Page 1

Ano 87 - Nº 23.511

Jornal do empreendedor

Conclusão: 23h55 www.dcomercio.com.br

HoHoHo! O amigo nem tão secreto, Guido Mantega, abriu o pacote de R$ 7,56 bi aos papais-noéis, barateando crédito, geladeira, fogão, pão, macarrão e tanquinho. E no dia seguinte ao do 13º salário. E da redução do juro básico da economia. Compras são o antídoto para o vírus da crise. E o anabolizante para que o Brasil cresça 5% em 2012. Feliz Natal na página 13.

R$ 1,40

Sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Com os votos de 5% a mais em 2012

Mercado interno protege Brasil da crise, diz Lagarde.

Ueslei Marcelino/AE

Diretora-gerente do FMI elogia o País em encontro com Dilma e Mantega. E diz confiar na ajuda dos emergentes. Página 18

CHEGOU CARTA DE ANCHIETA PARA VOCÊ

Chevrolet: ares novos para toda a família.

Na verdade, são 12 cartas do Padre José de Anchieta que revelam os primeiros anos de São Paulo reunidas em Minhas Cartas. Para receber esse documento histórico em casa, de graça, basta ser um dos primeiros a enviar e-mail com nome e endereço para contato@dcomercio.com.br. Pág. 27

Divulgação

Linha da montadora ganhou modernidade com a chegada do Cruze e do Cobalt (foto). Págs. 20 e 21

Divulgação

Juan Barreto/AFP

Ponte para o verde nos EUA

A presidente Dilma partiu com excesso de peso para a visita ao companheiro Chavez, da Venezuela (foto). Levou a indecisão sobre Lupi para anunciar a partir de domingo. E não esquecerá desta lembrancinha. Pág. 5 Ernesto Rodrigues/AE

São Francisco, na Califórnia, é a mais verde das cidades dos EUA e Canadá. Venha conferir com a gente. Turismo. Pág. 22

Dilma vai trazer souvenir para Lupi?

d

Divulgação

Divulgação

cultura

FIM DE SEMANA CAMPEÃO HOJE

ISSN 1679-2688

23511

Pode garoar de manhã e à noite. Máxima 22º C. Mínima 15º C.

AMANHÃ 9 771679 268008

Períodos de céu nublado. Máxima 23º C. Mínima 14º C.

Rodada de emoções domingo, com dois clássicos que definem o título do Brasileirão para Vasco ou Corinthians (na foto, no treino de ontem). Pág. 10. Na grande área do cinema, o gol é a estreia de Os

Muppets, os divertidos bonecos que ficaram longe das telas durante 11 anos. Já os segredos das letras – afinal o que fazem quando estão contentes? – podem ser conferidos em Tipocriaturas.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Os números agregados para os países desenvolvidos não contam toda a história. Roberto Fendt

pinião

EYMAR MASCARO

PROCURA-SE QUEM TEM VOTOS

A

AS NOTÍCIAS DA SEMANA O

resultado da reunião do Copom mostrou que prevaleceu o bom senso e que o governo decidiu manter o ritmo de redução da taxa básica de juros (Selic). Isso indica que suas expectativas quanto ao agravamento da crise não diferem do diagnóstico de agosto último, quando iniciou-se a série de quedas de meio ponto percentual por reunião. Melhor assim. A decisão veio no mesmo dia em que os bancos centrais dos Estados Unidos, Canadá, Inglaterra, Japão, Suíça e o Banco Central Europeu agiram em uníssono, cortando em meio ponto percentual os juros de suas linhas de financiamento aos bancos. Com isso aliviaram o aperto do crédito que já começa a se notar no mundo desenvolvido. Também podem ser positivos os números do emprego nos Estados Unidos, a serem divulgados nesta sexta-feira: as estimativas variam entre 70 mil e 150 mil. Ainda na quarta-feira, o Banco Central da China decidiu reduzir a taxa de recolhimento compulsório dos bancos para permitir o aumento do crédito à economia e restabelecer a trajetória de crescimento do país. O crescimento havia desacelerado com o aumento do compulsório e dos juros bancários – medida necessária para estancar as pressões inflacionárias ocorridas na primeira metade deste ano. São boas as notícias da semana, tanto para a economia mundial como para a economia brasileira. Essas notícias, contudo, devem ser vistas em perspectiva. Nada mudou nos fundamentos nos países da zona do euro. Nesta mesma semana, na segunda-feira, a Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) apresentou as novas estimativas para o crescimento dos

ROBERTO FENDT seus países membros. Os resultados não são animadores.

S

egundo o estudo, a zona do euro deve reduzir seu crescimento de 1,6% em 2011 para 0,2% em 2012, somente retomando um crescimento de 1,4% em 2013. Na ponta oposta, a economia americana deve acelerar o seu crescimento de 1,7% para 2% entre 2011 e 2012, e a economia japonesa deve deixar para trás o mau ano do tsunami (queda de 0,3%) para uma retomada do PIB de 2% em 2012. Ainda segundo a OCDE, o Brasil, depois de crescer 7,5% em 2010 (sobre o PIB deprimido de 2009), deverá crescer 3,4% em 2011, 3,2% em 2012 e 3,9% em 2013. Perspectiva de desempenho nada alentadora. Os números agregados para os países desenvolvidos não contam toda a história. O indicador que mede a confiança dos consumidores nesses países – importante si-

nalizador da intenção de gastos – vem caindo de forma acentuada desde o início do ano nos EUA, zona do euro e Japão. Com exceção do mercado acionário norte-americano, cujos índices situam-se ainda um pouco acima de onde estavam no início de 2010, os mercados de ações na China e no Japão estão 25% abaixo daquele patamar – e o da zona do euro, 15% abaixo.

O

s riscos financeiros estão em alta acentuada, particularmente na zona do euro, onde as taxas de credit default swaps (instrumento financeiro de cobertura de riscos) já ultrapassaram 3%. Mas a situação não é muito mais confortável nos EUA e na Inglaterra, onde as taxas estão em torno de 2,5%. Recorde-se que essas taxas eram próximas de zero até o início de 2007. Finalmente, os diferenciais de taxas entre títulos soberanos es-

Como os bancos centrais dos países desenvolvidos saíram da sua longa letargia, agiu certo o nosso Copom em não reduzir a taxa Selic em mais de 0,5 ponto percentual.

tão também em alta, indicando um crescente desconforto até com os papéis de países da melhor qualidade, como a França, cujas taxas chegaram a ter um diferencial de quase 2% em relação aos títulos da Alemanha.

O

caso mais dramático é o da Grécia, com diferencial de mais de 30%. Mas também assombram os de Portugal (10%), Irlanda (7,5%) e Itália e Espanha (cerca de 5% cada). O caso da Grécia é de total insolvência, já que o PIB está e estará em queda no futuro imediato e sua dívida cresce a mais de 30% ao ano. Em menor escala, o mesmo ocorre com Portugal, Irlanda, Espanha e Itália, pelo mesmo motivo. Talvez o mais dramático seja a evolução dos custos do trabalho. Com exceção da Alemanha, cujo custo laboral cresceu menos de 5% entre 2000 e 2011, os demais países da zona do euro tiveram aumentos expressivos: mais de 30% na Grécia, em Portugal e na Espanha, e mais de 25% na Irlanda e na França. Esses custos terão que ser reduzidos, mesmo com a oposição da população. Portanto, temos uma crise por um bom tempo na Europa. Se essa crise crescerá e porá em risco a economia mundial é a pergunta cuja resposta vale um milhão. Como os bancos centrais dos países desenvolvidos saíram da sua longa letargia, agiu certo o nosso Copom em evitar o canto da sereia e não reduzir a Selic em mais de 0,5 ponto percentual. Será possível reduzir os gastos do governo para abrir espaço para novas reduções da taxa básica de juros sem provocar pressões inflacionárias em 2012? ROBERTO FENDT É ECONOMISTA

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Cláudio Vaz Edy Luiz Kogut Érico Sodré Quirino Ferreira Francisco Mesquita Neto João de Almeida Sampaio Filho João de Favari Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Paulo Roberto Pisauro Renato Abucham Roberto Faldini Roberto Mateus Ordine

polêmica foi criada no PSDB, depois que José Serra se declarou convicto de que o partido não dispõe de um candidato forte para disputar, com chance de vitória, a eleição de prefeito em São Paulo, no ano que vem, sugerindo, inclusive, que os tucanos apoiem a candidatura de Guilherme Afif Domingos pelo PSD. Geraldo Alckmin foi rápido na reação, garantindo que o PSDB terá candidato próprio e, bom de voto, à Prefeitura, embora não citasse qualquer nome. Por enquanto, o partido convive com quatro ré-candidatos, os secretários Bruno Covas, José Aníbal, Andrea Matarazzo e o deputado Ricardo Trípoli. Nenhum deles, contudo, dispõe, no momento, de potencial de voto capaz de vencer uma eleição tão difícil como para a prefeitura da Capital. Os quatro ainda são considerados por Serra como fracos de voto. Em contrapartida, também o principal adversário do PSDB, o PT, vai disputar a eleição com um candidato que jamais pediu um voto, o ministro Fernando Haddad, que vai depender fundamentalmente da força eleitoral de Lula e do embalo de Dilma Rousseff. O ministro precisa contar com o poder de transferência de votos do ex-presidente, se quiser ter êxito nas urnas. Na eleição presidencial de 2010, Lula foi milagroso, conseguindo transferir 56 milhões de votos para Dilma.

participação efetiva do ex-presidente na campanha, todavia, está na dependência de seu estado de saúde, porque o tratamento a que ele se submete, para combater o câncer na laringe, pode afetar sua voz. Além disso, Lula não está livre de passar por uma cirurgia para extirpar o tumor. Apesar de garantir que quem vai indicar o candidato será o partido, depois de realizar as prévias, Alckmin torce por Bruno Covas. O secretário, no entanto, andou pisando em falso, quando afirmou que não seria candidato a vice numa chapa encabeçada pelo PSD, porque não tem perfil para ser subalterno. Bruno esqueceu de que Alckmin foi vice de seu avô, Mário Covas, e consta que nem por isso chegou a ser subalterno. Enquanto os précandidatos tucanos passaram os últimos dias discutindo com Alckmin a data para a promoção das prévias, amadurece no PSD a candidatura de Afif Domingos. O prefeito Gilberto Kassab firmou posição de que seu

A

Nenhum dos pré-candidatos do PSDB à prefeitura dispõe, no momento, de potencial de voto capaz de vencer uma eleição tão difícil . Os quatro são considerados fracos por Serra.

partido só indicaria o vice na chapa do PSDB se o seu candidato fosse José Serra. Mas Serra continua recusando a candidatura a prefeito, preferindo se resguardar para 2014, quando pretende conquistar, mais uma vez, a legenda presidencial tucana. os últimos anos, as eleições em São Paulo têm sido decididas entre os candidatos do PT e PSDB. Mas na eleição do ano que vem a história pode ser outra, porque Afif pode mudar o roteiro: quando foi candidato ao Senado, em 2006, contra o petista Eduardo Suplicy, Afif alcançou 8 milhões de votos. Sua votação na Capital foi bem expressiva.

N

onfiante na sua recuperação, Lula promete se engajar na campanha de Haddad, assim que terminar o tratamento quimioterápico, em janeiro ou fevereiro. O ex-presidente tem revelado preocupação com a resistência de Gabriel Chalita em aceitar o convite para desistir da candidatura à Prefeitura e ser vice na chapa do PT. Como ele não cede à pressão, Lula vai continuar tentando convencer Michel Temer a dar um basta no que chama de "teimosia de Chalita." Detalhe: Temer passou a ter a voz de comando também no PMDB de São Paulo depois da morte de Orestes Quércia. Mas até agora o vice- presidente não tem dado esperança a Lula e vai mantendo a candidatura de Chalita, convencido de que o deputado pode crescer na campanh a e chegar à Prefeitura.

C

EYMAR MASCARO É JORNALISTA E COMENTARISTA POLÍTICO MASCARO@BIGHOST.COM.BR

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, João de Scantimburgo, Marcel Solimeo Diretor-Responsável João de Scantimburgo (jscantimburgo@acsp.com.br) Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Edi tor - Ch e fe: José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br) Chefia de Reportagem: Teresinha Leite Matos (tmatos@acsp.com.br) Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br) Editores Seniores: Bob Jungmann (bob@dcomercio.com.br), Carlos de Oliveira (coliveira@dcomercio.com.br), chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), Estela Cangerana (ecangerana@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Luiz Antonio Maciel (maciel@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br) Editor de Fotografia: Alex Ribeiro Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Kleber Gutierrez (kgutierrez@dcomercio.com.br) Ricardo Ribas (rribas@dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br) Subeditores: Marcus Lopes e Rejane Aguiar Redatores: Adriana David, Darlene Delello, Eliana Haberli e Evelyn Schulke Repórteres: Anderson Cavalcante (acavalcante@dcomercio.com.br), André de Almeida, Fátima Lourenço, Ivan Ventura, Karina Lignelli, Kelly Ferreira, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mariana Missiaggia, Mário Tonocchi, Paula Cunha, Rafael Nardini, Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves, Sandra Manfredini, Sergio Leopoldo Rodrigues, Sílvia Pimentel, Vera Gomes e Wladimir Miranda. Gerente PL Arthur Gebara Jr. (agebara@acsp.com.br) Gerente Executiva Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estado, Folhapress, Efe e Reuters Impressão OESP GRÁFICA S/A Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3244-3175. Fax 3244-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3244-3197, 3244-3983, Fax 3244-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3244-3544, 3244-3046 , Fax 3244-3355

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3244-3737 REDAÇÃO (011) 3244-3449 FAX (011) 3244-3046, (011) 3244-3123 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

o

3

T R A B A L H O E S T I M U L A N T E D E P E N D E TA N T O D O F U N C I O N Á R I O C O M O D A E M P R E S A .

pinião

Dá pra vestir a camisa da empresa? F

ala-se muito da importância do "vestir a camisa" no ambiente empresarial como sinônimo de comprometimento do empregado no exercício das suas atribuições diárias na sua unidade de trabalho. Mas será que isso, na prática, de fato acontece, ou se trata apenas de mais um chavão repetido ad nauseam em muitas palestras e reuniões internas, que não é mais capaz de sensibiliza ninguém? É o que veremos na sequência. O "vestir a camisa", expressão tirada dos campos futebolísticos ou de esportes que exigem o máximo de empenho pessoal de cada um dos integrantes do time, caso desejem obter o sucesso coletivo, merece algumas rápidas considerações. O jogador de futebol que veste literal e emocionalmente a camisa do seu time assume essa atitude pelas seguintes razões: - O atleta tem paixão por aquilo que faz. - É financeiramente muito bem pago (não me refiro aqui necessariamente ao valor astronômico pago às estrelas de cada categoria). - O clube coloca à disposição de cada "empregado" toda uma infraestrutura técnica e humana com foco direto no atendimento pessoal e profissional do seu atleta; - Suas refeições diárias são preparadas segundo os mais modernos princípios nutricionais para o tipo

da sua atividade específica. - Existe assistência médicohospitalar de primeira linha 24 horas por dia durante todo o ano. - O jogador é assistido diretamente por um técnico especializado em desenvolver novas habilidades "operacionais" (ou seja, o time entrar em campo para vencer). - Para cada jogo que dura 90 minutos, o atleta, em média, treina durante 20 horas semanais. Ora, bolas! Num cenário assim, convenhamos, a coisa mais fácil que existe é o atleta vestir mesmo a camisa do seu time, pois não lhe falta absolutamente nada em termos de suporte físico e emocional para render o máximo no seu trabalho.

é muito boa, mas suas outras e complexas necessidades humanas são amiúde desrespeitadas por chefias tirânicas. Remuneração elevada apenas, sem outros cuidados psicopedagógicos na ambiência organizacional, não é um fator motivador

permanente. Parêntesis: voltando rapidamente aos campos de futebol, observem que alguns craques que ganham super salários, paradoxalmente, estão ... desmotivados! - A empresa não oferece nenhuma infraestrutura

Estímulo para os colaboradores envolve um conjunto de diretrizes, com uso de políticas adequadas de gestão dos recursos humanos

A

gora vejamos o que torna impossível que esse fenômeno – o vestir a camisa – ocorra em várias empresas: - O empregado não possui paixão pelo que faz. É provável que tenha sido contratado não por meio dos critérios científicos da correta seleção de pessoal e, sim, por ter aceito ganhar salário mais baixo. - A remuneração do empregado, no quesito dinheiro,

técnica e de desenvolvimento humano para seus colaboradores. Ali cada empregado é apenas "mais um". - Em várias empresas, sequer é oferecido um prosaico pão com manteiga a seus colaboradores durante a jornada de trabalho; às vezes nem existe um local físico adequado para um simples cafezinho. - O empregado já é "antigo de casa", mas quando surgem cargos novos a empresa sempre dá oportunidade a quem vem de fora, esquecendo-se de valorizar os "pratas da casa". Isto é devastador para o clima motivacional. Mais um parêntesis: há que se reconhecer, a bem da verdade, que muitos empregados antigos se acomodaram, não investiram no seu autodesen volvimento e, de fato, não estão aptos a galgar novas posições que sua empresa ora oferece. Mas isto já é outra história. - A remuneração do empregado não é compatível com o grau de complexidade e com a responsabilidade que as funções inerentes ao seu cargo exigem. A empresa "esqueceu" de rever uma melhoria na remuneração do funcionário, apenas repassando o dissídio da

Assumo sem vergonha que nesse momento de importância crucial da vida, torço com todas as forças por um time que não é o meu. E não fico triste se levar vaias por me meter em assunto tão essencial como o futebol, na véspera do fim de semana decisivo.

S

O

córintcha é o primeiro time brasileiro – e até agora o único – a entregar a rapadura nessa fase do torneio. Lembro aos "esquecidos" que o São Paulo é Tri Libertadores e Tri Mundial (o Morumbi é Morum-Tri), além de ser Hexa Campeão Brasileiro. Ninguém pode ostentar na sua camiseta, como eu, os cabalísticos números "6 3 3", que os córintchanos fingem não entender, mas se roem de inveja

O

fomento para que os colaboradores vistam a camisa, em qualquer empresa, repousa no conjunto de diretrizes psicopedagógicas envolvendo as adequadas políticas de gestão dos recursos humanos. A começar pela implementação de metodologia científica de recrutamento e seleção de pessoal – porta de entrada da qualidade, seja na micro ou na macro empresa. As pessoas são – para usar uma expressão também muito batida nos dias que correm, mas ainda verdadeira –o " diferencial competitivo" das empresas que não abrem mão da excelência no atendimento a seus clientes. E os seus principais clientes são aqueles que formam as equipes multidisciplinares internas: o seu time de colaboradores. Camisa neles! LUIZ OLIVEIRA RIOS É PROFISSIONAL DE MARKETING E VENDAS E COLUNISTA DO

DIÁRIO DO COMÉRCIO. OLIVEIRA.RIOS@HOTMAIL.COM

são-paulino roxo

Ferreira

DEIDSSSDE CRIANCINHA que custa um troco perto do ganham os manomenezes patricíos (patrícios também no outro sentido, o de senhores do futebol, de nobre estirpe, como Ricardo Teixeira e seu áulico Andres Sanchez). Se o São Paulo, por milagre do santo que lhe empresta o nome, chegasse à Libertadores, repetiria a vexaminosa campanha do córintcha no ano passado: cairia na primeira rodada da préLibertadores, ao disputar a vaga com o Tolima, time nunca visto antes nem depois "necepaíz".

respectiva categoria. O empregado se sente injustiçado. De novo, ora bolas! Em ambientes de trabalho assim, quem se habilita a vestir a camisa da empresa? Ninguém, é claro.

NEIL

SOU VASSSHCO

ou sãopaulino tão fanático quanto um mano Gavião da Fiel é córintchano; tanto quanto, não: sou mais. Domingo passado engoli minha paixão e por paixão torci contra o São Paulo para ver o "professor" Leão sem juba nem garras, treinador do São Paulo e meu desafeto pessoal, enfiar o rabo no meio das pernas e cair fora, para ir enganar, como já foi, em outras freguesias. Com a derrota, fui poupado das previsíveis manchetes dos Cadernos dos Horrores, os cadernos de esportes dos jornais que assino, berrando em letras garrafais: "Leão leva o São Paulo à Libertadores". Para minha alegria, não leva; cai de quatro. Esses cadernos, dominados pela máfia do PIG(c), Partido da Imprensa Gorpista (córintchana), já estão plantando no noticiário o horror que é "Leão poderá reformar contrato com o São Paulo por falta de opção". Falta de opção uma pinoia, posso cornetear: está aí o técnico da seleção uruguaia, um gênio,

LUIZ OLIVEIRA RIOS

quando os vislumbram; inveja tão mortal quanto a que o Careco sente quando ouve falar ou é exposto a uma foto do FHC. Assumo sem nenhuma vergonha que neste momento de importância crucial da vida, torço com todas as forças por um time que não é o meu. Aprendi isso com us mano e as mina dus Gavião da Fiel, que aplaudiram o seu time de coração e o adversário, quando o córintcha entregou o jogo para o Framengo, para prejudicar o Sumpólo. Os jogadores do córintcha bateram palmas para os do Flamengo no fim do jogo, em homenagem "à boa atuação do

coirmão". Nunca na vida vi tanto "fair play". A entrega foi patrocinada na maior cara de pau pelos lá de cima porque jogador de brio não entrega jogo, nem a poder de mala multicolorida com as cores adversárias. Os jogadores do córintcha são cheios de brio mas, profissionais empregados, são obrigados a cumprir azórdis dus lá de cima. Não me entristeço se levar vaias por me meter em assunto tão essencial como o futebol, nesta véspera do fim de semana decisivo. É meu hábito encher a paciência dos amigos que me

leem e a dos inimigos que também leem (e enchem minha caixa postal de inúteis palavrões), com banalidades tipo o retrocesso "nunca antes visto necepaíz" , imposto pelo lullopetismo (e quanto imposto!); a faxina marquetera da faxineira que nunca faxinou coisa nenhuma; a corrupção endêmica que assola o país; os mensaleiros à beira da beatificação; o brimo Haddad, novo Dilmo, já em plena campanha antecipada (proibida por lei) para prefeito; cansei. Eu cansei, tu cansaste, ele cansou; nós cansamos, vós cansastes, eles cansaram. ão dá mais pra segurar: explode animus sperniandi, pra não dizer explode outra coisa, com sentido bem mais claro, mas mais grosseiro até para um besteirol assumido como este. O campeonato por pontos corridos – o São Paulo ganhou três, com o Muricy de "professor"– leva-me de volta ao passado, quando não havia televisão obrigando a ter jogo

N

quase todo dia. Esse ópio do povo era fornecido em conta-gotas, uma vez por semana, a cada domingo. Deixava as "inchadas" com crise de abstinência, o bate-boca durava duas semanas, a anterior e a posterior ao jogo. "Inchada" é como os exagerados locutores de rádio chamavam as torcidas naquele tempo, não sei se copiando los hermanos argentinos. Na Itália a coisa é braba, os torcedores fanáticos são os "tiffosi", assim chamados porque se comportam de maneira irracional e descontrolada, como os vitimados pela febre “tifosa”. omo "tiffoso" do São Paulo, domingo que vem engulo na correria o spagheti, pollo, saladina e una tacina de café no almoço, para torcer para o Palmeiras contra o córintcha e depois, à noite, uma vacalhoada para festejar o Vassshco campeão do Brasileirão. Como Nelson Piquet, no domingo passado, que deu 4 voltas em Interlagos exibindo uma bandeira do Vassshco, estou integrando hoje (e sempre) a maior torcida dessshte paísssh: a anticórintchana. NESTA ALTURA DO CAMPEONATO, TUDO INDICA QUE O PSDB CAIRÁ NA SEGUNDONA.

C

NEIL FERREIRA É PUBLICITÁRIO


DIà RIO DO COMÉRCIO

4 -.GERAL

gibaum@gibaum.com.br

SĂŠrgio Gabrielli atĂŠ gostaria de voltar atrĂĄs, desistir do governo da Bahia e permanecer na presidĂŞncia da Petrobras.

k É mais fåcil falar sobre o futuro do euro do que o do PSDB.

ÂŤ

GibaUm

3

FHC // ex-presidente da RepĂşblica, sobre os rumos dos tucanos. Fotos: Paula Lima

Entre os seis ministros de Dilma que caíram sob denuncias de corrupção (exceção feita a Nelson Jobim, que só falou demais) e incluindo-se nessa lista Carlos Lupi, o que se deduz Ê que o poder engorda: todos, mesmo sob variantes diversas, estavam acima de seu peso. Dessa safra, Lupi Ê o mais roliço e Palocci, que poderia empatar com ele, hoje jå perdeu dez quilos (atÊ Lula se assustou quando o ex-ministro foi visitå-lo no ABC, na maior discrição). Mais: o volume de obesos tambÊm pode ser registrado no Senado Federal onde mais da metade do total de senadores podem ser considerados obesos e onde se registraram, nos últimos anos (na Câmara, tambÊm), inúmeras cirurgias de redução de estômago.

Poder roliço

333

SEM CAROÇO

333 O empresårio de Roberto Carlos, Dody Sirena, que adora falar muito, estå empenhado num projeto que levarå para o cinema, em dois filmes, a vida do cantor. O primeiro contaria a vida de Roberto na infância em Cachoeiro do Itapemerim atÊ o sucesso da Jovem Guarda e o segundo, seguiria daí atÊ o show que ele fez em JerusalÊm, hå pouco tempo. Cineastas de plantão acham que a divisão em dois filmes só daria certo se, no segundo – e muito distante do primeiro – fosse invadida, para valer, a vida intima de RC, incluindo suas mulheres (e namoradas), suas manias e seus ritos de católico fervoroso.

GULOSO Enquanto ainda estå na presidência do Corinthians – e jå quase confirmado de que não conseguirå vender, para empresa alguma, o privilÊgio de batizar com sua marca o Itaquerão – Andres Sanchez quer aumentar o preço do contrato para quem quiser estampar seu logo na camisa do clube. A Neo Química, do grupo Hypermarcas, que acaba de vender a Assolan para a Química Amparo, não vai renovar porque João Alves deQueirozFilho,o Junior,quer fazer caixa. O BMG participou de negociaçþes e acabou pulando fora: o Corinthians pediu R$ 35 milhþes e o banco achou fora de propósito. 333

Quando Ricardo Teixeira, da CBF, convidou Andres Sanchez para ser diretor de seleçþes, foi logo perguntando: “VocĂŞ nĂŁo vai contar a boa nova para o Lula?â€? Sanchez ligou para o apartamento de SĂŁo Bernardo e a conversa foi rĂĄpida (o ex-presidente estava indisposto). Agora, foi Lula que ligou para ele: “E aĂ­? Como ĂŠ que vai ser no domingo?â€? Outro que ligou para o ex-presidente, nesses dias, foi o governador SĂŠrgio Cabral, vascaĂ­no atĂŠ a medula: “O presidente vai me perdoar, mas desta vez vou torcer contra seu timeâ€?. E Lula, brincando: “VocĂŞ ainda quer conversar sobre royalties de petrĂłleo?â€?

333

OUTRA POL�CIA 333 A idÊia Ê de JosÊ Sarney: a nova segurança do Senado Federal Ê feita por servidores, sem qualificação policial, que carregam armas letais e pistolas de choque e que possuem tambÊm equipamentos para grampear telefones e computadores. Só atuam dentro do Senado, mas têm viaturas policiais, camionetes Nissan XTerra (R$ 87 mil cada), onde estå escrito, como nas costas de seus coletes, Polícia Federal Lesgislativa. Não Ê polícia, menos ainda federal: Ê só segurança mesmo.

MISTURA FINA 333 A à GUA de Cheiro decidiu seguir o mercado internacional do showbiz, onde mulheres (e homens tambÊm) famosos têm lançado perfumes com seus próprios nomes, como BeyoncÊ, Kate Moss, Jennifer Aniston e outras e vai fazer a mesma coisa por aqui. De cara, lançarå linhas de perfumes, incluindo fragrâncias atÊ para o corpo, com os nomes de Sabrina Sato e Deborah Secco. O lançamento serå às vÊsperas do carnaval

DIRETOR do Banco do Brasil, o ex-senador Osmar Dias (PDTPR), Ê um dos nomes cotados para assumir o lugar de Carlos Lupi no MinistÊrio do Trabalho, se bem que a fila de postulantes ao cargo Ê grande. No ano passado, Osmar saiu candidato ao governo do Paranå (foi derrotado por Beto Richa, do PSDB) e o esforço era apenas para tumultuar a candidatura do irmão à lvaro Dias (PSDB-PR) como vice de JosÊ Serra. gratidão com ele.

333

Maria Ribeiro, 36 anos, exmulher de Paulo Betti, casada com Caio Blat, que, sempre Ă s segundas, aparece em cenas de sexo com LĂ­via de Bueno na sĂŠrie Oscar Freire 279 (Multishow), estĂĄ vendo seu primeiro documentĂĄrio Domingos (sobre Domingos de Oliveira) entrar em exibição e prepara outro sobre a mansĂŁo onde viveu e cresceu no Rio, no HumaitĂĄ. SerĂĄ coprodutora e atriz em Barata Ribeiro , roteiro autobiogrĂĄfico do mesmo Domingos, jĂĄ exagerou em cenas quentes em Tolerância (2000), ĂŠ colunista de TPM e se acha uma “gostosa inteligenteâ€?. É a melhor amiga de Carolina Dieckmann e acaba de receber convite de Playboy.

Gostosa inteligente

333

ExpressĂŁo da moda 333 No Houaiss, a palavra “malfeitoâ€? significa: 1. Crime, delito, mal-feitoria; 2. O que traz prejuĂ­zo, malefĂ­cio, o que ĂŠ ruim, mĂĄ ação; 3. Encantamento, bruxaria, feitiço; 4. Feito incorretamente, mal executado, defeituoso, imperfeito, disformeâ€?. E isso sĂł para começo de conversa. Hoje, “malfeitoâ€? virou expressĂŁo da moda porque a presidente Dilma Rousseff, vira e mexe, usa para bem caracterizar atos de corrupção de figuras infiltradas em seu governo e atĂŠ mesmo do primeiro escalĂŁo. Em BrasĂ­lia ou no eixo SĂŁo Paulo-Rio, “malfeitoâ€? ĂŠ uma expressĂŁo nĂŁo usada. É gauchĂŞs puro.

h IN

SuspensĂłrios (para elas).

h

Dois filmes do rei

Olho no domingo

OUT

SuspensĂłrios (para eles).

Lugar de Renata Nove entre dez diretores de outros telejornais e de redação de grandes jornais e mesmo revistas acham que a escolha de Patrícia Poeta, do Fantåstico , casada com Amauri Soares, diretor da Globo Internacional, para suceder Fåtima Bernardes no Jornal Nacional Ê um engano – e corre o risco de durar pouco. A idÊia de que Ana Paula Araújo tambÊm pudesse ascender à mesma bancada era precoce. E todos são unânimes em afirmar que, naquele posto, só cabe Renata Vasconcelos, titular do Bom Dia Brasil, com postura e credibilidade suficientes. Se bem que não pode deixar o jornal matutino agora: a saída de Renato Machado deixou um espaço que Chico Pinheiro nunca preencherå. 333

O SENADOR ClĂŠsio Andrade (DEM-MG), presidente da Confederação Nacional dos Transportes, tem usado a expressĂŁo “queijo suíçoâ€? para definir como deverĂŁo estar, no ano que vem, depois da temporada de chuvas, pelo menos 18 mil quilĂ´metros de estradas brasileiras.

Solução

                      

           

Em SĂŁo Paulo, no Tom Jazz, foram entregues, esta semana, os trofĂŠus Sexo MPB, iniciativa de Rodrigo Faour. E foram homenageados Cauby Peixoto, Vanusa, Claudete Soares, Gaby Amarantos, Edy Star e Maria Alcinaque,apropĂłsito,cantou um pout-pourri de sucessos do passado de Virginia Lane, hoje com 91 anos. Uma delas: “Empurra, empurra a carrocinha/ Avançaminhagentequeapipoca estĂĄquentinhaâ€?.Eoutra:“Banana nĂŁo tem caroço, meu bem/E cabe em qualquer pescoço, nenĂŠm/ AlĂŠm de outras coisas mais/ Uma banana sĂł, jĂĄ satisfazâ€?. 333

Acordo Ê acordo. Graça Foster, diretora de Gås e Energia da estatal, estå pronta: assume em janeiro.



