Page 1

ANO X – EDIÇÃO 82 – JULHO/AGOSTO 2013 – DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

APCC ENTREVISTA

Francinildo Teixeira Victor, segundo Diretor Financeiro da APCC

Crescimento profissional O QUE SEUS CLIENTES ESTÃO COMPRANDO!

Saiba fazer as escolhas certas para alavancar a sua carreira

No mundo dos negócios, a percepção é mais importante que a realidade APCC 15 ANOS DE HISTÓRIA | XV FESTA DOS PROFISSIONAIS DE COMPRAS | SEUS DIREITOS | COMO VIVER MELHOR


2 JORNAL DO COMPRADOR JULHO/AGOSTO

2013

EDITORIAL

O mercado de trabalho e o bom profissional

PRESIDENTE Vicente de Paulo Torquato VICE-PRESIDENTE José Wagner Arrais Albuquerque

Amigos associados, Para uma boa colocação profissional existe, acima de tudo, decisão e dedicação. Quem sabe tomar decisões corretas nas horas certas já terá dado o primeiro passo para ser um ótimo profissional. Seja decidido e saiba decidir. Às vezes as decisões não são positivas e o bom profissional deve saber distingui-las. Para se destacar no mercado de trabalho, um profissional deve ter foco e atitude para chegar à sua meta. Precisa ter determinação e muita dedicação. Ser também maleável e saber que tudo na vida pode ser aperfeiçoado. E o mais importante, o bom profissional que deseja crescer na sua carreira, deve ter, acima de tudo, humildade. Um bom planejamento e a administração do seu tempo lhe ajudarão muito no seu crescimento profissional. Não há dúvida de que o conhecimento técnico e a experiência são fundamentais para que seja bem-sucedido, mas há outros fatores que podem fazer a diferença quando o profissional precisa se firmar no mercado. Um bom exemplo disso é a leitura. A busca pela informação é importante também para aqueles que querem se manter bem posicionados no mundo profissional. Através do hábito de ler, especialmente sobre as atualidades e tendências de sua área de atuação, é possível antever cenários futuros, ter os dados necessários para tomar decisões conscientes e se preparar para as oportunidades que vierem. Nesta edição, também abordaremos uma data muito importante para todos nós compradores. É com grande satisfação que anunciamos a realização da XV Festa dos Profissionais de Compras, que acontecerá no dia 21 de setembro, no Clube Recreativo dos Subtenentes e Sargentos do Exército (CRESSE). Nosso evento foi idealizado graças à determinação e foco da diretoria da nossa Associação, quando juntos, nos reunimos no dia 03 de agosto para fecharmos os últimos ajustes à realização dessa grande confraternização. Boa leitura!

DIRETORES 1º Diretor Financeiro: José Maria Cunha 2º Diretor Financeiro: Francinildo Teixeira Victor 1º Secretário: Antonio Edgar Moreira da Silva 2º Secretário: Francisco Gledson da Silva Diretor Social: Arilaudo Ribeiro Melo Relações Públicas: Ednaldo Lima Tabosa Diretor de Patrimônio: Paulo André Marques Diretor Administrativo: Robeval Feitosa Goes CONSELHO FISCAL Misael Barreto da Silva Carlos Eugênio Tavares João Batista do Carmo SUPLENTES José Alves Paulino Antonio Wagner Gois Carlos Alberto Firmino Rodrigues PROJETO GRÁFICO / DIREÇÃO DE ARTE Cristiano Abreu (85) 8899.4475 | ceadesign@hotmail.com JORNALISTA RESPONSÁVEL Karol Andrade (85) 8604.4441 | karolandradejornalista@gmail.com IMPRESSÃO Tecnograf TIRAGEM 1.500 exemplares

WAGNER ALBUQUERQUE Vice-Presidente da APCC

O Jornal do Comprador é uma publicação da Associação dos Profissionais de Compras do Estado do Ceará – APCC: Av. Gomes de Matos, 648 • Sala 110 • Montese • Shopping Solaris • Fortaleza-CE • Fone/Fax: (85) 3204.1513 (85) 3091.7991 • www.apcc-ce.com.br • apcc@apcc-ce.com.br • apcc-ce@hotmail.com

ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE COMPRAS DO ESTADO DO CEARÁ VISÃO

Representar a classe dos profissionais de compras, atuando no âmbito Municipal, Estadual e Federal.

MISSÃO

Trabalhar para atingirmos nossos objetivos, baseados na ética, valorização humana e profissional, buscando sempre a excelência da profissão.

OBJETIVOS

Congregar e organizar a classe de profissionais de compras do Estado do Ceará, com vistas a defender os seus interesses, assim como representar e reivindicar junto aos poderes constituídos públicos e privados, a execução de medidas que lhes assegurem o apoio efetivo ao desenvolvimento das suas atividades de modo a lhes garantir melhores condições de trabalho e de vida; Regulamentação da classe junto aos órgãos e entidades e instituições competentes.

Acesse o site www.apcc-ce.com.br e conheça mais sobre a Associação


2013 JULHO/AGOSTO

SUMÁRIO

JORNAL DO COMPRADOR 3

04 APCC 15 ANOS DE HISTÓRIA

Fotos e acontecimentos que marcaram a gestão de Carlos Eugênio Tavares

06 APCC ESPORTES

Associados e parceiros da APCC praticam esporte por meio de futebol e de maratona de revezamento

08

08 APCC ENTREVISTA

11

Francinildo Teixeira Victor - Paixão em superar desafios

10 APCC E PARCEIROS

Mais parcerias de sucesso

10 ANIVERSARIANTES DOS MESES Julho/Agosto

11 XV FESTA DOS PROFISSIONAIS DE COMPRAS 12 O QUE SEUS CLIENTES ESTÃO COMPRANDO! No mundo dos negócios, a percepção é mais importante que a realidade

13 PERFIL

Rodrigo Gondim, comprador emergencial da SV Elétrica

12

14 A IMPORTÂNCIA DA GENTILEZA NO DIA-A-DIA

Quando se é gentil com os outros, ajudamos a tornar o ambiente melhor

16 CINCO LEIS DE CRESCIMENTO PROFISSIONAL Saiba fazer as escolhas certas para alavancar a sua carreira

18 ANSIEDADE: O MAL DO SÉCULO Devemos ser ansiosos, mas não ao ponto de não sabermos esperar

20 SUA CARREIRA! SUA VIDA!

Iniciativa, o fator mais importante para o desempenho profissional

21 SAÚDE EM DIA

Dicas para a longevidade

22 SEUS DIREITOS

Dano moral: A negativação indevida junto aos órgãos de proteção ao crédito

23 TECNOLOGIA E INFORMAÇÃO

16

Direito eletrônico: Direitos e normas nas relações social e comercial no mundo virtual

24 IV SEMANA DE GESTÃO DA FATENE 2013 TI Verde: A tecnologia da informação aliada à sustentabilidade

25 FIQUE LIGADO

Espiritualidade nos negócios

26 MINERAÇÃO

Cal hidratada: O minério mais versátil e social da atualidade

27 DICAS DE FILMES Os Miseráveis Amour

28 CURIOSIDADES ELÉTRICAS

Interruptores e tomadas: Presentes em nosso dia-a-dia

29 DICAS DE LEITURA

Em busca de sentido Construindo um futuro de sucesso

30 DICAS DE ETIQUETA

Palavra-chave: Organizar

18

20

30 COMO VIVER MELHOR

Não complique seu problema


4 JORNAL DO COMPRADOR JULHO/AGOSTO

2013

Depois de dois anos de gestão de Misael Barreto da Silva, novamente chegamos a um período em que precisávamos escolher um novo presidente. Os associados foram novamente convocados a escolher, através do voto, quem iria dirigir os trabalhos da APCC, que chegava aos seus 7 anos de fundação. Fomos convocados para mais uma eleição. Nessa ocasião, estávamos com sede à Rua Napoleão Laureano, 164, sala 101, no Bairro de Fátima. Os candidatos eram: para presidente, Carlos Eugênio Tavares (Mercurius Engenharia) e vice, Robeval Feitosa Goes (TBM - Textil Bezerra de Menezes). Eugênio e Robeval e toda a diretoria foram eleitos em chapa única para trabalharem pelo desenvolvimento da APCC nos anos de 2004 a 2006 e promoveram o crescimento da Associação com muitas atividades nas áreas: profissionais, políticas e sociais, chegando ao final do mandato em 2006, precisamente no dia 31 de maio, data em que os associados reuniram-se para mais uma eleição. Devido a uma excelente administração e amparado pelo estatuto social, o presidente Carlos Eugênio Tavares, recebeu todo o apoio dos associados e candidatou-se para mais um mandato de 2 anos, tendo como vice, Vicente de Paulo Torquato, gerente de suprimentos da CEMAG/ITAUEIRA. A eleição realizou-se na sede que era situada à Rua Deputado João Pontes,

766, também no Bairro de Fatima. A eleição aconteceu com muita tranquilidade e Carlos Eugênio foi novamente eleito e seguiu para mais um desafio. Foi um período de muitas mudanças e muitas conquistas, dentre as quais destacamos a mudança da logomarca da Associação, criada pelo designer gráfico, Cristiano Abreu, precisamente no ano de 2007. A partir deste momento, o Jornal do Comprador ganhou um novo layout, passando a ter uma maior visibilidade e ganhando maior atenção dos leitores. Ainda nesse período, realizamos uma viagem a Sobral para conhecermos a Fábrica de Cimento Poty, do Grupo Votorantin. As confraternizações do Dia do Comprador começaram a atrair um público bem maior, inclusive com a participação do então, Deputado Federal, José Pimentel e Heitor Ferrer, que estava exercendo mandato de vereador em Fortaleza, muitos compradores aderiram à causa e ingressaram na APCC. De 2004 a 2009 a Associação deu um salto muito grande na quantidade e qualidade de seus serviços, deixando um grande legado para as futuras lideranças. Parabéns, Carlos Eugênio Tavares, pelos os esforços empreendidos para o desenvolvimento da APCC! Na próxima edição (setembro e outubro) voltaremos falando sobre o período de janeiro de 2009 a abril de 2013. APCC, 15 anos com você.


