Page 1

R$ 1,40

São Paulo, quarta-feira, 3 de outubro de 2012

QUE CARÃO!

Jornal do empreendedor

No melhor estilo cara de pau, o deputado Valdemar Costa Neto (PR-SP), líder da bancada do PL na época do Mensalão e condenado no STF por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha (teria embolsado R$ 8,8 milhões), avisa: vai "recorrer até as últimas instâncias do planeta". Ele pretende apelar à Corte Interamericana de Direitos Humanos. Mas pode acabar com a cara no chão – a corte não tem poder sobre processo regulado pela lei brasileira. Pág. 5

Conclusão: 23h50

Ano 87 - Nº 23.722

www.dcomercio.com.br

Vanessa Carvalhosa/Brazil Photo Press/AE

27%

Nova rodada do Ibope, a 5 dias da eleição, mostra que Russomanno (PRB), ontem em caminhada com candidato-bicho-de-pelúcia na Zona Leste, caiu de 34% para 27%. Rodrigo Coca/Fotoarena/Folhapress

Página 4

Daniel Teixeira/AE

Re

pr

od

19%

ão

O candidato Serra (PSDB), que posou com admiradoras em Santana, Zona Norte, subiu dois pontos em relação à pesquisa anterior, de 17% para 19%.

Haddad (PT), escoltado pelo cabo eleitoral Lula em campanha na Zona Sul, manteve-se com 18%, em empate técnico com o tucano. Quem mais cresceu na pesquisa foi Chalita (PMDB), que passou de 7% para 10%. Pág. 7

O melhor jeito de se divorciar: com festa. Chá de cozinha todo mundo conhece, mas agora, nos EUA, cresce a onda do chá dos descasados. Pág. 10

Paulo Pampolin/Hype

Indústria começa a dar a volta por cima Após um 1° semestre de fraca produção, a subida de 1,5% em agosto é um bom sinal de reação, comemora o ministro Mantega. "Mas é cedo para estourar champanhe", pondera o economista Alfieri, da ACSP. Pág. 13

Quer dirigir o BC inglês? Mande seu currículo. Vaga é anunciada pela rainha e Ministério das Finanças em classificados de revista. Pág. 16

18%

Votar é com os grandes, mas política é para todos. No embalo das eleições, alunos do pré ao 9º ano de colégio da Zona Sul vêem a campanha, debatem e vão às suas urnas. Pág. 8

ISSN 1679-2688

23722

9 771679 268008


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

É chocante esse desinteresse numa eleição para os postos que mais afetam a vida do cidadão no seu dia a dia. José Márcio Mendonça

pinião

APATIA PERIGOSA

S

e havia alguma dúvida sobre o desinteresse dos eleitores em geral pelas eleições municipais, o comício do candidato petista à prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, na segunda-feira, acabou por desfazê-la totalmente. Mesmo com a presença de dois astros de grande aceitação popular – a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula –, da ministra da Cultura, Marta Suplicy, tida assim como uma espécie de "Rainha Eleitoral da Zona Leste" e do ministro da Educação, Aloizio Mercadante, o evento não reuniu a multidão com que certamente sonhavam seus patrocinadores. Como mostrou reportagem do Estadão, a manifestação foi engrossada por militantes de aluguel, contratados pela campanha de Haddad, e de militantes carregados em ônibus fretados. Espontaneidade quase zero. Os adversários mais próximos do petista nem a isso ousam. O líder Celso Russomano atem-se a passeatas bem vigiadas para evitar surpresa e contestações, pois com sua fragilidade política virou um dos alvos preferidos dos adversários. Seu algoz principal tem sido o candidato peemedebista Gabriel Chalita, jogando francamente em dobradinha com o parceiro federal de seu partido. E os tucanos de José Serra já desistiram de qualquer comício para grande público e podem até mesmo cancelar uma passeata de mais fôlego inicialmente prevista para o último dia de campanha permitido pela legislação eleitoral. Com raríssimas exceções,

o desapontamento se repete pelo Brasil afora, especialmente nas grandes cidades. Pode-se dizer, aliás, que é um fenômeno que se repete no mundo inteiro. Alguns dizem aqui que se trata do resultado do amadurecimento da democracia brasileira e, em consequência, de seus eleitores. Nem tanto assim. Se lá fora os eleitores também estão decepcionados com a política tradicional, eles não abandonaram "a política". A Europa hoje está marcada por movimentos de protesto, alguns até um tanto quanto violentos, contra medidas adotadas por seus governos. Domingo sofreu o governo socialista de François Hollande. Semana passada o parlamento espanhol em Madri foi cercado por manifestantes, com conflitos e feridos. A Grécia está em convulsão, Portugal também.

A situação preocupa porque há sinais de desencanto não só com a micropolítica, mas também com "a política" no seu sentido mais nobre.

SXC

N

o Brasil não. Só o que se vê são pequenas manifestações, a maioria "orquestrada" ou de grupos sociais restritos, muitos de travo essencialmente partidário-ideológico. E que, por isso mesmo, não empolgam a população. A situação preocupa, sim, porque há sinais evidentes de desencanto não apenas com a micropolítica, mas também com "a política" no seu sentido mais nobre. É chocante esse desinteresse numa eleição para os postos que mais afetam a vida do cidadão no seu dia a dia. Isso no varejo. A consequência a longo prazo pode ser a perpetuação de um sistema viciado e que já de-

JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA monstrou qual é o seu jogo: "o meu pirão primeiro". É tão grave a situação que a ministra Carmem Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) julgou oportuno aproveitar o julgamento do Mensalão, no

qual alguns dos maiores vícios da nossa política eleitoral e partidária estão sendo cruamente desnudados, para fazer ao mesmo tempo uma advertência e um apelo para que os jovens não se desiludam da política depois de verem o que está sendo exibi-

do na tribuna da Corte Suprema. "É a política ou o caos"; "É a política ou a guerra" – declarou Carmem Lúcia.

JULGAMENTO DO MENSALÃO, NO QUAL O SUPREMO, EM QUE PESEM CRÍTICAS E ALGUMAS DIVERGÊNCIAS ENTRE MINISTROS, ESTÁ SE SAINDO À ALTURA DE SUAS

É

tempo de reagir, votando certo (ou "menos pior") no domingo. E, principalmente, de fiscalizar e cobrar os eleitos depois. Como se diz da guerra – "é séria demais para ser deixada nas mãos dos generais" – a política também é séria demais para ser deixada só nas mãos dos profissionais.

RESPONSABILIDADES NUMA DEMOCRACIA COMO A NOSSA. NÃO FOI O ÚNICO. OUTRO MOMENTO MARCANTE FOI O VOTO DO MINISTRO

CELSO DE MELLO NA SEGUNDAFEIRA, DESTACADO POR ESTE JORNAL NA CAPA DE ONTEM E POR BOA PARTE DA IMPRENSA BRASILEIRA. PARA QUEM QUISER MAIS DETALHES, UM RESUMO ESTÁ NO SITE DO STF: HTTP://WWW.STF.JUS.BR/ARQUIVO/ CMS/NOTICIANOTICIASTF/ANEXO/

PS – O DISCURSO DA MINISTRA CARMEM LÚCIA FOI UM DOS

AP470MCM.PDF JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA É

MOMENTOS DE MAIOR BRILHO NO

JORNALISTA E ANALISTA POLÍTICO

UMA FRENTE PARA DESONERAR MEDICAMENTOS SXC

O

Brasil é o campeão mundial em incidência tributária sobre medicamentos. Apesar de o remédio ser um produto de primeira necessidade, a carga tributária que pagamos por ele é de 33,87%, sendo que mais da metade desse percentual (o equivalente a de 18%) é de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços). A tributação brasileira em outros setores também é uma das mais altas do mundo, representando 35% do Produto Interno Bruto (PIB), maior do que em países como Austrália, Japão e Suécia, se considerado o desempenho em termos de retorno à população dos impostos pagos. E, pior, onera proporcionalmente a população de menor poder aquisitivo. Um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostra que pessoas com renda de até dois salários mínimos desembolsam

53,9% com pagamento de impostos, enquanto quem recebe mais de 30 salários paga 29%. Para mudar este panorama vamos lançar, após o processo eleitoral, a Frente Parlamentar para Desoneração dos Medicamentos, cujo objetivo é levantar o debate na esfera federal e ganhar a opinião pública. Nossa frente será mista e já temos o número exigido de deputados e senadores para iniciar a ação, que é de 198 parlamentares.

O

primeiro passo será a conscientização dos parlamentares acerca do tema e do quanto isso é importante para os estados e para o consumidor. Na medida em que reduzimos os impostos, o produto fica mais acessível e isso pode evitar, por exemplo, que o doente volte em pouco tempo ao hospital porque não conseguiu comprar todos os remédios prescritos pelo

Com medicamentos mais baratos, demanda dos hospitais será menor. médico devido ao preço. Com medicamentos mais baratos e tratamento adequado, a demanda dos hospitais tende a diminuir. O trabalho será feito por intermédio de palestras, seminários, debates e atos políticos, mas não só em Brasília. Vamos expandir para todo o território nacional e, para distribuir melhor esse debate, estamos estudando

a possibilidade de serem criadas outras frentes parlamentares nas assembleias legislativas de cada estado. A primeira delas deverá ser a de São Paulo. Com a redução do imposto, o consumo dos produtos aumenta e, consequentemente, a arrecadação também. Um exemplo é o Paraná, que em 2008 baixou a alíquota de

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Claudio Vaz Edy Luiz Kogut Érico Sodré Quirino Ferreira Francisco Mesquita Neto João de Almeida Sampaio Filho João de Favari Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Paulo Roberto Pisauro Renato Abucham Roberto Faldini Roberto Mateus Ordine

ICMS de 18% para 12%; em dois anos a arrecadação saltou de R$ 76,8 milhões para R$ 178,6 milhões. Em países como Reino Unido, Canadá, Colômbia, Estados Unidos, México e Venezuela, o tributo nos medicamentos é zero. Outros, como Portugal, Holanda, Bélgica, França, Suíça, Espanha e Itália cobram no máximo 10%. A média mundial fica na casa de 6,3%, mostrando o quanto o Brasil está desalinhado com relação ao resto do mundo.

E

xiste a distribuição gratuita de alguns remédios na rede pública, porém não é o suficiente; muitos medicamentos ainda precisam ser comprados pelo consumidor. Para darmos uma ideia, apenas 20% da aquisição dos medicamentos é feita pelo setor público,

WALTER IIOSHI enquanto em outros países esse percentual é três vezes maior. No Congresso, tramita a PEC 115/2011, de autoria do senador Paulo Bauer (PSDBSC), que isenta totalmente os medicamentos de uso humano de todos os tributos. O projeto está na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania e tem o nosso total apoio. Mas é necessário fazer mais do que isso: temos de unir forças, acender o debate e obter uma redução gradativa, em que consumidor e governos só têm a ganhar. WALTER IIOSHI É DEPUTADO FEDERAL

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, João de Scantimburgo, Marcel Solimeo Diretor-Responsável João de Scantimburgo (jscantimburgo@acsp.com.br) Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Edito r-Ch efe : José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br) Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br) Editores Seniores: Bob Jungmann (bob@dcomercio.com.br), Carlos de Oliveira (coliveira@dcomercio.com.br), chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), José Roberto Nassar (jnassar@dcomercio.com.br), Luciano de Carvalho Paço (luciano@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Luiz Antonio Maciel (maciel@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br) Editor de Fotografia: Alex Ribeiro Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Fernando Porto (fporto@dcomercio.com.br), Ricardo Ribas (rribas @dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br) Subeditores: Marcus Lopes e Rejane Aguiar Redatores: Adriana David, Eliana Haberli e Evelyn Schulke, Ricardo Osman, Tsuli Narimatsu Repórter Especial: Kleber Gutierrez (kgutierrez@dcomercio.com.br), .Repórteres: André de Almeida, Fátima Lourenço, Guilherme Calderazzo, Ivan Ventura, Karina Lignelli, Kelly Ferreira, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mariana Missiaggia, Mário Tonocchi, Paula Cunha, , Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves, Sandra Manfredini, Sílvia Pimentel, Vera Gomes e Wladimir Miranda. Gerente Executiva e de Publicidade Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estado, Folhapress, Efe e Reuters Impressão OESP GRÁFICA S/A Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3180-3175. Fax 3180-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3180-3197, 3180-3983, Fax 3180-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3180-3544, 3180-3176 , Fax 3180-3355 Esta publicação é impressa em papel certificado FSC®, garantia de manejo florestal responsável, pela Oesp Gráfica.

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3180-3737 REDAÇÃO (011) 3180-3449 FAX (011) 3180-3046, (011) 3180-3983 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

3

o Abandono e adoção

AINDA SÃO MUITAS AS DÚVIDAS QUE P RE O C U P AM QUEM PENSA ADOTAR UMA CRIANÇA.

pinião

O

abandono de incapazes, infelizmente, não é incomum na sociedade de hoje. E a história nos remete às conhecidas "rodas de acolhimento", introduzidas no Brasil através das Santas Casas, para atender àqueles que pretendiam abandonar ou doar seus filhos, em lugar de largálos no meio fio ou na porta de algum bom samaritano. E como o medo e, principalmente, a desinformação são os combustíveis dessa mazela (o abandono) que continua atingindo toda a sociedade, principalmente as camadas menos favorecidas da população, gostaria de chamar a atenção no sentido de – se o problema não puder ser evitado– informar ao menos como adotar com segurança e evitar traumas, tanto para aqueles que destinarem um filho para esse caminho quanto para as crianças e seus pais adotivos. Não são poucas as dúvidas que passam pela cabeça de quem está pensando em adotar. Muitas delas refletem temores variados , como o receio de que os pais biológicos possam querer a criança de volta, que o processo de adoção seja longo e complicado, ou que a família biológica do menor possa interferir em sua criação, além d e outras. A melhor forma de estar seguro é seguir o que a lei deter-

mina. E para isso é necessário conhecer a lei. Já tratamos do assunto anteriormente, mas muitas dúvidas persistem. Assim, vamos tentar tirar ao menos uma parte delas. 1) Pegar uma criança para criar é o mesmo que adotá-la? De forma nenhuma. Embora o ato de pegar um menor e criá-lo como se fosse seu seja popularmente chamado de "adoção à brasileira", não há nada nessa atitude que caracterize uma adoção legal. Trata-se de algo feito à margem da legislação, e que portanto não conta com a proteção da lei. Em casos assim, o pai ou a mãe biológicos teriam o direito de pedir a criança de volta. 2) A adoção pode ser feita por quem não é casado? Sim. Solteiros, viúvos e divorciados têm o direito de adotar – sejam homens ou mulheres. Também os casais que não são casados no civil, mas que vivem no sistema de união estável, têm o direito de adotar em conjunto. 3) Quanto tempo demora o processo de adoção? Depende. Ao preencher a ficha de adoção, o adotante pode especificar as características da criança que deseja adotar. Se a pessoa quiser um recém-nascido branco e do sexo feminino, por exemplo, a espera será longa, pois há muitas pessoas na fila de adoção aguardando crianças com es-

IVONE ZEGGER

sas características, e há poucos menores com esse perfil disponíveis para adoção no Brasil. Se, por outro lado, o

adotante não fizer questão de escolher a raça, o sexo e a idade, o processo com certeza será bem mais rápido.

É comum o receio de que os pais biológicos queiram a criança de volta, que o processo de adoção seja longo ou que a família biológica do menor possa interferir em sua criação.

4) Custa caro adotar? O processo de adoção, feito na Justiça da Infância e da Juventude, é gratuito. Aliás, para ser legal, o processo deve necessariamente passar por esse órgão. Pagar intermediários ou oferecer dinheiro aos pais biológicos para ficar com a criança é ilegal. E, sendo ilegal, existe o risco de que a adoção feita por esses meios seja anulada. 5) Se a mãe biológica se arrepender, a adoção pode ser revertida? Não. A adoção é irreversível. Uma vez que o processo de adoção tenha se consumado pelos devidos meios legais, cumprindo todos os critérios exigidos pela lei, o arrependimento por parte da mãe biológica não poderá revertê-lo. 6) Só quem tem dinheiro pode adotar? De jeito nenhum. Famílias que possuam condições de vida mais modestas também têm o direito de adotar, bastando que sejam capazes de prover as necessidades básicas do menor. 7) E um casal gay, também tem direito de adotar? A princípio, homossexuais não podem adotar em conjunto – embora alguns casais

gays que entraram na Justiça tenham obtido sentenças favoráveis. Mas nada impede que um homossexual, por exemplo, adote uma criança individualmente. 8) Se os pais adotivos morrerem, a criança volta para os parentes biológicos? Não. O falecimento dos adotantes não restabelece o vínculo do adotado com sua família biológica. Portanto, a criança fica com seus avós ou demais parentes adotivos. 9) Filhos adotivos e biológicos têm direitos iguais? Sim. A lei não permite nenhuma distinção entre eles – inclusive no que diz respeito à herança. 10) Quem adota é obrigado a conviver com a família biológica do adotado? Não. No momento em que a adoção é efetivada, o menor deixa de ter qualquer ligação legal com seus parentes biológicos. Além disso, as identidades dos pais biológicos não são reveladas ao adotante, nem a identidade do adotante é revelada aos pais biológicos. IVONE ZEGER É ADVOGADA ESPECIALISTA EM DIREITO DE

FAMÍLIA E SUCESSÃO. MEMBRO EFETIVO DA COMISSÃO DE DIREITO DE FAMÍLIA DA OAB/SP É AUTORA DOS LIVROS "HERANÇA: PERGUNTAS E RESPOSTAS" E "FAMÍLIA: PERGUNTAS E RESPOSTAS" WWW.IVONEZEGER.COM.BR

A ÚLTIMA CARTADA DO PT EM SÃO PAULO Joel Silva/Folhapress

N

a semana da reta final da eleição municipal deste ano, o PT jogou todas as fichas, sem constrangimento, na tentativa de levar o seu candidato em São Paulo, Fernando Haddad, ao segundo turno. A vinda a São Paulo da presidente Dilma Rousseff, no mesmo palanque, segundafeira à noite, ao lado do ex-presidente Lula, para pedir votos para o candidato petista, é a maior e última cartada – que revela a grande preocupação dos petistas de caírem fora do pleito já no primeiro turno. A fala de Dilma, dizendo que veio, sim, meter o bico na eleição em São Paulo – para contestar declaração anterior do candidato do PSDB, José Serra, juntamente com o discurso bem rouco de Lula em favor do candidato que tirou da cartola e precisa ver emplacado – podem dar um embalo na linha de chegada para Haddad. Podem também, no sentido inverso, definir o voto que antes era de Serra, e que nesta eleição estava menos convicto, dos eleitores que tradicionalmente não votam no PT e levaram o tucano a vencer Lula em São Paulo, mesmo tendo perdido a eleição presidencial na somatória do País. Foi o único palanque em que Dilma subiu, e um ato de risco político. Jogou-se no tudo ou nada. Caso o petista vá para o segundo turno, será uma vitória do ex e da atual presidente da República. Caso fique fora, será uma derrota que não deve abalar o prestígio de que ambos ainda desfrutam, mas será histórica. Ficará na mesma história que registrara o que se está começando a revelar ao País no julgamento do Mensalão no STF: a verdadeira face do governo Lula e aliados. A grande verdade é que, mesmo com as pesquisas, somente se saberá quem irá para o segundo turno ao final do termino do pleito no próximo domingo. Nem os mais antigos observadores da cena política nacional, entre os quais me incluo, ousam (ao menos eu não ouso) afirmar quem serão os dois finalistas na corrida paulistana. O PT está desesperado pela conjugação astral negativa. Vai perder em muitas capitais brasileiras. O PMDB, com a candidatura de Gabriel Chalita, apadrinhado pelo vice-presidente da República, ainda acredita que na última hora o eleitorado compre seu confuso discurso de aliança para governar, se eleito, justamente entre os partidos que se digladiam agora como inimigos

Comício do candidato do PT à prefeitura de São Paulo na noite de segunda-feira passada,na Cohab II: praticamente um ato de desespero do partido. praticamente mortais. José Serra aposta tudo na experiência e na folha corrida de sua carreira política, sabendo que se não vencer desta vez as chances de voltar a ser candidato a algum cargo público ficam limitadas, ou praticamente extintas. Como se diz popularmente, a fila anda. Já o líder atual das pesquisas, Celso Russomano, bombardeado por Haddad e Chalita, principalmente, está como o time de futebol que fez um a zero e

não vê a hora de a partida terminar, jogando na retranca. O tempo conspira contra ele, tamanho o bombardeio que vem sofrendo em pontos difíceis de explicar, embora esteja tentando, por meio de depoimentos a seu favor. Os demais candidatos fazem figuração. Inclusive Soninha, que também foi candidata contra Kassab quatro anos atrás e depois acabou subprefeita numa região da capital. Deve aspirar ao mesmo destino agora. Os demais candidatos

PAULO SAAB

merecem respeito pelo esforço, mas geralmente seus discursos variam entre melancólicos e folclóricos. Os discursos dos partidos mais radicais de esquerda, se a televisão tivesse cheiro, exalariam odor de mofo, tão fora de contexto estão.

N

a hora da verdade das urnas, de um modo ou outro, tudo isso vai ganhar uma pretensa explicação sobre o comportamento do eleitorado. Na cidade de São Paulo, particularmente, é um exercício de risco, antes do desligamento da urna eletrônica, cantar de galo. Fernando Henrique contra Jânio; Maluf contra Erundina e Marta contra Kassab, por exemplo, que o digam. PAULO SAAB É JORNALISTA E ESCRITOR


DIÁRIO DO COMÉRCIO

4

GibaUm

3 Advogados de alguns

condenados por corrupção passiva no Supremo, tentarão nova estratégia para reduzir a pena.

gibaum@gibaum.com.br

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

3 MAIS: argumentam que eles confessaram ter recebido dinheiro e essa confissão deve aliviar na fixação do período de prisão.

k Não se pode por um garoto para comandar tanta responsabilidade. Pagodinho, médium Eu não troco Serra pelo duvidoso.

GUILHERME AFIF DOMINGOS // (PSD), vicegovernador de São Paulo, sobre as eleições para prefeito na cidade.

Foto: BusinessNews / Patrick Demarchelier

No primeiro programa da nova temporada de Viver com Fé, com Cissa Guimarães, na GNT, Zeca Pagodinho garante que é médium “e mais um pouco” porque tem premonições. Devoto de São Jorge, ele admite ter mais de 60 imagens do santo, além da tatuagem – do lado esquerdo do peito – de Cosme e Damião, dupla a quem recorre pelas “causas mais brandas”. É “filho de Ogum”, entidade que representa São Jorge na umbanda. “É o santo dos sambistas, dos malandros que andam na rua”.

