Page 1

FRIO

Vendas em alta. Aí vem o Dia das Mães.

A Cidade está gelando

Lojas aproveitam o frio e miram compras para as mães (foto). Movimento a crédito em abril cresceu 3,1%. Pág. 11

Madrugada da quarta na São João: 10,5º. Vem mais frio. Pág. 9 Hélvio Romero/AE

Ano 87 - Nº 23.616

A DISPARADA DO DÓLAR Moeda americana fecha a R$1,92, maior cotação desde julho de 2009. Pág. 13

Thales Stadler/ABCDigipress/AE

Conclusão: 23h45

Jornal do empreendedor

www.dcomercio.com.br

R$ 1,40

São Paulo, quinta-feira, 3 de maio de 2012

CPI põe Cachoeira na fila e Collor de guardião Enquanto funcionários da Delta protestavam (salários atrasados) em Brasília, o relator Odair Cunha apresentava seu plano. Cachoeira deve falar no dia 15. No 29, Cláudio Abreu (ex-diretor da Delta) e no 31, o senador Demóstenes. Aliás, Collor prometeu garantir o sigilo do inquérito de investigação sobre o colega. Pena que o documento esteja na web. Págs. 5 e 6

Governo responde hoje às questões da poupança

Ed Ferreira//AE

Mudança nas regras mantém ou não a rentabilidade da aplicação? Pág. 14

Danilo Balderrama/Reuters

Agora, Espanha pressiona por compensações.

Sala de aula no Centro Velho Material didático enriquece com passeios lúdicos para os pequenos. É assim no Largo de São Bento... (foto). Pág. 9

País condenou a expropriação da Red Eléctrica (foto) pela Bolívia, cujo governo (Evo Morales) "não é muito previsível". Pág. 18

Chico Ferreira/LUZ

Sarkozy, apenas um político resmungão. Com ele na presidência da França, os mistérios do cargo, que fazem sucesso entre eleitores, deixaram de existir. Por Luiz Carlos Lisboa. Pág. 8

HOJE

ISSN 1679-2688

23616

Parcialmente nublado Máxima 23º C. Mínima 12º C.

AMANHÃ Parcialmente nublado Máxima 25º C. Mínima 12º C.

9 771679 268008


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

quinta-feira, 3 de maio de 2012

A incapacidade de executar as garantias oferecidas nos empréstimos não tem paralelo no "mercado internacional". Roberto Fendt

pinião

GABRIEL ROSSI

CADÊ O TWITTER DA DILMA?

A

Juros: a prova do pudim.

A

senhora presidente, em discurso no Dia do Trabalho, voltou ao tema das taxas de juros no Brasil. Tendo escrito sobre o assunto nesse espaço, na semana passada, também retorno ao assunto com algumas informações complementares. Não é de hoje que economistas, lideranças empresariais expressivas e o governo vêm batendo na tecla de que não há razões objetivas para o elevado spread entre as taxas de captação e de empréstimo que os bancos utilizam no mercado brasileiro – os mais altos do mundo. Dada a qualidade da política econômica aqui praticada, as nossas taxas de juros deveriam estar convergindo para o mesmo patamar das taxas de juros internacionais. Será mesmo possível fazer convergir, em curto lapso de tempo, nossas taxas de juros para suas congêneres internacionais? Tenho sérias dúvidas a respeito. É preciso considerar, primeiro, que não há uma taxa de juros, uniforme, praticada no mercado. Há muitas, tanto na captação de recursos pelos bancos como na aplicação desses recursos nas diversas modalidades de empréstimos. Essas taxas variam de 0,8% ao mês no empréstimo consignado (8% ao ano) até 9% ao mês no cheque especial (180% ao ano). Os spreads bancários também variam, dependendo da modalidade de empréstimo considerada. Em segundo lugar, mais de um terço do total do crédito é "direcionado" – isto é, o dinheiro é aplicado compulsoriamente pelos bancos. Essas aplicações rendem menos que as praticadas com os recursos de livre aplicação pelos ban-

ROBERTO FENDT cos. Em razão dessa diversidade, o Banco Central estima que o spread médio é de 28% ao ano, variando de 18,4% para as empresas a 36,1% para as pessoas físicas.

O

problema com essa estimativa é que ela leva em conta somente a parcela dos empréstimos feitos com os recursos livres dos bancos. Quando se leva em conta também os empréstimos direcionados, o spread médio se reduziria a cerca de 13%, se levarmos em conta as informações de balanço do Itaú e do Santander. A explicação para a discrepância é simples: os empréstimos direcionados (especialmente para crédito imobiliário e nas diversas modalidades de crédito subsidiado pelo BNDES) têm as melhores garantias do mercado. O risco desses empréstimos é pequeno e não requer a imobilização de provisões para devedores duvidosos – o que reduz os spreads dessas modalidades. A metade dos empréstimos

com recursos livres é direcionada às pessoas físicas. As garantias oferecidas pelos mutuários são de má qualidade e de difícil execução em caso de inadimplência do tomador do empréstimo. No "mercado internacional", por outro lado, as garantias são executadas com certeza e celeridade.

S

e existem divergências quanto à diferença entre as taxas de captação e de aplicação dos bancos, não há muita controvérsia a respeito das causas dessa diferença. Em primeiro lugar, o Banco Central recompôs o percentual de recolhimentos compulsórios sobre os depósitos nos bancos mantidos no BC. Os recolhimentos compulsórios haviam sido reduzidos em 2008 para evitar um estrangulamento do crédito durante a crise internacional. Paulatinamente, os percentuais anteriores à crise foram recompostos, reduzindo o volume de recursos que os bancos podem emprestar

Boa parte dos spreads pode ser explicada pelo compulsório, pela tributação e pela inadimplência. Reduzir estes fatores contribuirá para diminuir os spreads bancários.

a seus clientes. O Brasil é líder no percentual desses recolhimentos, que são responsáveis por 5% dos spreads. Em segundo lugar, a tributação representa aqui mais de 20% do total do spread. Não há exemplo similar no "mercado internacional" de tributação da intermediação financeira e dos empréstimos.

F

inalmente, a crescente inadimplência contribui para o aumento dos custos dos bancos. A incapacidade de executar aqui as garantias oferecidas nos empréstimos também não tem paralelo no "mercado internacional". Como apontei em outra ocasião, não há como atribuir os spreads à falta de concorrência no mercado. Aqui, o governo dispõe de duas instituições, o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal, para concorrer com os bancos privados. Basta que o BB e a CEF pratiquem "taxas internacionais" de juros para forçar os demais a segui-los. A verdade é que a discussão está confundindo efeitos com causas. Boa parte dos spreads pode ser explicada pelo compulsório, pela tributação e pela inadimplência. Reduzir o compulsório e a tributação pode reduzir os spreads. Medidas para reduzir a inadimplência, como o cadastro positivo, vão na mesma direção. Se nada disso der certo, o governo pode aumentar a concorrência baixando as taxas nos seus bancos aos níveis internacionais. Aí teríamos a prova do pudim – se as causas do problema estão do lado do governo ou da falta de concorrência no mercado.

E

m 13 de dezembro de 2010 a já presidente eleita disse que o contato via Twitter seria mantido. Está lá, em sua última mensagem: "Vamos conversar mais em 2011". O ano veio, 12 meses se passaram e nada. Primeiro ano de mandato, difícil para qualquer gestor público, momento de "acertar a casa". Muitos argumentos podem aparecer. Mas já estamos quase no meio de 2012... e nada de comunicação com a população. Já é hora de os governantes assumirem nova postura no relacionamento com o público ao longo da gestão. E que não fique aqui a utópica ideia de que uma presidente da República irá ler e responder a todos os milhares questionamentos. Ela

precisa, claro, governar. É essencial criar um processo de escuta on-line profissional. E, ainda, identificar os formadores de opinião e entusiastas em cada área, gerando sempre conteúdos novos, estimulando e disseminando informações.

T

witter e Facebook são vias de duas mãos. Ao mesmo tempo em que o candidato pode apresentar projetos e plataformas políticas nestas redes sociais, precisa enxergar a vantagem estratégica de utilizá-las como um termômetro dos anseios da população e de como melhorar sua imagem junto ao eleitorado. O segredo é entender bem o comportamento do cidadão na web e desenvolver táticas que maximizem seu potencial na internet. Que o exemplo fique para os candidatos a prefeitos e vereadores dos 5.565 municípios brasileiros e que preparam suas campanhas para 2012. A primeira mulher a assumir a presidência do País poderia mudar esta postura e dar exemplo aos governantes de todo mundo. Somos 77 milhões de internautas brasileiros – 87% de alguma forma nas mídias sociais. Levando-se em conta ainda que somos cerca de 130 milhões de eleitores, os números por si só já mostram a importância da web para quem deseja sedimentar seu projeto de governo. Mais: que quer se comunicar com a população que representa. GABRIEL ROSSI É ESTRATEGISTA DE MARKETING DIGITAL E POLÍTICO HTTP://GABRIELROSSI.COM.BR

ROBERTO FENDT É ECONOMISTA

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Claudio Vaz Edy Luiz Kogut Érico Sodré Quirino Ferreira Francisco Mesquita Neto João de Almeida Sampaio Filho João de Favari Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Paulo Roberto Pisauro Renato Abucham Roberto Faldini Roberto Mateus Ordine

s eleições presidenciais de 2010 marcaram o início efetivo do uso da internet e das redes sociais pelos candidatos aos governos federal e estadual. Na ocasião, a presidente Dilma Rousseff fez uso desta ferramenta para falar com seu eleitorado – importante instrumento de aproximação e de debate. Também houve uma ferrenha briga entre os militantes dos partidos que usaram a tecnologia na corrida eleitoral. Infelizmente o uso das redes sociais no âmbito político parou por aí. Desde 2010 Dilma não usa o seu microblog para falar com os cidadãos – para expor seu projeto de governo e para ouvir das pessoas suas sugestões. Isto demonstra falta de continuidade de relacionamento após o período eleitoral.

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, João de Scantimburgo, Marcel Solimeo Diretor-Responsável João de Scantimburgo (jscantimburgo@acsp.com.br) Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Ed i to r - Ch e fe : José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br) Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br) Editores Seniores: Bob Jungmann (bob@dcomercio.com.br), Carlos de Oliveira (coliveira@dcomercio.com.br), chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), Estela Cangerana (ecangerana@dcomercio.com.br), Luciano de Carvalho Paço (luciano@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Luiz Antonio Maciel (maciel@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br) Editor de Fotografia: Alex Ribeiro Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Fernando Porto (fporto@dcomercio.com.br), Ricardo Ribas (rribas@dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br) Subeditores: Marcus Lopes e Rejane Aguiar Redatores: Adriana David, Darlene Delello, Eliana Haberli e Evelyn Schulke Repórter Especial: Kleber Gutierrez (kgutierrez@dcomercio.com.br), . Repórteres:André de Almeida, Fátima Lourenço, Ivan Ventura, Karina Lignelli, Kelly Ferreira, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mariana Missiaggia, Mário Tonocchi, Paula Cunha, Rafael Nardini, Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves, Sandra Manfredini, Sergio Leopoldo Rodrigues, Sílvia Pimentel, Vera Gomes e Wladimir Miranda. Gerente Executiva e de Publicidade Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estado, Folhapress, Efe e Reuters Impressão OESP GRÁFICA S/A Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3244-3175. Fax 3244-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3244-3197, 3244-3983, Fax 3244-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3244-3544, 3244-3176 , Fax 3244-3355

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3244-3737 REDAÇÃO (011) 3244-3449 FAX (011) 3244-3046, (011) 3244-3983 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 3 de maio de 2012

o

3

O QUE VIAJA MAIS DEPRESSA, OS NEUTRINOS OU OS MITOS?

pinião

O

s neutrinos não viajam, mesmo, mais rápido do que a velocidade da luz. Os cientistas reafirmaram isso em março último, corrigindo as conclusões tiradas de uma experiência feita em setembro do ano passado, que parecia ter provocado uma reviravolta na extraordinária teoria de relatividade de Einstein. Como informou a revista Science, o erro do outono passado pode ter sido o resultado de uma conexão de fibra ótica defeituosa entre um receptor de GPS e o computador utilizado para calcular o tempo que os neutrinos levaram para viajar do Cern, em Genebra, até um laboratório na região de Gran Sasso, na Itália. Evidentemente, os cientistas tiveram a precaução de repetir a experiência para tentar determinar se o que não era verdade realmente era verdade. Veremos. Se foi surpreendente ler que provavelmente os neutrinos não são, afinal de contas, mais rápidos do que a luz, também fiquei bastante impressionado quando descobri que o espinafre não contém tanto ferro quanto diziam. Na década de 1930, os produtores de espinafre creditaram a Popeye – e à crença popular de que ele devia sua força ao ferro do espinafre – um aumento de 33% no consumo desse vegetal. Em razão disso, por sinal, os produtores e os vendedores de espinafre ergueram estátuas em homenagem a Popeye em Crystal City, Texas; em Chester, Illinois; e em Alma, Arkansas. Em um recente artigo da revista italiana Query, Sergio della Sala e Stefania de Vito citaram uma tabela de valores nutricionais divulgada pelo Departamento de Agricultura dos EUA que mostra que 100 gramas de espinafre contêm 2,7 miligramas de ferro (e isso para o espinafre fresco – o enlatado, como o de Popeye, tem apenas 2,3 miligramas). Para fazer uma comparação, 100 gramas de fígado de

Os neutrinos e o espinafre galinha contêm 11,6 miligramas de ferro. Se Popeye tivesse devorado fígado de galinha com a mesma avidez com que engolia lata após lata de espinafre, ele poderia pegar o Super-Homem pelo tornozelo e arremessá-lo para o espaço.

S

egundo uma teoria conhecida nos meios científicos como História do Erro Decimal do Ferro do Espinafre Popeye (Spides, na sigla em inglês), E. C. Segar, o criador de Popeye, tinha uma ideia errada sobre o ferro contido no espinafre devido a uma vírgula decimal mal colocada. Comenta-se que em 1870 um certo doutor E. Von Wolff publicou uma tabela na qual a

UMBERTO ECO vírgula decimal aparecia no lugar errado. Este erro teria sido corrigido nos anos 1930, mas Segar não sabia disso. Entretanto, parece que até a hipótese Spides é falsa. Filólogos afirmam que Segar escolheu o espinafre para dar energia a seu herói dos quadrinhos não por causa do conteúdo de ferro, mas pelo seu alto conteúdo de vitamina A.

Vale a pena dar uma olhada em um dos inúmeros artigos dedicados ao tema – talvez especialmente Espinafre, ferro e Popeye, escrito em 2010 pelo doutor Mike Sutton no Journal of Criminology pu b l icado na internet. A história pode parecer sem importância à primeira vista, já que se baseia em um personagem dos quadrinhos. Mas é

significativa diante do negócio multimilionário que surgiu pelo fato de esse marinheiro afirmar que espinafre era a sua verdura preferida. Esse incidente é apenas um de muitos exemplos de como nascem e se perpetuam os mitos.

O

utro petisco: em uma edição recente do jornal italiano La Republica (que, aliás, praticamente chamou os neutrinos de tartarugas) houve um debate sobre a necessidade do multilinguismo. Isso é óbvio, pode-se dizer, nos dias de hoje. Mas durante um certo tempo afirmava-se que, para acabar com a babel de idiomas, era preciso inventar uma língua universal

veicular e são muitas as linguagens desse tipo que foram propostas – algumas delas excelentes, como o esperanto. No final, entretanto, um idioma natural – o inglês – venceu a batalha. Essa ideia de desenvolver uma linguagem universal surgiu de outro mito milenar: o de que nos tempos primordiais havia o idioma de Adão, uma língua perfeita que se perdeu no escândalo da Torre de Babel. Dele provém a busca espasmódica dessa língua perdida ou de alguma que possa substituí-la. Hoje, sabemos que não existe essa coisa de língua perfeita – as línguas se desenvolvem espontaneamente segundo surgem as necessidades evolutivas das pessoas.

M

as há uma história fantástica contada por Ibn Hazm, um pensador árabe que viveu no século 11. No princípio, dizia, havia uma língua dada por Deus, mas essa língua continhas todas as línguas, que só se separaram depois. Assim, o dom de Adão era o poliglotismo – e por este motivo todos os homens podem compreender as revelações em qualquer língua que forem expressas. Pois bem: esse é um excelente mito para encorajar o multilinguismo – uma habilidade, aliás, que será útil para perpetuar e derrubar mitos. UMBERTO ECO É O AUTOR DO ROMANCE "A MISTERIOSA CHAMA DA RAINHA LOANA", ALÉM DE "BAUDOLINO", "O NOME DA ROSA" E "O PÊNDULO DE FOUCAULT" TRADUÇÃO: RODRIGO GARCIA

ATÉ ONDE VAI A COMPLACÊNCIA AMERICANA?

N

o mês de março último, em uma escola de ensino infantil norte-americana, uma professora confiscou o almoço de uma menina de cinco anos de idade, porque a sua comida não cumpria as diretrizes do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos e, portanto, não era uma refeição nutritiva. Ela substituiu o lanche pelos nuggets de frango da cantina da escola. O trazido de casa pela menina, aliás, era nutritivo, consistindo de um sanduíche de peru e queijo, batata frita, banana e suco de maçã. Mas o lanche ser ou não nutritivo não é a questão. A questão é a usurpação governamental da autoridade dos pais. Em vários Estados, adolescentes grávidas podem fazer abortos sem a notificação ou a permissão dos pais. A questão não é nem o aborto nem se uma adolescente grávida deve fazer um aborto. A questão é esta: o que dá aos governos a autoridade para usurpar dos pais a sua autoridade? Parte do problema é que as pessoas que agem como instrumentos do governo não pagam um preço pessoal por usurpar a autoridade familiar. O motivo é que os americanos de hoje, ao contrário dos americanos do passado, tornaram-se tímidos e, dessa forma, passaram a aceitar as leis governamentais intrusas. Você pode imaginar o que um robusto americano, como aqueles retratados por John Wayne, teria feito a um

governo tirano que confiscasse o almoço de sua filha ou que facilitasse o aborto feito por ela sem a permissão dele?

A

credito que o movimento antitabagista foi o responsável pelo americano complacente de hoje. Os fanáticos do movimento começaram com demandas razoáveis, como avisos gerais de médicos nos maços de cigarros. Em seguida, exigiram áreas para não-fumantes em aviões. Encorajados pelo sucesso,

exigiram que fosse proibido fumar em todos os aviões e aeroportos; em seguida, em restaurantes e locais de trabalho, tudo em nome da saúde. Vendo a natureza complacente dos fumantes, eles se moveram para proibir o fumo nas praias, nos parques e nas calçadas em algumas cidades. Agora, eles estão apelando para valores maiores pagos pelos fumantes para ter o segurosaúde. Tivessem os fanáticos antitabaco exigido agenda cheia quando começaram,

certamente não teriam conseguido nada. Usando a cruzada antitabaco como seu modelo e encontrando americanos tão complacentes, alguns fanáticos e aspirantes a tiranos estão ampliando sua agenda. Por que não controlar o que comemos? São Francisco, Chicago e várias outras cidades proibiram ou estão tentando proibir servir foie gras em restaurantes. Fica aqui meu desafio para essas pessoas: não sejam covardes em usar o Estado

para cumprir sua agenda. Se você vir Walter Williams comendo foie gras, basta chegar até ele e tirá-lo de seu prato. Há outros alimentos que os tiranos querem nos impedir de comer: os sorvetes Dove e Haagen-Dazs, os biscoitos Mrs. Fields e o Chicken McNuggests McDonald’s. São Francisco já proibiu no McDonalds a venda casada de McLanche Feliz com brinquedos para crianças. Ver São Francisco complacente pode ter servido de inspiração para a professora da Carolina do Norte que confiscou o almoço da menina de cinco anos de idade. Os americanos tornaram-se complacentes de maneiras incapacitantes. Ao longo dos últimos anos, os preços da gasolina foram atirados sobre nós, mas não se preocupe. O atual secretário de energia do presidente Barack Obama, Steven Chu, disse, em dezembro de 2008: "De alguma forma temos que descobrir como aumentar o preço da gasolina nos níveis da Europa". Isso se traduz em oito ou nove dólares por galão. Durante uma recente audiência de orçamento no Departamento de Energia, o deputado republicano Alan Nunnelee perguntou ao

WALTER E. WILLIAMS secretário Chu se é "meta global" do Departamento de Energia reduzir os preços da gasolina. "Não", disse ele. "O objetivo é diminuir nossa dependência do petróleo e fortalecer nossa economia."

E

porque os americanos são tão complacentes e dispostos a sofrer silenciosamente na bomba de gasolina, a administração Obama está disposta a fazer pressão – como serviçal dos extremistas ambientais que querem suspender a exploração das fontes de petróleo no nosso país, estimadas como o triplo das da Arábia Saudita. A administração Obama prefere derramar mais dólares do contribuinte em apadrinhados fornecedores alternativos de energia e carros elétricos. As nações da Opep devem estar rindo de nós, e eu não ficaria surpreso se descobrissem que elas estão fazendo pagamentos por debaixo dos panos aos excêntricos ambientalistas.

WALTER E. WILLIAMS É PH. D. EM ECONOMIA E PROFESSOR DA

GEORGE MASON UNIVERSITY. TRADUÇÃO: MARIA JÚLIA FERRAZ PUBLICADO POR WWW.MIDIAAMAIS.COM.BR


DIÁRIO DO COMÉRCIO

4 -.GERAL

GibaUm

3 Novas

pesquisas sobre popularidade de Dilma Rousseff deverão cravar 80% de aprovação, marcando novo recorde.

gibaum@gibaum.com.br

quinta-feira, 3 de maio de 2012

3 MAIS:

a guerra contra os bancos já produzirá efeitos nos novos levantamentos. E se vetar o Código Florestal, subirá ainda mais.

k Não conheço Cachoeira, nem Dadá, nem Mussum e nem Zacarias. Poder paralelo LEVY FIDÉLIX // presidente do nanico PRTB (é o homem do aerotrem), negando envolvimento com Carlinhos Cachoeira para vender seu partido. Fotos: BusinessNews

A mais animada

No 11º Forum de Comandatuba, que reuniu mais de 300 pessoas (empresários, artistas e políticos, entre pagantes e convidados), a primeira-dama da Bahia, Fátima Mendonça Wagner, foi eleita “a mais animada” do evento. No show de Sidney Magal, Fatiminha (é como o ex-presidente Lula se refere a ela), era a mais contagiante na pista. Com o exchefe do Governo pesando menos 17 quilos devido ao tratamento a que se submeteu, por conta de seu tumor, Fátima está providenciando um novo lote de camisas sociais, como fazia nos oito anos de seu governo. São confeccionadas no atelier Ernesto di Tomazo.