2013 JULHO/AGOSTO

REDESIGN DA MARCA A ideia era criar uma marca mais moderna, de fácil assimilação, e que transmitisse a expansão da Associação. O resultado foi um design mais colorido, com letras impactantes e de fácil legibilidade.

NOVO LAYOUT PARA O JORNAL Além da nova logomarca, o Jornal do Comprador ganhou também um novo projeto gráfico, resultando em maior legibilidade para o leitor e um conteúdo melhor distribuído.

JORNAL DO COMPRADOR 5

NOVA IDENTIDADE VISUAL O material de escritório da Associação (cartão de visitas, envelopes, papel timbrado e pastas) também passou por uma reformulação no design.


APCC ESPORTES Nos dias 29 de junho e 3 de agosto, a APCC realizou mais dois eventos esportivos, onde compradores e amigos reuniram-se para colocar as conversas e o futebol em dia. No racha do dia 3 de agosto, a APCC contou com a participação do sr. Evilson, gerente de vendas da MAXTIL, fabricante de calhas elétricas. A MAXTIL é mais uma empresa parceira que vem somar forças com a Associação. Outro grande evento que aconteceu recentemente foi a 12ª Maratona Pão de Açúcar de Revezamento, realizada na Praia de Iracema, que contou com a participação das empresas SV ELÉTRICA E CANDELA. No último sábado de cada mês a APCC realiza uma tarde de futebol para seus associados, amigos e parceiros. Venha participar você também!

Apoio:


8 JORNAL DO COMPRADOR JULHO/AGOSTO

2013

APCC ENTREVISTA

Paixão em superar desafios Francinildo Teixeira Victor, segundo diretor financeiro da APCC O entrevistado desta edição é Francinildo Teixeira Victor, segundo diretor financeiro da APCC e chefe de compras na DN EMPREENDIMENTOS. Francinildo ingressou na DN EMPREENDIMENTOS (DIAGONAL NORMATEL) em 1994, na função de auxiliar de almoxarife. Sempre trabalhando com muita garra e transparência, logo no primeiro mês de trabalho assume a chefia do almoxarifado. Daí pra frente foram obras e mais obras num período de 10 anos. No final de 2004 a DN EMPREENDIMENTOS, em um projeto arrojado montava sua sede própria, quando lhe veio o convite para assumir o setor de compras. Ao receber tão importante convite, Francinildo não pensou duas vezes e resolveu assumir mais um desafio profissional, pois tratava-se de uma função de muita responsabilidade e confiança que a empresa estava lhe proporcionando. Francinildo passou um período trabalhando com o amigo Dedé, da Diagonal, com o qual teve a oportunidade de aprender muito na área de compras. Nessa época conheceu a APCC, tornou-se sócio e em seguida passou a fazer parte da diretoria, onde está até hoje. Sempre procurando melhorar naquilo que faz, gosta muito da empresa onde trabalha, sobretudo pelo fato de ter enfrentado vários desafios que muito incentivaram o seu crescimento profissional. “A NORMATEL sempre apostou em mim, sinto-me satisfeito em trabalhar no grupo NORMATEL, é a minha segunda casa”, enfatiza o grande profissional. Jornal do Comprador (JC) – Francinildo, seja bem-vindo à nossa entrevista. FRANCINILDO TEIXEIRA – É com imensa satisfação que agradeço a oportunidade de participar deste tão importante meio de comunicação. JC – Você pode detalhar um pouco como foi o seu encontro com a APCC? FRANCINILDO – Em 2004 iniciei minha carreira profissional na área de compras, no ramo da construção civil, com o amigo Dedé, já sócio e diretor da APCC. Ele me falou da Associação e já de imediato fiquei curioso em conhecê-la e logo me tornei sócio. Na primeira oportunidade, participei de uma reunião e no momento falei para mim mesmo: “tenho que fazer parte deste time”. E logo chegou-me o convite para compor a diretoria e, como na minha vida agarro todas as oportunidades que me são oferecidas, aceitei na hora e faço parte da diretoria até hoje. JC – Como você se sente como associado e diretor da APCC? FRANCINILDO – Como associado, é uma satisfação poder colaborar com a APCC e, como diretor, é um prazer imenso fazer parte deste time de gigantes que lutam por nossos ideais. JC – A APCC exerce alguma influência no seu dia a dia profissional? FRANCINILDO – Sem sombra de dúvida. Fazer parte da APCC é como fazer parte de um time vencedor. Hoje faço parte da diretoria e me considero um atleta dessa grande seleção.


2013 JULHO/AGOSTO

JC – Em que a Associação tem lhe ajudado como entidade que congrega os profissionais de compras? FRANCINILDO – Em nos tornar reconhecidos perante toda a sociedade e como batalhadores pela luta contínua para a regularização da profissão. JC – Na sua opinião, que tipo de benefício a APCC poderia proporcionar aos seus associados? FRANCINILDO – Palestras voltadas para a área de compras, já que temos vários professores no assunto. Organizar visitas às fábricas, junto com os fornecedores tanto aqui no Estado como fora. JC – Qual a sua opinião em relação ao Jornal do Comprador? FRANCINILDO – O Jornal do Comprador já é para mim como a “Revista do Comprador”, um veículo de comunicação muito importante para nossa Associação, pois é através dele que muita gente nos conhece como lutadores. JC – Você ouve comentários em relação ao Jornal do Comprador? O que o público tem falado sobre o nosso veículo de comunicação? FRANCINILDO – Ouço muitos comentários aqui na sede da empresa. Todos os representantes, clientes e vendedores que têm a oportunidade de ler o nosso jornal, é só elogios. Como falei anteriormente, já podemos considerá-lo como “Revista do Comprador”. É como várias pessoas o tratam quando o leem. JC – O que você mais aprecia no Jornal do Comprador? FRANCINILDO – As matérias voltadas para a nossa área de compras, as opiniões dos leitores e a coluna social. E agora, essas entrevistas com os sócios também são muito importantes. JC – Estamos chegando ao mês de setembro, onde sempre a APCC promove o tradicional encontro para a comemoração ao Dia do Comprador. O que você acha desse evento? FRANCINILDO – Um evento tradicional de muita importância para nós compradores. É um momento de confraternização entre nós, vendedores, familiares e amigos. Um momento onde podemos ver vários amigos que, às vezes, no dia a dia da nossa luta, não conseguimos nem falar ao telefone. JC – Estamos vivendo grandes momentos em que a APCC chega aos seus 15 anos de

fundação. Você acha que está valendo a pena essa luta? Por quê? FRANCINILDO – Claro que sim! Já faço parte da história da APCC, pois estou há 9 anos na Associação e para mim é uma referência. Estamos há 15 anos no mercado e só vejo melhorias. Devemos, sim, continuar lutando e lutando todos os dias, para um dia sermos reconhecido como profissionais de direito. JC – No seu dia a dia de compras você já precisou de alguma informação e contou com a ajuda da APCC? FRANCINILDO – Sim. A APCC tem me ajudado quando preciso de informações relacionadas à minha área. Se a mesma não tem a informação que solicito, me delega a um dos associados ou diretores e os mesmos, com muita atenção, sempre me ajudam. JC – O que você sugere para que haja um maior desenvolvimento na Associação? FRANCINILDO – A participação dos sócios nas reuniões de diretoria, porque as opiniões dos sócios só vêm a somar nas decisões dos diretores. JC – Comprar é uma arte e comprar bem é necessário. O que você sugere para se fazer uma boa compra? FRANCINILDO – Todas as empresas, das menores às multinacionais, independentemente da sua atividade, precisam fazer compras. Em muitos casos, administrar bem essa área pode ser a diferença entre o sucesso e o fracasso de um negócio. Mesmo com essa importância, muitas empresas exercem muito mal suas compras, geralmente porque acreditam que o preço é o único fator relevante para a tomada de decisão. Além do preço, mais dois fatores são fundamentais para uma boa compra, seja ela de matéria-prima, ou produtos para revender. O primeiro deles é a definição da quantidade a ser comprada. Conhecer a quantidade certa do que se precisa não é fácil, pois é necessário estimar o que ocorrerá no futuro. Mas é um exercício que vale a pena ser feito, pois, quanto melhor a estimativa, maior a economia para a empresa. Se a compra for menor, o produto faltará, e muitas oportunidades serão perdidas. Se for maior, haverá o risco de o produto encalhar no estoque ou ficar desatualizado, alem de reter o precioso capital da empresa e comprometer seu fluxo de caixa. O outro fator que deve ser levado em consideração, além do preço, é a qualidade do que se compra. Muitas vezes os empresários se esquecem de que o custo de não ter qualidade é muito maior do que o desconto na compra de um produto pior. Má quali-

