Issuu on Google+


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown Um pequeno milagre de amor... Natalie Lavender é a última mulher do mundo que se deixaria cativar por um sorriso sedutor e uma fala macia. Arquiteta talentosa, ela começa a sentir o sabor do sucesso quando conhece um homem que mudará sua vida para sempre... Embora Taylor MacKensie seja bonito, charmoso e carismático, Natalie jamais poderia imaginar que sairia de uma festa em companhia dele, nem que, contagiada pela magia de uma garrafa de champanhe, cederia à força do desejo. Ao descobrir, semanas mais tarde, que espera um filho de Taylor, Natalie o convence a casar-se com ela, mesmo que temporariamente. Porém, enquanto ela nutre um forte sentimento de amor e paixão, tudo parece indicar que a principal preocupação de Taylor é proteger sua carreira política em ascensão. Natalie, então, decide manter-se distante do homem que conquistou seu coração... até que a vida ensina a ambos uma preciosa lição... Digitalização: Silvia Revisão: Ana Ribeiro Querida leitora, Da autora que conhece todos os segredos do coração feminino, nos chega um empolgante conto de amor, de uma jovem que descobre como uma noite de paixão pode mudar sua vida e seus sonhos, para sempre... Leonice Pomponio Editora

Copyright © 1987 by Sandra Brown 2


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown Originalmente publicado em 1988 pela Bantam Books PUBLICADO SOB ACORDO COM TRIDENT MEDIA GROUP NY, NY - USA Todos os direitos reservados. Todos os personagens desta obra são fictícios. Qualquer semelhança com pessoas vivas ou mortas terá sido mera coincidência. Proibida a reprodução, total ou parcial, desta publicação, seja qual for o meio, eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa da Editora Nova Cultural Ltda. TÍTULO ORIGINAL: Tidings of Great Joy EDITORA Leonice Pomponio ASSISTENTES EDITORIAIS Patricia Chaves Paula Rotta Silvia Moreira EDIÇÃO/TEXTO Tradução: Maria Cecília Rodrigues Revisão: Miriam R. A. R. Terayama ARTE Mônica Maldonado ILUSTRAÇÃO © Corbis/LatinStock MARKETING/COMERCIAL Andrea Riccelli PRODUÇÃO GRÁFICA Sonia Sassi PAGINAÇÃO Dany Editora Ltda. © 2008 Editora Nova Cultural Ltda. Rua Paes Leme, 524 - 10 andar - CEP 05424-010 - São Paulo - SP www.novacultural.com.br Premedia, impressão e acabamento: RR Donnelley

3


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown

Prólogo

— Estou grávida. Taylor MacKensie desviou o olhar das pernas bem torneadas de Natalie Lavender e a encarou, sem esconder a surpresa. Como ela não aparentava estar fora de suas faculdades mentais, concluiu que não havia escutado bem. — Desculpe, acho que não ouvi direito. O que disse? — Estou grávida. Taylor sentou-se na cadeira de couro atrás de sua mesa e engoliu em seco. "Parabéns" não parecia ser um comentário adequado. As palavras de Natalie o atingiram como dardos. A frase significava muito mais do que uma descrição da condição física de Natalie. Soava como um desafio, refletido em seus profundos olhos verdes. — Obrigado por me contar, mas eu teria essa informação ao ler as notas de nascimentos nos jornais locais — ele falou em tom sarcástico. ― Você é o primeiro a saber. — Por alguma razão especial? — Taylor indagou. — Uma razão muito importante. — Está querendo insinuar que tenho algo a ver com sua gravidez? — Tinha até medo de perguntar. — Não estou insinuando nada. O bebê é seu — Natalie declarou. A frieza da mulher era impressionante. Taylor sentiu o rosto queimar, mas tentou disfarçar o choque com uma risada. — É uma piada? — Improvável, sr. MacKensie. A comédia jamais foi meu gênero favorito no teatro, nem mesmo no colégio. — Nem meu, mas é o que parece — ele comentou com impaciência. — Posso lhe garantir que ninguém virá até aqui ameaçá-lo, ou colocar um revólver nas suas costas. — Não ficaria surpreso com mais nada, depois do que acabo de ouvir. Apenas gostaria de saber como conseguiu entrar em meu escritório e jogar essa bomba em cima de mim. — Marquei uma entrevista e passei pelos canais apropriados para que tivesse permissão de falar com um vereador, e... — Srta. Lavender, com licença, mas, quando um cidadão desta cidade marca uma entrevista comigo, imagino que será para discutirmos as próximas eleições, leis ou problemas com o transporte público, habitação, essas coisas... — Talvez tivesse sido melhor vê-lo no escritório de sua companhia, mas receei que pudesse pensar que eu o estava procurando para tratar de negócios. Taylor correu os dedos pelos cabelos castanho-escuros. — Não acredito que esteja falando sério. — Estou — Natalie confirmou. — Não se trata de uma brincadeira ou de uma piada vulgar? — Não tenho o hábito de contar piadas vulgares — ela retrucou com ar de superioridade. — Ora, droga, como posso saber dos seus hábitos, se mal a conheço? Ambos se entreolharam por alguns segundos. Natalie foi a primeira a desviar o olhar. Taylor percebeu um leve rubor em suas faces. Já não era sem tempo, pensou. 4


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown Natalie sentiu-se corar só de pensar em como ele a conhecia bem. Ainda mais por terem se encontrado apenas uma única vez.

Capítulo I

— Oh, me desculpe! — Sem problemas. — Não espetei seu dedo com o palito? — Sim, mas com alguns pontos ficará novinho em folha. — Ele deu de ombros e levou o dedo machucado à boca. Natalie achou graça. — Sinto muito. — Esqueça. — Por favor, pegue o camarão — ela insistiu. — Se está de olho nesse camarão, não quero nem pensar em tirá-lo de você. Natalie observou o rosto másculo e atraente, e o corpo não menos fantástico. Alto, magro, ele vestia um temo e colete, camisa branca e gravata vermelha. Gravata vermelha? Bem, era noite de Natal. A gravata e o lenço de seda, cujas pontas saíam do bolso do paletó, eram sua maneira de valorizar a data. Enquanto outros homens poderiam parecer ridículos, ele tinha o estilo que lhe permitia a extravagância, sem ameaçar sua masculinidade. O sorriso largo ajudava. Franco e natural, se tornava mais simpático a cada segundo. Será que o calor que sentia era provocado por aquele sorriso contagiante e os brilhantes olhos azuis? — Natalie Lavender. — Ela mudou o prato da mão direita para a esquerda, para poder cumprimentá-lo. — Taylor MacKensie. — Ainda não tinha pegado um prato, segurava apenas o palito com que tentara espetar o mesmo camarão que Natalie. Apertaram-se as mãos, sorrindo. Os olhos de Taylor se enrugaram nos cantos quando sorriu. Gostava da vida ao ar livre, e as marcas em seu rosto impediam que se dissesse que era bonito. — Será o famoso vereador MacKensie, candidato à prefeitura? Taylor fez uma reverência. — Ele mesmo. É um prazer, sra. Lavender, Natalie inclinou a cabeça para trás e riu. — Muito esperto. — Por quê? — Sra. Lavender. Está me induzindo a dizer se sou ou não casada. Taylor baixou o tom de voz, que se tomou quase inaudível: — Confesso que o suspense está me matando. — Sou uma senhorita. E jamais fui senhora. — Fantástico. — Taylor estalou os dedos. — Sempre tive uma sorte incrível. Satisfeitos com o que viam, olharam-se por alguns instantes até que alguém empurrou Taylor pelas costas. 5


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Bem... mais camarão? — ele ofereceu, muito gentil. — Já comi uma quantidade considerável, mas mesmo assim, obrigada. Taylor voltou a atenção para a mesa do bufê de Natal, admirando a variedade de pratos. — Que tal falarmos de peru agora? Natalie apreciou seu senso de humor. Até o momento, não achara nada que não gostasse nele. E adorava peru. Foi sua vez de lhe enviar um sorriso brilhante. — Ótima sugestão. Taylor apanhou um prato, e os dois se movimentaram em volta da mesa. Serviramse devagar, embora comer fosse a última idéia em suas mentes naquela hora. A festa de Natal dos Graham, que era também uma oportunidade para inaugurar a casa recémconstruída, ganhara novo interesse. Ambos haviam atendido ao convite, mais para cumprir uma obrigação social, e planejavam sair cedo. Entretanto, depois do inesperado encontro com Natalie, Taylor nem se lembrou da desculpa que pretendia dar aos anfitriões. Sua mente se concentrava em assuntos mais agradáveis. Assim como ele, Natalie não estava mais com pressa de se retirar, e sentiu-se aliviada por não ter que inventar um pretexto. — Onde gostaria de sentar? — Taylor observava a sala lotada, tentando encontrar dois lugares juntos. Havia cadeiras espalhadas, mas ele não pareceu muito inclinado a sentar-se nelas. — Faz questão de parecer muito educado e sociável? — Natalie indagou, com naturalidade. — Consigo ser bastante rude e ainda dormir à noite sem sentimento de culpa — confessou com um sorriso diabólico. — Então, siga-me — Natalie falou em voz baixa. Dirigindo um olhar conspirador ao barman, Taylor apanhou uma garrafa de champanhe do balde de gelo e duas taças, que conseguiu segurar entre os dedos de uma das mãos; com a outra equilibrava o prato com os salgados. Natalie, com seu próprio prato na mão, encaminhou-se para a escada, que era uma parte da sala que chamava a atenção. Os degraus eram suspensos por uma grade de latão trabalhado, e o conjunto tinha uma aparência moderna por causa dos degraus vazados. Natalie não havia ainda chegado ao meio da escadaria quando ouviu Taylor suspirar bem atrás dela. — Um vestido para nocautear qualquer homem... — foi o elogio. Ela o olhou por sobre o ombro. Os olhos de Taylor estavam fixos em suas costas nuas, que o ousado vestido azul-claro deixava à mostra. Na frente, o decote em V era também profundo, evidenciando a curva de seus seios. A saia justa não ia além dos joelhos, e um cinto largo marcava a cintura fina. Os ombros e parte das mangas eram bordados com lantejoulas em tom prata. Os cabelos longos estavam presos por um adereço que combinava com o bordado. — Obrigada. — Por nada. As escadas levavam a um mezanino, de onde se podia observar o salão no andar térreo. — Grande idéia — Taylor comentou, enquanto olhavam a multidão de convidados lá embaixo. — Foi ótimo ter me lembrado desta sala. Ficaram ali, junto à mureta, por alguns instantes, analisando-se mutuamente. Os lábios de Natalie pareciam a Taylor muito mais apetitosos do que os salgadinhos que tinha no prato. — Por aqui — ela disse, sem mais rodeios.

6


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown Natalie o levou até um aposento espaçoso, iluminado apenas pelo fogo da lareira e pelas luzes da gigante árvore-de-natal a um canto. A sala era decorada com sofás e poltronas em couro branco, e pareciam macios como marshmallow. O felpudo tapete cor de manteiga quase engolia os saltos dos sapatos de cetim de Natalie. Ela atravessou o ambiente e colocou o prato sobre o tampo de vidro da mesinha de centro. — O interruptor está à sua esquerda — informou a Taylor, que estava parado à soleira, observando a sala com ar de admiração. — Mas, como está com as mãos ocupadas, posso acender as luzes eu mesma. — Você se importaria se deixássemos como está, assim na penumbra? — Taylor sugeriu. Sustentando o olhar no dele, Natalie balançou a cabeça. — Na verdade, prefiro assim. Taylor depositou a garrafa, as taças e o prato sobre a mesinha de centro e se aproximou de onde ela estava, entre o sofá e a lareira. Como se tivessem combinado, ao mesmo tempo sentaram-se no chão. Natalie dobrou as pernas sob os quadris e Taylor encostou-se no sofá, com um dos joelhos dobrados a sua frente. Estendeu o braço e pegou a garrafa de champanhe. Após tirar o lacre de arame fino, empurrou a rolha com cuidado até que saísse com estrondo, mas sem derramar o líquido. Natalie assentiu, saudando a habilidade, e ergueu sua taça. Taylor encheu as duas taças e levantou a sua também para um brinde. — Feliz Natal, Natalie. — Feliz Natal, Taylor. Olhando-se por sobre abeirada das taças, beberam o líquido espumante, enquanto os olhares pareciam ver muito além. — Bem melhor do que o ponche de champanhe. — Hum... — Natalie saboreou a bebida antes de engolir. — Nada como o original. Ele estendeu o prato de salgados em direção a Natalie, que se serviu de um canapé enfeitado com azeitona. Taylor preferiu a torrada com salmão. — Como sabia da existência desta sala? — ele quis saber, depois de ter comido mais um canapé. — Eu a projetei. Taylor ergueu as sobrancelhas, mostrando curiosidade. — Desenho de interiores? — Não. Fiz apenas sugestões a respeito de como deveria ser decorada. Executei o projeto da estrutura. Sou arquiteta. — Foi a arquiteta que projetou esta casa? Ela assentiu. Taylor serviu-se de mais um canapé. Dessa vez, escolheu um tomatecereja recheado com carne de caranguejo sobre uma pequena torrada. Passou os olhos pelo local de novo, observando-o sob uma nova perspectiva, desde o carpete felpudo sobre o qual estavam sentados até o teto alto. Gostou do que via. Natalie percebeu que ele apreciava o projeto, pelo modo como analisava cada detalhe. Estava certa de que Taylor faria algum elogio ao seu trabalho, mas em vez disso olhou para fora, mostrando surpresa em sua fisionomia. — Está nevando — ele comentou casualmente. Virando a cabeça para a janela, Natalie constatou que grandes flocos de neve, parecendo chumaços de algodão, caíam iluminados pelas luzes da rua. — Que lindo! Um Natal branco! — exclamou, emocionada. — Sinto vontade de cantar. O que acha? — Cantar? — Natalie repetiu, espantada. — Canto muito bem no chuveiro. — Então, penso que seria conveniente não fazê-lo aqui.

7


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Não acredita que sei cantar? — Taylor sorriu com malícia. — Acho que terá que me acompanhar no chuveiro para descobrir. Natalie bebeu seu champanhe com calma. A insinuação não era ofensiva, mas sentia que o sorriso de Taylor a desarmava. Ele conseguia ser muito sexy, como era mesmo sua intenção. Colocando o copo sobre a mesa, olhou-o, séria. — Faz jus à sua fama de homem perigoso, sr. MacKensie. — Não sabia que tinha essa fama. Quem diz que sou perigoso? — Taylor inclinouse para escolher mais um dentre os poucos canapés restantes. — Todos que o acusam de ser mulherengo. — Oh, eles... — Deu de ombros, indiferente à acusação e mais interessado na anchova que cobiçava.—Tenho inimigos políticos que, na falta de acusações mais sérias, espalharam esses boatos. — Ou alguma mulher rejeitada. — Suponho que existam algumas delas. — Seu sorriso era de desdém. — Não tive intenção de dizer que não seja um sério político ou um homem de negócios — ela declarou, parecendo estar sendo sincera. Pelo que lera nos jornais, sabia que Taylor era proprietário e diretor de uma firma no ramo de instalações elétricas, que entrara para a política havia poucos anos e, no momento, concorria ao cargo de prefeito da cidade. — Apesar de toda a lama que querem jogar sobre você, acredito que vencerá a corrida para a prefeitura. — Pretende votar em mim? Natalie não esperava por uma pergunta tão direta, mas não titubeou: — Sim, se me servir outra taça de champanhe — ela respondeu e sorriu de modo provocante. Taylor destampou a garrafa e serviu a ambos. — Quisera que todos os votos fossem fáceis assim de se conseguir. Por que pretende me confiar o seu? — Porque você é um político de pensamento progressivo.Às vezes, um tanto franco e direto, mas acho que são qualidades, e não defeitos. — Bleeker me chamou de popular, mas inflexível. Ela achou graça da forma como o opositor político de Taylor o havia caracterizado. — A descrição se encaixa, embora eu tenha certeza de que Bleeker não teve a intenção de elogiá-lo com esses adjetivos. Sei que você jamais deixaria que alguém o perturbasse a ponto de perder a serenidade. — Está certa. Cresci nos subúrbios como um genuíno garoto americano, mas soube sempre conviver com os maus sujeitos que viviam na minha comunidade. Felizmente, aprendi a lidar com eles e angariar o respeito da grande maioria. ��� Seu discurso me impressiona pelas transformações que está propondo. Na minha opinião, já é tempo de algo mudar nesta cidade. Precisamos de gente nova, com idéias novas. — Só espero poder sacudir as mentes daqueles membros fossilizados do conselho, se for eleito — ele retrucou. — Droga! — exclamou logo em seguida. — O que foi? — Natalie o encarou, confusa. — Afinal, esqueci de me servir de peru — Taylor afirmou, contrariado. — Aqui, pegue um fatia. — Natalie lhe ofereceu um pedaço de carne do próprio prato. — Não, não posso. — Ergueu ambas as mãos. Estava ficando bêbada ou o protesto de Taylor fora eloqüente e engraçado?, Natalie se perguntou.

8


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Pegue. Faço questão. Afinal das contas, roubei o camarão de você. — Natalie espetou uma fatia e estendeu o garfo em sua direção. Ainda faminto, Taylor olhou a carne como se fosse o último pedaço de alimento na face da Terra, mas fingiu não ser digno de comê-la. — Não mereço. Você ganhou o camarão em uma disputa limpa. — Por favor. — Rindo, Natalie aproximou mais o garfo da boca de Taylor. — Bem, se insiste... — Ele a olhou com ar inocente. Taylor mordeu o suculento pedaço de peito de peru. Jamais lhe ocorrera que dentes poderiam ser sexies, Natalie pensou. Parecia que a mordida estava sendo dada em alguma parte do seu corpo. Era uma sensação agradável. Sentiu a respiração quente de Taylor sobre seus dedos. A carne estava tão macia que poderia ser cortada com a lateral do garfo, mas ele movimentava a cabeça de um lado para o outro no intuito de parti-la. Natalie sentiu um friozinho no estômago como se tivesse despencado da montanha-russa mais alta que conhecia. — Delicioso — Taylor murmurou sem tirar os olhos dela. — Macio e suculento — Natalie completou, sustentando o olhar provocativo. — Hum... Natalie percebeu que Taylor tinha o olhar fixo em sua boca. Os olhos azuis não piscavam. Um predador observando sua presa. Sentiu-se vulnerável sob aquele escrutínio. Sua mão tremeu levemente ao segurar a longa taça de champanhe. Apenas nesse momento, quando se movimentou, foi que ele desviou o olhar. — Gosto mais desta árvore-de-natal do que a que está lá embaixo — foi o comentário. Natalie sentiu-se aliviada por Taylor ter mudado de assunto. A pressão que sentia no peito diminuiu um pouco. O barulho da festa era apenas um burburinho distante. De vez em quando, ouvia-se uma risada mais alta, mas na verdade o único som na sala onde estavam era o estalar do fogo na lareira e o farfalhar sensual das roupas de noite que usavam. Ela jamais se sentira tão à vontade. Em nenhum lugar. Em nenhum momento. Como medida de precaução, não tirou os sapatos. Natalie fitou a árvore-de-natal. Seus galhos verdes e perfumados haviam sido decorados com luzes coloridas, bolas de vidro, festões e velas de açúcar. — Também gosto mais desta — ela disse. — Prefiro árvores decoradas á moda antiga. — O perfume dos pinheiros é muito bom. — A árvore que está lá embaixo na sala de visitas é maravilhosa, mas muito artificial. — Intocável — Taylor comentou. — Foi decorada por um profissional com enfeites novos e modernos, enquanto esta dá para perceber que foi a família que decorou. Os enfeites estão colocados de forma irregular, sem muita simetria. Os anfitriões, os Graham, tinham vários filhos adultos e muitos netos. Natalie imaginou as risadas, as brincadeiras afetuosas, os gritinhos de satisfação que ecoariam pelas paredes da sala na manhã seguinte, quando os presentes fossem desembrulhados. Ela mesma tinha lembranças inesquecíveis dos tempos em que era garota e esperava a chegada do Papai Noel, que traria os presentes constantes da lista que seus pais pediam que escrevesse bem antes do Natal. Escorregando pelo carpete, Taylor aproximou-se de Natalie. — Aposto que se olharmos de perto veremos que alguns desses enfeites estão descoloridos e quebrados — ele sussurrou. Ela assentiu, ainda imersa em seus pensamentos. — Mas são os preferidos. Quanto mais velhos, melhor. São reminiscências de outros natais e jamais serão jogados fora. Cada um tem sua pequena história. 9


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown Taylor acariciou a face de Natalie com os nós dos dedos. — A jovem arquiteta num momento de sentimentalismo — brincou. Natalie não pôde deixar de rir. — Confesso que sim. Sou muito sentimental, e acho o Natal a festa mais linda de todas. Sem precisar fingir que comiam, colocaram os pratos de lado. Outro tipo de desejo se instalara entre eles. Não havia como esconder. — Jamais tive uma luta de palitos de dentes com uma pessoa tão bonita. Você é mesmo real? — Taylor perguntou. As palavras estavam na ponta da língua, mas Natalie se conteve. Toque-me e veja, pensou em dizer. Se os comentários fossem verídicos, Taylor não precisaria de encorajamento. E mesmo se fossem forjados por seus inimigos políticos, deveriam ter um fundo de verdade. Mas Natalie estava se divertindo e decidiu continuar flertando: — Oh, sou real, sim... O que você não percebeu foi que meu estômago estava roncando alto quando vi aquele lindo camarão rosa. — Shhh... — Taylor colocou o dedo indicador sobre os lábios, pedindo silêncio. — Está fazendo minha boca se encher de água. Era suficiente!, Natalie decidiu. Chegava de provocações. A brincadeira tomava um rumo perigoso. Taylor estava fazendo sua boca encher-se de água. A sala à meia-luz, a lareira, a atmosfera natalina provocavam um efeito estranho e perigoso. Sentiu que perdia o controle da situação e sabia que precisava recuperá-lo imediatamente. — Talvez fosse melhor descermos e nos juntarmos aos demais — ela sugeriu, depois de curto silêncio. Taylor franziu a testa, mas concordou: — Acho que seria conveniente. Afinal, há muitos eleitores no meio de tantos convidados. — Levantou-se e ofereceu a mão a Natalie, que aceitou sem hesitar. Deveria ter comido mais, ela pensou. O champanhe fora direto à cabeça e às pernas também. Sentiu que seu corpo balançava de leve ao levantar-se. Taylor passou o braço em volta de sua cintura para ampará-la, apertando-a contra si. — Tudo bem? — Sua voz era apenas um som rouco, que a fez lembrar um animal pronto para copular. — Sim, estou ótima. Ele a soltou com certa relutância. Desceram as escadas, levando os pratos vazios. — Gosto da casa. Muito original, Natalie. Moderna, sem ser exagerada. — Fiquei satisfeita em ver como ficou depois de pronta — comentou com simplicidade. — Não se deixe levar por essa falsa modéstia. Ambos se viraram ao ouvir o chiste da dona da casa. Usando um vestido de tafetá, que farfalhava ao se aproximar deles, a sra. Graham abriu um sorriso largo para Natalie e a abraçou, demonstrando afeto. — Taylor, estou contente em ver que já conheceu a arquiteta mais genial de nossa cidade. Estou dando essa festa para comemorarmos o Natal e também para exibir a obraprima de Natalie. — Tem excelente gosto, sra. Graham. — Taylor sorriu, usando todo seu charme. — Gosto excelente, tanto para casas como para arquitetos. A sra. Graham segurou Natalie pelo braço e afastou-a de Taylor. — Uma amiga minha está ansiosa para conhecê-la, Natalie. Adorou a casa e quer construir uma parecida. Ela possui uma linda propriedade... Oh, pelo amor de Deus, Taylor, não fique tão desolado sem Natalie. Poderão recuperar o tempo perdido mais tarde. Agora, seja um bom menino e circule por aí. Creio que alguns homens estão jogando sinuca no salão de jogos.

10


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown Meia hora mais tarde, Taylor avistou Natalie no meio de algumas pessoas em volta do piano. Com esforço passou por elas até chegar junto do coro, que entoava uma antiga canção natalina. — Olá. — Olá. Jogou sinuca? — Sim. E venci. Mas não quis receber minhas apostas. Sou sempre muito caridoso na época de Natal. O dinheiro será encaminhado para uma instituição filantrópica, da qual a sra. Graham é patronesse. — Muito bom — Natalie comentou com um sorriso. Outra canção estava sendo entoada e eles se esforçaram para acompanhar os demais. No meio da segunda estrofe, Natalie afastou ligeiramente a cabeça e o olhou. — Você estava certo... — O quê? Não consigo ouvir... — E se inclinou até que os lábios de Natalie roçaram sua orelha. — Estava certo — repetiu. — Você não sabe cantar mesmo. Rindo, Taylor lhe apertou o cotovelo. Após mais algumas canções, a agitação da festa pareceu diminuir. A primeira neve era sempre preocupante, e as pessoas desejavam voltar para seus lares em segurança. Juntos, Taylor e Natalie se dirigiram ao hall, onde uma criada entregava os casacos. Ao trazer o de Natalie, Taylor não conseguiu esconder a surpresa. Pegou o longo casaco de pele sintética prata e o colocou sobre os ombros de Natalie, e segurou seu próprio sobretudo no braço. Os Graham encontravam-se á porta da frente, despedindo-se dos demais convidados. Natalie dirigiu-se ao simpático casal: — Foi uma comemoração maravilhosa. Obrigada pelo convite. A sra. Graham, depois de beijar Natalie, segurou-lhe a mão entre as suas. — A festa foi maravilhosa porque minha casa é maravilhosa. Assim como você, querida. E se pensa que vou deixá-la dirigir sozinha neste tempo horrível está muito enganada. — Estou acostumada a dirigir na neve, sra. Graham! — Natalie exclamou, ainda segurando as mãos da senhora. — Mas não nesse penhasco escorregadio, que chamam de estrada — o sr. Graham completou. — Será um prazer levá-la — Taylor se ofereceu com a bravura de um voluntário que se oferece para cruzar a linha de fogo. — Ótimo — a sra. Graham concordou, sorrindo, e voltou-se para o marido: — Querido, não se esqueça de contribuir para o fundo de campanha de Taylor. — Mas meu carro... — Natalie protestou. Não estava acostumada a ser tratada como uma criança. — Arrumarei alguém para levá-lo para você amanhã. E melhor ir agora, antes que o gelo nas estradas fique pior. Boa noite, queridos, e feliz Natal. Os Graham acenaram gentilmente, e logo se voltaram para outros convidados que saíam. Para não provocar uma cena, Natalie não teve alternativa senão se submeter à pressão que Taylor fazia em seu braço, conduzindo-a ao automóvel. — Não se importa, não é? — Ele inclinou a cabeça para proteger o rosto da neve, que caía forte. — Não. E você? — Claro que não. — Eles o colocaram em uma situação difícil. Não teve saída.

11


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Sim, eu tive. Já lhe disse que posso ser bastante rude se quiser. — A pressão no braço de Natalie aumentou. — Além do quê, mesmo se eles não tivessem pedido, eu teria me oferecido para levá-la. Não gostaria de vê-la dirigindo sozinha para casa nesse tempo. — Tenho certeza de que sei dirigir com um pouco de neve. Taylor levantou o olhar para o céu. — Parece uma nevasca, e lembre-se... — Ele voltou a pressionar seu cotovelo — de quanto champanhe você bebeu. Rindo, foram passando pelos veículos estacionados na rua, até chegarem a um Corvette novo. — Sabe que ainda não tenho certeza de que você é real? — Taylor procurava pelas chaves no bolso. — É uma mulher linda, talentosa, inteligente. Já possui suas próprias jóias e... — Está falando dos meus brincos? — Natalie segurou os pingentes de pedra em suas orelhas. — São fantasia. — Mas isto não é. — Taylor alisou a pele macia do casaco. Fora um luxo que se permitira ao ser contratada pela mais famosa firma de arquitetos da cidade. Preferira embrulhar-se na pele macia a sentar-se nos bancos de couro de um carro luxuoso. Mas havia um detalhe importante a ser mencionado: a pele do casaco era artificial. Levara algum tempo procurando, mas finalmente encontrara aquele que se assemelhava demais à natural, que se recusava a comprar. — A pele não é de animais de verdade, Taylor. — Mas mesmo assim é lindo, e parece aquecer bastante. — Sim, é verdade. — É uma mulher perfeita, mas deve haver algo errado... — Taylor observou-a através da neve que caía. — Já sei. Deve ter dentes cariados. Natalie simulou um soco no nariz de Taylor antes de entrar no carro. O seu senso de humor era sutil e contagiante. A estrada estava muito mais perigosa do que ela havia imaginado. Agradeceu em silêncio pela insistência dos Graham para que alguém a acompanhasse, embora não estivesse certa de que Taylor fosse a melhor escolha. Sentia-se confusa. Os ouvidos zumbiam, e não se tratava do eco das canções de Natal. Seus pés ficaram tão frios que parecia que os dedos não estavam mais lá. Talvez por ter caminhado pela neve usando apenas sapatos de festa. Mas como explicar o calor que sentia pelo resto do corpo? Certo que o aquecedor do carro estava ligado, mas a quentura que experimentava vinha da sua pele. O limpador do pára-brisa movimentava-se incessantemente. Flocos de neve dançavam à luz dos faróis. A noite tinha um quê de surreal. Ora, era tudo fantasia, afinal. Quem desejava a realidade nesse momento? Enquanto durasse, por que não apreciar? — Música? — Taylor perguntou, dirigindo o olhar para o rádio. — Sim, por favor. — Natalie piscou para ele. — Se prometer não cantar junto. — Parece que todas as estações estão tocando canções de Natal — Taylor comentou, depois de apertar vários botões. — Está bem para mim. Gosto de escutá-las pelo menos uma vez por ano. — Eu também. Mas, diga-me. Como é que está passando esta noite sozinha, numa festa de pessoas estranhas? Imaginei que haveria uma dúzia de admiradores fazendo fila à sua porta, implorando para sair com você na véspera de Natal. Natalie agradeceu o elogio. — A pessoa com quem estou saindo precisou viajar. — Há um homem, então? — Sim. A mãe dele mora na Flórida, e como está bastante idosa, ele decidiu passar os feriados com ela. Taylor ouviu a explicação sem fazer comentários. 12


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Pai e mãe? — Viajaram para a Inglaterra para visitar amigos. Estavam relutantes em ir nesta época do ano, mas insisti para que fossem. Afinal, a véspera de Natal é uma noite como outra qualquer. — Acredita mesmo nisso? — Taylor se virou para olhá-la. Fitaram-se por alguns segundos. — Não — Natalie murmurou, meneando a cabeça. — Mas não queria que meus pais perdessem uma viagem por minha causa. — E quanto ao seu namorado? — Também não desejava me sentir responsável por ele negligenciar a mãe. — Natalie preferiu desviar o rumo da conversa: — E você? Por que está sozinho? Não tem familiares? — Tenho pai, mas ele tem uma nova família agora. Mora com Janey em Los Angeles. Taylor explicou que seu pai havia se casado novamente com uma mulher bem mais nova do que ele, depois da morte de sua mãe, e já tinham dois filhos. — Tenho um meio-irmão e uma meia-irmã tão jovens que poderiam ser meus filhos. Sou sempre bem-vindo entre eles, mas sinto que minha presença os deixa um pouco desconfortáveis. Parece que sentem medo de fazer ou dizer algo errado. — Amigos? — Natalie referia-se a amigas, e em especial a uma namorada, e se detestou por mostrar tanta curiosidade. — Fui convidado para fazer uma excursão de esqui com um grupo de amigos. — Grupo grande? Taylor sorriu, percebendo aonde ela queria chegar. — Sete. Entre eles, a mulher com quem estou saindo. Desisti de ir na última hora. — Por quê? Brigaram? — Não. Anteontem torci o tornozelo jogando squash e achei que seria burrice esquiar assim. Por isso, nos desentendemos. — Ela foi sem você? Taylor deu de ombros. — É uma moça muito independente. — Engraçado como o Natal pode ser agitado e exuberante, ou vazio e triste. — Depende de se for passado em boa companhia ou sozinho. — Concordo. Mas pode se tornar muito desagradável se estivermos junto de alguém por quem não se tenha afeto. Acho que deve ser pior do que passar sozinho — Natalie comentou. Ela dera a Taylor o endereço de sua casa ao deixarem a festa dos Graham. Taylor foi direto à rua, sem fazer perguntas. Tudo indicava que o jovem e ativo candidato a prefeito conhecia bem sua cidade. Taylor estacionou em frente à residência e desligou o motor do Corvette. O limpador de pára-brisa parou seu movimento ritmado. As notas de Noite Feliz, que estava sendo tocada no rádio, ecoavam no silêncio do automóvel. Nenhum dos dois se moveu, até que viraram-se um para o outro e começaram a falar ao mesmo tempo: — Obrigado... — Gostaria... — Oh, desculpe... — Damas primeiro. — Queria lhe agradecer pela carona — Natalie conseguiu dizer. Taylor olhou o pára-brisa, que começava a ficar coberto de neve. Natalie podia ver o movimento de seu maxilar sob a pele clara. De repente, ele virou a cabeça em sua direção. — Bem, você poderia me convencer a tomar uma xícara de café. 13


