Issuu on Google+

ENTREVISTA COM JOSÉ WAGNER ALBUQUERQUE, VICE-PRESIDENTE DA APCC

ANO XI – EDIÇÃO 87 – MAIO/JUNHO 2014 – DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

DIRETORIA DA APCC LANÇA A TÃO SONHADA REVISTA DO COMPRADOR

Perfeccionismo:

O mal oculto do mundo corporativo


2 REVISTA DO COMPRADOR MAIO/JUNHO

2014


2014

MAIO/JUNHO REVISTA DO COMPRADOR 3

EDITORIAL

Por uma comunicação cada vez melhor

PRESIDENTE Vicente de Paulo Torquato VICE-PRESIDENTE José Wagner Arrais Albuquerque

Caros leitores, Chegamos à segunda edição no formato Revista. Agradecemos a todos que se fizeram presente no dia 30 de abril, no auditório do CORE-CE, onde realizamos o evento de lançamento que foi um sucesso! É com satisfação que percebemos o progresso do nosso trabalho e a grande aceitação por parte do público alvo do nosso veículo de comunicação. Nosso propósito é continuar trabalhando para trazer sempre o melhor conteúdo em artigos, matérias e informações, com o objetivo de sempre manter os leitores atualizados e bem informados. A partir desta edição, contamos com a participação da Aline Serafim, gerente de marketing da Carmehil, que vem somar à equipe de escritores da nossa Revista. Seja bem vinda, Aline! Estamos nos organizando e planejando a próxima Festa do Comprador, que acontece todos os anos no mês de setembro, e é o evento mais esperado pelos associados, amigos e parceiros comerciais da nossa APCC. Em breve informaremos o dia e o local em que acontecerá o evento. Nossa diretoria continua assídua e realizando visitas aos parceiros. Nesse bimestre, fomos à Labormix e à Madeireira São João.

DIRETORES 1º Diretor Financeiro: José Maria Cunha 2º Diretor Financeiro: Francinildo Teixeira Victor 1º Secretário: Antonio Edgar Moreira da Silva 2º Secretário: Francisco Gledson da Silva Diretor Social: Arilaudo Ribeiro Melo Relações Públicas: Ednaldo Lima Tabosa Diretor de Patrimônio: Paulo André Marques Diretor Administrativo: Robeval Feitosa Goes CONSELHO FISCAL Misael Barreto da Silva Carlos Eugênio Tavares João Batista do Carmo SUPLENTES José Alves Paulino Antonio Wagner Gois Carlos Alberto Firmino Rodrigues PROJETO GRÁFICO / DIREÇÃO DE ARTE Cristiano Abreu (85) 8899.4475 | ceadesign@hotmail.com JORNALISTA RESPONSÁVEL Karol Andrade (85) 8604.4441 | karolandradejornalista@gmail.com IMPRESSÃO Gráfica 3 Irmãos TIRAGEM 1.500 exemplares

No mais, é torcer para que o nosso Brasil conquiste mais um campeonato mundial. Uma boa Copa do Mundo para todos! Boa torcida e boa leitura! ROBEVAL FEITOSA GOES Diretor Administrativo

A Revista do Comprador é uma publicação da Associação dos Profissionais de Compras do Estado do Ceará – APCC: Av. Gomes de Matos, 648 • Sala 110 • Montese • Shopping Solaris • Fortaleza-CE • Fone/Fax: (85) 3204.1513 (85) 3091.7991 • www.apcc-ce.com.br • apcc@apcc-ce.com.br • apcc-ce@hotmail.com •

www.facebook.com/apcc.ce

ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE COMPRAS DO ESTADO DO CEARÁ VISÃO

Representar a classe dos profissionais de compras, atuando no âmbito Municipal, Estadual e Federal.

MISSÃO

Trabalhar para atingirmos nossos objetivos, baseados na ética, valorização humana e profissional, buscando sempre a excelência da profissão.

OBJETIVOS

Congregar e organizar a classe de profissionais de compras do Estado do Ceará, com vistas a defender os seus interesses, assim como representar e reivindicar junto aos poderes constituídos públicos e privados, a execução de medidas que lhes assegurem o apoio efetivo ao desenvolvimento das suas atividades de modo a lhes garantir melhores condições de trabalho e de vida; Regulamentação da classe junto aos órgãos e entidades e instituições competentes. Acesse o site www.apcc-ce.com.br e conheça mais sobre a Associação


4 REVISTA DO COMPRADOR MAIO/JUNHO

2014

SUMÁRIO 14

20

06 15 ANOS DO JORNAL DO COMPRADOR

Promovendo melhorias constantes para os associados

08 APCC ESPORTES

Confira as fotos de mais um “Racha Amigos da APCC”

10 APCC E PARCEIROS

Associação visita novos parceiros e marca presença em eventos importantes

12 APCC ENTREVISTA

José Wagner Albuquerque, vice-presidente da APCC

14 PERFECCIONISMO: O MAL OCULTO DO MUNDO CORPORATIVO 16

16 DIRETORIA DA APCC LANÇA A TÃO SONHADA REVISTA DO COMPRADOR 20 15 DEFINIÇÕES DE EMPREENDEDORISMO 24 MOTIVAÇÃO

A força do negativismo

26 SEUS DIREITOS

O direito e o avanço tecnológico

28 MARKETING

Marketing pessoal na era digital

30 CARREIRA Simplifique

10

32 PERFIL

Leandro Sousa de Oliveira, gerente de compras da SV Elétrica

34 DICAS DE ETIQUETA Hálito saudável

12


2014

MAIO/JUNHO REVISTA DO COMPRADOR 5


6 REVISTA DO COMPRADOR MAIO/JUNHO

2014


2014

MAIO/JUNHO REVISTA DO COMPRADOR 7


8 REVISTA DO COMPRADOR MAIO/JUNHO

2014

APCC ESPORTES O dia 31 de maio foi mais uma data comemorativa no calendário 2014 da Associação dos Profissionais de Compras do Estado do Ceará (APCC), pois foi realizado mais um “RACHA AMIGOS DA APCC”. Com o empenho cada vez maior da diretoria em divulgar o evento, as tardes futebolísticas têm atraído muitos participantes. O encontro é realizado no último sábado de cada mês e reúne associados e parceiros da Associação, promovendo a prática de esporte e o incentivo a saúde. A APCC agradece aos patrocinadores do evento (SV Elétrica, Madeireira São João e Aki-Limpo), como também todos aqueles que compareceram ao encontro, e espera poder contar com todos novamente no próximo racha.

