Issuu on Google+

Disp. e Tradução: Rachael Revisora Inicial: Rachel Revisora Final: Rachael Formatação: Rachael Logo/Arte: Dyllan


Ele nunca viu ELA CHEGANDO... Spencer Lark já sabe muitos segredos sobre Arizona Storm, incluindo o pesadelo que ela viveu e seus problemas de confiança resultantes. Mas a fim de expor uma quadrilha de contrabando e continuar vingando seu passado trágico o caçador de recompensas relutantemente concorda em fazer de Arizona um chamariz. No entanto, nada lhe preparou para sua mistura hipnótica de fragilidade e coragem ou para os instintos protetores que ela desperta nele. Arizona quer recuperar a sua vida, o que significa agir como isca para atrair o inimigo para uma armadilha. Claro que é perigoso, especialmente com um parceiro atraente como Spencer para distraí-la. Mas como seus planos – e sua química – mudando em alta velocidade, Arizona pode descobrir que há um risco ainda maior que entregar seu coração a um herói...

Caro leitor, A partir do momento em que Arizona Storm apareceu nas páginas de Saborear o Perigo, eu a amei. Ela é tão vulnerável e ao mesmo tempo uma pé na bunda ousada e, para mim, adoravelmente ultrajante. E Spencer Lark... Eu acho que ele poderia ser o meu novo herói favorito. Grande, capaz e oh tão intuitivo quando se trata de Arizona. Ela real e necessariamente precisa de Spencer em sua vida. E eventualmente ele percebe que precisa dela também. Um monte de faíscas, muita sensualidade e – espero – muita diversão! 454


Uma Tempestade Perfeita é o quarto livro em minha série de machos-alfa mercenários privados que andam a beira de honra. Você já conheceu Dare Macintosh, Trace Rivers e Jackson Savor. Bem, Arizona se encaixa bem com os caras. Mas como Spencer pode dizer a você, ela é uma mulher da cabeça aos pés. Para ver mais sobre os livros, incluindo como eles estão relacionados e muito mais sobre os personagens, visite o meu site, www.LoriFoster.com e veja a página “Livros e Séries relacionados” abaixo do link “listas de livros.” Sinta-se livre para conversar comigo na minha página de fãs no Facebook ou visitar-me no Twitter ou Goodreads. Espero que gostem da história!

Revisoras Comentam... Rachel: De todos as personagens femininas da série, achei a Arizona a mais complexa, e a menina é louquinha de pedra! O Spencer foi um pouco lento para perceber o que estava acontecendo, mas bem típico de um herói da Lori Foster... Rever os outros casais é sempre muito bom, o Chris é uma figura e até os cães e gatos estão de volta. A trama deste livro tem mais suspense que nos anteriores; eu pensei que soubesse quem era o louco no início, mas depois fiquei em dúvida, e no final foi uma reviravolta. E as cenas entre o Spencer e a Arizona são super quentes e quando ele entende a cabeça da maluquinha, é emocionante de ver a aceitação. Espero que o livro do Chris com o Matt chegue logo e que encerre a série com chave de ouro... Rachael: Realmente a Arizona é uma personagem complexa e a Lori consegue explorar as diversas partes da personalidade e dos medos de Arizona. Entender quem é essa mulher forte e fragilizada ao mesmo tempo foi complicado para o Spencer, primeiro porque ele não queria se 454


envolver, depois porque a Arizona não sabia se podia confiar seus medos nele sem se machucar. O complexo e duro mundo do tráfico de seres humanos e da prostituição se misturam com o dia a dia da Arizona. Ela não pode viver sem extinguir da face da terra essas pessoas. Só que no meio da sua guerra pessoal ela se encontra apaixonada pelo Spencer e talvez... só talvez ela ousa sonhar com um final feliz.

Capítulo Um ARIZONA STORM sentou-se calmamente na cadeira estofada, com o queixo apoiado nos joelhos dobrados, seus dedos entrelaçados em torno de suas pernas. Aguardar. No silêncio do quarto sombreado, ela respirou o aroma único de loção pós-barba e óleo de arma e o cheiro inebriante de macho. Na parte de trás da cadeira, atrás dela, ele tinha jogado sua calça jeans e uma camiseta amarrotada. Estendendo a mão para a mesa de cabeceira, ele colocou a arma recém-limpa e seu canivete mortal. Suas boxers descartadas estavam caídas no chão. Ele a fascinava. Depois de invadir a sua casa, ela tirou os tênis os colocou ao lado de suas botas perto da porta da frente. O ar-condicionado, definido no máximo, deixou os dedos dos pés frios, mas ele estava coberto com apenas um lençol fino.

454


Uma e outra vez, seu olhar vagou sobre ele, um grande pé saindo para o lado da cama, seu abdômen plano e duro coberto pelo lençol branco-neve, o peito não coberto por qualquer coisa, exceto pelos sedutores. Com um braço atrás da cabeça, uma axila e seu tufo de cabelo escuro eram visíveis. Vendo-o assim parecia quase vulnerável, exceto que apesar de sua postura relaxada, o posicionamento de seu longo braço formava uma protuberância espessa no bíceps. Com quase 1,98m, solidamente construído e finamente esculpido, Spencer Lark era um dos maiores, mais fortes e impressionantes homem que ela já conheceu. E ela conhecia alguns exemplares realmente de primeira classe. Seus longos cílios faziam sombra suas maçãs do rosto altas, mas isso não a impediu de ver os hematomas sob um olho. Uma luta recente? Ela sorriu enquanto imaginava, certa de que Spencer havia vencido. Sua habilidade em combate a excitava ainda mais que seu grande corpo. Incrível, mas mesmo o nariz um pouco torto a deixava extasiada. Quando e como se ele o tinha quebrado? Ela inalou em respiração profunda e exalou em um suspiro que, dado o silêncio em sua casa e instintos agudos de Spencer, perturbou seu sono. Arizona admitiu para si mesma que talvez ela quisesse acordá-lo. Depois de tudo, ela foi procurá-lo e já esperava espera por um tempo. Sua cabeça virou no travesseiro e as pernas mexeram. Ainda perfeitamente imóvel, ela esperou para ver se ele acordaria, o que ele faria, o que ele diria. Ela não o conhecia muito bem, e ainda... Ela conhecia. Mais ou menos. Eles se conheceram há quase um mês, quando os dois estavam se alfinetando. Imediatamente, eles bateram cabeças e ele enfureceu por interferir com a sua vida. Mas o pior, ele tinha roubado dela a vingança que desesperadamente desejava. Claro, ele tinha sua própria necessidade de vingança, então ela entendeu seus motivos. Ela não iria perdoá-lo. Ainda não, de qualquer maneira. Mas ela entendeu. Pelo menos, ela pensou que entendeu. Uma vez que eles falassem sobre isso ela decidiria com certeza. 454


Ele fez um suave som suave e arenoso, quando esticou o corpo longo e forte. Seu queixo apertou. Músculos flexionaram. O lençol fez uma tenda. Com os olhos arregalados, Arizona olhou, não realmente alarmada, mas já não tão à vontade, também. Ela tinha uma história muito ruim com homens despertando, então duvidava que algum dia deixaria de ser afetada por eles. Mas ela não deixaria isso ficar no seu caminho, não quando ela queria alguma coisa, não quando ela tinha um objetivo em mente. Ela sabia que deveria ter tomado a arma de Spencer, ou pelo menos tirá-la do seu alcance. Mas em vez disso ela o encontrou na cama e antes de sequer pensar nisso, ela tinha tomado o lugar vazio e ficou observando-o enquanto dormia. Desde aquele dia fatídico em que seu destino havia sido roubado dela, o tinha visto apenas algumas vezes. Ela tentou ficar longe. Ela tentou esquecê-lo. Ela não tinha sido bem sucedida. Alongando, ele levou a mão para de sua cabeça, para esfregar sobre seu cabelo, em seu rosto, no peito. Quando ele deu um sonolento gemido rosnando a mão desapareceu sob o lençol. Os lábios de Arizona se separaram, e seu batimento cardíaco até tropeçou. Ela limpou a garganta. “Spence?” Congelando, sem mover qualquer outra parte do corpo, ele abriu os olhos e encontrou o olhar dela. Ela franziu o cenho para ele. Ele não parecia muito assustado e não disse nada. Ele apenas olhou para ela. Com a mão ainda lá. “É...” Um pouco satisfeita com a reação congelada dele, ela balançou a cabeça apontando seu colo. “Você não estava indo para um pequeno puxão, estava? Porque, como sua espectadora, eu apenas não quero ver isso.” Ele levou a mão para fora e a colocou de volta atrás da cabeça, ainda em silêncio, ainda observando-a. Quase... Relaxado.

454


Seu olhar era tão escuro, tão penetrante que ela queria se contorcer, maldição. “Quer dizer, eu acho que eu poderia esperar na outra sala se for realmente necessário. Quer dizer, se você não demorar muito.” Ele a desapontou por não reagir. Como se ele muitas vezes acordasse com uma mulher não convidada brincando de voyeur em seu quarto, ele a olhou dos dedos dos pés descalços até os cabelos longos, emaranhados pelo vento. “Está aqui há muito tempo?” “Talvez meia hora mais ou menos.” Curiosidade a levou a perguntar: “Você estava indo... você sabe?” Ela assentiu com a cabeça em seu colo. “A maioria dos homens dizem oi para seus meninos primeiramente.” “Dizer oi?” Sem nenhum sinal de desconforto, ele encolheu os ombros. “Você arrombou.” Uma afirmação, não uma pergunta. Ela fez seu próprio casual encolher de ombros. “Desde que você não é burro o suficiente para deixar a casa destrancada, sim, eu tive que arrombar.” Ele virou a cabeça, mas não para verificar a hora. Ele viu a arma ainda na mesa de cabeceira, onde ele tinha deixado e trouxe seu olhar de volta para ela novamente. “Você sabe como fazer café?” Uma sobrancelha ergueu. “Fazendo-me sair do quarto para que você possa sair da cama? Eu não tenho escrúpulos, você sabe. Quero dizer, com a minha experiência, já vi muita –.” Ele jogou o lençol para o lado e sentou, efetivamente calando sua réplica sarcástica. Oh, Menino. “Se você não sabe como fazer café, é só dizer.” Spencer espreguiçou novamente, mais duro, mais longo desta vez. Sentado na beira da cama, ele agarrou a cueca e deu um passo para ela. Enquanto levantava puxou-a para cima. Eles se encaixam como uma luva. Ele ainda tinha uma tenda aparecendo. E ela ainda olhava.

454


Ele pegou a arma e demonstrando alguns problemas de confiança, verificou para se certificar de que ela não havia descarregado. Descobrindo que ela não tinha tocado em nada, ele balançou a cabeça em satisfação. Enquanto passava por ela disse sobre o ombro. “É chamada de ereção matinal, garotinha. Não há razão para alarme.” Arma na mão, passou por ela para ir ao banheiro. A porta se fechou silenciosamente atrás dele. Tardiamente, Arizona fechou a boca. Oh, como ela odiava quando ele a chamava de “garotinha.” Até hoje, ela nunca foi tão jovem quanto ele pensava, e devido às suas experiências, bem, ela não se sentia como uma criança há um longo tempo. As sobrancelhas dela desceram e sua coluna endureceu. Ela não deixaria que ele a irritasse. Nã-não. Sem chance! Este era o seu jogo. Ela chamava os tiros, e se alguém tinha que ser a língua presa, seria ele. Ela levantou, mas não bateu os pés. Excessos de emoção a levavam muito longe. Ela não queria que ele soubesse como a afetava. Na porta do banheiro, com uma voz fria e calma, ela declarou: “Estarei na cozinha.” Minutos depois, apenas para provar um ponto, ela foi descobrir como fazer café.

***** SPENCER ficou com as mãos apoiadas na pia de porcelana, com a cabeça pendurada, seus músculos contraídos. Mas que diabos foi isso? Claro, ele sabia que Arizona Storm era impetuosa, teimosa, imprudente menina. Ele descobriu isso nos primeiros segundos quando a conheceu. Mas arrombamento? Por que diabos ela tinha sentado ali olhando ele dormir? Ele se sentiu... Violado. Furioso. 454


Ele sentiu extrema piedade. Por ela. Caramba, mas ele não a queria, não em sua casa e não em sua cabeça. Ele poderia controlar “em sua casa.” Não tinha muito controle sobre “em sua cabeça.” Não confiando nela para respeitar a sua privacidade, sabendo muito bem que iria bisbilhotar sem remorso, ele desistiu da ideia de um banho e fazer a barba, em vez disso escovou os dentes, lavou o rosto e penteou os cabelos com os dedos. Desde que ela não estava mais em seu quarto, ele teve tempo para pular em seus jeans, mas ao invés de colocar o coldre apenas prendeu a arma na cintura. Pegou a faca, abriu, fechou de novo e deslizou-a no bolso. Descalço e sem camisa, ele foi em busca de Arizona e teve que admitir, a antecipação afastou as teias de aranha de memórias antigas e falta de sono. Vê-la sentada em uma cadeira da cozinha, de braços cruzados, com um pé atrás da perna da cadeira, sacudiu seus sentidos ainda mais. Deus Todo-Poderoso, ela era uma beleza. Magra, com pernas longas e generosamente esculpidas, com um rosto como um sonho molhado, Arizona iria virar cabeças onde quer que fosse. O cabelo escuro e ondulado pendurado pelas costas, em desordem habitual. A pele cor de mel em contraste direto com a luz azul dos olhos. Uma boca cheia, um queixo forte, maçãs do rosto salientes... . . Perguntou-se que herança mista havia produzido tal sonho. Enquanto ele olhava despercebido na porta, ela roía a unha do dedo mínimo. Arizona não usava maquiagem, ou pintava as unhas ou fazia qualquer coisa para melhorar a sua aparência e ela não precisava. Ela poderia usar um saco como roupa e os homens queimariam por ela. “Nervosa?” Ela parecia estar, antes de adotar uma expressão entediada e girar a cabeça para encarálo. “Você sempre dorme até o meio-dia?” “Quando eu fico acordado toda a noite, sim.” Ele fez o caminho mais curto para a cafeteira, mas não a agradeceu por ter feito o café. Depois de tudo, ela veio sem ser convidado. “Você quer um copo?” “Se você tiver leite e açúcar.” 454


“Creme.” Ele serviu duas xícaras e as colocou sobre a mesa, em seguida pegou o creme da geladeira. O açucareiro estava no meio da mesa ladeado pelo saleiro e pimenteiro. Como muitas das coisas em sua cozinha, eles pareciam com vacas de uma forma ou de outra. Sua esposa tinha comprado anos atrás. Enquanto soprava o café quente, Spencer impiedosamente esmagou as más recordações. Arizona carregou seu café com duas colheres cheias de açúcar e uma quantidade bastante liberal de creme. Ele observou sua boca exuberante enquanto bebia. Sacudindo-se, ele tomou um gole e quase engasgou. Forte o suficiente para descascar o forro de sua garganta, foi o pior café que ele já tinha provado. Arizona, porém não pareceu notar que ele tinha engasgado e bebeu sem reclamar. A overdose de cafeína lhe faria bem. O silêncio se arrastou enquanto que cada um dava atenção ao seu café. Ele não seria o primeiro a falar. Finalmente ela olhou para ele. “Onde é que você estava até tão tarde? Orgias?” Realmente ele precisava gastar um pouco de energia, por razões que ainda não iria examinar muito de perto. Dando de ombros, ele disse, “Eu fui a um bar, encontrei um pouco de problemas.” Ele olhou para ela. “Você sabe como é, né?” Para seu descontentamento, ela balançou a cabeça. “Sim, eu fiz o mesmo. Mas me saí melhor que você.” Sua boca se curvou em um pequeno sorriso e ela piscou. “Sem olho roxo.” Ela esteve realmente em um bar? Procurando por problemas? De novo? Ele não precisava se justificar, não para ela, mas ainda assim disse: “Você deveria ver os outros três caras.” “Yeah? Só três?” Estalando a língua, ela o olhou à deriva. “Quaisquer outras contusões?” “Não.” Ela apoiou o queixo sobre o punho. “Um golpe de sorte, hein?”

454


Será que ela tinha que parecer tão divertido por ele beber feito um idiota e brigar? “Algo como isso.” Realmente tinha sido atingido por uma cadeira que foi atirada, mas enfim. Ele não iria encorajá-la com mais detalhes. “Então me diga, menina. O que você estava fazendo em um bar?” Ela desviou o olhar. Com um dedo, ela traçou a borda de sua xícara de café. “Às vezes,” disse ela baixo, sua voz quase um sussurro “Eu só preciso de uma distração.” Seu peito se apertou. Ele esperou para ver se ela iria elaborar, se ela compartilharia os detalhes de sua trágica história com traficantes de seres humanos. Ela tinha uma necessidade de igualar o placar com pessoas já mortas, os monstros que a tinham machucado gravemente. De repente, ela se inclinou para frente. “Você pode guardar um segredo?” Droga, ele não queria jogar estes jogos. “Depende.” Ela fez uma careta. “De quê?” “Se é do seu melhor interesse manter o segredo ou não.” Sentando irritada, ela perguntou, “Por que essa preocupação?” Ele respondeu com: “Por que você quer me contar?” Por longos momentos eles olharam um para o outro, e então ela se quebrou. “Foda-se. Eu não vou contar. Não mais.” Depois de tomar o resto do seu café, ela empurrou a cadeira para trás. “Eu estou saindo daqui.” Spencer pegou seu pulso. E, claro, vinha de encontro a ele. Reagindo rapidamente ele segurou seu ombro ela balançou o outro punho. Ele se esquivou, mas ela chutou e pegou na canela. Felizmente ela não usava sapatos, por isso não doeu. Muito. No tumulto que se seguiu a xícara de café caiu no chão e quebrou. Dado que ambos estavam descalços, ele fez a coisa mais sensata e jogou-a por cima do ombro. Apertando a mão sobre suas coxas, ele advertiu: “Morda-me, e eu juro por Deus, você não vai gostar das consequências.” Ao invés de lutar ela apoiou os cotovelos nas costas. “Você me ameaçou primeiro.” 454


“Porque você me atacou antes.” Passando por cima e ao redor da bagunça em seu chão, ele entrou no hall de entrada, então pensando, que inferno, e passou para a sala. Ele terminou com ela no sofá. Ela saltou diretamente nele outra vez. Outra briga, e dane-se, era muito cedo e ele estava cansado demais para aturar isso. “Arizona!” Ele a trancou em ume estreito e familiar abraço, pelo menos com ela, mantendo-a de encontro ao seu peito com os braços imobilizados. Ele apertou-a com força suficiente para roubar o fôlego. “Pare com isso já, ok?” Sua cabeça caiu para trás contra seu peito para que ela pudesse olhar para ele. Ele esperou, recusando-se a ceder, levado por... Deus sabia o quê. Ela deu um aceno de cabeça firme. Spencer abriu os braços, mas logo saiu de seu alcance. “Ok?” “Dane-se.” Tanta animosidade, tanta raiva do mundo. Ela nunca iria admitir, mas Arizona precisava de um amigo, um confidente, e se isso iria colocá-lo através do inferno, bem, e daí? Ele tinha estado no inferno por um tempo agora. “Você veio até mim, lembra-se?” “E agora eu estou tentando sair!” Sua cabeça latejava. Se ela saísse agora ele passaria o resto do dia se preocupando com ela. Ou a seguindo. Ele trabalhou o queixo, e então disse, “Manterei seu segredo. Qual é ele?” “Oh, você não é o mais generoso?” Ele suspirou. “O desprezo é desagradável. Apenas me diga o que é.” O estreitamento de seus olhos enfatizou sua cor azul-claro brilhante e a espessura de seus longos cílios escuros. Ela tomou duas respirações profundas, tornando difícil para ele manter sua atenção fora de seu peito. “É o meu aniversário.” Hum. De todas as coisas que ele imaginou, esta não era uma delas. Não era nem mesmo uma das cinquenta melhores. “Seu aniversário?” ele disse estupidamente. 454


“Sim, você sabe, o dia em que nasci. Não surgi sob uma rocha, no caso de você estar se perguntando.” Quando ele ficou mudo, ela acrescentou, “Eu tenho vinte e um agora. Legalmente adulta. Não sou uma menina, como você continuar dizendo.” Arizona não tinha família. Ela tinha um amigo, Jackson, o homem que a tinha resgatado da morte. Ela tinha a noiva de Jackson, Alani. Ela tinha a sua família e amigos. Mas nenhum de seus próprios parentes. Ele balançou a cabeça. “É só isso?” É por isso que ela havia arrombado sua casa? Por isso ela sentou-se e o observou dormir? Ela rolou seus olhos. “Sim, o que você esperava? Uma confissão de assassinato?” “Eu não sei.” Com ela, não poderia tomar nada como garantido. Por que ela não queria que ninguém soubesse sobre seu aniversário? Esfregou o queixo eriçado, estudou-a, mas não conseguia entender a razão ou mesmo ter pensamento claro. Ele deixou cair sua mão. “Feliz Aniversário.” “Obrigada.” Eles ficaram lá olhando um para o outro, o que poderia ter sido estranho, mas tudo com Arizona era estranho. Especialmente a infinidade de maneiras como ela o afetava, as emoções que ela despertava e as necessidades que ela acendia. Como se sua reação irritada não tivesse acontecido, ela caiu de volta para sentar-se no sofá. “Eu quase não me lembro. Quero dizer, tem sido um tempo verdadeiramente longo desde que alguém lembrou. E mesmo assim, foi habitualmente apenas a minha mãe dizendo feliz aniversário para mim. Nada demais.” Ela deu um sorriso torto. “Nós não fomos o tipo de família bolo-e-velas.” Então, ela nunca tinha conseguido um presente de aniversário? Ninguém comemorou seu nascimento? “Não é um grande negócio ou qualquer coisa. Mas eu acho que com você sempre me acusando de ser jovem...” “Você é jovem. Não é uma acusação, é um fato.” Um que ele precisava desesperadamente se lembrar. 454


“Mas agora eu sou legalmente adulta.” Significava... O quê? Aos trinta e dois anos, ele era apenas 11 anos mais velho que ela, mas sentia o dobro de sua idade. Ele massageou uma torção na parte traseira de seu pescoço. Será que ela esperava um presente? Uma noite fora? Jesus, ele não sabia. “Então... podemos ir buscar um bolo.” Ou algo assim. Seu pequeno sorriso cresceu em um sorriso zombeteiro. “Não seja um asno. Eu não quero ou preciso de nada disso. Só estou dizendo, não me chame mais de menininha.” Um pouco perdido, Spencer se juntou a ela no sofá. Em vez de descansar para trás ele meio que se virou para ela. “Por que você está mantendo isso em segredo?” Ela bufou. “Você conheceu Jackson. Você sabe que ele ia fazer um grande negócio disto ou algo assim, e eu não quero isso.” Mais baixinho, ela murmurou, “Eu já sou bastante de um fardo.” “Eu não acho que ele concordaria com isso.” Jackson a tratava como uma irmã mais nova e provavelmente gostaria de fazer o que pudesse para comemorar o dia, de alguma forma, tornálo especial para compensar um passado tão escuro, tão deprimente, que nenhum jovem deveria ter vivido. “Sim.” Ela passou a mão sobre o veludo de seu sofá. “Talvez não. Mas ainda é verdade.” Desde que ela não queria que ele contasse, não diria nada, mas não gostou. “Você não deve esconder as coisas dele. Ele se preocupa com você.” “Eu sei.” Ela cruzou os braços sobre o abdômen. “Mas ele tem as mãos cheias. Lembre-se, ele está planejando um casamento.” Ela estava com ciúmes de Alani? Pelo que tinha visto, Arizona olhava para Jackson com o coração nos olhos. Ele era a única pessoa que ela tinha e que significava muito para ela. “É mais sua noiva que está planejando.” “Alani está grávida, lembra?” “Eu tinha ouvido falar.” Ele também sabia que a gravidez foi uma surpresa feliz e de nenhuma maneira tinha forçado a sua decisão de se casar. “Isso te incomoda?” 454


“Claro que não,” ela insistiu. “Mas com tudo que aconteceu ele não precisa estar brincando comigo.” Jantar fora, um presente pequeno, bolo e abraços... Ela considerava muito barulho? “Eu acho que Jackson pode lidar com isso.” “Além disso,” acrescentou, falando sobre ele: “Eu tenho uma nova identidade, se lembra? Não há volta e especialmente sem celebrações de datas esquecidas como aniversários.” Em um esforço para ajudá-la, Jackson havia coberto os rastros, enterrado o passado para ela tanto quanto pôde, e para sua segurança ele deu-lhe uma identidade totalmente nova, incluindo um novo nome. Era uma maneira de começar de novo. Mas nada disso ajudaria Arizona a curar do passado. Desconfortável com o momento, Spencer se debateu tentando encontrar algo para dizer. Ele não a conhecia há tanto tempo, e seu encontro havia sido repleto de perigo. Como um caçador de recompensas, ele vinha acompanhando os criminosos psicopatas que a estavam seguindo. Arizona, sendo afrontosa em todos os sentidos que uma pessoa pode imaginar, havia se utilizado como isca. Ao longo do caminho, Spencer conheceu Jackson e aprendeu um pouco sobre sua história. Eles apresentaram a sua relação como a de amigos ou talvez irmãos. Mas as nuances de sua conexão eram qualquer coisa menos simples. Não com a aparência de Arizona e não quando Jackson tinha salvado sua vida. Não quando ela já tinha sido mantida em cativeiro por traficantes de seres humanos que depois de usá-la, tentaram matá-la como punição por ter fugido. Sua morte teria sido uma lição para as restantes vítimas presas. Em vez disso, os bastardos tinham morrido e boa viagem. Felizmente, para a paz de espírito de Spencer. Jackson estava apaixonado por Alani, então seu interesse em Arizona não era romântico de qualquer forma. Mas, para Arizona? Ele não sabia. Jackson era um homem bom. Um protetor. E agora, Spencer se sentia como um destruidor do mal. Nada de proteção aqui.

454


“Oh, pelo amor de Deus.” Arizona golpeou-o no ombro. “O que no inferno está errado com você? Ninguém morreu. Acabe com a cara triste, ok?” Ele tentaria. “Então, por que você está aqui?” Lembrando como ela tinha entrado, ele virou-se para olhar para a porta. “Você não estragou minha fechadura, não é?” “O bloqueio está uma merda de muito bem.” Ela apoiou os pés sobre a mesa em frente ao sofá. “Eu sou boa em abrir fechaduras.” “Por que não estou surpreso?” Ela olhou para baixo no comprimento de suas pernas e mexeu os dedos do pé. Indiferente, ela disse: “Eu preciso de ajuda.” Apreensão o atingiu. “Com o quê?” E se ela tivesse se metido problema de alguma forma? Alguém estava atrás dela de novo? “Prometa-me que você não vai contar a Jackson sobre isso, a qualquer um, e depois eu direi a você.” Temendo por ela, ele disse: “Claro, qualquer coisa. Eu não vou contar a Jackson.” “Hmm.” Os olhos dela se estreitaram. “Isso foi um acordo muito rápido.” “Mas sincero.” No momento, sua maior preocupação era a segurança dela. “Cuspa.” “Direito ao ponto.” Ela voltou a esfregar o veludo e era uma coisa tão sensual, sua mão movendo-se lentamente ao longo do material, que Spencer estava hipnotizado. “Há este restaurante. Bem, é realmente um bar desprezível, mas eles servem comida durante o dia também.” Vindo de qualquer outra mulher essas palavras não causariam muita reação. De Arizona pressagiavam uma catástrofe iminente. “Um bar? Onde?” “Não olhe assim,” ela reclamou. “Até que eu saiba que você está a bordo não vou te dar mais detalhes. Vamos apenas dizer que eu suspeito que eles sejam parte de uma quadrilha de tráfico em grande escala e talvez usando trabalho escravo. Eu quero investigar isso. Mas eu não sou burra. Eu sei que eu preciso de um backup.” Querido Deus, Jackson investigava cartéis de tráfico em grande escala, não Arizona! E ele não trabalhava sozinho, ele trabalhava com outros homens que eram igualmente habilidosos. 454


Eles apoiavam uns aos outros e haviam dado a Arizona um trabalho que envolvia computadores num esforço de mantê-la longe da ação mais perigosa. Ela deveria estar fazendo pesquisas relativas a traficantes locais de pequena importância. Somente pesquisa. “Eu estava pensando que poderia ser a isca novamente. Você sabe, colocar-me lá fora e ver o que acontece. Com você vigiando seria seguro o suficiente, certo? Se eles tentarem me pegar, então...” “Não.” Seu humor rapidamente mudou, assim como seu alarme. Ele disse novamente, com mais força: “Não.” Impassível, Arizona encontrou seu olhar zangado e deu de ombros. “Ótimo. Achei que você poderia querer se juntar, mas eu posso descobrir isso por conta própria.” Ela começou a sair do sofá. Ele mais uma vez pegou o braço dela. Magro, quente e tão macio... Quando ela olhou para ele seus olhos azuis estavam iluminados por seu pavio curto. “Eu sugiro que você pare de tentar me maltratar.” Ao ouvir o tom mortal em sua voz, Spencer abriu os dedos. “Dê-me um segundo para pensar, ok?” “Huh.” Ociosamente ela caiu para trás outra vez. “Então “não” com em você não é necessário? Ou quer dizer outra coisa? Isso significa que você só quer tempo para pensar?” Ela estava fazendo picadinho dele. Ele tinha que assumir o controle. “Eu não quero você em qualquer lugar perto de algo perigoso, especialmente sozinha.” “Sim, mas veja, você não é meu pai, não é meu namorado, e tenho a maldita certeza que não é alguma coisa entre um e outro. Então, se você não quer ajudar, isso não é da sua conta.” O que ela considerava “entre um e outro”? “Eu quero fazer uma aposta com você.” Seu interesse se animou. “Você quer? Sobre o quê?” Já sabendo que não ficaria pior, Spencer se preparou. “Eu aposto que você não pode ficar um mês sem amaldiçoar.” Seu queixo baixou e as sobrancelhas desceram. 454


“O que isso tem a ver com alguma coisa?” Ele não tinha ideia, exceto que o irritava ouvi-la ser tão grossa. “Passar um mês sem amaldiçoar.” Ele odiou a si mesmo, mas disse: “Toda vez que escorregar, você me deve um beijo.” Uma quietude gelada caiu sobre ela. O silêncio pulsava na sala. A tensão se reunia como nuvens de tempestade. Agarrando a cauda do tigre, ele perguntou, “Bem?” Com os olhos brilhando, Arizona lentamente levantou. “Foda-se,” ela sussurrou. Ele podia ver o pulso disparado em seu esbelto pescoço. Ele podia ver o medo que ela tentou tão duro esconder. “Eu sugeri um beijo, Arizona. Nada mais. E apesar do que você disse, 'não' significa 'não' para mim. Você não tem que ter medo.” “Eu não tenho!” “Você não tem que esperar o pior de todos.” Ele não se moveu de sua posição no sofá, mas quando os seus olhares se encontraram, sentiu como se ele a tocasse. Ele estava perturbado... Então o que ele fez com ela? “Eu nunca iria machuca-la,” ele prometeu. “Eu faria o meu melhor para protegê-la de qualquer um que fizesse isso.” “Eu não preciso de você para me proteger.” Seus olhos ficaram vítreos, um pouco úmidos. “Eu posso me proteger.” Não muito tempo atrás, ela não tinha protegido a si mesma. E ninguém mais tinha, também. “Você acha que beijar é tão repulsivo?” Ela balançou a cabeça, mas disse: “Eu não sei.” Em seguida, ela acrescentou: “Eu não tenho feito muito... em beijar.” “Não?” Seus dentes cerrados; ela falou com os lábios rígidos. “Um cara que está pagando por sua vez não quer desperdiçar tempo com isso.” Em desafio, ela acrescentou: “Graças a Deus.” 454


Suas palavras foram como um pontapé na barriga. “Arizona...” “Eles me achavam indigna.” Seu queixo se projetava para frente. “E eu estava feliz com isso!” Será que ela já tinha recebido um carinho, um beijo carinhoso sincero? Ele não sabia. Mas eles tinham que começar em algum lugar, ou ela nunca estaria livre de seu passado. Ele sentou-se para frente. “Dada a sua expressão, a ideia de me beijar seria insuportável, então suponho que deve ser incentivo suficiente para melhorar seu vocabulário. Certo?” Ela deu um passo para trás, depois outro. Braços soltos, os pés descalços apoiados afastados, ela se preparava para lutar. Depois de tudo o que tinha acontecido com ele nos últimos três anos, o seu coração esteve envolto em gelo. Até Arizona, havia sido assim. Agora, em torno dela, suas feridas pareciam novas e recentes. “Você confia em mim,” ressaltou. Ela balançou a cabeça. “Eu não confio em ninguém.” Lentamente, ele levantou e deu um passo na direção dela. “Sim, você confia. Você não quer e eu entendo isso. Eu realmente entendo. Mas isso não é maneira de viver e você sabe disso.” Sacudindo a cabeça novamente, ela sussurrou: “Não.” Em seguida, mais alto, “Não!” Ele parou. “Por que você veio à minha casa para me contar que é seu aniversário? Se você não confia em mim, por que você deixou minha arma e faca na mesa de cabeceira? Se você tem medo de mim, por que está aqui me pedindo para estabelecer uma parceria com você?” Ela respirava com mais força. Como um aviso, sua pequena mão se fechou em um punho. Ele não se importava. Se ela o golpeasse, talvez finalmente o fizesse ver a razão. Talvez ele finalmente fosse capaz de parar de pensar nela. “Maldito seja,” ela rosnou. E sua campainha tocou.

454


Capítulo Dois ARIZONA VIU QUANDO A CALMA caiu sobre as feições de Spencer. Oh, emoção caótica tinha estado lá segundos antes. Ela sabia disso. Mas agora, ele parecia tão composto quanto um professor de escola. “Desculpe-me,” disse ele com uma formalidade absurda, e virou a cabeça para a porta da frente. No segundo em que ele virou as costas, ela soltou um suspiro reprimido e sentiu os joelhos enfraquecem. Por que ele mexia tanto com ela? Medo? Sim, em torno dele, ela se sentia na ponta da espada. Mas não era um tipo normal de medo. Não era nada familiar.

454


Ela viveu com medo maior parte de sua vida, em primeiro lugar de seu pai e seus companheiros, depois dos traficantes terríveis e os porcos que vieram com eles para as mulheres. E então... Com a ideia de ficar sozinha, incapaz de ajudar os outros. Inútil. De onde estava a porta aberta bloqueava sua vista do visitante, mas ela não precisa de um visual, não com a voz feminina rouca cantando. “Spencer, eu estou tão feliz que você está em casa.” A coluna de Arizona endureceu. Força voltou para suas pernas. Assim como uma animosidade mesquinha. Ela aguçou os ouvidos, mas não ouviu nada, e ela suspeitava que a mulher estivesse beijando Spencer. “Desculpa, boneca,” Spencer finalmente disse baixinho “mas não é uma boa hora.” Boneca? Não é uma boa hora para que? Curiosidade e mais algumas emoções desagradáveis, cutucaram Arizona. “Mas tem sido tanto tempo,” ronronou a fêmea “e você prometeu me...” “Eu não faço promessas.” “Eu sei.” Um suspiro exagerado. “Não foi isso que eu quis dizer. Mas...” persuasão feminina. “Deus, Spencer, eu preciso de você.” Magras mãos pálidas vieram para cima e em torno do pescoço de Spencer puxando-o para baixo. Desta vez, ela não teve qualquer dúvida sobre o silêncio. Eles estavam beijando ali fora de sua porta mesmo, para Deus e o resto do mundo ver. Irritada, Arizona deu alguns passos rápidos para frente, e assistiu a uma bela loira entregando um beijo ardente. Ambos tinham os olhos fechados. Eles se encaixam. E ela viu um flash de língua. Fúria estreitou os olhos. Spencer sabia que ela estava esperando por ele, mas ele não lutou exatamente contra as atenções de Loira. Com uma mão na cintura e a outra mantendo a porta aberta, provavelmente para tentar bloquear Arizona de ver – Spencer deixou o beijo crescer ampla e descaradamente. 454


Cruzando os braços e apoiando o ombro contra a parede, Arizona perguntou: “Posso ter uma estimativa de quanto tempo isso vai demorar?” Quando eles olharam para ela, a loira chocada, Spencer pedindo desculpas, Arizona sorriu. “Quero dizer, isso está indo para algum lugar? Devo debandar e deixá-los para isso? Ou devo apenas esperar lá fora algum tempo?” A loira abriu a boca duas vezes, mas não disse nada. Seus lábios estavam molhados, o rosto corado. Spencer, que não parecia afetado por ela, não disse nada. Ele apenas olhou Arizona. Quando a loira percebeu isso, ela empurrou para fora abraço de Spencer. “Seu filho da puta!” Ela se virou e marchou para longe. “Ei, ele não faz promessas,” Arizona gritou atrás dela. “Você deveria ter lembrado disso!” Desde que loira não foi para um carro, mas em vez disso atravessou o gramado, Arizona assumiu que ela fosse uma vizinha. Quão a calhar isso era? Ele tinha “trapaça” vivendo bem ao lado. Dando-lhe um olhar sujo, Spencer apontou para ela. “Fique.” E com isso, ele foi atrás da mulher. Como... Talvez ela fosse importante para ele? Quem era ela? Sufocando a dor que sentia, Arizona disse: “Woof,” assim Spencer saberia o que ela achava de sua ordem, em seguida caminhou até a porta para ver o teatro. Relacionamentos a confundiam; ela nunca tinha visto o apelo de ter alguém por perto, debaixo dos seus pés. Isso invadia sua privacidade. Suas expectativas. Obrigações. Sexo. Não, ela não queria fazer parte disso. E ainda enfureceu ver Spencer conter a mulher, segurando-a oh tão gentilmente, e ver Loira suavizar quando ele explicou. O que ele disse sobre ela? Por certo, Spencer não iria admitir que ela o viu dormindo, que ele tinha se levantado e desfilou totalmente nu na frente dela. 454


Ele não iria admitir que ambos eram investigadores e que a sua única conexão era uma unidade para levar os bandidos à justiça. Mas ele falou alguma coisa e quando a mulher olhou para Arizona com compreensão e simpatia, seu temperamento explodiu. O que no inferno? Será que essa “objeto-sexual” tinha pena dela? Empurrando para longe, Arizona voltou para a cozinha. Ao longo do caminho ela jogou alguns socos e chutes nas sombras, então respirou fundo e lento. Ela já tinha feito um reconhecimento da casa de Spencer, então sabia que poderia escapar pela porta dos fundos e não ter que vê-lo novamente. Mas ela não o faria. Ela estaria condenada antes de deixar que ele a fizesse fugir. Ela não fugia de ninguém. Não mais. “Nunca mais?” Na esperança de esconder a sua terrível mistura de emoções, ela começou a limpar a bagunça no chão. Fazendo-se em casa, ela localizou a lata de lixo de Spencer e desenterrou um rolo de toalhas de papel. Ela tinha quase terminado quando Spencer chegou alguns minutos mais tarde. No segundo em que o viu, ela jogou fora a última toalha de papel e levantou. “Você faz com ela na garagem?” Parecendo cauteloso, ele disse: “O quê?” Segurando uma das mãos em um círculo e alongando um dedo da outra mão, Arizona criou uma simulação de sexo bruto. Sua expressão se apertou. “Isso é o suficiente.” “É mesmo?” Ela se inclinou sobre o balcão. “Você esteve fora tempo suficiente.” “Cinco minutos? Eu não penso assim.” Isso a frustrou por um momento, mas o que ela sabia de seus hábitos sexuais? Talvez ele se esforçasse. Talvez ele levasse mais tempo. “Tudo o que você diz.” Ele puxou uma cadeira. “Muito ciumenta?” 454


“Não.” “Então por que você se importa?” Seus molares cerraram. “Eu não me importo.” Mas seu coração começou a bater de uma forma muito estranha. “Você se recusou a me beijar,” ele lembrou. Oh, com certeza ele não pensou... “Muito certo, droga, que eu recusei!” “Então não importa se eu beijá-la, não é?” Sua mão se contraiu com a necessidade de atirar a xícara de café em seu rosto bonito, mas que nunca faria isso. Seria demonstrar muito e deixaria outra bagunça para limpar. Além disso, ele bloqueava a saída da cozinha para a porta da frente, e ela não era imprudente o suficiente para enfurecê-lo quando tinha sua fuga dificultada e seria fácil para ele pegá-la. “Eu não vou te machucar, porra!” Ela quase pulou para fora de sua pele com esse grito profundo. Mas ele parecia mais ofendido que ameaçador, tudo evidenciava preocupação. “Sheesh. Fazendo meu coração parar não é o jeito de provar isso?” Pelo menos sua explosão tinha a trazido de volta à realidade, ajudando-a a se livrar dessas sensações estranhas de preocupação e... Dor. Ele literalmente esbravejou. “Você está aí de pé planejando rotas de fuga.” “Sem chance!” Como ele poderia saber isso? “Eu vi isso nos seus olhos, Arizona. Você tem um rosto expressivo.” “Sério?” E aqui ela pensava exatamente o oposto. Muitas, muitas vezes ela tinha escondido suas emoções dos outros. Sua tristeza. Seu medo. Seu anseio. Ninguém mais tinha tão facilmente a apanhado em seus pensamentos. “Muito expressivo.” Ele respirou fundo, passou as duas mãos pelos cabelos. “Mas não há necessidade. Marla é uma amiga, isso é tudo.” “Uma amiga com quem você transa?” Seus dentes cerraram juntos. “Ocasionalmente. Por acordo mútuo.” Ah, Deus, por que isso doía tanto? Não deveria. Não tinha nada a ver com ela. “Interrompi um pouco do seu tempo de foda, não foi?” O sarcasmo veio alto e claro. Ela balançou a cabeça com piedade. “Eu estou tãooooo arrependida.” 454


“Não, você não está, por isso, não minta sobre isso.” Não, ela não estava arrependida. Exatamente o oposto, ela ficou feliz por ter o impedido de foder com a loira. “Marla, hein? Ela é uma espécie de... figura-cheia, não é?” “Ela tem um monte de curvas. Então o que?” “Você é um caçador de gordinhas?” Ele esfregou o rosto, exasperado. “A maioria dos homens gosta de uma mulher com um pouco de carne em seus ossos.” Incapaz de se conter, Arizona olhou para seus membros magros. Ninguém a chamaria de gordinha. Ela tinha suas próprias curvas, mas se ele preferia... “Pare com isso, Arizona.” “Parar com o quê?” “De comparar.” Seu olhar foi sobre ela, rápido, mas completamente. Ele desviou o olhar quando disse, “Você é incrivelmente sexy.” “Por incrível que pareça?” Ok, então ela sabia que os homens a achavam. Usualmente isso iria assustá-la. Agora... nem tanto. “Há um monte de diferentes tipos de corpos, mas a maioria das mulheres são bonitas da sua própria maneira.” “Nossa!!!!!” Será que ele realmente acreditava nesse absurdo? “Isso soou quase poético.” “Você sabe que os homens lhe acham atraente.” “Eu sei que eles me... olham.” Sua garganta estava apertada, especialmente com a forma especulativa que Spencer a observava. Ela sinalizou para o seu corpo e tentou parecer negligente. “Eles olham para mim e sabem as coisas. É tudo.” “Que coisas?” “Quem eu sou, o que eu fiz.” “Não.” Seu olhar escureceu e amoleceu. “Eles olham para você e veem uma mulher extremamente exótica, bonita. É isso.”

454


Se ele queria acreditar nisso, tudo bem. Ela sabia a verdade: seu passado feio se agarrava a ela como uma camisa molhada. Ele se deixou cair na cadeira. “Vamos voltar para a aposta, ok?” Ela preferia não. “O que você disse ela sobre mim?” Ainda a irritava a maneira com que a mulher tinha olhado para ela, rosto triste e... Pesaroso. Spencer suspirou. “Será que isso realmente importa?” “Para mim, sim.” Ela esticou o queixo para ele. “Vamos lá. Confesse. O que você disse?” Ele trabalhou sua mandíbula. “Eu disse a ela que você era um caso de uma noite que não entendeu o conceito.” In-fodido-crível. “Ela acreditou nisso?” “Que você e eu gostamos de fazer sexo?” Com um olhar irônico, ele disse: “Sim, ela acreditou.” “Não, eu quero dizer que eu viria aqui encontrá-lo aqui e agir como uma merda de perseguidora sexual pegajosa?” Sua expressão não mudou. “Ela acreditou.” “Huh. Isso me faz parecer verdadeiramente... disfuncional. E talvez perigosa.” Ela pensou e sorriu. “Não é ruim. Eu posso viver com isso.” Ele rolou os olhos. “A aposta?” Não faria mal controlar sua língua. Ela sempre teve essa intenção de qualquer maneira, mas quando ficava irritada, as coisas só saíam da sua boca. “Eu não sei. O que eu recebo quando eu ganhar?” “O que você quer?” A abertura perfeita. Recusando-se a admitir até para si mesma o quanto a sua resposta importava, ela disse: “Sua ajuda com a checagem do bar e restaurante e se necessário, corrigir as coisas lá.” Seu olhar procurou o dela por apenas um momento, antes que ele assentiu com a cabeça. Inacreditável! Isso foi muito fácil. “Sério?” Ele se recostou na cadeira e cruzou os braços. 454


“Eu teria feito isso de qualquer maneira. Então, sim, por que não?” “Você...” Ela fechou a boca e franziu a testa. Ele tinha planejado ajudá-la? “Você irá me ajudar? Sério?” “Eu não posso controlá-la, e sei que você vai fazer isso de qualquer maneira.” Gentilmente, ele juntou “Você verdadeiramente achou que eu deixaria você se envolver nisso sozinha?” Será que ele realmente achou que tinha alguma palavra a dizer sobre isso? Não é provável. Duas emoções pulavam em seu ressentimento: que queria controlá-la, porque de nenhuma maneira no inferno ela deixaria isso acontecer de novo, e uma pontada de... Alívio, talvez. Porque ele parecia se importar com o que aconteceria com ela. Mudo, mudo, mudo. Ela trabalhava melhor sem impedimentos emocionais. Foi duro o suficiente se preocupar com Jackson, mas ela lhe devia muito, então é claro que ela o queria seguro. A última coisa que ela precisava era começar a se preocupar com Spencer, também. E o pensamento de Jackson... Enquanto ela tinha Spencer em um humor agradável, por que não pressionar por mais? Tomando o assento à sua frente na mesa, ela pensou nisso, então se aventurou cautelosamente: “Tudo bem. Levando em conta que você já havia decidido ajudar, talvez...” ela respirou fundo “... você poderia ser meu acompanhante no casamento de Jackson?” “Fechado.” Ele estendeu a mão. Uau. Sua concordância rápida a deixou se sentindo fora do jogo. Mas dane-se, ela não queria ir a um casamento. Desde que tinha que ir, ela não queria ir sozinha. Ele esperou. “Se eu não posso xingar,” ela advertiu: “você também não pode.” “Sem problemas.” Ele manteve a mão estendida, sua expressão expectante. Incerteza a deixou nervosa. Oh, ela confiava que poderia ganhar a aposta estúpida e por isso pagamentos seriam um ponto discutível, mas ainda assim... “De que tipo de beijo que estamos falando?” 454


De repente, sua irritação se dissipou. Um sorriso pequeno enrolava os cantos de sua boca. “Nada que embarace você, eu prometo.” Sim, bem, do jeito que ele disse isso, com tanta satisfação, a embaraçou mais que qualquer coisa. Mas Arizona reuniu o orgulho e segurou sua mão. “Tenha seu terno pronto, Spence, porque eu sei que ganharei a aposta.” Ele a deixou escapar por encurtar o seu nome, o que era algo que ela sabia o irritava. “Se você disser que sim.” Ele manteve seu domínio sobre a mão dela. “Eu teria ido com você para o casamento de qualquer maneira, isso não é nenhuma punição para mim.” Tocá-lo fazia coisas engraçadas para seu estômago e a fazia se sentir inquieta, nervosa e muito quente. Puxando sua mão livre, empurrou de seu assento e olhou para ele. “Se você teria feito todas essas coisas, então eu não estou realmente recebendo nada na aposta!” “Mas você já concordou.” Ele sorriu. “Você ainda apertou minha mão sobre isso. E de alguma forma, eu sei que você é fiel a sua palavra.” Como se ele realmente soubesse sobre ela ou sua moral. Sem chance. Ela dirigiu-se para a garrafa de café e uma caneca nova. “Ótimo. Que seja. Agora, sobre esse bar...” “Entenda, Arizona. Mesmo se você perder a aposta...” “Está bem.” Ela não perderia. Beijos? Não, ela não poderia, não deixaria acontecer. “Eu vou ainda irei com você no casamento –” “Que seja.” Mas ela estava tão aliviada em ouvir isso. Ir com Spencer faria a formalidade um pouco mais suportável. “E eu vou ainda a ajudarei com o bar.” “Ótimo. Fico feliz em ouvir isso.” “Mas eu quero que você me escute, e escute bem.” Aqui vamos nós Ela derramou uma xícara de café fresco e voltou para a mesa. “Vamos ouvi-lo.” “Desde que você quer minha ajuda, eu tenho algumas regras.” “Como?”

454


“Dê-me o nome e endereço do bar e eu investigarei.” Ele parecia severo. “Nesse meio tempo, você não fará nada por conta própria. Não vá lá, nem sequer chegue perto de lá. Eu não quero que eles saibam quem você é.” Arizona riu. “Desculpe, Spence-meu-camarada, mas é tarde demais para isso. Estive lá duas vezes já, e eles deram mais que uma olhada em mim, então...” Ela encolheu os ombros. “Estou até o pescoço nesta coisa e temos que ir até lá amanhã à noite, porque eles estão me esperando. Seja sozinha ou acompanhada.”

