Page 1

Ano 87 - Nº 23.867

www.dcomercio.com.br

R$ 1,40

São Paulo, quarta-feira, 8 de maio de 2013

É DO BRASIL A BANDEIRA DO COMÉRCIO MUNDIAL

Ed Ferreira/Estadão Conteúdo-10/01/2013

Corbis

Conclusão: 23h45

Jornal do empreendedor

O diplomata Roberto Azevêdo vai ser o 1º latinoamericano a chefiar a Organização Mundial do Comércio (OMC), em Genebra. Apoiado pela Rússia, Índia, China, África do Sul e países de língua portuguesa, ele derrotou o candidato mexicano. Sua prioridade: liberalização do comércio mundial. Pág. 13

Fabio Martins/Folhapress

SP PERDE A GUERRA DO ICMS

Longe do que São Paulo defendia, comissão do Senado aprovou três alíquotas de ICMS para transações interestaduais: 4%, 7% e 12%. "Vai ficar complicado e caro para as empresas e difícil de controlar para os Estados", disse Leonardo Colombini, secretário de Fazenda de Minas. O texto irá a plenário, mas deve sofrer poucas alterações. Pág. 11

Mladen Antonov/Reuters

Mãe. Com vestido ou sapato novo.

Pesquisa de intenção de compras ACSP/Ipsos mostra que as mamães vão receber mais presentes este ano do que em maio de 2012. Roupas e calçados serão os itens mais procurados pelos filhos, com 52,7% das preferências. Pág. 11 ISSN 1679-2688

23867

9 771679 268008

Página 4

Combinando a paz na Síria, com os russos. O secretário de Estado americano John Kerry (foto) acertou ontem em Moscou com o presidente Putin a realização de uma conferência de paz que reúna o ditador Assad e rebeldes. Só falta combinar com os sírios. Pág. 7 EPA/Cleveland

Tinham 3 garotas presas há 10 anos. Uma fugiu do cativeiro dos irmãos Castro e chamou a polícia de Cleveland. Pág. 7


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

quarta-feira, 8 de maio de 2013

O PMDB reforçou-se a partir da conquista simultânea das presidências da Câmara e do Senado. José Márcio Mendonça

pinião

Um teste para Dilma e "seu" PMDB Wilson Pedrosa/Estadão Conteúdo

D

eu no jornal O Povo, de Fortaleza: "Mais grave de tudo, participamos do governo. É bem verdade que acocorados embaixo da mesa desse banquete fisiológico e clientelista da coalizão que PT e PMDB m an t êm (grifo nosso). O PSD não tem a menor influência no governo, mas o fato é que nós estamos lá participando." A declaração, nada ponderada, é do ex-ministro, ex-governador e ex-deputado Ciro Gomes num evento ecumênico na semana passada em comemoração aos 50 anos do irmão dele, o governador cearense Cid Gomes. Os dois irmãos são filiados ao PSD e andam às turras com o governador de Pernambuco e presidente do PSB, Eduardo Campos. Os Gomes são contrários à candidatura do neto de Miguel Arraes à sucessão de Dilma Rousseff. Não é a primeira vez que Ciro, uma língua política um tanto destrambelhada, coisa que lhe custou muitos pontos no Ibope na última vez que entrou numa corrida presidencial, ataca sem subterfúgios a aliança entre o PT e o PMDB e o partido comandado pelo vicepresidente Michel Temer.

E

m fevereiro deste ano u t i l i z o u a m e s m a e xpressão "banquete fisiológico" para se referir ao acordo entre as duas legendas, segundo ele "clientelista, quando não corrupto". Em 2010, em plena disputa pela sucessão de Lula, quando o PMDB já

havia assegurado novamente a vice na chapa de Dilma, com seu presidente Michel Temer, Ciro Gomes foi ainda mais duro. Naquela época, em entrevista que corre solta até hoje na internet, chamou o PMDB de partido "sem escrúpulos", de "ajuntamento de assaltantes" e disse que Temer era o "chefe dessa gente de pouco escrúpulo".

JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA

N

ada disso, naturalmente, impediu Ciro e seu irmão de continuar convivendo no mesmo grupo e tendo também suas vantagens: o secretário dos Portos, ministro Leônidas Cristino, é da lavra dos Gomes. E não deverá deixar o governo nem mesmo se a candidatura à presidência de Eduardo Campos se concretizar e se Dilma e Lula decidirem que terá chegado então a hora do PSB escafeder-se do governo federal. Mas isso são coisas da politica nacional que só os brasileiros entendem, embora aqueles que não pertencem a esse mundo não apreciem a situação, apenas a engolem, muito a contragosto. Gratuidades das agressões de Ciro à parte, o ex-ministro da Fazenda (de Itamar Franco) e da Integração Nacional (de Lula) está verbalizando com suas falações um certo inconformismo que grassa nos meios aliados com o crescente prestígio – e influência – do PMDB no governo Dilma Rousseff. Até o PT, partido ao qual a presidente é filiada há um bom tempo, já demonstra aqui e ali

Ciro Gomes: ataques virulentos contra o maior aliado do governo.

O PT não mostra a unidade de que Dilma precisa e a presidente, em matéria de política, está cada vez mais dependente do PMDB liderado por seu vice.

Q

ual será o impacto a longo prazo do ataque à Maratona de Boston em abril, que matou quatro pessoas e feriu 265, e a perseguição ao estilo filme de ação que se seguiu? Comecemos com o impacto que não vai haver. A violência não levará a medidas de segurança ao estilo israelense nos Estados Unidos, nem a uma maior preparação para lidar com a síndrome da jihad e sua violência mortal súbita. Não vai acabar com a disputa sobre os motivos por trás da indiscriminada violência muçulmana contra os nãomuçulmanos e certamente não ajudará a resolver os debates atuais sobre a imigração ou armas.

M

as o que fará é muito importante: levará parte dos ocidentais a concluir que o Islamismo é uma ameaça ao seu modo de vida. Cada ato de agressão muçulmana contra não-muçulmanos, seja violento ou cultural, recruta mais militantes para a causa anti-jihad, mais eleitores para partidos insurgentes, mais manifestantes para os esforços de rua antiimigrantes, e mais doadores para causas anti-islâmicas. Educação pelo assassinato é o nome que dei a esse

ciúmes dos peemedebistas, pelo menos de uma parte do PMDB que segue o comando de Michel Temer, José Sarney e Renan Calheiros. Não muito tempo atrás, era o PMDB quem se queixava do prestígio do PT. A situação inverteu-se agora por algumas razões. O PMDB reforçou-se a partir da conquista simultânea das presidências da Câmara e do Senado. Aparentemente, com algumas dissidências de bom nome, mas de pouco número no Senado, e um ou outro franco atirador na Câmara, o partido está, pela primeira vez, unido em torno de Temer e de seus principais caciques.

H

á um PMDB que não é p r o p r i a m e n t e d i s s idente, mas que sabe botar suas cartas na mesa e cobrar coisa na hora certa, grupo simbolizado pelo líder

na Câmara, Eduardo Cunha. É a turma que ameaça, negaceia e depois cede quando recebe. Finalmente, o PT não mostra a unidade que Dilma precisava. Se somarmos a isso tudo o fato evidente de que a coordenação política do governo no Congresso não se ajusta, e o apetite de outros aliados menos votados que o PT e o PMDB, tem-se que Dilma, em matéria de política, está cada vez mais dependente do PMDB liderado por seu vice-presidente.

N

ão foi à toa que ela chamou ao Palácio do Planalto, na semana passada, Temer, Sarney e Renan para discutir a votação da MP dos Portos, e não os seus líderes no Congresso e a ministra Idelli Salvatti. Essa MP dos Portos, cuja data fatal, antes de caducar, é 16 de maio, e a proposta de uniformização do ICMS nas operações interestaduais, que o governo quer votar no máximo até o fim do mês, serão os dois grandes testes desta nova relação de Dilma com o PMDB. Ambos os projetos encontram enormes resistências para serem aprovados como a presidente deseja. Isso ocorre inclusive – e principalmente – entre os peemedebistas. Vamos ver se o que vai prevalecer é o PMDB das imagens e delírios de Ciro Gomes ou o PMDB em que Dilma deposita cada vez mais confiança. JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA É JORNALISTA E ANALISTA POLÍTICO

AMEAÇA ISLÂMICA:

EDUCAÇÃO PELO ASSASSINATO.

DANIEL PIPES processo em 2002; nós, que vivemos em democracias, aprendemos melhor sobre o Islamismo quando o sangue flui nas ruas. Os muçulmanos começaram com um enorme estoque de boa vontade, porque o DNA ocidental inclui simpatia por estrangeiros, as minorias, os pobres e as pessoas de cor. Mas os islamistas estão dissipando esta boa vontade ao engajarse em atrocidades ou exibir atitudes de supremacia.

T

errorismo de alto nível no Ocidente – como 11 de Setembro, Bali, Madrid, Beslan, em Londres – movimenta a opinião mais do que qualquer outra coisa. Sei porque passei por esse processo em primeira mão. Em um restaurante na

Suíça, em 1990, Bat Ye'or traçou-me seus medos com relação às ambições islâmicas na Europa, mas pensei que ela era alarmista. Steven Emerson me ligou em 1994 para falar sobre o Conselho de Relações Americano-Islâmicas, mas inicialmente dei ao CAIR o benefício da dúvida. Como outros, eu precisava de tempo para acordar sobre a extensão da ameaça islâmica no Ocidente. Os ocidentais estão despertando para essa ameaça. É possível ter uma noção vívida olhando as tendências na Europa. Um sinal de mudança é o crescimento de partidos políticos voltados para estas questões, incluindo o Partido da Independência no Reino

Unido - UKIP, a Frente Nacional na França, o Partido do Povo na Suíça, o Partido do Progresso da Noruega e o Democratas da Suécia. Em recente eleição, o UKIP ficou em segundo lugar, elevando sua porcentagem de votos de 4% para 28% e criando uma crise no Partido Conservador.

O

s eleitores suíços aprovaram um referendo em 2009 que proíbe minaretes – um voto mais significativo pela proporção do que pelas suas implicações políticas, quase nulas. Sondagems sobre esses temas mostram um endurecimento significativo de pontos de vista ao longo dos anos. Eis (com agradecimentos a Maxime Lépante) algumas pesquisas

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Cesário Ramalho da Silva Edy Luiz Kogut João Bico de Souza José Maria Chapina Alcazar Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Miguel Antonio de Moura Giacummo Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Renato Abucham Roberto Mateus Ordine Roberto Penteado de Camargo Ticoulat Sérgio Belleza Filho Walter Shindi Ilhoshi

fanatismo e radicalismo; 83%: discriminação contra as mulheres

E

recentes da França: 67% dizem que os valores muçulmanos são incompatíveis com os da sociedade francesa; 73% veem o Islã de modo negativo; 74% consideram o Islã intolerante; 84% são contra o hijab em espaços abertos ao público e 86% são favoráveis ao reforço da proibição da burca. Opiniões similares surgem na Alemanha. Relatório recente do Institut für Demoskopie Allensbach perguntou quais as características que os alemães associam ao Islã: 56%: trabalha para ter influência política; 60%: vingança e retaliação; 64%: violência; 68%: intolerância para com outras religiões; 70%:

m contrapartida, só 7% dos alemães associam o Islã com abertura, tolerância e respeito pelos direitos humanos. Essas maiorias dominantes são mais elevadas do que nos anos anteriores: sugerem um endurecimento europeu e que a hostilidade ao Islamismo vai crescer ainda mais ao longo do tempo. Dessa forma, a agressão islâmica assegura que o anti-Islamismo no ocidente está ganhando a corrida. Ataques muçulmanos como os de Boston exacerbam essa tendência. Essa é a sua importância estratégica e explica meu otimismo cauteloso sobre a repulsa à ameaça islâmica. DANIEL PIPES É JORNALISTA E HISTORIADOR, ESPECIALISTA EM TEMAS RELACIONADOS AO ISLAMISMO E

ORIENTE MÉDIO E COLUNISTA DO NEW YORK SUN E THE JERUSALEM POST TRADUÇÃO: MARIA JÚLIA FERRAZ PUBLICADO POR WWW.MIDIAAMAIS.COM.BR

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, Marcel Solimeo Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Editor-Chefe: José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br). Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br). Editores Seniores: chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), José Roberto Nassar (jnassar@dcomercio.com.br), Luciano de Carvalho Paço (luciano@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br). Editor de Fotografia: Agliberto Lima. Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Heci Regina Candiani (hcandiani@dcomercio.com.br), Tsuli Narimatsu (tnarimatsu@dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br. Subeditores: Marcus Lopes, Rejane Aguiar e Ricardo Osman. Redatores: Adriana David, Evelyn Schulke, Jaime Matos e Sandra Manfredini. Repórteres: André de Almeida, Karina Lignelli, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mariana Missiaggia, Mário Tonocchi, Paula Cunha, Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves e Sílvia Pimentel. Gerente Executiva e de Publicidade Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estadão Conteúdo, Folhapress, Efe e Reuters Impressão S.A. O Estado de S. Paulo. Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3180-3175. Fax 3180-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3180-3197, 3180-3983, Fax 3180-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3180-3544, 3180-3176 Esta publicação é impressa em papel certificado FSC®, garantia de manejo florestal responsável, pela S.A. O Estado de S. Paulo.

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3180-3737 REDAÇÃO (011) 3180-3449 FAX (011) 3180-3046, (011) 3180-3983 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 8 de maio de 2013

o

S O L U Ç Ã O D E M U I T O S C O N F L I T O S P O D E PA S S A R D I S TA N T E D O S T R I B U N A I S .

pinião

T

odo mundo sabe o que é um árbitro. Ou, pelo menos, quem gosta de esportes e, em especial os que curtem uma partida de futebol. Nesse contexto, o árbitro é a pessoa bacana que apitou o jogo no qual seu time foi o vencedor. Ou o árbitro é Alan Brooke/Image Source um ser nascido infeliz, se o seu time perdeu... Lógico, o assunto em questão, aqui, não será o juiz do jogo. Mas sim a arbitragem. Você sabe o que essa prática significa no Direito e no mundo dos negócios? Aliás, para além da arbitragem, há a mediação e a conciliação. Esses nomes designam as técnicas de resolução extrajudicial de conflitos. Exercidas há mais de trinta anos nos Estados Unidos, estão, aos poucos, ganhando força aqui no Brasil. A arbitragem é praticamente indispensável desde a globalização dos mercados. A finalidade? Desburocratizar, facilitar a vida, descongestionar o Judiciário e aprimorar a prestação juridicional, ou seja, tornar a justiça mais rápida e eficiente. Não são ferramentas tão recentes assim. A lei nº 9.307/96, conhecida como a Lei de Arbitragem ou Lei Marco Maciel, instituiu a prática em – reparem na data – 1996! Antes ainda, um tanto escondidos na Carta Magna, estavam os artigos que legalizavam essas práticas. Portanto, há bastante tempo, as empresas – especialmente as multinacionais –, vêm se utilizando da arbitragem. De certa forma, arbitragem e mediação existem desde que as pessoas se juntaram em comunidades, ou desde c i o n a l d e M e d i a ç ã o e que realizavam escambos e Conciliação, para aperfeiçoar permutas, ou seja, há séculos. a atuação de 40 mil operadoAos poucos, ao longo de anos, res do Direito e formar novos o Estado, por meio do poder ju- conciliadores e mediadores. diciário, passou a ocupar o paProgramas de tevê divulpel de árbitro. A partir do libe- gam a prática da mediação paralismo econômico, cujo ápice ra conflitos familiares. ONGs se deu nas últimas décadas, o como a União de Mulheres, de papel do árbitro voltou a ter re- São Paulo, prepara promotolevância, inclusive, nas tran- ras populares para atuar como sações internacionais. Nesse mediadoras de conflitos em contexto, o Judiciário funciona suas comunidades. Ou seja, a como provedor das leis e pro- movimentação é grande para tetor das decisões. que, enfim, as práticas de resolução extrajudicial se conoltando ao Brasil e à Lei cretizem. Mas, afinal, o que é a Marco Maciel, numa arbitragem? perspectiva realista, Como já mencionamos, é pode-se dizer que os objetivos uma maneira de resolver conainda não foram alcançados, flitos no âmbito privado, sem a pois o Judiciário continua su- participação do poder judiciáperlotado de processos. Mas rio. Para isso, é necessário, tudo indica que isso pode mu- claro, um árbitro, que é escodar. Recentemente, o Ministé- lhido pelas partes interessario da Justiça, por meio da Se- das. Qualquer pessoa capaz, cretaria de Reforma do Judi- maior de 18 anos, com discerciário (SRJ), criou a Escola Na- nimento e que possa exprimir

CHAME O ÁRBITRO!

V

DINHEIRO E PODER

O

3

ex-prefeito do Rio, vereador César Maia, registrou na Câmara de Vereadores local a observação de que empresários de sucesso estão vencendo eleições e se tornando presidentes em países latino-americanos, como Chile, Panamá e Paraguai. Todos são tidos como de grande fortuna. E há os que quase chegaram lá, como na Venezuela. Mas a ligação do dinheiro com os altos cargos públicos causa preocupação, especialmente quando não se trata de empresários, mas

de "investidores". Este seria o caso da Argentina, onde a família Kirchner é considerada, no país, dona de considerável fortuna. Grave, sem sombra de dúvidas, é o enriquecimento de empresários próximos ao poder, com acesso ao crédito oficial e os "amigos do poder", que instalam "consultorias" de sucesso mais do que suspeito. Falava-se muito, antigamente da taxação "por sinais aparentes de riqueza", o que deu bons resultados na França, desde o ocorrido com o líder

nado conflito. A arbitragem pode ser utilizada em questões relacionadas a valores econômicos e ao patrimônio. Tanto pessoas físicas quanto jurídicas podem lançar mão dela. Já questões fiscais ou criminais não são passíveis de arbitragem. Também não é aplicável a questões familiares propriamente, como no caso da guarda de filhos, por exemplo; para tais conflitos, existe a mediação, da qual trataremos com mais detalhes em um próximo artigo. Pode-se perceber que o âmbito da arbitragem é vasto. Vamos especificar melhor: compra e venda de imóveis, automóveis e outros bens; locação de bens e imóveis; problemas entre condôminos; inadimplência de taxas de condomínio; responsabilidade em acidentes de trânsito; questões de herança nas quais não figurem menores de idade; ação de cobrança, enfim, quase tudo o que envolva patrimônio.

P

IVONE ZEGER sua vontade pode ser um árbitro. No mundo empresarial, este árbitro costuma ser alguém que conhece as questões intrincadas a serem resolvidas e que tem conhecimento dos conceitos legais.

O

mais importante: o árbitro deve ser alguém de muita confiança das partes envolvidas no conflito. Assim como um juiz, o árbitro não pode ser parente e tampouco trabalhar para qualquer dos envolvidos ou ter algum interesse específico. De acordo com a lei, o árbitro deve estar numa condição de total imparcialidade. Na verdade, diz-se que ninguém é árbitro por profissão. As pessoas, devido ao seu conhecimento, atuação, ou confiança que emanam, tornamse árbitros naquele momento de necessidade – "estão" árbitros para resolver um determi-

socialista François Mitterrand. Ele abriu a temporada de escândalos, o que chegou a levar dois ou três membros do primeiro escalão ao suicídio. Agora, o presidente Holland teve de demitir o seu ministro das Finanças por ter conta não declarada na Suíça.

N

o Brasil, as coisas andam desanimadoras, na medida em que as suspeições recaem sobre todos os partidos. Tem ex-governador morando em casa de filha com domicílio fiscal no exterior; alguns publicando livro sobre sua performance empresarial, paralela ao tempo e ao espaço em que exerceram

ara quem decide lançar mão da arbitragem, é bom saber que uma vez tomada a decisão pelo árbitro, não cabem recursos em outras instâncias. Claro que, eventualmente, se acontecer algo fora da lei, ou fraudulento, é possível – e necessário – recorrer à Justiça. Para que isso não aconteça– pois justamente o que se deseja é desburocratizar e facilitar a vida de todo mundo– o ideal é encontrar um árbitro experiente e, efetivamente, de toda confiança. Instituições setoriais, do comércio e da indústria, bem como órgãos que facilitam as relações entre empresas brasileiras e estrangeiras mantêm suas câmeras de arbitragem e mediação. Um exemplo é o Secovi – Sindicato da Habitação – que estimula e oferece essas práticas extra-judiciais por meio de suas Câmeras de Mediação e Arbitragem estaduais. Dá para imaginar o quanto isso facilita quem tem problemas, por exemplo, com condomínios ou aluguéis? Você pode até não ganhar de goleada, mas certamente o seu problema terá solução! IVONE ZEGER É ADVOGADA ESPECIALISTA EM DIREITO DE

FAMÍLIA E SUCESSÃO, MEMBRO EFETIVO DA COMISSÃO DE DIREITO DE FAMÍLIA DA OAB/SP E AUTORA DOS LIVROS "HERANÇA: PERGUNTAS E RESPOSTAS" E "FAMÍLIA: PERGUNTAS E RESPOSTAS" WWW.IVONEZEGER.COM.BR

mandatos políticos. E dos amigos do poder nem se fala. Bastaria um "pente fino" nas casas de praia e de campo mais recentes, comparando as escrituras com os valores de mercado, e a titularidade de embarcações e aeronaves, incluindo as "arrendadas a empresas off-shore". O parlamento brasileiro, o Tribunal de Contas da União, a Receita Federal e a ABIN não estão interessadas em identificar esses casos de enriquecimento inexplicável. Senão, requisitariam à Infraero e às empresas de táxi aéreo a relação dos passageiros das aeronaves executivas e seus proprietários ou

PAULO SAAB

ENSINANDO AOS NOSSOS JOVENS

É

pouco provável que a maior parte dos brasileiros de hoje, situados na faixa de idade abaixo dos 40 anos – portanto, a maioria da população – conheça os fatos ainda recentes da história do País, que nos conduziram à situação de estado de direito e de liberdades individuais e coletivas garantidas constitucionalmente. Não se pode cobrar deles algo passado e pouco difundido. Mas há situações que merecem ser revisitadas, ainda que superficialmente, para tirá-los da ignorância. Essa grande camada da população não sabe, por exemplo, que nos anos em que vivíamos sob um regime militar fechado, jornais como o Estadão e Jornal da Tarde – este um ícone que fechou as portas, recentemente (e lamentavelmente) –, em lugar das notícias então censuradas (sim, havia censores dentro das redações) publicavam, respectivamente, nos espaços suprimidos pela caneta vermelha, estrofes de Os Lusíadas e receitas gastronômicas domésticas. Era comum lermos, na primeira página do Estadão, ou nas internas: Canto I -Estrofe 17 - Em vós se vêm da olímpica morada/ Dos dois avós as almas cá famosa/ Uma na paz angélica dourada/ Outra pelas batalhas sanguinosas; /Em vós esperam ver-se renovada/ Sua memória e obras valerosas;/ E lá vos tem lugar, no fim da idade, /No templo da suprema Eternidade. Ou, ainda, no JT: Receita de Bolo de Cenoura: 1. Bata no liquidificador primeiro a cenoura com os ovos e o óleo, acrescente o açúcar e bata por uns 5 minutos. 2. Depois, numa tigela ou na batedeira, coloque o restante dos ingredientes misturando tudo, menos o fermento. 3. Esse é misturado lentamente com uma colher. 4. Asse em forno pré-aquecido (180ºC) por 40 minutos. Nas redações das emissoras de rádio e televisão, a censura se fazia, como já relatei antes, por meio de telefonemas à redação. Atendi a muitos deles na

A liberdade veio, a democracia chegou e a história recente foi ficando para trás. Daí a importância de repetir e ensinar aos jovens essas lições.

Jovem Pan. Alguém se apresentava do outro lado da linha e dizia mais ou menos o seguinte: "Aqui é o coronel Fulano. Estou ligando para avisar que está proibido noticiar que...." E sumia a notícia.

A

liberdade veio, a democracia chegou e a história recente foi ficando para trás. Como ficou também para trás – daí a importância de repetir e ensinar aos jovens essas lições, a Oração aos Moços, escrita pelo consagrado Rui Barbosa, como patrono da turma de 1920 da Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, onde me formei – bem depois! cujos parágrafos finais diziam: VERGONHA. De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rirse da honra, a ter vergonha de ser honesto.