333

CAVALOS 2 Ainda a vida boa dos milionários cavalos que chegaram ao Brasil para o Athina Onassis Horse Show, que começa amanhã no Rio: os animais relaxam com massoterapeutas e usam creme hidratante nas patas, protegidas por ferraduras de silicone. Especialistas em feng shui espalham “bons fluidos” nas cocheiras, algumas decoradas com bichos de pelúcia. 333

Henrique Pizzolato, exdiretor do Banco do Brasil no governo Lula, voltaria ao Brasil para votar, segundo seu advogado Marthius Sávio Lobato, só que ninguém bota fé. Dono de dupla cidadania, Pizzolato foi para a Itália cuidar de sua transferência. Ele pode se radicar no país sem maiores dificuldades, como o exbanqueiro Salvatore Cacciola, para escapar da justiça. O Supremo Tribunal Federal, em decisão unânime, condenou Pizzalato por corrupção passiva, peculato e lavagem de dinheiro e ele pode pegar, no mínimo, 12 anos de prisão. 333

FETICHE CHIQUE O fenômeno do livro Cinqüenta Tons de Cinza (em São Paulo, pode-se ver jovens balconistas lendo em ônibus, trens ou metrô super-apertados, indoevindodecasaaotrabalho) começa a atingir a indústria de lingerie. Fabricantes reforçam estoques e lojistas registram aumento de venda de calcinhas emtonsdeazul,comooconjunto que o dominador Christian Grey dá de presente a Anastasia, personagens do livro. Fashionistas do setor consideram que uma espécie de fetiche chique, com toques sadomasoquistas, está em alta. Os homens parecem estar saindo do vermelho e preto e a Duloren estuda o lançamento de uma coleção de chicotinhos. 333

Olho no veteranos O Dia do Idoso acaba de ser comemorado: tem como objetivo a valorização da chamada terceira idade. O governo federal, do seu lado, não anda muito empenhado nisso: neste ano, até setembro, a União aplicou apenas 8,2% dos recursos disponíveis para assistência dos idosos. Foram desembolsados R$ 2 milhões do total de R$ 24,4 milhões autorizados para o ano. A área foia de “políticas de atenção à saúde da pessoa idosa”: tinha reservado R$ 10 milhões e foram desembolsados pouco mais de R$ 2 milhões. Hoje, idosos representam 11% da população em idade ativa (em 2050, serão 49%) e pessoas com mais de 60 anos, representam 20% do poder de compra do país. 333

BOA ESTRÉIA Sucesso em 30 países e apresentada antes no Brasil pela HBO, com Gabriel Byrne no papel do terapeuta, Sessão de Terapia teve um a boa estréia na GNT e promete fazer carreira. OoriginaldeHagaiLevi,levado ao ar inicialmente em Israel, ganha adaptações de lugares no Brasil. Julia , vivida por Maria Fernanda Candido (interpretando texto nunca imaginado por suas admiradoras), fala em Vila Madalena . Zécarlos Machado, como terapeuta, dá conta do recado.

333 Bisneta do escritor Ernest Hemingway e filha da atriz Mariel Hemingway, 50 anos, (destaque), a modelo e também atriz Dree Hemingway, 24 anos, está em alta: ela ganha editorial na Vogue China (esquerda), é a estrela da nova campanha do perfume Lady Million, de Paco Rabanne (agora, em versão eau de toilette), ao centro e à direita, faz seu topless na V Magazine. Ela foi fotografada para campanhas e editoriais de Calvin Klein, Chanel, Louis Vuitton e outra tantas grifes e poderá vir ao Brasil antes do final do ano para lançar o novo perfume entre nós.

Bisneta de Hemingway

Num país onde quase 17 milhões de pessoas (8% da população) vivem em pobreza extrema, com menos de dois dólares por dia (dados da ONU), onde doentes morrem nos corredores de hospitais sem serem atendidos, onde o prazo para uma ressonância magnética pode chegar a seis meses e onde 60 milhões de pessoas não têm saneamento básico (e desses, 30 milhões nas cidades com mais de 100 mil habitantes), o total das despesas das campanhas de 450.271 candidatos, que disputam votos de 140,6 milhões de eleitores, poderão chegar a R$ 4 bilhões, incluindo o segundo turno – e incluindo, por estimativa, o famoso caixa dois. Nas eleições municipais de 2008, os gastos oficiais chegaram a R$ 2,2 bilhões, ou cerca de R$ 3 bilhões, incluindo-se igualmente o caixa dois.

Eleições bilionárias

333

MISTURA FINA 333 COISA RARA de acontecer: em seu primeiro fim de semana de exibição, o filme Ted foi visto por 191 mil pessoas; no segundo fim de semana, por 216,1 mil espectadores. Há quem aposte que as bilheterias de Ted ganharam maior impulso depois que o ex-delegado e deputado federal Protógenes Queiróz (PCdoB-SP) anunciou que iria tentar censurar a exibição do filme “por fazer apologia do uso de drogas”.

ESTRELA da campanha eleitoral mais cara do país (há quem fale em R$ 40 milhões). Fernando Haddad ganhará o reforço de cinco mil cabos eleitorais para trabalhar nesses últimos dias que antecedem a eleição na tentativa de levá-lo ao segundo turno. 333

EM PRIMEIRO lugar nas pesquisas de intenção de votos para a prefeitura de São Paulo, Celso Russomano (PRB) aparece no ranking de maiores litigantes do Tribunal de Justiça de São Paulo com quatro ações. Em primeira instância, aparece em um processo civil e há uma ação criminal em grau de recurso, mas pendente de julgamento. E mais duas outras ações, estas arquivadas. 333

A nova campanha de lingerie Plié chega com dose dupla: de um lado, Preta Gil, defendendo o bloco GG e, de outro, a modelo Barbara Fialho, que, apesar da altura, veste PP. Nas fotos, as duas exibem modelos de calcinha, sutiã top e corset, a peça que encabeça a nova coleção da marca, já que auxilia na criação da cintura ideal para todos os biótipos femininos. À esquerda, antes da sessão de fotos, as duas fazem caras e bocas – e morrem de rir; à direita, Barbara senta para diminuir a diferença da altura entre elas. 333

Do PP ao GG

Outro nome Cid Moreira, 27 anos na bancada do Jornal Nacional, acaba de completar 85 anos de idade, ganhou um prêmio de jornalismo, é verbete no Guinness Book of Records e há dias, no Rio, cruzou com uma velhinha que, de cara, o chamou de “Sergio Chapelin” (foi seu companheiro de bancada, está com 71 anos e apresenta o Globo Repórter ). Na seqüência, pediu para ele falar mais devagar “no jornal” porque ela estava com problemas de audição e não conseguia acompanhar. 333

h

Dupla cidadania

h IN

Lingerie azul.

OUT

Lingerie vermelha.

333

A história de Abram Acaba de ser lançado o livro Alguns Retalhos: Abram Szajman – A Construção de um Homem e de seu Legado, escrito pelo jornalista Jorge J. Okubaro, que conta a história do presidente da Fecomercio, que criou o Grupo VR (vendeu para a francesa Sodexo por R$ 1,03 bilhão), chegou a ter 19% do Mappin, foi o segundo maior acionista do Banco Real e hoje, tem uma participação na Yuny Incorporadora. O livro é recheado de passagens surpreendentes que retomam a história de São Paulo. Uma delas: seus pais, que não falavam português, foram acordados numa noite de 1940 e obrigados a sair de casa, no Bom Retiro, com a roupa de dormir. Adhemar de Barros, governador, decidira que a rua ia dar lugar à Zona de confinamento das prostitutas . 333

NA SEMANA que vem, depois da eleição de domingo, o deputado Henrique Eduardo Alves, pré-candidato do PMDB à presidência na Câmara, inicia sua campanha, montando barraca para as primeiras conversas com caciques dos demais partidos. 333

SE HOUVESSE bolsa de apostas no Brasil como tem em Londres, a perspectiva seria de que, na sexta-feira, o placar sobre o réu José Dirceu apareceria empatado. Depois de dois dias de batalha entre relator e o revisor, estaria um a um, com Joaquim Barbosa condenando e Ricardo Lewandowski absolvendo.

333

ITAÚ E AMBEV deverão começar a vender linhas de celulares antes do final do ano. As duas empresas acabam de selar uma parceria com a TIM, que oferecerá sua infraestrutura. Novos dados das entidades das indústrias de telecomunicações, apontam que as chamadas operadoras móveis virtuais poderão somar 16 milhões de clientes até 2014.

333

Colaboração: Paula Rodrigues / A.Favero

CHARGE DO DIA


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

5 CONFISSÃO Valdemar Costa Neto diz que quer ser condenado pelo crime certo.

olítica

DECISÃO Estabelecido um empate, STF ainda não definiu como vai decidir.

José Cruz/ABr

O

deputado federal Valdemar Costa Neto (PR-SP), condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no julgamento do Mensalão, disse ontem que irá "recorrer até as últimas instâncias do planeta" para demonstrar que não é culpado dos crimes atribuídos a ele. Costa Neto anunciou que pretende apresentar recurso para a Corte Interamericana de Direitos Humanos, ligada à Organização dos Estados Americanos (OEA), e do qual o Brasil é signatário. Mas a corte internacional não tem poder de interferir em um processo regulado pelas leis brasileiras. O parlamentar, que era o líder da bancada do PL na Câmara na época do escândalo, foi condenado por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. De acordo com a ProcuradoriaGeral da República (PGR) teria recebido R$ 8,8 milhões para votar a favor de matérias do interesse do governo federal. Crime errado – Ao convocar a entrevista, o atual secretáriogeral do PR disse que reconhecia os seus erros, mas que defendia que todo cidadão tivesse o direito ao reexame de eventual condenação. "Tal dispositivo, previsto pelas Cortes Internacionais, é uma garantia que resguarda os direitos individuais e o princípio da ampla defesa no mundo civilizado", disse. Costa Neto declarou ainda que não era "inocente", mas também "nunca vivi de lavagem de dinheiro, corrupção ou formação de quadrilha", assegurou. "Apenas fui condenado pelo crime errado, como, cer-

Valdemar Costa Neto: parlamentar e secretário do PR começou a carreira com o pai, em Mogi das Cruzes. E o "Boy de Mogi" não parou mais.

Valdemar vai até o fim do mundo para escapar Já condenado, deputado diz que irá recorrer às "últimas instâncias do planeta" para não ser preso.

Não sou inocente, mas também nunca vivi de lavagem de dinheiro, corrupção ou formação de quadrilha. VALDEMAR COSTA NETO tamente, ficará provado com a garantia do direito ao duplo grau de jurisdição". Por isso, reafirmou que não estava ali "para reclamar a mi-

nha inocência, mas para antecipar que apelarei até as últimas instâncias do planeta para garantir o inviolável direito a uma defesa que seja examinada em duas oportunidades distintas de julgamento." Caixa dois – Ele só admite que fez caixa dois da campanha, "prática muito comum no Brasil até 2002", justificou. "Desde a primeira hora que eu reconheço meus erros por meio de confissão quando renunciei ao meu mandato". Para evitar a cassação, renunciou em 2005, mas foi eleito e reeleito nas duas eleições seguintes e o seu mandato

atual termina em 2015. Sobre o relacionamento com o PT na época do escândalo, Costa Neto relatou que os partidos tinham decidido fazer caixa único de campanha no valor de R$ 40 milhões. "Quando chegou a hora de o Delúbio Soares, ex-tesoureiro do PT, nos pagar, disse que não tinha dinheiro e que era para pegar emprestado, que pagaria depois da eleição", contou. "Peguei o dinheiro emprestado e quando começou a pagar disse para pegar o dinheiro na agência SMP&B". A agência é a de Marcos Valério, apontado como o opera-

Eu apenas fui condenado pelo crime errado, como ficará provado com a garantia do direito ao duplo grau de jurisdição. IDEM dor do esquema do Mensalão. Tudo com Delúbio – Ele garantiu ainda que, após a eleição, todas as tratativas de dinheiro eram feitas com Delú-

bio. "Depois da eleição, o Lula e o José Dirceu nunca mais tocaram sobre assunto de dinheiro comigo. Era tudo com o Delúbio e nunca também com o Genoino (José Genoino, expresidente do PT). O Genoino não sabe nem o que é dinheiro", afirmou Costa Neto. Eu fico – Acompanhado do advogado Marcelo Belssa, assegurou que não vai renunciar e que "continuará trabalhando" no Congresso. "Eu continuo deputado, vou manter meu mandato porque confio na Justiça", afirmou. Apesar disso, avisou que assim que entrar com os embargos no STF, "va entrar com a ação nos órgãos internacionais. Eu vou ganhar isso aí. Eu renunciei e admiti que eu movimentei os recursos sob minha responsabilidade. Foi este o crime que eu cometi". Venda de voto – Sobre a venda de voto, o parlamentar garantiu que nunca vendeu o seu. "Não vendi nas reformas e não poderia tê-lo vendido na Lei de Falências pela razão singela da minha ausência", justificou. "Portanto, ao contrário do que afirmam os que me acusam no plenário da mais alta Corte brasileira, não se pode vender o voto que não existiu ou negociar a posição do partido numa reforma que não saiu do papel. Refiro-me, neste caso, à reforma tributária". Sempre no poder – Costa Neto tem intimidade com o poder desde a infância. O pai Valdemar Costa Filho foi prefeito de Mogi das Cruzes (SP) por quatro vezes. E Boy – apelido que ganhou do pai e que nunca mais saiu da boca dos habitantes de Mogi – começou assumindo a Companhia de Desenvolvimento de Mogi, criada para comandar a construção da Rodovia Mogi-Bertioga. O primeiro cargo público fora da cidade, foi uma diretoria no Porto de Santos, entre 1985 e 1990. O Boy de Mogi foi colocado lá na cota do amigo Aécio Neves, quando José Sarney assumiu. E apesar do passado, do presente e da condenação, Costa Neto não considera a hipótese da prisão. "Não, de jeito nenhum". (Agências)

Desempate: ministros do STF divergem. Não há consenso para resolver a condenação ou absolvição do ex-deputado José Borba pelo crime de lavagem de dinheiro. A polêmica já tem quatro correntes.

U

m dia depois de a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) provocar o primeiro empate no julgamento do Mensalão, uma solução para resolver a questão parece distante, pois o assunto divide os seus integrantes. A indefinição diz respeito a uma das acusações ao réu José Borba, atual prefeito de Jandaia do Sul (PR) que na época do escândalo era líder do PMDB na Câmara. Condenado por unanimidade (10 a 0) pelo crime de corrupção passiva, a sua participação no crime de lavagem de dinheiro dividiu o Nelson Jr/SCO/STF

Valter Campanato/ABr – 27.06.05

STF, recebendo cinco votos pela condenação e cinco pela absolvição. A situação, causada porque a Corte está com um ministro a menos desde a

O empate beneficia o réu. In dubio pro reo. É um princípio universal do direito. RICARDO LEWANDOWSKI

aposentadoria de Cezar Peluso, no final de agosto, é inédita em julgamentos penais recentes ocorridos no STF. Correntes – Para complicar, o assunto não está expressamente contemplado na legislação ou no regimento interno. Por esse motivo, o presidente Carlos Ayres Britto deixou o assunto para a fase final do processo, na etapa de proclamação do resultado e da definição das penas. Com o vácuo, já surgiram quatro correntes para dizer se Borba é culpado ou inocente. A primeira delas é uma derivação da solução para o empate

nos casos de habeas corpus, que sempre devem ser favoráveis aos réus. A segunda entende que, no caso de crime contra a administração pública, a defesa dos bens públicos é mais importante do que a garantia individual dos réus. A terceira corrente, derivada do regimento interno do STF, defende que, no caso de empate, o voto do presidente tem peso maior. A solução já foi aplicada em processo civil, mas nunca em criminal. Empate é do reú – A quarta e última corrente seria esperar pela chegada do novo ministro para definir a questão. Teori Zavascki foi indicado pela presidente Dilma Rousseff, mas a sua nomeação depende de aprovação do Senado. Na semana passada, ao comentar o assunto durante sabatina com os senadores, Zavascki sinalizou que não pretendia participar do julgamento e que, em caso de empate, o réu deveria ser favorecido. Deixou claro também que quem deve definir a sua participação no julgamento é o STF. Outra solução possível que não envolve interpretação de leis ou de regras vigentes, seria um dos magistrados, ao final do processo, mudar o seu voto para formar maioria, seja pela condenação ou pela absolvição de José Borba. Divergências – Para o revisor Ricardo Lewandowski, neste caso, deve ser aplicada a re-

José Borba: acusação de lavagem deu empate e muita polêmica. gra "in dubio pro reo". Para ele, "o empate beneficia o réu. É um princípio universal do direito". Já o ministro Marco Aurélio Mello defende a posição do presidente. "A minha concepção é que ou se acolhe ou se desacolhe o pedido formu-

lado da inicial. Aí, é a responsabilidade dupla do presidente", afirmou. O ministro Gilmar Mendes sugeriu que a regra do desempate seja decidida pelo plenário. "Deve haver questão de ordem e vamos avaliar no plenário". (Agências)


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

A comissão julgará sobre classificação ou reavaliação de documentos e poderá suprir lacunas da própria lei. Nota da Casa Civil sobre Lei de Acesso à Informação

olítica

Diogo Xavier/Agência Câmara - 24.08.11

CPI DO CACHOEIRA

STF arquiva caso de Stepan Nercessian Inquérito apurava empréstimo do bicheiro para o deputado, que foi devidamente pago.

O Tudo acertado: dinheiro emprestado foi devolvido três dias depois, atestou o STF.

Mais recurso contra negativas de informações Comissão mista julgará pedidos previstos pela Lei de Acesso à Informação

O

governo federal instalou nesta terçafeira a Comissão Mista de Reavaliação de Informações. O colegiado foi instituído pela Lei de Acesso à Informação e será a última instância de recurso para pedidos de informação. A comissão é formada pelos ministros da Casa Civil, Gleisi Hoffmann; do Planejamento, Miriam Belchior; dos Direitos Humanos, Maria do Rosário Nunes; da Justiça, José Eduardo Cardozo; do Gabinete de Segurança

Institucional, José Elito; da Advocacia-Geral da União (AGU), Luís Inácio Adams; da Controladoria-Geral da União (CGU), Jorge Hage; da Fazenda, Guido Mantega; da Defesa, Celso Amorim; e das Relações Exteriores, Antonio Patriota. Conforme nota emitida pela Casa Civil, "a comissão julgará também pedidos sobre classificação ou reavaliação de documentos classificados e poderá estabelecer diretrizes que supram lacunas da própria lei". Ontem ocorreu a primeira

Wilson Dias/ABr - 21.09.12

Gleisi Hoffmann: "A lei está sendo utilizada pelo cidadão".

reunião do grupo. Na ocasião, o ministro da CGU, Jorge Hage, apresentou um balanço sobre os pedidos recebidos pelo governo desde que a lei entrou em vigor, em maio deste ano. Os dados mostram que o Poder Executivo já registrou cerca de 36,7 mil demandas, das quais quase 34 mil foram respondidas – o equivalente a 92,37%. O restante ainda está sob o prazo legal para resposta, segundo explica a nota da Casa Civil. De acordo com o balanço da CGU, a Superintendência de Seguros Privados (Susep) responde pelo maior número de pedidos. No período, foram registrados 4.529, o que corresponde a 12,33% do total. Na sequência está o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), com participação de 7,23% (2.657). Para a ministra Gleisi Hoffmann, "o que se percebe é que a Lei de Acesso à Informação está sendo efetivamente utilizada pelo cidadão brasileiro". "Os pedidos direcionados à Susep, sobre DPVAT, e para o INSS atestam isso". A média de solicitações por dia alcançou a marca de 270. Segundo a CGU, o tempo médio de resposta é de 10 dias. Até agora, foram apresentados à nova comissão 30 recursos, que foram lidos ontem. Os recursos serão processados para julgamento na próxima reunião. (AE)

ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski determinou ontem o arquivamento de inquérito instaurado para apurar a suposta ligação do deputado federal Stepan Nercessian (RJ) com o grupo do bicheiro Carlinhos Cachoeira, informa o portal G1. Trata-se, no entanto, de uma confirmação de sentença. O arquivamento já havia sido proposto no fim de agosto pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel. Após analisar o caso, ele entendeu que não havia indícios de que Nercessian tenha usado a condição de deputado para obter vantagem indevida de Cachoeira, com o que concordou o ministro. "Tendo em vista a manifestação emitida pelo próprio ór-

gão encarregado da persecução penal, determino arquivamento do presente inquérito", disse Ricardo Lewandowski. O caso se arrastava desde abril. Nercessian chegou a se licenciar do cargo após a denúncia de envolvimento com Cachoeira e pediu que o investigassem. O bicheiro foi preso em 29 de fevereiro, na operação Monte Carlo, da PF, por comandar um esquema de exploração do jogo ilegal. A investigação para apurar se houve corrupção passiva na conduta de Nercessian foi instaurada após reportagem publicada no fim de março pelo jornal Folha de S. Paulo. De acordo com o jornal, o deputado recebeu, no ano passado, R$ 175 mil de Cachoeira. Conforme a reportagem, o deputado admitiu ter recebido de Cachoeira um depósito de

R$ 160 mil em 17 de junho de 2011. Nercessian afirmou que o dinheiro seria usado para garantir a compra de um apartamento no Rio de Janeiro, avaliado em R$ 500 mil. O valor, porém, foi devolvido três dias depois, por meio de um depósito na conta de uma empresa do grupo de Cachoeira. O jornal afirma que o deputado comprova isso. Segundo a reportagem, o deputado afirma que recorreu a Cachoeira, de quem é amigo, porque teve medo que um empréstimo pedido a um banco não fosse aprovado a tempo de concretizar a compra do apartamento. Como o empréstimo saiu, diz Nercessian, o dinheiro foi devolvido. O deputado admitiu ter recebido outros R$ 15 mil de Cachoeira para compra de ingressos do Carnaval do Rio.

Ficha Limpa: lei é mais ampla, diz TSE.

O

TSE (Tribunal Superior Eleitoral) reiterou que os servidores públicos demitidos e juízes excluídos do cargo também são alvos da Lei da Ficha Limpa. Magistrados, funcionários, militares, integrantes do Ministério Público, médicos, advogados e profissionais de várias categorias também podem ficar inelegíveis pelo prazo de oito anos se cometerem desvios éticos, administrativos ou profissionais. Os servidores demitidos em decorrência de processo ad-

ministrativo ou judicial ficarão automaticamente inelegíveis desde a data da decisão. A inelegibilidade também atinge magistrados e membros do Ministério Público punidos com aposentadoria compulsória, perda de cargo por sentença ou que tenham pedido exoneração ou aposentadoria voluntária durante o trâmite de processo administrativo disciplinar. Médicos, advogados, engenheiros, arquitetos, dentistas, contadores e demais ocupantes de profissões regulamen-

tadas por lei ficam inelegíveis se forem excluídos de suas atividades pelos conselhos profissionais em decorrência de infração ética. Os oficiais militares do Exército, da Marinha e da Aeronática também se tornam inelegíveis se forem declarados incompatíveis com as atividades do oficialato. Em todos esses casos, alerta o TSE, o prazo de inelegibilidade é de oito anos, contados a partir da decisão que os condena ao afastamento do cargo. (Folhapress)

Eleitor não pode ser preso A regra está em vigor a partir de hoje até terça-feira, mas há exceções.

A

partir de hoje está proibida a prisão ou a detenção de eleitores. Prisões só estão permitidas em casos de flagrante delito ou sentença criminal condenatória por crime inafiançável e desrespeito a salvo-conduto. A norma está na legislação eleitoral e é aplicada faltando cinco dias das eleições municipais. A regra vale até a terça-feira. A campanha de rua e os comícios dos candidatos somente serão permitidos até amanhã. Este também é o último dia para a veiculação da pro-

paganda eleitoral gratuita nas emissoras de rádio e televisão, assim como reuniões públicas, a realização de comícios e a utilização de aparelhagem de sonorização. Também a partir dessa data, os juízes eleitorais poderão expedir salvo-conduto em favor de eleitor ameaçado de violência moral ou física que ponha em risco sua liberdade de votar. Na sexta-feira, dois dias antes das eleições, será o último dia para a divulgação paga, na imprensa escrita e na internet, do jornal de propa-

ganda eleitoral. O sábado, véspera da votação, é o último dia para o eleitor receber a segunda via do título. Também é a última oportunidade de fazer propaganda usando alto-falantes e amplificadores de som. A votação acontece neste domingo. O eleitor pode votar das 8 às 17h. Nesse dia, os eleitores podem manifestar suas preferências, usando camisas, bonés e adereços dos candidatos, mas é proibida a propaganda por grupos de pessoas e carros de som. (Folhapress)

Tiago Queiroz/AE - 15.08.12

Justiça afasta Ortiz e bloqueia os seus bens

José Bernardo Ortiz: fora do cargo por decisão judicial. Na sentença, seu filho, candidato a prefeito de Taubaté, também teve os bens indisponibilizados.

