Issuu on Google+

Pedro França/Estadão Conteúdo

São Paulo, sábado, domingo e segunda-feira, 1, 2 e 3 de fevereiro de 2014

R$ 1,40

Conclusão: 23h45

Ano 90 - Nº 24.054

www.dcomercio.com.br

Jornal do empreendedor

Renan e sua vasta plantação de cabelos

Página 4

Ou o Congresso navega o Marco da web ou ancora

Senador volta com 10 mil fios a mais. Pág. 5

Deputados e senadores voltam das férias com a pauta trancada pelo Marco Civil da Internet, que deveriam votar em regime de urgência em 2013, após a espionagem americana até à presidente. Navegue às págs. 14 e 15 para saber o que muda na web; e na 2 e 5, para a pauta em ano eleitoral.

Saad Abobrahim/Reuters

Moises Nascimento/Estadão Conteúdo

Bombardeio à paz síria: 85 mortos.

Zona Sul: 34º e 35º da Linha Bota-fogo Na noite de sábado, um ônibus queimado. Na madrugada de ontem, outro. Ambos em Cidade Ademar. Pág. 8 Edison Temoteo/Estadão Conteúdo

A guerra recomeçou na Síria com o fim da negociação de paz na Suíça. O governo enviou helicópteros para jogar barris de óleo com explosivos e fragmentos de metal sobre rebeldes em Aleppo – dos 85 mortos, 65 eram civis e 10, crianças. Pág. 7 ISSN 1679-2688

24054

9 771679 268008

Jogo duro com os cartolas começa em abril. Por lei.

Maestro do Verdão comemora show dos 100%

Entidade que receber qualquer dinheiro público, isenção inclusive, terá de se enquadrar. Pág. 6

Valdívia, após marcar nos 2 a 0 contra o Tricolor. Palmeiras, só vitórias no Paulistão. Já o Timão... Esporte, págs. 11 e 12


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

sábado, domingo e segunda-feira, 1, 2 e 3 de fevereiro de 2014

Por essas e tantas outras razões, o comportamento do Congresso neste ano é uma enorme interrogação. José Márcio Mendonça

A ARGENTINA, O MERCOSUL E A EMBREAGEM.

SXC

sta segunda-feira marca, oficialmente, a volta do Congresso Nacional aos trabalhos em 2014, com a praxe da entrega do documento da presidente Dilma aos parlamentares, levado pelas mãos do ministro chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, que será empossado horas antes do trajeto do Palácio do Planalto ao Palácio do Congresso, estreando no novo cargo com pompa e circunstância. Este é sempre um momento festivo e o texto é desses para inglês ver: se alguém acha que vai encontrar na longa peroração presidencial indicações precisas e seguras das políticas que o governo federal pretende executar vai dormir no sereno. É tudo mera formalidade. Porém, a Câmara e o Senado voltam para o início do último ano desta legislatura, uma vez que os mandatos de todos os deputados e de um terço dos senadores será renovado nas eleições de outubro, num clima de tensão como há muitos anos não se vê.

E

á as razões conjunturais, de todos os anos, que são as relações voláteis do Executivo com o Legislativo, ora de boa paz, ora com grupos pintados para a guerra, situação que se repete todo ano e tem quase tudo a ver com a forma como o Palácio do Planalto trata seus parlamentares e os parlamentares aliados – seja com atenção e afagos, convites para viagens, tapinhas nas costas, audiências no Palácio e nos ministérios, seja em coisas mais concretas, como a liberação dos recursos do Orçamento para que possam fazer política eleitoral em suas bases e a nomeação de apadrinhados para cargos federais. Em ano eleitoral, esses agrados têm um valor mais especial. Em 2014, porém, a situação ficou mais complicada. Desde as manifestações de junho passado, quando os brasileiros foram às ruas nas grandes cidades protestar "contra tudo que está aí", na política e na administração pública, ficou evidente que há no ar um clima de insatisfação mais ou menos generalizado e muito propício a mudanças e renovações.

CONGRESSO VOLTA À CENA

primeiro movimento para enfrentar a piora da crise argentina foi feito na direção correta no início da semana, mas é óbvio que será preciso uma desvalorização bem mais forte do peso para sair da encrenca em que a economia se meteu. Ela está pagando pelo acúmulo de erros durante anos, o maior dos quais foi declarar um "default" e esperar que não houvesse maiores consequências no longo prazo. Ficou provado o contrário: a Argentina não consegue auxílio externo e passou a viver por conta própria. Não por virtude, mas porque não tem acesso a qualquer modalidade de crédito no exterior. O novo ministro da Economia, Axel Kicillof, bom profissional, mas cujas posições são muito discutidas por suas inclinações marxistas, mescladas com certo "keynesianismo" heterodoxo, está tendo que se virar sozinho para evitar o desastre.

O

H

este primeiro mês de 2014 esse sentimento p a re c e t e r v o l t a d o , tendo como estopim um certo “#não vai ter copa.” E esse sentimento mexe fundo com os partidos e os políticos no parlamento, pois eles sabem, por experiência própria e de ex-companheiros, que são os mais descartáveis desse universo. Quem está num governo, mesmo ameaçado por essas ondas de insatisfação, tem mais como se defender. Porém, o que se está desenhando no horizonte eleitoral de 2014, a se confirmar a força das manifestações programadas para o meio do ano, é muito mais que as marolas ou marolinhas de tempos passados – pode ser um verdadeiro tsunami sobre o Congresso e as Assembleias Legislativas. Normalmente, o índice de renovação de nomes no parlamento brasileiro, nos anos

N

desvalorização cambial é o começo da solução e as consequências, visivelmente, virão logo a seguir: um dramático corte dos salários reais. E para que os efeitos da desvalorização não sejam anulados por uma alta geral de preços, será preciso uma política fiscal extremamente dura. Terá de reduzir a demanda interna e esta basicamente não pode ser feita pelo setor privado, se não a economia entra em recessão. Por isso a demanda terá que ser reduzida por um corte nas despesas do governo ou por aumento de impostos, o que levaria igualmente à recessão. É importante entender que o ministro fez o movimento (a desvalorização do peso) na direção certa, mas infelizmente deixou transparecer que não existia um programa bem estruturado para enfrentar a situação, porque um dia depois deu a meia-volta, restabelecendo impostos e criou mais incertezas, porque mostrou às pessoas, que sofrem as consequências (a queda do salário real) que não há uma direção segura. Essa dose extra de incertezas vai para os preços, o que piora a agonia do governo: ele

A posteriores à redemocratização, tem se situado numa faixa entre 45% e 55%, até abaixo disso. Apenas em um ano apenas ultrapassou um pouquinho os 60%. ode vir chumbo grosso em 2014. A previsão e muitos parlamentares – e temor dos partidos – é que a troca promovida pelos eleitores pode passar dos 70%. Ou seja: 7 de cada dez parlamentares não devem voltar a Brasília no ano que vem. Diz um deputado, com ironia: vamos engrossar o índice de desemprego do IBGE. E é este o pavor que está batendo nos políticos e em suas legendas. Ninguém sabe quem será atingido e a estratégia vai ser a do "salvese quem puder". O primeiro adversário, o primeiro inimigo a ser batido eleitoralmente é o companheiro de partido. Para alguns partidos a situação é dramática, pois o grande trunfo que eles exibem na hora de negociar posições e espaços no governo é o tamanho de suas bancadas na Câmara e no Senado. Os partidos valem, na hora da partilha dos cargos federais com o Planalto (que quer que seja o governante de plan-

P

JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA

tão), conforme o número de votos que eles podem dar. Explica-se assim, por exemplo, a influência do PMDB em todos os governos desde 1985: sempre elegeu bancadas expressivas e virou parceiro preferencial no nosso "presidencialismo de coalizão". Nesse período o PMDB ficou com os dois pés fora da canoa apenas em duas ocasiões: no desastrado interregno Fernando Collor e nos primeiros meses de Lula, até ser chamado em socorro do presidente depois do Mensalão. ssim, explica-se também que seja agora o PMDB o partido mais inquieto e o que mais está cobrando da presidente Dilma a ampliação de seus espaços no governo. Ele precisa garantir seu cacife para 2015, para ne-

A

O que se desenha no horizonte eleitoral de 2014, a se confirmar a força das manifestações previstas para o meio do ano, é muito mais do que marolas .

gociar com Dilma, com Aécio, ou Eduardo Campos – isto é um mero detalhe. Os novatos PSD e Pros também estão alvoroçados. Como não elegeram ninguém, pois herdaram parlamentares eleitos por outras legendas, precisam confirmar força nas urnas. A inquietação é geral e alcança também os oposicionistas. Por essas e tantas outras razões, o comportamento do Congresso neste ano é uma enorme interrogação. E o governo Dilma sabe disso, tanto que tenta se imunizar contra o que o Palácio do Planalto classifica como uma "pauta-bomba" que ronda a Câmara e o Senado. Uma série de projetos que implicariam em grandes aumentos dos gastos públicos num momento em que a palavra de ordem no Planalto é "austeridade fiscal". Mas como os parlamentares, ameaçados de aposentadoria compulsória, resistirão ao apelo de apoiar medidas de duvidoso gosto popular? m tempo: não é para se regozijar com a possibilidade de uma renovação tão grande na politica, embora se deva tentar. Nossa experiência mostra à exaustão que renovar nomes não indica renovação de hábitos e comportamentos. Como dizia o experiente Ulysses Guimarães, o Congresso futuro no Brasil é sempre pior que o atual.

E

JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA É JORNALISTA E ANALISTA POLÍTICO

DELFIM NETTO

A desvalorização cambial na Argentinan é apenas o começo da solução, e as consequências dela, visivelmente, virão logo a seguir, com um dramático corte dos salários reais.

não pode se socorrer de uma política de juros para conter a inflação, já que não existe movimento de capitais. sso significa que vai precisar endurecer ainda mais a política fiscal e ninguém sabe se o governo está preparado para levar isso às últimas consequências. Apesar de algumas tentativas – especialmente no exterior – de misturar as condições das duas economias, hoje há uma clara consciência de que Brasil e Argentina vivem situações distintas e dificilmente se armará alguma confusão a esse respeito.

I

emos de acompanhar com cuidado o que se passa em nosso vizinho, poisa Argentina é um mercado muito importante para nossas exportações de manufaturados. Mas devemos entender que o comércio mundial está indo numa direção e nós, com o Mercosul, em outra. A realidade é que o Mercosul está desembreando os países que dele participam do resto do mundo...

T

ANTÔNIO DELFIM NETTO É PROFESSOR EMÉRITO DA FEA-

USP, EX-MINISTRO DA FAZENDA, DA AGRICULTURA E DO PLANEJAMENTO

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Cesário Ramalho da Silva Edy Luiz Kogut João Bico de Souza José Maria Chapina Alcazar Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Miguel Antonio de Moura Giacummo Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Renato Abucham Roberto Mateus Ordine Roberto Penteado de Camargo Ticoulat Sérgio Belleza Filho Walter Shindi Ilhoshi

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, Marcel Solimeo Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Editor-Chefe: José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br). Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br). Editores Seniores: chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), José Roberto Nassar (jnassar@dcomercio.com.br), Luciano de Carvalho Paço (luciano@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Marcus Lopes (mlopes@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br). Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Heci Regina Candiani (hcandiani@dcomercio.com.br), Tsuli Narimatsu (tnarimatsu@dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br. Subeditores: Rejane Aguiar e Ricardo Osman. Redatores: Adriana David, Evelyn Schulke, Jaime Matos e Sandra Manfredini. Repórteres: André de Almeida, Karina Lignelli, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mariana Missiaggia, Paula Cunha, Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibellis e Sílvia Pimentel. Editor de Fotografia: Agliberto Lima. Arte e Diagramação: José dos Santos Coelho (Editor), André Max, Evana Clicia Lisbôa Sutilo, Gerônimo Luna Junior, Hedilberto Monserrat Junior, Lino Fernandes, Paulo Zilberman e Sidnei Dourado. Gerente Executiva e de Publicidade Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estadão Conteúdo, Folhapress, Efe e Reuters Impressão S.A. O Estado de S. Paulo. Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens: dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3180-3175. Fax 3180-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3180-3197, 3180-3983, Fax 3180-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3180-3544, 3180-3176 Esta publicação é impressa em papel certificado FSC®, garantia de manejo florestal responsável, pela S.A. O Estado de S. Paulo.

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3180-3737 REDAÇÃO (011) 3180-3449 FAX (011) 3180-3046, (011) 3180-3983 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 1, 2 e 3 de fevereiro de 2014

3

VIDA UNIVERSITÁRIA NO BRASIL É PURA POSE , SUBSIDIADA COM DINHEIRO PÚBLICO.

Ilustração instantânea o meu artigo anterior, referindo-me à guarda pretoriana do corporativismo acadêmico, escrevi: "Não é que apenas me julguem sem ter lido os meus livros. É que se recusam terminantemente a lê-los e consideram mesmo ofensiva a sugestão de que deveriam fazê-lo antes de me julgar. " Mal havia eu acabado de enviar o artigo à editora desta página, e um professor de filosofia da PUC do Rio Grande do Sul, por antecipação telepática, já se prontificou a ilustrar a minha afirmativa. Ricardo Timm de Souza, autor de uns poeminhas horríveis e de alguns trabalhos acadêmicos não muito ruins, embora entremeados de erros de gramática, escreveu que eu era um "marionete do dinheiro, financiado para evitar que as pessoas pensem".

N

omo eu lhe perguntasse educadamente quais livros meus ele havia lido para chegar a tão devastadora conclusão, ele esperou 24 horas e respondeu que havia lido o meu prefácio à Origem da Linguagem de Eugen Rosenstock-Huessy, e, consultando o prefaciador da edição alemã, este lhe apontara um cochilo biográfico que eu cometera. Embora o erro não se referisse sequer ao autor prefaciado, mas a outro citado de passagem (Franz Rosenzweig), e embora a comunidade inteira dos discípulos e estudiosos de Rosenstock não visse em tão irrisório detalhe o menor motivo para deixar de louvar o meu

C

trabalho e de me convidar para falar na conferência internacional Planetary Articulation? The Life, Thought, and Influence of Eugen Rosenstock-Huessy ( h t t p : / / w w w. o l a v o d e c a r v alho.org/english/texts/confer_rosen st_en. htm), a superior escrupulosidade acadêmica do professor Timm levou-o a extrair desse episódio a generalização acima citada, da qual saio com a fama de picareta subsidiado e cretinizador de jovens incautos. Milhares de depoimentos de meus alunos, dando ciência dos progressos intelectuais que alcançaram nas minhas aulas, bem como o desempenho brilhante de vários deles em atividades editoriais e jornalísticas, de nada valem: o primeiro ranheta acadêmico que aparece chama- os de "olavettes", e fica assim provado que são bocós teleguiados, reduzidos à mais extrema imbecilidade pela minha influência deletéria. omo no intervalo entre a minha postagem e a do Prof. Timm alguns alunos dele me cobrissem de insultos e recebessem o troco em doses ge-

C

nerosas, o referido aproveitou-se disso para esquivar-se definitivamente da obrigação de ler antes de julgar. Com ares de anjo ofendido, retirou-se da conversação, declarando que eu estava cheio de "ódio" e necessitado de tratamento psicanalítico. Nos posts dos seus alunos, vazios de qualquer conteúdo exceto rotulagens pejorativas e insultos criminosos à minha fé cristã, não havia, é claro, ódio nenhum. Transbordavam de amor e bondade.

Eu não contaria essa história se ela não fosse, como tantas outras, uma amostra significativa do tipo de moralidade intelectual que impera nas universidades brasileiras hoje em dia. ais significativo ainda é que um homenzinho auto-investido do direito sacrossanto de insultar sem revide e de proferir julgamentos temerários com uma base factual zero seja também autor de trabalhos sobre

M

Um dia os estudantes brasileiros vão perceber quem são, realmente, os verdadeiros "financiados para impedi-los de pensar".

a filosofia de Emmanuel Levinas, nos quais ele proclama, fazendo eco ao grande pensador judeu, que "a justiça é a base da verdade". Não adianta, portanto, papai e mamãe enviarem o menino para estudar na Alemanha, se não lhe deram educação doméstica suficiente para fazê-lo entender que é feio gargarejar entre pompas acadêmicas as mais belas verdades filosóficas e exemplificar, na vida real, a mais extrema insensibilidade a elas. itros e litros de verniz de cultura, mesmo obtidos de boa fonte, não bastam para encobrir a barbárie terceiromundista arraigada no fundo de uma alma vulgar e mesquinha, igual a tantas outras espalhadas pelas cátedras universitárias neste País. Um dia os estudantes brasileiros vão perceber quem são os verdadeiros "financiados para impedi-los de pensar". Se querem localizá-los já, basta procurá-los entre os entusiastas do lulodilmismo. Afinal, nin-

L

SXC

OLAVO DE CARVALHO guém jamais perdeu dinheiro por falar bem do governo. *** elos meus cálculos, publiquei uns mil artigos na m í di a n ac i o na l . Se r á que, no país que tem mais professores universitários per capita no mundo, não há mil deles capazes de ler um artigo meu cada um, rebatê-lo com argumentos fulminantes, somar esse material e assim, mediante um esforço coletivo como a tomada do Palácio de Inverno ou o esfaqueamento de Júlio César, provar ao mundo que sou uma besta quadrada? Na verdade, toda essa gente reunida não seria capaz de argumentar razoavelmente contra um só artigo meu. A solução que encontram é sair batendo pezinho, fazer-se de superiores, alegar que estão ocupados. Não bastante, claro, para impedir-se de fazer minha caveira pelas costas, nas suas salas de aula, longe da possibilidade de revide. Isso é a vida universitária no Brasil: pura pose, afetação, teatro, frescura subsidiada com dinheiro público.

P

OLAVO DE CARVALHO É JORNALISTA, ENSAÍSTA E PROFESSOR DE FILOSOFIA

UMA IDOLATRIA ANACRÔNICA isse a presidente Dilma, na ilha dos sanguinários irmãos Castro, que o embargo comercial a Cuba era anacrônico. Em minha opinião que, certamente, não vale nada, anacrônica é a atitude de idolatria da esquerda brasileira em relação à ditadura que ceifou milhares de vidas e segue impondo ao povo do pequeno país uma vida de miséria e opressão. Segundo o Michaelis, anacrônica é uma coisa "que está fora de uso, fora de tempo". Nada está mais fora de uso do que a ditadura sangrenta que há cerca de meio século persiste naquele pedacinho do Caribe. Tão fora de uso no mundo atual que Cuba permanece estacionada na década de 50, quando os então revolucionários derrubaram o ditador Fulgêncio Batista, de direita, e instalaram uma assassina ditadura de esquerda, sob a batuta – ou melhor, a metralhadora – então e por mais de 45 anos, de Fidel Castro.

D

desde aquela época a também anacrônica esquerda brasileira, especialmente a festiva, idolatra os impiedosos criadores do "paredão", pouco se importando com as características democráticas do mundo livre. O Brasil, na era Lula, acentuou a babação em cima do regime cubano, com Dilma não escondendo o brilho em seu olhar quando beija a mão do hoje anacrônico Fidel e seu irmão Raúl. Tivesse nosso País partidos de oposição verdadeira, e a quantia de dinheiro brasileiro – que

E

PAULO SAAB O Brasil, na era Lula, e também na de Dilma, acentuou a babação em cima do ditatorial regime cubano. Enquanto isso, aqui no País, os portos andam porcos e a saúde pública é uma vergonha.

SXC

nunca mais veremosaplicada na construção "do mais moderno porto do Caribe" serviria para abrir um processo de impeachment da presidente por mau uso de dinheiro público do pagador de impostos nacional. tanto dinheiro somado a uma falsa candura na hora de sua justificativa, que torna anacrônica também, de forma definitiva, no governo petista, a vergonha na cara. Some-se a isso outra fábula de dinheiro brasileiro que está engordando os cofres dos ditadores cubanos, no “pagamento” da importação de médicos daquela ilha. Sabe-se que para cada

É

médico vindo de lá (sem se conhecer sua qualidade técnica) o Brasil manda dez mil reais para o governo de Cuba. Este devolve três mil para o médico e fica com sete mil, para seguir sustentando com dinheiro brasileiro a ditadura decadente, substituindo a antiga União Soviética e a falida Venezuela nesse mister. Enquanto isso, aqui, os portos andam porcos. A saúde é uma vergonha, com ou sem médicos de fora, diante da falta de condições de operação dos hospitais. Nossas estradas são pistas de imolação, a segurança urbana e rural transformouse em guerra exposta, o aparato estatal foi entregue ao aparelhamento petista e

de aliado$ interesseiros, transformando o Estado brasileiro no maior cabidão de emprego público do mundo. Ineficiente. Corrupto. Anacrônico. ona Dilma é muito ágil em, como Lula, perdoar dívidas de países pequenos com o Brasil. É rápida em beijar a mão de seus (ainda) ídolos da época de sua juventude e entupi-los de dinheiro brasileiro, que faz falta ao nosso povo. É ágil também em gastar esse mesmo dinheiro em hospedagens, viagens e refeições milionárias. Mas fica anacrônica quando se justifica dizendo que ela própria pagou sua conta. Claro, com cartão corporativo secreto do

D

tesouro pátrio, ou com reembolso por despesas de viagem. É tão acentuado o despudor que tomou conta das declarações oficiais, justificando atos oficiais imorais, ilegais, como anacrônica é a oposição ao governo petista que, ao menos em mim, provoca melancolia. Saudade de quando o próprio PT fazia oposição. Vocação anacrônica do partido, substituída pelo desfrute burguês e desmedido das benesses do poder. De uns tempos a esta parte se tornou penoso, além de assistir ao festival de prioridades equivocadas, investimentos partidários e não-nacionais, corrupção desenfreada, compadrio e

aparelhamento em estado de desfaçatez, ouvir as explicações e versões dos governantes que chegam à beira da ofensa à mínima inteligência de cada um. m minha adolescência, era comum cantar uma modinha maliciosa, referindo-se a Cuba: “O Brasil vai lançar foguete. Cuba também vai lançar. Lança Cuba, lança. Quero ver Cuba lançar.” Hoje,a letra é de ingenuidade ímpar, perto da ousadia que representava para os então acnianos jovens verde-amarelos. Cuba, ditadura assassina, é idolatrada por alguns no Patropi, , que pensam falar em nome de todos. E gastam nosso dinheiro nisso.

E

PAULO SAAB É JORNALISTA E ESCRITOR


DIÁRIO DO COMÉRCIO

4

)KDC7O gibaum@gibaum.com.br

Um assessor brincou

MAIS: aí, outro, emendou

com os novos poderes de Aloizio Mercadante, na Casa Civil: "Será um homem de ferro".

depressa: "Será mesmo o novo Iron Man." O ministro lembrou de Robert Downey Jr. e sorriu.

2 “O rolezinho é um ato de justiça social, assim como o papel higiênico acabou porque os venezuelanos comeram muito.”

Velhos tempos Na participação de Lula, no fim de semana, em São Bernardo do Campo, em ato organizado pela CUT em homenagem a trabalhadores perseguidos pelo regime militar, ressurge, de certa forma, a figura do líder sindical, incluindo figurino do estilo – e que poderá ser repetido na campanha pró-Dilma. Também é uma contra-ofensiva às acusações do delegado Romeu Tuma Jr. no livro Reputações Assasssinadas, que garante que, na ditadura militar, Lula era informante de Romeu Tuma, homem-forte do Dops e chegava a dormir no sofá no gabinete do policial.

GUILHERME FIUZA // jornalista, escritor e ex-namorado de Narciza Tamborindeguy. Fotos: Jacques Dequeker

PATRULHA Acendendo o estopim Eduardo Paes (PMDB), prefeito do Rio, autorizado pelo Tribunal de Contas do Município, vai aumentar o preço das passagens de ônibus para compensar perdas inflacionárias do setor. No ano passado, tentou fazer a mesma coisa e recuou diante da pressão das ruas (a manifestação na Candelária foi a maior do país). Em São Paulo, o prefeito Fernando Haddad gostaria de fazer a mesma coisa, o que provocaria seqüelas nas campanhas de Dilma Rousseff e Alexandre Padilha. Sem qualquer menção a aumentos, 30 ônibus já foram apedrejados na cidade em janeiro e no Estado, mais incendiados, já são 58. Em 2013, um aumento de R$ 0,20 provocou uma onda de manifestações – e ainda não havia rolezinhos, nem black blocs.

MINI-CHURRO

A modelo britânica Cara Delevingne, 21 anos, é capa e recheio da edição de fevereiro de Vogue Brasil, onde posou para editorial de moda das ruas, no Morro Dona Marta, no Rio de Janeiro, ao lado do grupo Os Leleks e até arriscou alguns passos de funk. Cara adorou o Brasil: “As pessoas são doces, os lugares incríveis, tudo é sempre diferente”. Ela é o rosto de Burberry, já desfilou de noiva para Chanel e está morando agora com a atriz Michele Rodriguez, 35 anos, de Velozes e Furiosos, Avatar e da série Lost . Há algum tempo, teria tido outro affair com a cantora Rita Ora.

É moda das ruas

A família de José Genoíno arrecadou, em dez dias, R$ 761,9 mil e dos R$ 94,4 mil que sobraram, doou R$ 30 mil para Delúbio Soares pagar sua multa. O ex-tesoureiro do PT, em dez dias, recolheu R$ 1 milhão, quitou seu débito de R$ 466,8 mil e sobraram R$ 547 mil, parte dos quais irá para as vaquinhas de José Dirceu e do deputado federal João Paulo Cunha. Em todos esses montantes, deverá incidir o devido imposto vigente para esse tipo de doação. Na condição de ex-comandante-geral dos petistas nos velhos tempos, Dirceu acha que, em poucos dias, poderá arrecadar o dobro de Delúbio – e isso sem recorrer às suas economias de consagrado consultor. O ex-chefe da Casa Civil tem que pagar uma multa de R$ 676 mil, mais correção.

Dirceu quer recorde

É a nova mania gastronômica em São Paulo na hora da sobremesa, em muitos restaurantes: mini-churros, com variantes em chocolate ou doce de leite, como os originais vendidos em qualquer lugar, nas barraquinhas de rua. Quem introduziu a idéia – e trazida do Ceará, onde está localizado o primeiro restaurante da rede – é o Coco Bambu, um surpreendente endereço gastronômico (a festa é de frutos do mar), na Avenida Santo Amaro, em São Paulo (onde era o T.G.I. Friday), que lota todos os dias.

O Banco Central vive dias de economia total: os funcionários são obrigados a pagar até por documentos pessoais que imprimirem. Uma página em branco e preto custa 14 centavos. Os departamentos têm cotas para acesso à internet e ligações interurbanas por celular estão cortadas. Com autorização, as chamadas podem ser feitas pelo fixo. Para 2014, gastos para despesas do BC constam do orçamento em R$ 218 milhões, só que os funcionários esperam que cerca de 30% entre no contingenciamento, como no ano passado.