JORNAL DO COMPRADOR 9

dade resulta em clientes insatisfeitos, troca de produtos e tempo dos seus funcionários escutando a reclamação, entre uma série de outros problemas que geram inúmeros custos ao seu negócio. Compre produtos e serviços de qualidade ou simplesmente não os compre, pois não irá valer a pena, mesmo que sejam bem mais baratos. O preço que se paga pelos produtos também é muito importante e deve-se lutar para que ele seja o mais baixo possível, desde que isso não interfira na qualidade nem em quantidades que atrapalhem seu fluxo de caixa. Para conseguir preços baixos, a estratégia imbatível é não ter o pudor de avisar seus fornecedores que existem concorrentes com preços mais baixos que eles. Sempre dê a chance para cada fornecedor abaixar um pouco mais seu preço e aumentar o prazo. Esse leilão, quando feito de maneira organizada e preservando a qualidade, tende a trazer grandes economias para sua empresa. Caso não seja o empreendedor quem conduza esse processo, o ideal é que o funcionário responsável seja muito inteligente, confiável e organizado. JC – Queremos agradecer a sua disponibilidade em participar deste momento de entrevista e pedimos que você deixe o seu recado para os nossos leitores. FRANCINILDO – Eu é que agradeço. Espero que todos os leitores que tenham o prazer de ler este jornal, saibam que atrás destas páginas existe uma Associação focada no que diz respeito ao profissional de compras e que é com muito orgulho que digo: “sou privilegiado por fazer parte desta Associação. Meu muito obrigado!” Deixo abaixo um pensamento que acho muito importante para nós, associados.

“O DESEMPENHO DE UMA EMPRESA É BASEADO EM SOLUÇÕES E PROBLEMAS, SE FOR UM PROBLEMA, TEM SOLUÇÃO! SE NÃO TEM SOLUÇÃO, ENTÃO NÃO DEVE SER UM PROBLEMA. NÃO EXISTE UM CAMINHO NOVO. O QUE EXISTE DE NOVO É O JEITO DE CAMINHAR E É BOM SABER QUE A GENTE TROPEÇA SEMPRE NAS PEDRAS PEQUENAS, PORQUE AS GRANDES A GENTE ENXERGA DE LONGE, E SABER ADMINISTRAR ESSAS SITUAÇÕES É O QUE CARACTERIZA UM COMPORTAMENTO OTIMISTA E DE PROSPERIDADE." (AUTOR DESCONHECIDO)


10 JORNAL DO COMPRADOR JULHO/AGOSTO

2013

APCC E PARCEIROS

Mais parcerias de sucesso A cada edição a APCC tem alcançado um número maior de parceiros e tem fortalecido os já existentes. Em junho, a Associação, representada por Robeval Goes, esteve na LOQUICENTER, onde participou de uma reunião para ampliar

as relações comerciais. Em julho, a APCC recebeu a visita de Airton Maia, gerente de marketing da Loquicenter e, também em julho, fechou parceria com mais um grande anunciante: Flávio Quirino, gerente industrial da QUIMIPLAST. “Isto é o refle-

xo de um trabalho sério que nós, da APCC, estamos fazendo em prol de uma Associação cada vez mais forte e mais presente na vida dos nossos associados e parceiros", enfatiza Robeval.

03 Fotos 03 e 04: Ider Rafael

01

02

04

01. Airton Maia (gerente de marketing da Loquicenter) e Robeval Goes | 02. Equipe de vendas da Loquicenter | 03 e 04. Flávio Quirino, gerente industrial da Quimiplast

ANIVERSARIANTES DOS MESES

JULHO 04 – Osmar Santos 05 – Denival Alves Corrêa Filho 05 – Roberto Brígido Coelho Nunes 06 – Luciano Lanusse Menezes Diniz 10 – Raimundo Marques da Silva Júnior

11 – Alexsandro Benício Ribeiro 11 – Júlio Cezar Vieira de Sousa 14 – Elionilton Rocha Moura 15 – Viviane Santos de Sousa 16 – Antonio Marciano Santos

17 – Ronaldo Barbosa dos Santos 20 – Paula Lima Coelho 29 – Gilson de Sousa Gondim

13 – Gilma Pereira Lima 19 – Francisco Aloísio Tabosa Morais 20 – Luciano de Sousa Fontele 21 – Jussara Moreira Bulamarque

24 – Iure Rodrigues Barroso 28 – Antônio Carlos Bernadino

AGOSTO 03 – Fabiano Campelo França 05 – Francisco das Chagas Serra de Oliveira 07 – Júlio Nicolas Bessa da Rocha 12 – Francisco Eugênio Paiva


www.apcc-ce.com.br DATA

21 DE SETEMBRO LOCAL

CRESSE - Clube Recreativo

dos Subtenentes e Sargentos do Exército (Av Borges de Melo, 1881, Fortaleza-Ce) HORÁRIO

A PARTIR DAS 12H

Mais um grande evento da APCC pra você.


O que seus clientes estão comprando! Por Gilclér Regina

U

ma das maiores verdades quando se estuda o mundo de negócios é que a percepção é mais importante que a realidade, porque ela torna-se a nova realidade. Uma das grandes empresas, conhecida em todo o mundo, a Swiss Army, fabricante do famoso “canivete suíço” que todo mundo conhece, certa vez fez uma pesquisa com seus clientes tradicionais e essa pesquisa consistia em reuniões com grupos de clientes. Logo na fase de aquecimento com os primeiros grupos, o pessoal da empresa perguntava às pessoas que produtos eles sabiam que a empresa fabricava além do famoso “canivete suíço” e a quase unanimidade das pessoas afirmava que a empresa fabricava relógios. Ocorre que a empresa nunca fabricara um relógio na vida. Em vez de contar a essas pessoas a verdade, isto é, que nunca fabricara um relógio em toda a sua existência, decidiu respeitar a manifestação dos clientes, transformando as suas percepções em realidade, ou seja, passou a fazer o que jamais fizera antes, relógios, porque seus clientes acreditavam que ela já fazia. Logo no primeiro ano, as mesmas lojas que compravam o canivete suíço venderam 1,2 milhão de relógios garantindo

ao fabricante um faturamento anual adicional de 64 milhões de dólares. A conclusão é que o sucesso é ver o que todo mundo vê, mas enxergar de uma forma diferente. É destruir obstáculos mentais e construir uma nova realidade. Sucesso é não criar tabus para você mesmo. É ouvir a opinião do seu cliente e se este disser que você faz o que não faz, é possível até que você pense que ele está delirando, mas ele pode estar construindo uma marca poderosa para o seu negócio, para a sua vida, dando o seu aval para novos produtos e serviços que você ou sua empresa jamais haviam imaginado fazer. Assim como na vida, no mundo de negócios existem fatos, versões, impressões, palpites, conjecturas, hipóteses, mas, diferente até da própria vida, existe uma verdade única que se sobrepõe a todas as demais, ou seja, o produto que uma empresa vende é aquele que seus clientes dizem estar comprando, tudo o mais é fantasia. Pense nisso. Um forte abraço e esteja com Deus! Gilclér Regina é consultor de vendas, motivação e gestor de RH há 20 anos, tendo atuado também como executivo. Fonte: www.ceag.com.br


2013 JULHO/AGOSTO

JORNAL DO COMPRADOR 13

PERFIL

RODRIGO GONDIM, COMPRADOR EMERGENCIAL DA SV ELÉTRICA Meu nome é Rodrigo Gonçalves Gondim, tenho 23 anos e sou comprador emergencial na empresa SV Elétrica. É uma honra fazer parte deste projeto e ainda poder contar minha trajetória profissional até então. Comecei a trabalhar com 15 anos em uma barraca de praia, assumindo funções no bar e no caixa desse estabelecimento. Apesar de ser somente aos finais de semana, era um serviço que exigia muito de mim, pois tinha que lidar com situações atípicas para um jovem daquela idade. Foi lá

que me deparei, pela primeira vez, com o temido: trabalho sob pressão. Convivia com garçons quase sempre estressados e exigentes, quase nunca simpáticos e compreensivos. Mas apesar da inexistente experiência e da pouca maturidade que tinha na época, consegui desenvolver um trabalho eficiente. Depois, já maior de idade, trabalhei como vendedor em uma loja de brinquedos, onde desenvolvi ainda mais minha relação interpessoal e paciência para com os clientes mirins e seus pais; tendo que cumprir metas diárias, o trabalho sob pressão ainda se fazia presente. Continuando nas vendas, tive a oportunidade de trabalhar com consórcios, motos, cosméticos, kit de livros infantis, seguros de vida, cartões de crédito, créditos especiais e títulos de capitalização; esses três últimos como funcionário terceirizado da Caixa Econômica Federal, onde atuei no telemarketing tanto ativo (vendas), como receptivo (SAC); experiência essa que considero das mais edificantes que já tive. Durante boa parte da minha, ainda pequena, vida profissional, estive no lado oposto das compras. Porém, foram nas experiências que obtive, principalmente

nas vendas, onde encontrei ajuda para exercer a função que hoje me compete. Pois o cargo de compras exige esforço e atenção para o alcance dos prazos e para a compra de qualidade, bem como uma comunicação afiada para as negociações do dia a dia. Foram nas vendas também que consegui me habituar a trabalhos que requerem sempre uma cobrança maior por resultados. Enfim, apesar da inexperiência em comprar, minha experiência em vender ajudou bastante nos resultados que estou conquistando. Faço parte da equipe de profissionais da SV Elétrica, o qual devo agradecer pelo apoio e confiança que depositaram em mim. Entrei em 2011 como funcionário temporário auxiliando no setor administrativo, consegui permanecer na empresa e, pouco tempo depois, veio a oportunidade nas compras emergenciais, onde estou até hoje. Um agradecimento também a APCC pelo espaço e ensejo de estar divulgando meu perfil, iniciativas como essa só ajudam os colegas a crescerem cada vez mais profissionalmente. Parabéns!


