros e pelo risco de ocorrência de sinistro em todas as suas plantas industriais ao mesmo tempo, não há riscos de paralisação das operações ou perda de ativos, que possam influenciar significativamente na sua continuidade operacional. As premissas de risco adotadas, dada a sua natureza, não fazem parte do escopo de uma auditoria das demonstrações financeiras, conseqüentemente não foram auditadas pelos nossos auditores independentes. Samuel Wajsbrot Diretor Presidente Walter Honório Diretor Adm. Financeiro - CRC 1SP258553/O-5

opinião sobre a eficácia desses controles internos da Companhia. Uma auditoria inclui, também, a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela Administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações financeiras tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Opinião sem ressalva - Em nossa opinião as demonstrações financeiras acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da Companhia em 31 de dezembro de 2011, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. Outros assuntos - Auditoria dos valores correspondentes ao exercício anterior - Em 4 de abril de 2011, a BDO Auditores Independentes, entidade legal estabelecida no Brasil e que detinha por contrato o uso da marca internacional BDO, passou a integrar a rede KPMG de sociedades profissionais de prestação de serviços com a nova denominação social de KPMG Auditores Associados (incorporada em 2 de dezembro pela KPMG Auditores Independentes). A BDO Auditores Independentes auditou as demonstrações financeiras do exercício findo em 31 de dezembro de 2010, enquanto ainda detinha o direito de uso da marca BDO, tendo emitido relatório datado em 25 de março de 2011, que não conteve modificação. São Paulo, 27 de abril de 2012 KPMG Auditores Independentes Márcio Serpejante Peppe - Contador CRC 2SP014428/O-6 CRC 1SP233011/O-8

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA PAULISTA

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA PAULISTA AVISO DE ABERTURA DE LICITAÇÃO Acham-se abertos, na Prefeitura do Município de Bragança Paulista os seguintes certames licitatórios: CONVITE Nº 044/2012 OBJETO: CONSTRUÇÃO DE MURO DE ARRIMO – RUA PAULO JOSÉ ACEDO – DARCILÂNDIA DATA DE ABERTURA: 20/06/2012 – às 10 horas O presente edital é publicado em resumo no Diário Oficial do Estado (DOE), no Diário do Comércio, Jornal Local e afixado no quadro de avisos da Prefeitura Municipal. As informações poderão ser obtidas na Divisão de Licitação, Compras e Almoxarifado da Prefeitura Municipal, sita à Avenida Antonio Pires Pimentel, nº 2015, Centro, ou pelo telefone (11) 4034-7056 / 59, em dias úteis, das 09:00 às 16:00 horas. Bragança Paulista,6 de junho de 2012 ROSEMARY APARECIDA DA SILVA RESP. P/ DIVISÃO DE LICITAÇÃO, COMPRAS E ALMOXARIFADO

AVISO DE ABERTURA DE LICITAÇÃO Acham-se abertos, na Prefeitura do Município de Bragança Paulista, os seguintes certames licitatórios: TOMADA DE PREÇOS 010/2012 OBJETO: CONSTRUÇÃO DE GALPÃO INDUSTRIAL DATA DE ABERTURA: 26.06.2012 às 10h30 horas VALOR ESTIMADO: R$ 234.494,22 GARANTIA PARA LICITAR (CAUÇÃO) ATÉ: 25.06.2012 VISITA TÉCNICA DE 25.06.2012 O presente edital é publicado em resumo no Diário Oficial do Estado (DOE), no Diário do Comércio, Jornal Local e afixado no quadro de avisos da Prefeitura Municipal. As informações poderão ser obtidas na Divisão de Licitação, Compras e Almoxarifado da Prefeitura Municipal, sita à Avenida Antonio Pires Pimentel, nº 2015, Centro, ou pelo telefone (11) 4034-7056 / 59, em dias úteis, das 09:00 às 16:00 horas. Bragança Paulista, 06 de Junho de 2012. ROSEMARY APARECIDA DA SILVA RESP. P/ DIVISÃO DE LICITAÇÃO, COMPRAS E ALMOXARIFADO


DIÁRIO DO COMÉRCIO

20

quinta-feira e sexta-feira, 7 e 8 de junho de 2012

e Rede do varejo japonês invade os EUA A Uniqlo precisa de um posicionamento competitivo no maior mercado do mundo. Masafumi Shoda, analista da Nomura Securities

conomia

Apesar da fase difícil do mercado norte-americano, a marca Uniqlo, de roupas básicas do Japão, planeja abrir de 20 a 30 lojas por ano em shoppings do país. Fotos Hiroko Masuike/NYT

A megaloja da Uniqlo na cidade de Nova York: oferta de produtos básicos e exposição em formato de túnel, que liga pontos diferentes da unidade.

Stephanie Clifford*

M

uitas lojas varejistas americanas estão fechando suas filiais em shopping centers. Redes como a Gap Inc., a Abercrombie & Fitch, a Coldwater Creek e a Talbot's afirmam que têm lojas demais em shoppings demais. Centenas de lojas estão com a corda no pescoço. Agora, esse sofrimento passou a ser visto como oportunidade de negócios – para algumas varejistas estrangeiras. A Uniqlo, uma marca de roupas básicas do Japão, está iniciando um agressivo plano de crescimento em shoppings e espera abrir de 20 a 30 novas lojas por ano nos Estados Unidos durante os próximos oito anos. Em sua primeira ação, a Uniqlo, que já possui três lojas em Nova York e está abrindo uma no segundo semestre no centro de San Francisco, alugou uma loja no shopping Garden State Plaza, em Paramus, Nova Jersey. A loja ficará localizada em um espaço que já foi ocupado por uma filial da Old Navy. Outras varejistas internacionais – desde as de baixo custo, como a Massimo Dutti e a Topshop, até as de alto custo, como as marcas do grupo PPR, Yves Saint Laurent, Bottega Veneta e Balenciaga – também estão abrindo novas lojas nos Estados Unidos. Aluguéis – De forma geral, o mercado imobiliário das lojas de varejo está se recuperando da recessão. O preço dos aluguéis subiu no primeiro trimestre e o número de lojas vagas diminuiu pela primeira vez desde 2005, já que algumas empresas abriram novas lojas e outras expandiram as já existentes, de acordo com a empresa de pesquisa Reis. "Este é um país de consumistas", afirmou Faith Hope Consolo, presidente do grupo de varejo na imobiliária Douglas Elliman, que está lidando com pedidos de lojas da Austrália, Nova Zelândia e Canadá que desejam abrir filiais no país. Empresas estrangeiras estão procurando o mercado americano em função de seu acesso relativamente fácil ao crédito, uma menor quantidade de regulamentações em comparação com outros países, aluguéis mais baratos por causa da recessão e a oportunidade de ganhar a atenção de Wall Street, afirmou. E muitos consumidores do país apreciam o charme das roupas estrangeiras. "Esse é um mercado inconstante – os consumidores sempre querem algo novo", afirmou Consolo. A Uniqlo está chamando atenção em particular, uma vez que ela foi bem sucedida em vender roupas básicas e baratas, uma categoria que empresas americanas como a Gap e a Old Navy já dominaram. Mas fracassou em uma tentativa anterior nos shoppings americanos. Em 2006, ela fechou lojas que havia aberto em

2005, em três shoppings em Nova Jersey. A Uniqlo enfatiza tecidos de última geração, ca e prateada, servem como uma forma de proDesta vez, funcionários da empresa afirmam como o de uma camiseta que absorve a umida- paganda para a Uniqlo. que aprenderam com seus erros – principal- de, vendida pela empresa no verão. E os preços A empresa praticamente quadruplicou os mente, eles compreenderam que a marca são baixos – camisetas por US$ 9,90 e suéteres gastos com marketing nos Estados Unidos em Uniqlo precisava de uma maior introdução nos de caxemira por US$ 79,90. 2011 em, comparação a 2010, chegando, seEstados Unidos. Da última vez, a rede alugou Yasunobu Kyogoku, diretor de operações da gundo a Kantar Media, a US$ 8,3 milhões, com espaços comuns nos shoppings – com cerca de divisão americana da Uniqlo, afirma que a em- anúncios liderando seus gastos. 650 metros quadrados presa é capaz de conDepois que as campanhas de promoção cocada –, o que não distinseguir preços tão bai- meçaram, os executivos da Uniqlo afirmaram guia a empresa de suas xos porque não muda que era o momento de retornar aos shoppings concorrentes. O novo seus planos de mer- de todo o país. espaço no Garden Stachandising com base "Se você é apenas mais uma loja no shopte Plaza, em comparanos caprichos da últi- ping, o consumidor não tem razões para comção, tem cerca de 4 mil ma moda. Ao invés dis- prar de você, já que estamos vendendo roupas por cento foi quanto aumentaram metros quadrados, so, a empresa reserva e isso não é muito diferente do que os outros esas vendas da divisão internacional com exposição extersua capacidade produ- tão vendendo", afirmou Odake. "Portanto, a na, o que significa que tiva com antecedência menos que o cliente saiba mais a respeito de da Uniqlo durante a primeira as placas da Uniqlo poe produz roupas a um sua marca e qual é o estilo da empresa, não há metade do ano fiscal. dem ser vistas de uma ritmo constante duran- razão para que ele compre em sua loja." rodovia próxima e do te o ano todo, ao invés Para que a empresa alcance seu objetivo deestacionamento do de correr para produzir clarado de US$ 10 bilhões em vendas nos Estashopping. itens da moda em fábricas especiais. dos Unidos até 2020, "nós precisamos ir até o "Nossa marca ainda não é conhecida por to"No varejo, normalmente há uma sazonali- consumidor e, nos Estados Unidos, os shopdos, então precisamos de mais publicidade dade nos produtos que você vende e, portanto, pings são o principal local de compra dos ameque alguns de nossos concorrentes", afirmou uma sazonalidade nas fábricas – quando elas ricanos", afirmou Kyogoku. Os executivos da Shin Odake, executivo chefe da divisão norte- estão funcionando a todo vapor e quando elas Uniqlo se negaram a falar sobre pontos especíamericana da Uniqlo. não estão", afirmou Kyogoku. "Quando se é ca- ficos dos planos de expansão, dizendo apenas Bastante saturada no Japão, a Uniqlo atual- paz de balancear a capacidade máxima duran- que eles também haviam planejado lojas em mente registra a maior parte de seu crescimen- te 365 dias por ano, consegue-se gerar mais outras grandes cidades americanas. Além disto em outros países. A Fast Retailing, a empre- eficiência." so, a empresa está trabalhando em um site de sa controladora da Uniqlo, com sede em TóPropaganda – Depois de desistir de sua última vendas pela internet nos Estados Unidos, sequio, afirmou que as vendas da divisão interna- investida nos shoppings americanos, a Uniqlo gundo os executivos. cional da Uniqlo aumentaram 68%, chegando a escolheu uma nova abordagem, abrindo uma "Mesmo que eu acredite que seja cedo de84,8 bilhões de ienes (US$ 1,07 bilhões) na pri- loja no movimentado bairro nova-iorquino do mais para ir aos shoppings", afirmou Shoda, o meira metade do ano fiscal, entre setembro a SoHo, no ano de 2006, e mais duas novas lojas analista de varejo da Nomura Securities, a emfevereiro. Os lucros aumentaram 45%, para na cidade no ano passado, uma na 34ª Avenida presa "precisa de testes reais ali dentro". 11,4 bilhões de ienes nas lojas fora do Japão du- e a outra na Quinta Avenida. As lojas, repletas rante o mesmo período. de manequins giratórios e de decoração bran* The New York Times Prejuízo – A Uniqlo registrou um prejuízo nas lojas dos Estados Unidos durante esse período, mas os analistas afirmam que a região é fundamental para o crescimento da empresa. "Eles precisam de um posicionamento competitivo no maior mercado do mundo", afirmou Masafumi Shoda, analista da Nomura Securities, por e-mail. Diferentemente de outras marcas internacionais de baixo custo, como a Zara, a H&M e a Mango, que enchem suas lojas de itens da moda semanas depois que as tendências são avistadas nas passarelas, as roupas da Uniqlo são simples. Há uma "forte ênfase na fabricação", disse Faye Landes, analista de varejo na Consumer Edge Research. A Uniqlo é mais conhecida por suas roupas básicas de cores sólidas ou listradas, como camisetas, bermudas e suéteres, disponíveis A fachada da loja de Nova York: as qualidades da marca devem ser ainda apresentadas aos consumidores. em uma ampla gama de cores.