Empresas que apoiam o esporte da APCC:


2014

MAIO/JUNHO REVISTA DO COMPRADOR 9

EM TIME QUE ESTÁ GANHANDO TAMBÉM SE MEXE: SEMPRE CABE MAIS UM CRAQUE.

VICENTE TORQUATO

WAGNER ALBUQUERQUE Vice-Presidente

1° Diretor Financeiro

JOSÉ MARIA

FRANCINILDO TEIXEIRA

EDGAR MOREIRA

FRANCISCO GLEDSON

ARILAUDO RIBEIRO

EDNALDO LIMA TABOSA

PAULO ANDRÉ MARQUES

ROBEVAL FEITOSA GOES

MISAEL BARRETO

CARLOS EUGÊNIO

JOÃO BATISTA

JOSÉ ALVES PAULINO

WAGNER GOIS

CARLOS FIRMINO

Presidente

1° Secretário

Diretor de Patrimônio

Conselho Fiscal

2° Secretário

Diretor Administrativo

Suplente

Diretor Social

Conselho Fiscal

Suplente

2° Diretor financeiro

Relações públicas

Conselho Fiscal

Suplente

ASSOCIE-SE. FAÇA PARTE DESSE TIME VOCÊ TAMBÉM!


10 REVISTA DO COMPRADOR MAIO/JUNHO

2014

APCC E PARCEIROS

01

02

03

04

05

06

Fotos 01 e 02 - A CONSTRUTORA COLMEIA se fez presente na FEICON 2014, realizada no período de 18 a 22 de março, em São Paulo. Uma oportunidade significativa para conhecer as novidades de produtos voltados para construção e para renovar as parcerias. Nas fotos, Ednaldo Tabosa, diretor de relações públicas da APCC, e integrantes da Equipe Colmeia; Foto 03 - Visita à LABORMIX, dia 7 de maio; Fotos 04 e 05 - Visita à MADEIREIRA SÃO JOÃO, dia 24 de maio;

Foto 06 - A APCC se fez presente, por meio de Robeval Goes e de sua esposa, Maria Zilma, da palestra: Saúde e Equilíbrio Psicológico, realizada no auditório da UNIMED CEARÁ, com a psicóloga Marcela Ranier, no dia 7 de junho. “Foi uma excelente oportunidade para aprendermos os mitos e verdades sobre a depressão, o que ocasiona e o que podemos fazer para evitarmos essa doença que atinge grande parte da humanidade”, enfatizou Robeval.


2014

MAIO/JUNHO REVISTA DO COMPRADOR 11


12 REVISTA DO COMPRADOR MAIO/JUNHO

2014

APCC ENTREVISTA

A força da fé e do trabalho constante José Wagner Arraes Albuquerque, vice-presidente da APCC Nesta edição, o convidado para entrevista é José Wagner Arraes Albuquerque, vice-presidente da APCC, biênio 2013/14. Wagner ingressou na APCC em 1999 como associado na gestão do presidente João Batista do Carmo, se identificou com a luta e, já na segunda diretoria, começou a trabalhar como secretário na gestão do presidente Misael Barreto. Trabalhou como diretor social na gestão de Robeval Feitosa Goes e, na atual gestão, está como vice-presidente, dando apoio total ao presidente Vicente Torquato. Profissional dedicado, sempre zelando pelo bem da APCC, Wagner vem fazendo a diferença, buscando o progresso e o desenvolvimento da Associação. Destacamos dentre outras atividades, a sua dedicação especial ao encontro esportivo que organiza todos os meses junto com Arilaudo, diretor social. Vamos conhecer um pouco da sua pessoa. Revista do Comprador (RC) - Wagner, seja bem vindo ao APCC entrevista. Como aconteceu o seu ingresso na APCC? Wagner Albuquerque (WA) - Aconteceu através do José Maria, atual diretor financeiro, que me incentivou a partici-


2014

par da APCC, no ano de 1999. Engajei-me como associado e estou até hoje. (RC) - O que o levou a entrar nesse time? WA - A união dos Profissionais de Compras em torno de uma associação me fez entrar nessa luta, pois traz muitos benefícios para a categoria, proporciona a troca de informações e contribui para o desenvolvimento profissional. (RC) - Você é um diretor muito atuante. Quais são suas motivações em relação à APCC? WA - Unir mais a classe e buscar mais associados, a fim de que cresçamos, pois o universo de compradores é muito grande e podemos ser mais fortes. (RC) - Na sua opinião, quais os benefícios que a APCC proporciona à categoria profissional? WA - A troca de ideias, a busca da regulamentação da profissão, treinamentos e a união social, que proporcionam um bom relacionamento entre nós. (RC) - Como o Profissional de Compras pode contribuir para o crescimento da Associação? WA - Para o Profissional de Compras dar a sua contribuição é preciso que ele engaje na Associação, associe-se e participe dos eventos, pois só podemos crescer com a participação de todos. (RC) - Como você analisa a importância do Profissional de Compras na empresa? WA - O comprador é considerado o coração da empresa, pois desempenha uma função de alta confiança na organização. O trabalho do comprador é fundamental, pois através das compras é que uma empresa pode ter lucros ou prejuízos, dependendo das negociações. (RC) - O que um comprador pode fazer para realizar um bom trabalho? WA - Ele precisa ser competente, ter muita segurança naquilo que faz, ser honesto

