Issuu on Google+

O BRASIL NO ACOSTAMENTO Direito de ir e vir 'suspenso' em 9 Estados Caminhoneiros interditaram ontem várias estradas do País. Além de São Paulo, rodovias ficaram travadas em MG, RJ, ES, SC, PR, RS, MT e BA. Os manifestantes reivindicam desde redução no preço dos pedágios e do combustível a maior segurança. O resultado foram congestionamentosmonstro (mesmo quando os acostamentos eram liberados) e inúmeros prejuízos econômicos, como os causados pelo fechamento da entrada do porto de Santos. A Castelo Branco ficou paralisada durante mais de 15 horas e teve de ser liberada à força pela PM. No Rio, a Justiça proibiu manifestações que impeçam a liberdade de locomoção. Novos protestos estão previstos para hoje. Pág. 9

Prazo das novas calçadas termina hoje Os 60 dias dados pela Prefeitura não são suficientes para uma reforma, avalia ACSP. Pág. 10 Ano 87 - Nº 23.905

Conclusão: 23h40

Jornal do empreendedor

R$ 1,40

www.dcomercio.com.br

São Paulo, terça-feira, 2 julho de 2013

Plebiscito de Dilma hoje no Congresso Em meio a mais uma reunião com seu ministério para discutir a crise, a presidente garantiu que envia nesta 3ª-feira a proposta sobre consulta popular – com questões sobre financiamento de campanha e padrão de voto. Sem comentar a queda de popularidade, disse que seu governo é "padrão Felipão" e que "gostaria" de ter reforma política em vigor em 2014. Págs. 5 e 7

Vendas andam de lado no 1º semestre

Alckmin e Haddad ladeira abaixo

Levantamento da ACSP mostra aumento de apenas 0.2% no faturamento do comércio. Pág. 13

Avaliação positiva do governador cai 14 pontos. A do prefeito, 16, segundo pesquisa do Datafolha. Pág. 6

ISSN 1679-2688

23905

Página 4

9 771679 268008


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

o

terça-feira, 2 de julho de 2013

A reação à corrupção e ao desperdício do dinheiro público encontrou um canal de expressão. Roberto Fendt

pinião

Nelson Jr/SCO/STF

ARISTÓTELES DRUMMOND

TERRORISMO

ECONÔMICO NO EDEN

R

A agenda de Joaquim

A

persistência com que a voz das ruas insiste em se fazer ouvir indica que as reações do sistema político ainda não foram à raiz dos problemas. É com esse pano de fundo que se mostram oportunas as considerações do ministro do STF, Joaquim Barbosa, em recente entrevista ao jornal O Globo, do Rio de Janeiro. O ministro cobriu praticamente todos os temas que definem o momento político por que passamos. Por revelar-se um todo abrangente e coerente, a entrevista é elucidativa de sua forma de pensar e clara sobre as alternativas que propõe. Ele trata, entre outros temas, da influência dos partidos na escolha dos candidatos a representantes da sociedade; de uma reforma política por meio de plebiscito; da importância do voto distrital; do esgotamento da representação política no atual sistema, e do efeito das manifestações sobre o julgamento do Mensalão. Pela amplitude dos temas cobertos, denominei-a "agenda de Joaquim". Começo pela influência dos partidos nas listas de candidatos submetidos à escolha popular. Barbosa não prega a dissolução dos partidos ou a possibilidade de uma democracia direta, nos mitológicos moldes da democracia dos cantões suíços – aplicável somente a comunidades homogêneas e pequenas. Ele sabe das dificuldades de debater e encontrar consenso mesmo em reuniões de condomínio. Seu interesse é o aumento da participação popular nesse processo. Reconhece que há uma demanda da população por um processo de decisões de escolha de candidatos que

ROBERTO FENDT seja isento do que chamou de "conchavos". Trata-se de mitigar, e não de suprimir, o peso dos partidos políticos sobre a vida política do País para reduzir o déficit de participação popular em nossa democracia.

C

oerente com esse ponto de vista, Barbosa aceitaria candidaturas avulsas, como praticado nos EUA e em outros países. "Já que a nossa democracia peca pela falta de identificação entre eleito e eleitor, por que não permitir que o povo escolha diretamente em quem votar? Por que uma intermediação por partidos políticos desgastados, totalmente sem credibilidade?", indaga ele. O segundo tema é referente à convocação de um plebiscito para definir a reforma política. O ministro é partidário da necessidade de incluir o povo nas discussões sobre reformas, já que a sociedade se mostra "cansada de reformas

de cúpula". Defende também a instituição do voto distrital, quer puro, em um turno, quer sob a forma de voto distrital qualificado, em dois turnos. Com isso seria possível superar "marcas profundas de esgotamento" do sistema de representação política atual. A essa mudança, ele adicionaria o sistema de "recall" em meio de mandato de candidatos eleitos que não mais correspondessem às expectativas dos eleitores. O sistema de confirmação de mandato, adotado nos EUA, entre outros países, serviria para evitar os "desvios" de conduta dos eleitos com relação a suas promessas aos eleitores.

E

pergunta o ministro: como podemos ter uma proporção tão elevada de suplentes no Senado, representantes que jamais foram eleitos e que completam mandatos de senadores eleitos? A exemplo de outros paí-

A tecnologia permitiu a rápida convocação dos manifestantes, mas o chamado foi atendido porque havia um motivo real: a insensibilidade dos governos às demandas da população.

ses, Barbosa entende que se poderia convocar a eleição de um novo representante para o restante do mandato do senador que, por qualquer razão, não tenha completado o seu mandato. O tema seguinte da entrevista foi o impacto das manifestações sobre o julgamento dos recursos do Mensalão. "Se os movimentos persistirem, vão interferir no sentido de buscar-se uma resposta rápida", apontou. Se já não eram cabíveis recursos que provocassem novo julgamento, soma-se agora a esse argumento jurídico o clamor das ruas por uma solução expedita e completa do processo.

A

entrevista do ministro Joaquim Barbosa ocorre em um momento em que há visível fadiga em várias partes do mundo com seus governantes. Manifestações são deflagradas por uma variedade de razões antes que os motivos mais profundos emerjam – sejam os deflagradores por um aumento de tarifas de ônibus, um projeto de edificação na Turquia, o aumento do preço dos combustíveis na Bulgária ou qualquer outro. A tecnologia permitiu a rápida convocação dos manifestantes às ruas, mas as pessoas só acudiram às chamadas porque havia um real motivo: a insensibilidade de governos incapazes de responder às demandas da população. A reação à corrupção e ao desperdício do dinheiro público encontrou um canal de expressão. A entrevista do ministro Joaquim Barbosa serve para mostrar que existem alternativas ao que está aí.

N

ão temos problemas com vizinhos: as relações comerciais estão normais e as desavenças, como as envolvendo a Petrobras, estatal, e ALL, privada, ficam no âmbito das próprias empresas com os irmãos argentinos. Nada mais natural do que fazermos também doações de arroz para os cubanos, nossos amigos, uma vez que aqui o produto não falta na mesa de ninguém. A Venezuela também merece nosso apoio em gêneros que lá faltam e aqui abundam. E perdoar dívidas de ditaduras africanas é parte do resgate da dívida que

temos com o continente que contribuiu com parte de nossa população.

S

em falar que as manifestações de ruas são meros exercícios da cidadania e da democracia. A gestão pública é bem avaliada pela população, já que ainda mostram o favoritismo da presidenta na eleição de 2014. Os estados estão super satisfeitos com a distribuição dos impostos e com as condições de seu endividamento com a União; os municípios são gratos ao apoio federal. O setor elétrico tem ganhos satisfatórios, a siderurgia vive um grande momento e a industria automotiva, em breve, poderá dispensar incentivos. Reina paz no campo e existe um clima animador para novos investidores!

A

s contas públicas estão perfeitas, claras e sólidas. Tudo sob controle. Os investidores são muito bem-vindos, assim como uma legislação trabalhista moderna, um sistema tributário simplificado e justo, com portos e aeroportos eficientes, estradas bem cuidadas e fartura de mão de obra especializada. A presidenta Dilma, portanto, está correta ao denunciar um terrorismo econômico, visando deturpar a real situação do País. E as oposições, mais corretas ainda em manter uma crítica pontual e de superfície. Afinal, o caminho lento, mas gradual e seguro, para o modelo bolivariano vai sendo conduzido com grande competência... ARISTÓTELES DRUMMOND É JORNALISTA E VICE-PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DO RIO DE JANEIRO. ARISTOTELESDRUMMOND@MLS.COM.BR

CORREÇÃO O atual prefeito da cidade de Salto é Juvenil Cirelli (foto) e não Geraldo Garcia, como foi erroneamente identificado na matéria 'As pontes que levam a Salto', publicada na edição de ontem na página 10 (Facesp).

ROBERTO FENDT É ECONOMISTA

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Cesário Ramalho da Silva Edy Luiz Kogut João Bico de Souza José Maria Chapina Alcazar Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Miguel Antonio de Moura Giacummo Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Renato Abucham Roberto Mateus Ordine Roberto Penteado de Camargo Ticoulat Sérgio Belleza Filho Walter Shindi Ilhoshi

ealmente parece existir um certo terrorismo em relação à economia brasileira. Afinal, nossa moeda está tendo apenas um ajuste em face ao mercado internacional de câmbio, não é? Nada mais natural que a balança comercial perca seu superávit de tantos anos. E a alta dos juros internos deve-se apenas à política rigorosa de combate à inflação, que subiu circunstancialmente e deverá ceder em breve. Ah, claro...o ambiente pessimista da imprensa e das empresas dedicadas a avaliações é mais uma questão política do que baseada em fatos reais. Assim como a queda das bolsas e das ações de empresas brasileiras é de origem psicológica, por conta de um mercado nervoso e volátil. O derretimento das empresas X, com endividamento considerável, será revertido, pois o mercado absorverá novas emissões e os bancos manterão a confiança que os levou a emprestar quase 20 bilhões de reais.

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, Marcel Solimeo Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Editor-Chefe: José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br). Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br). Editores Seniores: chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), José Roberto Nassar (jnassar@dcomercio.com.br), Luciano de Carvalho Paço (luciano@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Marcus Lopes (mlopes@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br). Editor de Fotografia: Agliberto Lima. Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Heci Regina Candiani (hcandiani@dcomercio.com.br), Tsuli Narimatsu (tnarimatsu@dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br. Subeditores: Rejane Aguiar e Ricardo Osman. Redatores: Adriana David, Evelyn Schulke, Jaime Matos e Sandra Manfredini. Repórteres: André de Almeida, Karina Lignelli, Kety Shapazian, Lúcia Helena de Camargo, Mariana Missiaggia, Mário Tonocchi, Paula Cunha, Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Rita Alves e Sílvia Pimentel. Gerente Executiva e de Publicidade Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estadão Conteúdo, Folhapress, Efe e Reuters Impressão S.A. O Estado de S. Paulo. Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens : dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3180-3175. Fax 3180-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3180-3197, 3180-3983, Fax 3180-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3180-3544, 3180-3176 Esta publicação é impressa em papel certificado FSC®, garantia de manejo florestal responsável, pela S.A. O Estado de S. Paulo.

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3180-3737 REDAÇÃO (011) 3180-3449 FAX (011) 3180-3046, (011) 3180-3983 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 2 de julho de 2013

o

3

EMPREENDEDORES E CONTRIBUINTES DEVEM SE UNIR ÀS ENTIDADES CIVIS QUE LUTAM PELA REFORMA POLÍTICA.

pinião

O QUE CABE ÀS MINORIAS Edgard Garrido/Reuters

O

grande desafio dos tempos vindouros será o teor das respostas que a classe política dará às manifestações de rua. Composta na maioria pelos mesmos políticos fisiológicos da base do governo, e que agem como se nada tivessem a ver com o despertar da cidadania política dos jovens, não assumem a responsabilidade política de que a nação precisa. Tampouco admitem que os vândalos infiltrados nas manifestações pacíficas são produto imediato da anomia do Estado, da pré-falência das instituições ou da certeza da impunidade reinante, por interesse desses mesmos políticos – além de produto da corrupção dos valores morais de uma esquerda romântica social-democrata e de uma esquerda gramsciana e pragmática instaladas no poder, em associação direta com a oligarquia política que há décadas rouba o erário. Tudo em nome de uma cínica governabilidade que periga virar ingovernabilidade a qualquer momento. Longe de representar a maioria dos cidadãos brasileiros, ordeiros, crentes e conservadores, esta aliança nefasta das esquerdas com os políticos corruptos é a verdadeira causa das manifestações e depredações. Das manifestações, pelo fato de trinta partidos políticos estarem há décadas a perverter os valores da democracia em rede nacional de rádio e televisão, às custas de dinheiro público, quando prometem direitos ilimitados contra nenhuma responsabilidade política. Das depredações, porque o que os vândalos destroem nas ruas é o mesmo patrimônio público que eles veem ser saqueado pelos políticos impunes, nas denúncias diárias dos telejornais.

N

ão cabe, pois, às massas, uma cidadania política propositiva, uma vez que a natureza de sua cidadania é, por definição, rebelde e solidária apenas. Quando os políticos não representam mais os cidadãos eleitores, cabe à minoria dos cida-

dãos mais conscientes, empreendedores e pagadores de impostos, a maior missão da cidadania política – qual seja o exercício do controle social sobre os mandatos dos governantes, o funcionamento eficaz das instituições, a revisão das prioridades dos orçamentos públicos e, sobretudo, a formulação de novas propostas de políticas públicas. Fora isto, a convulsão social. É claro que é injustificável a depredação do patrimônio público. Mas também é injustificável a impunidade de políticos que desviam reiteradamente o dinheiro público por conta de uma relação fisiológica com o poder e uma corrupção generalizada dos próprios valores fundamentais da democracia.

údo

Estadão Conte

Fábio Guinalz/

N

O

discurso demagógico generalizado das últimas décadas não corrompe só as massas, mas os próprios valores da democracia e da cidadania, da vida, da igualdade, da liberdade, da propriedade, da moralidade e da justiça. E quanto mais a grande mídia cobre as transgressões em face da ordem e da lei, menor o espaço para as condenações da justiça, menor

o discernimento entre democracia e demagogia, maior o baixo nível da atividade política no imaginário social do País. Liberdade é corrompida como licenciosidade sem o limite da lei; cidadania é vista como reivindicação de direitos sociais ilimitados, sem as contrapartidas dos deveres políticos e cívicos. Igualdade perante a lei foi corrompida pela quimera da igualdade social e

a propriedade, como usurpação coletiva e não como produto do trabalho.

A

vida mesma, valor maior dentre todos os valores humanos, foi corrompida pelas alegadas condições de vida. E a justiça, razão de ser maior do Estado, se corrompeu no populismo da justiça social, quando se sabe que a responsabilidade é o

UM PACTO ANTES DA BRIGA uma ideia, a marca "Pelé" vale algo em torno de R$ 500 milhões. Mas ele é uma exceção em meio aos pares de sua geração. Por isso, não é à toa que muita gente fica de olho quando surge uma nova estrela no futebol. Por exemplo, quando Ronaldo Nazário, o Fenômeno, começou a despontar, no início dos anos 90, com apenas 15 anos, muita gente se perguntou: o que será desse menino? E para além dos olheiros profissionais e fãs, seguem-se o assédio dos empresários, consultores financeiros, e, claro, das moças, algumas bem intencionadas, outras sabe-se lá.

H

Ronaldo e Bia Antony, a terceira mulher.

preço do livre-arbítrio. E ninguém é livre se não responde por suas escolhas. A própria lei no Brasil é desprovida de senso moral ou moralidade pública. Quando o presidente da Câmara, Henrique Alves, diz desconhecer a motivação das manifestações, revela não só a pré-falência da instituição que preside, quanto a própria incompetência para o cargo – o que legitima o abaixo-assinado de 1,5 milhão de cidadãos pela renúncia de seu comparsa Renan Calheiros, e dá motivo de sobra para que os jovens saiam às ruas.

H

á tantos vândalos depredando a coisa pública nas ruas quanto dentro do Congresso Nacional. A questão é saber como a minoria dos cidadãos conscientes conseguirá convencer a maioria dos omissos quanto à urgência de afastar e punir a minoria dos vândalos. "Nenhum partido nos representa", portanto, não é uma bandeira política de todo sem sentido. É a expressão legítima do esgotamento de uma prática política nefasta e repudiada pela cidadania brasileira. As tarifas do transporte público são apenas uma chave para mudanças em toda política pública de mobilidade urbana do País, sempre feita à revelia dos usuários e pagadores de impostos, e em conluio com as empresas concessionárias do setor. Quem quiser entender a verdadeira motivação das manifestações dos jovens, visite as redes sociais e constate sua descrença para com a classe política, o clamor contra os partidos de aluguel, a desilusão dos "partidos dos corações partidos" e o ativismo em movimentos sociais multicêntricos, inorgânicos e plurideológicos, mas que não vivem às custas de fundos públicos apropriados pelos mesmos clãs de oligarcas imorais de sempre.

N

a crônica futebolística, são muitas as histórias de jogadores cujas vidas viraram verdadeiros calvários após a carreira esportiva. O mais emblemático caso – e especialmente quem tem mais de 40 anos vai se lembrar – é o do jogador Mané Garrincha, famoso por dribles lindamente orquestrados por um par de pernas tortas. Era qualificado por muitos como a "alegria" do brasileiro, mas morreu pobre, em 1983, aos 50 anos, vítima do alcoolismo, deixando 11 filhos no mundo. Pelé, ao contrário, foi exemplo máximo do atleta bem sucedido, inclusive financeiramente. Para dar

JORGE MARANHÃO

oje em dia, Ronaldo é exemplo de superação, por conta das reiteradas contusões e recuperações, e tem causado admiração como empresário do esporte. Sua fortuna de jogador, avaliada em R$ 2 bilhões, permanece íntegra, mesmo depois de três casamentos: um com Milene Domingues, mãe de Ronaldo; com a apresentadora Daniela Cicarelli (um casamento meteórico de três meses,

tanto que ao separar-se a moça declarou à mídia que não queria nada de Ronaldo) e Bia Antony, de quem se separou recentemente e com quem teve duas filhas, Maria Alice, de 2 anos e Maria Sophia, de 4 anos. Entre as notas publicadas pela imprensa, destaca-se o fato de que o anúncio público oficial do divórcio só foi realizado meses após a separação real, justamente porque havia uma série de negociações em andamento. Ronaldo tem sido um exemplo para essa nova geração de jogadores. E já não parece tão estranho encontrar grandes estrelas do futebol lançando mão de anteparos jurídicos para lidar com suas fortunas. É o caso de Adriano, o Imperador, ex-jogador do Flamengo e do Inter de Milão, atualmente sem time. Ele, como muitos outros jogadores, teve a vida marcada pela pobreza na infância. Quem não torce para que ele possa usufruir com dignidade dos R$ 26 milhões que compõem hoje sua fortuna?

A

driano declarou recentemente que um pacto antenupcial faz parte dos preparativos que faz

IVONE ZEGER para o casamento com a estudante de odontologia Renata Fontes. Ele quer assegurar a sua fortuna, caso ocorra, à frente, uma separação. E o que é exatamente esse pacto antenupcial, item indispensável na vida de ricos e famosos? E será indispensável só para eles?

N

a verdade, em determinados casos que detalharei em seguida, o pacto antenupcial é obrigatório. Podemos definilo como um contrato que se registra em cartório e só existe se houver o casamento. Nesse documento, os noivos estipulam se haverá ou não a divisão de bens e como ela será feita. O pacto possibilita que se crie um conjunto de normas para regular o patrimônio do casal. O Código Civil estabelece os seguintes regimes de bens: comunhão universal, separação de

bens, participação final nos aquestos e comunhão parcial de bens. Nas três primeiras modalidades, o pacto é obrigatório. Quando o regime é a comunhão parcial de bens, o pacto não é obrigatório. Na verdade, quando o casal não define o regime que regerá a união, ele é automaticamente convertido em comunhão parcial de bens, no qual os cônjuges partilham só o que foi adquirido ao longo do casamento. E é o regime que rege as uniões estáveis.

M

a as vantagens de se especificar o regime e realizar o pacto antenupcial são evidentes. Ao estipular como será a administração do patrimônio, os noivos podem combinar as regras de diferentes regimes, especificando ou prevendo os bens que podem ou não ser divididos. Tudo o que estiver previsto no contexto dos regimes existentes na lei

ão cabe a eles a ação propositiva para as mudanças que estão a exigir. Os cidadãos empreendedores e pagadores de impostos devem se juntar às dezenas de entidades da sociedade civil que lutam pela reforma política, por exemplo, através da campanha "Eleições Limpas", defendendo itens essenciais, como um novo sistema eleitoral transparente, proibição de financiamento de campanhas por empresas e outros temas. Cabe, enfim, aos cidadãos formadores de opinião assumir sua responsabilidade política e não permitir que o julgamento da História, empacado no Supremo, em vez de marco de uma revolução em nossos costumes políticos, acabe um estopim para uma convulsão social. JORGE MARANHÃO É DIRETOR DO INSTITUTO DE CULTURA DE CIDADANIA A VOZ DO CIDADÃO. JORGE@AVOZDOCIDADAO.COM.BR

é possível de ser feito. Assim, mais do que uma imposição legal, a lei provê ferramentas eficientes para preservar os bens e evitar disputas acirradas. No que se refere às partilhas, a comunhão universal de bens estipula que o patrimônio adquirido antes e durante o casamento será dividido entre os cônjuges. Os bens a serem partilhados não são só os adquiridos, mas também os advindos de heranças e doações. O regime de separação de bens determina que cada cônjuge permanece com os bens que adquiriu antes e durante o casamento. Já na participação de aquestos, cada cônjuge fica com seu próprio patrimônio e tem direito à metade dos bens adquiridos ao longo do casamento. Muita gente pensa que administrar corretamente ]os bens é coisa para rico. Uma pena, pois quanto mais se cuida, mais se tem. E, convenhamos, não são apenas os futebolistas brasileiros que se esquecem desse "detalhe". IVONE ZEGER É ADVOGADA ESPECIALISTA EM DIREITO DE FAMÍLIA E

SUCESSÃO. MEMBRO EFETIVO DA COMISSÃO DE DIREITO DE FAMÍLIA DA OAB/SP; É AUTORA DE "HERANÇA: PERGUNTAS E RESPOSTAS" E "FAMÍLIA: PERGUNTAS E RESPOSTAS" WWW.IVONEZEGER.COM.BR


DIÁRIO DO COMÉRCIO

4

)KDC7O

Dilma Rousseff garantiu MAIS: só que é uma de prioridade ao combate a corrupção e o Senado aprovou projeto que torna a prática crime hediondo.

gibaum@gibaum.com.br

2 “Essa pesquisa tem o valor de uma vaia em estádio: não passa de catarse temporária. Redobro a aposta: Dilma ganha no primeiro turno.”

JOÃO SANTANA // marqueteiro oficial do Planalto e considerado o 40º ministro . Fotos: BusinessNews

Forças ocultas O serviço de inteligência do Exercito identificou, nas manifestações do Rio, com ataque de vândalos, mercenários do tráfico, em revanche contra as UPPs que acabaram com seus negócios. Os donos das vans, do transporte pirata suprimido pelo prefeito Eduardo Paes, também mandaram seus jagunços quebrar ônibus e depredar lojas. E a mesma inteligência acredita que mais forças ocultas estão participando e sendo identificadas. Detalhe: relatórios diários são enviados ao gabinete de Dilma Rousseff.

VIROU ZUMBI Até assessores do Planalto ironizam o prestigio perdido de Gleisi Hoffmann: chamam a titular da Casa Civil de ministra-zumbi . Seu espaço foi rapidamente ocupado pelo ministro Aloizio Mercadante e esse novo cenário provoca movimentação no tabuleiro sucessório em Curitiba. O senador Roberto Requião que, nos planos do PT, deveria lançar uma candidatura laranja para atacar Beto Richa e ajudar a campanha de Gleisi, começou a atacar a ministra publicamente. E avalia seu enfraquecimento: dependendo, ele pode disputar o segundo turno com Richa.

Cibelle Cavalli é paulista, vive em Londres, tem 37 anos de idade, é uma artista perfomática, multimídia, cantora, compositora e produtora musical. Mistura música eletrônica, bossa nova, folk e seu estilo próprio é chamado de tropical punk. Estudou Conservatório Marcello Tupinambá, em São Paulo e até foi modelo na adolescência. Hoje, além de fazer mestrado no Royal College of Arts (pintura ou escultura), é a maior atração do pub George and Dragon, no East London, aos domingos, onde famosos deitam e rolam. Ela toca Roberto Carlos, Rita Pavone, Sidney Magal, Aquarela do Brasil em charleston, Banda Calyso e até o la la la laaaa de Silvio Santos, transformado em dança russa.

Na noite de Londres

Nem a vitória do Brasil no domingo conseguiu melhorar o grau de desanimo e mesmo insegurança da presidente Dilma Rousseff diante das pesquisas que mostram seus elevados índices de popularidade rolando ladeira abaixo. O Planalto tem outras pesquisas e o PSDB também, que mostrariam quadro mais complicado que, mesmo com o otimismo de João Santana, indicam o segundo turno, caso as eleições fossem hoje. Para quem tem memória curta: em 2005, no auge do mensalão, as pesquisas registravam situação quase igual de Lula em relação à reeleição. No segundo semestre, novas dores e a recuperação só começou a melhorar em janeiro de 2006, reelegendo-o em outubro. Fator básico: a economia – com a qual Dilma, dificilmente, poderá contar.

Sono perdido

GUEST STAR O UNE e a UBES, banidas das movimentações de rua ao lado de partidos, centrais sindicais e outras entidades dispostas a pegar carona nas passeatas, foram as primeiras a aderir ao ato conjunto, criado por sindicalistas, marcado para o próximo dia 11 (não se sabe ainda se será um evento de protesto ou convocação de greve geral). MST e GLBT também estarão lá e antes de embarcar para as viagens ao exterior desta semana, Lula foi convidado para ser a estrela do encontro. Não confirmou, preferindo deixar uma frase de efeito com a companheirada : “Se querem luta de massas, vamos fazer luta de massas”.

O roteiro de viagens do expresidente Lula, nesses dias de turbulência nacional e queda vertiginosa de Dilma Rousseff nas pesquisa, não é pequeno: primeiro, Lilongwe, na Malaui e Adis Abeba, na Etiópia, onde a Andrade Gutierrez está instalada, por sinal; depois, Bogotá, na Colômbia, Lima, no Peru e para encerrar, Quito, no Equador. Na Colômbia, conhece os programas sociais do governo de Juan Manuel Santos, Famílias em Ação e Mulher Poupadora. Em Quito, recebe três títulos de doutor honoris causa de universidades locais.

DESABAFO Michel Temer, vicepresidente da República e jurista, ainda amargurado de ter sido escanteado por Dilma quando a presidente decidiu por um plebiscito seguido de uma constituinte especifica (depois, recuou), desabafou com dirigentes de seu partido: “Não tem mais jeito. Não dá para fazer um país com 30 partidos. Não dá para ter 18 partidos na base do governo. Tem que ser feita a reforma política”. Depois, quase em confidencia: “E não dá mais para ter 39 ministérios”.

MISTURA FINA OUTROS tantos políticos que sempre pegaram carona nas obras dos estádios e demais preparativos para a Copa do Mundo não estão dando o ar da graça em local esportivo algum, nem na final da Copa das Confederações. É como se estivessem na muda e tudo em virtude das manifestações de rua contra os bilhões torrados nos estádios. Pré-presidenciáveis também estão recuados.

DEPOIS de meses de ameaças, Edir Macedo acaba de afastar o bispo Honorilton Gonçalves da posição de número um da Record: para o seu lugar vai Marcelo Silva, que dirigia o RecNov e acabara de ser nomeado presidente da Record Rio. Se não bastasse a derrocada de suas empresas, Eike Batista se viu envolvido, nesses dias, num episódio surpreendente: uma modelo chamada Karine Dal Toé, 37 anos, publicou no Instagram imagens suas feitas na piscina da mansão de Eike, coberta apenas por uma toalha. Flavia Sampaio, namorada do empresário, que acaba de ter um filho dele, subiu nas tamancas. O empresário teria pressionado Karine, que já apareceu seminua em 2007 numa fazenda em Goiás como rainha do gado, a dar sua versão na história e ela garantiu que estava numa festa promovida pelo filho do empresário, Olin, de 18 anos (e sua namorada Babi Rossi não estava lá). Karine já fez um curso com Wolf Maia e está na mira de Playboy .

A moça da toalha

O EX-presidente Lula acredita que as manifestações de rua terão influencia, de alguma maneira, no destino dos embargos colocados no Supremo pelos advogados dos mensaleiros condenados. E também acha que os novos ministros decidirão de olhos e ouvidos voltados para as ruas. O ex-presidente aposta que quaisquer decisões do STF a favor dos mensaleiros , só provocarão mais derrotas para o PT no ano que vem.

Mais consultas Nas últimas semanas, com muita discrição, o ex-presidente Lula foi, duas vezes, até Abadiânia, interior de Goiás, conversar com João de Deus. E teria recebido o médium goiano por outras duas vezes em seu apartamento em São Bernardo do Campo. João de Deus acompanhou todo o tratamento do exChefe de Governo na época em que lutava contra um tumor na laringe. É o mesmo que acompanhou Dilma Rousseff e também teria acompanhado o novo ministro do Supremo, Luis Roberto Barroso, quando detectou um tumor no esôfago.

/ IN

Baladas: vinho branco.

/

Para quem não tem idéia – e a colossal maioria dos manifestantes de rua não tem: a máquina administrativa do governo federal utiliza 984.330 servidores em seus 39 ministérios. O custo anual só do pessoal chega a R$ 192,8 bilhões e somando-se o custeio de todas as pastas do Executivo, o valor é mais do que surpreendente: R$ 611 bilhões por ano. Em janeiro, segundo o Ministério do Planejamento, nada menos do que 22.417 pessoas tinham cargos comissionados na administração do Poder Executivo Federal, registrando-se um recorde na história do país.

Lula no ar

Fazendo as contas

145 propostas que tramitam no Congresso há 19 anos. São 119 da Câmara e outras 36 do Senado.

OUT

Baladas: cerveja.

Símbolo da burguesia A única figura do governo presente (e representando Dilma Rousseff) nas diversas cerimônias depois do jogo entre Brasil e Espanha, era o ministro do Esporte, Aldo Rebelo. Como acontece em entrega de medalhas e demais prêmios no encerramento de qualquer torneiro internacional importante, todos os dirigentes esportivos envergaram terno e gravata. Menos Aldo: paletó de uma cor, calça de outra e camisa esportiva polo. Comunista que se preza acha que “gravata é símbolo da burguesia alienada”.

NEM TUDO está perdido para Moacir Franco, 76 anos, na área do amor: sua nova namorada chama-se Pamela Noronha e tem apenas 20 anos de idade. Nas redes sociais, os dois exibem até alianças de compromisso. Moacir foi casado durante 12 anos com uma moça, Daniela, 37 anos mais jovem do que ele.

QUANDO cada uma das empresas do grupo de Eike Batista atingiu seu pico na bolsa, o império do ainda bilionário chegou a valer R$ 119 bilhões; na semana passada, não alcançava R$ 10 bilhões. Somadas, as participações de Eike nas empresas beiram R$ 4,5 bilhões. Quem tem conversado com ele, que ainda não vendeu o Aston Martin do filho Thor, acha que, dificilmente, voltará aos velhos tempos – e à arrogância de outrora.

Colaboração:

Paula Rodrigues / Alexandre Favero

terça-feira, 2 de julho de 2013


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 2 de julho de 2013

5 PLEBISCITO MAIS ECONÔMICO O PSB, presidido pelo governador Eduardo Campos (PE), apresentou documento em que propõe a realização de plebiscito para a reforma política em outubro de 2014, simultaneamente à eleição presidencial.

olítica

Uéslei Marcelino/ Reuters

Padrão Fifa, não, padrão Felipão. Pressionada pelo forte clamor dos brasileiros, Dilma convoca reuniões e compara sua situação com a do técnico da Seleção Brasileira de Futebol.