D

e minha parte chego a duvidar até que a maioria dos brasileiros de hoje saiba quem foi Rui Barbosa ou o significado de suas palavras, contidas num contexto bem mais amplo e mais atuais do que nunca. Sem ser pessimista, mas realista, e com o alívio de vivermos em um estado de direito, com liberdade de opinião, eu digo: a cada dia fico mais descrente de nossa capacidade de resgatar o Brasil pela educação, pela ética, pela probidade. A mediocridade impera. PAULO SAAB É JORNALISTA E ESCRITOR

ARISTÓTELES DRUMMOND responsáveis pelo pagamento dos afretamentos. E pediriam a verificação de carros e de embarcações de luxo, muitos em nome de "laranjas". Seria fácil se houvesse vontade de ir fundo na questão. Não se trata de caça às bruxas, mas, sim, de tirar a limpo o que a todos causa perplexidade. Afinal, vizinhos, parentes e velhos

amigos são testemunhas do enriquecimento súbito destes personagens . E quem ocupa cargo público deve explicar seu padrão de vida. Esse é um desafio que serve para todos. A começar pela oposição. ARISTÓTELES DRUMMOND É JORNALISTA E VICE-PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DO RIO DE JANEIRO. ARISTOTELESDRUMMOND@MLS.COM.BR


DIÁRIO DO COMÉRCIO

4

)KDC7O

Em São Paulo, onde veio MAIS: seu programa de TV lançar seu novo livro, Nigella Lawson, musa da porn food, se apaixonou por um petisco trivial.

gibaum@gibaum.com.br

2 “O Brasil vive um bipresidencialismo. Dilma e Lula conversam a toda hora sobre como administrar o país.”

MIRO TEIXEIRA // deputado federal (PDT-RJ), sobre o tipo de governo do Brasil. Fotos: BusinessNews

é exibido no mundo e ela quer lançar lá fora a famosa coxinha de galinha, encontrada em qualquer esquina.

Proibição total A presidente Dilma Rousseff acaba de baixar proibição total, incluindo ministros, de levarem celulares a reuniões em seu gabinete. Não há exceção, nem para os queridinhos. Ela já proibiu, há meses, deixar celular ligado. Como muitos – e mesmo ministros – insistiam em mandar e receber mensagens de texto no meio das reuniões, subiu nas tamancas. Há dias, como professora de curso primário, tomou um celular de um ministro chegado: só devolveu uma hora e meia depois.

MÃE É ISSO Vanessa da Mata, mãe de cinco crianças adotadas, todos irmãos, é capa da revista da Gol de maio. Ela fala de sua avó, Dona Sinhá, que adotou 20 crianças, além dos filhos biológicos. “A criança de coração é tão carinhosa ou mais do que os filhos de sangue. Dá mais valor a família porque sabe o que é não ter pai, nem mãe. Não ficam de birrinhas”.

O ministro Luiz Fux, ao Supremo Tribunal Federal, percorreu, nos últimos dias, todos os gabinetes de seus colegas da Alta Corte, explicando, um a um, sua relação com o mensaleiro José Dirceu, nos tempos em que disputava a vaga no STF e também sobre o julgamento de processos que sua filha Marianna atuou como advogada. Não esqueceu nem de falar sobre sua longa amizade com o advogado Sérgio Bermudes, que pretendia lhe oferecer uma superfesta para comemorar seus 60 anos de idade (foi suspensa devido a problemas de saúde de sua mãe).

LUGAR CERTO Encerrada a expectativa, Guilherme Afif Domingos será o novo ministro da Micro e Pequena Empresa, área que domina e na qual atuou durante décadas como dirigente empresarial. A verba reduzida de largada do ministério não assusta Afif. Um dos primeiros passos será uma conversa com Luis Barreto, presidente do Sebrae Nacional, onde sucedeu Paulo Okamoto, homem de Lula (hoje no instituto do expresidente), durante os oito anos de seu governo. No Sebrae de São Paulo, Afif tem um aliado de longa data: é Alencar Burti, que já foi presidente da Associação Comercial de São Paulo .

Até católicos O pastor Silas Malafaia, que passou por todos os programas de entrevistas da TV nos últimos meses, está organizando uma grande manifestação em frente ao Congresso Nacional dia 5 de junho. Quer defender “a liberdade de expressão, a liberdade religiosa, a família tradicional e a vida”. O lado surpreendente é que Malafaia está convocando também entidades católicas de todo o país e enviou convites a todas as igrejas de Brasília chamado os fiéis para o ato. E outro lado surpreendente é que muitas associações de católicos estão aderindo porque Malafaia não quer rotular o evento de evangélico: prefere usar cristão.

VACINA-DO-SAPO O Instituto Butantã, de São Paulo, acaba de condenar a chamada vacina–do-sapo, técnica indígena que promete força, resistência e até mesmo cura de câncer e depressão, que está virando mania entre os adeptos das terapias alternativas. O Laboratório de Biologia Celular do instituto garante que o veneno da pererecaverde, também conhecida como kambô não tem nenhuma eficácia médica. Ao contrário, provoca vômitos, diarréia, taquicardia, sudorese e alteração de pressão.

Noite degala

Xuxa ministra

No Forum de Comandatuba, a apresentadora – e nova cinquentona – Xuxa Meneghel encostou no ministro Aldo Rebelo, do Esporte e ficou um tempão defendendo a criação do Ministério da Criança. Apresentava os mais diversos argumentos, como se Rebelo fosse pessoa certa para decidir alguma coisa nesse sentido. E ele, polidamente, não dizia nada: apenas concordava, balançando a cabeça, até uma hora em que, não agüentando mais, arriscou: “E você até poderia ser a primeira ministra da Criança”. Xuxa parou, não sabia se era gozação ou não e preferiu encerrar a conversa.

Fotos: Divulgação

MISTURA FINA A JUVENTUDE petista acaba de atropelar os advogados dos mensaleiros, que entraram com embargos e só depois de julgamento dos recursos estariam dispostos a recorrer a Corte Interamericana de Direitos Humanos, com uma ação coletiva assinada por grandes nomes de juristas brasileiros. Os mais jovens encaminharam à mesma corte uma espécie de abaixo-assinado, com o qual pretendem furar a fila de ações que chegam lá e que, no geral, demoram perto de seis meses para serem examinadas.

AINDA se fazem românticos como antigamente: Junno Andrade, depois de dar a Xuxa Meneghel uma aliança mística , acaba de postar no Facebook um poema para a amada: “Maria é música, é segredo...Graça é alegria, magia...Desejo” e por aí vai.

NUM dos próximos capítulos de Salve Jorge , Thammy Miranda, filha de Gretchen, vai dançar outro sucesso de sua mãe, Piripiri (já dançou Conga La Conga) e no ultimo capitulo, aparecerá – quem diria – numa cena de beijo com o ator Adriano Garib, que vive o personagem Russo. Nada de recaída: é beijo técnico.

O ex-jogador Ronaldo Fenômeno foi atração especial (a direita, usando um surpreendente terno cinza num evento black-tie, com sua namorada Paula Morais) da primeira Brazilian Night in Monaco, jantar de gala com leilão beneficente, no Hotel de Paris, organizada pelo Brasil-Monaco Project, que pretende incentivar intercambio maior entre os dois países. O príncipe Albert (à direita, com Luciana de Montigny, presidente e fundadora da entidade) estava lá e deu uma camisa da seleção brasileira autografada para ser leiloada.

Brazilian Night

Mensaleiros carentes Os petistas condenados no processo do mensalão, enquanto seus advogados entram com recursos forrados com os mais diversos argumentos, estão se sentindo abandonados pelo PT: nada de atos de solidariedade, entrevistas de figuras do partido, encontros partidários e outras supostas manifestações de força e solidariedade. Até Lula resolveu dizer que “o PT precisa aprender a fazer política”, quando sua carreira foi toda ligada ao jeito petista de se comportar.

/ IN

Gravata de crochê vintage.

/

Um a um

Como acontece todos os anos, o Costume Institute promoveu, nos salões do Metropolitan Museum de Nova York, sua noite de gala, marcada por uma exposição sobre Punk Fashion e recheada de conhecidas figuras do showbiz e da moda, todas exibindo modelos assinados por estilistas das mais diversas grifes: da esquerda para direita, Beyoncé, usando um Givenchy, criado por Ricardo Tisci, co-chair do evento; Blake Lively com um Gucci Première; Jennifer Lawrence, a queridinha do momento, com um tomara-que-caia negro Christian Dior; Heidi Klum vestindo uma criação Marchesa; e Madonna, de peruca preta, exibindo um discutido modelito Givenchy.

OUT

Estreita gravata de crochê.

Rainha dos cowboys A revista Newsweek, que desde dezembro do ano passado, só circula online, acaba de dedicar grande espaço a um perfil da senadora Kátia Abreu, do Tocantins, vicepresidente do PSD, presidente da Confederação Nacional da Agricultura e “a rainha dos cowboys”, conforme título do texto, onde garante que “ela trabalha a cavalo e nunca evita uma luta”. Também chamada de “baronesa das terras”, ela e seus dois filhos tocam três fazendas de soja e sorgo e 12 mil cabeças de gado no Tocantins. Na condição de primeira mulher a chefiar a CNA, a revista considera a senadora “a principal voz da potência agrícola do mundo emergente” que se tornou o Brasil.

MESMOgarantindo que não está em campanha eleitoral, Dilma Rousseff decidiu não ficar mais no gabinete. Balanço feito pelo Planalto revela que, no mês passado, ela fez o triplo de viagens em comparação ao mesmo período de 2012. No Palácio, fazia duas cerimônias por semana e agora, resolveu substituí-las por palanques nos Estados. A agenda presidencial para as próximas semanas mantém o mesmo ritmo.

OS CARIOCAS terão dia 31 de dezembro uma versão da corrida (paulista) de São Silvestre, que atrai corredores de todo mundo. Vai se chamar Rio AnoNovo, terá oito quilômetros de percurso, de São Conrado ao Arpoador. Os organizadores esperam reunir cinco mil corredores na prova. Contudo, já surgem entidades que se movimentam contra, devido à suposta paralisação de trânsito, quase em cima da queima de fogos da passagem do ano em Copacabana.

Colaboração:

Paula Rodrigues / Alexandre Favero

quarta-feira, 8 de maio de 2013


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 8 de maio de 2013

5 COMISSÃO DA VERDADE A advogada Rosa Maria Cardoso, 66, deverá ser escolhida como nova coordenadora da Comissão Nacional da Verdade, no lugar do ex-ministro Paulo Sérgio Pinheiro, cujo mandato termina no dia 16.

olítica

MENSALÃO

Delúbio entra com recurso no STF que pode alterar o julgamento Ex-tesoureiro do PT se adianta aos demais condenados, entra com embargo infringente e pede um novo julgamento em relação ao crime de quadrilha. Cristiano Borges/ O Popular/ EC

Ministros admitem revisão das decisões

O

Delúbio Soares contesta condenação por formação de quadrilha e aposta na divergência de votos dos ministros ( 6 a 4) para reverter acórdão.

A

defesa do ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares se adiantou e entrou ontem no Supremo Tribunal Federal (STF) com o recurso chamado de embargo infringente, no qual pede um novo julgamento em relação ao crime de quadrilha. No julgamento do Mensalão, Delúbio foi condenado por 6 votos a 4 neste crime. Além da formação de quadrilha, o petista também foi punido por corrupção ativa. Ao todo, a pena foi de 8 anos e 11 meses de prisão. Como apenas no caso do primeiro crime houve maior divergência de votos entre os ministros, o embargo infringente cabe apenas neste quesito. O tribunal ainda terá que decidir se tais recursos são vá-

lidos, mas a tendência é que os ministros aceitem reanalisar tais casos. O advogado Arnaldo Malheiros Filho argumenta que os recursos são cabíveis, pois são previstos no regimento interno do tribunal e na legislação que trata dos processos do Supremo, apesar do embargo infringente não estar previsto no Código Penal. "A previsão regimental de embargos infringentes nas ações penais originárias, hoje e desde a promulgação da Constituição de 1969, ostenta força de lei e foi recepcionada pela Carta de 1988", afirma a defesa no embargo. Pressa – Os embargos infringentes não precisam ser propostos agora. Isso porque os outros recursos já protocola-

dos, os embargos de declaração, interrompem a tramitação do processo, "congelando" os prazos para a realização de outros pedidos. A defesa afirma que o crime de quadrilha não pode ser confundido com o chamado "concurso de agentes", ou seja, quando um grupo de pessoas pratica um mesmo crime em conjunto. Quadrilha – "Esse estratagema de incrementar acusações (especialmente as de crimes econômicos ou cometidos contra a administração pública), a elas acrescentando indiscriminadamente termos por vezes midiáticos como "organização criminosa" ou "quadrilha", infelizmente, tem sido frequentemente utilizada pelo Ministério Público", diz o ad-

vogado de Delúbio Soares ao sustentar a defesa. Segundo ele, os condenados no Mensalão não agiram em quadrilha, pois para isso a acusação teria que demonstrar que houve um "ajuste prévio" entre todos eles com o objetivo específico de praticar crimes". "O tipo penal em questão consuma-se no momento da associação, feita com esse fim específico de cometer crimes. É independente da prática efetiva de outros delitos. Assim, não basta, para comprová-lo, simplesmente imputar aos acusados a prática de alguns crimes e presumir, a partir daí, que todos já haviam se unido em concerto preparatório estável destinado a seu cometimento", afirma Malheiros Filho. (Folhapress)

s ministros do vocês mesmo divulgaram, Supremo Tribunal todos os embargos de Federal (STF) declaração têm efeitos Ricardo Lewandowski e infringentes, tanto que Gilmar Mendes admitiram mandou para o ontem que os recursos de procurador-geral, isso "embargos de declaração" quer dizer alguma coisa. O protocolados pelos 25 tribunal admite que pode condenados do Mensalão ter, por isso manda ouvir a podem, em tese, provocar parte contrária, é raro, a revisão de decisões mas admite". da Corte. O presidente do STF e Isso aconteceria com os relator do processo, o chamados "efeitos ministro Joaquim Barbosa, infringentes", pedidos destacou na semana pelos réus passada que nesses tecnicamente recursos, que não há possibilitariam previsão de uma mudança O tribunal revisão de de mérito. condenações admite, "É possível por meio ouve a parte embargo (de desse tipo de contrária, declaração) recurso. Em mas é raro. com efeito dezembro, infringente se porém, ao GILMAR MENDES a contradição negar a prisão for tamanha imediata de que não se possa condenados no Mensalão, aproveitar, ou uma justificou a possibilidade omissão ou uma de mudança de mérito obscuridade que seja nesses embargos, embora tamanha a tal ponto que ocorram em casos não se possa aproveitar os "eventuais, atípicos e votos vencedores, em excepcionalíssimos", nas tese, pode se caminhar palavras de Barbosa. para uma absolvição no Além dos embargos de ponto", afirmou o vicedeclaração, os réus presidente do STF e revisor poderiam ainda se valer de do processo, Ricardo "embargos infringentes", Lewandowski. que possibilitariam um Gilmar Mendes destacou novo julgamento quando que o pedido já foi feito forem registrados quatro pelos advogados e votos contrários às reconheceu que o condenações, como é o expediente, apesar de caso de Delúbio Soares. "raro", é aceito. "Pelo que (Estadão Conteúdo)

Joel Rodrigues/Estadão Conteúdo

Amin surpreende. Quer anular ato da CCJ.

E

m meio a uma ação orquestrada para isolar o PT à frente da proposta que tira poderes do Supremo Tribunal Federal (STF), o deputado Esperidião Amin (PP-SC) fez um pedido ontem que pode anular a votação na Comissão de Constituição Justiça (CCJ) da Câmara que aprovou a matéria. A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 33, aprovada no fim do mês passado na comissão, condiciona o efeito vinculante de súmulas aprovadas pelo STF ao aval do Poder Legislativo e submete ao Congresso a decisão sobre a inconstitucionalidade de leis. O projeto, criticado por ministros do STF, deu contornos de crise na relação entre Legislativo e Judiciário. A justificativa de Amin é que ele foi substituído da relatoria da proposta irregularmente pelo expresidente da comissão Ricardo Berzoini (PT-SP). Amin pede que a CCJ discuta a substituição. A ação teria ocorrido após Amin ter sido procurado pelo autor do texto, Nazareno Fonteles (PT-

PI), para trocar seu parecer e apresentar um texto favorável à PEC 33. A modificação na relatoria foi em maio do ano passado, sendo repassada para o deputado João Campos (PSDB-GO). O relatório dele a favor da admissibilidade da proposta foi aprovado dia 24 de março. Horas depois de o projeto avançar na Câmara, o ministro Gilmar Mendes suspendeu a votação de proposta no Senado que inibe a criação de partidos – o que foi interpretado como retaliação por parlamentares. Na ocasião, a cúpula do Congresso acusou o STF de interferência. Nos últimos dias, o comando do Legislativo tem trabalhado para distensionar a relação e o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), prometeu retardar a instalação da comissão especial que seria criada para analisar a proposta sobre o STF. Amin reconhece que errou ao não ter reclamado no ano passado a substituição, mas acredita que há espaço para rediscutir a matéria: "Quem cala consente, mas o que eu

não consenti foi mudar meu parecer para agradar a ele." Fonteles minimizou a substituição. Disse que a combinação de relatoria "é natural" na fase de admissibilidade. Berzoini negou qualquer ilegalidade no ato. "Eu acho que isso tudo é uma falsa polêmica. Na época, não houve nenhuma reclamação. Nenhuma queixa. Agora, não adianta mais reclamar." O presidente da CCJ, Décio Lima (PT-SC), continua sustentando que não houve qualquer ilegalidade na votação e se comprometeu em analisar o caso. Ele tinha relatado a interlocutores que pretendia fazer um discurso de desagravo e em defesa da aprovação da matéria na CCJ. Ontem, recuou e disse que só vai se manifestar após o ministro do STF José Antonio Dias Toffoli avaliar o pedido da oposição para suspender a tramitação da matéria. Os líderes do PMDB, Eduardo Cunha (RJ), e do PSB, Beto Albuquerque (RS), anunciaram ontem que suas bancadas são contrárias ao texto e que podem pedir ao plenário a derrubada da PEC. (Folhapress)

Amin pede anulação da votação na CCJ que aprovou a PEC 33 – aquela que submete o STF ao Congresso a decisão sobre constitucionalidade de leis.

Congresso defende sua autonomia

E

m mais um capítulo do impasse com o Supremo Tribunal Federal, a cúpula do Congresso substituiu a palavra "crise" por "embate" nos discursos. Mas insistiu na autonomia de parlamentares discutirem propostas no Congresso– inclusive as que esvaziam poderes dos tribunais. Depois de se reunir com o ministro do STF Gilmar Men-

des, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), defenderam a discussão do projeto que inibe a criação de novos partidos. A proposta, em debate no Senado, foi suspensa por decisão provisória de Mendes. Os peemedebistas esperam que o STF analise o caso na próxima semana.

"Eu não acho que há crise. Crise dependeria de uma solução externa. Mas acho que há um embate, que é democrático, legítimo, natural. Não pode haver vencedor, isso não é uma final de Copa do Mundo", disse Renan. E Alves também minimizou o desgaste entre os Poderes: vai procurar Gurgel para pedir celeridade na análise do projeto. (Folhapress)


p Irmão de PC Farias se diz vítima de chantagem 6

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Nossa disposição é de acertar, de resolver, de reduzir o gigantismo do Senado. Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente do Senado

olítica

Itawi Albuquerque/Estadão Conteúdo

Testemunha nega ter sido pivô de briga

A

E conta que irmão havia contratado detetives para investigar Suzana, por traição.

O

ex-deputado Au- Amaral, contou. Já se especugusto Farias, irmão lou que Augusto havia contrade Paulo César Fa- tado dois detetives para inrias, disse ontem vestigar Suzana. que o empresário morto em "Eu não contratei, não te1996 contratou detetives em nho contato, não tem um teleseu nome para investigar su- fonema meu. Não sabia que posta traição de Suzana Mar- tinha havido essa contratacolino, em São Paulo. ção para seguir a Suzana. Vim PC Farias e Suzana foram saber depois da morte do Pauencontrados lo César". mortos em 23 Ele reafirde junho de mou diante 1 9 9 6 . A d edo juiz que os Eles disseram: claração do quatro ex-seirmão dele foi guranças 'Nós temos uma feita durante acusados de fórmula de não o segundo dia e nv o lv i me npedir o seu do julgamento na morte indiciamento. to dos ex-sedo casal são Você entrega guranças inocentes. acusados de N o d e p o ios seguranças.' envol vimenmento, ele AUGUSTO FARIAS to na morte também voldo casal. tou a dizer Segundo Augusto, PC Farias que dois delegados tentaram – que foi tesoureiro do ex-pre- "negociar" seu indiciamento. sidente Fernando Collor de Terceira pessoa a ser ouvida Mello – sabia que estava sendo ontem, Augusto foi repreenditraído por Suzana. Augusto do pelo juiz Maurício Breda ao afirmou que só soube de toda defender os ex-seguranças a história após o crime porque Adeildo dos Santos, Reinaldo um "procurador" da família de Lima Filho, Josemar Faustiem São Paulo, Caio Ferraz do no dos Santos e José Geraldo da

Augusto Farias, indiciado, o inquérito foi arquivado pelo STF em 2002. Silva: "Eu não estou perguntando ao senhor sobre a inocência dos réus. Eles têm advogado. Peço que o senhor responda às perguntas." A defesa dos réus está sendo financiada por Augusto. Um dos ex-seguranças, Reinaldo, ainda trabalha para Augusto Farias. Para a Promotoria, os policiais militares que faziam a segurança de PC foram, no mínimo, omissos por não impedirem a morte do extesoureiro da campanha presidencial de Fernando Collor. Diante do juiz, Augusto repetiu a acusação a jornalistas contra Antônio Carlos Lessa e Alcides Andrade, dois dos de-

legados que atuaram no inquérito. "Em certo momento eles disseram: 'Nós temos uma fórmula de não pedir o seu indiciamento. Você entrega os seguranças e nós não pediremos o seu indiciamento.'" Ele diz que se negou e foi indiciado. Por ter foro privilegiado, o inquérito foi parar no Supremo Tribunal Federal e arquivado por falta de provas, em 2002. Augusto acredita que seu indiciamento teve motivação política, já que seria candidato a prefeito de Maceió naquele ano. "Como é que eles iam pedir o meu indiciamento sem ter uma prova sequer contra mim?". (Agências)

agropecuarista Cláudia Dantas negou ontem ter mantido relacionamento estável com PC Farias e refutou a tese de que tenha sido o pivô de uma briga do casal. Ela foi a quarta testemunha a ser ouvida no segundo dia de julgamento do caso PC e Suzana Marcolino. A defesa dos quatro exseguranças de PC acusados do duplo homicídio aponta a suposta relação de PC e Cláudia como uma prova da tese de crime passional, na qual Suzana teria matado o amante e se suicidado. "Não me considero pivô dessa briga até porque nunca estive com Suzana e nem tinha nada contra ela." E acrescentou que soube do fim do relacionamento entre o casal por meio de PC. "Foi no nosso segundo encontro, pouco antes do crime, que o Paulo falou que estava terminando o namoro com ela." Ela diz que só estava conhecendo PC em junho de 1996, mas negou

que estivessem de caso. Confirmou ter recebido telefonemas de PC e que saiu para jantar com ele por ao menos três vezes, tendo recebido flores no Dia dos Namorados de 1996. "O ramalhete de flores veio com um bilhete dele dizendo que foi muito agradável ter me conhecido", afirmou Cláudia, sobrinha do exdeputado federal Luiz Dantas e filha do ex-prefeito de Batalha (AL) José Miguel, morto a tiros, junto com a amante dele, no fim dos anos 90. Ela disse que PC sempre foi gentil com ela e nunca mencionou desavença com os irmãos. Contou que chegou a ir a Brasília em um casamento com Augusto Farias, irmão de PC indiciado sob suspeita de ser o mandante do crime, mas que acabou não sendo acusado formalmente por falta de provas. Disse que Augusto só estava substituindo PC, na época em liberdade condicional, sem poder viajar sem autorização da Justiça.

Itawi Balbuquerque/Estadão Conteúdo

Cláudia:"Nunca estive com Suzana e nem tinha nada contra ela."

Suzana teria comprado arma

U

ma comerciante de Alagoas disse ontem, no julgamento dos ex-seguranças acusados dos crimes do caso PC Farias, que foi a própria Suzana Marcolino quem comprou a arma que matou o casal. Apesar de afirmar não se lembrar da data exata, Mônica Aparecida Calheiros disse que Suzana foi à sua churrascaria por indicação de uma parente em 1996. Ela confirma a versão obtida pela polícia durante a

investigação do crime. Na ocasião, a prima e sócia de Suzana, Ângela Maciel, e Elson Rodrigues Madureira, assessor de Comunicação da Prefeitura de Pão de Açúcar (AL), que morou com Suzana por três anos, afirmaram à polícia que Suzana contou estar sendo seguida nos dias que antecederam as mortes, em 23 de junho de 1996. "Ela foi lá para comprar a arma e pediu para testar." Cláudia disse que ganhara a arma do marido e a vendeu

para Suzana por R$ 350. Segundo ela, Suzana pagou em cheque. Uma prima de Suzana foi relacionada como testemunha. Não compareceu para depor ontem. O juiz Maurício Breda determinou a expedição de um mandado de condução coercitiva para que ela seja encontrada e levada a depor. Mônica disse que foi essa prima, Zélia Maciel, quem a procurou perguntando se teria arma para vender a Suzana. (Folhapress)

Renan deve manter certas benesses... Ele sinaliza que manterá serviços de funcionários que ganham de R$ 14 a 20 mil

C

om poucos cliques no computador ou celular, qualquer um garante passagem de avião. Mas o Senado mantém nove funcionários, com remuneração líquida entre R$ 14 mil e R$ 20 mil, para fazer check-in e despachar malas dos senadores. Os carregadores de luxo, ou "funcionários do setor de serviços aeroportuários" são uma das regalias dos nossos senadores. Por mês, cada um deles tem direito a cinco passagens aéreas de ida e volta da capital do seu Estado a Brasília. No desembarque, eles contam com carro e motorista – tudo pago pela Casa. Segundo a assessoria do Senado, os nove funcionários trabalham exclusivamente no aeroporto, mesmo quando não há senadores chegando ou saindo de Brasília. Ontem, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), sinalizou que não incluirá as atuais regalias nos cortes de gastos da reforma administrativa que pôs em curso na instituição. Renan disse que vai continuar promovendo cortes de gastos no Senado, mas não mencionou qualquer ação que atinja diretamente benefícios dos seus colegas.