ESQUECIDOS O Brasil tem 14,5% de sua população com algum tipo de deficiência, ou seja, cerca de 27,7 milhões de brasileiros. No final do ano passado, o DataSenado fez uma pesquisa nacional e 80% dos entrevistados reclamaram que os direitos das pessoas com deficiência não são respeitados no país. Em 2013, R$ 46,1 milhões foram autorizados para o programa Promoção dos Direitos das Pessoas com Deficiência, incluindo emendas parlamentares. Para este ano, nessa rubrica, apenas R$ 15,3 milhões estão previstos. Fora diminuição de emendas, R$ 11,4 milhões do programa foram cancelados.

MISTURA FINA O MINISTRO da Saúde, Arthur Chioro, é sócio também de uma empresa na área de sonorização, chamada Fábrica de Sons , que já atuou em campanhas e eventos oficiais. Lá, tem dois sócios: Glaucio Grijó e Paulo Guilherme Muniz que foram nomeados para a Secretaria da Saúde de São Bernardo, em sua gestão.

QUEM diria: até a Duloren, conhecida marca de lingerie, também resolveu pegar uma carona – e intima – na Copa do Mundo. Acaba de lançar uma linha de calcinhas e sutiãs nas cores verde e amarelo. Tem para todas: de largas laterais até fio dental.

Aos 43 anos, mãe de três filhos de seu casamento com o diretor e produtor Matthew Vaugn, a modelo alemã Claudia Schiffer, ícone dos anos 90, da mesma geração de Cindy Crawford e Linda Evangelista, é a atração de março de Marie Claire. Exibe grande forma, como se o tempo não tivesse passado para ela e brinca: “Adoro as minhas rugas”. Lembra os tempos da passarela: “Nós sabíamos que éramos parte de um clube muito especial. Sempre que posso, mantenho contato com as amigas da época. E quando conversamos, continuamos de onde havíamos parado”.

Rugas amadas

De prontidão Está mais do que decidido: as Forças Armadas terão um contingente especialmente preparado, de prontidão, distribuído nos quartéis de todas as cidades-sede de jogos da Copa, pronto para entrar em ação, caso os governos estaduais não consigam atuar em episódios que ameacem a segurança pública. Em casos de urgência, os soldados sairão às ruas, sem quaisquer permissões de responsáveis pela Polícia Civil e Militar, sob o rótulo “situação de emergência”.

/

Economia no BC

Hoje em dia, quem se atrever a se manifestar contra homossexuais, vira alvo da patrulha pró-gay na internet em minutos. Mauricio Souza, jogador de vôlei da seleção, está sendo linchado pelas redes sociais coloridas porque resolveu ser contra casais homossexuais nas novelas: “Prefiro que meu filho não veja esse tipo de coisa e saiba que ter uma mulher, construir uma família e ter valores é o certo. Meu pai me ensinou isso”. Alguns blogs até incentivaram ações físicas contra ele e familiares. Resultado: Mauricio tirou do ar o que havia dito.

/ IN Louras.

OUT

Ruivas.

Quem degolou A cabeça de Helena Chagas substituída por Thomas Traumann na Secretaria de Comunicação da Presidência, foi exigida por Lula – e a pedido de Franklin Martins. Ela não vinha se entendendo com ele e teria contrariado até interesses supostamente de sua mulher, Ivanisa. Mais: a saída de Helena estava sacramentada desde a conversa entre Dilma e Lula, há 20 dias. Mesmo assim, ela viajou na comitiva presidencial a Davos, Zurique, Lisboa e Cuba e a Chefe do Governo não lhe antecipou nada. Traumann está nas graças de Martins e é muito ligado a Antonio Palocci, que vem atuando, a distancia, nos rumos da campanha. Helena soube de sua demissão pelos jornais.

DEPOIS do selfie, nova expressão começa a ganhar força nas redes sociais. É uma foto braggie: vem verbo inglês to brag, que significa se gabar. São aquelas que despertam uma certa inveja, do tipo comidas fantásticas, praias maravilhosas, coleção de sapatos no closet e por aí vai.

EM OUTUBRO, não agüentando mais interferência de Franklin Martins em sua área, Helena Chagas já pedira seu afastamento a presidente Dilma Rousseff, que lhe respondeu: “Nem pensar!” Na semana passada, Lula cobrou: “E a Helena, não sai?” A exministra-chefe da Secretaria de Comunicação da Presidência cumprirá quarentena.

OUTRO que está acompanhando a nova decolagem de Aloizio Mercadante, economista com doutorado, é o ministro da Fazenda, Guido Mantega. O italiano tem certeza de que, daqui a pouco, o novo chefe da Casa Civil começará a dar palpite na política econômica do governo.

MENOS de uma ano do show no Rock in Rio, a abanda 30 Seconds to Mars, liderada pelo roqueiro e ator Jared Leto volta ao Brasil em maio. Jared, exnamorado de Cameron Diaz, está no filme Dallas Buyers Club, ao lado de Matthew McConaughey.

Colaboração:

Paula Rodrigues / Alexandre Favero

sábado, domingo e segunda-feira, 1, 2 e 3 de fevereiro de 2014


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 1, 2 e 3 de fevereiro de 2014

5

AS MADEIXAS DE RENAN O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), volta hoje ao trabalho exibindo a cabeleira mais cara do planeta: um total de R$ 39 mil com o coruto. Porque teve de bancar o jatinho da FAB usado para fazer o implante de 10 mil fios.

Agenda das votações sai amanhã

Há uma certa imprensa bandida no Brasil, com pessoas pagas por fundos governamentais que estão aí para me atacar, enquanto eu faço o meu trabalho. Eu faço o meu trabalho e estou pouco ligando. Minha honestidade cabe aos brasileiros avaliarem, não a esses bandidos. Joaquim Barbosa, presidente do Supremo Tribunal Federal.

O

internet, o novo Código de Mineração e a regulamentação do trabalho doméstico. O líder do governo na Câmara, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP) afirmou que "só as MPs e os vetos, mais as matérias com urgência constitucional, que trancam a pauta, já é trabalho demais para este começo de ano". "Não deve haver divergências em relação à MP 625/13 (leia à esq.), pautada para semana que vem", salientou Chinaglia. Se gu nd o ele, as sessões para a votação dos vetos presidenciais merecem atenção por parte do governo. "Vamos tomar cuidado com todos os vetos", disse. Chinaglia confirmou que não há intenção do governo de retirar a urgência dos projetos com urgência constitucional que trancam a pauta da Câmara, que incluem o marco civil da internet. Chinaglia lembrou o interesse de votar no início do fevereiro o marco civil da internet. A proposta conta com o apoio do governo, mas ainda há divergência na base em relação ao texto. "Vamos negociar as divergências para tentar votar", salientou o líder. 1º DIA – Hoje, na primeira sessão legislativa do ano, em sessão solene, às 16h, o Congresso receberá a mensagem presidencial do último ano de governo da presidente Dilma Rousseff. Como sempre, o texto será lido pelo chefe da Casa Civil – agora, Aloizio Mercadante, que deverá ter assumido o cargo no mesmo dia, mais cedo Na mensagem, Dilma deve expor a situação do País, os motivos de o crescimento econômico estar lento e pedir a aprovação das iniciativas que acha fundamentais. (Agências)

Genoino saindo do Incor, onde esteve internado após passar mal.

Genoino passa mal, vai e tem alta no hospital ex-presidente do PT José Genoino deixou no fim da tarde de ontem o IC-DF (Instituto de Cardiologia do Distrito Federal). Segundo o hospital, o mensaleiro, 67 anos, deu entrada na emergência da instituição para avaliação cardiovascular. O hospital informou que Genoino teve alta após fazer os exames. Ainda não se sabe as causas do mal-estar. Segundo seu advogado, Luiz Fernando Pacheco, ele deu entrada na UTI do hospital após ter sentido fortes dores no peito e muita sudorese durante a noite. De acordo com o irmão de Genoino, o deputado federal José Guimarães (PT-CE), o ex-presidente do PT teve "pico de pressão". Genoino foi condenado a 6 anos e 11 meses de prisão em regime semiaberto por corrupção ativa e formação de quadrilha, além de multa de R$ 667,5 mil. O petista foi o único a pagar a multa no prazo estipulado pela Justiça. Genoino arrecadou mais de

O

R$ 700 mil, graças à mobilização de sua família, que criou um site para receber doações. A iniciativa teve apoio de integrantes da cúpula do PT. A quantia excedente da vaquinha eletrônica (R$ 30 mil) foi doada ara a campanha on-line de Delúbio Soares, ex-tesoureiro do partido. Apesar de inicialmente ter sido preso no Complexo Penitenciário da Papuda, Genoino atualmente cumpre 90 dias de prisão domiciliar por causa de sua saúde ele sofre de problemas cardíacos e chegou a passar por cirurgia no coração em julho do ano passado. O prazo de 90 dias dado pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, para nova avaliação de saúde termina em meados deste mês, quando deve ser reavaliado para que Barbosa decida se continuará em casa. Logo nos primeiros dias de Papuda, Genoino se sentiu mal e foi para o hospital, de onde seguiu para prisão domiciliar. (Folhapress)

NCF PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ/MF Nº. 04.233.319/0001-18 NIRE 35.300.183.371 ATA DA ASSEMBLEIA GERAL DE DEBENTURISTAS DA PRIMEIRA EMISSÃO DE DEBÊNTURES SIMPLES, NÃO CONVERSÍVEIS EM AÇÕES, DA ESPÉCIE QUIROGRAFÁRIA, COM GARANTIA ADICIONAL REAL, EM SÉRIE ÚNICA, PARA DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA, COM ESFORÇOS RESTRITOS DE COLOCAÇÃO, DA NCF PARTICIPAÇÕES S.A. 1. DATA, HORA E LOCAL: Realizada no dia 20 de maio de 2013, às 15h30, na sede social da NCF Participações S.A. (“Companhia”), na Cidade de Deus, Vila Yara, Osasco, SP, CEP 06029-900, no Salão Nobre do 5º andar. 2. CONVOCAÇÃO E PRESENÇA: Presente os debenturistas detentores de 100% (cem por cento) das debêntures em circulação da primeira emissão de debêntures simples, não conversíveis em ações, da espécie quirografária, com garantia adicional real, em série única, para distribuição pública, com esforços restritos de colocação, da NCF Participações S.A. (“Debêntures”), conforme se verificou pela assinatura constante da Lista de Presença de Debenturistas, em razão do que fica dispensada a convocação, nos termos do artigo 124, §4º, da Lei nº. 6.404, de 15 de dezembro de 1976, conforme alterada. 3. MESA: Presidida pelo Sr. Carlos Alberto Depaule Fonseca, e secretariada pelo Sr. Silas Santos de Amorim. 4. ORDEM DO DIA: (i) Aprovar a assinatura, pela Pentágono S.A. Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários, na qualidade de agente fiduciário representante dos debenturistas (“Agente Fiduciário”), do segundo aditamento ao “Instrumento Particular de Escritura da Primeira Emissão de Debêntures Simples, Não Conversíveis em Ações, da Espécie Quirografária, com Garantia Adicional Real, em Série Única, para Distribuição Pública, com Esforços Restritos de Colocação, da NCF Participações S.A.” (“Segundo Aditamento à Escritura” e “Escritura”, respectivamente), para: (a) ampliar o prazo de vencimento das Debêntures, que passará a ser de 3 (três) anos contados da data de emissão das Debêntures, de forma que a data de vencimento das Debêntures passe a ser o dia 25 de maio de 2014; e (b) alterar a remuneração das Debêntures, que passará a ser de 107,00% (cento e sete por cento) da variação acumulada da taxa média diária dos DI – Depósitos Interfinanceiros de um dia, over extra grupo (“Taxa DI”); (ii) Aprovar a assinatura, pelo Agente Fiduciário, do segundo aditamento ao “Contrato de Alienação Fiduciária de Ações em Garantia e Outras Avenças” (“Quinto Aditamento ao Contrato de Alienação Fiduciária” e “Contrato de Alienação Fiduciária”, respectivamente), de forma a refletir a alteração do prazo de vencimento e da remuneração das Debêntures; (iii) Aprovar o pagamento da remuneração das Debêntures da seguinte forma: (a) no período compreendido entre a data da primeira subscrição e integralização das Debêntures, qual seja, 09 de junho de 2011, até 25 de maio de 2013, será incorporado ao Valor Nominal Unitário a razão de 107,50% (cento e sete inteiros e cinquenta centésimos por cento) da variação acumulada da Taxa DI (“Remuneração Inicial”); e (b) no período compreendido entre 25 de maio de 2013 (inclusive) até a data de vencimento das Debêntures, as Debêntures farão jus à remuneração equivalente a 107,00% (cento e sete inteiros por cento) da variação acumulada da Taxa DI (“Remuneração Subsequente”). A Remuneração Subsequente será calculada de forma exponencial e cumulativa pro rata temporis por Dias Úteis decorridos sobre o saldo do valor nominal unitário das Debêntures desde a data de incorporação da Remuneração Inicial, qual seja, 25 de maio de 2013, devendo ser paga em uma única parcela na data de vencimento das Debêntures (ou na data do resgate antecipado facultativo ou na data do vencimento antecipado das Debêntures em razão da ocorrência de um dos eventos de inadimplemento previstos na Escritura, se for o caso); (iv) Aprovar o recebimento, pelos debenturistas, de pagamento no valor equivalente a 0,10% (dez centésimos por cento) incidentes sobre o valor nominal unitário das Debêntures em circulação, acrescido da Remuneração Inicial, calculada pro rata temporis desde a data da efetiva subscrição e integralização das Debêntures, qual seja, 09 de junho de 2011, até a data de celebração do Segundo Aditamento à Escritura, em razão das alterações à Escritura de que trata o item (i) acima, sendo tal valor devido também na data de celebração do Segundo Aditamento à Escritura; e (v) Aprovar a assinatura, pelo Agente Fiduciário, de todos os demais documentos eventualmente necessários para efetivar as deliberações aqui consubstanciadas. 5. DELIBERAÇÕES: Instalada validamente a Assembleia e após a discussão da matéria, os debenturistas aprovaram, sem quaisquer restrições: I. a assinatura, pelo Agente Fiduciário, do Segundo Aditamento à Escritura, para que: (a) o item 4.1.4 da Escritura passe a vigorar com a seguinte nova redação: “4.1.4. Prazo e Data de Vencimento: As Debêntures terão prazo de vencimento de 3 (três) anos contados da Data de Emissão, com vencimento em 25 de maio de 2014 (“Data de Vencimento”).” (b) o item 4.2.1 da Escritura passe a vigorar com a seguinte nova redação: “4.2.1. No período compreendido entre a data da primeira subscrição e integralização das Debêntures, qual seja, 09 de junho de 2011, até 25 de maio de 2013, será incorporado ao Valor Nominal Unitário a razão de 107,50% (cento e sete inteiros e cinquenta centésimos por cento) da variação acumulada da taxa média diária dos DI – Depósitos Interfinanceiros de um dia, over extra grupo (“Taxa DI”), expressa na forma percentual ao ano, base 252 (duzentos e cinquenta e dois) Dias Úteis, calculadas e divulgadas pela CETIP, no informativo diário disponível em sua página na internet (www.cetip.com.br) (“Remuneração Inicial”). 4.2.1.1 No período compreendido entre 25 de maio de 2013 (inclusive) até a Data de Vencimento, as Debêntures fazem jus à remuneração equivalente a 107,00% (cento e sete inteiros por cento) da variação acumulada da Taxa DI, expressa na forma percentual ao ano, base 252 (duzentos e cinquenta e dois) Dias Úteis, calculadas e divulgadas pela CETIP, no informativo diário disponível em sua página na internet (www.cetip.com.br) (“Remuneração Subsequente” e, em conjunto com a Remuneração Inicial, “Remuneração”). A Remuneração Subsequente será calculada de forma exponencial e cumulativa pro rata temporis por Dias Úteis decorridos sobre o Saldo do Valor Nominal Unitário desde a data de incorporação da Remuneração inicial, qual seja, 25 de maio de 2013, devendo ser paga em uma única parcela na Data de Vencimento (ou na data do Resgate Antecipado Facultativo ou na data do vencimento antecipado das Debêntures em razão da ocorrência de um dos Eventos de Inadimplemento, se for o caso). O cálculo da Remuneração obedecerá à seguinte fórmula: J = VNe x (Fator DI – 1) onde: J = Valor da Remuneração devida na Data de Vencimento, calculado com 6 (seis) casas decimais, sem arredondamento; VNe = Valor Nominal Unitário das Debêntures, ou saldo do Valor Nominal Unitário das Debêntures (conforme aplicável), Informado/calculado com 6 (seis) casas decimais, sem arredondamento; e FatorDI = corresponde ao produtório da Taxa DI com uso percentual aplicado a partir da data de início de capitalização ou da data de incorporação, inclusive, até a data de pagamento da Remuneração, exclusive, calculado com 8 (oito) casas decimais, com arredondamento, apurado da seguinte forma:

Fa to r D I

=

n

k =1

⎛ + ⎞ ⎜1 TD I k × p ⎟ 10 0 ⎠ ⎝

A corrupção política só acontece porque existem agentes do setor privado dispostos a serem corrompidos ou a corromper. Giovanni Falcetta, advogado do escritório Aidar SBZ, especializado em direito público pela Universidade Spacienze, Roma. Não é uma conversa no meu nível e no nível dela (Susan Rice, chefe do Conselho de Segurança Nacional dos EUA) que levará à melhoria de relações. Luiz Fernando Figueiredo, ministro das Relações Exteriores, sobre a espionagem americana. Quem está aqui não é o ministro, é alguém que crê em Deus. Ministro da Saúde Alexandre Padilha em um culto evangélico: o petista deixa a pasta hoje para se dedicar à corrida pelo governo de SP. Cheguei a um ponto em que o couro ficou duro. Presidente Dilma Rousseff ao ser indagada se a notícia de sua extravagância em Lisboa afetava sua imagem de austeridade.

Pedro Ladeira/Folhapress

s líderes partidários na Câmara vão definir a pauta de votações prioritárias para este ano em reunião marcada para amanhã, às 16h, no gabinete do presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN). Na quinta-feira, o governo reuniu os seus líderes na Câmara, no Senado e no Congresso e decidiu priorizar, no início dos trabalhos legislativos, a votação das 14 medidas provisórias já em tramitação no Parlamento e a manutenção dos vetos presidenciais. Já o presidente Alves manifestou, no final de 2013, a intenção de colocar em votação a reforma política, o marco civil da

Karina Zambrana/Ministério da Saúde

Llíderes partidários na Câmara vão definir a pauta para este ano. Hoje, tem a 1ª sessão legislativa de 2014.

Tarso Sarraf/ Pagos

Dida Sampaio/Estadão Conteúdo - 02/02/14

onde: k = número de ordem da Taxa DI, variando de 1 (um) até n; n = número total de Taxas DI, consideradas na apuração do “FatorDI”, sendo “n” um número inteiro; p = percentual aplicado sobre a Taxa DI, informado com 2 (duas) casas decimais, equivalente a 107,50 (cento e sete inteiros e cinquenta centésimos) ou 107,00 (cento e sete inteiros), conforme o caso; e TDI k = Taxa DI de ordem k, expressa ao dia, calculada com 8 (oito) casas decimais com arredondamento, apurada da seguinte forma:

TDI

k

⎛ DI = ⎜ ⎝ 100

k

⎞ + 1 ⎟ ⎠

1 252

− 1

onde: DIk = Taxa DI de ordem k, divulgada pela CETIP, válida por 1 (um) Dia Útil ( overnight ), utilizada com 2 (duas) casas decimais.”; (c) os itens 4.2.1.1 a 4.2.1.6 da Escritura sejam renumerados para 4.2.1.2 a 4.2.1.7 II. a assinatura, pelo Agente Fiduciário, do Quinto Aditamento ao Contrato de Alienação Fiduciária, para que o Anexo II do Contrato de Alienação Fiduciária passe a vigorar com a seguinte redação: “[…]

Data de Vencimento e Pagamento As Debêntures terão prazo de vencimento de 3 (três) anos contados da Data de de Principal e Remuneração: Emissão, vencendo-se assim em 25 de maio de 2014. O Valor Nominal Unitário das Debêntures e a Remuneração serão integralmente pagos na Data de Vencimento (ou na data do vencimento antecipado das Debêntures em razão da ocorrência de um dos eventos de inadimplemento, conforme previstos na Escritura, se for o caso). […]

Taxa de Juros:

No período compreendido entre a data da primeira subscrição e integralização das Debêntures, qual seja, 09 de junho de 2011, até 25 de maio de 2013, será incorporado ao Valor Nominal Unitário a razão de 107,50% (cento e sete inteiros e cinquenta centésimos por cento) da variação acumulada da taxa média diária dos DI – Depósitos Interfinanceiros de um dia, over extra grupo (“Taxa DI”), expressa na forma percentual ao ano, base 252 (duzentos e cinquenta e dois) Dias Úteis, calculadas e divulgadas pela CETIP, no informativo diário disponível em sua página na internet (www.cetip.com.br) (“Remuneração Inicial���). No período compreendido entre 25 de maio de 2013 (inclusive) até a Data de Vencimento, as Debêntures fazem jus à remuneração equivalente a 107,00% (cento e sete inteiros por cento) da variação acumulada da Taxa DI, expressa na forma percentual ao ano, base 252 (duzentos e cinquenta e dois) Dias Úteis, calculadas e divulgadas pela CETIP, no informativo diário disponível em sua página na internet (www.cetip.com.br) (“Remuneração Subsequente” e, em conjunto com a Remuneração Inicial, “Remuneração”). A Remuneração Subsequente será calculada de forma exponencial e cumulativa pro rata temporis por Dias Úteis decorridos sobre o saldo do Valor Nominal Unitário desde a data de incorporação da Remuneração Inicial, qual seja, 25 de maio de 2013, devendo ser paga em uma única parcela na Data de Vencimento (ou na data do Resgate Antecipado Facultativo ou na data do vencimento antecipado das Debêntures em razão da ocorrência de um dos Eventos de Inadimplemento, se for o caso).

[…]”

III. o pagamento da remuneração das Debêntures da seguinte forma: (a) no período compreendido entre a data da primeira subscrição e integralização das Debêntures, qual seja, 09 de junho de 2011, até 25 de maio de 2013, será incorporado ao Valor Nominal Unitário a razão de 107,50% (cento e sete inteiros e cinquenta centésimos por cento) da variação acumulada da Taxa DI (“Remuneração Inicial”); e (b) no período compreendido entre 25 de maio de 2013 (inclusive) até a data de vencimento das Debêntures, as Debêntures farão jus à remuneração equivalente a 107,00% (cento e sete inteiros por cento) da variação acumulada da Taxa DI (“Remuneração Subsequente” e, em conjunto com a Remuneração Inicial, “Remuneração”). A Remuneração Subsequente será calculada de forma exponencial e cumulativa pro rata temporis por dias úteis decorridos sobre o saldo do valor nominal unitário das Debêntures desde a data de incorporação da Remuneração Inicial, qual seja, 25 de maio de 2013, devendo ser paga em uma única parcela na data de vencimento das Debêntures (ou na data do resgate antecipado facultativo ou na data do vencimento antecipado das Debêntures em razão da ocorrência de um dos Eventos de Inadimplemento, se for o caso); IV. o recebimento, pelos debenturistas, de pagamento no valor equivalente a 0,10% (dez centésimos por cento) incidentes sobre o valor nominal unitário das Debêntures em circulação, acrescido da Remuneração Inicial, calculada pro rata temporis desde a data da efetiva subscrição e integralização das Debêntures, qual seja, 09 de junho de 2011, até a data de celebração do Segundo Aditamento à Escritura, em razão das alterações à Escritura de que trata o item I acima, sendo tal valor devido também na data de celebração do Segundo Aditamento à Escritura; e V. a assinatura, pelo Agente Fiduciário, de todos os demais documentos eventualmente necessários para efetivar as deliberações aqui consubstanciadas. 6. Encerramento: Nada mais havendo a ser tratado, foi encerrada a Assembleia, da qual se lavrou a presente ata que, lida e achada conforme, foi assinada pelo Presidente, pelo Secretário, pelo Debenturista, pelo representante do Agente Fiduciário. aa) Presidente: Carlos Alberto Depaule Fonseca; Secretário: Silas Santos de Amorim; Banco do Brasil S.A., representado por seu Gerente Geral UN, senhor Carlos Alberto Depaule Fonseca e por sua Gerente de Negócios, senhora Cristiane Sgobi Paes; Pentágono S.A. Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários, representada por seu procurador, senhor Silas Santos de Amorim. Certidão - Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia - Junta Comercial do Estado de São Paulo - Certifico o registro sob número 281.983/13-6, em 30.7.2013. a) Gisela Simiema Ceschin - Secretária Geral.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

sábado, domingo e segunda-feira, 1, 2 e 3 de fevereiro de 2014

Tem casos de presidentes há 40 anos no poder e que usam a máquina para se eleger de novo. Hortência Marcari, ex-jogadora de basquete Jardiel Carvalho/Brazil Photo Press/Folhapress

Às vésperas da Copa, governo quer moralizar esporte. Entidades esportivas que receberam dinheiro público terão até abril para s e adequar às regras trazidas pela MP 620. Entre as normas está o teto de 4 anos para presidente e fim da nomeação de parentes de 1º e 2º graus para os altos cargos. Rafael Neddermeyer/Estadão Conteúdo

Victória Brotto ualquer entidade esportiva – seja clube, associação ou federação – que receber dinheiro do governo federal deve limitar em apenas uma vez a reeleição para o cargo de presidente, deve ter representação dos atletas em seus conselhos e não poderá colocar na diretoria cônjuges e parentes até o segundo grau dos dirigentes que serão sucedidos. Isso é o que estipula a Medida Provisória 620 (MP 620) de autoria da senadora Ana Rita (PT-ES), sancionada pela presidência Dilma Rousseff em outubro de 2013. E, segundo o Ministério do Esporte, as entidades têm até abril deste ano para se enquadrar – se não, não poderão mais receber dinheiro público. Segundo o assessor legislativo da senadora Ana Rita (PT), José Penna Fort, "receber dinheiro do governo" significa qualquer "transferência direta, isenção fiscal ou benefício tributário". De acordo com a assessoria do Ministério do Esporte, hoje a pasta mantém convênio com 57 entidades esportivas, o que representa uma soma de R$ 180 milhões. A senadora Ana Rita, desde que o projeto entrou para a votação, defendeu uma "moralização das entidades esportivas". "Várias entidades são caixas pretas, ninguém tem acesso à gestão nem os atletas. Agora com a lei, esperamos que isso de passar a diretoria de pai para filho e de um presidente ficar décadas no comando acabe", disse o assessor da senadora. Muitos presidentes e diretores dentro de grandes clubes e de outras entidades esportivas já estiveram décadas no poder e, para continuar com as rédeas do clube mesmo depois de sua saída, colocaram parentes em seus postos. Como foi o caso de Vicente Matheus Bathe, o ex-presidente do Sport Clube Corinthians que ficou nada menos do que 18 anos no poder entre 1959 e 1989 – ele se elegeu em 1959, 1972, 1973, 1975, 1977, 1979, 1987 e 1989. Vicente Matheus ressurgiu novamente, mas na figura de sua mulher, Marlene Matheus, eleita para a presidência em 1991. Na página do clube, Vicente Matheus é chamado de dono de uma era. E outros donos de eras apareceram. Alberto Dualibi en-

Q

trou no Corinthians em 1993 e só saiu em 2007, quando renunciou ao ser acusado de lavagem de dinheiro. No mesmo ano em que Dualibi entrou no Corinthians, Mustafá Contursi assimiu o Palmeiras de onde só sairia em 2005, 12 anos mais tarde. E hoje, mesmo às vésperas da lei que regulamenta o tempo e a presença de parentes de presidentes nas entidades, muitos são os casos de altos escalões duradouros que seguram seus postos à unha há um punhado de anos. Juvenal Juvêncio, presidente do São Paulo, que está no cargo há mais de 24 anos, é um deles. No Comitê Olímpico Brasileiro (COB) há quase 20 anos está o presidente Carlos Arthur Nuzman. Nuzman foi reeleito em 2012 e estará no comando do COB durante os Jogos Olímpicos de 2016. AoDiário do Comércio, o Ministério dos Esportes informou que todas as entidades brasileiras precisam se enquadrar até abril às novas regras da MP 620 para receber recurso público.

de basquete Hortência, o exjogador de futebol Raí e o extenista Gustavo Kuerten defenderam a lei. A ex-jogadora de basquete – reconhecida como uma das maiores atletas da modalidade – con vers ou com o DC sobre o que ela chamou de "falta de oxigenação dentro as entidades". "A gestão das entidades no Brasil precisa se profissionalizar, precisa ter um rodízio nos altos cargos. Tem casos de presidentes há 40 anos no poder e que usam a máquina para se eleger de novo e de novo." Hortência Marcari assumiu a diretoria de Seleções Brasileiras Femininas dentro da Confederação Brasileira de Basquete (CBB) em 2009 mas se demitiu em abril do ano passado após uma série de polêmicas em torno do cargo. Depois do desempenho ruim da seleção feminina no Mundial e nas Olimpíadas de Londres, com a nona colocação, a ex-jogadora e então dirigente da CBB foi remanejada para o cargo de diretora de relações institucionais. Paulo Liebert/Estadão Conteúdo

APOIO E FISCALIZAÇÃO Quem fiscaliza o cumprimento da lei é o Ministério dos Esportes em conjunto com a Receita Federal, que informa as remessas de desconto fiscal e tributário. Atletas como a ex-jogadora Paulo de Souza/ Estadão Conteúdo

Lei cria polêmica por determinar que quem tiver acordos de propaganda com empresas públicas como Banco do Brasil também deve se enquadrar nas regras.