Além de José Bernardo Ortiz, Sentença atinge também o filho do presidente da FDE.

A

Justiça decretou o afastamento imediato e o bloqueio dos bens do presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Educação (FDE), José Bernardo Ortiz, aliado do governador Geraldo Alckmin (PSDB). A medida de indisponibilidade patrimonial atinge o filho de Ortiz, José Bernardo Ortiz Junior, candidato tucano à prefeitura de Taubaté (SP) que tem apoio de Alckmin. A ordem é do juiz Randolfo Ferraz de Campos, da 14ª Vara da Fazenda Pública da Capital. O juiz acolheu integralmente requerimento do Ministério Público Estadual, que investiga suposta formação de cartel em licitação da FDE para compra de 3,5 milhões de mochilas. O negócio custou R$ 32,4 milhões aos cofres públicos. A investigação aponta suposto

superfaturamento de cerca de R$ 11,5 milhões. O afastamento de Ortiz deverá prevalecer pelo prazo de 240 dias. O bloqueio de bens dos acusados atinge total de R$ 139,6 milhões – valor da causa, segundo o Ministério Público, incluindo montante de desvio e pagamento de multas previstas na Lei de Improbidade Administrativa. O próprio Ortiz já havia anunciado, na última quinta feira seu "afastamento provisório". Alegando "problemas de saúde" ele deixou a presidência da FDE e passou a se dedicar intensamente à campanha eleitoral do filho. O juiz afastou Ortiz sem prejuízo de seus vencimentos. O Ministério Público Estadual informa que vai recorrer dessa parte da decisão. Os promotores de Justiça

que investigam o caso, Silvio Antonio Marques e Saad Mazloum, avaliam que a decisão judicial "é muito bem fundamentada, uma decisão primorosa que atende os interesses públicos". Mas eles adiantam que vão recorrer porque não concordam com o trecho da sentença que determina pagamento de vencimentos a Ortiz sem que ele trabalhe. Ortiz é ocupante de cargo comissionado e não vai trabalhar durante o período do afastamento. Ortiz nega participação em cartel. Ele alega que os preços praticados na compra do material escolar "são os melhores do Brasil ". Nomeou Ortiz em janeiro de 2011. Na ocasião, Ortiz já era alvo de ações de improbidade movidas pelo Ministério Público de Taubaté, onde ele

foi prefeito por três vezes. A ação imputa conluio às empresas Capricórnio S/A, Mercosul Comercial e Indústria Ltda. e Diana Paolucci S/A Indústria e Comércio e também aos Ortiz. O candidato a prefeito de Taubaté teria exigido inclusão de cláusulas no edital do pregão eletrônico que teriam favorecido uma das empresas. A FDE dividiu em três lotes a licitação das mochilas. O

juiz Randolfo Ferraz de Campos destacou a diferença de preços pagos entre os lotes 1 e 2 e o lote 3. "Percebe-se, pois, que os preços para os lote 1 e 2 ficaram 46,15% e 75,23% superiores ao preço estabelecido para o lote 3 e mesmo o preço do lote 2 ficou 19,89% superior ao preço estabelecido para o lote 1, muito embora estes mesmos lotes (1 e 2) concernentes sejam à mesma mochila escolar

(tanto que o preço referencial – R$ 11,67 por unidade – e a especificação técnica pertinente a ambas são os mesmos e seja a fornecedora para ambos os lotes a mesma empresa, a corré Capricórnio S/A", sentenciou. O relato de um ex-gerente da Diana Paolucci, Djalma da Silva Santos, pesou na decisão judicial de tirar Ortiz do cargo e mandar bloquear os bens dos envolvidos. (AE)


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

7

O que explicaria a liderança de Celso Russomanno em São Paulo? O Brasil vai muito além disso. Humberto Dantas, cientista político.

olítica

Ibope: Russomano cai para 27% Candidato do PR ainda está em primeiro lugar, mas perdeu 7 pontos porcentuais. Serra e Haddad continuam em empate técnico com 19% e 18%, respectivamente. Ale Vianna/Brazil Photo Press/AE

A

taxa de intenção de voto no candidato do PRB à Prefeitura de São Paulo, Celso Russomanno (PRB), caiu de 34% para 27% em uma semana, segundo a última pesquisa Ibope/Estado/TV Globo. A cinco dias da eleição, o tucano José Serra detém 19% das intenções de voto e o petista Fernando Haddad, 18%. Os dois continuam em situação de empate técnico, disputando um lugar no 2º turno. Serra oscilou dois pontos para cima, enquanto Haddad permaneceu com a mesma taxa. O peemedebista Gabriel Chalita foi quem mais se beneficiou com a queda de Russomanno: ele chegou pela primeira vez a 10% das preferências – tinha apenas 7% na pesquisa anterior do Ibope. A candidata do PPS, Soninha Francine, também não avançou nem recuou na disputa:

manteve os 4% que vem apresentando desde o final de agosto. A grande queda foi de Paulinho da Força (PDT), que chegou a aparecer com 5% no começo do mês passado, e agora nem sequer pontuou – ou seja, teve menos de 1% das intenções de voto declaradas pelos entrevistados . Segundo turno – Nas projeções de 2º turno, Russomanno venceria qualquer adversário. Contra Haddad, o placar seria de 39% a 30%. Contra Serra, ele ganharia por 46% a 28%. Um confronto direto entre PT e PSDB, não apontado até agora por qualquer pesquisa, mas cogitado nesta, seria vencido por Haddad por 38% a 31%, aponta o Ibope. Queda acentuada – Além de perder 7 pontos porcentuais na pesquisa estimulada – aquela em que os eleitores leem a lista dos candidatos antes de responder –, Russo-

manno caiu também 5 pontos na espontânea – a que candidatos se lembram sem qualquer outro estímulo – de 29% para 24%. A taxa de rejeição de Serra – ainda a maior entre todos os candidatos – diminuiu. Variou de 40% para 38%. A de Haddad subiu de 16% para 19% e a de Russomanno também, de 14% para 16%. Na simulação só com os votos válidos – quando são excluídos os votos brancos, nulos e que se declaram indecisos –, Russomanno aparece com 34%, Serra com 24%, Haddad com 22%, Chalita com 12% e Soninha com 5%. O Ibope ouviu 1.204 pessoas de 27 de setembro a 2 de outubro. A margem de erro do levantamento é de 3 pontos porcentuais para mais ou para menos. A pesquisa foi registrada no TRE sob o protocolo SP-1474/2012. (AE)

Rodrigo Coca/Fotoarena/Folhapress

Nelson Antoine/Fotoarena/AE

Gabriel Chalita (no alto, com crianças) foi o candidato que mais se beneficiou com a queda de Celso Russomanno (abaixo, à esquerda, com o "cachorro" Vira-Lata). O tucano José Serra (acima) manteve-se estável e continua em empate técnico com o petista Fernando Haddad, que apresentou leve subida.

Enquanto isso, Brasil afora... Newton Santos/Hype - 30.10.07

Humberto Dantas*

P

a u l i s t a s s e e n t r e olham e perguntam: o que acontece nas eleições municipais da capital? Analistas buscam explicações e oferecem boas pistas que, conjuntamente, são capazes de apontar boas justificativas. Como um candidato por um partido pequeno, com pouco espaço no horário eleitoral, associado a uma emissora de TV e a um segmento religioso lidera as pesquisas de intenções de votos sem que tal movimento fosse esperado por analistas? Em termos históricos, o que seria capaz de se assemelhar a isso? Collor ou Francisco Rossi? Seria a repaginação de fenômenos conservadores como Jânio, Maluf, Pitta e Kassab? Ou o fortalecimento de uma lógica que transforma o cidadão em mero consumidor com base na ascensão da classe C dos anos Lula? Russomanno tomou conta dos debates, sob a forma de ponto de interrogação, tão fortemente quanto se manteve no topo das pesquisas. Mas enquanto seu nome circula no País, temos eleições em mais 5.567 cidades, num universo superior a 450 mil candidatos. O que podemos apreender, ao menos em grandes capitais, daquilo que está além do voo de Celsinho? Primeiramente devemos pres-

Dantas: o que aprender na atual corrida eleitoral? tar atenção à força dos fenômenos televisivos. Micarla de Sousa (PV) apostou no SBT – cuja família controlava – em 2008 e hoje tem mais de 90% de rejeição na prefeitura de Natal. O eleitorado local ameaça ressuscitar o ex-prefeito Carlos Eduardo (PDT), líder nas atuais pesquisas e também o mais rejeitado entre os eleitores natalenses. Em 2012, a emissora do Baú tem se mostrado decisiva em Curitiba, onde amparado na popularidade do pai, Ratinho Jr. lidera as pesquisas pelo PSC, ameaçando a reeleição de Luciano Ducci, em aliança marcada pela aproximação entre o PSB e o governo estadual tucano, de quem herdou o poder em 2010. Tal associação nos remete a Belo Horizonte, onde o prefeito Marcio Lacerda (PSB) lidera as pesquisas, também associado a um governador tucano. Seu principal adversário é o PT, que

rompeu aliança histórica com o PSB e lançou Patrus Ananias - ex-prefeito e exministro de Lula. No que diz respeito às ligações históricas entre socialistas e trabalhadores, outra quebra foi verificada em Recife, onde o PT mostrou dificuldade em escolher um candidato que agradasse ao ultrapopular governador Eduardo Campos (PSB), que ao abençoar Geraldo Julio viu seu afilhado escalar as pesquisas como poucos foram capazes de fazer: foi de 14% a 34%, em menos de um mês, no início das disputas. E Humberto Costa (PT), o preferido de Lula, ameaça cair para o terceiro lugar nas urnas, ultrapassado pelo candidato do PSDB, Daniel Coelho. No Nordeste, no entanto, o PT sobe em Salvador e em Fortaleza. Ambas cidades têm algo em comum: o DEM iniciou a campanha lideran-

do e agora sofre. Na Bahia, com ACM Neto ultrapassado por Nelson Pelegrino e, em Fortaleza, com Moroni Torgan cedendo espaço para Elmano de Freitas. Mais à esquerda no espectro ideológico, o PSOL liderava com folga a corrida em Belém com o exprefeito petista Edimilson Rodrigues, alcançado pelo PSDB. Em Manaus, o tucano Artur Virgílio que liderava a corrida, aparece nesta reta final de primeiro turno empatado tecnicamente com a adversária do PC do B, Vanessa Grazziotin, apoiada pelo expresidente Lula. Ao contrário da correligionária de Manaus, a comunista Manuela D´Ávila perde terreno em momento estratégico da disputa pela prefeitura de Porto Alegre, onde o prefeito José Fortunati (PDT) pode ser reeleito no primeiro turno. O fenômeno da recondução em primeiro turno atinge também o Rio de Janeiro, com a esperada vitória de Eduardo Paes (PMDB) e o atual mandatário de Goiás, Paulo Garcia (PT), que luta contra a descrença de uma sociedade abalada pelos recentes escândalos que envolvem Carlinhos Cachoeira e tiraram de circulação o então líder das pesquisas Demóstenes Torres. Diante de tais cenários: o que explicaria a liderança de Russomanno em São Paulo? O Brasil vai muito além disso. * Doutor em ciência política pela USP, professor e pesquisador do Insper. (AE)

Bradesco Capitalização S.A. CNPJ no 33.010.851/0001-74 - NIRE 35.300.331.354 Grupo Bradesco de Seguros e Previdência Ata da 86a Assembleia Geral Extraordinária e 74a Assembleia Geral Ordinária realizadas cumulativamente em 28.3.2012. Data, Hora e Local: Aos 28 dias do mês de março de 2012, às 8h30, na sede social, Avenida Paulista, 1.415, parte, Bela Vista, São Paulo, SP, CEP 01311-925. Quorum: Compareceram, identificaram-se e assinaram o Livro de Presença os representantes da Bradesco Seguros S.A., única acionista da Sociedade. Verificou-se também a presença dos senhores Tarcísio José Massote de Godoy, Diretor, e Luciene Teixeira Magalhães, representante da empresa KPMG Auditores Independentes. Mesa: Presidente: Norton Glabes Labes; Secretário: Ivan Luiz Gontijo Júnior. Convocação: Dispensada a publicação do Edital de Convocação, de conformidade com o disposto no Parágrafo Quarto do Artigo 124 da Lei no 6.404/76. Ordem do Dia: Assembleia Geral Extraordinária: 1) Examinar propostas da Diretoria para: a) aumentar o Capital Social no valor de R$16.500.000,00, elevando-o de R$150.000.000,00 para R$166.500.000,00, sem emissão de ações, mediante a capitalização de parte do saldo da conta “Reserva de Lucros - Reserva Legal”, de acordo com o disposto no Parágrafo Primeiro do Artigo 169 da Lei no 6.404/76, com a consequente alteração do “caput” do Artigo 6o do Estatuto Social; b) alterar o Estatuto Social, no Artigo 7o, transformando 1 (um) cargo de Diretor Gerente em mais 1 (um) cargo de Diretor, com a consequente alteração das letras “b” e “c” do Artigo 10, e na alínea “g” do Artigo 9o, aprimorando a sua redação; 2) aprovar a alteração da redação do Anexo A da Convenção do Grupo Bradesco de Seguros e Previdência, referente ao rateio das despesas da administração financeira do referido Grupo. Assembleia Geral Ordinária: I. tomar conhecimento do Relatório da Administração, do Parecer Atuarial e do Relatório dos Auditores Independentes, e examinar, discutir e votar as Demonstrações Contábeis relativas ao exercício social findo em 31.12.2011; II. deliberar sobre proposta da Diretoria para destinação do lucro líquido do exercício encerrado em 31.12.2011 e ratificação da distribuição dos dividendos pagos; III. eleger os membros da Diretoria da Sociedade; IV. fixar o montante global anual da remuneração dos Administradores; V. fixar a verba global anual para o Plano de Previdência Complementar dos Administradores; VI. ratificar as seguintes designações de Diretor: de Relações com a SUSEP; responsável pela Área Técnica de Capitalização; responsável pelo cumprimento do disposto na Lei no 9.613, de 3.3.1998, que trata dos crimes de “lavagem” ou ocultação de bens, direitos e valores; responsável pelo acompanhamento, supervisão e cumprimento das normas e procedimentos de contabilidade; responsável administrativo-financeiro; responsável pelos controles internos específicos para a prevenção contra fraudes. VII. designar, perante à SUSEP – Superintendência de Seguros Privados, o Diretor responsável pela implementação de controles internos das atividades da Sociedade. Deliberações: Assembleia Geral Extraordinária: 1) aprovadas, sem quaisquer alteração ou ressalva, as Propostas da Diretoria, registradas na Reunião daquele Órgão, de 26.3.2012, a seguir transcritas: “a) aumentar o Capital Social no valor de R$16.500.000,00, elevando-o de R$150.000.000,00 para R$166.500.000,00, sem emissão de ações, mediante a capitalização de parte do saldo da conta “Reserva de Lucros - Reserva Legal”, de acordo com o disposto no Parágrafo Primeiro do Artigo 169 da Lei no 6.404/76, com a consequente alteração do “caput” do Artigo 6o do Estatuto Social. Se aprovada esta proposta, a redação do “caput” do Artigo 6o do Estatuto Social passa a ser a seguinte: “Art. 6o) O Capital Social é de R$166.500.000,00 (cento e sessenta e seis milhões e quinhentos mil reais), dividido em 192.803 (cento e noventa e duas mil, oitocentas e três) ações ordinárias, nominativas-escriturais, sem valor nominal.”; b) alterar o Estatuto Social, no Artigo 7o, transformando 1 (um) cargo de Diretor Gerente em mais 1 (um) cargo de Diretor, com a consequente alteração das letras “b” e “c” do Artigo 10, e na alínea “g” do Artigo 9 o, aprimorando a sua redação. Se aprovada esta proposta, as redações do Artigo 7o, alínea “g” do Artigo 9o e letras “b” e “c” do Artigo 10 do Estatuto Social passarão a ser as seguintes: Art. 7o) A Sociedade será administrada por uma Diretoria, eleita pela Assembleia Geral, com mandato de 1 (um) ano, composta de 3 (três) a 7 (sete) membros, sendo 1 (um) DiretorPresidente, 1 (um) Diretor Gerente e de 1 (um) a 5 (cinco) Diretores; Art. 9o) - g) limitado ao montante global anual aprovado pela Assembleia Geral, realizar a distribuição das verbas de remuneração e previdenciária aos Administradores; Art. 10) – b) ao Diretor Gerente, desempenhar as funções que lhes forem atribuídas, reportando-se ao Diretor-Presidente; c) aos Diretores, colaborar com o Diretor-Presidente e o Diretor Gerente no desempenho de suas funções e coordenar e dirigir as atividades das áreas que lhes ficarem afetas.”; 2) aprovada a alteração da redação do Anexo A da Convenção do Grupo Bradesco de Seguros e Previdência, referente ao rateio das despesas da administração financeira do referido Grupo. A mencionada Convenção consolidada será registrada na Junta Comercial do Estado de São Paulo e ficará arquivada na sede da Sociedade, nos termos da alínea “a” do Parágrafo Primeiro do Artigo 130 da Lei no 6.404/76. Assembleia Geral Ordinária: I) tomaram conhecimento do Relatório da Administração, do Parecer Atuarial e do Relatório dos Auditores Independentes, e aprovaram, sem ressalvas, as Demonstrações Contábeis relativas ao exercício social findo em 31.12.2011, de conformidade com a publicação efetivada em 29.2.2012, nos jornais “Diário Oficial do Estado de São Paulo”, páginas 91 a 97 e “Diário do Comércio”, páginas 36 a 40; II) aprovada a proposta da Diretoria registrada na Reunião daquele Órgão, de 24.2.2012, para destinação do lucro líquido do exercício e ratificação da distribuição dos dividendos pagos, conforme segue: “Tendo em vista que esta Sociedade obteve no exercício social encerrado em 31.12.2011 lucro líquido de R$338.409.686,79, acrescido do efeito positivo referente à realização da “Reserva de Reavaliação” no montante de R$38.719,20, propomos: a) que seja destinado da seguinte forma: R$38.448.405,99 para a conta “Reserva de Lucros – Estatutaria”; e R$300.000.000,00 para pagamento de Dividendos, o qual foi feito em 28.12.2011; b) a ratificação da distribuição dos Dividendos, pagos em 28.12.2011, no montante de R$300.000.000,00, considerando que não será proposta à Assembleia nova distribuição de Dividendos relativos ao ano de 2011, em razão de já terem sido declarados anteriormente.”; III) para composição da Diretoria, com mandato de 1 (um) ano, até 30.3.2013, foram reeleitos os senhores: Diretor-Presidente: Norton Glabes Labes, brasileiro, casado, securitário, RG 3.594.614-3/SSP-SP, CPF 111.610.008/87; Diretor Gerente: Ivan Luiz Gontijo Júnior, brasileiro, casado, advogado, OAB/RJ no 044.902, CPF 770.025.397/ 87; Diretores: Haydewaldo Roberto Chamberlain da Costa, brasileiro, casado, contador, CRC RJ-075823/0-9, CPF 756.039.427/20; Ricardo Alahmar, brasileiro, casado, economista, RG 7.706.734-4/SSP-SP, CPF 033.677.718/30; Enrique Adan Y Coello, espanhol, casado, securitário, RNE-W 491.929-4-SE/DPMAF/DPF, CPF 037.520.188-28; e Tarcísio José Massote de Godoy, brasileiro, casado, securitário, RG 554.548/SSP-DF, CPF 316.688.601/04, todos com domicílio na Avenida Paulista, 1.415, parte, Bela Vista, São Paulo, SP, sendo que permanecerão em suas funções até que os nomes dos Diretores que forem eleitos em 2013 recebam a homologação da Superintendência de Seguros Privados - SUSEP e seja a Ata arquivada na Junta Comercial e publicada. Os Diretores reeleitos preenchem as condições previstas na Resolução no 136, de 7.11.2005, da Superintendência de Seguros Privados - SUSEP, e declararam, sob as penas da lei, que não estão impedidos de exercer a administração de sociedade mercantil em virtude de condenação criminal; IV) fixado o montante global anual da remuneração dos Administradores, no valor de até R$4.600.000,00, a ser distribuída em reunião da Diretoria, conforme determina a letra “g” do Artigo 9o do Estatuto Social; V) fixada a verba global anual de até R$4.600.000,00 para custear Plano de Previdência Complementar Aberta destinado aos Administradores da Sociedade; VI) ratificadas as seguintes designações de Diretor: senhor Norton Glabes Labes - Relações com a SUSEP e responsável pela Área Técnica de Capitalização; senhor Ricardo Alahmar - responsável pelo cumprimento do disposto na Lei no 9.613, de 3.3.1998, que trata dos crimes de “lavagem” ou ocultação de bens, direitos e valores; e pelos controles internos específicos para a prevenção contra fraudes; senhor Haydewaldo Roberto Chamberlain da Costa - responsável pelo acompanhamento, supervisão e cumprimento das normas e procedimentos de contabilidade; e responsável administrativo-financeiro; VII) designado o senhor Tarcísio José Massote de Godoy, em substituição ao senhor Marcos Suryan Neto, como Diretor responsável pela implementação de controles internos das atividades da Sociedade. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, o senhor Presidente esclareceu que para as deliberações tomadas, o Conselho Fiscal da Companhia não foi ouvido por não se encontrar instalado no período e encerrou os trabalhos, lavrando-se a presente Ata, que lida e achada conforme, foi aprovada por todos os presentes, que a subscrevem, inclusive pela representante da empresa KPMG Auditores Independentes. Assinaturas: Presidente: Norton Glabes Labes; Secretário: Ivan Luiz Gontijo Júnior; Administrador: Tarcísio José Massote de Godoy; Acionista: Bradesco Seguros S.A., representada por seus procuradores, senhores Carlos Laurindo Barbosa e Johan Albino Ribeiro; Auditora: Luciene Teixeira Magalhães. Declaração: Declaramos para os devidos fins que a presente é cópia fiel da Ata lavrada no livro próprio e que são autênticas, no mesmo livro, as assinaturas nele apostas. Bradesco Capitalização S.A. aa) Ivan Luiz Gontijo Junior e Tarcísio José Massote de Godoy. Certidão - Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia - Junta Comercial do Estado de São Paulo - Certifico o registro sob número 397.756/12-4, em 13.9.2012. a) Gisela Simiema Ceschin - Secretária Geral.


p Alunos debatem. E aprendem a votar. DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

O problema das favelas é o que mais me preocupa, por isso procurei candidatos que também se interessam por isso. Georgia Stuermer Colin, 8 anos, do Colégio Santa Maria.

olítica

No colégio Santa Maria, as crianças ficam sabendo que política não é assunto só de gente grande. Lá, são incentivados a pensar e a se expressar com liberdade. Mariana Missiaggia

E

sta semana é de eleição no Colégio Santa Maria, no Jardim Marajoara, na zona sul da capital paulista. Para mostrar que política não é assunto só para gente grande, os alunos do Colégio Santa Maria participam de um projeto no qual discutem política dentro da sala de aula e levam o debate para casa com seus familiares. Na parte final do projeto, os alunos – desde o pré da Educação Infantil até o 9º ano do En-

Georgia Stuemer Colin: "Aprendi a gostar de política aqui na escola".