68


quinta-feira e sexta-feira, 7 e 8 de junho de 2012

DIÁRIO DO COMÉRCIO

21

Nº 420

DCARR

IVECO

CAMALEÃO ITALIANO, JEITÃO BRASILEIRO. Italiana apresenta caminhão que vai brigar bem no segmento dos semipesados Fotos: José dos Santos Coelho

O que é que a Bahia tem? Terra de todos os santos, todos os ritmos, todas as raças, tribos e cores... Um grande mosaico de celebrações a todas às crenças. Tem Iveco também... JOSÉ DOS SANTOS COELHO

E

sse foi o cenário escolhido pela Iveco para o lançamento dos novos Tector e Tector Attack da linha de caminhões semipesados Ecoline. Produzido em Minas Gerais, lançado na Bahia e disposto a conquistar espaços e fronteiras desse imenso Brasilzão. São 41 configurações diferentes para os novos modelos, a partir de três tipos de cabine (curta, leito e a nova versão leito teto alto). Potentes e econômicos, os motores Iveco FPT (empresa do grupo Fiat Industrial) têm 218 cv e 280 cv. As opções de transmissão já usadas no Tector anterior foram mantidas, de 6, 9 e 10 marchas, três tipos de tração (4x2, 6x2 e 6x4), e quatro distâncias entre-eixos. Todas as opções – Com essa nova frota de semipesados, a Iveco disputará todas as possibilidades do segmento de caminhões que mais cresceu em 2011, com 60 mil unidades vendidas no País. É também o mais equilibrado, com a presença de todas as montadoras – e no qual a Iveco tem relevante crescimento. Quando lançou a primeira geração do Tector, em 2008, a marca detinha cerca de 3% de participação nessa categoria; em 2011 fechou com 7,4%. Com a nova geração

Bonito por fora, esconde qualidade sob o capô. E oferece opção de várias configurações.

Tector, a Iveco espera acelerar essa tendência de crescimento. O novo Iveco Tector, já chegou às 105 concessionárias da marca em todo o Brasil.

Conforto – O Iveco Tector 6x2, semipesado para 23 toneladas de PBT (peso bruto total), é o mais confortável de seu segmento, com nova opção de cabine leito teto alto, suspensão de cabine mais macia, novo painel de instrumentos e arcondicionado de série, foi desenvolvido para o autônomo, que, em mais de 60% dos casos, é o próprio dono e motorista do caminhão, enfrenta muitas horas ao volante em longas distâncias e espera por mais conforto e facilidades. A versão Iveco Tector Stradale, com todos os opcionais de série, o maior entre-eixos (5.670 mm), mais faróis de neblina, dois tanques de alumínio (700 litros no total), trava elétrica, espelho retrovisor elétrico e CD Player é o semipesado "top" da categoria. Seu preço pode chegar a R$ 255.000.

Para frotistas – Uma das novidades é a opção de uma linha mais simples, destinada a clientes como frotistas, órgãos públicos e comerciantes. Trata-se do Tector Attack 4x2, para 17 toneladas de PBT (peso bruto total), usado em entregas urbanas e interurbanas de curta e média distância. Robusto, porém mais simples e de menor preço. É o modelo de entrada e seu preço é R$ 147.000. Todo terreno –Versão offroad? Tem também. Um tantinho diferente dos demais modelos, esse é um 6x4 para qualquer terreno, desenvolvido para o trabalho em condições mais difíceis, exaustivas e desgastantes. É um pouco mais alto, com parachoque preto posicionado mais acima, e, por isso, tem melhor ân-

gulo de ataque. O acabamento interno é o mesmo do modelo Attack e o piso da cabine, emborrachado. O cavalo mecânico 4x2 para serviços especiais ou ainda qualquer modelo para bombeiros, aplicações na agricultura, mineração, serviços de apoio como guinchos e até mesmo operações militares, são feitos sob encomenda. É só pedir... Manutenção – A briga nesse segmento é acirrada e a Iveco aposta na redução dos custos de manutenção, como trocas mais espaçadas graças à adoção de óleo sintético e também peças e componentes. O óleo do motor, antes trocado aos 40 mil km, agora só aos 60 mil. O óleo da transmissão, que tinha intervalo de troca a cada 120.000 km, agora

vai aos 800.000 km. A troca do óleo do eixo traseiro passou de de 120 mil para 480 mil km. Com esse "tabuleiro" de modelos e configurações, a Iveco se arma para uma longa disputa. As montadoras tradicionais (MercedesBenz, Volkswagen, Ford, Volvo e Scania) dominam o segmento e, a cada lançamento, também introduzem novidades, especialmente em itens de segurança e conforto. Não há dúvidas de que o motorista autônomo é o responsável por consolidar uma marca ou modelo de caminhão no País e nem sempre consegue comprar um modelo 0 Km. Dizem que a melhor marca é "novo". Quando se fala de caminhões isso é uma meia verdade. No Brasil, caminhão tem de ser bom em qualquer idade, tem de ser confiável, ter baixo custo de manutenção, tem de ser econômico e, ao parar por problema mecânico, a solução tem de ser rápida, as peças devem ser encontradas com facilidade, para não "quebrar" o motorista. Os modelos da Iveco impressionam pela beleza, conforto e praticidade. Dirigir um caminhão desses é como dirigir um potente carro grande. A visibilidade é excelente, a cabine é confortável, o acesso aos instrumentos e porta-objetos é fácil e não há solavancos. O modelo em que "dei um passeio" foi o Iveco Tector 240E28S - 6x2 para 23 toneladas de carga, usado para médias e longas distâncias, completo, com ar-condicionado (de série nesse modelo), vidros elétricos, som e todas as regalias de um carro grande. O tempo não estava lá essas coisas, chuva, sol, mormaço (tudo que a Bahia tem). Limpador de para-brisas ligado, arcondicionado ligado e ouvidos atentos ao som de motor novo – que é som de uma boa orquestra. Oxalá e Iemanjá protejam os maestros e músicos desse chão brasileiro.

MERCEDES-BENZ

NOVA SPRINTER GANHA LOJA EXCLUSIVA Divulgação

Marca alemã mostra sua van 2013 e inaugura pontos de venda só para ela

A

Mercedes-Benz deu início, na semana passada, ao programa de atendimento exclusivo para sua linha Sprinter, inaugurando em São Paulo a primeira loja dedicada somente ao segmento de vans, furgões e derivados do chassi da marca, que já vendeu mais de 200 mil unidades desde o seu lançamento no mercado, em 1996. As novas lojas – sete delas – serão instaladas inicialmente em Belo Horizonte (MG), Curitiba (PR) e Rio de Janeiro (RJ), além de São Paulo, capital e Interior. E, também, em qualquer outra cidade onde as vendas superem a marca de mil unidades. A nova Sprinter chega ao mercado mais larga e mais alta, com capacidade de carga de até 22 m³ e portas

traseiras abrindo em 270°. Nos modelos para passageiros, a altura chega a 1,94 m, o que garante conforto à maioria dos ocupantes. São, ao todo, 44 versões, entre vans, furgões e chassi que permitem a utilização para diversos segmentos, custando a partir de R$ 79 mil (chassi). A linha Sprinter vem com motor OM 651 – com duas classes de potência (311 CDI com 114 cv e 515 CDI, de 146cv) –, câmbio de seis marchas que propicia maior economia de combustível. O nível de segurança foi aprimorado, com inclusão de controle de estabilidade, integrando ABS, ASR, BAS e EBV. O air bag do passageiro ganhou maior volume. chicolelis