333

VIGIADO

Em nova gravação de conversa entre o senador Demóstenes Torres e Carlinhos Cachoeira, que vazou nesses dias, o primeiro desabafa com o bicheiro, achando que vinha tendo a impressão de estar sendo vigiado. “Rapaz, você sabe que estou com a sensação ruim de que tem alguém me seguindo...Não sei se estou ficandodoido...todahoraaquele trem...estou meio...ficando maluco...estressado”. Seus passos, ma época, eram acompanhados pela Polícia Federal que gravava todos seus telefonemas 24 horas por dia.

333

SUPER-DÍVIDA

Ke$ha à americana

Cantora e compositora (Britney Spears também canta canções dela), 25 anos, nascida em Nashville, berço da country music , Ke$ha toca guitarra, sintetizador e violão e começou fazendo backing vocal para um single de Paris Hilton; hoje, depois de Animal e Cannibal, já vendeu cinco milhões de cópias, ficando nove semanas seguidas no topo da Billboard Hot 100. Agora, na capa e no recheio da nova edição da V Magazine, ela é fotografada mais americana do que nunca, com a bandeira estampada (depois, borrada) no rosto e no vestido. 333

333 A guerra de Dilma Rousseff contra os bancos deverá ganhar novos e estimulantes capítulos. A Chefe do Governo está, realmente, disposta a enfrentar as instituições financeiras porque acha mesmo que, até agora, os bancos só fizeram marola. Os mais chegados sabem que o que mais irrita Dilma é quando ela julga que estão tentando enganá-la. Guido Mantega, ministro da Fazenda, que não tolera o presidente da Febraban, Murilo Portugal, já estuda até mesmo algumas medidas oficiais que poderão ser tomadas pelo governo. A idéia original é do marqueteiro João Santana, que acredita que a queda dos juros nos bancos e a redução de taxas proporcionarão a grande marca do governo de Dilma. Afinal, os dois estão convencidos de que mãe do PAC e Brasil sem Miséria não emplacaram.

Marca de governo

Nessa batalha contra altos juros dos bancos nacionais, outras contas estão servindo de inspiração para a presidente Dilma Rousseff: uma delas inclui dívida pública (no ano passado, R$ 1,86 trilhão) e juros recordistas no período de R$ 236 bilhões (perto de R$ 656 milhões por dia). Desse volume de juros, segundo estudos da Unicamp, 70% vão para cerca de 30 mil famílias brasileiras (banqueiros e investidores).

333

Essa é a primeira foto oficial da Amanda Seyfried no papel de Linda Lovelace, a estrela pornô (destaque) dos anos 70, que fez o famoso filme Garganta Profunda (Deep Throat), hoje considerado cult – e comportadíssimo, diante dos pornôs atuais (a direita nova versão da capa do VHS da produção de 1972). Amanda aparece de cabelos castanhos como Lovelace e o filme deverá estrear ainda no segundo semestre, com um elenco e tanto: entre outros, James Franco, Sarah Jessica Parker, Sharon Stone e muitos mais.

Lovelace, nova versão

333

Meias milagrosas 333 A grande novidade no palanque da festa de 1º de Maio da Força Sindical, em São Paulo, ao lado de Paulinho Pereira da Silva e de Luiz Antonio de Medeiros, era mesmo a presença do pastor Valdemiro Santiago, dono da Igreja Mundial do Poder de Deus, de chapéu de cowboy e enxugando o suor do rosto com a famosa toalhinha mágica. Atrás de tudo, um acordo entre Paulinho e Valdemiro que, hoje, tem 3.500 templos (a maioria, em São Paulo) e uma legião de fiéis estimada em 4,5 milhões – e quase todos votantes, claro. Valdemiro não perderia a oportunidade e tratou de reiterar a venda das toalhinhas, dos martelinhos da fé e agora – quem diria – das meias milagrosas.

h IN

Óculos tartaruga (vintage).

h

OUTROS JUROS

OUT

Óculos pequenos sem aro.

6% da campanha

333 Para quem tem memória curta: na campanha presidencial de Dilma em 2010, os bancos doaram apenas R$ 8 milhões, sendo que R$ 4 milhões vieram somente do Itaú, que formou no ranking dos maiores doadores. Na época, eles foram JBS, R$ 10 milhões; Camargo Correa, R$ 8,5 milhões; Queiroz Galvão, R$ 5,1 milhões; e OAS, R$ 3 milhões. Do total arrecadado para a campanha presidencial, os bancos responderam com apenas 6%.

333 A dívida do Flamengo que, há dois anos, era de R$ 382,2 milhões, subiu para R$ 434,6 milhões, no ano passado, conforme novo balanço patrimonial. O total do passivo é de R$ 976,1 milhões, incluindo resultados patrimoniais e prejuízos. No ano passado, cerca de R$ 32 milhões foram gastos pelo clube a título de despesas financeiras, ou seja, encargos da dívida como juros.

MISTURA FINA O MINISTRO Guido Mantega, da Fazenda, mandou trocar o piso em seu gabinete, que estava em péssimas condições e resolveu fazer uma reforma geral no local, com instalação de ar condicionado e novo sistema de teleconferência. Ficou na vontade e foi barrado pelo contingenciamento que ele próprio criou: não há verba.

333

333 EM SETEMBRO, quem desembarca em São Paulo é o ex-vice-presidente americano e Nobel da Paz 2007, Al Gore: vem discutir efeitos da mudança climática na agricultura, no Global Agribusiness Forum, que reunirá 700 lideranças do setor na capital paulista.

A ARQUITETA e decoradora de São Paulo, Brunete Fracarolli, que participou do Mulheres Ricas, será a convidada especial, dia 8, em São Gonçalo, no Rio, da abertura de grande exposição sobre Barbie, boneca de sua adoração. A coleção (conhecida) do curador Carlos Keffer estará São Gonçalo Shopping, ao lado de bonecas de todo o país. 333

Estilo Avenida Brasil

333 Cordões de ouro fake, grossos, para serem usados com pingente de 10 cm com a letra do cônjuge da consumidora, como carrega a personagem Carminha, da novela Avenida Brasil, já viraram sucesso nas bancas dos camelôs. O conjuntinho custa R$ 30 – ou dois por R$ 50. Também o cintinho de corrente exibido direto na pele da periguete Suellen (Íris Valverde), que vive de barriga de fora, começa a se transformar em novo must popular.

333 Que ninguém imagine que o novo ministro do Trabalho, Brizola Neto (sua indicação foi costurada por Paulinho Pereira da Silva, da Força com a CUT, uma exigência do Planalto), 33 anos de idade, desembarque na Pasta com força total e controlando toda a área. A ligação com sindicatos e federações de trabalhadores continuará concentrada na Secretaria-Geral da Presidência, onde Gilberto Carvalho tem um assessor mais do que especial. É José Feijóo, da CUT, não liberado pelo Planalto para assumir a secretaria-executiva do ministério.

Pérolas do guru Depois de 17 meses parada por problemas contratuais entre seu criador, Matthew Weiner e a emissora AMC, a série Mad Men teve seu retorno visto por 3,5 milhões de pessoas, 21% a mais do que a temporada anterior. Acaba de ser lançado até um livro, na cola do sucesso, chamado Sterling’s Gold, com frases do personagem Roger Sterling (John Slattery), o guru da agência e melhor amigo de Don Draper. Algumas: “Lembre-se: quando Deus fecha uma porta, Ele abre um vestido”; “Gosto de ruivas, as bocas são como gotas de geléia de morango num copo de leite”; e “Dizem que uma vez que você começa a beber sozinho, se torna um alcoólatra. Eu realmente tento evitar isso”. 333

333 PARA QUEM não tem nem idéia: hoje, existem mais de um milhão de câmeras de seguranças instaladas na cidade de São Paulo. Especialistas da área afirmam que, num dia comum, cada paulistano é filmado, em media, por 10 câmeras. Na proporção, três são do Poder Público e sete privadas.

NO FORUM de Comandatuba, almoçaram juntos Hebe Camargo e Walter Zagari, vicepresidente comercial da Record. Os blogs de gossips, quase de imediato, começaram a especular a possível ida de Hebe para a emissora do bispo Edir Macedo. Não é nada disso: eles são amigos desde os tempos do SBT. No passado, Zagari foi um dos homens-chave da emissora de Silvio Santos.

333

O GOVERNADOR Sergio Cabral, do Rio de Janeiro, tem conversado com o empreiteiro Fernando Cavendish, agora licenciado da Delta: são amigos. E estão quebrando a cabeça para tentar descobrir quem está enviando fotos de aventuras gastronômicas e etílicas dos dois em Paris, que estão aparecendo no blog de Anthony Garotinho.

333

Colaboração: Paula Rodrigues / A.Favero

CHARGE DO DIA


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 3 de maio de 2012

5 FILA É grande o número de depoentes que serão chamados pela comissão

olítica

Cachoeira, Demóstenes e Dadá estão na fila da CPMI.

NÃO VOU Procurador-geral não quer depor. De convidado, vai ser convocado.

O relator Odair Cunha (PT-MG) apresentou seu plano de trabalho. Ele pretende começar as investigações ouvindo os delegados e os promotores das operações Vegas e Monte Carlo. A audiência com Carlinhos Cachoeira será no dia 17, enquanto o ex-líder do DEM deverá depor dia 31.

André Dusek/AE

O

deputado Odair Cunha (PT-MG), relator da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI), anunciou ontem que pretende iniciar as investigações ouvindo delegados e procuradores responsáveis pelas operações Vegas e Monte Carlo. Ele antecipou que vai ouvir, no dia 15, Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, figura central da investigação e que teve o sigilo bancário quebrado desde 2002 até agora. Para o dia 29, a audiência é com Cláudio Dias Abreu, ex-diretor da Delta, e no dia 31 será ouvido o senador Demóstenes Torres (sem partido-GO). Lista extensa – Outros integrantes da organização criminosa irão depor nos dia 22 e 24, entre eles José Olímpio Queiroga Neto, Gleyb Ferreira (auxiliar de Cachoeira), Geovane Pereira da Silva (tesoureiro de Cachoeira), Wladmir Garcez (ex-presidente da Câmara Municipal de Goiânia), Lenine Araújo de Souza (um dos principais auxiliares de Cachoeira), Idalberto Matias de Araújo, o Dadá (sargento da Aeronáutica e interlocutor de Cachoeira) e Jairo Martins de Souza (sargento da PM).

A agenda prioritária da CPMI será caracterizar a organização criminosa de Carlos Cachoeira e suas relações. ODAIR CUNHA Ao apresentar o seu plano de trabalho à CPMI, o relator estabeleceu que o delegado Raul Alexandre Souza, da Operação Vegas, será ouvido no dia 8, enquanto na audiência do dia 10 a comissão quer receber o delegado da Polícia Federal, Matheus Rodrigues, e os procuradores Daniel Resende Salgado e Léa Batista, responsáveis pela Operação Monte Carlo. Blindagem – Numa blindagem ao governo, Cunha limitou, inicialmente, as investigações da Delta à diretoria da empresa na região CentroOeste. A empresa é a que mais recebeu recursos do orçamento do Executivo desde 2007. Na primeira etapa dos trabalhos, o relator sugeriu apenas a convocação de

Abreu, sem propor a convocação do presidente licenciado Fernando Cavendish, nem a de outros funcionários. A empresa responsabiliza isoladamente Abreu pelas irregularidades em contratos firmados. Já o inquérito da PF indica que Cavendish tinha conhecimento e estimulava a forma como Abreu conduzia os negócios da Delta. A plano de trabalho do relator foi aprovado de forma nominal, depois de três horas de discussão. Agora, os trabalhos dos meses de julho até 4 de novembro, quando Cunha pretende encerrar as investigações, serão definidos pelo relator a partir da proximidade das datas. O relator disse que a agenda prioritária da CPMI será "caracterizar a organização criminosa de Carlos Cachoeira e suas relações com agentes públicos e integrantes de governos estaduais e do Poder Judiciário, sua relação com o setor empresarial e agentes de mercado, inclusive com a Delta". (Agências) Em mãos: senador Vital do Rego, presidente da CPMI, e o relator Odair Cunha, com o inquérito do STF.

Andre Dusek/AE

Gurgel recusa convite para depor Ele recorre a "razões técnicas", mas poderá ser convocado para sessão secreta.

O

Gurgel: explicações sobre estratégia adotada para evitar que investigações fossem reveladas.

PSDB questiona participação de Protógenes Pedido do senador Cássio Cunha Lima, porém, não foi aceito pela comissão.

N

a abertura da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito, a CPMI do Cachoeira, o senador Cássio Cunha Lima (PSDBPB) questionou a presença do deputado Protógenes Queiroz (PCdoB-SP) entre os integrantes da comissão. Antes de iniciar a votação dos requerimentos, Cunha Lima alegou que Protógenes tem ligações com o contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, Ed Ferreira/AE

O delegado Protógenes reagiu e disse que sua presença na CPMI era legítima, legal e constitucional.

Cunha Lima afirmou que "o delegado é direta e pessoalmente interessado na investigação que faremos aqui, seja porque mantém amizade íntima com os investigados, seja porque poderá figurar no rol dos investigados". O pedido de Cunha Lima, no entanto, não foi aceito pelo presidente da comissão, senador Vital do Rego (PMDB-PB). Ele lembrou que as indicações foram feitas

pelos partidos. Protógenes reagiu e afirmou que a sua participação era "legítima, legal e constitucional". Nada consta – O deputado Carlos Alberto Leréia (PSDBGO) entregou ontem, ao comando do seu partido, declaração da ProcuradoriaGeral da República (PGR) afirmando que ele não tem ligação com Cachoeira, de quem é amigo há 25 anos e ciente das suas atividades criminosas. (Agências)

procurador-geral da República, Roberto Gurgel, disse ontem que não vai comparecer à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito, a CPMI do Cachoeira, para prestar informações sobre as investigações em torno do esquema comandado por Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. Dificuldades jurídicas – O convite foi feito pelo presidente da CPMI, senador Vital do Rego (PMDB-PB), e pelo relator, o deputado federal Odair Cunha (PT-MG), durante encontro pela manhã com Gurgel. Em nota, ele justificou que "existem dificuldades jurídicas" para o seu comparecimento. Segundo o comunicado, "eventual depoimento seu poderá, futuramente, torná-lo impedido para atuar nos inquéritos em curso e ações penais subsequentes".

Optei por sobrestar o caso para evitar que fossem reveladas outras investigações, inviabilizando o seu prosseguimento. ROBERTO GURGEL Sessão secreta – Apesar das "razões técnicas", a CPMI pretende realizar sessões secretas para ouvir o procurador e os delgados da Polícia Federal. Vital disse que a sessão secreta está prevista no regimento como uma forma de preservar os investigadores. Vital disse que se não tiver entendimento sobre o convite para Gurgel e os delegados, eles poderão ser convocados, quando se-

rão obrigados a comparecer. No comunicado, Gurgel esclareceu que fez aos parlamentares uma síntese do andamento das investigações. Ele reafirmou que, em 2009, quando recebeu material referente à Operação Vegas, fez uma avaliação preliminar e verificou que "os elementos não eram suficientes para qualquer iniciativa". Por isso, como estratégia, optou por sobrestar o caso, "para evitar que fossem reveladas outras investigações, inviabilizando o seu prosseguimento, que viria a ser formalizado na Operação Monte Carlo". O procurador explicou na nota que o Ministério Público Federal é o titular da ação penal, a quem cabe definir os rumos e estratégias da investigação. E garantiu que "não se furtará a investigar quem quer que seja". (Agências)


p 'Guardião' do sigilo, Collor discute com senadores.

DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Nunca houve contato, não há contato, não o conheço (Cachoeira). Não posso pagar por algo que desconheço. Levy Fidelix, fundador e presidente do PRTB.

olítica

José Cruz/ABr

Ele argumentou que é ordem do STF. Os colegas lembram que tudo está na internet.

O

senador Fernando Collor de Mello (PTB-AL) cumpriu a promessa de agir na CPI mista do Cachoeira como uma espécie de guardião do sigilo do inquérito que investiga o colega Demóstenes Torres (sem partido-GO) – material encaminhado ontem à comissão. Ao falar na CPMI, Collor disse que o presidente, o relator e todos os integrantes da comissão podem ser responsabilizados judicialmente se houver vazamento do inquérito – apesar de o seu conteúdo estar disponível na internet. Collor trocou farpas com o senador Pedro Taques (PDTMT), ex-procurador de Justiça, que defendeu a abertura de todos os documentos. "Estamos em brincadeira da carochinha. Esse inquérito inteiro está na internet. A Constituição afirma que o sigilo é a exceção. A regra é a publicidade", disse Taques. Collor, por sua vez, afirmou que a decisão foi tomada pelo presidente da mais alta Corte do País. "Não é uma decisão de juiz de primeira instância. Vossa Excelência, bem como o senhor relator, são responsáveis primeiros por qualquer vazamento que haja, e estarão passíveis de receberem punição pelo rigor da lei".

O presidente do STF é presidente de um Poder. O MP, diferentemente do que alguns achem, não se constitui um quarto Poder. FERNANDO COLLOR DE MELLO Taques e o senador Álvaro Dias (PSDB-PR) pediram ao presidente da CPMI, senador Vital do Rego (PMDB-PB), para solicitar ao STF o fim do sigilo – uma vez que o inquérito está público na internet. Vital do Rego disse que determinou à assessoria técnica da CPMI para fazer um estudo tanto sobre o vazamento das informações quanto sobre a determinação do sigilo estabelecido pelo Supremo para decidir o que fazer. Ao rebater a posição de Taques, Collor afirmou que o Supremo foi "taxativo" ao determinar o sigilo. "O presidente do STF é presidente de um Poder. O Ministério Público, diferentemente do que alguns achem, pensem ou idealizem, não se constitui um quarto Poder. Fala pelo Judiciário o presidente daquela mais alta Corte de Justiça do País".

Hipócritas – Ao defender o sigilo, Collor disse que sua posição não é "hipócrita, safada ou jaguara". Num ataque à imprensa e a colegas, o senador disse que "hipócritas são aqueles que fornecem informações por debaixo dos panos a alguns confrades, e fazem dessas informações o uso que lhes convêm". Ao criticar a atuação de jornalistas, Collor disse que existe uma "coabitação criminosa entre confrades e alguns parlamentares" do Congresso que fornecem informações "em troca da publicação de notícias favoráveis". Na defesa da posição de Taques, o deputado Miro Teixeira (PDT-RJ) disse que manter o sigilo do inquérito seria proteger o investigado – no caso, o empresário do ramo de jogos ilegais, Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. "Pode vir o despacho da mais ilustre autoridade do planeta, mas a minha posição está subordinada à Constituição", afirmou Teixeira. Para Álvaro Dias, como o inquérito está público, obedecer ao pedido de manutenção do sigilo, mesmo por determinação do Supremo Tribunal federal, significa "manter uma postura de hipocrisia". "Agora, é impossível preservar o sigilo", diz. (Folhapress)

Mantenha distância: Collor cobra segredo sobre documentos e se indispõe com senadores.

E a Delta começa a parar serviços Caminhoneiros da limpeza urbana de Brasília bloquearam a entrada da empresa

C

erca de 100 caminhoneiros prestadores de serviço da empresa Delta Construções bloquearam, desde as primeiras horas da manhã de ontem, o acesso à empresa, em Brasília. Era uma manifestação de protesto por não receberem os pagamentos há cerca de 4 meses. A Delta é responsável por dois dos três lotes de limpeza urbana do Distrito Federal. Ela ganhou a licitação por meio de liminar na Justiça e, ao assumir, já encontrou atraso no pagamento de seis meses aos prestadores de serviço. A empresa anterior, a Qualix, faliu. A Delta reduziu esse atraso para quatro meses. Só que com a crise, em razão das denúncias do inquérito da Operação Monte Carlo, que apontam o envolvimento da empresa com o contraventor Carlinhos Cachoeira, a Delta

atrasou o pagamento que estava previsto para a última segunda-feira, dia 30 de abril. Ao retornarem ao serviço ontem, com a esperança de receber o pagamento, os empregados foram avisados do novo atraso e de que não há previsão para o acerto das contas. Eles resolveram, en-

tão, cruzar os braços e bloquear a entrada da empresa. Só são permitidas as saídas de caminhões para recolhimento de lixo em hospitais e serviços públicos essenciais. Segundo o Serviço de Limpeza Urbana (SLU), a paralisação atinge 70% da coleta de lixo em Brasília. (AE)

Ed Ferreira/AE

Cobrança: motoristas impedem acesso e pedem salários atrasados.

Levy Fidelix ironiza venda do PRTB Fundador diz que partido é o seu "filho" e que, por isso, jamais faria nada assim.