e determinado, visando o crescimento da empresa para qual trabalha e o seu crescimento profissional. (RC) - Os objetivos da APCC têm sido alcançados? O que precisa ser feito para melhorar? WA - Na área social temos alcançado resultados, tendo em vista proporcionarmos muitas reuniões e eventos sociais. Na área do conhecimento, temos promovido cursos e palestras voltados para a área e continuamos na busca de mais associados e perseverando no objetivo principal que é a regulamentação da profissão. (RC) - Na sua gestão, como diretor social, foi dado início o “Racha Amigos da APCC”. Qual a importância desse trabalho e em que ele tem contribuído? WA - O “Racha Amigos da APCC” foi criado para unir os associados uma vez por mês em um evento esportivo. Fizemos o primeiro evento na gestão do presidente Robeval e fomos melhorando. Hoje, a cada último sábado do mês, reunimos cerca de 50 a 60 compradores e convidados. Com certeza foi uma grande ideia que só tem agregado valor à Associação. (RC) - A APCC já está a caminho dos 16 anos de fundação. Qual o balanço que você pode fazer desse tempo de existência? WA - Posso afirmar que, nesses 16 anos de existência, temos conquistado a confiança dos Profissionais de Compras e temos sentido que é através da nossa perseverança e confiança em Deus que o trabalho vem se consolidando e alcançando os objetivos. (RC) - Todo bimestre a APCC publica o Jornal do Comprador, que neste ano conquistou o status de revista. O que essa revista representa para a Associação e para o público em geral? WA - Para a Associação representa um grande crescimento, pois começamos com 4 páginas em forma de folhetim e hoje estamos com 36 páginas e oficialmente revista, com matérias e artigos

MAIO/JUNHO REVISTA DO COMPRADOR 13

de grande importância, ajudando no dia a dia do Profissional de Compras. Para os parceiros comerciais, através dos anúncios, tem gerado novas oportunidades de negócios. Os leitores têm gostado do nosso trabalho. Sem dúvidas, a revista é um grande elo de comunicação. RC - Como está o planejamento para Festa do Comprador 2014? WA - Já estamos em negociação com o local e escolhendo a data. Logo divulgaremos. Com certeza, como fazemos todos os anos, será mais um grande evento da APCC em comemoração ao Dia do Comprador. RC - O que você espera ainda da APCC? WA - Espero que ela realize o tão sonhado objetivo que é a regulamentação da profissão, que só poderá acontecer quando todos os compradores participarem para que o projeto avance. RC - Agradecemos a sua participação e deixamos o espaço aberto para você enviar o seu recado final. WA - Eu que agradeço a oportunidade de participar desta entrevista e por fazer parte dessa tão honrada categoria. Faço um convite para que todos engajem conosco e busquemos a nossa regulamentação. Unidos seremos mais fortes e imbatíveis.

O COMPRADOR É CONSIDERADO O CORAÇÃO DA EMPRESA, POIS DESEMPENHA UMA FUNÇÃO DE ALTA CONFIANÇA NA ORGANIZAÇÃO.


14 REVISTA DO COMPRADOR MAIO/JUNHO

2014

A

pós uma bateria de perguntas sobre suas antigas experiências profissionais e sua perspectiva em assumir o cargo de gerente na empresa, o recrutador resolve fazer um último questionamento ao candidato: “Se pudesse destacar um defeito em você, qual seria?”. Já com a resposta pré-formatada e à espera de ser utilizada caso essa pergunta seja feita, o entrevistado faz cara de pensativo, finge refletir por alguns segundos e dispara: “sou meio perfeccionista, gosto de fazer tudo com muita precisão, nos mínimos detalhes”. O cenário acima é repetido quase que diariamente em entrevistas de emprego em todo o mundo. Por ser considerado um “problema leve” ou até mesmo uma característica positiva, o perfeccionismo virou a “desculpa” queridinha dos candidatos na hora de brigar por uma vaga. No entanto, ter em seu perfil o atributo de perfeccionista passa longe de ser uma virtude ou de um problema simples. Segundo o escritor norte-americano, Joseph Campbell, ela é nociva à produtividade humana: “A perfeição não leva a nada. Todo processo leva a algum tipo de desconstrução”. Tal desconstrução é resultado da busca infindável pela perfeição e, nesse processo, os perfeccionistas estão sempre insatisfeitos consigo; nunca fazem o suficiente aos seus olhos. Quando as dúvidas a respeito da qualidade do trabalho se fazem constante e o indivíduo questiona frequentemente seu desempenho, a ponto de prejudicar a pontualidade e eficiência com rigidez e prudência em excesso, o perfeccionismo se torna um distúrbio neurótico. Dependendo dos danos ocasionados, pode até ser denominado de transtorno de personalidade obssessivo-compulsivo. AS RAÍZES DO PERFECCIONISMO Para Gordon Flett, professor de Psicologia da Universidade de Iorque, no Canadá, o perfeccionismo não tem apenas raízes intrínsecas e pode ser ocasionado pela ditadura em conseguir um desempenho perfeito imposto pela sociedade contemporânea. “Temos visto um enorme estresse relacionado à necessidade de ser perfeito, necessidade esta que surge tanto no sentido da pressão que você impõe a si mesmo, como também do que as outras pessoas esperam de você”, explica. Os perfeccionistas são divididos em três tipos: o automotivado, que impõe a si padrões elevados e luta para cumprir as próprias exigências, convivendo com o risco da autocrítica depressiva; o que exige perfeição dos outros e acaba destruindo seus relacionamentos por isso; e o socialmente imposto, que tenta atender as expectativas exteriores e acredita que só será aceito se for o melhor, fator de risco de distúrbios alimentares e ideias suicidas. Nesse panorama, o grande problema é que os perfeccionistas, por não enfrentarem estigma algum, não estão cientes de que são portadores de uma disfunção. De acordo com Alice Provost, conselheira assistente da Universidade da Califórnia, que coordenou uma terapia em grupo com funcionários que lutavam contra impulsos perfeccionistas, o que acontece é que muitos são encorajados a pensar como algo positivo: “Eles têm muito orgulho disso… A cultura da nossa sociedade valoriza e reforça muito as atitudes deles”. Um comportamento perfeccionista geralmente está ligado a uma baixa autoestima e à falta de confiança. Para Gordon Flett,

Perfecci

o mal oculto corpor

Muita gente ainda vê o perf porém essa é uma caracterí nociva para um profissiona intrigante elemento


ionismo:

o do mundo orativo

feccionismo com bons olhos, stica que pode ser bastante al. Aprenda a lidar com esse o da personalidade.