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown Natalie hesitou por um instante e depois assentiu. Esperou enquanto Taylor dava a volta no carro e abrir a porta para ela descer. Ele a pegou pelo braço com firmeza até chegarem à porta de entrada, e até que ela tirasse a chave da pequena bolsa prateada. O ar quente do interior envolveu-os como o abraço de um amigo querido. Natalie pressionou o interruptor de luz, mas o abajur na mesinha lateral do sofá não acendeu, apenas as luzes da árvore-de-natal. — Oh, esqueci! Fiz a ligação das lâmpadas da árvore direto neste interruptor. — Deveria ter chamado um eletricista — Taylor comentou, em tom sério. — A árvore está linda. — Obrigada — Natalie agradeceu, sorrindo. — Do tipo antigo. Enquanto ela continuava à soleira, Taylor dirigiu-se para a lareira. Pequenas brasas ainda brilhavam sob uma pilha de lenha queimada. Ele tirou a grade protetora e remexeu as brasas, colocando duas novas toras, que logo começaram a queimar. Sob a luz das chamas, os flocos de neve que derretiam no cabelo de Taylor brilhavam como diamantes. Ele se virou para Natalie. O olhar e o jeito de andar em sua direção a fizeram estremecer. — Vou ligar a cafeteira para aquecer o café — ela disse, meio embaraçada. Ao passar por ele, Taylor segurou suas mãos. — Natalie? — O quê? — Há neve em seu cabelo. Ela balançou a cabeça, e Taylor admirou o movimento sensual de sua longa cabeleira. — É lindo. Negro como a noite. Brilhante e sedoso. Sedutor. Sedutor, Natalie pensou, era o modo como Taylor passava os dedos por entre eles e os espalhava sobre a pele do casaco. O olhar de Taylor se afastou de seu rosto, descendo pelo pescoço até atingir o espaço entre seus seios. Ela tomou a estremecer. — Estará quente em um minuto. — Meu bem, já está quente — ele murmurou. Chegando mais perto, Taylor segurou seu rosto com ambas as mãos, aquecendo-o no mesmo instante. Inclinou-se e roçou os lábios sobre os dela. O primeiro beijo foi leve e questionador. O próximo se tornou mais firme. Natalie respirou fundo e se desviou. — Sinto muito — ele disse. — Não tinha o direito de... E que... Droga, desejava muito beijá-la! Natalie ergueu a cabeça e o encarou. Sentia-se leve. Mantinha os olhos abertos porque a visão daquele homem era muito boa. — Não se desculpe. É noite de Natal. — Nesse caso... E Taylor tomou a beijá-la. Dessa vez, sua boca se abriu sobre a dela, forçando-a a fazer o mesmo. Natalie correspondeu, e por alguns instantes suas línguas se tocaram. O circuito pareceu se fechar. As terminações nervosas foram intensamente estimuladas. — Você estava certa — Taylor murmurou com voz rouca, movimentando os lábios sobre os dela. — Nada melhor do que o real. Puxou-a para si. Suas mãos alisaram a pele do casaco que Natalie usava sobre os ombros, e em um movimento rápido agarrou a peça com firmeza e jogou-a sobre o sofá, tal qual um toureiro faz com sua capa. Devagar, começou a acariciar-lhe as costas, e foi descendo as mãos até os quadris arredondados. Natalie emitiu um leve gemido quando Taylor tocou a parte interior de suas coxas. Ele não retirou a mão, e fitou-a com uma pergunta silenciosa nos olhos. A respiração de

14


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown Natalie estava acelerada, os lábios, úmidos e entreabertos. Seus olhares se encontraram e ela aproximou mais o corpo do dele, preenchendo-lhe a mão com seu sexo. Ambos gemeram pela dor deliciosa do desejo. Taylor a abraçou procurando a fonte daquele calor. Enquanto a beijava, desvencilhou-se do paletó. Desabotoando os botões do colete, Natalie calculou que deveria haver centenas deles, mas afinal conseguiu desabotoar todos e pôde acariciar o peito coberto pela fina camisa de seda. Taylor colocou as mãos em seus ombros e sem pressa foi escorregando o vestido pelos ombros. Seus dedos foram descendo e acariciaram-lhe o colo. Natalie jogou a cabeça para trás e ele a beijou no pescoço. A boca era quente e possessiva. Natalie lutou com os botões da camisa, após tê-la puxado de dentro da calça. Escorregou o tecido das mangas pelos braços de Taylor e deixou que a camisa caísse no chão. Ansiosa, passou os dedos por entre os pêlos do torso nu. Sem poder esperar, Taylor abriu o zíper do vestido, nas costas. O corpete desceu até a cintura. Natalie não usava nada embaixo. Por puro reflexo, ela ergueu as mãos para se cobrir, mas ele gentilmente segurou-lhe os pulsos, impedindo-a de se movimentar. — Não, por favor — sussurrou. — Você é linda. Fascinado, ele observava o movimento do seios, enquanto ela se livrava das mangas justas. De leve, Taylor tocou-os com ambas as mãos. Depois prendeu os pulsos de Natalie e forçou-a a colocar os braços em volta de seu pescoço. O abraço foi forte. Pele contra pele. Por um momento se controlaram, mas o desejo era intenso demais. Taylor inclinou a cabeça e começou a beijar um dos mamilos. Murmurou algo incompreensível antes de começar a sugá-lo. Uma onda de desejo percorreu o corpo de Natalie. Taylor soltou o cinto que lhe prendia o vestido, e ele desceu até o chão, deixando à mostra o corpo coberto apenas por uma calcinha branca e as meias presas por ligas de renda. — Papai Noel deve achar que fui um menino muito, muito bom. — Taylor enfiou os dedos nos longos cabelos negros. Levantando-a nos braços, levou-a até o sofá, onde a colocou sobre o casaco de peles. Enquanto admirava o corpo esbelto de Natalie, acabou de se despir. Nu, mostrando toda sua virilidade, deitou-se ao lado dela. — Não é segredo que a desejo, Natalie. — Escorregou a mão por baixo da calcinha. — Você me quer? A resposta de Natalie estava na umidade de seu corpo, que estremecia de desejo, mas Taylor queria ouvir uma confirmação de sua boca. — Diga que me quer, Natalie... — Sim, quero você. Os dois se abraçaram, e as bocas se encontraram em um beijo profundo, ao mesmo tempo que Natalie sentiu-se sendo possuída por Taylor ao se unir àquele homem que mal conhecia.

15


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown

Capítulo II

— Como aconteceu? — Taylor perguntou com o cenho franzido. — Seu pai nunca teve uma conversa de homem para homem com você sobre as flores e as abelhas? — Natalie falava com voz propositalmente doce. O vinco na testa de Taylor tornou-se mais profundo. — Se teve, já deveria saber como tudo aconteceu, querido. Não fazia mais de alguns minutos desde que Natalie Lavender entrara em sua sala com a surpreendente notícia, mas parecia que estavam ali havia séculos. A tensão entre eles aumentava a cada segundo, como um vulcão prestes a entrar em erupção. — O que eu quis dizer é: por que razão não estava protegida? — ele pronunciou as palavras com raiva. — E por que você não estava? — Em geral, tomo minhas providências. Leio os jornais e tomo conhecimento das campanhas. — Acho que se esqueceu dessa vez. — Imaginei que qualquer mulher inteligente e sexualmente ativa, nesses tempos de liberação sexual, praticaria algum método anticoncepcional. Os olhos verdes de Natalie faiscaram. — Primeiro... — ela ergueu o indicador, onde se podia notar a unha muito bem-feita — ...não sou sexualmente ativa da forma como está insinuando. Não sei o que me deu na véspera do Natal. Multo champanhe, talvez. Não tenho o hábito de levar estranhos para minha casa e para minha cama, e me ofende sua insinuação de que teria. — Segundo... — o outro dedo juntou-se ao primeiro, formando um V, e reforçando seu argumento — ...prezo muito minha saúde para me arriscar tomando anticoncepcionais. — Mais um dedo se juntou aos anteriores. — E terceiro: não tire conclusões a meu respeito. Blasfemando, Taylor dirigiu-se até a janela. Fechando as mãos com força dentro dos bolsos e encolhendo os ombros, virou-se. A gravidez não era a única armadilha que ela havia preparado. Ao olhar para Natalie, a lembrança dos dois deitados no sofá voltou à sua memória com toda nitidez. O som dos leves gemidos quando ela atingiu o auge do prazer ainda ressoavam em seus ouvidos. Gostaria de poder bloquear aquele som que o perturbava e esquecer a mistura de aromas que havia naquela ocasião — o cheiro do pinheiro, a fumaça da lareira, o perfume de mulher e de sexo. Oito semanas haviam se passado, mas ainda se lembrava bem de como seus corpos se entrelaçaram embaixo do casaco de pele, com que se cobriram antes que adormecessem. Os homens das cavernas sabiam bem o que faziam ao se deitarem nus com suas mulheres sob uma pilha de peles grossas e macias. Nesse dia, Natalie Lavender vestia um conjunto de trabalho azul-marinho, com botões dourados e vivos vermelhos. Mesmo sem querer, Taylor não pôde deixar de pensar se ela estaria usando uma calcinha minúscula e sensual como a que usara na noite de Natal. Apostaria seu posto de prefeito que a pele dela estava tão macia e

16


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown cheirosa agora como antes, e embora o cabelo estivesse preso em um coque discreto, quase podia senti-lo escorregando entre seus dedos, com a maciez de uma fita de veludo. Sentira-se feliz ao saber que Natalie havia requisitado uma audiência. Como um garoto inexperiente que tivera seu primeiro encontro com uma mulher, ficara satisfeito quando a secretária tinha anunciado que a srta. Natalie Lavender estava na recepção. Sim, ansiara por aquele encontro, curioso de saber a razão pela qual ela o procurava, desejando que não se tratasse apenas de negócios. Tentou se controlar, imaginando que talvez Natalie pretendesse contratar os serviços de sua empresa para a execução de um de seus projetos. Mesmo assim, não conseguia esconder sua ansiedade. E então, ela o atingiu com aquela notícia de estar grávida. Assim, simplesmente. Não era possível. Situações como essas não aconteciam a homens maduros. A garotos idiotas e irresponsáveis, sim. Não a um prefeito recém-eleito. Tratava-se de uma piada de mau gosto ou uma terrível armação. Taylor a olhou com desconfiança. Quais seriam as verdadeiras intenções daquela mulher? Não tinha nenhuma idéia ainda. Mas pretendia descobrir. — Tem certeza de que está grávida? Impaciente, Natalie cruzou e descruzou as pernas cobertas pela fina meia de seda. — Sim — respondeu, lacônica. — Com base em um atraso de menstruação? — Baseada em um confiável método científico de diagnóstico, executado pelo meu ginecologista ontem pela manhã — afirmou irritada. — Estou grávida, sr. MacKensie, e o senhor é o pai. Taylor sorriu com ceticismo. — Foi engraçado como nos conhecemos, não é? A pergunta deixou-a surpresa. — Festas são para isso mesmo. Para que pessoas se conheçam. O que tem a ver com o tema em questão? — Nada, ou talvez tudo. — Gostaria que fosse direto ao ponto. — Certo. — Taylor deu a volta na mesa e chegou perto dela. — Angariei muitos inimigos nesta eleição. Estavam determinados a me derrotar, mas venci. A questão é que a posse do cargo e o juramento só acontecerão dentro de alguns meses. Digamos que meus adversários estejam procurando algo para me desacreditar. Qual seria meu ponto mais vulnerável? — É sempre assim paranóico, sr. MacKensie? Ele a ignorou e continuou expondo seu raciocínio: — Sou solteiro. Bleeker está casado com a mesma mulher há mais de trinta anos e tem oito filhos e quinze netos. Sua imagem é de uma pessoa estabelecida e confiável. Ninguém pensou em bisbilhotar sua vida particular durante a campanha. Por outro lado, sou trinta anos mais jovem e não sou casado. Levo uma mulher para jantar e bingo! — Estalou os dedos. — Todos começam a especular sobre o que fizemos naquela noite na cama. Natalie tirou um fio inexistente de sua saia e fitou o relógio de forma teatral. — Espero que toda essa conversa nos leve a algo concreto, pois gostaria de dizer que só estou interessada em falar sobre o que fez na cama comigo na medida em que tenha alguma relação com o resultado: o bebê. — Chegarei lá. — Taylor se sentou no canto de sua escrivaninha de trabalho, com um dos pés apoiado no carpete e o outro balançando no ar. Abraçando o joelho, inclinou-se em direção a Natalie e não pôde deixar de apreciar os incríveis olhos verdes e os longos cílios escuros.

17


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Sinceramente não acredito que nosso encontro tenha sido por acaso, srta. Lavender. Penso que foi paga pelos meus inimigos para me comprometer de forma indefensável. — Está louco?! — ela exclamou, fitando-o indignada. — É isso, não é? — Taylor insistiu na pergunta. Natalie balançou a cabeça com absoluto descrédito. — Ainda não assumi o cargo. Existiria forma melhor de me arruinar do que inventar uma mulher que diz estar grávida de um filho meu? Bleeker iria exigir um... — Taylor parou de falar ao ver que Natalie começava a rir. — Se eu fosse uma expert em sabotagem, o que com certeza não sou, teria pensado em algo que não fosse tão prejudicial a mim mesma; algo que não me fizesse vomitar o café da manhã todos os dias e que não me deixasse tão cansada à noite, quando até escovar o cabelo parece uma tarefa impossível de realizar. — Natalie sentiu que sua raiva aumentava à medida que compreendia melhor as acusações de Taylor. — Assim como você, nunca desejei que isso acontecesse. Será muito inconveniente ter um bebê neste momento. Tenho uma carreira, sr. MacKensie. Como arquiteta bem estabelecida, tenho uma carga considerável de trabalhos agendados para os próximos meses. — Má sorte. Isso só reforça meus argumentos a favor do uso de anticoncepcionais. Quando se quer viver tendo aventuras, deve-se praticar algum método de controle de natalidade. O rosto de Natalie tornou-se lívido pela ira. — Não vivo de aventuras, sr. MacKensie. — Ah, não? Bem, minha experiência com você diz o contrário. Como chegou ao meu nome? Fez algum tipo de sorteio? — Não seja ridículo! — O que espera que eu faça? Que me sinta comovido e agradeça por estar carregando meu filho? — Vai me escutar ou não? — Não. — Taylor apontou para a barriga de Natalie. — Qualquer um poderia ser o pai de seu filho, afinal. Natalie colocou a bolsa embaixo de braço e levantou-se com dignidade. Enterrando os saltos altos no carpete, alcançou a porta e segurou a maçaneta. — Quisera que qualquer um fosse o pai, menos você — ela vociferou sem se virar. *** — Posso entrar? — Taylor perguntou com delicadeza. Se tivesse um chapéu, com certeza estaria com ele nas mãos. — Não. — Por favor. Quero falar com você. — E fazer mais acusações? Não, sr. MacKensie. — Natalie fez menção de fechar a porta, mas Taylor estendeu o braço e segurou sua mão. Natalie o olhou mais de perto. O que viu a fez se sentir melhor. A aparência de Taylor era de alguém que tivera um dia péssimo. O cabelo estava desalinhado, e o colarinho, aberto. Com o dedo, segurava o paletó sobre os ombros. Parecia preocupado e exausto. Azar dele, Natalie pensou. Não iria deixar-se comover depois do que ele havia dito. — Vá embora e deixe-me em paz. Esqueça tudo o que ouviu esta manhã. — Não posso. — Jamais deveria ter lhe contado. 18


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — É claro que sim. Contrariada, Natalie mudou o peso de um pé para o outro, mas continuou bloqueando a entrada. — Devo lembrá-lo, sr. MacKensie, de que não recebeu a notícia muito bem. Foi rude e insultuoso. — É por esse motivo que estou aqui; para me desculpar por minha reação impensada. Por favor, me dê uma chance. — Por quê? — Natalie perguntou, com cautela. — De certa forma, minha reação inicial foi justificada. Os olhos de Taylor eram de um azul intenso, realçado pelo cabelo escuro e pela pele bronzeada. Receando se deixar levar por seu poder de persuasão, ela desviou o olhar para o colete e a camisa e não pôde deixar de pensar na ânsia e paixão com que um dia havia desabotoado aquelas roupas. Algo impossível de se fazer agora. Natalie tossiu para afastar os pensamentos. Considerando que devia pelo menos escutar seu pedido de desculpas, resolveu ser conciliatória. — Imagino que minha revelação deva ter lhe causado um grande choque. — Então, pode me deixar entrar, Natalie? Não saberia precisar a razão. Talvez por ter sido chamada pelo primeiro nome. Mas de qualquer forma deu um passo atrás, deixando-o entrar. Fechou a porta atrás de si. Pronto. Estavam sozinhos novamente. A sala havia mudado. O sol dourado da tarde penetrava pela janela, e em frente à grade de proteção da lareira, havia um vaso com uma planta de folhas largas. Uma pequena palmeira ocupava o lugar onde estivera a árvore-de-natal. — Tem muito bom gosto — ele comentou. Natalie inclinou a cabeça, agradecendo o elogio. Sentou-se na cadeira de balanço, e com um gesto indicou uma poltrona para que Taylor se sentasse. Ambos evitaram olhar o sofá onde haviam feito amor, como se o móvel nem existisse. A decoração do ambiente mudara para acompanhar a estação, mas a atmosfera ainda estava repleta de lembranças perturbadoras de uma noite fria de inverno, algumas semanas atrás. — Gostaria de beber algo? — ela ofereceu. — Não, se for me oferecer o que tem aí dentro — ele respondeu, indicando o copo que se encontrava sobre a mesinha de centro. — O que está bebendo? — Um antiácido. — Está doente? — Tenho enjôo todos os dias. — Hum... — Posso lhe oferecer um refrigerante ou algo mais forte, talvez. — Não, obrigado. Por alguns instantes o silêncio tomou conta do ambiente. O som dos ponteiros do relógio se movimentando se tornou mais audível. A cadeira de balanço rangia ligeiramente no seu movimento de vaivém. Quando seus olhares se cruzavam, de imediato olhavam em outra direção, como se estivessem envergonhados de algo que haviam feito. Natalie lamentou ter trocado o conjunto que usara para trabalhar naquele dia por jeans e camiseta. Também se arrependeu de não ter vestido o sutiã e calçado os sapatos. Desfizera o coque que prendia o cabelo longo, que agora caía desarrumado sobre seus ombros. Sabia que toda a preocupação das últimas vinte e quatro horas estava evidente em seu rosto. As faces se achavam pálidas, e a maquiagem não escondia as olheiras escuras. Alguns dias atrás, o pouco que comia não parava em seu estômago, e sentia-se bastante fraca, além do quê, passara a noite anterior em claro, pensando no que diria ao recém-eleito prefeito, sr. MacKensie, pela manhã. 19


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown Ao final, decidira por contar a verdade, sem muitos rodeios. Mas sua honestidade apenas provocara raiva e desconfiança. — Há quanto tempo mora aqui? — Taylor continuou com as perguntas. — Três anos, desde que comecei a trabalhar na firma de arquitetura Bishop e Harvey — Natalie respondeu, tentando manter uma conversa civilizada. — É uma ótima residência. — Obrigada. — Você mesma a decorou? — Sim — ela afirmou. — O bairro é muito bom. — Pelo menos a prefeitura recolhe o lixo e conserta os buracos do calçamento — Natalie retrucou, forçando um sorriso. — Ah, é bom saber! — O sorriso de Taylor parecia tão forçado quanto o dela. — Podemos dizer que já estamos na primavera. — Sim. Vi algumas tulipas desabrochando. — Natalie meneou a cabeça. Sentado na ponta da cadeira, com os joelhos separados, Taylor mantinha o olhar fixo no chão, e estalava os dedos sem parar. Antes de continuar a falar, deu uma tossidela. — Quando... quando soube do... do bebê? Natalie se acostumara a ouvir seus discursos durante a campanha e jamais o ouvira gaguejar. Nem mesmo as perguntas mais capciosas feitas pelos repórteres provocavam algum tipo de constrangimento ou dificuldade no modo de Taylor se expressar. Seus discursos durante a campanha foram incisivos, convincentes e até divertidos. Era reconfortante perceber que ele se sentia tão perturbado agora, como ela se sentira em seu escritório algumas horas atrás. Nada se comparava à terrível sensação que experimentara, quando entrou em seu escritório e teve que encará-lo pela primeira vez depois da noite de Natal. — Quando eu soube? — Natalie manteve o olhar distante. — Quando minha menstruação atrasou. Taylor se remexeu no assento. — Ouvi dizer que isso pode acontecer algumas vezes e não significar nada além de um simples atraso. — Sim, mas nunca para mim. Tenho um ciclo muito regular. Foi a sua vez de tossir. Era constrangedor falar de algo tão pessoal com um estranho. Bem, não exatamente um estranho. Mas, afinal, o que sabia dele? Que era um homem bem-apessoado; que sabia abrir uma garrafa de champanhe da forma correta; que era um bom motorista em estradas cobertas de neve e que era tão charmoso que conseguiria fazer qualquer mulher se entregar a ele logo depois de o conhecer. Natalie recomeçou sua explicação: — Comecei a me sentir mal... não febril ou algo assim, mas enjoada. — Parou, procurando palavras para descrever a sensação estranha de se sentir saciada mesmo estando com fome e a dificuldade para respirar. — Eram apenas sintomas — concluiu. — Como por exemplo? — Estômago embrulhado, instabilidade emocional e... — E? — Seios doloridos — falou com dificuldade. — Ah...—Taylor emitiu um som incompreensível e baixou os olhos para o peito de Natalie, e continuou assim por um bom tempo. — Sinto muito. Ela cruzou os braços sobre o ventre, desejando poder cobrir os seios, na tentativa de esconder os mamilos endurecidos que apareciam sob a fina camiseta. — Você conhece os sintomas — ela comentou logo em seguida. — Acho que sim — Taylor respondeu, meio confuso.

20


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Depois houve um segundo mês sem menstruação, e ontem, resolvi ir ao médico, que confirmou minhas suspeitas. O bebê deve nascer por volta do dia vinte e seis de setembro. Taylor soltou um longo suspiro, como um condenado que tivesse acabado de ouvir a sentença sendo proferida pelo juiz. — Acho que não há dúvidas, então. — Nunca houve nenhuma dúvida quanto ao pai da criança, apesar do que pode pensar sobre a minha vida sexual, sr. MacKensie. — Taylor, certo? — ele retrucou em tom áspero. — A despeito do seu deselegante comentário, não vivo tendo aventuras por aí — Natalie continuou, quase no mesmo tom. — Perdoe-me pelo que disse esta manhã. Não deveria ter sido tão rude. De repente, toda aquela discussão deixou-a cansada. Natalie recostou a cabeça no espaldar da cadeira. — Acho que tinha todo o direito de pensar dessa forma. — Seu riso soou amargo e desaprovador. — Na véspera de Natal fui uma conquista fácil. — Não diga isso. — É verdade, não? — Ela olhou-o diretamente nos olhos. — Jamais pensei dessa forma. Nem naquele momento e nem agora. — Mas o fez esta manhã. Taylor cobriu o rosto com as mãos e tomou a suspirar. — Estamos caminhando em círculos e não chegando a lugar algum. — Ele a encarou. — Escute, não penso que tenha sido uma mulher fácil, porque, se foi, serei classificado da mesma forma. Natalie apenas meneou a cabeça. — Bem, deixemos de lado as recriminações e vamos tentar lidar com as conseqüências dos nossos atos. — Taylor fez uma pausa. — E quanto ao sujeito que você disse que estava namorando? O rapaz com a mãe idosa na Flórida. Natalie ficou surpresa ao constatar que ele se lembrava dos detalhes. — Guy Patterson. Ele é um dos sócios da firma onde trabalho. — Já lhe contou sobre o bebê? — Sim, logo depois que conversamos. Achei que devia uma explicação a ele. — E? — Taylor insistiu. A reação de Guy Patterson sobre a notícia de sua gravidez não havia sido melhor do que a de Taylor. Na verdade, fora pior. Ficara lívido, chamando-a de todos os nomes de forma bem mais explícita do que Taylor apenas sugerira. — Guy está definitivamente excluído de tudo isso — garantiu Natalie, sem mais rodeios. Na verdade, era um alívio ter Guy fora de sua vida. Quinze anos mais velho, ele se tornara uma pessoa sufocante. Estava cansada de suas idéias conservadoras e antiquadas. Suas conversas eram aborrecidas e versavam apenas sobre tópicos do interesse dele. A única razão de ainda estar saindo com Guy era por não ter encontrado outra companhia melhor. E claro que preferia não ter rompido por esse motivo, mas agora até que se sentia feliz por terem acabado a relação de forma definitiva. — Você poderia ter dito que o filho era dele — Taylor continuava com suas sugestões. — Por que não disse? — Jamais o faria! — Natalie exclamou, ressentida. — Que tipo de mulher está achando que sou? — Tudo bem. Sinto muito — Taylor se desculpou, percebendo logo que sua pergunta era descabida. — Além do mais, não poderia enganá-lo, porque Guy se submeteu a uma vasectomia a alguns anos atrás. 21


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown Guy não mantivera essa informação em segredo quando o relacionamento entre eles se tornou mais sério do que apenas uma amizade de trabalho. Dissera a Natalie que o casamento estava em seus planos, mas filhos, fora de questão. Havia uma outra razão ainda para que ele não fosse o pai de seu filho, mas não revelaria ao sr. MacKensie. — Algo parecido já lhe aconteceu antes? — Natalie indagou, de repente. — Quer dizer, ser pai de uma criança? Não. E você? Já esteve grávida outras vezes? — Não. — Natalie se perguntou por que ficara tão satisfeita em saber que se tratava de uma experiência nova para ele. Não existia explicação, a não ser o fato de que odiaria fazer parte do grupo de mulheres infelizes, "desonradas" por Taylor. Ele a observou por alguns minutos, mas baixou os olhos antes de fazer a pergunta que o perturbava: — Veio até mim em busca de ajuda financeira? — Ajuda financeira para quê? — Natalie tomou a se irritar. — Muitas coisas... — começou a falar, mas ela o interrompeu. — Por exemplo... — Aborto. É o que tem em mente, não? — Taylor, finalmente, foi direto ao ponto. Natalie virou a cabeça, deixando à mostra seu lindo perfil. Seus olhos estavam marejados de lágrimas e refletiam os últimos raios de sol que entravam pela janela. — Não. Sr. Mac... Não, Taylor. Minha filosofia de vida é que devo viver com meus erros, e não enterrá-los. E, para sua informação, abortos são baratos nos dias de hoje. Não precisaria da ajuda de ninguém se quisesse fazer um. — Pergunto porque este é o momento certo. Sei que há um limite de tempo para uma cirurgia desse tipo. — Não está sugerindo que eu opte por essa solução, não é mesmo? — Natalie respirou fundo. — Mas, antes que responda, já vou lhe avisando que não farei um aborto — continuou, encarando-o com expressão desafiante. — Assim, para quê mais precisaria de seu dinheiro? — Para ajudá-la nas despesas durante a gravidez, no parto e depois do nascimento. — Tenho um excelente salário, além das comissões que recebo em cada projeto. Muito obrigada, sr. MacKensie, não preciso do seu dinheiro. Natalie levantou-se e, pegando o copo, dirigiu-se para a cozinha. Taylor a seguiu. Havia muitas plantas ali também, e ele foi obrigado a afastar as folhas para chegar até a pia, onde Natalie despejara o líquido e estava lavando o copo. — Por que se magoa com tudo o que digo? Ela se virou e o encarou. — Porque tudo o que diz me parece ofensivo. — Bem, me perdoe por sugerir que somos um pouco crescidos demais para nos envolvermos numa enrascada como dois adolescentes. Afinal, nada aconteceu no banco de trás do carro do papai depois do baile de formatura. — Mais um motivo para encararmos a situação como dois adultos e parar de jogar a culpa um em cima do outro. — Certo, mas não é fácil aceitar a vinda de um bebê nestas circunstâncias. Você já teve tempo de se acostumar com a idéia, ao passo que, para mim, tudo é muito novo. Não espere que minhas reações sejam normais. Afinal, foi um choque e tanto. — Não imagine que foi um choque menor para mim! — Natalie gritou. — Não é o seu corpo que está sofrendo todas as mudanças. E o meu corpo. Pense em quantos ajustes terei que fazer para me adaptar à nova situação. — Entendo perfeitamente — ele respondeu, tentando se acalmar. — Mas tem um jeito bastante estranho de demonstrar. — Já disse que sinto muito. Não estou raciocinando com clareza — Taylor confessou.

22


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Sendo assim, pare de fazer insinuações sobre eu estar tentando extorquir dinheiro. Desejo assumir minhas obrigações. E você? A responsabilidade é mútua. Estávamos os dois naquele sofá, e foi muito bom para ambos... Assustada com o que acabara de dizer, Natalie deu-lhe as costas. Seu rosto queimava e seu coração batia descompassado. — O que quero dizer é que pretendo assumir a responsabilidade de minhas ações naquela noite — Natalie falou com voz trêmula. — Não será fácil ter um bebê, mas vou ter. Não há dúvida alguma. Se me conhecesse melhor, saberia que um aborto está fora de questão. — Por que então veio me contar sobre a criança? Natalie virou-se, devagar, impressionada com a pergunta. — Não gostaria de saber que gerou um filho? Acreditei ser uma obrigação moral contar a você. — Sua integridade é admirável. — Preferia não ter sido envolvido, não é mesmo? — Ela sorriu com sarcasmo. — Como será que a garota esquiadora vai receber a notícia? — Garota esquiadora? — Aquela que você passou para trás quando ela o deixou para fazer a excursão com os amigos. — Lisa? Sim, era esse seu nome. Lisa. Natalie, muitas vezes, se perguntara qual teria sido a reação da jovem se soubesse dos detalhes sobre a noite de Natal de Taylor. Teria sentido ciúme? Ou, quem sabe, também teria se envolvido com algum dos amigos do grupo de esqui? Seriam ambos bastante modernos para aceitar escapadas mútuas? Será que Taylor tinha contado com detalhes o que houvera entre eles? Tais pensamentos deixaram-na enjoada. Natalie levou uma mão à barriga e tapou a boca com a outra. Taylor pulou em sua direção com a rapidez de um raio. — O que está sentindo? — Nada — ela sussurrou. — Droga, deve estar sentindo algo. Você está verde. Natalie respirou fundo antes de responder: — Um pouco enjoada. Só isso. — Sente-se — Taylor puxou uma cadeira da mesa. — Estou bem, mesmo. — Sente-se. — Dessa vez, a ordem foi dada em uma entonação brusca e autoritária, e Natalie sentiu-se fraca demais para protestar. Logo em seguida, ele puxou uma cadeira para si e sentou-se, passando as mãos pelos cabelos e blasfemando. — Não me assuste assim. Posso ajudar de alguma forma? — Não. — Natalie olhou para ele e percebeu sua preocupação. — Está bem. Um biscoito de água e sal. Ajuda a acalmar meu estômago. Ela informou onde Taylor poderia encontrar a caixa de biscoitos. Ele encheu a mesa de migalhas, mas ao final conseguiu retirar dois da embalagem de celofane. O pacote caiu no chão e, quando ele se sentou, bateu o quadril na ponta da mesa. Mordiscando um biscoito, Natalie não pôde deixar de achar graça. — O que foi? — ele resmungou. — Para um especialista em abrir garrafas de champanhe, não se da muito bem com pacotes de biscoitos. Taylor sorriu meio sem jeito.

23


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Bem, tenho mais prática em abrir garrafas de champanhe do que lidar com senhoras grávidas. Natalie ficou séria no mesmo momento. — Tenho certeza disso — ela comentou, limpando o sal que caíra em sua mão. Ambos ficaram surpresos quando Taylor estendeu o braço sobre a mesa e segurou os dedos de Natalie. — Por favor, não interprete como uma ofensa. Não foi minha intenção. Ela baixou os olhos e observou as mãos de Taylor sobre a sua. Másculas e bonitas. Uma sensação estranha passou por seu corpo ao se lembrar de como haviam acariciado seu corpo e massageado seus seios que ainda agora ansiavam por serem tocados. Os dedos haviam explorado as partes mais secretas de sua anatomia, levando-a ao êxtase, dando e sentindo prazer. Gostaria de acreditar que Taylor tivera prazer em acariciá-la. Abandonando tais devaneios, ergueu a cabeça e olhou diretamente naqueles olhos azuis. — Contou a Lisa sobre mim? — É claro que não. — Taylor soltou a mão de Natalie, com um gesto brusco. — Acho que ela não suportaria se tivesse contado.— Natalie sentia-se sensível fazia várias semanas e esperava não desabar em lágrimas naquele momento. Era uma agonia terrível pensar que os dois poderiam ter dado boas risadas à sua custa. — Não sou nenhum idiota, Natalie. — Pensei que talvez fosse usar o que aconteceu na noite de Natal para provocar ciúme em Lisa. — Foi o que você fez com Guy? — Não faço esse tipo de brincadeiras. — Nem eu, tampouco — Taylor retrucou. Natalie percebeu que as palavras dele eram verdadeiras. — Não contei a ninguém — Natalie comentou. — Deve ter contado a Guy quando falou do bebê. — Não especifiquei a data e não mencionei o seu nome. — Ela não conseguia esconder a curiosidade a respeito de Lisa. — Vocês ainda estão juntos? — Lisa e eu? — Taylor perguntou, surpreso. — Sim. — O que ela achará dessa situação? — Não é nada que lhe diga respeito. Taylor se sentira livre para levar outra mulher para a cama sem ter que lutar contra sua consciência ou contra sua namorada. Isso mostrava bem como o envolvimento deles havia sido casual e sem muita importância. Natalie sentiu o coração doer, como se tivesse sido transpassado por uma espada. — Bem, agora que ambos reconhecemos nossa responsabilidade com relação à criança — ele começou a dizer — e excluímos o aborto como uma solução, quais seriam as alternativas possíveis? Natalie o olhou fixo por alguns segundos antes de falar: — Você vai se casar comigo, sr. MacKensie.