"Já cortamos mais de R$ 300 milhões em dois anos. Estamos racionalizando processos, dando mais eficiência, fazendo mais com menos. Assumi o compromisso de, diagnosticado qualquer problema, resolvê-la. A nossa vontade é total no sentido de acertar." Questionado se vai extinguir as funções dos servidores no

Aeroporto de Brasília, entre outras regalias, desconversou. "Estamos fazendo o que é possível para cumprir todos os compromissos com relação à racionalização e ao corte de despesas, a eliminação do privilégio, do desperdício. Essa é nossa disposição. De acertar, de resolver, de reduzir o gigantismo do Senado." (Folhapress)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 8 de maio de 2013

7 CHEGA DE BIRRA! O presidente dos EUA, Barack Obama, reuniu-se ontem com a colega da Coreia do Sul, Park Geun-hye, e assegurou que ambos os países são capazes de se defenderem. "Os dias nos quais a Coreia do Norte conseguia criar uma crise e obter concessões acabaram."

nternacional

FALTOU COMBINAR COM O ASSAD

David Maxwell/EFE

Rússia e EUA anunciam conferência para tentar pôr fim ao conflito sírio

R

ússia e Estados Unidos chegaram ontem a um acordo em Moscou para incitar o regime sírio e os rebeldes a alcançarem uma solução política para o conflito, e para propor a organização "o mais rápido possível" de uma conferência internacional sobre a Síria. O acordo pretende intensificar a pressão diplomática para que o conflito – que já deixou mais de 70 mil mortos, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU) – seja encerrado. "Chegamos a um acordo de que Rússia e Estados Unidos devem pedir que o governo sírio e os grupos de oposição encontrem uma solução política",

deve servir de "roteiro para a paz", e não ficar limitado a ser "um pedaço de papel". Segundo o secretário, o objetivo ainda é fazer com que Damasco e os rebeldes negociem a formação de um governo interino. O secretário ressaltou as discussões "muito produtivas e amistosas" que havia realizado antes com o presidente russo, Vladimir Putin, "contribuindo de maneira significativa com nossa capacidade para definir o caminho a ser seguido". Assad - Em Damasco, o presidente sírio reuniu-se com o ministro das Relações Exteriores do Irã, Ali Akbar Salehi. O encontro com o principal aliado regional do regime síMaxim Shemetov/Reuters rio ocorreu a n t e s d a declaração de Kerry e Lavrov. Assad disse que é capaz de fazer frente "às aventuras" israelenses e que o ataque no domingo passado contra Damasco Putin (à esq.) e Kerry: pressão diplomática pela paz. demonstra a ingerência de declarou o ministro das Rela- Israel no conflito sírio. Segundo declarações divulções Exteriores russo, Serguei Lavrov, após um encontro em gadas pela agência oficial síria Moscou com seu homólogo nor- Sana, o presidente ressaltou que o ataque revela "o envolte-americano, John Kerry. Rússia e EUA também decidi- vimento da ocupação israeram tentar organizar uma con- lense e dos países da região e ferência internacional no fim do do Ocidente que a respaldam mês para desenvolver um pla- nos atuais eventos na Síria". Já Salehi qualificou de "flano de transição elaborado no grante agressão" o bombarano passado em Genebra. O acordo de Genebra, assina- deio e afirmou que o Irã permado em junho de 2012 pelas necerá ao lado da Síria para engrandes potências, definiu o frentar "as tentativas de Israel caminho a ser seguido para ins- de desestabilizar a região e detaurar um governo de transi- bilitar a resistência". ONU - O grupo rebelde sírio ção, sem uma referência ao destino do presidente Bashar Mártires de Yarmuk disse onal-Assad. Esse acordo nunca foi tem ter detido quatro soldados aplicado, já que o cessar-fogo de missão de paz da ONU nas provisório previsto também Colinas de Golã. Todos são filipinos. Os rebeldes afirmam que, não foi cumprido. Lavrov reafirmou que a saída diante dos riscos pelo conflito de Assad – exigida pelos oci- armado no vale de Yarmuk, esdentais – não deve ser uma con- tão mantendo os soldados em dição prévia para as negocia- cativeiro para protegê-los. Kieran Dwyer, porta-voz da ções, insistindo ao mesmo tempo que a Rússia não o estimula a ONU, disse que "há esforços em vigor para garantir a libertapermanecer no poder. Já Kerry ressaltou que o plano ção" dos soldados. (Agências) Ivan Franco/EFE

Maduro: apoio por petróleo.

O

presidente da Venezuela, Nicolás Maduro (à esq.) , iniciou ontem seu primeiro giro regional com escala no Uru-

guai, onde prometeu ao colega José Mujica a provisão "permanente" de petróleo venezuelano ao Uruguai, em troca de alimentos e tecnologia. Maduro deve se reunir amanhã com a presidente Dilma Rousseff em Brasília. (EFE)

Polícia de Cleveland vigia casa onde mulheres eram mantidas

FBI/Reuters

O fim de um pesadelo de dez anos Mulher em Cleveland, nos EUA, consegue fugir do cativeiro, liga à polícia e salva outras duas vítimas. Três suspeitos foram presos.

A

s famílias de Amanda Berry, Georgina DeJesus e Michelle Knight já haviam desistido de tentar saber o que acontecera com elas, desaparecidas há dez anos em Cleveland, no Estado norte-americano de Ohio. Achavam que haviam morrido ou nunca mais seriam vistas. Até que, na segunda-feira, Amanda, de 27 anos, foi a primeira a reaparecer. Vizinhos disseram ter ouvido batidas na porta, gritos de pedido de ajuda e tentativas desesperadas de sair da casa. O vizinho Charles Ramsey disse à WEWS-TV que viu Amanda, a quem não reconheceu, perto da porta, que abria apenas o suficiente para a passagem de uma mão. "Eu ouvi gritos", disse ele. "Saí e vi a garota tentando desesperadamente sair da casa. Ela chutava a porta e gritava: 'Fui sequestrada. Estou aqui há muito tempo e quero sair agora'", afirmou. Ramsey contou que, ao quebrar a porta, Amanda saiu acompanhada de uma criança de seis anos, que a polícia diz ser a filha nascida no período de cativeiro. Ele ainda revelou que se espantou com a atitude de Amanda. "Percebi que algo estava errado quando uma menina branca correu para os braços de um negro." Pouco após ter escapado,

Amanda (à

Amanda ligou para o telefone de emergência da polícia pedindo socorro. A gravação desta conversa, que foi divulgada pelas autoridades, capta a voz desesperada dela. "Eu sou Amanda Berry. Estou no noticiário há dez anos", afirmou. Ela disse que foi levada por alguém e implorou que os policiais fossem até a casa, no lado oeste de Cleveland, antes que ele voltasse. "Eu fui sequestrada e estou desaparecida há dez anos", declarou. "Estou aqui. Estou livre agora." Georgina, de 23 anos, e Michelle, de 32 anos, foram liberadas em seguida, com a chegada da polícia. "A emoção sentida por todos foi indescritível", disse Stephen Anthony, da polícia federal norte-americana (FBI, na sigla em inglês). "Para as famílias da Amanda, Gina e Michelle, as orações foram finalmente atendidas. O pesadelo acabou." Amanda havia sido vista pela última vez deixando seu

esq.) e Georg

ina: seques

tradas perto

emprego em uma lanchonete, na véspera de completar 17 anos, em abril de 2003. Já Georgina desapareceu no trajeto da escola para casa, em 2004, aos 14 anos. Elas foram encontradas a poucos quilômetros de onde desapareceram. A polícia informou que Michelle tinha 18 ou 19 anos ao desaparecer em 2002. O estado de saúde em que as vítimas foram encontradas não foi detalhado pelas autoridades locais. O hospital que as atendeu para realizar exames e apurar sinais de violência sexual informou que elas já estão com suas famílias. Redes de TV locais, citando fontes policiais, disseram que as jovens teriam ficado grávidas e abortado várias vezes durante seu cativeiro em virtude dos estupros e golpes dos sequestradores. Suspeitos - Agora, a polícia está em busca de informações sobre os três irmãos que foram presos, acusados de mantê-las no cativeiro. O mo-

Polícia de Cleveland/Reuters

Ariel, Onil e Pedro (da esq. à dir.): boa relação com os vizinhos.

do cativeiro

.

torista de ônibus escolar Ariel Castro, de 52 anos, era o dono da casa. Pedro, de 54 anos, e Onil, de 50 anos, são suspeitos de coparticipação no crime. O motorista, nascido em Porto Rico, era baixista em grupos de música latina. Vizinhos dizem que ele se divorciou há mais de uma década, e que a ex-mulher já morreu. Ele supostamente tem um casal de filhos adultos. Juan Pérez, vizinho de Castro durante décadas, disse à WEWS -TV que o proprietário da casa era uma pessoa amável, que tinha boa relação com os vizinhos. O caso de Georgina traz uma coincidência tétrica: o filho de Ariel fez uma reportagem para um jornal local em que entrevistou a mãe dela sobre o desaparecimento da filha, pouco tempo depois de ela ter sumido. Antecedentes - A polícia foi à casa usada no cativeiro por duas vezes nos últimos 15 anos, disseram autoridades. Em 2000, antes das mulheres terem desaparecido, Ariel Castro teve uma briga na rua, mas não foi realizada nenhuma prisão. Em 2004, o motorista de ônibus foi questionado por ter abandonado uma criança em um dos veículos. Mas os policiais não chegaram à conclusão sobre o que se passava na casa. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

c

quarta-feira, 8 de maio de 2013

UPP Papa Francisco vai visitar uma favela pacificada durante sua estada no Rio.

idades

CALÇADAS Prefeito sancionou a lei com as regras para a conservação das calçadas.

O PAPA NO BRASIL

Francisco quer visitar favela no Rio Roteiro do papa Francisco, que vem ao País em julho para a Jornada Mundial da Juventude, inclui visita a Aparecida (SP) e encontro com dependentes químicos.

A

Tony Gentile/Reuters

agenda do papa Além da agenda de proximiFrancisco no Rio de dade com os excluídos, FranJaneiro, divulgada cisco cumprirá também o roontem pelo Vaticateiro oficial da Jornada. Em 23 no, atende ao pedido do pontíde julho não estão previstos fice para ter contato direto compromissos oficiais. com os pobres e jovens vulneO secretário executivo da ráveis à violência e às drogas. JMJ, monsenhor Joel Portella, Além dos compromissos ofidisse que há 214 mil inscritos ciais da Jornada Mundial da Jupara a Jornada e 271 mil vagas ventude (JMJ), entre 23 e 28 de disponíveis para os peregrijulho, Francisco terá um enconnos. A expectativa é que as tro com cinco menores infratoinscrições aumentem a partir res recolhidos a institui- Fabio Motta/Estadão Conteúdo de junho. D. Orani esclações do Estado; visitará receu que a estimativa de uma favela pacificada, 2 milhões a 2,5 milhões de mas fora do eixo da zona participantes não se refesul e ouvirá depoimentos re aos inscritos, mas de tode dependentes químicos. dos os fiéis que deverão O papa chegará ao Rio participar das diversas às 16 horas de 22 de julho atividades do grande ene voltará a Roma às 19 hocontro católico. ras de 28 de julho. Em 24 Papamóvel – O papamóde julho, pela manhã, visivel será usado em algumas tará Aparecida (SP). ocasiões. No primeiro dia "Além dos Atos Centrais da visita, num pequeno da Jornada – a acolhida, a trajeto até o Palácio Guavia-sacra, a vigília e a missa nabara, sede do governo de envio –, há atividades do Rio, onde o papa será reque ele escolheu a dedo, cebido pela presidente Dilcomo a visita a uma favela ma Rousseff, em cerimôe a um trabalho de recupenia com autoridades e ouração de dependentes quítros convidados. micos", disse o arcebispo Ainda não está definido do Rio, d. Orani Tempesta, se Francisco embarcará no à Rádio Vaticano. papamóvel na base do AeIgreja de São Jeronimo, em Manguinhos, Os menores infratores roporto Santos Dumont ou no Rio, que deve receber a visita do papa serão escolhidos por uma no Palácio São Joaquim. O comissão da Arquidiocetrajeto entre o aeroporto se e terão autorização da Vara tas, como Vidigal, Dona Marta, do Galeão e o centro deverá ser de Infância e Juventude para ir Chapéu Mangueira e Cantaga- feito em carro fechado. ao Palácio São Joaquim, a resi- lo, Francisco escolheu uma coArgentina – Essa deve ser a dência oficial do arcebispo do munidade que tem Unidade única viagem do papa ao exteRio. De acordo com d. Orani, é de Polícia Pacificadora (UPP), rior neste ano. No começo de possível que um juiz acompa- m a s a i n d a e s t á l o n g e d o s 2014, Jorge Bergoglio, ex-carnhe o encontro, às 11h30 de avanços sociais que devem deal de Buenos Aires, deve fa26 de julho. No Hospital de São acompanhar o processo de zer uma visita ao seu país natal. Francisco de Assis, na Tijuca pacificação. A Favela de Vargi- Também há planos para que (zona norte), Francisco vai nha faz parte do Complexo de ele visite Assis, terra de São inaugurar, às 18h30 de 24 de Manguinhos, onde o sucessor Francisco, religioso que inspijulho, o Polo de Atenção Inte- de São Pedro na chefia da Igre- rou Bergoglio a assumir o nome grada da Saúde Mental (PAI). ja Católica deverá chegar num de Francisco quando da sua Em vez de favelas acostu- carro fechado e andará a pé eleição no conclave, em 13 de madas a receber muitos turis- por cerca de cem metros. março. (Agências)

22

JULHO é o dia da chegada

Papa Francisco: pontífice "escolheu a dedo" parte de sua programação no Brasil, como o contato com pobres. Henrique Manreza/e-SIM

Ó RBITA

BOLSA-CRACK

F

amílias com parentes dependentes de crack vão receber uma bolsa do governo do Estado de São Paulo para custear a internação do usuário em clínicas particulares especializadas. Chamado "Cartão Recomeço", o programa deve ser lançado amanhã, com previsão de repasses de R$ 1.350 por mês para cada família de usuário da droga. Os dez municípios que receberão o programa piloto e os detalhes do programa serão definidos hoje. Ainda não há data para o benefício valer em todo o Estado. (Estadão Conteúdo)

FEIRA DA MADRUGADA

C

omerciantes da feira da madrugada, no Brás, dizem que vão ficar no espaço hoje à noite, quando a Prefeitura ocupará o terreno para fazer uma reforma. Na semana retrasada, o prefeito Fernando Haddad (PT) atendeu a uma recomendação do Ministério Público Estadual, que apontou alto risco de incêndio no terreno de 176 mil metros quadrados. O decreto prevê a desocupação do local até amanhã. A Prefeitura disse que vai fazer contratação emergencial para a reforma – só na parte elétrica e hidráulica está previsto custo de R$ 1 milhão. (Folhapress)

Ausência de ladrilhos na Rua 25 de Março: Prefeitura anistiou multas aplicadas desde 2009.

NOVA LEI DAS CALÇADAS

O

prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), sancionou mudanças na lei que previa a aplicação de multa imediata aos proprietários de imóveis com calçadas danificadas. As novas regras estabelecem um prazo de 60 dias para que o dono regularize a situação da calçada antes de ser multado. O valor da multa permaneceu em R$ 300 por metro linear de calçada irregular. Além disso, estão anistiadas as multas aplicadas desde setembro de 2009. As novas medidas, publicadas no último sábado no Diário Oficial da cidade já estão valendo. A lei que previa a multa imediata teve início durante o governo do ex-prefeito Gilberto Kassab (PSD). Só em 2012, a Prefeitura aplicou

6.004 multas com base na lei das calçadas, média de 16 por dia, com arrecadação total de R$ 41 milhões. Apesar das alterações revogarem as multas atrasadas, quem já pagou as autuações pelas irregularidades não será ressarcido. São Paulo tem 30 milhões de metros lineares de calçadas – chamadas pela Prefeitura de passeio público. De acordo com a Secretaria de Coordenação das Subprefeituras, responsável pela fiscalização das calçadas, entre 2009 e 2012 mais de 545 mil metros quadrados de passeios públicos e rotas estratégicas foram reformados, entre os quais na Avenida Paulista, Avenida Santo Amaro e Avenida Brigadeiro Faria Lima, tornando-os acessíveis, em especial aos deficientes físicos. Ainda é

muito pouco, segundo quem precisa de calçadas mais acessíveis. Para a cadeirante Michelle Balderama, 26, as calçadas são as maiores dificuldades encontradas no caminho que faz do bairro onde mora, na zona norte da Capital, até o trabalho, na zona sul. "Além dos buracos e da falta de rampas, em muitos locais eu sou obrigada a circular pela rua, bem próximo de carros, ônibus e motos", diz Michelle. "Eu já quase fui atropelada e já caí no chão. Pouco tempo atrás, eu cheguei ao trabalho toda suja, com a roupa rasgada e joelho sangrando, porque tinha um buraco na calçada." Apenas as rampas de acesso das calçadas são de responsabilidade das subprefeituras, de acordo com a Prefeitura. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Cantando na Chuva está à venda na Fnac, em Blu-ray especial (R$109,90): acompanham 3 cards colecionáveis, um livreto com fotos e uma capa de chuva.

d

cultura

9 Registre sua paixão pela cena mais famosa de Cantando na Chuva. Tem fotógrafo à sua disposição.

No ritmo dos musicais de cinema

Fotos: Divulgação

Rita Alves

S

e você é daqueles que já se imaginaram dançando no lugar de Gene Kelly ao ver o clássico Cantando na Chuva (1952), aproveite para reviver a cena na Fnac Pinheiros (Praça dos Omaguás, 34). O cenário do famoso trecho do musical permanecerá exposto na loja até o próximo domingo (12). Além de imitar a dança de Gene Kelly, o visitante pode registrar o momento, usando sua própria câmera ou celular. Outra opção é deixar o clique ser feito por um fotógrafo profissional, disponível na exposição até a próxima sexta (10), das 17 às 21h, e sábado

(11), das 13h às 20. Quem também é fã da cena do filme Cantando na Chuva e de muitas outras danças cinematográficas é a ilustradora Niege Borges, autora do projeto Dancing Plague of 1518 (http://dancingplagueof1518. tumblr.com/). O trabalho reúne uma série de pôsteres com desenhos de várias cenas de dança presentes em filmes e seriados. Niege conta que escolheu desenhar cenas clássicas, como a do longa metragem Cantando na Chuva, e outras menos emblemáticas, porém divertidas, como a do sitcom

Arrested Development. Antes de criar as ilustrações, ela assistia a cada dança e analisava se era possível transformá-la em desenho. "Depois eu ia parando nos frames dos passos mais legais/relevantes e desenhava", conta. A ilustradora encontrava mais dificuldade de desenhar quando o corpo do dançarino não era mostrado por inteiro na cena. Nesse momento, Niege usava a imaginação para supor o movimento do artista. "A melhor parte era quando eu terminava o pôster e via que o resultado estava bacana e representava bem a dança".

Cena de outro clássico: O Picolino (1935), com Fred Astaire e Ginger Rogers. Continua disponível na locadoras.

Pandora Filmes/Divulgação

Filme Cores, dirigido por Francisco Garcia, conta de maneira poética as desventuras de três amigos que se veem como frutos de uma geração sem perspectivas. Estreia sexta (10).

O autor Bolaño e o leitor arqueólogo Renato Pompeu

O

Agnaldo Rocha/Divulgação

No embalo das trilhas sonoras

N

esta quarta (8), a dupla O Grivo se apresenta no palco do Itaú Cultural, sede da exposição Ver é Uma Fábula - Mostra de Cao Guim ar ãe s. Formada pelos músicos Nelson Soares e Marcos Moreira, os artistas exibirão trilhas sonoras ao vivo, interpretadas sobre projeções de curtas do cineasta. A música de O Grivo está presente em grande parte dos filmes da exposição. Na sexta (10), os artistas ainda participam de um

workshop ministrado por Cao Guimarães. Já no Theatro São Pedro a atração da próxima sexta (10) e domingo (12) é a cantora Cida Moreira. A artista, também atriz e pianista, interpretará canções de cabaret, de Kurt Weill e Bertolt Brecht, além de outras parcerias de Weill com Jean Cocteau e Hanns Eisller. No Club Transatlântico a Sinfonia nº 9 de Beethoven é tema do documentário Nona, de Pierre-Henry Salfati.

Itaú Cultural. Avenida Paulista, 149, Estação Brigadeiro do Metrô. Tel.: 2168-1776/1777. Grátis (ingressos distribuídos com meia hora de antecedência). Teatro São Pedro. Rua Albuquerque Lins, 207, Metrô Marechal Deodoro. Tel.: 3667-0499. R$ 30. Club Transatlântico. Rua José Guerra, 130, Chácara Santo Antônio. Grátis.

DANCE NO BALÉ DA CIDADE O Balé da Cidade de São Paulo abriu inscrições para selecionar novos bailarinos.Inscrições até 17/5 por e-mail (baledacidade@prefeitura.sp.gov.br) ou pessoalmente na Rua João Passalaqua, 66, Bela Vista, em dias úteis, das 10h às 15h.

s modos de vida para se tornar um grande escritor podem parecer padronizados para os que leem as biografias publicadas sobre os grandes autores nos livros didáticos e nas informações que costumam ser divulgadas pelas editoras que transmitem suas obras ao grande público. Normalmente, o autor quer se dedicar à literatura desde jovem e seus trabalhos vão melhorando de qualidade a cada nova publicação, aumentando o interesse do público em torno de cada nova edição sua, até que atinge o auge de sua arte e de sua fama, a partir daí apenas administrando o que lhe resta de criatividade. Tal foi o destino dos escritores clássicos, do alemão Goethe ao brasileiro Machado de Assis, do francês Flaubert ao inglês Dickens, do russo Dostoievski ao americano Melville. Uma das grandes exceções a essa regra são os escritores cuja obra é praticamente desconhecida do grande público no momento de sua morte, só vindo eles a se tornarem famosos postumamente, como o judeu checo Kafka e o italiano Lampedusa. Mas o chileno radicado na Catalunha, Roberto Bolaño, que se julgava mais um "latino-americano" do que um "chileno" e que, acima de tudo, dizia que sua verdadeira pátria eram o casal de filhos que teve com sua mulher espanhola deu ao menino o nome de Lautaro, o líder índio mapuche que resistiu à conquista do Chile pelos espanhóis - foge ainda mais das regras. Filho de um motorista de caminhão que era também boxeador e de uma professora primária, Bolaño saiu ainda jovem do Chile, pois seus

pais se mudaram para o México e, sem ter concluído os estudos, se tornou um jornalista e agitador trotskista, mas principalmente um agitador cultural. Se no Brasil são bem conhecidos os "cineastas sem filmes", que aderem às mais avançadas vanguardas cinematográficas e frequentam todos os festivais e todos os ambientes cinéfilos, tornando-se bem conhecidos em seus meios, Bolaño se tornou um "escritor sem livros", que escrevia poemas só espor a d i c a m e n t e c o n s eguindo publicá-los, no México e depois na Catalunha, mas que frequentava todos os meios literários a que tinha acesso, extremista nas posições críticas literárias como tinha sido em política e, do mesmo modo, conseguindo apenas um pequeno séquito de fiéis, mas se tornando uma figura celebrizada como crítico de tudo e de todos. (A história que ele contava, de que retornou ao Chile no governo Allende e que depois do golpe esteve preso, não é confirmada em grande número de fontes). Tornado figura literária antes de ser escritor, sobrevivia como lavador de pratos, lixeiro e profissões semelhantes, até que já quarentão resolveu dedicar-se, além da poesia, também à ficção, pela qual não tinha maior apreço até que lhe nasceu o primeiro filho e ele quis lhe deixar algum legado em dinheiro, coisa praticamente impossível com poesia na era contemporânea. Durante seus últimos anos, na década de 1990, finalmente lançou uma série de romances sombrios, mistos de policiais, sociopolíticos e "noirs", como Os Detetives Selvagens eNoturno do Chile, que lhe deram uma sú-

bita notoriedade. Mas morreu em 2003, aos 50 anos, enquanto aguardava na fila para transplante de fígado, e só no ano seguinte é que foi publicado o romance, de mais de mil páginas, 2666, ao mesmo tempo sobre o orgulhoso, mas fundamentalmente mesquinho, mundo acadêmico europeu, e sobre o horroroso mundo da criminalidade mexicana. Esse livro o consagrou mundialmente, e, tivesse seu autor sobrevivido, seria candidato forte ao Nobel. Agora, a Companhia das Letras lança As Agruras do Verdadeiro Tira, em que reencontramos o mesmo ambiente de 2666 e na verdade vários personagens e situações que surgiram, além de em 2666, também em Os Detetives Selvagens e outras obras de Bolaño. O leitor aqui exerce dois papéis, um determinado pelo próprio autor e outro surgido meio que por acaso pelas circunstâncias de sua vida criativa. As linhas gerais da história são as mesmas de 2666: personagens circulam entre uma Europa sem ilusões e uma América Latina infestada de criminosos. O papel que Bolaño quis dar ao leitor é de funcionar como o verdadeiro detetive desta história meio policial, pois só o leitor tem acesso a todos os fios da meada que une, sem que eles percebam, todos os personagens. O papel que o leitor exerce por conta própria é o de um arqueólogo: ele como que descobre a obra do escritor chileno ao contrário, como se a observasse pelas lentes avessas do binóculo, vislumbrando no nascedouro as cenas e as personalidades que atingirão suas verdadeiras dimensões em 2666. Quem leu a obra maior vai se deliciar vendo a origem do que tanto lhe agradou; para quem não leu 2666, é uma ótima introdução.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Da tela para a realidade A fotógrafa e designer gráfica Flóra Borsi fez o inverso da maioria dos artistas que criam retratos. Ela não usou modelos reais para fazer pinturas, mas se inspirou em pinturas para "criar" pessoas. Usando técnicas de manipulação de imagem, figurinos e pesquisa iconográfica, ela "reinventou" modelos para quadros famosos. O resultado você vê nas imagens ao lado e no site da artista. www.behance.net/yayuniversal

Logo Logo

Carlo Allegri/

www.dcomercio.com.br

Reuters

R EINO UNIDO E UA

Charles, o verdureiro.

