Issuu on Google+

JUROS VOLTAM A 2009: 11,75% Copom aumenta em meio ponto percentual a taxa Selic para tentar evitar um superaquecimento da economia. Pág. 19 Ano 86 - Nº 23.323

Conclusão: 23h55

www.dcomercio.com.br

Jornal do empreendedor

R$ 1,40

A voz de leitores da Santa Ifigênia

São Paulo, quinta-feira, 3 de março de 2011

Página 2

JFDiório/AE

Ahmed Jadallah/Reuters

Lula fala sobre Lula em palestra sobre o futuro Página 5

Relações Líbia-Brasil cresceram com a amizade entre Lula-Kadafi, a partir de 2003. A dupla protagonizou votos polêmicos na ONU.

Amigo é para essas coisas: Kadafi quer apoio do Brasil. Tacada de Kadafi (acima, em seu carrinho de golfe): pôr o Brasil de "observador" na Líbia, com a União Africana e a Conferência Islâmica. O apelo ainda não chegou ao Itamaraty. Pág. 14 Dida Sampaio/AE

Patrícia Cruz/LUZ

Tiririca assina. E está na Educação. Deputado é titular da Comissão de Educação e Cultura da Câmara. Pág. 11

Segredos da omelete verdadeira para a presidente A chef Bia, do francês La Casserole, mostra como fazer a omelete perfeita, fofinha, mas sem bicarbonato. Pág. 6

Punição para aliado que não engoliu o mínimo Dilma faz reunião com partidos da base para pedir apoio nas votações. Só não chama o PDT. Pág. 9 Justin Sullivan/Getty Images/AFP

E réu vai para a Comissão de Justiça Mesmo processado pelo Mensalão, no STF, deputado João Paulo Cunha é eleito presidente da CCJ. Pág. 11

HOJE Nublado com chuva Máxima 23º C. Mínima 18º C.

AMANHÃ Parcialmente nublado Máxima 26º C. Mínima 16º C.

ISSN 1679-2688

23323

9 771679 268008

Jobs, a maior surpresa do iPad 2 O gênio da Apple emergiu da licença por doença para lançar o iPad 2: "Eu não queria perder isso hoje", explicou. Pág. 26


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

quinta-feira, 3 de março de 2011

O temor é que o poder público paulistano assuma de vez sua incompetência e venha a institucionalizar o calote. Paulo Garcia

pinião

Nova Luz: qual é o temor? O

artigo "Projeto Nova Luz: qual é o temor"? de João Carlos Belda, publicado na edição de 28 de fevereiro, tratando das alterações previstas para a região da rua Santa Ifigênia, levou vários leitores a nos escrever. São tão bem-vindos que abrimos a mais nobre página para recebê-los. Mas na origem dos e-mails enviados há uma confusão: como o autor do texto é e assina-se "conselheiro da Associação Comercial de São Paulo" estaria expressando uma posição oficial, e não apenas suas próprias ideias. O Projeto Nova Luz, seu impacto para a cidade e para o comércio ainda está em estudos no Conselho de Política Urbana. Se o debate não acabou, sua conclusão, por inexistente, não pode ser antecipada. O DC agradece a análise e comentários de João Carlos Belda e dos leitores, que trazem mais luz – e perdão pelo trocadilho – ao Projeto Nova Luz.

O projeto, na visão da Prefeitura

P

elo instrumento da Concessão Urbanística, instituído pela Lei 14.917/09, a Prefeitura pode conceder a recuperação de áreas urbanas deterioradas, desocupadas, ou a serem requalificadas, a um concessionário. Ao menos em teoria, ele permite implantar uma série de melhorias necessárias nas áreas em questão, sem onerar os cofres públicos. De acordo com informações dadas anteriormente à imprensa sobre o Projeto Nova Luz, o objetivo da Concessão Urbanística seria a revitalização da área. Entre as ações previstas, constam a criação de espaços públicos e áreas para empreendimentos privados, considerando-se a vocação comercial da região, voltada para a área tecnológica. Áreas verdes, ciclovia, habitações de interesse social, calçadas mais largas, melhor acesso ao transporte metro-ferroviário fazem parte do plano, além da preservação do patrimônio histórico da região.

DIREITO FERIDO osso falar por mim e por muitos da região. Ninguém é contra a modernidade, mas contra a lei 14917/09, que acaba com o direito de propriedade. Hoje o ataque é na Santa Ifigênia, amanhã poderá ser no bairro onde o colunista mora. O senhor aceitaria receber 1/10 ou 1/20 do que vale seu imóvel para que as empreiteiras o revendam por um valor absurdo? E onde irão parar os pais de família que daqui levam o sustento para seus filhos ? Onde vão arrumar outro emprego? MANUEL VIEIRA

P

LFER Arte A

sobre

mapa

le

Goog

PELA ANULAÇÃO DA LEI

colunista deveria fazer como nós e estudar de verdade a Lei 14.917/09, pois como está redigida é um retrocesso da democracia, da concessão urbanística. Veja o estudo de viabilidade econômica da FGV e reúna-se com a Prefeitura, que usa um discurso circular e se recusa a dar a mínima garantia, nos fazendo crer que o direito à propriedade será massacrado. Sou morador da região, estudo a fundo a lei da concessão urbanística e sei, como todos os moradores e comerciantes do bairro, que esse projeto não é para servir aos interesses da região. Se essa concessão urbanística for aplicada aqui como está, abrirá um péssimo precedente para a cidade de São Paulo, que poderá vir a ser privatizada aleatoriamente, visando a especulação imobiliária e expulsando os verdadeiros residentes do bairro. A prova maior que o "Nova Luz" não é um projeto, mas um empreendimento que visa ao lucro de quem financiou a campanha do prefeito e de alguns vereadores, é que fala-se muito em "revitalização da Cracolândia", mas não se apresenta qualquer solução para o problema do crack, que é de saúde publica.

temor é que se desrespeite a Declaração Universal dos Direitos Humanos em seu artigo 17 inc.1: "Toda pessoa tem direito à propriedade, só ou em sociedade com outros". O temor é que o poder público paulistano assuma de vez sua incompetência e venha a institucionalizar o calote. O temor é que uma região com 200 anos de história, e mesmo sendo uma das maiores arrecadadoras setoriais do Brasil, continue avacalhada e depreciada. O temor é que uma marca conhecida internacionalmente, que pelos critérios de avaliação utilizados pelo mercado facilmente valeria 10 bilhões, não fosse ela difusa, sendo usada por 15.000 comerciantes, continue sendo dilapidada sem pudor. Se é para acabar com a Cracolândia tudo vale, inclusive acabar com a marca Santa Ifigênia? Poderia ainda falar das garantias inexistentes para inquilinos, moradores, fundo de comércio etc , mas meu maior medo, temor, horror, é que isto se replique pelo Brasil afora e que nos confins de nosso território não exista uma sociedade civil organizada para, democraticamente, contestar a lei 14917/09 – Concessão Urbanística – como neste momento tentamos fazer.

bairro Santa Ifigênia está em perigo de destruição pela Prefeitura de São Paulo, em proveito dos especuladores imobiliários – em lugar de cuidar da cidade, o que é a obrigação da Prefeitura. Após inúmeras tentativas mal sucedidas de verificar estudos, finalmente efetuei, em 01/02/2011, na Secretaria de Desenvolvimento Urbano, vistas do processo do Projeto Urbanístico da Nova Luz . Encontrei no Projeto "preliminar" tabelas de valores de imóveis drasticamente subavaliadas, à razão de 1/10 a 1/20 do valor do mercado dos imóveis residenciais e comerciais, respectivamente. Ora, os terrenos baratíssimos avaliados não existem na região do projeto, só existem no relatório da Prefeitura e foram usados como premissa do projeto! Gostaria de saber quem será responsável frente ao futuro concessionário, que certamente assumirá a responsabilidade financeira dos 9/10 a 19/20 restantes, frente a estes valores equivocados assinalados no processo? será o Consórcio Concremat/Cia City/FGV/Aecom? Ou será que os representantes do Executivo e do Legislativo que aprovaram as leis serão pessoalmente responsáveis com os seus bens? Se for a Prefeitura, entendo que o prejuízo atinente a este projeto é inaceitável para o contribuinte paulistano. Portanto, considero imprescindível que cadastramento e perícias sejam feitas para cada unidade de imóvel residencial e comercial da região, de forma transparente, junto ao Judiciário, com a participação de cada proprietário, e que as tabelas de valores sejam ajustadas aos preços de mercado atuais e reais; os valores reais devem ser usados como premissa corrigida do Projeto e como premissa para o estudo de viabilidade econômico-financeira, previamente à licitação do Concessionário Urbanístico – o qual precisa ser protegido também. A única alternativa viável é a anulação das leis municipais 14917 e 14918 da Concessão Urbanística pelo Executivo e pelo Legislativo.

ANTONIO SANTANA

PAULO GARCIA

SUELY MANDELBAUM, ARQUITETA URBANISTA

DESRESPEITO O

INTERESSES OCULTOS O

O

Fundado em 1º de julho de 1924 Presidente Alencar Burti Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto, Antonio Carlos Pela, Arab Chafic Zakka, Carlos Roberto Pinto Monteiro, Claudio Vaz, Edy Luiz Kogut, Gilberto Kassab, Guilherme Afif Domingos, João de Almeida Sampaio Filho, João de Favari, José Maria Chapina Alcazar, Lincoln da Cunha Pereira Filho, Luís Eduardo Schoueri, Luiz Roberto Gonçalves, Moacir Roberto Boscolo, Nelson F. Kheirallah, Roberto Macedo, Roberto Mateus Ordine, Rogério Pinto Coelho Amato, Sérgio Antonio Reze

CONSELHO EDITORIAL Alencar Burti, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, João de Scantimburgo, Marcel Solimeo, Márcio Aranha e Rogério Amato Diretor-Responsável João de Scantimburgo (jscantimburgo@acsp.com.br) Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Editor-Chefe: José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br) Chefia de Reportagem: Teresinha Leite Matos (tmatos@acsp.com.br) Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br) Editores Seniores: Bob Jungmann (bob@dcomercio.com.br), Carlos de Oliveira (coliveira@dcomercio.com.br), chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), Estela Cangerana (ecangerana@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Luiz Antonio Maciel (maciel@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br) Editor de Fotografia: Alex Ribeiro (aribeiro@dcomercio.com.br) Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Ricardo Ribas (rribas@dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br) Subeditores: Fernanda Pressinott, Kleber Gutierrez, Marcus Lopes, Rejane Aguiar e Tsuli Narimatsu Redatores: Adriana David, Anna Lucia França, Eliana Haberli ,Evelyn Schulke, e Sérgio Siscaro Repórteres:Anderson Cavalcante (acavalcante@dcomercio.com.br), André Alves, Fátima Lourenço, Geriane Oliveira, Giseli Cabrini , Ivan Ventura, Kelly Ferreira, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mário Tonocchi, Neide Martingo, Paula Cunha, Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves, Sandra Manfredini, Sergio Leopoldo Rodrigues, Sílvia Pimentel, Vanessa Rosal, Vera Gomes e Wladimir Miranda. Gerente Comercial Arthur Gebara Jr. (agebara@acsp.com.br) Gerente Executiva de Publicidade Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações José Gonçalves de Faria Filho (jfilho@acsp.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estado, Globo e Reuters Impressão Diário S. Paulo Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3244-3175. Fax 3244-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3244-3344, 3244-3983, Fax 3244-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3244-3544, 3244-3046 , Fax 3244-3355

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3244-3737 REDAÇÃO (011) 3244-3449 FAX (011) 3244-3046, (011) 3244-3123 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 3 de março de 2011

o

3

DISCURSO DO GOVERNO VEM MUDANDO E SE ENCAMINHANDO PARA O RETORNO DA CPMF.

pinião

PREPARANDO O TERRENO D

e todos os ministérios atingidos pela "conciliação fiscal" do ministro Guido Mantega, o mais poupado, de longe, foi o da Saúde, de Alexandre Padilha, um dos negociadores, no Congresso Nacional, das emendas dos parlamentares no Orçamento deste ano, quando ainda era ministro das Relações Institucionais. Safou-se até mais do que o Ministério da Educação, uma das prioridades na área social da presidente Dilma Rousseff. Livrou-se até mais do que o Ministério do Desenvolvimento Social, do Bolsa Família e do futuro PAC da Erradicação da Pobreza. Não chegou a perder um por cento do que lhe estava destinado. A não ser que algumas surpresas se escondam no escaninho da "conciliação" preparada por Mantega e por sua colega do Planejamento Miriam Belchior, como a que quase escondeu a facada de R$ 5,1 bilhões (40% da verba prevista) no programa "Minha Casa, Minha Vida", é uma vitória dos defensores dos serviços públicos médicohospitalares, uma reafirmação do que a então candidata de Lula repetiu à exaustão durante a campanha eleitoral. Mas é também parte de uma estratégia de preparação do meio ambiente político o que não escapa do fim do ano – o imposto da saúde. Como pedir mais sacrifício da população se o governo não é capaz de avançar em cortes em outras áreas para preservar o q ue é essencial do essencial? O esquema de preparação do terreno, que está passando despercebido do grande público, está sendo rigorosamente cumprido. Durante o embate eleitoral, quando o adversário José Serra, ex-titular da pasta, dizia que a situação nessa área ia mal e acusava o governo Lula de desleixo, a candidata de Lula e o próprio Lula negavam problemas. Vencidas as urnas, começaram a surgir na imprensa informações oficiosas de fontes oficiais, dando conta das dificuldades que o setor enfrentava. Em seguida, Lula, ainda presidente, jogou no ar sua velha queixa contra a extinção da CPMF. Na esteira, os governados eleitos e reeleitos encamparam a reedição do imposto do cheque, recuando em seguida devido às reações negativas externas e ao aparente veto da presidente eleita. Depois da posse, o discurso mudou um pouco: antes de determinar a distribuição de mais recursos para o setor, era preciso primeiro fazer uma avaliação da gestão dos recursos disponíveis, estancar possíveis desperdícios, corrigir problemas gerenciais. Contratou-se, no Ministério da Saúde, uma auditoria do consagrado consultor mineiro Vicente Falconi, mentor do badalado "choque de gestão" aplicado pelo hoje senador Aécio Neves no governo de Minas Gerais, com bons

JOSÉ M. CHAPINA ALCAZAR

CONTABILISTA NO

Evaristo Sá/AFP

TOPO DO PRESTÍGIO

A

constatação é das empresas que buscam profissionais no mercado, as "caçadoras de talentos": cada vez mais as organizações procuram executivos da área contábil, tendência internacional que revela a importância dessa categoria para a eficácia dos empreendimentos. Nós, que militamos na área, há tempos identificamos que, em cenário de economias interdependentes e globalizadas, que exigem decisões complexas, as organizações de todos os portes e setores não podem abrir mão de profissionais como os contabilistas, pois de seus conhecimentos dependem o acerto de decisões em áreas essenciais como a financeira, a tributária e a de controles, para citar algumas cruciais no sistema produtivo.

árias pesquisas de empresas de recrutamento de executivos, aqui e no exterior, confirmam a tendência. Uma delas, feita pela Consultoria Robert Half, ouviu cerca de 1.900 responsáveis pela contratação nas empresas em dez países. E concluiu que, no primeiro semestre de 2011, 36% dos consultados pretendem aumentar as equipes de executivos no Brasil – perto de 40% na área da contabilidade. É interessante a análise para explicar a ampliação dessa demanda em nosso País. O contabilista no Brasil, mais do que em outros países, é hoje um quadro estratégico para todas as áreas das corporações. Basta pinçar a planilha de nossa carga tributária, uma das mais elevadas do mundo. O Brasil, como potência emergente, exige que os especialistas se obriguem à constante atualização nas áreas fiscal e tributária para acompanhar prazos, normas, decretos e regras de todos os calibres. O desafio é criar sintonia com a velocidade das mudanças. As empresas que pretendem se instalar no Brasil têm dificuldade em entender a complexidade do nosso

V

Ainda de maneira tímida, a presidente começa a fazer parte do coro que preconiza a volta da CPMF.

JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA resultados. O bem-sucedido Jorge Gerdau também colocou sua expertise gerencial a serviço da causa. Nesse meio tempo, apareceu um estudo do IPEA, órgão de estudos oficial, pródigo nos últimos anos em produzir análises alinhadas com os desejos de Brasília, informando, entre outras coisas, que a população usuária do Sistema Único de Saúde (SUS), considera que os serviços que ele presta não têm ainda a qualidade desejável. Bom argumento para quem quer pedir mais dinheiro. Com tais deixas, a auditoria e a

pesquisa, os governadores da região da Sudene, sob o olhar enigmático da presidente, sem dizer nem sim nem não, não se fizeram de rogados e voltaram a bater na tecla do imposto do cheque. Os porta-vozes ocultos de Dilma disseram que ela não aprovava o tema, mas seus líderes no Congresso, Cândido Vaccarezza, na Câmara, e Romero Jucá, no Senado, entoaram também o jogral dos governadores – entre ele dois tucanos – Teotônio Vilela (Alagoas) e Antonio Anastásia (Minas Gerais). E agora, dez dias depois, a própria

D

epois... E o depois nesse terreno todos sabemos qual é. Ainda mais que a "conciliação fiscal" não pareceu convencer muito as forças econômicas de que será suficiente para conter o repique da inflação. JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA É JORNALISTA E ANALISTA POLÍTICO

ambiente fiscal e tributário. O contabilista, assim, deixa de ser mero técnico para assumir a posição estratégica de aconselhamento, vital para a tomada de decisão de investidores, diretores e altos executivos. á ao menos duas conclusões a extrair desses fatos. A primeira é que o contabilista está cada vez mais valorizado e sua atuação pode ser comparada com a do advogado como operador do Direito e a do médico na área da Saúde. É por isso que propugnamos por vários anos e aplaudimos a decisão, tomada em 2010, de fazer retornar, por Lei Federal, a obrigatoriedade do Exame de Suficiência, reconhecimento oficial de que o profissional de contabilidade reúne a capacitação exigida por um mercado crescente . Mais do que exigência, trata-se de valorizar os conhecimentos dos profissionais. A outra conclusão deriva da anterior. O contabilista está obrigado a se reciclar a cada dia, num aprendizado permanente. Esta atitude é fundamental para consolidarmos a noção de que nossa atividade mudou de patamar e sua valorização deve ser prioritária em todos os empreendimento, nesses tempos de competitividade acirrada e busca de produtividade.

H

JOSÉ MARIA CHAPINA ALCAZAR É EMPRESÁRIO, PRESIDENTE DO SESCON-SP - SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS E DE ASSESSORAMENTO NO ESTADO DE SÃO PAULO

PERSONALIDADE Andrey Smirnov/AFP

O

mundo comemora os 80 anos de uma personalidade que não pode nem deve ser esquecida. Um dos autores dos maiores eventos políticos e econômicos do final do século passado, Mikhail Gorbachev é o único vivo e atuante, já que Margareth Thatcher, a Dama de Ferro, está muito doente e parece que em estado de inconsciência. Nesses tempos de mudanças, da busca da democracia, do progresso social, mas ainda no escuro, para que as alterações não caiam no vazio do poder e no radicalismo com violência, cresce a admiração dos que acompanham a evolução do mundo por figuras como Ronald Reagan (estamos no ano de seu centenário) e João Paulo II, que será beatificado em maio próximo. Nada, porém, teria acontecido em paz, não fosse a política de abertura promovida por Gorbachev, que percebeu o esgotamento do regime leninista-estalinista na esfera da então União Soviética. A partir da queda do muro de Berlim, a China começou a acelerar suas reformas econômicas para se transformar no fenômeno atual. E mais dia menos dia, terá de abrir o

presidente entra no coro, apenas e ainda muitos decibéis abaixo. Na entrevista no programa de Ana Maria Braga, durante a qual Dilma fez um omelete – o ponto mais destacado por parte da imprensa, como se o simples fato de fazer um omelete fosse uma credencial para qualquer coisa a não ser para ser cozinheiro –, a presidente deu mais um passou na preparação do terreno. Poucos prestarem a atenção. Dilma não descartou a nova CPMF algum dia, apenas disse que antes de tomar qualquer decisão vai esperar o resultados das perícias e o diagnóstico do grupo Falconi/Gerdau.

No primeiro semestre de 2011, 36% dos consultados em uma pesquisa dizem pretender aumentar suas equipes de executivos no Brasil.

Mikhail Gorbachev regime político, ainda totalitário e cúmplice de algumas aberrações do mundo em que vivemos, como Coreia do Norte, Cuba e Venezuela. A linha que nega o peso da personalidade de homens que o destino alçou a cargos decisivos está ultrapassada. É claro que foi o talento genial de Napoleão que colocou ponto final na baderna em que se tornara a França, que passou mais de uma década em banho de sangue. mundo não teria passado o que passou com as conquistas alemãs dos anos 39 a 45, não fosse a presença no poder, e com liderança, de uma personalidade deformada como Hitler. Na verdade, a rica e culta

O

INFLUI NO PODER Alemanha teve o seu Kadhafi, que só não era ladrão, mas tinha todas as demais suspeições, como a sua saúde mental e comportamental. Na Segunda Guerra, não fosse o talento e a presença de Winston Churchill, o pós-guerra teria sido mais catastrófico, com a dominação soviética na Europa, onde o comunismo tinha sólidas bases na Itália, França e Espanha. A debilitada Inglaterra salvou o mundo, com sua força moral, diante de um Estados Unidos sob forte influência da esquerda e de simpatia pelo comunismo, na corte de Franklin Delano Roosevelt. hurchill "inventou" uma reação francesa à ocupação alemã, sabidamente bem recebida em todo seu território, e não só na zona sob o governo do Marechal Petain. Assim, evitou que a Europa trocasse as patas de Berlim pelas de Moscou. Nesses

C

dias de folia, quem não for do ramo pode ir à estante e ler sobre o século passado e seus grandes homens. Agora, com o que se passa no Oriente, o fenômeno asiático da China, Japão (recuperando-se da crise), Coreia do Sul, na vanguarda da tecnologia, e a crise na economia e na política americana, vamos iniciar uma nova era, infelizmente ainda sem lideranças positivas definidas. Esta é a grande preocupação. História, progresso e paz se constroem com grandes homens. or isso é bom lembrar que temos o Brasil que temos graças a seus grandes homens. Desde D. João VI, D. Pedro I , D. Pedro II – passando pela safra de nobres notáveis como Duque de Caxias, Marquês de Tamandaré, Barão de Mauá, Barão do Rio Branco, Marquês do Paraná e Marquês do Sapucaí, entre outros. Depois, na República, o avanço com Getúlio

P

ARISTÓTELES DRUMMOND Vargas e o Estado Novo, o desenvolvimento e o acreditar no Brasil com JK, a ordem e o progresso com os militares, a transição sob controle com presidente Sarney , a abertura econômica com Fernando Collor e a melhor distribuição da renda com Lula. A presidente Dilma tem muita gente em quem se mirar. ARISTÓTELES DRUMMOND É JORNALISTA E VICE-PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DO RIO DE JANEIRO. ARI.DRUMMOND@YAHOO.COM.BR


4 -.GERAL

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 3 de março de 2011

3 de Março

P

rincesa de Luxemburgo, casou-se com o duque da Baviera que em 1002 foi coroado rei da Alemanha. Ambos eram cristãos e juntos governaram na paz e na prosperidade por 27 anos. Com a morte do rei, abdicou do trono para viver no mosteiro beneditino de Kaufungen. es Santa Cunegund

Solução


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 3 de março de 2011

5 PASSADO Lula enaltece seus feitos durante seus mandatos, de 2003 a 2010

olítica

Nunca antes um garoto autopropaganda como este

FUTURO Previsões otimistas do ex-presidente para o governo de Dilma Rousseff

Em sua estreia como palestrante, Lula recebeu cerca de R$ 200 mil para falar por 40 minutos. Ou seja, R$ 5 mil por minuto. E o principal assunto foi a apologia de seu governo, de 2003 a 2010. Depois, foi otimista ao discorrer sobre o futuro do País para cerca de mil pessoas

Michel Filho/Agência O Globo

Sergio Kapustan

E

m sua primeira palestra como ex-presidente da República, o presidente de honra do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, fez ontem à noite, uma apologia de si e de seu governo (2003 a 2010). Lula falou para um público de mil pessoas, que participava de evento promovido pela multinacional coreana LG Eletronic. Sua palestra durou 40 minutos e o preço cobrado não foi barato: cerca de R$ 200 mil – não confirmado nem desmentido pelos organizadores. O ex-presidente ocupou a tribuna no centro do palco. Sua imagem foi projetada em alta resolução em quatro telões: dois na frente e dois ao fundo. Conhecido por encantar plateias com discursos improvisados e expressões populares, Lula, em sua estreia, preferiu ler um texto na palestra encomendada. E, a pedido seu, os jornalistas só puderam acompanhar os 15 minutos iniciais. Ao se dirigir à "família LG", o ex-presidente mostrou confiança no futuro olhando para o passado recente – os seus oito anos de governo. Ele afirmou que a perspectiva de crescimento do PIB em 2010 é de 7,5% – graças ao crescimento da economia junto com a redução das desigualdades sociais – e de uma melhora na distribuição de renda. Em seguida, citou a geração de 15 milhões de empregos com carteira assinada. "Tudo isso ajudou a alavancar o consumo e permitiu à LG vender televisores de tela plana, computador, celular e ar condicionado." Lula afirmou que a confiança da população o comércio varejista a crescer, em 2010, 6,9%. "Nunca se vendeu tantos

O ex-presidente Lula em evento no centro de exposições do Hotel Transamérica, na Zona Sul da Capital: 'Nunca se vendeu tantos móveis e eletrodomésticos neste País'.

móveis e eletrodomésticos neste País". Outro pontos, sempre com os números ilustrando suas teses, foram os programas Minha Casa Minha Vida e o Luz para Todos. Segundo Lula, o Luz ajudou os empresários da indústria e comércio. Conforme o ex-presidente, cerca de 80% das pessoas beneficiadas pelos programas compraram televisores; 73%, geladeiras; e

46%, equipamentos de som. "Quando a energia chega, o cidadão quer comprar o aparelho de som e a geladeira. E aí quanto mais a industria investir, mais oportunidade ela terá de vender", afirmou. Na questão social, o palestrante destacou o combate à pobreza. "28 milhões de brasileiros deixaram a pobreza e outros 36 milhões entraram na classe média."

Marolinha – Outro ponto de destaque da explanação foi a crise mundial de 2008, que se iniciou nos Estados Unidos e depois atingiu principalmente a Europa e o Japão. Lula recordou que ao ler os jornais, analistas cobram ações para evitar a crise no País. Na época, o então presidente classificou a crise de "marolinha" justificando que o País estava com a economia em ordem,

com um sistema financeiro sólido, obras do PAC 1 (investimento de R$ 695 bilhões) em andamento e a decisão política de incentivar o consumo. "Por conta da marolinha, eu fui achincalhado", lembrou ao acrescentar que foi à televisão pedir à população que não dei-

xasse de ir às compras no Natal. "Eu, que fui contra o consumo no passado, fiz a apologia do consumo." Lula disse que outra marca de sua gestçao foi a expansão do crédito. Da grande indústria à microempresa. "Pobre não entrava em banco".

Leia mais sobre a LG na página 21


p Omelete presidencial frita a língua portuguesa

DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

quinta-feira, 3 de março de 2011

Agora não tem tempo para 'mim' ir lá na cozinha, não. Presidente Dilma Rousseff

olítica

Receita de Dilma Ingredientes: 2 ovos - 1 cebola picada - 50 g de presunto picado - 50 g de mussarela rasgada - 50 g de queijo prato cortado em cubos - 1 tomate pequeno cortado em cubo - 1/2 xícara (chá) de queijo parmesão ralado - 3 colheres (sopa) de creme de leite - 1 colher (chá) de bicarbonato - 2 colheres (sopa) de água - 1 colher (sopa) de manteiga - 1 fio de óleo

A presidente Dilma Roussef cozinha no programa de Ana Maria Braga. Comete acintes contra o idioma e a culinária. A apresentadora elogia o resultado, mas o louro José apela: "Acho que eu vou pedir uma pizza". Lúcia Helena de Camargo

D

e tempos em tempos o ovo passa de vilão alimentar a estrela da gastronomia. Agora está em alta. E a cotação tende a subir mais depois que a presidente Dilma Rousseff preparou uma omelete no programa da Ana Maria Braga, na última terça-feira. Dilma cometeu barbeiragens culinárias e alguns acintes contra a língua portuguesa, mas mesmo assim foi elogiadíssima pela apresentadora. A presidente jogou as cebolas na frigideira antes de colocar os ovos. "A senhora mistura a cebola na frigideira? Nós vamos aprender a fazer um omelete diferente", disse Ana Maria com um sorriso amarelo. Depois, Dilma adicionou bicarbonato de sódio à mistura, pensando estar colocando sal. Ao ver dois potinhos com pós brancos sobre a bancada, perguntou à apresentadora: "Este aqui é o sal?". E recebeu confirmação. Mas Ana Maria em seguida percebeu o engano. "Não, esse não é o sal! (...) Mas vai ficar ótimo, sabe por que? Porque colocando um pouquinho de bicarbonato de sódio...", ao que Dilma concluiu: "Fica melhor". "Tanto eu como ela estávamos um pouco atrapalhadas, mas deu certo", escreveu a apresentadora, um dia depois de louvar a fragmentada e desenxabida omelete presiden-

Modo de Fazer: 1- Em uma tigela, coloque 6 ovos e misture (não pode bater). Adicione a cebola e o presunto picados, a mussarela rasgada, o queijo prato cortado em cubos, os tomates em cubos, o queijo parmesão ralado, o creme de leite, o bicarbonato e a água. Misture. 2-Unte uma frigideira com borda arredondada e um pouco aberta com a de manteiga, o fio de óleo e adicione a mistura de ovos. Com uma espátula, solte as bordas da omelete da frigideira. Dobre a omelete ao meio ou vire a omelete para dourar o outro lado.

Patrícia Cruz/LUZ

cial. Só seu colega de palco, o louro José, ousou pronunciar um "Acho que eu vou pedir uma pizza", em crítica velada. Além de a omelete ser tratada no masculino, inclusive na receita publicada no site (a palavra é um substantivo feminino), outros erros de português foram cometidos. Um deles, grotesco, se deu quanto Dilma errou os pronomes. Perguntada se costuma cozinhar em casa, respondeu: "Agora não tem tempo para mim ir lá na cozinha não". Em vez de "mim", sabemos, ela deveria ter dito "eu". Consultamos a chef Bia – Maria Beatriz Périssé – do restaurante francês La Casserole, sobre os métodos da presidente. Sobre o uso de bicarbonato de sódio: "Não uso nem recomendo. Alguns dizem que fica mais fofinho c o m b ic ar b on ato. Não acho. O essencial na omelete é que fique clara, de mal passada ao ponto". E o "método" colocar na panela as cebolas antes dos ovos? "É falta de prática dela. Não funciona. As cebolas queimam", vaticina a chef. A omelete do restaurante só leva recheio de ervas. Custa R$ 15,50. "Quando o cliente pede, acrescento cogumelos ou parmesão, mas a receita básica é bem simples", diz Bia. A reportagem do DC garante: fica deliciosa. No Casserole, o louro José não pediria pizza.

Maria Périssé, do 'La Casserole', sobre Dilma: 'Falta de prática'.

A receita de Bia, do La Casserole Ingredientes: - 3 ovos - salsa picada - sal - manteiga - óleo - creme de leite fresco Modo de preparo: 1) Separe os ingredientes sobre a bacada. 2) Bata os ovos delicadamente, acrescente uma pitada de sal, a salsa e uma colher de creme de leite. Misture. 3) Aqueça a frigideira em fogo alto apenas com óleo (para aquecer sem queimar) 4) Jogue fora o óleo e coloque a manteiga na frigideira.

5) Quando a manteiga estiver aquecida (preste atenção para que não queime – se o fogo estiver alto ela queima rapidamente), coloque a mistura para o omelete. 6) Vá mexendo com uma espátula de maneira que a mistura fique em um dos lados da frigideira, formando uma meia lua. Controle o fogo de modo que a omelete jamais fique bem passada, pois perderá em sabor e em textura. 7) Retire da frigideira, acomode em um prato. Não despreze a apresentação. Se enfeitada com ramos de salsa vai parecer ainda mais apetitosa quando levada à mesa.

Leonardo Soares/AE - 01/03/2011

DILMA É UMA GRACINHA!

Hebe na gravação de seu programa nos estúdios da Rede TV!, com presença de 500 convidados, orquestra e atrações musicais em jantar black-tie Euclides Oltramari Jr./AE

SERRA SAI DE CENA – Entre os cerca de 500 convidados, estavam o ex-chefe da Casa Civil e ex-deputado José Dirceu (PT-SP), réu do processo do mensalão. Depois de cumprimentar os tucanos José Serra e o governador Geraldo Alckmin, Hebe anunciou a presença de Dirceu, sentado numa mesa ao canto do estúdio. "Podem bater palmas para ele", pediu a apresentadora ao público, inibido com a presença dele. Na metade do programa, Serra se levantou, deixou a mulher Monica à mesa, cumprimentou o réu Dirceu e não foi mais visto até o final da gravação.

N

a estreia na Rede TV!, a apresentadora Hebe Camargo dedicou seu primeiro programa, que vai ao ar no dia 15, à presidente Dilma Rousseff, com uma entrevista de 50 minutos com a presidente. Durante a gravação de uma hora e 30 minutos feita na terça-feira, Hebe elogiou Dilma e revelou que se impressionou com ela. "Apesar de não ter votado nela, fiquei impressionada". Diante de uma plateia formada por tucanos, como o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), e o ex-governador José Serra (PSDB), a apresentadora disse que esperava encontrar a mulher "brava" e "séria" da campanha eleitoral, mas que se deparou com um "amor de pessoa". "Acho que ela vai fazer coisas muito boas. Ela é uma gracinha!". A gravação contou com a participação de aproximadamente 500 convidados na plateia. Entre eles, o ex-chefe da Casa Civil e ex-deputado José Dirceu (PT-SP), réu do processo do mensalão. Além de cumprimentar Serra e Alckmin, Hebe anunciou a presença de Dirceu, que havia sentado numa mesa ao canto do estúdio. "Podem bater palmas para ele", pediu Hebe ao público, inibido com aquela presença. Se Dirceu gostou dos elogios a Dilma, o mesmo não se deu com Serra, que, na metade do programa, se levantou e não foi mais visto. Deixou a mulher Monica Serra à mesa, cumprimentou o ex-chefe da Casa Civil e ex-deputado do PT de São

Paulo e sumiu. Já o atual governador se manteve firme. Em meio a declarações da apresentadora sobre a presidente, cada bloco o programa mostrava um pequeno trecho da entrevista. Carreira – "Aos 60 anos de carreira, estou tendo o privilégio de entrevistar a primeira mulher a assumir a Presidência da República no Brasil. É uma honra que não sei explicar", afirmou Hebe. O programa não vai mostrar a entrevista com Dilma na íntegra. Como nos trechos exibidos aos convidados, ela aparece com Hebe passeando no Palácio da Alvorada, apresentando os ambientes da edificação projetada pelo arquiteto Oscar Niemeyer e falando sobre a fama de ter personalidade forte. "Você já ouviu falar que algum político homem é durão? Eu nunca ouvi. Então, conclui que só existem homens meigos e a única pessoa brava sou eu", disse Dilma, que tenta se desfazer da imagem de 'chefe durona'. Segundo a apresentadora, "ela disse que é exigente, e isso me impressionou". Dilma contou que não levou seu cão labrador Nego para o Alvorada porque ele atacou uma das araras resgatadas pelo Ibama que hoje vivem no jardim. Hebe perguntou se o palácio tinha fantasmas. "Não tem, não", foi a resposta. "Se tiver, deve ser o Juscelino", brincou a apresentadora. Questionada sobre um "deslumbramento" com Dilma, a apresentadora negou. "Quem recebeu homenagem fui eu". (AE)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 3 de março de 2011

7

$OYRUDGD&DUW}HV&UpGLWR)LQDQFLDPHQWRH,QYHVWLPHQWR6$ (PSUHVDGD2UJDQL]DomR%UDGHVFR &13- 6HGH&LGDGHGH'HXV3UpGLR1RYtVVLPRž$QGDU9LOD<DUD2VDVFR63

5(/$7Ð5,2'$$'0,1,675$d®2 6HQKRUHV$FLRQLVWDV 6XEPHWHPRVjDSUHFLDomRGH96DVDV'HPRQVWUDo}HV&RQWiEHLVGRH[HUFtFLRHQFHUUDGRHPGHGH]HPEURGHGD$OYRUDGD&DUW}HV &UpGLWR)LQDQFLDPHQWRH,QYHVWLPHQWR6$ $OYRUDGD&DUW}HV GHDFRUGRFRPDVSUiWLFDVFRQWiEHLVDGRWDGDVQR%UDVLODSOLFiYHLVjVLQVWLWXLo}HV DXWRUL]DGDVDIXQFLRQDUSHOR%DQFR&HQWUDOGR%UDVLO

1RH[HUFtFLRD$OYRUDGD&DUW}HVUHJLVWURX/XFUR/tTXLGRGH5PLOK}HVFRUUHVSRQGHQWHD5SRUORWHGHPLODo}HV3DWULP{QLR/tTXLGR GH5ELOK}HVH$WLYRV7RWDLVGH5ELOK}HV

2VDVFR63GHMDQHLURGH 'LUHWRULD

%$/$1d23$75,021,$/HPGHGH]HPEUR (P5HDLVPLO $7,92





3$66,92

&,5&8/$17( ',6321,%,/,'$'(6 1RWD  $3/,&$d¯(6,17(5),1$1&(,5$6'(/,48,'(= 1RWD  $SOLFDo}HVHP'HSyVLWRV,QWHUILQDQFHLURV  7Ì78/26(9$/25(602%,/,É5,26(,167580),1$1&'(5,9$7,926 1RWD  &DUWHLUD3UySULD  9LQFXODGRVj3UHVWDomRGH*DUDQWLDV  287526&5e',726 5HQGDVD5HFHEHU  'LYHUVRV 1RWD   2875269$/25(6(%(16 2XWURV9DORUHVH%HQV  3URYLV}HVSDUD'HVYDORUL]Do}HV 

             

            

5($/,=É9(/$/21*235$=2 7Ì78/26(9$/25(602%,/,É5,26(,167580),1$1&'(5,9$7,926 1RWD  0RHGDGH3ULYDWL]DomR  287526&5e',726 'LYHUVRV 1RWD  

    

    

3(50$1(17( ,19(67,0(1726 1RWD  3DUWLFLSDo}HVHP&ROLJDGDVH&RQWURODGDV 1R3DtV  2XWURV,QYHVWLPHQWRV  3URYLV}HVSDUD3HUGDV  ,02%,/,=$'2'(862 1RWD  ,PyYHLVGH8VR  'HSUHFLDo}HV$FXPXODGDV 

 

 

       

  

  

727$/









&,5&8/$17( 5(/$d¯(6,17(5'(3(1'È1&,$6 7UDQVIHUrQFLDV,QWHUQDVGH5HFXUVRV  2875$62%5,*$d¯(6 6RFLDLVH(VWDWXWiULDV  )LVFDLVH3UHYLGHQFLiULDV 1RWDD   'LYHUVDV 1RWDE  

      

      

(;,*Ì9(/$/21*235$=2 2875$62%5,*$d¯(6 )LVFDLVH3UHYLGHQFLiULDV 1RWDD   'LYHUVDV 1RWDE  

   

   

3$75,0Ñ1,2/Ì48,'2 &DSLWDO 'H'RPLFLOLDGRVQR3DtV 1RWDD   5HVHUYDVGH/XFURV 1RWDE   $MXVWHVGH$YDOLDomR3DWULPRQLDO 





  

  

727$/





$V1RWDV([SOLFDWLYDVVmRSDUWHLQWHJUDQWHGDV'HPRQVWUDo}HV&RQWiEHLV

'(021675$d®2'25(68/7$'2(P5HDLVPLO

5(&(,7$6'$,17(50(',$d®2),1$1&(,5$ 2SHUDo}HVGH&UpGLWR 5HVXOWDGRGH2SHUDo}HVFRP7tWXORVH9DORUHV0RELOLiULRV 1RWDE  5(68/7$'2%5872'$,17(50(',$d®2),1$1&(,5$ 2875$65(&(,7$6'(63(6$623(5$&,21$,6 'HVSHVDVGH3HVVRDO 1RWD  2XWUDV'HVSHVDV$GPLQLVWUDWLYDV 1RWD  'HVSHVDV7ULEXWiULDV 1RWD  5HVXOWDGRGH3DUWLFLSDo}HVHP&ROLJDGDVH&RQWURODGDV 1RWDD  2XWUDV5HFHLWDV2SHUDFLRQDLV 1RWD  2XWUDV'HVSHVDV2SHUDFLRQDLV 1RWD  5(68/7$'223(5$&,21$/

'(021675$d®2'$6087$d¯(6'23$75,0Ñ1,2/Ì48,'2(P5HDLVPLO ([HUFtFLRVILQGRVHP GHGH]HPEUR             

  

  

  

      

ž6HPHVWUH                  





5(68/7$'21®223(5$&,21$/ 1RWD 







5(68/7$'2$17(6'$75,%87$d®262%5(2/8&52







,032672'(5(1'$(&2175,%8,d®262&,$/ 1RWD 

 

 



 (YHQWRV 6DOGRVHP

&DSLWDO6RFLDO &DSLWDO $XPHQWR 5HDOL]DGR GH&DSLWDO  

5HVHUYDVGH/XFURV /HJDO (VWDWXWiULDV  

$MXVWHVGH $YDOLDomR 3DWULPRQLDO /XFURV 3UySULDV $FXPXODGRV  

$MXVWHVGH$YDOLDomR3DWULPRQLDO









/XFUR/tTXLGR













'HVWLQDo}HV5HVHUYDV











 

'LYLGHQGRV3URSRVWRV











 

6DOGRVHP















6DOGRVHP















+RPRORJDomRGH$XPHQWRGH&DSLWDO













$MXVWHVGH$YDOLDomR3DWULPRQLDO











 

  

 



/XFUR/tTXLGR













'HVWLQDo}HV5HVHUYDV











 

'LYLGHQGRV3URSRVWRV











 

6DOGRVHP













$MXVWHVGH$YDOLDomR3DWULPRQLDO









 



/XFUR/tTXLGR













/8&52/Ì48,'2







'HVWLQDo}HV5HVHUYDV











 

1~PHURGHDo}HV 1RWDD  /XFURSRUORWHGHPLODo}HVHP5

 

 

 

'LYLGHQGRV3URSRVWRV











 

6DOGRVHP















  

 

 

  



$V1RWDV([SOLFDWLYDVVmRSDUWHLQWHJUDQWHGDV'HPRQVWUDo}HV&RQWiEHLV

$V1RWDV([SOLFDWLYDVVmRSDUWHLQWHJUDQWHGDV'HPRQVWUDo}HV&RQWiEHLV

'(021675$d®2'29$/25$',&,21$'2(P5HDLVPLO

)/8;2'(&$,;$(P5HDLVPLO ž6HPHVWUH  )OX[RGH&DL[DGDV$WLYLGDGHV2SHUDFLRQDLV /XFUR/tTXLGRDQWHVGR,PSRVWRGH5HQGDH&RQWULEXLomR6RFLDO $MXVWHVDR/XFUR/tTXLGRDQWHVGRV,PSRVWRV    'HSUHFLDo}HV 5HVXOWDGRGH3DUWLFLSDo}HVHP&ROLJDGDVH&RQWURODGDV 'HVSHVDVFRPSURYLV}HV&tYHLV7UDEDOKLVWDVH)LVFDLV *DQKR3HUGDQD9HQGDGH,QYHVWLPHQWRV *DQKR3HUGDQD9HQGDGH%HQVQmRGH8VR3UySULR    2XWURV /XFUR/tTXLGR$MXVWDGR $XPHQWR 5HGXomRHP$SOLFDo}HV,QWHUILQDQFHLUDVGH/LTXLGH] $XPHQWR 5HGXomRHP7tWXORVSDUD1HJRFLDomRH,QVWUXPHQWRV   )LQDQFHLURV'HULYDWLYRV $XPHQWR 5HGXomR HP5HODo}HV,QWHUGHSHQGrQFLDV $XPHQWR 5HGXomRHP2XWURV&UpGLWRVH2XWURV9DORUHVH%HQV $XPHQWR 5HGXomR HP2XWUDV2EULJDo}HV ,PSRVWRGH5HQGDH&RQWULEXLomR6RFLDO3DJRV &DL[D/tTXLGR3URYHQLHQWH8WLOL]DGRQDV$WLYLGDGHV2SHUDFLRQDLV )OX[RGH&DL[DGDV$WLYLGDGHVGH,QYHVWLPHQWRV $XPHQWR 5HGXomRHP7tWXORV'LVSRQtYHLVSDUD9HQGD $OLHQDomRGH%HQVQmRGH8VR3UySULR $TXLVLomRGH%HQVQmRGH8VR3UySULR 'LYLGHQGRV5HFHELGRVGH&ROLJDGDVH&RQWURODGDV &DL[D/tTXLGR3URYHQLHQWH8WLOL]DGRQDV$WLYLGDGHVGH,QYHVWLPHQWRV )OX[RGH&DL[DGDV$WLYLGDGHVGH)LQDQFLDPHQWR  'LYLGHQGRV3DJRV &DL[D/tTXLGR3URYHQLHQWH8WLOL]DGRQDV$WLYLGDGHVGH)LQDQFLDPHQWR 5HGXomR $XPHQWRGH&DL[DH(TXLYDOHQWHVGH&DL[D $XPHQWR 5HGXomR  /tTXLGRGH&DL[D H(TXLYDOHQWHV GH&DL[D

7RWDLV 

,QtFLRGRSHUtRGR )LPGRSHUtRGR 5HGXomR $XPHQWR/tTXLGRGH&DL[DH (TXLYDOHQWHVGH&DL[D

            

([HUFtFLRVILQGRVHP GHGH]HPEUR                

   

   

 

        

          



 







     

     

  

 

    

     







 

 





ž6HPHVWUH  

'HVFULomR



([HUFtFLRVILQGRVHPGHGH]HPEUR  



5(&(,7$6













    ,QWHUPHGLDomR)LQDQFHLUD













    2XWUDV









,168026$'48,5,'26'(7(5&(,526

 

 

 

 

 



   6HUYLoRVGH7HUFHLURV

 



 

 

 



   &RPXQLFDo}HV

 



 

   6HUYLoRVGRVLVWHPDILQDQFHLUR

 

 

   3URSDJDQGDSURPRo}HVHSXEOLFLGDGH

 

   6HUYLoRVWpFQLFRVHVSHFLDOL]DGRV

 

   2XWUDV

 

9$/25$',&,21$'2%5872   '(35(&,$d¯(6

  





 

 

 

 

 

 

 

   

 



 



 

 



 

 



  





 





 

 

  

9$/25$',&,21$'2/Ì48,'2    352'8=,'23(/$(17,'$'(  













   (075$16)(5È1&,$













   5HVXOWDGRGH(TXLYDOrQFLD3DWULPRQLDO













9$/25$',&,21$'2$',675,%8,5  













',675,%8,59$/25$',&,21$'2













    3HVVRDO













       2XWURV(QFDUJRV













 ,PSRVWRV7D[DVH&RQWULEXLo}HV













9$/25$',&,21$'25(&(%,'2

       )HGHUDLV













 5HPXQHUDomRGH&DSLWDLV3UySULRV













       'LYLGHQGRV         /XFURV5HWLGRV

























 

$V1RWDV([SOLFDWLYDVVmRSDUWHLQWHJUDQWHGDV'HPRQVWUDo}HV&RQWiEHLV

$V1RWDV([SOLFDWLYDVVmRSDUWHLQWHJUDQWHGDV'HPRQVWUDo}HV&RQWiEHLV

127$6(;3/,&$7,9$6'$$'0,1,675$d®2­6'(021675$d¯(6&217É%(,6   &217(;7223(5$&,21$/ $ $OYRUDGD &DUW}HV &UpGLWR )LQDQFLDPHQWR H ,QYHVWLPHQWR 6$ $OYRUDGD &DUW}HV  WHP FRPR REMHWLYR DV RSHUDo}HV GH FRQFHVVmR GH FUpGLWRV H ILQDQFLDPHQWRV GH EHQV H VHUYLoRV ILQDQFLDPHQWRV GH FDSLWDO GH JLUR H DGPLQLVWUDomR GH UHFXUVRV GH WHUFHLURV EHP FRPR D HPLVVmR DGPLQLVWUDomR GH FDUW}HV GH FUpGLWR SUySULRV HRX GH WHUFHLURV D FREUDQoD GH IDWXUDV H R ILQDQFLDPHQWR DRV FOLHQWHV SRGHQGR DLQGD SDUWLFLSDU QR FDSLWDO VRFLDO GH RXWUDVHPSUHVDV$$OYRUDGD&DUW}HVpSDUWHLQWHJUDQWHGD2UJDQL]DomR%UDGHVFRXWLOL]DQGRVHGHVHXVUHFXUVRVDGPLQLVWUDWLYRVHWHFQROyJLFRVHVXDV GHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVGHYHPVHUHQWHQGLGDVQHVWHFRQWH[WR   $35(6(17$d®2'$6'(021675$d¯(6&217É%(,6 $V GHPRQVWUDo}HV FRQWiEHLV IRUDP HODERUDGDV D SDUWLU GDV GLUHWUL]HV FRQWiEHLV HPDQDGDV GDV /HLV QRV  /HL GR 6LVWHPD )LQDQFHLUR 1DFLRQDO  H  /HLGDV6RFLHGDGHVSRU$o}HV FRPDOWHUDo}HVLQWURGX]LGDVSHODV/HLVQRVHSDUDDFRQWDELOL]DomRGDVRSHUDo}HVDVVRFLDGDV jV1RUPDVH,QVWUXo}HVGR&RQVHOKR0RQHWiULR1DFLRQDO &01 HGR%DQFR&HQWUDOGR%UDVLO %$&(1 ,QFOXHPHVWLPDWLYDVHSUHPLVVDVFRPRDPHQVXUDomR GHSURYLV}HVSDUDSHUGDVFRPRSHUDo}HVGHFUpGLWRHVWLPDWLYDVGRYDORUMXVWRGHGHWHUPLQDGRVLQVWUXPHQWRVILQDQFHLURVSURYLVmRSDUDFRQWLQJrQFLDVSHUGDV SRUUHGXomRDRYDORUUHFXSHUiYHOLPSDLUPHQWGHWtWXORVHYDORUHVPRELOLiULRVFODVVLILFDGRVQDVFDWHJRULDVWtWXORVGLVSRQtYHLVSDUDYHQGDHWtWXORVPDQWLGRVDWp RYHQFLPHQWRDWLYRVQmRILQDQFHLURVHRXWUDVSURYLV}HV2VUHVXOWDGRVHIHWLYRVSRGHPVHUGLIHUHQWHVGDTXHODVHVWLPDWLYDVHSUHPLVVDV $VDOWHUDo}HVLQWURGX]LGDVUHVSHFWLYDPHQWHSHODV/HLVQRVHQmRSURGX]LUDPHIHLWRVUHOHYDQWHVQDVGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVGD,QVWLWXLomR $VGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVIRUDPDSURYDGDVSHOD$GPLQLVWUDomRHPGHMDQHLURGH   35,1&,3$,6',5(75,=(6&217É%(,6 D  0RHGDIXQFLRQDOHGHDSUHVHQWDomR $VGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVHVWmRDSUHVHQWDGDVHPUHDLVTXHpDPRHGDIXQFLRQDOGR%UDGHVFR