O cargo de dirigente da seleção feminina foi dado a Vanderlei Mazzuchini Junior, que acumulava ainda a direção das equipes masculinas. Na época, Hortência disse que não aceitava a nova função e pediu demissão. Ao DC, Hortência disse acreditar numa "nova fase para o esporte e para o basquete" com a lei que limita tempo de gestão e de cargos de diretoria e m e n t i d ades, e afirmou ainda que o fato de o Brasil sediar dois g r a n d e s e v e n t o s e sportivos nos próximos anos – C op a do Mundo e Olimpíadas – traz a necessidade de mu-

danças bruscas em direção à "maior transparência dentro de entidades" e melhora no cenário do esporte brasileiro. Outro atleta que se envolveu com a questão e foi ao Congresso quando a MP 620 era votada é o ex-jogador de futebol Raí. Assim que a MP foi sancionada por Dilma Rousseff, ele emitiu um parecer à imprensa dizendo que a lei iria "refrescar e trazer novas ideias com novos grupos que poderão chegar ao poder". Alguns dirigentes de federações se pronunciaram contra a questão de limitar a reeleição e a presença de parentes nas diretorias. Um deles foi José Maria Marín, presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). "Na minha opinião, aquilo que é bom deve continuar. Entre fazer uma experiência e ficar com aquele que comprovou que é bom, eu fico com

JF Dorio/ Estadão Conteúdo

José Maria Marín diz que "não se deve mudar o que funciona"; Raí (acima) e Hortência criticam os longos mandatos nas entidades, os quais a lei quer acabar até abril e que são comuns na história de grandes clubes. Vicente Matheus, por exemplo, após 18 anos como presidente do Corinthians, voltou ao poder quando sua mulher Marlene foi eleita para o cargo.

El País diz que Brasil está cansado de futebol corrupto ansado de um futebol corrupto e repleto de tramoias e disputas entre grandes instituições financeiras. É o que disse, na semana passada, um dos principais correspondentes do jornal espanhol El País no Brasil, Juan Arías, sobre o brasileiro que saiu às ruas –

C

novamente – p rot e st a n do , desta vez, contra a Copa do Mundo. Juan assina uma coluna semanal na versão brasileira e online da publicação. E a da última semana, cravada logo no título: Por que o Brasil está contra a Copa? Está contra porque, segundo Arías, "o futebol se tornou um grande toma-ládá-cá, em que os jogadores são objeto de disputa entre grandes instituições finan-

ceiras, e às suas costas até os funcionários dos clubes enriquecem ilicitamente". E no meio de tantas transações escusas, como a da compra do jogador Neymar pelo Barcelona, o brasileiro – que ainda é o símbolo do futebol mundo afora – grita a plenos pulmões que não quer mais "a degeneração geral de um esporte que acabou aprisionado nas mãos do grande capital especulativo mundial após tê-lo roubado

dos verdadeiros torcedores." Mais maduro do que o último Mundial celebrado por aqui, o Brasil faz uma pergunta "que é quase natural entre os jovens": “Mas o que é isto?". Como se dissessem: "Não queremos uma Copa assim. Queremos que nos devolvam o futebol". Esses são os jovens excluídos dos subúrbios e que estão fazendo apostas valentes na mudança do Brasil. E de seu futebol. (VB)

quem é bom", afirmou Marín ao ser questionado sobre a rotatividade dos altos cargos. Por obter isenção fiscal, a CBF também entra na nova regra. A confederação é uma das beneficiadas pela lei 12.350 que a isenta de impostos devido à Copa de 2014. Marín informou que ele não tentará reeleição, mas que "acompanhará todo o processo". O presidente da CBF assumiu o cargo depois que o cartola Ricardo Teixeira renunciou à presidência da entidade, quando completava 23 anos no cargo. Pela lei, além da renovação de cargos da diretoria e do veto de parentes, os resultados financeiros devem ser destinados para o que o texto chama de "objetivos sociais", como, por exemplo, centro de formação de novos atletas. DINHEIRO DE PROPAGANDA U m d o s pontos polêmicos da lei é o que inclui, como recebimento de recurso público, dinheiro de acordos d e p r o p aganda, imag e m e m a rca, como os acordos feitos entre empresas públicas (como a Caixa, o Banco do Brasil e a Petrobras) e grandes clubes, como Corinthians e Cruzeiro. "Existe hoje uma ação no Supremo Tribunal Federal movida pelo Corinthians e pelo Cruzeiro que pede que o dinheiro de propaganda com a Caixa não seja incluído nesta MP", afirmou Penna Fort. A assessoria do Corinthians negou a existência da ação no STF e disse que "está de acordo com todas as determinações da Medida Provisória 620". O Cruzeiro não retornou até o fechamento desta edição.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 1, 2 e 3 de fevereiro de 2014

7

PACTO NUCLEAR Irã recebe US$ 550 milhões na 1ª fase de desbloqueio de bens

TAILÂNDIA Protestos e boicotes deixam eleição parlamentar inconclusiva

A PAZ EM RUÍNAS Karam al Halabi/Reuters

Helicópteros do Exército sírio lançaram "bombas de barril" improvisadas na cidade de Aleppo, ontem, matando ao menos 85 pessoas no último episódio de uma campanha que muitos consideram ser um crime de guerra. "Pelo menos 85 pessoas foram mortas, incluindo 65 civis, dez dos quais eram crianças", disse o grupo opositor Observatório Sírio para Direitos Humanos, que tem uma rede de informantes ao redor da Síria. O Exército iniciou uma ofensiva para entrar nos bairros rebeldes da zona leste de Aleppo, no norte do país. O ministro da Defesa, o general Fahd Jasem al-Freikh, viajou à localidade na última sexta-feira para acompanhar a missão. O Observatório disse que houve "muito congestionamento" num posto de checagem em um bairro no sudoeste depois que o governo fechou a passagem para os carros, evitando que moradores

fugissem dos bombardeios e conflitos mais ao leste. Este foi um dos piores ataques aéreos na região. Em dezembro passado, ação similar deixou 76 vítimas. Aleppo foi dividida entre áreas controladas pelo regime e as controladas pelos rebeldes. Os confrontos entre os dois lados deixaram a cidade histórica em ruínas (à dir., homem gesticula para o céu após bombardeio aéreo em Aleppo). Os militares também usaram os barris explosivos nos subúrbios da capital, Damasco, ao longo do final de semana e realizaram bombardeios e ataques aéreos em outras cidades e vilarejos ao redor do país, afirmaram o Observatório e outros ativistas. Esses relatos não puderam ser confirmados de forma independente. O uso de bombas de barril barris de óleo ou cilindros com explosivos e fragmentos metálicos - é uma tática contro-

versa amplamente condenada internacionalmente. Potências propuseram uma resolução do Conselho de Segurança da Organização das

Nações Unidas (ONU), em dezembro passado, para expressar indignação com o uso dessas bombas, que matam indiscriminadamente civis inocen-

tes. A arma matou mais de 700 pessoas na Síria nas últimas seis semanas. Os barris explosivos foram criticados inclusive pela dele-

gação de oposição da Síria e seus aliados ocidentais em negociações de paz na Suíça. A primeira rodada de negociações terminou na última sexta-feira sem nenhum progresso no sentido de encerrar a guerra civil que já dura três anos na Síria ou ao menos reduzir a violência, que regularmente mata mais de cem pessoas por dia. Os rebeldes desejavam a saída do presidente Bashar alAssad, ponto que está fora de cogitação para o governo. De acordo com a ONU, mais de 130 mil pessoas já morreram desde o início do conflito em março de 2011. As diferenças políticas entre os grupos também dificultam a entrega de ajuda humanitária em Homs, região central da Síria. Caminhões de suprimentos estariam em um depósito à espera de que o governo e os rebeldes se entendam sobre a situação dos moradores da cidade. (Agências)

O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, está com a arma apontada para a cabeça de Israel nas negociações com os palestinos, depois de alertar que o país pode enfrentar isolamento internacional se as tratativas falharem, disse o ministro de Assuntos Estratégicos de Israel, Yuval Steinitz, ontem. Os comentários de Steinitz, que é próximo do premiê Benjamin Netanyahu, seguem acusações recentes do ministro da Defesa de Israel de que Kerry estava sendo "messiânico"

Gali Tibbon/Reuters

Aliados cada vez mais distantes na sua tentativa de buscar um acordo de paz. Em uma conferência de segurança em Munique no sábado, Kerry cutucou Israel ao apontar uma "crescente campanha de deslegitimação" contra o país, que estaria crescendo ao redor do mundo, e "conversas sobre boicotes" se o conflito na região não terminar. Para Netanyahu (à esq.), as tentativas de impor um boicote são "imorais e injustas". Nos últimos meses, um crescente número de governos e empresas têm afirmado que Maxim Shipenkov/EPA/EFE

Um povo sem medo das tropas ou do governo Ignorando os rumores de intervenção militar iminente na crise ucraniana, cerca de 50 mil pessoas se reuniram ontem no centro da capital, Kiev, exigindo a renúncia do presidente Viktor Yanukovych -- que está em licença médica e deverá retornar hoje ao trabalho. Líderes da oposição dirigiram-se à multidão (acima) afirmando ter esperanças de uma mediação internacional nas negociações com o governo e em mudanças na Constituição para limitar o poder presidencial. Pedindo por uma troca de liderança após semanas de uma crise que dividiu o país e colocou o Ocidente contra os aliados russos de Yanukovych, representantes da oposição que compareceram à conferência de segurança em Munique no final de semana disseram a seguidores que assegurariam a ajuda econômica internacional se tomassem o poder. O país vive uma onda de protestos desde que o governo rejeitou negociação de um acordo com a União Europeia após pressão russa. Na sexta-feira passada, os militares cobraram de Yanukovych medidas urgentes para estabilizar a situação do país, por considerarem que a segurança nacional está ameaçada. Yanukovych deve tratar da questão hoje, após se licenciar na última quinta-feira devido a uma doença respiratória aguda. (Agências)

Benoit Tessier/Reuters

Contra a 'familiofobia' Milhares de manifestantes se reuniram em Paris e Lyon, ontem, em um protesto renovado contra o que os conservadores chamam "familiofobia", ou seja, a legalização do casamento gay na França. A introdução do programa "ABC da Igualdade" nas escolas primárias também gerou indignação, em meio a rumores na internet de que as crianças receberão lições sobre teoria de gênero. (Agências)

não farão negócios com empresas israelenses que têm ligações com assentamentos judaicos em territórios palestinos, o que destaca o sucesso de uma campanha liderada pelo movimento BDS (boicote, desinvestimento e sanções pela Palestina). Na semana passada, a atriz Scarlett Johansson cortou relações com a ONG Oxfam, após ter escolhido ser garota-propaganda da empresa israelense SodaStream, que tem uma fábrica na Cisjordânia. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

Edison Temoteo/Estadão Conteúdo

BOTA-FOGO

Na zona sul, vândalos atacam o 35.º ônibus. ais um ônibus foi incendiado na madrugada ontem na Avenida Senador Vitorino Freire, em Cidade Ademar, zona sul da capital paulista. O veículo era da Viação Mobil Brasil. Com o caso, sobe para 35 o número de ataques a ônibus em São Paulo desde o início do ano – mais de um por dia. Em Cidade Ademar, foi o segundo incidente envolvendo ônibus em poucas horas. No s á b a d o , o u t ro ô n i b u s f o i queimado na mesma região. No incêndio de ontem, não foram registradas prisões nem houve feridos. O local do fogo, conforme informações

M

da Polícia Militar, foi o ponto final da linha que atende os moradores de Cidade Ademar e Jardim Miriam. O ataque ocorreu por volta da 0h, quando o motorista e o cobrador foram surpreendidos pela chegada de quatro homens, em duas motocicletas, e receberam ordens para que descessem. Em seguida, o veículo foi incendiado. O corpo de bombeiros foi acionado, mas, ao chegarem ao local, não havia mais o que salvar. A ocorrência foi registrada no 98º Distrito Policial. Depredação – Além dos 35 ônibus queimados, outros 66 coletivos foram depredados

sábado, domingo e segunda-feira, 1, 2 e 3 de fevereiro de 2014

Cineasta é morto a facadas em casa. Filho é suspeito. cineasta Eduardo Coutinho, de 81 anos, foi morto a facadas ontem de manhã dentro de casa, na Lagoa, zona sul do Rio. O filho dele, Daniel Coutinho, é o principal suspeito, segundo a polícia. Daniel também seria o responsável por esfaquear a mãe e, em seguida, teria tentado se matar. A mulher do cineasta, Maria Oliveira Coutinho, 62, foi socorrida pelos bombeiros e internada em estado grave no Hospital Miguel Couto, na Gávea, zona sul. O filho também foi levado para lá, com ferimentos menos graves, segundo a Polícia Civil. Segundo vizinhos do cineasta, Daniel, que morava com os pais, sofre de esquizofrenia. O corpo de Coutinho foi encaminhado ao IML, onde fo-

O Ônibus queimado na zona sul: número de ataques chega a 35. em diferentes distritos da cidade e da Região Metropolitana. Apenas na Grande São Paulo, 26 coletivos intermunicipais foram atacados e destruídos em janeiro, segundo a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo (EMTU). De acordo com a São Paulo Transporte (SPTrans), que

gerencia o serviço na cidade, o número de ônibus queimados e depredados este ano já superou todo o primeiro sem e s t re d o a n o p a s s a d o , quando foram registrados 21 veículos desse tipo queimados na capital paulista. Em algumas linhas, a circulação chegou a ser suspensa à noite. (Agências)

Bikeboys: entrega rápida e ecológica.

ram feitos exames que constataram a morte por ação de objeto perfuro-cortante. O laudo final será divulgado em 30 dias, no qual será descrito o tipo de arma e outros detalhes do crime. O corpo deve ser liberado para o velório hoje. B io g r af i a – Natural de São Paulo, Eduardo Coutinho era considerado um dos principais documentaristas brasileiros. Entre seus trabalhos estão "Cabra Marcado para Morrer" (1985), "Edifício Master" (2002), "Jogo de Cena" (2007) e "Babilônia 2000" (1999). Em 2007, o cineasta ganhou um Kikito de Cristal, principal premiação do cinema brasileiro, pelo conjunto da obra. Seu trabalho caracteriza-se pela sensibilidade em retratar no cinema as pessoas comuns. (Folhapress) Fotos: Tina Cezaretti / Hype

Empresas delivery na Capital aderem à bicicleta Mariana Missiaggia e Kety Shapazian les ainda são apenas um pontinho em meio ao mar de motoboys que lota as ruas e avenidas da cidade de São Paulo, todos os dias. Usando bicicletas, os bikeboys percorrem a capital paulista distribuindo encomendas de uma maneira ágil e ecológica. Documentos, flores, chocolates e até sopas são entregues por empresas com consciência mais 'verde'. Há um ano, cinco sócios fundaram a Courrieros, uma empresa de entregas rápidas em São Paulo que utiliza a bicicleta como meio de transporte. O serviço oferecido é semelhante ao prestado pelos motoboys. As entregas podem ser feitas em um raio de até 25 quilômetros de distância da sede da empresa, nos Jardins, e já conquistou clientes como CPFL Energia, Itaú, Odebrecht e Chocolat du Jour.

E

Aplicativo Os pedidos são distribuídos por 20 ciclistas que, a partir de um aplicativo de celular, são rastreados em tempo real para que a chegada do pacote seja monitorada. Além de ser uma alternativa sustentável, o serviço custa, em média, 30% a menos do que o valor cobrado por motoboys. Os preços partem de R$ 16 – para uma entrega curta com distância de até d o i s q u i l ô m etros – e descontos podem ser negociados. Para cada quilômetro rodado com a bicicleta, cerca de 50 a 100 ml de gasolina são poupados, evitando a emissão de 90g de CO2 na atmosfera. Em menos de um ano, a empresa passou de 110 entregas mensais para 130 entregas diárias. Na época do Natal, o número de pedidos deu um salto.

“Chegamos a 200 pedidos por dia. As empresas nos contratam para distribuir kits de Natal para seus parceiros e nossos clientes, como lojas de flores e chocolates, também têm demanda maior”, explica um dos sócios da Courrieros, André Monteiro Biselli, 23 anos. Para se instalarem em São Paulo, os sócios visitaram projetos parecidos em Nova York, onde a prática é muito comum. “A partir de outras práticas estudamos o mercado paulistano durante oito meses. O único ponto que nos preocupava era oferecer o serviço sem perder a velocidade. Temos que ser competitivos em prazos de entrega e acho que está funcionando”, diz André Biselli. Sopas – Bicicleta sempre foi o único meio de locomoção para Flávia Spielkamp. Natural de Caraguatatuba, no litoral norte de São Paulo, ela fazia tudo de bike até os 15 anos quando se mudou para a Capital e foi morar no Morumbi. "Não podia mais andar de bicicleta e achei que fosse infartar. Nunca odiei tanto uma fase da minha vida como aquela. Me sentia presa, era angustiante", lembra. O tempo passou, ela teve uma filha e foi morar na Santa Cecília, na região central, quando a menina tinha um ano de idade. E voltou a usar a magrela para fazer de tudo. Flávia, que é formada em Gastronomia pelo Senac e já foi chef de cozinha em um restaurante vegetariano em Pinheiros, recebia muitos amigos em casa e, "como sempre estava dura", servia sopa. O pessoal gostava tanto que vivia falando para fazer suas receitas e vender. Nem passou pela cabeça dela vender as sopas usando qualquer

Acima, Guilherme Rodrigues, um dos entregadores da Courrieros e, ao lado, André Bisselli, um dos donos da empresa: serviço eficiente. Abaixo, Flávia Spielkamp, que entrega sopas de magrela.

O único ponto que nos preocupava era oferecer o serviço sem perder a velocidade. Temos que ser competitivos em prazos de entrega. ANDRÉ BISELLI, DA COURRIEROS

meio de transporte além da bike, é claro. Com a premissa de oferecer uma cozinha saudável, sem abrir "mão do sabor e da personalidade dos ingredientes", Flávia montou a empresa Aya Cuisine, que trabalha com eventos e está presente nas edições do Mercado Festival Gastronômico. Veganas As sopas são veganas, ou seja, não levam manteiga, ovo, leite, creme de leite, queijo ou farinha de trigo. Isso não quer dizer que não possam ser incrementadas ao gosto do freguês. Tem cliente que coloca macarrão, queijo grana padano, castanhas, azeite e o que mais a criatividade permitir para deixar a sopa ainda mais gostosa. Os sabores dão água na boca: palmito pupunha com milho; cenoura com gengibre; beterraba com água de coco; abóbora com laranja; mandioquinha com alho poró... Moradora do Butantã, a chef faz toda a zona oeste e conse-

gue subir a Avenida Rebouças até a Paulista para depois descer pelos Jardins atendendo a clientela. Tudo isso carregando até cinco kits, com seis sopas cada um. Os preços de cada kit em 2013 era de R$ 90. "Em 2014, o valor do kit vai depender dos

preços dos legumes, que são todos orgânicos." Quem devolver a bolsa térmica e os vidros, ganha um desconto na compra do segundo kit. Como Flávia está grávida, as entregas este ano serão feitas temporariamente pelo seu marido. Mas ele vai de moto.

S ERVIÇO Aya Cuisine – Telefone: (11) 99444-8452. Internet: facebook.com/ayacuisine Courrieros – E-mail: courrieros@courrieros.com Telefone: (11) 2538-7921.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 1, 2 e 3 de fevereiro de 2014

9

Philomena em pré-estreia Philomena, de Stephen Frears, com a veterana Judi Dench (indicada ao Oscar de melhor atriz) tem pré-estreia nesta semana. Quarta (5), às 20h35. No Cinépolis Iguatemi Alphaville 9 . VIP. Tina Cezaretti/Hype

VISUAIS

O CCBB É POP Ana Barella

Divulgação

Depois de os renascentistas invadirem o Centro Cultural Banco do Brasil, agora é a vez dos mestres da arte pop. A exposição Visões na Coleção Ludwig traz 78 obras, vindas diretamente do museu de São Petersburgo, na Russia, parte do acervo de uma das mais importantes coleções particulares do mundo. Quem for conferir a mostra poderá ver de perto obras de arte pop, neoimpressionismo e hiperrealismo, de mestres como Picasso, Andy Warhol, Jean-Michel Basquiat e Roy Lichtenstein. De acordo com Joseph Kiblitsky, um dos curadores da mostra, Peter Ludwig foi o primeiro colecionador alemão a visualizar o potencial da pop art e ficou famoso por comprar trabalhos de Roy Lichtenstein e Jasper Johns, que atualmente alcançam valores expressivos. Um bom exemplo é o quadro sem nome de 1984, de Andy Warhol e Basquiat, em exposição no CCBB, que valia 20 mil dólares na época que Ludwig o comprou. Hoje, ele está avaliado por 20 milhões. Entre as obras, destaque para Cabeça de Criança (1991), de Gottfried Helnwein, exposta no hall de entrada do CCBB. A pintura mede seis metros de altura e impressiona pelo tamanho e aparência realista. Além de Cabeças Grandes (1969), de Picasso -- que, apesar de não pertencer ao movimento da arte pop, representa o início do interesse de Peter Ludwig pela arte contemporânea. Também estão expostos, Retrato de Peter Ludwig (1980), foto abaixo, de Andy Warhol e Madona (1979-1980), de Claudio Bravo, entre muitos outros. A coleção totaliza cerca de 20 mil peças, distribuídas por 12 Museus Ludwig, presentes em países como Alemanha, Suíça, Hungria, Rússia, Áustria e China.

Para entender Linda José Maria dos Santos aso alguém lhe apontar contribuem, mas um sujeito sobraçando com menor impacto. uma prancha de surfe nuÉ possível prevenir o ma praia da Califórnia e disser que é um professor da Universidade autismo? Ou pelo menos de São Diego, Ph.D. em Genética e minimizá-lo, manejando os Neurociência, especializado nos fatores ambientais que fazem estudos sobre o complexo tema parte do transtorno? Como não sabemos exatamendo autismo, acredite, mesmo que cientistas raramente costumem te quais os fatores ambientais corpegar onda. Trata-se do biólogo relacionados ao autismo, ainda é paulistano, do bairro de Pinheiros, cedo para falar em prevenção. Alysson Muotri, 39 anos. Portanto, Pesquisas nos Estados é a pessoa indicada para esclarecer dúvidas a respeito do autismo, Unidos apontam uma criança provocadas pela presença da per- autista para cada 88? Não é sonagem autista Linda, interpre- preocupante, considerando tada pela atriz Bruna Linzmeyer que pode ser uma média das (acima), na novela Amor à Vida, en- sociedades? Correto. É um problema sério cerrada neste fim de semana, que provocou polêmicas variadas en- tanto médico como econômico. tre nós. Alysson, com simplicida- Tanto que Estados Unidos e União Europeia aumende, torna transpataram significatirente um assunto vamente as pescaracterizado pequisas a respeito l o d e s c o n h e c imento e pelo preComo os pais conceito decordevem agir em rentes, que rescaso de autista vala aos tabus. em família? Por outro lado, se Ao obter o diaga novela na TV nostico, os familiaGlobo teve o méres precisam estirito de levantar o mular o paciente véu de um probleautista com forma cronicamente mas de terapias abafado, a entrec o m p o r t a m e nvista confirma Alysson Muori t a i s , o c u p a c i osua surpreendente extensão no mundo real: uma nais, etc. Para cada individuo, em cada 88 crianças nasce autista existirá uma formula que é difícil nos Estados Unidos, país das esta- ser generalizada. O quanto antes tísticas bem feitas. É uma preocu- a intervenç��o comportamental pante referência para todo o pla- for feita, melhor o prognóstico. neta.

C

Cabeça de Criança (91): Helnwein.

Terceiro andar da exposição

Diário do Comércio - O que vem a ser o autismo?

O Banho Turco Inglês (67): Rauschenberg; Garota Prendendo o Cabelo (67): Segal.

CD

Quais são as causas do transtorno?

