Page 1

Reprodução

O 1º de Maio da presidente

Jornal do empreendedor

São Paulo, quinta-feira e sexta-feira, 1 e 2 de maio de 2014

R$ 1,40

Fernando Neves/Futura Press/Estadão Conteúdo

IC T É T PA

O

Ano 90 - Nº 24.114

www.dcomercio.com.br

Alice Vergueiro/Futura Press/Estadão Conteúdo

Daniel teixeira/Estadão Conteúdo

Rivaldo Gomes/Folhapress

Conclusão: 23h40

À

DA U P PA

EM R E U Q S ELE UIR R T DES ROBRAS T A PE

PO

TA S I L PU

Alice Vergueiro/Futura Press/Estadão Conteúdo

O discurso da presidente Dilma em cadeia nacional deu o mote para a oposição no 1º de Maio. Proselitismo! Eleitoreiro! Até o Financial Times o criticou: Populista! A Força Sindical vaiou (acima), a CUT aplaudiu (à esq.) e o PSDB quer punição da Justiça Eleitoral pela campanha eleitoral antecipada. Mais na pág. 6. Encontro entre Dilma e Lula, hoje, pág. 2

Página 4

Boa saúde de Genoino tem só um problema: a prisão.

Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

Gozar de boa saúde, para o expresidente do PT, José Genoino, é voltar à Papuda. Hipocondria derrotada pela Medicina, ele se entregou para cumprir a pena de 4 anos e 8 meses pelo Mensalão. Pág. 5 Eugenio Savio/Divulgação

Fit de corpinho novo na terceira geração

Senna, 20 anos. O eterno adeus.

Rejuvenescido, o compacto da Honda ganhou mais espaço interno e câmbio CVT. O bom motor 1.5 e a opção manual (5 velocidades) continuam. Pág. 21

20 mil fãs fizeram, ontem, um minuto de silêncio na curva Tamburello, onde o piloto brasileiro perdeu a vida. Pág. 10

Divulgação

ISSN 1679-2688

24114

9 771679 268008

Romance em Tiradentes Em maio, um roteiro perfeito para os casais. Turismo, pág. 22

Alessandro Garofalo/Reuters

Jampal de Cheleiros Na bucólica vila portuguesa, a arte de um brasileiro. Roda do Vinho, pág. 11


DIÁRIO DO COMÉRCIO

2

quinta-feira e sexta-feira, 1 e 2 de maio de 2014

O ponto alto do encontro nacional do PT será a sagração da candidatura da presidente Dilma. José Márcio Mendonça

SXC

É PRECISO

SER DE CIRCO PT desconfia que "oposição e mídia" podem reduzir estrategicamente, e logo, o peso do bombardeio de seus canhões contra Dilma Rousseff, temendo que a presidente perca mais pontos nas pesquisas de intenção de voto, o que pode servir de pretexto para fortalecer o movimento que faz de Lula o candidato do partido ao Palácio do Planalto, nas eleições de outubro. Os últimos Ibope, Datafolha e Vox-Populi indicam que Dilma venceria a eleição no 1º turno, apesar de ter perdido até seis pontos em relação às pesquisas anteriores. Mas, a pesquisa da CNT/MDA divulgada anteontem revela que a presidente voltou a cair e que não se reelegeria mais no 1º turno, se as eleições fossem hoje.

O

FANTASMAS

movimento "Volta, Lula" não pretende correr risco e admite que Dilma pode perder a eleição no 2º turno, enquanto que a probabilidade do expresidente se eleger já no 1º turno é grande. Embora Lula tenha reafirmado que Dilma Rousseff é candidata à reeleição, os petistas querem "refrescar a memória" de tucanos e socialistas, lembrando que a legislação permite a substituição de candidatos no prazo de até 20 dias antes das eleições. Outra lembrança dos petistas é que as pesquisas mostraram que a maioria de 70% dos eleitores querem mudanças no País, mas sem Dilma, sem Aécio e sem Eduardo Campos. Preferem mudar com Lula.

O

À SOLTA

presidente Dilma Rousseff estará hoje em São Paulo para o evento de abertura do Encontro Nacional do PT. Naturalmente, outra figura chave será o ex-presidente Lula –, padrinho e afilhada juntos em público num momento político delicado para os dois e para o partido que os abriga. O fantasma é a ameaça à reeleição da presidente e, em consequência, para o próprio PT. O campo está minado. O PT, ainda não refeito totalmente do revés do julgamento do Mensalão e da condenação de alguns de seus expoentes – como o ex-ministro e ex-presidente da legenda, José Dirceu, de outro seu ex-presidente, José Genoino, de tesoureiro da primeira campanha vitoriosa de Lula, Delúbio Soares, e de uma estrela ascendente então, João Paulo Cunha, levado à estratégica presidência de Câmara – se vê agora assombrado por outras denúncias de malfeitos na Petrobras (mais de um), no Ministério da Saúde, que já arrastaram para o pelourinho o deputado André Vargas e podem respingar nas candidaturas de Alexandre Padilha, em São Paulo, e Gleisi Hoffman, no Paraná.

A

das estatais, cujos resultados – como as dificuldades da Petrobras – estão aí para não deixar ninguém mentir. Justiça, pelo menos em parte, se faça: Dilma agiu na Petrobras para conter esta sanha, porém já era tarde. Não se faça justiça total porque ela assistiu a tudo como ministra das Minas e Energia, como chefe da Casa Civil e, de ambos os postos, presidindo também o Conselho de Administração da empresa. ilma, por seu lado, administra atualmente um inferno como talvez não esperasse enfrentar. Há toda esta herança que ela não pode tirar das costas em lealdade ao seu criador. E vive um instante de perda de confiança em seu governo, o qual vem se acentuando, conforme comprovou mais uma pesquisa de opinião, a divulgada pelo instituto MDA, e por encomenda da Confederação Nacional dos Transportes. De acordo com o levantamento, por exemplo, somente 32,9% dos consultados aprovam hoje a sua administração e apenas 22,3% a consideram uma boa gerente – marca com a qual Lula a vendeu ao eleitorado em 2010.

D

ula, detentor de alta avaliação popular, vai driblando olimpicamente esses fatos que mancharam seu partido e que ocorreram, todos eles, em sua gestão: a aventura dos mensaleiros, a compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, o projeto, em parceria com a Venezuela, da refinaria Abreu e Lima em Pernambuco, a ocupação política e o uso político

L

JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA

sse evento em São Paulo, assim, está preparado, bem ao modo petista de fazer festas e tentar fazer limonada de um limão bem azedo, para contaminar o partido de um entusiasmo que ele parece ter perdido diante de tantas agruras. Os petistas serão apresentados às linhas gerais do programa de campanha de Dilma e às linhas gerais da propaganda e às palavras de ordem que deverão levar para as ruas. É uma preparação para a Convenção Nacional que oficializará a chapa para as urnas presidenciais de outubro. Mas o ponto alto do evento será a sagração da candidatura da presidente Dilma. Ela vem a São Paulo para ouvir de Lula, de viva voz, sem intermediários e sem subterfúgios, sem condicionantes e sem ressalvas, que ela é a candidata do partido e que o movimen-

E

Por causa das ambiguidades do ex-presidente e por todas as dificuldades que Dilma vive, o coro do retorno do ex-presidente não arrefece. E está contaminando os aliados.

to "Volta, Lula" é uma excrescência. Por causa das ambiguidades do ex-presidente e por todas as dificuldades que Dilma vive, o coro do retorno do ex-presidente não arrefece. E está contaminando os aliados, que, como não têm tantos compromissos com os petistas, ameaçam debandar aqui e ali. É conter a sangria interna e salvar a face petista. o lado de fora, do público, o que há apenas é uma insatisfação generalizada. A eleição presidencial não está no horizonte imediato de 70% dos brasileiros ainda. Lula, o retorno, como observou o jornalista Vinicius Torres Freire, em sua coluna na Folha de S. Paulo de quarta-feira, numa constatação tão óbvia que está escapando se não a todos à maioria dos analistas nacionais, não está nas considerações das pessoas comuns. É coisa de alguns grupos específicos e do PT descontente com Dilma – em parte até por algumas virtudes da presidente. É fato mensurável: na pesquisa da CNT, na escolha espontânea (o pesquisado é instado a lembrar o nome do candidato, não lhe é apresentada uma lista) Lula aparece agora com menos intenções de voto tanto de Dilma quanto de Aécio: ela tem mais de 20%, Aécio mais de 9% e Lula um pouco mais de 6%. Dados como este explicam talvez certas reticências de Lula. Muita água ainda vai rolar até o eleitor agarrar-se à eleição e chegar às urnas.

D

m grupo mais exigente de petistas que integra o movimento que pede a volta de Lula faz figuração usando uma imagem futebolística, recordando que nos bons tempos, a torcida do Santos não admitia que o técnico deixasse Pelé no banco de reserva, principalmente quando o time jogava contra o São Paulo, Palmeiras e, sobretudo, o freguês da época, o Corintians. E pergunta à cúpula se o partido "quer ganhar com Lula ou perder com Dilma". O grupo não aceita Lula fora do jogo sucessório. Além da preocupação de que seu candidato pode vir a enfrentar Lula

U

JOSÉ MÁRCIO MENDONÇA É JORNALISTA E ANALISTA POLÍTICO

EYMAR MASCARO

O movimento "Volta, Lula" não pretende correr riscos e acredita que Dilma pode perder a eleição no segundo turno.

e não Dilma, o tucanato está inquieto com a notícia de que Marina Silva tem poder de transferir mais votos para Eduardo Campos do que Fernando Henrique para Aécio Neves. e essa ameaça se tornar realidade, o PSDB pode ficar fora do 2º turno, caso a eleição não acabe no 1º turno. Seria uma surpresa jogar por terra uma tradição de 20 anos nas eleições presidenciais no Brasil, a de que o presidente eleito pertence ao PT ou ao PSDB. Aécio Neves e Eduardo Campos decidiram fixar residência provisória na capital paulista. Com 32 milhões de votos, o Estado de São Paulo é o

S

maior colégio eleitoral do País, seguido de Minas, com 15 milhões e do Rio, com 10 milhões. As três regiões somadas ao 4º estado do Sudeste, Espírito Santo, contabilizam cerca de 60 milhões de votos, quase a metade do total do eleitorado brasileiro, que é de 132 milhões de votantes. e a eleição for para o 2º turno, os dois finalistas vão brigar por 100 milhões que sobram de votos válidos, sendo eleito aquele que obter nas urnas pelo menos 50 milhões de votos. Em 2010, por exemplo, Dilma se elegeu com 56 milhões de votos, no 2º turno, contra 44 milhões do perdedor José Serra.

S

EYMAR MASCARO É JORNALISTA E COMENTARISTA POLÍTICO

Presidente Rogério Amato Vice-Presidentes Alfredo Cotait Neto Antonio Carlos Pela Carlos Roberto Pinto Monteiro Cesário Ramalho da Silva Edy Luiz Kogut João Bico de Souza José Maria Chapina Alcazar Lincoln da Cunha Pereira Filho Luciano Afif Domingos Luís Eduardo Schoueri Luiz Gonzaga Bertelli Luiz Roberto Gonçalves Miguel Antonio de Moura Giacummo Nelson Felipe Kheirallah Nilton Molina Renato Abucham Roberto Mateus Ordine Roberto Penteado de Camargo Ticoulat Sérgio Belleza Filho Walter Shindi Ilhoshi

Fundado em 1º de julho de 1924 CONSELHO EDITORIAL Rogério Amato, Guilherme Afif Domingos, João Carlos Maradei, Marcel Solimeo Diretor de Redação Moisés Rabinovici (rabino@acsp.com.br) Editor-Chefe: José Guilherme Rodrigues Ferreira (gferreira@dcomercio.com.br). Editor de Reportagem: José Maria dos Santos (josemaria@dcomercio.com.br). Editores Seniores: chicolelis (chicolelis@dcomercio.com.br), José Roberto Nassar (jnassar@dcomercio.com.br), Luciano de Carvalho Paço (luciano@dcomercio.com.br), Luiz Octavio Lima (luiz.octavio@dcomercio.com.br), Marcus Lopes (mlopes@dcomercio.com.br) e Marino Maradei Jr. (marino@dcomercio.com.br). Editores: Cintia Shimokomaki (cintia@dcomercio.com.br), Heci Regina Candiani (hcandiani@dcomercio.com.br), Tsuli Narimatsu (tnarimatsu@dcomercio.com.br) e Vilma Pavani (pavani@dcomercio.com.br. Subeditores: Rejane Aguiar e Ricardo Osman. Redatores: Adriana David, Evelyn Schulke, Jaime Matos e Sandra Manfredini. Repórteres: André de Almeida, Karina Lignelli, Lúcia Helena de Camargo, Mariana Missiaggia, Paula Cunha, Rejane Tamoto, Renato Carbonari Ibelli, Sílvia Pimentel e Victória Brotto. Editor de Fotografia: Agliberto Lima. Arte e Diagramação: José dos Santos Coelho (Editor), André Max, Evana Clicia Lisbôa Sutilo, Gerônimo Luna Junior, Hedilberto Monserrat Junior, Lino Fernandes, Paulo Zilberman e Sidnei Dourado. Gerente Executiva e de Publicidade Sonia Oliveira (soliveira@acsp.com.br) Gerente de Operações Valter Pereira de Souza (valter.pereira@dcomercio.com.br) Serviços Editoriais Material noticioso fornecido pelas agências Estadão Conteúdo, Folhapress, Efe e Reuters Impressão S.A. O Estado de S. Paulo. Assinaturas Anual - R$ 118,00 Semestral - R$ 59,00 Exemplar atrasado - R$ 1,60

FALE CONOSCO E-mail para Cartas: cartas@dcomercio.com.br E-mail para Pautas: editor@dcomercio.com.br E-mail para Imagens: dcomercio@acsp.com.br E-mail para Assinantes: circulacao@acsp.com.br Publicidade Legal: 3180-3175. Fax 3180-3123 E-mail: legaldc@dcomercio.com.br Publicidade Comercial: 3180-3197, 3180-3983, Fax 3180-3894 Central de Relacionamento e Assinaturas: 3180-3544, 3180-3176 Esta publicação é impressa em papel certificado FSC®, garantia de manejo florestal responsável, pela S.A. O Estado de S. Paulo.

REDAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Boa Vista, 51, 6º andar CEP 01014-911, São Paulo PABX (011) 3180-3737 REDAÇÃO (011) 3180-3449 FAX (011) 3180-3046, (011) 3180-3983 HOME PAGE http://www.acsp.com.br E-MAIL acsp@acsp.com.br


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 1 e 2 de maio de 2014

3

PEQUENA EMPRESA NÃO PODE SER TRATADA COM A MESMA COMPLEXIDADE DA GRANDE.

O fascínio pela complexidade SXC

tributação, em princípio, deve vincular-se, com a maior fidelidade possível, aos fatos econômicos sobre os quais incide. Essa regra, todavia, gera muitas vezes complexidade, da qual resultam ônus para o contribuinte, no cumprimento das obrigações fiscais (custos de conformidade), e dificuldades para a administração tributária, no exercício das atividades de fiscalização (custos administrativos), sem falar nos problemas decorrentes de insegurança jurídica. Não existem estudos confiáveis que avaliem os custos de conformidade no País, sendo razoável, entretanto, admitir que eles sejam expressivos, tendo em conta que pesquisas do Banco Mundial (Doing Business) mostram que, em termos de facilidade para o pagamento de tributos, o Brasil alcançou uma modesta 156ª posição em um universo de 185 países. Nos Estados Unidos, os custos de conformidade alcançam a significativa proporção de 18% dos tributos pagos pelas empresas. O contribuinte, invariavelmente, prefere a simplicidade. No caso do Brasil, 60% das pessoas físicas declaram pelo modelo simplificado e 93% das pessoas jurídicas optam pelo Simples ou pelo Lucro Presumido, evidenciando uma clara preferência pelos modelos simplificados de tributação da renda.

A

EVERARDO MACIEL

sestimulava o crescimento das empresas, produzindo uma variação tributária do chamado "Complexo de Peter Pan". A Emenda Constitucional nº 42, de 2003, que previu a criação do Simples Nacional, que se tornou realidade com a Lei Complementar nº 123, de amplitude nacional , foi inequívoco ganho. Em contrapartida , o regime ficou paradoxalmente muito complexo, a ponto de a própria lei complementar fazer alusão a um sistema operacional para calcular o imposto devido. Quanto às restrições setoriais para adesão ao Simples pouco se acrescentou e nada se disse quanto à transição. Há um forte movimento, no Congresso Nacional, para rever a legislação do Simples, notadamente no que concerne à extinção quase completa das vedações à opção pelo regime, supressão das tabelas de alíquotas que complicam a apuração do tributo, restrição à utilização da substituição tributária e eliminação dos entraves burocráticos.

complexidade tributária, às vezes, se revela inevitável, como na tributação das instituições financeiras ou das corporações transnacionais. Sempre que possível, contudo, deve ser evitada. As pequenas e microempresas, por exemplo, não podem ser tratadas com a complexidade dispensada à grande empresa, como, aliás, já prescreve a própria Constituição. A despeito disso, a política tributária tem um especial fascínio pela complexidade. Foram necessários onze anos para que se procedesse à elevação dos limites de opção pelo Lucro Presumido – regime que possibilitou, na segunda metade dos anos 1990, uma relevante formalização fiscal. O Simples, instituído em 1996, representou sem lugar a dúvidas a mais ousada medida visando tratar adequadamente, no âmbito tributário, as pequenas e microempresas. Como é próprio das iniciativas pioneiras, encerrava algumas limitações na origem: era restrito à tributação federal, ainda que tenha inspirado modelos análogos nos Estados; vedava a inclusão de inúmeros setores, notadamente o de serviços; não previa um modelo de transição para outros regimes, o que de-

A

SXC

macaco tá certo; faz questão de não ter mais nada a ver – se é que algum dia teve – com seus alegados descendentes e de nada adianta uma campanha de propaganda enganosa dizer que "Somos todos macacos". Eu não sou macaco não. Os amigos da minha geração, ou até alguns mais novos, talvez se lembrem de uma marchinha que fez enorme sucesso em um dos nossos carnavais do passado: "Yes nós temos banana, banana pra dar e vendeeeer". A dita cuja banana foi beneficiada por uma marqueteragem mundial, que recolocou o esquecido Darwin e sua Teoria da Evolução na mídia: "Somos todos macacos". Eu não sou macaco não. Acho que serei xingado até as barbas do profeta de zelite direitista e conservadora, caindo aos pedaços de tanto preconceito. Chamo em meu socorro outra musiquinha pra explicar o que quero dizer e as palavras me faltam: "Pode me bater, pode me prender". Aqui eu dou uma contribuição pra melhorar a musiquinha: "Pode me bater, pode me prender, mas macaco eu não quero ser não".

m direção contrária ao movimento, se movem todos aqueles que abominam a simplificação, porque afinal sistemas tributários complexos constituem uma instância de poder. As alegações contrárias são as costumeiras: dificuldades para fiscalização e perda de arrecadação. Os reconhecidos avanços tecnológicos da administração tributária produziram uma máquina capaz de enfrentar, com eficácia, a evasão fiscal. As estimativas de renúncia fiscal partem do falso pressuposto do montante que seria arrecadado caso essas pequenas e microempresas fossem tributadas no regime comum. Nada dizem sobre se elas estariam em atividade ou se recolheriam tributos, caso não existisse o Simples. Nessa refrega, cabe bem a observação de Steve Jobs: "O simples pode ser mais difícil que o complexo”.

E

EVERARDO MACIEL É CONSULTOR TRIBUTÁRIO, EX-SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL

EU NÃO SOU MACACO, NÃO.

O

eus ancestrais de milhões de anos atrás podem ter sido macacos; sou evolucionista e acredito no Darwin, mas hoje não sou mais, já fui promovido a um espécime piorado e destruidor do que há de mais rico e belo na natureza, o homo sapiens, apelidado de

M

poste Padilha não vai ser fincado em São Paulo, se depender de mim e dos meus amigos, voluntários ativistas na internet; não são militantes pagos, da blogosfera chapa-branca mal-cheirosa. Os federais já apontaram as ligações do Padilha com Youssef em número suficiente, comprovado pela "Operação Lava-Jato", pra tacar-lhe uma bela acusação pelo PGR, Procurador Geral da República. Os macacos se recusariam a aceitar que o DNA da sua raça estivesse contaminado por semelhante indivíduo. Quanto mais passo os olhos só pelas manchetes dos jornais da manhã, mais eu acho que o macaco se recusa a aceitar que ele é um dos" é nóis". Nisso empatamos, eu não sou macaco, não, e o macaco não é nóis não.

O

NEIL YES nós temos banana FERREIRA

trabalham nunca sofreram preconceito. Preconceituosa é a macaca- Sinistra dus Dereitos dus Mano num levantar eum dedinho em defesa dos pobres haitianos. or exemplo, meu avô era árabe, Scandara Haddad, lindo e forte nome sirio, nada a ver com Haddad, o mais recente poste do Lula, eleito brefeito de São Baulo pelo "país dos mais de 80%", que elegeu a Primeira Poste de todos, Miss Piggy, e que agora acha que vai eleger governador de São Paulo mais um poste, Padilha. Padilha é flor que se cheire pela cumpanherada, está passando no vestiba da corrupção, cotista que é na Universidade Doleira do PhD Youssef. É dos que tem tudo pra ser aprovado logo na primeira chamada. É um daqueles postes que Lula quer enfiar na goela do Estado de São Paulo, pra ser mais um dos que ele falou com toda cara de pau: "De poste em poste vou iluminar o Brasil"; é bebé, mamá na gata ocê num qué, né” (ouvido passagem na minha cidadezinha do interior e que se ajusta perfeitamente no que quero expressar).

P câncer da Terra por alguma inteligência superior – quem sabe um alien, que Darwin nunca foi, não obstante as tentativas acadêmicas de colocá-lo em tais altitudes e latitudes. E vamos devagar com essa história de "homo", que quando um sai do armário é tido como "sapiens" e herói da raça pela mídia e pelos "entendidos" de grande parte da sociedade bem pensante e politicamente correta, que se juntam em multidões na Parada Gay de São Paulo, sejam os próprios "entendidos", simpatizantes ou praticantes tout court.. epois de tanto tempo, os macacos nada têm a ver com nosotros; e nem querem. Tanto quanto sei, são incapazes de produzir um macaco-Hitler

D

e o holocausto; um macaco-Stálin e os milhões de mortos na grande fome da estatização das propriedades agrícolas e sua produção; o macaco-Truman e as bombas atômicas despejadas sobre Hiroshima e Nagasaki; o macaco-Pol Pot com a destruição do Camboja, também com milhões de mortos; o macaco-Mao Tsé-tung, que já foi o farol da humanidade para os então jovens e hoje barrigudos e carecas esquerdopatas, que desfilavam gritando Maô Maô Maô, imitando o "sutaque" da turminha da Sorbona – é nóis us mano, nóis fala "Sorbone" mas é "Sorbona", tá lá no Aurélio, pode conferir, sou mais o Aurélio do que uns e outros. E nem um macaco-Tião Viana, que mandou 500

haitianos, sem nada pra sobreviver até mesmo com indignidade, serem despejados em São Paulo, como se fossem o seu lixo humano. Quando o macacoAlckmin, esse sim um macaco de respeito que orgulharia seus ancestrais macacai quis conversar sobre o assunto, certamente com o livrinho do macacoLenin dentro do bolso, Que fazer (para mim o macacoLenin não respondia e sim perguntava), o macaco Tião Viana veio com as quatro patas em riste (macaco tem patas ou mãos, acho que mãos), ofendendo toda a macacada pólista de zelite preconceituosa, o absurdo dos absurdos, Sumpólo é a maior cidade nordestina do universo e todos os brasileiros que aqui vivem

temos que lembrar do macaco-Lula, com o mais macacal de todos os seus guinchos: "O julgamento do mensalão foi 80% político e só 20% jurídico". Concordo, se fosse 100% jurídico ele também já estaria na Papuda, cujos pensionistas do macacoDirceu pra baixo, o macacoLula disse que "Não são pessoas da sua confiança", a Petrobras que o diga. Se você achou muito confuso o que escrevi, está com toda razão. Cito Picasso: "Se o mundo é tão incompreensível, a minha pintura pode ser também". Este texto aqui e todos os outros também.

E

NEIL FERREIRA É PUBLICITÁRIO


4

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 1 e 2 de maio de 2014


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 1 e 2 de maio de 2014

5

Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

O ex-deputado federal José Genoino deixou a casa onde estava desde novembro com familiares, seguiu para o Hospital das Forças Armadas, para consulta e exames, e, de lá (fotos), para o presídio.

Saúde (boa) devolve Genoino à Papuda ex-deputado e expresidente do PT José Genoino (PT) se apresentou por volta das 15h de ontem ao Centro de Internamento e Reeducação (CIR) do presídio da Papuda, em Brasília, onde cumprirá pena pela condenação no processo do Mensalão do PT. Genoino estava em prisão domiciliar, mas retornou à Papuda por determinação do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, para quem o exdeputado não tem mais problemas de saúde que justifiquem a manutenção da prisão em casa. Pela manhã, o petista recebeu em casa casa a visita do irmão, o deputado federal José Guimarães (PT-CE). Um grupo de cinco militantes petistas acompanhou a chegada do petista aos gritos de "Genoino, guerreiro do povo brasileiro". VOLTA PARA "CASA" Na quarta-feira, Barbosa, relator do processo do Mensalão, determinou o "imediato retorno" à prisão em até 24 horas após a notificação judicial. Genoino foi intimado sobre a decisão às 19h35 de quarta. Condenado a 4 anos e 8 meses por crime de corrupção ativa, Genoino estava em prisão domiciliar provisória desde novembro de 2013, devido a problemas de saúde. Cumpria a pena em casa alugada em Brasília, com moram familiares. Genoino foi preso em novembro, mas passou mal no

O

presídio e, desde então, obteve o direito de prisão domiciliar temporária. A defesa pleiteava a prisão domiciliar definitiva, mas Barbosa negou. Nesta semana, chegou ao Supremo um laudo médico assinado por cardiologistas da Universidade de Brasília (UnB), feito a pedido de Barbosa. O laudo avaliou que não há motivos clínicos para Genoino ser mantido em prisão domiciliar. De acordo com o documento, o quadro clínico do pe-

tista está "plenamente estabilizado" e ele se recuperou da cirurgia cardíaca à qual foi submetido no ano passado. Em novembro, depois de examinarem Genoino, os médicos da UnB já tinham manifestado ao STF a opinião de que o ex-deputado não precisava ficar em casa para se tratar de problemas cardíacos. Mas por conta de uma recomendação do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, Joaquim Barbosa decidiu

deixar o condenado em prisão domiciliar provisoriamente. SAUDÁVEL Na decisão, o presidente do Supremo afirma que a nova perícia médica "indica, claramente, a ausência de doença grave que constitua impedimento para o cumprimento de pena no regime semiaberto". "O quadro clínico do condenado José Genoino não apresenta qualquer singularidade comparado ao de centenas de outros detentos que

conderem material que tinha em um escritório e R$ 5 milhões em jóias que guardava em casa. Nelma adora moda, luxo, dinheiro e celebridades. Em e-mails, ela usa codinomes com os nomes das atrizes Cameron Diaz, Angelina Jolie e Greta Garbo. Nelma já foi condenada em 2011 a três anos e meio de prisão por ser doleira. Recebeu pena considerada pequena porque fez delação premiada – disse que contaria detalhes sobre o mercado de câmbio. O advogado de Nelma, Marden Maues, diz que a interpretação de que sua cliente e Youssef conversavam sobre a operação da PF e fuga é equivocada. "Eles falavam de operações financeiras. Quando a PF divulgar a íntegra do diálogo, isso vai ficar claro". Por sua vez o advogado de Youssef, Antônio Augusto Figueiredo Basto, diz que seu cliente não soube anteriormente da operação da PF. "É bobagem imaginar vazamentos numa instituição como a Polícia Federal". (Agências)

e x - p re f e i t o d e S ã o Paulo e presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab, criticou, ontem, seu sucessor, Fernando Haddad (PT) pelas ações em relação à inspeção veicular na capital paulista. Primeiro, Kassab disse discordar da posição de Haddad em alterar a legislação para isentar a cobrança da inspeção dos proprietários de veículo. "O Haddad mudou lei, o que discordo. Quem pagava a inspeção era o proprietário; hoje é gratuita e todos nós pagamos por inspeção do carro, o que não tem sentido". Depois, Kassab disse ainda discordar de Haddad quando o atual prefeito transformou a inspeção veicular obrigatória para veículos apenas a partir do terceiro ano de uso. "Existem pesquisas que mostram que o veículo polui desde o primeiro ano".

O

Vanessa Carvalho/Estadão Conteúdo

D

um agusta no marte, à nossa disposição, OK? tá na mão". Agusta é uma marca angloitaliana de helicópteros. Para o juiz federal, o doleiro não fugiu porque, aparentemente, não tinha conhecimento exato de tudo que iria ocorrer. Alberto Youssef foi preso na Operação Lava Jato no dia 17 de março. A Operação foi deflagrada em março no Paraná e em São Paulo, Distrito Federal, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Rio de Janeiro e Mato Grosso. Ao todo, 42 réus respondem a processo, conforme a Justiça Federal do Paraná. O grupo teria movimentado cerca de R$ 10 bilhões por meio de lavagem de dinheiro. A PF está analisando o material apreendido para tentar descobrir como eles teriam sabido com antecedência sobre a operação. Os policiais temiam que a prisão de Nelma, dois dias antes de a Polícia Federal deflagrar as prisões e buscas da operação, pudesse alertar os alvos. O temor tinha um motivo: antes da prisão, Nelma havia mandado auxiliares es-

tentar reverter novamente para prisão domiciliar, que é o mais adequado no caso dele." Segundo Alencar, ontem não havia médico no sistema penitenciário do DF. "Nos feriados e finais de semana não tem médico na Papuda. E a informação que obtivemos é que o único médico do complexo está de férias. O sistema penitenciário tinha que prover isso. É temerária a decisão do STF. Estamos preocupados." O cardiologista de Genoino, Geniberto Paiva Campos, também acredita que a situação médica de Genoino é catastrófica. "Do ponto de vista médico é uma cardiopatia gravíssima e uma situação catastrófica. A cada 10 pessoas que tem essa doença, oito morrem". Campos admitiu que o atual quadro clínico é muito bom. Segundo ele, porque "esse tempo todo ficou assistido pela família e por médicos". "Ele está bem psicologicamente e clinicamente. Mas não é o lugar ideal para ele estar. Ele é, sem dúvida, um paciente de risco para se colocar no sistema penitenciário". O cardiologista também comentou o laudo médico da UNB – que afirmou que o quadro atual era bom. "O laudo não recomenda que ele volte para o sistema prisional. Diz que ele está bem, no momento, e eu também digo isso. Mas ele tem um problema de saúde grave que precisa ser acompanhado", advertiu. (Agências)

Kassab critica Haddad. Aliança com PT em SP está descartada.

Doleiros souberam ação da PF seis dias antes e discutiram fuga ois doleiros presos na Operação Lava Jato, deflagrada em março pela Polícia Federal, souberam com antecedência que eram alvo da ação e falaram em fugir. Segundo relatório de investigação da PF e decisão da Justiça federal do Paraná, Alberto Youssef avisou Nelma Kodama – acusados de operar no mercado paralelo de dólares– sobre a iminência da operação Lava Jato e ambos chegaram a discutirir uma possível fuga. O aviso foi dado por Youssef no dia 13 de março, dois dias antes de Nelma ser presa no aeroporto de Guarulhos (SP) quando tentava embarcar para Milão, levando € 200 mil escondidos na calcinha. Na mensagem, o doleiro escreve: "Outra coisa: amanhã vai ter operação. Então você sabe o que fazer". Nelma então oferece o que o juiz federal Sérgio Moro chama de "uma espécie de rota de fuga por meio de um helicóptero que estava disponível no Campo de Marte em São Paulo". A frase literal da doleira é a seguinte: "Se quiser temos

atualmente cumprem pena privativa da liberdade no Distrito Federal. Os dois laudos fornecidos pela junta médica oficial (que o apenado não conseguiu desqualificar) afirmam taxativamente que o quadro clínico do condenado não apresenta a gravidade alegada." DOENTE Por outro lado, o advogado de Genoino, Claudio Alencar, criticou a decisão do STF. "Vamos recorrer ao plenário para

Provável candidato ao governo paulista, Kassab descartou uma aliança no Estado com o PT do seu sucessor, apesar de acompanhar o partido na reeleição da presidente Dilma Rousseff. "Aliança no plano nacional é com o PT. No plano estadual o

PT terá seu candidato e nós teremos o nosso, o que é muito normal para um país grande como o Brasil", concluiu Kassab, que estava em Ribeirão Pre t o ( S P ) , o n d e v i s i t o u a Agrishow – a principal feira do agronegócio na América Latina. (Estadão Conteúdo)

Gilberto Kassab adverte: "Aliança no plano nacional é com o PT".