J  ,QYHVWLPHQWRV 2VLQYHVWLPHQWRVHPHPSUHVDVFRQWURODGDVHFROLJDGDVFRPLQIOXrQFLDVLJQLILFDWLYDRXSDUWLFLSDomRGHRXPDLVQRFDSLWDOYRWDQWHVmRDYDOLDGRVSHOR PpWRGRGHHTXLYDOrQFLDSDWULPRQLDO 2VLQFHQWLYRVILVFDLVHRXWURVLQYHVWLPHQWRVVmRDYDOLDGRVSHORFXVWRGHDTXLVLomRGHGX]LGRVGHSURYLVmRSDUDSHUGDVHGDUHGXomRDRYDORUUHFXSHUiYHO LPSDLUPHQWTXDQGRDSOLFiYHO K  ,PRELOL]DGR &RUUHVSRQGHDRVGLUHLWRVTXHWHQKDPSRUREMHWREHQVFRUSyUHRVGHVWLQDGRVjPDQXWHQomRGDVDWLYLGDGHVRXH[HUFLGRVFRPHVVDILQDOLGDGHLQFOXVLYHRV GHFRUUHQWHVGHRSHUDo}HVTXHWUDQVILUDPRVULVFRVEHQHItFLRVHFRQWUROHVGRVEHQVSDUDD,QVWLWXLomR eGHPRQVWUDGRDRFXVWRGHDTXLVLomROtTXLGRGDVUHVSHFWLYDVGHSUHFLDo}HVDFXPXODGDVFDOFXODGDVSHORPpWRGROLQHDUGHDFRUGRFRPDYLGD~WLOHFRQ{PLFD HVWLPDGDGRVEHQVVHQGRLPyYHLVGHXVRHGLILFDo}HVDRDQR L  5HGXomRDRYDORUUHFXSHUiYHOGHDWLYRVQmRILQDQFHLURV LPSDLUPHQW

2VWtWXORVHYDORUHVPRELOLiULRVFODVVLILFDGRVQDVFDWHJRULDVWtWXORVGLVSRQtYHLVSDUDYHQGDHWtWXORVPDQWLGRVDWpRYHQFLPHQWRHDWLYRVQmRILQDQFHLURVH[FHWR RXWURV YDORUHV H EHQV H FUpGLWRV WULEXWiULRV VmR UHYLVWRV QR PtQLPR DQXDOPHQWH SDUD GHWHUPLQDU VH Ki DOJXPD LQGLFDomR GH SHUGD SRU UHGXomR DR YDORU UHFXSHUiYHOLPSDLUPHQWTXHpUHFRQKHFLGDQRUHVXOWDGRGRSHUtRGRTXDQGRRYDORUFRQWiELOGHXPDWLYRH[FHGHURVHXYDORUUHFXSHUiYHO DSXUDGRSHOR L VHXSRWHQFLDOYDORUGHYHQGDRXYDORUGHUHDOL]DomRGHGX]LGRGDVUHVSHFWLYDVGHVSHVDVRX LL SHORYDORUHPXVRFDOFXODGRSHODXQLGDGHJHUDGRUDGHFDL[D GRVGRLVRPDLRU  8PDXQLGDGHJHUDGRUDGHFDL[DpRPHQRUJUXSRLGHQWLILFiYHOGHDWLYRVTXHJHUDIOX[RVGHFDL[DVXEVWDQFLDOPHQWHLQGHSHQGHQWHVGHRXWURVDWLYRVHJUXSRV

M  $WLYRVH3DVVLYRV&RQWLQJHQWHVH2EULJDo}HV/HJDLV)LVFDLVH3UHYLGHQFLiULDV E  $SXUDomRGRUHVXOWDGR 2 UHFRQKHFLPHQWR D PHQVXUDomR H D GLYXOJDomR GDV FRQWLQJrQFLDV DWLYDV H SDVVLYDV H REULJDo}HV OHJDLV VmR HIHWXDGRV GH DFRUGR FRP RV FULWpULRV 2UHVXOWDGRpDSXUDGRGHDFRUGRFRPRUHJLPHGHFRPSHWrQFLDTXHHVWDEHOHFHTXHDVUHFHLWDVHGHVSHVDVGHYHPVHULQFOXtGDVQDDSXUDomRGRVUHVXOWDGRV GHILQLGRVQD5HVROXomRQžGR&01HQD'HOLEHUDomR&90QžVHQGR GRVSHUtRGRVHPTXHRFRUUHUHPVHPSUHVLPXOWDQHDPHQWHTXDQGRVHFRUUHODFLRQDUHPLQGHSHQGHQWHPHQWHGHUHFHELPHQWRRXSDJDPHQWR ‡ $WLYRV &RQWLQJHQWHV QmR VmR UHFRQKHFLGRV FRQWDELOPHQWH H[FHWR TXDQGR D $GPLQLVWUDomR SRVVXL WRWDO FRQWUROH GD VLWXDomR RX TXDQGR Ki JDUDQWLDV $VRSHUDo}HVFRPWD[DVSUHIL[DGDVVmRUHJLVWUDGDVSHORYDORUGHUHVJDWHHDVUHFHLWDVHGHVSHVDVFRUUHVSRQGHQWHVDRSHUtRGRIXWXURVmRDSUHVHQWDGDVHPFRQWD UHDLVRXGHFLV}HVMXGLFLDLVIDYRUiYHLVVREUHDVTXDLVQmRFDLEDPPDLVUHFXUVRVFDUDFWHUL]DQGRRJDQKRFRPRSUDWLFDPHQWHFHUWRHSHODFRQILUPDomRGD UHGXWRUDGRVUHVSHFWLYRVDWLYRVHSDVVLYRV$VUHFHLWDVHGHVSHVDVGHQDWXUH]DILQDQFHLUDVmRFRQWDELOL]DGDVSHORFULWpULR´SURUDWDµGLDHFDOFXODGDVFRPEDVHQR FDSDFLGDGHGHVXDUHFXSHUDomRSRUUHFHELPHQWRRXFRPSHQVDomRFRPRXWURSDVVLYRH[LJtYHO2VDWLYRVFRQWLQJHQWHVFXMDH[SHFWDWLYDGHr[LWRpSURYiYHO PpWRGRH[SRQHQFLDOH[FHWRDTXHODVUHODWLYDVDWtWXORVGHVFRQWDGRVRXUHODFLRQDGDVDRSHUDo}HVQRH[WHULRUTXHVmRFDOFXODGDVFRPEDVHQRPpWRGROLQHDU VmRGLYXOJDGRVQDVQRWDVH[SOLFDWLYDV 1RWDD  $VRSHUDo}HVFRPWD[DVSyVIL[DGDVRXLQGH[DGDVDPRHGDVHVWUDQJHLUDVVmRDWXDOL]DGDVDWpDGDWDGREDODQoR ‡ 3DVVLYRV&RQWLQJHQWHVVmRFRQVWLWXtGRVOHYDQGRHPFRQWDDRSLQLmRGRVDVVHVVRUHVMXUtGLFRVDQDWXUH]DGDVDo}HVDVLPLODULGDGHFRPSURFHVVRVDQWHULRUHV F  &DL[DHHTXLYDOHQWHGHFDL[D DFRPSOH[LGDGHHRSRVLFLRQDPHQWRGH7ULEXQDLVVHPSUHTXHDSHUGDIRUDYDOLDGDFRPRSURYiYHORTXHRFDVLRQDULDXPDSURYiYHOVDtGDGHUHFXUVRVSDUDD &DL[DHHTXLYDOHQWHVGHFDL[DVmRUHSUHVHQWDGRVSRUGLVSRQLELOLGDGHVHPPRHGDQDFLRQDOPRHGDHVWUDQJHLUDDSOLFDo}HVHPRXURDSOLFDo}HVQRPHUFDGR OLTXLGDomRGDVREULJDo}HVHTXDQGRRVPRQWDQWHVHQYROYLGRVIRUHPPHQVXUiYHLVFRPVXILFLHQWHVHJXUDQoD2VSDVVLYRVFRQWLQJHQWHVFODVVLILFDGRVFRPR DEHUWRHDSOLFDo}HVHPGHSyVLWRVLQWHUILQDQFHLURVFXMRYHQFLPHQWRGDVRSHUDo}HVQDGDWDGDHIHWLYDDSOLFDomRVHMDLJXDORXLQIHULRUDGLDVHDSUHVHQWHP GHSHUGDVSRVVtYHLVQmRVmRUHFRQKHFLGRVFRQWDELOPHQWHGHYHQGRVHUDSHQDVGLYXOJDGRVQDVQRWDVH[SOLFDWLYDVTXDQGRLQGLYLGXDOPHQWHUHOHYDQWHVHRV ULVFRLQVLJQLILFDQWHGHPXGDQoDGHYDORUMXVWRTXHVmRXWLOL]DGRVSHOD,QVWLWXLomRSDUDJHUHQFLDPHQWRGHVHXVFRPSURPLVVRVGHFXUWRSUD]R FODVVLILFDGRVFRPRUHPRWRVQmRUHTXHUHPSURYLVmRHQHPGLYXOJDomR 1RWDEHF H G  $SOLFDo}HVLQWHUILQDQFHLUDVGHOLTXLGH] ‡ 2EULJDo}HV/HJDLV)LVFDLVH3UHYLGHQFLiULDVGHFRUUHPGHSURFHVVRVMXGLFLDLVUHODFLRQDGRVDREULJDo}HVWULEXWiULDVFXMRREMHWRGHFRQWHVWDomRpVXD $VRSHUDo}HVFRPSURPLVVDGDVUHDOL]DGDVFRPDFRUGRGHOLYUHPRYLPHQWDomRVmRDMXVWDGDVSHORYDORUGHPHUFDGR$VGHPDLVDSOLFDo}HVVmRUHJLVWUDGDVDR OHJDOLGDGH RX FRQVWLWXFLRQDOLGDGH TXH LQGHSHQGHQWHPHQWH GD DYDOLDomR DFHUFD GD SUREDELOLGDGH GH VXFHVVR WrP RV VHXV PRQWDQWHV UHFRQKHFLGRV FXVWRGHDTXLVLomRDFUHVFLGDVGRVUHQGLPHQWRVDXIHULGRVDWpDGDWDGREDODQoRGHGX]LGDVGHSURYLVmRSDUDGHVYDORUL]DomRTXDQGRDSOLFiYHO LQWHJUDOPHQWHQDVGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLV 1RWDE 

H  7tWXORVHYDORUHVPRELOLiULRV&ODVVLILFDomR 7tWXORV SDUD QHJRFLDomR  DGTXLULGRV FRP R SURSyVLWR GH VHUHP DWLYD H IUHTXHQWHPHQWH QHJRFLDGRV 6mR DMXVWDGRV SHOR YDORU GH PHUFDGR HP FRQWUDSDUWLGDDRUHVXOWDGRGRSHUtRGR 7tWXORVGLVSRQtYHLVSDUDYHQGDTXHQmRVHHQTXDGUHPFRPRSDUDQHJRFLDomRQHPFRPRPDQWLGRVDWpRYHQFLPHQWR6mRDMXVWDGRVDRYDORUGHPHUFDGRHP FRQWUDSDUWLGDjFRQWDGHVWDFDGDGRSDWULP{QLROtTXLGRGHGX]LGRVGRVHIHLWRVWULEXWiULRVH 7tWXORVPDQWLGRVDWpRYHQFLPHQWRDGTXLULGRVFRPDLQWHQomRHFDSDFLGDGHILQDQFHLUDSDUDVXDPDQXWHQomRHPFDUWHLUDDWpRYHQFLPHQWR6mRDYDOLDGRVSHOR FXVWRGHDTXLVLomRDFUHVFLGRVGRVUHQGLPHQWRVDXIHULGRVHPFRQWUDSDUWLGDDRUHVXOWDGRGRSHUtRGR 2VWtWXORVHYDORUHVPRELOLiULRVFODVVLILFDGRVQDVFDWHJRULDVGHQHJRFLDomRHGLVSRQtYHOSDUDYHQGDEHPFRPRRVLQVWUXPHQWRVILQDQFHLURVGHULYDWLYRVVmR GHPRQVWUDGRVQREDODQoRSDWULPRQLDOSHORVHXYDORUMXVWRHVWLPDGR2YDORUMXVWRJHUDOPHQWHEDVHLDVHHPFRWDo}HVGHSUHoRVGHPHUFDGRRXFRWDo}HVGH SUHoRVGHPHUFDGRSDUDDWLYRVRXSDVVLYRVFRPFDUDFWHUtVWLFDVVHPHOKDQWHV6HHVVHVSUHoRVGHPHUFDGRQmRHVWLYHUHPGLVSRQtYHLVRVYDORUHVMXVWRVVmR EDVHDGRVHPFRWDo}HVGHRSHUDGRUHVGHPHUFDGRPRGHORVGHSUHFLILFDomRIOX[RGHFDL[DGHVFRQWDGRRXWpFQLFDVVLPLODUHVSDUDDVTXDLVDGHWHUPLQDomR GRYDORUMXVWRSRVVDH[LJLUMXOJDPHQWRRXHVWLPDWLYDVLJQLILFDWLYDSRUSDUWHGD$GPLQLVWUDomR I  ,PSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDO DWLYRHSDVVLYR

2VFUpGLWRVWULEXWiULRVGHLPSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDOVREUHROXFUROtTXLGRFDOFXODGRVVREUHDGLo}HVWHPSRUiULDV VmRUHJLVWUDGRVQDUXEULFD ´2XWURV&UpGLWRV'LYHUVRVµHDSURYLVmRSDUDDVREULJDo}HVILVFDLVGLIHULGDVVREUHDMXVWHVDYDORUGHPHUFDGRGRVWtWXORVHYDORUHVPRELOLiULRVpUHJLVWUDGD QDUXEULFD´2XWUDV2EULJDo}HV)LVFDLVH3UHYLGHQFLiULDVµ 2VFUpGLWRVWULEXWiULRVVREUHDVDGLo}HVWHPSRUiULDVVHUmRUHDOL]DGRVTXDQGRGDXWLOL]DomRHRXUHYHUVmRGDVUHVSHFWLYDVSURYLV}HVVREUHDVTXDLV IRUDP FRQVWLWXtGRV 7DLV FUpGLWRV WULEXWiULRV VmR UHFRQKHFLGRV FRQWDELOPHQWH EDVHDGRV QDV H[SHFWDWLYDV DWXDLV GH UHDOL]DomR FRQVLGHUDQGR RV HVWXGRVWpFQLFRVHDQiOLVHVUHDOL]DGDVSHOD$GPLQLVWUDomR $SURYLVmRSDUDLPSRVWRGHUHQGDpFRQVWLWXtGDjDOtTXRWDEDVHGHGROXFURWULEXWiYHODFUHVFLGDGHDGLFLRQDOGH $FRQWULEXLomRVRFLDOVREUHROXFURpFDOFXODGDFRQVLGHUDQGRDDOtTXRWDGHSDUDHPSUHVDVGRVHJPHQWRILQDQFHLUR )RUDPFRQVWLWXtGDVSURYLV}HVSDUDRVGHPDLVLPSRVWRVHFRQWULEXLo}HVVRFLDLVGHDFRUGRFRPDVUHVSHFWLYDVOHJLVODo}HVYLJHQWHV 'HDFRUGRFRPD/HLQžDVPRGLILFDo}HVQRFULWpULRGHUHFRQKHFLPHQWRGHUHFHLWDFXVWRVHGHVSHVDVFRPSXWDGDVQDDSXUDomRGROXFUROtTXLGR GRH[HUFtFLRLQWURGX]LGDVSHOD/HLQžHSHORVDUWLJRVHGD/HLQžQmRWHUmRHIHLWRVSDUDILQVGHDSXUDomRGROXFURUHDOGHYHQGR VHUFRQVLGHUDGRVSDUDILQVWULEXWiULRVRVPpWRGRVHFULWpULRVFRQWiEHLVYLJHQWHVHPGHGH]HPEURGH3DUDILQVFRQWiEHLVRVHIHLWRVWULEXWiULRVGD DGRomRGDVPHQFLRQDGDV/HLVHVWmRUHJLVWUDGRVQRVDWLYRVHSDVVLYRVGLIHULGRVFRUUHVSRQGHQWHV

N  2XWURVDWLYRVHSDVVLYRV 2VDWLYRVHVWmRGHPRQVWUDGRVSHORVYDORUHVGHUHDOL]DomRLQFOXLQGRTXDQGRDSOLFiYHORVUHQGLPHQWRVHDVYDULDo}HVPRQHWiULDVDXIHULGRV HPEDVH´SUR UDWDµ GLD  H SURYLVmR SDUD SHUGD TXDQGR MXOJDGD QHFHVViULD 2V SDVVLYRV GHPRQVWUDGRV LQFOXHP RV YDORUHV FRQKHFLGRV H PHQVXUiYHLV DFUHVFLGRV GRV HQFDUJRVHGDVYDULDo}HVPRQHWiULDVLQFRUULGRV HPEDVH´SURUDWDµGLD    &$,;$((48,9$/(17(6'(&$,;$  'LVSRQLELOLGDGHVHPPRHGDQDFLRQDO 7RWDOFDL[DHHTXLYDOHQWHVGHFDL[D

Em 31 de dezembro - R$ mil     

  $3/,&$d¯(6,17(5),1$1&(,5$6'(/,48,'(= D 9HQFLPHQWRV

$SOLFDo}HVHPGHSyVLWRVLQWHUILQDQFHLURV 7RWDOHP 7RWDOHP

DGLDV   

Em 31 de dezembro - R$ mil      

E 5HFHLWDVGHDSOLFDo}HVLQWHUILQDQFHLUDVGHOLTXLGH] &ODVVLILFDGDVQDGHPRQVWUDomRGHUHVXOWDGRFRPRUHVXOWDGRGHRSHUDo}HVFRPWtWXORVHYDORUHVPRELOLiULRV Exercícios findos em 31 de dezembro - R$ mil   5HQGDVGHDSOLFDo}HVHPGHSyVLWRVLQWHUILQDQFHLURV   7RWDO 1RWDE    &RQWLQXD


DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

quinta-feira, 3 de março de 2011

&RQWLQXDomR

$OYRUDGD&DUW}HV&UpGLWR)LQDQFLDPHQWRH,QYHVWLPHQWR6$ (PSUHVDGD2UJDQL]DomR%UDGHVFR &13- 6HGH&LGDGHGH'HXV3UpGLR1RYtVVLPRž$QGDU9LOD<DUD2VDVFR63

127$6(;3/,&$7,9$6'$$'0,1,675$d®2­6'(021675$d¯(6&217É%(,6   7Ì78/26(9$/25(602%,/,É5,26(,167580(1726),1$1&(,526'(5,9$7,926 D  &ODVVLILFDomRSRUFDWHJRULDVHSUD]RV Em 31 de dezembro - R$ mil  9DORUGH PHUFDGR 0DUFDomR FRQWiELO   DPHUFDGR  

 

                 

 9DORU GHFXVWR DWXDOL]DGR            

9DORUGH D D D $FLPDGH PHUFDGR 0DUFDomR 7tWXORV   GLDV GLDV GLDV GLDV FRQWiELO   DPHUFDGR        7tWXORVSDUDQHJRFLDomR /HWUDVILQDQFHLUDVGRWHVRXUR        &HUWLILFDGRVGHGHSyVLWREDQFiULR       1RWDVGRWHVRXURQDFLRQDO        /HWUDVGRWHVRXURQDFLRQDO             'HErQWXUHV 2XWURV        2SHUDo}HVFRPSURPLVVDGDV       7tWXORVGLVSRQtYHLVSDUDYHQGD       $o}HV             &HUWLILFDGRVGHSULYDWL]DomR 7RWDOHP       7RWDOHP         $VDSOLFDo}HVHPFRWDVGHIXQGRVGHLQYHVWLPHQWRDGPLQLVWUDGRVSHOR&RQJORPHUDGR%UDGHVFRIRUDPGLVWULEXtGDVGHDFRUGRFRPRVSDSpLVTXHFRPS}HPVXDVFDUWHLUDVHQRFDVRGHRSHUDo}HVFRPSURPLVVDGDVSHORVUHVSHFWLYRVSDSpLVTXHHVWmRODVWUHDQGRDVRSHUDo}HVSUHVHUYDQGRDFODVVLILFDomRGDFDWHJRULDGRVIXQGRV1DGLVWULEXLomRGRVSUD]RVIRUDPFRQVLGHUDGRVRV YHQFLPHQWRVGRVSDSpLVLQGHSHQGHQWHPHQWHGHVXDFODVVLILFDomRFRQWiELOH   2YDORUGHPHUFDGRGRVWtWXORVHYDORUHVPRELOLiULRVpDSXUDGRGHDFRUGRFRPDFRWDomRGHSUHoRGHPHUFDGRGLVSRQtYHOQDGDWDGREDODQoR6HQmRKRXYHUFRWDomRGHSUHoRVGHPHUFDGRGLVSRQtYHORVYDORUHVVmRHVWLPDGRVFRPEDVHHPFRWDo}HVGHGLVWULEXLGRUHVPRGHORVGHGHILQLo}HVGHSUHoRVPRGHORVGHFRWDo}HVRXFRWDo}HVGHSUHoRVSDUDLQVWUXPHQWRVFRPFDUDFWHUtVWLFDV VHPHOKDQWHV1RFDVRGDVDSOLFDo}HVHPIXQGRVGHLQYHVWLPHQWRRFXVWRDWXDOL]DGRUHIOHWHRYDORUGDVUHVSHFWLYDVFRWDV E  5HVXOWDGRGHWtWXORVHYDORUHVPRELOLiULRV

  287526&5e',726',9(5626

&ODVVLILFDGDVQDGHPRQVWUDomRGHUHVXOWDGRFRPRUHVXOWDGRGHRSHUDo}HVFRPWtWXORVHYDORUHVPRELOLiULRV

Em 31 de dezembro - R$ mil 

Exercícios findos em 31 de dezembro - R$ mil  5HQGDVGHDSOLFDo}HVLQWHUILQDQFHLUDVGHOLTXLGH] 1RWDE  7tWXORVGHUHQGDIL[D 7tWXORVGHUHQGDYDULiYHO )XQGRVGHLQYHVWLPHQWRV 7RWDO



    

    

F $$OYRUDGD&DUW}HVQmRSRVVXtDRSHUDo}HVFRPLQVWUXPHQWRVILQDQFHLURVGHULYDWLYRVHPGHGH]HPEURGHHGH

&UpGLWRVWULEXWiULRVHLPSRVWRVHFRQWULEXLo}HV 1RWDF  3DJDPHQWRVDUHVVDUFLU 'HSyVLWRVHPJDUDQWLDGHUHFXUVRVILVFDLV ,PSRVWRVHFRQWULEXLo}HVDFRPSHQVDU 'HSyVLWRVHPJDUDQWLDRXWURV 'HSyVLWRVHPJDUDQWLDGHUHFXUVRVWUDEDOKLVWDV 2XWURV 7RWDO



       

       

  ,19(67,0(1726 D  2VDMXVWHVGHFRUUHQWHVGDDYDOLDomRSHORPpWRGRGHHTXLYDOrQFLDSDWULPRQLDOGRVLQYHVWLPHQWRVIRUDPUHJLVWUDGRVHPFRQWDVGHUHVXOWDGRVREDUXEULFDGH´5HVXOWDGRGHSDUWLFLSDo}HVHPFROLJDGDVHFRQWURODGDµ Em 31 de dezembro - R$ mil

(PSUHVDV

&DSLWDO

3DWULP{QLR OtTXLGR

VRFLDO

DMXVWDGR

4XDQWLGDGHGH Do}HVSRVVXtGDV HPPLOKDUHV  $o}HV

&RWDV

3DUWLFLSDomR QRFDSLWDO

/XFUR SUHMXt]R OtTXLGR

VRFLDO

DMXVWDGR

%(&'790/WGD        6HUHO3DUWLFLSDo}HV6$        &DERTXHQDV+ROGLQJV/WGD               &DHWp+ROGLQJV/WGD     0DUVHOKD+ROGLQJV/WGD         &LHOR6$        7HFQRORJLD%DQFiULD6$        7RWDO*HUDO   'DGRVUHODWLYRVDGHGH]HPEURGH   $WXDOGHQRPLQDomRGD&LD%UDVLOHLUDGH0HLRVGH3DJDPHQWR9LVDQHW$OLHQDGDHPDEULOGH   (PSUHVDDGTXLULGDHPDEULOGH   ,QYHVWLPHQWRQD7HFQRORJLD%DQFiULD6$7(&%$1QmRDYDOLDGRSHORPpWRGRGHHTXLYDOrQFLDSDWULPRQLDOHPGHFRUUrQFLDGDVDOWHUDo}HVHVWDEHOHFLGDVSHOD5HVROXomRQžGR&01   ,QYHVWLPHQWRQDHPSUHVD&DERTXHQDV+ROGLQJV/WGDFRPUHGXomRGHSDUWLFLSDomRGHSDUDHPVHWHPEURGHH   $MXVWHGHFRUUHQWHGHDYDOLDomRFRQVLGHUDRVUHVXOWDGRVDSXUDGRVSHODVFRPSDQKLDVDSDUWLUGDDTXLVLomRHLQFOXLYDULDo}HVSDWULPRQLDLVGDVLQYHVWLGDVQmRGHFRUUHQWHVGHUHVXOWDGREHPFRPRRVDMXVWHVSRUHTXDOL]DomRGHSUiWLFDVFRQWiEHLVTXDQGRDSOLFiYHLV E  &RPSRVLomRGHRXWURVLQYHVWLPHQWRV



       



       

       

         

     

  

  '(63(6$675,%87É5,$6

Em 31 de dezembro - R$ mil   $SOLFDo}HVSRULQFHQWLYRVILVFDLV   7tWXORVSDWULPRQLDLV   2XWURVLQYHVWLPHQWRV     6XEWRWDO   3URYLVmRSDUDSHUGDVHPDSOLFDo}HVSRULQFHQWLYRVILVFDLV   

3URYLVmRSDUDSHUGDVHPRXWURVLQYHVWLPHQWRV   

6XEWRWDO   

7RWDO     ,QYHVWLPHQWRGH5PLOQD7HFQRORJLD%DQFiULD6$7(&%$1WUDQVIHULGRSDUDRXWUDVSDUWLFLSDo}HVHPFROLJDGDVHFRQWURODGDVHPMXQKRGH   $7,92,02%,/,=$'2 7D[D ,PyYHLVGHXVR 7HUUHQRV (GLILFDo}HV 7RWDOHP 7RWDOHP

$MXVWHGHFRUUHQWH GHDYDOLDomR 

9DORUFRQWiELO

&XVWR   

'HSUHFLDomR

   

      

Em 31 de dezembro - R$ mil 9DORUUHVLGXDO      

  

  $7,926(3$66,926&217,1*(17(6(2%5,*$d¯(6/(*$,6),6&$,6(35(9,'(1&,É5,$6

&RQWULEXLomRDR&2),16 &RQWULEXLomRDR3,6 ,PSRVWRVHWD[DV 7RWDO   2875$65(&(,7$6 '(63(6$6 23(5$&,21$,6

Exercícios findos em 31 de dezembro - R$ mil   &RQVWLWXLomR5HYHUVmRGHSURYLV}HVRSHUDFLRQDLV  

9DULDomRPRQHWiULDVREUHWULEXWRV   

$WXDOL]DomRGHGHSyVLWRVMXGLFLDLV   'RDo}HV   

'LYLGHQGRVUHFHELGRV   2XWUDV    

7RWDO   

  ([HUFtFLRFRQWHPSODYDORUHVGHSURFHVVRVLQFOXVRVQDDGHVmRDR3URJUDPDGH3DUFHODPHQWRHSDJDPHQWRjYLVWDGHGpELWRVWULEXWiULRV   5(68/7$'21®223(5$&,21$/

D  $WLYRV&RQWLQJHQWHV 1mRVmRUHFRQKHFLGRVFRQWDELOPHQWHDWLYRVFRQWLQJHQWHV E  3DVVLYRV&RQWLQJHQWHVFODVVLILFDGRVFRPRSHUGDVSURYiYHLVH2EULJDo}HV/HJDLV)LVFDLVH3UHYLGHQFLiULDV $,QVWLWXLomRpSDUWHHPSURFHVVRVMXGLFLDLVGHQDWXUH]DWUDEDOKLVWDFtYHOHILVFDOGHFRUUHQWHVGRFXUVRQRUPDOGHVXDVDWLYLGDGHV $VSURYLV}HVIRUDPFRQVWLWXtGDVOHYDQGRHPFRQWDDRSLQLmRGRVDVVHVVRUHVMXUtGLFRVDQDWXUH]DGDVDo}HVDVLPLODULGDGHFRPSURFHVVRVDQWHULRUHVD FRPSOH[LGDGHHRSRVLFLRQDPHQWRGH7ULEXQDLVVHPSUHTXHDSHUGDIRUDYDOLDGDFRPRSURYiYHO $$GPLQLVWUDomRGD,QVWLWXLomRHQWHQGHTXHDSURYLVmRFRQVWLWXtGDpVXILFLHQWHSDUDDWHQGHUDVSHUGDVGHFRUUHQWHVGRVUHVSHFWLYRVSURFHVVRV 2SDVVLYRUHODFLRQDGRjREULJDomROHJDOHPGLVFXVVmRMXGLFLDOpPDQWLGRDWpRJDQKRGHILQLWLYRGDDomRUHSUHVHQWDGRSRUGHFLV}HVMXGLFLDLVIDYRUiYHLVVREUH DVTXDLVQmRFDEHPPDLVUHFXUVRVRXDVXDSUHVFULomR ,3URFHVVRVWUDEDOKLVWDV 6mRDo}HVDMXL]DGDVSRUH[HPSUHJDGRVYLVDQGRREWHULQGHQL]Do}HVHPHVSHFLDORSDJDPHQWRGH´KRUDVH[WUDVµ1RVSURFHVVRVHPTXHpH[LJLGRGHSyVLWR MXGLFLDORYDORUGDVFRQWLQJrQFLDVWUDEDOKLVWDVpFRQVWLWXtGRFRQVLGHUDQGRDHIHWLYDSHUVSHFWLYDGHSHUGDGHVWHVGHSyVLWRV ,,3URFHVVRVFtYHLV 6mRSOHLWRVGHLQGHQL]DomRSRUGDQRPRUDOHSDWULPRQLDO(VVDVDo}HVVmRFRQWURODGDVLQGLYLGXDOPHQWHHSURYLVLRQDGDVVHPSUHTXHDSHUGDIRUDYDOLDGDFRPR SURYiYHOFRQVLGHUDQGRDRSLQLmRGHDVVHVVRUHVMXUtGLFRVQDWXUH]DGDVDo}HVVLPLODULGDGHFRPSURFHVVRVDQWHULRUHVFRPSOH[LGDGHHSRVLFLRQDPHQWRGH 7ULEXQDLV1mRH[LVWHPHPFXUVRSURFHVVRVDGPLQLVWUDWLYRVVLJQLILFDWLYRVSRUGHVFXPSULPHQWRGDVQRUPDVGR6LVWHPD)LQDQFHLUR1DFLRQDORXGHSDJDPHQWR GHPXOWDVTXHSRVVDPFDXVDULPSDFWRVUHSUHVHQWDWLYRVQRUHVXOWDGRILQDQFHLURGD,QVWLWXLomR ,,,2EULJDo}HV/HJDLV)LVFDLVH3UHYLGHQFLiULDV $,QVWLWXLomRYHPGLVFXWLQGRMXGLFLDOPHQWHDOHJDOLGDGHHFRQVWLWXFLRQDOLGDGHGHDOJXQVWULEXWRVHFRQWULEXLo}HVRVTXDLVHVWmRWRWDOPHQWHSURYLVLRQDGRVQmR REVWDQWHDVERDVFKDQFHVGHr[LWRDPpGLRHORQJRSUD]RGHDFRUGRFRPDRSLQLmRGRVDVVHVVRUHVMXUtGLFRV $VSULQFLSDLVTXHVW}HVVmR ² &2),165PLOSOHLWHLDFDOFXODUHUHFROKHUD&2),16DSDUWLUGHRXWXEURGHVREUHRHIHWLYRIDWXUDPHQWRFXMRFRQFHLWRFRQVWDGR DUWLJR ž GD /HL &RPSOHPHQWDU Qž  DIDVWDQGRVH DVVLP D LQFRQVWLWXFLRQDO DPSOLDomR GD EDVH GH FiOFXOR SUHWHQGLGD SHOR SDUiJUDIR ž GR DUWLJRžGD/HLQž ² ,53-'HGXomRGD&6//QD%DVHGH&iOFXOR5PLOSOHLWHLDGHGX]LUSDUDIRUPDomRGDEDVHGHFiOFXORGRLPSRVWRVREUHDUHQGDDGHVSHVD UHODWLYDDRSDJDPHQWRGDFRQWULEXLomRVRFLDOVREUHROXFURQRSHUtRGREDVHGHHVXEVHTXHQWHVDIDVWDQGRSRULOHJDOHLQFRQVWLWXFLRQDORDUWžGD /HLQžTXHHOLPLQDDSRVVLELOLGDGHGHXWLOL]DomRGDUHIHULGDGHVSHVD ² 1R H[HUFtFLR GH  D HPSUHVD GHX FRQWLQXLGDGH DR SURFHVVR GH DQLVWLD LQVWLWXtGR SHOD /HL Qž  LQFOXLQGR Do}HV MXGLFLDLV QD PRGDOLGDGH GRSDUFHODPHQWR2HIHLWROtTXLGRUHVXOWDQWHGDDGHVmRDRSURJUDPDPRQWRXD5PLOHIRLVXEVWDQFLDOPHQWHUHJLVWUDGRQDUXEULFDGH´2XWUDV 5HFHLWDV2SHUDFLRQDLVµ$HPSUHVDQmRVHXWLOL]RXGHSUHMXt]RILVFDORXEDVHQHJDWLYDGHFRQWULEXLomRVRFLDOQDOLTXLGDomRGHMXURVGRVGpELWRVLQVHULGRV QRSURJUDPDFRPRIDFXOWDYDDUHIHULGD/HL ² 2SULQFLSDOSURFHVVRLQFOXtGRQHVVHSURJUDPDUHIHUHVHTXHVWLRQDPHQWRGD&6//H[LJLGDGDVLQVWLWXLo}HVILQDQFHLUDVQRVDQRVEDVHGHDSRU DOtTXRWDVVXSHULRUHVjVDSOLFDGDVjVSHVVRDVMXUtGLFDVHPJHUDOHPGHVUHVSHLWRDRSULQFtSLRFRQVWLWXFLRQDOGDLVRQRPLD ,90RYLPHQWDomRGDV3URYLV}HV&RQVWLWXtGDV Em 31 de dezembro - R$ mil )LVFDLVH 7UDEDOKLVWDV &tYHLV 3UHYLGHQFLiULDV 

6DOGRVQRLQtFLRGRH[HUFtFLRGH    $WXDOL]DomRPRQHWiULD     &RQVWLWXLo}HVOtTXLGDVGHUHYHUV}HVHEDL[DV     3DJDPHQWRV     

6DOGRVQRILQDOGRH[HUFtFLRGH 1RWDVDHE       &RPSUHHQGHVXEVWDQFLDOPHQWHREULJDo}HVOHJDLV

Exercícios findos em 31 de dezembro - R$ mil          

5HVXOWDGRQDDOLHQDomRGHYDORUHVHEHQV 5HFHLWDVGHDOXJXpLV 5HYHUVmRGHSURYLV}HVQmRRSHUDFLRQDLV 3URYLVmRSDUDGHVYDORUL]DomRGHEHQVHLQYHVWLPHQWRV 7RWDO

Exercícios findos em 31 de dezembro - R$ mil     

        

  75$16$d¯(6&202&21752/$'25&21752/$'$6(&2/,*$'$6 D  $VWUDQVDo}HVFRPFRQWURODGRUFRQWURODGDVHFROLJDGDVHVWmRDVVLPUHSUHVHQWDGDV  $WLYRV SDVVLYRV  'LVSRQLELOLGDGHV %DQFR%UDGHVFR6$ $SOLFDo}HVHPGHSyVLWRVLQWHUILQDQFHLURV %DQFR%UDGHVFR6$ 'LYLGHQGRV 6HUHO3DUWLFLSDo}HV6$ %DQFR%UDGHVFR6$ 2XWUDVFRQWURODGDVHFROLJDGDV $OXJXHO %DQFR%UDGHVFR6$

Em 31 de dezembro - R$ mil   5HFHLWDV 5HFHLWDV  GHVSHVDV   GHVSHVDV

 $WLYRV  SDVVLYRV 

















  

  





    

    

E  5HPXQHUDomRGRSHVVRDOFKDYHGD$GPLQLVWUDomR $QXDOPHQWHQD$VVHPEOHLD*HUDO2UGLQiULDpIL[DGR ‡ 2PRQWDQWHJOREDODQXDOGDUHPXQHUDomRGRV$GPLQLVWUDGRUHVTXHpGLVWULEXtGDHPUHXQLmRGR&RQVHOKRGH$GPLQLVWUDomRDRVPHPEURVGRSUySULR &RQVHOKRHGD'LUHWRULDFRQIRUPHGHWHUPLQDR(VWDWXWR6RFLDOH ‡ $YHUEDGHVWLQDGDDFXVWHDU3ODQRVGH3UHYLGrQFLD&RPSOHPHQWDUDEHUWDGRV$GPLQLVWUDGRUHVGHQWURGR3ODQRGH3UHYLGrQFLDGHVWLQDGRDRV)XQFLRQiULRV H$GPLQLVWUDGRUHVGD,QVWLWXLomR $ ,QVWLWXLomR p SDUWH LQWHJUDQWH GD RUJDQL]DomR %UDGHVFR H VHXV $GPLQLVWUDGRUHV VmR UHPXQHUDGRV SHORV FDUJRV TXH RFXSDP QR %DQFR %UDGHVFR 6$ FRQWURODGRUGD&RPSDQKLD $ ,QVWLWXLomR QmR SRVVXL EHQHItFLRV GH ORQJR SUD]R GH UHVFLVmR GH FRQWUDWR GH WUDEDOKR RX UHPXQHUDomR EDVHDGD HP Do}HV SDUD VHX SHVVRDOFKDYH GD $GPLQLVWUDomR

2XWUDVLQIRUPDo}HV &RQIRUPHOHJLVODomRHPYLJRUDVLQVWLWXLo}HVILQDQFHLUDVQmRSRGHPFRQFHGHUHPSUpVWLPRVRXDGLDQWDPHQWRVSDUD D  'LUHWRUHVHPHPEURVGRVFRQVHOKRVFRQVXOWLYRVRXDGPLQLVWUDWLYRILVFDLVHVHPHOKDQWHVEHPFRPRDRVUHVSHFWLYRVF{QMXJHVHSDUHQWHVDWpRžJUDX E  3HVVRDVItVLFDVRXMXUtGLFDVTXHSDUWLFLSHPGHVHXFDSLWDOFRPPDLVGHH F  3HVVRDVMXUtGLFDVGHFXMRFDSLWDOSDUWLFLSHPFRPPDLVGHDSUySULDLQVWLWXLomRILQDQFHLUDTXDLVTXHUGLUHWRUHVRXDGPLQLVWUDGRUHVGDSUySULD LQVWLWXLomREHPFRPRVHXVF{QMXJHVHUHVSHFWLYRVSDUHQWHVDWpRžJUDX F  3DVVLYRV&RQWLQJHQWHVFODVVLILFDGRVFRPRSHUGDVSRVVtYHLV 'HVVDIRUPDQmRVmRHIHWXDGRVSHODVLQVWLWXLo}HVILQDQFHLUDVHPSUpVWLPRVRXDGLDQWDPHQWRVDTXDOTXHUVXEVLGLiULDPHPEURVGR&RQVHOKRGH$GPLQLVWUDomR $,QVWLWXLomRPDQWpPXPVLVWHPDGHDFRPSDQKDPHQWRSDUDWRGRVRVSURFHVVRVDGPLQLVWUDWLYRVHMXGLFLDLVHPTXHD,QVWLWXLomRILJXUDFRPR´DXWRUDµRX´UpµH RXGD'LUHWRULD([HFXWLYDHVHXVIDPLOLDUHV DPSDUDGDQDRSLQLmRGRVDVVHVVRUHVMXUtGLFRVFODVVLILFDDVDo}HVGHDFRUGRFRPDH[SHFWDWLYDGHLQVXFHVVR3HULRGLFDPHQWHVmRUHDOL]DGDVDQiOLVHVVREUH DVWHQGrQFLDVMXULVSUXGHQFLDLVHHIHWLYDGDVHQHFHVViULDDUHFODVVLILFDomRGRVULVFRVGHVVHVSURFHVVRV1HVWHFRQWH[WRRVSURFHVVRVFRQWLQJHQWHVDYDOLDGRV   %(1()Ì&,26$(035(*$'26 FRPRGHULVFRGHSHUGDSRVVtYHOQmRVmRUHFRQKHFLGRVFRQWDELOPHQWH $$OYRUDGD&DUW}HV LQFRUSRUDGRUDGR%DQFR%(&6$ SDWURFLQDSODQRGHEHQHItFLRGHILQLGRSRUPHLRGD&DL[DGH3UHYLGrQFLD3ULYDGDGR%DQFRGR(VWDGR G (PGHGH]HPEURGHHGHQmRKiSURFHVVRVFRQWLQJHQWHVDYDOLDGRVFRPRGHSHUGDSRVVtYHOGHQDWXUH]DUHOHYDQWH GR&HDUi ²&$%(& 2VUHFXUVRVJDUDQWLGRUHVGRVSODQRVGHSUHYLGrQFLDVmRLQYHVWLGRVGHDFRUGRFRPDOHJLVODomRSHUWLQHQWH WtWXORVS~EOLFRVHSULYDGRVDo}HVGHFRPSDQKLDV   2875$62%5,*$d¯(6 DEHUWDVHLPyYHLV  D  )LVFDLVHSUHYLGHQFLiULDV Em 31 de dezembro - R$ mil   ,032672'(5(1'$(&2175,%8,d®262&,$/   D  'HPRQVWUDomRGRFiOFXORGRVHQFDUJRVFRPLPSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDO 3URYLVmRSDUDULVFRVILVFDLV 1RWDE    Exercícios findos em 31 de dezembro - R$ mil 3URYLVmRSDUDLPSRVWRVHFRQWULEXLo}HVGLIHULGRV 1RWDF      ,PSRVWRVHFRQWULEXLo}HVDUHFROKHU   3URYLVmRSDUDLPSRVWRVHFRQWULEXLo}HVVREUHOXFURV   5HVXOWDGRDQWHVGRLPSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDO   7RWDO   (QFDUJRWRWDOGRLPSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDOjVDOtTXRWDVGHHUHVSHFWLYDPHQWH     

(IHLWRGDVDGLo}HVHH[FOXV}HVQRFiOFXORGRVWULEXWRV E  'LYHUVDV Em 31 de dezembro - R$ mil 3DUWLFLSDo}HVHPFROLJDGDVHFRQWURODGDV     (IHLWRGRGLIHUHQFLDOGDDOtTXRWDGDFRQWULEXLomRVRFLDO     3URYLVmRSDUDFRQWLQJrQFLDVFtYHLV 1RWDE    'HVSHVDVLQGHGXWtYHLVOtTXLGDVGHUHFHLWDVQmRWULEXWiYHLV   

3URYLVmRSDUDSDJDPHQWRVDHIHWXDU   2XWURVYDORUHV    3URYLVmRSDUDFRQWLQJrQFLDVWUDEDOKLVWDV 1RWDE    ,PSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDOGRH[HUFtFLR   

2XWURV     $DOtTXRWDGDFRQWULEXLomRVRFLDOSDUDDVHPSUHVDVGRVHJPHQWRILQDQFHLURIRLHOHYDGDSDUDGHDFRUGRFRPD/HLQž 1RWDI H 7RWDO     5HIHUHVHjHTXDOL]DomRGDDOtTXRWDHIHWLYDj&RQWULEXLomR6RFLDOHPUHODomRjDOtTXRWD  GHPRQVWUDGD   3$75,0Ñ1,2/Ì48,'2 E  &RPSRVLomRGDFRQWDGHUHVXOWDGRGHLPSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDO D  &DSLWDOVRFLDO Exercícios findos em 31 de dezembro - R$ mil 2FDSLWDOVRFLDOQRPRQWDQWHGH5PLO ²5PLO WRWDOPHQWHVXEVFULWRHLQWHJUDOL]DGRpUHSUHVHQWDGRSRUDo}HV   RUGLQiULDVQRPLQDWLYDVHVFULWXUDLVVHPYDORUQRPLQDO ,PSRVWRVFRUUHQWHV E  5HVHUYDVGH/XFURV ,PSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDOGHYLGRV   

Em 31 de dezembro - R$ mil ,PSRVWRVGLIHULGRV   &RQVWLWXLomRUHDOL]DomRQRH[HUFtFLRVREUHDGLo}HVWHPSRUiULDV    5HVHUYDVGH/XFURV   8WLOL]DomRGHVDOGRVLQLFLDLVGH 5HVHUYD/HJDO     3UHMXt]RILVFDO  

5HVHUYD(VWDWXWiULD     7RWDOGRVLPSRVWRVGLIHULGRV      &RQVWLWXtGDREULJDWRULDPHQWHjEDVHGHGROXFUROtTXLGRGRH[HUFtFLRDWpDWLQJLUGRFDSLWDOVRFLDOUHDOL]DGRRXGRFDSLWDOVRFLDODFUHVFLGRGDVUHVHUYDVGHFDSLWDO$SyVHVVH ,PSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDOGRH[HUFtFLR   

OLPLWHDDSURSULDomRQmRPDLVVHID]REULJDWyULD$UHVHUYDOHJDOVRPHQWHSRGHUiVHUXWLOL]DGDSDUDDXPHQWRGHFDSLWDORXSDUDFRPSHQVDUSUHMXt]RVH   9LVDQGRjPDQXWHQomRGHPDUJHPRSHUDFLRQDOFRPSDWtYHOFRPRGHVHQYROYLPHQWRGDVRSHUDo}HVDWLYDVGD6RFLHGDGHSRGHVHUFRQVWLWXtGDHPGROXFUROtTXLGRUHPDQHVFHQWHDSyV F  2ULJHPGRVFUpGLWRVWULEXWiULRVGHLPSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDOGLIHULGRV Em R$ mil GHVWLQDo}HVHVWDWXWiULDVVHQGRRVDOGROLPLWDGRDGR&DSLWDO6RFLDO,QWHJUDOL]DGR 6DOGRHP 6DOGRHP F  'LYLGHQGRV   &RQVWLWXLomR 5HDOL]DomR  $RVDFLRQLVWDVHVWmRDVVHJXUDGRVGLYLGHQGRVPtQLPRVREULJDWyULRVHPFDGDH[HUFtFLRGHLPSRUWkQFLDQmRLQIHULRUDGROXFUROtTXLGRDMXVWDGRQRVWHUPRV     GDOHJLVODomRVRFLHWiULD1RH[HUFtFLRIRUDPSURYLVLRQDGRVGLYLGHQGRVQRPRQWDQWHGH5PLO ²5PLO FRUUHVSRQGHQGRD5 ² 3URYLVmRSDUDFUpGLWRVGHOLTXLGDomRGXYLGRVD 3URYLVmRSDUDFRQWLQJrQFLDVFtYHLV     5 SRUORWHGHPLODo}HV2VGLYLGHQGRVSURSRVWRVQRH[HUFtFLRGHIRUDPSDJRVHPGHGH]HPEURGH 3URYLVmRSDUDFRQWLQJrQFLDVILVFDLV       '(63(6$6'(3(662$/ 3URYLVmRSDUDFRQWLQJrQFLDVWUDEDOKLVWDV     5HIHUHVHDSURFHVVRVWUDEDOKLVWDVHHQFDUJRVVRFLDLVQRPRQWDQWHGH5PLO ²5PLO  3URYLVmRSDUDSHUGDGHWtWXORVHLQYHVWLPHQWRV     3URYLVmRSDUDGHVYDORUL]DomRGHEHQVLPyYHLV       2875$6'(63(6$6$'0,1,675$7,9$6 $MXVWHD9DORUGH0HUFDGRGRVWtWXORVSDUDQHJRFLDomR     Exercícios findos em 31 de dezembro - R$ mil ÉJLRDPRUWL]DGR       2XWURV     6HUYLoRVWpFQLFRVHVSHFLDOL]DGRV   7RWDOGRVFUpGLWRVWULEXWiULRVVREUHGLIHUHQoDV 'HSUHFLDomR   WHPSRUiULDV 1RWD      3URSDJDQGDHSXEOLFLGDGH   2EULJDo}HVILVFDLVGLIHULGDV 1RWDD      6HUYLoRVGHWHUFHLURV   &UpGLWRVWULEXWiULRVOtTXLGRVGDVREULJDo}HV 6HUYLoRVGRVLVWHPDILQDQFHLUR    ILVFDLVGLIHULGDV     &RPXQLFDo}HV     &RQWHPSODRFUpGLWRWULEXWiULRUHODWLYRj HOHYDomRGDDOtTXRWDGHFRQWULEXLomRVRFLDOSDUDDVHPSUHVDVGRVHJPHQWRILQDQFHLURGHWHUPLQDGDSHOD/HLQž RVTXDLVFRUUHVSRQGHP 2XWUDV   DRYDORUGH5PLO ²5PLO  1RWDI  7RWDO   &RQWLQXD