Q

A gota d´água: Dilma desagrada o PT por pedir conselhos ao ex-presidente tucano Fernando Henrique.

uestionada se seu governo é "padrão Fifa", a presidente Dilma Rousseff disse ontem que tem um mandato "padrão Felipão", em referência ao técnico da Seleção Brasileira de Futebol, Luiz Felipe Scolari. Ontem, na primeira reunião ministerial do ano, e em meio a uma onda de protestos no País, Dilma afirmou que não fará demagogia para cortar gastos públicos, mas não apresentou nenhuma proposta para reduzir despesas. "Eu não farei demagogia de cortar gastos que não ocupo, mas eu vou cortar gastos e também vou tentar olhar onde e em que setor é possível fazer isso", argumentou Dilma, em uma alfinetada ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin. "Cortar Bolsa Família jamais. Não esperem de mim reduzir gasto social. Não há hipótese disso." Na semana passada, Alckmin anunciou uma lista de medidas para cortar despesas que incluem a extinção de secretarias e autarquias, com o objetivo de compensar a redução das tarifas de ônibus. A oposição tem criticado Dilma por propor um plebiscito para impulsionar a reforma política sem antes reduzir o número de ministérios – hoje são 39 – nem reduzir outras despesas de custeio da má-

'Presidente magoou Lula, Temer e o que resta de apoio no Congresso.' Roberto Barroso/ ABr

C

hefe da Secretaria de Imprensa no governo Lula, o jornalista Ricardo Kotscho (à dir.) criticou ontem a atuação da presidente Dilma Rousseff em resposta à onda de protestos e afirmou que, em busca de uma saída, Dilma magoou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o vice-presidente Michel Temer (PMDB) ao consultar o ex-presidente tucano Fernando Henrique Cardoso antes de ouvir os aliados que "ainda a apoiam no Congresso". "No atropelo para virar o jogo, Dilma acabou magoando seus dois principais aliados, o ex-presidente Lula e o vice Michel Temer, ao mandar um emissário consultar Fernando Henrique sobre a sua proposta de reforma política, antes de apresentá-la aos líderes dos

partidos que ainda a apoiam no Congresso", escreveu Kotscho, em seu blog no portal R7. Ex-assessor de imprensa de Lula, Kotscho chefiou por dois anos a comunicação do ex-presidente. Manteve o relacionamento com Lula depois de deixar seu governo. No texto do blog, publicado no sábado, Kotscho chama de "muito fraco" o ministério de Dilma. "Mais preocupada em montar uma cada vez maior base aliada para disputar a reeleição, me parece que Dilma perdeu o timing das mudanças necessárias em seu ministério, que é muito fraco, na virada do ano, quando se limitou a trocar seis por meia dúzia, trazendo de volta partidos varridos na faxina do primeiro ano de governo." Kotscho não poupa a equipe de comunicação da presiden-

te. Diz que "Dilma confiou demais nas pesquisas, nos comerciais e nos pronunciamentos produzidos por seu marqueteiro João Santana, sem dar a devida atenção para o que acontecia no mundo polí-

tico do outro lado do Palácio do Planalto, no meio empresarial e na vida real dos trabalhadores e estudantes". "A comunicação do governo limitava-se à propaganda paga no rádio e na televisão. Enquanto os números mostravam índices favoráveis para a presidente, tudo bem, o marqueteiro tinha razão. Só que o governo não percebeu que os outros canais de comunicação com a sociedade estavam todos entupidos, sem funcionar em duas vias. O governo só falava, não ouvia. Quando o copo da insatisfação transbordou, o que movia as pessoas a sair às ruas não era um motivo só, mas o que minha mulher chama de 'o conjunto da obra', a tal desatenção que pode ser a gota d'água, como na música do Chico", escreveu. (Folhapress)

Aécio: lulismo é problema para o PT.

O

senador mineiro e précandidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves (ab aixo), afirmou ontem que a torcida pela volta do exGeraldo Magela/ Ag.Senado

presidente Lula nas eleições de 2014 é um "problema" que "o PT já está vivendo". A afirmação foi feita depois de Aécio ter sido questionado se a

queda na popularidade de Dilma Rousseff aliada à insatisfação da base governista no Congresso contribuíam para o clima de "volta, Lula". "O instituto da reeleição quase te obriga a disputar (a reeleição). É quase que compulsório. A não candidatura de alguém que está no cargo é, no mínimo, a falência daquele governo. Um atestado de incompetência para enfrentar os problemas", afirmou. Pesquisa Datafolha divulgada sábado mostra que o ex-presidente perdeu dez pontos percentuais e ganharia no primeiro turno a eleição hoje, em um dos cenários apresentados. O mineiro afirmou que a queda na avaliação de Dilma "dei-

xa claro que o Brasil cor-de-rosa, o Brasil sem miséria, o Brasil de serviços públicos de alta qualidade não existem". "Como temos no Brasil um centralismo muito grande, nos momentos de dificuldade também as pessoas tendem a responsabilizar o governo federal. Por isso a queda da presidente foi maior", disse Aécio. O senador voltou a criticar a proposta de um plebiscito sobre reforma política e disse que se trata de uma tentativa do governo de "desviar" das demandas colocadas pela população, como educação, saúde, transporte. Para o mineiro, a presidente tem "tratado lateralmente" essas questões. (Folhapress)

quina pública. "O povo, nas do Planalto, o líder do PSol no ruas, não pediu redução de di- Senado, Randolfe Rodrigues reito social e o meu governo (AP), foi recebido em audiênnão fará isso", insistiu a presi- cia. Rodrigues justificou que dente. "O meu governo é pa- estava no Planalto apenas na drão Felipão", completou, nu- condição de parlamentar, ma referência à vitória da Se- uma vez que o partido avisou leção Brasileira na Copa das que não iria ao encontro. Disse Confederações. que defendeu o plebiscito e Dilma defendeu "tarifa úni- sugeriu que nele esteja incluíca" para ônibus, metrôs e do o voto em lista, o fim do foro trens metropolitanos e lem- privilegiado e do financiamenbrou que a política de desone- to privado de campanha. ração do governo abateu, em A oposição afirma não ter simédia, R$ 0,22 no preço das do convidada para a reunião e passagens de transporte co- que não recebeu nenhum teletivo. Assim como fez na reu- lefonema com o convite. O gonião com sindicalistas, ela verno afirmou que PSDB, DEM disse não haver "tarifa zero" e PPS recusaram o convite. para transporte O líder do PSol c o l e t i v o . A f i rdisse que ele e mou que "tudo demais líderes sai do nosso bolda oposição foO povo, nas so". "Todo subsíram chamados ruas, não dio sai da popupara a reunião pediu redução lação. Ou a pocom a presidende direito pulação paga t e p e l o p r e s ic o m o c o n t r id e n t e d o C o nsocial e o meu buinte, por meio gresso, senador governo não de impostos, ou Renan Calheiros fará isso. como consumi(PMDB-AL), na DILMA ROUSSEFF dora de um serúltima terça-feiviço", disse ela. ra. "Eu fui conviAfável com os jornalistas, dado junto com PSDB e DEM e após cair 21 pontos na pesqui- eu destaquei que queria ser sa Datafolha divulgada no últi- recebido separadamente pormo sábado, Dilma mostrou ou- que minhas teses são discretro estilo ao interromper a reu- p a n t e s e m r e l a ç ã o à s d o s nião ministerial para dar en- PSDB e DEM". Depois, esclaretrevistas. Além do Datafolha, ceu que o convite foi feito por pesquisas qualitativas que Calheiros, que "disse que a chegaram ao Planalto tam- presidente gostaria de ouvir bém mostraram insatisfação os líderes da oposição". de várias camadas da populaQuestionado sobre alguém ção com o governo, principal- lhe telefonou convidando pesmente por parte da juventude. soalmente, o líder disse que "Nunca comentei pesquisa, recebeu ligações do chefe da nem em cima, nem embaixo. É Secretaria-Geral da Presidênum retrato do momento e a cia da República, Gilberto Cargente tem de respeitar", disse valho, primeiro, e depois do a presidente. chefe do Gabinete Pessoal, GiOposição – Apesar de os par- les Azevedo, para confirmar o tidos da oposição terem recu- encontro. Na agenda de Dilma sado o convite da presidente publicada constava o enconpara uma conversa, no Palácio tro com o PSol. (Agências)

BBD Participações S.A. CNPJ no 07.838.611/0001-52 - NIRE 35.300.335.295 Ata Sumária da 7a Assembleia Geral Ordinária realizada em 30.4.2013 Data, Hora e Local: Aos 30.4.2013, às 9h, na sede social, Cidade de Deus, Prédio Prata, 4o andar, Vila Yara, Osasco, SP. Mesa: Presidente: Lázaro de Mello Brandão; Secretário: Carlos Alberto Rodrigues Guilherme. Quórum de Instalação: Acionistas da Sociedade representando mais de quatro quintos do Capital Social votante. Presença Legal: Administrador da Sociedade e representante KPMG Auditores Independentes. Publicações Prévias: a) o Aviso a que se refere o Artigo 133 da Lei n o 6.404/76 foi publicado em 26, 27 e 28.3.2013 nos jornais “Diário Oficial do Estado de São Paulo”, respectivamente, páginas 117, 286 e 363; e “Diário do Comércio”, respectivamente, páginas 11, 7 e 11; b) os documentos de que trata o Artigo 133 da Lei n o 6.404/76, foram publicados em 11.4.2013 nos jornais “Diário Oficial do Estado de São Paulo”, páginas 8 e 9, e “Diário do Comércio”, páginas 13 e 14; c) o Edital de Convocação foi publicado em 18, 19 e 20.4.2013 nos jornais “Diário Oficial do Estado de São Paulo”, respectivamente, páginas 96, 124 e 91; e “Diário do Comércio”, respectivamente, páginas 5, 7 e 9. Leitura de Documentos: todos os documentos citados no item “Publicações Prévias” e a Proposta do Conselho de Administração, foram lidos, colocados sobre a mesa e entregues à apreciação dos acionistas. Deliberações: I) tomaram conhecimento dos Relatórios da Administração e dos Auditores Independentes, e aprovaram integralmente as Demonstrações Contábeis, relativas ao exercício social findo em 31.12.2012; II) aprovada a proposta do Conselho de Administração registrada na Reunião Extraordinária n o 57 daquele Órgão, de 17.4.2013, dispensada sua transcrição, por tratar-se de documento lavrado em livro próprio, para destinação do lucro líquido do exercício encerrado em 31.12.2012 e ratificação da distribuição de Juros sobre o Capital Próprio pagos, conforme segue: a) o lucro líquido de R$277.030.569,69, foi destinado da seguinte forma: R$13.851.528,48 para a conta “Reserva de Lucros - Reserva Legal”; R$227.579.041,21 para a conta “Reserva de Lucros – Estatutária”; e R$35.600.000,00 para pagamento de Dividendos, os quais já foram pagos como Juros sobre o Capital Próprio em 2.1.2013; b) a ratificação da distribuição dos Juros sobre o Capital Próprio, pagos em 2.1.2013, no montante de R$35.600.000,00, considerando que não será proposta à Assembleia nova distribuição de Juros sobre o Capital Próprio/Dividendos relativos ao ano de 2012, em razão de já terem sido declarados anteriormente; III) reeleitos membros do Conselho de Administração, com mandato até a Assembleia Geral Ordinária de 2014, os senhores Lázaro de Mello Brandão , brasileiro, casado, bancário, RG 1.110.377-2/SSP-SP, CPF 004.637.528/72; Antônio Bornia, brasileiro, viúvo, bancário, RG 11.323.129/SSP-SP, CPF 003.052.609/44; Mário da Silveira Teixeira Júnior, brasileiro, casado, bancário, RG 3.076.007-0/ SSP-SP, CPF 113.119.598/15; João Aguiar Alvarez, brasileiro, casado, engenheiro agrônomo, RG 6.239.718-7/SSP-SP, CPF 029.533.938/11; senhora Denise Aguiar Alvarez, brasileira, separada consensualmente, educadora, RG 5.700.904-1/SSP-SP, CPF 032.376.698/65; senhores Luiz Carlos Trabuco Cappi , brasileiro, casado, bancário, RG 5.284.352-X/SSP-SP, CPF 250.319.028/ 68; Carlos Alberto Rodrigues Guilherme , brasileiro, casado, bancário, RG 6.448.545/SSP-SP, CPF 021.698.868/34; Milton Matsumoto, brasileiro, casado, bancário, RG 29.516.917-5/SSP-SP, CPF 081.225.550/04; Julio de Siqueira Carvalho de Araujo , brasileiro, casado, bancário, RG 55.567.472-1/SSP-SP, CPF 425.327.017/49; Domingos Figueiredo de Abreu, brasileiro, casado, bancário, RG 6.438.883-9/SSP-SP, CPF 942.909.898/53; José Alcides Munhoz, brasileiro, casado, bancário, RG 50.172.182-4/SSP-SP, CPF 064.350.330/72; Aurélio Conrado Boni, brasileiro, casado, bancário, RG 4.661.428-X/SSP-SP, CPF 191.617.008/00; Sérgio Alexandre Figueiredo Clemente, brasileiro, casado, bancário, RG 55.799.633-8/SSP-SP, CPF 373.766.326/ 20; e Marco Antonio Rossi , brasileiro, casado, bancário, RG 12.529.752-X/SSP-SP, CPF 015.309.538/55, todos com domicílio na Cidade de Deus, Vila Yara, Osasco, SP, CEP 06029-900. Os Conselheiros reeleitos declararam, sob as penas da lei, que não estão impedidos de exercer a administração de sociedade mercantil em virtude de condenação criminal; IV) fixado o montante global anual para remuneração dos administradores, no valor de até R$168.000,00, a ser distribuída em reunião do Conselho de Administração, aos membros do próprio Conselho e da Diretoria, conforme determina a letra “h” do Artigo 23 do Estatuto Social. Quórum das Deliberações: aprovadas por todos os acionistas presentes, abstendo-se de votar os legalmente impedidos. Aprovação e Assinatura da Ata: lavrada e lida, foi esta Ata aprovada por todos os acionistas presentes e assinada, inclusive pelo representante da empresa KPMG Auditores Independentes, inscrição CRC 2SP014428/O-6, senhor Zenko Nakassato, Contador CRC 1SP160769/O-0, de acordo com o disposto no Parágrafo 1 o do Artigo 134 da Lei no 6.404/76. aa) Presidente: Lázaro de Mello Brandão; Secretário: Carlos Alberto Rodrigues Guilherme; Administrador: Antônio Bornia; Acionistas: Lázaro de Mello Brandão, Antônio Bornia, Mário da Silveira Teixeira Júnior, Carlos Alberto Rodrigues Guilherme, Milton Matsumoto, Denise Aguiar Alvarez, João Aguiar Alvarez, Luiz Carlos Trabuco Cappi, Julio de Siqueira Carvalho de Araujo, Domingos Figueiredo de Abreu, José Alcides Munhoz, Sérgio Alexandre Figueiredo Clemente, Marco Antonio Rossi, Alexandre da Silva Glüher, Alfredo Antônio Lima de Menezes, Luiz Carlos Angelotti, Marcelo de Araújo Noronha, Nilton Pelegrino Nogueira, Altair Antonio de Souza, André Marcelo da Silva Prado, Denise Pauli Pavarina, Luiz Fernando Peres, Moacir Nachbar Junior, Octávio de Lazari Júnior, Adineu Santesso, Amilton Nieto, André Bernardino da Cruz Filho, Antonio Carlos Melhado, Antonio José da Barbara, Arnaldo Nissental, Aurélio Guido Pagani, Cassiano Ricardo Scarpelli, Clayton Camacho, Diaulas Morize Vieira Marcondes Junior, Douglas Tevis Francisco, Edilson Wiggers, Fernando Antônio Tenório, Fernando Roncolato Pinho, Frederico Willian Wolf, Glaucimar Peticov, João Albino Winkelmann, João Carlos Gomes da Silva, Joel Antonio Scalabrini, Jorge Pohlmann Nasser, José Luis Elias, José Luiz Rodrigues Bueno, José Ramos Rocha Neto, Júlio Alves Marques, Laércio Carlos de Araújo Filho, Layette Lamartine Azevedo Júnior, Lucio Rideki Takahama, Luiz Alves dos Santos, Luiz Carlos Brandão Cavalcanti Júnior, Marcos Aparecido Galende, Marcos Bader, Marcos Daré, Marlene Morán Millan, Octavio Manoel Rodrigues de Barros, Paulo Aparecido dos Santos, Paulo Faustino da Costa, Rogério Pedro Câmara, Roberto Sobral Hollander, Waldemar Ruggiero Junior, Walkiria Schirrmeister Marquetti e Osmar Roncolato Pinho; Auditor: Zenko Nakassato. Declaração: Declaro para os devidos fins que a presente é cópia fiel da Ata lavrada no livro próprio e que são autênticas, no mesmo livro, as assinaturas nele apostas. a) Carlos Alberto Rodrigues Guilherme – Secretário. Certidão – Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia – Junta Comercial do Estado de São Paulo – Certifico o registro sob número 212.773/13-6, em 7.6.2013. a) Gisela Simiema Ceschin – Secretária Geral.


p

DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

terça-feira, 2 de julho de 2013

Não tenho a menor vontade de me lançar candidato a presidente da República. Joaquim Barbosa, presidente do STF

olítica

CORRIDA AO FUNDO DO POÇO Instituto Datafolha aponta queda vertiginosa na avaliação de prefeitos e governadores de São Paulo e do Rio de Janeiro

O

governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), disse ontem, após tomar conhecimento dos resultados da pesquisa Datafolha, que a "sociedade está insatisfeita com a representação política e que é importante ouvir a população". "Acho que a leitura é uma insatisfação com a representação política. Cabe a todos nós termos a humildade de ouvir, de compreender essa manifestação, e de agir. Não é fazer discurso, é trabalhar, é governar, é cortar gasto, é aumentar investimento, é melhorar a eficiência do gasto público."

ALCKMIN A avaliação do governador de São Paulo caiu 14 pontos percentuais em três semanas, de acordo com a pesquisa do Instituto Datafolha divulgada ontem. Em 7 de junho, 52% dos entrevistados fizeram uma avaliação positiva do tucano (ótimo ou bom). Agora, na pesquisa realizada nos dias 27 e 28 de junho, esse indicador está em 38%. Já o número de entrevistados que consideram o governador ruim ou péssimo subiu de 15% para 20%. Os que consideram Alckmin regular passou de 31% para 40%. O Datafolha entrevistou 1.723 pes-

SECRETARIA DA SAÚDE DIVISÃO TÉCNICA DE SUPRIMENTOS - SMS.3 ABERTURA DE LICITAÇÕES Encontram-se abertos no Gabinete, os seguintes pregões: PREGÃO ELETRÔNICO 077/2013-SMS.G, processo 2013-0.026.739-5, destinado ao registro de preço para o fornecimento de IODOFÓRMIO E ENDO PTC, para a Divisão Técnica de Suprimentos - SMS.3/Grupo Técnico de Compras - GTC/Área Técnica de Odontologia, do tipo menor preço. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 14 horas do dia 17 de julho de 2013, pelo endereço www.comprasnet.gov.br, a cargo da 4ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO ELETRÔNICO 186/2013-SMS.G, processo 2013-0.122.869-5, destinado ao registro de preço para o fornecimento de SAPATILHA, MALHA SIMPLES, ALGODÃO, TAMANHO ÚNICO, para a Divisão Técnica de Suprimentos SMS.3/Grupo Técnico de Compras - GTC/Área Técnica de Material Médico Hospitalar, do tipo menor preço. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 9 horas do dia 16 de julho de 2013, pelo endereço www.comprasnet.gov.br, a cargo da 5ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO ELETRÔNICO 189/2013-SMS.G, processo 2013-0.050.595-4, destinado ao registro de preço para o fornecimento de SONDA, LEVINE, NASOGÁSTRICA, LONGA, DESCARTÁVEL, ESTÉRIL, para a Divisão Técnica de Suprimentos SMS.3/Grupo Técnico de Compras - GTC/Área Técnica de Material Médico Hospitalar, do tipo menor preço. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 10 horas do dia 17 de julho de 2013, pelo endereço www.comprasnet.gov.br, a cargo da 1ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO ELETRÔNICO 194/2013-SMS.G, processo 2013-0.049.421-9, destinado ao registro de preço para o fornecimento de TUBO EXTENSOR PARA ASPIRAÇÃO, para a Divisão Técnica de Suprimentos - SMS.3/Grupo Técnico de Compras GTC/Área Técnica de Material Médico Hospitalar, do tipo menor preço. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 10 horas do dia 18 de julho de 2013, pelo endereço www.comprasnet.gov.br, a cargo da 1ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO ELETRÔNICO 205/2013-SMS.G, processo 2013-0.099.275-8, destinado ao registro de preço para o fornecimento de LENÇOL, PAPEL LAMINADO, DESCARTÁVEL, 140 CM X 2,10M, para a Divisão Técnica de Suprimentos SMS.3/Grupo Técnico de Compras - GTC/Área Técnica de Material Médico Hospitalar, do tipo menor preço. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 9 horas do dia 17 de julho de 2013, pelo endereço www.comprasnet.gov.br, a cargo da 5ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO ELETRÔNICO 206/2013-SMS.G, processo 2013-0.134.374-5, destinado ao registro de preço para o fornecimento de MEDICAMENTOS DIVERSOS VII, para a Divisão Técnica de Suprimentos - SMS.3/Grupo Técnico de Compras - GTC / Área Técnica de Medicamentos, do tipo menor preço. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 9 horas do dia 18 de julho de 2013, pelo endereço www.comprasnet.gov.br, a cargo da 5ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO ELETRÔNICO 210/2013-SMS.G, processo 2013-0.104.703-8, destinado à aquisição de KIT PARA CONTENÇÃO, para a Divisão Técnica de Fiscalização, Comunicações e Informações - DTFCI/Serviço de Atendimento Móvel de Urgência - SAMU 192, do tipo menor preço. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 9 horas do dia 17 de julho de 2013, pelo endereço www.comprasnet.gov.br, a cargo da 3ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. PREGÃO ELETRÔNICO 211/2013-SMS.G, processo 2012-0.228.243-8, destinado à aquisição de APARELHOS DE FOTOPOLIMERIZAÇÃO, para a Coordenação de Atenção Básica/Área Técnica de Saúde Bucal, do tipo menor preço. A abertura/realização da sessão pública de pregão ocorrerá a partir das 9 horas do dia 18 de julho de 2013, pelo endereço www.comprasnet.gov.br, a cargo da 3ª Comissão Permanente de Licitações da Secretaria Municipal da Saúde. RETIRADA DE EDITAIS Os editais dos pregões acima poderão ser consultados e/ou obtidos nos endereços: http://e-negocioscidadesp.prefeitura.sp.gov.br; www.comprasnet.gov.br, quando pregão eletrônico; ou, no gabinete da Secretaria Municipal da Saúde, na Rua General Jardim, 36 - 3º andar - Vila Buarque - São Paulo/SP - CEP 01223-010, mediante o recolhimento de taxa referente aos custos de reprografia do edital, através do DAMSP, Documento de Arrecadação do Município de São Paulo. DOCUMENTAÇÃO - PREGÃO ELETRÔNICO Os documentos referentes às propostas comerciais e anexos, das empresas interessadas, deverão ser encaminhados a partir da disponibilização do sistema, www.comprasnet.gov.br, até a data de abertura, conforme especificado no edital.

"Nós mostramos que São soas em 44 cidades do Estado. A margem de erro é de dois Paulo não fabrica dinheiro, não gasta mais do que arrecapontos para mais ou menos. Os paulistas também deram da. Cortamos R$ 129 milhões uma nota ao governador Alck- de receita baixando tarifa, min. Em março, a média foi de mostramos direitinho de onde 6,4; no começo de junho ficou vão sair e não vamos reduzir 6,3; e na última pesquisa re- um centavo de investimento", disse o governador. cuou para 5,7. O Datafolha Ao longo do também divulmês passado, vários protestos Acho que a leitura gou a avaliação crítica dos pauforam feitos na é uma insatisfação listas sobre o decapital paulista com a represensempenho de Ale em outros mutação política. ckmin diante nicípios do Estados protestos do pedindo a reCabe a todos nós dos últimos dias. dução das taria humildade No dia 18 de jufas do transporde ouvir. nho, 51% avaliate público. O vam o desempeg o v e r n o e s t aGERALDO ALCKMIN nho de Alckmin dual é quem determina o valor das tarifas do diante das manifestações coMetrô e da CPTM. Após as ma- mo ruim ou péssimo; no dia 21, nifestações, Geraldo Alckmin o indicador ficou em 39%; e no recuou no reajuste de R$ 0,20, dia 28 de junho, 33%. mantendo a tarifa em HADDAD R$ 3,00. A avaliação do prefeito São Na semana passada, o governo estadual suspendeu o Paulo, Fernando Haddad (PT), reajuste do valor dos pedágios caiu 16 pontos, segundo o Dacobrados nas rodovias privati- tafolha. Em 7 de junho, 34% zadas de todo o Estado. Pelos dos entrevistados fizeram contratos firmados entre o go- uma avaliação positiva do peverno e as concessionárias, o tista (ótimo ou bom). Agora, reajuste deveria ser aplicado a na pesquisa realizada nos dias partir de ontem, o que moti- 27 e 28 de junho, esse indicavou os protestos que pararam dor está em 18%. Já o número as estradas (leia mais nas pági- de entrevistados que consideram o prefeito ruim ou péssinas 9 e 10) .

Joaquim Barbosa se diz 'lisonjeado' com resultado

A

mo subiu de 21% para 40%. Os 48% de seu governo, consideque consideram Haddad regu- rado ótimo pelas pessoas oular passou de 37% para 35%. vidas. A soma de ruim e péssi"Na vida real, o mandato dos mo também é a maior, 36%, políticos não tem mais quatro em junho. Em novembro pasanos. Em seis meses, as pes- sado, o índice era de 12% e em soas querem saber qual é a no- março de 2007, era de 11%. vidade. A tolerância é muito Cabral foi alvo dos manifesmenor", comentou Daddad. tantes, que acamparam na O Datafolha frente de seu entrevistou apartamento. 1.106 pessoas A pesquisa foi Na vida real, em São Paulo. A realizada nos margem de erro o mandato dos dias 27 e 28 de é de três pontos políticos não tem junho. Foram para mais ou pa- mais quatro anos. ouvidas 1.108 ra menos. pessoas em 27 Em seis meses, municípios. A as pessoas querem CABRAL margem de erro D e p o i s d e novidade. é dois pontos atingir o pico de FERNANDO HADDAD percentuais. sua popularidade na série do Datafolha no EsPAES tado do Rio de Janeiro , em noA avaliação do governo do vembro de 2010, o governa- prefeito do Rio, Eduardo Paes, dor Sérgio Cabral despencou também despencou. Segundo 30 pontos percentuais em o Datafolha, Paes caiu de 50% pesquisa do instituto. para 30%. Em março de 2009, No levantamento da última Paes tinha aprovação de 38%, sexta-feira, após seis anos e chegou a 50% em agosto de meio de mandato, ele obteve 2012 e agora, após os protes25% de ótimo e bom, a menor tos, o índice de ótimo baixou pontuação da série, principal- para 30%. mente se levado em consideA pesquisa foi realizada enração que, em novembro de tre os dias 27 e 28 de junho 2010, Cabral atingiu o ápice com 605 entrevistados e tem com 55% de ótimo. margem de erro de quatro Em março de 2007, quando pontos percentuais para mais foi eleito pela primeira vez, ou para menos. Cabral tinha aprovação de (Agências) Felipe Sampaio/ SCO/ STF

pós dobrar as intenções Joaquim Barbosa vai de 7% de voto na última para 13%. pesquisa presidencial O ministro falou após a do Datafolha, o presidente do última sessão do STF antes do Supremo Tribunal Federal recesso, que foi encerrada (STF), Joaquim Barbosa, rapidamente por falta de repetiu ontem o quorum. Barbosa disse discurso de que fica apenas que ficou "lisonjeado" "lisonjeado" com o com o resultado do resultado, mas Datafolha. disse que não será Na semana É excelente candidato. passada, o Enquanto a presidente do STF para a minha presidente Dilma afirmou que não vida pessoal, Rousseff perdeu 21 seria candidato. para o meu pontos após a onda "Eu me sinto histórico. de protestos pelo extremamente País, Joaquim lisonjeado, apesar JOAQUIM BARBOSA, Barbosa saltou de de não ser político PRESIDENTE DO STF 7% para 15%, num e jamais ter cenário que inclui participado de ainda Marina Silva (Rede), campanha política. É com 18%, Aécio Neves excelente para a minha vida (PSDB), também com 15%, pessoal, para o meu e Eduardo Campos (PSB), histórico", afirmou. "Não com 5%. tenho a menor vontade de me Quando a pesquisa inclui o lançar candidato a presidente ex-presidente Luiz Inácio Lula da República", completou. Barbosa diz que não tem a menor vontade de ser presidente da Silva no lugar de Dilma, (Folhapress)


p Presidente manda hoje ao Congresso o seu plebiscito

DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 2 de julho de 2013

olítica

7

É preciso que o próprio Congresso solicite ao tribunal (a consulta sobre o plebiscito) e não a presidente da República. Gilmar Mendes, ministro do STF Carlos Humberto SCO/STF - 26.06.13

Proposta será encaminhada enquanto o TSE estuda 'prazo mínimo' para a consulta

C

om a popularidade em queda livre e ameaças surgindo dentro da própria base aliada, a presidente Dilma Rousseff confirmou ontem que o plebiscito sobre reforma política, que ela irá sugerir hoje à Câmara e ao Senado, tratará de questões referentes a financiamento de campanha e ao padrão de voto vigente. Dilma, no entanto, destacou que outros temas poderão ser incorporados e não deu nenhuma garantia do prazo para a realização do plebiscito – questão que, segundo ela, caberá ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidir. Questionada sobre quais questões entrarão no plebiscito, respondeu: "Basicamente – não é que essas serão as únicas sugestões – o plebiscito diz respeito ao financiamento das campanhas e ao padrão eleitoral, melhor dizendo, padrão de voto vigente, distrital, misto, a esse tipo de questão". De acordo com a presidente, o Planalto não vai dar su-

gestão de perguntas, porque "não somos nós que fazemos as perguntas, as perguntas ficam entre o Senado e a Câmara de um lado e o próprio Tribunal Superior Eleitoral de outro, que formata as perguntas". "Amanhã (hoje) enviamos nossa sugestão no sentido de um plebiscito, apontando em

O TSE tem os seus procedimentos, sistemas, prazos e isso será formalmente analisado. CÁRMEN LÚCIA linhas gerais as balizas que julgamos as mais importantes. Isso não significa que outras balizas e outros nortes não poderão aparecer", disse Dilma, que convocou uma rara coletiva de imprensa para explicar. De acordo com a presidente,

também hoje o TSE deverá responder sobre o prazo para a realização do plebiscito. "Não temos como definir isso (o prazo), depende do prazo que der o TSE e do Senado e da Câmara, é uma pergunta que está prejudicada no sentido de que eu não tenho governabilidade sobre essa questão", disse. Criticada por partidos da oposição e por lideranças da própria base por optar por um plebiscito, e não um referendo, Dilma saiu em defesa da forma escolhida para a consulta popular. "É importante ouvir uma questão que é a busca não só de um governo voltado para o povo, mas um governo que quer que o povo participe, enseja a participação popular, daí por que a proposta de consulta popular tem um sentido de transferir para a população o direito de ser consultada. O povo deve ser consultado." Após receber um pedido por escrito da presidente Dilma Rousseff, a presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Cármen Lúcia, anun-

Carmen Lúcia, presidente do Tribunal Superior Eleitoral, que fez ontem a última sessão antes do recesso. ciou ontem que a equipe técnica da Justiça Eleitoral estuda a possibilidade de fazer, ainda este ano, o plebiscito com regras para vigorar nas eleições de 2014. É necessário um prazo de um ano de antecedência para que as regras decididas no plebiscito valham para a eleição de outubro de 2014. A ministra destacou que "ainda não tenho, nada, absolutamente nada a dizer sobre os dados". "É uma consulta que envolve a operacionalização e para isso nós temos nossos órgãos técnicos", disse. "É certo que a Justiça Eleitoral está pronta e preparada sempre a cumprir o que a Constituição determina, que é

a consulta popular, mas o TSE tem seus procedimentos, sistemas, prazos e isso será formalmente analisado." Cármen Lúcia fez o anúncio na última sessão do TSE antes do recesso. A ministra fez uma reunião com os presidentes dos 27 Tribunais Regionais Eleitorais para discutir a viabilidade do plebiscito. Ela disse, ainda, que o corpo técnico do tribunal já começou o estudo. Na sessão do TSE, ela avisou aos colegas ministros que não descarta convocar uma reunião extraordinária, ainda no recesso, para discutir o resultado do estudo técnico. Ou seja, o estudo deve ser concluído ainda este mês.