Cartola para sempre Aquiles Rique Reis oi num domingo. Seria um domingo qualquer, não fosse nele que morreu Cartola. Foi num domingo, 30 de novembro de 1980, que Angenor de Oliveira silenciou para sempre o seu talento. Setenta e dois anos de vida tinha o fundador da Estação Primeira da Mangueira quando se foi. Onde andará Cartola, morto e sempre presente? Ausente de corpo, mas vivo em seus sambas? Ele reside em nossa memória. Poucos compositores foram tão sofisticados quanto ele; poucos tiveram o poder de exalar modernidade de forma tão simples; poucos falaram de coisas comuns com tamanha emoção. Cartola vive porque, vendo-o como um dos seus maiores criadores, a música lhe rende louvores agradecidos. Em 30 de dezembro de 1978, dois anos antes de falecer, Cartola fez um show no Ópera Cabaré, uma casa noturna paulistana. Essa que foi sua última aparição em

F

público estaria fadada ao esquecimento, não fosse a iniciativa do produtor J. C. Botezelli, o grande Pelão (ele que produziu o primeiro disco do mestre), de registrar o espetáculo ao vivo. E é este show que está sendo relançado, agora em CD, pela Kuarup. Um parêntese: esta gravadora foi criada por Mario de Aratanha em 1977 e encerrou suas atividades em 2009. No início de 2010 um grupo de investidores paulistas, tendo à frente Alcides Ferreira, assumiu o acervo dos mais de 200 álbuns da gravadora. Agora, aos poucos, esses discos estão voltando ao mercado. Isso é ótimo, pois a Kuarup dos anos 1970, revitalizada nesses anos 2000, está para a música popular com esteve a Elenco, de Aloysio de Oliveira, nos anos 1960. Fecha o parên-

tese. No show do Ópera Cabaré, Cartola tinha a acompanhá-lo o Regional de Evandro do Bandolim, que contava ainda com Pinheiro no violão, Lucio no cavaquinho e Zequinha e Silvio Modesto no ritmo. O show começa c o m “A l v o r a d a ” (Cartola, Hermínio Bello de Carvalho e Carlos Cachaça). Seguem “O Mundo É Um Moinho” (Cartola), “Sim” (Cartola e Oswaldo Martins), “Acont ece” (Car tola), “Amor Proibido” (Cartola), “As Rosas Não Falam” (Cartola), “Verde Que Te Quero Rosa” (Cartola e Dalmo Castelo), “Peito Vazio” (Cartola e Elton Medeiros), “Alegria” (Cartola), “O Inverno É Meu Tempo” (Cartola e Roberto Nascimento) e “O Sol Nascerá” (Cartola e Elton Medeiros).

Alysson Renato Muotri - O conceito de autismo é muito amplo. Na realidade existem diversos tipos de autismo. Mas existem entre eles padrões de comportamento comuns que são fáceis de identificar: repetição, dificuldade de comunicação/relação social e comprometimento das funções cognitivas. Esses padrões são também variáveis, com pacientes apresentando versões mais severas ou mais brandas.

Que repertório! Seu registro tem grande importância histórica, pois além de ter sido o último, tudo nele é sublime. Os arranjos do Regional são simples, intimistas – competentes, esbanjam compreensão da música de Cartola. Muito à vontade, grande cantor de suas músicas, sua voz poderosa e afinada cria divisões que acrescentam ginga aos belos versos. Sua dicção é impressionante. A mixagem é caprichada... Enfim, Cartola ao vivo – seu último show gravado é um CD a ser ouvido, pois faz jus a tudo o que estamos convictos de que Cartola é: um compositor genial que criou sambas que habitam o nosso imaginário afetivo. Mas onde andará Cartola? Ora! Em nós que amamos música de qualidade, aquela que fala ao povo brasileiro.

Aquiles Rique Reis, músico e vocalista do MPB4.

Basicamente sabemos desde a década de 90, com experimentos com gêmeos, que existe uma forte causa ou predisposição genética. Fatores ambientais, que não ainda sabemos exatamente quais são,

Qual é o maior equivoco em relação ao autismo? De que não tem cura e que nada pode ser feito a respeito. Esse mito tem sido derrubado através de diversas evidencias cientificas.

No caso da novela, um autista tem capacidade de amar, como foi mostrado? Sim. Mas eu conheço relacionamentos apenas em casos mais suaves. Não com autistas mais severos, pois eles são extremamente dependentes de ajuda externa para atividades do cotidiano.

Há relatos de autistas que tiveram vida conjugal e rotina profissional? Sim. Mas seria desaconselhável ter filhos, pois a possibilidade de que sejam afetados – 10% em relação à população normal – é grande.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10

sábado, domingo e segunda-feira, 1, 2 e 3 de fevereiro de 2014

Mosaicos de natureza Mosaïcultures é uma competição internacional de esculturas com. Esta foi uma das obras vencedoras de 2013. Saiba mais. http://goo.gl/JjcuQg

Fome de arte Criações da artista alemã Sarah Illenberger combinam comida e arte. http://goo.gl/QDIwyg

.M..EMÓRIA

O drama final de Philip Hoffman Mike Blake/Reuters

ator Philip Seymour Hoffman, 46, foi encontrado morto, ontem, em seu apartamento em Nova York. Um amigo de Hoffman, preocupado por não conseguir falar com ele, resolveu visitá-lo. Encontrou o ator sem vida e avisou a polícia. Hoffman, Oscar de melhor por Capote (2005), f oi também indicado, como coadjuvante, pelos longas Jogos do Poder (2007), Dúvida (2008) e O Mestre (2012). Atualmente, participava das filmagens de Jogos Vorazes: A Esperança Parte 2.

foi encontrada uma seringa no braço de ator e um envelope contendo uma substância que foi

apontada como heroína. Em nota, a família do ator afirma que está "devastada" pela perda de Hoffman e agradece o apoio que recebe de todos. "Esta é uma perda repentina e trágica e nós pedimos respeito a nossa privacidade nesse tempo de sofrim e n t o. Po r f a v o r , m a n t enham Phil em seus pensamentos e preces", diz o comunicado. Ele era casado com a estilista Mimi O'Donnell e deixa três filhos: Cooper, de dez anos; Tallulah, de seis; e Willa, de quatro. (Folhapress)

Sérgio Pedreira/Folhapress

O

Considerado um dos principais atores de sua geração, nasceu em Fairport NY), e ganhou fama no final dos anos 1990, em filmes independentes como Boogie Nights: Prazer Sem Limites (1997), Felicidade (1998) e Magnólia (1999). Relatório inicial do Departamento de Polícia de Nova York indica que o ator, que no passado reconheceu ter problemas com drogas, pode ter morrido de overdose. No ano passado, ele chegou a dizer que teve uma recaída após passar 23 anos "limpo". Segundo o New York Times,

.U..TILIDADE

s

PADROEIRA DOS PESCADORES - O dia 2 de fevereiro, cantado por Caymmi, é a data da maior festa popular dedicada a Iemanjá. Ontem, em Salvador, a procissão foi ao templo da deusa, na Praia do Rio Vermelho, para ofertar presentes e encher barcos que os levaram ao mar.

.H..ISTÓRIA

Cavalinho, papai! Carregar os filhos nas costas - algo que eles simplesmente adoram - não é fácil. Mas pode ficar mais leve, seguro e divertido com o Piggyback Rider. Para crianças de até 25 quilos. http://goo.gl/QUiAvB

.S..AÚDE

App permite acionar Samu O Ministério da Saúde lançou na sexta-feira o E-SUS Samu, aplicativo que permite pedir atendimentod e emergência em todo o país pelo smartphone. O sistema é integrado ao Facebook e utiliza dados da rede, como idade e localização, para tornar o atendimento mais ágil. www.samuemergencia.com.br

Humanoides camaradas A Guerra Fria foi marcada, nos bastidores, por uma grande competição tecnológica entre os EUA e a União Soviética. O desenvolvimento de rebôs era uma das grandes preocupações das duas

potências e o site The Appendix recupera essa história mostrando quais eram os modenos que a União Soviética desenvolvia e como eles eram apresentados ao público. http://goo.gl/j3MOAA

Especialmente na década de 1960, o governo fazia questão de colocar os robôs para interagirem com a população, como mostram as fotos. Eles eram vistos em feiras, eventos oficiais e exposições


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 1, 2 e 3 de fevereiro de 2014

SUPLEMENTO EXCLUSIVO PARA

SANTOS

Briga por Cícero

l

Oswaldo de Oliveira colocará o cargo à disposição da diretoria caso Cícero deixe o Santos. A ameaça do treinador foi feita após a saída confirmada de Montillo para o Shandong Luneng, da China. Ontem, o L! tentou contato com dirigentes do clube, mas nenhum atendeu. Um dia antes, porém, após a goleada por 5 a 1 contra o Botafogo de Ribeirão Preto, o técnico afirmou que o status de criador do time tem dono. – O Cícero não é o camisa 10 porque não quer. Eu disse: “Pode dar a tarja de capitão e a 10 para ele”. Mas ele não quis. É o nosso principal articulador. Projeto

11

POLÊMICA

Desabafo de Neymar

l

para ele essa função – disse. Antes, porém, na saída do gramado, o meia não garantiu a sua permanência. Desde dezembro, o meia pede aumento salarial. Artilheiro do time em 2013 com 24 gols marcados, ele despertou interesse de vários clubes, como Corinthians, Fluminense e Shandong, da China. Empresário do jogador, Eduardo Uram garantiu que não existe negociação em andamento: – China, Turquia, Japão, mundo árabe...Todo jogador que está indo bem tem sua situação indefinida – disse.

A polêmica envolvendo os valores do contrato de Neymar com o Barcelona foi mencionada pela primeira vez pelo jogador, ontem, por rede social. O craque absolveu o pai das acusações de “encobrir” as cifras depositadas pelo clube catalão para trazer o ex-santista, no final de maio de 2013. – Estava quieto até agora, mas não dá mais para ficar escutando esse monte de coisas sobre a minha transferência. Liguei para meu pai dizendo que me manifestaria e ele me disse pra ficar quieto. Mas vou desobedecê-lo. Desculpa, pai. Você não fez nada de errado – inicia o texto.

A Joia se coloca ao lado do pai e pede que volte à Catalunha. – Queria te agradecer pela forma que você conduziu minha carreira e cuida da nossa família. Se joguei no nosso time do coração e hoje jogo no meu time dos sonhos devo isso a você. Por você não só morreria como daria a vida do meu único filho. Em alguns dias voltarei a jogar e preciso de você aqui. Neymar (pai) será investigado pelo Ministério Público por suspeita de crime tributário. Segundo Neymar da Silva, sua empresa, a N&N, recebeu R$ 130 milhões, justamente o que o MP está investigando.

ALE CABRAL

IMBATIVEL! F

Magol Valdivia festeja o primeiro gol no Pacaembu

VISÃO DE JOGO

2

RAFAEL BULLARA

PALMEIRAS

rafaelbullara@lancenet.com.br

FESTA VERDE Palmeiras vence o São Paulo, segue com 100% e volta a triunfar em

clássicos depois de quase dois anos. Valdivia deixa o seu e abre caminho no Paca

N

o dia 20 de abril de 2008 Valdivia aproveitou contra-ataque puxado por Wendel, fez o segundo gol da vitória sobre o São Paulo e levou o Palmeiras à final do Paulistão. Na comemoração, o camisa 10 passou na frente de Rogério Ceni com o dedo pedindo silêncio. Até a tarde de ontem, essa era a última imagem do chileno comemorando um gol em clássicos. Após prometer gols no centenário, Valdivia abriu caminho para a vitória sobre o São Paulo por 2 a 0 e ajudou o Verdão

a manter os 100% de aproveitamento no início do Campeonato Paulista. Na comemoração, o meia passou novamente na frente de Ceni, que esticou a perna esquerda como se estivesse tentando dar uma rasteira. Até o momento do gol, o São Paulo tinha maior posse de bola, mas passava longe do gol de Fernando Prass. Dou outro lado, Ceni já havia evitado gol de Leandro. Inflamado pela vantagem, Mazinho colocou o goleiro são-paulino para trabalhar enquanto o ataque tricolor parecia

0

ter esgotado o estoque de gols na gorda vitória no meio de semana. O São Paulo em desvantagem é uma equipe que sofre com a falta de criação. Foi assim na estreia contra o Bragantino e no segundo tempo do Choque-Rei de ontem no Pacaembu. Finalização mesmo, só com Maicon no fim da partida, quando o time já havia sofrido o segundo gol de Alan Kardec, de pênalti, e depois até da inusitada substituição do árbitro Luiz Flavio de Oliveira, aparentemente por questões físicas.

O primeiro clássico do centenário alviverde termina com final feliz após longo jejum de vitórias - a última havia sido contra o Santos, no dia 5 de fevereiro de 2012 - e com feliz coincidência quando o assunto é Valdivia. Os outros três gols em clássicos aconteceram na campanha do último título estadual, há seis anos. Já para os tricolores, a sensação depois de três vitórias seguidas é que o ano será longo e de muito trabalho para quem não triunfa sobre algum rival há mais de um ano e 11 jogos.

Fernando Prass Wendel Lúcio Wellington França 27’/2º T Juninho Marcelo Oliveira Wesley Valdivia Mazinho Diogo 43’/2º T Leandro M. Gabriel 25’/2º T Alan Karcec T: G. Kleina

SÃO PAULO 6,5 6,5 7,0 6,5 6,0 6,0 n 6,5 8,0 7,0 6,5 6,0 6,0 n 6,5

Rogério Ceni Luis Ricardo Rodrigo Caio Antônio Carlos Alvaro Pereira Wellington Maicon Ganso Ewandro 30’/2º T Ademilson Osvaldo Jadson 18’/2º T Luis Fabiano T: M. Ramalho

5,0 5,0 5,0 n 5,5 4,5 n 5,5 5,0 5,5 6,0 5,0 4,5 5,5 5,5 n 5,0

7,0 7,0

JUIZ: Luiz Flavio de Oliveira 6,0. Foi bem no pênalti marcado a favor do Palmeiras. O árbitro pediu para ser substituído porque não estava se sentindo bem. Fabio de Jesus Volpato Mendes entrou em seu lugar. GOLS: 22’ 1ºT Valdivia (1-0) ; 33’ 2ºT Alan Kardec (2-0) RENDA/PÚBLICO: R$ 911.880,00/23.694 pagantes LOCAL: Pacaembu, São Paulo (SP) GRAMADO: Bom


DIÁRIO DO COMÉRCIO

12

sábado, domingo e segunda-feira, 1, 2 e 3 de fevereiro de 2014

Não podemos nos entregar à essa violência. Temos de resistir a ela. Não é esse futebol que queremos Mano Menezes TÉCNICO DO CORINTHIANS

F

DECEPÇÃOTorcida do corintiana ironiza e vaia o time após nova derrota

F

LAMENTAÇÃOGuerrero põe a mão no rosto após perder chance de gol

E SÓ PIORA... E SÓ VISÃO DE JOGO

2

FELIPE BOLGUESE

felipeb@lancenet.com.br

Roberto 7,0 Ferrugem 6,5 César 6,0 Diego Sacoman 6,0 Magal 6,5 Bruno Silva 6,0 Elizeu 5,5 36’/2º T Fernando Bob 6,0 Adrianinho 6,5 Ademir 6,5 Rossi 6,5 24’/2º T Silvinho 6,0 Alemão 7,0 Tchô 5,0 32’/2º T T: Vadão 6,5

PAGOU PELOS ERROS Corinthians não queria jogar, mas entrou em campo e

perdeu para a Ponte Preta em Campinas. Foi a terceira derrota seguida no Paulistão

N

ós, jogadores, não queremos jogar. Nós, comissão técnica, não queremos jogar. Nós, diretoria, não queremos jogar. Assim entrou o Corinthians em campo ontem. E por que entrou, mesmo? Porque preferiu olhar para o bolso e para a relação com parceiros, televisão, etc., do que revolucionar o futebol, que há tempos precisa de um recado, principalmente pelo modo como terminou o Brasileirão – com cenas de violência e decisão na Justiça.

O Corinthians não queria jogar, mas não foi por isso que não jogou e perdeu por 2 a 1 para a Ponte Preta, no Moisés Lucarelli, pelo Paulistão – a terceira derrota consecutiva na competição. Foi pelo mesmo motivo que havia perdido para o São Bernardo, em casa, e que havia sido humilhado para o rival Santos na Vila. A delegação chegou ao estádio sob mais protestos e xingamentos. No intervalo, foram entoaram mais gritos, como o recado estivesse dado “Aquilo no sábado foi só o começo”.

Sem cabeça e sem bola – vale destacar – a equipe de Mano começou perdendo no primeiro ataque da Macaca. Fagner deixou espaço nas costas, Ademir recebeu de Adrianinho e cruzou para Alemão abrir o placar. O Corinthians jogou por alguns minutos e, em dois lances no fim do 1 o- tempo, empatou em cabeçada de Uendel e quase virou em outra de Sheik. O segundo tempo começou com um sinal de que a fase está ruim mesmo: Gil foi facilmente driblado por Ferrugem, que invadiu a área e to-

1

PONTE PRETA

cou no canto oposto ao que Walter caiu: Ponte na frente outra vez. Cinco minutos depois, Guerrero, HERÓI DO MUNDIAL e perseguido no último sábado, perdeu duas chances claras na cara de Roberto. Mano ainda colocou outros de seus medalhões, Pato e Douglas, mas a situação não mudou. Por fim, Gil e Paulo André acabaram expulsos. A Ponte do reestreante Vadão se reabilitou da derrota por 4 a 1 para o XV de Piracicaba e enterrou mais o Corinthians. Mas era para ter jogo?

CORINTHIANS Walter Fagner Paulo André Gil Uendel Ralf Guilherme Danilo Douglas 42’/2º T Romarinho Rodriguinho 44’/2º T Emerson Sheik Guerrero Alexandre Pato 23’/2º T T: M. Menezes

n n n n

6,0 5,0 n 4,5 nV 3,5 nV 5,5 5,0 6,0 n 5,0 – 4,5 – 4,5 5,5 5,0 4,0

JUIZ: Marcelo Rogério 6,0. Com cartões, conseguiu segurar quando o jogo ficou perigoso. Boa atuação. GOLS: 2’ 1ºT Alemão (1-0) ; 32’ 1ºT Uendel (1-1) e 3’ 2ºT Ferrugem (2-1) RENDA/PÚBLICO: R$ 87.280,00/4.897 pagantes CARTÕES: nV Gil (38’ 2ºT) e Paulo André (46’ 0ºT) LOCAL: Moisés Lucarelli, Campinas (SP) GRAMADO: Regular

OUTROS LANCES CAMPEONATO CARIOCA

Brocador faz a quadra em Macaé

ARQUIVO LANCE

3 Com quatro gols de Hernane Brocador – três deles só no primeiro tempo –, o Flamengo fez 5 a 2 sobre o Macaé e desfruta da ponta da tabela no Campeonato Carioca de forma isolada. Marquinho e Waldir descontaram para o time do Norte do estado, e Negueba fechou o placar. O Rubro-Negro, com 13 pontos, está invicto na competição. É seguido pelo Vasco, que chegou aos 11 depois de ontem, ao vencer o clássico contra o Botafogo. Thalles, de cabeça, decretou o 1 a 0 e o fim do jejum de vitórias do Cruzmaltino em clássicos (que já totalizava cinco jogos).O Botafogo, com time B, estacionou nos 5 pontos. E é apenas o nono colocado no Estadual.

Hernane faz quatro gols e Fla é líder

PORTUGUESA

CAMPEONATO ESPANHOL

UFC

3 Após perder por 4 a 2 para o Audax e

3 A tristeza do Atlético de Madrid pela morte do ex-técnico e ídolo Luis Aragonés foi substituída pela alegria da vitória sobre a Real Sociedad por 4 a 0, ontem, no Estádio Vicente Calderón. O resultado deixa os colchoneros na liderança isolada do Campeonato Espanhol ao final da 22 a- rodada, com 57 pontos, algo inédito nos últimos 18 anos. Já o Real Madrid permanece na terceira colocação com o empate com o Athletic Bilbao em 1 a 1, no San Mamés. O atacante Cristiano Ronaldo perdeu a cabeça, atingiu um adversário e foi expulso de campo. Os merengues soma 54 pontos.

3 Os brasileiros Renan Barão e Jo-

Lusa perde outra Atlético é o novo Barão e José líder do torneio Aldo soberanos e técnico cai encerrar a rodada como o time de pior campanha no Paulista, a Portuguesa mudou de técnico. Após a partida, Guto Ferreira pediu demissão e a diretoria anunciou Argel Fucks, ex-jogador de Santos e Palmeiras, para o seu lugar. Aos 39 anos, ele volta ao futebol paulista, onde já comandou equipes como Mogi Mirim, Guaratinguetá e Guarani. Sem contrato desde 30/12, quando não renovou com o Criciúma, Argel chega com a missão de reabilitar a equipe. – Estou acostumado a chegar nos clubes neste momento. Assumi o Criciúma na vice-lanterna do Brasileirão em 2013 e o deixamos na Série A.

sé Aldo mantiveram os cinturões do UFC na edição 169 do evento, na madrugada de ontem, em Newark, nos Estados Unidos. Fazendo a luta principal, Barão precisou de apenas um round para nocautear Urijah Faber, continuando assim como campeão do peso galo. A invencibilidade segue viva desde 2005. Já José Aldo continua fazendo fila na categoria peso-pena do Ultimate. O brasileiro venceu Ricardo Lamas por decisão unânime e defendeu o título da divisão pela sexta vez consecutiva.

MINEIRO GRUPO A

1 o2 o3 o4 o5 o-

GRUPO A São Paulo Linense Penapolense Comercial Atlético Sorocaba

P 9 7 6 4 2

J 5 5 5 5 5

V 3 2 2 1 0

E 0 1 0 1 2

D 2 2 3 3 3

GP 12 4 3 6 5

GC 8 4 5 8 11

SG 4 0 -2 -2 -6

AP% PM 60% 9 46.6% 7 40% 6 26.6% 4 13.3% 2

1 o2 o3 o4 o5 o-

GRUPO B Botafogo Osasco Audax XV de Piracicaba Corinthians Ituano

9 8 7 6 5

5 5 5 5 4

3 2 2 2 1

0 2 1 0 2

2 1 2 3 1

8 6 6 5 3

9 4 4 9 3

-1 2 2 -4 0

60% 53.3% 46.6% 40% 41.6%

9 8 7 6 8

1 o2 o3 o4 o5 o-

GRUPO C Santos São Bernardo Ponte Preta Paulista Portuguesa

13 10 6 2 1

5 5 4 5 5

4 3 2 0 0

1 1 0 2 1

0 1 2 3 4

13 4 4 4 4

3 2 6 8 9

10 2 -2 -4 -5

86.6% 66.6% 50% 13.3% 6.66%

13 10 9 2 1

1 o2 o3 o4 o5 o-

GRUPO D Palmeiras Bragantino Rio Claro Mogi Mirim Oeste

15 9 7 7 5

5 5 5 5 5

5 3 2 2 1

0 0 1 1 2

0 2 2 2 2

11 7 6 8 4

2 4 8 11 5

9 3 -2 -3 -1

100% 60% 46.6% 46.6% 33.3%

15 9 7 7 5

PG: pontos ganhos, J: jogos, V: vitórias, E: empates, D: derrotas, GP: gols pró, GC: gols contra, SG: saldo de gols, AP: aproveitamento, PM: pontuação

1 o-Boa 2 o-Tupi 3 o-Atlético-MG 4 o-Cruzeiro 5 o-Villa Nova 6 o-América-MG 7 o-Caldense 8 o-Tombense 9 o-Guarani 10 o-Minas Boca 11 o-Nacional 12 o-URT

PG

J

V

E

D GP GC

6 4 4 4 3 2 2 1 1 1 0 0

2 2 2 2 2 2 2 1 2 2 1 2

2 1 1 1 1 0 0 0 0 0 0 0

0 1 1 1 0 2 2 1 1 1 0 0

0 0 0 0 1 0 0 0 1 1 1 2

6 4 2 1 2 1 0 0 0 1 1 1

2 2 1 0 2 1 0 0 1 3 2 5

1 a- RODADA 26/1

29/1

Boa 2x1 Villa Nova Cruzeiro 1x0 URT Guarani-MG0x0 Caldense América-MG 1x1 Tupi Minas Boca0x0 Atlético-MG

25/2 - DOMINGO 19h30 a-

Nacional x Tombense

Dilzon Melo Mineirão Farião Independência A. do Jacaré

Tupi 3x1 Minas Boca M. Helênio Tombense0x0 América-MG C. Tombense Caldense0x0 Cruzeiro Ronaldão

2/2 - ONTEM

5 a- RODADA

REGULAMENTO: Na primeira fase, os clubes de um grupo jogarão com todos os clubes dos 1/2 demais grupos, em turno único, classificando-se Ituano 0x0 São Bernardo Novelli Jr. para a fase de quartas de final os dois clubes Oeste 0x1 Linense Amaros com o maior número de pontos. Concluída a Santos 5x1 Botafogo Vila Belmiro primeira fase, os quatro clubes que obtiverem o Comercial 1x2 Rio Claro Palma Travassos menor número de pontos ganhos, Bragantino 2x0 Atlético Sorocaba Nabi Abi Chedid* independentemente do grupo, serão rebaixados. Caso em um só grupo estejam os 2/2 - ONTEM quatro clubes com o menor número de pontos Osasco Audax 4x2 Portuguesa José Liberatti ganhos, classifica-se para as quartas de final o Palmeiras 2x0 São Paulo Pacaembu melhor terceiro colocado dos demais grupos. O Ponte Preta 2x1 Corinthians Moisés Lucarelli mata-mata começa nas quartas de final, em jogo Paulista 0x0 XV de Piracicaba Jaime Cintra único até a semi. A final será em ida e volta. Penapolense 2x1 Mogi Mirim Tenente Carriço

Atlético-MG 2x1 Nacional Independência URT 1x4 Boa Zama Maciel Villa Nova 1x0 Guarani-MG C. Cifuentes

3 a- RODADA

5/2 - QUARTA-FEIRA 19h30 Cruzeiro x 19h30 Caldense x 20h URT x 20h30 Guarani-MG x 21h50 Atlético-MG x

PG

13 11 10 10 10 9 6 6 5 5 5 4 4 4 2 2

J

5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5 5

V

E

4 3 3 3 3 2 2 1 1 1 1 1 1 0 0 0

1 2 1 1 1 3 0 3 2 2 2 1 1 4 2 2

D

0 0 1 1 1 0 3 1 2 2 2 3 3 1 3 3

GP

11 13 8 7 6 6 7 10 4 3 4 9 3 2 4 0

GC

4 2 5 5 4 4 9 7 5 4 8 10 11 4 7 8

SG

7 11 3 2 2 2 -2 3 -1 -1 -4 -1 -8 -2 -3 -8

AP PM

86.6% 43 73.3% 41 66.6% 40 66.6% 40 66.6% 40 60% 39 40% 36 40% 36 33.3% 35 33.3% 35 33.3% 35 26.6% 34 26.6% 34 26.6% 34 13.3% 32 13.3% 32

S. de Azevedo

2 RODADA 1/2

1 o-Flamengo 2 o-Vasco 3 o-Fluminense 4 o-Cabofriense 5 o-Nova Iguaçu 6 o-Boavista 7 o-Madureira 8 o-Resende 9 o-Botafogo 10 o-Bangu 11 o-Volta Redonda 12 o-Macaé 13 o-Friburguense 14 o-Bonsucesso 15 o-Duque de Caxias 16 o-Audax Rio

Villa Nova Mineirão Nacional Ronaldão Tupi Zama Maciel Minas Boca Farião Tombense Independência

REGULAMENTO: Os 12 clubes se enfrentam em turno único e, ao término da fase de classificação, os quatro primeiros avançam às semifinais, com jogos de ida e volta, e dois passam à final, também decidida em ida e volta. As duas últimas equipes na fase de classificação serão rebaixadas ao Módulo 2 do Estadual, equivalente à Segunda Divisão.