DIÁRIO DO COMÉRCIO

22

t

quinta-feira e sexta-feira, 7 e 8 de junho de 2012

TAPETE VERMELHO Natalie Portman, Jennifer Aniston, George Clooney e Jennifer Lopez circulam entre os estúdios, restaurantes e palcos de ensaios

urismo

Divulgação

Fernando Porto

A

VALE DAS ESTRELAS No Vale de San Fernando, em Los Angeles, região que concentra mais de 100 estúdios de cinema e TV, percorremos os endereços do dia a dia das celebridades. Fotos: Divulgação

rtes visuais, teatro, dança e a melhor culinária tradicional da Califórnia. Entre as várias facetas da mítica Los Angeles, o Vale de San Fernando é a meca dos turistas exigentes e também de muitas celebridades de Hollywood. Conhecido pela concentração de mais de 100 estúdios de cinema e TV – entre eles, CBS, NBC-Universal, Disney/ABC e Warner Bros –, o vale se estende pelo lado noroeste de L.A. e foi colonizado inicialmente pelos espanhóis, com a fundação em 1797 da Mission San Fernando Rey de España. Hoje, é povoado pela indústria cinematográfica e as estrelas holywoodianas que ali dividem seu tempo entre estúdios, bons restaurantes, palcos de ensaios e apresentações. O visitante ali tem a chance de vivenciar esse cotidiano e, quem sabe, esbarrar em sua estrela favorita, como a atriz Jennifer Aniston. De Ventura Boulevard até o distrito das Artes de North Hollywood, uma caminhada tranquila permite sentir o movimento local. A avenida atravessa o vale e é repleta de restaurantes e lojas. A oeste, a primeira parada é na antiga Casa Vega, em Sherman Oaks, que oferece a melhor comida típica mexicana. Administrada por uma família de imigrantes, foi inaugurada em 1956 por Rafael "Ray" Vega, que se inspirou em outro restaurante de sucesso de seus pais, aberto na década de 1930 em Olvera Street, no centro de Los Angeles – o Café Caliente. Ainda é possível ver Ray entre as mesas, como anfitrião, mas, devido à idade avançada, o comando da casa é da filha, Christina Vega-Fowler. A Casa Vega é a parada favorita de celebridades que veneram seus tacos e enchilladas de lagosta. Caso

Fotos: Fernando Porto

Distrito das Artes NoHo (ou North Hollywood) concentra galerias e teatros. Mission San Fernando Rey de España (acima) é um marco da colonização da região. Vale a pena passar diante da Academy of Television Arts & Sciences e ver as estátuas de lendas da TV americana, como Desi Arnaz e Lucille Ball (ao lado).

Chef Jimmy Shaw, do Loteria Grill, costuma dar dicas no programa Today Show. de George Clooney, Cameron Diaz e Jennifer Aniston. Ainda na Ventura Boulevard, no bairro de Studio City está outro restaurante imperdível, desta vez com os pratos inovadores da culinária texmex da Califórnia. O Loteria Grill tem no comando o renomado chef Jimmy Shaw, que costuma dar suas dicas no programa 'Today Show' e é destaque em revistas especializa-

entre as avenidas Lankershim e Magnolia, vale passar pelo prédio da Academy of Television Arts & Sciences, fundação responsável pelo prêmio Emmy que tem na entrada estátuas de lendas da tevê americana, como Johnny Carson, Lucille Ball e Desi Arnaz. Dança – Para quem deseja aprender dança com os professores das celebridades, o lugar é o Millennium Dance Complex, onde divas da música e suas equipes, como Britney Spears, Janet Jackson e Jennifer Lopez, ensaiam suas coreografias nos shows. Os ídolos Justin Bieber e Justin Timberlake estudaram lá e a atriz Katie Holmes (sra. Tom Cruise) é uma de suas alunas famosas. Lá, é possível contratar aulas particulares com professores, como Anhony Car que ensina hip hop e conta que Michael Jackson costumava ir disfarçado assistir às aulas e procurar novos integrantes para sua equipe. Aos que sonham em trabalhar no 'show biz', quem sabe não seria a oportunidade de encontrar ali um caça-talentos e fazer do sonho realidade. Viagem a convite da US Travel Association com o apoio da American Airlines

RAIO X ONDE COMER Casa Vega: 13301 Ventura Blvd, www.casavega.com. Petiscos de entradas custam entre US$ 8,75 e US$ 14,95, os burritos de US$ 9,75 a US$ 12,75, enquanto as entradas especiais até US$ 20,50. Loteria Grill: 12050 Ventura Blvd, Studio City, www.loteriagrill.com. De entrada, chicarron de queijo, servido com guacamole e molhos, a US$ 7,50. Outra boa pedida são as probaditas, um mix de 12 tacos servidos em pequenas tortillas (US$ 14). Arroz verde com molho especial sai a US$ 2 a porção.

Ventura Boulevard, a avenida que atravessa o vale, é repleta de lojas e restaurantes. Vale o passeio para sentir o movimento local.

das, como a 'Bon Appetit'. O mestre-cuca orgulha-se de falar um bom português, aprendido durante os anos que esteve na PUC-RJ para o curso de Cultura Brasileira. "Sinto saudades do Rio. Por isso é muito bom ver brasileiros em meu restaurante." A casa se destaca por seus tacos crocantes, burritos e enchiladas. Shaw revela que muitos atores de Hollywood param para o café e o almoço por lá. A atriz Natalie Portman é cliente fiel e sua guarnição predileta, o arroz verde com molho especial. Artes – Após provar a boa comida de San Fernando, é hora de apreciar o mundo artístico, concentrado no chamado Distrito das Artes NoHo (abreviação de North Hollywood), bairro de artistas plásticos, atores e intelectuais boêmios. Se você admira as belezas visuais das grandes produções cinematográficas, saiba que a Galeria de Belas Artes 800 concentra trabalhos e esboços desses diretores de arte, designers e ilustradores em mostra permanente. No mesmo complexo, a NoHo Gallery LA tem mais de 33 exposições por ano e promove os trabalhos de mais de mil artistas plásticos e fotógrafos consagrados. NoHo também possui uma área de teatros. O Portal Theatre, por exemplo, que abriu pela primeira vez em 1926 para exibir filmes mudos, agora se divide em três teatros para espetáculos diversos. Perto dali,

AONDE IR NoHo Arts District: informações sobre tours pelo tel. (1-818) 506-3132, nancy@nohoartsdistrict.com.

Millenium Dance Complex: millenniumdancecomplex.com. Pacote de três aulas/hora de dança sai por US$ 40 e programa de 20 horas/aula custa US$ 210. PACOTES Flot: quatro noites em Los Angeles a partir de $ 1.842 por pessoa (preço válido até 22/6). Inclui parte aérea, hospedagem sem café da manhã e, cartão de assistência. Tel. 4504-4500, www.flot.com.br. Ultra Viagens: quatro noites em Los Angeles a partir de US$ 1.500 por pessoa. incluindo parte aérea e hospedagem. Tel. 3801-8613, www.ultraviagens.com.br/. Visual: pacote de cinco noites entre Los Angeles e São Francisco, para junho ou agosto, a partir de US$ 2.443 por pessoa, com a parte aérea,

Restaurante mexicano recebe famosos como Cameron Diaz. traslados, hospedagem com café da manhã, circuito em ônibus com guia em espanhol, passeios e cartão de assistência. Tel. 3235-2000, www.visualturismo.com.br.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 7 e 8 de junho de 2012

23

Fotos: DreamWorks/Divulgação

d

cultura

ELES AGORA FOGEM COM O CIRCO Lúcia Helena de Camargo

F

oi dada a largada para os filmes de férias. Embora estejamos no começo de junho, a estreia da animação Madagascar 3 Os Procurados entra nos cin e m a s j á c omo opção para levar a criançada ao cinema no mês de julho. O quarteto de animais fugidos do Zoológico do Central Park, em Nova York, agora se junta ao circo, vai parar na luxuosa Monte Carlo e apresenta novos personagens, como a ursa equilibrista, por quem Julien (o lêmure vaidoso, auto-intitulado rei) se apaixona. Toda a ação da trama começa inevitavelmente nas mentes ativas dos pinguins Capitão, Kowalski, Rico e Recruta. São eles que constroem o avião para transpor-

BERGMAN

N

a próxima quarta (13) começa no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) a maior mostra de filmes do sueco Ingmar Bergman (1918-2007) já feita em solo brasileiro. Serão exibidos 51 filmes e o evento contará com debates e cursos. A curadoria da mostra é de Giscard Luccas. Em São Paulo, a mostra acontece até 15 de julho. No Rio, onde está desde 8 de maio, segue até sexta (15), e em Brasília, de 19 de junho a 22 de julho. Serão exibidos dois documentários do convidado especial Stig Björkman, com cenas de bastidores das filmagens e novas entrevistas com atores e atrizes: Imagens do Playground e ...mas o Cinema é Minha Amante. Além das projeções, Björkma, documentarista que realizou série de entrevistas e livros sobre Bergman, participará de um bate-papo com o público. O curso O Cinema de Ingmar Bergman será ministrado por Sérgio Rizzo, jornalista, professor da FAAP e da Casa do Saber. O curso terá duração de três dias, com duas horas

TV

tar a turma e é deles a ideia de embarcar na aventura circense para escapar da polícia. Eles, aliás, possuem sua própria série televisiva, exibida aqui pelo canal pago Nickelodeon e pela TV Globinho, da Rede Globo. Ou seja, o sucesso das peripécias dos pinguins é maior do que o dos próprios personagens principais de Madagascar. As vozes dos atores na versão em inglês continuam as mesmas. David Schwimmer (Ross na série Friends) faz a girafa hipocondríaca Melman; Ben Stiller vive o leão Alex; Chris Rock é a zebra Marty e Jada Pinkett Smith é Gloria, a hipopótama. A voz de Julien é feita pelo comediante Sacha Baron Cohen. Na versão em português, Alexandre Moreno é Alex; Felipe Grinnan, Marty; Ricardo Juarez, Melman. Heloísa Périssé dubla

Gloria e Guilherme Briggs, Julien. Marcos Frota fala pelo leão-marinho Stefano (em inglês, Martin Short), dentuço simpático que se questiona se seu QI está ou não na média. O filme estreia no País com 860 cópias, em exibições em 2D e 3D. A maioria dublada. As poucas sessões legendadas serão noturnas, para dar oportunidade aos adultos que fazem questão de assistir ao filme com as vozes originais. O roteiro bem amarrado e recheado de humor poderá agradar às crianças. Mas esta terceira sequência presta um desserviço ao divulgar uma visão idealizada de animais no circo. No primeiro filme os protagonistas vão parar na ilha de Madagascar. No segundo, vêem-se no meio da savana africana. Agora, fazem um discurso sobre a expe-

riência circense como se ela proporcionasse tanta liberdade quanto na natureza. E ainda fosse melhor do que a vida no zoológico. Como se sabe, as condições dos animais no circo costumam ser precárias. Mesmo que bem alimentados, são confinados em espaços limitados e forçados a grandes locomoções dentro de jaulas. Em diversos países – o Brasil inclusive – é proibido o uso de animais no circo. Nos EUA, alguns estados permitem. Será que os animais de verdade, se consultados, optariam por viajar com o circo, morar no zôo do Central Park ou permanecer na África?