INTERNET

Rede nega censura a conteúdo político

Reprodução DC

E rfil Imagem do pe ' no 'Dilma Bolada Facebook. Na internet há ina também a 'pág da ia oficial' cr e pelo estudant teiro: on M on Jefers olada.com www.dilmab

'Dilma Bolada' também tem problemas de popularidade

E

nquanto a presidente Dilma Rousseff está tendo de lidar com a queda brusca nos índices de aprovação e popularidade, a homônima 'Dilma Bolada', sátira da 'presidente mandona' que faz sucesso nas redes sociais, vive dias de amor e ódio. O pai da personagem, como o próprio estudante de publicidade Jeferson Monteiro se define, conta que foi justamente neste momento de crise que a personagem contabilizou o seu maior crescimento, desde a criação, em 2010. Foram cerca de 64 mil novos fãs no Facebook entre os dias 15 e 27 de junho. A média de 5.300 novas curtidas por dia representa um aumento de 350% na comparação com os números das semanas anteriores. "Pode-se dizer que este é um case bem sucedido de gerenciamento de crise nas redes sociais, pois foi o maior período de crescimento da página até hoje", diz Jeferson, lembrando que sua sátira, com 425 mil fãs, é mais popular que qualquer outra página

de político no Facebook no dente". Ele escolheu a última. Brasil. No Twitter são 133 mil Seguindo esta linha, Jeferseguidores do @diImabr, 18 son denunciou na página abumil deles chegaram na segun- sos policiais e deu um tom da quinzena de junho. mais sóbrio à sua personaA mudança de postura da gem. "Aquela autoexaltação "Bolada" começou junto com dela ficou de lado. Se eu posto os dias difíceis da presidente, 'sou diva, sou isso e aquilo' pono momento em que ela foi deria causar raiva". vaiada em Brasília na abertura Mesmo certo de que adotou da Copa das Cona melhor postufederações. ra, Jeferson não "Ali já começaescapou das críPode-se dizer va um momento ticas. "Está evimuito delicado, a dente que deique este é um imagem da Dilxou de ser um case bem ma já sofria alolhar debochasucedido gum impacto. do de nosso sisde gerenciamento tema político e Até então era um de crise nas personagem inspassou a ser um pirado em uma amor platônico redes sociais. presidente que já pela presidenta. JEFERSON MONTEIRO teve quase 80% Valeu. Até nunca de aprovação", mais", disse diz seu criador. uma ex-seguidora. Ele conta que tinha três opEntre os dias 14 e 24 de juções: "ou eu deixava a perso- nho, no auge das manifestanagem calada, ou assumia ções, 7.413 pessoas deixaram uma posição de oposição ao de seguir a página. governo – postura que não teEm contrapartida, desde os nho particularmente –, ou eu anúncios dos pactos, ele conta agia ao lado dos manifestan- que voltaram os comentários tes e sem ser contra a presi- com elogios, as pessoas cha-

Desorganização – Na sessão, o ministro Gilmar Mendes criticou o pedido de Dilma. O ministro disse que não cabe à Presidência fazer essa consulta ao TSE, uma vez que é o Congresso que deve organizar o plebiscito. Gilmar Mendes disse que a consulta está "mal organizada" e sugeriu que os organizadores do plebiscito consultem os "manuais existentes". "O Executivo não tem papel nessa matéria, é o próprio Congresso e só o Congresso. As coisas estão mal organizadas sob essa perspectiva. É preciso que o próprio Congresso solicite ao tribunal e não a presidente da República." (Agências)

mando de 'Rainha da Nação', coisa que diminuiu muito durante a crise". Perguntado sobre a repercussão do recuo do governo na questão da Constituinte exclusiva, Jeferson diz que a maioria dos fãs da página não se importou com isso. "O que falou mais alto foi o plebiscito e a reforma política." Pro te st o s – Mesmo sendo admirador confesso da presidente Dilma, Jeferson, que tem 23 anos, vê falhas na forma como a presidente lidou com a crise, principalmente na comunicação. "Na história dos médicos, por exemplo, faltou uma explicação mais simples, como a que foi dada pela Bolada", numa referência ao post dele que mostra que o Brasil criou mais vagas para médicos do que as universidades foram capazes de formar nos últimos anos. Jeferson conta que pensou muito antes de entrar na polêmica, mas ficou satisfeito ao ler comentários como "está melhor que (a Dilma original)". (Estadão Conteúdo)

m meio aos protestos que tomaram conta do Brasil nas últimas semanas e relatos de usuários que supostamente tiveram posts sobre política censurados pela rede social, o Facebook Brasil publicou uma nota esclarecendo que não exclui publicações desse tipo do site. A empresa explicou que, de acordo com seus termos de uso, só remove conteúdo que envolva pornografia, assédio, incitação à violência e outros tópicos que podem ser encontrados na página de padrões da comunidade, mas admitiu que podem haver erros, como o que ocorreu com o perfil "Dilma Bolada". Em maio, o perfil paródia da presidente teve um post seu excluído. A censura da publicação, que fazia uma piada com o senador Aécio Neves (PSDB-MG), fez com que o estudante Jeferson Monteiro, dono da página, pensasse em deletar sua

criação. O Facebook admitiu o erro no mesmo dia, dizendo que o conteúdo havia sido retirado do ar indevidamente após denúncias de usuários. "O conteúdo em questão foi reportado e nossos sistemas automáticos, elaborados para garantir a segurança dos usuários, removeram-no indevidamente. Depois de termos sido alertados, o conteúdo foi recuperado e está no ar novamente. Lamentamos o inconveniente", declarou a empresa. Para avaliar as denúncias, a companhia diz contar com "um time de revisores altamente treinados" e que quase todo o conteúdo é revisado manualmente, com exceção de spam. "Muitas vezes precisamos balancear a possibilidade de nossos usuários se expressarem e compartilharem informações, ao mesmo tempo em que possamos garantir um ambiente seguro para todos", explicou. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

terça-feira, 2 de julho de 2013

PARAGUAI Presidente Franco denuncia 'perseguição' do Mercosul

nternacional

SEGREDO ATÔMICO Governo do Irã acusa oito parapentistas eslovacos de espionagem

Militares egípcios dão ultimato:

RESOLVAM! E

m meio a manifestações em massa pedindo a saída do presidente islamita Mohammed Morsi, o Exército do Egito deu ontem um ultimato de 48 horas para que o governo e seus opositores cheguem a um acordo. Caso contrário, os militares afirmam que vão intervir para levar adiante um projeto político para o país e assegurar que ele seja implementado. Em uma dramática declaração lida na TV estatal, o chefe militar egípcio, general Abdel Fattah al-Sisi, disse que a nação corre risco depois dos protestos que mobilizaram milhões de pessoas no domingo pela renúncia de Morsi, o que incluiu um saque à sede da Irmandade Muçulmana, movimento político que dá sustentação ao líder. Negando ter ambições políticas, os militares disseram que estavam respondendo ao "pulso das ruas egípcias" ao emitir o ultimato. O Exército governou o país por 55 anos, desde a chegada de Gamal Abdel Nasser ao poder até a queda de Hosni Mubarak, há dois anos e meio. Estimativas do Exército apontam que entre 14 milhões e 17 milhões de pessoas protestaram contra Morsi no domingo. A ameaça de intervenção dos generais foi Os recebida com pedidos satisfação pedo povo los manifestandevem tes – e com perplexidade pelos ser atendidos. políticos aliados de Morsi. EXÉRCITO Seu governo EGÍPCIO acaba de completar um ano. Por meio de nota, a Presidência egípcia observou que a declaração dos militares poderia causar confusão e afirmou que levaria adiante seu próprio plano de reconciliação. "A era dos golpes militares acabou", alertou Yasser Hamza, da Irmandade Muçulmana. Já o ex-premiê Ahmed Shafiq, derrotado por Morsi nas eleições do ano passado, declarou que o "reinado da Irmandade acabará até o fim da semana." Cinco ministros renunciaram em solidariedade aos manifestantes. São eles os chefes das pastas de Relações Exteriores, Mohamed Kamel Amr; do Turismo, Hisham Zaazou; da Comunicação, Atef Helmi; de Assuntos Jurídicos, Hatem Bagato; e do Ambiente, Khaled Abdel-Al. Primeiro presidente eleito democraticamente do país, Morsi é acusado pela oposição secular de ter sequestrado a revolução egípcia para tentar impor uma agenda religiosa, além de ter se tornado cada vez mais autoritário e de não controlar a crise econômica. Na tarde de ontem, manifestantes voltaram a se reunir nos arredores da praça Tahrir, no Cairo, berço dos protestos que derrubaram a ditadura militar e agora pedem a saída de Morsi. A multidão celebrou quando helicópteros militares passaram levando bandeiras nacionais, no fim de tarde, em uma imagem simbólica do desejo das Forças Armadas de mostrarem sua sintonia com o povo. Ontem de manhã, o escritório da Irmandade Muçulmana no Cairo foi invadido e saqueado por manifestantes. O Ministério da Saúde divulgou que o saldo de mortos desde o domingo é de ao menos 16, além de 781 feridos. (Agências)

Em resposta ao 'pulso das ruas', os poderosos generais estabelecem 48 horas para que o governo de Morsi e a oposição cheguem a um acordo para encerrar a crise no Egito. O presidente e seus aliados da Irmandade Muçulmana rejeitam a advertência, mas os militares asseguram que não participarão da política do país. Nas ruas, manifestantes comemoram a decisão dos militares e voltam a se concentrar na praça Tahrir. Estimativas do Exército apontam que até 17 milhões de pessoas protestaram contra Morsi no domingo. Amr Abdallah Dalsh/Reuters

Snowden: sobrou para a Rússia.

O

Fotos: Suhaib Salem/Reuters

Vândalos saqueiam sede da Irmandade, no Cairo (no alto), enquanto manifestantes protestam com bandeiras, uma cruz e a cópia do Alcorão. Alessandro Bianchi/Reuters - 30/06/13

Papa faz faxina no banco do Vaticano

O

diretor-geral do banco do Vaticano, Paolo Cipriani, e o seu vice, Massimo Tulli, renunciaram ontem, após investigações do escândalo financeiro que envolve o Instituto para Obras da Religião (IOR), nome oficial do banco. A medida foi tomada no momento em que o papa Francisco pressiona funcionários do Vaticano a tomar medidas mais duras contra a lavagem de dinheiro no banco. Recentemente, o pontífice indicou uma comissão especial formada por graduadas autoridades da igreja para uma missão de auditoria no IOR. A renúncia de Cipriani e Tulli, que foi aceita pela Comissão de Cardeais e pela direção da superintendência, ocorreu para o "bem do instituto e da Santa Sé", informou o Vaticano em comunicado. Como os ocupantes do mais alto escalão da administração do banco, Cipriani e Tulli encabeçaram os esforços do pontífice para pôr em ordem a instituição e colocála nos padrões aceitos por reguladores externos.

Papa Francisco pressiona para que banco adote medidas mais duras contra a lavagem de dinheiro "Embora estejamos gratos pelo que foi alcançado, está claro hoje que precisamos de uma nova liderança para melhorar o andamento deste processo de transformação", declarou o presidente do banco do Vaticano, Ernest von Freyberg, que assumirá o posto de diretor interino. O próprio Freyberg, um advogado alemão de 55 anos, teria sido nomeado em maio do ano passado para substituir o italiano Ettore Gotti Tedeschi, que está sendo investigado por suposta violação das normas sobre a prevenção de lavagem de dinheiro.

Corrupção - A saída de Cipriani e Tulli ocorre três dias após a prisão do monsenhor Nunzio Scarano, um contador em um departamento no Vaticano que está sujeito a duas investigações separadas por magistrados italianos. Scarano, de 61 anos, era responsável pelo serviço de contabilidade da Administração do Patrimônio da Sede Apostólica (APSA), o órgão que administra o imenso capital imobiliário do Vaticano. No mais recente de uma série de golpes ao banco do Vaticano, Scarano foi preso na sexta-feira passada com

um agente do serviço secreto italiano e um operador financeiro. Os três são acusados de fraude e corrupção por transferir ilegalmente 20 milhões de euros em dinheiro da Suíça para a Itália, na cidade de Salerno, ao sul do país. Scarano já tinha sido suspenso pelo Vaticano depois que se soube que a promotoria de Salerno o estava investigando por lavagem de dinheiro em um caso envolvendo cheques justificados como doações de origem duvidosa que somavam 580 mil euros. (Agências)

ex-técnico da CIA Edward Snowden acusou ontem o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, de "mentir" e de utilizar a "agressão política" contra outros países para conseguir sua extradição. Snowden solicitou asilo político à Rússia no domingo. O presidente da Rússia, Vladimir Putin, reafirmou que não planeja extraditar Snowden aos EUA, onde é acusado de espionagem por denunciar um programa de vigilância da Agência Nacional de Segurança (NSA, na sigla em inglês). "A Rússia nunca entregou ninguém e ninguém tampouco nos entrega", disse Putin. Embora os países já tenham trocado espiões, o líder russo sugeriu que este não é o caso: "ele não é nosso agente." Putin, porém, condicionou a estada do ex-técnico a não mais revelar dados que constranjam os EUA. "Se quiser ficar aqui, há uma condição: parar de ferir nossos parceiros norte-americanos. Por mais estranho que isto soe em meus lábios", disse Putin. Segundo um funcionário da imigração russa, Sarah Harrison, advogada do WikiLeaks que acompa- Fotos: Reuters nha Snowden, entregou o pedido de asilo a um oficial russo na área de trânsito do aeroporto S h er e m et y ev o , e m M o scou. O delator se encontra no local desde Asilo: Putin e Snowden. 23 de junho. Snowden teve o passaporte cancelado e vários países, como o Equador, sofrem pressão dos EUA para não lhe concederem asilo. Ele acusou Obama de perseguição. "Depois de prometer não fazê-lo, o presidente ordenou que seu vice-presidente pressione os líderes das nações das quais eu solicitei proteção para negar minhas petições de asilo", disse ele, em comunicado divulgado pelo WikiLeaks. Rotina - O presidente norteamericano minimizou a controvérsia sobre se Washington havia espionado seus aliados da União Europeia. "Garanto que, nas capitais europeias, há gente que quer descobrir, se não o que tive no café da manhã, ao menos o que quero falar com seus líderes. É assim que a inteligência opera", justificou Obama. No entanto, a chanceler alemã, Angela Merkel, e o presidente francês, François Hollande, disseram que a vigilância é "inaceitável" e advertiram que as negociações de um acordo de livre comércio devem ser prejudicadas. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 2 de julho de 2013

c

9

idades

PROTESTO DE CAMINHONEIROS

TRAVOU TUDO Sérgio Castro/Estadão Conteúdo

Caminhoneiros de todo o País fizeram protestos em pelo menos 33 rodovias espalhadas por nove estados, pedindo mais segurança nas estradas e redução nas tarifas de pedágios.

C

BR-364 (CUIABÁ-MT)

No Rodoanel, moradores de Itapecerica da Serra, na Grande São Paulo, fecharam as pistas pedindo melhorias na cidade. O trânsito parou.

VIA ANCHIETA

Sérgio Castro/Estadão Conteúdo

Werther Santana/Estadão Conteúdo

CASTELO BRANCO

Na Anchieta, manifestantes prometem voltar hoje e fazer novo bloqueio

PORTO DE SANTOS

SP -332 (COSMÓPOLIS)

Pedro Amatuzzi/Estadão Conteúdo

Caminhoneiros bloquearam os dois sentidos da Castelo Branco.

Lucas Baptista/Estadão Conteúdo

aminhoneiros fize- cavam melhorias para a cidaram ontem pelo me- de. Às 9h45 as filas na estrada nos 33 protestos em eram de dez quilômetros. O rodovias de 9 Esta- protesto só foi encerrado por dos do País. Os motoristas pe- volta das 12h30, quando todas dem redução no preço dos pe- as pistas foram liberadas. dágios e dos combustíveis, muSantos – Em Santos, um grudanças na legislação e mais se- po de caminhoneiros fechou o gurança. À tarde, a Justiça acesso ao Porto de Santos, imdeterminou o desbloqueio das pedindo caminhões e carretas estradas federais. Em São Pau- de chegar ao viaduto que tem lilo, a Polícia Militar foi usada pa- gação direta com o cais. À tarra liberar a Castelo Branco após de, os dois acessos ao maior mais de 15 horas de protesto. porto da América Latina ficaO governador Geraldo Alck- ram fechados. Os líderes do min (PSDB) quer cobrar inde- movimento afirmam que as nização dos manifestantes. manifestações devem seguir Longos congestionamentos por tempo indeterminado. foram registrados em todas as O governador Geraldo Alckrodovias interditadas. min determinou, no fim da tarInicialmente, os protestos de desta segunda-feira, que a estavam programados para Procuradoria-Geral do Estado terminar só hoje. Na Rodovia (PGE) entrasse com uma ação Anchieta, porém, os caminho- judicial para pedir a liberação neiros decidiram liberar as pis- imediata das rodovias e impetas por volta das 19h. Eles pro- dir eventuais novos bloqueios metem voltar às 5h de hoje, totais. A PGE pretende cobrar bloqueando o indenizações tráfego nos pelos prejuídois sentidos zos causados da estrada. p e l a s m a n iNa Castelo festações. O A polícia chegou Branco, os Tribunal de jogando bomba e motoristas Justiça não tirando os pr et en di am confirmou se caminhões com dormir dentro a ação foi julguinchos. A gente dos veículos, gada até onno meio da estem à noite. teve que sair. trada, mas a S us p en sã o CLAUDINEI DE OLIVEIRA, Polícia Militar – Por outro laCAMINHONEIRO frustrou o prodo, o governo testo usando estadual bombas de efeito moral e balas atendeu a um pedido dos cade borracha, segundo os cami- minhoneiros. A cobrança do nhoneiros. eixo suspenso, prevista para "A polícia chegou jogando começar ontem, foi adiada por b o m b a e t i r a n d o o s c a m i- tempo indeterminado. nhões com guinchos. A gente "A cobrança não foi implanteve que sair. Não teve jeito", tada pois ainda depende da afirmou o caminhoneiro Clau- conclusão de medidas jurídidinei de Oliveira, de 40 anos. cas e técnicas", disse a AgênSegundo ele, uma mulher foi cia de Transportes do Estado ferida por uma bala de borra- de São Paulo (Artesp). A cocha e levada ao hospital pelo brança havia sido anunciada marido de caminhão. semana passada por Alckmin A PM informou que a Tropa de como uma das medidas necesChoque foi deslocada para a ro- sárias para viabilizar a suspendovia, mas não confirmou ne- são do reajuste dos pedágio. nhum incidente. "A gente vai se Justiça – A Justiça Federal no mobilizar para fazer um novo Rio proibiu que manifestações protesto", disse Pereira. A para- de caminhoneiros interromlisação da Castelo foi organiza- pam o tráfego nas rodovias feda por meio das redes sociais, derais, como a Presidente Duna internet. Os motoristas, a tra. A decisão liminar foi tomamaioria autônomos, nega a da a pedido da Advocacia Gepresença de sindicatos. ral da União (AGU). Na R od oa ne l – Um grupo com decisão, a juíza afirmou que a cerca de 50 manifestantes blo- paralisação poderia impedir a queou, por volta das 6 horas, o liberdade de locomoção e proRodoanel Mário Covas. O grupo vocar prejuízos irreversíveis, era composto por moradores acidentes e conflitos em áreas de Itapecerica da Serra, na de tráfego intenso. Grande São Paulo, que reivindiOutros estados – Além de São

Acesso ao maior porto da América Latina também ficou prejudicado

No interior paulista, várias estradas foram fechadas por caminhoneiros.

Paulo, houve protestos da categoria no Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul, Mato Grosso e Bahia. O Movimento União Brasil Cami-

do sindicato das empresas de transporte de carga. O líder nacional da paralisação dos caminhoneiros, Nélio Botelho, afirmou que os protestos serão mantidos nas es-

Euclides Oltramari Jr./Estadão Conteúdo

Paralisações também atingiram estradas da região Centro Oeste, utilizadas para escoar produção agrícola.

nhoneiro (MUBC), que encabeça nacionalmente as manifestações, afirma que elas deverão prosseguir até quinta-feira. Elas não têm apoio de outras associações do setor nem

BR-381 (BELO HORIZONTE)

tradas. Mas a orientação, segundo ele, é que não ocorra interdição de pistas. À frente do MUBC, Botelho diz que a intenção é fazer atos "pacíficos" em todo o País. (Agências)

Denilton Dias/Estadão Conteúdo

Em Minas Gerais, a Fernão Dias, que liga São Paulo a BH, foi uma das rodovias fechadas por protestos.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10

c

terça-feira, 2 de julho de 2013

A regularização (das calçadas) demanda tempo e esclarecimento. Marcel Solimeo, economista-chefe da ACSP

idades

Prazo para novas calçadas termina hoje Donos de imóveis que foram notificados até 3 de maio de 2013 devem ter concluído suas obras. Para quem foi multado a partir daquela data, o prazo é de 60 dias. Mariana Missiaggia

de multa imediata aos proprietários de imóveis com calçadas danificadas. Dessa forermina hoje o prazo ma, quem recebeu notificapara a regularização ções a partir desta data deve das calçadas que fo- se apressar. Ao receber a notiram notificadas no ficação de irregularidade, o período de 9 de setembro de morador ou o comerciante 2011 a 3 de maio de 2013. No terá 60 dias para adequar sua início de maio deste ano, a Pre- calçada, contados a partir da feitura adotou novas regras data da multa. Se a obra for para a adequação das calça- concluída no prazo haverá das na Capital e informou que, cancelamento da multa. quem foi multado até 3 de Nesse caso, quem foi multamaio, tem até hoje para con- do no dia 4 de maio, por exemcluir a reforma do piso. plo, tem até quinta-feira (4 de O descumprimento da lei, julho) para estar com sua calçaainda que as obras estejam em da totalmente reformada. Não andamento, renderá uma mul- estão previstas novas anistias. ta de R$ 300 por metro quadraCartilha – Para Marcel Solido linear, cobrados sobre a cal- meo, economista-chefe da Asçada inteira. Os proprietários sociação Comercial de São Paudos imóveis lo (ACSP), o devem comuprazo de 60 n i c a r à S u bdias é insufiprefeitura da ciente para a região quanreforma. "A do realizarem ACSP defende os reparos. uma prorromultas foram Em nota, a gação desse aplicadas em 2012 Secretaria prazo para Municipal de que todos por causa de Coordenação possam se calçadas irregulares das Subpreadequar com feituras infort r a n q ui l i d aou danificadas. mou que, cade. A regulariso os propriezação demantários que tenham sido multa- da tempo e esclarecimento. Por dos até 3 de maio tenham isso, a ACSP está elaborando adequado suas calçadas, não uma cartilha em parceria com a precisarão pagar a multa. Prefeitura para que nossos asPara conseguir o benefício, sociados tenham um amparo o dono do imóvel deverá pro- técnico em relação ao assuntocolar um requerimento na to", disse Solimeo. subprefeitura da sua região, Segundo a assessoria da Semunido de cópias dos autos de cretaria das Subprefeituras, o multa e intimações, recibo do prazo é suficiente. A cartilha ciIPTU, CNPJ ou CPF, comprova- tada por Solimeo, que será lanção da regularização da calça- çada em breve pela ACSP, irá da por meio de foto datada e abordar com simplicidade as declaração de que os docu- mudanças na lei. mentos são verdadeiros. Segundo a Prefeitura, o poCaberá ao Supervisor de Fis- der público assume a responcalização analisar o requeri- sabilidade de oferecer informento e, em caso de irregula- mações padronizadas e pode ridades, solicitará as devidas até fazer as adaptações necorreções ao interessado, que cessárias nas calçadas. Mas a terá prazo de 30 dias para pro- conta é do dono do imóvel. videnciar as exigências. Apenas as rampas de acesso Mudanças – No último dia 4 das calçadas são de responsade maio, o prefeito Fernando bilidade das subprefeituras da Haddad sancionou mudanças cidade. Em 2012, 6.038 auna lei que previa a aplicação tuações foram aplicadas.

Silva Junior/Folhapress

T

6.038

Nova legislação obriga o munícipe a reformar sua calçada de acordo com os padrões estabelecidos em lei. Mas o prazo é considerado curto. J.Duran Machfee/Estadão Conteúdo

Pedestre atravessa a Avenida Paulista embaixo da chuva, ontem à tarde. Tempo instável e o frio devem continuar hoje na capital paulista.

Chuva provoca alagamentos em SP

A

chuva que atingiu ontem a região metropolitana de São Paulo fez com que o CGE (Centro de Gerenciamento de Emergências), da Prefeitura, colocasse a capital paulista em estado de atenção. Por volta das 16h, havia quatro pontos de alagamento, mas todos transitáveis. Além dos pontos de alagamento, a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) teve problemas em semáforos. Por volta das 16h, havia 20 semáforos apagados e 11 no

amarelo intermitente. Também foi registrada uma queda de árvore na avenida Valentim Gentil, na altura no número 498. Hoje, o dia começa com muita nebulosidade e chuvas que devem diminuir ao longo do dia, segundo o CGE. A sensação ainda deve ser de frio, com temperaturas variando entre 13°C e 19°C. Há risco para alagamentos e deslizamentos de terra por causa do solo encharcado. Sul – No Sul do País, oito cidades de Santa Catarina de-

cretaram situação de emergência por causa das chuvas que caem há duas semanas. Segundo a Defesa Civil, 600 famílias precisaram sair de casa por causa de alagamentos e deslizamentos de terra nessas cidades. No Paraná, passam de 100 mil os afetados pelas chuvas nos últimos dez dias. Até ontem à noite, 59 municípios haviam decretado situação de emergência. Duas pessoas morreram soterradas em Laranjeiras do Sul, na semana retrasada,

e doze ficaram feridas por inundações e deslizamentos. No fim de semana, temporais derrubaram árvores e destelharam casas especialmente no norte do Paraná. Cerca de 2.700 pessoas permanecem fora de suas casas, em abrigos ou casas de familiares. A previsão é que deve parar de chover a partir de hoje no Estado, com a chegada de uma massa de ar seco, segundo informações o Simepar (Sistema Meteorológico do Paraná). (Folhapress)

FAIXA EXCLUSIVA

F

Ó RBITA

MÉDICOS

M

édicos de todo o País farão uma paralisação amanhã contra a "importação" de médicos estrangeiros para atendimento no Sistema Único de Saúde. Atendimentos de urgência serão mantidos. Os demais protestos nesta semana em São Paulo devem ser definidos hoje, na Assembleia Legislativa. (Agências)

oram inauguradas ontem as faixas exclusivas de ônibus na Marginal do Pinheiros. Elas funcionarão das 6h às 9h e das 17h às 20h, de segunda a sexta-feira. O motorista que entrar na faixa receberá multa de R$ 53,20 reais e três pontos na carteira, a partir de data a ser definida. Por enquanto, trata-se de uma fase educativa. No horário de pico, a via recebe 98 ônibus por hora no sentido Castelo Branco. A expectativa é que a velocidade média dos coletivos na via passe de 14 km/h para 25 km/h. (Estadão Conteúdo)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 2 de julho de 2013

11

d

Fábio Motta/Estadão Conteúdo

cultura

Paulinho da Viola abraça a velha-guarda de Élton Medeiros

Sua bênção, Élton. André Domingues

N

os idos de 1964, 1965, o sambista Élton Medeiros simbolizava a ligação entre a juventude politizada e a velhaguarda das escolas de samba, guardiã das tradições populares brasileiras. Hoje, aos 82 anos de idade, ele próprio é um nome fundamental da velha-guarda, merecedor de homenagens valiosas como os shows Estou falando de Elton Medeiros, do Sesc Vila Mariana, em que recebe os parceiros Paulinho da Viola, Carlos Lyra, Eduardo Gudin, Hermínio Bello de Carvalho, Carlinhos Vergueiro e as vozes de Fabiana Cozza, Demônios da Garoa, Ná Ozzetti, Adriana Moreira e Beatriz (filha de Paulinho). Élton se formou musicalmente em rodas de choro familiares e em agremiações carnavalescas suburbanas da Zona Norte carioca. No final da década de 40, começou

a tocar trombone em rádio e gafieiras, mas permaneceu obscuro por muitos anos, mesmo tendo composições gravadas ou interpretadas publicamente por cantores como Jamelão e Jorge Goulart. Sua carreira só deu sinais claros de progresso em meados anos 60, quando uma parte representativa da intelectualidade carioca se voltou às tradições populares dos morros, dando mais atenção a Cartola, Nelson Cavaquinho e outros bambas. Àquela altura, Élton já era respeitado nos terreiros das escolas de samba, integrava o conjunto A Voz do Morro, liderado por Zé Kéti, e era parceiro de Cartola na música mais famosa do processo histórico em curso, o hoje clássico O Sol Nascerá. Mais um passo importante rumo à consagração foi dado em 1965, quando integrou o elenco do célebre musical Rosa de Ouro, es-

trelado por Clementina de Jesus e Aracy Côrtes e dirigido por Hermínio Bello de Carvalho. Ali, fazia parte do sensacional grupo de apoio, junto a Paulinho da Viola, Anescarzinho do Salgueiro e Jair do Cavaquinho (depois, entrou Nelson Sargento), do qual nasceu um novo grande conjunto, Os Cinco Crioulos, apenas com Mauro Duarte no lugar de Paulinho. A estreia de Élton em disco também se deu ao lado do amigo Paulinho, com quem dividiu o LP Samba na Madrugada em 1966. Apesar da alta qualidade daquele registro, porém, sua carreira solo não decolou como a do parceiro, que rapidamente se tornou uma referência nacional. Somente em 1973 Elton gravou um álbum só seu, o brilhante Elton Medeiros, em que se somam composições já conhecidas em outras vozes, co-

mo O Sol Nascerá, Mascarada e Pressentimento, às inéditas Avenida Fechada e Sandália Dourada, entre outras. Ali se consolidou definitivamente a sua trajetória artística. Nunca foi um pop star, é verdade, mas também não deixou de ser considerado um dos sambistas mais importantes do país. Elton Medeiros esteve muitas vezes associado a um instrumento curioso que toca de forma magistral: a caixinha de fósforos. Sua principal contribuição ao samba, porém, não se deu na percussão nem na simplicidade evocada pelo instrumento, mas na criação de elegantes melodias. Foi, certamente, nas linhas sensíveis de obras como Onde a Dor Não Tem Razão, Sofreguidão e Ame, de belos contornos passionais, que sua maestria ficou marcada com maior profundidade.

Fotos: Arquivo DC

Guilherme Arantes: em forma...

... assim como Frejat: plateias lotadas.

REVIVENDO CHICO ANYSIO TROPICALISTA

P

ouca gente se lembrava de uma memorável passagem do humorista Chico Anysio pela música brasileira, a sátira tropicalista Baiano e os Novos Caetanos, feita ao lado de Arnoud Rodrigues em 1974. Felizmente, o ator Gero Camilo não só lembrava, como gostava a ponto de propor um revival daquele repertório no show Aos Baianos e Novos Caetanos – Homenagem a Chico Anysio, apresentado com Luís Miranda. A proximidade entre eles vai além do gosto por ocasionais incursões no mundo da música: Gero é um admirador fervoroso da graça e da politicidade das boas canções que Chico gravou, tais como Vô batê pá tu e Urubu tá com raiva do boi (“Urubu tá com raiva do boi/ E eu já sei que ele tem razão/ É que urubu tá querendo comer, mas o boi não quer morrer/ Não tem alimentação...”). A programação musical destes dias também chama a atenção pela apresentação de novos trabalhos de Alcione, Titãs, Guilherme Arantes e Frejat. Os dois últimos reaparecem com espetáculos que têm lotado plateias antecipadamente: Condição

Humana, fruto do ótimo disco recente de Guilherme, e A Tal Felicidade, em que Frejat homenageia nomes que o influenciaram, como Jorge Benjor, Caetano Veloso, Gonzaguinha e Tim Maia. Já Alcione retoma o universo do samba no álbum Eterna Alegria, com destaque para Ê, ê, parceria de Djavan e Zeca Pagodinho. Os Titãs, por sua vez, atualmente integrados por Paulo Miklos, Tony Bellotto, Sergio Britto e Branco Mello, testam 12 novas canções no show Titãs Inédito, cujo roteiro se completa com obras menos conhecidas da longa trajetória do grupo, a exemplo de A verdadeira Mary Poppins e Será que é isso que eu necessito?. Duas grandes comemorações , por fim, completam o rol das mais interessantes atrações paulistanas desta semana: Os 25 anos do grupo de pagode Só Pra Contrariar, que voltou à formação original para a ocasião, e as festividades juninas (um pouco atrasadas, é verdade...) do Arraial de São Paulo, bancadas pela Prefeitura Municipal, que recebem nomes como Alceu Valença e Zé Ramalho no Vale do Anhangabaú.

40 filmes de Howard Hawks. No CCSP. Os atores Paul Muni, George Raft e Boris Karloff - três carismáticos caras-de-mau do melhor cinema dramático de Hollywood, estrelam o clássico Scarface, a Vergonha de uma Nação, dirigido por Howard Hawks (1897-1977), abrindo a série de 40 obras assinadas pelo cineasta americano que o Centro Cultural São Paulo programou a partir desta terça (2) até 31 deste mês. Scarface é de 1932 e guarda até hoje a força dos policiais ambientados na violenta década de 1920 em Chicago. Paul Muni (acima) encarna um gângster que mata um rival do chefe para conquistar espaço na quadrilha dele. Frio, calculista, ele espera o momento de exterminar também o chefe para chegar ao topo como big boss. Outro filme programado para hoje é Uma Aventura na Martinica (To Have and Have Not), de 1944, com Humphrey Bogart e Lauren Bacall. Fecha o dia o faroeste Onde Começa o Inferno (Rio Bravo), de 1959, com John Wayne, Angie Dickinson e Dean Martin (que canta o tema da trilha sonora, Rio Bravo). O filme, ambientado numa cidadezinha texana chamada Presídio, tem ainda no elenco o então ídolo do rockabilly Rick Nelson (que emplacou na revista Billboard as canções Hello, Mary Lou e Poor Little Fool). Centro Cultural São Paulo. Rua Vergueiro, 1000. Tel.: 3397-4002. Scarface, a Vergonha de Uma Nação - 16h. Uma Aventura na Martinica - 18h. Onde Começa o Inferno 20h. 14 anos. R$ 1.(MMJ)

GARGAREJO Seleção dos espetáculos da semana Alcione – Eterna Alegria Gênero: samba caramelado HSBC Brasil – Rua Bragança Paulista, 1281. Tel.: 4003-1212 Dia 5, às 22h De R$ 80 a R$ 180 Arraial de São Paulo Gênero: São João nordestino Vale do Anhangabaú Dia 6: Quatro Ases do Forró (16h), Alceu Valença (19h) e outros Dia 7: Peixe Elétrico (16h30), Zé Ramalho (19h30) e outros Grátis Frejat – A tal felicidade Gênero: memórias afetivas de roqueiro Comedoria Sesc Belenzinho – Rua Padre Adelino, 1000. Tel.: 2076-9700 Dias 4, 5 e 6, às 21h30 R$ 32 (esgotados) Guilherme Arantes – Condição Humana Gênero: pop anos 80 Sesc Osasco – Av. S. C. Corinthians Paulista, 1300. Tel.: 3184-0900 Dia 5, às 20h R$ 12 Gero Camilo e Luis Miranda Aos Baianos e Novos Caetanos

Gênero: humorístico inteligente Sesc Santana - Av. Luiz Dumont Villares, 579. Tel.: 2971-8700 Dias 4 e 5, às 21h R$ 16 Elton Medeiros e convidados – Estou falando de Elton Medeiros Gênero: antologia pessoal Dias 3 e 4: Paulinho da Viola, Demônios da Garoa, Fabiana Cozza, Eduardo Gudin, Beatriz e Hermínio Bello de Carvalho, 21h Dias 5 e 6: Carlos Lyra, Ná Ozzetti, Carlinhos Vergueiro, Eduardo Gudin, Adriana Moreira e Hermínio Bello de Carvalho, às 21h Teatro Sesc Vila Mariana – Rua Pelotas, 141. Tel.: 5080-3000 R$ 40 Só Pra Contrariar – Tour 25 anos Gênero: antologia do grupo Credicard Hall – Av. das Nações Unidas, 17955. Tel.: 4003-5588 Dias 5, às 21h30, 6 e 7, às 22h De R$ 70 a R$ 200 Titãs – Titãs Inédito Gênero: pop cabeça Choperia Sesc Pompeia – Rua Clélia, 93. Tel.: 3871-7700 Dias 5, 6, 7 (19h), 11, 12, 13, às 21h30 R$ 24 (esgotados) (Cotação AD)

Bogart e Bacall: Uma Aventura na Martinica.