Kevin Lamarque/Reuters

A

fragilizada economia britânica engoliu os lucros do verdureiro mais elegante do reino: o príncipe Charles. O herdeiro do trono abriu uma loja perto de seu palácio Highgrove, em Gloucestershire, sudoeste da Inglaterra, há oito anos. A loja, chamada The

Veg Shed, ficou conhecida por vender produtos orgânicos não tão bonitos quanto os dos supermercados. Com a crise, a loja deixou de ser financeiramente viável porque os produtos ficaram mais caros. "A The Veg Shed fechou, basicamente em resposta às

tendências dos consumidores, uma preferência de comprar remotamente", disse a porta-voz da Clarence House, a residência oficial do príncipe Charles em Londres, ontem. Quem quiser consumir os alimentos poderá fazer encomentas pela internet.

Madonna punk Short, meias rasgadas e peruca: assim Madonna voltou ao figurino de início de carreira na festa beneficente punk do Metropolitan Museum de Nova York.

Mikhail Voskresensky/Reuters

Michelle e os jardins da Casa Branca A primeira-dama dos EUA Michelle Obama lançou ontem na livraria Politics & Prose, de Washington, seu livro "American Grown", sobre a horta que criou nos jardins da Casa Branca. H ISTÓRIA

C INEMA

Darrin Zammit Lupi/Reuters

Tom Cruise em nova 'Missão Impossível'

Imagem mostra a reconstituição facial de um crânio encontrado na ilha de Gozo, em Malta. A reconstrução foi realizada por especialistas da Universidade de Dundee. O crânio pertencia a uma mulher que morreu por volta dos 30 anos em 3.600 a. C.

L

A beleza, há 5600 anos.

Tom Cruise voltará a encarnar o agente secreto Ethan Hunt na série de filmes Missão: Impossível pela quinta vez, informou ontem em comunicado o estúdio Paramount Pictures. O projeto será desenvolvido por Cruise, pela Paramount e pela empresa Bad Robot, de J.J. Abrams, diretor da terceira parte da saga e produtor da quarta. A saga de Missão: Impossível gerou mais de US$ 2 bilhões. A primeira parte, dirigida por Brian De Palma em 1996, arrecadou cerca de US$ 460 milhões. A segunda, pelas mãos de John Woo em 2000, acrescentou cerca de US$ 550 milhões, a terceira, dirigida por Abrams em 2006, somou mais US$ 400 milhões. A mais recente, dirigida por Brad Bird, arrecadou US$ 700 milhões.

MEMÓRIA - Jatos militares sobrevoam uma igreja ortodoxa durante o ensaio para o desfile do Dia da Vitória, que será celebrado amanhã. O Dia da Vitória marca a vitória dos aliados sobre a Alemanha de Hitler durante a Segunda Guerra Mundial. Toby Melville/Reuters

Joias de rainhas Anel e brinco de ouro e diamantes do século XVII que pertenceram à esposa do rei Charles I estão entre as joias da coroa britânica que serão expostas no Palácio de Buckingham a partir de sexta-feira.

Surrealismo Móveis com um toque surrealista são a especialidade do Studio 65, que criou esta poltrona com banquinho inspirados nas colunas jônicas da arquitetura clássica. As peças podem ser usadas separadamente ou empilhadas, para criar o efeito estético de uma coluna rachada. www.gufram.it

Arte minúscula

O pioneiro dos efeitos especiais no cinema Ray Harryhausen morreu ontem em Londres, aos 92 anos. Ele ganhou um Oscar honorário em 1992 e era uma lenda entre os profissionais de cinema pelo uso da técnica do stop-motion. Ele inspirou produções como O Senhor dos Anéis e A Noiva Cadáver.

Concurso 1174 da DUPLA SENA Primeiro sorteio 04

A TÉ LOGO

Acesse www.dcomercio.com.br para ler a íntegra das notícias abaixo:

Leonardo é suspenso provisoriamente por incidente com árbitro

L

Músico senegalês Youssou N'Dour recebe o prêmio sueco Polar

09

10

26

42

47

28

39

45

Segundo sorteio 03

Fifa espera público recorde durante a Copa das Confederações

L

http://bit.ly/10j6Q3f

Morre em Londres Ray Harryhausen

L OTERIAS

L

O microescultor Willard Wigan cria trabalhos que só podem ser apreciados em detalhes com o zoom da câmera. Ao lado, um jogador de golfe dá uma tacada instalado na cabeça de um prego.

C INEMA

09

10

Concurso 3187 da QUINA 14

19

23

44

67


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 8 de maio de 2013

e

11 POUPANÇA Captação líquida da poupança registra aumento de 32% no mês

conomia

INFLAÇÃO Gasto para comer fora de casa aumenta 140% em dez anos

Mães vão ganhar mais presentes neste ano Constatação é de pesquisa da Associação Comercial de São Paulo elaborada pelo Instituto Ipsos. Destaque para roupas e calçados.

Paula Cunha

N

este domingo, a perspectiva é de que as mães brasileiras serão mais presenteadas que em maio do ano passado. É isso o que indica a pesquisa de intenção de compra para a data, realizada pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP) em parceria com o Instituto Ipsos. De acordo com os dados apurados, houve crescimento na disposição para adquirir todos os itens analisados. O resultado é considerado positivo pois ele pode se traduzir em aumento real nas vendas da data, considerada a segunda melhor para o varejo depois do Natal, e apontar que o consumidor tem confiança em sua atual situação. Os presentes que mais se destacam são roupas e calçados com 52,7% da preferência dos entrevistados. Para Rogério Amato, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), "os dados da pesquisa evidenciam que, no Dias das Mães, o consumidor parece estar mais decidido a ir às compras, o que pode se traduzir em um bom resultado para o comércio nesta data". O economista da ACSP Emí-

lio Alfieri afirma que houve queda expressiva de 15,2% para 5,5% no total de consumidores que se declararam indecisos, o que indica que eles podem até decidir a compra na última hora, mas não deixarão de presentear suas mães. "No ano passado, o consumidor estava mais cauteloso",

diz o economista. Outro aspecto positivo do estudo, afirma Alfieri, é que a maioria dos itens avaliados apresentou aumento na intenção de compra (veja quadro). As únicas exceções são no caso de CDs e livros, com recuo de 6% para 5,4% e de lembrancinhas em geral, com

retração de 4,5% para 3,6%. Mesmo assim, Alfieri lembra que as diminuições não necessariamente prejudicarão o desempenho do varejo na data, pois estes itens têm menor valor em comparação com os demais avaliados. O economista destaca outro item do estudo que indica o

André Dusek/Estadão Conteúdo

O

Comissão aprova três alíquotas para o tributo e inclui comércio no sistema

Ficou mais complexo porque o sistema de desigualdade de alíquotas continua CLÁUDIO TRINCHÃO, SECRETÁRIO DE FAZENDA DO MARANHÃO para as zonas de livres de comércio traz risco de migração de operações para essas áreas. Essa é uma das maiores preocupações do governo paulista, que atacou duramente o texto aprovado pela Comissão. "O governo está se comprometendo a colocar um volume expressivo de recursos e quer que a reforma resolva os principais problemas. Ela não deve ser vista como uma vitória de A sobre B e vice versa", disse Barbosa. O governo foi surpreendido pela inclusão do comércio no sistema de alíquotas, a partir de uma emenda do senador Agripino Maia (DEM-RN). O

relatório de Delcídio, elaborado com o aval do governo, previa essas alíquotas apenas para bens industriais. Lindbergh acredita que esse ponto terá de ser renegociado na votação em plenário. A inclusão do comércio contrariou os Estados do Sul e Sudeste, que já haviam se conformado com os 7% para bens manufaturados. "Incluir comércio foi exagero", reclamou o secretário de Fazenda do Rio Grande do Sul, Odir Tonollier. Prejuízo – Foi também fixada a alíquota de 12% para o gás natural. "Essa decisão impõe aos Estados que cobrem, internamente, alíquotas superiores a 12% para não terem prejuízo", explicou José Tostes. "Isso impede que o gás, cujo uso é crescente na matriz energética, seja competitivo e barato." Na opinião do relator, a visão de que a complexidade do sistema aumentou é "falácia". Ele ponderou que, embora haja três alíquotas, 87% das transações se enquadrarão na alíquota de 4%, o que é algo próximo a uma unificação. (Estadão Conteúdo)

demonstrou cautela quanto à escolha da forma de quitar suas aquisições. A maioria deverá pagar as compras à vista, com exceção da geladeira e do fogão, mercadorias que serão adquiridas em grande maioria pelos consumidores das classes D e E, que preferem a modalidade parcelada para manter equilibrado seu orçamento doméstico. Na opinião de Alfieri, os dados indicam que a população pretende continuar consumindo, mas ela está cautelosa e prefere não comprometer seu orçamento com compromissos de longo prazo no caso da aquisição de itens de menor valor.

Metade dos MEIs era empregado formal, diz Ipea.

Senado Federal complica mudança no ICMS que começou como uma tentativa do governo de simplificar o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) terminou ontem, com a aprovação de um texto, na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, que estabelece um sistema tão ou mais complicado do que o atual. A matéria ainda será submetida ao Plenário, mas tende a receber alterações pontuais. "Ficou mais complexo porque continua o sistema de desigualdade de alíquotas", avaliou o secretário de Fazenda do Maranhão, Cláudio Trinchão, coordenador do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz). "Se o objetivo é racionalizar o ICMS, ele não será alcançado", disse o secretário de Fazenda do Pará, José Tostes. "Vai ficar complicado e caro para as empresas e difícil de controlar para os Estados", afirmou o secretário de Fazenda de Minas Gerais, Leonardo Colombini. O texto aprovado prevê três alíquotas do ICMS para as transações entre Estados: 4%, 7% e 12%, esta última para a Zona Franca de Manaus, as zonas de livre comércio e o gás natural. Um resultado ruim, se for considerado que a intenção inicial do governo federal, que propôs a reforma, era estabelecer uma única alíquota, de 4%. "Não era o que eu defendia, mas foi um passo importante", justificou o presidente da CAE, Lindbergh Farias (PT-RJ). As alíquotas diferentes são a base da guerra fiscal, por isso muitos especialistas acreditam que a batalha continuará. De acordo com o secretário executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, o governo não tem segurança se a extensão da alíquota de 12%

comportamento dos consumidores, como a intenção de 8,8% dos consumidores das classes D e E de comprar celulares, maior que os 5,4% entre os integrantes do segmento C. O dado, diz Alfieri, pode apontar mais confiança desta classe social na economia do País. O mesmo aconteceu com a televisão, pois 5,9% dos entrevistados deste grupo demonstraram intenção de adquirir este item contra a média de 1,8% da classe C. Formas de pagamento – Apesar do índice geral de maior intenção de compra de presentes para as mães, o consumidor que respondeu ao levantamento da ACSP/Ipsos também

Sílvia Pimentel

O

Boletim Radar nº 25 do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), lançado ontem em Brasília, destaca a figura jurídica do Microempreendedor Individual (MEI) como a mais abrangente política pública para o segmento das micro e pequenas empresas. De 2009 a fevereiro deste ano, mais de 2,7 milhões de brasileiros se formalizaram como microempreendedores individuais. Mas, na mesma publicação, um estudo feito para analisar os efeitos da política de formalização intitulado Empreendedor Individual: ampliação da base formal ou substituição do emprego? traz uma informação não esperada: quase a metade dos empreendedores cadastrados como MEIs (49,7%) eram empregados registrados entre os anos de 2006 e 2010. "São pessoas que foram demitidas e, para continuar no mundo formal, se tornaram microempreendedores individuais, um fato que pode indicar o uso da política de formalização por algumas empresas para substituir contratos trabalhistas por relações de prestação de serviços. É um efeito nocivo do programa", aponta o técnico João Maria de Oliveira. Ele sustenta essa tese com base na proporção de pessoas que se tornaram microempreendedores por vontade própria. Do universo de empreendedores que fizeram a migração do emprego com carteira assinada para o cadastro do MEI, apenas 6% pediram demissão. A maioria teve o contrato de trabalho rompido de forma involuntária. Os resultados da pesquisa foram obtidos a partir do cruzamento de duas bases de dados como o Cadastro do Microempreendedor Individual, cedido pelo Departamento Nacional de Registro Comercial (DNRC), do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e a Relação Anual de Informações Sociais (Rais) dos anos de 2006 a 2010. Ao analisar os dados das empresas que demitiram esses in-

divíduos, a pesquisa mostra que entre os ramos de atividades com alto índice de dispensa estão os restaurantes e serviços de alimentação e bebidas, locação de mão de obra temporária, construção e comércio varejista de roupas e acessórios. Quanto às ocupações mais relevantes que os microempreendedores tinham antes de serem demitidos, o levantamento apontou os trabalhadores de serviços, vendedores e escriturários. A figura jurídica do microempreendedor individual está prevista na Lei Complementar (LC) nº 128/2008, que estabelece limite de R$ 60 mil de faturamento anual para o enquadramento e elenca mais de 400 atividade permitidas. Para estimular as adesões, foram eliminados vários entraves burocráticos, como a necessidade de contratar contadores e a dispensa da emissão de documento fiscal. Um microempreendedor individual é isento dos tributos federais.

Informações nos CATs

O

s 31 Centros de Apoio do Trabalho (CATs) coordenados pela Secretaria Municipal do Desenvolvimento, Trabalho e Empreendedorismo, passam a atender os Microempreendedores Individuais (MEIs) que desejam informações sobre a figura jurídica do Simples Nacional e como abrir o próprio negócio. No ano passado, 10 mil pessoas se formalizaram como MEIs na cidade de São Paulo. E no primeiro trimestre do ano, o número chegou a 222.487 cadastros. As categorias mais procuradas são o comércio de artigos de vestuário e acessórios (30.015), cabeleireiros (18.801) e atividades de estética e serviços de beleza com 14.649 formalizações. (SP)


12 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 8 de maio de 2013


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 8 de maio de 2013

e

13

Influenciou o apoio ao embaixador o sentimento de que ele não precisava ser treinado para o cargo: estava treinando para o jogo e para chutar ao gol. Antonio Patriota, ministro das Relações Exteriores.

conomia

Azevêdo, um brasileiro na OMC. O diplomata brasileiro venceu seu oponente Hermínio Blanco, ex-ministro do Comércio mexicano, e comandará a organização que zela pelo comércio internacional.

O

diplomata brasileiro Roberto Azevêdo, 55 anos, será o próximo diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), sucedendo o francês Pascal Lamy. É o primeiro latino-amerciano a chefiar a organização desde sua criação, em 1995. A decisão, anunciada ontem em Genebra, foi confirmada pelo Itamaraty às 15 horas de ontem (horário de Brasília). Ao mesmo tempo em que a notícia era divulgada, a presidente Dilma Rousseff ligava para o diplomata para cumprimentá-lo. O detalhamento dos votos não saiu, mas pela manhã o governo brasileiro calculava 93 votos favoráveis a Azevêdo, 13 além dos 80 necessários para alcançar a maioria e obter a vitória. Azevêdo derrotou o exministro do Comércio mexicano Hermínio Blanco, 62 anos – que informou ontem mesmo que não contestará o resultado –, em competição de três rodadas. O processo começou no final de março, com nove candidatos – maior número na história da OMC. Na segunda fase, encerrada no dia 25, ficaram cinco. No final de abril, a OMC comunicou que iriam à rodada final apenas os candidatos brasileiro e mexicano. Fontes envolvidas no processo disseram que a campanha de Blanco ganhou força após o mexicano conquistar, com mar-

Luke MacGregor/Reuters

gem estreita, o apoio da União Europeia. Mas a UE deixou claro que aceitaria qualquer um dos candidatos, concedendo a Azevêdo espaço mais amplo em meio aos 159 membros da OMC. O brasileiro teve apoio do grupo Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), dos países de língua portuguesa e de várias nações da América Latina, da Ásia e da África. O resultado da competição será anunciado formalmente hoje. Azevêdo deve ser confirmado como vencedor em reunião no próximo dia 14, assumirá o cargo em 1º de setembro e enfrentará logo depois um batismo de fogo – a reunião bianual de ministros da OMC, que ocorrerá em Bali em dezembro. A organização baseada em Genebra enfrenta dificuldades para alinhar um acordo para Bali, apesar de reduzir fortemente suas ambições após fracassar em seus esforços de dez anos para concluir a rodada de Doha de discussões sobre liberalização do comércio internacional. O acordo em Bali tem o objetivo de reduzir a burocracia ao padronizar procedimentos alfandegários, levando a um possível impulso de trilhões de dólares à economia mundial, introduzindo ao mesmo tempo novas regras para promover segurança de alimentos e concessões para países mais pobres. (Agências)

Para Patriota, Doha é prioridade.

P

Edgard Garrido/Reuters

Nos cálculos do governo brasileiro, Roberto Azevêdo (acima) pode ter recebido 93 votos favoráveis, 13 além dos 80 necessários para alcançar a maioria e obter a vitória sobre o mexicano Hermínio Blanco (ao lado). Este reconheceu o resultado e informou que não o contestará. O brasileiro deve assumir o cargo no dia 1º de setembro.

As repercussões Doha será a prioridade de Azevedo. As negociações estão paradas há muito tempo e certamente seus primeiros esforços serão voltados para que as discussões sejam retomadas. Ele estará à frente de uma organização que defende o interesse da maioria. Não haverá facilidade para o Brasil nas negociações, como não haveria para outro país que tivesse um representante na direção". Embaixador Rubens Barbosa É a OMC que vai ganhar, com a presença de uma personalidade da relevância de Azevêdo. O Brasil aumentou fortemente nos últimos anos o nível de importações, provando que tem as condições de ser ativo participante nas decisões do comércio internacional". Murilo Ferreira, presidente da Vale Além de fortalecer ainda mais o sistema multilateral de comércio, a eleição de Roberto Azevêdo é prova da importância crescente que o

Brasil vem assumindo no cenário internacional. É motivo de orgulho para o País ter um brasileiro no comando de organização tão importante como a OMC". Paulo Skaf, presidente da Fiesp/Ciesp A capacidade, experiência e habilidade do embaixador à frente da OMC será benéfica para a comunidade internacional. Todos os países ganharão, pois há mais chances de a Rodada de Doha destravar". Lilia Miranda, diretora executiva da Associação Brasileira de Empresas de Comércio Exterior (Abece) A principal tarefa de Azevêdo será a de colocar a OMC em movimento, já que ela está parada há muito tempo. No cargo de diretor-geral, ele deve procurar resolver as pendências existentes e por vir, além de agregar e impedir que haja cisão entre grupos de países". Roberto Segatto, presidente da Associação Brasileira de Comércio Exterior (Abracex).

(A disputa brasileira com os EUA na questão do algodão) foi um caso emblemático. Na época da condenação, optou pela não retaliação e pela negociação. É uma atuação dele que demonstra que ele é plenamente capaz para assumir o cargo, pois sabe como lidar com situações delicadas". Marcelo Reis, presidente da Associação dos Analistas de Comércio Exterior (Aace). É uma vitória arquitetada nos últimos dez anos. Ela vem de uma série de conquistas brasileiras, mas representa mesmo uma consolidação de uma mudança da governança global. O que apressou esse processo (de uma nação emergente assumir a OMC) foi uma atitude visível e notória na reeleição do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, de que o país passaria a ter uma atitude mais agressiva no comércio internacional". Leonardo Trevisan, professor de Relações Internacionais da ESPM.

COMECE BEM SUA CONSTRUÇÃO OU REFORMA CON

T UÇ NSTR S PARA CO Desde 1926

de sd em ferramenta de de produtos dade. ici da ti at rie pr va e e or ai ad m id encontra a o, com qual cê ad vo liz ti cia en pe im es zz to Na Pi r atendimen além do melho todos os tipos,

A betoneira é massa!

R

para a questão. “É a única maneira de passar a mensagem de que nos preocupamos com o sistema de solução de controvérsias da OMC e com nossos setores que estão sendo prejudicados”. Outro contencioso vencido por Azevêdo na OMC teve como ponto de discórdia a decisão da União Européia de extrapolar o limite anual de exportação de açúcar estipulado pela organização. "Discordamos categoricamente de qualquer afirmação em que pese que os europeus estão fazendo algo compatível com suas obrigações na OMC e com a decisão do Órgão de

Solução de Controvérsias sobre os subsídios ao açúcar”, avisou o representante brasileiro à época. “A União Européia tem que cumprir as determinações”. Azevêdo é diplomata de carreira desde 1984. Foi o principal assessor econômico do então chanceler Luiz Felipe Lampreia, entre (1995/1997). Em 2001 participou da criação da coordenadoria geral de contenciosos do Ministério das Relações Exteriores e em 2005 se tornaria chefe do departamento econômico do ministério. Entre 2006 e 2008 foi sub-secretário geral de assuntos econômicos. (DC)

BOR Botina com solado em borracha • Vulcanizada • Braquiada Palmilh antimicróbica • Palmilha Uma botina com U vida maior que as vi convencionais

Várias opções de artigos a llaser para medição. Impermeabilização Proteja e valorize seu imóvel, impermeabilizando sua obra ou reforma

Contenciosos fizeram reputação oberto Azevêdo é representante permanente da Organização Mundial do Comércio (OMC) desde 2008. É considerado um hábil negociador, reputação que ganhou com atuações vencedoras em embates com os Estados Unidos, que levaram o governo norte-americano a retirar os subsídios para seus produtores de algodão, que prejudicariam os algodoeiros brasileiros. Nesse contencioso, o Brasil ganhou o direito de impor retaliações aos EUA. Em uma de suas manifestações a respeito dessa disputa, Azevêdo afirmou que as retaliações seriam a única saída

ara o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, a eleição de Azevêdo significa que há uma “ordem internacional em transformação, que é de países emergentes que demonstram liderança”. O chanceler disse também que a vitória do brasileiro se deve a sua trajetória profissional. “Um dos aspectos que influenciou o apoio ao embaixador foi o sentimento de que ele não precisava ser treinado para o cargo: estava treinando para o jogo e para chutar ao gol”, disse. Para o ministro, o momento é de construção para se tentar retomar as negociações da Rodada Doha, cujo objetivo é construir um amplo acordo de liberalização do comércio. “Não há razão alguma para se nutrir ressentimentos”, destacou Patriota. “É com esse espírito que o embaixador Roberto Azevêdo assume as novas funções, na importância de se avançar na Rodada Doha”, completou ele. “[Li no jornal] Financial Times que o candidato era bom, mas o país também era bom". (Agência Brasil)

Lavadoras

Linha completa com os melhores preços do mercado. Ferramentas Elétricas

Rua Carneiro Leão, 143 - Brás - São Paulo/SP Fone: 11

3340-7200 • Fax: 11 3340-7202

.com.br


14

e Parceria Microsoft e Wayra apoia mais três startups conomia

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Temos mais de 700 mil parceiros no mundo que precisam de inovação e essas startups conseguem inovar de forma mais rápida Sílvia Valadares, gerente de startups da Microsoft. Divulgação

Empreendedores receberão investimentos de US$ 60 mil cada, durante dois anos. O montante inclui uso de tecnologias da Microsoft e a mentoria da Wayra. Karina Lignelli

A

procura por novos talentos não para: mais três empresas de base digital criadas por jovens empreendedores receberão apoio da parceria Microsoft Brasil/Wayra Brasil (aceleradora de startups da Telefônica) através do programa BizSpark PLUS, conforme anunciado ontem pelas duas companhias. Com isso, a Vozero (rede social de mensagens curtas de voz), a BovControl (ferramenta mobile de coleta de dados na atividade pecuária) e a ProprietárioDireto (rede social para compradores e vendedores de imóveis), receberão investimentos de US$ 60 mil cada uma durante dois anos. Isso inclui uso de tecnologias da Microsoft e a mentoria da Wayra. Quatro jovens empresas de tecnologia selecionadas pela Wayra vêm utilizando o benefício da parceria com a Microsoft desde janeiro – caso da Qranio (plataforma de aprendizado com quiz interativo), aaTag (que permite identificação pessoal em um segundo), Spotwish (aplicativo mobile de geolocalização que

considera interesses e gostos pessoais) e a ProDeaf (tecnologia de acessibilidade para surdos). De acordo com a gerente de startups da Microsoft, Sílvia Valadares, o objetivo do BizSpark Plus, que existe desde 2008 e já apoiou 3 mil empreendedores, é criar um relacionamento de longo prazo com a companhia, que investe em empreendedorismo por acreditar que esse é um "motor de crescimento" para o País. "Estruturamos com eles oportunidades de negócios e até mesmo como vender produtos para que ganhem dinheiro", explica. "Temos mais de 700 mil parceiros no mundo que precisam de inovação, e essas startups conseguem inovar de forma mais rápida, além de oferecer novos produtos ao mercado. A gente ganha em inovação, por isso, queremos 'promover' essa inovação". Nas nuvens – O programa BizSpark da Microsoft, que ganhou a extensão PLUS em fevereiro de 2012, agora permite às startups selecionadas o acesso grátis e ilimitado aos serviços do Windows Azure, plataforma da Microsoft de desenvolvimento na nuvem.