2014

MAIO/JUNHO REVISTA DO COMPRADOR 15

os perfeccionistas “se sentem incapazes e se esforçam muito para evitar o fracasso. Mas perder faz parte da vida. Exigências inatingíveis só geram frustração. O principal desafio destas pessoas é aceitar que as coisas são imperfeitas”. E NO MERCADO DE TRABALHO? Quando questionado ao diretor da Telefónica, Kim Faura, quais qualidades são imprescindíveis ao sucesso, ele respondeu: ser consciente a respeito do tempo; ser multitarefa; ter um bom planejamento. Tais características podem facilmente ser ligadas a uma atitude perfeccionista, entretanto, a busca da perfeição causa uma angústia capaz de comprometer todo o desempenho do profissional. Tentar atingir o nível da perfeição aflige inúmeras pessoas, principalmente tratando-se de negócios. Basicamente, o que acontece com uma vítima do perfeccionismo, segundo a autora de Perfeccionismo não é uma virtude, Bia Kunze, é que ela, “sem estar ciente que a perfeição não existe, acha que seu trabalho está sempre aquém do almejado e acaba sacrificando todos os outros aspectos em prol de uma meta inalcançável, tornando-o um profissional, na verdade, ineficiente”. PARA VENCER O PERFECCIONISMO Mesmo grandes líderes tiveram que aprender a administrar a própria personalidade para se adequar aos moldes da organização que integram. Até alcançar o topo da hierarquia corporativa, os executivos trilham um longo percurso no qual amadurecem ao passo em que percebem quais elementos da personalidade devem abandonar pelo caminho e quais vão ajudá-los a desenvolver suas funções. Administradores como a CEO da PepsiCo, Idra Nooyi, e a presidenta da Petrobras, Maria das Graças Foster, não chegaram à toa aos cargos que hoje ocupam. Como elas, a maioria dos líderes evoluiu fazendo uso da autoconsciência. De acordo com Bia Kunze, todos estamos sujeitos a exercer um comportamento perfeccionista. “Pressão social, profissional, acadêmica. Medo de falhar. Todos nós estamos sujeitos a isso, somos o tempo todo cobrados por resultados e a concorrência acirrada só piora o quadro”, indica. Se você não suportar ficar diante de uma mesa bagunçada, acha impossível abandonar uma atividade pela metade ou gasta bastante tempo refazendo tarefas, talvez precise reformular seu comportamento. “Quebrar uma tarefa em múltiplas sub-tarefas, transformando-a num projeto com várias etapas, ajuda a não perder o controle. Estipular um número máximo de revisões também evita que a pessoa se perca em múltiplas pequenas correções”, sugere a autora Bia Kunze. Para ganhar notoriedade dentro da empresa é fundamental que o indivíduo trabalhe cada elemento de sua personalidade, tendo em vista que o perfeccionismo pode levar um profissional a ficar mais distante da qualidade, em vez de o contrário. O ideal é se dedicar ao máximo a todos os projetos e fazer o melhor que pode ser feito, tomando bastante cuidado para não ser extremista e nem buscar o inatingível. Para ser bem-sucedido é preciso ter consciência do real valor do tempo e saber bem como gastá-lo.

Fonte: www.administradores.com.br


16 REVISTA DO COMPRADOR MAIO/JUNHO

2014

Diretoria da APCC la Revista do C

Com a presenรงa de vรกrios associados, parceiros com no auditรณrio do CORE-CE/ SIRECOM-CE, o


ança a tão sonhada Comprador

merciais e autoridades locais, a diretoria apresentou, o novo conceito gráfico de sua publicação.


18 REVISTA DO COMPRADOR MAIO/JUNHO

A

2014

conteceu, no dia 30 de abril, às 19h, no auditório do CORE-CE/ SIRECOM-CE, a solenidade de lançamento da Revista do Comprador. A Revista surge com a experiência do trabalho desenvolvido pela Associação de Compras do Estado do Ceará (APCC) há mais de quinze anos, que na sua primeira diretoria, tendo na presidência o senhor João Batista do Carmo, fundava o Jornal do Comprador. O informativo, que destinava-se a registrar as ações da APCC, cresceu e começou a chamar a atenção não apenas dos Profissionais de Compras, mas também do público em geral. Depois de muito trabalho, perseverança e continuidade, o que era Jornal do Comprador, chega agora às mãos dos leitores transformado em Revista do Comprador, que permanece sendo o veículo oficial de comunicação da APCC, atualmente com maior visibilidade e melhor qualidade, tanto na apresentação visual quanto nas matérias e artigos escritos com muita

dedicação, sempre ajudando os leitores no seu dia a dia. No evento, fizeram parte da mesa solene: Vicente de Paulo Torquato (Presidente da APCC), José Wagner Arrais Albuquerque (Vice-presidente da Associação), o Vereador Benigno Júnior, Francisco José de Oliveira Filgueiras (Presidente do CORE-CE) e Joaquim da Silva Maia Júnior (Presidente do SIRECOM-CE). Para Robeval Goes, Diretor Administrativo da APCC, “é importante enfatizar a participação dos nossos articulistas que têm dedicado especial atenção e carinho à revista, escrevendo artigos de grande relevância. Mencionamos também a importância dos nossos anunciantes, que sempre acreditaram e continuam acreditando e investindo no trabalho e nas ações da APCC. Agradecemos também à equipe de produção, especialmente ao designer Cristiano Abreu, pelos esforços empreendidos para realização desse projeto”, relatou. Confira as fotos do evento.