Fotos: Paulo Pampolin/Hype

sino Fundamental – participam de uma simulação do voto eletrônico com os candidatos à prefeitura de São Paulo. Na sala do 3º ano do Ensino Fundamental, a professora Maria Elizabeth da Costa, 41 anos, discute com seus alunos a importância do voto consciente e os principais problemas da capital. Eleitos pelos próprios alunos, os transtornos mais urgentes de São Paulo são poluição, trânsito, violência e pobreza, respectivamente. Cada um opina, pesquisa em casa, assiste ao horário político, separa reportagens sobre as eleições, defende seu candidato e justifica seu voto. "Nós incentivamos e explicamos, e eles vão tornando o assunto concreto. Uns mais

que os outros, mas o conceito básico eles já captaram. A cidade está em momento eleitoral, cada candidato tem sua proposta e cabe ao eleitor consciente decidir quem irá governar melhor", explica Elizabeth. Mesmo sendo uma tradição no colégio, a simulação do voto é uma novidade para alguns dos alunos do 3º ano, que estudavam em outras escolas na última eleição presidencial, em 2010, quando eles estavam no 1º ano. "Política é um pouco chato, mas aprendi a gostar aqui na escola. O problema das favelas é o que mais me preocupa, por isso procurei na internet candidatos que também se interessam por isso. Achei um vídeo do José Serra (PSDB) e gostei

muito do que ele já fez pelas favelas", afirmou Georgia Stuermer Colin, 8 anos, que já decidiu seu voto pelo PSDB. A professora ajuda – Para o companheiro de classe de Georgia, Vinicius de La Cruz Ferreira, de 7 anos, política é um assunto difícil, mas com a ajuda da professora e de seus pais ele começa a compreender melhor as eleições. "Tem gente que fala que isso (política) não é coisa de criança, mas estou achando legal aprender sobre a minha cidade. E também já decidi o meu voto. Vou votar no Gabriel Chalita (PMDB) porque ele defende a educação", afirmou o garoto. Na sala da professora Elizabeth, até o momento,quem está ganhando a corrida é o candidato José Serra com 18 votos dos 30 eleitores da sala. Na sequência aparece o candidato Celso Russomano, do PRB, com apenas quatro votos. "Deixamos eles à vontade para escolher seus candidatos. O que queremos é que eles entendam seu papel na sociedade, conheçam os conceitos de voto nulo e branco e saibam como isso acaba se refletindo nas votações", explicou a professora Elizabeth. Diferentes interesses – Cada série no Colégio Santa Mariasegue uma programação de atividades de acordo com a idade dos alunos. Assim, os pequenos do Jardim II trabalham a questão do lixo na escola e nas ruas. Já os estudantes do 5º ano do Ensino Fundamental ilustram os murais do colégio com fotos e

Vinicius De La Cruz Ferreira: "Tem gente que fala que política não é coisa de criança, mas estou achando legal aprender sobre a minha cidade".

mensagens que representam a situação precária da cidade de São Paulo. Enquanto isso, os estudantes do Ensino Médio convidaram e receberam a visita de quatro candidatos a vereadores de diferentes partidos pa-

ra um debate mediado pelos próprios alunos. Nos próximos dias 3 e 5, os estudantes participarão de uma simulação eleitoral, que de maneira simbólica, vai eleger o novo prefeito da cidade de São Paulo.

TV Globo cancela debate

A

TV Globo informou ontem que não fará mais o debate entre os candidatos a prefeito de São Paulo, que estava marcado para acontecer esta quinta-feira. A Globo justificou o cancelamento afirmando que faltaria tempo para garanti-lo na Justiça. "A emissora acredita que seis é o número máximo de participantes para a

realização de um debate produtivo e, em São Paulo, não houve acordo entre os candidatos", afirma nota, divulgada ontem. De acordo com a TV Globo, outros debates pelo País terão o número máximo de seis candidatos. Em São Paulo, Levy Fidelix, do PRTB, conseguiu liminar na Justiça garantindo sua participação e a de Carlos

Gianazzi, do PSol. Aos candidatos, a emissora informou que não conseguiria encaixar, na sua grade de programação, um debate com duração de mais de duas horas. Os debates deste ano que contaram com a participação de oito candidatos, em São Paulo, tiveram duração média duas horas e meia. (Folhapress)

Mulheres são maioria no eleitorado em São Paulo

A

s mulheres são maioria no eleitorado paulista. Do total de 31.253.317 eleitores do estado, 52,2% são mulheres. De acordo com o Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP), o número de mulheres que votam no estado cresceu 3,3% este ano em relação à eleição anterior, realizada em 2010. Na faixa de 16 a 17 anos, idade em que o voto não é obrigatório, São Paulo tem 373.140 eleitores. São Paulo é o maior colégio eleitoral do País, representando 22% do total nacional. Só na capital, estão aptas para votar 8.619.170 pessoas. Já Borá, na região centro-oeste paulista, a 520 quilômetros da capital paulista, é o município que registra o menor número de eleitores: 1.071. Segundo turno – De acordo com o TRE-SP, em 25 municípios de São Paulo, a eleição municipal poderá decidida em segundo turno: São Paulo, Guarulhos, Campinas, São Bernardo do Campo, Santo André, Osasco, São José dos Campos, Sorocaba, Ribeirão Preto, Santos, Diadema, São José do Rio Preto, Mauá, Mogi

das Cruzes, Carapicuíba, Piracicaba, Jundiaí, São Vicente, Bauru, Franca, Guarujá, Taubaté, Barueri, Itaquaquecetuba e Limeira. No pleito municipal, o segundo turno é realizado em municípios com mais de 200 mil eleitores quando nenhum

dos candidatos a prefeito obtém mais da metade dos votos na primeira rodada. Mais de 2 mil pessoas inscreveram-se para concorrer ao cargo de prefeito nos 645 municípios paulistas. Os candidatos a vereador são mais de 75 mil. Paulo Liebert/AE - 22.09.04

Pouco mais da metade dos 31.253.317 eleitores são mulheres. Em relação à eleição anterior, em 2010, o número de votos femininos cresceu em 3,3%.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

9 VATILEAKS Ex-mordomo nega ter furtado correspondência do papa Bento XVI

nternacional

VENEZUELA Chávez promete ser 'melhor presidente' se conseguir reeleição

A LIMPEZA DE ALEPO Presidente Assad faz visita surpresa e envia reforço de 30 mil tropas para conquistar cidade estratégica, diz jornal libanês. Zain Karam/Reuters

Incêndios iniciados nos confrontos entre forças rebeldes e do regime destruíram o mercado histórico na Cidade Velha, considerado patrimônio mundial da humanidade pela ONU. Os insurgentes dizem deter a maior parte da Cidade Velha, mas têm de lutar para manter as posições. As forças rebeldes estão no leste, e as forças de Assad, no oeste. Incêndios iniciados nos confrontos destruíram o mercado histórico na Cidade Velha, considerado patrimônio mundial da humanidade pela Unesco, a agência cultural da Organização das Nações Unidas (ONU). A oposição diz que mais de 31 mil pessoas foram mortas

nos 18 meses de revolta contra Assad, que cresceu de um protesto pacífico para uma guerra civil em grande escala. 'Traição' - Apesar da grande ofensiva de Assad, dúvidas começam a surgir sobre uma vitória do regime. Ontem, a TV estatal síria moveu um violento ataque contra o líder do grupo palestino Hamas, Khaled Meshal, ao qual acusou de trair Assad, ser ingrato e ignorar seu protetor em um momento difícil. No mês passado, Meshal fe-

chou o quartel-general do Hamas em Damasco e agora passa a maior parte do tempo no Catar, país que é inimigo jurado de Assad e fornece armas e dinheiro aos insurgentes sírios. Quando a revolta estourou em 2011, os 500 mil palestinos que vivem na Síria como refugiados primeiro tentaram se manter à margem do conflito. Mas nos últimos meses, jovens palestinos tem começado a protestar e alguns até se juntaram aos rebeldes. (Agências)

Santos: doente, mas presente. Com presidente e vice debilitados, governo da Colômbia garante que não há vácuo de poder. Paco Chuquiure/Reuters

Santos diz que câncer na próstata não é considerado agressivo reram para argumentar que Santos permanecerá consciente durante a cirurgia, eliminando o "temor de que ocorra um vazio de poder". O senador governista Roy

Barreras assegurou ontem que "não existe nenhuma possibilidade de vazio constitucional na Colômbia". A Constituição da Colômbia estabelece que "na falta tem-

porária do presidente, basta que o vice-presidente tome posse do cargo na primeira oportunidade, para que o exerça quantas vezes for necessário". A questão é que o vice-presidente colombiano, Angelino Garzón, de 66 anos, ainda não se recuperou totalmente de um derrame cerebral que sofreu em meados de 2012. A doença atinge Santos no momento em que o presidente abriu conversações de paz com a guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Na segunda-feira, o grupo anunciou que as negociações iniciais ocorrerão em 15 de outubro, na Noruega. O caso do líder colombiano se soma aos de outros presidentes latino-americanos que se trataram recentemente de câncer: Cristina Kirchner, da Argentina; Hugo Chávez, da Venezuela; e Fernando Lugo, do Paraguai. No Brasil, a doença atingiu o ex-mandatário Luiz Inácio Lula da Silva e a atual presidente, Dilma Rousseff. (Agências)

CARA A CARA

Divulgação/Reuters

O

presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, será submetido hoje a uma cirurgia para retirar um tumor maligno na próstata. O anúncio, feito na segunda-feira à noite, surpreendeu o país, mas políticos e analistas descartaram que a doença do mandatário venha a gerar alguma espécie de vazio de poder na Colômbia. O médico pessoal de Santos, Carlos Felipe Gómez, afirmou que a cirurgia será feita sob "anestesia local", o que "permite que mantenha a consciência". Segundo ele, o presidente poderá governar, ainda no hospital, de três a cinco dias depois da intervenção. Gómez descartou tratamentos de radio e quimioterapia e afirmou que Santos voltará a suas funções plenas em três semanas, incluindo a possibilidade de viagens. Ao anunciar a descoberta do tumor, na segunda-feira, o presidente de 61 anos disse que as chances de cura são de 97%. Aliados do mandatário cor-

O museu Madame Tussauds em Washington apresentou ontem os bustos dos candidatos à presidência dos Estados Unidos, Barack Obama e Mitt Romney. Hoje, o presidente democrata e seu desafiante republicano participam do primeiro debate televisivo da campanha eleitoral, em Denver, no Colorado. Uma pesquisa da Universidade de Quinnipiac aponta que 56% dos entrevistados esperam que Obama tenha melhor desempenho no debate, contra 38% que acreditam em Romney.

Netanyahu: didático demais?

O

presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, chamou ontem de "infantil" a conduta do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, durante seu discurso na 67ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), na semana passada. Na ocasião, o premiê apresentou um desenho de uma bomba na tentativa de defender o estabelecimento de um limite para o desenvolvimento do programa nuclear iraniano.

Em entrevista coletiva, Ahmadinejad disse que a exposição de Netanyahu foi um "insulto à inteligência" dos dignatários presentes. A seguir, ele aproveitou para fazer uma piada, dizendo que a habilidade de Netanyahu como desenhista "deve melhorar com a prática". Ahmadinejad acusou ainda o Ocidente de fazer "guerra econômica" ao impor sanções contra Teerã. Desde a semana passada, o rial, a moeda iraniana, perdeu um terço de seu valor em relação ao dólar, como resultado das sanções ao petróleo iraniano e às transações bancárias internacionais. (Agências)

RESPIRO ALIVIADO

A

Promotoria de Lille, na França, arquivou ontem uma investigação preliminar contra o ex-diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI) Dominique Strauss-Kahn em que era acusado de estupro. A decisão foi tomada depois de a mulher que havia apresentado a acusação, de nacionalidade belga, dizer à polícia francesa que foi consensual a relação sexual que teve com Strauss-Kahn em 2010. O ex-diretor do FMI, de 63 anos, enfrenta outras suspeitas de crimes sexuais na França, e um processo civil pelo mesmo motivo nos EUA. O caso começou em maio do ano passado, quando StraussKahn foi preso em Nova York e acusado de ter estuprado uma camareira de hotel. As acusações foram arquivadas depois de provado que a camareira havia prestado falso testemunho, mas o incidente foi suficiente

AFP - 06/07/11

A

batalha pelo controle de Alepo ganhou um tom mais dramático ontem com a visita do próprio presidente Bashar al-Assad à cidade, onde teria anunciado o reforço de mais 30 mil tropas para limpar a região dos insurgentes. Disposto a ter uma visão em primeira mão dos combates entre forças do governo e rebeldes, o mandatário teria partido do palácio presidencial em Damasco para Alepo de helicóptero, ao amanhecer, informou ontem o jornal libanês AlDiyar, que é conhecido por sua postura pró-Assad. O diário não especificou o dia em que a viagem começou, mas disse que Assad ainda estava em Alepo. A visita foi decidida depois de relatos de que a situação na cidade, a maior da Síria e o centro comercial do país, havia ficado muito séria. Durante sua estadia, Assad ordenou a suas tropas que "limpem" Alepo dos rebeldes, assim como anunciou o envio de reforços para atacar qualquer setor controlado pelos insurgentes, acrescentou o diário. "Assad ordenou que as unidades 5 e 6, estimadas em 30 mil soldados e 2 mil carregadores, se desloquem de Hama para Alepo e ataquem quaisquer áreas ocupadas de Alepo a partir da fronteira com a Turquia", disse o jornal. Não há confirmação independente da informação porque a Síria dificulta o trabalho de jornalistas estrangeiros. Na mídia local, a visita não foi reportada. À agência de notícias Reuters, um funcionário do jornal libanês disse ter enviado um correspondente a Alepo. Rebeldes realizam nesta semana uma nova ofensiva para conquistar a cidade, que até julho passado estava sob o controle de forças do Assad.

Francês era acusado de estupro para que ele fosse obrigado a renunciar ao cargo. A acusação que foi arquivada na França era parte do chamado Caso Carlton, nome de um hotel de luxo em Lille, no norte do país, onde ocorriam festas sexuais das quais Strauss-Kahn já admitiu ter participado. Os promotores tentam determinar se essas festas configuraram um estímulo ativo à prostituição, o que é crime na França. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10

c

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

FÓRMULA DE SUCESSO Moda nos Estados Unidos ganha força e vira negócio promissor. Chás de divórcio se multiplicam. Muitos encaram a festa como um incentivo ao recomeço.

idades

Brian Harkin/The New York Times

TEMPO SECO A capital paulista ficou em estado de atenção ontem devido à baixa umidade do ar.

Ó RBITA

APREENSÃO A Polícia Rodoviária apreendeu ontem 300 filhotes de papagaio em Ourinhos (SP). Marcelo Justo/Folhapress

Tom Carling, designer gráfico de Manhattan: "Noivas ganham coisas para a casa. Bem, eu ganhei uma festa para repor as coisas que minha ex mulher havia levado embora."

Se o divórcio é inevitável, a saída é fazer uma festa. Cresce nos Estados Unidos a moda de comemorar as separações com um "chá dos descasados" Robert Caplin/The New York Times

Judith Newman

N

ão estou divorciada, ainda. Mas quando meu marido lança críticas sobre mim como arroz de casamento, o divórcio começa a assumir forma. É nesses dias que pondero que seria bom ter amigos como os de Tom Carling. Pois Carling recebeu o presente que eu desejaria, algo que vem se tornando mais comum em certos círculos: chá de divórcio. "Na verdade eles o chamam de 'chá dos descasados', que é como um chá de cozinha para divorciados", disse Carling, um designer gráfico de Manhattan. "Noivas ganham coisas para a casa. Bem, eu ganhei uma festa para repor as coisas que minha ex havia levado embora." Utensílios - Organizada por amigos, incluindo Elizabeth St. Clair, advogada de Manhattan, a festa encheu sua casa de utensílios básicos, como um novo jogo de potes, e lhe deu um livro de receitas "à prova de idiotas" que lhe permitirá alimentar sua filha ou impressionar uma namorada. "Você pensa que isso é algo pequeno? Pois não é", garantiu Carling. E explicou: "A cozinha é um espaço íntimo, e se você foi casado por 25 anos como eu, você cria vínculos com os itens mais usados". Força - As refeições "eram os momentos em que eu me sentia um coitado solitário e o chá de divórcio me deu essa sensação de que eu possuo a força para seguir em frente" – e também os jogos de pratos. Não entenda mal: não é como se todos estivessem organizando divórcios como se fossem casamentos – embora exista uma loja em Londres, a Debenhams, que possui uma lista oficial de divórcio e algumas pessoas abrem suas listas em sites normalmente reservados para casamentos. Organizadores de grandes festas vêm relatando um significativo aumento no número de pessoas que celebram o fim de um casamento não com lágrimas, mas com um estrondo (às vezes, literalmente). Há uma empresa inglesa de fogos de artifício que pode ser contratada para festas de divórcio, escrevendo as palavras "finalmente livre" no céu noturno. Celebração - Existem especialistas em planejar

Elizabeth St. Clair, advogada: livro de receitas "à prova de idiotas". festas de divórcio e há também um site, o divorcepartysupply.com, onde se pode "celebrar sua nova liberdade" com tiaras de chifrezinhos que se acendem, rosas de caule longo. Para aquelas tentando liberar um pouco da raiva, piñatas em formato de pênis. "As pessoas não costumam chamar essas comemorações de chás ou festas de divórcio", disse Marcy Blum, organizadora de eventos e autora de "Weddings for Dummies". "A motivação é mais do tipo: 'Venha celebrar minha nova vida (e talvez me dar um presente)'." Lúdico - Blum fez uma festa com tema "Alice no País das Maravilhas" para um cliente rico e idoso cujo terceiro casamento, com sua instrutora de yoga, havia saído dos trilhos. "Por que Alice no País das Maravilhas? Bem, era algo lúdico e foi uma boa desculpa para convidar muitas jovens mães com seus filhos." O cliente morreu há pouco, mas não antes de se casar mais uma vez, disse Blum, "com uma mulher que tinha um décimo de sua idade". Ela apontou que, como agora homens e mulheres homossexuais já podem se casar em muitos estados dos EUA, eles também terão o

direito de se divorciar – podendo significar que os chás de divórcio se tornarão ainda mais frequentes. Probabilidades - De certa forma, o surgimento do chá de divórcio não é assim tão surpreendente. Com uma probabilidade de sucesso de apenas 50% para o primeiro casamento – e percentuais ainda piores para o segundo e terceiro, caso você esteja pensando que o amor é mais amoroso da segunda ou terceira vez –, parece haver um desejo social de comemorar (e até mesmo celebrar) o que vem se tornando uma etapa cada vez mais comum na vida das pessoas. "Tradicionalmente, todo grande evento tem uma celebração – casamento, formatura, o que for –, mas quando você se divorcia, você está sozinho", afirmou Christine Gallagher, proprietária da empresa de eventos Divorce Party Planner, em Los Angeles. "Um chá de divórcio é uma maneira de criar um ritual onde você ganha o apoio de amigos e familiares. Vejo isso como algo saudável." Vários temas - Em nome de uma boa saúde mental, ela organiza festas com temas como "Sobrevivente": ela

monta a casa como uma ilha deserta e atores desempregados vestidos com sarongues servem drinques tropicais, enquanto "50 Ways to Leave Your Lover" e "Hit the Road, Jack" tocam a toda no sistema de som. "Acabo de fazer uma festa de 'Dia dos Mortos' para um amigo que queria homenagear a morte de um casamento", disse Gallagher. "Tínhamos velas em caveiras por toda parte." Mesmo assim, nem todos estão convencidos de que festas de divórcio são uma boa ideia. Ambivalente - "Como terapeuta, minha opinião é que as pessoas devem fazer o que for necessário, guardadas as devidas proporções", disse a escritora e expsicoterapeuta Amy Bloom. "O que há de errado com essas pessoas? Se você tinha um cônjuge que todos odiavam, tudo bem. Alugue uma suíte no Ritz-Carlton. Mas se você estiver sendo honesto consigo mesmo, o divórcio é um período bem ambivalente. Seria mesmo o momento de jogar confete rosa pelo ar?" O ser humano tem comemorações para seus parentes mortos. Então, por que não fazer algo para relacionamentos mortos? O judaísmo possui uma cerimônia religiosa para o divórcio: o "get", que é uma maneira de santificar o final de um relacionamento. "Renascimento" - E segundo o site beliefnet.com, muitas comunidades cristãs lutam com formas para incorporar o divórcio no ritual religioso. Se os rituais não são definidos em nossas igrejas e comunidades, talvez desejemos criá-los nós mesmos. Esse parece ser o caso de Martha Torres, de Thousand Oaks, na Califórnia. Após 30 anos de casamento, perdeu 13 quilos e organizou uma festa de "renascimento" imediatamente após pedir o divórcio. Um ano depois houve uma continuação, com uma festa "Ainda estou de pé", para celebrar sua independência financeira. "Quando algo fora de seu controle acontece", afirmou Torres, "você pode decidir pesar 150 quilos e andar com um rosário ou você pode fazer algo para retomar sua vida. Uma festa nem sempre é apenas uma festa. Ela pode servir como uma ponte para uma nova vida". The New York Times News Service

ÁRVORES ASFALTADAS – Árvores nativas foram asfaltadas durante a pavimentação da avenida Perimetral Paraisópolis, na zona sul. A avenida foi projetada para aliviar o trânsito do Morumbi, mas a pavimentação ocorreu antes das árvores serem retiradas.

INTERNET

D

ados da primeira edição do estudo TIC Kids mostram que 68% dos brasileiros com idade entre 9 e 16 anos usaram redes sociais no último mês, sendo que, deste número, 53% o fizeram diariamente ou quase todos os dias. A pesquisa, realizada pelo CGI (Comitê Gestor da Internet), ouviu 1.580 crianças. Dos jovens que visitaram páginas ou perfis de sites, 7% fizeram contato com pessoas desconhecidas. (Folhapress)

SAÚDE

O

professor e chefe do setor de doenças sexualmente transmissíveis (DST) da Universidade Federal Fluminense (UFF), Mauro Romero, protocolou ontem representação no Ministério Público Federal (MPF) contra os governos federal e fluminense devido à ausência de programas se vacinação e educação preventiva contra o papiloma vírus humano (HPV) na rede pública, conforme exige a legislação. (Folhapress) Marcelo Camargo/ABr

RISCO DE DESABAMENTO – Duas torres comerciais de 16 andares cada uma foram interditadas pela Defesa Civil ontem na Barra Funda, na zona oeste da capital paulista. Foram encontradas rachaduras que colocam em risco as edificações.