DIĂ RIO DO COMĂ&#x2030;RCIO

quinta-feira, 3 de março de 2011

9

&RQWLQXDomR

$OYRUDGD&DUW}HV&UpGLWR)LQDQFLDPHQWRH,QYHVWLPHQWR6$ (PSUHVDGD2UJDQL]DomR%UDGHVFR &13- 6HGH&LGDGHGH'HXV3UpGLR1RYtVVLPRÂ&#x17E;$QGDU9LOD<DUD2VDVFR63

127$6(;3/,&$7,9$6'$$'0,1,675$dÂŽ2­6'(021675$dÂŻ(6&217Ă&#x2030;%(,6 G  3UHYLVmRGHUHDOL]DomRGRVFUpGLWRVWULEXWiULRVVREUHGLIHUHQoDVWHPSRUiULDVSUHMXt]RILVFDOHEDVHQHJDWLYDGHFRQWULEXLomRVRFLDO Em 31 de dezembro de 2010 - R$ mil 'LIHUHQoDVWHPSRUiULDV ,PSRVWR GHUHQGD &RQWULEXLomRVRFLDO 7RWDO                          7RWDO   

  2875$6,1)250$dÂŻ(6 (P DGHUrQFLD DR SURFHVVR GH FRQYHUJrQFLD FRP DV QRUPDV LQWHUQDFLRQDLV GH FRQWDELOLGDGH DOJXPDV QRUPDV H VXDV LQWHUSUHWDo}HV IRUDP HPLWLGDV SHOR &RPLWrGH3URQXQFLDPHQWRV&RQWiEHLV &3& DVTXDLVVHUmRDSOLFiYHLVDVLQVWLWXLo}HVILQDQFHLUDVVRPHQWHTXDQGRDSURYDGDVSHOR&01 2VSURQXQFLDPHQWRVFRQWiEHLVMiDSURYDGRVIRUDP Â&#x2021; 5HVROXomRQÂ&#x17E;²5HGXomRDR9DORU5HFXSHUiYHOGH$WLYRV &3&  Â&#x2021; 5HVROXomRQÂ&#x17E;²'HPRQVWUDomRGR)OX[RGH&DL[D &3&  Â&#x2021; 5HVROXomRQÂ&#x17E;²'LYXOJDomRVREUH3DUWHV5HODFLRQDGDV &3& H

Â&#x2021; 5HVROXomRQÂ&#x17E;²3URYLV}HV3DVVLYRV&RQWLQJHQWHVH$WLYRV&RQWLQJHQWHV &3&  $SURMHomRGHUHDOL]DomRGHFUpGLWRWULEXWiULRpXPDHVWLPDWLYDHQmRHVWiGLUHWDPHQWHUHODFLRQDGDjH[SHFWDWLYDGHOXFURVFRQWiEHLV $WXDOPHQWHQmRpSRVVtYHOHVWLPDUTXDQGRR%$&(1LUiDSURYDURVGHPDLVSURQXQFLDPHQWRVFRQWiEHLVGR&3&HQHPWDPSRXFRVHDXWLOL]DomRGRVPHVPRV H 2YDORUSUHVHQWHGRVFUpGLWRVWULEXWiULRVFDOFXODGRVFRQVLGHUDQGRDWD[DPpGLDGHFDSWDomROtTXLGDGRVHIHLWRVWULEXWiULRVPRQWD5PLO  VHUi GH PDQHLUD SURVSHFWLYD RX UHWURVSHFWLYD &RP LVVR DLQGD QmR p SRVVtYHO HVWLPDU RV LPSDFWRV FRQWiEHLV GD XWLOL]DomR GHVVHV SURQXQFLDPHQWRV QDV 5PLO GHGLIHUHQoDVWHPSRUiULDV GHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVGD,QVWLWXLomR I  2EULJDo}HVILVFDLVGLIHULGDV $VRFLHGDGHSRVVXLREULJDo}HVILVFDLVGLIHULGDVGHLPSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDOQRPRQWDQWHGH5PLO ²5PLO UHODWLYDVj $',5(725,$ DMXVWHDYDORUGHPHUFDGRGRVWtWXORVHYDORUHVPRELOLiULRVHLQVWUXPHQWRVILQDQFHLURVGHULYDWLYRV²5PLO ²5PLO HDWXDOL]DomRPRQHWiULD GHGHSyVLWRVMXGLFLDLVGH5PLO ²5PLO  2VZDOGR7DGHX)HUQDQGHV²&RQWDGRU²&5&632

5(/$7Ă?5,2'26$8',725(6,1'(3(1'(17(6 DGHTXDomRGDVSUiWLFDVFRQWiEHLVXWLOL]DGDVHDUD]RDELOLGDGHGDVHVWLPDWLYDVFRQWiEHLVIHLWDVSHODDGPLQLVWUDomREHPFRPRDDYDOLDomRGDDSUHVHQWDomR GDVGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVWRPDGDVHPFRQMXQWR $FUHGLWDPRVTXHDHYLGrQFLDGHDXGLWRULDREWLGDpVXILFLHQWHHDSURSULDGDSDUDIXQGDPHQWDUQRVVDRSLQLmR 2SLQLmR (P QRVVD RSLQLmR DV GHPRQVWUDo}HV FRQWiEHLV DFLPD UHIHULGDV DSUHVHQWDP DGHTXDGDPHQWH HP WRGRV RV DVSHFWRV UHOHYDQWHV D SRVLomR SDWULPRQLDO H ILQDQFHLUDGD$OYRUDGD&DUW}HV&UpGLWR)LQDQFLDPHQWRH,QYHVWLPHQWR6$HPGHGH]HPEURGHRGHVHPSHQKRGHVXDVRSHUDo}HVHRVVHXVIOX[RV 5HVSRQVDELOLGDGHGDDGPLQLVWUDomRVREUHDVGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLV GHFDL[DSDUDRH[HUFtFLRHVHPHVWUHILQGRVQHVVDGDWDGHDFRUGRFRPDVSUiWLFDVFRQWiEHLVDGRWDGDVQR%UDVLODSOLFiYHLVjVLQVWLWXLo}HVDXWRUL]DGDVD $$GPLQLVWUDomRGD,QVWLWXLomRpUHVSRQViYHOSHODHODERUDomRHDGHTXDGDDSUHVHQWDomRGHVVDVGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVGHDFRUGRFRPDVSUiWLFDVFRQWiEHLV IXQFLRQDUSHOR%DQFR&HQWUDOGR%UDVLO DGRWDGDVQR%UDVLODSOLFiYHLVjVLQVWLWXLo}HVDXWRUL]DGDVDIXQFLRQDUSHOR%DQFR&HQWUDOGR%UDVLO%$&(1HSHORVFRQWUROHVLQWHUQRVTXHHODGHWHUPLQRXFRPR 2XWURVDVVXQWRV QHFHVViULRVSDUDSHUPLWLUDHODERUDomRGHGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVOLYUHVGHGLVWRUomRUHOHYDQWHLQGHSHQGHQWHPHQWHVHFDXVDGDSRUIUDXGHRXHUUR 'HPRQVWUDomRGRYDORUDGLFLRQDGR 5HVSRQVDELOLGDGHGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV ([DPLQDPRV WDPEpP D GHPRQVWUDomR GR YDORU DGLFLRQDGR '9$  SDUD R H[HUFtFLR ILQGR HP  GH GH]HPEUR GH  FXMD DSUHVHQWDomR HVWi VHQGR 1RVVDUHVSRQVDELOLGDGHpDGHH[SUHVVDUXPDRSLQLmRVREUHHVVDVGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVFRPEDVHHPQRVVDDXGLWRULDFRQGX]LGDGHDFRUGRFRP HIHWXDGD GH IRUPD YROXQWiULD SHOD ,QVWLWXLomR (VVD GHPRQVWUDomR IRL VXEPHWLGD DRV PHVPRV SURFHGLPHQWRV GH DXGLWRULD GHVFULWRV DQWHULRUPHQWH H DVQRUPDVEUDVLOHLUDVHLQWHUQDFLRQDLVGHDXGLWRULD(VVDVQRUPDVUHTXHUHPRFXPSULPHQWRGHH[LJrQFLDVpWLFDVSHORVDXGLWRUHVHTXHDDXGLWRULDVHMD HP QRVVD RSLQLmR HVWi DGHTXDGDPHQWH DSUHVHQWDGD HP WRGRV RV VHXV DVSHFWRV UHOHYDQWHV HP UHODomR jV GHPRQVWUDo}HV FRQWiEHLV WRPDGDV HP FRQMXQWR SODQHMDGDHH[HFXWDGDFRPRREMHWLYRGHREWHUVHJXUDQoDUD]RiYHOGHTXHDVGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVHVWmROLYUHVGHGLVWRUomRUHOHYDQWH 8PD DXGLWRULD HQYROYH D H[HFXomR GH SURFHGLPHQWRV VHOHFLRQDGRV SDUD REWHQomR GH HYLGrQFLD D UHVSHLWR GRV YDORUHV H GLYXOJDo}HV DSUHVHQWDGRV QDV 6mR3DXORGHMDQHLURGH GHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLV2VSURFHGLPHQWRVVHOHFLRQDGRVGHSHQGHPGRMXOJDPHQWRGRDXGLWRULQFOXLQGRDDYDOLDomRGRVULVFRVGHGLVWRUomRUHOHYDQWHQDV GHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVLQGHSHQGHQWHPHQWHVHFDXVDGDSRUIUDXGHRXHUUR1HVVDDYDOLDomRGHULVFRVRDXGLWRUFRQVLGHUDRVFRQWUROHVLQWHUQRVUHOHYDQWHV  3ULFHZDWHUKRXVH&RRSHUV /XLV&DUORV0DWLDV5DPRV SDUDDHODERUDomRHDDGHTXDGDDSUHVHQWDomRGDVGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVGD,QVWLWXLomRSDUDSODQHMDURVSURFHGLPHQWRVGHDXGLWRULDTXHVmRDSURSULDGRV  $XGLWRUHV,QGHSHQGHQWHV &RQWDGRU QDVFLUFXQVWkQFLDVPDVQmRSDUDH[SUHVVDUXPDRSLQLmRVREUHDHILFiFLDGRVFRQWUROHVLQWHUQRVGD,QVWLWXLomR8PDDXGLWRULDLQFOXLWDPEpPDDYDOLDomRGD  &5&632 &5&632 $RV$GPLQLVWUDGRUHV $OYRUDGD&DUW}HV&UpGLWR)LQDQFLDPHQWRH,QYHVWLPHQWR6$ ([DPLQDPRVDVGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVLQGLYLGXDLVGD$OYRUDGD&DUW}HV&UpGLWR)LQDQFLDPHQWRH,QYHVWLPHQWR6$ ´,QVWLWXLomRÂľ TXHFRPSUHHQGHP REDODQoRSDWULPRQLDOHPGHGH]HPEURGHHDVUHVSHFWLYDVGHPRQVWUDo}HVGRUHVXOWDGRGDVPXWDo}HVGRSDWULP{QLROtTXLGRHGRVIOX[RVGH FDL[DSDUDRH[HUFtFLRHVHPHVWUHVILQGRVQHVVDGDWDDVVLPFRPRRUHVXPRGDVSULQFLSDLVSUiWLFDVFRQWiEHLVHGHPDLVQRWDVH[SOLFDWLYDV

p

O Corte estĂĄ estourando na mĂŁo da ministra Ana de Hollanda porque ela fica quieta, ĂŠ meio autista. Emir Sader

olĂ­tica

Antonio Cruz/ABr

Presidente Dilma durante a reunião com líderes da base aliada da Câmara: quinze líderes, dois ministros e o vice-presidente. O objetivo? 'Ouvir a presidente', como disse o líder do PP, Nelson Meurer.

Dilma e base dão um gelo em amigo Presidente se reúne com aliados para pedir união nas próximas votaçþes na Câmara. O PDT nem foi convidado para o encontro.

A

primeira reunião da presidente Dilma Rousseff com os líderes de partidos da base aliada da Câmara começou no final da manhã de ontem. Sem a participação do PDT. Lå estavam: 15 líderes e os ministros da Casa Civil, Antonio Palocci, de Relaçþes Institucionais, Luiz SÊrgio, e o vice-presidente, Michel Temer. Enquanto o governo defendia a aprovação de um salårio mínimo de R$ 545, o PDT liberou a bancada para votar livremente o projeto de reajuste. Na reunião, Dilma agradeceu a base aliada pela aprovação do mínimo de R$ 545, falou sobre o corte de R$ 18 bilhþes nas emendas parlamentares, decorrente da diminuição do Orçamento para 2011, e pediu a união da base nas próximas votaçþes da Câmara. Na chegada ao Planalto, o único a falar com a imprensa foi o líder do PP, Nelson Meu-

rer. Ele afirmou que o objetivo do encontro nĂŁo era cobrar da presidente explicaçþes ou providĂŞncias em relação ao anĂşncio do corte nas emendas parlamentares. Segundo ele, o objetivo era "ouvir a presidente". "A presidente merece crĂŠdito. Em julho, vamos conversar", disse Meurer, em referĂŞncia Ă  tesoura nas emendas. AliĂĄs, o MinistĂŠrio das Cidades, controlado pelo seu partido, foi um dos mais afetados pelos cortes. Nada de retaliação â&#x20AC;&#x201C; O ministro de Relaçþes Institucionais, Luiz SĂŠrgio, negou que o fato de o governo nĂŁo ter convidado o PDT para a reuniĂŁo com Dilma e lĂ­deres aliados tenha sido uma retaliação Ă  postura do partido, que votou dividido no projeto de lei de reajuste do salĂĄrio mĂ­nimo. "Foi uma reuniĂŁo em que a presidente Dilma convidou 100% dos aliados a ela. NĂŁo foi uma retaliação. NĂŁo trabalha-

mos com retaliação". E o ministro acrescentou que como prova disso, que Dilma pretende reativar o Conselho Político, formado por líderes e presidentes de partidos, e que, nele, o PDT estarå representado. "Quero reafirmar: o governo convidou os líderes. Foi um primeiro contato. E a grande novidade Ê que a presidente pretende restabelecer o conselho político". Jå o líder do PR, Lincoln Portela (MG), disse que a ausência do PDT na reunião não foi sequer comentada durante o encontro com a presidente. "A conversa aconteceu tão naturalmente que nem lembramos. Isso quem estå me lembrando agora são vocês". Segundo ele, o PDT não estå fora da base. "Ele Ê um partido da base, mas quem responde pelo PDT não sou eu". Portela disse tambÊm que não foram discutidos os cortes de emendas parlamentares,

Alberto Cesar AraĂşjo/Folhapress - 3.2.2006

Impeachment para Amazonino

Amazonino: desculpas podem nĂŁo ajudar.

PDT: 'Somos aliados, nĂŁo subordinados'

I

ntegrante da base do governo, mas rebelde na votação do salårio mínimo na Câmara, o PDT foi excluído da lista de convidados para a primeira reunião da presidente Dilma Rousseff com líderes de partidos aliados, no Palåcio do Planalto. O líder do PDT, deputado Giovanni Queiroz (PA), não foi convidado. Votou contra o governo na aprovação do salårio mínimo e o partido, embora integre a base aliada, não fechou posição favoråvel à proposta defendida pelo Planalto. Apesar disso, Queiroz disse ter ficado "muito confortåvel" com o fato de

não ter sido convidado para a reunião com Dilma. "Se fosse convidado, eu não iria mesmo. E seria indelicado recusar um convite da presidente". E citou a pressão exercida pelo Planalto para que o partido fechasse voto a favor do salårio mínimo de R$ 545, que acabou aprovado apesar da posição contråria do PDT. Queiroz contou que soube da reunião de líderes pela imprensa. Para ele, a ausência do PDT no encontro não significa que o partido esteja fora da base aliada do governo. "Somos aliados, não subordinados". (Agências)

A histĂłria de Sader, nomeado e demitido antes da posse

A

A

Procuradoria da Câmara Municipal de Manaus apresentou ontem parecer favoråvel ao pedido de impeachment contra o prefeito Amazonino Mendes (PTB). O presidente da Casa, Isaac Tayah, tambÊm do PTB, adiou a votação para depois do Carnaval por entender que havia poucos parlamentares em plenårio e para dar mais tempo para as discussþes. O pedido de impeachment foi apresentado pelo vereador Joaquim Lucena (PSB) no mesmo dia, sexta-feira (25), em que o prefeito pediu desculpas por ter ofendido os paraenses. No dia 21 de fevereiro, Amazonino discutiu com uma moradora de årea de risco, ironizou ela ser do Parå e respondeu "então, morra, minha filha, morra", quando ela disse que não podia sair dali. (AE)

pelo governo, e nem o reajuste da tabela do Imposto de Renda da Pessoa Física. "Todo mundo estå muito satisfeito com o governo da presidente Dilma". Ele afirmou tambÊm que a presidente fez um relato do programa Minha Casa, Minha Vida e informou que os cortes no orçamento não vão alterar o programa. Para o líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza, o fato de não convidar o PDT para o encontro foi do governo. "Estamos num regime presidencialista. Essa decisão Ê do governo. Num regime presidencialista a decisão Ê sempre do presidente". Informado de que fontes do Planalto atribuíam a ele a decisão da exclusão, resumiu: "Assumo a responsabilidade pelos convites. Só faço o que a presidente manda". Fontes do governo informaram que o PDT foi vetado por não ter sido fiel na votação do salårio mínimo. (Agências)

ministra da Cultura, Ana de Hollanda, cancelou ontem a nomeação do sociólogo Emir Sader para a presidência da Fundação Casa de Rui Barbosa, no Rio de Janeiro. A história começa e termina com uma entrevista dada por ele para a Folha de S. Paulo, publicada no domingo, dia 27. De acordo com o texto editado pelo jornal, Sader chamou a ministra de "meio autista". Em nota, Ana de Hollanda diz que "o senhor Emir Sader não serå mais nomeado presidente da Fundação Casa de Rui Barbosa. O nome do novo dirigente serå anunciado em breve."

Na entrevista, ao comentar a situação orçamentåria do MinistÊrio da Cultura, Sader disparou no final da frase a palavra que provocou a sua saída. "Tem o corte do governo, o orçamento Ê menor e tem tambÊm as dívidas. Desde março não se repassou nada aos Pontos de Cultura. Teve uma manifestação em Brasília. Estå estourando na mão da ministra Ana de Hollanda porque ela fica quieta, Ê meio autista." Em seu blog, Sader justificou o que aconteceu. Para ele, a entrevista foi deturpada. "As referências, antes de tudo à ministra da Cultura, mas tambÊm ao Gilberto Gil e ao

Caetano Veloso, apareceram de forma totalmente deturpada. Não houve intenção nenhuma de desqualificação. Seguir polemizando nesses termos Ê ser vítima desse tipo de matÊria, de que todos jå fomos vítimas: dizer que disseram que alguÊm disse." Sader foi indicado por setores do PT, mas a nomeação ainda não havia sido publicada no Diårio Oficial da União. Atualmente, a Fundação Casa de Rui BarbosaÊ um centro de pesquisa e debates literårios e conta com 187 servidores. AlÊm disso, abriga 135 mil livro entre o acervo de Rui Barbosa e doaçþes. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10

quinta-feira, 3 de março de 2011

%0&$VVHW0DQDJHPHQW'LVWULEXLGRUDGH7tWXORVH9DORUHV0RELOLiULRV/WGD (PSUHVDGD2UJDQL]DomR%UDGHVFR &13- 6HGH&LGDGHGH'HXVVQž3UpGLR3UDWDžDQGDU9LOD<DUD2VDVFR63

5(/$7Ð5,2'$$'0,1,675$d®2 6HQKRUHV&RWLVWDV

1RH[HUFtFLRD%0&'790UHJLVWURX/XFUR/tTXLGRGH5PLOFRUUHVSRQGHQWHD5SRUORWHGHPLOFRWDV3DWULP{QLR/tTXLGRGH5 PLOK}HVH$WLYRV7RWDLVGH5PLOK}HV

6XEPHWHPRVjDSUHFLDomRGH96DVDV'HPRQVWUDo}HV&RQWiEHLVGRH[HUFtFLRHQFHUUDGRHPGHGH]HPEURGHGD%0&$VVHW0DQDJHPHQW 'LVWULEXLGRUDGH7tWXORVH9DORUHV0RELOLiULRV/WGD %0&'790 GHDFRUGRFRPDVSUiWLFDVFRQWiEHLVDGRWDGDVQR%UDVLODSOLFiYHLVjVLQVWLWXLo}HVDXWRUL]DGDV DIXQFLRQDUSHOR%DQFR&HQWUDOGR%UDVLO

6mR3DXOR63GHMDQHLURGH 'LUHWRULD

%$/$1d23$75,021,$/HPGHGH]HPEUR(P5HDLVPLO $7,92



&,5&8/$17( ',6321,%,/,'$'(6 1RWD  $3/,&$d¯(6,17(5),1$1&(,5$6'(/,48,'(= 1RWD  $SOLFDo}HVHP'HSyVLWRV,QWHUILQDQFHLURV  7Ì78/26(9$/25(602%,/,É5,26(,167580(1726),1$1&(,526'(5,9$7,926 1RWDD  9LQFXODGRVj3UHVWDomRGH*DUDQWLDV  287526&5e',726 5HQGDVD5HFHEHU  'LYHUVRV 1RWD   5($/,=É9(/$/21*235$=2 $3/,&$d¯(6,17(5),1$1&(,5$6'(/,48,'(= 1RWD  $SOLFDo}HVHP'HSyVLWRV,QWHUILQDQFHLURV  287526&5e',726 'LYHUVRV 1RWD   3(50$1(17( ,19(67,0(1726 2XWURV,QYHVWLPHQWRV 1RWD   727$/



                 

3$66,92

                 





&,5&8/$17( 2875$62%5,*$d¯(6 6RFLDLVH(VWDWXWiULDV 1RWDF   )LVFDLVH3UHYLGHQFLiULDV 1RWDD   'LYHUVDV 1RWDE   (;,*Ì9(/$/21*235$=2 2875$62%5,*$d¯(6 )LVFDLVH3UHYLGHQFLiULDV 1RWDD   3$75,0Ñ1,2/Ì48,'2 &DSLWDO 'H'RPLFLOLDGRVQR3DtV 1RWDD   5HVHUYDVGH/XFURV 1RWDE  

        

        

 

 

727$/





$V1RWDV([SOLFDWLYDVVmRSDUWHLQWHJUDQWHGDV'HPRQVWUDo}HV&RQWiEHLV

'(021675$d®2'25(68/7$'2(P5HDLVPLO

'(021675$d®2'$6087$d¯(6'23$75,0Ñ1,2/Ì48,'2(P5HDLVPLO

º6HPHVWUH 

([HUFtFLRVILQGRVHP GHGH]HPEUR  

5HVHUYDVGH/XFURV  /HJDO (VWDWXWiULDV

&DSLWDO 6RFLDO

(YHQWRV

5(&(,7$6'$,17(50(',$d®2),1$1&(,5$







6DOGRVHP







5HVXOWDGRGH2SHUDo}HVFRP7tWXORVH9DORUHV0RELOLiULRV 1RWDF 







3UHMXt]R







5(68/7$'2%5872'$,17(50(',$d®2),1$1&(,5$







2875$65(&(,7$6'(63(6$623(5$&,21$,6

 

 



7UDQVIHUrQFLDSDUD5HVHUYDV 



 

2XWUDV'HVSHVDV$GPLQLVWUDWLYDV 1RWD 

 

 



'HVSHVDV7ULEXWiULDV 1RWD 

 

 

2XWUDV5HFHLWDV2SHUDFLRQDLV 1RWD 





2XWUDV'HVSHVDV2SHUDFLRQDLV 1RWD 

 

 

5(68/7$'223(5$&,21$/

 















6DOGRVHP









3UHMXt]R









7UDQVIHUrQFLDSDUD5HVHUYDV





6DOGRVHP





5(68/7$'2$17(6'$75,%87$d®262%5(2/8&52

 



 

 



/8&52/Ì48,'2 35(-8Ì=2 

 





1~PHURGHFRWDV 1RWDD 



/XFUR 3UHMXt]R SRUORWHGHPLOFRWDVHP5

 

 

 











 

  



























 

            'LYLGHQGRV3URSRVWRV







 

6DOGRVHP









 



$V1RWDV([SOLFDWLYDVVmRSDUWHLQWHJUDQWHGDV'HPRQVWUDo}HV&RQWiEHLV

'(021675$d®2'29$/25$',&,21$'2(P5HDLVPLO

º6HPHVWUH 

$XPHQWR 5HGXomR  /tTXLGRGH&DL[DH (TXLYDOHQWHV GH&DL[D





/XFUR/tTXLGR

'(021675$d®2'2)/8;2'(&$,;$(P5HDLVPLO

)OX[RGHFDL[DGDV$WLYLGDGHV2SHUDFLRQDLV /XFUR 3UHMXt]R DQWHVGR,PSRVWRGH5HQGDH&RQWULEXLomR6RFLDO $MXVWHVDR/XFUR 3UHMXt]R DQWHVGRV,PSRVWRV   3URYLV}HV)LVFDLV /XFUR 3UHMXt]R $MXVWDGR $XPHQWR 5HGXomRHP$SOLFDo}HV,QWHUILQDQFHLUDVGH/LTXLGH] $XPHQWR 5HGXomRHP7tWXORVH9DORUHV0RELOLiULRVH,QVWUXPHQWRV   )LQDQFHLURV'HULYDWLYRV $XPHQWR 5HGXomRHP2XWURV&UpGLWRV $XPHQWR 5HGXomR HP2XWUDV2EULJDo}HV ,PSRVWRGH5HQGDH&RQWULEXLomR6RFLDO3DJRV &DL[D/tTXLGR3URYHQLHQWH8WLOL]DGRGDV$WLYLGDGHV2SHUDFLRQDLV )OX[RGHFDL[DGDV$WLYLGDGHVGH,QYHVWLPHQWRV 'LYLGHQGRVH-XURVVREUHR&DSLWDO3UySULR5HFHELGRV &DL[D/tTXLGR3URYHQLHQWH8WLOL]DGRGDV$WLYLGDGHVGH,QYHVWLPHQWRV $XPHQWR 5HGXomR GH&DL[DH(TXLYDOHQWHVGH&DL[D



 

'HVWLQDo}HV5HVHUYDV

$V1RWDV([SOLFDWLYDVVmRSDUWHLQWHJUDQWHGDV'HPRQVWUDo}HV&RQWiEHLV

7RWDLV



 

6DOGRVHP

,032672'(5(1'$(&2175,%8,d®262&,$/ 1RWDVDHE 

/XFURV 3UHMXt]RV

$FXPXODGRV

([HUFtFLRVILQGRVHP GHGH]HPEUR  

 'HVFULomR 5(&(,7$6

      

     



  



        

        





 



   

  

  

,QtFLRGR3HUtRGR







)LPGR3HUtRGR $XPHQWR 5HGXomR /tTXLGRGH&DL[D H(TXLYDOHQWHVGH&DL[D













º6HPHVWUH    

([HUFtFLRVILQGRVHPGHGH]HPEUR       

 

    ,QWHUPHGLDomR)LQDQFHLUD













    2XWUDV

 

 





 



,168026$'48,5,'26'(7(5&(,526

 

 

 

 

 



   3XEOLFDo}HV

 

 

 

 

 



 

 

 



 

 

 



 



   6HUYLoRV7pFQLFRV(VSHFLDOL]DGRV



   2XWUDV

 

9$/25$',&,21$'2%5872  









9$/25$',&,21$'2$',675,%8,5









 



',675,%8,d®2'29$/25$',&,21$'2









 



 



 ,PSRVWRV7D[DVH&RQWULEXLo}HV 

  









       )HGHUDO









        8WLOL]DomRGH&UpGLWRV7ULEXWiULRV







 5HPXQHUDomRGH&DSLWDLV3UySULRV        'LYLGHQGRV        3UHMXt]RV/XFURV5HWLGRV

$V1RWDV([SOLFDWLYDVVmRSDUWHLQWHJUDQWHGDV'HPRQVWUDo}HV&RQWiEHLV

    

    







 







 











  

 

$V1RWDV([SOLFDWLYDVVmRSDUWHLQWHJUDQWHGDV'HPRQVWUDo}HV&RQWiEHLV

127$6(;3/,&$7,9$6'$$'0,1,675$d®2­6'(021675$d¯(6&217É%(,6   &217(;7223(5$&,21$/ $ %0& $VVHW 0DQDJHPHQW ² 'LVWULEXLGRUD GH 7tWXORV H 9DORUHV 0RELOLiULRV /WGD %0& '790  p XPD LQVWLWXLomR ILQDQFHLUD TXH WHP SRU REMHWLYR SUDWLFDU RSHUDo}HVHDWLYLGDGHVSHUWLQHQWHVjVGLVSRVLo}HVOHJDLVHUHJXODPHQWDUHVDSOLFiYHLVjVVRFLHGDGHVGDHVSpFLHeSDUWHLQWHJUDQWHGD2UJDQL]DomR%UDGHVFR VXDVRSHUDo}HVVmRFRQGX]LGDVGHIRUPDLQWHJUDGDDXPFRQMXQWRGHHPSUHVDVTXHDWXDPQRVPHUFDGRVILQDQFHLURVHGHFDSLWDLVXWLOL]DQGRVHGHVHXV UHFXUVRVDGPLQLVWUDWLYRVHWHFQROyJLFRVHQDJHVWmRGHULVFRV6XDVGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVGHYHPVHUHQWHQGLGDVQHVWHFRQWH[WR   $35(6(17$d®2'$6'(021675$d¯(6&217É%(,6 $V GHPRQVWUDo}HV FRQWiEHLV IRUDP HODERUDGDV D SDUWLU GDV GLUHWUL]HV FRQWiEHLV HPDQDGDV GDV /HLV QRV  /HL GR 6LVWHPD )LQDQFHLUR 1DFLRQDO  H  /HLGDV6RFLHGDGHVSRU$o}HV FRPDOWHUDo}HVLQWURGX]LGDVSHODV/HLVQRVHSDUDDFRQWDELOL]DomRGDVRSHUDo}HVDVVRFLDGDV jVQRUPDVHLQVWUXo}HVGR&RQVHOKR0RQHWiULR1DFLRQDO &01 HGR%DQFR&HQWUDOGR%UDVLO %$&(1 ,QFOXHPHVWLPDWLYDVHSUHPLVVDVFRPRDPHQVXUDomR GHSURYLV}HVSDUDSHUGDVFRPRSHUDo}HVGHFUpGLWRHVWLPDWLYDVGRYDORUMXVWRGHGHWHUPLQDGRVLQVWUXPHQWRVILQDQFHLURVSURYLVmRSDUDFRQWLQJrQFLDVSHUGDV SRUUHGXomRDRYDORUUHFXSHUiYHOLPSDLUPHQWGHWtWXORVHYDORUHVPRELOLiULRVFODVVLILFDGRVQDVFDWHJRULDVWtWXORVGLVSRQtYHLVSDUDYHQGDHWtWXORVPDQWLGRVDWp RYHQFLPHQWRDWLYRVQmRILQDQFHLURVHRXWUDVSURYLV}HV2VUHVXOWDGRVHIHWLYRVSRGHPVHUGLIHUHQWHVGDTXHODVHVWLPDWLYDVHSUHPLVVDV $VDOWHUDo}HVLQWURGX]LGDVUHVSHFWLYDPHQWHSHODV/HLVQRVHQmRSURGX]LUDPHIHLWRVUHOHYDQWHVQDVGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVGD,QVWLWXLomR $VGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVIRUDPDSURYDGDVSHOD$GPLQLVWUDomRHPGHMDQHLURGH   35,1&,3$,6',5(75,=(6&217É%(,6 D  0RHGDIXQFLRQDOHGHDSUHVHQWDomR $VGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVHVWmRDSUHVHQWDGDVHPUHDLVTXHpDPRHGDIXQFLRQDOGR%UDGHVFR E  $SXUDomRGRUHVXOWDGR 2UHVXOWDGRpDSXUDGRGHDFRUGRFRPRUHJLPHGHFRPSHWrQFLDTXHHVWDEHOHFHTXHDVUHFHLWDVHGHVSHVDVGHYHPVHULQFOXtGDVQDDSXUDomRGRVUHVXOWDGRV GRVSHUtRGRVHPTXHRFRUUHUHPVHPSUHVLPXOWDQHDPHQWHTXDQGRVHFRUUHODFLRQDUHPLQGHSHQGHQWHPHQWHGHUHFHELPHQWRRXSDJDPHQWR$VRSHUDo}HV FRPWD[DVSUHIL[DGDVVmRUHJLVWUDGDVSHORYDORUGHUHVJDWHHDVUHFHLWDVHGHVSHVDVFRUUHVSRQGHQWHVDRSHUtRGRIXWXURVmRDSUHVHQWDGDVHPFRQWDUHGXWRUD GRVUHVSHFWLYRVDWLYRVHSDVVLYRV$VUHFHLWDVHGHVSHVDVGHQDWXUH]DILQDQFHLUDVmRFRQWDELOL]DGDVSHORFULWpULR´SURUDWDµGLDHFDOFXODGDVFRPEDVHQR PpWRGRH[SRQHQFLDOH[FHWRDTXHODVUHODWLYDVDWtWXORVGHVFRQWDGRVRXUHODFLRQDGDVDRSHUDo}HVQRH[WHULRUTXHVmRFDOFXODGDVFRPEDVHQRPpWRGROLQHDU $VRSHUDo}HVFRPWD[DVSyVIL[DGDVRXLQGH[DGDVDPRHGDVHVWUDQJHLUDVVmRDWXDOL]DGDVDWpDGDWDGREDODQoR

  $3/,&$d¯(6,17(5),1$1&(,5$6'(/,48,'(= (VWmRUHSUHVHQWDGDVSRU$SOLFDo}HVHP'HSyVLWRV,QWHUILQDQFHLURVQRPRQWDQWHGH5PLO ²5PLO UHDOL]DGRFRPR%DQFR%UDGHVFR6$ HFRPYHQFLPHQWRHPMXOKRGH$VUHFHLWDVGHDSOLFDo}HVLQWHUILQDQFHLUDVGHOLTXLGH]FODVVLILFDGDVQDGHPRQVWUDomRGHUHVXOWDGRFRPRUHVXOWDGRGH RSHUDo}HVFRPWtWXORVHYDORUHVPRELOLiULRVIRUDPGH5PLO ²5PLO  1RWDF    7Ì78/26(9$/25(602%,/,É5,26(,167580(1726),1$1&(,526'(5,9$7,926 D  &ODVVLILFDomRSRUFDWHJRULDVHSUD]RV (PGHGH]HPEUR5PLO  9DORUGH PHUFDGR 0DUFDomRD FRQWiELO   PHUFDGR

 9DORU GHFXVWR DWXDOL]DGR

 9DORUGH  $FLPDGH PHUFDGR 0DUFDomRD 7tWXORV GLDV FRQWiELO   PHUFDGR 7tWXORVSDUDQHJRFLDomR /HWUDVILQDQFHLUDVGRWHVRXUR       7RWDOHP     7RWDOHP      2YDORUGHPHUFDGRGRVWtWXORVHYDORUHVPRELOLiULRVpDSXUDGRGHDFRUGRFRPDFRWDomRGHSUHoRGHPHUFDGRGLVSRQtYHOQDGDWDGREDODQoR6HQmRKRXYHUFRWDomRGHSUHoRVGHPHUFDGR GLVSRQtYHORVYDORUHVVmRHVWLPDGRVFRPEDVHHPFRWDo}HVGHGLVWULEXLGRUHVPRGHORVGHGHILQLo}HVGHSUHoRVPRGHORVGHFRWDo}HVRXFRWDo}HVGHSUHoRVSDUDLQVWUXPHQWRVFRP FDUDFWHUtVWLFDVVHPHOKDQWHV1RFDVRGDVDSOLFDo}HVHPIXQGRVGHLQYHVWLPHQWRRFXVWRDWXDOL]DGRUHIOHWHRYDORUGHPHUFDGRGDVUHVSHFWLYDVFRWDV E $%0&'790QmRSRVVXtDRSHUDo}HVFRPLQVWUXPHQWRVILQDQFHLURVGHULYDWLYRVHPGHGH]HPEURGHHGH F  5HVXOWDGRGHWtWXORVHYDORUHVPRELOLiULRV

5HQGDVGHDSOLFDo}HVLQWHUILQDQFHLUDVGHOLTXLGH] 1RWD  7tWXORVGHUHQGDIL[D 7RWDO

([HUFtFLRVILQGRVHPGHGH]HPEUR5PLO        

  287526&5e',726',9(5626 F  &DL[DHHTXLYDOHQWHVGHFDL[D &DL[DHHTXLYDOHQWHVGHFDL[DVmRUHSUHVHQWDGRVSRUGLVSRQLELOLGDGHVHPPRHGDQDFLRQDOPRHGDHVWUDQJHLUDDSOLFDo}HVHPRXURDSOLFDo}HVQRPHUFDGR DEHUWRHDSOLFDo}HVHPGHSyVLWRVLQWHUILQDQFHLURVFXMRYHQFLPHQWRGDVRSHUDo}HVQDGDWDGDHIHWLYDDSOLFDomRVHMDLJXDORXLQIHULRUDGLDVHDSUHVHQWHP &UpGLWRVWULEXWiULRV 1RWDFHG   ULVFRLQVLJQLILFDQWHGHPXGDQoDGHYDORUMXVWRTXHVmRXWLOL]DGRVSHOD,QVWLWXLomRSDUDJHUHQFLDPHQWRGHVHXVFRPSURPLVVRVGHFXUWRSUD]R 'HYHGRUHVSRUGHSyVLWRVHPJDUDQWLD²ILVFDLV  G  $SOLFDo}HVLQWHUILQDQFHLUDVGHOLTXLGH] 2So}HVSRULQFHQWLYRVILVFDLV  6mRUHJLVWUDGDVDRFXVWRGHDTXLVLomRDFUHVFLGDVGRVUHQGLPHQWRVDXIHULGRVDWpDGDWDGREDODQoRGHGX]LGDVGHSURYLVmRSDUDGHVYDORUL]DomRTXDQGR ,PSRVWRGHUHQGDDFRPSHQVDU  'HYHGRUHVGLYHUVRV  DSOLFiYHO 7RWDO H  7tWXORVHYDORUHVPRELOLiULRV&ODVVLILFDomR 7tWXORVSDUDQHJRFLDomRDGTXLULGRVFRPRSURSyVLWRGHVHUHPDWLYDHIUHTXHQWHPHQWHQHJRFLDGRV6mRDMXVWDGRVSHORYDORUGHPHUFDGRHPFRQWUDSDUWLGD   ,19(67,0(1726 DRUHVXOWDGRGRSHUtRGR 2LQYHVWLPHQWRGH5PLOUHIHUHVHDDo}HVGD&(7,36$ ²5PLO  7tWXORVGLVSRQtYHLVSDUDYHQGDTXHQmRVHHQTXDGUHPFRPRSDUDQHJRFLDomRQHPFRPRPDQWLGRVDWpRYHQFLPHQWR6mRDMXVWDGRVDRYDORUGHPHUFDGRHP   $7,926(3$66,926&217,1*(17(6(2%5,*$d¯(6/(*$,6),6&$,6(35(9,'(1&,É5,$6 FRQWUDSDUWLGDjFRQWDGHVWDFDGDGRSDWULP{QLROtTXLGRGHGX]LGRGRVHIHLWRVWULEXWiULRVH 7tWXORVPDQWLGRVDWpRYHQFLPHQWRDGTXLULGRVFRPDLQWHQomRHFDSDFLGDGHILQDQFHLUDSDUDVXDPDQXWHQomRHPFDUWHLUDDWpRYHQFLPHQWR6mRDYDOLDGRV SHORVFXVWRVGHDTXLVLomRDFUHVFLGRVGRVUHQGLPHQWRVDXIHULGRVHPFRQWUDSDUWLGDDRUHVXOWDGRGRSHUtRGR 2VWtWXORVHYDORUHVPRELOLiULRVFODVVLILFDGRVQDVFDWHJRULDVGHQHJRFLDomRHGLVSRQtYHOSDUDYHQGDEHPFRPRRVLQVWUXPHQWRVILQDQFHLURVGHULYDWLYRVVmR GHPRQVWUDGRVQREDODQoRSDWULPRQLDOSHORVHXYDORUMXVWRHVWLPDGR2YDORUMXVWRJHUDOPHQWHEDVHLDVHHPFRWDo}HVGHSUHoRVGHPHUFDGRRXFRWDo}HVGH SUHoRVGHPHUFDGRSDUDDWLYRVRXSDVVLYRVFRPFDUDFWHUtVWLFDVVHPHOKDQWHV6HHVVHVSUHoRVGHPHUFDGRQmRHVWLYHUHPGLVSRQtYHLVRVYDORUHVMXVWRVVmR EDVHDGRVHPFRWDo}HVGHRSHUDGRUHVGHPHUFDGRPRGHORVGHSUHFLILFDomRIOX[RGHFDL[DGHVFRQWDGRRXWpFQLFDVVLPLODUHVSDUDDVTXDLVDGHWHUPLQDomR GRYDORUMXVWRSRVVDH[LJLUMXOJDPHQWRRXHVWLPDWLYDVLJQLILFDWLYDSRUSDUWHGD$GPLQLVWUDomR

D  $WLYRV&RQWLQJHQWHV 1mRVmRUHFRQKHFLGRVFRQWDELOPHQWHDWLYRVFRQWLQJHQWHV

L  $WLYRVH3DVVLYRV&RQWLQJHQWHVH2EULJDo}HV/HJDLV)LVFDLVH3UHYLGHQFLiULDV 2UHFRQKHFLPHQWRDPHQVXUDomRHDGLYXOJDomRGDVFRQWLQJrQFLDVDWLYDVHSDVVLYDVHREULJDo}HVOHJDLVVmRHIHWXDGRVGHDFRUGRFRPRVFULWpULRVGHILQLGRV QD5HVROXomRQºGR&01HQD'HOLEHUDomR&90QºVHQGR ‡ $WLYRV &RQWLQJHQWHV QmR VmR UHFRQKHFLGRV FRQWDELOPHQWH H[FHWR TXDQGR D $GPLQLVWUDomR SRVVXL WRWDO FRQWUROH GD VLWXDomR RX TXDQGR Ki JDUDQWLDV UHDLVRXGHFLV}HVMXGLFLDLVIDYRUiYHLVVREUHDVTXDLVQmRFDLEDPPDLVUHFXUVRVFDUDFWHUL]DQGRRJDQKRFRPRSUDWLFDPHQWHFHUWRHSHODFRQILUPDomRGD FDSDFLGDGHGHVXDUHFXSHUDomRSRUUHFHELPHQWRRXFRPSHQVDomRFRPRXWURSDVVLYRH[LJtYHO2VDWLYRVFRQWLQJHQWHVFXMDH[SHFWDWLYDGHr[LWRpSURYiYHO VmRGLYXOJDGRVHPQRWDVH[SOLFDWLYDV 1RWDD  ‡ 3DVVLYRV&RQWLQJHQWHVVmRFRQVWLWXtGRVOHYDQGRHPFRQWDDRSLQLmRGRVDVVHVVRUHVMXUtGLFRVDQDWXUH]DGDVDo}HVDVLPLODULGDGHFRPSURFHVVRVDQWHULRUHV DFRPSOH[LGDGHHRSRVLFLRQDPHQWRGH7ULEXQDLVVHPSUHTXHDSHUGDIRUDYDOLDGDFRPRSURYiYHORTXHRFDVLRQDULDXPDSURYiYHOVDtGDGHUHFXUVRVSDUDD OLTXLGDomRGDVREULJDo}HVHTXDQGRRVPRQWDQWHVHQYROYLGRVIRUHPPHQVXUiYHLVFRPVXILFLHQWHVHJXUDQoD2VSDVVLYRVFRQWLQJHQWHVFODVVLILFDGRVFRPR GHSHUGDVSRVVtYHLVQmRVmRUHFRQKHFLGRVFRQWDELOPHQWHGHYHQGRVHUDSHQDVGLYXOJDGRVQDVQRWDVH[SOLFDWLYDVTXDQGRLQGLYLGXDOPHQWHUHOHYDQWHVHRV FODVVLILFDGRVFRPRUHPRWRVQmRUHTXHUHPSURYLVmRHQHPGLYXOJDomR 1RWDEHF H ‡ 2EULJDo}HV/HJDLV)LVFDLVH3UHYLGHQFLiULDVGHFRUUHPGHSURFHVVRVMXGLFLDLVUHODFLRQDGRVDREULJDo}HVWULEXWiULDVFXMRREMHWRGHFRQWHVWDomRpVXD OHJDOLGDGH RX FRQVWLWXFLRQDOLGDGH TXH LQGHSHQGHQWHPHQWH GD DYDOLDomR DFHUFD GD SUREDELOLGDGH GH VXFHVVR WrP RV VHXV PRQWDQWHV UHFRQKHFLGRV LQWHJUDOPHQWHQDVGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLV 1RWDE 

,PSRVWRVHFRQWULEXLo}HVDUHFROKHU  7RWDO

(PGHGH]HPEUR5PLO              

E  3DVVLYRV&RQWLQJHQWHVFODVVLILFDGRVFRPRSHUGDVSURYiYHLVH2EULJDo}HV/HJDLV)LVFDLVH3UHYLGHQFLiULDV $,QVWLWXLomRpSDUWHHPSURFHVVRVMXGLFLDLVGHQDWXUH]DILVFDOGHFRUUHQWHVGRFXUVRQRUPDOGHVXDVDWLYLGDGHV $VSURYLV}HVIRUDPFRQVWLWXtGDVOHYDQGRHPFRQWDDRSLQLmRGRVDVVHVVRUHVMXUtGLFRVDQDWXUH]DGDVDo}HVDVLPLODULGDGHFRPSURFHVVRVDQWHULRUHVD FRPSOH[LGDGHHRSRVLFLRQDPHQWRGH7ULEXQDLVVHPSUHTXHDSHUGDIRUDYDOLDGDFRPRSURYiYHO $$GPLQLVWUDomRGD,QVWLWXLomRHQWHQGHTXHDSURYLVmRFRQVWLWXtGDpVXILFLHQWHSDUDDWHQGHUDVSHUGDVGHFRUUHQWHVGRVUHVSHFWLYRVSURFHVVRV I  ,PSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDO DWLYRHSDVVLYR