***** NO SEGUNDO EM QUE SPENCER entrou na lanchonete familiar viu Trace sentado na parte de trás bebendo uma Coca-Cola e comendo hambúrguer. Inócuo o suficiente, ou pelo menos deveria ter sido. Mas de jeito nenhum no inferno alguém não notaria Trace Miller. Mais do que qualquer outro homem que ele conhecia, este exalava capacidade extrema. Ele fazia parte de um trio que Spencer conheceu depois de encontrar Arizona bem no meio de uma armadilha. Ela estava em perigo, ou assim ele pensava. Não havia nenhuma maneira que ele poderia ter sabido que ela tinha um grupo de elite ops olhando por ela. O trio tinha contatos incríveis, de grande alcance e influência com uma capacidade para apoiar um arrogante fodão. Não que qualquer um deles fosse arrogante, realmente. Bem, talvez Jackson, o que tinha mais a ver com Jackson como um homem do que com a sua experiência em utilizar sua habilidade mortal. Se Spencer tivesse que adivinhar, diria Jackson nasceu arrogante. Este Trace Miller – provavelmente um pseudônimo – era escorregadio. A aparência de modelo não escondia sua natureza. Como um caçador de recompensas, Spencer tinha aprendido avaliar as pessoas rapidamente, a fim de medir o perigo em qualquer situação. Ele tinha avaliado Trace como o encarregado, proteja-o-inocente, mas faça isso pessoalmente. Suave, rico, eficiente... E mortal quando necessário. O trio parecia confiar nele, até certo ponto. Ele não tinha ilusões sobre suas naturezas cautelosas. Eles já tinham cavado através do seu passado, descobriram coisas que ele preferia 454


manter privadas e provavelmente o conheciam tão bem quanto ele conhecia a si mesmo. Não que eles falassem muito sobre isso. Até agora, não havia nenhum motivo. Spencer não fez essa associação de ânimo leve e, além disso, ele odiava a pedir favores. Ele especialmente odiava admitir que pudesse não ser capaz de lidar com as coisas por conta própria. Se Arizona não estivesse em risco, ele faria as coisas à sua maneira e aceitaria as consequências. Ele tinha suas próprias habilidades. Mas ela estava envolvida. Inferno, ela estava nisso até o seu lindo narizinho, e isso mudava tudo. Ele sabia que o trio se preocupava com ela, que tinha feito dela uma prioridade. Ter algum apoio apenas no caso de as coisas irem mal, fazia sentido. Ele queria que ela estivesse segura, caramba. Sentindo-se um pouco traidor, Spencer atravessou o piso do restaurante. Ele só tinha prometido não contar a Jackson, lembrou a si mesmo. Ele não tinha dito nada sobre Trace. Quando chegou à mesa, Trace colocou de lado o guardanapo e olhou para cima. “Há uma razão pela qual você estivesse lá me estudando antes de entrar?” Como ele não tinha sido discreto, Spencer não se importou com a pergunta direta. Ele balançou a cabeça e deslizou para dentro da cabine. “Não realmente. Apenas queria saber sobre algo. Eu sei que Jackson renomeou Arizona. E eu sei que o sobrenome de Alani é diferente do seu, mesmo que vocês sejam irmãos. Então, ela mudou o nome também?” “Não.” O que significava que Miller era um apelido. Figuras. Com um aceno de cabeça e porque ele realmente não se importava com isso, Spencer disse: “Eu tenho um problema.” Com um meio sorriso, Trace perguntou: “E o nome dele é Arizona?” Não era engraçado. Ou melhor, seria engraçado se não o envolvesse. “Bingo.” “O que ela fez agora?” Trace sentou na cabine. “E por que você foi procurar Jackson? Ela é como uma irmã para ele.” Será que ela era? Ele sabia que Jackson se sentia assim, mas Arizona? Às vezes, ele se perguntava. Eles tinham uma relação muito complicada, mas Spencer disse apenas: 454


“Arizona me fez prometer que não iria chamar Jackson.” “Ah! Não mencionou esconder isso de mim ou Dare, né?” “Não. Eu acho que ela não pensou que vocês seriam uma opção.” Dare era o terceiro elemento na equipe. No dia em que Spencer os conheceu, Dare tinha estado em vigilância-isso significava agachado em uma encosta com rifles de alta potência prontos para apanhar quem estivesse planejando uma emboscada. “Eu duvido que Arizona até mesmo tenha percebido mantivemos contato desde que aquela fodida coisa aconteceu.” Ele deu de ombros. “Foi como o planejado.” “Ela estava no meio disso.” Spencer ainda ficava furioso ao pensar nisso. Arizona tinha usado a si mesma para atrair os traficantes de seres humanos. Mas ela não tinha percebido que eram as mesmas pessoas de quem ela tinha anteriormente escapado – as mesmas pessoas que uma vez tinham-na jogado, algemada e abusada, de cima de uma ponte em um rio caudaloso para matá-la. Se Jackson não tivesse chegado até eles naquela noite, se ele não tivesse sido mortal e suficientemente rápido, Arizona teria se afogado. Infelizmente, poucos teriam notado sua morte. Menos ainda teriam se importado. A coragem de Spencer diminuiu. Até agora, em sua jovem vida, Arizona tinha tido uma sorte miserável. E ela ainda era tão... Espirituosa. “Desde que a queriam morta, eu diria que você está certo.” Trace o estudou. “Você a vê tanto assim?” “Não realmente.” Ele não queria trair a confiança de Arizona, por isso não podia explicar que estava tentando evitá-la e esquecê-la somente para encontrá-la sentada em seu quarto, observando-o dormir. “Ela passou por aqui.” A expressão de Trace não se alterou. “Para envolver você em uma de suas acrobacias?” Agora, ele se sentiu na defensiva em seu nome. “O que ela não tem em tamanho e força, ela compensa com inteligência e coragem.” “Coragem?” Sobrancelha levantada, Trace pegou sua Coca-Cola. “Eu chamaria de imprudência.” Talvez. Ele não queria discutir a questão. “Incomoda-me que ela não mostra cautela suficiente e não valoriza a própria pele.” 454


“Eu sei.” Quase como um aviso, Trace disse: “Quem quer que se envolva mais com a menina é melhor ter muita coragem, porque eu não a vejo mudar tão cedo.” Pois é... Ele não queria pensar em Arizona com mais ninguém. E da forma como ela reagiu à ideia de um beijo, ele sabia que ainda tinha um monte de dor para superar. As pessoas agora se importavam com ela, mas ela conhecia apenas o lado feio da vida. Porque isso era tudo que ela conhecia. Com a Coca-Cola terminada, Trace ficou sério. “Eu pensei que Jackson a tinha ocupada com o trabalho de computação.” Não ocupada o suficiente, obviamente. “Ela faz isso e mais um pouco.” Com um suspiro, Trace perguntou: “Então, o que ela está fazendo agora?” Spencer explicou sobre o bar e restaurante e as suspeitas de Arizona. “Ela me disse que já esteve lá algumas vezes e que foi notada.” “Essa menina poderia ser notada em qualquer lugar.” Um fato irrefutável. Ele nunca tinha visto uma mulher tão incrivelmente linda quanto Arizona. “Portanto, neste ponto, por uma questão de segurança dela, eu tenho que assumir que existem alguns negócios obscuros acontecendo. O que significa que alguém já poderia estar seguindo-a.” “Eles poderiam saber onde ela vive, os lugares que frequenta. Ela poderia ser levada diretamente da rua.” Trace deu-lhe um longo olhar. “Infelizmente, isso acontece o tempo todo.” Era por isso que ele queria protegê-la. “Eu não tenho escolha, a não ser me envolver.” “Não há escolha.” Trace considerou as coisas. “Dê-me o nome do local e a localização.” “O Goose Green, no centro de Middleville.” Expressão tensa, Trace disse: “Merda.” “O quê? Você está ciente de algo acontecendo lá dentro?” Levou um segundo e então Trace riu. “Ela tem bons instintos, eu darei isso a ela.” Isso bateu em Spencer como uma tonelada de tijolos. “Ela está certa sobre o lugar, não é?”

454


“Temo que sim. Felizmente para a sua paz de espírito, já estávamos nisso. Nos estágios iniciais, no entanto. Dare está coletando verificações de antecedentes sobre os proprietários e eu estava planejando uma visita para que pudesse estudar os arredores e o lado de dentro.” “Arizona já fez isso.” Ele esfregou a ponte de seu nariz, mas Trace precisava saber de tudo. “Ela diz que ela se sentou em uma mesa e quando um garoto veio tomar seu pedido ela notou algumas contusões, o que parecia um dedo quebrado que não havia sido curado direito, e o garoto não a olhou nos olhos. Provavelmente não mais de dezesseis anos, embora, naturalmente, sua identidade tenha sido falsificada.” A raiva se acumulou na expressão de Trace, mas ele parecia calmo o suficiente quando disse: “Eu gostaria que tivéssemos descoberto sobre isso mais cedo, caramba.” Mas eles não poderiam estar em toda parte ao mesmo tempo, e crueldade existia em todo lugar em todos os tempos. “Quando o menino trouxe a comida, Arizona perguntou se era um bom lugar para trabalhar. Ela lhe disse que estava procurando um trabalho.” “A reação do menino?” “Ele não podia ou não queria dizer-lhe o que ele ganhava por hora.” Ameaçador, Trace disse: “Porque ele não está sendo pago.” “Essa é a suposição de Arizona. Através de um monte de gagueira e nervosismo, o menino apontou o homem com quem falar se ela quisesse trabalhar lá. Arizona disse que ele é um cara alto, magro, quarenta e poucos anos, cabelo ralo castanho, olhos castanhos, cavanhaque, brinco, uma espécie de tatuagem tribal colorida em seu braço esquerdo. Pelo que ela pode deduzir, ele é o dono do lugar.” “Terry Janes.” Trace cruzou os braços. “Preso por algum tempo, quando era mais jovem por vender drogas nas ruas, esteve mais problemas um punhado de vezes por roubo, invasão de domicílio, suspeita de estupro. Ele teve uma acusação por bater em um cara até a morte, mas escapou por falhas no sistema. De jeito nenhum ele é o dono.” Deus, parecia pior que Spencer tinha suspeitado. “Mais tarde naquela noite, Arizona manteve vigilância sobre o local e apenas alguns dos funcionários. Janes, o barman, seus seguranças, apenas, eu acho. Ele está trancado a sete chaves. É uma parte de merda de cidade, por isso grades nas janelas fazem sentido, mas neste caso...”

454


“Elas estão lá para manter os trabalhadores dentro” Depois de um momento de reflexão, Trace inclinou para frente, braços apoiados sobre a mesa. “Por favor, me diga que Arizona não falou com ele.” Essa era a única boa notícia em todo o fodido cenário. “Ela diz que não, mas disse ao menino que estaria de volta amanhã à noite, e tem quase certeza que o cara ouviu tudo.” “O que provavelmente foi intencional da parte dela?” “Eu suponho que sim.” Trace balançou a cabeça. “Portanto, agora ele estará esperando por ela.” “Você conhece Arizona. Esse é o seu plano.” Desgosto rolou através dele; ele odiava seu plano. “Ela quer que eles saibam para fazer um movimento, para que ela possa os expor.” “Pelo menos ela teve o bom senso de procurar você para reforço.” Trace puxou seu celular. “Onde está Arizona agora?” “Neste exato momento? Não faço ideia.” E isso era um problema, porque levaria a Arizona não mais do que um minuto para pular em sua cabeça. Quando ele não podia vê-la, se preocupava com o que ela estava fazendo, se estava a salvo. Ele se perguntou se ela pensava nele pelo menos metade do que ele pensava nela. Seria bom poder dizer que motivos altruístas o moviam. Mas isso não seria toda a verdade e ele sabia disso. Ele olhou para seu relógio de pulso. “Ela irá para minha casa em algumas horas, para que possamos coordenar os planos para amanhã.” “Coordenar os planos foi o melhor que você pode arranjar?” Spencer deu de ombros. Essa tinha sido a única desculpa em que ele pode pensar para ganhar tempo suficiente para falar com Trace... E para comprar um bolo para o aniversário dela. Trace disse: “Tudo o que você precisar, leve-a a passar a noite com você, e a mantenha sob seus olhos até que ela se dirija ao Goose Green.” Não e não novamente. “Como no inferno eu devo fazer isso?” E não tocá-la? “Eu não sei. Encontre uma maneira. Diga que você precisa passar por cima dos planos com ela.” Ou simplesmente passar por cima dela. Spencer balançou a cabeça. 454


“Você acha que isso levaria a noite inteira?” “Acho que isso depende de como você pode torna-lo longo, não é?” Spencer não perdeu a sugestão. Mas Trace tinha que estar brincando. Com uma mão na parte de trás do seu pescoço, Spencer tentou esfregar a tensão crescente. “A coisa é, Arizona é... arisca.” Que eufemismo. Arizona era toda descaramento e bravata, até que alguém demonstrasse interesse íntimo. Em seguida, sua reação de sobrevivência, de luta, fuga ou congelamento aparecia. Até agora, com ele, ela sempre preferiu lutar. E cada vez que isso aconteceu, o punho em seu coração se apertou um pouco mais. Ele tinha um plano para ajudá-la com isso. Um plano masoquista que tinha certeza iria fazê-lo louco, mas para Arizona... “Ela sabe que você a quer.” “Não.” Droga, ele disse que muito rápido e pareceu muito defensivo. Trace apenas olhou para ele. “Estou velho demais para ela.” Deus, cale a boca, Spencer. “Dado o que ela passou e o jeito como ela viveu, eu diria que você é exatamente o que ela precisa.” Não era um tema que ele discutiria com Trace ou qualquer outra pessoa. Dando-se conta de que não haveria resposta, Trace não esperou confirmação. “Leve-a para sua casa e encontre uma maneira de sabotar seu carro. É uma desculpa tão boa quanto qualquer outra para que ela passe noite. Mantenha-a por perto e você e terá mais controle até desarticularmos isso.” A enormidade de coagir Arizona a fazer qualquer coisa foi ofuscada pela surpresa de Spencer. “Desarticular?” Poderia realmente ser assim tão fácil afastar Arizona do perigo desta vez? “Só isso?” “Sim, apenas isso.” Parecendo enigmático, Trace acrescentou: “Nós estávamos nisso de qualquer maneira.” Nós, ou seja, Trace, Dare e Jackson. Ele não perguntou. Ele sabia que não faria Trace dizer a ele. “Fico feliz em ouvir isso.” 454


“Agora, com Arizona pronta para mergulhar de cabeça... Isso ainda poderia levar algum tempo, mas farei o meu melhor para acelerar as coisas.” “Eu espero que sim, porque se você conhece Arizona, sabe que eu não serei capaz de puxá-la de volta.” Inferno, ele teria sorte se pudesse fazê-la parar de bagunçar a cabeça dele. “Quanto a ela ficar comigo... sabotar seu carro pode funcionar uma vez, mas depois disso? Ela não vai gostar da ideia de alguém a protegendo.” Trace olhou para a mesa. “Eu a entendo. Depois do que ela passou, ela sente dor física e emocional pensando naqueles que ainda estão nessa situação.” “Ela sabe como é,” Spencer concordou suavemente. “Ela entende muito bem o que é a miséria.” E para Arizona a única saída para suas memórias seria justificar seu atual bem-estar ajudando os outros. Caso contrário, ela se sentiria como se não houvesse justiça. Eles compartilharam um momento sombrio, então Trace abriu seu telefone e apertou um botão. “Deixe-me fazer esta chamada e depois direi a você o que faremos.”

454


Capítulo Três UM RAIO DE SOL brilhou nos olhos do Arizona, enquanto esperava em seu carro que Spencer voltasse. Mesmo ajustando o visor não ajudou. Calor invadia seu carro, dentro de sua mente. Ficando entediada, então rapidamente sonolenta, ela inclinou a cabeça para trás, fechou os olhos contra o brilho... E afastou-se para o dia do terrível confronto. A voz de Spencer soava com convicção... E com carinho. “Tudo o que Chandra fez com você, ela vai pagar.” Mas Arizona sabia que não podia ser verdade. Mesmo saber que Chandra havia morrido não era vingança suficiente. E agora, as pessoas com quem ela se preocupava, as pessoas que ela amava, estavam em risco. Por causa dela. Ódio em brasa, medo profundo até a medula dos ossos, a agitava por dentro. Não foi fácil, mas ela fingiu indiferença para com a situação. Não que ela jamais pudesse ser indiferente. Não enfrentou seu algoz, aquela que tinha orquestrado tanto sofrimento e desgraça impensável, ali em carne e osso. Todo esse tempo, ela pensou que Chandra estivesse morta, bem fora do alcance de sua vingança. E incapaz de causar mais dor. No entanto, lá estava ela. Sorrindo. Doente como sempre. Infelizmente, desta vez, Arizona não era seu único alvo. Agora Chandra planejava ferir os outros... Jackson, sua namorada, Alani. 454


Spencer. Não, não Spencer. Ele tinha pulado fora segundos antes que a situação piorasse. Para onde? Quem se importava? Ela não faria isso. Ela não podia. Levaria completamente na bravata. Reunindo um sorriso sarcástico para esconder a mágoa, Arizona zombou: “Normalmente as mulheres mortas não pode falar. E você está morta se acredita nisso ou não.” Uma risada maníaca. Terrível, o rizo de Chandra gelava os ossos até doer. Ele deixou-a pálida, fria. Determinada. Arizona não recuou. “Isso é entre nós. Deixe os outros fora disso.” Deixe-me ter a minha vingança. Por favor. Chandra ignorou o aviso, dizendo: “Se ela falar de novo, mate-a.” E eles queriam. Os meninos intimidantes de Chandra desfrutariam em colocar uma bala nela. O que fazer? Ficar para trás, como Jackson pediu? Devia-lhe muito, mas... Ela não podia. Se ela estivesse segura, ela não conseguia atacar. E ela queria atacar. Ela precisava desesperadamente. Assim por que se suas mãos tremiam? Assim por que se seu coração trovejava e seus olhos queimavam e a vontade de fugir batia forte e rápido em seu peito? Nunca que ela iria fugir. Este era o seu inferno. Ela tinha o direito de acabar com ela. Determinada, determinada. . . Mas depois tudo aconteceu ao mesmo tempo. Vários tiros, caos... Spencer! Ele não tinha ido embora. Ainda não. Expressão feroz e mandíbula cerrada, Spencer se encaminhou para ela. Ele tinha roubado sua vingança. Ele não a tinha deixado. A raiva e alívio aumentaram com vigor inflamável, de modo confuso, tão poderoso... “Yoo-hoo.”

454


Sacudida de sua lembrança escura, Arizona saltou na posição vertical em seu assento. Sem pensar, ela automaticamente pegou a faca e olhou em volta, ao mesmo tempo. Parada lá na porta do passageiro, inclinando-se para olhar na janela, estava a vizinha peituda de Spencer. Ela exibia um sorriso brilhante, um monte de dentes e determinação astuta. Perfeito. Apenas o que ela merecia. Ainda apanhada em reviver o cenário terrível que tinha roubado seu propósito de viver, Arizona respirava muito duro, muito rápido. O suor escorreu ao longo de sua coluna vertebral. As palmas das mãos estavam úmidas. Lentamente, esperando que a vizinha não notasse, ela tirou a mão da faca escondida no bolso de trás, em seguida, empurrou o cabelo do rosto. Onde no inferno estava Spencer? Ela havia estacionado há 20 minutos, mas não tinha visto sua caminhonete. Enquanto tentava decidir se esperava ou saía, ela fez uma viagem não planejada estrada abaixo nas memórias. Tão coxo. Ao mesmo tempo ela bateu um braço sobre a testa e baixou as janelas do carro. Nunca perdendo uma oportunidade, Arizona desfez o cinto de segurança e saiu do Focus preto. “Yoo-hoo, para você também.” Mesmo dizendo isso com sarcasmo, ela se sentia como um idiota. Mas pelo menos a intrusão a tinha trazido de volta para o aqui e agora. “Você sabe onde Spencer está?” “Ele saiu,” disse Loira inutilmente. “Sem brincadeira?” Arizona circulou o capô, encostou-se no para-choque e cruzou os braços. “Você não perde muito, não é?” O sorriso de Loira escorregou, fazendo-a quase se sentir arrependida. “Desculpe. Eu tive um dia difícil.” Ela estendeu a mão. “Arizona.” “O que?” Bastante acostumada a essa reação, ela encolheu os ombros. “O meu nome. É Arizona.” “Ah.” Cautelosa, mantendo o contato o mais breve possível, a vizinha balançou em uma saudação manca. “Marla.”

454


“Prazer em conhecê-la, Marla.” Spencer tinha pedido a ela para voltar as seis, e ela tinha chegado vinte minutos mais cedo, mas e daí? Ela não poderia arrombar de novo, não com a sempre alerta Marla mantendo o nariz em tudo. Tudo o que aconteceu agora era culpa de Spencer. “Então, essa coisa hoje de manhã... Você e Spence tem alguma coisa acontecendo, não é?” Marla encontrou sua coluna. “Sim.” Era isso? Arizona franziu a boca e esperou. Loira iria quebrar, não havia dúvida sobre isso. Eeeeeeeee... Ela falou. “Nós, ah, estamos vendo um ao outro por um tempo agora.” Vendo um ao outro queria dizer o que? Na cama ou Spencer a tinha levado para um encontro? Dançar, jantar, cinema... Arizona realmente tinha noção do conceito. Nunca em sua vida tinha estado em um legítimo “encontro.” Esta poderia ser uma grande experiência de aprendizagem. Ela poderia descobrir detalhes sobre Spencer que um arquivo frio com fatos não poderia dar, e talvez obter uma compreensão mais pessoal, de todo o ritual das relações. “Sério? Quanto tempo é algum um tempo?” A coragem de Marla vacilou. “Tempo suficiente.” Significado... Eles eram um casal? “Bem, é claro que sim. Olhe para você.” Ela fez um gesto para os seios de Marla. “Nenhum cara que iria deixar passar, certo?” Deve ter sido a coisa errada a dizer, porque Marla mudou de assunto. “Você parecia perdida em seus pensamentos quando eu cheguei.” Perdida sendo a palavra de ordem. Mas não mais. Nunca mais. “Só esperando por Spence.” “Por quê?” Por algum motivo insano, talvez profundamente enraizado de vingança feminina, Arizona apreciou dizer a ela, “Ele queria que eu me juntasse a ele para o jantar.” Colocando os ombros roliços para trás, Marla deu-lhe um olhar desagradável. “Você está desperdiçando seu tempo.” 454


Um ataque direto? Bravo, Marla. Sorrindo, Arizona disse: “Bem, olhe para você se sentindo toda ciumenta e possessiva e outras coisas.” Isso fez com que ela retornasse com mais cautela. “Quero dizer.” Marla visivelmente procurou sua coragem. “Spencer e eu podemos não estar... comprometidos...” “Mantendo-se no ar, né?” “Mas nós temos um entendimento.” O que isso significava? Um entendimento sobre o que? “Esclareça-me, por quê?” “Você não pode tê-lo.” Nenhum mal-entendido isso. “Não disse que eu o queria.” Arizona se afastou do carro, e Loira deu mais um passo rápido para trás. “Pelo menos, não para o que você está pensando.” “Não?” “Definitivamente não. Você quer foder com ele?” Sua garganta apertou, mas ela conseguiu pronunciar as palavras. “Fique à vontade. Mais poder para você.” Marla bebeu as palavras, as analisou e deu um sorriso lento. Arizona não confiou no sorriso nem um pouco. “O que é engraçado?” Cheia de bom humor, Marla disse: “Você não dormiu com ele, não é?” Como ela poderia saber isso? Ela não poderia. “Eu nunca beijo e conto.” Marla balançou a cabeça. “Spencer disse que era um caso de uma noite, um erro, mas agora eu sei que era uma mentira.” Um erro? Que caralho. Ela o faria pagar por isso. “Você está chamando Spence de mentiroso?” “Eu só estou dizendo que ele inventou uma história por algum motivo. Talvez para protegê-la de alguma forma. Sei que ele é um caçador de recompensas. Você poderia estar trabalhando com ele disfarçada ou algo assim.” Hum. O que exatamente ela pensava que caçadores de recompensa faziam? Zombando das suposições dela, Arizona, disse: “Isso é um pouco de imaginação que você tem.” Marla deu de ombros. “Tudo o que eu sei é que você não dormiu com ele.” “Você está certa sobre isso, não é?”

454


“Absolutamente.” Marla escorria satisfação, até mesmo se inclinou para insultar Arizona. “Se você tivesse dormido com ele se sentiria diferente sobre tê-lo novamente.” Ela parecia tão convencida que despertou o interesse do Arizona. “O quê? Por que isso?” Significativamente, Marla ronronou, “Por um lado, ele é grande em tudo.” O coração de Arizona quase parou. Em um sussurro, ela perguntou: “Você gosta disso?” Carrancuda, Marla pulou de volta. “Maior é definitivamente melhor.” O visual veio à mente de Arizona, mas ela não teve a reação que Marla parecia esperar. Ela torceu o nariz. “Se você disser que sim.” Marla estremeceu de prazer. “Ele é delicioso.” Yeaaaahhhh, ela deixaria essa passar. “Você está dizendo que mesmo ele sendo grande, você não se sente...” Ela não conseguia pensar em uma palavra apropriada e aprovada, “ameaçada, talvez?” “Com Spencer? Claro que não.” Hum. Ok, então Spencer era extragrande, com enorme capacidade muscular, sólido e bem dotado. Ele nunca a tinha machucado. Contido dela, sim. Machucado, não. “Então você gosta dele porque ele é grande?” “Isso, e o homem sabe das coisas.” Fascinante. Que coisas ele poderia saber que ela não sabia, que Marla achava não apenas aceitável, mas bom o suficiente para querer de novo e de novo? “Dê-me um exemplo.” “Eu não estou contando a você!” Provocando Loira, porque ela realmente queria detalhes Arizona disse: “Isso é o que eu pensava. Você não pode dar um exemplo, porque você não sabe.” “Ele é maravilhoso.” Arizona bufou. “Maravilhoso e agressivo.” “Ele é atencioso e paciente.” “O meu agente de apostas também é,” Arizona disse a ela, “mas eu não quero foder com ele.” Ela estremeceu com apenas o pensamento. Mordendo a isca, Marla se inclinou para frente novamente. “Ele é o melhor amante, o mais generoso que eu já tive.” “Quantos você já teve?” 454


“Meu Deus.” Ofegante, Marla recuou mais uma vez. “Isso não é da sua conta!” “Você que trouxe o assunto.” Ainda coçando com curiosidade, Arizona perguntou: “Então, o que Spence faz especificamente que é tão incrível que você seria capaz de lutar por ele?” Marla empalideceu. “Lutar? Mas... mas eu nunca disse nada sobre uma luta.” “Não? Então o que é isso?” Arizona acenou com a mão entre elas. “Algum tipo deformado de conversa social?” Sua boca moveu, mas demorou alguns segundos para conseguir falar. “Ele disse que você é uma perseguidora.” Considerando-se que ela tinha arrombado sua casa e o assistiu dormir, ela não podia negar isso. “Ehhhh... talvez.” Marla encontrou sua coragem novamente. “Bem, seja qual for a razão que você está aqui, você pode muito bem desistir da ideia de tê-lo. Ele é meu e ele vai ficar comigo.” Spencer dirigiu para a entrada e parecendo horrorizado ao ver as mulheres juntas ele subiu em sua calçada e parou o carro. Levantando a mão para proteger os olhos do sol, Arizona observou-o atravessar o pátio em um passo rápido, com longas passadas. Ele usava uma carranca de preocupação. Sheesh. O que ele achou que ela faria com a sua namorada? “Última chance para me contar o que há de tão especial sobre ele.” Na cama. “Isso é pessoal, esqueça.” Sabendo que não haveria mais perguntas-e-respostas, Arizona disse a Marla “Desmancha-prazeres.” E então ela esperou que Spencer as alcançasse.

***** ENQUANTO ARIZONA agia como se nada tivesse acontecido, Spencer continuou a remoer. Ele não sabia se ela realmente não tinha qualquer traquejo social, ou se ela gostava de empurrar seus botões de toda e qualquer forma possível. Não devia droga nenhuma à Marla. Ela

454


já estava começando a ficar pegajosa, e agora, vendo Arizona como uma ameaça direta, ela provavelmente dobraria seus esforços. Só o que ele não precisava. Desde que perdeu sua esposa há três anos, ele tinha ocasionalmente cedido aos seus mais vis impulsos. Ele era um homem crescido e entre longos períodos de celibato, precisava de alívio. Ele não iria se culpar por isso. Mas ceder à Marla tinha sido um erro enorme. Sua proximidade como vizinhos era pegajosa o suficiente; o fato de que ela tinha casamento em seus olhos deveria ter sido um argumento decisivo. Infelizmente, poucos meses depois que ela se mudou, ela o pegou em um momento de fraqueza, um momento do qual ele se arrependia, e depois disso... Bem, ele tinha dormido com ela um total de três vezes. Idiota. E lamentável. Mas isso foi antes de conhecer Arizona, e uma vez que a conheceu... Não, ele não tinha querido Marla. Ocupando uma cadeira, Arizona observou-o atentamente enquanto ele fazia o jantar. Havia uma nova atenção no seu olhar que não tinha estado lá antes. Ele não entendeu isso. Ele não a entendia. Eles não haviam falado desde que ele tinha mais ou menos a arrastado para dentro longe de Marla – com desculpas apressadas. Ele sentiu sua diversão, e isso o irritou. Ele sentiu sua curiosidade, o que o preocupava mais. “A comida cheira bem.” De pé no fogão assando as costeletas, Spencer olhou para ela. Um ramo de oliveira? De Arizona? Ele não era tolo o suficiente para rejeitar. “Obrigado. Teríamos bifes na grelha, mas...” “Você não quer Marla de nos veja juntos.” Arizona sorriu. “Eu entendi.” Ela levantou a mão como se estivesse disparando uma arma. “A senhora tem você em sua mira e ela está atirando.” O micro-ondas apitou, então ele tirou as batatas. “Marla não entende a situação.” 454


“Não, eu não penso assim. Ela sabe que você ainda não está ligado, ou ela não seria tão insegura sobre as coisas.” Bufando, Arizona acrescentou: “Eu não acredito que você disse a ela que dormimos juntos.” Seu pescoço ficou rígido. “Foi uma desculpa tão boa quanto qualquer outra.” “Sim, talvez. Mas agora ela sabe melhor.” Ainda assim, Spencer engoliu um gemido. “Você disse a ela?” Marla provavelmente triplicaria seus esforços se soubesse a verdade. “Realmente não de propósito.” O olhar do Arizona estava tão decidido, ele ardeu. Ele dividiu as batatas e colocou a manteiga. Ele quase odiava a perguntar, mas... “Como é que a conversa acidentalmente aconteceu?” “Quando ela descobriu que eu não estava dando uma merda com a ideia de que você estava fodendo com ela, ela disse que sabia.” Despreocupadamente, Arizona acrescentou: “Algo sobre você ser como um garanhão na cama que se eu tivesse alguma ideia do que você tem para oferecer, eu estaria lutando com unhas e dentes para mantê-lo todo para mim.” Calor se arrastou até seu pescoço. “Isso é bobagem.” “Ei, ela disse isso, não eu. Eu estava especialmente cética.” Imaginava. “Questionado meu talento, não é?” “Ela não mencionou realmente suas, hummm... proezas. Ela apenas disse que você é bem dotado.” Ele quase deixou cair o prato com as batatas. Lentamente, ele virou a cabeça para olhar para ela. Imperturbável, Arizona perguntou: “O que não iria apenas tornar as coisas mais desagradáveis?” Meu Deus! De jeito nenhum ele estava preparado para essa conversa. Mais tarde, talvez. Depois que ele tinha tivesse tempo para formular o que dizer, para tranquiliza-la. Como abordar em outra conversa, casual... Quem ele estava enganando? Ele não podia discutir o tamanho de seu pênis com ela. Não esqueça.

454


Ele limpou a garganta e voltou para o preparo da comida. “Assim como as mulheres, às voltas com a fofoca.” Ele só podia imaginar a reação de Marla à Arizona e seus caminhos sem censura. “Você sabe, eu perguntei sobre coisas mais específicas, mas ela não quis compartilhar.” Ele empurrou-se para encará-la novamente. “Você pediu detalhes à Marla sobre eu e ela na cama?” Arizona deu de ombros. “Ela me deixou curiosa com todos aqueles olhos sonhadores, babando entusiasmo.” Curiosa era... Bom, talvez. Melhor que medo. Ele considerou sua sinceridade, sua facilidade em falar com ele sobre essas coisas privadas. Isso tinha que ser um sinal de confiança, não é? Aumentando o brilho, Arizona disse: “Você está pensando em me contar?” Ele balançou a cabeça. Não, ele não contaria a ela coisa alguma, ainda não de qualquer maneira. “Talvez mais tarde.” “Por que esperar?” Ele desligou o fogão. “O jantar está quase pronto.” Ela franziu a testa, mas disse: “Bom, porque eu estou morrendo de fome.” Graças a Deus por um assunto mais seguro. “Quando foi a última vez que você comeu?” “Eu não sei.” Nunca a resposta esperada de Arizona. Um dia ele se acostumaria com isso. Se ele estivesse com ela tempo suficiente, o que era duvidoso. “O que quer dizer, você não sabe?” “Eu comi uma barra de chocolate na hora do almoço.” “Nada desde então?” Ela balançou a cabeça. “O que você comeu no café da manhã?” “O café com você.” Sua cabeça começou a latejar. “O jantar ontem à noite?” Ela pensou sobre isso, então balançou a cabeça novamente. Frustração o comeu por dentro. “Por que você não come?”

454


“Eu acabo esquecendo às vezes.” Ela deixou sua cadeira e aproximou-se do fogão. “Posso fazer alguma coisa para ajudar a colocar o show na estrada aqui? Meu estômago está roncando.” Enquanto ela cheirava as costeletas de porco, Spencer olhou para o alto da sua cabeça, o cabelo escuro brilhante, um pouco bagunçado. Tudo nela parecia cativante. Se um ouriço pudesse ser cativante. “Você pode pôr a mesa, se quiser.” “Com certeza.” Batendo nele com seu quadril, ela sorriu e disse: “A colocação adequada de uma mesa foi uma das coisas que eu aprendi na escola para onde Jackson me mandou. Mas eu estou supondo que você está mais para a informalidade, né?” “Casual funciona para mim.” Após seu primeiro encontro com Arizona, ele tentou encontrar algo sobre ela, mas achou muito pouco. Ele assumiu que Jackson era o responsável por mantê-la fora do radar; era como o trio elite funcionava. Quanto menos informação lá fora, mais eles gostavam. Spencer estava fascinado observando Arizona se mover em torno de sua cozinha, vendoa ficar na ponta dos pés para alcançar os armários. Ela mais uma vez deixou seu tênis perto da porta da frente, e os pés descalços eram estreito, bonitos. Mãos finas, pulsos pequenos. Tão fundamentalmente feminino, mas afiada e sempre imprevisível. Na esperança de soar arrogante, ele disse: “Diga-me sobre a escola.” Sem nenhum sinal de ofensa, ela disse: “Era esta escola exclusiva para garotas. Realmente pretenciosa.” Ela lhe lançou outro sorriso. “Não era exatamente a minha praia, mas Jackson pagou os olhos da cara, então estava bem.” Spencer olhou para ela. Meu Deus, ainda existia isso? “Você está falando sério?” “Claro.” Levando dois pratos para a mesa, Arizona disse: “Quero dizer, ninguém que estivesse me procurando teria pensado em me encontrar lá, né?” “Eu não posso imaginar encontrar qualquer moça lá.” Mas Arizona? Em uma rotina estruturada que significava enfiar regras sociais em sua garganta abaixo? “Como foi?” “Só educação e algumas aulas sobre coisas como,” Ela passou a mão sobre a mesa. “Etiqueta. Não que uma arrumação com esta realmente contasse, mas você me entende.” 454


“Você estava bem com isso?” “Por que não? A ideia era uma espécie de mão dupla. Eu percebi que poderia aprender a me misturar e embora não dissesse isso, Jackson imaginou que estivesse me protegendo e mantendo fora de problemas.” Ela balançou a cabeça com um pouco de memórias. “Jackson pode ser um figurão real.” Jackson tinha sua simpatia. Traquinas, Spencer perguntou: “Você estava se metendo em problemas, mesmo assim?” Ela fez uma pausa, fez uma careta. “Eu acho que principalmente ele me queria fora de seu apartamento, porque eu cheguei nele.” Chocado, Spencer ficou ali, mudo. Arizona olhou para ele. “Idiota, né?” “Eu nunca...” Ele sacudiu-se. “Você...?” “Corta essa, Spence. Nossa, eu não esperava que sexo deixasse sua língua presa.” “Sexo?” Ela tinha dormido com Jackson, então? Uma névoa vermelha nublou sua visão. Aquele filho da... “Mantenha-se, ok?” Ela rolou seus olhos. “Eu me ofereci, Jackson recusou e então ele ficou diferente. Desconfortável, talvez. Como eu vou saber?” “Ele recusou?” Suspirando, um pouco sonhadora, Arizona disse baixinho: “Sim, ele recusou.” De repente, ele entendeu. “Você pensou que iria recompensá-lo, não é?” “Não. Bem... talvez.” Ela fez uma careta. “Algo como isso, eu acho. Mas Jackson tinha este coração mole comigo, e ele era... tipo...” Assim, um tipo que a enfiou em uma escola claustrofóbica onde ela não se encaixava? “Sim, ele é um príncipe.” “Eu sei.” Ainda com aquele sorriso pequeno ela disse, “eu sugeri ir para uma escola, mas eu não esperava essa escola. Eu só queria não ser burra, sabe? Mas nós conversamos sobre isso, e eu gostei da ideia.” Ela lhe lançou um olhar. “Eu não tinha ideia de que custaria tão caro, no entanto.” 454


“Jackson pagou por tudo?” “Sim. Insano, não é?” Voltando aos armários de louças, ela disse: “A maneira que o cara sua dinheiro.” “Pense nisso como um investimento no seu futuro.” Se ele não tivesse conhecido Jackson, se ele não o conhecesse um homem honrado apaixonado por outra mulher, Spencer poderia ser um pouco ciumento. Não que ele tivesse o direito. Não que ele mesmo quisesse pensar nesse sentido. Mas ao saber que Arizona já havia se oferecido a outro homem, ele não podia negar a pontada de ressentimento. Jackson tinha feito a coisa certa em recusá-la. E quando chegasse a hora, ele faria a coisa certa, também. Ele faria o que era melhor para ela. “Isso é quase exatamente o que Jackson disse.” Depois de mexer os legumes no vapor mais uma vez, Spencer os colocou em uma tigela e levou para a mesa. Ele deixou cair uma batata e uma costeleta no prato do Arizona, em seguida, no seu próprio. Ele tinha muito mais perguntas, mas ele também queria alimentá-la. “O que você gostaria de beber?” “Leite seria bom.” Por que isso o surpreendeu ele não sabia. “Leite, então.” Enquanto ele enchia o seu copo, perguntou: “Então, você gostou da escola?” “Foi tudo bem.” Ela torceu o nariz. “A não ser que eles fofocavam muito. Sua lealdade era para Jackson. Quero dizer, ele pagava, de modo que fazia sentido. Mas ainda assim, eu não conseguia nem me esquivar um dia ou dois sem que eles o chamassem.” Mantendo-se em suspense, Spencer perguntou: “Por que você se esquivava?” “Eu fico inquieta.” Ela olhou para sua comida com atenção. Ele se juntou a ela na mesa com um copo de chá gelado. “Continue. Coma.” Ela surpreendeu novamente, mostrando maneiras impecáveis. Ela colocou o guardanapo no colo, cortou um pedaço pequeno de sua costeleta de porco, mastigou calmamente. Ele se encheu de prazer em vê-la. “Bom?” 454


“Mmm. Delicioso.” Seu olhar brilhante passou por cima dele. “Sexo, cozinhar, chutar bundas. Há algo em que você não é bom?” “Sou um bom partido.” Ela quase amaldiçoou e então, ela teria lhe dar aquele beijo. Recusando-se a reconhecer a sua decepção, Spencer espetou um grande pedaço de batata cozida com manteiga. “Não acredite na palavra de Marla sobre o sexo. Quanto a dar porrada, eu posso segurar a minha onda, mas já tive o meu quinhão de contusões.” “E modesto, também.” Ela terminou de mastigar outra mordida. “Por que eu não deveria aceitar a palavra de Marla?” “Você mesma disse, ela me tem em sua mira. Não faria muito bem a ela me insultar agora, não é?” “Eu acho que não. Mas foi mais do que isso. Ela fez parecer como se você fosse algo especial. Algo mais que...” “Então...” Achando prudente interromper, Spencer perguntou: “O que você quis dizer com se misturar?” Ela parou, então rolou seu ombro magro. “O que eu sabia de uma sociedade civilizada? Mesmo antes ser levada pelos traficantes, a minha família não era o que você chamaria de normal.” “Como você os chamaria?” Ele perguntou suavemente. “Hum? Bem, minha mãe era basicamente boa, eu acho, a não ser que ela bebia com muita frequência e estava ao lado do papai e seus comparsas. E eu não posso dizer muito sobre o meu pai desde que eu não posso amaldiçoar.” Ela sorriu. “Vamos apenas dizer que ele não ganharia nenhum prêmio de pai do ano.” “Isso deixa em aberto uma série de possibilidades.” “Sim, bem, pense no pior e isso era meu pai.” Ela ergueu o copo de leite em saudação. O pior era... Horrível. Mas então, ele já havia imaginado um pouco. Ela não lhe deu tempo para simpatizar. “Depois que os traficantes me levaram, bem, você sabe como é. Você fica com quase nada.” Cuidados mínimos, abrigo... E comida. Seu coração ferido. “Não havia leite?”

454


“A não ser que um cliente me desse isso. E então eu sempre imaginava que pudesse estar drogado ou algo assim. Não houve contato real com o mundo exterior, exceto durante um negócio, então eu não tinha como ficar sabendo sobre assuntos atuais. Em outras palavras, eu era mais burra que uma rocha, sem educação, grosseira... Mesmo você percebeu o jeito que eu falo, né?” Culpa o inundou. A última coisa que ela precisava era ele a criticando. “Eu sei que você escolhe ser grosseira, querida. Não é que você não saiba ser de outra maneira.” “Porque Jackson me mandou para aquela escola. Fim da história.” Mas não era e ele sabia disso. “Você está longe de ser burra.” “Eu sei...” “Você sabe?” Porque ela tinha seu último pedaço de comida em sua boca, apenas balançou a cabeça. Queria perguntar-lhe se ela tinha terminado a escola, se tinha colado grau, mas temia a resposta. Quando a oportunidade se apresentasse, ele perguntaria a Jackson. “Tudo feito?” Ela sentou-se na cadeira com um suspiro. “Isso foi ótimo! Obrigada. Não me lembro da última vez que alguém cozinhou para mim. Talvez Jackson, mas deve ter sido antes da escola.” “Sua mãe cozinhava?” Ela riu, mas parou bem rápido. “Não, realmente não.” Empurrando o prato de lado e cruzando os braços sobre a mesa, Spencer fez a pergunta que queimava em sua mente. “Como é que os traficantes levaram você?” “Você verdadeiramente querer ouvir isso?” Mais do que tudo, ele queria que ela confiasse nele. Ele pensava que confiar em alguém ajudaria a aliviar a dor que ela carregava dentro. “Se você não se importa de me contar.” “Não é como se fosse um segredo. Bem, eu quero dizer, é para a maioria das pessoas. Mas não para quem já me conhece e o que eu faço, e o que eu era...” Spencer esperou que ela relaxasse. Arrogância aparecendo, ela sorriu para ele. “Meu pai me trocou por drogas.”

454


Assolado por uma dúzia de emoções diferentes, as mais fortes sendo raiva e pena, Spencer engoliu duas vezes. “Quantos anos você tinha?” “Dezessete.” Ela mordeu o lábio inferior, perdida em pensamentos. “Quanto mais velha eu ficava, mais seus amigos me notavam. Ouvi algumas sugestões lascivas, diziam coisas do tipo que não eram realmente uma piada, mas... sabe o que eu quero dizer?” “Sim. Bastardos.” “Eu meio que cresci e me tornei a minha aparência. Muito em breve, eles não estavam mais brincando.” Ele sabia como funcionava; tráfico de seres humanos não seria rentável, sem compradores. Mas ainda assim, levando tão pessoalmente, fúria o deixou doente na alma. “Seu pai sabia?” Sabia o que iriam fazer com ela? Não poderia ficar mais pessoal do que isso. “Sim, ele sabia. Eu acho que ele os admirava por forçar meninas para a prostituição.” Seu lábio enrolado. “Tão fodidamente doente.” “E a sua mãe?” Arizona deu de ombros. “Ela o deixou escapar com muita coisa, incluindo o uso de algumas das outras meninas, mesmo sabendo da sua situação. Mas eu acho que me vender foi demais para ela.” Ela olhou para o garfo. “Infelizmente, quando ela tentou impedi-los, eles a mataram.” E isso significava que seu pai teria sido uma ponta solta. Já sabendo a resposta, Spencer perguntou: “Eles mataram seu pai também?” Se ela tivesse visto tudo? “Eles mataram e eu fiquei feliz.” Então ela não tinha ninguém, não que os pais dela tivessem sido de muita ajuda de qualquer maneira. Ele tinha que se concentrar no fato de que ela tinha eventualmente escapado. “Como você fugiu?” “Depois de mais de um mês, eu decidi que não podia aguentar mais. Eu sabia que se corresse tentariam me matar, mas...” Ela encolheu os ombros como se não importasse. “Eu estava praticamente morta de qualquer jeito, sabe?” Ele não tinha nada a dizer sobre isso.

454


“Estávamos em uma parada de caminhões, a ponto de fazer uma transação, mas quando eu vi uma mulher que dirigia um semirreboque em marcha lenta, achei que poderia ser a minha única chance.” “Você pediu ajuda a ela?” “Caia na real. Eu não tenho tempo para brincadeiras.” Seus lábios se inclinaram em um meio sorriso. “Essa pobre mulher. Corri e pulei em seu caminhão. Meu coração batia tão rápido e eu estava quase histérica. Eu tranquei a porta do passageiro, e então gritei direto em seu rostorígido, corra, corra. Felizmente para mim... ela correu.”

Capítulo Quatro NÃO IMPORTA COMO ELA fazia parecer fácil, o horror da situação estarrecia Spencer. “Eu posso imaginar o que ela pensou.” “Sim.” Arizona deu uma risada suave. “No começo, ela pensou que eu a estava roubando algo assim, e ela parecia prestes a saltar para fora de sua pele. Mas, então, Jerry...” “Jerry?” “Um dos capangas contratados para se certificar de que ninguém saísse da linha.” Ela acenou que não era importante. “De qualquer forma, ele veio em nossa direção, todo furioso com sangue nos olhos. Quando ele puxou sua arma, ela colocou o caminhão em marcha e dirigiu para fora de lá. É claro que ela queria uma explicação, por isso assim que nós tínhamos coberto um pouco de terreno, lhe disse que um homem estava tentando me estuprar. Não era realmente uma mentira, mas não toda a verdade, também. Eu só... Eu não podia entrar em detalhes, sabe?”

454


“Entendo.” E ele entendia. Muitas mulheres sentiam vergonha com o que eram forçadas a fazer. Entrar em detalhes com um estranho seria doloroso. “Ela queria me levar para a polícia, mas eu só queria ficar livre.” Uma pequena palavra que significava tanto. “Quando ela chegou a um trecho calmo da rodovia, eu agradeci e desci.” Por conta própria? A ideia de uma menina de dezessete anos de idade abusada encontrar abrigo e segurança aterrorizava sua mente. Era uma maravilha que ela tivesse sobrevivido, mas ela tinha, com uma abundância de atitude. “Eu sei o que você está pensando.” Ela balançou a cabeça para ele. “Mas foi tudo bem. Felizmente não era época de frio ou chuva. Eu roubei um carro, mas precisava de algum papel, então eu assaltei um traficante de drogas.” Papel, o que significava dinheiro. Mas... Ela se encontrar com um traficante? “Imagino que tenha sido difícil.” “Nah. Ele estava um pouco lento e eu o deixei pensar que estava interessada.” Ela bufou. “Ele me levou para o seu quarto, e quando ele chegou todo sedento, peguei a arma dele.” Escondendo seu horror, Spencer perguntou: “Você o matou?” Ela olhou para ele como se ele fosse louco. “A bala teria chamado atenção.” E essa tinha sido sua única razão para não matar o cara? “Eu entendi.” “Eu fui com a velha escola e dei uma coronhada no idiota.” Ela fez um movimento “baque” com a mão. “O golpe foi certeiro em sua cabeça. Eu tive que bater nele duas vezes para realmente o derrubar. O primeiro só o deixou atordoado. Mas quando eu saí ele estava respirando.” “E então você tomou o seu dinheiro?” “Sim. Eu estava esperando que fosse apenas o suficiente para obter comida, mas o cara tinha cinco notas de cem!” “Quinhentos dólares?” Spencer assobiou. Perder muito colocaria qualquer bandido em um mau humor. Graças a Deus ela tinha fugido. “Você deixou a área?” “Fugi correndo de lá com seu dinheiro e sua arma.” Orgulhosa de si mesma, ela sorriu. “Depois de dois dias de fuga tinha um carro, muito dinheiro e uma arma. Eu fui para outra cidade, 454


encontrei um lugar para ficar. Percebi que o que funcionou uma vez funcionaria de novo, por isso a maior parte do meu dinheiro veio de viajar para outras áreas e roubar traficantes de drogas. Ocasionalmente eu arriscava no jogo.” A ideia dela superando um bandido armado deveria ter sido ridícula, mas ele a tinha visto em ação. Devido ao seu tamanho e aparência, ela provavelmente pegou muita gente de surpresa. “Você aprendeu a lutar?” “A sobrevivência é uma boa professora.” Ela sorriu. “Naquela época, eu preferia o jogo.” “E agora você prefere lutar?” Ela não respondeu. “Eu ganhei muito, porque eu sou uma boa trapaceira. Eu também sou uma boa ladra e sou muito boa em abrir fechaduras.” Porque ela tinha passado tanto tempo trancada. Com um esforço, Spencer manteve seu tom neutro. “Se isso foi o que a ajudou a sobreviver, então eu fico feliz que você tenha essas habilidades.” “Mesmo que eu tenha invadido sua casa?” Mantendo seu olhar em seu copo de chá, ele ofereceu, “Você poderia ter uma chave se você quiser.” “Sério? Você confia em mim?” Ele não confiava realmente. Não com tudo. Definitivamente, não com sua intimidade. Mas, com os seus pertences? Ele encontrou seu olhar zombeteiro. “Você poderia me roubar?” “Não.” “Isso é o que eu pensava. Então por que não dar-lhe a chave?” Ceticismo a manteve em silêncio por um longo tempo. Finalmente ela sorriu. “Isso é realmente ótimo da sua parte, Spence.” “Spencer,” ele corrigiu com paciência forçada. Ele sabia que ela encurtava seu nome sempre que ficava chateada ou se sentia vulnerável.