Madagascar 3: Os Procurados (EUA, 2012, 90 minutos). Direção: Eric Darnell, Tom McGrath, Conrad Vernon.

CCBB ABRE MAIOR RETROSPECTIVA DO CINEASTA EM SOLO BRASILEIRO Fotos: Divulgação

cada aula. As inscrições podem ser feitas pelo site da mostra. A programação será aberta às 10h da quarta (13), com Quando as Mulheres Esperam. Entre os filmes exibidos estão emblemáticos como O Sétimo Selo (1956), cujo título é uma remissão ao livro bíblico do Apocalipse; Da vida das Marionetes; Cenas de um Casamento e O Ovo da Serpente. E ainda Morangos Silvestres (1957), sobre um professor de medicina que faz a retrospectiva de sua vida, temendo a morte que se aproxima; o polêmico Quando as Mulheres Pecam (1966) e Saraband, filme feito por Bergman para a TV. A trama mostra casal que se reencontra 30 anos depois, para relembrar o passado. Eles acabam percebendo que seus descendentes vivem problemas semelhantes aos que eles haviam experienciado. É Bergman brincando com as ironias e repetições da vida.

CCBB. Rua Álvares Penteado, 112. Centro. R$ 4 e R$ 2. www.mostraingmarbergman.com.br

Saraband: feito para a TV, sobre os inevitáveis ciclos da vida que se repetem geração após geração.

Filmes para refletir sobre consumo e lixo CICLO Inclusão e sustentabilidade exibe Estamira e Efeito Reciclagem, na faixa das 23h, na Sesc-TV.

S

egue até amanhã, sábado (9), o ciclo Inclusão e Sustentabilid ad e , na Sesc-TV. Na faixa das 23h o canal (137 na Net) vem exibindo filmes relacionados a sustentabilidade, que explicam e interpretam os processos de consumo e descarte de lixo na sociedade. Nesta sexta (8), será exibido Estamira (foto), dirigido por Marcos Prado em 2006. O longa conta a história de uma mulher de 63 anos que sofre de distúrbios mentais e trabalha há mais de 20 anos no aterro sanitário do Jardim Gramacho. O local, hoje fechado, recebia diariamente mais de oito mil

Receitas para "colar" corações partidos. E para os inteiros, também: siga até a página 26. Ainda nesta edição: artes para bebês, crianças e jovens. Bradbury: ou a ficção científica. Bruxinhas pacíficas. Violeta Parra no cinema e na música.

toneladas de lixo produzido no Rio de Janeiro. No sábado (9) será exibido Efeito Reciclagem (2010), dirigido por Sean Walsh, longa que conta a história de Claudinês, catador de material reciclável e morador de um bairro de periferia na Zona Sul de São Paulo. Com plena consciência sobre a importância de seu trabalho e habilidoso negociante, ele deixou o trabalho como motorista de lotação para exercer a função de catador de material reciclável em tempo integral. Premiado em festivais nos EUA, Inglaterra, México e Portugal, o filme esteve em cartaz em 2011, no CineSesc. (LHC)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

24

d

Fotos de Paraisópolis no Sesc

cultura

Bebês no colo e no teatro

quinta-feira e sexta-feira, 7 e 8 de junho de 2012

Osesp interpreta Bruckner

Sons de Mariana, Adriana e Ney.

Renata Castello Branco

Marcos Rogério Meneghessi/Divulgação

Carollay e Pink Floyd, o passarinho que fica feliz quando o dono coloca as músicas da banda para tocar.

Beleza interior

Aventuras no céu da boca. Entre dentes, escovas, pastas e música.

Rita Alves quando, há cerca de dois anos, ela observou no Itaú Cultural obras do artista plástico Hélio Oiticica (1937-1980) e leu uma frase sobre seus parangolés, comparando a imagem de uma favela a uma colcha de retalhos. Naquele momento, Renata se lembrou de uma foto skyline da comunidade de Paraisópolis, guardada em seus arquivos. "Decidi procurar as pessoas e fazer os registros." Além de Negro San, outro fato ajudou a fotógrafa a se aproximar das famílias. "A gente tinha também um cartão de visitas, meu trabalho anterior, um livro sobre Heliópolis". Mesmo assim, Renata conta que cerca de metade dos moradores abordados não topou participar do projeto. "Mas os que aceitaram não fizeram restrição nenhuma e nos trataram muito bem", diz. "Eu estava entrando na casa das pessoas, então eu tinha de me tornar confiável. E existem pessoas lá que me

marcaram muito." durante a empreitada em Durante sua vivência na Paraisópolis foi perceber a comunidade, a fotógrafa notou vitalidade das pessoas da que a maioria dos moradores do comunidade. "Elas matam um bairro era nordestina. "Tem leão por dia e, mesmo assim, não muito mineiro também, mas 80% perdem a alegria de viver. Elas são nordestinos". O fato, têm uma vitalidade incrível. O segundo sua avaliação, faz com que surpreende também é ver o que muitas características da tédio da classe média quando a cultura da roça estejam gente compara as duas presentes no cotidiano deles, realidades." como, por exemplo, o hábito de Sesc Pompeia. Rua Clélia, 93, criar passarinhos engaiolados. tel.: 3871-7700. Terça a sábado, "Os moradores fazem brigas de das 10h às 21h. Domingos e canto de passarinho", afirma. feriados, das 10h às 20h. Até 29 "Muitas casas têm cortinas feitas de julho. Grátis. com fios de plástico para vedar a passagem de moscas. O colorido das casas também chama a atenção com cores super vibrantes. E elas têm muitos artigos comuns encontrados em qualquer casa." O que mais Maria Madalena, moradora de Paraisópolis. surpreendeu Renata

Pais e filhos em jogo poético Teatro para bebês no palco do Sesc Pinheiros

A

dultos e bebês podem ocupar a mesma plateia no Sesc Pinheiros. Essa união só é possível graças ao Grupo Sobrevento, criador do Teatro para Bebês - Meu Jardim. O espetáculo, adaptado do texto O Jardim de Babaï, da belga de origem iraniana Mandana Sadat, conta a história de um viajante que decide aplacar

Fotos: Divulgação

o tédio criando um jardim no meio do deserto. No palco, os atores Luiz André Cherubini e Maurício Santana apresentam o espetáculo para 30 crianças, de 6 meses a 3 anos, cada uma acompanhada de um adulto. Santana afirma que as apresentações não têm caráter recreativo e explica o que elas têm de especial. "A di-

ferença é que quanto maior a criança, maior o número de convenções que ela já assimilou", diz. "O Teatro para Bebês não admite truques, falsidade, cartas na manga, pelo contrário, a comunicação tem que ser estabelecida por um jogo poético franco. Os espetáculos não têm caráter recreativo e é para ser visto por pais com seus bebês, pois con-

A

Renata Castello Branco

A

fotógrafa paulistana Renata Castello Branco registrou o interior de 400 casas do Grotinho, em Paraisópolis, segunda maior comunidade de São Paulo. Mas não será preciso se deslocar até o mesmo bairro para conhecer como vivem seus moradores. No Sesc Pompeia, a comunidade tem um espaço especial, representada pelas fotografias da artista, expostas na bela mostra Paraisópolis - Uma Cidade Dentro da Outra. Com curadoria da especialista em fotos de arte Rosely Nakagawa, a exposição reúne 95 imagens do interior de 84 casas. O projeto durou dois anos e teve auxílio de Negro San, guia da comunidade local. "Ele é muito conhecido em Paraisópolis e foi fundamental no processo de aproximação dos moradores", afirma a artista. Desde o início, a ideia de Renata era fotografar as casas por dentro. A vontade apareceu

vida a todos que entrem em um jogo em que cada ação terá influência direta." Engana-se quem pensa que durante o processo de criação o Sobrevento pesquisa elementos para prender a atenção dos bebês. "Partimos de histórias que gostaríamos de contar e consideramos os bebês seres humanos plenos", afirma Santana. "Sabemos, no entanto, que alguns deles ainda não dominam a linguagem falada, então não reduzimos nossas montagens ao entendimento racional do texto. Mas não abrimos mão dos textos, ainda que muitas vezes nos deparamos com a pergunta: 'Mas afinal o que um bebê vai entender de uma peça de teatro?'. Nossa resposta é: o bebê entende tudo aquilo que merece ser entendido." (RA)

criançada tem mais uma opção para se divertir na cidade: o teatro APCD, na zona norte. Neste fim de semana, o espaço estreia sua programação infantil com o musical João Pedro e o Louco Mundo da Dona Boca, de Toni Brandão. Com direção e coreografia de Eduardo Martini e direção musical e preparação vocal de Nicole Borger, a peça trata, com bom humor, da saúde bucal para crianças. O elenco, formado por 10 atores, aborda o tema cantando e interpretando um sonho do menino protagonista João Pedro. “Os textos do Toni são instrutivos, gostosos de ler. São temas didáticos, mas interessantes, modernos, contemporâneos. Ele trabalha com a inteligência das crianças, sabe que elas são seres pensantes, que questionam”, afirma Edu Martini. Na opinião do diretor, a saúde bucal sempre foi um

(8) e sábado (9), 21h. Domingo, 18h. R$ 32. Mariana Aydar interpreta músicas do CD mais recente, C av aleiro Selvagem Aqui Te Sigo, incluindo as músicas Po r t o , de Rômulo Fróes e Nuno Ramos; e Nine Out of Ten, de

Com a interpretação da Sinfonia Nº 8 em Dó Menor WAB 108, do compositor austríaco Anton Bruckner (1824-1896, foto), a Orquestra Sinfônica do Estado (Osesp) dá sequência à temporada de 2012. Sob a regência carismática do inglês Frank Shipway, a promessa é de um concerto solene, fiel ao estilo de Bruckner (católico devoto, organista virtuose e wagneriano convicto).