24


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown

Capítulo III

Depois de um longo e pesado silêncio, Taylor levantou-se, foi até a geladeira e pegou uma lata de cerveja. — Bem, penso que já tenho a resposta — ele falou, abrindo a lata —, e, já que me pediu em casamento, me sinto no direito de abrir sua geladeira e me servir. — Fique à vontade. — Obrigado. — Erguendo a lata, fez um brinde meio desajeitado. —De certa forma, nossa interpretação do que aconteceu na véspera de Natal é bastante diferente. — O que quer dizer? — Está mais do que claro que ninguém a forçou a nada. Estava tão ansiosa quanto eu para se deitar nua sobre aquele casaco de pele. — Não precisa ser vulgar. — E você não precisa se fazer de santa. — Só quero que saiba o que espero de você — Natalie afirmou. Taylor procurou se acalmar e manter a voz controlada: — Acha que devemos nos casar, hein? Gostaria que me desse uma boa razão. — Como você mesmo acabou de dizer, ambos estávamos desejosos de...— Natalie desviou os olhos, mas, não querendo que ele interpretasse esse gesto como um sinal de fraqueza, voltou a encará-lo. — Por que apenas eu deveria assumir toda a responsabilidade? — Não tem o hábito de ler revistas femininas? É moda agora mulheres e homens solteiros criarem sozinhos um filho. — E é o que pretendo fazer. Criarei meu filho sozinha. Taylor ergueu a lata de cerveja, observando-a como se estivesse lendo o rótulo. — Parece que não entendi bem, e acho até engraçado. Minutos atrás, pensei que tivesse me pedido em casamento e agora diz que pretende cuidar da criança sozinha. — Não é nenhuma piada! — E claro que não! Seja mais clara, por favor — ele pediu, batendo a lata no tampo da pia. — Afinal, vamos nos casar ou pretende continuar como mãe solteira? — As duas coisas. Não me importo se conseguirmos uma anulação assim que sairmos do hospital, mas meu bebê vai ser legítimo e terá mãe e pai no dia em que nascer. — Se deseja uma anulação logo depois que tiver o bebê, por que se dar o trabalho de cumprir todas as formalidades? Natalie o olhou, incrédula. — Estou pedindo muito? — Não, droga. Não é isso o que quero dizer. — Taylor apontou o dedo em direção ao ventre de Natalie. — Acha que rejeitaria meu próprio filho? — gritou. — Não sei. Não conheço você muito bem. — Obviamente, não. — Taylor parou de gritar e soltou um profundo suspiro. — Estou tentando entender por que acha que devemos nos casar, quando tudo o que de fato quer é continuar como está. 25


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown Natalie levantou-se da cadeira e começou a brincar com a persiana na janela. — Interprete como uma antiga excentricidade. — Como árvores-de-natal naturais, por exemplo — ele comentou em tom conciliatório. Natalie virou-se ligeiramente e olhou por cima do ombro. — Sim. Penso que os pais devem estar casados quando os filhos nascem. Taylor aproximou-se dela e segurou-a pelos ombros. Natalie sentiu o corpo retesar. Esse abraço, aparentemente inocente, despertava lembranças de quando ele lhe dissera que havia neve em seus cabelos e segurara seu queixo para o primeiro beijo. A expressão terna que via agora em seu semblante era a mesma daquela ocasião. — Explique melhor, Natalie. Diga-me por que deseja que nos casemos. Convicções religiosas? — De certa forma, sim. — Já contou aos seus pais sobre o bebê? Eles a estão pressionando? — Não para as duas perguntas. — Então, por quê? Foi essa a razão que a levou ao meu escritório esta manhã, não? Para pedir que eu me casasse com você? — Para insistir que o fizesse. — Não concorda que mereço saber a razão por trás de tanta insistência? Ela tentou se desvencilhar de seus braços, mas Taylor não lhe permitiu. — Diga-me, Natalie. — Não importa. — Claro que importa. — Escute, Taylor, sei que não me ama. Também não amo você. Não estamos apaixonados. O que aconteceu entre nós foi apenas atração física. — Ela umedeceu os lábios — Foi... puro desejo. As pupilas de Taylor faiscaram. — Concordo. — E agora estamos pagando o preço. — Talvez. — Mas penso que a criança não deva pagar pelos erros dos pais — Natalie retrucou. — Pare de dizer bobagens — ele a interrompeu bruscamente. — Por que devemos nos casar? — Já lhe disse... — Por quê? — Porque sou filha ilegítima. Furiosa, Natalie se soltou dele e dirigiu-se à sala. Sentindo que Taylor a seguia, virou-se para encará-lo. — Está satisfeito agora? Não desejo que meu filho cresça com o estigma que me marcou durante toda minha vida. — Parece que superou bem e se tornou uma pessoa bastante equilibrada — ele comentou. — Graças a dois seres maravilhosos que me adotaram. Não se preocupe. A mãe de seu filho não é uma psicopata e não tem nenhuma seqüela emocional. Cresci sabendo que era amada e querida por Robert e Frida Lavender. — Algumas crianças, mesmo tendo sido criadas pelos pais naturais, não têm a mesma sorte. — Sei disso. Agradeço a Deus pelos pais que tive. — Natalie deixou escapar um profundo suspiro. — Mas jamais me conformei em saber que houve alguém que não me quis. Não só uma, mas duas pessoas me jogaram fora como se fosse um saco de lixo; me

26


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown descartaram porque eu era para eles um acidente biológico. Agora entendo que não desejavam conceber um bebê juntos. Natalie evitou o olhar de Taylor. — Assim como nós não desejávamos. Taylor atravessou a sala e segurou-a pela mão, puxando-a para o sofá, fazendo com que se sentasse ao seu lado. — Você parece exausta. — Falo sério, Taylor. — Seu tom de voz denotava desespero. — Não deixarei que o mesmo aconteça ao meu bebê. — Entendi. Agora que a verdade viera à tona, Natalie não se preocupou em manter as aparências e baixou suas defesas. Recostou a cabeça no sofá. Respirou fundo e deixou que o ar escapasse lentamente, numa tentativa de relaxar. Como acontecia em todos os finais de tarde, uma forte sonolência se abateu sobre ela. Mal conseguia manter os olhos abertos. Vários minutos se passaram até que percebesse que seus olhos estavam fechados de verdade. Quando os abriu de novo, Taylor a observava, sorrindo. — O que há? — ela quis saber. — Estava pensando em como as primeiras impressões podem nos enganar. — A expressão de curiosidade no rosto de Natalie fez com que ele esclarecesse seu comentário: — Quando eu a vi pela primeira vez, fiquei fascinado pela sua beleza. Natalie engoliu com dificuldade. — Obrigada. Taylor deu de ombros. — Não há razão para dizer que não gostei do que vi. Sabe bem disso. Seus olhares se encontraram por alguns instantes. — Achei que você era uma mulher de muita classe. A forma como se vestia, o modo como flertava... Seus seios e seu traseiro pareciam incríveis sob o vestido, e tinha um fantástico senso de humor. Natalie enrubesceu ao ouvir tais elogios. — Deveria agradecer, mas quero que saiba que não aprecio avaliações com conotações sexuais. — Protesto registrado — Taylor continuava fazendo graça. — Vá direto ao ponto, sr. MacKensie. Taylor a olhava tal qual um garoto sem dinheiro contempla o bolo de chocolate na vitrine da padaria. — Sim, talvez seja melhor — retrucou, sério. — Minha impressão é de que debaixo da aparência sofisticada Natalie Lavender é uma garota às antigas. Ela se apega a um código moral ultrapassado e antiquado. — Está se divertindo à minha custa? — Não, eu a estou elogiando. Mulheres com altos valores de conduta são difíceis de se encontrar hoje em dia. — Nem tanto. — Ela maneou a cabeça. — Você é que nunca se interessou em procurá-las. Taylor não pôde deixar de rir. — Estou me declarando culpado. Mas tenho algumas qualidades que podem me redimir. Se tivesse me dado tempo suficiente, eu a teria, Natalie, pedido em casamento primeiro. Natalie abriu a boca, surpresa. — Isso mesmo. — Taylor disse, arrumando-lhe o cabelo atrás da orelha. — Vim aqui esta noite para pedir que você se case comigo, e que continuemos casados, pelo menos até que a criança venha ao mundo. — Por que aceitou a idéia tão depressa? Taylor pareceu espantado.

27


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Por todas as razões que já mencionou. Acredito que comentou algo sobre viver com os próprios erros e compartilhar responsabilidades. — Se havia concordado com tudo isso, por que fez com que eu me colocasse na defensiva? — Quando você começou a fazer exigências, não pude deixar de desafiá-la. — Então, as explicações que lhe dei não serviram para nada. — Não foram inúteis. Conheço você melhor agora. Seu modo de pensar e como encara os problemas. — Bem, você continua sendo um mistério para mim — Natalie afirmou. — Deixe-me esclarecer um ponto importante. — Quando percebeu que ela o ouvia com toda a atenção, prosseguiu: — Não sou um irresponsável. Ao contrário, tenho consciência de minhas obrigações e elevado senso moral. Se isso tivesse acontecido comigo nos tempos de colégio, sem dúvida, teria assumido a responsabilidade e me casado com a garota. A explicação deixou Natalie furiosa. — Não preciso e não desejo sua piedade. — Deus, você está uma pilha... Não comece outra discussão, agora que consegui acalmá-la. — E não se refira a mim como se eu fosse uma égua indomável. Taylor soltou uma imprecação. — Podemos voltar ao assunto, por favor? Natalie fez um esforço para controlar-se. — Não estava pensando em mim quando pedi que se casasse comigo. Pensava somente na criança. — E eu também. Afinal, trata-se de meu filho e tenho interesse em garantir seu futuro. Jamais abriria mão de meus direitos legais sobre ele, o que poderia acontecer se não estivéssemos casados. — Quer dizer que está concordando devido a questões legais? — Nossas razões são diferentes. Perdida em pensamentos, Natalie contemplou os dedos do pé descalço. Era justo que Taylor tivesse alguns direitos legais sobre a criança. Como poderia negar ao filho a presença do pai? Sua própria vida teria sido muito vazia sem Robert Lavender. Seria certo privar seu filho da convivência masculina, mesmo que não fosse em tempo integral? — Certo. Entraremos em um acordo sobre a custódia após a anulação — ela disse por fim. — Estamos falando da anulação e ainda nem falamos a respeito do casamento. — Taylor sorriu. — Há tempo suficiente para isso. O que desejo é me casar apenas uma ou duas semanas antes do parto. — ela disse, devolvendo o sorriso. Natalie fez menção de se levantar, certa de que haviam chegado a uma definição, mas foi segura firmemente pela camiseta. — Tenho uma condição — Taylor falou, em tom autoritário. — Qual? — Vamos nos casar imediatamente. Amanhã ou depois de amanhã. O mais breve possível. — Por que a pressa? — Natalie perguntou, voltando a se sentar. — Porque seria politicamente desastroso para mim me casar às pressas alguns dias antes do nascimento da criança. — Mas, a essa altura, você já estará empossado. Nem Bleeker, nem qualquer outra pessoa poderá prejudicá-lo. — Estarei empossado, é certo, mas não terei credibilidade se minha moral estiver sob suspeita. — Taylor balançou a cabeça. — Não. Teremos que nos casar bem antes do nascimento da criança. 28


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Não precisam saber que você é o pai. Não direi a ninguém. Poderemos nos casar em outra cidade. Poderá ver o bebê em segredo, Taylor. — Natalie, nós dois somos pessoas públicas. Você conhece muita gente e eu também. Muitos nos viram sair juntos da festa dos Graham na véspera de Natal. — Acha que eles somariam dois e dois? — Não, somariam um e um e chegariam a três. Você, eu e o bebê. Ou contariam nove meses a partir da noite de Natal e chegariam a vinte e seis de setembro. Além do mais, detesto agir às escondidas. Se nossa intenção é legitimar nosso filho, então penso que deveríamos fazê-lo agora. Do contrário, será melhor não nos casarmos. — Mas todos ficarão sabendo por que nos casamos se anularmos o casamento logo depois do bebê nascer. — Será pura especulação — Taylor comentou. — Haverá muitos comentários se nos casarmos sem ao menos nos encontrarmos algumas vezes. E o falatório será maior quando minha gravidez começar a aparecer. Taylor dirigiu o olhar para sua barriga. Sem pensar, estendeu a mão e tocou-a. — E difícil acreditar que há um bebê de verdade aí dentro, não é mesmo? — ele perguntou com ternura. Natalie detestava admitir que seu corpo amolecia sempre que Taylor a tocava. Mas, com a palma encostada em seu abdome, o toque dele lhe despertava um a sensação de fraqueza que não estava nem um pouco relacionada com a gravidez. — Agora que tive tempo de me acostumar, estou começando a gostar da idéia de ter meu filho crescendo dentro de você. — Olhou-a com aqueles incríveis olhos azuis. —Na realidade, gosto de ter você de novo comigo. Ele inclinou-se e beijou os lábios de Natalie com suavidade. Aos poucos, as bocas de ambos foram se abrindo dando lugar a uma carícia mais sensual. Natalie não se sentia assim inebriada desde a noite de Natal. Não fora apenas a mágica do champanhe e do ambiente daquela ocasião. Os beijos de Taylor continuavam provocantes e pecaminosos. Sua língua era rápida, leve e sexy. Ele deslizou as mãos pelos lados do corpo de Natalie e segurou-lhe os seios com firmeza. Com um dos dedos tocou nos bicos endurecidos, provocando nela uma sensação de prazer. Sussurrando seu nome, Taylor intensificou as carícias. Beijou-a com mais força e a língua ávida foi mais fundo. Natalie sentiu que perdia o controle com a forte presença do corpo másculo junto ao seu. — Não, Taylor — ela murmurou, afastando-se dele com certa relutância. — Não podemos. A respiração de Taylor era ofegante, e sua expressão, agitada. — Por que não? Dê-me uma boa razão. — Porque... — Vamos. Quero uma boa razão — ele insistiu. — Tenho uma condição também. Não deverá haver nenhuma intimidade entre nós. — Quisera tivesse dito isso três beijos atrás — ele resmungou. Natalie levantou-se e puxou a camiseta que ficara enrolada sobre os seios. Passou as mãos pelo cabelo em uma tentativa inútil de ajeitá-lo. Desceu as mãos pelas pernas desejando poder acalmar o doce calor úmido que sentia entre elas. Por que o queria ainda? Como podia desejá-lo, quando estava pagando um preço tão alto por terem passado apenas uma noite juntos? — Qualquer envolvimento emocional ou físico entre nós apenas dificultará nosso acordo — disse decidida. — Nada pode ser mais difícil do que está sendo agora. — Taylor! — Estou brincando — ele se desculpou, levantando-se lentamente. —Tomarei todas as providências e ligarei para você amanhã. — Dirigiu-se para a porta. 29


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Espere! Não pode ir sem antes discutirmos um detalhe. O que vamos dizer quando as pessoas perguntarem por que não estamos morando juntos? — Não perguntarão. Vamos morar juntos. — O quê? Não podemos. Onde? — Natalie questionou, não parecendo acreditar no que ouvia. — Em minha casa — Taylor afirmou com toda a naturalidade. — Fora de questão. — Natalie, acredite, não tenho condições de começar outra discussão agora. — Mas temos que deixar tudo esclarecido de uma vez por todas — ela insistiu. — Preciso ir para casa, tomar um banho e tentar me preparar para me casar com uma dama grávida, linda e sexy. Ok? Ligarei para você.

**** — Pronta? — Sim. Taylor balançou a cabeça em aprovação ao olhar para Natalie, antes de conduzi-la à sala do juiz. Providenciara para que o casamento fosse realizado ás cinco horas da tarde, ao término do expediente de ambos. Natalie fora para casa ao final do dia a fim de tomar um banho e se vestir. Afinal, era seu casamento. Tivera a esperança de que ao se vestir se sentiria melhor em relação ao passo que iria dar. Era tarde para voltar atrás, mas experimentava certa dúvida de que fizera o certo em ter contado a Taylor sobre a criança. Depois de ter tido a confirmação de que estava realmente grávida, decidira que ela e o pai de seu filho se casariam antes que o bebê nascesse. Durante as noites que havia passado em claro, tivera visões desencontradas de ambos assinando papéis e das implicações legais que isso representava. A possibilidade de dividirem uma casa e o mesmo sobrenome não passara por sua cabeça, assim como também não imaginara que receberia um lindo buquê de rosas brancas e amarelas quando ele fora apanhá-la em casa. O casamento forçado havia se humanizado, mas era difícil dizer o momento exato em que isso tinha acontecido. O buquê tremeu em suas mãos ao repetir os votos em frente ao juiz e à secretária, que fazia o papel de testemunha. Quando o juiz pediu as alianças, Taylor a surpreendeu ao tirar do bolso do colete uma aliança de ouro e colocá-la em seu dedo. E quando o juiz concedeu-lhes permissão para se beijarem, Taylor usou de toda sua expertise para que as sorridentes testemunhas se convencessem de que se tratava de um verdadeiro casamento. O beijo quase convenceu Natalie, também. Já casados, deixaram o cartório e se encaminharam para o estacionamento. — Não deveria ter se importado em comprar um anel — Natalie comentou, ainda sob o efeito do beijo inesperado. — Tenho como regra dar tudo para minhas esposas — Taylor falou, dirigindo-lhe um sorriso encantador. — Sou sua primeira. — Estou treinando. Aproximando-se do automóvel, Taylor abriu a porta e ajudou-a a entrar. — Fiz reserva no La Fleur. O noivo era realmente cheio de surpresas. — Não deveria ter feito. — Não está com fome? — Taylor perguntou, ligando o carro. 30


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Na verdade, não — ela respondeu, distraída. — Sente-se enjoada ainda? Natalie ficou tentada a mentir, mas concluiu que não seria uma boa forma de se começar um casamento. — Não, não é isso. Instantes depois, Taylor dirigia o carro para a entrada do restaurante, mas ignorou os atendentes que se aproximaram. — O que é então, Natalie? — Tudo. O buquê, a aliança, o jantar. Tudo é tão... matrimonial. — Não gosta de rosas? Gostaria de uma aliança de prata? Um diamante? La Fleur não é do seu agrado? — Oh, pare de fazer piadas! Sabe o que estou tentando dizer. — Não, não sei. Por que não explica melhor? — Muito bem... Vou explicar. Não passe dos limites neste nosso faz-de-conta. Taylor parecia agitado. — Não devo me mostrar loucamente apaixonado por você, de forma a me casar de um dia para outro? Não acha que um homem nesta situação não passaria dos limites? — Não se casou comigo por impulso e não está apaixonado por mim — Natalie rebateu seus argumentos. — Mas ninguém sabe disso. — Ele fez um gesto, indicando o resto do mundo através do pára-brisa. — Temos que ser convincentes. — Para que sua carreira política não seja ameaçada? — ela perguntou com sarcasmo. Os músculos no rosto de Taylor se retesaram e seus olhos se tornaram frios. Inclinando-se ligeiramente, ele declarou: — Não, para que as pessoas não descubram que se envolveu com um completo estranho e se deixou seduzir na noite de Natal. A cor desapareceu do rosto de Natalie, enquanto o pouco que havia em seu estômago lhe chegava à garganta. — Vou vomitar! — murmurou, tentando encontrar a maçaneta da porta. Jogando as chaves do carro para o manobrista, Taylor levou-a para dentro, apressado. Natalie chegou ao banheiro bem a tempo. Após alguns minutos uma funcionária de meia-idade solidarizou-se com ela e ofereceu-lhe algumas compressas frias, e colocou-as na testa e no pescoço. — Venho falando ao barman que ele está misturando bebidas muito fortes — a senhora disse, batendo na mão de Natalie. — Não bebi nada. Estou... — Natalie pensou melhor e desistiu de comentar sobre sua gravidez. — Acabei de me casar. A mulher abriu um largo sorriso. — Ah, então é o nervoso da primeira noite! Logo passará, querida. Natalie assentiu com um movimento de cabeça. Após ter certeza de que a náusea havia diminuído, aplicou um pouco de batom e voltou ao salão. Os votos de felicidades que a funcionária lhe desejara ecoavam em seus ouvidos. — Está melhor? — Taylor quis saber, logo na saída do banheiro. Parecia mais doente do que ela. — Um pouco. — Lamento muito. Senhor, eu jamais deveria ter dito aquilo! — É verdade, mas aceito suas desculpas. Eu o provoquei. — Suas emoções afloraram e os olhos se encheram de lágrimas. Ela procurava em vão por um lenço de papel na bolsa, até que Taylor lhe ofereceu um lenço bordado com suas iniciais. —Você tem me tratado com tanta consideração... Estava preparada para seus ataques, e não para suas gentilezas. 31


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown Natalie ergueu a cabeça e notou que haviam atraído a atenção dos clientes no restaurante. — Todos estão olhando — ela comentou, meio sem jeito. — Não se preocupe. E comum as noivas chorarem, sobretudo no momento em que o noivo tira a calça — ele falou, tentando parecer sério. Natalie não pôde deixar de rir do comentário e deixou que Taylor a conduzisse para uma sala menor, onde poderiam ter alguma privacidade. — Natalie. — Ele acariciava sua face. — O que eu disse no carro.... foi uma coisa muito ruim para se referir a algo tão milagroso como gerar um bebê. E... — O quê? — Nunca pensei no que aconteceu entre nós naquele noite como uma aventura fácil. — Fez uma pausa ao ver que um homem passava por eles. — Não precisamos ficar, se não se sente bem — acrescentou, enxugando o rosto de Natalie com o lenço. — Oh, não. Por favor, quero ficar. Você teve trabalho em fazer as reservas. Seria uma pena desperdiçar tudo isso. Natalie percebeu pelo sorriso de Taylor que ele ficara satisfeito. O maitre, delicadamente, indagou se a srta. Lavender estava bem. Ela confirmou que sim, mas Taylor corrigiu-o: — Sra. MacKensie agora, Peter. O chefe dos garçons, que conhecia a ambos pelos primeiros nomes, com esforço recuperou-se da surpresa. — Parabéns, sr. MacKensie. O maitre fez uma reverência em direção a Natalie e levou-os para a melhor mesa do restaurante; logo em seguida mandou-lhes uma garrafa de champanhe com os cumprimentos da casa. No espaço de poucos minutos, todos na cozinha, a equipe de garçons, os outros clientes e até o manobrista, que lustrava o Corvette com todo empenho, já sabiam que o recém-eleito prefeito MacKensie havia contraído matrimônio com a arquiteta Natalie Lavender. — Não se cansa de ter homens dirigindo olhares cheios de desejo para você? Natalie baixou o cardápio e encarou Taylor. A cor estava voltando a suas faces. — O que disse? — Todas as cabeças se viraram em sua direção quando entramos. — Pura imaginação. — Pude sentir os olhares invejosos nas minhas costas. Sinto pena dos coitados, mas nem por isso vou deixar que fiquem admirando minha esposa. Natalie sabia que ele falava bobagens apenas para fazê-la sentir-se melhor, e estava dando resultado. — Roupa nova? Ela detestava admitir que havia comprado o conjunto especialmente para a cerimônia depois de o ter acusado de dar muita importância ao evento. Era um conjunto de duas peças de linho, com saia justa e casaco abotoado por apenas um botão sobre uma blusa de renda. Um colar de pérolas chegava quase até os seios, que o decote profundo revelava. — Sim, é novo, mas não comprei apenas para ser usado hoje. Precisava de uma roupa desse tipo para o trabalho. Taylor sorriu, com ar divertido. — As pérolas foram presente de algum namorado? — Ganhei dos meus pais como presente de formatura da faculdade. Taylor assentiu, mostrando-se satisfeito com a resposta. — O que gostaria de comer? — Caldo de galinha. Ele olhou por cima do cardápio. 32


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Então peça o consommé. Natalie ficou surpresa ao ver que além da sopa conseguiu comer um peito de frango inteiro, que era parte do pedido de Taylor. Para a sobremesa, o maitre enviou-lhes, como cortesia, um bolo confeitado de branco, do tamanho exato para duas pessoas. Para satisfação dos funcionários do La Fleur, Taylor fatiou o bolo com toda a cerimônia e depois comeram em meio a brindes de champanhe. Na hora da saída, ele ajudou-a a levantar-se e, com gentileza, conduziu-a até a porta. Estavam quase saindo quando encontraram um grupo de três pessoas que aguardavam uma mesa. Os olhos frios da mulher loira, que fazia parte do grupo, passaram por Natalie sem realmente vê-la. Sorriu radiante para Taylor. — Taylor, que ótimo encontrá-lo. Não está indo embora, não é? E muito cedo. Acabamos de chegar. Lembra-se dos Wilson? — Claro. — Taylor apertou a mão do homem e cumprimentou a mulher com um movimento de cabeça. — Por que não se junta a nós? — A loira sugeriu, olhando em volta, obrigada a incluir Natalie no convite. — Sinto muito, não esta noite. Natalie, esta é Lisa Burton. Lisa, esta é Natalie, minha esposa. A presença dos Wilson evitou que o encontro se tornasse um verdadeiro desastre. As duas mulheres emudeceram pela surpresa. Natalie foi quem se recuperou mais rápido do choque, respondendo à apresentação. A sra. Wilson perguntou-lhe se ela era a arquiteta de quem ouvira tanto falar. Lisa passou por cima de todas as regras de etiqueta e foi direto ao ponto, tão logo se recuperou do choque: — Isso não aconteceu rápido demais? — perguntou com rispidez. Taylor colocou os braços nos ombros de Natalie. — Conheci Natalie no outono passado. Quase no final do outono, Natalie pensou. — Nós nos casamos esta tarde. — Tendo divulgado toda a informação que pretendia, Taylor, com delicadeza, empurrou Natalie para a saída. — Agora, se nos derem licença, estamos com pressa de chegar logo em casa. Natalie corou diante da insinuação do marido de que a noite de núpcias estava prestes a começar. Ficou mais do que satisfeita em sair do restaurante. Enquanto esperavam pelo carro, Taylor, assobiando muito desafinado, entreteve-se verificando os anúncios de empregos e oportunidades no quadro de avisos. Ao entrar no Corvette, Natalie cobriu o rosto com as mãos. — Não vai vomitar todo o consommé, não é? — ele perguntou. — Porque, se for, gostaria que me avisasse para que eu possa sair para o acostamento. — Taylor, acabei de conhecer Lisa. Sua Lisa. Reparou na reação dela quando você disse que eu era sua esposa? Como pode mostrar tanta indiferença? — Não quero falar dela — ele comentou com frieza. — Está claro que não, mas penso que deveríamos. Taylor não respondeu, mas os músculos de sua face se retesaram. Natalie mal olhou para a casa de Taylor quando ele estacionou o automóvel em frente à garagem. Sentia-se perturbada demais. Ele deu a volta no veículo para ajudá-la a descer e levou sua maleta até a porta da residência. Porém, Natalie se recusou a entrar. — Esperando que eu a carregue nos braços? — Não. Estou esperando que me fale de Lisa. Taylor largou a mala no chão e colocou ambas as mãos na parede, prendendo a cabeça de Natalie entre seus braços.

33


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Vamos esclarecer este assunto agora, sra. MacKensie. Ela não é, e nunca foi minha Lisa. Se o fato de termos dormido juntos a torna minha, então a garota pertence a muitos outros homens também. Entendeu? Além do mais, não devo a Lisa nenhuma explicação. Foi uma coincidência termos cancelado nosso encontro na noite em que conheci você. — Taylor baixou os braços. — Agora, a não ser que deseje ter uma segunda discussão como casados aqui na varanda, sugiro que esqueça o assunto e deixe-me carregá-la para dentro. Natalie deixou que ele a carregasse, pois não tinha outra escolha, mas era difícil esquecer a expressão de Lisa Burton. Era evidente que, para ela, o relacionamento deles tinha mais importância do que para Taylor. Taylor carregou-a não só até a sala, mas levou-a para conhecer toda a casa. — Esta é a cozinha. — Tudo era branco, com exceção das paredes, que eram pintadas de um marrom avermelhado. — Está equipada com o que há de mais moderno. — Poderia me colocar no chão, por favor? — Não. Seu pés estão começando a inchar — ele comentou. — Estão mesmo? Assustada, Natalie ergueu a perna e examinou o tornozelo. Estava tão fino como sempre fora. Ela ergueu os olhos para Taylor, que caiu na risada. — Enganei você! Natalie sentiu a risada do marido vibrar em seu peito. Continuaram fazendo comentários sobre a sala de visita, a sala de televisão e todos os outros cômodos da residência, mas no momento em que Taylor abriu a porta do quarto de casal, Natalie sentiu seu sangue gelar. Uma parede envidraçada descortinava uma paisagem montanhosa. O recente pôrdo-sol deixara o céu rosado, um fundo perfeito para a lua crescente que aparecia. Apenas pelo primeiro olhar, Natalie percebeu que se casara com alguém que amava o luxo. Havia uma cama king size sobre o carpete espesso e uma lareira de mármore embutida na parede oposta. A iluminação era indireta e suave. Um vaso de tulipas brancas decorava uma das mesas-de-cabeceira. Do outro lado do leito, uma garrafa de champanhe gelava em um recipiente de prata. Como arquiteta, ela apreciou a decoração exótica do aposento. Como mulher, sentiu-se tremer tal qual uma donzela que espreita a cabine do capitão de um navio pirata. Taylor colocou-a no chão devagar, mantendo as mãos sobre seus ombros como se ela pudesse escapar. — Muito agradável — Natalie comentou. — Imagino o que os cidadãos pensariam dos luxuosos aposentos do recém-eleito prefeito. A gargalhada de Taylor foi alegre e espontânea, e suas mãos massageavam os braços de Natalie. — Acho que iriam gostar mais de mim. — Com certeza. As mulheres em especial. — Quer dizer que gosta do quarto? Natalie o encarou. — Isso não importa, porque não vou dormir aqui. Cruzando os braços, Taylor colocou-se em frente à porta. — Natalie, quando a convidei para vir morar comigo durante o tempo em que estivermos casados, talvez tenha esquecido de mencionar um pequeno detalhe. Natalie sentiu um vazio no estômago, imaginando o que iria ouvir. — O que é? — Minha casa é grande, mas há apenas um quarto. — Sem problemas. Dormirei no sofá. — Não, de jeito nenhum. Não deixarei minha mulher grávida dormir no sofá. Natalie ergueu a cabeça para encará-lo. 34


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Você me convenceu de que deveríamos viver juntos, para que este casamento parecesse verdadeiro, mas pelo que entendi não iríamos dormir juntos. — Isso foi o que você entendeu — ele murmurou em um tom baixo que a deixou perturbada. Natalie deu um passo atrás, afastando-se dele. — Antes que eu decida ficar, acho que algumas regras deveriam ser estabelecidas. — Elas já foram estabelecidas, minha querida. — Taylor segurou a maçaneta e fechou a porta. — Dormirei do lado esquerdo da cama.