454


“Mas eu não preciso de uma chave.” Ela se virou com desinteresse fingido. “Não é como se eu pretendesse vir aqui frequentemente.” Provavelmente não, mas ele não se importaria se ela viesse. Fosse discutindo com ela, lutando ou jantando, ele gostava da sua companhia. “Então, fique à vontade para chegar sempre que tiver vontade de você.” “Pffft.” Ela meio que riu. “Você só tirou toda a diversão da coisa.” Spencer sorriu de volta, mas de forma alguma se sentiu divertido. Ele não podia imaginar o tipo de coragem que a levava e o que isso faria a uma pessoa, para viver com o que ela havia descrito. Ele sabia o básico por Jackson, mas enquanto ela estivesse em um estado de espírito falante, queria ouvir tudo a partir da sua perspectiva. “Assim como entra o fator Jackson?” “Sim, essa é a parte interessante, né?” Um pouco mais animada, ela inclinou-se e sorriu para ele. “Veja, os bastardos não tiveram amabilidade de ficar longe de mim, mas quando eles finalmente me pegaram, não queriam para as coisas de sempre.” Para ser vendida, trocada e abusada. Gentilmente, ele perguntou: “Para que eles queriam você?” “Para ensinar ao outros uma fodida lição... me matando.” Dadas às circunstâncias, Spencer deixou a maldição passar. Eles eram bastardos e muito mais. Em contraste com as terríveis palavras, bom humor de Arizona deixava muito claro o quanto isso ainda a machucava. “Eles...” Ela hesitou, então começou novamente. “Eles me agrediram. Eu tentei lutar, mas amarraram minhas mãos nas costas e então...” Nova hesitação, suas sobrancelhas baixaram em uma pequena careta. Isso lhe deu um aviso sobre o horror dos detalhes do que ela iria compartilhar. Ele se preparou, mas não o suficiente. Com a voz mais calma agora, ela sussurrou: “Eles me jogaram de uma ponte em um rio.” O ar deixou seus pulmões; seus músculos contraíram. Ele sabia, mas ouvir isso dela tornou tudo mais... Real. “Eles queriam afogar você.”

454


Ela sacudiu a melancolia. “Foi uma noite muito infeliz, chovia loucamente com relâmpagos e trovões vindos de todos os lugares tão altos, você poderia senti-los. Eu estava com tanto medo que quando eles me jogaram, eu mal tive o bom senso de parar de me debater e tentar cair de pé ou respirar antes que a água gelada fechasse ao meu redor.” Com as duas mãos, empurrou o cabelo para trás de seu rosto. “Eu percebi que estava praticamente morta.” “Jesus.” Seu estômago caiu. Ele queria desesperadamente abraçá-la, trazê-la para o seu colo e abraçá-la apertado e dizer a ela... O quê? Que nada de ruim iria acontecer com ela novamente? Ele sabia que ela nunca aceitaria isso, então ele se contentou em alcançar a mão dela. “Eu sinto muito que você tenha passado por isso.” “Sim, muito desagradável, certo?” Depois de um breve aperto, ela puxou a mão para longe. “Eu consegui a minha cabeça acima da água, mas não foi fácil e sabia que não conseguiria fazer isso por muito tempo. E mesmo que eu encontrasse uma maneira de chegar até a margem, eles acabariam me jogando de volta novamente. Ou atirariam em mim.” Imaginando o pânico que devia ter sentido, Spencer doía por ela. “Com certeza eles não iriam a lugar algum até que soubessem que eu havia ido embora para sempre. Veja, eles já haviam me dito que eles precisavam que a polícia encontrasse meu corpo. Dessa forma, eles poderiam contar às outras mulheres sobre isso e usar como desincentivo...” “Eu tenho a imagem.” E ele queria matá-los, todos eles. Mas essa satisfação lhe seria negada; eles já estavam mortos. “Eles não estavam contando com Jackson, apesar de tudo.” Ela apoiou o queixo sobre o punho e sorriu. “Coitado, apenas meio que tropeçou em toda a bagunça. Nunca entenderei o porquê, mas ele pulou no meio da confusão, aniquilou os capangas, e então...” Spencer esperou. Ela suspirou e encontrou seu olhar. “Jackson mergulhou atrás de mim.” De uma ponte durante uma tempestade em águas escuras. Graças a Deus Jackson tinha estado lá. “Quantos homens estavam lá?” “Três.” Ela sorriu com prazer pela capacidade de Jackson. “Mas quando eu penso em como ele parecia naquela noite, eu não acho que teria importado se houvesse uma dúzia.” 454


Spencer não conseguiu reunir sequer o menor sorriso. “Mortos?” “Eventualmente.” Ela bateu a mão. “Eu não sei se ele os matou ou...” “Eu sei sobre a equipe, querida.” Ela foi continuou calada, em seguida, virou a cabeça para estudá-lo. Depois de alguns segundos, ela disse: “Eu não sou sua querida, mas tudo bem, se você sabe sobre eles, então você já sabe que nenhum desses cretinos sobreviveu naquela noite.” Não tocá-la não era uma opção. Ele pegou a pequena mão dela novamente e passou o polegar sobre os nós dos dedos. “Eu estou contente com isso.” “Sim, eu também.” Parecendo desconcertada, ela olhou para suas mãos entrelaçadas, limpou a garganta e se afastou. “Então é isso. Você já sabe que Chandra, a chefe do cartel, fugiu naquela noite. Porque ela não estava no carro ou em pé lá na ponte, os caras nunca souberam que ela estava lá. Eu não sabia que eles não sabiam da sua presença, então pensei que ela fosse parte da carnificina.” “Ela não pode nunca mais te machucar.” Arizona dirigiu uma careta para ele. “Porque você a matou quando deveria ter sido meu privilégio.” Ele disse: “Eu sinto muito,” e ele estava falando sério. “Bem... agora todos eles já se foram, e eu fico com as pontas soltas.” Suas mudanças de humor mercuriais o mantinham em confusão. Sim, ele havia atirado em Chandra, mas ele a tinha seguido por suas próprias razões, e era discutível que tinha mais direito de vingança. Que ela se sentisse frustrada em sua vingança era triste consequência de suas ações. “Pronta para a sobremesa?” Aceitando que as lembranças mórbidas do passado acabavam aqui e agora, ela disse: “Sobremesa? Sério? Você sabe como tratar uma garota, não é?”

*****

454


ARIZONA estava pensando em quão bem ela ele sentiu ao compartilhar com Spencer. Ele não ficou todo sentimental sobre ela, não tentou consolá-la ou fazer uma jogada. Ele escutou. E ela sabia que ele entendia. Claro, ele tinha feito àquela coisa estranha segurando sua mão, mas as pessoas faziam isso. Eles tocavam. Tinha visto isso muitas vezes com Jackson, Trace, Dare e suas esposas. Ela não odiava isso, mas não amava, também. E quando era Spencer que a tocava, por alguma razão, isso a afetava ainda mais. Não era intolerável, realmente... Ela não sabia se iria se acostumar com isso ou não. Então Spencer voltou da geladeira e ela viu que ele segurava um bolo de aniversário pequeno, mas chique. Atordoada, ela lentamente empurrou a cadeira para trás e ficou com as pernas bambas de repente. “O que é isso?” Falando com naturalidade, ele respondeu: “Um bolo de creme de baunilha com cobertura de chantilly. Eu acho que tem framboesa entre as camadas.” Seu olhar encontrou o dela. “Mas não há ameaças ocultas, Arizona. Não é envenenado e eu prometo, não é algo com que você precise se assustar.” “Eu não estava pirando!” Mas ela estava. O desejo de fugir deixou seu coração martelando. “Besteira. Você está prestes a fugir.” Ela baixou seu queixo. Como ele poderia saber isso? E como ele ousava dizer isso em voz alta? “Eu não fujo de ninguém.” Ele colocou o bolo sobre a mesa à sua frente e com um sorriso, disse: “Às vezes, você deveria. Mas não agora.” Estando muito perto, elevando-se sobre ela, ele sussurrou: “Nunca mais de mim.” De jeito nenhum ela iria olhar para ele, enquanto ele soava assim, todo macho dominante, protetor. Em vez disso, ela olhou para a sobremesa. Tinha rosetas açucaradas extravagantes e as palavras “Feliz aniversário!” escritas em glacê azul pálido na parte superior. Um nó se formou em sua garganta. “Eu lhe disse para não fazer nada estúpido.”

454


Em um toque tão suave que a assustou até a morte, ele estendeu a mão e colocou o cabelo atrás da orelha. “Eu sei. É por isso que me abstive de colocar velas nele.” Ela bufou. “Eu tenho...” “O quê? Dar-me um soco? Jogar o bolo para a minha cara?” Talvez. Sua proximidade física a deixava nervosa. “Bem, volte para o seu lugar, em seguida, se vamos comer esta coisa.” Mesmo que não olhasse, ela sentiu seu sorriso. “Tudo bem.” Ele deu um passo para longe. “Mais leite? Ou café?” “Leite.” Agora que tinha algum espaço para respirar, ela encheu seus pulmões. De má vontade, ela disse: “É um bolo bonito. Obrigada.” “O prazer é meu.” Ele reabasteceu seu copo. “E para o registro, no caso de você querer retribuir, meu aniversário no dia de Ação de Graças.” Mesmo sabendo que ele a provocava, Arizona imaginou como seria. A compra de um bolo para alguém, compartilhando esse dia especial... Como ela estava fazendo no momento. Uma coisa normal a se fazer. “Sim, está bem.” Seu sorriso se alargou. “Cobrarei isso.” Usando uma espátula com o cabo em forma de vaca, ele cortou o bolo e colocou um pedaço grande em um prato para ela. Talvez fosse o “não saber” que a fez tão ansiosa, mas ela não podia deixar de tentar dissecar seu objetivo. “Eu disse a você como eu fiz a Jackson a oferta.” Spencer olhou para cima enquanto cortava seu próprio pedaço de bolo. “A oferta de...?” “Sexo.” Dando a Spencer um olhar furtivo, ela acrescentou: “E ele me recusou. Você sabe por quê?” Balançando a cabeça, em tom solene, ele disse: “Você se ofereceu em agradecimento.” Ela tinha a esperança de voltar a pegar Spencer de surpresa com seu discurso sincero, mas desta vez ele se deixou levar. “Ele fez muito por mim.” E Spencer queria fazer coisas por ela, também. Mas por quê? “Demais.” Segundos passavam, enquanto ele a observava. “Eu duvido que Jackson visse dessa maneira.” Ela sabia exatamente como Jackson via. “Ele sentiu... pena de mim.” 454


Spencer balançou a cabeça. “Não.” “Bem, não sobre o resgate.” Rapidamente ela deu voz à turbulência dos seus pensamentos. “Ele resgatou Alani, também, mas isso não o incomodou. Ele perseguiu-a como um louco. Isso porque ele não tinha pena dela.” Não convencido, Spencer esfregou o lábio superior enquanto analisava suas palavras e depois de alguma hesitação, finalmente disse: “Eu sinto pena pelo que você sofreu, Arizona, por tudo o que foi feito com você. Mas eu não tenho pena de você, porque eu posso ver que você é uma sobrevivente, não uma vítima.” Coração bombeando duro, ela travou seu olhar no dele. “Então... você quer fazer sexo comigo?” Mais hesitação, e depois com um encolher de ombros, “Eu estou respirando, não estou?” As palavras correram sobre seus nervos, como garras, roubando sua respiração e sua coragem. “Então...” “Querer você, e planejar fazer algo sobre isso, são duas coisas muito diferentes. Há um monte de coisas que eu quero, mas os homens, bons homens, se controlam. Eles não abusam dos outros, ou Deus me livre... tomam à força.” Ele estendeu a mão com a palma para cima, e esperou que ela o aceitasse. Embora se sentindo covarde, ela... Não podia. Ela balançou a cabeça e cruzou os braços apertados em torno de si mesma. Deixando a sua mão sobre a mesa, ele aceitou sua decisão sem comentários. “Eu não posso negar que você é uma menina bonita.” “Mulher.” Murmurando para si mesma, Arizona mordeu o lábio. Forte. Idiota. “Eu sou adulta agora,” ela gaguejou e se sentiu ainda mais tola. “Isso é tudo que eu quis dizer.” “Você é uma mulher de vinte e um anos de idade,” ele concordou. “E você é deslumbrante.” “Impressionante.” Ela fez uma cara zombeteira. “Não importa.” Mas ela meio que gostava que, após tantos nojentos a terem admirado, Spencer a achava atraente, também.

454


“A maioria dos homens que olharem para você irão admirá-la, Arizona. E sim, eles irão quero você. Eles pensarão em vê-la nua e sobre ter sexo com você. É como a mente dos homens funciona. Somos visuais e somos sexuais. Mas isso não é uma maldição.” Meu Deus. Fale sobre ser contundente. “Claro que parece uma maldição para mim!” “Mesmo se você não tivesse medo, nada disso iria acontecer entre nós. Não porque eu tenho pena de você,” sublinhou, “mas porque você é muito jovem para mim, você já passou por muito para totalizar e entender o que você quer ou precisa, e você não confia inteiramente em mim.” E ele estava apaixonado pela sua esposa. Mas Arizona não era cruel o suficiente para dizer isso a ele. Em vez disso, ela tocou o cabo em forma de vaca da espátula. “Eu estou supondo que sua esposa comprou isso?” Dando a volta, ele olhou para ela e calou. Implacável, Arizona disse: “Parece que o tipo de coisa que uma mulher iria comprar. Uma boa esposa, quero dizer.” Pegando o garfo, ele o enfiou no bolo. “O que uma má esposa compraria?” “Drogas. Álcool. Eu não sei. Esse tipo de coisa.” Ele fez uma pausa. “Arizona...” “Você me contará sobre ela?” Ele levou duas respirações lentas e balançou a cabeça. “Coma seu bolo.” “É quase bonito demais para comer.” Os cristais de açúcar nas flores brilharam. Entre as camadas, creme de framboesa rosado escorria. Ela pegou uma garfada grande, comeu-o e gemeu. “Com certeza. O gosto é ainda melhor do que parece.” Ela quase havia acabado o pedaço de bolo quando ele disse: “Eu sei que você me investigou.” Não haveria nenhum ponto em negar. “Sim, bem...” “Eu não me importo. Tentei investigar você também.” Ele não teria encontrado muito, mas que ela tinha. Ela sabia tudo sobre sua esposa, como ela morreu e como ele tinha evitado qualquer compromisso desde então.

454


Mas ela queria saber mais. Ela queria saber das coisas pequenas, as nuances que faziam um homem e uma mulher ficarem juntos. Se apaixonarem. Desfrutar da intimidade. “Então você me contará sobre ela?” Spencer tomou outro gole de café e em seguida, colocou o copo para baixo calmamente. “Não.” Arizona tentou segurar sua curiosidade, mas estava tão curiosa, por que ela não deveria perguntar? Fazia três anos, depois de tudo. “Ela era bonita?” Fechando os olhos lentamente, em um gesto de resignação, ele colocou sua testa em um punho. Parecia que ele tinha caído no sono dormindo, mas em seguida, ele disse: “Ela era bonita.” Sentindo-se absurdamente abençoada que ele iria conversar com ela, Arizona aqueceu. “Eu vi uma foto pequena.” ela ofereceu. “Mas eu não poderia dizer muito.” “Longos cabelos castanhos.” Ele se endireitou na cadeira novamente. “Não tão escuro ou ondulado como o seu. Olhos castanhos. De pele clara.” “Peituda?” Balançando a cabeça, ele disse: “Discreta.” Feito com o bolo, ele deixou a mesa e levou seu prato para a pia. Arizona devorou o resto dela e se juntou a ele. “Eu posso lavar os pratos.” “Só irei passar uma água e colocá-los na máquina de lavar.” “Ah.” Ele colidiu com ela, deu-lhe um olhar e com uma expressão de desculpas, ela foi para o lado. Mas não muito longe. “Ela foi o seu primeiro amor?” “Ela foi... tudo.” Isso fazia parecer que ele planejava ser solteiro o resto de sua vida, ou como se nunca se apaixonaria novamente. “Você se casou jovem?” “Logo depois que ela terminou a faculdade.” Ele fechou a máquina de lavar louça. Mantendo as costas para ela, suas mãos apoiadas na pia, braços duros, ele disse: “Ela era dois anos mais nova que eu. Uma assistente de dentista com um peculiar senso de estilo, como você pode dizer pela decoração de vaca em toda parte.”

454


“Eu gosto disso.” Fazia que tudo parecesse realmente caseiro. “É uma boa casa.” Um pouco velha, pequena, mas muito elegante, com pisos de madeira, tetos côncavos e pé direito alto. Spencer assentiu. “Ela adorava esta casa. Amamos estar casados, também, e ela me amava. Eventualmente, ela queria ter filhos. Nós estávamos pensando em mais um ano ou algo assim, mas depois...” Em seguida, sua vida tinha sido interrompida. Tomando a sugestão de Spencer, Arizona timidamente tocou em seu braço e esperou. Como se o gesto surpreendesse, Spencer chegou mais perto, mas apenas por um momento. “Ela parou em uma loja de conveniência uma noite a caminho de casa do trabalho. Dois homens...” “Parte de uma quadrilha de tráfico humano,” ela ofereceu já sabendo a partir da verificação de antecedentes que tinha feito sobre ele. “Sim. Eles estavam tentando arrastar uma mulher para fora de lá, minha esposa interveio...” Suas mãos estavam em punhos e Arizona, sentindo-se realmente muito estranha, moveu a mão de seu braço para suas costas. “Sinto muito!” “Um funcionário da loja morreu naquele dia, também. Outro cliente ficou ferido.” “Sem sentido. Mas é assim que sempre é. Sem sentido e cruel e...” Ele se afastou dela. “Chega de falar sobre isso.” Sua mão caiu. “Você pegou os caras que atiraram nela.” “Eu peguei. Mas eles eram apenas uma pequena parte de uma operação maior.” Ele conciliou o olhar com o dela. “Eu tinha tanto direito de ir atrás de Chandra quanto você.” Chandra era o cérebro por trás desse cartel em particular. Arizona sabia, pois foi Chandra que a tinha pegado, duas vezes. Chandra que a tinha traficado. Chandra que tinha arranjado sua educação nas ruas. Chandra que tentou matá-la. “Esse é o tipo de gente que eu estou seguindo, atualmente.”

454


Arizona recostou-se no balcão. “Nós temos isso em comum, quando normalmente eu não tenho nada em comum com ninguém. Desde que nós dois queremos a mesma coisa, eu estaria disposta a perdoar como você tirou minha chance de justiça pessoal, se trabalharmos juntos.” Em alerta, Spencer tomou uma posição e fez uma careta para ela. “Estamos trabalhando em conjunto. O Goose Green, certo? É disso que você está falando?” “Sim, o bar e restaurante.” Ela tentou não parecer insegura. “Mas poderíamos fazer mais do que isso, se você quisesse. Eu poderia encontrar redes de tráfico, fazer algumas pesquisas sobre eles e você poderia ser meus músculos.” Seus olhos se estreitaram e não era um sinal promissor. “Você está preparado para isso, certo?” Tentando fazer uma piada, Arizona estendeu a mão e apertou seu braço. Sólido como rocha. E ela sabia em primeira mão como os seus reflexos era rápidos. Nenhuma dúvida sobre isso: Spencer era um grande feixe de força bruta e habilidade surpreendente. Ela admirava muito a força. No seu caso... Talvez demais. Cruzando os braços, ela tentou verdadeira e duramente parecer e soar afetada. “Então, Spence. O que me diz? Você quer fazer parceria comigo em uma base mais permanente?”

454


Capítulo Cinco “É SPENCER, e você sabe disso.” Ele a pegou pelo braço e começou levá-la para a sala de estar. “Por que você insiste em massacrar o meu nome?” “Na verdade... Eu não sei.” Ela parou. “Onde estamos indo?” “Eu pensei que poderíamos assistir um pouco de televisão. Talvez um filme ou algo assim.” Depois de um grande bocejo, ela puxou o braço livre. “Eu preciso ir. Trabalhar muito e ficar sem dormir por muito tempo têm me cansado mais que o habitual. Preciso fechar os olhos um pouco.” Merda. Ele olhou para o relógio. “São apenas oito horas.” “Dormir cedo, acordar cedo e tudo isso.” Ela começou a ir para a porta da frente e tênis. “Você se levanta cedo?” “Levanto-me sempre logo que acordo. E mais frequentemente do que não, eu não consigo dormir. Então...” “Porque você não consegue dormir?” Impaciente, ela olhou para ele. “Contarei a você tudo sobre meus hábitos de sono amanhã.” Ela se inclinou e calçou um tênis desamarrado e depois o outro. 454


Arizona tinha transformado “desleixada” em uma espécie de arte. Mas era uma aparência que completava sua atitude. “Nós ainda precisamos falar sobre o Goose Green. Como vamos, a que horas, todos os pequenos detalhes.” Teria Trace já sabotado o seu carro? Ela queria sair mais cedo do que haviam antecipado, não que qualquer um pudesse antecipar com precisão qualquer coisa com Arizona. “Temos um monte de terreno para cobrir.” “Eu tenho algumas ideias sobre isso. Podemos falar amanhã de manhã.” Sua boca se curvou em um sorriso amargo. “Ou você tem planos com Marla?” Ignorando isso, ele disse: “Por que a pressa?” Ela abriu a porta. “Eu disse. Estou cansada.” Ar quente, úmido, denso com a ameaça de uma tempestade, o atingiu enquanto a seguia para fora. Precisava pensar em uma maneira de fazê-la ficar. Talvez se ele não tivesse sido tão reticente discutindo seu passado... Mas não, ele não poderia ir lá. Como alternativa, ele perguntou: “Onde você?” Sem olhar para ele, ela disse: “Em um motel.” Suspeitas floresceram. “Um motel?” “Um lugar aleatório.” No meio do caminho pela calçada, ela olhou para a casa de Marla. “Você deveria estar perseguindo meus calcanhares assim? Você sabe que sua namorada, provavelmente, tem o nariz na janela, observando cada movimento seu.” “Ela não é minha namorada.” Ele olhou naquela direção também, e viu uma mudança de sombra na janela. Maldição. Atraindo Arizona antes que ela chegou ao seu carro, ele disse: “Esqueça Marla. Por que você está se esquivando à pergunta?” “Que pergunta?” Ele rosnou um suspiro impaciente. “A questão sobre onde você vai ficar.” “Eu não estou.” Ela abriu a porta do carro para deixar sair o calor e em seguida, inclinouse no para-choque. “A coisa é, você ainda não aceitou ser meu parceiro, por isso, por que eu deveria contar alguma coisa?” “Chantagem?” Seus olhos, agora brilhantes de malícia, pareciam ainda mais azuis na luz natural. “Coerção.” 454


Tensão acumulando parte de trás do pescoço, ele esfregou um músculo contraído, mas não ajudou. “Vou pensar sobre a coisa da parceria.” E ele falaria com Trace e Dare... “Sim.” Seu olhar foi para o seu lado. “Faça isso.” Com nada mais a dizer, Spencer deu um passo para trás e ela entrou no carro. “Sempre que você acorda é um período de tempo muito amplo. Você não pode reduzi-lo um pouco?” Ela colocou a chave na ignição. “Eu não sei. Digamos que entre 5h00 e meio-dia.” Será que iria se esgueirar de novo para vê-lo dormir? Não como se ele fosse mesmo ser capaz de dormir com essa possibilidade iminente. Ele agarrou o quadro da janela aberta. “Eu posso encontrá-la, você sabe. Posso descobrir onde você está hospedada.” “Você acha?” Ela virou a chave e nada aconteceu. Com o cenho franzido, ela disse, “Veremos.” E ela tentou o carro novamente. Completamente morto. Aliviado, Spencer deu um passo para trás, imaginando como ela reagiria. Era um espetáculo para se ver, a forma como suas sobrancelhas caíram para baixo, seus olhos brilharam e raiva inundou seu rosto. Ela bombeou o combustível, tentou de novo e depois de visivelmente reunindo esforços, abriu a porta do carro e saiu. Ela bateu a porta. Forte. Não precisava ser um gênio para ver que ela estava chateada. Realmente chateada. O céu escuro parecia calmo em comparação. Inexpressivo, ele perguntou: “O carro não quer pegar?” Seus dentes cerrados rangeram. “Vamos!” Fascinante. Ele nunca tinha visto uma mulher tão visualmente expressiva quanto Arizona. “Onde, exatamente?” “De volta para dentro.” Ela foi andando, mas disse por cima do ombro, “A menos que você quer que eu perca a paciência aqui, onde todos seus agradáveis, vizinhos domésticos podem testemunhar.” “Para dentro então” Um pouco divertido, muito satisfeito, ele parou atrás dela. Infelizmente, Marla saiu em sua varanda.

454


Vestindo um top decotado e um olhar de censura, ela abriu a boca e Arizona virou para ela, rosnando: “Não.” Ela sugou em uma respiração. “Só... não.” Depois desse terrível aviso, ela invadiu sua casa. Marla ficou ali parecendo magoada. Duplamente maldito. Apologético, Spencer disse a ela: “Desculpe. Ela está tendo um dia ruim.” Os peitos impressionantes de Marla desceram um pouco. “Eu suponho que ela terá uma noite melhor?” “Marla,” ele repreendeu. “Eu disse que não era assim, com você ou com ela.” Ela se recompôs. “Eu não entendo você.” “Você entende, você simplesmente não quer admitir.” “Foi bom entre nós.” “Sim.” E talvez se ele não tivesse encontrado Arizona... Mas ele tinha. “Eu preciso ir.” “Espere!” Ela lambeu os lábios. “Você acha que vai chover?” Com um rápido olhar para o céu, ele disse “Provavelmente.” Ele sabia exatamente aonde isso ia. “Seu telhado ainda tem goteiras?” “Sim.” Ela se inclinou sobre o corrimão, deliberadamente dando-lhe um olhar do amplo decote. “É o teto do meu quarto. Quaisquer sugestões?” “Yeah. Pegue alguns baldes e chame um reparador assim que puder. Estes telhados antigos são mais propensos a ceder com o vazamento.” Ele teria se sentido culpado por não oferecer qualquer tipo de ajuda, se o seu telhado não estivesse com goteiras desde o inverno e ela não o havia consertado porque preferiu usá-lo como uma manobra de mulher para levá-lo de volta para sua cama. Dando-lhe uma saudação, Spencer entrou. Ele mal tinha fechado a porta fechada antes que Arizona estivesse lá, subindo na ponta dos pés para explodir com ele.

***** 454


No modo de batalha, Arizona espetou-lhe com força no peito com um dedo. “Você disse a Jackson!” “Não.” Com seu bom humor azedando rapidamente, ele deu a volta e passou por ela. Ela agarrou o braço dele. “Você fez! Você disse algo a ele e foi por isso que ele sabotou meu carro.” Inspirando fundo em seu tom, Spencer disse: “Você percebe que está me chamando de mentiroso, certo?” Mas ela estava muito zangada para ceder. “Eu confiei em você!” “Bobagem! Você é tão confiante como um cão de rinha.” Ela engasgou. “Mas eu não falei com Jackson e eu gostaria que você parasse de gritar como uma criança tendo um acesso de raiva!” Desde que ele terminou sua própria frase gritando, o insulto foi ridículo na melhor das hipóteses. Fúria coloriu seu rosto e seus olhos se estreitaram. “Tudo bem, tudo bem. Vamos ver.” E em uma explicação adicional, disse ela, “Jackson me dirá a verdade.” “Você vai chamá-lo?” Estava tudo bem por ele. Ela seria a única a deixar seu velho protetor saber a razão e ao mesmo tempo ela descobriria a verdade. Spencer apontou para ela. “Sinta-se livre.” “Eu irei!” Ela tirou seu celular do bolso e bateu em um número de discagem rápida. Porque ele não queria perder uma palavra, Spencer disse: “Seja corajosa e coloque no viva voz.” “Sentindo-se intrometido?” ela zombou. “Eu não confio em você para admitir a minha absolvição.” Ele quase sorriu, sabendo que ela não seria capaz de resistir à sua provocação. “Ou você está com medo do que irei ouvir?”

*****

454


“HA!” MANTENDO O IRRITADO olhar dela fixo no dele, Arizona apertou o botão do altofalante. O carro dela estava morto e ela sabia que não era por acaso. Ela tinha estado ao redor de Jackson por muito tempo para perder os sinais de interferência. Porque ela não tinha usado o número de emergência, Jackson respondeu com uma saudação, em vez do silêncio. “Ei, Arizona. O que está acontecendo?” Ao som de sua voz, ela se iluminou com triunfo. “O que você fez com o meu carro?” Será que eles realmente pensaram que poderiam enganá-la? Que ela era burra demais para reconhecer como eles trabalhavam? Sem chance. Ela não era uma idiota. “O que foi?” Um novo alerta apareceu no tom de Jackson. “Algo está errado com o seu carro?” Oh- oh. Ele parecia muito sincero. “Não adianta negar,” ela pressionou. “Eu sei que você o sabotou de alguma forma.” “Não eu. Alani e eu estamos em um jantar com Dare e Molly.” E, em seguida, com desconfiança, “Onde é que você disse que está?” Droga. Seria possível que a bateria do carro havia morrido de alguma forma? Não parecia provável. “Arizona?” Murchando, ela admitiu: “Eu estou no Spencer.” “Mesmo?” Um sorriso soou através da cal. “Fazendo o quê?” “Não importa.” Ah, isso foi estranho. E Spencer parecia tão presunçoso. “Meu carro não pega. Está totalmente morto. Tem certeza que não mexeu nele?” “Por que eu faria isso? O que você está aprontando... Oh, espere.” Ela ouviu vozes abafadas, uma breve conversa, e depois Jackson voltou à linha. “Desculpe, parece que foi Trace.” E antes que ela pudesse se irritar com isso, ele disse: “Por que você não me lembrou que era o seu aniversário?” Não! Não, não, não. Como ele percebeu isso agora? Ela deu um gemido longo e dramático. “Pare com isso,” disse Jackson. “Você deveria ter me contado. Mais ao ponto, eu deveria ter lembrado.” Sua voz se aprofundou. “Eu sinto muito que estive distraído.” 454


“Não.” Sua garganta se fechou. Ela absolutamente não iria olhar para Spencer. “Você vai se casar, pelo amor de Deus. Você vai ser pai. Você já tem o suficiente em sua mente.” “Isso não é uma boa desculpa.” Ela precisava acabar com isso, e rápido. “Honestamente, não importa.” “O inferno que não importa.” Tempo para disparar em uma nova direção. “O que Dare disse a você? Por que ele acha que foi Trace?” “Spencer falou com Trace.” Aha! “Isso...” “E Trace contou a Dare. Mas ninguém contou para mim porque você exigiu segredo, e eu tenho que dizer a você, isso irrita o inferno fora de mim.” “Oh. Umm...” Ela podia praticamente sentir Spencer regozijando. “Sim, sobre isso. É só que eu...” “Você deveria estar pesquisando, querida. Por mim. Você não deveria se aventurar sozinha.” “Bem, eu...” “Não se atreva agora a mentir para mim.” Ele riu quando disse isso, removendo qualquer insulto real. “Estou feliz por você estar com Spencer e estou duplamente feliz que você teve bom senso suficiente para envolvê-lo em vez de caminhar sozinha para uma confusão só.” “Eu não sou nada se não cautelosa.” Mesmo ela estremeceu com o sarcasmo. “Sim. Cautelosa. É exatamente como eu descreveria você.” “Jackson...” Ele cortou a dizer: “Trace fodeu com o seu carro porque ele quer que você fique aí, então é isso que você irá fazer.” Ele falou antes que ela pudesse começar a explicar, novamente. “Caso contrário, eu terei que arrancar minha bunda cansada desse agradável jantar com a minha noiva grávida e meus amigos, e você sabe que você não quer que eu faça isso.” Não, ela não queria. Virando as costas para Spencer, ela sussurrou: “Eu não posso ficar aqui.” Obtuso até o amargo fim, Jackson perguntou: “Por que não?” Quase ao mesmo tempo, Spencer disse: “Por que não?” 454


Ela gemeu novamente. Homens! “Eu não quero, é por isso.” Jackson desfez seu raciocínio. “Vamos lá, Arizona. Você sabe que quando você começa a bisbilhotar, tem que cobrir seu traseiro. Isso significa que você tem que alterar a sua rotina, evitar o seu antigo reduto normal e com certeza, você não pode voltar a qualquer buraco que estava usando para dormir. Isso não é como deve ser feito, querida.” Sim, ela sabia disso. Ela tinha planejado mudar para outro motel esta noite. Ela ainda tinha sua bolsa de noite no carro. “Eu não sou burra, você sabe.” “Definitivamente não. Mas você está se precipitando. Qualquer operação requer planejamento.” Houve conversa mais suave antes que Jackson risse e voltasse para ela. “Dare diz que Trace pediu que ele mantivesse isso em segredo e antes que você o culpe, ele diz que é um trabalho que já havia começado antes que você tropeçasse dentro.” “Verdade?” Isso a intrigou. “Então eu estava certa? É uma cobertura para uma quadrilha de tráfico?” “Muito provavelmente, mas é muito cedo para saber com certeza, e é definitivamente muito cedo para mostrar nosso trunfo. As coisas ainda estão em pesquisas preliminares.” Sua voz baixou. “Coloque Spencer no telefone.” “Não.” Claro que não. “Arizona...” Seus ombros estavam tão tensos que doíam. “Eu não preciso de ninguém cuidando de mim. Eu estou bem.” “Você ficará aí?” “Mmm... talvez.” Dependeria do que Spencer dissesse e do que ele havia planejado. Os homens podem ser protetores de classe mundial, mas ela sabia que podia cuidar de si mesma. Jackson suspirou e disse: “Espere aí, querida.” Segundos depois, o telefone celular de Spencer tocou. Ele sorriu para ela enquanto respondeu. In-fodido-crível. E o telefone não estava no viva voz, de modo que ela só podia ouvir um lado da conversa.

454


Spencer disse: “Sim, hey. Tudo bem. Isso foi o que eu imaginei.” Ele assentiu com a cabeça. “Farei o meu melhor, isso é tudo que eu posso prometer. Está bem. Eu teria feito isso de qualquer maneira.” Arizona pensou que seu cabelo poderia ficar em pé. Quando Jackson desligou, ela rosnou: “Satisfeito?” “Chegando lá.” E em voz mais baixa, “Feliz aniversário, querida.” Oh. Calor correu até seu pescoço. “Yeah, uh, obrigada.” “Eu prometo que não vou esquecer de novo.” Ela rolou seus olhos. “Todos os homens não deveriam esquecer essas coisas?” “Não.” Nossa, ele tinha que parecer tão ofendido? “Olha, não se preocupe, ok? Spencer comprou um bolo e tudo mais.” “Tudo?” Ele nem sequer tentou esconder sua diversão. “Bem, devo-lhe um presente e não, não discuta. Alani irá desfrutar me ajudando a escolher. Nós ligaremos em breve, ok?” Sentindo-se desesperada, ela foi rápida em dizer: “Não é necessário, Jackson. Eu sei que você está ocupado com a preparação do casamento e...” Novamente, ele não prestou atenção aos seus protestos. “Irei convidar Spencer. Dare disse que neste fim de semana deveríamos trabalhar na casa dele. O que você acha?” Oh, Deus! Ele a tinha encurralado. “Olha, eu não...” “Ótimo. Sábado às duas. Traga um maiô e iremos nadar no lago. Fazer um tipo de piquenique. Parece bom?” Antes que ela pudesse responder, ele disse: “Então, nós estamos combinados. Mas agora eu preciso ir antes do meu bife fique frio.” Ela queria dizer não a ele e seus planos de fim de semana, mas ela não queria impedi-lo de comer. “Tudo bem, tudo bem.” Ela era uma idiota. De alguma forma, ela encontraria uma maneira de contornar as coisas especialmente a parte o maiô. “Desculpe interromper.” “Você não interrompeu” Houve uma ligeira hesitação e então: “Te amo.” Felicidade encheu seu coração. Ela engoliu em uma onda de emoções. Virando para Spencer, ela disse: “Eu também te amo.”

454


Depois que ela guardou o telefone, não tinha ideia do que fazer. O momento era tão estranho que ela queria rastejar e se esconder. Então Spencer disse: “Eu disse a verdade.” Seu tom hipócrita trouxe a raiva de volta. “Você disse a Trace!” Ele deu de ombros que fora. “Mas só para Trace... então você me deve um pedido de desculpas.” Ela abriu a boca para explodir com ele... E em seguida, fechou novamente. Sim, ela lhe devia. De má vontade, ela murmurou, “Desculpe.” Sua mão tocou-lhe o queixo, levantou o rosto. “Eu nunca vou mentir para você, Arizona.” Nem por um segundo que ela acreditaria nisso. “Todo mundo mente. Grandes mentiras, pequenas mentiras. Ninguém é honesto o tempo todo.” “Inclusive você?” Especialmente ela. Ela cruzou os braços sob os seios. “Quando necessário, eu falsifico coisas.” “Eu não vou mentir. Não para você.” Sentindo que estava falando demais, Arizona olhou em volta, querendo saber o que fazer agora. Humilhação rolou sobre ela. Ela incomodou a todos com seus planos, quando ela na verdade só queria perturbar Spencer. Nessa verdade fez uma careta para si mesma. Ele pensou que a carranca fosse dirigida a ele. “Eu tive que chamar Trace. Você é inteligente, Arizona. Você sabe disso.” “E você sabia que Trace chamaria Jackson.” Ele cruzou os braços, imitando sua postura. “Você está distorcendo os fatos. Trace disse que não contaria a Jackson, e ele não o fez. Ele disse a Dare. E Dare não contou a Jackson até que você ligou para ele e derramou o feijão. Então não me culpe. Eu mantive minha parte no acordo – tanto quanto eu poderia, de qualquer maneira.” Ela balançou a cabeça em negação, mas era verdade.

454


De alguma forma, lá no fundo, ela sabia que ele iria alertar os outros. “Por que vocês têm esta necessidade doente de proteger desajustados?” “É isso?” Ele colocou suas mãos grandes em seus ombros. Ele não a puxou mais perto, ele só ofereceu... Apoio. “Você está preocupada com o que Trace irá pensar?” “Eu sei o que ele pensa. Que eu sou patética e que preciso de um protetor.” Ele deu-lhe um olhar especulativo. “Você conhece Priss, a esposa de Trace.” “Sim, e daí?” Priss era autoconfiante e engraçada, e Trace a amava muito. “A vida de Priss não era somente rosas, você sabe. Realmente sem rosas, só os espinhos.” Parecia que os meninos estavam se falando. Teria Jackson contado a Spencer sobre Priss? Ele lhe contou sobre Dare e sua esposa, Molly, também? “Qual é o seu ponto?” “Eu contei a Trace porque precisaremos de backup, se fizermos isso...” “Faremos.” Ele não poderia mudar de ideia sobre isso agora. Ela precisava ficar ocupada e precisava se sentir útil. E... Ela meio que gostava de estar perto de Spencer – mas ela não estava disposta a admitir isso para ele. “Trace entende o que você está passando.” Ele deu-lhe um aperto suave. “Você e Priss têm muito em comum. E se você acha que ele se compadece de sua esposa, você ainda não viu os dois juntos.” “Eu os vi.” Enquanto Jackson era descontraído – a maior parte do tempo – Trace poderia muito denso. No entanto, Priss era sua companheira em todos os sentidos. Qualquer um poderia ver que piedade era a última coisa que Trace sentia por Priss. “Eles fazem um casal bonito.” “Sim, eles fazem.” Seus polegares esfregaram seus ombros. “O fato é que você está olhando para isso de modo errado. Você está tão ocupada defendendo sua independência e tentando carregar o mundo em suas costas que você esqueceu como se faz.” “O que?”

454


“Todo o secreto show de infiltração à paisana. Você acha que Jackson alguma vez esteve em uma situação como esta sozinho? Ou Trace ou Dare? Eles sempre trabalham como uma equipe.” Para que ele soubesse disso, eles haviam tido um monte de conversa. Será que Jackson realmente confiava tanto nele? Aparentemente sim... Ela ergueu o queixo. “Você não.” “Até recentemente, eu não tinha mexido em nada tão grande. As capturas que fiz como um caçador de recompensas foram uma brincadeira em comparação com o que eles fazem. Mas agora, com cartéis de tráfico de pessoas que ramificam por todo o país, mesmo no exterior, você pode apostar sua pequena bunda doce que eu não ficaria muito profundo, sem saber que outra pessoa estava a bordo, observando para ter certeza de nenhuma de nós desapareceria.” Porque fazia sentido, Arizona foi para longe e imediatamente sentiu a perda do toque de Spencer. De pé, onde ela o deixou no meio da sala, ele esperou. Ela sabia que cederia. Ela não queria ficar presa. Não de verdade. Mas ela ainda não estava completamente pronta para lhe dizer. “O que Jackson disse para você?” “Ele queria que eu ficasse de olho em você esta noite e a seguisse, se necessário.” Quando seus olhos se arregalaram, ele acrescentou: “E eu teria seguido. Irei – se você não ficar.” Indo até a janela, Arizona observou a chuva que começava a cair. Se ela quisesse buscar sua a bolsa, ela deveria fazer isso agora. Bem atrás dela, em seu tom convincente, Spencer disse: “Fique.” “Você disse que não mentiria.” “Tudo bem.” “Ok, então...” Virando-se para encará-lo, ela perguntou rapidamente: “Se você não está tentando fazer sexo comigo, então por que você está fazendo tudo isso? Por que está sendo tão... preocupado e carinhoso, e protetor e compreensivo e outras coisas?” “Tudo isso?” Um sorriso brincou sobre sua boca. “Ok, a verdade. Eu quero que você veja as coisas de uma maneira melhor. Eu quero que você seja capaz de seguir em frente...” 454


Ir em frente? “Como em ficar com um cara? Sério?” A ideia era tão absurda que ela riu. “O que, como em um casamento e tudo? Não vai acontecer.” “Não tem que ser um casamento.” Seu olhar se moveu sobre sua boca e em seguida, de volta para os olhos. “Poderia ser apenas um encontro.” “E você acha que encontros são divertidos?” Ele tomou uma respiração curta. “Na maioria das vezes, com certeza.” “Você já teve encontros com Marla?” “Ah... não.” “Só sexo, né?” “Arizona...” “E o sexo é divertido?” Seu olhar fixo no dela. “Sim.” “Você falaria comigo sobre isso?” Os músculos do rosto se apertaram enquanto ele flexionava sua mandíbula. “O que você quer saber?” Tantas coisas, ela mal sabia por onde começar. “É a mesma coisa com Marla como foi com a sua esposa?” Seus olhos escureceram com descrença e talvez, a tristeza. “Se você quer saber se as mulheres são todas iguais, não. Não para os homens de bem. Não quando um homem gosta de uma mulher.” Isso a irritou. “Então você gosta de Marla?” “Não tanto quanto gostava de minha esposa, não. Mas como uma boa pessoa, sim, é claro que eu gosto dela.” Colocando as mãos nos quadris, ele baixou a cabeça, em seguida, deu uma risada curta. “Deus, isso é uma conversa estranha.” Ela não se importava. Ele se ofereceu para explicar e ela queria ouvir, então ela esperou. Depois de lançar um longo suspiro, ele encontrou seu olhar novamente. “Eu estava com Marla para nada a longo prazo. Eu não levaria isso adiante. Eu não levaria adiante com qualquer mulher.”

454


Incluindo ela? Sua aposta era sobre melhorar sua linguagem, mas ganharia um beijo se ela escorregasse. Isso era realmente o que ele queria? “Assim, com Marla, era sexo, mas apenas sexo, não é?” “Nem sempre é sobre amor.” “Rapaz, eu sei disso!” “Às vezes,” ele continuou como se ela não tivesse falado “o prazer é o suficiente.” “Se você disser que sim.” Ela tinha suas dúvidas sobre qualquer prazer, no entanto. Com certeza ela não tinha experimentado. “Assim com quantas mulheres você já esteve?” Ele fez um som de desgosto. “Elas foram poucas e distantes entre si. Mas eu sou um homem adulto, Arizona.” Então na defensiva. Afiada com escárnio, ela disse “E você tem necessidades?” “Todo mundo tem essas necessidades, incluindo você.” Quando ela começou a sacudir a cabeça, ele a cortou. “Você tem. E isso nos traz ao círculo completo. Você conhece sobre abuso, mas você não sabe nada sobre o verdadeiro dar e receber que deveria acontecer entre os lençóis.” “Nem sempre entre os lençóis.” Ele fez uma pausa. “Não.” Ele deu um passo mais perto, então parou. “Há todos os tipos de encontros sexuais, em muitos lugares diferentes.” “E posições diferentes?” “Posições que você deve desfrutar.” Ele estendeu a mão, mas em vez de tocá-la, ele puxou de volta e acabou esfregando a parte de trás do seu pescoço. “Só que não começa com o sexo.” “Não?” “Tudo começa com uma atração. Uma atração mútua.” “Não é possível provar isso para mim.” Seu olhar procurou o dela, sua voz se aprofundou. “Eu sei. E esse é o meu ponto.” Havia tanta gravidade em seu tom que ela rolou os olhos. “Vá em frente. A atração mútua?” ela perguntou.

454


Lentamente, ele acenou com a cabeça. “Namorar, beijar, um toque ou dois. Preliminares de uma hora ou um dia. Procurado por ambos e compartilhado por ambos.” Isso soava tipo... Não horrível. “Eu sei que é assim que deveria ser.” Ela não era uma total desajustada social. Ela tinha visto em filmes românticos e ela tinha visto na vida real. Pessoas caminhando juntas, conversando. Em sincronia. Apaixonadas. Mas ele apenas negou que houvesse uma ligação entre o amor e o sexo, e ela tinha certeza de que jamais poderia confiar em sexo casual. Quase como se tivesse lido seus pensamentos, ele disse baixinho: “Pode ser muito bom quando ambos estão nisso juntos, participantes ansiosos.” “E você acha que eu preciso experimentar isso, hein?” “Você é uma mulher saudável. Eu odiaria ver a que a crueldade deliberada a impediu de conhecer tudo que a natureza oferece.” Por razões que ela não iria analisar, sua atitude a irritou. “Então me deixe ver se entendi. Você quer fazer as coisas para mim para que eu não tenha medo de foder. E então você quer que eu saia para encontrar outro cara que finalize o negócio?” Ela sorriu para ele. “Sabe o que, Spence? Do meu ponto de vista isso meio que faz você soar como um cafetão. O único problema é que eu não consigo descobrir o que você ganha com o negócio.”

Capítulo Seis COM SUA MANEIRA de transformar seus motivos em um propósito vil, Spencer teve que admitir que ele não havia se explicado direito. Deus sabia que ele não queria sair com qualquer outra pessoa. O pensamento de outro homem a tocando o deixava louco de raiva. Mas ele não era o homem para ela. Mesmo se não existisse uma diferença de idade, ela merecia alguém que estaria envolvido por longo tempo. Ela merecia alguém com uma visão ensolarada na vida.

454


Não só ele se opunha a se estabelecer de novo, ele estava tão longe de ser otimista quanto um homem poderia ser. “Eu não estava tentando forçar você a ter relações sexuais com ninguém.” O que ele mais queria era que ela não fosse... Machucada. Mas ele com certeza não poderia dizer nada disso para ela. “O que eu realmente gostaria é quebrar suas muralhas para que você possa deixar entrar as pessoas que gostam de você.” Ele deu um sorriso que ela não retornou. “Além de tudo, você pode ser uma mulher bonita e simpática.” Com uma mão achatada contra o peito, ela o empurrou para trás saiu de entre ele e a janela. “Não importa. Se eu vou ficar mais, eu quero que Trace conserte meu carro.” A rápida reviravolta o surpreendeu. “Você ficará?” Comigo. Ela fez um gesto de indiferença. “Por enquanto.” “Então eu avisarei Trace.” E ele poderia precisar de ajuda para a manter um olho nela. Os olhos dela se estreitaram. Ela hesitou e então ela se virou. “É melhor ir buscar as minhas coisas.” Levaria tempo para convencê-la de seus motivos. Spencer aceitava isso, então foi junto na mudança de assunto. “Que coisas?” “Minha mochila e o laptop. Eu não sou tão idiota quanto você e os meninos grandes machistas querem acreditar.” Ela abriu a porta da frente, e uma rajada forte de vento levou um punhado de chuva ao redor dela. “Oh menino, olhe para aquelas nuvens roxas de tempestade chegando.” Spencer fechou a porta. Ele entendia que ela mantivesse o laptop por perto. Mas o outro? “Você trouxe uma mochila com você?” “Sim, veja, eu não tinha intenção de voltar para o meu quarto de motel hoje à noite.” Isso o surpreendeu, mas ele estava satisfeito com a sua premeditação, especialmente que ela tivesse feito os planos para proteger a si mesma, e não outra pessoa. Ele tinha a sensação de que Arizona muitas vezes se colocava em risco deliberadamente. Devido à chuva, ele pegou o braço dela e a levou mais para dentro. “Pegarei suas coisas para você.” “Eu não derreto.” A chuva já havia umedecido a frente de sua camiseta e deixado seu rosto molhado. 454


Fisicamente ela era a mulher mais tentadora que ele tinha conhecido. Ele não queria testar a sua determinação vendo-a com roupas encharcadas que se agarravam ao seu pequeno corpo bem torneado. Mas, além disso, ele se preocupava. O céu tinha escurecido e ele sentia a eletricidade no ar. Logo a chuva seria uma tempestade completa, exatamente como na noite em que ela havia sido amarrada e jogada em um rio, uma noite em que ela teria morrido... E seria esquecida. Cheio de emoção, ele afastou um cacho úmido de cabelo do seu rosto. “Parece que a chuva se transformará em uma tempestade.” Assim que as palavras saíram de sua boca um relâmpago cortou o céu que escurecia. Segundos depois o trovão caiu, sacudindo as janelas. Arizona sorriu para sua apreensão. “Você acha que isso me incomoda, não é?” Ele estava com medo de que ela ficasse presa em memórias ruins. “Depois do que você passou, eu entenderia se isso a incomodasse.” “Sim.” Desta vez, quando ela pôs a mão no peito dele, Spencer suspeitava ser apenas para ter contato. “Você acha que iria me assustar um pouco, né?” Grato que ela estava com ele, Spencer cobriu a mão dela com a sua. Apesar de querer parecer forte, era pequena e delicada. “Assusta?” Ela riu. “Você sabe no que eu sempre penso durante uma tempestade? Sobre como Jackson me salvou naquela noite. Até então, a vida era algo que eu tinha que suportar. Mas depois disso, tudo mudou para mim.” Ela o acariciou uma vez e deixou cair sua mão. “Sinceramente, eu amo tempestades.” Jackson havia lhe dado um novo sopro de vida, e ainda assim, ela ainda não estava confortável com aquela vida. Se precisasse ela enfrentaria o mundo e para o inferno com as consequências. Ela reconheceu que Jackson valorizava sua vida, mas ela não compartilhava esse sentimento... Ainda. De uma forma ou de outra, ele planejava mudar isso. Com mais determinação que nunca, Spencer moveu para longe da porta. “Desculpe, querida, mas eu sou um cavalheiro. Irei buscar suas coisas, fim da conversa.” Durante vários segundos, ele observou enquanto ela considerava lutar com ele sobre isso. Ele percebeu o segundo em que ela cedeu. “Tudo bem, você quer ficar encharcado? Fique à vontade.” Ela entregou-lhe as chaves. “Tudo o que está no porta-malas. Mochila azul e um case 454


de laptop. Mas não se atreva a tocar em qualquer outra coisa.” Ela virou-se e se dirigiu para a sala. Agora ansioso para ver o que ela tinha no porta-malas, Spencer correu para fora da porta. Ele estava encharcado poucos segundos depois de sair da varanda. Ao invés de limpar o ar, a chuva engrossou a umidade quente de setembro. Vapor subia do asfalto, ocasionalmente varrido por rajadas de vento. Ele observou a área e não vendo ninguém e nada de errado, Spencer desbloqueou o carro. Descrença travou seus joelhos; ele tornou-se alheio à chuva. Entre uma variedade de itens de sobrevivência – água, cobertor, kit de primeiros socorros dispostos ordenadamente – viu um rifle de longo alcance, binóculos de visão noturna, facão, colete a prova de balas... Pá. Em cada canto e recanto ela devidamente guardava armas comuns e não convencionais. O que no inferno ela estava planejado? Ou será que ela considerava todas essas coisas itens de primeira necessidade? Por medo de que alguém pudesse ver, ele agarrou a mochila e laptop meio escondido por trás de tudo o mais, e fechou o porta-malas. Será que Jackson sabia que ela carregava um arsenal? Será que Trace e Dare sabiam? Um deles poderia tê-lo avisado! Mantendo ambos os sacos perto de seu corpo para protegê-los, tanto quanto poderia, Spencer correu de volta pelo caminho até os degraus da varanda e para a porta da frente. A chuva estava quase horizontal, ainda acertando suas costas, mas não batendo em sua cabeça como agulhas. Ele arrancou as botas, despiu a camisa encharcada e entrou em casa no tapete foyer. Arizona estava lá. Olhando fixamente em seu peito, seu sorriso arrogante desaparecido. Ah, inferno. Ele conhecia aquele olhar e o que significava. Arizona podia não perceber isso ainda, mas estava consciente dele como homem. E maldição se isso não fazia que sua consciência dela aquecesse. Spencer colocou as coisas no chão e deixou cair os sapatos no tapete. Quando ele se endireitou novamente, a chuva escorria sobre sua têmpora, seus ombros e em seus pelos no peito. 454


Ela olhou com tanta força, sua expressão quase tátil, que ele se sentiu agitado. Ele esqueceu o seu descontentamento sobre sua loja de armas. Palmas coçando com a necessidade de tocá-la, Spencer falou: “Você percebe como você está me afetando?” Levantando os olhos, Arizona encontrou seu olhar e esboçou um sorriso irônico. “Desculpe por isso.” Apesar da cor escura de cor suas bochechas, ela estendeu uma toalha e falou com a naturalidade de sempre. “Pensei que você poderia querer se secar.” “Obrigado,” Seu olhar voltou para seu peito. “Arizona?” “Você é tão enervantemente grande e você tem um corpo realmente incrível.” Com seu olhar assim, ele foi ficando mais duro a cada segundo. Spencer tocou-lhe o queixo para levantar o olhar. “Eu acho que o seu corpo é atraente, também.” Bufando, ela disse: “Eu não estou correndo molhada sem camisa.” Graças a Deus. Lutando contra um sorriso em seu próprio desconforto, Spencer disse: “Você poderia tentar.” “Ha!” Ela pegou sua mochila e se virou. “Espero que você não se importe, mas eu vou fazer uso de seu banheiro antes que a eletricidade acabe.” Arizona. Em seu chuveiro. Nua e lisa de sabão... “Faça isso rápido,” ele disse enquanto ela se afastava. “Não é seguro com tantos raios.” A porta do banheiro foi fechada enquanto ele ainda estava no meio da frase. Bem, maldição. Sem mais motivos para a modéstia, Spencer tirou sua calça jeans lá no hall de entrada e levou tudo para a lavanderia, onde também tirou sua cueca e meias. Enrolado na toalha, ele foi para o banheiro privado em seu quarto. Seu chuveiro seria frio e então talvez, depois de ter colocado a sua libido sob controle, ele e Arizona poderiam analisar seus planos para o dia seguinte. E com um pouco de sorte, ela confiaria nele o suficiente para explicar as armas em seu porta-malas, inclusive a pá.