MAKSOUD PLAZA

O

hotel Maksoud Plaza vai receber do governo federal a condecoração de 5 estrelas. O Maksoud é o 20º meio de hospedagem a receber o reconhecimento oficial - os 19 primeiros receberam a condecoração do Ministério do Turismo na semana passada. Um dos mais tradicionais hotéis de São Paulo, o Maksoud Plaza já serviu de palco para shows de artistas internacionais, como o cantor Frank Sinatra. (AE)

HABEAS CORPUS

S

uspeitos de estuprar duas adolescentes de 16 anos, os nove integrantes da banda de pagode baiana New Hit, além de um segurança do grupo, conseguiram ontem um habeas corpus da Justiça. Todos estão presos desde o dia 26 de agosto, após um show na micareta de Ruy Barbosa (BA). O grupo nega o estupro. Dois deles admitiram ter feito sexo com as garotas, mas disseram que o ato teve o consentimento delas. (Folhapress)

DUPLA CORTA E ROUBA CABELO DE JOVEM

U

ma jovem de 21 anos foi atacada por um casal que cortou e roubou seus cabelos em Pederneiras (SP). Os criminosos levaram também a bolsa da vítima com documentos e R$ 130 - e um anel. O ataque aconteceu anteontem em uma rua do bairro Bandeirantes. A jovem afirmou à polícia que caminhava em direção

ao trabalho, por volta das 12h, quando foi abordada por um casal em um carro. A mulher desceu com uma faca e a obrigou a entrar no veículo. Ela ficou no carro por cerca de 10 minutos. O homem apenas dirigiu pela região. A mulher, que estava no banco de trás com ela, cortou seu cabelo com uma tesoura. (Folhapress)

COMEÇAM OBRAS DA "CICLORRODOVIA"

A

s obras da primeira rodovia paulista integrada com ciclovia começaram ontem em Sorocaba (SP). Os 23,2 km de pista dupla deverão receber uma terceira pista exclusiva para bicicletas ao longo do trajeto. A "ciclorrodovia" vai ligar o bairro do Cajuru, em Sorocaba, à região central de Itu, município vizinho. A conclusão está prevista para março de 2014. De acordo com o projeto, a nova estrada vai aproveitar

apenas o leito da rodovia Waldomiro Corrêa de Camargo (SP-79), mais conhecida como Estrada Velha de Itu. Como a estrada é antiga, os trechos com curvas serão eliminados. O investimento total será de R$ 114,9 milhões. A estrada, com tráfego de 12,5 mil veículos por dia, corta o distrito industrial de Sorocaba e bairros populosos nos dois municípios. Os trechos urbanos terão passarelas. (AE)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

3 Para aprender mais. E de graça. º

PARTICIPAÇÃO O Projeto Ampliar já profissionalizou 36 mil jovens de 16 a 24 anos.

setor

11

ATUAÇÃO 70% dos alunos formados atuam no mercado formal de trabalho.

Projeto Ampliar, que há 22 anos atua na educação e profissionalização de jovens em situação de risco, abre 220 vagas para os últimos cursos gratuitos do ano. Fotos: Divulgação

Aulas de informática básica e manicure para jovens com renda familiar de até três salários mínimos. No total são seis cursos administrativos, de empreendedorismo e de beleza, divididos em duas unidades na capital paulista, no Centro e no Grajaú, na zona sul.

Kelly Ferreira

O

Ampliar, programa de educação e profissionalização voltado para jovens em situação de risco social dos 16 aos 28 anos, abriu novas vagas para cursos gratuitos. São 220 lugares disponíveis para seis cursos administrativos, de empreendedorismo e de beleza, divididos em duas unidades na capital paulista. O apoio logístico é do SecoviSP (Sindicato da Habitação). Os cursos disponíveis para as últimas turmas de 2012 são: auxiliar de escritório, recepcionista, auxiliar administrativo, informática básica, serigrafia e salgadeiro, certificados pelo Senai, e de Manicure, oferecido no Salão-Escola Ampliar. “É uma excelente oportunidade pa-

ra quem quer se preparar para o mercado de trabalho e se encaixa nos requisitos. As vagas são limitadas, por isso os interessados devem entrar em contato rapidamente para fazer sua inscrição”, explicou a presidente do Ampliar, Maria Helena Mauad. Para participar dos cursos é preciso ter entre 16 e 24 anos, com exceção das aulas para manicure, que vai de 18 a 28 anos. "É preciso ainda frequentar regularmente a escola ou já ter concluído o ensino médio, além de renda familiar de até três salários mínimos. Em 22 anos de existência, o Ampliar já profissionalizou 36 mil adolescentes e jovens, emitiu 63 mil certificados e 70% deles atuam no mercado formal de trabalho e consumo. Cursos - São sete cursos distribuídos em duas unidades na capital paulista. Na unida-

de Brigadeiro, serão ministrados os cursos regulares de recepção, do dia 24 de outubro a 12 de novembro, e auxiliar de escritório, de amanhã até o dia 23 de outubro e de 13 de novembro a 3 de dezembro. Os dois cursos tem 48 vagas para os períodos da manhã e tarde. Ainda na unidade Brigadeiro, os interessados poderão fazer o curso livre de manicure, que vai até o dia 14 de novembro. São 24 vagas. Já na unidade Jardim São Bernardo, no Grajaú, serão ministrados os cursos de informática básica, de 5 de novembro a 13 de dezembro, com 24 vagas, auxiliar administrativo, de amanhã até 1 de novembro, com 28 vagas, serigrafia, de 26 de outubro a 21 de dezembro, com 24 vagas, e salgadeiro, de 14 a 21 de dezembro, com 24 vagas. Há vagas para os períodos manhã e tarde.

Inscrições - Os interessados devem preencher ficha disponibilizada no site www.projetoampliar.org.br e comparecer pessoalmente na unidade Ampliar que pretende frequentar, de segunda a sextafeira, das 8h às 17h, levando cópias do RG, CPF, comprovante de residência, de escolaridade e de renda familiar. Para os cursos que já estiverem com as vagas preenchidas, há a possibilidade de fazer prévio cadastramento para as próximas turmas.

S ERVIÇO Unidade Brigadeiro: avenida Brigadeiro Luiz Antonio, 2344, Metrô Brigadeiro. Unidade Jardim São Bernardo: Travessa Maria Terezinha Albuquerque, 30, Grajaú. Mais informações nos telefones 5591-1246 ou 5591- 1283.

Para vestibular

J

á estão abertas as inscrições para o terceiro curso gratuito Literatura para Vestibular, formatado pelo Centro de Integração EmpresaEscola (Ciee) para despertar o gosto pela literatura entre os alunos do ensino médio. Tendo como roteiro os nove livros indicados pela Fuvest e Unicamp, em 2012, as aulas presenciais irão contextualizar cada obra em seu tempo histórico, analisar o estilo de cada autor e buscar aproximar as obras da realidade atual.

Dicas de alimentação e economia

U

ma cozinha itinerante basta para levar adiante o projeto Mais Energia Supergasbras, criado para espalhar informações sobre o perigo dos acidentes domésticos, segurança alimentar e reciclagem, contribuindo para a redução do desperdício e a minimização da fome. Em funcionamento desde 2004, o projeto foca a importância da alimentação saudável e da mudança de comportamento da sociedade para a garantia da qualidade de vida e da preservação do planeta. "Conhecimento sobre Prevenção de incidentes domésticos com fios desemcapados, piso molhado, produtos de limpeza que ficam ao alcance das crianças e panelas no fogo é sempre bem vindo", disse a coordenadora de Responsabilidade Sócio-Ambiental da Supergasbras, Lucinda Miranda. Segundo ela, levar o conhecimento e a mudança para a vida das pessoas só acontece por meio da educação. A cozinha itinerante da distribuidora de gás promove oficinas para comunidades carentes, abordando temas como segurança, nutrição, higiene, consumo consciente e diminuição do lixo. O objetivo é levar à população dicas para melhorar a qualidade de vida e economizar. "Um técnico passa dicas de higienização, armazenamento e aproveitamento dos alimentos e como evitar desperdícios e diminuir a quantidade de lixo. O projeto não só educa como também ensina a fazer um planejamento melhor do orçamento familiar e apre-

Trechos de filmes e minisséries, músicas de época, reprodução de quadros famosos e outros recursos relacionados com o romance em foco serão utilizados nas apresentações. O curso terá duração de uma semana, com três horas diárias, de segunda a sexta, totalizando 15 horas. As aulas serão no Prédio Escola do Ciee, na rua Genebra, 57, no Centro da capital, de 22 a 26 de outubro, das 14h às 17h. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas pelo site www.ciee.org.br.

Outubro Rosa: luta contra câncer de mama.

Fotos: Divulgação

A

Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (Femama) lançou segundafeira o movimento Outubro Rosa 2012. A mobilização, que é mundial, chegou ao Brasil em 2008 pela Femama e pretende conscientizar a população sobre a importância da detecção precoce da doença para redução da mortalidade. Este ano, além de falar sobre diagnóstico precoce, a Femama destaca a importância de o governo brasileiro investir no acesso ágil a tratamentos adequados às pacientes com câncer de mama. "O cuidado, acolhimento e engajamento das pacientes e de seus familiares na causa cor de rosa é o foco da campanha", afirma Maira Caleffi, médica mastologista e presidente da Femama. A entidade promoverá a iluminação de prédios e monumentos históricos na cor rosa, como o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, e o Congresso Nacional, em Brasília.

senta soluções para geração de renda", disse Lucinda. O Mais Energia começou no Rio de Janeiro e seguiu para Belém do Pará. No mês passado, a Supergasbras realizou a primeira ação do projeto na zona leste paulistana. Transmitindo também, além de dicas para evitar incidentes domésticos, alternativas para o aproveitamento integral dos alimentos. "Foi um dos primeiros projetos a ser incluído no programa Fome Zero do Governo Federal", disse. Até hoje foram feitos 105 mil atendimentos. "Em São Paulo, o retorno foi muito interessante. A expectativa é trazer o Mais Energia novamente para os paulistanos em 2013", explicou Lucinda. Kelly Ferreira

Cozinha itinerante começou no Rio de Janeiro, já foi a Belém do Pará e chegou a São Paulo: de 2004 até hoje foram 105 mil atendimentos.

Outlet Dona Dorina já tem peças de verão

O

Dona Dorina Outlet Multimarcas oferece boas opções de compras para quem já pensa no verão. Maiôs, saídas de praia, rasteirinhas, sandálias e shorts já estão à disposição com preços acessíveis. Os shorts com modelagem ampla e esportivos, da Missinclof, por exemplo, estão com preços a partir de R$ 39,90. Já as blusas e saias em seda, cetim e de alfaiataria, em tons pastel e também nos tons cítricos, da Vi and Co. podem ser compradas a partir de R$ 49,90. Marcas como Olympikus, Arthur Caliman, Missinclof, Le Postiche, Opanka, Azaleia, Grendene, Líquido e Mitty podem ser encontradas com até 85% de desconto. O outlet fica na rua Doutor Diogo de Faria, 558, Vila Clementino, e atende de segunda a sexta, das das 10h às 19h. Aos sábados, das 10h às 14h. Informações no 5087-0997 ou www.donadorinaoutlet.com.br.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

Tempestade elétrica O mágico norte-americano David Blaine passará por uma nova prova neste fim de semana em Nova York: ele permanecerá de pé durante três dias em meio a uma tempestade elétrica de um milhão de volts. Durante as 72 horas em que ele se submeterá à prova, não se alimentará e não poderá se sentar. Poderá apenas beber água por meio de uma das aberturas do capacete. O capacete e a roupa – uma armadura de malha de aço inoxidável, botas com solas de aço – são itens essenciais da prova, protegendo seu corpo de contato com a corrente elétrica.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Fotos: Mike Segar/Reuters

12

O mágico Blaine, de 39 anos, já passou por provas em que foi enterrado vivo, congelado e submerso.

Logo Logo

Panela que canta

www.dcomercio.com.br

A C-Orby é uma panela elétrica que transforma cada alimento em um som. Dependendo do perfume e sabor dos ingredientes da receita, ela compõe uma canção diferente. http://bit.ly/UEBQp8

P ESQUISA E SPAÇO

T WITTER

Crianças soltas na rede

P

esquisa divulgada ontem mostrou que 14% dos usuários de internet entre 9 e 16 anos já foram expostos a mensagens de ódio contra pessoas ou grupos e 9% encontraram informações sobre uso de drogas. Além disso, dos jovens que visitam sites como Facebook, Orkut e Twitter, 7% fizeram contato com pessoas completamente desconhecidas fora do mundo virtual, mas a maioria (83%) diz ter como "amigo" nas redes sociais somente conhecidos pessoais. A pesquisa TIC Kids Online Brasil, realizada pelo CGI (Co-

Nebulosa

mitê Gestor da Internet), ouviu 1.580 crianças e adolescentes entre abril e julho deste ano. Os pais das crianças também foram entrevistados. O objetivo do estudo é traçar um perfil dos mais jovens usuários da internet no País e revelar dados sobre sua segurança online. O levantamento mostrou que 68% das crianças e adolescentes têm perfil próprio em redes sociais. Desses, 61% têm Facebook, e 39%, Orkut. Na faixa etária abaixo de 13 anos, idade mínima para cadastro nas redes sociais, 50% têm perfil com idade falsa.

A pesquisa mostra ainda que pesquisa escolar, redes sociais e acesso a vídeos são as principais atividades das crianças na internet. As entrevistas realizadas com os pais demonstram que cerca de 70% deles acreditam que os filhos estão seguros na internet. Essa visão dos adultos pode estar relacionada a dois fatores: os adultos usam pouco a internet (apenas 47% dos pais já usaram a rede alguma vez na vida) e a maioria (52%) tem TV, jornais e revistas como únicas fontes de informação sobre segurança na internet. (Folhapress)

Hackers roubam e vendem perfis O site Digital Trends divulgou ontem que nomes de usuário do Twitter estão sendo roubados e vendidos por hackers. os perfis visados são os que têm nomes muito comuns e são muito procurados na rede social. Os hackers localizam, sequestram e depois vendem essas contas por valores de, no máximo, US$ 100. Os usuários só descobrem que a conta foi hackeada quando tentam acessá-la, mas suas senhas não funcionam.

M ODA

Imagem do telescópio Kueyen, do Observatório Europeu do Sul (ESO), mostra a nebulosa "Cabeça de Cavalo" registrada a partir do observatório Paranal, no Chile. O ESO completa em 2012 50 anos de atividades.

Gonzalo Fuentes/Reuters

F UTEBOL

Superclássico Neymar durante treino da seleção ontem, no CT do Corinthians, no Parque Ecológico Tietê. As seleções do Brasil e da Argentina se enfrentam hoje à noite na cidade de Resistência, na Argentina, pelo Superclássico das Américas.

Miguel Schincariol/AE

Abelha-rainha Desfile das criações da estilista britânica Sarah Burton para a grife Alexander McQueen, ontem, durante a semana de moda de Paris. A estilista se inspirou nas abelhas para sua coleção.

Charles Platiau/Reuters

E M

Benoît Tessier/Reuters

C A R T A Z

Desfile da clássica grife francesa levou á passarela acessórios modernos e futuristas, peças artesanais e referências ao ecologicamente correto.

Paris em 3D Arqueólogos e historiadores franceses lançaram mão de recursos tecnológicos para recriar a cidade de Paris em três dimensões. O resultado do trabalho pode ser visto no site Paris Saga 3D. paris.3ds.com

L OTERIAS

VISUAIS 'Esplendores do Vaticano' traz 200 relíquias. Oca - Parque do Ibirapuera - Av. Pedro Álvares Cabral, S/Nº, Portão 03 Das 10h às 20h. De R$ 22 a R$ 44.

Concurso 1112 da DUPLA SENA Primeiro sorteio

Lagerfeld inovador A grife Chanel, que há 30 anos é comandada por Karl Lagerfeld, apresentou ontem em Paris uma coleção primavera-verão dominada por tons neutros e formas geométricas. "Tudo gira ao redor do volume e da leveza", disse Lagerfeld, que inovou nos formatos das clássicas bolsas da marca.

10

16

22

40

45

49

32

39

42

Segundo sorteio 07

11

26

Concurso 3010 da QUINA 09

11

22

35

52


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

e

13 BNDES Tesouro libera mais R$ 25 bilhões para empréstimos ao banco de fomento

conomia

ETANOL Elizabeth Farina, economista da USP, é a nova presidente da Unica.

Nilson Konrad/Divulgação

Os bens de capital para a agricultura tiveram crescimento de 0,5% no bimestre, embora tenham mostrado desaceleração.

A indústria começa a virada Apesar do crescimento de 1,5% em agosto, a indústria nacional registra, no acumulado do ano, baixa de 3,4% e de 2,9% nos últimos 12 meses.

A

produção industrial brasileira cresceu 1,5% em agosto em relação a julho, na série com ajuste sazonal, informou ontem o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado ficou dentro das expectativas dos analistas que estimaram altas de 0,9% a 3,4%, mas abaixo da mediana projetada, de 2%. Já na comparação com agosto de 2011, a produção caiu 2%. Nesta comparação, as estimativas iam desde estabilidade (0%) até recuo de 3%, com mediana negativa de 1,55%. Até agosto, a produção da indústria nacional acumula quedas de 3,4% no ano e de 2,9% nos últimos 12 meses. A variação de 1,5% na passaMarcelo Camargo/ABr

gem de julho para agosto fez o índice de média móvel trimestral registrar um crescimento de 0,8% para o trimestre encerrado no mês de agosto. Bens de capital – A melhora no resultado da produção de bens de capital, que subiu em agosto pelo terceiro mês consecutivo, acompanha uma recuperação gradual no humor dos empresários, segundo André Macedo, gerente da Coordenação de Indústria do IBGE. A produção de bens de capital subiu 0,3% em agosto ante o mês anterior, depois de ter aumentado em julho (1,1%) e em junho (1,1%). "Bens de capital tiveram o terceiro mês de resultado positivo, o que levou a um crescimento acumulado de 2,5% em três meses. O resultado caminha pela própria perspectiva de melhora que a gente vem percebendo nas sondagens empresariais. A expectativa do empresário vem melhoran-

(PMI) do Brasil, que subiu para 49,8 em setembro, ante 49,3 pontos em agosto, Mantega afirmou que o indicador aponta para a expectativa de expansão da A indústria vem de indústria no um primeiro Brasil. "Portanto, semestre fraco, mas deixamos para está dando sinais de trás o período de crescimento reação. fraco e agora o GUIDO MANTEGA, crescimento MINISTRO DA FAZENDA começa a acelerar e vai nesta direção até o final do ano", afirmou. O ministro disse que um crescimento de 1,5% da produção industrial em agosto é um bom número. "É o resultado de um mês. Tem que, entre os fatores que que ser multiplicado por 12 contribuíram para o para ter o impacto resultado, estão o anualizado. E teve também a crescimento da demanda por correção do mês anterior, de produtos industriais e o crescimento das exportações 0,3% para 0,5%. Então, se de manufaturados. De acordo não tivesse essa correção, nós teríamos um crescimento com ele, graças a medidas maior", justificou, em cambiais, o dólar está mais referência à revisão em alta favorável para as anunciada também ontem exportações. Além disso, a pelo IBGE, do dado de desoneração da folha de produção industrial em julho pagamentos também favorece as vendas externas, ante junho. Mantega disse que a elevação da produção já que o produto exportado é industrial em agosto, de totalmente desonerado. 1,5%, é forte e vai se manter Em referência ao índice nos próximos meses. (AE) dos gerentes de compras

Resultado ruim ficou para trás, diz Mantega.

O

ministro da Fazenda, Guido Mantega, avaliou ontem que o crescimento da produção industrial de 1,5% em agosto em relação a julho demonstra que já há um gradual aquecimento da economia. "Estamos deixando para trás a condição pior para a indústria. A indústria vem de um primeiro semestre fraco, mas está dando sinais de reação. Já há vários elementos", afirmou o ministro, ao chegar ao Ministério da Fazenda. Mantega disse também

do aos poucos, não só em relação ao momento presente como também para a perspectiva futura do setor industrial", afirmou o gerente do IBGE. Na comparação com agosto de 2011, no entanto, houve queda de 13% na produção de bens de capital em agosto. De acordo com Macedo, a magnitude da perda se explica por uma base de comparação acentuada. Em agosto do ano passado, neste mesmo tipo de comparação, a produção de bens de capital tinha registrado expansão de 8,6%. No bimestre julho-agosto, a fabricação de bens de capital recuou 11,2%, queda ligeiramente menos intensa do que a verificada no segundo trimestre (-11,8%) e no primeiro trimestre do ano (-13,3%). O destaque positivo foram os bens de capital para a agricultura (0,5%) no bimestre, embora tenha mostrado forte desaceleração. Os bens de capi-

tal para construção (-28,5%) e para transporte (-11,9%) ainda apontaram baixa de dois dígitos. "Nessa queda está inser i d a a p r o d u ç ã o d e c a m inhões", comentou o gerente do IBGE. No entanto, o recuo que mais preocupa é o de bens de capital para a indústria (baixa de 6,9%). "Os bens de capital para o setor industrial ainda

têm manutenção da queda verificada no segundo trimestre (-5,3%). É o dado mais preocupante porque é a parte mais relacionada aos investimentos, que poderia dar mais qualidade ao resultado de bens de capital. Então, o resultado de bens de capital acaba não sendo tão positivo, apesar de ter registrado taxas menos negativas", avaliou Macedo. (AE)

A reação está disseminada

'É cedo para estourar champanhe' Sílvia Pimentel

P

ara o economista da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) Emílio Alfieri, a expansão de 1,5% da produção industrial em agosto sinaliza uma virada na trajetória de declínio que vinha se aprofundando desde o começo deste ano. É o início de uma retomada do setor. "A indústria ainda está no vermelho. É cedo para estourar champanhe", analisa, ao destacar as quedas consecutivas e progressivas da produção nos meses de março (2,1%), abril (2,9%) maio (4,3%) e junho (5,6%), quando atingiu o pico, na comparação com iguais meses de 2011. Ele destaca que nos três últimos meses houve uma redução significativa no ritmo de queda que, caso persista, deve tirar o setor da estagnação. Em julho, o recuo da produção foi de 2,7%, um pouco maior do que a baixa registrada em agosto, de 2%. De janeiro a agosto, a queda foi de 3,4%. Para Alfieri, o resultado positivo de agosto ante julho é explicado pelos estímulos financeiros e fiscais dados pelo governo, como a redução da alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para automóveis e linha branca, além da desoneração da folha de salários para vários setores. Segundo o IBGE, o setor de veículos automotores foi um dos destaques no resultado, com expansão de 3,3% em agosto ante julho. É a terceira taxa positiva consecutiva, acumulando alta de 9,3%.