O

presidente nacional e fundador do PRTB, Levy Fidelix, negou ontem que tenha negociado a venda de seu partido com integrantes do esquema liderado pelo empresário de jogos ilícitos, Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, que está preso em Brasília. Fidelix negou conhecer Cachoeira e o sargento da reserva Idalberto Matias de Araújo, o Dadá, e classificou o episódio de "factoide". "Temos um grande factoide no País. Jamais ocorreu [contato com Dadá]. Dadá que conheço, só o dos Trapalhões e cachoeira, só Itaipu Binacional", disse ao confundir o nome de Dadá com os personagens Dedé (Dedé Santana) e Didi (Renato Aragão), do programa humorístico Os Trapalhões, veiculado entre as décadas de 1970 e 1990 na TV Glo-

Dida Sampaio/AE

Fidelix: "Dadá, só conheço o dos Trapalhões. E cachoeira, só Itaipu" bo. "Nunca houve contato, não há contato, não o conheço. Não posso pagar por algo que desconheço", destacou. Segundo reportagens veiculadas na terça-feira, escutas telefônicas feitas pela Polícia Federal revelaram a tentativa de Carlinhos Cachoeira de

comprar o PRTB em Goiás. Nas ligações gravadas em maio de 2011, o bicheiro e Dadá falam de diversas legendas menores e citam o nome de Fidelix. “Sou fundador do PRTB. Ele é um filho meu. Não vendo meu filho. Você [jornalista] venderia?", provocou. (ABr)

STJ nega prisão de Agnelo Queiroz Ministros disseram não haver indícios suficientes e questionaram do pedido

O

Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou ontem o pedido de prisão preventiva contra Agnelo Queiroz (PT), governador do Distrito Federal. O pedido partiu da deputada distrital Celina Leão (PSD) no inquérito que apura fraudes no ministério dos Esportes e foi rejeitado por unanimidade pela Corte Especial. "Os indícios de autoria e materialidade colhidos ainda não são suficientes para fundamentar o decreto de prisão preventiva, considerando a fase atual das investigações", afirmou o ministro Cesar Asfor Rocha, relator do processo, em seu voto. Ele acolheu parecer do procurador-geral da Re-

pública, Roberto Gurgel. Arapongagem – O governador também ganhou tempo para articular a sua bancada e enfrentar a CPI da Arapongagem, que vai investigar grampos ilegais. A Câmara

Legislativa do DF deixou para a próxima semana a instalação da comissão. A bancada governista vai utilizar até o último dia o prazo para a indicação dos integrantes. (Agências)

Ruy Byron/Valor/Folhapress - 29.12.10

À salvo: pedido de deputada negado pela Justiça.


p Primeira- dama do Piauí vira conselheira do TCE DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 3 de maio de 2012

7

Tenho muito medo das injustiças que possam abraçar as causas que quero abraçar. Lilian Martins, nova conselheira do TCE do Piauí.

olítica

A

primeira-dama do estado do Piauí, Lilian Martins, foi empossada ontem, às 8 horas da manhã, como conselheira do Tribunal de Contas do Estado (TCE). A solenidade foi rápida e não contou com a presença do governador Wilson Martins (PSB), marido da mais nova conselheira. Ela disse que se julgará impedida em questões relacionadas às contas do governo do estado. O conselheiro substituto fez o discurso de boas vindas em nome do Tribunal e disse que tem certeza de que Lilian está à altura do cargo. A primeira-dama assume a cadeira após a morte do conselheiro Xavier Neto em um acidente aéreo, no mês de março, no qual também estava o conselheiro substituto, Jaime Amorim. Presença que soma – "Tenho pouco medo das injustiças que possam atingir minha imagem, mas tenho muito medo de que essas injustiças possam abraçar as causas que quero abraçar. Eu nunca imaginei que um dia eu chegasse aqui. Estou em uma nova fase da minha vida e tenho consciência do desafio que vou enfrentar neste cargo. Mas me senti extremamente acolhida nesta Casa e isso é muito importante", discursou a nova conselheira, dizendo que é disciplinada e esforçada. "Não vim para inventar. Vim para somar". Lilian Martins pediu que a sociedade tenha confiança no seu trabalho: "Existe o instituto da suspeição e o instituto do impedimento. Não só aqui, mas em qualquer lugar. Se você achar que é parcial, poderá abrir mão do julgamento de determinadas causas", justificou. Ela informou que vai se consi-

Reprodução

Em sua defesa, Lilian Martins diz que se julgará impedida em questões relacionadas às contas do governo TCE/Piauí

Anita: luta pelos ideais republicanos.

Anita Garibaldi entra no Livro dos Heróis da Pátria Lilian: posse no plenário do Tribunal de Contas, no lugar de Xavier Neto, morto em desastre aéreo. derar impedida quando tiver que analisar as contas de qualquer órgão do estado. O TCE tem sete membros como conselheiros. Ao cargo, que é vitalício, corresponde um salário equivalente ao de um desembargador do Estado – algo em torno de R$ 24,5 mil por mês. Estiveram presentes à rápida solenidade matutina de ontem o coordenador de Comunicação do governo, Fenelon Rocha, o secretário de Educação, Átila Lira, o deputado estadual João Madison Nogueira e o controlador geral do Estado, Antônio de Almeida Filho. Repúdio – A posse da primeira-dama no TCE foi contestada em nota do Ministério Público local. Veja, na íntegra: "A Associação Nacional do Ministério Público de Contas – Ampcon, entidade representativa dos Procuradores de Contas que atuam perante todos os Tribunais de Contas do Brasil, vem a público manifestar seu repudio em relação a fatos recentes en-

volvendo a substituição de Conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Piauí (TCE-PI). A nomeação para o cargo de Conselheira da Senhora Lilian Martins, esposa de Wilson Martins, Governador do Estado do Piauí ultrapassa os limites mais

Estou em nova fase da minha vida e tenho consciência do desafio neste cargo. Mas me senti extremamente acolhida na Casa. LILIAN MARTINS evidentes circunscritos pelo princípio da moralidade administrativa, caracterizando possivelmente ato de nepotismo. A estratégia flagrantemente inconstitucional de delegar aquela nomeação para o Poder Legislativo do Estado do Piauí,

quando deveria ser realizada pelo Sr. Governador, apenas reforça a percepção de que a conduta de uma parte dos Poderes constituídos do Piauí tem exatamente a pretensão de contornar as regras vigentes impostas pela Constituição Federal que norteiam a composição de todos os Tribunais de Contas brasileiros (art. 75), tentando ofuscar assim o liame de parentesco entre o Sr. Governador do Estado e a Conselheira nomeada. O ato de nomeação da Senhora Lilian Martins, além de inconstitucional, traduz inaceitável prática de cunho patrimonialista, que deve ser expurgada do Estado brasileiro, vez que não coaduna com o Estado de Direito e com os valores republicanos que imantam atualmente a sociedade brasileira. A Ampcon adotará as medidas que estiverem ao seu alcance para o questionamento administrativo e judicial desta nomeação. Brasília-DF, 02 de maio de 2012. Assinado: A Diretoria". (AE)

A partir de agora, revolucionária faz parte do registro de brasileiros que defenderam o Brasil.

O

Diário Oficial da União publicou ontem a lei que inscreve o nome da heroína catarinense Anita Garibaldi (1821-1849) no Livro dos Heróis da Pátria. O livro registra perpetuamente os nomes dos brasileiros e de grupos de brasileiros que tenham dado a vida pela pátria "defendendo ou construindo, com dedicação e heroísmo". Anita Garibaldi, nascida Ana Maria de Jesus Ribeiro da Silva, foi mulher do herói italiano Giuseppe Garibaldi que, no Brasil, lutou pelos ideais republicanos contra o Império. Anita conheceu Giuseppe em 1837, durante a Guerra dos Farrapos, quando as forças da República RioGrandense tomaram a cidade catarinense de

Laguna. Com o tempo, ela aprendeu a manejar as armas e passou a acompanhar o marido nas batalhas. O Livro dos Heróis da Pátria foi criado em novembro de 2007, pela Lei 11.597, assinada pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pelo ex-ministro da Cultura Gilberto Gil. Está depositado no Panteão da Pátria e da Liberdade Tancredo Neves, na Praça dos Três Poderes, em Brasília. O Panteão, criado por Oscar Niemeyer, é um monumento de arquitetura modernista, simbolizando uma pomba, Entre outros, constam do livro Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes; Zumbi dos Palmares, e o Marechal Manuel Deodoro da Fonseca. (ABr)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Reuters

O DIA MAIS IMPORTANTE DE OBAMA O dia da morte do líder da Al-Qaeda, Osama bin Laden, foi para o presidente dos EUA, Barack Obama, "o mais importante" de seu mandato, segundo confessou em entrevista exclusiva transmitida ontem pela emissora NBC.

nternacional

O DUELO FINAL No debate entre os presidenciáveis franceses, Hollande adota postura conciliadora, enquanto Sarkozy parte para o ataque.

Foi saída forçada ou voluntária?

France 2/Reuters

O

presidente francês, Nicolas Sarkozy, e seu rival socialista, François Hollande, duelaram ontem no único debate televisivo prévio ao segundo turno da eleição presidencial, que era visto como a última chance para que Sarkozy revertesse o prognóstico de derrota no próximo domingo. Enquanto Sarkozy partiu para o ataque e acusou o rival de "mentir" várias vezes, principalmente em temas econômicos, Hollande adotou uma postura mais relaxada, prometendo ser "o presidente da justiça" e "o presidente da unidade". "É uma mentira, é uma mentira!", disse Sarkozy durante uma discussão dos dois sobre políticas econômicas. Hollande, que tem uma vantagem de 6 a 10 pontos percentuais nas pesquisas, preferiu um tom mais conciliador e respondia às acusações de Sarkozy: "Eu nunca disse isso", afirmou o socialista. O presidente afirmou que está sendo responsabilizado injustamente pelos problemas econômicos da França. "Sarkozy, o Sr. terá dificuldades em se fazer passar por vítima", respondeu Hollande. "Nunca é sua culpa. Você sempre tem um bode expiatório", acrescentou ele. O debate entre os candidatos, descrito pelos jornais franceses como o "Último Duelo" e "O Confronto Final", foi transmitido ao vivo por canais que atingem praticamente metade dos 44,5 milhões de eleitores. Sob o estrito controle de um relógio que media os tempos estipulados, Sarkozy acusou Hollande de, entre outras coisas, planejar "uma loucura" de despesas para o país, com propostas como a criação de 61 mil novos empregos públicos. "Há uma diferença entre nós: o senhor quer menos ricos e eu menos pobres", respondeu Sarkozy ao candidato socialista, que tinha criticado o mandato do atual presidente por, segundo ele, ter favorecido os mais privilegiados. Imigração - Os candidatos apresentaram argumentos contra a imigração, um dos temas que entraram em evidência no segundo turno pela votação inesperada a favor da candidata da extrema direita, Marine Le Pen. Hollande foi o primeiro candidato da esquerda a dizer abertamente que é contra algumas práticas muçulmanas, como o uso de véus cobrindo os rostos das mulheres nas ruas ou que homens e mulheres tenham horários diferentes de natação nas piscinas. Já Sarkozy prometeu criar uma prova de francês de valores nacionais aos estrangeiros maiores de 16 anos, e reduzir os centros de retenção de imigrantes em territórios ultramarinos. (Agências)

A

Hollande (à esq.) e Sarkozy ( à dir.) durante debate transmitido por canais que atingem praticamente metade dos 44,5 milhões de eleitores

SARKOZY E A PERDA DO MISTÉRIO Luiz Carlos Lisboa De Princeton, EUA.

N

o seu estudo sobre a obra do poeta francês Paul Valéry, o escritor romeno Émile Cioran lembra que para um autor é um verdadeiro desastre ser compreendido. O mistério, a solenidade e até uma certa pompa são ingredientes inseparáveis do sucesso na vida pública e na admiração que um homem de destaque vai colher vida afora. Na história política essa verdade pode ser observada nas biografias mais isentas de homens que lidaram com o poder em todo o mundo. A França, naturalmente, não é exceção à regra. A derrota de Sarkozy no primeiro turno das eleições presidenciais mostra com dureza de detalhes que os franceses perderam parte do interesse pelo seu presidente porque ele se revelou em toda a sua humanidade nos quatro primeiros anos de governo. Ao contrário de Charles de Gaulle, por exemplo, que se cobriu com um manto de monarca à frente da Quinta República, e nisso inspirou os presidentes que o sucederam, o que encerra seu mandato agora não parece ter zelado pela própria imagem. Os reis e governantes do passado na França esconderam sem esforço sua fragilidade humana no isolamento natural de um tempo sem os meios de comunicação de hoje, quando todos os gestos, gostos e fraquezas são revelados em fotos, filmes e entrevistas, não só pelas grandes cornucópias da comunicação como pelos mais acessíveis e banais gravadores portáteis, câmeras e celulares do mundo. Sarkozy foi diariamente flagrado em todas as suas hesitações, dúvidas e pequenas angústias, as mesmas que afligem os homens em toda parte.

Nem as s a d a í p m Oli a d m a p a esc a i r í s o ã s ten ue ista diz q

o e ativ ados Ex-goleir endo forç s o ã t s e atletas o do event r a ip ic t r a pa

E o ser humano não gosta de ser lembrado de sua fragilidade, de sua acomodação, de sua fraqueza. Ele quer só que seus representantes estejam um pouco acima das suas vacilações e dúvidas. Ou pelo menos pareçam. Sarkozy tem as fraquezas do francês comum, e assim ele não é aquele líder perfeito com que sonham os franceses e – por que não admitir logo? – com quem todos sonhamos. Os governantes que escolhemos precisam manter sua couraça ou seu mistério porque para eleger um sujeito como nós não vale a pena sair de casa para votar. Esse francês que fala com os ombros, que resmunga e pragueja, que gostaria de ser invulnerável mas está longe de conseguir isso, esse homem não vai levar nosso voto de novo porque ele não nos protege

Divulgação/Reuters

Saroot: banido do futebol sírio após se juntar aos rebeldes.

o suficiente. Afinal, todos queremos mudar, ou ser mudados, mas de um modo que não sejamos humilhados no confronto. Sarkozy, esse presidente que confessa ser apenas um político – tão diferente de De Gaulle, de Mitterrand e de Jacques Chirac, figuras imperiais, inalcançáveis – já não serve e é preferível apoiar outro nome, ainda que seja o pastel socialista François Hollande, que tem a vantagem de fazer da própria monotonia um mistério, esse vago mistério de ser apenas diferente de um Sarkozy homem como nós. Quando há pouco StraussKahn, ex-chefe do FMI acusado de assédio por uma camareira de hotel em Nova York, responsabilizou Sarkozy por sua desgraça pessoal, sugeriu também no seu desespero que o presidente francês fingia ser simples

O

ex-goleiro da Síria e hoje ativista rebelde Abdelbasset Saroot afirmou ontem que os atletas de seu país não querem participar dos Jogos Olímpicos de Londres pois eles "não querem jogar por uma bandeira que eles não têm orgulho ou fé". "Eu sei pessoalmente que a maioria dos atletas não quer participar e eles estão indo só por medo de (retaliações às) suas famílias, das repercussões do regime se eles não obedecerem", disse Saroot em entrevista à ITV News. "Eu quero enviar aos atletas esta mensagem: a cultura desportiva na Síria morreu, não há mais nada", afirmou. "Não há ligas ou jogos honestos. Atualmente existe só um

mas era de fato um sujeito ardiloso. A verdade é que o presidente francês é mais autêntico que seu acusador, mas este se protege no silêncio e na sua fama galante muito melhor que Sarkozy, e esse mistério quase o absolve. Do outro lado do Atlântico, Mitt Romney impôs-se como candidato republicano nas eleições primárias dos Estados Unidos, apesar de sua ficha negativa de mórmon, precisamente devido ao seu jeito artificial e robotizado de se apresentar nos comícios, envolto na neblina de um passado poligâmico. Só isso pode ter-lhe servido para ameaçar Obama em novembro próximo. Quando Émile Cioran falava de Valéry estava de fato dizendo que o mistério é amigo do sucesso, seja no mundo das artes, seja nas lides políticas. Toda explicação desanuviadora do mistério é tediosa, além de ser perigosamente cansativa. O que se procura num líder é muitas vezes só o que se deseja encontrar nele, principalmente encorajamento. Os escritores que se recusam a falar sobre o que estão escrevendo antes que terminem a obra, não agem assim só por medo de plágio, mas porque receiam exaurir a inspiração e desanimar do trabalho. A reação dos eleitores contra Sarkozy é feita daquele mesmo material que alimenta o desentendimento entre pais e filhos, quando a admiração da infância cede lugar à crítica adolescente. Como esses jovens desencantados, os votantes franceses acreditam agora ter descoberto que seu guia não é mais aquele pastor que conduzia com segurança o seu rebanho. É, como quase todos nós, um leigo na arte do pastoreio.

movimento, que é a revolução, os protestos e um povo que luta por sua dignidade e liberdade", acrescentou. Saroot, de 20 anos, ainda advertiu sobre a repressão das forças do presidente sírio, Bashar al-Assad, que, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), já mataram mais de 9.000 civis. "A minha mensagem como jogador de futebol, atleta e ativista, em primeiro lugar, é que nós estamos vendo um verdadeiro massacre aqui, e o mundo não está falando (sobre isso), com exceção de números e de mortes", afirmou. "Estas são pessoas reais, este é um massacre, porque as pessoas estão sendo massacradas, as pessoas no mundo têm esquecido

legando que o governo chinês ameaçou espancar sua mulher "até a morte", o dissidente cego Chen Guangcheng deixou ontem a embaixada norte-americana em Pequim após seis dias refugiado, e se internou em um hospital da cidade, onde se reuniu com a família. No entanto, as circunstâncias da saída dele são confusas. A secretária de Estado norteamericana, Hillary Clinton, que visita Pequim, disse que os EUA ajudaram Chen em seus "entendimentos" com o governo. Mas apenas algumas horas após concordar em sair voluntariamente da embaixada, Chen apelou ao presidente dos EUA, Barack Obama, que o ajude a deixar a China por temer pela sua segurança. "Eu gostaria de dizer ao presidente Obama – por favor, faça tudo o que puder para tirar nossa família daqui", disse ele no hospital à rede CNN. Ele está recebendo cuidados por causa de ferimentos da fuga, quando caminhou por um dia. (Agências) Divulgação/Reuters

Chen sob escolta dos EUA

Egito explode em nova violência

A

violência voltou ontem às ruas do Cairo, aumentando as tensões no Egito a menos de um mês da eleição presidencial. Pelo menos 20 pessoas morreram e mais de 100 ficaram feridas em confrontos entre manifestantes que protestavam diante do prédio do Ministério da Defesa, na capital egípcia, e homens armados. Os agressores, que trajavam roupas civis, não foram identificados. Mas os manifestantes acusam a junta militar que governa o país de estar por trás do ataque. "Quem mais teria gás lacrimogêneo?", questionou Abdelrahman Hany, da Rede Árabe de Direitos Humanos. O alvo foi um protesto iniciado no sábado por salafistas (muçulmanos ultraconservadores) contra a desqualificação de seu candidato a presidente, Hazem Abu Ismail. (Agências)

a crise humanitária", disse. Em resposta, o presidente do Comitê Olímpico Sírio, o general Mowaffak Joumaa, declarou à ITV News: "Não há dúvida sobre isso – vamos participar (das Olimpíadas)". No entanto, a seleção masculina de futebol, da qual Saroot pertencia, não irá ao evento, já que não conseguiu se classificar. A presença da delegação síria nos Jogos Olímpicos de julho promete ser polêmica. Ativistas sírios pediram que o Reino Unido barre a entrada de autoridades próximas de Assad. O premiê britânico, David Cameron, disse que os atletas poderão participar do evento, e apenas autoridades na lista de sanções da União Europeia não serão bem-vindas. (Reuters)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 3 de maio de 2012

c

9 CIRCUITO CULTURAL O Beco do Pinto, situado entre o Solar da Marquesa e a Casa Número 1, na rua Roberto Simonsen, é ponto de visita obrigatória no conjunto histórico-arquitetônico do Pátio do Colégio, no Centro Velho de São Paulo.

idades Fotos de Chico Ferreira/Luz

Na casa Número 1, onde hoje funciona a Casa da Imagem, crianças e seus professores fazem fila para entrar e aprender mais sobre São Paulo

Centro Velho de São Paulo vira uma grande sala de aula Cada vez mais, as redes pública e privada de ensino recorrem a passeios ao Centro para reforçar o estudo das crianças Mariana Missiaggia

D

os parques de diversões aos tradicionais calçadões de São Paulo. Aos poucos, o roteiro de passeios dos pequenos estudantes da cidade está mudando e ficando cada vez mais cultural. Caminhar pelas ruas, visitar prédios e museus do Centro Velho se tornou uma maneira didática de ensinar e aprender sobre arquitetura, história e geografia. As visitas da criançada começam na praça da Sé e podem terminar no largo São Bento ou no vale do Anhangabaú. A procura pelo Centro é confirmada por Carla Galdeano, coordenadora do Museu Anchieta, no Pátio do Colégio. “O número de visitantes cresceu muito no último ano. Muitos paulistanos passaram a conhecer o Pátio do Colégio, além do número de escolas que, diariamente, participam

das visitas monitoradas”, disse. Em média, quatro escolas visitam o museu por dia. Mariana Marques Mudo, 39 anos, coordenadora pedagógica da unidade Santo Amaro, do colégio Adventista, conhece bem esse roteiro. Há quatro anos, ela percorre esse circuito, acompanhada dos alunos do 4º ano. “O passeio cultural é um motivador do ensino. Em São Paulo, temos uma infinidade de opções. É possível agendar visitas para todas as séries sem que os locais se repitam. O aprendizado é garantido”, disse. No Centro, 23 pontos perfazem, aproximadamente, três quilômetros didático-turísticos que vão da fundação ao desenvolvimento de São Paulo. Segundo Mariana, para os alunos, o ponto alto da visitação é o Museu Anchieta, no Pátio do Colégio. “Eles ficam eufóricos com a parte indígena. Quando observam a maquete que retrata São Paulo no sécu-

lo 16 e percebem que estão exatamente no mesmo lugar, mas numa cidade completamente mudada, ninguém se segura. É um comentário atrás do outro”, disse. Para a pedagoga e coordenadora do curso de pedagogia da Unicamp, Maria Márcia Malavazi, 53 anos, a inserção de atividades culturais deveria ser uma das políticas públicas de educação. “Observo que, há um ano, coordenadores e professores se movimentam mais para que os alunos realizem atividades relacionadas ao conteúdo no exterior das salas de aula. No entanto, a rede pública não possui tanto acesso a essas atividades e é claro que professores e alunos precisam de uma infraestrutura que possibilite esse projeto”, disse. De acordo com a Secretaria Estadual de Educação, esse objetivo está cada vez mais perto de ser alcançado. Por meio do programa Cultura é Currículo, mensalmente a Fun-

O conjunto arquitetônico do Pátio do Colégio é um dos mais procurados

No Estado, 815 mil crianças serão beneficiadas por programas de visitas

dação para o Desenvolvimento da Educação (FDE) oferece uma programação de atividades culturais para a rede pública do Estado. Cada diretoria de ensino recebe as possibilidades de visita e as distribui entre as escolas de sua região de forma homogênea. Em 2012, o Cultura é Currículo oferecerá 20 mil atividades culturais que beneficiarão 815 mil alunos em todo o Estado, incluindo transporte e alimentação. Cerca de 160 instituições se tornaram parceiras do projeto, como SESC, Catavento Cultural e o Museu do Futebol. Outro parceiro é o Solar da Marquesa, na rua Roberto Simonsen, onde os alunos do 1º ano, do colégio E. E. Paulo Monte Serrat, no Belém, estiveram na semana passada. V.P.M., 8 anos, se encantou com louças antigas da Marquesa de Santos. “Tem algumas coisas que se parecem com as da minha avó. Eu gostei muito da cama em que a marquesa dormia. Parece de princesa”, observou a menina. Em seguida, o grupo seguiu para a Casa da Imagem e ao Beco do Pinto, também na rua Roberto Simonsen. Curiosos, os alunos mantinham o olhar atento na exposição para, posteriormente, elaborar maquetes sobre o passeio. No Beco do Pinto, A.J.P., 6 anos, observou durante muito tempo uma jabuticabeira escorada por tripés de madeira. “Eu acho que assim fica mais difícil de maltratarem a plantinha. Olha só como ela está bonita. Lá no alto, ninguém pisa, nem quebra os galhos dela”, concluiu.