454


***** Depois de um banho longo que não fez nada para aliviar sua tensão crescente, Arizona escovou os dentes, secou seu cabelo e vestiu uma camiseta cinza grande e solta e calção. Normalmente ela dormia apenas com uma camiseta e calcinha, mas desde que estaria compartilhando a casa com Spencer, faria uma concessão para a modéstia. Ela arrumou o banheiro novamente, colocou as roupas descartadas de volta em sua mochila, não deixando nenhum sinal de que ela esteve lá. Spencer não era limpo ao ponto de ser chato, mas ele mantinha as coisas limpas e organizadas. Ela amava sua casa, e o banheiro era especialmente legal com as peças em preto-ebranco de aparência clássica. As toalhas combinavam com a cortina do chuveiro combinado com a cortina da janela que combinava as imagens decorativas e bugigangas. Sua esposa devia ter sido uma pessoa realmente caseira. Arizona a imaginava em um avental, assando biscoitos com um sorriso doce. Não admira que Spencer a amasse. Não era de admirar que, mesmo depois de três anos, ele não pudesse superar sua perda. Sabendo que tinha tomado o máximo de tempo que podia, Arizona parou de evitar o inevitável e abriu a porta do banheiro. Descalça, ela foi em busca de Spencer e o encontrou o deitado no sofá da sala, assistindo TV e bebendo uma cerveja. Ao som de sua chegada, ele virou a cabeça e olhou dessa forma que os homens faziam quando apreciam a visão de uma mulher. Ele lutou, mas sua atenção estava nela, parando nas pernas durante vários segundos de parar o coração antes de voltar para seu rosto. Ela deveria ter ficado desconfortável por ser olhada assim. Antes de Spencer, sempre ficava. Agora... Agora ela não sabia o que sentia, mas definitivamente não era desconforto. Spencer não era como os outros homens que ela havia conhecido. Ele não era um verme nojento como os animais que a tinham levado, ou aqueles que tinham pagado por ela. Mas ele não negou a sua sexualidade, como Jackson, Dare e Trace tentaram fazer. 454


Principalmente... Ele parecia aceitar. Assim como a ela. “Hey.” Ela passou por ele, indo ao redor da mesa de café para colocar a mochila perto da porta da frente onde tinha deixado o case do seu laptop. Com Spencer ainda a observando, voltou para sentar do outro lado do sofá. Ele olhou na direção onde tinha deixado a bolsa, em seguida, de volta para ela com uma pergunta em seus olhos. Apoiando os pés sobre a borda da mesa, Arizona controlou seu sorriso e olhou para a televisão. “Então o que estamos assistindo?” Silêncio dominava a sala. Podia sentir sua atenção extasiada tocando nela, toda ela. Obrigou-se a olhar para ele com uma sobrancelha levantada. “O gato comeu sua língua?” Balançando a cabeça, ele novamente olhou para a mochila, mas aparentemente decidiu não perguntar por que ela a colocou perto da porta. “Desculpe!” Um leve franzido na testa, ele meio que se virou para ela. “Quer uma cerveja?” Ela torceu o nariz. “Não. Meu pai costumava enxugar essas coisas como um louco.” “Isso incomoda você?” Ele sentou-se para frente como se fosse colocar a garrafa longe. Arizona o deteve. “Isso não acontece. Realmente, eu meio que gosto do cheiro, só não gosto de beber.” Depois de medir a verdade em suas palavras, ele assentiu. “Outra coisa, então?” “Não, obrigado. Eu já escovei os dentes.” Passando a mão sobre o material macio de seu sofá, ela disse: “Vou dormir aqui?” Segundos passaram novamente. Ele soava rouco, quando disse: “Aqui na minha casa, sim.” “Eu quis dizer aqui, no sofá.” “Eu tenho um quarto você pode usar. Eu teria colocado o laptop lá, mas o case estava molhado. Eu posso levar as coisas para lá agora, se você quiser.” A ideia de usar o quarto de hóspedes não ocorreu a ela. Ela não era uma convidada de verdade, mais como uma intrusa. E a ideia de estar presa... Ela lutou contra um arrepio.

454


Antes que ela pudesse descobrir como explicar suas reservas, ele olhou para o relógio. “Você já está pronta para dormir?” “Não, na verdade.” Puxando uma manta das costas do seu sofá, ela recostou contra o braço e esticou as pernas na direção dele. Ela parou quando seus pés tocaram seu quadril. “Se importa se eu fico confortável aqui agora?” “Não.” Ele entregou-lhe uma almofada gorda. “Fique à vontade.” Depois de uma longa hesitação, Spencer colocou a manta sobre seus pés. “Quero dizer, Arizona. Sirva-se de qualquer coisa que você precisa ou quer.” “Obrigada” Ela ajustou a almofada no seu lado. “Então, o que está passando na TV?” Estupefato, ele olhou para a TV e depois volta para ela. “Velhas reprises de MMA. Você quer que eu mude para outra coisa?” “Isso é bom. Eu gosto das lutas.” As artes marciais mistas a fascinavam. Soando mais como ele, perguntou: “Por que isso não me surpreende?” “Porque você já me conhece, é por isso.” Ela o observou por um momento e ficou curiosa sobre o seu interesse no esporte. “Você tem um lutador favorito?” “Uns poucos.” Sua grande mão veio descansar casualmente em seu pé. “Se você está em um humor falador...” Com o coração acelerado pelo toque em seu pé – pelo amor de Deus – Arizona deu de ombros. “Claro.” Ele baixou o volume da televisão. “Então, vamos falar sobre nossos planos para amanhã.” Que estraga prazeres. Ela gemeu. “Eu acho que você vai insistir?” Hesitação. “Você sabe que precisamos de coordenadas.” Sim, eles precisavam. Para se sentir confortável, ela virou-se para as costas do sofá com os joelhos dobrados sob a manta, a cabeça na almofada e olhou para ele. “Bem, chegaremos separadamente, você na sua caminhoneta, eu de ônibus para que possamos sair juntos depois” Ela advertiu-lhe: “Certifique-se de estacionar longe da entrada, para que ninguém nos veja juntos depois.” Inexpressivo, ele disse, “Naturalmente.” 454


“Eu entrarei e pego um lugar no bar. Digamos, cinco ou dez minutos mais tarde, você pode entrar e sentar em uma mesa.” “Por que não me sento no bar?” “Porque eu já estudei o lugar e foi aí que eu me sentei antes.” Ela rolou seus ombros. “É onde eu preciso estar para chamar a atenção. Você pode assistir as coisas com mais facilidade, sem ser notado, a partir da área do restaurante.” Ele não parecia feliz com isso, mas concordou. “Eu não vou esperar tanto tempo antes de entrar, no entanto.” Por que ele já parecia aborrecido? “Então venha mais cedo. Apenas seja discreto.” Seu polegar se moveu sobre o arco do pé, quase parando seu coração. “Este não é meu primeiro rodeio, querida.” Ela não era a sua querida, mas... “O que você está fazendo?” “O que?” Ela assentiu com a cabeça para seus pés. Como se não tivesse tomado conhecimento do próprio toque, ele olhou para sua mão e em seguida, acariciou com o polegar novamente. “Isto?” Ele puxou seus dois pés até a coxa. “Você está tensa.” Ela estava, mas pensou que havia disfarçado. “Sim, bem...” “Você não gosta?” Ele pressionou, friccionado, trabalhou em seus pés em uma massagem firme e profunda. E ela queria derreter. Sentia como se algumas partes estivessem derretendo. “Mmm. Eu gosto disso.” Spencer acalmou novamente, seu olhar penetrante, quente. “Nunca teve uma massagem nos pés antes?” “Isso é uma piada, certo?” “Então, relaxe e desfrute.” Era um pouco pessoal demais, mas ela estava gostando muito para fazê-lo parar. “Divirtase.” Ela respirou fundo e tentou levá-los de volta aos trilhos. “Ok, então você sabe, me ignore quando você entrar, certo?”

454


“Se eu fizesse isso, eles suspeitariam de algo.” Deixando de lado a cerveja, ele meio que se virou para ela e mantendo o olhar em seu rosto, trabalhou sobre os pés mais a fundo. Ossos derretendo de prazer a deixou sem fôlego. Ao observá-la, Spencer disse baixinho: “Nenhum homem com sangue nas veias vai deixar de notar sua presença, Arizona, pode esquecer essa ideia. Darei a você a mesma atenção que qualquer outro cara no lugar daria. Acha que pode lidar com isso?” Com suas pálpebras pesadas ela se aconchegou mais no sofá. “Claro.” Ele deu um meio sorriso. “Só para você saber, eu poderia ter de fingir interesse em outras mulheres, também.” Isso a trouxe para fora de seu transe sonolento. “Por quê?” “Porque se o lugar é o que nós pensamos que é, eles são irão desfilar os produtos. Se eu não estiver pegando as pistas, eles puxarão para trás e perderemos a oportunidade.” Ele estava certo, maldito. Ela não queria pensar nisso agora, e amanhã... Ela lidaria com isso. “Tudo bem, como quiser.” Seus dedos enrolaram no toque renovado. “Uma vez que você esteja no bar como reforço, eu deixarei cair algumas perguntas casuais, talvez paquerar um pouco, parecer vulnerável. Você sabe, tudo isso me fará parecer uma presa fácil.” “Você já fez isso antes?” Ela fechou os olhos e suspirou. “Sim. Muitas vezes. Funciona para atrair os canalhas sem escrúpulos.” Suas mãos se moveram até os tornozelos, apertaram, acalmaram, depois voltaram para os seus pés. Tão bom. “E quando os vermes se mostrarem?” “Você e eu podemos chutar suas bundas...” Ela engoliu o palavrão na hora certa, o que diminuiu a descrição do que queria realmente dizer. Esse negócio de segurar sua língua era um pouco mais difícil do que ela esperava. “Quase deixou escapar.” As mãos de Spencer pararam, apertadas. “Mas eu não gosto dessa parte do plano.” “Então o que você quer fazer? Docemente convencê-los a cair fora da face da terra?” 454


“Eu quero que você fique fora do caminho do mal e me deixe lidar com isso.” Ela olhou para ele. “Pobre Spencer. Você pensou que a massagem me faria mais agradável?” Essa era a razão dele fazer isso? “Sem chance.” Plantando uma mão na parte de trás do sofá e a outra perto de seu joelho, ele se inclinou sobre ela. E isso a alarmou um pouco. Ela estava quase deitada de costas. Ela estava com roupas mínimas. E um homem de seu tamanho e força poderia ser impor sem dificuldade. Ela disse: “Uh...” e considerou colocar o joelho em suas costelas. “Aqui está o que irá acontecer, querida.” Seu tom era calmo. “Você fará as perguntas certas, será adequadamente ingênua, e se alguém morder, nós saímos.” “Nós?” Ela olhou para sua garganta, para a flexão dos músculos em seu peito. Foco, Arizona. “Então você está não irá apenas me colocar para fora?” Ele balançou a cabeça. “Por enquanto, iremos jogar com calma para ver o quão profundo a operação vai.” Boa ideia. Sempre havia mais pessoas envolvidas além das mais óbvias. Ela engoliu e apertou uma mão em seu peitoral esquerdo. Sólido. “E depois?” “Uma vez que soubermos tudo com o que estamos lidando, de cima a baixo, em seguida, faremos um movimento. Um movimento bem pensado, com abundância de reforços.” Ele olhou para a sua boca, e sua voz era baixa. “Mas não antes disso.” Ele endireitou-se novamente. Arizona não tinha percebido que ela estava segurando a respiração até que exalou em uma onda gigante. E isso na verdade não era apenas o medo que sentia. Ela sabia disso, esse pensamento mexeu com ela. “Você me dará sua palavra sobre isso,” disse Spencer, recuperando sua atenção “ou nós dois estaremos fora.” Ele ficou lá olhando para ela, esperando e por algum motivo absurdo, Arizona teve vontade de rir. “Direi a você, Spence. Após essa maravilhosa massagem nos pés, irei concordar que se fugir for a única opção, eu sou toda para isso.” Voltando a sentar novamente, ela puxou os

454


joelhos para que seus pés não o tocassem e colocou as mãos sob sua bochecha. “Mas, se alguém me tocar, isso acaba.” “Ninguém irá.” Porque ele não os deixaria? Sua natureza protetora não a irritava tanto quanto deveria. “Sem mais conversa. Meu cérebro está cansado. Vamos assistir as lutas.” Enquanto ela se acomodava, Spencer passou a mão de seu pé até o joelho e de volta. Foi um toque casual, carinhoso, da maneira como se acaricia alguém que você gosta. Um familiar, platônico, toque emocionante. Mesmo quando ele deixou a sua mão lá, ela não se importou. Ela se perguntou como seus dedos quentes pareceriam em sua pele nua, e se mexeu. Sem afastar o contato, Spencer aumentou o volume e eles ficaram em um silêncio sociável. Antes que ela percebesse, Arizona se sentiu tão confortável e segura que esqueceu suas lutas diárias e sua desconfiança constante de todos e de tudo. Pela primeira vez, ela se sentia... Segura. Ela ainda sentia completa. Foi o mais maravilhoso dos sentimentos.

***** Foi provavelmente a conversa recente sobre a esposa de Spencer que a fez pensar em tudo que ela perdeu, a família que ela gostaria de ter e nunca teria, um lar com seus próprios... Filhos. Com a televisão ligada ao fundo, Spencer, uma presença reconfortante e tranquila ao lado dela, Arizona adormeceu. Quando ela relaxou sua guarda, seus pensamentos voltaram no tempo e os seus sonhos a levaram para o ferro-velho mais uma vez.

*****

454


Incapaz de desviar o olhar, ela assistiu o negócio acontecer. O cara que entregava o dinheiro lambeu repetidamente os lábios. Eles estavam escorregadios com saliva, e isso fazia sua pele arrepiar. O ar pegajoso da noite acrescentou suor à sua náusea crescente. Sons de grilos, o tráfego distante e um latido ocasional de cachorro rodavam em torno dela. A degradação tentou curvar sua coluna. Ela não deixaria. Uma olhada rápida ao redor não mostrou nenhuma rota fuga. Nunca uma fuga. Cerca alta encimada por arame farpado fechando o ferro-velho. Um guarda nas proximidades, reconhecendo a negociação olhava com um sorriso doente. Não olhe, não olhe... Mas seu olhar automaticamente procurou o pequeno barraco onde ela seria estuprada. Onde ela tinha sido estuprada antes. Sua visão diminuiu, escura e nebulosa. Sua garganta queimava, doente com a repulsa. Se ela corresse eles atirariam dela. Mas... Isso seria melhor ou pior? Oh, Deus, por agora, ela deveria estar paralisada. Em vez disso, ela sentia tudo, cada pensamento torto, cada intenção torcidamente maliciosa, cada dor e cada humilhação terrível. Com a transação concluída, o homem de lábios frouxos dirigiu-se para ela. Seu coração batia muito duro, muito rápido. O pânico aumentou. E seu ódio cresceu.

***** MEIA-NOITE veio e se foi. Atolado em sentimentos muito crus para suportar, Spencer considerou se servir de algo mais forte para beber. Duas cervejas não tinha feito nada para entorpecer seu desejo crescente, tanto físico como emocional. Arizona tinha caído em um sono profundo; se ele ficasse bêbado não iria incomodá-la. 454


Mas iria diminuir sua concentração e em torno dela ele precisava estar alerta. Ele acabou com a cerveja, inclinou a cabeça para trás contra o sofá e fechou os olhos. Ele deveria ter ido para a cama, mas não queria. Tão absurdo quanto parecia, ele gostava de sentir isso, um tempo calmo e sossegado com ela. Até agora, ele a tinha visto com raiva, na defensiva, divertida e provocante. Mas raramente ela estava serena. Quando ela se moveu, seus pés pequenos cutucaram sua coxa. Ele curvou a mão ao redor de seu tornozelo, observando novamente a estrutura óssea delicada, como seu calor penetrou por sua pele. Se ele tocasse sua pele nua, seria tão suave, tão sedosa... Um pequeno som escapou. Ficando alerta, Spencer virou a cabeça e com apenas a luz da televisão, estudou seu rosto. Sem esses olhos azuis claros observando cada movimento seu, o impacto sobre ele deveria ter diminuído. Em vez disso se sentia como uma bomba-relógio esperando para explodir. Nenhuma mulher deveria ser tão sexy. Na pouca luz, o cabelo escuro brilhante caia em torno de seu rosto e ombros como seda líquida. E esse rosto... Cílios grossos, maçãs do rosto salientes, um nariz empinado e uma boca macia, cheia. Mas na verdade, ela poderia parecer uma bruxa, e com seu corpo poucos homens se importariam. Spencer afastou dela seu olhar, seus músculos tencionaram e se contorceram e suas entranhas queimaram com a necessidade. Luxúria volátil pressionava dentro dele como uma maré, ficando mais forte e mais forte cada vez que ele a via, mesmo quando pensava nela. Em torno dela, ele sentia um desejo diferente de tudo que já havia conhecido, e que o fez se sentir culpado por muitas razões. O desafio descuidado de Arizona o fazia quente com a irritação e a luxúria. Sua maneira crua de falar, sua curiosidade sexual, o deixava por vezes cambaleante, muitas vezes instável e ansioso para mostrar a ela tudo que havia perdido.

454


Ela mexeu de novo e seu coração bater mais forte. Sentia-se como um pervertido ficando meio duro por uma mulher adormecida, ela sabendo ou não em que direção iam seus pensamentos. Mas Arizona era perspicaz. Ela entendia a forma como a mente dos homens trabalhava, então ela provavelmente já havia assumido que ele tinha esses pensamentos. E lá estava o cerne do seu problema: ela tinha conhecido nada além de bastardos imorais que tinham tomado o prazer de forçá-la, feri-la, usá-la, a tratando sem respeito ou preocupação somente para apaziguar os seus próprios apetites doentios. Nunca, jamais ele faria qualquer coisa para fortalecer sua impressão sobre os homens, ou para aumentar suas feridas. Enquanto Spencer olhava, as sobrancelhas franziram e sua mandíbula apertou. Ela se encolheu, os ombros enrijeceram, suas mãos fecharam em punhos. “Hey.” Temendo o pior, ele segurou seu pé, deslizou sua mão até o joelho. “Arizona?” Ela mexeu de novo, um movimento espasmódico de pânico que parecia de grande angústia. Um pequeno grito quase silencioso escapou. Merda. Ele não podia suportar a ideia de que ela estava tendo um pesadelo. “Arizona.” Segurando seu joelho, ele deu-lhe um aperto suave. “Vamos, acorde.” Ela deu um giro com um grito sufocado, os pés voando, punhos prontos para a luta. Seu coração batia descontrolado enquanto se esquivava dos golpes e tentava contê-la. “Arizona!” Suas mãos pousaram em seus braços, imobilizando-a, mantendo-a quieta. “Sou eu. Spencer.” Silenciosa, fria e muito magoada, ela parou de lutar para olhá-lo com olhos arregalados e cheios de medo. “Você está bem, querida.” Ele afrouxou o abraço, dizendo novamente: “Está tudo bem.” Seu olhar estava em cima dele e ela lutou para levantar do sofá em uma posição de prontidão, os ombros para frente, os pés bem apoiados, o peito palpitante. Lágrimas molhando seus cílios. Chocado com a quebra repentina de calma, Spencer observou-a sem saber o que dizer ou o que fazer. 454


Ela analisou sua postura esparramada e com medo claro, verificou a si mesma. “Arizona,” ele repreendeu. Será que ela realmente pensou que ele a molestaria em seu sono? Depois do que havia passado, claro que ela pensaria. Suas mãos passaram por seus shorts soltos e sua camiseta. Não encontrando nada de errado, com os ombros caídos, e ela colocou os braços em torno de si mesma. Quando fechou os olhos, soltou uma respiração irregular. “Você caiu no sono no sofá,” Spencer disse no tom mais gentil que conseguiu encontrar. “Você não foi para a cama.” Porque eu queria ficar perto de você. Ele engoliu de volta que a admissão antes de falar. “Eu terminei minha bebida e estava assistindo o noticiário. É tudo.” Sua risada parecia fora de controle. “Claro que é.” Passando rudemente os dedos pelo cabelo, ela olhou para a porta da frente. “Você está pensando em fugir.” Spencer ficou tenso, pronto para ir atrás dela, se tentasse fazer isso. “Não.” “Oh, Deus.” Suas mãos trêmulas cobriram o rosto. “Desculpe, mas tenho que fazer isso.” Rapidamente ela se virou. “Arizona!” Ao comando duro em seu tom, ela congelou, respirando com dificuldade, tremendo. O que ele poderia dizer? O que ele poderia fazer para ajudá-la? “Em algumas horas irá amanhecer.” Ele sentou-se para frente, esperançoso. “Vamos tomar um café.” Ela balançou a cabeça com força. “Eu tenho que ir.” “Não, querida, você não tem que fazer nada. Você pode ficar.” Comigo. Ele balançou a cabeça. Procurando as palavras certas para convencê-la, ele disse, “Você provavelmente precisa usar o banheiro, certo?” Ela esteve dormindo por horas. De jeito nenhum a deixaria correr para a noite. Ela olhou para ele. Incerta. Preocupada. Incrédula. “O banheiro?” Ele assentiu com a cabeça. Se ela fosse ao banheiro primeiro, ganharia um pouco de tempo para colocar seus pensamentos em ordem e apresentar um argumento mais coerente e persuasivo. 454


“E você está descalça. E ainda está chovendo.” Lentamente, Spencer levantou, determinado a alcançá-la. “Todo mundo tem pesadelos, mel. Não há razão para se envergonhar disso.” Ele não se aproximou dela. Ainda não. Afastando para encará-lo completamente, sacudiu o punho na direção dele. “Você não sabe, então pare de agir como se soubesse!” “Você poderia me contar.” Isso fez com que recuasse um passo. “Não.” Ela enfatizou a negação sussurrada com um aceno firme de sua cabeça. “Está bem.” “Ok.” Caramba, mas ele desejava ter alguma ideia de como reagir a ela agora. Ele deu um passo à frente. “Mas se você quiser falar sobre isso, sobre qualquer coisa, por favor, saiba que irei ouvir e eu não julgaria.” Seu lábio franziu. “Ótimo. Obrigada pela oferta.” Mais uma vez ela passou a mão pelo cabelo. Indecisa, ela olhou em volta. “Meu carro estúpido está fora de questão.” “Porque quero que você fique aqui.” Comigo. Só comigo. “Eles confiam em mim, e você também deveria.” “Jackson, Trace, Dare... eles são como um bando de velhinhas intrometidas.” Amargor? Sarcasmo? Ele preferia isso que seu terror em qualquer dia. “Contarei a eles que você disse isso.” Outro passo em direção a ela. “Por favor, não fique constrangida. Não comigo.” “Por que não com você?” Indo para a ofensiva, ela perguntou: “O que o faz tão especial?” Boa pergunta, pensou Spencer. E encontrar uma resposta não seria fácil, não quando o que ele mais queria era abraçá-la, protegê-la, e... Reclamá-la como sua.

Capítulo Sete SPENCER ignorou suas próprias reservas, e porque ela precisava disso, ele daria um pedaço de sua alma. “Eu tenho pesadelos, às vezes, também.” 454


Olhos ainda úmidos, Arizona olhou para ele. “Eu duvido que sejam iguais.” “Não, não são os mesmos.” Não era fácil falar. Ele nunca fez isso antes. Antes de Arizona. “Em meus pesadelos, vejo minha mulher gritando para eu ajudá-la, mas eu não... eu não podia.” Arizona continuou em estado de alerta. Pelo menos tinha sua atenção agora. Sua respiração diminuiu e ela parou de tremer. “Sério?” Spencer assentiu. “Em meus pesadelos, eu sinto o medo dela e vejo aqueles homens fazendo coisas para ela que...” Ele trabalhou o queixo e forçou-se a dizer. “As coisas que eles podem ou não ter feito. Eu a ouço gritando, desesperada e em pânico e eu não estou lá.” Ele deu de ombros, impotente por não chegar nem perto de expressar como se sentia sobre isso, o quanto ele, porra, odiava. Arizona olhou para ele em silêncio, atenta. “Eu não pude ajudá-la. Eu não a protegi como deveria.” Sua expressão tensa, com o coração apertado, ele admitiu: “Os sonhos sempre acabam da mesma maneira, com ela levando um tiro e morrendo numa poça de seu próprio sangue.” Arizona se acalmou. Ela colocou os braços em torno de si mesma e disse em baixa. “Não é o mesmo, mas... terrível.” Ele andou o resto do caminho para ela. “Foi um desses sonhos que me levaram a Marla.” “Por quê? Eu não entendo isso.” “Às vezes, um pouco de contato humano pode ajudar a afugentar os demônios.” Uma mão em seu ombro, ele se aproximou. “Eu poderia usar um pouco de contato agora. E você?” “Sexo?” “Não.” Seu abdômen contraiu. “Conforto.” “Ah.” Ela ainda estava tensa. “Eu não sei. Eu nunca...” “Ter conforto não é algo familiar para você. Entendo.” Lentamente, ele a puxou contra seu peito, e Cristo Todo-Poderoso, era muito bom. Parecia a coisa certa. Com o queixo apoiado no alto de sua cabeça, ele sussurrou: “Isso não é tão ruim, não é?” “Não.” 454


Cuidando para não fazer nada que a assustasse, manteve as mãos nas costas e resistiu à vontade de beijá-la na têmpora. “Eu posso não saber todas as coisas que você passou ou como elas afetaram você. Mas você não tem que lidar com nada disso sozinha.” Ela se inclinou para ele e timidamente seus braços vieram ao redor. Talvez. Ele sentiu as mãos pequenas em suas costas, seu corpo macio, exuberante contra o seu. Ela acariciou o rosto em seu ombro, talvez para secar as lágrimas. De sua parte, Spencer manteve o toque o mais inocente possível. Ele preferia perder um membro que alarmá-la. Depois de alguns segundos, ela deu-lhe um aperto mais forte, mais duro. “Você é tão quente.” “E você está gelada.” Cuidadosamente ele esfregou as palmas das mãos para cima e para baixo nos braços nus. O desejo de encher suas mãos com seu cabelo longo, de pressionar contra ela, senti-la, queimava dentro dele. “Devo ajustar o ar-condicionado?” “Não.” Nada era simples com Arizona. “Por que não?” “É a sua casa. Você deve estar confortável.” Maldição. “Eu quero que você seja confortável, também. Eu gostaria que você acreditasse nisso.” Ela inclinou para trás para ver seu rosto. “Acho que podemos ficar aqui sendo melodramáticos, ou sentar e ficar confortável, ou podemos tentar dormir por mais algumas horas.” Ela bocejou. “O último está começando a soar bom para mim.” Sua tentativa de esconder seus sentimentos não o enganou. Ele entendia sua necessidade de manter-se composta, de parecer corajosa. Era tão jovem, tão estoica, que ele apreciava seus esforços, sabendo que poucos seriam capazes de agir desta forma. Spencer alisou o cabelo sedoso para trás e segurou seu rosto. “As coisas podem ser diferentes se você confiar novamente, se você enxergar um lado melhor das coisas.” Ela arqueou a sobrancelha esquerda. “Sim, bem, eu não estava planejando cortar os pulsos ou qualquer coisa. Você não precisa dar um sermão.” Quando ela tentou se afastar, ele segurou seus ombros. “Aonde você vai?” 454


“Banheiro?” “Ah.” Ela deu um passo fora do alcance e suas mãos caíram para os lados. Quando ela se afastou, Spencer sentiu-se como um verdadeiro filho da puta, observando o balanço de seus quadris nos shorts soltos, como as pernas bem torneadas faziam passos largos. Quando ela voltou um minuto depois, ele viu que o ar frio a tinha afetado e podia ver a saliência de seus mamilos sob a camiseta. Ela tinha seios firmes, pesados, ainda mais notáveis por seu corpo esguio. Bocejando de novo, ela foi direto para o sofá. Esfregando a parte de trás do seu pescoço, Spencer perguntou: “Você será capaz de dormir?” “Sim.” De forma improvisada, ela acrescentou: “Desde que você vá para a cama em vez de manter vigilância sobre mim.” De alguma forma, ele duvidava que ela dormisse. Será que ela estava planejando algo? Provavelmente. Spencer estudou. “Você estará aqui em algumas horas quando me levantar?” Suas sobrancelhas franziram um pouquinho, fazendo-a parecer mais interrogativa do que irritada. “Você quer que eu esteja?” “Sim.” Algo escureceu em seus olhos. Medo? “Eu quero que muito.” “Então eu estarei aqui.” Ainda incerto, Spencer a pressionou. “E se você tiver outro pesadelo?” “Não, eu não vou acordá-lo, por isso não sugira isso. É burrice. Eu sou adulta. E sei como cuidar de mim.” Ela aconchegou-se sob a manta. “Mas eu também prometem não sair fugindo pela a noite como uma mulher demente. Bom o suficiente?” Ele supôs que teria que ser. “Tudo bem.” “Agora vá embora ou serei obrigada a colocar você no mesmo grupo dos outros, que são verdadeiras galinhas chocadeiras.” Spencer se moveu para ficar na frente dela. Ele não poderia deixá-la, não gostava disso, então ele se agachou diante dela e alisou o cabelo. “Eu estarei logo no final do corredor se você mudar de ideia.” O que ele estava dizendo? 454


Ela colocou a mão sob o queixo e olhou para ele. “Mudar de ideia sobre o que?” Boa pergunta. Nem mesmo que ele estava inteiramente certo do que quis dizer. “Se você não puder voltar a dormir. Podemos falar, ou assistir TV ou fazer o café da manhã.” Ele puxou a coberta por cima do ombro. “Só me avise.” Como resposta, ela rolou os olhos, baixou a cabeça de volta para o braço do sofá e fingiu um ronco alto. Com um sorriso pequeno, Spencer apertou seu ombro e levantou para ir embora. Ele queria trazer para ela um travesseiro de verdade. Ele queria voltar a sentar e continuar... Apenas tocá-la. Mas empurrar Arizona de qualquer forma seria um erro. Então, em vez disso, ele ajustou o ar-condicionado, em seguida, entrou em seu quarto, fechou a porta e tirou suas roupas. Demorou um pouco, mas ele acabou dormindo. E pela primeira vez, seus sonhos não foram sobre sua esposa. Foram todos sobre Arizona. E eles foram surpreendentemente agradáveis.

***** ARIZONA cantarolava quando terminou seu banho. Não foi o pensamento de se vestir com roupas novas que iluminou seu humor. Detestava roupas destinadas a chamar a atenção, mas ela as aceitava como um meio necessário para um fim. Ela precisava ser notada no bar e por isso tinha escolhido uma roupa que garantiria isso. Então, não, não era a roupa; era Spencer que a fazia se sentir... Alegre. Estranho. Raramente se sentiu tão livre de preocupações e nunca por causa de um homem. Claro, ela adorava Jackson e provavelmente sempre o faria. O pobre rapaz havia se tornado seu dublê de... Tudo. Irmão mais velho, melhor amigo, companheiro e meio confidente. Jackson sabia coisas sobre ela que poucos outros sabiam, porque ele tinha estado lá e testemunhando em primeira mão enquanto arriscava sua vida para salvar a dela. Ela ficava quente com a vergonha e macia com gratidão cada vez que pensava nisso. 454


Jackson tinha feito tanto por ela e ela não tinha feito nada para ele. Ela era um fardo para ele suportar. Mais uma responsabilidade quando ele já tinha tantas. O desequilíbrio de seu relacionamento a deixou em dívida, defensiva e cheia de culpa. Ela precisava retribuir a Jackson tudo que ele tinha feito. Algum dia, de alguma forma, ela iria. Mas Spencer, sim, Spencer parecia mais com um verdadeiro parceiro. Havia igualdade. Ela teve um pesadelo de merda, e a que irritou. Mas ela também tinha visto a expressão em seus olhos castanhos escuros quando ele compartilhou seus próprios pesadelos. Foi a partilha que fez toda a diferença. Quase desde o começo, eles tiveram uma liga. Com alguma sorte, eles poderiam se unir ainda mais, combinando esforços para levar cretinos à justiça. Fiel à sua palavra, ela estava sentada à mesa da cozinha de Spencer bebendo café quando ele acordou. Ela estava ouvindo, se perguntando até que horas ele dormiria, ansiosa para vê-lo, falar com ele, por isso é claro que ela tinha notado o minuto em que ele tinha deixado sua cama. Provavelmente pensando que ela teria fugido dele, ele correu para a cozinha, onde subitamente parou quando a viu. Com barba por fazer e seu cabelo despenteado, vestindo apenas cueca, ele olhou para ela. E ela tinha visto seu alívio. Porque ele realmente queria que ela estivesse ali. Seu coração fez aquela coisa estranha de saltar novamente. A barba era atraente o suficiente, mas o que esse homem fazia por um par de boxers deveria ser ilegal. Ele tinha um grande corpo alto. Ela reparou mais uma vez, e não em tom de admiração, mas da forma analítica como observava o físico de Jackson, Dare e Trace. Sendo fortes, altos e rápidos, com grande resistência e reflexos incríveis, eles foram construídos para impor sua presença. Spencer era tudo isso, mas ele também era um notável colírio para os olhos. Sempre que ele colocava esses olhos escuros olhos nela, ela sentia uma vibração estranha na boca do estômago. Não era desagradável, mas era desconcertante. 454


E assim, na primeira oportunidade, ela fugiria. Ela se sentiu um pouco culpada por isso também. Mas lembrando de que tinha que manter sua independência, que ela precisava provar seu valor a uns e outros... E especialmente a si mesma... A ajudaria a ir embora, enquanto ele tomava banho. Procurando por crápulas intrometidos, ela tinha verificado os arredores de seu antigo hotel, comprado as roupas que vestiria esta noite e um maiô para a visita a Dare, em seguida, se registrado em um novo hotel. Ela manteve seu telefone, certa de que Spencer chamaria... Mas ele não havia ligado. Ainda não de qualquer maneira. Ela se recusava a ficar decepcionada sobre isso. Ele iria encontrá-la hoje à noite para ajudar com sua missão e era isso que ela precisava. Com seu banho acabado, seu cabelo condicionado e seu corpo suavizado por loção perfumada, envolveu uma toalha em torno de seu cabelo e outra ao redor de seu corpo. Ela tinha acabado de sair do banheiro quando o celular tocou. Spencer. Recusando-se a analisar a corrida alegre de seu coração, ela tomou uma respiração calmante profunda e atendeu ao telefone. Sem dúvidas, ele teria ficado chateado por ela ter fugido ele tomava banho. Mas discutir com ele era quase tão emocionante quanto todo o resto que haviam compartilhado. Ela mal podia esperar. Sorrindo com antecipação, ela respondeu com um fingido e descuidado,” Alô?” “Você me deixou.” Seu pulso falhou uma batida com timbre baixo, oh-tão-familiar de sua voz. Ela não o tinha deixado. Ela tinha apenas... Saído. Por que ele fazia isso parecer tão pessoal? “Você notou isso, hein? O homem, Spence, você é realmente astuto.” “Você escapou enquanto eu estava no chuveiro.” Por que ele não estava furioso? Ela conseguiu escapar do seu olhar atento, o que mais ou menos provava que ela era melhor do que ele, certo? Isso deveria deixa-lo furioso. Em vez disso, ele parecia calmo e misterioso e... Ela não sabia o que. “Eu tinha algumas coisas resolver.” Então, ela lembrou: “Mas eu estava lá quando você acordou, como o prometido, certo? Eu ainda estava lá no café da manhã.” 454


“Esperando a hora certa?” Aborrecida, ela endireitou os ombros e aguçou seu tom. “Eu cumpri literalmente nosso acordo, assim como você fez quando contou tudo a Trace, mas não a Jackson.” Nada. Nenhum argumento, nenhuma resposta, nem mesmo um som de frustração. Sua falta de resposta estragou toda a diversão. Com um suspiro, Arizona desistiu e disse: “Eu tinha que ir às compras para ter algo apropriado para vestir hoje à noite.” “Então não foi só para se vingar de mim por falar com Trace?” “Não.” Bem, talvez um pouco. “Eu precisava mudar de hotel também, e... bem, tem o trabalho de preparação que uma menina precisa fazer antes de seduzir as massas.” “Eu queria que você ficasse.” Ah, Nossa. Ela ouviu sua decepção. E dane-se, isso aumento em muito a sua culpa. “Eu disse que eu não poderia ficar.” “Você e eu teremos uma longa e agradável conversa sobre o que se pode e o que não se pode fazer.” Ele parecia tão certo que ela concordaria que queria virar o jogo. Mas ela precisava manter a paz para que ele continuasse a trabalhar com ela. “Ok. Quando?” “Assim que você me deixar entrar” “Deixá-lo...” Seu controle diminuía sob a raiva crescendo. “Onde você está?” Uma batida firme soou em sua porta. “Abra, querida.” Em vez disso, ela se afastou da porta. Voz embargada com indignação, ela gritou, “Que diabos, Spencer?” “Eu não quero chamar a atenção aqui. Vai abrir ou não?” Ela olhou para si mesma. A toalha branca mal protegia sua modéstia duvidosa. “Não, eu não vou.” Ele poderia malditamente bem esperar que ela para se vestisse. Faria bem a ele esfriar a cabeça no lobby gasto do motel. “Você não tinha o direito de vir aqui.” “Vamos fazer do seu jeito.” Ele desligou a chamada. Grrrrr. Furiosa e decepcionada por ele desistir tão facilmente, ela apertou o telefone, considerou jogá-lo na porta e decidiu por exigir que ele voltasse e lhe desse a briga que ela precisava. 454


Ela marchou em direção à porta, mas quando ela estendeu a mão para a maçaneta, ouviu um som de raspagem dentro da fechadura. Ela conhecia aquele som. Ele estava entrando! Surpresa absoluta ergueu suas sobrancelhas e suprimiu sua raiva. Ela olhou ao redor da sala, começou a recuar, uma vez mais e a porta se abriu. Recolocando um cinzel de aço e uma chave inglesa em um pequeno estojo de couro, Spencer entrou, usou o calcanhar para fazer a porta fechar novamente, e virou-se para encará-la. Sua surpresa alarmada não era nada comparada à dele. Ao encontrá-la quase nua, coberta com nada além de uma toalha, ele estava em alerta máximo. Exceto por seu olhar todo sobre ela, ele não se mexeu. Quando ele finalmente chegou ao seu rosto, seus olhos escureceram. “Hey.” Hei? Era tudo que ele tinha a dizer? Arizona esqueceu seu estado de quase nudez. Bem, não, na verdade ela não esqueceu. Ela só esqueceu o quanto se importava com isso. Ressentimento a fez pular sobre ele, e ela o espetou com força no peito. “O que diabos você pensa que está fazendo?” Ele pegou seu dedo e segurou. “Você pensou que era a única que podia arrombar uma fechadura?” Ela empurrou para se livrar de seu agarre... E quase perdeu a toalha. Ela refez o nó acima dos seios e recuou. Mais moderada agora, ela murmurou, “Isso não é o que quero dizer e você sabe disso.” Uma sobrancelha levantada, ele se afastou da porta e deu um passo em direção a ela. “Eu disse que era bom em monitoramento.” “Você me seguiu, Spencer.” Ela não entendia o seu humor atual. “Isso não é a mesma coisa.” Dando de ombros, ele finalmente tirou os olhos dela e em vez disso olhou com atenção para quarto. “Bem perto.” Quando ele olhou para o laptop que ela deixou sobre a pequena mesa de cabeceira, ela baixou a tampa. Ela não estava olhando qualquer coisa privada, mas esse não era o ponto.

454


Ignorando isso, ele levantou a camiseta que ela tinha descartado sobre a cama e em seguida, o sutiã. Arizona arrebatou tudo para longe dele. Ela era uma pessoa arrumada e teria os guardado em sua mochila assim que estivesse vestida com as roupas novas. Sorrindo um pouco, ele disse: “Estou aliviado que você seja uma cliente rápida. Dentro e fora, em menos de vinte minutos. Admirável.” Ele tinha estado colado nos seus calcanhares o tempo todo! Ela agarrou o braço dele, mas não teve muita sorte em mudar sua posição. “Você estava no chuveiro! Como você soube que eu havia saído?” Apesar do seu agarre, ele foi até a janela, o que significou que ela foi até a janela, também. Ele afastou a cortina para olhar para fora. “Você achou eu confiaria que você ficaria? Não. Eu estava ouvindo você. É estranho, Arizona, mas já posso ler você.” Ele olhou primeiro para a mão no seu braço até que ela deixou cair e em seguida, para o seu rosto. “Eu sabia o tempo todo que você fugiria. Eu vi isso em seus olhos.” Ela queria negar, mas muitas vezes ele já tinha lido suas intensões. As implicações disso a aturdiram. “Ah, então eu tenho que confiar em você, mas não o contrário?” “Dê-me razão para confiar em você, e eu irei.” Ele caminhou até uma cadeira, ignorou-a e virou para sentar na ponta da cama. Arizona balançou a cabeça. Ela precisava se vestir antes de chegar perto dele novamente. Ao contrário do que ele havia dito, ela confiava nele, o que não deixava mais confortável se esconder debaixo de uma toalha. Spencer manteve o olhar em seu rosto. “Você queria saber o que eu fiz com Marla que a fez gostar de ter sexo comigo?” Seus olhos arregalaram a boca abriu. Ele não podia estar falando sério. Mas oh menino, ele com certeza parecia sério. “Uh... sim.” Ela realmente queria saber. A triste verdade era que ela havia pensado demais nisso enquanto tinha coisas mais importantes para resolver. “Então, vamos conversar.” Ele deu um tapinha no espaço ao lado dele.

454


Ela olhou para seu corpo quase à mostra, tocou a toalha em sua cabeça. “Tudo bem, claro. Apenas me dê dois minutos.” Ela virou em direção ao banheiro e seu secador de cabelos. Spencer se sentou para frente e pegou a mão dela. “Agora.” Ele a puxou – uma vez que ela realmente não resistiu – caiu sentada perto dele. Sua coxa nua pressionava contra o brim gasto e macio que cobria a dele. Ela respirou os aromas que se agarravam ao seu corpo, de pele aquecida pelo sol, loção pós-barba e... Macho e terra. Esforçando-se para manter a toalha fechada sobre suas coxas, Arizona vacilou. “Você sabe... Eu realmente deveria me vestir primeiro.” “Isso não vai demorar muito.” Ele olhou para as coxas dela por tanto tempo que o calor rastejou sobre ela, e seus dedos dos pés enrolam. Não era de todo uma sensação desagradável. Ela limpou a garganta. “Ok. Cuspa.” Seu olhar se deslizou até o entalhe de suas coxas, e depois para o peito, ombros e finalmente, ele encontrou os olhos dela. “Eu a estimulava por dentro.” Ele tinha levado tanto tempo para dizer isso que Arizona teve de sacudir a cabeça para entendê-lo. “Como assim?” “Um homem atencioso passa um tempo nas preliminares.” E ele era atencioso? Provavelmente. “Você quer dizer se beijando e apalpando e outras coisas.” Ela enrolou o lábio. Em sua experiência, isso só adiava o inevitável. “Se isso é o que ela gosta, sim. Muitos beijos e muito de tocar. Se fizer isso, me dá a oportunidade de conhecer as reações a várias coisas. Sabendo o uma mulher mais gosta e o que menos gosta, eu me ajusto.” Ele estendeu a mão, arrastando as costas de uma junta sobre sua bochecha. Arizona congelou, então respirou fundo. “Quando eu toco em você desse jeito,” Spencer murmurou: “Tem um certo olhar em você.” Ela estava afundando sob a sensação, mas agora ela deu um tapa na mão dele. “Eu não tenho um olhar.” Exceto, talvez, um olhar de medo, que ela lutava muito para esconder. Somente com Spencer, ela não estava com medo.