DIÁRIO DO COMÉRCIO

6

quinta-feira e sexta-feira, 1 e 2 de maio de 2014

Ato de 1º de Maio vira palanque da oposição

Fernando Neves/Futura Press/Estadão Conteúdo

O

PATÉTICO Antes, no ato da Força, o tucano classificou o pronunciamento como "momento patético" e disse que a presidente usou cadeia de rádio e tevê para fazer "proselitismo político". Ele afirmou que Dilma tenta jogar para a oposição a responsabilidade pela crise na Petrobras, que, segundo disse, foi transformada em "um grande balcão de negócios suspeitos." Eduardo Campos, por sua vez, afirmou que a fala da presidente Dilma foi mais "eleitoral" do que "propriamente da presidenta". Campos também se referiu à questão da Petrobras em seu discurso: "Nós precisamos resgatar a Petrobras da situação em que se encontra. A emrpesa precisa ter respeitado o planejamento estraté-

gico. É fundamental que possamos blindar a Petrobras da ingerência política em todos os níveis." A Força Sindical informou que convidou a presidente para participar do evento, mas ela não compareceu. No lugar dela, foram enviados como representantes, os ministros Gilberto Carvalho (Secretaria Geral da Presidência) e Manoel Dias (Trabalho). "Quem tem coragem vem aqui, quem não tem manda representante", disse o deputado Paulinho da Força (SDD), presidente licenciado da central sindical, que também participou da festa pelo Dia do Trabalho. Quem subiu no palanque para defender o governo foi hostilizado. Principal interlocutor do Planalto junto aos movimentos sociais, o secretário-geral da Presidência, Gilberto Carvalho, foi vaiado. "Pode vaiar. É parte da democracia", disse. Ele atacou Aécio, a quem classificou como uma nova versão do expresidente Fernando Henrique Cardoso (1995-2002). "Eles governaram o País sob um arrocho salarial enorme." No evento da CUT, a hostilidade do público impediu o ministro do Trabalho, Manoel Dias, e o das Relações Institucionais, Ricardo Berzoini, de falar. Berzoini foi vaiado ao ser anunciado, quando interrompeu um dos shows da festa, tentou falar e não conseguiu. Pré-candidado do PT ao governo de São Paulo, Alexandre Padilha, tentou outra abordagem. "Quem aqui é contra o racismo? Quem aqui acha que somos todos iguais?" Falou das diferenças salariais entre homens e mulheres e deixou o local antes que as vaias recomeçassem. O senador Eduardo Suplicy (SP) foi o único petista aplaudido ao subir ao palco. O presidente da CUT, Vagner Freitas, defendeu o governo e afirmou que a oposição representa o "retrocesso". "Temos que reconhecer os

Um milhão de pessoas no ato pelo Dia do Trabalho na praça Campo de Bagatelle Nilton Fukuda/Estadão Conteúdo

Nilton Fukuda/Estadão Conteúdo

Aécio Neves (PSDB)e Paulinho da Força

Paulinho da Força e Eduardo Campos (PSB) Daniel Teixeira/Estadão Conteúdo

'Promessas para um governo que não terão', diz Carvalho.

11 3476-5850 | 2227-2607 Rua Tuiuti, 1.343 - Tatuapé - São Paulo - SP

www.waleassessoria.com.br

Abertura, Alteração e Encerramento de Empresas Administração de Condomínios • Assessoria Contábil • Departamento Pessoal • IRPF e IRPJ • MEI • ME • EPP • LP Recrutamento e Seleção • Convênios com Profissionais e Marketing • Câmera de Arbitragem

Telefone: 11 2826-4562 | www.fenixcontabil.cnt.br Av. do Oratório, 4.190 - Sala 08 - Jd. Guaraca • leilacontabil19@gmail.com • baltazarcontabil@hotmail.com

ministro (Secretaria geral da Presidência da República), Gilberto Carvalho, rebateu as críticas feitas por Aécio Neves à presidente da República, Dilma Rousseff, durante o ato e 1º de Maio da Força Sindical. "A presidente Dilma não vem a São Paulo a cada quatro anos para fazer promessas", disse Carvalho. "Viemos aqui todo ano e apoiamos este ato", declarou De acordo com ele, o governo federal tem fortalecido a Petrobras, ação contrária às do expresidente Fernando Henrique Cardoso, que queria privatizar a estatal. "A Petrobras que eles estão criticando e falando mal, que o FHC tentou privatizar, hoje é a grande empresa do País que eles querem tentar destruir para privatizar depois em um eventual governo deles, que não virá", discursou Carvalho. Segundo ele, a eventual volta do PSDB ao governo "através de Aécio" implicará "desprezo ao trabalhador". "Vocês sabem quem criou o fator previdenciário? Fernando Henrique Cardoso", disse. "Agora eles (tucanos) querem voltar com o senador Aécio Neves. Vêm com promessas para vocês para um governo que eles não terão", afirmou Carvalho.

O

No Anhangabaú, ato de 1º de Maio foi organizado pela CUT e outras centrais sindicais. avanços que conquistamos nos últimos 12 anos", disse Freitas. "Ainda há muito a ser feito, mas não podemos esquecer das vitórias." CUT Em outro evento para comemorar o Dia do Trabalho, promovido pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), no Anhangabaú, no Centro

de São Paulo, o presidente da en tid ad e, Vagn er Fre ita s, afirmou que telefonou para a presidente Dilma Rousseff, ontem à tarde, para cumprimenta-lá pelas medidas anunciadas na televisão. "Nós fizemos uma ligação para a presidente Dilma para parabenizá-la pelas medidas que ela anunciou ontem em seu pronunciamento. São

medidas importantes para os trabalhadores do Brasil porque enxertam recursos no mercado interno. Ela agradeceu", disse Freitas. Além da CUT, integraram a organização do evento no Anhangabau a CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil) e a CSB (Central dos Sindicatos Brasileiros). (Agências)

FT: 'Passo populista' pré-campanha. Assessoria contábil e fiscal • Departamento Pessoal • Setor especializado em licença sanitária (ANVISA, COVISA / SIVISA e CRs)

a comemoração na praça Campo de Bagatelle, em Santana, na zona norte da capital, os dois principais candidatos de oposição à Dilma na eleição ao Palácio do Planalto, Aécio Neves (PSDB-SP) e Eduardo Campos (PSB-PE), foram convidados a discursar, mas os ataques mais duros vieram do anfitrião do evento e presidente licenciado da Força Sindical, o deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o Paulinho da Força. Ele culpou Dilma pela desvalorização da Petrobras, disse que o seu governo era corrupto e chegou a insinuar que a petista poderia ser presa junto aos condenados do mensalão na Papuda, em Brasília, pelas acusações de má gestão na estatal. "O governo que deveria dar o exemplo está atolado na corrupção. Se fizer o que a presidente Dilma falou ontem, quem vai parar na Papuda é ela", disse, referindo-se ao pronunciamento na TV, onde anunciou aumento de 10% no Bolsa Família e correção de 4,5% na tabela do IR na fonte em 2015. Paulinho da Força comanda o Solidariedade, partido que apoia Aécio na disputa pela Presidência. Quando fez o ataque, Paulinho estava ao lado de Aécio Neves. Eduardo Campos ainda não havia chegado. (Folhapress)

N

Presidenciáveis criticam pronunciamento de Dilma ato político promovido pela Força Sindical transformouse em palanque da oposição ontem, 1º de Maio, em São Paulo. Os presidenciáveis Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB), opositores do governo Dilma Rousseff (PT), criticaram a petista para uma multidão de um milhão de trabalhadores, segundo estimativa da central, na praça Campo de Bagatelle, zona norte da capital. Eles se concentraram, principalmente, no denunciado caráter eleitoral da fala da presidente Dilma Rousseff em rede nacional de rádio e televisão. Dilma fez, na noite de quarta-feira, um pronunciamento oficial no qual anunciou a correção da tabela do imposto de renda, em 4,5%, e um reajuste de 10% no valor de benefícios do programa Bolsa Família. Ontem à noite, no programa "Os Pingos nos Is", da Rádio Jovem Pan, Aécio afirmou ao comentarista político Reinaldo Azevedo que entrará com uma emenda, já na segundafeira, propondo que o reajuste do IR seja corrigido pelo IPCA nos próximos 5 anos.

Paulinho: 'Dilma é quem deveria ir para Papuda'.

jornal britânico Financial Times classificou o aumento de 10% dos benefícios do programa Bolsa Família como um "passo populista" antes das eleições presidenciais. Em reportagem, a publicação destaca que o reajuste do valor transferido às famílias pobres será maior que a inflação que gira atualmente em torno de 6%. Para o FT, é a ação "mais agressiva de contra-ataque da presidente contra a oposição".

O

AGRESSIVO CONTRA-ATAQUE "O passo populista marca o mais agressivo contra-ataque da presidente contra a oposição, que tenta diminuir sua forte liderança nas pesquisas", diz o FT. A reportagem avalia o reajuste como "acentuado" e destaca que, apesar de Dilma Rousseff continuar líder isolada nas pesquisas de intenção de voto, a medida acontece dias

após pesquisas mostrarem queda de Dilma e avanço dos oposicionistas Aécio Neves e Eduardo Campos. Ao lembrar que o aumento anunciado na noite desta quarta-feira, 30, pela presidente Dilma em cadeia de rádio e televisão é maior do que a inflação, a reportagem diz que a medida reforça o programa de transferência de renda para os mais pobres que foi a marca do período de quase 12 anos de governos do Partido dos Trabalhadores. BASE LEAL O FT lembra ainda que atualmente cerca de 36 milhões de brasileiros recebem o Bolsa Família. "Juntos, formam um grupo que é considerado por analistas como uma base eleitoral leal ao Partido dos Trabalhadores, particularmente no nordeste pobre do País", diz o texto. (Estadão Conteúdo)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 1 e 2 de maio de 2014

7

Yagiz Karahan/Reutere

Manifestantes se defendem de jatos de água lançados pela polícia em Istambul

Trabalhoso Dia do Trabalho pelo mundo Choques entre manifestantes e forças policiais marcaram a data, principalmente na Turquia, com 139 detidos e 58 feridos. Sergei Karpukhin/Reuters

Carlos Garcia Rawlins/Reuters

elo menos 139 pessoas foram detidas e outras 58 ficaram feridas nos choques de ontem em Istambul, nas tentativas de vários sindicatos de se manifestar na emblemática praça Taksim, fechada previamente pelas autoridades. "Segundo nossas informações, até agora há 139 detidos em Istambul. Temo que este número aumentará", declarou Mehmet Soganci, presidente do TMMOB, o sindicato que reúne arquitetos e engenheiros e uma das quatro grandes organizações que convocaram marchas rumo a Taksim. Segundo a associação de juristas CHD, 58 pessoas ficaram feridas. A polícia usou gás lacrimogêneo e jatos d'água contra manifestantes que protestaram contra a decisão do governo de proibir a tradicional marcha de 1º de Maio. Cerca de 40 mil policiais estavam de plantão, com metade deles designada para a Praça Taksim, epicentro dos protestos do ano passado e ponto final da marcha que costuma acontecer no primeiro dia deste mês. Os protestos eram esperados desde o anúncio do primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, no mês passado, que não deixaria os sindicatos realizarem a marcha até a praça. RÚSSIA – 100.000 pessoas se manifestaram na Praça Vermelha de Moscou convocados pelos sindicatos para comemorar o 1º de Maio. Foi a primeira vez desde a desintegração da URSS em 1991. Como é tradicional desde a queda da URSS, os comunistas fizeram sua própria manifestação – uma coluna de 5.000 pessoas marchou até a praça Kaluzhkaya.

P Moscou: 1ª manifestação sindical desde 1991. Tobias Schwarz/Reuters

Policiais tiveram de agir em Rostock (Alemanha)

ALEMANHA – Milhares de pessoas se manifestaram em diversas cidades para tentar impedir os tradicionais atos convocados por grupos e partidos de extrema-direita. As concentrações organizadas por grupos de extrema esquerda em Dortmund (oeste do país) e em Plauen (leste) derivaram em confrontos violentos com a polícia. Em Rostock (nordeste), cerca de 2.000 pessoas convocadas por diferentes forças políticas e sindicais se manifestaram sob o lema "Primeiro de Maio. Rostock livre de nazistas" contra a marcha de 300 simpatizantes da legenda de extrema direita Partido Nacional Democrático. VENEZUELA – Milhares chavistas marcharam em Caracas no Dia do Trabalho. Os manifestantes ostentavam mensagens de agradecimento ao presidente Nicolás Maduro pelo aumento do salário mínimo, outorgado na terça-feira. A oposição se concentrou em outra região da capital e protestou contra a crise econômica. Na região leste de Caracas, ponto de concentração dos opositores, cerca de 3.000 marcharam ao som de cornetas. Muitos estavam enrolados em bandeiras venezuelanas, segurando cartazes referentes à alta inflação, à escassez de alimentos e à falta de segurança. Contra a inflação de quase 60% ao ano – a mais alta da América Latina–, Maduro anunciou um aumento de 30% no salário mínimo, de 3.270 bolívares para 4.251 bolívares (R$ 190 no câmbio paralelo). Os protestos contra o governo, iniciados no começo do ano, contabilizam 41 mortos, mais de 700 feridos e centenas de denúncias de abuso policial. (Agências)

Opositores de Maduro em Caracas Santi Donaire/Efe

Simpatizantes de Maduro em Caracas


DIÁRIO DO COMÉRCIO

8

quinta-feira e sexta-feira, 1 e 2 de maio de 2014

ESPIONAGEM A Casa Branca sugeriu ontem a criação de normas para regular a coleta de informações de consumidores por companhias como Google e Facebook

Ucrânia alista recrutas O presidente interino da Ucrânia, Oleksandr Turchynov, decretou ontem a reimplantação do serviço militar obrigatório no país, perante a situação de tensão com a vizinha Rússia. O recrutamento afetará os homens maiores de 18 anos e até os de 25, que não tenham problemas de saúde nem situações que lhes eximam de servir o Exército. A medida foi tomada "dada a deterioração da situação no leste e no sul do país, a força crescente de unidades armadas pró-Rússia e a tomada de edifícios da administração pública... que ameaçam a integridade territorial", declarou o escritório de Turchynov, em comunicado. O decreto foi publicado ontem no Diário Oficial, por isso que entrou em vigor de forma imediata. No dia 17 de abril, a Rada Suprema (Legislativo) recomendou ao presidente ucraniano que restabelecesse o serviço militar para reforçar a defesa do país, "devido à agressão da Federação Russa". A Ucrânia assegura ter deslocado soldados para a fronteira em resposta à presença militar russa na região. Kiev diz que a Rússia está por trás da queda de cidades grandes e pequenas do leste, pólo industrial do país, nas mãos de separatistas

pró-Rússia durante o último mês, muitas vezes envolvendo atiradores mascarados bem organizados e usando uniforme militar. Ontem, manifestantes pró-Rússia tentaram invadir o escritório do promotor de Donetsk, uma das principais cidades do leste ucraniano. A polícia usou bombas de efeito moral para conter o avanço dos ativistas, que chegaram a arrancar os escudos, coletes à prova de balas e cassetetes dos militares. O conflito sucedeu uma marcha realizada por centenas de pessoas que carregavam bandeiras da República Popular de Donetsk, movimento que busca maior autonomia para a região, ou independência e possível anexação pela Rússia. Moscou nega qualquer participação na rebelião, mas alertou que se reserva o direito de intervir para proteger russos étnicos após a anexação da península da Crimeia no final de março, e concentrou dezenas de milhares de tropas em sua fronteira oeste com a Ucrânia.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse ontem em conversa com a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, que a Ucrânia deveria retirar suas próprias tropas do leste do país para encerrar o conflito na região. A retirada, de acordo com Putin, seria "essencial para deter a violência e lançar um diálogo envolvendo todas as regiões e forças políticas do do país", segundo a agência Interfax. Putin e Merkel, que já mantiveram seis conversas telefônicas sobre a crise ucraniana nos últimos dois meses, concordaram em voltar a se falar em breve. Já o ministro russo das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, disse na noite de quarta-feira que Moscou apoia um diálogo na Ucrânia para solucionar a crise, sob o amparo da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE). "Esperamos que nossos sócios e colegas ocidentais permitam aos ucranianos estabelecer este diálogo sem maiores impedimentos", disse

Dan Balilty/Reuters

o chefe da diplomacia russa, em visita ao Peru. A OSCE, organização que tem 57 países participantes, foi incumbida no começo de abril com a tarefa de ajudar a aliviar as tensões no leste da Ucrânia. No entanto, a missão da OSCE na Ucrânia foi capturada por separatistas. Os inspetores sequestrados são três alemães, um polonês, um dinamarquês e um checo, além de um intérprete alemão, e foram acusados pelos russófonos de espionar para a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Os insurgentes libertaram no domingo o inspetor sueco Thomas Johansson por motivos de saúde, e alegando que seu país não é membro da aliança militar. Ontem, a chanceler alemã pediu ao Putin que contribua para a libertação dos inspetores. Durante a conversa por telefone, "Merkel pediu uma contribuição para a libertação dos observadores militares detidos no sudeste da Ucrânia, cidadãos de países europeus, incluindo a Alemanha", informou o Kremlin. Inimigo - O vice-secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Alexander Vershbow, disse ontem que a anexação da Crimeia e as ações desestabilizadoras russas no leste da Ucrânia têm obrigado a aliança militar, liderada pelos Estados Unidos, a começar a tratar a Rússia como um inimigo, mais do que um parceiro. Isto marca uma mudança em décadas de esforços da Otan para se aproximar a Moscou, disse Alexander Vershbow. Ele fez as declarações a um grupo de jornalistas. Vershbow afirmou que a aliança está considerando novas medidas destinadas a dissuadir a Rússia de qualquer agressão contra os países membros da Otan ao longo da fronteira, como os Estados bálticos que faziam parte da União Soviética. Segundo a autoridade, entre os possíveis movimentos pela Otan está o deslocamento de um número substancial de forças de combate para o Leste Europeu. (Agências) Reuters - 31/12/13

Preso por assassinato. Há 42 anos.

O polêmico prefeito de Toronto, Rob Ford, anunciou ontem que deixará temporariamente seu cargo e a campanha para reeleição para "buscar ajuda imediata" após reconhecer problemas de alcoolismo. Em comunicado, Ford disse que tem problema com o álcool, mas ele não reconheceu que seja viciado em cocaína. A decisão ocorreu depois que a imprensa canadense publicou novas imagens e gravações de áudio de Ford consumindo álcool e drogas. Em um vídeo feito no final de semana, Ford está consumindo "crack" com a irmã. No áudio, realizado na segunda-feira, Ford, totalmente bêbado em um bar de Toronto, fala vulgaridades e faz comentários sex u a i s s o b re uma vereadora. (EFE)

As feridas do passado da Irlanda do Norte voltaram a se abrir com a prisão do líder do Sinn Féin, Gerry Adams, como parte de uma investigação sobre o rapto e assassinato, em 1972, de Jean McConville, mãe de dez filhos. Adams, acusado de ter sido o portavoz do Exército Republicano Irlandês (IRA) na década de 1980, disse ser inocente. "Alegações maliciosas, muito propagandeadas foram feitas contra mim. Rejeito isso", declarou. Jean foi uma das 17 pessoas que o IRA sequestrou, assassinou e enterrou em lugares secretos por colaborar supostamente com as forças da ordem durante o conflito norte-irlandês. (Agências)

Israel também quer ser reconhecido como Estado O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse ontem que vai pedir uma nova lei declarando Israel um Estado judeu, em resposta à recusa palestina em reconhecer tal condição nas recentes e fracassadas negociações de paz. "Vou promover uma Lei Básica que vai definir Israel como o Estado-nação do povo judeu", disse Netanyahu em discurso em Tel Aviv. Ele acrescentou que aqueles que buscam a criação de um Estado palestino, enquanto se recusam a reconhecer Israel como uma nação judaica, estão desafiando seu direito de existir. Os palestinos argumentam que já reconheceram de fato Israel em 1989 e que vizinhos que assinaram tratados de paz com o país, como Egito e Jordânia, não tiveram essa exigência de reconhecimento. Além disso, eles temem que a iniciativa leve à discriminação contra a minoria árabe de Israel, que representa um quinto da população, e negue o direito de retorno dos refugiados palestinos. Israel celebra na semana que vem o 66º aniversário de sua fundação, que o país lembra segundo o calendário hebreu com atos institucionais, paradas militares e festivais. (Agências)

Prefeito de Toronto: 'Alcoólatra, sim. Drogado, não'.

Jalal Al-Mamo/Reuters

Infância destruída pela guerra Um ataque aéreo das forças do governo sírio deixou pelo menos 33 mortos em Alepo, a maior cidade no norte da Síria, ontem, disse o Observatório Sírio de Direitos Humanos. O alvo foi um mercado movimentado no bairro de Hellok. Dois prédios foram destruídos

com o impacto do ataque, que também deixou dezenas de pessoas feridas, inclusive crianças (à esq.) . O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef, na sigla em inglês) expressou indignação com os 'ataques indiscriminados' contra civis. (Agências)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 1 e 2 de maio de 2014

9

POLUIÇÃO SONORA

Barulho, fonte de irritação e doenças. Terceira maior queixa dos paulistanos, a perturbação do silêncio na cidade pode contribuir para doenças graves na população, como o derrame e o mal de Parkinson.

A

Plano Diretor é aprovado em 1ª votação na Câmara epois de intensa pressão de movimentos de sem-teto e de negociações entre o PT e o PSDB, a Câmara de Vereadores de São Paulo aprovou em primeira votação, na noite de quarta-feira passada, o Plano Diretor da Cidade, que é o conjunto de diretrizes que regulará o crescimento da metrópole nos próximos 16 anos. A proposta enviada pelo prefeito Fernando Haddad (PT) foi aprovada por 46 votos a favor e 2 contra. A segunda votação desse texto do Plano Diretor deve ocorrer até o fim de maio. A principal característica deste Plano Diretor é de incentivar a construção de edifícios altos ao longo dos grandes eixos viários da cidade, eixos que tenham infraestrutura de transporte público, como as estações de metrô e os corredores de ônibus. O Plano restringe a verticalização no miolo dos bairros. Mercado – O relator do Plano Diretor, o vereador Nabil Bonduki (PT), afirmou que o mercado imobiliário vai poder, pelas regras da proposta, construir em média 30 mil unidades habitacionais por ano na capital paulista – algo em torno de 270 prédios. "Só que essas unidades agora precisam estar mais espalhadas, ao longo dos eixos com corredores de transporte público, e não só concentradas nos bairros já

D

saturados", explicou o parlamentar. A proposta que passou em primeira votação aumenta as áreas onde serão construídas habitações para a população de baixa renda e prevê até construções em locais considerados atualmente de preservação ambiental. A aprovação da proposta teve a resistência de vereadores do PSD, partido do ex-prefeito Gilberto Kassab, mas apenas dois parlamentares, Toninho Vespoli (PSOL) e Gilberto Natalini (PV), votaram contra o texto desse Plano Diretor. Sem-teto – Do lado de fora da Câmara, três mil sem-teto que bloqueavam o Viaduto Jacareí, desde a noite de terçafeira, comemoraram o resultado da votação. Se a proposta do Plano Diretor for aprovada em segunda e definitiva votação, a construção de moradias populares da Cohab e do Minha Casa Minha Vida estará liberada em áreas de interesse dos grupos de sem-teto. Os manifestantes que acamparam em frente ao Legislativo municipal são de ocupações como a da Faixa de Gaza, ao lado da Represa Billings, na zona sul da Capital, uma área de proteção ambiental. O prefeito adiantou aos sem-teto que a aprovação do Plano Diretor vai viabilizar a construção de moradias populares no local. (Agências)

orar em grandes cidades é viver cercado do barulho. Em São Paulo, não é diferente. O trânsito da Capital alcança facilmente os 80 decibéis, quando a potência máxima de som que uma pessoa pode ouvir, sem prejudicar a saúde, é de 55 decibéis, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). De acordo com o engenheiro do Programa de Silêncio Urbano (Psiu), Flávio Donizete Gagliardi, a região de Pinheiros, na zona oeste, é a campeã de denúncias, seguida das áreas das subprefeituras da Sé, Vila Mariana e Ipiranga. Os bares lideram as queixas. No total, esses estabelecimentos representam 59% das reclamações da população referentes a ruído excessivo. Igrejas são responsáveis por 11% e obras, por 9%. A engenheira e diretora do Psiu em 2013, Débora Castelani, atribuiu os problemas do órgão em relação às atuações à defasagem da legislação e ao pequeno número de funcionários do Programa. Segundo Débora, são cinco técnicos para realizar a medição em toda a cidade de São Paulo. E apenas 13 agentes vistores sem autonomia para multar. “Temos que pegar o ruído no flagrante. Apenas numa terceira vistoria, se pegarmos o ruído acima dos limites, é que podemos fazer um fechamento administrativo. E é muito recorrente que o estabelecimento apresente uma liminar no momento desse fechamento. Ou seja, um juiz tem a coragem de ceder uma liminar para um estabelecimento que incomoda a população e nós não podemos fazer nada”, reclama Débora. Movimento – Inconformada com tanto barulho, a fotógrafa Fernanda Coronado lidera o movimento popular

M

Mariana Missiaggia

do, é um problema de saúde pública, uma vez que todos exposição excessiva e s t ã o ex p o s t o s , ao barulho pode cau- em maior ou menor sar sérios problemas grau, a níveis sonoà saúde, como infar- ros que podem proto do miocárdio, e até contri- vocar malefícios à buir para o desenvolvimento saúde", afirma. "A perda auditiva é da doença de Parkinson. A afirmação foi feita pelos es- uma preocupação internapecialistas Ana Cláudia Fiorini, cional, por causa do impacto professora doutora do Departa- que ela tem na vida da pessoa. mento de Fonoaudiologia da Na aprendizagem, na orientaUnifesp e da PUC-SP, e Fernan- ção vocacional ou no isolamendo Pimentel de Souza, profes- to social, sempre haverá um imsor titular de neurofisiologia da pacto”, completa a professora. Inimigo invisível – PimenUniversidade Federal de Minas Gerais, durante a 1.ª Conferên- tel, professor da UFMG, cia Municipal sobre Ruído, Vi- explica que, quando esbração e Perturbação Sonora, tamos expostos a um realizada no início da semana r u í d o exc e s s i v o , o corpo ativa o sistema na Câmara Municipal. “O barulho excessivo asso- nervoso, que o preciado a um sistema cardiovas- para contra o ataque de cular periclitante pode causar um inimigo invisível. O céreuma isquemia miocárdica (in- bro acelera e os músculos se farto) e outras complicações consomem sem motivo. “Dessa fordigestivas. Irma, os sintoritabilidade, mas secundástress e distúrr i o s a p a r ebios do sono A poluição sonora, cem, como aupodem ter reterceira principal mento de lação com ruípressão artedo, mas as causa de poluição rial, paralisapessoas não no mundo, é um ç ã o d o e s t ôsão alertadas problema de mago e do inem relação a saúde pública. testino, má irisso", explica ANA CLÁUDIA FIORINI, MÉDICA rigação da Ana Cláudia. pele e até "Às vezes, as pessoas já sofrem com esses mesmo impotência sexual. problemas e não sabem qual é Em longo prazo, esses distúrbios podem contribuir para o a causa”, completa. A perturbação do silêncio é a Alzheimer, derrame e até o terceira maior fonte de recla- Parkinson”, diz Pimentel. Organizado pelo vereador mação dos paulistanos, segundo a Ouvidoria Geral do Municí- Andrea Matarazzo (PSDB), o pio. Só perde para a qualidade debate foi concluído na última do atendimento dos órgãos quarta, dia internacional de municipais e para os problemas conscientização sobre o ruído. relacionados à jardinagem, co- O objetivo é sensibilizar dirigentes do poder público e a somo poda de árvores. Para Ana Cláudia, o ruído ciedade em geral acerca dos deve ser tratado como um pro- impactos negativos causados blema de saúde pública. “A po- por ruídos e vibrações sonoras luição sonora, terceira princi- na saúde humana. Matarazzo destacou a nepal causa de poluição no mun-

Bares: campeões das queixas.

Tina Cezaretti / Hype

Ana Cláudia Fiorini: barulho excessivo causa distúrbios na saúde. cessidade de rever a legislação e garantiu que o Plano Diretor ajudará a diminuir barulho em São Paulo. “O substitutivo do PDE prevê a elaboração de um mapa sonoro para diagnosticar o problema na Capital. Além disso, um grupo de vereadores já está mobilizado para modernizar a legislação a t u a l , q u e n ã o p re v ê , p o r exemplo, que o Programa de

Silêncio Urbano multe residências particulares que causam barulho”, afirmou o parlamentar. Durante a Conferência, foram discutidas legislações, políticas públicas, possíveis soluções e casos de sucesso que diminuíram a intensidade do barulho em outras cidades, como Fortaleza (CE), Valencia, na Espanha, e Almada, em Portugal.

Ouvido no Ruído. Há mais de quatro anos, Fernanda tenta conviver com as noites de insônia causadas pela barulheira das casas noturnas próximas à casa dela, na Lapa, na zona oeste da Capital. Fernanda já recorreu ao Psiu, à Polícia Militar (PM) e à Guarda Civil Metropolitana (GCM), e critica a competência dos órgãos. “Percebi que o barulho não é uma questão de polícia. Precisamos resgatar a sociedade e o espírito de coletividade, pois nós convivemos com o excesso (de barulho) e as pessoas têm que compreender isso”, observou. Carta – Em uma situação similar à de São Paulo, Fortaleza, no Ceará, saiu na frente e é a primeira cidade brasileira a ter uma Carta Acústica, que informa quais são as áreas mais barulhentas da cidade. Francisco Aurélio Chaves Brito, engenheiro e gestor ambiental da Secretaria do Meio Ambiente da Prefeitura de Fortaleza, foi o responsável pela implantação das normas, em 2009. “Levou tempo para que houvesse mudanças na legislação e até conseguirmos uma boa estrutura para a fiscalização. Começamos com três fiscais – um técnico e dois policiais. Hoje temos 400 pessoas envolvidas no processo, adquirimos novos aparelhos e, além disso, temos a população como parceira”, conta. Rosemary Cano, representante do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), definiu os principais desafios de São Paulo em relação ao tema. Para ela, é necessário subsidiar o Plano Diretor e apresentar um mapeamento de ruído da cidade como instrumento de planejamento de longo prazo. Também é preciso fortalecer o Psiu de forma institucional e agregar todos os projetos de lei que tratam do ruído. (M.M.)


DIÁRIO DO COMÉRCIO

10

quinta-feira e sexta-feira, 1 e 2 de maio de 2014

Sobre o GP Brasil de 1991 Faltando 20 voltas para o final, perdi a quarta marcha. Comecei a ter um desgaste maior. Daí perdi a quinta, a terceira e, faltando sete voltas, nada mais funcionava. Aí coloquei a sexta. Pensei comigo: lutei tanto... vai ter que dar, porque Ele é maior que todos. Deus me deu essa corrida." Ayrton Senna, vencedor da corrida.

Fotos Ale Vianna/EC

O eterno adeus a Ayrton Senna Alessandro Garofalo/Reuters

ãs e pilotos de Fórmula 1 d o m u n d o i n t e i ro lembraram ontem os 20 anos da morte do piloto brasileiro Ayrton Senna, vítima de acidente durante corrida no circuito de Ímola, na Itália, aos 34 anos. Uma das mais emocionantes homenagens a Senna foi feita por cerca de 20 mil pessoas em Ímola. Elas prestaram um minuto de silêncio na curva Tamburello às 14h17 (horário local), momento no qual a Williams do tricampeão atingiu o muro, naquele 1º de maio, enquanto liderava o Grande Prêmio de San Marino. O novato austríaco Roland Ratzenberger havia morrido no dia anterior, quando bateu em prova de classificação. O circuito próximo da cidade de Bolonha foi aberto ao público como parte de uma série de homenagens programadas em Ímola para Ayrton Senna, incluindo uma partida de futebol e a nomeação de uma praça, durante os próximos dias. Uma missa, à qual compareceram os pais de Ratzenberger, foi realizada na noite de

F

Inauguração: estádio está pronto para a abertura da Copa.