Sesc Pinheiros. Rua Paes Leme, 195, tel.: 3095-9400. Domingo (17), às 11h e 14h. R$ 10. Recomendado para crianças de 6 meses a 3 anos.

Caetano Veloso. Teatro Sesc Santo A ma ro . Rua Amador Bueno, 505. Tel.: 5541-4000. Sexta (8), sábado (9), 20h. R$ 20. Ney Matogrosso (dir.) conserva o estilo, aos 70: sem perder o fôlego, faz a turnê Beijo Bandido ao Vivo, com clássicos da MPB como M ed o de Amar, de Vinícius de Moraes, e

Teatro APCD. Rua Voluntários da Pátria, 547, Santana (a 100 metros da estação de metrô Portuguesa/Tietê), tel.: 2223-2424. Sábados e domingos, às 16h. R$ 30. Até 29 de julho.

A devoção de Bruckner

SINTONIA FINA COM A MPB Adriana Calcanhoto relembra o repertório do CD O Micróbio do Samba, gravado em março. Entre as canções, o samba Argum ento, de Paulinho da Viola. Sesc Pinheiros. Teatro Paulo Autran. Rua Paes Leme, 195. Tel.: 3095-9400. Sexta

assunto importante de se tratar. "O tema da saúde bucal é muito importante para todas as idades. Eu sempre tive preocupação com problemas dentários e minha vontade de passar informação para a criançada surgiu há 4 anos.” No palco, os pequenos acompanham a história de João Pedro, um garoto apaixonada pela colega de colégio Marcela. O drama começa quando ela decide parar de falar com João, depois de sentir um cheiro estranho vindo da boca dele. Triste e envergonhado, ele vai para casa e sonha que está dentro de uma gigantesca boca, a sua. (RA)

Mulher Sem Razão, de Cazuza, Dé Palmeira e Bebel Gilberto. C r ed icard Hall. Avenida das Nações Unidas, 17955. Tel.: 4003-5588. Sábado (9), 22h. Domingo (10), 20h. R$ 60 a R$ 200. (Ney está também em cartaz na Cidade, no filme Luz nas Trevas - A Volta do Bandido da Luz Vermelha.) (DCultura)

Sala São Paulo. Praça Júlio Prestes. 3223-3966. Sexta (8), 21h. Sábado (9), 16h30. R$ 26 a R$ 149.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 7 e 8 de junho de 2012

25

Em Fahrenheit 451, o título é uma referência à temperatura na qual o papel pega fogo (que equivaleria a 283 graus Celsius). No elenco do longa estão Oskar Werner e Julie Christie. Uma curiosidade: os créditos iniciais do filme não são escritos, mas narrados, para antecipar o clima de leitura proibida.

Fred Prouser/Reuters

A herança de Ray Bradbury, alquimista da ficção científica, temperada pelo terror e pelo suspense.

d Tributo ao mestre cultura

Em Marte. E na calçada da fama.

Leia conto antológico do livro Crônicas Marcianas

Lúcia Helena de Camargo Ele queria ir para Marte no foguete. Foi bem cedo até o campo de lançamento e gritou através da cerca de arame farpado para o homem uniformizado, que ele queria ir para Marte. Disse que pagava seus impostos, e que seu nome era Prochard, e tinha o direito de ir a Marte. Afinal não era um bom cidadão nascido em Ohio? Então por que ele não poderia ir para Marte? Balançou os punhos na direção deles e disse que queria ir embora da Terra. Qualquer um com juízo queria ir embora da Terra. Haveria uma guerra nuclear acontecendo na Terra nos próximos anos e ele não queria estar ali quando acontecesse. Ele e milhares de outros como ele, se tinham algum juízo, iriam para Marte. Não iriam? Para fugir das guerras, da censura, estadismo e o

O filme Fahrenheit 451 (França, 1966), baseado na obra de Bradbury, chegou ao cinema através do olhar de Truffaut. A distopia faz um retrato do mundo como o lugar totalitário do qual todos os livros foram banidos, por supostamente tornarem as pessoas improdutivas e infelizes. A esperança surge quando os bombeiros começam a questionar a prática de queimar os livros.

recenseamento, e o controle do governo disso ou daquilo, da arte e da ciência! Podiam ficar com a Terra! Ele ofereceu a mão direita boa, seu coração, sua cabeça, pela oportunidade de ir para Marte! O que precisava fazer, onde precisava assinar para entrar no foguete? Eles riram dele. Ele não queria ir a Marte, disseram, será que não sabia que a primeira e a segunda expedições haviam falhado, desaparecido, e os homens provavelmente haviam morrido? Mas eles não podiam provar, não tinham certeza, ele disse, colado na cerca de arame. Talvez fosse a Terra do Leite e do Mel, de onde o Capitão York e o Capitão Williams nunca se preocuparam de voltar. Agora, ou eles abririam o portão para que ele entrasse a bordo do

R

ay Douglas Bradbury morreu aos 91 anos em Los Angeles, na última terça-feira (5). Escritor americano de ficção científica, publicou 11 romances e dezenas de contos no gênero. Nascido em 22 de agosto de 1920, na pequena cidade americana de Waukegan, no estado de Illinois, seu primeiro emprego foi como jornaleiro, na Califórnia. A obra que inaugura a carreira do escritor é The Lake (O Lago), publicada em 1942. O livro marca o surgimento do seu estilo, que mescla ficção científica, terror e suspense. Fahrenheit 451, de 1953, se tornaria um de seus romances mais conhecidos em todo o mundo, principalmente depois da adaptação para o cinema pelas mãos do diretor francês François Truffaut. No Brasil, entre os livros mais vendidos de Bradbury está As Crônicas Marcianas, contos cujo tema recorrente é a colonização de Marte por humanos.

foguete da terceira expedição ou ele teria que chutá-los para longe? Mandaram que se calasse. Ele viu os homens indo para o foguete. Esperem por mim! Gritou. Não me deixem aqui neste mundo terrível, eu tenho que sair daqui, tem uma guerra atômica chegando! Não me deixem na Terra! Eles o arrastaram para longe. Bateram a porta da viatura policial fechando-a na sua cara, e o levaram naquele início de manhã, seu rosto contra o vidro da janela, e pouco antes das sirenes, viu o fogo vermelho e ouviu o estrondo e então sentiu o enorme tremor do foguete prateado que partia, deixando-o para trás em uma segunda-feira comum em um banal planeta Terra. (Conto publicado no livro Crônicas Marcianas, de Ray Bradbury. Maio de 1950)

Fotos: Divulgação

Mergulho na le

Q

itura

uem se interessou pelo conto O Cont ribuinte pode encontrá -lo no livro Crônicas cianas (Editora Gl Marobo, R$ 40), um dos maiores best-sellers de Brad bury. E para quem quiser mergulhar na obra do autor são boas di cas os livros Algo Sinistro Vem por Ai (Editora Bert rand Brasil, R$ 40) e Farenheit 45 1 (Editora Globo, preço entre R$ 20 e R$ 60). As ob ras podem ser en contradas em livrarias físicas e on line. (AB)

A primeira emoção No último ensaio escrito por Bradbury para a revista New Yorker, publicado na última segunda-feira (4), ele faz um relato emocionante sobre sua iniciação no mundo da ficção científica. O evento que o marcaria seria o aparecimento do herói voador Buck Rogers, em 1928. O garoto de apenas oito anos de idade ficaria para sempre impressionado com o personagem. "Fiquei meio maluco nesse outono. É a única maneira de descrever a intensidade com que eu me dedicava a essas histórias. Depois, na vida adulta, raramente temos febres desse tipo que preenchem o dia inteiro com emoção genuína", narra. A segunda "febre" viria em 1931, quando foi apresentado a Tarzan e John Carter. Ele conta ainda a origem de alguns contos, como The Fire Balloons , em que presta uma homenagem póstuma a seu avô. Flores para o autor No comunicado sobre a morte do autor, sua editora, a HarperCollins, disse que ele morreu após uma "longa doença", em sua casa. "Em uma carreira de mais de 70 anos, Ray Bradbury levou gerações de leitores a sonhar, pensar e criar", declarou a editora. Bradbury sofrera um derrame cerebral em 1999, mas conseguiu retomar o trabalho. O último livro de contos publicado nos EUA foi The Cat's Pajamas: Stories, em 2004. Esta semana fãs têm deixado flores sobre a sua estrela, na Calçada da Fama, em Hollywood.

A vida, segundo Ésquilo e Dante. Sérgio Roveri

Divulgação

O

Club Noir, companhia criada pelo diretor Roberto Alvim e pela atriz Juliana Galdino em 2006, dá início nesta sexta (8), a um projeto de ousadia ímpar: encenar, até dezembro, todas as seis peças do dramaturgo grego Ésquilo, uma espécie de precursor da dramaturgia ocidental, que sobreviveram até os nossos dias. As Suplicantes, tragédia que estreou possivelmente no ano de 463 AC, abre o projeto batizado de Pe e p Classic Ésquilo. Depois dela virão, pela ordem, os seguintes textos: Os Persas (de 6 a 29 de julho), Sete Contra Tebas (de 3 a 26 de agosto), Prometeu (6 a 30 de setembro), Oresteia I (5 a 28 de outubro) e Oresteia II (de 2 de novembro a 16 de dezembro). Em As Suplicantes, Ésquilo narra o mito das 50 filhas de Dânao, fundador da cidade de Argos, que fogem depois de descobrir que foram prometidas em casamento aos seus primos no Egito. Em sua fuga, vão bater às portas de Pelasgo, rei de Argos, a quem imploram por proteção. Em uma solução dramatúrgica incomum para a