454


Um pouco preocupada, talvez, principalmente por causa da forma que ele a fazia sentir, não por causa de qualquer coisa que ele poderia fazer. Mas não havia medo real. Ele sorriu com compreensão e negou seus pensamentos, dizendo: “Esse olhar me diz que você gosta quando eu toco, desde que eu não tente levar as coisas longe demais.” Arizona esticou o queixo. “Como é o olhar? Descreva-o para mim.” “Mais suave. Mais quente.” Ele colocou uma mão em seu pescoço, de modo que as pontas dos dedos brincavam com sua nuca sensível. “Definitivamente mais quente.” Ela engoliu duro. “Eu pensei que nós estávamos falando sobre você e Marla.” Ele ficou muito sério. “Eu sei que você está inconsciente disso, mas um homem honrado não discute os detalhes íntimos de seu envolvimento com outras mulheres.” “Seu grande trapaceiro!” Ele não tinha nenhuma intensão de contar nada! “Mas,” disse ele, movendo a mão para apertar o ombro e contendo o aumento da sua raiva: “Eu posso dar-lhe generalidades.” Ela cruzou os braços. Isso teria que servir. “É melhor que seja bom.” Sua boca se contorceu em um sorriso torto, mas ele parou de rir dela. “Um homem inteligente aprende a ler as mulheres. Qualquer pessoa pode ter relações sexuais e tenho certeza que você sabe que os homens gozam muito facilmente.” Isso foi... Simples. Arizona olhou-o de soslaio. “Sim, eles gozam.” Com algumas caras, só de olhar para uma mulher era suficiente. Mas com os outros... Não. Ela não queria pensar sobre isso. Por apenas um momento, Spencer pareceu triste. “Certo. Então, sendo esse o caso, a forma que um homem tornar mais prazeroso é tendo certeza que a mulher goste, também.” “Isso é importante para você?” “É muito importante para mim.” Hum. Ela não podia imaginar por que, mas ela encolheu os ombros. “A maioria dos homens não se importa...” Ele colocou um dedo em sua boca. “Honestamente, querida, você não sabe com o que a maioria dos homens se preocupa, porque você não conheceu quaisquer homens reais, quaisquer 454


homens bons.” Sua voz caiu e ele olhou para sua boca. “Pelo menos, eu suponho que você não tenha sido íntima por opção, mas eu suponho que você poderia ter...” “Não.” Ela estremeceu com o pensamento. “Não havia ninguém antes de você ser vendida?” Ele a estudou. “Nenhuma vez depois ou talvez, em algum momento durante?” Ela bufou. “Antes disso, com meus pais, precisaria de muita artimanha para sair com alguém. Durante e depois...” Ela olhou para longe, dizendo novamente: “Não.” Ele passou a mão ao longo de seu braço, até o ombro, e acabou colocando no queixo. “Então, confie em mim. Homens saudáveis, normais amam excitar uma mulher.” “Como assim?” Ela conhecia tão pouco sobre o prazer de uma mulher quanto da existência de homens saudáveis e normais. “Os sons que uma mulher faz quando ela goza, como ela fica apertada.” A voz dele se aprofundou, virou rouca. “Como ela fica molhada e quente e fora de controle...” Ele se deteve. Ele com certeza fazia isso soar bem. “Vá em frente,” Arizona pediu em torno da constrição na garganta, peito e estômago. Spencer balançou a cabeça, seu olhar intenso sobre a dela. “Você entende o que quero dizer.” Calor corou as maçãs do rosto, a intrigando. Ela se afastou para avaliar melhor sua expressão. “Isso afeta você, Spence?” “Um pouco.” Ele respirou fundo, exalou e tornou-se mais grave. “Fazer uma mulher chegar ao clímax é uma corrida, e a maioria dos homens irá trabalhar duro para que isso aconteça.” Hum. “Então você está dizendo que toda mulher que você fodeu gozou desse jeito?” Depois de um longo olhar, sua risada abrupta quebrou a tensão. “Você é impagável, você sabia disso?” Não, ela não sabia. Ela sempre teve um preço e não era muito alto. “Evitando a resposta?” “Os homens irão mentir sobre seu sucesso com as mulheres. A maioria dos homens, pelo menos.” 454


“Mesmo os homens bons?” “Temo que sim.” Ele deu-lhe um olhar tão quente de afeto que ela sentiu em todos os lugares. “Por ser tão importante garantir que uma mulher goze também, ninguém iria quer admitir se ela deixasse sua cama insatisfeita. Seria um grande golpe para o ego masculino. Mas desde que eu te prometi honestidade completa, irei admitir que de vez em quando, isso me aconteceu.” Sendo teatral, Arizona colocou a mão ao peito. “Não.” “Dificilmente desde que eu amadureci e não por falta de tentativa da minha parte. Mas as mulheres são complexas. Muito mais do que os homens.” “Assim, mesmo uma mulher de quem não gostasse...” “Eu não faria sexo com uma mulher de quem eu não gostasse.” “Ah, bobagem!” De jeito nenhum ela iria deixá-lo sair com isso. “Os homens têm sexo casual o tempo todo.” “Assim como as mulheres,” ele concordou. “Mas tem que haver uma atração, o que denota pelo menos algum nível de respeito.” Dado o seu comportamento, ela sentiu vontade de provocar. “Nunca comprou sexo, né?” “Não, eu não comprei. Certamente não com uma garota menor de idade.” “Não tenha suas cuecas reviradas. Eu só fiz uma observação.” Sua carranca leve não se alterou. “Você percebe que há uma grande diferença entre uma mulher que escolhe prostituir-se e uma mulher forçada a fazê-lo?” “Sim, a que escolhe deve ser louca.” “O mais provável é desesperada, mas nem sempre. O ponto é que um homem de verdade nunca iria tentar forçar em uma mulher, ou participar de qualquer forma, quando alguém está forçando-a. Na verdade, ele faria tudo em seu poder para detê-lo.” Isso não tinha sido a sua experiência; ela sabia apenas que os homens fechariam os olhos, participariam ou iriam ignorar o óbvio. “Deve haver uma grande falta de homens de verdade no mundo.” “Essa é uma visão errada, mel, e mais cedo ou mais tarde você entenderá isso.” Para impedir seu protesto, ele continuou: “Eu faço o meu melhor fisicamente e espero estar lendo a 454


mulher direito para ir devagar quando ela quer que eu vá, mais forte e mais rápido quando isso é o que ela precisa, mas pode ser um jogo de adivinhação, e eu às vezes não alcanço o objetivo.” “Você já teve uma mulher que reclamou?” Ele sorriu. “Na maioria das vezes, eu sou bem sucedido.” Sim, ela podia acreditar nisso. “Fanfarrão.” “Sendo honesto, como eu prometi.” Ele disse a ela um monte de coisas sem qualquer nuance do âmago da questão. Mas, por agora, já que ela estava um pouco superaquecida, decidiu deixá-lo ir. “Obrigada pela aula.” Ela bateu as mãos sobre os joelhos nus. “Tem sido ótimo, mas agora eu preciso...” “Dê o beijo que você me deve.” Seu estômago caiu, as pernas ficaram moles, e sua espinha dorsal congelou. Uma sensação não de alarme, mas provavelmente mais como antecipação, agitou dentro dela. Spencer trouxe seu rosto perto do dele. “Você xingou.” “Eu não.” Ela tinha?.. “Quando?” “Quando entrei aqui. Duas vezes na verdade, então eu suponho que, se formos precisos, você me deve dois beijos.” O que ela disse? O que ela tinha... Oh, sim. Lembrou da sua explosão e seus enganos. Mas isso foi em parte culpa dele. “Você me pegou de surpresa.” “Eu sei. E está prestes a acontecer de novo, então você pode muito bem se acostumar a pagar suas dívidas.” Seu pulso saltou. “Eu não sei se eu posso.” Deus, ela odiava o quão baixa sua voz soou, quão fraca e tola. “Spencer...” “Você não teve nenhum beijo agradável, não é?” “Não.” Ela amenizou isso com, “Eu ofereci a Jackson, mas você já sabe disso.” Ele assentiu com a cabeça. “E já que você ofereceu por razões erradas, ele recusou.” “Ele teria me recusado de qualquer maneira, não importa o motivo.” Ela encolheu os ombros. “Como eu disse, ele sente pena de mim.” Spencer deixar isso de lado para dizer: “É apenas um beijo. Por que isso assusta você?”

454


Engolir foi difícil. Ela balançou a cabeça, sem vontade de derramar suas entranhas. Ele provavelmente a via como corajosa; ela se esforçou o suficiente para dar essa impressão. Mas sabia a verdade: ela era uma terrível covarde. “Eu fui honesto com você, Arizona. Você não pode me dar a mesma cortesia?” Ele alisou sua mão para cima e para baixo em seu braço. “Diga-me. Do que você tem tanto medo?” Ela olhou para a porta do banheiro, o tapete, sua mão em seu braço. Tudo bem, ele queria honestidade? Ela encontrou seu olhar. “Mais cedo ou mais tarde, você irá pressionar.” Ele estava totalmente controlado agora, mas e se ele perdesse o controle? O silêncio encheu a sala. Ela esperava que Spencer negasse essa possibilidade. Que talvez falasse doce com ela. Talvez persuadisse. “Dê-me sua mão.” Tal comando calmo, mas firme fez seus dedos enrolarem na palma da mão. “Mas” Gentilmente, ele disse: “Você só está fazendo isso mais difícil para si mesma.” Aborrecimento veia à tona. Ele queria jogar este jogo estúpido, bem, ela jogaria. Ela tinha dado a sua palavra, e por Deus, ela iria cumprir. Com a face séria e fria, os dedos tremendo, Arizona estendeu o braço na direção dele. Oh tão suavemente, Spencer envolveu a mão dela na sua. Ele era muito maior, com a mão duas vezes o tamanho dela, mais áspera e mais grossa também. E tão quente. Por um curto período, ele apenas a segurou, olhando-a, seu polegar movendo-se sobre os nós dos dedos até que a pele se arrepiou, e as borboletas no estômago dela se revoltaram. “Relaxe.” Ele ergueu a mão em direção a sua boca, olhou para a palma da mão e em seguida, deu um beijo lá. Firme. Persistente. Seu pulso acelerou. Calor explodiu dentro dela. Sua boca estava quente, seu hálito úmido, seu abraço tão incrivelmente macio. Oh, menino. De repente, ele a soltou e caminhou de volta para a janela. 454


Ela manteve o braço estendido por um tempo até que se recompôs e o puxou de volta. “É isso aí?” Mãos na cintura, a cabeça baixa e os ombros rígidos, ele disse, “Desta vez, sim.” Desta vez? Ela segurou sua mão fechada contra o peito, mas a impressão de sua boca tocando sua pele sensível, como ele a olhou e como ele respirava ao fazer isso, manteve uma pequena vibração ricocheteando dentro dela. “Não haverá uma próxima vez.” “Você me deve outro.” Uma ameaça? Bem, dado o quão fraca ficava em torno dele, como ela olharia para ele? Caramba, mas ele a deixava confusa! Ela levantou. “Então, faça isso agora, da... dane-se você.” Mais uma vez divertido, ele se virou para ela. “Não, ainda não. Talvez mais tarde. Por agora, eu preciso falar com você sobre outra coisa. E sim, você provavelmente deveria se vestir primeiro.” “Por quê?” Ela cruzou os braços. “Está começando a afetar você?” “Eu tenho um tesão, então mentir não me faria nenhum bem.” Seu olhar caiu rápido e duro em seu colo e ficou preso lá. Bem, bem, bem. Em vez de angustiá-la, isso lhe deu uma dose de satisfação. “Bem feito.” “Seu olhar aguçado não está ajudando.” “Pobre de você.” Mas ela provavelmente deveria se recompor. Mas não foi totalmente assustador que ele a quisesse. Na verdade ela sabia o tempo todo que ele queria. Ele não escondeu sua atração. Portanto, esta foi just... “Arizona.” Em um acesso de raiva, ela arrastou o olhar para cima e apontou o dedo para ele. “Não se mexa. Estarei vestida em menos de três minutos.”

454


Capítulo Oito No segundo em que ela desapareceu no banheiro, Spencer deixou escapar um suspiro. A menina embalava um bom soco. Depois de ligar sua televisão para ter um ruído de fundo, ele deitou na cama com um gemido. Ele apenas beijou a palma da mão. Mas ele tinha ouvido a respiração acelerar, sentiu o tremor animado e ele queria tanto devorá-la. Da cabeça aos pés e – oh, Deus, todo o resto. Aquela pequena toalha acanhada... O que no inferno ele estava pensando, a impedindo de se vestir? Quando ele tinha se tornado um masoquista? Mas ele sabia. Desde o primeiro encontro com Arizona, ele colocou-se através do inferno querendo estar com ela, mas recusando-se a tirar vantagem de sua vulnerabilidade, empurrando

454


apenas para a satisfação sexual. Se ela fosse qualquer outra mulher, ele teria feito o seu melhor para atraí-la para a cama. Ela tinha essas incrivelmente belas pernas bem torneadas. Ele esfregou as mãos sobre o rosto, mas ainda assim via os músculos elegantes, suas coxas macias e pele da cor de mel. Até mesmo os seus pés pareciam sexy para ele, sendo pequenos e estreitos com um grande arco. E os joelhos adoráveis... Deus, ele estava mal. Resistir a ela em shorts era uma coisa; pelo menos na noite passada ela imediatamente cobriu com a manta. Hoje, na luz do dia, em um quarto pequeno dominado por uma cama, ignorar a cobertura pouco substancial de uma toalha minúscula era impossível. Merda. Ele ajustou seu jeans e se concentrou em se colocar sob controle. Sua característica única honestidade e curiosidade seria a morte dele. E pensando sobre ela, sobre seu corpo, não estava ajudando com sua ereção. Ele precisava se concentrar em outra coisa, como em proibir a variedade de armas em porta-malas. Ou o sua – Deus – terrível propensão em flertar com o perigo. Quando deslizou para fora atrás dela hoje, ficando longe o suficiente que ela não o visse, mas perto o suficiente para não perdê-la, ele chamou Trace, que estava muito infeliz ao saber que ela tinha escapado de Spencer. Com o carro fora da jogada e Spencer mantendo o controle sobre ela, Trace tinha assumido que ela estaria segura. E ele conhecia Arizona, então compreendia a difícil responsabilidade em que havia colocado em Spencer. Mas Trace queria que mantivesse a vigilância e ele queria ter uma discussão firme com ela. Sabendo que Arizona não apreciaria nenhuma dessas coisas, Spencer tinha assegurado a Trace que de uma forma ou de outra, ele a levaria de volta para sua casa e de alguma forma, ele encontraria uma maneira de mantê-la lá durante a investigação e o golpe final. Mas se ele não... A porta do banheiro se abriu rapidamente, quebrando seus pensamentos. Cabelo molhado, vestindo apenas um jeans baixo de equitação e uma camisa com nervuras, Arizona

454


voltou para o quarto. A julgar pela sua expressão e passos duros, ela não teve nenhum problema se recompondo. Suspirando, Spencer se sentou. Através do material fino da sua camisa, podia ver cada curva de seus seios e o contorno gordo de seus mamilos. Sua boca ficou seca. Ela parou ao lado da cama, com as mãos nos quadris. “Tudo certo, Spencer, algumas regras básicas.” Ele olhou para o rosto dela com raiva. “Número um, você vai ficar comigo.” Sua boca aberta se fechou. Depois de piscar duas vezes, ela balançou a cabeça. “Não, o número um é que você vai recuar um pouco.” “Nós fizemos um acordo,” ele lembrou. A raiva deixou suas bochechas um rosa escuro. “Eu não estava falando sobre isso. Eu estava falando de você me seguindo.” “Negado.” Ainda bem que ela não estava protestando sobre seu beijo, ele ficou de pé, enchendo o espaço estreito que tinha entre a cama e seu corpo. “Você ficará comigo, ou eu lavo as minhas mãos de toda essa coisa e você pode lidar com o trio dinâmico em vez disso.” Ela olhou para ele, e sua boca se contraiu. “Trio dinâmico?” Manter a atenção fora de seu peito era um tormento. “Ou como você quiser chamá-los. Você sabe que estarão pairando sobre você muito mais que eu.” “Sim.” Ela mordeu o lado de sua boca. “Eles irão me sufocar.” E ele estava contando que ela odiasse isso. “Exatamente.” Ela apoiou uma mão na mesa de cabeceira, tamborilando os dedos. “Você realmente faria isso comigo?” “Para garantir que você fique segura?” Ele moveria céus e terra. “Num piscar de olhos.” Ela tamborilou um pouco mais. “Eles vão estar em cima de tudo agora de qualquer maneira.”

454


Ele não mentiria para ela, negando isso. “Mas se você me tiver como sua sombra, eles estarão em segundo plano, não respirando no seu pescoço. Tome hoje como um exemplo. Se Trace não soubesse que eu estava seguindo você, um deles teria. E você estaria tendo uma conversa completamente diferente agora mesmo.” O tamborilar parou. “Mas não teria nenhum beijo.” Ela tinha gostado? Ou ainda estava lutando conta sua reação? “Dado que dois deles são casados e o outro está noivo, provavelmente não.” Ela riu. “Provavelmente, não?” “Eles são bons homens, homens honrados,” Spencer admitiu. Não havia dúvidas de que eram. Mas quando se tratava de Arizona... Ele deu de ombros. “Você é difícil de resistir.” Ela olhou-o de cima a baixo e deu um passo para trás. “Jackson resistiu muito bem.” Deus, ele não queria ouvir isso de novo. Por que ela continuava trazendo isso? Será que ela estava apaixonada por Jackson além do platônico? Pensar nisso o deixou agitado com uma mistura perigosa de emoções. “Vamos nos ater ao ponto. Para tornar as coisas mais simples sobre mim e sobre você mesma, você precisa ficar comigo até que se resolvam as coisas no bar.” Aumentando a distância, ela parecia pensar nisso. “Seu sofá é confortável.” “Eu lhe disse que você poderia usar o quarto de hóspedes.” Seu ombro levantou. “Você não me quer no sofá?” Agora, o que foi isso? Spencer cruzou os braços. “Eu não me importo se você quiser dormir no sofá, mas por que você faria isso quando pode ter seu próprio quarto? Você pode ficar a vontade lá.” E no caso dela se preocupar com isso, ele acrescentou: “Enquanto você estiver comigo, eu não vou empurrá-la para fazer algo que você não queira, exceto me beijar quando você amaldiçoar.” Ela lhe lançou um olhar sujo. “Eu não vou xingar de novo.” “Eu lhe darei o máximo de liberdade que puder. Ficarei fora do seu caminho. Mas se você for a qualquer lugar, eu preciso saber. Não mais fugir sozinha. Temporariamente.” Ela andava de novo, de cabeça baixa, com as mãos nos quadris. Quando ela voltou a olhar para ele, ela balançou a cabeça. “Certo, tudo bem.”

454


Ele foi para a próxima regra. “Não faça planos sem mim. Nenhum... Ou nós estamos trabalhando juntos sobre isso, ou nós não estamos trabalhando juntos em nada.” “Claro, tudo bem. Serei razoável.” Ser razoável? Duvidando, que ele não se preocupou em comprometer-se com a mesma regra. “Diga-me porque você tem tantas armas em seu carro.” Sem perder o ritmo, ela disse: “Eu gosto de viver.” Essa resposta contundente o atordoou. “Você precisa de uma pá para viver?” Ela ergueu o queixo. “Você sabe por que eu preciso disso.” Sim, ele provavelmente sabia, mas ele queria muito estar errado. “Ilumine-me.” “Se eu tiver que matar alguém, precisarei enterrá-lo.” Meu Deus! Spencer recuou para sentar-se na cama. Ele não deveria ter perguntado. Arizona, maldita seja, riu. “Oh, relaxe, Spence. Eu estava apenas brincando.” “Brincando?” Raiva o consumia quando olhou para ela. “Você acha que é engraçado fazer piadas sobre assassinato?” “Às vezes, sim. Depende da vítima de assassinato, certo?” Ela caminhava ao redor da sala como um tigre enjaulado. “Eu carrego a pá por muitas razões. No caso de eu ter meu carro atolado na lama, no caso de eu ter que usar minha faca e no caso de precisar esconder que a usei.” Ela encolheu os ombros. “É uma coisa para todos os fins, ferramenta útil.” Cético, ele disse, “Você não pretende matar alguém?” “Não diria isso.” O rosto dela ficou cuidadosamente em branco. “Se alguém precisar ser morto, se eu precisar me defender ou a alguém...” “Eu matarei.” Ele era treinado, ele era um homem, e... Ele queria protegê-la de tanta feiura quanto pudesse. “Eu não preciso de você para isso. Eu posso cuidar de mim mesma.” Mas ela não precisava, não mais. Mais firme, para ter certeza que ela entenderia, ele disse: “Se isso for necessário, se a situação se tornar violenta, eu serei o único a lidar com as coisas.” Seu peito levantou com respirações agitadas. “Assim como você matou Chandra Silverman, apesar de ser o meu direito?”

454


Eles já tinham debatido mais do que o suficiente a esse respeito. Mas ele sabia que suas ações relativas à organizadora má de uma quadrilha de tráfico humano tinha mais haver com a segurança de Arizona que com a vingança pela morte de sua esposa. Ela merecia construir uma visão normal da vida, não adicionar memórias desagradáveis por um assassinato – mesmo contra alguém que merecia a morte tanto quanto Chandra. Ela não percebia, mas isso não lhe daria um encerramento. Só iria escurecer mais seus sonhos. Dada à expressão lívida de Arizona, ela não concordava. Spencer se levantou e caminhou para ela. “Acalme-se por um minuto.” Esse condenado dedo pontudo dela cutucou duro em seu peito novamente. “Você acalme-se!” Ele agarrou a mão dela. “Isso é o suficiente.” Ela puxou contra seu domínio, em seguida, decidiu inclinar para ele em sua ira. “Uma coisa é você bancar o Cavaleiro Branco, mas se você acha que tem poderes para me mudar, esqueça.” “Mudar-lhe como?” Ele ainda segurava sua mão... E ela permitir isso foi uma surpresa agradável. Mais gentilmente agora, envolveu os dedos nos seus e puxando-a para mais perto, segurou-os contra seu peito. “O que você quer dizer com isso?” “Eu vi a violência. Eu vivi isso. E eu posso tomar um soco tão facilmente quanto qualquer cara.” Por cima do seu cadáver. “Você não é um cara.” Ela era uma vulnerável pequena mulher e ele não podia suportar a ideia dela ser fisicamente ferida. “Não importa. Agora que estou livre, eu pretendo ficar no final da entrega das coisas e não na recepção.” “Distribuindo vingança?” Sua mandíbula estava tensa. “Eu farei o que acho que é certo. O que é o melhor. Você pode ajudar ou você pode ficar fora do meu caminho.” Não, ela não iria se livrar dele tão facilmente. “Estou aqui para ajudar, se lembra?” Passou o polegar sobre os nós dos dedos tensos, esperando acalmá-la. Ela poderia dar um bom soco, 454


mas não tinha o poder necessário para cuidar de si mesma contra homens brutais, especialmente a raça imoral de vendedores de carne humana. “É por isso que precisamos de algumas regras básicas.” “Eu já concordei com suas regras estúpidas.” Era verdade. E uma vez que ele não a deixaria fora de sua vista, poderia a impedir de usar essas armas. A maior parte. “O que você carrega com você?” Entendendo a pergunta, ela relaxou um pouco. “Depende de onde eu vou. Usualmente uma faca, spray de pimenta e bastão de choque. O bastão é retrátil, para que possa caber na minha bolsa.” Ela indicou a grande bolsa desleixada onde parecia caber uma pia de cozinha. “Incrível.” Dando de ombros, ela acrescentou: “Se eu estiver me misturando e ainda assim quiser uma arma, eu carrego uma pequena Beretta Bobcat 1. É fácil de esconder. E se eu não tiver que esconder as coisas, então eu carrego minha Glock, talvez o meu rifle, também. E eu uso o meu colete. Se eu estou de tocaia à noite, tenho estes binóculos de visão noturna que vêm a calhar. Eles não são baratos, mas valem a pena o custo.” Totalmente armada e protegida, como um maldito soldado. “O que você pretende levar hoje à noite?” “Não muito, uma vez que as minhas roupas novas não irão tornar fácil.” Depois de soltar a mão, ela foi até a sua mochila e retirou um canivete. Ela apertou um botão e ele abriu. Mas novamente fechado era fino e seria fácil de esconder no fundo da bolsa. “Não é o meu favorito, mas terá que servir.” Ele cruzou os braços sobre o peito e observou. “Qual é o seu favorito?” Animada, ela tirou uma bainha de couro e deslizou uma faca grande, perigosa. A luz do teto fluorescente brilhava na lâmina quando ela virou para um e outro lado. “Meu bebê.” Seu coração ficou pesado com a visão da arma.

1

454


Chamar lâmina tática fixa de faca era ir muito além da imaginação. Não deveria ser usada para uma defesa rápida. Não, era para atacar e poderia causar uma série de danos se usada contra alguém... Ou se voltasse contra o proprietário. “Ela é uma verdadeira beleza, não é?” Ele tentou ser adequadamente interessado, ao invés de apreensivo. “Aço inoxidável, tanto-point2. Não reflexiva.” “Sim.” Arizona encaixou o cabo na mão. “Confortável, também.” Ela virou a mão, sua empunhadura segura, familiar. Spencer resmungou uma resposta. Olhando para ele, ela disse: “Eu tenho um cinto de nylon que me dá acesso fácil e a mantém escondida até que precise mostrá-la.” Ela sorriu. “Às vezes isso é tudo que é preciso. A maioria dos caras recua quando vê isso.” Músculos contraindo durante a sua explanação, ele respirou fundo. “Às vezes?” “Outras vezes...” ela repôs a faca na bainha e a colocou na parte de trás da bolsa .”.. nós lutamos. Mas para alguém que sabe como usá-la, uma faca é um equalizador fantástico, por isso não se preocupe, ok?” Fúria roubou seu bom senso e controle. Sua atitude arrogante desafiava a razão. Claro, ela poderia ser capaz de se manter contra um homem bêbado o suficiente, burro o suficiente ou completamente ignorante. Mas que ela pensasse, por um único segundo, que poderia impedir um bandido de virar aquela lâmina letal contra ela... Aparentemente inconsciente de sua fúria, ela retirou um catálogo. “Sabe o que eu realmente quero?” Ela folheou o catálogo até que chegou uma página dobrada. Vindo para o lado dele e praticamente inclinando-se para o seu lado, ela apontou para uma cara faca personalizada. “Não é legal?” Spencer ouviu apenas metade enquanto ela discursava sobre alças de titânio adonisado, abridores de polegar duplos e parafusos de articulação.

2

454


Contrariado, ele caiu para sentar-se ao lado da cama. “Você conhece facas.” “Eu conheço a maioria das armas,” ela concordou quando se sentou ao lado dele. “Mas facas são o minhas favoritas.” E a faca que ela mais queria era a que tinha comprado para si mesmo. A ironia bateu nele; amor a uma lâmina de qualidade era mais uma coisa que eles tinham em comum. “Assim que eu puder economizar o suficiente, vou comprá-la.” Os contrastes deixavam Spencer tonto. Ela sentou ao lado dele, jovem e muito doce no momento, discutindo armas. Ela era tão fundamentalmente feminina, com o rosto animado e seu tom leve... Mas ela falava sobre a compra de uma arma altamente letal que, se pressionada, ela usaria contra um criminoso mortal. Sua coxa tocou-lhe. O perfume inebriante encheu sua cabeça. E ela queria discutir quem tinha o direito de vingança. Determinado a se colocar em linha reta, ele a puxou de volta a seus pés, as mãos em seus ombros, sua expressão severa e seu celular tocou. Maldição. Ele vacilou, mas sabia que não podia ignorar a chamada. Se afastando dele, ela levantou uma sobrancelha. “Esperando uma chamada?” “Na verdade não.” Spencer olhou para o identificador viu que era Trace. Frustrado com a interrupção ele respondeu com um sucinto “Chamarei você.” Sem uma única pergunta, Trace: “Encontre-me no andar de baixo em vez disso.” E ele desligou. Bem, maldição. Definitivamente interrompido. “Desculpe!” Os olhos do Arizona se estreitaram. Spencer ignorou sua curiosidade para dizer: “Precisamos ir jantar antes de começar esta noite.” Ela correu o olhar do seu rosto para o telefone na mão e volta para seu rosto, mas ela não pressionou para maiores informações. “Jantar antes de irmos para um bar e restaurante?” Seu sangue gelou. De novo... “Deus Todo-Poderoso, Arizona. Diga que você não comeu lá.” Batendo os olhos para ele, ela disse: “Você acha que eles poderiam me envenenar?” 454


Como no inferno ela tinha sobrevivido por tanto tempo? “Envenenar você não. No momento, eles não querem que você morra. Mas drogar você? Isso sim.” “Sim, bem, para os fins que tinham em mente, os dois seriam a mesma coisa.” Ela fungou. “Mas não, eu não comi lá.” E então, com severidade acrescentou: “Dê-me um pouco de crédito, ok?” Sabendo que ela tinha acabado de enrolar de novo, Spencer rosnou. “Você poderia alguma vez dar uma resposta direta?” “Claro, e sim, precisamos comer. Estou pronta para um hambúrguer, se você estiver.” “Quanto tempo você precisa para ficar pronta?” Agora que ela tinha acalmado, sorriu. “Vinte minutos, mais ou menos.” Ela indicou seu rosto. “Tenho de arrumar um pouco para ter certeza que chamarei a atenção.” Ela chamaria a atenção, não importa o quê. Além de um corpo incrível e rosto de tirar o fôlego, ela tinha atitude e presença suficientes para virar cabeças onde quer que fosse. Ela respirava e qualquer pessoa com um pau notaria. “Bom, você promete me encontrar no andar de baixo quando estiver pronta?” “Juro de coração.” Ele a olhou nos olhos, acreditava nela, então abaixou para colocar um beijo em sua testa. “Beijo número dois.” Ele disse. “Ah.” Ela pareceu aturdida por um momento. “Bem... bom. Fico feliz em ter tirado isso do caminho.” Só para provar um ponto, ele a beijou mais uma vez, sua boca persistente contra sua têmpora. Ele sentiu o cheiro macio, limpo dela, deixando seu nariz tocar o cabelo úmido enquanto absorveu sua vitalidade quase elétrica. Trace estava esperando lá embaixo... E talvez isso fosse uma coisa boa. No mínimo, servia como um impedimento. Quando terminou o beijo e se afastou, ela permaneceu presa ao chão. Satisfeito com a reação, Spencer abriu a porta e disse por cima do ombro: “Não me faça esperar.”

454


***** Tomando seu tempo, Trace estudou o motel que Arizona tinha escolhido, fazendo anotações mentais de cada egresso, incluindo todas as janelas que se abriam. Ele rondou o perímetro, examinando a iluminação, os estabelecimentos próximos, o ambiente, o tráfego, e ele teve que admitir, ela tinha bons instintos. Ele circulou em torno de volta para a entrada do lobby para encontrar-se com Jackson, que tinha feito sua própria vigilância. Ele encontrou-o de pé do lado de fora das portas da frente, sorrindo, perdido em pensamentos – com certeza sobre seu casamento iminente. Ele tentou deixar Jackson de fora, mas dada a sua estreita associação com Arizona, Trace não estava surpreso que Jackson houvesse insistido em ir junto. Apesar de Trace não querer admitir, ele realmente gostava de Jackson e verdadeiramente o deixava aliviado que Alani estivesse apaixonada por um homem que poderia mantê-la segura. Sorrindo, Trace bateu em Jackson no ombro com força suficiente para fazê-lo tropeçar. “O que no inferno?” Jackson recuperou o equilíbrio e fez uma careta. “Você veio para trabalhar, então limpe a cabeça, certo?” “Está limpa.” A carranca de Jackson se foi e ele sorriu. “Exceto quando eu estou pensando em minha linda noiva.” “O que é, aparentemente, o tempo todo.” Trace assistiu a um casal entrar no motel, fez notas de outro homem que saía partida. “Para sua sorte,” disse Jackson, “Eu posso ser multitarefas.” Juntos, eles entraram no saguão do hotel. “Então o que você acha?” Jackson deu de ombros. “É um lugar que escolheria para mim.” “O mesmo aqui.” “Eu disse a você, Arizona não é uma retardada mental. Mas fisicamente ela continua sendo uma pequena mulher com mais arrogância que força.” “Spencer está mantendo um olhar atento sobre ela.” Jackson bufou com humor. “Sim, eu aposto que ele está.”

454


Hum. Trace o estudou. “Incomoda que ele esteja interessado?” Não que Jackson pudesse estar surpreso. A maioria dos homens solteiros estaria farejando Arizona, e provavelmente, um monte de homens casados infiéis. “Nem um pouco – a menos que ele a machuque.” “E se ele machucar?” “Teremos uma conversa.” No mesmo ritmo, Jackson se afastou para examinar os corredores internos, os banheiros, a máquina de venda automática. Trace o assistiu. Desde que Jackson e Arizona não compartilhavam um laço de sangue, não era exatamente a mesma coisa que ele sentiu quando Jackson começou a correr atrás de sua irmã, Alani. Mas perto o suficiente para enchê-lo de satisfação. A satisfação durou pouco. Será que Spencer inadvertidamente machucaria Arizona? O que ela havia passado a tinha deixado emocionalmente frágil, mas mesmo a investigação mais profunda não tinha descoberto nada no passado de Spencer que o mostrasse como menos do que um homem de princípios. Conhecendo seu passado, Trace entendeu o protecionismo que Spencer sentia por Arizona e para qualquer outra pessoa em necessidade. Ele era um homem decente, um defensor capaz, e infelizmente, desde o assassinato de sua esposa mais de três anos atrás, ele permaneceu livre de compromissos. Se ele optasse por prosseguir Arizona, Trace seria obrigado a acreditar que ele planejaria ir devagar e cuidadosamente. Mas Arizona... Bem, ela poderia tentar um santo, e ninguém na profissão de Spencer, com sua natureza letal, seria confundido com um. Felizmente, o trauma de Arizona não tinha sufocado sua independência ou a sua capacidade de falar o que pensa. Se ela não retornasse o interesse de Spencer, ela o deixaria saber. E Spencer respeitaria isso. Trace confiava que ambos eram adultos e poderiam decidir sobre seu próprio relacionamento. Mas, para estar seguro, ele planejava ter uma pequena conversa com Spencer de qualquer maneira. 454


***** Quando chegou até a entrada motel, Spencer encontrou Jackson ali, assustando os moradores. Eles caminharam um amplo círculo em torno dele, e Jackson, fingindo estar embriagado, deu-lhes muitos motivos para cautela. Então, esse era o seu disfarce? Pensou que ele viria com algo que lhe permitisse agir como pateta. Jackson era um maldito de um lutador, com reflexos afiados e uma intuição incrível. Mas ele também era discreto, descontraído e irreverente o que era o oposto de Dare e Trace. Trace tinha a vibração de um interessado empresário com uma vantagem mortal. Ele era uma força motriz que não poderia ser refreada e nenhuma pessoa inteligente sequer tentaria. Ele não era arrogante como Jackson, mas se portava com autoconfiança moderada e uma consciência aguda de sua própria capacidade. Dare, que ele encontrou algumas vezes, era mais quieto, muito descontraído sobre sua capacidade. Ele não falava muito e ele não precisava. Spencer gostava de todos eles. Quanto mais ele aprendia sobre suas operações, mais queria conhecê-los, mais ele aprovava seus métodos e respeitava a sua influência. Obviamente Jackson não queria que ninguém o notasse avaliando rotas de fuga. Balançando a cabeça, Spencer procurou Trace. Ele estava de costas para a escada, olhando para o estacionamento. Trace parecia menos preocupado em ser observado, quase desdenhoso do seu entorno. Ignorando Jackson, Spencer se dirigiu para Trace. Ele sabia que Trace estava ciente dele, provavelmente, tinha visto seu reflexo na janela grande, então ele se anunciou com: “Desculpe a demora.” Trace continuou a observar atentamente. “O que você disse a Arizona?” “Nada.” Isso o fez virar. “Ela não sabe por que você a deixou?” “Ela estava se arrumando.” Ele apoiou um ombro na parede. “Dar privacidade é o que qualquer cavalheiro faria.” 454


“E você é sempre um cavalheiro com ela?” Suas sobrancelhas franziram quando Trace perguntou isso. “É por isso que você está aqui? Isso é algum tipo de inquisição sobre minhas intenções?” O menor dos sorrisos desmentiu qualquer ameaça. “Eu duvido que você saiba quais são suas intenções neste momento.” Isso enfureceu Spencer. “Eu sei exatamente o que estou fazendo.” O pequeno sorriso se transformou em um grande sorriso. “Continue se dizendo isso, se lhe faz sentir melhor.” “O que no inferno isso significa?” Droga, ele tinha deixado o quarto do Arizona em um bom humor, e Trace havia rapidamente o arrastado para a merda. Trace sacudiu seu sorriso. “Ela não perguntou onde você estava indo ou quem chamou?” “Ela hesita se intrometer demais.” Então, lembrando seu interrogatório sobre sexo, Spencer repensou isso. “Ou talvez esteja sendo seletiva com quando e como perguntar.” Trace concordou com um aceno de cabeça. Com uma desconfiança crescente e alguma tensão, Spencer perguntou: “Você quer me contar por que está aqui?” Trace certamente tinha uma razão melhor para procurá-lo do que curiosidade. “Ela fugiu de você hoje.” O inferno que ela fugiu! Ele não gostou da maneira como Trace colocou isso. “Ela tinha algumas compras para fazer, isso é tudo.” “Ela saiu sem avisar você primeiro.” “Ela é independente. Você sabe disso.” Spencer trabalhou sua mandíbula. “Eu disse que tinha tudo sob controle.” “Você precisa entender uma coisa, Spencer.” Oh, tudo bem, ele entendeu. Isto era um aviso. “Eu estou ouvindo.” “Jackson aceitou Arizona como uma família, com a bênção de Alani. Priss e Molly gostam dela e têm empatia com sua situação, assim como Dare e eu.” Seu olhar nunca deixou Spencer. “Ela é uma de nós agora.” 454


Uma de nós? Foi o tom mais que a mensagem que deixou Spencer irritado. “O que isto quer dizer?” “Quer dizer que com ou sem você, iremos protegê-la.” Isso soou muito perto de uma ameaça, e Spencer se afastou da parede. Seus ombros erguidos e sua mandíbula cerrada. “Você acha que eu não posso? Ou não quero?” “Eu acho que os homens excitados, por vezes, deixam a cabeça errada tomar as decisões.” Jackson se juntou a eles para dizer: “Amém a isso.” Ele apontou para a virilha de Spencer. “Não pense com as bolas.” Achando os avisos um insulto, mesmo que com um pouco de verdade – Spencer fez uma careta. “Trata-se de um caso de fazer o que eu digo, não o que eu faço?” Trace: “Não.” Jackson disse: “Mmm... talvez.” Com um suspiro de tristeza, Trace balançou a cabeça. “Ignore Jackson. Ele é conhecido por ser guloso.” Inclinando-se, Jackson sussurrou alto o suficiente para que Trace ouvisse: “Ele quer dizer na cama, mas desde que vou me casar com sua irmã, ele não quer entrar em detalhes.” E assim o humor melhorou. Spencer descansou contra a parede para assistir a troca que se seguiu entre os dois homens. Trace olhou. “Você a engravidou.” “Sim.” Jackson suspirou teatralmente. “E saber que ela está carregando meu amor só faz com que ela fique mais sexy.” Trace rudemente entrou na frente de Jackson, o empurrando para fora, para falar com Spencer novamente. “Por enquanto, estou irei deixá-lo lidar com as coisas com Arizona.” “Puxa, obrigado.” Ele não se incomodou em dizer para Trace que ele não tinha intenção de se afastar, independentemente do que qualquer um deles dissesse sobre o assunto. “Hey,” disse Jackson, seu humor diminuindo. “Não recebo uma votação sobre isso?” “Você já fez o suficiente,” Trace disse a ele. Jackson abriu a boca, então sorriu e fechou.

454


Voltando para Spencer, Trace acrescentou: “Você pode a manter segura ficando por perto. Isso funciona para mim.” “Isso funciona para mim também,” Jackson disse a ele. “Perto é bom.” Trace falou por cima de Jackson. “Mas se Arizona decidir que ela não gosta do arranjo, então você está fora.” Ele havia se distraído com a interação entre Trace e Jackson. Agora, sua atenção estava de volta. “Eu decidirei quando termina, não você.” “Errado.” Jackson alinhou com Trace. “Arizona toma essa decisão. E nós iremos apoiá-la.” “Fique em seu lado bom,” alertou Trace. “Ou fique longe dela.” “Não vai ser fácil.” Jackson balançou a cabeça em simpatia. “Ela pode ser bonita... tentando irritar um cara. Mas é melhor não perder a paciência com ela. Se você acha que isso pode acontecer, melhor desistir agora.” Spencer ficou rígido. Aperte a sua capacidade e influência de longo alcance. Ele tomava suas próprias decisões e ele seria o único a decidir se e quando se afastar de Arizona. “Você não dita regras para mim.” “Então você está planejando dormir com ela?” Perguntou Trace. Isso realmente o deixou puto. “Não é da sua maldita conta.” Jackson cruzou os braços. “Claro que é.” Ele olhou em direção a Trace. “Ele é um cara. E Arizona é... bem...” “Não é fácil resistir,” disse Spencer entre os dentes. “Acredite em mim, eu sei. Mas eu sou um homem de trinta e dois anos de idade e ela não só passou pelo inferno, mas só é legalmente adulta há pouco tempo.” Trace nivelou um olhar sobre ele. “Então você tem apenas motivos altruístas nisto? Você está ajudando apenas por se preocupar com outro ser humano, nada mais?” Ele disse novamente: “Não é da sua maldita conta.” Nenhum deles ficou perturbado com o aumento da sua raiva. Jackson inclinou a cabeça para estudar Spencer. “Você tomou para si a responsabilidade de se associar com ela.” Por toda a... “Ela veio até mim,” ele lembrou. “Você sabe disso.” 454


“Então, se ela não tivesse,” Jackson disse: “você não a teria visto de novo?” Droga, ele não ficaria intimidado por qualquer um deles. “Nós nos encontramos algumas vezes.” “Por causa de Arizona. Não é como se você tivesse ido atrás dela, não é?” Ele não precisava, não quando cada vez que ele encontrou um dos caras, Arizona de alguma forma também estava lá. Mas ele seria condenado antes que continuasse a se explicar para eles. Ele ergueu o queixo e avançou... “Parem com isso, meninas. Vocês estão chamando atenção.” Arizona passou por Jackson e Trace dando uma cotovelada para ficar diretamente na frente de Spencer com uma carranca. “Você vai ficar com rugas.” Em seu primeiro vislumbre dela, o cérebro de Spencer ficou em branco. “Oh, meu Deus.” Mãos nos quadris, ela virou num círculo e olhou para eles, um por vez. “Vocês escolheram uma merda de um local público para comparar os tamanhos dos paus, vocês não acham?” Ignorando as palavras grosseiras, Trace passou seu olhar sobre ela e depois, lentamente, fechou os olhos. “Droga, garota.” Jackson tirou a jaqueta e tentou enfiar Arizona nela. Isso deixou sua arma exposta, mas não era tão ruim quanto Arizona atraindo tanta atenção. E dada a sua roupa, seu cabelo e maquiagem, ela podia fazer mais que isso. Lá se foram os jeans em favor de uma curta-realmente-curta-desbotada minissaia jeans. Um top preto baixo que fazia com que usar um sutiã fosse impossível e destacava a firmeza dos seios substanciais. Sandálias de tiras finas e grandes brincos de argola completavam a roupa. Mas ela não tinha parado por aí. Seus olhos azuis que eram a característica dominante nela, agora com os cílios exuberantes em camadas no rímel preto e os lábios rosa brilhante, ela parecia... Como um sonho molhado caminhando. Spencer esquadrinhou a área ao seu redor e viu que eles tinham, de fato, chamado a atenção. “Precisamos ir. Agora.” Trace rosnou uma queixa quando Arizona lutou sob os esforços de Jackson para escondê-la. “Esta vai ser uma fodida bagunça de primeira ordem.”

454


Arizona parou de se debater para dizer: “Se eu não posso xingar, você não pode, tampouco.” E Spencer finalmente se recompôs. “Você deixou alguma coisa no quarto?” Ela levantou a mochila, o laptop e sua bolsa. “Eu não vejo nenhuma razão para voltar aqui depois de comer, então eu tenho tudo aqui e no porta-malas do meu carro.” Isso significava que ela não tinha muito. Ele franziu o cenho quando pegou o laptop dela, mas sabia que teria que descobrir sobre a falta de bens pessoais mais tarde. “Vamos jantar agora.” Depois de puxar a mochila para longe dela, também, ele virou para Trace. “Você poderia...” “Cuidar disso, sim. Não se preocupe. Leve-a bem longe daqui antes de parar para comer, contudo.” “Melhor ainda” disse Jackson, procurando em todos os lugares como se esperasse que hordas de homens descessem sobre ela, “Leve-a em um drive-thru e comam no seu carro.” Ao redor dela, a protegendo da vista tanto quanto podiam, os homens saíram do motel em direção à caminhonete de Spencer. “Pare de empurrar!” Arizona reclamou e empurrou de volta contra Jackson. Spencer se colocou entre eles. Ele não gostava de Jackson tão perto dela. Além disso, Arizona era habitualmente mais razoável com ele. Perto de sua orelha, ele disse, “Apresse, querida. No caso de alguém vir procurá-la mais tarde, quanto menos de você for vista, melhor.” Ela obedientemente marchou à frente, mas continuou a lamentar. “Vocês são os que provocaram uma cena.” “Você não é tão ingênua,” Trace disse a ela. “Nunca disse que era,” ela retrucou de volta. “Então você sabe como está parecendo.” No lado do passageiro do caminhão, ela se virou e deu Trace um olhar sensual. “Então, eu fui bem sucedida?” Trace e Jackson olharam para ela. Toda ela. “Pelo amor de...” Spencer abriu a porta e levantou-a para dentro. “Pare com isso, Arizona.” Ele sabia que nenhum dos homens queria cobiçar, mas ela fazia com que fosse muito difícil ignorar, especialmente quando ela fazia uma pose sexy. 454


Depois de bater a porta de novo, Spencer disse a eles, “Eu chamarei mais tarde.” Ele circulou ao redor do capô, ficou atrás do volante e partiu. Ele não olhou para trás, e fez o seu melhor para não olhar para Arizona, também.

Capítulo Nove JACKSON sentia como se alguém tivesse acabado socar seu saco. Ele sabia que Arizona tinha que parecer matadora. Inferno, ele não era cego ou estúpido. Mas era mais que isso. Ela tinha uma sensualidade inata que, apenas com um único olhar, amarrava um cara. Se ele não estivesse apaixonado por Alani, se ele não soubesse o que Arizona tinha sofrido, se ele não tivesse um código moral profundo que o impedia de tirar proveito, bem... Ele teria sido tentado. Com Trace em silêncio ao lado dele, assistiram quando Spencer e Arizona desapareceram de vista. Ainda estupefato, ele se virou para olhar para Trace. Trace encontrou seu olhar e ele quebrou. Os dois riram por um momento antes de Jackson balançou a cabeça. “Porra você viu aquela garota?” Controlando o riso, Trace disse: “Teria sido difícil de perder.” Ele sorriu novamente. “Spencer viu, também.” “Sim.” Jackson passou a mão sobre a sua cabeça. “Vai ficar interessante.” “Vai ficar uma bagunça.” Ele virou-se. Jackson o acompanhou. “Arizona nem parecia perceber.” “Todas as mulheres percebem.” “Cínico, Trace. Verdadeiro cínico.” Ele balançou a cabeça. “Arizona é diferente.” “Isso é um eufemismo.” Ele examinou o pátio do motel, antes de entrar em seu sedan despretensioso. “Vamos, antes de perdê-los.” 454


Jackson prendeu o cinto de segurança, em seguida, esperou enquanto Trace saiu do estacionamento, mantendo uma distância discreta de Spencer. Mas isso o incomodava, remoendo em sua cabeça. Ele não gostava que Arizona subestimasse seu apelo e ele odiava que usasse a si mesma como isca. “Ela se vê como uma mercadoria, sabe?” Trace não disse nada sobre isso. “Ela pensa que é um corpo com um preço e não uma mulher com apelo sexual, uma inspiradora de tesão.” Trace olhou para ele com uma sobrancelha levantada. “Não o meu tesão!” Meu Deus, ele a havia rejeitado, não havia? “Maldição, você sabe como eu me sinto sobre Alani. Eu não quero que nenhuma outra mulher. Eu não queria mais ninguém desde que a conheci.” “Não vamos não insistir no ponto.” Jackson não prestou atenção ao desconforto de Trace. “Quero dizer, posso ver quando uma mulher é sexy. Eu não sou cego. Mas eu sou imune a...” Isso fez rastreamento rolar seus olhos. “Você não tem que me convencer. Eu não sou cego, então eu sei o que você quer dizer.” “Meu ponto é que Spencer vai ter um momento com ela. Claro, ele não está apaixonado por ninguém, então ele não tem que se sentir culpado por prestar atenção.” “Não,” Trace concordou, “mas sua consciência não vai deixá-lo esquecer do passado.” “Graças a Deus.” Jackson mudou quando avistaram a caminhonete de Spencer à frente, dizendo baixo: “Se ele se esquecer eu teria que bater nele. E realmente gosto dele, então prefiro não chegar a esse ponto.” “Se você tentar fazer isso, Arizona pode ter algo a dizer.” “Você acha?” “Nós dois notamos como Spencer reagiu a ela.” Ele olhou para Jackson. “Mas você notou como ela reagiu a ele?”

454


Jackson pensou sobre isso, então gemeu. “Sim, você está certo. Ela passou por mim para ir até ele, graças a Deus. Mas sabe o quê?” Trace levantou as sobrancelhas. Jackson sorriu. “Agora eu meio que sinto pena de Spencer.” Os dois riram sobre isso.

***** ARIZONA esperou o quanto pôde. Mas na verdade, o silêncio estava acabando com ela. “Tudo bem, diga. O que foi todo o barulho?” Quando Spencer entrou em uma lanchonete de fastfood, ele olhou para ela. “Você.” “O que eu fiz?” Ele ficou atrás de uma fila de carros esperando para fazer os pedidos. “Você saiu parecendo...” Seu olhar piscou para ela novamente. “Isso.” Ela ajustou o decote para cima, puxando-o um pouco menos, reorganizou para exibir mais o colo e ouviu respirar fundo de Spencer. Com um rolar de olhos ela disse, “Dá um tempo, Spence. Você já viu blusas decotadas antes.” “Sim, bem...” Ele se mexeu desconfortavelmente. “Há blusas decotadas, e há blusas decotadas.” “O que isto quer dizer?” “Você está mostrando um monte de coisas.” “E você já viu muitos peitos.” Ele resmungou algo que ela não entendeu. “Se eu parecer toda pudica e apropriada ou como a meu chato jeans simples costumeiro e uma camiseta, o quão eficaz seria isso para conseguir a atenção? Eu quero ter certeza que me notarão.” Ele deu um grunhido de incredulidade. “Isso não vai ser um problema.”

454


“Então, eu pareço um pouco ninfomaníaca desesperada? Como se eu fosse ser fácil de pegar?” “Você está...” Ele parou, balançou a cabeça. “Não importa.” “O que?” Ela estendeu a mão e deu um tapa no ombro. “Vamos! O que você ia dizer?” Ele deu-lhe uma longa olhada lenta, depois deu de ombros. “Você parece comestível.” “Ah.” Ela não tinha certeza do que fazer com isso. “Que bom que você aprova.” Esfregando a parte de trás do seu pescoço, Spencer olhou para fora do para-brisa. Quando os carros seguiram em frente, ele seguiu. Quando estavam próximo do guichê, ele perguntou: “O que você quer comer?” “Você está pagando?” Seu suspiro foi longo e dramático. “Sim.” “Então vou querer um cheeseburger, completo, com exceção de cebola. Fritas e um milk shake de morango.” Ele lhe deu um longo olhar, então guiou a caminhonete até a janela e repetiu seu pedido igual ao dela, mas o seu milk shake de chocolate. “Temos algum tempo para matar, por isso, poderíamos ir ao parque para comer enquanto falamos sobre o plano.” “Eu acho que temos tudo coberto, mas com certeza, se você quer passar por isso novamente...” “Eu quero.” Ele tinha sido um defensor dos, algo que ela admirava. “O parque parece bom, mas não vai estar enlameado?” “Nós vamos ficar no carro.” Ele deu um aceno de cabeça em suas pernas nuas. “Eu estou te guardando em segredo.” Desapontada que não iria desfrutar do ar fresco, ela torceu o nariz. “Considerando que em breve estarei em um bar exibindo minhas mercadorias, esconder agora é uma espécie de idiotice, né?” “Este plano é bobo. Se dependesse de mim, a gente desfaria tudo agora antes de alguém ver você.” Seu plano era perfeito! Como ele se atrevia a chamar de bobo? 454


“Mas pelo menos Dare concordou em vir para supervisionar as coisas.” “Ter Dare ao redor é sempre melhor, mas eu achei que você poderia lidar com isso.” “Se fosse só comigo, se não tivesse que me preocupar com você, então tudo bem. Sem problemas. Mas algo poderia dar errado, e não temos ideia de quantos bandidos podem estar dentro do bar.” “Quando eu estive lá antes, eu só vi alguns.” “O que não significa que não há mais. Eu posso cuidar de mim, e eu tenho saído de uma abundância de situações difíceis. Mas não com uma mulher junto.” Ele lançou um olhar quente em seu caminho. “E definitivamente não com uma mulher que se parece como você.” Ela assumiu que ele quis dizer uma mulher que procurava deliberadamente chamar atenção. “É melhor prevenir do que remediar, eu acho.” A última coisa que ela queria era que Spencer se machucasse tentando protegê-la. “Exatamente. Então, se Dare enviar o código para sair, isso é o que faremos. Entendido?” “Claro.” “Quero dizer isso, Arizona. Sem discussão. Sem hesitação. Não importa o que mais poderia estar acontecendo.” “Sim, entendi. Não bater o pé no chão.” Não convencido, ele fez uma careta. “Estou falando sério. Não importa o que...” “Eu estarei virando as costas e correndo no segundo em que você disser. Eu já entendi. Shhhh.” Depois de um último olhar longo, ele dirigiu até ter a sua vez de pagar e pegar a comida. Ela esperou em silêncio, enquanto ele mudava de direção e em seguida, se afastou. Embora ele continuasse roubando olhares rápidos para ela, dirigia em silêncio, sem dizer nada por um bom tempo. Isso incomodava, também, e finalmente, ela não aguentou. “Você percebe que você está parecendo um Neanderthal, certo?” Ele dirigiu para o parque que estava completamente abandonado nesta hora do dia. “E você está sendo ingênua.” “Ha!” Isso tinha que ser uma piada. “Como eu posso ser ingênua depois...”