Operários dão o pontapé inicial no Itaquerão relógio marcava 10h12 de ontem quando o expresidente corintiano Andrés Sanchez, responsável pelas obras do Itaquerão, deu o pontapé inicial para o primeiro jogo na nova casa do Corinthians. A partida foi disputada pelos funcionários de Guerreiros Odebrecht 1 e Odebrecht 2. Os times reuniram operários, técnicos e engenheiros

O Vinte anos depois, em Tamburello: milhares de fãs vão ao local onde ocorreu o acidente em maio de 1994.

quarta-feira. A missa foi celebrada pelo capelão da Fórmula 1, Sergio Mantovani, que já exercia essa função em 1994. "O Senna sempre rezava antes das corridas. Não consigo acreditar que já faz 20 anos... Eu estava lá quando o acidenPaulo Whitaker/Reuters te ocorreu e me lembro de conversar com ele antes da corrida", disse o capelão. "É muito comovente para nós, porque faz muito tempo e mesmo assim o Em São Paulo, visita ao túmulo de Senna.

amor das pessoas está muito vivo", disse Paula, sobrinha de Senna, representando a família. "Parece que o Ayrton está vivo nos corações das pessoas", acrescentou. Fe rn a n d o A l o n s o e K i m i Raikkonen, os pilotos atuais d a Fe rr a r i , a s s i m c o m o Gerhard Berger, ex-colega de Senna na McLaren, estavam entre os presentes na pista em Ímola. Senna deveria seguir para a Ferrari. As mídias sociais foram inundadas de mensagens. "Acho que Senna estabeleceu o padrão para todos os pilotos, e com certeza foi o melhor de sua geração", disse o bicampeão Alonso. No Brasil, o cemitério do Mo-

rumbi recebeu muitas visitas desde o início da semana. São pessoas comuns que têm Senna ainda no coração. Sem nenhum evento oficial programado para ontem, o destino dos fãs foi a sepultura do piloto brasileiro em São Paulo. Futebol – A exposição "Senna Emotion", que retrata toda a vida do piloto, percorreu alguns shoppings do Rio de Janeiro e se encontra em Ribeirão Preto (SP). O Corinthians fez uma homenagem ao piloto. O time entrou em campo com réplicas de seu famoso capacete amarelo, verde e preto, antes do início de partida com o Nacional de Manaus na quarta. (Agências)

que trabalharam na obra. Esse foi o primeiro evento do palco de abertura da Copa do Mundo, dia 12 de junho. Foi prestado um minuto de silêncio pela morte de três funcionários, Fábio Luiz Pereira, Ronaldo Oliveira dos Santos e Fabio Hamilton da Cruz. E também ao ídolo Ayrton Senna, morto há 20 anos e que era torcedor do Corinthians. Um padre abençoou o estádio.(EC)

Vai Corinthians: a bola já rola na nova casa do timão.

Divulgação

TORCEDORES DAS BANANAS O veterinário Felipe Flackman, 35 anos, que tem sua clínica em Petrópolis (RJ), é especializado em animais selvagens. Portanto, entende de primatas. Por essa ótica, ele examina o procedimento de torcedores racistas que estão atirando bananas para hostilizar jogadores negros. Metrópole – Por que o senhor diz que os atiradores de banana são pouco inteligentes? Felipe Flackan – Também são mal informados. Quando fazem a comparação com macacos, ignoram que eles – como toda a humanidade – são originários do mesmo ancestral dos primatas, conforme já atestou a ciência. Aliás, a ciência já enterrou a ideia de superioridade racial. Portanto, além de estarem desqualificando a si próprios, os racistas estão mal informados. O genoma humano e o do chimpanzé são iguais em 99,5%. Não tem jeito: um sujeito louro e de olhos azuis vêm de lá; idem para um oriental. A aproximação é de tal ordem que um primata, o bonobo, adota a posição ereta e tem relações sexuais tipo ‘papaimamãe’, como os humanos.

De onde vem essa associação entre macacos e bananas? Felipe Flackan –Também é outra distorção. Nasceu, segundo os registros, com as grandes plantações de bananas na América Central, principalmente na Costa Rica, no século XIX. Os exploradores europeus viram aquela banana toda e a variedade de primatas que não havia na Europa, e passaram a fazer a associação, colocando a fruta como predileção prioritária do animal. No entanto, a banana entra na dieta dos macacos como qualquer outra fruta. Essa decantada predileção é fantasiosa. O principal prato de gorilas, por exemplo, são as folhas. Primatas gostam tanto ou mais de insetos quanto frutas. Adoram baratas. Comem néctar, mel, seiva de árvores...

Felipe Flackan: racistas são mal informados.

NO OVO DA SERPENTE rapaz que atirou a banana para o jogador Daniel Alves comer, identificado como David Campayo Lleo, 26 anos, provavelmente nunca ouviu falar do francês Joseph Arthur de Gobineau (1816-1882), nem do suíço Jean Louis Rodolphe Agassiz (1807-1873), muito menos do inglês Houston Stewart Chamberlain (18251927). No entanto, eles foram os principais difusores das ideias de supremacia racial que movimentaram o arremesso de Davi. Aparentemente, o mais influente deles foi Gobineau, autor do livro Ensaio Sobre a Desigualdade das Raças Humanas (1855), que inspiraria Stewart Chamberlain a escrever Os Fundamentos do Século XX (1899), celebrando a raça ariana, da qual a Alemanha era sua representante máxima. Esta obra se tornaria o manancial dos princípios da supremacia racial que nortearam Adolf Hitler

O

(1889-1945). Por tabela, fez a cabeça de Alfred Rosenberg (1893-1946), que viria a ser a fina flor do Nazismo como teórico do Nacional-Socialismo, conselheiro e ministro do Fuherer. Acabou pendurado numa forca em Nuremberg. O naturalista Agassiz, o terceiro personagem dessa galeria,

Jean Louis Rodolphe Agassiz

propagou em diversos ensaios, palestras e em qualquer ocasião que tivesse oportunidade, a inferioridade racial dos negros e os riscos da miscigenação. Esteve no Brasil em 1865, comandando uma expedição científica. E deixou consignada a seguinte observação: “Aqueles que colocam em dúvida os efeitos perniciosos da mistura de raças e são levados, por falsa filantropia, a romper todas as barreiras colocadas entre eles, deveriam vir ao Brasil”. Por coincidência, Gobineau também esteve por aqui, entre os anos de 1860/70, como ministro diplomático do seu país, algum cargo de chancelaria que deve ter sido extinto. Ambos, ele e Agassiz, se tornaram amigos de Dom Pedro II que, como sabemos, era facilmente seduzido por cientistas, assim como não conseguia resistir a um bom invento. Trocaram correspondência ao longo dos

Joseph Arthur de Gobineau anos. Felizmente, como atestam os registros históricos, o bom Pedro não foi afetado pela pregação da dupla. Os caminhos da História são caprichosos. Gobineau foi secretário do historiador Alexis de Tocqueville e, Agassiz, do

cientista-explorador Alexander Von Humboldt (1769-1859). Nada aprenderam com seus chefes, que eram liberais e, sobretudo, sensatos em pensamentos, palavras e obras.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 1 e 2 de maio de 2014

11

Jampal de Cheleiros A ÁFRICA BEBE

s olhos de André Manz brilham quando fala da Jampal, a uva que cultiva na bucólica vila de Cheleiros, ao norte de Lisboa, bem perto de Mafra. Quando comprou a vinha, nos idos de 2004, insistiam para que ele substituísse a Jampal por outra casta, alegando que a produção da variedade era fraca, o que tornava o vinho dispendioso, mas não menos atraente. Mas ele apostou na Jampal, variedade praticamente abandonada e a caminho da extinção. E é hoje o único em todo o mundo a produzir um vinho varietal com a casta. O perfumado branco Manz Cheleiros Dona Fátima em pouco tempo de vida já integra a lista dos 50 melhores vinhos de Portugal da renomada crítica inglesa Julia Harding. A experiência de trabalhar com a casta autóctone levou o empresário a produzir vinhos com Castelão e Aragonez, também tradicionais, no Alto Douro (Cimocorgo) e também na vizinha Península de Setubal (Palmela). André Manz, brasileiro de Caraguatatuba, especialista em fitness, nada conhecia de uvas até mudar-se com a família para Portugal, há 10 anos. Ao se deparar com um vinhedo abarrotado de cachos, não demorou para cercar-se de bons enólogos e desenhar seu sonho vitivinícola. O Projeto Biomanz tem justamente a missão de recuperar terreno para a Jampal, casta que tomava conta das ensolaradas, íngremes e pedregosas encostas de Cheleiros e que, no século XIX, esteve no centro da sua principal atividade econômica. O primeiro passo foi a recuperação do vinhedo. Seguiu-se a certificação da vinha pelo Instituto Nacional de Investigação Agrária, com clones também atestados que garantem o crescimento do cultivo

O

s sul-africanos estão bebendo, em média, 7 litros de vinho por pessoa, por ano, segundo dados da revista Wineland. Esse volume, na mesma faixa dos japoneses e americanos, tem tudo a ver com o crescimento do número de profissionais voltados à educação dos consumidores, por meio de degustações orientadas e via internet. As lojas físicas ainda são a base das vendas, mas a CyberCellar.com faz sucesso crescente com seus 3.800 rótulos.

O

TODAS AS UVAS ão há trabalho mais completo e instigante sobre o universo das uvas viníferas que o compêndio Wine Grapes (Ecco/2012) da crítica inglesa Jancis Robinson, editado em parceria com Julia Harding e o especialista em biogenética, Dr. José Vouillamoz. São 1.200 páginas com a descrição de 1.368 variedades, - todas ainda vinificadas mundo afora. A maior novidade são os gráficos que traçam prováveis parentescos entre elas. A Jampal de Chaleiros está lá. www. jancisrobinson.com/categories/wine_grapes.html

N

da Jampal. Levantamento de 2010 apontava 106 hectares da variedade no país. O engenheiro Eiras Dias, do INIA, é um entusiasta de projetos que valorizam as castas antigas portuguesas e autor da certificação da Jampal da Manzwine. Ao projeto vinícola, seguiu-se a integração da Manzwine com a vila e sua população. André transformou as ruínas da velha escola de pedra na sua adega, batizada de “lugar do vinho”. E um antigo lagar, onde uvas eram tradicionalmente pisadas, ganhou um museu com objetos e a história do vinho de Cheleiros. Além do vinho branco Jampal, perfumadíssimo, fresco, com boa acidez, amanteigado, já encontrado no Brasil, essas instalações da Manzwine são atrações de um roteiro turístico pela região, passeio que deve incluir tanto a capela manuelina do século XVI quanto a ponte medieval e, nas vizinhanças, o Palácio Nacional de Mafra.

No alto, a ponte medieval de Cheleiros, no roteiro de vinícola de André Manz

José Guilherme R. Ferreira é membro da Academia Brasileira de Gastronomia e autor de Vinhos no Mar Azul – Viagens Enogastronômicas (Editora Terceiro Nome)

UM TRÁGICO NOS TRÓPICOS: TRAJETÓRIA DE IBERÊ CAMARGO. CCBB. RUA ÁLVARES PENTEADO, 112. TEL.: 3113-3151. GRÁTIS.

GASTRONOMIA Fotos: Divulgação

TELEVISÃO Bar do Berinjela: casadinho lusitano.

A bênção, Cartola.

Amigo Leal: bolinho recheado de joelho de porco.

ocumentário mostra a trajetória do compositor carioca Cartola (Angenor de Oliveira, 1908-1980). Na história da música brasileira, ele está inscrito como um dos nossos maiores sambistas. Nascido no Catete, mudouse ainda criança para Laranjeiras,

D

onde passou grande parte da vida. Autor da belíssina As Rosas Não Falam, é conhecido e cultuado como um dos fundadores da Escola Estação Primeira de Mangueira. No documentário, forte presença de Paulinho da Viola. Canal Arte 1, sexta (2), 17h20.

Marcelo Grassmann Nação Nordestina: minicoxinhas de abóbora.

Bar Birô: pastéis de cassoulet.

Comida di Buteco Lúcia Helena de Camargo té o dia 11 segue em cartaz na Cidade o Festival Comida di Buteco. O lema desta edição é “Mais Amor e mais Buteco, Por Favor!” O evento acontece simultaneamente em 16 cidades brasileiras. Em São Paulo, participam 50 bares, oferecendo tira-gostos criados para o festival. A organização fez questão de dividir os estabelecimentos igualmente em cada região da cidade: são dez botecos em cada área (zona norte, centro, zona sul, zona leste e zona oeste). Nesta edição os botecos puderam escolher livremente os ingredientes das receitas. Houve apenas a orientação de que o

A

petisco pudesse remeter à cozinha de raiz. A dinâmica do concurso segue igual às outras edições. Cada participante criou um petisco para concorrer. O público e um corpo de jurados visita os botecos e vota. A média entre os quesitos avaliados garante o resultado da premiação. O Instituto de Pesquisas Vox Populi é o responsável pela apuração dos votos nas 16 cidades. No ano passado, 480 mil pessoas votaram no festival. E foram vendidos 380 mil tira-gostos. A expectativa da organização é superar esses números. A receita para realização do Comida di Buteco vem de patrocínios e apoios. A Heineken é a

cerveja oficial e o concurso conta também com o patrocínio das marcas Lays, Sky e Trident, e apoio de Doritos, azeite Gallo, Philadelphia, Frank’s RedHot , Abrasel, Hotel Dan Inn, SP Turis e Bares SP. Entre os petiscos, há as mini coxinhas de abóbora com pernil e maionese de milho (R$18 a porção) do bar Nação Nordestina, da Vila Maria; o bolinho recheado com joelho de porco, chucrutes e creme de maionese (R$5 cada) do Amigo Leal, que fica no Centro; e pastelzinho de cassoulet (R$24,90 a proção) do Bar Birô (Vila Mariana), que consiste em oito unidades de pasteizinhos recheados de feijão branco, tempera-

dos com carnes diversas e acompanhados de molho de pimenta. Um representante da zona leste é o Bar do Berinjela, no Tatuapé, que prepara o casadinho lusitano (R$28): trouxinhas com lascas de bacalhau e bolinho de alheira, empanado com farinha de milho. Agora é só escolher o bar. Com amor. Concurso Comida di Buteco 2014. Até 11 de maio. Endereços e descrições de todos os petiscos no site www.comidadibuteco.com.br Fa c e b o o k : w w w. f a c e b ook.com/ComidadiButeco Twi tt er: w ww.t wi tt er.c om /c omidadibuteco

85 obras de Marcelo Grassmann (1923-2013) compõem uma exposição do mestre da gravura. Estação Pinacoteca. Largo General Osório, 66. Tel.: 3335-4990. Terça a domingo e feriados, 10h às 18h. R$ 6. Grátis aos sábados e a partir das 17h às quintas.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

12

quinta-feira e sexta-feira, 1 e 2 de maio de 2014

Pantera

Morcegos

Linhas em movimento Usando o padrão moiré (que representa a interferência de linhas em movimento), o designer Andrea Minini consegue criar imagens de animais quase abstratas.

Gorila

Cobra

http://goo.gl/v4ovLx

.A..DMINISTRAÇÃO

.E..SCULTURA

As multinacionais caíram no samba A

Em 1737, o artista Ch'en Tsu-chang esculpiu neste caroço de azeitona um barco com oito figuras. Segundo o Museu do Palácio Nacional da China, a obra é inspirada em um poema de Su Shih. http://goo.gl/WTRn3o

.C..IÊNCIA

Implante cerebral pode salvar memória Para ajudar 300 mil soldados dos EUA que sofreram lesões cerebrais graves no Afeganistão e no Iraque, a Agência de Investigação de Projetos Avançados de Defesa investirá US$ 100 milhões

numa implante cerebral que deve funcionar como estimulador de memória. Caso tenha sucesso, o projeto poderá beneficiar, também, pessoas que sofrem do Mal de Alzheimer.

rência em um hotel da capital paulista, para mais de 800 profissionais do setor automotivo, o mestre colocou os funcionários para fazer samba. Em ação – Mais acostumados às exigências trabalhistas do que ao movimento dos quadris, os trabalhadores tiveram que assumir o desafio de formar uma escola de samba em 10 minutos. Divididos em grupos de cinco, aprenderam a tocar em tempo recorde um instrumento, seguindo as diretrizes dos músicos do mestre. "O objetivo é fazer com que eles consigam se superar. Às vezes, as metas são mais agressivas e podem gerar in-

segurança. Tudo é possível, inclusive montar uma escola de samba em 10 minutos", comenta Adamastor, que já trabalhou com empresas como Petrobras e Louis Vuitton. Após a preparação em salas separadas, os trabalhadores voltaram a se reunir para desfilar como uma autêntica e improvisada escola de samba. Embora essas aulas possam parecer algo distante da realidade da maioria dos trabalhadores, o Mestre Adamastor ressalta ter realizado 167 dinâmicas de grupo somente em 2013, ano em que trabalhou com 30 mil participantes de diversas empresas.

Segundo o mestre, em mais de dez anos de carreira ele já levou seu samba para cerca de 700 companhias, sendo que o preço das dinâmicas pode variar de R$ 4 mil a R$ 100 mil, dependendo da quantidade de pessoas e da capacidade econômica da empresa. "A diferença entre uma escola de samba e uma grande empresa é que, na escola, as pessoas se sentem como se estivessem em casa e se entregam voluntariamente. Por que isso não ocorre nas empresas? É necessário que os trabalhadores se envolvam e isso é o que buscamos", explica o mestre. (EFE)

Ueslei Marcelino/Reuters

Um poema em uma azeitona

paixão dos brasileiros pela música e pelo samba fez com que algumas multinacionais radicadas no País se rendessem às palestras do Mestre Adamastor. Há mais de uma década, ao ritmo dos tambores, repiques, caixas e pandeiros, o mestremostra como "promover uma mudança no comportamento através da emoção". "A atividade não é festa por festa, mas a transmissão de uma mensagem de superação e esforço sem perder a alegria. É preciso fortalecer a motivação para conseguir alcançar bons resultados", explica. Após várias horas de confe-

.M..EIO AMBIENTE

A bicicleta que purifica o ar

http://goo.gl/XE2AGl

.C..OMÉRCIO

s

Que bicicletas elétricas não são poluentes é óbvio, mas este modelo faz mais pelo ambiente ao filtrar o ar e liberar oxigênio por onde passa. Imagine uma cidade com várias dessas nas ruas.

FÉ - Planaltina (DF) celebrou ontem, no Vale do Amanhecer, o Dia do Doutrinador Espiritual. Os fiéis seguem a doutrina de Tia Neiva, que tem mais de 400 templos e 300 mil médius pelo mundo.

.T..ECNOLOGIA

Pãozinho via drone A padaria Pão To Go, de São Carlos (SP) já testou o uso de um drone (aeronave não tripulada) para entregar pães. O drone não aterrissa na casa do comprador, mas solta a encomenda a, no máximo, 3 metros de altura numa embalagem que não danifica a mercadoria. A taxa de entrega é de R$ 2. Os primeiros testes foram satisfatórios, mas para

colocar a novidade em prática a padaria aguarda a autorização do governo. Ainda não existe no Brasil uma lei que regulamente o uso desse tipo de aeronave. A autorização já foi solicitada e é aguardada uma regulamentação pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). A ideia foi inspirada no serviço da Amazon.

Energia do futuro O Alasca é o primeiro lugar do mundo a testar uma tecnologia que promete aumentar a oferta de energia eólica em locais remotos do planeta. Conhecida como BAT, essa turbina foi criada para operar a 300 metros de altura, onde o vento é de cinco a oito vezes mais potente. Além de eletricidade, a estrutura fornece internet wi-fi e sinal de telefonia celular no local. www.altaerosenergies.com

.M..ÍDIA

Liberdade de imprensa em queda A liberdade de imprensa caiu no mundo segundo relatório da organização Freedom House. Dos 197 países avaliados em 2013, apenas 32% são "livres", 35% "parcialmente livres" e 33% "sem liberdade". O Brasil se encontra no nível intermediário.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 1 e 2 de maio de 2014

Micro e pequenas, estrelas no Congresso.

Silvia Pimentel Câmara dos Deputados deve votar neste mês dois importantes projetos que visam melhorar o ambiente de negócios das micro e pequenas empresas. Na próxima terça-feira, está marcada a apreciação do Projeto de Lei Complementar 221, que atualiza em vários pontos a Lei do Simples Nacional (Lei Complementar 223). Os deputados também devem analisar, ainda sem data prevista, o Projeto de Lei do Senado 323, que restringe o uso da substituição tributária para o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) nas saídas destinadas a contribuintes optantes pelo regime do Simples, que é uma reivindicação antiga desde que os Estados banalizaram o uso desse mecanismo para controlar a arrecadação. Resultado de uma intensa negociação com o Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), o projeto do Senado deve aliviar a carga tributária das microempresas e empresas de pequeno porte. Pelo texto aprovado, uma lista extensa de produtos comercializados pelo segmento ficará fora da sistemática do pagamento antecipado do tributo estadual – essência do mecanismo da substituição tributária. Nessa lista, constam, por exemplo, brinquedos, instrumentos musicais, produtos de colchoaria, produtos fonográficos, bicicletas, material de construção, material de limpeza, alguns produtos alimentícios, papelaria, produtos eletroeletrônicos, eletrodomésticos, máquinas, aparelhos e ferramentas, entre outros. O relatório preparado pelo senador Armando Monteiro (PTB-

13

A

A substituição tributária, aprovada no Senado, segue para a Câmara; e a Câmara vota na terça-feira o projeto que amplia o Simples Nacional.

PE) cita um estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV), que estima em R$ 1,7 bilhão as perdas para as micro e pequenas empresas, em 2008, decorrentes da substituição tributária. A ampliação dessa modalidade de cobrança reduz, na prática, os benefícios do tratamento diferenciado das microempresas, previsto na Constituição e na Lei Complementar 123/2006. Para chegar a um consenso e evitar que a proposta seja modificada na Câmara dos Deputados, o relatório acatou duas emendas, que reduziram o universo de produtos que ficariam de fora, Newton Santos/Hype

Ordine, vicepresidente da ACSP, destaca que as mudanças na lei reduzirão a burocracia: prazo de fechamento das empresas cai para 5 dias.

pois trariam mais impactos aos cofres dos Estados. Estima-se que 30% da arrecadação dos estados são provenientes da aplicação da substituição tributária. A aprovação da matéria no Senado, somada às alterações de última hora no texto e ao atraso do início da sessão mudou o curso da votação do Projeto de Lei Complementar 221, que acontecia na Câmara dos Deputados. Essa proposta também trata da substituição tributária, mas é mais abrangente porque propõe que atividades de serviços, hoje vetadas pela legislação, sejam incluídas no Simples Nacional. É a chamada universalização do regime tributário. Na Câmara, as negociações foram intensas. De acordo com o relator, Cláudio Puty (PT-PA), na última hora, foram encaminhados pedidos da Receita Federal para a alteração no texto relativa às atividades que teriam sinal verde para ingressarem no Simples. O fisco exigiu uma lista específica de atividades e, além disso, uma ta-

Tabelas do Simples Nacional serão revisadas O Gabriela Korossy/Ag. Camara

ministro nas duas casas Guilherme legislativas para melhorar o Afif Domingos, da ambiente de Secretaria da Micro negócios das micro e Pequena Empresa, e pequenas confirmou que o empresas, Afif disse que houve avanços governo deve enviar ao Congresso, num nas negociações e prazo de 90 dias, um que o Projeto de Lei Complementar 221, projeto de lei que vai tratar da revisão das que será votado na tabelas do Simples próxima terça-feira na Câmara dos Nacional. De acordo com o ministro, o Deputados, traz atual valor do teto alterações de faturamento do profundas, além da Simples, que hoje é universalização do Simples Nacional. A de R$ 3,6 milhões, não é o principal parte do texto que problema das micro trata da substituição Afif: forte pressão dos governos estaduais. tributária, que prevê e pequenas empresas, e sim o que ele uma mudança mais radical das faixas intermediárias chama de "miolo" da nessa sistemática, das tabelas do Simples, tabela. segundo ele, deverá ser com base em estudos idêntica ao projeto "O problema maior é minuciosos realizados quando a empresa atinge aprovado pelo plenário do pelo Ministério da um faturamento anual na Senado, sob o risco de ser Fazenda, a Secretaria da alterado e sofrer atraso na faixa entre R$ 1 milhão e R$ Micro e Pequena Empresa, 1,2 milhão. É uma transição o Sebrae, a Fipe, FGV-RJ e a votação nas duas casas radical e o momento em legislativas. "O texto do Fundação Dom Cabral. "A que muitas empresas Senado foi ideia é suavizar essa param de crescer por conta exaustivamente passagem de modo que a negociado com o Confaz, do aumento da carga empresa não tenha medo tributária", explicou. pois houve forte pressão de crescer", afirmou. O projeto contemplará dos governadores", disse. Sobre o andamento das (SP) uma revisão dos valores propostas que tramitam

bela especial, com alíquotas maiores do que as tabelas atuais do Simples. Assim, cerca de 140 novas atividades deverão constar do texto que será apresentado na terça-feira. São elas: jornalistas, consultores, corretores de imóveis, advogados, academias de ginástica, entre outras. Para obter um consenso, o parlamentar recuou da intenção de propor um reajuste de 20% no teto de faturamento, que hoje é de R$ 3,6 milhões. Mas houve um compromisso

do governo de que enviaria, em 90 dias, um projeto de lei propondo uma revisão na tabela do Simples e uma regra de transição para suavizar o impacto tributário causado pela migração de faixas de faturamento (texto abaixo). No texto que será apresentado na terça, Claudio Puty vai propor, entretanto, um reajuste na tabela dos Estados que usam sub-limites. Alguns estados, por exemplo, impõem um limite que representa 50% do limite nacional. É o caso do Pará.

Há uma resistência dos Estados, mas o parlamentar informou que deverá enfrentar essa questão. Em entrevista feita à Rádio Câmara, o relator informou que apresentará na terça um relatório enxuto, que representa um acordo com o governo federal e o Confaz. Para o vice-presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), Roberto Mateus Ordine, que esteve em Brasília para acompanhar a votação na Câmara, ainda que haja uma majoração na tabela do Simples, desde que implique numa carga menor que a atual, já é um avanço. “Entre chuvas e trovoadas, virá a bonança. As micro e pequenas empresas serão fortalecidas com as propostas em discuss ã o”, afirmou. Ele adiantou que a parte do texto que trata da desburocratização do segmento não sofre qualquer resistência e será um grande avanço para o setor caso seja aprovado. “O fechamento de uma empresa será feito em cinco dias, resolvendo um problema gravíssimo enfrentado pela micro e pequena empresa”, disse.


14

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 1 e 2 de maio de 2014


quinta-feira e sexta-feira, 1 e 2 de maio de 2014

DIÁRIO DO COMÉRCIO

15

Outro mês de liderança para a Bolsa Com ganho de 2,40% em abril, foi o melhor investimento do mês; no lado oposto ficaram as principais moedas internacionais, por causa da valorização do real. Rejane Tamoto ob o os ventos das expectativas sobre a eleição presidencial brasileira, a bolsa de valores encerrou mais um mês no azul, com ganho de 2,40% em abril e liderou o ranking de investimentos do mês. No acumulado do ano, porém, o Ibovespa acumula um tímido retorno de 0,23%. O que mais influenciou as bolsas e os investidores - sempre muito sensíveis a situações que consideram perigosas foi o impasse na Ucrânia e o receio de invasão pela Rússia. "As bolsas no exterior iam b e m a t é e s s a s i t u a ç ã o. A maioria dos mercados acionários acabou apresentando grandes oscilações, com retornos em dólares na faixa de –2% a 5%", afirma o administrador de investimentos Fabio Colombo. Além do cenário externo, o investidor acompanhou as pesquisas que medem a popularidade da presidente Dilma Rousseff. "A bolsa brasileira tem reagido de acordo com o aumento da popularidade dos candidatos da oposição. O mercado mostra que quer modificações na política econômica. Não que elas não possam ser realizadas pela atual presidente. Mas, se a oposição crescer nas pesquisas, as ações da Petrobrás e de empresas do setor elétrico devem subir. Então, o pessoal está realocando os recursos", avalia. Colombo diz que, por causa da alta do Ibovespa, recomenda a venda gradativa e parcial da carteira de ações.

S

Brasil no pelotão da frente do PIBmundial economia do Brasil representava 3,1% da produção global em 2011, segundo um novo estudo do Banco Mundial, que usa como base para a comparação entre os PIBs dos países a paridade do poder de compra (PPC), em vez da taxa de câmbio de mercado. Pelo PPC, o Brasil é a 7ª maior economia do mundo, enquanto que pelo câmbio de mercado fica na sexta colocação, empatado com o Reino Unido, com uma fatia de 3,5% do PIB global. O PIB brasileiro é calculado pelo Banco Mundial em R$ 4,1 trilhões, ou US$ 2,8 trilhões com base no PPC e US$ 2,5 trilhões usando o câmbio de mercado. O PIB per capita brasileiro fica em US$ 14.639,00 e US$ 12.874,00, respectivamente. A população brasileira, de 192,38 milhões, representa 2,9% de todos os habitantes do planeta. Já na América Latina, cujo PIB é de US$ 4,9 trilhões (5,5% da economia global), o Brasil representa 57%. Segundo os dados do

A

Banco Mundial, o Brasil tem diminuído sua distância em relação aos países mais ricos. Em 2005, o PIB brasileiro representava 12,8% do PIB dos Estados Unidos, que são a maior economia do mundo. Em 2011, o porcentual subiu para 18,1%. Outros emergentes, no entanto, avançam ainda mais rápido. Nesse mesmo período, o PIB da Índia passou de 18,9% para 37,1% em relação ao PIB norte-americano. A Índia é um dos destaques do estudo. Usando a metodologia do PPC, o Banco Mundial classifica a economia indiana como a 3ª maior do mundo, superando o Japão e ficando atrás apenas de EUA e China. Os chineses também estão se aproximando dos norteamericanos, com a economia do gigante asiático equivalendo a 86,9% do PIB dos EUA em 2011, de 43,1% seis anos antes. Juntando, as seis maiores economias emergentes (China, Índia, Rússia, Brasil, Indonésia e México)

representam 32,3% da economia global, quase os mesmos 32,9% dos seis maiores países desenvolvidas (EUA, Japão, Alemanha, França, Reino Unido e Itália). Combinados, esses 12 países têm 59% da população mundial e quase 66% do PIB. Apesar de terem sido analisados 199 países, apenas 172 – que têm dados completos – entraram no ranking do Banco Mundial. Considerando todos eles, o PIB global é de US$ 90,6 trilhões e o PIB per capita de US$ 13.460,00 (PPC) ou US$ 10.438,00 (câmbio de mercado). O Banco Mundial divide os países em três grupos: renda baixa (PIB per capita abaixo de US$ 1.025,00) – 56 países, com 11% dos habitantes do planeta e participação de 1,5% no PIB global; renda média (entre US$ 1.026,00 e US$ 12.475,00) – 84 países, com 72% e 48,2% respectivamente e renda alta (acima de US$ 12.475,00) – 32 países, 17% e 50,3% respectivamente. (Estadão Conteúdo)

Bancos médios estão bem na foto s principais bancos médios brasileiros estão prontos para lidar com o atual cenário de compressão das margens de lucro resultante da fraca atividade econômica e de custos de captação maiores com a elevação da taxa básica de juros, afirmou nesta quarta-feira a agência de classificação de risco de crédito Fitch. A conclusão é baseada em pequisa feita com cinco bancos, cujos ativos totais representam pouco mais de 1% do Produto Interno Bruto (PIB) do País. "A Fitch está confortável com o perfil de crédito dos

O

principais bancos médios do País", disse Maria Rita Gonçalves, diretora sênior responsável por instituições financeiras da América Latina,. Segundo ela, os bancos analisados têm conseguido conciliar objetivos estratégicos, o apetite de risco e a rentabilidade com o fortalecimento de suas franquias e a adequação dos modelos de negócios ao seu porte menor. Mas o fraco crescimento da economia deve seguir comprimindo margens, devido às incertezas quanto à inadimplência futura das

empresas, avalia Maria Rita. De forma geral, os bancos têm mantido boa disciplina na gestão do ativo e passivo, e posições de liquidez e capital confortáveis e suficientes para absorver os efeitos negativos recentes sobre as margens. "Por isso, não espero que haja uma compressão significativa nos índices capitalização destes bancos que se torne um limitador para o crescimento a médio prazo", disse ela, evitando comentar de imediato das cinco instituições avaliadas. (Reuters)

FALÊNCIA, RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL E RECUPERAÇÃO JUDICIAL Conforme informação da Distribuição Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, foram ajuizados no dia 30 de abril de 2014, na Comarca da Capital, os seguintes pedidos de falência, recuperação extrajudicial e recuperação judicial: Requerente: Banco Sofisa S/A. Requerido: Eversystems Informática, Comércio, Representação, Importação e Exportação Ltda. Rua Pensilvânia, 235 – Brooklin - 2ª Vara de Falências. Requerente: Leograf Gráfica e Editora Ltda. Requerido: Lemar Livraria e Editora Marina. Rua Doutor Joaquim Augusto de Camargo, 258 – Parque Boturussu - 2ª Vara de Falências. Requerente: Krominox Aços e Metais. Requerido: Centroprojekt do Brasil S/A. Rua Alexandre Dumas - Quadra 22.002 – Chácara Santo Antônio (Zona Sul) - 2ª Vara de Falências.