20 REVISTA DO COMPRADOR MAIO/JUNHO

2014

Empreendedor não deve ter sonho, tem que ter meta. Ele não é um cara que briga, faz negócios. Brigar é coisa de namorados. Abílio Diniz

Empreender é gostar de encrenca. Sair na chuva e se molhar, ajoelhar e rezar. Wellington Nogueira, Doutores da Alegria

Empreender é acreditar no impossível. Se você quer empreender e está perseguindo uma ideia, não conheço nenhuma palavra que possa provocar e trazer mais sucesso, realização e felicidade do que a palavra impossível. Romero Rodrigues, BuscaPé

O empreendedor é apaixonado por uma ideia e corre atrás dela. Ele tem que ter brilho nos olhos e vontade de fazer, mesmo que seja a segunda, terceira, quarta iniciativa. Pedro Passos, Natura

15 defini

empreend Abilio Diniz, Eike Batista, Wellington Nogueira, Ricardo Buckup, Pedro Passos, Romero Rodrigues e muito mais; O que pensam 15 empreendedores de sucesso.


2014

ições de

dedorismo Por Vinícius Victorino

MAIO/JUNHO REVISTA DO COMPRADOR 21

Empreender é correr risco, é liberdade, é autonomia, é desafio e é demais. É saber que, seja no negócio, na família ou em uma empresa, você não fica na zona de conforto. É buscar outro desafio não só nos negócios, mas na vida. Ricardo Buckup, B2 Agência

Afinal, o que é empreender? Quais são as características que tornam uma pessoa empreendedora? Como essas são perguntas que permitem várias possibilidades, preparamos uma lista com as respostas de grandes representantes do empreendedorismo de alto impacto no Brasil, que lançam uma luz sobre essa questão. Confira o que pensam alguns dos maiores empreendedores do país.

Empreender é fácil. Continuar empreendendo é que é difícil. É simples ter uma iniciativa inovadora. Agora, quebrou? Vai de novo. Quebrou novamente? Tenta de novo. É aí que sobra só quem aguentar mais paulada. Empreender é aguentar paulada. Wagner Furtado, Cash Monitor

Empreender é curtir muito encontrar uma solução para algo que está te importunando. Se essa for uma solução que você bolou, não copiou, ela é o grande incentivador do espírito empreendedor. Bento Koike, Tecsis


22 REVISTA DO COMPRADOR MAIO/JUNHO

2014

Empreender é justamente acreditar que não existe limitador algum para você fazer aquilo que sonha. E, para ter força, você precisa se inspirar em coisas que superou no passado.

Empreendedores de verdade são aqueles que vencem em um ambiente hostil.

Salim Mattar, Localiza

Diego Martins, Acesso Digital

Empreender é insistir. É ter muita gana, muita vontade de fazer acontecer, não se cansar e acreditar nesse sonho. Deveria ser a primeira opção de emprego para todas as pessoas.

Empreender é acreditar no seu sonho, fazer com que mais pessoas acreditem nele e transformar tudo isso num sonho de um monte de gente. Sozinho fica pequeno. Tem que ser em time. Arnold Correia, SubWay Link

Rodrigo Azevedo, Comunique-se

Empreender é enxergar uma oportunidade, ou uma boa ideia, e assumir o risco de botá-la em prática, executá-la. E o Brasil precisa disso, pois a vontade do brasileiro de tomar riscos ficou reprimida nos últimos 20 anos. Eike Batista

Empreendedor é quem tem um sonho apaixonante, uma fé inabalável, e se joga de cabeça! Rodrigo Teles, Ex-diretor-geral da Endeavor Brasil e diretor da Fundação Estudar

Empreender é ter vontade de realizar. É você não ficar contente em apenas ter ideias, e sim de colocá-las em prática. Valério Dornelles, Tecno Logys

O empreendedor não tem vergonha de tentar e ter atrevimento para querer coisas maiores. Ele sabe que o ‘não’ ele já tem garantido. Wilson Poit, Poit Energia

Vinícius Victorino é Jornalista / Analista de conteúdo multimídia na Endeavor Brasil. Fonte: www.endeavor.org.br


2014

MAIO/JUNHO REVISTA DO COMPRADOR 23


24 REVISTA DO COMPRADOR MAIO/JUNHO

2014

MOTIVAÇÃO

A força do negativismo Por Márcio Alcântara “De repente, reclamar da vida

pulsão, ora de adesão.

virou consenso geral. As pessoas re-

Ambas geram frutos prejudiciais a

clamam do trânsito, da correria, da

uma organização. Antagonismo, contra-

crise, do tempo, de tudo. E se não

riedade, luta contra novas ideias e pela

percebemos,

manutenção do status quo.

acabamos

entrando

para o time, colaborando para ex-

Mudança, para pessoas mergulha-

pandir ainda mais essa onda sombria

das no negativismo, é igual à incerteza

que vai cobrindo nossas cabeças, nu-

e igual a medo que causa revolta e re-

blando a luz do sol.

pulsão. Entretanto, devemos fugir desse

Não se trata de fingir que as coisas

perigoso e contagiante comportamento,

não acontecem, mas de que adianta

pois ele alimenta-se de si mesmo e ocul-

ficar reproduzindo essa visão negati-

ta nossa responsabilidade de agir em

va do mundo, como se fôssemos um

função do bem-comum e até de nossos

gravador mal-assombrado recriando o

próprios e fundamentais interesses, si-

arrastar de correntes fantasmagóricas

lenciando nossa pró-atividade.

por onde quer que passemos?