6 a- RODADA

5 a- RODADA

4/2 - AMANHÃ

1/2

Madureira 3x0 Audax

C. Galvão

19h30 Fluminense x Audax

V. Redonda 1x1 Friburguense R. de Oliveira5/2 - QUARTA-FEIRA Boavista x Bangu 0x1 Fluminense Moça Bonita 17h 17h D. de Caxias x 2/2 - ONTEM 19h Macaé x Bonsucesso 0x2 Nova Iguaçu L. da Silva 19h30 Cabofriense x Flamengo 5x2 Macaé R. de Oliveira 22h V. Redonda x Resende 3x3 Boavista Trabalhador Cabofriense 2x1 D. de Caxias Correão Vasco 1x0 Botafogo

Maracanã

Flamengo Madureira Friburguense Bangu Vasco

R. de Oliveira Moça Bonita Los Lários Moacyrzão Correão R. de Oliveira

6/2 - QUINTA-FEIRA 17h

Resende x Nova Iguaçu Trabalhador

13/2 - QUINTA-FEIRA 17h

Botafogo x Bonsucesso A definir

REGULAMENTO: O Campeonato Carioca de 2014 será disputado no sistema de pontos corridos em um

turno. Os quatro primeiros classificados avançam às semifinais, que serão disputadas em formato de matamata, com jogos de ida e volta. Os vencedores vão à final, que também será em ida e volta. Os dois piores colocados na fase de classificação serão rebaixados para a Série B do Carioca de 2015.


CAIXA 1 O seu consultor financeiro

sábado, domingo e segunda-feira, 1, 2 e 3 de fevereiro de 2014

13

Incertezas fizeram do OURO o ativo mais rentável em janeiro Cotação do metal teve alta no exterior. Nervosismo em relação à economia brasileira e internacional levou a bolsa a ter fortes perdas no mês.

Rejane Tamoto Toru Hanai/Reuters

primeiro mês de 2014 foi de fortes emoções para os investidores, que levaram o ouro de volta ao topo do ranking de investimentos. O metal, que é considerado um porto seguro para o investidor em tempos de incertezas, teve valorização de 6,73% em janeiro. Segundo Fabio Colombo, administrador de investimentos que elabora o ranking, a maior parte da alta do ouro (pelo menos 5 pontos percentuais) ocorreu em sua cotação no exterior por causa da preocupação do investidor com a evolução da economia mundial. Quem investe em ouro no Brasil fica sujeito não só aos altos e baixos do preço internacional do metal, mas também à variação da taxa de câmbio. Segundo Colombo, a volatilidade do investimento em ouro é parecida com a de fundos cambiais. "É mais uma opção de diversificação para a carteira", afirma o administrador. Boa parte do nervosismo no mercado ocorreu à espera da decisão do Fed (Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos) de retirar novamente os estímulos à economia norte-americana, o que se confirmou na semana passada. Além disso, há uma preocupação com a desaceleração da economia chinesa. "Uma luz amarela se acendeu sobre as economias de países emergentes como Argentina, Turquia e Ucrânia. Os fatos levaram à desvalorização das moedas desses países", diz Colombo. No Brasil, o cenário não foi diferente. Na economia doméstica ainda pesam o pessimismo sobre a inflação e ao aumento dos juros, sem falar no resultado fiscal do governo, o que pode ainda ter como consequência o rebaixamento da nota de crédito do país. Segundo Colombo, o investidor deve ficar atento aos resultados da balança comercial e de pagamentos, que também devem influenciar a cotação da taxa de câmbio. Em janeiro, o dólar valorizou-se 2,89% frente ao real. Em alta não tão acentuada, o euro subiu 0,52% no mês pas-

O

sado. O investimento em ambas as moedas pode ser feito por meio de fundos cambiais, que continuam sendo uma opção de diversificação de portfólio de longo prazo para quem tem perfil moderado. O nervosismo de janeiro refletiu na maioria dos mercados acionários, nos quais a realização de lucros gerou quedas fortes. A bolsa brasileira começou, assim, o ano na lanterna, em forte queda de 7,51% em janeiro. Taxas em alta na renda fixa Nos investimentos de renda fixa, o destaque de janeiro foi o título público indexado à variação do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), cujo retorno bruto deve ficar de 1,05% a 1,20%, dependendo do prazo do papel. Segundo Colombo, esses papéis têm sido beneficiados com o aumento do cupom de juros para entre 6% e 7% ao ano. Além desse cupom, o título paga a variação da inflação no fim do período. "Com o IPCA de janeiro projetado em 0,64%, o título deve apresentar bons resultados apesar de a marcação a mercado (atualização diária do preço do ativo) ser desfavorável neste momento", diz. No leque de aplicações, os fundos DI devem entregar rendimento bruto de 0,75% a 0,90% em janeiro, dependendo da taxa de administração. Os CDBs (Certificados de Depósito Bancário) também apresentaram uma remuneração de 0,70% a 0,85% no mês passado, dependendo do valor investido e do risco de crédito da instituição financeira. A rentabilidade do CDB deve empatar com a dos fundos de renda fixa puros, que apresentaram rendimento bruto mediano em janeiro, em parte por causa do aumento da taxa de juros no mercado futuro. Dependendo da composição da carteira do fundo e da taxa de administração, o retorno médio deve ser de 0,70% a 0,85% em janeiro. O cenário de alta da taxa Selic, estimado pelo mercado para conter o aumento da inflação, não deve beneficiar as

carteiras de fundos de renda fixa. A atualização diária dos títulos nas carteiras desses fundos, que é a marcação a mercado, ainda pode trazer volatilidade ao retorno. "Em janeiro, os fundos de renda fixa tiveram retorno menor do que os fundos DI. O comportamento nos próximos meses dependerá da política de juros do Banco Central e da participação de títulos prefixados indexados à inflação em suas carteiras", avalia Colombo.

Nesse cenário de juro maior quem também deixa de ter competitividade é a poupança. Em janeiro, o retorno líquido foi de 0,61% para cadernetas com aniversário no dia 1º de fevereiro. "No atual patamar da taxa Selic só é interessante a investidores que não têm acesso a fundos DI ou de renda fixa com taxas de administração menores do que 1,5% ao ano, para resgate em até seis meses", conclui o administrador.

Nicky Loh/Reuters

Títulos têm prazos mais longos no Tesouro Direto ano começou com mudanças nos prazos de dois títulos do Tesouro Nacional prefixados – nos quais a remuneração é definida no ato da compra. Os papéis são comercializados no site Tesouro Direto (www.tesouro.fazenda.gov.br). Desde segunda-feira, as Letras do Tesouro Nacional (LTNs) passaram a ter vencimento em janeiro de 2018 (antes era em 2017). Esses títulos têm fluxo de pagamento simples, no qual o investidor faz a aplicação e recebe o valor de face (o investido somado à rentabilidade) na data de vencimento. Até sexta-feira a remuneração que o Tesouro oferecia na LTN era de 13,25% ao ano. O vencimento da Nota do Tesouro Nacional - Série F (NTN-F) passou de janeiro de 2023 para janeiro de 2025. De acordo com o site do Tesouro, até sexta, a remuneração

O

era de 13,42% ao ano. Neste título, o rendimento é entregue ao longo do investimento, por meio de cupons semestrais de juros e, na data de vencimento do título, quando o investidor resgata o valor de face há o pagamento do último cupom. A mudança nos prazos de vencimento dos títulos prefixados teve o objetivo de alongar o período da aplicação, até porque a alíquota de Imposto de Renda é menor quando o resgate ocorre após mais de dois anos. "Ajustamos os prazos a cada dois anos. A pessoa física tem preferido os títulos indexados à inflação que não pagam o cupom semestral. Hoje, 40% do estoque desses títulos estão com esses investidores. Recomendamos a diversificação com títulos pós e prefixados", diz André Proite, gerente de relacionamento com o investidor do Tesouro Direto. (RT)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

14

sábado, domingo e segunda-feira, 1, 2 e 3 de fevereiro de 2014

MARCO CIVIL DA INTERNET

A web, nas mãos do Congresso.

O País todo, dos internautas aos rolezeiros (e até a presidente da República) concordam num ponto: querem que saia logo a lei que determina princípios, garantias, direitos e deveres dos usuários da internet.

Lúcio Bernardo Júnior

Karina Lignelli

volta ao trabalho de deputados e senadores com o fim do recesso do Congresso, começa com um entrave: a pauta trancada pelo Projeto de Lei (PL) 2126/11, que determina princípios, garantias, direitos e deveres aos usuários da internet no Brasil – ou o Marco Civil da Internet. O PL entrou na pauta para ser votado em regime de urgência a pedido da presidente Dilma Rousseff na metade de 2013, após denúncias de espionagem de dados de empresas e cidadãos brasileiros – e até dela própria – pela Agência Nacional de Segurança do EUA (a NSA). Mas, após ser apresentado substitutivo do PL original pelo relator, o deputado federal Alessandro Molon (PTRJ), em dezembro, a história mudou: a inclusão de itens que alteravam cláusulas iniciais criou um impasse na Câmara. Confira a seguir os “semeadores da discórdia” no atual texto do PL: N e u t r al i d a d e – Tudo o que trafegar na rede deve ser tratado da mesma forma, garantindo isonomia aos pacotes de

A

dados. Em resumo, o provedor de conexão não poderá dar preferência de acesso aos usuários que paguem mais, ou seguindo apenas interesses comerciais – o que não impede que essas empresas comercializem pacotes de acesso com velocidades diferentes. Guarda de dados no Brasil – O governo poderá, por decreto, obrigar os provedores a instalarem bancos de dados (datacenters) no País. Nesse caso, o relator entendeu que apenas grandes provedores de acesso seriam impactados. Registro de usuários – O provedor só poderá guardar os logs de conexão dos usuários (e não o conteúdo) por um ano – prazo que só pode ser estendido por decisão judicial. Dessa forma, os logs registram o endereço IP (da sigla em inglês para Protocolo de internet, ou o endereço de conexão), além da data e hora em que o usuário está online. O projeto prevê ainda proteção aos dados pessoais do usuário que possam identificá-lo, como nome, endereço, telefone ou fotos, assim como direito à inviolabilidade da vida privada, assegurando proteção ou indeniza-

ção por dano moral ou material (exceto por ordem judicial). Ofensas na rede – A proposta atual aponta que os provedores só podem ser responsabilizados civilmente por danos gerados por usuários só se, após acionados pela justiça, não tomem providências para tirar o conteúdo danoso do ar. A pressão de empresas de TI e telecomunicações contra

determinados itens foi apoiada, segundo comentários de bastidores, pelo presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RN), que determinou que a votação do PL fosse adiada de novo. "Não houve consenso, por isso o presidente da casa entendeu que não deveria colocar em votação. Mas somos maioria, e agora teremos que votar com ou sem consenso porque isso está trancando a pauta", explica o relator Molon ao Diário do Comércio. No artigo "Fura-Fila", publicado pela Folha de São Paulo ele escreveu que "por mais de um ano as empresas conseguiram impedir a votação do projeto". Por outro lado, afirma que agora o setor de TI e telecomunicações "entendeu" que o texto garante princípios fundamentais, apesar de não agradar a todos. "É um projeto que dará segurança jurídica ao uso da internet no Brasil, o que certamente criará um ambiente favorável ao desenvolvimento dos nossos empreendimentos, mais liberdade de expressão e mais privacidade na rede. Essa, por sua vez será mais segura, do ponto de vista do usuário, além de mais democrática, e com garantia de neutralidade", diz Molon, que afirma que o PL será votado do jeito que está. "O último relatório inclui sugestões de várias bancadas da base do governo e da oposição. Com e s s a re d a ç ã o , t e r á a m p l a maioria para ser aprovado. Ou então a Casa não poderá deli-

Somos maioria, e agora teremos que votar com ou sem consenso porque isso está trancando a pauta. DEPUTADO ALESSANDRO MOLON

berar sobre outras matérias", ressalta. Marcando passo – Na época em que foi noticiada a espionagem do Brasil pela NSA, Demi Getschko, conselheiro do Comitê Gestor de Internet no Brasil afirmou ao Diário do Comércio que todos imaginavam que, mais ou menos, ou automaticamente, o Legislativo aprovaria logo algo próximo ao Marco Civil – um reflexo dos elogios ao Brasil pela atitude positiva em relação à internet. (O CGI.br é um órgão multissetorial, criador do "Decálogo" – leia também nesta página – dos princípios básicos de governança e uso da internet no Brasil, em 2009, e que foi a base para a criação do PL), "Mas perdemos um pouco o pé na história porque outros países, como Holanda e Chile, já andaram aprovando leis na mesma linha ou próximas. E nós ainda estamos aqui, marcando passo", disse Getschko na entrevista. O CGI.br já publicou até uma resolução (2012/010) refor-

çando a recomendação sobre a aprovação da lei do Marco Civil, além de apoiar o parecer do relator Molon e reiterar o compromisso de “atuar tendo como referência o Marco, e promover a mobilização de setores que o compõem” pa ra aprofundar os princípios do Decálogo. As opiniões – Confira visões diferentes, porém convergentes em alguns pontos, sobre o assunto nas entrevistas que se seguem. De um lado, Antônio Fernandes dos Santos Neto, presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados e Tecnologia da Informação do Estado de São Paulo (Sindpd)– entidade que levou manifesto à presidente Dilma Rousseff defendendo o reforço a pontos do PL como neutralidade, responsabilização do provedor pelo mau uso dos dados e a guarda de logs. Do outro, Nelson Wortsman, diretor de infraestrutura e convergência digital da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), que encomendou estudo sobre os altos custos de manter dados armazenados no Brasil, e que defende que o País seja um hub de datacenters na América Latina. Os próximos capítulos – e um possível fim para a história – só a partir deste mês. Ou não, se o Carnaval, a Copa e as eleições não empurrarem a votação do Marco Civil da Internet ainda mais.

"Tem que votar e depois aperfeiçoar" Diário do Comércio – Qual é a importância da aprovação do Marco Civil da Internet pelo Congresso? Antônio Fernandes dos Santos Neto – O projeto é fruto de grande discussão, e sem aprová-lo, você fica com uma “perna manca” na questão de TI no Brasil. É antigo, tem mais de três anos e não era prioridade. O caso da Carolina Dieckmann [atriz que teve fotos pessoais furtadas de seu computador e divulgadas sem autorização na internet] num primeiro momento trouxe à cena tudo isso. Num segundo momento, a in-

vasão dos dados do governo, da Petrobras, causou um açodamento para finalizar a discussão, que caiu no Congresso. Algumas coisas não andaram a princípio por conta da história da neutralidade. Uma questão que está sendo mal interpretada por alguns deputados, por exemplo, é a dos datacenters. Por óticas assim, a ideia é que isso vai onerar empresas, ou seja, só dependem de interesses. Mas quando se olha estritamente pela guarda dos dados, se estiverem nos EUA, por exemplo, só dá para buscá-los pela legislação

americana. E além disso, há os sites fakes que deixam as pessoas em situações constrangedoras. Esse é o ponto: o provedor sabe que, se houver problemas, tem que identificar a máquina de onde saiu a agressão. Mas a dificuldade é que, se precisar buscar o log junto ao provedor – em geral uma grande empresa de telecomunicação –, só com ação judicial. E no Brasil, isso não é coisa simples. DC – Para descobrir agressão virtual, só acessando o provedor. E aí entraria o Marco.

AFSN – Sim. A lei vai organizar um pouco melhor essas coisas. Por isso defendemos a neutralidade, a guarda dos logs... Já existem decisões importantes sobre isso, ou seja, a Justiça está mais adiante nesse assunto que a lei. No documento enviado por nós à presidente Dilma, ao Congresso e ao Ministério da Justiça, citamos sentenças e decisões judiciais, hoje importantes para descobrir de onde veio o crime, quem atacou e porquê. DC – Fale mais sobre a questão da neutralidade.

AFSN – Todo mundo quer ter acesso a todas essas coisas, mas como está, se torna seletivo de acordo com o custo. Ou seja, é interesse corporativo. Além de a gente ter pior rede de transmissão de dados do mundo, é a mais cara. No Brasil, você assina um plano de 100 mega, mas te entregam 20. Isso é crime. A neutralidade é isso: que todo mundo possa ter acesso às mesmas coisas, e não a empresa determinar o que você deve assinar ou o que pode acessar.


sábado, domingo e segunda-feira, 1, 2 e 3 de fevereiro de 2014

DIÁRIO DO COMÉRCIO

15

Tina Cezaretti/Hype

MARCO CIVIL DA INTERNET Antonio Neto: "A neutralidade é isso: que todo mundo possa ter acesso às mesmas coisas, e não a empresa determinar o que você deve assinar ou o que pode acessar".

DC – Do jeito que está hoje, há perspectiva de o Marco ser votado? A FS N – Tenho dúvida. Mas tem que votar, mesmo com restrições e depois aperfeiçoar. Só que a correlação de forças no Congresso não permite a aprovação do Marco que a sociedade civil quer. Empresas de TI, provedores, fazem lobby – que é legítimo – mas consumidores e usuários não têm quem os represente. O que é inacreditável é que, pela primeira vez, quando há a maior coalização política do governo, não se consegue aprovar projetos do seu interesse. E então a presidente vai ter que ceder mais do que gostaria. DC – O que mudaria se o Marco fosse aprovado do jeito que estão querendo? AFSN – Você não teria a segurança necessária. Hoje, várias empresas brasileiras depositam dados por livre e espontânea vontade fora do Brasil pelo custo e pelas atratividades que as estrangeiras oferecem. Mas ainda não há segurança jurídica para fazer qualquer coisa com quem acessa seus dados. A

discussão passa pelos EUA, e com a denúncia do acesso do governo americano aos dados das empresas, elas se rebelaram. [Segundo o Sindpd, a Information Technology & Innovation Foundation estima perdas de US$ 35 bilhões até 2016 para essas empresas, como consequência econômica dos atos de espionagem da NSA]. Uma coisa é espionar países em desenvolvimento; outra é espionar grandes corporações da Europa ou EUA, ou o

blackberry da (chanceler alemã) Angela Merkel. Porém, não creio na garantia de que, se tudo ficar no Brasil, estaremos imunes. Criam-se barreiras aqui, mas tem quem estude como quebrá-las. O ideal é que qualquer processo do tipo se submeta às leis daqui. Em qualquer país, serão dadas garantias ao provedor ou armazenador dentro das leis de cada um. DC – O negócio é 'judicializar'

a questão, então? AFSN – Sim. Se os dados estiverem hospedados nos EUA, a legislação protegerá o Google, o cidadão americano; se está no Brasil, vale nossa legislação. Há um tempo atrás foi emitido mandado de prisão contra o presidente da companhia no Google Brasil por não tirar determinado conteúdo do ar. Mas o Google não obedece: o juiz dá multa diária e ele não liga; afinal, "temos a nossa filosofia". O Marco vai ga-

rantir o seguinte: se é notificado, tem que tirar. O problema não é só pirataria, roubo de dados, crime industrial ou espionagem, mas ataques às pessoas. Tudo vai evoluir cada vez mais para isso: ataques e agressões nas eleições, nas relações capital-trabalho, na competitividade entre empresas... Hoje, não há como saber se o que é publicado é real, as pessoas reproduzem o que “acham” que é verdade.

Divulgação

"O ideal é que seja um conjunto de conceitos" Trechos da entrevista de Nelson Wortsman, diretor de infraestrutura e convergência digital da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom). Diário do Comércio – Quais são as ressalvas que o setor de TI e telecomunicações fez em relação ao Marco Civil da Internet? Nelson Wortsman – Quando o relator [deputado Alessandro Molon] lançou a primeira versão do texto, há um ano e meio, tínhamos pequenas ressalvas que foram acatadas, mas não demos ênfase à questão da neutralidade. Porém, nossa movimentação começou a se tornar mais intensa no momento em que ocorreu a espionagem, e surgiu a decisão de criar emendas obrigando empresas que trabalhas-

sem com dados a ter datacenters no Brasil por motivos de segurança. Mas tecnicamente isso não é verdade, por isso tentamos esclarecer o Congresso que maneira de se proteger não é colocar os dados do nosso lado. DC – Qual seria a solução? NW – Passamos a fazer um trabalho junto ao Ministério da Ciência e Tecnologia e ao das Comunicações para incentivar o Brasil a se tornar um hub de datacenters na América Latina. O mercado brasileiro de serviços de datacenters representa 58% da região, que por sua vez tem um crescimento anual em torno de 10% [dados de um estudo encomendado pela Brasscom à consultoria Frost & Sullivan, em 2012]. Mas quando se calculam custos, somos infinitamente mais caros que os nossos vizinhos, pela alta carga tributária, pela má qualidade da banda larga... além do que 33% do custo de instalação é com o consumo de energia elétrica, onde temos uma carga tributária enorme. Por tudo isso, o Brasil pode estar perdendo uma grande oportuni-

O tema, no Campus Party. a última sexta-feira, na Campus Party, o debate "Marco Civil" atraiu campuseiros e ativistas e contou com a participação de vários envolvidos nas discussões da PL 2126. O relator Alessandro Molon afirmou que a aprovação desse projeto deve ser a base para o debate sobre o Marco Civil Mundial, proposto pela presidente Dilma Roussef à Assembleia Geral da ONU no ano passado, e sobre o futuro da governança da internet, que acontecerá no Brasil em abril, com a participação de vários países. Sérgio Amadeu, sociólogo, defensor e divulgador do software livre e da inclusão digital no Brasil, afirmou que no começo das discussões, muitos como

N

ele, resistiram à lei, mas depois viram sua importância para manter o caráter da internet como sempre foi: aberto e livre. "Mas a forma ideal de dar segurança jurídica à internet brasileira é aprovar logo esse marco e baixar o alto custo da conexão. Aí os dados virão para cá naturalmente." Demi Getschko, considerado o "pioneiro da internet" no Brasil, mediou o debate e defendeu que o projeto seja aprovado "rapidamente". Ressaltou que é preciso ficar atento "às visões e viéses maliciosos". "A legislação é sobre algo dinâmico como a internet, então é preciso restringi-lo aos princípios básicos. Esses não mudam, mas a tecnologia sim", ressaltou. (KL)

quem não utilizar a nuvem global vai "explodir" em termos de rede – basta pensar na "internet das coisas" [tecnologia em desenvolvimento para que os objetos do dia-a-dia sejam criados em ambientes inteligentes, de modo a facilitar a vida das pessoas], onde tudo vai se comunicar de alguma forma. Se não for tudo para uma nuvem infinita de dados, não atende à demanda.

dade de se tornar um hub regional, o que representaria uma perda de R$ 8,4 bilhões entre 2013 e 2017. Obrigar a guarda de dados no País vai fazer que as empresas fujam do País, e afetará não só o setor de TI como o setor bancário ou de saúde, que dependem de grande armazenamento de dados, e já há empresas nacionais e estrangeiras que acabam por guardá-los fora devido aos custos. Nós defendemos que o Brasil seja um hub de datacenters, mas por efetividade, não por obrigatoriedade. Maiores custos estouram na mão do consumidor. DC – O que mudaria esse cenário não muito animador para o mercado de internet no País? NW –Uma política adequada de incentivos para a criação de polos de datacenters mais competitivos internacionalmente, com qualidade nos investimentos e custo viável. Essa é uma das nossas grandes bandeiras. Inclusive já participamos de duas audiências públicas defendendo isso, na Câmara e no Senado. A competitividade se justifica quando a posição (das empresas) é a garantia de segurança. E a segurança do século do século 21 não é física, pois pe-

DC – Diante de tudo disso, qual o cenário que o senhor enxerga para a internet no País? Não seria apropriado aprovar um projeto desses num ano eleitoral? AFSN – Tenho esperança de que, na volta do Congresso haja uma definição, porque o Brasil precisa de uma lei que regule o uso da internet, assim como toda a comunidade de TI e todos os que participaram do movimento para gerar o marco regulatório. Os políticos vão passar pelo processo das campanhas eleitorais, então eles têm que pensar como aparecerão nas redes sociais e blogs. E tem outras questões, como a "Black 'Fraude'", em que as pessoas compram, não recebem – e mesmo assim as vendas pela internet não param de crescer. E tem os bancos e seus problemas de segurança... Por essas e outras é importante o Marco Civil, pelo menos para começar. O Marco é a base porque a gente não sabe o que vem pela frente. Com ele, dá para criar novas leis que complementem a principal. Tem um ditado jurídico que diz nullum crimen sine lege, ou seja, não há crime sem lei. Tem que identificar primeiro para depois enquadrar, ter base na lei para depois melhorar. E dependendo de cada crime que se descubra, deixar a pena mais contundente. (KL)

Wortsman: "Incentivar o Brasil a se tornar um hub de datacenters". de inteligência e criptografia de dados. Se já fosse assim, a Petrobras não teria sido espionada. DC – Qual é a outra bandeira do setor nessa questão do Marco Civil? NW – Que as leis que envolvam a internet atendam ao mundo. Se as empresas querem exportar ou armazenar informações, têm que sentir legalmente como arquitetura do sistema, seguros em relação à privacidade e a guarda dos dados. Esse é o grande desafio: uma legislação que

atenda comercialmente o mundo, que se façam urgentes acordos bilaterais entre os países para que haja uma nuvem global, já que a natureza da internet é ser 100% global. As quantidades de dados que vêm vindo e que virão são tão grandes que, sem nuvem, não há investimento em infraestrutura que aguente. Outra preocupação é que, se o Brasil ficar fazendo política com isso e outros países seguirem o modelo, vai acabar mesmo com a natureza global da internet. Otimizar custos acontece de maneira automática, e

DC – O que seria melhor para o Marco ser aprovado o quanto antes? NW – Foi sugerido que a privacidade seja um dos pontos mais importantes da internet. Mas esse assunto requer muitos detalhes, profundidade e tempo para debater, e o que se tem defendido não colocar medidas que interfiram nas regras originais. O ideal é que seja um conjunto de conceitos, de princípios – a partir dos quais outras leis irão surgindo –, para depois criar uma constituinte responsável pela criminalização de mau uso dos dados, por exemplo. A privacidade pode ser debatida por mais dois anos, mas quantos mais vamos brigar para ter um marco? É uma questão de bom senso. Figurativamente, a lei de internet seria uma árvore frondosa. O Marco Civil é o tronco, a privacidade é um falho, a criminalização é outro, e mais galhos serão aprimorados à medida que surgirem. No momento, a maneira correta é obedecer a um princípio básico. Só espero que depois essa árvore não se transforme em uma jabuticabeira. (KL)