Recuperação Judicial Requerente: JMF Hardware Prestação de Serviços Ltda. EPP. Requerido: JMF Hardware Prestação de Serviços Ltda. EPP. Rua Asdrubal do Nascimento, 204 – Bela Vista - 1ª Vara de Falências.

Do lado oposto da Bolsa, isto é, na lanterna do ranking ficaram as principais moedas internacionais, por causa da valorização do real. O dólar caiu 1,5% em abril e 5,22% no ano. O euro teve queda de 0,74% no mês passado e, no acumulado do ano, apresenta perdas de 4,71%. Por ser cotado em dólar, o ouro também registrou prejuízo de 2,07% no mês passado e, no ano, ainda segue com rentabilidade de 1,71%. Destaques na renda fixa– O aumento da pressão sobre a inflação manteve elevada a expectativa de continuidade do ciclo de alta dos juros, o que fez com que algumas aplicações em renda fixa ocupassem as primeiras posições do ranking elaborado por Colombo. Nos primeiros quatro meses deste ano, os títulos públicos indexados ao IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), ofereceram retorno de 4,90%, o maior na comparação com as outras aplicações em renda fixa. Esse rendimento médio é para quem manteve o título em carteira e não considera a oscilação do cupom de juros. Em abril, esses papéis também tiveram um bom desempenho, com rendimentos brutos na faixa de 1,15% a 1,30%, de acordo com o prazo do papel. Esses títulos pagam a variação da inflação medida pelo IPCA e mais uma taxa de juros. Segundo Colombo, o cupom de juro oferecido por esses papéis ficou estável em abril, na faixa de 6% a 6,5% ao ano. "Com o IPCA de abril projetado em 0,79%, a rentabilidade do título deverá ser boa".

Outra aplicação que se destacou no mês passado foi o fundo de renda fixa puro, que ofereceu ganho bruto de 0,95% a 1,10%, dependendo da carteira e da taxa de administração. A rentabilidade foi maior do que a inflação medida pelo IGP-M de 0,78% em abril. No ano, os fundos de renda fixa puros também ganharam deste índice de preços, com rendimento bruto médio de 3,73%, acima do IGP-M de 3,35%. No entanto, a perspectiva é que os fundos de renda fixa continuem com resultados voláteis por causa da marcação à mercado (atualização diária do valor dos ativos em carteira), que acompanha as expectativas de aumento da taxa Selic para combater a inflação. No mês passado, essa aplicação rendeu mais do que os fundos DI, que tiveram ganhos brutos na faixa de 0,75% a 0,90% dependendo da taxa de administração. No ano, o fundo DI ofereceu retorno bruto médio de 3,29%. Desempenho similar tiveram os CDBs (Certificado de Depósitos Bancários), com remuneração indicativa na faixa de 0,70 a 0,85%, dependendo do valor investido e do risco de crédito da instituição emissora. No ano, o retorno do CDB foi de 3,15%. Ainda assim, foi melhor do que a poupança, que perde cada vez mais a atratividade em um cenário de alta da Selic. A caderneta teve o retorno mais baixo na renda fixa, segundo o ranking. Em abril, o re n d i m e n t o l í q u i d o f o i d e 0,55%; no acumulado do ano, 2,26%.

Pentágono S.A. Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários CNPJ 17.343.682/0001-38 - Relatório Anual de Agente Fiduciário Encontra-se à disposição dos Srs. Investidores o relatório anual das emissões de Debêntures e Certificado de Recebíveis Imobiliários em que a Pentágono atuou como Agente Fiduciário no exercício social findo em 31.12.2013, nos termos e forma do artigo 68, § 1º, b da Lei nº 6.404/76 e artigo 12, XVII, XVIII e XIX da Instrução CVM 28/83. Este anúncio é de caráter exclusivamente informativo, não implicando em qualquer recomendação de investimento. Pentágono S.A. DTVM. PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PEDRO/SP

AVISO DE LICITAÇÃO Comunicamos que está aberta a Licitação relacionada abaixo: MODALIDADE: Pregão Presencial 036/ 2014. PROCESSO: 782/2014. OBJETO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA FORNECIMENTO DE EQUIPAMENTOS ELETROELETRÔNICOS E MOBILIÁRIO PARA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO - UPA. INÍCIO DA SESSÃO PÚBLICA: 15/05/2014, às 09:00 horas, na sala de Licitações da Prefeitura do Município de São Pedro, sita à Rua Valentim Amaral, n° 748, Centro, São Pedro/SP. O edital completo encontra-se à disposição no Departamento de Compras e Licitações, sito à Rua Valentim Amaral 748, no horário das 08:00h às 17:00h. Fone: (19) 3481-9208 ou através do site: www.saopedro.sp.gov.br. São Pedro, 30 de abril de 2014. Hélio Donizete Zanatta - Prefeito Municipal.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CASTILHO/SP PROCESSO LICITATÓRIO 19/14 - CONCORRÊNCIA 05/14 Decisão do Prefeito no Processo Licitatório 19/14, Concorrência 05/14, objetivando a contratação de empresa de engenharia especializada para execução de obras de infraestrutura do Loteamento Residencial “Nova Esperança de Olga Benário, compreendendo a execução de galerias de águas pluviais/dissipação, guias e sarjetas, pavimentação asfáltica, calçamento e paisagismo; relativo ao Programa Casa Paulista - Lotes Urbanizados - Parcerias com Município, referente ao Convênio/Processo 704/05/2013, celebrado com o Estado de São Paulo, por intermédio da Secretaria de Habitação, em 26 de novembro de 2013. Considerando os questionamentos suscitados aos termos do instrumento licitatório, mediante pedido de esclarecimento apresentado pela empresa G. P. Pavimentação Ltda., decido, por bem, adiar “sine die” o prazo estabelecido no item 2 do edital, relativo à apresentação dos invólucros de Habilitação e Propostas. Joni Marcos Buzachero - Prefeito.

Rarique Administração e Participação S.A. - CNPJ nº 17.252.553/0001-34 Balanço Patrimonial: ATIVO 2013 Ativo Circulante 423.612,30 Disponibilidades 34.414,47 Caixa 202,82 Bancos Conta Movimento: Banco Itaú 34.211,65 Direitos Realizáveis a Curto Prazo 389.197,83 Adiantamentos a Fornecedores 389.197,83 Ativo não Circulante 5.626.248,28 Imobilizado 5.626.248,28 Bens e Direitos em Uso: Terrenos 1.105.969,34 Bens Imóveis 4.540.387,18 Construções em Andamento 402.178,34 Imóveis 172.208,84 Edifícios e Construções 3.966.000,00 (-) Depreciação Acumulada (20.108,24) (-) Imóveis - Depreciação (6.888,24) (-) Edifícios e Construções - Depreciação (13.220,00) Total do Ativo 6.049.860,58 A DIRETORIA Jose Carlos de Oliveira Souza - Contador - C.R.C. 1SP130997/O-5

Demonstrações Financeiras Balanço Patrimonial: PASSIVO Passivo Circulante Fornecedores Nacionais Fornecedores a Pagar Fornecedores Serviços P.J. a Pagar Obrigações Trabalhistas: Folha de Pagam. de Dirigentes Distrib. de Lucros a Pagar Obrigações Tributárias Impostos Retidos a Recolher ISS Retido a Recolher INSS s/ Serviços de Terceiros Impostos e Contribuições s/Receitas COFINS e PIS a Pagar IRPJ e Contr. Social s/Lucro Presumido a Pagar Passivo não Circulante: Adiant. p/Futuro Aum. Capital Patrimônio Líquido Capital: Capital Social Resultado do Exercício Anual (-) Distribuição de Lucros aos Sócios Total do Passivo

2013 3.748.479,58 3.150.760,00 3.100.000,00 50.760,00 545.256,78 545.256,78 52.462,80 35.915,00 10.035,00 25.880,00 16.547,80 2.263,00 14.284,80 1.023.000,00 1.278.381,00 1.278.381,00 546.256,78 (546.256,78) 6.049.860,58

Demonstração do Resultado do Exercício de 01/01/2013 e 31/12/2013 2013 682.040,26 682.000,00 40,26 (24.893,00) (4.433,00) (20.460,00) 657.147,26 657.147,26 53.751,28 8.350,50 563,10 11.569,50 33.268,18 603.395,98 603.395,98 35.712,00 21.427,20 546.256,78

Receita Bruta Receita com Serviços Outras Receitas Operacionais (-) Deduções das Receitas PIS s/Vendas COFINS s/Vendas (=) Resultado Operacional Bruto Resultado Operacional Líquido Despesas Operacionais Despesas com Serviço de Terceiros Despesas Financeiras Despesas Tributárias Despesas Gerais Lucro Operacional Bruto Lucro antes do IRPJ e CSLL (-) IRPJ (-) CSLL Lucro Operacional Líquido


16 -.ECONOMIA

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 1 e 2 de maio de 2014

Investimentos publicitários na internet cresceram 17% em 2013, para US$ 42,8 bilhões ante os US$ 40,1 bilhões da televisão aberta.

A VISÃO DO MAGNATA magnata da comunicação Rupert Murdoch foi a estrela de abertura, nesta semana, do Festival Ibero-americano de Publicidade (Fiap), em Miami, na norte-americana e ensolarada Flórida, que termina amanhã com sessão de gala. O controlador da tradicional 21st Century Fox e da News Corp ressaltou a importância do mercado latino para salvar os negócios dos estúdios, canais de televisão, jornais e revistas daquele país. Defendeu em nome dessa importante fatia de mercado, leia-se consumidores, a reforma de imigração nos Estados Unidos, uma vez que esses imigrantes, muitos ilegais e que entram naquele país justamente pelas fronteiras da Flórida e do vizinho Texas, são parte ativa da sociedade e contribuem com trabalho para manter a engrenagem funcionando. O interesse de Murdoch foi reforçado por dado que ele mesmo apresentou. Pelos seus cálculos, grandes anunciantes gastam hoje US$ 4,47 bilhões para sensibilizar com produtos e serviços voltados aos hispânicos. Disse mais: gigantes como P&G (Procter & Gamble), Ford e L´Oreal, acreditam que os latinos são a chave para o sucesso das suas poderosas marcas nos Estados Unidos. Por isso, ele acha que quem apostar em mídia focada nesse público assegurará a sobrevivência. O problema é que lá, como cá em relação às emergentes classes C, D e E, os meios de comunicação parecem ignorá-los, continuam empenhados em agradar aos ouvidos e a oferecer colírio aos olhos de uma elite em pânico com a sua perda de poder e prestígio, justamente pela proliferação de novas plataformas de comuni-

O

GOLAÇO

cação. A situação, lá como cá, não deixa de ser constrangedora, pois assim como os hispânicos, o andar de baixo e regionalizado começa a dominar o cenário a ponto de que o Sudeste, apontam pesquisas de mercado de instituições como o Ibope saindo do forno, começa a perder fôlego para outras regiões do Brasil, descentralizando produção e consumo. Os imigrantes, aos quais se refere Murdoch, ainda alimentam sonhos, querem comprar carros, trocar as roupas velhas por roupas de grife e assim manter girando a roda da propaganda e do consumo. Quando Murdoch fala de canais focados é porque os tradicionais não contemplam esse público, que quer entretenimento, mas o que querem, e não o que querem que gostem. O desafio é enorme. E Murdoch faz um alerta para si mesmo diante de números do mercado americano, dando conta de que, pela primeira vez na história, a receita de publicidade de internet superou a de televisão aberta em 2013. Os dados do Interactive Advertising Bureau (IAB) revelam que o meio internet cresceu 17% em 2013, abocanhando investimentos de US$ 42,8 bilhões ante os US$ 40,1 bilhões da televisão aberta. O impulso lá, como cá, são os smartphones, os aparelhos celulares que permitem fácil e barata navegação, com opções amplas ao público. Aí, sim, ela pode exercer plenamente o direito de escolha, ver o que quer e se informar com quem acredita. Esse é o drama da mídia tradicional. Bem, quanto ao Fiap, os brasileiros sempre acabam conquistando prêmios. A AlmapBBDO ganhar várias estatuetas em impressos, nem chega mais a ser novidade, mas é um alento: ainda dá tempo dos veículos impressos repensarem o futuro. Murdoch já começou a fazer a sua parte. credito

Envie informações para esta coluna. E-mail: carlosfranco@revista publicitta.com.br

Fleischmann está lançando uma edição especial da sua mistura para pão de queijo, em comemoração aos jogos do Brasil. A criação das novas embalagens é da B+G. A intenção da empresa é oferecer o tradicional petisco, que pode muito bem acompanhar a cervejinha na hora do jogo, sem que ninguém perca os lances que podem levar a gol. Não deixa de ser uma boa ideia.

A

PETISCO para não perder nenhum lance

EVOLUÇÃO JWT assina campanha das facas Tramontina se valendo das imagens tradicionais da evolução do homem no planeta. Segundo a campanha, a roda só foi inventada para facilitar o transporte das carnes e os portugueses só chegaram à

A

América porque procuravam especiarias para temperar o churrasco. "O churrasco evoluiu o mundo e a Tramontina evoluiu o churrasco" é o mote da ação em peças impressas e comerciais para rádio e televisão. Faz sentido.

TRAMONTINA, ferramenta de aprimoramento do churrasco

ARRISQUE TUDO Nike começa este mês a colocar a sua campanha para a Copa do Brasil 2014 nas ruas com o conceito Risk everything (Arrisque tudo). As peças são estreladas pelos atletas que patrocina, entre os quais Cristiano Ronaldo, Neymar, Ibrahimovic, Rooney, Hazard, David Luiz, Thiago Silva, Piqué, Gotze e Iniesta e astros de outros esportes como os lutadores Anderson Silva e Jon Jones, e a estrela do basquete Kobe Bryant.

A

“Quem ganha fica” é o comercial de estreia, onde os jogadores de futebol se transformam em seus pares e adversários, então Neymar vira Cristiano Ronaldo e, assim, até restar o campeão da Copa do Brasil.

ESTRELAS da Nike na Copa

ENERGIA Publicis criou para a Fundação Pró-Sangue uma campanha que usa a linguagem figurada e o diálogo entre o sangue e a carga do celular para conscientizar a população sobre a importância de doar sangue. A ideia é espalhar, por cidades que vão sediar os jogos da Copa 2014, esses painéis na forma de pontos de recarga de celular com uma imagem de um braço em que o fio do carregador é o tubo de coação de sangue. "Se você precisar, estamos aqui. Por que não retribuir o favor? Nós precisamos de sangue". Uma bela e humanitária sacada, já que, em momentos de grandes eventos, sempre falta sangue para suprir as necessidades dos hospitais.

A

CAMPANHA com tecnologia

Acessos por banda larga crescem 51% No primeiro trimestre, o Brasil registrou 145,6 milhões de acessos, segundo dados da Associação Brasileira de Telecomunicações. Brasil fechou o primeiro trimestre de 2014 com 145,6 milhões de acessos em banda larga, o que representou um aumento de 51% ante igual período do ano passado, de acordo com levantamento da Associação Brasileira de Telecomunicações (Telebrasil) divulgado quarta-feira. Nos últimos 12 meses, 49,2 milhões de novos acessos foram ativados. A banda larga móvel, pelas redes de 3G e 4G, liderou a ex-

O

pansão dos acessos à internet, chegando em março a 123,1 milhões de conexões, com 63% de crescimento em relação a março de 2013. Na banda larga móvel, 107,5 milhões são de conexões de celulares, incluindo os smartphones, e 15,6 milhões são terminais de dados, entre eles modems de acesso à internet e chips de conexão máquinamáquina (M2M). Na banda larga fixa, os acessos somaram 22,5 milhões em março. Desse total, 1,6 milhão

de conexões foram ativadas nos últimos 12 meses, com aumento de 7,4% no período. O levantamento da Telebrasil mostra que houve expansão na cobertura das redes de banda larga móvel, ativada em 315 novos municípios nos últimos 12 meses. Ao todo, as redes de terceira geração (3G) estão instaladas em 3.648 municípios, onde moram 91% dos brasileiros. A banda larga pela tecnologia de quarta geração (4G), com velocidade de conexão à

internet até dez vezes mais rápida que a 3G, completou neste mês um ano de seu lançamento oficial e tem 2 milhões de acessos. O 4G está em 99 cidades, que concentram 36% da população brasileira, superando a meta de cobertura das 12 cidades-sede da Copa do Mundo estabelecida pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). O presidente da Anatel, João Rezende, disse que o número de aparelhos com internet 3G no Brasil deve superar os

conectados pela tecnologia 2G até o meio do ano. Para ele, o crescimento exige que as empresas de telefonia aumentem o número de antenas instaladas no país para fortalecer o sinal e garantir a qualidade do serviço. "O problema das operadoras não é o serviço de voz, mas o de dados. A população deseja acessar a internet pela rede móvel e temos de ampliar a infraestrutura disponível para suportar crescimento do tráfego", disse. "De junho a julho chega-

remos a 130 milhões de usuários de 3G. Com isso, o número de usuários do 2G começará a declinar", afirmou. O novo leilão para a tecnologia 4G deve ocorrer no segundo semestre. Em 2014, foram registradas 3,1 milhões de reclamações contra companhias de telecomunicações na Anatel. O número inclui clientes de telefonia, TV por assinatura e internet. No Brasil, há 360 milhões de contratos no setor de telecomunicações. (Agências)


ECONOMIA - 17

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 1 e 2 de maio de 2014

Risco de O inadimplência em queda

Paula Cunha

s sinais de que a inadimplência vem diminuindo ou pelo menos está sob controle se reproduzem por toda parte, até mesmo nos balanços dos bancos. Outro exemplo: no primeiro trimestre deste ano, houve redução de 1,9% no risco de inadimplência para os consumi-

dores que buscaram crédito nos últimos 12 meses em comparação com o mesmo período de 2013. Esse dado é apurado pelo Indicador de Risco de Crédito (IRC), medido pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), que passou de 99,7 para 97,8 pontos. Em relação ao trimestre anterior, recuou de 0,6% de 98,3 para 97,8 pontos. Os economistas da Boa Vis-

ta explicam que o indicador, com base em modelos estatísticos, mostra a probabilidade de risco de os consumidores se tornarem inadimplentes. Avalia, assim, a probabilidade de risco mediano em uma amostra de pessoas que buscaram crédito no mercado nos últimos 12 meses e estabelece uma comparação com a taxa de inadimplência. O IRC pode ser utilizado co-

mo um indicador antecedente da inadimplência dos consumidores brasileiros, que no fim das contas é medida pelo Banco Central. O indicador iniciou um percurso de queda no segundo trimestre de 2012, comportamento que antecipou o recuo sinalizado pelo indicador oficial do governo federal a partir do quarto trimestre de 2012. Essa tendência persiste no momento.

ODEBRECHT REALIZAÇÕES SP 54 EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. e suas controladas CNPJ/MF Nº 12.513.063/0001-20

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas: Submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações financeiras relativas ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013. Permanecemos à disposição de V.Sas. para quaisquer esclarecimentos necessários.

Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (em milhares reais) ATIVO Circulante Caixa e equivalentes de caixa...................................... Contas a receber de clientes........................................ Imóveis a comercializar ................................................ Outros ativos ................................................................ Não circulante Contas a receber de clientes Investimentos ............................................................... Imobilizado ...................................................................

Nota explicativa 6 7 9

Controladora 2013

Consolidado 2013

1

1.094 2.524 49.306 1.407 54.331

341 342 7 10 11

7.018 49.263 49.263

Total do ativo ..............................................................

49.605

1.520 8.538

62.869

PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Circulante Fornecedores e subempreiteiros................................... Adiantamentos recebidos de clientes............................ Dividendos a pagar........................................................ Obrigações trabalhistas................................................. Obrigações tributárias ................................................... Outros passivos.............................................................

Nota explicativa

Controladora 2013

8

560

1 561

Não circulante Tributos diferidos ........................................................... Patrimônio líquido ....................................................... Capital social ................................................................. Reserva de lucros..........................................................

Consolidado 2013 410 12.089 560 79 124 160 13.422 403 403

12 231 48.813 49.044 49.605

Total do passivo e patrimônio líquido ......................

231 48.813 49.040 62.869

As notas explicativas da administração são parte integrante das demonstrações financeiras. Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 (em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) 1 Informações gerais – A Odebrecht Realizações SP 54 - Empreendimento Imobiliário S.A. (“Henry Dunant” ou “Companhia”) foi constituída em 25 de julho de 2012, com a denominação social de SPE Bairro Novo SPE 01, com o objeto social de realização de empreendimento imobiliário em São Paulo. A Companhia incorpora seus empreendimentos imobiliários por meio de participações em Sociedades de Propósitos Específicos (“SPE”), controladas integralmente ou sob controle compartilhado. Em 24 de abril de 2013, a SPE Bairro Novo SPE 01 Ltda., passou a ter a denominação de Odebrecht Realizações Realizações SP 54 – Empreendimento Imobiliário Ltda. Em 17 de dezembro de 2013, a SPE passou de empresa Limitada para Sociedade por Ações tendo por objeto o investimento nas SPEs responsáveis pela realização da incorporações imobiliárias dos empreendimentos “Homenagem – Jaçanã” e “Estação Gabriele” (“Empreendimentos”), nos termos da Lei n° 4.591/64, podendo para tanto participar na qualidade de sócia ou acionista de outras sociedades. A Companhia não apresentou os saldos comparativos de 31 de dezembro de 2012 em virtude de ter iniciado suas operações a partir de 24 de abril de 2013. 2 Resumo das principais políticas contábeis – As principais políticas contábeis aplicadas na preparação destas demonstrações financeiras, individuais e consolidadas estão definidas abaixo. Essas políticas vêm sendo aplicadas de modo consistente nos exercícios apresentados, salvo disposição em contrário. 2.1 Base de preparação – As presentes demonstrações financeiras foram aprovados pela Diretoria da Companhia em 19 de março de 2014. A preparação de demonstrações financeiras requer o uso de certas estimativas contábeis críticas e também o exercício de julgamento por parte da administração da Companhia no processo de aplicação das políticas contábeis da Companhia. Aquelas áreas que requerem maior nível de julgamento e possuem maior complexidade, bem como as áreas nas quais premissas e estimativas são significativas para as demonstrações financeiras consolidadas, estão divulgadas na Nota 3. (a) Demonstrações financeiras consolidadas – As demonstrações financeiras consolidadas foram preparadas e estão sendo apresentadas conforme as práticas contábeis adotadas no Brasil, incluindo os pronunciamentos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (“CPC”). (b) Demonstrações financeiras individuais – As demonstrações financeiras individuais da Companhia foram preparadas conforme as práticas contábeis adotadas no Brasil emitidas pelo CPC e são divulgadas em conjunto com as demonstrações financeiras consolidadas. 2.2 Consolidação. (a) Demonstrações financeiras consolidadas – As seguintes políticas contábeis são aplicadas na elaboração das demonstrações financeiras: (i) Controladas – Controladas são todas as entidades nas quais a Companhia tem o poder de determinar as políticas financeiras e operacionais, geralmente acompanhada de uma participação correspondente a mais da metade dos direitos a voto (capital votante) da investida. Nas sociedades em que a Companhia detém menos de 50% do capital votante, acordos garantem à Companhia direito de veto em decisões que afetem significativamente os negócios da sociedade, garantindo-lhe o controle compartilhado. As controladas são consolidadas a partir da data em que o controle é transferido para a Companhia e é interrompida a partir da data em que o controle termina. Transações entre companhias, saldos e ganhos não realizados entre as empresas consolidadas são eliminados. Os prejuízos não realizados também são eliminados a menos que a operação forneça evidências de uma perda (impairment) do ativo transferido. As políticas contábeis das controladas são alteradas quando necessário para assegurar a consistência com as políticas adotadas pela Companhia. (b) Demonstrações financeiras individuais – Nas demonstrações financeiras individuais, as controladas são contabilizadas pelo método de equivalência patrimonial. Os mesmos ajustes são feitos tanto nas demonstrações financeiras individuais quanto nas demonstrações financeiras consolidadas para chegar ao mesmo resultado e patrimônio líquido atribuível aos acionistas da controladora. 2.3 Caixa e equivalentes de caixa – Caixa e equivalentes de caixa incluem o caixa, os depósitos bancários, outros investimentos de curto prazo de alta liquidez e com risco insignificante de mudança de seu valor de mercado. 2.4 Ativos financeiros. 2.4.1 Classificação – A Companhia classifica seus ativos financeiros sob a categoria de empréstimos e recebíveis. A classificação depende da finalidade para a qual os ativos financeiros foram adquiridos. A administração determina a classificação de seus ativos financeiros no reconhecimento inicial. (a) Empréstimos e recebíveis – Os empréstimos e recebíveis são ativos financeiros não derivativos com pagamentos fixos ou determináveis, que não são cotados em um mercado ativo. São apresentados como ativo circulante, exceto aqueles com prazo de vencimento superior a 12 meses após a data de emissão do balanço (estes são classificados como ativos não circulantes). Os empréstimos e recebíveis da Companhia compreendem “Caixa e equivalente de caixa” e “Contas a receber de clientes” (Notas 6 e 7, respectivamente). 2.5 Contas a receber de clientes de incorporação e serviços prestados – As contas a receber de clientes são avaliadas no momento inicial pelo valor presente (Nota 2.14) e acrescidas de atualização monetária até a data do balanço. As parcelas em aberto são atualizadas com base no Índice Nacional da Construção Civil (“INCC”) para a fase de construção do projeto, e pelo Índice Geral de Preços de Mercado (“IGP-M”) e juros, após a data de entrega das chaves das unidades concluídas. (a) Contas a receber de clientes de incorporação – A comercialização das unidades são efetuadas, substancialmente, durante as fases de lançamento e construção dos empreendimentos. As contas a receber de clientes, nesses casos, são constituídas aplicando-se o percentual de evolução da obra (POC) sobre a receita das unidades vendidas, ajustada segundo as condições dos contratos de venda, sendo assim determinado o montante das receitas acumuladas a serem reconhecidas, sobre o qual deduz-se as parcelas recebidas, determinando-se o valor do contas a receber. Tendo em vista os critérios utilizados para reconhecimento de receitas e correspondentes custos de unidades não concluídas, descritos na Nota 2.12, o saldo das contas a receber não contempla o valor integral referente às unidades vendidas e não concluídas. Pagamentos realizados por clientes em montante superior à receita reconhecida são registrados como adiantamentos recebidos de clientes. 2.6 Imóveis a comercializar e terrenos a incorporar – Incluem os custos para a aquisição de terreno e dos imóveis não vendidos. O registro do terreno é efetuado no momento da assinatura do contrato ou da lavratura da escritura do imóvel. A Companhia e suas controladas adquirem parte dos terrenos através de operações de permutas, nas quais, em troca dos terrenos adquiridos, compromete-se a entregar unidades imobiliárias de empreendimentos em construção. No caso de permutas por unidades a serem construídas, seu custo corresponde ao preço de venda à vista previsto para as unidades a serem construídas e entregues em permuta. O registro do terreno é efetuado apenas por ocasião da lavratura da escritura do imóvel, não sendo reconhecido nas demonstrações financeiras enquanto em fase de negociação, independentemente da probabilidade de sucesso ou estágio de andamento da mesma. Os imóveis são demonstrados ao custo de aquisição, que não excede ao seu valor líquido realizável. No caso de imóveis em construção, correspondem ao custo incorrido das unidades ainda não comercializadas, e compreendem os custos de incorporação, de construção (mão-de-obra, materiais e outros relacionados), o terreno e os encargos financeiros incorridos para os financiamentos à produção aplicados no empreendimento durante a fase de construção. O valor líquido de realização é o preço de venda estimado, no curso normal dos negócios, deduzidos os custos estimados de conclusão e as despesas estimadas para efetuar a venda. 2.7 Outros ativos – Os demais ativos são apresentados pelo valor de realização, incluindo, quando aplicável, os rendimentos e as variações monetárias auferidas ou, no caso de despesas do exercício seguinte, ao custo. 2.8 Imobilizado – Compreende os equipamentos de informática e estandes de vendas. O imobilizado é mensurado pelo seu custo histórico deduzido depreciação acumulada. O custo histórico inclui os gastos diretamente atribuíveis à aquisição dos itens e também inclui os custos de financiamento relacionados com a aquisição de ativos qualificados. A Companhia registra no imobilizado os gastos incorridos e diretamente relacionados com a construção de estande de vendas e do apartamento-modelo, e estes itens são depreciados de acordo com o respectivo prazo de vida útil estimado, bem como aqueles para aquisição das mobílias e da decoração de cada empreendimento imobiliário. Quando a vida útil estimada é inferior a 12 meses, os gastos são reconhecidos diretamente no resultado como despesa de vendas. As taxas de depreciação estão sendo apresentadas na Nota 11. 2.9 Obrigações por compra de imóveis e adiantamentos de clientes por permuta – As obrigações por aquisições de imóveis e terrenos são reconhecidas pelos valores correspondentes às obrigações contratuais assumidas. Em seguida, são apresentadas pelo custo amortizado, acrescidas, quando aplicável, de encargos e juros proporcionais ao período incorrido (“pro rata temporis”) e ajustado a valor presente. As obrigações relacionadas com as operações de permutas de terrenos por unidades imobiliárias estão demonstradas ao seu valor justo, como adiantamentos de clientes. São classificadas como passivos circulantes se o pagamento for devido no período de até um ano, caso contrário são apresentadas como passivo não circulante. 2.10 Imposto de renda e contribuição social – A legislação fiscal permite que as receitas relacionadas às vendas de unidades imobiliárias sejam tributadas com base em regime de caixa e não com base no critério descrito anteriormente para reconhecimento dessas receitas. Conforme facultado pela legislação tributária, a Companhia aderiu, a partir de outubro de 2013, ao recolhimento do Imposto de Renda – IR, Contribuição Social – CS, Programa de Integração Social – PIS e Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social – COFINS através do Regime Especial de Tributação (RET), aplicando o percentual de 4% sobre as receitas mensais recebidas da atividade de incorporação imobiliária, bem como das receitas financeiras decorrentes dessa atividade, conforme alteração na legislação fiscal pela Lei 12.844/2013. Sobre a receita bruta determinada com base no método POC (“percentage of completion”) são calculados IR, CS, PIS e COFINS diferidos, observando-se o regime de tributação do RET. 2.11 Ajustes a valor presente (“AVP”) – Os elementos integrantes do ativo e do passivo, decorrentes de operações de longo prazo ou de curto prazo quando houver efeito relevante, são ajustados a valor presente. Entidades de Incorporação Imobiliária, nas vendas a prazo de unidades não concluídas, apresentam recebíveis com atualização monetária, inclusive a parcela das chaves, sem juros, e devem ser descontados a valor presente, uma vez que os índices de atualização monetária contratados não incluem o componente de juros. A reversão do ajuste a valor presente, considerando-se que parte importante do contexto operacional da Companhia é a de financiar os seus clientes, foi realizada, tendo como contrapartida o próprio grupo de receitas de incorporação imobiliária, de forma consistente com os juros incorridos sobre a parcela do saldo de contas a receber referentes ao período “pós-chaves”. Os encargos financeiros de recursos utilizados na construção dos empreendimentos imobiliários, e os relativos ao financiamento da construção dos empreendimentos imobiliários, devem ser capitalizados. Portanto, entende-se que a reversão do ajuste a valor presente de uma obrigação vinculada a esses itens deve ser apropriada ao custo dos imóveis vendidos ou estoques de imóveis a comercializar, conforme o caso, até o momento em que a construção do empreendimento estiver concluída. Desse modo, determinados elementos integrantes do ativo e do passivo são ajustados a valor presente, com base em taxas de desconto, as quais visam refletir as melhores avaliações atuais do mercado, quanto ao valor do dinheiro no tempo e os riscos específicos do ativo e do passivo. O cálculo do ajuste a valor presente em 31 de dezembro de 2013, foi efetuado considerando-se uma taxa anual de juros de 3,51% e tem como fundamento e premissa a taxa média obtidos pela Companhia, líquidas do efeito inflacionário de correção do IPCA. As rubricas impactadas pelo AVP no exercício findo em 31 de dezembro foram: Consolidado 31 de dezembro de 2013 Ativo circulante Contas a receber ............................................................................................ (531) Resultado do exercício Receitas financeiras ....................................................................................... (531) 2.12 Reconhecimento de receita – A receita compreende o valor justo da contraprestação recebida ou a receber pela comercialização de unidades imobiliárias e de serviços no curso normal das atividades da Companhia. A receita é apresentada líquida dos impostos, das devoluções, dos abatimentos e dos descontos. A Companhia reconhece a receita quando o valor da receita pode ser mensurado com segurança, é provável que benefícios econômicos futuros fluirão para a entidade e quando critérios específicos tiverem sido atendidos para cada uma das atividades da Companhia. A Companhia baseia suas estimativas em resultados históricos, levando em consideração o tipo de cliente, o tipo de transação e as especificações de cada venda. (a) Apuração do resultado de incorporações e venda de imóveis – Nas vendas a prazo de unidades concluídas, o resultado é apropriado no momento em que a venda é efetivada e a unidade entregue, independentemente do prazo de recebimento do valor contratual, e