454


“Maldita seja no inferno, Arizona!” Após parar a caminhonete em uma área isolada do estacionamento, ele virou-se para encará-la. “Não diga isso.” Uau. Ele parecia realmente chateado, o que a surpreendeu, mas estranhamente isso meio que a divertia. Colocando um olhar inocente, ela perguntou: “O quê?” Ele abriu o cinto de segurança e se inclinou em direção a ela. “Não se coloque para baixo. Não jogue o seu passado como uma desculpa para se colocar em perigo. E não use as coisas que foram forçadas a você como uma forma de humilhar a si mesma.” “Yeah, uh, a humilhação foi forçada em mim... como você disse.” Sua mão cortou o ar. “E isso acabou. Isso não é quem você é.” Seu olhar passou seu corpo. “Esta não é você.” A queimadura lenta começou. Ela abriu o cinto de segurança, também, e inclinou-se para a sua ira. A raiva por ela. “Isso na verdade, é exatamente quem eu sou.” Ele começou a falar, mas ela enrolou a mão em sua camisa e deu-lhe um puxão. “Eu sou uma vingadora, Spence. Acostume-se com isso.” “Não.” “Eu sou forte e eu sou inteligente,” ela acrescentou. “E o meu plano não é bobo.” Algo brilhou em seus olhos. Insultando-a, ele disse, “Você não pode suportar nem mesmo pensar em me beijar. O que no inferno você irá fazer quando um estranho se apoderar de você?” Sua atenção foi para a sua boca. Será que ele estava pensando em beijá-la de novo? “Você é a pessoa vomitando palavras proibidas.” Frustração aumentando, ele tomou-lhe o pulso, fazendo-a segurar a camisa ainda mais. “O que no inferno você está falando?” Ela trancou o olhar com o dele e teve grande prazer em dizer: “Eu não xinguei, mas você sim.” “Então? Eu já concordei em levá-la para o casamento de Jackson.” Ele balançou a cabeça. “E pare de mudar de assunto.” 454


“Eu irei. Assim que descobrir o que sua nova penalidade será. Além disso, você xingou duas vezes. Então eu deveria ganhar alguma coisa, certo?” O tempo se arrastou e uma nova tensão encheu o ar. “O que você quer?” Ela estava começando a desejar... Um monte de coisas. Coisas incomuns. Coisas que ela pensou que nunca mais aceitaria, muito menos esperaria. Seu hálito quente provocou a boca; ela podia ouvir seu próprio coração em seus ouvidos. Arrastando uma respiração estremecendo, ela sussurrou: “Eu posso suportar.” “Você está confundindo o inferno fora de mim, querida.” Nada de novo nisso. Ao redor de Spencer, ela também ficava confusa. “Quando você me beija,” ela anunciou fora. “Eu posso suportar.” Seu polegar movia sobre o seu pulso. “Do jeito que eu beijei você não é o que eu estou falando.” “Eu sei...” Ela rolou um ombro. “Mas esta noite será um ponto de partida, um período deixe-conhecer-você. As probabilidades são que apenas irão verificar os limites, para ver até onde eles podem ir.” “E se alguém empurra e passa da sua zona de conforto?” “Eu vou descobrir isso.” Ele ergueu os dedos à boca, bando mais um dos seus beijos especiais, em seguida, colocou a testa na dela. “Sinceramente, Arizona, não tenho dúvidas de que você pode fazer isto.” Igualando seu sussurro, ela disse: “Então qual é o problema?” “Se Terry Janes tocar em você, se ele até mesmo olhar para você engraçado, eu poderia ter de levá-lo à parte.” Ele roubou um beijo suave de sua boca, pegando-a de surpresa, então se acomodou em seu assento. “E isso seria um problema.” Esse rápido beijo doce a deixou temporariamente atordoada. Ele tinha feito isso tão casualmente, como se eles tivessem se beijado um milhão de vezes e levou um momento para suas palavras fazerem sentido. Ela repassou o que ele tinha dito... Spencer seria profissional, ela não tinha nenhuma dúvida sobre isso, então se concentrou no nome que ele tinha acabado de dizer. “Terry Janes?” 454


“Eu disse que o bar já estava no radar de Trace.” Inacreditável! Um pouco dormente, ela perguntou: “Terry é o cara que administra as coisas? O cara tatuado eu já havia percebido?” Spencer assentiu. “Ele trabalha o lugar. Ainda não se sabe quem está comandando o show, no entanto.” Ela realmente, realmente queria atirar nele. “E você só agora pensou em me dizer isso?” “Você,” disse ele, inclinando-se na direção dela novamente “fugiu de mim. Caso contrário, teríamos falado sobre isso depois do meu banho.” Seus punhos tremeram. “Faça isso.” Ele desafiou e alguma coisa escureceu seus os olhos. “Atreva-se.” Foi muuuuito tentador tirar esse sorriso do seu rosto... Mas não. Por que dar o que ele queria? “Eu deveria. Eu poderia.” Ela verificou uma unha, o epítome da indiferença. “Mas eu não estou em minhas roupas de chutar-bundas e temos negócios mais tarde, por isso não posso ficar despenteada. Estou lembrando do nosso propósito de estar aqui, mesmo que você não esteja.” “Seria difícil de esquecer com você vestida desse jeito.” Ele parecia ter se ligado em suas roupas. Arizona estendeu os braços para os lados e olhou para si mesma. “É discreta, comparada com o que os traficantes me obrigavam a vestir. Eu não tinha certeza se era atrevido o suficiente, mas como você continuar comentado, acho que é apropriado.” “Eu quero fazer um comentário.” “Estou ouvindo.” Estendendo a mão, ele tocou a bainha de sua saia curta. Os nós dos dedos roçaram o interior de sua coxa direita e fez seu batimento cardíaco acelerar. “Você não precisa disso.” Ele acenou com a cabeça em seu top. “Ou isso. Você pode usar seu jeans e uma camiseta simples e eu te juro, todo cara hetero ao redor ficará alerta.” Interessante. “Você tem certeza disso?” “Positivo.” “E se ele for um cara como Trace, Jackson...”

454


“Eles olharam.” Ele arrastou a ponta do dedo sobre o joelho... E, em seguida, deixou cair a mão. “A diferença é que eles podem apreciar como você se parece sem pensar em tirar vantagem, ou reivindicar você.” “Manterei isso em mente.” Exalando em um suspiro exasperado, ele olhou para fora da janela, estudando a área ao seu redor. “Arizona...” Ele trabalhou sua mandíbula antes de esfaqueá-la com um olhar determinado. “Eu vou ter que insistir.” “Você está fazendo um monte de insistir.” “Desculpe, mas eu sou apenas um homem, e eu estou fazendo o meu melhor aqui.” Ela não tinha ideia do que ele quis dizer. “Eu não quero empurrá-la.” “E se eu estou vestida sexy, você poderia?” “Quando você se veste desse jeito, eu tenho mais dificuldade em me concentrar no que eu quero fazer.” “Como me provocar?” Oh, Deus, agora ela estava colocando ideias na cabeça dele! “Exatamente.” Ele sorriu com antecipação. “E por falar nisso, você amaldiçoou.” Oh, não, ela não iria deixá-lo fugir com isso. “Mas você fez primeiro, portanto um cancela o outro.” “Não é assim que funciona.” De alguma forma, sem parecer se mover, ele se aproximou novamente. “Nossa aposta é que você iria refrear a sua língua, e pagaria um preço, sempre que não fizesse.” Recusando-se a parecer incerta, ela ergueu o queixo. “Ótimo. Devo uma.” Ele começou a se inclinar e ela rapidamente avisou “Mas terá que cobrar mais tarde.” Ele parou imediatamente. Legal. Não que ela esperasse que ele fizesse o contrário. “Irei pagar, mas justo é justo, porque você me deve, também.” Ele se sentou de volta, seu pulso esquerdo caído sobre o volante, o braço direito ao longo das costas do assento. Depois de um momento de consideração, ele deu de ombros. 454


“O que você quer?” “Detalhes.” “Não é um problema.” Ele lhe deu um preguiçoso, sorriso indulgente. “Eu iria contar a você tudo que pude descobrir sobre o Goose Green de qualquer maneira.” Arizona balançou a cabeça. “Não esses detalhes.” “Não?” Sua sobrancelha direita levantou. “Então o quê?” “Você vai descobrir isso mais tarde, também.” Satisfeita com sua carranca, ela abriu o saco de comida, e o vapor perfumado flutuou para fora. “Mmm. Vamos comer antes que os hambúrgueres fiquem frios.” Ela lhe entregou sua parte da comida, em seguida, abriu as batatas fritas e colocou no console entre eles. Grandes árvores sombreavam sua vaga no estacionamento, por isso, Spencer baixou os vidros para deixar entrar o ar fresco de setembro. Os pássaros voavam de árvore em árvore. As abelhas zumbiam. Uma brisa leve passou. “É um dia tão bonito depois da tempestade.” Com um som de acordo, Spencer abriu o hambúrguer e deu uma grande mordida. Enquanto ela comia, também o observava, espantada com a rapidez com que ele consumiu sua comida. Ela imaginou que precisava um monte de combustível para manter um cara do tamanho dele. Ao estudar seu perfil, Arizona voltou a observar o dano permanente na ponte do nariz. “Como você quebrou o nariz?” Seu olhar, que tinha estado focado à distância voltou para ela. Ele terminou de mastigar outro grande pedaço do hambúrguer, em seguida, tocou a ponte do nariz com dois dedos. “Isso incomoda você?” Arizona bufou. “Não.” Nada poderia prejudicar muito sua boa aparência. Ele era um pacote completo e não apenas um rosto bonito. “Na verdade faz você parecer rude.” Isso lhe valeu um sorriso torto. “Se você disser que sim.” Ele pegou mais algumas batatas fritas. “Então o que aconteceu? Leve-me através disso.” “Não há muito para contar.” Ele deu meia volta, ficou confortável com os ombros apoiados contra a porta. “Eu estava investigando sobre esse cara, Willy Glassman. Um idiota de classe 454


mundial. Violência doméstica, extorsão, resistência à prisão... Você nomeia e o velho Willy foi provavelmente o culpado disso. Depois que ele saiu sob fiança, eu o segui durante semanas. Finalmente o encontrei neste velho sítio no meio do nada. Ele e um par de amigos estavam na varanda da frente, ao redor de uma caixa de cerveja.” “Amigos?” “Descobri mais tarde que eram seu irmão e um primo. Os três estavam altos, bêbados, e eu estava tentando descobrir como pegar Willy com o mínimo de barulho...” Ele parou, balançou a cabeça. “O que?” Raramente tinha visto Spencer parecer tão imponente. “Aconteceu alguma coisa?” Esfregando a parte de trás do seu pescoço, ele pensou por um segundo, em seguida, agarrou seu milk shake. Arizona deu-lhe tempo para resolver as coisas. Ela sabia melhor do que a maioria como algumas memórias poderiam ser ruins. “Eu o perdi.” A maneira como ele disse isso, ele quase parecia... “O cara fugiu?” “Sim.” Apoiando a cabeça contra a janela, Spencer estreitou os olhos e firmou sua boca. “Eu nunca o peguei. Alguém eventualmente fez isso.” Incredulidade roubou seu ar. Porque Spencer era muito parecido com ela, determinado a vencer, Arizona sabia que não ficaria satisfeito com isso. Ele não era uma pessoa que falhava de ânimo leve. O que o havia desviado deveria ser grave. “O que aconteceu?” Ele mordeu o lábio superior, depois riu sem humor. “Até chegar mais perto, eu não percebi o que eles estavam fazendo na varanda. Eu não sabia que eles tinham um...” Arizona o observou engolir. Ela estendeu a mão e tocou-lhe o joelho. Ele cobriu a mão dela com a sua. “Eles estavam atormentando um cão.” “Atormentando?” “Ser verdadeiramente cruel. O pobre cão estava amarrado a um poste alto para que as patas dianteiras...” Arizona cobriu a boca, imaginando. “Eles estavam estrangulando o coitado por esporte.” 454


“Bastardos!” Ele assentiu com a cabeça. “Eu vi esse animal, vi o que eles estavam fazendo e fiquei totalmente fora de mim.” Ele colocou os dedos nos seus, deu-lhe um aperto, e depois soltou. “Em vez de tomar o meu tempo aguardando e esperando o momento certo para agarrar Glassman, eu disparei alguns tiros para que eles se escondessem dentro de casa, então eu cortei a corda do cão.” Graças a Deus que ele carregava uma faca afiada. “Você os deixou fugir?” Seu riso foi duro. “Não. Assim que o cão estava livre, eu entrei na casa e bati a merda fora deles.” “Sem brincadeira? Eu teria gostado de ver isso.” Fazendo uma pausa, ele lhe deu um olhar engraçado, riu de novo e balançou a cabeça. “Foi estúpido. Se um deles estivesse armado eu poderia não estar aqui agora.” “Nenhum deles tinha uma arma?” “Glassman tinha, mas ele fugiu. Eu acho que pensou que os outros dois deveriam dar conta de mim. E eles tentaram. Eu venci a luta, mas em algum lugar ao longo do caminho levei um chute no rosto e ele quebrou o meu nariz.” Encantada, Arizona o observou de olhos arregalados e elevada expectativa. “Chutaram você?” “Só me fez verdadeira e malditamente mais furioso.” Como se estivesse furioso outra vez, sua mão esquerda apertou. “Eu esmurrei os dois, quebrei alguns ossos e aleijei um joelho. Mas antes que você comece a ficar impressionada, eram inúteis, apenas isso. Você poderia ter batido neles.” Ofendida pela forma humilhante como ele disse isso, ela fez uma careta. “Puxa, obrigada.” Ignorando seu sarcasmo ele continuou. “Eu os algemei e chamei a polícia. Estava indo procurar Willy, mas assim que saí de casa, vi que o cão ainda estava lá. Ele deixou a varanda e foi se encolher nos arbustos, grunhindo e rosnando para mim e...” Ele balançou a cabeça e sua voz baixa. “Eu não podia deixá-lo.” Seu coração saltou. Poderia Spencer ser mais atraente? Ela não pensava assim.

454


“Acontece que eles tinham vários mandados. Da última vez que ouvi, estavam apodrecendo na prisão, que é onde ambos pertencem.” “Legal.” Conhecendo melhor que a maioria o quanto a realidade pode ferir, ela odiava a perguntar, mas tinha que saber. “O que aconteceu com o cachorro?” “O controle de animais queria levá-lo. Ele estava obviamente ferido, um pouco selvagem e com medo.” Spencer olhou para ela. “Ele não queria confiar em ninguém.” Oh, não. Não, não, não. Ele não faria comparações entre ela e o cão. Semelhanças existiam, então ela não podia culpá-lo, mas ela não queria que ele fosse lá. “Ele era uma mistura de pastor alemão, inteligente e com exceção dos sinais de negligência, muito bonito.” Segurando seu olhar, Spencer surpreendeu ao dizer baixinho: “Eu o levei comigo.” Enquanto Arizona apreciava sua bondade e estava grata que ele não houvesse abandonado o cão, ela não queria que ele a visse da mesma forma. Abusada, sim. Irritada, é isso aí... Desconfiada? Claro. Mas ela não estava indefesa como o animal tinha estado... Porque ela se recusou a estar. Ela havia tomado conta de sua vida e queria que Spencer a visse como uma pessoa capaz. Ela queria que ele a visse como igual. Demorou um par de respirações lentas e profundas antes que ela pudesse encontrar sua voz. “Você é um salvador regular de perdidos, não é?” A dor fez sua voz mais penetrante do que pretendia. Como se seu sarcasmo o entristecesse, Spencer focou nas árvores mais além, olhando para nada em particular. “Demorou um pouco, mas ele está curado.” Ele começou a tocar de novo, relaxante. “Ele abaixou a guarda.” “Onde ele está agora?” “Um bom amigo meu é veterinário. Ele me ajudou a trabalhar com Trooper. Ele ficou com ele quando eu estava longe e acompanhou sua recuperação.” “Trooper3?” “É como eu o chamei.” Ele deu de ombros.

3

Cavalo do Exército.

454


“De qualquer forma, meu amigo tem filhos e um grande quintal cercado, muita companhia. Trooper está feliz lá.” “Você o visita?” “Às vezes.” As semelhanças eram irritantes. Assim como o pobre Trooper, Spence queria reabilitá-la, “repará-la” e em seguida, entregar a outra pessoa. Sobre o seu cadáver. Após tomar resto de seu milk shake, decidiu que era hora de mudar de assunto. “Então você gosta de animais?” Isso soou bastante inócuo. “Claro.” Ele acabou a bebida, também. “Mas eu não estou em casa tempo suficiente para ter um. Não seria justo.” “O mesmo aqui.” Ela realmente adoraria ter uma casa. E tudo o que vinha com ela. Animais de estimação, grama para cortar, janelas para lavar, fotos para pendurar na parede... Mas o destino tinha decidido de outra forma, de modo que teria que ser em outra vida. Agitada pelo pensamento, ela começou a encher o saco de papel com as embalagens vazias e copos. Spencer ajudou. “Eu amo estar perto dos cães de Dare,” disse ela, só para encher o silêncio repentino. “Tai e Sargie são uns doces. E o grande gato de Priss, Liger, é um menino amável.” Spencer sorriu. “Que bom que ele é amigável, já que é tão grande.” “Vinte e três quilos de amor,” Arizona concordou. Ele pegou a bolsa dela. “O que você acha de Grim?” O novo gato novo de Jackson, recentemente resgatado no meio de uma missão, era o mais novo do grupo. “O nome combina com ele. Ele tenta parecer todo sério, mas com certeza ama Jackson.” Ela inclinou o rosto para se vangloriar, “Ele gosta muito de mim, também. A maioria dos animais gosta de mim.” Afeto apareceu no pequeno sorriso e nos olhos de Spencer. “Os animais são bons juízes de caráter.”

454


Ele parecia tão sincero, tão honestamente admirado, que atingiu Arizona, talvez lutar com ele não fosse mais o melhor plano. Talvez, em vez disso, ela devesse aproveitar sua oferta. Quantos caras bonitos, honrados e heroicos iriam cruzar o seu caminho? Spencer a queria, mas ele colocou seu querer em segundo plano e em primeiro sua preocupação com ela, independentemente de haver ou não justificativa para sua preocupação. Ele discutia com ela, sem perder a paciência. Ele confiava em sua honestidade o suficiente para fazer negócios com ela. Ele sorria com ela, era honesto, e ela o respeitava. Será que doeria explorar os sentimentos estranhos que ele inspirava? Quando Spencer se inclinou para ela, percebeu que estava olhando para o espaço, perdida em pensamentos. Ele lhe deu um sorriso torto. “Você ainda está comigo, querida?” “Sim, me desculpe.” Mesmo para ela, sua expiração soou como um suspiro fantasioso. “Eu só estava pensando.” “Em que?” ele perguntou. “Nada demais.” Ela o cutucou com o ombro. “Devemos começar a nos mexer. Eu não quero correr o risco de perder os principais jogadores.” Curiosidade o manteve estudando-a até que seu sorriso vacilou. “Assim que eu jogar isso fora, podemos ir.” Ele abriu a porta da caminhonete caminhão e saiu para descartar o lixo em uma lixeira próxima. Quando ele se afastou, Arizona ficou estudando Spencer. Tudo sobre ele a atraía de uma forma ou de outra: a flexão dos músculos em suas coxas longas, como a camiseta ajustava sobre os ombros largos, a forma como o vento bagunçava seu cabelo escuro, sua natureza protetora, e sua aura de fodão habilidoso. Mas do que tudo, ela gostava de seu grande coração. Ele tinha desistido de um percentual de fiança por um fugitivo para que pudesse resgatar um cão abusado.

454


Como ela poderia ficar indiferente a isso? Ela teria feito a mesma coisa, mas sabia que muitas outras pessoas, seja por apatia, preguiça ou medo, virariam os olhos para todos os tipos de crueldade. Mas não Spencer. No sentido mais verdadeiro da palavra, ele era um herói. Ela suspirou quando ele voltou. Alerta para os arredores, seu olhar atento esquadrinhou a área, mas não de uma forma paranoica. Ele parecia casual, despreocupado e tão incrivelmente quente. A vista frontal era ainda melhor que a visão de costas. O conjunto do corpo largo, ombros poderosos, o balanço descontraído de seu andar de pernas longas... a maneira como calça jeans encaixava nos quadris magros. Spencer Lark era o negócio real, uma mistura surpreendente de macho habilidoso e terna compaixão, apelo sexual e força física, justiceiro chutador de bundas e um coração enorme. Se ela alguma vez se sentiu assim antes, não se lembrava disso. Ela sabia que nenhum outro homem jamais a havia atraído como Spencer. Era estranho, mas ela não podia negar que estava ansiosa para o seu próximo beijo. Seria mais íntimo que os beijos anteriores? Lembrando deu-lhe um pequeno tremor de ansiedade. Só há pouco tempo, ele tinha roubado um beijo rápido direto em seus lábios. Será que ele iria beijá-la de novo? Mais longo? Mais profundo? Será que ela queria que ele beijasse? Sim, ela queria. Hoje à noite, ela estaria sozinha com ele em sua casa novamente. Depois de terem terminado sua missão no bar, talvez ela dissesse o que queria. Ou talvez ela simplesmente não fosse protestar. Isso era tudo tão novo para ela que verdadeiramente não tinha ideia de como proceder. Mas descobriria isso, e rápido. Spencer voltou para o carro, se acomodou em seu lugar e deu-lhe uma olhada. “Você está olhando para mim de um jeito engraçado.” Seu olhar foi para a sua boca. “Sonhando acordado de novo?” “Mais ou menos.” Sentia-se subitamente livre, o que não fazia sentido. Logo eles estariam no centro de um ninho de víboras. Bandidos precisavam ser derrubados e inocentes precisavam 454


ser liberados. E ainda assim um sorriso puxou sua boca. Para conter a sensação de euforia, Arizona se abraçou. “Eu estava pensando que realmente confio em você.” Ele ficou olhando, sua expressão inescrutável. “Fico feliz em ouvir isso.” Arizona teve de rir. Claro que ele não tentou pressionar por uma resposta. Não Spencer. Ele ainda a via como mercadoria danificada e ele ainda queria “consertá-la.” Mas de uma forma que não a incomodava tanto. Ela sabia que estava bem e eventualmente ele saberia disso, também. Ela deu-lhe um aceno de cabeça. “Tudo bem.” Ele falou com cuidado. “Tudo bem o quê?” De jeito nenhum ela diria. Ele queria a vantagem, e agora, pensava que tinha. Isso funcionava para ela. Enquanto se considerasse no controle, não a veria tomando conta. “Não importa.” Tentando não sorrir, ela virou para baixo a viseira e verificou os dentes no espelho. “Nada preso em meus dentes. Isso é bom.” “Hey.” Ele pegou a mão dela, chamando sua atenção. “Tudo bem?” “Sim.” As coisas estavam incríveis, melhores do que nunca, porque se sentia incrível, melhor do que nunca. Aparentemente, ele não acreditou. “Você está tendo reservas sobre ir ao Goose Green?” “Porcaria, não.” Antes de mais nada, estava mais entusiasmada do que nunca. Ele segurou a mão dela. “Seria compreensível, querida. Mesmo que Terry Janes não caia na sua...” Sua atenção se moveu sobre ela “... sedução, outros caras poderão vir para você. Eles estarão bêbados, provavelmente agressivos.” “Sim, eu sei.” Dããã! Esse era o plano. Ela apertou sua mão para tranquilizá-lo e em seguida, soltou. “Mas todo ficará bem. Não se preocupe! Já fiz esse tipo de coisa antes, lembra? Eu posso lidar com isso.” Expressão escurecendo, ele endireitou as costas e ligou a caminhonete. “Você lidar com isso é com que estou mais preocupado.” “Bem, não fique.” Ela enganchou o cinto de segurança e presenteou-o com um sorriso arrogante. “Nós temos as bases cobertas, então não há nada para se preocupar. Agora vamos colocar o show na estrada.” 454


Capítulo Dez NÃO SE PREOCUPAR? Como ele poderia? Arizona não mostrava cautela, nenhuma compreensão real do risco envolvido. Ela agia como se fosse tudo diversão e jogos, mostrando o mesmo entusiasmo acirrado com o perigo que a maioria dos jovens de sua idade tinha com uma farra de compras. Ela poderia não compreender a tentação que era em sua roupa sexy, mas ele sim, e a realidade disso corroía sua consciência. Não importava o que a recompensa final pudesse ser, balançá-la para os traficantes babarem não parecia direito. Parecia mais errado a cada momento. “Você parece po'd4.” Com seu bom humor diminuindo, ela inclinou a cabeça para ele. “O que eu fiz de errado agora?” “Não é uma coisa.” Não era o que tinha feito, tanto quanto como ela enfrentava o mundo, de forma imprudente, sem nenhuma consideração por sua própria segurança ou limitações. Spencer não tinha ideia de como a controlar. Às vezes, ele se perguntava se tal coisa era possível. “Hmm.” Ela deu um olhar sugestivo. “Sua boca diz uma coisa, mas o seu estado de espírito, diz outra.” O que diabos ela está fazendo agora? Pisando com cuidado, ele disse: “Ao contrário de você, eu entendo que os melhores planos têm uma tendência a ir pelo ralo.” “Pobre Spencer.” Ela olhou para seu peito, e mais para baixo. “Você queria que eu desmoronasse?” Ele fez uma careta para seu tom de voz rouca. “Claro que não!” No que ela estava pensando a fazia soar tão sem fôlego? “Você não precisa ser excessivamente preocupada, mas um grau de cautela seria bem-vindo.”

4

Puto; de p (issed) o (ff) (veja a frase irritar o mijo) + - 'd; mas deixei no original porque Arizona não pode falar palavrões.

454


“Então...” Deliberadamente provocante e íntima, ela se inclinou em direção a ele. “Quanto cuidado que é preciso para fazer você acalmar?” Ela acariciou o lado de seu pescoço, enfiou os dedos em seu cabelo. O toque o congelou, o deixou tão tenso que se sentia pronto para quebrar. Spencer se concentrou em dirigir e em não ficar com tesão. “Isso faria você se sentir melhor,” continuou ela, “se eu tivesse um pouco de medo, talvez se fosse um pouco carente?” “Deus, não.” Ela viveu tempo suficiente de sua vida com medo. Quando ela se mexeu, ele cerrou seus dentes. “Mas você não tem que parecer tão feliz com isso, também.” Seus dedos frios se moveram sobre seu pescoço. “Foi isso que o atraiu para Marla?” “O que?” Seguir seu raciocínio não era fácil, não enquanto ela tocava nele sem medo. Não quando sua postura mostrava seu decote. Não com ela toda “rouca e voz profunda.” Cruzando as pernas, ela ficou mais ou menos de lado no banco para melhor enfrentá-lo. “Marla.” Em contraste com o que disse, ela virou a mão e passou os nós dos dedos sobre o queixo, sob o queixo. “Você ficou atraído porque ela é uma mulher indefesa típica?” Com sua virada a saia subiu um pouco mais, é claro que ele olhou para as pernas. De novo... Elas eram tão lisas, magras, mas bem torneadas. E ele quase podia imaginá-las abertas para ele ou enroladas na sua cintura. Ou quentes contra sua mandíbula... Maldição. Por um lado, surpreendeu Spencer que Arizona utilizasse estratagemas femininos flagrantes. Mas por outro lado... Ele sabia melhor do que subestimá-la. Ela usou esses estratagemas por uma razão... ele tinha que descobrir o porquê. Incerto de seu objetivo, ele teve cuidado com a sua resposta. A última coisa que ele queria era fazer de Marla um alvo; Arizona já não gostava dela. “Ela é uma corretora de imóveis bem-sucedida, uma mulher independente, que é dona de sua própria casa. Eu não a chamaria de indefesa.” Mas Marla gostava de jogar com a ideia de mulher solteira solitária. Na maioria das vezes, o ardil funcionou e ele acabou por dar uma mão. 454


“Talvez para ela, calculista seja uma melhor escolha de palavras, então.” ���Será que o ciúme está falando?” Dado humor mercurial de Arizona, ele tinha razão para se preocupar. Finalmente retirando a mão, Arizona fez uma careta. “Por que eu estaria com ciúmes?” “Eu não faço ideia. Ela é apenas uma vizinha.” “Com quem você dormiu.” Certo. Definitivamente tom de ciúme. Convencê-la disso poderia levar uma vida inteira. “Eu dormi com um monte de mulheres...” Afronta endureceu sua espinha. “Grande coisa. Eu dormi com...” “Não.” Músculos tensos de repente, Spencer trabalhou sua mandíbula. Ele não queria suas comparações entre sexo consensual e tráfico de seres humanos. “Não é a mesma coisa.” Gentilmente, ela sussurrou, “Sim, eu sei.” Ela afastou-se para olhar pela janela. Ele perdeu seu toque, especialmente porque ela o substituiu-o com um dar de ombros frio. “O que está rolando?” Ela balançou a cabeça. “Coisa alguma.” “Alguma coisa,” ele corrigiu. Sua boca franziu e seus olhos se estreitaram. “Esqueça.” Como no inferno. “Arizona...” Sacudindo sua melancolia, ela o interrompeu para dizer, “Não se esqueça de me deixar perto de uma parada de ônibus para que eu possa chegar separada de você.” Ele flexionou as mãos no volante. “Eu sei o que estou fazendo.” “Sim, você está sendo um tipo de um idiota.” Ele fez uma pausa antes de ressaltar: “Agora você me deve dois.” “Beijos? Bom. Ótimo.” Isso lhe rendeu outra olhada. “Isso é uma piada?” Seu olhar de olhos azuis mostrava a raiva aquecendo em fogo brando. “Por que não?” Em um tom mais irreverente que nunca, ela enrolou o lábio e disse: “Você beija como um colegial de qualquer maneira.”

454


Bem, maldição. Ele não tinha visto isso vindo. “Deixe-me ver se entendi.” Ele olhou para o queixo erguido. “Você está reclamando sobre como eu beijei você?” Ela não negou ou confirmou. “Realmente, talvez eu devesse deixar você ter isso, ou uma dúzia deles.” “De beijos?” Seu coração deu um soco em suas costelas. “Sim, talvez você devesse.” Teimosa, ela cruzou os braços, balançou o pé em agitação e voltou a olhar para fora da janela. “Vamos, querida.” Ele dirigiu para a rota para onde Dare esperava. Ele garantiria que Arizona subisse para o ônibus sem problemas e depois de a seguiria até o bar. “Fale comigo. O que está acontecendo?” “Até que você começou a elogiar Marla, eu estava tendo um bom tempo.” “Eu não estava elogiando.” Nada como uma mulher para torcer as coisas. “Você fez uma pergunta e eu respondi.” “Não importa.” Essa resposta irreverente irritou ainda mais. “Esqueça Marla, ok?” Ele não a queria entrando no bar chateada por uma besteira. Ele queria, precisava, que ela estivesse no seu jogo, calma e serena. “Pela última vez, ela é apenas uma vizinha.” “Ei, eu ouvi, mas não acho que Marla recebeu o memorando.” “Deus Todo-Poderoso, mulher. Sério? Nós não temos o suficiente para nos manter ocupados esta noite sem você lutar comigo?” Sendo assim, ela olhou para ele e então gemeu. Ela reclinou a cabeça e fechou os olhos. “Sim, tudo bem.” Um ou dois segundos se passaram e ela meio que riu. “Eu não queria estragar as coisas com picuinhas.” “Coisas?” Ela acenou com a mão entre eles. “O pequeno piquenique foi bom.” Exasperação levou a melhor sobre ele. “Comer fast-food no banco da frente de uma caminhonete em um parque deserto antes de usar-se como isca para atrair o pior tipo de bandido não conta como um piquenique.”

454


Ela piscou para a longa sequência de absurdos. “Oh, bem...” Ela abriu a bolsa e tirou um chiclete. “Foi para mim.” Merda. Agora ele se sentia como um idiota. “Sim,” ele relutantemente admitiu. “Para mim também.” “Uh-huh.” Ela colocou a goma na sua boca, dobrou o invólucro e colocou no cinzeiro. “E você acabou de dizer que não iria mentir.” “Foi estranho, não há como negar isso, mas até agora eu gostei de cada minuto com você. Com certeza, você nunca me aborrece.” Ele achou prudente acrescentar: “Não que eu compartilhe seu entusiasmo com o nosso compromisso de hoje à noite.” Ela mastigou o chiclete e pela janela do carro, viu o cenário passar. “Você verá. Eu posso cuidar de mim mesma.” Porque ela sempre teve que cuidar. Mas não mais, não com ele. E pensando em todos os modos que ele queria cuidar dela, perguntou: “Qual é o seu lugar favorito para comer?” Ela merecia ser mimada. Jantares, filmes, talvez um pouco de dança... “Hmm.” Ela deu-lhe muito pouca atenção. “Eu não sei.” Ela rolou um ombro. “O jantar que você cozinhou no outro dia foi o melhor que eu já tive. Especialmente o bolo.” “Sobrou muito de tudo. Se você quiser repetir o porco, podemos terminá-lo hoje à noite.” “Soa como um plano.” Ela lhe deu um sorriso rápido. “Estava tão bom, eu gostaria de saboreá-lo.” “Não se preocupe. E haverá outro bolo na casa de Dare, eu tenho certeza.” Ela gemeu. “Não me lembre.” O pequeno encontro era para fazê-la feliz e não com medo. “Não muito ansiosa?” “Eu aprecio a intensão, mas... Eu odeio ser o centro das atenções, sabe?” “Suponho que não será o sofrimento que você está imaginando.” Uma vez que estivesse lá, ela iria se divertir. De alguma forma ele faria com que acontecesse. Para impedir que ela se detivesse nisso, ele disse: “Desde que você ficará comigo, há algo especial que você gostaria que eu comprasse? Mais doces, talvez?” 454


Ela encolheu os ombros. “Se você quiser biscoitos, hey, eu não vou discutir.” “Eu posso dar uma corrida até a mercearia. E eu gosto de cozinhar, por isso, se você tem uma preferência para jantares, é só me avisar.” “Com exceção de armas, eu não sou realmente exigente.” Ele não queria falar de armas com ela novamente. “Bifes? Frango? Vamos, me dê uma pista.” Indiferente, ela não ofereceu nenhuma sugestão. “Eu nunca fui uma comedora, sabe? Eu como quando estou com fome, em qualquer lugar barato, mas limpo. Quero dizer, eu não quero lula ou lagostas ou qualquer coisa. Nenhum peixe com a cabeça ainda lá. Mas por outro lado, se você cozinhar isso eu prometo que comerei.” “Sim, eu não sou muito bom com peixes com cabeças, de qualquer forma.” Ele fez a curva para uma estrada que leva até uma área comercial mais movimentada. Ele teria que deixála em breve... e ele já estava temendo isso. “Você especificou que tinha que ser barato?” “Meus recursos são limitados, lembra? Especialmente agora. Quero dizer, Jackson tenta me pagar a mais para fazer um pouco de trabalho no computador, mas...” Ela estremeceu. “Detesto receber caridade.” “Não é...” “Sim, é,” ela insistiu: “não importa o quanto Jackson negue. Mas desde que eu não assaltei nenhum traficante recentemente...” “Jesus, eu espero que não.” Ele não tinha sequer considerado a possibilidade. “Se você pensar em...” “Você não é meu chefe,” ela interrompeu, “e eu não tenho focado em jogos de azar. Então...” Ela levantou as mãos, filosófica sobre seus poucos pertences. “Eu tenho dinheiro para as necessidades básicas. Mais do que o suficiente para sobreviver.” Mais tarde ele lidaria com a ideia de seus assaltos a criminosos. Por enquanto, ele queria falar sobre as poucas malas que ela mantinha em seu carro. “E quanto à roupa?” “Você não tem me visto correndo nua, não é?” Uma visão clara atingiu seu cérebro. Não, mas eu quero. Esquecendo a autopreservação, ele foi direto ao ponto. “O que você tem no porta-malas e em sua bolsa para a noite... é todo o que você possui?” 454


“Nossa, se livre da cara assustada, ok? Eu manter as coisas simples por uma razão.” “Que é?” “Quando você tem coisas, propriedades que são importantes para você, então alguém pode tirá-las.” Caramba, mas era uma atitude triste. “Não há fotos? Nem joias?” “Sim, certo. Fotos de quê?” Ela tocou o aro em sua orelha. “Eu tenho alguns pares de brincos, pulseiras e algumas coisas que uso quando estou trabalhando. Caso contrário, essas coisas só atrapalham.” Trabalhando. Deus, ele nunca se acostumaria com seu pensamento nesses termos. “Então, você não se preocupa com a moda?” Isso rendeu uma risada sincera. “Eu pareço uma modelo para você? Eu tenho o bastante para que não tenha que lavar roupas todos os dias. E uma vez que obtenha a atenção necessária nesta missão, posso voltar para minhas roupas mais confortáveis. Qualquer coisa a mais ocupa espaço e me prende a um só lugar.” Então, muitas vezes, de muitas maneiras, ela partia seu coração, sem sequer tentar. Ele dirigiu até o meio-fio. Ele odiava dizer isso, mas sabia que ela não voltaria atrás agora. “O ônibus está ao virar a esquina, dois quarteirões para baixo.” Ela desabotoou o cinto de segurança. “Irei encontrá-lo.” Incapaz de se conter, Spencer pegou o braço dela. Sua pele nua era de seda suave e quente. “Prometa-me que será cuidadosa.” “Serei.” Ele estava longe de ficar tranquilo. “Não esqueça que estarei observando. Não vá a qualquer lugar onde não posso vê-la.” Um bufo de exasperação. “Isso é certo.” E ainda assim ele não poderia fazer-se deixá-la ir. “Dare assistirá você no ponto de ônibus, em seguida, seguirá o ônibus até que você desça perto do bar.” “Se é o que ele quer fazer, eu estou bem com isso.”

454


Ela estendeu a mão para a maçaneta da porta. “Eu meio que imaginei que ele faria algo assim de qualquer maneira. De certa forma, ele, Trace e Jackson são muito previsíveis.” Será que ela estava desapontada que Jackson não tivesse aparecido esta noite? Spencer balançou a cabeça, recusando-se a deixar sua mente ir lá agora. “O ônibus a deixará junto ao Goose Green.” “Eu sei. Eu estudei a área por mim mesma.” “Eu receberei todos os códigos de Dare. Se você me vê verificando meu telefone, saberá que algo está acontecendo. Lembre-se, se este plano sair dos trilhos...” “Spencer, eu prometo. Serei boa. Prestarei atenção. Ficarei fora de perigo.” Ele esfregou o polegar sobre seu bíceps magro. “Eu realmente odeio isso.” Depois de um olhar indulgente, Arizona largou a maçaneta da porta e se recostou no assento. “Sabe o quê?” Teria ela finalmente recuperado o bom senso? “O que?” Ela tirou o chiclete, colocou-o de volta na embalagem e novamente no cinzeiro novamente. Então, antes que Spencer percebesse sua intenção, ela se virou para ele, apoiou as mãos em seus ombros e se inclinou para roçar um beijo na boca. O macho dentro dele congelou antes de ficar em brasa. Não puxá-la perto foi uma das coisas mais difíceis que ele já tinha feito. Colocou as mãos em sua cintura estreita e saboreou seu carinho dado livremente. “Não é muito tarde...” “Shh.” Contra seus lábios, ela sussurrou, “Mantenha a calma, Spence. Vai ficar tudo bem.” Ela o beijou novamente, um beijo leve e então ela se afastou. “Você tem a minha palavra.”

***** Sentado em sua caminhonete, Spencer observou a entrada do bar. Arizona deveria estar aparecendo em breve. Ele odiava isso. Nem uma só vez tinha visto Dare, por isso fez uma chamada para o número dele. Dare Macintosh respondeu ao primeiro toque. 454


“Problemas?” Spencer olhou para a rua, mas o ônibus não tinha aparecido. “Você a viu?” “Claro!” Houve um momento de silêncio, e então, meio baixinho, Dare disse: “Ela seria difícil de perder.” “Eu sei...” Spencer esfregou a testa. “A roupa não foi ideia minha, acredite.” “Não tenho certeza se podemos culpar as roupas. Em outra mulher aquela saia e top não seriam grande coisa. Em Arizona, ela significa montes de problemas.” Sofrendo uma pontada de ciúme, Spencer resmungou: “Eu sei.” “Sabe?” Dare foi direto ao ponto. “Você vai ter suas mãos cheias esta noite. Eu sugiro que você se recomponha.” O que diabos isso quer dizer? “Você tem algo a me dizer?” Sem qualquer inflexão real, quase como se estivesse compartilhando o boletim meteorológico, Dare disse, “Você está pessoalmente envolvido e isso não é uma coisa boa.” Um tom de censura. “Eu sei o que estou fazendo.” “Quando se trata de Arizona? Eu duvido. Você está deixando que isso foda com sua cabeça.” Em vez de tentar negar, ele apontou o óbvio. “Você estava pessoalmente envolvido quando você foi atrás Alani e quando você salvou a sua esposa, Molly.” “Eu não sou você.” Maldição, não havia como negar isso. Spencer sabia que podia lidar com muitas coisas, mas Dare estava em uma liga especial, compartilhada apenas por Trace e Jackson. “Certo.” Ocorreu a Spencer que poderia parecer mal-intencionado. Ele respirou fundo, depois outra vez. Não ajudou em nada. “Se fosse qualquer outra mulher e não Arizona...” “Você poderia ser frio e calculista. Eu sei. Arizona não exatamente torna mais fácil ficar alheio.” Finalmente vendo o ônibus, Spencer falou “Ela está aqui.” “Eu sei...” Claro que ele sabia. Cortando um grunhido de frustração, Spencer disse: “Se você vê qualquer coisa, se você mesmo só suspeitar que algo poderia estar errado...” “Enviarei um dos códigos que passei. Não faça confusão com eles.” 454


Spencer rangeu os molares juntos. Ele olhou em volta novamente e ainda não viu Dare em qualquer lugar. Bastardo furtivo. “Tenho todos memorizados. Até mais tarde.” No segundo em que desligou o telefone viu Arizona sair do ônibus e olhar ao redor, como se nunca tivesse visto um bar iluminado, altivo e lotado antes. Dois caras já estavam dando em cima dela, um que parecia ter em volta de quarenta anos, outro provavelmente mais perto da idade de Spencer. Ambos pareciam encantados com seus sorrisos tímidos e forma reservada. Flexionando as mãos no volante, Spencer se obrigou a sentar-se na cabine e observar sem parecer olhar. Que ele tivesse parado do outro lado da rua, nas sombras, ajudou a passar despercebido. Assistindo Arizona com os homens, ele teve que admitir que ela poderia ser capaz conseguir fazer isso. Ele a viu como outros fariam; seu ar de confiança se foi, um show de vulnerabilidade mascarava sua ousadia. Uma artimanha deliberada, mas ainda assim, ele não conseguia parar de olhar. Seu peito doía, suas narinas dilataram. Apesar da falta de interessa da parte dela, o homem mais velho continuou tentando olhar para baixo em seu decote e o cara mais jovem recostou-se para verificar sua bunda. Bastardos. Mas isso era o esperado. Ela parecia incrivelmente quente bancando a inocente. Isto não era bom. Não era nada bom. Droga, talvez ele gostasse do ato fêmea indefesa mais do que ele havia imaginado. Com certeza, ele gostava em Arizona. Depois de dar-lhe um minuto para se afastar dos homens e entrar no bar, ele dirigiu pela quadra e dobrou a esquina para estacionar. Mais tarde, quando ela o chamasse para sair, seriam capazes de ir juntos em seu carro sem ninguém mais saber. Mesmo sabendo que Dare a vigiava, Spencer encontrou dificuldades para segurar, para dar-lhe tempo de se instalar no bar. Com cenários terríveis em sua mente, ele trancou o carro e caminhou pela calçada em silêncio, constantemente analisando a área procurando algum espectador curioso. Ele não viu nenhum.

454


Cintilantes luzes brancas de néon em forma de um ganso envolviam as palavras Goose Green. Abaixo disso estava escrito BAR E GRILL em neon vermelho, embora ninguém fosse confundir as prioridades do estabelecimento. Barras grossas gradeavam as janelas, mas dada a área, parecia que era normal. Acima da porta, uma faixa iluminada dizia: comer, beber, relaxar, e outro sinal anunciado mulheres, mulheres, mulheres! com a silhueta bem torneada de uma figura peituda ao lado. Combinadas, as luzes enviavam um brilho difuso na noite escura, mal iluminando a forma desajeitada de um prédio vazio no lado oposto do beco. Além disso, estava um posto de gasolina. No outro lado do bar havia uma loja de conveniência, agora fechada, e além desta, um estúdio de tatuagem, também fechado para a noite. Em tudo e com tudo era uma sinistra, sombria, área degradada. Quando Spencer se aproximou da entrada, várias mulheres olharam para ele, sorrindo em convite ao anunciar os seus produtos. Prostitutas, concluiu. Trabalhando para o dono do bar? Provavelmente. Ele sorriu de volta e passou por elas para uma música alta e luzes estroboscópicas desorientadoras. Ele fechou os olhos um momento para se ajustar. Obscuras luzes suaves pairavam sobre as cabines na área de alimentação. Uma luz brilhante estaca sobre o bar e bancos, mas não chegava a atingir a área de estar, deixando uma abundância de sombras para envolver negócios obscuros e amorosos e sensuais, com cada piscar das luzes ele viu um pouco de cada. Discretamente, ele examinou o interior até que avistou Arizona no bar. Enquanto observava, ela tomou uma dose de uísque. A julgar pelos copos de doses em frente a ela, este não era o seu primeiro. Maldição. O que no inferno ela estava pensando? Mas quando viu o barman sorrindo entregar-lhe outro, ele sabia. Alguém tinha enviado as bebidas. As coisas estavam se movendo rapidamente. Muito rápido. 454


***** Então ela tinha voltado. Ele esperava que fosse, mas ela era tão quente, tão arrogante e tão diferente das outras, que vê-la aqui agora, ao seu alcance, quase o surpreendeu. E definitivamente o agradou. Esfregando sua boca, ele examinou o rosto dela, o corpo dela. Ela seria perfeita, ou melhor ainda, a mais valiosa. E ele a teria. O poder disso percorreu suas veias. Oh, ela pensou que estava protegida. Que estava imune. Mas agora que ele voltou suas atenções para ela, agora que ela voltou, ela seria dele. Nada nem ninguém mudaria isso.

***** SPENCER sentou-se em uma cabine, tão afastado de Arizona quanto se atreveu enquanto ainda era capaz de vê-la. Rindo ao rejeitar a bebida oferecida, ela falou com um garçom. Spencer não conseguia ouvir o que foi dito, mas quando o garçom chamou um menino com um cardápio, ele assumiu que planejava pedir comida. Isso iria comprar-lhe algum tempo, contanto que ela realmente não comesse qualquer coisa. O copo permaneceu no bar em frente a ela. Quanto uísque seria necessário para deixá-la bêbada? Provavelmente não muito. Pelo jeito como ela ria, já estava tonta... ou fingindo estar. Com Arizona, ele não poderia dizer. Mas ele poderia facilmente imaginar como ela ficaria ingovernável com coragem líquida queimando através de sua corrente sanguínea. Deus ajudasse, ela poderia matar alguém.