2SDVVLYRUHODFLRQDGRjREULJDomROHJDOHPGLVFXVVmRMXGLFLDOpPDQWLGRDWpRJDQKRGHILQLWLYRGDDomRUHSUHVHQWDGRSRUGHFLV}HVMXGLFLDLVIDYRUiYHLVVREUH 2VFUpGLWRVWULEXWiULRVGHLPSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDOVREUHROXFUROtTXLGRFDOFXODGRVVREUHDVDGLo}HVWHPSRUiULDVSUHMXt]RILVFDOHEDVHQHJDWLYD DVTXDLVQmRFDEHPPDLVUHFXUVRVRXDVXDSUHVFULomR GHFRQWULEXLomRVRFLDOVmRUHJLVWUDGRVQDUXEULFD´2XWURV&UpGLWRV²'LYHUVRVµHDSURYLVmRSDUDDVREULJDo}HVILVFDLVGLIHULGDVpUHJLVWUDGDQDUXEULFD´2XWUDV ,2EULJDo}HV/HJDLV)LVFDLVH3UHYLGHQFLiULDV 2EULJDo}HV²)LVFDLVH3UHYLGHQFLiULDVµ 2VFUpGLWRVWULEXWiULRVVREUHDVDGLo}HVWHPSRUiULDVVHUmRUHDOL]DGRVTXDQGRGDXWLOL]DomRHRXUHYHUVmRGDVUHVSHFWLYDVSURYLV}HVVREUHDVTXDLVIRUDP $,QVWLWXLomRYHPGLVFXWLQGRMXGLFLDOPHQWHDOHJDOLGDGHHFRQVWLWXFLRQDOLGDGHGHDOJXQVWULEXWRVHFRQWULEXLo}HVRVTXDLVHVWmRWRWDOPHQWHSURYLVLRQDGRVQmR REVWDQWHDVERDVFKDQFHVGHr[LWRDPpGLRHORQJRSUD]RGHDFRUGRFRPDRSLQLmRGRVDVVHVVRUHVMXUtGLFRV FRQVWLWXtGRV2VFUpGLWRVWULEXWiULRVVREUHSUHMXt]RILVFDOHEDVHQHJDWLYDGHFRQWULEXLomRVRFLDOVHUmRUHDOL]DGRVGHDFRUGRFRPDJHUDomRGHOXFURVWULEXWiYHLV REVHUYDGR R OLPLWH GH  GR OXFUR UHDO GR SHUtRGREDVH 7DLV FUpGLWRV WULEXWiULRV VmR UHFRQKHFLGRV FRQWDELOPHQWH EDVHDGRV QDV H[SHFWDWLYDV DWXDLV GH ,,0RYLPHQWDomRGDV3URYLV}HV&RQVWLWXtGDV (PGHGH]HPEUR5PLO UHDOL]DomRFRQVLGHUDQGRRVHVWXGRVWpFQLFRVHDQiOLVHVUHDOL]DGDVSHOD$GPLQLVWUDomR )LVFDLVH3UHYLGHQFLiULDV $SURYLVmRSDUDLPSRVWRGHUHQGDpFRQVWLWXtGDjDOtTXRWDEDVHGHGROXFURWULEXWiYHODFUHVFLGDGHDGLFLRQDOGH$FRQWULEXLomRVRFLDOVREUHROXFUR 1RLQtFLRGRSHUtRGR  pFDOFXODGDFRQVLGHUDQGRDDOtTXRWDGHSDUDHPSUHVDVGRVHJPHQWRILQDQFHLUR $WXDOL]DomRPRQHWiULD  )RUDPFRQVWLWXtGDVSURYLV}HVSDUDRVGHPDLVLPSRVWRVHFRQWULEXLo}HVVRFLDLVGHDFRUGRFRPDVUHVSHFWLYDVOHJLVODo}HVYLJHQWHV &RQVWLWXLo}HV  'HDFRUGRFRPD/HLQºDVPRGLILFDo}HVQRFULWpULRGHUHFRQKHFLPHQWRGHUHFHLWDVFXVWRVHGHVSHVDVFRPSXWDGDVQDDSXUDomRGROXFUROtTXLGR 1RILQDOGRH[HUFtFLRGH 1RWDD   GRH[HUFtFLRLQWURGX]LGDVSHOD/HLQºHSHORVDUWLJRVHGD/HLQºQmRWHUmRHIHLWRVSDUDILQVGHDSXUDomRGROXFURUHDOGHYHQGRVHU FRQVLGHUDGRVSDUDILQVWULEXWiULRVRVPpWRGRVHFULWpULRVFRQWiEHLVYLJHQWHVHPGHGH]HPEURGH3DUDILQVFRQWiEHLVRVHIHLWRVWULEXWiULRVGDDGRomR F  3DVVLYRV&RQWLQJHQWHVFODVVLILFDGRVFRPRSHUGDVSRVVtYHLV $,QVWLWXLomRPDQWpPXPVLVWHPDGHDFRPSDQKDPHQWRSDUDWRGRVRVSURFHVVRVDGPLQLVWUDWLYRVHMXGLFLDLVHPTXHD,QVWLWXLomRILJXUDFRPR´DXWRUDµRX´UpµH GDVPHQFLRQDGDV/HLVHVWmRUHJLVWUDGRVQRVDWLYRVHSDVVLYRVGLIHULGRVFRUUHVSRQGHQWHV DPSDUDGDQDRSLQLmRGRVDVVHVVRUHVMXUtGLFRVFODVVLILFDDVDo}HVGHDFRUGRFRPDH[SHFWDWLYDGHLQVXFHVVR3HULRGLFDPHQWHVmRUHDOL]DGDVDQiOLVHVVREUH J  ,QYHVWLPHQWRV DVWHQGrQFLDVMXULVSUXGHQFLDLVHHIHWLYDGDVHQHFHVViULDDUHFODVVLILFDomRGRVULVFRVGHVVHVSURFHVVRV1HVWHFRQWH[WRRVSURFHVVRVFRQWLQJHQWHVDYDOLDGRV 2VLQFHQWLYRVILVFDLVHRXWURVLQYHVWLPHQWRVVmRDYDOLDGRVSHORFXVWRGHDTXLVLomRGHGX]LGRVGHSURYLVmRSDUDSHUGDHGDUHGXomRDRYDORUUHFXSHUiYHO FRPRGHULVFRGHSHUGDSRVVtYHOQmRVmRUHFRQKHFLGRVFRQWDELOPHQWH LPSDLUPHQWTXDQGRDSOLFiYHO G  (PGHGH]HPEURGHHGHQmRKiSURFHVVRVFRQWLQJHQWHVDYDOLDGRVFRPRGHSHUGDSRVVtYHOGHQDWXUH]DUHOHYDQWH K  5HGXomRDRYDORUUHFXSHUiYHOGHDWLYRVQmRILQDQFHLURV ,PSDLUPHQW

2VWtWXORVHYDORUHVPRELOLiULRVFODVVLILFDGRVQDVFDWHJRULDVWtWXORVGLVSRQtYHLVSDUDYHQGDHWtWXORVPDQWLGRVDWpRYHQFLPHQWRHDWLYRVQmRILQDQFHLURVH[FHWR   2875$62%5,*$d¯(6 RXWURV YDORUHV H EHQV H FUpGLWRV WULEXWiULRV VmR UHYLVWRV QR PtQLPR DQXDOPHQWH SDUD GHWHUPLQDU VH Ki DOJXPD LQGLFDomR GH SHUGD SRU UHGXomR DR YDORU D  )LVFDLVHSUHYLGHQFLiULDV UHFXSHUiYHOLPSDLUPHQWTXHpUHFRQKHFLGDQRUHVXOWDGRGRH[HUFtFLRTXDQGRRYDORUFRQWiELOGHXPDWLYRH[FHGHURVHXYDORUUHFXSHUiYHO DSXUDGRSHOR L  (PGHGH]HPEUR5PLO VHXSRWHQFLDOYDORUGHYHQGDRXYDORUGHUHDOL]DomRGHGX]LGRGDVUHVSHFWLYDVGHVSHVDVRX LL SHORYDORUHPXVRFDOFXODGRSHODXQLGDGHJHUDGRUDGHFDL[D   GRVGRLVRPDLRU 8PDXQLGDGHJHUDGRUDGHFDL[DpRPHQRUJUXSRLGHQWLILFiYHOGHDWLYRVTXHJHUDIOX[RVGHFDL[DVXEVWDQFLDOPHQWHLQGHSHQGHQWHVGHRXWURV 3URYLVmRSDUDULVFRVILVFDLV 1RWDE     DWLYRVHJUXSRV 3URYLVmRSDUDLPSRVWRVGLIHULGRV 1RWDF      

 

E  'LYHUVDV

3URYLVmRSDUDSDJDPHQWRVDHIHWXDU  7RWDO

(PGHGH]HPEUR5PLO      

  3$75,0Ñ1,2/Ì48,'2 D  &DSLWDO6RFLDO 2FDSLWDOVRFLDOQRPRQWDQWHGH5PLO ²5PLO HVWiUHSUHVHQWDGRSRUFRWDVVXEVFULWDVHLQWHJUDOL]DGDVQRYDORUQRPLQDOGH 5FDGD E  5HVHUYDVGH/XFURV

(PGHGH]HPEUR5PLO   M  2XWURVDWLYRVHSDVVLYRV 5HVHUYDVGH/XFURV     2VDWLYRVHVWmRGHPRQVWUDGRVSHORVYDORUHVGHUHDOL]DomRLQFOXLQGRTXDQGRDSOLFiYHORVUHQGLPHQWRVHDVYDULDo}HVPRQHWiULDVDXIHULGRV HPEDVH´SUR 5HVHUYD/HJDO      UDWDµ GLD  H SURYLVmR SDUD SHUGD TXDQGR MXOJDGD QHFHVViULD 2V SDVVLYRV GHPRQVWUDGRV LQFOXHP RV YDORUHV FRQKHFLGRV H PHQVXUiYHLV DFUHVFLGRV GRV 5HVHUYD(VWDWXWiULD      &RQVWLWXtGDREULJDWRULDPHQWHjEDVHGHGROXFUROtTXLGRGRH[HUFtFLRDWpDWLQJLUGRFDSLWDOVRFLDOUHDOL]DGRRXGRFDSLWDOVRFLDODFUHVFLGRGDVUHVHUYDVGHFDSLWDO$SyVHVVH HQFDUJRVHGDVYDULDo}HVPRQHWiULDVLQFRUULGRV HPEDVH´SURUDWDµGLD  OLPLWHDDSURSULDomRQmRPDLVVHID]REULJDWyULD$UHVHUYDOHJDOVRPHQWHSRGHUiVHUXWLOL]DGDSDUDDXPHQWRGHFDSLWDORXSDUDFRPSHQVDUSUHMXt]RVH   &$,;$((48,9$/(17(6'(&$,;$   9LVDQGRjPDQXWHQomRGHPDUJHPRSHUDFLRQDOFRPSDWtYHOFRPRGHVHQYROYLPHQWRGDVRSHUDo}HVDWLYDVGD,QVWLWXLomRSRGHVHUFRQVWLWXtGDHPGROXFUROtTXLGRUHPDQHVFHQWHDSyV GHVWLQDo}HVHVWDWXWiULDVVHQGRRVDOGROLPLWDGRDGR&DSLWDO6RFLDO,QWHJUDOL]DGR $,QVWLWXLomRSRVVXLGLVSRQLELOLGDGHVGH5PLO ²5PLO HQmRSRVVXtDRXWUDVFRQWDVTXHVHULDPFRQVLGHUDGDVHTXLYDOHQWHVGHFDL[D &RQWLQXD


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 3 de março de 2011

11

&RQWLQXDomR

%0&$VVHW0DQDJHPHQW'LVWULEXLGRUDGH7tWXORVH9DORUHV0RELOLiULRV/WGD (PSUHVDGD2UJDQL]DomR%UDGHVFR &13- 6HGH&LGDGHGH'HXVVQž3UpGLR3UDWDžDQGDU9LOD<DUD2VDVFR63

127$6(;3/,&$7,9$6'$$'0,1,675$d®2­6'(021675$d¯(6),1$1&(,5$6 F  'LYLGHQGRV   ,032672'(5(1'$(&2175,%8,d®262&,$/ $RVFRWLVWDVHVWiDVVHJXUDGRGLYLGHQGRPtQLPRREULJDWyULRHPFDGDH[HUFtFLRGHLPSRUWkQFLDQmRLQIHULRUDGROXFUROtTXLGRDMXVWDGRQRVWHUPRVGD D  'HPRQVWUDomRGRFiOFXORGRVHQFDUJRVFRPLPSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDO OHJLVODomRVRFLHWiULD1RH[HUFtFLRILQGRHPGHGH]HPEURGHIRUDPSURYLVLRQDGRVGLYLGHQGRVQRPRQWDQWHGH5PLOFRUUHVSRQGHQGRD5SRU ORWHGHPLOFRWDV1RH[HUFtFLRGHQmRIRUDPSURYLVLRQDGRVRXGHVWLQDGRVGLYLGHQGRVDRVFRWLVWDV   2875$6'(63(6$6$'0,1,675$7,9$6

3URSDJDQGDHSXEOLFLGDGH 6HUYLoRVWpFQLFRVHVSHFLDOL]DGRV 2XWUDV 7RWDO

([HUFtFLRVILQGRVHPGHGH]HPEUR5PLO          

([HUFtFLRVILQGRVHPGHGH]HPEUR5PLO   5HVXOWDGRDQWHVGRLPSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDO  

   (QFDUJRWRWDOGRLPSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDOjVDOtTXRWDVGHHUHVSHFWLYDPHQWH   'HVSHVDVLQGHGXWtYHLVOtTXLGDVGHUHFHLWDVQmRWULEXWiYHLV  

2XWURVYDORUHV    ,PSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDOGRH[HUFtFLR      $DOtTXRWDGDFRQWULEXLomRVRFLDOSDUDDVHPSUHVDVGRVVHJPHQWRVILQDQFHLURVIRLHOHYDGDSDUDGHDFRUGRFRPD/HLQº 1RWDI  E  &RPSRVLomRGDFRQWDGHUHVXOWDGRGHLPSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDO ([HUFtFLRVILQGRVHPGHGH]HPEUR5PLO  

  '(63(6$675,%87É5,$6

&RQWULEXLomRDR&2),16 &RQWULEXLomRDR3,6 7RWDO

([HUFtFLRVILQGRVHPGHGH]HPEUR5PLO        

  2875$65(&(,7$6 '(63(6$6 23(5$&,21$,6

'LYLGHQGRVH-&3UHFHELGRV $WXDOL]DomRGHGHSyVLWRVHPJDUDQWLD $WXDOL]DomRGHSURYLVmRSDUDULVFRVILVFDLV 6HUYLoRVGHWHUFHLURV 3URFHVVRVDGPLQLVWUDWLYRV&90 5HYHUVmRGHSURYLVmRDGPLQLVWUDWLYD 2XWUDV 7RWDO

([HUFtFLRVILQGRVHPGHGH]HPEUR5PLO         

    

    

 

  75$16$d¯(6&203$57(65(/$&,21$'$6 D  $VWUDQVDo}HVFRPFRQWURODGRUHFROLJDGDVHVWmRDVVLPUHSUHVHQWDGDV  $WLYRV SDVVLYRV  'LVSRQLELOLGDGHV %DQFR%UDGHVFR6$ $SOLFDo}HVLQWHUILQDQFHLUDVGHOLTXLGH] %DQFR%UDGHVFR6$ 'LYLGHQGRV %DQFR%UDGHVFR)LQDQFLDPHQWRV6$

 $WLYRV SDVVLYRV 

(PGHGH]HPEUR²5PLO   5HFHLWDV 5HFHLWDV GHVSHVDV  GHVSHVDV





















 

 

,PSRVWRVFRUUHQWHV ,PSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDOGHYLGRV ,PSRVWRVGLIHULGRV &RQVWLWXLomR UHDOL]DomR QRH[HUFtFLRVREUHDGLo}HVWHPSRUiULDV &RQVWLWXLomR UHDOL]DomR QRH[HUFtFLRVREUHSUHMXt]RILVFDOHEDVHQHJDWLYD 7RWDOGRVLPSRVWRVGLIHULGRV ,PSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDOGRH[HUFtFLR

 



     

   

F  2ULJHQVGRVFUpGLWRVWULEXWiULRVGHLPSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDOGLIHULGRV

3URYLVmRSDUDFRQWLQJrQFLDVILVFDLV 2XWURV 7RWDOGRVFUpGLWRVWULEXWiULRVVREUHGLIHUHQoDVWHPSRUiULDV 3UHMXt]RILVFDOHEDVHQHJDWLYDGHFRQWULEXLomRVRFLDO 7RWDOGRVFUpGLWRVWULEXWiULRV 1RWD  2EULJDo}HVILVFDLVGLIHULGDV 1RWDD  &UpGLWRVWULEXWiULRVOtTXLGRVGDVREULJDo}HVILVFDLVGLIHULGDV

6DOGRHP        

&RQVWLWXLomR       

5HDOL]DomR            

5PLO 6DOGRHP        

G  3UHYLVmRGDUHDOL]DomRGRVFUpGLWRVWULEXWiULRVVREUHGLIHUHQoDVWHPSRUiULDVSUHMXt]RILVFDOHEDVHQHJDWLYDGHFRQWULEXLomRVRFLDO (PGHGH]HPEURGH5PLO 'LIHUHQoDV 3UHMXt]RILVFDO WHPSRUiULDV HEDVHQHJDWLYD ,PSRVWRGH &RQWULEXLomR ,PSRVWRGH &RQWULEXLomR 5HQGD 6RFLDO 5HQGD 6RFLDO 7RWDO                         7RWDO 1RWD       $SURMHomRGHUHDOL]DomRGHFUpGLWRWULEXWiULRpXPDHVWLPDWLYDHQmRHVWiGLUHWDPHQWHUHODFLRQDGDjH[SHFWDWLYDGHOXFURVFRQWiEHLV 2YDORUSUHVHQWHGRVFUpGLWRVWULEXWiULRVFDOFXODGRVFRQVLGHUDQGRDWD[DPpGLDGHFDSWDomROtTXLGDGRVHIHLWRVWULEXWiULRVPRQWD5PLO ² 5 PLO VHQGR5PLO ²5PLO GHGLIHUHQoDVWHPSRUiULDVH5PLO ²5PLO GHSUHMXt]RILVFDOHEDVHQHJDWLYDGHFRQWULEXLomRVRFLDO

E  5HPXQHUDomRGRSHVVRDOFKDYHGD$GPLQLVWUDomR $QXDOPHQWHQD$VVHPEOHLD*HUDO2UGLQiULDpIL[DGR ‡ 2PRQWDQWHJOREDODQXDOGDUHPXQHUDomRGRV$GPLQLVWUDGRUHVTXHpGLVWULEXtGDHPUHXQLmRGR&RQVHOKRGH$GPLQLVWUDomRGD2UJDQL]DomR%UDGHVFRDRV PHPEURVGRSUySULR&RQVHOKRHGD'LUHWRULDFRQIRUPHGHWHUPLQDR(VWDWXWR6RFLDOH   2875$6,1)250$d¯(6 ‡ $YHUEDGHVWLQDGDDFXVWHDU3ODQRVGH3UHYLGrQFLD&RPSOHPHQWDUDEHUWDGRV$GPLQLVWUDGRUHVGHQWURGR3ODQRGH3UHYLGrQFLDGHVWLQDGRDRV)XQFLRQiULRV (PDGHUrQFLDDRSURFHVVRGHFRQYHUJrQFLDFRPDVQRUPDVLQWHUQDFLRQDLVGHFRQWDELOLGDGHDOJXPDVQRUPDVHVXDVLQWHUSUHWDo}HVIRUDPHPLWLGDVSHOR&RPLWr H$GPLQLVWUDGRUHVGD,QVWLWXLomR GH 3URQXQFLDPHQWRV &RQWiEHLV &3&  DV TXDLV VHUmR DSOLFiYHLV DV LQVWLWXLo}HV ILQDQFHLUDV VRPHQWH TXDQGR DSURYDGDV SHOR &01 2V SURQXQFLDPHQWRV $,QVWLWXLomRpSDUWHLQWHJUDQWHGD2UJDQL]DomR%UDGHVFRHVHXVDGPLQLVWUDGRUHVVmRUHPXQHUDGRVSHORVFDUJRVTXHRFXSDPQR%DQFR%UDGHVFR6$ FRQWiEHLVMiDSURYDGRVIRUDP ‡ 5HVROXomRQº²5HGXomRDR9DORU5HFXSHUiYHOGH$WLYRV &3&  FRQWURODGRUGD&RPSDQKLD $,QVWLWXLomRQmRSRVVXLEHQHItFLRVGHORQJRSUD]RGHUHVFLVmRGHFRQWUDWRGHWUDEDOKRRXUHPXQHUDomREDVHDGDHPDo}HVSDUDVHXSHVVRDOFKDYHGD$GPLQLVWUDomR ‡ 5HVROXomRQº²'HPRQVWUDomRGR)OX[RGH&DL[D &3&  ‡ 5HVROXomRQº²'LYXOJDomRVREUH3DUWHV5HODFLRQDGDV &3& H 2XWUDVLQIRUPDo}HV ‡ 5HVROXomRQº²3URYLV}HV3DVVLYRV&RQWLQJHQWHVH$WLYRV&RQWLQJHQWHV &3&  &RQIRUPHOHJLVODomRHPYLJRUDVLQVWLWXLo}HVILQDQFHLUDVQmRSRGHPFRQFHGHUHPSUpVWLPRVRXDGLDQWDPHQWRVSDUD D  'LUHWRUHVHPHPEURVGRVFRQVHOKRVFRQVXOWLYRVRXDGPLQLVWUDWLYRILVFDLVHVHPHOKDQWHVEHPFRPRDRVUHVSHFWLYRVF{QMXJHVHSDUHQWHVDWpRºJUDX $WXDOPHQWHQmRpSRVVtYHOHVWLPDUTXDQGRR%$&(1LUiDSURYDURVGHPDLVSURQXQFLDPHQWRVFRQWiEHLVGR&3&HQHPWDPSRXFRVHDXWLOL]DomRGRVPHVPRV VHUi GH PDQHLUD SURVSHFWLYD RX UHWURVSHFWLYD &RP LVVR DLQGD QmR p SRVVtYHO HVWLPDU RV LPSDFWRV FRQWiEHLV GD XWLOL]DomR GHVVHV SURQXQFLDPHQWRV QDV E  3HVVRDVItVLFDVRXMXUtGLFDVTXHSDUWLFLSHPGHVHXFDSLWDOFRPPDLVGHH GHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVGD,QVWLWXLomR F  3HVVRDVMXUtGLFDVGHFXMRFDSLWDOSDUWLFLSHPFRPPDLVGHDSUySULDLQVWLWXLomRILQDQFHLUDTXDLVTXHUGLUHWRUHVRXDGPLQLVWUDGRUHVGDSUySULD,QVWLWXLomR EHPFRPRVHXVF{QMXJHVHUHVSHFWLYRVSDUHQWHVDWpRºJUDX $',5(725,$ 'HVVDIRUPDQmRVmRHIHWXDGRVSHODVLQVWLWXLo}HVILQDQFHLUDVHPSUpVWLPRVRXDGLDQWDPHQWRVDTXDOTXHUVXEVLGLiULDPHPEURVGR&RQVHOKRGH$GPLQLVWUDomR &pOLR0DJDOKmHV²&RQWDGRU²&5&632 RXGD'LUHWRULD([HFXWLYDHVHXVIDPLOLDUHV

5(/$7Ð5,2'26$8',725(6,1'(3(1'(17(6 DGHTXDomRGDVSUiWLFDVFRQWiEHLVXWLOL]DGDVHDUD]RDELOLGDGHGDVHVWLPDWLYDVFRQWiEHLVIHLWDVSHODDGPLQLVWUDomREHPFRPRDDYDOLDomRGDDSUHVHQWDomR GDVGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVWRPDGDVHPFRQMXQWR $FUHGLWDPRVTXHDHYLGrQFLDGHDXGLWRULDREWLGDpVXILFLHQWHHDSURSULDGDSDUDIXQGDPHQWDUQRVVDRSLQLmR 2SLQLmR (P QRVVD RSLQLmR DV GHPRQVWUDo}HV FRQWiEHLV DFLPD UHIHULGDV DSUHVHQWDP DGHTXDGDPHQWH HP WRGRV RV DVSHFWRV UHOHYDQWHV D SRVLomR SDWULPRQLDO H ILQDQFHLUDGD%0&$VVHW0DQDJHPHQW'LVWULEXLGRUDGH7tWXORVH9DORUHV0RELOLiULRV/WGDHPGHGH]HPEURGHRGHVHPSHQKRGHVXDVRSHUDo}HV HRVVHXVIOX[RVGHFDL[DSDUDRH[HUFtFLRHVHPHVWUHILQGRVQHVVDGDWDGHDFRUGRFRPDVSUiWLFDVFRQWiEHLVDGRWDGDVQR%UDVLODSOLFiYHLVjVLQVWLWXLo}HV DXWRUL]DGDVDIXQFLRQDUSHOR%DQFR&HQWUDOGR%UDVLO 2XWURVDVVXQWRV 'HPRQVWUDomRGRYDORUDGLFLRQDGR ([DPLQDPRVWDPEpPDGHPRQVWUDomRGRYDORUDGLFLRQDGR '9$ SDUDRH[HUFtFLRILQGRHPGHGH]HPEURGHFXMDDSUHVHQWDomRHVWiVHQGRHIHWXDGD GHIRUPDYROXQWiULDSHOD,QVWLWXLomR(VVDGHPRQVWUDomRIRLVXEPHWLGDDRVPHVPRVSURFHGLPHQWRVGHDXGLWRULDGHVFULWRVDQWHULRUPHQWHHHPQRVVDRSLQLmR HVWiDGHTXDGDPHQWHDSUHVHQWDGDHPWRGRVRVVHXVDVSHFWRVUHOHYDQWHVHPUHODomRjVGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVWRPDGDVHPFRQMXQWR

$RV$GPLQLVWUDGRUHV %0&$VVHW0DQDJHPHQW'LVWULEXLGRUDGH7tWXORVH9DORUHV0RELOLiULRV/WGD

([DPLQDPRVDVGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVLQGLYLGXDLVGD%0&$VVHW0DQDJHPHQW'LVWULEXLGRUDGH7tWXORVH9DORUHV0RELOLiULRV/WGD ´,QVWLWXLomRµ TXH FRPSUHHQGHPREDODQoRSDWULPRQLDOHPGHGH]HPEURGHHDVUHVSHFWLYDVGHPRQVWUDo}HVGRUHVXOWDGRGDVPXWDo}HVGRSDWULP{QLROtTXLGRHGRV IOX[RVGHFDL[DSDUDRH[HUFtFLRHVHPHVWUHVILQGRVQHVVDGDWDDVVLPFRPRRUHVXPRGDVSULQFLSDLVSUiWLFDVFRQWiEHLVHGHPDLVQRWDVH[SOLFDWLYDV 5HVSRQVDELOLGDGHGDDGPLQLVWUDomRVREUHDVGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLV $$GPLQLVWUDomRGD,QVWLWXLomRpUHVSRQViYHOSHODHODERUDomRHDGHTXDGDDSUHVHQWDomRGHVVDVGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVGHDFRUGRFRPDVSUiWLFDVFRQWiEHLV DGRWDGDVQR%UDVLODSOLFiYHLVjVLQVWLWXLo}HVDXWRUL]DGDVDIXQFLRQDUSHOR%DQFR&HQWUDOGR%UDVLO%$&(1HSHORVFRQWUROHVLQWHUQRVTXHHODGHWHUPLQRXFRPR QHFHVViULRVSDUDSHUPLWLUDHODERUDomRGHGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVOLYUHVGHGLVWRUomRUHOHYDQWHLQGHSHQGHQWHPHQWHVHFDXVDGDSRUIUDXGHRXHUUR 5HVSRQVDELOLGDGHGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV 1RVVDUHVSRQVDELOLGDGHpDGHH[SUHVVDUXPDRSLQLmRVREUHHVVDVGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVFRPEDVHHPQRVVDDXGLWRULDFRQGX]LGDGHDFRUGRFRPDV QRUPDVEUDVLOHLUDVHLQWHUQDFLRQDLVGHDXGLWRULD(VVDVQRUPDVUHTXHUHPRFXPSULPHQWRGHH[LJrQFLDVpWLFDVSHORVDXGLWRUHVHTXHDDXGLWRULDVHMDSODQHMDGD HH[HFXWDGDFRPRREMHWLYRGHREWHUVHJXUDQoDUD]RiYHOGHTXHDVGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVHVWmROLYUHVGHGLVWRUomRUHOHYDQWH 8PD DXGLWRULD HQYROYH D H[HFXomR GH SURFHGLPHQWRV VHOHFLRQDGRV SDUD REWHQomR GH HYLGrQFLD D UHVSHLWR GRV YDORUHV H GLYXOJDo}HV DSUHVHQWDGRV QDV GHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLV2VSURFHGLPHQWRVVHOHFLRQDGRVGHSHQGHPGRMXOJDPHQWRGRDXGLWRULQFOXLQGRDDYDOLDomRGRVULVFRVGHGLVWRUomRUHOHYDQWHQDV GHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVLQGHSHQGHQWHPHQWHVHFDXVDGDSRUIUDXGHRXHUUR1HVVDDYDOLDomRGHULVFRVRDXGLWRUFRQVLGHUDRVFRQWUROHVLQWHUQRVUHOHYDQWHV  SDUDDHODERUDomRHDDGHTXDGDDSUHVHQWDomRGDVGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVGD,QVWLWXLomRSDUDSODQHMDURVSURFHGLPHQWRVGHDXGLWRULDTXHVmRDSURSULDGRV  QDVFLUFXQVWkQFLDVPDVQmRSDUDH[SUHVVDUXPDRSLQLmRVREUHDHILFiFLDGRVFRQWUROHVLQWHUQRVGD,QVWLWXLomR8PDDXGLWRULDLQFOXLWDPEpPDDYDOLDomRGD

6mR3DXORGHMDQHLURGH 3ULFHZDWHUKRXVH&RRSHUV $XGLWRUHV,QGHSHQGHQWHV  &5&632

p

/XtV&DUORV0DWLDV5DPRV &RQWDGRU &5&632

Vocês confundem o palhaço no trabalho lá com aqui. Aqui é outra coisa. Francisco Everardo Oliveira Silva, o Tiririca (PR-SP)

olítica

Dida Sampaio/AE

Mensaleiro na Justiça, Tiririca na Educação João Paulo Cunha é eleito para a Comissão de Constituição e Justiça, mesmo sendo réu em processo no STF

A

Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), a mais importante da Câmara, elegeu ontem o deputado João Paulo Cunha (PT-SP) para a presidência. Ele recebeu 54 votos a favor e 2 em branco. João Paulo também é réu no processo em andamento no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o esquema de pagamento a parlamentares, conhecido como mensalão. Após a sua escolha, João Paulo disse que o processo do mensalão o atormenta. "Eu não poderia deixar de mencionar que respondo a um processo no STF. Esse processo, que me atormenta muito, mudou a minha vida, mas eu tenho muita fé e convicção no Direito e na

Justiça que em breve resolveremos por completo. Minha vida é absolutamente limpa." Tiririca – O deputado Francisco Everardo Oliveira Silva (PR-SP), o Tiririca, assumiu ontem a sua função de titular da Comissão de Educação e Cultura da Câmara afirmando que tem muito com o que ajudar. "Sou um cara que tem uma vivência muito grande. Exerci como palhaço de circo, sustentei seis filhos e estou aí até hoje. Então, eu tenho muita história, muita coisa para ajudar." Sem fornecer detalhes, Tiririca afirmou que está trabalhando em seu primeiro projeto e que ele é voltado para o circo e os artistas populares. Durante a reunião, vários deputados defenderam Tiriri-

ca. De rosto fechado, o deputado afirmou que "deu para entender legal". E acrescentou: "Vocês confundem o palhaço no trabalho lá com aqui. Aqui é outra coisa, não pode brincar porque tem o negócio do decoro." Romário – O deputado Romário de Souza Faria (PSB-RJ)

foi eleito ontem, por unanimidade, vice-presidente da Comissão de Turismo e Desporto. Ao tomar posse, disse que era "com muito orgulho e muita alegria que faço parte dessa comissão". O ex-pugilista Popó (PRB-BA) e o ex-goleiro Danrlei (PTB-RS) também fazem parte da comissão. (Agências)

Aílton de Freitas/AOG

Padre para Família e ruralista para Meio Ambiente

E

Aílton de Freitas/AOG

A BRIGA ENTRE PT E PMDB impede que seja escolhido quem vai

João Paulo é abraçado por Elcione Barbalho (PMDB-PA): 'Vida limpa'.

Romário assume comissão de Turismo: 'Fico muito alegre'.

presidir a Comissão de Educação, integrada por Tiririca (foto). O problema é que os dois partidos querem ter destaque na discussão do Plano Nacional de Educação (PNE), que fixa as políticas para o setor até 2020. O acordo inicial previa a criação de uma comissão especial. No PT, porém, há descontentamento com a proposta. Indicada pelo partido para presidir a comissão, a deputada Fátima Bezerra (PT-RN) já avisou que não aceita ficar fora desta discussão. Diante da incerteza, o PMDB conseguiu impedir ontem a eleição de Fátima para a presidência.

leito por unanimidade ontem para presidir a Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara, o deputado Saraiva Felipe (PMDB-MG) disse que o colegiado não pode deixar de analisar temas polêmicos como o aborto e a união civil de homossexuais. "Precisamos discutir a organização da família dentro de uma perspectiva moderna, de mudança." O primeiro vice-presidente eleito foi o Padre João (PT-MG). Ruralista – Na Comissão de Meio Ambiente, os deputados elegeram Giovani Cherini (PDT-RS) como novo presidente. O parlamentar faz parte da bancada ruralista e diz que quer acabar com a "disputa entre os que produzem e os que preservam." Reforma tributária – Ao

ser eleito como presidente da Comissão de Finanças e Tributação, o deputado Cláudio Puty (PT-PA) afirmou que os projetos de reforma tributária a serem remetidos pelo governo deverão ser o foco dos debates na comissão. Mídia – Um grupo de deputados, alegando necessidade de discutir e aperfeiçoar a atual legislação no campo da comunicação, planeja criar a Frente Parlamentar pela Liberdade de Expressão e o Direito à Comunicação com Participação Popular. A frente será suprapartidária. Revista íntima – Os deputados aprovaram ontem os projetos que permite aos avós visitar os netos de pais separados e o que proíbe revista íntima feminina em empresas e órgãos públicos. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

12

quinta-feira, 3 de março de 2011

(YHUHVW/HDVLQJ6$$UUHQGDPHQWR0HUFDQWLO $QWHULRUPHQWHGHQRPLQDGD=RJEL/HDVLQJ6$$UUHQGDPHQWR0HUFDQWLO

(PSUHVDGD2UJDQL]DomR%UDGHVFR &13- 6HGH&LGDGHGH'HXV3UpGLR3UDWD$QGDU9LOD<DUD2VDVFR63

5(/$7Ð5,2'$$'0,1,675$d®2 1RH[HUFtFLRD(YHUHVW/HDVLQJUHJLVWURX/XFUR/tTXLGRGH5PLOK}HVFRUUHVSRQGHQWHD5SRUORWHGHPLODo}HV3DWULP{QLR/tTXLGR 6HQKRUHV$FLRQLVWDV 6XEPHWHPRV jDSUHFLDomRGH96DVDV'HPRQVWUDo}HV&RQWiEHLVGRH[HUFtFLRHQFHUUDGRHPGHGH]HPEURGHGD(YHUHVW/HDVLQJ6$ GH5PLOK}HVH$WLYRV7RWDLVGH5PLOK}HV 2VDVFR63GHMDQHLURGH $UUHQGDPHQWR 0HUFDQWLO (YHUHVW /HDVLQJ  DQWHULRUPHQWH GHQRPLQDGD =RJEL /HDVLQJ $UUHQGDPHQWR 0HUFDQWLO 6$ GH DFRUGR FRP DV SUiWLFDV FRQWiEHLV DGRWDGDVQR%UDVLODSOLFiYHLVjVLQVWLWXLo}HVDXWRUL]DGDVDIXQFLRQDUSHOR%DQFR&HQWUDOGR%UDVLO 'LUHWRULD

%$/$1d23$75,021,$/HPGHGH]HPEUR(P5HDLVPLO $7,92 &,5&8/$17( ',6321,%,/,'$'(6 1RWD  $3/,&$d¯(6,17(5),1$1&(,5$6'(/,48,'(= 1RWD  $SOLFDo}HVHP'HSyVLWRV,QWHUILQDQFHLURV  7Ì78/26(9$/25(602%,/,É5,26(,167580(1726),1$1&(,526'(5,9$7,926 1RWDD  &DUWHLUD3UySULD  9LQFXODGRVj3UHVWDomRGH*DUDQWLDV  287526&5e',726 5HQGDVD5HFHEHU  'LYHUVRV 1RWD   2875269$/25(6(%(16 2XWURV9DORUHVH%HQV  3URYLV}HVSDUD'HVYDORUL]Do}HV  5($/,=É9(/$/21*235$=2 287526&5e',726 'LYHUVRV 1RWD   727$/

                  

             

   

3$66,92 &,5&8/$17( 2875$62%5,*$d¯(6 6RFLDLVH(VWDWXWiULDV  )LVFDLVH3UHYLGHQFLiULDV 1RWDD   'LYHUVDV 1RWDE   (;,*Ì9(/$/21*235$=2 2875$62%5,*$d¯(6 )LVFDLVH3UHYLGHQFLiULDV 1RWDD   'LYHUVDV 1RWDE   3$75,0Ñ1,2/Ì48,'2 &DSLWDO 'H'RPLFLOLDGRVQR3DtV 1RWDD   5HVHUYDVGH/XFURV 1RWDE  

          

          

 

 

727$/





$V1RWDV([SOLFDWLYDVVmRSDUWHLQWHJUDQWHGDV'HPRQVWUDo}HV&RQWiEHLV

'(021675$d®2'25(68/7$'2(P5HDLVPLO

'(021675$d®2'2)/8;2'(&$,;$(P5HDLVPLO ([HUFtFLRVILQGRVHP GHGH]HPEUR        

5(&(,7$6'$,17(50(',$d®2),1$1&(,5$ 2SHUDo}HVGH&UpGLWR 5HVXOWDGRGH2SHUDo}HVFRP7tWXORVH9DORUHV0RELOLiULRV 1RWDE 

ž6HPHVWUH    

5(68/7$'2%5872'$,17(50(',$d®2),1$1&(,5$







2875$65(&(,7$6'(63(6$623(5$&,21$,6 2XWUDV'HVSHVDV$GPLQLVWUDWLYDV 1RWD  'HVSHVDV7ULEXWiULDV 1RWD  2XWUDV5HFHLWDV2SHUDFLRQDLV 1RWD  2XWUDV'HVSHVDV2SHUDFLRQDLV 1RWD 

        

        







 

5(68/7$'223(5$&,21$/







5(68/7$'2$17(6'$75,%87$d®262%5(2/8&52







,032672'(5(1'$(&2175,%8,d®262&,$/ 1RWD 

 

 



/8&52/Ì48,'2







1~PHURGHDo}HV 1RWDD  /XFURSRUORWHGHPLODo}HVHP5

 

 

 

([HUFtFLRVILQGRVHP GHGH]HPEUR  

ž6HPHVWUH  )OX[RGH&DL[DGDV$WLYLGDGHV2SHUDFLRQDLV /XFUR/tTXLGRDQWHVGR,PSRVWRGH5HQGDH&RQWULEXLomR6RFLDO $MXVWHVDR/XFUR/tTXLGRDQWHVGRV,PSRVWRV 'HVSHVDV 5HYHUVmR FRP3URYLV}HV&tYHLV7UDEDOKLVWDVH)LVFDLV /XFUR/tTXLGR$MXVWDGR $XPHQWR 5HGXomRHP$SOLFDo}HV,QWHUILQDQFHLUDVGH/LTXLGH] $XPHQWR 5HGXomRHP7tWXORVH9DORUHV0RELOLiULRVH,QVWUXPHQWRV   )LQDQFHLURV'HULYDWLYRV $XPHQWR 5HGXomRHP2XWURV&UpGLWRVH2XWURV9DORUHVH%HQV $XPHQWR 5HGXomR HP2XWUDV2EULJDo}HV ,PSRVWRGH5HQGDH&RQWULEXLomR6RFLDO3DJRV &DL[D/tTXLGR3URYHQLHQWH8WLOL]DGRGDV$WLYLGDGHV2SHUDFLRQDLV )OX[RGH&DL[DGDV$WLYLGDGHVGH)LQDQFLDPHQWRV  'LYLGHQGRV3DJRV &DL[D/tTXLGR3URYHQLHQWHGH$WLYLGDGHVGH)LQDQFLDPHQWRV $XPHQWR 5HGXomR GH&DL[DH(TXLYDOHQWHVGH&DL[D $XPHQWR 5HGXomR  /tTXLGRGH&DL[DH (TXLYDOHQWHVGH&DL[D

     

     

 



 

      

      





 



    

     







 

 

 





,QtFLRGR3HUtRGR )LPGR3HUtRGR $XPHQWR 5HGXomR /tTXLGRGH&DL[D H(TXLYDOHQWHVGH&DL[D

$V1RWDV([SOLFDWLYDVVmRSDUWHLQWHJUDQWHGDV'HPRQVWUDo}HV&RQWiEHLV



$V1RWDV([SOLFDWLYDVVmRSDUWHLQWHJUDQWHGDV'HPRQVWUDo}HV&RQWiEHLV

'(021675$d®2'$6087$d¯(6'23$75,0Ñ1,2/Ì48,'2(P5HDLVPLO &DSLWDO6RFLDO (YHQWRV

&DSLWDO6RFLDO

$XPHQWR

5HDOL]DGR

GH&DSLWDO

5HVHUYDVGH/XFURV /HJDO

/XFURV

(VWDWXWiULDV

$FXPXODGRV

7RWDLV

6DOGRVHP









/XFUR/tTXLGR  'HVWLQDo}HV5HVHUYDV  'LYLGHQGRV3URSRVWRV 

  

  

  

  

6DOGRVHP













6DOGRVHP













+RPRORJDomRGH$XPHQWRGH&DSLWDO  /XFUR/tTXLGR  'HVWLQDo}HV5HVHUYDV  'LYLGHQGRV3URSRVWRV 

   

   

   

6DOGRVHP











/XFUR/tTXLGR  'HVWLQDo}HV5HVHUYDV  'LYLGHQGRV3URSRVWRV 

  

  

  

  

    











6DOGRVHP

    





    

  

     

   

   



$V1RWDV([SOLFDWLYDVVmRSDUWHLQWHJUDQWHGDV'HPRQVWUDo}HV&RQWiEHLV

'(021675$d®2'29$/25$',&,21$'2(P5HDLVPLO 'HVFULomR 5(&(,7$6     ,QWHUPHGLDomR)LQDQFHLUD     2XWUDV ,168026$'48,5,'26'(7(5&(,526    6HUYLoRVGH7HUFHLURV     &RQWULEXLomR6LQGLFDO3DWURQDO     &RQWLEXLo}HV)LODQWUySLFDV     3XEOLFDo}HV     6HUYLoRV7pFQLFRV(VSHFLDOL]DGRV     6HUYLoRVGR6LVWHPD)LQDQFHLUR     2XWUDV  9$/25$',&,21$'2%5872   9$/25$',&,21$'2$',675,%8,5 ',675,%8,d®2'29$/25$',&,21$'2  ,PSRVWRV7D[DVH&RQWULEXLo}HV        )HGHUDO   5HPXQHUDomRGH&DSLWDLV3UySULRV        'LYLGHQGRV         /XFURV5HWLGRV 

ž6HPHVWUH                          

                       

                           

([HUFtFLRVILQGRVHPGHGH]HPEUR                                                      

   







 



 

       

$V1RWDV([SOLFDWLYDVVmRSDUWHLQWHJUDQWHGDV'HPRQVWUDo}HV&RQWiEHLV

127$6(;3/,&$7,9$6'$$'0,1,675$d®2­6'(021675$d¯(6&217É%(,6   &217(;7223(5$&,21$/ $(YHUHVW/HDVLQJ6$$UUHQGDPHQWR0HUFDQWLO (YHUHVW/HDVLQJ WHPFRPRREMHWLYRH[FOXVLYDPHQWHDSUiWLFDGDVRSHUDo}HVGHDUUHQGDPHQWRPHUFDQWLO REVHUYDGDVDVGLVSRVLo}HVGDOHJLVODomRHPYLJRUeSDUWHLQWHJUDQWHGD2UJDQL]DomR%UDGHVFRVHQGRVXDVRSHUDo}HVFRQGX]LGDVGHIRUPDLQWHJUDGDDXP FRQMXQWRGHHPSUHVDVTXHDWXDPQRVPHUFDGRVILQDQFHLURHGHFDSLWDLVXWLOL]DQGRVHGRVUHFXUVRVDGPLQLVWUDWLYRVHWHFQROyJLFRVHQDJHVWmRGHULVFRVH VXDVGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVGHYHPVHUHQWHQGLGDVQHVWHFRQWH[WR (PGHPDLRGHDWUDYpVGR,QVWUXPHQWR3DUWLFXODUGH$OWHUDomRGR&RQWUDWR6RFLDOIRLDOWHUDGDDGHQRPLQDomRGD=RJEL/HDVLQJ6$$UUHQGDPHQWR 0HUFDQWLOSDUD´(YHUHVW/HDVLQJ6$$UUHQGDPHQWR0HUFDQWLOµFXMRSURFHVVRIRLKRPRORJDGRSHOR%DQFR&HQWUDOGR%UDVLO %$&(1 HPGHDJRVWRGH   $35(6(17$d®2'$6'(021675$d¯(6&217É%(,6 $V GHPRQVWUDo}HV FRQWiEHLV IRUDP HODERUDGDV D SDUWLU GDV GLUHWUL]HV FRQWiEHLV HPDQDGDV GDV /HLV QRV  /HL GR 6LVWHPD )LQDQFHLUR 1DFLRQDO  H  /HLGDV6RFLHGDGHVSRU$o}HV FRPDOWHUDo}HVLQWURGX]LGDVSHODV/HLVQRVHSDUDDFRQWDELOL]DomRGDVRSHUDo}HVDVVRFLDGDV jVQRUPDVHLQVWUXo}HVGR&RQVHOKR0RQHWiULR1DFLRQDO &01 HGR%DQFR&HQWUDOGR%UDVLO %$&(1 ,QFOXHPHVWLPDWLYDVHSUHPLVVDVFRPRDPHQVXUDomR GH SURYLV}HV SDUD SHUGDV FRP RSHUDo}HV GH FUpGLWR H GH DUUHQGDPHQWR PHUFDQWLO HVWLPDWLYDV GR YDORU MXVWR GH GHWHUPLQDGRV LQVWUXPHQWRV ILQDQFHLURV SURYLVmR SDUD FRQWLQJrQFLDV SHUGDV SRU UHGXomR DR YDORU UHFXSHUiYHO  LPSDLUPHQW GH WtWXORV H YDORUHV PRELOLiULRV FODVVLILFDGRV QDV FDWHJRULDV WtWXORV GLVSRQtYHLVSDUDYHQGDHWtWXORVPDQWLGRVDWpRYHQFLPHQWRDWLYRVQmRILQDQFHLURVHRXWUDVSURYLV}HV2VUHVXOWDGRVHIHWLYRVSRGHPVHUGLIHUHQWHVGDTXHODV HVWLPDWLYDVHSUHPLVVDV $VDOWHUDo}HVLQWURGX]LGDVUHVSHFWLYDPHQWHSHODV/HLVQRVHQmRSURGX]LUDPHIHLWRVUHOHYDQWHVQDVGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVGD,QVWLWXLomR $VGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVIRUDPDSURYDGDVSHOD$GPLQLVWUDomRHPGHMDQHLURGH

2EULJDo}HV /HJDLV  )LVFDLV H 3UHYLGHQFLiULDV GHFRUUHP GH SURFHVVRV MXGLFLDLV UHODFLRQDGRV D REULJDo}HV WULEXWiULDV FXMR REMHWR GH FRQWHVWDomR p VXD OHJDOLGDGH RX FRQVWLWXFLRQDOLGDGH TXH LQGHSHQGHQWHPHQWH GD DYDOLDomR DFHUFD GD SUREDELOLGDGH GH VXFHVVR WrP RV VHXV PRQWDQWHV UHFRQKHFLGRV LQWHJUDOPHQWHQDVGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLV 1RWDE  L  2XWURVDWLYRVHSDVVLYRV 2VDWLYRVHVWmRGHPRQVWUDGRVSHORVYDORUHVGHUHDOL]DomRLQFOXLQGRTXDQGRDSOLFiYHORVUHQGLPHQWRVHDVYDULDo}HVPRQHWiULDVDXIHULGRV HPEDVH´SUR UDWDµ GLD  H SURYLVmR SDUD SHUGD TXDQGR MXOJDGD QHFHVViULD 2V SDVVLYRV GHPRQVWUDGRV LQFOXHP RV YDORUHV FRQKHFLGRV H PHQVXUiYHLV DFUHVFLGRV GRV HQFDUJRVHGDVYDULDo}HVPRQHWiULDVLQFRUULGRV HPEDVH´SURUDWDµGLD    &$,;$((48,9$/(17(6'(&$,;$  'LVSRQLELOLGDGHVHPPRHGDQDFLRQDO 7RWDOGHGLVSRQLELOLGDGHV FDL[D  7RWDOFDL[DHHTXLYDOHQWHVGHFDL[D