as seguintes premissas são atendidas: (a) o seu valor pode ser estimado, ou seja, o recebimento do preço de venda é conhecido ou o valor que não será recebido pode ser razoavelmente estimado e (b) o processo de reconhecimento de receita de venda encontra-se substancialmente concluído, ou seja, a Companhia está desobrigada a cumprir com parte significativa de atividades que venham a gerar gastos futuros relacionados com a venda da unidade concluída. Nas vendas de unidades não concluídas, foram observados os procedimentos e normas estabelecidas pelas Resolução nº. 1.266/09 (Interpretação Técnica ICPC 02) e Resolução 1.317/10 (Orientação OCPC 04) do Conselho Federal de Contabilidade (“CFC”), os quais determinam que, avaliando-se o ambiente econômico brasileiro e a essência econômica dos contratos e/ou promessas de compra e venda de unidades a serem entregues no futuro, as receitas e custos relativos a tais unidades são reconhecidos à medida da evolução da construção do empreendimento, uma vez que a transferência de riscos e benefícios ao adquirente ocorre do forma contínua. Dessa forma, os procedimentos adotados são: • O custo incorrido das unidades vendidas, incluindo o terreno, projetos e custos de construção é apropriado integralmente ao resultado. • Apura-se o percentual do custo incorrido das unidades vendidas, em relação ao seu custo total orçado, sendo esse percentual aplicado sobre a receita das unidades vendidas ajustada segundo as condições dos contratos de venda, sendo assim determinado o montante das receitas de vendas a serem reconhecidas. • Os recebimentos referentes à venda das unidades, que sejam superiores ao valor da receita de vendas a ser apropriada no período em questão, calculado conforme mencionado acima, devem ser registrados no passivo circulante ou não circulante, como adiantamento de clientes. • Caso o valor da receita de vendas a ser apropriada no período em questão seja superior ao valor efetivamente recebido pela venda das unidades, deve ser registrado em uma conta de clientes de incorporação do ativo circulante ou não circulante. • Os encargos financeiros das operações de crédito imobiliário e de financiamentos diretamente atribuídos ao projeto imobiliário, incorridos durante o período de construção, são apropriados aos custos das unidades sendo apropriados ao resultado por ocasião da venda. No resultado do exercício, estão contempladas as variações decorrentes da adequação entre os custos incorridos e previstos até o término dos empreendimentos. Tais variações são reconhecidas no exercício corrente, com ajustes na margem dos empreendimentos em relação à receita das unidades vendidas e o custo orçado. 2.13 Despesas comerciais – Despesas comerciais, incluindo propaganda e publicidade, são apropriadas ao resultado quando incorridas, de acordo com o regime de competência. A Companhia registra no imobilizado os gastos incorridos e diretamente relacionados com a construção de estande de vendas e do apartamento-modelo, e estes itens são depreciados de acordo com o respectivo prazo de vida útil estimado, bem como aqueles para aquisição das mobílias e da decoração de cada empreendimento imobiliário. Quando a vida útil estimada é inferior a 12 meses, os gastos são reconhecidos diretamente no resultado como despesa de vendas. 3 Estimativas e julgamentos contábeis críticos – As estimativas e os julgamentos contábeis são continuamente avaliados e baseiam-se na experiência histórica e em outros fatores, incluindo expectativas de eventos futuros, consideradas razoáveis para as circunstâncias. Com base em premissas, a Companhia faz estimativas com relação ao futuro. Por definição, as estimativas contábeis resultantes raramente serão iguais aos respectivos resultados reais. As estimativas e premissas que apresentam um risco significativo, com probabilidade de causar um ajuste relevante nos valores contábeis de ativos e passivos, estão contempladas abaixo: (a) Reconhecimento de receita – A Companhia usa o método de porcentagem de conclusão (PoC) para contabilizar seus contratos de venda de unidades dos empreendimentos de incorporação imobiliária, conforme metodologia descrita na Nota 2.12. O uso do método PoC requer que a Companhia estime os custos a serem incorridos até o término da construção e entrega das chaves das unidades imobiliárias de cada empreendimento para estabelecer uma proporção em relação aos custos já incorridos. (b) Imposto de renda, contribuição social e outros impostos – A Companhia está sujeita ao imposto de renda. É necessário julgamento para determinar a provisão para impostos sobre a renda. Em muitas operações, a determinação final do imposto é incerta. A Companhia também reconhece provisões por conta de situações em que é provável que valores adicionais de impostos forem devidos. Quando o resultado final dessas questões é diferente dos valores inicialmente estimados e serão registrados, essas diferenças afetam os ativos e passivos fiscais atuais e diferidos no período em que o valor definitivo é determinado. 4 Gestão de risco financeiro. 4.1 Fatores de risco financeiro – Os instrumentos financeiros operados pela Companhia têm como objetivo administrar a disponibilidade financeira de suas operações. Com relação às contas a receber, a Companhia restringe a sua exposição a riscos de créditos por meio de vendas para uma base ampla de clientes e de análises de créditos contínuas. Em 31 de dezembro de 2013, não havia concentração de risco de crédito relevante associado a clientes. (a) Risco do fluxo de caixa associado com taxa de juros – O risco de taxa de juros da Companhia decorre de financiamentos de longo prazo. Os financiamentos às taxas variáveis expõem a Companhia ao risco de taxa de juros de fluxo de caixa. A Companhia analisa sua exposição à taxa de juros de forma dinâmica. (b) Risco de crédito – O risco de crédito é administrado corporativamente. O risco de crédito decorre da carteira de recebíveis. No caso de exposição de créditos a clientes o risco é avaliado como face a garantia real de recuperação de seus produtos (unidades imobiliárias) nos casos de inadimplência durante o período de construção. (c) Risco de liquidez – É o risco de a Companhia não dispor de recursos líquidos suficientes para honrar seus compromissos financeiros, em decorrência de descasamento de prazo ou de volume entre os recebimentos e pagamentos previstos. A Companhia possui e segue políticas financeiras que definem as diretrizes para o gerenciamento de riscos. Nos termos dessas políticas, a natureza e a posição geral dos riscos financeiros é regularmente monitorada e gerenciada a fim de avaliar os resultados e o impacto financeiro no fluxo de caixa e na liquidez de suas operações. Em 31 de dezembro de 2013, a Companhia não possui contratos de derivativos financeiros em aberto. Empréstimos e recebíveis 5 Instrumentos financeiros por categoria – Consolidado 31 de dezembro de 2013 Ativos, conforme o balanço patrimonial Caixa e equivalentes de caixa .............................................................. 1.094 Contas a receber de clientes ................................................................ 9.542 1.407 Outros ativos ......................................................................................... 12.043 Outros passivos financeiros 31 de dezembro de 2013 Passivos, conforme o balanço patrimonial Fornecedores e subempreiteiros .......................................................... 410 Adiantamentos recebidos de clientes ................................................... 12.089 160 Outros passivos .................................................................................... 12.659 6 Caixa e equivalentes de caixa

Controladora 31 de dezembro de 2013

Caixa Bancos conta movimento............................... Aplicações de liquidez imediata .....................

Demonstrações do resultado – Exercicios findos em 31 de dezembro de 2013 (em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Nota explicativa Controladora Consolidado Operações continuadas Receitas líquidas .......................................................................... 13 13.039 (9.542) Custos de incorporação e venda de imóveis................................ Lucro bruto ................................................................................. 3.497 Despesas gerais e administrativas............................................... (1) (1) Despesas comerciais ................................................................... 15 (1.040) 2.289 Equivalências patrimoniais ........................................................... 10 Lucro operacional ...................................................................... 2.288 2.456 Resultado financeiro, líquido ........................................................ 16 89

Consolidado 31 de dezembro de 2013

1

133 961 1 1.094 As aplicações financeiras de liquidez imediata são mantidas para negociação diária e frequente, sendo certificados de depósito bancário (“CDB”) com remuneração de 100% do certificado de depósito interbancário (“CDI”). 7 Contas a receber de clientes – Os valores de contas a receber de clientes totalizam os montantes a seguir demonstrados e estão apresentados em vista dos critérios utilizados para reconhecimento de receitas descritas na Nota 2.12 não contemplando o valor integral referente às unidades vendidas e não concluídas. Consolidado 31 de dezembro de 2013 Contas a receber de clientes........................................................................... 10.073 (531) Ajuste a valor presente (i)................................................................................ 9.542 7.018 Não circulante.................................................................................................. 2.524 Circulante ........................................................................................................ (i) O cálculo do ajuste a valor presente foi efetuado considerando-se uma taxa anual de juros de 3,51% e tem como fundamento e premissa a taxa média dos financiamentos, líquidas do efeito inflacionário de correção do IPCA. Conforme mencionado na Nota 4.1, a administração considera muito baixo o risco de crédito dos empreendimentos em construção. A administração da Companhia tem como política interna acompanhar mensalmente a carteira de recebíveis e realizar distratos de unidades que estejam inadimplentes. Após os distratos, essas unidades são realocadas à venda ao valor de mercado. Essa prática evita uma concentração de distrato no momento da entrega das chaves e o repasse da carteira à instituições financeiras de concessionárias de créditos. Controladora Consolidado 8 Dividendos a pagar 31 de dezembro de 2013 31 de dezembro de 2013 Passivo circulante OR................................................................... 336 336 224 224 Caixa Econômica Federal ............................... 560 560 Referem-se a dividendos mínimos obrigatórios das controladas (SPEs) a serem aprovados em Assembleia Geral Ordinária. 9 Imóveis a comercializar – Representados pelos custos incorridos das unidades imobiliárias a comercializar como segue: Consolidado 31 de dezembro de 2013 Terrenos a incorporar .................................................................................... 38.194 11.112 Imóveis a comercializar .................................................................................. 49.306 Ativo circulante ............................................................................................... 10 Investimentos Participação Ativo Passivo direta (%) 31 de 31 de 31 de dezembro dezembro dezembro de 2013 de 2013 de 2013

Patrimônio Lucro líquido líquido (prejuízo) do ajustado exercício 31 de 31 de dezembro dezembro de 2013 de 2013

Investimentos avaliados por equivalência patrimonial Controladas Gabrielle Danuzzio..................... 100,00 40.029 7.528 32.501 (450) Parque Edu Chaves ................... 100,00 22.840 6.079 16.761 2.739 (i) Movimentação dos investimentos em sociedades controladas Saldo no Saldo no Equivalência início do final do exercício Adições Dividendos patrimonial (*) exercício Investimentos (continuação) Gabrielle Danuzzio ................................. 32.951 (450) 32.501 Parque Edu Chaves ............................... 14.364 (341) 2.739 16.762 47.315 (341) 2.289 49.263 Total em 31 de dezembro de 2013 47.315 (341) 2.289 49.263

Lucro antes do imposto de renda e da contribuição social... 2.288 2.545 Imposto de renda e contribuição social ........................................ 2.10 (257) Lucro líquido do exercício......................................................... 2.288 2.288 Lucro por ação das operações continuadas atribuível aos sócios 1,07 1,07 da Companhia durante o exercício (expresso em R$ por ação) As notas explicativas da administração são parte integrante das demonstrações financeiras. Não houve outros elementos componentes de resultados abrangentes além do lucro líquido nos exercícios apresentados, razão pela qual as demonstrações do resultado e do resultado abrangente apresentam os mesmos valores. Demonstrações da mutação do patrimônio líquido (em milhares de reais) Reservas de lucros Nota Reserva Lucros expli- Capital Reserva Reserva de lucros acumuTotal social legal de capital a realizar cativa lados Integralização de capital.............. 1 1 Aumento de capital...................... 12 230 230 Constituição de reservas ............. 12 47.085 47.085 Lucro líquido do exercício............ 2.288 2.288 Destinação do lucro líquido do exercício ...................................... 12 46 (46) Constituição de reservas.......... 1.682 (1.682) (560) (560) Dividendos mínimos obrigatórios 12 Em 31 de dezembro de 2013..... 231 46 47.085 1.682 49.044 As notas explicativas da administração são parte integrante das demonstrações financeiras. Demonstrações do fluxo de caixa Exercícios findos em 31 de dezembro de (em milhares de reais) Controladora 2013

Consolidado 2013

2.288

2.545

Fluxo de caixa das atividades operacionais Lucro antes do imposto de renda e contribuição social ................ Ajustes para reconciliação do lucro do exercício Ajuste a valor presente (AVP) .............................................................. Ajuste societário de PoC ...................................................................... Depreciação ......................................................................................... Resultado da equivalência patrimonial.................................................

531 (4.277) 236

(2.289) (1) (965) Variação nos ativos e passivos Contas a receber de clientes................................................................ 1.544 Imóveis a comercializar e adiantamento recebido de clientes ............. 2.538 Outros ativos ........................................................................................ 1 (1.407) Fornecedores e subempreiteiros.......................................................... 1 411 Obrigações trabalhistas........................................................................ 79 Obrigações tributárias .......................................................................... (133) Tributos diferidos .................................................................................. 403 160 Outros passivos 2 3.595 Caixa (aplicado nas) proveniente das operações ........................... Caixa líquido (aplicado nas) proveniente das atividades opera2 3.595 cionais ................................................................................................. Fluxos de caixa das atividades de investimento Aquisições de investimentos ................................................................ (220) (1.756) Aquisições de bens do ativo imobilizado.............................................. Caixa líquido aplicado nas atividades de investimento ................. (220) (1.756) Fluxo de caixa das atividades de financiamento 220 220 Aumento de capital social..................................................................... 220 220 Caixa líquido proveniente das atividades de financiamento ......... Aumento líquido de caixa e equivalentes de caixa ......................... 1 1.094 Caixa e equivalentes de caixa no início do exercício ..................... Caixa e equivalentes de caixa no final do exercício ....................... 1 1.094 As notas explicativas da administração são parte integrante das demonstrações financeiras. (i) Conforme mencionado na nota explicativa 1, esses investimentos foram integrados a Companhia em 17 de dezembro de 2013. Consolidado 11 Imobilizado Equipamentos Estandes de Total de informática vendas Saldo em 31 de dezembro de 2012 Aquisições.................................................................. Depreciação ............................................................... Saldo contábil ................................................................ Custo.......................................................................... Depreciação acumulada ............................................ Saldo em 31 de dezembro de 2013 ............................ Taxas anuais de depreciação (%) .................................

10 (3) 7 10 (3) 7 20

1.746 (233) 1.513 1.746 (233) 1.513 50

1.756 (236) 1.520 1.756 (236) 1.520

Estande de vendas - Os gastos com a construção dos estandes de vendas e do apartamento modelo são capitalizados apenas quando a expectativa de vida útil-econômica for superior a um ano e depreciados de acordo o prazo de vida útil-econômica de aproximadamente 24 meses, o qual varia de acordo com cada empreendimento, sendo baixados por ocasião do término da comercialização ou demolição. 12 Patrimônio líquido (a) Capital social – Em 29 de novembro de 2013 foi aprovado o aumento do capital social da Companhia em R$ 230, passando de R$ 1 para R$ 231, representado por 230.000 novas ações ordinárias, nominativas e sem valor nominal subscritas totalmente pela OR. (b) Apropriação do resultado – De acordo com o estatuto social, as importâncias apropriadas às reservas de lucros são determinadas como descrito abaixo, sendo que o saldo remanescente após essas apropriações e a distribuição de dividendos terá a aplicação que decidir a Assembleia Geral dos Acionistas. (c) Reserva legal – A reserva legal é constituída anualmente como destinação de 5% do lucro líquido do exercício e não poderá exceder a 20% do capital social ou até que o saldo dessa reserva, acrescido do montante de reserva de capital, exceda 30% do capital social. A reserva legal tem por fim assegurar a integridade do capital social e somente poderá ser utilizada para compensar prejuízo e aumentar o capital. (d) Reserva de capital – Em 29 de novembro, foi destinado para a conta de reserva de capital o montante de R$ 47.085 mediante: (i) conferencia de bens, correspondentes a participações societárias das investidas, Odebrecht Realizações Edu Chaves – Empreendimento Imobiliário Ltda. e a Odebrecht Realizações SP 32 – Empreendimento Imobiliário Ltda. (e) Dividendos mínimos obrigatórios – Os dividendos mínimos obrigatórios são calculados de acordo com o artigo 202 da Lei 6.404/76 e são pagos em conformidade com o estabelecido no estatuto social da Companhia. 31 de dezembro de 2013 Lucro líquido do exercício................................................................................ 2.288 Constituição de reserva legal (5%).................................................................. (46) Base de cálculo de dividendos ........................................................................ 2.242 (560) Dividendos mínimos obrigatórios (25%).......................................................... Porcentagem sobre lucro líquido de exercício ................................................ 25% Consolidado 31 de dezembro de 2013 Receitas de incorporação e venda de imóveis................................................ 13.287 (248) Tributos sobre vendas ..................................................................................... 13.039 14 Resultado a apropriar – O saldo de receitas e custos a serem apropriados decorrentes de unidades vendidas e não concluídas que não estão refletidos nas demonstrações contábeis são demonstrados a seguir: Consolidado 31 de dezembro de 2013 Receitas de venda a apropriar ........................................................................ 31.224 (21.561) Custo de venda a apropriar ............................................................................. Resultado de venda a apropriar ...................................................................... 9.663 13 Receitas

15 Despesas comerciais Estande de vendas e apartamento modelo..................................................... Publicidade e propaganda............................................................................... 16 Resultado financeiro, líquido

Consolidado 31 de dezembro de 2013 (38) (1.002) (1.040) Consolidado 31 de dezembro de 2013

Receitas financeiras Receitas com juros .......................................................................................... Rendimentos de aplicações financeiras .......................................................... Despesas financeiras Descontos concedidos .................................................................................... Despesas com juros e comissões bancárias ..................................................

28 105 133

(29) (15) (44) 89 17 Cobertura de seguros – A identificação, mitigação, gerenciamento de riscos e contratação de seguros são tratados pela Companhia obedecendo a parâmetros estabelecidos em política específica da Organização Odebrecht e contando com o apoio da OCS – Odebrecht Administradora e Corretora de Seguros Ltda. (“OCS”), seus consultores, corretores e seguradoras parceiras nacionais e internacionais de primeira linha, para assegurar a contratação, a preço certo, das coberturas adequadas a cada contrato ou empreendimento, em valores suficientes para fazer face à indenização de eventuais sinistros. Em 31 de dezembro de 2013, o valor de cobertura de seguros da Companhia é considerado suficiente pela contratação para fazer face a eventuais sinistros. A Companhia mantém contrato de seguros com coberturas determinadas, considerando a natureza e o grau de risco, por valores considerados suficientes para cobrir eventuais perdas significativas sobre seus ativos. Até 31 de dezembro de 2013, foi contratado seguro junto à Zurich Brasil Seguros S.A. A seguir demonstramos as principais coberturas de seguros: Modalidade Vigencia Cobertura Riscos de engenharia e condições especiais de obras civis em construção e/ou instalação e montagem ............................................................................. 31/12/2016 292.000 DIRETORIA Paulo Aridan Soares Mingione – Diretor Flávio Lotaif – Diretor Joao Alberto Lovera – Diretor Enio Ribeiro de Andrade – Diretor Sergio Bernardi Benini – Contador – CRC 1SP-172182/O-2


18 -.ECONOMIA/LEGAIS

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 1 e 2 de maio de 2014


PREFEITURA MUNICIPAL DE PEREIRA BARRETO/SP

Setepla Tecnometal Engenharia S.A CNPJ/MF 61.683.330/0001-13 – NIRE: 35300090357 Ata de Reunião do Conselho de Administração Data, hora e local: Aos 09/04/14, às 10hs, na sede. Convocação e presença: Dispensada. Ordem do dia: (i) exame e aprovação do relatório da administração, das contas da Diretoria e as demonstrações financeiras do exercício social findo em 31/12/13;(ii) tomar ciência da renúncia do Sr.Guido Spadari Casanova, ao cargo de Diretor Geral Adjunto e nomeação do Sr.José Manuel Belmonte Sanchez como substituto para o cargo vago. Deliberações: (i) foram aprovados o relatório da administração, as contas da Diretoria e as demonstrações financeiras do exercício social findo em 31/12/13.Tendo em vista que a Cia.não apurou lucro no referido exercício, nenhuma deliberação foi tomada em relação à proposta para sua destinação;(ii) os Conselheiros tomaram ciência da renúncia apresentada pelo Sr.Guido Spadari Casanova ao cargo de Diretor Geral Adjunto da Cia.. Considerando referida renúncia e a anterior indicação de seu substituto, conforme Ata de Reunião deste Conselho realizada em 07/05/2013, devidamente registrada na JUCESP, sob nº 261.992/13-2, os senhores Conselheiros deliberam nomear o Sr.José Manuel Belmonte Sanchez, passaporte nº BB647294, RNE:V883989-0, CPF/MF nº 235.600.438-67, para ocupar o cargo de Diretor Geral Adjunto, para que exerça referido cargo pelo prazo restante do mandato do Diretor ora substituído. Encerramento: Os Srs. Conselheiros, agradeceram ao Sr. Guido Spadari Casanova, Diretor Administrativo-Financeiro, pelo período em que exerceu, cumulativamente, a função de Diretor Geral Adjunto da Cia., sempre primando pela excelência. Nada mais. Assinaturas: Presidente da Mesa: Carlos Antônio Navas Viani, Secretário da Mesa: Carlos Otto Berlowitz. Conselheiros: Carlos Antonio Navas Viani; Jorge Blas Unda Malcorra; Renato Ribas Pessoa; Carlos Otto Berlowitz; José Gregório Briz Muñoz. SP, 09/4/14. Carlos Antonio Navas Viani - Pres.; Carlos Otto Berlowitz - Secr..Jucesp nº 158.098/14-4 em 29/04/2014. Gisela S.Ceschin-Secr.Geral.

Setepla Tecnometal Engenharia S.A. CNPJ/MF 61.683.330/0001-13 – NIRE: 35300090357 Ata de AGO realizada em 09 de Abril de 2014 1. Data, horário e local: 09/04/14, às 15hs, na sede. 2. Convocação e presenças: Dispensada. 3. Publicações: Os documentos referidos no Art. 133, § 3º da Lei 6.404/76 foram publicados em 27/03/14 no DOESP e no jornal Diário do Comércio. 4. Mesa: Pres.: Carlos Antonio Navas Viani; Secr.: Guido Spadari Casanova. 5. Ordem do dia: (i) exame do relatório da administração e das demonstrações financeiras da Cia. relativas ao exercício social findo em 31/12/13; (ii) deliberação acerca da destinação do resultado da Cia. apurado no exercício social findo em 31/12/13. 6. Impedimentos: Nos termos do parágrafo 1º do Art. 134 da Lei das S.A., encontram-se impedidos de votar as matérias constantes da ordem do dia, na qualidade de administradores da Cia., os acionistas Srs. Carlos Antonio Navas Viani, Mario Sergio Lobo Pimentel, Kazuo Kamazaki, Carlos Augusto Barbosa Hirsch, Carlos Otto Berlowitz e Renato Ribas Pessoa. 7. Deliberações: (i) aprovaram o relatório da administração, o balanço e demais demonstrações financeiras da Cia., relativas ao exercício social findo em 31/12/13; (ii) Tendo em vista que a Cia. não apurou lucro no exercício social findo em 31/12/13, nenhuma deliberação foi tomada em relação à sua destinação. Estavam presentes na Assembleia os diretores da Cia., a fim de esclarecer quaisquer dúvidas dos acionistas, nos termos do Art. 134, § 1º, da Lei n.º 6.404/76, sendo que nenhum questionamento lhes foi feito. 8. Encerramento: Todos os documentos apresentados são autenticados pela Mesa e arquivados na sede da Cia.. Os termos desta ata e de seus anexos foram lidos e aprovados pelos acionistas da Cia.. Acionistas presentes - Carlos Augusto Barbosa Hirsch; Boaventura Mendonça D’avila Filho, Carlos Antonio Navas Viani; Mario Sergio Lobo Pimentel; Kazuo Kamazaki; Carlos Otto Berlowitz; Renato Ribas Pessoa; Celso Contro di Celio; Sener Ingeniería y Sistemas Brasil S.L.(p. Larissa Sgarbi inglez de Souza); e Sener Projetos e Sistemas Ltda. (p.Larissa Sgarbi Inglez de Souza). SP, 09/4/14 Mesa: Carlos Antonio Navas Viani - Presidente; Guido Spadari Casanova - Secretário. Jucesp nº 158.094/14-1 em 29/04/2014. Gisela S. Ceschin-Secretária Geral.

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

ECONOMIA/LEGAIS - 19

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 1 e 2 de maio de 2014

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

FDE AVISA: TOMADAS DE PREÇOS A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE comunica às empresas interessadas que se acha aberta licitação para execução de Reforma de Prédio(s) Escolar(es): TOMADA DE PREÇOS Nº - PRÉDIO - LOCALIZAÇÃO - PRAZO - ÁREA (se houver) PATRIMÔNIO LÍQUIDO MÍNIMO P/PARTICIPAR - GARANTIA DE PARTICIPAÇÃO - ABERTURA DA LICITAÇÃO (HORA E DIA). 69/00266/14/ 02 - EE/ETEC Dona Noemia Dias Perotti/Sebastiana Augusta de Moraes (CL Descentr) - Rua Prof Dalva Colaferro, 1330 - Cep: 16800000 - Centro – Mirandópolis/SP - EE João Brasio - Rua Paulo de Arruda Mendes, 2597 - Cep: 17980-000 - Marrecas – Panorama/SP - 180 - R$ 87.863,00 - R$ 8.786,00 - 09:30 - 20/05/2014. 72/00079/14/02 - EE Dr. Francisco Emygdio Pereira Neto - Rua Armando Backy, 441 - Cep: 09811-410 - Demarchi - São Bernardo do Campo/SP - 120 - R$ 44.050,00 - R$ 4.405,00 - 10:00 - 20/05/2014. 72/ 00080/14/02 - EE Sergio Buarque de Holanda - Rua 19 de Novembro, 21 - Jardim Santa Dirce – Diadema/SP - 60 - R$ 21.970,00 - R$ 2.197,00 - 10:30 - 20/05/2014. As empresas interessadas poderão obter informações e verificar o Edital e o respectivo Caderno de Encargos e Composição do BDI na SEDE DA FDE, na Supervisão de Licitações, na Av. São Luís, 99 - República - CEP: 01046-001 - São Paulo/SP ou através da Internet pelo endereço eletrônico www.fde.sp.gov.br. Os interessados poderão adquirir o Edital completo através de CD-ROM a partir de 05/05/2014, na SEDE DA FDE, de segunda a sexta-feira, no horário das 08:30 às 17:00 horas, mediante pagamento não reembolsável de R$ 40,00 (quarenta reais). Os interessados poderão adquirir o CD-ROM referente às Planilhas, ao custo de R$ 3,00 (três reais), na SEDE DA FDE, de segunda a sexta-feira, dentro do horário de expediente, das 08:30 às 17:00 horas. Todas as propostas deverão estar acompanhadas de garantia de participação, a ser apresentada à Supervisão de Licitações da FDE, conforme valor indicado acima. Os invólucros contendo a PROPOSTA COMERCIAL e os DOCUMENTOS DE HABILITAÇÃO deverão ser entregues, juntamente com a Solicitação de Participação, a Declaração de Pleno Atendimento aos Requisitos de Habilitação e a garantia de participação, no Setor de Protocolo da Supervisão de Licitações - SLI na SEDE DA FDE, até 30 minutos antes da abertura da licitação. Esta Licitação será processada em conformidade com a LEI FEDERAL nº 8.666/93 e suas alterações, e com o disposto nas CONDIÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FDE. As propostas deverão obedecer, rigorosamente, ao estabelecido no edital. BARJAS NEGRI - Presidente

PREFEITURA MUNICIPAL DE PEDRO DE TOLEDO/SP

EDITAL DE LICITAÇÃO PROCESSO Nº 161/2014 PREGÃO PRESENCIAL Nº 04/2014 A Prefeitura Municipal de Pedro de Toledo torna pública a abertura do Pregão Presencial nº 04/2014 - Processo nº 161/2014. A presente licitação tem por objeto a aquisição de 01 (UM) ROLO COMPACTADOR PÉ DE CARNEIRO NOVO (ZERO) HORA. Recebimento do Credenciamento: 15 de MAIO de 2014 a partir das 9h. Recebimento dos Envelopes Proposta, Documentação de Declaração de pleno atendimento aos requisitos de habilitação: 15 de MAIO de 2014, a partir das 9h. O edital em inteiro teor encontra-se à disposição dos interessados, gratuitamente, através do site: www.pedrodetoledo.sp.gov.br ou no Depto de Compras/Licitações da Prefeitura Municipal de Pedro de Toledo, de 2ª a 6ª feira, das 09h00min às 11h30min e das 13h00min às 16h00min, na Av. Coronel Raimundo Vasconcelos, 230 Centro, mediante pagamento. Informações poderão ser obtidas no endereço acima ou pelo telefone (13) 3419-7000. Pedro de Toledo, 29 de abril de 2014. Sergio Yasushi Miyashiro - Prefeito Municipal.