Wayne e Dickinson: Rio Bravo.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

12

terça-feira, 2 de julho de 2013

Logo Logo www.dcomercio.com.br

Roupas e sapatos saídos da impressora A estilista Iris Van Herpen apresentou ontem sua coleção para a temporada outono/inverno na Semana de Alta Costura de Paris. A estilista, que tem entre suas clientes a cantora norte-americana Lady Gaga, inovou ao levar ao desfile criações que não passaram pela máquina de costura, como o vestido e os sapatos da foto, produzidos em impressoras 3D.

A magrela redondinha Donut é uma bicicleta dobrável que se transforma em um círculo perfeito, sem arestas ou saliências, quando desmontada. Além disso, ela vem equipada com GPS, ciclômetro e outros instrumentos.

Charles Platiau/Reuters

http://bit.ly/15YHQ1j

C LIMA

O tamanho da ameaça

E

studo divulgado ontem pelo Instituto para a Investigação sobre o Impacto do Clima, localizado em Potsdam, na Alemanha, aponta que até 2100 mais de 10% da população mundial deverá sofrer seriamente com as mudanças climáticas. O estudo identificou os chamados "pontos quentes" do planeta, ou seja, aqueles onde as condições de vida serão ameaçadas por pelo menos dois aspectos entre os seguintes: dificuldade de cultivo de alimentos, falta d'água, ameaça aos ecossistemas e à saúde da população. Nesses pontos, a temperatura poderá aumentar, entre 2010-2100 em média 4°C em relação ao período 1980-2010.

Engrenagem do tempo A beleza dos mecanismos internos de relógios de marcas como Patek Philippe, Audemars Piguet e Chopard foi registrada pelo fotógrafo Guido Mocafico. http://bit.ly/11bBdwL

Amazônia em risco – Segundo o estudo, a principal região de localização de "pontos quentes" é a Amazônia, onde a maior ameaça é a escassez de água potável, para os cultivos e para a manutenção dos ecossistemas. A segunda região mais afetada deve ser o sul da Europa, também por causa da falta de água. "As consequências das mudanças climáticas em diferentes aspectos cruciais podem interagir entre si e multiplicar a pressão gerada nos hábitats das populações nas regiões afetadas", explicou a líder da pesquisa, Franziska Piontek. Outros "pontos quentes" estariam na América Central, nas regiões tropicais da África, na Etiópia e em algumas áreas do sul da Ásia.

O estudo, divulgado na revista científica norte-americana PNAS, utiliza modelos matemáticos e simulações por computador para projetar o comportamento do aquecimento global nas regiões e de que modo ele afetará as vidas das pessoas. Esta foi a primeira pesquisa a identificar quais pontos do planeta sofrerão primeiro e de modo mais intenso com o aquecimento global. O impacto deve começar a ter consequências graves – como secas e inundações de grandes proporções – quando for registrado aumento de 3°C da temperatura em comparação à média do intervalo 1980-2010. Com um aumento de 4°C, 11% da população mundial será gravemente afetada.

Tony Gentile/Reuters

C ELEBRIDADES

C IRQUE DU SOLEIL

Paris Jackson deve ter alta em breve

Tragédia em Las Vegas

Paris Jackson, filha de Michael Jackson que está internada no hospital desde o início de junho depois de tentar suicídio, receberá alta em breve, disseram ontem membros de sua família antes da estreia de um novo espetáculo em Las Vegas, que homenageia o rei do pop. "Ela está fenomenal", disse seu tio Jackie Jackson na estreia de Michael Jackson ONE. O espetáculo é realizado pelo Cirque du Soleil no hotel Mandalay Bay.

Paris Jackson, 15, foi hospitalizada no dia 5 de junho com cortes nos pulsos. A polícia de Los Angeles confirmou que esteve na casa da adolescente depois de receber uma ligação de emergência por volta de 1h30 local (5h30 de Brasília) e a levou a um hospital. A Justiça dos EUA realiza um novo julgamento sobre a morte de Michael Jackson, no qual a mãe do artista acusa a promotora AEG Live de ser responsável por sua morte.

T ÊNIS Toby Melville/Reuters

L

APRENDIZ - Estudante prepara uma pizza na cozinha da escola Master Pizzaioli, em Roma, onde pessoas de todo o mundo aprendem a fazer a pizza original italiana: quadrada e com molho de tomate especialíssimo.

C ASA

A artista Sarah Guillot Guyard, de 31 anos, integrante do elenco do espetáculo KA, do Cirque du Soleil, morreu após se acidentar durante uma apresentação em Las Vegas, no domingo. A causa da morte ainda deve ser determinada. Guyard fazia parte do elenco de KA desde 2006. O Cirque du Soleil não deu mais detalhes sobre a morte da artista, descrita como "acidental". A empresa disse que as apresentações do espetáculo foram canceladas até novo aviso. Foi a primeira morte de um artista durante um show nos 29 anos de história do Cirque du Soleil. D ECORAÇÃO

A queda de mais uma estrela Serena Williams [na foto, segurando uma bola] tornou-se ontem o mais novo grande nome do tênis a ser eliminado do torneio de Wimbledon. Nas primeiras rodadas do torneio, Rafael Nadal, Roger Federer, Maria Sharapova e Victoria Azarenka já haviam sido eliminados. T URISMO

L OTERIAS Concurso 925 da LOTOFÁCIL 01

03

04

06

07

09

12

13

14

15

16

22

23

24

25

Concurso 3227 da QUINA 15

35

44

Bagunça organizada

49

62

Ibirapuera, o melhor parque. O Parque do Ibirapuera foi eleito o melhor parque da América do Sul pelos usuários do site TripAdvisor. Em segundo lugar, ficou o Parque Nacional de Ibitipoca (MG). Mais dicas no link. http://bit.ly/JrGSyL

Banho flutuante Feita em fibra de carbono, esta banheira da britânica SplinterWorks, de edição limitada, não toca o chão. Inspirada em barcos, ela parece flutuar no espaço (mas é presa às paredes). Disponível em diversas cores. www.splinter works.co.uk

Caixas de DVDs e Blu-ray ficam organizadas, mas de uma forma descontraída e divertida com esta prateleira criada pela empresa mexicana Shif. Para garantir a precisão no tamanho dos encaixes, a madeira é cortada a laser. O acabamento da peça pode ser escolhido entre diversas cores. http://bit.ly/12dDmSa


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 2 de julho de 2013

e

13 LINHA BRANCA A partir de 1.º de outubro deste ano, o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de refrigerador, congelador e tanquinho terá uma nova alta.

conomia

DIA DE MÁS NOTÍCIAS

Vendas no varejo perdem força no 1º semestre do ano Pesquisa da ACSP, a partir de dados do SCPC, mostra aumento de apenas 0,2% no faturamento do comércio nos primeiros seis meses. Renato Carbonari Ibelli

Chico Ferreira/LUZ

A

s vendas no varejo da Capital paulista f i c a r a m p r a t i c amente estabilizadas ao longo do primeiro semestre deste ano, registrando leve alta, de 0,2%, na comparação com igual período de 2012, considerando a média das vendas à vista e a prazo. Os dados são do Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC), administrado pela empresa Boa Vista Serviços. Fatores como o aumento da inflação, a desaceleração da massa salarial e o arrefecimento do crédito voltado à pessoa física têm prejudicado os varejistas neste ano. A esses problemas somaram-se as manifestações de rua iniciadas pelos estudantes, que derrubaram as vendas de junho, o que contribuiu ainda mais para o desempenho fraco no semestre. As vendas de junho vinham em um ritmo bom ao longo da primeira quinzena, com alta de 3,8% na comparação com a primeira quinzena de junho do ano passado. A expectativa da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) era de que o ritmo acelerasse na segunda quinzena do mês em virtude da Copa das Confederações, que costuma estimular as vendas dos supermercados, bares e lojas de roupas. Não foi o que aconteceu. As manifestações obrigaram os comerciantes de importantes corredores de comércio, como a Avenida Paulista ou as ruas do Centro da Capital, a fecharem as portas por dias seguidos. Como resultado, as vendas da segundo quinzena de junho recuaram 12,1%. Emilio Alfieri, economista da ACSP, relatou conversas

As manifestações populares refletiram nos dados de junho, o que, além de prejudicar os resultados do mês, também causou impacto no acumulado do semestre. ROGÉRIO AMATO, PRESIDENTE DA ACSP E FACESP

Menor consumo: inflação em alta e as manifestações de ruas prejudicaram os comerciantes da cidade de São Paulo. que teve com representantes do setor supermercadista. Eles apontaram recuo das vendas de cerveja em junho, um item que costuma ter procura estimulada pelos jogos da seleção do País. Foram justamente vendas com esse perfil, de baixo valor agregado, que sofreram mais em junho. Aosefracionaroresultado do mês observa-se que as vendas à vista (que costumam ser de menor valor) recuaram 4,1% na comparação com junho de 2012. Já as vendas a prazo (que costumam ser de maior valor) recuaram menos, 2,8%.

Diferente – Já nos seis primeiros meses do ano o comportamento das vendas é diferente. As vendas a prazo registram alta de 0,4% e aquelas à vista permaneceram idênticas às do primeiro semestre do ano passado. A notícia boa envolve a inadimplência líquida medida com base nos números do SCPC, que caiu na análise dos últimos 12 meses, terminados em junho. O índice, que era de 5,9%, caiu para 5,3%. "O índice de desemprego tem se mantido baixo, além disso os consumidores estão mais cuidadosos com seus gastos, o que segura

um pouco as vendas do varejo, mas ajuda a controlar a inadimplência", diz o economista. A inadimplência medida pela Boa Vista é obtida subtraindo os carnês em atraso dos carnês renegociados e, então, dividindo o resultado pelo número de consultas ao SCPC. Em junho, houve queda de 2,3% no número de carnês em atraso, enquanto a queda no crédito renegociado foi menor, de 1,4%. Isso reforça, segundo Alfieri, a tendência de queda observada nesse ano. A expectativa de Rogério Amato, presidente da ACSP e

Movimentação na Capital paulista jun 2013/ maio2013 Vendas a prazo Vendas à vista Carnês em atraso Crédito renegociado

da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), é de melhora na movimentação do varejo para os seis meses restantes do ano. "As manifestações populares refletiram nos dados de junho, o que, além de

Valter Campanato/ABr

A

-3,2% -6,9% 11,3% 10,8%

117,5

quecido, que reduz as exportações do País, e pelo impacto negativo do registro neste ano de importações de gasolina feitas pela Petrobras em 2012. O efeito dos fatores levou o Banco Central a reduzir para US$ 7 bilhões a previsão de superávit da balança comercial para 2013, menos da metade da projeção anterior de saldo positivo de US$ 15 bilhões. O desempenho fraco da balança impacta o balanço de pagamentos do País, e aprofunda o déficit das transações correntes que, em maio, ficou em US$ 6,420 bilhões. (Reuters)

últimos 12 meses 1,4% 1,5% 3,4% 7,1%

Secretária de Comércio Exterior, Tatiana Prazeres: saldo de junho é positivo em US$ 2,4 bi. Mas conta ainda não fechou.

prejudicar os resultados do mês, também causou impacto no acumulado do semestre. Vale ressaltar que, em condições normais, o segundo semestre costuma ser mais aquecido para o comércio", afirma Amato.

Consumidor menos confiante

O

cos e manufaturados. As importações atingiram em junho US$ 18,833 bilhões com aumento, pela média diária, de 1,5% frente a igual mês do ano passado devido a maiores compras no exterior de bens de capital, matérias-primas e bens de consumo. Já as aquisições de combustível ficaram 39% menores. Mesmo com a melhora do desempenho nos últimos dois meses, a balança comercial deve apresentar em 2013 um dos piores resultados dos últimos anos, influenciado pelo comércio internacional enfra-

-2,8% -4,1% -2,3% -1,4%

1º semestre 2013/ 1º semestre 2012 0,4% 0 0,6% 1%

Fonte: Boa Vista Serviços, com elaboração da ACSP.

Balança tem déficit de US$ 3 bi balança comercial bra- passado, 8,4% a mais do que sileira registrou supe- em igual período de 2012, pela rávit de US$ 2,394 bi- média diária. Já as exportalhões em junho, acumulando ções somaram US$ 114,516 no primeiro semestre saldo bilhões no período, com queda negativo de US$ 3 bilhões, o de 0,7% também pela média pior para este período em qua- diária. O resultado comercial se 20 anos, com crescimento do semestre passado foi o pior mais intenso das importa- para o período de janeiro a juções. A secretária de Comér- nho desde 1995, quando o décio Exterior do Ministério do ficit ficou em US$ 4,227 biDesenvolvimento, Indústria e lhões. No primeiro semestre, o Comércio Exterior (MDIC), Ta- destaque ficou para a conta tiana Prazepetróleo, res, admitiu com déficit ontem que o de US$ 12 bidéficit de lhões, um dos US$ 3 bilhões principais fano primeiro tores do elesemestre do vado déficit bilhões de dólares ano foi "realda balança no é o valor total das m e n t e e xperíodo. pressivo", O resultado impor tações mas cita que mensal de jurealizadas entre o saldo era de nho veio aciU S $ 5 , 3 b ima do espejaneiro e junho lhões no acurado pela memulado até diana dos esmaio, o que significa um re- pecialistas consultados pela fresco para a balança. Sem Reuters, com projeção de suapresentar números, Tatiana perávit de US$ 2,05 bilhões. espera um superávit comer- Em maio, a balança comercial cial para o ano, apesar de sa- havia registrado superávit de ber que será "bastante infe- US$ 758 milhões. rior" ao resultado de 2012. No mês passado, as exporSegundo informou o Minis- tações somaram US$ 21,227 tério do Desenvolvimento, In- bilhões, com alta, pela média dústria e Comércio Exterior, diária das operações, de 9,7% as importações somaram a ci- frente a junho de 2012, infra recorde de US$ 117,516 bi- fluenciadas pelo aumento dos lhões entre janeiro e junho embarques de produtos bási-

jun 2013/ jun2012

Índice de Confiança do Consumidor (ICC) paulistano, divulgado ontem pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), caiu pela quarta vez consecutiva em junho. O indicador registrou queda de 0,6%, passando de 146 pontos em maio para 145 em junho – em uma escala que varia de 0 a 200 e denota otimismo quando acima dos 100 pontos. Segundo a FecomercioSP, a alta nos preços, que prejudica a renda real do consumidor, tem provocado as sucessivas reduções na confiança. O ICC é composto pelo Índice de Condições Econômicas Atuais (Icea) e pelo Índice de Expectativa do Consumidor (IEC). Segundo a FecomercioSP, enquanto o Icea teve alta de 1,6% em junho, passando de 145,1 em maio para 147,5 pontos em junho, o IEC registrou queda de 2,1%, ao diminuir de 146,5 para 143,4 pontos. Para a entidade, "isso pode indicar que o consumidor está percebendo as medidas de contenção da inflação e dos estímulos ao consumo como passageiras, com expectativa de um cenário mais preocupante no futuro". A pesquisa mostra percepção distinta entre os consumidores das diferentes faixas de renda. No Icea, pessoas com renda superior a dez salários mínimos mostraram mais otimismo, com 150,1 pontos (avanço de 8,5% em relação a maio), e os consumidores com renda inferior mostraram-se menos confiantes, com 146,2 pontos (queda de 1,4%). (EC)


14 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 2 de julho de 2013


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 2 de julho de 2013

15

e

O BB avançou do 39º lugar no ranking de 2012 para o 36º posto em 2013, ficando entre o francês Credit Mutuel (35º) e o alemão Commerzbank (37º).

conomia

Compare os preços das novas tarifas bancárias Diário do Comércio traz valores de pacotes de quatro brancos. Site da Febraban tem de outras instituições.

C

om a entrada em vigor dos novos pacotes de serviços padronizados pelo Banco Central (BC), ontem, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) começou a divulgar os preços cobrados por cada instituição financeira participante de seu sistema de divulgação de tarifas (STAR). O consumidor pode fazer a comparação dos valores n o s i t e w w w. f e b r a b a n star.org.br. O Diário do Comércio divulga os valores dos pacotes para pessoas físicas dos quatro maiores bancos (quadro ao lado). Na tabela, há uma comparação dos preços dos pacotes e o custo total de utilização dos mesmos serviços sem a contratação do pacote. No site STAR, é possível fazer esta simulação com outras instituições financeiras. Segundo a Febraban, a padronização dos serviços nos pacotes é uma medida que auxilia os correntistas na comparação dos valores cobrados por cada banco. Os novos pa-

cotes foram padronizados de acordo com a resolução do BC de número 4.196/2013, em 15 de março, e tem normas complementares divulgadas pela Carta Circular 3.594, publicada em 22 de abril de 2013. Ainda assim, a Febraban destaca que os bancos poderão continuar oferecendo outros tipos de pacotes de serviços, elaborados a partir do perfil do cliente e de seu relacionamento com o banco. O problema dos pacotes não-padronizados é que não possibilitam uma comparação precisa de banco a banco. Outro fator que deve ser observado é que nem sempre todos os serviços de um pacote não-padronizado e indicado pelo banco são utilizados pelo correntista que, ao pagar a mensalidade, pode ter um custo maior. O benefício da padronização é tornar esse processo mais transparente e ajudar o consumidor a escolher um pacote que realmente atenda suas necessidades de utilização a cada mês. (DC)

Focus aumenta a projeção de inflação de 2013

A

previsão de inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para 2013 subiu de 5,86% para 5,87%, de acordo com a pesquisa Focus divulgada ontem, pelo Banco Central (BC). Há quatro semanas, a estimativa estava em 5,8%. Para 2014, a projeção aumentou de 5,8% para 5,88%. Há quatro semanas, também estava em 5,8%. A projeção de inflação para os próximos 12 meses caiu de

5,66% para 5,65%, conforme a projeção suavizada para o IPCA. Há quatro semanas, estava em 5,67%. Nas estimativas do grupo dos analistas consultados que mais acertam as projeções, o chamado Top 5 da pesquisa Focus, a previsão para o IPCA em 2013 no cenário de médio prazo segue em 6,09%. Para o próximo ano, a previsão dos cinco analistas continua em 6,05%. Há um mês, o grupo apostava em altas de 5,98%

Os novos pacotes dos bancos Conta sem cheque e movimentada com cartão O que é gratuito, por lei:

2

1

extratos mensais

cadastro para início de relacionamento

O que o pacote I oferece:

4

O

preferenciais. Por esse critério, o capital do Banco do Brasil registrou crescimento de 12,3% em um ano, para US$ 36,301 bilhões. Com esse capital, a instituição financeira avançou do 39º lugar no ranking do ano passado para o 36º posto em 2013, ficando entre o francês Credit Mutuel (35º) e o alemão Commerzbank (37º). A pesquisa mostra também que o Itaú Unibanco apresentou queda do capital de nível 1 de 7,9% em um ano, para US$ 35,176 bilhões. Com isso, o banco que era líder entre os brasileiros em 2012 teve um recuo da 33º posição para o 39º lugar, sendo ultrapassada pelo Banco do Brasil. No caso do Bradesco, o capital obteve aumento de 3,3% no ano, para um total de US$ 32,337

extratos mensais

saques

2

transferências entre contas do mesmo banco

O que é 2 10 4 gratuito, extratos folhas de saques por lei: mensais cheques

1

10

saques

6

extratos mensais

cadastro para início de relacionamento

4

transferências entre contas do mesmo banco

4

8

2 1

cadastro para início de relacionamento

8

1

folhas de extratos de extratos cadastro para início cheques um período mensais de relacionamento

transferências por meio de DOC ou TED

Preços Custo sem o pacote* Banco do Brasil: R$ 16,00 R$ 43,10 Bradesco: R$ 19,90 R$ 44,35 Itaú Unibanco:

R$ 20,00

*Custo total de utilização dos serviços sem contratar o pacote

para os dois períodos. Entre todos os analistas ouvidos pelo Banco Central, a mediana das estimativas para o IPCA em junho de 2013 subiu de 0,32% para 0,33%, acima do 0,3% previsto há quatro semanas. Para julho de 2013, segue em 0,25%. Há quatro semanas, estava em 0,3%. Selic – A previsão para a taxa básica de juros (Selic) no fim de 2013, que passou de 9% para 9,25% ao ano. Para o fim de 2014, a mediana das projeções também subiu de 9% para 9,25% ao ano. Há quatro semanas, as duas projeções estavam em 8,5% ao ano. A taxa Selic está atualmente em 8% ao ano e foi mantida a expectativa de que suba em julho para 8,5% ao ano, na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom). A projeção para a Selic mé-

bilhões. Mesmo assim, o crescimento não foi capaz de impedir a queda da instituição, que passou de 40º para 42º no ranking dos maiores do mundo. Ativos – A pesquisa mostrou também o ranking dos bancos pelo critério de volume de ativos. Com esse corte, o BB também lidera entre os brasileiros, com US$ 554,962 bilhões, valor que avançou 7,6% em um ano e colocou a instituição financeira federal como a 43ª maior em ativos do mundo. No 46º posto global desse ranking, está o Itaú Unibanco, com US$ 495,566 bilhões em ativos, montante que teve expansão de 13,6% em um ano. Já o Bradesco ocupa a 48ª colocação, com um total de US$ 391,395 bilhões em ativos. (Estadão Conteúdo)

Lula Marques/Folhapress

O Banco do Brasil é a instituição financeira brasileira melhor colocada em ranking da revista britânica The Banker. BB passa o Itaú.

4

transferências entre contas do mesmo banco

transferência por meio de DOC ou TED

R$ 45,20

Itaú Unibanco:

R$ 9,85

R$ 12,00

Preços Custo sem o pacote* Banco do Brasil: R$ 12,00 R$ 23,40 Bradesco: R$ 14,20 R$ 24,15

1

saques

extratos de um período

O que o pacote III oferece:

transferências entre contas do mesmo banco

2

6

transferências entre contas do mesmo banco

15

2

Preços Custo sem o pacote* Banco do Brasil: R$ 9,90 R$ 11,40 Bradesco: R$ 9,80 R$ 11,80

1

saques

extratos de um período

2

cadastro para início de relacionamento

8

O que o pacote II oferece:

Conta movimentada com cartão e cheque

BB é o 36º maior banco do mundo Banco do Brasil (BB) ganhou três posições em um ano e atualmente é o 36º maior banco do mundo, conforme o ranking de 2013 produzido pela revista britânica The Banker. Em tendência contrária, os dois maiores concorrentes privados, Itaú Unibanco e Bradesco, perderam posições e caíram para 39º e 42º lugares da lista, respectivamente. Com isso, o BB passa a ser a instituição financeira brasileira mais bem colocada nesse estudo. O ranking da revista britânica leva em conta os números de 2012 do total do chamado capital de nível 1 dos bancos – parcela do capital de melhor qualidade formado especialmente por ações, tanto ordinárias como

4

Itaú Unibanco:

R$ 15,00

R$ 24,60

12

folhas de cheques

12

saques

8

O que o pacote IV oferece:

transferências entre contas do mesmo banco

3

20

4

8

1

folhas de extratos de extratos cadastro para início cheques um período mensais de relacionamento

transferências por meio de DOC ou TED

Preços Custo sem o pacote* Banco do Brasil: R$ 24,00 R$ 60,20 Bradesco: R$ 30,50 R$ 61,45 Itaú Unibanco:

R$ 30,00

R$ 62,60

Fonte: STAR – Sistema de Divulgação de Tarifas da Federação Brasileira de Bancos (Febraban)

dia em 2013 aumentou de 8,19% para 8,25% ao ano. Estava em 7,88% há quatro semanas. Para 2014, a taxa média subiu 9% para 9,14% ao ano. Estava em 8,5% há quatro semanas. P IB – A previsão de crescimento da economia brasileira em 2013 recuou de 2,46% para 2,4%. Para 2014, a estimativa de expansão diminuiu de

3,1% para 3%. Há quatro semanas, as projeções eram, respectivamente, de 2,77% e 3,4%. A projeção para o crescimento do setor industrial em 2013 teve queda de 2,56% para 2,49%. Para o próximo ano, economistas preveem avanço industrial de 3,2%, ante 3,1% da pesquisa anterior. Um mês antes, a Focus apontava estimativa de expansão de 2,5%

para 2013 e de 3% em 2014 para o setor. Analistas ouvidos pela pesquisa Focus mantiveram a previsão para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB em 2013 e 2014 em 35%. Há quatro semanas, as projeções estavam em, respectivamente, 35% e 34,9% para esses dois anos. (Estadão Conteúdo)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

16

terça-feira, 2 de julho de 2013

e Missouri conhece a economia do Brasil Os bancos saíram de Chicago e rumaram para o Missouri depois que baixamos os impostos Jay Wasson, senador nos EUA

conomia

ACSP explica a senadores e deputados norte-americanos um pouco mais sobre a atual situação econômica pela qual o País passa. Paula Cunha

Newton Santos/Hype

O

Missouri, localizado no Centro-Oeste d o s E s t a d o s U n idos, tem a sua economia baseada em agricultura e pecuária, especialmente suína e bovina, indústria de autopeças e é o terceiro estado mais importante do país em serviços financeiros. Atualmente, importa do Brasil apenas frutas e cereais. Com o objetivo de incentivar o crescimento das trocas comerciais com empresários brasileiros, uma delegação de senadores e deputados está na capital paulista e visitou ontem a Associação Comercial de São Paulo (ACSP). O grupo, liderado pelo senador Jay Wasson, foi recebido pelo vice-presidente da ACSP, Luiz Roberto Gonçalves, que enfatizou a necessidade de

Delegação norte-americana é recebida pelo vice-presidente da ACSP Luiz Roberto Gonçalves (dir.) encontros deste tipo para a troca de experiências e para divulgar as ações da Associação, especialmente no campo do comércio exterior. No início do encontro, o economista Ulisses Ruiz-de-Gamboa, apresentou dados sobre o desempenho da economia brasi-

leira e ressaltou que estamos em um período de aumento do índice de inflação e de superávit fiscal ao mesmo tempo em que continua o processo de inclusão econômica e crescimento da classe C. Alguns membros da delegação norte-americana pergun-

taram, em razão desse quadro, qual será a origem das verbas necessárias para atender as reivindicações dos grupos que têm realizado protestos em todo o Brasil recentemente. O vice-presidente da ACSP explicou que o governo federal utiliza o sistema de parcerias públi-

co privadas e que este tipo de investimento deve continuar, já que a administração federal tem respondido aos manifestantes que está realizando correções em seus planos e essa modalidade de atuação tem se mostrado eficaz. Além disso, lembrou Gonçalves, o Brasil é forte em agricultura e o setor produtivo está realizando esforços para reduzir seus custos, que são altos em razão da elevada carga tributária que incide sobre a produção. Segundo o senador Wasson, o Missouri tem alguns problemas semelhantes aos brasileiros e ele elogiou a estratégia brasileira de elevar a renda da população. Ele ressaltou que houve diversificação nas suas atividades, antes majoritariamente agropecuárias, para uma variedade que inclui o plantio de soja e milho, a criação de suínos e, ao mesmo tempo, a oferta de serviços

financeiros. Atualmente, o estado norte-americano é o terceiro maior neste campo, superado apenas por Nova York e Boston, pois adotou a estratégia de reduzir seus impostos. "Os bancos saíram de Chicago e rumaram para o Missouri depois que baixamos os impostos", disse Wasson. Em razão desta estratégia, dois terços da economia do Missouri concentram-se no setor de serviços bancários, financeiros, comerciais e no setor imobiliário. A expectativa do grupo visitante e da São Paulo Chamber of Commerce, divisão de comércio exterior da ACSP, é de que novas visitas serão realizadas futuramente para que os empreendedores do Missouri conheçam melhor a economia brasileira e possam aumentar sua pauta de importações de produtos e serviços brasileiros.

Fotos: Divulgação

Entraves jurídicos inibem startups Karina Lignelli

M

esmo sendo um mercado que cresce exponencialmente no País, movimenta anualmente R$ 75 bilhões (ou 2% do Produto Interno Bruto) e conta com mais de 73 mil empresas, conforme informa o PL 321/2012 (leia mais abaixo), entraves im-

postos pela legislação brasileira emperram o desenvolvimento das empresas nascentes de tecnologia – as startups – apontam especialistas da Buscapé Company e da Escola de Direito da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Para minimizar esses entraves – principalmente no tocante a questões societárias e investidores – a FGV lança em agosto o Labora-

tório Jurídico, para capacitar estudantes de Direito a lidar com casos práticos ligados a esse novo segmento. Mas, quais os principais desafios jurídicos para startups no Brasil hoje? Entre os mais importantes, o primeiro é o sistema jurídico de propriedade intelectual (marcas, patentes e direitos autorais) que, de acordo com Alexandre Pache-

co, pesquisador da Direito GV, não consegue oferec e r i n s t r umentos de proteção a ativos intangíveis da startup na mesma velocidade de seu crescimento. "Exemplos disso são o tempo médio de dois anos para concessão do registro de marca, e o de seis para obter a patente de tecnologia", afirma Pacheco. Além dos custos trabalhistas de formação de uma equipe de trabalho que irá se dedicar ao desenvolvimento da startup, conforme cita o pesquisador, outro entrave complexo, também ligado à parte trabalhista, diz respeito à segurança jurídica do investidor, seja ele anjo ou não. Isso porque, segundo a vice-presidente legal da Buscapé, Rosely Cruz, o investimento na startup não se limita à participação societária, mas ao patrimônio como um todo. Pela atual legislação, expli-

Pacheco (esq.), da Direito GV: 'roleta russa' ao investidor. Rosely (abaixo), da Buscapé, o investidor pode responder por débitos da empresa além do valor investido.

ca, o investidor pode responder por débitos da empresa muito além do valor investido. Isso porque a Justiça do Trabalho entende que, a partir do momento que existe outro sócio, juridicamente há configuração de "grupo econômico" – e aí entra a questão de responsabilidade solidária. "Essa insegurança jurídica faz com que o investidor não tenha tanto apetite, já que pode ter o patrimônio contaminado", afirma Rosely. Pacheco, da FGV, tem opinião semelhante. Ele lembra que o investidor, mesmo em mercados de risco (como o investimento–anjo), quer en-

xergar esse percurso. "A legislação trabalhista e a atuação da Justiça transforma o risco do negócio, que é mensurável, mesmo que alto, em incerteza – algo que se torna uma espécie de 'roleta russa' para o investidor, que em muitos casos, desiste do projeto".