(PGHGH]HPEUR5PLO       

  $3/,&$d¯(6,17(5),1$1&(,5$6'(/,48,'(= D  &ODVVLILFDomRSRUFDWHJRULDVHSUD]RV

(PGHGH]HPEUR5PLO 7RWDO   D  0RHGDIXQFLRQDOHGHDSUHVHQWDomR $SOLFDo}HVHPGHSyVLWRVLQWHUILQDQFHLURV    $VGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVHVWmRDSUHVHQWDGDVHPUHDLVTXHpDPRHGDIXQFLRQDOGR%UDGHVFR 7RWDOHP   E  $SXUDomRGRUHVXOWDGR 7RWDOHP   2UHVXOWDGRpDSXUDGRGHDFRUGRFRPRUHJLPHGHFRPSHWrQFLDTXHHVWDEHOHFHTXHDVUHFHLWDVHGHVSHVDVGHYHPVHULQFOXtGDVQDDSXUDomRGRVUHVXOWDGRV E $VUHFHLWDVGHDSOLFDo}HVLQWHUILQDQFHLUDVQRPRQWDQWHGH5PLO ²5PLO IRUDPUHJLVWUDGDVHPUHVXOWDGRGHRSHUDo}HVFRPWtWXORV GRVSHUtRGRVHPTXHRFRUUHUHPVHPSUHVLPXOWDQHDPHQWHTXDQGRVHFRUUHODFLRQDUHPLQGHSHQGHQWHPHQWHGHUHFHELPHQWRRXSDJDPHQWR$VRSHUDo}HV HYDORUHVPRELOLiULRV 1RWDE  FRPWD[DVSUHIL[DGDVVmRUHJLVWUDGDVSHORYDORUGHUHVJDWHHDVUHFHLWDVHGHVSHVDVFRUUHVSRQGHQWHVDRSHUtRGRIXWXURVmRDSUHVHQWDGDVHPFRQWDUHGXWRUD GRVUHVSHFWLYRVDWLYRVHSDVVLYRV$VUHFHLWDVHGHVSHVDVGHQDWXUH]DILQDQFHLUDVmRFRQWDELOL]DGDVSHORFULWpULR´SURUDWDµGLDHFDOFXODGDVFRPEDVHQR   7Ì78/26(9$/25(602%,/,É5,26(,167580(1726),1$1&(,526'(5,9$7,926 PpWRGRH[SRQHQFLDOH[FHWRDTXHODVUHODWLYDVDWtWXORVGHVFRQWDGRVRXUHODFLRQDGDVDRSHUDo}HVQRH[WHULRUTXHVmRFDOFXODGDVFRPEDVHQRPpWRGROLQHDU D  &ODVVLILFDomRSRUFDWHJRULDVHSUD]RV $VRSHUDo}HVFRPWD[DVSyVIL[DGDVRXLQGH[DGDVDPRHGDVHVWUDQJHLUDVVmRDWXDOL]DGDVDWpDGDWDGREDODQoR (PGHGH]HPEUR5PLO F  &DL[DHHTXLYDOHQWHVGHFDL[D     &DL[DHHTXLYDOHQWHVGHFDL[DVmRUHSUHVHQWDGRVSRUGLVSRQLELOLGDGHVHPPRHGDQDFLRQDOPRHGDHVWUDQJHLUDDSOLFDo}HVHPRXURDSOLFDo}HVQRPHUFDGR $FLPD 9DORUGH 9DORUGH 0DUFDomR 9DORUGH 0DUFDomR DEHUWRHDSOLFDo}HVHPGHSyVLWRVLQWHUILQDQFHLURVFXMRYHQFLPHQWRGDVRSHUDo}HVQDGDWDGDHIHWLYDDSOLFDomRVHMDLJXDORXLQIHULRUDGLDVHDSUHVHQWHP D D D GH PHUFDGR FXVWR D PHUFDGR D ULVFRLQVLJQLILFDQWHGHPXGDQoDGHYDORUMXVWRTXHVmRXWLOL]DGRVSHOD,QVWLWXLomRSDUDJHUHQFLDPHQWRGHVHXVFRPSURPLVVRVGHFXUWRSUD]R 7tWXORV   GLDV GLDV GLDV GLDV FRQWiELO   DWXDOL]DGR PHUFDGR FRQWiELO   PHUFDGR G  $SOLFDo}HVLQWHUILQDQFHLUDVGHOLTXLGH] 7tWXORVSDUDQHJRFLDomR          6mRUHJLVWUDGDVDRFXVWRGHDTXLVLomRDFUHVFLGDVGRVUHQGLPHQWRVDXIHULGRVDWpDGDWDGREDODQoRGHGX]LGDVGHSURYLVmRSDUDGHVYDORUL]DomRTXDQGRDSOLFiYHO &HUWLILFDGRVGHGHSyVLWREDQFiULR 'HErQWXUHV          H  7tWXORVHYDORUHVPRELOLiULRVFODVVLILFDomR /HWUDVGRWHVRXURQDFLRQDO          7tWXORVSDUDQHJRFLDomR²DGTXLULGRVFRPRSURSyVLWRGHVHUHPDWLYDHIUHTXHQWHPHQWHQHJRFLDGRV6mRDMXVWDGRVSHORYDORUGHPHUFDGRHPFRQWUDSDUWLGD 1RWDVGRWHVRXURQDFLRQDO          DRUHVXOWDGRGRSHUtRGR /HWUDVILQDQFHLUDVGRWHVRXUR          

7tWXORVGLVSRQtYHLVSDUDYHQGD²TXHQmRVHHQTXDGUHPFRPRSDUDQHJRFLDomRQHPFRPRPDQWLGRVDWpRYHQFLPHQWR6mRDMXVWDGRVDRYDORUGHPHUFDGR 2XWURV          HPFRQWUDSDUWLGDjFRQWDGHVWDFDGDGRSDWULP{QLROtTXLGRGHGX]LGRVGRVHIHLWRVWULEXWiULRVH 7RWDOHP       

7tWXORVPDQWLGRVDWpRYHQFLPHQWR²DGTXLULGRVFRPDLQWHQomRHFDSDFLGDGHILQDQFHLUDSDUDVXDPDQXWHQomRHPFDUWHLUDDWpRYHQFLPHQWR6mRDYDOLDGRV 7RWDOHP      

SHORFXVWRGHDTXLVLomRDFUHVFLGRVGRVUHQGLPHQWRVDXIHULGRVHPFRQWUDSDUWLGDDRUHVXOWDGRGRSHUtRGR   $VDSOLFDo}HVHPFRWDVGHIXQGRVGHLQYHVWLPHQWRDGPLQLVWUDGRVSHOR&RQJORPHUDGR%UDGHVFRIRUDPGLVWULEXtGDVGHDFRUGRFRPRVSDSpLVTXHFRPS}HPVXDVFDUWHLUDVHQRFDVR 2VWtWXORVHYDORUHVPRELOLiULRVFODVVLILFDGRVQDVFDWHJRULDVGHQHJRFLDomRHGLVSRQtYHOSDUDYHQGDEHPFRPRRVLQVWUXPHQWRVILQDQFHLURVGHULYDWLYRVVmR GH RSHUDo}HV FRPSURPLVVDGDV SHORV UHVSHFWLYRV SDSpLV TXH HVWmR ODVWUHDQGR DV RSHUDo}HV SUHVHUYDQGR D FODVVLILFDomR GD FDWHJRULD GRV IXQGRV 1D GLVWULEXLomR GRV SUD]RV IRUDP GHPRQVWUDGRVQREDODQoRSDWULPRQLDOSHORVHXYDORUMXVWRHVWLPDGR2YDORUMXVWRJHUDOPHQWHEDVHLDVHHPFRWDo}HVGHSUHoRVGHPHUFDGRRXFRWDo}HVGH FRQVLGHUDGRVRVYHQFLPHQWRVGRVSDSpLVLQGHSHQGHQWHPHQWHGHVXDFODVVLILFDomRFRQWiELOH SUHoRVGHPHUFDGRSDUDDWLYRVRXSDVVLYRVFRPFDUDFWHUtVWLFDVVHPHOKDQWHV6HHVVHVSUHoRVGHPHUFDGRQmRHVWLYHUHPGLVSRQtYHLVRVYDORUHVMXVWRVVmR   2YDORUGHPHUFDGRGRVWtWXORVHYDORUHVPRELOLiULRVpDSXUDGRGHDFRUGRFRPDFRWDomRGHSUHoRGHPHUFDGRGLVSRQtYHOQDGDWDGREDODQoR6HQmRKRXYHUFRWDomRGHSUHoRVGHPHUFDGR EDVHDGRVHPFRWDo}HVGHRSHUDGRUHVGHPHUFDGRPRGHORVGHSUHFLILFDomRIOX[RGHFDL[DGHVFRQWDGRRXWpFQLFDVVLPLODUHVSDUDDVTXDLVDGHWHUPLQDomR GLVSRQtYHORVYDORUHVVmRHVWLPDGRVFRPEDVHHPFRWDo}HVGHGLVWULEXLGRUHVPRGHORVGHGHILQLo}HVGHSUHoRVPRGHORVGHFRWDo}HVRXFRWDo}HVGHSUHoRVSDUDLQVWUXPHQWRVFRP GRYDORUMXVWRSRVVDH[LJLUMXOJDPHQWRRXHVWLPDWLYDVLJQLILFDWLYDSRUSDUWHGD$GPLQLVWUDomR FDUDFWHUtVWLFDVVHPHOKDQWHV1RFDVRGDVDSOLFDo}HVHPIXQGRVGHLQYHVWLPHQWRVRFXVWRDWXDOL]DGRUHIOHWHRYDORUGDVUHVSHFWLYDVFRWDV I  ,PSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDO DWLYRHSDVVLYR

E  5HVXOWDGRGHRSHUDo}HVFRPWtWXORVHYDORUHVPRELOLiULRV 2VFUpGLWRVWULEXWiULRVGHLPSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDOVREUHROXFUROtTXLGRFDOFXODGRVVREUHDGLo}HVWHPSRUiULDV VmRUHJLVWUDGRVQDUXEULFD ([HUFtFLRVILQGRVHPGHGH]HPEUR5PLO ´2XWURV&UpGLWRV²'LYHUVRVµHDSURYLVmRSDUDDVREULJDo}HVILVFDLVGLIHULGDVVREUHDMXVWHVDYDORUGHPHUFDGRGRVWtWXORVHYDORUHVPRELOLiULRVpUHJLVWUDGD   QDUXEULFD´2XWUDV 2EULJDo}HV)LVFDLVH3UHYLGHQFLiULDVµ $SOLFDo}HVLQWHUILQDQFHLUDVGHOLTXLGH] 1RWDE    2V FUpGLWRV WULEXWiULRV VREUH DGLo}HV WHPSRUiULDV VHUmR UHDOL]DGRV TXDQGR GD XWLOL]DomR HRX UHYHUVmR GDV UHVSHFWLYDV SURYLV}HV VREUH DV TXDLV IRUDP 7tWXORVGHUHQGDIL[D   FRQVWLWXtGRV7DLVFUpGLWRVWULEXWiULRVVmRUHFRQKHFLGRVFRQWDELOPHQWHEDVHDGRVQDVH[SHFWDWLYDVDWXDLVGHUHDOL]DomRFRQVLGHUDQGRRVHVWXGRVWpFQLFRVH )XQGRVGHLQYHVWLPHQWR   DQiOLVHVUHDOL]DGDVSHOD$GPLQLVWUDomR 7RWDO   $SURYLVmRSDUDLPSRVWRGHUHQGDpFRQVWLWXtGDjDOtTXRWDEDVHGHGROXFURWULEXWiYHODFUHVFLGDGHDGLFLRQDOGH F $(YHUHVW/HDVLQJQmRSRVVXtDRSHUDo}HVFRPLQVWUXPHQWRVILQDQFHLURVGHULYDWLYRVHPGHGH]HPEURGHHGH $FRQWULEXLomRVRFLDOVREUHROXFURpFDOFXODGDFRQVLGHUDQGRDDOtTXRWDGHSDUDHPSUHVDVGRVHJPHQWRILQDQFHLUR   287526&5e',726',9(5626 )RUDPFRQVWLWXtGDVSURYLV}HVSDUDRVGHPDLVLPSRVWRVHFRQWULEXLo}HVVRFLDLVGHDFRUGRFRPDVUHVSHFWLYDVOHJLVODo}HVYLJHQWHV (PGHGH]HPEUR5PLO 'HDFRUGRFRPD/HLQºDVPRGLILFDo}HVQRFULWpULRGHUHFRQKHFLPHQWRGHUHFHLWDFXVWRVHGHVSHVDVFRPSXWDGDVQDDSXUDomRGROXFUROtTXLGR GRH[HUFtFLRLQWURGX]LGDVSHOD/HLQºHSHORVDUWLJRVHGD/HLQºQmRWHUmRHIHLWRVSDUDILQVGHDSXUDomRGROXFURUHDOGHYHQGRVHU   FRQVLGHUDGRVSDUDILQVWULEXWiULRVRVPpWRGRVHFULWpULRVFRQWiEHLVYLJHQWHVHPGHGH]HPEURGH3DUDILQVFRQWiEHLVRVHIHLWRVWULEXWiULRVGDDGRomR 'HYHGRUHVSRUGHSyVLWRVHPJDUDQWLD   GDVPHQFLRQDGDV/HLVHVWmRUHJLVWUDGRVQRVDWLYRVHSDVVLYRVGLIHULGRVFRUUHVSRQGHQWHV &UpGLWRVWULEXWiULRV 1RWDF    2So}HVSRULQFHQWLYRVILVFDLV     J  5HGXomRDRYDORUUHFXSHUiYHOGHDWLYRVQmRILQDQFHLURV LPSDLUPHQW

  2VWtWXORVHYDORUHVPRELOLiULRVFODVVLILFDGRVQDVFDWHJRULDVWtWXORVGLVSRQtYHLVSDUDYHQGDHWtWXORVPDQWLGRVDWpRYHQFLPHQWRHDWLYRVQmRILQDQFHLURVH[FHWRRXWURV 2XWURV   YDORUHVHEHQVHFUpGLWRVWULEXWiULRVVmRUHYLVWRVQRPtQLPRDQXDOPHQWHSDUDGHWHUPLQDUVHKiDOJXPDLQGLFDomRGHSHUGDSRUUHGXomRDRYDORUUHFXSHUiYHO 7RWDO   35,1&,3$,6',5(75,=(6&217É%(,6

D GLDV

D GLDV  

LPSDLUPHQWTXHpUHFRQKHFLGDQRUHVXOWDGRGRH[HUFtFLRTXDQGRRYDORUFRQWiELOGHXPDWLYRH[FHGHURVHXYDORUUHFXSHUiYHO DSXUDGRSHOR L VHXSRWHQFLDOYDORU   $7,926(3$66,926&217,1*(17(6(2%5,*$d¯(6/(*$,6),6&$,6(35(9,'(1&,É5,$6 GHYHQGDRXYDORUGHUHDOL]DomRGHGX]LGRGDVUHVSHFWLYDVGHVSHVDVRX LL SHORYDORUHPXVRFDOFXODGRSHODXQLGDGHJHUDGRUDGHFDL[DGRVGRLVRPDLRU 8PD XQLGDGHJHUDGRUDGHFDL[DpRPHQRUJUXSRLGHQWLILFiYHOGHDWLYRVTXHJHUDIOX[RVGHFDL[DVXEVWDQFLDOPHQWHLQGHSHQGHQWHVGHRXWURVDWLYRVHJUXSRV D  $WLYRVFRQWLQJHQWHV 1mRVmRUHFRQKHFLGRVFRQWDELOPHQWHDWLYRVFRQWLQJHQWHV K  $WLYRVH3DVVLYRVFRQWLQJHQWHVH2EULJDo}HV/HJDLV)LVFDLVH3UHYLGHQFLiULDV 2UHFRQKHFLPHQWRDPHQVXUDomRHDGLYXOJDomRGDVFRQWLQJrQFLDVDWLYDVHSDVVLYDVHREULJDo}HVOHJDLVVmRHIHWXDGRVGHDFRUGRFRPRVFULWpULRVGHILQLGRV QD5HVROXomRQºGR&01H'HOLEHUDomR&90QºVHQGR ‡ $WLYRV &RQWLQJHQWHV QmR VmR UHFRQKHFLGRV FRQWDELOPHQWH H[FHWR TXDQGR D $GPLQLVWUDomR SRVVXL WRWDO FRQWUROH GD VLWXDomR RX TXDQGR Ki JDUDQWLDV UHDLVRXGHFLV}HVMXGLFLDLVIDYRUiYHLVVREUHDVTXDLVQmRFDLEDPPDLVUHFXUVRVFDUDFWHUL]DQGRRJDQKRFRPRSUDWLFDPHQWHFHUWRHSHODFRQILUPDomRGD FDSDFLGDGHGHVXDUHFXSHUDomRSRUUHFHELPHQWRRXFRPSHQVDomRFRPRXWURSDVVLYRH[LJtYHO2VDWLYRVFRQWLQJHQWHVFXMDH[SHFWDWLYDGHr[LWRpSURYiYHO VmRGLYXOJDGRVQDVQRWDVH[SOLFDWLYDV 1RWDD  ‡ 3DVVLYRV&RQWLQJHQWHVVmRFRQVWLWXtGRVOHYDQGRHPFRQWDDRSLQLmRGRVDVVHVVRUHVMXUtGLFRVDQDWXUH]DGDVDo}HVDVLPLODULGDGHFRPSURFHVVRVDQWHULRUHV DFRPSOH[LGDGHHRSRVLFLRQDPHQWRGH7ULEXQDLVVHPSUHTXHDSHUGDIRUDYDOLDGDFRPRSURYiYHORTXHRFDVLRQDULDXPDSURYiYHOVDtGDGHUHFXUVRVSDUDD OLTXLGDomRGDVREULJDo}HVHTXDQGRRVPRQWDQWHVHQYROYLGRVIRUHPPHQVXUiYHLVFRPVXILFLHQWHVHJXUDQoD2VSDVVLYRVFRQWLQJHQWHVFODVVLILFDGRVFRPR GHSHUGDVSRVVtYHLVQmRVmRUHFRQKHFLGRVFRQWDELOPHQWHGHYHQGRVHUDSHQDVGLYXOJDGRVQDVQRWDVH[SOLFDWLYDVTXDQGRLQGLYLGXDOPHQWHUHOHYDQWHVHRV FODVVLILFDGRVFRPRUHPRWRVQmRUHTXHUHPSURYLVmRHQHPGLYXOJDomR 1RWDEHF 

E  3DVVLYRVFRQWLQJHQWHVFODVVLILFDGRVFRPRSHUGDVSURYiYHLVHREULJDo}HVOHJDLVILVFDLVHSUHYLGHQFLiULDV $,QVWLWXLomRpSDUWHHPSURFHVVRVMXGLFLDLVGHQDWXUH]DWUDEDOKLVWDHILVFDOGHFRUUHQWHVGRFXUVRQRUPDOGHVXDVDWLYLGDGHV $VSURYLV}HVIRUDPFRQVWLWXtGDVOHYDQGRHPFRQWDDRSLQLmRGRVDVVHVVRUHVMXUtGLFRVDQDWXUH]DGDVDo}HVDVLPLODULGDGHFRPSURFHVVRVDQWHULRUHVD FRPSOH[LGDGHHRSRVLFLRQDPHQWRGH7ULEXQDLVVHPSUHTXHDSHUGDIRUDYDOLDGDFRPRSURYiYHO $$GPLQLVWUDomRGD,QVWLWXLomRHQWHQGHTXHDSURYLVmRFRQVWLWXtGDpVXILFLHQWHSDUDDWHQGHUDVSHUGDVGHFRUUHQWHVGRVUHVSHFWLYRVSURFHVVRV 2SDVVLYRUHODFLRQDGRjREULJDomROHJDOHPGLVFXVVmRMXGLFLDOpPDQWLGRDWpRJDQKRGHILQLWLYRGDDomRUHSUHVHQWDGRSRUGHFLV}HVMXGLFLDLVIDYRUiYHLVVREUH DVTXDLVQmRFDEHPPDLVUHFXUVRVRXDVXDSUHVFULomR ,3URFHVVRVWUDEDOKLVWDV 6mRDo}HVDMXL]DGDVSRUH[HPSUHJDGRVYLVDQGRREWHULQGHQL]Do}HVHPHVSHFLDORSDJDPHQWRGH´KRUDVH[WUDVµ1RVSURFHVVRVHPTXHpH[LJLGRGHSyVLWR MXGLFLDORYDORUGDVFRQWLQJrQFLDVWUDEDOKLVWDVpFRQVWLWXtGRFRQVLGHUDQGRDHIHWLYDSHUVSHFWLYDGHSHUGDGHVWHVGHSyVLWRV &RQWLQXD


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 3 de março de 2011

13

&RQWLQXDomR

(YHUHVW/HDVLQJ6$$UUHQGDPHQWR0HUFDQWLO $QWHULRUPHQWHGHQRPLQDGD=RJEL/HDVLQJ6$$UUHQGDPHQWR0HUFDQWLO

(PSUHVDGD2UJDQL]DomR%UDGHVFR &13- 6HGH&LGDGHGH'HXV3UpGLR3UDWD$QGDU9LOD<DUD2VDVFR63

127$6(;3/,&$7,9$6'$$'0,1,675$d®2­6'(021675$d¯(6&217É%(,6 ,,2EULJDo}HVOHJDLVILVFDLVHSUHYLGHQFLiULDV   75$16$d¯(6&202&21752/$'25((035(6$6/,*$'$6 $,QVWLWXLomRYHPGLVFXWLQGRMXGLFLDOPHQWHDOHJDOLGDGHHFRQVWLWXFLRQDOLGDGHGHDOJXQVWULEXWRVHFRQWULEXLo}HVRVTXDLVHVWmRWRWDOPHQWHSURYLVLRQDGRVQmR D  $VWUDQVDo}HVFRPRFRQWURODGRUHHPSUHVDVOLJDGDVHVWmRDVVLPUHSUHVHQWDGDV REVWDQWHDVERDVFKDQFHVGHr[LWRDPpGLRHORQJRSUD]RGHDFRUGRFRPDRSLQLmRGRVDVVHVVRUHVMXUtGLFRV (PGHGH]HPEUR5PLO     ,,,0RYLPHQWDomRGDVSURYLV}HVFRQVWLWXtGDV $WLYRV $WLYRV 5HFHLWDV 5HFHLWDV (PGHGH]HPEUR5PLO SDVVLYRV   SDVVLYRV  GHVSHVDV   GHVSHVDV

 )LVFDLVH 'LVSRQLELOLGDGHV 7UDEDOKLVWDV 3UHYLGHQFLiULDV 

%DQFR%UDGHVFR6$     6DOGRVQRLQtFLRGRH[HUFtFLR   $SOLFDo}HVHPGHSyVLWRVLQWHUILQDQFHLURV &RQVWLWXLo}HVOtTXLGDVGHUHYHUV}HVHEDL[DV   %DQFR%UDGHVFR6$     'LYLGHQGRV 3DJDPHQWRV    %DQFR)LQDVD%0&6$       $WXDOL]DomRPRQHWiULD   6DOGRVQRILQDOGRH[HUFtFLR 1RWD    E 5HPXQHUDomRGRSHVVRDOFKDYHGD$GPLQLVWUDomR   &RPSUHHQGHVXEVWDQFLDOPHQWHREULJDo}HVOHJDLV $QXDOPHQWHQD$VVHPEOHLD*HUDO2UGLQiULDpIL[DGR ‡ 2PRQWDQWHJOREDODQXDOGDUHPXQHUDomRGRV$GPLQLVWUDGRUHVTXHpGLVWULEXtGDHPUHXQLmRGR&RQVHOKRGH$GPLQLVWUDomRGD2UJDQL]DomR%UDGHVFRDRV F  3DVVLYRVFRQWLQJHQWHVFODVVLILFDGRVFRPRSHUGDVSRVVtYHLV PHPEURVGRSUySULR&RQVHOKRHGD'LUHWRULDFRQIRUPHGHWHUPLQDR(VWDWXWR6RFLDOH $,QVWLWXLomRPDQWpPXPVLVWHPDGHDFRPSDQKDPHQWRSDUDWRGRVRVSURFHVVRVDGPLQLVWUDWLYRVHMXGLFLDLVHPTXHD,QVWLWXLomRILJXUDFRPR´DXWRUDµRX´UpµH ‡ $YHUEDGHVWLQDGDDFXVWHDU3ODQRVGH3UHYLGrQFLD&RPSOHPHQWDUDEHUWDGRV$GPLQLVWUDGRUHVGHQWURGR3ODQRGH3UHYLGrQFLDGHVWLQDGRDRV)XQFLRQiULRV DPSDUDGDQDRSLQLmRGRVDVVHVVRUHVMXUtGLFRVFODVVLILFDDVDo}HVGHDFRUGRFRPDH[SHFWDWLYDGHLQVXFHVVR3HULRGLFDPHQWHVmRUHDOL]DGDVDQiOLVHVVREUH H$GPLQLVWUDGRUHVGD,QVWLWXLomR DVWHQGrQFLDVMXULVSUXGHQFLDLVHHIHWLYDGDVHQHFHVViULDDUHFODVVLILFDomRGRVULVFRVGHVVHVSURFHVVRV1HVWHFRQWH[WRRVSURFHVVRVFRQWLQJHQWHVDYDOLDGRV $ ,QVWLWXLomR p SDUWH LQWHJUDQWH GD RUJDQL]DomR %UDGHVFR H VHXV DGPLQLVWUDGRUHV VmR UHPXQHUDGRV SHORV FDUJRV TXH RFXSDP QR %DQFR %UDGHVFR 6$ FRPRGHULVFRGHSHUGDSRVVtYHOQmRVmRUHFRQKHFLGRVFRQWDELOPHQWH FRQWURODGRUGD&RPSDQKLD G (PGHGH]HPEURGHHGHQmRKiSURFHVVRVFRQWLQJHQWHVDYDOLDGRVFRPRGHSHUGDSRVVtYHOGHQDWXUH]DUHOHYDQWH $,QVWLWXLomRQmRSRVVXLEHQHItFLRVGHORQJRSUD]RGHUHVFLVmRGHFRQWUDWRGHWUDEDOKRRXUHPXQHUDomREDVHDGDHPDo}HVSDUDVHXSHVVRDOFKDYHGD$GPLQLVWUDomR 2XWUDVLQIRUPDo}HV   2875$62%5,*$d¯(6 &RQIRUPHOHJLVODomRHPYLJRUDVLQVWLWXLo}HVILQDQFHLUDVQmRSRGHPFRQFHGHUHPSUpVWLPRVRXDGLDQWDPHQWRVSDUD D  )LVFDLVHSUHYLGHQFLiULDV D  'LUHWRUHVHPHPEURVGRVFRQVHOKRVFRQVXOWLYRVRXDGPLQLVWUDWLYRILVFDLVHVHPHOKDQWHVEHPFRPRDRVUHVSHFWLYRVF{QMXJHVHSDUHQWHVDWpRºJUDX (PGHGH]HPEUR5PLO E  3HVVRDVItVLFDVRXMXUtGLFDVTXHSDUWLFLSHPGHVHXFDSLWDOFRPPDLVGHH   F  3HVVRDVMXUtGLFDVGHFXMRFDSLWDOSDUWLFLSHPFRPPDLVGHDSUySULDLQVWLWXLomRILQDQFHLUDTXDLVTXHUGLUHWRUHVRXDGPLQLVWUDGRUHVGDSUySULDLQVWLWXLomR EHPFRPRVHXVF{QMXJHVHUHVSHFWLYRVSDUHQWHVDWpRºJUDX ,PSRVWRVHFRQWULEXLo}HVVREUHOXFURVDSDJDU   'HVVDIRUPDQmRVmRHIHWXDGRVSHODVLQVWLWXLo}HVILQDQFHLUDVHPSUpVWLPRVRXDGLDQWDPHQWRVDTXDOTXHUVXEVLGLiULDPHPEURVGR&RQVHOKRGH$GPLQLVWUDomR 3URYLVmRSDUDULVFRVILVFDLV 1RWDE    RXGD'LUHWRULD([HFXWLYDHVHXVIDPLOLDUHV ,PSRVWRVHFRQWULEXLo}HVDUHFROKHU   3URYLVmRSDUDLPSRVWRVHFRQWULEXLo}HVGLIHULGDV 1RWDF      ,032672'(5(1'$(&2175,%8,d®262&,$/ 7RWDO   D  'HPRQVWUDomRGRFiOFXORGRVHQFDUJRVFRPLPSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDO E  'LYHUVRV ([HUFtFLRVILQGRVHPGHGH]HPEUR5PLO (PGHGH]HPEUR5PLO     5HVXOWDGRDQWHVGRLPSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDO   (QFDUJRWRWDOGRLPSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDOjVDOtTXRWDVGHHUHVSHFWLYDPHQWH     

3URYLVmRSDUDSDJDPHQWRDHIHWXDU   (IHLWRVGDVDGLo}HVHH[FOXV}HVQRFiOFXORGRVWULEXWRV 3URYLVmRSDUDFRQWLQJrQFLDVWUDEDOKLVWDV 1RWDE    2XWURVYDORUHV   9DORUHVDSDJDUDVRFLHGDGHVOLJDGDV   ,PSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDOGRH[HUFtFLR   

7RWDO     $DOtTXRWDGDFRQWULEXLomRVRFLDOSDUDDVHPSUHVDVGRVHJPHQWRILQDQFHLURIRLHOHYDGDSDUDGHDFRUGRFRPD/HLQº 1RWDI   3$75,0Ñ1,2/Ì48,'2 E  &RPSRVLomRGDFRQWDGHUHVXOWDGRGRLPSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDO ([HUFtFLRVILQGRVHPGHGH]HPEUR5PLO D 2FDSLWDOVRFLDOWRWDOPHQWHVXEVFULWRHLQWHJUDOL]DGRQRPRQWDQWHGH5PLO ²5PLO pFRPSRVWRSRUDo}HVRUGLQiULDV   QRPLQDWLYDVHVFULWXUDLVVHPYDORUQRPLQDO ,PSRVWRVFRUUHQWHV E  5HVHUYDVGHOXFURV ,PSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDOGHYLGRV   

,PSRVWRVGLIHULGRV (PGHGH]HPEUR5PLO &RQVWLWXLomR UHDOL]DomR QRH[HUFtFLRVREUHDGLo}HVWHPSRUiULDV   

  7RWDOGRVLPSRVWRVGLIHULGRV   

5HVHUYDVGH/XFURV   ,PSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDOGRH[HUFtFLR   

5HVHUYD/HJDO     F  2ULJHPGRVFUpGLWRVWULEXWiULRVGHLPSRVWRGHUHQGDHFRQWULEXLomRVRFLDOGLIHULGRV 5HVHUYD(VWDWXWiULD     5PLO   &RQVWLWXtGDREULJDWRULDPHQWHjEDVHGHGROXFUROtTXLGRGRH[HUFtFLRDWpDWLQJLUGRFDSLWDOVRFLDOUHDOL]DGRRXGRFDSLWDOVRFLDODFUHVFLGRGDVUHVHUYDVGHFDSLWDO$SyVHVVH 6DOGRHP 6DOGRHP OLPLWHDDSURSULDomRQmRPDLVVHID]REULJDWyULD$UHVHUYDOHJDOVRPHQWHSRGHUiVHUXWLOL]DGDSDUDDXPHQWRGHFDSLWDORXSDUDFRPSHQVDUSUHMXt]RVH  &RQVWLWXLomR 5HDOL]DomR    9LVDQGRj PDQXWHQomRGHPDUJHPRSHUDFLRQDOFRPSDWtYHOFRPRGHVHQYROYLPHQWRGDVRSHUDo}HVDWLYDVGDVRFLHGDGHSRGHVHUFRQVWLWXtGDHPGROXFUROtTXLGRUHPDQHVFHQWHDSyV 3URYLV}HVSDUDSHUGDGHLQYHVWLPHQWRV     GHVWLQDo}HVHVWDWXWiULDVVHQGRRVDOGROLPLWDGRDGR&DSLWDO6RFLDO,QWHJUDOL]DGR 3URYLV}HVSDUDEHQVQmRGHXVR     3URYLV}HVSDUDFRQWLQJrQFLDVILVFDLVHWUDEDOKLVWDV     F  'LYLGHQGRV 2XWURVYDORUHV     $RVDFLRQLVWDVHVWiDVVHJXUDGRGLYLGHQGRVPtQLPRREULJDWyULRHPFDGDH[HUFtFLRGHLPSRUWkQFLDQmRLQIHULRUDGROXFUROtTXLGRDMXVWDGRQRVWHUPRVGD 7RWDOGRVFUpGLWRVWULEXWiULRV 1RWD          OHJLVODomRVRFLHWiULD1RH[HUFtFLRIRUDPSURYLVLRQDGRVGLYLGHQGRVQRPRQWDQWHGH5PLO ²5PLO FRUUHVSRQGHQGRD5 ²5  2EULJDo}HVILVFDLVGLIHULGDV 1RWDD  7RWDOGRVFUpGLWRVWULEXWiULRV     SRUORWHGHPLODo}HV2VGLYLGHQGRVGRH[HUFtFLRGHIRUDPSDJRVHPGHGH]HPEURGH G  3UHYLVmRGHUHDOL]DomRGRVFUpGLWRVWULEXWiULRVVREUHGLIHUHQoDVWHPSRUiULDV

  2875$6'(63(6$6$'0,1,675$7,9$6

3URSDJDQGDHSXEOLFLGDGH 6HUYLoRVGHWHUFHLURV 6HUYLoRVWpFQLFRVHVSHFLDOL]DGRV 6LVWHPDILQDQFHLUR 'RQDWLYRVHFRQWULEXLo}HV 2XWUDV 7RWDO

([HUFtFLRVILQGRVHPGHGH]HPEUR5PLO                

  '(63(6$675,%87É5,$6

&2),16 3,6 7RWDO

([HUFtFLRVILQGRVHPGHGH]HPEUR5PLO        

  2875$65(&(,7$6 '(63(6$6 23(5$&,21$,6

5HYHUVmRGHSURYLV}HVRSHUDFLRQDLV 9DULDo}HVPRQHWiULDV 3URYLVmRSDUDFRQWLQJrQFLDVFtYHLV 2XWUDV 7RWDO

([HUFtFLRVILQGRVHPGHGH]HPEUR5PLO       

  

  

  

(PGHGH]HPEURGH5PLO 'LIHUHQoDVWHPSRUiULDV ,PSRVWR &RQWULEXLomR GHUHQGD VRFLDO 7RWDO                     7RWDO    $SURMHomRGHUHDOL]DomRGHFUpGLWRWULEXWiULRpXPDHVWLPDWLYDHQmRHVWiGLUHWDPHQWHUHODFLRQDGDjH[SHFWDWLYDGHOXFURVFRQWiEHLV 2YDORUSUHVHQWHGRVFUpGLWRVWULEXWiULRVFDOFXODGRVFRQVLGHUDQGRDWD[DPpGLDGHFDSWDomROtTXLGDGRVHIHLWRVWULEXWiULRVPRQWDD5PLO ²5 PLO GHGLIHUHQoDVWHPSRUiULDV   2875$6,1)250$d¯(6 (P DGHUrQFLD DR SURFHVVR GH FRQYHUJrQFLD FRP DV QRUPDV LQWHUQDFLRQDLV GH FRQWDELOLGDGH DOJXPDV QRUPDV H VXDV LQWHUSUHWDo}HV IRUDP HPLWLGDV SHOR &RPLWrGH3URQXQFLDPHQWRV&RQWiEHLV &3& DVTXDLVVHUmRDSOLFiYHLVDVLQVWLWXLo}HVILQDQFHLUDVVRPHQWHTXDQGRDSURYDGDVSHOD&012VSURQXQFLDPHQWRV FRQWiEHLVMiDSURYDGRVIRUDP ‡ 5HVROXomRQº²5HGXomRDR9DORU5HFXSHUiYHOGH$WLYRV &3&  ‡ 5HVROXomRQº²'HPRQVWUDomRGR)OX[RGH&DL[D &3&  ‡ 5HVROXomRQº²'LYXOJDomRVREUH3DUWHV5HODFLRQDGDV &3& H ‡ 5HVROXomRQº²3URYLV}HV3DVVLYRV&RQWLQJHQWHVH$WLYRV&RQWLQJHQWHV &3&  $WXDOPHQWHQmRpSRVVtYHOHVWLPDUTXDQGRR%$&(1LUiDSURYDURVGHPDLVSURQXQFLDPHQWRVFRQWiEHLVGR&3&HQHPWDPSRXFRVHDXWLOL]DomRGRVPHVPRV VHUi GH PDQHLUD SURVSHFWLYD RX UHWURVSHFWLYD &RP LVVR DLQGD QmR p SRVVtYHO HVWLPDU RV LPSDFWRV FRQWiEHLV GD XWLOL]DomR GHVVHV SURQXQFLDPHQWRV QDV GHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVGD,QVWLWXLomR

$',5(725,$ &pOLR0DJDOKmHV²&RQWDGRU²&5&632

5(/$7Ð5,2'26$8',725(6,1'(3(1'(17(6 $RV$GPLQLVWUDGRUHV (YHUHVW/HDVLQJ6$$UUHQGDPHQWR0HUFDQWLO DQWHULRUPHQWHGHQRPLQDGD=RJEL/HDVLQJ6$$UUHQGDPHQWR0HUFDQWLO

([DPLQDPRV DV GHPRQVWUDo}HV FRQWiEHLV LQGLYLGXDLV GD (YHUHVW /HDVLQJ 6$ $UUHQGDPHQWR 0HUFDQWLO DQWHULRUPHQWH GHQRPLQDGD =RJEL /HDVLQJ 6$ $UUHQGDPHQWR0HUFDQWLO  ´,QVWLWXLomRµ TXHFRPSUHHQGHPREDODQoRSDWULPRQLDOHPGHGH]HPEURGHHDVUHVSHFWLYDVGHPRQVWUDo}HVGRUHVXOWDGR GDVPXWDo}HVGRSDWULP{QLROtTXLGRHGRVIOX[RVGHFDL[DSDUDRH[HUFtFLRHVHPHVWUHVILQGRVQHVVDGDWDDVVLPFRPRRUHVXPRGDVSULQFLSDLVSUiWLFDV FRQWiEHLVHGHPDLVQRWDVH[SOLFDWLYDV

QDVFLUFXQVWkQFLDVPDVQmRSDUDH[SUHVVDUXPDRSLQLmRVREUHDHILFiFLDGRVFRQWUROHVLQWHUQRVGD,QVWLWXLomR8PDDXGLWRULDLQFOXLWDPEpPDDYDOLDomRGD DGHTXDomRGDVSUiWLFDVFRQWiEHLVXWLOL]DGDVHDUD]RDELOLGDGHGDVHVWLPDWLYDVFRQWiEHLVIHLWDVSHODDGPLQLVWUDomREHPFRPRDDYDOLDomRGDDSUHVHQWDomR GDVGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVWRPDGDVHPFRQMXQWR $FUHGLWDPRVTXHDHYLGrQFLDGHDXGLWRULDREWLGDpVXILFLHQWHHDSURSULDGDSDUDIXQGDPHQWDUQRVVDRSLQLmR 2SLQLmR (P QRVVD RSLQLmR DV GHPRQVWUDo}HV FRQWiEHLV DFLPD UHIHULGDV DSUHVHQWDP DGHTXDGDPHQWH HP WRGRV RV DVSHFWRV UHOHYDQWHV D SRVLomR SDWULPRQLDO H ILQDQFHLUD GD (YHUHVW /HDVLQJ 6$ $UUHQGDPHQWR 0HUFDQWLO DQWHULRUPHQWH GHQRPLQDGD =RJEL /HDVLQJ 6$ $UUHQGDPHQWR 0HUFDQWLO  HP  GH GH]HPEUR GHRGHVHPSHQKRGHVXDVRSHUDo}HVHRVVHXVIOX[RVGHFDL[DSDUDRH[HUFtFLRHVHPHVWUHILQGRVQHVVDGDWDGHDFRUGRFRPDVSUiWLFDVFRQWiEHLV DGRWDGDVQR%UDVLODSOLFiYHLVjVLQVWLWXLo}HVDXWRUL]DGDVDIXQFLRQDUSHOR%DQFR&HQWUDOGR%UDVLO

5HVSRQVDELOLGDGHGDDGPLQLVWUDomRVREUHDVGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLV $$GPLQLVWUDomRGD,QVWLWXLomRpUHVSRQViYHOSHODHODERUDomRHDGHTXDGDDSUHVHQWDomRGHVVDVGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVGHDFRUGRFRPDVSUiWLFDVFRQWiEHLV DGRWDGDVQR%UDVLODSOLFiYHLVjVLQVWLWXLo}HVDXWRUL]DGDVDIXQFLRQDUSHOR%DQFR&HQWUDOGR%UDVLO%$&(1HSHORVFRQWUROHVLQWHUQRVTXHHODGHWHUPLQRXFRPR 2XWURVDVVXQWRV QHFHVViULRVSDUDSHUPLWLUDHODERUDomRGHGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVOLYUHVGHGLVWRUomRUHOHYDQWHLQGHSHQGHQWHPHQWHVHFDXVDGDSRUIUDXGHRXHUUR 'HPRQVWUDomRGRYDORUDGLFLRQDGR ([DPLQDPRVWDPEpPDGHPRQVWUDomRGRYDORUDGLFLRQDGR '9$ SDUDRH[HUFtFLRILQGRHPGHGH]HPEURGHFXMDDSUHVHQWDomRHVWiVHQGRHIHWXDGD 5HVSRQVDELOLGDGHGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV GHIRUPDYROXQWiULDSHOD,QVWLWXLomR(VVDGHPRQVWUDomRIRLVXEPHWLGDDRVPHVPRVSURFHGLPHQWRVGHDXGLWRULDGHVFULWRVDQWHULRUPHQWHHHPQRVVDRSLQLmR 1RVVDUHVSRQVDELOLGDGHpDGHH[SUHVVDUXPDRSLQLmRVREUHHVVDVGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVFRPEDVHHPQRVVDDXGLWRULDFRQGX]LGDGHDFRUGRFRPDV HVWiDGHTXDGDPHQWHDSUHVHQWDGDHPWRGRVRVVHXVDVSHFWRVUHOHYDQWHVHPUHODomRjVGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVWRPDGDVHPFRQMXQWR QRUPDVEUDVLOHLUDVHLQWHUQDFLRQDLVGHDXGLWRULD(VVDVQRUPDVUHTXHUHPRFXPSULPHQWRGHH[LJrQFLDVpWLFDVSHORVDXGLWRUHVHTXHDDXGLWRULDVHMDSODQHMDGD HH[HFXWDGDFRPRREMHWLYRGHREWHUVHJXUDQoDUD]RiYHOGHTXHDVGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVHVWmROLYUHVGHGLVWRUomRUHOHYDQWH 6mR3DXORGHMDQHLURGH 8PD DXGLWRULD HQYROYH D H[HFXomR GH SURFHGLPHQWRV VHOHFLRQDGRV SDUD REWHQomR GH HYLGrQFLD D UHVSHLWR GRV YDORUHV H GLYXOJDo}HV DSUHVHQWDGRV QDV GHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLV2VSURFHGLPHQWRVVHOHFLRQDGRVGHSHQGHPGRMXOJDPHQWRGRDXGLWRULQFOXLQGRDDYDOLDomRGRVULVFRVGHGLVWRUomRUHOHYDQWHQDV  3ULFHZDWHUKRXVH&RRSHUV /XtV&DUORV0DWLDV5DPRV GHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVLQGHSHQGHQWHPHQWHVHFDXVDGDSRUIUDXGHRXHUUR1HVVDDYDOLDomRGHULVFRVRDXGLWRUFRQVLGHUDRVFRQWUROHVLQWHUQRVUHOHYDQWHV  $XGLWRUHV,QGHSHQGHQWHV &RQWDGRU SDUDDHODERUDomRHDDGHTXDGDDSUHVHQWDomRGDVGHPRQVWUDo}HVFRQWiEHLVGD,QVWLWXLomRSDUDSODQHMDURVSURFHGLPHQWRVGHDXGLWRULDTXHVmRDSURSULDGRV  &5&632 632

p

Montar um partido como meio de passagem, como uma janela indiscreta, é lamentável. Antonio Carlos Magalhães Neto (DEM-BA)

olítica

Rodrigo Coca/Agência O Globo

Mulheres do MST protestam no BNDES

Kassab quer 'maquiar' novo partido

N

o segundo dia da da Jornada Nacional de Lutas das Mulheres Camponesas, um grupo estimado em 250 mulheres protestou no BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), no Rio, contra os empréstimos ao agronegócio e empresas transnacionais. Os organizadores afirmaram que "os recursos públicos administrados pelo BNDES não podem ser utilizados sem critérios técnicos, desrespeitando a legislação ambiental em favor de uma irresponsável e destruidora expansão dos monocultivos". No Mato Grosso do Sul, 250 acampados bloquearam por quatro horas a BR-463 entre Dourados e Ponta Porã. Eles querem a retomada da entrega de cestas básicas no acampamento Paquetá. (Agências)

PDB deve ser criado até agosto e fundir-se ao PSB

O

p re f e i t o d e S ã o Paulo, Gilberto Kassab (DEM), pretende impor uma "maquiagem ideológica" no estatuto do Partido da Democracia Brasileira (PDB), legenda que pretende criar até agosto. O objetivo é justificar, em seguida, uma fusão com o Partido Socialista Brasileiro (PSB), à esquerda do espectro político. A medida visa a preparar o terreno para a aproximação das duas legendas sem evidenciar o contraste ideológico de Kassab com o PSB. Se assumisse um perfil próximo ao do DEM, Kassab poderia enfrentar dificuldades para legitimar a fusão com o PSB. Ao mesmo tempo, se pincelar o novo partido com um discurso à esquerda, pode levar o PSB a modificar seu estatuto para a futura fusão e, assim, atrair políticos de centro e centro-direita.

Protesto – Um grupo de deputados federais do DEM usou a sessão da Câmara de ontem para protestar contra K a s s a b . O n y x L o re n z o n i (DEM-RS) foi o "líder" do grupo e fez o pronunciamento da tribuna. Afirmou que a saída de Kassab para criar um novo partido tem o objetivo de receber benefícios do governo federal. "Aí vem o PDB, o Partido Democrático Brasileiro, o partido da boquinha, para pegar uma teta gorda." O parlamentar gaúcho destacou as dificuldades para a fundação de um partido e levantou dúvidas se este expediente poderia ser usado por deputados que desejam trocar de partido. O líder do DEM, Antonio Carlos Magalhães Neto (BA), apartou o colega e manteve as críticas. "Montar um partido como meio de passagem, como uma janela indiscreta, é lamentável." (AE)

Habeas copus para Dantas? STJ decide

O

Enquanto entregava as chaves se SP à corte do Carnaval, Kassab era criticado em Brasília.

Superior Tribunal de Justiça (STJ) começou a julgar pedido de habeas corpus no qual os advogados do banqueiro Daniel Dantas questionam a participação de 76 integrantes da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) na Operação Satiagraha. A operação investigou suspeitas de desvio de recursos públicos, corrupção e lavagem de dinheiro. A defesa quer a anulação de provas e procedimentos. O relator do pedido, Adilson Macabu, votou a favor do pedido. Para ele, existem no vícios inquérito que contaminam todo o processo. Segundo o magistrado, a participação dos agentes foi irregular porque a atribuição da Abin é assessorar a Presidência da República e não participar de operações como a Satiagraha.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

14

quinta-feira, 3 de março de 2011

AJUDA HUMANITÁRIA A Organização das Nações Unidas (ONU) lançou uma operação emergencial de US$ 38,7 milhões para levar alimentos a 2,7 milhões de pessoas na Tunísia, Líbia e Egito nos próximos três meses.

nternacional Mahmud Turkia/AFP

Kadafi pede ajuda ao Brasil Ditador chama País a ser observador da crise na Líbia. Os ganhos vão além do cenário diplomático: empresas e bancos brasileiros também seriam convidados a se instalar em território líbio.

R

ejeitando as acusações de assassinato de opositores, o ditador líbio, Muamar Kadafi, propôs ontem a formação de uma comissão de observadores internacionais formada por Brasil, União Africana (UA) e a Organização da Conferência Islâmica para examinar a crise no país. Em um discurso de duas horas e meia a uma plateia de cerca de mil pessoas em um hotel de Trípoli – incluindo os chefes dos corpos diplomáticos ainda presentes na capital e jornalistas estrangeiros – Kadafi disse ainda que pretende substituir empresas e bancos ocidentais que atuam no país por outros de Brasil, Rússia e China. "(Kadafi) propôs uma comissão para examinar a situação in loco e citou especificamente o Brasil, a União Africana e a Organização da Conferência Islâmica", contou, por telefone, o embaixador brasileiro em Trípoli, George Ney de Souza Fernandes, à agência O Globo. Outros países considerados amigos da Líbia foram citados por Kadafi, como Rússia e China, mas sem mencioná-los para a comissão. Para o embaixador, o convite ao Brasil se deve

pela posição que o país ocupa hoje no cenário internacional. "Nossa presença na Líbia é muito forte com as empresas brasileiras. O Brasil é muito respeitado em todo o continente africano", disse o diplomata. O Itamaraty informou não ter detalhes sobre a proposta de Kadafi e aguarda um comunicado oficial da embaixada em Tripoli para se pronunciar. Sintonia - As relações entre o regime de Kadafi e o Brasil ganharam impulso com o governo Luiz Inácio Lula da Silva, que visitou o país logo no começo de seu governo, em 2003. Pouco antes da ida de Lula, desembarcara no Brasil Saadi Kadafi, um dos oito filhos do ditador, que comandava a seleção de futebol da Líbia. "Lula esteve várias vezes com meu pai nos últimos anos e eles têm simpatia um pelo outro", disse à época o filho do ditador. Na ONU, o governo Lula esteve ao lado da Líbia em votações polêmicas. Em 2003, os dois países apoiaram uma resolução da extinta Comissão de Direitos Humanos que determinou a expulsão da ONG Repórteres Sem Fronteiras, que luta pela liberdade de imprensa. O

texto foi proposto pelo governo Kadafi depois que o grupo fez um protesto contra a presença da Líbia na presidência do órgão de direitos humanos. Guerra sangrenta - Em seu pronunciamento na TV, Kadafi ainda minimizou os relatos de protestos no país e disse que se os EUA ou outras nações entrarem na Líbia haverá derramamento de sangue. O líder líbio ainda culpou a Al-Qaeda pelos tumultos e afirmou que as informações sobre mortes são exageradas. Segundo ele, somente 150 pessoas morreram nas três semanas de manifestações. Estimativas do Ocidente apontam para cerca de 2 mil mortes. "Não houve nenhum protesto, de modo algum, no leste", disse Kadafi, referindo-se à região do país em que cidades já estão nas mãos dos rebeldes. Há 41 anos no poder, ele voltou a dizer que não tem do que renunciar. "Muamar Kadafi não é um presidente para renunciar", disse. "O sistema líbio é um sistema do povo e ninguém pode ir contra a autoridade do povo... O povo é livre para escolher a autoridade que lhe convém." (Agências)

Amr Abdallahy Dalsh/Reuters

Após ser alvo de sanções dos EUA e Europa, Kadafi quer adotar parceria com empresas brasileiras. Roberto Schmidt/AFP

Liga Árabe cogita zona de exclusão aérea

A

Liga Árabe pediu ontem ao governo de Muamar Kadafi que detenha os ataques contra a população, e disse que cogitará a imposição de uma zona de exclusão aérea em toda a Líbia. Mas a organização descartou o apoio a qualquer intervenção militar direta estrangeira no país. Mas os Estados Unidos afirmaram ontem que estabelecer uma zona de exclusão aérea na Líbia iria requerer um ataque para enfraquecer a defesa aérea do país. "Vamos logo chamar uma espada de espada. Um zona de exclusão aérea começa com um ataque à Líbia para destruir suas defesas aéreas... e, então, pode-se sobrevoar o país e não se preocupar com a possibilidade de nossos rapazes serem derrubados", disse o secretário de Defesa norteamericano, Robert Gates, em uma audiência no Congresso. Os EUA estão enviando dois navios, o USS Kearsarge e o USS Ponce, para a costa da Líbia. A Casa Branca declarou

Ministros reunidos no Cairo rejeitam intervenção militar estrangeira

que os navios estão sendo reposicionados em uma preparação para possíveis esforços humanitários. Embora o governo do presidente Barack Obama tenha dito que "todas as opções estão na mesa", Washington pode estar relutante em iniciar uma ação militar, já que está tendo de arcar com os custos humanos e financeiros de duas longas e sangrentas guerras, no Iraque e Afeganistão. Gates disse que uma zona de exclusão aérea na Líbia "também requer mais aviões do que se pode encontrar em apenas um porta-aviões, portanto, é uma grande operação em um país grande".