Base Aerofotogrametria e Projetos S/A CNPJ/MF nº 46.911.608/0001-79 Relatório da Diretoria Senhores Acionistas: Em cumprimento as determinações Legais e Estatutárias, submetemos a apreciação de V.S.as., o Balanço Patrimonial e as Demonstrações do Resultado do exercício (Em R$ 1,00) respectivas Demonstrações do Exercício findo 31 de Dezembro de 2013. São Paulo, 31 de janeiro de 2014. A Diretoria Receita Operacional Bruta 31/12/2013 31/12/2012 Prestação de Serviços 22.287.125,26 14.047.905,54 Balanço Patrimonial (Em R$ 1,00) Custo de Serv. Prestados 10.942.262,29 13.522.247,32 Ativo 31/12/2013 31/12/2012 Passivo 31/12/2013 31/12/2012 Lucro Operacional Bruto 11.344.862,97 525.658,22 Total do Ativo Circulante 15.721.053,61 9.322.754,77 Total do Passivo Circulante 2.524.743,87 2.345.010,23 Disponível 649.309,29 879.576,97 Fornecedores 51.696,85 145.784,26 Gastos Gerais Honorarios da Diretoria 394.695,24 90.670,00 Bancos/Caixa 598.739,21 879.416,87 Contas a Pagar 987.273,62 369.918,15 Despesas Administrativas 2.407.316,25 2.996.488,53 Tits. Vinc. Mercado Aberto 50.570,08 160,10 Arrec. por Conta Terceiros 157.573,18 289.471,48 Impostos e Taxas 83.555,76 257.045,05 Realizável a Curto Prazo 15.071.744,32 8.443.177,80 Adianto. de Clientes 40.058,17 19.338,68 Despesas Financeiras 353.437,12 376.940,02 Clientes 12.437.892,28 7.320.642,46 Contrib. Compulsórias 523.336,01 658.852,18 Depreciações 642.117,18 669.586,31 Antecipação do Imp. Renda 401.040,58 502.645,21 Provisão p/ Férias – 509.706,52 Receitas Financeiras 3.671,09 15.461,19 Adianto. a Funcionários 47.439,11 38.975,51 Provisão p/ Contrib. Social 233.536,10 96.336,79 Receitas não Operacionais 91.696,68 56.095,39 Crédito de Terceiros 2.147.452,43 523.956,61 Provisão p/ Imp. Renda 531.269,94 255.602,17 Provisão p/ Contrib. Social 438.478,54 159.261,59 Prêmios de Seguros a Vencer 37.919,92 56.958,01 Total do Passivo não Circulante 6.531.432,19 6.891.272,53 Lucro Antes do Imposto de Renda 7.120.630,65 3.952.776,70 Total do Ativo não Circulante 2.433.134,74 3.084.826,60 Exigível a Longo Prazo 6.531.432,19 6.891.272,53 Provisão p/ Imposto de Renda 1.193.916,97 418.393,30 Realizavel a Longo Prazo 95.665,90 85.740,19 Emprestimo a Longo Prazo 6.531.432,19 6.891.272,53 5.926.713,68 (4.371.170,00) Depos.Compulsórios DL.2288/86 57.273,37 53.945,87 Patrimônio Líquido 9.098.012,29 3.171.298,61 Lucro (Prejuizo) do Exercício Diversos 38.392,53 31.794,32 Capital Social 5.000.000,00 5.000.000,00 Demonstração do Fluxo de Caixa Investimentos 6.043,62 6.043,62 Capital Social Integr. 5.000.000,00 5.000.000,00 Das Atividades operacionais 31/12/2013 31/12/2012 Imobilizado 7.038.328,57 7.124.759,04 Reservas 4.098.012,29 (1.828.701,39) Lucro Liquido do Exercicio 5.926.713,68 (4.371.170,00) Ativo Intangível 1.187.209,74 1.187.209,74 Reservas Legal 523.459,50 227.123,81 Ajuste Lucro Liquido do Exercicio – – (-) Deprec. Acumulada (5.894.113,09) (5.318.925,99) Reservas de Lucros 3.574.552,79 (2.055.825,20) Depreciação 642.117,18 669.586,31 Exercicio Anterior (2.055.825,20) 2.315.344,80 Variação em ativos Exercicio Atual 5.630.377,99 (4.371.170,00) Clientes (5.117.249,82) 1.520.584,12 Total do Ativo 18.154.188,35 12.407.581,37 Total do Passivo 18.154.188,35 12.407.581,37 Creditos diversos – 10.114,97 Antecipação Imposto de Renda (101.604,63) 1.111.632,05 Demonstrações das Mutações do Patrimônio Líquido (Em R$ 1,00) Realizavel a Longo Prazo (9.925,71) (13.556,74) Reservas de Capital Discriminação Capital Social Lucros/Prejuízo Acumulado Reserva Legal Total Variação em Passivos Fornecedores 94.087,41 (37.513,65) Saldo em 31 de Dezembro de 2012 5.000.000,00 (2.055.825,20) 227.123,81 3.171.298,61 Contas à Pagar (617.355,47) (783.757,03) Lucro/Prejuizo do Exercicio – 5.630.377,99 296.335,69 5.926.713,68 Obrigações Tributárias (147.452,61) (581.390,37) Saldo em 31 de Dezembro de 2013 5.000.000,00 3.574.552,79 523.459,50 9.098.012,29 Adianto Clientes (20.719,49) – Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras Provisão p/ Férias (509.706,52) 186.419,43 (359.840,34) 2.842.038,90 1. Principais Práticas Contábeis: As presentes Demonstrações Financeiras 3. O Imobilizado esta registrado pelo seu custo de aquisição corrigido Empréstimo a Longo Prazo Caixa Líquido Proveniente Atividades foram elaboradas em conformidade com a Lei 6404/76 e Lei 11638/07 e monetariamente ate 31/12/1995. (220.936,32) 552.987,99 4. As depreciações do Ativo Imobilizado foram calculados pelo metodo Operacionais de Investimento disposições complementares e da Legislação do Imposto de Renda. Compra de Imobilizado (44.104,12) (270.378,60) 2. Conforme requerido pela Lei 11638/07, a sociedade adotou o procedi- linear as taxas adquiridas pela Legislação. 34.772,76 44.590,49 mento de preparar a Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) em substi- 5. Capital: O Capital Social esta representado por 5.000.000 Ações, sendo Baixa do Imobilizado Caixa Líq. Usado nas Ativ. de Invest. (9.331,36) (225.788,11) 2.500.000 ON e 2.500.000 PN. tuição a Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (DOAR). Caixa Equivalente 230.267,68 327.199,88 Diretoria Disponibilidades Antonio Cobo Neto – Diretor Presidente Hitoshi Ishihara – Diretor Superintendente No Inicio do Exercicio 879.576,97 552.377,09 Ivan Valeije Idoeta – Diretor Vice-Presidente Karen Chinarelli Cobo – Diretora Financeira No Fim do Exercicio 649.309,29 879.576,97 Caixa Equivalente 230.267,68 327.199,88 Antonio dos Santos Filho – Contador CRC – 1SP 153.826/O-9


16 -.ECONOMIA/LEGAIS

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 1, 2 e 3 de fevereiro de 2014


sábado, domingo e segunda-feira, 1, 2 e 3 de fevereiro de 2014

DIÁRIO DO COMÉRCIO

17

Fotos de Tina Fineberg/The New York Times

e você entrar no showroom da S u t t o n s & R obertsons no East Side de Manhattan, vai ter a impressão de estar em uma loja chique ou em uma casa de leilão: colares cintilando com diamantes, safiras e esmeraldas enchendo as vitrines e facas, garfos e colheres de prata esterlina dispostos sobre uma mesa de madeira feita para um monarca. Em uma sala particular nos fundos existem versões maiores e mais brilhantes das joias mostradas na parte da frente da loja. No alto da parede vê-se um brasão de armas com aparência real trazendo a imagem de dois leões, com a data de fundação da empresa abaixo: 1770. Somente olhando de perto fica claro que entre os leões existem três bolas penduradas em um gancho: o símbolo internacional de um penhorista. Distante dos personagens grosseiros vistos em reality shows como "Hardcore Pawn" e "Trato Feito", essa companhia inglesa tem outra clientela em mente. "A gente se concentra no público endinheirado, de primeira linha", afirmou Jeffrey A. Weiss, CEO da Suttons & Robertsons, que abriu sua primeira loja em Nova York em janeiro. Com quase 250 anos de experiência no mundo exclusivo do penhor de luxo, a empresa inglesa Suttons & Robertsons veio aos Estados Unidos preencher o que acredita ser uma necessidade crescente entre os norte-americanos abastados que gastaram mais do que podiam e precisam de uma infusão rápida – e reservada – de dinheiro em troca de bugigangas estimadas de que estão dispostos a se afastar, ao menos temporariamente.

S

1 MILHÃO DE DÓLARES "Existem mais e mais pessoas ricas em ativos e com problemas temporários de liquidez", disse Weiss que, aos 70 anos, ainda retém o sotaque suave do Brooklyn de sua juventude. "Elas têm problemas de caixa. Nós temos o capital para emprestar até e acima de US$ 1 milhão." A Suttons & Robertsons não está sozinha no nicho sofisticado do penhor. Sites como Pawngo e

Borro cresceram depois da quebra financeira, oferecendo-se a emprestar em troca de joias, relógios e praticamente qualquer artigo caro que pudesse ser despachado pela FedEx. Outros sites como Ultrapawn e iPawn surgiram depois com a ideia de fazer empréstimos maiores, garantidos por automóveis chiques, obras de arte e pedras preciosas. Há pouco tempo, a Beverly Loan Co., casa de penhor de Beverly Hills, Califórnia, negócio de propriedade familiar desde 1938, abriu uma segunda unidade chamada New York Loan Co. no distrito dos diamantes em Manhattan. Weiss ganhou uma fortuna comandando a DFC Global, que opera cadeias de casas de penhor e de empréstimos de curto prazo em dez países. Nos Estados Unidos, ela opera sob os nomes Money Mart e Check Cashing Store. Segundo ele, o aperto no crédito representa a hora certa de atuar em Nova York. RELÓGIO ROLEX "Sem dúvida, nos últimos cinco ou seis anos, credores convencionais se tornaram mais relutantes em conceder crédito em todas as frentes. O tempo que leva para essas instituições tomarem uma decisão aumentou enquanto o apetite diminuiu. Dá para entrar em nossa unidade nova-iorquina e sair com dinheiro em uma ou duas horas." Pagando uma taxa – alta –, é claro. Por exemplo, quem toma emprestado alguns milhares de dólares dando um relógio Rolex como garantia – que parece ser um dos itens mais populares para penhorar –, as taxas variam de 12% a mais de 60% anualizados nas casas de penhor online, batendo na casa dos três dígitos nas unidades físicas espalhadas pelo país. As taxas elevadas não são altas o bastante para impedir clientes como Mike Walsh, que compra, reforma e vende casas na região de Chicago. Ele contou que ia ao banco fazer empréstimos até 2008 quando o processo de obtenção se tornou oneroso. Depois de perder várias casas, ele levou dois relógios Rolex e os usou como garantia em

OS RICOS (no sufoco) TAMBÉM PENHORAM O público endinheirado dos Estados Unidos está cada vez mais recorrendo a penhores para fazer caixa. Acredite se quiser, colares com diamantes, safiras e esmeraldas enchem as vitrines das casas especializadas. Paul Sullivan*

um empréstimo com a Ultrapawn. Segundo Walsh, o dinheiro chegou no dia seguinte. D e a c o rd o c o m M i ke Walsh, os primeiros empréstimos tinham taxa de 5% ao mês, já os mais recentes eram de 3% – ou 36% anuais. Para ele, porém, é melhor do que um empréstimo via penhor típico. "Em vez de pagar US$ 1.800 mensais por um empréstimo de cerca de US$ 10 mil, eu pago US$ 300 mensais." Que as casas de penhor existam para emprestar dinheiro para quem enfrenta dificuldades é um fato necessário ou infeliz da vida, dependendo do ponto de vista de cada um. No entanto, como quem já teve dinheiro para comprar uma Mercedes McLaren de US$ 450 mil termina a usando como garantia para um penhor de US$ 190 mil com juros de 2,5% a 4%, como se deu com um cliente da Borro? Geralmente, a pessoa que penhora um artigo terá de deixá-lo na casa de penhor e pagar os juros mensais para manter o empréstimo. Para recuperar o objeto, o cliente deve pagar o principal e todo o juro. Quem deixar de quitar um pagamento dos juros pode perder o item. A nova onda de penhoristas não aposta apenas que as pessoas vão botar no prego carros, aviões ou, no caso de um cliente da Ultrapawn, um equipamento de terraplenagem. Eles também apostam que enquanto o empréstimo tradicional nos bancos continuar restrito para os indivíduos, os clientes vão voltar. CLIENTE SOFISTICADO George Souri, diretor do Atria Group, empresa de investimentos privados, disse que seu grupo vê as pessoas ricas como pequenas empresas. "Quando uma companhia necessita de liquidez para financiar operações ou crescer, ela pode ir ao mercado de capital e usar ativos comerciais para o b t e r e m p ré s t i m o s . O consumidor sofisticado não tem essa opção. E a maioria dos consumidores desse nicho não entraria nem morta em uma casa de penhores." George Souri contou ter um cliente com casas em Chicago e Marco Island,

Flórida, e um Bentley Continental nos dois endereços. O cliente penhorou um dos veículos, cada unidade avaliada em exatos US$ 250 mil, para comprar um barco para a casa na Marco Island por ter a confiança de que o fluxo de dinheiro de outros investimentos pagaria o empréstimo. E m o u t ro s c a s o s , a s pessoas simplesmente têm dinheiro demais preso em artigos de luxo e não o suficiente para pagar coisas como mensalidades escolares ou custas de divórcios, exemplos populares de empréstimos nas casas de penhor sofisticadas. Uma preocupação entre os clientes é se o que está sendo oferecido ficará em segurança, principalmente no caso de sites de penhor quando os bens são despachados através de todo o país. MERCEDES McLAREN Todd Hills, fundador da Pawngo, afirma que sua empresa, como outras casas de penhores online, paga para transportar e segurar os artigos e, como está enviando dinheiro para uma conta bancária, acredita ser possível confirmar a identidade da pessoa – para estabelecer a propriedade de forma tão confiável como se estivesse conferindo a carteira de habilitação em uma loja. O segmento de luxo do setor aposta que com taxas de empréstimo comparativamente baixas e capacidade de acatar mesmo pedidos grandes de empréstimo em um ou dois dias, ele será capaz de se firmar com clientes que voltam a fazer negócios. Paul Aitken, fundador e CEO da Borro, atribuiu transações repetidas ao desejo humano de gastar hoje sem pensar no amanhã. "Empreendedores gostam de fazer coisas de forma impulsiva e, provavelmente, não são os melhores planejadores", diz Paul Aitken. "Quando eles têm dinheiro no bolso, gostam de comprar artigos de luxo. Quando não têm, gostam de utilizar esses objetos para levantar dinheiro para o próximo empreendimento." E é assim que ele termina aceitando uma Mercedes McLaren como garantia de empréstimo. *The New York Times

De braços abertos para quem não perde a pose: Jeffrey Weiss, executivo da Suttons & Robertsons, e o showroom da empresa.


18 -.ECONOMIA/LEGAIS

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sábado, domingo e segunda-feira, 1, 2 e 3 de fevereiro de 2014

A concessão de crédito neste ano deve ficar no mesmo nível de 2013. Flávio Calife, economista da Boa Vista Serviços

Cai risco de inadimplência, mostra Boa Vista Serviços.

Patrícia Cruz/LUZ

Resultado do indicador antecedente no quarto trimestre de 2013 gera boas expectativas para este ano. Paula Cunha risco de os consumidores que buscaram crédito no mercado se tornarem inadimplentes teve um recuo de 1,7% no quarto trimentre de 2013 em relação ao mesmo período do ano anterior. O resultado foi divulgado na última semana pela Boa Vista Serviços, administradora do Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC), que também apresentou um balanço dos indicadores econômicos em 2013. Para este ano, as perspectivas são de crescimento do comércio de 3% a 4%, índice semelhante ao comportamento do ano passado e consi-

O

derado positivo pelos economistas da empresa. Batizado Indicador de Risco de Crédito dos Consumidores (IRC), o instrumento de cálculo apresenta o risco mediano dos consumidores que buscaram crédito. Ele recuou de 100 para 98,3 e também apresentou queda na comparação com o terceiro trimestre, de 0,6%. O indicador é utilizado como antecedente da tendência de inadimplência dos consumidores medida pelo Banco Central (BC). Para Flávio Calife, economista da Boa Vista Serviços, quanto menos for de risco o perfil médio do consumidor, menor será a chance de ele se tornar inadimplente. Na sua avaliação, a queda em relação ao final de 2013 pode

apontar o que pode acontecer neste início de ano. Segundo o economista, o comportamento da economia em 2014 será semelhante ao do ano passado. "O cenário aponta que os bancos privados ajustarão suas carteiras de crédito com a oferta de modalidades menos arriscadas. A concessão de crédito neste ano deve ficar no mesmo nível de 2013, sem grandes alterações nos níveis de consumo e no uso de instrumentos de financiamento para a aquisição de bens", acrescentou. Fernado Cosenza, diretor de Inovação e Sustentabilidade, lembrou que o consumo de bens e serviços durante a Copa do Mundo deverá ser positivo e seu impacto já está in-

cluído na expectativa de crescimento das vendas para 2014. Em relação ao evento, a avaliação da Boa Vista Serviços é de que contribuirá para ajudar a manter o ritmo da economia brasileira. Quanto à inadimplência, as maiores causas apontadas pelos consumidores foram o desemprego (34%) e o descontrole das contas (26%). O p r i m e i ro é c o n s i d e r a d o o maior índice da série histórica da Boa Vista Serviços. Segundo Cosenza, não é contraditório o desemprego aparecer em primeiro lugar em um período de queda oficial em seus índices porque as pessoas continuam trocando de emprego, o que ocorre principalmente entre os trabalhadores das clas-

Para Cosenza, diretor da Boa Vista Serviços, ainda falta educação financeira para o brasileiro.

ses emergentes. "Como eles não têm reservas de poupança para pagar suas dívidas, acabam por interromper o pagamento de suas contas. Isso é sinal de falta de educação financeira do brasileiro e a nova classe média ainda não tem prática em usar o crédito. Nos próximos anos, essa parcela da população deverá começar a considerar como sinônimo

de progresso o seu crescimento da capacidade de poupar." Outros destaques foram o atraso em boletos (31%), cartões de crédito (25%) e cheques (16%). Cosenza disse que esses instrumentos não são considerados os vilões da inadimplência, mas apenas os meios de pagamento mais utilizados pelos consumidores brasileiros.

Walmart: novo marketing no Brasil. uem assistiu ao último capítulo da novela Amor à Vida, da Rede Globo, viu, no intervalo, histórias de brasileiros que tentam economizar para realizar seus sonhos. A garçonete Paola Santiago quer fazer faculdade de medicina. Já o funileiro Manoel de Freitas guarda um dinheirinho para comprar um arcondicionado. Paola e Manoel estão entre os clientes do Walmart selecionados pela agência DM9DDB para serem "estrelas" da nova campanha da rede. O comercial representa uma nova proposta de comu-

Q

nicação da empresa no País e a segunda tentativa da rede de emplacar sua política comercial no Brasil. O Walmart trouxe ao País em 2011 a política comercial chamada de "preço baixo todo dia". A lógica é oferecer preços competitivos sempre e não fazer promoções. Mas o negócio não saiu como esperado e chegou a provocar queda nas vendas da rede no primeiro ano de execução. O consumidor é sensível a promoções e convencê-lo de que vai pagar menos em um supermercado que aboliu as superofertas não é

26ª Vara Cível do Fórum Central João Mendes Júnior – SP. Citação Prazo 20 dias. Proc. nº 1078516-57.2013.8.26.0100, O Dr. Carlos Eduardo Borges Fantacini, Juiz de Direito da 26ª Vara Cível do Fórum Central João Mendes Júnior/SP faz Saber a Francisco Alberto Bento CPF/ MF 108.206.128-04, Margarida Alfieri Bento, CPF 108.206.128-04, mesmo CPF do marido, que o Condomínio Edifício G11I lhe ajuizou ação Rito Sumário para cobrança de R$ 25.096,91 (outubro/13) a título de despesas condominiais do apto. 307, Bloco G11, do condomínio da autora, sito à Rua Padre Benedito Maria Cardoso, 31, Mooca, São Paulo/SP. Encontrando-se os réus em lugar ignorado foi deferida a citação por edital, para no prazo de 20 dias, após os 20 dias supra, contestar o feito sob pena de presumirem-se verdadeiros os fatos alegados na forma da lei.

fácil. "Precisamos romper essa cultura", disse o vice-presidente de marketing da rede, Cláudio Tonello. Segundo ele, a companhia identificou que faltou "conexão emocional com o consumidor". A exposição do Walmart na mídia deve chamar a atenção do consumidor, mas fazer com que ele veja a rede como mais barata dependerá da reação das concorrentes, disse o professor da ESPM, Eduardo Spers. "Todas as empresas fazem propaganda focando no preço baixo. É difícil para o consumidor diferenciar." (EC)

Marca dos R$ 200 bilhões chegou mais cedo neste ano ais uma vez, a fome do Leão atingiu em cheio o contribuinte brasileiro logo no início do ano. A arrecadação de tributos começou o ano de 2014 já batendo recorde. O Impostômetro, painel instalado na sede da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e que pode ser acompanhado pela internet (o www.impostometro.com.br), bateu no último sábado a marca de R$ 200 bilhões em tributos arrecadados desde 1º de janeiro. No ano passado, a marca havia

M

sido atingida 13 dias depois. O presidente da ACSP e da Facesp (Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo), Rogério Amato, destacou que a maior parte de todo esse dinheiro arrecadado vai para gastos de custeio e não de investimento, o que atrasa o desenvolvimento do Brasil. “O problema das finanças públicas não está do lado da receita, mas sim do lado do gasto”, afirmou o presidente das entidades. (DC)


sábado, domingo e segunda-feira, 1, 2 e 3 de fevereiro de 2014

Empresa VACIO REFEIÇÕES EXPRESS LTDA. - EPP, CNPJ 03.075.531/0001-31, I.E. 116.337.083.112, declara que as notas fiscais utilizadas modelo 1 de 0001 a 1000 e modelo 2, série D1, de 0001 até 6000, foram extraviadas.

Empresa COLITA REFEIÇÕES EXPRESS LTDA.-EPP, CNPJ 04.591.522/0001-66, I.E. 116.340.289.118, declara que as notas fiscais utilizadas modelo 1 de 001 até 250 e modelo 2, série D1, de 0001 até 4000, foram extraviadas.

DIÁRIO DO COMÉRCIO

19

PREFEITURA MUNICIPAL DE CASTILHO/SP

PROCESSO LICITATÓRIO Nº 101/13 - PREGÃO Nº 59/13 Acha-se aberto, na Prefeitura do Município de Castilho, o Processo Licitatório 101/13, na modalidade de Pregão 59/13, na forma presencial, para a contratação de empresa especializada para desenvolvimento dos projetos de formação das oficinas culturais e musicais. Data: 14 de fevereiro de 2014, às 09 horas. O edital, na íntegra, encontra-se à disposição dos interessados na Praça da Matriz, 247, Castilho. Informações complementares serão fornecidas pelo telefone (18) 3741-9000, ramal 9034 e pelo e-mail: licitacoescastilho@starsnet.com.br A Debitar (01.02.14)

PREFEITURA MUNICIPAL DE BIRIGUI RB Capital Commercial Properties S.A. NIRE 35.300.349.555 - CNPJ/MF nº 09.272.156/0001-04 Ata da Assembleia Geral Extraordinária Realizada em 25 de Outubro de 2013 às 09:00hs CERTIDÃO: Certifico o Registro na Junta Comercial do Estado de São Paulo nº 28.330/14-6 em 17.01.14. Gisela Simiema Ceschin - Sec. Geral.

Edital nº 05/2014 – Tomada de Preços nº 02/2014 Objeto: Execução da obra de iluminação pública e extensão de rede em ruas do município, com fornecimento de mão de obra, materiais e equipamentos, conforme Termo de Referência,, Planilha Orçamentária ç e Projetos j fornecidos pela Secretaria de Serviços Públicos, Água e Esgoto. Prazo de entrega dos documentos para cadastro: até 19/02/2014. Encerramento e Abertura:24/02/2014, às 08h30min. O Edital na íntegra encontrase disponível gratuitamente no site www.birigui. sp.gov.br. ou na Seção de Licitações pelo valor de R$ 30,00, até o dia 19/02/2014. Informações: Seção de Licitações, Rua Santos Dumont, 28 ou pelos telefones (18) 3643.6125/3643 6126, Birigui, 31/01/2014, Pedro Felício Estrada Bernabé, Prefeito Municipal.

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ANDRADINA Decisão do Prefeito no Processo Licitatório 08/2014 - Pregão nº 06/2014, objetivando a contratação de empresa jornalística ou agência de publicidade, para publicação dos atos oficiais, em jornal de circulação local e de grande circulação no Estado. Resolve, por bem, transferir “sine die” a data prevista para o recebimento e julgamento das propostas, em função da determinação de SUSPENSÃO proferida pelo Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, nos autos do TC-444.989.14-9. Andradina, 31 de janeiro de 2014. JAMIL AKIO ONO - Prefeito.

Yakult S.A. Indústria e Comércio CNPJ nº 60.723.061/0001-09 - NIRE nº 35.3.0003245-4 Comunicamos aos Srs. Acionistas da Yakult S.A. Indústria e Comércio, que se encontram à disposição, na sede social da companhia, sita na Alameda Santos, 771, 13º andar, conj.131, Bairro Cerqueira César, em São Paulo - SP, os documentos a que se refere o artigo 133 da Lei nº 6404/76, relativos ao Exercício Social encerrado em 31 de dezembro de 2013. São Paulo, 28 de janeiro de 2014. Ichiro Amano - Diretor Presidente.