PL dá isenção a empresas com receita trimestral de até R$ 30 mil

U

m avanço pequeno, porém significativo: o Projeto de Lei 321/2012, que isenta startups com receita bruta trimestral de até R$ 30 mil de tributos federais, estaduais e municipais, foi aprovado no fim de maio na Comissão de Ciência e Tecnologia do Senado. Para reduzir entraves nos primeiros anos das empresas nascentes de tecnologia, o PL, do senador José Agripino (DEM-RN), criará o Sistenet (Sistema de Tratamento Especial a Novas Empresas de Tecnologia). "Os quatro primeiros anos de uma startup são mais críticos, e cerca de 40% das empresas criadas terminam antes do segundo ano de vida jurídica", diz o texto. Para a vice-presidente legal da Buscapé, Rosely Cruz, esse prazo seria "suficiente para uma startup ter saúde financeira para desenvolvimento dos projetos, regularização legal e para o pagamento de tributos incidentes." Com o Sistenet, a empresa

poderá permanecer no sistema por até quatro anos e a adesão é feita quando inscrita na Receita Federal. Após esse período, a startup terá 30 dias para aderir ao Simples Nacional – desde que atenda às normas do sistema de tributação (Lei Complementar 123/06). Agora, o PL 321/12 aguarda aprovação da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado para ir à Câmara. O projeto, inicialmente formatado em um concurso por dois estudantes da Universidade de Brasília (UnB) – Lucas Bispo de Oliveira e Murilo Medeiros –, foi até alvo de petição online pela Associação Brasileira de Startups (AB Startups) para agilizar sua aprovação. E deu certo, diz o diretor regional da associação em Brasília, Roberto Mascarenhas. "Uma conjunção de fatores deu uma repercussão popular muito boa ao projeto, por isso acreditamos num esforço parlamentar para uma aprovação rápida na CAE". Simples – Mascarenhas

menciona também que a AB Startups entregou outras pautas aos senadores com o compromisso de que pudessem entrar como emenda no PL 321, ou fossem alvo de novos projetos, como a possibilidade de startups emitirem debêntures para facilitar entrada de investidores, a tipificação de startup como categoria do Simples, e a melhora da proteção jurídico-legislativa para investidores-anjo. Para Rosely, da Buscapé, se o projeto for aprovado em todos os órgãos administrativos competentes, haverá um "inquestionável avanço" no incentivo ao desenvolvimento tecnológico no País. "Hoje, muitas ideias são mitigadas pelo excesso de burocratização e alto custo. Incentivar o crescimento, abrindo mão da arrecadação tributária por um período – o que não é tão simples – será um benefício do governo para que jovens inovadores continuem a contribuir com o desenvolvimento econômico e social", conclui. (KL)


DIà RIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 2 de julho de 2013

e OGX para poços e desaba na Bolsa

17 ASSOCIAĂ‡ĂƒO FUNDO DE INCENTIVO Ă€ PESQUISA

conomia

NĂŁo hĂĄ "tecnologia capaz de viabilizar economicamente" unidades de TubarĂŁo Azul

A

OGX anunciou ontem, em fato relevante, ter suspendid o o d e s e n v o l v imento dos três poços de produção de petróleo do Campo de Tubarão Azul (Tubarão Tigre, Tubarão Gato e Tubarão Areia), por concluir que "não existe, no momento, tecnologia capaz de viabilizar economicamente qualquer investimento adicional". Esses três poços sofreram problemas operacionais e registraram quedas e interrupçþes nos últimos meses. A produção marítima, que chegou ao pico de 13,2 mil barris de petróleo/dia em janeiro, despencou para 1,8 mil barris/dia em abril, recuperando-se a 6,8 mil barris/dia no mês seguinte. A OGX submeterå à Agência Nacional de Petróleo, Gås Natural e Biocombustíveis (ANP) uma revisão de seu plano de desenvolvimento para Tubarão Azul, com base nas conclusþes da anålise do comportamento dos poços. A agência disse que aguarda receber oficialmente essa revisão, que serå analisada. As sucessivas frustraçþes com o nível de produção da OGX e a queima de caixa pela petroleira têm derrubado as açþes da empresa, contagiando os papÊis de outras companhias de Eike Batista listadas na Bovespa. Ontem, o papel caiu 29,11%, a maior baixa do Ibovespa, e foi cotado a R$ 0,56, piso histórico. Esse com-

portamento arrastou açþes de outra empresas do grupo X: LLX ON, -10,10% e MMX ON, 9,52%. Essas quedas pressionaram para baixo o Ibovespa – principal indicador da Bolsa –, que encerrou em queda de 0,48%, aos 47.229,59 pontos. No fim de maio, Eike Batista reduzira sua participação na OGX de 61,09% para 58,92%. Ele tem o compromisso de aportar atÊ US$ 1 bilhão na companhia, que tem uma opção contra o empresårio a ser exercida atÊ abril de 2014 ao preço de R$ 6,30 reais por papel, se o Conselho julgar necessårio. Segundo a assessoria da imprensa da OGX, a opção da companhia contra Eike "continua uma opção viåvel a ser considerada". A OGX deve pagar imediatamente US$ 449 milhþes a OSX, destinados principalmente à construção de duas plataformas para operar o campo de Tubarão Martelo, que continua sendo desenvolvido. A petroleira terminou março com US$ 1,15 bilhão disponíveis; assim, aquele pagamento, que reduziria seu caixa a US$ 701 milhþes, "coloca o balanço da OGX ainda mais sob questionamento", diz o Credit Suisse em relatório. Segundo o banco, a OGX tem agora três ativos principais: blocos na bacia do Parnaíba, avaliados em US$ 500 milhþes; Tubarão Martelo (US$ 1,2 bilhão); bloco BS-4, na bacia de Santos (US$ 270 milhþes).(Agências)

GP entra no salĂŁo de beleza. Com investimento.

A

GP Investments, maior empresa latino-americana de private equity, comprou, por R$ 70 milhþes, 33% de participação na Cor Brasil, tambÊm conhecida como Beleza Natural, baseada no Rio de Janeiro. Para pagar a aquisição, utilizarå recursos do fundo de US$ 1,1 bilhão GPCP V. Anteriormente, a GP investira no mercado de beleza brasileiro, participando da empresa de consumo Hypermarcas. A Cor Brasil tem uma fåbrica que produz diversos produtos e controla uma rede de 13 salþes de beleza voltados à classe mÊdia emergente em três estados brasileiros. Sua recei-

ta cresce a uma taxa de 30% ao ano desde 2001. A companhia tem 1.700 funcionårios e recebe 90.000 clientes por mês. A linha Beleza Natural compete com os produtos da L'Oreal e da Procter & Gamble num mercado com vendas estimadas de R$ 900 milhþes ao ano. A Cor Brasil quer abrir 120 salþes nos próximos anos, disse a presidente e co-fundadora da empresa, Leila Velez. , Os quatro empreendedores que criaram a empresa em 1993 com o dinheiro apurado na venda de um fusca – majoritårios com 67% do capital – seguem como administradores da companhia. (Reuters)

PREFEITURA MUNICIPAL DE PEREIRA BARRETO/SP CONTRATO Nº 5.107/2012 de 14 de dezembro de 2012. PROCESSO Nº 40190/2012 - CARTA CONVITE Nº 057/2012 ARNALDO SHIGUEYUKI ENOMOTO, brasileiro, casado, empresårio, portador da CÊdula de Identidade RG nº 8.422.486 e do CPF nº 706.396.398-87, residente e domiciliado na Rua Vicente Lombardi, nº 1.427 tendo em vista a manifestação da empresa GEASANEVITA ENGENHARIA LTDA., decide, em obediência ao princípio do contraditório e ampla defesa, que ficam suspensos os efeitos do Termo de rescisão unilateral, ficando desde jå cientificada a empresa retromencionda, para que no prazo de 05 (cinco) dias contados do recebimento desta notificação apresente suas alegaçþes. Igualmente, fica desde jå franqueada vistas ao processo para anålise e extração de cópia que julgar necessåria. Estância Turística de Pereira Barreto, 05 de junho de 2013. Arnaldo Shigueyuki Enomoto - Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE PEREIRA BARRETO/SP A Prefeitura Municipal de Pereira Barreto - CEMITÉRIO, torna público que recebeu da CETESB a Licença de Instalação nº 62000094 para CEMITÉRIO HORIZONTAL à RUA SHIGUERU TAKANO, S/Nº, PEREIRA BARRETO. Pereira Barreto, 01 de julho de 2013.

CNPJ/MF: 47.673.793/0001-73 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

Associação Fundo de Incentivo à Pesquisa

12;, 4<(,21 8 Em reais ATIVO Circulante Caixa e equivalente de caixa Valores a receber Partes relacionadas Adiantamentos Impostos a recuperar Despesas antecipadas Outros crĂŠditos  

N.E.

NĂŁo Circulante Valores a receber Imobilizado IntangĂ­vel

2012 VR'SQW'Q6S 6'6SO'IQV 50.492.235 19.028.452 477.324 810.458 67I'6IQ QRR'IRR 12.217.512

04 05 11 7Q 07 08 09

10 10

130.144.915 6'Q7R'I7R 127.334.731 1.205.980

215.110.534

TOTAL DO ATIVO

2011 QS'SW6'6WQ R'R6S'STQ RO'7VQ'S6W 66'T7V'OQR 2.742.144 TVQ'6O6 41.544 RQW'6OQ Q'T77'SRQ Q7'ROW'Q6O I'VSR'VQO WQ'6I7'ORS 1.420.402

6O7'OVQ'TQS

2,4 D134Y ^ /(,24<;? 3,24B D<3E3, 2/, ( O6 / /_(<, / I76I  / I766 Em reais 1. A ENTIDADE: a. Reconhecimento de utilidade pĂşblica Â&#x2013; A AFIP                 assistĂŞncia social, estabelecida na Rua NapoleĂŁo de Barros, 925, Vila Mariana, SĂŁo Paulo, estado de SĂŁo Paulo, constituĂ­da sob forma de associação sem                  aprovada pela Resolução n° 7 de 03 de fevereiro de 2.009, com validade para o prazo de 25/08/2007 a 24/08/2010, sendo protocolada a renovação em 21/05/2010, sob o nÂş 2500.085143/2010, fundada em 24 de agosto de 1.971        !     "       federais, estaduais e municipais. b. Ă reas de atuação e objeto social Â&#x2013; A Associação tem por objetivo bĂĄsico, sem visar lucro, atuando nos seguintes  # $ %      !                      &         !' % (    "   " &   "#   )             * %      #  + &    para elevação do nĂ­vel cultural da classe mĂŠdica, promovendo cursos de aperfeiçoamento, debates, conferĂŞncias, reuniĂľes congressos, favorecendo o intercâmbio de pesquisadores e professores com instituiçþes congĂŞneres     

* %      #  &

  dependĂŞncia quĂ­mica a vida comunitĂĄria. c. Administração Â&#x2013; Conforme os estatutos sociais, a Associação ĂŠ governada pela AssemblĂŠia Geral dos Associados, e ĂŠ dirigida e administrada no dia-a-dia por uma Diretoria eleita pela AssemblĂŠia para um mandato de quatro anos, sem direito a qualquer espĂŠcie de remuneração ou indenização.      Associação Â&#x2013; ,         -   )  .               $ % /    0& . & * %    -  &  * % /     * % /      * % /       ' 2. ELABORAĂ&#x2021;Ă&#x192;O E APRESENTAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DAS DEMONSTRAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES CONTĂ BEIS: As Demonstraçþes contĂĄbeis sĂŁo elaboradas e apresentadas em observância Resolução CFC 1409/2012 que aprovou a ITG 2002, aplicĂĄveis Ă s           1    0    23 45 6777 8 3       (    '        demonstraçþes contĂĄbeis foi aprovada pela diretoria em 18 de abril de 2013. 3. RESUMO DAS PRINCIPAIS POLĂ?TICAS CONTĂ BEIS: As principais polĂ­ticas contĂĄbeis aplicadas na preparação destas demonstraçþes contĂĄbeis estĂŁo        # '  & 0         nos exercĂ­cios apresentados. a. Base de preparação e apresentação Â&#x2013; As demonstraçþes contĂĄbeis foram elaboradas e estĂŁo sendo apresentadas como mencionado no item 2 acima. A elaboração das demonstraçþes contĂĄbeis em conformidade com a NBC TG 1000 requer o uso de certas estimativas contĂĄbeis e tambĂŠm o exercĂ­cio de julgamento por parte da administração no processo de aplicação das polĂ­ticas contĂĄbeis, nĂŁo havendo, todavia, ĂĄreas ou situaçþes de maior complexidade que requeiram maior nĂ­vel de julgamento   #     9   - '     despesas sĂŁo apropriadas pelo regime de competĂŞncia. b. Ativo Circulante Â&#x2013; O ativo circulante estĂĄ demonstrado pelos valores de custo deduzidos, quando aplicĂĄvel, das correspondentes provisĂľes para reduçþes ao valor recuperĂĄvel. c. Moeda de apresentação Â&#x2013; As demonstraçþes contĂĄbeis estĂŁo sendo apresentadas em Reais. d. Caixa e equivalentes de caixa Â&#x2013; Compreendem

    : "  -  9        ) que estĂŁo registradas pelo valor de aplicação acrescido dos rendimentos incorridos atĂŠ a data do balanço.        SĂŁo registradas ao custo, acrescidas dos rendimentos auferidos atĂŠ a data do balanço e nĂŁo superam o valor de mercado. f. Estoques Â&#x2013; Foram avaliados pelo custo de aquisição. g. Contas a receber Â&#x2013;           receber referente a atendimento Sistema Ă&#x161;nico de SaĂşde - SUS e convĂŞnios mĂŠdicos privados. h. ProvisĂŁo para crĂŠdito de liquidação duvidosa - A provisĂŁo para liquidação duvidosa foi constituĂ­da num montante considerado               +     a anĂĄlise das garantias e riscos de realizaçþes de crĂŠditos. i. Ativo NĂŁo Circulante    - Ă&#x2030; demonstrado ao custo de aquisição, sendo que as depreciaçþes estĂŁo sendo calculadas pelo mĂŠtodo linear, levando em consideração o tempo de vida Ăştil e econĂ´mica dos bens.   Â&#x2013; Inclui direitos de uso de Â&#x201C;softwareÂ&#x201D;, sendo amortizado na base de 20% a.a, e patentes. j. Passivo Circulante - Ă&#x2030; demonstrado por valores conhecidos ou calculĂĄveis, acrescidos, quando aplicĂĄvel, dos correspondentes encargos e atualizaçþes monetĂĄrias incorridos. k. Fornecedores - SĂŁo obrigaçþes referentes aquisiçþes de Bens, materiais, medicamentos e serviços que foram adquiridos no curso normal das atividades, sendo reconhecidas ao valor da fatura ou do contrato correspondente. l. ProvisĂŁo de fĂŠrias - ConstituĂ­da com base na remuneração dos empregados, incluindo as fĂŠrias vencidas e proporcionais e os encargos sociais correspondentes. m. Passivo NĂŁo Circulante - Ă&#x2030; demonstrado por valores conhecidos e calculĂĄveis, incluindo os encargos incorridos. n. PatrimĂ´nio Social Â&#x2013; Ă&#x2030; representado pelo patrimĂ´nio            -   &       anualmente, conforme legislação em vigor.

/(,24<;=, /, /C 34 /, D<3E3, 8 Em reais N.E.

PASSIVO Circulante       Fornecedores Partes relacionadas Adiantamento por venda de ativos Obrigações tributárias Obrigações trabalhistas Obrigações sociais Provisões trabalhistas Contingências cíveis e trabalhistas Recebimento antecipado Outras contas a pagar Subvenções a realizar Não Circulante '#           Contingências trabalhistas %( ) TOTAL DO PASSIVO

12 11 17 6Q 18 14 15 12 14

2012 QW'RS6'WIO 2.452.545 6W'RRT'VQ7 19.028.452 2.729.000 QTT'77S 52.238 6'6OQ'IVV T'TOQ'O67 6O'QWW'S7T 907.909 1.135.072 532.933

2011 QO'I7I'SQ7 9.247.229 10.822.327 66'T7V'OQR 2.729.000 WQI'W6S 194.378 1.028.478 Q'V6I'WOQ 17.112.924 6'WTR'VTQ WVW'WQO VIR'TQQ

6R'QWT'7OT 9.191.709 W'RQW'OIT 6OR'SQ6'STR 215.110.534

203.758 203.758 QQ'SV7'7W6 6O7'OVQ'TQS

/(,24<;=, / (>4;? /, 4<(@2, ,31 - Em reais Patrimônio social No início do exercício  - H/J  : & Ajustes de avaliação patrimonial Ajustes de exercícios anteriores 2    : &

2012

2011

QQ'SV7'7W6 O'TWW'ISQ QR'IIQ'V7I H6TWJ 6OR'SQ6'STR

QT'TOI'7WQ HORV'O7WJ HR7O'T77J QQ'SV7'7W6

2012 322.251 IQR 828.594 42.159 1.193.268

2011 2.937.931 TV'7Q7 6'ORT'RQS WQ'W6Q 4.419.976

4. CAIXA E EQUIVALENTE DE CAIXA: Representado como segue: Descrição Caixa e bancos Â&#x2013; sem restrição Caixa e bancos Â&#x2013; com restrição  9      8      9      8     Total

5. VALORES A RECEBER: Os saldos a receber estão substancialmente representados por serviços prestados a Autarquias, Prefeituras, Organizações Sociais de Saúde, Fundações e Associações em conformidade com as normas e tabelas             `  ! H>J  (  da Saúde, com operadoras de convênios, empresas, particulares e outros. Descrição

2012

ConvĂŞnio e empresas Secretaria Municipal de SaĂşde Â&#x2013; SĂŁo Paulo SPDM Hospital de AnĂĄlises ClĂ­nicas Casa de SaĂşde Santa Marcelina Prefeitura Municipal de Guarulhos Hospital de Caridade SĂŁo Vicente de Paulo    

  !    Secretaria Municipal de SaĂşde Â&#x2013; JundiaĂ­ Secretaria Municipal de SaĂşde Â&#x2013; CuiabĂĄ Secretaria Municipal de SaĂşde Â&#x2013; Santos Hospital Santa Marina Assoc. Campo Grande-Santa Casa Secretaria Municipal da SaĂşde-Rio de Janeiro Hospital Vila da Serra Prefeitura Municipal de VĂĄrzea Grande-Mato Grosso Assoc. Prot. a Maternidade e a Infância de CuiabĂĄ Outras contas Subtotal Menos: provisĂŁo para perdas Total Descrição

2012 & % 408.933 1.195.270

$ % 158.297 1.154.452 TQW'IO7 2.077.979

1.604.203

2012 $ % WQT'IO7 I'OIT'QO6 2.894.861

6. ADIANTAMENTOS: Descrição      #  Adiantamento de Salårios Adiantamento 13º salårio Adiantamento a Fornecedores Adiantamentos Diversos        "  Total

2012 6W6'QOI 4.011 303.921 6T'TQ7 477.324

2011 6W7'TQQ 4.325 199.293 6T'TQ7 2.370.000 2.742.144

2012 294.944 472.477 18.755 24.282 810.458

2011 294.899 472.477 18.755 TVQ'6O6

2012 332.320 18.958 57.992 234.974 QRR'IRR

2011 49.990 IQW'OO7 II'QIR WV'VQR QV'OIV RQW'6OQ

7. IMPOSTOS A RECUPERAR: Descrição IRF a recuperar Impostos a recuperar ISS a recuperar INSS a recuperar Total

8. OUTROS CRĂ&#x2030;DITOS: Descrição Imobilizados em andamento / " X

 Cheques em cobrança Outros Valores Outros valores Bloqueio Judicial Total

9. ESTOQUES: Os estoques são valorizados pelo custo mÊdio e não superam o    ' 2           #   $ Descrição (   " 8   Material de limpeza e higiene (  " Material de manutenção Material de copa e cozinha Suprimento de informåtica Medicamentos Materiais Diversos           U  # 0   Outros itens Total

2012 V'STT'QRR 140.745 182.323 54 19.993 66'QRV 37.281 6WI'IQI 6IQ'SST I'RSQ'IV7 72.285 12.217.512

2011 Q'6W7'OVS 6IO'Q77 174.001 Q6I I7'RWQ 47.037 10.129 170.824 3.898 Q'T77'SRQ

10. IMOBILIZADO E INTANGĂ?VEL Descrição Terrenos sem restrição  9   0       9 +.  ' ' 3367 H[[J (-    "        (-    "       VeĂ­culos ("   &     ("   &    Instalaçþes sem restrição Instalaçþes com restrição                          Aparelhos e instrumentos sem restrição Aparelhos e instrumentos com restrição       0F        !#           !#           )             )          +  F           +  F     Outros Subtotal Imobilizaçþes em andamento Totais

 Descrição Direito de uso de software sem restrição Direito de uso de software com restrição Outros Totais

Taxa de Depreciação 4% 4% 10% H[J 20% 10% H[J 10% H[J 20% H[J 10% H[J 10% 10% H[J 10% H[J 10% H[J

Custo I'7W7'QSV 29.074.129 QR'IIQ'V7I I'WQQ'QR7 6RQ'7VO RRQ'7TS R'W67'QSO 221.454 QRI'67W 27.000 9.500.455 WI6'QVQ IIW'Q7I 2.530 823.841 R6'S6Q'6IO 288.884 TQ6'RVI QQ'TWV I'Q7V'RIS 12.070 44.470 6Q7'QVR'76R R'7QV'66T 6QR'TWI'6O6

Depreciação HO'VOS'7W7J H6'7SW'SOWJ HQI'7VVJ HRRQ'7TSJ HI'II7'OORJ HVR'IIIJ HWOW'6OOJ H6'SQRJ HQ'QVT'I7WJ HIOO'6RTJ H6VR'IVOJ HIORJ HRS6'SSQJ H6S'OSW'ORWJ H6I7'QS6J HR6R'WVSJ HIQ'S7IJ H6'WWS'TVIJ H6'QQOJ H6Q'TWVJ HOT'R6T'R77J HOT'R6T'R77J

2012 &) I'7W7'QST 25.235.079 QR'IIQ'V7I 1.470.705 83.995 2.290.359 137.232 67Q'STI IW'7OQ 2.813.250 288.539 41.319 I'ISQ 331.845 22.520.778 6QV'6SO ORQ'VSO OS'VWQ 6'7RV'QRT 10.407 27.712 6IO'IQQ'Q6R R'7QV'66T 127.334.731

2011 &) I'WRW'Q6V 25.221.544 6'6Q6'6SW 99.349 31.442 6'VVW'SQT 152.340 121.754 I'SRI'TQS 382.203 QR'V6Q 180 OOR'SIQ 6S'ORV'QQS 220.739 312.954 54.555 6'I7R'SQI OR'OQW WQ'6I7'ORS WQ'6I7'ORS

Custo I'OQR'7IT 142.785 QQ'VVS 2.573.701

Depreciação H6'O7S'OOVJ HWV'OVOJ H6'OQT'TI6J

2012 &) 6'7WR'QVS 84.402 QQ'VVS 1.205.980

2011 &) 1.237.928 113.118 QS'OWQ 1.420.402

Baixas HW'O6VJ H6V'OVTJ H6S'TOSJ HOT'QRQJ H6OQ'OR7J HO7'7ROJ HR'Q77J HWQ6'676J HV'6WSJ HI'OIOJ H6W'S6RJ HOR'QTQJ HW'ORVJ HVTS'WSRJ HVTS'WSRJ

Saldos I'7W7'QSV 29.074.129 QR'IIQ'V7I I'WQQ'QR7 6RQ'7VO RRQ'7TS R'W67'QSO 221.454 QRI'67W 27.000 9.500.455 WI6'QVQ IIW'Q7I 2.530 823.841 R6'S6Q'6IO 288.884 TQ6'RVI QQ'TWV I'Q7V'RIS 12.070 44.471 6Q7'QVR'76W R'7QV'66T 6QR'TWI'6OI

Baixas HO'IIOJ HI'RQQJ HW'QVSJ

Saldos I'OQR'7IT 142.784 QQ'VS7 2.573.701

Taxa de Depreciação 20% [

A evolução ocorrida às contas de Imobilizado em 2012 foi à seguinte: Movimentação do custo Descrição Terrenos sem restrição  9   0       9  8 .    3367 (-    "        (-    "       Veículos ("   &     ("   &    Instalações sem restrição Instalações com restrição                          Aparelhos e instrumentos sem restrição Aparelhos e instrumentos com restrição       0F        !#           !#           )             )          +  F           +  F     >   ("      Outros Subtotal Imobilizações em andamento Totais

 Direito de uso de software sem restrição Direito de uso de software com restrição Outros Totais

H[J 3                 3  5     5          #     "    9  :           depreciado pelo método linear a taxas que levam em conta o prazo do Contrato de Gestão, desconsiderando o valor residual dos bens, uma vez que ao término do contrato de gestão, caso não ocorra à renovação os referidos               * H[[J  I76I     

         1  66'QOVU7T   9  3Y( a WVO O6 .  I77S H33 IT 8  ) J* 3Y( a Q7S II

)  I77S H33 OT 8      2     

3   J 3Y( a Q6S II )  I77S H33 67    33 ITJ 45 I77I'   )       "     .  0       .   patrimonial. 11.TRANSAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES PARTES RELACIONADAS: De acordo com o que dispĂľe o Regimento Interno da Organização Social Associação Fundo de        8 3  

  -  3&   _  2 8 33+ 2       0                 #   :   "  

    0  )    3  

  -  3&   _  2 8 33+ 2     0        : 

2011 Custo I'6TS'QQO 140.384 QS'OWQ 2.389.403

Ajustes -494.920 494.920 11.333 40.970 6O'QWV VQ'IWI +R'QRR 39.009 10.239 67'VRQ I7T'QQO I7T'QQO

Ajustes I'6Q7 2.400 R'WQ7

2012 Adiçþes QR'IIQ'V7I R6Q'TW7 31.487 T7Q'RSW QS'TTT 27.300 27.000 894.541 42.318 5.939 2.300 OI'IRQ Q'VTW'OVQ 6Q'I7O VS'SSQ 6Q'6WQ 78.035 12.070 73.570.801 R'7QV'66T TT'QOV'S6V 2012 Adiçþes 185.427 185.427

executados observando a tabela de procedimentos SIA/SUS com desconto de QZ' ,    0    0    :$ Meses Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro 4,41

2012 2.025.025 1.937.703 I'OR7'Q7V I'6WQ'WSO I'OOW'Q7W I'6VS'QSI I'667'TQQ 2.529.448 2.035.180 2.238.250 2.328.524 6'QSO'SQS IW'SI6'OQO

2011 1.785.712 1.913.794 I'7WI'Q7W 2.118.774 2.218.510 6'SSQ'RWQ 2.158.132 2.228.584 2.098.572 2.009.499 2.023.858 6'VSQ'IVR 24.500.780

O saldo da conta partes relacionadas esta assim representada: Contas   :   )   # Total

2012 6O'7SI'QR6 5.935.811 19.028.452

2011 5.810.310 5.898.054 66'T7V'OQR

Francisco TĂŠtsuo Nakamura - Contador - TC CRC 1SP.317/O-0

<14A<, /, >/4,< 2/2/24 ,<  /(,24<;? 3,24B Ă&#x20AC; Diretoria e associados do AFIP - Associação Fundo de Incentivo Ă  Pesquisa SĂŁo Paulo, SP :    9   -     +   Incentivo Ă  Pesquisa, que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2012 e as respectivas demonstraçþes do resultado, das mutaçþes

 F  &    G : :   : &     assim como o resumo das principais prĂĄticas contĂĄbeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da administração sobre as demonstraçþes contĂĄbeis Â&#x2013; A Administração da entidade ĂŠ a responsĂĄvel pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstraçþes contĂĄbeis de acordo com as -  -        -            

1  H45 I77IJ      H23 45 6777J  controles internos que ela determinou como necessĂĄrios para permitir a elaboração de demonstraçþes contĂĄbeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos auditores independentes Â&#x2013; Nossa responsabilidade ĂŠ a de expressar uma opiniĂŁo sobre as demonstraçþes contĂĄbeis com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria.            :#    

  que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoåvel de que as demonstraçþes contåbeis estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgaçþes apresentados nas demonstraçþes contåbeis. Os procedimentos selecionados dependem do

2011 270.520.812

Receitas de atividades assistenciais

IVQ'ROO'6Q7

IQV'W7O'WQO

Receitas operacionais Receitas de Prestação de Serviços Receitas de Convenios - SUS <   3   +33 Receitas com Projetos Outros Glosas

IQW'OIQ'SSI 6I6'OQ6'TVT 677'TQR'VOS R7'OWW'Q7O I'STT'QWS H6OI'VSQJ

249.781.751 66I'WS7'QRS 95.001.074 R6'VR6'WVQ 977.011 HQIV'WQSJ

Outras Receitas operacionais Outros Donativos Receitas subvenção - Investimento Receitas Com Isençþes Usufruídas

I6'67Q'6QV OST'Q7T 118 291.833 I7'R6Q'Q67

18.721.812 QRI'WST OQ'VVI IQO'776 17.779.332

1.578.279 1.578.279

2.017.249 2.017.249

13

<         :  - Receitas Financeiras DESPESAS OPERACIONAIS

IVR'IWQ'6RO

IT7'VQS'66T

Despesas com atividades assistenciais Despesas com pessoal Despesas administrativas e gerais Serviços prestados por terceiros Medicamentos e Materiais Impostos e taxas Despesas com Depreciação Despesas com Isençþes Usufruídas

281.028.228 99.570.108 QI'76T'QIO 28.172.754 QO'RVQ'OWT QWV'QQW Q'T7Q'67S I7'R6Q'Q67

IQQ'WQI'VSR 85.417.875 99.772.757 3.849.320 WO'R7S'W6Q WSW'TTQ 5.738.319 17.779.332

Outras Despesas operacionais /       Despesas Patrimoniais

3.227.915 3.227.915 -

R'O7Q'IIO 4.089.548 I6Q'QTQ

DĂ&#x2030;FICIT/SUPERAVIT DO EXERCĂ?CIO

O'TWW'ISQ

HORV'O7WJ

13

/(,24<;=, /, 1>D, / 3D (C4,/, 2/<4, < , D<3E3, 2/, ( O6 / /_(<, / I76I  I766 - Em reais 2012 4Y// ,<3,2  U/  1&   Itens que afetam o caixa: .   : &     Depreciação Resultado na venda de ativos permanentes Variaçþes nos Ativos e Passivos Diminuição/Aumento Valores a Receber Diminuição/Aumento Partes relacionadas / U     Diminuição/Aumento de Despesas Antecipadas Aumento/Diminuição em Fornecedores Aumento/Diminuição em Impostos / U    -  # Aumento/Diminuição Outros DÊbitos/CrÊditos Aumento/Diminuição Subvençþes a Realizar Aumento/Diminuição Provisþes e Contas a Pagar Caixa líquido gerado nas atividades operacionais

2011

O'TWW'ISQ

HORV'O7WJ

H6TWJ Q'T7Q'67S

HR7O'T77J 5.738.319 R7'QWI

HT'R7W'OI7J HW'W6Q'WQQJ HQ7'WVIJ R'QIW'WOI 114.489 HOR'OO7J I'QVW'7TT HIS6'VOOJ 3.481.594

H6O'STW'SR7J 5.810.310 HIRO'VTOJ HO6'VRIJ H6'ISQ'T7SJ 51.848 HI'OQI'OWQJ HQ'66O'I66J HIST'I7OJ 6O'TV7'TQI

8.059.292

348.751

4Y// / 2Y4(24, Aquisiçþes de bens no imobilizado ao custo Vendas de bens no imobilizado ao custo Ajustes do Imobilizado

H6O'RVS'TSRJ IQR'RRT HIWO'SIIJ

H6I'TWW'77IJ 6'ROQ'7VO -

Caixa lĂ­quido consumido nas atividades de investimento

H6O'RTS'IQVJ

H66'O6V'S6SJ

9.289.574 HT'7SQ'O7QJ

V'V7I'IQ7 HORW'7QIJ

4Y// / 223(24,               # 3: 1&               Variação de caixa e equivalente de caixa

I'6SO'IQV

8.457.198

HO'IIQ'T7VJ

HI'W6I'ST7J

R'R6S'STQ 6'6SO'IQV

Q'SOI'SRQ R'R6S'STQ

HO'IIQ'T7VJ

HI'W6I'ST7J

Saldo de caixa e equivalente de caixa no início do exercício   :    :     : & Variação de caixa e equivalente de caixa

12. EMPRĂ&#x2030;STIMOS E FINANCIAMENTOS: Representam emprĂŠstimos e       # $ Banco Tipo Banco Brasil Finame Banco Brasil Finame Banco Brasil Finame Bradesco 1  # Bradesco Finimp Bradesco Conta corrente Total

Garantia Alienação Alienação Alienação Y1

Circulante NĂŁo Circulante Total VI'QIT VI'QIT IR'67Q IR'67Q 6S'6QQ 6S'6QQ W7'QTR 23.285 73.959 2.154.821 S'6QV'RIR 11.323.245 121.150 52.229 2.452.545 9.191.709 11.575.332

13. ISENĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES PREVIDENCIĂ RIAS USUFRUĂ?DAS:      /   a T'IOT I7 .  I767  1  6I'676 6T   2009, demonstramos a seguir, os valores relativos a isençþes previdenciĂĄrias, como se devido fosse, gozadas durante o exercĂ­cio: 2012 QR'7S6'RIW 27,80% 6T'V6T'R6Q 8.419.083 IQV7Z I'IWQ'O6R 403.230 20,00% V7'QRQ 1.748.227 15,00% IQI'IOR I7'R6Q'Q67

Descrição Ordenados e salårios. H[J        HJ ,   - ,   - + 33 H[J        HJ ,   -        0& H F      J Percentual de contribuição devida HJ   F  Cooperativas         HJ H J  3  4        #)   HJ \ HJ \ HJ \ H J ]

H[J 2 I7Z 3 6WZ 23 6Z < 7Q7Z 23< 7I7Z '+ ucação 2,5% e Seguros contra riscos e acidentes 2% 14. PROVISĂ&#x192;O PARA CONTINGĂ&#x160;NCIAS: Ă&#x2030; constituĂ­da pela Administração de acordo com a avaliação de risco elaborada pela assessoria jurĂ­dica na data

          )  &        #   '       23 4 6S'T "  )  perdas prováveis, cujos montantes estão assim representados: Descrição Reclamações trabalhistas Processos cíveis e tributários Total contingências

2012 Circulante NĂŁo circulante W'RQW'OIT 6O'QWW'S7T 6O'QWW'S7T W'RQW'OIT

2011 3.950.703 6O'6QI'II6 17.112.924

15. VERBAS DE SUBVENĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES A REALIZAR: Refere-se a verbas a receber no  <P WOI'SOO       0 4    UI767 a 7OU67

< +<  3  5    1    implantação e adequação de serviços nas unidades de saĂşdes atendidas. 16. OBRIGAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES TRABALHISTAS:

2011 Custo I'WRW'Q6V 28.579.209 2.143.875 132.983 405.109 3.810.279 189.323 Q6R'V7W V'QWQ'77I 509.411 228.907 230 791.595 OW'WQI'VIS 280.840 QQO'WT7 QQ'W6Q 2.554.224 5.348 44.471 87.785.144 87.785.144

<14A<, /, >/4,< 2/2/24 ,<  /(,24<;? 3,24B   ! - Presidente

2012 288.011.438

2011

I6'STI'QVI 66'77O'QOW 235.030 105.458 W'I7S'6SQ VWQ'QOO 6'V6Q'VQW 1.159.758 432.835 944.529 2.885.097 RQ'QI6'T6V HO'WOR'V7OJ RO'7VQ'S6W

24.513.583 67'6W6'SWQ 258.749 19.525 153.027 Q'OO6'VW6 6'6TT'VQQ 6'RQR'6WS 1.574.897 6'OTQ'7RQ R'77Q'IOR 190.511 352.432 101.900 O'WQO'STW WW'IOQ'T66 HR'TRR'RTQJ 50.492.235

Outros valores a receber Hospital de Caridade SĂŁo Vicente de Paulo 1" (  Hospital Santa Marina Total

RECEITAS OPERACIONAIS BRUTAS

julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstraçþes contåbeis, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstraçþes  -        .     