"O que faz a diferença com essa oferta para as startups é que consegue ser muito ágil para disponibilizar produtos e serviços. E ajuda a economizar caixa – muito importante para quem está começando. É agilidade a custo eficiente", diz Richard Chaves, da área de novas tecnologias e inovação da Microsoft Brasil. Para o diretor da Wayra Brasil, Carlos Pessoa, essa parceria beneficia o empreendedor de startup em dois pontos críticos para ganhar mais eficiência: tempo para testar e colocar seu produto rapidamente no mercado – antes que alguém o faça –, e dinheiro – insuficiente na fase inicial para investir em tecnologia e para contratar. "A parceria (entre Microsoft e Wayra) faz exatamente isso: ajuda o empreendedor a ganhar tempo com a infraestrutura de nuvem, que ajuda rapidamente a prototipar e colocar a solução no mercado com ajuda dos experts da Microsoft. Assim como os US$ 60 mil, que o empreendedor teria que arranjar de outra forma para acessar essas tecnologias. Ou seja: com uma tacada, matamos dois coelhos".

O fabricante acredita que o cofre pode interessar aos supermercados de médio porte

Se o dinheiro é falsificado, o próprio cofre avisa. Paula Cunha

P

esquisa do Banco Central (BC) mostra que mais da metade – 55% – da população economicamente ativa brasileira recebe salário em dinheiro. Quando vão às compras, 72% dos brasileiros preferem pagar em espécie, apesar do avanço da bancarização no País. Acontece que há muito dinheiro falso em circulação: segundo o mesmo BC, em 2012 foram recolhidas 498 mil cédulas falsificadas, quase um terço delas na cidade de São Paulo. Além disso, segundo a mesma fonte, 33% da população já receberam uma nota falsa em algum momento. Para tranquilizar consumidores e comerciantes, a Gunnebo Gateway Brasil acredita ter a solução. Trata-se de um cofre inteligente, apresentado na 29ª edição da Apas 2013 – Congresso e Feira de Negócios em Supermercados, que está acontecendo na capital

paulista até amanhã. A principal característica da máquina é que ela detecta notas falsas. A empresa decidiu apresentar o produto na Apas 2013 com o objetivo de conquistar supermercados de médio porte. Além de armazenar dinheiro com segurança e verificar se as notas recebidas são verdadeiras ou falsas o cofre avisa quando está danificada. Conta com um mecanismo que faz o inventário do saldo guardado e identifica quem realizou os depósitos. Permite ainda o acesso a todos os processos de gestão de tesouraria, do depósito do dinheiro no equipamento ao transporte ao banco. Adriano Sambugaro, diretor de marketing, explica que o cliente pode comprar ou alugar o modelo de pequeno porte do cofre. A empresa também colocou em seu estande o cofre maior, destinado a empresas com maior fluxo de negócios diários para conquistar redes varejistas com diversas unidades. Ele não acredita que o crescimento da utilização de

cartões de débito e crédito no dia a dia seja um entrave à expansão do uso da máquina, pois há diversos campos que podem ser explorados. "Hoje, 90% dos gastos das classes C e D são quitados em dinheiro, diz o Banco Central", lembrou. Além disso, há os jovens em situação de primeiro emprego e que não têm conta em banco. Fluxo – Outro produto apresentado pela empresa é o contador de fluxo de pessoas que circulam em uma loja. Tratase de um par de pedestais instalados que registram entrada e saída de consumidores. Sambugaro informou que este tipo de estatística pode ser útil para o varejista detectar os dias de maior movimento e, com esta informação, elaborar estratégias como ofertas em momentos de fluxo maior. A tecnologia utilizada é a wifi e permite a coleta de dados por hora, dia, semana ou mês, de acordo com a necessidade do lojista. O preço do produto varia de acordo com o porte do estabelecimento.

OVER THE TOP NETWORKS S.A CNPJ: 14.207.998/0001-04 Balanços Patrimoniais Levantados em 31 de Dezembro de 2012 e de 2011 (Valores expressos em milhares de reais) Nota Nota Ativo explicativas 2012 2011 Passivo explicativas 2012 Circulante 5.048 10 Circulante 941 Caixa e equivlentes de caixa 4 4.199 10 Fornecedores 6 Clientes 5 830 - Obrigações Trabalhistas 10 151 Despesas Antecipadas 6 19 - Obrigações Sociais 11 64 Não circulante 67 6 Obrigações Fiscais 12 543 Realizável a longo prazo: Outras Obrigações a Pagar 13 35 Investimentos 7 14 - Partes Relacionadas 5 Imobilizado 8 39 - Provisões 14 137 Intangivel 9 14 6 Não circulante 70 Total do ativo 5.115 16 Receitas Diferidas 15 70 Patrimônio líquido 4.104 Demonstrações das Mutações do Patrimônio Líquido Capital social 17 50 Nota Capital Prejuízo Reserva 17 4.054 Explicativas Social Acum. de Lucros Total Reserva de Lucros Total do passivo e patrimônio líquido 5.115 Saldos em 31/12/2011 17 10 (10) Integralização do Capital Prejuízo do Período Lucro do Periodo Distribuição de Lucro Saldos em 31/12/2012

17

40 50

10 -

40 (10) 4.764 4.764 (700) (700) 4.054 4.104

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras (Valores expressos em milhares de reais - R$, exceto quantidade e valor das ações) 1. Contexto operacional - A Over The Top Networks S/A (“Sociedade”), com sede à Rua do Rocio nº 199 9º andar conjuntos 91 e 92, Vila Olímpia, na cidade de São Paulo, foi constituída em 22 de julho de 2011, tendo como objeto social a prestação de serviços de desenvolvimento, instalação e manutenção de software, de produção de multimídia e vídeo, de publicidade e propaganda, de acesso e manutenção de página na internet e de locação de máquinas, equipamentos e outros bens móveis. 2. Apresentação das demonstrações financeiras - 2.1. Declaração de conformidade - As demonstrações financeiras foram elaboradas e estão apresentadas em conformidade com as práticas contábeis adotadas no Brasil, as quais abrangem a legislação societária brasileira e os pronunciamentos técnicos e as orientações e interpretações técnicas emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC, que já foram aprovados pelo Conselho Federal de Contabilidade - CFC. 2.2. Base de elaboração - As demonstrações financeiras foram preparadas com base no custo histórico, exceto se indicado de outra forma. O custo histórico geralmente é baseado no valor justo das contraprestações pagas em troca de ativos. 3. Principais práticas contábeis - 3.1. Moeda funcional e de apresentação - As demonstrações financeiras da Sociedade são apresentadas em reais (R$), que é a moeda funcional e de apresentação. 3.2. Uso de estimativas - A preparação das demonstrações financeiras requer a adoção de estimativas por parte da Administração da Sociedade que impactam certos ativos, passivos, receitas e despesas. Uma vez que o julgamento da Administração envolve estimativas referentes à probabilidade de ocorrência de eventos futuros, quando de sua efetiva realização em períodos subsequentes, os montantes reais podem divergir dessas estimativas. As principais estimativas utilizadas pela Administração da Sociedade na preparação das demonstrações financeiras referem-se À determinação de provisões para manutenção, determinação de provisões para investimentos futuros oriundos de contratos de prestação de serviços e provisões para riscos fiscais, as quais, apesar de refletirem a melhor estimativa possível por parte da Administração da Sociedade, podem apresentar variações em relação aos dados e valores reais. 3.3. Instrumentos financeiros - Caixa e equivalentes de caixa - São representados por fundo fixo de caixa, recursos em contas bancárias de livre movimentação e aplicações financeiras cujos saldos não diferem significativamente dos valores de mercado, com vencimento até 90 dias da data da aplicação, ou considerado de liquidez imediata ou conversíveis em um montante conhecido de caixa e que estão sujeitos a um insignificante risco de mudança de valor, os quais são registrados pelos valores de custo acrescidos dos rendimentos auferidos até as datas dos balanços, que não excedem o seu valor de mercado ou de realização. Contas a receber - Refere-se substancialmente aos valores a receber por meio de depósitos em conta corrente, decorrentes da prestação de serviço de desenvolvimento, instalação e manutenção de software, produção de multimídia e vídeo, de acesso e manutenção de página na internet, são registrados com base nos valores nominais, os quais não são ajustados a valor presente por apresentarem vencimentos a curto prazo e não resultar em efeito relevante nas demonstrações financeiras. 3.4. Imobilizado - Registrados ao custo de aquisição, com as respectivas depreciações registradas pelo método linear, de acordo com a vida útil estimada dos bens. Um item do imobilizado é baixado após alienação ou quando não há benefícios econômicos futuros resultantes do uso contínuo do ativo. Quaisquer ganhos ou perdas na venda ou baixa de um item do imobilizado são determinados pela diferença entre os valores recebidos na venda e o valor contábil do ativo e são reconhecidos no resultado. A Sociedade optou pela manutenção dos custos históricos dos bens do ativo imobilizado, em vez de utilizar o “custo atribuído” (“deemed cost”), conforme opção prevista nos parágrafos 20 a 29 da interpretação técnica ICPC10 - Interpretação sobre a Aplicação Inicial ao Ativo Imobilizado e à Propriedade para Investimento dos Pronunciamentos Técnicos CPCs27, 28, 37 e 43, para registro do saldo inicial do ativo imobilizado na adoção inicial do pronunciamento técnico CPC27 e da interpretação técnica ICPC10. O procedimento de revisão de vidas úteis é efetuado anualmente. 3.5. Intangível - Em conformidade com o ICPC, os ativos intangíveis com vida útil definida , são registrados ao custo de aquisição com as respectivas amortizações, e das perdas acumuladas por redução ao valor recuperável registradas. Impostos correntes - A provisão para imposto de renda e contribuição social baseia-se no lucro tributável do exercício. O lucro tributável difere do lucro apresentado nas demonstrações do resultado, porque exclui receitas ou despesas tributárias ou dedutíveis em outros exercícios, além de excluir itens não tributáveis ou não dedutíveis de forma permanente. 3.6. Provisões para riscos - Reconhecidas quando a Sociedade tem uma obrigação presente, legal ou não formalizada, como resultado de eventos passados, em que é provável que uma saída de recursos seja necessária para liquidar a obrigação e uma estimativa confiável do valor possa ser feita. 3.7. Receita - A receita é mensurada ao valor justo da contraprestação recebida ou a receber, deduzidas de quaisquer estimativas de deduções. A receita é reconhecida no período de competência. 3.8. (Prejuízo) lucro por ação - A Sociedade apura o (Prejuízo) lucro por ação do exercício, ponderando as quantidades de ações em circulação durante o exercício. Para os exercícios apresentados, a Sociedade não possui nenhum instrumento potencial equivalente a ações ordinárias que pudesse ter efeito dilutivo, desta forma, o (Prejuízo) lucro básico por ação é equivalente ao (Prejuízo) lucro por ação diluído.

4. Caixa e equivalentes de caixa Bancos - conta corrente Aplicações financeiras–CDB*

2011 17 1 9 7 (1) 10 (11) 16

31/12/2012 31/12/2011 26 10 4.173 4.199 10 (*) Representa Certificado de Depósito Bancário – CDB DI, ajustado a uma taxa de 83,00% a 99,50% do Certificado de Depósito Bancário – CDB DI e t Mais , podendo ser resgatado a qualquer tempo sem prejuízo do rendimento auferido. 5. Contas a receber 31/12/2012 31/12/2011 Terra Networks Brasil S/A 830 Total 830 Valores a receber de clientes decorrentes das prestações de serviços, cujo prazo máximo de recebimento é de aproximadamente 30 dias. Em 31 de dezembro de 2012 não havia saldos vencidos nem provisão para devedores duvidosos constituída 6. Despesas antecipadas 31/12/2012 31/12/2011 Seguros a Vencer 19 Total 19 7. Imvestimentos 31/12/2012 31/12/2011 Obra de arte 14 Total 14 8. Imobilizado 31/12/2012 31/12/2011 Taxa anual Custo Deprec. deprec. % Aquis. acum. Líquido Líquido Máq. e Acess.de Escrit. 10 1 1 Comput. e periféricos 20 13 (1) 12 Aparelhos e acessórios 10 2 2 Móveis e utensílios 10 24 24 Total do Custo 40 (1) 39 9. Intangível 31/12/2012 31/12/2011 Taxa anual de Custo de Amortiz. Intangível amortiz. - % aquisição acum. Líquido Líquido Marcas e Patentes 6 6 Software 20 8 8 Total 8 14 6 10. Obrigações trabalhistas 31/12/2012 31/12/2011 Salário a Pagar 151 Total 151 11. Obrigaçoes socias 31/12/2012 31/12/2011 INSS a Recolher 38 FGTS – a Recolher 24 Contribuição Sindical a Recolher 2 Total a recolher 64 12. Obrigações Fiscais a) Impostos a Recolher 31/12/2012 31/12/2011 ISS – Imposto sobre Serviços 26 IRRF – Imposto de Renda Retido na Fonte 47 IRPJ a Recolher 188 Contribuição Social s/ Lucro a Recolher 62 Retenções a Recolher – Lei 10.833/03 1 1 Contribuição Previdenciaria s/ Faturamento 28 Total a recolher 352 1 b) Provisão de Impostos 31/12/2012 31/12/2011 Provisão para CSLL a Recolher 44 Provisão para IPRJ a Recolher 117 Provisão para PIS a Recolher 5 Provisão para COFINS a Recolher 25 Total a recolher 191 Por se tratar de uma empresa pelo optante pelo regime de tributação com base no lucro presumido os impostos foram contabilizados pelo regime de competência, porém recolhidos pelo regime caixa, os valores provisionados acima representam os impostos sobre o faturamento não recebido até 31/12/2012. 13. Outras contas a pagar 31/12/2012 31/12/2011 Pró–Labore a pagar 2 Aluguel a pagar 13 Honorários a pagar 8 Assistência Contábil a pagar 2 Seguros a Pagar 17 Outros 1 1 Total 35 9 14. Provisões 31/12/2012 31/12/2011 Provisão de Férias 137 Total 137 15. Receitas diferidas 31/12/2012 31/12/2011 Receita Financeira Pro-rata 70 Total 70 Receita sobre aplicação financeira contabiliza mensalmente como diferida, e realizada como receita do período quando ocorre o resgate da aplicação. 16. Provisão para riscos - A Sociedade, no curso normal de suas operações, não possui processos que requeressem a constituição de provisão para riscos contingenciais na data de encerramento das demonstrações financeiras. 17. Patrimônio líquido - a) Capital Social - Em 31 de dezembro de 2012 , o capital social subscrito é de R$ 50 ,correspondente a 50.000 de ações ordinárias, nominativas sem valor nominal, conforme demonstrado a seguir: Quant. de ações Partic. Quant. de subscritas - % ações integraliz. Ricardo Alberto Arouca Cidale 19.000 38,00 19.000 Reynaldo Penharrubia Fagundes 15.000 30,00 15.000 Antonio Ferreira da Silva Neto 10.000 20,00 10.000 Alessandra Arouca Cidade 5.500 11,00 5.500 Adriano Falce Vianna 500 1,00 500 50.000 100,00 50.000

Demonstrações dos Resultados e Resultados Abrangentes Nota Receita Bruta de Serviços Explicativas 2012 2011 Serviços Prestados 18 4.555 Serviços Prestados - Exterior 3.902 Deduções da Receita Bruta Impostos incidentes sobre Serviços 18 (379) Receita Operacional Líquida 19 8.078 Custo dos Serviços (1.651) Lucro Bruto 6.427 Receitas (Despesas) Operacionais Despesas Administrativas 19 (692) (10) Despesas Tributarias 19 (6) Luc. (Prej.) Operac.Antes do Result.Financ. 5.729 (10) Resultado Financeiro Despesas financeiras 20 (6) Receitas financeiras 28 Lucro (Prejuízo) Operacional 5.751 (10) Lucro (Prej.) Antes do IR e da Contrib. Social 5.751 (10) Contribuição Social 19 (266) Imposto de Renda 19 (721) Luc. Líq.(Prej.) do Exerc. Antes da Part. Minorit. 4.764 (10) Demonstrações do Fluxo de Caixa Fluxo de Caixa das Atividades Operacionais Lucro do Exercício Aj. p/conc. o lucro líq. c/o caixa ger. p/ativid. operacionais: Depreciações e amortizações Distribuição de lucros Provisões de Férias e Encargos Sociais Redução (aumento) dos ativos operacionais: Clientes Despesas antecipadas Obrigações Trabalhistas Obrigações Sociais Obrigações Fiscais Outras Contas a Pagar Caixa líquido gerado pelas atividades operacionais Fluxo de caixa das atividades de investimento Aquisição de Investimentos Aquisição de Imobilizado Adições ao Intangível Receitas Diferidas Aporte de Capital Caixa líquido utilizado nas atividades de investimento Aumento (Dim.) do Saldo de Disponib. (*), Líquido Disponibilidades no Início do Período Disponibilidades no Fim do Período

2012 4.764

Falências em abril dentro das expectativas

2011 (10)

2 (700) 137

-

(830) (19) 151 64 543 30 4.142

1 15 6

(15) (40) (8) 70 40 47 4.189 10 4.199 4.189

(6) 10 4 10 10 10

31/12/2012 31/12/2011 b) Lucros / Prejuízos Acumulados 4.054 (11) 18. Receita líquida de serviços 31/12/2012 31/12/2011 Receita operacional bruta: Receita de serviços prestados 4.555 Receita de serviços prestados - exterior 3.902 DeduçõesImpostos incidentes sobre serviços (379) Receita operacional líquida 8.078 19. Despesas e custos por natureza 31/12/2012 31/12/2011 Custo dos serviços vendidos (1.651) Despesas administrativas (692) (10) Despesas tributárias (6) Contribuição Social S/ Lucro Líquido (266) Imposto de Renda Pessoa Jurídica (721) Total das Despesas (3.336) (10) 20. Resultado financeiro 31/12/2012 31/12/2011 Receitas financeiras: Rendimento de aplicações 28 Total das Receitas 28 Despesas financeiras: Despesas bancárias (2) Juros passivos (4) Total das despesas (6) 21. Instrumentos financeiros - De acordo com a sua natureza, os instrumentos financeiros podem envolver riscos conhecidos ou não, sendo importante, no melhor julgamento, o potencial desses riscos. Assim, podem existir riscos com garantias ou sem, dependendo de aspectos circunstanciais ou legais. Os principais fatores de risco de mercado que podem afetar o negócio da Sociedade são os seguintes: a) Valor justo dos instrumentos financeiros - Em decorrência dos principais instrumentos financeiros estarem indexados a taxas de juros em mercados pós fixados, a Administração da Sociedade entende que os valores se aproximam dos valores justos nas datas de encerramento das demonstrações financeiras. b) Categorias de instrumentos financeiros 31/12/2012 31/12/2011 Ativos financeiros - Empréstimos e recebíveis: Caixa e equivalentes de caixa 4.199 10 Contas a receber 830 Passivos financeiros - Outros passivos financeiros: Fornecedores Diversos 6 Contas a pagar 35 9 c) Exposição a risco de taxa de juros - As aplicações financeiras da Sociedade são basicamente mantidas em operações vinculadas à remuneração do CDB. O risco inerente a esses ativos surge em razão da possibilidade de existirem flutuações nessas taxas. A Sociedade não tem pactuado contratos de derivativos para fazer “hedge” contra esse tipo de risco em 31 de dezembro de 2012. Contudo, há um monitoramento contínuo das taxas de mercado com o propósito de se proteger contra o risco de volatilidade. Os valores de mercado dessas operações não diferem substancialmente daqueles registrados nas demonstrações financeiras de 31 de dezembro de 2012. e) Concentração de risco de crédito - A Sociedade mantém contas correntes bancárias e aplicações financeiras com instituições de primeira linha aprovadas pela Administração de acordo com critérios objetivos para diversificação de riscos de créditos. 22. Aprovação das demonstrações financeiras - As demonstrações financeiras foram aprovadas pela Administração e autorizadas para emissão em de abril de 2012. Diretor - Antonio Ferreira da Silva Neto Contador - Rodney Monteiro Meles - CRC -SP nº 1SP132178-O/5

O

número de falências em abril registrou aumento de 25,7% em abril ante o mês anterior em todo o território brasileiro, de acordo com os dados da Boa Vista Serviços, administradora do Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC). Os dados foram divulgados ontem e apontam, também, que o acumulado do ano, de janeiro a abril apresentou elevação de 6,7% em comparação com o primeiro quadrimestre do ano passado. O estudo indicou que as falências decretadas registraram alta de 39,3% em abril em comparação com o resultado de março e majoração de 26,9% ante abril do ano passado. No

acumulado do ano, o volume foi 17,6% superior ao mesmo período de 2012. No caso dos pedidos de recuperação judicial e os deferimentos de recuperação judicial registraram expansão no acumulado de 2013 de 14,7% e de 53,4%, respectivamente. De acordo com a Boa Vista Serviços, os números estão dentro das expectativas do mercado. Os dados foram obtidos por meio do banco de dados da empresa, que é composto por mais de 350 milhões de informações comerciais sobre consumidores e empresas e mais de 42 milhões de registros de transações de negócios realizadas em todo o Brasil. (DC)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 8 de maio de 2013

e

15 Não estamos trabalhando com Plano B, estamos trabalhando com a aprovação da medida provisória. Arlindo Chinaglia (PT-SP), líder do governo na Câmara

conomia

Indefinição ameaça a MP dos Portos Governo enfrenta dificuldades para aprovar medida provisória considerada como novo marco regulatório do setor portuário no País. Prazo termina dia 16.

O

g o v e r n o t e m e nfrentado dificuldades em seus esforços para aprovar a Medida Provisória dos Portos e ainda não há garantias de que o novo marco regulatório do setor, considerado essencial pela presidente Dilma Rousseff para atacar um dos principais gargalos do País, será aprovado nesta semana na Câmara. Caso a medida provisória não seja aprovada pelos deputados nesta semana, dificilmente haverá tempo para a aprovação do texto tanto na Câmara como no Senado até o dia 16 de maio, quando a MP perde a validade. A presidente tem feito reuniões desde a semana passada com o vice-presidente Michel Temer e com as ministras Gleisi Hoffmann (Casa Civil) e Ideli Salvatti (Relações Institucionais) para tentar garantir a aprovação da MP. Ela também incluiu em seus últimos discursos apelos para que o Congresso aprove as novas regras para funcionamento dos portos no País, que ela considera essenciais para melhorar a competitividade. Antes de levarem a MP dos Portos à votação no plenário, os parlamentares ainda terão de votar outras duas medidas provisórias, uma que trata sobre a ampliação do programa Brasil Carinhoso e outra que amplia o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec). Esforço – "Vamos ter que fazer esforço muito grande para votar as duas medidas provisórias para a gente se concentrar na MP dos Portos", disse o líder do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), depois de se reunir com os líderes de partidos aliados. A base aliada, contudo, está dividida em relação ao texto aprovado na comissão especial. O líder do PMDB, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), quer modificar o texto da comissão por meio de emendas no plenário.