Capítulo IV

— Não pode estar falando sério. Sem responder, Taylor tirou o paletó e jogou-o sobre uma das poltronas. Natalie olhou para ele, sem acreditar no que via. — Não é possível. Pretende usar de força? Taylor apenas franziu a testa. — Será a única forma como conseguirá me levar para a cama com você. — Ela reagiu como uma criança contrariada. — Escute, Natalie, não diga palavras que terá que engolir mais tarde — ele falou, exibindo um sorriso malicioso. Taylor já havia tirado o paletó e desabotoava os botões da camisa. Natalie, não muito à vontade, pressionou os lábios, tentando não se lembrar de como aqueles dedos fortes eram exímios. Quando todos os botões estavam soltos, ele lentamente puxou a camisa para fora da calça, deixando à mostra o peito largo, que ela havia algum tempo acariciara, e que passara a fazer parte de suas constantes fantasias. — Olhe, Taylor... — tentou falar, enquanto ele largava a camisa na poltrona e colocava a mão no cinto da calça — ...o que aconteceu na noite de Natal... — Foi fantástico. Por que fingir que não foi? E por que não apreciarmos de novo? — Porque não significou nada — Natalie retrucou. — E daí? — Foi apenas sexo. — Ceeerto! — Taylor riu da argumentação de Natalie. — Um caso saudável de sexo é bom para o corpo, mente e espírito. — Não tenho a mesma opinião sobre o assunto. Olhe o que me aconteceu quando cedi ao desejo de uma paixão. Então, com expressão séria, Taylor perguntou: — Não considera o bebê um acontecimento significativo? Natalie prendeu a respiração. — Sim. Se não considerasse, teria me livrado dele tão logo suspeitei da gravidez. — O bebê por si só já transforma o que houve em algo especial, Natalie. — O semblante de Taylor se tomou mais suave. — Sou um homem e você é uma mulher, e mesmo que insista em negar, estamos fisicamente atraídos um pelo outro. Não 35


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown precisamos de nenhuma justificativa além dessa para fazermos amor. — Deu um passo à frente, e Natalie, com cautela, movimentou-se para trás. — Na dúvida, as leis da natureza prevalecem — ele comentou. — Assim como aconteceu na noite de Natal. Seria idiotice da nossa parte viver sob o mesmo teto, gostando um do outro, desejando-nos mutuamente, e não tirar vantagem da situação. — Mas é temporário — ela afirmou, com teimosia. — O que torna tudo ainda melhor. Não somos obrigados a fazer este casamento dar certo. Só temos que aproveitar o lado bom. Não havia mais lugar para se afastar. Natalie sentia o estrado da cama tocando a parte posterior da perna. — Sabemos muito bem onde estamos pisando — ele continuou. — A maioria dos casais não tem essa sorte. — Você consegue racionalizar tudo. — Considere a situação pelo lado prático. Esta é a minha noite de núpcias. Desejo passá-la como um noivo de verdade. E você, como noiva, não acha que merece desfrutar de momentos agradáveis? — Puxou-a para perto do corpo e beijou-lhe o pescoço. — Podemos continuar discutindo, se quiser, mas ao final... — então, cobriu os lábios de Natalie com beijos apaixonados — ...sabe que irá perder. As carícias longas e famintas a deixaram fraca e ansiosa. Natalie colocou os braços em volta do pescoço de Taylor em busca de equilíbrio, colando seu corpo ao dele. — Hum, que delícia... — Segurando-a pelos quadris, Taylor puxou-a mais para perto de si. Retirou as presilhas que prendiam o longo cabelo e aspirou o agradável perfume. Soltando o único botão do casaco de Natalie, ele apoiou a mão sobre a blusa e segurou-lhe os seios. Não era difícil notar que seu corpo tremia ao contato. — Está sensível? — perguntou num sussurro. Natalie assentiu. Ele abriu o agasalho e admirou os seios fartos, que não cabiam totalmente no sutiã meia-taça. Beijou as curvas com delicadeza, e relutando ergueu a cabeça. — Não, está tudo bem — Natalie falou rapidamente. Os lábios de Taylor deixavam um rastro quente na pele macia. Afastando-se para o lado, ele beijou o mamilo rosado sobre a renda. — Natalie, diga que foi bom. — A noite de Natal? Sim, foi muito bom — ela sussurrou. — Algumas vezes penso que foi tudo um sonho. — Carrego dentro de mim a prova de que não foi. — Natalie continuava falando com voz fraca. — Sim, é verdade. — Taylor baixou a mão até o ventre liso, como se estivesse protegendo-o. Em seguida, a expressão em seu rosto mostrou um desejo profundo. Deslizou a mão por entre as pernas de Natalie, sentindo as formas redondas de suas partes íntimas. — Desejo você de novo. Agora. Sem fôlego, Natalie assentiu. Sons de lábios se encontrando e corpos se movimentando sobre o couro do sofá podiam ser ouvidos no escuro. — Não tire o colar de pérolas — ele pediu. — Mas vai parecer estranho. Taylor ignorou o comentário. — Você é linda, Natalie. — E você também. — Eu? Todo coberto de pêlos... — Uh-huh... — Você é toda macia. Não tive tempo de olhá-la bem na noite de Natal. — Mas, mesmo com pouco tempo, conseguiu explorar todos os lugares. — É o que pretendo fazer esta noite, outra vez. — E beijou-lhe os seios. — Hum, Taylor... 36


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — O que é? Está desconfortável? — Não — ela respondeu. — Está gostando, então? — Houve um momento de silêncio. — Natalie? — Sim, sim. Estou... — Se sugá-los, machucarei você? — Não. — Você é tão suave... — Não pare, Taylor. — Não vou parar. — E também não espere muito — ela pediu. — Pensei... — Por favor... — Natalie implorou, ansiosa por chegar ao clímax.

Mais tarde, Taylor derramou champanhe sobre o corpo de Natalie, e o líquido escorreu sobre o ventre, descendo pela junção das coxas bem feitas. Cheio de desejo, ele lambeu cada gota derramada, misturada ao doce néctar da feminilidade. — Deus, você é deliciosa! Algum tempo depois, ele lhe ofereceu: — Mais champanhe? Natalie sentiu-se corar, e Taylor achou graça. — Desta vez, beberei na taça — ele afirmou, cheio de malícia. — Não estou reclamando de como bebeu da primeira vez. Taylor prendeu o rosto de Natalie em suas mãos e a beijou com paixão. — Foi meu jeito especial de brindar à minha esposa — explicou, beijando-a mais uma vez. — Céus, não canso de dizer: você é maravilhosa. Natalie rejeitou o champanhe, evitando beber álcool por causa da criança em seu ventre. Taylor se serviu de mais uma taça e, encostando-se no travesseiro, olhou para Natalie com ar possessivo. — Acho que vamos ter um filho muito bonito — afirmou. — De cabelo escuro, com certeza — ela completou. — E alto. Natalie passou a mão pelas pernas de Taylor. — E com pernas longas e bonitas. — E um grande... — Taylor deu risada, e não terminou o que ia dizer. — Isso também. — Ela soltou uma gargalhada. — Se for um menino, óbvio. Deslizando a mão pelos cabelos sedosos, Taylor a beijou com ternura. — Fico imaginando se será um garoto. — Acha que será uma menina? — Natalie questionou. Ele movimentou a cabeça, demonstrando dúvida. — Na verdade, não importa, Natalie. — Para mim também não. — Alisou a barriga num gesto reflexivo. — Só desejo que seja saudável e feliz. — Será —Taylor assegurou.—Terá olhos azuis ou verdes? Qual será a cor dominante? Natalie não respondeu, e ele acariciou-o lhe o rosto com as costas da mão, desfazendo a ruga que se formara era sua testa. — Em que está pensando? Suspirando, ela descansou o rosto contra a coxa musculosa. — Estava pensando que não sabemos que tipo de genes ele ou ela herdará de meus pais. Quero dizer, meus pais verdadeiros. 37


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Por terem produzido você, eles devem ser criaturas de físico ideal e inteligência superior. Pelo menos um dos dois devia ter traços de teimosia e pavio curto. — Taylor brincou com uma mecha do cabelo preto. — Na minha opinião, você deve ter sangue indígena, pelo cabelo escuro e as maçãs do rosto. — Contornou com o indicador o maxilar de Natalie. — Sem dúvida. Costumava sonhar acordada com eles. — Natalie jamais falara de seus pais a ninguém, e estava surpresa ao perceber como era fácil comentar sobre esse assunto com Taylor. — Nas minhas fantasias, minha mãe era uma princesa índia, e meu pai, um aventureiro irlandês de olhos verdes ameaçadores. Mas os pais que eu imaginava eram reminiscências de personagens que eu conheci nos romances, e não pessoas reais. Eu acreditava que eles haviam sido vítimas de um desastre, que os levara, me deixando órfã. — Como sabe que não foi isso o que aconteceu? — Minha mãe e meu pai adotivos me disseram que eles estavam vivos, pelo menos até o momento em que fui adotada. Taylor acariciou-a nas costas. — Quem lhe deu esse nome, Natalie? — Meus pais adotivos. — Já contou a eles sobre o bebê? Houve um momento de silêncio. — Não. — Falou sobre mim? — Taylor insistiu. Natalie sentou-se no colchão. — Desculpe-me, Taylor, mas falei sim. Disse-lhes que havia conhecido uma pessoa e era muito provável que nos casássemos. — E qual foi a reação? — Ficaram animados com a idéia de ganharem um genro. Acho que tinham medo de que eu fosse uma verdadeira feminista, com idéias radicais contra o casamento e a formação de um lar. — Quase acertaram — ele comentou, sorrindo. Natalie fez uma careta ao olhar para Taylor. — Mamãe queria começar a planejar a festa e organizar um grande casamento na igreja. Consegui dissuadi-la, dizendo que você era uma pessoa pública e desejava uma cerimônia discreta. Detesto mentir para eles, mas... — Entendo, mas dessa forma poderemos contar que nos casamos e ajeitar a data de acordo com o nascimento do bebê. Natalie baixou os olhos e analisou as unhas esmaltadas. — Para quê aborrecê-los sem necessidade, não é? — indagou, ainda de cabeça baixa. Taylor ergueu-lhe o queixo com o polegar. — Está certa. — Obrigada, Taylor. Após colocar a taça vazia sobre a mesinha-de-cabeceira, Taylor a beijou. — É tarde, minha querida, e amanhã é dia de trabalho. — Sim, acho melhor dormirmos um pouco — Natalie concordou, já se movimentando para deitar. — Ei, nem pensar. — Ele a abraçou, trazendo-a para junto do peito. — Vamos, agora, iniciar a segunda fase.

— Olá. — Olá. 38


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Como foi seu dia? — Bom. E o seu? — Bom. Meio embaraçados, eles se olharam. Taylor acabara de chegar a casa e encontrou Natalie na cozinha usando um avental e, com uma longa colher de madeira, mexia algo em uma panela larga. Ambos haviam perdido a hora naquela manhã. Na pressa de se aprontarem para sair, não tiveram tempo de se sentirem constrangidos pela noite de amor compartilhada. Cada um tomou seu banho rapidamente, e Natalie ficou aturdida ao se dar conta de que metade do que precisava para se aprontar fora deixado em casa. Sua casa. A gravata favorita de Taylor não fora encontrada no lugar de sempre, e depois de um rápido e morno café instantâneo, ambos saíram para o trabalho. Agora, horas mais tarde, havia certa curiosidade em saber como tinham passado o primeiro dia como sr. e sra. MacKensie. — Algo está cheirando bem — Taylor comentou, colocando a pasta sobre a mesa da cozinha, aproximando-se dela para espiar a panela. — Estou preparando carne refogada com molho. — Pensei que iríamos sair — Taylor comentou. — Não gosta de carne refogada? — Natalie perguntou, ansiosa. — Adoro — ele se apressou em dizer —, mas não pense que precisa cozinhar todas as noites. — Sei disso. — Ela ajeitou uma mecha de cabelo. — Quero compensar o desjejum que não existiu. — Não costumo comer muito pela manhã. — Não? Bem, eu também não tenho o hábito de comer muito, especialmente nos últimos dias — Colocou a mão sobre a barriga. — Mas você saiu para o trabalho sem mesmo tomar uma xícara de café quente. Um castigo muito severo, não acha? Taylor forçou um sorriso. — Quantos minutos até o jantar? — Meia hora — Natalie respondeu. — Tenho tempo para um banho, então? — Sim. Não precisa se apressar. O jantar pode esperar até que estejamos prontos. — Certo. — Taylor pegou a pasta novamente e dirigiu-se para a porta. Mas lá parou e voltou-se para olhá-la. — Natalie? — Sim? — Ela ergueu a cabeça. A pasta atingiu o chão com estrondo, e em menos de um segundo Taylor atravessou a cozinha e a abraçou, beijando-a com paixão. Natalie colocou os braços em volta de pescoço de seu marido. O molho da carne escorreu pela colher indo cair sobre as costas da camisa de Taylor, mas nenhum dos dois notou ou se importou. Ele a ergueu do solo e a segurou em frente ao corpo, fazendo com que seus corpos se amoldassem. Ao se separarem, estavam gargalhando, completamente sem ar. — Então, não lamenta ter se casado comigo? — ela quis saber. — Agora que teve um dia inteiro para ponderar sobre o assunto... — Está brincando? Não como carne refogada com molho desde que minha mãe morreu. — Essa é a única razão que o faz feliz? — Que pergunta tola, minha querida. — Beijou-a de novo. — Vamos começar de novo. Como foi seu dia? — Saí do trabalho cedo. Fui até minha casa e carreguei o carro mais uma vez. — Deveria puxar sua orelha. Não trouxe nada pesado para dentro, não é? — Não. Quando cheguei aqui, me sentia exausta, e resolvi deixar para descarregar o automóvel mais tarde. — Não deveria ter se incomodado em preparar a refeição. 39


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Descansei um pouco antes. Oh, não posso esquecer de lhe avisar. Contratei uma van para entregar todas as minhas plantas aqui amanhã. — Talvez tenhamos que nos mudar. Não haverá lugar para todos nós — Taylor comentou, tentando se manter sério. Sentindo-se muito contente, Natalie sorriu. — E como foi seu dia? — ela perguntou. — Em duas palavras: uma droga. — São duas palavras. — Pelo que vejo, me casei com uma espertinha, hein? — Taylor aproximou-se e beijou-lhe o pescoço. — Tivemos uma reunião com os vereadores hoje na Prefeitura, para tratar de uma taxa que está sendo cobrada indevidamente. No escritório, um cliente armou um verdadeiro escândalo, pois não encontrávamos algumas especificações de um projeto que haviam sido perdidas. — Tornou a beijá-la, agora, na ponta do nariz. — E no meio de toda aquela confusão, não me saíam da cabeça os gemidos que você emitiu ontem à noite. — Taylor! — Taylor! — ele imitou-a. — Se não deseja que eu me lembre dos gemidos, então é melhor parar de emiti-los. — Ou parar de sentir prazer — ela murmurou, com ar inocente. — Não se atreva! — retrucou. Um beijo levou a outro, até que o ambiente ficou tão quente que Natalie precisou empurrá-lo para longe. — Vá tomar sua ducha. Terei um drinque à sua espera quando voltar.

Durante o jantar, discutiram a nova situação de casados e que implicações haveria em suas vidas. — Contou às pessoas no trabalho? — ele perguntou. — Sim. Ficaram surpresas. — Todos, menos Guy. — Taylor fingiu não dar muita importância ao fato. A aparente indiferença de Taylor não a enganou. Ele mostrava-se tão curioso sobre Guy e sua reação ao casamento deles quanto ela a respeito de Lisa Burton. — Acredito que não seja mais segredo sobre quem é o pai da criança que estou carregando. — Se ele mostrar alguma dúvida, mande-o falar comigo. Natalie gostou de ver que o marido sentia ciúme, mesmo que esse ciúme fosse mais do bebê, e não dela mesma. Taylor se serviu de um pouco mais de carne. — Prepare-se para receber algumas ligações amanhã — ele disse. — Minha secretária enviou um comunicado para os jornais e para as estações de rádio esta tarde, anunciando meu casamento com a arquiteta Natalie Lavender. Ela largou o garfo e o olhou com ar preocupado. — Espero que isso não interfira na sua posse como prefeito. — Venci a eleição legalmente, minha querida. — Sim, mas poderá haver alguns questionamentos. — Acredito que todos que votaram em mim se sentirão orgulhosos pela escolha que fizeram. Ficarão aliviados em saber que não sou mais um solteiro disponível e sem juízo, desde que foi essa a imagem que meus opositores tentaram passar a meu respeito durante a campanha. Nosso casamento vem reforçar a confiança que os eleitores depositaram em mim. Com o garfo, Natalie empurrava a comida de um lado para o outro no prato. — Ok, mocinha. Fale de uma vez o que a está aborrecendo.

40


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Naquela manhã, em seu escritório, você me acusou de estar arruinando sua carreira. Espero que isso não venha a acontecer. Taylor estendeu o braço e segurou-lhe a mão. — Não se preocupe. Isso não acontecerá. — Quando souberem do bebê... — Todos ficarão exultantes. Será a criança mais festejada da cidade. — Taylor apertou-lhe os dedos.—E quanto àquela acusação, quero que saiba que não tive a intenção de magoá-la. Estava tentando me defender. — Não acreditou quando eu disse que o bebê era seu. — Acreditei, sim. Na mesma hora — ele confessou. — O que o fez acreditar? — Qualquer mulher que se envolve em uma disputa por um camarão jamais mentiria sobre assunto tão importante como esse. — Beijou-a na palma da mão.—Venha, levantese e vá descansar. Deixe que eu lavo os pratos. Meia hora mais tarde, Taylor entrou no escritório e encontrou Natalie debruçada sobre a prancheta. Ele havia descarregado o carro antes do jantar e depositara as roupas e os sapatos de Natalie no grande armário do quarto de dormir e aproveitou para montar a prancheta no escritório, como ela havia sugerido. — Não me parece que está descansando. Não sente dor nas costas? Natalie sorriu por sobre o ombro, mas voltou a olhar o projeto que estava elaborando. — Estou acostumada. Taylor aproximou-se e apoiou o queixo no ombro da esposa. — O que acha? — ela perguntou. — Não se parece muito comigo — ele disse, inclinando a cabeça e olhando o desenho com expressão de dúvida. — Seu maluco! — Natalie o empurrou com seu traseiro, o que o fez soltar um gemido de prazer. — O que é? — Minha casa. Veja, aqui é a porta da frente e a sala de estar. Tento achar o melhor lugar para o quarto do bebê. Estou na dúvida se devo construir um segundo pavimento ou estender a casa na lateral. Não houve nenhum tipo de comentário. — Taylor? — Não gosta daqui? — ele indagou. — Claro que sim. Sua casa é linda, mas preciso começar a reformar a minha antes que o bebê chegue, para termos um lugar para morar. — Hum... O corpo de Taylor estava encostado no dela, e assim Natalie pôde sentir a tensão crescer em cada um dos seus músculos. Estaria contrariado com a idéia de vê-la partir ou por imaginar que teria que marcar visitas para ver o filho? Para evitar mais desentendimentos, ela enrolou a planta e colocou-a de lado. Ainda tinham sete meses para entrar em acordo quanto à custódia da criança. Natalie virou-se de frente para ele e o abraçou. — Você foi sem sutiã para o escritório? — ele quis saber, enquanto lhe acariciava os seios. — Claro que não. — Então, tirou-o quando chegou a casa para provocar seu marido? Uma sensação de maravilhamento se espalhava por todo o corpo de Natalie, ao sentir as mãos firmes de Taylor massageando seus seios. — Não. Tirei porque estava me incomodando. Todos os meus sutiãs estão pequenos agora, e ainda não tive tempo de trocá-los. 41


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Não se apresse em comprar algo maior por minha causa. — Taylor ergueu o cabelo de Natalie, amarrado em um rabo-de-cavalo, e beijou-lhe a nuca. — Nosso garoto vai ser uma criança de sorte — murmurou, acariciando os mamilos já intumescidos de desejo. Natalie recostou-se na prancheta. — Saí cedo hoje, Taylor. Tenho muito o que fazer ainda. — Continue com seu trabalho. Não se importe comigo. — Taylor desceu a mão até a abertura da calça jeans que Natalie usava e abriu o zíper. — Mas não consigo me concentrar quando está fazendo isso. — Natalie soltou um gemido quando ele deslizou a mão para dentro de sua calcinha. — Acho que não estava concentrada apenas no trabalho — ele murmurou, tocando os pêlos macios. Natalie sabia que seu corpo a traíra. Não havia como resistir ao contato daqueles dedos habilidosos. Natalie admirou-se da facilidade com que ambos se ajustaram á vida de casados. Desde o início, preparara seu espírito para o dia em que Taylor chegasse a casa aborrecido após um dia de trabalho e também para quando ele acordasse de mau humor. Mas isso jamais aconteceu. Procurara descobrir alguma falha em sua personalidade, porém também não encontrou. Quando ele chegava antes dela, esperava-a com uma bebida gelada, uma almofada para suas costas e um creme para massagear seus pés. Comiam fora mais vezes do que ela cozinhava, embora Natalie tivesse dito que não se importaria de preparar o jantar. Taylor levou-a aos escritórios de sua empresa e apresentou-a a todos seus funcionários. Muitas vezes haviam comentado sobre o fato de nunca terem trabalhado nos mesmos projetos, já que ambos estavam no ramo da construção civil. Parecia que o destino os aproximara com um objetivo específico na noite de Natal. Natalie gostava de pensar que esse objetivo era a criança que carregava em seu ventre. Certa vez, Taylor foi buscá-la nos escritórios da Bishop & Harvey, e por acaso ele e Guy Patterson se encontraram. Os dois homens se deram as mãos, mas havia frieza nos cumprimentos. Naquela noite, Taylor se mostrou mais atencioso e delicado do que nunca. A medida que a data da posse se aproximava, ele era convidado para dar palestras em clubes e organizações cívicas. Natalie sempre o acompanhava nesses eventos, sorrindo para os fotógrafos, apertando as mãos dos correligionários. Agia como uma verdadeira primeira-dama. Uma noite, quando dirigiam de volta para casa, ao pararem em um semáforo, Taylor largou a direção e acariciou-lhe o rosto. — Sei que tudo isso é aborrecido para você, minha querida. Admiro seu comportamento. Obrigado. Natalie pensou dizer que quando estava perto dele, ouvindo sua voz, jamais se sentia aborrecida. Mas conteve-se. Apesar de trocarem carinhos na cama, no auge da paixão, quando se sentia tentada a mostrar sua crescente afeição pelo marido, procurava se lembrar de que o casamento era temporário e que seria melhor guardar os sentimentos para si mesma. Trocavam idéias, riam das piadas que ambos contavam e comentavam sobre antigos namorados. Faziam amor com muita freqüência. Contudo, o mais surpreendente era o profundo interesse de Taylor pelo bebê. Durante as três primeiras semanas de união, ele tomou-se um especialista em procedimentos pré-natais. Comprava todos os livros sobre o assunto e cobria Natalie de perguntas. Quando começará a se mexer? Quando poderemos escutar as batidas do coração'? Está sentindo seus movimentos? Há diferença na gestação de meninos e meninas? 42


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown A maior parte das perguntas era relacionada com o bebê. Certa noite, ao se deitar ao lado de Natalie, que verificava sua agenda para a semana seguinte, ele começou a ler em voz alta um texto sobre detalhes da vida fetal. — Não é admirável?! — exclamou, colocando as mãos sobre a barriga de Natalie, maravilhado com um fato que acabara de descobrir. — Ei, você aí! E verdade que já tem impressões digitais? Natalie, rindo, sacudiu o ombro de Taylor. — Pobre criança... Tem um pai desequilibrado. Taylor desfez o laço do robe que ela usava. — Pare com isso. — Natalie tentou afastar-lhe as mãos. — Preciso examiná-la, para ter certeza de que está fazendo tudo certo. — Estive no médico ontem. Ele me examinou e cobrou bem caro pela consulta. — Não se preocupe, sigo à risca as instruções dos livros — Taylor assegurou, mostrando um que acabara de comprar. — E não cobro tanto quanto o médico. Rindo das maluquices, Natalie deixou que o marido abrisse seu robe. Estava nua. Taylor consultou o livro. — Vejamos. Os seios estão bem maiores do que antes? — Apalpou um deles. — Diria que sim. Um milímetro maior do que na semana passada. Natalie não pôde conter o riso. — Não seria conveniente registrar esses dados? — ela indagou em tom de deboche. — Shhh! Estou me concentrando. — Mudou a página do livro. — Página dois. Ahá! Os mamilos estão mudando de cor? Hum, levemente... Acho que o garoto saberá o que fazer com eles. No caso de não saber, irei lhe ensinar. Enquanto Taylor beijava seus seios, Natalie arqueou o corpo para que os mamilos ficassem mais expostos. Passou os dedos pelos cabelo escuro de Taylor e deixou que ele a tivesse completamente. — Você é uma esposa, mãe e mulher perfeita — ele sussurrou ao ouvido da esposa.

Capítulo V

— Natalie? Ela levantou os olhos do papel que lia. Guy Patterson estava parado na porta de seu escritório. Depois que noticiara seu casamento na empresa, não o vira com muita freqüência. Ele a evitava, e Natalie não o culpava por isso. Todos sabiam que haviam tido um relacionamento por bastante tempo, e o seu repentino casamento com um homem especial e dinâmico como Taylor certamente tinha lhe causado certo constrangimento. Natalie gostaria de que ainda pudessem continuar amigos, mas pela expressão no rosto de Guy, não tinha muita esperança de que isso fosse acontecer. — Alô, Guy. Entre. — Na realidade, fui incumbido de buscá-la. Os associados convocaram uma reunião extraordinária — ele disse, parando na seleira. Natalie levantou-se da cadeira. — O que está acontecendo? 43


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Penso que será melhor deixar que eles lhe contem — Guy afastou-se para que ela passasse à sua frente, fingindo ignorar a pergunta nos olhos de Natalie. Juntos e em silêncio, percorreram a distância até a sala da diretoria, onde todos os executivos da Bishop & Harvey já se encontravam reunidos. O ambiente estava estranhamente quieto, e Natalie disse a si mesma que ou estava se tornando paranóica, ou todos evitavam olhar direto para ela. — Obrigado por vir tão rápido. Sei que está ocupada, mas este assunto diz respeito a todos nós e é de suma importância. — O sr. Bishop, presidente e fundador da empresa, havia se aposentado três anos antes, e o sr. Harvey, seu sobrinho, o sucedera e presidia todas as reuniões. Esperou que Natalie se sentasse e deu início à reunião: — Todos sabem que se conseguirmos fechar o contrato do Centro de Artes da Comunidade será excelente para nossa companhia — ele começou sua explanação. — A construção do complexo de arte está sendo cogitada há anos. Uma verba especial, além de doações particulares, vem tornando viável a realização da obra, e recentemente a Prefeitura abriu uma concorrência entre os escritórios de arquitetura, da qual a Bishop está participando. Será um projeto muito lucrativo e de alto prestígio para a companhia escolhida. — O sr. Harvey tomou um gole d'água e prosseguiu: — A diretoria está analisando as propostas, e esperamos estar entre as finalistas. Entretanto... — Parou e tossiu. Nesse momento, vários dos presentes mexeram-se em suas cadeiras, mostrando desconforto. Natalie concluiu que já era tempo de desfazer o mistério: — Esta reunião de emergência está relacionada a meu casamento com o recémeleito prefeito Taylor MacKensie, sr. Harvey? O olhar que ele lhe dirigiu não poderia ter sido mais agradecido. —Todos aqui estamos mais do que felizes com seu casamento — ele disse e, ao olhar para Guy Patterson, tossiu mais uma vez, continuando seu discurso: — Mas as pessoas poderão interpretar... O que quero dizer é... a empresa não gostaria de perder um contrato devido a conflito de interesses. — Meu marido e eu jamais conversamos sobre a construção do Centro de Artes — Natalie afirmou, contrariada. — Estou certo de que recém-casados têm outros assuntos para conversar. — Um riso contido foi percebido entre os membros da mesa. O sr. Harvey pareceu satisfeito ao ver que seu comentário fora apreciado, mas voltou a ficar sério quando encarou Natalie. — Temos que evitar qualquer insinuação quanto a predileções ou favorecimentos. Natalie levou a mão ao peito, como se sentisse uma dor. — Nada disso aconteceu. Está me acusando de... O presidente da Bishop & Harvey ergueu ambas as mãos, impedindo-a de prosseguir. — Por Deus, não, srta. Lavender... Ou melhor, sra. MacKensie. Não estou duvidando de sua integridade ou da de seu marido. Mas sei que é capaz de entender que o tema pode ter seus desdobramentos. Milhões de dólares estão envolvidos e, se vencermos, algum concorrente poderá tirar conclusões erradas quanto ao modo como isso se deu. — Bem, seria problema deles. Afinal, nossa firma apresentou a proposta antes mesmo de eu ter conhecido o sr. MacKensie. E claro que... — Natalie parou de falar. Ao olhar a expressão no semblante dos demais, deu-se conta de que seus protestos não estavam sendo ouvidos. Todos na companhia gostavam dela como pessoa e admiravam seu trabalho. Contribuíra para o crescimento da empresa e provara seu valor por diversas vezes. Entretanto, a obtenção do contrato para a construção do Centro de

44


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown Artes significava dinheiro em seus bolsos. Muito dinheiro. Se não vencessem a concorrência, estariam perdendo não só dinheiro, mas também prestígio. — Sr. Harvey, poderíamos falar no seu escritório, por favor? — Natalie pediu, preferindo discutir o assunto em particular.

Depois de ter tomado a decisão, Natalie sentiu vontade de correr para casa e contar a Taylor. Tentara falar com ele por telefone, mas não conseguira encontrá-lo. Sentia-se satisfeita com sua atitude, e ansiava por compartilhar a notícia e ver qual seria a reação do marido. Ao chegar, encontrou-o na cozinha, preparando uma jarra de suco. — Taylor, preciso falar com você. — O que aconteceu com o "olá"? — Olá — Natalie cumprimentou-o com impaciência. — Não escutei o barulho do seu carro. Teve um bom dia? — Cheio de altos e baixos. — Não entendi. — Acabou dando tudo certo. Pode sentar um segundo, por favor? — Bem, estou meio ocupado, e... — Taylor continuou preparando o suco. — Não vai demorar. — Espero que não, porque... — Taylor, por favor, me escute. Pensei muito e...— A campainha da porta cortou suas palavras. — Está esperando alguém? — E o que estou tentando lhe dizer desde que chegou. — Ele correu para a sala a fim de atender ao visitante. Uma mulher atraente estava parada do lado de fora. — Natalie, minha querida, esta é Delia Starr, repórter do jornal Telegrama. Ela quer fazer uma reportagem sobre nós para a edição de domingo. — Oh, como vai? — Ela conseguiu recuperar-se da surpresa e apertou a mão da jornalista. — Vamos nos sentar? — Taylor olhava para Natalie de forma estranha. — Você me dá um minuto, srta. Starr? Ou melhor. Delia? Acabei de chegar do trabalho e gostaria de me refrescar um pouco. — Entendo — a repórter assentiu. — Não se apresse. Tenho muitas perguntas a fazer ao prefeito eleito MacKensie. Gostaria também de informar que um fotógrafo se juntará a nós mais tarde para tirar algumas fotos. Natalie dirigiu-se ao quarto e fechou a porta. Droga!, pensou. Estava tão ansiosa para contar ao marido sobre sua decisão de deixar a firma de arquitetura, e agora teria de esperar até que aquela entrevista terminasse. No banheiro, retocou a maquiagem, escovou o cabelo e trocou o tailleur por jeans e uma blusa. Tinha percebido que Taylor havia trocado o terno por um traje que fazia mais o tipo "em casa com os MacKensie". Respirando fundo, juntou-se a eles na sala de estar. Taylor parou de falar no instante em que ela entrou. Levantou-se e segurou-lhe as mãos, conduzindo-a para o sofá que vinha ocupando. — Perdi algo importante? — Natalie perguntou. — Apenas histórias enfadonhas sobre meu interesse pela política local — ele respondeu. — Acho que não existe nada sobre seu marido que seja enfadonho — Délia Starr comentou, olhando para Natalie.