         K       :         -              ' > 

    também, a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações contábeis tomadas   . '        

       apropriada para fundamentar nossa opiniĂŁo com ressalva. Base para opiniĂŁo com ressalvas sobre as demonstraçþes contĂĄbeis Â&#x2013; A entidade nĂŁo elaborou um estudo sobre a vida Ăştil dos seus bens e a respectiva aplicação   L  M H   - J' 3  N      0 &  determinar os efeitos de possĂ­veis ajustes em razĂŁo da adoção dessa polĂ­tica sobre as demonstraçþes contĂĄbeis auditadas em 31 de dezembro de 2012.  O6 )  I76I             <P 907 mil registrado no passivo circulante, na conta de recebimento antecipado  "    '        #  tem origem nos serviços prestados a operadoras de saĂşde e recebimentos de           09   )                          '  razĂŁo da incerteza sobre esses crĂŠditos, nĂŁo pudemos concluir sobre a natureza desses saldos. OpiniĂŁo com ressalvas sobre as demonstraçþes contĂĄbeis

Lion Even Empreendimentos ImobiliĂĄrios Ltda. CNPJ/MF nÂş 08.933.502/0001-87 â&#x20AC;&#x201C; NIRE 35.221.513.646 â&#x20AC;&#x201C; Ata de ReuniĂŁo ExtraordinĂĄria de SĂłcias 1. Data, Hora e Local: Em 08/05/2013, Ă s 15:00 h., na sede da Sociedade. 2. Composição da Mesa: Presidente: Dan Suguio; SecretĂĄrio: Walter Roberto Plaza Junior. 3. Convocação: Dispensada, nos termos do § 2Âş do Art. 1.072 da Lei nÂş 10.406/02. 4. Presentes: SĂłcias representando a totalidade do capital social. 5. Ordem do Dia: Deliberar sobre a redução de capital da Sociedade. 6. Deliberaçþes: 6.1. Por considerarem que o capital social ĂŠ excessivo ao objeto da sociedade, as sĂłcias aprovaram, por votação unânime, a redução do capital social, de R$ 14.881.987,00 para R$ 11.181.987,00 sendo a redução de R$ 3.700.000,00. 6.2. A redução do capital serĂĄ efetivada mediante a devolução de capital em dinheiro, no valor total de R$ 3.700.000,00, para a sĂłcia Even Construtora e Incorporadora S.A., titular de quotas representativas de 99,9999% do capital da sociedade. 6.3. Nos termos do Art. 1.084, §§ 1Âş e 2Âş da Lei nÂş 10.406/02, a redução do capital da sociedade somente serĂĄ efetivada mediante o registro, na JUCESP, do Instrumento Particular de 12ÂŞ Alteração do Contrato Social da sociedade, que ĂŠ assinado pelas sĂłcias nesta data e que se darĂĄ apĂłs o prazo de 90 dias contados da publicação desta ata. 7. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, foi encerrada a reuniĂŁo e lavrada a presente Ata, que foi lida, aprovada e assinada pelos presentes e que serĂĄ publicada nos termos do Art. 1.084, §§ 1Âş e 2Âş, da Lei nÂş 10.406/02. SĂŁo Paulo, 08/05/2013. Dan Suguio - Presidente da Mesa; Walter Roberto Plaza Junior - SecretĂĄrio da Mesa. SĂłcias: p. Even Construtora e Incorporadora S.A. - Dany Muszkat/Dan Suguio; p. Evenpar Participaçþes SocietĂĄrias Ltda. - Dan Suguio/Walter Roberto Plaza Junior.

2012 6'IQV T'WQV 29.158 14.244 52.238

2011 6TS'QWO 8.028 W'Q67 1.087 194.378

2012 Q'R7Q R'IQI 66R'QTS 10.495 3.170 9.731 RO'O7Q 403.537 T6'6SQ 10.227 QTT'77S

2011 3.997 2.117 SV'QWS 13.501 W'QI7 6Q'7IQ 28.903 344.714 48.983 WQI'WI7

2012 RRT'Q7W QVV'QVO 6'6OQ'IVV

2011 418.515 Q7S'SQO 1.028.478

Descrição Salårios a pagar Pensão alimentícia a pagar Quitaçþes a pagar Autônomos a Pagar Total Obrigaçþes trabalhistas

17. OBRIGAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES TRIBUTĂ RIAS Descrição Contribuição assistencial a recolher Contribuição Federativa a recolher PIS s/ folha de pagamento ISS retido Contribuição sindical a recolher INSS retido na fonte a recolher IRRF a recolher IRRF s/folha de pagamento Contribuição retida a recolher IPTU a recolher Total obrigaçþes tributĂĄrias

18. OBRIGAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES SOCIAIS Descrição INSS a recolher FGTS a recolher Total Obrigaçþes sociais

19. RECEITAS E DESPESAS: As receitas da entidade sĂŁo apuradas atravĂŠs de comprovantes de recebimentos, entre eles, avisos bancĂĄrios, recibos e outros. As receitas estĂŁo apuradas, excetuando-se as inadimplĂŞncias e/ou valores considerados incobrĂĄveis. As despesas sĂŁo apuradas atravĂŠs de notas        0    :#   # ' 20. SEGUROS:              "       #       . #         eventuais sinistros dos seus bens patrimoniais. 21. PATRIMĂ&#x201D;NIO SOCIAL: Representa o patrimĂ´nio inicial da Associação Fundo de Incentivo a Pesquisa +        -   &   / .      anualmente desde a data de sua constituição. O resultado apurado em cada exercĂ­cio, consoante previsĂŁo estatutĂĄria, ĂŠ incorporado ao PatrimĂ´nio Social  "      5 ' 22. CONCESSĂ&#x192;O DE GRATUIDADES:        K    &  :   /   a T'IOT

I7 .  I767     ' Ra  1  6I'676 6T   2009, conforme demonstrativo comparativo, indicado abaixo: /   5       Item Quantidade de atendimentos SUS Quantidade de atendimentos convênio e particulares Total dos atendimentos realizados no ano Participação nos atendimentos SUS

Quantidade 2012 6Q'SQ6'67T Q'ORV'OTT 23.309.484 TITQZ

Quantidade 2011 66'TWS'6WQ Q'IQR'O77 6V'7IO'RWQ QWO7Z

23. TRABALHO VOLUNTà RIO: De acordo com a Resolução CFC nº 1.409 de I6U7SUI76I     45 I77I 8          1   Associação Fundo de Incentivo á Pesquisa não utilizou o trabalho voluntário em 2012, exceto a administração que por força de lei não é permitido a remuneração, entretanto para atendimento a referida resolução a entidade somente irá mensurar estes valores para o exercício de 2013.

Â&#x2013;      :   &  0      no parĂĄgrafo base para a opiniĂŁo com ressalva, as demonstraçþes contĂĄbeis acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes,            +       Pesquisa, em 31 de dezembro de 2012, o desempenho de suas operaçþes, e    G : :   : &         -  -        -            

1  H45 I77IJ      H23 45 6777J' "              #   anterior. As demonstraçþes contåbeis do AFIP - Associação Fundo de Incentivo à Pesquisa correspondente ao exercício anterior estão sendo          0  " :        

 #      "  IQ 

I76I    )  "        '    IQ  I76O' COKINOS & ASSOCIADOS CRC-2SP 15.753/O-0 Auditores Independentes S.S. Registro CVM Â&#x2013; 7.739 DEMĂ&#x2030;TRIO COKINOS - Contador CRC-1SP120.410/O-2 RENE CECCACCI + 3   3<3+66R6'QSTU,+T

PREFEITURA DA ESTĂ&#x201A;NCIA BALNEĂ RIA DE MONGAGUĂ /SP CONVOCAĂ&#x2021;Ă&#x192;O Processo nÂş 068/2013 - PregĂŁo Presencial nÂş 016/2013 Objeto: Contratação de prestação de serviços de dez Ă´nibus de quarenta e quatro lugares para o transporte de estudantes. O Sr. Pregoeiro e Equipe de Apoio convocam as empresas classificadas no PregĂŁo Presencial nÂş 016/2013 para a sessĂŁo que serĂĄ realizada no dia: 04/07/2013, Ă s 09h30min, para ciĂŞncia da decisĂŁo pertinente a habilitação da empresa vencedora. Laurentino J. dos Santos - Pregoeiro.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

18

e

terça-feira, 2 de julho de 2013

Banco do Brasil vai destinar R$ 21,1 bilhões para a safra 2013/104 e a Caixa Econômica Federal vai disponibilizar mais de R$ 3,7 bilhões.

conomia

Maior consumo de energia indica retomada da indústria Dados da Empresa de Pesquisa Energética apontam aumento na demanda nacional por energia no mês de maio, depois de um ano sem registrar alta.

O

Agliberto Lima/DC

O

consumo nacional de energia elétrica no Brasil subiu 4,2% em maio ante igual período de 2012, impulsionado por forte demanda de residências e comércio e pelo aumento no consumo da indústria, depois de o setor ter ficado um ano sem registrar alta mensal na comparação anual. A demanda de eletricidade n o B r a s i l f o i d e 3 8 . 3 5 4 g igawatts-hora (GWh) em maio, informou ontem a Empresa de Pesquisa Energética (EPE). A indústria brasileira consumiu 15.557 gigawatts-hora (GWh) em maio, aumento de 2,1% em relação à média de consumo mensal dos 12 últi-

mos meses. Em relação a maio de 2012, o aumento da demanda pela indústria foi de 1,9%. Entre os principais motivos para alta estão o avanço da demanda da área de produtos minerais não-metálicos e a demanda adicional na rede por indústrias que normalmente fazem uso de autoprodução de energia. "Não obstante estas estatísticas positivas, ainda não se pode afirmar que a produção industrial esteja em uma rota sustentada de recuperação", informou a EPE na Resenha Mensal do Mercado de Energia Elétrica. O consumo de energia da mineração e da metalurgia conti-

Itaú BBA capta US$ 1,5 bilhão junto a bancos

O

nuam apresentando retração, segundo a EPE, refletindo a queda dos preços internacionais de seus produtos. O consumo industrial no Maranhão, Pará e Minas Gerais, que têm forte peso desses setores, apresentou queda em maio de 15,1%, 6,2% e 2,3%, respectivamente, na comparação anual. Em outros Estados, paralisações e manutenções em maio do ano passado explicam base de comparação relativamente mais baixa, segundo a EPE. Já as residências tiveram uma alta de 7,4% no consumo de energia elétrica em maio, por influência do calendário de faturamento das conces-

Itaú BBA, banco de investimentos do Itaú Unibanco, informou ontem que captou US$ 1,5 bilhão junto a um grupo de bancos, em uma operação liderada pelo Bank of Tokyo-Mit-

sionárias de energia em relação a maio de 2012 e também por temperaturas mais baixas no Sul, o que eleva uso de aparelhos como aquecedores, entre outros fatores. O comércio elevou o consumo em 6,4%, mantendo-se forte apesar de uma desaceleração na taxa de crescimento. "A desaceleração está em linha com indicadores do setor, como o índice de intenção de consumo das famílias, calculado pela CNC, que está 6,2% abaixo do nível de maio de 2012, e o volume de vendas no varejo,cujo crescimento, conforme dados do IBGE, passou de 6,8% em março para 6,4% em abril", disse a EPE. (Reuters)

subishi UFJ, Mizuho e Standard Chartered. Ao todo 35 instituições financeiras participaram, incluindo bancos da Índia, Taiwan, Filipinas, Cingapura, China e Oriente Médio. O finan-

BB e Caixa apostam em demanda maior do crédito rural Banco do Brasil (BB) aposta que a demanda pelo crédito rural para investimento deve se manter firme na safra 2013/14, que começou oficialmente ontem, e projeta expansão de 15% no montante de recursos, para R$ 21,1 bilhões. Segundo o vice-presidente de Agronegócios do BB, Osmar Dias, a demanda deve ser incentivada pelos programas do governo federal para o Plano de Safra, como financiamentos para construção de armazéns e uso da irrigação, além do incentivo à inovação tecnológica nas propriedades rurais. Os juros são de 3,5% ao ano. A carência é de três anos e os prazos de pagamento são de 10 anos na inovação, 12 anos na irrigação e 15 anos na armazenagem. Outra linha de crédito que deve manter a demanda por recursos para investimento aquecida na safra 2013/14 é a que financia a adoção de práticas sustentáveis no campo, o chamado Programa ABC (Agricultura de Baixo Carbono). O Banco do Brasil aplicou R$ 2,6 bilhões no programa na safra passada, cifra 55% acima do liberado na safra 2011/12. A meta para 2013/14 é crescer 167% e atingir R$ 4 bilhões. O Banco do Brasil responde por 88% das liberações de crédito do Programa ABC. A meta total do Banco do Brasil para a safra 2013/14 é liberar o recorde de R$ 70 bilhões, ou 27% acima da safra passada, que havia crescido 28% em relação ao ciclo anterior. Dias ressalta

ciamento tem prazos de três e quatro anos. "Foi a maior operação de empréstimo já feita para um banco da América Latina", disse por meio de nota o diretor de América Latina do

que o balanço exclui outros R$ 15 bilhões aplicados em agroindústrias. Ele observa que 94% dos recursos do crédito liberados pelo BB são empréstimos com taxa de juros controladas, de no máximo 5,5% ao ano. A taxa de inadimplência de 90 dias no crédito rural do Banco do Brasil está em 0,6%. As liberações de financiamento para investimento pelo BB na safra passada, 2012/13, cresceram 48% e atingiram R% 18,4 bilhões. As contratações de crédito de investimento pela agricultura empresarial aumentaram 59% e passaram para R$ 12,4 bilhões, enquanto na familiar a expansão foi de 30%, para R$ 6 bilhões. Caixa – A Caixa Econômica Federal vai disponibilizar mais de R$ 3,7 bilhões para o ano-safra 2013/2014, iniciado ontem. Os recursos são destinados aos segmentos agrícola e pecuário, operações de investimentos em máquinas e equipamentos, aquisição de animais e projetos de infraestrutura rural. As linhas de crédito estão disponíveis em cerca de mil agências da instituição. "Operações de custeio de até R$ 300 mil, por exemplo, podem ser contratadas na agência por meio de orçamento simplificado", observa o vice-presidente de Negócios Emergentes do banco, Fábio Lenza. liberados, a Caixa lançou, para a safra 2013/2014, o Caminhão do Agronegócio. Trata-se de uma unidade móvel que funciona como agência e que será instalada em feiras do setor. (EC)

Itaú BBA, Marcelo Rosenhek. Ele destacou que o momento é de alta volatilidade do mercado, e o porte da transação é fruto da reputação do banco no mercado internacional. (Reuters)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

terça-feira, 2 de julho de 2013

Richard Saigh Indústria e Comércio S.A.

CNPJ/MF nº 61.206.397/0001-67 - NIRE 35.300.042.174 Ata da Assembleia Geral Extraordinária Realizada em 15 de Maio de 2013 (Lavrada na forma de Sumário, conforme autorizado pelo art. 130, §1º da Lei nº 6.404/76) Data, Hora e Local: 15 de maio de 2013, às 10:00hs, na sede social da Richard Saigh Indústria e Comércio S.A. (“Companhia” ou “Richard Saigh”), localizada na cidade de São Caetano do Sul, Estado de São Paulo, na Rua Heloísa Pamplona, nº 842, Bairro Fundação, CEP 09.520-310. Convocação: Convocação publicada no Diário Oficial Empresarial e no Diário do Comércio nos dias 07, 08 e 09 de maio de 2013, na forma do inciso I, parágrafo 1º do art. 124 da Lei nº 6.404/76 e suas alterações posteriores (“Lei das Sociedades por Ações”). Presenças: Acionistas titulares de 100% (cem por cento) do capital social com direito a voto, conforme assinaturas lançadas no Livro de Presença de Acionistas. Os acionistas Eurobristol S.A. (“Eurobristol”), Bens de Raiz Participações S.A. (“Bens de Raiz”) e Christian Mattar Saigh (“Christian Saigh”) encontram-se representados por procuração arquivada na sede da Companhia na forma legal estabelecida no art. 126, § 1º, da Lei das Sociedades por Ações, pelos advogados Drs. Sami Arap Sobrinho, OAB/SP 97.542, Luís Gustavo Haddad, OAB/SP 184.147, Bruno Robert, OAB/SP 221.002, e Silvia Regina Nishi Uyeda, OAB/SP 116.162, respectivamente. As procurações foram recebidas pela mesa e ficam arquivadas na sede da Companhia como DOC. 01. Presentes, ainda, (i) os Srs. Christian Mattar Saigh e Jorge Botossi de Figueiredo, Diretores da Companhia; (ii) o Sr. Ary Waddington, membro titular do Conselho Fiscal da Richard Saigh, e (iii) o Sr. Francisco de Paula dos Reis Júnior, representante da empresa de auditoria externa BDO RCS Auditores Independentes. Composição da Mesa: Presidente, Christian Mattar Saigh; Secretário, João Eduardo de Villemor Amaral Ayres. Ordem do Dia: (i) aprovar a Proposta de Aumento de Capital no valor de R$ 4.773.795,00 (quatro milhões, setecentos e setenta e três mil e setecentos e noventa e cinco Reais), mediante capitalização de parte da reserva de investimentos, haja vista a prolação de sentença que revogou a medida liminar proferida nos autos do processo nº 0007410-49.2012.8.26.0565, em trâmite perante a 6ª Vara Cível da Comarca de São Caetano do Sul e; (ii) caso seja aprovado o item (i) da Ordem do Dia, aprovar a alteração do art. 5º do Estatuto Social. Deliberações: Assuntos Preliminares: Dando início aos trabalhos da presente assembleia geral, o Presidente da Mesa deu a palavra ao procurador do acionista Bens de Raiz que apresentou à mesa protesto escrito solicitando a lavratura desta ata na sua forma integral de fatos ocorridos (DOC. 02). A acionista Eurobristol se manifestou em favor da lavratura da presente ata em forma de sumário de fatos e acontecimentos, conforme dispõe o art. 130, § 1º da Lei das Sociedades por Ações. Colocado este assunto preliminar em votação, por maioria absoluta de votos dos acionistas presentes, foi deliberado pela lavratura desta ata em forma de sumário de fatos e eventos, conforme dispõe o art. 130, § 1º da Lei das Sociedades por Ações e de acordo com os procedimentos regularmente adotados pela Companhia em conclaves anteriores. Foi recebida pela Mesa a manifestação apresentada pelo acionista Bens de Raiz, para que eventuais manifestações de voto sejam recebidas pela Mesa, numeradas e registradas na sede da Companhia. Tal manifestação fica arquivada na sede da Companhia (DOC. 02). Na sequência, foi apresentada manifestação preliminar de voto pelo acionista Bens de Raiz solicitando sejam entregues cópias integrais dos documentos da assembleia, que recebida e autenticada pela Mesa fica arquivada na sede da Companhia como DOC. 03. Ademais, foi recebida manifestação de voto pelo acionista Bens de Raiz acerca do acordo de acionistas da Companhia, que foi recebida e autenticada pela Mesa e fica arquivada na sede da empresa como DOC. 04. Os acionistas Eurobristol e Christian, nesta oportunidade, rechaçam na íntegra o teor de todas as manifestações de voto apresentadas pelo acionista Bens de Raiz até o momento, conforme aplicável. Ordem do Dia da AGE: Preliminarmente, o Sr. Presidente esclareceu que a proposta de aumento de Capital, assim como a parte da proposta de destinação do resultado de 2011, tiveram sua apreciação suspensa na Assembléia Geral Ordinária e Extraordinária de 19.04.2012, em razão da decisão liminar proferida nos autos do processo nº 0007410-49.2012.8.26.0565, em trâmite perante a 6ª Vara Cível da Comarca de São Caetano do Sul. Na data de 21.04.2013, todavia, foi preferida sentença pela Exma. Dra. Daniela Anholeto Valbão, juíza titular da 6ª Vara Cível da Comarca de São Caetano do Sul, sentença esta que revogou a decisão liminar anteriormente proferida e extinguiu o processo nº 0007410-49.2012.8.26.0565 com julgamento do mérito, razão pela qual restaram liberadas, por conseqüência, as matérias que ficaram suspensas na AGO de 19.04.2012. Na seqüência, dando prosseguimento ao tema e de acordo com o estabelecido no art. 129 da Lei das Sociedades por Ações, considerando o pool de votação representado pelas participações detidas pelos acionistas Eurobristol e Bens de Raiz e em face da abstenção de voto do acionista Christian Saigh em relação à matéria, foi aprovada na íntegra e sem quaisquer ressalvas, por maioria absoluta de votos dos acionistas presentes, com voto contrário do acionista Bens de Raiz, que fica arquivado na sede da Companhia como DOC. 05 a proposta de aumento de capital mediante capitalização de parte da reserva de investimentos e a destinação de parte dos resultados de 2011, itens estes que haviam sido suspensos por ocasião da AGO de 19.04.2012. Em razão do aumento do capital social ora aprovado, o capital social passará do valor atual de R$ 34.068.408,00 (trinta e quatro milhões, sessenta e oito mil e quatrocentos e oito Reais), para o valor de R$ 38.842.203 (trinta e oito milhões, oitocentos e quarenta e dois mil e duzentos e três Reais). (ii) No que se refere a este item da Ordem do Dia, considerando a aprovação da matéria constante do item “(ii)”, acima, foi aprovada na íntegra e sem quaisquer ressalvas, por maioria absoluta de votos, considerando o pool de votação representado pelas participações detidas pelos acionistas Eurobristol e Bens de Raiz e em face da abstenção de voto do acionista Christian Saigh em relação à matéria, com voto contrário do acionista Bens de Raiz, que fica arquivado na sede da Companhia como DOC. 05, a proposta de alteração C m m O R m m R m m m m m m m C m m G m N m m m m m R m m C m C M M m Am A M A m B R A G H R C R N U UC m G m m C G M

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINDAMONHANGABA ED TAL RESUM DO PREGÃO N 096 2013 A P e e u a o na púb co que se acha abe o no Dep o de L c ações e Comp as s o na Av N S a do Bom Sucesso n° 1 400 Ba o A o do Ca doso o PP n 96 13 que cu da da “Con a ação de emp esa espec a zada em p es ação de se v ços de cobe u a secu á a” com ence amen o d a 17 07 2013 às 8h30 e abe u a às 9h O ed a es a á d spon ve no s e www p ndamonhangaba sp gov b e ma o es n o mações pode ão se ob das no ende eço sup a das 8h às 17h ou a avés do e 12 3644 5600 P ndamonhangaba 01 de u ho de 2013 PREGÃO N 108 2013 A P e e u a o na púb co que se acha abe o no Dep o de L c ações e Comp as s o na Av N S a do Bom Sucesso n° 1 400 Ba o A o do Ca doso o PP n 108 13 que cu da da “Con a ação de emp esa espec a zada em p es ação de se v ços au omo vos em ge a pa a manu enção p even va e co e va com epos ção sem exc us v dade de peças e ou componen es genu nos ou o g na s de áb ca pa a as máqu nas odov á as de d ve sas nhas mode os e pos pe encen es à o a ope ac ona da P e e u a Mun c pa de P ndamonhangaba SP” com ence amen o d a 17 07 2013 às 14h30 e abe u a às 15h O ed a es a á d spon ve no s e www p ndamonhangaba sp gov b e ma o es n o mações pode ão se ob das no ende eço sup a das 8h às 17h ou a avés do e 12 3644 5600 P ndamonhangaba 01 de u ho de 2013

C trosuco S A Agro ndústr a CNPJ n 33 010 786 0001 87 N RE n 35 300 040 724 D C

H

C C

R

m

M

C

C

m

m

C

M

D

m

O m m

U

A

mR

N

m

C

m

N

m

U

m m

m m

m

C

m G

M

D

m m m

N m

m m m

U

m m

m

m

m

m

m

m m

M R

M

m

C C R

M mC

C

C m m D

mC M D UC

m C C m m

m

N A

R m

A D

C m

B G

M

C m m m C

AR

C G

N D

A

Tiger Even Empreendimentos Imobiliários Ltda. CNPJ/MF nº 08.868.287/0001-88 – NIRE 35.221.513.662 – Ata de Reunião Extraordinária de Sócias 1. Data, Hora e Local: Em 08/05/2013, às 16:00 h., na sede da Sociedade. 2. Composição da Mesa: Presidente: Dan Suguio; Secretário: Walter Roberto Plaza Junior. 3. Convocação: Dispensada, nos termos do § 2º do Art. 1.072 da Lei nº 10.406/02. 4. Presentes: Sócias representando a totalidade do capital social. 5. Ordem do Dia: Deliberar sobre a redução de capital da sociedade. 6. Deliberações: 6.1. Por considerarem que o capital social é excessivo ao objeto da sociedade, as sócias aprovaram, por votação unânime, a redução do capital social, de R$ 11.707.273,00, para R$ 5.007.273,00, sendo a redução de R$ 6.700.000,00. 6.2. A redução do capital será efetivada mediante a devolução de capital em dinheiro, no valor total de R$ 6.700.000,00, para a sócia Even Construtora e Incorporadora S.A., titular de quotas representativas de 99,9999% do capital da sociedade. 6.3. Nos termos do Art. 1.084, §§ 1º e 2º da Lei nº 10.406/02, a redução do capital da sociedade somente será efetivada mediante o registro, na JUCESP, do Instrumento Particular de 11ª Alteração do Contrato Social da sociedade, que é assinado pelas sócias nesta data e que se dará após o prazo de dias contados da publicação desta ata. 7. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, foi encerrada a reunião e lavrada a presente Ata, que foi lida, aprovada e assinada pelos presentes e que será publicada nos termos do Art. 1.084, §§ 1º e 2º, da Lei nº 10.406/02. São Paulo, 08/05/2013. Dan Suguio - Presidente da Mesa; Walter Roberto Plaza Junior - Secretário da Mesa. Sócias: p. Even Construtora e Incorporadora S.A. - Dany Muszkat/Dan Suguio; p. Evenpar Participações Societárias Ltda. - Dan Suguio/Walter Roberto Plaza Junior.

Centaurus Even Empreendimentos Imobiliários Ltda. CNPJ/MF nº 08.504.745/0001-08 - NIRE 35.221.090.320 – Ata de Reunião Extraordinária de Sócias 1. Data, Hora e Local: Em 31/05/2013, às 13:00 h., na sede da Sociedade. 2. Composição da Mesa: Presidente: Dan Suguio; Secretário: Walter Roberto Plaza Junior. 3. Convocação: Dispensada, nos termos do § 2º do Art. 1.072 da Lei nº 10.406/02. 4. Presentes: Sócias representando a totalidade do capital social. 5. Ordem do Dia: Deliberar sobre a redução de capital da Sociedade. 6. Deliberações: 6.1. Por considerarem que o capital social é excessivo ao objeto da sociedade, as sócias aprovaram, por votação unânime, a redução do capital social, de R$ 1.709.093,00 para R$ 1.109.093,00, sendo a redução de R$ 600.000,00. 6.2. A redução do capital será efetivada mediante a restituição de capital em dinheiro, no valor total de R$ 600.000,00, para a sócia Even Construtora e Incorporadora S.A., titular de quotas representativas de 99,9999% do capital da sociedade. 6.3. Nos termos do Art. 1.084, §§ 1º e 2º da Lei nº 10.406/02, a redução do capital da sociedade somente será efetivada mediante o registro, na JUCESP, do Instrumento Particular de 14ª Alteração do Contrato Social da sociedade, que é assinado pelas sócias nesta data e que se dará após o prazo de 90 dias contados da publicação desta ata. 7. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, foi encerrada a reunião e lavrada a presente Ata, que foi lida, aprovada e assinada pelos presentes e que será publicada nos termos do Art. 1.084, §§ 1º e 2º, da Lei nº 10.406/02. São Paulo, 31/05/2013. Dan Suguio - Presidente da Mesa; Walter Roberto Plaza Junior - Secretário da Mesa. Sócias: p. Even Construtora e Incorporadora S.A. - Dany Muszkat/Dan Suguio; p. Evenpar Participações Societárias Ltda. - Dan Suguio/Walter Roberto Plaza Junior.

Pictor Even Empreendimentos Imobiliários Ltda. CNPJ/MF nº 08.808.906/0001-49 – NIRE 35.221.393.276 – Ata de Reunião Extraordin��ria de Sócias 1. Data, Hora e Local: Em 08/05/2013, às 12:00 h., na sede da Sociedade. 2. Composição da Mesa: Presidente: Dan Suguio; Secretário: Walter Roberto Plaza Junior. 3. Convocação: Dispensada, nos termos do § 2º do Art. 1.072 da Lei nº 10.406/02. 4. Presentes: Sócias representando a totalidade do capital social. 5. Ordem do Dia: Deliberar sobre a redução de capital da Sociedade. 6. Deliberações: 6.1. Por considerarem que o capital social é excessivo ao objeto da sociedade, as sócias aprovaram, por votação unânime, a redução do capital social, de R$ 11.547.869,00 para R$ 3.910.869,00, sendo a redução de R$ 7.637.000,00. 6.2. A redução do capital será efetivada mediante a compensação do prejuízo da sociedade, no valor de R$ 1.437.000,00 e, ainda, por meio da restituição do restante de capital em dinheiro, no valor total de R$ 6.200.000,00 para a sócia Even Construtora e Incorporadora S.A., titular de quotas representativas de 99,9999% do capital da sociedade. 6.3. Nos termos do Art. 1.084, §§ 1º e 2º da Lei nº 10.406/02, a redução do capital da sociedade somente será efetivada mediante o registro, na JUCESP, do Instrumento Particular de 12ª Alteração do Contrato Social da sociedade, que é assinado pelas sócias nesta data e que se dará após o prazo de 90 dias contados da publicação desta ata. 7. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, foi encerrada a reunião e lavrada a presente Ata, que foi lida, aprovada e assinada pelos presentes e que será publicada nos termos do Art. 1.084, §§ 1º e 2º, da Lei nº 10.406/02. São Paulo, 08/05/2013. Dan Suguio - Presidente da Mesa; Walter Roberto Plaza Junior - Secretário da Mesa. Sócias: p. Even Construtora e Incorporadora S.A. - Dany Muszkat/Dan Suguio; p. Evenpar Participações Societárias Ltda. - Dan Suguio/Walter Roberto Plaza Junior.