       

              

   

333 A joalheria Cartier, que tem uma única loja no Brasil, em São Paulo, nos Jardins, deverå abrir mais duas unidades atÊ 2013, uma num novo shopping e outra, ainda em estudos, provavelmente no Rio. Van Cleef & Arpels inaugurarå sua primeira unidade no país no Shopping JK Iguatemi, em São Paulo e hå quem aposte que em 2012 tambÊm estarå desembarcando por aqui Vacheron Constantin. Nos shoppings paulistanos, o que se vê, nos últimos dois anos, Ê uma verdadeira proliferação de joalherias, enquanto as mais tradicionais vendem atÊ relógios Cartier em 10 parcelas sem juros. O que não då para entender: qualquer cobiçado relógio comprado lå fora, sai quase 50% menos do preço cobrado no Brasil. Entre nós, impostos sobre relógios importados superam 60% do valor do produto.

333 JosĂŠ BonifĂĄcio de Oliveira Sobrinho, o Boni que, durante muitos anos, foi o todo-poderoso da Rede Globo e uma das figuras mais importantes da histĂłria da televisĂŁo brasileira (na primeira foto Ă  esquerda, com Daniel Filho), recebeu centenas de amigos, nos salĂľes do Copacabana Palace, no Rio, esta semana, para o lançamento de seu livro repleto de histĂłrias e episĂłdios dos bastidores de sua carreira. Ele conta coisas que ninguĂŠm sabia e deixa de contar outras tantas. Ainda lĂĄ, entre tantos, da segunda foto Ă  esquerda para a direita. Vera Fischer, de volta aos salĂľes; Antonio Fagundes (“Estou de fĂŠriasâ€?); Roberto Carlos, em rara aparição; e Narcisa Tamborindeguy.

O livro do Boni

3 MAIS: sĂł que nĂŁo vai dar.

       

 

RelĂłgios milionĂĄrios

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

333

MONIQUE Evans ajudou na escolha das fotos de sua filha, BĂĄrbara Evans, que protagonizarĂĄ a edição de dezembro de Playboy. Na capa, BĂĄrbara aparece nua, da cintura para cima, tapando com as mĂŁos os seios. Monique, uma das pioneiras nacionais do implante de silicone na ĂĄrea, orgulhosamente, garante que a filha sempre teve busto grande, “como as mulheres de antigamenteâ€? – e sem qualquer turbinada. 333

A CIDADE de São Paulo tem mais de três mil pizzarias e só perde a posição de capital mundial da pizza para Nova York. Mesmo assim o empresårio Arthur Briquet, ex-titular de Viviane Senna, que tentou ressuscitar o Gallery hå alguns anos, resolveu investir numa pizzaria de luxo no Shopping Cidade Jardim, ao lado do restaurante Due Cuochi Cucina. 333

Colaboração: Paula Rodrigues / A.Favero

               





       

$      ')

  ! 

&   

,   -( .    

%      

 

&  !   ** /  

*5 *"  + '



     !

   ,    

0   / 

  !    

" !   # 

 $%

& 

!

 !

  '

           (    !   !

  

% 

$  

  '  



 

       

&6

* *"   +

* *"   + $  



 !    

$   &  ' ! 

'!234

%

0   #

* *"   +

1 .

 !   , 

$ , 

#!   !

  299:;4 <! = ,= = >! =  = ?!( = %= @!  

7  



 $ 

#

,

8 

   


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

5 INVISÍVEL Lupi acumulou tantas funções que chegou a ser assessor-fantasma.

olítica

NEM UM MINUTO Para a oposição, esse é o tempo que resta ao ministro do Trabalho.

Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr

Oposição: o tempo de ficar acabou

A

Carlos Lupi: acusado de exercer duplas funções, como ministro e presidente do PDT ou como assessor em Brasília e no Rio de Janeiro, o que é expressamente proibido.

situação do ministro do Trabalho, Carlos Lupi, é classificada de "insustentável" pelos líderes da oposição, que avaliam que a presidente Dilma Rousseff não pode esperar mais "nenhum minuto" para substituí-lo da pasta. O líder do PSDB, deputado Duarte Nogueira (SP), disse que a conduta de Lupi, de acumular dois cargos públicos, como denunciou a imprensa, além de ilegal é imoral, e é mais uma prova "da conduta irregular de um ministro". Para o tucano, isso somado à decisão inédita da Comissão de Ética Pública de pedir a sua exoneração mostra que a "permanência dele, que já era insustentável, fica absolutamente insustentável", disse Nogueira. O DEM decidiu pedir à Procuradoria Geral da República (PGR) que entre com uma ação penal e outra ação civil pública contra Lupi pelo acúmulo indevido de cargos públicos. A ação deve pedir ainda o ressarcimento aos cofres públicos dos salários recebidos irregularmente. (Folhapress)

Dilma dá (mínima) sobrevida a Lupi A demissão do ministro, que continua acumulando denúncias, é dada como certa em Brasília. A decisão deverá ser dada com a volta da presidente ao País.

O

destino do ministro do Trabalho, Carlos Lupi, será decidido quando a presidente Dilma Rousseff voltar da viagem de três dias à Venezuela, para onde embarcou ontem à tarde. Apesar de não ter atendido, pelo menos por enquanto, à recomendação da Comissão de Ética Pública, de demitir o ministro, a presidente solicitou ao colegiado informações que embasaram a decisão de pedir a saída de Lupi e ao ministro exigiu explicações das denúncias publicadas ontem na mídia, de que acumulou cargos ilegalmente, entre 2000 e 2005, quando era assessor da Câmara dos Deputados e da Câmara Municipal do Rio. Embora Lupi tenha afirmado que, se houver ilegalidade, devolverá o dinheiro, a ministra-chefe da Secretaria de Comunicação, Helena Chagas, deu o tom da preocupação e da insatisfação da presidente com mais essa nova denúncia. "O

ministro esteve aqui, conver- niadas com a pasta. sou com a presidente, e disse Na espera – Em relação a que também vai encaminhar acusação de duplo emprego, ofício à Comissão de Ética pe- Lupi disse à presidente que vai dindo os elementos da deci- apresentar explicações. "E a são", afirmou Chagas. "Acho presidente está esperando peque, inclusive, a ata e todas as las explicações", confirmou in fo rma çõ es Chagas. Com d o p ro c e s s o isso, a sinalipara recorrer, zação é de que pedir reconsisomente na seLupi disse para a deração", dismana que presidente que vai se a ministra. vem, após o reA recomentorno de Dilapresentar dação da com a d a Ve n eexplicações. E a missão foi por zuela, que a presidente está un an imi da de crítica situaesperando pelas e a decisão bação de Lupi seexplicações. seada em mará reavaliada t é r i a s f a r t apela presidenHELENA CHAGAS mente publite e pelos auxicadas sobre liares mais um suposto esquema de favo- próximos. recimento e cobrança de propiO que se comenta é que o nas no ministério, além do uso tempo de Lupi acabou e que a irregular de uma aeronave alu- presidente, contrariando seus gada pelo empresário Adair planos, terá que fazer agora o Meira, durante viagem ao Ma- que só pretendia fazer no início ranhão, em 2009. Meira é res- do ano que vem – as mudanças ponsável por organizações no primeiro escalão com a renão-governamentais conve- forma ministerial. Porém, a de-

cisão de não afastar o ministro cio da semana que vem. A mude imediato mostra o perfil de dança de datas, no entanto, foi Dilma, ou seja: deixar bem cla- decidida no dia 17 de outubro, ro que não aceita imposições conforme ata publicada em sobre o que deve ou não fazer. novembro. A presidente não gostou da Lupi, nos últimos meses, foi postura da Comissão de Ética envolvido em uma série de ir(leia abaixo) e regularidades considerou inap re se nt ad as c o ns i s t e nt e s em convênios as primeiras de sua pasta É difícil responder a r g u m e n t acom ONGs lia essas acusações e gadas ao PDT, ções apresentadas pelo prepartido do ao mesmo tempo sidente Sepúlq u a l e s t á l iexercer o cargo. veda Pertence É difícil para o Lupi c e n c i a d o d a ao propor a presi dê nci a. e para qualquer demissão de Em 2007, a coministro. Lupi, assim missão já hacomo as declavia recomenANDRÉ VARGAS rações da condado a sua selheira e relaexoneração, tora Marília Muricy. justamente por acumular o miDilma não escondeu a sua nistério e a presidência do insatisfação com o comporta- PDT. Lupi, na ocasião, optou mento da comissão. No Palá- por continuar na Esplanada. cio do Planalto, todos ficaram Acumular funções faz parte do surpresos com a forma como o currículo do ministro, que agofato foi conduzido e também ra também é acusado de ter sicom a antecipação da reunião, do assessor em Brasília e no que estava prevista para o iní- Rio de Janeiro, por cinco anos

embora a lei proíba o acúmulo remunerado de funções. Para o secretário de Comunicação do PT, deputado federal André Vargas (PR), a decisão do conselho incomodou a presidente. "A recomendação dá força a um eventual afastamento, mas o tempo é da presidente, é ela quem vai decidir", afirmou o parlamentar. Vargas, no entanto, admitiu que é muito difícil a permanência do ministro. "As condições políticas de manutenção no cargo são muito complexas", observou. "É muito difícil responder a essas acusações e ao mesmo tempo exercer o cargo", disse. "É difícil para o Lupi e para qualquer ministro". O parlamentar defende que a saída dele aconteça na reforma ministerial. "Tem que ser no bojo da reconstituição do governo", afirmou. "Fazer a mudança de um ministro por um outro fica muito na lógica anterior, de demissões", explicou. "A lógica tem que ser de remanejamento". (Agências)

Beto Barata/AE

O que prevaleceu no pedido da Comissão de Ética Para o colegiado, Lupi faltou com o decoro; para Dilma, conselho avançou o sinal.

A

o recomendar para a presidente Dilma Rousseff a exoneração do ministro do Trabalho, Carlos Lupi, a Comissão de Ética Pública da Presidência da República confirmou que as declarações feitas por ele foram relevantes para a decisão. O colegiado, segundo o conselheiro Roberto Caldas, considerou falta de decoro quando Lupi afirmou que não cairia do cargo porque "era pesadão" e que só sairia da pasta "abatido à bala". Até a "declaração de

O conselho considerou falta de decoro quando Lupi disse que era pesadão e só sairia abatido à bala. ROBERTO CALDAS

amor" à presidente foi considerada imprópria. Segundo Caldas, a decisão envolveu também um conjunto de fatores, que foram desde as declarações públicas do ministro até a celebração de convênios com entidades ligadas ao PDT, passando pelo fato de que foi assessor-fantasma da Câmara por cinco anos. Para a conselheira e relatora do caso, Marília Muricy, a postura pública de Lupi foi "excessiva". Tanto que ela citou em seu relatório que foi um dos fatores para a aplicação de advertência ética e para a recomendação da exoneração. "O comportamento público do ministro foi de uma postura excessiva e incompatível com o cargo", afirmou. Para Caldas, o caso Lupi ganhou simbolismo com a decisão da comissão. "Há casos que se tornam simbólicos. Esse parece ser um." Já o presidente da comissão, Sepúlveda Pertence, disse que as respostas apresentadas por

Essa é uma comissão de gagás, de velhinhos que ficam perseguindo o ministro Lupi. PAULO PEREIRA DA SILVA Lupi à comissão foram "inconvenientes e insuficientes", mas não explicou o que caracterizaria a "inconveniência" dele. Pertence também não quis falar sobre a cobrança que a presidente fez ao colegiado. "Não recebi o ofício". A decisão da comissão irritou a presidente, que teria se sentido com "a faca no pescoço" e que por isso desafiou a comissão a demonstrar as razões do pedido de exoneração. Mais do que abrir uma crise com o colegiado, Dilma atro-

Sepúlveda Pertence: pedido de explicações ao ministro e, agora, cobrado pela presidente Dilma.

pelou o órgão incumbido de vigiar os malfeitos de ministros e demais integrantes do governo. Versões do Planalto indicam que a presidente se sentiu "afrontada" e considerou que os conselheiros agiram "com o fígado" contra Lupi. Auxiliares da presidente sugeriram que ela se sentiu "traída" porque não fora avisada da reunião. No Palácio houve sur-

presas até mesmo com as declarações da relatora do processo, consideradas "cheias de subjetividades". Houve até quem concordasse com as declarações do deputado federal Paulo Pereira da Silva (PDTSP), da Força Sindical, de que "essa é uma comissão de gagás, de velhinhos que ficam perseguindo o ministro Lupi". Até agora a comissão estava

sendo acusada de omissa, pois só tomava decisões contra os ministros depois que eles deixavam os cargos. Foi o caso, por exemplo, da ex-ministra da Casa Civil, Erenice Guerra, no final do ano passado e ainda no governo Lula, e, em junho deste ano, com o então ministro da Casa Civil, Antonio Palocci. (Agências) Mais sobre Lupi na pág. 6.


p Primeiro assunto do presidente Maia: Lupi DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

O presidente do PT, ao primeiro sinal de água, está deixando o ministro na chuva e sem guarda-chuva. Deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP)

olítica

Mal assume cargo de Dilma, presidente da Câmara tem que dar continuidade às investigações que atingem o ministro do Trabalho, história que se arrasta há tempos. Roberto Stuckert Filho/PR

P

ela primeira vez no uso irregular de um jatinho governo Dilma Rous- a l u g a d o p e l o e m p re s á r i o seff, o presidente da Adair Meira, durante viagem Câmara dos Deputa- para o Maranhão, em 2009. dos, Marco Maia (PT-RS), seAntes da viagem, a presigundo na linha sucessória, as- dente questionou a recomensumiu ontem o cargo em exer- dação da Comissão de Ética da cício. E logo no primeiro dia, Presidência para exonerar Lucomeçou tratando das denún- pi. Ela, por enquanto, o mantecias contra o ministro do Tra- ve no cargo e pediu informabalho, Carlos Lupi. ções ao colegiado. Maia pediu à Mesa Diretora Honestidade – Já o líder do da Câmara uma sindicância governo na Câmara, Cândido para analisar a situação do mi- Vaccarezza (PT-SP), reafirmou nistro. O presidente em exercí- a sua defesa em favor de Lupi, cio queria um levantamento mesmo depois da decisão da da ficha funcional de Lupi para Comissão de Ética. "Eu tenho o verificar as suspeitas de que ministro na conta de um hoele, por cinco anos, teria acu- mem honesto", disse. 'Se forem mulado dois cargos, o de asses- comprovadas outras coisas sor parlamentar na Câmara contra ele, eu mudo de opidos Deputados, em Brasília, e nião", afirmou o líder do gona Câmara Municipal, no Rio verno. "Eu quero ler as apurade Janeiro. ções da comisO presidente são", explicou da Câmara fiVa c c a r e z z a . cará à frente do Eu tenho o ministro "Na adminisExecutivo até a tração pública como homem madrugada de não existe fé, honesto. Se domingo, já existe o que esque Dilma viatá escrito", comprovarem jou para Caracompletou. outras coisas, eu cas e o viceO parlamenmudo de opinião. tar reiterou que presidente MiCÂNDIDO VACCAREZZA c a b e à p r e s ichel Temer está dente Dilma em viagem pelos Estados Unidos. Empossa- demitir ou não o ministro. do, Maia passou a despachar "Opinião de órgão, cada um no gabinete da Presidência, pode dar". Vaccarezza afirmou que fica no terceiro andar do que as questões envolvendo mudanças de ministro não Palácio do Planalto. Pegando leve – Na agenda prejudicaram as votações na do presidente em exercício Câmara até agora e não irão constavam compromissos as- atingir o apoio dos partidos ao sumidos em seu trabalho co- governo da presidente. Segunmo presidente da Câmara. Ele do ele, o apoio ao governo não recebeu prefeitos de municí- foi condicionado à permanênpios do Rio Grande do Sul, cia de ministros nos cargos. Mais enfático foi o líder do manteve reunião com deputados integrantes da Mesa Dire- DEM no Senado, Demóstenes tora, um encontro com sindi- Torres (GO). Além de encamicalistas e encerrou o dia num nhar pedido de investigação encontro com integrantes do ao Ministério Público, disse PSD. Na Câmara, o cargo de que depois do parecer da Copresidente foi assumido pela missão de Ética, a permanênvice, a deputada Rose de Frei- cia do ministro no cargo se torna insustentável (leia na página tas (PMDB-ES). Com a missão de chefiar o 5). "Agora já não é mais a opiPaís até o fim de semana, Maia nião pública, nem a oposição, acabou assumindo o cargo em nem o governo", afirmou Tormeio à polêmica envolvendo res. "É o Executivo, por meio de Lupi, também suspeito de ter sua comissão que exige a saída se beneficiado de um esquema dele". Para o líder do DEM, "a de desvio de recursos por meio presidente não tem o que fazer de contratos com organizações a não ser tomar a decisão de não-governamentais, além do afastá-lo do cargo". (Agências)

Marco Maia se despediu da presidente Dilma Rousseff na Base Aérea de Brasília. Ela viajou para a Venezuela e deixou para ele o caso Lupi. Maia, na presidência em exercício, pediu um levantamento das atividades do ministro quando era assessor da Câmara.

Gurgel apoia decisão do colegiado Para o procurador-geral da República, a recomendação indica inconveniência de manter o ministro no cargo Sérgio Lima/Folhapress - 20.10.11

O

procurador-geral da República, Roberto Gurgel, disse ontem que a posição da Comissão de Ética da Presidência da República pela demissão do ministro do Trabalho, Carlos Lupi, é "extremamente relevante", mas lembrou que a manifestação se limita ao campo ético e que cabe apenas à presidente Dilma Rousseff decidir. Para o procurador, a deliberação não avança sobre outros aspectos, mas no plano ético, "o que mais se afirmou é a inconveniência da permanência dele", disse Gurgel, destacando a qualidade, isenção e a prudência dos componentes da comissão na opinião dele. Gurgel afirmou também que está analisando se há indícios de improbidade administrativa que justifiquem a ação do Ministério Público. "Há todo um material, chegam diversas representações e isso tudo está sendo reavaliado", afirmou. "Pode ser que eu chegue à conclusão de que precisa ha-

Roberto Gurgel estuda pedir investigação, mas diz que por enquanto não há provas.

ver investigação sobre ele, mas, por enquanto, é aquela posição anterior, de que não há provas de corrupção contra o ministro do Trabalho". Extinção – O líder do PSDB, senador Álvaro Dias (PR) defendeu ontem a extinção da Comissão de Ética, caso a presidente Dilma Rousseff decida ignorar a recomendação do colegiado de demitir Lupi.

Em seu entendimento não há motivos que justifiquem a existência de uma comissão sem autoridade diante da presidente da República. "A comissão existe para que as suas conclusões sejam atendidas", ponderou. 'Se não houver providências da presidente, se não existir acolhimento a um pedido dessa natureza, também não há razão que justifique a

existência da comissão". Para Dias, a única coisa que justificaria Lupi no cargo seria a "cumplicidade do governo com a cobrança de propina". Até mesmo uma possível demissão na reforma ministerial é vista pelo líder tucano como "um prêmio à irregularidade", um estímulo à corrupção. "Faria prevalecer um sentimento de impunidade." (Agências)

Falcão defende fim da política da 'porteira fechada' no Trabalho As declarações do presidente do PT azedaram a relação com o PDT

CONVITE O Presidente da Associação Comercial de São Paulo - ACSP

Rogério Pinto Coelho Amato, convida para as solenidades comemorativas dos 117 anos de fundação da ACSP e Confraternização de Natal, e realizarem-se no dia 5 de dezembro de 2011. PROGRAMAÇÃO 17h30

Sessão Plenária Solene, na sede da ACSP, Rua Boa Vista, 51 - 11º andar.

19 horas Missa na Igreja Beato José de Anchieta, no Pateo do Collegio, a ser celebrada pelo Bispo da Diocese de Santo Amaro, Dom Fernando Antonio Figueiredo, e concelebrada pelo Padre Carlos Alberto Contieri, com participação do Coral “Schola Cantorum do Pateo do Collegio”. 20 horas Inauguração da iluminação natalina da sede da ACSP e entorno do Pateo do Collegio.

O

presidente nacional do PT, deputado Rui Falcão, disse ontem em Belo Horizonte que, com a saída ou não de Carlos Lupi (PDT) do ministério do Trabalho, a pasta não de ver mais "aparelhada" com sindicalistas alinhados ao ministério. Para ele quem deve fazer a avaliação se Lupi fica ou não é o governo, mas para o PT, independentemente de ele continuar ou não no ministério, "é preciso cessar a política da porteira fechada e do aparelhamento", afirmou. Segundo Falcão, o PT não está reivindicando o ministério, apenas defendendo que não há "aparelhamento por parte de nenhuma central, nem da Força Sindical nem da CUT, nenhuma delas." O PDT de Lupi é ligado à Força Sindical e a Central Únida dos Trabalhadores (CUT) tem vinculos com o PT. Falcão tem criticado o fato de o ministério do Trabalho ter entregue até delegacias regionais do trabalho para sindicalistas ligados à Força, que é presidida pelo deputado federal Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o Paulinho da Força Sindical. Azedume – Após as acusações do presidente do PT de que há "aparelhamento" do ministério, as relações entre o PT e

o PDT azedaram de vez. Paulinho da Força Sindical não escondeu o incômodo e partiu para o contra-ataque. "O PT quer tirar o Lupi a fórceps", disse ele, lembrando que o PDT foi o primeiro partido aliado a apoiar Dilma na disputa pela Presidência, no ano passado. Ele, porém, sugeriu que o seu partido pode virar as costas para o PT na eleição para a Prefeitura de São Paulo, em 2012. "Estamos há dez meses das próximas eleições, será que o Rui Falcão já está desprezando o eventual apoio da Força e do partido em São Paulo?" Nas críticas, Falcão questionou a concessão de cartas sindicais "sem critério" e defendeu o fim do imposto sindical. Coin-

cidentemente, nos últimos dias o ministério foi alvo de denúncias envolvendo o pagamento de propina para obtenção de registros sindicais. Para Paulinho, "o presidente do PT, ao primeiro sinal de água, está se curvando ao denuncismo sem provas e deixando o ministro na chuva e sem guarda-chuva", afirmou. Pelas contas de Falcão, filiados ao PDT ocupam 20 das 27 delegacias regionais do Trabalho. Mas reafirmou que não estava reivindicando cargos para os petistas. "Mesmo que fosse o PT na pasta, não deveria haver uma ocupação partidarizada das delegacias do Trabalho, nem pelo partido nem pela CUT", argumentou. (Agências)

Evandro Monteiro/Hype - 09.05.11

Falcão: "É preciso cessar política de aparelhamento do ministério.


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

7 É chegada a hora de a sociedade escolher e orgulhar-se de poder votar em candidatos probos. Luiz Fux, ministro do STF.

olítica

Beto Barata/AE

Dissidência ameaça votação da DRU Planalto teme que parlamentares do PT e PMDB vinculem voto com emenda 29

O Ideli e Renan: para semana que vem, análise do Código e votação da emenda que prorroga a DRU até 2015.

Ideli e Renan fecham pauta do Senado Os dois ministros discutiram as prioridades do Senado para a próxima semana

A

ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, reuniu-se no no final da tarde de ontem com o líder do PMDB, senador Renan Calheiros (AL), um dia após a tumultuada inclusão na pauta da regulamentação da Emenda 29, que amplia o repasse de recursos à saúde. O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), surpreendeu governistas e até a oposição ao botar a matéria em votação, contrariando interesses do Planalto. Segundo a ministra, a reunião com Renan tratou da pauta da próxima semana, que prevê a análise do novo Código Florestal e a votação em primeiro turno da emenda constitucional que prorroga a Desvinculação das Receitas da União (DRU) até 2015. Ideli deixou o Congresso sem comentar, com jornalistas, a decisão da Comissão de Ética da Presidência, que recomendou a exoneração do ministro

do Trabalho, Carlos Lupi. Mas a ministra não deixou de minimizar a saia-justa provocada por Sarney: "Os esclarecimentos sobre o que houve já foram colocados, houve apenas um descompasso". Ela alegou que o "susto" com o presidente do Senado não trouxe prejuízos ao governo, já que o requerimento que garantiu a urgência da votação do Código Florestal foi aprovado, assim como foram mantidos os prazos de votação da DRU. A votação da matéria em primeiro turno está programada para a próxima quinta-feira, no plenário do Senado. Paralelamente, o governo teme que o Senado resgate o texto sobre a Emenda 29 do exsenador Tião Viana, aprovado em 2008, que vinculou o repasse de 10% das receitas brutas da União à saúde. O cenário atual favorece a aprovação da matéria, o que comprometeria o equilíbrio das contas públicas. A prioridade máxima da

presidente Dilma Rousseff para o Senado é a prorrogação da DRU – item que consta da pauta e seria atropelado pela votação da Emenda 29 – para 2015. A DRU, que garantirá ao governo movimentar, livremente, R$ 62 bilhões do orçamento no ano que vem, é considerada uma ferramenta indispensável ao equilíbrio fiscal. Caberá aos líderes da base aliada barrar o oferecimento de emendas pela oposição, que poderão obrigar o retorno da matéria à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Esse retorno inviabilizaria o calendário traçado pelo Planalto, ameaçando a votação da DRU em pleno recesso e obrigando a convocação extraordinária do Congresso. Essa hipótese coloca em risco a votação da DRU, porque os líderes terão que redobrar os esforços para garantir os 49 votos necessários à aprovação da matéria em uma semana espremida entre os feriados do Natal e Ano Novo. (AE)

governo está preocupado com a vinculação no Senado da discussão da regulamentação da emenda 29 (que trata de recursos para saúde) à análise da emenda que prorroga a DRU (Desvinculação das Receitas da União) até 2015. O Planalto identificou dissidentes no PMDB e PT em relação a sua orientação para votar a emenda 29. Teme-se que o debate prejudique a prorrogação da DRU – mecanismo que permite ao governo usar livremente 20% das receitas e vence no dia 31 de dezembro. No PMDB, 11 dos 17 senadores estão dispostos a retomar o texto original da regulamentação da emenda da saúde, que obriga o governo a investir 10% da receita bruta no setor. O governo rejeita a ideia e defende o texto aprovado pela Câmara que estabelece quais ações governamentais podem ser contabilizadas como gastos em saúde. A regra que ficou para a União é a de destinar ao setor o

R

da população ao término dos jogos", diz o relator Valmir Campelo, responsável pelo acompanhamento das obras da Copa. O relatório divulgado ontem menciona entre as obras que nem começaram a sair do papel o polêmico veículo leve sobre trilhos (VLT) de Cuiabá, orçado em R$ 1,2 bilhão. O jornal O Estado de S. Paulo revelou, semana passada, que essa obra foi aprovada pelo Ministério das Cidades mediante documento fraudado. O projeto original era o BRT, linha rápida de ônibus, que custava R$ 489 milhões. (AE)

IDELI SALVATTI saúde. A ideia é arrancar compromisso do governo para aumentar os recursos do setor para 2012 no Orçamento. Com isso, a regulamentação da emenda não precisaria ser votada. Até terça-feira, o governo deve decidir se retira a urgência para a tramitação do projeto que regulamenta a emenda

Dias Toffoli interrompe julgamento por um pedido de vista. Ele diz não ter certeza se conseguiria, ainda neste ano, liberar as ações para julgamento.

Ficha Limpa vai ficar para 2012 Um ministro muda de posição e outro pede vistas. Então, nada feito de novo.

O

Supremo Tribunal Federal (STF) julgou em doses homeopáticas se a Lei da Ficha Limpa teria ou não validade na eleição municipal de 2012. Ontem, o julgamento foi interrompido pela segunda vez por um pedido de vista do ministro Dias Toffoli, que disse não ter certeza se conseguiria, ainda neste ano, liberar as ações para julgamento. O STF tem atualmente 10 ministros. A 11ª cadeira está vaga, à espera de Rosa Maria Weber

da Rosa, escolhida pela presidente Dilma Rousseff, mas que ainda não tomou posse. Na sessão de ontem, só o ministro Joaquim Barbosa votou. Defendeu a validade total da lei, que, segundo ele, está de acordo com princípios da Constituição Federal que estabelecem a moralidade, a impessoalidade e a proteção do interesse público. "As alegações de inconstitucionalidade dessa lei decorrem de interpretação limitada da Constituição Federal que privilegia minoria

de ocupantes de cargos eletivos em detrimento de toda a sociedade (...)". A seguir, o relator das ações, ministro Luiz Fux, pediu licença para reajustar o voto dado na sessão do último, dia 9. E voltou atrás para validar o artigo da lei que estabelece a inelegibilidade para os políticos que renunciam mesmo antes da abertura formal de processos de cassação. "É chegada a hora de a sociedade escolher e orgulhar-se de poder votar em candidatos probos". (AE) DC

bém a que exigirá a maior fatia de investimentos da União: R$ 7,9 bilhões só em financiamentos da Caixa Econômica Federal (CEF), segundo a matriz de responsabilidade, que estabelece o custo das obras e quem faz o quê. "Temo que essas intervenções de mobilidade, a serem inevitavelmente realizadas às pressas, baseiem-se em projetos sem o devido amadurecimento quanto ao seu detalhamento técnico; e mesmo quanto à sua viabilidade. Preocupa-me o risco de conceber uma herança que não corresponda às reais necessidades

Vai pesar na decisão do governo a possibilidade de, além de concluir a votação da DRU, aprovar o Orçamento de 2012.

da saúde. O Planalto teme sair derrotado pela própria base. A ministra Ideli Salvatti (Relações Institucionais) disse que "vai pesar na decisão do governo a possibilidade de, além de concluir a votação da DRU, aprovar o Orçamento de 2012". A oposição tem dito que se houver entendimento sobre a emenda 29 não cria dificuldades para a votação da DRU. "Estamos avaliando até terça-feira para dar uma posição oficial à oposição sobre pautarmos a emenda 29 para podermos ter um acordo para os prazos da DRU. Queremos votá-la com margem que nos permita, além da votação da DRU, fazer a do orçamento. As coisas estão vinculadas. Depende da aprovação da DRU". A base tentará evitar que governistas assinem emendas à prorrogação da DRU – aí, o projeto voltaria à análise da Comissão de Constituição e Justiça e haveria autoconvocação: são necessárias 27 assinaturas para emendas, o que a oposição só obteria com adesão de dissidentes. (Folhapress)

Nelson Jr/STF

TCU diz que Copa pode legar herança indesejável elatório de avaliação das obras da Copa do Mundo de 2014 aprovado pelo Tribunal de Contas da União (TCU) alerta para o risco de as obras da Copa se transformarem em "herança" indesejável. A pouco mais de dois anos e meio de seu início, só 8 dos 49 projetos de obras para transportar torcedores e turistas nas 12 cidades-sede da Copa do Mundo tiveram contratos assinados: 24 sequer lançaram licitação. A área de mobilidade urbana é a que mais preocupa no cardápio de obras financiadas com dinheiro público. É tam-

valor empenhado no Orçamento anterior, acrescido da variação nominal do PIB (Produto Interno Bruto). Hoje, o Executivo destina 7% do PIB. No PT, pelo menos 4 senadores propõem avançar no texto para garantir mais recursos à

FERRAMENTAS ELÉTRICAS PRODUTOS PARA CONSTRUÇÃO Rua Carneiro Leão 143 - Brás - São Paulo

desde 1926

www.pizzimenti.com.br (

(11)

3340-7200

Fax (11)

Lavadoras de alta pressão Wap e Karcher

é na 3340-7202


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Eu e Lula somos irmãos. Somos, como já disse Fidel Castro, esses tipos que andam por aí fazendo coisas. Hugo Chávez, presidente da Venezuela.

olítica

Dida Sampaio/AE

Reunião de Dilma com Chávez começa com atraso Encontro iria ser trilateral – entre ela, Chávez e Cristina Kirchner– mas virou bilateral

A

A sós: por causa do trânsito, presidente teve reunião privada com o colega Hugo Chávez, da Venezuela.