14 JORNAL DO COMPRADOR JULHO/AGOSTO

2013

A importância da gentileza no dia-a-dia Por Sonia Jordão

U

m ditado popular diz que gentileza gera gentileza. Quando se é gentil com os outros, ajudamos a tornar o ambiente melhor. Ser gentil é ser amável, agradável e elegante. Uma pessoa gentil demonstra cortesia, é educada e atenciosa. Muitas vezes é considerada nobre e cavalheira. Por tudo isso é uma pessoa encantadora. Luiz Gabriel Tiago disse que “a gentileza pode transformar uma vida, uma relação, um relacionamento profissional: basta praticar. A gentileza no ambiente de trabalho é o grande trunfo dos profissionais que estão prontos para fazer a diferença no mercado.” Gandhi dizia que “a gentileza não diminui com o uso. Ela retorna multiplicada.” Gentileza é um gesto de cuidado com o outro, com a vida. Geralmente, a pessoa que é gentil com as outras acaba se destacando. Reprinsz aconselhou: “Não espere receber para dar, nem gentileza para ser gentil. Tenha você grandes atitudes, doe a cada dia um pouco de si e faça com os outros apenas o que

você gostaria que fizessem com você. Pois são nos pequenos gestos e atitudes que ficam as melhores lembranças.” É muito difícil conviver com a falta de gentileza. Estudos comprovam que pessoas que praticam a gentileza aumentam o seu grau de felicidade. Isso porque a gentileza está ligada ao gene que libera a dopamina, neurotransmissor que proporciona bem-estar. Aqueles que ajudam os outros regularmente têm mais saúde mental e menos depressão. Pessoas solidárias têm menos probabilidade de sofrer de doenças crônicas, e seu sistema imunológico tende a ser melhor, porque existe uma relação direta entre bem-estar, felicidade e saúde. Pessoas gentis não são individualistas, respeitam o trabalho do colega, e com isso elas chegam mais longe, já que abrem caminhos de comunicação com os outros e se tornam mais acessíveis. Segundo Rosana Braga, “gentileza é um modo de agir, um jeito de ser, uma maneira de enxergar o mundo. Ser


2013 JULHO/AGOSTO

gentil, portanto, é um atributo muito mais sofisticado e profundo que ser educado ou meramente cumprir regras de etiqueta, porque embora possamos (e devamos) aprender a ser gentil, trata-se de uma característica diretamente relacionada com caráter, valores e ética; sobretudo, tem a ver com o desejo de contribuir com um mundo mais humano e eficiente para todos. Ou seja, para se tornar uma pessoa mais gentil é preciso que cada um reflita sobre o modo como tem se relacionado consigo mesmo, com as pessoas e com o mundo.” Pessoas gentis tentam se colocar no lugar do outro, são bons ouvintes e praticam a arte da paciência. Além disso, são capazes de pedir desculpas, quando descobrem que erraram, são solidários e companheiros. Procuram analisar as situações e serem justas. São capazes de resolver muitos conflitos, somente com seu jeito de ser. É preciso praticar a gentileza com todos, sejam seus subalternos, familiares ou amigos próximos. Dizem que o favor é feito com o cérebro e a gentileza com o coração, ou seja, não é um gesto planejado. Claro que precisamos também agradecer quando alguém for gentil conosco. Dizer “por favor”, “obrigado” e “bom dia” faz com que sejamos vistos com simpatia. Claro que o tom de voz é tão importante quanto à palavra que dissermos. Se possível, faça um elogio, mas este precisa ser com sinceridade. E, além disso, tenha em mente que um sorriso pode abrir muitas portas. Enfim, seja gentil com as pessoas e elas, provavelmente, serão gentis com você também. Lembre-se do que disse Shakespeare: “Eu aprendi que ser gentil é mais importante do que estar certo.”

JORNAL DO COMPRADOR 15

NÃO ESPERE RECEBER PARA DAR, NEM GENTILEZA PARA SER GENTIL. TENHA VOCÊ GRANDES ATITUDES, DOE A CADA DIA UM POUCO DE SI E FAÇA COM OS OUTROS APENAS O QUE VOCÊ GOSTARIA QUE FIZESSEM COM VOCÊ. POIS SÃO NOS PEQUENOS GESTOS E ATITUDES QUE FICAM AS MELHORES LEMBRANÇAS. Reprinsz Sonia Jordão é professora, conferencista, consultora organizacional e pessoal, facilitadora de cursos em organizações e escritora. Fonte: www.administradores.com.br www.soniajordao.com.br


Cinco leis de crescimento profissional Por Marcus Borel

T

odo ser humano busca crescimento. E mais, ele necessita dele. O filósofo Mário Sérgio Cortella, em um de seus livros, diz que “não nascemos prontos", e, de forma singular, relata a nossa caminhada para uma formação, criação e renovação pessoal. Em um mundo de constante mudança, de evolução e regressão, numa busca desenfreada de ser o melhor, o maior, o primeiro, em um mercado cada vez mais competitivo, com volume de informações diárias gigantescas, de clientes mais esclarecidos; o fator crescimento individual tem seu peso. Mas crescer significa mudar e envolve riscos. E, principalmente, crescer envolve renúncia. A cada nova escolha que fizer, algo terá de renunciar. Crescimento e renúncia andam lado a lado. Ao observarmos a vida de pessoas expoentes na humanidade, iremos encontrar algumas que tiveram de abdicar de algo em prol do crescimento em sua área. Umas deixam de sair à noite para estudar e ficar horas acompanhadas de

livros, outras deixam de viajar para juntar dinheiro e conseguir uma garantia de futuro melhor. Cada uma faz a escolha, sua renúncia, e se prepara para colher os devidos frutos. A Bíblia relata uma frase do apóstolo Paulo, no livro de Gálatas: “Aquilo que o homem plantar isso ele vai colher". Veja a vida de um agricultor, de um homem do campo. É uma vida de trabalho, de dedicação para colher o fruto a seu tempo. Desta mesma forma somos nós, precisamos atentar que, para um futuro promissor, temos de fazer escolhas que irão nos acompanhar de certas renúncias. Gostaria de citar apenas algumas delas: 1. VOCÊ PRECISARÁ TER DECISÃO. Para se tomar decisões tem de renunciar o medo do erro que existe dentro de você. Muitas pessoas têm capacidade de tomar decisões e também de liderar, o grande problema que enfrentam é o medo de errar, elas têm conhecimento do assunto, sabem como fazer,


2013 JULHO/AGOSTO

mas o receio de fazer algo e dar errado faz com que fiquem estáticas. Um líder é aquele que sabe o que fazer, como fazer e toma a decisão de fazer, enfrentando o medo de errar. 2. VOCÊ PRECISARÁ TER ATITUDE. Para que as atitudes sejam tomadas, tem de renunciar ao comodismo, com o desejo que tudo venha fácil. Desde nossas infâncias somos criados ao comodismo, nossos pais tomam as decisões e agem por nós. Precisamos sair da inércia e tomar atitudes que mostrem quem somos, desenvolver nosso caráter e personalidade através de atitudes. 3. VOCÊ PRECISARÁ TER DETERMINAÇÃO. Para que a determinação seja aparente em sua vida e carreira é necessário que você renuncie à inconstância. Muitas pessoas começam um projeto e no meio do caminho desistem. Quantas faculdades começadas e não terminadas, quantos sonhos abandonados no primeiro obstáculo! Uma frase de Bernard Shaw sintetiza isso: “As pessoas que conseguem sucesso neste mundo são as que se levantam e buscam as circunstâncias que desejam e, se não conseguem encontrá-las, criam essas circunstâncias". 4. VOCÊ PRECISARÁ TER APERFEIÇOAMENTO. Para que seja aperfeiçoado, precisará renunciar à satisfação, pois satisfeitos não aperfeiçoam em nada. Todo ser humano tem um alvo, um sonho, um objetivo inicial. Muitos ao alcançar já se satisfazem, esse é o grande problema, o mundo é constante, não para; desta forma, nossos sonhos, projetos, também precisam ser renovados, aperfeiçoados de forma a estarmos sempre atualizados. Nunca se dê por satisfeito, sempre poderemos crescer um pouco mais.

JORNAL DO COMPRADOR 17

5. VOCÊ PRECISARÁ SER HUMILDE. Para que haja crescimento, precisará renunciar à soberba, pois com humildade se consegue aprender com outros e reconhecer seus erros. A Bíblia diz: “A soberba procede a ruína"; quando nos achamos superiores e melhores que outras pessoas perdemos a oportunidade de tirar aprendizado em pequenos detalhes e situações, deixamos de aprender com pessoas que estão em um nível hierárquico inferior ao nosso e muitas vezes esquecemos que também trilhamos esse caminho. Ouça a todos, pense antes de falar, reflita e aprenda em seu cotidiano, pois o dia de amanhã pertence a Deus. O mercado espera pelo seu crescimento. A decisão agora é sua.