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO Nº. 51/2014 PROCESSO N°. 0423/2014 OBJETO: Aquisição de Central de preparo de solução correta, destinada a aplicação e otimização de polieletrólito orgânico, conforme edital. O Edital na íntegra poderá ser obtido nos sites www.bb.com.br e www.saaesaocarlos.com.br opção licitações. Abertura das propostas às 09h00min do dia 15/05/2014 e o início da sessão de disputa às 15h00min do dia 15/05/2014 (horário de Brasília). Marcel Rodrigo dos Santos - Pregoeiro São Carlos, 30 de abril de 2014 Gerência de Finanças e Suprimentos

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO Nº. 50/2014 PROCESSO N°. 0357/2014 OBJETO: “Registro de Preços” para contratações futuras na aquisição de tubos e conexões galvanizados, conforme edital. O Edital na íntegra poderá ser obtido nos sites: www.bb.com.br e www.saaesaocarlos.com.br - opção licitações. Abertura das propostas às 09h00min do dia 15/05/2014 e o início da sessão de disputa às 14h00min do dia 15/05/2014 (horário de Brasília). Michelle Thais Martelli - Pregoeira São Carlos, 30 de abril de 2014 Gerência de Finanças e Suprimentos

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO Nº. 52/2014 PROCESSO N°. 0599/2014 OBJETO: “Registro de Preços” para contratações futuras na aquisição de cal hidratada especial para tratamento de água, conforme edital. O Edital na íntegra poderá ser obtido nos sites www.bb.com.br e www.saaesaocarlos.com.br - opção licitações. Abertura das propostas às 09h00min do dia 16/05/2014 e o início da sessão de disputa às 14h00min do dia 16/05/2014 (horário de Brasília). Michelle Thais Martelli - Pregoeira São Carlos, 30 de abril de 2014 Gerência de Finanças e Suprimentos

Ministério de Minas e Energia

AVISO DE LICITAÇÃO Pregão Eletrônico PE-012-4-0055 Objeto: Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A – Eletronorte, torna público aos interessados que realizará licitação na modalidade Pregão Eletrônico, tipo menor preço global, no dia 14/05 /2014, às 14:30 horas, no Sistema Comprasnet, cujo objeto é a contratação de serviços para mapeamento dos bens imóveis e das áreas vinculadas à concessão de usinas hidrelétricas, referente as atividades relacionadas à Resolução Normativa ANEEL 501/2012, de 24.07.2012. Total de itens licitados: 01. O edital estará à disposição dos interessados nos endereços: www.comprasnet.gov.br, link: acesso livre – Pregões – Agendados e www.eln.gov.br. Iderval Nanes Farias Respondendo pela Superintendência de Suprimento de Material e Serviços

PREFEITURA MUNICIPAL DE PEREIRA BARRETO/SP PROCESSO Nº 052/2014 - PREGÃO Nº 019/2014 RESUMO DE EDITAL ARNALDO SHIGUEYUKI ENOMOTO, Prefeito de Pereira Barreto-SP, faz saber que se acha aberto até às 14h00min do dia 15 de maio de 2014, o Pregão Presencial nº 019/2014, do tipo menor preço, objetivando a Aquisição de um Caminhão pipa novo, zero Km, ano mínimo de fabricação/ modelo 2013, tração 6x2, potência mínima de 220cv, de acordo com o Contrato de Repasse nº 870 / 2013, celebrado entre o Governo do Estado de São Paulo com a Prefeitura Municipal da Estância Turística de Pereira Barreto, por intermédio da Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional de São Paulo. Maiores informações no Dep. de Licitações pelo fone/fax (18) 3704-8505, pelo e-mail: licitacao@pereirabarreto.sp.gov.br com cópia para silvana.moura@pereirabarreto.sp.gov.br, e luis.aguilar@ pereirabarreto.sp.gov.br, ou ainda o Edital completo no website www. pereirabarreto.sp.gov.br. Pereira Barreto-SP, 29 de abril de 2014. Arnaldo Shigueyuki Enomoto - Prefeito

SerPartners Participações e Administração S.A. CNPJ/MF nº 07.865.305/0001-05 – NIRE 35.300.329.007 Ata de Reunião do Conselho de Administração de 11 de abril de 2014 1. Data, Horário e Local: Aos 11/04/2014, às 13:00 horas, na sede social da Cia., na Av. Presidente Juscelino Kubitschek, nº 1830, 12º andar, Torre I, Sala 3, São Paulo-SP. 2. Presença: Verificou-se a presença da totalidade dos membros do Conselho de Administração da Cia.. 3. Convocação: Dispensada a comprovação da convocação tendo em vista a presença da totalidade dos membros do Conselho de Administração da Cia.. 4. Mesa: Presidente: Jair Ribeiro da Silva Neto; Secretário: André Jacintho Mesquita. 5. Ordem do Dia: Eleição dos membros da Diretoria da Cia.. 6. Deliberações: Por unanimidade de votos dos presentes e sem quaisquer ressalvas, os membros do Conselho de Administração deliberaram: (i) Reeleger os membros da atual Diretoria da Cia., por mais um período de 2 anos contados a partir da presente data, a saber: • Jair Ribeiro da Silva Neto, portador do RG nº 6.988.460-SSP/SP e do CPF/MF nº 022.718.058-56, para o cargo de Diretor Presidente; • Alfredo de Goeye Junior, portador do RG nº 3.453.078-2-SSP/SP e do CPF/MF nº 671.493.678-87, para o cargo de Diretor Vice-Presidente; e • André Jacintho Mesquita, portador do RG nº 16.990.193-2-SSP/SP e do CPF/MF nº 071.767.96831, para o cargo de Diretor Financeiro. (ii) Reconhecer que os diretores ora eleitos foram investidos em seus respectivos cargos, mediante assinatura de termo de posse que fica arquivado na sede da Cia., e declararam, para fins do disposto no art. 147, § 1º da Lei das S.A., não estarem impedidos de exercer a administração da Cia., por lei especial, ou em virtude de condenação criminal, ou por se encontrarem sob os efeitos dela, a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos, ou por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussão, peculato, ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra normas de defesa da concorrência, contra as relações de consumo, fé pública, ou a propriedade. 7. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, o Sr. Presidente deu por encerrada a presente reunião, determinando-se, por unanimidade de votos dos presentes, a lavratura desta ata na forma de sumário, a qual, após lida e aprovada, foi por todos assinada. 8. Assinaturas: Presidente da Mesa: Jair Ribeiro da Silva Neto; Secretário da Mesa: André Jacintho Mesquita; Conselheiros: Jair Ribeiro da Silva Neto, Francisco Teixeira de Goeye e Eduardo de Toledo. São Paulo, 11/04/2014. (ass.) Mesa: Jair Ribeiro da Silva Neto – Presidente da Mesa; André Jacintho Mesquita – Secretário da Mesa. Conselheiros: Jair Ribeiro da Silva Neto; Francisco Teixeira de Goeye; Eduardo de Toledo. unta Comercial do Estado de São Paulo. Certifico o registro sob o nº 156.047/14-7 em 24/04/2014. Gisela Simiema Ceschin – Secretária Geral.

PROCESSO Nº 050/2014 - PREGÃO Nº 018/2014 RESUMO DE EDITAL ARNALDO SHIGUEYUKI ENOMOTO, Prefeito da Estância Turística de Pereira Barreto-SP, faz saber que se acha aberto até as 14h00min do dia 16 de maio de 2014, o Pregão Presencial nº 018/2014, do tipo menor preço, objetivando a Aquisição de 01 (um) veículo zero km tipo ambulância de simples remoção, via Convênio 1959/2013 entre o Estado de São Paulo por intermédio da Secretaria de Estado de Saúde para uso da Secretaria Municipal de Saúde desta municipalidade, conforme características constantes no Anexo I deste Edital. Maiores informações no Dep. de Licitações pelo fone/fax (18) 3704-8505, pelo e-mail: licitacao@ pereirabarreto.sp.gov.br com cópia para silvana.moura@pereirabarreto. sp.gov.br e luis.aguilar@pereirabarreto.sp.gov.br, ou ainda o Edital completo no website www.pereirabarreto.sp.gov.br. Pereira Barreto-SP, 30 de abril de 2014. Arnaldo Shigueyuki Enomoto - Prefeito

MAKRO ATACADISTA S.A.

www.makro.com.br

CNPJ nº 47.427.653/0001-15

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO - Em milhares de reais Ativo Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 5) Contas a receber (Nota 6) Estoques (Nota 7) Tributos a recuperar (Nota 8) Despesas antecipadas Outros créditos (Nota 9) Não circulante Realizável a longo prazo Tributos diferidos (Nota 17(b)) Tributos a recuperar (Nota 8) Depósitos judiciais (Nota 16(d)) Outros créditos (Nota 9) Investimentos (Nota 10(a)) Intangível (Nota 11) Imobilizado (Nota 12) Total do ativo

Controladora 2013 2012

Consolidado 2013 2012

Passivo e patrimônio líquido Circulante Fornecedores Empréstimos e financiamentos (Nota 13) Debêntures (Nota 13) Provisão para férias, bônus e encargos sociais Imposto de renda e contribuição social a recolher Impostos a recolher (Nota 14) Dividendos e juros sobre o capital próprio (Nota 18) Outras obrigações (Nota 15)

93.273 235.381 95.625 241.084 94.197 99.246 94.197 99.246 752.628 677.942 752.628 677.942 38.804 58.176 39.013 58.372 10.508 9.737 10.596 9.888 10.059 5.794 10.077 5.778 999.469 1.086.276 1.002.136 1.092.310

96.010 78.354

70.075 15.838

96.010 78.354

Não circulante Empréstimos e financiamentos (Nota 13) Debêntures (Nota 13) Provisão para contingências (Nota 16) Outras obrigações (Nota 15)

70.075 15.838

8.762 7.771 9.147 8.156 48.678 15.921 15.921 15.921 231.804 109.605 199.432 109.990 378.737 366.676 31.292 26.203 31.292 26.203 431.776 379.912 860.888 774.556 1.073.609 882.396 1.091.612 910.749 2.073.078 1.968.672 2.093.748 2.003.059

Controladora 2013 2012

Consolidado 2013 2012

875.412

787.957

875.844

788.152

39.912 6.162

37.305 280.524

51.046 6.162

48.478 280.524

47.827

51.426

48.537

52.031

2.712 41.709

5.019 17.366

5.947 42.169

7.997 17.779

24.455 30.963 24.455 30.963 50.011 40.126 37.411 30.858 1.088.200 1.250.686 1.091.571 1.256.782 153.249 230.000

159.813

170.707 230.000

188.296

33.690 20.523 33.531 20.373 42 416.939 180.378 434.238 208.669 1.505.139 1.431.064 1.525.809 1.465.451

Total do passivo Patrimônio líquido (Nota 18) Capital social 221.902 221.902 221.902 221.902 Reservas de lucros 346.037 315.706 346.037 315.706 Total do patrimônio líquido 567.939 537.608 567.939 537.608 Total do passivo e patrimônio líquido 2.073.078 1.968.672 2.093.748 2.003.059

DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO - Em milhares de reais Reservas de lucros Capital Para Lucros social Legal investimentos acumulados Em 31 de dezembro de 2011 221.902 44.381 233.934 Lucro do exercício 49.855 Dividendos propostos (12.464) Constituição de reservas estatutárias sobre o lucro do exercício 37.391 (37.391) Em 31 de dezembro de 2012 221.902 44.381 271.325 Dividendos propostos e não aprovados 12.464 Lucro líquido do exercício 23.823 Dividendos propostos (5.956) Constituição de reservas estatutárias sobre o lucro do exercício 30.331 (30.331) Em 31 de dezembro de 2013 221.902 44.381 301.656

Total 500.217 49.855 (12.464) 537.608 12.464 23.823 (5.956) 567.939

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO Em milhares de reais, exceto o lucro líquido por ação Controladora Consolidado 2013 2012 2013 2012 Receita líquida (Nota 19) 6.868.828 6.164.627 6.868.828 6.164.627 Custo dos produtos vendidos (6.011.576) (5.341.657) (6.011.576) (5.341.657) Lucro bruto 857.252 822.970 857.252 822.970 (Despesas) receitas operacionais Com pessoal (323.601) (291.945) (324.009) (292.749) Aluguel, depreciação e amortização (210.895) (185.130) (122.794) (106.289) Com promoções (49.457) (50.194) (49.457) (50.194) Gerais (Nota 20) (279.215) (267.152) (283.508) (271.197) Outras receitas (despesas) operacionais, líquidas 3.805 10.600 3.945 10.545 Resultado de equivalência patrimonial (Nota 10(a)) 68.826 59.130 Lucro operacional antes do resultado financeiro 66.715 98.279 81.429 113.086 Resultado financeiro Receitas financeiras (Nota 21) 20.068 25.746 20.372 26.230 Despesas financeiras (Nota 21) (84.029) (76.681) (87.209) (81.206) Lucro antes do imposto de renda e da contribuição social 2.754 47.344 14.592 58.110 Imposto de renda e contribuição social (Nota 17(c)) 21.069 2.511 9.231 (8.255) Lucro líquido do exercício 23.823 49.855 23.823 49.855 Lucro líquido por ação no final do exercício - R$

4.765

9.971

DEMONSTRAÇÕES DOS FLUXOS DE CAIXA EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO - Em milhares de reais Controladora 2013 2012 Fluxos de caixa das atividades operacionais Lucro antes do imposto de renda e da contribuição social Ajustes Depreciação e amortização Valor residual do ativo imobilizado baixado Resultado da equivalência patrimonial Provisão para devedores duvidosos Provisão para ajuste de valor de realização de estoques Provisão para contingências Juros, variações monetárias e cambiais sobre empréstimos e debêntures Variações nos ativos e passivos Contas a receber Estoques Tributos a recuperar Outros créditos, depósitos judiciais e despesas antecipadas Fornecedores Provisão para férias, bônus e encargos sociais Impostos a recolher Provisão para contingências Outras obrigações

Consolidado 2013 2012

2.754

47.344

14.592

58.110

55.755 5.274 (68.826) 417 12.363 21.815 59.977 89.529

51.784 376 (59.130) 4.204 3.970 20.568 54.797 123.913

72.969 5.197

68.889 432

417 12.363 21.805 63.100 190.443

4.204 3.970 20.849 59.270 215.724

4.632 (87.049) (43.144) (38.997) 87.455 (3.599) 17.170 (8.648) 9.843

(19.203) (60.786) (23.807) (6.168) 36.673 4.035 11.193 (7.764) 709

4.632 (87.049) (43.157) (6.212) 87.692 (3.494) 17.171 (8.648) 6.554

(19.203) (60.786) (23.855) (6.177) 36.671 4.071 11.252 (7.959) (549)

Caixa proveniente das operações Juros pagos Imposto de renda e contribuição social pagos Caixa líquido (aplicado nas) proveniente das atividades operacionais Fluxos de caixa das atividades de investimentos Recebimento de dividendos Aquisições de ativo imobilizado Aquisições de ativo intangível Caixa líquido proveniente das (aplicado nas) atividades de investimentos Fluxos de caixa das atividades de financiamentos Amortização de empréstimos e financiamentos Ingressos de empréstimos e financiamentos Caixa líquido aplicado nas atividades de financiamentos Redução líquida de caixa e equivalentes de caixa Caixa e equivalentes de caixa no início do exercício Caixa e equivalentes de caixa no final do exercício

Controladora 2013 2012 27.192 58.795 (35.069) (43.435) (2.862)

Consolidado 2013 2012 157.932 149.189 (38.247) (48.005) (11.535) (13.278)

(7.877)

12.498

108.150

87.906

56.748 (108.199) (9.784)

64.105 (47.376) (8.266)

(159.804) (9.784)

(47.534) (8.266)

(61.235)

8.463

(169.588)

(55.800)

(82.817) 9.821 (72.996) (142.108) 235.381 93.273

(35.619)

(93.842) 9.821 (84.021) (145.459) 241.084 95.625

(46.645)

(35.619) (14.659) 250.040 235.381

(46.645) (14.539) 255.623 241.084

Renata Lima Paziani (Contadora CRC 1SP/201407/O-7)

“A íntegra das demonstrações contábeis, acompanhadas do parecer, sem ressalva, da PricewaterhouseCoopers Auditores Independentes, esta publicada no jornal DOESP do dia 01/05/2014.”

GPS Participações e Empreendimentos S.A. e empresas controladas CNPJ/MF: 09.229.201/0001-30 BALANÇO PATRIMONIAL Balanços patrimoniais 31 de dezembro de 2013 e de 2012 (Em milhares de reais) Controladora Consolidado Controladora Consolidado 2012 2011 2012 2011 2012 2011 2012 2011 Reapre- ReapreReapre- ReapreReapre- ReapreReapre- Reapre2013 sentadosentado 2013 sentado sentado 2013 sentado sentado 2013 sentado sentado Passivo Circulante Ativo Empréstimos e Circulante financiamentos - 47.195 35.458 16.776 Caixa e equivalentes Fornecedores 14 109 12.995 9.955 7.001 de caixa 18 5 103.852 39.543 13.605 Salários e encargos Contas a receber sociais 57.526 45.980 28.617 de Clientes 13.910 80.128 78.598 48.196 Imposto de renda Tributos a recuperar 32.174 32.534 17.883 e contribuição 3.126 572 1.644 Outros créditos 500 2.063 1.072 social a recolher Obrigações tributárias 1 4 4.489 4.564 4.235 Adiantamentos 2.367 1.743 1.626 Parcelamento Despesas de tributos 3.495 2.840 2.880 15.700 22.067 18.560 antecipadas 11 2.781 2.441 614 Tributos sob júdice Dividendos a pagar 23.961 6.294 3.893 24.147 6.765 3.893 13.921 18 5 221.802 156.922 82.996 Receita antecipada 717 Não circulante Outras contas a pagar 197 62 9.051 4.242 3.568 Realizável a 23.976 6.604 3.955 177.724 132.443 87.891 longo prazo Não circulante Aplicações Partes relacionadas 1.108 18.807 17.607 financeiras 1.247 1.277 1.261 Empréstimos e financiamentos 101.416 78.858 20.117 Contas a receber 468 465 677 Parcelamento de Depósitos judiciais 7.487 6.010 2.851 tributos 10.912 12.003 12.339 Imposto de renda e Provisão para contingências 13.253 9.121 6.161 contribuição social Provisão para diferidos 27.944 34.233 32.536 perdas em Partes relacionadas 5.335 6.626 1.501 5.334 6.625 investimentos 20.791 19.250 5.335 6.626 1.501 42.480 48.610 37.325 Imposto de renda e contribuição social Investimentos 131.048 141.999 125.494 diferidos 1.978 3.108 1.967 Imobilizado 22.908 20.184 11.136 Outras contas Intangível a pagar 4.844 6.335 3.644 5.952 39.598 36.857 133.894 106.734 40.584 Ágio Patrimônio líquido rentabilidade futura 132.610 100.981 75.536 Capital social 10.282 10.280 3.279 10.282 10.280 3.279 Marca 6.999 6.999 1.880 Custos de transação (809) (809) (809) (809) (809) (809) Reserva de capital 81.723 64.095 73.856 81.723 64.095 73.856 Carteira de Clientes 4.616 7.328 5.385 Reserva de lucros 29.180 28.875 9.862 29.180 28.875 9.862 Acordo de não 120.376 102.441 86.188 120.376 102.441 86.188 concorrência 262 262 90 Participação dos não controladores 361 299 284 Programas e Softwares 678 631 599 Total do patrimônio líquido 120.376 102.441 86.188 120.737 102.740 86.472 136.383 148.625 126.995 210.553 184.995 131.951 Total do passivo e Total do ativo 150.304 148.643 127.000 432.355 341.917 214.947 patrimônio líquido 150.304 148.643 127.000 432.355 341.917 214.947 Demonstrações dos resultados Exercícios findos em 31 de dezembro de 2013 e de 2012 (Em milhares de reais, exceto lucro por ação) Controladora Consolidado 2012 2012 ReapreReapre2013 sentado 2013 sentado Receita líquida dos serviços - 676.996 484.354 Custo dos serviços prestados - (549.843) (397.586) Lucro bruto - 127.153 86.768 Despesas operacionais Comerciais - (7.666) (5.306) Gerais e administrativas (358) (365) (45.494) (35.483) Remuneração dos administradores - (2.620) (2.591) Amortização - Carteira de Clientes (2.711) (1.229) Outras receitas (despesas) operacionais, líquidas 5.710 (2.102) (358) (365) (52.781) (46.711) Resultado operacional antes das participações societárias e do resultado financeiro (358) (365) 74.372 40.057 Resultado de participações societárias Equivalência patrimonial 40.137 23.354 40.137 23.354 Resultado financeiro Despesas financeiras (479) (23.557) (11.749) Receitas financeiras 335 234 8.319 2.715 (144) 234 (15.238) (9.034) Resultado antes do imposto de renda e da contribuição social 39.635 23.223 59.134 31.023 Imposto de renda e contribuição social Imposto de renda - (14.188) (5.666) Contribuição social - (5.237) (2.089) - (19.425) (7.755) Lucro líquido do exercício 39.635 23.223 39.709 23.268 Atribuível a: Acionistas da companhia 34.448 20.610 34.448 20.610 Distribuição de dividendos desproporcionais 5.187 2.613 5.187 2.613 Participação dos não controladores 74 45 Média ponderada de ações (CPC 41) 4.852.929 4.504.441 Lucro por ação de acordo com o CPC 41 8,17 5,16 DIRETORIA: Luis Carlos Martinez Romero Diretor Presidente Anderson Nunes da Silva Contador CRC 1SP232030/O-9 - CPF 269.768.458-10

Demonstrações dos resultados abrangentes Exercícios findos em 31 de dezembro de 2013 e de 2012 (Em milhares de reais) Controladora Consolidado 2012 2012 ReapreReapre2013 sentado 2013 sentado Lucro líquido do exercício 39.635 23.223 39.709 23.268 Outros resultados abrangentes Resultado Abrangente do Exercício 39.635 23.223 39.709 23.268 Atribuível a Controladores da Sociedade 34.448 20.610 34.448 20.610 Distribuição de dividendos desproporcionais 5.187 2.613 5.187 2.613 Não controladores da Sociedade 74 45

Demonstrações dos fluxos de caixa Exercícios findos em 31 de dezembro de 2013 e de 2012 (Em milhares de reais) Controladora Consolidado 2013 2012 2013 2012 Fluxos de caixa das atividades operacionais Lucro antes do imposto de renda e da contribuição social 39.635 23.223 59.134 31.023 Ajustes para reconciliar o lucro com recursos provenientes das atividades operacionais Equivalência patrimonial (40.138) (25.006) Perda por variação patrimonial 5.187 2.613 Resultado na alienação de bens do ativo imobilizado 448 421 Depreciação e amortização 4.983 7.472 Amortização do ágio Carteira de Clientes 2.712 Provisão para contingências 4.132 6.467 Recomposição de créditos tributários de períodos anteriores - (6.367) Recomposição do saldo do ágio 9.660 Encargos financeiros provisionados e ainda não pagos - 14.540 9.155 Receita antecipada Outros 4.685 830 79.582 64.198 Variações nos ativos e passivos Contas a receber - (1.533) (30.190) Impostos e contribuições a recuperar 6.649 (21.125) Depósitos judiciais - (1.477) (3.159) Demais ativos (13.920) 629 (2.951) Fornecedores (99) 109 3.040 2.954 Salários e encargos sociais - 11.546 17.363 Obrigações tributárias e tributos sob júdice 2 4 (511) (47) Outras obrigações 17.525 (962) 3.253 8.892 Participação dos minoritários (30) Caixa proveniente das operações 8.192 (19) 101.178 35.905 Imposto de renda e contribuição social pagos ou retidos - (16.871) (8.826) Juros pagos - (10.153) (7.566) Caixa líquido proveniente das (aplicado nas) atividades operacionais 8.192 (19) 74.154 19.513 Fluxos de caixa das atividades de investimentos Contratos de mútuo concedido (6.625) Dividendos recebidos 25.110 14.476 Títulos e valores mobiliários Aquisição de imobilizado - (8.155) (16.598) Aquisição de ativo intangível - (31.676) (33.054) Caixa líquido aplicado nas atividades de investimentos 25.110 14.476 (39.831) (56.277) Fluxos de caixa das atividades de financiamentos Integralização de capital 2 7.001 2 7.001 Conversão de participação societária 26.607 26.607 Dividendos pagos (35.262) (7.759) (19.564) (10.372) Partes relacionadas (16.409) (3.925) 1.291 Captação de empréstimos e financiamentos - 62.036 100.947 Amortização de empréstimos e financiamentos - (32.128) (25.113) Resgate de ações preferenciais (8.258) (9.761) (8.258) (9.761) Caixa líquido proveniente (aplicado) das (nas) atividades de financiamentos (33.320) (14.444) 29.986 62.702 Aumento líquido (diminuição) de caixa e equivalentes de caixa (18) 13 64.309 25.938 Caixa e equivalentes de caixa no início do exercício 18 5 39.543 13.605 Caixa e equivalentes de caixa no final do exercício 18 103.852 39.543

Demonstrações das mutações do patrimônio líquido Exercícios findos em 31 de dezembro de 2013 e de 2012 (Em milhares de reais) Reservas de capital Reserva de lucros Custos Ágio na Ágio na Efeitos Patrimônio Participação de emissão emissão Rese- Reten- de reali- Lucros líquido dos dos não Capital tran- de ações de ações rva ção de zação acumuControControsocial sação ordinárias preferenciais legal lucros ILP lados ladores ladores Total Em 31 de dezembro de 2011 3.279 (809) 42.217 31.639 656 9.206 86.188 284 86.472 Mudanças nas políticas contábeis Amortização do ágio alocado à carteira de Clientes (1.230) (1.230) (15) (1.245) Efeitos tributários diferidos sobre amortização 418 418 5 423 Ajustes de exercícios anteriores 9.660 9.660 9.660 Em 1° de Janeiro de 2012 3279 (809) 42.217 31.369 656 18.054 95.036 274 95.310 Integralização de capital 7.001 7.001 7.001 Resgate de ações preferenciais (9.761) (9.761) (9.761) Distribuição de dividendos adicionais (2.443) (2.443) (20) (2.463) Lucro líquido do exercício 23.268 23.268 45 23.313 Destinação Reserva legal 1.163 (1.163) Dividendo obrigatório (2.521) (2.521) (2.521) Dividendo mínimo estatutário (5.526) (5.526) (5.526) Distribuição de dividendos desproporcionais (2.613) (2.613) (2.613) Retenção de lucros 13.966 (13.966) Em 31 de dezembro de 2012 10.280 (809) 42.217 21.878 1.819 27.056 102.441 299 102.740 Integralização de capital 2 2 2 Resgate de ações preferenciais (8.258) (8.258) (8.258) Conversão de participação societária (Ações Preferenciais 12.899 (12.899) em Ordinárias Nominativas) Exercício de bônus de subscrição de a ações ordinárias 26.607 26.607 26.607 Distribuição de dividendos adicionais (19.505) (19.505) (12) (19.517) Ajuste ao valor justo - Ações ILP (4.844) (4.844) (4.844) Lucro líquido do exercício 39.709 39.709 74 39.783 Destinação Reserva legal 237 -237 Dividendo obrigatório (721) (721) (721) Dividendo mínimo estatutário (9.868) (9.868) (9.868) Distribuição de dividendos desproporcionais (5.187) (5.187) (5.187) Retenção de lucros 24.417 (24.417) Participação de acionistas não controladores Em 31 de dezembro de 2013 10.282 (809) 81.723 0 2.056 31.968 (4.844) 0 120.376 361 120.737


20 -.ECONOMIA/LEGAIS

DIÁRIO DO COMÉRCIO

SerPartners Participações e Administração S.A. CNPJ/MF nº 07.865.305/0001-05 – NIRE 35.300.329.007 Ata da Assembleia Geral Extraordinária e Ordinária realizada em 11 de abril de 2014 1. Data, Hora e Local: 11/04/2014, às 10:00 hs., na sede social da Cia., na Av. Presidente Juscelino Kubitschek, 1830, 12º andar, Torre I, sala 3, São Paulo-SP. 2. Mesa: Presidente: Jair Ribeiro da Silva Neto; Secretário: André Jacintho Mesquita. 3. Presença: Acionistas representando a totalidade do capital social da Cia.. 4. Convocação: Dispensada a convocação em vista do comparecimento dos acionistas representando a totalidade do capital social da Cia., nos termos do Art. 124, § 4º, da Lei 6.404/76 e conforme comprovado pelas assinaturas no Livro de Presença de Acionistas. 5. Ordem do Dia: 5.1. Em Assembleia Geral Extraordinária deliberar sobre as seguintes matérias (a) aprovação dos termos e condições do Instrumento Particular de Retificação e Ratificação, celebrado em 27/03/2014, do Instrumento Particular de Protocolo e Justificativa de Incorporação (o “Instrumento de Re-Ratificação do Protocolo”), cuja minuta é do conhecimento dos acionistas, o qual tem por objetivo retificar o capital social da Cia. e ratificar os demais termos e condições do Instrumento Particular de Protocolo e Justificativa de Incorporação, que foi assinado em 29/11/2013 (o “Protocolo Original”); (b) retificação do item 6.2.(vi) do ata de Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária, realizada em 28/12/2013, arquivada perante a JUCESP, em sessão de 30/01/2014 sob o nº 0.074.471/14-4 (“Ata de 28/12/2013”) e ratificação das demais deliberações tomadas naquela ocasião; (c) a criação de nova classe de ações ordinárias, denominada “classe especial”, que outorgará a seus titulares o direito de convertê-las em ações preferenciais classe “A”; (d) a conversibilidade das ações ordinárias em ações ordinárias classe especial; (e) a eventual conversão de ações ordinárias em ações ordinárias classe especial, e subsequente conversão de ações ordinárias classe especial em ações preferenciais classe “A”, de titularidade daqueles acionistas que desejarem optar por tal conversão; (f) após dada a oportunidade aos acionistas de converter suas ações na forma descrita em “(e)” acima, a extinção das ações ordinárias classe especial e impossibilidade de conversão de ações ordinárias em ações ordinárias classe especial; (g) alteração e consolidação do Art. Quinto do Estatuto Social da Cia. e consolidação do estatuto social; e (h) reeleição dos membros do Conselho de Administração da Cia. por um período de 2 anos a contar da presente data. 5.2. Em Assembleia Geral Ordinária deliberar sobre as seguintes matérias: (a) tomar as contas da administração da Cia. relativas ao exercício social encerrado em 31/12/2013; (b) aprovação do balanço patrimonial e demais demonstrações financeiras da Cia. relativas ao exercício social encerrado em 31/12/2013, publicado no DOE-SP e no Jornal Diário do Comércio em 27/03/2014, nas páginas 32 e 24, respectivamente; e (c) a destinação de resultados apurados no balanço patrimonial relativo ao exercício social encerrado em 31/12/2013. 6. Deliberações: Analisadas, discutidas e votadas as matérias constantes da ordem do dia, os acionistas presentes decidiram, por unanimidade de votos e sem quaisquer ressalvas: 6.1. Em Assembleia Extraordinária: (a) Re-Ratificação do Protocolo. Aprovar os termos em condições, na sua totalidade e sem quaisquer ressalvas, do Instrumento de Re-Ratificação do Protocolo, o qual retificou o item II.6 e ratificou os demais termos e condições do Protocolo Original referentes à incorporação da SoftInvest Participações e Administração S.A., inscrita no CNPJ/MF sob o nº 07.865.318/0001-84 (“SoftInvest”) pela Cia., cuja cópia se encontra anexa à presente ata como Anexo I. (b) Retificação da Ata de 28/12/2013. Aprovar a retificação do item 6.2.(vi) da Ata de 28/12/2013, para fazer constar que o aumento do capital social da Cia. de R$ 665.931,38 decorrente da incorporação da SoftInvest, ocorreu mediante a emissão de 373.787 novas ações, sendo 247.357 novas ações ordinárias nominativas, e 126.430 novas ações preferenciais classe “A”, e não mediante a emissão de 444.090 novas ações, sendo 347.140 ações ordinárias nominativas e 96.950 ações preferenciais classe “A”, como equivocadamente constou da Ata de 28/12/2013. A subscrição das ações emitidas por ocasião do aumento de capital aprovado na Ata de 28/12/2013 foi feita pelos acionistas Giampaolo Maria Sisto Felice Baglioni, André Jacintho Mesquita e Luciano Mascigrande Sapata, sendo que, em decorrência da retificação descrita neste item “(b)”, as ações em questão ficam distribuídas da seguinte forma entre os referidos acionistas: Acionista: Giampaolo Maria Sisto Felice Baglioni – Novas Ações Ordinárias: 233.491, Novas Ações Preferenciais Classe “A”: 123.890; Acionista: André Jacintho Mesquita – Novas Ações Ordinárias: 6.933, Novas Ações Preferenciais Classe “A”: 1.270; Acionista: Luciano Mascigrande Sapata – Novas Ações Ordinárias: 6.933, Novas Ações Preferenciais Classe “A”: 1.270; Total de Novas Ações Ordinárias: 247.357, Total de Novas Ações Preferenciais Classe “A”: 126.430. (c) Criação de ações ordinárias classe especial. Aprovar a criação de nova classe especial de ações ordinárias nominativas, sem valor nominal, conversíveis em ações preferenciais classe “A”, às quais, além disso, outorgarão aos seus titulares todos os demais direitos, prioridades, preferências e vantagens que são outorgados aos titulares das ações ordinárias. (d) Pos-