Lobão: 'Belo Monte é indispensável'

O

ministro de Energia, Edison Lobão, afirmou ontem que a Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu, no Pará, só tem "vantagens" e que ela é "indispensável" para o Brasil. "É absolutamente indispensável a construção dela. E não é para

nós mesmos, é para o povo brasileiro. Só ela pode atender 40% de todo o consumo de energia das casas do Brasil", destacou Lobão. O ministrou voltou a criticar as "campanhas injustas" contra o empreendimento. "A área de preservação do lago que

Rafael Andrade/Folhapress - 25.11.11

Alerta: "Só ela pode atender 40% de todo o consumo", diz ministro.

não existia passa a ser de dois milhões de metros quadrados, ou seja, cinco vezes o que haverá em matéria de inundação", defendeu. Lobão também afirmou que "nenhum indígena será prejudicado". Segundo ele, o índio mais próximo estará a 32 quilômetros de distância da usina. Lobão destacou a necessidade de elevar a geração de energia do País em 5% e que, sem Belo Monte, teriam de ser construídas termoelétricas a óleo e carvão, fontes de energia "amplamente poluentes". "Ou então desligaríamos a energia da sua casa", alertou. "Só vejo vantagens na construção de Belo Monte. Nada mais", reforçou no programa Bom Dia Ministro. A entrevista é produzida e coordenada pela Secretaria de Imprensa da Presidência da República, e transmitida ao vivo pela EBC. (AE)

presidente Dilma Rousseff chegou ontem, com duas horas de atraso, ao Palácio de Miraflores, em Caracas, para o encontro bilateral com o presidente venezuelano Hugo Chávez. O encontro, que deveria ser trilateral – incluindo também a presidente argentina Cristina Kirchner –, terminou sendo apenas bilateral por conta do atraso da presidente brasileira. Dilma aterrissou em Caracas em torno de 16 horas, mas demorou para chegar ao Palácio devido ao complicado trânsito da capital venezuelana. Acompanhada de quatro ministros – Fernando Pimentel (Desenvolvimento, Indústria e Comércio), Aloizio Mercadante (Ciência, Tecnologia e Inovação), Antonio de Aguiar

Patriota, (Relações Exteriores), e Helena Chagas, da Secretaria de Comunicação Social da Presidência – a presidente foi recebida por Chávez, passou em revista as tropas e ouviu a execução do hino brasileiro, cantado em português. O encontro privado de Dilma com Chávez, ao contrário da conversa do venezuelano com Cristina Kirchner, que foi transmitida ao vivo pela rede de tevê de Miraflores, foi fechado e sem transmissão para a sala de imprensa. De acordo com Chávez, que conversou brevemente com a imprensa antes da chegada de Dilma, os dois tratariam de convênios na área de habitação e de tecnologia. Também entraria na pauta a refinaria Abreu e Lima, cuja construção deve ser compartilhada pelos dois países. Até

agora, no entanto, a Venezuela não pagou sua parte. Anteontem, foi anunciado mais um prazo de 60 dias. "Vai adiante. Temos tido problemas, como muitos outros, mas esse é um projeto estratégico, tanto para Brasil quanto para Venezuela", afirmou Chávez. Vi si ta – O presidente prometeu vir em breve, provavelmente em dezembro, ao Brasil visitar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em tratamento quimioterápico para combater um câncer na laringe. "Ele veio me visitar, então agora eu tenho planos de ir vêlo. Vamos fazer a cúpula dos presidentes que venceram o câncer. Eu e Lula somos irmãos. Somos, como já disse Fidel Castro, esses tipos que andam por aí fazendo coisas", afirmou Chávez. (AE)

ANP quer mais punição para Chevron

A

Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) abriu um procedimento administrativo contra a empresa norte-americana Chevron, por mais um erro no Campo de Frade, na Bacia de Campos. Segundo a diretora da ANP, Magda Chambriard,

há uma semana a agência constatou a presença de ácido sulfídrico em um dos 11 poços do campo. O gás poderia ser fatal para os trabalhadores, caso houvesse vazamento. Segundo Magda, não houve vazamento do ácido, mas, ainda assim, a empresa teria que ter notificado a ANP para ga-

rantir a segurança tanto dos profissionais quanto dos equipamentos. A existência do gás letal só pôde ser descoberta porque os técnicos da agência estiveram na plataforma. Essa é mais uma punição recebida pela Chevron desde o vazamento de óleo ocorrido no início de novembro. (ABr)

Edmar Moreira perde ação para ACSP Ex-deputado mineiro, que ficou conhecido como "dono do castelo", havia processado entidade e dois jornalistas por danos morais, mas denúncia foi recusada. Guilherme Calderazzo

S

entença do juiz Alexandre Quintino Santiago, da 16ª Vara de Belo Horizonte (MG), acatou os argumentos jurídicos da defesa, com base nos princípios da liberdade de expressão, e deu ganho de causa à Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e, ainda, aos jornalistas Sérgio Kapustan e Luiz Octavio Lima em ação por danos morais que foi movida pelo ex-deputado federal mineiro Edmar Moreira, em 2009, contra a instituição e os dois profissionais do Diário do

Fotos: Chico Ferreira/LUZ

Comércio , por matérias publicadas no site Museu da Corrupção (Muco). No início de 2009, Moreira, então deputado federal pelo DEM, foi acusado pela Justiça Eleitoral de não ter declarado um imóvel entre seus bens. Essa obra fora concluída entre 1982 e 1990, e era igual a um castelo medieval, batizado de Castelo Monalisa. Com 7,5 mil metros quadrados de área construída e oito torres, na cidade de São João Nepomuceno, interior de Minas, a obra chegou a ser avaliada na época em mais de R$ 20 milhões. De acordo com a Justiça Eleitoral, Moreira havia declarado

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL Nº 53/SME/2011 - 2011-0.233.081-3 - FORNECIMENTO DE EQUIPAMENTOS DE ACESSO À REDE SEM FIO, SERVIÇOS DE SITE SURVEY, INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO ASSISTIDA E SERVIÇOS DE SUPORTE TÉCNICO, MANUTENÇÃO COM GARANTIA POR 36 MESES PARA AS UNIDADES ADMINISTRATIVAS E ESCOLARES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. Acha-se aberta a licitação em epígrafe à Rua Dr. Diogo de Faria, 1247 - sala 318 - Vila Clementino. O credenciamento e os envelopes nº 01 (proposta) e envelopes nº 02 (documentação) deverão ser entregues até as 10:30 horas do dia 15/12/2011, na sala 318 A, situado na Rua Dr. Diogo de Faria, 1247 - 2º andar Vila Clementino. O Edital e seus Anexos poderão ser obtidos, até o último dia que anteceder a abertura, mediante recolhimento de guia de arrecadação, ou através da apresentação de CD ROM gravável no Setor de Licitação - CONAE 151 - sala 318, ou no site http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br, bem como, as cópias do Edital estarão expostas no mural do Setor de Licitação.

SECRETARIA DA SAÚDE

Orcesi: "Noticiário representava a liberdade de imprensa".

apenas o terreno onde se encontrava a obra. Ao mesmo tempo, também houve amplo noticiário sobre

outras denúncias contra Moreira, entre elas a de sonegação de impostos e enriquecimento ilícito. Em seguida, o então

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DA MERENDA ESCOLAR Acha-se aberta no Departamento de Merenda Escolar - DME sito Rua: Líbero Badaró, 425 - 9º andar - Centro, a licitação na modalidade: PREGÃO PRESENCIAL Nº 23/SME/DME/2011- 2009-0.314.085-0 Objeto: Fornecimento de alimentos in natura com a respectiva solução logística para entrega nas unidades atendidas pelo Departamento da Merenda Escolar O credenciamento e os envelopes nº 01 (proposta) e envelopes nº 02 (documentação) deverão ser entregues até às 10:30 horas do dia 15/12 /2011, no Auditório da Secretaria Municipal de Educação, situada na Rua Dr. Diogo de Faria, nº 1247 - 1º andar - Vila Clementino - São Paulo. O Edital e seus anexos poderão ser obtidos, até o último dia que anteceder a abertura, mediante recolhimento de guia de arrecadação, ou mediante a apresentação de CD ROM gravável no Departamento de Compras do DME, ou através do site http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br, bem como, a cópia do Edital estará exposta no mural do Setor de Licitação.

SECRETARIA DE COORDENAÇÃO DAS SUBPREFEITURAS

parlamentar renunciou aos cargos de vice-presidente e da presidência da Corregedoria da Casa. Saiu do Democratas, para não ser expulso do partido. Ainda em 2009, a corregedoria da Câmara não aceitou denúncia contra ele, evitando que fosse cassado por quebra do decoro parlamentar. Em sua defesa, Moreira alegou que não havia declarado o imóvel entre seus bens porque o havia repassado aos filhos. Em 2010, disputou nova eleição para a Câmara dos Deputados, pelo Partido da República, mas não conseguiu ser reeleito. Processos – Depois da absolvição pela Corregedoria da Câmara, Moreira moveu 44 ações judiciais por danos morais contra 14 veículos de comunicação, 38 jornalistas e alguns apresentadores de televisão. Entre eles, a Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e os dois jornalistas do Diário do Comércio. No caso da ACSP, Moreira insinuou na ação que pediria uma indenização de R$ 200 mil por danos morais. Processou a instituição e os dois jornalistas sob a alegação de que fora vítima de difamação em noticiário no qual tivera a imagem prejudicada. Reforçou essa alegação com o argumento de que as notícias também haviam sido

publicadas no Museu da Corrupção, instituição on-line da Associação e do Diário do Comércio (www.muco.com.br). Liberdade de expressão – A defesa da ACSP e dos dois jornalistas foi feita pelos advogados Carlos Celso Orcesi da Costa e Lee Robert Kahn da Silveira. "Sustentamos que o noticiário sobre o então parlamentar representava a liberdade de imprensa e de expressão", disse Orcesi da Costa. "Alegamos que nas matérias o jornal não teve a intenção de atingir a honra ou denegrir a imagem de Edmar Moreira", disse Kahn da Silveira. O juiz Alexandre Quintino Santiago deu ganho de causa à Associação e aos dois jornalistas. "Infelizmente nosso País é marcado por história de corrupção, que perdura desde os tempos em que o Brasil era colônia", sentenciou. "Nesses moldes, a criação de um Museu da Corrupção é iniciativa interessante e não de mau gosto, como faz entender o autor. Tenho que, para construirmos uma nação melhor, precisamos guardar na memória tudo o que fizemos ou deixamos de f a z e r, d e m o d o q u e t a i s ações/omissões não se repitam (...). A atuação da mídia muito contribui para a investigação e denunciação de crimes", complementou.

SUBPREFEITURA M’BOI MIRIM

DIVISÃOTÉCNICA DE SUPRIMENTOS - SMS.3 ABERTURA DE LICITAÇÃO Encontra-se aberto no Gabinete: PREGÃO ELETRÔNICO 334/2011-SMS.G, processo 2011-0.251.875-8, destinado ao registro de preços de MEDICAMENTOS ESSENCIAIS XIV, para a Divisão Técnica de Suprimentos - SMS.3/Grupo Técnico de Compras - GTC/Área Técnica de Medicamentos, do tipo menor preço. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 11 horas do dia 15 de dezembro de 2011, pelo endereço www.comprasnet.gov.br, a cargo da 1ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. DOCUMENTAÇÃO Os documentos referentes às propostas comerciais e anexos, das empresas interessadas, deverão ser encaminhados a partir da disponibilização do sistema, www.comprasnet.gov.br, até a data de abertura, conforme especificado no edital. RETIRADA DO EDITAL O edital do pregão acima poderá ser consultado e/ou obtido nos endereços: http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br, www.comprasnet.gov.br, ou, no gabinete da Secretaria Municipal da Saúde, na Rua General Jardim, 36 - 3º andar - Vila Buarque - São Paulo/SP - CEP 01223-010, mediante o recolhimento de taxa referente aos custos de reprografia do edital, através do DAMSP, Documento de Arrecadação do Município de São Paulo.

SPMB/COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES/PREGÕES Processo nº:2011-0.042.615-5 Objeto: Contratação de empresa para execução de obra de contenção de talude em área de risco na Rua Halifax - Jardim Souza. A Subprefeitura M’Boi Mirim através da Comissão Permanente de Licitações/Pregão Comunica a quem possa interessar a nova data de abertura da licitação abaixo relacionada: Tomada de Preços nº 07/SPMB/2011 Processo nº 2011-0.042.615-5 Objeto: Contratação de empresa para execução de obra de contenção de talude em área de risco na Rua Halifax - Jardim Souza Entrega das propostas:15/12/2011 até as 13h30min Abertura:15/12/2011 às 14h00min O edital retificado deverá ser acessado pelo site: http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br, ou na Sede desta Subprefeitura na Supervisão de Administração e Suprimentos, mediante o recolhimento através da DAMSP - Documento de Arrecadação do Município de São Paulo aos cofres públicos na importância de R$ 0,15 (quinze centavos) por folhas em conformidade com o Decreto Municipal nº 52.040/10, ou ainda mediante a entrega de (um) CD-ROM, no horário das 09h00mim às 17h00min, até o 24 horas anterior a data de encerramento da presente licitação.

Kahn: "Não houve a intenção de atingir a honra de Edmar Moreira"


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

9 SPY FILES 1 O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, lança novo projeto

nternacional

SPY FILES 2 Documentos mostram como governos espionam seus cidadãos

Sana/AFP

Thierry Roge/Reuters

Com o acesso restrito a jornalistas no país, regime sírio divulga apenas fotos de protestos a favor de Assad.

Ministros da Holanda, Luxemburgo, Alemanha, Itália e Grã-Bretanha (da esq. à dir.) votam por sanções.

A ONU comprova: a Síria está em guerra civil.

Organização das Nações Unidas (ONU) afirmou ontem que a Síria está em guerra civil e que mais de 4 mil pessoas já morreram nos mais de oito meses de repressão política. A avaliação da principal autoridade para direitos humanos da ONU, Navi Pillay, ocorre na mesma semana em que o isolamento diplomático ao regime do ditador Bashar alAssad aumentou de forma significativa. Ontem, a União Europeia (UE) adotou mais sanções contra os setores financeiro e petrolífero da Síria, por causa da violência. A ONU aumentou a estimativa do número de mortos de 3,5

A

O número de vítimas da repressão do regime de Assad não para de crescer: já são 4 mil mortos. Em vez de entrar em choque com as forças do governo, a oposição civil e militar se une e decide usar as armas somente em caso de defesa própria. Já a União Europeia endurece as sanções.

mil para 4 mil vítimas. "Mas a informação confiável que chega a nós é de que são muito mais (mortos) do que isso", disse a comissária, antecipando os números que apresentará hoje ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, durante uma sessão especial sobre a Síria. Pillay citou, como razão para classificar a situação como "guerra civil", além da estimativa de mortos, o fato de que soldados estão desertando e se voltando contra o regime. O cenário sugerido por essas circunstâncias aponta, segundo ela, para o aumento da violência. Defesa - Apesar dos temores de Pillay, o Exército Sírio Livre (ESL), formado por soldados

desertores, decidiu colocar um fim a seus ataques contra o regime, segundo fontes da oposição em Istambul. A decisão teria ocorrido após reunião com membros do Conselho Nacional Sírio (CNS), que reúne boa parte da oposição civil síria, pela primeira vez na Turquia. A partir de agora, os soldados desertores devem usar as armas somente em atos de defesa própria ou de civis durante protestos pela queda de Assad, segundo Halid Hoca, membro do CNS. Sa nçõ es - Ontem, a União Europeia acrescentou 12 pessoas e 11 entidades à lista de proibições para transações econômicas. (Agências)

Khaled Abdullah/Reuters

UE REFORÇA SANÇÕES CONTRA IRÃ Punições podem atingir a jugular iraniana: as exportações de petróleo.

A

Manifestante participa de protesto contra Saleh em Sanaa

IÊMEN Diálogo avança. E a violência também.

A

oposição no Iêmen disse ontem ter chegado a um acordo para a formação de um governo interino com o partido do presidente Ali Abdullah Saleh, que assinou na semana passada a transferência de poder, para encerrar os conflitos que levaram o país à beira da guerra civil. No entanto, o progresso alcançado nas negociações ainda não estancou os confrontos no país. Pelo menos 12 civis, integrantes das forças do governo e atiradores anti-Saleh morreram ontem em Taiz, a capital comercial do Iêmen e centro de manifestações contra Saleh, disseram moradores e autoridades. Cinco civis morreram em uma ação que moradores disseram ter sido um bombardeio por parte das forças do governo em áreas residenciais. Uma autoridade do setor de segurança negou que tivesse ocorrido um ataque a áreas civis e disse que "elementos armados" haviam atacado vários postos de controle das forças de segurança em Taiz. Segundo fontes médicas do hospital Al Rawdah, pelo me-

nos cinco civis foram mortos e 45 ficaram feridos. A cidade de Taiz fica a cerca de 200 quilômetros ao sul de Sanaa, a capital. Saleh passou 33 anos no cargo, e transferiu o poder ao seu vice, sob intensa pressão internacional, após enfrentar dez meses de protestos populares. O acordo para a saída dele foi mediado pelo Conselho de Cooperação do Golfo. Segundo um líder da oposição, o entendimento firmado para o governo interino prevê que o partido de Saleh manterá o controle dos ministérios da Defesa, Relações Exteriores e Petróleo, enquanto os oposicionistas ficarão com Cooperação Internacional, Interior, Informação e Finanças. Os patrocinadores do plano esperam que ele evite uma guerra civil no país – vizinho da Arábia Saudita, maior exportador mundial de petróleo – e impeça a Al-Qaeda local de ameaçar as rotas de navegação no Mar Vermelho. As eleições presidenciais no país foram marcadas para 21 de fevereiro. (Agências)

exemplo da vizinha Síria, a União Europeia ampliou ontem sanções contra o Irã e apresentou planos para um possível embargo petrolífero, em resposta às crescentes preocupações com o programa nuclear iraniano. Os ministros de Relações Exteriores dos 27 países do bloco decidiram que as novas sanções nos setores financeiro, energético e de transportes devem ser discutidas entre seus técnicos até o seu próximo encontro, no final de janeiro. As medidas podem levar a uma redução gradual nas importações europeias de petróleo iraniano, embora alguns governos da UE desejem, antes de aderir às sanções, garantias de que o impacto sobre as suas próprias economias será limitado. "Estamos trabalhando nisso", disse o chanceler francês, Alain Juppé, a jornalistas quando questionado sobre a possibilidade de um embargo petrolífero. "Temos de trabalhar com diferentes parceiros para que a interrupção do fornecimento (de petróleo) do Irã possa ser compensado por uma elevação na produção em outros países." O petróleo iraniano representou em 2010 somente 5,7% do total importado pela União Europeia, mas sua proporção é muito maior em países como Espanha, Itália e Grécia. No último ano, o Irã foi o primeiro fornecedor de petróleo a Espanha (14% do total), de acordo com a Comissão Nacional de Energia. Separadamente à discussão sobre o petróleo, a UE incluiu mais 180 nomes à lista de pessoas e instituições iranianas sujeitas à proibição de viagens e congelamento de patrimônio, por causa do seu envolvimento com o programa nuclear do Irã. Governos ocidentais acreditam que o Irã esteja tentando desenvolver armas nucleares clandestinamente, algo que Teerã nega, insistindo no caráter pacífico das suas atividades. William Hague, chanceler da Grã-Bretanha – país cuja embaixada em Teerã foi atacada por manifestantes na terça-feira – esteve entre os mais empenha-

Fotos: EFE

Carros diplomáticos (à dir., o do Brasil) chegam à embaixada britânica em Teerã para vistoriar destruição

dos na defesa das novas sanções durante a reunião de Bruxelas, mas negou que isso seja uma retaliação pelo incidente. Os ministros emitiram nota dizendo-se "ultrajados" pelo ataque à embaixada britânica. Os manifestantes depredaram partes do complexo em um protesto contra sanções adotadas de forma unilateral pela Grã-Bretanha contra o Irã. Destruição - Embaixadores da União Europeia, do Brasil e de outros países no Irã visitaram ontem as duas casas da embaixada britânica atacadas em Teerã para comprovar os danos causados pela invasão de terça-feira. Durante 20 minutos, a polícia iraniana impediu o acesso à embaixada britânica do grupo de diplomatas, no norte de Teerã,

que tinha a permissão da GrãBretanha para entrar no prédio. "Tínhamos a permissão de Londres. Se não nos deixassem entrar, seria uma violação à Convenção de Viena (para a proteção de funcionários e dos prédios diplomáticos e consulares)", disse à agência EFE um dos diplomatas antes de os agentes liberarem a passagem. As casas ficam nos jardins de Golhak, no norte de Teerã. Como revelaram os diplomatas na saída, os invasores eram em sua maioria Voluntários Islâmicos da milícia Basij, maiores de 30 anos, "não estudantes", que "sabiam perfeitamente o que fazer" e se dirigiram, principalmente, aos imóveis dos três diplomatas. As casas, como revelaram na quarta-feira os diplomatas bri-

tânicos antes de deixar o Irã, ficaram arrasadas e cheias de pichações, nas quais era possível ler: "Morte aos ingleses" e "Morte à rainha". Diversos representantes diplomáticos comentaram que, no piso das casas e no jardim, havia garrafas de bebidas alcoólicas abertas, mas não quebradas, o que dava a impressão que os invasores as consumiram. Após visitar os jardins de Golhak, os diplomatas foram até o prédio da embaixada britânica na região de Ferdowsi, onde fica a casa do embaixador, também atacada na terça-feira. "A residência está completamente arrasada, toda destruída, quadros quebrados e vários carros com o interior queimado", contou ao sair um diplomata. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10

e

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

UM LIVRO À ALTURA DO FEITO 'A Invasão Corinthiana' é a 1ª obra totalmente dedicada ao jogo contra o Flu em 5 de dezembro de 1976, quando 70 mil torcedores foram até o Rio.

sporte

Corinthians e Flamengo x Palmeiras e Vasco Com clássicos, última rodada do Brasileirão, domingo, que definirá o campeão, fica ainda mais emocionante. O Timão só precisa de um empate contra o Verdão.

'Ofereceremos lenços aos corintianos'

Guilherme Carvalho

D

C

Daniel Augusto Jr/Fotoarenacredito

e um lado as duas maiores torcidas do Brasil; do outro, seus rivais históricos. Esse será o principal confronto da última rodada do Campeonato Brasileiro, que acontece domingo, às 17h, e está recheada de clássicos regionais. Corinthians e Vasco lutam pelo título nacional – o quinto na história dos dois clubes – e seus principais rivais, Palmeiras e Flamengo, respectivamente, tentarão impedir a façanha. A situação mais tranquila é a do Corinthians, que para ficar com o título precisa apenas de um empate no Pacaembu contra o Palmeiras. Se perder, terá de torcer para o Vasco não vencer o Flamengo no Engenhão. Os flamenguistas, portanto, podem eliminar qualquer chance do rival apenas com um empate, resultado que também garante à equipe ao rubro-negra uma vaga na Libertadores de 2012. "Minha torcida é pelo Corinthians. Conheço a história do clube e tenho muitos amigos lá. E, pelo que fizeram dentro de campo, eles merecem esse título", comentou durante a semana o meia Renato Abreu, que teve uma passagem vencedora pelo Corinthians entre 2001 e 2005 e hoje atua no Flamengo. Além de Renato, o Flamengo conta com outros personagens que fizeram história no Timão: Deivid, campeão da Copa do Brasil em 2002; Vanderlei Luxemburgo, campeão brasileiro em 98 e Felipe, campeão da Copa do Brasil de 2009. Todos apostam que o Corinthians será o campeão. "Com um empate ou uma vitória, garantiremos a vaga na Libertadores. E acredito que o Corinthians também fará a sua parte e conquistará o título", afirma Felipe. Como não poderia ser dife-

Liedson, que garantiu o 1 a 0 sobre o Figueirense na rodada anterior, no treino de ontem do Corinthians no CT Joaquim Grava, na zona leste.

rente, do lado palmeirense ocorre o oposto. O time não tem mais nenhuma meta no campeonato, mas a torcida é toda pelos colegas vascaínos. "Não escondo de ninguém que minha torcida é pelo Vasco", admite o atacante do Palmeiras Ricardo Bueno. Tudo para não ver o rival comemorar. "Eu e todos os jogadores e comissão técnica pensamos assim", garantiu. "Mas não é só por isso que estamos motivados para o jogo. Tenho certeza que, mesmo que não houvesse essa oportunidade de tirar a taça deles, a motivação seria a mesma, já que é um clássico. Até porque a nossa vitória não basta, é preciso outro resultado para que o Corinthians não seja campeão", lembra o atacante, referindo-se ao jogo do Engenhão. Para o jogo de domingo o

Corinthians não terá o atacante Emerson Sheik, que ontem foi suspenso pelo STJD por um ter agredido o jogador Daniel, do Avaí dia 11 de outubro. Além dele, Ralf também não joga, suspenso pelo terceiro amarelo. Já o Vasco, o outro postulante pelo título, enfrentará o Flamengo sem Juninho Pernambucano e Allan, suspensos, e ainda desgastado pela viagem a Santiago, onde perdeu para a Universidade do Chile e acabou eliminado da Copa Sul-Americana. "Assim que deixamos o campo em Santiago, já entramos no vestiário pensando no jogo contra o Flamengo. Estamos tranqüilos e confiantes em conquistar a vitória", garantiu o técnico Cristóvão Borges. 'Pedras' paulistas –Nas últimas oito rodadas, o Vasco perdeu pontos apenas três vezes:

justamente contra os paulistas São Paulo, Santos e Palmeiras. Nos outros cinco jogos, cinco vitórias que o deixaram na briga pelo título. Duas dessas vitórias, aliás, contra rivais do Rio de Janeiro – Botafogo e Fluminense. Essa seria uma situação improvável em 2009 e 2010, quando não havia clássicos regionais nas últimas duas rodadas. "É melhor assim, com clássicos na última rodada. É mais emocionante e não tem a suspeita de entregar os jogos", elogia o torcedor palmeirense André Guerra, presidente da Mancha Alviverde. "Quando empatamos com o Vasco precisávamos dos pontos, então não há arrependimento", diz, sobre seu time ter ajudado sem querer o rival Corinthians. Além de Corinthians e Palmeiras e Flamengo e Vasco, a

rodada de domingo terá outros clássicos em que muita coisa está em jogo. O Grêmio, por exemplo, tentará impedir que o rival Internacional chegue a Libertadores em 2012; mesma aspiração do Santos diante do São Paulo e do Avaí contra o Figueirense. Em outro clássico carioca, Botafogo e Fluminense duelam também pensando na principal competição sul-americana. O Botafogo ainda acredita na classificação e o Flu, já classificado, quer ir direto para a fase de grupos, evitando a pré-Libertadores. Já em Minas Gerais, o Cruzeiro tenta escapar do rebaixamento justamente contra o rival Atlético-MG e no, Paraná, o Coritiba tenta vaga na Libertadores diante do Atlético-PR, que também luta contra o rebaixamento.

A invasão do Rio. O livro. Felipe Carrilho

H

'Invasão Corinthiana': Antes da partida contra o Fluminense, corintiano exibe a bandeira de seu time no Leme, em plena Cidade Maravilhosa.

Arquivo/AE-05.12.1976

á 35 anos, a fiel torcida corintiana, que não comemorava um título importante desde o Paulista de 1954, invadia o Maracanã para ver o seu time enfrentar e vencer nos pênaltis o poderoso Fluminense do craque Rivellino na semifinal do Campeonato Brasileiro de 1976. De avião, ônibus, carro, bicicleta ou mesmo a pé, cerca de 70 mil torcedores haviam atravessado os 400 quilômetros que separam São Paulo do Rio de Janeiro, fato que fez Nelson Rodrigues escrever em sua coluna do dia seguinte que o Rio havia se tornado uma "cidade ocupada". A "Invasão Corinthiana", como ficou conhecido o episódio, foi um feito tão impressionante que parecia confirmar a sentença dita nos anos 1920 pelo escritor modernista Menotti Del Picchia: "O Corinthians é um fenômeno sociológico a ser estudado em profundidade". Impressionante era também o fato de a vasta bibliografia consagrada à história do clube – que apresenta desde pesquisas abrangentes e teses acadêmicas até lançamentos de tom comercial – não contar até hoje com um único título inteiramente

dedicado ao jogo de dezembro de 1976. Mas a quebra desse tabu não poderia ocorrer de forma mais brilhante. O livro "A Invasão Corinthiana, o dia em que a Fiel tomou o Rio de Janeiro para ver o seu time no maior estádio do mundo", dos jornalistas Igor Ojeda e Tatiana Merlino, é uma obra não apenas indispensável na estante de todo o pesquisador do futebol como também apreciável para os amantes do bom texto jornalístico. Fartamente ilustrada com fotografias da época, o livro, que será lançado segunda-feira na Livraria da Vila pela LF Editorial, traz ainda a quarta capa assinada pelo jornalista Juca Kfouri. Trata-se de um trabalho escrito no melhor do estilo livro-reportagem, cujo zelo na

escolha das fontes e o cuidado com a apuração dos fatos são dignos de uma atividade do mais escrupuloso historiador. Por meio de entrevistas com exjogadores, dirigentes, jornalistas e torcedores, Ojeda e Merlino traçam um narrativa viva, que alia objetividade e paixão. "Não dava para escrever sobre a Invasão com base apenas em pesquisas em jornais e revistas da época. Era preciso dar uma cara 'humana à história'. A Invasão Corinthiana é, principalmente, uma experiência humana fantástica", diz Ojeda. Ao priorizar o ponto de vista dos entrevistados, o livro, porém, não deixa de conferir o relevo necessário às causas e às implicações gerais do acontecimento.

O ambiente ditatorial da política da época e a relação histórica entre o clube e as classes populares são questões colocadas em debate pelos autores. A curiosa influência da religiosidade popular dentro e fora do campo de jogo também não passa despercebida. "A história do Corinthians é, sobretudo, a história de sua torcida. Contar a Invasão Corinthiana é contar a história dessa torcida e, sem medo de exagerar, do povo brasileiro", avalia Ojeda. É notável também o destaque dado pelos autores ao debate a respeito do fenômeno, travado principalmente nos jornais da época, mas

também na bibliografia acadêmica especializada. Masoquismo coletivo? Anseio popular por liberdade? Válvula de escape? "A Invasão Corinthiana é uma história que transcende o futebol, envolve paixão, loucura, fidelidade e persistência. É um fenômeno de ordem sociológica", afirma Merlino. Felipe Dias Carrilho é historiador e autor do livro 'Futebol, uma janela para o Brasil - As relações entre o futebol e a sociedade brasileira'. Assina também a coluna Jogo de Classe no site Escrevinhador.

Capa do livro que será lançado 2ª-feira, na Livraria da Vila

om a possibilidade de o Corinthians jogar o clássico contra o Palmeiras já campeão (o que teria acontecido se o Vasco tivesse perdido no último domingo), diretores do clube alvinegro sugeriram que os jogadores palmeirenses entregassem a faixa de campeão no Pacaembu, "em um gesto de cavalheirismo". O título não veio e agora é a vez dos palmeirenses provocarem. "Não queriam que entregássemos as faixas, em nome do cavalheirismo? Então vamos mostrar que somos cavalheiros. Levaremos lenços ao Pacaembu para entregar aos corintianos que estarão chorando a derrota", cutucou André Guerra, presidente da torcida organizada Mancha Alviverde. "É até bom que o jogo seja no Pacaembu, com mando de campo do Corinthians. Quanto mais gente chorando, melhor." Apesar da ansiedade pelo clássico – "não perderia esse jogo nem se tivesse velório da minha namorada" –, Guerra garante que o resultado de domingo não aliviará o descontentamento com a campanha do Palmeiras em 2011. Independentemente do resultado da partida contra o Corinthians, a torcida continuará exigindo mudanças. "Talvez dê uma melhorada no ego do torcedor, mas não apaga o péssimo ano do Palmeiras. Continuaremos cobrando a contratação de melhores jogadores. Com ou sem vitória, o sentimento já é de vergonha."