COMUNICADO AOS ANUNCIANTES E AGÊNCIAS DE PUBLICIDADE FERIADO DE CARNAVAL Edição de segunda-feira, com as datas de 5, 6 e 7 de março de 2011. Fechamento - sexta, 4 de março, até às 18h. Edição de quarta-feira,com datas de 8 e 9 de março de 2011. Fechamento - segunda, 7 de março (plantão) - até às 14h.

CENTRAL DE ATENDIMENTO 11

3244-3197

www.dcomercio.com.br

Cautela - Diante das advertências militares, a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, também mudou o tom. Alegando que o maior temor norte-americano é que o caos na Líbia a transforme em uma "gigantesca Somália", ela afirmou que os recursos militares poderiam dar apoio logístico "a áreas necessitadas e dispostas a recebê-lo". O processo de criar a polêmica zona de exclusão aérea, ad- Morte de opositores provoca revolta na Líbia e no mundo árabe vertiu, não se- AFP rá imediato. "Acho que temos um longo caminho para chegar a essa decisão", afirmou ela. I n ic i a t iv a O ex-embaixador-adjunto da Líbia na ONU, Ibrahim Dabbashi, disse que a entidade poderia apoiar a imposição de uma zona de exclusão aérea sobre a Líbia caso os rebeldes que lutam Navios de guerra norte-americanos cruzam o Canal de Suez a caminho da Líbia contra Kadafi solicitassem a medida formal- mente e que nós, em Nova pervisão da liga e da União mente, revelou a rede Al-Jazira. York, sejamos notificados para Africana (UA). Dabbashi, um dos primeiros que possamos apresentar a pe"A Liga Árabe não vai ficar de diplomatas a abandonar o go- tição", afirmou. mãos atadas enquanto o sangue verno em represália à violência Apoio - Os ministros do Ex- do povo irmão da Líbia é derracontra os protestos, disse que a terior da Liga Árabe, reunidos mado", bradou o secretário-geONU poderia "ser convencida" no Cairo, repudiaram uma in- ral Amr Moussa. "A situação na pela necessidade da medida. tervenção externa, mas cogita- Líbia é lamentável, e não é cor"O que é necessário é que es- ram a criação de uma zona de reto que a aceitemos ou que consa decisão seja feita oficial- exclusão aérea, mas com a su- vivamos com ela." (Agências)

Violência de líder líbio será investigada

P

romotores do Tribunal Penal Internacional (TPI) anunciaram ontem que investigarão o regime do ditador da Líbia, Muamar Kadafi, por supostos crimes de guerra. Nomes de pessoas consideradas suspeitas serão divulgados ainda hoje. A ação foi anunciada um dia depois de a Assembleia Geral da ONU ter suspendido o país do norte da África do Conselho de Direitos Humanos da entidade. Segundo a Promotoria do TPI, dirigida pelo argentino Luis Moreno Ocampo, serão apresentados hoje "os crimes de guerra supostamente cometidos na Líbia desde 15 de fevereiro de 2011, assim como entidades e pessoas que podem ser processadas com o objetivo de evitar futuros crimes". Moreno Ocampo havia dito que "informações sugerem que as forças leais ao presidente Muamar Kadafi estão atacando civis na Líbia", acrescentando que isso poderia constituir um crime contra a humanidade. Quando tiver reunido evidências suficientes, o passo seguinte do promotor será apresentar o caso aos juízes do TPI, que decidirão pela emissão ou não de mandados de prisão. O TPI, sediado em Haia, é a primeira corte permanente do mundo para crimes de guerra, com poder de investigar crimes contra a humanidade, crimes de guerra e genocídio. Ele já instaurou inquéritos em cinco países da África. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 3 de março de 2011

15 Os cachorros fugiram. Insurgente líbio, após empurrar tropas leais a Kadafi para fora de Brega.

nternacional Roberto Schmidt/AFP

Gianluigi Guercia/AFP

Vitória: insurgentes em Benghazi queimam cópias do Livro Verde, manifesto político escrito por Kadafi, e ...

... em Ajdabia, eles comemoram a retirada de tropas leais ao regime, após combates na cidade.

Batalha pelo petróleo: militares e mercenários recrutados pelo regime líbio são forçados a fugir, após tentativa fracassada de assumir controle de cidades que abrigam instalações petrolíferas. No Iêmen, recuo é feito pelo ditador Saleh, que culpou os EUA e Israel pelos protestos.

Ditador do Iêmen pede desculpas aos EUA e Israel

O

Phil Moore/AFP

Rebeldes frustram avanço de forças de Kadafi no leste

A

té ontem de manhã, Ajdabia, uma cidadezinha a 175 quilômetros de Benghazi – a segunda maior da Líbia, tomada pelos rebeldes – era o último lugar seguro antes de entrar nas terras sob controle de Muamar Kadafi. Não é mais: para surpresa de muitos, aviões de combate do ditador bombardearam ontem dois campos militares na cidade, deixando a Líbia dos revolucionários sob alerta geral. Em Marsa El-Brega – outra pequena cidade vizinha – as tropas de Kadafi entraram com tanques e atacaram, cau-

sando pelo menos oito mortes, mas recuaram depois de um violento combate. Brega é estratégica, pois abriga um grande centro armazenador e exportador do petróleo. Foi o primeiro grande contra-ataque às cidades do leste, e envolveu militares e mercenários, armados com artilharia pesada e apoiados por aviões. As tropas leais ao governo chegaram a tomar o porto, a pista de pouso e um complexo petrolífero, mas acabaram acuadas e tendo que fugir. "Os cachorros fugiram", disse um insurgente, exibindo seu

rifle Kalashnikov em sinal de vitória, após as forças de Kadafi terem se retirado. As forças de Kadafi conseguiram retomar duas cidades pequenas durante o final de semana passado. Mas as tentativas do ditador em recapturar as importantes cidades de Misurata e Az-Zawiya, esta última a apenas 50 quilômetros de Tripoli, fracassaram. Os insurgentes de Marsa El-Brega receberam reforços de homens armados vindos de Ajdabia, que fica 70 quilômetros ao leste, e até de Benghazi, que está a 150 qui-

Salome Roessler/AFP

Policiais alemães isolam cena do crime, onde um atirador matou oficiais dos EUA dentro de um ônibus.

Militares norte-americanos sob ataque em solo europeu Tiroteio ocorreu no aeroporto de Frankfurt. Autor dos disparos seria um muçulmano de Kosovo.

U

m homem armado atacou um ônibus que transportava militares da Força Aérea dos Estados Unidos, na saída do aeroporto de Frankfurt, ontem, matando dois norte-americanos e ferindo outros dois. O atirador foi detido pela polícia alemã. Boris Rhein, secretário de segurança do Estado de Hesse, identificou o atirador como um homem de 21 anos, natural de Kosovo, ex-província sérvia nos Bálcãs. Familiares do suspeito, em Kosovo, disseram que ele é um muçulmano devoto, que foi criado na Alemanha e que trabalhou no aeroporto.

Segundo Rhein, as inspeções de segurança foram intensificadas no aeroporto alemão e uma investigação já estava em andamento. "Não posso dizer nesta fase se o incidente tem relação com terrorismo", disse. O ataque ocorreu quando o ônibus deixava o terminal 2 do aeroporto, segundo o portavoz da polícia local, Manfred Fuellhardt. O motorista do ônibus e um passageiro foram mortos. Um outro passageiro sofreu ferimentos graves e um outro ferimentos leves. Fuellhardt disse que o atirador e os militares parecem ter tido uma discussão na frente

do ônibus, antes que começassem os disparos. Indignação - Em Washington, o presidente norte-americano, Barack Obama, declarou que estava indignado com o ataque e que seu país "não poupará esforços" para descobrir como o ataque aconteceu. Os EUA mantêm tropas no Kosovo desde 1999, quando uma campanha da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) expulsou as forças sérvias da região. Os oficiais norteamericanos agora ajudam a supervisionar uma frágil paz desde que o Kosovo declarou independência, em 2008. (Agências)

Abdel Hafiz Ghoqa, porta-voz dos rebeldes, pede ataque aéreo da ONU para conter forças pró-governo.

lômetros na direção ao Egito. Apoio aéreo - Apesar de terem rechaçado as forças prógoverno em Marsa El-Brega, os insurgentes pediram ontem que a ONU ordene a realização de ataques aéreos contra mercenários que lutam em nome de Kadafi. "Estamos pedindo à ONU ou a qualquer organismo internacional responsável que realize ataques aéreos em locais onde haja forte presença de mercenários", afirmou o porta-voz dos dissidentes, Abdel Hafiz Ghoqa, a jornalistas na cidade de Benghazi, berço da revolta.

"Estamos pedindo ataques específicos contra esses locais e forças mercenárias", acrescentou. Ele disse que os mercenários foram recrutados no Níger, Mali e Quênia. Refugiados- Os confrontos já levaram mais de 180 mil pessoas a fugirem da Líbia, sendo 85 mil pessoas pela fronteira com a Tunísia, informou a ONU. Outros 30 mil aguardam para entrar na Tunísia. O desespero é tanto que outros 2,4 mil africanos tentam sair da Líbia através de Tumo, uma passagem na fronteira com o Níger, em pleno Saara. (Agências)

líder do Iêmen, Ali Abdullah Saleh, telefonou ontem para a Casa Branca para expressar seu arrependimento pelos "desentendimentos" relacionados a seus comentários no dia anterior sobre o papel dos Estados Unidos e de Israel nos protestos em seu país e disse que está firmemente comprometido com uma reforma política. A ligação ocorreu no mesmo dia em que novos protestos antirregime deixaram ao menos dois mortos no país, segundo fontes médicas. No total, 24 pessoas já morreram em duas semanas de manifestações. Saleh, um aliado-chave de Washington contra a Al-Qaeda no Iêmen, acusou o presidente norte-americano, Barack Obama, de instigar os protestos em seu país. "Por que ele está interferindo? Ele é o presidente dos EUA ou o presidente do mundo árabe?", disse o ditador, na terça-feira. No poder há 32 anos, o ditador do Iêmen tem repetido que não irá renunciar antes das eleições presidenciais de 2013. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

16

c

quinta-feira, 3 de março de 2011

TUDO PRONTO As escolas de samba de São Paulo começam a desfilar amanhã no Sambódromo do Anhembi. O Afoxé Iya Ominibu fará a grande abertura, a partir das 21h.

Fotos de Paulo Pampolin/Hype

idades

O carnaval de rua de São Paulo começa oficialmente amanhã, no Sambódromo do Anhembi, às 21h, com o desfile do Afoxé Iya Ominibu. As primeiras escolas de samba a desfilar, amanhã e sábado, compõem o grupo especial. No domingo desfilam as escolas do grupo de acesso. No dia 11 será realizado o desfile das campeãs. Ontem, no Sambódromo, foi dia de dar os últimos retoques nos carros alegóricos. Amanhã a folia sai à rua.

Ontem os carnavalescos das escolas de samba de São Paulo estiveram no Sambódromo do Anhembi para finalizar a montagem de seus carros alegóricos. Cabos e guindastes trabalharam boa parte do dia. A preocupação com a chuva foi constante e várias escolas providenciaram metros e metros de plástico para cobrir as alegorias.

O palco do carnaval a um dia da folia Mariana Missiaggia

N

em a chuva atrapalhou o ritmo dos preparativos para a abertura do carnaval de São Paulo. Os carros alegóricos das 14 escolas de samba do grupo especial já tomaram conta da área de concentração do Sambódromo do Anhembi e ontem já mostravam um pouco do que as escolas levarão para a avenida, a partir da noite amanhã (veja arte com a ordem dos desfiles). A primeira área de concentração, com acesso direto ao início da avenida, já abriga os carros que desfilarão amanhã. Na extremidade final da pista de 530 metros de comprimento por 14 metros de largura, a outra área de concentração reúne as escolas que se apresentarão no sábado. Gradativamente, elas serão levadas para a área de concentração inicial, conforme as primeiras escolas forem ocupando a avenida. Mancha Verde – Divididas em baias e por ordem do desfile, cada escola dispõe de 1.640 metros quadrados para acomodar seus carros alegóricos. Com quatros carros no Anhembi

O Sambódromo do Anhembi: a alegria vai desfilar ao longo de 530 m

praticamente prontos, a Mancha Verde trará na madrugada de amanhã outra alegoria que está protegida da chuva no barracão da escola. Paolo Bianchi, 35 anos, diretor de carnaval da escola, está fazendo plantão no Sambódromo e não desanima com o tempo chuvoso. "A gente dá um jeito. Temos que honrar e incorporar o tema da escola que é: "Uma ideia de gênio", brincou o folião que participa ativamente do carnaval há 31 anos. Bianchi, que é engenheiro, há oito anos dedica suas férias ao carnaval. "Tiro férias quinze dias antes do carnaval para poder viver essa magia e ajudá-la a acontecer". Sua escola já consumiu dez

rolos de plástico, de 80 metros quadrados cada um, para proteger as alegorias da chuva. Apesar da aparência frágil, Bianchi afirma que o material é seguro. Nenê –Arrematando os retoques finais das partes inferiores de seus carros, a Nenê de Vila Matilde apostou nas lantejoulas e ladrilhos para realçar ainda mais sua decoração multicolorida. Natasha Thaís, 12 anos, é a responsável pelo acabamento do Carro das Religiões, de 14 metros de altura. "Esse carro já estava pronto. Mas, como essa decoração é muito delicada e foi presa com cola quente, a chuva soltou tudo", explicou. Rosas – Com a Rosas de

Ouro a situação era uma pouco mais complicada. Daniel Nobile Okamoto, 30 anos, diretor de barracão, orientava o remanejo de uma escultura dourada que ameaçava cair no chão e se despedaçar. O guerreiro de dez metros de altura será fixado no carro abre-alas da escola junto a outras três esculturas semelhantes. Pérola – Prejudicada pela chuva do último domingo, a Pérola Negra parece respirar mais aliviada. Suas alegorias estão praticamente prontas e bem protegidas. Deu até tempo de colocar mais brilho na ornamentação e Késia Gomes Deivid, 18 anos, carnavalesca da escola, saiu pincelando purpurina nos carros.

Vai-Vai – Já a Vai-Vai decidiu manter segredo até o último segundo. O único carro que a escola encaminhou para a concentração está coberto com plástico preto e não é possível sequer imaginar qual é a cor que predomina sob a cobertura. Os outros cinco carros que ainda estão no barracão da escola devem chegar ao Sambódromo amanhã de manhã. Os carros alegóricos começaram a ser levados para o Sambódromo no último dia 25, mas o trabalho dos carnavalescos na montagem do equipamento e alegorias começou, efetivamente, na última segunda-feira.

Agência CNJ

Aviões sucateados da Vasp vão a leilão em SP Ivan Ventura

E

Aeronaves da Vasp estacionadas no Aeroporto de Congonhas. Valor dos aviões é puramente histórico, pois trata-se de sucata.

m menos de um mês, a Justiça deve levar a leilão a primeira de um total de 27 aeronaves paradas nos vários aeroportos do País e que integram a massa falida da ex-companhia aérea Viação Aérea São Paulo (Vasp). A primeira aeronave a ser colocada à venda está parada no Aeroporto de Congonhas, na zona sul. Segundo o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), a aeronave é um Boeing modelo 737-200 já sucateado. Seu valor é meramente histórico. Atualmente, a massa falida da Vasp paga R$ 1.200 por dia para deixar um único avião parado em um aeroporto. O Conselho informou que o lance inicial será conhecido

apenas no dia do leilão. A data do evento será divulgada na próxima reunião entre a CNJ e os juízes da Vara de Falências de São Paulo. A venda da aeronave é o ponto de partida do programa Espaço Livre, implantado pelo CNJ. O objetivo é retirar as aeronaves que pertenciam a companhias aéreas falidas, paradas nos aeroportos do País, como é o caso da Transbrasil e da própria Vasp. Em São Paulo existem 26 aeronaves paradas nos três principais aeroportos: Congonhas, Cumbica (em Guarulhos) e Viracopos (em Campinas). Na primeira fase do programa serão leiloados 27 aeronaves da Vasp. Em seguida, a Justiça colocará à venda cerca de 80 mil objetos, entre eles uniformes das aeromoças, maquetes, fotos e peças ornamentais.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 3 de março de 2011

c

17 Foi muita chuva. Mas, graças a Deus, ninguém se feriu. Lenivaldo Florêncio da Silva, que teve a casa interditada

idades

Chuva: Vila Maria sofre com deslizamentos Número de casas interditadas pela Defesa Civil saltou de 16 para 26. E o número pode crescer, por causa dos novos temporais. População teme a desvalorização. Geriane Oliveira

Fotos: Patrícia Cruz/Luz

O

p ro ss egu im en to das chuvas está provocando um clima de apreensão à Vila Maria, na zona norte da cidade. É que, pelos números da Defesa Civil, os estragos dos temporais no início da semana tendem a crescer. Ontem, a quantidade de casas interditadas saltou de 16 para 26, das quais duas vieram ao chão e quatro desabaram parcialmente. A maioria delas se concentra nas ruas Domingo Fernandes da Cruz e Belchior de Ordas, além da travessa João Rangel. A sucessão de problemas começou no entardecer de segunda-feira. O motorista Marcelo Rodrigues, 37 anos, foi uma das primeiras vítimas. Por volta das 18h30, sua casa, na travessa João Rangel, ruiu com um estrondo. "Só foi o tempo de ouvir um estalo forte e corrermos porta afora. Não deu tempo nem para pegar as chaves", contou ele. Marcelo estava abatido, pois a residência era nova, foi concluída há três meses. A casa tinha quatro cômodos e duas suítes. Seu valor era de cerca de R$ 300 mil, segundo o proprietário. Capela – Os escombros deslizaram por uns 30 metros, atingindo os fundos da Capela Nossa Senhora de Fátima. Mauro Sérgio Adamoli, 47 anos, da Paróquia Nossa Senhora da Candelária, que administra a igrejinha, descreve o que aconteceu: "o salão ficou com quase metro e meio de lama. Conseguimos salvar o altar e alguns objetos litúrgicos", lembra Adamoli. Naturalmente a família do motorista Marcelo Rodrigues estava abalada. E, para piorar a situação, ainda sobraram as dívidas da construção. Na terçafeira, com ajuda de vizinhos, tentou salvar alguma coisa: roupas, móveis, utensílios. Marcelo supõe que o desastre se deva ao deslizamento de um barranco no terreno inclinado. A julgar pela suspei-

Mais de 20 casas desabaram na região da Vila Maria, na zona norte, por causa dos deslizamentos de terra

Marcelo Rodrigues, que perdeu sua casa: imóvel valia cerca de R$ 300 mil

Paulo Rodrigues, que também perdeu sua casa com a chuva, faz a mudança com o que restou de seus móveis

ta do capitão José da Assunção Oliveira, membro da Defesa Civil, talvez ele não esteja longe da verdade. "Houve um solapamento de terreno que abalou as estruturas dos imóveis", disse. "Também encontramos casas com infiltrações no solo e vazamentos nos canos. Há risco de novos deslizamentos", adverte. O fenômeno não deixou de

surpreender, pois se trata de um bairro com solo estável e ocupação antiga, que até então não havia registrado algo parecido. "Mas somente uma perícia completa indicará as causas do problema", avisa o capitão Oliveira. Vistoria – No entanto, os engenheiros da subprefeitura da Vila Maria/Vila Guilherme continuam a avaliar casa por

casa para prevenir qualquer fatalidade e essa tarefa pode resultar em outras interdições. O monitoramento só terá fim quando todos os riscos forem eliminados. As ameaças existem, como adverte o aposentado Lenivaldo Florêncio da Silva, 66 anos, que teve sua casa fechada na Rua Domingo Fernandes da Cruz. "Está vendo aquele bam-

a brilhar com firmeza, pois as casas interditadas estão sendo vigiadas por duplas de inspetores no sentido de evitar saques e vandalismo, uma vez que essas situações são propícias para estimular os "espíritos de porco" de sempre. As vítimas, e toda a população da região, têm outro prejuízo a enfrentar: a desvalorização dos imóveis devido à tragédia. "Pode haver uma desvalorização em torno de 15% a 20%", informa Meire Rodrigues, da Imobiliária Vinho, que opera na região. O preço do terreno por lá está entre R$ 850 e R$ 1000 o metro quadrado. Este assunto ainda não faz parte das preocupações do químico Anderson F.G., 35 anos, vizinho do motorista Marcelo, cuja residência não foi afetada. "O importante é poder dormir tranquilo", afirmou.

bu lá em cima?", pergunta, apontando. "É ele que está segurando o barranco que fica perto da casa dos Rodrigues. Já avisei a Defesa Civil". Lenivaldo estava calmo e conformado, apesar do infortúnio. "Foi muita chuva. Mas, graças a Deus, ninguém se feriu porque fizemos um mutirão solidário". A subprefeitura informou que cerca de 100 pessoas tiveram que deixar seus lares e que lhes foi oferecido abrigo. Mas todos recusaram, preferindo ir para a casa de amigos e parentes. E ninguém sabe até quando a situação vai perdurar. Os técnicos da subprefeitura foram taxativos: enquanto a chuva não parar, não há previsão de liberação dos imóveis. Isso quer dizer que a Guarda Civil Municipal também não vai sair de lá até que o sol volte

Fernandes Oliveira/AE

APREENSÃO DE CRACK LADRÃO DORMINHOCO

Ó RBITA

TRANSFERIDO

O

estudante da Fundação Getulio Vargas Christopher Tominaga foi transferido da UTI para o quarto. Ele estava internado em estado grave no Hospital das Clínicas desde o último dia 23, quando foi baleado em um bar a cem metros da FGV. O universitário Júlio César Grimm Bakri também foi baleado, mas morreu antes de chegar ao hospital. (AE)

Polícia Civil apreendeu ontem cerca de 11,8 quilos de crack e duas metralhadoras com um comerciante. Ele foi surpreendido entrando em um hotel da Cracolândia, no Centro de São Paulo, com um tijolo de crack. Após o flagrante, ele forneceu informações sobre um imóvel na zona leste da Capital onde a polícia encontrou as armas e o restante da droga. A apreensão foi feita quando investigadores do Denarc vigiavam o local. Por volta da 1 hora, um carro estacionou em frente ao hotel e o nervosismo do motorista levantou a suspeita de que pudesse estar envolvido com atividades ilícitas. (AE)

O

comerciante Ricardo Barra Hara teve uma surpresa ontem ao abrir sua loja de colchões em Andradina (SP). Eram 7h45 quando o barulho da porta acordou o ladrão que dormia num dos colchões do mostruário. "Ele acordou assustado e saiu correndo em direção à porta dos fundos, que tinha arrombado para entrar na loja", disse Hara. O ladrão era Marcelo de Souza Barbosa, de 28 anos, preso minutos depois. Na delegacia, Souza contou que entrou na loja para furtar dinheiro, mas que decidiu fumar um cachimbo de crack. O efeito da droga acabou por adormecê-lo. (AE)

RESGATE – Um helicóptero Águia, da Polícia Militar, resgatou ontem a vítima de um acidente ocorrido na avenida 23 de Maio.

DC

A

os de

19 ane Conforto! te

in Requ

Visite nosso site e verifique nossas acomodações.

www.asturiasmotel.com.br

Fone: 11 3816-6689

asturias@asturiasmotel.com.br Avenida Nações Unidas, 7.715 - Pinheiros - São Paulo/SP


DIÁRIO DO COMÉRCIO

18 -.LOGO

quinta-feira, 3 de março de 2011

Logo Logo

Haste central flexível que permite ao astronauta ajustar o óculos de acordo com a prescrição com a distância do objeto

Óculos da Nasa

Lentes frontais são produzidas de acordo com o grau específico de cada astronauta

3 Os óculos ao lado são a mais nova ferramenta da agência espacial norte-americana, a Nasa, para melhor a visão de seus astronautas, que têm em média 48 anos e já não enxergam tão bem. O "Superfocus" tem tecnologia de ponta e capacidade de ajuste do foco para perto e para "o infinito". www.ubergizmo.com/2011/03/ nasa-superfocus-glasses-astronauts/

E SPAÇO

ESO/AFP

Nossa vizinha mais próxima

Seu telefone no Facebook

O

Facebook estaria retomando os planos de informar a terceiros telefone e endereço de alguns usuários. A política estava prevista para começar em janeiro, mas foi interrompida devido à reclamação de usuários, informou ontem o jornal norte-americano The Huffington Post. Segundo o jornal, dois deputados norteamericanos – Edward Markey (Democrata do Massachussets) e Joe Barton (Republicano do Texas) – já expressaram preocupação sobre essa

política de privacidade da rede social, mas o Facebook reafirmou que autorizará o acesso de terceiros aos dados, embora talvez restrinja a divulgação de informações de usuários menores de 18 anos. "Nós estamos avaliando métodos para aprimorar essa política", disse o vicepresidente global de políticas públicas do Facebook, Marne Levine, em carta aos deputados. A liberação dos dados é vista como uma política extremamente arriscada, por colocar os usuários na mira de criminosos.

A LEMANHA Fotos: Julian Stratenschulte/AFP

s ter s/R eu Ste ven ck Ni

Moedas, fichas e botões encontrados na lama do rio Tâmisa, em Londres. Qualquer pessoa pode caminhar em uma área delimitada na margem esquerda do rio, na capital britânica, e fazer escavações em busca de "tesouros" arqueológicos. Entretanto, é preciso pagar uma taxa de "entrada" e todas as descobertas de peças com mais de 300 anos devem ser notificadas. M ODA

E M

Jogador suspenso por matar coruja O zagueiro panamenho Luis Moreno, do Deportivo Pereira, foi suspenso por dois jogos no Torneio Apertura colombiano e multado em US$ 560 (cerca de R$ 930) pela Divisão Maior do Futebol Colombiano (Dimayor). A Comissão Disciplinar da Dimayor considerou que Moreno realizou um ato cruel contra uma espécie animal. O jogador chutou uma coruja que caiu no campo após ser atingida pela bola durante o jogo contra o Junior Barranquilla na terça-feira. A Comissão Disciplinar da Dimayor considerou que Moreno realizou um ato cruel contra uma espécie animal, que é símbolo da torcida do Barranquilla.

PRIMAVERA - Cachorro "Bobby" pula sobre açafrões recém-floridos em um campo às margens do rio Reno, em Dusseldorf. Meteorologistas preveem o aumento das temperaturas em até 8ºC nas próximas semanas, que antecedem a mudança de estação.

Após se envolver com polêmicas e ter a sua série de TV, Two and a Half Man cancelada, o ator Charlie Sheen se tornou a mais nova celebridade a entrar no Twitter. Com 13 mensagens postadas, em algumas horas, Sheen conseguiu mais de 850 mil seguidores. E o número cresce a cada segundo, literalmente. Do período de 14h38 às 14h48 (de Brasília), ontem, o perfil do ator ganhou aproximadamente 10 mil seguidores. Os problemas de Charlie Sheen envolvem denúncias de uso de drogas, problemas com a guarda dos filhos e brigas nos bastidores da série de TV. L OTERIAS Concurso 1119 da LOTOMANIA 03

10

15

18

28

32

36

45

46

48

50

55

60

63

65

74

82

91

96

98

Concurso 1262 da MEGA-SENA 05

07

08

09

11

39

Concurso 2537 da QUINA

Homens controlam um octocóptero, espécie de mini-helicóptero com câmera, para fotos aéreas, em Duesseldorf, Alemanha.

12

46

48

72

77

C A R T A Z

John Galliano pede desculpas

VISUAIS Exposição 'Veja Ilustre Passageiro: o Atelier Mirga e os Cartazes de Bonde' traz cerca de 300 obras do Atelier Mirga. Instituto Tomie Ohtake. Avenida Brigadeiro Faria Lima, 201, Pinheiros, tel.: 2245-1900. Grátis. A TÉ LOGO

Acesse www.dcomercio.com.br para ler a íntegra das notícias abaixo:

L

Astronautas da última missão do ônibus espacial Discovery realizaram ontem sua segunda e última caminhada espacial

L

Palmeiras tenta a contratação de um centroavante hoje, data em que terminam as inscrições para o Campeonato Paulista

L

O estilista John Galliano, demitido pela casa Christian Dior após polêmicas declarações antissemitas divulgadas em vídeo pela mídia britânica no fim de semana, divulgou ontem um comunicado em que lamenta "sem reservas" seu comportamento. Galliano assegura que vai colaborar com a polícia nas investigações que há testemunhas de que foi "insultado e provocado" por um indíviduo que tentou agredi-lo. Ontem, o diário The New York Times afirmou que Galliano já saiu da França para entrar numa clínica de reabilitação. De acordo com o jornal o seu destino será o centro The Meadows, em Wickenberg, Arizona, onde Donatella Versace e Elton John também estiveram em tratamento.

F UTEBOL

Astro-problema é sucesso no Twitter

L

A RQUEOLOGIA

Dia do Meteorologista

C ELEBRIDADES

(MGC 253). Segundo os especialistas, esse é o grupo mais próximo ao conjunto que inclui a Via Láctea, mas definir um valor preciso sobre a distância ainda é difícil. Para resolver isso, uma equipe de astrônomos examina os fatores que influenciam os marcadores de distância celestes em um estudo chamado de Araucária Project. A equipe informou que NGC 247 é mais de um milhão de anos-luz mais próxima da Via Láctea do que se pensava, trazendo a sua distância para apenas 11 milhões de anos-luz.

OCTOCÓPTERO

Uma imagem divulgada nesta quarta-feira pelo Observatório Europeu do Sul (ESO) mostra detalhes de uma galáxia espiral altamente inclinada. Os astrônomos afirmaram que a orientação aponta que a distância até a galáxia foi superestimada e que ela está muito mais próxima da Via Láctea do que se esperava. A imagem feita pelo telescópio MPG em La Silla, no Chile, mostra grandes estrelas componentes da galáxia e uma nuvem rosada de hidrogênio. Chamada de NGC 247, a galáxia faz parte da coleção associada à Galáxia do Escultor

MARÇO

www.dcomercio.com.br

Lentes internas ajustáveis com fluido ótico interno. O fluido altera o foco quando as lentes são ajustadas para perto ou longe.

Ronaldo terá uma despedida da seleção brasileira no Pacaembu, no amistoso marcado para 7 de junho contra a Romênia


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 3 de março de 2011

e

ATOMATADOS Cargill conclui compra de marcas da Unilever por R$ 600 milhões

conomia

19

AÇO Gerdau investe R$ 2,47 bilhões em usina no Rio de Janeiro

Copom define maior juro em 2 anos Colegiado decidiu, por unanimidade, aumentar em meio ponto percentual a taxa básica de juros, que agora é de 11,75% ao ano.

O

Banco Central (BC) anunciou ontem à noite a segunda das quatro altas esperadas para este ano na taxa básica de juros, a Selic. Desta vez a elevação foi de meio ponto percentual – de 11,25% para 11,75% ao ano, sem viés. Com isso, foi atingido o maior patamar dos últimos dois anos. Alguns analistas do mercado defendiam uma subida mais forte para esfriar a economia e conter a inflação. A alta da Selic é parte do trabalho iniciado em 2010 para evitar um superaquecimento da economia, apesar da desaceleração verificada na virada do ano, que deve ser confirmada com a divulgação hoje dos números do Produto Interno Bruto

(PIB) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Essa foi a segunda reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do BC, responsável pela definição dos juros, no governo Dilma Rousseff – e, assim como em janeiro, a decisão de elevar a Selic foi unânime. A aposta do mercado financeiro é de que a taxa voltará a subir nos dois próximos encontros, nos dias 20 de abril e 8 de junho, para encerrar o ano em 12,5%. Contenção – Antes de aumentar a Selic, o BC já havia adotado outras medidas para esfriar a economia, como restrições a financiamentos com prazo superior a 24 meses. Também retirou da economia, em dezembro, a última parte

do dinheiro injetado na crise de 2008. As medidas já se refletiram em juros mais altos e queda nos empréstimos, mas ainda não tiveram impacto sobre o consumo. A inflação acumulada em 12 meses é de 6%, maior patamar em seis anos, acima da meta de 4,5% fixada pelo governo. A previsão do mercado financeiro é de que o indicador termine o ano bem próximo desse nível e só caminhe para a meta em 2012, mesmo com a alta dos juros. Outras economias emergentes, como China e Rússia, também já começaram a se movimentar para elevar os juros e assim segurar a inflação, que ressurgiu com a recuperação da economia mundial no período pós-crise.

Caras novas – Em um fato inédito, o Copom recebeu novos integrantes em sua última reunião. Às pressas, depois da aprovação pelo Senado, na terça-feira, foram publicadas ontem no Diário Oficial da União as nomeações de dois novos diretores do BC, Altamir Lopes e Sidnei Marques. Ambos estiveram presentes também no primeiro dia do encontro, mas ainda como chefes de departamento, cargo que não lhes dava chances de votar. Foi a primeira vez que novos integrantes entraram no Copom no meio do encontro, mas não mudou seu rumo, já que os novatos também têm perfis técnicos, como seus antecessores.(Agências)

Com alteração na Selic, BC quer segurar inflação. Elevação da taxa básica de juros é uma das opções disponíveis à autoridade monetária para controlar o consumo Rejane Tamoto

A

o elevar a taxa básica de juros, a Selic, em meio ponto percentual ontem, o Comitê de Política Monetária (Copom) utilizou um dos diversos instrumentos de política monetária que o Banco Central (BC) tem para controlar as pressões inflacionárias. A decisão de elevar ou não a taxa, pelo Comitê, é tomada a cada 45 dias com o objetivo de manter a inflação dentro da meta determinada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que é de 4,5% para 2011 – com intervalo de tolerância de dois pontos percentuais para cima ou para baixo. A Selic remunera os títulos públicos federais emitidos pelo Tesouro Nacional, é controlada em operações diárias e serve de base para a troca de reserva bancária entre as instituições financeiras do País. Em alguns casos, ao final de uma reunião, o Copom pode definir um viés de alta ou de baixa para a taxa básica de juros. Dessa forma, ela pode ser alterada a qualquer momento, até a próxima reunião, para cima ou para baixo, de acordo com o viés estabelecido. Além do controle dos juros, no cardápio de medidas do BC para controlar o consumo e os preços existem ainda a venda de títulos do governo federal nas operações no mercado aberto, a taxa de redesconto – que é o valor cobrado pelo BC para emprestar dinheiro às

Jarbas Oliveira/AE

instituições bancárias em situações extremas – e alterações nos percentuais de depósito compulsório. O BC pode tanto elevar os percentuais de cada um desses instrumentos para segurar a inflação, como também diminuí-los, caso o cenário seja de deflação. A venda de títulos do governo nas operações no mercado aberto foi recorrente antes do Plano Real para retirar liquidez do mercado e segurar a inflação de forma temporária e, por isso, não tem sido praticada atualmente, conforme explicou o economista do Instituto de Economia Gastão Vidigal (IEGV), da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), Emilio Alfieri. Outro instrumento de política monetária aplicado no passado foi a taxa de redesconto. "Era um recurso adotado antes da informatização mas, agora, os bancos controlam suas operações e não dependem tanto do BC", afirmou o professor de economia da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Rogério Mori. De todas as medidas, a que voltou a ser adotada, em dezembro, foi o aumento do depósito compulsório – o dinheiro que os bancos são obrigados a deixar no BC sem remuneração – para diminuir o consumo excessivo e, assim, reduzir a pressão sobre os preços. A utilização dessa medida macroprudencial encareceu as operações de crédito, como no caso dos

Alteração na Selic pelo Copom do BC é tomada a cada 45 dias, e tem a finalidade de manter a inflação dentro da meta determinada pelo CMN para o IPCA.

financiamentos e empréstimos de longo prazo. "Foi a primeira vez que essa medida foi tomada no governo Lula. Mas o instrumento de controle

de inflação mais clássico em países como Estados Unidos, Japão ou os da Europa, é mesmo a alteração da taxa básica de juros", disse Mori.

ACSP vê decisão como 'razoável'

A

necessidade de se combater a inflação foi vista pelo presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), Alencar Burti, como a principal causa que motivou a elevação da Selic. "Entendo que foi a medida mais razoável possível, tendo em vista as pressões inflacionárias. Agora, é preciso que a presidente Dilma Rousseff resista às pressões dos partidos por mais gastos, para que ela possa fazer uma administração austera reduzindo os gastos da máquina pública – que é uma boa maneira de combater a inflação." Em nota, o presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São P a u l o ( Fe c o m e r c i o ) , Abram Szajman, ponderou que o aumento compromete os cofres públicos e reduz a capacidade de consumo. "Seria mais prudente esperar o mercado se estabilizar e, se necessário, aumentar a Selic somente no futuro." Efeitos – Para Emilio Alfieri, economista do Instituto de Economia Gastão Vidigal (IEGV) da ACSP, o aumento do compulsório já elevou os juros para o consumidor na ponta, e o resultado na economia real será conhecido em março. Para ele, um dos efeitos negativos de novas altas da Selic é o estímulo à entrada de mais dólares no País por meio de investimentos estrangeiros, pressionando o câmbio. Já o professor do Departamento de Economia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ) e economista do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Paulo Levy, vê o aumento da Selic como necessário para conter a inflação e evitar um custo maior para a economia no futuro. "Em 2002, a inflação anual foi de 13% a 14%, e a Selic chegou a 25% ao ano. O custo foi muito alto. É preciso que ela aumente agora para desacelerar a economia e reverter a expectativa de alta contínua da inflação, que contamina o mercado. (Agências, com colaboração de Rejane Tamoto)


20 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

COMÉRCIO

quinta-feira, 3 de março de 2011


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 3 de março de 2011

e

21 A LG Electronics atenderá o mercado interno de linha branca sem precisar importar.

conomia

LG mira na tecnologia de ponta Companhia vai lançar 600 produtos a partir de maio. Smartphones e celular em três dimensões (3D) devem contribuir para aumentar vendas em 30% em 2011. Fotos: Divulgação

Vanessa Rosal

D

epois do sucesso de vendas das TVs de tela fina (LCD e LED) em 2010, impulsionadas pela Copa do Mundo de Futebol, a indústria brasileira eletroeletrônica espera faturar cerca de R$ 140 bilhões em 2011, um crescimento de 13% em relação ao ano passado, de acordo com estimativas da Associação Nacional da Indústria de Elétrica e Eletrônica (Abinee). A tendência de consumo será voltada para produtos de alta tecnologia, incluindo TVs e celulares em sistema 3D. Para atender à demanda dos consumidores das classes C e D (nova classe média), que pretendem comprar sua primeira TV de plasma, e das classes A e B – ávidos por novidades tecnológicas –, a LG Electronics anunciou ontem o lançamento, no Transamérica Expo Center, de 600 produtos em todos os segmentos da empresa, a partir do mês de maio. O período de lançamento vem incentivado pelo Dia das Mães, uma das principais datas de vendas para o comércio brasileiro. O gerente-geral de marketing da LG, Humberto De Biase, aposta em novos modelos de smartphones e no celular com tecnologia em três dimensões (3D) para alavancar as vendas do setor de celula-

Entre os destaques a serem ofertados pela empresa estão as TVs em sistema 3D

res em 2011. "Queremos a liderança do mercado. Atualmente, estamos em quarto lugar nas vendas de smartphones, atrás de Nokia, Motorola e Samsung. Queremos reverter esse quadro", diz. A expectativa é faturar US$ 4 bilhões em 2011, valor 30% acima das cifras alcançadas em 2010. Para atingir a meta, a LG deve inaugurar, até o final do ano, três fábricas no Brasil: duas em Manaus, para a produção de telas de LCD e aparelhos de ar-condicionado, e uma em São Paulo, voltada para a linha branca, responsável por 13% do faturamento da companhia. "Essa era a única linha fabricada fora do País. Agora, a LG atenderá 100% o mercado interno, sem precisar importar", explica Biasi. Linha branca – Nas fábricas, o investimento é de US$ 300 milhões, sendo que

US$ 150 milhões são para a unidade de São Paulo, de linha branca. Os novos empreendimentos deverão aumentar o número de trabalhadores de 5,5 mil para 7,8 mil nos próximos dois anos. As outras duas fábricas da empresa, já em funcionamento, ficam em Manaus (AM) e Taubaté (SP), onde são fabricados TVs, celulares e to-

da a linha de computadores. Um dos destaques para 2011 é a TV em LED de 72 polegadas com tecnologia 3D, com óculos mais acessíveis, leves e que não requerem bateria. Outra inovação é o conceito de Smart TV, com funções que facilitam o acesso a inúmeros conteúdos online e à loja de aplicativos da LG. Segundo Biase, a tendên-

Indústria produz 0,2% a mais em janeiro

A

pós dois meses em queda, a produção industrial brasileira voltou a subir em janeiro, com alta de 0,2% ante dezembro. O bom desempenho foi beneficiado, principalmente, pelo fim do período de férias coletivas, com contribuição decisiva de indústria de bens duráveis, como a de fabricação de aparelhos celulares. A evolução da produção industrial aponta para ritmo de crescimento moderado na atividade, na avaliação de técnicos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Um dos fatores que vêm impedindo um comportamento mais vigoroso da indústria é a forte concorrência dos produtos importados.

Têxteis e eletrodomésticos a produção de veículos auto– A relação cambial dos últi- motores em janeiro (-3,2% ante mos meses, que tornou mais dezembro). Resultado que não acessíveis bens de consumo deve indicar tendência, a julcom preços gar pelas estad o l a r iz a d o s , tísticas da Fecausou recuos d e r a ç ã o N aintensos nas cional de DisTivemos uma produções tribuição de variação positiva. das indústrias Veículos Autêxtil, com retomotores (FeMas isso não tração de nabrave), que muda a avaliação 14,7% e de elemostram um de menor trodomésticos c re s c i m e n t o dinamismo da com queda de de vendas de indústria. 5,9%, em rela12% no mês de ção a janeiro fevereiro em ANDRÉ MACEDO, IBGE de 2010. comparação a Além disso, janeiro, e de as medidas de restrição ao cré- 19,5% em relação a fevereiro dito de longo prazo, anuncia- do ano passado. das pelo governo no final do O economista da coordenaano passado, ajudaram a frear ção de Indústria do IBGE, André Macedo, classificou como positivo o resultado de janeiro, mas com reservas. "TiveSECRETARIA EXECUTIVA mos uma variação positiva, e DE COMUNICAÇÃO isso é um resultado importan-

COMUNICADO CONSULTA PÚBLICA Nº 001/SECOM/2011 Processo nº 2010-0.120.795-1 A Secretaria Executiva de Comunicação está realizando Consulta Pública para colher subsídios que poderão ser utilizados na elaboração do Edital de Pregão para contratação de empresa especializada na prestação de serviços técnicos necessários à implantação de procedimentos, operação e gestão continuada de central de atendimento telefônico, ativa e receptiva, exclusiva para Prefeitura de São Paulo, abrangendo todos os recursos necessários à sua operacionalização, incluindo conexão com os sistemas aplicativos hospedados na Prodam, para consulta às informações e registros das solicitações recebidas - Central 156. Com esta Consulta Pública a Secretaria Executiva de Comunicação, além de garantir maior transparência em todo o processo licitatório, aprofunda a qualidade de instrução desse processo. Os interessados poderão consultar a Minuta do Edital através do site http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br Após analisar a Minuta do Edital, os interessados poderão apresentar sugestões ou opiniões, enviando para o e-mail mcomin@prefeitura.sp.gov.br. até o dia 14 de março de 2011. CONSULTA PÚBLICA Nº 001/SECOM/2011 - Processo nº 2010-0.120.795-1 I - OBJETIVO Possibilitar total transparência aos atos da Administração Municipal, melhorar a instrução ao futuro processo licitatório, oferecer a oportunidade aos interessados para se manifestar e recolher manifestações e subsídios visando a conclusão da elaboração do edital de licitação a ser instaurado na modalidade Pregão. II - OBJETO DA LICITAÇÃO Contratação de empresa especializada na prestação de serviços técnicos necessários à implantação de procedimentos, operação e gestão continuada de central de atendimento telefônico, ativa e receptiva, exclusiva para a Prefeitura do Município de São Paulo, abrangendo todos os recursos necessários à sua operacionalização, incluindo conexão com os sistemas aplicativos hospedados na Prodam, para consulta às informações e registros das solicitações recebidas. III - CONSULTA ELETRÔNICA Os interessados em oferecer subsídios e se manifestar deverão fazê-lo por escrito, identificando-se e informando o telefone para contato, no endereço eletrônico em que será divulgada a minuta do edital colocada nesta Consulta Pública. IV - COORDENAÇÃO DOS TRABALHOS A coordenação e acompanhamento da Consulta Pública estarão a cargo da Coordenadoria de Administração e Finanças da Secretaria Executiva de Comunicação, com apoio técnico da Prodam. V - ENDEREÇO ELETRÔNICO No site http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br/ e no Portal da Prefeitura http://portal.prefeitura.sp.gov.br/secretarias/comunicacao/consulta_publica/0001, a Consulta Pública estará disponível no período de 03/03/2010 a 14/03/2011. VI - REGISTRO Todas as manifestações e subsídios ofertados serão registrados e anexados ao processo administrativo autuado para a instauração do procedimento licitatório. VII - DISPOSIÇÕES FINAIS Após o encerramento do prazo estabelecido para a Consulta Pública, a Secretaria Executiva de Comunicação divulgará as manifestações e subsídios oferecidos à minuta do Edital da futura licitação no próprio portal em que será feita a Consulta Pública. A publicação legal do Edital será realizada no prazo máximo de 10 (dez) dias após a divulgação das manifestações e subsídios coletados na Consulta Pública.

te. Mas isso não muda a avaliação que temos de menor dinamismo da indústria, e não elimina por completo a queda dos dois meses imediatamente anteriores", resumiu. Celulares – A expansão de 25,8% na produção industrial de celulares no mês de janeiro ante dezembro beneficiou o resultado, na opinião do consultor do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi) Rogério Souza. "Mas o crescimento na margem da produção industrial ainda é muito tímido", advertiu o especialista. Um avanço moderado na atividade industrial neste ano é aguardado pelo analista da consultoria Tendências, Rafael Bacciotti, que estima uma expansão de 2,7% na produção em 2011. Se confirmado, será um resultado muito aquém do avanço recorde de 10,4% em 2010 ante 2009. (AE)

SECRETARIA DOS NEGÓCIOS JURÍDICOS EDITAL PARA CONHECIMENTO DE TERCEIROS E POSSÍVEIS INTERESSADOS, COM PRAZO DE 10 (DEZ) DIAS, EXPEDIDO NOS AUTOS DA AÇÃO DE DESAPROPRIAÇÃO Nº 2008.61.00.021047-0, QUE A MUNICIPALIDADE DE SÃO PAULO MOVE EM FACE DE MARA PORTES E OUTROS O DOUTOR JOSÉ CARLOS MOTTA, MM. JUIZ FEDERAL NESTA 19ª VARA FEDERAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO. FAZ SABER a todos quantos o presente edital virem ou dele conhecimento tiverem, que nos autos da ação de desapropriação n° 2008.61,00.021047-0, que MUNICIPALIDADE DE SÃO PAULO move em face de MARA PORTES, IVANÍLSON ANTONIO DUARTE, AUGUSTA DE SOUZA RAMOS OLIVEIRA - ESPÓLIO, LAURA BENITES DE CAMARGO, ACARI DE CAMARGO, WILLIAM FERREIRA DE AZARA, ARIENE SOUZA NICOLETI, SALVADOR MAGÍNI FILHO, ROZA BUCIERI MANGINI - ESPÓLIO, MONICA BEGUELDO RAMOS, MARIA DA ASSUNÇÃO MACIEL MOURA, NILTON JOSE DE MOURA, KELLY CRISTINA SIGEMORI, RICARDO MASSAO SIGEMORI, SUELY FERRARI, CAROLINE SIGNORELLI CHAVES PEREIRA MACIEL, CALIOPE SIGNORELLI CHAVES PEREIRA MACIEL, CAIO SIGNORELLI CHAVES PEREIRA MACIEL, DANIELLA BASSANESSE, PAULO SERGIO VANSAN, DORNELA RODRIGUES GONCALVES VANSAN, JOSE DIAS FERREIRA NETO, HELENA DOS SANTOS FERREIRA, RONALDO SILVA DE BRITO, MARIA VANDECIRA DE VASCONCELOS BRITO, FRANCISCO EUFLAUSINO FERREIRA, PAULO CESAR DA SILVA, GISLENE JOSE GONÇALVES DA SILVA, EMILIO PACHECO SOUSA, MARIA APARECIDA SOUSA, NORMALUCIA RODRIGUES DE OLIVEIRA, ODELZITO PEREIRA DE OLIVEIRA, MARCOS JORGE, CRISTIANE MARQUES SOARES JORGE, FRANCISCO LUIS RODRIGUES DE MELLO, LUCIANA HENRIETTE CHRISTINI, DIMAS MANOEL PIOVESAN, REGIANE ELENA ARAUJO PIOVESAN, REGINALDO DANTAS ARAUJO, EDMEIA BARBOZA ARAUJO, GOROU HASSEDA, CLÉLIA MARIA HERMAN HASSEDA, FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA BARBOZA, MARIA DE LOURDES OLIVEIRA BARBOZA, RICARDO MOREIRA DE MATOS, TERESA CRISTINA MENEZES PEREIRA DE MATOS, ROSELI SALES PEIXOTO, VALERIA CRUZ, CONSORCIO NACIONAL PANAMERICANO S/C LTDA., CAIXA ECONOMICA FEDERAL, BANCO ABN AMRO REAL S.A., BANCO NOSSA CAIXA S.A., IRACEMA DE LOURDES MlLER PROENCA, ROBERTO MASSAYOSHI MURASE, MARISA EMI MURASE, MICHEL MENEZES ROBERTO e DANIELE PATTA ESCOBAR, tido como proprietários de uma área de 93,36 m2 (terreno e benfeitorias), imóvel urbano, integrante do Condomínio Edifício Salvador Mangini Filho, situado na Rua Domiciano Leite Ribeiro, 693, Vila Guarani, 42° Subdistrito - Jabaquara, Contribuinte n° 310.083.0118-0, declarada de utilidade pública para implantação do Melhoramento “Alça de acesso da Av. Abraão de Morais Viaduto Matheus Torloni”, conforme Decreto n° 46.929, de 23/01/2006, mediante oferta de R$ 38.499,55. Foi prolatada sentença homologando o acordo firmado entre as partes, com trânsito em julgado às fl. 601, verso. Para o levantamento dos depósitos efetuados, requer a citação de todos os interessados. E, para que não se alegue ignorância, mandou expedir o presente edital, que será publicado e afixado no lugar de costume, na forma da lei. Dado e passado nesta cidade de São Paulo, aos vinte e um dias do mês de fevereiro de 2011. Eu, Enio T. Dias, Técnico Judiciário, digitei e eu, Bel. Ricardo Nakai, Diretor de Secretaria, conferi. José Carlos Motta - Juiz Federal.

cia do setor, como um todo, é de que, aos poucos, alguns itens sejam trocados por outros, naturalmente – como foi o caso do videocassete pelo DVD. "Em pouco tempo, o Bluray deverá substituir o aparelho de DVD". Exemplo disso foi o lançamento recente do filme "Tropa de Elite 2", feito exclusivamente em Blu-ray. "A

tecnologia muda muito rápido e os consumidores entendem que a mudança é boa, para uma qualidade melhor." Outra aposta deverá ser o início da fabricação de fogões, projeto que ainda está em estudo nos centros de pesquisa da companhia. Leia mais sobre o assunto na Pág.5.