CRESCER ENVOLVE RENÚNCIA. A CADA NOVA ESCOLHA QUE FIZER, ALGO TERÁ DE RENUNCIAR. CRESCIMENTO E RENÚNCIA ANDAM LADO A LADO. Marcus Borel é Consultor Comercial e Palestrante Motivacional Fonte: www.artigonal.com


18 JORNAL DO COMPRADOR JULHO/AGOSTO

2013

Ansiedade: o mal do século Por Juliana Simas

N

os dias de hoje, a competitividade pessoal e profissional, a busca do crescimento acadêmico e profissional, o medo de ficarmos para trás em um mundo que corre a 220 Km/hora faz com que nos tornemos ansiosos naturalmente. Embora um pouco de ansiedade não faça mal a ninguém e pode até favorecer o indivíduo, dependendo da circunstância, é necessário sabermos controlá-la e não deixar que a mesma tome conta da situação. E é exatamente esse controle que define se a ansiedade já se tornou um transtorno ou não na vida do indivíduo. Segundo a Professora e Doutora Edna Paciência Vietta: “Para definir se o estado ansioso é normal ou patológico, deve-se avaliar a intensidade e frequência com que ocorre, a duração e a interferência com o desempenho social e profissional do indivíduo. Dessa forma, a ansiedade patológica se diferencia da ansiedade normal, pois paralisa o indivíduo, trazendo-lhe prejuízos e não permitindo uma preparação para lidar com situações ameaçadoras. Assim, observa-se que a ansiedade sempre esteve presente em toda a existência humana, porém somente nos últimos anos vem tomando maior significância para os pesquisadores, que visam a investigação dos efeitos desse estado sobre o organismo e o psiquismo humanos." Neste artigo em questão, irei passar algumas dicas para que possamos controlar nossa ansiedade cotidiana, aprender a lidar com nossas emoções e buscar o autocontrole, a fim de aceitarmos melhor nossos “NÃOS" e aproveitar de forma mais leve, nossos “SINS", principalmente em nossa vida profissional.

“Obrigado por sua participação nesta entrevista, assim que tivermos uma posição entraremos em contato para dar retorno". “Em uma semana lhe daremos um retorno: positivo ou negativo". “Obrigado pela presença, agora é só aguardar”. Ao ouvirmos essas famosas frases durante uma seleção, o processo de percepção e reação é sempre o mesmo: você ouve a frase, despede-se do entrevistador, finge que está tudo tranquilo e que aguardará sua resposta com toda paciência e calma do mundo, e logo ao sair pela porta, fica pensando: “Será que eles vão dar a resposta mesmo?" “Será que fui bem nos testes?" “Será que gostaram de mim?" Pronto!!! Desse momento em diante você perderá a fome, o sono e ficará na maior expectativa até o retorno da empresa. Essa situação se torna desagradável, pois gera ansiedade em saber se foi ou não aprovado. É a famosa frase: “Prefiro o ‘Não’ do que o ‘talvez’". Isso se explica pelo fato de que ao receber o “não”, o indivíduo fica abalado, chateado, pensando: onde foi que eu errei. Contudo, com a certeza que deverá prosseguir em sua batalha. Já a dúvida limita, corrói e com o passar dos dias, das horas e até mesmo dos minutos, a ansiedade só aumenta, trazendo consigo o medo, a insegurança, a tristeza. Uma nova oportunidade de trabalho traz consigo perspectivas de: mudança de vida, realização de um sonho, desenvolvimento de carreira... Logo, ficar ansioso é natural. Mas se soubermos controlar essa ansiedade, os dias passarão e a resposta brevemente chegará. O importante é ter a noção de que a demora nem sempre


2013 JULHO/AGOSTO

é sinônimo de rejeição. Dependendo do nível, o processo poderá ser longo e envolver diversas etapas. O importante é ter paciência e saber esperar seu retorno, por mais que isso pareça demorado e angustiante. Não há fórmula mágica para enfrentar a espera por uma resposta que pode mudar o rumo de nossas vidas. É preciso ter calma e bom senso para lidar com essa situação. Algumas medidas básicas podem controlar e até mesmo reduzir consideravelmente seu nível de ansiedade. São elas: 1. Diminua as expectativas e se prepare para resultados positivos e negativos; 2. Ocupe sua mente com algo que lhe dê prazer: leia um livro, pratique exercícios, assista a um bom filme, etc; 3. Mantenha sua respiração tranquila, se for o caso, inspire e expira profundamente até se acalmar; 4. Converse consigo mesmo, mantendo o diálogo interno; 5. Mantenha pensamentos positivos, pois ao contrário dos constantes pensamentos negativos, é uma excelente forma de controlar a ansiedade; 6. Coma alimentos que sejam fonte de triptofano (um aminoácido precursor da serotonina), como a banana e o chocolate, pois eles aumentam a disponibilidade de um neurotransmissor chamado GABA, que o organismo usa para controlar fisiologicamente a ansiedade; 7. Evite relacionamentos negativos, afinal, receber atenções negativas é pior do que não receber qualquer atenção; 8. Valorize todas as suas conquistas. Tire proveito das suas experiências positivas e/ou negativas; 9. Procure a ajuda de um profissional, um psicólogo, que poderá auxiliar na descoberta do seu autocontrole e consequentemente na redução de sua ansiedade; 10. Acredite em você, isso faz toda a diferença.

JORNAL DO COMPRADOR 19

PRECISAMOS SER PACIENTES, MAS NÃO AO PONTO DE PERDER O DESEJO; DEVEMOS SER ANSIOSOS, MAS NÃO AO PONTO DE NÃO SABERMOS ESPERAR. Max Lucado Juliana Simas é formada em Gestão de Pessoas e cursa o 3º ano em Psicologia. Fonte: www.artigonal.com


20 JORNAL DO COMPRADOR JULHO/AGOSTO

2013

Sua carreira! Sua vida! Por Gilclér Regina

Q

ual a diferença entre os profissionais que avançam na carreira e aqueles que ficam pra trás? Acredito que o fator mais influente neste desempenho chama-se “iniciativa”. Alguns colaboradores fazem questão de procurar oportunidades. Outros se satisfazem com as condições existentes. Alguns ainda, rapidamente, aproveitam os problemas e os transformam em oportunidades. Outros evitam lidar com desafios. Desafios extraordinários produzem pessoas extraordinárias. Porém, o foco tem que estar no sentido positivo. Lembro-me de uma frase de Sam Walton, o fundador do Wal Mart, a empresa que tem o maior faturamento do mundo. Ele disse em plena recessão americana: “Ouvi falar muito ultimamente sobre recessão, fiz uma reunião com minha diretoria e resolvemos não participar”. Ele também disse: “Clientes podem demitir todos de uma

empresa, do alto executivo para baixo, simplesmente gastando seu dinheiro em algum outro lugar”. A palavra neste centro chama-se mesmo “iniciativa”. Outro dia ouvi um diretor de escola, em São Paulo, dizer: “No mundo real, a turma da frente acaba trabalhando para a turma do fundão”. A questão é: Quem sentava na última carteira era taxado de “bagunceiro”. Esqueceram que ele além de estudar, pelo menos o suficiente, era criativo e aprendeu a ter iniciativa na vida, por isto faz sucesso! Neste foco, alguns têm ideias e planos e põem em prática. Outros preferem que lhes digam o que fazer. Como resultado, alguns progridem rápido na carreira, enquanto outros... Bem, outros caminham muito devagar ou até não saem do lugar. Eu costumo dizer que parado você não irá ficar. Ou irá melhorar ou piorar. O mundo é de quem se coloca em mo-


2013 JULHO/AGOSTO

vimento. As coisas só tem valor quando estão em movimento. A falta de uso enferruja tudo o que você pensar no mundo, de um cérebro até um pedaço de metal. Desta forma, alguns sonham e partem para ação. Planejam aonde querem ir e planejam de que maneira chegarão lá, isto é, assumem o controle de suas vidas. Assim, colaboradores com esse espírito de iniciativa liberam uma força poderosa capaz de lançá-los para frente na carreira e na vida pessoal, abrindo um leque muito grande em suas vidas, em seu “novo mundo”. Enquanto isso, outros apenas sonham... Mas não agem. Jamais irão sair do lugar! Lembro aqui a frase do Abílio Diniz, quando disse: “Enquanto alguns sonham com o sucesso, nós acordamos cedo para fazê-lo”. Conclusão: A vida nada mais é do que uma longa série de escolhas. Cada atitude, cada opção que você faz, te aproxima mais das metas ou te afasta mais delas. Você pode assumir o controle da sua vida ou deixar que ela e as circunstâncias o dominem. Ou você assume o volante do seu carro ou você senta no banco de trás. O mundo não fica esperando. Se você mudar, o mundo muda com você. A decisão é sua! Pense nisso, um forte abraço e esteja com Deus!