Cláudio Adão: 'Time relaxado é um perigo'

S

e derrotar o Corinthians, o Palmeiras pode ajudar o Vasco a ser campeão, mas em 1989 ocorreu o inverso. Naquele ano, Palmeiras e Vasco lutavam para chegar à final do Brasileirão e o Verdão tinha justamente o rival Corinthians pela frente. O Timão, que já não tinha nenhuma meta no campeonato, venceu por 1 a 0 e tirou o Palmeiras da luta. Com a ajuda, o Vasco foi à final e sagrou-se campeão, derrotando o São Paulo. O gol do Corinthians foi marcado por Cláudio Adão, de calcanhar, no final do segundo tempo. "A torcida adorou. Ganhei vários presentes. Os torcedores me deram camisas das principais organizadas e ganhei até um boneco do Vicente Matheus (então presidente do clube)." Segundo Cláudio Adão, a vida do Corinthians foi facilitada pois, enquanto o adversário estava pressionado, os corintianos entraram relaxados. "Time relaxado é um perigo. Joga leve. Passamos a semana de forma descontraída. Eles estavam tensos. Isso facilitou." Revelado pelo Santos, Cláudio Adão jogou também nos quatro grandes do Rio e não revela sua torcida em relação ao título. "Esse é o campeonato mais estranho que eu já vi. O Corinthians abriu grande vantagem, era para ter vencido faz tempo, mas vacilou. Os grandes vacilaram."


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

c

11 RARIDADES Moeda medieval chinesa em forma de faca é uma das peças em exibição no 15º Congresso Brasileiro de Numismática, maior evento no País sobre o tema

idades

Fotos de Zé Carlos Barretta/Hype

À esq., a peça mais antiga do evento: uma moeda do Reino Lydia, atual Turquia. Acima, moeda antiga brasileira

Colecionadores de moedas e cédulas dos mais variados valores e origens estão reunidos desde ontem no 15º Congresso Brasileiro de Numismática, realizado em São Paulo. Encarada como hobby ou como um comércio, a numismática ganha força e se transforma em fonte de cultura

Uma viagem histórica pelo mundo das moedas Mariana Missiaggia

A

trair compradores e despertar o interesse de estudantes pela história do mundo. Estes são os principais objetivos do 15º Congresso Brasileiro de Numismática, m a i o r e ve n to n o Pa í s s o b re o te m a . Moedas, cédulas e medalhas passam de mãos em mãos e contam sua história no evento que reúne colecionadores de cédulas e moedas das mais variadas origens. Desde ontem, centenas de numismatas estão reunidos para vender, comprar, trocar e avaliar material numismático. Entre milhares de peças em exposição, Hilton Lucio, diretor da Sociedade Numismática Brasileira (SNB), exibe a peça mais antiga do evento: uma moeda do Reino Lydia (atual Turquia). Com influência persa, a minúscula mistura de ouro e prata data do ano 7 a. C. e retrata a juba de um leão. Como arte – Lucio a adquiriu há dois anos, nos Estados Unidos, por US$ 1.200. “O valor de cédulas e moedas é como o da arte. É inestimável. Vale aquilo que o sentimento da pessoa permitir. Existem moedas que custam mais do que um carro”, avaliou. Para Lucio, o colecionismo é diverso e para todos os bolsos. Há pessoas que colecionam apenas cédulas e moedas com aves, outras colecionam somente peças com defeitos. Também há aquelas que veem no colecionismo um negócio e fazem do hobby um investimento. Dono de pelo menos mil moedas, Lucio guarda uma medalha em ouro da ascensão de D. Pedro II, de 1841, em sua coleção. Entre as raridades está uma moeda chinesa da Idade Média, em cobre e no formato de uma faca. Naquela época, os chineses tinham uma forte resistência ao formato redondo. Hobbie – Segundo Lucio, o mercado numismático no Brasil está em expansão. “À medida que o País enriquece, os hobbies ganham espaço e são valorizados. Aos poucos isso está acontecendo no Brasil. A própria moeda brasileira, antes não muito desejada entre os colecionadores, já ganhou força e está supervalorizada”, revelou. Lucio conta que sua paixão por cédulas começou aos oito anos. Um amigo de seu pai viajava muito para o Exterior e sempre o presenteava com moedas estrangeiras. Aos poucos, ele começou a observar as diferenças entre as peças e aquilo o instigou a pesquisar sobre o assunto. “As moedas são um instrumento de propagação de cultura. A moeda tem resquícios dos povos”, observou. Redação – Suellen Lopes Pinto, de 13 anos, estudante da EMEF Celso Leite Ribeiro Filho Vitória, na Bela Vista, é a comprovação da opinião de Lucio. Participante do Concurso de Redação sobre Numismática que a Sociedade promoveu com 6.542 crianças de escolas públicas, Vitória conquistou o terceiro lugar falando sobre as atuais moedas brasileiras. “Descobri o significado de cada símbolo e a história que aquela moeda carregava. Nas moedas de 1 centavo temos a figura do descobridor do Brasil, Pedro Álvares

Cédula de R$ 50, com defeito: item de colecionador

Colecionador japonês trouxe cédula de 1945 para colega da Bahia Nilton Fukuda/AE

Hilton Lucio, diretor da Sociedade Numismática Brasileira (SNB), exibe moeda da exposição

Medalha em ouro comemorativa da ascensão de D. Pedro II ao trono do Brasil, de 1841: peça de coleção

Cabral. Nas de 25 centavos, Deodoro da Fonseca, proclamador da República. E a minha preferida é a de 5 centavos, com Tiradentes, símbolo da Independência, que lutou e morreu pelo povo”, disse a estudante sobre o concurso deste ano, cujo tema foi “O que podemos aprender com as atuais moedas brasileiras?”. Comércio – Já na área da comercialização, os colecionadores avaliavam os produtos. O colecionador Henry Hirose veio do Japão especialmente para o congresso e com uma encomenda especial para o colecionador baiano Mario Marcelo Pitta, 53 anos. Pitta aguardava por uma cédula japonesa de 1945 e pagou US$ 170 pela peça.

Entre as aquisições mais caras de Pitta está uma moeda brasileira de 1725, que lhe custou R$ 23 mil. Para o evento deste ano, as coleções selecionadas foram: Cédulas Emitidas por Bancos Particulares do Brasil, Arqueologia nas cédulas e moedas Latino Americanas dos séculos 19, 20 e 21; e Aves e Pássaros.

S ERVIÇO XV Congresso Brasileiro de Numismática De 1 a 3 de dezembro de 2011, das 9h às 18h. Novo Hotel Jaraguá São Paulo, Rua Martins Fontes, 71 - Centro Entrada franca. Informações: (11) 3333-7004

ACIDENTE – Um acidente envolvendo dois caminhões causou a morte de uma pessoa e deixou outras três feridas, ontem de madrugada, na avenida 23 de Maio, próximo ao Viaduto Dona Paulina, na região central de São Paulo. A colisão aconteceu no sentido Aeroporto-Centro. A via chegou a ser totalmente bloqueada. Os três feridos foram socorridos pelo Corpo de Bombeiros e levados para o pronto-socorro Vergueiro.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

12 -.LOGO www.dcomercio.com.br

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

'Onda' é o nome dessa mesa de jantar criada por Michael Beitz, para evitar, propositalmente, conversas com quem está à sua frente. www.michaelbeitz.com

C HINA

S AÚDE

Conhecendo a inimiga da Aids

Pisando no vazio Passarela de vidro na montanha Zhangjiajie Tianmen: 60 metros de caminhada a 1430 metros de altura. http://bit.ly/rqdnnZ

ontem, Dia Mundial de Luta contra a Aids, jovens acima de 13 anos participaram da exposição "Por Dentro da Camisinha". Montada no Palácio das Indústrias, Centro de São Paulo, a exposição simula uma festa em que os participantes conhecem como ocorre a contaminação das Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST). Depois, entram no Túnel da Camisinha, em que esculturas representam as bactérias da gonorreia e sífilis, o vírus da herpes, o HIV e o HPV, impedidos de infectar o corpo pelo preservativo. A exposição foi criada pelo Instituto Kaplan após uma pesquisa feita em fevereiro com 1.149 adolescentes de 13 a 18 anos, que revelou que 37% desconhecem as formas de prevenção da aids. A exposição pode ser vista até 16 de dezembro. www.cataventocultural.org.br

Bruno Poletti/AE

Exposição mostra a jovens e adultos como o uso de preservativos evita a contaminação por vírus e bactérias

Sergio Perez/Reuters

A RTE

C OPA 2014

orientação de planos de negócios, fiscalização de orçamento, contratação de auditorias externas e reuniões com sócios". Mas ele afirmou também que seu maior compromisso é "devolver o orgulho ao povo brasileiro".

Mundos em miniatura L

O ex-jogador Ronaldo foi anunciado ontem como membro do Conselho Administrativo do Comitê Organizador Local (COL) para a Copa do Mundo 2014. Segundo o jogador e o COL, sua missão será aproximar o povo brasileiro da organização da Copa de 2014. Questionado sobre suas verdadeiras funções no Conselho durante entrevista coletiva realizada em São Paulo, o "Fenômeno" decidiu ler, em voz alta, para os jornalistas, as atribuições que constam de seu contrato: "estabelecer política e

Tasso Marcelo/AE

Fenômeno na força-tarefa

D ESIGN

ILUSÃO EM MOVIMENTO - Dançarina da companhia Momix, que combina em seus espetáculos as artes da dança e do ilusionismo, durante ensaio realizado ontem em Madri.

E UA

O artista Patrick Jacobs faz dioramas de cerca de 20 centímetros com lentes de aumento para expor os detalhes das miniaturas que cria. Jardins, paisagens, cômodos de um apartamento são cenários que ele reinventa meticulosamente com pinças e minúsculos materiais. www.patrickjacobs.info

T ELEVISÃO Fabio Motta/AE

Cerâmica high-tech O artista Michael Eden inspira-se nas novas tecnologias para criar peças como as das fotos acima. Todas em cerâmica.

JN sem Casal 20 A Globo anunciou ontem que Fátima Bernardes apresentará o Jornal Nacional ao lado do marido William Bonner pela última vez na próxima segundafeira. Nesse dia, Fátima Bernardes passará o posto a Patrícia Poeta, que deixará o Fantástico.

www.edenceramics.co.uk

T ECNOLOGIA Yoshikazu Tsuno/AFP

L OTERIAS Concurso 692 da LOTOFÁCIL

L

Robô japonês Kobot lançado ontem no Tokyo Motor Show: veículo elétrico de uso pessoal, ultracompacto, criado para reduzir espaços usados para estacionamento.

Comendo a Casa Branca

Uma réplica do prédio da Casa Branca feita em escala quase perfeita é o novo item da decoração da sala de jantares da sede do governo e residência oficial do presidente dos Estados Unidos. A "escultura" é totalmente comestível, embora esteja ali apenas dar água na boca dos convidados. São 180 quilos de

bolo de gengibre, chocolate branco e marzipan delicadamente reunidos para reproduzir as formas do edifício. A escultura é uma tradição na Casa Branca, que todos os anos reúne sua equipe de chefs para criar o espetáculo gastronômico para as festas de fim de ano. www.whitehouse.gov

01

02

04

06

07

10

11

12

17

18

19

21

22

23

24

Concurso 2760 da QUINA 09

16

17

58

64


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

e

13 PARADA Receita suspende consultas por telefone até meados de janeiro

conomia

MEI O Brasil registra 1,8 milhão de empreendedores individuais

Mantega Noel: 5% de presente ao País.

Governo age para um Natal mais farto e lança pacote de incentivo ao consumo de produtos. Esforço é para que a economia brasileira cresça além do previsto em 2012.

O

Mantega (à esquerda) e Pimentel durante anúncio de medidas: tentativa de impedir contaminação pela crise internacional.

Massas: desoneração será repassada ao consumidor.

O Ueslei Marcelino/Reuters

governo decidiu agir para tentar reduzir a contaminação do Brasil com a crise internacional. No pacote de medidas anunciado ontem o governo abre mão de R$ 7,56 bilhões em impostos para incentivar o consumo de vários produtos, de geladeiras a macarrão, muitas vezes via crédito. O esforço é para que a economia cresça 5% no próximo ano, bem acima das previsões mais otimistas dos economistas. "Temos como impedir a contaminação e preparamos um 2012 com crescimento em torno de 5%. Nossa força continua na demanda interna e queremos entrar 2012 acelerando", disse o ministro da Fazenda, Guido Mantega, ao anunciar as medidas com o colega do Desenvolvimento, Fernando Pimentel. "Temos arsenal grande", completou Mantega, ao comentar que novas medidas podem ser anunciadas em caso de piora da crise. E adiantou: o setor têxtil será beneficiado em breve. O anúncio não poderia ser em data mais simbólica: no dia seguinte ao depósito da primeira parcela do 13º salário, à redução do juro básico da economia e no início do melhor mês das vendas para o comércio. Juntas, as novidades tentam criar um ambiente de mais confiança para que os brasileiros saiam às compras. Pelos planos do governo, isso poderia criar um círculo virtuoso: demanda resulta em mais produção que exige novos empregos. É a mesma receita usada na crise passada. A série de medidas de estímulo à economia inclui reduções do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para eletrodomésticos da linha branca e da alíquota do Regime Especial de Tributação (RET) incidente nos imóveis que fazem parte do programa "Minha Casa Minha Vida". Inclui ainda o "imposto zero" para massas alimentícias, o barateamento de empréstimos e também incentivos para o mercado financeiro como a isenção do IOF a estrangeiros nas aplicações em bolsa de valores no Brasil (veja quadro). Linha branca – A redução do IPI vale para uma série de produtos eletrodomésticos da linha branca, como fogão, geladeira, máquina de lavar e tanquinhos (veja quadro). De acordo com o ministro, as reduções já valem para os produtos que estavam nas lojas ontem. As medidas ficarão em vigor até o dia 31 de março de

2012. "Os produtos beneficiados são os que possuem selo A de qualidade energética, os que consomem menos energia", disse. As medidas, conforme o ministro, foram publicadas ontem no Diário Oficial da União

em edição extraordinária. Construção civil – Na área de construção civil, caiu a alíquota do Regime Especial de Tributação (RET) incidente nos imóveis do programa "Minha Casa Minha Vida",

que também teve ampliada a faixa de valor do imóvel sobre a qual incide o tributo diferenciado (veja quadro). Financiamento – Com o objetivo de baratear os empréstimos e, assim, aumentar a de-

manda no Brasil, o governo também reduziu o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) cobrado no financiamento ao consumo (veja quadro). Mantega disse que esta redução está alinhada com a estratégia do governo de baratear o crédito no Brasil. "Seguimos com a trajetória de redução do custo financeiro que ainda é alto no Brasil. As prestações para aquisição de bens ficarão cada vez mais baixas." O ministro estima que a desoneração de IOF para crédito para pessoa física representará uma renúncia para o governo de R$ 130 milhões no próximo ano. Segundo ele, as medidas na área da construção civil representarão a recusa de R$ 59 milhões por ano e, no caso do segmento de massas, de R$ 284 milhões. Especificamente para farinha de trigo e pão, a renúncia será de R$ 528 milhões em 2012 inteiro, conforme o ministro. IOF zero – O governo isentou os estrangeiros de pagar IOF nas aplicações em bolsa de valores no Brasil (veja quadro). "Para ajudar a financiar as empresas brasileiras, estamos reduzindo esse tributo. Esse é um importante mercado para captar recursos para as empresas brasileiras", disse, ao comentar que o dinheiro captado no mercado acionário é mais barato que o obtido em outros instrumentos de crédito. O governo desonerou também o investimento estrangeiro nas debêntures de infraestrutura – títulos de dívida emitidos por empresas. "Essas são as medidas que tínhamos para tomar e que se somam a outras. O Banco Central (BC) já havia reduzido a necessidade de capital para financiamentos de prazo mais curto, medida que beneficia o setor automobilístico que poderá vender em mais de 36 meses com custo menor", lembrou. (AE)

presidente do Moinho Pacífico, Lawrence Pih, disse ontem que a desoneração para o setor de massas será integralmente repassada ao consumidor. As massas, que eram tributadas com alíquota de PIS/Cofins em 9,25%, terão o imposto zerado até 31 de junho de 2012. Com o decreto, o macarrão deve ter custo quase 10% menor ao consumidor final. "Houve um compromisso entre o nosso segmento e o ministro da Fazenda, Guido Mantega, de que o repasse ao consumidor se daria na forma de redução do preço dos produtos", afirmou. Embora não traga ganhos para as empresas do setor na margem, a medida deve beneficiá-las em termos de faturamento, com o provável aumento das vendas de massas, diz Pih. "É bem provável que haja aumento do consumo, e isso será evidentemente bom para todas as empresas. Afinal, para a população de renda mais baixa, quase 10% a menos no preço final faz toda a diferença." Com o compromisso de repasse total da desoneração ao consumidor, Pih avalia que o aumento do consumo não vai gerar novas pressões inflacionárias. "O efeito será mínimo. Não só não haverá pressão inflacionária como haverá queda de preço", afirmou. Para o presidente do Moinho Pacífico, o pacote do governo vem em um momento importante, quando a crise externa está começando a afetar a economia brasileira. "É um pacote muito bemvindo. O governo está tomando medidas na direção correta", afirmou, citando também a redução da taxa básica de juros, decidida ontem em reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), para 11% ao ano. Segundo ele, são ações condizentes com a meta do da Fazenda de crescimento de 5% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2012. "Acredito que o ciclo de queda de juros não parou ainda e pode haver mais cortes." (AE)

Mauricio de Souza/Folhapress

Preço da linha branca deve ficar até 15% menor

Queda do IPI impulsiona vendas para o Natal; consumidores já foram às lojas conferir preços.

Lojas virtuais já anunciavam ontem cortes nos valores

E

mbora ainda não tenha feito as contas na ponta do lápis, o assessor econômico da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP), Altamiro Carvalho, acredita ser possível que os preços dos eletrodomésticos para o consumidor final caiam entre 10% e 15%, em resposta às medidas de incentivo ao setor anunciadas ontem pelos Ministérios da Fazenda e do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). A previsão de queda de preços nesses percentuais foi feita pela presidente do Magazine Luiza, Luiza Trajano. "Não fizemos as contas ainda, mas ela (Luiza Trajano) tem todos os números de entradas e os pesos do IPI sobre cada produto. É factível que os preços caiam entre 10% e 15%, sim", diz o economista da Fecomercio-SP. A projeção de Luiza foi feita com base no anúncio do ministro da Fazenda, Guido Mantega, da redu-

ção de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre uma série de produtos da linha branca. "A Fecomercio entende que tudo que vier para facilitar a desoneração é bem-vindo. Só lamentamos que este tipo de medida seja tomada em momentos em que há necessidade de alavancar o consumo e não seja algo permanente", critica o economista. Reação – Algumas horas depois do anúncio das medidas de redução de impostos sobre eletrodomésticos da linha branca, os sites das maiores redes do varejo do País já estampavam comerciais com preços menores dos produtos. No Ponto Frio, um banner indicava para os consumidores virtuais a lista dos produtos que teriam seus preços reduzidos por conta das alíquotas menores. O mesmo era verificado no site da rede de supermercados Extra. O Walmart fez questão de enfatizar na propaganda: "Saímos na frente com descontos de até 20% em eletrodomésticos."

Caixa libera R$ 5 bi em crédito

A

Procedimento – Para que o varejo possa se beneficiar das medidas, conforme o Diário Oficial da União (DOU), os comerciantes com produtos em estoque com IPI maior do que o que vale a partir de agora terão de fazer uma operação de troca das notas fiscais, conhecida como saída ou devolução "ficta", de fictícia. O produto segue no estoque do lojista e não precisa ser devolvido efetivamente. Para conseguir esse benefício, o atacadista ou varejista deve "registrar a devolução do produto em seu estoque, efetuando os registros

fiscais e contábeis" para os fabricantes, segundo o decreto. Para isso, será necessário emitir uma nota fiscal de devolução com a expressão "Nota Fiscal emitida nos termos do art 3º do Decreto nº 7.631, de 1º de dezembro de 2011". Depois de receber o documento, o fabricante reemite nova nota fiscal com a mesma expressão e devolve o documento ao lojista. Dessa forma, com a nova nota, o atacadista e o varejista já terão um produto com o imposto menor e poderão repassar o benefício ao cliente. (leia mais na página 15). (Agências)

Caixa Econômica Federal anunciou ontem que vai liberar R$ 5 bilhões de crédito para aquisição de eletrodomésticos, móveis, eletroeletrônicos e outros bens de consumo. A medida segue as ações de incentivo ao crédito, investimentos e consumo, divulgadas pelo Ministério da Fazenda. As linhas de crédito incluem o financiamento de eletrodomésticos como fogões, geladeiras e lavadoras de roupa, em até 24 meses. "Este ano tivemos alguma desaceleração e estamos dando uma aquecida na economia, agora que a inflação está sob controle, de modo que possamos entrar 2012 com a economia acelerando, com crescimento alto, de 4,5% a 5%", disse o ontem ministro da Fazenda, Guido Mantega. (Folhapress)


14 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

e

15 O governo continua atento, voltando a estimular o crediário. Rogério Amato, ACSP e Facesp

conomia Thales Stadler/ AE

Movimento intensificou nos últimos dias do mês passado. Mas as famílias estão receosas com os preços e insatisfeitas com os limites de gastos que precisam respeitar.

Varejo se sai bem em novembro Os aumentos nas vendas são moderados – 1,1% nas compras a prazo e 0,4% nas despesas à vista ante novembro de 2010 – mas foram obtidos sobre uma base alta.

A

movimentação do comércio paulistano em novembro ficou aquém do que se poderia esperar para o mês, mas ainda assim resultou em crescimento de 0,8% na comparação com igual período de 2010, com o mesmo número de dias úteis. O percentual, divulgado pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP, que edita este Diário do Comércio), reflete a média das consultas dos lojistas junto ao Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC) e ao SCPC Cheque, administrados pela Boa Vista Serviços (BVS). Os indicadores refletem, respectivamente, o movimento das vendas a prazo e as aquisições à vista. "O governo continua atento, voltando a estimular o crediário e, agora, desonerando a carga fiscal dos bens duráveis do varejo", afirmou o presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo, Rogério Amato. O economista Emílio Alfieri, do Instituto de Economia Gas-

tão Vidigal, da ACSP, lembrou que apesar do pequeno salto registrado na comparação anual (1,1% nas compras a prazo e 0,4% nas transações à vista), as vendas de novembro podem ser consideradas boas porque apresentam crescimento ante uma base de comparação (novembro de 2010) com recordes de negócios. "As liquidações contribuíram para manter o desempenho nesse patamar. E o 13º também pode ter ajudado", acrescentou o economista. O movimento de vendas nos dois últimos dias de novembro foi bom, justificou. N a t a l – Já na comparação mensal – e apesar do período ter um dia útil a menos – as compras a prazo de novembro cresceram 3,1% ante outu-

bro. Da mesma forma, as aquisições à vista aumentaram 8% de outubro para novembro, impulsionadas especialmente pelo comércio de itens como roupas e calçados. Alfieri comentou que a chegada do calor, mais intenso durante o mês de novembro, favoreceu a comercialização da coleção primavera-verão. As promoções e liquidações em vários setores, especialmente bens duráveis, também puxaram o bom desempenho, favorecido ainda pelo início das compras natalinas, "especialmente após o dia 25 de novembro", detalhou. Inadimplência – Os indicadores do mês passado apontam, segundo análise de Alfieri, que a inadimplência poderá parar de subir. A comparação

com igual período de 2010 mostra crescimento de 9,7% nos registros recebidos. Os cancelamentos, em compensação, cresceram mais –10,4% nessa base de comparação. "O crescimento dos cancelamentos está sinalizando que as campanhas de renegociação de dívidas, feitas pela BVS e por alguns segmentos do varejo, já começam a surtir efeito." Desoneração – Sobre os impactos positivos que as desonerações anunciadas ontem pelo governo federal poderiam trazer ao comércio, Alfieri ponderou que o efeito imediato ainda depende, evidentemente, do repasse dos benefícios, ao preço pago pelo consumidor final. "A economia brasileira está crescendo pouco, mas a grande diferença entre o Brasil e os Estados Unidos é que lá eles já adotaram todas as medidas para recuperar a economia – estão com a caixa de ferramentas vazia. No Brasil, há ainda muitas opções, comparou Alfieri. Segundo sua análise, o País ainda pode flexibilizar a política monetária e desonerar a carga fiscal. "A caixa de ferramentas está cheia. Essa é a grande diferença."

Otimismo aumenta 0,4%

O

otimismo do consumidor brasileiro aumentou em novembro. A alta de 0,4% frente a outubro é moderada, mas ocorre pelo terceiro mês consecutivo, acumulando um crescimento total de 1,3% no período. Os dados são do Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (Inec), divulgado ontem pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Para o economista da CNI Marcelo Azevedo, "esse aumento moderado pode ser um efeito do otimismo comum ao fim de ano, mas como a alta do índice vem sendo registrada em um período mais longo, de três meses, pode sinalizar um

crescimento contínuo". O Inec de novembro, mesmo com o crescimento, permanece abaixo do registrado no ano passado – 4,7% menor do que em igual mês de 2010. A maioria dos componentes do Inec apresenta evolução positiva em novembro em relação a outubro. O consumidor está confiante que a renda pessoal vai melhorar. Esse indicador cresceu 2,8% do mês passado para cá. "Essa elevação pode ser explicada pelos recebimentos do 13º salário", analisa Marcelo Azevedo. O consumidor também acredita em melhora da situação financeira (alta de 0,6%

em relação a outubro) e das compras de bens de maior valor (alta de 1,1% frente a outubro). Quando o assunto é endividamento e expectativa de desemprego, a confiança do consumidor diminui. O índice de evolução do desemprego caiu 3% em novembro ante outubro e é o único componente que não melhorou no acumulado dos últimos três meses, sinalizando cada vez maior preocupação das pessoas sobre a oferta de vagas no mercado de trabalho. O índice de endividamento teve queda de 0,8% no período, indicando, segundo a entidade, que uma maior parcela de

consumidores teve suas dívidas majoradas nos últimos três meses. Apesar da melhora geral no Inec nos últimos três meses, o consumidor continua preocupado com o aumento dos preços. O componente que mede a expectativa de inflação das pessoas segue elevado, com aumento de 1,2% na comparação com outubro. Esse componente está 15,1% abaixo do observado em novembro de 2010, o que, segundo o estudo, revela que há ainda uma preocupação grande dos brasileiros com a inflação. A pesquisa do Inec foi realizada pelo Ibope de 17 a 21 de novembro com 2,002 mil pessoas em 141 municípios. (AE)

Intenção de consumo sobe 2,2%

A

Intenção de Consumo das Famílias (ICF), indicador calculado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP), atingiu 138,3 pontos em novembro, registrando elevação de 2,2% na comparação com outubro. O índice varia de 0 a 200 pontos e o nível de 100 pontos é que divide as classificações de satisfação (acima de 100) ou insatisfação. Para a entidade, as famílias paulistanas estão mais satisfeitas em razão da melhora na renda e no emprego e esse cenário mostra que devem ficar menos cautelosas e elevar o nível de gastos nas compras de Natal. Dentro do ICF, o item Perspectiva Profissional foi o que mais cresceu, subindo 10,1% e chegando aos 145,8 pontos, embalado pela expectativa de criação de postos de trabalho motivada pelas festas de fim de ano e pelo pagamento do 13.º salário. Receios – O item Renda Atual subiu 4,4% em novembro e chegou aos 152,6 pontos, seguido pelo grupo Emprego Atual, com alta de 3,5% (148,9 pontos). O grupo Acesso a Crédito obteve a maior pontuação do ICF, o que demonstra a facilidade na obtenção de recursos: 159,8 pontos, com alta de 3,1%. As famílias, no entanto, ainda se mostram receosas quanto aos gastos atuais. O item Nível de Consumo Atual apresentou queda em novembro (-6,3%), baixando para 98,4 pontos e entrando na faixa de insatisfação. O item Perspectiva de Consumo ainda permanece na área de satisfação, com 135,4 pontos, mas caiu 0,9% no mês passado. (AE)

DC

Fátima Lourenço

s de

o 20 an Conforto!

e inte Requ

Visite nosso site e verifique nossas acomodações.

www.asturiasmotel.com.br

Fone: 11 3816-6689

asturias@asturiasmotel.com.br Avenida Nações Unidas, 7.715 - Pinheiros - São Paulo/SP


DIÁRIO DO COMÉRCIO

16

e

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Observamos uma queda gradual da economia informal Fernando de Holanda Barbosa Filho, pesquisador do Ibre/FGV

conomia

Marcelo Min/AFG

Uma das mais expressivas altas de preços na quarta quadrissemana de novembro foi do preço do tomate (16,21%)

IPC-S deve encerrar ano em 6,3% Índice semanal de inflação medido pela FGV teve aceleração de 0,53% em novembro. No mês anterior, o avanço foi de 0,26%.

5,52 por cento é a variação positiva acumulada pelo IPC-S no ano. Nos últimos 12 meses, o avanço do índice é de 6,29%. das expectativas (0,47%). Com o resultado, o IPC-S acumula altas de 5,52% no ano e de 6,29% nos últimos 12 meses. Nesta apuração, todas

as sete classes de despesa componentes do índice apresentaram acréscimos em suas taxas de variação de preços entre a terceira e a quarta quadrissemanas de novembro. Acelerações de preços em Alimentação (de 0,62% para 0,78%) e em Habitação (de 0,46% para 0,52%) conduziram à taxa maior do IPC-S. Segundo a FGV, nestas duas classes de despesa, houve taxas de inflação mais intensas em produtos de peso no cálculo da inflação varejista. É o caso de carnes bovinas (de 2,25% para 3,2%) e de tarifa de eletricidade residencial (de 1,03% para 1,35%), respectivamente. Os cinco grupos restantes entre os sete pesquisa-

dos para cálculo do indicador também apresentaram aceleração de preços, ou fim de deflação, no período. É o caso de Despesas Diversas (de 0,18% para 0,41%), Vestuário (de 0,71% para 0,87%), Transportes (de -0,03% para 0,08%), Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,37% para 0,43%) e Educação, Leitura e Recreação (de 0,38% para 0,39%). As mais expressivas elevações de preços na quarta quadrissemana de novembro foram em tomate (16,21%) e tarifa de eletricidade residencial (1,35%). Já as mais significantes quedas de preço foram registradas em leite tipo longa vida (3,79%); alho (11,49%); e pimentão (13,26%). (AE)

Economia subterrânea: R$ 653 bi. Christian Rizzi/Folhapress

A

expansão do emprego formal neste ano levou ao enfraquecimento da economia informal, que é a produção de bens e serviços não reportada ao governo. O Índice de Economia Subterrânea divulgado ontem pelo Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial (Etco) em conjunto com o Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV) deve atingir 17,2% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2011, o mais baixo percentual desde 2003, e inferior ao de 2010 (17,7%). Isso representa um recuo de 1,1% na fatia deste segmento no PIB em 2011 ante 2009 – quando a participação era de 18,5%. O dado mostra modificação expressiva. A série da pesqui-

Contrabando: apreensões também reduzem participação.

sa, iniciada em 2003, indicava em seu começo participação de 21% da economia informal no PIB. "Observamos uma queda gradual da economia informal", afirmou o pesquisador do Ibre/FGV, Fernando de

CARTI Comercial Máquina LTDA.

Holanda Barbosa Filho. O especialista disse que a fatia de 2011 é uma projeção, visto que o ano não acabou e os resultados macroeconômicos apurados pelo IBGE ainda não foram completamente di-

vulgados. As estimativas foram feitas com ajuda da série da Pesquisa Mensal de Emprego (PME) do instituto. Mesmo com a perda de espaço no PIB, em recursos a economia informal tem movimentado valores cada vez mais altos. Isso, na prática, é coerente com a própria expansão da economia desde 2003. Em reais a preços de 2010, ou seja, sem corrigir os efeitos da inflação no período, neste ano, as cifras da economia subterrânea devem ter atingido R$ 613 bilhões. Embora abaixo do número para 2010 (R$ 651 bilhões), o valor é superior ao montante registrado em 2003 (R$ 571 bilhões). "Mas em valores correntes, a economia subterrânea pode ter alcançado R$ 653 bilhões neste ano", disse. (AE)

WORKSHOP "DINHEIRO E QUALIDADE DE VIDA"

Compra e venda de máquinas, equipamentos, matéria-prima e sucatas em geral 2743-5303 / 6377-7822 carti.comercial@gmail.com

(11)

Rua Lomar, 23/25 - Cep 03582-170 - Jd. Ipanema - São Paulo/SP

Palestras Para onde foi o meu dinheiro (com Janser Pinheiro - CEO - Qi Financeiro) - aprenda a planejar as suas finanças para ter a sua independência financeira.