As Suplicantes: tragédia abre o projeto Peep Classic Ésquilo. época - e que talvez sinalize a simpatia de Ésquilo pelo recém-criado regime democrático -, o rei decide dar o veredito somente após realizar uma consulta popular. O povo decide pela permanência das jovens na cidade. Descobriuse, somente no século XX, que As Suplicantes eram a primeira parte de uma trilogia composta pelos textos Os Egípcios e As Danaides, que se perderam. Em sua obsessão pela valorização do texto no palco, Alvim revela que as seis tragédias se-

rão mostradas dentro de um cubo delimitado por linhas metálicas, sem qualquer trilha sonora e com iluminação a cargo de apenas uma lâmpada fluorescente. O diretor garante que não precisa mais do que isso porque, em seu entender, "as palavras são como sementes, capazes de gerar sensações e imagens inclassificáveis no imaginário de cada espectador". Francesca, uma história de amor. Francesca e Paolo acabam de chegar ao inferno. Mesmo diante

da ameaça de terem suas almas "arrastadas eternamente contra os penhascos pelos turbilhões de ventos", eles decidem contar como foram parar ali. E a história a ser narrada, principalmente por Francesca, é uma história de amor - ainda que de um amor vítima da moral, da intolerância e da religião. Diante de um tribunal que deve deliberar sobre o futuro do casal, Francesca revela que amava Paolo, no que era correspondida, mas foi obrigada, por convenções familiares medievais, a se casar com Gianciotto, irmão mais velho do seu amado. O casamento se consumou, mas Francesca e Paolo continuaram a se encontrar. Um dia Gianciotto surpreendeu o casal em um prolongado beijo e os matou ali mesmo, enquanto as bocas ainda estavam seladas. Condenados pelas famílias, pelos valores e até mesmo por Deus, os dois foram despachados imediatamente para o inferno. Inspirado nesta história de amor de final infeliz, que é descrita no poema medieval Canto V, de A Divina Comédia, do italiano

Dante Alighieri, o dramaturgo Luís Alberto de Abreu escreveu a peça Francesca, em cartaz no Espaço dos Parlapatões com direção de Roberto Lage. A peça, alinhavada em versos como se fosse um grande poema dramático, estava pronta havia 20 anos e era o único texto entre os mais de 60 escritos por Abreu que permanecia inédito. Em Fra nce sca , Abreu volta a empregar um dos recursos em que é mestre - a apropriação de elementos da arte popular para obter uma história que transita

segura entre o lúdico e o emocional. Roberto Lage define Francesca como uma história de amor cujos pilares foram fincados na Idade Média, mas suficientemente robustos para resistir até os dias de hoje.

As Suplicantes. Sexta (8). Club Noir. Rua Augusta, 331. Tel.: 3257-8129. Sexta e sábado. 21h. Domingo 20h. R$ 20. Francesca, em cartaz no Espaço dos Parlapatões. Praça Roosevelt, 158. Tel.: 3258-4449. Terça e quarta. 21h. R$ 30.

Bob Sousa/Divulgação

Francesca: história de amor vítima da moral e da religião.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

26

quinta-feira e sexta-feira, 7 e 8 de junho de 2012

Tadeu Brunelli/Divulgação

La Mozza de Batali José Guilherme R. Ferreira

R

abo de cavalo, bermudão, crocs laranja nos pés, o chef Mario Batali monta na sua vespa para cumprir uma agenda movimentada em Nova York, muitas vezes longe da cozinha. De avião, percorre todo o globo, seja como estrela de eventos gastronômicos ou para conferir o forno da pizzaria em Los Angeles, verificar a cozinha da nova casa em Singapura ou o manejo dos belos vinhedos de Maremma, onde fica La Mozza, sua vinícola italiana. Esse americano de Seattle, com passagem rápida pela Cordon Bleu, não vê incompatibilidade alguma em ser um grande cozinheiro (é um “tomatólogo” de respeito capaz também de criar odes ao Prosecco e à Itália dos ancestrais) e um bem-sucedido homem de negócios, em dobradinha com Joe Bastianich. O premiado Babbo Ristorante e Enoteca, em Greenwich Village, e o Del Posto são os carros-chefes de uma lista de 15 restaurantes por eles operados em todo os EUA. Batali ainda arranja tempo para escrever bons livros de culinária (Molto Italiano: 327 Simple Italian Recipes/ E cco/2005) é um deles, sobre comida italiana caseira). Espírito de celebridade, gosta muito dos flashes e de uma TV. Tem gente que não perde um só programa Iron Chef America (Food Network), que tem Batali como um dos astros. Assim, não se sabe qual dos títulos o deixou mais contente: o de homem do ano da revista GQ ou de “outstanding chef” 2005 do James Beard Awards, respeitável instituição de assuntos gastronômicos do seu país. Sintonizado às novas tecnologias, REM e U2 direto no seu ipod, Batali ajudou a criar e a desenvolver o aplicativo para iPhone, iPad, iPod touch e Android com a chamada Mario Batali Cooks! E faz bons vinhos!, acrescentaria. A vinícola La Mozza foi criada em 2000, empreendimento com Joe e Lidia

Mesa preparada para os namorados no restaurante novoandino Killa.

Para saborear a dois Lúcia Helena de Camargo

e luz de velas. Nesse clima, o restaurante novoandino Killa recebe os casais na noite da terça (12). O pequeno salão será decorado com balões cor-de-rosa e terá pétalas de rosas vermelhas espalhadas pelo chão. O menu criado pelo chef Dylan Koishi custa R$ 185 para duas pessoas e inclui quatro entradas (ceviche, papa (batata) a la Huncaina, escabeche e camarão), a escolha entre três pratos principais: chaufa pulenta, arroz com camarão, lula e mexilhão; lomo saltado – filé mignon salteado com cebola, tomate, cogumelos e batatas fritas; ou buenazo e pesto, salmão acompanhado de espaguete com pesto de huacatay. Rua Tucuna, 689. Perdizes. Tel.: 8551-8511. www.killa.com.br Do mar - No Amadeus, especializado em frutos do mar, a chef Bella Masano criou dois

menus-degustação para o jantar romântico dos namorados. Para elas, linguado marinado com pimentas de cheiro e maracujá e lulinhas recheadas com cogumelos e agrião d’agua. Para eles, vieiras defumadas, palmito pupunha cremoso, aspargos e o bacalhau fresco em azeite. A sequência de sobremesas para compartilhar inclui creme de cacau em crocante de avelã, brulê de doce de leite, morangos flambados e brigadeiros. R$ 198 por pessoa. Rua Haddock Lobo, 807. Tel.: 3061-2859. Doces - A Confeitaria Dama vende doces para comer a dois. A dupla de mousses de chocolate meio amargo vem com calda de frutas vermelhas e de chocolate meio amargo. Criada para a data, a sobremesa é decorada com coração de chocolate maciço estampado com dizeres “Eu te amo” e “I love you”. Custa R$ 15. Há ainda o coração de chocolate recheado com doce de leite com coco (R$ 75) e a bomboniére com

Ricardo D'Angelo/Divulgação

32 corações de chocolate belga (R$ 80). Rua Ferreira de Araújo, 376. Pinheiros. Tel.: 5182-5088. www.confeitariadama.com.br Francês - O Brie Restô serve no jantar da terça (12) o menu romântico (R$ 75 por pessoa). Começa com coração de massa folheada coberta por queijo brie e tomate confit. Para prato principal, escalope de filé mignon acompanhado de nhoque na manteiga de ervas. Rua Dr. Melo Alves, 216. Tel.: 3063-4838. www.brieresto.com.br Foundue - E se tempo frio pedir um foundue, o Konstanz serve, à luz de velas, ao som de músicas românticas. Os namorados ganham uma taça de vinho na entrada e uma lembrança da casa. Entre as opções, fondue de queijo (R$ 92), carne ao vinho (R$ 99), alemã – com queijo, mostarda e salsichas (R$ 97) e, para a sobremesa, a versão de chocolate (R$ 70). Av. Aratãs, 713. Moema. Tel.: 5543-4813. www.konstanz.com.

Antônio Rodrigues/Divulgação

Mauro Holanda/Divulgação

Dupla de mousses da Confeitaria Dama; foundue de queijo do Konstanz e bacalhau fresco, tomate e arroz com azeitonas pretas, do menu do Amadeus.

Um drinque chamado Romance

Mauro Holanda/Divulgação

d

Dia dos Namorados é

cultura data para aconchego

A pizzaria Veridiana criou o drinque Romance para o Dia dos Namorados, que será servido como cortesia aos casais. Criado pelo barman Ivan Pereira, o drinque leva geleia de framboesa, xarope de maracujá vermelho, licor grand marnier, tequila e espumante rosê. A maior atração do cardápio é a pizza feita com tomates colhidos no Vesúvio, servida à luz de velas. Rua Dona Veridiana, 661. Tel.: 3120-5050.

Bastianich. São 36 hectares no cantinho sudoeste de Maremma, 45 minutos de carro de Montalcino, na Toscana. Batali explica o terroir que exploram com afinco. Maremma é uma área mais seca do que as colinas no centro da região. Ali as chuvas são esparsas já que a Ilha de Elba (a de Napoleão) funciona como anteparo. Em Maremma, a vinicultura é pois levada com uvas de clima quente. Nas garrafas de I Perezzi, o blend é feito com a local Morellino di Scansano (o nome local da Sangiovese em Maremma), Syrah, Alicante e uma pitada de Colorino e Ciliegiolo. Já no vinho Aragone, a Sangiovese também é misturada à Syrah e Alicante, mas entra na composição a Carignan para a criação do que Batali chama de "supermeds" (em contraste com os famosos supertoscanos).