JORNAL DO COMPRADOR 21

CADA ATITUDE, CADA OPÇÃO QUE VOCÊ FAZ, TE APROXIMA MAIS DAS METAS OU TE AFASTA MAIS DELAS. VOCÊ PODE ASSUMIR O CONTROLE DA SUA VIDA OU DEIXAR QUE ELA E AS CIRCUNSTÂNCIAS O DOMINEM. Gilclér Regina é consultor de vendas, motivação e gestor de RH há 20 anos, tendo atuado também como executivo. Fonte: www.ceag.com.br

SAÚDE EM DIA

Dicas para a longevidade 1. CASE-SE Segundo estudo publicado no Health Psychology Journal, dos Estados Unidos, as pessoas que se mantêm em longas e bem-sucedidas uniões têm uma expectativa de vida maior em comparação àquelas que se casam novamente ou terminam a vida divorciadas (desde que estejam juntas por amor e não por aparência, conveniência ou obrigação social); 2. EXPRESSE SUAS EMOÇÕES De acordo com o Journal of Clinical Psychology, da Inglaterra, aqueles que manifestam suas emoções por meio de alguma atividade artística, como cantar, escrever e pintar, são mais saudáveis do que as pessoas que não o fazem;

3. TENHA HORÁRIO Evite a prática de exercícios entre as 11 da manhã e a 1 da tarde, principalmente em lugares reconhecidamente poluídos. É quando a produção de adrenalina atinge seu pico. O sangue fica mais grosso do que o normal, a pressão arterial sobe e o batimento cardíaco se eleva. Durante essas duas horas, é maior a probabilidade de uma placa de gordura se romper num vaso, o que pode provocar derrame cerebral ou infarto no coração; 4. SEJA SOLIDÁRIO Segundo estudo publicado na revista Psychology Science, dar apoio físico ou emocional a outras pessoas reduz em até 60% o risco de morte prematura no idoso. Fonte: www.residencecare.com.br


22 JORNAL DO COMPRADOR JULHO/AGOSTO

2013

SEUS DIREITOS

Dano moral A negativação indevida junto aos órgãos de proteção ao crédito Por Ana Karla Fonteles Cavalcanti Existem muitas formas de se negativar o nome de um consumidor junto aos órgãos de proteção ao crédito. Porém, a mais comum é simplesmente a que se dá por conta da ausência de pagamentos de compras realizadas no comércio, senão vejamos: Quando o consumidor efetua alguma compra no comércio e não realiza o pagamento, o estabelecimento tem todo o direito de inserir o nome deste junto ao rol dos maus pagadores, desde que a dívida seja realmente válida e que o crédito não tenha sido satisfeito. Caso contrário, assiste ao consumidor o direito de requerer judicialmente reparação por danos morais junto ao estabelecimento que o negativou. Quando o consumidor for surpreendido com uma cobrança indevida, leia-se cobrança inexistente ou uma dívida já paga, este poderá pleitear indenização por danos morais. A negativação será indevida quando a cobrança também for indevida. Ou seja, se o indivíduo já pagou o débito e foi cobrado novamente, tendo seu nome negativado em função disso, a inscrição será imprópria. Infelizmente é muito comum que cidadãos de bem acabem por serem surpreendidos por negativações imerecidas. Pode parecer estranho, mas é prática comum entre as grandes empresas o cadastro indevido de pessoas no SPC em função de fraudes. Essas fraudes, muitas vezes são caracterizadas por compras de serviços e produtos por telefone, nas quais as pessoas que contratam utilizam nomes e dados de terceiros. Nesses casos, as empresas, ante a

óbvia inadimplência dos contratantes que não sabem de nada, acabam por negativar indevidamente seus nomes e consequentemente são condenadas judicialmente a indenizá-los por dano moral. Vale ressaltar que o dano moral corresponde à lesão de um bem integrante da personalidade, tal como a honra, a liberdade, a integridade física e psicológica, causando à vítima transtornos capazes de gerar abalos em sua esfera íntima ou proporcionar situações vexatórias perante outrem. Conforme nossa legislação, para a caracterização de qualquer tipo de dano, inclusive o moral, é necessária a comprovação de uma conduta ilícita, o dano sofrido, e é claro, provar o nexo de causalidade entre a conduta e o dano. Há uma particularidade nos casos de inscrição indevida no SPC. Nesse tipo de situação, há o entendimento de que a simples inclusão do nome do consumidor enseja dano moral e direito à indenização, independente de qualquer outra prova, porque neste caso é presumida a ofensa à honra e ao bom nome do cidadão. Ou seja, quando a inscrição é comprovadamente indevida, o indivíduo não precisa demonstrar os abalos que sofreu. O dano moral é presumido. Contudo, existem algumas variações que fazem com que a negativação, apesar de considerada indevida, exige prova do dano sofrido. Outro aspecto importante, diz respeito a várias inscrições de restrição de crédito, oriundas de débitos no nome do consumidor. Neste exemplo, a simples figura da inscrição poderá não gerar dano moral, posto que já existiam outras negativações, ou seja, a boa conduta do consumidor junto ao mercado já estava abalada.

O fato é que o dano moral é algo complexo e que vem sendo banalizado. Todos querem tentar uma aventura jurídica em busca indenizações, mas nem sempre isso é possível. Espero ter contribuído com o aprendizado, contem sempre com nossas informações!

É PRÁTICA COMUM ENTRE AS GRANDES EMPRESAS O CADASTRO INDEVIDO DE PESSOAS NO SPC EM FUNÇÃO DE FRAUDES.

Ana Karla Fonteles é advogada, especialista em direito processual do trabalho e em direito processual civil. fontelesk@hotmail.com | 8774.1183


2013 JULHO/AGOSTO

JORNAL DO COMPRADOR 23

TECNOLOGIA E INFORMAÇÃO

Direito eletrônico Direitos e normas nas relações social e comercial no mundo virtual Por Itamar Luiz A importância da informática na sociedade é incontestável e as implicações dessa revolução no cotidiano das pessoas e principalmente nas suas relações são marcantes, situam-se no campo das relações pessoais, mas, e o Direito do Consumidor (responsabilidade do provedor de acesso à Internet)? Com o desenvolvimento das novas tecnologias da comunicação, e, principalmente, com a Internet, novas questões surgem, criando a necessidade de se rever um novo ramo do direito que vem sendo chamado de Direito Eletrônico, que congrega as mais variadas normas e instituições jurídicas que almejam regulamentar as relações estabelecidas no ambiente virtual privado e público. Para o desenvolvimento do Direito Penal de Informática, por sua vez, será imprescindível a discussão dos velhos institutos e conceitos. O primeiro deles é que o papel destinado aos meios eletrônicos envolve as relações sociais, pois são através deles que é realizada uma série de atos que interessam à sociedade, como a comunicação en-

tre as pessoas, mas também interessa ao Estado. A exemplo de toda a matéria de segurança nacional relacionada à utilização de satélites, esses meios eletrônicos afetam as atividades desenvolvidas por particulares, como, por exemplo, na contratação eletrônica para compra de um bem de consumo. Dentro desses dois aspectos, pode-se perceber que a abrangência da informática é tão grande que acaba perfazendo sua natureza jurídica nos dois campos, pois estabelece implicações tanto à sociedade e ao Estado, como também acaba envolvendo interesses particulares. Portanto, esta estreita relação com estas duas esferas, a pública e a privada, leva a crer que o Direito Eletrônico atua na medida em que tem caráter privado e preocupações de ordem pública. Ao fazer referência ao Direito Eletrônico Privado, deve-se atentar para a existência de inúmeras situações que são de cunho particular, como por exemplo, contrato, comércio, documento eletrônico, e assim um sem número de figuras jurídicas pertencentes ao âmbito privado, onde é permitido o acordo de vontades, ponto-chave para determinar a existência do

Direito Eletrônico privado. Entretanto, as implicações privadas dos meios eletrônicos e as relações travadas em ambiente eletrônico trazem consequências jurídicas e que essas podem envolver aspectos penais, onde o interesse público sobressai-se ao particular. O Direito Penal da Informática é um tema de pouco desenvolvimento no Brasil, principalmente por parte do Congresso, assim ainda não temos uma legislação sobre o assunto desenvolvendo um ambiente informatizado e a proteção de bens e dos direitos.

Itamar Luiz é Gerente de Produtos Network da Inelsa Com. de Materiais Elétricos Ltda. +5585 3046.0402 | +5585 8888.1993 itamar.inelsa@hotmail.com