quinta-feira e sexta-feira, 1 e 2 de maio de 2014

sibilidade de conversão de ações ordinárias em ações ordinárias classe especial. Com expressa anuência da totalidade dos acionistas detentores de ações ordinárias, resolveram os acionistas possibilitar a conversão de ações ordinárias em ações ordinárias classe especial, à razão de 1 ação ordinária para cada ação ordinária classe especial. Os acionistas MSP Participações S.A., Jair Ribeiro da Silva Neto e FRFC Participações e Administração Ltda. manifestaram seu interesse em converter, respectivamente, 13.250 ações ordinárias, 13.250 ações ordinárias e 13.250 ações ordinárias, no mesmo número de ações ordinárias classe especial, sendo emitidas ao todo 39.750 ações ordinárias classe especial da Cia.. (e) Conversão das ações ordinárias classe especial em ações preferenciais classe “A”. Aprovar conversão de 39.750 ações ordinárias classe especial da Cia. em ações preferenciais classe “A”, à razão de 1 ação ordinária classe especial para cada ação preferencial classe “A”, sendo 13.250 ações ordinárias classe especial detidas pela acionista MSP Participações S.A., 13.250 ações ordinárias classe especial detidas pelo acionista Jair Ribeiro da Silva Neto e 13.250 ações ordinárias classe especial detidas pelo acionista FRFC Participações e Administração Ltda. Os demais acionistas detentores de ações preferenciais classe “A” renunciaram expressamente ao seu direito de preferência na subscrição das 39.750 ações preferenciais classe “A” ora emitidas. (f) Extinção das ações ordinárias classe especial. Diante da aprovação da conversão de ações ordinárias em ações ordinárias classe especial, e sua posterior, conversão em ações preferenciais classe “A”, verificou-se que 39.750 ações ordinárias classe especial foram convertidas em ações preferenciais classe A, razão pela qual resolveram todos os acionistas extinguir as ações ordinárias classe especial. (g) Impossibilidade de conversão das ações ordinárias. Aprovar a alteração, com expressa anuência da totalidade dos acionistas detentores de ações ordinárias, dos direitos a estes atribuídos, para impedir a conversão das ações ordinárias em ações ordinárias classe especial, tendo em vista a extinção das ações ordinárias classe especial. (h) Alteração e Consolidação do Art. 5º do Estatuto Social. Aprovar a nova redação do Art. 5º do Estatuto Social da Cia., para refletir as deliberações descritas nos itens (a) a (g) acima, conforme segue: “Art. 5º – O capital social subscrito e integralizado em moeda corrente nacional é de R$ 30.144.923,74, dividido em 8.250.399 ações ordinárias nominativas e 5.834.882 ações preferenciais classe “A”, todas sem valor nominal, representadas por cautelas, certificados ou títulos simples ou múltiplos.” (k) Reeleição dos membros do Conselho de Administração: Aprovar a reeleição dos seguintes membros do Conselho de Administração da Cia., os quais permanecerão em seus cargos por um período de 2 anos contados a partir da presente data, a saber: • Jair Ribeiro da Silva Neto, portador do RG nº 6.988.460 SSP/SP e do CPF/MF nº 022.718.058-56, residente e domiciliado em São Paulo-SP, para o cargo de Presidente do Conselho de Administração; • Francisco Teixeira de Goeye, portador do RG nº 32.495.653-8 SSP/SP e do CPF/MF nº 303.129.968-02, residente e domiciliado em São Paulo-SP, para o cargo de membro do Conselho de Administração da Cia.; e • Eduardo de Toledo, portador do RG nº 4.358.259-X e do CPF/MF nº 103.264.958-51, residente e domiciliado em São Paulo-SP, para o cargo de membro do Conselho de Administração da Cia.. K.1. Os membros do Conselho de Administração ora eleitos foram investidos em seus respectivos cargos, mediante assinatura de termo de posse que fica arquivado na sede da Cia., e declararam, para fins do disposto no art. 147, § 1º da Lei das S.A., não estarem impedidos de exercer a administração da Cia., por lei especial, ou em virtude de condenação criminal, ou por se encontrarem sob os efeitos dela, a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos, ou por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussão, peculato, ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra normas de defesa da concorrência, contra as relações de consumo, fé pública, ou a propriedade. 6.2. Em Assembleia Ordinária: (a) Aprovar as contas apresentadas pela administração da Cia. relativas ao exercício social encerrado em 31/12/2013; (b) Aprovar o balanço patrimonial e as demais demonstrações financeiras da Cia. relativas ao exercício social encerrado em 31/12/2013; e (c) Reconhecer a não distribuição de lucros e dividendos relativos ao exercício de 2013, conforme facultado pelo Art. 202, § 3º, II, da Lei das S.A.. 7. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, foram os trabalhos suspensos para a lavratura da presente ata. Reabertos os trabalhos, foi a presente ata lida e aprovada, sendo assinada por todos os presentes. São Paulo, 11/04/2014. Assinaturas: Mesa: Jair Ribeiro da Silva Neto – Presidente; André Jacintho Mesquita – Secretário. Acionistas: Jair Ribeiro da Silva Neto; MSP Participações S.A., p.: Marina Guaspari de Brito Gonçalves; FRFC Participações e Administração Ltda., p.: Alfredo de Goeye Junior; Alfredo de Goeye Junior; Silvana Guaspari de Brito Gutfreund; Marina Guaspari de Brito Gonçalves; Paulo Carlos de Brito Filho; Phoenyx Fund LLC, p.: Maria Raquel Sartori de Toledo Aguiar; Luciano Mascigrande Sapata; André Jacintho Mesquita; Giampaolo Maria Sisto Felice Baglioni, p.: Simone Alonso; Francisco de Goeye. Junta Comercial do Estado de São Paulo. Certifico o registro sob o nº 157.089/14-9 em 28/04/2014. Gisela Simiema Ceschin – Secretária Geral.

OLÍMPIA PROJETO RUA DO ROCIO 86 SPE S.A.

DECLARAÇÃO DE PROPÓSITO

ANDRÉ CAVALHEIRO BRISOLLA, portador da Cédula de Identidade RG nº 28.563.886-5 e inscrito no CPF/MF nº 213.746.628-79. DECLARA sua intenção de exercer cargo de Administração no BANCO ALFA DE INVESTIMENTO S.A. e que preenche as condições estabelecidas no art. 2º do Regulamento Anexo II à Resolução nº 4.122, de 2 de agosto de 2012. ESCLARECE que, nos termos da regulamentação em vigor, eventuais objeções à presente declaração devem ser comunicadas diretamente ao Banco Central do Brasil, no endereço abaixo, no prazo de quinze dias contados da divulgação, por aquela Autarquia, de comunicado público acerca desta, por meio formal em que o autor esteja devidamente identificado, acompanhado da documentação comprobatória, observado que o declarante pode, na forma da legislação em vigor, ter direito a vistas do processo respectivo. BANCO CENTRAL DO BRASIL - Departamento de Organização do Sistema Financeiro - Gerência Técnica em São Paulo - Avenida Paulista, 1804 - 5º andar - São Paulo - SP. São Paulo, 29 de abril de 2014. André Cavalheiro Brisolla

VIX ONE Empreendimentos Imobiliários SPE Ltda. CNPJ/MF nº 08.091.808/0001-33 - NIRE 35.220.726.441 Reunião de Sócios Quotistas - Edital de Convocação - 2ª Convocação A Cyrela Brazil Realty S.A. Empreendimentos e Participações, neste ato representada por seus diretores, na qualidade de sócia da sociedade a Vix One Empreendimentos Imobiliários SPE Ltda (“Sociedade”), vem, pela presente, nos termos do Contrato Social em vigor, convocar novamente os sócios da Sociedade para a Reunião de Sócios a realizar-se no dia 12 de maio de 2014, às 10 horas, na sede da Sociedade, em SP/SP, na Avenida Engenheiro Roberto Zuccolo, nº 555, 1º andar, sala 1.001 - parte, Vila Leopoldina, CEP 05307-190, para discutir e deliberar acerca da seguinte ordem do dia: (item único) deliberar sobre a alteração do contrato social, no capítulo da administração da sociedade. São Paulo/SP, 01.05.2014. Cyrela Brazil Realty S.A. Empreendimentos e Participações - Cláudio Carvalho de Lima - Cássio Mantelmacher.

Toulon Empreendimentos Imobiliários SPE Ltda. CNPJ/MF nº 08.576.067/0001-80 - NIRE 35.221.187.749 Reunião de Sócios Quotistas - Edital de Convocação - 2ª Convocação A Cyrela Brazil Realty S.A. Empreendimentos e Participações, neste ato representada por seus diretores, na qualidade de sócia da sociedade a Toulon Empreendimentos Imobiliários SPE Ltda. (“Sociedade”), vem, pela presente, nos termos do Contrato Social em vigor, convocar novamente os sócios da Sociedade para a Reunião de Sócios a realizar-se no dia 12 de maio de 2014, às 10h30, na sede da Sociedade, em SP/SP, na Avenida Engenheiro Roberto Zuccolo, nº 555, 1º andar, sala 1.001 - parte, Vila Leopoldina, CEP 05307-190, para discutir e deliberar acerca da seguinte ordem do dia: (item único) deliberar sobre a alteração do contrato social, no capítulo da administração da sociedade. São Paulo/SP, 01 de maio de 2014. Cyrela Brazil Realty S.A. Empreendimentos e Participações - Cláudio Carvalho de Lima - Cássio Mantelmacher

CNPJ 12.356.369/0001-10 - Rua do Rócio, 86 - São Paulo - SP - Tel. (11) 3818-5000

Senhores acionistas: Submetemos à V.Sas., as Demonstrações Contábeis referente aos exercícios findos em 31 de dezembro de 2013 e 2012, juntamente com o relatório de nossos auditores independentes “Confiance Auditores Independentes”. A Diretoria está a inteira disposição dos acionistas para quaisquer informações que julgarem necessárias. São Paulo, 17 de Abril de 2014

ATIVO Circulante .................................................................. Caixa e Equivalentes de Caixa................................. Impostos a Recuperar .............................................. Adiantamentos a Fornecedores................................ Outros Créditos......................................................... Despesas Antecipadas ............................................. Não Circulante .......................................................... Propriedades para Investimento ............................... Imobilizado................................................................ Diferido ..................................................................... Total do Ativo ............................................................

2013 2012 (Reapresentado) 9.031 1.614 1 22 9 9 5.498 1.548 3.518 5 35 96.201 66.730 96.173 66.710 27 19 1 1 105.232 68.344

PASSIVO Circulante .................................................................. Fornecedores............................................................ Obrigações Sociais e Tributárias .............................. Contas a Pagar......................................................... Não Circulante .......................................................... Patrimônio Líquido................................................... Capital Social............................................................ (-) Capital a Integralizar ............................................ Prejuízos Acumulados ..............................................

2013

2012 (Reapresentado) 2.073 3.763 2.000 1.701 67 122 6 1.940 103.159 64.581 107.000 72.000 (3.274) (7.040) (567) (379)

Total do Passivo .......................................................

105.232 68.344

01 - Contexto Operacional: A Olimpia Projeto Rua do Rocio 86 SPE S/A. Sociedade constituída em 01 de Julho de 2010, tem por objeto i) a organização, desenvolvimento e construção de um Edifício Comercial com 23 andares e 4 sub solos em imóvel situado nesta capital à Rua do Rocio, nº 86; ii) participação em outras sociedades como sócia, quotista ou acionista, no Brasil e Exterior; iii) administração de bens e negócios; iv) o apoio, planejamento, organização e assessoramento de empresas em geral; v) intermediação, agenciamento e realização de negócios e empreendimentos econômicos, nacionais e internacionais; vi) estudos de prospecção de mercados e clientes; e, vi) demais serviços correlatos, exceto atividades que dependam da inscrição em conselhos de classes ou órgãos semelhantes. 02 - Apresentação das Demonstrações Contábeis: a) Demonstrações financeiras: As demonstrações contábeis foram preparadas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, as quais abrangem a legislação societária, os Pronunciamentos Técnicos emitidos pelo CPC - Comitê de Pronunciamentos Contábeis, e estão sendo apresentadas em R$ mil. b) Reapresentação dos saldos do exercício de 2012 e 2011: O sumário das reclassificações realizadas em 31 de dezembro de 2012 e 2011 são apresentadas como segue: 31/12/2012 Originalmente ReclassiReapreDescrição emitido ficações sentado Ativo Circulante 1.614 1.614 ( Não Circulante 84.454 (17.724) 66.730 Propriedades para investimento (a) 84.434 (17.724) 66.710 Imobilizado 19 19 Diferido 1 1 ( Total do Ativo 86.068 (17.724) 68.344 Passivo (17.724 Circulante 21.487 (17.724) 3.763 Fornecedores (a) 19.425 (17.724) 1.701 Obrigações sociais e tributárias 122 122 Contas a pagar 1.940 1.940 Patrimônio Líquido 64.581 64.581 Total do Passivo 86.068 (17.724) 68.344 31/12/2011 Originalmente ReclassiReapreDescrição emitido ficações sentado Ativo Circulante 259 259 (3.704 Não Circulante 45.776 (3.704) 42.072 45.775 (3.704) 42.071 Propriedades para investimento (a) Diferido 1 1 Total do Ativo 46.035 (3.704) 42.331 Passivo (3.704 Circulante 4.252 (3.704) 548 Fornecedores (a) 4.214 (3.704) 510 Obrigações sociais e tributárias 38 38 Patrimônio Líquido 41.783 41.783 Total do Passivo 46.035 (3.704) 42.331 (a) Em 31 de dezembro de 2012 e 2011, no grupo de “Propriedades para investimentos” apresentava a conta “Contratos - Provisões”, na qual estavam registrados os compromissos assumidos com os fornecedores, ainda não realizados/entregues, considerando os “Contratos de Prestação de Serviços com Fornecimento de Materiais de Construção Civil”, sendo a contrapartida o Grupo de Fornecedores no Passivo Circulante. Em 2013 o valor registrado no grupo de “Propriedades para investimentos” foi lançado para o passivo como uma conta redutora dentro do Grupo de Fornecedores, de forma a não superavaliar o ativo, bem como o passivo. 03: Resumo das Principais Práticas Contábeis: a) Apuração de Resultados O regime de apuração do resultado é o de competência; b) Caixa e Equivalentes de Caixas - São apresentados por disponibilidades em moeda nacional, que incluem caixa e saldos positivos em conta movimento. c) Ativos e Passivos Circulantes e não Circulantes - Um ativo é reco-

nhecido no balanço patrimonial quando for provável que seus benefícios econômicos futuros serão gerados em favor da Companhia e seu custo ou valor puder ser mensurado com segurança. Um passivo é reconhecido no balanço patrimonial quando a Companhia possui uma obrigação legal ou constituída como resultado de um evento passado, sendo provável que um recurso econômico seja requerido para liquidá-lo. São acrescidos, quando aplicável, dos correspondentes encargos e das variações monetárias ou cambiais incorridos. As provisões são registradas tendo como base as melhores estimativas do risco envolvido. Os ativos e passivos são classificados como circulantes quando sua realização ou liquidação é provável que ocorra nos próximos doze meses. Caso contrário, são demonstrados como não circulantes. d) Propriedades para Investimentos - São as propriedades em que se espera benefício econômico contínuo e permanente, representadas pelos imóveis que futuramente serão destinados a renda e são demonstradas pelo custo de aquisição, formação ou construção. As propriedades, quando finalizadas, serão reduzidas pela depreciação calculada pelo método linear, levando em consideração o prazo de vida útil-econômica dos ativos e não excedendo o valor de realização. e) Imobilizado - É registrado pelo custo de aquisição, deduzido das respectivas depreciações acumuladas, calculadas pelo método linear à taxas que levam em consideração o tempo de vida útil estimado dos bens. f) Provisões para Imposto de Renda e Contribuição Social - São apurados com base no lucro tributável pela alíquota de 15% acrescido do adicional de 10% para os lucros que excederem R$ 240 mil no período de 12 meses, enquanto que a Contribuição Social é calculada a 9% com base no lucro tributável, em virtude da apuração de bases negativas no período deixamos de efetuar as mencionadas provisões. 04 - Caixa e Equivalentes de Caixa ç Descrição 31/12/2013 31/12/2012 Caixa Bancos 1 22 Total 1 22 05 - T. V. M. e Instrumentos Financeiros Derivativos: A Companhia não possuía na data do balanço operações com instrumentos financeiros na forma de derivativos. 06 - Propriedades para Investimentos: A Companhia optou por manter suas propriedades para investimento pelo valor de custo, conforme permite o CPC 28, e estão assim representadas: 31/12/2013 31/12/2012 Descrição (Reapresentado) Terrenos 36.532 36.532 Construções em andamento (a) 59.641 30.178 Total 96.173 66.710 (a) Refere-se aos empreendimentos que encontram-se em fase de construção, registrados pelo custo de aquisição de materiais, mão de obra aplicada, encargos correlatos e demais custos. A movimentação das propriedades de investimento durante os exercícios findos em 31 de dezembro de 2013 e 2012 é representado da seguinte forma: Saldos em 31/12/2012 Baixas/ Saldos em ç ç Descrição (Reapresentado) Adições Transferências 31/12/2013 Terrenos 36.532 36.532 Construções em andamento 30.178 29.463 59.641 Total 66.710 29.463 96.173 Saldos em Saldos em 31/12/2011 Baixas/ 31/12/2012 Tran Descrição (Reapresentado) Adições Transferências (Reapresentado) Terrenos 36.083 449 36.532 Construções em andamento 5.966 24.212 30.178 Outros 22 (22) Total 42.071 24.661 (22) 66.710 07 - Capital Social: O Capital Social Subscrito em 31/12/2012 era de R$72.000, representado por 72.000.000 ações ordinárias nominativas sem valor nominal e o Capital Social Realizado era de R$64.960. Em

Aos Administradores e Acionistas da Olímpia Projeto Rua do Rocio 86 SPE S.A. - São Paulo - SP Examinamos as demonstrações contábeis da Olímpia Projeto Rua do Rocio 86 SPE S.A. (“Companhia”), que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2013, e as respectivas demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis: A Administração da Companhia é responsável pela elaboração e adequada apresentação das demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, assim como pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração destas demonstrações contábeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou

erro. Responsabilidade dos auditores independentes: Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre estas demonstrações contábeis com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Estas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações contábeis. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro. Nesta avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstrações contábeis da Companhia para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins de expres-

ç Descrição 2013 2012 Despesas e Receitas Operacionais ............. (188) (158) Despesas Administrativas.............................. (184) (158) Despesas Financeiras Líquidas..................... (4) (4) Resultado antes da CSLL e IRPJ ................. (188) (162) Provisão para CSLL e IRPJ........................... ( ) Prejuízo do Exercício .................................... (188) (162) Quantidade de Ações.................................... 107.000.000 72.000.000 Prejuízo por Ação (Em R$) ........................... (0,0018) (0,0023) 2013 2012 (ReapreAtividades Operacionais sentado) Lucro (Prejuízo) Líquido Ajustado........................ (185) (159) Lucro (Prejuízo) Contábil.......................................... (188) (162) - Depreciação ........................................................... 3 3 Variação de Ativos e Obrigações.......................... (9.128) 1.880 Redução (Aumento) em Adiant. a Fornecedores ..... (3.950) (1.548) Redução (Aumento) em Outros Créditos ................. (3.518) 206 Redução (Aumento) em Despesas Antecipadas...... 30 7 Aumento (Redução) em Fornecedores .................... 299 1.191 Aumento (Redução) em Contas a Pagar.................. (1.934) 1.940 Aumento (Redução) em Outras Obrigações ............ (55) 84 Caixa Líquido Aplicado em Ativ. Operacionais ... (9.313) 1.721 Atividade de Investimentos Construções em Andamento .................................... (29.463) (24.212) Aquisição de Imobilizado de Uso e de Arrendamento (11) (449) Caixa Líquido Aplicado em Ativ. de Invest........... (29.474) (24.661) Atividades de Financiamento Aumento de Capital por Subscrição ......................... 38.766 22.960 Caixa Líquido Proveniente de Atividades de Financiamento ................................................. 38.766 22.960 Aumento/(Redução) das Disponibilidades........... (21) 20 Modificação na Posição Financeira Caixa e Equivalantes de Cx. no Início do Exercício . 22 2 Caixa e Equivalentes de Cx. no Fim do Exercício .... 1 22 Aumento/(Redução) das Dsponibilidades............ (21) 20 ç

ç

q

Lucros/ Capital Capital a Prejuízos g Eventos Social Integralizar Acumulados Totais Saldos Iniciais em 01.01.12 . 42.000 (217) 41.783 Aumento de Capital ................ 30.000 (30.000) Integralização de Capital ........ 22.960 - 22.960 Prejuízo Líquido do Exercício . (162) (162) Saldos Finais em 31.12.12 ... 72.000 (7.040) (379) 64.581 Aumento de Capital ................ 35.000 (35.000) Integralização de Capital ........ 38.766 - 38.766 Prejuízo Líquido do Exercício . (188) (188) (3.274) (567) 103.159 Saldos Finais em 31.12.13 . 107.000 2013 de acordo com: a) Ata da Assembleia Geral Extraordinária - AGE de 08/04/2013 ficou aprovado aumento do capital social para R$82.000 mediante a emissão de 10.000.000 (dez milhões) de novas Ações Ordinárias Nominativas sem valor nominal. Com AGE de 26/07/2013 ficou aprovado aumento do capital social para R$92.000 mediante a emissão de 10.000.000 (dez milhões) de novas Ações Ordinárias Nominativas sem valor nominal. Com AGE de 23/10/2013 ficou aprovado aumento do capital social para R$102.000 mediante a emissão de 10.000.000 (dez milhões) de novas Ações Ordinárias Nominativas sem valor nominal. Com AGE de 27/11/2013 ficou aprovado aumento do capital social para R$107.000 mediante a emissão de 5.000.000 (cinco milhões) de novas Ações Ordinárias Nominativas sem valor nominal. Em razão das deliberações aprovadas, o Capital Social da Companhia em 31/12/2013 está assim representado: Capital Social Subscrito R$ 107.000, representado por 107.000.000 ações ordinárias nominativas sem valor nominal e Capital Social Realizado R$103.726. 08 - Resultado por Ação: O resultado por ação em 31/12/2013 e 31/12/2012 foi calculado com base no resultado do exercício atribuível aos acionistas da Companhia e a respectiva quantidade de ações, conforme quadro abaixo: Descrição 31/12/2013 31/12/2012 Prejuízo do exercício (188) (162) Quantidade de ações ordinárias 107.000.000 72.000.000 Prejuízo por ação (Em R$) (0,0018) (0,0023) 09: Dividendos e Remuneração do Capital Próprio: O estatuto determina a distribuição de dividendos obrigatórios de 20% sobre o lucro líquido, depois de deduzida a reserva legal. Em virtude da inexistência de lucros nos exercícios de 2013 e de 2012, não foi distribuído juros sobre capital próprio conforme faculta o artigo 9 da Lei 9249/95. sar uma opinião sobre a eficácia destes controles internos da Companhia. Uma auditoria inclui, também, a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações contábeis tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Opinião: Em nossa opinião, as demonstrações contábeis referidas acima apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da Olímpia Projeto Rua do Rocio 86 SPE S.A. em 31 de dezembro de 2013, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. São Paulo, 17 de abril de 2014. Confiance Auditores Independentes CRC-SP Nº 2SP022750/O-8 CONFIANCE José Júlio de Sousa Pereira Contador CRC-SP Nº 1SP094178/O-3

REC Rio Branco S.A. e sua Controlada

CNPJ/MF nº 08.762.255/0001-01 Relatório da Diretoria Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as Demonstrações Financeiras condensadas da Sociedade, referentes aos exercícios findos em 31/12/2012 e de 2011. A Diretoria Balanço patrimonial em 31 de dezembro - Em milhares de reais Demonstração dos fluxos de caixa Exercícios Controladora Consolidado Controladora Consolidado findos em 31 de dezembro - Em milhares de reais Ativo 2012 2011 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 2012 2011 Controladora Consolidado Circulante 38 195 5.512 2.049 Circulante 21 2.703 1.280 3.405 Fluxo de caixa das ativ. operacionais 2012 2011 2012 2011 Caixa e equivalentes de caixa (Nota 5) 17 194 300 330 Fornecedores 56 70 268 Prejuízo do exercício - (3.502) - (4.847) Empréstimos (Nota 10) 2.647 2.647 Aj. de rec.e desp.não envolvendo o caixa Ativos financeiros ao valor justo por 690 385 Participação no resultado de controladas meio de resultado (Nota 6) 1.021 861 Impostos e contribuições - 2.502 21 520 105 Depreciação Aluguéis a receber (Nota 7) 2.303 852 Outras obrigações 505 - 61.261 57.455 Amortização Impostos a recuperar 1 1 22 6 Não circulante 4 - 61.261 57.455 Adiantamento a fornecedores 1.846 - Empréstimos (Nota 10) Despesas com juros sobre empréstimos 47 873 Outros ativos 20 20 - Adiantamentos de clientes Ganhos com ativos financeiros ao valor 24.456 - 26.903 24.555 Não circulante 24.439 18.013 83.932 83.365 Patrimônio líquido atribuído aos justo por meio de resultado (35) (698) Outras contas a receber 600 17 acionistas controladores (Nota 11) 18.985 18.775 18.985 18.775 Variações nas contas de ativo e passivo Investimento em controlada (Nota 8) 24.439 18.013 - Capital social (869) Propriedades p/investimentos (Nota 9) - 83.268 83.061 Adiant. p/futuro aum. de capital 20.295 210 20.295 210 Contas a receber de aluguéis (1) (6) Imobilizado (Nota 11) 42 53 Ajustes de avaliação patrimonial (2.970) - (2.970) - Impostos a recuperar 60 Intangível (Nota 10) 22 234 Prejuízos acumulados (11.854) (3.480 (11.854) (3.480) Outros ativos Despesas antecipadas 517 24.456 15.505 24.456 15.505 53 - (1.477) Partic.dos acionistas não control. 2.447 9.050 Fornecedores 204 Total do ativo 24.477 18.208 89.444 85.415 Total do passivo e patrim. líquido 24.477 18.208 89.444 85.415 Impostos e contribuições Obrigações trabalhistas Demonstração das mutações do patrimônio líquido - Em milhares de reais Outras obrigações 105 Atribuível aos acionistas controladores Adiantamento a clientes (114) Adiant.p/ Ajuste de Reserva de Participação Total do Capital futuro aum. avaliação retenção Prejuízos dos acionistas patrimônio Caixa líquido (consumido) proveniente das atividades operacionais - (936) - (5.743) social de capital patrimonial de lucros acumulados Total não controlad. líquido Em 31 de dezembro de 2010 5.097 15.160 433 - 20.690 11.043 31.733 Fluxo de caixa das ativ. de investimento Integralização de capital 17.785 (17.785) - Aquisição de ativos financeiros ao valor justo por meio de resultado 35 90 Integraliz. de cap. c/terrenos em controlada 173 pelos acionistas não control. (Nota 13(e)) - Adiant. p/futuro aum.de capital em controlada Redução de capital (4.107) - (4.107) (648) (4.755) Aumento de capital em controlada Adiant. p/futuro aum. de capital (Nota 13(b)) 2.835 2.835 - Caixa adquirido de partic. em controlada Distribuição de dividendos (411) (411) - Aquisição de propriedades p/invest. - (54.114) Prejuízo do exercício atribuído aos Compra de ativos financeiros ao acionistas e não controladores (3.502) (3.502) (1.345) (4.847) valor justo por meio de resultado Const. de reserva de retenção de lucros (22) 22 - Aquisição de bens do ativo imobilizado (24) Em 31 de dezembro de 2011 18.775 210 (3.480) 15.505 9.050 24.555 Caixa líq.consumido nas ativ. de invest. 208 - (54.048) Integralização de capital 210 (210) - Fluxo de caixa das ativ. de financiamento Variações em partic. de não controladores (8.129) (8.129) Captação de empréstimo - 2.600 - 59.228 Adiant. p/futuro aum. de capital (Nota 13(b)) 20.295 - 20.295 20.295 Aum. de cap. pelos acionistas e não control. Prejuízo do exercício atribuído aos Adiantamento para futuro aumento de acionistas e não controladores (7.501) (7.501) (188) (7.689) capital pelo acionistas não controladores (648) Ajustes de avaliação patrim.(Nota 13(c)) (3.949) - (3.949) (3.949) Redução de capital - (4.107) - (4.107) Em 31 de dezembro de 2012 18.985 20.295 (3.949) (10.981) 24.350 733 25.083 Aquisição de ativos financeiros ao valor Demonstração do resultado Exercícios findos em 31 de dezembro - Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma por meio de resultado Controladora Consolidado Acionistas não controladores Controladora Consolidado Receitas 2012 2011 2012 2011 2012 2011 2012 2011 Distribuição de dividendos - (411) (411) Receitas líquidas c/alugueis (Nota 12) - 10.047 3.391 Imposto de renda e contribuição social - (1.159) - Adiant. p/futuro aumento de capital - 2.835 2.835 Despesas operacionais Prejuízo do exercício (8.372) (3.502) (9.089) (4.847) Caixa líq. proveniente das ativ. de financ. 917 - 56.897 Desp. gerais e administrativas (Nota 13) (144) (246) (11.319) (5.469) Atribuível a Aum. líquido de caixa e equiv. de caixa 189 - (2.894) Despesas tributárias (Nota 14) (21) (68) (483) (1.377) Acionistas da Companhia - (8.372) (3.502) 5 3.224 Outras rec. e despesas operacionais (20) (232) - Participação dos não controladores (717) (1.345) Caixa e equiv. de caixa no início do exerc. Caixa e equiv. de caixa no fim do exerc. 194 330 Partic. no prej. de controlada (Nota 8) (7.094) (2.502) - Média ponderada de ações no final Prejuízo operacional Resultado financeiro (Nota 15) Receitas financeiras Despesas financeiras Prej. do exercício antes do imposto de renda e da contribuição social

(7.279) (2.816) (1.987) (3.455)

do exercício (em milhares) - 10.102 Jorge Carlos Nuñez - Diretor Prejuízo básico por ação atribuível Bianca Carnicer Micheloni - CRC 1SP 253.163/O-7 aos acionistas da Companhia ao final do exercício (Nota 11(e)) - R$ - (0,48) As Demonstrações Financeiras completas, acompanhadas das Notas Não houve outros resultados abrangentes no exercício e período divulga- Explicativas e do Relatório dos Auditores Independentes estão à disposi(8.372) (3.502) (7.930) (4.847) dos, portanto não se apresenta uma demonstração do resultado abrangente. ção dos Acionistas na sede da Companhia.

2 (1.095)

35 149 701 (721) (6.092) (2.093)

Itaiquara Alimentos S.A. CNPJ(MF) Nº 72.111.321/0001-74 - NIRE Nº 35.300.012.577 Ata da RCA realizada em 03 de Abril de 2014 Data, Hora e Local: 03/04/14, às 10hs, na sede, Fazenda Itaiquara, Município de Tapiratiba/SP. Presença: Número legal para deliberação. Mesa: Pres.: Joaquim Augusto Bravo Caldeira e Serc.: Marcos do Amaral Mesquita. Ordem do Dia: Tratar da autorização p/ mudança do endereço da Filial Belo Horizonte/MG, CNPJ/MF nº 72.111.321/0009-21 em Belo Horizonte/MG, Av. Portugal, 4761, Itapoã - Belo Horizonte/MG, CEP 31710-400 para a R.Texaco, 735, Jd Piemonte, em Betim/MG, CEP 32689-350. Discutida a matéria e em seguida colocada em votação, verificou-se a sua aprovação, com a conseqüente autorização à Diretoria recomendando que se tomassem as providências necessárias para a sua regularização perante os órgãos federais, estaduais, municipais e autárquicos. Encerramento: Nada mais. Itaiquara, 03/4/2014. aa) Joaquim Augusto Bravo Caldeira - Pres.; Marcos do Amaral Mesquita - Secr.. Conselheiros: Guilherme Whitaker de Lima Silva; Joaquim Augusto Bravo Caldeira; Alexandre de Abreu Sampaio Dória; João Baptista Bravo Caldeira; Marcos do Amaral Mesquita; Maria Ilidia Whitaker de Lima Silva; Ana Maria Whitaker de Souza Dias; Fernando Camargo de Souza Dias; Paulo de Barros Whitaker Neto; e Luís Guilherme Villares Whitaker. Marcos do Amaral Mesquita-Secr. da Reunião. Jucesp nº 155.514/14-3 em 24/4/2014.Gisela S. Ceschin-Secr. Geral.