José Guilherme R. Ferreira é membro da Academia Brasileira de Gastronomia (ABG) e autor do livro Vinhos no Mar Azul – Viagens Enogastronômicas (Editora Terceiro Nome)

Um disco histórico Aquiles Rique Reis

J

erônimo Jardim nasceu em Jaguarão, no Rio Grande do Sul. Adotado ainda na adolescência pela cidade de Bagé, a ela dedica sua melhor querência. Vivendo hoje em Porto Alegre, lá forjou importante obra cultural, mantendo vivo o olhar sobre o nativismo disseminado pela campanha gaúcha. Como bom tapejara, desde guri carrega na guaiaca o orgulho por sua gente. Bacharel em Direito, publicitário, servidor aposentado do Tribunal Regional do Trabalho, exerceu a advocacia e o cargo de professor de Direito e Processo do Trabalho na Faculdade de Direito da Universidade Federal de Rio Grande. Mas o que nos interessa aqui e agora é a sua múltipla obra como compositor e escritor. Autor de três peças para teatro e de cinco livros infantis, Jerônimo lançou também dois bons romances: In extremis - Na Alça de Mira (2010), e Serafim de Serafim (2011). Compositor, teve músicas gravadas por conterrâneos seus, inclusive Elis Regina, que, em 1979, lançou Moda de Sangue, dele e Ivaldo Roque. E venceu o MPB-Shell/81 com Purpurina, interpretada por Lucinha Lins. Sua produção musical e literária teve de ser interrompida quando um problema de saúde o forçou a deixar o violão e a escrita de lado. Aos poucos, entretanto, as ideias foram retomando espaço no dia a dia de Jerônimo Jardim. Até que, passo a passo, um dia após o outro, tudo desaguou em música na Sala Álvaro Moreira, em Porto Alegre. Lá, acompanhado por Toneco da Costa (arranjador, violonista e diretor musical do show), Pedrinho Figueiredo (produção, vocal, mi-

xagem, escreveu arranjos para sax soprano e flauta e os tocou), Fernando do Ó (percussão), Greice Morelli (vocais), João Vicente (violão de sete cordas) e Luís Arnaldo (cavaquinho), foi gravado Jerônimo Jardim, ao vivo – de viva voz (independente). O que nele se escuta é, talvez, menos importante do que o que se sente ao ouvir as músicas. Pulsa firme em cada uma delas a dignidade e a fortaleza de um compositor que, como poucos, expõe em versos a alma gaúcha. Feito um haragano, J. J. é arisco, difícil de domar, não se atém a formalidades estéticas banais, muito menos a simplismos facilitadores. Sax e violão, mais o sete cordas, dão a introdução de De Viva Voz(J. J.). No choro delicado, a voz resvala nas notas, pois Jerônimo não é cantor, mas um trovador de suas músicas. Isso em nada diminui seu cantar; ao contrário, eleva-o a um ponto alto, onde o que prevalece é a emoção de sentir-se pleno em seu ofício de viver para fazer e cantar suas composições. Seguem-se sambas brejeiros com melodias simples e letras bem humoradas: Minha Nega; Perdoar; É Isso Aí, todos de J. J.; choros: O Amor É Assim (J. J. e Luiz Coronel) e Cartas Digitais (J.J. e Clair Jardim); e frevo: Lenha na Fogueira (J. J. e Clair Jardim). A tudo a plateia, os músicos e Jerônimo Jardim, estes com amplo talento, dão o tom de camaradagem explícita que perpassa cada compasso do show de uma vida levada para o disco histórico.

Aquiles Rique Reis, músico e vocalista do MPB4.

AFRO-BRASIL Orkestra Rumpilezz, inspirada em sons dos atabaques de candomblés, embala músicas evocativas dos orixás. Integrada por vinte instrumentistas, improvisa com a liberdade do jazz e diverte como as big-bands. Teatro Sesc Belenzinho. ( MMJ) Rua Padre Adelino, 1000. Tel.: 2076-9700. Sexta (8), 21h. R$ 24.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 7 e 8 de junho de 2012

d

27

cultura

Informações do Contra-Rótulo Carlos Celso Orcesi da Costa

C

onsiderando que não há vinho igual a outro, nem duas garrafas da mesma safra do mesmo produtor se tomadas em dias diferentes, costumo ler as informações do rótulo, e mais ainda, as do contra-rótulo, isto é, aquele rótulo menor (geralmente 1/3 do principal) na parte detrás da garrafa. Tento descobrir, competindo contra mim mesmo, qual o teor alcoólico do produto que estou bebendo. Engraçado constatar que, na capital do capitalismo, Washington District of Columbia, distante 800 metros da Casa Branca cujo Presidente Obama vi pousar o helicóptero fazendo curva em cima do Rio Potomac e descendo mais adiante no jardim, não há obrigatoriedade legal de mencionar o grau alcoólico. No excelente Restaurante Equinox de Todd Gray pedi duas meias garrafas de Arcadian Chardonnay 2005 (nota 86) e Thurnbull (minotauro) Cabernet Sauvignon 2008 (nota 88), constatando que ambos não revelam o grau alcoólico no contra-rótulo. Trazem informações óbvias, do tipo "grávidas não devem tomar álcool" ou "o vinho altera os reflexos do motorista", dessas que pessoas conscientes já sabem, silenciando sobre o que interessa. Outro dado banal é de

que o vinho "contém sulfitos", porque todos, inclusive os biodinâmicos, contêm sulfitos, adicionados no processo de fermentação para evitar a oxidação. Informações inúteis, como a lei que manda colocar no contra-rótulo, nos "ingredientes" que é "elaborado com uvas Viníferas Européias". As uvas seriam européias ou asiáticas? O país gasta rios de tinta e papel há décadas para informar que vinho é elaborado de... uvas? Não seria limão? E a lei ridícula sobre que "antes de entrar no elevador verifique se ele está parado no andar". Se o cidadão não enxerga a luz do elevador, como esperar que leia o aviso? Fossem leis portuguesas gerariam as famosas piadinhas: "como são burros". Falta-nos espelho... Alguns aproveitam para divulgar as qualidades enológicas de seu produto, por exemplo "aromas de framboesa, cassis, mirtilo ou amoras

negras", frutas muito associadas ao gosto do vinho. Esta associação ou lembrança, comum na Europa e nos Estados Unidos, falha no Brasil de frutas tropicais, sendo raros os que

conhecem (e consomem) as chamadas berries. A pergunta simples: "quem por aí já provou cassis?" E mirtilo (blueberry) ou até mesmo amora negra (blackberry)? Laranja, pêra,

maçã e abacaxi... aí sim, mas infelizmente essas frutas não se parecem com uvas. Sem esquecer os descritivos como aromas de bosque e gosto de especiarias. Penso em Colombo que chamou de índios os nativos da América, supondo ter descoberta a costa ocidental da Índia, e Vasco da Gama que depois de 3 meses à deriva pelo Atlântico (assim como Pedro Álvares Cabral, que no extremo veio bater no Brasil), entortasse na direção do Cabo das Tormentas, que el-rei Manoel mandou alterar para Boa Esperança, navegantes à cata de pimenta, canela, curry, cravo, açafrão e ervas como alecrim, hortelã e chá. Esse contra-rótulo a la Bartolomeu Dias, como se vê, é completamente inútil por se tratar de elogio em boca própria. "Meu vinho tem aromas de pimenta, sabor mineral e notas de pêssego"! Mas eis que de repente, no dia

seguinte, no necessário Rasika, restaurante de surpreendente comida indiana (bem superior ao nosso Govinda), escolho uma boa garrafa de Lewis Cellar 2009, Syrah, Ethan Valley Napa (Randy Lewis, nota 89), e verifico que o contra-rótulo traz a preciosa informação: 15,5º de álcool. Dias à frente nessa curta viagem aos Estados Unidos, em Nova York, peço uma cara garrafa de Ex Umbris Syrah Columbia Valley 2009 (nota 88) e também me surpreendo. No contra-rótulo desse exemplar muito bem pontuado constava 14,2º de álcool. Embora esperasse mais do Ex Umbris (a Wine Spectator o colocou entre os top 100 em 2010 ou 2011), os dois syrah me pareceram satisfatórios. Moral da história: alguns colocam e outros não, o que nos conduz a crer que não há obrigatoriedade de informar o grau alcoólico no contra-rótulo. Mas ainda assim conveniente. É por aí o capitalismo, que não tutela nem obriga com excessiva e ridícula legislação, mas induz através da competição, que os mais aptos informem aos consumidores aquilo que realmente interessa. Para mim a falta do grau alcoólico revela que o produtor me trata mal. Talvez eu deixe de comprar esse contra-rótulo.

Fotos: Chico Ferreira/LUZ

O doce encanto das bruxinhas de Floripa Elas embalam as crianças, em Uma História Bruxólica. Renato Pompeu

N

esse livrinho infantil Uma História Bruxólica, pouco mais de 50 páginas com belíssimas ilustrações de Lúcia Brandão, o autor, o escritor e jornalista Cláudio Fragata, consagrado pelo aval de duas mestras do mundo encantado em que as crianças vivem, na realidade e na fantasia, Tatiana Belinky e Edy Lima, fala de bruxas que povoam os céus de Florianópolis. E que são herdeiras das bruxas que assombravam o arquipélago português dos Açores, de onde vieram, durante a Colônia, os principais povoadores iniciais de Nossa Senhora do Desterro, primeiro nome

da capital catarinense. Trata-se de um menino de Floripa, que mora sozinho, depois da morte dos pais e da avó que o havia criado. Sua casa começa a ser visitada por uma bruxa que ali procura instrumentos para voar, que não são as tradicionais vassouras – e que não se deve dizer quais são para manter a surpresa de quem quiser ler. Fragata consegue apresentar uma costura perfeita, sem que se vejam os alinhavos, do folclore que ainda se mantém vivo em Florianópolis, com o mundo mais familiar das seculares histórias sobre bruxas. E, embora, numa entrevista à Revista Nova Escola, ele tenha dito que duas de suas

Fotos: Divulgação

Lucia Brandão assina as belas ilustrações das bruxinhas, que encantam os leitores mirins do livro escrito por Claudio Fragata Historias Bruxólicas.

principais influências, como escritor, foram, durante a infância, as maravilhosas histórias de Monteiro Lobato, vistas na televisão ou lidas, e as assustadoras ilustrações da parte Inferno de A Divina Comédia, de Dante Alighieri, esse seu livro sobre bruxas é de puro encantamento, sem maiores objetivos edificantes. Com efeito, Monteiro Lobato procurava com suas histórias semear, nas mentes infantis, noções de cidadania crítica, enquanto Alighieri visava catequizar as pessoas de acordo com sua visão particular do catolicismo. Fragata apenas quer encantar as crianças e o livrinho é todo cheio de peripécias envolventes e empolgantes.

Le Vin: bristô despojado, petisqueiras sofisticadas.