Definindo objetivos inteligentes (com Carlos César Ferraz - CEO - A Escola da Vida) - como definir objetivos claros e motivadores, com maiores resultados e mais qualidade para sua vida. Informações e Inscrições 11 3781 2441 correio@aescoladavida.com

Ingresso: 1KG de alimento não perecível Local:

Associação Comercial de São Paulo Rua Galvão Bueno, 83 - Liberdade (próximo ao Metrô)

DC

Para dezembro de 2011, a projeção de Picchetti leva em conta uma expectativa amparada na sazonalidade, já que o período de final de ano costuma trazer aumentos de preços em vários itens. Segundo o coordenador, a maioria das classes de despesas do IPC-S deve apresentar aceleração no último mês de 2011. A FGV divulgou que o IPCS de novembro subiu 0,53%. O resultado representou mais do que o dobro da taxa de outubro, de 0,26%. O desempenho anunciado ficou dentro das estimativas dos analistas do mercado financeiro, que projetavam elevação entre 0,42% e 0,58%. Mas foi superior à mediana

DC

O

coordenador do Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S), Paulo Picchetti, elevou ontem de 6,2% para 6,3% a projeção para a inflação medida pelo indicador da Fundação Getúlio Vargas (FGV) em 2011. Ele disse que a revisão foi motivada pela expectativa maior do que a aguardada anteriormente para o IPC-S de dezembro. Até o final do mês passado, Picchetti trabalhava com uma projeção de alta média de 0,6% para a inflação em cada um dos dois últimos meses do ano. "Veio um pouco menor em novembro, mas deve vir um pouco maior em dezembro, em torno de 0,7%", comentou.

ABC Reabil Grupo de Recuperação de Crédito Agilidade e Responsabilidade! Pioneira na cobrança Ponto a Ponto, que oferece serviço a Preço Fixo e Justo. Atendemos toda a região de SP, do ABC e Interior.

Cobrança e Regularização de Crédito

Tratar com Thais ou Alexandre Fones: 11 2671 1400 / 6137 5001 / id 107*76002

MSN: orion.motoboy@hotmail.com O valor é definido antes da realização do serviço, de FACEBOOK: Orion Express acordo com a quantidade e as localidades a se percorrerem. (clique em curtir e ganhe descontos). Portanto, Orion Express é mais econômico.

(11)

3867-2642 3255-8834

abcreabil@bol.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

e

17 Há uma tendência grande de que o celular seja um centralizador de negócios. Marcelo Theodoro, da BuscaPé Financial Services

conomia

Divulgação

NAS TELAS E NO LANCHE filme estreia no próximo dia 9, mas a partir deste fim de semana a rede de lanchonetes McDonald's começa a distribuir oito brinquedos inspirados nos personagens do famoso "O Gato de Botas", que reconta a história do sedutor gato hispânico, sucesso da franquia Shrek. As surpresas que acompanham os lanches vão representar os principais personagens do filme: Gato de Botas, Humpty Dumpty, Gansa, Kitty Pata-Mansa, Ganso Dourado, O Gato de Botas Bebê, o Jovem Humpty Dumpty e Kitty Pata-Mansa Dançante. Cada uma delas trazendo uma função diferente, com movimentos e sons. Tudo para os pais comprarem o McLanche Feliz para agradar a garotada.

O

TÔ LIGADO!

N

ão tem jeito, no ponto de ônibus, nas filas, nos caixas eletrônicos, nas ruas e nos grandes centros de varejo, você certamente já ouviu a expressão "tô ligado". Tem jovens que a repetem para tudo, como se fosse expressão obrigatória em seus diálogos e até é mesmo, pois expressa uma situação cada vez mais comum: todos ligados, ou melhor, conectados. Segundo pesquisa que o Ibope acaba de finalizar, somos 32 milhões de usuários únicos no comércio eletrônico, sendo que as lojas de varejo atraíram 27,5 milhões de internautas em outubro. Sites de lojas de calçados, roupas e outros acessórios são os mais procurados. É impossível não usar as ferramentas da internet, por exemplo, para pesquisar preços. E no caso de calçados, para olhar com tranquilidade sem aquele conhecido vendedor-carrapato, literalmente no seu pé, quase o impedindo de namorar, flertar antes de levar o produto para casa, ou melhor, para os pés. Daniel Petit, que trocou o planejamento da DPZ pelo aprendizado do mundo novo da internet na agência digital Tríade, diz que hoje é burrice tanto da indústria como do varejo não reconhecer a presença da internet na vida dos consumidores. "A indústria, o varejo e o setor de serviços podem e devem usar as ferramentas a seu favor. E mais que angariar simpatia em redes sociais como o Facebook, é necessário ofere-

cer serviços que ampliem a sua relação com o consumidor". Em troca, diz Petit, a empresa conquista a simpatia para a marca, melhorando também a performance do pós-venda, um dos pontos mais críticos do varejo. Segundo Petit, os endereços eletrônicos mais visitados são aqueles com plataformas amigáveis e conteúdos precisos, respondendo às principais indagações dos consumidores na hora da compra: preço, cor, tamanho, garantia. Tudo sem enrolação, sem o vendedor-carrapato no pé. Hoje, as pessoas, apesar da quantidade de informação e das facilidades, têm pouco tempo para viver a vida real, encontrar os amigos, tomar um chope, bater um papo. Então a internet, no celular e nos tabletes, tem que oferecer resultados, e rápido. O varejo aprende depressa a lidar com esses novos comportamentos e tem um campo imenso a explorar com o ingresso das classes C, D e E nesse mundo novo. Os dados do Ibope mostram também que o consumidor está cada vez mais exigente. Compara preços e busca informação sobre marcas na internet – a plataforma se tornou chave de todo o processo e, em casa, no trabalho e até na rua, o chavão "tô ligado" virou regra, tá ligado?

MARCA renova apelos para o verão, aproveitando a moda de tirar a camisa, que se tornou frequente nos protestos. PERSONAGENS animados no McDonald's

MÃOZINHA PELADOS NA MODA irar a camisa em comercial, em campanha de protesto, virou moda. O comercial de Itaipava, cerveja do grupo Petrópolis, dono também das marcas Crystal, Lokal, Black Princess, Petra, Weltenburger e do energético TNT Energy Drink, também usa o gesto. Só que, neste

T

caso, para transmitir a ideia de que uma cerveja cai bem no verão, na praia e que Itaipava foi "feita especialmente pra você", mote que a agência Multisolution tem usado para popularizar a cerveja, a primeira a ser vendida no Brasil com o higiênico lacre da latinha.

DJ ENERGÉTICO erá dia 13 de dezembro a estreia digital de Nothing But the Beat, documentário produzido por Burn Energy Drink sobre a vida, carreira e ascensão meteórica de David Guetta, o DJ underground que chegou a superestrela da música eletrônica. O público poderá seguir a trajetória de um dos mais aclamados produtores musicais do mundo exclusivamente no Facebook de Burn (bit.ly/guettaburnmovie), marca de energético da Coca-Cola Brasil, parceira de Guetta e patrocinadora da turnê brasileira que passará por Guarujá, Rio de Janeiro, Florianópolis, Atlântida (RS), São Paulo, Belo Horizonte e Recife.

S

Envie informações para essa coluna para o e-mail: carlosfranco@revistapublicitta. com.br

BURN mostra carreira meteórica de David Guetta

Natal se aproxima e os amigos e as famílias começam a organizar os grupos de amigo secreto. Para dar uma ajuda nessa organização, as Havaianas lançam o aplicativo "Amigo Secreto Havaianas", no Facebook. O aplicativo criado pela AlmapBBDO possibilita montar grupos de amigos secretos, trocar mensagens e sortear os nomes dos participantes. E garante que todos ganhem um belo presente: um modelo das sandálias. Para utilizar o aplicativo, é preciso ter perfil no Facebook e clicar no link www.havaianas.com/amigosecreto ou navegar pela própria rede social: www.facebook.com/amigosecretohavaianas

O

APLICATIVO da Havaianas para a reunião de fim de ano

Preços caíram 9,6% no e-commerce Novo indicador, que pesquisa dez categorias de produtos, mostra deflação no valor dos itens comprados pela internet neste ano. Miguel Ugalde/SXC

Rafael Nardini

O

índice de preços ao consumidor do comércio eletrônico registrou deflação de 9,6% de janeiro a novembro deste ano, de acordo com o o indicador Fipe/Buscapé lançado ontem, na Capital paulista. A maior queda ocorreu nos preços dos produtos da categoria fotografia, com deflação de 21,8% no ano, enquanto a maior elevação foi verificada em brinquedos e games, com crescimento de 6,6%. Considerando apenas as transações de novembro, houve deflação de 1,51% em relação ao mês anterior. A pesquisa verifica uma média de preços entre 156 itens, divididos em dez categorias principais. Segundo o professor da Fipe Sérgio Crispim, o universo pesquisado representa cerca de 80% do total de compras feitas por brasileiros pela internet. Entre essas transações, o destaque fica para as categorias de eletrodomésticos, telefonia, informática, eletrônicos, e fotografia, que, juntas, representam quase 90% dos negócios. Esses itens configuram, de acordo com ele, 5,2% do consumo das famílias. A deflação na categoria telefonia (19,7% entre janeiro e novembro) foi influenciada pela baixa nos preços de smartphones e celulares (20,8%). Entre os eletrônicos (13,4% no ano), a maior queda ficou com os conversores digitais (23,5%). Por outro lado, os DVD players sofreram alta de 6,9% no período. Entre os produtos de informática, categoria que

teve deflação de 5,4%, as placas de vídeo tiveram a maior queda (31,3%) e os PCs, o maior aumento (1%). Entre os eletrodomésticos, que registram redução de preço de 2,8% , os aparelhos de arcondicionado tiveram a maior retração (9,6%), enquanto os preços de aspiradores de pó aceleraram 6,9%. De acordo com Romero Rodrigues, presidente do Buscapé Company, o levantamento reflete a percepção de que o ecommerce possibilita uma maior comparação de preços, acirrando a competição entre as empresas e contribuindo para a queda no valor das mercadorias. "Na internet, os

preços caem muito mais rapidamente." Na opinião de Rodrigues, mais de 1,3 milhão de preços de produtos do ecommerce serão levantados mensalmente. O professor da Fipe, por sua vez, afirma que dos 156 itens pesquisados pelo novo índice, apenas 24 estão na composição do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) – com o qual o governo monitora a meta de inflação – e representam 5,2% do consumo das famílias do País. Ainda segundo Crispim, nominalmente o e-commerce deve crescer 26,4% neste ano e, descontada a inflação medida pelo IPCA, o avanço será de 18,5%.

Analisando o cenário brasileiro de cerca de 44 computadores para cada 100 habitantes, o professor acredita que as vendas pela rede ainda crescerão muito em importância nos próximos anos. Romero concorda com a ideia. "As classes C e D usam a internet como pesquisa para as compras físicas." No entanto, na opinião do executivo do Buscapé, o cenário tende a mudar com a iniciação em compras de menor valor.

O e-commerce deve crescer 18,5% em 2011, descontando a inflação.

Compra por celular é só questão de tempo

E

m outubro do ano passado, o Brasil ultrapassou a marca de um celular por habitante e, desde então, essa média só cresce. Segundo dados mais recentes da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), 227,4 milhões de linhas estão habilitadas no País. Para aproveitar essa gigantesca massa de consumidores, as empresas começam a ensaiar uma investida mais séria no comércio eletrônico feito nos aparelhos celulares, o chamado mobile commerce. Espaço de mercado é o que não falta. De acordo com o Mobile Entertainment Forum realizado em julho, 79% dos brasileiros já utilizaram o celular em alguma fase do processo de compra. Para o consultor em comércio eletrônico Marco S. Júnior, a modalidade

comercial ainda é muito incipiente no Brasil, mas é uma tendência fortíssima e se tornará realidade em alguns anos. Ele aponta, porém, que empresas como Netshoes e Mercado Pago já oferecem plataformas para compras por celular no País. "No Japão, mais de 50% das compras online já são feitas pelo celular. No Starbucks, nos Estados Unidos, por exemplo, você pode usar o celular como se fosse um cartão de crédito", conta. O diretor responsável do site de classificados OLX, Rodrigo Ribeirão Geraldi, acredita que o mercado brasileiro não tem noção do tamanho que esse comércio pode alcançar, apesar do crescimento "assustador" das vendas eletrônicas nos últimos anos. Segundo ele, as visitas por celular ao site da OLX cresceram 420% entre janeiro

e novembro deste ano. "As pessoas de classes mais baixas estão tendo acesso à internet, que hoje em dia é muito mais rápida. A banda larga trouxe mais comodidade ao usuário." Na Europa, o varejo online deve crescer 11% em 2011, segundo pesquisa do Centre for Retail Research divulgada na última semana. Nos Estados Unidos, as compras online devem registrar alta de 10% ao ano até 2014, quando o segmento deve faturar US$ 249 bilhões, ou 8% das vendas do varejo. O estudo aponta ainda que até 2015, os consumidores de todo o mundo devem gastar cerca de US$ 119 bilhões em bens e serviços adquiridos pelo celular. Marcelo Theodoro, diretor de produtos e marketing da BuscaPé Financial Services para a América Latina, conta

que além das compras diretas, os smartphones já promovem uma convergência entre dois tipos de comércio distintos. "Quando alguém escaneia um livro dentro de uma loja e faz uma busca na internet para ver se é o local com melhor preço, já misturou o comércio real com o virtual." Varejo atento – Outro serviço já disponível no mercado brasileiro é o de carteira virtual eletrônica. Os usuários cadastrados no site DinheiroMail, por exemplo, podem realizar pagamentos, solicitar cobranças ou checar o saldo pelo celular. O serviço é adaptado para transferência com cartões de crédito e permite transações sem a instalação de qualquer programa ou aplicativo. Em vista da grande possibilidade de mudança que deve vir, Theodoro acredita o

varejo deve se preparar desde já para a expansão do comércio virtual por telefone. "Há uma tendência grande de que o celular seja um centralizador. Por ele você vai pesquisar e comprar. E dentro desse cenário, uma loja que estiver preparada, vai se diferenciar", diz. Por sua vez, Gerardi não acredita que o mobile commerce tome lugar significativo no universo de vendas tão rapidamente, mas também crê que se antecipar ao movimento virtual dará tranquilidade para lojistas e pode atrair novos negócios. "Nos próximos três ou quatro anos, o varejo ainda terá uma vida tranquila sem a plataforma para celulares. Mas é claro que se ele já se preparar, fica mais fácil para quando a demanda chegar de verdade", avalia. (RN)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

18

e País está protegido da crise, diz Lagarde. conomia

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Acreditamos que a crise exige recursos adicionais para o FMI. Mas os europeus devem também comparecer. Guido Mantega, ministro da Fazenda Evaristo Sá/AFP Photo

Diretora-gerente do FMI elogia o Brasil e diz que Europa não é ameaça

A

d ire t o r a- g e ren t e do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, desembarcou ontem em Brasília e teve encontro com a presidente Dilma Rousseff e com o ministro Guido Mantega, da Fazenda. Na saída, ela elogiou os rumos da economia brasileira ao falar sobre a crise financeira na Europa e afirmou que o País está "protegido" contra a ameaça de contágio por causa da força de seu mercado consumidor interno, entre outras razões. Lagarde fez a afirmação ao avaliar como positiva a estratégia macroeconômica do governo, baseada em três pilares: metas de inflação, taxa de câmbio flutuante e responsabilidade fiscal. "Graças a esse coque-

O Brasil está protegido pela força do mercado interno e por suas boas políticas macroeconômicas CHRISTINE LAGARDE, DIRETORAGERENTE DO FMI

tel, a economia está sólida e pode resistir", disse Lagarde. "O Brasil está protegido pela força de seu mercado interno e por suas boas políticas macroeconômicas", reforçou em entrevista a dirigente do FMI. Ontem, Lagarde comentou as medidas anunciadas na

quarta-feira pelos Bancos Centrais do Canadá, Grã-Bretanha, Japão, Estados Unidos e Suíça, além do Banco Central Europeu (BCE) que reduziram taxas para o intercâmbio de moeda entre os países com o objetivo de garantir liquidez ao mercado. "Notamos que esse tipo de ação produz efeitos imediatos. Trata-se de uma iniciativa positiva, não a única necessária, mas positiva", disse. A diretora-geral do FMI afirmou que nenhum país está imune à crise na Europa e que por isso as projeções do órgão para o crescimento da economia mundial serão reduzidas. Lagarde afirmou que o FMI está pronto para agir, mas que atua quando solicitado. Segundo ela, o momento da ação

Presidente Dilma Rousseff recebeu a chefe do FMI, Christine Lagarde. Ao lado, o ministro Guido Mantega.

dependerá da evolução da crise. "O timing é sempre crítico em qualquer negociação, em qualquer operação. O FMI está pronto para fazer o que for requisitado e irá encarar suas responsabilidades", disse. Aporte – Na coletiva, Mantega voltou a cobrar que os europeus ajam mais rapidamen-

te, principalmente por meio do BCE, que, para o ministro, deve atuar como um "emprestador final" aos países em crise. Mantega reiterou que o Brasil está disposto a ajudar o fundo, com a condição de que a reforma das cotas do FMI seja continuada. Lagarde não deu nenhuma sinalização em relação

a isso, mas disse confiar na ajuda dos países emergentes. "Acreditamos que a crise exige recursos adicionais para o FMI, apesar de a Europa ter recursos. Os europeus devem também comparecer. Não vamos só nós colocar recursos", disse o ministro Mantega, ao lado de Lagarde. (Agências)

Jean-Paul Pelissier/Reuters

Sarkozy: é preciso "refundar" a Europa.

O

Indústria da China mostra contração

S

eguindo o ritmo do restante da economia mundial, a indústria chinesa encolheu no mês passado – essa é a primeira contração registrada no setor desde fevereiro de 2009, quando se recuperava dos efeitos da crise gerada pela quebra do banco Lehman Brothers. A retração da indústria chinesa é preocupante porque o país se tornou nos últimos anos o principal motor da economia global, já que os Estados Unidos e a Europa não conseguem retomar o ritmo. Segundo dados divulgados ontem, a atividade manufatureira está se contraindo na Europa e na maior parte da Ásia. O Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) oficial da China mostrou que a atividade fabril encolheu em novembro pela primeira vez em quase três anos, ao mesmo tempo que um índice similar mostrou que o crescimento fabril

da Índia desacelerou para perto de zero. O PMI da China de novembro caiu para 49 (pontos), mergulhando abaixo da marca de 50, que é referência entre indicação de crescimento e de contração da economia. O índice de novas encomendas de exportação despencou para o nível mais baixo desde fevereiro de 2009. Na quarta-feira, a China afrouxou a política monetária. Isso veio com a ação coordenada dos maiores bancos centrais do mundo para tentar impedir outra crise de crédito, por meio da redução do custo das linhas de liquidez de swap em dólar. "O grande quadro aqui é que isso é um desmonte de uma bolha de dívida de 20 anos", disse o economista do Commerzbank, Peter Dixon. "Será assustador e desagradável. O que os formuladores de políticas estão visando é uma suavização do ritmo." (Agências)

Se quisermos que o euro sobreviva, não temos escolha: precisamos ser contrários à solidariedade com todos aqueles que duvidem da viabilidade da moeda e especulem com sua extinção. NICOLAS SARKOZY, PRESIDENTE DA FRANÇA

presidente da França, Nicolas Sarkozy, disse ontem, em discurso na localidade de Toulon, que para resolver o problema da crise é preciso "refundar" a Europa, de forma a restaurar a credibilidade e a confiança do continente. Na ocasião, Sarkozy anunciou que irá se reunir com a chanceler alemã, Angela Merkel, na segunda-feira, dia 5, para lançar uma série de propostas que venham garantir o "futuro do continente". Entre as medidas que devem ser anunciadas estariam sanções automáticas aos países que não respeitarem as regras orçamentárias do bloco. "Se quisermos que o euro sobreviva, não temos escolha: precisamos ser contrários à solidariedade com todos aqueles que duvidem da viabilidade da moeda e especulem com sua extinção", afirmou Sarkozy. Ele acrescentou que o Banco Central Europeu (BCE) terá papel vital na mitigação da crise da zona do euro. "Estou convencido de que diante do risco deflacionista que ameaça a Europa, o BCE vai agir. É sua responsabilidade", avaliou. O líder francês afirmou ainda que o que aconteceu com a Grécia não voltará a ocorrer e que nenhum Estado da eurozona entrará em default. "É preciso que fique claro que o que houve com a Grécia aconteceu em um contexto muito particular e que não se

repetirá mais", disse Sarkozy. Ele acrescentou que está "convencido" de que o BCE é "um organismo independente e que continuará sendo, e atuará contra as ameaças da crise da dívida na Europa". Reforma – "O BCE fará sua parte contra o risco deflacionário que ameaça a Europa", afirmou Sarkozy. O presidente pediu também uma reforma do financiamento do modelo de proteção social na Europa que se tornou, segundo ele, "insustentável". "Não podemos financiar nossa proteção social como antes, com cotações salariais quando as fronteiras são mais abertas e temos que enfrentar a competência de outros países com baixos salários. A reforma de nosso modelo social possui uma urgência absoluta", afirmou. Tempo – A Alemanha anunciou também que busca apoio para que sejam aprovadas – na reunião de cúpula da União Europeia (UE) – as sanções automáticas aos países que violarem as regras de estabilidade da zona do euro. "Não temos tempo a perder. Nós devemos alcançar um acordo político no próximo Conselho Europeu", escreveu o ministro alemão das Relações Exteriores, Guido Westerwelle, em artigo de opinião publicado ontem no jornal Ouest France. O Conselho se reúne na semana que vem, nos dias 8 e 9, em Bruxelas. (Agências)

Yannis Behrakis/Reuters

FÚRIA DE TITÃS – Centenas de milhares de trabalhadores da Grécia, dos setores privado e público, cruzaram os braços ontem em protesto contra as medidas de austeridade anunciadas pelo governo. Eles ocuparam locais públicos de Atenas (foto). Neste ano, essa é a sexta greve geral no país e ocorre dias antes de os parlamentares começarem a debater o orçamento de 2012. O Fundo Monetário Internacional (FMI) fará reunião na segunda-feira, dia 5, para avaliar se a Grécia está cumprindo as metas.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

e Aposentado C vai receber 0,42% menos

ECONOMIA/LEGAIS - 19 A expectativa de vida dos segurados da previdência aumentou, em média, 41 dias entre 2009 e 2010.

conomia

Motivo é o aumento da expectativa de vida GBM Brasil - Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. CNPJ/MF Nº 09.391.874/0001-91 - NIRE Nº 35300393228 Ata de Assembleia Geral Extraordinária datada de 05 de setembro de 2011 1. Data, hora e local: no dia 05 de setembro de 2011, às 10:00 horas, na sede da Companhia, localizada na cidade e Estado de São Paulo, na Rua do Rocio nº 350, conjunto 42, 4º andar, Vila Olímpia, CEP 04.552-000. 2. Convocação e Presença: dispensada a publicação de editais de convocação, na forma do disposto no art. 124, § 4º da Lei no 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (“LSA”), por estarem presentes as acionistas representando a totalidade do capital social da Companhia, conforme assinaturas constantes no Livro de Presença de Acionistas da Companhia. 3. Mesa: presidida pelo Sr. Alexandre Brandão Werneck e secretariada pelo Sr. Jorge Gutiérrez Chamlati. 4. Ordem do Dia: deliberar sobre (i) a eleição do Sr. Diego Ramos León de la Barra, abaixo qualificado, para o cargo de Diretor Executivo da Companhia; e (ii) outros assuntos de interesse social. 5. Deliberações tomadas por unanimidade e sem reservas: primeiramente, o Presidente propôs que a ata da presente assembleia fosse lavrada na forma sumária, nos termos do art. 130, § 1º da LSA, contendo apenas a transcrição das deliberações tomadas. Ato contínuo, o Presidente iniciou a discussão e votação dos seguintes assuntos da ordem do dia, tendo sido tomadas as seguintes decisões pelos acionistas da Companhia, por unanimidade: 5.1. Eleger o Sr. Diego Ramos León de la Barra, cidadão mexicano, casado, economista, residente e domiciliado na cidade e Estado de São Paulo na Rua Gomes de Carvalho nº 1.050, apto. 51, Bairro Vila Olímpia, CEP: 04547-004, portador do documento de identidade RNE nº V750521-F DELEMIG/SR/SP, inscrito no CPF/MF sob o nº 061.293.927-88, para ocupar o cargo de Diretor Executivo, em vista da emissão do visto permanente e autorização de trabalho pelas autoridades competentes. O Diretor Executivo eleito deverá exercer o seu mandato até 20 de maio de 2012. O Diretor ora eleito declara sob as penas da lei, não estar impedido de exercer a administração da Companhia, por lei especial, ou em virtude de condenação criminal, ou por se encontrar sob os efeitos dela, a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos; ou por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussão, peculato; ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra as normas de defesa da concorrência, contra as relações de consumo, a fé pública ou a propriedade. 6. Encerramento e aprovação da ata: Tendo sido dada a palavra aos demais presentes na assembleia, nada mais havendo a ser tratado, foram encerrados os trabalhos e suspensa a reunião pelo tempo necessário à lavratura desta ata, a qual, lida e achada conforme, foi aprovada e assinada pelos membros da mesa e pelas acionistas presentes, quais sejam: Presidente: Alexandre Brandão Werneck; Secretário: Jorge Gutiérrez Chamlati. Acionistas: (i) GBMSA Holdings, Inc.; e (ii) Portfolio Investments Inc., ambas representadas por seu procurador, Sr. Jorge Gutiérrez Chamlati, mexicano, casado, advogado, inscrito na OAB/SP sob nº 166.772, portador da Cédula de Identidade RNE V246550-J, e inscrito no CPF/MF sob o nº 215.972.348-77, residente e domiciliado na Capital do Estado de São Paulo, com escritório na Av. Dr. Chucri Zaidan nº 920, 8º andar, Vila Cordeiro, CEP 04583-904, na cidade de São Paulo, Estado de São Paulo. O presente é cópia fiel do original lavrado no livro próprio. São Paulo, 05 de setembro de 2011. a) Alexandre Brandão Werneck - Presidente da Mesa; Jorge Gutiérrez Chamlati - Secretário; GBMSA Holdings, Inc. - p.p. Jorge Gutiérrez Chamlati; Portfolio Investments Inc. - p.p. Jorge Gutiérrez Chamlati. Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia. Junta Comercial do Estado de São Paulo. Certifico o registro sob o nº 446.582/ 11-6, em 09/11/2011. Kátia Regina Bueno de Godoy - Secretária Geral.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PEREIRA BARRETO/SP Processo nº 5852/2011 - Concorrência Pública nº 005/2011 RESUMO DO EDITAL O sr. ARNALDO SHIGUEYUKI ENOMOTO, prefeito de Pereira Barreto-SP, faz saber que se acha aberta até às 14h00min do dia 06 de janeiro de 2012, a CONCORRÊNCIA PÚBLICA nº 005/2011, pelo regime de Empreitada Integral e do tipo Menor Preço Global, objetivando a seleção de proposta mais vantajosa para contratação de empresa de engenharia para execução de obras de revitalização em diversas Avenidas e Ruas do município, nos termos do Convênio nº 031/2011, firmado entre o município de Pereira Barreto e a Secretaria de Economia e Planejamento através do Ministério do Turismo do Estado de São Paulo e Departamento de Apoio ao Desenvolvimento das Estâncias, juntamente com Memorial Descritivo, Memorial Técnico Elétrica, Planilha Orçamentária, Cronograma Físico-Financeiro e Projetos. O Edital completo será fornecido aos interessados no Dep. de Licitações sito na Avenida Jonas Alves de Mello nº 1.947, na cidade de Pereira Barreto-SP, mediante o recolhimento de taxa no valor de R$ 10,00. Maiores informações poderão ser obtidas pelo telefone (18) 37048505, pelo e-mail licitacao@pereirabarreto.sp.gov.br, ou ainda o Edital no site www.pereirabarreto.sp.gov.br Pereira Barreto, 01 de dezembro de 2011. Arnaldo Shigueyuki Enomoto - Prefeito

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Edital de Pregão Eletrônico para Registro de Preços objetivando a compra de caixa industrial vazada/ monobloco vazado empilhável. Edital de Pregão Eletrônico n° 125/2011 - Processo n° 9901/5900/2011. Oferta de Compra n° 080105000012011OC00149. Endereço Eletrônico: www.bec.sp.gov.br ou www.bec.fazenda.sp.gov.br. Data do início do prazo para Envio da Proposta Eletrônica: 01/12/2011. Data e Hora da Abertura da Sessão Pública: 14/12/2011 – 10:00 horas. Edital de Pregão Eletrônico para Registro de Preços objetivando a compra de escorredor de macarrão pequeno (15 litros) e escorredor de macarrão grande (27 Litros). Edital de Pregão Eletrônico n° 126/2011 Processo n° 9426/5900/2011. Oferta de Compra n° 080105000012011OC00150. Endereço Eletrônico: www.bec.sp.gov.br ou www.bec.fazenda.sp.gov.br. Data do início do prazo para Envio da Proposta Eletrônica: 01/12/2011. Data e Hora da Abertura da Sessão Pública: 14/12/2011 – 10:00 horas. Pregão Eletrônico para Registro de Preços objetivando a compra de pano de prato. Edital de Pregão Eletrônico n° 127/2011. Processo n° 9900/5900/2011. Oferta de Compra n°080105000012011OC00151. Endereço Eletrônico: www.bec.sp.gov.br ou www.bec.fazenda.sp.gov.br. Data do início do prazo para Envio da Proposta Eletrônica: 01/12/2011. Data e Hora da Abertura da Sessão Pública: 14/12/2011 às 10:00 horas. Edital de Pregão Eletrônico para Registro de Preços objetivando a compra de pote para freezer. Edital de Pregão Eletrônico n° 128/2011. Processo n° 9902/5900/2011. Oferta de Compra n° 080105000012011OC00152. Endereço Eletrônico: www.bec.sp.gov.br ou www.bec.fazenda.sp.gov.br Data do início do prazo para Envio da Proposta Eletrônica: 01/12/2011. Data e Hora da Abertura da Sessão Pública: 14/12/2011 – 10:00 horas, Informações: fones: (11) 3866-1615/1616, de 2ª a 6ª feira, no horário das 8h às 17h. Endereço Eletrônico: www.bec.sp.gov.br ou www.bec.fazenda.sp.gov.br

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE SUPRIMENTO ESCOLAR

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: PREGÃO ELETRÔNICO DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 36/00775/11/05 OBJETO: AQUISIÇÃO DE FAIXA DE PROTEÇÃO PARA SALA DE AULA - FP-03, FP-04, FP-05. A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para Aquisição de Faixa de Proteção para Sala de Aula - FP-03, FP-04, FP-05. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital a partir de 02/12/2011, no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br ou na sede da FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 São Paulo/SP, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, ou verificar o edital na íntegra, através da Internet no endereço: http://www.fde.sp.gov.br. A sessão pública de processamento do Pregão Eletrônico será realizada no endereço eletrônico www.bec.sp.gov.br, no dia 15/12/2011, às 09:30 horas, e será conduzida pelo pregoeiro com o auxílio da equipe de apoio, designados nos autos do processo em epígrafe e indicados no sistema pela autoridade competente. Todas as propostas deverão obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital e seus anexos e serão encaminhadas, por meio eletrônico, após o registro dos interessados em participar do certame e o credenciamento de seus representantes previamente cadastrados. A data do início do prazo para envio da proposta eletrônica será de 02/12/2011, até o momento anterior ao início da sessão pública. JOSÉ BERNARDO ORTIZ Presidente

om o aumento da expectativa de vida do brasileiro, haverá uma redução média de 0,42% no valor do benefício do trabalhador que se aposentar a partir de hoje. Segundo os dados divulgados ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a expectativa de vida ao nascer passou para 73 anos, 5 meses e 24 dias em 2010. O achatamento ocorre devi-

do ao fator previdenciário, mecanismo utilizado pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) para tentar adiar a aposentadoria dos trabalhadores mais jovens, punindo quem se aposenta mais cedo por tempo de contribuição já que esse segurado, teoricamente, vai receber o benefício por mais tempo. O cálculo leva em conta a idade do segurado ao se aposentar, o tempo de contribui-