Consumo das famílias recua 3,8% em fevereiro

O

consumo das famílias no município de São Paulo recuou 3,8% em fevereiro, na comparação com janeiro, conforme o Índice de Consumo das Famílias (ICF), divulgado ontem pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio). O indicador, que varia de zero a 200 pontos, atingiu 136,2 pontos. Valores acima de 100 pontos indicam satisfação e, abaixo disso, insatisfação. Segundo a avaliação da Fecomercio, a segunda queda consecutiva no índice é consequência do aumento do endividamento, da elevação dos juros cobrados ao consumidor e da pressão forte dos preços, principalmente dos alimentos. A entidade afirma que a retração em fevereiro demonstra que as ações do governo para frear o consumo e controlar a inflação estão fazendo efeito. Entre os componentes do indicador, o item Nível de Consumo Atual sofreu decréscimo de 15,2% e chegou aos 98,9 pontos, o que indica insatisfação. A última vez que isso aconteceu foi no início da série, no mês de agosto de

2009, quando o item chegou aos 90,8 pontos. Como o cenário econômico não deve se alterar no curto prazo, o ICF continuará a sofrer impactos dessas políticas e tende a apresentar outras reduções. Também houve queda em outros itens, como Acesso ao Crédito, que recuou 7,9%, aos 148,9 pontos. Para a instituição, a retração é resultado direto da ação do Banco Central (BC) e do Conselho Monetário Nacional (CMN) em aumentar a alíquota do depósito compulsório e retirar R$ 61 bilhões da economia. Renda e emprego – A Fecomercio informou que a renda das famílias está sendo afetada pelo crescente aumento de preços, principalmente dos produtos básicos, com reflexos negativos no poder de compra. O item Renda Atual reflete esse quadro e apresentou uma redução de 4,4% (150 pontos). Atrelado a isso, o item Perspectivas de Consumo recuou 4,9% e chegou aos 137,5 pontos. O único item do ICF que apresentou variação positiva foi Momento para Duráveis, que registrou crescimento de 6,6%, para 145,2 pontos. (AE)

SECRETARIA DO VERDE E MEIO AMBIENTE COMUNICADO DE LICITAÇÃO Pregão Presencial Nº 045/SVMA/2010 Processo Administrativo Nº 2010-0.141.280-6 Objeto: Contratação de empresa objetivando a prestação de serviços de plantio e manutenção de mudas de árvores nas Divisões Técnicas dos Núcleos de Gestão Descentralizada Sul I, Sul II, Sul III, Centro Oeste I, Centro Oeste II, Norte I, Norte II, Leste I, Leste II e Leste III, conforme especificações constantes no Termo de Referência - ANEXO I, visando a ampliação e requalificação da cobertura arbórea do Município de São Paulo. A Comissão Permanente de Licitação - CPL.2 comunica que, em face da Consulta Pública nº 001/SVMA/2011 realizada por esta Pasta e das alterações feitas no Edital, torna público que a sessão de abertura do Pregão Presencial em epígrafe fica redesignada para o dia 23 de MARÇO de 2011, às 09h30, na Rua do Paraíso, 387/389, térreo, Capital, prédio sede da SECRETARIA MUNICIPAL DO VERDE E DO MEIO AMBIENTE, quando as empresas interessadas em participar deverão entregar os documentos referentes ao Credenciamento, a Declaração de Cumprimento das Condições de Habilitação, os envelopes contendo a Proposta de Preços e os Documentos de Habilitação, diretamente ao Pregoeiro. O novo caderno de licitação, composto de edital e dos anexos, poderá ser obtido sem custo, através da Internet pelo site http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br, na legenda “alteração”, onde os interessados deverão se cadastrar conforme orientações ou retirado, mediante a entrega de 1 (um) CD-R ou CD-RW sem uso, na Unidade de Licitações, situada na Rua do Paraíso, nº 387/389, 9º andar, Paraíso, nesta Capital, das 09:00 às 17:00 horas, tel. 3396-3104/3396-3103 e fax 3396-3106.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

22

e

quinta-feira, 3 de março de 2011

O querosene de aviação (QAV) teve um reajuste de 16,08% em 2011

conomia

Passageiro Vip

Alegrias e tristezas de um cruzeiro no Brasil D Rafael Andrade/Folhapress

Divulgação

Rubem Tavares

N

ros inexperientes e humildes, gente que juntou economias e pagou a prazo para realizar o sonho de um cruzeiro e que visita o Rio pela primeira vez. No dia em que testemunhei essa situação, em janeiro deste ano, havia sete navios de cruzeiro atracados. O que deveria ser uma festa colorida de 20 mil turistas e o prenúncio da recuperação do Rio e dos tão aguardados eventos esportivos, por causa desses taxistas inescrupulosos e omissão das autoridades, tornou-se um espetáculo traumático para todos que sonham em ver a Cidade Maravilhosa brilhar novamente.

tacionados na saída, mas sim táxis comuns que estacionam irregularmente nos espaços internos, dando ao viajante incauto a impressão de ser um serviço autorizado. Taxistas sérios revelam que não ousam se aproximar do local para não sofrer sanções – de multas aplicadas por maus guardas de trânsito a ameaças de agressão física e danos ao veículo por essa máfia ali estabelecida. Será que esse fato é desconhecido pelos dirigentes do porto? Difícil acreditar. O que é doloroso, como brasileiro e carioca, é constatar que as vítimas desse esquema vergonhoso são os passagei-

Iata projeta margens menores às aéreas

O

s ganhos líquidos das companhias aéreas em todo o mundo devem diminuir pela metade neste ano, em meio ao cenário de aumento de custos, especialmente por preços de combustíveis, ofuscando a crescente demanda, afirmou ontem a Iata, associação mundial que representa o setor. O resultado deve levar a uma margem líquida de 1,4% em 2011, ante 2,9% em 2010. O diretor-geral da Iata, Giovanni Bisignani, disse durante coletiva de imprensa que aumento de taxas, como as arrecadadas no valor das passagens, representam outra ameaça para a indústria que vem lutando para se recuperar. O executivo chamou a atenção do governo para que revise as regulações para sustentar a lucratividade do setor. "Estamos constantemente andando na corda bamba com margens muito baixas, e não há um amortecedor. Essa indústria é muito, muito frágil." A Iata estima que o lucro líquido do setor some US$ 8,6 bilhões neste ano, abaixo dos US$ 9,1 bilhões previstos em dezembro. O resultado deste

Contatos com o autor pelo e-mail: fabio@steinberg.com.br

Azul descarta um choque de preços na aviação

Estamos constantemente andando na corda bamba com margens muito baixas, e não há um amortecedor. GIOVANNI BISIGNANI, IATA ano deve ser apoiado em receitas de US$ 594 bilhões, ante US$ 552 bilhões no último ano, conforme previsões da Iata. As receitas se contrapõem ao endividamento da indústria, que é de US$ 210 bilhões, afirmou. As projeções da entidade consideram o preço médio do petróleo de US$ 96 por barril neste ano, ante US$ 79,4 em 2010. Como resultado, os gastos do setor com combustíveis devem saltar para US$ 166 bilhões em 2011 – 29% dos custos totais – , comparados a US$ 139 bilhões, ou 26%, em 2010. Bisignani disse que cada alta de US$ 1 na cotação do petróleo resulta em acréscimo de US$ 1,6 bilhão em custos para companhias aéreas. (Reuters)

GRUPO NAZA

depois de passar por algumas redações de jornais, em uma carreira eclética, atuou no mercado financeiro, consultoria, hotelaria, comércio e editorial. Até que, há 18 anos, de forma pioneira, criou a Business Travel Magazine (BTM), ajudando a divulgar o setor que começava a crescer. No momento só com o website, Rubem prepara o retorno bimestral da publicação. Preciso e elegante, faz um raio X crítico da área: "Há pouca união e overbooking de egos, priorizando a exposição social em detrimento de ações profissionais."

O

presidente da Azul Linhas Aéreas, Pedro Janot, afastou um "grande choque de preços" no mercado de aviação em virtude da alta no preço do petróleo e do reajuste do querosene de aviação, mas não descartou alterações nas tarifas se persistir o cenário de aumentos no combustível. "O petróleo representa até 40% dos custos das companhias, a situação no Oriente Médio não tem definição clara e, em determinado momento, as companhias vão ser obrigadas a repassar isso para os clientes", disse. "Nos dá uma ansiedade grande esses preços no patamar de US$ 97, o barril", completou Janot. Com a alta do preço do petróleo no mercado internacional em virtude das crises políticas em países produtores do Norte da África e do Orient e M é d i o , o q u e ro s e n e d e aviação (QAV) teve um reajuste de 16,08% em 2011. Ontem, a Petrobras comunicou um novo aumento, de 6,2%, de acordo com informações do Sindicato Nacional das Empresas Aéreas (Snea). Apesar de não revelar números, Janot garantiu que a

Azul tem operações de hedge para proteger a volatilidade do mercado. "Entendemos que (o hedge) nos protege e que um grande choque de preços no mercado, neste momento, está afastado", reafirmou. Janot descartou ainda operações de capitalização da companhia no curto prazo, tanto por meio de captações ou por uma oferta pública de ações (IPO, da sigla, em inglês). "O investidores estão satisfeitos com resultado. Por enquanto, a Azul está capitalizada e bem estruturada na parte de tesouraria", disse. O presidente da Azul informou que a taxa de ocupação da companhia ficou em torno de 82% dos assentos em fevereiro, acima dos 80% que a empresa aérea mantém como meta estratégica. Além de Ribeirão Preto, cuja rota deve transportar 260 mil passageiros por ano, a Azul iniciará, em 14 de abril, outras rotas, a partir de Viracopos, para Uberaba (MG) e Araçatuba (SP). A empresa negocia ainda voos para as cidades paulistas de Presidente Prudente, Marília e Franca, sempre a partir do aeroporto de Campinas. (AE) DC

rias não acompanharam o aumento da demanda de passageiros, não só na sua infraestrutura, mas também na gestão de serviços. Um exemplo lamentável são os táxis do Porto do Rio de Janeiro, que recebe nesta temporada a maioria dos viajantes de navios, cerca de 500 mil turistas. Uma imensa corja de maus profissionais se apoderou do Píer da Praça Mauá onde adota tarifas extorsivas, sem taxímetro ou qualquer controle. Um percurso dali a Copacabana costuma custar R$ 100, pelo menos umas três vezes acima da tabela. O pior é que não são carros irregulares es-

ão há quem não conheça esse cordial jornalista, prestativo, bem informado e presença obrigatória em todos os eventos de viagens de negócios que se preze. Mas poucos sabem que Rubem, filho de diplomata, nascido no Japão, fez turismo forçado desde criança: morou na França, Bélgica, China e Suíça. Até os 14 anos já havia dado duas voltas no mundo. Formado em Administração, com especialização em Marketing e pósgraduação em Finanças, três filhos, começou a trabalhar como office-boy e

DC

efinitivamente, os cruzeiros caíram no gosto do consumidor brasileiro. Segundo a Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos (Abremar), na temporada atual de sete meses e que vai até maio, estão previstos 884 mil passageiros, um aumento de 22% em relação à anterior. São mais de 400 rotas realizadas por 20 navios com 45 mil leitos, e vendas estimadas em mais de U$S 500 milhões. O mercado corporativo também aumenta sua presença com eventos. Mas o que chama a atenção é a crescente democratização dos cruzeiros, acessíveis à nova classe média, que até pouco tempo só ouvia falar de navios em filmes. O pulo do gato foi estabelecer, em frota moderna, não só a modalidade "all inclusive" a preços razoáveis, como bons planos de financiamento. Assim, as seis operadoras prestam um serviço inestimável à integração desta gente heroica, mas ainda com pouco traquejo social. Com cara e coragem, muitos fazem em curto prazo um verdadeiro curso de socialização, tomam banho de informações, culturas e comportamentos em terreno até recentemente restrito às classes socioeconômicas mais altas. Além da grata surpresa, é emocionante acompanhar o aprendizado alegre e acelerado dos cidadãos que se integram ao mundo de consumo. A nota destoante é constatar que as autoridades portuá-

PLANEJADOS E COLCHÕES Melhor preço da região

Uma empresa formada por profissionais altamente qualificados para oferecer a você e sua família toda a tranquilidade que vocês merecem. CONSULTE-NOS! Trabalhamos com as principais seguradoras

Fazemos orçamentos em toda São Paulo. Traga o seu projeto, que temos o melhor orçamento, ou se preferir iremos até você.

Seguro de Automóvel, Consórcio e Financiamento • Seguro Empresarial • Seguro Saúde Empresarial e Individual • Seguro de Vida e Acidentes Pessoais • Seguro Transportes Nacionais e Internacionais • Seguro Residencial • Previdência Privada

Casa completa por R$ 399,00 mensais DISK PROJETOS (11) 2747-0699

Visite nosso site www.plentysegcorretora.com.br

Praça Leonardo de Barros Carvalho, 168

Tels.: 11 2684-0232 / 2682-0390


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira, 3 de março de 2011

e Preocupação dos mercados mantém petróleo em alta

23 Não há mais nenhum problema para a transmissão das declarações do IRPF. Joaquim Adir, supervisor nacional do Imposto de Renda

conomia

Christian Charisius/Reuters

Barril Brent fechou a US$ 116,35 no pregão de ontem, enquanto o barril do WTI ultrapassou os US$ 100.

A

s tensões na Líbia continuam tendo impacto sobre a cotação do petróleo, elevando o grau de preocupação dos investidores com eventuais problemas no fornecimento do produto. O barril Brent para entrega em abril fechou ontem em alta de 0,8% no mercado de futuros de Londres, cotado a US$ 116,35. Já a cotação do Petróleo Intermediário do Texas (WTI, leve) fechou em alta de 2,6% na Bolsa Mercantil de Nova York, cotado a US$ 102,23 por barril – s u p e r a n d o a b a r re i r a d o s US$ 100 pela primeira vez desde setembro de 2008. "A atividade militar na Líbia está causando essa erupção no mercado", comentou Tony Rosado, da GA Global Markets. Para Andy Lebow, da FM Global, "o mercado está tão nervoso e negociando com tanto medo que qualquer manchete da imprensa move os preços". A Agência Internacional de Energia (AIE) disse que a redu-

ção na produção de petróleo da Líbia causada pelo conflito foi maior do que se previa inicialmente. Segundo dados da organização, a redução foi de 850 mil a 1 milhão de barris por dia. Normalmente, o país norte-africano produz um total de 1,6 milhão de barris por dia. Ainda assim, a agência afirmou que as refinarias europeias, principais compradoras do petróleo líbio, têm "estoques amplos", que devem durar "até o fim de março".

Opep – A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), da qual a Líbia faz parte, disse que a produção total do cartel ficou praticamente inalterada no mês passado, em comparação com janeiro. Isso sugere que a elevação da produção em países como Arábia Saudita, Iraque, Kuwait, Catar e os Emirados Árabes Unidos teve o efeito de compensar a recente queda ocorrida na Líbia. Outro fator para a alta dos preços do petróleo foi o informe do Departamento de Energia dos Estados Unidos (DoE, na sigla em inglês), na manhã de ontem, de que os estoques norte-americanos tiveram uma redução de 364 mil barris na semana passada. Esse movimento contrariou as previsões de analistas, que esperavam crescimento. Os estoques de gasolina tiveram uma redução de 3,6 milhões de barris, quando a previsão era um crescimento de 100 mil barris. (Agências)

Para a Agência Internacional de Energia (AIE), estoques europeus devem durar até o fim de março.

Pawel Kopczynski/Reuters

ANP: produção brasileira aumenta 6,3% em janeiro.

A

Os mercados europeus continuaram receosos ontem com relação ao impacto da crise na Líbia sobre o fornecimento de petróleo

Prossegue queda nas bolsas A

ssim como na terçafeira, nem a boa notícia vinda dos Estados Unidos – no caso, a criação de 217 mil postos de trabalho entre janeiro e fevereiro – conseguiu deter o ímpeto de queda das bolsas de valores na Ásia e na Europa. Os investidores continuam cautelosos em razão do prolongamento do conflito entre o governo do coronel Muamar Kadafi e os oposicionistas, assim como ante as tensões crescentes em outros países do mundo árabe – que fizeram as cotações internacionais do petróleo alcançarem máximas recordes (v ej a

texto acima). O dia começou com quedas nas bolsas asiáticas, com os investidores afastando-se de ativos mais arriscados por preocupações com o fornecimento de petróleo. A bolsa de Tóquio liderou as perdas, caindo 2,43%. A de Xangai recuou 0,2%, enquanto a de Hong Kong perdeu 1,5% e a de Cingapura, 1,31%. Ceticismo – Na Europa, as bolsas também fecharam em baixa nesta quarta-feira, com o índice das FTSEurofirst 300 caindo 0,58%. "Os investidores da Europa ainda estão um pouco céticos sobre o merca-

do, considerando a alta do petróleo, e não estão, portanto, seguindo os EUA", afirmou Daron Anyangwe, operador de ações do IG Index. No mercado londrino, o o índice Financial Times fechou em baixa de 0,35%, enquanto que, em Frankfurt, o Dax recuou 0,58%. O CAC-40 de Paris, por sua vez, teve perdas de 0,81%, ao passo que o FTSE/MIB de Milão foi a exceção à tendência dominante, e teve valorização de 0,05%. Nos EUA, contudo, os principais índices da Bolsa de Nova York esboçaram uma reação ao comportamento dos

últimos dias. Com isso, o índice Dow Jones Industrial fechou em alta de 0,07%, ao passo que o o indicador seletivo S&P 500 subiu 0,16%. Já o Nasdaq aumentou 0,39%. Brasil – Depois de dois pregões em queda, as ações da Petrobras voltaram a exibir alta forte e a conduzir o Ibovespa. O índice terminou o pregão de ontem com elevação de 1,57%, aos 67.281,51 pontos. O giro financeiro da sessão totalizou R$ 7,427 bilhões. A Petrobras voltou a registrar ganhos. A ação ON encerrou com elevação de 3,27%, e a PN, de 2,16%. (Agências)

Receita volta a receber declarações

N

o final da manhã de ontem, a Receita Federal voltou a receber normalmente as declarações do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF), que desde o começo do dia não estavam sendo enviadas em decorrência de problemas

no Sistema Federal de Processamento de Dados (Serpro) em São Paulo. De acordo com o supervisor nacional do Imposto de Renda, Joaquim Adir, por volta das 10h45 os serviços começaram a ser retomados. "Não há mais nenhum problema para a

transmissão das declarações. E em nenhum momento houve problema com os dados que já haviam sido transmitidos", afirmou. Apesar de o centro de dados ter ficado fora do ar apenas em São Paulo, o problema afetou a transmissão de declarações

no Brasil inteiro e também as operações dos Departamentos Estaduais de Trânsito (Detrans) em todos os Estados, de acordo com informações da assessoria de imprensa do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran).(Folhapress)

produção de petróleo no Brasil totalizou 2,122 milhões de barris por dia (bbl/d) em janeiro deste ano – uma expansão de 6,3% em relação a igual período de 2010, segundo dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Na comparação com dezembro do ano passado, o indicador apresentou queda de 2,65%. A retração observada nesse segundo caso, ponderou a ANP, tem como fundamento a forte base de comparação. "O volume de petróleo produzido em janeiro de 2011 é superior aos 2,089 milhões de barris/dia de novembro de 2010, recorde anterior ao de dezembro de 2010", destacou a ANP em nota. A produção de gás natural totalizou 66 milhões de metros cúbicos por dia (m³/d) em janeiro, expansão de 13,2% sobre janeiro de 2010, mas 4,3% inferior ao volume de dezembro de 2010. Quando somados os números de petróleo e gás natural, a produção interna totalizou 2,539 milhões barris de óleo equivalente por dia (boe/d), alta de 7,4% sobre janeiro de 2010 e queda de 2,9% em relação a dezembro do ano passado. Além da forte base comparativa, a ANP também destacou que a retração nos indicadores entre dezembro de 2010 e janeiro de 2011 é justificada pelas paradas de produção das plataformas P-48, FPSO Polvo e FPSO Cidade de Santos, nos campos de Caratinga, Polvo e Uruguá, respectivamente. Queima de gás – A ANP informou também que as empresas que extraem gás natural registraram uma queda de 12,4% na queima do produto em janeiro, na comparação com igual mês de 2010. Na comparação a dezembro do ano passado, o recuo foi um pouco menor, de 8,3%. Entre os 20 maiores campos produtores de petróleo e gás natural localizados no Brasil, dois são operados por empresas estrangeiras – Frade/Chevron e Ostra/Shell. A Petrobras, no entanto, é responsável pela operação da maior parte dos campos de petróleo e gás natural brasileiros, detendo quase 93% do total.(Agências) Prefeitura do Município de Santa Gertrudes Tomada de Preços 01/2011 A Prefeitura do Município de Santa Gertrudes, com Paço Municipal à Rua 01A, 332, Centro, Santa Gertrudes/SP, torna público, para conhecimento de interessados, que acha-se aberta a Tomada de Preços 01/2011, que objetiva a contratação de empresa visando o fornecimento de toda a infraestrutura para a realização da XX Festa do Peão de Boiadeiro de Santa Gertrudes. O edital completo poderá ser retirado das 8:00 às 11:00 e das 13:00 às 16:00 horas, de segunda a sexta-feira, mediante o recolhimento da taxa de R$ 50,00 (cinquenta reais). Será exigido o cadastramento prévio. Os envelopes com a documentação e a proposta deverão ser protocolados no Paço Municipal até às 9:30 horas do dia 25/ 03/2011, sendo que a abertura dos mesmos será neste mesmo dia, às 10:00 horas. Santa Gertrudes/ SP, 02/03/2011. Juliana Meyer – Comissão de Licitações.

Prefeitura do Município de Santa Gertrudes Pregão Presencial 06/2011 A Prefeitura do Município de Santa Gertrudes torna público que, no dia e hora especificados, nas dependências do Paço Municipal, à Rua 01A, 332, Centro, Santa Gertrudes/SP, realizar-se-á licitação, na modalidade Pregão Presencial 06/2011, do tipo menor preço, objetivando a contratação de empresa especializada para execução de serviços de limpeza e conservação de logradouros e próprios públicos. O edital completo poderá ser retirado no endereço supracitado, no horário das 8:00 às 11:00 e das 13:00 às 16:00 horas, sendo necessária a retirada no local. Não serão enviados editais pelo correio ou por email. Os envelopes com as propostas e os documentos de habilitação devem ser protocolados até às 9:30 horas do dia 23/03/2011, no Paço Municipal. A sessão de lances e julgamento será neste mesmo dia, às 10:00 horas. Santa Gertrudes/SP, 02 de março de 2011. (a) Danielle Zanardi Leão – Pregoeira.

FALÊNCIA, RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL E RECUPERAÇÃO JUDICIAL Conforme informação da Distribuição Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, foram ajuizados no dia 2 de março de 2011, na Comarca da Capital, os seguintes pedidos de falência, recuperação extrajudicial e recuperação judicial: Requerente:Antonio Carlos Camelo dos Santos - Requerido: Cabomar S/A. Rua Antonio Chiarizzi, 155 - Parque da Mooca - 1ª Vara de Falências Requerente: M.S. Atacadista e Distribuição Ltda. - Requerido: São Paulo Alpargatas S.A.. Rua Funchal, 160 - 7° andar - Vila Olímpia - 2ª Vara de Falências Requerente: Comercial Commed Produtos Hospitalares Ltda. - Requerido: Hospital e Maternidade Santa Marina Ltda. - Avenida Santa Catarina, 2.800 - Vila Mascote - 1ª Vara de Falências Requerente: Famaza Fomento Mercantil Ltda. - Requerido: Marcela Carolina Cerda Munhoz ME - Rua Botucatu, 397 - Vila Clementino - 2° Vara de Falências


DIÁRIO DO COMÉRCIO

24

quinta-feira, 3 de março de 2011

ORIENTAÇÃO LEGAL LEGISLAÇÃO N DOUTRINA N JURISPRUDÊNCIA INSTITUTO JURÍDICO DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE SÃO PAULO Coordenação: Carlos Celso Orcesi da Costa

AGENDA TRIBUTÁRIA PAULISTA - MARÇO /2011 COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA Comunicado CAT-06, de 25-02-2011 (DOE 01-03-2011) O Coordenador da Administração Tributária declara que as datas fixadas para cumprimento das OBRIGAÇÕES PRINCIPAIS e ACESSÓRIAS, do mês de março de 2011, são as constantes da Agenda Tributária Paulista anexa. OBSERVAÇÕES: 1) o Decreto nº 45.490, de 30.11.2000 - DOE de 01.12.2000, que aprovou o RICMS, estabeleceu em seu Anexo IV os prazos do recolhimento do imposto em relação às Classificações de Atividades Econômicas ali indicadas. O não recolhimento do imposto até o dia indicado sujeitará o contribuinte ao seu pagamento com juros estabelecidos pela Lei nº 10.175, de 30.12.98 - DO de 31.12.98, e demais acréscimos legais. 2) o prazo previsto no Anexo IV do RICMS para o recolhimento do ICMS devido na condição de sujeito passivo por substituição, pelas operações subseqüentes com as mercadorias sujeitas ao regime da substituição tributária referidas nos itens 11 a 33 do § 1º do art. 3º do mencionado anexo, fica prorrogado para o último dia do segundo mês subseqüente ao do mês de referência da apuração. A prorrogação de prazo citada anteriormente aplica-se também ao prazo: (Decreto nº 55.307, de 30.12.2009; DOE 31.12.09, produzindo efeitos para os fatos geradores ocorridos até 31 de março de 2011) 1. estabelecido no item 3 do § 2º do art. 268 do RICMS, para que o contribuinte sujeito às normas do Simples Nacional recolha o imposto devido na condição de sujeito passivo por substituição tributária; 2. correspondente ao Código de Prazo de Recolhimento CPR indicado no item 2 do § 1º do art. 3º do Anexo IV do Regulamento do ICMS, para o recolhimento do imposto devido, na condição de sujeito passivo por substituição tributária, pelas operações subsequentes com água natural, mineral, gasosa ou não, ou potável, em embalagem com capacidade igual ou superior a 5.000 ml. INFORMAÇÕES ADICIONAIS: DO IMPOSTO RETIDO ANTECIPADAMENTE POR SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA: Os contribuintes, em relação ao imposto retido antecipadamente por substituição tributária, estão classificados nos códigos de prazo de recolhimento abaixo indicados e deverão efetuar o recolhimento até os seguintes dias (Anexo IV, art. 3°, § 1° do RICMS): DIA 03 N cimento - 1031; N refrigerante, cerveja, chope e água - 1031; N álcool anidro, demais combustíveis e lubrificantes deri-

vados de petróleo - 1031;

DIA 09 N veículo novo - 1090; N veículo novo motorizado classificado na posição 8711 da

NBM/SH - 1090; câmaras-de-ar e protetores de borracha 1090; N fumo e seus sucedâneos manufaturados - 1090; N tintas, vernizes e outros produtos químicos - 1090; N energia elétrica - 1090; N sorvete de qualquer espécie e preparado para fabricação de sorvete em máquina – 1090; N pneumáticos,

DIA 31 N medicamentos e contraceptivos referidos no § 1° do ar-

tigo 313-A do RICMS – 1090; N bebida alcoólica, exceto cerveja e chope - 1090; N produtos de perfumaria referidos no § 1° do artigo 313-E do RICMS - 1090; N produtos de higiene pessoal referidos no § 1° do artigo 313-G do RICMS - 1090; N ração tipo "pet" para animais domésticos, classificada na posição 23.09 da NBM/SH - 1090; N produtos de limpeza referidos no § 1° do artigo 313-K do RICMS - 1090; N produtos fonográficos referidos no § 1° do artigo 313-M do RICMS - 1090; N autopeças referidas no § 1° do artigo 313-O do RICMS - 1090; N pilhas e baterias novas, classificadas na posição 85.06 da NBM/SH - 1090; N lâmpadas elétricas referidas no § 1° do artigo 313-S do RICMS - 1090; N papel referido no § 1° do artigo 313-U do RICMS – 1090; N produtos da indústria alimentícia referidos no § 1° do artigo 313-W do RICMS - 1090; N materiais de construção e congêneres referidos no § 1° do artigo 313-Y do RICMS - 1090. N produtos de colchoaria referidos no § 1° do artigo 313-Z1 do RICMS - 1090; N ferramentas referidas no § 1° do artigo 313-Z3 do RICMS - 1090; N bicicletas e suas partes, peças e acessórios referidos no § 1° do artigo 313-Z5 do RICMS - 1090; N instrumentos musicais referidos no § 1° do artigo 313-Z7 do RICMS - 1090. N brinquedos referidos no § 1° do artigo 313-Z9 do RICMS - 1090. N máquinas, aparelhos mecânicos, elétricos, eletromecânicos e automáticos referidos no § 1° do artigo 313-Z11 do RICMS - 1090. N produtos de papelaria referidos no § 1° do artigo 313-Z13 do RICMS - 1090. N artefatos de uso doméstico referidos no § 1° do artigo 313Z15 do RICMS - 1090. N materiais elétricos referidos no § 1° do artigo 313-Z17 do RICMS - 1090. N produtos eletrônicos, eletroeletrônicos e eletrodomésticos referidos no § 1° do artigo 313-Z19 do RICMS – 1090.

O prazo previsto no Anexo IV do RICMS para o recolhimento do ICMS devido na condição de sujeito passivo por substituição, pelas operações subseqüentes com as mercadorias sujeitas ao regime da substituição tributária referidas nos itens 11 a 33 do § 1º do art. 3º do mencionado anexo, fica prorrogado para o último dia do segundo mês subseqüente ao do mês de referência (Decreto nº 55.307, de 30-12-09; DOE 31-12-09, produzindo efeitos para os fatos geradores ocorridos até 31 de março de 2011). OBSERVAÇÕES EM RELAÇÃO AO ICMS DEVIDO POR ST: a) O contribuinte enquadrado em código de CNAE que não identifique a mercadoria a que se refere a sujeição passiva por substituição, observado o disposto no art. 566, deverá recolher o imposto retido antecipadamente por sujeição passiva por substituição até o dia 9 do mês subseqüente ao da retenção, correspondente ao CPR 1090 (Anexo IV, art. 3º, § 2º do RICMS, aprovado pelo Decreto nº 45.490, de 30.11.00, DOE de 01.12.00; com alteração do Decreto nº 46.295, de 23.11.2001, DOE de 24.11.2001).

AGENDA TRIBUTÁRIA PAULISTA Nº 259

guir indicados, conforme o 8º dígito de seu número de inscrição no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas CNPJ (12.345.678/xxxx-yy).(Portaria CAT - 85, de 4-92007 - DOE 05/09/2007)

MÊS: MARÇO DE 2011 DATAS PARA RECOLHIMENTO DO ICMS E OUTRAS OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS

Classificação de atividade econômica

Código de prazo de recolhimento

CNAE

CPR

Regime periódico de apuração Recolhimento do ICMS Fato gerador

10333, 11119, 11127, 11135, 11216, 11224, 17109, 17214, 17222, 17311, 17320, 17338, 17419, 17427, 17494, 19101, 19217, 19225, 19322; 20118, 20126, 20134, 20142, 20193, 20215, 20223, 20291, 20312, 20321, 20339, 20401, 20517, 20525, 20614, 20622, 20631, 20711, 20720, 20738, 20916, 20924, 20932, 20941, 20991, 21106, 21211, 21220, 21238, 22218, 22226, 22234, 22293, 23206, 24113, 24121, 24211, 24229, 24237, 24245, 24318, 24393, 24415, 24431, 24491, 24512, 24521, 25110, 25128, 25136, 25217, 25314, 25322, 25390, 25411, 25420, 25438, 25501, 25918, 25926, 25934, 25993, 26108, 26213, 26221, 26311, 26329, 26400, 26515, 26523, 26604, 26701, 26809, 27104, 27210, 27317, 27325, 27333, 27511, 27597, 27902, 28135, 28151, 28232, 28241, 28518, 28526, 28534, 28542, 29107, 29204, 29506; 30113, 30121, 30318, 30504, 30911, 32124, 32205, 32302, 32400, 32507, 32914, 33112, 33121, 33139, 33147, 33155, 33198, 33210, 35115, 35123, 35131, 35140, 35204, 35301; 46214, 46222, 46231, 46311, 46320, 46338, 46346, 46354, 46362, 46371, 46397, 46419, 46427, 46435, 46443, 46451, 46460, 46478, 46494, 46516, 46524, 46613, 46621, 46630, 46648, 46656, 46699, 46711, 46729, 46737, 46745, 46796, 46818, 46826, 46834, 46842, 46851, 46869, 46877, 46893, 46915, 46923, 46931, 49302, 49507; 50114, 50122, 50211, 50220, 50912, 50998, 51111, 51129, 51200, 51307, 53105, 53202; 60217, 60225, 63917. 01113, 01121, 01130, 01148, 01156, 01164, 01199, 01211, 01229, 01318, 01326, 01334, 01342, 01351, 01393, 01415, 01423, 01512, 01521, 01539, 01547, 01555, 01598, 01610, 01628, 01636, 01709; 02101, 02209, 02306; 03116, 03124, 03213, 03221; 05003; 06000; 07103, 07219, 07227, 07235; 07243, 07251, 07294; 08100, 08916, 08924, 08932, 08991; 09106, 09904; 12107, 12204; 23915, 23923; 33163, 33171; 41204, 42111, 42120, 42138, 42219, 42227, 42235, 42910, 42928, 42995, 43118, 43126, 43134, 43193, 43215, 43223, 43291, 43304, 43916, 43991, 45111, 45129, 45200, 46117, 46125, 46133, 46141, 46150, 46168, 46176, 46184, 46192, 47318, 47326, 49400; 50301, 52117, 52125, 52214, 52222, 52231, 52290, 52311, 52320, 52397, 52401, 52508, 55108, 55906; 62015, 62023, 62031, 62040, 62091, 63119, 63194, 63992, 64107, 64212, 64221, 64239, 64247, 64310, 64328, 64336, 64344, 64352, 64361, 64379, 64409, 64506, 64611, 64620, 64638, 64701, 64913, 64921, 64930, 64999, 66134, 69117, 69125, 69206; 70204, 71111, 71120, 71197, 71201, 73114, 73122, 73190, 73203, 74102, 74200, 74901, 75001, 77403, 78108, 78205, 78302, 79112, 79121; 80111, 80129, 80200, 80307, 81214, 81222, 81290, 81303, 82113, 82199, 82202, 82300, 82911, 82920, 85503, 86101, 86216, 86224, 86305, 86402, 86500, 86607, 86909, 87115, 87123, 87204, 87301, 88006; 95118; 60101, 61108, 61205, 61302, 61418, 61426, 61434, 61906; 10538; 36006, 37011, 37029, 38114, 38122, 38211, 38220, 39005; 41107, 45307, 45412, 45421, 45439, 47113, 47121, 47130, 47229, 47237, 47245, 47296, 47415, 47423, 47431, 47440, 47512, 47521, 47539, 47547, 47555, 47563, 47571, 47598, 47610, 47628, 47636, 47717, 47725, 47733, 47741, 47814, 47822, 47831, 47849, 47857, 47890, 49116, 49124; 56112, 56121, 56201, 59111, 59120, 59138, 59146; 65111, 65120, 65201, 65308, 65413, 65421, 65502, 66118, 66126, 66193, 66215, 66223, 66291, 66304, 68102, 68218, 68226; 72100, 72207, 77110, 77195, 77217, 77225, 77233, 77292, 77314, 77322, 77331, 77390, 79902; 81117, 81125, 82997, 84116, 84124, 84132, 84213, 84221, 84230, 84248, 84256, 84302, 85112, 85121, 85139, 85201, 85317, 85325, 85333, 85414, 85422, 85911, 85929, 85937, 85996; 90019, 90027, 90035, 91015, 91023, 91031, 92003, 93115, 93123, 93131, 93191, 93212, 93298, 94111, 94120, 94201, 94308, 94910, 94928, 94936, 94995, 95126, 95215, 95291, 96017, 96025, 96033, 96092, 97005, 99008; 25225, 28119, 28127, 28143, 28216, 28224, 28259, 28291, 28313, 28321, 28330, 28402, 28615, 28623, 28631, 28640, 28658, 28666, 28691; 10112, 10121, 10139, 10201, 10317, 10325, 10414, 10422, 10431, 10511, 10520, 10619, 10627, 10635, 10643, 10651, 10660, 10694, 10716, 10724, 10813, 10821, 10911, 10929, 10937, 10945, 10953, 10961, 10996, 15106, 15211, 15297, 16102, 16218, 16226, 16234, 16293, 18113, 18121, 18130, 18211, 18229, 18300, 19314; 22111, 22129, 22196, 23117, 23125, 23192, 23303, 23494, 23991, 24423, 27228, 27406, 29301, 29417, 29425, 29433, 29441, 29450, 29492; 30326, 30920, 30997, 31012, 31021, 31039, 31047, 32116, 33295, 38319, 38327, 38394; 47211, 49213, 49221, 49230, 49248, 49299; 58115, 58123, 58131, 58191, 58212, 58221, 58239, 58298, 59201; 13111, 13120, 13138, 13146, 13219, 13227, 13235, 13308, 13405, 13511, 13529, 13537, 13545, 13596, 14118, 14126, 14134, 14142, 14215, 14223, 15319, 15327, 15335, 15394, 15408; 23419, 23427; 30415, 30423, 32922, 32990;

b) Em relação ao estabelecimento refinador de petróleo e suas bases, observar-se-á o que segue: 1) no que se refere ao imposto retido, na qualidade de sujeito passivo por substituição tributária, 80% (oitenta por cento) do seu montante será recolhido até o 3º dia útil do mês subsequente ao da ocorrência do fato gerador - CPR 1031 e o restante, até o dia 10 (dez) do correspondente mês - CPR 1100; 2) no que se refere ao imposto decorrente das operações próprias, 95% (noventa e cinco por cento) será recolhido até o 3º dia útil do mês subsequente ao da ocorrência do fato gerador - CPR 1031 e o restante, até o dia 10 (dez) do correspondente mês - CPR 1100. 3) no que se refere ao imposto repassado a este Estado por estabelecimento localizado em outra unidade federada, o recolhimento deverá ser efetuado até o dia 10 de cada mês subsequente ao da ocorrência do fato gerador – CPR 1100 (Anexo IV, art. 3º, § 5º do RICMS, acrescentado pelo Decreto nº 47.278, de 29/10/02). Simples Nacional:

DIA 15 – O contribuinte enquadrado no Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte - “Simples Nacional” deverá efetuar até esta data os seguintes recolhimentos: a) O valor do imposto correspondente à diferença entre a alíquota interna e a interestadual, nos termos do Artigo 115, inciso XV-A, do RICMS (Portaria CAT-75, de 15-5-2008); b) O valor do imposto devido na condição de sujeito passivo por substituição, nos termos do § 2º do Artigo 268 do RICMS. O prazo para o pagamento do DAS referente ao período de apuração de fevereiro de 2011 encontra-se disponível no portal do Simples Nacional (http://www8.receita.fazenda.gov.br/SimplesNacional/) por meio do link Agenda do Simples Nacional - 2010.

02/2011

01/2011

Dia

Dia

1031

3

-

OBS.: Na hipótese de Nota Fiscal, modelo 1 ou 1-A, emitida por contribuinte sujeito ao Regime Periódico de Apuração - RPA, de que trata o artigo 87 do Regulamento do ICMS, cujo campo "destinatário" indique pessoa jurídica, ou entidade equiparada, inscrita no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas - CNPJ, e cujo campo "valor total da nota" indique valor igual ou superior a R$ 1.000,00 (mil reais), o registro eletrônico deverá ser efetuado em até 4 (quatro) dias contados da emissão do documento fiscal. (Portaria CAT-127/07, de 21.12.2007; DOE 22.12.2007). 3) DIA 10 - Guia Nacional de Informação e Apuração do ICMS – Substituição Tributária: O contribuinte de outra unidade federada obrigado à entrega das informações na GIA-ST, em relação ao imposto apurado no mês de fevereiro de 2011, deverá apresentá-la até essa data, na forma prevista no Anexo V da Portaria CAT 92, de 23.12.98 acrescentado pela Portaria CAT 89, de 22.11.00, DOE de 23.11.00 (art. 254, parágrafo único do RICMS, aprovado pelo Decreto 45.490, de 30.11.2000, DOE de 01.12.00). 4) DIA 15 - Relação das Entradas e Saídas de Mercadorias em Estabelecimento de Produtor: O produtor não equiparado a comerciante ou a industrial que se utilizar do crédito do ICMS deverá entregar até essa data, no Posto Fiscal a que estiver vinculado, a respectiva relação referente ao mês de fevereiro de 2011 (art.70 do RICMS, aprovado pelo Decreto nº 45.490, de 30.11.00, DOE de 01.12.00 e art. 18 da Portaria CAT 17/03).

1100 1150

10 15

-

1200

21

-

1220

22

-

1250

25

-

2100

-

10

FABRICANTES DE CELULAR, LATAS DE CHAPA DE ALUMÍNIO OU PAINÉIS DE MADEIRA MDF – CPR 2100

DIA 10 – O estabelecimento com atividade preponderante de fabricação de telefone celular, de latas de chapa de alumínio ou de painéis de madeira MDF, independente do código CNAE em que estiver enquadrado, deverão efetuar o recolhimento do imposto apurado no mês de janeiro de 2011 até esta data.

5) DIA 15 - Arquivo Com Registro Fiscal: 5.1) Contribuintes do setor de combustíveis: Os seguintes contribuintes deverão enviar até essa data à Secretaria da Fazenda, utilizando o programa TED (Transmissão Eletrônica de Dados), arquivo com registro fiscal de todas as suas operações e prestações com combustíveis derivados de petróleo, gás natural veicular e álcool etílico hidratado combustível efetuadas a qualquer título no mês de fevereiro de 2011: a) Os fabricantes e os importadores de combustíveis derivados de petróleo, inclusive de solventes, as usinas e destilarias de açúcar e álcool, as distribuidoras de combustíveis, inclusive de solventes, como definidas e autorizadas por órgão federal competente, e os Transportadores Revendedores Retalhistas - TRR (art. 424-B d o R I C M S , a p ro v a d o p e l o D e c re t o n º 4 8 . 1 3 9 d e 08.10.03, DOE de 09.10.03, normatizada pela Portaria CAT-95 de 17.11.2003, DOE de 19.11.2003). b) Os revendedores varejistas de combustíveis e os contribuintes do ICMS que adquirirem combustíveis para consumo (art. 424-C do RICMS, aprovado pelo decreto 48.139 de 08/10/03, DOE de 09/10/03 e normatizada pela Portaria CAT-95 de 17/11/2003, DOE de 19/11/2003). 5.2) SINTEGRA: Os contribuintes usuários de sistema eletrônico de processamento de dados remeterão até essa data às Secretarias de Fazenda, Finanças ou Tributação das unidades da Federação, utilizando o programa TED (Transmissão Eletrônica de Dados), arquivo magnético com registro fiscal das operações e prestações interestaduais efetuadas no mês de fevereiro de 2011. O contribuinte notificado pela Secretaria da Fazenda a enviar mensalmente arquivo magnético com registro fiscal da totalidade das operações e prestações fica dispensado do cumprimento desta obrigação (art. 1 0 d a P o r t a r i a C AT 3 2 / 9 6 d e 2 8 . 0 3 . 9 6 , D O E d e 29.03.96). 6) DIA 31 - DIPAM A : Deverá ser entregue até esta data, em meio magnético, pelos contribuintes que, no exercício de 2010, estiveram inscritos no Cadastro de Contribuintes do ICMS como produtores agropecuários, inclusive hortifrutigranjeiros, pescadores, faiscadores, garimpeiros e extratores, não equiparados a comerciantes ou a industriais (Art. 5º da Portaria CAT - 36 de 31-03-2003; DOE 01-04-2003). Programa disponível no Posto Fiscal Eletrônico (www.pfe.fazenda.sp.gov.br). NOTAS GERAIS:

OUTRAS OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS Guia de Informação e Apuração do ICMS – GIA

A GIA, mediante transmissão eletrônica, deverá ser apresentada até os dias a seguir indicados de acordo com o último dígito do número de inscrição estadual do estabelecimento. (art. 254 do RICMS, aprovado pelo decreto 45.490, de 30.11.00 – DOE de 01.12.00 – Portaria CAT 92, de 23.12.98, Anexo IV, artigo 20 com alteração da Portaria CAT 49, de 26.06.01 – DOE de 27.06.01).

Caso o dia do vencimento para apresentação indicado recair em dia não útil, a transmissão poderá ser efetuada por meio da Internet no endereço ht tp :/ /w w w. fa ze nda.sp.gov.br ou http://pfe.fazenda.sp.gov.br. Registro eletrônico de documentos fiscais na Secretaria da Fazenda

Os contribuintes sujeitos ao registro eletrônico de documentos fiscais devem efetuá-lo nos prazos a se-

1) Unidade Fiscal do Estado de São Paulo - UFESP: O valor da UFESP para o período de 01.01.2011 a 31.12.2011 será de R$ 17,45 (Comunicado DA - 88, de 17.12.10, DOE 18.12.10). 2) Nota Fiscal de Venda a Consumidor: No período de 01.01.2011 a 31.01.2011, na operação de saída a título de venda a consumidor final com valor inferior a R$ 9,00 (nove reais) e em não sendo obrigatória a emissão do Cupom Fiscal, a emissão da Nota Fiscal de Venda a Consumidor (NFVC) é facultativa, cabendo a opção ao consumidor (RICMS/SP art. 132-A e 134 e Comunicado DA-89 de 17.12.2010, DOE 18-122010). O Limite máximo de valor para emissão de Cupom Fiscal e Nota Fiscal de Venda a Consumidor (NFVC) é de R$ 10.000,00 (dez mil reais), a partir do qual deve ser emitida Nota Fiscal (modelo 1) ou Nota Fiscal Eletrônica (modelo 55) (RICMS/SP art. 132-A, Parágrafo único e 135, § 7º). 3) Esta Agenda Tributária foi elaborada com base na legislação vigente em 24/02/2011. 4) A Agenda Tributária em formato permanente encontra-se disponível no site da Secretaria da Fazenda (www.fazenda.sp.gov.br) no módulo Legislação Tributária – Agendas, Pautas e Tabelas.