Em Paris. Na Alameda Tietê. Armando Serra Negra

N

ão é preciso almoçar para degustar as gostosuras do Le Vin Bistro. Porque não é apenas um bistrô. A mistura que o ponto nos Jardins se tornou, através dos anos, traduz o trechinho da Alameda Tietê, quase esquina com Rua Augusta, em um recanto parisiense em São Paulo. Os ingredientes estão todos lá, embora à primeira vista não se dê conta: essa franca discrição é o primeiro deles. Clientela transada e low profile, não raro Luciana Vendramini atravessa a rua, cumprimentando alguém de longe; talvez Carolina Ferraz, ou o pintor Gustavo Rosa. Como não traz um saquinho na mão, não deve estar vindo da boulangerie, em frente. No metro quadrado mais saboroso da Cidade, a pequena padaria do Le Vin oferece pães magistrais. Alguns centavos em bocados de felicidade: caprichados croissant de amêndoas (R$ 3,80), pão de chocolate (R$ 3,30), pão gruyére (R$ 2,80), e muitos outros. Cookies, petit fours doces e salgados, geléias, terrines, patê de foie... O relógio de pêndulo antigo avisa, o prazo de validade dos pães é de apenas um dia. Sem poder levar para casa, com olhos no desjejum da manhã seguinte, também não precisa ser Dia dos Namorados para levar seu amor à pâtisserie em frente, para o café da manhã. A partir das 8h, as mesas começam a ser requisitadas, as da calçada permanecem ocupadas, alternadamente, até meia-noite. Pode-se montar o menu do pequeno almoço (pedida pa-

ra uma taça de champagne Taittinger – R$ 49), ou optar pelo Menu Paris (fatia de mamão, café, chá, chocolate ou capuccino, suco de laranja, pedaço de torta, sanduíche com queijo brie – R$ 36), o mais em conta. A salinha da doçaria é aconchegante, poucas mesinhas redondas, um gradil de ferro trabalhado separa os ambientes. Picnic: tortine de salmão cru (R$ 34), croque monsieur (R$ 33), ovos beneditinos (R$ 18). Um cliente lê o jornal à mesa, degustando uma long neck Stella Artois (R$ 10,60). O ambiente do bistrô ao lado é receita dos franceses, revela um truque sensorial a serviço de um objetivo comercial. Sobriedade alegre na harmonização das cores e materiais leves, tons bege, mostarda e azul claro nas paredes internas e externas, madeira clara e escura, toalhas xadrezes, azul e branco, quadrinhos de fotos p&b, tem uma

função: climatizar o bom gosto de uma simplicidade quase tosca, provocando vivo contraste ante a extrema sofisticação dos pratos e vinhos servidos. Enaltecendo sua qualidade e preparo, o décor enriquece a experiência etílico-gastronômica: porção de ostras de Cananéia (R$ 56), taça de Chablis Premier Cru (R$ 38), água S. Pellegrino (R$ 9,80). A pedra-de-toque é a gentileza e eficiência da equipe, comandada pelo impecável maitre Juvenal A. Caires. Winekeepers de tinto e branco oferecem 16 opções em taça, um jardinzinho ao fundo arremata. Enoteca climatizada no piso superior, o terraço que dá para a rua convida a uma conversa mais séria e reservada, de negócios à luz do dia, de amor à luz de velas.

Le Vin Bistro. Alameda Tietê, 184. Jardins. Tel.: 3081-3924. www.levin.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

28

quinta-feira e sexta-feira, 7 e 8 de junho de 2012

d

cultura

Gracias a La Vida

Fotos: Divulgação

Biografia ilumina a história da compositora e cantora chilena Violeta Parra, mulher-símbolo de muitas artes. Erika Corrêa

D

urante os anos de 1960 e 70, a América Latina viveu turbulências sociais que marcaram a trajetória de artistas cuja obra, na música, na poesia, nas artes plásticas, continuam em evidência até hoje. Entre esses artistas, estão o poeta Pablo Neruda, falecido doze dias após Pinochet assumir do governo chileno; Victor Jara, cantor e compositor; e Violeta Parra, que se matou com um tiro no peito, em 1967. O carisma de Violeta a transformou em heroína dos movimentos estudantis, tendo como hino a canção La Carta sublinhado pelo refrão “Os famintos pedem pão; chumbo lhes dá a polícia”. Compositora, cantora, artista plástica e ceramista, Violeta del Carmen Parra Sandoval, seu nome de batismo, deixou cerca de três mil canções que resgataram o folclore chileno, acabando por ser considerada fundadora da música popular do país. Violeta Foi para o Céu é o filme que resgata a história mais do que instigante dessa artista multifacetada. Baseado no romance homônimo de autoria de Ángel Parra, filho de Violeta, o longa-metragem do diretor

Andrés Wood ganhou o Prêmio do Júri do Festival de Sundance deste ano, e estreia nesta sexta (8) em São Paulo. Interpretada pela atriz chilena Francisca Gavilán, mais conhecida pelos seus papéis em novelas, o filme tem uma narrativa muito mais poética do que linear. A história mostra passagens da infância de Violeta Parra, como a aquisição de seu primeiro violão, herdado após a morte do pai e as apresentações com os irmãos em circos e festas nos arredores da Cordilheira. Essas cenas são mescladas com o presente, onde a artista, por exemplo, percorre o país para resgatar canções populares, visitando os folcloristas de porta em porta. Daí vem a comovente música Rin de Angelito, que descreve a morte de um bebê pobre e do enterro dele. Com um temperamento forte, Violeta visitou a Polônia, morou na França, casou-se duas vezes. Seu grande amor, o antropólogo suíço Gilbert Favre, com quem teve um relacionamento conturbado, lhe inspirou diversas letras sobre o amor. Umas das suas canções mais famosas é Gracias a La Vida, que, infelizmente, não está na trilha do filme.

Artistas de diferentes gerações gravaram suas canções, como Elis Regina, Mercedes Sosa, Chico Buarque, o grupo irlandês U2, a cantora pop Shakira, o romântico Alejandro Sanz, Laura Pausini, os veteranos do Buena Vista Social Club, entre outros. Nas artes, destacou-se, em 1964, como a primeira artista latino-americana e a primeira mulher a realizar uma exposição individual no Museu de Artes Decorativas do Palácio do Louvre, em Paris. O jornal Le Figaro na época lhe dedicou uma reportagem, sob este título: “Leonardo Da Vinci terminou no Louvre, Violeta Parra começa nele”. Um das suas maiores frustrações de Violeta foi ver seu projeto La Reina, uma enorme tenda que construiu aos arredores de Santiago, com o objetivo de torná-la o centro da cultura folclórica do Chile, ficar abandonado, sem verbas para mantê-lo. Mas, como muitos artistas não reconhecidos em, vida, Violeta se eternizou após a morte. O filme de Andrés Wood é mais um tributo a essa grande mulher do que uma biografia factual.

Francisca Gavillán (acima e à esq.), no papel de Violeta Parra. Abaixo, cena do filme.

Uma obra além de lembranças datadas André Domingues parece um cavaquinho com o bojo feito num casco de tatu). Estão, também, as bonitas Volver a los Diecisiete e Run Run se Fué pa’l Norte, provas de sua enorme qualidade. É importante notar que no Brasil, costumeiramente isolado na América do Sul, Violeta Parra ficou mais presente como mito revolucionário do que como artista. Da sua obra são lembradas, basicamente, Gracias a la Vida, em função da sensacional interpretação de Elis Regina no disco Falso Brilhante, de 1976, e Volver a los Diecisiete, que Milton Nascimento cantou com maestria em Geraes, do mesmo ano. Milton ainda voltou à carga em Clube da Esquina 2, de 1978, com Casamiento de Negros, que Mônica Salmaso acaba de retomar em Alma Lírica Brasileira, de 2011. É muito pouco, porém, para um país que acolheu tão bem os legados de um Carlos Gardel ou de uma Edith Piaf. Independente de sua história de vida – e do irresistível trocadilho com seu nome –, Violeta bem merecia um lugar melhor ao sol.

Visuais Obras de Amedeo Mondigliani (1884-1920). Exposição Mondigliani: Imagens de uma Vida. Masp. Avenida Paulista, 1578. Tel.: 32515644. Terça, quarta, sexta a domingo e feriados, das 11h às 18h. Quinta, das 11h às 20h. R$ 15.

Violeta Pa

até a década de 1970. É interessante notar que a dureza do discurso político não enrijeceu a arte de Violeta ao longo dos anos. É verdade que, quando colocava sua voz aguda, límpida e delgada a serviço canções combativas, costumavam nascer obras impactantes como Por Qué los Pobres no Tienen, censurada na Argentina, e La Carta, rapidamente transformada em hino revolucionário. Na maior parte das ocasiões, contudo, cantava e se destacava com músicas de amor e enraizadas no folclore dos camponeses chilenos, a exemplo de Casamiento de Negros, uma adaptação de cantiga popular que se tornou um de seus primeiros grandes sucessos, ou Paloma Ausente, registrada em uma temporada na França. Aliás, o derradeiro e melhor disco de sua carreira, Las Últimas Composiciones, de 1966, está todo fundado em canções afetivas. Está lá a sua peça mais famosa, Gracias a la Vida, interpretada com uma voz já madura, de timbre mais aveludado, e com auxílio de um charango (instrumento andino que

Fundação

É

difícil transpor para o universo da MPB o que foi Violeta Parra. Talvez fosse, vagamente, uma combinação de Inezita Barroso com Nara Leão, mas com diferenças marcantes: pelo lado do folclorismo, não teve a segurança de um Mário de Andrade em que se apoiar, como Inezita; pelo lado do engajamento social, não teve a sensatez de evitar mergulhos tão radicais em suas convicções ideológicas, como Nara. De um jeito ou de outro, foi única. O peso da passagem de Violeta pela música mundial já pode ser medido pelo fato de ter sido a primeira artista a se caracterizar por aquele tipo de canção popular politizada que depois seria entendido como música engajada ou de protesto. Militante política desde meados dos anos de 1940, logo no início da década seguinte chegou à combinação de contestação social e defesa da cultura nacional que, tempos depois, mobilizaria uma parte considerável da música ocidental – especialmente, da América Latina –, chegando

rra

Fundação Violeta Parra

Violeta Parra, múltipla. À esq., El Borracho, pintura exposta na Fundación Violeta Parra, no Palácio da Moeda (Chile).


DC 08/06/2012  

Diário do Comércio

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you