Helvio Romero/AE

Madrugada gelada. E o frio vai continuar.

A

Paulistanos enfrentam o frio na Praça da República, região central de São Paulo, ontem: temperaturas ficam baixas até o final da semana

cidade de São Paulo voltou a registrar ontem a madrugada mais fria do ano, com 10,5° C, segundo aferições do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia) na estação do mirante de Santana (zona norte). A marca anterior, de 11,4° C, havia sido registrada anteontem. Anteontem, a Defesa Civil colocou toda a cidade em estado de atenção devido às baixas temperaturas. A sensação térmica em algumas regiões chegou a 8° C, segundo o CGE (Centro de Gerenciamento de Emergências), da Prefeitura. O frio vai continuar. As

temperaturas só devem começar a subir gradativamente a partir da sexta-feira. Na segunda, a cidade de São Paulo teve a tarde mais fria do ano, com 14,8° C. Já o mês de abril, que terminou anteontem, foi o mais chuvoso desde 1991, com o acumulado de 155,9 mm (milímetros). Em 1991, o acumulado do mês foi de 169 mm – cada mm equivale a um litro de água por metro quadrado. A região Sul também teve mais uma madrugada de temperaturas baixas, com os termômetros marcando até 1,5 ° C. Houve geadas nas cidades de Bom Jesus (RS) e São Joaquim (SC). (Folhapress)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10 -.LOGO

quinta-feira, 3 de maio de 2012

C RIATIVIDADE Reproduções

Gás de estrela Simulação feita pela agência espacial norteamericana, Nasa, do momento em que o gás de uma estrela cai em um buraco negro.

Logo Logo www.dcomercio.com.br

Comida divertida para a criançada

E CONOMIA C ELEBRIDADES

Facebook rumo à Nasdaq

Laurent Fievet/AFP

O

Facebook deve iniciar as operações na bolsa de valores a partir da sexta-feira 18 de maio, divulgou ontem o site do Wall Street Journal. A rede social informou que os títulos serão negociados no índice tecnológico Nasdaq sob a sigla FB. A partir da próxima segunda-feira, 7 de maio, a empresa iniciará uma série de encontros com potenciais investidores (chamada roadshow) para apresentar sua estratégia para a oferta pública inicial de ações (IPO, em inglês). Ao contrário do

que estimavam os analistas, Mark Zuckerberg, fundador e presidente-executivo da rede social, participará dos encontros. Zuckerberg só acompanhou a trajetória do Facebook rumo ao mercado de capitais nos bastidores, o que levantou especulações sobre sua participação nos encontros. O roadshow geralmente dura uma ou duas semanas. Dependendo do resultado dos encontros, as ações podem começar a ser negociadas alguns dias antes ou depois da data de 18 de maio. A expectativa da rede

social é de levantar pelo menos US$ 5 bilhões na operação, valor que deve representar o maior IPO de uma empresa do Vale do Silício em toda a história da Nasdaq. O preço exato de cada ação só será fixado na véspera do início das cotações. O valor das ações permitirá determinar o valor da empresa, que analistas calculam entre US$ 75 bilhões e US$ 100 bilhões. Isso colocaria a empresa de Mark Zuckerberg entre as maiores corporações do mundo, ao lado de McDonald's e Citigroup.

Arnd Wiegmann/Reuters

L

Amor de fã Fã da diva pop Lady Gaga posa para foto antes do show da cantora em Hong Kong, ontem. A cantora está em turnê por países da Ásia e Oceania. H OLLYWOOD

R EPÚBLICA TCHECA

Cão de O artista terá biografia

Ladrões furtam ponte de 10 toneladas

Uggie, a estrela canina do filme ganhador do Oscar O Artista, ganhará uma biografia em que será relatada sua saga de cachorro prestes a ser sacrificado a ator canino premiado em Hollywood. O livro Uggie, my story (Uggie, minha história) será publicado pelo selo Gallery Books da editora Simon and Schuster em outubro deste ano. Numa jogada de marketing, o cachorro da raça Jack Russell Terrier, nascido em 2002, "narrará" a história. Mas a "ghost writer" do cãozinho será a biógrafa Wendy Holden.

Ladrões furtaram uma ponte ferroviária que pesava 10 toneladas e era constituída de 200 metros de trilhos na República Tcheca. De acordo com a imprensa local, o crime foi cometido em plena luz do dia, com a ajuda de um guindaste. A ponte de ferro, de 1901 não era mais utilizada e estava a 150 quilômetros ao oeste de Praga. Os ladrões se passaram por uma empresa privada com contrato com o governo e disseram que a ponte seria retirada para a construção de uma pista para ciclistas. O material vale R$ 12 mil como ferro-velho.

DE 1920 Tiara de Joseph Chaumet será leiloada em Genebra dia 15.

Heather Sitarzewski é artista, designer e mãe. Para vencer o desafio de fazer uma criança comer alimentos saudáveis, com a quantidade adequada de legumes, verduras, proteínas e carboidratos, ela cria sanduíches que são verdadeiras obras de arte. Para ver outras de suas criações, visite seu blog. http://hsitarzewski.blogspot.com.br/

M ERCADO

O Grito, o mais valioso da história Uma das mais famosas imagens de todo o mundo, o quadro O Grito do pintor expressionista norueguês Edvard Munch foi leiloado ontem em Nova York por US$ 119,9 milhões e se tornou o quadro mais caro da história. A pintura de 1895 que mostra um homem segurando a cabeça e gritando sob um céu cor de sangue e se tornou um símbolo moderno da ansiedade humana. O recorde anterior era de Nu, folhas verdes e busto, de Pablo Picasso, vendido por US$ 106,5 milhões em 2010.

A RTE Reproduções

A Renascença modernizada Obras clássicas do Renascimento, como a Mona Lisa ganham versões modernizadas nos concursos de manipulação de imagens do site Freaking News.

Elton John é 'nomeado' cardeal em recriação do quadro Cardeal Bibbiena, de Raphael.

www.freakingnews.com

C IÊNCIA Reuters

E M

C A R T A Z

L OTERIAS

LACAZ

Edson Kumasaka/Divulgação

01

02

03

04

06

07

10

12

13

15

16

17

20

23

24

Concurso 1241 da LOTOMANIA

Sangue de 5.300 anos Cientistas que examinam os restos de Ötzi, um italiano pré-histórico que vagava pelos Alpes há cerca de 5.300 anos, disseram ontem que conseguiram isolar o que seria a mais antiga amostra de sangue humano já encontrada. Eles usaram um microscópio atômico e conseguiram isolar seu sangue - tipo O - de uma lesão causada pela flechada que o matou.

Concurso 747 da LOTOFÁCIL

02

05

08

10

21

23

25

35

39

41

45

46

47

54

63

77

78

79

80

83

Concurso 1385 da MEGA-SENA

Mostra 'Eletro livros' exibe obras do artista plástico Guto Lacaz. Centro Universitário Maria Antonia. Rua Maria Antonia, 294, Vila Buarque. Grátis.

27

35

36

37

42

Concurso 2886 da QUINA 01

18

30

53

56

59


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 3 de maio de 2012

e

11 CARTÃO Mastercard comemora alta de 21% no lucro do 1º semestre

conomia

CONCORRÊNCIA Construtora Andrade Gutierrez entra no mercado de óleo e gás

Thales Stadler/ ABC Digipress- Acredito

Lojistas se prepararam para o aquecimento das vendas com Dia das Mães e o frio

Aumenta a disposição para gastar

A

ACSP: vendas a prazo e à vista sobem em abril. Dia das Mães e frio prometem aquecer ainda mais as vendas do comércio, especialmente nos setores de vestuário e eletroeletrônicos Fátima Lourenço

A

s vendas do varejo paulistano mantêm, em abril, o mesmo ritmo de crescimento moderado observado desde o início do ano. De acordo com o balanço divulgado ontem pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP), as compras do período efetuadas por meio do crediário cresceram 3,1%, ante igual mês do ano passado. Na mesma base de comparação houve salto de 2% nas transações comerciais efetuadas à vista. O frio verificado no final do mês acena com boas possibilidades aos lojistas, especialmente aos do setor de vestuário, em pleno lançamento da coleção outono-inverno e às vésperas do Dia das Mães. "O mês de abril destacou-se mais pela recuperação do crédito, fato que sinaliza não ape-

3,2 por cento de alta na recuperação do crédito em abril. Dado reflete o sucesso das campanhas de renegociação de dívidas. nas uma queda da inadimplência, mas também um aumento do número de consumidores que voltaram a se habilitar para fazer novas compras a crédito nos próximos meses, aproveitando os juros mais baixos", diz o presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), Rogério Amato.

Inadimplência – O executivo se refere ao crescimento de 3,2% observado no Indicador de Recuperação de Crédito (IRC) do mês passado (comparado a abril de 2011), bem superior ao salto de 1% do Indicador de Registro de Inadimplentes (IRI) apurado no mesmo período. De acordo com o balanço divulgado ontem, no acumulado do ano até abril, a inadimplência sinaliza para uma estabilidade, com crescimento de 8,6% nos registros recebidos e 8,5% nos recuperados. Os indicadores de venda e os de inadimplência são elaborados pelo Instituto de Economia Gastão Vidigal (IEGV), da ACSP, com base em amostra de consultas dos lojistas feitas à Boa Vista Serviços, administradora do Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC). "Essa alta da recuperação de crédito em abril (de 3,2%,

com crescimento de 1% no registro de novos inadimplentes) reflete também o resultado das campanhas de renegociação de débitos atrasados, feitas pelos bancos públicos e também pelas entidades privadas", comenta o economista do IEGV, Emílio Alfieri. A própria Boa Vista, acrescenta, acaba de realizar o "Acertado Suas Contas", em Itaquera, com a mesma finalidade. Mães – Sobre a proximidade com o Dia das Mães – "considerando o histórico de vendas e as temperaturas mais baixas já no final de abril"–, o economista da ACSP lembra que as perspectivas são boas para as roupas, calçados e até artigos como lençóis e edredons. Os itens do gênero alavancam as vendas à vista, justifica ele, dimensionadas pelo Indicador de Movimento de Cheques (IMC) da Boa Vista Serviços (antes denominado SCPC Cheque). Já as transações dimensionadas pelo Indicador de Movimento do Comércio a Prazo (IMC/SCPC), ressalva Alfieri, dependem das condições que o comércio oferecerá. "Para comprar bens duráveis, o consumidor quer preço baixo e boas condições de pagamento, com prestações de menor valor", explica. As vendas relacionadas à data, acrescenta, certamente serão boas, "afinal o Dia das Mães é um segundo Natal para o comércio, com boas vendas de celulares, novidades de informática, CDs, DVDs, perfumes, cosméticos e lembrancinhas".

O mês de abril destacou-se pela recuperação do crédito, que sinaliza para a queda da inadimplência. ROGÉRIO AMATO, PRESIDENTE DA ACSP E DA FACESP

Sazonalidade – Na comparação com o mês anterior, todos os indicadores de abril apresentam resultados negativos. As vendas a prazo recuaram 14,8% e as transações à vista, 5,7%. No caso da inadimplência, os recuos são de 15% (registros recebidos) e 11,6% (para os cancelados). "São quedas sazonais e refletem, basicamente, o fato de março ter sido um mês com 31 dias e quatro domingos, enquanto abril teve 30 dias, cinco domingos, além do feriado da Semana Santa", detalha Alfieri. Esse conjunto de coincidências resulta, segundo ele, em praticamente quatro dias a menos na movimentação do comércio paulistano. O indicador menor, no caso das compras à vista, "pode já estar refletindo alguma compra de vestuário e calçados, por causa da queda da temperatura, ou até por causa de alguma compra antecipada para o Dia das Mães", analisa o economista da ACSP.

pós uma queda de 5,2% em março, o ICF, índice que mede a intenção de consumo das famílias paulistas, registrou aumento de 2% em abril e atingiu os 145,3 pontos. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, o índice cresceu 7,2%. Medido pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP), o índice varia de 0 a 100 pontos. Resultados acima de 100 pontos indicam otimismo. Em abril, a perspectiva de consumo das famílias paulistas subiu 10,6% na comparação com março e o nível atual de consumo cresceu 9,8% no mesmo período. Em relação ao mesmo mês do ano anterior, ambos apresentaram variações positivas de 13,4% e 9,8%, respectivamente. O índice que mede a satisfação em relação ao acesso ao crédito subiu 2,6% e chegou aos 161,6 pontos. Houve ainda aumento de 1% (151,1 pontos) no indicador que mede a intenção das famílias em adquirir bens duráveis. A Fecomercio-SP explica que o ânimo dos consumidores é resultado da redução de juros dos bancos e a queda para 9% da Selic, taxa básica de juros, "medidas que significam o barateamento do dinheiro". (Folhapress)

Davilyn Dourado/Valor- Folhapress - 18.09.07

Atividade industrial no País diminui 3,5%

André Loes, economistachefe do HSBC Bank Brasil: indicador de custos e preços sobem.

Índice Gerente de Compras de Produção Industrial, calculado pelo HSBC, chega ao nível mais baixo dos últimos quatro meses.

A

demanda mais fraca no consumo está entre as variáveis que levaram o Índice Gerente de Compras de Produção Industrial – HSBC Brasil (PMI, na sigla em inglês) recuar 3,5% em abril. Dos 51,1 pontos registrados em março o índice caiu para 49,3 pontos, segundo cerca de 400 empresas ouvidas no levantamento. Trata-se do mais baixo nível do indicador em quatro meses, observa o economista-chefe do HSBC Bank Brasil, André Loes.

"Todos os componentes do PMI ficaram abaixo de 50 pontos em abril, exceto os indicadores de inflação: tanto o indicador de custos quanto o de preços cobrados voltaram a se acelerar", afirma Lóes. Das empresas pesquisadas, 13% receberam um volume menor de novos trabalhos em abril, com a taxa de redução sendo a mais forte desde novembro do ano passado. O volume de pedidos para exportação também diminuiu, como vem ocorrendo desde abril de 2011. Vá-

rios entrevistados culparam o persistente enfraquecimento da economia global pela redução nos pedidos de exportação. Os preços, de acordo com Loes, atingiram o nível mais elevado desde 2011. "Este comportamento permanece sendo uma fonte de preocupação, apesar dos resultados favoráveis dos índices de inflação no início do ano." Já a produção das indústrias brasileiras diminuiu em abril, registrando a redução mais forte em seis meses. Os

estoques de produtos finais caíram, mas a taxa de redução se desacelerou em relação a março. Os pedidos em atraso também cederam e as empresas citaram, entre os motivos, as recentes melhorias na produtividade. Como reflexo da produção menor, a quantidade de insumos comprados diminuiu

moderadamente em abril. Já os prazos de entrega dos fornecedores se alongaram – e da maneira mais significativa desde junho de 2011. Também foram relatadas perdas de empregos no setor industrial em abril, pondo um ponto final num período de três meses de criação de postos de trabalho.

PMI da China – Na China, PMI subiu para 49,3 em abril passado em comparação com 48,3 em março. O avanço pode aliviar as preocupações sobre o crescimento vacilante da segunda maior economia do mundo. O número final ficou acima de um PMI preliminar de 49,1 anunciado pelo HSBC em 23 de abril. "A revisão para cima da leitura final do PMI de abril, em comparação com a estimativa anterior, confirma que o ritmo de desaceleração da China está estabilizado", disse o economista-chefe do HSBC para a China, Qu Hongbin, em comunicado. (AE)


12 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 3 de maio de 2012


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 3 de maio de 2012

e

13 Isaac Martins, formado em publicidade e propaganda, vai dar curso no ACSP Atualização Profissional no dia 10.

conomia Daniel Teixeira/AE

Balança tem saldo positivo de US$ 881 mi Comércio exterior fecha no azul em abril, apesar do aumento das importações.

A

balança comercial brasileira registrou um superávit de US$ 881 milhões no mês de abril, resultado de exportações de US$ 19,566 bilhões e importações de US$ 18,685 bilhões. Segundo os dados divulgados na tarde de ontem pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic), o valor das importações é recorde para meses de abril, mas isso não impediu que houvesse uma queda nas importações pela média diária, que foi de US$ 934,3 milhões. A redução foi de 3,1% em relação a abril de 2011, mas o valor representa um aumento de 8,8% em relação a março des-

Curso especial para líderes de equipes Paula Cunha

G

estores bem treinados que assumam a liderança de equipes com conhecimentos específicos de técnicas de abordagem e estímulos podem ser a diferença entre um desempenho mediano e resultados positivos em uma empresa em tempos de alta competitividade. Líderes que visam a integração entre diversos setores de um negócio e buscam a satisfação dos clientes sem perder a compreensão da importância de ações mais amplas e de longo prazo são os profissionais mais procurados atualmente para enfrentar os desafios da economia mundial. Por isso, Isaac Martins, formado em publicidade e propaganda e fundador do Instituto que tem o seu nome, enfatizará a importância de identificação destes profissionais e das técnicas de motivação ao trabalho em equipe no curso Liderança de Equipes, previsto no programa ACSP Atualização Profissional, a ser realizado na sede da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) no próximo dia 10. O palestrante abordará ainda temas específicos como o gerenciamento de pessoas que atuam no segmento de vendas, os desafios que envolvem a liderança de equipes formadas por colaboradores de idades e formação diferentes, por exemplo. O evento foi formatado para empreendedores, diretores, gerentes, supervisores, coordenadores, gestores e profissionais que ocupam cargos de liderança.

S ERVIÇO Data: 10/05/12 Curso: das 9h às 18h Local: Sede da ACSP – Rua Boa Vista, 51 - 9º andar Inscrições até o dia 7 de maio Informações: (11) 3244-3737 E-mail: eventos@acsp.com.br

te ano pela média diária. Vale lembrar que abril deste ano teve 20 dias úteis, um dia a mais do que abril do ano passado. O último recorde foi em abril de 2011, quando somaram US$ 18,312 bilhões. Já as exportações tiveram média diária em abril de US$ 978,3 milhões, o que representa uma queda de 7,9% ante abril de 2011 e um aumento de 2,9% em relação a março deste ano. O superávit comercial no mês é 52,7% menor do que igual período do ano passado, quando totalizou US$ 1,861 bilhão. A balança comercial brasileira acumula, de janeiro a abril, um superávit de US$ 3,318 bilhões , conforme anúncio do ministé-

Contêineres no Porto de Santos: as exportações alcançaram US$ 19,566 bilhões em abril. As importações subiram para US$ 18,685 bilhões. rio. O valor é 33,7% menor do que no mesmo período de 2011, quando foi de US$ 5,005 bilhões. As exportações acumulam no primeiro quadrimestre US$ 74,646 bilhões, valor recorde para o período. A média diária das vendas externas foi de US$ 899,3 milhões, 2% maior em relação aos quatro primeiros meses de 2011. As importações registraram US$ 71,328 bilhões de janeiro a abril, com média diária de US$ 859,4 milhões. O crescimento foi de 4,8%, pela média

diária, sobre igual período do ano passado. Segundo o ministério, a corrente de comércio alcançou a cifra recorde de US$ 145,974 bilhões, o que representa crescimento de 3,4% pela média diária em relação a janeiro a abril de 2011. Argentina – O Brasil pode oferecer financiamento a importadores argentinos interessados em adquirir produtos brasileiros, informou ontem o secretário-executivo do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Ales-

Cotação do dólar dá novo salto e chega a R$ 1,92 na venda

A alta de ontem foi a quinta consecutiva

t i m a se xt a-f eira, sendo US$ 1,933 bilhão apenas na semana passada, entre os dias 23 e 27. Segundo o Banco Central, o movimento financeiro – a q u e l e g e r a d o p o r o p e r ações de câmbio para compra e venda de ações e títulos de renda fixa, empréstimos, investimentos produtivos e remessa de lucros e dividendos, entre outros – acumula saída líquida de US$ 765 milhões na prévia do mês. A cifra foi alcançada graças às saídas de US$ 36,976 bilhões, maior do que as entradas de US$ 36,212 bilhões. Na semana passada, po-

rém, houve ingresso líquido no País de US$ 481 milhões pela via financeira. Comercial – Pelo segmento comercial – que registra operações de câmbio de exportadores e importadores – o mês de abril acumula entrada líquida de US$ 6,567 bilhões, sendo US$ 23,873 bilhões em exportações e US$ 17,305 bilhões em importações. Os valores são dados acumulados precisamente até a última sexta-feira. Na semana passada, a conta comercial do País terminou com entrada líquida de US$ 1,452 bilhão. (Agências)

Desde 1º de fevereiro deste ano, toda importação feita pela Argentina precisa passar por autorização prévia de órgãos estatais. De acordo com a nova regra, os importadores precisam pedir permissão antecipada, esperar pela aprovação e somente então ter acesso à sua compra, quando esta chega à aduana. O registro das importações serve também para que o governo autorize ou não a aquisição de divisas por parte das indústrias que necessitem comprar insumos. (Agências)

Eletropaulo e Light ficam entre as 10 piores

A

O

dólar fechou em alta ante o real pela quinta sessão seguida ontem, após subir mais de 1% ao longo do dia, mesmo sem a atuação do Banco Central (BC), que não atua no mercado há dois pregões. Operadores, no entanto, acreditam que é cedo para afirmar que o BC não deve atuar com a moeda acima de R$ 1,90. O dólar encerrou a sessão com avanço de 0,93%, negociado a R$ 1,9247 na venda, a maior cotação desde o término do pregão do dia 17 de julho de 2009, quando ficou em R$ 1,928 na venda. Cenário externo – Ajudaram na alta do dólar ontem o cenário externo mais negativo e um possível fluxo de saída da divisa norte-americana do País, ainda segundo operadores do mercado. Durante a sessão, a moeda norte-americana oscilou entre R$ 1,907 e R$ 1,9303 – quando chegou a registrar alta de 1,22%. Na segunda-feira, o dólar já obteve forte alta, de 1,08%, a R$ 1,907 na venda, ultrapassando a barreira de R$ 1,90, que não atingia desde setembro passado. "Fala-se no piso de R$ 1,90 e antes se falava em R$ 1,80. Agora pode ser até R$ 2,00. Acho que ainda é prematuro falar de um novo nível de atuação do BC e sobre qual patamar ele quer a moeda", disse um operador de câmbio que prefere não ser identificado. O mês de abril foi marcado por uma forte atuação do BC, que chegou a fazer dois leilões de compra de dólares no mercado à vista por sessão. Com essa atuação, o dólar encerrou o mês com uma valorização acumulada de 4,42% ante o real. Na última segunda-feira, no entanto, já com a divisa norteamericana em alta, o BC optou por não atuar no mercado. Fluxo – O Brasil voltou a receber um volume de dólares mais expressivo na semana passada. De acordo com dados divulgados pelo Banco Central, o fluxo cambial acumula em abril ingresso líquido de US$ 5,803 bilhões até a úl-

sandro Teixeira. A possibilidade será debatida em reunião que ocorrerá na segunda quinzena deste mês. Com as barreiras impostas pelo país vizinho à entrada de produtos importados, as exportações brasileiras para o país vizinho caíram 27,1% no mês passado em relação a igual período de 2011. "Vamos auxiliar para ver o que podemos fazer para que a situação deles não continue piorando. Financiamento às importações de produtos brasileiros é uma possibilidade", disse Teixeira.

s duas maiores distribuidoras de energia elétrica, Eletropaulo e Light, ficaram entre as dez piores concessionárias do Brasil em 2011. O dado consta do primeiro ranking de continuidade do serviço elaborado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que mostra o desempenho das 63 empresas do setor. A melhor concessionária foi a Coelce, do Ceará. O ranking foi dividido em dois grupos: um das grandes companhias, com mercado anual superior a 1 terawatt hora (TWh), e outro das pequenas distribuidoras, com mercado abaixo de 1 TWh Entre 33 empresas do primeiro grupo, a concessionária paulista ficou em 23º lugar e a Light, na antepenúltima posição. A pior

distribuidora foi a Centrais Elétricas do Pará (Celpa). Para elaborar o ranking, a Aneel comparou os indicadores de qualidade – tempo e frequência que o consumidor ficou sem luz entre janeiro e dezembro do ano passado – das empresas com os limites estabelecidos para cada uma. O objetivo é dar transparência à gestão dos indicadores nacionais e envolver a sociedade nesse processo. Algumas distribuidoras não concordaram com o resultado. O vicepresidente de Operações e Comercial da AES Eletropaulo, Sidney Simonaggio, afirmou que a Aneel relativizou os números. "Quem tinha uma meta mais frouxa foi beneficiado, enquanto as empresas com metas mais apertadas foram prejudicadas." (AE)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

14

quinta-feira, 3 de maio de 2012

e Mantega: novas regras para a poupança. A expectativa para 2013 é de recuperação acentuada e forte no crédito e no nível de atividade, o que obrigará o BC a elevar o juro. Rubens Sardenberg, economista-chefe da Febraban

conomia

Anúncio será feito a integrantes do conselho político do governo nesta tarde. A presidente Dilma se reuniu ontem com o ministro da Fazenda por cinco horas.