45


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Também acho — ela concordou com a repórter. Taylor tinha o dom de excitá-la, diverti-la, e algumas vezes, de deixá-la furiosa, mas nunca entediada. Délia Starr quis saber sobre sua carreira como arquiteta, e Natalie reparou no interesse com que Taylor ouvia as respostas. Grande parte do que dizia era novidade para ele também. — É de fato estranho que tenha escolhido justo hoje para nos entrevistar, srta. Starr. — Inquieta, Natalie esfregou as mãos. — Este dia é um marco importante em minha vida. Pedi demissão da Bishop & Harvey. — O quê? — Taylor a encarou, incrédulo. — Você se demitiu? — Sim. — Estaria sua demissão relacionada com o projeto da construção do Centro de Artes, sra. MacKensie? — O que tem o projeto a ver com isso? — Taylor ficava cada vez mais e mais surpreso. Natalie colocou a mão sobre o braço do marido, tentando acalmá-lo. — Indiretamente, sim, Délia. — Eles a pressionaram a se demitir? — a repórter questionou. — Não. O sr. Harvey agiu como um perfeito cavalheiro, como sempre. Disse que lamentava sinceramente perder uma profissional do meu nível. — Mas melhor a senhora do que um contrato de muitos milhões de dólares — Delia Starr acrescentou. Natalie ignorou o comentário. — Na realidade, toda essa controvérsia a respeito da construção do Centro de Artes me levou a fazer algo que desejava fazer há muito tempo. — Sair da empresa? — Sim, Delia, para abrir minha própria firma. Delia Starr, debruçada sobre seu bloco de notas, escrevia com movimentos frenéticos. Natalie olhou para Taylor, tentando avisá-lo com um gesto de cabeça para que não dissesse nada até que ela tivesse a chance de explicar. — Taylor deu-me todo seu apoio. — Sim, todo — ele retrucou. Mas a repórter era experiente e não se deixava enganar com facilidade. — Pareceu surpreso, sr. MacKensie, quando sua esposa deu a notícia. — Delia arqueou uma sobrancelha. Taylor sorriu para ela. — Não sabia que Natalie tinha tomado uma decisão final. Parabéns, querida. — Inclinou-se e beijou no rosto. O beijo foi suave e natural, mas Natalie teve dúvidas se essa demonstração de carinho fazia parte do show. Qual seria opinião verdadeira de Taylor a respeito da resolução que tomara? — Bem, não poderão mais ser acusados de ter conflito de interesses — Delia concluiu. — Ninguém jamais nos fez tal acusação. — Taylor ainda sorria, mas sua voz era fria como aço. — Quero que deixe esse assunto bem claro em sua reportagem. A repórter ergueu os olhos do bloco e olhou diretamente para Taylor. — Por que se casaram às pressas? A indagação parecia espontânea e fora de contexto, mas tanto Natalie como Taylor detectaram a curiosidade insaciável e típica dos repórteres. Taylor, mais acostumado a lidar com esses profissionais, tomou a frente para responder: — Foi um caso de paixão e amor à primeira vista. Não sou a favor de noivados longos. Fui um solteirão durante trinta e cinco anos e, quando conheci Natalie, me dei 46


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown conta do motivo pelo qual ainda continuava solteiro. Estive esperando por ela durante todo esse tempo. Taylor segurou a mão da esposa e apertou-a na sua. — Não foi um casamento de emergência? Instintivamente, ele apertou a mão de Natalie com mais força. Natalie prendeu a respiração. A repórter continuava a tomar notas e, de repente, levantou a cabeça e os olhou, esperando pela resposta. — Que expressão mais antiquada... — Taylor finalmente forçou um sorriso. — Pelo visto, já sabe que Natalie está grávida. — Ouvi alguns comentários — ela explicou — e, para que não perca seu tempo negando, quero lhe dizer que conversei com alguns sócios da empresa de arquitetura onde Natalie trabalhava. Alguns, não. Um, em particular: Guy Patterson, Natalie concluiu. Ele era o único na firma que sabia sobre a criança. — Sim, vamos ter um bebê. — Taylor passou o braço pelos ombros de Natalie, puxando-a para mais perto. — Estamos muito felizes. — Vamos lá, sr. MacKensie. O senhor acabou de ser eleito prefeito. Não acredita que seus eleitores possam achar esse casamento apressado um tanto estranho? — De modo algum. Mesmo assim, não desejo ver nada disso publicado. Nem mesmo insinuações a respeito. — Porque poderá ser prejudicial à sua carreira? — Não, porque poderá ser prejudicial à sua carreira. — A voz de Taylor não era mais do que um sussurro, mas estava carregada de ameaças veladas. — Se escrever uma única palavra difamatória sobre Natalie, eu processarei a senhorita e seu jornal. Natalie fitou a repórter, que, impaciente, batia o lápis sobre o bloco de notas. — Casei-me com Taylor porque o amo. As batidas do lápis cessaram. De soslaio, Natalie viu que Taylor a olhava, de novo surpreso. Por um momento, todos ficaram em silêncio, até que ela decidiu acabar com o mal-estar: — Délia, seu copo está vazio. Gostaria de um pouco mais de suco?

****

— Por que disse aquilo? — Disse o quê? — Natalie perguntou. Os vidros do Corvette estavam baixados, e ela apreciava o vento de primavera que soprava em seu rosto e cabelo. — Por que disse que nosso casamento foi por amor? Natalie voltou-se para olhar o marido. — Ora, para salvá-lo das garras de uma fera chamada Délia. Ou vice-versa. Você parecia pronto para estrangulá-la. — E estava mesmo. — Eu percebi, e não podia deixar que isso acontecesse. Deve me agradecer por preservar sua imagem, prefeito MacKensie. — Sentindo-se confiante, hein? — Não deveria? Taylor pegou a alameda que conduzia a um dos parques da cidade. De última hora, haviam optado por improvisar um piquenique. 47


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Claro que deve. Inclusive, merece cumprimentos por sua diplomacia. Aquela batedora de lápis estava comendo na sua mão, quando saiu lá de casa. Sem falar no fotógrafo, que fazia comentários engraçadinhos a respeito de como você é fotogênica. Assim que estacionaram, Natalie abriu a porta e saiu do carro, levando o pacote de comida consigo. — Ele apenas disse que gosta de fotografar rostos como o meu. — Qual é o meu sanduíche? — Taylor perguntou em tom seco, logo que se acomodaram num banco. — Este. — Natalie entregou-lhe o pacote com o hambúrguer duplo. — Por que não pediu um duplo também? Não desejo que nosso garoto seja esquelético. — Não será, prometo. O bebê e eu logo nos fortaleceremos. O médico disse que é normal perder algum peso no início da gestação. Taylor analisou-a de alto a baixo com olhar crítico. — Você está muito magrinha. — O fotógrafo pareceu ter uma opinião diferente — ela disse, piscando para provocá-lo. Taylor atirou uma batata frita em sua direção. — Não ficou impressionada com aquela conversa, certo? — Oh, não. Achei que ele estava sendo sincero — Natalie respondeu, fingindo-se de inocente. Taylor balançou a cabeça. — Ele estava paquerando você. — Reconheceu a técnica, então? — A modéstia me impede de me vangloriar. — Taylor riu com arrogância. — Mas o camarada era bastante pretensioso e usava um jeans muito apertado. — O seu também é bastante justo. — Notou, então? — Sim. — E gostou? — Gostei — ela confessou num sussurro. Natalie pegou uma batatinha e envolveu-a com um pouco de catchup. — E você e Délia? — perguntou, enquanto mastigava. — Tornaram-se muito atenciosos um com o outro, após aquele momento de antagonismo. Demoraram bastante para se despedir quando você a levou até o automóvel. — Ah, sim... Achei que devia dar uma colher de chá a ela e deixei que me fizesse algumas perguntas pessoais. — E?... — Délia me perguntou se praticávamos sexo oral. Natalie engasgou com o milk shake e acabou tossindo e espirrando leite no rosto de ambos. — Taylor! Rindo, ele se limpou com um guardanapo de papel. Natalie voltou a mexer o milk shake com o canudinho de plástico. Sentia as faces queimar, e não era por causa do vento que apanhara no carro. — Voltando à minha pergunta inicial, por que disse a ela que nos casamos por amor? — Não disse que nós nos casamos por amor, mas que eu me casei por amor. — Está fugindo da questão. — Precisava dizer algo a ela para neutralizar seu veneno. Foi o que me ocorreu naquele momento; e funcionou, não é mesmo? — Não haveria outra razão? 48


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Claro que não — respondeu sem olhar diretamente para ele. — Foi algo impensado, então? — Sim. — Não havia nenhum fundo de verdade? — Não — Natalie respondeu com voz firme. — Se estivéssemos apaixonados, não teríamos esperado tanto tempo até que a notícia do bebê nos aproximasse, não é mesmo? Começava a escurecer, e a tarde ficou quieta e calma. O silêncio entre os dois se tornava cada vez mais pesado, até que Taylor o quebrou: — Não lhe telefonei depois da noite de Natal porque sabia que você já estava comprometida. — Não perguntei nada. — Mas quero falar. — Ele arrancou uma folha da árvore próxima e amassou-a. — Você também não me ligou. — Não tenho o hábito de ligar para homens e marcar encontros. E mais uma das minhas manias antigas. — Hoje em dia, é muito comum que as mulheres tomem a iniciativa. — Não para mim. Parece-me uma atitude muito masculina. — Não conseguiria ser masculina, mesmo que tentasse. — Bem, ainda que desejasse ligar, não o teria feito — continuou Natalie. — Por quê? — Seu envolvimento com Lisa. Você não fez segredo, na noite de Natal, lembra-se? Na realidade, contou-me mais do que eu desejava saber. — Ela ergueu o tom de voz, apesar de suas intenções de não transformar a conversa em uma discussão. — Por que se lembrar de Lisa neste momento? — Afinal, você foi sozinho na casa dos Graham porque ela estava fora da cidade. Pelo que percebi, estavam vivendo um caloroso caso de amor. Taylor inclinou o corpo e aproximou o rosto do dela. — Mas isso não a impediu de dormir comigo. Natalie ficou sem saber o que dizer, mas logo voltou a atacar. Taylor estava procurando uma briga e iria ter. — Só que depois de dormir comigo, você fugiu de mim, saindo furtivamente na manhã seguinte. — Não fugi. — Não? — Ela passou a mão pelo cabelo desalinhado pelo vento. — Quando acordei, vi que estava saindo pé-ante-pé da sala, com suas roupas e sapatos nas mãos. Não lhe parece uma fuga? — E você não me pediu que ficasse. — Preferiria morrer antes de fazê-lo. Um homem que foge... — Não fugi! — ele retrucou. — Estava apenas querendo ser educado. — Ou covarde. — Não queria acordá-la cedo no feriado, quando poderia dormir até mais tarde. — Como se eu pudesse continuar a dormir, depois de ter sido espremida por você naquele sofá durante a noite inteira. Todos os meus músculos doíam. — Doíam não de dormir, mas sim pela maneira vigorosa como fez amor. Natalie franziu a testa. — Naquele momento, não pareceu se importar com meu modo de fazer amor. — Não me importei, mas pelo menos tenho coragem suficiente para admitir. — E eu nunca disse que não havia apreciado a noite de Natal Taylor apontou-lhe o dedo.

49


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Um segundo atrás você negou que tinha gostado de dormir como um casal de lobos debaixo daquele casaco de pele. Tem um jeito bastante estranho de reclamar, porque toda vez que eu tentava me afastar, você choramingava. — Choramingava? Jamais choraminguei em minha vida! — Não mesmo? Vou gravar quando estivermos fazendo amor e tocar para que escute depois. — Não iremos mais fazer amor — Natalie anunciou em tom formal. — Sei que concordei em dormir com você enquanto nosso casamento durar, mas agora não acredito que seja uma boa idéia. E como parece impossível viver sob o mesmo teto sem dormirmos juntos, acho que deveria voltar para minha casa. Taylor ergueu ambas as mãos e deixou-as cair de volta sobre as coxas, fazendo um barulho. — Ótimo. Fantástico. Sua sincronização é perfeita. Nem bem o artigo sobre nossa total felicidade é publicado, a esposa abandona o lar. — Má publicidade? — Acertou. — Foi sua única preocupação desde o início, não é? E a razão pela qual se casou comigo. Para que seu precioso posto de prefeito não fosse colocado em risco — Ela disse, furiosa, e dirigiu-se para o carro. O trajeto para casa foi percorrido com rapidez. Ao chegarem, Natalie entrou correndo, mas ao alcançar a porta do quarto foi segura pela camiseta. — Solte-me, Taylor! — Não até que tudo fique esclarecido. Você está quebrando nosso acordo. Concordamos em viver como marido e mulher... em todos os sentidos. — Ok, mas não vou cumprir minha parte do combinado. Ninguém saberá. — Mas eu saberei. — Não se importaria se não estivesse sempre tão excitado. Taylor empurrou-a contra a parede e prensou-a com seu corpo. Procurou a boca carnuda e a beijou com paixão. — Não estou sempre excitado. Só fico quando olho para você. Natalie começou a choramingar. — Você me enfeitiça! — Natalie esticou-se sobre Taylor, enquanto brincava com os pêlos do peito. — Seja o que for, é algo recíproco. — Você me faz perder o controle — sussurrou. — O que é muito bom. Pena que não pude me segurar por mais tempo. Estava pronto para explodir. Com timidez, Natalie aninhou a cabeça entre o braço e o tórax de Taylor. — Sabe o que eu quis dizer... — Sim, eu sei — ele disse, correndo os dedos ao longo da coluna de Natalie. — Por que pediu demissão da Bishop & Harvey? Eles a forçaram? — Não. — Aproveitou para contar detalhes a respeito do problema que surgira por causa do projeto de construção do Centro de Artes. — Não quero que minha permanência prejudique a empresa. Além do mais, não poderia deixar que você fosse acusado de ter conflito de interesses. Seria um peso muito grande, que teria que carregar pelo resto de seus dias como prefeito. — Mas e sua carreira? Trabalhou tanto para chegar aonde está! Ela apoiou o queixo no peito de Taylor e o encarou. — Não estava mentindo quando disse a Délia Starr que tinha intenção de abrir minha própria firma. — Não está dizendo isso apenas para que eu me sinta melhor?

50


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Não. Gosto do meu trabalho, mas cansei da inveja entre os colegas, da política e das fofocas intermináveis. — O que explica a revelação da notícia sobre o bebê. Não que seja importante, pois seria do conhecimento de todos, mais dia menos dia. — Sim, mas pensei que aconteceria mais tarde, depois de que você fizesse o juramento. Delia deve ter entrevistado Guy. Estou certa de que ele lhe contou que eu estava grávida, com a intenção de nos deixar constrangidos. Guy não é um bom perdedor. — Não consigo sentir simpatia por ele — Taylor comentou. — Afinal, se fosse mesmo um sujeito apaixonado, você não teria ido para a cama comigo. — Posso dizer o mesmo com relação a Lisa. — Antes que comecemos outra discussão, que por sinal me deixa exausto, pois sempre resolvemos a questão na cama, vamos voltar ao assunto inicial. Onde pretende trabalhar? — Na minha casa. Posso me instalar na sala de estar até encontrar um escritório para alugar. Talvez seja difícil no início, mas acredito em mim e no meu talento. Também conto com as referências da sra. Graham. Ela diz que tem muitas amigas que estão invejando sua nova casa. — Começar um negócio no mesmo ano em que vai ter um bebê... Não vai ser fácil. — Taylor beijou-a na testa. — Mas acredito em você também, e pode contar com minha ajuda. — Obrigada. Sabia que me apoiaria. — Parece que já tem sua carreira profissional toda planejada. —Taylor deslizou a mão e acariciou as coxas de Natalie. — E quanto à outra idéia? — Que outra? — Sobre se mudar. — Os dedos alcançaram a intimidade sedosa. — Oh, isso... — Ela murmurou, tendo nos olhos uma expressão sonhadora. — Estou aqui, não estou? Fizeram amor novamente, mas para Natalie o sentimento era, ao mesmo tempo, doce e amargo. Havia amor apenas de sua parte. A criança que carregava no ventre era o único elo que a ligava a Taylor.

Capítulo VI

Natalie deixou o telefone tocar mais de dez vezes antes de se virar na cama para atender. — Ainda bem que a encontrei. Estava preocupado. O que está acontecendo? — Nada. — Você deixou o trabalho no meio do dia. — Como sabia que eu estava em casa? — Liguei para seu escritório e me disseram que tinha ido embora. O que há? — Não estava com vontade de trabalhar. — Por que, Natalie? Responda. Há algo errado com você e o bebê? 51


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Não, nada. — E Natalie desligou o telefone. Dez minutos mais tarde, escutou o carro de Taylor entrando na garagem. Ele entrou apressado no quarto, gritando seu nome. O cabelo estava despenteado, e não vestia o paletó. Talvez o tivesse tirado no caminho para casa ou, quem sabe, o deixara no escritório. Natalie não o via assim tão desalinhado desde a noite em que lhe dissera que precisava se casar com ela. — O que aconteceu? — Ele correu até a cama e sentou-se na beirada do colchão. — Provavelmente, nada. — Natalie tentou sorrir, mas não foi capaz. — Alguns minutos atrás não era nada. Agora é provavelmente nada. O que é? Sentiu-se mal no trabalho? Natalie sentiu que grossas lágrimas começavam a escorrer por suas faces. Não conseguiria lidar com o problema sozinha. — Estou tendo um pequeno sangramento. Taylor ficou imóvel. Natalie não conseguia nem mesmo escutar sua respiração. — Ligou para o médico? — A voz soou rouca. — Logo que percebi. Ele me disse para ir para a cama. E aqui estou eu. — Isso foi tudo o que ele disse? E remédios? — Taylor, não há remédio para isso. Pelo menos, nenhum que tenha sido eficaz até agora. — Droga! Deve haver alguma coisa que o médico possa fazer. — Nada além de esperar. Taylor se levantou, parecendo desnorteado. Natalie permaneceu deitada com os olhos fechados, temendo que qualquer movimento pudesse alterar algo dentro dela e a fizesse perder o bebê. Taylor andava de um lado para outro, e a olhava com preocupação. — Não sei muito sobre o assunto — ele afirmou, meio sem jeito. — Mas o que essa perda de sangue pode significar? — Muitas coisas. O rompimento de um vaso sangüíneo devido à pressão alta. — Natalie respirou fundo. — Pode indicar sangramento do útero, ou ainda que a placenta esteja se desprendendo. Taylor engoliu em seco. — No momento, a única precaução a tomar é ficar na cama? — Sim, até que o sangramento pare. Ele tornou a se sentar perto dela e acariciou-lhe o rosto com as costas da mão. Os lábios de Natalie começaram a tremer, e as lágrimas voltaram a descer por suas faces. — Taylor, estou assustada. — Deus! Eu também. Eu também... — sussurrou, encostando a face na dela. — Mas tenho certeza de que tudo ficará bem, minha querida. Acontece com freqüência entre as gestantes, não é? Agora, pensando melhor, parece que minha madrasta teve algum problema parecido quando estava esperando o primeiro filho, e ele agora é um garoto robusto e saudável. Aliás, o pirralho os deixa malucos — comentou, forçando uma risada. — O médico me garantiu que é comum acontecer — comentou Natalie. — Não há razão para alarme, a não ser que o sangramento piore. — Está vendo? — Enxugou as lágrimas com delicadeza. — O bebê só está querendo roubar um pouco de atenção de sua linda mãe. Natalie tentou sorrir para que ele se sentisse melhor, embora soubesse que nenhum dos dois sossegaria enquanto ela e a criança não estivessem completamente fora de perigo. — Posso lhe trazer alguma coisa? Você almoçou? Natalie meneou a cabeça. — Não, mas não quero comer nada. — Deixe-me ajudá-la a trocar de roupa. O tailleur estava todo amassado, mas só naquele momento Natalie se dera conta. 52


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Nem mesmo perdi tempo em me trocar. O médico disse para ir para a cama logo, e foi o que fiz. Taylor ajudou-a a se despir. Quando se viu apenas com as roupas de baixo, Natalie pediu licença e foi até o banheiro. Ao voltar, vestia um robe de algodão, e se achava pálida e trêmula. Os olhos verdes haviam perdido o brilho e se mostravam frios e sem expressão. O nariz estava vermelho e inchado pelo choro. — Ainda sangrando? — ele perguntou ansioso. — Ou está melhor? — Pelo menos não está pior. — Então, venha. Deite-se logo. — Taylor ajeitou o travesseiro para acomodá-la. Ao se deitar, o cabelo preto se destacou pelo contraste com a brancura da fronha. Natalie fechou os olhos. A pintura estava borrada, e seus lábios, inchados. Não havia cor em suas faces, mas para Taylor ela nunca parecera tão linda. — Está doendo? Natalie abriu os olhos. — Na verdade não é uma dor. E como se fossem cólicas. Ele assentiu com ar solene. Ela sorriu e deu-lhe um soco de leve no braço. — Está concordando com o quê, seu tolo? Nunca teve cólicas na sua vida. — Ainda bem. Acha que uma aspirina ajudaria? — É melhor não tomar nada sem consultar o médico — Natalie respondeu. — Pode voltar ao escritório. Ligarei se precisar. Taylor franziu a testa. — Não me deixe zangado. — Mas, Taylor, não há nada... — Vou ficar. Natalie ficou quieta, satisfeita em saber que o marido planejava ficar com ela. Não desejava enfrentar aquela agonia sozinha.

**** — Taylor? — Hum? Ele estava sentado na beirada da cama, olhando ao longe pela vidraça. O sol começava a desaparecer no horizonte. — Em que está pensando? — Esta foi a tarde mais longa que já vivi — ele respondeu. — Sei que está sendo muito mais longa para você. Natalie lhe solicitara dezenas de pequenos itens. Em um dado momento, se deram conta de que essas tarefas inúteis eram apenas para mantê-los distraídos e ocupados. Ao final, concordaram em parar com aquela bobagem. Houvera momentos de silêncio, mas a comunicação entre os dois não necessitava de palavras. — Sempre que conversamos sobre o bebê — Natalie começou a falar devagar —, foi sempre sobre uma criança saudável. — O que está tentando dizer? — Como se sentiria se nosso filho não fosse saudável? Se... se não nascesse perfeito? Taylor não respondeu, mas olhou-a como se não a estivesse vendo. Natalie continuou, demonstrando o quanto estava angustiada: — Trata-se de uma reação natural do organismo tentar eliminar o que não é perfeito. Muitas vezes um aborto espontâneo é considerado uma grande bênção. 53


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown Taylor esperou muito tempo para falar, e, quando o fez, parecia furioso: — Como pode me fazer tal pergunta? Acha que sou assim medíocre? Não nos conhecíamos bem quando nos casamos, mas achei que agora já me conheceria melhor, depois desse tempo de convívio. Lágrimas de remorso encheram os olhos de Natalie. — Desculpe... Você está certo. Pelo que já conheço de você, não deveria ter feito tal pergunta. As lágrimas de Natalie amenizaram a raiva de Taylor. Com delicadeza, ele afagou a barriga da esposa, como se quisesse proteger o bebê com suas mãos grandes e fortes. — Eu amo essa criança e a quero de qualquer jeito.

****

— Acho que é melhor me levar para o hospital. — De pé, na porta do banheiro, Natalie parecia prestes a desmaiar. Seu corpo estremecia. Taylor não perdeu tempo com perguntas desnecessárias. Já esvaziara a cesta de papéis do banheiro mais de duas vezes, e podia avaliar a gravidade da situação. Não havia mais segredos entre eles. Ligou para o médico e comunicou que estava levando Natalie para o hospital. Em seguida, ergueu-a nos braços e carregou-a até a saída da casa. — Sente alguma dor? — Não é muito forte. Mas a dor era forte, sim. Seus lábios estavam brancos. Taylor colocou-a no banco do passageiro e ajudou-a com o cinto de segurança. Ao dirigir, excedeu todos os limites de velocidade existentes no trajeto. No pronto-socorro, as enfermeiras providenciaram uma cadeira de rodas e, ao ajudar Natalie a sentar-se, ele encostou o rosto no dela. — Sinto tanto! — Natalie sussurrou, entre lágrimas. A enfermeira empurrou a cadeira, apressada, em direção á porta de vidro automática, não dando tempo a Taylor para responder. Ele se sentou na poltrona na sala de espera. Pegou um copo de café da máquina. Andou de um lado para o outro. Praguejou. Rezou. Depois do que pareceu uma eternidade, o médico apareceu, e trocaram um aperto de mão. — Olá, sr. MacKensie. Eu o reconheci pelas fotos nos jornais. — Como está minha esposa, doutor? — Receio que tenha perdido o bebê. Taylor se encostou na parede atrás dele. Imaginara que estivesse preparado para ouvir tal notícia, mas logo percebeu que não. A sensação de perda era terrível. Inclinou a cabeça para trás até sentir o frio do azulejo sob o cabelo. — Por quê? — perguntou, como se estivesse falando com uma força superior. Mas foi o médico que lhe deu a resposta: — Não foi nada que a sra. MacKensie tenha ou não tenha feito. Apenas um desses acidentes da natureza. — Uma bênção — Taylor murmurou com amargura. — Sei que é difícil olhar por esse prisma — o médico comentou. 54


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Sem dúvida, doutor. Sem dúvida. — Respirou fundo e soltou o ar com violência. — Como está ela? O médico balançou a cabeça, parecendo pessimista. — Muito abatida, como era de se esperar. Será levada para o centro cirúrgico. — Centro cirúrgico? — Sim. Em geral, o organismo feminino se encarrega de expelir a placenta, mas neste caso não aconteceu. Assim, vou fazer uma curetagem. — E passou a explicar o procedimento com mais detalhes. — A sra. MacKensie poderá ir para casa amanhã de manhã, mas se sentirá bastante desconfortável por um dia ou dois. Deverá repousar e não fazer nenhum tipo de esforço. É claro que nossa maior preocupação é com seu bemestar emocional. Esses traumas levam mais tempo para se curar do que os problemas físicos. O senhor tem uma grande responsabilidade agora, sr. MacKensie. Várias horas se passaram até que Natalie fosse levada a um quarto particular, e só então Taylor teve permissão para vê-la. Nesse meio tempo, ele ligou para a casa de sua secretária e deu-lhe ordens para cancelar seus compromissos para o dia seguinte, sextafeira. Não voltaria ao escritório antes de segunda. Em seguida, ligou para Délia Starr. — Natalie sofreu um aborto espontâneo esta noite — ele informou, logo depois de se identificar. Depois de um breve silêncio, a repórter respondeu: — Sinto muito. — Deixe de lado qualquer referência ao bebê na sua reportagem de domingo. — E tarde demais, sr. Taylor. Já entreguei o texto para a redação. — Então, peça de volta. Não permitirei que Natalie abra o jornal e leia sobre a criança que ela não mais terá. Não quero saber o que é necessário para mudar a reportagem. Simplesmente faça. — Farei o que estiver ao meu alcance. Conhecendo o prestígio que Delia Starr tinha no jornal, Taylor podia confiar que qualquer menção ao nascimento do bebê seria cortada da matéria. Também conseguiu a promessa do diretor do hospital de que nenhuma informação a respeito do aborto vazaria para a imprensa, era uma das únicas vezes em que o prefeito eleito não gostaria de ler qualquer notícia a seu respeito nas páginas frontais dos jornais. O quarto de hospital para onde Natalie fora levada estava quase escuro. Havia apenas uma lâmpada fraca, acesa ao lado da mesa-de-cabeceira. Taylor pensou que ela estivesse dormindo, mas ao se aproximar da cama notou seus olhos abertos. Imóvel, Natalie fitava o teto, o olhar vazio. Sua mão direita, fina e branca, se apoiava sobre o corpo, que parecia estranhamente magro. Ela virou a cabeça em sua direção, mas não disse nada. Taylor não conseguia encontrar palavras que não soassem banais. Será que as tragédias transformavam as pessoas em robôs programados para dizer apenas determinadas frases? — Como se sente? — Vazia. O tom frio da voz deixou-o apreensivo. Ergueu a mão dela e entrelaçou-a em seus dedos, mas Natalie não pareceu perceber. — Costumava fazer exercícios na academia durante horas, para ficar sem barriga. — Ela riu com tristeza. Taylor viu as lágrimas rolarem até o travesseiro, e desaparecerem entre os cabelos negros. — Minha mãe sempre me dizia: "Tenha cuidado com o que está lutando para ter". — Sente dor? — Não. O médico prescreveu um remédio para me ajudar a dormir. E por isso que estou meio sonolenta. — Não se preocupe. O doutor disse que você precisa de muito descanso. 55


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Ele também falou que não há razão para que eu não tenha outro... outro... — Os soluços a impediram de terminar de falar. Taylor se inclinou sobre Natalie, apoiando o braço na cabeceira. — Não, minha querida. Não chore mais. Tente dormir. — Não consigo parar de pensar no bebê. — Sua voz estava trêmula pela emoção. — Ele não está mais dentro de mim. Não existe mais. — Shhh...—Taylor beijou suas pálpebras fechadas. Puxou uma cadeira para perto do leito e não saiu de seu lado até que o sedativo tivesse surtido efeito. De fato, quando a deixou, o sol já estava nascendo. Passou pela enfermaria e deu ordens explícitas para que nada faltasse a sua esposa. Então foi para casa, tomou uma chuveirada, fez a barba e preparou ovos mexidos e café. Só nesse momento se deu conta de como estava faminto. Comeu rápido e, pegando uma muda de roupa para Natalie, dirigiu-se novamente para o hospital. Na entrada, parou na loja de presentes para comprar algumas flores. Desejava adquirir rosas, mas só haviam vermelhas, e essas lhe lembraram sangue. Ao final, optou por um buquê de margaridas, que pareciam alegres, pelo menos. Uma vez no hospital, encontrou-se com o médico de Natalie, no corredor do lado de fora do quarto. — Acabei de examiná-la — ele disse a Taylor. — Fisicamente sua esposa está bem, mas muito deprimida. Quanto mais rápido retomar a vida normal, melhor. Disse-lhe para voltar para uma consulta dentro de seis semanas. Taylor desejava fazer muitas perguntas ao médico, mas sua vontade de ver Natalie era maior. Com a sacola em uma das mãos e flores na outra, entrou no quarto. Lentamente, ela remexia o mingau de aveia. — Posso fazer melhor do que isso — ele falou, fazendo um sinal com a cabeça em direção ao prato. Colocou o buquê ao lado da bandeja e a maleta no chão. — Ainda não comeu meu waffle belga gigante, já? Natalie sorriu, mas era um sorriso triste. — Obrigada pelas flores e por trazer minhas roupas. — Espero ter trazido tudo de que precisava. Empurrando a bandeja para o lado, Natalie colocou as pernas para o lado de fora da cama e ficou de pé. Taylor esboçou um movimento para ajudá-la. — Já tomei banho. Não demorarei mais de um minuto. Taylor entendeu o recado. Não era bem-vindo a ficar e ajudá-la a se vestir. — Cuidarei dos documentos para a alta. — Ele se dirigiu para a porta. — Já assinei os formulários. — Quero acertar a conta. — Está paga. Cuidei disso, também. Taylor não conseguiu esconder a irritação. — Esteve bastante ocupada esta manhã, pelo que vejo... — Com licença. Gostaria de me vestir e sair logo daqui. — Ela cortou suas palavras. Quando abriu a porta do quarto alguns minutos depois, o batom que usava parecia brilhante demais em contraste com sua face pálida. A cadeira de rodas poderia ter se desintegrado sob seu olhar furioso. — Posso sair caminhando, Taylor. — São regras do hospital — ele informou enquanto a ajudava a se sentar. O próprio Taylor empurrou a cadeira, deixando que a enfermeira apenas os acompanhasse. Sua paciência parecia estar chegando ao fim. Tão logo se acomodaram em seus assentos no carro e Taylor deu a partida, Natalie começou a falar: — Pode me deixar em minha casa. Mais tarde, voltarei à sua residência para apanhar minhas coisas. 56


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown Ignorando as palavras, Taylor passou direto pela saída da estrada que levaria à casa de Natalie. — Ouviu o que eu disse? — Ouvi, mas não prestei atenção. — Pensando bem, é melhor irmos à sua casa primeiro, pois tenho de pegar meu carro. Taylor aumentou o volume do rádio e começou a cantarolar com sua voz desafinada. Quando estacionou na garagem, tentou ser mais rápido do que ela, para ajudá-la a descer, mas Natalie parecia determinada a fazer tudo sozinha e rejeitar seu auxílio. Entrou na casa, indo direto ao armário do quarto. Tirou vários cabides do suporte e jogou-os na cama. Quando ia colocar o primeiro vestido dentro da mala, Taylor se aproximou dela, tirando a peça de suas mãos. — O que, afinal, está acontecendo com você? O que pensa que está fazendo? — Devolva o vestido. Estou fazendo as malas. — Por quê? — Voltarei para minha casa. — Nas últimas semanas, esta tem sido sua casa. — Havia uma razão. Só que essa razão agora está dentro de um saco plástico na lata de lixo nos fundos do hospital. — Mal acabou de falar, colocou a mão sobre a boca e ajoelhou-se na beirada do leito. — Oh, Deus! — Natalie gritou e cobriu o rosto com as mãos. Por vários minutos, ficou ali se balançando para a frente e para trás, chorando baixinho. Em seguida, descobriu o rosto e olhou para Taylor. — Sinto muito. Não devia ter dito isso. — Respirou fundo, enxugando as mãos na saia. — Taylor, você tem sido maravilhoso. Ontem. Esta manhã. Foi tão gentil de sua parte, trazer-me flores... — Indicou o buquê, jogado na cama e parcialmente destruído. — Quero lhe agradecer por mostrar tanta consideração e paciência, mas... mas o motivo que nos levou a casar não mais existe. — Cerrou as pálpebras, e as lágrimas escorreram por suas faces. — O médico me disse que eu deveria retomar minha rotina o mais breve possível. Assim sendo, acho que... Natalie ergueu os olhos e, surpresa, constatou que falava sozinha.