O

crescimento da indústria brasileira foi o mais disseminado desde março de 2010, segundo os cálculos da LCA Consultores. Para a consultoria, o índice de difusão da expansão na indústria em agosto ficou em 74,1%, na série dessazonalizada, e representa a taxa mais elevada em 29 meses. A taxa supera a média do mês anterior (48,15%) e a média histórica de 54,2%. Segundo os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no comparativo de agosto com julho, 20 dos 27 setores investigados tiveram alta. De acordo com a consultoria, a expansão foi bastante espraiada, mostrando que a reação não mais se concentra nos setores beneficiados nos últimos meses com reduções de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), como o automotivo e o de linha branca. Para os próximos meses, a LCA tem perspectiva positiva, destacando que a sondagem industrial de setembro da Fundação Getúlio Vargas (FGV) apresentou situação relativamente equilibrada para a indústria de transformação. A sondagem de setembro mostrou que a indústria de transformação conseguiu, em geral, normalizar seu nível de estoque de produtos. Mas há alguns fatores que podem afetar o resultado da produção de setembro, entre eles o fato de o mês ter uma quantidade menor de dias úteis em relação a agosto. Além disso, o ritmo de vendas de caminhões e ônibus continua preocupando. (AE)


14 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 3 de outubro de 2012


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

e

15

Outra modalidade que entra no mercado é o cartão pré-pago, que vai dar acesso à população que não tem relacionamento bancário e creditício. Alexandre Magnani, da MasterCard Brasil e Cone Sul

conomia

Fábio D'Castro/Hype

Cartão avança, mas dinheiro resiste. O cash tem a preferência de 48% dos consumidores; o cartão de débito, 34%. Rejane Tamoto

D

epois do dinheiro em espécie, o meio de pagamento preferido pelo consumidor é o cartão de débito. Segundo o estudo Cartão de Débito no Brasil, realizado pela MasterCard, o consumidor prefere o papel-moeda por hábito e pela possibilidade de fazer um controle maior dos gastos. O débito, por outro lado, é considerado um meio simples e seguro para fazer compras. A projeção da MasterCard é que a modalidade cresça até 2016. A expectativa é que, neste período, as transações com cartões de débito passem dos atuais R$ 200 bilhões para até R$ 493 bilhões. "Para isso, será necessário educar o consumidor, expandir a aceitação em estabelecimentos e o acesso do consumidor aos meios eletrônicos. Outra modalidade que entra no mercado é o cartão pré-pago, que vai dar acesso à população que

não tem relacionamento bancário e creditício", afirma o vice-presidente de desenvolvimento de novos negócios da MasterCard Brasil e Cone Sul, Alexandre Magnani. Em relação aos cartões de crédito e de loja, o pagamento com a função débito foi o que mais avançou nos últimos cinco anos, com alta anual de 25%. O crescimento do cartão de débito ultrapassou o aumento do consumo privado, que foi de 12% entre 2006 e 2011. Já os pagamentos em dinheiro (papel-moeda), cheque e transferência bancária avançaram 9%. Apesar da evolução, o cartão de débito ocupa o segundo lugar com 34% das preferências dos consumidores, já que o principal meio de pagamento ainda é o dinheiro, usado por 48% dos pesquisados. A proporção de pessoas adeptas ao papel-moeda era maior, de 60%, em 2005, quando o

Segundo estudo da MasterCard, as transações com cartões de débito devem passar dos atuais R$ 200 bilhões para R$ 493 bilhões em 2016. débito era usado apenas por 26% dos entrevistados. Em 2010, uma pesquisa do Banco Central (BC), revelou que 72% dos brasileiros ainda usavam o dinheiro em espécie para fazer pagamentos. Segundo Magnani, 82% dos consumidores utilizam o plástico para fazer saques no caixa eletrônico e 18% em compras. "Nos Estados Unidos, 73% dos consumidores usam o débito em estabelecimentos e apenas 27% para saques", afirma. Para o consumidor, o cartão de débito é um meio de pagamento simples (37%) e seguro (67%). Outra vantagem, apontada por 36% dos entrevistados, é a participação em promoções e sorteios e para

18%, em programa de milhagem. "Em 2005, os consumidores diziam não conhecer o débito, ter tido uma experiência negativa com o uso e acreditavam que pagariam uma taxa por sua utilização. A mudança mostra que o consumidor está mais educado hoje", afirma o executivo. De acordo com a pesquisa, a maioria dos pagamentos com o débito se concentram na faixa de R$ 50 a R$ 100. Em compras abaixo de R$ 50, o dinheiro é mais utilizado. "O tíquete médio do débito caiu de R$ 62 em 2005 para R$ 54 em 2011, o que mostra maior penetração do débito em transações de baixo valor, realizadas no dia a dia", afirma o executivo.

Microempresa já é a maior Estudo "Empresômetro" mostra que MEIs e empresários individuais compõem metade do universo. Karina Lignelli

Q

uase metade dos negócios ativos no País (49,95%) é formada por Microempreendedores Individuais (MEIs) e Empresários Individuais, aponta o Censo das Empresas e Entidades Públicas e Privadas Brasileiras (o "Empresômetro"), do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT). O regime de baixa burocracia e baixo custo para instituir esse tipo de negócio explica o aumento, apesar de a modalidade jurídica ser relativamente nova, disse o coordenador de estudos do IBPT Gilberto Luiz do Amaral. Porém, com o passar do tempo, esse número vai diminuir, pelo aumento da transformação desses MEIs em empresas de micro e pequeno portes. Muitos deles já ultrapassaram a receita anual de R$ 60 mil e migraram para o regime do Simples Nacional, ou fizeram transição direta para o Lucro Presumido. É um número ainda pequeno, em torno de 0,2%, mas que cresce mês a mês, cada vez mais. Outro dado importante do perfil do empreendedor brasileiro é a diminuição da mortalidade das empresas no primeiro ano de atividades, segundo o estudo do IBPT. Na década de 70, quando o Brasil viveu o período do "Milagre Econômico", esse índice era de 29,15%. Hoje, época em que o País passa por outro mo-

mento de crescimento econômico, esse índice caiu para 15,41%. O aumento do acesso ao crédito a partir da década passada, a instituição do Simples Nacional – que diminuiu a burocracia para a formação de pequenos empreendimentos – e a tecnologia, que permitiu o acesso a programas do governo que facilitam a atividade do empreendedor, explicam essa queda. O dado positivo é que, consequentemente, aumentou a idade média das empresas para 8,7 anos, ante 5,2, na década de 70. Em relação à atividade eco-

nômica, o Empresômetro indica que 43,91% dos empreendimentos estão no ramo de serviços. Outros 42,07% estão no comércio, e 7,16% na Indústria. A grande quantidade de empreendimentos no setor de serviços (mais de 5,6 milhões) é explicada pela predominância de micro e pequenos negócios no total de empresas (85%). "Para novos empreendedores, esse é um tipo de atividade que demanda menor capital, não precisa de local específico para exercê-la. Por isso a tendência é de se manter em alta", completou Amaral.

Outros dados – O IBPT – que também desenvolveu o Impostômetro, da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) – mapeou outras informações em seu censo das empresas, com base em dados oficiais dos últimos 12 meses (até 30 de setembro). De acordo com o Empresômetro, há mais de 12 milhões de empreendimentos em atividade no País, sendo que a maioria (13,78%) tem até um ano de existência. Menos de 1% deles tem até 50 anos, e apenas 149 foram criados há mais de 100 anos. São Paulo está no topo do ranking das empresas, com mais de 3,7 milhões de estabelecimentos (29%), seguido por Minas Gerais (9,8%) e Rio de Janeiro (8,2%). A região Sudeste representa a maior fatia dos negócios no País, com 49,36% do total. O estudo levantou o número de empresas com filiais: 190.884, sendo que 92% têm apenas uma. Um dado curioso é a pujança dos empreendimentos religiosos (ou sem fins lucrativos). A primeira da lista é a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, com 7.941 filiais; as igrejas do Evangelho Quadrangular e a Universal do Reino de Deus estão na quarta e quinta posições, com 5.558 e 4.654 filiais.

Controle – De acordo com Magnani, atualmente a MasterCard oferece uma ferramenta de controle para pequenos e médios empresários, que é o envio de alertas de uso do cartão por SMS. Hoje, 70% deste público utiliza o cartão de débito para o pagamento de despesas. Segundo a pesquisa, o débito é a função mais usada, depois de boletos bancários e cheques. As empresas utilizam mais o débito em pagamentos de até R$ 100 em restaurantes, supermercados, atacadistas e distribuidores e postos de gasolina. Outro projeto em desenvolvimento pelos bancos para oferecer maior controle ao consumidor é um cartão com

display em tela de cristal líquido para informar sobre o saldo remanescente após cada compra efetuada pelo consumidor. Outra tecnologia que promete tornar a transação por débito mais rápida é a de pagamento por proximidade, no qual basta aproximar o cartão com chip à máquina, o PayPass, disponível em terminais de alguns estabelecimentos. "Em 2013, essa modalidade vai ficar mais aparente para o consumidor", diz Magnani. A pesquisa da MasterCard ouviu 727 consumidores e pequenos empresários que utilizam os cartões da rede em cinco capitais (São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Recife e Porto Alegre).

Cautela com o fim do parcelamento

T

ema de discussão entre os bancos, o fim do parcelamento sem juros deve ser encarado com cautela no momento atual, em que o consumidor já está habituado a utilizar esta forma de pagamento. A afirmação é do vice-presidente de desenvolvimento de novos negócios da MasterCard Brasil e Cone Sul, Alexandre Magnani, que disse que a cobrança de juros ou sobretaxa nos parcelamentos de cartões de crédito pode mexer com a demanda de clientes. O executivo falou sobre o assunto durante a divulgação de resultados de pesquisa sobre a utilização do car-

tão de débito no País. Segundo Magnani, a discussão sobre uma possível mudança na forma de parcelamento pelos cartões de crédito, por outro lado, não deve estimular o uso da função débito, que é adotado principalmente em transações abaixo de R$ 50, substituindo o dinheiro. O executivo disse que a indústria trabalha para incluir a função débito como forma de pagamento em compras pela internet. "E em pagamentos pré-datados ou parcelados. O débito parcelado na verdade é um crediário, com cobrança de juros nas prestações", afirma. (RT)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

16

e

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

conomia

Nos bancos, a saúde vai bem. O Banco Central garante: o sistema brasileiro é robusto.

O

s bancos brasileiros têm cofres fortes para enfrentar um aumento da inadimplência nas operações de crédito até o próximo ano. A constatação é do Relatório de Estabilidade Financeira (REF), divulgado ontem pelo Banco Central (BC). O documento mostra que a capacidade de solvência (ou de pagamento) do sistema bancário brasileiro permanece robusta. Em outras palavras, o sistema bancário aumentou sua base de capital em proporção superior à evolução da exposição aos riscos inerentes da atividade, como o de inadimplência, por exemplo. A resiliência dos bancos foi confirmada pelos resultados de testes de estresse. Em todos os cenários analisados, inclusive naqueles que envolvem choques abruptos ou de extrema deterioração da situação macroeconômica, o capital do sistema bancário permaneceria acima do exigido pelo BC. "Sendo assim, elevou-se o índice de Basileia, tanto sob a estrutura regulatória atual quanto sob as regras de Basileia III, a serem gradualmente implementa-

das", informa o documento. O índice mostra a capacidade de um banco emprestar, a partir da estrutura de capital próprio em relação aos riscos assumidos. Segundo o BC, os bancos permaneceriam com o índice de Basileia acima do mínimo exigido de 11% em todos os cenários analisados. Os testes de estresse, feitos para diferentes cenários, mostram que as provisões que os bancos constituíram em junho deste ano seriam suficientes para cobrir créditos em atraso projetados para até dezembro de 2013. O documento afirma que as incertezas no mercado externo não comprometeram a liquidez disponível no mercado doméstico, o que permitiu tanto a expansão da carteira de crédito quanto o crescimento dos ativos líquidos no sistema financeiro. "Dessa forma, mantevese elevado o índice de liquidez do sistema, o que demonstra a capacidade para fazer frente a eventuais restrições de recursos, mesmo em situações de estresse", diz o texto do REF. A avaliação do BC é a de que o

Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB) funcionou "de forma eficiente e segura". As análises realizadas pela autoridade monetária para os sistemas de compensação e de liquidação de transações com títulos, valores mobiliários, derivativos e moeda estrangeira – nos quais há uma entidade atuando como contraparte central (CPC) – apresentaram "resultados satisfatórios". Nos sistemas de transferência de fundos, de acordo com o BC, a liquidez intradiária agregada dispo-

nível continuou acima das necessidades das instituições financeiras participantes, o que garante que as liquidações ocorram com tranquilidade. Portabilidade – Os bancos públicos foram os que mais receberam dívidas transferidas de outras instituições financeiras

no primeiro semestre, por meio da portabilidade de crédito (que permite transferir a dívida de um banco a outro sem o pagamento do Imposto sobre Operações Financeiras – IOF). O REF, no entanto, não apresenta números sobre quanto do crédito migrou de um tipo de instituição para outro. Para o BC, a diminuição dos juros foi determinante para o aumento da portabilidade de crédito no período, tanto da quantidade quanto do volume. O documento diz que ambos atingiram os maiores valores até hoje registrados e com indicação de continuidade no movimento ao longo dos próximos meses. "Como esperado, os bancos públicos que reduziram suas taxas de juros de forma mais significativa foram as que mais receberam créditos portados de outras instituições", diz o BC. A avaliação da autoridade monetária é que a portabilidade contribuiu para que os bancos públicos aumentassem sua participação no crédito. Ela passou de 43,5% no final de 2011 para 45,1% em junho de 2012. Nos bancos privados nacionais, a participação caiu de 39,2% para 38%, na mesma comparação. Nas instituições estrangeiras, a queda foi menor, de 17,3% para 17%. (AE)

Reprodução

Procura-se um "governor" no Reino Unido José Roberto Nassar

Anúncio publicado na revista The Economist, edição de 22 de setembro.

O

s bancos centrais do rém, desde sempre o Federal mundo todo são po- Reserve (FED) teve um esderosas instituições. pectro mais amplo, ganhanEstão ali, colados à primeira do duplo mandato: cuidar da camada do poder, quase ao moeda e ficar de olho no emlado do chefe do Estado e/ou prego e no nível da atividade do chefe de governo. Alguns econômica e no equilíbrio têm independência total, possível entre eles. expressa pela fixação de O desarranjo financeiro mandatos de seus dirigen- privado – que contaminou o tes, caso da maioria dos paí- setor público de grande parte ses ricos. Outros preservam da Europa – levou os políticos uma "autonomia a outorgarem um operacional", em terceiro papel ao que, por razões FED: zelar pelo políticas, o presisistema financeiA escolha do ro como um todo, dente da Repúblimais alto ca – detentor da incluindo reguladelegação popuexecutivo do ção e supervisão. lar, desde que O mesmo está Banco da eleito – não toca acontecendo na Inglaterra no time do BC. Europa, não só ocorre como c o m o s b a n c o s Seu poder e resse a vaga ponsabilidade c e n t r a i s n a c i osão crescentes fosse trivial nais como com o desde que, em próprio Banco 2007/2008, ecloCentral Europeu diu a encrenca imobiliária (BCE). Até mesmo no Brasil nos Estados Unidos - e que vemos movimento semepouco depois espalhou-se lhante, não sem o sobrecepelo mundo. Grande parte nho franzido de rigorosos dos BCs nasceu, consideran- economistas, principalmendo sua face ortodoxa, unica- te do setor financeiro: um BC mente para zelar pela moe- ortodoxo no governo Lula e da. Vale dizer, dos juros e da um BC mais próximo da Fainflação, não importando as zenda e da presidente Dilma. consequências para o resto Resultado concreto: para salda economia. Nos EUA, po- var a economia do desastre,

o presidente do FED, Ben Bernanke, decidiu rodar a maquininha e inundou os mercados com uma profusão de dinheiro, bancando a compra do que chamam de "títulos tóxicos". É o que se traduz nas diversas rodadas de afrouxamento monetário ("quantitative easing") – já estamos na terceira (QE-3). O novo presidente do BCE, o italiano Mario Draghi, ensaia seguir-lhe os passos. Por tudo isso, é razoável imaginar que a escolha do presidente de um Banco Central só ocorre ao cabo de um complicado processo, que envolve negociações políticas, lealdades históricas, jogos de gabinete, disputas entre correntes econômicas, qualificações pessoais do candidato – em

certos países entram até suscetibilidades dos organismos de segurança nacional. Não no Reino Unido, porém. Os britânicos são diferentes, curiosamente diferentes, quase fazendo jus ao esnobismo que se lhes imputa. Eles aderiram só recentemente à "independência do BC", em maio de 1997, quando fixou-se o mandato de cinco anos para o presidente executivo – o Governor – e de três anos para diretores. O mandato do atual presidente do Banco da Inglaterra, Sir Mervyn King, termina em junho de 2013; ele assumiu em 2003 e atuou por dois períodos. O que, então, estão fazendo os britânicos? Pode ser que na ponta final do processo, a escolha acabe sendo

matizada por um monte de injunções político-pessoais. Mas o ponto de partida parece prosaico. A rainha e o Ministério das Finanças simplesmente decidiram agir como "head hunters". Divulgaram na mídia, por meio de um tijolinho típico da publicidade das agências de recursos humanos, a convocação de candidatos para o posto de "governor" do Banco da Inglaterra. Quem lê apressado, pode achar que se trata de uma oferta de emprego comum, um posto no almoxarifado, no departamento de saúde pública ou numa empresa de obras públicas. O prazo de inscrição vai até o dia 8 e os candidatos precisam mostrar qualificações, claro: como informa o

tijolinho, experiência de trabalho em bancos centrais ou semelhantes; ter sido chefão numa instituição financeira privada; demonstrar liderança e habilidades político-administrativas. Precisam também estar antenados com as novas atribuições dos bancos centrais - dos juros à saúde do sistema financeiro. O presidente trabalhará intimamente ligado ao ministro das Finanças e ao Tesouro de Sua Majestade. O tijolinho só não revela os salários e os benefícios, como ocorreria nas convocações para empregos "normais". Apesar das turbulências de que nem o Reino Unido escapa, vai ver que assim é que dá certo.

Na UE, a regulação avança.

N

a União Europeia (UE) os bancos tentam se fortalecer de um lado pela união e, de outro, pela separação dos segmentos em que atuam. A França, Alemanha e Polônia anunciaram que vão agir para criar uma união bancária europeia efetiva. Os líderes da zona do euro concordaram com a criação de uma união bancária em resposta à crise da dívida que está afetando muitos bancos e governos do bloco. No entanto, há desentendimentos entre os Estados da UE sobre o que esta união deve envolver e o quão rapidamente ela deve ser implementada.

"Polônia, França e Alemanha estão determinadas a trabalhar rapidamente para estabelecer um mecanismo único e efetivo de supervisão envolvendo o BCE (Banco Central Europeu) dentro da estrutura acertada na cúpula de junho", afirmaram os ministros dos três países em comunicado conjunto. O comunicado informou que a reunião dos líderes da UE em outubro deve identificar o trabalho que precisa ser feito para abrir caminho para a união bancária, incluindo ações para promover trabalhos e crescimento. O roteiro para

implementar essas ações deve ser acertado em dezembro. Separação –Na outra ponta, um grupo consultivo da UE recomendou que os bancos separem suas atividades de varejo (voltadas para a pessoa física) de operações de investimento de alto risco (como a negociação de valores mobiliários e operações com derivativos). A recomendação deve afetar bancos europeus como Barclays, Deutsche Bank e BNP Paribas. O objetivo da medida é proteger a poupança de correntistas e também os países de eventos como os

que desencadearam a crise financeira internacional em 2008. Os conselheiros da UE disseram que os financiamentos imobiliários deveriam ser apoiados em maiores reservas de capital. O presidente do Banco da Finlândia, Erkki Liikanen, lidera o grupo criado pela Comissão Europeia para examinar os bancos. O objetivo dele é ganhar apoio para o plano de união bancária, que tornaria o BCE o principal supervisor dos bancos da zona do euro, medida que preocupa países de fora do bloco. (AE)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

e

17 A suspensão das vendas mexe com algo sensível, que é o bolso das empresas. Ministro da Saúde, Alexandre Padilha

Thiago Bernardes/LUZ

conomia

Época de boas oportunidades: fábricas de enfeites natalinos costumam ser grandes empregadoras de mão de obra temporária.

Vagas para temporários são 150 mil Número supera em 5,5% a oferta de empregos observada no final de 2011; comércio deverá absorver até 75% desse pessoal, em todo o País. Paula Cunha

sobre Produtos Industrializados (IPI) para a linha branca. O comércio deverá ser ress e s t i m a t i v a s d e ponsável por cerca de 70% a contratação de tra- 75% das contratações de tembalhadores tempo- porários. A indústria, abalada rários são positivas por um desempenho negativo para este final de ano. Termô- no primeiro semestre, deve metro que pode dimensionar responder pelo restante. as expectativas de desempeA expectativa da Asserttem nho do varejo no Dia das Crian- de efetivação dos temporáças e, principalmente, no Na- rios de todos os segmentos é tal, a principal de 15%, percendata para o segtual 4% superior mento, essa moao do ano passadalidade de trado. Outro aspecSerão balho terá a oferto positivo deste contratados ta de 155 mil vatipo de contrata60 mil gas em todo o ção é que ele temporários só País, volume abre espaço pana capital. 5,5% superior ao ra os jovens que de 2011. estão entrando RICARDO PATAH, Os números no mercado de PRESIDENTE DO SINDICATO são da Associatrabalho. Neste DOS COMERCIÁRIOS ção Brasileira ano, estima-se das Empresas que 20% do total de Serviços Terceirizáveis e de contratados serão desta de Trabalho Temporário (As- parcela da população. serttem). Sua presidente, JisFunções – No comércio, as lomália Oliveira Alves, diz que jas de rua, shoppings e superessa alta decorre do aumento mercados abrirão vagas temdo consumo por causa da re- porárias para analistas de crédução dos juros e da manu- dito, atendimento, crediário, tenção da queda do Imposto embaladores, estoquistas,

A

etiquetadores e vendedores. A remuneração média será de R$ 872 (um aumento de 3,5% frente a 2011), com direito a vale-transporte e vale-refeição, além de comissões. Neste segmento, 53% dos contratados serão homens e 47% mulheres, de 18 a 39 anos. Na indústria, as fabricantes de alimentos, bebidas, brinquedos, eletrônicos, vestuário e papel são as maiores contratantes de temporários. As funções mais requisitadas são as de auxiliar administrativo e de departamento financeiro, auxiliar de laboratório, auxiliar de serviços ge-

rais e motorista. Os salários são de R$ 1,15 mil, uma alta de 5% frente a 2011. Benefícios como vale-transporte e vale-alimentação fazem parte dos contratos. Os homens preenchem 68% das vagas temporárias e as mulheres, 32%. O nível de escolaridade requerido é o ensino médio técnico completo. Quanto às vagas temporárias por segmento, os shoppings serão os com maior aumento nas contratações (9%), com perspectiva de efetivação de 15% do contingente, e destinação de 20% das vagas para jovens que procu-

A

Associação Brasileira de Lojistas de Shoppings (Alshop) prevê crescimento de 14% nas vendas de brinquedos no Dia da Criança, ante igual data de 2011. Esse é o dia mais importante para as

vendas do setor, representando 35% do faturamento anual das lojas e dos fabricantes. O Natal responde por 30% dos negócios, o que leva o último trimestre a responder por uma fatia de 65% das

A

Elza Fiuza/ABr

Ministro Alexandre Padilha (à esquerda) e o presidente da ANS, Maurício Ceschin: beneficiários dos planos continuarão a receber assistência.

bem sensível, que é o bolso das empresas, e também com a imagem que elas têm no mercado". Dos 268 planos punidos no trimestre anterior, 223 não conseguiram melhorar seus indicadores e permanecem com as vendas suspensas por mais três meses. Além disso, o relatório incluiu 80 novos planos de nove operadoras. Portanto, 303 planos deveriam

ano, com elevação de 8% frente ao contingente de 2011. Menos otimista que a Asserttem, a expectativa de efetivação deve alcançar 20% deste total. Se este número se concretizar, ficará 5% abaixo dos efetivados em 2011. Por sua vez, Ricardo Patah, presidente do Sindicato dos Comerciários de São Paulo, estima que "serão contratados 60 mil temporários apenas na capital paulista, principalmente por supermercados, por conta da venda dos itens específicos de Natal". O número é semelhante ao registrado no ano passado.