Paulo Liebert/EC

Já o deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), que preside a Força Sindical, questiona mudanças feitas no texto aprovado na comissão e que não teriam sido acordadas com os trabalhadores. C us t os – Algumas mudanças permitidas pelo governo na MP dos Portos vão aumentar em até 30% o custo de contratação de mão de obra nos terminais de portos públicos no País. O cálculo foi feito pela Comissão Portos, órgão que reúne 18 entidades de operadores, empresários e usuários de portos no País, entre eles a Confederação Nacional da Indústria (CNI), a Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base e a Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim). O texto que o governo havia negociado inicialmente com o relator da MP no Congresso, o senador Eduardo Braga (PMDB-AM), era aceito por algumas entidades que compõem a comissão. Elas vinham se posicionando a favor da aprovação da proposta, mas agora o grupo resolveu questionar a ampliação dos direitos dos trabalhadores nos portos públicos. Para a comissão, o sistema de contratação ficou mais complexo e isso vai elevar os custos. Terminais em portos públicos eram livres para contratar, no mercado, trabalhadores que não operam dentro do navio (a chamada capatazia), caso não houvesse empregados avulsos disponíveis nos órgãos gestores de mão de obra dos portos. A contratação de um avulso custa, em média, três vezes mais que o valor gasto com um trabalhador vinculado (aquele que trabalha para apenas uma companhia). Isso ocorre pela falta de vínculo com o contratante – ele pode trabalhar para várias empresas, mas não tem serviço garantido. No texto que o Palácio do Planalto enviou ao Congresso,

Produção de veículos sobe a patamar inédito

A

produção brasileira de veículos subiu 6,8% em abril na comparação com março, para 340,9 mil unidades, no melhor resultado mensal da história, informou ontem o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Moan. Na comparação com abril de 2012, houve alta de 30,7%, segundo a entidade. Com isso, no acumulado dos quatro primeiros meses do ano, a produção de veículos no Brasil somou 1,17 milhão de unidades, 17% acima do fabricado em igual período de 2012. Antes do recorde de abril, a maior produção já registrada em um único mês pela indústria de veículos do País ocorreu em agosto do ano passado, com 329,3 mil unidades, quando também houve recorde mensal de vendas. O desempenho da produção em abril foi ajudado por um período maior de dias úteis na comparação anual e mensal e

por vendas também recordes para o mês, que somaram 333,7 mil veículos. O volume de licenciamentos de abril corresponde a uma alta de 17,5% sobre março e a crescimento de 29,4% sobre abril de 2012. No quadrimestre, o setor acumula vendas de 1,16 milhão de veículos, 8,2% mais que no mesmo período do ano passado. Isoladamente, a produção de caminhões cresceu 7% sobre março e 56,5% sobre abril de 2012, para 18.136 unidades. Já as vendas desses veículos avançaram 13,7% na comparação mensal e 25,7% sobre um ano antes. As exportações de veículos em abril somaram US$ 1,54 bilhão, altas de 11,2% sobre março e de 15,8% na comparação anual. No acumulado de janeiro a abril, as vendas externas somam US$ 5,03 bilhões, uma expansão de 2,8%. O volume de licenciamentos de veículos importados em abril teve alta de 22,4%. (Reuters)

Robson Fernandes/EC

Presidente da Anfavea, Luiz Moan: 1,1 milhão de unidades neste ano.

essa regra foi mantida. Mas, na negociação com os trabalhadores, o governo cedeu e agora operadores são obrigados a contratar capatazia via órgão gestor, mesmo para torná-los vinculados à empresa. Mauro Salgado, presidente da Federação Nacional dos Operadores Portuários, aponta que órgãos gestores não possuem pessoal suficiente para suprir a demanda. Assim, ele acredita que o custo de obter vinculados ficará mais alto. Pelas contas da comissão, esse aumento deve variar de 20% a 30%. A estimativa é que serão gastos, somente no setor de contêineres, mais R$ 711 milhões ao ano. (Agências)

Porto de Santos: presidente Dilma lançou o pacote para atacar um dos principais gargalos do País.

Balanços Patrimoniais - Em milhares de reais 31/12/2012 31/12/2011 31/12/2012 31/12/2011 Passivo e patrimônio líquido Circulante Financiamentos (nota 9) 3.000 4.329 19.631 17.563 31.497 24.569 Debêntures (nota 10) Fornecedores (nota 11) 5.488 9.562 5.275 6.948 Salários, impostos, taxas e contribuições sociais 6.808 4.215 1.430 1.038 Outras Obrigações(nota 12) 3.782 7.755 42.532 52.185 Provisões Encargos Sociais Trabalhistas(nota 12) 8.649 10.710 27.727 49.805 Não circulante Debêntures (Nota 10) 4.002 7.940 10.776 9.190 Rendimento de Debêntures(nota 10) Dividendos a Pagar 13.884 60 5 21.824 4.002 10.837 9.195 Patrimônio líquido 2.945 3.416 Capital social (nota 13.1) 450 450 3.326 4.235 Reserva de lucros (13.3 e 13.5) 9.638 14.774 17.108 16.845 10.088 15.224 59.639 69.031 59.639 69.031 Total do passivo e patrimônio líquido Demonstrações das mutações do patrimônio líquido - Não auditada - Em reais Reservas de lucros Capital Realização de Lucros a Lucros Social Legal investimentos realizar acumulados Total 450 90 3.452 3.992 9.062 9.062

Ativo Circulante Caixa e equivalentes de caixa(nota 4) Contas a receber de clientes (nota 5) Tributos a recuperar (Nota 6) Outros ativos Não circulante Realizável a longo prazo Partes relacionadas Tributos a recuperar (nota 6) Depositos judiciais Imobilizado (nota 7) Intangível (nota 8) Total do ativo

Em 31 de dezembro de 2009 Lucro líquido do exercício Apropriação do lucro: Constituição de reservas 9.062 (9.062) Dividendos propostos - R$ 7.671,11 por lote de mil ações (3.452) (3.452) Em 31 de dezembro de 2010 450 90 9.062 9.602 Lucro líquido do exercício 14.684 14.684 Apropriação do lucro: Constituição de reservas 14.684 (14.684) Dividendos propostos - R$ 20.137,37 por lote de mil ações (9.062) (9.062) Em 31 de dezembro de 2011 450 90 14.684 15.224 Lucro Líquido Exercício 9.548 9.548 Constituição de Reservas 9.548 (9.548) Dividendos propostos-R$ 32,63134 por lote de mil ações (14.684) (14.684) Em 31 de dezembro de 2012 450 90 9.548 10.088 Notas explicativas da administração às demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma 1. Contexto operacional: A Genpro Engenharia S.A. (“GENPRO” ou Qualquer diferença entre os valores captados (líquidos dos custos da transa“Companhia”) empresa de capital fechado, tem como objeto social a presta- ção) e o valor de liquidação é reconhecida na demonstração do resultado ção de serviços na área de engenharia, especialmente relativos à elabora- durante o período em que as debêntures estejam em aberto, utilizando o ção de projetos, consultorias, orçamentos, administração e fiscalização, método da taxa efetiva de juros. Instrumentos financeiros, inclusive debêntudesenvolvimento de estudos, nas áreas de engenharia civil, química, elétri- res que são obrigatoriamente resgatáveis em uma data específica, são clasca, mecânica e naval todos os demais atos pertinentes na forma da legisla- sificados como passivo. Os encargos incidentes são reconhecidos na deção, podendo, inclusive, firmar contratos de consórcio de empresas. A Com- monstração do resultado como despesa financeira. Trata-se de passivo circupanhia poderá, ainda, participar de outras sociedades, na qualidade de só- lante, a menos que a Companhia tenha um direito incondicional de diferir a cia ou acionista. A Companhia é sediada em São Paulo - SP, e possui 2 fi- liquidação do passivo por, pelo menos, 12 meses após a data do balanço. liais instaladas em Salvador - BA, Rio de Janeiro-RJ. 2. Resumo das prin- 2.12 Imposto de renda e contribuição social: As despesas de imposto de cipais políticas contábeis: As principais políticas contábeis aplicadas na renda e de contribuição social do período compreendem os tributos correnpreparação dessas demonstrações financeiras estão descritas abaixo. Es- tes. 2.13 Reconhecimento de receita: A receita compreende o valor justo sas políticas vêm sendo aplicadas de modo consistente em todos os exer- da contraprestação recebida ou a receber pela prestação de serviços no cícios apresentados, salvo indicado de forma diferente. 2.1 Base de prepa- curso normal das atividades da Companhia. A receita é apresentada líquida ração: A preparação das demonstrações financeiras requer o uso de certas dos tributos, das devoluções, dos abatimentos e dos descontos. A Compaestimativas contábeis críticas e, também, do exercício do julgamento por nhia reconhece a receita quando o valor da receita pode ser mensurado parte da administração da Companhia no processo de aplicação das políti- com segurança. É provável que benefícios econômicos futuros fluam para a cas contábeis da Organização. As demonstrações financeiras foram prepa- entidade e quando critérios específicos tiverem sido atendidos para suas radas e estão sendo apresentadas conforme práticas contábeis adotadas atividades. Suas estimativas são baseadas em resultados históricos, levanno Brasil incluindo os pronunciamentos emitidos pelo Comitê de Pronuncia- do em consideração o tipo de cliente, o tipo de transação e as especificamentos Contábeis - CPC. O processo de adoção dos CPCs pela Compa- ções de cada serviço. A receita de serviços exportados é contabilizada com nhia está descrito na Nota 18. 2.2. Caixa e equivalentes de caixa: Caixa e base no fechamento mensal, rendo como data o último dia útil do mês e o equivalentes de caixa incluem o caixa, os depósitos bancários, ordens de valor da variação monetária é contabilizada conforme a data de recebimenpagamento à vista expedidas por clientes e outros investimentos de curto to. 2.13.1 Receita financeira: A receita financeira é reconhecida conforme prazo de alta liquidez, com vencimentos originais de três meses ou menos, o prazo decorrido, usando o método da taxa efetiva de juros. 2.13.2 Revere com risco insignificante de mudança de valor. As contas garantidas são são de Provisões Despesas: A Reversão de provisões trabalhistas não demonstradas no balanço patrimonial como “Financiamentos” no passivo realizadas, foram reconhecidas como outras receitas, recolhido os devidos circulante. 2.3 Ativos financeiros: 2.3.1 Classificação: A Companhia clas- tributos. 2.14 Custos dos serviços prestados e despesas: Os custos dos sifica seus ativos financeiros sob a categoria de empréstimos e recebíveis. serviços prestados e das despesas são reconhecidos no período de comA classificação depende da finalidade para a qual os ativos financeiros fo- petência. 2.15 Distribuição de dividendos: A distribuição de dividendos ram adquiridos. A administração determina a classificação de seus ativos para os acionistas da GENPRO é reconhecida como um passivo nas definanceiros no reconhecimento inicial. (a) Empréstimos e recebíveis: Os monstrações financeiras ao final do exercício, com base no estatuto social empréstimos e recebíveis são ativos financeiros não derivativos com paga- da Companhia, tendo a sua constituição definida pelos acionistas. 2.16 Rementos fixos ou determináveis, que não são cotados em um mercado ativo. gime Tributário de Transição: O Regime Tributário de Transição (“RTT”) São incluídos como ativo circulante, exceto aqueles com prazo de venci- terá vigência até a entrada em vigor de lei que discipline os efeitos fiscais mento superior a 12 meses após a data de emissão do balanço (estes são dos novos métodos contábeis, buscando a neutralidade tributária. O regime classificados como ativos não circulantes). 2.3.2 Compensação de instru- era optativo nos anos-calendário de 2008 e de 2009, respeitando-se: (i) aplimentos financeiros: Ativos e passivos financeiros são compensados e o car ao biênio 2008-2009, não a um único ano-calendário; e (ii) manifestar a valor líquido é reportado no balanço patrimonial quando há um direito legal- opção na Declaração de Informações Econômico-Financeiras da Pessoa Jumente aplicável de compensar os valores reconhecidos e há intenção de rídica (DIPJ). A Companhia optou pela adoção do RTT no biênio 2008-2009. liquidá-los numa base líquida, ou realizar o ativo e liquidar o passivo simul- Conseqüentemente, para fins de apuração do imposto de renda e da contritaneamente. 2.3.3 Impairment de ativos financeiros e não financeiros: A buição social sobre o lucro líquido do exercício findo em 31 de dezembro de Companhia avalia no final de cada exercício se há evidência objetiva de que 2009, a Companhia se utilizou das prerrogativas definidas no RTT. De acordo o ativo financeiro ou o grupo de ativos financeiros está deteriorado. Um ativo com a Lei nº. 11.941/09 artigo 15º, inciso IV, § 3º, observado o prazo estabeou grupo de ativos financeiros está deteriorado e os prejuízos de impair- lecido no § 1º deste artigo, o RTT será obrigatório a partir do ano-calendário ment são incorridos somente se há evidência objetiva de impairment, como de 2010, inclusive para a apuração do imposto sobre a renda com base no resultado de um ou mais eventos ocorridos após o reconhecimento inicial lucro presumido ou arbitrado, da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido dos ativos (um “evento de perda”) e aquele evento (ou eventos) de perda (“CSLL”), da Contribuição para o Programa de Integração Social (“PIS”) e tem um impacto nos fluxos de caixa futuros estimados do ativo financeiro ou da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (“COFINS”). 3. grupo de ativos financeiros que pode ser estimado de maneira confiável. Gestão de risco financeiro: 3.1 Considerações gerais: A Companhia Para os ativos não financeiros que estão sujeitos à amortização, é feita uma opera com instrumentos financeiros, incluindo caixa e equivalentes de cairevisão periódica pela administração sempre que eventos ou mudanças nas xa, financiamentos, debêntures e outros ativos e passivos. A gestão de riscircunstâncias indicarem que o valor contábil pode não ser recuperável. co segue políticas aprovadas pela diretoria da Organização, com o objetivo Uma perda por impairment é reconhecida pelo valor pelo qual o saldo con- de proteger o fluxo de caixa da GENPRO e reduzir ameaças ao financiatábil do ativo excede seu valor recuperável. Este último é o valor mais alto mento do seu capital de giro operacional e de programas de investimento. entre o valor justo do ativo menos os custos de venda e o seu valor em uso. 4. Caixa e equivalentes de caixa 31/12/2012 31/12/2011 2.4 Contas a receber de clientes: As contas a receber de clientes são, Caixa e bancos 378 574 inicialmente, reconhecidas pelo valor justo e, subsequentemente, mensura- Fundo Fixo 2 2 das pelo custo amortizado com o uso do método da taxa efetiva de juros Aplicações financeiras - no Brasil 3.949 19.055 deduzidos de provisão para devedores duvidosos “PDD” (impairment). Na 4.329 19.631 prática, são normalmente reconhecidas ao valor faturado, ajustado pela A Companhia possui aplicações financeiras junto ao Banco Itaú S.A. indeprovisão para impairment, quando necessária. Se o prazo de recebimento é xadas por 101% do CDI. equivalente a um ano ou menos, as contas a receber são classificadas no 5. Contas a receber de clientes 31/12/2012 31/12/2011 ativo circulante. Caso contrário, ficam apresentadas no ativo não circulante. Setor público 6.836 127 2.5 Depósitos judiciais: Os depósitos são atualizados monetariamente e Setor privado 24.661 24.442 apresentados como dedução do valor do correspondente passivo constituí- Ativo circulante 31.497 24.569 do quando não houver possibilidade de resgate dos depósitos, a menos que 6. Tributos a recuperar 31/12/2012 31/12/2011 ocorra desfecho favorável da questão para a Companhia. 2.6 Outros ati- IR, CSLL, PIS e COFINS retidos na fonte vos: Os outros ativos são apresentados pelo valor de realização, incluindo, sobre faturamento e IR retido na fonte sobre quando aplicável, os rendimentos e as variações monetárias auferidas ou, rendimentos de aplicações financeiras 4.773 489 no caso de despesas do exercício seguinte, ao custo. 2.7 Imobilizado: Crédito de Insumos PIS e COFINS a recuperar 502 1.184 Substancialmente composto por equipamentos de informática, móveis e Antecipação de imposto de renda e utensílios, máquinas e equipamentos, veículos, e benfeitoras. É mensurado contribuição social 5.275 pelo seu custo histórico, deduzido de depreciação acumulada. Tal custo in- Imposto de renda e contribuição social clui os gastos diretamente atribuíveis à aquisição dos itens, além de custos a recuperar 10.776 9.190 de financiamento relacionados com a aquisição de ativos qualificados. Os 16.051 16.138 custos subseqüentes são incluídos no valor contábil do ativo ou reconhecidos Menos: como um ativo separado, conforme apropriado, somente quando for provável Ativo circulante (5.275) (6.948) que fluam benefícios econômicos futuros associados ao item e que o custo Ativo não circulante 10.776 9.190 do item possa ser mensurado com segurança. O valor contábil de itens ou 7. Imobilizado 31/12/2012 31/12/2011 Taxas peças substituídos é baixado. Todos os outros reparos e manutenções são Depreanuais lançados em despesa no resultado do exercício, quando incorridos. A depreciação de depreciação dos demais ativos é calculada usando o método linear para alocar Custo acumul. Líquido Líquido ciação (%) seus custos aos seus valores residuais durante a vida útil estimada, confor- Instalações 75 (42) 33 40 10 me demonstrado na Nota 7. Os valores residuais e a vida útil dos ativos são Máquinas, revisados e ajustados, se apropriado, ao final de cada exercício. No exercí- equipamentos 223 (62) 161 46 10 cio findo em 31 de dezembro de 2011, a Companhia procedeu com a revi- Móveis e utensílios 1.367 (672) 695 732 10 são da vida útil dos ativos sem produzir efeitos nas demonstrações financei- Veículos 587 (239) 348 480 20 ras. O valor contábil de um ativo é imediatamente baixado para seu valor Benfeitorias Bens recuperável quando maior do que seu valor recuperável estimado. Os ga- de terceiros nhos e as perdas de alienações são determinados pela comparação dos Ferramentas/Aparelhos resultados com o valor contábil e são reconhecidos em “Outras receitas e acessorios 6 (2) 4 5 20 (despesas), líquidas” na demonstração do resultado. 2.8 Intangível: Repre- Equipamentos de sentado substancialmente por licenças adquiridas de programas de compu- informatica 5.906 (4.202) 1.704 2.113 20 tador capitalizadas e amortizadas ao longo de sua vida útil estimada, con8.164 (5.219) 2.945 3.416 forme prazo de aquisição. Os gastos associados ao desenvolvimento ou à Movimentação do imobilizado: 31/12/2012 31/12/2011 manutenção de softwares são reconhecidos como despesas na medida em 3.416 2.946 que são incorridos. Os gastos diretamente associados a softwares identifi- (+) Aquisições 573 2.548 (58) (302) cáveis e únicos, controlados pela Companhia e que, provavelmente, gera- (-) Baixas por alienação (986) (1.776) rão benefícios econômicos maiores que os custos por mais de um ano, são (-) Depreciação 2.945 3.416 reconhecidos como ativos intangíveis. Os gastos com o desenvolvimento de 31/12/2012 31/12/2011 Taxas softwares reconhecidos como ativos são amortizados conforme o método 8. Intangível Amoranuais linear ao longo de suas vidas úteis no prazo de até 05 anos. 2.9 Arrendatização de depremento mercantil: Os arrendamentos mercantis de imobilizado nos quais a Custo acumul. Líquido Líquido ciação (%) Companhia adquire substancialmente com todos os riscos e benefícios de 3.326 4.235 20 propriedade são classificados como arrendamento financeiro. Os arrenda- Aquisição de Software 8.419 (5.093) 4 mentos financeiros são registrados como se fosse uma compra financiada, Outros 8.419 (5.093) 3.326 4.239 reconhecendo, no seu início, um ativo imobilizado e um passivo de financia31/12/2012 31/12/2011 mento (arrendamento). O imobilizado adquirido nos arrendamentos finan- Movimentação do Intangível: 4.235 1.584 ceiros é depreciado pelas taxas definidas na Nota 7. Os arrendamentos Saldo do inicio do exercício 979 5.856 mercantis, nos quais uma parte significativa dos riscos e dos benefícios de (+) Aquisições (1.888) (3.205) propriedade é transferida para o arrendador, são classificados como arren- (-) Amortizações 3.326 4.235 damentos operacionais. Os pagamentos feitos nesta modalidade (líquidos de todo incentivo recebido do arrendador) são apropriados ao resultado 9. Financiamentos: O saldo se refere, substancialmente, à captação dupelo método linear ao longo do período do arrendamento. 2.10 Financia- rante o exercício findo em 31 de dezembro de 2012, na modalidade de mentos: Os financiamentos são reconhecidos, inicialmente, pelo valor jus- capital de giro, no montante de R$ 3.000, contratada junto à Instituição Fito, líquido dos custos incorridos na transação e são, subseqüentemente, nanceira HSBC, à taxa de juros de 0,90% ao mês pagos mensalmente, demonstrados pelo custo amortizado. Qualquer diferença entre os valores sendo que o capital tem vencimento para 05/03/2013. 31/12/2012 31/12/2011 captados (líquidos dos custos da transação) e o valor de liquidação é reco- 10. Debêntures 17.563 13.216 nhecida na demonstração do resultado durante o período em que os finan- Saldo no inicio do exercicio (9.623) (1.440) ciamentos estejam em aberto, utilizando o método da taxa efetiva de juros. (-) Pagamento encargos 9.789 Os financiamentos são classificados como passivo circulante, a menos que a Encargos financeiros 7.940 21.565 Companhia tenha um direito incondicional de diferir a liquidação do passivo Saldo no final do exercicio por, pelo menos, 12 meses após a data do balanço. 2.11 Debêntures: São Menos: (17.563) reconhecidos, inicialmente, pelo valor justo, líquidos dos custos incorridos na Passivo circulante 7.940 4.002 transação e são, subsequentemente, demonstrados pelo custo amortizado. Passivo não circulante Carlos Eduardo Pugliese - Diretor