Taylor costumava, algumas vezes, tomar um drinque no almoço, para acompanhar um cliente, mas nunca bebia antes das dez horas da manhã. Então, quando o primeiro gole de uísque bateu em seu estômago, ele respirou fundo e sentiu que os olhos se enchiam de lágrimas. Apenas para provar que podia, bebeu todo o conteúdo do copo de um só trago, antes de sair para o jardim. Como em todo o resto da casa, podia-se ver o toque de Natalie, e ali também. Havia vasos de cerâmica pendurados em toda parte, e as flores tinham desabrochado, mostrando o cuidado especial que recebiam. Não que ela tivesse feito mudanças exageradas. Sempre pedia permissão a ele, até mesmo para mudar uma cadeira de lugar. Todas as modificações eram melhorias, e não imposições. Era difícil andar pela residência agora sem notar a sua presença. Deus! O que ia dizer era uma frase comum, mas Natalie havia transformado sua casa em um lar. Colocara ali o que nenhum decorador poderia dar — calor humano. Taylor tinha se acostumado a ver a camisola pendurada atrás da porta do banheiro. Por muitas vezes, pegara o tecido macio para aspirar o perfume. Não se importava de ver o depilador de Natalie junto de seu barbeador. Na realidade, achava graça. Cor-de-rosa, com desenhos de margaridas. 57


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Que inferno! — ele blasfemou, chutando um dos vasos de gerânios. Que adiantava pensar nisso agora? Mesmo assim, ainda se lembrou da penteadeira, repleta de pulverizadores de perfumes e de todos os tipos de potes e vidros. Certa vez, tinha passado mais de uma hora examinando os frascos, perguntando para o que eram, experimentando os cremes na mão e sentindo o perfume. Natalie era deliciosamente feminina. Sem dúvida, vou sentir sua ausência, Natalie. Taylor nunca sentira falta de companhia feminina antes, mas havia algo especial em voltar para a mesma mulher todas as noites. Era muito mais relaxante do que namorar. A conversa vinha com naturalidade e não precisava ser inventada a cada minuto. Quando compareciam a lugares públicos, nunca precisava se preocupar se sua acompanhante estaria vestida de forma adequada, pois Natalie sempre estava, e sabia o que dizer em qualquer situação. Deixando-se cair em uma espreguiçadeira, ele contemplou o horizonte. Como poderia convencê-la a ficar? Não pensava apenas em si mesmo. Natalie estava fraca e pálida, e, mais do que estressada fisicamente, mostrava-se muito deprimida. Era certo que deveria retomar sua rotina de vida, mas pelo que ele conhecia dela agora, sabia que Natalie iria mergulhar no trabalho de cabeça, até entrar em colapso pela exaustão. No fundo, ela se culpava pelo aborto. Devia estar pensando em alguma travessura que fizera quando criança e achava que estava sendo punida agora. — Quero ser um mico se não a impedir de partir — ele murmurou. Deixou o jardim e foi correndo para dentro de casa. Quando estava quase chegando ao quarto, se deu de conta de que seria a forma errada de lidar com o problema. Um homem inteligente não dava ultimatos a uma mulher como Natalie Lavender. Por outro lado, se lhe dissesse que desejava cuidar dela até que se recuperasse, ela rejeitaria sua piedade. O que deveria fazer, então? Deveria ser firme, mas compreensivo. Sim, talvez fosse esse o caminho. Parou na entrada do quarto. Natalie já estava arrumando a segunda mala. Taylor sentiu o uísque queimando em seu estômago. Ao ouvir seus passos, ela se virou, e interpretou o brilho nos olhos de Taylor como se fosse raiva. Na verdade, não podia culpá-lo. Não depois das coisas horríveis que dissera. — Só preciso de mais um minuto ou dois. Falta embalar os cosméticos que estão no banheiro. Logo estarei pronta. — Não acho que deva partir. Jogando uma blusa de renda dentro da mala, ela se virou para ele. — O quê? — Você me ouviu. — Mas por que não? — O médico recomendou que você ficasse na cama pelo menos durante o fim de semana. — Tenho uma cama em casa. — Mas vai ficar nela? — Sim. Vou ficar. — Natalie, vivemos juntos durante várias semanas. Sei como você é. Se houver um copo sujo sobre a pia, não descansará enquanto não estiver lavado e guardado. Natalie evitou olhar para ele. Em parte porque se sentia culpada e também porque olhá-lo era bom demais. A falta de sono na noite anterior havia deixado olheiras embaixo de seus olhos, evidenciando ainda mais as íris azuis.

58


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown Taylor vestia uma camisa esporte justa que deixava à mostra o torso forte. A calça jeans, justa e desbotada, proporcionava o contorno perfeito das pernas musculosas. O vazio dentro dela tornou-se maior ao pensar que não o teria mais em sua vida. Iria sentir falta do bom humor e da paixão que ele tinha de sobra. — Prometo que vou descansar — ela sussurrou. — Precisa comer bem, e não o fará se eu não estiver perto para forçá-la. — Como sabe? — Reparei na tigela de mingau esta manhã. — Tinha um gosto horrível. Você também não teria comido. — Eu não tinha necessidade de comer, mas você sim. — Posso cozinhar comida saudável para mim mesma. — Certo, mas não pode ficar de pé por muito tempo, e muito menos sair para fazer compras. — Não passarei fome, Taylor. Está me tratando como se eu fosse uma inválida. Vivi muito bem durante trinta anos sem você. — Natalie sabia que ele não iria devolver a provocação. Taylor decidiu ir por outro atalho: — O que vai dizer aos seus pais? O sorriso triunfante de Natalie desapareceu dos lábios. — Oh, havia me esquecido deles... — Então foi bom ter lhe lembrado. Estão vindo neste domingo para me conhecer, não é mesmo? — Ligarei dando uma desculpa qualquer para não virem. — Isso os fará pensar que algo de errado aconteceu e virão de qualquer jeito para conferir. E quando chegarem aqui... — Está certo. — Natalie sentou-se na cama, sem conseguir se manter ereta. Sentia-se exausta pelo esforço em fazer as malas. O médico estava certo. Não podia retomar sua vida assim rapidamente. Levaria algum tempo para recuperar as forças físicas e emocionais. — Acho que posso ficar até domingo à noite e partir depois que meus pais forem embora. Pensarei em algo para dizer a eles mais tarde. — Na verdade — Taylor começou, sentando-se na cama ao lado dela —, penso que deve ficar por... mais tempo. — Indefinido? — Sim. — Por quê? Ele deu de ombros. — Muitas razões. — Diga uma. — Você acabou de chegar — respondeu depressa. — E o que as pessoas dirão se eu me mudar agora? Não é nisso que está pensando? — Não, Natalie. — Já entendi. — Ela ficou de pé. — Toda essa conversa sobre comer bem, descansar, entreter meus pais é só para encobrir o verdadeiro motivo. Não deseja que seus eleitores saibam que sua nova esposa o deixou. — Sabe muito bem que não é por isso que desejo que fique. — E se descobrissem que perdi o bebê? Seria péssimo para sua imagem, não? Talvez pudesse até interferir na sua posse como prefeito. — O fato de ser prefeito não tem nada a ver com meu desejo de que você fique. — Então deve ser pelo sexo grátis. — O quê? — ele vociferou, perdendo o controle que tentava manter. 59


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Claro. Para quê gastar dinheiro em restaurantes com Lisa e seus amigos, quando tem uma mulher na sua cama todas as noites e de graça? — Nunca ouvi você dizer que estava com dor de cabeça quando a procurei — retrucou em tom sarcástico. — Até agora não. Mas fique sabendo que estarei fora de ação por seis semanas. Taylor começou a blasfemar de uma forma que a fez tremer. — O que pensa que sou? Um homem das cavernas? Acha que sexo é a razão de tudo? Ah! Não se iluda. Sempre tive o suficiente e de graça. Não foi a primeira vez que passei uma noite igual à da véspera de Natal e nem tampouco a melhor! As palavras de Taylor a atingiram mais do que uma bofetada, mas Natalie não iria deixar que notasse. — Nesse caso, por que quer continuar casado comigo? — Para salvar as aparências — ele afirmou com frieza. — Fique comigo até que eu seja oficialmente empossado como prefeito. Depois disso, se desejar partir, não a impedirei. Acho que você me deve esse favor. Natalie sentiu que as forças a abandonavam. Deixou-se cair no colchão. A mágoa que sentia era maior do que qualquer dor física. O casamento havia sido uma farsa. Ele não estava apaixonado por ela. Taylor fora bom, engraçado e tivera consideração por ela apenas por causa do bebê. Demonstrara afeição somente porque ela seria a mãe de seu filho. E haviam se entendido muito bem na cama. Taylor iria reconhecer e dar um nome ao seu filho. Seria desonesto deixá-lo agora. Sua carreira como político dependia muito de uma boa imagem. Mas como poderia continuar fingindo ser uma esposa amorosa, quando na verdade não era fingimento? Quanto mais teria que suportar até a cerimônia de posse? Várias semanas? Um mês? Concluiu que faria um esforço para passar mais esse tempo ao lado dele. Mas, na realidade, o que a fez tomar a decisão foi crer que era impossível viver longe de seu amor. — Está certo, Taylor. Ficarei.

Capítulo VII

— Mais café, Frida? — Taylor inclinou-se para servir a sogra. O café após o almoço estava sendo servido no jardim. A sra. Lavender dirigiu-lhe um sorriso franco. — Está tentando me agradar? — É claro — ele confessou, rindo. — Quero passar uma boa primeira impressão. Os pais de Natalie riram de sua sinceridade. A pedido de Robert Lavender, Taylor começou a descrever alguns dos programas de melhorias que desejava iniciar após ser empossado. Natalie, estirada em uma das espreguiçadeiras, apenas escutava a conversa. O dia transcorrera muito bem. Muito melhor do que havia esperado. Dias antes, sentira-se

60


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown preocupada em ter que representar o papel de feliz recém-casada para as duas pessoas que mais amava e respeitava. No momento em que abriu a porta da entrada para seus pais naquela manhã, teve ímpetos de se jogar nos braços deles e contar toda a verdade. Pelo menos, não dissera nada sobre o aborto. Uma das decisões mais acertadas fora não ter contado sobre sua gravidez. Ficariam aborrecidos ao saber que o casamento seria anulado e ainda mais se soubessem que haviam perdido um neto. Muito do sucesso do dia se deveu a Taylor. Não era à toa que ele se elegera prefeito. Era um político nato. Charmoso, tinha uma conversa maravilhosa e era também um bom ouvinte. Se estivesse fingindo, então poderia se dizer que era um excelente ator. Em alguns momentos, até Natalie se convenceu de que ele gostava de seus pais de verdade, e se esforçava para que eles gostassem dele também. Taylor, com certeza, ganharia o primeiro lugar em um concurso para a escolha do melhor genro! E era, sem dúvida, um bom marido. Não conseguia ver defeitos nesse seu papel. O que a deixava deprimida era o fato de saber que era apenas isso: a representação de um papel. A discussão que tiveram na tarde de sexta-feira havia drenado todas as suas forças. Depois de terem colocado suas roupas de volta nos armários, Taylor ordenou que se deitasse, e ela obedeceu sem discutir. Dormiu o restante do dia, e depois de comer o farto jantar que ele havia preparado, adormeceu novamente. Ao acordar na manhã de sábado, notou que Taylor não tinha dormido na cama com ela. Na ponta dos pés, dirigiu-se para a sala e encontrou-o esticado no sofá, com o corpo metade para fora. Sentiu-se culpada por tê-lo, de alguma forma, expulsado de sua própria cama, e para compensar resolveu preparar o desjejum. Alguns minutos depois, Taylor entrou cambaleando na cozinha. — O que está fazendo? — Com uma das mãos, segurava o lençol enrolado na cintura e com a outra tentava ajeitar o cabelo. — Café. Pelo que vejo, acho que você precisa de um pouco. — Volte a se deitar. Levarei seu desjejum em um minuto. — Estou bem. — Volte para a cama, senão... — Estou... — Largarei o lençol e... sabe o que me acontece logo pela manhã — Taylor sussurrou. Natalie voltou para a cama. Em seguida, ele entrou no quarto com a bandeja, trazendo além do café, três fatias de bacon frito e o maior waffle que ela já vira. — Coma tudo. Mas Natalie apenas conseguiu comer metade do waffle. Assim o dia foi passando. Quando ela reclamou de que não suportava mais continuar no quarto, o marido a deixou se deitar em uma das espreguiçadeiras sob o sol, no jardim. Dali, Natalie o observou enquanto ele lavava e encerava os dois carros. Usando apenas short e com o peito respingado de espuma, era uma visão digna de ser apreciada. Natalie tentava se concentrar na leitura da revista, mas era uma tarefa quase impossível. — Estou indo ao supermercado. O que devemos servir para nossos hóspedes amanhã? — Taylor perguntou, aproximando-se com um bloco de notas na mão. Natalie reparou que ele havia trocado o short por jeans, o que a deixou um pouco mais aliviada. — Não pensei em nada, ainda. Que tal crepes de frango, uma enorme salada verde, cenouras e tortinhas de morango?

61


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Vejamos — ele disse, enquanto anotava. — Presunto fatiado e salada de batatas darotisserie, frutas frescas, queijo brie, pão francês e manteiga. Boa idéia, Natalie. E acho que sorvete será ótimo para a sobremesa. Que sabor, laranja ou limão? — Taylor! — Farei um churrasco aqui fora. Não é trabalho nenhum. — Ele colocou o dedo sobre os lábios de Natalie, impedindo-a de continuar protestando. — Se você se comportar bem hoje, e não ficar de pé nem por um minuto, deixarei que prepare aquela enorme salada verde que sugeriu. O beijo espontâneo que Taylor lhe deu surpreendeu a ambos. Olharam-se por um momento e logo depois ele se despediu e se foi. Na manhã seguinte, antes que os Lavender chegassem, leram juntos o artigo de Délia Starr sobre a vida dos MacKensie. — Não há nenhuma referência ao bebê — Natalie comentou, surpresa pela omissão do fato. — Tomei minhas providências para que não houvesse. — Quando? — ela perguntou, largando o jornal no colo. — Liguei para Délia do hospital. Sabia que você não ia querer dar explicações a respeito. — Obrigada, Taylor. — Natalie apoiou a mão no ombro do marido. E naquele momento, ela pensou, estavam representando o papel do casal feliz para seus pais, durante o dia inteiro. Natalie começava a se sentir irritada, porque às vezes se esquecia de que era apenas uma representação. Taylor estava atento, e toda vez que ela erguia algo mais pesado do que uma pluma, ele corria em sua direção para ajudá-la. Em dado momento, quando ela se abaixou para apanhar um guardanapo que caíra no chão, ele veio em sua direção com tanta rapidez que quase a derrubou. — Quer parar de exagerar? — ela resmungou por entre os dentes, depois de tê-lo chamado à cozinha com um pretexto qualquer. — Quer parar de fazer o que não deve? — Taylor sussurrou, também. — Eles não sabem sobre... o bebê. — Natalie ainda não conseguia pronunciar a palavra aborto. — Ficarão desconfiados se você não parar de agir como um bobo. — Seus pais acham que estou bobo de amor por você, e tenho olhos apenas para minha esposa. — De qualquer forma é melhor parar com isso. Está me deixando irritada. Taylor, porém, não parou. Ficou ao lado de Natalie todo o tempo, acariciando sua face, massageando seu pescoço e colocando o braço sobre seus ombros. Em outro momento, sem razão nenhuma, se inclinou e a beijou nos lábios. Natalie sentiu uma estranha sensação percorrer-lhe o corpo, mas logo se lembrou de que as demonstrações de afeto eram calculadas e faziam parte do show. — Natalie? Ouviu o que eu disse? Voltando à realidade, viu que todos a olhavam com curiosidade. — Sinto muito. O que disse? Taylor no mesmo momento aproximou-se dela. — Você está bem? — Sim. Apenas me distraí por um segundo. Repita o que disse, papai. — Acabei de dizer que estou contente que você não tenha se casado com aquele empombado Guy Não Sei de Quê. — Somos dois, sr. Robert — Taylor comentou, colocando a mão na nuca de Natalie. — Acho que podemos lhe falar agora, Natalie. Mas seu pai e eu jamais gostamos muito de Guy. Seu marido combina muito mais com você, querida — Frida Lavender comentou, olhando-os com ternura. — Achei tão romântico o fato de terem se conhecido na véspera de Natal! — Sim, foi bastante romântico — ela confirmou. 62


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Agora, acredito que foi o destino que nos levou a fazer aquela viagem para Londres naquela época — o sr. Lavender acrescentou. Taylor colocou a mão aberta sobre o peito. — Então, devo ser eternamente grato ao destino. Todos riram, mas Frida mostrouse contrariada. — Teríamos adorado ter vindo ao casamento. Foi tão rápido! Para mim, um casamento não parece oficial sem igreja, órgão e flores. — Mamãe, eu... — Inteiramente por minha culpa — Taylor interrompeu-a. — Natalie e eu falamos de casamento desde a primeira noite em que nos conhecemos — continuou, olhando para Natalie com olhar malicioso. — Foi no final da noite, quando eu a convenci a se casar comigo. Sugeri que o fizéssemos logo e de forma bem discreta. Desculpem-nos, mas não queria que meus opositores pensassem que eu estava dando esse passo apenas por causa da eleição. Como sabem, o fato de ser solteiro foi um dos pontos polêmicos na minha campanha. Além do quê — ele fez uma pausa, para enfatizar suas palavras —, a cerimônia tinha um significado tão especial para nós, que nos tornamos egoístas por não compartilhar com mais ninguém. — Natalie teve muita sorte de encontrar um homem com a sua sensibilidade, Taylor MacKensie. Robert segurou a mão da esposa e levantou-se. — Hora de irmos. Se Frida começar a chorar, não haverá como fazê-la parar. Além do mais, temos uma viagem de cinqüenta quilômetros pela frente. Abraçados, junto à porta de entrada, Taylor e Natalie fizeram promessas, que ela sabia, jamais cumpririam, para irem visitá-los em breve e comparecer a um jantar, quando seriam apresentados a todos os amigos da família. Assim que as luzes vermelhas do carro desapareceram na curva, Natalie deixou que sua raiva explodisse: — Não precisava exagerar, não é? — gritou. — Achei que me saí muito bem no papel de marido amoroso. — Sim, sem dúvida. Cada palavra que dizia era tão melada como aquele waffle que me obrigou a comer ontem pela manhã. — Então, do que está reclamando? Natalie colocou as mãos nos quadris. — Meus pais ficarão surpresos quando souberem que nos separamos. Vão me perguntar como pude ser tão idiota em deixar escapar tão perfeito cavalheiro. Se você não tivesse se mostrado tão perfeito, talvez eles até entendessem nossa súbita separação. — Bem, desculpe. Na próxima vez, tentarei fazer o papel do empombado sr, Guy Patterson. — Eles nem o conheciam bem para chamá-lo dessa forma. — Mas não gostavam do pouco que conheciam. Você, ao contrário, gostava muito, não é? — Sim. — Quanto tempo ficaram juntos? E o que havia de tão especial para gostar tanto dele? — Os olhos azuis de Taylor faiscavam. — Ou não deveria perguntar? Natalie ergueu a cabeça, jogando o cabelo para trás. — Acertou. Não é da sua conta. Blasfemando, Taylor dirigiu-se para a garagem. — Vou dar uma corrida. Tão logo a porta se fechou atrás dele, Natalie deixou de lado sua postura altiva. Sentia-se cansada. O esforço em fingir estar saudável e feliz a pusera exausta. Era muito difícil aceitar o fato de que a afeição que mostravam um pelo outro não tinha significado algum.

63


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown Se o odiasse, se ele tivesse lhe dado motivos para odiá-lo, fingir que o amava teria sido um jogo interessante. Quando Taylor voltou, Natalie já havia ido para a cama. Fingiu estar dormindo quando ele passou para ir ao banheiro. Minutos depois, escutou a água do chuveiro caindo. Oh, Deus, que confusão fizera! Ao perceber que Taylor saía do banheiro, esforçou-se para reprimir os soluços, mas algo fez com que ele se aproximasse da cama. — Está chorando, Natalie? O que aconteceu? Ela tentou negar, balançando a cabeça, mas Taylor não se convenceu. — Está sangrando demais ou sente alguma dor? — Não, não é isso — ela murmurou, enxugando as lágrimas, que brilhavam sob a luz da lua. — Você está chorando, sim. — Como venho fazendo há três dias. Não tinha o hábito de chorar antes, mas agora é só o que sei fazer... — Tem todos os motivos. O médico me preveniu de que você ficaria bastante deprimida por uma semana ou duas. Taylor usava apenas a toalha em volta da cintura. O cabelo, ainda molhado, estava despenteado. Natalie desejava beijá-lo na boca, pescoço, os mamilos endurecidos pelo frio do quarto. Desejava secar aquele corpo forte e molhado com sua língua, mas como não podia fazer nada disso começou a chorar novamente. — O que está havendo? — Ele se mostrava confuso, e deitou-se ao lado dela, segurando-a nos braços. — Escute, desculpe por ter gritado com você. Foi um dia difícil para mim também. — Não deveria tê-lo obrigado a passar por tudo isso. — Nada do que fiz foi contra minha vontade. E também não tive intenção de falar de Guy daquela forma. Bem, na verdade, não gosto dele, mas não desejava aborrecê-la. De repente, Natalie percebeu como a situação era absurda e começou a chorar e rir ao mesmo tempo. — Armei a maior confusão — ela comentou, entre soluços. — Em quê, por exemplo? — Na sua vida. — Como assim? — Taylor, já lhe ocorreu que se eu tivesse esperado mais algumas semanas para lhe falar da gravidez você não estaria envolvido no meu problema? — Ela enxugou as lágrimas mais uma vez. — Teria perdido o bebê e você jamais desconfiaria que havia gerado um filho. Sorrindo, ele apertou a cabeça de Natalie em seu peito nu. — Não percebeu que me sinto responsável por ter complicado sua vida também? Eu engravidei você. — A responsabilidade é de ambos. — Eu deveria ter usado um preservativo ou evitado de alguma outra forma. Tudo aconteceu tão depressa, na primeira vez... — Perdemos a cabeça. — Mas e na segunda vez? E na terceira... — Taylor enfiou os dedos nos cabelos de Natalie. — Tivemos muito tempo para pensar com responsabilidade, e não o fizemos. Sim, as duas últimas vezes haviam sido mais demoradas e lânguidas. Houve tempo para se olharem e apreciar as sensações que experimentavam juntos. Natalie apressou-se em mudar de assunto, de propósito: — E tarde demais para lamentar os erros cometidos na véspera de Natal. 64


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Mas não na nossa lua-de-mel. — Lua-de-mel? —Estas últimas três semanas. Natalie, houve alguma noite em que não fizemos amor? — Não. — Sem falar nas manhãs e tardes... — Taylor comentou, ajeitando-lhe o cabelo. — Talvez seja por essa razão que você perdeu o bebê. — Oh, não diga isso! — ela exclamou, segurando o rosto de Taylor entre as mãos. — O médico disse que nada poderia ter evitado um aborto desse tipo porque as causas são desconhecidas. — Nem mesmo uma maratona de sexo? — Não. Especialmente sexo com você — ela acrescentou. — Nunca se excedeu. — Alguma vez a machuquei? — Claro que não. — Natalie encostou a cabeça em seu peito, novamente. Taylor suspirou aliviado. — Jamais tive a intenção, mas depois que você perdeu o bebê receei tê-la machucado sem saber. — Não. Não.— Natalie balançou a cabeça de um lado para o outro, não tanto para negar, mas para sentir os pêlos do tórax de Taylor roçando-lhe o rosto e os lábios. — Fiquei muito preocupado. — Está vendo? Não gosto que tenha esse tipo de preocupação. Quisera nunca tê-lo envolvido nesse problema. A eleição e a posse são um marco em sua vida e na sua carreira. — Nosso casamento não afetou tanto minha carreira como afetou a sua, Natalie. — Já lhe disse que fazia muito tempo que desejava abrir minha própria firma. — E eu lhe disse que nosso casamento seria algo positivo para minha imagem. — Mas por minha causa não foi possível você apreciar o sucesso. Interferi demais em sua vida. Se o tivesse deixado em paz, seu relacionamento com Lisa ainda estaria de pé. — E seu relacionamento com Guy? — Quer a verdade? — Sim. — Nosso relacionamento não teria ido muito longe. Natalie gostaria que Taylor falasse o mesmo de sua relação com Lisa, mas não o fez. Queria ter a coragem para recusar seu apoio. Ficar ali abraçada a ele era um luxo que merecia, depois do sofrimento dos últimos dias. Um conforto que pretendia prolongar ao máximo. — Taylor, o que fez com todos os livros? — Os livros sobre bebês? — Sim... — Guardei no meu armário, pois achei que você poderia se entristecer se os visse. — Sem dúvida, iria sentir tristeza. Obrigada. Encostando-se na cabeceira da cama, ele continuou acariciando os cabelos negros de Natalie. — Seus pais são ótimos. — Acha mesmo? — Sim. Você se parece com sua mãe. — Sou adotada, lembra? Qualquer semelhança é pura coincidência, como se diz por aí. — Não estou me referindo à aparência física. Falo de maneiras, jeito de falar. E gostei muito de seu pai. — Que bom. E ele se parece um pouco com o seu?

65


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Na verdade, não. Talvez tenham a mesma idade. Distraída, Natalie puxou os pêlos do peito dele. — Taylor, sente ciúme de sua irmã e de seu irmão? — Não, são apenas garotos. Bons garotos. Natalie ergueu os olhos para encará-lo. — Teria todo o direito, porque se não fosse por eles você receberia mais atenção de seu pai — Natalie comentou, acariciando-lhe os lábios com o indicador. — Sei que ele amava minha mãe e sei que ele me ama. Acontece que sua nova família precisa mais dele do que eu. Ao se dar conta de que ainda o acariciava, Natalie retirou a mão. O olhar de Taylor pousou em sua boca, e uma familiar sensação de calor a envolveu. Prova de que ainda estava viva. Percebendo a reação, Taylor afastou-se dela e levantou-se da cama. — Acho melhor deixá-la dormir. Boa noite, Natalie. — Taylor — ela chamou, segurando-o pelo braço. — Não consigo dormir sabendo que você está tão desconfortável no sofá. — Baixou o olhar, não desejando que Taylor percebesse que estava quase implorando. — O que quero dizer é que, se quiser dormir aqui, não há problema algum para mim. — Aqui? Na mesma cama? — Sim. Nada vai acontecer, não é mesmo? — Claro que não. O que ambos estavam pensando, mas não tinham coragem de dizer, era que dormir juntos poderia se tomar ainda mais desconfortável. Mas, afinal, Taylor não queria abrir mão da agradável proximidade de que desfrutariam. — Bem, se tem certeza... — Tenho — ela confirmou. Natalie deitou-se e puxou o lençol e o cobertor até os ombros. Fechou os olhos e, prendendo a respiração, ouviu o som da toalha molhada caindo suavemente sobre o carpete. Ao perceber o corpo nu de Taylor a seu lado, seu coração começou a bater mais forte. Manteve o corpo tenso, com medo de tocá-lo com o pé. Quando ele falou seu nome no escuro, ela praticamente deu um pulo: — Natalie? — O quê? — Lamento muito sobre o bebê. Ela sentiu que o marido procurava sua mão sob as cobertas e deixou que a segurasse. — Eu também, Taylor. Sinto muito. — Ainda pensa nele? — Bastante. Depois de alguns segundos de silêncio, Taylor sussurrou: — Com certeza você terá um outro bebê, algum dia. — Sim, talvez. E você também. — Pode ser. Nenhum dos dois parecia muito entusiasmado com a idéia. Mas perceberam que teriam mais chances de superar suas dores se estivessem juntos. Assim, suas mãos permaneceram entrelaçadas sob os lençóis. **** — Natalie? — Hum...

66


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown Sonolenta, ela se virou para o marido, que a puxou para junto dele. Taylor a beijou no rosto e depois na boca. Natalie adorava esse beijos matinais, quando a barba de Taylor arranhava sua pele de leve. Passou um dos braços pela cintura dele e colocou um joelho sobre o quadril. No mesmo instante, sentiu a ereção do marido. — Por que está usando camisola? Taylor conseguiu soltar os botões, e logo os seios de Natalie estavam em suas mãos. — Taylor... — Hum? — Nada. Estava apenas sussurrando seu nome porque soa muito bem. — Quero você, garota. Enquanto se beijavam, Natalie colou o corpo ao dele, movimentando-se lentamente. Suas bocas se uniram num beijo apaixonado. Rolando por cima dela, Taylor começou a beijar-lhe o pescoço, descendo até os seios. Beijou-os sobre o lençol, e depois puxou o tecido até encontrar a pele nua. Entontecido, beijou-lhe os mamilos. Uma sensação de êxtase passou pelo corpo de Natalie. Quando os lábios de Taylor se abriram para sugar seus mamilos, ela estremeceu de prazer. Lentamente, Natalie começou a abrir os olhos. Passou os dedos por entre o cabelo de Taylor. Separou as pernas, e ele encaixou-se entre elas. De repente, ela disse: — Taylor! — Agora? Oh, sim, querida, sim. Segurando-lhe o rosto entre as mãos, beijou-a com paixão. Seu corpo balançava-se contra o dela. — Taylor. Estamos fazendo amor. — Sim, eu sei. Natalie agarrou-o pelo cabelo e o forçou a encará-la. Taylor piscou e despertou. Ao se dar conta do que estava acontecendo, rolou para o lado do colchão e a encarou, sem acreditar. Olhando para seu membro ereto, murmurou algo nada agradável e levantou-se da cama, indo direto ao banheiro.

— Nada aconteceu. Você ainda estava adormecido. Sei que não teve a intenção — Natalie disse, entregando a Taylor uma xícara de café, meia hora mais tarde. — Não quero falar sobre isso. — Ele queimou a língua com o líquido quente e soltou uma imprecação. — Só quero que saiba... — Não fiz de propósito. — E o que acabei de dizer. — Então, por que está gritando? — Taylor perguntou, erguendo a voz. — Só estou gritando porque você está gritando. — Olhe — ele começou a gesticular —, um sujeito acorda na sua própria cama e encontra uma garota nua ao seu lado... — Não estava nua. — Ok. Uma garota quase nua. — E também não sou uma garota. Sou sua mulher. — Nesse caso, não pode me recriminar por tratá-la como minha mulher, pode? — Não o estou recriminando. 67


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Não dá para conversar com você, Natalie. Quer sempre ter a última palavra. Vou chegar atrasado. — Ele apanhou o paletó da cadeira e a pasta, saindo às pressas da cozinha e batendo a porta. Segundos depois, tornou a abri-la e colocou a cabeça para dentro. — Não faça nenhuma bobagem, como escalar uma montanha, por exemplo. Cuidese. Os pratos estremeceram quando ele tornou a bater a porta. O aviso de Taylor para que não fizesse nada pareceu supérfluo. Fisicamente, Natalie se sentia quase normal, mas preocupava-se com seu suposto casamento. Se tivessem outras discussões como aquela, acabariam se agredindo mutuamente, ou pelo menos desejando fazê-lo. Com certeza, a partir desse dia, Taylor concordaria com a idéia de que seria melhor para ambos se ela se mudasse e conseguissem uma anulação discreta. Os jornais estavam repletos de histórias sobre o novo prefeito e de como sua liderança e energia trariam grandes benefícios à cidade. O rompimento teria efeitos mais negativos sobre ela mesma. Natalie havia se apaixonado pelo marido. Morar sob o mesmo teto, sabendo que o casamento tinha os dias contados, era algo quase impossível de suportar. Um capítulo de sua vida que deveria ser encerrado antes que fosse tarde. Se ficasse, iria amá-lo cada vez mais ou, talvez, odiá-lo por não ter seu amor correspondido. Após ter percebido que o bem-estar emocional, e até mesmo o humor de cada um deles, estava diretamente ligado à libido de ambos, Natalie decidiu abordar o assunto em um momento em que estivessem com a cabeça fria. Providenciou até uma cerveja gelada para quando o marido chegasse, à noite. —Taylor — começou a falar, tão logo ele, depois de se sentar à mesa da cozinha, tomou o primeiro gole. — Decidi ir. — Para onde? — Para minha casa. Antes de falar, ele tomou mais um gole da cerveja. — Por quê? — Mais dia, menos dia terei que ir. Não posso continuar a viver dessa forma. Quero estar era casa, no meu ambiente, enquanto me recupero da perda do bebê. Como já instalei meu escritório lá, será mais fácil reunir moradia e trabalho sob o mesmo teto. Taylor respirou fundo. — Está partindo pelo que aconteceu esta manhã, não é? Natalie o encarou com firmeza. — Sim! Ele deu-lhe as costas e tomou a cerveja de um só gole. Começou a resmungar, deixando Natalie inquieta. Ao final, após algum tempo, ele se virou para ela, mais calmo. — Tem medo de mim, Natalie? Era um sentimento que jamais nutrira por ele, e Natalie precisou de alguns segundos para entender o real significado das palavras que acabara de ouvir. — Não, Taylor. — Nunca iria machucá-la. Sabe disso, não? — Sim. Esta manhã eu lhe disse que sabia que você estava meio adormecido e não se deu conta do que acontecia. — Você disse? — Sim, mas penso que não estava me escutando. Taylor riu, meio sem jeito. — Quando cheguei ao escritório não conseguia lembrar do que tinha dito, mas tive certeza de que fiz papel de perfeito idiota. — Isso não, mas estávamos bastante aborrecidos. — Não achou que estivesse me aproveitando de você na noite passada, não é? 68


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Claro que não. Pedi para que ficasse comigo. Natalie esfregou as mãos, mal dissimulando o nervosismo. — Mas parece que não conseguimos ser apenas amigos, Taylor. A atração que existe entre nós é forte demais. Se eu ficar, acabaremos discutindo novamente como fizemos esta manhã. Não quero que isso aconteça, e tenho certeza de que você também não. Será melhor se eu me mudar ainda esta noite. — Não vá. — A voz de Taylor e a súplica em seus olhos eram irresistíveis. Natalie sentiu que sua determinação fraquejava. — Preciso ir. — Não é porque perdeu o bebê que não me sinto mais responsável por você. Fiquei furioso quando pagou a conta do hospital. Desejava pagar. Era minha obrigação. Legalmente, sou seu marido, independente do que acontece na nossa cama. Desejo cuidar de seu bem-estar até que esteja física e emocionalmente curada. Natalie conteve um soluço e cobriu o rosto com as mãos. As palavras de Taylor eram lindas, mas a motivação por trás delas estava errada. Gostaria de ser mimada, não por um sentimento de responsabilidade, mas por amor. — Não sei o que fazer — confessou. — Se ficar, juro que não a tocarei. Nem mesmo num gesto de amizade. Natalie o olhou com desconfiança. — Está certo. Não consigo enganar ninguém, não é? — Taylor falou. Ela sentia-se dividida entre o que desejava e o que precisava fazer. Amava-o demais para ficar, e o amava muito para deixá-lo. Era impossível partir sob aquele olhar cheio de desejo. Ao mesmo tempo, não deveria se iludir e pensar que o marido a amava ou que se apaixonaria por ela. Durante as semanas em que haviam vivido juntos, houvera inúmeras chances para que ele confessasse que a amava. Nos momentos de paixão na cama. Nas horas calmas depois de terem feito amor. Nas ocasiões em que seus olhares se encontravam e a troca de um sorriso expressava mais do que qualquer palavra. Taylor lhe dissera, muitas vezes, que a admirava e a respeitava por estar carregando um filho seu. Mas jamais dissera que a amava. — O que sugere? — Natalie perguntou. — Que continuemos vivendo juntos, tendo relações sexuais até que seja conveniente para você que eu me mude? Ele ignorou o tom sarcástico da pergunta. — Não. Sugiro que façamos um acordo. Você fica, mas manteremos uma relação platônica. Não dormiremos juntos. Nem mesmo chegaremos próximos um do outro. — Já tentamos e não funcionou. — Faremos com que funcione, desta vez. Natalie não se sentia mais tão certa do que desejava fazer. — Um de nós terá que dormir no sofá. — Eu durmo. É a minha carreira que estamos tentando proteger. Sou eu quem está insistindo. — Se eu ficar, quero que nos revezemos no sofá — ela retrucou. — Escute — ele falou, irritado —, permita-me ser cavalheiro e oferecer o leito para a dama, ok? — Ah, está certo. Por quanto tempo valerá o acordo... até que seja empossado? — Isso. Meados de maio. — Seis semanas — os dois falaram ao mesmo tempo. Natalie foi a primeira a quebrar o silêncio que se seguiu: — E o que acontecerá se bem antes da posse o médico afirmar que estou recuperada? — Diga você o que acha que deveremos fazer — Taylor ordenou. Natalie ergueu o queixo e o encarou. 69


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Nada deverá mudar. As mesmas regras devem ser seguidas. — Tem minha palavra de honra. — Ele dirigiu-lhe um olhar malicioso. — Posso ter a sua? — Sim — disse, meio confusa. — Está certo, então. Podemos nos parabenizar por termos resolvido o problema como adultos civilizados. Assim que nossas obrigações mútuas terminarem, poderemos nos separar e cuidar de nossos próprios interesses. — Taylor estendeu a mão. — Combinado? Os termos do acordo eram duvidosos, mas Natalie apertou a mão estendida.