CNPJ nº 09.391.874/0001-91 - NIRE nº 353.003.932-28 Relatório da Administração Senhores acionistas, Submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações financeiras da GBM Brasil Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. referentes aos semestres findos em 30 de junho de 2011 e 2010, acompanhadas de notas explicativas e do relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras. São Paulo, 11 de novembro de 2011. A Diretoria. Composição da Diretoria - Alexandre Brandão Werneck Demonstrações de resultados - Semestres findos em 30 de junho de 2011 e 2010 - (Em milhares de reais, exceto o prejuízo por ação) Nota 2011 2010 Receitas da intermediação financeira 4 2.118 1.216 Result. de oper. com títulos e valores mob. 306 57 50 47 Resultado bruto de interm. financeira 306 57 5.a 6.159 1.557 629 Outras receitas (despesas) operacionais 128 21 Receitas de prestação de serviços 11 615 357 6.a/13 289 136 1.735 697 Despesas de pessoal (952) (771) 6.b 1.559 629 Patrimônio líquido Outras despesas administrativas 15 (1.157) (582) 54 76 Capital social: Despesas tributárias (70) (26) 1.902 841 De domiciliados no exterior 10 16.711 4.786 Outras receitas operacionais 7 1 Outros valores e bens: Aumento de capital - 1.074 Outras despesas operacionais (48) (20) Despesas antecipadas 1 Ajustes de avaliação patrimonial (1.140) (1) (1.605) (1.041) 10.180 2.057 Prejuízos acumulados (6.228) (3.943) Resultado operacional (1.299) (984) Não circulante 9.343 1.916 Resultado antes da tributação sobre o lucro (1.299) (984) Títulos e valores mobiliários: Prejuízo do semestre (1.299) (984) Carteira própria 5.b 324 471 Quantidade de ações 10.a 235.885.970 21.715.970 Imobilizado de uso: 7 Prejuízo por ação (0,01) (0,05) Outras imobilizações de uso 632 116 Demonstrações dos fluxos de caixa - Semestres findos em 30 de Depreciação acumulada (87) (31) junho de 2011 e 2010 - (Em milhares de Reais) 545 85 2011 2010 Intangível: 8 Fluxos de caixa das atividades operacionais Ativos Intangíveis 30 Prejuízo do semestre (1.299) (984) Amortização acumulada (1) Ajustes por: 29 Ajuste valor mercado títulos e valores mobiliários (1.140) 898 556 Depreciação e amortização 48 9 Total 11.078 2.613 Total 11.078 2.613 (2.391) (975) Demonstrações das mutações do patrimônio líquido - Semestres findos em 30 de junho de 2011 e 2010 - (Em milhares de reais) Variações nos ativos e passivos Ajustes de Redução/(aumento) em títulos e valores mobiliários (5.362) 1.116 Aumento avaliação Prejuízos Redução/(aumento) de outros créditos (1.345) 1.303 Capital de Capital patrimonial acumulados Total Redução/(aumento) de outros valores e bens (1) 52 Saldos em 1º de janeiro de 2011 5.860 855 (5) (4.929) 1.781 Redução/(aumento) em outras obrigações 1.295 (1.485) Homologação de aumento de capital pelo Banco Central 855 (855) Cx. líq. (aplicado nas)/gerado das ativ. operacionais (7.804) 11 Aumento de capital (Nota 9.b) 9.996 9.996 Fluxos de caixa das atividades de investimentos Ajuste ao valor de mercado - Títulos disponíveis para venda (1.135) (1.135) Aquisição de imobilizado de uso (138) (1) Prejuízo do semestre (1.299) (1.299) Aquisição de Intangível (30) Saldos em 30 de junho de 2011 16.711 (1.140) (6.228) 9.343 Caixa líquido aplicado nas atividades de investimentos (168) (1) Mutações do semestre 10.851 (855) (1.135) (1.299) 7.562 Fluxo de caixa das atividades de financiamento Saldos em 1º de janeiro de 2010 4.093 693 (5) (2.959) 1.822 Aumento de capital 9.996 1.074 Homologação de aumento de capital pelo Banco Central 693 (693) - Caixa líquido gerado das atividades de financiamento 9.996 1.074 Aumento de capital (Nota 9.b) 1.074 1.074 Aumento de caixa e equivalentes de caixa 2.024 1.084 Ajuste ao valor de mercado - Títulos disponíveis para venda 4 4 Caixa e equivalentes de caixa no início do semestre 94 132 Prejuízo do semestre (984) (984) Caixa e equivalentes de caixa no fim do semestre 2.118 1.216 Saldos em 30 de junho de 2010 4.786 1.074 (1) (3.943) 1.916 Mutações do semestre 693 381 4 (984) 94 b. Negociação e intermediação de valores 2011 2010 Notas Explicativas às demonstrações financeiras Semestres findos em 30 de junho de 2011 e 2010 Liquidações pendentes de operações em bolsa (Em milhares de reais, exceto o valor moninal da ação) por conta e ordem de clientes 1.557 629 2011 2010 1 - Contexto operacional: A GBM Brasil Distribuidora de Títulos e Valo- da Distribuidora exceder o seu valor recuperável, é reconhecida uma perda c. Diversas 109 21 res Mobiliários S.A. (“Distribuidora”) foi autorizada a funcionar pelo Banco por impairment no resultado. i. A elaboração das demonstrações financei- Despesas de pessoal 19 Central do Brasil (BACEN) em 20 de fevereiro de 2008 e foi constituída em ras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil requer que a Outras despesas administrativas 128 21 27 de fevereiro de 2008, passando a estar apta a operar a partir de julho Administração use de julgamento na determinação e registro de estimatide 2008. A Distribuidora é uma sociedade anônima de capital fechado, vas contábeis. A liquidação das transações envolvendo essas estimativas 10 - Patrimônio líquido: a. Capital social: O capital social é representado com sede desde 10 de janeiro de 2011 na cidade de São Paulo, na Rua poderá resultar em valores diferentes dos estimados, devido a imprecisões por 235.885.970 ações ordinárias nominativas (2010: 21.715.970 ações do Rocio 350, 4º andar - conjunto 42 (anteriormente Av. Ataulfo de Paiva, inerentes ao processo de sua determinação. A Distribuidora revisa as es- ordinárias nominativas), sem valor nominal e em 30 de junho de 2011 es2011 341 – 701, Rio de Janeiro – RJ). Possui como objeto social a prática de timativas e premissas periodicamente. j. O prejuízo por ação apresentado tava assim apresentado: Quantidade operações inerentes às distribuidoras de títulos e valores mobiliários in- na demonstração do resultado é calculado com base na quantidade de Acionista de ações % Valor cluindo a compra e venda de títulos e valores mobiliários, por conta própria ações em circulação na data do balanço. GBM SA Holdings, INC 235.885.969 99,99 16.710 e de terceiros, a administração de carteiras e custódia de títulos e valores 4 - Disponibilidades: 1 0,01 1 mobiliários, a instituição, organização e administração de fundos e clubes 2011 2010 Portfolio Investments, INC 235.885.970 100,00 16.711 de investimento, a prática de operações de conta margem, conforme regu- Caixa 1 2 Total lamentação da Comissão de Valores Mobiliários e a prestação de serviços Depósitos Bancários 2.117 1.214 Composição do Capital: 235.885.970 16.711 de intermediação e de assessoria ou assistência técnica em operações 2.118 1.216 Capital autorizado e atividades nos mercados financeiros e de capitais. A Distribuidora vem 5 - Títulos e valores mobiliários: A carteira de títulos e valores mobiliá- b. Aumento de capital: Em 27 de janeiro de 2010 o Banco Central do Brasil aprovou o aumento de capital da Distribuidora no montante de R$ apresentando prejuízos operacionais desde o início de suas operações, rios em 30 de junho de 2011 e 2010 é como se segue: 693 deliberado na Assembleia Geral Extraordinária de 1º de dezembro de de forma que a sua continuidade depende do incremento de suas opera- a. Circulante 2009. Em Assembleia Geral Extraordinária de Cotistas de 26 de janeiro de ções e/ou continuidade do suporte financeiro de seus acionistas. Durante 2011 2010 2011 foi aprovado o aumento do capital social da Distribuidora mediante o semestre findo em 30 de junho de 2011 a maior parte das receitas da Ganhos Distribuidora está relacionada a serviços prestados à clientes da GBM InCusto Valor de (Perdas)não Valor de subscrição de 199.920.000 ações ordinárias no montante de R$9.996 pela ternacional Inc. e GBM Casa de Bolsa S.A. de C.V. Ademais, durante o Descrição atualizado mercado realizados mercado acionista GBM S.A. Holding, Inc. Este aumento foi aprovado pelo Banco Central do Brasil (BACEN) em 23 de março de 2011. c. Dividendos: De semestre, o acionista controlador efetuou aumento de capital de R$ 9.996 Valores mobiliários disp. acordo ao disposto no artigo 16 do estatuto social da Distribuidora, ao conforme descrito na Nota Explicativa nº9(b). Durante o semestre findo para venda: final de cada exercício social, em caso de resultado positivo, 25% do luem 30 de junho de 2011 as receitas com prestação de serviços cresceram Carteira própria livre: consideravelmente em comparação ao semestre findo em 30 de junho de Ações de companhia aberta 4.169 2.928 (1.241) 0 cro líquido verificado deverá ser destinado para pagamento do dividendo mínimo obrigatório aos acionistas. d. Ajustes de avaliação patrimonial: 2010. A Administração está realizando esforços para incrementar essas Títulos disp. para venda: Representa os ganhos ou perdas não realizadas, líquido dos efeitos trireceitas em grande escala e espera obter resultados positivos até o en- Carteira própria Livre: cerramento do exercício a encerrar-se em 31 de dezembro de 2011. Este Letras do Tesouro Nacional 3.138 3.231 93 471 butários, decorrentes do ajuste ao valor de mercado dos títulos e valores fato deverá diminuir a dependência da Distribuidora dos aportes de capital 7.307 6.159 (1.148) 471 mobiliários classificados como “disponíveis para venda”, conforme mencionado na Nota Explicativa nº 5. Tais ganhos ou perdas são transferidos para de seus acionistas. 2 - Apresentação das demonstrações financeiras: b. Não Circulante as correspondentes contas do resultado do período em que ocorrer a sua As demonstrações financeiras da Distribuidora são de responsabilidade 2011 2010 da sua Administração, foram elaboradas com observância das práticas Custo Valor de Perdas não Valor de efetiva realização financeira. 11 - Receitas de prestações de serviços: 2011 2010 contábeis adotadas no Brasil, considerando, a partir do exercício de 2008, Descrição atualizado mercado realizadas mercado Interm. de compra e venda de títs. e valores mobiliários 615 357 as alterações trazidas pela Lei nº 11.638/07 e pela Medida Provisória nº Carteira própria Garantia: 449/08, posteriormente convertida na Lei nº 11.941/09, e normas e ins- Letras do Tesouro Nacional 316 324 9 471 12 - Instrumentos financeiros derivativos: A Distribuidora não efetuou truções do Banco Central do Brasil - BACEN, e estão apresentadas em 316 324 9 471 operações com instrumentos financeiros derivativos durante os semestres conformidade com o Plano Contábil das Instituições do Sistema Finan- As datas de vencimento das LTNs são 1º de julho de 2011 e 1º de julho de findos em 30 de junho de 2011 e 2010. 13 - Imposto de renda e contribuiceiro Nacional - COSIF. Na elaboração das demonstrações financeiras 2012 (2010: 1º de julho de 2010). O valor de mercado dos títulos públicos ção social: Durante os semestres findos em 30 de junho de 2011 e 2010 a de 30 de junho de 2011 e 2010, a Distribuidora levou em consideração é apurado com base na cotação do Mercado Secundário divulgado pela Distribuidora não apurou lucro tributável para imposto de renda, nem base a aplicação das alterações na Legislação Societária introduzidas pela Lei ANBIMA - Associação Brasileira de Entidades dos Mercados Financeiro e positiva para contribuição social. 14 - Transações com partes relacionanº 11.638/07, com as respectivas modificações da Lei nº 11.941/09, que de Capitais. Os ganhos e/ou perdas não realizados, líquidos dos efeitos tri- das: Em 30 de junho de 2011 e 2010, os saldos referentes a transações foram regulamentadas pelo BACEN até o momento. São elas: (a) trata- butários, foram contabilizados como ajuste de títulos e valores mobiliários, entre a Distribuidora, sua Controladora e afiliadas, que foram realizadas mento contábil do saldo das reservas de capital e da destinação dos lucros em contrapartida a conta específica do patrimônio líquido. As ações são em condições usuais de mercado, estão apresentados como segue: Receita de acumulados; (b) tratamento contábil do ativo imobilizado e do diferido; (c) registradas pelo custo de aquisição, incluindo corretagens e emolumentos, Rendas a prestação de reconhecimento, mensuração e divulgação de perdas em relação ao va- e são avaliadas diariamente pela cotação de fechamento do último dia em receber serviços lor recuperável de ativos; (d) apresentação das demonstrações dos fluxos que foram negociadas na BM&FBOVESPA S.A. - Bolsa de Valores, Merca2011 2010 2011 2010 de caixa em substituição das demonstrações das origens e aplicações de dorias e Futuros (“BM&FBOVESPA S.A.”). 6 - Outros créditos: GBM Grupo Bursatil Mexicano S.A. CV 105 83 276 167 recursos; e (e) reconhecimento, mensuração e divulgação de provisões, a. Rendas a receber 184 53 251 123 contingências passivas e contingências ativas. As mudanças das Leis 2011 2010 GBM International, INC Total 289 136 527 290 nºs 11.638/07 e 11.941/09 não trouxeram impactos nas demonstrações Serviços prestados pela intermediação de compra financeiras da Distribuidora. A autorização para conclusão destas demons- e venda de títulos e valores mobiliários 289 136 A Distribuidora presta serviço de corretagem para suas partes relacionadas, cobrando taxa de corretagem correspondente a 0,01% da transação. trações financeiras foi dada pela Administração em 11 de novembro de 2011. 3 - Resumo das principais práticas contábeis: As principais práti- b. Negociação e intermediação de valores 2011 2010 Em 26 de janeiro de 2011 a controladora GBM SA Holdings, INC. aportou capital no montante de R$ 9.996 (30 de junho de 2010: R$ 1.074). Durante cas contábeis adotadas pela Distribuidora são as seguintes: a. O resultado Liquidações pendentes de operações em bolsa por das operações é apurado pelo regime de competência. b. O ativo circulan- conta e ordem de clientes 1.559 629 o semestre findo em 30 de junho de 2011 os Diretores da Distribuidora te é demonstrado pelo valor de realização, incluindo, quando aplicável, os 7 - Imobilizado: Em 30 de junho de 2011 e de 2010, o imobilizado apre- receberam o montante de R$ 214 (2010: R$ 460) incluindo salários e outros benefícios. rendimentos e as variações monetárias (em base pro rata dia) e cambiais senta a seguinte composição: auferidos, deduzido da correspondente renda de realização futura e/ou Taxa de 15 - Outras despesas administrativas: 2011 2010 provisão para perda. c. Os títulos e valores mobiliários, classificados como depreciação (415) (48) disponíveis para venda nos termos da Circular BACEN nº 3.068/01 (Nota 2011 2010 ao ano - % Despesas de serviços do sistema financeiro Despesas de serviços técnicos especializados (180) (210) Explicativa nº 5), foram avaliados ao valor de mercado, em contrapartida a Instalações 150 11 10 (184) (94) conta específica do patrimônio líquido, líquido dos efeitos tributários. d. O Móveis e equipamentos de uso 102 21 10 Despesas de aluguéis (27) (75) imobilizado de uso é registrado pelo custo de aquisição. A depreciação é Equipamentos 42 21 10 Despesas de viagem no país (23) calculada pelo método linear com base no prazo de vida útil estimada dos Sistema de processamento de dados 321 63 20 Despesas de viagem no exterior (70) (32) bens. e. O ativo intangível compreende softwares mensurados pelo custo Sistema de segurança 17 10 Despesas de comunicações Despesas de processamento de dados (39) (13) de aquisição, menos despesa de amortização. A amortização é calculada 632 116 Despesas de condomínio (31) (12) sobre o custo de um ativo, ou outro valor substituto do custo, deduzido Depreciação acumulada (87) (31) Despesas de publicações (33) (25) do valor residual, e, é reconhecida no resultado baseando-se no método 545 85 (45) (9) linear com relação às vidas úteis estimadas de ativos intangíveis, que não 8 - Intangível: Em 30 de junho de 2011 e de 2010, o intangível apresenta Despesas de depreciação e amortização Despesas de transportes (20) ágio, a partir da data em que estão disponíveis para uso, já que esse mé- a seguinte composição: (90) (64) todo é o que mais reflete o padrão de consumo de benefícios econômicos Taxa de Outras (1.157) (582) futuros incorporados no ativo. f. O passivo circulante é demonstrado pelo amortização valor da obrigação acrescido, quando aplicável, do encargo e da variação Com vida útil definida Vida útil 2011 2010 ao ano - % 16 - Limite operacional (acordo de Basiléia): As instituições financeiras monetária (em base pro rata dia) e cambial incorrida. g. A provisão para Softwares 5 anos 30 10 e entidades equiparadas têm que manter patrimônio líquido mínimo de 11% dos seus ativos ponderados por graus de risco às exposições em imposto de renda é constituída com base no lucro contábil, ajustado pe- Amortização acumulada (1) ouro, moedas estrangeiras e operações sujeitas a variação cambial, a valas adições e exclusões previstas na legislação fiscal, à alíquota de 15%, 29 riação de taxas de juros, variação do preço de commodities, variação do acrescida de adicional de 10% sobre o lucro tributável anual excedente a 9 - Outras obrigações: preço de ações classificadas na carteira de negociação e ao risco opeR$240, quando aplicável. A provisão para contribuição social sobre o lucro a. Fiscais e previdenciárias é constituída à alíquota de 15%. A Distribuidora não constituiu imposto de 2011 2010 racional conforme normas e instruções do BACEN. A Distribuidora está renda e contribuição social diferidos sobre os prejuízos fiscais e base ne- Previdência social 25 24 enquadrada neste limite operacional em 30 de junho de 2011 e 2010. gativa de contribuição social por não atender aos requisitos estabelecidos Fundo de Garantia por Tempo de Serviço - FGTS 7 6 17 - Outras informações: Ouvidoria - O componente organizacional de pela Resolução nº 3.059/02 do Conselho Monetário Nacional. h. De acordo IRRF sobre salários 12 12 ouvidoria encontra-se em funcionamento e sua estrutura e seus procecom o CPC01, aprovado pela resolução CMN 3.566 de 29 de maio de Outros 6 5 dimentos atendem às disposições estabelecidas por meio da resolução 2008, com base na análise da Administração, se o valor contábil dos ativos 50 47 CMN nº 3.477, de 26 de julho de 2007. Relatório dos auditores Independentes sobre as demonstrações financeiras ções financeiras com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opiAos as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas reque- nião. Opinião - Em nossa opinião, as demonstrações financeiras acima Acionistas e Administradores da rem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, GBM Brasil Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de a posição patrimonial e financeira da GBM Brasil Distribuidora de Títulos São Paulo - SP Examinamos as demonstrações financeiras da GBM Brasil Distribuidora que as demonstrações financeiras estão livres de distorção relevante. Uma e Valores Mobiliários S.A. em 30 de junho de 2011, o desempenho das de Títulos e Valores Mobiliários S.A. (“Distribuidora”), que compreendem auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obten- suas operações e os seus fluxos de caixa para o semestre findo naquela o balanço patrimonial em 30 de junho de 2011 e as respectivas demons- ção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis trações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de demonstrações financeiras. Os procedimentos selecionados dependem do às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. Êncaixa para o semestre findo naquela data, assim como o resumo das princi- julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção rele- fase - Chamamos a atenção para Nota Explicativa nº 1 às demonstrações pais práticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da vante nas demonstrações financeiras, independentemente se causada por financeiras que descreve que a Distribuidora vem apresentando prejuízos Administração sobre as demonstrações financeiras - A Administração fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles operacionais desde o início de suas operações, de forma que, a sua contida Distribuidora é responsável pela elaboração e adequada apresentação internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das de- nuidade depende do incremento das suas operações e/ou continuidade do dessas demonstrações financeiras, de acordo com as práticas contábeis monstrações financeiras da Distribuidora para planejar os procedimentos suporte financeiro de seus acionistas. As demonstrações financeiras foram adotadas no Brasil aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins de preparadas no pressuposto da continuidade normal dos seus negócios. Banco Central do Brasil e pelos controles internos que ela determinou expressar uma opinião sobre a eficácia dos controles internos da Distribui- Nossa opinião não contém ressalva relacionada a esse assunto. Rio de Janeiro, 11 de novembro de 2011. como necessários para permitir a elaboração de demonstrações finan- dora. Uma auditoria inclui, também, a avaliação da adequação das práticas ceiras livres de distorção relevante, independentemente se causada por contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela Lino Martins da Silva Junior fraude ou erro. Responsabilidade dos auditores independentes - Nossa Administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstra- KPMG Auditores Independentes Contador CRC RJ-083314/O-7 S-SP responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstra- ções financeiras tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de CRC2SP-014428/O-6 Balanços patrimoniais em 30 de junho de 2011 e 2010 - (Em milhares de reais)

Ativo Circulante Disponibilidades Títulos e valores mobiliários: Carteira própria Outros créditos: Rendas a receber Negociação e interm. de valores Diversas

Nota

2011

2010

Passivo Circulante Outras obrigações: Fiscais e previdenciárias Negociação e intermediação de valores Diversas

Conforme informação da Distribuição Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, foram ajuizados no dia 01 de dezembro de 2011, na Comarca da Capital, os seguintes pedidos de falência, recuperação extrajudicial e recuperação judicial:

Anuncie no jornal que tem o menor preço, pelo mesmo espaço. PUBLICIDADE Fone: 11 3244-3344 Fax: 11 3244-3894

O Jornal do Empreendedor

dos aumentou, em média, 41 dias entre 2009 e 2010. Pela tábua de 2009, a expectativa de pagamento a um aposentado de 50 anos era de 29 anos. Na tábua em vigor passou para 29,2. Com isso, a Previdência pagará o benefício para esse segurado até os 79,2 anos e não mais 79. Para se aposentar por tempo de contribuição, o homem deve comprovar pelo menos 35 anos de trabalho e a mulher, 30. (Folhapress)

GBM Brasil Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.

FALÊNCIA, RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL E RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Quer falar com 26.000 empresários de uma só vez?

ção para a Previdência Social e a expectativa de sobrevida, de acordo com o IBGE. A nova tabela do fator previdenciário vale até novembro de 2012. Dias a mais – Newton Conde, atuário especializado em previdência, diretor da Conde Consultoria e professor da Fipecafi-FEA-USP, estima que, no período de idade em que se concedem aposentadorias, ou seja, dos 41 aos 80 anos, a expectativa de vida dos segura-

Requerente: General Chains do Brasil Ltda. Requerido: São Fernando Açúcar e Álcool Ltda. Avenida Brigadeiro Faria Lima, 2.012, 5º, conjunto 54, sala 3 - 2ª Vara de Falências. Requerente: Logistic Network Technology, Comércio, Importação e Exportação S/A. Requerido: Innpack Indústria e Comércio Ltda. EPP. Rua Brigadeiro Tobias, 118 – 27º - 1ª Vara de Falências. Requerente: Drilling do Brasil Ltda. Requerido: Sab Astúrias Empreendimentos SPE Ltda. Rua Bandeira Paulista, 662, conjunto 14 1ª Vara de Falências. Recuperação Judicial Requerente: Duquen’s Comercial e Distribuidora de Alimentos Ltda. EPP. Requerido: Duquen’s Comercial e Distribuidora de Alimentos Ltda. EPP. Avenida: Alcântara Machado, 935 - 1ª Vara de Falências.

Nota 9

2011

2010

ASSOCIAÇÃO DOS TÉCNICOS EM PRÓTESE DENTÁRIA APDESP BRASIL Edital de Convocação Assembleia Geral Ordinária – Previsão Orçamentária de 2012 O Presidente da Associação dos Técnicos em Prótese Dentária APDESP BRASIL (APDESP-BR), em conformidade com as disposições do Estatuto Social, convoca todos os associados da APDESP-BR para a Assembleia Geral Ordinária, que se realizará na sede da APDESP-BR, na Avenida Brigadeiro Luís Antônio, nº 2.050 – ala A – 13º andar, Bela Vista, em São Paulo, no dia 15 de dezembro, às 20:00 horas, tendo como tema único de pauta a deliberação sobre a previsão orçamentária para o exercício de 2012 da Associação dos Técnicos em Prótese Dentária APDESP BRASIL. São Paulo, 2 de dezembro de 2011. TOSHIO UEHARA – Presidente da APDESP-BR

SEAC-SP Sindicato das Empresas de Asseio e Conservação no Estado de São Paulo

C.N.P.J. nº 62.812.524/0001-34 Assembléia Geral Ordinária - Edital de Convocação Pelo presente edital, ficam os associados quites e em pleno gozo de seus direitos sindicais, convocados para a Assembléia Geral Ordinária, a realizar-se em 1ª Convocação no dia 12 de dezembro de 2011, na sede social do SEAC-SP, situada à Av. República do Líbano, 1.204 - Jd. Paulista-SP, em 1ª convocação às 16:30 (dezesseis e trinta) horas e não havendo quorum em 2ª Convocação às 17:00 (dezessete) horas, para discutirem, deliberarem sobre a seguinte ordem do dia: a) Leitura, Discussão eVotação da Proposta Orçamentária para 2012, com parecer do Conselho Fiscal. São Paulo, 01 de dezembro de 2011.Rui Monteiro Marques - Presidente


DIÁRIO DO COMÉRCIO

20 Nº 394

DCARR

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

A Anfavea apresentará na próxima quarta-feira, às 11 horas, no Hotel Sofitel São Paulo, os resultados da Indústria Automobilística Brasileira em 2011 e projeções para 2012. Na véspera, a Abraciclo mostrará o balanço anual do setor de duas rodas.

ATUALIZAÇÃO Fotos: Divulgação

Renovando toda a família Com a recente chegada do Cruze e do Cobalt, a linha de veículos Chevrolet está mais moderna. Ano que vem tem mais. ANDERSON CAVALCANTE flex 1.8 16V, de 144 cv de potência e 18,9 mkgf de torque (abastecido com etanol). Segundo a GM, com a transmissão manual de seis velocidades, o Cruze atinge 100 km/h em 10,8 segundos e alcança a velocidade máxima de 204 km/h, enquanto com a automática, também de seis velocidades, ele faz de 0 a 100 km/h em 11,4 segundos e atinge a máxima de 197 km/h. Rodando, o modelo oferece

Modelos GM cobrem segmento de sedans entre R$ 40 mil e R$ 80 mil.

D

esde o lançamento do Ágile, em outubro de 2009, que a Chevrolet vem anunciando uma reformulação completa em sua gama de veículos. Neste projeto, o ano de 2011 foi marcante com a chegada de dois lançamentos especiais para a marca, o sedan médio Cruze (vencedor do Prêmio Abiauto. Ver matéria abaixo) e o sedan compacto Cobalt, dois modelos com plataformas globais e que prometem impulsionar as vendas da marca no Brasil. Mas a Chevrolet ainda promete muito mais para o próximo ano, vale a pena ficar atento. Moderno e completo - Substituindo o Vectra, que precisaria sofrer uma renovação total, a Chevrolet apresentou o sedan médio Cruze. Com preços entre R$ 67.900 e R$ 78.900, ele promete "briga feia" com o líder Toyota Corolla e com o recém-renovado Honda Civic, e traz

de série, já na versão de entrada, itens como direção elétrica, faróis de neblina, ar-condicionado digital, freios com sistema ABS e EBD, controle de estabilidade, controle de tração, air bags e rodas de liga leve aro 17". A versão top, além da transmissão automática, ganha vários mimos, entre eles, sistema de partida com botão start/stop e sistema de navegação por GPS em uma tela de 7", localizada no elegante painel do veículo. O modelo é equipado com o motor Ecotec

muito conforto e um invejável isolamento acústico. O motor Ecotec transmite agilidade ao veículo que, mesmo com a transmissão automática, oferece respostas rápidas e sem solavancos. Destaque também para a direção elétrica progressiva que responde prontamente a mudanças bruscas. No mais, a sopa de letrinhas oferecida como itens de segurança (ABS, EBD, ESP...) dão conta de deixar o veículo ainda mais na mão. Espaço de sobra - A primeira impressão nem sempre é a que fica. Confesso que quando vi pela primeira vez o Cobalt fiquei com o sentimento de já ter visto aquilo antes. Talvez puro preconceito, achando que encontraria ali uma versão sedan do Ágile. Mero engano, claro que existem algumas semelhanças, fundamentadas nesta coisa que hoje todas as montadoras utilizam, a tal da "identidade visual da marca". Pessoalmente acho que isto torna "tudo muito parecido", mas se é uma estratégia utilizada por todas, deve ser válida. Mas a realidade é outra, o Cobalt sequer usa a mesma plataforma do Ágile e com direito a uma segunda impressão, algumas semanas após ter conhecido oficialmente o carro, passei a enxergá-lo de forma diferente. Seu visual tem uma certa elegância. A dianteira é o ponto que mais lembra o Ágile, tudo por causa daquela tal "identidade", mas suas linhas laterais são bem definidas e a traseira tem charme próprio formando um conjunto bem resolvido. Mas é internamente que o Cobalt mostra seu ponto forte. Sem exageros, ele não oferece o mesmo conforto e tecnologias do Cruze, o que é

óbvio já que seu preço começa em R$ R$ 39.980, na versão de entrada, e vai até R$ R$ 45.980, na top, mas o acabamento é bonito - apesar de ser possível verificar rebarbas e excesso de plático -, o desenho do painel é bastante interessante e o tecido utilizado nos assentos agrada. Outro ponto que chega a surpreender é o porta-malas com capacidade para 563 litros de bagagens, muito mais que o Cruze - 450 litros - e que os seus concorrentes diretos. O motor, 1.4 Flex, também agrada. É silencioso e oferece 102 cv (com etanol), propiciando retomadas e arrancadas ágeis, dentro do possível, é claro. Em 2012 continua - Mas grandes novidades ainda estão previstas para o ano que vem para continuar a reformulação dos veículos GM. Apesar de ainda não haver nenhuma confirmação oficial, espera-se ainda para o primeiro semestre a chegada do monovolume ou "dos monovolumes" que substituirão a Meriva e a Zafira. Além disso, devem pintar por aqui a picape Colorado e o SUV TrailBlazer, que alguns insistem que irá substituir a "queridinha" S10 e a Blazer, mas que devem ser comercializados em paralelo com eles. Por último, o hatchback Sonic, ou Aveo, que deve ser produzido no México, ficando mais próximo de ser trazido para o Brasil.

PRÊMIO ABIAUTO/AUTO/MOTO

GM E BMW: OS DESTAQUES Jornalistas de todo o Brasil elegem os melhores carros de 2011

O

Chevrolet Cruze foi o grande vencedor do 13º Prêmio Abiauto 2011, levando o 1º lugar nas categorias Melhor Carro Nacional e Melhor Carro 2011 Imprensa Automotiva. São 68 os jornalistas - de vários estados brasileiros - integrantes do juri, que escolheu também a moto BMW, nas categorias Urbana/Street, Estradeira e Melhor Moto 2011 Imprensa Automotiva, respectivamente com os modelos

Yamaha YZF-R1 e Honda CBR 1000R

BMW F 800 R

F800 R e K 1600 GT. A Honda, com a CBR 1000, e a Yamaha YZF-R1, dividiram o prêmio de Moto Esportiva. Carros vencedores - A Fiat levou o prêmio de Melhor Popular, com o Palio; o melhor Utilitário Esportivo foi o Tiguan, da Volkswagen, que também elegeu a melhor picape, a Amarok. Na categoria Melhor Minivan foi eleita o Citroën C3 Picasso; A Audicom o A1, ganhou o Melhor Importado e o Carro verde, foi o Ford Fusion Hybrid. A Abiauto - A Associação Brasileira da Imprensa Automotiva foi criada em 1998 com a finalidade de manter a unidade do setor da Imprensa, de todas as midias ligadas à Indústria Automobilística.