Albert Einstein disse certa vez que “a

As nossas palavras, e os nossos

mente que se abre a uma nova ideia ja-

pensamentos são como sementes. A

mais retorna às suas antigas dimensões”.

partir do momento em que as tra-

Destaque-se da multidão. Seja dife-

zemos para fora, semeamos o ter-

rente daquilo que prega o senso con-

reno ao nosso redor. Num primei-

vencional. Explore usos diversos para

ro momento as sementes ficam lá

realidades já existentes e inove quan-

quietas, como se estivessem mortas,

do preciso. Encha-se de positivismo e

como se não tivessem vida própria.

transborde de ações que demonstrem

Mas elas têm! Na medida em que

quem você é e quer se tornar.

continuamos alimentando-as, elas

Afinal, a inteligência não utilizada é

crescem, ficam cada vez mais fortes,

quase tão inútil quanto a ignorância em

frutificam e povoam nossas vidas.”

ação. E, acima de tudo, como diz a sábia

(Patrícia Gebrim – Blog Vya Estelar)

música de Monique Kessous, mova-se

A corrente gerada pelo negati-

DESTAQUE-SE DA MULTIDÃO. SEJA DIFERENTE DAQUILO QUE PREGA O SENSO CONVENCIONAL. EXPLORE USOS DIVERSOS PARA REALIDADES JÁ EXISTENTES E INOVE QUANDO PRECISO.

“pra longe de quem não vê nada além”.

vismo e pessimismo atuante dissipa

Nunca discuta com um ignorante.

reações e provoca sentimentos va-

Ele te rebaixará até o nível dele e te

riados nas outras pessoas, ora de re-

vencerá por experiência. (Mark Twain)

Márcio Alcântara é Gerente Comercial da SV Elétrica


2014

MAIO/JUNHO REVISTA DO COMPRADOR 25


26 REVISTA DO COMPRADOR MAIO/JUNHO

2014

SEUS DIREITOS

O direito e o avanço tecnológico Por Ana Karla Fonteles Cavalcanti Apesar de áreas distintas, direito versus tecnologia fazem uma combinação perfeita quando se fala em celeridade processual, agilidade nos despachos, facilidade nas consultas e na protocolização das ações, bastando apenas que o advogado e as partes interessadas tenham acesso à internet. Foi pensando nessa agilidade e facilidade que a justiça pensou em atrelar direito e procedimento tecnológico. Com o advento da tecnologia, a busca pelo direito ficou mais fácil, sendo possível ter acesso ao processo virtual de qualquer lugar do mundo, ou seja, a consulta e acompanhamento ficaram bem mais perto. Pensando assim, parece uma maravilha, mas também existem os contratempos e as dificuldades, pois o sistema virtual necessita de investimentos, cursos e aperfeiçoamentos diários para que a solução não seja um grande problema, uma vez que nem todas as cidades brasileiras possuem sinal de internet, assim como nem todas as partes e advogados possuem acesso a tal tecnologia. Não obstante o avanço da tecnologia e a crescente virtualização dos processos e da justiça como um todo, ainda existe muitos entraves que devem ser superados e melhorados para que nossa justiça possa ser exemplo de modernização para outros países. Aos poucos, com o avanço tecnológico foi possível o emprego da digitalização e do processamento e transmissão simultânea de diferentes tipos de informações para todos os povos e

locais, acabando por propiciar uma baixa sensível nos custos e preços destes serviços, além de agilizar a realização das audiências e tramitações processuais, diminuindo consideravelmente o tempo de espera pelo término das ações. Cumpre ressaltar que não seria nada válido para o desenvolvimento da tecnologia atrelada ao direito se, juridicamente, não fosse salvaguardado o objeto das relações advindas desses avanços, partindo dos paradigmas atinentes à tradicional concepção de documento, uma vez que na era pré-tecnológica, ou seja, protocolo de petições em papel, existia o recebimento por meio de carimbo, e assim, tínhamos a garantia do protocolo na 2° via que na área do direito é valiosíssimo para comprovar a tempestividade dos prazos. Pensando nessa necessidade, foi criada a assinatura eletrônica, que oferece mais estabilidade e segurança às relações processuais na era tecnológica, uma vez que, com essa assinatura, comprova-se a data da realização do protocolo, e que o mesmo foi concretizado de forma segura por advogado habilitado nos autos. Diante dos argumentos acima narrados, existe a necessidade de se repensar antigos dogmas jurídicos, com o objetivo de adaptá-los a uma nova realidade que se apresenta diante de nossos olhos. Tal conjunto nos permitem, sem exageros, ressaltar a importância da Internet como legítimo instrumento de progresso social ocorrido nos últimos tempos. Dessa forma, só temos a elogiar e torcer para que essa junção do direito e a tecnologia seja uma parceria rica e duradoura.

COM O ADVENTO DA TECNOLOGIA, A BUSCA PELO DIREITO FICOU MAIS FÁCIL, SENDO POSSÍVEL TER ACESSO AO PROCESSO VIRTUAL DE QUALQUER LUGAR DO MUNDO

Ana Karla Fonteles é advogada, especialista em direito processual do trabalho e em direito processual civil. fontelesk@hotmail.com | 8774.1183


2014

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

MAIO/JUNHO REVISTA DO COMPRADOR 27


28 REVISTA DO COMPRADOR MAIO/JUNHO

2014

MARKETING

Marketing pessoal na era digital Por Aline Serafim As mídias sociais surgiram nos anos 2000, com a popularização da internet e o nascimento do Fotolog, uma espécie de diário fotográfico hospedado na internet para o compartilhamento de fotos. Podemos dizer que o boom das redes sociais veio quatro anos depois, com a criação do Flickr, Orkut e o Facebook, considerada hoje a maior rede social do mundo com mais de 1,19 bilhões de usuários. Criadas inicialmente com o intuito dos seus usuários reencontrarem velhos amigos, as comunidades foram deixadas de lado para darem oportunidade às pessoas, com valores e interesses comuns, de se conectarem para o compartilhamento de informações e conhecimentos, sem levarem em consideração as barreiras geográficas. Segundo pesquisa do GfK, instituto de pesquisa da Alemanha, 50% dos internautas brasileiros utilizam a internet para acessarem redes sociais. Essa informação faz com que se acredite que a utilização dos computadores afete negativamente as relações sociais entre as pessoas e que os seus adeptos vivam cada vez mais sozinhos. Em contrapartida, há quem diga que os sites de relacionamento ajudem as pessoas a se relacionarem e se sentirem pertencentes a um determinado grupo. Coincidência ou não, o que vemos atualmente são pessoas que utilizam as mídias sociais para demonstrarem a sua insatisfação em ter chegado a segunda-feira ou a alegria em ter chegado a