EMPRESA MUNICIPAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS – EMPRO EXTRATO DE AVISO DE LICITAÇÃO - TOMADA DE PREÇOS Nº 001/2014 Objeto: Contratação de empresa especializada, para prestar, sob demanda, serviços de instalação, manutenção preventiva e corretiva de rede elétrica de baixa e média tensão, com o fornecimento de materiais e mão de obra, conforme especificação técnica e condições estabelecidas nos Anexo I e V deste Edital. Edital completo na sede da Empro: Av. Romeu Strazzi, 199 – Bairro Vila Sinibaldi, São José do Rio Preto/SP, ou pelo site http://www.empro.com.br. – Fone: (17) 3201-1201/1216. Estimativa de Custo: R$ 365.023,76 (trezentos e sessenta e cinco mil, vinte e três reais e setenta e seis centavos). Abertura: 18 de fevereiro de 2014, às 09h30. São José do Rio Preto/SP, 31 de janeiro de 2014. Cássio Domingos Dosualdo Moreira – Pregoeiro.

S. Magalhães S.A. Logística em Comércio Exterior CNPJ (MF) 58.130.089/0001-90 - NIRE 35.3.0005542-0 Data: 02/12/2013. Local e Hora: Praça da República, 62 - 2º Andar - Santos - SP - 9:00 Horas. Presença: Todos os Diretores. Composição da Mesa: Presidente: Fernando da Cunha Magalhães Junior, Secretário: Guilherme Souza Magalhães. Deliberações Tomadas: a.) Tendo em vista o disposto no Título V, artigo 14º, parágrafo 3º, do Estatuto Social, que estabelece idade inferior a 72 anos para o exercício das funções de Conselheiro Consultivo, deixa o Sr. José Francisco Rollo Rollemberg, de fazer parte do Conselho Consultivo uma vez que completou 72 anos de idade no dia 01/12/2013. Encerramento: Nada mais havendo a tratar foram encerrados os trabalhos para ser lavrada a presente ata, que foi lida, aprovada e vai por todos os presentes assinada.Santos, 02 de dezembro de 2013.Fernando da Cunha Magalhães Junior - Presidente, Guilherme Souza Magalhães - Secretário, Fernando da Cunha Magalhães Junior - Diretor Presidente, Guilherme Souza Magalhães - Diretor Adm. Financeiro, Luiz Henrique Magalhães Ozores - Diretor Comercial. JUCESP nº 48.572/14-7 em 29/01/2014. Gisela Simiema Ceschin - Secretária Geral.

CAVOUR ADMINISTRAÇÃO DE BENS PRÓPRIOS LTDA.

CNPJ/MF nº 69.226.652/0001-45 - NIRE 35.211.300.046 ATA DA ASSEMBLEIA GERAL DE TRANSFORMAÇÃO Data, Hora e Local: Em 22/11/13, às 15 hs., em São Paulo/SP, na R. General Mena Barreto, 794, sl. 1, Jd. Paulista. Presença: Sócios representando a totalidade do capital da sociedade. Mesa: Sylvio Lazzarini Neto - Presidente; e Elsom Yamaguishi Yassuda - Secretário. Convocação: Dispensada pela presença da totalidade dos sócios. Ordem do dia: (a) da transformação do tipo societário da Cavour Administração de Bens Próprios Ltda., de sociedade limitada para S.A.; (b) da aprovação do Estatuto Social; (c) da eleição dos membros do Conselho deAdministração; e (d) e outros assuntos de interesse da Sociedade. Deliberações tomadas por unanimidade: (a) Aprovada a transformação da Cavour Administração de Bens Próprios Ltda., numa S.A., com a denominação de Cavour Administração de Bens Próprios S.A. O capital da Sociedade, de R$ 4.350.911,00, passa a ser dividido em 4.350.911 ações ordinárias escriturais, sem valor nominal, distribuídas entre os sócios; (b) Aprovado, nos termos do Art. 87, § 2° da Lei nº 6.404/76, o Estatuto Social que, devidamente rubricado por todos os acionistas, passa a integrar a presente Ata, e será mantido na sede da sociedade; (c) São eleitos como membros do Conselho de Administração: Presidente do Conselho: Sylvio Lazzarini Neto; Vice Presidente do Conselho de Administração: Elsom Yamaguishi Yassuda. Conselheiros: Fábio Ribas Chaddad; Fernando Ribas Chaddad e Newton Silveira Roríz. Lavratura e Leitura da Ata: Foram encerrados os trabalhos e suspensa a reunião pelo tempo necessário à lavratura desta Ata, a qual, reaberta a sessão, foi lida, aprovada e assinada por todos os presentes. Sylvio Lazzarini Neto - Presidente; Elsom Yamaguishi Yassuda - Secretário. São Paulo, 22/11/13. Membros Eleitos do Conselho de Administração: Sylvio Lazzarini Neto - Presidente; ElsomYamaguishi Yassuda - Vice-Presidente; Conselheiros: Fabio Ribas Chaddad; Fernando Ribas Chaddad; Newton Silveira Roriz. Sócios: LazzariniAdministração e Consultoria de Bens e Negócios Ltda., pp. Sylvio Lazzarini Neto; Lapa Investimentos e Participações Ltda., pp. Elsom Yamaguishi Yassuda; Córum Participações Societárias Ltda., pp. Tadeu Vani Fucci. Adriana de Fátima Michelon Ferreira de Oliveira - Advogada - AOB/SP nº 129.018. Testemunhas: José de Souza Lemos - RG 5.830.027 SSP; e Solange Mostarda - RG 17.254.782 SSP/SP. JUCESP 27.523/14-7 em 15/01/14. Gisela S. Ceschin - Secretária Geral.

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO IMPRENSA OFICIAL DO ESTADO S.A. AVISO PREGÃO ELETRÔNICO N.º 005/2014 A IMPRENSA OFICIAL DO ESTADO S/A-IMESP avisa aos interessados que fará realizar o Pregão Eletrônico n.º 005/2014, para aquisição de licenças de uso de software e prestação de serviços de implantação de solução integrada de gestão empresarial compreendendo: modelagem de processos, suporte técnico especializado, manutenção e capacitação da equipe técnica e dos usuários finais, conforme Memorial Descritivo = OFERTA DE COMPRA Nº 283101280902014OC00013 O edital deverá ser retirado no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br, www.bec.fazenda.sp.gov.br ou www.e-negociospublicos.com.br. DATA DO INÍCIO DO PRAZO PARA ENVIO DA PROPOSTA ELETRÔNICA: 04/02/2014. DATA E HORA DA ABERTURA DA SESSÃO PÚBLICA: 14/02/2014 ÀS 09:30 HORAS.. Marcos Antonio Monteiro Diretor-Presidente

CÂMARA MUNICIPAL DE VALINHOS AVISO DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL N° 03/2014 TIPO MENOR PREÇO GLOBAL Objeto: AQUISIÇÃO DE TRELIÇAS. Credenciamento: 17/02/14 às 09hs Abertura da sessão pública: 17/02/14 às 09h30min Local: Câmara Municipal de Valinhos - Rua Ângelo Antônio Schiavinato, n.º 59, Residencial São Luiz, Valinhos/SP, CEP 13270-470 Consulta e fornecimento do edital: Será fornecido aos interessados, à partir de 31/01/2014, na Diretoria Administrativa da Câmara Municipal de Valinhos, no endereço citado acima, no horário das 09 às 17 horas, de segunda à sexta-feira, pelo site www. camaravalinhos.sp.gov.br ou pelo e-mail compras@camaravalinhos.sp.gov.br Valinhos, 31 de janeiro de 2014. LOURIVALDO MESSIAS DE OLIVEIRA - PRESIDENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE PEREIRA BARRETO/SP PROCESSO 0004/2014 - TOMADA DE PREÇO 001/2014 EDITAL SUSPENSO ARNALDO SHIGUEYUKI ENOMOTO, Prefeito de Pereira Barreto-SP, faz saber que ficará suspenso por prazo indeterminado, para análise do edital, a data e horário estabelecidos para recebimento e abertura dos envelopes de habilitação e proposta, referente ao processo em epígrafe. Pereira Barreto-SP, 31 de janeiro de 2014. Arnaldo Shigueyuki Enomoto - Prefeito.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PEREIRA BARRETO/SP TOMADA DE PREÇO nº 002/2014 - PROCESSO nº 05/2014 RESUMO DE EDITAL ARNALDO SHIGUEYUKI ENOMOTO, Prefeito de Pereira Barreto - SP, faz saber que se acha aberto até às 14h00min do dia 20 de fevereiro de 2014, a Tomada de Preço nº 002/2014, do tipo menor preço global, objetivando a contratação de empresa do ramo pertinente para fornecimento de materiais didáticos pedagógicos - Conjuntos Educacionais Professor/Aluno e aplicação de metodologia educacional para desenvolvimento das habilidades Cognitivas, sociais, emocionais e ética dos alunos da rede municipal de ensino, além da capacitação de professores, conforme especificações constantes no Anexo I, Termo de Referência e Anexo II Modelo de Proposta, que integram este Edital. Maiores informações no Departamento de Licitações pelo fone/fax (18) 3704-8505, pelo e-mail licitacao@pereirabarreto.sp.gov.br, ou ainda o Edital completo no website www.pereirabarreto.sp.gov.br. Pereira Barreto-SP, 31 de janeiro de 2014. Arnaldo Shigueyuki Enomoto - Prefeito.

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA Pregão Eletrônico nº 59/00030/13/05 OBJETO: Prestação de serviços de vigilância eletrônica com instalação, locação, manutenção e operação de sistemas de alarme de intrusão; circuito fechado de TV (CFTV); gravação local e remota, monitoramento remoto dos alarmes e das imagens quando de um evento, a serem implantados em Escolas Estaduais e sedes de Diretorias de Ensino localizadas na Capital, Região Metropolitana de São Paulo, Baixada Santista e Campinas, conforme detalhamento constante do Anexo II - Projeto Básico Especificações Técnicas, parte integrante deste Edital. A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para: Prestação de serviços de vigilância eletrônica com instalação, locação, manutenção e operação de sistemas de alarme de intrusão; circuito fechado de TV (CFTV); gravação local e remota, monitoramento remoto dos alarmes e das imagens quando de um evento, a serem implantados em Escolas Estaduais e sedes de Diretorias de Ensino localizadas na Capital, Região Metropolitana de São Paulo, Baixada Santista e Campinas, conforme detalhamento constante do Anexo II - Projeto Básico - Especificações Técnicas, parte integrante deste Edital. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital a partir de 03/02/2014, no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br ou na sede da FDE, na Supervisão de Licitações na Av. São Luis, 99 - República - CEP: 01046-001 - São Paulo/SP, de segunda a sextafeira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, ou verificar o edital na íntegra, através da Internet no endereço: http://www.fde.sp.gov.br. A sessão pública de processamento do Pregão Eletrônico será realizada no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br, no dia 18/02/2014, às 10:00 horas e será conduzida pelo pregoeiro com o auxílio da equipe de apoio, designados nos autos do processo em epígrafe e indicados no sistema pela autoridade competente. Todas as propostas deverão obedecer rigorosamente o estabelecido no edital e seus anexos e serão encaminhadas, por meio eletrônico, após o registro dos interessados em participar do certame e o credenciamento de seus representantes previamente cadastrados. A data do início do prazo para envio da proposta eletrônica será de 03/02/2014, até o momento anterior ao início da sessão pública. BARJAS NEGRI Presidente

CASA CIVIL RESPEITO POR VOCÊ

ASSOCIAÇÃO FAZENDA TAMBORÉ RESIDENCIAL CNPJ/MF nº 56.348.691/0001-73 EDITAL DE CONVOCAÇÃO - ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA

CNPJ Nº 33.040.601/0001-87 - COMPANHIA ABERTA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA – EDITAL DE CONVOCAÇÃO FATO RELEVANTE Ficam convocados os senhores acionistas da Mercantil do Brasil Financeira S.A. - Crédito, Financiamento e Investimentos para a Assembleia Geral Extraordinária, a realizar-se no dia 06 de março de 2014, às 10:00 horas, na sede social, na Rua Rio de Janeiro, 654/680 - 5º andar, na sala de reuniões, em Belo Horizonte, Minas Gerais, a fim de discutir e deliberar a respeito da seguinte Proposta do Conselho de Administração, com parecer favorável do Conselho Fiscal: I) Homologação do Aumento de Capital Social deliberado pela Assembléia Geral Extraordinária de 02/12/2013, no valor de R$ 50.000.008,00 mediante subscrição particular de ações, com a emissão de 6.250.001 novas ações escriturais, sendo 3.532.609 ordinárias e 2.717.392 preferenciais; II) - Alteração do art. 5º do Estatuto Social para dispor sobre o aumento de capital. Todos os documentos relativos à pauta da Assembléia, exigidos a partir de 2010 pela Instrução CVM n. 481/09, estão disponíveis para consulta na Sede do Banco, bem como no sítio da Comissão de Valores Mobiliários (www.cvm.gov.br). Somente as ações ordinárias terão direito a voto. Para participar da Assembléia, os acionistas pessoas físicas deverão exibir documento de identificação pessoal, sendo que os representantes dos acionistas pessoas jurídicas deverão exibir os documentos que legitimem a representação, inclusive contrato social ou estatuto social. Os acionistas que detenham ações custodiadas na BMF&Bovespa, deverão exibir extrato de ações custodiadas atualizado. Conforme normas estatutárias, quando da representação do acionista por mandatário, o respectivo instrumento de procuração deve ser depositado, contra recibo, na Sede da Sociedade, até 05 (cinco) dias antes da data da Assembleia. Belo Horizonte, 27 de janeiro de 2014. MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS

FALÊNCIA, RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL E RECUPERAÇÃO JUDICIAL Conforme informação da Distribuição Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, foram ajuizados no dia 31 de janeiro de 2014, na Comarca da Capital, os seguintes pedidos de falência, recuperação extrajudicial e recuperação judicial: Requerente: Luis Borrelli Neto - Requerido: A.C. Carvalho Participações Mobiliarias Ltda. - Avenida Nove de Julho, 3.228 - Jardim Paulista - 2ª Vara de Falências

Ficam os senhores associados da Associação Fazenda Tamboré Residencial convidados a se reunir em Assembleia Geral Ordinária, que se realizará no dia 20 de Fevereiro de 2014, às 20:00 horas em primeira convocação e às 20:30 horas em segunda convocação, na sede da Associação Fazenda Tamboré Residencial, na cidade de Barueri, Estado de São Paulo, na Avenida Ceci, 100, Tamboré, CEP 06460-120, a fim de deliberar sobre a seguinte ordem do dia: a) Projeto Fitness-Aprovação de verba; b) Andamento das obras emergenciais (segurança) e apresentação do cronograma para próximas etapas; c) Aprovação das alterações das cláusulas do Regulamento Interno conforme Estatuto Social-Artigo 23º letra “e”. O direito de participação na assembleia será vedado aos associados inadimplentes com qualquer de suas obrigações perante a Associação, inclusive as decorrentes de não observância do Regulamento Interno e das Normas para elaboração de projeto e execução de obras, noticiadas em notificações extrajudiciais ou judiciais expedidas pela Associação, conforme artigo 9º do estatuto social. Qualquer dúvida, favor entrar em contato pelo telefone (11) 2078-3116 ou por e-mail: comunicacao@tambore1.com.br. Barueri, 22 de Janeiro de 2014. Ricardo Alves Bastos. Presidente do Conselho Deliberativo.

A Black Maria Filme Vídeo Digital Ltda, sito à Rua Almirante Pereira Guimarães, nº. 183, Bairro Pacaembu, CEP 01250-001 – S.Paulo/SP, CNPJ 01.478.079/0002-04, CCM nº. 2.998.768-7, COMUNICA o extravio dos livros modelos 51 e 57 e notas fiscais de serviços, serie A1 de nº. 001 à 100.

RB Capital Desenvolvimento Residencial II S.A. CNPJ/MF: 09.450.509/0001-00 - NIRE: 35.300.385.187 Extrato da Ata da Assembleia Geral Extraordinária em 30.12.2013 Data, hora e local: 30.12.2013, 10hs, sede, R. Amauri 255, 5º and., parte, SP/SP. Convocação: Dispensada. Presença: Totalidade do capital social. Mesa: Presidente: Marcelo Meth, Secretário: Thiago Luiz Pereira Rosa Ribeiro. Deliberações Aprovadas: 1. Distribuição de dividendos, no valor de R$ 1.918.683,81, referentes a lucros apurados no balanço patrimonial em 30.11.2013, a serem pagos aos acionistas em moeda nacional. Farão jus à Distribuição dos Dividendos os acionistas que possuam ações nesta data, sendo que a fração dos Dividendos, ora distribuídos ao acionista Fundo de Investimento em Participações RB Capital Portfolio II, será paga diretamente ao quotista deste. Encerramento: Nada mais. SP, 30.12.2013. Marcelo Meth: Presidente, Thiago Luiz Pereira Rosa Ribeiro: Secretário. JUCESP 39.886/14-1 em 23.01.14. Gisela Simiema Ceschin - Sec. Geral.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PEREIRA BARRETO/SP

Processo nº 06/2014 - Pregão Presencial nº 004/2014 RESUMO DE EDITAL ARNALDO SHIGUEYUKI ENOMOTO, Prefeito de Pereira Barreto - SP, faz saber que se acha aberto até às 14h do dia 12 de fevereiro de 2014, o Pregão nº 004/2014, do tipo menor preço por lote, objetivando a aquisição de materiais para confecção dos Kits Escolares e de higiene bucal aos alunos da Educação Infantil e Fundamental desta municipalidade, conforme descrição constante no Anexo I deste Edital. Maiores informações no Departamento de Licitações pelo fone/fax (18) 3704-8505, pelo e-mail licitacao@pereirabarreto.sp.gov.br, ou ainda o Edital completo no website www.pereirabarreto.sp.gov.br. Pereira Barreto - SP, 31 de janeiro de 2014. Arnaldo Shigueyuki Enomoto - Prefeito.

SAINT-GOBAIN VIDROS S.A.

CNPJ/MF: 60.853.942/0001-44 - NIRE: 35.300.031.211 Ata da 150ª Assembleia Geral Extraordinária, realizada em 31.12.2013 DATA, HORA E LOCAL: dia 31 de dezembro de 2013, às 10:00 horas, na Avenida Santa Marina, nº 482, 3º andar, São Paulo, SP, CEP 05036-903. MESA: Roberto Luiz Hecksher Correa Netto Presidente; Eron Martins - Secretário. QUORUM: Acionistas representando a totalidade do capital social, conforme disposto no parágrafo 4º, do artigo 124, da Lei nº 6.404/76. Ordem do Dia: Deliberar sobre (i) a substituição, a partir de 1º de janeiro de 2014, do Diretor Gustavo Penteado de Freitas Padilha, brasileiro, casado, engenheiro mecânico, portador da cédula de identidade RG nº. 18.330.510-3 SSP-SP e inscrito no CPF/MF sob o nº 138.073.228-09, residente e domiciliado em São Paulo, S.P., com escritório na Avenida Santa Marina, nº 482, 2º andar, CEP 05036-903 e (ii) nova nomeação para tal cargo. Deliberações: Detidamente discutido o assunto foi aprovada por unanimidade, a partir de 1º de janeiro de 2014, (i) a substituição do Sr. Gustavo Penteado de Freitas Padilha, lavrando-se em ata um voto de louvor pelos relevantes serviços prestados à companhia, e (ii) a nomeação do Sr. Alexandre Cristiano Caruso, brasileiro, divorciado, administrador de empresas, portador da cédula de identidade RG nº 22.160.724-9 SSP/SP, inscrito no CPF/MF sob nº 140.218.198.19, com endereço profissional na Avenida Santa Marina, nº 482, 2º andar, Água Branca, CEP 05036-903, para completar o mandato até a próxima Assembleia Geral Ordinária a realizar-se em 2014, que neste ato se declara não estar impedido por lei especial, de exercer a administração da sociedade e nem condenado ou sob efeitos de condenação, a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos, ou por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussão, peculato, ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra as normas de defesa da concorrência, contra as relações de consumo, a fé pública ou a propriedade. Encerramento e Lavratura da Ata: Nada mais havendo a ser tratado, o Sr. Presidente suspendeu a sessão pelo tempo necessário à lavratura da presente ata, a qual, reaberta a sessão, foi lida, aprovada e assinada por todos os presentes. Ass. Roberto Luiz Hecksher Correa Netto - Presidente da Mesa; Eron Martins - Secretário; Acionistas: Compagnie de Saint-Gobain - pp. Francisco Sanches Neto; Saint-Gobain Assessoria e Administração Ltda. por seu Diretor Francisco Sanches Neto. Confere com o original. Roberto Luiz Hecksher Correa Netto - Presidente. Eron Martins - Secretário. JUCESP: Certifico o Registro sob o nº 39.503/14-8 em 23/01/2014. Gisela Simiema Ceschin - Secretária Geral.

SerPartners Participações e Administração S.A. CNPJ/MF nº 07.865.305/0001-05 – NIRE 35.300.329.007 Ata da Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária de 28 de dezembro de 2013 1. Data, Hora e Local: 28/12/2013, às 11 hs., na sede social da Cia., na Av. Presidente Juscelino Kubitschek, 1830, 12º andar, Torre I, sala 3, São Paulo-SP. 2. Mesa: Presidente: Jair Ribeiro da Silva Neto; Secretário: André Jacintho Mesquita. 3. Presença: Acionistas representando a totalidade do capital social, os Srs. Jair Ribeiro da Silva Neto e André Jacintho Mesquita, administradores da SoftInvest Participações e Administração S.A. e o Sr. Bruno de Moura, representante da empresa Bruno de Moura Assessoria Contábil S/S. Ltda. 4. Convocação: Dispensada a convocação em vista do comparecimento dos acionistas representando a totalidade do capital social, nos termos do Art. 124, §4º, da Lei 6.404/76 e conforme comprovado pelas assinaturas no Livro de Presença de Acionistas. 5. Ordem do Dia: 5.1. Em AGO deliberar sobre as seguintes matérias: (i) tomar as contas da administração da Cia. relativas ao exercício social encerrado em 31/12/2012; (ii) deliberar sobre o balanço patrimonial e demais demonstrações financeiras da Cia. relativas ao exercício social encerrado em 31/12/2012, publicado no DOE-SP e no Jornal Diário do Comércio em 23/04/2013; e (iii) deliberar sobre a destinação de resultados apurados no balanço patrimonial relativo ao exercício social encerrado em 31/12/2012. 5.2. Em AGE examinar, discutir e votar sobre as seguintes matérias: (i) o Instrumento Particular de Protocolo e Justificativa de Incorporação da sociedade SoftInvest Participações e Administração S.A., inscrita no CNPJ/MF sob o nº 07.865.318/0001-84, (“SoftInvest” ou “Incorporada”), datado de 29/11/2013; (ii) a ratificação da nomeação de empresa especializada responsável pela avaliação e preparação do Laudo de Avaliação do patrimônio líquido da SoftInvest; (iii) o Laudo de Avaliação do patrimônio líquido da SoftInvest; (iv) o valor do patrimônio líquido apurado pelo Laudo de Avaliação; (v) a incorporação da SoftInvest pela Cia., em conformidade com os termos e condições estabelecidos no Instrumento Particular de Protocolo e Justificativa de Incorporação; (vi) o aumento do capital social da Cia., com a emissão de novas ações ordinárias e ações preferenciais Classe A; e (vii) a autorização para a administração da Cia. proceder com todos e quaisquer atos e/ou procedimentos para efetuar a conclusão da incorporação. 6. Deliberações: Analisadas, discutidas e votadas as matérias constantes da ordem do dia, os acionistas presentes, por unanimidade de votos, decidiram: 6.1. Em AGO: (i) Aprovar as contas apresentadas pela administração da Cia. relativas ao exercício social encerrado em 31/12/2012; (ii) aprovar o balanço patrimonial e as demais demonstrações financeiras da Cia. relativas ao exercício social encerrado em 31/12/2012; e (iii) aprovar a retenção de lucros e a não distribuição de dividendos. 6.2. Em AGE: (i) Aprovar, em seu inteiro teor, o Instrumento Particular de Protocolo e Justificativa de Incorporação, assinado pelos sócios da SoftInvest e da Cia. em 29/11/2013, que estabelece os termos e condições referentes à incorporação da SoftInvest pela Cia., cuja cópia se encontra anexa à presente ata como Anexo I (o “Protocolo”). (ii) Ratificar a nomeação da empresa especializada Bruno de Moura Assessoria Contábil S/S. Ltda., CNPJ/MF nº 09.499.255/0001-15 e CRC-SP nº CRC-2SP024956/O-1, com sede na Rua Nelson de Godoi Pereira, 229, São Paulo-SP, a qual, previamente consultada, concordou em realizar a avaliação do acervo líquido, indicada no Protocolo, como empresa avaliadora responsável pela avaliação, pelo critério contábil, do patrimônio líquido da SoftInvest e preparou o respectivo laudo de avaliação, datado de 28/12/2013, com base no balanço patrimonial da SoftInvest relativo ao período encerrado em 31/10/2013, cuja cópia se encontra anexa à presente ata como Anexo II (“Laudo de Avaliação”); (iii) Aprovar, em seu inteiro teor, os termos do supramencionado Laudo de Avaliação do patrimônio líquido da Incorporada; (iv) Aprovar, expressamente, o valor contábil do patrimônio líquido de R$ 18.098.333,54 da SoftInvest, conforme atribuído pelo Laudo de Avaliação; (v) Aprovar, de forma definitiva, e com a expressa concordância dos representantes da SoftInvest, a incorporação da SoftInvest pela Cia., conforme o Protocolo e o Laudo de Avaliação aprovados acima e, dessa forma, realizar a incorporação da SoftInvest pela Cia., que passa a suceder a SoftInvest em todos os seus direitos e obrigações, declarando-se portanto extinta a SoftInvest a partir da presente data; (vi) Em consequência da incorporação, aprovar o aumento do capital social da Cia. de R$ 29.478.992,36 para R$ 30.144.923,74, um aumento, portanto, de R$ 665.931,38 que corresponde ao valor proporcional do patrimônio líquido da SoftInvest que será alocado às ações de titularidade dos demais acionistas da SoftInvest, que não a Cia., que foram extintas em virtude da incorporação, mediante a emissão de 444.090 novas ações, sendo 347.140 novas ações ordinárias nominativas, e 96.950 novas ações preferenciais classe “A”, todas sem valor nominal, a serem distribuídas entre os acionistas da seguinte forma: Acionista: Giampaolo Maria Sisto Felice Baglioni; Novas Ações Ordinárias: 327.648; Novas Ações Preferenciais Classe “A”: 96.950. Acionista: André Jacintho Mesquita; Novas Ações Ordinárias: 9.746; Novas Ações Preferenciais Classe “A”: –. Acionista: Luciano Mascigrande Sapata; Novas Ações Ordinárias: 9.746; Novas Ações Preferenciais Classe “A”: –.Total de Novas Ações Ordinárias: 347.140; Total de Novas Ações Preferenciais Classe “A”: 96.950. (a) Em virtude do aumento do capital social descrito no item (vi) acima, o Art. 5º do Estatuto Social é alterado e passa a ter a seguinte redação: “Art. 5º – O capital social subscrito e integralizado em moeda corrente nacional é de R$ 30.144.923,74, dividido em 10.859.900 ações ordinárias nominativas e 5.874.601 ações preferenciais classe “A”, todas sem valor nominal, representadas por cautelas, certificados ou títulos simples ou múltiplos.” (vii) Autorizar os administradores da Cia. a realizar todos e quaisquer atos, assim como assinar todos e quaisquer documentos, necessários ao aperfeiçoamento da incorporação, incluindo, mas não se limitando, ao cancelamento de todas as inscrições da SoftInvest perante os órgãos públicos perante os quais a SoftInvest esteja registrada, conforme os termos e condições do Protocolo. Os lançamentos contábeis decorrentes da incorporação da SoftInvest, inclusive aqueles correspondentes às variações patrimoniais ocorridas na SoftInvest após 31/10/2013, serão refletidos na Cia.. 7. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, a presente ata foi lavrada, lida e aprovada, sendo assinada por todos os presentes. São Paulo, 28/12/2013. Assinaturas: Mesa: Jair Ribeiro da Silva Neto – Presidente; André Jacintho Mesquita – Secretário. Acionistas: Jair Ribeiro da Silva Neto; MSP Participações S.A., p.: Marina Guaspari de Brito Gonçalves; FRFC Participações e Administração Ltda., p.: Alfredo de Goeye Junior; Alfredo de Goeye Junior; Silvana Guaspari de Brito Gutfreund; Marina Guaspari de Brito Gonçalves; Paulo Carlos de Brito Filho; Phoenyx Fund LLC, p.: Maria Raquel Sartori de Toledo Aguiar; Luciano Mascigrande Sapata; André Jacintho Mesquita; Giampaolo Maria Sisto Felice Baglioni, p.: Simone Alonso; Francisco de Goeye. Junta Comercial do Estado de São Paulo. Certifico o registro sob o nº 49.406/14-0 em 30/01/2014. Gisela Simiema Ceschin – Secretária Geral.