19 Richard Saigh Indústria e Comércio S.A. CNPJ/MF nº 61.206.397/0001-67 - NIRE 35.300.042.174

(Lavrada na forma de Sumário, conforme autorizado pelo art. 130, §1º da Lei nº 6.404/76) Data, Hora e Local: 30 de abril de 2013, às 09:30hs, na sede social da Richard Saigh Indústria e Comércio S.A. (“Companhia” ou “Richard para R$ 34.068.408,00 (trinta e quatro milhões, sessenta e oito mil e quatrocentos e oito Reais), mediante a capitalização de R$ 12.068.408,00 Saigh”), localizada na cidade de São Caetano do Sul, Estado de São Paulo, na Rua Heloísa Pamplona, nº 842. Convocação: Convocação (doze milhões, sessenta e oito mil e quatrocentos e oito Reais), correspondente a parte da reserva de investimentos.(iii) No que se refere a este publicada no Diário Oficial Empresarial e no Diário do Comércio nos dias 20, 23 e 24 de abril de 2013, na forma do inciso I, parágrafo 1º do art. item da Ordem do Dia, considerando a aprovação da matéria constante do item “(ii)”, acima, foi aprovada na íntegra e sem quaisquer ressalvas, 124 da Lei nº 6.404/76 e suas alterações posteriores (“Lei das Sociedades por Ações”).Presenças: Acionistas titulares de 100% (cem por cento) por maioria absoluta de votos, considerando o pool de votação representado pelas participações detidas pelos acionistas Eurobristol e Bens de do capital social com direito a voto, conforme assinaturas lançadas no Livro de Presença de Acionistas. Os acionistas Eurobristol S.A. Raiz e em face da abstenção de voto do acionista Christian Saigh em relação à matéria com voto contrário do acionista Bens de Raiz, que fica (“Eurobristol”), Bens de Raiz Participações S.A. (“Bens de Raiz”) e Christian Mattar Saigh (“Christian Saigh”) encontram-se representados por arquivado na sede da Companhia como DOC.14, a alteração do artigo 5º do Estatuto Social da Companhia, que passa a vigorar com a seguinte procuração arquivada na sede da Companhia na forma legal estabelecida no art. 126, § 1º, da Lei das Sociedades por Ações, pelos advogados e nova redação: “Artigo 5º - O capital social é de 34.068.408,00 (trinta e quatro milhões, sessenta e oito mil e quatrocentos e oito Reais), Drs. Sami Arap Sobrinho, OAB/SP 97.542, Bruno Robert, OAB/SP 221.002 e Diego Billi Falcão, OAB/SP 286.521, e Silvia Regina Nishi Uyeda, totalmente integralizado, sendo dividido em 34.068.408 (trinta e quatro milhões, sessenta e oito mil e quatrocentos e oito) ações ordinárias OAB/SP 116.162, respectivamente. As procurações foram recebidas pela mesa e ficam arquivadas na sede da Companhia como DOC. 01. nominativas sem valor nominal.Parágrafo Primeiro - Cada ação ordinária confere a seu titular direito a um voto nas deliberações da Assembleia Presentes, ainda, (i) os Srs. Edgard Nassif Saigh, Christian Mattar Saigh e Jorge Botossi de Figueiredo, Diretores da Companhia, em Geral.” Por fim, foi aprovada na íntegra e sem quaisquer ressalvas, por maioria absoluta de votos, considerando o pool de votação representado atendimento ao disposto no §1º do art. 134 da Lei das Sociedades por Ações; (ii) o Sr. Ary Waddington, membro titular do Conselho Fiscal da pelas participações detidas pelos acionistas Eurobristol e Bens de Raiz e em face da abstenção de voto do acionista Christian Saigh em relação Richard Saigh, em atendimento ao disposto no art. 164 da Lei das Sociedades por Ações; e (iii) o Sr. Francisco de Paula dos Reis Júnior, à matéria e com o voto contrário do acionista Bens de Raiz, que fica arquivado na sede da Companhia como DOC.14, a consolidação do Estatuto representante da empresa de auditoria externa BDO RCS Auditores Independentes, para fins de atendimento ao disposto no §1º do art. 134 da Social da Companhia, que passará a vigorar com a seguinte redação: “Estatuto Social - Richard Saigh Indústria e Comércio S.A. - Capítulo Lei das Sociedades por Ações. Composição da Mesa: Presidente, Edgard Nassif Saigh; Secretário, João Eduardo de Villemor Amaral Ayres. I - Denominação, Sede, Objeto e Duração - Artigo 1º - A Richard Saigh Indústria e Comércio S.A.(a “Companhia”) é uma sociedade por ações Ordem do Dia: em Assembleia Geral Ordinária: i) tomar as contas dos administradores, examinar, discutir e votar as demonstrações fechada, que se rege por este Estatuto Social e pelas disposições legais que lhe forem aplicáveis. Artigo 2º - A Companhia tem foro na cidade financeiras relativas ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2012; ii) deliberar sobre a destinação do lucro líquido do exercício e de São Caetano do Sul, com sede na Rua Heloísa Pamplona, nº 842, na cidade de São Caetano do Sul, Estado de São Paulo, podendo, a critério a distribuição de dividendos; e, em Assembleia Geral Extraordinária: i) fixar a remuneração global dos administradores da Companhia; e por deliberação da Diretoria, abrir, transferir ou encerrar filiais, depósitos, escritórios e quaisquer outros estabelecimentos em qualquer parte ii) aprovar a Proposta de Aumento de Capital mediante capitalização de parte da reserva de investimentos; iii) caso seja aprovado o item (ii) da do território nacional e no exterior. Artigo 3º - A Companhia tem por objeto: a) a indústria e comércio de produtos com a finalidade alimentícia Ordem do Dia, aprovar a alteração do art. 5º e a consolidação do Estatuto Social. Deliberações: Assuntos Preliminares - Dando início aos e/ou nutricional, inclusive a moagem de trigo ou de outros produtos agrícolas, compreendendo seus produtos e subprodutos; b) a indústria e trabalhos da presente assembleia geral, o Presidente da Mesa deu a palavra ao procurador do acionista Bens de Raiz que apresentou à mesa comércio de rações, de complementos de alimentação animal e produtos afins; c) a importação, a exportação e o comércio de matérias primas protesto escrito solicitando a lavratura desta ata na sua forma integral de fatos ocorridos (DOC.02). A acionista Eurobristol se manifestou em e produtos em geral;d) a representação de produto do seu comércio, nacionais e estrangeiros, por conta própria e/ou de terceiros;e) a execução favor da lavratura da presente ata em forma de sumário de fatos e acontecimentos, conforme dispõe o art. 130, § 1º da Lei das Sociedades por de empreendimentos imobiliários em geral, a compra e venda de imóveis, bem como a locação e exploração de imóveis próprios; e Ações.Colocado este assunto preliminar em votação, por maioria absoluta de votos dos acionistas presentes, foi deliberado pela lavratura desta f) a participação em quaisquer outras sociedades na qualidade de acionista, sócia ou associada, a critério e por deliberação da Diretoria. Artigo 4º ata em forma de sumário de fatos e eventos, conforme dispõe o art.130, § 1º da Lei das Sociedades por Ações e de acordo com os procedimentos A Companhia terá prazo indeterminado de duração.Capítulo II - Capital Social e Ações - Artigo 5º - O capital social é de 34.068.408,00 (trinta regularmente adotados pela Companhia em conclaves anteriores. Foi recebida pela Mesa a manifestação apresentada pelo acionista Bens de e quatro milhões, sessenta e oito mil e quatrocentos e oito Reais), totalmente integralizado, sendo dividido em 34.068.408 (trinta e quatro milhões, Raiz, para que eventuais manifestações de voto sejam recebidas pela Mesa, numeradas e registradas na sede da Companhia (DOC.02). Na sessenta e oito mil e quatrocentos e oito) ações ordinárias nominativas sem valor nominal. Parágrafo Único - Cada ação ordinária confere a sequência, foi apresentada manifestação preliminar de voto pelo acionista Bens de Raiz solicitando sejam entregues cópias integrais dos seu titular direito a um voto nas deliberações da Assembleia Geral.Capítulo III - Assembleia Geral - Artigo 6º - A Assembleia Geral reunir-se-á documentos da assembleia, que recebida e autenticada pela Mesa fica arquivada na sede da Companhia como DOC.03.Ademais, foi recebida, ordinariamente nos 4 (quatro) primeiros meses seguintes ao término do exercício social, reunindo-se ainda extraordinariamente sempre que os ainda, manifestação de voto pelo acionista Bens de Raiz acerca do acordo de acionistas da Companhia, que foi recebida e autenticada pela interesses sociais ou a lei assim exigirem. Parágrafo Primeiro - A Assembleia Geral será convocada na forma da lei. Independentemente das Mesa e fica arquivada na sede da empresa como DOC. 04. Os acionistas Eurobristol e Christian, nesta oportunidade, rechaçam na íntegra o formalidades de convocação, será considerada regular a Assembleia Geral a que comparecerem todos os acionistas. Parágrafo Segundo teor de todas as manifestações de voto apresentadas pelo acionista Bens de Raiz até o momento. Ordem do Dia da AGO: O Sr. Presidente A Assembleia Geral por maioria de votos, elegerá seu presidente, a quem competirá escolher um dos presentes para secretariá-lo. Capítulo IV informou que o Relatório da Diretoria, as Demonstrações Financeiras e o Parecer dos Auditores Independentes e, ainda, o Parecer do Conselho Administração - Artigo 7º - A administração da Companhia compete à Diretoria. Artigo 8º - Os membros da Diretoria devem assumir seus Fiscal e a Proposta da Administração sobre a destinação de resultados do exercício, todos referentes ao exercício social encerrado em 31 de cargos em até 30 (trinta) dias a contar das respectivas datas de nomeação, mediante assinatura de termo de posse no livro de atas da Diretoria, dezembro de 2012, foram disponibilizados para consulta e exame dos acionistas da Companhia, em atendimento ao disposto no caput do art. permanecendo em seus cargos até a investidura dos novos administradores eleitos. Artigo 9º - Em caso de impedimento ou vacância do cargo 133 da Lei das Sociedades por Ações. O “Aviso aos Acionistas” - conforme previsto no dispositivo legal acima indicado - foi publicado no Diário de Diretor, o substituto deverá ser eleito em Assembleia Geral dos Acionistas, a ser imediatamente convocada. Parágrafo Único - O mandato Oficial Empresarial e no Diário do Comércio em suas edições dos dias 23, 26 e 27 de março de 2013. Adicionalmente, em cumprimento ao do Diretor substituído coincidirá com o dos demais Diretores em exercício. Artigo 10 - A Assembleia Geral deverá fixar a remuneração global disposto no § 3º do art.133 da Lei das Sociedades por Ações, o Relatório da Diretoria, as Demonstrações Financeiras e o Parecer dos Auditores da Diretoria, cabendo à própria Diretoria fixar a remuneração individual de seus membros, tendo em conta suas responsabilidades, o tempo Independentes foram publicados no Diário Oficial do Estado de São Paulo, e no jornal “Valor Econômico”, em sua edição do dia 19 de abril de dedicado às suas funções, sua competência e reputação profissional e o valor dos seus serviços no mercado, conforme estabelece o art. 152 2013, sendo sua leitura dispensada pelos presentes. Prosseguindo, o Sr. Presidente colocou em votação o item (i) da Ordem do Dia desta da Lei nº 6.404/76. CapítuloV - Diretoria - Artigo 11 - A Diretoria é o órgão de representação da Companhia, competindo-lhe praticar todos os Assembleia. O representante do acionista Bens de Raiz solicitou diversos esclarecimentos sobre os investimentos e outros assuntos atos de gestão dos negócios sociais, bem como zelar pela observância das leis, deste Estatuto Social e das deliberações das Assembleias de relacionados às Demonstrações Financeiras da Companhia, que foi recebida e autenticada pela Mesa e fica arquivada na sede da empresa Acionistas. Artigo 12 - A Diretoria é um órgão colegiado, podendo reunir-se a critério dos Diretores para tratar de aspectos operacionais. como DOC. 05. Referidos esclarecimentos e informações foram integralmente respondidos, neste ato, pelos administradores da Companhia e, Parágrafo Primeiro - A convocação das Reuniões da Diretoria deverá ser realizada sempre por quaisquer dois dos seguintes Diretores agindo também, pelos auditores independentes, informações estas de caráter confidencial e sigilosa a todos os presentes. Caso necessário, a em conjunto: o Diretor Presidente, o Diretor Vice-Presidente ou o Diretor Superintendente. Parágrafo Segundo - Observado o disposto no Companhia irá apresentar considerações adicionais, por escrito, em relação à manifestação do acionista Bens de Raiz.Na sequência, de acordo parágrafo primeiro acima, a convocação das Reuniões da Diretoria deverá ser realizada por escrito, com antecedência de 24 (vinte e quatro) com o estabelecido no art. 129 da Lei das Sociedades por Ações, foram aprovados na íntegra e sem quaisquer ressalvas, por maioria absoluta horas da data de sua realização, e será considerada devidamente entregue aos membros da Diretoria e, portanto, validamente efetuada: de voto dos acionistas presentes, considerando o pool de votação representado pelas participações detidas pelos acionistas Eurobristol e Bens (i) quando entregue em mãos, ou (ii) quando enviada através de fax (com comprovação de envio), ou, (iii) quando enviada por e-mail (com de Raiz e em face da abstenção de voto do acionista Christian Saigh em relação à matéria, o Relatório da Diretoria e as Demonstrações comprovação de recebimento), ou, ainda, (iv) quando enviada por carta (com comprovação de recebimento). ParágrafoTerceiro - A Diretoria Financeiras referentes ao exercício social encerrado em 31.12.2012, incluindo o Parecer dos Auditores Independentes e o Parecer do Conselho reunir-se-á validamente na sede da Companhia com a presença de quaisquer 2 (dois) Diretores e suas decisões serão tomadas por votos da Fiscal. Para cômputo de votos desta deliberação foi observada a participação detida (a) pelo acionista Eurobristol S.A. e (b) pelo acionista Bens maioria simples dos presentes às Reuniões. Artigo 13 - A Diretoria é composta por no mínimo 2 (dois) e no máximo 5 (cinco) Diretores, dentre de Raiz no capital votante da Companhia, razão pela qual a participação detida pelo acionista Eurobristol corresponde à maioria absoluta do os quais um será designado Diretor Presidente, um será designado Diretor Vice-Presidente, um será designado Diretor Superintendente e os capital votante da Richard Saigh. O acionista Bens de Raiz apresentou manifestação contrária sobre a matéria, que fica arquivada na sede da demais não terão designação específica, sendo todos eleitos e destituíveis pela Assembleia Geral, com mandato de 3 (três) anos, sendo Companhia como DOC.06. (ii) Em relação a este item da Ordem do Dia e de acordo com o estabelecido no art. 129 da Lei das Sociedades por permitida a reeleição. Artigo 14 - Observado o disposto nos Parágrafos abaixo, a Companhia será representada e somente será considerada Ações, foi aprovada na íntegra e sem quaisquer ressalvas, por maioria absoluta de votos dos acionistas presentes, considerando o pool de validamente obrigada por ato ou assinatura: (a) de dois Diretores, sendo um deles obrigatoriamente o Diretor Presidente, ou o Diretor Vicevotação representado pelas participações detidas pelos acionistas Eurobristol e Bens de Raiz e em face da abstenção de voto do acionista Presidente ou o Diretor Superintendente; (b) de qualquer Diretor, agindo em conjunto com um procurador, observados os limites estabelecidos Christian Saigh em relação à matéria, a proposta da Administração acerca da destinação do lucro líquido do exercício e distribuição de dividendos na respectiva procuração; e (c) de dois procuradores agindo em conjunto, observados os limites estabelecidos nas respectivas procurações. relativos ao exercício social encerrado em 31/12/2012, que fica arquivada na sede da Companhia e estabelece o quanto segue: (a) o valor de Parágrafo Primeiro - Não obstante o disposto no caput do Artigo 14, qualquer documento referente aos atos abaixo indicados deverá ser R$ 651.133,89 (seiscentos e cinquenta e um mil, cento e trinta e três Reais e oitenta e nove centavos) destina-se à conta de reserva legal, na assinado por dois Diretores, sendo um deles obrigatoriamente o Diretor Presidente, o Diretor Vice-Presidente ou o Diretor Superintendente: forma do artigo 193 da Lei das Sociedades por Ações;(b) o valor de R$ 3.255.669,50 (três milhões, duzentos e cinquenta e cinco mil, seiscentos (a) a alienação ou oneração, inclusive instituição de hipoteca, de quaisquer bens imóveis da Companhia, mediante prévia autorização da e sessenta e nove Reais e cinquenta centavos) destina-se ao pagamento de dividendos aos acionistas, correspondendo esse valor aos Assembleia Geral; (b) a aquisição, alienação, oneração ou locação, inclusive operações de leasing, de quaisquer bens móveis do ativo fixo da dividendos mínimos obrigatórios de 25% (vinte e cinco por cento) previstos no estatuto social; (c) o valor de R$ 7.162.472,74 (sete milhões, Companhia, em uma simples operação ou em uma série de operações relacionadas entre si em um período de 12 (doze) meses, envolvendo cento e sessenta e dois mil, quatrocentos e setenta e dois Reais e setenta e quatro centavos) destina-se à conta de reserva de investimentos, valores que excedam o montante de R$ 500.000,00 (quinhentos mil reais), excetuadas as aquisições de matéria prima e as vendas de produtos correspondendo esse valor até o limite de 65% (sessenta e cinco por cento) do lucro líquido apurado no exercício de 2012, na forma do art. 23 realizadas no curso normal dos negócios da Companhia; (c) a tomada de empréstimos em nome da Companhia, em uma única operação ou do estatuto social; (d) o valor de R$ 651.133,89 (seiscentos e cinquenta e um mil, cento e trinta e três Reais e oitenta e nove centavos) destina- em uma série de operações relacionadas em um período de 12 (doze) meses, envolvendo valores que excedam o montante de R$ 1.500.000,00 se à conta de reserva de pesquisa e desenvolvimento, correspondendo esse valor a 5% (cinco por cento) do lucro líquido apurado no exercício (um milhão e quinhentos mil reais), salvo o desconto de títulos de crédito no curso ordinário dos negócios da Companhia; (d) o licenciamento de 2012, com finalidade de subsidiar pesquisas para o desenvolvimento e aprimoramento de produtos da Companhia, na forma do art. 23 do ou sublicenciamento a quaisquer terceiros de quaisquer direitos de propriedade ou de licença de que a Companhia seja titular, ou a celebração estatuto social; e (e) R$ 1.302.267,77 (um milhão, trezentos e dois mil e duzentos e sessenta e sete Reais e setenta e sete centavos) destina-se de qualquer instrumento contratual relativo ao licenciamento ou sublicenciamento de quaisquer direitos de propriedade para a Companhia; à parcela de lucros para Diretoria conforme previsto no artigo 23, “(e)” do Estatuto Social da Companhia, no percentual de 10% (dez por cento). (e) a aquisição e venda de qualquer participação acionária detida pela Companhia em outras sociedades, bem como o exercício do direito de Ainda de acordo com a proposta apresentada pela Administração e aprovada por maioria absoluta de votos dos acionistas presentes, voto decorrente de tal participação acionária; (f) a outorga de qualquer garantia ou indenização pela Companhia para cobrir responsabilidades considerando o pool de votação representado pelas participações detidas pelos acionistas Eurobristol e Bens de Raiz e em face da abstenção ou obrigações de quaisquer terceiros, vedada a concessão de garantia em favor de terceiros que não sejam no interesse da Companhia; de voto do acionista Christian Saigh em relação à matéria, foi registrado que os dividendos serão pagos na proporção da participação dos acionistas no capital social da Companhia em 07 (sete) parcelas mensais, iguais e consecutivas, sendo a primeira em 31 de maio de 2013 e a (g) a aquisição pela Companhia de quaisquer debêntures, títulos, instrumentos de créditos em geral, ou quaisquer direitos a eles relativos; última em 29 de novembro de 2013, sendo consignado que os pagamentos serão sempre realizados no último dia útil de cada mês. O Acionista (h) a celebração pela Companhia de quaisquer contratos, em uma única operação ou em uma série de operações relacionadas em um período Bens de Raiz apresentou manifestações de voto contrárias sobre a matéria, que ficam arquivadas na sede da Companhia como DOC.07 e de 12 (doze) meses, envolvendo valores que, em conjunto, excedam o montante de R$ 2.000.000,00 (dois milhões de reais), excetuadas as DOC.08. Na sequência, ainda em relação ao item (ii) da Ordem do Dia, foi aprovada na íntegra e sem quaisquer ressalvas, por maioria absoluta aquisições de matérias primas e as vendas de produtos realizadas no curso normal dos negócios da Companhia;e (i) a propositura de quaisquer de votos dos acionistas presentes, considerando o pool de votação representado pelas participações detidas pelos acionistas Eurobristol e Bens ações judiciais, outras que não as relativas à execução de direitos creditícios da Companhia. Parágrafo Segundo - Os valores constantes dos de Raiz e em face da abstenção de voto do acionista Christian Saigh em relação à matéria, a proposta acerca da destinação do lucro líquido do itens (b), (c) e (h) do parágrafo primeiro acima serão reajustados semestralmente, nos dias 1º de janeiro e 1º de julho de cada ano civil, pela exercício para a Diretoria, conforme previsto no artigo 23, “(e)” do Estatuto Social da Companhia, no percentual de 10% (dez por cento), variação do IGPM (Índice Geral de Preços de Mercado) divulgado pela FGV (Fundação GetúlioVargas), ou outro índice que o substitua, ocorrida equivalente ao valor de R$ 1.302.267,77 (um milhão, trezentos e dois mil e duzentos e sessenta e sete Reais e setenta e sete centavos), que no semestre imediatamente anterior. Os valores serão corrigidos a partir do 2º semestre do ano de 2008, ocorrendo o primeiro reajuste no dia fica arquivada na sede da Companhia e é parte integrante da Proposta de Destinação do Resultado. Ainda de acordo com a proposta aprovada 1º de janeiro de 2009. Parágrafo Terceiro - Não obstante o disposto no caput do Artigo 14, o Diretor Presidente, o Diretor Vice-Presidente e o por maioria absoluta de votos dos acionistas presentes, considerando o pool de votação representado pelas participações detidas pelos Diretor Superintendente, agindo isoladamente, terão poderes para convocar Assembleias Gerais da Companhia. Parágrafo Quarto - Não acionistas Eurobristol e Bens de Raiz e em face da abstenção de voto do acionista Christian Saigh em relação à matéria, foi registrado que os obstante o disposto no caput do Artigo 14, qualquer Diretor ou qualquer procurador, agindo isoladamente, terá poderes para praticar os seguintes lucros à Diretoria serão pagos em 02 (duas) parcelas iguais, nas seguintes datas: 01.08.2013 e 17.12.2013. O Acionista Eurobristol apresentou atos: (a) assinar correspondência de rotina que não crie responsabilidade para a Companhia; ou (b) representar a Companhia em Juízo, ativa manifestação de voto favorável sobre a matéria deliberada, que fica arquivada na sede da Companhia como DOC.09.O Acionista Bens de Raiz ou passivamente, bem como perante qualquer órgão público e autoridade governamental brasileira, seja Federal, Estadual ou Municipal. apresentou manifestações de voto contrárias sobre a matéria, que ficam arquivadas na sede da Companhia como DOC.10 e DOC.11. (iii) Por Artigo 15 - As procurações serão sempre outorgadas por dois Diretores, sendo um deles obrigatoriamente o Diretor Presidente ou o Diretor fim, o acionista Bens de Raiz solicitou, por intermédio de manifestação de voto por escrito e nos termos do §1º do art.161 da Lei das Sociedades Vice-Presidente ou, ainda, o Diretor Superintendente, sendo que estabelecerão os poderes do procurador e, excetuando-se as procurações por Ações (DOC. 12) e que fica arquivada na sede da Companhia, que seja instalado o Conselho Fiscal da Richard Saigh, que funcionará até a outorgadas para fins judiciais, não terão prazo superior a 1 (um) ano. Artigo 16 - Nas ausências e impedimentos temporários de membros da próxima Assembleia Geral Ordinária a ser realizada no exercício social de 2014, solicitação essa que foi aceita pela unanimidade de votos dos Diretoria, observar-se-á a seguinte orientação: (a) o Diretor Presidente será substituído pelo Diretor Vice-Presidente; (b) o Diretor Viceacionistas presentes, considerando o pool de votação representado pelas participações detidas pelos acionistas Eurobristol e Bens de Raiz e Presidente será substituído pelo Diretor Superintendente; (c) o Diretor Superintendente será substituído por qualquer dos Diretores sem em face da abstenção de voto do acionista Christian Saigh em relação à matéria. A acionista Eurobristol reelegeu, neste ato, para os cargos de designação específica; e (d) os Diretores sem designação específica substituir-se-ão um ao outro. Parágrafo Único - Nas substituições membro titular e suplente do Conselho Fiscal da Companhia, respectivamente: Membro Titular: Sr. Jarbas T. Barsanti Ribeiro, brasileiro, temporárias de Diretores não haverá acumulação de cargos na Diretoria. Artigo 17 - Desde que atendida a distribuição prevista nos subitens casado, contador, inscrito no C.R.C./RJ sob o nº 42.819-5 e no CPF/MF sob o nº 272.271.707-72, com escritório na Avenida Rio Branco, 277, “b”, “c” e “d” do Artigo 23, a Assembleia Geral poderá atribuir aos Diretores e aos funcionários da Companhia, participação nos lucros da Grupo 1610, Centro, na Cidade do Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro; Membro Suplente: Sr. Ronaldo Ferreira, brasileiro, divorciado, Companhia, dentro do limite previsto no art.152 do referido diploma legal.Artigo 18 - A Diretoria poderá autorizar a Companhia a adquirir ações contador, portador da cédula de identidade RG nº 23.144.575-1– SP e inscrito no Conselho Regional de Contabilidade sob nº 230.211/O-5 e no próprias para a permanência em Tesouraria, até o valor do saldo de Lucros e/ou Reservas, exceto a legal, sem a redução do capital social. CPF/MF sob nº 148.557.388-24, residente e domiciliado na Rua Martim Francisco, 62, apto. 52, na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo; Parágrafo Único - As ações próprias adquiridas pela Companhia, enquanto em Tesouraria, não terão direito a dividendo, nem a voto. Capítulo Membro Titular: Sr.AryWaddington, brasileiro, casado, economista, portador da cédula de identidade RG nº 01.139.777-5 IFP/RJ e inscrito no VI-ConselhoFiscal-Artigo19-OConselhoFiscalsomenteseráinstaladoapedidodosacionistasepossuiascompetências,responsabilidades CPF/MF sob o nº 004.469.397-49, com escritório na Rua Arandú, 205, cj. 1109, Brooklin Novo, na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo; e deveres definidos em lei. Parágrafo Primeiro - O Conselho Fiscal é composto por 3 (três) membros efetivos e igual número de suplentes, Membro Suplente: Sr. Silvio Luiz Girotto, brasileiro, casado, administrador, portador da cédula de identidade RG nº 8.732.929-3 SSP/SP e eleitos pela Assembleia Geral. Parágrafo Segundo - O Conselho Fiscal poderá reunir-se sempre que necessário mediante convocação de inscrito no CPF/MF sob nº 051.712.448-39, residente e domiciliado na Rua Marechal Barbacena, 911, Vila Regente Feijó, na Cidade de São qualquer de seus membros, lavrando-se em ata suas deliberações.Artigo 20 - Competirá à Assembleia Geral fixar a remuneração do Conselho Paulo, Estado de São Paulo. A acionista Bens de Raiz reelegeu, neste ato, por voto em separado, recebido pela mesa na forma do DOC. 12, Fiscal, em que se atenderá ao disposto no art.162, §3º, da Lei 6.404/76.Artigo 21 - O Conselho Fiscal, quando instalado a pedido dos acionistas, para os cargos de membro titular e suplente do Conselho Fiscal da Companhia, respectivamente: Membro Titular: Sra. Ana Lucia de Paiva funcionaráatéaprimeiraAssembleiaGeralOrdináriaquevierarealizar-seapóssuainstalação.CapítuloVII-ExercícioSocial,Demonstrações Lorena, brasileira, casada, engenheira de produção, portadora da cédula de identidade RG nº 067.138.19-8 - IFP/RJ e inscrita no CPF/MF sob Financeiras e Lucros - Artigo 22 - O exercício social coincide com o ano calendário, e compreende o período de 1º de janeiro a 31 de dezembro. o nº 051.490.757-60, residente e domiciliada na Av. Epitácio Pessoa nº 4446, bloco 01, apto. 1101, na Cidade do Rio de Janeiro, Estado do Ao final de cada exercício será levantado Balanço Patrimonial, a Demonstração do Resultado e as demais Demonstrações Financeiras com Rio de Janeiro; Membro Suplente: Débora Anacleto da Silva, brasileira, bacharel em ciências contábeis, portadora da cédula de identidade observância das normas legais vigentes. Parágrafo Único - Antes da determinação do lucro líquido serão constituídas as provisões e fundos RG nº 21.332.479 SSP-SP e inscrito no CPF/MF sob o nº 146.708.418-23, residente e domiciliada na Rua Altaneira nº 40, na Cidade de especiais autorizados pela legislação fiscal em vigor. Artigo 23 - Do lucro líquido apurado em cada exercício social, demonstrado no Balanço, São Paulo, Estado de São Paulo.Em decorrência das deliberações acima tomadas, o Conselho Fiscal que funcionará até a AGO de 2014 passa serão destinados: (a) 5% (cinco por cento) para a formação da “Reserva Legal” até esta atingir o limite de 20% (vinte por cento) do capital social; a ser composto da seguinte forma:(a) Sr.JarbasT.Barsanti Ribeiro, acima qualificado, como membro titular e como seu suplente o Sr.Ronaldo (b) 25% (vinte e cinco por cento) do lucro líquido, apurado em conformidade com as disposições legais, para dividendos a serem distribuídos Ferreira, acima qualificado; (b) Sr. Ary Waddington, acima qualificado, como membro titular e como seu suplente o Sr. Silvio Luiz Girottto, aos acionistas; (c) mínimo de 40% (quarenta por cento) e máximo de 65% (sessenta e cinco por cento) do lucro líquido para a constituição de acima qualificado; e (c) Sra. Ana Lucia de Paiva Lorena, acima qualificada, como membro titular e como sua suplente a Sra. Débora Anacleto Reserva de Investimentos, com a finalidade de financiar a expansão das atividades e investimentos da Companhia e recompor capital de giro, da Silva, acima qualificada. Os acionistas, à unanimidade de votos dos presentes, considerando o pool de votação representado pelas se necessário, não podendo o saldo da reserva ultrapassar 70% (setenta por cento) do capital social. Atingido esse limite, caberá a Assembleia participações detidas pelos acionistas Eurobristol e Bens de Raiz e em face da abstenção de voto do acionista Christian Saigh em relação à Geral deliberar sobre o saldo, procedendo à sua distribuição aos acionistas ou ao aumento de capital social; (d) 5% (cinco por cento) para a matéria, aprovaram que a remuneração global mensal dos membros do Conselho Fiscal é fixada, em observância ao disposto no §3º do Art. formação de uma Reserva de Pesquisa e Desenvolvimento, com o objetivo de subsidiar pesquisas para o desenvolvimento e aprimoramento 162 da Lei das Sociedades por Ações, em, no mínimo, 10% (dez por cento) da remuneração global mensal da Diretoria. O acionista Eurobristol de produtos da Companhia, não podendo o saldo de reserva ultrapassar 10% (dez por cento) do capital social; (e) desde que atendida a parabenizou os trabalhos do Conselho Fiscal da Companhia durante o exercício de 2012, da mesma forma que manifestou voto de louvor à distribuição prevista nos subitens “b”, “c” e “d”, a Assembleia Geral poderá atribuir participação no lucro à Diretoria e aos funcionários da Administração da Companhia pelos resultados obtidos no triênio 2010-2011-2012 e, ainda, pela eleição do Diretor Vice-Presidente da Companhia, até o limite pprevisto no §§1º do art. 152, da Lei nº 6.404/76; e (f) o saldo remanescente terá a destinação que lhe venha a ser dada Companhia, Sr. Christian Mattar Saigh, para o cargo de Diretor-Presidente do Sindicato da Indústria do Trigo do Estado de São Paulo. Ordem pela Assembleia Geral. Parágrafo Único - A Assembleia Geral poderá deliberar a distribuição de dividendos inferiores ao estabelecido no do Dia da AGE: (i) Em relação a este item da Ordem do Dia da AGE, a acionista Eurobristol sugeriu, por manifestação de voto em separado, subitem “b”, ou a retenção de todo o lucro, com fundamento no art. 202, §3º da Lei nº 6.404/76. Artigo 24 - A Companhia a qualquer tempo, por recebido pela mesa na forma do DOC. 13, a fixação da remuneração global mensal da Diretoria em até R$ 189.224,00 (cento e oitenta e nove deliberação da Diretoria na forma do art. 12, parágrafo terceiro deste Estatuto Social, ad referendum da Assembleia Geral e observadas as mil e duzentos e vinte e quatro Reais). Na sequência, foi aprovada na íntegra e sem quaisquer ressalvas, por maioria absoluta de votos, prescrições legais, poderá promover a distribuição do dividendo antecipado, com base em resultado efetivamente apurado em Balanço Parcial considerando o pool de votação representado pela participação detida pelos acionistas Eurobristol e Bens de Raiz e em face da abstenção de ou de dividendos intermediários à conta de reserva de lucros existente no último Balanço, semestral ou anual. Artigo 25 - Os dividendos não voto do acionista Christian Saigh em relação à matéria, a fixação da remuneração global e mensal da Diretoria nos termos da proposta reclamados no prazo de 3 (três) anos, contados da data da publicação em jornal oficial, da ata da Assembleia Geral que o tiver aprovado, apresentada pelo acionista Eurobristol, no montante de até R$ 189.224,00 (cento e oitenta e nove mil e duzentos e vinte e quatro Reais). reverterão em favor da Companhia. CapítuloVIII - Disposições Gerais - Artigo 26 - A Companhia poderá, independentemente de dissolução A distribuição deste valor entre os membros da Diretoria será realizada oportunamente em Reunião de Diretoria. A acionista Bens de Raiz ou liquidação, transformar-se em sociedade de outro tipo que não sociedade anônima, assegurado o direito de retirada aos acionistas apresentou registro por escrito, no sentido de reprovar a matéria, que já foi anteriormente recebido e fica arquivado na sede da Companhia como dissidentes. Artigo 27 - A incorporação, a fusão e a cisão da Companhia poderão ser deliberadas com a presença de acionistas que formem o DOC. 10. (ii) Em relação a este item da Ordem do Dia da AGE, o Sr. Presidente informou que a Proposta de Aumento de Capital mediante quórum de mais de 2/3 (dois terços) do capital social em primeira convocação, e com qualquer número, em segunda convocação. Artigo 28 capitalização de parte da reserva de investimentos foi disponibilizada para consulta e exame dos acionistas da Companhia, em atendimento ao A Companhia se dissolverá e entrará em liquidação nos casos previstos em lei, cabendo a Assembleia Geral estabelecer o modo de liquidação disposto no caput do art. 135, §3º da Lei das Sociedades por Ações. O “Aviso aos Acionistas” - conforme previsto no dispositivo legal acima e eleger o liquidante, ou liquidantes, e o Conselho Fiscal, que deverão funcionar no período de liquidação, fixando-lhes os poderes e indicado - foi publicado no Diário Oficial Empresarial e no Diário do Comércio em suas edições dos dias 23, 26 e 27 de março de 2013.Ademais, remuneração. Artigo 29 - O responsável por Seção Técnica, nos atos que exijam habilitação profissional, gozará de inteira independência nos o Sr. Presidente fez uma atualização de informação sobre o capital social da Companhia, que, nesta data é de R$ 22.000.000,00 (vinte e dois trabalhos de sua especialidade, devendo figurar em todos os atos e expedientes que a ele se relacionarem, com a indicação do título profissional milhões de Reais), conforme devidamente contabilizado nas Demonstrações Financeiras, publicadas no Diário Oficial Empresarial e Valor e respectiva inscrição no órgão de classe.Capítulo IX - Foro - Artigo 30 - Os litígios relativos à Companhia serão solucionados no foro da Cidade Econômico na data de 19.04.2013. Nesse sentido, o aumento de capital social de R$ 12.068.408,00 (doze milhões, sessenta e oito mil e de São Caetano do Sul, Estado de São Paulo, com renúncia expressa a qualquer outro foro por mais privilegiado que seja.” Encerramento: quatrocentos e oito Reais) considera o atual valor do capital social de R$ 22.000.000,00 (vinte e dois milhões de Reais), razão pela qual o capital Nada mais havendo a tratar e como ninguém quisesse fazer uso da palavra, foram os trabalhos suspensos pelo tempo necessário à lavratura social passará para R$ 34.068.408,00 (trinta e quatro milhões, sessenta e oito mil e quatrocentos e oito Reais). De acordo com o estabelecido desta Ata. Reabertos os trabalhos, foi esta lida e aprovada por unanimidade pelos presentes, tendo sido assinada pelos integrantes da mesa e no art. 129 da Lei das Sociedades por Ações e considerando o pool de votação representado pelas participações detidas pelos acionistas lavrada no livro próprio. São Caetano do Sul, 30 de abril de 2013. Edgard Nassif Saigh - Presidente da Mesa, João Eduardo de Villemor Eurobristol e Bens de Raiz e em face da abstenção de voto do acionista Christian Saigh em relação à matéria, foi aprovada na íntegra e sem Amaral Ayres - Secretário da Mesa. Acionistas presentes: Eurobristol S.A. - p.p. Sami Arap Sobrinho, Bens de Raiz Participações S.A. quaisquer ressalvas, por maioria absoluta de votos dos acionistas presentes, com voto contrário do acionista Bens de Raiz, que fica arquivado p.p. Diego Bili Falcão - p.p. Bruno Robert, Christian Mattar Saigh - p.p. Silvia Regina Nishi Uyeda. JUCESP nº 194.226/13-0 em 28/05/2013. na sede da Companhia como DOC. 14 o aumento do capital social da Companhia dos atuais R$ 22.000.000,00 (vinte e dois milhões de Reais) Gisela Simiema Ceschin - Secretária Geral.