Alshop prevê um forte Dia da Criança

ANS pressiona planos de saúde Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) anunciou ontem a suspensão, a partir de sextafeira, da venda, por três meses, de 301 planos de saúde administrados por 38 operadoras. A medida foi tomada por descumprimento de prazos estabelecidos para atendimento médico, realização de exames e internações. Desses planos, 223 já estavam com as vendas suspensas desde julho. As operadoras devem se adequar à Resolução Normativa 259 da ANS, que determina prazos máximos para atendimentos. O anúncio foi feito pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha, e pelo presidente da ANS, Maurício Ceschin. Na lista dos planos suspensos , 80 receberão sua primeira suspensão. "Quem já é beneficiário destes planos não pode ter o atendimento prejudicado", disse Padilha. "O que acontece a partir da suspensão é a proibição de as empresas venderem planos para novos segurados. A suspensão das vendas mexe com algo

ram o primeiro emprego. Em seguida, vem o varejo de rua, com elevação de 6% no número de vagas temporárias, estimativa de contratação definitiva de 15% e admissão de 25% de aproveitamento de pessoas que nunca trabalharam. As lojas de departamento devem aumentar em 5% o total de temporários, com perspectiva de efetivação de 15% e aproveitamento de 15% do seu total com candidatos sem experiência. A Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop) prevê a contratação de 151,2 mil temporários no final deste

ser punidos nesta rodada. Mas dois deles conseguiram liminar na Justiça para não terem as vendas suspensas. O presidente da ANS, Mauricio Ceschin, disse que os planos punidos atendem a 7,6% do total de beneficiários do País. A ANS atendeu a 10.144 queixas entre 19 de junho e 18 setembro, contra 4,6 mil no trimestre anterior. "Isso prova que a repercussão da medida

está levando a consumidores mais conscientes", disse. Uma resolução normativa publicada em dezembro de 2011 estabeleceu prazos máximos para a marcação de exames, consultas e cirurgias. O prazo para uma consulta com um clínico-geral, por exemplo, não pode passar de sete dias. A lista das operadoras suspensas está no site www.ans.gov.br. (Agências)

vendas para as fábricas e o varejo de brinquedos. De acordo com a Alshop, mesmo com o aumento da sobretaxa de importação, de 20% para 35%, em prática desde dezembro de 2010, os brinquedos importados ainda são os

mais vendidos. A contratação de funcionários temporários nas principais redes de brinquedos deve elevar em 20% o quadro de pessoal das lojas do setor, movimento que se estenderá até o Natal. (AE)


DIà RIO DO COMÉRCIO

18 -.ECONOMIA/LEGAIS

e

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

A Apple conseguiu manter a ligação emocional com os consumidores após a morte do fundador da empresa, Steve Jobs.

conomia

Coca-Cola ĂŠ a marca mais valiosa Pesquisa da consultoria Interbrand mostra a Apple em segundo lugar no ranking mundial. Nenhuma empresa brasileira entrou para a lista das 100 melhores marcas.

O

setor de tecnologia ocupa cinco das dez primeiras posiçþes de um ranking elaborado pela consultoria Interbrand sobre as marcas mais valiosas do mundo. A Apple teve valorização de 129% em relação ao ano passado, atingiu US$ 76,568 bilhþes e pulou para o segundo lugar, atrås da Coca-Cola, cuja valorização foi de 8%, com a marca alcançando US$ 77,839 bilhþes. Nenhuma empresa brasileira entrou para a lista das 100 melhores marcas internacionais, informou a consultoria. No setor de tecnologia, alÊm da Apple, aparecem entre os dez primeiros colocados Google (4.º lugar, com exatos US$ 69,726 bilhþes), Microsoft (5.º, com US$ 57,853 bilhþes), a Intel (8.º, com US$ 39,385 bilhþes) e a Samsung (9.º lugar, com um total de US$ 32,893 bilhþes).

A IBM ocupa a terceira colocação, com crescimento de 8% e valor estimado em US$ 75,532 bilhþes, mas no ranking figura no setor chamado Serviços de Negócios. Completam a lista das dez principais a GE, em 6.º lugar, com US$ 43,682 bilhþes e valorização de 2%; McDonald's (7.º), com US$ 40,062 bilhþes e valorização de 13%; e Toyota (10.º), com US$ 30,280 bilhþes e valorização de 9%.

As marcas de tecnologia mantĂŞm um ritmo forte de crescimento nos Ăşltimos anos, segundo a consultoria. Quatro dos maiores aumentos de valor, do ranking de 2011 para o divulgado ontem, sĂŁo de marcas ligadas ao setor de tecnologia: Apple (129%), Amazon (46%), Samsung (40%) e Oracle (28%).

Para a Interbrand, a Apple conseguiu manter a ligação emocional dos consumidores com a marca após a morte do fundador da empresa, Steve Jobs. "Mesmo enfrentando uma competição crescente de rivais como Google e Samsung, a companhia continua demonstrando seu compromisso de proteger a marca Apple e sua propriedade intelectual", afirma o documento da consultoria. No setor automotivo, a empresa mais bem colocada Ê a japonesa Toyota, seguida, nos 11.º e 12.º lugares, pelas alemãs Mercedes-Benz (com total de US$ 30,097 bilhþes) e BMW (US$ 29,052 bilhþes). Para a

consultoria, "as marcas automotivas tornaram-se mais sintonizadas com a ligação emocional que os consumidores têm com seus carros" e por isso mostraram bom desempenho no ranking deste ano. O mesmo não ocorreu com as marcas de serviços financeiros, que continuam a sentir o impacto da retração econômica global. "Eventos recentes, tais como o escândalo da Libor, mancharam a reputação das marcas líderes", justifica a Interbrand. A American Express Ê a marca do setor mais bem colocada, no 24.º lugar, com valor de US$ 15,702 bilhþes. (AE)

   ?   / @?  '   %  R'? / ?  S C! L  $"L #% & '  (  0  0 0 &/ 00 1'  &  3 4  (-  F* /  7    5/     ) ' /    ) ' /  6   </  7 )*  8 >' .   "   6   ' ' / <  .   " 7  .  " ' ' / :' ' /   /  + /  '   / *    ' T A'-/ ?G  " ' ' / >' %&( %,% .%2( U #(2U & %<0 &% A' '   R'? /   ?  *A G    (' %  %*/ / ? C/ *  / 1 /  L!C/ ) ' !)/  *'  S $ C!/ -  ?     ?56 ? -     / @?! ?   ?    '?    ? >'/ ?   >'  /  6' ?G ' ?    /   6  ); ?  / ?  @ / 6@  ?'*  6    K

         CLL LCC!C # & ( - 7 & )/ 1'  &   4 5  ? 7 )*  0  =* (M LL$$ !))!)  7 $C !LC  >'   ? ?;/ >'  '     @'  + ; / >' ?  %<%, N%(& &% <#0.%/   '   6   ' @!?  %    .' / 6  ?  ; ? +   *O % ?  E  ;   -    M* PP/ '  %     /    M''A;/   ;    C$L// '  CL  G  (-  G  M''A;/  *'   ! !!Q . ?  E      M* P&P/ '  %     /    M''A;/   ;    // '  $  G  (-  G  M''A;/  *'   ! ! !         ? ?;/ 6  6    ?  /  'D    ? -';   : 6  ); / 6@  ?'*  6    K

Citação - Prazo 20 dias - Proc. 405.01.2011.007597-0 - nº de ordem 327/11. A Dra. Angela Moreno Pacheco de Rezende Lopes, Juíza de Direito da 2ª Vara Cível da Comarca de Osasco. Faz Saber a Camila Fernanda Domingues Sandi, CPF 302.764.988-44, que FIEO - Fundação Instituto de Ensino para Osasco mantedora do UNIFIEO - Centro Universitårio FIEO, ajuizou uma Ação Monitória, objetivando o recebimento de R$ 24.144,18 (31.01.2011), ref. ao Contrato de Prestação de Serviços Educacionais, bem como título de crÊdito - cheques, dados em garantia do qual encontram-se pendentes, acrescidos de juros e correção monetåria. Estando a requerida em lugar ignorado, foi deferida a citação por edital, para que em 15 dias, a fluir após os 20 dias supra, pague o valor supra devidamente corrigido que a tornarå isenta das custas e honorårios advocatícios ou no mesmo prazo, ofereça embargos, sob pena de conversão do mandado inicial em mandado executivo judicial (art.1102-c do CPC). Serå o edital, afixado e publicado na forma da lei.

                !"! #  $" #% & '  (  ) '*+ , -' .  / 00 1'  & 2'  3 4 5     # /   /  6    7 )*  8 9  :  )   6 ; <  & '- = ( -' >' + 6  ? ?  '   @'  25' @A' (>' ?  .%,# &# .(%) < )%/ >' -        (B  / '     ?    5'      *  ""C     @'        * / 6  2%&#) ? ?  C D / ?-  / >' ;  ' :    6 ?-  /    + ;   5   ? '*>' *   E  ?      *   '  :*   / @' / 6' ?-  ?    /  + ;   5   '  ?   !%/ ?;-6 F  /  G-     , ? ? *- /  +  :   '*>'   ?   ?G  CE   ?         @' /  ' '  + ;    - / / @' / ? ;' >' '   1'5 ? ?-    :*  :   ?  /  - ? * ?;  2*'   1'     A'   E ' ?     D % $!%  G-     # ?-   >'>'  ? H ?;/  ?  /     '*>'   ? -'   ?  /     5     @' / ?   @' '  E  ?      *    ? H ?-   I ?   *-   $/ J   G-     , 6' ?-  /  ?    A   / ; 6'    *  >' 6          @'  ); ?   6@     '  ?'* ? ?   6    K

& 2%< & (%V%      @' )#.(%<%, )# &%& .(%) < (% & <%,1%0,2# <2&% % & '  00 1'5  & .  4    /  3 4 5     4 + !)/  6   / 7%U )%.(/   >' ?    '   +      ? / >'/ ?   1'5 / ? !  '    A' ?  (R.,) ) 0^)  #R2(#)   )#.(%<%, )# &%& .(%) < (% & <%,1%0,2# <2&%/   S L !"C! L"L  >' 6  -      *  *@ /       - @?   -'O & ?  ] % 3 ?  ;  5    ''*  / I OC + , +    -' ' '?  I ? `     C D  '*>a    5  3 ? Q  3 ?  -'!!;   '? /    !    ''*  / I OC +    ;  C  ''*  / I OC + &  '     ] % ?  ;  ?  0 # <2(f, #/ :    ZZZ A' *"'  ;  ' ? M  1' <R2 !   %   M 1'/   ,1"07  * S  CLL$"!  ? <  #6 ) %    / '  1'       ) ' ] 1R)/  * $L & 4  05   4   . ] , 3 ? /   5  ?     * ?-  ;     A' >' :  (B L/$$ >'      >'    /              / '  ? 2* ;  21) :  " , 3 ? /   5  ?     ? ;  E   ?          A' &    ] #     6  ?   / :    ZZZ A' *"' &  :*  ]  ' T '  * G   ?      /   @  ?  C/ ?;-6 F  /  G- 2*'; ,  &   ] % ?  ?'*  /  A *      ?   '?   ? / 6 @' *-  ?-       I M  1' <R2/  E   ?            2   -    H ?;  ? 5   ZZZ A' *"' %   *;  ?   - ?;/    )0 S "L  21)  ?'  - CC/  G-   % ?'*   '?  '  '  6 H ?     ?  ?  (<%VY# &#) .,) !

GO d<  S $ ];! /\ !         S      'Q 5/ -' I /   '   ` O ,LSL/  / CCQ LS  /CQ CSg  /C  6   Sg  Q$ : '  /  6     >'   5 -' I /   ' ,$Sg/  `   // : '        S  /  6     >'   Q 5 -' I    ' )  Sg  `   $/ / :   / 6+   ;  6       S   &:*  % O (B $C/C '      / '       D           '  :  " 4      O (B L/$$ >'      >'    /              / '  ? 2* ;  21) :  " , e K

& 2%<  3  3 (%V%       ? ;   ?   .0 0W4<    >' /  ?    >' 0%( % , RU% %<4) &% ) <4% (M  L$/     / @?  '     %  1'  .    S $!CL / >' ?  4%, &(# & #< 4 (%  ,2# (M CC$L! # & ) X 2'  . / 1'  &  C3 4 5  7  (-   <? " )/  6   /  7%U )%.( >'/   6' -  L!%    -'  ?   )0 "L  21")/ :  URN(0%, < <Y) ZZZ'9  * ?   H ! / ;  ?F* ?-       3      5  L  ''*    O + /      C  ''*    O + /  -  !  >'     -' ' '?     / 6   A; -  ?  3      5  C  ''*    O + /      C  *    O + /  +A    3/   >' * ;  -'  >'  /       6   LE      % L     C    )0  "L G *@  /  6    H        ?  

0[4<O #   >'  ? ;   ?  D  G    >'  -'  O R   6   -' >' ? '   ? -6 ? / -'  2R/    ' ;    $ /\/   ' 6   6'    /  / ? 6'   *      /   % ;  '5   :  L/\/ ? :  ; 6       :  /\ # G   !    6'  ) ' /    *'  S   !C ] .,7 2#( %)O  *     O ' D   *  ?  ?  :  ?  '? /    ;  '5  /\/    &H   /  D    :   -- ?   5' / / * + /   +    # ?  '?  ? '    G /  / /   * +  % A   *'  ?  '?  6  ?   * ?  +  6*    * ''   #.)O     ' / I 6 /  >'   @'        * G :   '  ?'      %4%< %VY#O (B L/  "/ >' ; '    6   #,& V^) & 4,&%O ? 5  ZZZ'9  *  < <# (#O #  ;  ?    / 7* U'9 / 1R) S $L/ &  / 1R) S $  1+  .*  )/ 1R) S $L/  ? +  ? -     0' U'9 / 1R) S C  %M%0,2#  ( .# & %((0%2%VY# ! # ?  *  / ;  ?  :  -'  ?G A'  .   . )%  *  ' -D  ' :   ZZZ** * ?   +      / *   ;  ?      <  :  ?-    +   * ;/ &# ' 2& ] 2 6D  T  &? 5/ ?  :  '  F              <  #6O 0' U'9 ] 7 C$C !C/ .  F/ %-D  C$/ " $ !   :  +  ?G     < /    *; '     ' H ? ?G ]     ? *       6' ?G  &   ?  >'    +  ?G /   6  ;   +  00 1'5  ?  ?  ?   - *5 %     -  ;  E  *     /   '       %  ; 6   ?-    ? ?    6    H  ?-     %  / ;    ?-  ?   /   '  CE       L   (0 VY# &% _RVY#O )   @' / ?G  ?'*    ?5-6/ ?-  5    A'  '     * /  6   - /  G-    / ; ?  :    +  -  ?  /  -'  ? *G  6 ?-   ? +  ? 6   @? >'  I   @' /    ?  6  '  ?     -  ,  / ;   @'  ?-  ? `  '  5/  A' / '/ + ;   5        <  #6  E >' ?      *   ?- 5 @>a  %#(&#O )  6      ?/ ;  @'      ?  '- ' ?    ?    E >' ?      *      &b4 &%)  )<%( 0,2#)O ?   ?  #6      I  / ' G      6/    %  % -:/ S LL/ S  / 8- G? / ? ] )/ '  / ? 6   !L  O   c'9  * 7  >'/ ,2 0%&%  -  H '?/  A   ?  '   ?  ,     '  + ' ' ' ?    A'-   P ' T '  * G/  ; ?      P/ @  ' :*   2R" 2(   @  ?   >'  '*! -           C/ d?'e  ?;-6 F  /  2,/   ?   @ ?   %   ; 6' ; d  ?'e       >'     ); ?  / ?  @ / 6@  ?'*  6    K

Â&#x153; 8#4# %Ă&#x2039;8'. &# %1/#4%# &# %#2+6#.52 '&+6#.&' Â&#x153; ' Â&#x153; 24#c#&' $'/ +/Ă?8'. ' 2#4#+06+/#c­1 &15 ':'%76#&15 ,+0 *1 -910 %2(/(  ' /;70) 511- ,+-#. -910 40' 0Â? 9&'&2/#(&2( ' %2(/(  ':2'&+&1 015 #7615 &# #c­1 ':'%7c­1 &' 6Ă&#x2039;67.1 ':64#,7&+%+#. 4'37'4+&#214 21.1 /1&#'/24''0&+/'0615 +/1$+.+Ă&#x2C6;4+15 .6&# 241%'551 0Â?  0Â? &' 14&'/   % & (CDKCPC 6UWEJK[C 00/ 1'5  &  C3 4 5     ?")/   ) ' /  6   <  (#< 5#$'4 >'/   6' -  L!%    -'  ?   )0 "L  21")/   6/ ) 0 4 / 1R)  / :  ?   H T    +?O""ZZZ A' *"+?'*?/;  ?F* ?-      / EQO KPKEKQ PQ FKC  FG QWVWDTQ FG  iU  JQTCU/ , +    -' ' '?        C ?  / -'!! ;  '?  3  / >'   ; GO  FG QWVWDTQ iU  JQTCU/ >'  ;        >'    6   ?   HQ  *:  6  ? /       6   E      ' $'/ %?  S L/   LS  S  /  65 0*  ? &'?@/ ' I (' 1?/ S  / C$S '* !% / ? ' ; F L$/C\/  ;  ' L/L$\/   ;   '5  $/L$\/  ?   !+  6  /E   ? ' / *  !+        ' G  ?  --  '  '    5  /         *'  S CC! 0'  * S L$  S (   ?") #8#.+#c­1 4  OCTnQ    ' I :?     A' Ă?075     ($ ?  '   $""$/  :'  G  ?  ? +?  I 6   >'       + :*  2R    (B $LL/ : "$"  :*    5    (B CCC/ ; ? "$" %1/+55­1 &1 .'+.1'+41 ! #   6; A' '    E/     /   '       &h4 &%)  )<%( 0,2#)O ?   ?  CS #65 5/ G    6/ ) 0 4 / % 1*>'/ $$$ ] S  / ?] )/ '  / ? 6   C!CC/ 7   ? ?  ,+0 *1 -910 %2(/(  ' /;70) 511- ,+-#. -910/     -  H '?/  A   ?    H ?  ,     '  + ' ' ' ?    A'-   d ' T '  * G/   ?      e ); ?  / ?  @ / 6@  ?'*  6    ) ' ")/   %-    & (CDKCPC 6UWEJK[C ,Ws\C FG FKTGKVQ


DIĂ RIO DO COMĂ&#x2030;RCIO

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

e

ECONOMIA/LEGAIS - 19

As reclamaçþes dos usuårios estavam chegando a um nível em que as agências não podiam ficar tratando apenas de medidas preventivas e de advertência. JosÊ Luiz Lins dos Santos, da Abar

conomia

O risco das agĂŞncias reguladoras

Brasil em penĂşltimo, no ranking do crescimento.

O poder crescente das agĂŞncias do governo preocupa as empresas no PaĂ­s por conta do perigo intervencionista

O

crescimento econômico do Brasil ficarå em penúltimo lugar entre os países da AmÊrica Latina e Caribe, com expansão de 1,6%, perdendo apenas para a contração do Paraguai, na casa dos 2%. A previsão foi divulgada ontem pela Comissão Econômica para AmÊrica Latina e Caribe das Naçþes Unidas (Cepal). Segundo a comissão, que divulgou seu "Estudo Econômico da AmÊrica Latina e do Caribe 2012", Brasil e Argentina tiveram os maiores cortes nas estimativas de crescimento, em relação aos números projetados em junho pela Cepal. No caso brasileiro, a previsão caiu de 2,7% para 1,6%, em linha com o esperado pelo Banco Central em seu Relatório Trimestral de Inflação publicado na semana passada. Jå a Argentina teve uma redução de 3,5% para 2%. Não por acaso, a piora na percepção da Cepal atinge os dois países que tiveram maior atuação protecionista nos últimos dois anos. No entanto, ainda Ê cedo para fazer uma relação direta entre medidas protecionistas e menor crescimento econômico na região, segundo o diretor da comissão no Brasil, Carlos Mussi. "Tem sido sempre um desafio histórico, como facilitar esse processo. Nossa integração Ê direcionada aos bens finais, diferentemente do modelo asiåtico e europeu, onde hå integração das cadeias produtivas. O desafio Ê como avançar nestas políticas." (AE)

FĂĄbio Rodrigues Pozzebom/ABr

Leonardo Goy *

A

lgumas das principais agências reguladoras federais der a m r e c e n t e s d emonstraçþes de que no mandato de Dilma Rousseff ganharam força para punir e intervir nos setores em que atuam, em alguns casos assustando investidores pelo peso das medidas tomadas. Se no governo do ex-presidente Luiz Inåcio Lula da Silva havia críticas de esvaziamento de diversas autarquias do governo, agora a discussão Ê sobre a eficåcia e os benefícios de açþes que alguns consideram exageradas sobre o setor privado. A coleção de casos vai da redução dos tetos de tarifas nas ferrovias, deliberado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), à maior intervenção direta em um setor regulado, decretada pela Agência Nacional de Energia ElÊtrica (Aneel) em oito empresas do Grupo Rede Energia. Uma leitura possível Ê que, passada a fase de consolidação dos marcos regulatórios e da própria estrutura dos órgãos reguladores, que pautou os últimos 10 anos, as agências têm mais capacidade de atuar na defesa de consumidores. "As agências admitem que as concessionårias jå estão

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAĂ&#x2021;Ă&#x192;O

suficientemente esclarecidas a respeito de suas obrigaçþes e estĂŁo passando para um nĂ­vel de exigĂŞncia com mais rigor", disse o presidente da Associação Brasileira de AgĂŞncias de Regulação (Abar), JosĂŠ Luiz Lins dos Santos. "As reclamaçþes dos usuĂĄrios estavam chegando a um nĂ­vel em que as agĂŞncias nĂŁo podiam ficar tratando apenas de medidas preventivas e de advertĂŞncia", acrescentou. Nessa linha, a AgĂŞncia Nacional de Telecomunicaçþes castigou as operadoras TIM, Oi e Claro, que foram proibidas em julho de fazer novas vendas de serviços mĂłveis em vĂĄrios Estados por 11 dias, atĂŠ que apresentassem um plano convincente de melhoria na qualidade dos serviços. Na semana passada, a mesma Anatel estabeleceu prazo de 30 dias para as operadoras de TV paga apresentarem plano pala melhora da qualidade dos serviços. Se por um lado as medidas mostram que as agĂŞncias estĂŁo alertas para manter a qualidade dos setores regulados, por outro tĂŞm gerado insegurança a investidores. "O capital quer retorno. O governo tem medo, por um lado, de afugentar investimento e, pelo outro, de permitir retornos exagerados do setor privado em vĂĄrios setores importantes. Ă&#x2030; preciso ter um equilĂ­brio no retorno para que ele retribuia os investimentos do

O presidente da Anatel, JoĂŁo Rezende: artilharia pesada contra as companhias de telefonia. setor privado", disse recentemente o presidente do Credit Suisse no Brasil, JosĂŠ Olympio Pereira. Quando o governo anunciou algumas semanas atrĂĄs os termos da renovação antecipada e onerosa das concessĂľes do setor elĂŠtrico que venceriam de 2015 a 2017, como parte do plano para reduzir a conta de luz aos consumidores, as empresas elĂŠtricas perderam R$ 14,5 bilhĂľes em valor de mercado em apenas um dia na Bovespa. "Ă&#x20AC;s vezes me preocupo porque esse governo tem um viĂŠs muito intervencionista. O pa-

cote de energia foi truculento", disse o diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), Adriano Pires. "Nesse caso, a Aneel deveria ter colocado em audiĂŞncia pĂşblica o que o governo queria fazer, e nĂŁo de uma hora para outra vir com um pacote." R is c o â&#x20AC;&#x201C; Para o economista Fernando Camargo, da LCA Consultoria, a Aneel ĂŠ a que jĂĄ mantĂŠm hĂĄ mais tempo uma postura firme em relação aos concessionĂĄrios. Ele lembrou do trabalho da autarquia em 2006, quando retirou da contabilidade do sistema elĂŠtrico quase 3 mil

megawatts (MW) de termelÊtricas que não tinham gås natural para operar. Na visão dele, as demais agências estariam agora seguindo a linha da Aneel. Outro fato que permitiu o aumento do rigor das agências Ê a qualificação de seus tÊcnicos. O presidente da Abar lembrou que nos últimos anos foram feitos concursos para contratação de pessoal nas principais agências. Nos primeiros anos de funcionamento, esses órgãos dependiam muito de pessoal cedido pelos ministÊrios e atÊ de consultorias externas. *Reuters