454


***** NO SEGUNDO QUE SPENCER entrou, Arizona soube. Ela não precisava vê-lo ou ouvilo. Ele tinha esse tipo de recurso e muita presença. Com ele dentro do estabelecimento espaçoso, o ar estagnado parecia denso e pesado. Cada mulher no recinto reparou nele, também. As mulheres que dançavam sob as luzes. As mulheres que serviam bebidas e sanduíches. Mulheres com outros homens. Sim, entendia isso. Com sua incrível altura e aqueles ombros largos e o inabalável ar de controle, Spencer era o tipo de homem que nenhuma mulher jamais ignoraria. Mas os homens tornaram-se consciente dele, também. Provavelmente eles o viram como uma possível ameaça; fisicamente ele os aniquilava, e romanticamente, bem, ele monopolizou a atenção de todas as senhoras. Com apenas um olhar, Arizona viu o grande garçom olhar Spencer com uma intenção desagradável. Enquanto polia um copo, ele falou com o cara que tinha enviado as bebidas e aquele idiota assentiu. Então, o homem magro que ela agora imaginava ser seu alvo, Terry Janes, olhou muito bem para Spencer. Quando Janes virou-se para dizer alguma coisa para o barman, pegou Arizona o observando. Ela abaixou o rosto, mas sorriu e espiou para ele novamente. É claro que o idiota acreditou, anzol, linha e chumbada. Homens eram muuuuito malditamente fáceis. Ondulando a boca e com os olhos escuros aquecidos, Terry Janes olhou-a possessivamente. Oh, ela reconhecia muito bem aquele olhar. Bingo! De perto era mais perceptível a calva incipiente em seu cabelo castanho, especialmente da forma como estava penteado. Seu cavanhaque desalinhado com manchas de cinza indicava

454


quarenta e poucos anos. Quando ele puxou um brinco em uma orelha, Arizona novamente viu a tatuagem tribal colorida em seu braço esquerdo. Hoje à noite, ele parecia cruel. Ele parecia um alvo fácil. E Spencer pensou que isso poderia ser complicado. Ha! Janes apoiou-se no bar para conversar calmamente com os outros homens, mas sua atenção permaneceu nela. Ele era uma desculpa tão repulsiva para um ser humano que nojo ácido queimou em seu estômago. Mas se fez de tímida, recebendo um sorriso luminoso quando ela retornou seu interesse. Se não fosse a música alta, talvez pudesse ter escutado a conversa. Mas de jeito nenhum ela seria capaz de ouvir a não ser que estivesse em cima deles. E isso seria muito óbvio. Então, em vez disso, ela o observou. Não foi até que o mesmo menino que ela tinha visto antes se aproximou com um cardápio que ela olhou para longe de Terry Janes. “Você voltou,” disse ele, sua voz morta, fria. “Eu disse que voltaria, certo?” Ela sorriu para ele e deslizou o uísque de lado com uma risada. “Eu não posso beber mais com o estômago vazio.” Ele esfregou o pescoço com a mão ilesa. “Outra coisa para beber, então?” Arizona notou o tufo de cabelos escuros, a pele morena... os ombros intimidados. Que o garoto não a olhasse nos olhos realmente incomodava. Ele tinha que estar ainda na adolescência. Muito jovem para estar trabalhando em um bar, mas ele provavelmente não tinha ninguém que o defendesse, ninguém para se preocupar com seus maus tratos. Sendo tão magro, ele não era páreo para os gorilas agrupados na outra extremidade do bar. Em sua mão esquerda, dois dedos estavam inchados nas juntas, mas ela podia ver pela posição e descoloração do dedo médio que provavelmente havia sido quebrado. Quando ela pudesse faria os bastardos pagar em espécie, com juros. “Que tal chá doce? Você tem isso?” Inclinando-se perto para garantir que seria ouvida, ela tentou ver seu rosto. 454


Ele se esquivou dela. “Sim.” Ele colocou um cardápio no bar em frente a ela. Por apenas um segundo, punho branco da camisa subiu... e expôs uma recente e púrpura contusão acima seu pulso fino. Ele rapidamente se afastou. “Você sabe o que quer comer ou precisa de mais tempo?” O uísque tinha queimado em sua garganta e seu estômago; ver o abuso ao garoto queimou sua alma. “Se você não se importa, irei em frente e farei o pedido agora.” Para dar a impressão de desespero, Arizona esfregou seu estômago como se tivesse fome e franziu o nariz. “Qual é a coisa mais barata no cardápio?” Ela sabia que tinha a atenção dos três homens; assim como o pobre rapaz, e isso aumentava o nervosismo. Ele lambeu os lábios rachados, pálidos. Ela reconheceu os sinais de desnutrição e desidratação na sua pele seca, a saliência de seus ossos e falta de músculos, seu cansaço óbvio. “Temos chilli e sopa de feijão. Salada da casa salada.” Um ombro magro levantou. “Talvez um sanduíche.” “Vamos ver...” Ela fingiu pensar em comida, quando na verdade esperava dar uma entrada para os homens. Ela queria que Terry Janes se aproximasse dela. Ela queria que ele fizesse um movimento. “Tudo soa tão bem.” Janes enviou um lacaio em vez. Sentindo sua aproximação, Arizona devolveu o cardápio. “Eu acho que ficarei só com a salada.” O mesmo cara que mandou as bebidas mais cedo se aproximou por trás dela, sem dúvida testando as águas. “Traga o que ela quiser, Quin.” “Ah.” Fingindo surpresa ao ouvir a voz intrusiva, Arizona olhou por cima do ombro e teve que afastar para trás para não tocar nele. Ele tinha chegado tão perto que ela sentiu a ameaça da sua presença, mesmo que ele usasse um sorriso. “Não, realmente. Eu não...” “É por conta da casa.” A música desvaneceu. As luzes enviavam sombras demoníacas sobre seu rosto enquanto ele visualmente acariciava seus seios. “Uma menina bonita nunca deve passar fome.” 454


Tentando ser objetiva, Arizona decidiu que ele não era um homem feio. Não é um ogro de forma alguma. Mas ela sabia quem ele era, o que ele fazia e o que ele queria. Isso fez com que ela quisesse vê-lo morto. “Umm...” Ela sorriu em falsa apreciação. “Obrigada, mas...” “Eu insisto.” Com uma mão em seu ombro, ele inclinou mais perto, mas não disse o seu nome. “Diga a Quin o que você quer.” Quin. Seria o verdadeiro nome do rapaz? Duvidoso. Mas lhe daria uma referência para a criação de um contato. “Se você tem certeza que está tudo bem, então talvez uma salada e um sanduíche?” Ele se inclinou para olhar Quin. “Traga-lhe um pedaço de torta, também.” Antes que o garçom pudesse sair, ela tocou em seu braço. “Obrigada, Quin.” Olhos assombrados encontraram seu olhar. Ele acenou com a cabeça e correu, deixando Arizona sozinha com o respirador bucal. Ótimo! Segurando seu nível de tolerância, ela virou-se no banco para ficar de frente para o cara. Seus joelhos esbarraram nele, mas nenhum dos dois se afastou. Ele tinha a atitude de um homem acostumado a conseguir o que queria. Agora que a conheceu, ele estava fadado à decepção. Ao lado de Spencer, o cara parecia um covarde completo. E isso a levou a outras comparações rápidas. O depravado na frente dela obteve poder controlando e abusando dos outros. Ele deu sua lealdade a um traficante, assim como o barman. Eram podres onde Spencer era puro, e postos à prova, um a um, de homem para homem, ela sabia que Spencer poderia facilmente esmagar a todos. Mas a crueldade lhes dava uma vantagem adicional; quando um homem não se importava em machucar ou em infligir dor, poderia fazer um monte de danos em um curto espaço de tempo. Embora soubesse a resposta, ela perguntou docemente, com apenas um toque de admiração: “Você é o chefe?” 454


“Não.” “Ah.” Fingindo estar decepcionada, ela disse: “Você parece tanto com um chefe que eu presumi que fosse.” Ele foi para o lado dela e se inclinou para trás, colocando os cotovelos no bar. A postura esticou sua camisa sobre uma leve barriga e enfatizou seu peito magro. “Pareço um chefe como?” Por necessidade, eles permaneceram tão perto que ela podia cheirar seu hálito. “Você sabe. Muito...” Ela sorriu e permitiu ligeiro tremor. “Responsável.” “Isso é porque eu sou o responsável.” Arrogante, cheio de auto importância, ele se gabou: “Eu sou homem número um do chefe.” Em uma demonstração de vontade, ela se inclinou mais perto. “Você é?” “É verdade.” Seu olhar pousou em sua boca. “Qual é seu nome, menina bonita?” Ela já tinha pensado sobre isso, e disse sem hesitação, “Candy.” Uma sobrancelha levantou e ele deu uma risada curta. “Eu posso acreditar nisso.” Com um dedo, ele tocou-lhe o queixo. “Você é tão doce, eu acho que estou ficando com dor de dente.” Oh, beeeecks. Ele poderia ser mais pateta? Desejando poder corar quando quisesse, Arizona abaixou seu rosto. “Obrigada.” Finalmente ele estendeu a mão. “Estou Carl.” Aha! Um grande peixe no barril. “Prazer em conhecer você, Carl.” Sabendo que não a teria de volta em breve, ela deu-lhe a mão. Por um momento de parar o coração, quando ele levantou a mão para o rosto, ela pensou que ele planejava beijar a parte de trás de seus dedos. E seu estômago já cambaleou em repulsa. Ela não queria sua boca nojenta sobre ela. Sua respiração ficou presa e ela esperou. Em vez disso, ele examinou suas unhas curtas, sem esmalte. “Sem anéis? Sem manicure?” Idiota. Se ela fosse uma jovem mulher pouco afortunada, com certeza ele não a faria sentir-se melhor.

454


“Não tenho recursos,” disse Arizona como se confessasse um pecado. “É mesmo?” Um grande suspiro trouxe o olhar dele de volta para seu peito. Era mais fácil para Arizona esconder o seu ódio quando não tinha que olhá-lo nos olhos. “Eu fui à procura de trabalho, mas até agora, não tive sorte.” “Você quer dizer que uma mulher com o seu chassi elegante não tem alguém para cuidar dela?” Ela forçou um sorriso com o elogio bruto. “Estou aqui sozinha.” Os olhos astutos estreitaram em especulação. “Nenhum namorado?” “Temo que não.” Ele estudou-a, duvidoso. “Eu realmente acho difícil de acreditar.” Maldição. Ela não queria que ele ficasse muito suspeito. “É difícil, sabe? Quero dizer, eu conheci alguns caras bons e era divertido estar juntos. Eu gostava deles, mas...” “Mas o quê?” “Eles começaram a ficar muito... bem, pegajosos.” Ela brincou com a ponta de uma mecha de cabelo que caiu sobre o peito. “Eu quero fazer coisas por mim mesma, ver um pouco do mundo e não ficar amarrada tão cedo.” Reservado, ele lhe deu um longo olhar antes de chegar a alguma conclusão. “Eu vi você falando com Quin.” “Eu perguntei sobre um emprego.” Seus olhos se estreitaram. “O que ele disse?” “Disse que tinha que falar com você.” Quin não havia dito isso, mas ela não estava a ponto de colocá-lo em apuros. “Foi por isso que eu voltei. Eu estava esperando que... bem, você precisa de mais ajuda aqui?” Lentamente, sua boca levantou em um sorriso. “Você vê, o chefe poderia querer contratála.” “Sério?” Ela se animou. “Então, eu poderia encontrar com ele?” “Talvez.” Como se hipnotizado, observava os movimentos lentos dos dedos brincando com seu cabelo. 454


“Quais são suas habilidades de trabalho?” “Bem...” Falar sobre a música não era fácil, mas de jeito nenhum ela iria sugerir que fossem a um lugar mais privado. “Eu sou uma pessoa do povo. Eu prometo que irei trabalhar realmente duro. E sou sempre respeitosa.” Com alguma dificuldade, ele voltou sua atenção para o rosto. “Quantos anos você tem, querida?” Ela não mentiria sobre isso. “Vinte e um.” “Hmm.” Seus olhos brilhavam em especulação. “Idade suficiente, então.” “É isso que eu continuo dizendo!” Seu grande sorriso exibiu fortes dentes brancos. “O único trabalho disponível seria de garçonete.” “Oh, eu não me importo com isso.” Ela apertou sua mão e sacudiu com entusiasmo. “Eu prometo que irei sempre chegar na hora certa e eu nunca fico doente. Eu juro que sou uma aprendiz realmente rápida...” “Irei levá-la até o chefe.” Dizendo isso, ele olhou para Terry Janes e assentiu. Então ela passou na entrevista? Idiotas. Ela não podia esperar para ensinar-lhes uma lição e tanto. Quin hesitou com a comida, pairando nas proximidades, mas não interrompeu. Carl fez-lhe sinal para se aproximar. “A sua refeição está aqui.” Ele acariciou a mão dela pela última vez. “Coma-se e em seguida, você pode falar com ele.” “Sério?” Ele levantou seu queixo. “Se tudo correr bem e contratá-la, um de nós irá mostrar-lhe o lugar.” Oh- oh. Ela deveria ficar onde Spencer pudesse vê-la. Em uma breve olhada, ela encontrou o olhar de Spencer e até mesmo na escuridão, com o efeito louco das luzes, viu que ele não parecia feliz. Ele havia adivinhado o que Carl disse? A julgar pela sua expressão sinistra... sim. Bem, ele só teria que confiar que ela se manteria segura, porque se recusava a estragar as coisas agora. Ela colou um sorriso radiante. “Eu adoraria fazer uma visita rápida... Obrigada.” 454


Capítulo Onze SPENCER lutou contra o desejo de remover o corpo de Arizona do bar. Ela não ouviu uma maldita coisa que ele disse? A cada hora que passava, o bar ficava mais agitado, a clientela mais bêbada. Menos pessoas dançavam agora, e até mesmo as dançarinas no bar estavam lentas, balançando em uma espécie de tédio. Já era ruim o suficiente saber os pensamentos de Carl, mas Spencer sabia dos pensamentos de todos os outros clientes no lugar também. Cada um deles se revezava olhando para ela, uns um pouco mais sutis do que outros, alguns maliciosos e sem rodeios. A maneira como ela se sentou no banquinho deixava sua parte traseira em forma de coração delineada pela saia confortável, suas pernas magras, bem torneadas e longas em exibição... Spencer parou de olhar tempo suficiente para perceber um outro homem queimando um buraco no corpo de Arizona com seu olhar quente. Ele não tinha nenhuma pretensão de não cobiçar Arizona. No entanto, outro homem sussurrou para seu amigo, enquanto olhava para ela, os dois rindo com sorrisos sugestivos. Ver a diversão deles agitou algo escuro e turbulento dentro dele. 454


Ele fez o seu melhor para conter as reações primitivas. Se ele começasse uma briga, entregaria o jogo e Arizona nunca iria perdoá-lo. Alguns dos homens eram o habitual – limpos, não muito bêbados. Outros provavelmente tinham estado no bar todo o dia, talvez desde a noite anterior, dados seus olhos vermelhos e postura ao caminhar. Um bêbado idoso, em especial, passeava pelo corredor resmungando para si mesmo e cheirando a bebida e suor. Outro cara mais jovem sentou-se calmamente à mesa pequena, rabiscando num bloco de desenho. Spencer queria aniquilá-los todos – fazer com eles exatamente o que Arizona queria. Até as garçonetes lançavam olhares contínuos, algumas com inveja, algumas ressentidas, umas poucas curiosas. Embora não estivessem no nível de Arizona, as mulheres que trabalhavam no do bar eram em sua maioria atraentes, embora um pouco desgastadas. Quando uma ruiva se aproximou dele, Spencer com prazer aceitou a distração. Madura o suficiente, bem apessoada o suficiente e definitivamente uma cliente e não uma funcionária, ele a colocou na categoria de terreno seguro. Ela o ajudaria misturar-se, o que lhe daria uma melhor oportunidade de assistir Arizona sem que ninguém percebesse. “Olá,” ela ronronou. “Olá para você.” Com toda sua atenção focada em Arizona, os excessivos atributos da mulher e suas características maquiadas não lhe interessavam. Mas ele olhou para os peitos dela, exibidos em um decote baixo e blusa transparente, de qualquer maneira. “Posso pegar uma bebida?” “Querido, você pode me dar o que quiser.” Ela sentou seu traseiro cheio e bem torneado no assento em frente a ele. “Eu não vi você aqui antes.” “Não estive aqui antes.” Usando a desculpa de sinalizar para uma garçonete, ele olhou em volta e viu Arizona tentando envolver o jovem garçom em uma conversa. Ela parecia nervosa, até um pouco perigosa. Não se apresse, querida. Não empurre. Arizona tinha uma tendência natural para defender os oprimidos, então Spencer não confiava em sua capacidade de manter o controle. 454


Quando a garçonete não se aproximou, Spencer perguntou à Vermelha, “O que você está bebendo?” “Rum e Coca-Cola.” “Sente-se e aguarde, então.” Ele tocou a mão dela descansava na mesa. “Irei pegar.” “Eu não vou a lugar nenhum.” Ele estava tão ansioso para enviar um sinal para Arizona, que quase perdeu o olhar apreciativo de um bêbado. No último segundo, ele piscou para ela. Após ir a passos largos para frente do bar lotado, ele se inclinou em Arizona, tendo a certeza de tocar ao longo de todas suas costas, e falou com o barman. “Muito serviço?” Arizona olhou para trás e acima para ele. Graças a Deus ela não estava realmente comendo, estava apenas mexendo a comida ao redor do prato. Ela mordiscou um canto do sanduíche, deu algumas mordidas na alface de sua salada. O barman olhou para a sua posição sobre ela e fez uma careta. “O que você precisa?” “Uma bebida para a senhora.” Ele acenou com a cabeça para trás na cabine onde Vermelha esperava por ele. “Rum e Coca-Cola.” “Mandarei entregar para você.” “Obrigado,” Inclinando novamente, ele se esfregou o corpo contra Arizona. “Desculpa.” Felizmente, o jovem garçom tinha usado a interrupção oportuna de Spencer para escapar da inquisição de Arizona. Mas Arizona não havia percebido isso ainda. Seu olhar afiado passou de Spencer para a ruiva. Ela não encarou, mas pegou a atitude e aparência da outra mulher em meros segundos. Com sua boca apertada, ela levantou o copo de chá, dizendo: “Não há problema” de uma forma tranquila que não o enganou nem por um segundo. Perfeito. Deixe que ela fique nervosa com sua possível captura, Spencer pensou, em vez de chutar bundas. Nesse meio tempo, ele manteria a companhia de Vermelha enquanto assistia a todos os outros no bar, alerta e pronto para reagir se fosse necessário. E com Arizona, tudo poderia ir para o inferno em um instante.

454


***** NA ENTRADA DE UMA VELHA GARAGEM trancada para a noite, Dare ficou fora de sua van preta alugada e vigiava o Goose Green. O ar era espesso com a ameaça de outra tempestade de verão. Nuvens escuras nadavam ao redor da lua. A parte de trás de sua camisa estava colada à sua pele. Os mosquitos zumbiam nas proximidades. Ele podia cheirar óleo, gasolina e lixo velho. A garagem estava localizada no topo de uma subida ao lado de uma ponte raramente usada. Deu-lhe o ponto de vista perfeito. Ele podia ver tudo, e se for necessário, poderia chegar até a estrada em menos de um minuto. Seu telefone tocou, então ele o tirou do bolso de sua calça jeans e colocou no ouvido. Sempre cauteloso, ele não disse nada. Trace perguntou: “Ocupado?” “Esperando. Assistindo.” “Deve ser uma noite tranquila.” Mas com Arizona envolvida... tudo poderia acontecer. Dare sabia que todos partilhavam a mesma preocupação por ela. Em tão pouco tempo, ela havia atraído a todos e os conquistado. Ele só precisou de uma olhada para ver que atrás de toda a estranha ousadia se escondia sua vulnerabilidade. Eles também reconheciam a coragem genuína de Arizona, carinho e determinação para fazer do mundo um lugar melhor. Apesar das arestas de Arizona, Dare gostava muito dela. E ele a respeitava. Assistir suas costas esta noite era um prazer e uma honra. “Essa chamada é apenas para confirmação?” “Para Jackson. Ele está caminhando sem parar.” Dare sorriu. Jackson pensava em Arizona como uma irmã mais nova. Acrescente a isso seu casamento iminente e paternidade e Dare sabia que ele tinha razão para passear. “Então por que foi você que chamou?” “Porque eu estava pensando... depois do que você viu, o que achou?” 454


“Sobre como ela estava?” Ele deu de ombros para si mesmo. “Eu definitivamente reparei.” “Matadora, certo?” Ele sabia que Trace mencionou como um problema em potencial, não por interesse pessoal. “Ela vai deixar Spencer insano.” “Provavelmente.” Trace fez um som rude. “Mas ele pode lidar com isso.” “Eu não acho que há muita chance de Janes a ignorar hoje à noite.” “Duvido que alguém naquele lugar vá ignorá-la.” É verdade. Poucas mulheres pareciam como Arizona, mas ela também tinha uma confiança que aumentava seu apelo físico. “Esse é o ponto.” No fundo, ele ouviu Jackson fazer uma pergunta e Trace responder. “Spencer tem uma coisa para ela,” Dare afirmou. “Ele está tentando negar isso.” Hum. Ele não podia ver Spencer fazendo uma negação muito boa neste momento. “Ela tem uma queda por ele, também.” “Mais do que uma queda,” Trace: “se eu estiver lendo isso direito.” “Será que Spencer percebeu isso?” Na experiência de Dare, um monte de homens nunca via os sinais. Spencer parecia mais atento que a maioria, mas onde Arizona estava em causa, existia uma grande quantidade de porcaria emocional para resolver. Seria fácil perder os sinais no meio de problemas maiores. “Ele acha que ela é muito jovem, e com a sua experiência passada, ele está... cauteloso.” “Só um idiota não seria. Mas no caso do Arizona, eu não posso ver a idade como um fator negativo. Ela viveu o suficiente para três vidas.” Abaixo do Goose Green, uma van branca se aproximou, dirigiu-se lentamente para o beco entre os prédios e parou na parte de trás do bar. Dare estreitou seu olhar. Não era uma van de entregas, era? “Eu acho que nós temos problemas.” Pegando no seu tom de voz, Trace perguntou: “Qualquer ameaça direta à Spencer ou Arizona?” “Ainda não.” Ele explicou sobre a van. “Supondo por instinto aqui, mas eu diria que a van está aqui para levar Arizona, ou talvez para transportar alguns dos prisioneiros.” Tanto para si como para Dare, Trace disse:

454


“Spencer não vai deixar Arizona fora de sua vista. A menos que as coisas explodam, você pode assumir que ela ainda está segura.” Mas o que dizer dos seus alvos? “Com Arizona, são boas as chances de que ela será a única a acender o pavio.” E distinguir as vítimas e os agressores poderia ser complicado. “Talvez devêssemos abortar.” Spencer conhecia os códigos e entenderia a situação. “Veremos. Eu estou chegando mais perto, mas checarei com você mais tarde.” “Obrigada. Manterei Jackson aqui.” Dare sorriu. “Sim, faça isso.” E desligou a chamada. Em um momento, ele estava em frente ao bar e através da grande janela da frente, viu a multidão, mas não poderia ver Spencer ou Arizona. Ele estacionou nas proximidades, e em seguida, movendo-se como um fantasma nas sombras, fez o seu caminho de volta até que pudesse ver a van. Em passos silenciosos ele se aproximou sem ser visto, mas perto o suficiente para ouvir a conversa tranquila entre dois homens, um motorista, o outro andando com uma espingarda. Não deveria ter mais homens na parte de trás da van, mas não se atreveria a pensar assim. A conversa não citou ninguém. Perto de seus pés, um rato passou correndo. Lá em cima, uma brisa úmida agitou uma árvore de sicômoro velho, balançando folhas e galhos. Através do painel de vidro da porta de trás do bar a luz derramava, enviando sombras ao redor das lixeiras transbordando e dos muros de tijolos quebrados. “Eu ouvi que esta cadela era diferente. Jovem.” O motorista riu. “Fresca.” “Carl me disse que ela é realmente uma peça de primeira.” Depois de um gole de cerveja, o motorista jogou a lata vazia na direção da lixeira. Ele errou e a lata ricocheteou nos tijolos com barulho. “Você acha que iremos obter um pedaço dela primeiro?” “Não vejo por que não. Uma vez que façamos isso em segredo, não sei porque importaria quem fica com o primeiro gosto.” “Eu recebo o pagamento antes de você.” E então, como uma reclamação, o motorista acrescentou: “Você é tão duro, você sempre as deixa meio inconscientes.” 454


“Eu as faço desmaiar.” Eles compartilharam uma risada cacarejada. E embora não soubessem, tinham selado seus destinos. Dare não tinha dúvidas que era sobre Arizona que falavam, mas eles não teriam a chance de machucá-la. Eles não fariam mal a ninguém, nunca mais.

***** Não foi fácil para Arizona manter sua atenção fora Spencer. Maldito fosse, ele tinha que desfrutar tanto da sua cobertura? Várias vezes agora, mesmo por cima da música aos berros, ela o ouviu rir. Embora tentasse não fazer, ela continuou espreitando discretamente. Sobre a mesa, ele inclinou-se para a mulher, perto o suficiente para beijar. Mãos entrelaçadas, pés juntos debaixo da mesa, olhar íntimo... “Você quer café para beber com a torta?” Arizona deixou seu olhar passar pelo resto da sala como se estivesse interessada no bar em geral, não em Spencer, em particular. Ela se virou para o jovem garçom. “Não, obrigada.” Ele começou a recolher seus outros pratos. Para mantê-lo perto e esperançosamente o envolver, ela perguntou: “Quin é realmente o seu nome?” Ele vacilou. “É... Sim.” Ela inclinou a cabeça. “Não soa latino-americano.” “É um apelido para Quinto.” Ah, então era o seu verdadeiro nome. “É sempre assim ocupado, Quinto?” Ele deu de ombros com cautela. “Essa hora da noite, sim. Fins de semana são mais movimentados.” Que ele dissesse tantas palavras juntas a surpreendeu e incentivou. Até agora, ele tinha estado correndo de um cliente para o outro sem interrupção e sem muita conversa. “Você trabalha nos fins de semana?” 454


“Sim.” “Quais são suas noites de folga?” Ele pareceu perder uma batida, seu olhar arisco, seu humor ainda mais. “Isso varia.” Sentando para frente, Arizona cruzou os braços sobre o bar. “Você gosta de trabalhar aqui?” Sua atenção pulou para Carl. Tanto ele quanto Terry Janes estavam caminhando em torno do bar, conversando em voz baixa com os clientes, observando os seus trabalhadores a partir de diferentes ângulos, ocasionalmente indo para a parte de trás em direção aos escritórios. Em tudo, eles faziam que fosse difícil para Arizona os acompanhar. Mas Quin sabia certamente onde encontrar a ameaça mais imediata, e essa era Carl. Ele lambeu os lábios. “Eu preciso voltar para a cozinha.” Clientes sedentos mantiveram o barman ocupado enchendo copos, e uma troca discreta de dinheiro para as drogas ocupava a atenção de Carl. Arizona não viu Terry Janes, mas fez apenas uma varredura superficial da área. Ela não queria arriscar perder esta oportunidade. “Então, Quin.” Ele deu-lhe um olhar curioso e cauteloso. “Sim?” Apoiando-se em direção a ele, com a voz baixa, Arizona perguntou: “Como você quebrou seu dedo?” Inquieto, Quin abriu a boca, mas nada saiu. Fingindo alisar a frente da camisa dele, deslizou uma nota no bolso. O alarme em seu olhar disse que sabia o que ela tinha feito, mas não tinha ideia do porquê. “Se você quiser conversar, me chame. Eu posso ajudar.” Tremendo, ele lambeu os lábios novamente, com medo, talvez esperança. “Qual a história?” Ela tentou um sorriso simpático. “Seu dedo?” Ele prendeu a respiração, mas finalmente, disse: “Isso foi... um acidente.” “Eu não penso assim.”

454


“Eu tenho que ir.” Ele tentou reunir o resto de seus pratos rapidamente e quase derrubou a dose restante de uísque. “Você deve beber isso.” Pobre coitado. Piedade brotou nela; ela podia ver seu medo, até mesmo sentir o cheiro, e isso a deixava furiosa, fazia com que quisesse destruir o lugar. O que também quase a derrubou foi a necessidade de ajudar. “Você mora por aqui?” Embora suas reações já tivessem dito o suficiente, ela pressionou. “Ou você vive... aqui?” Depois lançar um olhar temeroso ao redor, ele empurrou o uísque para ela. “Beba. Por favor.” Para satisfazê-lo, ela inclinou o copo e engoliu a bebida, em seguida, o entregou vazio. “Ok?” Em vez de responder, Quin olhou sobre o seu ombro e lá estava Terry Janes, não mais de um metro atrás dela. Uma mulher estava pendurada em seu braço esquerdo, e um homem contava dinheiro para na sua direita. E ele olhava diretamente para Arizona. Bem, maldição. Ela estava tão absorta no jovem garçom que não tinha percebido Terry Janes chegando perto. Com a música alta e estridente e o zumbido de várias conversas, ele não poderia ter ouvido tudo o que tinha dito. Mas talvez a expressão de culpa de Quin tivesse dado a dica, porque a intensidade do olhar do proprietário do bar engolfou ambos. Oh, Deus, se ela tivesse colocado Quin em apuros... “Veja” Arizona disse rapidamente. “Deixe-me ajuda...” “Se você não quer mais nada,” Quin interrompido, “Preciso voltar ao trabalho.” Ele começou a se afastar. Arizona segurou sua manga. “Espere.” Primeiro miserável e depois desafiante, ele fez uma pausa. “O que?” Arizona pressionou a torta em direção a ele. “Por favor. Eu estou controlando o meu peso, mas seria uma vergonha que a sobremesa fosse para o lixo. Você comeria isso por mim?” Sua mandíbula trabalhava. “Isso é para você.” “Mas eu não quero isso. Hoje não.” 454


Dúvida aparecia em sua expressão. “Você deve comer de qualquer jeito.” E com isso ele se afastou, mas ele deixou a torta para trás. Então, alguém havia adulterado isso? Será que continha drogas ela, pra deixá-la dócil, ou pior? Recusando-se a correr o risco, Arizona empurrou a torta à distância. Mas agora, sem Quin para conversar e com seus alvos todos ocupado, ela se sentia incerta. Ela sempre teve um problema com a impaciência. Pelo menos Quin agora tinha o número do seu celular diário. Esperançosamente ele a chamaria. Esperançosamente ele a deixaria ajudar. E em breve. Ela queria agir, “consertar” as coisas, no entanto, e ela poderia, de preferência pisando em alguns bandidos. Ela tinha um novo respeito para como Trace, Dare e Jackson lidavam com os criminosos de vários níveis que haviam trazido à justiça. Ela bateu os dedos sobre o bar, balançou um pé no ritmo da música, olhou para um bêbado malicioso e desejou que Carl de apressasse a voltar para ela, para que pudessem colocar o show na estrada.

***** “Espere um segundo, querida.” Esquivando de mãos possessivas e uma boca molhada, Spencer puxou o celular zumbido do bolso. Ele abriu o aparelho para ver a mensagem: Luzes apagadas em trinta. Não era um código, mas vinha de Dare. O que isso significava? Não tinha certeza se deveria antecipar um nocaute, um apagão ou ambos, ele verificou a hora em seu relógio. Relutante em deixar a ruiva beijar sua boca, Spencer se esquivou de novo, e ela mordeu seu queixo. Com uma mão em seu ombro, ele a pressionou para trás. “Espere, docinho.” Rapidamente, antes que as coisas saíssem do controle, ele teclou uma confirmação de recebimento da mensagem e devolveu o telefone para seu bolso. 454


“Negócios?” ela perguntou, enquanto voltava resoluta para seu assento em frente a ele. “Nada de importante.” Se ele chamasse Arizona e mandasse para o inferno esta noite? No mínimo, ele tinha que mantê-la perto. Agora ela parecia entediada, o que não agourava nada de bom para ninguém. Então, de repente Terry Janes passou por ela novamente, descendo um corredor em direção à parte de trás do bar, além dos banheiros e cozinha. E Spencer sabia – ele sabia – exatamente o que Arizona estava pensando. Era estranho como ele podia lê-la, mas quando ela empurrou o banco do bar sem olhar para ele, não lhe dando oportunidade para dissuadi-la com um sinal sutil, ele sabia que ela seguiria Janes. Quando eles estivessem a sós novamente... Lutando com estes pensamentos, Spencer se preparou para ir atrás dela, e para o inferno coma sua cobertura. No último segundo, isso foi desnecessário. Com alívio, viu quando ela foi impedida por uma nova distração.

***** INTERRUPÇÕES malditas... Ele fechou os punhos, trancou joelhos e aceitou o inevitável. Detido, mais uma vez. Por tantas noites agora, ele esperou que ela voltasse ao seu bar. Agora ela estava aqui, mas nada estava resolvido ainda. Frustração arranhou a superfície de sua fachada calma, uma fachada de controle, de normalidade. Ele tinha que tê-la. O quanto antes melhor... mas se fosse forçado a isso, ele poderia ser paciente. Esperar, muitas vezes, trazia as melhores recompensas. Por enquanto, ela estava muito agradável, dando atenção para aqueles que não mereciam. Vadia estúpida. Quando fosse a hora certa, ele iria ensiná-la melhor. 454


Mas não era esse tempo ainda. Ainda não. Logo.

Capítulo Doze “ESPERE.” Assustada pela interrupção, Arizona olhou para baixo na pequena mão pálida que a agarrava pelo braço. “Por favor.” Ela mão foi rapidamente recolhida por um pateta em óculos de lentes grossas, um pouco panaca, com uma cabeça de cabelos castanhos rebeldes meio escondidos debaixo de gasto boné esportivo. “Espere.” In-pirando-crível. Suas sobrancelhas levantaram com indignação. “Como é que é?” “Olhe.” Tremendo, ele empurrou um pedaço grande, de papel duro em sua direção. “É você.” Ela suspeitou que o rapaz havia virado vermelho brilhante, mas a baixa iluminação tornava impossível dizer. Ela não queria ser rude, mas ela não tinha tempo para isso. “O que é?” Olhos correndo por toda parte, de maneira recatada, ele virou o desenho feito a lápis de modo que a luz brilhasse sobre ele. Ah, Nossa. Era ela. Ela chegou mais perto da pequena mesa redonda de dois lugares onde ele estava sentado. Ele capturou sua semelhança em perfil. Espantada, Arizona estudou o desenho que ele segurava. 454


Embora ela não tivesse exatamente posado ou ficado parada... ele conseguiu uma reprodução quase precisa dela... exceto que parecia melhor. Ele até deu a ela um sorriso que parecia genuíno em vez de forçado. E o desenho não enfatizava seus seios ou suas pernas. Quem olhasse para ele não veria mais que uma mulher jovem, despreocupada. Ele a tinha retratado como inocente, até mesmo doce. Ela nunca admitiria isso para ninguém, mas ocasionalmente desejava ser uma mulher assim. “Eu não sei o que dizer.” Um sorriso brilhante iluminou sua feição singela. “Então, você gostou?” “Bem... sim. É fantástico. Realmente lisonjeiro.” Ele abaixou seu rosto. “Não é tão bonito quanto você.” “Pffft.” Ela tinha espelhos, mas sabia que nunca teria sido tão... suave. Ou gentil. Como se estivesse surpreso com a reação dela, ele olhou para cima novamente. “Eu tentei, mas não consegui realmente lhe fazer justiça.” E então, com uma expressão intrigada: “Você não sabe o quão bonita você é?” Na mesa redonda estava uma pilha de papéis, mais lápis e um bloco de desenho. Hum. A curiosidade levou a melhor sobre ela, e ela levantou a capa do bloco de desenho, mas era um retrato da jukebox e uma cabine. O que estava debaixo era a lua através da grande janela da frente, obscurecida pelas grossas barras de ferro. No desenho, as pessoas estavam nos bancos ao redor da janela, mas não eram o foco. Ignorando sua pergunta, Arizona perguntou: “Isso é o que você faz?” Ela apontou para os papéis. “Você senta aqui no Goose Green e desenha?” “Eu tenho que pedir comida, também.” Ele sorriu timidamente. “Caso contrário, eles me fazem sair.” “Por que aqui?” “A iluminação é boa.” Sim, claro. Arizona olhou para a lâmpada fraca sobre a sua mesa. Apenas a área do bar ostentava luz real, e até lá era mais para efeito do que iluminação. “Essas luzes estroboscópicas não pode tornar fácil desenhar.”

454


“Elas fazem sombras interessantes. E eu posso desenhar as pessoas, sem que elas saibam disso, porque não podem ver o que eu estou fazendo.” Ele franziu o cenho. “Ou talvez elas simplesmente não se importem com o que estou fazendo.” Triste. Com suas roupas incompatíveis e forma infantil, Arizona imaginou a sua idade e nível de maturidade. Definitivamente não era um garoto, mas... era só. Ela não podia dizer mais. “Você é muito bom.” Ele ajustou o boné, mexeu desconfortavelmente, então empurrou a imagem em sua direção. “É para você. Fique com ele.” “Sério? Ohh, obrigada.” O que no inferno ela faria com um desenho a lápis de si mesma? Não que ela pudesse pendurá-lo na casa de Spencer ou em uma parede de motel. Mas de jeito nenhum ela queria ferir seus sentimentos. O barulho aumentou e diminuiu em torno deles. Alguém a empurrou, um casal passou bem perto deles, dois homens riram alto. Feita com o desperdício de tempo, Arizona o enrolou colocou na sua bolsa. O esboço era grande o suficiente que mais de metade ficasse para fora da abertura da bolsa. Ela teria que tomar cuidado para não perdê-lo. “Obrigada.” As luzes piscando deram um vislumbre de seu sorriso beatífico. Agora, onde tinha ido Terry Janes? Ela o perdeu de vista, e não havia maneira que pudesse ir bisbilhotar nos bastidores. Spencer teria um ataque. Mas ela precisava localizá-lo. Será que ele sabia e estava prestes a segui-lo? Será que estava se escondendo dela? O bastardo preguiçoso. Antes que ela pudesse decidir o que fazer, o artista pegou novamente seu braço. “Eu... eu sinto muito. Eu não quero ser agressivo.” A preocupação substituiu a sua felicidade. “Mas você não quer falar com aquele cara.” “Quem?” Engolindo em seco, ele hesitou, depois lançou um olhar temeroso ao redor da sala. “O cara que você estava seguindo.” Droga, ela era realmente tão fácil de ler? Arizona colocou os ombros para trás, em uma postura arrogante. 454


“O que faz você pensar que eu estava seguindo alguém?” “Você estava olhando para ele.” Aflito, ele tirou o chapéu e o torceu em suas mãos. “Eu vi você” Após uma análise mais aprofundada, Arizona imaginou que ele estivesse em algum lugar entre o final dos vinte e início dos trinta anos. Ele não era exatamente comum, mas, com exceção de uma pequena cicatriz sob seu olho direito, ele era muito simples. Na sua falta de resposta, ele deu de ombros. “Quando eu estava chegando, notei que você perguntou sobre um emprego.” Mesmo nas luzes baixas sempre mudando, ela podia ver a sinceridade em seus olhos amáveis. “E então?” Agonizante, ele olhou em volta novamente, e então, ao invés de continuar a gritar com ela, ele a puxou para perto. Em um sussurro, advertiu, “Você não quer trabalhar aqui.” Um aliado? Bem, ok, então. Sentando na cadeira em frente a ele, Arizona colocou sua bolsa sobre a mesa e inclinouse para encontrá-lo no meio do caminho. Combinando seu sussurro, ela perguntou: “Por que não?” “Aquele cara que você ia falar? Aquele é Terry Janes. Ele é dono do lugar.” Estando perto dele, Arizona pegou seu cheiro, mas não era desagradável. Mais como suor honesto e frescor de ar livre. Talvez como a forma como alguém cheirava após andar em um parque ou depois de cortar a grama. Seu olhar foi para a cicatriz em seu olho. “Você o conhece bem?” “Mais ou menos. Eu não acho que ele é...” Ele mordeu seu lábio superior. “Bem, ele não é muito agradável.” Mas que eufemismo! Arizona debateu a sabedoria de falar com ele. Isso poderia ser arriscado. Quanto menos pessoas interagissem melhores suas chances de fazer um jogo duro e fugir ilesa. Mas ela meio que sentiu pena do cara; ele lembrava um filhote de cachorro - muito ansioso, muito irritante, mas ainda assim irresistível. E se ele soubesse alguma coisa útil sobre Janes, que pudesse ajudá-la...

454


Dando-lhe seu sorriso mais atraente, Arizona estendeu a mão. “Sou Candy. Qual o seu nome?” “Oh, eu... hum...” Mais uma vez perturbado, ele agarrou sua mão e apertou-a com muito entusiasmo. “Joel Pitts. Você pode me chamar de Joel.” Com um nome como Pitts, ele provavelmente foi muito zoado na escola. “Ok, Joel.” Com esforço, ela libertou sua mão. “Sou toda ouvidos. Vamos ouvir o que você tem a dizer.” Indeciso, Joel ajeitou os óculos, mexeu, então se inclinou para frente em antecipação. “Eu não tenho provas, mas eu tenho certeza que...” “Outra vez, Joel?” Arizona saltou quando um homem agarrou seu ombro. Ela viu os olhos de Joel girarem em terror, sua boca abriu de pavor. Por um momento, ele pareceu prestes a desmaiar. Sentidos afiados, ela olhou para a mão em sua pele, em seguida, até o braço pouco musculoso e para a tatuagem tribal intrincada. Finalmente. Obrigada a fingir um ar de incerteza, ela esperou até que ninguém menos que o próprio Terry Janes fosse para o lado dela. Pobre Joel quase escorregou de sua cadeira. Gaguejando, ele disse: “Ei, Sr. Janes. Eu só estava... Eu estava apenas a desenhando, isso é tudo.” “É isso mesmo?” Plenamente ciente da mão quente que pressionava seu ombro nu, Arizona disse: “Ele é realmente talentoso.” Depois de retirar o desenho e desenrolá-lo sobre a mesa, ela virou o rosto para Janes e encontrou seu olhar com um sorriso doce. Ele ainda fixava seu rosto, olhando-a como se estivesse encantado. É isso aí, otário. Pegue a isca. Ela fez questão de lamber os lábios, de abaixar seus cílios e bancar a tímida. Seus dedos apertaram em seu ombro em reação. “O desenho é tão amável. Você não acha?” Em sua pergunta, uma carranca pequena uniu as sobrancelhas e ele voltou sua atenção para o desenho. 454


Isso lhe deu a oportunidade de estudá-lo de perto. “Ela disse que gostou,” Joel balbuciou. “É por isso que ela está sentada comigo.” Janes olhou do retrato para ela e vice-versa. “Não é ruim, Joel, mas está faltando um pouco da sensualidade crua.” Seu polegar acariciou articulação do ombro do Arizona. Bajuladoooor. Seu traje de jeans justos, uma camisa branca a botas de bico fino parecia absurdo. Ela supôs que a camisa era para que ele pudesse mostrar sua tatuagem. Péssima decisão. Ao contrário de Spencer, Janes tinha um peito magro, ombros ossudos, e seus bíceps estavam longe de ser impressionantes. Arizona colou um sorriso no rosto. “Então você é o Sr. Janes?” “Você pode me chamar de Terry. Ou Cowboy se quiser.” “Cowboy?” De onde no inferno vinha isso? “É como os frequentadores me chamam. Eu te vi aqui antes, você pretende se tornar uma cliente regular agora, certo?” Como se não estivesse acostumada a alguém da sua laia a estimado e dimensionando, ela arregalou os olhos teatralmente. “Você reparou em mim?” “Oh, sim, querida, eu reparei.” Levantando a mão possessiva do ombro, ele sinalizou para o barman. Imediatamente, dois copos e uma garrafa de uísque foram colocados sobre a mesa entre eles. Ela nunca foi de beber, mas em caso de necessidade, ela aprendeu a segurar a sua onda. Às vezes, a bebida foi forçada sobre ela e estando bêbada, suas defesas diminuíam. Agora ela prefere manter seu juízo, não entorpecê-lo com bebidas alcoólicas, mas não parecia que Terry lhe daria uma escolha. Ele encheu ambos os copos. Se fazendo de tola, Arizona começou a empurrar a cadeira para trás. “Bem, eu sairei do caminho para que vocês dois possam...” Pegando seu ombro novamente, Janes a pressionou sua volta para sua cadeira. “Beba.” Ele bebeu tudo em um gole e serviu outra dose.

454


Arizona brincou com o copo. “Você não parece um cowboy para mim.” Mais como uma doninha. Ou um verme. “Por que eles o chamam assim?” Com um olhar escuro e pesado, ele olhou fixamente em seus olhos e um sorriso curvou sua boca dura. Ele disse suavemente, mas com comando claro que passou cortando o barulho, “Beba.” Querendo gemer, Arizona levantou o copo, respirou e tomou um gole. “Ah-ah.” Ele tocou o fundo do copo, mantendo-o em sua boca, desviando-se. “Toda a dose.” “Mas...” empurrou agressiva. “Eu não sou muito de beber.” “Então você vai aprender.” Maldição! Com maneira como ele apertava o copo à boca, ela verdadeiramente não tinha escolha. Sabendo que não haveria como negar, ela engoliu o uísque e quase jogou o copo de volta na mesa. O chiado de sua respiração era apenas parcialmente falso. “Boa menina.” Ele imediatamente serviu-lhe outra dose. “Eu tenho esse apelido, porque eu domestico selvagens.” “Selvagens?” O idiota estava realmente admitindo tráfico de seres humanos? Será que ele realmente tornaria tão fácil para ela? Ou será que ele de alguma forma, estava se gabando de suas proezas sexuais? “É verdade.” Seu sorriso mostrava dentes brancos muito fortes, retos. “Diga para mim, açúcar mascavo, você foi domesticada alguma vez?” O ultraje endureceu sua espinha e endireitou ombros. Oh, dar um tiro nele. Apenas uma vez. Talvez nas bolas. De jeito nenhum maldito ela poderia deixar de reagir ao escárnio. Esquecendo sua atuação por um momento, ela olhou para ele e perguntou com uma ameaça macia, “Isso foi um insulto racista?” “Isso foi um elogio, querida. Você tem aparência marcante – como uma perfeita combinação de fatores.” Ele correu as costas de um dedo para cima e para baixo em seu braço. “Onde você conseguiu o bronzeado? Mamãe ou papai?” Matá-lo ele soava cada vez melhor e melhor. “Minha mãe era escura.” 454


“Ela era uma beleza como você?” Grande sofrimento, como isso havia ficado tão pessoal? Ela esperava que ele dissesse coisas brutas. Que fosse nojento. Ela não esperava que ele falasse sobre seus pais. Ela não esperava que expusesse os demônios pessoais de seu passado. “Eu não sei, na verdade,” ela mentiu. “Perdi minha mãe há muito tempo. Eu mal me lembro dela.” Se apenas isso fosse verdade. Ela se lembrava de sua mãe com muita frequência. Era seu pai que gostaria de esquecer. “Cresceu sem mãe, né? Então talvez você seja uma das mais selvagens, é isso? Ou algum sortudo já suavizou você?” Arizona olhou para ele, recusando-se a recuar, recusando-se a desviar o olhar. Ele não sabe. Ele não sabe. Ele não sabe. Mas é certo que parecia como se soubesse, como se olhasse para ela e soubesse que seu pai a havia vendido, como se ele pudesse reconhecer a mancha que o tráfico de seres humanos havia deixado em sua alma. Quase congelado em apreensão, Joel sentou lá assistindo a conversa. Janes estava ao lado dele, bloqueando qualquer fuga, usando sua presença para assustar e intimidar. E para o pobre Joel, isso funcionou. Para ela... sim, ela não intimidava tão facilmente. Ela apenas antecipava o momento em que começaria a derrubá-lo de sua viagem de poder. Mas, por enquanto, por Joel e Quin e qualquer outra pessoa inocente presa no líquido deste bastardo, ela teria que jogar com calma. “Suavizou a mim? Eu não entendo o que você quer dizer.” Oh, Arizona, não recatada o suficiente. Jogue junto. Calma. Ela forçou uma risada coquete. “Seja o que for, parece impertinente.” Janes riu, em seguida, lançou um olhar de soslaio para o artista. “Ela não é para você, Joel.” “Ah, mas eu não estava...” Com os dois olhando para ele, Joel se encolheu. “Eu não faria isso. Eu juro.” 454


Arizona sabia que tinha que moderar sua raiva, mas havia algo sobre Terry Janes que tornava quase impossível para ela bancar a Miss Inocente. Percebia o nível de imoralidade exagerada em tudo sobre ele, cada olhar, sorriso, mesmo o jeito que ele movia suas mãos e a inclinação de sua cabeça. Ele poderia ter sido o tio de alguém, um estranho tio favorito - em vez disso, para muitas pessoas, ele se tornou um pesadelo. “Joel é bom. Apreciei a sua companhia.” Atordoado por sua ousadia, Joel olhou boquiaberto. “Não, não, eu... eu não...” “Você está defendendo ele? Realmente?” Janes puxou seu cavanhaque. Tom plano, cheio de ameaça, ele murmurou, “Cai fora, Joel. Agora.” Em um quase pânico, Joel começou a reunir seus papéis. Mas antes que ele tivesse terminado, Janes arrastou-o para fora da cadeira e o mandou embora com um empurrão. Papéis e lápis se espalharam pelo chão. Mortificado, Joel caiu de joelhos para recolher tudo.

***** A cada segundo que passava, Spencer ficou mais rígido. Já se sentia mal o suficiente por usar a mulher que agora tinha esperança de sair com ele. Ela pensou que era excitação a causa da sua tensão crescente. E em outras circunstâncias, talvez, apenas talvez, ele teria encontrado a ideia de dormir com ela um pouco menos repugnante. Mas agora, neste momento, ele estava tão ciente de Arizona inclinando cada vez mais perto da violência que nada e ninguém poderia desviar sua atenção. A crueldade deliberada de Terry Janes com o homem pequeno faria Arizona ver vermelho. Ele sabia, porque ele abominava ameaças também. Um olhar furtivo para o relógio mostrou que tinha mais 22 minutos. Não havia muito tempo para chegar a um plano sólido para tirá-la da situação sem aviso prévio. Mas mais que tempo suficiente para Arizona começar a decapitar pessoas.

***** 454


CERRANDO SEUS DENTES contra a necessidade de atacar, Arizona fez um movimento para ajudar Joel. Janes disse: “Não faça isso.” Ele falou com tal comando que ela fez uma pausa. Mas ela não podia reprimir sua censura. “Isso foi cruel.” “Não, isso é a vida. Não cometa o erro de encorajá-lo com bondade.” Inclinando-se para frente, Janes pegou sua mão e a puxou em direção a ele, de modo que ela teve de se inclinar sobre a pequena mesa redonda. Agora que ele a tinha perto, não precisava falar alto para ser ouvido. “Joel é como um vira-lata. Se você alimentá-lo, nunca irá embora. Mesmo eu o chutando de vez em quando, ele volta.” Ela podia praticamente sentir o tremor de Joel enquanto ele lutava para recolher suas coisas do chão. E ela sentiu a intenção de Janes, tanto sexual quanto de dominação; ele não tentou ser sutil. As razões para destruí-lo continuavam aumentando – especialmente quando ele estendeu a mão para tocar seu cabelo. Em voz baixa, cantando, ele murmurou, “Eu aposto que você é sedosa e quente assim em todos os lugares.” Mesmo quando sua pele se arrepiou, Arizona não se afastou. As diferenças entre Spencer e um babaca como Terry Janes nunca haviam sido mais evidentes. Ela precisava se concentrar em seu próximo passo, mas ao invés disso, ela pensou em como Spencer a fazia se sentir. Em torno dele, suas preocupações acabavam. Ele deu-lhe respeito e carinho. Deu-lhe a igualdade. Tal um cavalheiro. Certa de que o encontraria fervendo, Arizona olhou para Spencer. Ele ainda estava no mesmo lugar, sentado na cabine. Mas o desgraçado agora tinha a ruiva sentada no seu colo, fazia carícias na lateral do seu corpo, com os olhos fechados enquanto ela chupava seu pescoço, uma de suas mãos em concha sobre o traseiro dela. Aquele filho da... Sim, tudo bem, isso era para disfarçar, mas ele precisava ser tão convincente? 454


Para que ninguém notasse sua raiva, Arizona deixou o olhar deslizar direito sobre o ombro dele e transformou-o no tipo de olhar “em busca de uma fuga.” “Agora, não vá ficar nervosa comigo.” Janes envolveu seu cabelo em torno de seus dedos, segurando-a como uma trela. “Você e eu temos negócios inacabados.” Na esperança de restabelecer seu golpe de ingenuidade recatada, Arizona sussurrou: “Está ficando tarde.” A boca curvando em um sorriso malicioso, ele puxou um pouco mais seu cabelo. “Mas eu pensei que você estava interessada em um trabalho?” “Ah.” Certo. Um trabalho. Ela começou isso, então ela precisava terminar. “Eu estou.” “Bem, querida, bares ficam abertos até tarde e como uma nova contratação, teria os piores horários. Isso significa estar trabalhando até o fechamento.” Sob a mesa, seus pés envolveram os dela. “Isso vai ser um problema?” Só então ela percebeu que Joel havia escapulido. Mas para onde ele foi? Ela espiou ao redor e não o viu. “Não há nenhum problema.” Ela fez questão de não olhar para Spencer novamente. Da forma como as coisas estavam indo por lá, ela poderia ver algo de que não gostaria. Ou melhor, algo que não gostaria ainda mais do que já tinha visto. Oh homem, que ela iria lhe dar um inferno mais tarde. “Fico feliz em ouvir isso.” Janes deixou cair o cabelo e encheu seus copos. “Eu gosto de você, Candy.” Sim, bem, ele não gostaria depois de realmente a conhecer. Ela piscou os olhos para ele. “Você é tão... doce.” A expressão dele não era divertida. “Tome o uísque. Então lhe mostrarei ao redor, combinarei tudo com você. Pode começar amanhã.” “Isso foi rápido, hein?” “Isso é um problema?” “Não.” De alguma forma ela descobriria como fazer isso. Ela tinha que ir até Dare para seu aniversário, uma estúpida circunstância que ela nunca teria antecipado, mas começar a trabalhar no bar lhe daria a desculpa perfeita para abreviar a visita e fazer a viagem o mais rápido possível. “Atualmente, isso seria ótimo.” 454


“Ótimo. Vamos beber à nossa nova associação, então.” Outra bebida poderia colocá-la acima do limite. Ela já sentia o zumbido do álcool inundando seu sistema. O lugar parecia mais quente, como se o ar condicionado estivesse desligado. O calor espalhava pelo seu rosto, deixando sua pele úmida. “Eu não acho que deveria...” “Para trabalhar aqui, você tem que ser capaz de beber.” “Certamente. E eu posso.” Ela podia beber, mas simplesmente não podia controlar seu temperamento, quando bebia muito. “É só que eu já tinha bebido um pouco...” “Decida agora.” A intolerância colocou uma frieza em seu tom. “Você quer o trabalho ou não?” Assim, ele faria uma estipulação para o acordo? Desgraçado! “Eu quero o trabalho. Preciso do emprego.” Mais importante, ela precisava de um passeio pelo prédio. Estudar entradas, janelas e vias de evacuação, ela tinha que saber os prós e contras da estrutura. E ela precisava saber se um ataque colocaria em risco os trabalhadores forçados, se armazenava suas vítimas aqui, presas, ou se ele as deixava em outro lugar, quantas pessoas estavam no prédio. Havia ainda muitas perguntas não respondidas. Levantando o copo em um brinde, Arizona encarou firme, nos olhos do diabo. “Para um novo amanhã.” Ele ergueu o copo. “Para você, Candy e uma noite emocionante por vir.” Sim, uma noite onde ela o desmantelaria ele. “Tim-Tim.” Juntos, eles bateram os copos. Uau. Fogo líquido passou por ela, entorpecendo sua língua e seu cérebro, reunindo como um inferno em suas entranhas. Ela balançou a cabeça para limpá-la a partir da corrida, limpou a boca e colocou seu copo ao lado do dele. “Isso é para acalmar?” Sim, e ela precisava de calma. “Whoa.” Ela balançou a cabeça novamente, mas não ajudou. “Eu acho que estou ficando bêbada” “Você está amolecendo.” Ele esfregou a boca, examinando-a. “Eu gosto disso.” Antes que ele pudesse servir outra dose, Arizona afastou a cadeira e se levantou. “Estou pronta para o meu passeio.” 454


Janes ficou em pé também. “Você está pronta, tudo bem.” Ele colocou um braço em volta dos seus ombros e a puxou para o seu lado. Os dois usavam camisas sem mangas, então havia um monte de pele tocando. Becks, bruto, nojento. Seu estômago realmente cambaleou, mas ela respirou fundo para se recompor e, fingindo tropeçar nele, ela disparou uma cotovelada em sua barriga. “Merda!” Ele a empurrou com força e suas mãos agarraram seus braços. “Foda-se, cuidado.” Rindo, Arizona achatou as mãos sobre o peito estreito. Não havia muito o músculo lá. Se colocada à prova, ela achou que provavelmente poderia com ele. Ela aproveitaria uma chance de descobrir. Ela se inclinou para ele e riu novamente. Olhando em seus olhos, ela sorriu. “Você sabe, eu acho talvez tenha bebido demais.” Lentamente a raiva de Janes desapareceu. “Menina, eu acho que você teve o suficiente.”