BMW K 1600 GT

Citroën C3 Picasso

Fiat Palio

VW Tiguan

Ford Fusion Hybrid

Honda CBR1000

Audi A1


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

21

DCARR LANÇAMENTOS

Para alavancar vendas A Volkswagen lança cabine simples para melhorar vendas de sua picape média Amarok Volkswagen apresentou esta semana a nova Amarok Cabine Simples juntamente com a série especial do hatch mais vendido do Brasil, a Black Gol, ao preço de R$ 34.320. A picape ainda não tem seu preço porque só estará à venda no começo de 2012. A linha Amarok passa a contar agora com sete diferentes versões e aguarda, possivelmente para o ano que vem, a chegada da transmissão automática, deixando ainda mais completa a gama oferecida da picape média Volkswagen, vencedora do Prêmio Abiauto da categoria (ver na página ao lado). A Amarok Cabine Simples conta com motor turbo diesel de 1.968 cm³ e 16 válvulas, tem alimentação tipo common rail e gera até 122 cv de potência e 34,7 kgfm de torque. Com opções de tração traseira (4x2) ou 4x4 (selecionável), ela chega com câmbio manual de seis marchas. Sua capacidade de tracionar reboques é de até 2.460 kg e sua caçamba tem área de 3,57 m² e a configuração é 2.205 mm x 1.620 mm. Há seis ganchos para fixar a carga com segurança. A versão 4x2 pode levar 1.232 kg de carga total e a 4x4, 1.142 kg.

Black Gol - A nova versão do hatchback Gol passa a ser oferecida em uma série especial com visual diferenciado, motor 1.0, produção limitada a 800 unidades por mês, até junho de 2012, pintura em Preto Ninja, faróis de neblina, rodas de liga leve de 14", spoiler traseiro na cor da carroceria e logotipos nas laterais, na traseira, nas soleiras das portas e nos encostos dos bancos dianteiros, além de outros equipamentos exclusivos.

Fotos: Divulgação

Além da Amarok Cabine Simples, Volkswagen lançou série especial Black Gol

LIVROS SOBRE QUATRO RODAS

FUSCA, OPALA, SIMCA E OUTROS PERSONAGENS

N

Fotos: Reprodução

ão importa a idade do brasileiro, do europeu, do mexicano ou até do norteamericano, quando se fala em Besouro ou Fusca (aqui), Beetle (EUA), Käfer (Alemanha), Vocho (México) todos se recordam do simpático carrinho que vendeu mais de 20 milhões de unidades em todo o mundo e que, no Brasil, teve duas edições, graças a um pedido especial do então presidente da República, Itamar Franco, que fez a Volkswagen reiniciar a produção do carro, anos após o mesmo ter saído de linha. A história deste sucesso está nas 108 páginas do livro Fusca, de autoria de Paulo Cesar Sandler, da Editora Alaúde. Este e outros livros que contam as histórias de vários outros modelos que passaram pela vida do setor automobilístico nacional fazem parte da coleção que a editora lançou no mercado ao preço unitário de R$ 19,90. Além de serem encontrados em livrarias, bancas de jornais, supermercados, redes de conveniência door to door, também é possível comprar o livro pelo site www.alaude.com.br Os livros, em tamanhos diferenciados (17,5 cm x 17,5 cm), contam, entre outras, as histórias, desde a sua origem, até a passagem pelo mercado brasileiro, dos modelos Ford Maverick e Galaxie; Dodge; Aero-Willys e Karman-Ghia, escritos por Um dos primeiros anúncios diferentes autores. da Kombi no Brasil


DIÁRIO DO COMÉRCIO

22

t

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

urismo

SUPERPOTÊNCIA VERDE Um estudo recente da Siemens coloca São Francisco no topo do ranking das 27 cidades mais verdes dos Estados Unidos e Canadá, levando em conta suas iniciativas ligadas à conscientização ecológica. O DC Boa Viagem foi lá conferir. Do uso de sacolas de papel – unanimidade nas lojas –, aos carros híbridos, o estímulo à

coleta seletiva de lixo nas ruas e até no quarto do hotel, construções certificadas com o selo LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) e produtos orgânicos nos menus, tudo faz de São Francisco um modelo de cidade ambientalmente correta. A seguir, dicas e atrações para visitá-la com a preservação em mente. Antonella Salem

Fotos: divulgação

Golden Gate Bridge a pé ou de bicicleta

Aquário

C

om a missão de inspirar a preservação da Baía de São Francisco, o Aquarium of the Bay exibe exemplares da vida marinha local que dependem da saúde de seu hábitat: tubarões, polvos, arraia-morcego e muitos mais. O contato e a interação com os animais ocorrem de diversas formas, como o túnel transparente pelo qual o visitante caminha. O Aquarium também está engajado em diversas pesquisas para a preservação de espécies ameaçadas de extinção. Em parceria com a California Academy of Sciences e o San Francisco Zoo formou, ainda, uma aliança para divulgar aos consumidores e restaurantes a importância de adquirir frutos do mar de recursos sustentáveis. A lista completa de restaurantes envolvidos está no www.aquariumofthebay.org/ conservation/san-franciscoseafood-watch-alliance.

N

ão basta admirar de longe o maior cartão-postal de São Francisco. Percorrer a Golden Gate Bridge a pé ou de bicicleta será melhor ainda. Concluída em 1937, a ponte tem seu lado oeste reservado a ciclistas nos fins de semana ou durante a semana depois das 15h30. Pedestres vão pelo lado leste. Leve a máquina fotográfica em punho pois a vista é de tirar o fôlego para Angle Island, Fort Baker, Belvedere e Marin Headlands. Para alugar uma bike por um dia, a sugestão é o Bay City Bike Rentals (www.baycitybike.com).

Ferry Building

I

mperdível a visita ao San Francisco Ferry Building (www.ferrybuildingmarket place.com), prédio histórico onde estão reunidas lojas de cerca de 80 produtores sustentáveis. Há de tudo – de cerejas gigantes, a cogumelos, carnes, queijos... Tudo orgânico! Além de comprar, o Ferry Building abriga restaurantes que seguem a filosofia. Uma dica: The Slanted Door (www.charlesphan.com/), vietnamita maravilhoso. E se quiser ver um autêntico mercado de rua, todas as terças, quintas e sábados (das 10h às 14h; sábado a partir das 8h), há barracas de fornecedores certificados pelo Centro para a Educação Urbana sobre Agricultura Sustentável (CUESA) montadas diante da construção.

Antonella Salem

Carro elétrico

S

e a ideia é alugar um carro na cidade e ir passar o dia fora (no Vale do Napa, por exemplo), então que seja um veículo elétrico! A Enterprise Rent-A-Car (www.enterprise.com), empresa que se dedica a promover a cultura da redução do uso de diesel e gasolina ao incorporar veículos elétricos à sua frota, combustíveis alternativos e medidas para economizar combustível, tem o Nissan LEAF ou o Chevy Volt (ambos da classe intermediária) à disposição para locação. A loja do Centro Cívico (550 Turk St.) abriga uma estação para o cliente recarregar o carro. Antonella Salem

Maior parque do mundo

O bondinho

U

ma das maneiras de ajudar a não poluir o meio ambiente em São Francisco é andar no bondinho (www.sfcablecar.com) cuja origem remete a 1873. Nomeado Marco Histórico Nacional em 1964, o bondinho soma 40 carros – cada um com capacidade para levar até 60 pessoas – que percorrem três rotas. As mais famosas e concorridas (as filas chegam a ser gigantescas!) são a Powell/Mason, que começa na Powell/Market e vai até o Fisherman’s Wharf, e a Powell/Hyde, com partida também da Powell/Market e chegada na Ghiradelli Square. Para evitar as filas, tente a linha da California Street, bem menos turística, que vai do Financial District até a Van Ness Avenue e passa por Chinatown. Ingressos são comprados no embarque. O bondinho transporta anualmente mais de 7,5 milhões de passageiros.

S

Divulgação

ão Francisco tem 17% de sua área dedicada ao verde e um dos maiores parques urbanos do mundo é o Golden Gate Park (www.sfgov.org/site/ recpark_page.asp), que engloba 411 hectares para satisfazer corpo e mente. Além das facilidades para a prática de mais de 20 tipos de esporte, o parque é o endereço da nova California Academy of Sciences, um exemplo da “arquitetura verde”; do de Young Museum; o Conservatory of Flowers (a mais antiga estufa em vidro e madeira existente nos EUA); dos Botanical Gardens (com 7 mil espécies de plantas); o Japanese Tea Garden (foto); Shakespeare Garden, Rose Garden e um playground para crianças com um carrossel datado de 1912. Viagem a convite da US Travel Association e apoio da American Airlines


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

23

d Fotos: Disney/Divulgação

cultura

Os irmãos Gary e Walter; o magnata do petróleo Tex Richman e Miss Piggy. Abaixo, a turma reunida.

A volta dos Muppets, num musical. Lúcia Helena de Camargo

E

les são bonecos de pano, cantam e dançam. Os Muppets, filme que estreia no Brasil nesta sexta (2), traz de volta às telas, 11 anos depois do último filme, a turma liderada pelo sapo anteriormente conhecido por aqui como Caco, agora chamado por seu nome americano, Kermit. O protagonista desta história, no entanto, é o pacato Walter, que não tem consciência de ser um muppet. Irmão de Gary (Jason Segel), vai com ele e sua namorada Mary (Amy Adams), passar as férias em Los Angeles e ali descobrem que o antigo teatro no qual os Muppets se apresentavam corre o risco de desaparecer para dar lugar a um campo de exploração de petróleo. No comando da empresa petrolífera está Tex Richman (Chris Cooper), que usa no papel todas as suas caras de vilão. A única maneira de salvar o território Muppet de ser destruído é organizar o show que poderá arrecadar os US$ 10 milhões necessários para comprá-lo antes de Tex. Então Walter sai pelos Estados Unidos procurando os antigos membros da trupe. Kermit é encontrado quase por acaso. O urso Fozzie agora está com a banda Moopets, que se apresenta

no cassino Reno; Animal está internado em uma clínica em Santa Barbara, para tratamento de controle da raiva; Gonzo comanda uma empresa de encanamentos. Os velhinhos Statler e Waldorf continuam rabugentos. E Miss Piggy, antiga paixão de Kermit, é uma importante editora de moda em Paris. Usando os argumentos certos, com números musicais pelo caminho, eles vão amealhando elementos para realizar o grande Muppet Teleton. O diretor James Bobin declarou que teve liberdade para fazer o filme. Assim, os muppets aparecem com suas características mais bizarras e engraçadas, como o temperamento explosivo do Animal – que rendeu uma divertida ponta de Jack Black, como ele mesmo. E a eterna vaidade de Miss Piggy. Esta, aliás, explorada também no livro Por Que os Homens Preferem as Divas , com o subtítulo Miss Piggy fala sobre o Amor e as 10.000 Coisas Idiotas que os Homens/Sapos Fazem, agora lançado pela Leya. Entre as "lições" estão: "Ele faz más escolhas? Elimine as opções dele. De agora em diante, você escolhe". E "sempre perdoe e esqueça – exceto nos casos em que a total aniquilação do seu adversário seja a única opção lógica."

CLINT

20 anos de desencontros Clint Eastwood em Gran Torino, de 2008, filme no qual ele vive um veterano da Guerra da Coreia.

F

elicidade amorosa é algo que não existe. Talvez sejam possíveis bons momentos, que podem durar anos. Mas a continuidade traz tédio e o prazer jamais alcançado é aquilo que chamamos de vida feliz. Essa pode ser uma das conclusões a serem tiradas do filme Um Dia, estreia desta sexta (2). Acompanhamos a vida de Emma (Anne Hathaway) e Dexter (Jim Sturgess) por 20 anos, da adolescência à meia idade. Colegas de escola, vão levando uma relação que não se transforma em namoro, mas vai além de simples amizade. Altos e baixos, confidências e viagens, ambos dependem emocionalmente um do outro. Há desavenças, encontros, frustrações e uma grande ruptura quando Dexter parece ter se transformado em um egocêntrico ou alcoólatra. Ou ambos. O longa, dirigido pela dinamarquesa Lone Scherfig, se propõe a marcar as fases ao longo das duas décadas, sempre parando para mostrar o casal no dia 15 de julho, Dia de São Swithin, que ganha um significado especial para a dupla. Não os vemos nos intervalos. Eles aparecem diferentes a cada novo ano. Nesse quesito fica claro que a caracterização funcionou melhor com Jim Sturgess, que chega com mais ou menos barba, cabelos escuros em cortes jovens ou, no final, grisalhos. E acréscimo de pequenas rugas de expressão. Já as caras de Anne Hathaway variam apenas de com ou sem óculos, penteados diferentes, como se uma

mulher pudesse permanecer com o mesmíssimo rosto ao longo de 20 anos. Um Dia parece querer encontrar justificativas para os muitos desencontros que acontecem entre os protagonistas. Aparentemente, eles têm tudo para ficar juntos e felizes, mas algo sempre acaba atrapalhando. A doença da mãe de Dexter, a arrogância deste; a insegurança profissional de Emma, a falta de objetivos claros de ambos e o mundo em geral, que inevitavelmente os leva para longe um do outro. Ambos os atores são competentes. No entanto, novamente recai sobre Hathaway o ponto mais fraco. A atriz americana – que, diga-se, esbanja talento em O Diabo Veste Prada e O Casamento de Rachel – precisa usar em cena o sotaque do norte da Inglaterra, já que Emma é de Yorkshire. Isso pode ter causado algum desconforto na hora de dizer suas falas. Empenhada em acertar o sotaque, ela descuida da entonação. O best-seller de David Nicholls no qual foi baseado o roteiro de Um Dia já teve 1,3 milhão de exemplares vendidos, com publicação em 37 países. A narrativa prende, embora seja realista demais, até incômoda em certos momentos, já que é inevitável torcer pelo final feliz. (LHC) Um Dia (One Day, EUA, 2011, 108 minutos). Direção: Lone Scherfig. Com Anne Hathaway, Jim Sturgess, Patricia Clarkson, Tom Mison.

Divulgação

Universal Pictures/Divulgação

Fúria, romance e emoção. Com Eastwood.

C

omeça na próxima terça (6) o festival Clint Eastwood Clássico e Implacável, no Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo (CCBBSP). O filme escolhido para abrir a mostra é Perseguidor Implacável (Dirty Harry), ao meio dia e meia. Dirigido por Don Siegel em 1971, o filme conta a história de Dirty Harry, um policial um pouco heterodoxo.

Entre os filmes da mostra estão clássicos do faroeste como Por um Punhado de Dólares (Per un Pugno de Dollari), de Sergio Leone, 1964; Alcatraz – Fuga Impossível (Escape from Alcatraz) , de Don Siegel, 1979 e o romântico e melancólico As Pontes de Madison (The Bridges of Madison County, 1995), dirigido pelo próprio Clint, que atua ao lado de Meryl Stre-

ep. Entraram também na programação produções recentes como Menina de Ouro (Million Dollar Baby, 2004), com Hilary Swak; A Conquista da Honra (Flags Of Our Fathers) e Cartas de Iwo Jima (Letters of Iwo Jima), ambos de 2006 e Gran Torino (2008), filme no qual Clint vive um veterano da Guerra da Coreia em conflito com seus próprios preconceitos. (LHC)

Anne Hathaway é Emma, cuja amizade com Dexter (Jim Sturgess) perpassa duas décadas em Um Dia.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

24

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

d

cultura

A VIDA SECRETA DAS LETRAS Exposição Tipocriaturas apresenta criações de Oded Ezer Rita Alves Fotos: Divulgação

O

que as letras fazem quando estão contentes? Como elas se parecem quando estão envergonhadas? Questões como essas estão presentes nas paredes da Caixa Cultural. E é no mesmo lugar, rodeado de letras, que o visitante encontra possíveis respostas. Elas estão na mostra Tipocriaturas, do designer israelense Oded Ezer. A individual do artista, em cartaz também na Caixa Cultural de Brasília, tem curadoria de Ruth Klotzel e apresenta mais de 50 trabalhos dele. Segundo a curadora, o inanimado ganha vida nas mãos de Ezer. “Conhecer o trabalho de Oded Ezer é entrar no País das Maravilhas, como ele mesmo define. É mergulhar num universo criativo, onde o aparentemente inanimado ganha o direito de viver no mundo dos animais. É isso que ele faz com suas fontes tipográficas. Como um geneticista ou um zootecnista, Oded Ezer hibridiza, tridimensiona e transforma suas fontes tipográficas em criaturas.” Na série Tipoplastic (cirurgias tipoplasticas), por exemplo, as letras aparecem como extensões do corpo do artista. Nas imagens, o público pode vê-las saindo da pálpebra, do braço e da orelha dele. Já em Skyp e-Type, quem aparece ao lado dos caracteres é um grupo de pessoas de diversas partes do

mundo, integrantes do cartaz para o Festival de Cultura Judaica de Krakow. O trabalho foi influenciado pelas possibilidades visuais do Skype, videoconferências e redes sociais. Em outro cartaz, Ezer presta uma homenagem ao também designer, Milton Glaser, conhecido pela criação do logo I love NY. O artista ainda explora diversos materiais para dar vida ao universo tipográfico, como chiclete, plástico e silicone. “Ele se define como um designer tipográfico, mas sua obra extrapola os limites da tipografia e do design, e flui atravessando fronteiras do vasto universo da Comunicação Visual. E apesar de seu trabalho aparentemente apolítico, é extremamente existencialista e nada alienado das questões políticas e humanitárias da região onde vive”, diz a curadora. Caixa Cultural. Praça da Sé, 111, Centro. Terça a domingo, das 9h às 21h. Informações: 3321-4400. Grátis. Até dia 26 de fevereiro.

Criador e criatura: Oded Ezer exibe detalhe do projeto experimental Biotipográfico.

Acima, homenagem ao designer Milton Glaser, autor do famoso I Love NY. No alto, à dir., logo criado para café e livraria. E, ao lado, homenagem para a fonte Helvetica.

Fora da ordem

A

té o próximo dia 23, preciosidades criadas pelo artista plástico Arthur Luiz Piza estarão em cartaz na Galeria Raquel Arnaud. As obras fazem parte da exposição Desordem Criativa. A mostra reúne 63 peças, algumas trazidas do atelier do artista em Paris e outras selecionadas do acervo da própria galeria. "A trajetória de Arthur Luiz Piza na galeria é a mais antiga dentre os seus artistas (1973). Com o conhecimento de suas obras em coleções privadas e em museus, esta exposição somará sua produção mais recente com obras importantes desse longo percurso constituindo quase uma retrospectiva", diz Raquel Arnaud. Ela ainda afirma que Desordem Criativa tem um caráter intimista. "As obras selecionadas são únicas (não reproduzidas em edições), sendo a mais antiga, de 1964, representativa do começo de uma nova trajetória. Há na exposição um caráter intimista, que remete o público a uma visita à desordem criativa do atelier do artista." Quem incluir a galeria entre os programas do fim de semana vai encontrar no local relevos so-

PRÉ-ESTREIA brepostos por arames, telas tridimensionais e caixas contendo a 'arqueologia' do trabalho do artista plástico. O crítico Paulo Venâncio Filho, autor do texto de apresentação da mostra, comenta sobre as possíveis descobertas que o público encontra no local. "O que surpreende nos trabalhos atuais é a radical redução de escala que Piza realiza. Quando diminui a dimensão dos trabalhos, o artista encontra paradoxalmente outra expressão monumental. Estas pequenas concentrações, tanto momentos explosivos como, talvez, fragmentos de uma grande explosão; resquícios arqueológicos da obra, encontrados no ateliê e cuidadosamente recolhidos e individualizados em cada caixa. Temos aí uma espécie de arqueologia do próprio trabalho, em cada caixa um exemplar diferente, uma nova 'descoberta', um 'redescobrimento' de possibilidades." (RA) Galeria Raquel Arnaud. Rua Fidalga, 125. Segunda a sexta, das 10h às 19h. Sábado, das 12h às 16h. Grátis.

A final do Pré-Estreia, programa em forma de concurso de música clássica da TV Cultura, será gravada no próximo domingo (4), às 11h, na Sala São Paulo. No palco, estarão quatro candidatos (2 solistas e 2 conjuntos de câmara). Os primeiros colocados de cada categoria ganharão R$ 35 mil. Já a turma que ocupar o segundo lugar, recebe R$ 15 mil. O solista vencedor também viaja para Nova York e participa de atividades pedagógicas na Juilliard School. A final será veiculada na TV Cultura, no domingo seguinte (11/12), às 16h. O maestro João Maurício Galindo assina a direção artística e comanda o programa junto com a apresentadora Roberta Martinelli.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

25

Chico Lima/Divulgação

d

cultura

Herói romântico. E ingênuo. História de Cyrano de Bergerac resulta em prosa poética Sérgio Roveri

Cyrano de Bergerac: personagem criado pelo dramaturgo francês Edmond Rostand no século 19, tem paixão pela prima.

Q

uando terminou a temporada de cinco anos do musical Renato Russo, em que incorporava de maneira impressionante a figura do líder da banda Legião Urbana, o ator Bruce Gomlevsky encontrou-se diante de um impasse: o que fazer a partir de agora? A resposta veio na forma de um personagem criado pelo dramaturgo francês Edmond

Rostand no século 19, um poeta cujo romantismo, dedicação e honestidade só rivalizavam com o tamanho descomunal de seu nariz: Cyrano de Bergerac. O interesse de Gomlevsky pelo personagem foi despertado no início dos anos 90, após assistir ao filme homônimo em que o herói romântico era interpretado por Gérard Depardieu. "Todo ator tem um sonho. Conheço vários colegas

que desejam fazer Hamlet. Há vinte anos, desde que vi o filme pela primeira vez, que meu sonho era fazer Cyrano", diz o ator que, a partir desta sexta-feira, 2, dá vida ao personagem no espetáculo Cyrano de Bergerac, em cartaz no Centro Cultural do Banco do Brasil sob a direção de João Fonseca. Edmond Rostand descreveu Cyrano e seu amor impossível pela prima Roxane em forma de versos alexandrinos, aqueles compostos por doze sílabas poéticos. A manutenção deste formato, segundo o ator, poderia soar enfadonha aos ouvidos do público. O desprezo total pelas rimas também não parecia sensato. A solução foi uma nova tradução do

texto, a cargo de Marcos Daud, que resultou em uma prosa poética ao mesmo tempo refinada e acessível. "O espetáculo não é todo rimado, mas há momentos em que as rimas, principalmente por estarmos diante de um personagem que é poeta, se fazem necessárias", explica o ator. Estes momentos compreendem, basicamente, a cena de um duelo logo no início do espetáculo, a clássica sequência no balcão da casa de Roxane e os momentos finais, em que Cyrano lê as cartas que escreveu para a amada. A história de Cyrano se passa em Paris, em meados do século 17. Cyrano, um cadete honesto e incorruptível, é apaixonado pela

prima Roxane, de quem tem medo de se aproximar em razão de sua absoluta carência de beleza. Certo de sua incapacidade de conquistar a prima, Cyrano decide ajudar um outro jovem cadete, o belo Christian de Neuvillete (papel de Sérgio Guizé), a seduzir Roxane por meio de palavras e versos que ele, Cyrano, é o autor. A atriz Julia Carrera, mulher de Gomlevsky há 11 anos, vive Roxane no espetáculo. "Cyrano é fascinante por ser um herói romântico que não se vende e não se prostitui", diz o ator. "Ao contrário do que estamos acostumados a ver hoje, ele é alguém que se pauta por valores como ética e amizade. Por outro lado, não há como deixar de

reconhecer uma grande ingenuidade em seu comportamento". O elenco de Cyrano é formado por 15 atores. Boa parte deles se dedicou, durante três meses, a aulas de esgrima em que aprenderam a manejar floretes, sabres e espadas. No cenário, que reproduz ambientes tão distintos quanto um convento e um front de guerra, são empregadas apenas mesas e cadeiras. Cyrano de Bergerac. Centro Cultural do Banco do Brasil. Rua Álvares Penteado, 112, Centro. Tel.: 3113-3651. Sexta e sábado, 19h30. Domingo, 18h. R$ 6.

O NARIGÃO NA TELONA

N

Chico Lima/Divulgação

o cinema, o inconfundível narigão de Cyrano já adornou o rosto de pelo menos três grandes atores - Jose Ferrer (abaixo, à dir.) Gérard Depardieu (abaixo, à esq.) e Steve Martin, este último em versão mais estilizada e menos fiel ao original. Ferrer viveu Cyrano na produção americana de 1950, ainda em branco e preto. Consta que o ator, durante as filmagens, usou 52 próteses de nariz, cujos moldes levavam uma semana para ser confeccionados. Em 1990, o francês Gérard Depardieu ganhou o prêmio de melhor ator no Festival de Cannes e ainda recebeu uma indicação ao Oscar por sua intepretação de Cyrano no filme dirigido por Jean-Paul Rappeneau a partir da elogiada adaptação da peça feita por ele mesmo em colaboração com JeanClaude Carriere. Com mais de duas horas de duração, o filme não poderia ter sido mais fiel à peça de Rostand: além de empregar o mesmo tipo de versos usados no teatro, apresentou uma incomparável reconstituição de época. Com uma pegada mais cômica, a versão de Steve Martin, feita em 1987, levou o nome de Roxanne e foi dirigida por Fred Schepisi. No filme, Martin vive o chefe dos bombeiros de uma pequena cidade da costa oeste americana que se apaixona por Roxanne, uma astrônoma interpretada por Daryl Hannah. Alérgico a anestésicos, Martin é proibido de fazer uma cirurgia e tem de conviver com o narigão. (SR)

UM ROMÂNTICO INCORRIGÍVEL

Fotos: Arquivo DC

A

dvogado que nunca exerceu a profissão, nascido e criado em uma família rica e culta de Marselha, o poeta e dramaturgo francês Edmond Rostand (1868-1918) foi um romântico assumido. No final do século 19, quando o realismo e o naturalismo avançavam sobre a literatura e os palcos da Europa, ele ainda mantinha-se fiel a suas histórias assumidamente românticas e escritas em versos – gênero para o qual demonstrava inacreditáveis talento e capacidade produtiva. Seu momento de consagração máxima dentro desta corrente foi a comédia Cyrano de Bergerac, que estreou no dia 28 de dezembro de 1897 no teatro Porte Saint-Martin, em Paris. O sucesso da montagem foi tão estrondoso que o texto ganhou traduções a toque de caixa para o ingês, alemão, russo e várias outras línguas europeias. Este êxito contribuiu também para que Rostand se tornasse o mais jovem escritor a tomar posse na Academia Francesa de Letras, em 1904, época em que era um verdadeiro ídolo para os franceses. Em 1894, três anos antes da consagração de Cyrano, Rostand conheceu o sucesso com a peça Os Românticos, encenada pela Comédie Française. Sarah Bernhardt, tida como a maior atriz do mundo em sua época, interpretou três peças de Rostand - A Princesa Longínqua, A Samaritana e O Filhote de Águia. Ela atuou também na montagem inglesa de Cyrano, apresentada em Londres em 1901. Rostand foi casado com a poetisa francesa Rosemonde Gerárd, com quem teve dois filhos. No auge da fama, ele se refugiou em Cambo-Les-Bains, estação térmica francesa na fronteira com o País Basco, para se tratar de doenças pulmonares. Foi ali que, em 1918, morreu vítima da epidemia de gripe. (SR)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

26

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Tadeu Brunelli/Divulgação

Embaixadores da Puglia José Guilherme R. Ferreira

d

cultura

Feijoada francesa com jazz Aos sábados, cassoulet ao som de Miles Davis no Blú Bistrô. Prato é servido também no Casserole, Freddy e outros. Lúcia Helena de Camargo

S

ábado é dia de comer feijoada, no embalo do samba ou chorinho. Mas se quiser variar a combinação, pode ser também dia de feijoada francesa – cassoulet – ao som de jazz. Essa é a proposta do Blú Bistrô, que até o final do ano mantém o Blú Jazz Trio (cujo repertório é focado em Miles Davis) tocando na varanda todo sábado, das 12h30 às 15h30. O couvert artístico (opcional) sai por R$ 7. O cassoulet da casa (foto acima), preparado com feijão branco e carne de pato, chega à mesa com uma coxa de pato assada sobre o suculento guisado. Custa R$ 53 por pessoa, acompanhado de arroz branco. Se preferir aproveitar o jazz e provar outros pratos, o Blú Bistrô tem entradas como a salada Blú, feita de mix de folhas verdes, vinagrete de limão siciliano e bolinhas de queijo de cabra quentes (R$ 27), tapas como o crostini de queijo brie com pera (R$ 23) e croquete de pato (R$ 24), servido com geleia de pimentas e chutney de figo. Há ainda mexilhões frescos ao fricassê de tomate e ervas (R$ 30,90); steak tartar – filé mignon cru, picado na faca, com molho especial (R$ 38); hambúrguer de fraldinha grelhado servido com batata frita, cebola a dorê e molho mostarda (R$ 29), entre muitos outros pratos. A

sobremesa mais pedida é a sopa fria de morangos com sorvete de gengibre (R$ 16). Mas quem gosta de chocolate não pode perder o ótimo suflê de chocolate meio amargo com sorvete de doce de leite (R$ 18). Na região do Brooklin o lugar para comer cassoulet é Le Bistrot Marcel. No cardápio regular da casa, pode ser pedido qualquer dia no almoço e no jantar. Aos sábados, o restaurante abre apenas para o jantar, às 19h. Ali, a tradicional feijoada francesa leva feijão branco com linguiça toscana, lombo de porco e cordeiro. É servido acompanhado de arroz branco e purê de batatas (R$ 38). Para pedir em casa O cassoulet do Freddy, chamado de Cassoulet Maison (R$ 59) é uma feijoada branca, com carne de cordeiro e lombo. E quem quiser comer algo feito no tradicional restaurante, inaugurado em 1935, também pode pedir pelo sistema de entregas Disk Cook. Pelo site, o cassoulet custa R$ 63. Há ainda pratos como o chateaubriand périgourdin (R$ 79), que consiste em filé mignon alto com molho madeira champignons e patê de fígado; steak de cordeiro com batatas gratinadas (R$ 119), entre outros pratos e sobremesas.

Já a fórmula do cassoulet do La Casserole é um pouco mais incrementada. O prato custa R$ 48 e consiste em um cozido de feijão branco com peito de pato, bisteca e linguiça de porco, pernil de cordeiro, paio e bacon, polvilhado com farinha de mandioca e gratinado ao forno. No menu normal, pode ser pedido em qualquer dia da semana. No Le Tire-Bouchon o cassoulet é servido todo sábado, do meio-dia às às 17h. Leva feijão branco, pato, cordeiro e costelinha defumada. Custa R$ 65 por pessoa, incluindo o couvert e salada verde.

L

uigi Rubino, o jovem presidente do Consorzio Puglia Best Wines, quer ver os vinhos da sua região no Sul da Itália (no salto da bota) alcançar novos mercados, como os da China, Índia, Norte e Leste Europeu. No Brasil, os rótulos da cepa Primitivo já há alguns anos encontram boa acolhida. O consórcio reúne cinco importantes e tradicionais casas vinícolas da Puglia: Tenute Rubino, Cantine Due Palme, Conti Zecca, Candido e Consorzio Produttori Vini di Manduria, todas com o compromisso de exportar cada vez mais vinhos de qualidade e fazer de suas uvas autóctones Primitivo, Nero di Troia e Negroamaro (esta última "especialidade" dos vinhedos de Salento) embaixadoras de sua terra. Vinte e um produtores participaram no final de novembro do Apulia Wine Identity, evento com apresentação internacional de 200 rótulos. O chef-celebridade Mario Batali, com vários restaurantes em Nova York e todo mundo, é um dos grandes entusiastas da uva Primitivo, a mesmíssima Zinfandel americana apreciada em vinhos californianos. Do alto de seus indefectíveis crocs alaranjados, considera esse vinho, que na Itália é bastante rústico e frutado (e nos EUA é mais untuoso e amadeirado), um par perfeito para pastas com molho de tomate e montanhas de queijo Pecorino. A boa relação

qualidade e preço fez com que passasse a fazer parte das adegas de boas pizzarias da Cidade. Durante muito tempo, uvas e mosto feito na Puglia alimentaram outras regiões produtoras de vinhos da Europa. Agora, com o consórcio em plena atividade e a grande capacidade de produção dessas cinco vinícolas (mais de 11 milhões de garrafas por ano), é hora de vender os vinhos com alma e qualidades próprias.