sexta, a briga com o chefe, o término de um relacionamento, a inveja do colega de trabalho e tantas outras atividades banais do dia a dia. Mas o que isso tem a ver com o Marketing Pessoal? Segundo Kotler, o Marketing Pessoal é “Um novo conceito e instrumento do marketing em benefício da carreira e das vivências pessoais dos indivíduos, valorizando o ser humano em todos os seus atributos, características e complexa estrutura”. Sintetizando, podemos dizer que essa é uma ferramenta para promovermos a nossa imagem pessoal e assim alcançarmos um objetivo profissional. Poucos sabem, mas muitas empresas têm analisado os perfis de seus candidatos através de suas páginas pessoais na internet. É um erro não levar em consideração que os gestores ou diretores das empresas onde trabalham também podem estar presentes nessas mídias e que qualquer postagem mais ousada pode comprometer a sua imagem profissional. Já existem profissionais que aproveitaram a exposição das mídias sociais para se promoverem e administram no Facebook um perfil pessoal e outro profissional, sendo o segundo voltado para relacionamentos de negócios. As pessoas que investem em perfis como esse passam a se enxergarem como uma marca, criam estratégias, planejam cada postagem e, assim como uma empresa, procuram passar uma imagem de credibilidade e confiança. Se não há interesse em transformar o seu perfil em algo tão sério e profissional, seja mais cauteloso com o que vai postar.

Evite criticar a empresa ou os seus colegas de trabalho, não poste fotos comprometedoras, entenda que aquele espaço não é um diário e que não há necessidade de expor todos os seus sentimentos, fúrias e decepções, e não esqueça que nem todas as pessoas precisam saber onde você está, o que está fazendo ou o que está comendo. Aos que buscam negócios ou oportunidades profissionais, é importante salientar que o marketing pessoal nas mídias sociais é uma construção de imagem pública e que deve haver um cuidado com o que está sendo publicado na sua timeline. Com um tempo será percebido que as suas publicações servem de conteúdo e que a sua opinião e percepção sobre alguns assuntos são importantes para muitos, o que te tornará responsável pelo o que publica e até o que “curte”. Com perfil pessoal ou profissional o que vale é aproveitarmos os benefícios dessa era digital. Com responsabilidade e uma pitada de bom senso não há como ter erros.

Aline Serafim é Gerente de Marketing do Grupo Carmehil.


2014

MAIO/JUNHO REVISTA DO COMPRADOR 29


30 REVISTA DO COMPRADOR MAIO/JUNHO

2014

CARREIRA

Simplifique Por Cláudio Araújo Simplifique tem sido a palavra de

do negócio. Logo, quanto mais claro es-

ordem como resposta para a economia

tiver o projeto da empresa, maior será a

mundial e isso me leva a associá-la a

probabilidade de engajamento e dedica-

uma das grandes necessidades que ve-

ção aos objetivos de resultado. Veja que

nho identificando dentro das empresas

podemos substituir o claro por simples,

de pequeno e médio porte.

assim a liderança agirá como um regente

A busca pela eficiência operacio-

de uma grande partitura e os colaborado-

nal tem sido o foco das empresas mais

res (músicos) estabelecerão intensidade

avançadas, empresas que quebraram a

na eficiência operacional.

barreira básica da implementação de

Como ferramenta de racionalização

controles operacionais e que buscam,

podemos destacar os sistemas de gestão

com expertise, os melhores resultados

disponíveis no mercado, a cada momento

que seu negócio pode gerar.

mais acessíveis ao poder de investimento

A fórmula para estabelecer me-

de empresas de pequeno e médio porte.

lhores resultados parte da visão sistê-

Soluções com integração inclusive com a

mica que o gestor necessita ter, de ser

contabilidade.

consciente que nenhum setor ou área

Por falar em contabilidade, o mo-

é mais importante do que o outro, e,

mento exige uma desmistificação por

principalmente, que os setores e as áre-

parte do empresário/gestor para esta

as são complementares. Mapeando a

área. O contador necessariamente tem

empresa e suas conectividades, a visão

que compartilhar, lado a lado, o dia a

de prioridade fica muito mais evidente.

dia da empresa. Ver a contabilidade com

O estabelecimento de metas por

simplicidade também é fundamental, ou

setor passa a ser outro passo funda-

melhor, essencial.

mental nesse ponto e, novamente, pre-

Tenho visto e comprovado que empre-

valece a palavra simplicidade; quanto

sas que estão adotando este modelo vêm

mais específicas e objetivas forem as

obtendo resultados excepcionais que me

metas, melhor o entendimento e o en-

fazem lembrar uma frase de Bob Knight:

volvimento da equipe de colaboração

“A vontade de se preparar tem que ser

operacional.

maior que a vontade de vencer.” Ao que

A equipe é destacada como a alma

A BUSCA PELA EFICIÊNCIA OPERACIONAL TEM SIDO O FOCO DAS EMPRESAS MAIS AVANÇADAS, EMPRESAS QUE QUEBRARAM A BARREIRA BÁSICA DA IMPLEMENTAÇÃO DE CONTROLES OPERACIONAIS

complemento: e com simplicidade.