24 JORNAL DO COMPRADOR JULHO/AGOSTO

2013

IV Semana de Gestão da FATENE 2013

TI Verde A tecnologia da informação aliada à sustentabilidade Por Gledson Silva Este artigo trata da importância da implantação da TI Verde nas Organizações de um modo geral, objetivando mostrar as melhores práticas para implementação da mesma e alertar a sociedade sobre a importância e a preocupação com o Meio Ambiente, conscientizando dos graves problemas que o mundo está sofrendo e esses constantes agravos causados pelo mal uso da tecnologia, as quais provocam grandes impactos ambientais, sendo tanto pela demanda de energia elétrica, quanto pelas matérias utilizadas na fabricação de componentes de hardware. Nas últimas décadas surgiu um tipo específico de lixo que ficou classificado como “lixo eletrônico”. Não demorou muito para que os estudiosos percebessem que se tratava de um lixo extremamente tóxico e prejudicial à saúde do nosso planeta, em função deste inimigo que se deu origem a um novo campo de estudo, a tecnologia da informação verde também conhecida como TI Verde. A TI Verde é um conjunto de práticas para tornar mais sustentável e menos prejudicial o uso da computação, assim subentende-se que tais conjuntos de práticas possibilitam às organizações públicas e privadas terem o mesmo desempenho, com redução no impacto ambiental. O avanço tecnológico e hábitos de consumo da sociedade e organizações trouxeram a preocupação com o descarte regular de tais equipamentos, por terem alto nível poluente. Ultimamente está ganhando mais visibilidade, nas empresas, repartições publicas e ONG, aos poucos surgem postos de coletas específicos para o “lixo eletrônico”. São medidas educativas e conscientização do uso,

destino e consequências de tais equipamentos e consolidados à ideia de TI Verde. Tendo em vista os hábitos e costumes da população com relação ao consumo, troca e descarte de dispositivos eletrônicos, sedução que novos equipamentos causam, tem aumentado o número de equipamentos celulares, por exemplo, que hoje no Brasil ultrapassa a quantidade de habitantes. As razões para isso são as ofertas de marcas e modelos, cada um ofertando uma nova aplicação, novas utilidades, até a concorrência entre as operadoras que ofertam serviços mais baratos ou de maior qualidade. No entanto, muitas vezes as pessoas não observam o desgaste ambiental que essa constante busca de atualização pode trazer, pois muitos recursos novos em qualquer dispositivo eletrônico é pouco usado ou é desnecessário para boa parte dos compradores. Além das problemáticas apresentadas, existe um problema ao se descartar os equipamentos usados, que por falta de conhecimento ou descuido do próprio cidadão, os equipamentos são descartados de forma errada e muitas vezes prejudiciais ao ambiente. O ministério do planejamento, com o objetivo de desenvolver e implantar solução, cria o Departamento de Integração de Sistemas de Informação DSI/SL TI/ MP. Para a SL TI/MP, a TI Verde tem as seguintes características: - Possui certificação EPA Energy Star (Economia de Energia); são práticas cotidianas que as empresas adotam para que haja menor consumo de energia, por exemplo, configurar o computador para ficar em stand by, ou seja, monitor apaga a luz quando não está em uso. - Não conter substâncias perigosas do tipo: mercúrio, chumbo, cromo hexavalente, cádmio, bifenilpolibromados, éteres difenil-polibromados, em concentração superior ao recomendado na diretiva RoHS (Restric-

tionofCertainHazardousSubstances). - Equipamento acondicionado em embalagem individual que utiliza materiais recicláveis, de forma a garantir a máxima proteção durante o transporte e a armazenagem. - Fonte de alimentação com PFC (Power FactorCorrection) ativo com eficiência superior a 80% (PFC 80+). Essas são regras que fazem de uma organização sustentável aos conceitos do SL TI/MP do Ministério do Desenvolvimento. REFERÊNCIAS SANTOS, José. TI Verde está nos planos de 70% das médias empresas brasileiras, diz estudo. 2009. DISPONÍVEL EM: <http://computerworld.uol.com.br/gestao/2009/05/05/ti-verde-esta-nos-planos-de-70-das-medias-empresas-brasileiras-diz-estudo/>. Acesso em: 08 abr. 2013. EQUIPE Anderson Uchoa, Breno Façanha, Fabiano Bertoldo, Raphael Moura,Sarah Alves, Kaio Henrique Marques, Francisco Gledson.

Gledson Silva é analista de compras na Tintas Hidracor. gledson@hidracor.com.br


2013 JULHO/AGOSTO

JORNAL DO COMPRADOR 25

FIQUE LIGADO

Espiritualidade nos negócios Pode parecer estranho, mas esse tema vem ganhando cada vez mais espaço no panorama corporativo Por Márcio Alcântara Pinto É bem provável que todo o estranhamento que se possa ter ao ouvir a palavra “espiritualidade” venha da cultura de associá-la com religiosidade, porém existe uma grande lacuna de significação entre elas. Assim, valores morais e éticos, atitude positiva, auto responsabilidade e responsabilidade social, mudança da mentalidade corporativa, liderança compreensiva e atuante são conceitos universais de negócio, que não estão limitados a uma religião. O que você planta? O que você constrói? O que podemos, como empresa, fazer juntos? O que deixaremos como legado para as futuras gerações? Tudo isso tem a ver com a percepção e o entendimento da nossa capacidade individual e coletiva, para promover mudanças positivas, significativas e duradouras para a nossa empresa e humanidade. A Revista Exame de 23 de janeiro de 2002 abordou o seguinte tema em sua matéria de capa: “Deus ajuda”? - A espiritualidade está em alta no mundo dos negócios. Será mais um modismo ou vai transformar a vida das empresas?” A realidade é que passamos grande parte do nosso “horário nobre” diário nas empresas onde trabalhamos, o que justifica que busquemos também neste local privilegiado uma explicação clara para nossas missões de vida. Portanto, este não é um modismo. Como descrito na revista, é louvável e faz parte dos negócios a postura de tantos dirigentes de empresas, que buscam aplicar, cada um à sua maneira, sua espiritualidade no dia-a-dia de seus negócios. A estratégia de negócios “espiritualizada” tem, como objetivo principal, nortear e fornecer significado a todos que

nelas dedicam sua parcela de colaboração. O lugar de trabalho deixa de ser só um lugar para se ganhar um salário no fim do mês ou para gerar lucros, para ter um sentido ampliado de satisfação, de motivação. O papel gerencial dos líderes passa a incorporar a dimensão humana: orientar e apoiar o crescimento das pessoas de cada departamento, ajudando-as na realização de seus potenciais máximos individuais. O que anteriormente era visto como assunto desligado das empresas, como algo religioso ou até místico, hoje se insere como uma dimensão estratégica das organizações. São as “empresas que aprendem”. Quando as empresas e as pessoas que nelas trabalham têm esta consciência, a consequência é que fluem com muito maior facilidade os fatores mais buscados pelos executivos das empresas: a motivação, o desempenho, o espírito de equipe, a comunicação eficaz, a qualidade, o foco no cliente e o bom humor. Quando trabalhamos o tema da espiritualidade no trabalho, os benefícios que podem ser esperados são a melhoria da qualidade de vida individual e coletiva, o estímulo às situações de crescimento e desenvolvimento, o incentivo do sentido de parceria, criatividade, cooperação e trabalho em equipe. Espiritualidade e autoconhecimento passam a andar juntos, estimulando ações de transformação pessoal e, consequentemente, de seus ambientes. Na medida em que a empresa desenvolve com maior clareza sua missão e visão, estará revelando as intenções reais, que precisam ter uma dimensão de transcendência, de servir a uma causa maior. Quando as pessoas se conectam a dimensão espiritual de suas tarefas do cotidiano, novos significados surgem. A enorme velocidade de transformação pela qual estamos passando em todos

os aspectos de nossas vidas faz com que toda a segurança que tínhamos no patrimônio, no material e no concreto se desvaneça como uma neblina aos primeiros raios do sol. Portanto, seja por fé ou simplesmente por inteligência, incutamos em nossas empresas a busca constante do aprendizado coletivo a fim de que partamos na frente, ao verdadeiro sucesso!

QUANDO AS PESSOAS SE CONECTAM A DIMENSÃO ESPIRITUAL DE SUAS TAREFAS DO COTIDIANO, NOVOS SIGNIFICADOS SURGEM.

Márcio Alcântara é Gerente Comercial da SV Elétrica


26 JORNAL DO COMPRADOR JULHO/AGOSTO

2013

MINERAÇÃO

Cal hidratada O minério mais versátil e social da atualidade Por Lailson Macêdo de Lima A cal vem ganhando grande destaque no Brasil pela sua larga utilização em diversos setores. Obtida pela decomposição térmica do calcário, ela é um dos principais elementos das argamassas porque promove uma série de benefícios para a edificação. E ainda é de extrema importância para a indústria, assumindo diversos papéis. As aplicações da cal ainda passam muito despercebidas pela sociedade, apesar de estarem presentes em nosso cotidiano, desde a composição da pasta de dente, talco e até mesmo na construção de grandes edificações. Quando se pensa em cal, muitos lembram a construção civil. Não é à toa, pois ela está inteiramente ligada a essa indústria. Participa, desde o início, na elaboração da argamassa (com a qual faz-se assentamento dos tijolos e revestimentos das paredes) até a finalização da construção, na fabricação de tintas. Uma cal de boa qualidade apresenta inúmeras vantagens na produção de argamassa. Dentre elas podemos destacar sua característica de alta aderência, por ser bastante fina e apresentar uma altíssima superfície específica e de baixa densidade.

Ela, por ter propriedades de reter água em suas partículas, evita rachaduras e fissuras, aumentando, assim, o seu rendimento e sua tratabilidade. Proporciona também um menor consumo de cimento sem perda de resistência, por ser um excelente aglomerante. Ademais, uma superfície revestida com argamassas preparadas com a cal são mais lisas e de tonalidades bem mais claras, facilitando e barateando, o emassamento e a pintura. Nas indústrias mínero-metalúrgicas, suas aplicações abrangem a siderurgia e metalurgia, contribuindo na produção de aço e ferro, que é essencial em qualquer construção. Além disso, a cal está presente na composição de matérias isolantes, como fios, cabos elétricos, eletrodutos, agindo na rigidez e na flexibilidade dos produtos. Já nas marmorarias, a adição de cal na água, a qual lubrifica as serras que cortam os mármores, é necessária para evitar que as serras sofram oxidação e quebrem. A cal é denominada de material versátil e social, pela multiplicidade de aplicações e pela contribuição ao bem-estar das comunidades. Além das indústrias de construção, ela também está presente no setor alimentício, tratamento de água e esgoto, papel e celulose, borrachas, óleos, lavagens alcali-

nas, inseticidas, calagem, fertilizantes, odontologia, couro (despelador), papelão, etc. Enfim, tantas são suas finalidades que este espaço não seria suficiente para descrevê-las. Pela sua diversidade de funções, a cal – virgem e hidratada – está entre os dez produtos de origem mineral de maior consumo mundial. O produto ganha ainda maior expressão quando se conhece o amplo leque de setores industriais e sociais que dele se utilizam, graças à sua dupla capacidade – reagente químico e aglomerante-ligante.