O

Bancos projetam PIB e crédito menores Rejane Tamoto Svilen Milev/SXC

ministro da Fazenda, Guido Mantega, vai anunciar hoje mudanças nas regras da caderneta de poupança para abrir caminho para que o Banco Central (BC) diminua ainda mais a taxa básica de juros, a Selic, informaram duas fontes do governo à agência Reuters. A tendência é que a alteração seja encaminhada ao Congresso Nacional por meio de medida provisória (MP), de acordo com informações de uma dessas fontes. O governo deverá apresentar primeiro a proposta de mudança aos integrantes do conselho político do governo formado por líderes e presidentes de partidos aliados em reunião marcada para as 14 horas. A proposta deverá ser exposta também a sindicalistas e empresários a serem recebidos pela presidente ao longo do dia. Ontem, o ministro Guido Mantega passou mais de cinco horas reunido com a presidente da República Dilma Rousseff nos palácios do Planalto e da Alvorada para apresentar as propostas formuladas por sua equipe, em um trabalho coordenado pelo secretárioexecutivo da pasta Nelson Barbosa. No encontro, a presidente Dilma discutiu a viabilidade dessas propostas de mudanças. No entanto, as fontes não puderam dar detalhes sobre qual será a nova regra da aplicação. Entre as alternativas em estudo na Fazenda estavam reduzir a rentabilidade da aplicação sem taxação de Imposto de Renda (IR) ou manter a mesma rentabilidade tributando os ganhos financeiros a partir de aplicações acima de R$ 50 mil. Seli c – A rentabilidade da poupança é fixada em 0,5% ao mês mais a variação da Taxa Referencial (TR), sem incidên-

O

A tendência é de que as mudanças sejam feitas por meio de medida provisória a ser enviada ao Congresso. cia de Imposto de Renda. Com a taxa básica de juros (Selic) em 9% ao ano, e a sinalização do Banco Central de que ela pode continuar em queda, o governo fica pressionado a alterar as regras da caderneta de poupança. O objetivo é evitar que investidores sejam atraídos pela poupança com rendimento superior a outras aplicações de renda fixa baseadas na taxa básica de juros. Isso causaria distorções, por exemplo, para o financiamento do governo federal por meio de títulos da dívida pública. Riscos políticos – O governo já fez algumas consultas políticas a parlamentares sobre a mudança na caderneta de poupança e admite possíveis resistências. Um dos líderes consultados pelo Palácio do Planalto ponderou que as dificuldades de um ano eleitoral criam obstá-

culos a aprovação de uma lei que trate de assunto tão sensível que sempre remete ao confisco feito pelo ex-presidente Fernando Collor de Mello (1990-1992). Para ter mais tranquilidade na tramitação da medida no Congresso Nacional, Dilma apresentará a proposta escolhida ao conselho político, que poderá opinar sobre a viabilidade de uma medida provisória, o impacto no cenário eleitoral, a previsão de quanto tempo levaria para a sua aprovação, os riscos de uma derrota e o impacto na imagem do governo. Prato feito – No Congresso Nacional, uma medida provisória, tratando-se de tema mais sensível, tem tramitação mais complicada politicamente do que um projeto de lei, por gerar acusações de que o Planalto não discute nada e só chega com pratos feitos ao

Parlamento. Um dos riscos de uma medida provisória, que tem prazo de tramitação de 120 dias e passa a trancar os trabalhos a partir do 46° dia, é que caso a MP seja rejeitada ou perca a validade, a presidente não pode editar uma nova medida com igual conteúdo. A tramitação de um projeto de lei, por outro lado, pode se arrastar por muito tempo. Sem corrida – A iminente mudança na remuneração da poupança ainda não mostrava, pelo menos até alguns dias atrás, uma corrida para essa aplicação. De acordo com informações do Banco Central, até o dia 25 de abril (último dado disponível), a captação líquida da aplicação estava positiva em apenas R$ 91,8 milhões. No mês de março todo, as entradas superaram as saídas na caderneta em R$ 2,545 bilhões. (Reuters)

Previdência dos servidores federais

A

presidente Dilma Rousseff sancionou, com três vetos, a legislação que cria a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal (Funpresp). A lei foi publicada na edição de ontem do Diário Oficial da União. Com o novo modelo, o governo pretende diminuir o déficit da Previdência Social, que no setor público deve atingir R$ 61 bilhões neste ano. O novo regime vai entrar em vigor quando o órgão regulador do setor de fundos de pensão no Brasil, a Previc, der o sinal verde para a constituição de cada fundo, o que deve ocorrer em até 30 dias. Até lá, quem for nomeado ainda estará sob o atual regime de previdência.

O atual regime de previdência dos servidores públicos federais garante aos que ingressaram no setor público até 2004 o último salário integral como benefício ao se aposentar, e aqueles que tomaram posse depois de 2005 recebem o equivalente a 80% de uma média dos maiores salários que foram recebidos. O novo servidor que não quiser contribuir para o Funpresp receberá ao se aposentar, no máximo, o teto do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) – hoje em R$ 3.912 por mês. Caso deseje receber mais ao se aposentar, o servidor poderá contribuir para seu fundo de pensão, o Funpresp, com a parcela do salário que superar o teto do INSS. (Folhapress)

s bancos reduziram levemente a projeção para o crescimento da economia e do crédito para este ano, segundo a pesquisa de Projeções Macroeconômicas e Expectativas de Mercado da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), realizada no final de abril. Para o economista-chefe da entidade, Rubens Sardenberg, o crédito deve crescer, mas em velocidade menor. "Só vai acelerar se houver melhora no cenário externo e no índice de inadimplência", afirmou. Mesmo diante da pressão do governo para a redução do spread bancário, a partir de iniciativas agressivas de cortes pelos bancos públicos, a entidade não quis comentar o assunto. Sem se posicionar sobre possíveis mudanças na caderneta de poupança, que devem ser divulgadas pelo governo nesta semana, Sardenberg afirmou que à medida que a taxa básica de juros (Selic) cai, é necessário mudar regras antigas. "Pelo que percebo, o governo está avaliando diversas possibilidades, e a ideia de atrelar (o rendimento da poupança) à Selic é boa, porque remove a rigidez e é de fácil implementação", afirmou Sardenberg. Projeções – A mediana das projeções de 31 instituições financeiras para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2012 é de 3,2%, ante os 3,3% previstos na pesquisa anterior, realizada em março. Para 2013, a estimativa é de uma alta maior do PIB, de 4,2%. Os analistas dos bancos também reduziram a projeção para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2012 para 5,1%, ante a estimativa de 5,3% na pesquisa anterior. Por outro lado, a estimativa para a inflação medida pelo Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M) para este ano aumentou para 5,2%, ante os 4,6% previstos em março. Para 2013, a projeção para os índices é de 5,5% (IPCA) e de 5% (IGP-M). Diante da perspectiva de uma melhora do PIB e de aumento da inflação em 2013, os analistas dos bancos projetam uma taxa básica de juros de 10% ao ano em 2013. Para este ano, a estimativa é que a Selic feche em 8,5%, com dois cortes de 0,25 ponto

percentual nas próximas reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), em maio e em julho. "A expectativa para o ano que vem é de recuperação acentuada e forte no crédito e no nível de atividade, o que obrigará o BC a elevar o juro. A taxa subiria também por pressão inflacionária e crescimento da economia", disse. De acordo com o levantamento da Febraban, a taxa do dólar deve encerrar 2012 em R$ 1,80. No mês de março, essa expectativa era de R$ 1,76. "O mercado trabalha com expectativa de câmbio depreciado. Esse número está mais para piso. A projeção é que seria daí para cima", afirmou o economista. Andrei Bonamin/LUZ

Sardenberg: Selic em 8,5%. Crédito – As projeções dos bancos para o crescimento do crédito oscilam de 15% a 17% para este ano e apresentam uma pequena redução na margem em relação à última pesquisa da Febraban. Os analistas mantiveram a previsão para o índice de inadimplência (acima de 90 dias) em 5,3% para este ano. Uma melhora só é esperada em 2013, quando a estimativa é que esta taxa fique em 5%. A projeção de crescimento das operações de crédito com recursos livres passou de 15,6% na pesquisa de março para 15% em abril. Outra linha que caiu 6 pontos percentuais na projeção dos bancos foi a de operações de crédito para pessoas físicas. A estimativa para o crescimento da carteira total de crédito é de 16,2% ante projeção de 16,6% em março. O segmento que sofreu menor redução nas estimativas, em comparação com a pesquisa de março, foi o de operações de crédito pessoal para pessoas físicas, que passou de 16,4% para 16,1%.

Planos econômicos no STF

O

Supremo Tribunal Federal (STF) deve julgar os processos que cuidam da correção de planos econômicos depois do processo do mensalão. Um deles, o que trata dos planos Collor I e II, chegou a ser incluído na pauta do plenário no mês passado, mas não foi

apreciado. A tendência é de que pelo menos 20 dias de sessões do plenário sejam reservadas para a análise do processo. Por isso, as três principais ações que tratam dos planos econômicos devem ficar para análise no segundo semestre. (AE)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 3 de maio de 2012

e

A justiça tributária é capaz de conciliar desenvolvimento e arrecadação fiscal. Bruno Quick, gerente de Políticas Públicas do Sebrae

conomia

Brasileiro já pagou R$ 500 bi em tributos Newton Santos/ Hype

M

eio trilhão de reais. Esse foi o total de tributos que os brasileiros pagaram desde o começo do ano até as 10 horas de ontem, de acordo com o Impostômetro da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). Em 2011, o valor de R$ 500 bilhões foi alcançado no dia 4 de maio, ou seja, dois dias mais tarde do que neste ano. O presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), Rogério Amato, espera que a redução dos juros verificada nos bancos públicos e privados sirva também para ajudar a diminuir o peso dos tributos sobre os contribuintes. "Espero que, com a queda dos juros nos bancos privados e públicos, também os impostos sejam diminuídos para turbinar a economia e, assim, favorecer os consumidores", disse Rogério Amato na véspera do painel indicar a nova marca. Com os R$ 500 bilhões recolhidos pelos cofres públicos municipais, estaduais e federal, segundo o Portal do Impostômetro, é possível construir cinco milhões de quilômetros de rede de esgoto ou cinco milhões de postos de saúde equipados, contratar 35 milhões de professores para o ensino fundamental ou doar mais de um bilhão de cestas básicas. Em todo o ano passado, o Impostômetro registrou R$ 1,5 trilhão em recolhimento de tributos no Brasil, um re-

ECONOMIA/LEGAIS - 15

Exigir cheque- caução e promissória em hospital pode se tornar crime

A

Câmara dos Deputados aprovou ontem, por unanimidade, projeto de lei que torna crime condicionar o atendimento de emergência em hospitais a qualquer garantia, como o cheque-caução e a nota promissória. O projeto torna crime também a exigência de preenchimento prévio de formulários administrativos para que o paciente receba atendimento médico-hospitalar emergencial. O texto prevê a pena de prisão de três meses a um ano, além de multa. A pena será aumentada até o dobro se a falta de socorro resultar em lesão corporal de natureza grave e até o triplo, se resultar em morte. A proposta foi aprovada no plenário da Câmara mediante acordo entre os partidos e seguirá agora para votação pelos senadores. O projeto foi encaminhado ao Congresso pelo Executivo, depois da morte do secretário de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento, Du-

R$ 110,4 bilhões foram para a União, mais de R$ 26,8 bilhões foram para os estados e R$ 10,7 bilhões para os municípios. O regime unifica os impostos federais, estaduais e municipais. "A experiência do Simples prova que a justiça tributária pode conciliar desenvolvimento com arrecadação fiscal", diz o gerente de Políticas Públicas do Sebrae, Bruno Quick. (Agências)

quer pessoa, cabendo ao Estado assegurar sua efetivação, intervindo não apenas para garantir os serviços públicos necessários à sua concretização, mas também para afastar qualquer forma de agressão", argumentaram os ministros da Justiça, José Eduardo Cardozo, e da Saúde, Alexandre Padilha, no projeto encaminhado ao Congresso em fevereiro deste ano. Os estabelecimentos de saúde serão obrigados também, de acordo com o projeto, a fixar em local visível, cartaz com o texto da lei informando ser crime "a exigência de cheque-caução, nota promissória ou qualquer garantia, bem como o preenchimento prévio de formulários administrativos, como condição de atendimento médico-hospitalar emergencial". “A expectativa do ministério é coibir o crime, que é exigir a cobrança de qualquer pagamento antes que se salve a vida de quem precisa de atendimento”, disse Padilha. (AE)

Cielo parcela em até 48 vezes

Impostômetro atinge a marca dos R$ 500 bi, dois dias antes de 2011 corde histórico desde a criação do medidor, em 2005. Sebrae –Projeções do Sebrae apontam que até o fim de 2012 cerca de 6,9 milhões de empresas estarão no Supersimples. O Simples Nacional, sistema especial de tributação dos micro e pequenos negócios, já gerou mais de R$ 148 bilhões desde que entrou em vigor, em julho de 2007. Do total, mais de

vanier Paiva Ferreira, após sofrer um infarto, em janeiro deste ano. Ele morreu depois de procurar atendimento em dois hospitais privados de Brasília. A família de Ferreira afirmou que o socorro foi negado, porque lhe foi exigido um cheque-caução, mas o ex-secretário estava sem o talão de cheques. Os hospitais procurados não aceitavam o plano de saúde do servidor. A exigência de garantias, como o cheque-caução, atualmente, é tratada no Código Penal como omissão de socorro. No entanto, o projeto vai dar mais garantias ao paciente e permitir a punição mais dura e efetiva à instituição que condicionar o atendimento. O projeto foi elaborado por determinação da presidente Dilma Rousseff como forma de evitar mais mortes por falta de socorro mediante a exigência de garantia de pagamento. "A inviolabilidade do direito à vida, a proteção à saúde e a dignidade humana, são garantias fundamentais de qual-

A

Cielo anunciou ontem que seus terminais de cartões vão oferecer também a opção crediário. Nas lojas, será possível fazer financiamento em até 48 vezes nos cartões do Banco do Brasil e do Bradesco. A vantagem para o lojista é que ele pode realizar as vendas em até 48 vezes e

receber o valor integral no dia seguinte (o risco de crédito será assumido pelos bancos). Além disso, o comerciante poderá oferecer ao consumidor a simulação do valor das parcelas, prazo, data do primeiro pagamento e taxa de juros na própria máquina da Cielo.

Banco do Brasil e Bradesco, juntos, vão liberar mais de R$ 60 bilhões para essa linha extra aos portadores de seus respectivos cartões. "Consideramos este o grande lançamento do setor dos últimos 15 anos", destacou ontem Rômulo de Mello Dias, presidente da Cielo. (AE)