Demonstrações do resultado Exercício findo em 31 de Dezembro Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma 2012 2011 Receita líquida de serviços (nota 14) 167.592 206.514 Custo dos serviços prestados (145.739) (160.631) Lucro bruto 21.853 45.883 Depesas operacionais Gerais e administrativas 14.026 (15.365) Lucro operacional antes do Resultado Financeiro e depreciação 7.827 30.518 Depreciação /Amortização (2.874) (1.776) Lucro Operacional antes do Resultado Financeiro 4.953 28.742 Resultado financeiro,Líquido Resultado financeiro, líquido (nota 15) 7.894 (7.898) Outras receitas (despesas) Outras receitas, líquidas 3.448 36 Lucro antes da contribuição social e do imposto de renda 16.295 20.879 Contribuição social (1.792) (1.646) Imposto de renda (4.955) (4.549) Lucro líquido do exercicío 9.548 14.684 Número de ações no fim do exercício (em milhares) 450 450 Lucro por lote de mil ações do capital social das operações continuadas no final do exercício - R$ 21,22 32,63 Demonstrações dos Fluxos de Caixa Exercícios findos em 31 de dezembro - Em milhares de reais 2012 2011 Fluxos de caixa das atividades operacionais Lucro líquido antes do imposto de renda e da contribuição social 16.295 20.879 Ajustes: Depreciação e amortização 2.894 1.776 Juros e variações monetárias e cambiais, líquidos 7.894 7.898 Caixa proveniente das operações 27.083 30.553 Contas a receber de clientes (13.100) 6.844 Tributos a recuperar (5.275) (240) Outros ativos (1.430) (1.037) Fornecedores 95 159 Salários, impostos, taxas e contribuições sociais (3.612) (2.252) Imposto de renda e contribuição social pagos (6.747) (2.503) Adiantamento recebido de clientes (168) (850) Caixa líquido proveniente das atividades operacionais (3.154) 30.674 Fluxos de caixa das atividades de investimentos Imobilizado Adições (575) (2.548) Baixas 58 302 Adições ao intangível (979) (5.856) Caixa líquido aplicado nas atividades de investimentos (1.496) (8.102) Fluxos de caixa das atividades de financiamentos Dívida de curto e longo prazos, líquida Captações 3.000 Pagamentos - principal (2.000) (5.000) Pagamentos - juros (8.532) (1.849) Dividendos pagos a acionistas (3.120) (2.160) Caixa líquido aplicado nas atividades de financiamentos (10.652) (9.009) Aumento líquido de caixa e equivalentes de caixa (15.302) 13.563 Caixa e equivalentes de caixa no início do exercício 19.631 6.068 Caixa e equivalentes de caixa no final do exercício 4.329 19.631 A Companhia realizou em 19 de Dezembro de 2007 a primeira emissão de 4.002.000 debêntures simples, conversíveis em ações, em série única, com valor nominal unitário de R$ 1,00 (um real) na data de emissão, no montante total de R$ 4.002.000 (quatro milhões e dois mil reais) cujo vencimento ocorrerá em 19 de Dezembro de 2012. Na hipótese de não conversão em ações, a emissora pagará o valor nominal de R$ 1,00 (hum real) pelas debêntures emitidas. A remuneração paga corresponde a 40% do Lucro Líquido apurados em cada exercício de vigência das Debêntures. Valor este lançado em despesas financeiras. Os recursos emitidos pela Companhia por meio da emissão das debêntures foram destinados para reforço de caixa para a aplicação em investimentos na empresa Prazo da emissão das Debêntures vencido em 19/12/2012, a debenturista não exerceu a opção de compra, desta forma perdeu o capital investido tendo a emissora pago apenas R$1,00 (hum real), conforme consta na emissão das Debêntures. O valor de R$ 4.001.999,00 (quatro milhões, hum mil e novecentos e noventa e nove reais), foi transferido do passivo para receita financeira. Realizado acordo o saldo em aberto dos rendimentos das debêntures no passivo circulante para ser pago em 15 meses. 10.1 Custo de transação e registro: A distribuição das Debêntures foi privada, sem intermediação de instituições integrantes do sistema de distribuição de valores mobiliários, ou seja, sem custos de transação. Os custos de registro incorridos em razão da escrituração das Debêntures e seus eventuais aditamentos, e dos atos societários, são de competência da emissora. 31/12/2012 31/12/2011 11. Fornecedores Aluguéis e condomínio 144 588 Equipamentos de informática e software 186 444 Serviços de engenharia 246 475 Seguros 38 Outros fornecedores 371 239 985 1.746 Serviços medidos a pagar 4.503 7.657 5.488 9.403 12. Salários, impostos, taxas e contribuições sociais 31/12/2012 31/12/2011 Imposto de renda e contribuição social a recolher 1.058 ISS sobre faturamento a pagar 422 876 PIS e COFINS a pagar Demais tributos 1.298 1.086 Obrigações fiscais 2.778 1.962 Salarios a pagar 2.826 1.300 Contribuições Previdenciárias 774 953 Provisões Trabalhistas 8.649 10.710 Demais Obrigações -FGTS 253 Obrigações sociais e trabalhistas 12.502 12.963 Dividendos 3.782 6.902 Adiantamento de cliente 169 851 Pensões 7 2 Outras obrigações 3.958 7.755 19.238 22.680 13. Patrimônio líquido: 13.1 Capital social: Em 31 de dezembro de 2012 e de 2011, o capital social é de R$ 450 subscrito e integralizado por pessoas físicas de capital nacional, sendo representado por 450.000 ações ordinárias, nominativas, com valor unitário nominal de R$ 1,00. 13.2 Apropriações do lucro: De acordo com o estatuto social, as importâncias apropriadas às reservas de lucros são determinadas como descrito abaixo, sendo que o saldo remanescente, após essas apropriações e a distribuição de dividendos, terá a aplicação que decidir a Assembléia Geral dos Acionistas. 13.3 Reserva legal: É constituída mediante apropriação de 5% do lucro líquido do exercício até alcançar 20% do capital social ou até que o saldo dessa reserva, acrescido do montante da reserva de capital, exceda a 30% do capital social. 13.4 Dividendos propostos: A administração da Companhia propôs dividendos relativos ao exercício findo em 31 de dezembro de 2011 no montante de R$ 14.684. 13.5 Lucros a realizar: A destinação do lucro líquido do exercício findo em 31 de dezembro de 2012 será definida e submetida para aprovação durante a próxima Assembléia Geral a ser realizada no decorrer do exercício de 2013. 14. Receita líquida de serviços A reconciliação das receitas de serviços prestados para a receita líquida é como segue: 2012 2011 Mercado Interno 120.350 204.038 Mercado Exteno 60.672 21.982 Impostos e Contribuições sobre serviços (13.430) (19.506) 167.592 206.514 15. Resultado financeiro, líquido 2012 2011 Receitas financeiras Receitas com juros 850 1583 Variações monetárias 3.529 886 Descontos obtidos 39 34 Resgate das Debêntures não convertidas 4.002 8420 2503 Despesas financeiras Comissões bancárias (26) (107) Despesas com juros (143) (10.139) Tributos sobre operações financeiras (27) (61) Variações monetárias (328) (26) Outros (2) (68) (526) (10.401) 7.894 (7.898) 16 Resultado Líquido Outras Receitas Outras Receitas 2012 2011 Ganho/Perda Imoblizado 5 36 Receitas eventuais reversão provisões 3.443 3.448 36 17. Cobertura de seguros: A Companhia contratou seguros para proteção de seu patrimônio, de acordo com as características dos bens, a relevância e o valor de reposição dos ativos e os riscos a que estejam expostos, observando-se os fundamentos de ordem legal, contratual e técnica. Os montantes são considerados suficientes pela administração para a cobertura dos riscos envolvidos. 18. Adoção dos CPCs: 18.1 Adoção dos CPCs 37 e 43: Na preparação dessas demonstrações financeiras, foram aplicadas as exceções obrigatórias. Não houve uso de isenções opcionais em relação à aplicação completa retrospectiva, visto que a aplicação dos CPCs 32,37 e 43 não provocou alterações nas demonstrações financeiras da Organização.

Lidia Stagi Espinosa - Contadora - CRC 1SP 150026-O-1


DIÁRIO DO COMÉRCIO

16 -.ECONOMIA/LEGAIS

e

Eu não tenho nenhuma sondagem nesse sentido, como é que eu posso falar se eu não sei os termos de nada. Murilo Ferreira, presidente da Vale

conomia

Vale nega A conversas sobre a CSA Presidente Murilo Ferreira diz que não foi contatado pelo Thyssenkrupp, que detém 73% da CSA.

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Vale não foi contatada pelo grupo siderúrgico alemão Thyssenkrupp sobre qualquer proposta de mudança de sua participação na Companhia Siderúrgica do Atlântico (CSA), disse a jornalistas o presidente da mineradora, Murilo Ferreira, antes de participar ontem de um seminário em São Paulo. A mineradora brasileira tem atualmente 27% da CSA e a Thyssen, que colocou o ativo à venda no ano passado, detém o restante. Questionado se a Vale ava-

lia aumentar participação na CSA, Ferreira disse: "Eu não tenho nenhuma sondagem nesse sentido, como é que eu posso falar se eu não sei os termos de nada, não tenho o que falar." Sobre o contrato de fornecimento de minério de ferro da Vale para a CSA, ele afirmou que a mineradora espera ter seus direitos respeitados, no caso da usina ser negociada pela Thyssen. "Eu não fui contatado recentemente pela Thyssen com nenhuma proposta nova. O que eu posso dizer é que temos contratos com a CSA (de

fornecimento de minério) e nós queremos manter esses contratos." Na sexta-feira, uma fonte próxima da situação afirmou que a Thyssen considerava vender uma participação de um terço na CSA para a CSN e que para financiar os investimentos necessários na usina carioca, os três grupos injetariam um total de US$ 750 milhões em capital novo no empreendimento. Mas a informação não foi confirmada. Estados Unidos – O gás de xisto tornou a indústria norteamericana mais competitiva,

e a Vale quer participar do movimento de recuperação da siderurgia nos Estados Unidos, disse o presidente da mineradora, Murilo Ferreira, durante uma apresentação em evento em São Paulo. O presidente da Vale falou também sobre o câmbio. Segundo Murilo Ferreira, a competitividade dos exportadores do Brasil tem sido afetada pelo crescimento rápido dos salários e também por um "câmbio fora do lugar", disse ele, ao defender um real menos valorizado em relação ao dólar. (Reuters)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 8 de maio de 2013

CRB OPERAÇÕES PORTUÁRIAS S.A. CNPJ/MF Nº 05.481.823/0001-08 - NIRE 35300194349 ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA, REALIZADA EM 29 DE ABRIL DE 2011 1. HORÁRIO E LOCAL: às 15h15min na sede social situada na Praça Professor José Lannes, nº 40, 9º andar, Parte A, Capital do Estado de São Paulo. 2. PRESENÇA: acionistas titulares de 100% (cem por cento) das ações representativas do capital social, conforme assinaturas lançadas no livro “Presença de Acionistas”. A Sociedade não tem Conselho Fiscal instalado; 3. MESA DIRIGENTE: Walter Schalka, como presidente e Luiz Alberto de Castro Santos, como secretário. 4. PUBLICAÇÕES: a) os presentes consideraram sanada a falta de publicação dos anúncios de “Aviso aos Acionistas”, conforme o disposto no § 4º do art. 133 da Lei nº 6.404/76; b) o presidente declarou regular a assembléia, tendo em vista o disposto no § 4º do art. 124 da Lei nº 6.404/76; c) o Relatório da Administração, o Balanço Patrimonial, as Demonstrações Financeiras, relativos ao exercício social encerrado em 31/12/2010, foram publicados no Diário Oficial de São Paulo e no Diário do Comércio no dia 04/03/2011. 5. ORDEM DO DIA: a) Deliberação sobre as matérias de que tratam os incisos I a III do art. 132 da Lei nº 6.404/76, pertinentes ao exercício social encerrado em 31/12/2010. 6. DELIBERAÇÕES: submetidos os assuntos constantes da ordem do dia à discussão e, logo depois, à votação, os presentes, à unanimidade, deliberaram: I - aprovar o Relatório da Administração, o Balanço Patrimonial e as Demonstrações Financeiras referentes ao exercício social encerrado em 31/12/2010; II - reeleger os membros da Diretoria, tendo sido reeleitos, como Diretor Presidente: Walter Schalka, brasileiro, engenheiro, casado, portador da Cédula de Identidade RG nº 6.567.9568-SSP/SP, inscrito no CPF/MF sob nº. 060.533.238-02; como Diretores; Luiz Alberto de Castro Santos, brasileiro, casado, engenheiro, portador da Cédula de Identidade RG nº 4.447.247-X-SSP/ SP, inscrito no CPF/MF sob nº 213.852.898-72 e Marcelo Chamma, brasileiro, casado, engenheiro, portador da Cédula de Identidade RG 4.794.790, inscrito no CPF/MF nº 901.651.878-91 e, todos domiciliados na Praça Professor José Lannes, nº 40, 9º andar, eleitos para um mandato de 01 (um) ano; mas permanecendo em seus cargos até a próxima eleição. III – atribuir remuneração mensal aos administradores da Sociedade de acordo com os lançamentos contábeis a serem feitos, incluídos os benefícios disponíveis e as verbas de representação. 7. INFORMAÇÕES: a) Capital Subscrito e Integralizado de R$ 8.980.000,00 (oito milhões, novecentos e oitenta mil reais), dividido em 8.980.000 (oito milhões, novecentas e oitenta mil) ações ordinárias, nominativas e sem valor nominal; b) face à inexistência de resultado no exercício, não houve proposta para distribuição de lucros ou constituição de reservas; c) Conselho Fiscal não instalado. 8. DECLARAÇÕES: Os diretores reeleitos declararam que não estão impedidos por lei especial ou condenados por quaisquer crimes que os impeçam de exercer atividade mercantil (art. 147, § 1º da Lei nº 6.404/76). 9. ENCERRAMENTO: Nada mais havendo a tratar, foi lavrada a presente ata que, lida e achada conforme, foi por todos assinada. São Paulo, 29 de abril de 2011. aa) Walter Schalka, Presidente e Luiz Alberto de Castro Santos, Secretário. Acariuba Mineração e Participação Ltda.: Walter Schalka e Luiz Alberto de Castro Santos, diretores. Luiz Alberto de Castro Santos. Walter Schalka, Luiz Alberto de Castro Santos e Marcelo Chamma, diretores. A presente transcrição é cópia fiel da ata lavrada no livro próprio. SECRETARIA DA FAZENDA – JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO – CERTIDÃO – Certifico o Registro sob o nº 207.806/11-1 em 02.06.2011 (a) Katia Regina Bueno de Godoy, Secretária Geral.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CASTILHO/SP TERMO DE HOMOLOGAÇÃO PROCESSO LICITATÓRIO 23/13 - PREGÃO 15/13 Objeto: Aquisição de materiais, suprimentos e papelaria de uso escolar/escritório, pelo período de 12 (doze) meses, a contar da assinatura do contrato. Considerando a adjudicação constante da ata dos trabalhos da sessão pública de julgamento, lavrada pelo Sr. Pregoeiro, designada pela Portaria nº 029, de 03/01/2013; e a regularidade do procedimento, hei por bem, com base na Lei Federal nº 10520, de 17 de julho de 2002, Homologar, os lotes do objeto licitado, às empresas abaixo delineadas e determinar que sejam tomadas as providências ulteriores. Scala Papelaria Presentes e Festas Ltda-EPP. Avenida Presidente Vargas, 509 - Centro. Dracena - SP. CNPJ (MF): 03.839.458/0001-27. Lotes: 01, 06 e 08. Valor: R$ 119.408,20 (Cento e dezenove mil, quatrocentos e oito reais e vinte centavos). Lídia Teixeira Alves da Silva Cortez-ME. Avenida Manoel Parada de Carvalho, 68 - Centro. Valparaíso - SP. CNPJ (MF): 07.859.362/0001-81. Lotes: 02 e 07. Valor: R$ 62.449,29 (Sessenta e dois mil, quatrocentos e quarenta e nove reais e vinte e nove centavos). Ampolo Distribuidora de Materiais para Escritório Eirelli-EPP. Rua Nata, 381 - Vila Bertioga. São Paulo SP. CNPJ (MF): 11.384.692/0001-35. Lote: 03. Valor: R$ 139.000,00 (Cento e trinta e nove mil reais). Sigma Distribuidora de Materiais para Escritório Ltda.-EPP. Rua Leonora Fioroto, 18 - Recanto Verde. Birigui - SP. CNPJ (MF): 15.088.437/0001-04. Lote: 04. Valor: R$ 43.050,00 (Quarenta e três mil e cinquenta reais). J.R. da Silveira - Eletrodomésticos-ME. Rua Maria Paula Gambier Costa, 333 - Sala 02 - Centro. Paraguaçu Paulista - SP. CNPJ (MF): 65.014.284/0001-10. Lote: 05. Valor: R$ 191.990,00 (Cento e noventa e um mil, novecentos e noventa reais). Fabio Carreira Marini-ME. Rua Jesus Trujillo, 1.314 - Sala 02 - Centro. Andradina - SP. CNPJ (MF): 09.408.011/0001-80. Lote: 09. Valor: R$ 37.939,81 (Trinta e sete mil, novecentos e trinta e nove reais e oitenta e um centavos). Mundo Mágico Comércio de Móveis e Brinquedos Ltda-ME. Rua Paraguai, 135 - Fundos - Jardim América. Dracena - SP. CNPJ (MF): 13.729.808/ 0001-56. Lotes: 10 e 11. Valor: R$ 9.190,30 (Nove mil, cento e noventa reais e trinta centavos). Castilho - SP, 06 de maio de 2013. Joni Marcos Buzachero - Prefeito. A Debitar (08.05.13)

Federação Paulista de Squash

CNPJ/MF nº 44.936.060/0001-96 Assembleia Geral Ordinária para Eleição dos Membros da Presidência e do Conselho Fiscal da Federação Paulista de Squash A Federação Paulista de Squash, CNPJ nº 44.936.060/0001-96, com sede na cidade de São Paulo, na Travessa Dr. Ezequiel Antunes de Oliveira, 108 - Vila Olímpia - CEP 04544-120, através de seu Presidente Sr. Filipe Soares, convoca através do presente edital todas as entidades filiadas e contribuintes da Federação Paulista de Squash para a Assembleia Geral Ordinária, que será realizada no Clube Athletico Paulistano, localizado à R. Honduras, 1400, Jd. Paulistano/SP, no dia 10/06/2013, às 20h, com a seguinte ordem do dia: 1. Aprovar o relatório do Presidente relativo às atividades administrativas e as contas do último exercício; 2. Alterar o endereço da sede da Federação Paulista de Squash; 3. Eleição dos membros da Presidência e do Conselho Fiscal; Poderão participar e votar na Assembleia Geral Ordinária as Entidades Filiadas que estiverem no pleno gozo de seus direitos, e que para tanto satisfaçam as seguintes condições: a) Esteja afiliado há pelo menos um ano, contando a data da Assembleia Geral; b) Figure na relação incluída no edital de convocação da Assembleia Geral e tenha atendido as exigências legais estatutárias; c) Tenha promovido campeonato oficial nos dois anos anteriores ao da realização da reunião assembleia. d) Esteja em dia com suas obrigações financeiras perante a FPS (Federação Paulista de Squash). As entidades filiadas e que estão em pleno gozo do seu direito e em dia com a Federação são: Esporte Clube Pinheiros, Club Athletico Paulistano, Clube Paineiras do Morumby. O pedido de registro da chapa deverá ser apresentado até 15 dias antes da realização da Assembleia Geral Eletiva, em nome de no mínimo 3 Entidades Filiadas que esteja no pleno exercício dos seus direitos, contendo os seguintes dados: a) Assinatura dos respectivos Presidentes das Entidades Filiadas, com firma reconhecida; b) Indicação dos nomes dos candidatos aos cargos de Presidente, 1º Vice-Presidente e 2º Vice-Presidente e membros efetivos e suplentes do Conselho Fiscal; c) Declaração dos candidatos aos cargos de Presidente, 1º Vice-Presidente e 2º Vice-Presidente e membros efetivos e suplentes do Conselho Fiscal, atestando que, sob as penas da lei brasileira, não estão impedidos de exercer a administração da FPS em virtude de condenação criminal ou de qualquer razão; d) Assinatura dos candidatos aos cargos de Presidente, 1º Vice-Presidente e 2º Vice-Presidente e membros efetivos e suplentes do Conselho Fiscal com suas firmas reconhecidas. A Assembleia Geral instalar-se-á em 1ª convocação às 20h, com a presença da maioria das Entidades Filiadas e, em 2ª convocação, às 20h30 com a presença de qualquer número de Entidades Filiadas. SP, 06/05/13. Filipe Soares da Silva - Presidente.

ECONOMIA/LEGAIS - 17

AÇÃO COMUNITÁRIA DO BRASIL - SÃO PAULO CNPJ nº 61.750.246/0001-75 Demonstrações Financeiras

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E DE 2011 - (Em milhares de Reais) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Caixa e equivalentes de caixa.................................... 4 2.992 3.381 Fornecedores ............................................................. Outros Investimentos ................................................. 5 2.038 1.766 Férias e encargos....................................................... Contas a receber ........................................................ 6 1.294 1.153 Impostos a recolher .................................................... Estoques .................................................................... 641 496 Adiantamento para projetos sociais ........................... Outros créditos ........................................................... 7 1.561 1.336 Outras contas a pagar ................................................ Impostos a recuperar ................................................. 8 255 255 Total do Passivo Circulante ........................................ Despesas antecipadas ............................................... 6 4 Provisão para contingências ...................................... Total do ativo circulante .............................................. 8.787 8.391 Depósitos judiciais ..................................................... 5 72 Outras contas a receber ............................................. Patrimônio líquido Imobilizado ................................................................. 9 1.642 1.622 Patrimônio social ........................................................ Intangível .................................................................... 32 32 Superavit (Deficit) acumulado .................................... Total do ativo não circulante ....................................... 1.679 1.726 Total do ativo .............................................................. 10.466 10.117 Total do passivo e patrimônio líquido ......................... As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras.

DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO SOCIAL EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E DE 2011 - (Em milhares de Reais) Patrimônio social Saldo em 1º de janeiro de 2011 7.496 Transferência para patrimônio social ................... 33 Deficit do exercício .............................................. -

(Deficit) Superavit acumulado 33 (33) (158)

Total 7.529 (158)

Saldo em 31 de dezembro de 2011 Superavit do exercício ......................................... Transferência para patrimônio social ...................

7.529 (158) -

(158) 158 114

7.371 114

Saldo em 31 de dezembro de 2012

7.371

114

7.485

As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. DEMONSTRAÇÕES DE RESULTADOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 - (Em milhares de Reais) 2012 3.851 2.574 67 6.492 Venda de produtos ..................................................... 20 2.270 Custo dos produtos vendidos ..................................... 21 (1.415) 855 Resultado bruto ........................................................... 7.347 Programas sociais ...................................................... 15 (5.031) Administrativas ........................................................... 22 (823) Despesas com mobilização de recursos .................... 23 (831) Despesas com vendas de produtos ........................... 24 (658) Depreciação e amortização ....................................... (137) Valorização de Produtos e Serviços Pro-Bono .......... (67) Outras receitas operacionais...................................... 116 Deficit antes das receitas financeiras líquidas......... (84) Receitas financeiras ................................................... 255 Despesas financeiras ................................................. (58) Receitas financeiras líquidas ..................................... 198 Superavit (deficit) do exercício .................................. 114 As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. Contribuições e doações ............................................ Projetos incentivados ................................................. Valorização de Produtos e Serviços Pro-Bono ..........

Nota 17 19 18

2011 3.227 2.317 5.544 1.965 (1.174) 791 6.335 (5.024) (808) (533) (490) (119) 63 (576) 460 (42) 418 (158)

Nota 10 11 12

2012 469 376 3 2.038 85 2.971 10

2011 570 291 3 1.766 54 2.684 62

7.371 114 7.485 10.466

7.529 -158 7.371 10.117

13

DEMONSTRAÇÕES DOS RESULTADOS ABRANGENTES EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E DE 2011 - (Em milhares de Reais) 2012 114 114

Superavit (deficit) do exercício Resultados abrangentes total

2011 (158) (158)

As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. DEMONSTRAÇÕES DOS FLUXOS DE CAIXA PERÍODOS DE 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E DE 2011 - (Em milhares de Reais) 2012 Fluxo de caixa das atividades operacionais Superavit (deficit) do exercício ............................................................. 114 Ajustes Depreciação e amortização............................................................. 137 Resultado na venda de ativo imobilizado........................................... 18 Provisão para contingência ................................................................ (52) ........................................................................................................ 217 (Aumento) redução em ativos Contas a Receber .............................................................................. (272) Estoques ............................................................................................ (141) Outros Créditos .................................................................................. (145) Despesas Antecipadas ...................................................................... (225) Depósitos Judiciais ............................................................................ (2) Aumento (redução) em passivos....................................................... 67 Fornecedores ..................................................................................... (101) Salário, férias e encargos .................................................................. 85 Adiantamento para projetos ............................................................... 273 Outras contas a pagar ....................................................................... 31 Impostos a recolher ........................................................................... Caixa líquido utilizado nas atividades operacionais .............................. (214) Fluxo de caixa das atividades de investimentos Aquisições de bens do ativo imobilizado e intangível .................... (175) Caixa líquido utilizado nas atividade de investimentos ......................... (175) Redução de caixa e equivalentes de caixa .......................................... (389) Demonstração da redução do caixa e equivalentes de caixa Caixa e equivalentes de caixa no início do exercício ............................ 3.381 Caixa e equivalentes de caixa no final do exercício .............................. 2.992 Redução de caixa e equivalentes de caixa .......................................... (389) As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras.