Even-SP 02/10 Empreendimentos Imobiliários Ltda. CNPJ/MF nº 11.755.927/0001-58 – NIRE 35.224.144.650 – Ata de Reunião Extraordinária de Sócias 1. Data, Hora e Local: Em 30/04/2013, às 10:00 h., na sede da Sociedade. 2. Composição da Mesa: Presidente: Dan Suguio; Secretário: Walter Roberto Plaza Junior. 3. Convocação: Dispensada, nos termos do § 2º do Art. 1.072 da Lei nº 10.406/02. 4. Presentes: Sócias representando a totalidade do capital social. 5. Ordem do Dia: Deliberar sobre a redução de capital da Sociedade. 6. Deliberações: 6.1. Por considerarem que o capital social é excessivo ao objeto da sociedade, as sócias aprovaram, por votação unânime, a redução do capital social, de R$ 29.063.444,00 para R$ 2.137.444,00 sendo a redução de R$ 26.926.000,00. 6.2. A redução do capital será efetivada mediante a compensação do prejuízo da sociedade, no valor de R$ 23.676.000,00 e, ainda, por meio da restituição do restante de capital em dinheiro, no valor total de R$ 3.250.000,00, para a sócia Even Construtora e Incorporadora S.A., titular de quotas representativas de 99,9999% do capital da sociedade. 6.3. Nos termos do Art. 1.084, §§ 1º e 2º da Lei nº 10.406/02, a redução do capital da sociedade somente será efetivada mediante o registro, na JUCESP, do Instrumento Particular de 5ª Alteração do Contrato Social da sociedade, que é assinado pelas sócias nesta data e que se dará após o prazo de 90 dias contados da publicação desta ata. 7. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, foi encerrada a reunião e lavrada a presente Ata, que foi lida, aprovada e assinada pelos presentes e que será publicada nos termos do Art. 1.084, §§ 1º e 2º, da Lei nº 10.406/02. São Paulo, 30/04/2013. Dan Suguio - Presidente da Mesa; Walter Roberto Plaza Junior - Secretário da Mesa. Sócias: p. Even Construtora e Incorporadora S.A. - Dany Muszkat/Dan Suguio; p. Evenpar II Participações Societárias Ltda. - Dan Suguio/Walter Roberto Plaza Junior.

Capricornus Even Empreendimentos Imobiliários Ltda. Pisces Even Empreendimentos Imobiliários Ltda. CNPJ/MF nº 08.698.386/0001-69 – NIRE 35.221.260.063 – Ata de Reunião Extraordinária de Sócias 1. Data, Hora e Local: Em 28/05/2013, às 10:00 h., na sede da Sociedade. 2. Composição da Mesa: Presidente: Dan Suguio; Secretário: Walter Roberto Plaza Junior. 3. Convocação: Dispensada, nos termos do § 2º do Art. 1.072 da Lei nº 10.406/02. 4. Presentes: Sócias representando a totalidade do capital social. 5. Ordem do Dia: Deliberar sobre a redução de capital da sociedade. 6. Deliberações: 6.1. Por considerarem que o capital social é excessivo ao objeto da sociedade, as sócias aprovaram, por votação unânime, a redução do capital social, de R$ 2.850.194,00 para R$ 1.050.194,00, sendo a redução de R$ 1.800.000,00. 6.2. A redução do capital será efetivada mediante a devolução de capital em dinheiro, no valor total de R$ 1.800.000,00, para a sócia Even Construtora e Incorporadora S.A., titular de quotas representativas de 99,99999% do capital da sociedade. 6.3. Nos termos do Art. 1.084, §§ 1º e 2º da Lei nº 10.406/02, a redução do capital da sociedade somente será efetivada mediante o registro, na JUCESP, do Instrumento Particular de 12ª Alteração do Contrato Social da sociedade, que é assinado pelas sócias nesta data e que se dará após o prazo de 90 dias contados da publicação desta ata. 7. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, foi encerrada a reunião e lavrada a presente Ata, que foi lida, aprovada e assinada pelos presentes e que será publicada nos termos do Art. 1.084, §§ 1º e 2º, da Lei nº 10.406/02. São Paulo, 28/05/2013. Dan Suguio - Presidente da Mesa; Walter Roberto Plaza Junior - Secretário da Mesa. Sócias: p. Even Construtora e Incorporadora S.A. - Dany Muszkat/Dan Suguio; p. Evenpar Participações Societárias Ltda. - Dan Suguio/Walter Roberto Plaza Junior.

Chamaeleon Even Empreendimentos Imobiliários Ltda. CNPJ/MF nº 08.619.954/0001-99 – NIRE 35.221.173.233 – Ata de Reunião Extraordinária de Sócias 1. Data, Hora e Local: Em 28/05/2013, às 11:00 h., na sede da Sociedade. 2. Composição da Mesa: Presidente: Dan Suguio; Secretário: Walter Roberto Plaza Junior. 3. Convocação: Dispensada, nos termos do § 2º do Art. 1.072 da Lei nº 10.406/02. 4. Presentes: Sócias representando a totalidade do capital social. 5. Ordem do Dia: Deliberar sobre a redução de capital da sociedade. 6. Deliberações: 6.1. Por considerarem que o capital social é excessivo ao objeto da sociedade, as sócias aprovaram, por votação unânime, a redução do capital social, de R$ 5.570.945 para R$ 3.070.945,00 sendo a redução de R$ 2.500.000,00. 6.2. A redução do capital será efetivada mediante a devolução de capital em dinheiro, no valor total de R$ 2.500.000,00, para a sócia Even Construtora e Incorporadora S.A., titular de quotas representativas de 99,9999% do capital da sociedade. 6.3. Nos termos do Art. 1.084, §§ 1º e 2º da Lei nº 10.406/02, a redução do capital da sociedade somente será efetivada mediante o registro, na JUCESP, do Instrumento Particular de 10ª Alteração do Contrato Social da sociedade, que é assinado pelas sócias nesta data e que se dará após o prazo de 90 dias contados da publicação desta ata. 7. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, foi encerrada a reunião e lavrada a presente Ata, que foi lida, aprovada e assinada pelos presentes e que será publicada nos termos do Art. 1.084, §§ 1º e 2º, da Lei nº 10.406/02. São Paulo, 28/05/2013. Dan Suguio - Presidente da Mesa; Walter Roberto Plaza Junior - Secretária da Mesa. Sócias: p. Even Construtora e Incorporadora S.A. - Dany Muszkat/Dan Suguio; p. Evenpar Participações Societárias Ltda. - Dan Suguio/Walter Roberto Plaza Junior.

Auto Posto Mogiano Ltda, torna publico que requereu da CETESB a Licença Prévia e de Instalação para Comb. para veículos automotores (postos de abastecimento), Av Prefeito Henrique Peres, 1100– Bras Cubas– Mogi das Cruzes — São Paulo– SP

FALÊNC A RECUPERAÇÃO EXTRA UD C AL E RECUPERAÇÃO UD C AL Con o me n o mação da D bu ção C ve do T buna de u ça de São Pau o o am a u zado no d a 01 de u ho de 2013 na Coma ca da Cap a o egu n e ped do de a ênc a ecupe ação ex a ud c a e ecupe ação ud c a Recupe ação ud c a Reque en e V da A men o L da Reque do V da A men os L da Rua do Pa o a 1 382 – p anga 1 Va a de Fa ênc a

056 6761 5#5

Blue Whale Even Empreendimentos Imobiliários Ltda. CNPJ/MF nº 09.027.307/0001-50 – NIRE 35.221.560.920 – Ata de Reunião Extraordinária de Sócias 1. Data, Hora e Local: Em 08/05/2013, às 17:00 h., na sede da sociedade. 2. Composição da Mesa: Presidente: Dan Suguio; Secretário: Walter Roberto Plaza Junior. 3. Convocação: Dispensada, nos termos do § 2º do Art. 1.072 da Lei nº 10.406/02. 4. Presentes: Sócias representando a totalidade do capital social. 5. Ordem do Dia: Deliberar sobre a redução de capital da Sociedade. 6. Deliberações: 6.1. Por considerarem que o capital social é excessivo ao objeto da sociedade, as sócias aprovaram, por votação unânime, a redução do capital social, de R$ 31.822.349,00 para R$ 29.822.349,00, sendo a redução de R$ 2.000.000,00. 6.2. A redução do capital será efetivada mediante a restituição de capital em dinheiro, no valor total de R$ 2.000.000,00, para a sócia Tricity Empreendimentos e Participações Ltda., titular de quotas representativas de 99,9999% do capital da sociedade. 6.3. Nos termos do Art. 1.084, §§ 1º e 2º da Lei nº 10.406/02, a redução do capital da sociedade somente será efetivada mediante o registro, na JUCESP, do Instrumento Particular de 9ª Alteração do Contrato Social da sociedade, que é assinado pelas sócias nesta data e que se dará após o prazo de 90 dias contados da publicação desta ata. 7. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, foi encerrada a reunião e lavrada a presente Ata, que foi lida, aprovada e assinada pelos presentes e que será publicada nos termos do Art. 1.084, §§ 1º e 2º, da Lei nº 10.406/02. São Paulo, 08/05/2013. Dan Suguio - Presidente da Mesa; Walter Roberto Plaza Junior - Secretário da Mesa. Sócias: p. Tricity Empreendimentos e Participações Ltda. - Dany Muszkat/Dan Suguio; p. Evenpar Participações Societárias Ltda. - Dan Suguio/Walter Roberto Plaza Junior.

CNPJ/MF nº 08.689.445/0001-32 – NIRE 35.221.176.071 – Ata de Reunião Extraordinária de Sócias 1. Data, Hora e Local: Em 13/05/2013, às 17:00 h., na sede da Sociedade. 2. Composição da Mesa: Presidente: Dan Suguio; Secretário: Walter Roberto Plaza Junior. 3. Convocação: Dispensada, nos termos do § 2º do Art. 1.072 da Lei nº 10.406/02. 4. Presentes: Sócias representando a totalidade do capital social. 5. Ordem do Dia: Deliberar sobre a redução de capital da Sociedade. 6. Deliberações: 6.1. Por considerarem que o capital social é excessivo ao objeto da sociedade, as sócias aprovaram, por votação unânime, a redução do capital social, de R$ 3.502.970,00 para R$ 3.402.970,00, sendo a redução de R$ 100.000,00. 6.2. A redução do capital será efetivada mediante a restituição de capital em dinheiro, no valor total de R$ 100.000,00 para a sócia Even Construtora e Incorporadora S.A., titular de quotas representativas de 99,9999% do capital da sociedade. 6.3. Nos termos do Art. 1.084, §§ 1º e 2º da Lei nº 10.406/02, a redução do capital da sociedade somente será efetivada mediante o registro, na JUCESP, do Instrumento Particular de 14ª Alteração do Contrato Social da sociedade, que é assinado pelas sócias nesta data e que se dará após o prazo de 90 dias contados da publicação desta ata. 7. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, foi encerrada a reunião e lavrada a presente Ata, que foi lida, aprovada e assinada pelos presentes e que será publicada nos termos do Art. 1.084, §§ 1º e 2º, da Lei nº 10.406/02. São Paulo, 13/05/2013. Dan Suguio - Presidente da Mesa; Walter Roberto Plaza Junior - Secretário da Mesa. Sócias: p. Even Construtora e Incorporadora S.A. - Dany Muszkat/Dan Suguio; p. Evenpar Participações Societárias Ltda. - Dan Suguio/Walter Roberto Plaza Júnior.

SERV ÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA O Se v ço Au ônomo de Água e Esgo o de So ocaba po sua Com ssão Espec a de L c ações comun ca aos n e essados a RET F CAÇÃO do u gamen o dos documen os ap esen ados Fo am cons de adas NAB L TADAS à Conco ênc a n 01 2013 P ocesso Adm n s a vo n 574 2013 des nada a aqu s ção de con un os de bomba cen uga b pa da pa a epo enc a zação do S s ema de Bombeamen o ETA Ce ado as c an es ESCO Come c a de Máqu nas e Equ pamen os L da e KSB Bombas H d aú cas S A e cons de ada HAB L TADA a c an e MB L ndús a e Manu enção de Bombas TA L da n o ma ambém que os au os do p ocesso es ão com v s a anqueada aos n e essados e que o p azo pa a n e pos ção de Recu so Adm n s a vo é de 05 c nco d as ú e s con ados a pa da p esen e da a Com ssão Espec a de L c ações Jove na Rod gues Bueno P es den e

SERV ÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA O Se v ço Au ônomo de Água e Esgo o de So ocaba comun ca que se acha abe a a Tomada de P eços n 03 2013 P ocesso n 3 198 2013 des nada à con a ação de emp esa espec a zada em engenha a pa a execução de se v ços de mon agem e o nec men o de ma e a s e componen es e é cos pa a Pa ne E é co de Ac onamen o e Au omação das Bombas de Reca que da Es ação E eva ó a de Esgo o do Pa que São Ben o nes e mun c p o Ence amen o d a 18 07 2013 às 10 00 ho as O ed a comp e o se á d spon b zado no s e www saaeso ocaba com b n o mações pe os e e ones 15 3224 5810 5811 5812 5813 5814 5815 5816 5817 5818 5819 5821 58 22 5823 5824 5825 e 5826 ou aqu s ção do ed a comp e o à Aven da Pe e a da S va n 1 285 no Se o de L c ação e Con a os So ocaba 01 de u ho de 2013 Com ssão Espec a de L c ações Jove na Rod gues Bueno P es den e

%02, 51$ 1 0      '& 6#. &' %1081%#c­1 &' 4'70 ­1 ':64#14& 0È4 # &##55'/$.' ## 4'#. <#4 5' 01 & #  &' ,7.*1 &' 

12 # O

'

5

8 / 2 /

#O

5#5 4 WP Q '

5 2

) O

O 2

5 ) O O O O O

%#48# *1 /14# 5 2

O O # O ) F W JQ F

Q FP O 52 %'2 #

$

5#5 O % O

&

'

O 1

4 < ) O ) & # O O 5#5

) O

O

5#5 4 O &

# 2

O O

) O 2 #O O O )

%

&

)

$ 2 % O / 5

O O

5

O

%

) O

< #

$ % O $

4

# O

5#5 2#7 1 %' 51 &'

Toucan Even Empreendimentos Imobiliários Ltda. CNPJ/MF nº 09.178.228/0001-40 – NIRE 35.221.849.032 – Ata de Reunião Extraordinária de Sócias 1. Data, Hora e Local: Em 28/05/2013, às 10:00 h., na sede da Sociedade. 2. Composição da Mesa: Presidente: Dan Suguio; Secretário: Walter Roberto Plaza Junior. 3. Convocação: Dispensada, nos termos do § 2º do Art. 1.072 da Lei nº 10.406/02. 4. Presentes: Sócias representando a totalidade do capital social. 5. Ordem do Dia: Deliberar sobre a redução de capital da Sociedade. 6. Deliberações: 6.1. Por considerarem que o capital social é excessivo ao objeto da sociedade, as sócias aprovaram, por votação unânime, a redução do capital social, de R$ 6.151.638,00 para R$ 2.607.638,00 sendo a redução de R$ 3.544.000,00. 6.2. A redução do capital será efetivada mediante a compensação do prejuízo da sociedade, no valor de R$ 144.000,00 e, ainda, por meio da restituição do restante de capital em dinheiro, no valor total de R$ 3.400.000,00, para a sócia Even Construtora e Incorporadora S.A., titular de quotas representativas de 99,9999% do capital da sociedade. 6.3. Nos termos do Art.1.084, §§ 1º e 2º da Lei nº 10.406/02, a redução do capital da sociedade somente será efetivada mediante o registro, na JUCESP, do Instrumento Particular de 13ª Alteração do Contrato Social da sociedade, que é assinado pelas sócias nesta data e que se dará após o prazo de 90 dias contados da publicação desta ata. 7. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, foi encerrada a reunião e lavrada a presente Ata, que foi lida, aprovada e assinada pelos presentes e que será publicada nos termos do Art. 1.084, §§ 1º e 2º, da Lei nº 10.406/02. São Paulo, 28/05/2013. Dan Suguio - Presidente da Mesa; Walter Roberto Plaza Junior - Secretário da Mesa. Sócias: p. Even Construtora e Incorporadora S.A. - Dany Muszkat/Dan Suguio; p. Evenpar Participações Societárias Ltda. - Dan Suguio/Walter Roberto Plaza Junior.

Circinus Even Empreendimentos Imobiliários Ltda. CNPJ/MF nº 08.766.601/0001-11 – NIRE 35.221.343.961 – Ata de Reunião Extraordinária de Sócias 1. Data, Hora e Local: Em 08/05/2013, às 17:00 h., na sede da Sociedade. 2. Composição da Mesa: Presidente: Dan Suguio; Secretário: Walter Roberto Plaza Junior. 3. Convocação: Dispensada, nos termos do § 2º do Art. 1.072 da Lei nº 10.406/02. 4. Presentes: Sócias representando a totalidade do capital social. 5. Ordem do Dia: Deliberar sobre a redução de capital da Sociedade. 6. Deliberações: 6.1. Por considerarem que o capital social é excessivo ao objeto da sociedade, as sócias aprovaram, por votação unânime, a redução do capital social, de R$ 11.726.205,00 para R$ 2.454.639,00 sendo a redução de R$ 9.271.566,00. 6.2. A redução do capital será efetivada mediante a compensação do prejuízo da sociedade, no valor de R$ 1.271.566,00 e, ainda, por meio da restituição do restante de capital em dinheiro, no valor total de R$ 8.000.000,00, para a sócia Even Construtora e Incorporadora S.A., titular de quotas representativas de 99,9999% do capital da sociedade. 6.3. Nos termos do Art. 1.084, §§ 1º e 2º da Lei nº 10.406/02, a redução do capital da sociedade somente será efetivada mediante o registro, na JUCESP, do Instrumento Particular de 13ª Alteração do Contrato Social da sociedade, que é assinado pelas sócias nesta data e que se dará após o prazo de 90 dias contados da publicação desta ata. 7. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, foi encerrada a reunião e lavrada a presente Ata, que foi lida, aprovada e assinada pelos presentes e que será publicada nos termos do Art. 1.084, §§ 1º e 2º, da Lei nº 10.406/02. São Paulo, 08/05/2013. Dan Suguio - Presidente da Mesa; Walter Roberto Plaza Junior - Secretário da Mesa. Sócias: p. Even Construtora e Incorporadora S.A. - Dany Muszkat/Dan Suguio; p. Evenpar Participações Societárias Ltda. - Dan Suguio/Walter Roberto Plaza Junior.

SERV ÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA PREGÃO ELETRÔN CO PARA REG STRO DE PREÇOS N 48 2013 RET F CAÇÃO P ocesso Adm n s a vo n 1231 2013 SAAE Ob e o Aqu s ção de conexões e ubos de pvc conexões de e o und do ubos ga van zados uva de vedação b pa da e pa da uva de g ande o e ânc a e eg s o gave a Comun camos a e ficação do P egão E e ôn co pa a Reg s o de P eços n 48 2013 con o me segue onde se ê Abe u a da Sessão Púb ca d a 15 07 2013 às 14 30 ho as e a se Abe u a da Sessão Púb ca d a 15 07 2013 às 09 00 ho as n o mações pe o s e www c acoes e com b pe os e 15 3224 5810 5811 5812 5813 5814 5815 5816 5817 5818 5819 5821 5822 5823 5824 5825 e 5826 ou pessoa men e na Av Pe e a da S va n 1 285 no Se o de L c ação e Con a os So ocaba 01 de u ho de 2013 Ema Rosane L ed Ga c a Ma a P egoe a EDITORA MANIFESTO S.A. CNPJ nº 02.317.034/0001-30 EDITAL DE CONVOCAÇÃO Ficam convocados os senhores acionistas para reunirem-se em Assembleia Geral Extraordinária, no dia 17 de julho de 2013, em sua sede social na Praça da República, 270 - conj. 108 - São Paulo/SP, às 9 horas em primeira convocação, e às 10 horas, com qualquer quorum, para tratar de assuntos de interesse da Editora. São Paulo, 02 de julho de 2013. Roberto Sidney Davis Júnior - Presidente.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

20

terça-feira, 2 de julho de 2013 Fotos

ação

Divulg

nformática

Como ir ao jogo, sem sair de casa. Embalados pelos eventos esportivos, os fabricantes de TVs apostam nas tecnologias embarcadas que "levam" o telespectador até o estádio, no meio da torcida. Barbara Oliveira

O

brasileiro é apaixonado por futebol, por redes sociais e por televisão. Unir esses três elementos para elevar vendas e ganhar a simpatia do consumidor é sonho tanto da indústria quanto do comerciante. As fabricantes de tevês encontraram na Copa das Confederações e na Copa do Mundo de 2014 o cimento para unir aqueles três pontos e se voltam para o torcedor-internauta. O ambiente é dos melhores, pois o mercado está aquecido em 2013, com previsão de crescimento de 20% nas vendas. Os modelos em lançamento, visando a Copa, são as tevês conectadas (Smart TV), com aplicativos e recursos que dão ao torcedor a sensação de estar em campo entre a torcida e reforçam o papel de protagonista dele, que quer ser mais que telespectador e interagir com a tela grande. Segundo a consultoria GfK anunciou em maio, do total dos televisores comercializados no País, mais de 40% devem ter conexão com internet, as Smart TVs. E para atender a demanda do brasileiro, fabricantes como Samsung, Sony e LG desenvolveram aparelhos específicos para o mercado local, com funções que estimulam o lado torcedor: telas grandes (sim, o consumidor também quer telas imensas) e que respondam aos gestos e à voz . A Samsung, anuncia hoje uma nova família de SmartTVs, de 32 a 75 polegadas, todas dotadas da função Futebol, recurso desenvolvido pela fábrica no Brasil em parceria com a matriz sul-coreana, exclusivamente para o mercado brasileiro. "Por essa função, presente em toda a linha de telas finas da Samsung, inclusive as não conectadas, o telespectador ganha

em qualidade de imagem, e tem a sensação de que está no campo e vendo o jogo ao vivo, com o som do estádio e os gritos da torcida dentro da sala," explica o gerente de produtos para TVs, André Sakuma. No caso das SmartTVs, o recurso é ampliado porque o usuário poderá ver o replay dos principais lances em câmara lenta, sem precisar esperar o intervalo. Ao clicar no botão Futebol do controle remoto, a tevê, que já havia gravado o jogo, reprisa os lances. Sakuma lembra que é necessário contar com um HD externo ou um pen drive de 8 a 10 GB para a gravação do jogo de hora e meia de duração. Outra vantagem das SmartTVs é possibilitar ao usuário comentar os lances do jogo com amigos pelas redes sociais, numa barra lateral na tela. Na nova linha lançada hoje, a sul-coreana mostra aparelhos com wi-fi e 490 aplicativos, 68 deles desenvolvidos no Brasil. A empresa lançou, na semana passada, o site samsungfutebol.com que unifica as notícias esportivas da ESPN e FOX Sports via web e aparelhos móveis, além de integrar esses conteúdos com o Facebook e Twitter. Telas maiores A LG é outra que aposta nos eventos esportivos. Toda a linha Smart 2013 da marca traz funcionalidades voltadas para o esporte. Como o Time Machine, que grava, pausa, retrocede e avança a programação ao vivo graças à memória integrada de 4 a 8 GB (dependendo do modelo), sem necessidade de dispositivo de memória externo. Pelo controle Smart Magic, o usuário escreve posts ou deixa mensagens por voz nas redes sociais enquanto assiste ao jogo. Fernanda Summa, gerente de marketing de Home Entertainment da LG no Brasil, diz que a

Samsung (acima) e LG (abaixo): novidades específicas para o mercado local.

marca também precisou mudar o line up para atender outro desejo do brasileiro que é o de telas grandes. "É um segmento que cresce no País. Querem tevês acima de 46 polegadas não só pelos eventos esportivos, mas pelo conforto de ver as imagens em melhor qualidade". A expectativa da Sony é de

Campanha educativa Mas Summa observa que há dúvidas se o consumidor entende como funciona um televisor inteligente e conectado, e se sabe tirar o melhor proveito dele. "Como mais de 40% das vendas serão com a tecnologia Smart no País, faremos campanha para educar o usuário e informá-lo de como

que haverá uma demanda maior para as tevês acima de 46 polegadas neste ano, segmento no qual quer crescer 80%. A japonesa lançará em agosto aparelhos Internet TV e 3D com até 70 polegadas. A LG terá 21 modelos SmartTV também em telas grandes, 60% de todos seus lançamentos neste ano.

ela pode ser relevante e fácil de usar". Os novos controles remotos, por exemplo, servem para navegar e possuem várias funções além da mera troca de canal. Em 2014, 100% dos aparelhos vendidos devem ser Smart, dizem os fabricantes, com os quais vêm integrados centenas de conteúdos multimídia, filmes, jo-

n CCE

Novidades sob medida para as classes B, C e D mparada pela tradição e qualidade da chinesa Lenovo, que a adquiriu no ano passado por R$ 300 milhões, a CCE reforça sua linha de dispositivos móveis lançando quatro novos smartphones e dois tablets. Mais simples de usar e mais baratos que os concorrentes da mesma categoria, esses lançamentos tem como destino as classes B, C e D. O diretor de marketing da Lenovo, Humberto De Biase, destaca os 50 anos da CCE no Brasil e lembra que "apesar dos problemas de pós-vendas do passado" e do posicionamento ruim no mercado nos anos 1990, a empresa aposta em novo conceito para chamar a atenção do consumidor de classe média, "como uma marca 100%

A

brasileira e jovem". A empresa vai se dedicar a produtos que atendam ao público de poder aquisitivo menor, mas interessado em aparelhos móveis conectados, aplicativos embarcados, tamanhos de tela maiores, design e, principalmente, preços mais baixos. Os quatro novos smartphones têm telas a partir de 3,5 polegadas, como o entry level SK351. O modelo premium (SK 504) é de 5 polegadas . Todos trazem o mesmo design fininho, telas touch, chips da Qualcomm, rodam Android de última geração (4.1 e 4.0) e vêm com wi-fi e dois chips. Nenhum deles, no entanto, é 4G. O telefone mais barato custa R$ 399; o mais caro – o smartphone SK504, com câmera de 8 MP (traseira) – R$ 899. Os

Marca quer se firmar como "100% brasileira e jovem"

aplicativos embarcados são poucos e incluem o Bradesco, a livraria Saraiva, o serviço Buscapé e jogos. Mas os produtos agregam cartão de memória de 4GB, de forma que o usuário pode baixar os aplicativos da loja Google Play. Os dois tablets, 3G, resistentes a líquidos e a impactos, são de 7 e 10 polegadas. Também têm Android, wi-fi e bluetooth. Chegam ao varejo em setembro, por R$ 699 e R$ 899, respectivamente. Os aparelhos são produzidos na fábrica de Manaus, mas já contam com a estrutura de qualidade da Lenovo, que está transferindo tecnologia, know-how e suporte à marca. A CCE tem uma rede de 4 mil lojas no País. (BO)

gos, redes sociais, etc. Essas telas finas de alta resolução (Full HD), conectadas e cheias de aplicativos estão ganhando outras inovações que garantem ainda mais conforto ao usuário. São os comandos por gestos ou por voz. Na Samsung, o destaque será para o modo interação – por movimentos de mãos, voz e reconhecimento facial. São mais de 250 comandos por voz (no ano passado eram 55) e novos gestos aceitos pela plataforma, como o de avançar na navegação com o "folhear" de uma página ou com um sinal de positivo para curtir algo no Facebook. São apenas dois exemplos do que será possível fazer com as mãos. Os modelos mais básicos pedem uma câmera de 5 MP da Samsung para captar os gestos. Novo patamar Outra tecnologia que deve ser tendência em alguns anos é a 4K, conhecida como Ultra High Definition. Os primeiros modelos foram lançados na CES, feira de eletrônicos de Las Vegas, em janeiro, e estão chegando ao Brasil. As da Sony e LG têm 84 polegadas. Mas a Sony, com produtos oficiais na Copa do Mundo, está também trazendo telas de 55 e 65 polegadas a partir deste mês. O maior modelo em 4K é o da Samsung, com 85 polegadas,

mas está disponível, por enquanto, apenas no mercado sul-coreano. Alguns conteúdos para esse novo patamar tecnológico foram produzidos no Brasil durante o carnaval, com câmeras especiais da fabricante. E, na Copa das Confederações, foram feitos testes em 4K de jogos realizados no Mineirão. Basicamente, a 4K tem uma resolução quatro vezes maior do que a Full HD (1080 linhas horizontais x 1920 verticais), e isso garante uma nitidez sem precedentes, devendo se tornar um padrão para o cinema digital daqui para a frente. Com isso, o futebol fica muito mais realista. Observados a uma distância de 1,3 metro (em TVs de 65"), os pixels da tela 4K não são percebidos. Segundo Summa, da LG, a tecnologia se tornará referência em imagem, mas ela lembra que a indústria de hardware chegou antes dos conteúdos fornecidos pelas empresas de entretenimento. "Estamos esperando o ajuste da produção de conteúdos, armazenamento e distribuição em Ultra HD, com codecs (programas de decodificação de arquivos de mídia) eficientes para que os arquivos não fiquem muito pesados", explica. Mas isso é apenas uma questão de tempo.


Diário do Comércio - 02/07/2013