Springer S.A. CNPJ n.º 92.929.520/0001-00 - Sociedade de Capital Aberto AVISO AOS ACIONISTAS Comunicamos aos Senhores Acionistas que, conforme deliberações da AGO de 30/04/2014, foi aprovado: I - DIVIDENDOS - Dividendos do exercício social de 2013, considerando-se a posição acionária em 30.04.2014. A partir de 02/05/2014 as ações serão consideradas ex- dividendos. 1 - Início do Pagamento: 20 de maio de 2014. 2 - Valor do Dividendo: R$ 0,074248613 por ação Preferencial Classe “A, totalizando R$ 1.902.000,00. Não há incidência de Imposto de Renda. 3 - Forma e Local de Pagamento: - Os acionistas correntistas do Banco Bradesco ou outro Banco, que tenham comunicado esta condição, terão seus recursos creditados automaticamente no dia do pagamento; - Os créditos correspondentes às ações depositadas em Custódia Fungível da BMF BOVESPA, serão creditados à respectiva Instituição, que através das Corretoras Custodiantes, se encarregarão de repassá-los ao Acionistas titulares; - Os acionistas que não indicaram a condição de recebimento por meio de conta corrente, receberão via correio o Aviso de Recebimento – Proventos de Ações Escriturais, o qual habilita o recebimento, devendo apresentar-se na Agência do Banco Bradesco S.A., de sua preferencia. Cotia (SP), 30 de abril de 2014. MANUEL FERNANDES DOS RAMOS VARANDA - Diretor de Relações com Investidores.

Cotidiano Participações S.A. - CNPJ/MF 19.712.980/0001-83 - NIRE 3530046259-9 Ata de Assembléia Geral Extraordinária Realizada no dia 28/02/2014 1. Data, hora e local: 28/02/2014, às 10hs, na sede social, na Cidade de São Paulo/SP, na R. Comendador Miguel Calfat, 332, Sala 1, CEP 04537-081. 2. Composição da Mesa: Presidente: Mara Larios Santalla. Secretária: Ana Maria Leis. 3. Presença:Acionistas representando a totalidade do capital social, dispensada a convocação prévia, nos termos do § 4º do art. 124, da Lei nº 6.404/76, conforme Lista de Presença que consta como Anexo I a esta Ata. Presentes as diretoras Mara Larios Santalla e Ana Maria Leis. Presentes, ainda, a empresa especializada Sevenconsult Serviços Contábeis Ltda. - EPP, inscrita no CRC sob nº 2SP23304, neste ato representada por seu Sócio Administrador Celso Felipe Martins, inscrito no CRC sob nº 1SP188547/O-6. 4. Ordem do Dia: a) Proposta da Diretoria para aumento do capital social de R$ 1.000,00, que se encontra totalmente integralizado, para R$ 605.743,00, sendo o aumento de R$ 604.743,00 realizado mediante a emissão de 604.743 ações nominativas, sem valor nominal, todas ordinárias, para subscrição pelos acionistas, mediante a conferência de bens, pelo preço de emissão de R$ 1,00 cada, fixado com base no valor patrimonial da Sociedade, nos termos do art. 170, § 1º, inciso II, da Lei nº 6.404/76; b) Ratificação da empresa especializada indicada para avaliação dos bens a serem conferidos pelas acionistas Mara Larios Santalla e Ana Maria Leis ao capital da sociedade, para integralização das ações emitidas no aumento de capital referido em “a”, supra, e apreciação do Laudo de Avaliação apresentado pela empresa especializada; c) Alteração do art. 5º do Estatuto Social. 5. Informações da Diretoria: A Diretoria apresentou aos acionistas o Laudo de Avaliação preparado por Sevenconsult Serviços Contábeis Ltda. - EPP, com a avaliação de bens a serem conferidos ao capital social pelas acionistas Mara Larios Santalla e Ana Maria Leis, e informou estar presente o representante legal da Sevenconsult Serviços Contábeis Ltda. - EPP, para prestar aos acionistas os esclarecimentos necessários. 6. Deliberações: A Assembleia Geral por decisão unânime, mas com abstenção dos legalmente impedidos: 6.1.Aprovou o aumento do capital social de R$ 1.000,00 para R$ 605.743,00, sendo o aumento de R$ 604.743,00 realizado mediante a emissão de 604.743 ações nominativas, sem valor nominal, todas ordinárias, para subscrição pelos acionistas, mediante a conferência de bens, pelo preço de emissão de R$ 1,00 cada, nos termos do art. 170, § 1º, inciso II, da Lei nº 6.404/76; 6.2. Presentes os acionistas representando a totalidade do capital social, dispensou a fixação de prazo para o exercício do direito de preferência na subscrição das ações, tendo as acionistas Mara Larios Santalla e Ana Maria Leis, nos termos do Boletim de Subscrição que se encontrava sobre a mesa e que faz parte desta Ata como Anexo II, subscrito e integralizado neste ato a totalidade das 604.743 ações emitidas, mediante a conferência de bens; 6.3. Ratificou a indicação da Sevenconsult Serviços Contábeis Ltda. - EPP, sociedade contratada para a avaliação dos bens a serem conferidos ao capital da sociedade; 6.4. Aprovou integralmente o Laudo de Avaliação apresentado pela Sevenconsult Serviços Contábeis Ltda. - EPP que, como Anexo III, passa a fazer parte integrante da ata da presente Assembleia, aceitando os valores constantes do referido laudo para os efeitos do aumento de capital ora aprovado; 6.5. Verificada a subscrição e integralização do aumento de capital pelas acionistas Mara Larios Santalla e Ana Maria Leis, nos termos do Boletim de Subscrição que fica fazendo parte integrante da presente ata, declarou efetivado o aumento de capital e aprovou a correspondente alteração do art. 5º do Estatuto Social; 6.6. Em decorrência das deliberações supra, aprovou a alteração do art. 5º do Estatuto Social, que passam a vigorar com a seguinte redação: “Art. 5º: O capital social, totalmente subscrito e integralizado, é de R$ 605.743,00, dividido em 605.743 ações ordinárias nominativas, sem valor nominal.” 7. Documentos Arquivados na Sede Social: Lista de Presença de Acionistas, Boletim de Subscrição e Laudo de Avaliação. 8. Encerramento: Nada mais havendo a tratar, foram encerrados os trabalhos e lavrada a presente ata em forma de sumário, nos termos do Art. 130, § 1º da Lei das Sociedades por Ações. SP, 28/02/2014. Mara Larios Santalla Presidente; Ana Maria Leis - Secretária. As acionistas: Mara Larios Santalla e Ana Maria Leis. As Diretoras: Mara Larios Santalla e Ana Maria Leis. Sevenconsult Serviços Contábeis Ltda. - EPP: Celso Felipe Martins. A presente é cópia fiel da lavrada em livro próprio. Mara Larios Santalla - Presidente, Ana Maria Leis - Secretária. Adv.: Livia Visnevski - OAB/SP nº: 183.415. JUCESP 129.261/14-2 em 04.04.14. Gisela Simiema Ceschin - Sec. Geral.

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ANGATUBA

EDITAL DE ABERTURA DA TOMADA DE PREÇOS Nº 003/2014 - Processo nº 034/2014. MODALIDADE: Tomada de Preços TIPO: menor preço global OBJETO: contratação de empresa especializada para Construção de um galpão para sala de reuniões e recreação da Creche localizada na Rua Prudenciano Silva de Oliveira, Jardim Domingos Orsi, Angatuba/SP, conforme projeto e memorial descritivo do Anexo I, com fornecimento de toda mão de obra, material, equipamentos, maquinários e ferramentas necessárias para execução. INICIO DA SESSÃO: Os envelopes de participação deverão ser apresentados até o dia 21 de maio de 2014, impreterivelmente até às 10:00 Horas, no Protocolo Geral da Prefeitura Municipal de Angatuba, com sede na Rua João Lopes Filho, nº 120 – Centro, Angatuba/SP, em 02 (dois) ENVELOPES, referente a “1- DOCUMENTAÇÃO” e “2 - PROPOSTA COMERCIAL”. A abertura do envelope “1 - Documentação” ocorrerá no mesmo dia 21 de maio de 2014 as 10:15 horas na sala de Reuniões do Setor de Licitação da Prefeitura Municipal de Angatuba - térreo. EDITAL DE ABERTURA DA TOMADA DE PREÇOS Nº 004/2014 - Processo nº 035/2014. 035/2014 MODALIDADE: Tomada de Preços TIPO: menor preço global OBJETO: contratação de empresa especializada para Ampliação do Posto de Saúde “Renato Carvalho Ribeiro”, localizado à Rua José Franco de Araújo, Nº 530, Vila São Cristovão, Angatuba – SP, conforme projeto e memorial descritivo do Anexo I, com fornecimento de toda mão de obra, material, equipamentos, maquinários e ferramentas necessárias para execução. INICIO DA SESSÃO: Os envelopes de participação deverão ser apresentados até o dia 21 de maio de 2014, impreterivelmente até às 14:00 Horas, no Protocolo Geral da Prefeitura Municipal de Angatuba, com sede na Rua João Lopes Filho, nº 120 – Centro, Angatuba/SP, em 02 (dois) ENVELOPES, referente a “1- DOCUMENTAÇÃO” e “2 - PROPOSTA COMERCIAL”. A abertura do envelope “1 - Documentação” ocorrerá no mesmo dia 21 de maio de 2014 as 14: 15 horas na sala de Reuniões do Setor de Licitação da Prefeitura Municipal de Angatuba - térreo. EDITAL DE ABERTURA DA TOMADA DE PREÇOS Nº 005/2014 - Processo nº 036/2014. 036/2014 MODALIDADE: Tomada de Preços TIPO: menor preço global do lote OBJETO: contratação de empresa especializada para Construção de 01 (uma) cobertura para quadra esportiva na EMEIF Profª. Diva Morais Camargo Pucci localizada a Rua João Lopes Filho nº 120 e de 01 (uma) cobertura para quadra poliesportiva na EMEF Profª. Maria Isabel Lopes de Oliveira localizada a Rua Aurélio Moura, nº 180, ambas localizadas neste Município de Angatuba/SP, conforme projeto e memorial descritivo do Anexo I, com fornecimento de toda mão de obra, material, equipamentos, maquinários e ferramentas necessárias para execução. INICIO DA SESSÃO: Os envelopes de participação deverão ser apresentados até o dia 21 de maio de 2014, impreterivelmente até às 16:00 Horas, no Protocolo Geral da Prefeitura Municipal de Angatuba, com sede na Rua João Lopes Filho, nº 120 – Centro, Angatuba/SP, em 02 (dois) ENVELOPES, referente a “1- DOCUMENTAÇÃO” e “2 - PROPOSTA COMERCIAL”. A abertura do envelope “1 - Documentação” ocorrerá no mesmo dia 21 de maio de 2014 as 16:15 horas na sala de Reuniões do Setor de Licitação da Prefeitura Municipal de Angatuba - térreo. EDITAL DE ABERTURA DA TOMADA DE PREÇOS Nº 006/2014 - Processo nº 039/2014. MODALIDADE: Tomada de Preços TIPO: menor preço global OBJETO: contratação de empresa especializada para Pavimentação Asfáltica no loteamento “Residencial Vital Rolim Rosa” no município de Angatuba – SP, conforme Convênio n.º 018/2014, celebrado entre a Prefeitura Municipal de Angatuba e o Governo do Estado de São Paulo, através da Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional, esta por sua unidade de articulação com os municípios, conforme projeto e memorial descritivo do Anexo I, com fornecimento de toda mão de obra, material, equipamentos, maquinários e ferramentas necessárias para execução. INICIO DA SESSÃO: Os envelopes de participação deverão ser apresentados até o dia 22 de maio de 2014, impreterivelmente até às 10:00 Horas, no Protocolo Geral da Prefeitura Municipal de Angatuba, com sede na Rua João Lopes Filho, nº 120 – Centro, Angatuba/SP, em 02 (dois) ENVELOPES, referente a “1- DOCUMENTAÇÃO” e “2 - PROPOSTA COMERCIAL”. A abertura do envelope “1 - Documentação” ocorrerá no mesmo dia 22 de maio de 2014 as 10:15 horas na sala de Reuniões do Setor de Licitação da Prefeitura Municipal de Angatuba - térreo. EDITAL DE ABERTURA DA TOMADA DE PREÇOS Nº 007/2014 - Processo nº 040/2014. MODALIDADE: Tomada de Preços TIPO: menor preço global OBJETO: contratação de empresa especializada para prestação de serviços de Recapeamento Asfáltico no Trecho da Rua João Tazzioli (Centro) e Rua Primavera (Jardim Elisa) do município de Angatuba – SP, conforme Convênio CT n.º 785588/13, celebrado entre a Prefeitura do Município de Angatuba e o Ministério das Cidades, através da Caixa Econômica Federal, conforme projeto e memorial descritivo do Anexo I, com fornecimento de toda mão de obra, material, equipamentos, maquinários e ferramentas necessárias para execução. INICIO DA SESSÃO: Os envelopes de participação deverão ser apresentados até o dia 22 de maio de 2014, impreterivelmente até às 14:00 Horas, no Protocolo Geral da Prefeitura Municipal de Angatuba, com sede na Rua João Lopes Filho, nº 120 – Centro, Angatuba/SP, em 02 (dois) ENVELOPES, referente a “1- DOCUMENTAÇÃO” e “2 - PROPOSTA COMERCIAL”. A abertura do envelope “1 - Documentação” ocorrerá no mesmo dia 22 de maio de 2014 ás 14:15 horas na sala de Reuniões do Setor de Licitação da Prefeitura Municipal de Angatuba - térreo. EDITAL DE ABERTURA DA TOMADA DE PREÇOS Nº 008/2014 - Processo nº 041/2014. 041/2014 MODALIDADE: Tomada de Preços TIPO: menor preço global OBJETO: contratação de empresa especializada para prestação de serviços de Pavimentação e recapeamento e em diversas ruas do município de Angatuba – SP, conforme Convênio CT n.º 783607/13, celebrado entre a Prefeitura do Município de Angatuba e o Ministério das Cidades, através da Caixa Econômica Federal, conforme projeto e memorial descritivo do Anexo I, com fornecimento de toda mão de obra, material, equipamentos, maquinários e ferramentas necessárias para execução. INICIO DA SESSÃO: Os envelopes de participação deverão ser apresentados até o dia 22 de maio de 2014, impreterivelmente até às 16:00 Horas, no Protocolo Geral da Prefeitura Municipal de Angatuba, com sede na Rua João Lopes Filho, nº 120 – Centro, Angatuba/SP, em 02 (dois) ENVELOPES, referente a “1- DOCUMENTAÇÃO” e “2 - PROPOSTA COMERCIAL”. A abertura do envelope “1 - Documentação” ocorrerá no mesmo dia 22 de maio de 2014 ás 16:15 horas na sala de Reuniões do Setor de Licitação da Prefeitura Municipal de Angatuba - térreo. Os resumos dos editais das Tomadas de Preços estarão disponíveis no site www. angatuba.sp.gov.br/licitacao. Os interessados que desejarem cópia integral dos Editais e seus Anexos poderão retirá-los, na Prefeitura do Município de ANGATUBA, no horário das 9:00 às 15.30 horas, mediante o pagamento da quantia de R$ 30,00 (trinta reais) equivalente aos custos de reprodução do edital. Maiores informações através do telefone: 15) 3255-9500 – Ramal 516 e 518. Angatuba, 30 de abril de 2014. CARLOS AUGUSTO RODRIGUES DE MORAIS TURELLI. Prefeito Municipal. EDITAL DE ABERTURA DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 011/2014 - Processo nº 033/2014. OBJETO: Aquisição de 02 (dois) caminhões zero Km, com capacidade mínima para 15.000 kg, direção hidráulica, com caçamba basculante de 5 m3 (mínimo), de acordo com as especificações do termo de referência, Conforme Termo de Compromisso CT n.º 799028/2013/Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento/Caixa, processo n.º 2579.1013198-99/2013 – Aquisição de Patrulha Mecanizada e Termo de Compromisso CT n.º 786239/2013/Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento/Caixa, processo n.º 2579.1005976-06/2013 – Aquisição de Caminhão Basculante zero Km. Programa: Ação de Fomento ao Setor Agropecuário. Critério de Julgamento: menor preço POR ITEM Encerramento: 16 de maio de 2014, às 09:00 Horas.LOCAL: sala de Reuniões do Setor de Licitação da Prefeitura Municipal de Angatuba – térreo, Rua João Lopes Filho, nº 120. Maiores informações através do telefone: (15) 32559500 – Ramal 516 e 518. O Edital completo está disponível no site: www.angatuba.sp.gov.br. Angatuba, 30 de abril de 2014. CARLOS AUGUSTO RODRIGUES DE MORAIS TURELLI. PREFEITO MUNICIPAL.


DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 1 e 2 de maio de 2014

21

Nº 513

3ª GERAÇÃO

STREET TRIPLE 675R

Novas atrações no parque de diversões Freios, suspensões, chassi... O modelo da Triumph ficou ainda melhor. LUCIANO PAÇO

A

oferta: quer andar na Triumph Street Triple 675R, aquela que apareceu no último Salão Duas Rodas? Fechei os olhos, lembrei com saudade da Street Triple 675 (http://www.dcomercio.com.br/index-php/dc arro/sub-menu-dcarro/117375parque-de-diversoes) e veio a resposta: Claaaro!!! Mas o que a R tem de diferente da irmã? Suspensões e freios. Só? Quase. Tem as mudanças visuais (um vermelho vivo aparece no subquadro traseiro, faixas de rodas e nas aletas do radiador, que ainda levam o “R” – de Racing – em destaque), que surgiram para acentuar o caráter mais agressivo desta naked da marca inglesa, e as mudanças ‘invisíveis’: fuçando na ficha técnica se descobre uma (significativa) diferença - o rake (ângulo de cáster) encolheu de 24,1° para 23,4°. Isso foi suficiente para deixar a moto com ainda mais ‘fome’ de curva – e o melhor é que, andando, ficou claro que a estabilidade em velocidades mais altas não sofreu qualquer arranhão. E há ainda alterações no chassi, que tem menos peças e soldas, garantindo uma estrutura mais sólida.

ÓTIMOS FREIOS – Os novos freios e suspensões estão entre o que há de melhor no mercado. Na frente, os discos deslizáveis duplos, de 310 mm, passaram de dois para quatro pistões da Nissin, tornando o que já era bom ainda melhor. Atrás, o mesmo disco de 220 mm, com pinça Brembo de um pistão. O sistema ABS regulável é de série. A suspensão dianteira segue com os garfos Kayaba invertidos de 41 mm, mas o curso passou de 110 mm para 115 mm. E agora ela é totalmente regulável, com ajustes da pré-carga da mola, retorno e compressão. Atrás, o amortecedor Kayaba, monoshock, também é regulável para amortecimento de précarga e retorno. O curso também cresceu (de 125 mm para 135 mm). Isso significa que a Street Triple, que já tem uma ciclística invejável, fica ainda mais precisa na versão R, possibilitando regulagens para track days, estrada, cidade... e tudo de acordo com as necessidades e gostos de cada piloto. TRÊS CILINDROS – O motor, tricilíndrico, é o mesmo da Street Triple - DOHC (duplo comando no cabeçote), 675 cm³, com 12 válvulas e refrigeração líquida que desenvolve 85,1 cv a 11.200 rpm e torque máximo de 6,1 kgf.m a 8.300 rpm. Mesmo com todas as melhorias da Street R, o propulsor continua sendo o centro das atenções.

FIT CHEGA Modelo compacto da Honda tem novo design e custa a partir de R$ 49.900

com motor 1.5 e CVT Fotos: divulgação

Graças à sua configuração, tem o torque dos bicilíndricos e o ‘fôlego’ dos tetra. Combinado com um câmbio de seis velocidades com uma relação curta de marchas, ele responde prontamente desde as rotações mais baixas. Em sexta, a 6.000 giros, trafega-se tranquila e economicamente a 120 km/h. Basta uma leve torcida no acelerador para o giro subir e a Street R disparar (a faixa vermelha começa nos 13.500 rpm). Seu delicioso ronco na subida de giros torna acelerálo rapidamente em um vício. Só que aí o consumo também acelera. Dos 20 km/l de média, registrados no painel durante uma condução absolutamente civilizada e dentro dos limites impostos nas estradas, caise fácil para menos de 16 km/l numa tocada mais esportiva. PAINEL E FARÓIS – Falando em painel, seu visual, além de agradável, propicia fácil leitura das informações. Tem tela de LCD, contador de voltas integrado, indicador de marcha e luzes indicadoras para mudanças de marchas, medidor de combustível, relógio, conta-giros analógico, velocímetro digital, computador de bordo e, como opcional, indi-

cador da pressão dos pneus. Uma das grandes marcas visuais da moto são seus grandes faróis duplos, fixados ao chassi. Além de muita 'personalidade', eles mostram grande eficiência em viagens noturnas, impedindo que o piloto 'mergulhe no escuro’'mesmo em curvas de serras ‘travadas’. Como estamos em tempos de Copa, vale lembrar que nem sempre uma seleção resulta numa grande equipe. Mas com as novas partes 'em campo', a Triumph montou um belíssimo time. Mesmo com uma posição de pilotagem mais esportiva, a Street Triple R é confortável e logo transmite a sensação de ser uma ‘velha conhecida’, com leveza (182 kg em ordem de marcha) e maneabilidade para encarar o trânsito urbano (o ângulo de esterço, reduzido, exige alguma adaptação do piloto). A 675R custa R$ 35.490 (R$ 3.000 a mais que a irmã Street Triple), mas suas novas 'atrações', principalmente freios e suspensões, valem o ingresso para quem gosta de pegar a estrada e busca uma opção mais 'nervosa'fora das superesportivas – e ainda a possibilidade de ter uma moto que pode ser ‘cientific amente’ ajustada para track days. O que já era pura diversão ficou ainda melhor. Ela está disponível nas cores Preto Phantom, Branco Crystal e Grafite Matt.

CHICOLELIS

isto como um carro para conservadores, com pouco apelo para jovens, o Honda Fit mudou. Na sua 3ª geração, a aparência, totalmente modificada, está rejuvenescida. O espaço interno, apesar das medidas do carro não sofrerem alterações, aumentou graças às paredes do tanque de gasolina e diminuição do braço da suspensão traseira. Assim os passageiros do banco traseiro ganharam mais conforto, mesmo aqueles com mais de 1,88 m de altura. O motor é o mesmo bom 1.5, 16 válvulas, com 116 cv para etanol e 115 para gasolina. Ganhou câmbio CVT e segue oferecendo a transmissão manual de cinco velocidades. São quatro as versões do novo Fit, XL, a top do modelo, R$ 65.900; EX, R$ 62.900, ambas só com câmbio CVT; LXCVT, R$ 58.800; LX manual, R$ 54.200; DX CVT, R$ 54.500 e a mais barata, DX, manual R$ 49.900, mesmo valor do modelo atual. Nas três, a mesma motorização, air bags e ABS (como manda a legislação, mas com laterais no modelo top) e o design que chama a atenção nas ruas, especialmente nas cores azul e vermelho. O "tanquinho" para partida a frio também foi eliminado, como já acontecera com

V

o Civic, que terá reestilização ainda neste ano. Falando em mudanças, o Citi, modelo compacto sedan da marca, também virá logo após a Copa, em versão com design totalmente novo. O novíssimo SUV compacto, o Vezel, chegará apenas em 2015, mas certamente a Honda o apresentará no Salão do Automóvel, no Anhembi, entre 30/10 e 8/11 próximos. Direção leve e silêncio - Uma das atrações do Fit 2015 é a sua nova direção, em todas as versões, dotada de EPS (Eletronic Power Steerring). Com assistência elétrica, ela é mais macia no rodar da cidade, onde se anda mais devagar, e mais firme nas estradas, onde as velocidades são maiores. Os modelos DX e LX têm regulagem de altura do volante e as EX e EXL também de profundidade. O silêncio é algo que chama a atenção dos ocupantes do carro. Novos materiais e sistemas de tratamento acústico tornam o rodar mais agradável em comparação às versões anteriores. Um dos destaques foi a instalação do "stopper" hidráulico nos amortecedores, impedindo que os mesmos batam ao final do curso, ao se passar, por exemplo, nas várias lombadas de São Paulo. Ou nos milhares de buracos da cidade.

E andar no Fit com CVT é algo realmente especial para quem quer tranquilidade ao dirigir. Não há mudanças de marchas perceptíveis e o carro vai ganhando velocidade suavemente, sem trancos, mesmo que o pé direito exerça grande pressão sobre o acelerador. Não há opção de reduzida, embora a colocação na posição "S" (es-

porte), sirva como substituto. Na nova geração deste CVT, com Earth Dreams, tem conversor de torque que propicia elasticidade de giro maior do motor, melhorando a tração em baixas velocidades e respostas mais rápidas, resultando em menor consumo.postas mais rápidas, resultando e m menor consumo.


22 -.TURISMO

DIÁRIO DO COMÉRCIO

quinta-feira e sexta-feira, 1 e 2 de maio de 2014

FESTIVAL EM AGOSTO Comer bem nessa terra mineira é coisa séria. Todo ano, a cidade realiza evento gourmet. Programe-se! www.culturaegastronomia.com.br

TIRADENTES ROMÂNTICA

Tradicionalmente mês das noivas, maio dá a largada às viagens a dois. Nesta cidade histórica em Minas Gerais, um roteiro perfeito para os casais. Flavia Perin ode ser que a repórter que vos escreve tenha sido fortemente influenciada pela proposta romântica, desde a raiz, desta viagem a Tiradentes, Minas Gerais. Mas é fato incontestável que, além de preservar a história e a arquitetura do Brasil colonial, esta cidade mineira guarda elementos obrigatórios para uma viagem a dois: gastronomia de aguçar os sentidos, hotelaria charmosa e cenários inspiradores. Não à toa, Tiradentes já foi descoberta pelos casais apaixonados. O que dizer de um passeio noturno pelas ruas e pracinhas a bordo de uma jardineira de 1935? Sem dúvida, o jeito mais poético de conhecer o seu Centro Histórico. Luiz Fernando Neves faz as vezes de motorista e guia, e apresenta, de forma leve e bem-humorada, o patrimônio arquitetônico local a um grupo de no máximo sete pessoas, com direito a trechos rememorados da história brasileira, destaque para a Inconfidência Mineira e seu mártir. Assistir ao espetáculo de som e luz na Igreja Matriz de Santo Antônio, exemplar máximo do barroco mineiro e cujo interior é todo banhado a ouro, é outra pedida para rechear uma das noites. E, em todas as noites (e dias), é preciso reservar lugar para o que hoje se faz de melhor por esses lados – c omer! Jantares e almoços ocupam parte considerável de uma legítima experiência mineira e, em Tiradentes, a tradição e as boas práticas que regem a cozinha do Estado foram elevadas a degraus mais altos. Gourmet - A cidade sedia um badalado Festival Gastronômico anualmente em agosto e foi escolhida por chefs como Beth Beltrão, do restaurante Virada's do Largo, para que exerçam sua boa culinária. Simpática e entusiasmada pela vida, Beth recebe seus clientes com ingredientes colhidos

Divulgação

P

Fotos: Flavia Perin

da própria horta na hora e receitas mineiras, como pastéis de angu e Viradinho da Cozinheira, que levam seu toque de graça e amor pela comida bem feita e bem degustada. A máxima da casa está na parede, em uma placa: “A pressa é inimiga da boa refeição.” Deixa claro que comer bem, nes-

sa terra, é coisa séria. Na farta oferta culinária de Tiradentes também há espaço para receitas mais contemporâneas. No Angatu, do jovem mestre-cuca Rodolfo Mayer, elas são bem executadas. O nome do restaurante – em tupi-guarani, “bem-estar, felicidade e alma boa” – representa, nas palavras de Rodolfo, a brasilidade de sua cozinha. No cardápio enxuto, composições elaboradas de carnes e peixes, como Coxa e sobrecoxa de pato em cal-

Igreja Matriz de Santo Antônio, obra do barroco mineiro, sedia show de luz e som e concertos nos fins de semana.

do de especiarias, molho melado, purê de baroa, cebola e beterraba assadas, tomatinhos frescos e folhas verdes salteadas; e Namorado fresco, espuma do mar, espaguete de abobrinha e palmito de pupunha salteado no azeite de carvão. O ambiente é embalado por uma seleção caprichada de MPB e tem a cozinha de vidro como principal atrativo. Para comer com os olhos desde a execução dos pratos. E que não se deixe o terr i t ó r i o t i r adentino sem uma passadela na loja do Chico Doceiro, sumidade local. Seus canudinhos de doce de leite são os mais gostosos suvenires da cidade e merecem um lugar na bagagem. Diante de tanta fartura e comilança, só mesmo percorrendo ruas, igrejas, museus e inúmeras lojinhas de artesanato de Tiradentes para queimar calorias e voltar para casa sem quilos a mais nem na consciência. Além da Matriz, valem a visi-

Acima, vista para a Serra de São José da sacada da Pousada Lis Bleu; à dir. jardineira que faz passeio noturno no Centro Histórico; e prato mineiro do Virada's do Largo.

ta às igrejas Nossa Senhora das Mercês, em estilo rococó, e São Francisco de Paula, construída no alto de uma colina de onde se tem a melhor vista panorâmica da cidade. O Chafariz São José, o Santuário da Santíssima Trindade, a Capela São João Evangelista, localizada ao lado do casarão onde viveu o inconfidente Padre Toledo, e o mo-

derno Museu da Liturgia e seu acervo de mais de 420 peças sacras dos séculos 18 a 20 também devem compor o roteiro. Os mais aventureiros podem até procurar por atividades na natureza, como flutuação no Rio Elvas, cavalgadas, cicloturismo e trekking pelas trilhas da Serra de São José, que emoldura a paisagem local. Fotos: Divulgação

FAÇA AS MALAS Como chegar De São Paulo, pegue a BR 381 (Rodovia Fernão Dias) até a entrada para a cidade de Lavras (380 km) e siga pela BR 265 até o acesso a Tiradentes (110 km). Onde comer Virada's do Largo: R. do Moinho, 180, Centro, tel. (32) 3355-1111, www.viradasdolargo.com.br. Angatu: R. Santíssima Trindade, 81, Santíssima Trindade, tel. (32) 3355-1391, facebook.com/ angaturestaurante. Aonde ir Passeio noturno de jardineira: é preciso agendar com antecedência, com Luiz Fernando, pelos tels. (32) 9948-2370 ou 9957-4757, email luizfernando.neves@hotmail.com.

O tour custa R$ 60 por pessoa e sai do Largo das Forras. Igreja Matriz de Santo Antônio: R. da Câmara, esq. com R. Pe. Toledo, s/nº, Centro Histórico. O show de luz e som ocorre às sextas, às 19h; sábado e domingo, às 20h; custa R$ 10; às sextas-feiras, a artista Elisa Freixo toca composições clássicas no órgão (19h30, quando não há casamentos; R$ 30). Museu da Liturgia: Rua Jogo de Bola, 15, tel. (32) 3355-1552, museudaliturgia.com.br. Abre de terça a domingo, inclusive feriados, das 10h às 17h. Ingressos a R$ 10. Uai Trip: Rua dos Inconfidentes, 98, tel. (32) 3355-1161, www.uaitrip.com.br. Agência que oferece atividades ecoturísticas, como floating e trekking.

POUSADA PARA DOIS ceita um pãozim de queijo? Uma broinha?” Não é só no almoço e no jantar que se come feito rei e rainha em Tiradentes. Fogão a lenha, alguns dos mais famosos queijos de Minas Gerais, comprados direto dos produtores, bolo de abóbora e pão de berinjela, para ficar em apenas dois exemplos de receitas caseiras, fazem do café da manhã da Pousada Lis Bleu o melhor início de um dia. Três anos atrás, ao planejar a Lis Bleu, o casal Leonardo e Tatiana Cestari não deixou escapar nenhum detalhe. Leonardo já vinha da hotelaria e escolheu os componentes de sua pousada a dedo, do projeto arquitetônico à decoração, rústica e charmosa. Feita a partir de materiais de demolição, possui apenas 12 quartos – banheira de hidromassagem para dois e lareira são alguns dos diferenciais – e, com isso, mantém clima intimista. Uma piscina convida os hóspedes a relaxarem nos dias de calor e sol; já o frio pode ser espantado com a sauna. Sem jamais esquecer, durante a visita a Tiradentes, que as palavras de ordem nessas paragens são comer, descansar e namorar – parafraseando o célebre livro. Afinal, do que mais um casal em busca de romance precisa? (FP)

“A

Pousada Lis Bleu: Rua Ovídio de Abreu, 152, tel. (32) 3355-1434, www.lisbleu.com.br. Até 29/6, diárias a partir de R$ 429 o casal, com café; após essa data, desde R$ 450. Preços não válidos para feriados.

Área da piscina, café da manhã e quarto da charmosa Lis Bleu, onde o casal Leonardo e Tatiana Cestari cuida de cada detalhe.

Diário do Comércio  

Ano 90 - Nº 24.114 - São Paulo, quinta-feira e sexta-feira, 1 e 2 de maio de 2014

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you