Capítulo VIII

— O que acha? — Natalie perguntou ao marido. — Você é um gênio. — Não consegue ser um pouco mais original? Já me disse isso na noite em que nos conhecemos. — Disse? — Algo parecido. Falou que eu era muito esperta, tinha muito senso de humor e possuía meu próprio casaco de peles. — E dentes bons, também. Sorrindo, ao ver que ambos se lembravam bem daquela noite, Natalie enrolou as folhas azuis do projeto em que estava trabalhando e guardou-as no armário. Alugara uma sala e ocupava o novo escritório havia apenas duas semanas, e até o momento conseguia manter cada coisa em seu lugar, embora seu desejo fosse ter muito serviço para que não tivesse tempo de se preocupar com arrumação. O projeto que mostrara a Taylor era o primeiro trabalho que executava na própria firma. O orçamento fora aceito, e o dinheiro iria ajudá-la a estabilizar sua conta bancária. Taylor se oferecera para ajudá-la nessa fase de transição, mas ela recusou qualquer ajuda financeira. Depois de apagar a luz e trancar o escritório, desceram as escadas e entraram no Corvette. — Está com fome? — ele perguntou. — Não, apenas cansada e pronta para uma cama. — Eu também. Entreolharam-se rapidamente. Um mês já havia passado desde o aborto. Um mês desde que concordaram em viver de forma platônica. Tanto um como outro haviam se tomado exemplares moradores. Compartilhavam a cozinha e a limpeza, idéias, piadas, o guia da tevê, a pasta de dente. Dividiam quase tudo, exceto o leito. — Teve um dia difícil? — Natalie indagou, tentando continuar um assunto que poderia se transformar em uma discussão sobre sexo ou sobre a falta dele. — Igual aos outros. Bleeker está criando um caso por eu não ter comparecido às reuniões do conselho em uma determinada semana. Só que ele se esqueceu de verificar que nessa época eu me encontrava em casa, afastado com gripe. — Que péssimo perdedor. 70


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown Taylor sorriu, mas não insistiu no tema. Agora, Natalie já reconhecia suas reações, e algo lhe dizia que ele estava preocupado com alguma outra questão. Ao chegarem a casa, ela pediu licença e foi até o banheiro para se trocar. Taylor passara a dormir na sala de televisão, no novo sofá-cama que haviam comprado. Todas as noites, Natalie se dirigia ao quarto, sozinha. Depois que saía do banheiro, ele entrava. Nessa noite, não houve mudança na rotina, exceto que, quando ele saiu do banheiro, não disse boa-noite e permaneceu no quarto. Vestindo apenas cueca, se aproximou da cama, meio hesitante. Natalie sentiu a boca secar. A luz indireta projetava sombras eróticas no corpo másculo e quase nu de seu marido. — Poderia me passar um pouco desta pomada? — Taylor lhe entregou um pequeno tubo. — Claro — ela respondeu, disfarçando a excitação que sentia. Taylor se virou de costas e se sentou na beirada da cama. — Onde? — Posso escolher? — ele perguntou, por sobre o ombro. — Sim — ela respondeu com malícia —, mas pense bem antes. Esta pomada é mentolada. Taylor estremeceu. — Nesse caso, comece pelo meu ombro direito. Rindo, Natalie colocou um pouco do creme na palma da mão e depois, ajoelhandose atrás dele, começou a massagear o local. — Aqui? — Um pouco mais para a direita... aí! Natalie sentiu as mãos tremerem quando apertou o tubo para pegar mais pomada. Para manter o equilíbrio, apoiou as pernas nas laterais das costas de Taylor, não podendo evitar que os bicos dos seios roçassem a pele firme e bronzeada. — Distendeu um músculo? A massagem que deveria ser relaxante estava surtindo o efeito contrário sobre ele. Sua respiração estava ofegante, e os músculos, tensos. — Acho que sim. Quando vou à academia, faço exercícios até me sentir exausto, para que não volte para casa desejando... Natalie retirou as mãos como se a pele dele a estivesse queimando e prendeu a respiração. Logo depois, voltou a massageá-lo. — Taylor? Ele tossiu, para limpar a garganta. — Hum? — Você poderia procurar outra pessoa. — O quê? — Ele virou a cabeça para trás. Natalie não imaginara como seria difícil dizer o que tinha em mente: — Não espero que seja fiel. — O que lhe dá certeza de que sou? A pergunta a deixou atordoada, como se tivesse recebido um golpe. — Eu... eu não sei. Você é? — E só olhar para mim e terá a resposta — ele retrucou. Natalie reprimiu a sensação de felicidade que se apoderou dela, e tentou analisar a situação sobre o ponto de vista masculino. — Vou entender se você procurar outra mulher. — E fizer sexo com ela? Natalie baixou os olhos e assentiu. — Não é tão fácil. — Mas costumava ser. 71


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Não estava casado. — E não está casado agora. Não nesse sentido. — Mas esse é um segredinho nosso, não é mesmo? — Estou certa de que deve haver muitas mulheres que não se importariam com o fato de você ser casado ou não. — Deve haver muitas, sem sombra de dúvida. Mas eu me importo. — Oh, é claro... Devido a sua posição na comunidade. Taylor se levantou do colchão e arrancou o tubo de pomada da mão de Natalie. — Obrigado — agradeceu e saiu do quarto sem olhar para trás. Cinco minutos depois, Natalie parou à entrada da sala de televisão. Encontrou Taylor deitado de costas no sofá-cama, em posição diagonal para acomodar toda sua estatura. Apoiava a cabeça em uma das mãos e a outra mantinha sobre o peito. Ao notar a presença de Natalie, um músculo de sua face se contraiu, mas ele não se moveu. — Posso entrar? — Para quê? — Para me desculpar. Ele deu de ombros, mostrando indiferença. Natalie precisou disfarçar o riso. Agia como um garoto contrariado. Descalça, ela atravessou o quarto e sentou-se na beirada do sofá. Era o melhor sofá-cama que o dinheiro podia comprar, mas mesmo assim não era grande coisa. — Não tive intenção de deixá-lo zangado. Como se aguardasse a primeira oportunidade, Taylor se pôs a falar: — Não posso sair por aí convidando a primeira garota que encontrar para ir para a cama comigo, Natalie. Não é assim tão simples. — Fatos passados mostravam exatamente o contrário, mas este não era o momento apropriado para lembrar. — É difícil sair procurando mulheres quando você está casado, foi eleito prefeito e é conhecido por todos na cidade. — Não disse para sair procurando. Pensei que talvez houvesse alguém que pudesse entender nosso acordo. — Natalie fez uma pausa antes de terminar; — Alguém como Lisa. Taylor soltou uma gargalhada sarcástica. — Ela ficou furiosa por eu ter me casado. Não fala mais comigo. Natalie engoliu em seco. — Vocês têm se visto? — Cruzamos um com o outro, de vez em quando. Por que não aprendera a lição de Pandora, e deixara a caixa fechada? Para sua surpresa, percebeu que Taylor já havia pensado em reatar com Lisa, mas era ela que não desejava fazê-lo. — Bem, de qualquer forma, sinto muito por ter tocado nesse assunto — ela disse por fim. — Não sabia que iria ficar aborrecido. Taylor a olhou com frieza. — Você vem tocando nesse assunto há mais de um mês e sempre tem me aborrecido. A razão pela qual não procurei ninguém é porque não desejo outra mulher. Natalie inclinou a cabeça e fechou os olhos, desejando ter forças para não se dobrar sobre ele e sentir o gosto de seus lábios. Taylor estava cumprindo o acordo, e ela não deveria vacilar. Quando ele percebeu que Natalie estava determinada a manter o combinado, disselhe boa-noite e, sem pedir licença, apagou a luz. — Não, Taylor. Espere. Algo o está preocupando hoje, não é? — Já que ele não podia ser seu amante, então seria seu confidente. — Quer falar sobre isso? — Bem, quisera não ter que mencioná-lo de forma alguma.

72


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Taylor olhou para o teto. — Nós, o casal, fomos convidados para uma inauguração oficial. Disseram-me que fomos escolhidos por unanimidade pela comissão, por sermos jovens e recém-casados. — Que tipo de inauguração? — A nova ala do Hospital Presbiteriano. Natalie sentiu-se gelar por dentro. — Oh... — Já sabe, então, para quê será usada a nova ala? — Obstetrícia. Bebês. — Sim, bebês. Berçários repletos. Novos pais agindo e sorrindo como tolos e avós tirando fotos pelo vidro. — Mães com leite em seus seios... — Natalie comentou com tristeza. Taylor estendeu o braço e enlaçou-a pelo pescoço. Sua mão deslizou pela camisola e cobriu o seio farto. — Sinto muito, Natalie. Não desejava lhe contar, mas tive medo de que descobrisse de alguma outra forma. — Vamos comparecer, não é? — Não. — O que disse a eles? — Que iria verificar sua agenda e daria uma resposta mais tarde. — Quando é a inauguração? — Depois de amanhã. A comissão organizadora não nos deu muito prazo para recusar com uma boa desculpa. Pior para eles. — Taylor, precisamos comparecer. Afinal, você é o prefeito eleito, e é importante que esteja lá para tornar a cerimônia oficial. Ele balançou a cabeça com teimosia. — Não gostaria de recusar o convite, mas não vou impor tamanho sofrimento a você. — Eles não sabem sobre a criança que perdemos. Não fiquei internada naquele hospital. Acharão estranho se recusar. — Problema deles. Sou um servidor público, e não um escravo. — Houve tanta publicidade em torno dessa obra... Estou certa de que a inauguração receberá boa cobertura da imprensa. É importante que esteja lá, e como sua esposa é minha obrigação estar ao seu lado. — Não, Natalie. — Será uma boa terapia para mim. Algo como voltar a montar o cavalo que me derrubou. Entende? Afinal, um dia terei que enfrentar o problema. Ficaram em silêncio por um bom tempo. Sabiam que logo se dariam conta de que ele ainda a acariciava no seio, mas pareciam contentes em adiar esse momento. Olharam-se, e naquele instante só existiam os dois no universo. Ao final, erguendo-se sobre o cotovelo, Taylor começou a beijar-lhe os seios com a paixão que reprimira durante as últimas semanas. Ao ouvir que Natalie sussurrava seu nome com voz excitada, ele se afastou. — É melhor ir para a cama agora. Boa noite, Natalie. — Boa noite, Taylor. Parecendo uma sonâmbula, ela saiu deixando-o sozinho na saleta. **** Era como se Natalie estivesse se vestindo para um funeral. Desejava parecer bem, mas não achava que isso fosse muito importante. O primeiro vestido que pensara em usar era preto, mas mudou de idéia e escolheu um outro na cor vermelha, e um chapéu preto para combinar. 73


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown Taylor olhou-a com admiração quando entrou na sala, onde ele a esperava, já pronto. — Você está linda. — Obrigada. Acha o chapéu exagerado? — Está ótimo. E sabe que adoro essas pérolas. O comentário saiu sem querer. Uma lembrança da noite do casamento, quando Natalie o esperou na cama usando apenas um sorriso convidativo e o colar de pérolas. Para disfarçar o constrangimento, ela virou-se para pegar a bolsa, e Taylor saiu em busca das chaves do carro. Depois de várias tentativas de manterem uma conversa durante o trajeto, perceberam que estavam muito ansiosos e desistiram de arriscar. Quando chegaram ao hospital, antes de estacionar o veículo, Taylor estendeu o braço e apertou a mão de Natalie. — Ainda é tempo de desistir. Podemos dizer que se sentiu mal e precisou voltar. — Não seja tolo. — Na verdade, sentia um certo enjôo no estômago, sim. — Posso ir sozinho. Natalie balançou a cabeça e dirigiu-lhe um sorriso confiante. — Faz parte dos meus deveres como esposa do prefeito eleito. Vamos. Passavam a imagem do casal perfeito, à medida que percorriam o corredor de piso de mármore que levava ao centro de obstetrícia. Natalie era uns quinze centímetros mais baixa do que o marido e combinavam bem fisicamente. Ambos tinham cabelos escuros. Um tinha olhos verdes, e o outro, azuis. Taylor usava um terno cinza-escuro de um tecido leve, apropriado para a estação. Natalie, com sua elegância, poderia figurar nas páginas da Vogue. Impressionaram a multidão que os aplaudia. Os fotógrafos estavam por toda parte, registrando a presença de executivos do hospital e de outros dignitários. Delia Starr se achava entre eles, e só ela sabia da agonia que devia ser para os MacKensie comparecer àquele evento. Quando os viu, fez-lhes um sinal de positivo. Taylor era a autoridade oficial, mas foi Natalie quem recebeu a tesoura dourada para cortar a fita azul e rosa. — Se nos derem a honra, gostaríamos de tirar uma foto de vocês com a primeira mulher a dar á luz nesta nova ala. Natalie e Taylor, gentilmente, concordaram. Atravessaram o grande hall, e ele segurou o cotovelo da esposa para lhe dar apoio. — Estou orgulhoso de você. Todos a adoram. É maravilhosa. — Taylor precisou se abaixar e se colocar sob a aba do chapéu para que ela ouvisse. — Sei que está sendo uma agonia. — Não quero chorar — ela falou —, mas todas essas coisas de bebê... — Compreendo, meu bem. Agüente mais um pouco. Só algumas fotos e depois vou tirá-la daqui. A mãe homenageada era uma mulher de cerca de vinte anos que dera à luz o primeiro filho no dia anterior. Ela se maquiara para as fotografias e pareceu intimidada com a aproximação do casal. Nem bem os fotógrafos terminaram, e a nova mamãe havia perdido a timidez. — Vocês têm filhos? — quis saber, dirigindo-se a Natalie. — Não — Natalie respondeu, procurando a mão de Taylor. — Estamos casados há apenas dois meses. Taylor apertou a mão de Natalie. — Planejamos ter. Em breve. — Aconselho que o façam logo — a jovem falou, trocando com o marido um sorriso cúmplice. — E fantástico. Já conheceram Jennifer? — Jennifer? — Natalie sussurrou. — É o nome que demos a nossa filha. 74


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Ah, não, nós... não vimos o berçário ainda. — Felizmente, Natalie pensou. Mas, nesse mesmo instante, um representante do hospital aproximou-se deles. — Será nossa próxima parada. Por favor, todos. Acompanhem-me. Vamos mostrar o berçário ao prefeito e sua esposa. Em matéria de tecnologia, é o que há de mais moderno. Quero que conheçam a ala dos prematuros, também. Taylor segurou o cotovelo de Natalie. — Com licença, por favor. — Taylor a puxou para o lado. — Vamos dar alguma desculpa e sair. — Não, não podemos. — Ela se apoiou no braço dele. — Estou bem. — Está muito pálida. — A luz fluorescente não favorece meu tom de pele. — Não brinque comigo, Natalie. Quero tirá-la daqui agora. — Não, por favor. — Algo errado? — o administrador do hospital perguntou, mantendo uma distância discreta do casal. — Não — Natalie sorriu, simpática. — Taylor estava pedindo para que eu o lembrasse de enviar um buquê de flores para a nova mamãe e para Jennifer. Os organizadores do evento se mostraram aliviados. — Muito gentil — um deles comentou. — Essa é uma das razões por que me casei com ele — Natalie acrescentou. Visitaram a instalação para prematuros, que ainda se encontrava vazia. Ao se deslocarem para o berçário, Taylor sentiu a mão de Natalie apertar seu braço com mais força. Tentou ouvir as palavras do gerente de relações públicas, mas estava tão preocupado com a esposa que não conseguia digerir as estatísticas que estavam sendo mostradas. Através da janela de vidro, observaram uma enfermeira erguer um embrulhinho de um dos berços. i — E Jennifer. Nosso primeiro bebê — alguém informou. — Posso segurá-la? O pedido de Natalie, feito em tom baixo, silenciou os presentes. Um dos fotógrafos gritou para os companheiros: — Ei, isso daria uma boa foto! Vários colegas concordaram. Depois que a equipe médica foi consultada, Natalie foi levada para o interior do berçário. Taylor sentiu-se como um visitante na prisão, separado de sua amada por uma parede de vidro. Ela preparara esta tortura para si mesma, como um tipo de terapia ou autoflagelação. Sentia-se impossibilitado de ajudá-la nesse momento. Natalie sorriu para a enfermeira, e depois esticou os braços para segurar a chorosa recém-nascida. Tomando extremo cuidado, sentou-se em uma cadeira próxima. Os flashes começaram a brilhar ao redor de Taylor, mas ele nem percebia. Sua atenção estava focada na esposa, cuja mão delicada, onde aparecia o anel de casamento que lhe dera, segurava a cabeça do bebê. — Sua esposa é corajosa, Taylor. Reconhecendo a voz de Delia Starr, ele assentiu. — Sem dúvida — comentou, orgulhoso. De repente, lembrou-se da aparência adorável de Natalie quando ela entrou em seu escritório para lhe comunicar que estava grávida. Natalie fitava o bebê e, pelo movimento de seus lábios, era possível ver que cantarolava para a criança. Em dado momento, o bebê parou de chorar, e Natalie sorriu de alegria. Fez várias perguntas para a enfermeira, mas não afastou o olhar da garotinha nem por um segundo. Acariciou de leve o rostinho rosado com a ponta dos dedos. Antes de entregar o bebê para a enfermeira, abriu uma das mãozinhas e depositou um beijo na pequena palma. 75


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown

Taylor foi direto para casa, embora não fosse nem meio-dia ainda. Natalie sorrira para as câmeras e elogiara a equipe do hospital pelas novas instalações. Dera a mão a todos os presentes antes de saírem. Mas, no caminho de volta, manteve-se ereta no banco dos passageiros e não emitiu uma única palavra. Entraram pela porta da frente. Natalie colocou a bolsa na mesinha do hall e Taylor jogou as chaves ao lado da bolsa. Ele a abraçou e Natalie não resistiu. — Abrace-me forte. — Não precisa pedir. Apenas nesse momento ela deixou que as lágrimas caíssem à vontade. O chapéu escorregou de sua cabeça, e Taylor, com os dedos por entre os cabelos dela, afagou-a com extremo carinho. Os soluços sacudiam seu corpo enquanto grossas lágrimas se depositavam na camisa do marido. Quando o choro diminuiu, ele a ergueu no colo e carregou-a para o quarto. Colocoua no chão, de pé, ao lado da cama e começou a abrir o zíper do vestido, que foi descendo e deixando à mostra a combinação de cetim, enfeitada de renda. Como se lidasse com uma criança, Taylor apoiou as mãos nos ombros de Natalie, forçando-a a sentar-se na beirada da cama. Ajoelhando-se, ele ajudou-a a tirar os sapatos de salto. Deixou-a ali, sentada, enquanto tirava o paletó, o colete e a camisa. Descalçou os sapatos e as meias. Então, vestindo apenas a calça, deitou-se na cama ao lado dela e a puxou para si. Natalie se deitou, apoiando o rosto sobre o peito largo, e o marido a envolveu em um abraço protetor. — Conte-me tudo. — Ela é linda — Natalie sussurrou. — Nenhum recém-nascido é bonito. Natalie não levou a sério o comentário, pois sabia que ele estava brincando. — Jennifer é. — Impressionante como é pequenina. — Muito pequena. Acho que, de onde estava, não podia ver os dedinhos do pé, mas eram minúsculos. E os da mãozinha, quase transparentes. Taylor levou a mão de Natalie até os lábios e beijou as costas de seus dedos. — O que sentiu ao tocá-la? — A pele era muito macia. — Natalie franziu as sobrancelhas. — Mas estavam secas e descascavam em alguns pontos. Perguntei à enfermeira o motivo, e ela me informou que era normal para um recém-nascido. Afinal, eles passam nove meses imersos em água, e por isso a pele fica bastante seca durante as primeiras semanas depois do nascimento. — Não sabia. O que mais? — As batidas do coraçãozinho eram rápidas, e o corpinho estava quente. Por essa razão, não se costuma envolvê-los com cobertores. O corpo dos bebês gera mais calor do que os nossos. Taylor tinha dúvidas quanto a isso. Não podia imaginar qualquer outro corpo humano produzindo mais calor do que o seu naquele momento. Suas intenções eram dignas, mas segurar Natalie daquela forma estava lhe provocando uma profunda e involuntária reação. A combinação de cetim moldava-se a todas as curvas do corpo perfeito, delineando seios, cintura e quadris. Os mamilos eram discos rosados que, em um momento, Taylor ansiava por admirar e, em outro, desejava ignorar.

76


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown Natalie percebeu que o marido estava muito excitado, e tentou se afastar, mas ele a segurou firme. — Preciso me trocar e ir trabalhar — ela falou. Se houvesse um mínimo de convicção nas palavras de Natalie, ele a teria deixado ir. Mas o protesto fraco foi uma indicação de que realmente não desejava se afastar. — Como prefeito eleito, decreto folga pelo resto do dia! — E o que vamos fazer? — Isto... — O que é isto, exatamente? Taylor a virou para que ficasse de costas sobre o colchão e se deitou em cima dela. — Enlouquecerei se não beijar você. No início, o beijo era suave. Os lábios de Taylor apenas roçaram os dela. Pouco a pouco, o contato se tornou mais possessivo e cheio de desejo. Natalie acariciou-lhe o rosto e passou a mão por seus cabelos. — Taylor, Taylor... — disse, baixinho. — Beije-me até que a dor vá embora. Ele cobriu de beijos as faces molhadas e a boca sequiosa. Abaixou as alças da camisola até os ombros de Natalie e enterrou o rosto no meio dos seios macios e perfumados. Cobriu-os de beijos, pressionando a pele cremosa firmemente com seus lábios, sugando os mamilos endurecidos. Acariciou o ventre sobre o cetim macio, e devagar puxou o tecido, deixando à mostra as pernas bem torneadas e a calcinha que escondia sua feminilidade. — Oh, Taylor, pare. Estou ficando... — O quê? — Molhada. — Bom. — Mas de que adianta ir tão longe e... Taylor escorregou a mão por dentro da calcinha até o centro do prazer. — Continue aproveitando — ele sussurrou. Acariciou as partes mais íntimas, e Natalie obedeceu às ordens apaixonadas que o marido lhe dava. E, quando as ondas de prazer percorreram-lhe o corpo e sua respiração se tornou ofegante, os beijos de Taylor estavam lá para saciá-la ainda mais. Minutos depois, sentindo-se ainda trêmula, Natalie percebeu que Taylor se afastava dela e se levantava do leito. Ela abriu os olhos e murmurou seu nome. — Já volto — ele garantiu, inclinando-se sobre ela, para ajeitar os cabelos que lhe escondiam o rosto. Balançando a cabeça, Natalie escorregou para a beirada da cama e o segurou pela cintura. Abraçou-o e apoiou a cabeça contra o tórax rijo. Beijou-o muitas vezes, deixando a língua caminhar livre sobre sua pele. — Natalie... — ele emitiu um som rouco. Então, sedutoramente, ela abriu o cinto da calça.

77


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown

Capítulo IX

Natalie pisou com força no freio e abriu a porta do carro. Ao sair, sua bolsa escorregou do assento e caiu para fora do veículo, espalhando tudo o que havia dentro. Murmurando palavras nada dignas de uma dama, jogou tudo dentro da bolsa de novo e entrou em casa correndo. O telefone estava tocando. — Alô? — Olá, minha querida — Taylor a cumprimentou. — Parece ofegante. — Acabei de entrar. — Pensei que a esta hora já estaria aqui, no meu escritório. — Também pensei, mas acabei me atrasando. Natalie deveria ter chegado no escritório de Taylor quinze minutos atrás. Ele parecia irritado, mas seu humor mudaria quando soubesse onde estivera e por que tinha se atrasado. — Em menos de meia hora estarei aí. — Vamos chegar atrasados, Natalie. Ela parou para raciocinar. — Vá na frente e eu o encontrarei lá — falou, satisfeita por ter achado uma solução. — Não gosto da idéia, mas creio que seja o mais indicado. — Só começarão quando estivermos lá, e ficarão muito nervosos se você se atrasar. Podemos nos encontrar no hotel. — Há um coquetel antes do jantar. Não sei exatamente em que andar será. — Não se preocupe. Eu o encontrarei. — Certo, então. Até mais. Aliás, por que se atrasou? Trabalho? — Contarei tudo quando nos encontrarmos. Natalie desligou antes que o marido continuasse a falar. Era uma noite muito esperada. Taylor MacKensie seria empossado como prefeito e, após a cerimônia, haveria um banquete formal em um dos mais importantes hotéis da cidade. Natalie correu para o banheiro, chutando os sapatos e tirando o agasalho no caminho. Usualmente muito ordeira, não tinha o hábito de deixar roupas espalhadas pelo chão. Mas era uma emergência. A água do chuveiro estava quente e revigorante. Porém, não se comparava à efervescência que havia dentro dela. Tinha ido ao médico, que, justamente naquela tarde, estava com todas as consultas atrasadas. Mas o que o doutor lhe disse fizera valer a pena a longa espera e toda sua preocupação em não se demorar para o compromisso daquela noite. Estava em perfeita saúde e não havia impedimento para que tivessem relações sexuais. As mãos de Natalie tremiam ao colocar o brinco na orelha. Nesse dia, quando voltassem para casa, daria a Taylor a boa notícia. Só de imaginar o que aconteceria depois ficou excitada.

78


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown Desde a última vez em que haviam feito amor, no dia da inauguração do hospital, tinham evitado se tocar. Taylor não voltara a dormir com ela na mesma cama. Naquela noite e nas seguintes, ele dormira no sofá-cama na sala de televisão. Natalie tentara descobrir por que fora tão especial fazer amor naquela tarde. Ambos estavam mais apaixonados do que nunca, mas havia algo além. Um sentimento mais intenso. Tinham atingido um nível de sexualidade em que dar era mais importante do que receber. Essa emoção, bem diferente da paixão, era assustadora. Esforçavam-se por manter o ambiente agradável e amistoso dentro da casa, mas era uma pressão que não suportariam durante muito tempo. Felizmente, a partir de agora, não precisavam reprimir suas emoções. Natalie estava certa de que uma vez resolvida a situação sexual de ambos, não pensariam mais em anulação do casamento. A temperatura estava baixa o suficiente para usar o vestido que usara na véspera de Natal. Passou o perfume de que Taylor mais gostava, colocou um lenço de papel e um batom na bolsa. Apanhando as chaves do carro, saiu pela porta dos fundos. Parecia estar pisando nas nuvens.