GOVERNO DO ESTADO DE SĂ&#x192;O PAULO

FDE AVISA: TOMADA DE PREĂ&#x2021;OS

A FUNDAĂ&#x2021;Ă&#x192;O PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAĂ&#x2021;Ă&#x192;O - FDE comunica Ă s empresas interessadas que se acha aberta licitação para execução de Obras: TOMADA DE PREĂ&#x2021;OS NÂş - OBJETO - PRĂ&#x2030;DIO - LOCALIZAĂ&#x2021;Ă&#x192;O - PRAZO - Ă REA (se houver) - PATRIMONIO LĂ?QUIDO MĂ?NIMO P/ PARTICIPAR - GARANTIA DE PARTICIPAĂ&#x2021;Ă&#x192;O - ABERTURA DA LICITAĂ&#x2021;Ă&#x192;O (HORA E DIA) 69/01847/12/02 - Construção de Cobertura de Quadra em Estrutura Mista - EE Profa Zelia de Lourdes Zacarelli Lopes - Rua Manoel Neo de Carvalho, 1556 - Cep: 15718-000 - Centro - Pontalinda/SP - 150 - R$ 46.000,00 - R$ 4.600,00 - 09:30 - 19/ 10/2012. As empresas interessadas poderĂŁo obter informaçþes e verificar o Edital e o respectivo Caderno de Encargos e Composição do BDI na SEDE DA FDE, na SupervisĂŁo de Licitaçþes, na Av. SĂŁo LuĂ­s, 99 - RepĂşblica - CEP: 01046-001 - SĂŁo Paulo/SP ou atravĂŠs da Internet pelo endereço eletrĂ´nico www.fde.sp.gov.br. Os interessados poderĂŁo adquirir o Edital completo atravĂŠs de CD-ROM a partir de 03/10/2012, na SEDE DA FDE, de segunda a sexta-feira, no horĂĄrio das 08:30 Ă s 17:00 horas, mediante pagamento nĂŁo reembolsĂĄvel de R$ 40,00 (quarenta reais). Todas as propostas deverĂŁo estar acompanhadas de garantia de participação, a ser apresentada Ă  SupervisĂŁo de Licitaçþes da FDE, conforme valor indicado acima. Os invĂłlucros contendo a PROPOSTA COMERCIAL e os DOCUMENTOS DE HABILITAĂ&#x2021;Ă&#x192;O deverĂŁo ser entregues, juntamente com a Solicitação de Participação, a Declaração de Pleno Atendimento aos Requisitos de Habilitação e a garantia de participação, no Setor de Protocolo da SupervisĂŁo de Licitaçþes - SLI na SEDE DA FDE, atĂŠ 30 minutos antes da abertura da licitação. Esta Licitação serĂĄ processada em conformidade com a LEI FEDERAL nÂş 8.666/93 e suas alteraçþes, e com o disposto nas CONDIĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES GERAIS PARA A REALIZAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DE LICITAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES E CONTRATAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES DA FUNDAĂ&#x2021;Ă&#x192;O PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAĂ&#x2021;Ă&#x192;O - FDE. As propostas deverĂŁo obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital. Ă lvaro RogĂŠrio Veiga Garcia Respondendo pela PresidĂŞncia Portaria FDE nÂş 122/2012

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAĂ&#x2021;Ă&#x192;O

GOVERNO DO ESTADO DE SĂ&#x192;O PAULO

FDE AVISA: TOMADA DE PREĂ&#x2021;OS - TIPO TĂ&#x2030;CNICA E PREĂ&#x2021;O A FUNDAĂ&#x2021;Ă&#x192;O PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAĂ&#x2021;Ă&#x192;O - FDE comunica Ă s empresas interessadas que se acha aberta licitação para Execução de Projeto Executivo: TOMADA DE PREĂ&#x2021;OS N.Âş - OBJETO - PRĂ&#x2030;DIO - LOCALIZAĂ&#x2021;Ă&#x192;O - PRAZO - ABERTURA DA LICITAĂ&#x2021;Ă&#x192;O (HORA E DIA) 46/01079/12/02 - Elaboração de Projeto Executivo e Apresentação de Pasta TĂŠcnica Contemplando a Documentação Relativa ao Projeto TĂŠcnico de Segurança - EE Prof Arthur Chagas Junior - Rua Francesco Usper, 951 - Cep: 03928-235 - Jd Sapopemba - SĂŁo Paulo/SP - 90 (Elab. de Proj.) / 180 (Pasta TĂŠcnica) - 09:30 - 06/11/2012. As empresas interessadas poderĂŁo obter informaçþes e verificar o Edital na SEDE DA FDE, na SupervisĂŁo de Licitaçþes, na Av. SĂŁo LuĂ­s, 99 - RepĂşblica - CEP: 01046-001 - SĂŁo Paulo/SP ou atravĂŠs da Internet pelo endereço eletrĂ´nico www.fde.sp.gov.br. Os interessados poderĂŁo adquirir o Edital completo atravĂŠs de CD-ROM a partir de 03/10/2012, na SEDE DA FDE, de segunda a sexta-feira, no horĂĄrio das 08:30 Ă s 17:00 horas, mediante pagamento nĂŁo reembolsĂĄvel de R$ 40,00 (quarenta reais). Os invĂłlucros contendo a Proposta TĂŠcnica, a Proposta Comercial e os documentos de Habilitação deverĂŁo ser entregues, juntamente com a Solicitação de Participação, a Declaração de Pleno Atendimento aos Requisitos de Habilitação, no Setor de Protocolo da SupervisĂŁo de Licitaçþes - SLI na SEDE DA FDE, atĂŠ 30 minutos antes da abertura da licitação. Esta Licitação serĂĄ processada em conformidade com a LEI FEDERAL nÂş 8.666/93 e suas alteraçþes, e com o disposto nas CONDIĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES GERAIS PARA A REALIZAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DE LICITAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES E CONTRATAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES DA FUNDAĂ&#x2021;Ă&#x192;O PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAĂ&#x2021;Ă&#x192;O - FDE. As propostas deverĂŁo obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital. Ă lvaro RogĂŠrio Veiga Garcia Respondendo pela PresidĂŞncia Portaria FDE nÂş 122/2012

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAĂ&#x2021;Ă&#x192;O

GOVERNO DO ESTADO DE SĂ&#x192;O PAULO

FDE AVISA:

PregĂŁo g EletrĂ´nico de Registro g de Preços ç NÂş 36/00475/12/05 OBJETO: AQUISIĂ&#x2021;Ă&#x192;O DE CONSUMĂ?VEIS ATRAVĂ&#x2030;S DA REDE DE SUPRIMENTOS PARA AS ESCOLAS DA CAPITAL E GRANDE SĂ&#x192;O PAULO - LOTE 2 A FUNDAĂ&#x2021;Ă&#x192;O PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAĂ&#x2021;Ă&#x192;O - FDE comunica Ă s empresas interessadas que se acha aberta licitação para: AQUISIĂ&#x2021;Ă&#x192;O DE CONSUMĂ?VEIS ATRAVĂ&#x2030;S DA REDE DE SUPRIMENTOS PARA AS ESCOLAS DA CAPITAL E GRANDE SĂ&#x192;O PAULO - LOTE 2 As empresas interessadas poderĂŁo obter informaçþes e verificar o Edital a partir de 03/10/2012, no endereço eletrĂ´nico www.bec.sp.gov.br ou na sede da FDE, na SupervisĂŁo de Licitaçþes, na Av. SĂŁo LuĂ­s, 99 - RepĂşblica - CEP: 01046-001 - SĂŁo Paulo/SP, de segunda a sexta-feira, no horĂĄrio das 08:30 Ă s 17:00 horas, ou verificar o edital na Ă­ntegra, atravĂŠs da Internet no endereço: http://www.fde.sp.gov.br. A sessĂŁo pĂşblica de processamento do PregĂŁo EletrĂ´nico serĂĄ realizada no endereço eletrĂ´nico www.bec.sp.gov.br, no dia 17/ 10/2012, Ă s 09:30 horas, e serĂĄ conduzida pelo pregoeiro com o auxĂ­lio da equipe de apoio, designados nos autos do processo em epĂ­grafe e indicados no sistema pela autoridade competente. Todas as propostas deverĂŁo obedecer rigorosamente ao estabelecido no edital e seus anexos e serĂŁo encaminhadas, por meio eletrĂ´nico, apĂłs o registro dos interessados em participar do certame e o credenciamento de seus representantes previamente cadastrados. A data do inĂ­cio do prazo para envio da proposta eletrĂ´nica serĂĄ de 03/10/2012, atĂŠ o momento anterior ao inĂ­cio da sessĂŁo pĂşblica. Ă lvaro RogĂŠrio Veiga Garcia Respondendo pela PresidĂŞncia Portaria FDE nÂş 122/2012

VENTILADORES BERNAUER S/A CNPJ (MF) 61.413.852/0001-03 Convocação - Assembleia Geral Extraordinåria Ficam convocados os Senhores Acionistas desta Empresa a se reunirem em Assembleia Geral Extraordinåria a se realizar no dia 09 de outubro de 2012, às 10:00 horas, em primeira convocação, e às 10:30 horas em segunda convocação, à Rua Professor Aprígio Gonzaga nº 78, 1º andar - São Paulo - SP, para deliberarem sobre a seguinte Ordem do Dia: a) Leitura, discussão e votação do relatório da Diretoria e exame das Demonstraçþes Financeiras encerradas em 31/12/2011; b) Outros assuntos de interesse social. Encontram-se à disposição dos senhores acionistas os documentos a que se refere o artigo 133 da Lei 6404. São Paulo 01 de outubro de 2012. VENTILADORES BERNAUER S/A Rodolfo Kurt Bernauer Diretor Presidente

FALĂ&#x160;NCIA, RECUPERAĂ&#x2021;Ă&#x192;O EXTRAJUDICIAL E RECUPERAĂ&#x2021;Ă&#x192;O JUDICIAL Conforme informação da Distribuição CĂ­vel do Tribunal de Justiça de SĂŁo Paulo, foram ajuizados no dia 02 de outubro de 2012, na Comarca da Capital, os seguintes pedidos de falĂŞncia, recuperação extrajudicial e recuperação judicial: Requerente: Banco Sofisa S/A. Requerido: Brasilval IndĂşstria e ComĂŠrcio de VĂĄlvulas e ConexĂľes Ltda. Rua Terceiro Sargento JoĂŁo Lopes Filho, 413 â&#x20AC;&#x201C; Parque Novo Mundo - 2ÂŞ Vara de FalĂŞncia.

GOVERNO DO ESTADO DE SĂ&#x192;O PAULO Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com DeficiĂŞncia AVISO DE LICITAĂ&#x2021;Ă&#x192;O - DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAĂ&#x2021;Ă&#x192;O PREGĂ&#x192;O ELETRĂ&#x201D;NICO NÂş 012/2012 - PROCESSO NÂş 25577/2012 OBJETO: CONTRATAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DA PRESTAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DE SISTEMA DE PABX COM DDR, INCLUINDO SERVIĂ&#x2021;O DE INSTALAĂ&#x2021;Ă&#x192;O, GERENCIAMENTO E MANUTENĂ&#x2021;Ă&#x192;O. Acha-se aberto o PregĂŁo EletrĂ´nico nÂş 012/2012, OC nÂş 470101000012012OC00002, destinada a CONTRATAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DA PRESTAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DE SISTEMA DE PABX COM DDR, INCLUINDO SERVIĂ&#x2021;O DE INSTALAĂ&#x2021;Ă&#x192;O, GERENCIAMENTO E MANUTENĂ&#x2021;Ă&#x192;O, a ser realizado por intermĂŠdio do sistema eletrĂ´nico de contrataçþes denominado â&#x20AC;&#x153;Bolsa EletrĂ´nica de Compras do Governo do Estado de SĂŁo Pauloâ&#x20AC;?, cuja abertura estĂĄ marcada para o dia 22/10/12, Ă s 10h00. Os interessados em participar do certame deverĂŁo acessar a partir de 08/10/12, o endereço eletrĂ´nico www.bec.sp.gov.br, mediante a obtenção de senha de acesso ao sistema e credenciamento de seus representantes. O Edital na Ă­ntegra encontra-se disponĂ­vel no endereço eletrĂ´nico www.imesp.com.br - opção: negociospublicos e no www.bec.sp.gov.br; e resumidamente no endereço eletrĂ´nico www.pregao.sp.gov.br .

PREFEITURA MUNICIPAL DE CASTILHO/SP PROCESSO LICITATĂ&#x201C;RIO 85/12 â&#x20AC;&#x201C; PREGĂ&#x192;O PRESENCIAL 37/12 Objeto: Registro de Preços para a prestação de serviços para eliminação de focos geradores, recolhimentos de detritos de grande porte e destinação a local prĂŠ-estabelecido e conservação de passeio, orientação e acompanhamento da população por profissionais da ĂĄrea da saĂşde com inscrição no ĂłrgĂŁo competente, Coren ou CRM, utilizando os meios e equipes necessĂĄrias para o desempenho dos trabalhos. Considerando os questionamentos suscitados aos termos do instrumento licitatĂłrio, mediante impugnação apresentada pela empresa Moises Rovere - ME, decido, por bem, adiar â&#x20AC;&#x153;sine dieâ&#x20AC;? o prazo estabelecido no preâmbulo do edital, relativo Ă  data de apresentação das propostas. Antonio Carlos Ribeiro â&#x20AC;&#x201C; Prefeito. A Debitar (03.10.12)

RETIRRATIFICAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DO ATO CONVOCATĂ&#x201C;RIO SELEĂ&#x2021;Ă&#x192;O DE FORNECEDORES - COLETA DE PREĂ&#x2021;O NÂş 031/2012 - PROCESSO ASF nÂş 089/2012 A Associação SaĂşde da FamĂ­lia - ASF comunica alteração do ato convocatĂłrio de Seleção de Fornecedores, na modalidade coleta de preço nÂş 031/2012, que serĂĄ realizada em 05 de outubro de 2012, que tem por objeto AQUISIĂ&#x2021;Ă&#x192;O DE EQUIPAMENTOS MĂ&#x2030;DICOS PARA CONSULTĂ&#x201C;RIOS DE ESPECIALIDADES: OFTALMOLOGIA, a saber: Retirratificação item 6.1 â&#x20AC;&#x201C; Da Condição de Participação: Onde se lĂŞ: PoderĂŁo participar do certame todos os interessados com sede no Estado de SĂŁo Paulo, que desenvolva atividade pertinente e compatĂ­vel como objeto da presente licitação e que estejam de acordo com as exigĂŞncias deste Edital. Leia-se: PoderĂŁo participar do certame todos os interessados que desenvolvam atividade pertinente e compatĂ­vel como objeto da presente licitação e que estejam de acordo com as exigĂŞncias deste Edital. Esclarecemos que as demais informaçþes contidas no Edital permanecem inalteradas. SĂŁo Paulo, 03 de outubro de 2012. - ANA CLAUDIA BORJA LIMA RIBEIRO - ASSOCIAĂ&#x2021;Ă&#x192;O SAĂ&#x161;DE DA FAMĂ?LIA.

'&+6#. &' %1081%#c­1 # #551%+#c­1 &15 /#)+564#&15 /#c105 RQT UGW 2TGUKFGPVG 2#7.1 4#0)'. &1 0#5%+/'061 PQU VGTOQU FQ #TV  FG UGW 'UVCVWVQ 5QEKCN EQPXQEC UGWU CUUQEKCFQU RCTC EQORCTGEGTCO i #55'/$.'+# )'4#. ':64#14&+0Ă&#x2C6;4+# C TGCNK\CTUG PQ FKC  FG 0QXGODTQ FG  hU  JQTCU PC UGFG FC #UUQEKCnlQ i 4WC .KDGTQ $CFCTx Â&#x201A; #PFCT%QP LWPVQ % %GPVTQ FGUVC %CRKVCN FQ 'UVCFQ FG 5lQ 2CWNQ RCTC PQU VGTOQU FQ #TV  FGNKDGTCT UQDTG QU UGIWKPVGU CUUWPVQU # #RTGUGPVCnlQ FQ DCNCPnQ G CRTQXCnlQ FCU EQPVCU $ 'NGKnlQ G 2QUUG FC PQXC &KTGVQTKC G $ &GNKDGTCT UQDTG C &KUUQNWnlQ FC #UUQEKCnlQ UWC HQTOC FG NKSWKFCnlQ G FGUVKPCnlQ FG UGW RCVTKOzPKQ QW UWC EQPVKPWKFCFG 0QU VGTOQU FQ 'UVCVWVQ C #UUGODNGKC KPUVCCTUGh GO RTKOGKTC EQPXQECnlQ EQO C RTGUGPnC FG WO SWKPVQ FQU CUUQEKCFQU GO UGIWPFC UGUUGPVC OKPWVQU CRxU EQO SWCNSWGT P}OGTQ 5lQ 2CWNQ  FG 1WVWDTQ  ° 2#7.1 4#0)'. &1 0#5%+/'061

CRISTALCLEAN INDĂ&#x161;STRIA DE PRODUTOS DE LIMPEZA LTDA- EPP torna pĂşblico que requereu na CETESB a Renovação de Licença de Operação para fabricação de produtos de limpeza e polimento, sita Ă  Rua Milton Alves, 91, Jd. Alvorada, Jandira/SP.

CRISTALCLEAN INDĂ&#x161;STRIA DE PRODUTOS DE LIMPEZA LTDA- EPP torna pĂşblico que requereu na CETESB de forma concomitante a Licença PrĂŠvia e a Licença de Instalação para ampliação e novos equipamentos p/ fabricação de produtos de limpeza e polimento, sita Ă  Rua Milton Alves, 91, Jd. Alvorada, Jandira/SP.

ASSOCIAĂ&#x2021;Ă&#x192;O SAĂ&#x161;DE DA FAMĂ?LIA - ASF


20

e

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

O "Espaço do Desejo" do São Paulo Boat Show exibe o Mercedes-Benz SL 65 AMG, de 12 cilindros, que custa R$ 812 mil.

conomia

Ventura Marine, diversão garantida a partir de R$ 26,9 mil. Barco de 16 pés é voltado para quem ainda não tem acesso a marinas e clubes náuticos.

Classe média brasileira a bordo Ao lado de iates caríssimos, o São Paulo Boat Show, que termina hoje, mostra lanchas destinadas a quem quer se iniciar no mundo da motonáutica. Fotos: Divulgação

Karina Lignelli

S No segmento de luxo, um destaque é o X25, da Mastercraft, que pode custar até R$ 510 mil, na versão top.

ejam "casas flutuantes" de alto luxo que custam, em média, R$ 3 milhões, ou lanchas populares com preços a partir de R$ 15,5 mil, a verdade é que fica difícil fugir do clichê. Na 15ª edição do São Paulo Boat Show, realizada no Transamérica Expo Center (Zona Sul), que se encerra hoje, não faltam objetos de desejo para todos os gostos e bolsos. E agora, com mais constrastes: o setor, que costumava privilegiar o público "premium", oferece opções a consumidores da classe média, que descobriu uma forma de lazer que pode ser financiada, como o carro popular. Exemplo é a lancha Ventura Marine, uma das grandes atrações, não só pelas modelos "marujas" que enfeitavam a proa das embarcações. Uma das vedetes era a nova lancha de 16 pés – V160 –, que custa R$ 26,9 mil, comporta cinco passageiros e foi criada para o público ainda sem acesso a marinas e clubes náuticos, segundo o gerente comercial da Ventura, Marco Garcia. Há 29 anos na estrada, fabricando barcos de até 41 pés – que custam R$ 1,7 milhão –, a Ventura, que há dois anos criou uma embarcação de baixa potência (de 18 pés) a um custo mais baixo, percebeu que havia mercado para isso e lançou a V160. Como atração adicional, oferece opções de consórcio e financiamento. "É o universo do comprador desse barco, o de financiar sem comprometer a renda. Basta que seja um sonho", disse Garcia. A classe média também é a aposta do estaleiro carioca LaLeman, que faz sua estreia no evento com a lancha LS 160, de 16 pés. A um preço inicial de R$ 15,5 mil (só o casco), mas que pode chegar a R$ 28 mil com todos os equipamentos, a LS 160 foi desenvolvida para quem quer ter sua primeira embarcação, disse o sócio Jacques Aleman. Já a Atlantica Boats, em par-

Helicóptero executivo MD Explorer; aeronave de alto luxo custa US$ 6,4 milhões, equivalentes a R$ 13 milhões.

Os barcos Phantom mantêm o apelo clássico do estaleiro Schaefer. ceria com a Landmark Boats, apresentou os modelos A160 e A250, que custam a partir de R$ 25 mil (só o casco), com direito a test-drive na Represa de Guarapiranga. Segundo o gerente da Atlantica Boats Ivan Mello Teixeira de Almeida, mesmo com a boa saída dos barcos de luxo, a procura pelos modelos baratos está mais aquecida. "É um nicho que representa 50% das vendas. É como o mercado de carros: enquanto saem dois de luxo, saem dez populares." De acordo com o organizador do evento, Ernani Paciornik, mesmo que a classe A seja a maior consumidora de barcos, o crescimento da economia e o financiamento fácil estão mudando o consumo. "As classes B e C têm apresentado participação cada vez mais expressiva em segmentos sofisticados, como o náutico", disse Paciornik. "Espaço dos Desejos" – As grandes estrelas do São Paulo Boat Show ainda são as novidades de luxo dos estaleiros nacionais e internacionais. Um dos destaques são a Phantom 400 e a Phantom 365, lançamentos do estaleiro catarinense de alto padrão Schaefer Yachts. Outro é a Schaefer 620, com design do estúdio Pininfarina – que desenha para Ferrari, Alfa Romeo e Maserati –, comando 100% digital e custo de R$ 5,6 milhões. Ainda no quesito alto luxo, destacam-se os modelos importados da Cimitarra, como Continental 50 Tender e Bellagio 54, a R$ 3 milhões. Há embarcações destinadas à práti-

ca de esportes, como a lancha X25, da Mastercraft, que custa até R$ 500 mil, tem 21,5 pés, comporta 16 pessoas e tem bancos aquecidos. Outra novidade é a lancha Intermarine 55, do estaleiro especializado em embarcações de luxo Intermarine, que não divulga valores. O modelo, projetado pelo BMW Group DesignWorks, comporta 20 passageiros e tem três cabines. O modelo tem uma plataforma na popa que pode servir como praia particular, quando o barco estiver ancorado. Aproveitando a característica "premium" do evento, o São Paulo Boat Show oferece o "Espaço dos Desejos", ambiente requintado onde estão expostos lançamentos luxuosos de joias, óculos e canetas de grife, além de outros inimagináveis ao público comum – como o carrinho de golfe da Daytana, que imita um conversível clássico e custa R$ 42 mil. Além do novo lançamento da Mercedes-Benz SL 65 AMG, carro esportivo com motor de 12 cilindros biturbo, que custa R$ 812 mil, o Espaço mostra, em primeira mão no Brasil, o helicóptero MD Explorer para transporte executivo. O preço da aeronave é US$ 6,4 milhões (cerca de R$ 13 milhões).

S ERVIÇO 15ª São Paulo Boat Show, até hoje no Transamérica Expo Center, Rua Dr. Mário Villas Boas Rodrigues, 387, Santo Amaro, das 13h às 20h.


DC 03/10/2012  

Diário do Comércio

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you