2011 (158) 119 2 (5) (42) (405) 17 (163) (1.027) (58) 101 27 408 (9) (1) (1.151) (96) (96) (1.247) 4.628 3.381 (1.247)

A íntegra das demonstrações Financeiras, as notas e parecer dos auditores, estão disponíveis no site: http://www.acomunitaria.org.br/asset/2012.pdf

CAPPTA S.A. CNPJ (MF) nº 13.966.572/0001-71 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS - (Em milhares de reais) Demonstração do Resultado do Exercício 2012 2011 Balanço Patrimonial em 31 de Dezembro de 2012 e de 2011 7.256 367 2012 2011 Receitas Brutas (816) (40) Ativo Circulante 2.053 527 Deduções (3.841) (179) Caixa e Equivalentes 728 143 Custos 2.598 148 Clientes 779 240 = Lucro Bruto (513) (46) Outros Créditos 352 145 Despesas com Vendas (1.159) (101) Despesas a Apropriar 194 - Despesas Gerais (935) (38) Ativo Não Circulante 2.134 621 Despesas Administrativas (4) Imobilizado 2.134 621 Outras Despesas Operacionais 46 Total do Ativo 4.187 1.148 Outras Receitas Outras Despesas (46) 2012 2011 = Prejuízo antes das receitas e despesas financeiras (13) (37) Passivo Circulante 968 766 Receitas Financeiras 8 0 Empréstimos Bancários 397 408 Despesas Financeiras (132) (2) Fornecedores 478 344 = Prejuízo antes dos tributos sobre o lucro (138) (39) Obrigações Tributárias 43 7 Contribuição Social (1) Obrigações Trab. e Previd. 33 5 Imposto de Renda (2) Outras Obrigações 17 1 = Prejuízo Liquido do Período (140) (39) Passivo Não Circulante 417 Demonstração dos Fluxos de Caixa-Metodo Indireto em 31/12/12 e 2011 Empréstimos Bancários 417 2012 2011 Patrimônio Líquido 2.803 382 Fluxo de Caixa das Atividades Operacionais (140) (39) Capital Social 1.011 421 Prejuizo do Periodo 331 27 Reservas de Capital 1.971 - Depreciação e Amortização Resultado Conciliado 191 (12) Reservas de Lucros 6 (941) (385) (-)Prejuizos Acumulados (185) (39) (Aumento) Diminuição de Ativos: (539) (240) Total Passivo 4.187 1.148 Contas a Receber Impostos a Recuperar (208) (145) Notas Explicativas em 31 de dezembro de 2012 (194) 1-Demonstrações Contábeis: Elaboradas conforme Lei 6404/76 e práti- Despesas a Apropriar Aumento (diminuição) de Passivos: 213 357 cas contábeis adotadas no Brasil. 2-Capital Social: R$ 1.011.340,00 com 134 344 831.726 ações Ordináras e 179.614 ações Preferenciais, de R$ 1,00 cada. Fornecedores A Diretoria

O Conselho de Administração

Demonstração Mutações do Patrimonio Líquido em 31/12/2012 e 2011 Ágio na Ações Capital A emissão em Prej. Titulo Subsc. Realiz. de ações Tesour. Acum. Totais Saldo 31/12/2010 Subscrição Cap. Soc. 500 500 Cap. Soc. Integralizar (79) (79) Prejuizo do Periodo (39) (39) Saldo 31/12/2011 500 (79) (39) 382 Aum. de Cap. Social 511 511 Integral. Cap. Social 79 79 Recebim. Doação de Ações Pref. Próprias (46) (46) Doação de Ações Prefer. Próprias 46 46 Agio Emis. de Ações 1.971 - 1.971 Prejuizo do Periodo (140) (140) Saldo 31/12/2012 1.011 1.971 (179) 2.803 Obrigações Tributárias 35 7 Obrigações Trabalhistas e Previdenciarias 28 5 Outras Obrigações 16 1 Caixa Líquido consumido nas Ativid. Operacionais (537) (40) Fluxo de Caixa das Atividades de Investimento Aquis. de Imobil. (Valor Líq. após a recuper. dos tributos) (1.513) (621) Caixa Líquido aplicado nas Ativid. de Investimentos (1.513) (621) Caixa Líquido aplicado nas Ativid. de Financiamento 2.635 804 Aum. (Red.) no Caixa e Equiv. de Caixa no Período 585 143 Caixa e Equivalentes de Caixa no Início do Período 143 Caixa e Equivalentes de Caixa no Final do Período 728 143 Amaury Mendes da Silva - Contador - CRC: 1SP150680/O-9 SP

CSA NET Tecnologia da Informação S/A CNPJ 01.381.934/0001-83

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: Pregão Eletrônico de Registro de Preços nº 36/00115/13/05 OBJETO: AQUISIÇÃO DE KITS DE EQUIPAMENTOS PARA LABORATÓRIO DE FÍSICA. A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para: Aquisição de Kits de Equipamentos para Laboratório de Física. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital a partir de 08/05/2013, no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br ou na sede da FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 São Paulo/SP, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, ou verificar o edital na íntegra, através da Internet no endereço: http://www.fde.sp.gov.br. A sessão pública de processamento do Pregão Eletrônico será realizada no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br, no dia 22/05/2013, às 09:30 horas, e será conduzida pelo pregoeiro com o auxílio da equipe de apoio, designados nos autos do processo em epígrafe e indicados no sistema pela autoridade competente. Todas as propostas deverão obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital e seus anexos e serão encaminhadas, por meio eletrônico, após o registro dos interessados em participar do certame e o credenciamento de seus representantes previamente cadastrados. A data do início do prazo para envio da proposta eletrônica será de 08/05/2013, até o momento anterior ao início da sessão pública. BARJAS NEGRI Presidente

Srs.Acionistas: Em cumprimentos aos preceitos legais e às normas estatutárias, vimos submeter à apreciação de V.Sas., as Demonstrações Financeiras referentes aos exercícios findos em 31/12/12 e 11. Agradecemos a colaboração recebida e continuamos ao inteiro dispor de V.Sas. para quaisquer esclarecimentos. A Administração. Ativo Circulante Caixa Bancos Clientes Ativos a Receber Outros Créditos Total do Circulante Ativo Não Circulante / Realiz. a Longo Prazo Imobilizado Intangível Total do Ativo Não Circulante Total do Ativo Saldos em: 31/12/2010 Lucro do Exerc. (-)Distrib. de Lucr. 31/12/2011 Lucro do Exercício (-)Distrib. De Lucr. Reserva Legal 31/12/2012

2012 1.466,49 14.148,99 174.890,63 506.844,15 168.913,15 866.263,41 138.320,47 167.693,16 54.918,47 360.932,10 1.227.195,51

2011 466,06 4.614,29 24.597,94 322.482,58 2.196,59 354.357,46 319.550,15 60.403,47 74.918,91 454.872,53 809.229,99

Cap.Social Res. Legal Res. de Lucros Totais 100.000,00 0,00 (79.523,67) 20.476,33 1.278.209,92 1.278.209,92 (1.278.209,92) (1.278.209,92) 100.000,00 0,00 (79.523,67) 20.476,33 476.076,95 476.076,95 (390.000,00) (390.000,00) 969,38 (969,38) 0,00 100.000,00 969,38 5.583,90 106.553,28

Passivo Circulante Obrigações Fiscais e Sociais Fornecedores Outras Obrigações Total do Circulante Passivo Não Circulante Patrimônio Líquido / Capital Nacional Prejuizos Acumulados Reserva Legal Reservas de Lucros a Disposição Total do Patrimônio Líquido Total do Passivo

2012 184.168,79 34.289,38 498.378,58 716.836,75 403.805,48 100.000,00

2011 45.017,48 8.419,35 590.000,01 643.436,84 145.316,82 100.000,00 (79.523,67)

Operações Continuadas: 2012 Receitas de Serviços Prestados 3.922.304,04 (-) Impostos/Contribuições (221.056,35) Receita Operacional Líquida 3.701.247,69 Despesas Operacionais (2.706.011,75) Result.Antes Desp.Rec.Financ. 995.235,94 Resultado Financeiro Líquido (163.104,42) Outras Receitas 45.852,49 969,38 Resultado Antes dos Impostos 877.984,01 5.583,90 (-) Provisão p/IRPJ (289.166,96) 106.553,28 20.476,33 (-) Provisão p/Contrib.Social (112.740,10) 1.227.195,51 809.229,99 Resultado Operaç.Continuadas 476.076,95 Resultado Liquido do Periodo 476.076,95 4,7600 1-Contexto Operacional - A sociedade tem como objetivo social prestação de ser- Lucro por Ação viços de consultoria e/ou assessoria em tecnologia da informação e telecomunicaWashington Luiz Vianna ções, desenvolvimento de sistemas e programas de computadores, gerenciamento Sócio Administrador de redes de computadores, locação de equipamentos eletrônicos, hospedagem de CPF: 873.423.088-20 paginas de internet e assemelhados. Garutti Contabilidade & Assessoria Ltda. 2-Patrimônio Líquido - O Capital Social é de R$ 100.000,00 em 31/12/2012, Leide Cléa de Souza Barbosa representado por 50.000 ações ordinárias nominativas e 50.000 ações preferenCPF: 056.497.668-78 ciais. Téc.Contabil.CRC.1SP141.430/O-7

2011 3.666.198,23 (202.468,65) 3.463.729,58 (1.705.206,08) 1.758.523,50 (133.992,04) 1.530,00 1.626.061,46 (244.655,55) (103.195,98) 1.278.209,93 1.278.209,93 0,00

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania AVISO Encontra-se aberta na Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania, a Tomada de Preço nº 01/2013, Processo SJDC nº 001507/2012, para fins de contratação de empresa para execução de obras de acessibilidade no Fórum de Valparaíso. A data da sessão pública será no dia 27/05/2013, às 10h00min., no Páteo do Colégio, nº 184, 1º andar, sala 12 (Salão dos Anjos). O edital na integra, encontra-se à disposição para consulta no site www.e-negociospublicos.com.br, podendo também ser solicitado através do e-mail (osjesus@sp.gov.br) ou pessoalmente no endereço acima, das 09:00 às 12:00 e das 13:00 às 17:00 horas, devendo a empresa apresentar um CD virgem.

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ANDRADINA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA

Comunicado da Comissão Permanente de Licitações no Processo Licitatório nº 26/13 – Tomada de Preços nº 06/13. Objetivo: Contratação de empresa especializada em execução de obras de reforma da Praça Antonio Joaquim de Moura Andrade, Convênio n° 913/2012 – Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional. COMUNICA que fará realizar sessão pública para abertura e julgamento dos envelopes de proposta, no dia 13 de maio de 2013, às 14 horas. Andradina, 06 de maio de 2013. Paulo Henrique Bernardoni Caldas – Presidente da CPL

O Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Sorocaba comunica que se acha REABERTA a Tomada de Preços nº 01/2013 - Processo nº 295/2013, destinada à contratação de empresa de engenharia especializada para ampliação da capacidade do sistema elétrico da Estação de Tratamento de Água do Cerrado, com substituição de quatro transformadores, quadro de distribuição geral, painéis de acionamento de bombas, com fornecimento de condutores e componentes de proteção. Encerramento dia 28/05/2013, às 10:00 horas. O edital completo será disponibilizado no site www.saaesorocaba.com.br, informações pelos telefones: (15) 3224-5810/ 5811/ 5812/ 5813/ 5814/ 5815/ 5816/ 5817/ 5818/ 5819/ 5821/ 5822/ 5823/ 5824/ 5825 e 5826 ou aquisição do edital completo à Avenida Pereira da Silva, nº 1.285, no Setor de Licitação e Contratos. Sorocaba, 07 de maio de 2013. Comissão Especial de Licitações - Jovelina Rodrigues Bueno - Presidente.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINDAMONHANGABA PREGÃO Nº 052/2013 A Prefeitura torna público que se acha aberto no Depto. de Licitações e Compras, sito na Av. N. Sra. do Bom Sucesso, n° 1.400, Bairro Alto do Cardoso, o PP nº 52/13, referente à “Aquisição de máquina motorizada para confecção de fralda geriátrica e infantil”, com encerramento dia 21/05/13, às 8h30, e abertura às 9h. O edital estará disponível no site www.pindamonhangaba.sp.gov.br. Maiores informações poderão ser obtidas no endereço supra das 8h às 17h ou através do tel.: (12) 3644-5600. Pindamonhangaba, 07 de maio de 2013.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINDAMONHANGABA EDITAL RESUMIDO PREGÃO Nº 051/2013 A Prefeitura torna público que se acha aberto no Depto. de Licitações e Compras, sito na Av. N. Sra. do Bom Sucesso, n° 1.400, Bairro Alto do Cardoso, o PP nº 51/13, referente à “Aquisição de uniformes para funcionários do Departamento de Trânsito”, com encerramento dia 20/05/13, às 8h30, e abertura às 9h. O edital estará disponível no site www.pindamonhangaba.sp.gov.br. Maiores informações poderão ser obtidas no endereço supra das 8h às 17h ou através do tel.: (12) 3644-5600. Pindamonhangaba, 07 de maio de 2013.

PREFEITURA MUNICIPAL DE IGARATÁ AVISO DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL Nº 009/2013 – PROC. ADM. Nº 593/2013 Objeto: Aquisição de um veículo 0 km – Secretaria M. de Saúde. Abertura e credenciamento: 23/05/2013 – 10h00. Local: Sala de Licitações, sita à Av. Benedito Rodrigues de Freitas, nº 330 – Centro – Igaratá/SP. O edital e anexos poderão ser adquiridos através de solicitação eletrônica pelo e-mail: licitacaoigarata@gmail.com. Igaratá, 03 de maio de 2013. FÁTIMA MADALENA ANDRADE PRIANTI - PREGOEIRA Richard Saigh Indústria e Comércio S.A. Companhia Fechada - CNPJ nº 61.206.397/0001-67 - NIRE 35.300.042.174 Ficam convocados os senhores acionistas da Richard Saigh Indústria e Comércio S.A. (“Companhia”) a se reunirem em Assembleia Geral Extraordinária a ser realizada em sua sede social, na cidade de São Caetano do Sul, Estado de São Paulo, na Rua Heloísa Pamplona, nº 842, Bairro Fundação, CEP 09.520-310, no dia 15 de maio de 2013, às 10:00 horas, para deliberarem sobre a seguinte Ordem do Dia: (i) aprovar a Proposta de Aumento de Capital no valor de R$ 4.773.795,00 (quatro milhões, setecentos e setenta e três mil e setecentos e noventa e cinco Reais), mediante capitalização de parte da reserva de investimentos, haja vista a prolação de sentença que revogou a medida liminar proferida nos autos do processo nº 0007410-49.2012.8.26.0565, em trâmite perante a 6ª Vara Cível da Comarca de São Caetano do Sul e; (ii) caso seja aprovado o item (i) da Ordem do Dia, aprovar a alteração do art. 5º do Estatuto Social. Os documentos a que se refere o artigo 135, §3º da Lei nº 6.404/76, se encontram à disposição dos acionistas na sede social da Companhia. Edgard Nassif Saigh - Diretor Presidente.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINDAMONHANGABA

LEGBA INFORMÁTICA LTDA., CNPJ nº 02.806.709/0001-04, por seus sócios, declara extinta a sociedade em 01/03/2013, conforme distrato social.

PREGÃO Nº 053/2013 A Prefeitura torna público que se acha aberto no Depto. de Licitações e Compras, sito na Av. N. Sra. do Bom Sucesso, n° 1.400, Bairro Alto do Cardoso, o PP nº 53/13, referente à “Aquisição de curativo estéril para campanhas de vacina e materiais de enfermagem”, com encerramento dia 22/05/13, às 8h30, e abertura às 9h. O edital estará disponível no site www.pindamonhangaba.sp.gov.br. Maiores informações poderão ser obtidas no endereço supra das 8h às 17h ou através do tel.: (12) 3644-5600. Pindamonhangaba, 07 de maio de 2013.

FALÊNCIA, RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL E RECUPERAÇÃO JUDICIAL

PREFEITURA MUNICIPAL DE BIRIGUI

Conforme informação da Distribuição Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, foram ajuizados no dia 07 de maio de 2013, na Comarca da Capital, os seguintes pedidos de falência, recuperação extrajudicial e recuperação judicial: Requerente: Alcides Passini ME. Requerido: Serpal Engenharia e Construtora Ltda. Avenida Ibirapuera, 2.332 - Torre I – 9° Andar – Indianópolis - 1ª Vara de Falências. Requerente: Bicbanco Banco Industrial e Comercial S/A. Requerido: Serpal Engenharia e Construtora Ltda. Avenida Ibirapuera, 2.332 - Bloco 1, Conjunto 91 T1 – Indianópolis - 1ª Vara de Falências. Requerente: Pernod Ricard Brasil Indústria e Comércio Ltda. Requerido: Biescky Comércio de Alimentos e Bebidas Ltda. Rua Adrianópolis, 166 – Vila Gomes Cardim - 2ª Vara de Falências.

Objeto: Execução da obra de cravação de estacas pré-moldadas para a fundação do reservatório metálico em aço carbono, cilíndrico vertical do tipo tubular, localizado no 2º Distrito Industrial Armando Penterich, com fornecimento de equipamentos, mão de obra e materiais, conforme Memorial Descritivo, Planilha Orçamentária, Cronograma Físico-financeiro e Projeto elaborado pela Secretaria de Serviços Públicos, Água e Esgoto, e Projeto de Fundação elaborado pela empresa Dipawa Indústria, Comércio e Construtora Ltda.. Prazo de entrega dos documentos para cadastro: até 24/05/2013. Encerramento e Abertura:- 29/05/2013, às 08h30min. O Edital na íntegra encontra-se disponível gratuitamente no site www.birigui. sp.gov.br. ou na Seção de Licitações pelo valor de R$ 30,00, até o dia 29/05/2013. Informações: Seção de Licitações, Rua Santos Dumont, 28 ou pelos telefones (18) 3643.6125/3643 6126, Birigui, 07/05/2013, Pedro Felício Estrada Bernabé, Prefeito Municipal.

Edital nº 28/2013 – Tomada de Preços nº 01/2013.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CASTILHO/SP TERMO DE HOMOLOGAÇÃO PROCESSO LICITATÓRIO 19/13 - PREGÃO 12/13 Objeto: Aquisição de 04 (quatro) veículos automotores, tipo automóvel. Considerando a adjudicação constante da ata dos trabalhos da sessão pública de julgamento, lavrada pelo Sr. Pregoeiro, designada pela Portaria nº 029, de 03/01/2013; e a regularidade do procedimento, hei por bem, com base na Lei Federal nº 10520, de 17 de julho de 2002, Homologar, o item do objeto licitado, à empresa abaixo delineada e determinar que sejam tomadas as providências ulteriores. Volkswagen do Brasil Indústria de Veículos Automotores Ltda. Estrada Marginal da Via Anchieta, s/nº, Km 23,5, Ala 17 - Bairro Demarchi. São Bernardo do Campo - SP. CNPJ (MF): 59.104.422/0001-50. Valor: R$ 136.000,00 (Cento e trinta e seis mil reais). Castilho - SP, 07 de maio de 2013. Joni Marcos Buzachero - Prefeito. A Debitar (08.05.13)

Agropecuária Ibiubá S.A. CNPJ/MF nº 14.240.027/0001-66 – NIRE 35.300.419.073 Edital de Convocação de Assembleia Geral Extraordinária Ficam convocados os acionistas para a AGE que será realizada no dia 22/05/2013, às 10hs, na sede da Cia., na Cidade de Tapiratiba/SP, na Fazenda Itaiquara, s/n, sala 1, CEP 13760-000, para deliberar sobre a seguinte ordem do dia: (i) proposta de grupamento das ações em que se divide o Capital Social da Cia. na proporção de 1.000 ações para 1 ação da mesma classe e espécie; (ii) se aprovado o grupamento, a aquisição, pela controladora da Cia., Itaiquara Alimentos S.A., de eventuais frações resultantes do grupamento de ações ;(iii)se aprovado o grupamento , o preço de aquisição será pago aos acionistas minoritários pelas frações resultantes do grupamento de ações; (iv) se aprovado o grupamento, a consequente alteração do artigo 5º do Estatuto Social da Cia.; (v) autorização aos administradores da Cia. a praticarem todos os atos necessários aos atos aprovados e (vi) retificação dos acionistas presentes na Ata da Assembleia Geral Extraordinária de vinte e dois de maio de dois mil e doze e (vii) outros interesses de assunto geral. São Paulo, 03 de maio de 2013. Agropecuária Ibiubá S.A. - Marcos do Amaral Mesquita - Diretor Presidente. (04, 07 e 08/05/2013)

RSG ASSESSORIA EMPRESARIAL LTDA.

CNPJ/MF nº 13.164.273/0001-13 - NIRE: 35225090898 Reunião de Sócios - Edital de Convocação Convocamos os Srs. Sócios, a se reunirem em Reunião de Sócios, na sede, R. dos Pinheiros, 1.060, Cj. 21, Pinheiros/ SP, no dia 20/5/2013, às 10hs, cujo Contrato Social se encontra arquivado na Jucesp sob o NIRE nº 35225090898, em 19/01/2011, (“Sociedade”), para discutirem e deliberarem acerca da exclusão, por justa causa, do sócio André Ricardo Monteiro do quadro de sócios da Sociedade, nos termos do art. 1.085 da Lei nº 10.406, de 10/1/2002-Código Civil, permitindo ao acusado o exercício de seu direito de defesa conforme previsto no § Único do referido artigo. São Paulo, 07/5/2013. Luiz Gustavo Aranha Pereira Souza Santos-Administrador da Sociedade. (08,09 e 10/05/2013)


18

e

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Vejo como uma saída viável um ajuste mais gradual das contas na Europa. Simão Davi Silber, professor da FEA-USP

conomia

Economia mundial de volta aos trilhos Quase cinco anos após o início da crise, expectativa é de aceleração do crescimento, de 3,3% neste ano para 3,4% em 2014. Mas ainda há riscos.

Rejane Aguiar

P

assados quase cinco anos do início da crise, a situação da economia mundial é menos preocupante do que se poderia imaginar. Para este ano, o Fundo Monetário Internacional (FMI) projeta alta de 3,3%, avanço que deve chegar aos 4% em 2014. Estados Unidos, China, Brasil e até zona do euro devem crescer mais em 2013 do que cresceram em 2012 e a tendência também é de aceleração em 2014. Com as economias "rodando" melhor, os desafios agora são de ordem mais política do que econômica. Exemplos: indefinições em torno da dívida dos EUA, escolha de política de crescimento na zona do euro e transição para novo modelo na China (detalhes no quadro). "O mundo está melhor do que nos últimos anos, embora as incertezas não tenham desaparecido. Além disso, essa recuperação se deu em um patamar bem mais modesto do que aquele visto antes da crise de 2008", afirmou o professor Simão Davi Silber, da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA), que no fim de abril apresentou um abrangente cenário da economia global no programa de pós-MBA da Fundação Instituto de Administração (FIA). Com base em uma série de dados iniciada nos anos 1960, o professor mostrou que os grandes ciclos econômicos se alternam. "Fortes avanços são normalmente compensados por períodos de desaceleração e vice-versa. E, por causa da forte interdependência dos países, esses ciclos econômicos acabam ficando muito parecidos para uma boa parte dos países", explicou. EUA – A surpresa recente veio dos Estados Unidos, que se mostram mais eficientes na tarefa de recuperar a economia do que seus pares europeus. Uma combinação de fatores tem contribuído, segun-

do o professor Silber, para acelerar a economia: a desvalorização do dólar no mundo (que torna mais competitivo o produto fabricado no país), a flexibilidade do mercado de trabalho local e uma verdadeira revolução energética que os EUA estão fazendo. "Eles investem pesado no desenvolvimento da tecnologia que permite gerar combustível de xisto, um tipo de rocha. Esse combustível é um substituto do petróleo e pode tornar a indústria norte-americana muito mais competitiva", afirmou, destacando que já ocorre um movimento de retorno de grandes fábricas norte-americanas que haviam migrado em busca de custo menor. A questão-chave para os EUA, na avaliação de Silber, é política. "Democratas e repu-

O mundo está melhor do que nos últimos anos, embora as incertezas não tenham desaparecido. SIMÃO SILBER, PROFESSOR blicanos precisam se entender para evitar que o fim da isenção de impostos e um corte dos gastos públicos da ordem de 3,5% do PIB (Produto Interno Bruto), o 'abismo fiscal' prejudique o andamento da recuperação." Os EUA, assim, caminham bem na economia, mas ainda têm um risco político elevado. O FMI estima crescimentos da economia do país de 1,9% neste ano e de 3% em 2014 – os percentuais podem ser até modestos, mas em termos absolutos representam números monumentais (em 2014, por exemplo, a economia geraria riquezas adicionais de US$ 600 bilhões). O PIB norteamericano deve terminar este ano na casa dos US$ 20 trilhões, dez vezes o tamanho da

economia brasileira. "É por isso que a recuperação dos Estados Unidos e tão importante para o resto do mundo." Recessão – No caso da Europa, as questões são mais complexas. Segundo Silber, hoje a zona do euro (grupo de 17 países que têm moeda única) está diante de um dilema: ou mantém as políticas de austeridade de gastos públicos capitaneada pela Alemanha, que têm resultado em recessões e situações dramáticas de desemprego, ou flexibiliza essas políticas, de forma a incentivar o crescimento econômico e a geração de empregos. "Ao privilegiar os ajustes rígidos impostos pelos alemães, muitos países se perderam. A Grécia, por exemplo, entrou em recessão em 2008 e só deve voltar a crescer em 2015. Não há estrutura social que aguente uma situação como essa", afirmou. "Os resultados dessas políticas geram um problema social imenso. Afinal, trata-se de populações que durante os anos de bonança da economia mundial puderam desfrutar dos benefícios do estado do bem-estar social. É uma questão política que deve ser levada em consideração", destacou, lembrando que uma data importante da zona do euro é a eleição de setembro na Alemanha, que pode marcar o fim da era Angela Merkel. "Vejo como uma saída viável um ajuste mais gradual das contas dos governos, de modo que seja possível, simultaneamente, incentivar o crescimento. Mas não é, de qualquer forma, um trabalho fácil." A União Europeia, zona do euro incluída, tem 23% da economia mundial e fornecedores e clientes por toda parte. Sua recuperação, portanto, interessa a todos. Novo projeto – Em relação à China, a expectativa está relacionada ao grau de sucesso do novo modelo, que deve privilegiar a demanda interna, hoje concentrada no setor de serviços. O país deve crescer 8% neste ano, estima o FMI.

DC 08/05/2013  

Diário do Comércio

Advertisement