*****

A maioria das pessoas que haviam participado do coquetel já se dirigiam para o salão onde seria servido o jantar, vários andares abaixo. Taylor pediu licença para usar o banheiro. Ao sair, apenas uma pessoa permanecia na sala — Lisa. Sua aparência era fantástica num vestido preto de seda, que realçava o cabelo loiro. Sorriu para ele. — Mais um drinque? — Não, obrigado, preciso descer. — Pode me conceder um minuto, Taylor? Quase não temos conversado nessas últimas semanas. — Tive a impressão de que desejava que fosse assim. Lisa mexeu a bebida com o dedo e depois ingeriu o conteúdo de um gole só. — Não acha que tenho o direito de estar aborrecida por ter se casado às escondidas com aquela... Taylor não conseguiu esconder a irritação: — O nome dela é Natalie. Estou surpreso de ver que meu casamento a aborreceu. Sempre fomos livres para sair com outras pessoas. — Mas não casar. Taylor era um político nato e sabia reconhecer o momento de recuar. — Com licença — falou, dirigindo-se para a porta. — Taylor, me perdoe. — Lisa segurou-o pelo braço. — Pensei que tivéssemos um entendimento. — E tínhamos. O entendimento era que não existiria nenhum compromisso entre nós. Lisa o olhou, suplicante. — Não havia me dado conta do quanto você significava para mim até que o perdi. Lisa colocou o copo sobre uma das mesas e colou o corpo no dele, pendurando-se em seu pescoço. Taylor percebeu que ela não usava nada sob o vestido, e sentiu os seios roçando contra seu peito. — Sei que ainda sente minha falta. 79


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Como sabe? O sorriso de Lisa era malicioso, como o de um leitor que após ler apenas o primeiro capítulo de um livro de mistério descobre todo o enredo. — O que você e sua esposa fazem na cama não pode ser tão bom quanto o que fazíamos. — E diferente — Taylor retrucou, com diplomacia. Lisa se encostou mais nele, e pôde sentir seu membro endurecido sob a calça do smoking. — Fique com sua esposa, Taylor — sussurrou. — Tive um marido e descobri que o casamento não é para mim. Somos ambos discretos. Não vejo razão para não continuarmos como antes... antes de se tornar descuidado e engravidar Natalie Lavender. — Natalie não está grávida. Lisa esboçou um sorriso maroto. — Agora, não. Mas esteve. Por esse motivo você se casou com ela, não foi? Quando aconteceu? Na véspera de Natal, depois da festa dos Graham? — Os olhos de Lisa estavam quase se fechando. — Posso visualizar a cena. Você, zangado comigo porque fui esquiar com meus amigos, conheceu uma mulher bonita na festa e foi para a cama com ela. — Roçou o corpo contra o dele e continuou seu discurso: — Ah, bem, eu o perdôo, querido. Você é homem. Sei melhor do que ninguém como é viril. Além do quê — acrescentou, com ar misterioso —, também me tornei bastante íntima do instrutor de esqui. Só que, ao contrário de você, que caiu na armadilha, saí ilesa. Pobre querido, agiu como um cavalheiro e casou-se com a garota. Por nada! Taylor era bastante equilibrado para se deixar enfurecer com os comentários de Lisa. No entanto, de certa forma, suas palavras foram esclarecedoras. Será que Natalie ainda se sentia como um mero receptáculo de sua paixão? Deus, até o momento jamais tentara ver as coisas sob o ponto de vista de Natalie. Era preciso explicar muita coisa. Logo. Mas, primeiro, tinha de se acertar com Lisa. — Você não sabe do que está falando — afirmou. Lisa inclinou a cabeça para trás e começou a rir alto. — Sei, sim. Delia Starr gosta de beber, Taylor. Lembre-se disso na próxima vez em que lhe conceder uma entrevista. Depois de alguns uísques, a língua se solta e ela conta tudo o que queremos ouvir. — O que pretende fazer com essa informação? Chantagem? Qual o preço para mantê-la quieta? Favores sexuais? Quer que eu faça o papel de garanhão para calar sua boca? — Jamais me prestaria a algo tão baixo. — Lisa enfiou a mão sob o paletó e acariciou-lhe os mamilos. — Mas as pessoas têm curiosidade a respeito do novo prefeito e de sua esposa. Posso deixar escapar algo por descuido, no meio de uma conversa. — Você não presta. Lisa estremeceu, mas se recuperou logo e dirigiu-lhe um sorriso provocante. — Está certo, mas tenho muito dinheiro. Mantenho relacionamentos com as pessoas certas na sociedade e no meio político. Não vai valer a pena me fazer infeliz. — Ficou na ponta dos pés e o beijou. — Qual é o problema, Taylor? Não estou pedindo que abandone sua mulher. Não faço objeções a ela, contanto que não interfira na nossa relação. Uma esposa morena e uma amante loira. O que mais um homem pode desejar? A pergunta foi feita junto aos lábios de Taylor. Lisa se esticou mais e apoiou-se no peito dele, que, para não perder o equilíbrio, segurou-a pela cintura. Os lábios abertos de Lisa passeavam por sua face e a língua penetrava entre seus lábios com selvageria. A procura de ar, Taylor virou a cabeça. Natalie estava de pé junto à porta. Era uma imagem maravilhosa de se olhar. O cabelo negro brilhava tanto quanto o vestido, e os olhos refletiam a mesma luz. Entretanto, era um olhar gélido. 80


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Natalie! — Boa noite, sra. MacKensie — Lisa murmurou, afastando-se de Taylor com um sorriso nos lábios. — Boa noite — Natalie respondeu com frieza, olhando para o marido.— Disseramme lá embaixo que eu o encontraria aqui. — Natalie, não é o que está parecendo... — Taylor, que desculpa mais antiga — ela o interrompeu. — Espero que seja mais original quando fizer seu discurso de posse. — Assim dizendo, saiu da sala. Taylor desvencilhou-se de Lisa e se apressou atrás da esposa, que já havia percorrido metade do corredor quando ele a alcançou. — Natalie, espere um minuto. — Não temos nem um segundo. Vamos nos atrasar para o banquete. — Você vai ficar? — Não foi esse nosso acordo? — indagou, com rispidez. — Que eu fique ao seu lado até que seja empossado oficialmente? Vou me sentar junto de você à mesa principal e fingir que não o surpreendi, todo lambuzado e grudado em sua amante. Com muita raiva, Natalie apertou o botão do elevador. As portas se abriram e ela entrou imediatamente. Taylor entrou também, mas ela não lhe deu tempo de falar. — Está se adiantando, não? Quando disse que cada um de nós procuraria seus próprios interesses, imaginei que seria depois desta noite. Pelo que vejo, me enganei. — Recusa-se a ouvir minha explicação, não é? — Taylor perguntou, enquanto o elevador descia. Natalie sorriu com ar inocente. — Vá para o inferno! Ao saírem para o corredor, foram cercados por uma multidão desejosa de apertar a mão do casal mais famoso do momento. Assim que tomaram lugar à mesa principal, o jantar começou a ser servido. Natalie não conseguia engolir nada. Sentia-se nauseada. Suas têmporas latejavam, era com muito esforço que conseguia conter as lágrimas. Seu pensamento estava focado em Taylor segurando Lisa nos braços, beijando-a. Desejava poder gritar e atirar alguma coisa longe, mas comportou-se de forma impecável, como era de se esperar da esposa do prefeito eleito. Pensou em inventar uma desculpa e sair, mas não quis dar a Lisa o prazer de vê-la derrotada. E também não facilitaria nada para Taylor. Se para ela o jantar estava sendo desagradável, para ele deveria estar sendo um inferno. Uma pessoa pública, no meio da esposa e da amante em uma cerimônia oficial! O jantar finalmente terminou. Os garçons tiravam as mesas. Os convidados afastaram suas cadeiras, a fim de assistir ao mestre-de-cerimônias que abria o evento, contando piadas tão sem graça quanto o sorriso de Natalie. Seguiram-se alguns discursos feitos por várias autoridades. — E agora, pedirei a Taylor MacKensie e sua linda esposa, Natalie, para se juntarem a mim no pódio para o juramento. Natalie ficou surpresa. Não sabia que iria ser chamada à frente e ficar com seu marido no momento em que ele, como novo prefeito, fizesse o juramento. Relembrando a cena, horas mais tarde, Natalie se perguntou como conseguira sobreviver àqueles minutos em que Taylor fez seus votos. Lembrava-se da voz clara e das palavras carregadas de humor, de energia e de paixão. O tom fazia qualquer um acreditar que ele era um homem íntegro e em quem se podia confiar. Um homem que, com certeza, era fiel a sua esposa. Mas Natalie conhecia a verdade. Depois de empossado, Taylor sorriu para a audiência que o aplaudia e virou o olhar para Natalie, de pé ao seu lado.

81


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown Segurou-lhe o rosto com ambas as mãos e a beijou. O casal foi ovacionado, fazendo os cristais do enorme lustre vibrar. Taylor pegou o microfone e seu discurso foi eloqüente e entusiástico. Quando terminou, foi aplaudido de pé. Relutante, Natalie levantou-se também para aplaudir o marido. Depois disso, mais uma rodada de fotos e apertos de mão, antes que pudessem sair. Esperaram juntos, até que o manobrista trouxesse os carros. O dela chegou primeiro. Natalie estava muito nervosa para dirigir. Tinha intenção de ir direto para sua casa, mas lembrou-se de que não estava com a chave. Seria obrigada a passar na residência de Taylor antes. Ao chegar, estacionou o carro e se apressou em abrir a porta da frente. Depois de uma rápida busca pela sala, encontrou o molho de chaves que procurava. Já estava quase na porta, voltando para o automóvel, quando o marido entrou e bloqueou sua passagem. — Saia da minha frente, Taylor. — Não. — Não quero ouvir o que tem a me dizer e sei que não quer ouvir o que tenho para falar. Então, por favor, vamos facilitar as coisas. — O que é que eu não quero ouvir? Natalie o encarou. — Como você é hipócrita! — Por que acha isso? Surpresa, ela deu um passo para trás. — Talvez, de acordo com seus princípios, seja certo que um marido saia por aí beijando a ex-amante. Mas não pelos meus. — Não estava beijando Lisa. — Isso quer dizer que eu estava apenas sonhando? — Natalie tentou empurrá-lo, mas ele não se moveu. Em vez disso, fechou a porta atrás de si. — Está sendo infantil, Taylor. Não pretendo ficar nesta casa nem mais um minuto. Por que não me deixa ir? — Não, até que conheça os fatos. — Testemunhei os fatos! Vocês estavam se beijando apaixonadamente, sim. Ou então um dos dois resolveu fazer respiração boca-a-boca no outro. E se fosse o caso, era também necessário que ela fizesse massagem em seu peito? A lembrança das mãos de Lisa esfregando o tórax de Taylor sob o paletó deixou-a lívida. — Como pôde? Teve sorte de ser eu a entrar naquele momento. Meu Deus, qualquer um poderia tê-los visto juntos! Toda essa imagem de bom-moço que conseguiu criar estaria destruída. O beijo valeu o risco? Em quê estava pensando? — Em você. Natalie o encarou, incrédula. O jeito cruel de ele brincar deixou-a tão furiosa que lágrimas começaram a brotar de seus olhos. — Seu insensível! Não brinque comigo. Não mereço. — Merece ser colocada sobre meus joelhos e levar uma boa surra por tirar conclusões erradas. — O quê? É surpreendido com sua ex-amante... ah, agora começo a entender. Ela não é sua ex, não é mesmo? Estavam juntos desde o começo ou recomeçaram a se ver mais recentemente? Depois do aborto, quando eu não estava disponível? Os músculos no rosto de Taylor tremiam. — É melhor parar antes que diga algo de que vai se arrepender mais tarde. — Não vou me arrepender de nada do que disser.— Natalie deu-lhe as costas, desejando que o decote do vestido não fosse tão baixo. Sentia-se exposta, vulnerável. — Fui tola em procurá-lo, e mais tola ainda por me deixar convencer a ficar. — Virou-se de frente para ele. — É isso, não é? Uma esposa lhe dá credibilidade, e o bebê teria sido um 82


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown bônus extra. Deve ter se considerado um homem de sorte naquele dia em que fui ao seu escritório dizer que estava grávida. Sirvo como um escudo para esconder seus casos de amor. Mas terminou, Taylor. Fiquei com você por obrigação e por achar que era meu dever, mas acabou. Seu peito arfava pela agitação. Os olhos brilhavam como esmeraldas, e sua expressão era de pura indignação. Taylor olhou-a demoradamente. — Terminou? — Acabei de dizer que sim. — Estou me referindo à sua explosão, e não ao nosso relacionamento. — A resposta é sim para ambas as perguntas. — Ótimo. Agora cale a boca e me escute — Pôs o dedo era riste. — Metade do que disse é besteira. Natalie abriu a boca para protestar, mas o olhar dele a avisou que se calasse. — O que disse a respeito de ficar aqui por dever é pura bobagem, assim como eu precisar de você para me proteger. Ficou porque quis ficar, e eu pedi que ficasse porque a desejava perto de mim. — Muito bem, então ambos temos culpa neste casamento bizarro. Porém, eu fui fiel a você. — E eu também. Esta noite foi a primeira vez que tive uma conversa a sós com Lisa desde bem antes do Natal. — Aproveitou para recuperar o tempo perdido — Natalie retrucou, dando-lhe as costas de novo. Dessa vez, ele se aproximou e a fez virar-se de frente. — Nem mesmo a beijei — Taylor falou por entre os dentes. — Lisa me beijou. — Que diferença faz? — Muita! — Seus braços estavam em tomo dela — Natalie insistiu. — Ela me fez perder o equilíbrio, apenas um segundo antes de você aparecer. — Espera que eu acredite nisso? — E a verdade. — E também tem uma boa explicação para as mãos dela estarem dentro do seu paletó? — Sim, Lisa estava me provocando. Mas eu não estava com as mãos dentro do vestido dela. — Ainda. Taylor praguejou. — Lisa ficou na sala depois que todos haviam saído. Ela veio ao meu encontro, Natalie. — Ainda bem que não peguei os dois na cama. Você iria tentar me convencer de que ela o estava seduzindo. — Oh... — ele resmungou, erguendo os braços para o teto. — Se é inocente, por que ficou lá com ela? — Natalie quis saber. — Por que não saiu da sala? — Pelo que ela estava me dizendo. — Palavras pornográficas. Nunca pensei que você gostaria de ouvi-las. Taylor a encarou, furioso. — Pelo que parece. Lisa conseguiu que Delia Starr bebesse uns drinques a mais. Lisa sabia do nosso bebê e do aborto. Taylor repetiu a conversa que tivera com a jovem, palavra por palavra. Parecia profanação o fato de Lisa saber sobre o bebê. — Então, escutou toda a história para salvar sua pele? — E a sua. 83


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown Natalie soltou uma gargalhada. — Aposto que teve uma ereção apenas para ser convincente. A expressão no semblante de Taylor mostrava a culpa que sentia. — Como sabe que tive ereção? — Tenho olhos, Taylor. Quando você se virou, estava... — Natalie fez uma pausa e depois gritou: — Excitado! Taylor deu dois passos em sua direção, e, segurando-lhe os pulsos, puxou-a para junto de si. — Sim, eu estava excitado. — Pare! — E ainda estou. E sabe por quê? — Não quero... — Não por causa de Lisa, mas por sua causa. Ela começou a falar da minha esposa morena. Disse que o que fazíamos na cama devia ser bom. — Taylor não soltou as mãos de Natalie, e as mantinha junto a suas pernas. — Depois disso, só consegui pensar em nós dois na cama. — Não acredito. Ele entremeou os dedos nos cabelos de Natalie, puxando levemente para trás. — Acredita, sim. Sinto-me atraído por você desde o primeiro momento em que nos conhecemos. Jamais experimentei um desejo tão forte. E está cada vez mais intenso, Natalie. Você sabe disso. — Fez uma pausa e depois continuou: — Na minha própria casa, não era capaz de comer ou dormir. Não fazia outra coisa a não ser desejar você. Virei-me e revirei-me naquele sofá, desejando estar na nossa cama. Ao seu lado. Dentro de você. — Beijou-a com violência e raiva, forçando-a a abrir os lábios e receber sua língua. — Sabe que fui fiel ao nosso casamento. Sabe muito bem. — ele quase gritou. — Agora, beije-me. A raiva havia sido sempre uma emoção afrodisíaca entre eles. Era a faísca que incendiava seus corpos. Natalie encostou-se no marido e jogou a cabeça para trás, num convite para que ele se apoderasse de sua boca e de seus lábios. Segurou-o firme pelas lapelas do paletó, colando os seios no peito de Taylor. — Desejo você. Oh, Deus, como a desejo! — Hoje... o motivo pelo qual me atrasei... tive uma consulta médica... — Natalie tentou explicar. — Leve-me para a cama — pediu. Taylor não perdeu um segundo e carregou-a pela casa escura até o quarto. Um pequeno facho de luz brilhava do teto sobre o leito, criando uma atmosfera sensual. Lentamente, despiram um ao outro. Longos beijos prolongavam aquele momento maravilhoso. Olharam seus corpos nus e, sem se preocupar em dobrar as cobertas, deitaram-se sobre a colcha de pele sintética. Quando ele a tocou, já estava molhada, mas Taylor continuou explorando suas partes íntimas até que o desejo em ambos se tornasse incontrolável. Ele a penetrou com um movimento suave e permaneceu imóvel por um bom tempo, apreciando a forma como o corpo de Natalie envolvia seu membro. — Estou machucando você? — Não. Taylor beijou-a no pescoço. — Por mais de duas semanas tenho sonhado em estar assim. — Eu também. Não podia esperar para lhe dizer que estamos liberados para fazer amor de novo. Taylor beijou-a na boca, depois os seios. E começou a se mover. Rápido. Momentos mais tarde, deitado ao lado dela, Taylor afirmou: — Natalie, não há nada entre Lisa e mim. Nada. Acredite. — Eu sei. 84


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Sabe? Então por que fez toda aquela cena? Natalie esfregou o rosto no dele. — Pensei que iria morrer quando os vi nos braços um do outro. Sabia que não estava me traindo, mas desejava ter certeza. — Não foi você que sugeriu, algumas semanas atrás, que eu arrumasse uma amante? — Sim, mas não falava sério — ela confessou. — Quando o vi com Lisa, fiquei magoada, furiosa, enciumada. — Ficou com ciúme? — Bem, com se sentiria se tivesse me flagrado com Guy? — Com ciúme. Feroz. Enfurecido. Sinto tudo isso toda vez que penso nele tocando em você. — Ele nunca me tocou. Taylor a encarou, intrigado. — O que quer dizer? — Guy não poderia ser o pai do meu bebê, mesmo que ele não tivesse feito vasectomia. — Natalie acariciou-lhe o rosto. — Nunca dormi com ele. Taylor murmurou algo baixinho. Talvez uma oração. Depois, beijou-a com ternura, fazendo-a chorar de emoção. — Você é a mulher mais fascinante que já conheci. Feminina, mas forte. Firme em suas opiniões, mas diplomática. Respeitosa, mas sexy. Consegue me deixar mais furioso e mais excitado do que qualquer outra que já conheci. — Obrigada — disse, sorrindo. Com a ponta do indicador, Taylor desenhou um círculo em volta de seu mamilo. — Apressei você? Natalie baixou os olhos. — Não estou reclamando. — Sinto muito. É que eu a desejava havia tanto tempo que não pude me controlar. — Está perdoado — ela sussurrou, abraçando-o. — Desde que continue tentando, até encontrar a hora certa!

Capítulo X

Taylor a levou até o trabalho na manhã seguinte e, ao chegarem, acompanhou-a até o escritório. Nem bem a porta se fechou atrás deles, ele a abraçou e começou a beijá-la sem parar. — Seu gosto é muito melhor do que ovos e presunto. Acho que você será meu café da manhã de agora em diante. Natalie sentiu os joelhos fraquejarem, como havia acontecido quando ele os cobriu de beijos na noite anterior. — Obrigada pela carona. — Foi um prazer — Taylor falou, passando a mão no seu traseiro. — A que horas virá me buscar? — Cinco e trinta. — Estarei pronta. — Hum, eu também. — O duplo sentido era bastante claro. Para reforçar o que dizia, Taylor a beijou com paixão. Ao se virar para ir embora, olhou-a mais uma vez. 85


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Natalie? Está chorando? — Chorando? Claro que não. Não seja tolo. — Pensei ter visto lágrimas nos seus olhos. — É o sol. Está fazendo com que lacrimejem. — Natalie foi até a janela e ajustou as persianas para que a luminosidade não entrasse direto na sala. Taylor segurou-a pelos ombros. — Tem certeza de que não há nada errado? Pensando bem, você está muito quieta desde cedo. — Não me deu muita chance de falar. Estamos trocando beijos desde que acordamos. Ele sorriu com malícia. — Não consigo pensar em outra forma melhor de se passar a manhã. — Taylor acariciou-lhe os lábios com o polegar. Mas Natalie virou a cabeça para o lado, e ele deixou a mão cair, inerte, ao lado do corpo. — Muito bem. Fale. Estou pronto para ouvir. Algo no jeito com que ele prendia os polegares nos bolsos do colete e assumia aquela postura arrogante a deixava irritada. Ficara contrariado porque ela não estava correspondendo aos seus carinhos. Afinal, o que era? Uma mulher ou uma gata treinada? — Não use esse tom condescendente comigo, Taylor. — Francamente, não sei qual tom de voz devo usar com você. Acabamos de passar uma noite fantástica juntos. Digna de constar dos anais do erotismo, se houvesse algo do tipo. Sinto disposição para escalar o monte Everest e você está assim desanimada. O que há? Nada a faz feliz? — Sim, quando estamos na cama juntos me sinto ótima. — Então, qual é o problema? — Não podemos passar nossas vidas na cama. — Não seria sacrifício algum. — Taylor sorriu, e seus olhos azuis brilharam. Porém, quando percebeu que ela estava mesmo zangada, procurou se conter. — Desculpe. Não tinha intenção de brincar. — Tinha, sim. E com razão. Este casamento é uma brincadeira. — Então, por que não está sorrindo? — Por que não me ligou? — Natalie perguntou de repente. — Quê? Quando? Ligar para você? Do que está falando? — Depois da noite de Natal. — Noite de Natal... — repetiu, abismado. — Sim, noite de Natal. Lembra? — Claro. Foi fantástica. — O sexo foi fantástico. — Não fale desse jeito. Foi fantástica em todos os sentidos. — Então, por que não me convidou para sair novamente? Taylor virou-se para olhar pela janela. Natalie sabia que ele não queria falar sobre isso, e teria sido melhor se não tivesse tocado no assunto. Mas estava além de suas forças. Precisava saber. — Esqueceu-se de tudo logo que acabou? Taylor se virou. — Não, droga. Não. Pensei muito em você durante várias semanas. Aliviada, Natalie sentou no braço do sofá. — Pelo que sei, meu telefone não estava quebrado — falou em tom suave. Taylor esboçou um leve sorriso. — Desejava ligar, Natalie. É claro que sim, mas não conseguia. — Por quê? — Para começar, me sentia constrangido. Ela não escondeu sua surpresa. — Sim, constrangido. 86


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Mas disse que já havia tido aventuras que duraram apenas uma noite. Taylor passou os dedos pelo cabelo. — Tive, mas faz muito tempo. Sou mais exigente agora do que era há quinze anos. — Tomou a encará-la. — Tive aventuras casuais e curtas, mas até aquela noite de Natal, jamais tinha me sentido tão envolvido. O que aconteceu entre nós foi... químico. Não consegui achar um nome melhor. Fiquei apavorado. Não desejava me desculpar e também não saberia lhe dizer como eu me sentia. Assim, achei melhor ignorar tudo e tentar esquecer. — Entendo. — Não. Acho que não entende. — Ele sentou-se do outro lado do sofá. — A primeira impressão que tive de você é que era maravilhosa. Centrada. Divertida. Parecia que tudo em sua vida estava nos lugares certos. Não havia nada fora de sincronia. Experimentava um enorme sucesso em sua carreira. Havia Guy, embora na época eu não soubesse o tipo de pessoa que ele era. Minha idéia do homem com quem você saía era de alguém parecido com Mel Gibson. Ela riu. — Parece engraçado agora, mas não foi na ocasião — ele confessou. — Acreditei que não existia um único lugar vago na sua vida que eu pudesse preencher. Acho que senti medo de ser rejeitado se ligasse. Natalie assimilou tudo o que ouvira, mas ainda tinha algo que não se encaixava. — Ficou furioso quando lhe contei sobre o bebê, Taylor. Por quê? — A razão é simples. Somente por causa do bebê é que nos encontramos novamente. Quando ligou para minha secretária e marcou uma entrevista, mal acreditei na minha boa sorte. Fiquei preparado para um convite para jantar. Em vez disso, no entanto, você foi direto ao ponto, mantendo uma atitude profissional todo o tempo. — Era um mecanismo de defesa. — Não sabia disso, naquele momento. — Taylor levantou-se e, aproximando-se dela, tomou seu rosto nas mãos. — Por que não me pediu para ficar na manhã seguinte, Natalie? — Pela mesma razão pela qual você não me ligou. Sentia-me constrangida, com vergonha de mim mesma. Jamais tive uma aventura com um estranho. Sabia que você tinha um compromisso com outra mulher. E lembre-se: quando acordei, você estava saindo na ponta dos pés. Pensei que, como já tinha conseguido o que desejava, foi embora de fininho para evitar uma cena. Taylor inclinou-se para beijá-la. — Não, Natalie. Se tivesse me convidado a ficar para o café da manhã, eu não teria ido embora. Ao olhar para ele, havia perplexidade em sua expressão. — Verdade? Taylor assentiu. — Parece que desperdiçamos um tempo precioso, não é? — Ele consultou o relógio. — Falando em tempo, tenho uma reunião com o conselho para discussão do orçamento dentro de quinze minutos. — Então, é melhor se apressar. — Natalie o acompanhou até a porta. — É o primeiro dia oficial na prefeitura. Não deve se atrasar. — Certa de que está tudo bem? Natalie apontou o indicador em direção à porta. — Vá! Taylor ainda a beijou mais uma vez antes de sair. Natalie fechou a porta e encostou a testa na madeira fria. Uma lágrima desceu por sua face. — Droga! — murmurou, limpando o rosto. — O que há de errado comigo? Tentou trabalhar, mas viu que não conseguia se concentrar no projeto que preparava. A mente estava focada em seu casamento. Para Taylor, tudo caminhava às

87


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown mil maravilhas. De certa forma, não era mentira. Os dois se entendiam e sua vida sexual era maravilhosa. Então, por que se sentia deprimida? Era tão simples! Desejava que ele tivesse dito que a amava, e não dissera. Talvez Taylor fosse um desses homens que não sabem amar. Mas para ela o amor era essencial. Os Lavender haviam demonstrado a uma criança indesejada que o milagre do amor pode mudar o destino de uma pessoa. Esse milagre fora vital para a existência de Natalie. Mesmo havendo muita emoção nesse casamento, o amor era o ingrediente que faltava. Sem ele, a receita não daria certo.

Haviam saído para jantar e ido ao cinema. Já era tarde, mas Taylor dirigia devagar. Seu cantarolar desafinado estava dando nos nervos de Natalie. Durante todo o dia, travara uma batalha interior sobre as decisões que deveria tomar. Chegara à conclusão de que era mais aconselhável abandoná-lo, antes que seu amor não correspondido a matasse aos poucos. Só não sabia qual seria a melhor forma para fazê-lo. — Aonde está indo? — Natalie perguntou. — Disse que havia ainda algumas coisas que precisava apanhar na sua casa. Achei que seria um bom momento agora. — Oh, obrigada. — Estive pensando nesse negócio de "sua casa" e "minha casa". Para que precisamos de duas casas? Você tinha planos de reformar a sua. Por que não transfere esses projetos para serem usados na minha? Poderíamos aumentá-la, se desejar. — E uma linda residência — ela comentou, sem entusiasmo. — Ou poderíamos vender as duas e comprar algo maior. O que acha? — Não sei, Taylor. — Distraída, Natalie colocou o cotovelo na janela aberta e apoiou a cabeça na palma da mão. Pensava em como seria sua vida quando o deixasse, e ele vinha falar em comprar um novo imóvel. Moraria em uma cabana ao seu lado, se ele lhe dissesse que a amava. — Bem, pense nisso com calma. — Certo. Uma antiga música estava tocando, e Taylor recomeçou a cantarolar. Sem mais, Natalie aumentou o volume, forçando-o a parar com a cantoria. — Algo errado? — Ainda não aprendeu a cantar. — Não estava cantando, apenas acompanhando. — Também não consegue acompanhar. — Ei, ainda está emburrada? — Não estava emburrada — ela retrucou. — Não consegue me enganar. Está aborrecida porque não liguei hoje? — Não espero atenção constante de sua parte. — Por que não? Sou seu marido, certo? Natalie sentiu um nó na garganta. — Sim, é meu marido. — Não é comum que os maridos liguem para as esposas durante o dia apenas para dizer "olá" e perguntar se querem que passem na padaria para levar pão e leite? — Apenas nos filmes. — Desculpe se não liguei. Estive muito ocupado. Muitos assuntos diferentes para tratar. A propósito, passei no banco e fiz um depósito na sua conta. Estava quase no vermelho. Natalie deu um pulo no banco de passageiros. 88


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Como sabe quanto dinheiro tenho na conta? — Verifiquei o saldo no seu talão de cheques. Por que está tão contrariada? Depositei dinheiro; não tirei nenhum. — Preferia que tivesse me consultado, primeiro. — Ah, então é melhor contar que também contratei dois seguros de vida para nós dois, sendo um beneficiário do outro. Sem palavras, Natalie o encarou. A cada nova informação, percebia que estava sendo mais envolvida naquele casamento, quando sua intenção era sair definitivamente dele. Antes que pudesse responder, o Corvette fez uma curva a uma grande velocidade. Quando se endireitou no assento, Natalie viu as luzes. — O que significa isso? Luzinhas brancas de Natal contornavam o telhado de sua casa. A porta da frente estava enfeitada com luzes coloridas e uma guirlanda verde com laços de fita vermelha fora colocada no centro. — Não tirou a decoração de Natal ainda? — Taylor perguntou ao estacionar o carro perto da garagem. — Sabe que tirei. O que está havendo? Quem fez tudo isso? Natalie não esperou que ele abrisse a porta, e desceu do carro, correndo para a porta da frente. Não estava trancada. Entrou. Apesar da temperatura agradável de primavera, a lareira estava acesa. Festões verdes caíam nas laterais e grandes velas vermelhas se alinhavam no chão, como pequenos soldados. Estavam acesas e emanavam um perfume agradável. Num dos cantos, havia uma árvore-de-natal, lindamente decorada e cheia de presentes. Era um pinheiro natural. Sua fragrância acentuada envolvia a sala. Natalie estava boquiaberta e mal conseguia falar. — Não posso acreditar. Quem... Nesse momento, viu o casaco de peles, que deveria estar guardado durante o verão mas, em vez disso, se achava esticado sobre o sofá. Sentiu o rosto arder. Devagar, virouse para Taylor. Encontrou-o sério, mas os olhos azuis brilhavam. — O que não acredita — ele murmurou — é que te amo. Muito, Natalie. — Aproximou-se dela e segurou-a pela cintura. — Você fez tudo isso? — Eu disse que estive muito ocupado durante todo o dia. — Mas... — Pela manhã, poderia ter dito que a amava, simplesmente. Mas, como a conheço bem, sabia que iria imaginar coisas. Que eu estava confessando meu amor apenas porque estava me pedindo. Decidi que seria mais convincente se lhe mostrasse. Além disso, sou sentimental também. Acho que a celebração do Natal é a maior demonstração de amor. A idéia tomou forma e não quis estragar a surpresa. Natalie acariciou-lhe o rosto, e, repetindo seu nome, esticou-se para beijá-lo. — Era muito doloroso viver ao seu lado, fazer amor e pensar que o amor era só de minha parte. Nosso acordo acabou ontem e você não disse uma palavra a respeito. —Tentava ignorar que havíamos marcado uma data final. — Ia deixá-lo, Taylor. — E disso que eu tinha medo. Não que teria permitido que fosse embora. Se tentasse, iríamos ter uma séria briga, seguida de uma grande orgia, e continuaria a acreditar que tudo o que nos unia era apenas bom sexo. — E não é? — Se é bom? E fantástico. — Não — Natalie falou, quando ele a apertou mais e beijou-lhe o ouvido. — E só sexo que temos em comum? 89


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Acho que não. — Taylor forçou-a a olhar para ele. — Nosso bebê nos uniu no primeiro momento. Ao perdê-lo, poderíamos ter nos separado, mas não foi o que aconteceu. O aborto nos aproximou mais. Até então, eu não sabia o quanto a amava. Ironicamente, foi quando não podíamos fazer sexo que comecei a sentir amor e ver você como minha esposa. — Tomou a beijá-la com suavidade e depois seu beijo se tornou apaixonado. — Eu te amo, Natalie. — Amo você, também. Oh, Deus, amo tanto! Pensei que iria morrer quando me deixou na manhã do Natal. — Foi difícil deixá-la. Desta vez, ficarei. Faremos tudo de novo esta noite. — No sofá? Sobre a pele? — Nua. Usando apenas seu colar de pérolas, que peguei da sua caixa de jóias, e aquela expressão sonhadora. — E você, quente e duro. — Você, macia e molhada. Taylor acariciou-lhe os seios e depois beijou-os sobre o tecido da blusa. Ela arqueou o corpo para se ajustar ao dele. — Hum, bom... — ele sussurrou. — Mas, antes de continuarmos, precisa ver o melhor de tudo. — Duvido que haja algo melhor. — Promete que vai se comportar? — Por que não me comportaria? Taylor fez um gesto com a cabeça em direção a uma salinha adjacente. Ao entrar, Natalie bateu palmas e começou a rir. — Não notei que havia algo nesta sala também. Mais linda do que todos os enfeites de Natal era a cena da natividade. Havia um estábulo de madeira, coberto por um teto de sapé e manequins vestidos com roupas da época, representando os papéis principais. Maria, José, os pastores e os reis magos. Havia também três ovelhas em tamanho natural e a manjedoura com um boneco representando o menino Jesus. Com certeza era um boneco de pilha, pois se mexia. E, enquanto Natalie observava a cena, fascinada, o boneco emitiu um som que era, sem dúvida, humano. Era um choro estridente, que precisava ser logo acudido. Era um bebê de verdade! — Traduzindo, acho que significa: "Já fiquei quieta por bastante tempo. Estou com fome" — Taylor falou. Ele a empurrou de leve em direção à manjedoura. Sobre ela, pequenos braços e pernas se movimentavam com fúria, fazendo com que a roupinha se soltasse e caísse para o lado. E... Natalie viu o corpinho nu de uma garotinha. Taylor tossiu para limpar a garganta. — Desculpe. Procurei em todos os lugares, mas havia falta de garotos. — Foi sua tentativa de explicar por que Jesus não era um menino, mas uma menina. Taylor colocou as mãos sobre o corpinho frágil e tirou-a do berço improvisado. — Mas gostei muito desta. Parece ter ascendência indígena. Vê suas faces e o cabelo preto, liso? Fez-me lembrar de você. Estava meio solitária, sem pais que a quisessem. Como prefeito, consegui alguns privilégios com as autoridades responsáveis por adoção. Temos autorização para que o bebê fique conosco por um período de experiência. Consentiram até em trazê-la até aqui e concordaram com meu pedido estranho de que a enfermeira que cuida dela se escondesse por alguns minutos, quando nos visse chegando. Se decidirmos adotá-la, teremos que ir ao Juizado amanhã, preencher todos os documentos e cumprir todas as formalidades. O rosto de Natalie estava molhado por lágrimas de alegria. — Quer dizer que ela... ela é... 90


Sabrina 1550 – Aconteceu naquela noite – Sandra Brown — Nossa. — Taylor entregou-lhe o bebê. — Feliz Natal, meu amor.

91


Sandra brown aconteceu naquela noite (sabrina 1550)