José Guilherme R. Ferreira é membro da Academia Brasileira de Gastronomia (ABG) e autor do livro Vinhos no Mar Azul – Viagens Enogastronômicas (Terceiro Nome)

http://www.pugliabestwine.it/pt/

Blú Bistrô. Rua Monte Alegre, 591. Perdizes. Tel.: 3875-4947. Le Bistrot Marcel. Rua Hans Oersted, 119. Brooklin. Tel.: 5505-2438.

Sem medo de ser feliz

Freddy. Rua Pedroso Alvarenga, 1170, Itaim Bibi. Tel.: 3167-0977. Entregas: www.diskcook.com.br

Aquiles Rique Reis

A

sas/ Pra montar no vento e mergulhar/ Água na sua cabeça louca/ Que a parede é pra derrubar/ Pra soltar a voz/ Fazer a voz voar. Esses versos são de Asas, de Oswaldo Montenegro, música do seu CD de inéditas, De passagem (APE Music). Neles, uma revelação: sua voz privilegiada é tudo, dela depende o compositor e o instrumentista. Ela é a faca e é o queijo que dão poder incomum a um artista único. Oswaldo Montenegro é intenso. Personalidade forte, seu talento vem da segurança gravada a fogo na experiência. Sua voz, assim como sua imagem, permanece inalterada, dando a impressão de ser excessiva. Mas a maturidade para ele chegou com a convicção de que na música não há cantar exagerado, há sim o cantar a ser aberto e lançado ao ar. Bebendo água límpida, mas sem esquecer a água que, imundada, deságua no oceano, vai o trovador alado. Voando em contestações sutis ou em provocações irônicas, em meio a delírios e sentimentalismos, suas asas ascendem à multiplicidade do talento de um cara no qual o tempo preservou o jeito pop e juvenil de ser. Com significativas nuanças instrumentais, arranjadas com simplicidade, mas plenas de fortalezas, o repertório do álbum reflete a alma inquieta do compositor. A diversidade diz presente: há rap e há baião; há blues, há canção; há teclado e viola, há guitarra e percussão; há flauta, bateria, contrabaixo e violão. Cantadas por Oswaldo, qualquer música boa ganha ares épicos. Com seu poderio vocal, algumas canções têm um quê de gospel ou um ar de quem em nada confia e em ninguém crê.

La Casserole. Largo do Arouche, 346, Centro. Tel.: 3331.6283. Le Tire-Bouchon. Rua Barão de Tatuí, 285. Santa Cecília. Tel.: 3822-0515.

Fotos: Newton Santos/Hype

Assim é Oswaldo Montenegro. Não Importa Por Quê (O.M.) é um baião imoderado. Com uma levada trazida do mangue beat, Oswaldo se mune do seu violão e a ele junta a guitarra e o baixo de Alexandre Meu Rei (também responsável pela mixagem do CD) para arrepiar num baioque de ampla pegada. O rap Eu Quero Ser Feliz Agora (O.M.) começa lentamente, mas logo vem o arrebatamento. Um refrão poderoso ganha contornos ainda mais cáusticos com a guitarra nas mãos de Alexandre Meu Rei. A flauta de Madalena Salles abrilhanta. Todos na pulsação da bateria de Pedro Mamede. Oswaldo recita os versos com uma picardia de quem parece ter sempre assim se expressado. De Passagem (Léo Pinheiro, Tião Pinheiro e J. Bulhões), uma balada em que violão, flauta, baixo, teclado e piano são tão vigorosos quanto a voz de Oswaldo, mostra-se um dos melhores momentos do álbum. Ele sola a primeira parte e, na segunda, cantando segunda voz para ele mesmo com o apoio da guitarra e de um coral, faz da música um momento de intensa magia. A mixagem brilha ao nivelar a voz de Oswaldo ao bandolim de Sérgio Chiavazzoli. O som resultante é lírico e é explosivo. Pra Ser Feliz (O.M.) fecha o instigante CD e dá chance a nova reflexão. Deduz-se por seus versos o que move Oswaldo Montenegro: para ele, nada há a lamentar. Algo se foi? Deixe que vá. Perdeu? Larga pra lá. Nada a provar. Tudo a viver. Tudo a sempre e forte cantar. Aquiles Rique Reis, músico e vocalista do MPB4.

Divulgação

SARDINHAS Suflê de chocolate do Blú Bistrô. Cassoulet do Le Bistrot Marcel. No alto, Blú Jazz Trio.

Em jantar para 40 pessoas, o restaurante Così comemora o título de vinícola do ano da Tasca D'Almerita, em parceria com a Mistral. No menu, arancini, sardinhas, polvos e cordeiro. Com vinhos, custa R$ 180 por pessoa. Tel.: 3826-5088. Terça (6), 20h.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

d

27

cultura

Pontuados por Menos de R$ 50 Carlos Celso Orcesi

á consumidores que seguem à risca as notas de Robert Parker ou da Wine Spectator, do guia Gambero Rosso na Itália ou de Bettane & Desseauve na França, Tapias no Chile, Peñin na Espanha e assim por diante. Ou seja, apenas compram vinhos com mais de 88 pontos ou no limite decimal 90 pontos ou mais. O grande nó deste método de consumo é o fator-preço. Em geral os vinhos ranqueados acima de 90 pontos são caros, até porque na maioria dos casos o que é bom não custa barato. A Grand Cru quebrou essa lógica ao realizar promoção de pontuados a preços módicos (entre R$ 40 e R$ 52). O imperador comprou seis garrafas diferentes para degustação na noite de 6ª feira na Longa Vista. Antes do jantar e com aperitivos para mudança de paladar (torrada com mussarela, ceviche suave e pão), degustamos pequenos goles de 5 espanhóis e 1 francês. Cada um dos sete participantes (6 homens e 1 mulher... as demais não conseguiram parar a conversa) atribuiu nota de 0 a 100, daí que tiramos a média.

Tivemos três classificações: de Parker, da Confraria Opus e minha própria. Comecemos com RP: 1º - Embocadero com 92; 2º - Mil Campos, Pieza El Caidero, Real Aragon e Splendore com 91; 6º - Cotes Du Rhone Delas com 90 pontos. Depois a média da Confraria: 1º empatados Milcampos 2009 e Embocadero 2009 com 87,9. Em 3º o Real de Aragon 2009 com 87,6, em 4º o Pieza El Caidero com 87,4, em 5º o Côtes-du-Rhône 2009 com 86,3 e em 6º o Casa Jus Splendore com 83,4. Notas deste que vos escreve... com o preço de cada garrafa: 1º - Real de Aragon 89 (R$ 46), 2º - Embocadero 88 (R$ 43) e Pieza com 88 (R$ 48); 4º - Mil Campos 87 (R$ 51), 5º Splendore 86 (R$ 40) e 6º - Côtes-du-Rhone 85 pontos (R$ 52).

Parece-lhes um pouco confuso? Na média das três pontuações dois espanhóis se sobressaíram: Embocadero que figura em 1º lugar na pontuação de Parker e da Opus e em 3º na de Carlos Celso (apenas um pontinho atrás) e Mil Campos, ambos tempranillo de Ribera del Duero. E atenção, o Embocadero ganha também na relação custo-benefício; custa R$ 43 vindo a ser o 2º mais barato dos seis tintos degustados. Porém são todos excelentes vinhos com sutis diferenças. Se fosse no turfe a corrida seria decidida no fotochart. Por exemplo, hoje o Côtes-du-Rhône Delas (o 'menos vencedor' entre os ibéricos) está sutilmente adstringente mas dentro de 1 ano poderá estar perfeito. Outro exemplo: meu

O Brasil quinhentista na ótica de Anchieta

As crônicas de Ivan Angelo, pequenas joias de papel

Paulo Nathanael Pereira de Souza

I

S

nica. Na medida em que o Brasil se foi modernizando, em especial a partir dos anos 1950, passaram a existir temas mais amenos na sociedade nacional. Surgiu então a crônica plenamente literária, na pena encantada de Rubem Braga e outros cultores. A essa altura a crônica estava perfeitamente consolidada como gênero tipicamente brasileiro. Nos anos do regime militar, voltou a crônica a tratar amenamente de situações não amenas, como nas obras de Stanislaw Ponte Preta e do próprio Drummond. Nas últimas décadas desde a restauração da democracia, e nos últimos anos de relativa prosperidade econômica, voltaram a predominar os temas amenos – mas neste livro agora lançado Ivan Angelo também tem crônicas que falam agradavelmente de coisas desagradáveis, como as vicissitudes de nossa política tão corrompida e as peripécias da violência tão presente em nosso cotidiano. O mais importante, no entanto, é a nobreza, a perfeição com que Ivan Angelo trata a sua escrita, o gênero crônica e, acima de tudo, os seus leitores e leitores. Cada crônica sua, seja sobre o homem que anuncia que “precisa ir embora”, seja sobre a figura do carroceiro, é uma pequena joia de papel, lapidada com cuidados de artista minimalista. São obras de arte em miniatura, e é notável como Ivan Angelo consegue criar em cada crônica uma pincelada irretocável de cotidiano, em que ao mesmo tempo não falta nada e nem sobra nada. É uma perfeição ao mesmo tempo de joalheiro e de arquiteto. Mineiro de Barbacena, Ivan Angelo radicou-se em Belo Horizonte, onde se consagrou como jornalista e logo como ficcionista, com os livros Homem Sofrendo no Quarto, de 1959, e Duas Faces, de 1961, de contos. Desde 1965 mora em São Paulo e se consagrou como romancista com A Festa, em 1975, e A Casa de Vidro, em 1979. Ganhou mais de uma vez o Prêmio Jabuti e o da Associação Paulista de Críticos de Arte, e foi consagrado pelo Ministério da Cultura entre os autores das 125 obras mais importantes das letras brasileiras. Seus maiores prêmios, no entanto, são o deleite e a reflexão que provoca em seus leitores e leitoras, como nessas crônicas primorosas embrulhadas em papel para presente de Natal.

Fotos: Arquivo DC

Renato Pompeu

ão 48 crônicas publicadas na revista Veja São Paulo, a bem conhecida Vejin ha, mais uma até agora inédita e outra que saiu no jornal O Tempo, de Belo Horizonte, mas acima de tudo são 50 obras-primas, verdadeiras estatuetas de sons e significados, esculpidas com mão de quem é mestre e com coração de quem ama a humanidade e o humanismo. Afinal, são crônicas de Ivan Angelo, aos 75 anos um dos maiores escritores brasileiros de todos os tempos, editadas em Certos homens, livro lançado esta semana pela Arquipélago, dentro da Coleção Arte da Crônica. Tenha como tema o antigo hábito do footing (na praça principal da cidade, as moças ficavam circulando no centro da praça, num sentido, e os rapazes formavam um anel externo, circulando no sentido oposto, o que possibilitava troca de olhares, acenos e outros gestos e expressões), ou se ponha a discutir por que as roupas das mulheres não têm bolsos, Ivan Angelo resgata as melhores tradições da crônica, um gênero tipicamente brasileiro que teve entre seus cultores grandes nomes como Machado de Assis, romancista como Ivan Angelo, e Carlos Drummond de Andrade, mineiro como Angelo. Aqui devemos notar o que representa a crônica na literatura brasileira, muito longe de ser um gênero menor como nem chega a ser em outras literaturas. No século XIX, quando ainda se estava em meio à criação da nação brasileira, num país atrasado, dominado pela escravidão e outras misérias, se tinha como modelo a então jovem modernidade europeia, num continente em que, especialmente na França, a crônica tinha surgido na imprensa como crônica de amenidades, disponibilizadas pelo acelerado desenvolvimento capitalista de então. Eram textos sobre as festas, os casamentos, as fofocas de sociedade, as novidades das Galerias LaFayette, as primeiras lojas de departamentos da história. Ao ser transposto para o Brasil, o novo gênero, mais jornalístico do que literário, criou dificuldades para os escritores nacionais. Como falar amenidades sobre um país que não as tinha, em que imperavam as violências e as brutalidades da escravidão e das sequelas do colonialismo? A solução foi falar amenamente de coisas que não eram amenas, e assim Machado de Assis, por exemplo, falou amenamente do duro trabalho dos operários nas pedreiras do Arsenal de Marinha, João do Rio falou amenamente da violência nas ruas cariocas. Mas o principal, em termos de literatura, foi a criação de uma linguagem própria da crônica, uma estruturação interna que a foi logo diferenciando, de um lado, em relação ao tradicional artigo jornalístico; de outro, em relação ao conto. Com o tempo, mudou o Brasil e mudou a crô-

preferido Real de Aragon da pouco conhecida região de Calatayud é interessante Garnacha de vinhas velhas, com corpo médio e muito equilíbrio, bom nariz e final longo. E que tal evoluirmos todos? Comprem um exemplar de cada e façam vocês a prova dos nove, digo, dos seis. Bem melhores do certos estereótipos produzidos em série (os casileros da vida) pelos quais v. pagará o mesmo preço nos supermercados. Se for para ficar tão somente com dois, repetindo, comprem o belo rótulo do Milcampos ou a estrela do Embocadero, vinhos prontos para beber (ou guardar). E pode alardear alto e bom som: Robert Parker lhes deu 91 pontos. Depois da descoberta, Carlos Celso trouxe os dois vinhos a patamares mais próximos da realidade. Quem? Sim, Carlos Celso é melhor do que Parker... assim como você que me lê também. Dei-lhes 88 e 87 pontos porque sou rigoroso em dar notas. Afinal Bob Parker é bússola para todos nós, mas nada substitui o seu ou o meu próprio gosto. Eu não minto para mim mesmo, portanto não minto para meus leitores.

– Em 2004, quando se comemoraram os 450 anos da fundação da cidade de São Paulo, a Associação Comercial editou uma separata, contendo algumas das principais cartas endereçadas por José de Anchieta a seus superiores, seja do provínciado da Bahia, seja da sede geral de Roma. Nelas, o nosso Jesuíta mais famoso, registrava suas impressões geográficas, culturais, religiosas e antropológicas sobre a terra do Brasil, os costumes do povo, as traficâncias econômicas e o que mais fosse de interesse da Companhia de Jesus. Dessa iniciativa resultou um robusto caderno de 148 páginas (Minhas Cartas, por José de Anchieta), que se tornou uma preciosa fonte de informações sobre o ciclo catequético do século 16, para os pesquisadores atuais da história paulista e brasileira, além de atestar o talento e a erudição do nosso quase santo missionário que, na sua contumaz humildade, assinava-se sempre “o mais pequeno", “o mínimo”, “o último” ou ainda, “o filho indigno” da Ordem Inaciana. Inestimável esta contribuição da Associação Comercial às comemorações da fundação de São Paulo. II – São, ao todo, doze missivas, ao estilo de relatórios de cujo conteúdo daremos a seguir algumas amostras, que certamente deverão interessar os possíveis leitores deste artigo. A primeira delas, datada de julho de 1554 e dirigida a Santo Ignácio de Loyola (àquela altura ainda era possível santificar-se alguém em vida e plena saúde), explica o uso de curumins órfãos recolhidos pelos padres em Piratininga, os quais “são línguas e interpretes para nos ajudar na conversão dos gentios”. Ao mesmo tempo, alertaria sobre o perigo das mulheres indígenas, que “não se sabem negar a ninguém, antes elas mesmas acontecem e importunam aos homens, lançando-se com eles nas redes, porque têm por honra dormir com os cristãos". Pelo visto, deve ter sido um tormento para os missionários resistirem a tanto assédio, que, dia e noite, punha em risco sua abstinência canônica de sexo! Outrossim, explica ao fundador da Ordem, que o Governador Thomé de Souza costumava mandar piquetes de colonos ao interior da Capitania de Porto Seguro, em busca de ouro (Entradas), e que havia necessidade de agregar um dos padres à expedição. Nessa entrada do mês de março de 1554, quem acompanhou os entrantes foi o padre Navarro: “Eles vão buscar ouro e ele vai buscar tesouro de almas”. Como se sabe, a maioria dessas entradas não achava ouro, mas retornava ao litoral com magotes de tapuias para aldear e catolicizar! Por isso, era urgente providenciar a vinda de mais padres. De São Vicente, escreveu em 1555, Anchieta aos irmãos enfermos da Companhia, que se recolhiam aos cuidados do hospital de Coimbra, para exortá-los a viajar para o Brasil, a fim de aqui se curarem de seus males, pelos métodos e fármacos dos índios. “A terra é muito boa e não tinha xarope, nem purgas, nem os mimos da enfermaria. Muitas vezes e quase o mais continuado era o nosso comer folhas de mostarda cozidas e outros legumes da terra, e outros manjares que lá não podeis imaginar”. A falta de padres era tão grande e o seu recrutamento para o Brasil, tão difícil, que mais valia tentar buscá-los no hospital, com tentadores acenos para a farmacopéia naturalista da colônia! Para melhor convencer os enfermos de Lisboa, acrescentava que: “Sem dúvida, segundo o que cá tenho visto e experimentado em mim, conheço quão enganado vivia, enquanto usei dessas tão esquisitas mezinhas, as quais tenho

Reprodução

H

para mim que servem mais de acrescentar a doença, que de sarar”. É bom lembrar que enquanto viveu, em Espanha e Portugal, Anchieta arrastou sempre um precário estado de saúde, tendo conseguido fortalecer-se depois que veio para São Paulo e, aqui, se utilizou das curativas ervas indígenas. Ainda que o tratamento hospitalar europeu fosse bem conceituado, a verdade é que, para a saúde dos jesuítas instalados em São Vicente e Piratininga, o curandeirismo dos pajés se mostrava mais eficiente que a dos doutores de lá. A mais longa e minuciosa das cartas, a que contem indiscutíveis erudições sobre a ciência natural, foi endereçada por Anchieta, em maio de 1560, a seu superior em Roma, Padre Diogo Laínes. Nela procura explicar com clareza aspectos da cosmologia brasílica, curiosidades da climatologia da colônia, sua fauna, sua flora e os costumes selvagens da população indígena, então no inicio do processo civilizatório e catequético. Primeiro, em testemunho sobre as tarefas diárias dos padres nestes trópicos: “Fazemos vestidos, sapatos, principalmente alpargatas, de um fio como de cânhamo, que extraímos de uns cardos lançados nagua e curtidos, as quais alpargatas são necessárias pela aspereza das selvas. Barbear, curar feridas, sangrar, fazer casas e cousas de barro, de madeira que a ociosidade não tem lugar algum em casa”. Isso tudo, sem contar a fadiga “das cousas da doutrina que se trabalham com muito esforço e cuidado”. Um escândalo para os jesuítas era o costume bárbaro de sacrificar crianças nascidas aleijadas. Uma menina de Piratininga que veio ao mundo com o nariz fundido ao queixo e mais abaixo a boca, deformidade que lhe concedia aspecto repelente, e que pareceu perecer enterrada viva, por ordenação do próprio pai. A antropofagia também se disseminava, com os prisioneiros de batalhas travadas na floresta, que se sacrificavam na praça central das aldeias, onde a borduna do carrasco lhes arrebentava o crânio, após danças e uma sessão de insultos e humilhações. No que dizia respeito à flora e à fauna, acentuava Anchieta o papel dos peixes e das raízes na alimentação dos bugres. Também assinalou a preferência pela carne de macaco, “alimento muito são, até para os doentes – com frequência o experimentamos". E alinhou como carnes preferenciais, além dessa, a de anta, de tamanduá, de veado e de capiva-

ra. Como curiosidade, comenta o uso que o índio fazia de uma centopeia vermelha, extremamente venenosa que, colocada sobre o pênis, o excitava a ponto de permitir várias cópulas (ardente luxúria). Só que com alto risco de irreversíveis aleijões, eis que um uso mal dosado daquele bichinho, “mancha e infecciona as mulheres com quem têm relações”. Quanto ao pênis, “três dias depois apodrece”. Dedica o missivista, um grande trecho de sua carta à descrição das cobras venenosas, abundantíssimas nas matas úmidas e aquecidas das terras litorâneas: cascavéis, jararacas, corais, pintadas, chatas, bem como aquelas que, embora não matassem com suas picadas, poderiam engolir um bicho maior que elas (jibóias e anacondas): “Engolem um veado inteiro e ainda maiores animais, e não os podendo digerir, ficam por terra como mortas, sem se poderem mover”. Outro trecho de grande interesse é o que se refere ao peixe boi, pelo jeito, abundante, àquela época, nos rios do Sul do Brasil, tanto quanto nos do norte (até, pelo menos, nos do Rio de Janeiro e Espírito Santo). “Muito grande no tamanho, alimenta-se de ervas. No corpo é maior que o boi, cobre-se de pele dura, parecida na cor à do elefante. A boca é em tudo igual a do boi, é muito bom para se comer e mal se pode distinguir se é carne ou se antes, se deve considerar peixe”. O estilo científico dessas informações coloca Anchieta entre os mais famosos cronistas do período colonial brasileiro. E a ninguém, que queira bem conhecer essa fase de nossa história, seria lícito deixar de ler e avaliar essa dúzia de cartas, que nosso quase santo escreveu no século 16 e a Associação Comercial de São Paulo, num belo gesto, colocou à disposição dos estudiosos!

Paulo Nathanael Pereira de Souza é integrante da Academia Paulista de Letras

Envie e-mail com nome e endereço para contato@dcomercio.com.br e receba grátis, em casa, um exemplar de Minhas Cartas, de Anchieta.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

28

d

cultura

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Adriana Calcanhotto cai no samba André Domingues Fotos: Divulgação

liberdade boêmia. O Micróbio do Samba também tem como característica explorar diversos tipos de samba, chegando até ao samba-reggae, em Pode se Remoer. Inclui, também, duas boas marchas, justificáveis pelo parentesco de carnaval com o samba: Tão Chic, que segue o ritmo cadenciado da marcha-rancho, e Deixa Gueixa, uma marchinha alentada. No meio dessa aquarela, a faixa mais interessante é Já Reparô?. Trata-se de um samba meio falado, quase salmodiado como uma reza, concebido sobre uma harmonia simples e circular e conduzido por um groove sombrio de contrabaixo. Uma opção inteligente de O Micróbio do Samba foi a de usar uma formação muito econômica, limpa e orgânica nos acompanhamentos, apenas com contrabaixo acústico, bateria, cavaquinho e a cantora ao violão (alguma vez entra uma guitarra, mas seguindo a mesma linha). Com isso, ganham destaque os contornos de cada canção e o ótimo trabalho dos instrumentistas Davi Moraes, Alberto Continentino e Domenico Lancellotti. Tal recurso serve, também, para vacinar a artista do lugar comum das rodas de samba. É um hábito saudável. Afinal, em tempos de febre, é preciso se prevenir para que o conservadorismo natural de qualquer revival não se torne um caso crônico.

Adriano Vizoni/Folhapress

E

m meio à epidemia de samba tradicional que vem contagiando a MPB desde a década passada, Adriana Calcanhotto resolveu seguir os passos de Marisa Monte, Maria Rita e outras vozes prestigiosas e dedicou um disco todo ao gênero-símbolo do Brasil. Seu título vem a calhar: O Micróbio do Samba. O lançamento em São Paulo, depois de uma longa turnê que incluiu Florença, Zurique, Hamburgo, Lisboa, Buenos Aires, Cartagena, Belo Horizonte, Porto Alegre e Brasília, entre outras cidades de todo canto, será neste final de semana, no teatro Sesc Vila Mariana. Em O Micróbio do Samba, Calcanhotto criou um interessante jogo de aproximações e distanciamentos da principal tendência nesse já longo revival de samba tradicional: o apego aos padrões antigos. Por um lado, ela mantém muito da simplicidade harmônica e melódica do passado; por outro, aposta em renovação com letras de um franco romantismo pop. A combinação fica curiosa, como em Beijo Sem, que fala sobre uma garota que se vinga do seu ex-companheiro distribuindo beijos na balada – enredo bem contemporâneo –, mas que se define com expressões boêmias do tempo da vovó, tipo "sou da lira" e "a orgia é meu bem". É, inclusive, sintomática nessa trilha híbrida a escolha de dois números não autorais para o show: Argumento, de Paulinho da Viola, com sua defesa de uma modernização mais gradual do samba, e Esses Moços, de Lupicínio Rodrigues, com seu ácido elogio da

A Gisele Bündchen da canção

T

Adriana Calcanhotto. Teatro Sesc Vila Mariana. Rua Pelotas, 141. Tel.: 5080.3000. Sexta (2) e sábado (3), 21h. R$ 42. Ingressos esgotados.

JAZZ

Bandas no calor de Campos do Jordão

N

Sexta (9). 19h, Izzy Gordon e Bocato. Donny Nichilo e Igor Prado Band. Sara π, Erico Moreira e Xuxa Levy. Sábado (10). 13h, Big Band da Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo. E às 19h, Taylor McFerrin. Blues Etílicos. Big Time Orchestra. Domingo (11), meio-dia. Orleans Street Jazz Band. Claudio Goldman. Kenny Brown.

Donny Nichilo (ao teclado) e banda: representantes estrangeiros no Campos Jazz Fest.

Luiz Melodia. Teatro Paulo Autran. Sesc Pinheiros. Rua Paes Leme, 195. Tel.: 3095.9400. Sexta (2) e sábado (3), 21h. Domingo (4), 18h. R$ 32.

Divulgação

em malhas de lã, nem chocolates quentes, nem lareiras fumegantes. De olho num turismo menos sazonal, Campos de Jordão resolveu investir na sua vocação musical, realizando mais um festival de música, o Campos Jazz Fest. O evento será na semana que vem, da sexta (9) ao domingo (11), sempre com apresentações gratuitas na Concha Acústica da simpática Praça São Benedito, em Capivari. Os convidados são em maior parte brasileiros, como a banda Blues Etílicos, a cantora Izzy Gordon, o trombonista Bocato e a Big Band da Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo. Já do lado estrangeiro, estão a espanhola Sara π (o nome artístico é Pi, mesmo, ou seja: 3,14159265...) e os norteamericanos Taylor McFerrin, Donny Nichilo e Kenny Brown. Curiosamente, o que há de mais jazzístico e importante no programa é brasileiro: a Big Band da Orquestra Jazz Sinfônica e o trombonista Bocato. Os demais artistas nacionais trazem um pouco de tudo: Blues Etílicos e Igor Prado ficam na vizinhança do blues; Izzy Gordon circula entre a bossa, o jazz e a black music; Xuxa Levy combina MPB e sonoridades pop; Big Time Orchestra recria com humor sucessos de astros do rock; Cláudio Goldman apresenta versões de canções eruditas. Entre os estrangeiros a diversidade também é enorme. Donny Nichilo, de Chicago, e Kenny Brown, de New Orleans, aproveitam os respectivos berços musicais para transitar entre o jazz e o blues. Já Sara π fica no soul, com passagens ocasionais pela MPB em função do trabalho feito com o violonista e guitarrista brasileiro Erico Moreira. E o cantor e tecladista Taylor McFerrin, filho do genial Bob McFerrin, é um especialista no beat box, aquele efeito de bateria produzido com a boca. Sua performance não é de um gosto muito popular, mas deve ser a mais concorrida na ala internacional, graças às expectativas de que tenha talento semelhante ao do pai. O Campos Jazz Fest também terá apresentações itinerantes com a Orleans Street Jazz Band, dedicada ao saboroso estilo Dixieland, e shows de rua com o show-man Vasco Fae. Fica claro o objetivo de ocupar maior espaço possível. É difícil, contudo, dizer se essa programação toda vai atrair público para o alto da Serra da Mantiqueira, sobretudo por já estarmos às vésperas do verão. Quem estiver lá, entretanto, vai ter, no mínimo, um final de semana mais divertido. (AD)

al qual uma Gisele Bündchen, em que toda roupa fica bem, a voz de Luiz Melodia se afina a qualquer canção. É o que tem comprovado o repertório dolente de seu show Música Romance, em cartaz no Sesc Pinheiros, para o qual saltou logo após o ótimo disco de sambas Estação Melodia. Nele, Melodia vem explorando a fundo seu lado passional em canções concentradas nos anos de 1960 e 70, a exemplo de Quase Fui te Procurar (de Getúlio Côrtes), Suave é a Noite (versão de Moacyr Franco para Tender is the Night) e Lero e Leros e Boleros (de Sérgio Sampaio). Junto a elas, e em perfeita sintonia, estão alguns sucessos autorais, com o Estácio Holly Estácio, Pérola Negra eFadas. A despeito da modernidade de boa parte desse repertório, o show revela interessantes traços seresteiros em Luiz Melodia, tanto nas interpretações sentimentais, cheias de vibratos nos finais de frase, quanto na própria instrumentação escolhida para a banda de apoio, com apenas dois violões e um cavaquinho. O show, dessa forma, serve como um ótimo convite para se reavaliar romanticamente a obra do compositor. Um pouco de açúcar, afinal, não há de fazer mal a alguém que já carregou a amarga pecha de 'maldito'.

Mário Adnet, fôlego na tradução de Vinícius.

O

violonista Mário Adnet (foto) está se tornando um grande especialista na renovação da bossa-nova. Entre diversos trabalhos nesse sentido, esteve envolvido num vasto projeto de recuperação da memória do maestro Moacyr Santos, depois se debruçou sobre as obras de Baden Powell e Tom Jobim. Agora, foi a vez de retomar a produção de Vinícius de Moraes, em Vinícius & os Maestros, que será lançado na próxima terça-feira (6), no Auditório Ibirapuera. Ao contrário dos trabalhos anteriores de Adnet, esse é todo cantado e por cinco vozes de primeira grandeza: Dori Caymmi, Joyce (atualmente usando o sobrenome Moreno), Mônica Salmaso, Tatiana Parra e Sérgio Santos. Vale avisar, no entanto, que a mudança foi só de instrumental para vocal, pois as qualidades da música e da pesquisa continuam as mesmas. Adnet, dessa vez, não

abordou a parceria Tom e Vinícius por dois motivos: por achar que sua amplitude era muito vasta para um trabalho dividido com outros autores e por ter acabado de fazer dois discos sobre Tom. A atenção recaiu, então, em colaborações de Vinícius com Baden Powell, Moacyr Santos, Pixinguinha e o maestro Cláudio Santoro. As de Baden são, em geral, as mais conhecidas, como Consolação e Samba em Prelúdio. Acabam fazendo o papel de um ponto mais rápido de identificação do ouvinte com o disco. Os choros de Pixinguinha também são conhecidos – Lamento e Mundo Melhor –, mas mostram uma das menos bem-sucedidas fases do poeta. A maior novidade fica por conta das colaborações com Moacyr e Santoro. Do primeiro, merecem destaque a toada A Santinha Lá da Serra e o jongo-bossa Triste de Quem. Do segundo, cuja complexidade

perceptivelmente exigiu muita habilidade do letrista, chama atenção a valsinha Em Algum Lugar, com seus saltos melódicos grandes e inesperados. O álbum traz, ainda, duas obras de letra e música de Vinícius: Valsa de Eurídice e Medo de Amar. Nelas, fica patente a musicalidade do poeta, independentemente dos seus

consagrados parceiros. O lançamento de Vinícius & os Maestros parece marcar uma nova fase na carreira de Mário Adnet. Acontece que, mesmo com constante referência ao maestro Moacyr Santos, sua influência tão sensível nos arranjos dos trabalhos anteriores já começa a se diluir. A própria opção por gravar todas as faixas do atual com

uma expressiva seção de cordas, liderada por Cláudio Cruz, indica o desejo de combinar novas linguagens. Pode parecer fácil uma mudança como essa, mas não é. Uma vez tocado diretamente pela influência de um artista do porte de Moacyr, fica muito difícil não ser absorvido por seu legado. Assim, o novo disco de Mário Adnet, assim, não é só a confirmação dos seus talentos técnicos de arranjador e pesquisador, mas também uma bela mostra de fôlego artístico. (AD) Mário Adnet. Participações especiais de Dori Caymmi, Joyce Moreno, Mônica Salmaso, Tatiana Parra e Sérgio Santos. Auditório Ibirapuera. Av Pedro Álvares Cabral, s/nº. Parque do Ibirapuera. Portão 2. Tel.: 3629-1075. Terça (6), 21h. R$ 20.


DC 02/12/2011  

Diário do Comércio

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you