Cláudio Araújo é Consultor da Êxito Consultoria e Coordenador da ULS. (85) 9181.8632 claudioaraujo@secrel.com.br www.exitotreinamento.com.br


2014

MAIO/JUNHO REVISTA DO COMPRADOR 31


32 REVISTA DO COMPRADOR MAIO/JUNHO

2014

PERFIL

LEANDRO SOUSA DE OLIVEIRA, GERENTE DE COMPRAS DA SV ELÉTRICA Caros leitores, Aos 39 anos de idade e 23 de profissão, curso o 3º semestre de Administração de Empresas (UNIP) e tenho vários cursos profissionalizantes nas áreas administrativas e vendas. Sou casado com Carolina Drummond (37) e tenho dois filhos, João Felipe (17) e Pedro Henrique (7) e sintome bastante honrado em ter sido convidado por esta conceituada revista a contar minha trajetória pessoal e profissional. Em 1990 iniciei minha carreira, aos 16 anos, na empresa Riplat em TimonMa, na área de vendas. Comprávamos em sucata: discos, platôs e induzidos; mandávamos para São Paulo e após 30 dias recebíamos de volta e vendíamos nas empresas de ônibus coletivos, no Maranhão e Piauí. Sempre alcançando excelentes resultados na área de vendas, já trabalhei em empresas como: Brasil Nativo Cosméticos (1994 a 1997), exercendo a função de representante comercial nos estados do Piauí, Ceará, Maranhão e Tocantins; Café Santa Clara (1998 a 2001), onde fui vendedor viajante

nos estados do Piauí e Maranhão, nas funções de vendedor, supervisor e chegando a gerente comercial em São Luís-Ma; Colchões Ortobom (2002 a 2010), inicialmente como prospector de lojas especializadas, abri oito lojas em um mês, fui promovido a vendedor reserva e após dois meses já era vendedor titular com uma rota de 18 cidades e 180 clientes no litoral do Piauí. Em 2004 fui promovido a gerente comercial, onde tive que mudar para Fortaleza, pois era aqui a sede da empresa. Em 2009 abri uma franquia da Ortobom no Shopping Pátio Dom Luis, permanecendo até 2011. Nesse ano, começou minha aproximação com material de construção na empresa Construtop (2011 a 2012), onde fui gerente geral da loja e iniciei meus primeiros passos como comprador, auxiliando Ricardo Rizzato Filho (diretor). Na Normatel (2012 a 2013) me consolidei como comprador nível três da equipe de Home Center, onde era encarregado pelas carteiras de: elétrica, esquadrias, iluminação, ferragens e bricolagem, atendendo 89 fornecedores, com 15 mil SKU’s. Em fevereiro de 2014 entrei para família SV Elétrica, na função de gerente de compras, onde, junto com a equipe estamos reestruturando o departamento, procurando comprar de forma mais eficiente, analisando as tendências de mercado e trabalhando o potencial de venda de cada item, fazendo um link com a equipe de vendas que nos dá suporte para tomarmos as decisões de forma mais assertiva. Comprar apenas não basta, também é da responsabilidade do departamento de compras trabalhar o material sem giro. Em três meses conseguimos negociar com os fornecedores a devolução de 25% do estoque parado há mais de um

ano, melhorando o fluxo de caixa da empresa. Entendo que o profissional de compras, além de procurar estar em constante atualização, tem que ter no seu DNA o princípio da honestidade e do bom relacionamento. Com o objetivo de me aperfeiçoar na área, fui recém-aprovado no vestibular de Engenharia Elétrica (UNIFOR). Estou bastante entusiasmado com a nova área de atuação e acredito ter muito a crescer e contribuir com a empresa. Aproveito para agradecer a todas as pessoas que em algum momento colaboraram para o meu desenvolvimento profissional. Obrigado!

ENTENDO QUE O PROFISSIONAL DE COMPRAS, ALÉM DE PROCURAR ESTAR EM CONSTANTE ATUALIZAÇÃO, TEM QUE TER NO SEU DNA O PRINCÍPIO DA HONESTIDADE E DO BOM RELACIONAMENTO


2014

MAIO/JUNHO REVISTA DO COMPRADOR 33


34 REVISTA DO COMPRADOR MAIO/JUNHO

2014

DICAS DE ETIQUETA

Hálito saudável Um sorriso longo e dentes perfeitos são o cartão de visitas de um profissional. Saiba manter o hálito agradável. Uma higiene bucal diária, feita com excelência, faz a diferença! Então, vamos descobrir os cuidados necessários para se ter um sorriso bonito por toda a vida. A ordem em que devem ser feitos os cuidados diários são: Uso do fio dental, enxaguante bucal, limpador de língua e por fim, a escovação. Agora vamos enumerar as dicas com seus procedimentos: 1 - Visite regularmente um ortodontista; 2 - Escove os dentes três vezes ao dia, após as principais refeições; 3 - O fio dental é indispensável para a limpeza dos dentes, pois ele vai onde a escova não alcança, removendo os

resíduos de alimentos; 4 - Use o enxaguante bucal antes e depois de escovação; 5 - A limpeza da língua também tem sua importância, já existe no mercado escova que traz o limpador em sua cabeça. Vale ressaltar que este procedimento facilita a higienização bucal, afastando e eliminando as bactérias; 6 - A escova ideal e adequada para quem tem dentes naturais é a de cerdas macias para limpar também as gengivas. A escova com cerdas mais duras é recomendável para limpeza de prótese dentária (dentadura removível); 7 - A escolha mais apropriada do creme ou pasta dental é feita de acordo com a necessidade de cada pessoa, e é importante que contenha flúor em sua composição. Em caso de sensibilidade, deve-se usar uma pasta

específica com indicação de um dentista; 8 - A quantidade de creme ou pasta dental para cada escovação deve ser extraída do tubo da espessura que comporte na superfície das cerdas da escova; 9 - A troca da escova dental é recomendada ser feita pelo menos a cada 60 dias de uso; 10 - A higienização bucal deve ser iniciada desde a idade de bebê (ainda sem dentes), indo até os últimos momentos de existência vital. Priscila Cavalcanti e Malu Cavalcanti são cerimonialistas e promotoras de eventos. www.priscilaeventos.com.br priscilaeventos@priscilaeventos.com.br (85) 3401.5216 | 9981.1786


2014

MAIO/JUNHO REVISTA DO COMPRADOR 35



Revista do comprador 2014 maio junho site