FACESP- FEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES COMERCIAIS DO ESTADO DE SÃO PAULO CNPJ/MF 62.876.768/0001-80 RELATÓRIO DA DIRETORIA Em observância às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas., os Balanços Patrimoniais e demais Demonstrações Financeiras relativas ao exercício findo em 31 de dezembro de 2011. Colocamo-nos a inteira disposição para esclarecimentos que eventualmente se fizerem necessários. São Paulo, 25 de abril de 2012. DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO PARA OS EXERCÍCIOS BALANÇOS PATRIMONIAIS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 - (valores em Reais) FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 - (valores em Reais) ATIVO CIRCULANTE Nota 2011 2010 PASSIVO CIRCULANTE Nota 2011 2010 2011 2010 Caixa e Equivalentes de Caixa 3 8.776.548,33 11.460.140,61 Contas a Pagar 7 9.001.104,88 6.963.513,28 Contas a Receber 4 4.762.269,08 2.812.273,48 Adiantamentos 8 319.831,04 3.185.027,73 Receita Operacional Líquida Contribuição SII-Facesp 622.053,44 2.108.822,18 Adiantamentos 5 275.475,73 269.293,00 Impostos e Contrib. a recolher 9 202.238,05 74.344,20 Cartão Facesp Accredito 1.961.176,47 1.327.861,71 Outros – 1.181,19 Férias e encargos a pagar 10 494.087,02 204.484,50 Congresso Facesp/Feira Desenvolve 1.105.642,63 1.281.768,60 13.814.293,14 14.542.888,28 10.017.260,99 10.427.369,71 Certificação Digital 6.836.118,23 580.816,04 ATIVO NÃO CIRCULANTE PATRIMÔNIO LÍQUIDO Mensalidade de Associados 488.583,00 488.635,00 Imobilizado 6 335.461,87 244.384,23 Superavit acumulado 4.359.902,80 3.477.313,96 Outras Receitas operacionais 237.207,85 219.837,69 335.461,87 244.384,23 Superavit/Deficit do exercício -227.408,78 882.588,84 11.250.781,62 6.007.741,22 4.132.494,02 4.359.902,80 11 6.792.473,30 2.859.737,19 TOTAL DO ATIVO 14.149.755,01 14.787.272,51 TOTAL DO PASSIVO 14.149.755,01 14.787.272,51 Custos de Fomento Superavit Bruto 4.458.308,32 3.148.004,03 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 - (valores em Reais) Despesas Operacionais Trabalho Humano 12 4.375.601,57 1.997.739,69 1. APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 5. ADIANTAMENTOS 2011 2010 Despesas Próprias 799.166,56 609.036,68 As demonstrações financeiras da Entidade foram elaboradas e estão apresentadas Antecipação fornec. Cartão Accredito 212.852,18 231.780,08 Despesas Administrativas 179.962,10 473.361,75 em conformidade com as práticas contábeis adotadas no Brasil, consubstanciaAntecipação a Colaboradores 60.823,55 35.712,92 5.354.730,23 3.080.138,12 das nos Pronunciamentos, Orientações e Interpretações emitidos pelo Comitê de Antecipação de aluguéis 1.800,00 1.800,00 Pronunciamentos Contábeis (CPC) e disposições complementares emitidas pelo 275.475,73 269.293,00 SUPERAVIT/DEFICIT OPERACIONAL ANTES DO RESULTADO Conselho Federal de Contabilidade (CFC). 6. IMOBILIZADO Tx Dep. Depreciação Imobilizado Líquido FINANCEIRO -896.421,91 67.865,91 2. PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS % a.a. Custo Acumulada 2011 2010 2.1. Apuração do resultado Equip. Tecnolog. 20 623.646,53 (297.935,97) 325.710,56 231.597,40 Resultado Financeiro Receitas Financeiras 489.051,03 345.675,34 As receitas e despesas são apuradas em conformidade com o regime contábil de Mov. Utensílios 10 24.448,58 (14.697,27) 9.751,31 12.786,83 Subvenção Econômica 179.962,10 469.047,59 competência do exercício. 648.095,11 (312.633,24) 335.461,87 244.384,23 669.013,13 814.722,93 2.2. Caixa e equivalente de caixa (227.408,78) 882.588,84 Incluem os saldos em caixa, conta movimento e aplicações financeiras, resgatáveis 7. CONTAS A PAGAR 2011 2010 RESULTADO DO EXERCÍCIO no prazo de 90 dias da data do balanço, registrado ao custo acrescido dos rendimenFornecedores 8.890.849,51 6.849.179,81 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO PARA OS tos auferidos até a data do balanço. Acs - Certificação digital 54.538,78 94.370,92 EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 - (valores em Reais) 2.3. Contas a Receber Créditos Associados 17.283,95 4.538,07 Superavit As contas a receber são reconhecidas pelo regime de competência. Projeto Exporta S. Paulo – 942,90 Acumulados Total 2.4. Adiantamentos Outras contas a pagar 38.432,64 14.481,58 Em 31 de dezembro de 2009 3.477.313,96 3.477.313,96 9.001.104,88 6.963.513,28 São adiantamentos efetuados a fornecedores e colaboradores, os adiantamentos Superavit do exercício 882.588,84 882.588,84 8. ADIANTAMENTOS 2011 2010 são uma excessão e não uma regra. Em 31 de dezembro de 2010 4.359.902,80 4.359.902,80 MEI - Micro Empreend. projeto Sebrae 122.950,50 2.062.275,60 2.5. Imobilizado Defict do exercício -227.408,78 -227.408,78 Empreender Competitivo - projeto Sebrae 196.880,54 1.114.377,41 O imobilizado está demonstrado pelo seu custo de aquisição, controlado individuNAR - Núcleo Automotivo Regional – 8.374,72 Em 31 de dezembro de 2011 almente o seu custo e depreciação. A depreciação dos bens do ativo imobilizado, 4.132.494,02 4.132.494,02 319.831,04 3.185.027,73 calculada pelo método linear que leva em consideração a vida útil e econômica dos DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA PARA OS EXERCÍCIOS 9. IMPOSTOS E CONTRIBUIÇÕES A RECOLHER 2011 2010 bens. FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 e 2010 - (valores em Reais) INSS a recolher 113.534,75 28.905,94 2.6. Redução ao valor recuperável de ativos (impairment) 2011 2010 FGTS a recolher 33.823,71 12.513,07 Avaliação e conclusão da não necessidade de constituição de provisão para redução PIS a recolher sobre folha de pagamento 5.216,21 1.564,13 Fluxo de Caixa das atividades operacionais do valor recuperável (impairment) do ativo imobilizado em conformidade ao previsto Superavit/Defict do exercício (227.408,78) 882.588,84 IRRF sobre folha pagamento 18.372,98 15.744,55 no CPC 1. IRRF de pessoa jurídica 29.503,64 15.521,50 Ajustes para reconciliar o superavit líquido 2.7. Ajuste a valor presente ao caixa gerado pelas atividades operacionais Contribuição sindical a recolher - empregado 1.786,76 95,01 Avaliação e conclusão pela não necessidade de registro do Ajuste a Valor Presente Depreciação e amortização 93.144,84 35.243,66 202.238,05 74.344,20 (AVP), para os ativos e passivos circulantes, quando aplicável de conformidade ao 10. FÉRIAS E ENCARGOS SOBRE FÉRIAS 2011 2010 (Aumento) diminuição no ativo circulante previsto no CPC 12. Cartão Accredito a Receber (327.177,18) (589.478,18) Férias Provisionadas 365.799,53 152.032,17 3. CAIXA E EQUIVALENTE DE CAIXA 2011 2010 Antecipação Cartão Accredito 18.927,90 (231.780,08) INSS sobre férias 95.107,90 38.768,83 Caixa 7.002,63 6.461,54 Valores a receber de Certificação Digital (1.304.328,99) (195.084,86) FGTS sobre férias 29.262,75 12.163,21 Bancos conta movimento 5.165.611,98 6.269.311,08 Congresso Facesp (192.800,00) (185.000,00) PIS sobre férias 3.916,84 1.520,29 Aplicações Financeiras Mensalidade e Contribuição (125.353,14) (90.161,78) 494.087,02 204.484,50 Banco do Brasil S/A 3.074.505,06 3.628.283,99 Transações Correntes Acs 14.330,00 (37.689,28) 2011 2010 Caixa Econômica Federal S/A 529.428,66 1.552.235,98 11. CUSTOS DE FOMENTO Diversos (38.535,73) 218.426,84 Custos de Fomento 9.290.000,14 2.859.737,19 Bradesco S/A 0,00 3.848,02 (-)Subvenção do MEI (681.753,81) 0,00 (Aumento) diminuição no passivo circulante 8.776.548,33 11.460.140,61 Fornecedores 2.041.669,70 3.044.232,30 (-)Subvenção Empreender (1.815.773,03) 0,00 4. CONTAS A RECEBER 2011 2010 MEI - Micro Empreendedor Individual (1.939.325,10) 2.062.275,60 6.792.473,30 2.859.737,19 Cartão Accredito a receber 2.442.150,58 2.114.973,40 Acs - Certificação Digital 50.384,94 46.695,70 2011 2010 Valores a Receber Certif. Digital 1.567.366,73 263.037,74 12. TRABALHO HUMANO Empreendedor Coletivo (917.496,87) 1.114.377,41 Trabalho Humano 6.732.198,58 1.997.739,69 Congresso Facesp 400.800,00 208.000,00 Obrigações Trabalhistas 127.893,85 67.518,66 (-)Subvenção do MEI (2.356.597,01) 0,00 Mensalidades e Contribuições 250.752,33 125.399,19 Provisão de Férias e Encargos 289.602,52 110.313,66 4.375.601,57 1.997.739,69 Transações Correntes com Acs 101.199,44 100.863,15 Diversos (156.042,60) 12.309,58 4.762.269,08 2.812.273,48 Ajuste Exercício Anterior – – PARECER DO CONSELHO FISCAL Caixa Líquido gerado pelas atividades Operacionais (2.592.514,64) 6.264.788,07 Os membros do Conselho Fiscal da FACESP - Federação das Associações Comerciais realizadas mensalmente nos balancetes da FACESP e sobre os critérios adotados ao Fluxo de Caixa das atividades de investimentos Aquisição de bens do imobilizado (91.077,64) (139.543,33) do Estado de São Paulo, infra-assinados, no exercício de suas atribuições legais e esta- longo do exercício social e nas informações prestadas pela Diretoria, são de parecer que tutárias, examinaram o Balanço Patrimonial desta Federação encerrado em 31/12/2011, o referido Balanço e demais Demonstrações Financeiras que o acompanham, refletem Caixa Líquido gerado (utilizado) pelas atividades de investimentos (91.077,64) (139.543,33) em conjunto com a Demonstração do Resultado do Exercício, Relatório da Diretoria e com fidelidade a situação patrimonial e econômico-financeira desta Federação, estando Caixa Líquido gerado pelas atividades outros relatórios de natureza Contábil e Financeira. A vistas de análises e verificações dessa forma, em condições de serem aprovadas pela Assembleia Geral. operacionais e de Investimentos (2.683.592,28) 6.125.244,74 ANTONIO CARLOS PARISE - Conselheiro ARY DE OLIVEIRA RUSSO - Conselheiro RICARDO ANDERSON RIBEIRO - Conselheiro Caixa, Bancos e Aplicações Financeiras RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS No início do exercício 11.460.140,61 5.334.895,87 normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento Aos Administradores: No fim do exercício 8.776.548,33 11.460.140,61 de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o Aum. (redução) em Cx., Bancos e Aplc. Financeiras (2.683.592,28) 6.125.244,74 FACESP - Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo Examinamos as demonstrações Financeiras da FACESP (“Entidade”), que compreen- objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações financeiras estão livres dem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2011 e as respectivas demonstrações de distorçao relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos seleciona- das demonstrações financeiras tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa para o exercício dos para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentadas nas auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Opinião: Em findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais demonstrações financeiras. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do nossa opinião, as demonstrações financeiras acima referidas apresentam adequadamennotas explicativas. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações fi- auditor, incluindo a avaliação dos riscos e de distorção relevante nas demonstrações fi- te, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da Entidade em nanceiras: A Administração da Entidade é responsável pela elaboração e adequada nanceiras, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos 31 de dezembro de 2011, o desempenho de suas operações e os fluxos de caixa para o apresentação dessas demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apre- exercício findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. São Paulo, 25 de abril de 2012. adotadas no Brasil e pelos controles internos que ela determinou como necessários sentação das demonstrações financeiras da Entidade para planejar os procedimentos de Carminato Associados Auditoria Contab Ltda. para permitir a elaboração de demonstrações financeiras livres de distorção relevante, auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins de expressar uma CRC 2SP 021740/O-7 independentemente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos Auditores opinião sobre a eficácia desses controles internos da Entidade. Uma auditoria inclui, tamEdson Funes Carminato Independentes: Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas de- bém, a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das Sócio-Contador CRC 1SP 137.295/O-4 monstrações financeiras com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as estimativas contábeis feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação DIRETORIA ROGÉRIO PINTO COELHO AMATO - Presidente WALTER SHINDI IIHOSHI - Vice-Presidente Tesoureiro NATANAEL MIRANDA DOS ANJOS - Superintendente ANTONIO ELOI PEDRO - Contador CRC 1SP 182043/O-2


DIÁRIO DO COMÉRCIO

16 -.ECONOMIA/LEGAIS

e Standard & Poor's eleva nota de risco da Grécia

quinta-feira, 3 de maio de 2012

O que a Grécia precisa é de segurança para o cidadão grego e tratamento decente para os imigrantes ilegais. Evangelos Venizelos, líder do Partido Socialista da Grécia

conomia

Yorgos Karahalis/Reuters

Após Atenas ter reduzido sua dívida em um terço, agência de classificação retira país da zona de calote financeiro, mas mantém o grau especulativo e o alerta de recessão.

A

agência de classificação de risco Standard & Poor's (S&P) elevou ontem o rating de crédito da Grécia para fora do território de default, como esperado depois de Atenas ter reduzido sua dívida em um terço ao finalizar a maior reestruturação de dívida soberana na história financeira. Mas a agência de classificação de risco manteve a Grécia na categoria "junk", ou grau especulativo com rating "CCC", e alertou que uma recessão profunda, eleições imprevisíveis no próximo dia 6 de maio e irritação popular contra a austeridade podem ameaçar os esforços de Atenas para colocar suas finanças de volta no eixo. "Apesar de a mudança ter aliviado, na nossa opinião, as pressões de financiamento de curto prazo, o peso da dívida soberana da Grécia continua alto", informou a S&P em comunicado, acrescentando esperar que a dívida permaneça em um patamar elevado de

O líder do Partido Socialista da Grécia, Evangelos Venizelos, defendeu um governo forte para manter a reestruturação da economia. 160% a 170% do Produto Interno Bruto (PIB) nos próximos três anos. A S&P deu ao rating da Grécia uma perspectiva estável, indicando que não planeja alterar o rating de novo em breve, mas alertou que os riscos permanecem. O líder do Partido Socialista da Grécia, Evangelos Venizelos, alertou ontem que o próximo governo do país deverá ter o apoio de pelo menos metade do eleitorado ou seu mandato para governar o país ficaria em dúvida. Governo forte – Em entrevista à imprensa concedida ontem, poucos dias antes das eleições gerais marcadas para o próximo domingo, Venizelos atacou os partidos pequenos de extrema esquerda e direita que proliferaram no país às custas dos dois principais partidos gregos. "Temos

Na zona do euro, taxa de desemprego bate recorde com 10,9%. A

taxa de desemprego nos nível em quase três anos em 17 países que usam o abril, indicando que a região euro subiu para um recorde continua a encolher. O em março, quando 169 mil declínio na atividade pessoas perderam o manufatureira foi geral na emprego. Segundo dados da área, mas mais agudo na Eurostat, a taxa de Grécia, mostram os dados do desemprego aumentou para índice de gerentes de 10,9%, de 10,8% em compras (PMI, na sigla em fevereiro, em linha com as inglês) do instituto Markit. O previsões e igual à taxa PMI caiu para 45,9 em abril, registrada em abril de 1997, de 47,7 em março. que era a mais alta desde o O número veio abaixo do início da série, em 1995. divulgado preliminarmente e O número total de pessoas está também no menor nível sem trabalho somou 17,365 desde junho de 2009. milhões em Economistas março, um tinham aumento de previsto que 1,732 milhão o índice em relação a ficaria nos março do ano mesmos 46 passado e o apontados mil pessoas perderam maior no PMI o emprego no mês de número anterior. Um desde 1995. índice acima março nos 17 países Enquanto a de 50 indica que formam a zona taxa de expansão na desemprego atividade e, do euro, segundo ficou estável abaixo, dados divulgados em 5,6% na contração. pela Eurostat. Alemanha, De acordo subiu de com o PMI, a 23,8% para atividade 24,1% na Espanha e manufatureira declinou em permaneceu em 21,7% na todas as três maiores Grécia, embora esse último economias da zona do euro, dado seja do mês de janeiro. com as encomendas Nos 27 países da União domésticas caindo. Na Europeia (UE), 193 mil Alemanha, o recuo foi para pessoas perderam o emprego 46,2 em abril, de 48,2 em em março, levando a um total março; na Itália, o número de 24,772 milhões de caiu para 43,8, de 47,9 no desempregados, um recorde mês anterior; e na França, desde o início da série, em houve ligeiro avanço, de 46,7 2000. A taxa de desemprego para 46,9. Na Grécia, o índice na UE ficou inalterada no caiu para 40,7, de 41,3 em recorde de 10,2%. março. O PMI desse setor Manufatura – O setor baseia-se em dados de oito manufatureiro da zona do países integrantes da zona do euro contraiu-se para o maior euro. (Agências)

169

de ter um governo forte", pre- ve crise econômica e financeigou Venizelos, acrescentan- ra que o país enfrenta nos últido que um governo apoiado mos anos. por um mínimo de 151 parlaVenizelos alertou, ontem, mentares em um total de 300 que a Grécia ainda enfrenta o cadeiras no Parlamento não risco de sair da zona do euro. é suficiente. "O perigo do dracma (antiga "Temos de moeda grega) ter legitimia i n d a e x i sdade, status, te", afirmou o aceitação solíder político. Apesar do alívio nas c i a l . U m g oR ef e ri n do pressões de verno que se ao crescicontraria a mento da exfinanciamento, o vontade do trema direita peso da dívida povo grego soberana da Grécia n o p a í s , r enão pode presentada continua alto. existir", afirpelo neonamou. zista Golden AGÊNCIA STANDARD & POOR'S, O s e l e i t oDawn que EM COMUNICADO AO MERCADO res gregos tem chances decidirão no de conseguir próximo domingo se os dois representação no Parlamento maiores partidos da Grécia – o pela primeira vez, Venizelos socialista Pasok e o conserva- disse que os partidos extredor Nova Democracia – retor- m i s t a s r e p r e s e n t a m u m a narão ao poder em meio à gra- ameaça às instituições gregas

e à sua democracia. "Não há nada mais perigoso do que uma sociedade em crise, que mergulhe em um comportamento fascista. O que a Grécia precisa é segurança para o cidadão grego e tratamento decente para os imigrantes ilegais", defendeu Venizelos. O líder socialista e candidato pelo Pasok repetiu seu compromisso em não propor novos impostos se vencer as eleições, e prometeu que os trabalhadores de baixa renda e pensionistas não seriam afetados pelas medidas de austeridade a serem introduzidas em junho. De acordo com pesquisas recentes divulgadas na Grécia, o Pasok tem 15% das intenções de voto, enquanto a Nova Democracia aparece com 22% das intenções de voto dos gregos. (Reuters)

Nos EUA, redução de novos postos de trabalho preocupa recuperação. Companhias dos Estados Unidos criaram 119 mil postos em abril, mas número ficou abaixo do esperado.

A

s empresas norte-americanas criaram 119 mil postos de trabalho em abril, muito menos que o esperado e registrando o menor ganho em sete meses, o que suscitou preocupações de que a economia perdeu um pouco de seu ímpeto. O número presente no Relatório Nacional de Emprego da ADP, divulgado ontem, ficou abaixo da criação de 177 mil empregos prevista por economistas. O estudo é feito em conjunto com a Macroeconomic Advisers LLC. Os dados de março acabaram também sendo revisados para baixo, com os de abril sendo os menores desde setembro do ano passado. O relatório da ADP, uma processadora de folhas de pagamento, é divulgado dois dias antes de o governo liberar um informe mais amplo e aguardado sobre o mercado de trabalho. "Esse é um relatório inquietante", afirmou o chefe de investimentos na Lenox Advisors, David Carter. "A força da recuperação econômica dos Estados Unidos ainda é claramente incerta. Esperamos não ter um terceiro verão no hemisfério norte de crescimento frágil", completou. Bolsa – No mercado internacional, a queda na atividade industrial na zona do euro em abril e a baixa criação de empregos no setor privado dos EUA pesaram ontem sobre os principais mercados internacionais. Em Nova York, o índice Dow Jones registrou declínio de 0,08% e o S&P caiu 0,25%. Já o Nasdaq conseguiu fechar no azul (0,31%).

Brendan McDermid/Reuters

Bolsa de Nova York: ligeiro declínio no índice Dow Jones na sessão de ontem. Outros dados sobre os EUA mostraram também que as novas encomendas de bens às indústrias do país registraram em março a maior queda em três anos. O Departamento do Comércio norte-americano informou que as encomendas para bens manufaturados recuaram 1,5% após uma alta revisada de 1,1% em fevereiro. Dados recentes, incluindo números mais suaves sobre o mercado de trabalho, despertaram preocupações de que a economia norte-americana pode ter perdido alguma força neste início de segundo trimestre. Esses temores haviam sido parcialmente amortizados por dados anunciados na terça-feira desta semana, e que mostraram que o ritmo de crescimento do setor manufatureiro nos Estados Unidos su-

biu inesperadamente em abril, com novas encomendas aumentando. A economia norte-americana cresceu a uma taxa de 2,2% no primeiro trimestre, abrandando o ritmo de 3% registrado nos últimos meses de 2011. O chairman da Macroeconomic Advisers LLC, Joel Prakken, afirmou que o inverno excepcionalmente quente nos EUA é parcialmente responsável pelos dados frágeis presentes no relatório da ADP, com empregadores antecipando seu período de contratações no ano. Prakken disse que os dados demonstram que o emprego no setor privado cresceu, se muito, em 70 mil postos nos meses do inverno. "Os dados sugerem essa noção de que no inverno os números provavelmente não fo-

ram tão fortes como os relatórios indicaram, e esse número de hoje provavelmente não é tão suave como parece", completou o chairman em conferência telefônica. O setor manufatureiro fechou 5 mil postos de trabalho, a primeira perda desde setembro do ano passado. Esse número contrastou com dados mais otimistas de terçafeira que mostraram que uma medida de emprego do setor subiu ao nível mais alto desde junho do ano passado. É esperada para sexta-feira a divulgação de relatório sobre folhas de pagamento nãoagrícolas, com expectativa de que mostre que a recuperação nas contratações no mês passado, com 170 mil novos empregos, é melhora a ser observada frente aos 120 mil novos postos de março. (Reuters)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 3 de maio de 2012

ECONOMIA/LEGAIS - 17

CAMP PINHEIROS - CENTRO ASSISTENCIAL DE MOTIVAÇÃO PROFISSIONAL CNPJ nº 50.246.529/0001-68 DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

BALANÇO PATRIMONIAL - PERÍODO: 01 DE JANEIRO DE 2011 A 31 DE DEZEMBRO DE 2011 ATIVO Ativo Circulante Disponível Bens Numerários Banco c/ Movimento Aplicações Financeiras - Mercado Clientes Verbas a Receber (-) Perdas pela Realização do Ativo Adiantamentos a Empregados Adiantamentos a Empregados - ADM Adiantamentos a Empregados Adiantamentos a Empregados - BB Adiantamentos a Empregados Adiantamentos a Empregados A & B Empréstimos a Empregados Adiantamentos a Fornecedores Fornecedores Nacionais Adiantamentos a Diversos Adiantamentos a Diversos Despesas a Apropriar Despesas a Apropriar

2010 3.278.717,71 2.250.486,48 1.438,64 82.918,50 2.166.129,34 793.232,30 829.044,46 (35.812,16) 64.667,11 29.566,29 22.616,62 4.879,70 547,40 6.290,43 766,67 1.140,55 1.140,55 23.238,40 23.238,40 145.952,87 145.952,87

2011 3.823.811,88 2.345.121,45 4.417,43 77.821,41 2.262.882,61 1.092.348,62 1.102.606,16 (10.257,54) 94.621,17 55.977,78 32.073,39 0,00 0,00 0,00 6.570,00 21.144,41 21.144,41 21,85 21,85 270.554,38 270.554,38

PASSIVO 2010 2011 Passivo Circulante 701.125,45 910.748,47 Fornecedores Nacionais 6.559,55 45.278,02 Fornecedores de Materiais 3.022,56 1.574,63 Fornecedores de Serviços 3.536,99 43.703,39 Obrigações Fiscais, Trib. e Trab. ADM 42.272,32 58.967,65 Impostos a Recolher 7.524,53 18.629,30 Contribuições a Recolher 17.998,75 18.442,41 Obrigações Trabalhistas 16.749,04 21.895,94 Obrig. Fiscais. Trib. e Trab. Aprendizes 332.363,45 430.409,61 Contribuições a Recolher 55.389,63 55.173,92 Obrigações Trabalhistas 276.973,82 375.235,69 Outras Contas a Pagar 43.800,75 22.564,84 Outras Contas a Pagar - ADM 43.800,75 22.564,84 Provisões 276.129,38 335.528,35 Provisões Administração Camp 13.762,54 9.309,32 Provisões - Aprendizes 262.366,84 344.219,03 Patrimônio Líquido 4.469.150,55 6.248.763,19 Deficit / Superavit 4.469.150,55 6.248.763,19 Deficit / Superavit 4.469.150,55 6.248.763,19 TOTAL DO PASSIVO 5.170.276,00 7.159.511,66 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO

2010 2011 ATIVO NÃO CIRCULANTE 1.891.558,29 3.335.699,78 CONTA: PATRIMÔNIO SOCIAL 3.388.516,40 4.469.150,55 Realizável a Longo Prazo 10.505,17 10.505,17 SALDO ANTERIOR: 0,00 0,00 Cauções e Depósitos 10.505,17 10.505,17 (+) Ajustes Credores de Exercícios Anteriores 0,00 0,00 IMOBILIZADO 1.960.906,59 3.418.240,52 (+) Fundo de Valorização de Imóvel 0,00 0,00 Imobilizado 1.952.658,46 3.408.492,39 (-) Depreciação e Amortização de Exercícios Anteriores 0,00 0,00 Intagível 8.248,13 9.748,13 (+) Transferência Recebidas 0,00 0,00 (-) DEPRECIAÇÕES ACUMULADAS (79.853,47) (93.045,91) (-) Transferência Enviadas (-) Ajustes Devedores de Exercícios Anteriores 50.035,27 0,00 (-) Depreciações Acumuladas (79.083,47) (91.195,91) 1.130.669,42 1.779.612,64 (-) Amortização Intangível (770,00) (1.850,00) (+) Acréscimo/Decréscimo Patrimonial 4.469.150,55 6.248.763,19 TOTAL DO ATIVO 5.170.276,00 7.159.511,66 SALDO ATUAL NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 I) CONTEXTO OPERACIONAL - O CAMP PINHEIROS – CENTRO ASSISTENCIAL to. II - Ativo não Circulante: A - Cauções e Depósitos – Incluem-se Depósitos DE MOTIVAÇÃO PROFISSIONAL, pessoa jurídica de direito privado reconhecida judiciais ref. processos trabalhistas anteriormente ao ano de 2002 em fase de de Utilidade Pública de caráter Educacional e Social, tem por finalidade promover levantamento; B - Imobilizado – bens destinados à manutenção da atividade da a Educação, a Cultura, a Integração Social e a formação técnica profissional do entidade, composto de computadores, móveis e utensílios, maquinas e equipaadolescente, e rege-se pelo estatuto social e pela legislação aplicável, registrada mentos e terreno contabilizado pelo custo de aquisição. A aquisição do terreno no 3º Cartório de Registro Civil das Pessoas Jurídicas de São Paulo sob nº 8650 em equivale a 49,73% do total do ativo imobilizado da entidade e está registrado 04/04/1978, Inscrita no CNPJ sob nº 50.246.529/0001-68. A Entidade é administrada pelo seu valor de custo de R$ 500.000,00, adquirido em 27/10/2005 totalmente pela Diretoria eleita e seus membros não recebem remuneração, cujos recursos são quitado com endereço à Av. São Gualter, Lote 12 – Quadra 14, nº 372 – Bairro aplicados integralmente em suas finalidades institucionais. II) APRESENTAÇÃO DAS Alto de Pinheiros, conforme Escritura de Compromisso de matricula nº 24.412 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - As Demonstrações Contábeis e Financeiras - registrada no 10º Registro de Imóveis de São Paulo - SP; e R$ 1.200.000,00 Balanço Patrimonial, Demonstração do Superavit / Deficit do Exercício, Mutações do referente Terreno da Rua Dr. Virgílio de Carvalho Pinto, 588 - Pinheiros, adPatrimônio Social, das Origens e Aplicações de Recursos e Fluxo de Caixa; foram quirido em 28/06/2010 conforme escritura de venda e compra de matrícula nº elaboradas em conformidade com as Leis 6.404/76 e Resolução CFC nº 877/2000 359.971 registrado no 10º Registro de Imóveis de São Paulo - SP; e o valor de de 18/04/2000, que aprovou a NBC T 10.19.- Entidades sem finalidade de lucros, R$ 1.496.135,64, refere-se a construções em andamento, do edifício sede da adequada as Leis nº 11.638/07 e 11941/09. III) RESUMO DAS PRÁTICAS CON- entidade, e uma unidade de apoio às suas atividades; C – Intangível - Valores TÁBEIS: Os direitos e obrigações da entidade estão em conformidade com seus referentes a Direitos de Uso – Linha Telefônica e Sistema de Computação, efetivos valores nominais. As Receitas e Despesas são apropriadas com base no de acordo com as normas vigentes; D – Depreciação e Amortização - estão regime de Competência; Os principais procedimentos contábeis mais relevantes calculadas pelo método linear e acumuladas aos exercícios anteriores. As taxas adotados na elaboração e apresentação das Demonstrações contábeis foram: utilizadas são estabelecidas em função do tempo de vida útil fixado por espécie I - Ativo Circulante: A - Disponível – recursos financeiros proveniente de caixa, de bem. III - Passivo Circulante - A - Obrigações Sociais e Fiscais – salários a vale transporte em tesouraria, contas correntes bancárias e aplicações financeiras pagar, impostos e contribuições devidas - INSS, FGTS, PIS, IRRF, Contribuições demonstradas pelo valor de realização, incluindo, os rendimentos auferidos; B - Outros Sindicais, etc – perante aos órgãos públicos competentes referente a administração; Créditos – Verbas para repasse a receber, cujo parceiro encontra-se discriminado nos C - Fornecedores / Outras Contas a Pagar - Valores apropriados a diversos serviços controles internos da entidade; C – Perda de Realização de Ativos – Somam-se R$ administrativos, e Obrigações Diversas Aprendiz – Salários e Obrigações Fiscais 10.257,54 conforme controle interno da entidade e encontra-se em fase de cobrança e tributárias dos menores aprendizes necessários ao funcionamento da entidade; extrajudicial. D - Adiantamentos Diversos - valores repassados aos aprendizes como D - Provisões Férias, 13° salário e encargos – apropriados mensalmente a razão salários, tributos, assistência médica, vale transporte, alimentação e adiantamentos de 1/12 dos salários/encargos dos funcionários e aprendizes de acordo com a lea funcionários como férias, vale transporte e rescisões conforme folha de pagamen- gislação vigente. IV - Patrimônio Social Líquido: Superavit Acumulado – resultante

Companhia Ultragaz S.A. CNPJ n.º 61.602.199/0001-12 - NIRE 35.300.030.401 Aviso aos Acionistas A Companhia Ultragaz S.A. (“Ultragaz” ou “Companhia”) informa que os acionistas da Companhia, reunidos em Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária realizada nesta data, aprovaram o aumento de seu capital social, mediante capitalização de créditos contra a Companhia e de valores provenientes da Reserva de Retenção de Lucros, em R$ 633.642.224,70 (seiscentos e trinta e três milhões, seiscentos e quarenta e dois mil, duzentos e vinte e quatro Reais e setenta centavos), passando o capital social de R$ 381.462.916,22 (trezentos e oitenta e um milhões, quatrocentos e sessenta e dois mil, novecentos e dezesseis Reais e vinte e dois centavos) para R$ 1.015.105.140,92 (um bilhão, quinze milhões, cento e cinco mil, cento e quarenta Reais e noventa e dois centavos), com a emissão de 1.140.502.045 (um bilhão, cento e quarenta milhões, quinhentos e duas mil e quarenta e cinco) novas ações, sendo 1.121.220.440 (um bilhão, cento e vinte e um milhões, duzentos e vinte mil e quatrocentos e quarenta) ações ordinárias e 19.281.605 (dezenove milhões, duzentos e oitenta e um mil, seiscentos e cinco) ações preferenciais, todas nominativas e sem valor nominal, com preço de emissão de R$ 0,5524 por ação, independentemente da espécie. Nos termos do artigo 171, caput e § 2º da Lei nº 6.404/76, os acionistas da Ultragaz terão, na proporção de suas respectivas participações no capital social da Companhia, direito de preferência para subscrever o referido aumento de capital, pelo prazo de 30 (trinta) dias, a contar desta data. Cada acionista poderá exercer o direito de preferência na proporção das ações ordinárias e/ou preferenciais que possuírem no capital social da Companhia na data da Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária, sendo que cada acionista somente poderá exercer o seu direito de preferência sobre ações da mesma espécie de que for possuidor. O acionista que opte por exercer o seu direito de preferência deverá notificar a Companhia, por carta registrada dirigida a seu Departamento de Tesouraria (conforme endereço abaixo), dentro do prazo previsto acima, indicando sua participação no capital social da Companhia, especificando o número de ações ordinárias e/ou preferenciais que detém nesta data e o percentual de ações que deseja adquirir, bem como eventual interesse na reserva de sobras: Companhia Ultragaz S.A. At.: Departamento de Tesouraria Av. Brigadeiro Luis Antônio, 1343, 8º andar Bela Vista São Paulo – SP - 01317-910 Telefone: 55 11 3177-6771 No prazo máximo de 5 (cinco) dias úteis após o envio da notificação acima mencionada, mas nunca após o encerramento do prazo decadencial de 30 (trinta) dias, o acionista deverá comparecer à sede da Companhia, munido da documentação indicada abaixo, para firmar o competente boletim de subscrição. O preço de emissão será de R$ 0,5524 por ação, independentemente da espécie, e deverá ser integralizado no ato de subscrição, em moeda corrente do País. O valor pago pelos acionistas que eventualmente subscreverem novas ações de emissão da Companhia será entregue ao titular do crédito ora capitalizado. As novas ações emitidas em razão do aumento de capital social aprovado farão jus aos mesmos direitos atribuídos às demais ações ordinárias ou preferenciais, conforme o caso, de emissão da Companhia. São Paulo, 27 de abril de 2012. Pedro Jorge Filho - Diretor Superintendente. Documentação Necessária: (i) Pessoa física: cópia autenticada do CPF, da cédula de identidade e do comprovante de residência. Caso representada por procurador autorizado, fornecer cópia autenticada da procuração e demais documentos de identificação do procurador (cópia autenticada do CPF, da cédula de identidade e de comprovante de residência). Os representantes de menores e interditos deverão apresentar, ainda, a respectiva autorização judicial; (ii) Pessoa jurídica: cópia autenticada do Estatuto ou do Contrato Social consolidado em vigor, cartão de inscrição no CNPJ, documentação societária outorgando poderes de representação, CPF, cédula de identidade e comprovante de residência do representante da pessoa jurídica. Investidores residentes no exterior podem ser obrigados a apresentar outros documentos de representação; (iii) Universalidade de Bens (tais como espólios): cópia autenticada da documentação outorgando poderes de representação, bem como do CPF, cédula de identidade e de comprovante de residência dos respectivos representantes.

Ambev Brasil Bebidas S.A. CNPJ/MF nº 73.082.158/0001-21 - NIRE 35.300.391.713 Aviso aos Acionistas Comunicamos aos senhores acionistas que, em Assembleia Geral Extraordinária da Ambev Brasil Bebidas S.A. (“Companhia”) realizada no dia 30 de abril de 2012, foi aprovado um aumento do capital social no valor de R$ 2.055.700.168,12, mediante a emissão privada de 464.957.554 novas ações ordinárias, ao preço de emissão de R$ 4,421264156 por ação ordinária, calculado sem diluição injustificada para os atuais acionistas da Companhia, com base no disposto no artigo 170, §1º, II da Lei nº 6.404/76, conforme alterada. As novas ações emitidas farão jus ao recebimento de dividendos, juros sobre o capital próprio e eventuais remunerações de capital que vierem a ser declaradas pela Companhia após a deliberação da Diretoria que verificar a subscrição ocorrida. Nos termos do disposto no artigo 171 da Lei nº 6.404/76, será assegurado aos acionistas o direito de preferência para a subscrição proporcional das novas ações, observadas as seguintes condições: I. Direito de preferência e prazo de subscrição: os acionistas, conforme respectivas participações societárias possuídas em 30 de abril de 2012, poderão exercer seus direitos de preferência para subscrição no aumento de capital social da Companhia, pelo prazo de 30 dias, que se iniciará em 03 de maio de 2012 e se encerrará em 1º de junho de 2012, inclusive. O direito de preferência poderá ser livremente cedido pelos acionistas da Companhia, nos termos do artigo 171, §6º da Lei nº 6.404/76. Uma vez emitido um boletim de cessão de direitos, nos termos previstos no parágrafo acima e havendo a efetiva alienação dos respectivos direitos, será exigida a correspondente declaração no verso do boletim de cessão de direitos com a firma do cedente reconhecida em cartório. II. Percentuais de subscrição: o direito de subscrição poderá ser exercido pelos acionistas da Companhia na proporção de 189,424302758% das respectivas participações societárias possuídas em 30 de abril de 2012, excluídas as ações em tesouraria. As frações de ações de emissão da Companhia resultantes do exercício do direito de preferência serão desprezadas para fins do exercício da preferência e serão agrupadas em números inteiros de ações, fazendo parte do universo de sobras, podendo ser subscritas pelos acionistas que tiverem indicado o seu interesse nas sobras no período de subscrição. III. Negociação ex-direito de subscrição: a partir de 1º de maio de 2012, inclusive, as ações de emissão da Companhia serão negociadas ex-direito de subscrição. IV. Forma de integralização: a integralização das ações subscritas será efetuada em moeda corrente nacional, à vista, no ato de subscrição. Para integralização em moeda corrente nacional, o direito à subscrição poderá ser exercido em qualquer agência do Banco Bradesco mediante o pagamento do valor da subscrição e o preenchimento do respectivo boletim. V. Sobras: encerrado o período indicado, a Companhia poderá promover um ou mais rateios de eventuais sobras, ou sobras de sobras, nos termos do disposto no artigo 171, § 7º, alínea “b” da Lei nº 6.404/76, sendo que os acionistas que manifestarem interesse na reserva de sobras no boletim de subscrição terão o prazo de 2 (dois) dias úteis, contado da divulgação de Aviso aos Acionistas pela Companhia, para a subscrição e integralização, no ato da subscrição, em moeda corrente nacional, das sobras rateadas. VI. Homologação: após a efetiva subscrição e integralização das ações objeto deste aumento de capital, caberá à Diretoria verificar a subscrição ocorrida, procedendo ao arquivamento da deliberação competente no registro do comércio (Lei nº 6.404/76, art. 166). O crédito das ações subscritas ocorrerá no dia seguinte à referida reunião de Diretoria da Companhia. São Paulo, 30 de abril de 2012. Nelson José Jamel Diretor Ambev Brasil Bebidas S.A.

AGESP – ASSOCIAÇÃO DOS GESTORES PÚBLICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO, através de seu presidente Editon Volpi Gomes, convoca a todos os associados para reuniremse em Assembleia Geral Extraordinária, no dia 08 de maio de 2012, às 18:00 h, no auditório do Club Homs na Avenida Paulista, 735 – São Paulo/SP a fim de ser deliberada a seguinte ordem do dia: 1. Mudança da sede da entidade do atual endereço situado na Rua João de Lery, 269 – Jardim Aeroporto – São Paulo/SP para a Avenida Paulista, 726, conjunto 1.303, 13º andar, São Paulo-SP. 2. Prorrogação do mandato da atual diretoria do dia 07 de abril de 2012 ao dia 08 de maio de 2012. 3. Aprovação das contas do período de 01/01/2011 até o dia 08/ 05/2012. 4. Eleição para o cargo de Presidente, Secretário e Tesoureiro e demais membros de direção da entidade para o período de 08 de maio de 2012 ao dia 08 de maio de 2016.

ORIGENS Superavit (ou deficit) do exercício Depreciação Variação do resultado de exercícios futuros Diminuição do Realizável a Longo Prazo Alienação de bens do imobilizado Transferência recebidas (ajustes) Total de Origens

2010 1.130.669,42 11.687,47 0,00 0,00 0,00 0,00 1.142.356,89

2011 1.779.612,64 13.192,44 0,00 0,00 0,00 0,00 1.792.805,08

2010

2011

DEMONSTRAÇÃO DE SUPERAVIT OU DEFICIT PERÍODO: 01 DE JANEIRO DE 2011 A 31 DE DEZEMBRO DE 2011 RECEITAS RECEITAS DA ATIVIDADE OPERACIONAL RECEITA DE GRATUIDADE - ADM (-) CUSTO DE GRATUIDADE RECEITAS FINANCEIRAS REVERSÕES DIVERSAS

11.108.631,90 C 1.970.569,38 C 1.970.569,38 D 439.782,15 C 156.503,88 C

CUSTOS DESPESAS COM PESSOAL 7.688.396,80 D Aquisição de Imobilizado 1.279.542,65 1.457.333,93 GASTOS GERAIS 119.059,20 D Variação no Realizável a Longo Prazo 4.577,52 0,00 SERVIÇOS DE TERCEIROS 290.480,21 D Aumento do Ativo Permanente - Investimento 0,00 0,00 MANUTENÇÃO DE BENS MÓVEIS E IMÓVEIS 28.200,32 D Aumento do Ativo Diferido 0,00 0,00 PROPAGANDA E PUBLICIDADE 42.570,15 D Ajuste de Exercícios Anteriores 50.035,27 0,00 DESPESAS COM ENTREGAS 725,76 D Redução do Passivo exigível a Longo Prazo 0,00 0,00 DESPESAS COM VIAGENS E REPRESENTAÇÕES 11.519,23 D Total de Aplicações 1.334.155,44 1.457.333,93 DESPESAS GERAIS 433.658,16 D Aumento (ou redução) do Capital Circ. Líquido (191.798,55) 335.471,15 DESPESAS FINANCEIRAS 38.864,88 D DESPESAS TRIBUTÁRIAS 51.487,92 D VARIAÇÕES DO CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO 2010 2011 DEPRECIAÇÕES 12.112,44 D Variação do Ativo Circulante (9.148,47) 545.094,17 AMORTIZAÇÕES 1.080,00 D (-) Variação do Passivo Circulante (182.650,08) (209.623,02) PROVISÕES DE ENCARGOS TRABALHISTAS 1.158.975,22 D Aumento (ou redução) do Capital Circ. Líquido (191.798,55) 335.471,15 PROVISÃO PARA DEVEDORES DUVIDOSOS 48.175,00 D 1.779.612,64 C das operações da entidade no Exercício Social e saldo de superavit de períodos = Superavit anteriores. V - Receitas: As receitas foram reconhecidas mensalmente com base DEMONSTRATIVO FLUXO DE CAIXA - Modo Indireto - Valores em R$ no regime de competência e estão suportadas por documentos que atendem as exigências legais e fiscais; A - Receitas Ordinárias – referem-se exclusivamente a Fluxos de caixa das atividades operacionais 1.779.612,64 taxas recebidas de empresas parceiras; B - Doações – recursos provenientes de Resultado do exercício/ período Pessoas Jurídicas (Rotary Nacional e Internacional) e Pessoas Físicas; C - Receitas Ajustes para conciliar o resultado as disponibilidades geradas pelas atividades operacionais de Gratuidade – isenção das contribuições sociais previdenciárias e tributárias, para 13.192,44 o INSS, FGTS e ISS, usufruídas nos exercícios de 2010 e 2011 cujo código FPAS Depreciação e amortização Ajuste de Exercícios Anteriores 0,00 é 639/0000 é composta dos seguintes valores: Variação de Fornecedores 38.718,47 Descrição 2010 2011 Variação Obrig. Sociais, Trabalhistas e Outras 170.904,55 a) Cota Patronal INSS – Folha Administrativa R$ 121.746,64 124.292,70 Redução Variações nos ativos e passivo b) Cota correspondente ao Aumento Verbas de Repasse (299.116,32) SAT – Folha Administrativa R$ 6.087,33 6.214,64 Aumento Adiantamentos Diversos (151.342,88) c) Cota Patronal INSS – Folha Aprendizes R$ 659.862,14 993,509,19 Redução em fornecedores 0,00 d) Cota correspondente ao SAT – Redução em contas a pagar e provisões 0,00 Folha Aprendizes R$ 32.933,11 49.675,46 Redução no imposto de renda e contribuição social 0,00 e) Cota correspondente a FGTS 6% Disponibilidades líquidas geradas pelas Folha Aprendizes R$ 197.958,64 298.052,77 atividades operacionais: 1.551.968,90 f) ISS R$ 108.506,56 498.824,62 Fluxos de caixa das atividades de investimentos: Total – Soma das Isenções/Benefícios R$ 1.127.154,42 1.970,569,38 Compras de imobilizado (1.457.333,93) D – Outras Receitas Operacionais – valores referentes a juros ativos, descontos Aquisição de ações/cotas 0,00 obtidos e rendimentos com aplicações financeiras liquidas de tributos retido na fonte, Recebimentos por vendas de ativos permanentes 0,00 reembolso e reversão da provisão de férias e 13º salário no ano. VI –Despesas / ros recebidos de contratos de mútuo 0,00 Custos - As despesas e Custos foram reconhecidos mensalmente com base no regime de competência e estão suportadas por documentos que atendem as exi- Disponibilidades liquidas aplicadas nas atividades de investimentos (1.457.333,93) gências legais e fiscais; A - Despesas com Pessoal e Encargos Sociais – salários, 0,00 férias e 13º salário, vale-transporte, assistência médica, cesta básica, medicina do Fluxos de caixa das atividades de financiamentos 0,00 trabalho, assistência odontológica e seguro de vida, FGTS, INSS e PIS sobre folha Integralização de capital 0,00 de pagamento dos funcionários da entidade, Fumcad e aprendizes; B – Serviços Pagamentos de lucros dividendos Empréstimos tomados 0,00 de Terceiros – Serviços executados por terceiros contratados inerentes a atividade 0,00 operacional; C - Despesas Administrativas – gastos operacionais conforme de- Pagamentos de empréstimos/debêntures 0,00 monstração do resultado do exercício essencial ao desenvolvimento administrativo Juros recebidos de empréstimos 0,00 e Fumcad da entidade; D - Despesa com Depreciação – Calculado pelo método Juros pagos por empréstimos linear e as taxas utilizadas são estabelecidas pela legislação; E – Provisões - Perda Disponibilidades líquidas aplicadas nas de Realização de Ativos – de acordo com os controles internos da entidade; F - Des- atividades de financiamentos: 0,00 pesas Tributárias e Financeiras – Taxas anuais obrigatórias e Impostos pagos sobre Aumento nas disponibilidades 94.634,97 rendimento de aplicações financeiras. Juros e multas pagas e despesas debitadas No início do período 2.250.486,48 em contas correntes bancárias. No final do período 2.345.121,45 APLICAÇÕES