Lailson Macêdo de Lima é supervisor e consultor de vendas na Mineração Minerabem Ltda.


2013 JULHO/AGOSTO

JORNAL DO COMPRADOR 27

DICAS DE FILMES

OS MISERÁVEIS

AMOUR

Diretor | TOM HOOPER Duração | 157 MIN. Ano | 2013 País | REINO UNIDO Gênero | COMÉDIA, DRAMA, ROMANCE Classificação | 12 ANOS

Diretor | MICHAEL HANEKE Duração | 127 MIN. Ano | 2013 País | FRANÇA, ALEMANHA, ÁUSTRIA Gênero | DRAMA, ROMANCE Classificação | 14 ANOS

Com a França do século XIX como pano de fundo, Os Miseráveis conta uma apaixonante história de sonhos desfeitos, de um amor não correspondido, paixão, sacrifício e redenção, num testemunho intemporal da sobrevivência do espírito humano. Hugh Jackman interpreta um ex-prisioneiro, Jean Valjean, perseguido durante décadas pelo cruel policial Javert (Russell Crowe), depois de ter quebrado a sua liberdade condicional. Quando Valjean aceita cuidar de Cosette, a filha da operária Fantine (Anne Hathaway), as suas vidas mudam para sempre.

Georges (Jean-Louis Trintignant) e Anne (Emmanuelle Riva) são um casal de aposentados, que costumava dar aulas de música. Eles têm uma filha musicista que vive com a família em um país estrangeiro. Certo dia, Anne sofre um derrame e fica com um lado do corpo paralisado. O casal de idosos passa por graves obstáculos, que colocarão o seu amor em teste.


28 JORNAL DO COMPRADOR JULHO/AGOSTO

2013

CURIOSIDADES ELÉTRICAS

Interruptores e tomadas Presentes em nosso dia-a-dia Por Gouveia Neto Desta vez, nosso artigo destaca dois produtos rotineiramente utilizados em nossa residência, em nosso trabalho, nos shoppings, etc., mas que passam quase que imperceptíveis. Podemos dizer que são os interruptores e tomadas que transformam a eletricidade numa magia que se revela aos nossos olhos, onde quer que estejamos. Ao contrário de outros produtos que conduzem e protegem as instalações elétricas, equipamentos e ou estruturas, o interruptor é um dispositivo simples que tem como única função ligar ou desligar a alimentação de um determinado circuito elétrico. Curiosamente, o interruptor foi criado, inicialmente, por um médico. Golding Bird, 1814-1854, médico de renome, professor de filosofia natural, terapeuta de elétrica e química clínica, era um frequente colaborador das revistas médicas de Londres, sobre temas de especiais interesses. O mesmo havia criado primeiramente um interruptor para si mesmo, utilizado para enviar ondas de choque aos pacientes a uma célula voltaica por uma bobina de indução. A ideia veio das dificuldades da utilização dos interruptores mecânicos, que ocupavam as mãos do médico em uma rotação manual de uma roda den-

tada, ou o faziam precisar de um assistente para o trabalho. Com a invenção dese dispositivo, Bird visava a libertação das mãos na utilização de interruptores. A tomada elétrica, por sua vez, trata-se de outro dispositivo que fornece energia através de um plug conectado. Até pouco tempo, as tomadas mais comuns possuíam dois terminais utilizados em circuitos monofásicos, sendo um para a fase e outro para o neutro. Ou, um para cada fase, no caso de bifásico. Ainda havia um terceiro tipo, com a ligação do terra. Existem também outras tomadas com três ou quatro terminais, ou mais, normalmente para uso na indústria. Desde o dia 1º de julho de 2011, a NBR 14136, baseada na norma internacional IEC 60906-1, passou a ser o padrão oficial de tomadas no Brasil. A venda de outros tipos de tomadas é proibida pelo Inmetro desde esta data. O padrão foi escolhido por ser mais seguro e por contar, agora obrigatóriamente, com o condutor terra em corrente de 10A, com pinos de 4mm de diâmetro e em 20A, com pinos de 4,8mm, padronizados. A NBR 14136, foi desenvolvida por um grupo coordenado pela Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT e integrado por fabricantes de aparelhos elétricos e de plugues e tomadas.

Com isso, os aparelhos eletrônicos e eletrodomésticos, produzidos atualmente e certificados pelos Inmetro, já devem sair de fábrica com o novo modelo de tomadas. Para a sua devida instalação, visualizando a tomada do ponto de vista do observador, o orifício da esquerda deve ser conectado à Fase. O da direita, ao Neutro, e o central, desalinhado para baixo ao Terra. Muita atenção: se a tomada estiver na posição invertida ou sem referência, como no caso das tomadas verticais, há risco de conexão incorreta. Espero mais uma vez ter contribuído para um pouco mais da exposição de produtos que, mesmo presentes em nosso dia-a-dia, não os observamos com as suas respectivas e relevantes importâncias.

Gouveia Neto é vendedor na SV Elétrica. e-mail: neto@sveletrica.com Fonte: http://pt.wikipedia.org


2013 JULHO/AGOSTO

JORNAL DO COMPRADOR 29

DICAS DE LEITURA

EM BUSCA DE SENTIDO

CONSTRUINDO UM FUTURO DE SUCESSO

Autor | VITOR FRANKL Editora | VOZES Edição | 29 Ano | 2009 Especificações | BROCHURA, 140 PÁG. ISBN | 8532606261

Autor | MARCIA LUZ Editora | QUALITYMARK Edição | 1 Ano | 2008 Especificações | BROCHURA, 168 PÁG. ISBN | 8573038497

O livro é uma ferramenta importante para que o leitor reflita sobre de que forma o sentido na sua vida profissional pode modificar drasticamente os resultados alcançados, segundo a coach Marcia Luz. “Vitor Frankl foi prisioneiro em campos de concentração nazistas e descobriu que as pessoas que sobreviviam aos holocaustos eram as que possuíam algo para fazer em seus futuros, o que atribuía sentido à vida de cada uma”, diz Marcia.

Com a colaboração de nomes como Oscar Schmidt, seu Francisco (pai de Zezé de Camargo e Luciano), Ana Maria Braga e empresários de sucesso, o livro traz relatos de quem conseguiu mudar a própria história. “Sucesso não é uma questão de sorte ou azar. Ele é construído passo a passo e definirá o seu destino”, diz a autora Marcia Luz.


30 JORNAL DO COMPRADOR JULHO/AGOSTO

2013

DICAS DE ETIQUETA

Palavra-chave: Organizar Vamos buscar a organização eliminando as desordens que nos cercam no escritório e/ou empresa. Essa dieta do atulhado de objetos que estão fora do alcance da necessidade é salutar e vai proporcionar benefícios milagrosos para o bem estar do executivo e/ou empresário. Assim como: menos estresse, mais dinheiro, um melhor controle da situação, bom relacionamento com as pessoas e reconquistar a famosa autoconfiança, abrindo novos horizontes nos negócios. Conheça dez tarefas de organização que levam apenas alguns minutos preciosos: 1) Limpar as gavetas das quinquilharias;

2) Catalogar as revistas, dando fim em algumas; 3) Encher sacolas com itens ainda bons para doações; 4) Enviar pilhas de jornais para reciclagem; 5) Deletar arquivos desnecessários do computador; 6) Por no lixo aquelas canetas sem tintas que estão no porta canetas; 7) Catalogar zoneando os folders dos empreendimentos; 8) Dar fim às correspondências acumuladas; 9) Folhear o porta cartões, eliminando antigos contatos; 10) E por fim, renovar a agenda de fornecedores.

Muito bem, de agora em diante, vida nova, a bagunça mudou de endereço. Prossiga no avante. Olho vivo!

Priscila Cavalcanti e Malu Cavalcanti são cerimonialistas e promotoras de eventos. www.priscilaeventos.com.br priscilaeventos@priscilaeventos.com.br (85) 3401.5216 | 9981.1786

COMO VIVER MELHOR

Não complique seu problema Devemos sempre enfrentar nossos problemas como desafios, e nunca como desculpas por não termos atingido os objetivos traçados. Na medida em que consideramos como verdadeiros problemas os empecilhos que surgem em nossa vida, fica muito mais difícil superá-los. O excesso de preocupação sempre atrapalha a busca de soluções. O melhor caminho será, portanto,

refletirmos sobre esta máxima: “se o que te preocupa tem jeito, por que te preocupas? Se o que te preocupas não tem jeito, por que te preocupas”? Nossas dificuldades em si não nos afetam tanto como a forma que as encaramos. Finalmente, não devemos sofrer por antecipação! A expectativa de um problema costuma ser mais dolorosa que as consequências dos obstáculos que eventualmente possam surgir.

Luis Gonzaga Cunha é funcionário aposentado da Caixa Econômica Federal.


2013 JULHO/AGOSTO

JORNAL DO COMPRADOR 31


Jornal do comprador julho agosto site  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you