IRMÃOS COSTA S.A.

RB Capital Desenvolvimento Residencial I S.A. NIRE 35.300.349.814 - CNPJ/MF nº 09.208.516/0001-09 Extrato da Ata de Assembleia Geral Extraordinária de 18/12/2013 Transformação da Companhia em Sociedade Limitada Data, Hora e Local: 18/12/2013, às 09hs, na sede social, R. Amauri, 255, 5º and., parte, SP/SP. Convocação: Dispensada. Presença: Totalidade do capital social. Mesa: Marcelo Meth - Presidente; e Thiago Luiz Pereira Rosa Ribeiro - Secretário. Deliberações Aprovadas por Unanimidade: (i) O grupamento da totalidade das ações, na presente data 619.072.293 ações ordinárias, de modo que cada 354 ações ordinárias sejam agrupadas em 1 ação, passando o capital social a ser dividido em 1.748.791 ações ordinárias, todas nominativas e sem valor nominal, desprezando-se a parte fracionária. O acionista representando a totalidade do capital social declarou concordar com o grupamento, inclusive com o desprezo da parte fracionária; (ii) A aquisição, pela Cia., de 260 ações ordinárias de emissão da própria Companhia, as quais serão imediatamente canceladas; passando o capital social a ser dividido em 1.748.531 ações ordinárias, todas nominativas e sem valor nominal. A Companhia pagará, no prazo de 60 dias, à acionista RB Capital Holding S.A. o valor de R$ 462,02 pela aquisição das 260 ações ordinárias. A aquisição e o cancelamento de ações não implicam em redução do capital social; (iii) Transformação de SA para limitada, que terá as seguintes características: (a) denominada “RB Capital Desenvolvimento Residencial I Ltda.”; (b) terá por objeto social, conforme descrito no Anexo I; (C) O capital social, totalmente subscrito e integralizado, de R$ 1.748.531,00, dividido em 1.748.531 quotas, com valor nominal de R$ 1,00 cada; (d) com a renúncia dos atuais administradores, a Sociedade será administrada por, Alexandre Rhinow, RG nº 18.759.468-5 (SSP/SP), CPF/MF nº 152.558.558-47; Régis Dall’Agnese, RG nº 10.489.769-12 (SSP/RS), CPF/MF nº 895.514.000-20; Marcelo Meth, RG nº 3831243 (IFP/RJ), CPF/MF nº 596.424.677-04; e Marcelo Michaluá, RG nº 16.323.178 (SSP/SP), CPF/MF nº 127.314.838-06, todos, brasileiros, casados e residentes em SP/SP, os quais declaram, sob as penas da lei, que não estão impedidos do exercício de atividades mercantis; e (e) manterá sua sede na R. Amauri, 255, 5º andar, parte, CEP 01448-000, SP/SP; (iv) A única cotista, RB Capital Holding S.A., cede e transfere 1 cota, no valor de R$ 1,00, à RB Capital Realty Investimentos Imobiliários Ltda., com sede em SP/SP, CNPJ/MF nº 11.426.501/0001-50, JUCESP sob o NIRE 35.223.927.995, que, à sua vez, procede ao pagamento da quantia de R$ 1,00 à RB Capital Holding S.A. e ingressa na Sociedade; (v) Consolidar o Contrato Social.. Encerramento: Nada mais, lavrou-se a ata. SP, 18/12/2013. Mesa: Marcelo Meth - Presidente, Thiago Luiz Pereira Rosa Ribeiro - Secretário. JUCESP nº 32.629/14-0 e NIRE 3522814456-5 em 21.01.14. Gisela Simiema Ceschin - Secretária Geral.

SoftInvest Participações e Administração S.A. CNPJ/MF nº 07.865.318/0001-84 – NIRE 35.300.328.990 Ata da Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária de 28 de dezembro de 2013 1. Data, Hora e Local: 28/12/2013, às 10 hs., na sede social da Cia., na Av. Presidente Juscelino Kubitschek, 1830, 12º andar, São Paulo-SP. 2. Mesa: Presidente: Jair Ribeiro da Silva Neto; Secretário: André Jacintho Mesquita. 3. Presença: Acionistas representando a totalidade do capital social. 4. Convocação: Dispensada a convocação em vista do comparecimento dos acionistas representando a totalidade do capital social, nos termos do Art. 124, §4º, da Lei 6.404/76 e conforme comprovado pelas assinaturas no Livro de Presença de Acionistas. 5. Ordem do Dia: 5.1. Em AGO deliberar sobre as seguintes matérias: (i) tomar as contas da administração da Cia. relativas ao exercício social encerrado em 31/12/2012; (ii) deliberar sobre o balanço patrimonial e demais demonstrações financeiras da Cia. relativas ao exercício social encerrado em 31/12/2012, publicado no DOE-SP e no Jornal Diário do Comércio em 23/04/2013; e (iii) deliberar sobre a destinação de resultados apurados no balanço patrimonial relativo ao exercício social encerrado em 31/12/2012. 5.2. Em AGE examinar, discutir e votar sobre as seguintes matérias: (i) o Instrumento Particular de Protocolo e Justificativa de Incorporação da Cia. pela SerPartners Participações e Administração S.A., localizada na Av. Presidente Juscelino Kubitschek, 1830, 12º andar, Torre I, sala 3, São Paulo-SP, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 07.865.305/0001-05 (“SerPartners” ou “Incorporadora”), datado de 29/11/2013; e (ii) autorizar os administradores da Cia. a comparecerem à assembleia geral extraordinária da Incorporadora que deliberará sobre os atos de incorporação, firmando todo e qualquer documento necessário para tal fim. 6. Deliberações: Analisadas, discutidas e votadas as matérias constantes da ordem do dia, os acionistas presentes, por unanimidade de votos, decidiram: 6.1. Em AGO: (i) aprovar as contas apresentadas pela administração da Cia. relativas ao exercício social encerrado em 31/12/2012; (ii) aprovar o balanço patrimonial e as demais demonstrações financeiras da Cia. relativas ao exercício social encerrado em 31/12/2012; e (iii) tendo em vista que no exercício de 2012 a Cia. apurou prejuizos, não há dividendos a serem distribuídos. 6.2. Em AGE: (i) Aprovar, em seu inteiro teor, o Instrumento Particular de Protocolo e Justificativa de Incorporação da Cia., datado de 29/11/2013, que estabelece os termos e condições referentes à incorporação da Cia. pela SerPartners, cuja cópia se encontra anexa à presente ata como Anexo I (o “Protocolo”); (ii) Autorizar os administradores da Cia. a comparecerem à assembleia geral extraordinária da Incorporadora que deliberará sobre os atos de incorporação, com plenos poderes para praticarem todos os atos que forem necessários à incorporação da Cia. pela Incorporadora, firmando todo e qualquer documento para tal fim, inclusive subscrevendo o aumento de capital da Incorporadora. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, a presente ata foi lavrada, lida e aprovada, sendo assinada por todos os presentes. São Paulo, 28/12/2013. Assinaturas: Mesa: Jair Ribeiro da Silva Neto – Presidente; André Jacintho Mesquita – Secretário. Acionistas: Serpartners Participações e Administração S.A., p. Jair Ribeiro da Silva Neto e p. André Jacintho Mesquita; Luciano M. Sapata; André Jacintho Mesquita; Giampaolo M.S.F. Baglioni, p. Simone Alonso. Junta Comercial do Estado de São Paulo. Certifico o registro sob o nº 49.407/14-4 em 30/01/2014. Gisela Simiema Ceschin – Secretária Geral.

CNPJ/MF. 60.641.644/0001-90 Ata da Assembleia Geral Extraordinária realizada em 12 de dezembro de 2012. DATA: 12/12/2012, às 14:00 horas; LOCAL: Rua Julio de Castilhos, nº 11 – São Paulo; PRESENÇA: TOTALIDADE do Capital Social, MESA DIRETORA: Presidente: Egidio Costa Filho, Secretario : José Orlando Costa; ORDEM DO DIA:1)- Demissão do Diretor Presidente; 2) - Eleição de um novo Diretor; 3)- Consolidação dos Estatutos Sociais; 4) - Outros assuntos de interesse social. DELIBERAÇÕES:1carta de demissão do Diretor Presidente Sr. Egidio Costa Filho. 2 - Conforme os Estatutos o Diretor Vice-Presidente Sr. José Orlando Costa, assumiria o cargo de Diretor Presidente. O Sr. Presidente indicou o nome do Sr. Nilo Correia Monteiro, para o cargo de Diretor Vice-Presidente. Os diretores ora eleitos, não estão impedidos por lei nem condenados a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos; ou por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussão, peculato, ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra as normas de defesa da concorrência, contra as relações de consumo, a fé pública ou a propriedade, enquanto perdurarem os efeitos da condenação. A seguir a CONSOLIDAÇÃO DOS ESTATUTOS SOCIAIS - IRMÃOS COSTA S.A. Artigo 1° - IRMÃOS COSTA S.A., é uma sociedade anônima que se regerá pelo presente Estatuto, pela Lei n°.6.404/76 e pelas disposições legais e regulamentares que lhe foram aplicáveis. § único: A sociedade adota o nome fantasia de VERTIPLAN. Artigo 2° - A sociedade tem sede e foro na Capital do Estado de São Paulo, à Rua Júlio de Castilhos, n°. 11, bairro do Belém, CEP 03059-001, podendo a qualquer tempo, criar manter e extinguir filiais, lojas, depósitos e escritórios em todos os pontos do território nacional ou do exterior, a critério da Diretoria. Artigo 3° - A sociedade tem por objeto social a administração de bens próprios. Artigo 4° - A sociedade terá prazo de duração indeterminado. Artigo 5° - O capital social, é de R$ 1.900.000,00, dividido em 1.900.000 ações ordinárias nominativas no valor nominal de R$ 1,00 cada uma, respeitadas as restrições legais. Artigo 6º - As ações são inconversíveis e poderão ser substituídas por títulos múltiplos e esses desdobrados livremente. §único– A sociedade poderá cobrar do acionista o preço devido pela substituição não superior ao custo da operação. Artigo 7º - A sociedade será administrada por uma Diretoria composta de 05 (cinco) membros, assim designados: Diretor Presidente, Diretor Vice-presidente, Diretor Financeiro e 02 (dois) Diretores sem denominação específica. Artigo 8º - Os Diretores serão eleitos em Assembleia Geral, com mandato de 03 (três) anos, podendo ser reeleitos. § único–Os Diretores, mesmo depois de esgotados os prazos de seus mandatos, permanecerão no respectivo cargo até a posse dos novos diretores. Artigo 9º - No caso de vacância do cargo de Diretor Presidente, assume o cargo o Diretor Vice-Presidente, no caso de vacância do cargo de Diretor Vice-Presidente, assumirá o cargo o Diretor Financeiro, até a primeira Assembleia Geral, quando então será efetuada a eleição do novo Diretor Vice-Presidente. Artigo 10º São atribuições dos Diretores: 01–Do diretor presidente isoladamente; a)outorgar procurações “adjuditia” e “ad-negotia et extra”; outorgar escritura de hipoteca; venda e compra; compromissos de venda e compra; cessão de direitos; todos referente a bens imóveis, enfim, prática de atos que importem em oneração, ou alienação de bens imóveis; escritura de penhor móveis de qualquer natureza; assinar cautelas, certificados de títulos múltiplos de ações de emissão da sociedade; contratar empréstimos bancários, com qualquer tipo de entidade de crédito; bem como com particulares a qualquer título; 02– Qualquer um dos diretores isoladamente: a) representar a sociedade em juízo ou fora dele; outorgar procurações “ad-juditia” para fins específicos; retirar cautelas; certificados ou títulos múltiplos, movimentar contas bancárias através de saques e depósitos; assinar contratos de locação e conexos; adquirir e alienar bens móveis; b) Representar a sociedade junto as repartições públicas federais, estaduais, municipais, empresas autárquicas e paraestatais, empresas de economia mista; c) Representar a sociedade junto a Sabesp, Concessionárias do Serviço de Telefonia Fixa ou Móvel, Eletropaulo, Comgás, Inss, Fgts, Pis, Secretaria da Receita Federal e Cias. de Seguro.Artigo 11º - Compete ao Diretor Presidente, privativamente, convocar as Assembleias Gerais, convocar e presidir as reuniões de Diretoria. Artigo 12º - Compete a cada diretor designado, as seguintes funções: a) Ao diretor VicePresidente, substituir o Diretor Presidente nas suas ausências ou impedimentos; b) Ao Diretor Financeiro, a responsabilidade pela parte financeira, informando aos demais diretores da situação da empresa. Artigo 13º - Os honorários da diretoria serão fixados e distribuídos entre os diretores por Ata de reunião de diretoria e será levado a conta de despesas gerais da sociedade. Artigo 14º - O conselho fiscal será composto de 03 (três) membros efetivos e 03 (três) suplentes, e será instalado pela Assembleia Geral conforme o previsto do parágrafo 2º do Artigo 161, da Lei 6.404/1976. Artigo 15º - A Assembleia Geral dos acionistas realizar-se-á, ordinariamente nos 04 (quatro) primeiros meses seguintes ao término do exercício social, e extraordinariamente, nos casos legais e sempre que os interesses sociais exigirem o pronunciamento dos acionistas. §único - A mesa diretora dos trabalhos será presidida e secretariada por acionistas escolhidos pela Assembleia Geral. Artigo 16º - exercício social será encerrado em 31 de Dezembro de cada ano civil, quando se elaborarão as demonstrações financeiras previstas na lei 6.404/1976. Artigo 17o - A sociedade pagará aos acionistas o dividendo previsto e respeitado no disposto do Artigo 202 e seus parágrafos da Lei 6.404/76. Artigo 18º - A sociedade entrará em liquidação nos casos previstos em lei, observadas as normas legais pertinentes. ENCERRAMENTO: Nada mais havendo a tratar e como ninguém se manifestasse, foi a presente ata lavrada em livro próprio, após lida, aprovada pela totalidade dos acionistas presentes com as abstenções legais e assinadas por todos os presentes. Egidio Costa Filho - Presidente; Jose Orlando Costa Secretario. Registrada na Junta Comercial do Estado de São Paulo sob nº 550.598/12-1 em sessão de 27/12/2012. a) Gisela Simiema Ceschin - Secretaria Geral.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

20

sábado, domingo e segunda-feira, 1, 2 e 3 de fevereiro de 2014

A experiência americana mostra que o uso da arbitragem nas relações de consumo não é positivo como se pensa aqui. Andrea Sanches, diretora de Programas Especiais da Fundação Procon-SP.

PROPOSTA ESTÁ NO PL 406/13, DO SENADO, E EM FASE FINAL DE RECURSOS. ESPECIALISTAS EM DEFESA DO CONSUMIDOR SÃO CONTRA.

Arbitragem nas relações de consumo em debate stá na fase final de recursos no Senado o Projeto de Lei 406/13, que trata da arbitragem, inclusive nas relações de consumo. E isso vem preocupando os especialistas em defesa do consumidor, mesmo o texto dizendo que “nos contratos de adesão a cláusula compromissória só terá eficácia se for redigida em negrito ou em documento apartado”. Ou seja, o consumidor terá de ser informado sobre a cláusula e dar ciência no contrato que aceita essa forma de solução de conflitos se eles vierem a ocorrer. Se aprovado pelo Senado, o PL vai para a Câmara e, se passar pela Casa, alterará as Leis 9.307/96 e 6.404/76. O Procon-SP é contrário ao artigo 4º do PLS e chegou a encaminhar ofício ao Senado para firmar seu posicionamento. Para o órgão paulista de defesa do consumidor, o projeto não prevê procedimento específico para a instituição da arbitragem nas relações de consumo. “E isso teria de haver em razão da vulnerabilidade do consumidor ”, explica Andrea Sanches, diretora de Programas Especiais da Fundação Procon-SP. Para a especialista, conforme está o texto, quem está do lado de fora do balcão não terá a oportunidade de negociar cláusulas contratuais, tampouco receberá informações suficientes sobre os termos da arbitragem. “Sem contar que o artigo 51 do Código de Defesa do Consumidor, que trata

E

de cláusulas abusivas, veda a compulsoriedade da arbitragem”, declara. “Sempre deixamos bem claro que o Procon-SP não é contra a arbitragem e, sim, à forma pela qual está sendo colocada neste projeto de lei”, acrescenta Andrea Sanches. Ela alerta que nos Estados Unidos o uso da arbitragem nas relações de consumo foi banido em

2008, após escândalos envolvendo o Fórum de Arbitragem Nacional (NAF, na sigla em inglês), como o de escritórios de advocacia que eram donos do tribunal arbitral e representavam fornecedores que estabeleciam compulsoriamente a arbitragem por meio de cláusulas em contratos. “A experiência americana mostra que o uso da arbitragem nas relações de consu-

Consumidor busca solução no Procon e nos Juizados Especiais Cíveis uscar a solução de conflitos nos Procons ou nos Juizados Especiais Cíveis (JECs) quando não encontram as “portas” abertas nas empresas têm sido a via-sacra de consumidores que se sentem lesados por seus fornecedores. Os números do Sistema Nacional de Informações de Defesa do Consumidor (Sindec) provam isso. Em 2012 (os números do ano passado ainda não foram divulgados), os Procons do País com convênio com o Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC) registraram mais de 2 milhões de atendimentos, crescimento de 19,7% na comparação com 2011. Nos Juizados Especiais Cíveis, conforme números do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, foram abertos em 2012 pouco mais de 1,23 milhão de ações. Cerca de 60% são decorrentes de relações de consumo. No País, estima-se, que há cerca de 40 milhões de ações no Judiciário só de relações de consumo. “A justificativa para o PL 406/13 é a redução de conflitos no Judiciário das questões de consumo”, afirma Andrea Sanches. “Ou seja, querem transferir os custos para a resolução dessas pendências para o consumidor”, finaliza a representante do Procon-SP.

B

mo não é positivo como se quer imprimir.” Celeridade – Há consenso entre os que atuam do lado de dentro do balcão que a arbitragem é um bom “remédio” para dar celeridade às ações judiciais. Nas relações de consumo, entretanto, ressalta Alvaro de Carvalho Pinto Pupo, advogado do escritório Pinhão e Koiffman Advogados, “é difícil imaginar as vantagens da arbitragem, uma vez que ela tem custos que são rateados entre as partes”. O advogado lembra que os Juizados Especiais Cíveis não oneram o cidadão, razão pela qual ele vai querer continuar buscando esse recurso para resolver suas pendências em conflitos nos contratos de adesão firmados com planos de saúde, instituições financeiras ou empresas de telecomunicações, etc. “As construtoras já estão colocando em seus contratos de compra e venda de apartamentos cláusulas arbitrais com os custos divididos entre as partes. Aí depende de o consumidor dizer se está de acordo ou não”, acrescenta. A arbitragem, conforme o advogado Alvaro Pupo, é um fórum particular no qual os interessados arcam com as despesas da ação. É comumente utilizada em processos que envolvem valores consideráveis e as partes querem uma solução rápida. “O tempo médio para a finalização de um caso na Justiça Estadual de São Paulo é de 7 anos. Na arbitragem, em média, 14 meses.”

O QUE DIZ O CDC Artigo 6º São direitos básicos do consumidor: VII - o acesso aos órgãos judiciários e administrativos com vistas à prevenção ou reparação de danos patrimoniais e morais, individuais, coletivos ou difusos, assegurada a proteção jurídica, administrativa e técnica aos necessitados; VIII - a facilitação da defesa de seus direitos, inclusive com a inversão do ônus da prova, a seu favor, no processo civil, quando, a critério do juiz, for verossímil a alegação ou quando for ele hipossuficiente, segundo as regras ordinárias de experiências. Artigo 51 São nulas de pleno direito, entre outras, as cláusulas contratuais relativas ao fornecimento de produtos e serviços que: I - impossibilitem, exonerem ou atenuem a responsabilidade do fornecedor por vícios de qualquer natureza dos produtos e serviços ou impliquem renúncia ou disposição de direitos. Nas relações de consumo entre o

fornecedor e o consumidor pessoa jurídica, a indenização poderá ser limitada, em situações justificáveis; II - subtraiam ao consumidor a opção de reembolso da quantia já paga, nos casos previstos neste código; III - transfiram responsabilidades a terceiros; IV - estabeleçam obrigações consideradas iníquas, abusivas, que coloquem o consumidor em desvantagem exagerada, ou sejam incompatíveis com a boa-fé ou a eqüidade; V - (Vetado); VI - estabeleçam inversão do ônus da prova em prejuízo do consumidor; VII - determinem a utilização compulsória de arbitragem; VIII - imponham representante para concluir ou realizar outro negócio jurídico pelo consumidor; IX - deixem ao fornecedor a opção de concluir ou não o contrato, embora obrigando o consumidor;

Empresa é condenada a indenizar consumidor por não entregar compra or não ter entregue os produtos comprados por um estudante, a B2W Companhia Global de Varejo, dona das Lojas Americanas, foi condenada a pagar indenização de R$ 6.204,69. O valor é a soma dos R$ 1.204,69, a título de reparação material, e R$ 5 mil por danos morais. A decisão é Vara Única da Comarca de Hidrolândia, distante 252 km de Fortaleza. Conforme a ação movida pelo consumidor, em 2011 o estudante comprou equipamentos eletrônicos na loja virtual Americanas.com, que lhe custaram R$ 1.204,69. O prazo informado para a entrega era até o dia 5 de agosto do mesmo ano. Entretanto, o consumidor nada recebeu e não teve a situação solucionada mesmo depois de conversar com a empresa, razão pela qual ingressou com ação requerendo indenização por danos morais e materiais. A B2W se defendeu com a alegação de que a culpa pela não entrega foi de terceiro, ou seja, da transportadora, e pediu a improcedência da ação. Mas o magistrado destacou que “o fato de os produtos não terem sido entregues ao autor foi fruto de culpa exclusiva da ré, que não cumpriu sua parte no pacto contratual. Não merece prosperar a alegação de culpa exclusiva da transportadora, uma vez que, celebrado o contrato de compra e venda através da internet, a entrega das mercadorias passa a integrar os riscos do empreendimento assumidos pela vendedora”. Fonte: Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE)

P

X - permitam ao fornecedor, direta ou indiretamente, variação do preço de maneira unilateral; XI - autorizem o fornecedor a cancelar o contrato unilateralmente, sem que igual direito seja conferido ao consumidor; XII - obriguem o consumidor a ressarcir os custos de cobrança de sua obrigação, sem que igual direito lhe seja conferido contra o fornecedor; XIII - autorizem o fornecedor a modificar unilateralmente o conteúdo ou a qualidade do contrato, após sua celebração; XIV - infrinjam ou possibilitem a violação de normas ambientais; XV - estejam em desacordo com o sistema de proteção ao consumidor; XVI - possibilitem a renúncia do direito de indenização por benfeitorias necessárias. § 1º Presume-se exagerada, entre outros casos, a vantagem que: I - ofende os princípios fundamentais do sistema jurídico a que pertence;

II - restringe direitos ou obrigações fundamentais inerentes à natureza do contrato, de tal modo a ameaçar seu objeto ou equilíbrio contratual; III - se mostra excessivamente onerosa para o consumidor, considerando-se a natureza e conteúdo do contrato, o interesse das partes e outras circunstâncias peculiares ao caso. § 2° A nulidade de uma cláusula contratual abusiva não invalida o contrato, exceto quando de sua ausência, apesar dos esforços de integração, decorrer ônus excessivo a qualquer das partes. § 3° (Vetado). § 4° É facultado a qualquer consumidor ou entidade que o represente requerer ao Ministério Público que ajuíze a competente ação para ser declarada a nulidade de cláusula contratual que contrarie o disposto neste código ou de qualquer forma não assegure o justo equilíbrio entre direitos e obrigações das partes.

FIQUE POR DENTRO OPERAÇÃO Procon-SP realizou durante o mês de janeiro a "Operação Volta às Aulas", quando autuou 56 dos 205 estabelecimentos comerciais visitados na capital e no interior. Os principais problemas encontrados foram produtos sem preço, sem validade ou vencidos. Entre os estabelecimentos autuados estão supermercados, papelarias e livrarias, que responderão a processo administrativo e podem ser multados. As multas variam entre R$ 475 e R$ 7 milhões.

O

Ainda sobre material escolar, a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) e os Procons estão em alerta neste período de volta às aulas. De acordo com a Lei 12.886/2013, é proibida a cláusula contratual que solicita o pagamento adicional ou o fornecimento de qualquer material escolar de uso coletivo. As escolas que descumprirem essa norma poderão levar multas que variam de R$ 400 a R$ 6 milhões, de acordo com o faturamento da instituição de ensino.

PROIBIÇÃO m Santa Catarina, na semana passada, foi colocada em prática a medida cautelar administrativa impedindo a venda de cinco marcas no comércio de algumas cidades por pelo menos cinco dias, com possibilidade de prorrogação. Foram suspensas a venda dos produtos das marcas Bosch, Continental, Dako, GE e Mabe. A base da medida cautelar administrativa é a insatisfação dos consumidores que não vem conseguindo acesso à assistência técnica. As lojas flagradas comercializando a marca foram multadas em R$ 10 mil.

E

Angela Crespo é jornalista especializada em consumo; e-mail: doislados@dcomercio.com.br


03 02 14