DIĂ RIO DO COMĂ&#x2030;RCIO

quinta-feira, 3 de março de 2011 ASSOCIAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DOS FUNCIONĂ RIOS APOSENTADOS E PENSIONISTAS DA TRANSBRASIL CNPJ nÂş 04.368.032/0001-03 Edital de Convocação O presidente da Diretoria Executiva da Associação dos Aposentados e Pensionistas da Transbrasil - AAPT, convoca os sĂłcios, para Assembleia Geral OrdinĂĄria, a realizar-se no dia 14 de abril de 2011, Ă s 10h00 horas e Ă s 10h30min., em segunda convocação, na sede da AAPT, na Rua General PantaleĂŁo Telles, nÂş 249 - Aeroporto, para tratar da seguinte Ordem do Dia: 1) Aprovação de contas exercĂ­cios 2011/2012; 2) Aprovação orçamento para o prĂłximo ano; 3) Assuntos gerais. Francisco Jose Tomaz - Presidente Executivo

ISOLDI S/A CORRETORA DE VALORES MOBILIĂ RIOS CNPJ/MF nÂş 62.051.263/0001-87 Edital de Convocação â&#x20AC;&#x201C; AssemblĂŠia Geral OrdinĂĄria e ExtraordinĂĄria Convidamos os Srs. Acionistas desta Sociedade a se reunirem em AssemblĂŠia Geral OrdinĂĄria e ExtraordinĂĄria, a ser realizada no dia 05 de abril de 2011, Ă s 10 horas, em primeira convocação, em sua sede social Ă  Rua SĂŁo Bento, 365 â&#x20AC;&#x201C; 12Âş andar, SĂŁo Paulo-SP, para deliberarem, sobre a seguinte Ordem do Dia: a) aprovação do relatĂłrio da Diretoria, balanços e demais demonstraçþes financeiras, referentes ao exercĂ­cio findo em 31/12/2010; b) ratificação da decisĂŁo da Diretoria que aprovou o pagamento de juros sobre o capital prĂłprio e dividendos referentes ao exercĂ­cio de 2010; c) solicitação de cancelamento junto ao Banco Central do Brasil da Carta Patente que autoriza a Sociedade a operar como instituição financeira, com a conseqĂźente alteração da razĂŁo social, objeto social, reforma e consolidação do Estatuto Social; d) aprovação dos honorĂĄrios da Diretoria para o presente exercĂ­cio; e e) Outros assuntos de interesse social. SĂŁo Paulo, 01 de março de 2011. A Diretoria. 02,03,04/03/2011

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATĂ?STICA E ESTUDOS SOCIOECONĂ&#x201D;MICOS - DIEESE

CNPJ nÂş 60.964.996/0001-87 AVISO DE LICITAĂ&#x2021;Ă&#x192;O Objeto: Contratação de empresa especializada para prestação de serviços grĂĄficos, compreendendo impressĂŁo, com fornecimento de prova da capa, do miolo e acabamento do AnuĂĄrio das Mulheres Brasileiras para a realização das atividades decorrentes do ConvĂŞnio n° 72/2010, firmado com a Secretaria Especial de PolĂ­ticas para as Mulheres da PresidĂŞncia da RepĂşblica. Modalidade: PREGĂ&#x192;O ELETRĂ&#x201D;NICO. Tipo: Menor Preço. Recebimento das Propostas: Das 09:00 (nove horas) do dia 04/03/2011 atĂŠ Ă s 18:00 (dezoito horas) do dia 16/03/2011, horĂĄrio de BrasĂ­lia. InĂ­cio da SessĂŁo PĂşblica de Disputa de Preços: 14:00 (quatorze horas) do dia 17/03/2011. ReferĂŞncia de Tempo: HorĂĄrio de BrasĂ­lia. Endereço EletrĂ´nico: www.terceiropregao.com.br. Edital: DIE05/2011, disponĂ­vel a partir de: 03/03/2011. Informaçþes: contato@terceiropregao.com.br . Fone: (11) 3262-3291. SĂŁo Paulo, 03 de março de 2011.

Sindicato dos Concessionårios e Distribuidores de Veículos no Estado de São Paulo - Sincodiv Edital de Convocação - Assembleia Geral Ordinåria No cumprimento de disposiçþes estatutårias, convocamos as empresas associadas, quites e em condiçþes de votar, para participarem da Assembleia Geral Ordinåria, a realizar-se na sede social, na Avenida Indianópolis, 1.967, Planalto Paulista, na Capital do Estado de São Paulo, no dia 18 de março de 2011, às 13h, em primeira convocação, ou, na falta de quorum, às 14h, em segunda convocação, a fim de deliberarem sobre a seguinte Ordem do Dia: a) Aprovação do Balanço Patrimonial anual do exercício de 2010, devidamente auditado e com o parecer do Conselho Fiscal; b) Assuntos Gerais. São Paulo, 03 de março de 2011. Octavio Leite Vallejo - Presidente Sincodiv SP

Cidade de Deus - Companhia Comercial de Participaçþes CNPJ no 61.529.343/0001-32 - NIRE 35.300.053.800 Assembleia Geral Extraordinåria Edital de Convocação

Convidamos os senhores acionistas da Sociedade a se reunirem em Assembleia Geral ExtraordinĂĄria, a ser realizada no dia 21 de março de 2011, Ă s 11h, na sede social, Cidade de Deus, Vila Yara, Osasco, SP, SalĂŁo Nobre do 5 o andar, PrĂŠdio Vermelho, a fim de: a) homologar o aumento do Capital Social deliberado na Assembleia Geral ExtraordinĂĄria realizada em 17.12.2010, no valor de R$533.000.000,00, elevando-o de R$6.760.000.000,00 para R$7.293.000.000,00, mediante a emissĂŁo de 242.272.727 novas açþes ordinĂĄrias, nominativas-escriturais, sem valor nominal; b) alterar o â&#x20AC;&#x153;caputâ&#x20AC;? do Artigo 5 o do Estatuto Social em decorrĂŞncia do aumento do Capital Social. Cidade de Deus, Osasco, SP, 28 de fevereiro de 2011. LĂĄzaro de Mello BrandĂŁo 1o , 02 e 03.03.2011 Presidente do Conselho de Administração.

Auto Posto do Carmo Ltda, torna público que requereu na Cetesb a Licença PrÊvia e de Instalação, para atividade de comÊrcio de produtos derivados de petróleo, Av. Afonso de Sampaio e Souza ,1428 - Cep: 08270-000 - Jd. Nossa Sra. do Carmo - São Paulo - SP.

Triangulo Auto Posto Ltda, torna público que requereu na Cetesb a Licença PrÊvia e de Instalação, para atividade de comÊrcio de produtos derivados de petróleo, Av. Cab Adão Pereira, 02 - Cep: 02936-010 - Jardim São JosÊ - São Paulo - SP.

BERKAU SA COMĂ&#x2030;RCIO E INDĂ&#x161;STRIA CNPJ 14.171.599/0001-30 â&#x20AC;&#x201C; NIRE 35.300.175.883 Edital de Convocação - Assembleia Geral OrdinĂĄria Convocamos os Srs. Acionistas da companhia em AGO a realizar-se no dia 30/03/2011, Ă s 9h, Ă  Rua Conde Moreira Lima, 464, Jardim Jabaquara, SĂŁo Paulo/SP, para deliberarem sobre a seguinte ordem do dia: a) Aprovação das demonstraçþes financeiras pertinentes ao exercĂ­cio findo em 31/12/2010; b) Eleição da Diretoria; c) O que ocorrer. Consoantes Ă s normas da Lei 6.404/76, estĂĄ Ă  disposição dos acionistas os documentos que se refere o art. 133, da referida Lei 6.404/76, para todos os fins legais. SĂŁo Paulo, 24 de fevereiro de 2011. A Diretoria.

BEST VIEW EMPREENDIMENTOS IMOBILIà RIOS LTDA. CNPJ 07.976.980/0001-01 Extrato da Ata de Reunião dos Sócios realizada em 15/02/2011. Em reunião a 15/02/2011, às 10h, na sede à Av. Pres. Jusc. Kubitschek 50, 14° andar, cj. 142B, sl. 8 - V. N. Conceição, CEP 04543-000, deliberaram os sócios representando a totalidade do Capital Social, reduzi-lo de R$ 1.420.836,26, p/ R$ 10.000,00. A presente redução Ê feita em conformidade com o art. 1082, inciso II da Lei 10.406 de 10/01/2002. SP, 15/02/2011

Banco Bradesco S.A.

Banco Bradesco S.A.

CNPJ no 60.746.948/0001-12 - NIRE 35.300.027.795 Ata da ReuniĂŁo ExtraordinĂĄria n o 1.777, da Diretoria, realizada em 31.1.2011

CNPJ no 60.746.948/0001-12 - NIRE 35.300.027.795 Ata da Reunião Extraordinåria no 1.737, do Conselho de Administração, realizada em 11.2.2011

CertidĂŁo - Secretaria da Fazenda - Junta Comercial do Estado de SĂŁo Paulo Certifico o registro sob nĂşmero 75.264/11-0, em 23.2.2011. a) KĂĄtia Regina Bueno de Godoy - SecretĂĄria Geral.

CertidĂŁo - Secretaria da Fazenda - Junta Comercial do Estado de SĂŁo Paulo Certifico o registro sob nĂşmero 75.292/11-7, em 23.2.2011. a) KĂĄtia Regina Bueno de Godoy - SecretĂĄria Geral.

Fazenda Sete Lagoas AgrĂ­cola S/A

Fazenda Sete Lagoas AgrĂ­cola S/A

CNPJ 52.746.419/0001-90 NIRE 35300026683 Extrato da Ata da ReuniĂŁo do Cons. de Administração de 07/02/2011 Data, Hora e Local: Em 07/02/2011 - 10h00, na sede social da Cia., Ă  Av. Prefeito Nelson Cunha, 800, Frente, s/1,Jd SĂŁo Luiz,CEP 13835-000, Conchal-SP.Presença: Com a presença dos conselheiros titulares Sra. Liliane J F Van Parys e Sr. MiklĂłs J NĂĄday e do conselheiro suplente Sr. Alexander E P V P P Mezzaroma. Mesa: Sra. Liliane Joseph Françoise Van Parys-Presidente e MiklĂłs JĂĄnos NĂĄday-SecretĂĄrio.Deliberação: foi aprovada por unanimidade, ficando autorizada a diretoria a:1) antecipar a distribuição de dividendos fixos e cumulativos em atraso Ă s 684 açþes preferenciais no valor de R$ 4.193,42 por ação, num total de R$ 2.868.299,28 Ă quelas açþes, â&#x20AC;&#x153;ad referendumâ&#x20AC;? da prĂłxima AssemblĂŠia Geral de Acionistas. Os dividendos ora aprovados serĂŁo pagos a partir do dia14/02/2011.Encerramento:NĂŁo havendo qualquer outro pronunciamento, a Sra.Presidente encerrou os trabalhos, lavrando-se a presente ata que lida e achada de conforme,segue assinada pelos presentes. Assinaturas:Liliane J F V P,MiklĂłs J NĂĄday e Alexander E P V P P Mezzaroma.A presente ĂŠ cĂłpia fiel extraĂ­da do livro prĂłprio de atas.Conchal (SP),07/02/11. CertidĂŁo:Registro na Jucesp nÂş 59.974/11-4 em 15/02/11.

CNPJ 52.746.419/0001-90 NIRE 35300026683 Extrato da Ata da Reunião do Cons. de Administração de 08/07/2010 Data, Hora e Local: Em 08/07/2010 - 10h00, na sede social da Cia., à Av. Prefeito Nelson Cunha, 800, Frente, s/ 1, Jd São Luiz, CEP 13835-000, Conchal-SP.Presença: Com a presença dos conselheiros titulares Sra. Liliane J F Van Parys e Sr. Miklós J Nåday e do conselheiro suplente Sr. Alexander E P V P P Mezzaroma. Mesa: Sra. Liliane J F Van Parys - presidente e Miklós J Nåday secretårio.Deliberação: aprovada por unanimidade, ficando autorizada a diretoria a: 1) antecipar a distribuição de dividendos fixos e cumulativos em atraso às 684 açþes preferenciais no valor R$ 4.131,00 por ação, num total de R$ 2.825.604,00 àquelas açþes, "ad referendum" da próxima AssemblÊia Geral de Acionistas.Encerramento: Não havendo qualquer outro pronunciamento, a Sra. Presidente encerrou os trabalhos, lavrando-se a presente ata que lida e achada de conforme, segue assinada pelos presentes. Assinaturas: Liliane J F Van Parys, Miklós J Nåday e Alexander E P V P P Mezzaroma. A presente Ê cópia fiel extraída do livro próprio de atas. Conchal (SP), 08/07/2010. Certidão: Registro na JUCESP sob nº 59.973/11-0 em 15/02/2011.

Froma Administração e Participaçþes S/A CNPJ/MF nº 65.771.636/0001-82 Balanço Patrimonial Balanço Patrimonial em 31 de dezembro de 2008 e 2009 - (Em reais sem centavos) 2009 2008 Ativo 2009 2008 Passivo Circulante: Circulante: Fornecedores 209.014 209.014 Disponivel 878 3.192 Caixa e Bancos 122.331 2.516 Obrigaçþes Fiscais 0 2.700 Total disponível 122.331 2.516 Contas a Pagar Total do Circulante 209.892 214.906 CrÊditos Não Circulante: Impostos a Recuperar 15.487 15.484 Contas a Pagar 173.048 170.636 Total crÊditos 15.487 15.484 EmprÊstimos 23.373 25.170 Total do Circulante 137.818 18.000 Total Não Circulante 196.421 195.806 Não Circulante: Patrimônio Líquido Realizåvel a Longo Prazo 627.845 627.845 Capital Social 1 1 Investimentos 7.520.726 6.419.173 Reservas de Capital 3.115.651 3.115.651 Imobilizado 228.300 228.300 Reservas de Lucros 158.230 158.230 4.834.494 3.608.724 Total Não Circulante 8.376.871 7.275.318 Lucros Acumulados 8.108.376 6.882.606 Total do Ativo 8.514.689 7.293.318 Total do Patrimônio Líquido 8.514.689 7.293.318 Demonstr. Comparativa Origens e Aplic. de Recursos p/ Exerc. Findo Total do Passivo e Patrimônio Líquido em 31/12/08 e 09 (Em Reais Sem Centavos) 2009 2008 Aplicação de Recursos 1.101.553 2.099.717 639.540 Origens de Recursos 1.226.385 1.313.916 Realizåvel a Longo Prazo 143.800 Das Operaçþes 1.404.028 1.336.952 Aquisiçþes de Imobilizado 1.101.553 1.316.377 Lucro do Exercício 1.404.028 1.336.952 Investimentos 124.832 (785.801) Dos Acionistas (178.258) (45.400) Aumento do Capital Circulante Liquido 119.818 (791.621) Distribuição de Lucros (178.258) (45.400) Aumento/Redução do Ativo Circulante 5.014 5.820 De Terceiros 615 22.364 Aumento/Redução do Passivo Circulante 124.832 (785.801) Aumento no Exigivel a Longo Prazo 615 22.364 Aumento do Capital Circulante Liquido Demonstração das Mutaçþes do Patrimônio Líquido para o Exercício Findo em 31 de dezembro de 2008 e 2009 - (Em Reais sem Centavos)

0217(%(/ (035((1',0(1726 ( 3$57,&,3$dÂŻ(6 6$

(PSUHVD GH &DSLWDO )HFKDGR &13-0) QÂ&#x17E;   1,5( QÂ&#x17E;  $7$ '( 5(81,ÂŽ2 '2 &216(/+2 '( $'0,1,675$dÂŽ2  &RQYRFDGD SHOR &RQVHOKHLUR 8UEDQR &DPSRV 5LEHLUDO LQVWDORXVH D 5HXQLmR GR &RQVHOKR GH $GPLQLVWUDomR DRV  jV  KRUDV QD VHGH VRFLDO QD 5XD  -1 QÂ&#x17E;  3LVR 6XSHULRU  6DOD  -DUGLP 1RYR PXQLFtSLR GH 5LR &ODUR (VWDGR GH 6mR 3DXOR FRP D SUHVHQoD GD PDLRULD GRV PHPEURV HOHLWRV QD $VVHPEOpLD *HUDO 2UGLQiULD H ([WUDRU GLQiULD GH  $ FRPSRVLomR GD PHVD FRXEH D 5LFDUGR $UD~MR 5LEHLUDO 3UHVLGHQWH H 9DOGLU 'HODUFR 6HFUHWiULR 'H DFRUGR FRP D 2UGHP GR 'LD HVWH &RQVHOKR GHOLEHURX H DSURYRX R TXH VHJXH  $G UHIHUHQGXP GD SUy[LPD $VVHP EOpLD *HUDO 2UGLQiULD DXWRUL]DU R SDJDPHQWR GH MXURV VREUH R FDSLWDO QR YDORU GH 5  WUH]HQWRV H WULQWD H WUrV PLO WUH]HQWRV H WULQWD H WUrV UHDLV H WULQWD H TXDWUR FHQWDYRV  SURSRUFLRQDOPHQWH DR Q~PHUR GH Do}HV GHWLGDV SHORV DFLR QLVWDV YDORU HVVH VXMHLWR j LQFLGrQFLD GR ,PSRVWR GH 5HQGD 5HWLGR QD )RQWH D DOtTXRWD GH   )LFD D 'LUHWRULD DXWR UL]DGD D WRPDU DV PHGLGDV QHFHVViULDV j H[HFXomR GD GHOLEHUDomR VXSUD (VJRWDGD D RUGHP GR GLD IRL HQFHUUDGD D UHXQLmR H ODYUDGD HVWD DWD TXH OLGD H DFKDGD FRQIRUPH VHJXH DVVLQDGD SHORV SUHVHQWHV &RQVHOKHLURV SUHVHQWHV 8UED QR &DPSRV 5LEHLUDO 1LFH $UD~MR 5LEHLUDO 5LFDUGR $UD~MR 5LEHLUDO H 9LWRU 9DQHWWL GH $UD~MR 5LR &ODUR  GH 'H]HPEUR GH  5LFDUGR $UD~MR 5LEHLUDO  3UHVLGHQWH GD PHVD 9DOGLU 'HODUFR  2$%63 QÂ&#x17E;   6HFUHWiULR -8&(63 QÂ&#x17E;  HP  .iWLD 5HJLQD %XHQR *RGR\  6HFUHWiULD *HUDO

Fazenda Sete Lagoas Agrícola S/A CNPJ 52.746.419/0001-90 NIRE 35300026683 Extrato da Ata da Reunião do Cons. de Administração de 10/02 /2011 Data, Hora e Local: Aos 10/02/2011 - 13h00, na sede social à Av. Prefeito Nelson Cunha, 800, Frente, s/ 1, Jd São Luiz, ConchalSP. Convocação: Convocação em 02/02/2011, consoante previsão constante do § 4º do Art. 9º do Estatuto Social. Presença: 2 Conselheiros os quais representam o quorum necessårio à instalação dos trabalhos e apreciação das matÊrias constantes da Ordem do Dia.Mesa:Sra. Liliane J F Van Parys - presidente e Alexander E P V P P Mezzaroma - secretårio.Ordem do Dia: a) Eleição dos membros da Diretoria para o mandato de 01/03/2011 atÊ 28/02/2014 e b) proposta de assinatura de contrato entre a Sociedade, o Sr. Carlos Van Parys de Wit e o Sr. Christiano CÊsar Dibbern Graf para autorizå-los a comercializarem as borbulhas e mudas derivadas de plantas matrizes de propriedade da Sociedade.Deliberaçþes: Prestados os esclarecimentos necessårios para instalação da Reunião pela Presidente do Conselho, os senhores conselheiros tomaram as seguintes deliberaçþes: a) valendo-se da prerrogativa assegurada no § 2º do art. 12 dos Estatutos Sociais, informaram que a nova Diretoria permanecerå sendo integrada por apenas 3 diretores, a saber: Comercial, Financeiro e TÊcnico. a1) ato contínuo, os conselheiros presentes formularam as suas indicaçþes para preenchimento dos cargos da Diretoria, sendo que a Conselheira Sra. Liliane J F Van Parys indicou o Sr. Carlos Van Parys de Wit para o cargo de Diretor Financeiro e a Conselheira Sra. Marie Anne B L F Van Parys, representada por seu suplente, indicou o Sr. Alexander E P V P P Mezzaroma para o cargo de Diretor TÊcnico. Após, debatida e analisada cada indicação, foi unanimemente aceita e aprovada as indicaçþes do Sr. Carlos Van Parys de Wit para o cargo de Diretor Financeiro e o Sr. Alexander E. P.V P P Mezzaroma para o cargo de Diretor TÊcnico, restando ser formulada a indicação para o cargo de Diretor Comercial, que caberå ao Conselheiro Sr. Miklós Janos Nåday, ausente da presente reunião; a2) em razão da ausência do Conselheiro Sr. Miklós Janos Nåday, restou acordado que a atual Diretora Comercial Sra. Karin Van Parys Nåday Castelo Branco, originalmente eleita em 26/02/2008 com mandato aprovado atÊ 28/02/2011, e consoante o disposto no artigo 150, §4º da Lei n.º 6.404/76 ("Lei das S.A.") permanecerå exercendo as funçþes do cargo para o qual havia sido eleita atÊ 28/02/2011, ou atÊ que ocorra a investidura no cargo do Diretor Comercial a ser oportunamente indicado pelo Conselheiro Sr. Miklós Janos Nåday, em reunião do Conselho de Administração a ser para tanto regularmente convocada; a3) por fim os Conselheiros deliberaram: i) reeleição do Sr. Carlos Van Parys de Wit, brasileiro, divorciado, biólogo, residente e domiciliado em Campinas (SP), RG nº 5.604.861-SSP-SP e CPF-MF nº 432.846.559-72, para o cargo de Diretor Financeiro, indicado por Liliane J F Van Parys ii) reeleição do Sr. Alexander E P V P P Mezzaroma, brasileiro, casado, engenheiro agronomo, RG n° 11.222.169-5-SSP/SP, CPF/MF n° 253.373.698-81, residente e domiciliado em Santo Antonio do Pinhal (SP), para o cargo de Diretor TÊcnico, indicado pela Sra. Marie Anne B L F Van Parys, Conselheira Titular; e iii) manutenção da Diretora Comercial Sra. Karin Van Parys Nåday Castelo Branco atÊ o tÊrmino de seu mandato em 28/02/2011 e/ou atÊ que seja eleito e empossado o seu substituto, a ser oportunamente indicado pelo Conselheiro Sr. Miklós Janos Nåday; a4) os diretores ora eleitos, Srs. Carlos Van Parys de Wit e Alexander E P V P P Mezzaroma exercerão seus mandatos no período de 01/03/2011 atÊ 28/02/2014, os quais declararam sob as penas da lei que não estão impedidos de exercer a administração da Sociedade: (i) por lei especial; (ii) em virtude de condenação criminal, ou por se encontrarem sob os efeitos dela; (iii) em virtude de pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos; ou (iv) por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussão, peculato, ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra normas de defesa da concorrência, contra as relaçþes de consumo, fÊ pública, ou a propriedade; a5) aprovaram a remuneração mensal de R$ 2.817,00 para cada Diretor; B) considerando que a Sociedade não tem interesse em explorar nenhuma atividade comercial com borbulhas e mudas cítricas e buscando preservar o patrimônio genÊtico de seus pomares, por voto favoråvel da unanimidade dos presentes, fica a Diretoria da Sociedade autorizada a assinar contrato com o Sr.Carlos Van Parys de Wit e o Sr.Christiano CÊsar Dibbern Graf para autoriza-los a comercializarem as borbulhas e mudas derivadas daquelas plantas matrizes;e b1) a representação da Sociedade na assinatura do contrato mencionado no item "B" acima deverå ser exercida por 2 Diretores em conjunto ou por um Diretor em conjunto com um procurador especialmente designado para este fim.Encerramento: Não havendo qualquer outro pronunciamento, a Sra. Presidente encerrou os trabalhos, lavrando-se a presente ata que lida e achada de conforme, segue assinada pelos presentes. Conchal (SP), 10/02/2011. Assinaturas: Liliane J F Van Parys; Alexander E P V P P Mezaroma; Marie Anne B L FV P representada por seu suplente Alexander E P V P P Mezzaroma; Carlos Van Parys de Wit. A presente Ê cópia fiel extraída de livro próprio. Conchal (SP) 10/02/2011. Certidão: Registro JUCESP sob nº 61.650/11-0 em 17/02/2011.

CNPJ no 60.746.948/0001-12 - NIRE 35.300.027.795 Ata da Reunião Extraordinåria no 1.711, do Conselho de Administração, realizada em 17.12.2010 Aos 17 dias do mês de dezembro de 2010, às 18h, na sede social, Cidade de Deus, 4o andar do PrÊdio Vermelho, Vila Yara, Osasco, SP, reuniram-se os membros do Conselho de Administração sob a presidência do senhor Låzaro de Mello Brandão. Durante a reunião, os Conselheiros tomaram as seguintes deliberaçþes: 1.

2.

3.

promover Ă  Diretoria Executiva, para o cargo de Diretor Adjunto, os senhores Alexandre da Silva GlĂźher, Alfredo AntĂ´nio Lima de Menezes, AndrĂŠ Rodrigues Cano, JosuĂŠ Augusto Pancini, Luiz Carlos Angelotti, Marcelo de AraĂşjo Noronha e Nilton Pelegrino Nogueira, Diretores Departamentais; eleger ao cargo de Diretor da Sociedade os senhores Eurico Ramos Fabri, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 20.336.308/SSP-SP, CPF 248.468.208/58; Jorge Pohlmann Nasser, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 36.651.358-8/SSPSP, CPF 399.055.270/87; e JosĂŠ Luis Elias, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 6.490.350-3/SSP-SP, CPF 719.038.288/72, todos com domicĂ­lio na Cidade de Deus, Vila Yara, Osasco, SP, CEP 06029-900, os quais declararam, sob as penas da lei, que nĂŁo estĂŁo impedidos de exercer a administração de sociedade mercantil em virtude de condenação criminal; nomear, de conformidade com o disposto no â&#x20AC;&#x153;caputâ&#x20AC;? do Artigo 25 do Estatuto Social, para membro do ComitĂŞ de GestĂŁo Integrada de Riscos e Alocação de Capital o senhor Alexandre da Silva GlĂźher, brasileiro, casado, bancĂĄrio, RG 100.640.876-7/SSP-RS, CPF 282.548.640/04, com domicĂ­lio na Cidade de Deus, Vila Yara, Osasco, SP, CEP 06029-900. Em decorrĂŞncia, o ComitĂŞ de GestĂŁo Integrada de Riscos e Alocação de Capital fica assim composto: Luiz Carlos Trabuco Cappi â&#x20AC;&#x201C; Coordenador; LaĂŠrcio Albino Cezar, Arnaldo Alves Vieira, SĂŠrgio Socha, Julio de Siqueira Carvalho de Araujo, Norberto Pinto Barbedo, Domingos Figueiredo de Abreu, Milton Matsumoto, Ademir Cossiello, Alexandre da Silva GlĂźher, Marco Antonio Rossi e Roberto Sobral Hollander â&#x20AC;&#x201C; Membros. Os Diretores eleitos e o Membro do ComitĂŞ de GestĂŁo Integrada de Riscos e Alocação de Capital nomeado terĂŁo mandato coincidente com o dos demais membros dos respectivos Ă&#x201C;rgĂŁos para os quais foram eleitos e nomeado, atĂŠ a 1a ReuniĂŁo do Conselho de Administração que se realizar apĂłs a Assembleia Geral OrdinĂĄria de 2011, e seus nomes serĂŁo levados Ă  aprovação do Banco Central do Brasil, apĂłs o que tomarĂŁo posse de seus cargos, sendo que permanecerĂŁo em suas funçþes atĂŠ que a ReuniĂŁo deste Ă&#x201C;rgĂŁo que eleger e nomear os novos Membros no ano de 2011 receba a homologação do Banco Central do Brasil e seja a Ata arquivada na Junta Comercial e publicada.

Nada mais foi tratado, encerrando-se a reuniĂŁo e lavrando-se esta Ata, que os Conselheiros presentes assinam. aa) LĂĄzaro de Mello BrandĂŁo, AntĂ´nio Bornia, MĂĄrio da Silveira Teixeira JĂşnior, Denise Aguiar Alvarez, Luiz Carlos Trabuco Cappi e Carlos Alberto Rodrigues Guilherme. Declaramos para os devidos fins que a Ata da referida ReuniĂŁo encontra-se lavrada em livro prĂłprio, homologada pelo Banco Central do Brasil, e arquivada conforme segue: â&#x20AC;&#x153;Secretaria da Fazenda - Junta Comercial do Estado de SĂŁo Paulo - Certifico o registro sob nĂşmero 75.558/11-7, em 23.2.2011. a) KĂĄtia Regina Bueno de Godoy - SecretĂĄria Geral.â&#x20AC;?. Banco Bradesco S.A. aa) Julio de Siqueira Carvalho de Araujo e Antonio JosĂŠ da Barbara.

Capital Social 1 1 1

Saldo em 31 de Dezembro de 2.007 Lucro LĂ­quido do ExercĂ­cio Dividendos DistribuĂ­dos Saldo em 31 de Dezembro de 2.008 Lucro LĂ­quido do ExercĂ­cio Dividendos DistribuĂ­dos Saldo em 31 de Dezembro de 2.009

Reservas de Capital 3.115.651 3.115.651 3.115.651

Reservas de Lucros 158.230 158.230 158.230

Dividendos Distribuidos (45.400) (45.400) (178.258) (223.658)

Lucros Acumulados 2.317.172 1.336.952 3.654.124 1.404.028 5.058.152

Demonstr.Result.Exerc.Findo em 31/12/08 e 09 (Em reais sem Centavos) ( - ) Despesas Operacionais 2009 2008 Gerais e Administrativas (70.409) (42.395) Encargos Financeiros (519) (257) ( + ) Receitas Financeiras 21 67.382 ( + ) Outras Receitas Operac. 1.474.935 1.316.377 ( = ) Resultado antes do I. R 1.404.028 1.341.107 ( - ) I.R. e Contrib.Social 0 (4.155) Lucro Líquido do Exercício 1.404.028 1.336.952 Demonstr.FluxoCx Exerc.Findoem 31/12/08e 09(EmReais semcentavos) Fluxo de caixa proveniente das operaçþes: 2009 2008 1.404.028 1.336.952 Lucro/Prejuízo líquido do exercício Variaçþes no Ativo Circul e Realiz a Longo Prazo Impostos a Recuperar 3 15.484 Credito c/Empresas Ligadas 624.055 3 639.539 Variaçþes no Passivo Circulante e Não Circulante Salårios e Encargos Sociais + Prov. Trabal. (2.314) 3.120 Contas a Pagar (288) (19.664) EmprÊstimos (1.797) (4.399) (16.544) Total das Atividades Operacionais 1.399.626 680.869 Atividades de Investimentos Investimentos 1.101.553 1.316.377 Imobilizado 143.800 Total das Atividades de Investimentos 1.101.553 1.460.177 Atividades de Financiamento Distribuição de Dividendos (178.258) (45.400) Recursos Líq. Utilizados nas Ativid. de Financ. (178.258) (45.400) Total dos Efeitos de Caixa 119.815 (824.708) Variação no Caixa Saldo final de caixa e aplicaçþes financeiras 122.331 2.516 Saldo inicial de caixa e aplicaçþes financeiras 2.516 827.224 Variação no Caixa 119.815 (824.708)

PatrimĂ´nio LĂ­quido 5.591.054 1.336.952 (45.400) 6.882.606 1.404.028 Mauricio Antonio Freua - Diretor Presidente RogĂŠrio Antonio Freua - Diretor Vice-Presidente (178.258) 8.108.376 Maria do Carmo Amin SalomĂŁo - TĂŠc.Contabilidade CRC 1SP 103480/O-3

Froma Administração e Participaçþes S/A CNPJ/MF nº 65.771.636/0001-82 Balanço Patrimonial Balanço Patrimonial em 31 de dezembro de 2009 e 2010 - (Em reais sem centavos) 2010 2009 Ativo 2010 2009 Passivo Circulante: Circulante: Fornecedores 209.014 209.014 Disponivel 878 878 Caixa e Bancos 18.876 122.331 Obrigaçþes Fiscais 0 0 Total disponível 18.876 122.331 Contas a Pagar Total do Circulante 209.892 209.892 CrÊditos Impostos a Recuperar 15.487 15.487 Não Circulante: 173.638 173.048 Total crÊditos 15.487 15.487 Contas a Pagar 23.373 23.373 Total do Circulante 34.363 137.818 EmprÊstimos Total Não Circulante 197.012 196.421 Não Circulante: Realizåvel a Longo Prazo 627.845 627.845 Patrimônio Líquido 1 1 Investimentos 7.928.407 7.520.726 Capital Social 3.115.651 3.115.651 Imobilizado 232.197 228.300 Reservas de Capital 158.230 158.230 Total Não Circulante 8.788.449 8.376.871 Reservas de Lucros Lucros Acumulados 5.142.027 4.834.494 Total do Patrimônio Líquido 8.415.908 8.108.376 8.822.812 8.514.689 Total do Ativo 8.822.812 8.514.689 Total do Passivo e Patrimônio Líquido Demonstração das Mutaçþes do Patrimônio Líquido para o Exercício Findo em 31 de dezembro de 2009 e 2010 - (Em Reais sem Centavos) Capital Reservas de Reservas de Dividendos Lucros Patrimônio Social Capital Lucros Distribuidos Acumulados Líquido Saldo em 31 de Dezembro de 2.008 1 3.115.651 158.230 (45.400) 3.654.124 6.882.606 Lucro Líquido do Exercício 1.404.028 1.404.028 Dividendos Distribuídos (178.258) (178.258) Saldo em 31 de Dezembro de 2.009 1 3.115.651 158.230 (223.658) 5.058.152 8.108.376 Lucro Líquido do Exercício 1.089.785 1.089.785 Dividendos Distribuídos (782.252) (782.252) Saldo em 31 de Dezembro de 2.010 1 3.115.651 158.230 (1.005.910) 6.147.937 8.415.908

Maria do Carmo Amin SalomĂŁo TĂŠc.Contabilidade CRC 1SP 103480/O-3

Mauricio Antonio Freua Diretor Presidente

RogĂŠrio Antonio Freua Diretor Vice-Presidente

Demonstr.Result.Exerc.Findo em 31/12/09 e 10 (Em reais sem Centavos) ( - ) Despesas Operacionais 2010 2009 Gerais e Administrativas (123.200) (70.409) Encargos Financeiros (3.203) (519) ( + ) Receitas Financeiras 3 21 ( + ) Outras Receitas Operac. 1.216.185 1.474.935 ( = ) Resultado antes do I. R 1.089.785 1.404.028 ( - ) I.R. e Contrib.Social 0 0 Lucro Líquido do Exercício 1.089.785 1.404.028 Demonstr.FluxoCx Exerc.Findoem 31/12/09e10 (EmReais semcentavos) Fluxo de caixa proveniente das operaçþes: 2010 2009 Lucro/Prejuízo líquido do exercício 1.089.785 1.404.028 Variaçþes no Ativo Circul e Realiz a Longo Prazo Impostos a Recuperar 3 Credito c/Empresas Ligadas 3 Variaçþes no Passivo Circulante e Não Circulante Salårios e Encargos Sociais + Prov. Trabal. (2.314) Contas a Pagar 590 (288) EmprÊstimos (1.797) 590 (4.399) Total das Atividades Operacionais 1.090.375 1.399.626 Atividades de Investimentos Investimentos 407.681 1.101.553 Imobilizado 3.897 Total das Atividades de Investimentos 411.578 1.101.553 Atividades de Financiamento Distribuição de Dividendos (782.252) (178.258) Recursos Líq. Utilizados nas Ativid. de Financ. (782.252) (178.258) Total dos Efeitos de Caixa (103.455) 119.815 Variação no Caixa Saldo final de caixa e aplicaçþes financeiras 18.876 122.331 Saldo inicial de caixa e aplicaçþes financeiras 122.331 2.516 Variação no Caixa (103.455) 119.815

                             

(

Banco Bradesco S.A.

ECONOMIA/LEGAIS - 25

  ))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))) ,8 444444444444444444444444444444444444444444444 ,*'( )*  0 444444444 ,'(  D44444444444444444444444444444444444444  D   B  ? 4444444

.)0*  < &4"< :64 : 4=

 .).+ &4<=6 6 4  >4&&> "4:6

-   ))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))) )+)+*0 )0).+  /(   &  ))))))))))))))))) )+)+0* )0). ,*'( )*  0 444444444 ::4  &4">4&=< ,'(  D44444444444444444444444444444444444444 "4:&= 6&4<&  D44444444444444444444444444444444444444444444444 &4: &&4=>   ))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))) ,  ;$44444444444444444444444444444444444444444444444444 &= &:   ()))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))) ).)* ),).

#$ % $ 

 ( 1 23

  )))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))) ,@ 44444444444444444444444444444444444444444444444444444444



.)0 :4=>

.0)+ & &4:<>

64>6<

4<<

 85'( 444444444444444444444444444444444444444444 -   ))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))

,)*.0 )..)**

4&2(   &  ))))))))))))))))))))))))

,)*.+ )..)*.

,@ 44444444444444444444444444444444444444444444444444444444

=64":< &4 64<<&

 85'( 444444444444444444444444444444444444444444

46 :

64=6<

   4  2   ))





1 23 )))))))))))))))))))))))))))))))))

+,)**0

+*)+.*

, *44444444444444444444444444444444444444444444444444

6<4<<6

64>6>

;  , 4444444444444444444444444444444444444444



>:

;  *44444444444444444444444444444444444444444

6466

64&

  ( 1 23) ).)* ),).

     

         

#$ % $ 

(       - 

)))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))) *  $'+ C*44444444444444444444444444444 ,  $'+ C*4444444444444444444444444444 E ## 7#  444444444444444444444444444 *  7'+  ;'   * ,*44444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444 E #7# 7# 444444444444444444444444444 ,  7. , $;   , ,* 4444444444444444444444444444444444444444444444444444     ))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))   -   ))))))))))))))))))))))))))))))))     -        ))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))) 7  # # #  ?E   4444   23 )))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))



)0 & =4=&6 J&<=4= K )0,

),, & 4=": J&"=4> &K .

&4<= 5*)6

66 5.)*06

J>4::K )+* 

J 4><K .)0 

)+* 5,*6 ).++

.), 5)*0,6 +).

5).6 5)0.6 L  8  , 7@, 444444444444444444444444444444444444444444 $  '( $ * '+ 444444444444444444444444444444444444 &=64<64 &=64<64

* 30  , '+  444444444444444444444444444444444% .&"": .6"

     &   $'( )* + , $ $-  . /* 0  *    1$. 2  *1 $  * /*3* )4 6  7 8'+  $8  #/9.  $ 6  $8  6&. 1 ,;   $  *, *  ;  % &4=6<. $ '+  $  '(. $ *,'+  ; # 9.  0  % &4&&  $ M; # 9 ,  $  ,N  % >: 1    M;  ,   ;  , *; C* 4 4 &> !>"N4 1  $  *, 1 -$5 , ?*   ? $ &  $8  6&4   *, * 9 , , &=64<64  '( $; * .  ; $. $ .  % .&". ; $ &&&4<<4 = '( 9  >&4&"46 '( ,1*. $  8*  54 "   /*3*  6& 1$ 8 3   8  *, ,@,  $  % &4 .  % &4& 30   $,    1. *,. $ .  % .:& ,   $ '( 9 . $ . % :.= ,   $ '( ,1*4 813* )* 5 1  % <<4 <   $'( )*. *$,-   /,*;   ,*    ,. 7*A- ,. 1$ , 8*   78' ' $"  #$% &'$%" '+  & $'  6&&4

          ! "

 

                               



  )))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))) ,8 4444444444444444444444444444444444444444444444 ,*'( )*  0 4444444444 3   B 89   $ C* ;; 44444444444444444444444444444444444 ,'(  D444444444444444444444444444444444444444  D   B  ?444444444

*+)+ =: 4"&

),  : "4&

&6 &<<4"< &<4 &

: &::4=< =4:6<

-   ))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))  /(   &  )))))))))))))))) ,'(  D444444444444444444444444444444444444444  D   B  ?444444444   )))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))) ;$ 444444444444444444444444444444444444444444444444444 $8  E 444444444444444444444444444444444444444444 1 444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444 53; 444444444444444444444444444444444444444444444444444444444   ()))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))

*)*, .)*. &6"4<= "<466" +. &" &=& > =6 ++)+,

.)*+ .). & &4": ""4>:> 0, & " 6 &" &&" +),0

(

 ( 1 23

  )))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))) ,@4444444444444444444444444444444444444444444444444444444444 85'( , #$,D$444444444444444444444444444  85'(44444444444444444444444444444444444444444444 -   ))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))

4&2(   &  )))))))))))))))))))))) ,@4444444444444444444444444444444444444444444444444444444444 85'( , #$,D$444444444444444444444444444  85'(44444444444444444444444444444444444444444444    4  2   ))) 1 23    )))))))))))))))))))))))))))))) 77  F     4444444444444444444444444444444444444444444444444 7G HIE 44444444444444444444444444444444444 , * 444444444444444444444444444444444444444444444444444 ;  ,444444444444444444444444444444444444444444 ;  * 444444444444444444444444444444444444444444   ( 1 23)

#$ % $ 



),+. & :4 "= &"4&< =4"6 )+, ,)*.  64>": &<4:>> .

0)0* & =4=: &:4:>" >4&:" *)*, *).** =4 :& =46&< &=4>>& .

),,

.),

)0. )** 4<"  =46 = ++)+,

)0+ +).0, < 4 4":& <&4=> +),0

        #$ % $

          

(     -

)))) 0) *  $'+ C*444444444444444444444444444444 64:< ,  $'+ C*44444444444444444444444444444 J6>4<:"K +)+. E ## 7#  4444444444444444444444444444 *  7'+  ;'   * ,*444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444 6"4"6 E #7# 7# 4444444444444444444444444444 5)6 ,  7. , $;   , ,* 44444444444444444444444444444444444444444444444444444 J64:K     ))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))) .)+*   -   ))))))))))))))))))))))))))))))))) ,     -        )))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))) *)0,       -   )))) 5),0*6    ))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))) 5*6 $ 444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444 J&&K #$,5 4444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444 J6 &K   - /   )))) **   23 )))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))) 0)*

 ,).*, =&4 =: J<4&&K ) 4 50),.6 J6<4:= K 0)*0 * 0)*, 5)6 5+6 J&K J&"6K + +)00

5*)6 5).,.6 L  8  , 7@, 4444444444444444444444444444444444444444444 $  '( $ * '+ 4444444444444444444444444444444444444 &&4><:4::: &&4><:4:::

* 30  , '+  444444444444444444444444444444444 % 6.>& .">&=

     &   $'( )* + , $ $-  . /* 0  *    1$. 2  *1 $  * /*3* )4  '+ *   $,  *5$  5 4 6  7 8'+  $8  9.  $ 6:  8  6&. 1 ,;  ;'+  *, *  % < 4 , % 4<". $ '+  $  '(. $ *,'+  % =  ; # 9 ,  $  ,   % 4":&  ;  ,. *  $  $  *,  $  % >4&>".  -$5 , ?*   ? $ &   -  6&4   *, * 9 , , &&4><:4:::  '( * .  ; $ 4 " 4:< '( 9  <4&&4" '( ,1*. *$ ; $  % <."4 "   /*3* 1$ 8 3   8  *, ,@,  $  % >4::.  % 4>:" 30   $,    1. *,. $ . % <".  ,   $ '( 9 . $ . % 6<.:" ,   $ '( ,1*. 5 $ 813* )*  % 4&:>4 <   $'( 1* *. *$,-   /,*;   ,*    ,. 7*A- ,. 1$ , 8*      !"  #$% &'$%" '+  &  $'  6&&4

            ! "


DIÁRIO DO COMÉRCIO

26

e

quinta-feira, 3 de março de 2011

Eu não queria perder isso hoje Steve Jobs, presidente da Apple.

conomia

Kimihiro Hoshino/AFP

$HOW DE STEVE JOBS

O

cofundador da Apple Steve Jobs surpreendeu a todos ontem ao subir no palco durante o lançamento do iPad 2 e foi ovacionado pelo público. A presença de Jobs, lenda do Vale do Silício e ícone do setor tecnológico, animou fãs da marca e principalmente investidores, que tinham preocupações com sua saúde. Ao interromper sua licença, o carismático executivo surgiu no palco para apresentar a nova versão do produto que inaugurou o segmento de computadores tablet, e as ações da Apple passaram a subir quase 1%, cotadas a US$ 352,4 na bolsa de Nova York.

Jobs, que passou por tratamento contra um câncer, recentemente afastou-se por tempo indefinido pelo seu estado de saúde, sobre o qual não foram revelados detalhes. Mesmo magro, abatido e com voz fraca, ele conduziu a apresentação da companhia por mais de 40 minutos. "Eu não queria perder isso hoje", disse ele para um auditório lotado em San Francisco. Tão clássico quanto seus jeans, tênis e a camisa preta com gola rolê, Jobs não perdeu a oportunidade para achincalhar a concorrência, corroborando as farpas com números. Segundo ele, 65 mil aplicativos foram desenvolvidos para o iPad – o An-

droid, sistema operacional do Google para tablets PC, tem quase cem. De abril a dezembro de 2010, a Apple vendeu 15 milhões de iPads – uma receita de US$ 9,5 bilhões. Isso é duas ou três vezes a mais do que previam analistas. "Vendemos mais do que qualquer tablet PC jamais vendeu", ironizou, afirmando ainda que a companhia detém mais de 90% do mercado de tablets. Mais rápido – O executivo afirmou que o novo iPad – com uma câmera frontal e uma traseira – é um terço mais fino que o iPhone 4. O aparelho pesa cerca de 600 gramas e estará disponível nas cores preta e branca. Além disso, possui chip A5 de dois núcleos, cuja velocidade é duas vezes maior que a do anterior, o que o torna nove vezes mais rápido no desempenho gráfico. O iPad 2 terá o novo sistema operacional iOS 4.3 e terá capacidade de exibição de vídeos em alta definição. Para ter isso no dispositivo, o usuário deve adquirir um acessório para adaptar o iPad 2. A expectativa é que a com-

BAENA ADMINISTRAÇÃO E IMÓVEIS S/C LTDA.

CRECI 15.315

DC

Compra - Vende - Administra

Rua Vigário de Godói, 8 - Sala 3 - Pirituba - São Paulo

panhia venda 30 milhões ou mais tablets neste ano, que devem gerar receita de quase US$ 20 bilhões. Isso tudo apesar do aumento da oferta de tablets por concorrentes como Motorola Mobility, Research in Motion (RIM) e HP. Os tablets são vistos como dispositivos indispensáveis para consumidores e executivos nos próximos anos. Analistas esperam que sejam ven-

Uma história de inovação e sucesso

Assistência Jurídica

Tel.: (11) 3975-1520 - Fax: (11) 3977-0441 www.baenaimoveisadm.com.br

Afastado, executivo volta e surpreende no lançamento do iPad 2.

S

teve Jobs sempre teve seu nome relacionado às inovações e ideias altamente elogiadas, como a criação do sistema OS X, o iPod e o iPhone. Porém, mais do que o maior rival de Bill Gates, ele é uma figura envolvida em vários empreendimentos de sucesso, como o Pixar Animation Studios. Como líder, Jobs já foi criticado por explosões de raiva e demissões inesperadas, mas também já foi elogiado por sua visão de praticidade aliada ao design inovador e visão de mercado. Ao mesmo tempo em que pode amedrontar funcionários que não concordam com suas ideias, ele surge como um palestrante de primeira, mexendo com a plateia. Nascido em 1955, na Califórnia, sempre foi introspectivo. Conseguiu emprego na Hewlett-Packard no começo da década de 1970 e lá conheceu Steve Wozniak, um “crânio” da informática. Juntos eles desenvolve-

ram o Apple I, um protótipo feito na garagem. Venderam um micro-ônibus da Volkswagen de Jobs e uma calculadora científica HP de Wozniak e abriram a empresa. A primeira revolução foi reduzir o tamanho dos computadores. O Apple I foi bem-recebido e em três anos, Jobs conseguiu contatos e confiança. A Apple chegou a crescer 700% no período. As ações se valorizaram e novos projetos surgiram. Em 1986, outra revolução com o Macintosh, o primeiro computador com interface gráfica. No último trimestre de 2010, o primeiro fiscal de 2011, a Apple registrou lucro líquido recorde de US$ 6 bilhões, o que significou 77,5% a mais que em igual período de 2009. Os criadores do iPhone superaram as expectativas e obtiveram receita de US$ 26,741 bilhões entre outubro e dezembro de 2010, 70,5% a mais que em igual trimestre de 2009.

didos mais de 50 milhões de tablets no mundo em 2011, chegando a 200 milhões de unidades em 2015. Como no mercado de tablets, o Android do Google é o principal rival da Apple também em smartphones, porém, com licença livre. Mas tanto o iPad como o iPhone devem continuar impulsionando o crescimento da Apple por muitos anos. As

duas linhas de produtos já respondem por mais da metade do faturamento da Apple e já se tornaram objetos de desejo por uma boa parte da população mundial. Margens apertadas – O iPad, que a Apple tem vendido a preços agressivos em relação à concorrentes, tem prejudicado as margens da companhia, segundo analistas. Mas este é um problema com o qual a empresa pode conviver, se o tablet mantiver o forte avanço de vendas. O produto começará a ser vendido em 11 de março nos EUA e em outros 26 países a partir do dia 25 deste mês. Os primeiros países que receberão o iPad 2 são Austrália, Áustria, Bélgica, Canadá, República Tcheca, Dinamarca, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Islândia, Itália, Irlanda, Hungria, Japão, Luxemburgo, México, Holanda, Nova Zelândia, Noruega, Polônia, Portugal, Espanha, Suíça, Suécia e Grã-Bretanha. O Brasil não faz parte da lista. A primeira versão do tablet, lançada em abril de 2010, só chegou ao Brasil no dia 3 de dezembro. (Agências)

Intel constrói fábrica de chips de US$ 5 bi nos EUA

A

Intel planeja construir Intel deve começar em meados deste ano. uma fábrica de chips de US$ 5 bilhões nos Estados A Intel havia informado em Unidos até 2013, ampliando outubro que planejava investir de US$ 6 bilhões a acentuadamente sua US$ 8 bilhões na instalação de capacidade de produção norte-americana como parte novas unidades de produção no Arizona e no estado do de um grande plano de Oregon. Atualmente, cerca de expansão global. Sure A fábrica três quartos sh/S XC da produção vai produzir da Intel chips com tecnologia de ocorre nos Estados 14 Unidos, mas nanômetros e será erguida nos últimos anos a no Estado do empresa Arizona, que está vinha ampliando a oferecendo Unidade ficará no Arizona capacidade incentivos para atrair produtiva em outras regiões, incluindo empresas. Israel e China. O anúncio aconteceu logo depois que a Casa Branca Maior fabricante de microprocessadores do indicou o presidentemundo, a Intel viveu no ano executivo da Intel, Paul Otellini, para uma comissão de 2010 o melhor momento de de especialistas que aconselha sua história, registrando o presidente norte-americano, recordes em seu lucro líquido, Barack Obama, sobre que duplicou em relação a empregos. 2009, alcançando a marca de US$ 11,6 bilhões. (Reuters) A construção da fábrica da


Diário do Comércio