COMPANHIA ULTRAGAZ S.A. CNPJ Nº 61.602.199/0001-12 - NIRE 35.300.030.401 Ata da Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária Data, Hora e Local: 27 de abril de 2012, às 10h, na sede social da Companhia Ultragaz S.A. (“Companhia” ou “Cia Ultragaz”), localizada na Avenida Brigadeiro Luís Antônio, nº 1.343, 9º andar, na cidade de São Paulo e Estado de São Paulo (CEP 01317910). Presença: Compareceram à Assembleia: (i) titulares de mais de 2/3 (dois terços) das ações que compõem o capital social; (ii) Diretor Superintendente da Companhia, Sr. Pedro Jorge Filho; e (iii) Sr. Fernando Luis Richieri, inscrito no CRC sob o nº 1SP260147/O-3, representando a empresa KPMG Auditores Independentes, auditoria independente da Companhia. Publicações: Aviso aos Acionistas: Dispensada a publicação tendo em vista a publicação dos documentos a que se refere o artigo 133 da Lei nº 6.404/76 no Diário Oficial do Estado de São Paulo e no jornal “Diário do Comércio” em 28 de março de 2012. Edital de Convocação: Publicado no “Diário Oficial do Estado de São Paulo” e no jornal “Diário do Comércio” nos dias 19, 20 e 21 de abril de 2012. Mesa: Leocadio de Almeida Antunes Filho – Presidente. Pedro Jorge Filho – Secretário. Ordem do Dia e Deliberações: 1. Aprovada a lavratura da ata desta Assembleia em forma de sumário, conforme dispõe o parágrafo 1º do artigo 130 da Lei nº 6.404/76, e autorizada sua publicação com omissão das assinaturas, na forma do parágrafo 2º do mesmo dispositivo. Em Assembleia Geral Ordinária: 2. Aprovado, sem emendas ou ressalvas, o relatório e as contas dos administradores da Companhia, as demonstrações financeiras e suas notas explicativas, além do parecer dos auditores independentes relativos ao exercício encerrado em 31 de dezembro de 2011. 3. Aprovado, sem emendas ou ressalvas, o orçamento de capital proposto pela administração para o exercício social de 2012. 4. Aprovada a destinação do lucro líquido do exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2011, cujo montante foi de R$ 54.680.241,02 (cinquenta e quatro milhões, seiscentos e oitenta mil, duzentos e quarenta e um Reais e dois centavos), de acordo com a seguinte proposta da administração: a) R$ 2.734.012,05 (dois milhões, setecentos e trinta e quatro mil e doze Reais e cinco centavos), serão destinados à reserva legal; b) R$ 26.946.228,97 (vinte e seis milhões, novecentos e quarenta e seis mil, duzentos e vinte e oito Reais e noventa e sete centavos), serão destinados à reserva de retenção de lucros, conforme orçamento de capital arquivado na sede da Companhia; e c) R$ 25.000.000,00 (vinte e cinco milhões de Reais), serão destinados ao pagamento de dividendos, cabendo aos acionistas titulares de ações ordinárias receber R$ 0,03036227 por ação ordinária e aos acionistas titulares de ações preferenciais receber R$ 0,0564 por ação preferencial. Fica aprovado que os dividendos ora declarados serão pagos aos acionistas, sem remuneração ou atualização monetária, a partir do dia 26 de junho de 2012. 4. Aprovada a eleição, para membros do Conselho de Administração, das pessoas abaixo qualificadas, com mandato até a realização da Assembleia Geral Ordinária de 2013, que examinar os documentos a que se refere o artigo 133, da Lei nº 6.404/76, pertinentes ao exercício social em curso: Para Presidente: · Pedro Wongtschowski, brasileiro, divorciado, engenheiro químico, portador da Cédula de Identidade nº 3.091.522-3/SSP-SP, e inscrito no CPF/MF sob o nº 385.585.058-53. Para Conselheiros: · André Covre, brasileiro, casado, administrador, portador da Cédula de Identidade nº 17.841.059/SSP-SP e do CPF/MF sob o nº 130.335.108-09; · Pedro Jorge Filho, brasileiro, casado, engenheiro, portador da Cédula de Identidade nº 6.031.456/SSP-SP e inscrito no CPF/ MF sob o nº 822.913.308-53; · João Benjamin Parolin, brasileiro, casado, engenheiro químico, portador da Cédula de Identidade nº 8.658.508-3/SSP-SP, e inscrito no CPF/MF sob o nº 029.320.368-74; e · Leocadio de Almeida Antunes Filho, brasileiro, casado, economista, portador da Carteira de Identidade nº 2003414808/SSP-RS e inscrito no CPF/MF nº 206.129.23053, com endereço profissional na Rua Francisco Eugênio, 329, 10º andar, São Cristóvão, na Cidade e Estado de Rio de Janeiro (CEP 20941-900). Todos os Conselheiros, exceto o Sr. Leocadio de Almeida Antunes Filho, possuem endereço profissional na Avenida Brigadeiro Luís Antônio, nº 1.343, 9º andar, na cidade e Estado de São Paulo (CEP 01317-910). 5. Aprovado, sem emendas ou ressalvas, o limite máximo global anual para a remuneração dos Administradores em até R$ 10.000.000,00 (dez milhões de Reais). Em Assembleia Geral Extraordinária: 6. Aprovado o aumento do capital social da Companhia no valor total de R$ 633.642.224,70 (seiscentos e trinta três milhões, seiscentos e quarenta e dois mil, duzentos e vinte e quatro Reais e setenta centavos), passando de R$ 381.462.916,22 (trezentos e oitenta e um milhões, quatrocentos e sessenta e dois mil, novecentos e dezesseis Reais e vinte e dois centavos) para R$ 1.015.105.140,92 (um bilhão, quinze milhões, cento e cinco mil, cento e quarenta Reais e noventa e dois centavos), da seguinte forma: a) mediante capitalização de créditos detidos pela acionista Ipiranga Produtos de Petróleo S.A. contra a Companhia, na forma de Adiantamento para Futuro Aumento de Capital realizado 26.03.2012 no montante de R$ 630.003.342,21 (seiscentos e trinta milhões, três mil, trezentos e quarenta e dois Reais e vinte e um centavos), observado o direito de preferência dos atuais acionistas, com a emissão de 1.140.502.045 (um bilhão, cento e quarenta milhões, quinhentos e dois mil e quarenta e cinco) ações nominativas ao preço unitário de R$ 0,5524 por ação, correspondente ao valor patrimonial da ação, apurado com base no balanço de 31 de março de 2012, em conformidade com o disposto no artigo 170, parágrafo 1º, inciso II, da Lei 6.404/76, sendo 1.121.220.440 (um bilhão, cento e vinte e uma milhões, duzentos e vinte mil, quatrocentos e quarenta) ações ordinárias e 19.281.605 (dezenove milhões, duzentos e oitenta e uma mil, seiscentos e cinco) ações preferenciais; b) capitalização de R$ 3.638.882,49 (três milhões, seiscentos e trinta e oito mil, oitocentos e oitenta e dois Reais e quarenta e nove centavos) provenientes da Reserva para Retenção de Lucros. 7. Em consequência da emissão de ações ora aprovada, o valor nominal da ação passará de R$ 0,47 para R$ 0,52. 8. Em decorrência das deliberações acima e, em atendimento ao previsto no artigo 171, parágrafo 2º, da Lei 6.404/76, fixar o prazo de 30 (trinta) dias, contados a partir da data da publicação desta ata, para o exercício do direito de preferência por parte dos acionistas da Companhia, para subscrição do aumento do capital ora aprovado, nos seguintes termos: (a) Cada acionista poderá exercer o direito de preferência na proporção das ações ordinárias e preferenciais que possuir no capital social da Companhia nesta data, sendo que cada acionista somente poderá exercer o seu direito de preferência sobre ações da mesma espécie de que for possuidor. O aumento de capital ora deliberado será integralizado pelos referidos subscritores de acordo com o modelo de boletim de subscrição anexo a presente ata. As novas ações emitidas em razão do aumento de capital social aprovado farão jus aos mesmos direitos atribuídos às demais ações de emissão da Companhia; (b) Os acionistas poderão exercer o direito de preferência dentro do prazo decadencial de 30 (trinta) dias, contados da publicação da ata a que se refere esta assembleia; (c) Preço de aquisição e forma de pagamento: R$ 0,5524 por ação ordinária e/ou preferencial, mediante integralização à vista, no ato da subscrição, em moeda corrente nacional; (d) O acionista que optar por exercer o seu direito de preferência deverá notificar a Companhia, por carta registrada, dentro do prazo previsto acima, indicando sua participação no capital social da Companhia nesta data, especificando o número de ações ordinárias e/ou preferenciais que detém e o percentual de ações que deseja adquirir, bem como eventual interesse na reserva de sobras. No prazo máximo de 5 (cinco) dias úteis após o envio da notificação acima mencionada, mas nunca após o encerramento do prazo decadencial de 30 (trinta) dias, o acionista deverá comparecer à sede da Companhia, munido da documentação indicada em Aviso aos Acionistas a ser publicado juntamente com a presente ata, para firmar o competente boletim de subscrição. 8.1. Na hipótese em que nenhum acionista exerça o seu direito de preferência, a administração da Companhia está, desde já, autorizada a tomar as providências necessárias para a efetivação do aumento do capital ora aprovado. 9. Aprovar, em razão do aumento do capital social da Companhia, a alteração do Artigo 5ª do Estatuto Social, que passará a vigorar com a seguinte redação: “Artigo 5º - O Capital Social é de R$ 1.015.105.140,92 (um bilhão, quinze milhões, cento e cinco mil, cento e quarenta Reais e noventa e dois centavos), dividido em 1.952.125.271 ações nominativas, do valor nominal de R$ 0,52 cada uma, todas integralizadas, sendo 1.919.122.166 (um bilhão, novecentas e dezenove milhões, cento e vinte e duas mil, cento e sessenta e seis) ações ordinárias e 33.003.105 (trinta e três milhões, três mil, cento e cinco) ações preferenciais.” Observações: O Presidente da Mesa informou que: (i) todas as deliberações foram aprovadas por unanimidade de votos dos acionistas presentes; (ii) os membros do Conselho de Administração tomam posse de seus respectivos cargos nesta data, mediante assinatura de termo de posse devidamente arquivado na sede da Companhia, e, consultados anteriormente, declararam que não estão incursos em qualquer delito que os impeça de exercer as atividades do cargo para o qual foram designados, que não ocupam cargos em sociedades que possam ser consideradas concorrentes no mercado com a Companhia e que não têm interesse conflitante com a mesma, de acordo com o art. 147 da Lei n.º 6.404/76. Nada mais havendo a tratar, foram encerrados os trabalhos e lavrada a presente Ata que, lida e aprovada, foi assinada pelos presentes. aa) Ipiranga Produtos de Petróleo S.A. na qualidade de Acionista; Leocadio de Almeida Antunes Filho, na qualidade de Presidente da Mesa; Pedro Jorge Filho, na qualidade de Diretor Superintendente da Companhia e Secretário da Mesa; e Fernando Luis Richieri, inscrito no CRC sob o nº 1SP260147/O-3, Auditor da KPMG Auditores Independentes. Certifico que a presente é cópia fiel da ata lavrada em livro próprio. São Paulo, 27 de abril de 2012. Pedro Jorge Filho - Diretor Superintendente da Companhia e Secretário da Mesa.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CASTILHO/SP PROCESSO LICITATÓRIO Nº 31/12 - PREGÃO Nº 14/12 Termo de Homologação. Processo Licitatório 31/12. Pregão 14/12. Objeto: Contratação de empresa para a implantação e manutenção de software integrado, com objetivo de atender às necessidades do Departamento de Saúde e Vigilância. Considerando a adjudicação constante da ata dos trabalhos da sessão pública de julgamento, lavrada pelo Sr. Pregoeiro, designada pela Portaria nº 02, de 03/01/2012; e a regularidade do procedimento, hei por bem, com base na Lei Federal nº 10520, de 17 de julho de 2002, Homologar, o item do objeto licitado, à empresa abaixo delineada e determinar que sejam tomadas as providências ulteriores. Focus Desenvolvimento de Sistemas Ltda. EPP. Rua Mário Colombo, 184 – Residencial Flamboyants. Tabatinga – SP. CNPJ (MF): 08.564.027/0001-19. Valor: R$ 9.000,00 (Nove mil reais). Castilho – SP, 27 de abril de 2.012. Antônio Carlos Ribeiro. Prefeito. A Debitar (03.05.12).

Fato Relevante Ata da Reunião Extraordinária no 261, de 27.4.2012, do Conselho de Administração da Bradespar S.A. CNPJ no 03.847.461/0001-92 - NIRE 35.300.178.360 Aos 27 dias do mês de abril de 2012, às 17h, na sede social, Avenida Paulista, 1.450, 9o andar, Cerqueira César, São Paulo, SP, reuniram-se os membros do Conselho de Administração da Sociedade, sob a presidência do senhor Lázaro de Mello Brandão. Durante a reunião, os Conselheiros: ·

Aprovaram a proposta da Diretoria, registrada em Reunião de 28.2.2012, para pagamento aos acionistas da Sociedade da Primeira Parcela da Remuneração Anual Mínima, no valor equivalente a US$160,000,000.00, que corresponde ao montante de R$301.936.000,00, considerando a cotação do dólar de venda (PtaxOpção 5), divulgada pelo Banco Central do Brasil, ontem, 26.4.2012, cujo pagamento será feito em 15.5.2012, beneficiando os acionistas inscritos nos registros da Sociedade nesta data (27.4.2012), sendo: a) R$65.000.000,00 como Juros sobre o Capital Próprio, no valor de R$0,174613631 por ação ordinária e R$0,192074994 por ação preferencial, que será feito pelo valor líquido de R$0,148421586 e R$0,163263745, respectivamente, já deduzido o Imposto de Renda na Fonte de 15% (quinze por cento), exceto para os acionistas pessoas jurídicas que estejam dispensados da referida tributação, que receberão pelo valor declarado; b) R$236.936.000,00, como Dividendos no valor de R$0,636496235 por ação ordinária e R$0,700145859 por ação preferencial, não havendo retenção de Imposto de Renda na Fonte, nos termos do Artigo 10 da Lei n o 9.249/95;

·

O valor da Primeira Parcela da Remuneração Anual Mínima, no montante de R$301.936.000,00, integra o valor dos dividendos obrigatórios, no montante de R$407.070.000,00, aprovados pela Assembleia Geral Ordinária da Sociedade, realizada nesta data. O montante de R$105.134.000,00, correspondente à diferença entre os dividendos obrigatórios aprovados pela Assembleia Geral Ordinária desta data, no valor de R$407.070.000,00, e o valor da Primeira Parcela da Remuneração Anual Mínima, no valor de R$301.936.000,00, será pago a título de dividendos em 14.11.2012, beneficiando os acionistas que se acharem inscritos nesta data (27.04.2012), sendo R$0,282428146 por ação ordinária e R$0,310670961 por ação preferencial.

·

Os Juros e os Dividendos relativos às ações custodiadas na BM&FBOVESPA S.A. - Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros serão pagos à referida BM&FBOVESPA, que os repassará aos acionistas titulares por intermédio dos Agentes de Custódia.

·

A partir de 30.4.2012 as ações passam dividendos/juros sobre o capital próprio.

a

ser

negociadas

ex-

Em seguida, disse o senhor Presidente que: I. a Diretoria estava autorizada a tomar todas as providências necessárias para que os referidos Juros e Dividendos sejam creditados individualizadamente, a partir desta data, à conta de ações dos acionistas na Sociedade; II. os pagamentos observarão os seguintes critérios: a) crédito na conta corrente bancária informada pelo acionista; b) os acionistas que não informarem os dados bancários ou não mantiverem conta corrente em Instituição Financeira deverão se apresentar na Agência Bradesco de sua preferência munidos de documento de identificação e do “Aviso Para Recebimento de Proventos de Ações Escriturais”, a ser enviado via Correio àqueles com endereço atualizado nos registros da Sociedade; c) para os acionistas cujas contas correntes indicadas estejam paralisadas ou inativas, o valor dos Juros e Dividendos deverá ser mantido à disposição na Sociedade, o mesmo ocorrendo no caso daqueles em que nos registros não conste o número do CPF ou CNPJ, até que satisfaçam a exigência legal. Nada mais foi tratado, encerrando-se a reunião e lavrando-se esta Ata, que os Conselheiros presentes assinam. aa) Lázaro de Mello Brandão, Antônio Bornia, Mário da Silveira Teixeira Júnior, João Aguiar Alvarez, Denise Aguiar Alvarez, Luiz Carlos Trabuco Cappi, Carlos Alberto Rodrigues Guilherme e Milton Matsumoto.

Bradesco Leasing S.A. Arrendamento Mercantil

Conforme informação da Distribuição Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, foram ajuizados no dia 02 de maio de 2012, na Comarca da Capital, os seguintes pedidos de falência, recuperação extrajudicial e recuperação judicial:

Companhia Aberta - C.N.P.J. nº 47.509.120/0001-82 Cidade de Deus, Prédio Novíssimo, 2º andar, Vila Yara - Osasco-SP Aviso aos Debenturistas Comunicamos que encontra-se à disposição dos debenturistas da 5ª (quinta) Emissão Pública de Debêntures da Bradesco Leasing S.A. Arrendamento Mercantil, o Relatório Anual do Agente Fiduciário referente ao exercício encerrado em 31 de dezembro de 2011, na sede da Emissora, do Coordenador da Emissão, na CETIP S.A., na BM&FBOVESPA, na CVM - Comissão de Valores Mobiliários e em nossa sede, na Rua XV de Novembro, nº 270 - cj. 601, Centro - Curitiba - PR Telefone: (41) 3014-1406. Curitiba, 03 de Maio de 2012. C&D Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. - Agente Fiduciário

Recuperação Judicial Requerente: Texjet Importação, Exportação e Comércio de Tecidos S/A. Requerido: Texjet Importação, Exportação e Comércio de Tecidos S/A. Rua Inhambu, 1.185 - Vila Uberabinha - 2ª Vara de Falência.

A Companhia Nitro Química torna público que recebeu da CETESB a Licença de Instalação Nº 30004328 para Fabricação de Produtos Químicos Inorgânicos em seu endereço à Av. Dr. José Arthur Nova, 951 – São Miguel Paulista – SP/SP.

FALÊNCIA, RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL E RECUPERAÇÃO JUDICIAL

EMPRESA MUNICIPAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS – EMPRO AVISO DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL Nº 009/2012 Objeto: Aquisição de câmeras de videomonitoramento via TCP/IP, CFTV-IP, de alta qualidade de imagem, a fim de proporcionar monitoramento, possibilitando o reconhecimento de fatos e pessoas envolvidas, visando a segurança patrimonial e pessoal, conforme especificações técnicas contidas no Anexo I deste Edital. Edital completo na sede da Empro: Av. Romeu Strazzi, 199 – Bairro Vila Sinibaldi, São José do Rio Preto/SP, ou pelo site http://www.empro.com.br – Fone: (17) 3201-1201/1216. Abertura: 17 de maio de 2012, às 09h30. São José do Rio Preto/SP, 02 de maio de 2012. Cássio Domingos Dosualdo Moreira – Pregoeiro.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

18

e

Em 2011, apenas 0,5% dos brasileiros foram barrados ao tentar entrar na Espanha.

conomia

Embaixador espanhol condena nacionalizações Manuel de La Cámara afirmou a Edison Lobão que, no Brasil, há segurança jurídica e o respeito a contratos.

O

embaixador da Espanha no Brasil, Manuel de La Cámara, avaliou ontem que os investimentos espanhóis no País estão bem mais seguros do que os realizados em outros países da América Latina, como Argentina e Bolívia, que, recentemente, romperam contratos de empresas espanholas no setor energético. "O Brasil é muito diferente de outros países da região. A segurança jurídica e o respeito a contratos dão muita segurança para os investimentos espanhóis", disse o embaixador, após encontro com o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão. Segundo ele, a expropriação de 51% do capital da petrolífera Repsol na companhia argentina YPF foi tratada na reunião, mas La Cámara não pediu ao ministro Lobão ajuda nas negociações com o governo argentino. "O Brasil tem suas próprias relações com a Argentina e não solicitamos, por enquanto, auxílio. Mas podemos pensar uma colaboração nesse sentido, embora nesse momento não seja fácil dialogar com a Argentina", completou o embaixador. La Cámara também citou a nacionalização dos ativos espanhóis de distribuição de energia na Bolívia, determinada terça-feira por Evo Morales. O embaixador disse que o sistema de distribuição da Bolívia funciona muito bem e que os investimentos realizados

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Elza Fiúza /ABr

Esperamos que o governo boliviano pague as compensações devidas. MANUEL DE LA CÁMARA, EMBAIXADOR DA ESPANHA NO BRASIL

pela companhia no país eram suficientes. "Foi uma decisão política de um governo que não é muito previsível. Esperamos que o governo boliviano pague as compensações devidas", completou o embaixador, que lembrou que o Brasil teve problemas com a administração de Morales após a nacionalização de unidades da Petrobras na Bolívia. Durante o encontro com Lobão, o embaixador também tratou da cooperação entre Brasil e Espanha na geração de energia por fontes renováveis. A Espanha é forte no segmento de energia eólica, inclusive com a instalação de indústrias de fabricação de turbinas no Brasil, e também pretende ampliar sua participação na geração de energia solar no País. De acordo com La Cámara, foi discutida tam-

bém parceria entre a Petrobras e a Repsol na operação de gasodutos. Tur i sm o – La Cámara também disse que o governo espanhol tenta junto às autoridades brasileiras flexibilizar e facilitar a entrada de turistas entre os dois países. Há cerca de um mês, o Brasil endureceu as regras para a entrada de espanhóis no País em reciprocidade às medidas em vigor no país europeu. "Compreendemos a medida brasileira e o número de espanhóis barrados, por enquanto, não foi significativo. Mas trabalhamos para flexibilizar entre os dois países", disse ele. Segundo La Cámara, na próxima semana, o Ministério do Interior e a polícia espanhola terão uma reunião na embaixada brasileira em Madri para discutir ações no sentido de

melhorar as relações entre autoridades espanholas e os viajantes brasileiros no país. "Os brasileiros são muito bem vindos na Espanha, mas sempre terá alguma pessoa que não vai entrar por falta de documentação. Em 2011, apenas 0,5% dos brasileiros foram barrados", afirmou. Bomba – Em meio ao clima de tensão após a expropriação de 51% das ações da Repsol na petrolífera YPF, uma bomba caseira explodiu na madrugada de anteontem na porta do edifício onde trabalha a delegação da União Europeia em Buenos Aires. Ninguém assumiu a autoria da explosão, que não teve vítimas, "mas provocou estragos materiais", disse uma nota da delegação da UE. O Ministério de Relações Exteriores da Argentina lamentou e condenou o atentado. (AE)

Expropriações são negativas, diz Guindos.

O

ministro das Finanças da Espanha, Luis de Guindos, afirmou que a decisão da Bolívia de nacionalizar os ativos locais da operadora de rede de energia espanhola Red Eléctrica Corp., anunciada na terça-feira pelo presidente Evo Morales, não foi no interesse dos cidadãos e da economia do país. "Nós não gostamos desses tipos de decisões. Elas são fundamentalmente negativas para os países que as adotam", afirmou de Guindos em Bruxelas, acrescentando que era essencial que países, como a Bolívia, mantivessem "segurança judicial no processo de investimento". De Guindos afirmou que a Espanha "vai monitorar de perto" a promessa da Bolívia de compensar a Red Eléctrica "pelos custos dos investimentos da companhia na rede de eletricidade boliviana". O ministro afirmou também que esses tipos de decisões terão "consequências no médio prazo em termos de desenvolvimento e investimentos. Os investimentos espanhóis estão cumprindo uma função vital em termos de desenvolvimento dos países (latino-americanos) e para o bem-estar e a prosperidade de seus cidadãos", afirmou. Os comentários dele coincidem com o pedido feito pela Comissão Europeia em Bruxelas para que a Bolívia respeite seus acordos de investimentos com a Espanha e assegure compensação rápida e adequada. "Ações como essa enviam um sinal negativo para investidores internacionais sobre o clima de negócios e investimentos na Bolívia, disse John Clancy, portavoz do comissário europeu de Comércio, Karel De Gucht, em comunicado. "Nós confiamos que as autoridades bolivianas manterão totalmente seus acordos de investimentos com a Espanha e assegurarão compensação rápida e adequada pela expropriação", acrescentou o porta-voz. Para Ian Mitchell, do J.P.Morgan, a expropriação dos ativos da Red Eléctrica deverão ter pouco impacto para a empresa. "Esses ativos são muito pequenos (para a Red Eléctrica) e em qualquer caso a companhia já deu completamente baixa contábil no valor dos ativos e da maior parte do valor da dívida. Eles viram o risco e tomaram as medidas apropriadas antes", acrescentou Mitchell. Os ativos bolivianos da Red Eléctrica representavam 1,5% das receitas da companhia de um pouco mais de 1,63 bilhão de euros em 2011. (AE)

03052012  

Diário do Comércio