Capítulo Treze

454


SPENCER fervilhava em silêncio enquanto Arizona sorria, brincava e de modo geral irritava Janes. Ela se agarrava a ele como uma tábua de salvação; ele não podia dizer se ela estava realmente vacilante, ou se era uma de suas manobras insanas. De qualquer maneira, como ele havia previsto, ver as mãos de outro homem sobre ela era impossível de suportar. Ele ficou especialmente furioso quando Janes acariciou seus cabelos com uma mão e sua bunda com a outra. Eu vou matá-lo. Se Arizona não fizesse isso primeiro. Ela já havia conseguido dar uma cotovelada agora mesmo uma joelhada na sua virilha. Janes parecia lívido, pronto para puni-la, até que Arizona se aconchegou nele novamente. Ela era tão desonesta com seu jogo de empurra e puxa. Enredando uma mão em seu cabelo, Janes puxou a cabeça para trás e colocou seu rosto perto do seu pescoço. Spencer sabia que tinha que fazer algo, e rápido. Como fugir da ruiva, sem causar uma cena? Por várias vezes ela quase o consumiu, e mantê-la interessada enquanto espreitava não tinha sido fácil. Antes de mais nada, suas táticas de adiamento a haviam acendido mais. Em um ponto ela tentou abrir seu zíper, oferecendo-lhe um trabalho lá mesmo na cabine. Apesar de todos os seus esforços, ele não havia sentido uma única pontada de interesse. Não quando queria apenas Arizona e não enquanto ela brincava com o perigo. Ignorando o calor da boca da mulher provocando-lhe a orelha, Spencer estudou rapidamente no ambiente do bar. Ele precisava de alguma inspiração. Interpretando mal, Vermelha sussurrou: “Vamos sair daqui.” “Sim.” Talvez ele pudesse tropeçar seu caminho para fora com ela. Talvez ele pudesse... Com uma expressão cruel, Terry Janes se virou com a mão presa firmemente na parte de trás do pescoço do Arizona, mantendo-a perto, meio a arrastando, enquanto se dirigia para a parte de trás do bar. 454


Foda-se. Pronto para correr, Spencer levantou – e de repente o artista estava lá, tropeçando em Janes enquanto tentava mostrar a Arizona outro retrato que ele tinha desenhado. Graças ao piscar das luzes, viveu a cena como um filme. A cada segundo de escuridão mudavam os atores, cada flash de luz os iluminava em uma nova posição. A música pulsava nas têmporas de Spencer, aumentando sua raiva. Janes tentou passar por Joel, mas ele ficou perto, estragando seus planos. Deus abençoe o homem, apenas a interrupção que ele precisava. Como a ruiva ainda estava ao lado dele, Spencer disse: “Você está em trios, certo?” “O quê? Não!” “Vamos.” Ele estendeu a mão para seu seio. “Há uma prostituta na rua que cobra barato.” Ela deu um passo para trás, falando sem parar... Bem, maldição. Ele não esperava que ela fosse considerar isso. “Eu pagarei você, também,” ele ofereceu como um insulto desesperado. E isso funcionou. Ela o empurrou para longe, indignada. “Esqueça!” Pegando sua bolsa, ela começou a ir embora, mas voltou no último segundo, pegou seu rosto com as duas mãos e deu um beijo molhado em sua boca. Quando Spencer finalmente, conseguiu se afastar, ela disse: “Se você quiser a coisa real, venha e me encontre aqui.” Depois se virou e saiu fora. Uma catástrofe evitada. Tentando ser discreto, Spencer limpou a boca e começou a fazer seu caminho através da multidão. Ele ficou a poucos metros de Arizona a tempo de ouvir Janes dizer para o artista se foder. O homem pequeno persistiu. “Eu só quero dar isso para Candy.” Ele levantou outro desenho. Arizona jorrou. “Oh, Joel, obrigada. É maravilhoso.” Ela estendeu a mão para ele, com a intenção de um abraço.

454


Xingando novamente, Janes a puxou de volta. Mas ela já tinha obtido um aperto firme sobre o artista-Joel e com isso ele ficou desequilibrado. Ambos tropeçaram. Terry Janes agarrou Arizona, para que ela não caísse. Mas Joel cambaleou para longe e acertou uma mesa. Bebidas derramaram. Uma cadeira virou. Como um déjà vu de seu primeiro encontro com ela, uma briga estourou ao redor de Arizona. Janes tentou tirá-la da confusão, mas como uma típica de briga de bar, as coisas tendiam a piorar rapidamente. Joel tropeçou bateu contra o garçom hispânico que tinha falado com Arizona antes. O garoto colidiu com uma garçonete, que caiu no colo de um bêbado descontente, fazendo-o largar a bebida. Fazendo sua parte, Spencer tropeçou em um homem, empurrou o outro. Com socos, copos, até mesmo garrafas sendo jogadas, Arizona estava deliberadamente se debatendo... e longe do dono do bar. Esquecendo-se dela, Janes fez a sua fuga para proteger o próprio rabo. Perfeito. Ou, pelo menos, até que ele viu Arizona ser arrastada por um bêbado. Ela tropeçou e teria caído se Quin não a segurasse. Spencer viu sangue no canto de sua boca e o brilho de emoção nos olhos dela. Ela gostava disso. De tudo isso... Quando seu amigo artista quase levou uma cotovelada aleatória, Arizona disse: “Olhe para os lados,” e empurrou o pequeno homem atrás dela para que ele tivesse a parede atrás e ela na sua frente. Ela chutou para frente em um cara grande que balançava uma garrafa e seu calcanhar aterrissou entre as pernas do rapaz. Ele caiu duro de joelhos e, em seguida, tombou em suas costas. Meio encolhido atrás dela, Joel disse: “Eu conheço uma saída.”

454


“Não vai acontecer.” Spencer queria tirá-la dali antes que alguém puxasse uma arma ou uma faca. Em seu bolso, o telefone tocou. Só faltava isso. Os 30 minutos de Dare tinham acabado. Ele pegou o telefone. A nova mensagem era simples: Acabou. Fora agora. Ele virou-se para Arizona que ela cerrou os punhos e acertou outro cara que vinha em seu caminho. Spencer disse: “Já chega.” Ao mesmo tempo, Joel se entusiasmava: “Você é... magnífica.” Aceitar o elogio, Arizona limpou o sangue de sua boca e sorriu. “Sim, obrigada” Antes que Spencer pudesse descobrir como tirá-la do corpo a corpo, foi atingido no ouvido. E era isso. Ele tinha Dare chamando, Arizona embriagada e um artista tentando bancar o herói. Vendo vermelho e se sentindo normal, Spencer nocauteou o homem com um único soco. Quando seu amigo correu para frente, Spencer o golpeou com tanta força que ele fel para trás sobre uma cadeira. Arizona rolou seus olhos. “Isso foi um exagero, seu grande exibicionista.” Quin estava ali, curioso. Joel perguntou: “Quem são vocês?” Muito sério, como se ela não tivesse totalmente entendido a pergunta, Arizona disse: “Eu sou um doce, lembra? Você desenhou meu retrato. Duas vezes.” Maldição. Spencer sabia que tinha que tirá-la de lá e rápido, antes que alguém ficasse curioso. “Ela está bêbada. Verei que chegue bem em casa.” Quin balançou a cabeça e fugiu. Quando Arizona começou a segui-lo, Spencer pegou as costas de sua camisa e a puxou até ele. Ela girou em seus braços até que Spencer a segurou.

454


“Eu posso tirá-la daqui,” disse Joel, enquanto segurava seus materiais de arte em seu peito. Seu rosto estava branco, com a expressão em pânico. “Ela estará mais segura comigo.” Spencer procurou a maneira mais rápida para sair. Ele preferiria apenas carregar Arizona para longe. Ele não viu o barman ou Carl, mas isso não significava que eles não estivessem vendo, então ele ainda tinha que jogar o jogo. “Candy...” Joel olhou para ela com preocupação. “O que é?” Arizona inclinou a cabeça. “Eu ouvi a polícia?” Indo em alerta, Joel disse: “Eu não ouvi nada.” “Sirenes,” disse Spencer, tocando junto. Ele olhou para Joel. “Quem não quer ser pego nesta briga deve cair fora daqui.” “Obrigada pelos os desenhos.” Arizona tomou a mão de Joel. “Eu realmente os amei.” Com corpos voando em torno deles, Joel perguntou: “Verei você de novo?” “Claro que você verá. Eu fui contratada, de modo que estarei aqui amanhã.” “Ah, certo.” Joel começou a relaxar. “Ok, então...” A música morreu repentinamente e, em seguida, Spencer verdadeiramente ouviu sirenes. Os olhos do Arizona se arregalaram quando ela virou o rosto para o dele. “Sério?” “Temo que sim.” Ele viu como Joel disparou em direção à parte de trás e por uma porta lateral. Spencer esperava que o cara ficasse bem, mas Arizona era sua prioridade. Perto de sua orelha, ele disse: “No caso de alguém estar olhando, nós temos que nos separar. Mas estarei bem atrás de você.” Sua mão segurava no ombro da camisa dele, mantendo-o perto. “E os trabalhadores? E o garçom, Quin?” Ele cheirou o uísque em sua respiração, sentiu o calor dela, sua força e energia. “Esqueça.” “Eu não posso simplesmente sair sem saber se eles estão bem.” Ela estava brincando? “O garçom já fugiu, lembra? Joel também, provavelmente, devêssemos ir atrás dele. Mas não poderemos salvar ninguém se conseguirmos ser mortos esta noite,” Spencer explicou. “Agora faça o seu caminho até a porta da frente. Não se envolva com ninguém. Não fale com ninguém. Você me entendeu?” “Sim.” Ela sorriu para ele, mas o machucado no canto da boca diminuiu o efeito. 454


Maldição. “Você está bêbada,” ele acusou. “Sim.” Deus, dai-me forças... “Bêbada demais para caminhar até a porta da frente?” Ela balançou a cabeça e cambaleou por causa disso. “Não.” Depois de alisar o material de sua camisa, ela lhe deu uma piscadela e cambaleou para fora, empurrando todo mundo que estivesse no seu caminho. Estupefato, contrariado e preocupado, Spencer a observou ir. Com cada clarão das luzes, ela dava outro passo. Quase na porta. Quase segura. Ela o deixou frustrado e, caramba... admirado. Arizona não deixava ninguém e nada ficar no caminho de sua determinação. Ela tinha mais espinha dorsal do poderia ser saudável. As coisas estavam chegando a algum ponto entre eles. Em tão pouco tempo, toda a sua perspectiva mudou. Aquele tinha sido o seu objetivo, mas agora, se reuniu com o seu interesse inocente, sua própria reação o surpreendeu. Altruísmo voou da gaiola. O que ele queria fazer com Arizona tinha pouco a ver com salvá-la de si mesma e muito a ver com a química incrível entre eles. Ele a queria, e não tê-la o estava comendo. Reorientando seus pensamentos, Spencer viu Arizona cruzar a porta da frente. Longe o suficiente, decidiu. Ele começou a segui-la e de repente as luzes se apagaram, deixando tudo envolto em trevas sinistras.

***** PÂNICO martelava seu cérebro, fazendo com que suas têmporas pulsassem, seus olhos ardem. A vadia não iria fugir; ele não deixaria isso acontecer. Mas com tanta coisa acontecendo, todo do barulho e confusão, como ele poderia impedi-la? Disfarçadamente, ele olhou em volta, procurando um plano. Ele poderia levá-la sozinho. Claro, ela tinha alguma força, mas ela ainda era apenas uma mulher, com a fragilidade de uma mulher, com as emoções de uma mulher. 454


A vulnerabilidade de uma mulher. Uma vez que ela tivesse perdido seu brilho e, portanto, parte do lucro que conseguiria, tinha a esperança de tê-la para si mesmo. Ela estaria quebrada e então, mais facilmente gerenciável. Maravilhosamente necessitada. Mas graças aos tolos que o cercavam, essa oportunidade não existia mais. Ele tinha que agir, agora, ou perdê-la para sempre. E então ele teve uma ideia, sabia exatamente o que faria, quem ele enviaria atrás dela. Ela ficaria segura, mas ela se tornaria sua. Oh, sim, um plano perfeito. Ele riu, sabendo que isso iria funcionar.

***** INALAR O AR abafado da noite nada fez para ajudar a limpar a cabeça de Arizona. No caso de alguém estar olhando, ela fez questão de não esperar por Spencer, de não olhar para trás para ver se ele a seguia. Muita gente estava aglomerada na frente, e ocasionalmente carros passavam. Em algum lugar lá fora, Dare estava atento. Spencer logo viria. Ela não tinha atingido seu objetivo, mas eles tinham feito progressos. Por enquanto, isso teria de ser suficiente. Afastando-se mais da entrada, ela levantou os cabelos do seu pescoço e ficou atenta aos ruídos crescentes da briga turbulenta dentro do prédio e os clientes barulhentos do lado de fora enquanto se dirigiam para seus carros. Ela não falou com ninguém, e ela não caminhou muito rapidamente, porque Spencer não gostaria que ela estivesse de alcance. Pensar nele deu-lhe um sorriso. Spencer. Uma estranha turbulência disparou em seu sangue e não tinha nada a ver com a violência no bar ou o álcool que tinha consumido. Ele tinha muito a ver com o impossivelmente bonitão Spencer Lark. Cara, ele era realmente alguma coisa. Alguma coisa... emocionante. E incrível. 454


E realmente atraente. Olhando para o céu, Arizona tentou ver as estrelas, mas nuvens irritadas penduravam baixo, rolando umas sobre as outras. Teriam um temporal novamente, mas ela não se importou. Na verdade, o pensamento de uma noite chuvosa parecia de alguma forma... sexy. Que loucura foi essa? Ela nunca pensou nesses termos, mas pensar nisso agora, depois de confrontar um maníaco como Terry Janes ou seu cãozinho sem escrúpulos Carl, desafiava a razão. Claro, ela sempre gostou de se envolver em um pouco de violência. Aliviar a tensão às vezes era doce. Mas isso era diferente. A maneira como Spencer a fazia se sentir era diferente de tudo que já havia experimentado. Enquanto fez seu caminho até a calçada uns poucos metros além, ela suspirou. Já passava da hora de recuperar sua vida, em todos os sentidos. Com Spencer, as coisas pareciam possíveis. Com ele, a antecipação substituía o pavor. Ele estaria ali em breve, e ela precisava decidir o que dizer a ele, como convencê-lo a tomar seu caminho com ela. De alguma forma ela o conquistaria. Esta noite. Ela não achava que pudesse esperar mais.

***** Tudo aconteceu rápido. Algo passou voando por Spencer, perto demais para ser confortável. Resolvendo seus pensamentos caóticos, ele virou-se para enfrentar o perigo. Confiando em seus instintos, ouvindo, sentindo o ar, se preparou para o que iria acontecer. Ele não tinha ideia do que atacaria primeiro, mas ele percebeu a armadilha e estava tão pronto quanto poderia estar. De repente, braços grossos circularam por trás dele, e ele sabia que era o barman. Fixando um dos braços do barman para o seu lado, Spencer usou seu outro braço para trazer de volta um cotovelo com força suficiente para quebrar costelas. Quando ouviu a respiração

454


deixando seu atacante, ele se aproveitou e em um movimento ágil, ele o capotou por cima do ombro. O grande homem caiu com um estrondo retumbante. As luzes de emergência se acenderam, e adicionado ao brilho da luz fora que entrava através da grande janela da frente, ele pôde ver bem o suficiente. O barman estava imóvel sobre uma mesa quebrada. Dados os ângulos estranhos de um braço e uma perna, ele não estaria incomodando ninguém naquela noite. Ocorreu a Spencer que se ele havia sido atacado, provavelmente Arizona seria um alvo também. Para o inferno com subterfúgios. Quebrar em uma corrida, ele saltou sobre e em torno de pessoas, mesas e cadeiras. Empurrou pela porta e para o ar úmido da noite. Em uma verificação cuidadosa da área, ele finalmente a viu descendo a calçada, só um pouco mais adiante. Um segundo depois, Carl saiu de um beco escuro... e estendeu a mão para Arizona. Não. Silencioso, mortal e mais focado do que ele já havia estado, Spencer correu em sua direção. Nem Arizona nem Carl viram a sua abordagem. Mas ele viu a faca no cinto de Carl e orou para alcançá-la a tempo.

***** OS PENSAMENTOS de Arizona estavam em seduzir Spencer, em vez de onde deveriam estar, por isso, quando ela viu a forma escura, indistinta crescendo em uma longa sombra através da passagem, demorou alguns segundos para que a implicação fizesse sentido. Tarde demais para tomar a ofensiva contra ele, Arizona percebeu que era Carl que espreitava na noite. Bem, merda. E se ele tivesse tomado a saída dos fundos do bar e circulado em volta para buscá-la? Isso significava que ele havia visto a sua licença. E isso também significava que ele tinha estado a observando... talvez Spencer, também. Se tivesse machucado Spencer, então que Deus a ajudasse, ela demoliria ele. 454


Quando Carl tentou agarrá-la, ela bancou a vítima indefesa e deixou. Ele levou-a para o beco com as mãos duras e força descuidada, arrastando-a até uma porta aberta. Ele empurrou-a para um pequeno quarto em ruínas. Talvez antes das doses de uísque, ela fosse esperta o suficiente para pensar em um plano melhor. Merda, até duas bebidas atrás, ela estaria mais no jogo. Mas, mesmo acima do limite, havia perdido totalmente a habilidade. Ela precisava chegar perto dele. De que outra forma ela poderia machucá-lo? Uma vez que eles estavam fora da vista dos espectadores, ela reagiu instintivamente ao braço preso apertado na garganta. Ela ficou mole, deixando cair o seu peso para tirar Carl de equilíbrio. Quando ele tentou reajustar, ela agarrou os dedos e, em uma reviravolta praticada, quebrou dois com um estalo satisfatório das articulações. Isso o fez soltá-la muito rápido. Com satisfação cruel, ela se esquivou, enquanto Carl soltava uma série de palavrões. Ela sabia que Spencer não gostaria que ela lutasse, mas desde que Carl bloqueava seu caminho para fora da sala, ela não poderia exatamente baixar o rabo e correr, poderia? Isso não lhe deixava outra escolha a não se envolver em uma luta. Impressionante... Tomando uma posição, pronta e até mesmo ansiosa, Arizona sorriu para ele. “Sua puta estúpida,” disse Carl, e com a mão esquerda ele puxou uma faca do cinto. Ótimo! Ele era um demônio ambidestro? Imagine. Indo em direção a ela, a levando mais para dentro do quarto escuro, Carl disse: “Você pensou que tinha nos enganado, não é?” Ela abriu a boca para responder. Mas ele gritou: “Cala a boca!” Arizona conteve o sorriso. “Nós vimos você lutando. Vimos você rindo.” Nós quem? Ela ergueu o queixo. “Então, isso significa que eu não estou contratada depois de tudo?”

454


Sua mão flexionava no cabo da faca. “Isso significa que você não vale o trabalho que você nos deu” Homem insensato. Ela sabia muito sobre facas, então vendo uma, mesmo nas mãos de um maníaco, não a deixaria em pânico como outra pessoa poderia estar. “Você está dizendo que o meu valor como uma mercadoria vendável acaba de cair, né?” Surpreendido pela sua falta de medo e conhecimento de sua real intenção, ele hesitou. Mas só por um segundo. “Você não é tão burra depois de tudo, não é?” “Bem, você sabe, em comparação com você...” Ela sorriu, lembrando-lhe que ela o havia enganado e aos seus comparsas. “Sim, eu pareço um maldito gênio, certo?” Segurando a mão ferida para o lado, ele flexionou os músculos. “Você acha que isso é uma piada?” Suas costas colidiram com uma parede úmida. “Eu acho que você é uma piada, sim.” Um profundo, e irritado suspiro saiu do seu peito. “Você vai se arrepender pela boca irreverente, menina.” Arizona estudou a postura agressiva e a carranca escura de Carl, sentiu sua mudança de humor quando se preparava para arremessar contra ela. Hora de fazer uma jogada. Soltando a voz e seu queixo, olhando para ele através de seus cílios, ela sussurrou: “E eu que pensei que você gostasse da minha boca.” Para enfatizar a sugestão disso, ela passou a ponta da língua sobre os lábios, deixando-os úmidos. Isso o distraiu o suficiente para que ele dissesse: “Consigo pensar em melhores usos para ela” Homens eram tão fáceis, graças a Deus. Lentamente, Arizona arrastou seus dedos sobre o peito e para baixo em seu decote. “Eu aposto que eu poderia sugerir vários tipos de usos que você aprova.” Colocando o seu ataque em espera, ele olhou para ela. “É mesmo?” Ela assentiu com a cabeça, mas ele estava ocupado admirando seus peitos. Ela afastou-se da parede. “Talvez se eu for boa o suficiente... e Carl? Eu posso ser muito grata, então, talvez eu possa convencê-lo a não me matar?” 454


“Vamos descobrir.” Não a vendo como uma ameaça ele deu um passo mais perto. “Tire sua camisa.” Você acharia que ele teria aprendido com os dedos quebrados. Arizona tocou a bainha do seu top. “Você me quer nua? Aqui?” Antecipando sua nudez, ele ajustou seu poder sobre a faca, e seu olhar foi para o seu corpo. Murmurando baixo, ele prometeu: “Eu vou rasgar sua merda.” Arizona sorriu, preparada para atacar e o punho de Spencer veio do nada. Atingiu Carl na mandíbula tão duro que um dente veio voando. Euewwww. Decidindo que seria um bom momento para se mover, ela deslizou alguns metros ao longo da parede e longe da fúria de Spencer. E ele estava furioso. Grande momento. Será que ele mataria Carl? Ela inclinou a cabeça para examinar os estragos já feitos. Spencer levantava o homem pequeno com um punho torcido na frente de sua camisa enquanto o socava com o outro grande punho. A faca de Carl estava no chão. Suas pernas estavam moles, seus grunhidos de dor diminuíram. “Ei, Spence.” Ele a ignorou e arremessou mais um golpe. Sangue jorrava do nariz de Carl. Ele afrouxou molemente, inconsciente, no agarre de Spencer. “Yoo-hoo, Spen-ce,” ela cantou. “Eu não quero ser uma desmancha prazeres, mas ouviu as sirenes, certo? Você acha que devemos ir antes que os policiais nos encontrem aqui?” Punho suspenso, ele parou de bater em Carl, mas seu peito ainda arfava. A raiva havia contraído seus músculos através de seus bíceps, ombros e nas costas. Ele fincou as pernas separadas, seus pés plantados solidamente. Ah, ele parecia tão doce. Toda aquela raiva em seu nome. Arizona sorriu para sua volta. “Foi realmente um grande show. Sério. Quero dizer, nada com que eu não pudesse ter lidado, é claro, mas...” Ele virou para olhar para ela. 454


Suas narinas estavam dilatadas, os olhos brilhando, sua mandíbula apertada, dura como granito. Ok, então talvez ela não devesse puxar a cauda do tigre agora. Gentilmente, ela sugeriu: “Talvez você pudesse me levar para casa?” Do outro lado da parede, a polícia gritava ordens. Eles ouviram o bater de pés correndo e o choque de uma algema. Lá fora, uma janela quebrou, uma buzina de carro soou. “A qualquer momento, alguém virá até nós. E então teremos que começar a explicar.” Com a esperança de alcançá-lo, ela acrescentou: “Os caras realmente odeiam ter que dar explicações.” Mais barulho de vidro quebrando. Mais buzinas. Mais gritos. Nunca olhando para longe dela, Spencer exalou, abriu os dedos, e Carl caiu amontoado em uma pilha sangrenta. “Lá vai você!” Arizona elogiou. “E olhe para isso. Você ainda conseguiu deixá-lo com a faca de modo que não precisa se preocupar com mais ninguém a encontrando antes dos policiais. Bom trabalho.” Oh tão lentamente, Spencer se afastou da carnificina, uma vez conhecida como Carl. “Venha.” Ela disse da mesma forma que alguém chama um animal de estimação. “Vamos lá, Spence. Vamos.” Acariciando sua coxa enquanto se dirigia para a porta, ela acenou para ele. Com a testa ainda franzida, Spencer fechou os olhos durante algumas respirações profundas, em seguida, os abriu novamente. Através dos lábios rígidos, ele ordenou: “Espere.” Deu a volta ao redor dela para chegar à porta, olhou para fora e em seguida, disse: “Comece a caminhar.” “Entendi.” Sentindo-se alegre, um pouco bêbada e meio... eufórica, Arizona girou e marchou à frente. Parte de seu humor bobo vinha do fato de reconhecer e aceitar, que Spencer era o cara certo para ela Não apenas como um aliado. Não só como um amigo. Ele era impressionante. Ela o respeitava. E ela admirava tudo sobre ele, mas especialmente suas habilidades.

454


Ela o queria de uma forma que há muito tempo havia pensado que estava perdida para ela. Ela o queria como homem. Hoje à noite, se ela jogasse suas cartas direito, poderia ter sorte.

***** BEM LONGE DO BAR, Spencer observava Arizona saltitando em um trote bêbado alguns metros na frente dele. Ele flexionou os punhos, expandindo e contraindo os dedos machucados. Toda emoção volátil ele sentiu esta noite ainda agitava dentro dele. Ele queria rasgar todos os envolvidos... enquanto Arizona sorria como uma criança em um carnaval. Mantendo seu alcance sobre ela, embora ainda sem tocá-la e em constante observação da área, ele chamou Dare. O toque parou, mas Dare não disse nada. “É Spencer.” “Terminaram a brincadeira?” “Carl está em uma sala fora do beco à direita da porta da frente.” “Você o imobilizou, certo?” Essa era uma boa maneira de dizer, mas Spencer disse apenas: “Sim.” Ele esfregou a parte de trás do seu pescoço. “Eu exagerei um pouco sobre ele.” “Sem dúvida, ele teve o que mereceu.” Spencer não viu nenhuma razão para explicar que Carl tinha ousado puxar uma faca para Arizona, que havia ameaçado sua vida. Ou que ela estava oferecendo sexo para se salvar. “Eu deveria o ter matado.” Dare, disse: “Nós precisamos dele vivo para responder perguntas. Leve-a daqui. Eu não estarei muito atrás de você.” “Obrigado,” Ele finalizou a ligação. Assim que dobrou a esquina, Spencer chamou Arizona, ansioso para garantir sua segurança. 454


“Entra na caminhonete.” Ela concordou, mas disse: “Isso foi tão foda, Spencer. Nunca esquecerei esta noite. Estou quase tonta, sabe?” Ele não conseguia olhar para ela. “Na caminhonete, Arizona.” “Eu vou, eu vou.” Ela riu quando virou para trás, olhando para ele. “Sente o cheiro da chuva?” Ela jogou os braços bem abertos e inalou profundamente. “Parece apropriado que haja uma nova tempestade hoje, não é?” Uma tempestade para Arizona Storm? Quando ela tropeçou, ele a agarrou pelo braço para evitar que caísse. Ela aconchegou-se a ele. “Você me impressionou, Spence, e isso não é fácil de fazer.” Ele suspirou. Deus, o que ele faria com ela? Provavelmente não o que ele queria. A menos que... Ele olhou-a, viu o torpor em seus olhos e sabia que ela estava muito bêbada. Não, definitivamente não o que ele queria. “Pare de olhar tão rabugento e mal-humorado, ok?” Ela cutucou. “Está tudo bem!” “Sim, só elegante.” Ela poderia ter sido estuprada e depois assassinada em um quarto atrás de um beco. Mas ela desconsiderava o perigo completamente. “Preste atenção aos seus pés para não cair.” “Reclame. Reclame.” Quando chegaram à caminhonete ela começou a conversa novamente. “Foi tão legal como você veio do nada como um grande anjo vingador. Um anjo negro. E bam.” Ela deu um soco na sombra. “Você derrubou o velho Carl. Um só golpe e ele caiu em sua bunda.” Spencer segurou a porta aberta, sem dizer nada. Ainda sorrindo, ela deslizou em seu assento. “Você fez isso no bar, também. Eu deveria chama-lo de Spence Um-Soco, ou algo cativante assim. Talvez quando eu estiver mais sóbria, eu possa chegar a um bom nome para você.” Mais uma vez verificando a área, Spencer fechou a porta, em seguida, deu a volta no carro e sentou atrás do volante. Ele imediatamente trancou as portas e ligou a caminhonete. 454


Alheia ao seu estado de espírito, Arizona disse: “Eu quebrei os dedos de Carl. Você viu isso?” “Não.” Tudo o que tinha visto era Carl arrastando-a para longe... Seu coração doía só de lembrar. Ele nunca mais queria ver algo assim novamente. “Deve ter sido depois que ele me empurrou no beco.” Arizona fez um movimento de torção no ar. “Senti-me muito bem, fazendo isso. Você sabe que ele tinha quebrado o dedo do pobre Quin, certo? Eu queria que ele pagasse na mesma moeda. Mas você sabe, eu nem estava pensando nisso quando aconteceu. Ele tentou me sufocar – o idiota – e eu fui no piloto automático.” Ela deu-lhe um sorriso. “Veja, o treinamento compensa. Eu disse que tudo ficaria bem.” Com a adrenalina ainda bombeando através das veias de Spencer, tudo o que ela dizia parecia como unhas em um quadro-negro. “Coloque o cinto de segurança.” Depois de um longo olhar, ela o xingou. “Você está sendo um mal-humorado” Ela trancou o cinto. Um mal-humorado? Ele queria destruir esse bar maldito e metade dos homens dentro dele, no entanto ele segurou sua raiva... muito. Spencer colocou a caminhonete em marcha e, decidindo que precisava se mover antes que explodisse, dirigiu em direção à rua. “Desejava poder ter pisado no velho Terry um pouco mais, também. Cowboy.” Ela bufou com desdém absoluto. “Que idiota.” Apertando os dentes, Spencer a ignorou e se concentrou em sua condução. Eles andaram algumas quadras antes que ela começasse de novo. “Ele pensou que ia me domesticar, me quebrar. Foi o que ele disse. Suas palavras exatas. Você pode acreditar nisso? Eu o quebraria.” Ela riu. “Assim como eu quebrei os dedos de Carl.” Ela estendeu a mão e deu um tapinha na coxa de Spencer. “E, assim como você quebrou o resto do corpo dele.” Ao seu toque, seu corpo inteiro ficou mais tenso. O tapinha se transformou em um toque experimental, mudou-se para a parte interna da coxa, e Arizona deu um aperto ousado e curioso. Enquanto brincava com ele, ela disse: “Eu espero que quando voltar, eu possa dar um tiro em Terry...”

454


Preparado para o ponto de explosão, Spencer estalou, “Chega!” Ele sabia que não conseguiria segurar até que chegasse a sua casa, então ele desviou o carro para a lateral de uma rua movimentada. Colocou-o em ponto-morto com um impacto. Apertando o volante, ele lutou, se esforçando para obter uma calma que permanecia fora de alcance.

Capítulo Quatorze 454


ARIZONA inclinou a cabeça para estudá-lo. “Porra, Spence, qual é o problema? Você tem uma abelha em sua cueca?” Ele ignorou a pergunta. Algo parecia errado... algo além da compreensão de Arizona e seu raciocínio embriagado. Ele olhou as ruas, procurando um perseguidor, mas não viu nada. Quando seu telefone tocou, ele o agarrou, esperando o pior. “Sim?” “Você está limpo,” Dare disse. “Um policial começou a seguir você, mas eu cuidei dele.” Ele olhou ao redor e ainda não via ninguém, nem mesmo Dare. “Só isso?” “Sim.” Coçando por violência, com a necessidade de liberação, ele respirava com dificuldade. “Você está bem?” Dare perguntou. “Sim.” Ele passou a mão sobre o rosto. Mais curioso do que assustado, ele disse: “Sobre aquele policial...” “Nós trabalhamos com eles quando possível. Às vezes temos que deixá-los de fora para que eles não fiquem no caminho, mas não ignoramos sua autoridade quando podemos evitar, e nunca os consideramos dispensáveis.” Ele sabia que eles não prejudicariam pessoas inocentes, mas o resto era novidade para ele. Pelo que tinha observado até agora, o trio reconhecia apenas o seu próprio comando. “Bom saber.” Arizona virou no banco e tratou-o a um sorriso sonhador de olhos. Locais em seu corpo que já estavam nervosos se contraíram com juros adicionais. Ela estendeu a mão para ele, Spencer pegou a mão dela e segurou. Pensando em como as luzes apagaram, perguntou a Dare, “Então, tudo acabou?” “Acabou. Eu posso explicar mais tarde, mas surgiu uma situação que forçou a minha mão e nos deu motivo suficiente para nos movermos em antes do previsto.” Arizona endureceu. “O que você quer dizer com acabou? O quê? O bar?” Ele a fez calar enquanto esfregava o polegar sobre os nós dos dedos e, em seguida, questionou Dare: “Você pegou Carl?”

454


“Enviei dois oficiais de volta para a sala fora do beco para pegá-lo. Eu mesmo capturei Terry Janes.” Diversão apareceu na voa de Dare quando disse: “Você pode dizer a Arizona que Janes resistiu.” Não, ele não diria a ela coisa alguma. Ainda não de qualquer maneira. Resistir significava que Dare teve que conter Terry e isso significava que ele provavelmente havia pulverizado o cara. A última coisa que precisava era dar a Arizona mais incentivo para lutar. Em vez disso, Spencer se concentrou em obter os fatos. “Ele era o único que administrava as coisas?” “Ele não admitiu muito ainda e não fazemos suposições.” “O que você acha?” “Meu instinto me diz que algo mais está acontecendo.” “Droga.” “Teremos uma confirmação em breve.” “Os trabalhadores?” Perguntou Arizona. Spencer repetiu a pergunta. “Todos que pudemos encontrar estão seguros agora” Ele acenou com a cabeça para Arizona e a viu cair no assento relaxada. Emocionava a ele que ela fosse tão genuinamente preocupada com pessoas que ela não conhecia. Dare acrescentou: “Temos informações sobre outro grupo de jovens hispânicos em trânsito. Eles teriam sido utilizados principalmente para o trabalho em um motel nas proximidades, mas algumas das mulheres eram destinadas ao tráfico. Eles deverão ser libertados dentro de uma hora.” Incrível. “Então Janes vomitou suas entranhas sobre isso?” “Não, mas ele irá.” Antes que Spencer pudesse pedir, Dare disse, “Realmente foram dois palhaços que eu encontrei em torno de uma van. Mas eu posso contar sobre isso mais tarde.” Como no inferno. “Diga-me agora.” Seu olhar pousou em Arizona. E porque já imaginava, ele disse, “Eles estavam lá para ela, não estavam?” “Temo que sim.” Dare não mediu palavras. “O motorista fez a maior parte do derramamento, mas os dois homens estavam ansiosos para compartilhar.” Ele fez uma pausa, depois acrescentou: “Eu posso ser convincente.” 454


Mais uma vez, ele teve procurar seu controle quase perdido. Mas ele tinha que pensar em Arizona. Ele precisava levá-la para sua casa, e ele precisava encontrar uma maneira de convencê-la a ficar longe de situações perigosas. “E agora?” “Sempre que pudermos passar despercebidos é o que fazemos. Continuaremos a supervisionar as coisas, para obter os resultados que queremos.” “Ou seja, ninguém vai embora?” Dare não respondeu a isso. “Nós temos um bom relacionamento com o agente especial encarregado. Ele organizou uma força-tarefa eficaz e tem todos os contatos que precisa para levar isso através dos canais legais apropriados.” Pegando as mãos errantes de Arizona novamente, Spencer balançou a cabeça para ela e sussurrou: “Pare com isso.” Dare riu. “Ela está satisfeita consigo mesma?” “Parece.” Ainda divertido, Dare disse: “Leve-a para casa em segurança, Spencer.” “Estou trabalhando nisso.” Desde que ele segurava o telefone, acabou tirando a mão da direção para impedir Arizona de molestá-lo. Sua resistência já era um terreno movediço, ele não precisava da sua sedução também. Ela fingiu fazer beicinho, em seguida, colocou a cabeça para trás e fechou os olhos em um bocejo vigoroso. “Estamos indo para minha casa agora.” Quanto mais cedo ele a enfiasse numa cama para dormir, mais cedo ele poderia soltar os músculos tensos. “Ótimo. Por enquanto, a mantenha lá. Pelo menos até nos encontrarmos na minha casa. Vamos assumir, então.” E com isso Dare tinha ido embora. Franzindo a testa com uma nova preocupação, Spencer fechou o telefone e colocou de volta no bolso. “E agora?” Perguntou Arizona. Ele balançou a cabeça. E se Dare queria que Arizona continuasse ficando com ele porque alguém havia escapado? Ou era apenas uma precaução? 454


“Você está escondendo algo de mim.” O ressentimento afugentou sua letargia e a fez evaporar. “Não.” Para evitar os fogos de artifício, Spencer disse: “Eu só estou um pouco surpreso que tudo está acabado.” “Será que eles tiveram que matar alguém?” Ele franziu a testa sobre suas tendências sanguinárias. “Dare disse que nos contará os detalhes quando chegarmos a sua casa amanhã.” Ele hesitou, mas precisava de sua cooperação no momento. “Por enquanto, ele quer que você fique comigo.” “Mmm.” Em vez de discutir, ela perguntou: “E como você se sente sobre isso?” “Não é um problema para mim.” Inferno, o único problema seria se ela tentasse deixá-lo agora. Em sua resposta, Arizona deu-lhe um olhar tão devasso que suas entranhas contraíram. Sentia-se torturado, quase perdendo o controle, e ela queria... flertar? Tentando não olhar para sua boca, ele disse, “O que há com você?” Com um sorriso secreto, ela levantou um ombro nu. “Eu fiz uma análise de fora a fora, isso é tudo.” Ele não tinha ideia do que fazer com isso. “Eu não estou acompanhando.” Ela soltou o cinto de segurança para virar para ele. Depois de vagar seu olhar sobre ele, seu peito, ombros, colo, ela olhou em seus olhos e disse com voz rouca: “Você, Spencer Lark, se destaca.” “Entre esses canalhas?” Ele se virou para ela, também. Ele tinha um braço ao longo das costas do assento, o outra caído sobre o volante. “Jesus, eu espero que sim.” “Definitivamente, quando comparado a eles, mas a partir de todos os outros homens, mesmo os bons.” Sua admiração colocou outra rachadura em sua resolução já enfraquecida. Spencer tentou zombando dela. “Você está bêbada.” “Sim, um pouco.” Chegando mais perto ainda, ela disse: “Mas não é como se estivesse totalmente com cara de merda ou qualquer coisa.” Será que ela amaldiçoou de propósito? “Você não está pensando direito.” 454


“Na verdade, eu estava pensando muito sobre isso antes mesmo de tomar o uísque. Mesmo antes de entrar no bar.” Meu Deus. Sentindo-se encurralado por sua intenção e seu próprio interesse aquecido, ele perguntou: “Sobre o quê?” “Vocês. Como você parece. As coisas que você faz, e por que você as faz.” Ela respirou e seus olhos ficaram pesados. “Como você me faz sentir.” “Eu deixei você em pânico,” Spencer lembrou. Ok, então durante esse último beijo que lhe tinha dado, ela não lutou exatamente com ele. E antes de ir para o bar, ela o beijou. Um breve beijo, mas ainda assim... “Eu tenho que forçar você a cada única...” “Não, você não.” Ela balançou a cabeça. “Não mais!” Spencer considerou suas opções. Ela poderia estar pensando assim agora, mas ela não continuaria se ele a colocasse à prova. Se ele a beijasse como ele queria. Da maneira como ele desejava. “Ok, então.” Ele daria a ela um sabor mais completo, o que os ajudaria a lembrar de como ela realmente sentia e de tudo o que ela ainda precisava superar. “Talvez você devesse pagar?” Ela deu um olhar interrogativo. “Você amaldiçoou, Arizona.” Certo de que ela fugiria, ele a empurrou. “Um monte de palavrões, na verdade.” “Hum? Bem, maldição.” Ela respirou um pouco fundo, um pouco mais rápido. “Acho que eu esqueci.” Ela poderia encontrar uma maneira mais criativa para fazê-lo sofrer? “Arizona...” “Mas que diabos, certo?” Seu espasmo de um sorriso provou que era uma provocação; ela xingou deliberadamente. “Estas são circunstâncias atenuantes.” Antecipação corria nele, aumentando sua determinação e sua luxúria. “Você está brincando com fogo”

454


“Eu sei. Mas não xingar tem sido uma verdadeira...” os longos cílios escuros levantaram e seu olhar travou nele “... puta.” Ela fez isso. Ela pediu para ele. Inferno, ela implorou para ele. E por que não? Demoraria provavelmente o tempo de um beijo de verdade para que ela voltasse atrás e repensasse sobre desfaçatez. Ela na verdade não o queria. Ela na verdade não queria nada disso. Definindo seu curso, Spencer disse: “Tempo para eu receber, então, por isso sente-se quieta.” Mas ela não o fez. Quando ele se inclinou, ela lambeu os lábios e de repente se lançou sobre ele. Tomado de surpresa, ele não resistiu quando sua boca pousou na sua, e não breve, mas aberta, quente. Ele provou o gosto do uísque e depois a doçura de sua língua quando ela tomou sua boca sem reservas. Meu Deus! Ele tentou puxar volta. Mais ou menos. Ele pôs as mãos em seus braços... mas não chegou a afastá-la como pretendia. Ela fez um som de fome e aprofundou o beijo. Calor o queimava, e seu pau estremeceu em atenção. Assim fez como a sua consciência. A explicação mais fácil para a rápida reviravolta era a subida rápida da adrenalina, e ela bebeu demais. Mas caramba, a boca se sentia bem e tinha um gosto bom, também. Antes mesmo que percebesse ele estava com a mão enredada em seu cabelo comprido, a boca inclinada sobre a dela, suas línguas duelando. Ele a puxou mais perto quando ele se inclinou para trás para que ela se esparramasse sobre o peito. Em vez de recuar, Arizona gemeu. Merda. 454


Ele libertou a boca, então teve que segurá-la longe quando ela tentou arrastar-se para o seu colo. “Querida... espere.” “Não.” “Nós temos que parar.” “Não é possível.” Necessidade pura soou em seu tom de voz e o controle de Spencer fragmentou. Um beijo não tinha diminuído seu entusiasmo em nada. Diabos havia impulsionado o dela. Devido ao álcool. Nunca em sua vida tinha se aproveitado de uma mulher embriagada, e ele certo como o inferno não começaria com Arizona. Ele precisava se recompor e rápido, ou ele faria algo de que se arrependeria. “Arizona, pare.” Ele a segurou para trás no comprimento de seus braços. O olhar que ela lhe deu teria reduzido a maioria dos caras em uma poça. Ferida, constrangida, mesmo desesperada, viu tudo isso em seus belos olhos azuis. Ele não resistiu e tocou seu rosto, e rezou para que fosse o único a notar como sua mão tremia. “Você me prometeu que ficaria tudo bem.” Confusão ultrapassou o constrangimento. “Que história é essa?” “Antes de você ir para o bar. Você me deu sua palavra de que estaria bem.” Cheia de frustração, ela estendeu os braços. “E eu estou.” “Machucada e sangrando não é bem. É muito longe de bem.” Ele deu ao canto da boca um último toque, alisando uma contusão escurecida com o polegar. “Você foi atingida” “Um pequeno soco, isso é tudo.” Ela estendeu a mão para ele novamente. “Não é nada.” “Talvez não para você.” Ele segurou-a a distância, e desta vez ela o deixou. “Mas, para mim, é muito. Eu estive malditamente perto de matar quando aquele bastardo bateu em você.” “Sim?” Dizer muito a ela só iria encorajá-la. “Eu quero te levar para casa, limpar, e então você precisa dormir para se livrar do uísque.” Ela se inclinou para colocar a cabeça em seu ombro, abraçando perto e ele a deixou. “Eu não quero.” 454


A rejeição endureceu sua espinha; sua proximidade, o cheiro dela, endureceu tudo mais. “Você não quer voltar para casa comigo?” Ela balançou a cabeça. “Eu não quero dormir.” Spencer podia ver as rodas girando. Então, ela não mentiu sobre beijar – o que não mudava nada, não o passado dela, e não o fato de que ela estava bêbada. Além disso, ele não poderia adiar as coisas por mais tempo, não aqui, na rua, expostos ao perigo. Ele olhou para fora da janela ao redor, mas não viu ninguém. Dare ainda estaria os observando? Se fosse assim, Spencer não podia sequer imaginar o que ele estaria pensando. Ele colocou Arizona de volta em seu próprio assento. “Desculpe, querida, mas eu preciso que você para coloque o cinto de segurança de volta.” “Mas” “Eu sou farto de argumentar, Arizona. Apenas faça.” Ela sentou com movimentos de raiva. “Você é um verdadeiro assassino de alegria, você sabe disso?” Spencer lutou um sorriso relutante quando colocou a caminhonete em marcha e manobrou volta para a estrada. Deus o ajudasse, estava ficando cada vez mais difícil de jogar este jogo. E a cada minuto, parecia menos como um jogo de qualquer maneira. Tudo nela o atraía, especialmente sua independência. Ela ia do que ela queria, seja uma faca nova, uma briga com um babaca como Janes, ou... um beijo devastador com ele. Se não fosse pelo o perigo, ele teria adorado assistir seu trabalho. Ela estava fora do “olha para mim, eu estou tão indefesa” ato de perfeição. Mas quando necessário, ela ia ao extremo, com habilidade para se apoiar. Ele não ouviu de Dare novamente, mas assumiu que ele ainda os acompanhava. Tomar uma rota tortuosa de volta para casa levou mais tempo, mas parecia mais seguro. De jeito nenhum ele levaria alguém para o seu lugar. No momento em que chegou a sua garagem, Arizona estava quase dormindo. Ela enrolou-se na direção da porta do passageiro, seu longo cabelo pendendo para esconder o rosto, os braços cruzados em torno de seu abdômen, suas sandálias descartadas no chão. 454


Sexy. Como um gatinho adormecido, mas com garras afiadas. “Nós estamos aqui,” Spencer disse a ela suavemente. “Uhhhhh Huuuuu.” Ok. Não tão adormecida então. “Vamos!” Ele saiu do carro e deu a volta para o seu lado, mas ela já havia aberto a porta e começou a caminhar em ziguezague até a passarela. Descalça. O ar da noite turbulenta girava em torno dela, levantando seu longo cabelo e soprando folhas ao redor dos seus tornozelos. Apressando-se para pegar sua bolsa e sandálias, Spencer chegou até ela e a segurou pelo braço. “Você está martelada.” “Sim, a bebida é uma espécie de afundamento, sabe? Eu sinto mais agora que quando saí do bar.” Então ela fez uma pausa, olhou para Marla e deu um aceno exagerado. “Ei, vizinha!” Spencer virou a cabeça a tempo de ver a cortina cair. Ele não precisava dessa conversa esta noite. “Continue.” “O quê? Você não quer conversar com sua amante?” Deus, não, ele não queria isso. A menos que Arizona se tornasse sua... Ele colocou um freio nesse pensamento provocante. “Para dentro...” “Sim, senhor. Agora mesmo, senhor. Obrigada, senhor.” Sua boca se contraiu novamente. “Eu não sou tão mandão” “Ha!” Ela quase se bateu de novo com essa exclamação exagerada. “Mandão e arrogante e uma... uma provocação.” Puxando-a para o seu lado, Spencer a apoiou enquanto subiram a varanda para a porta da frente. “Você precisa dormir mais que qualquer coisa.” “Mas nós íamos comer bolo.” Ele destrancou a porta, abriu e ela quase caiu dentro. “Isso vai ter que esperar.” Desistindo, ele a pegou nos braços. “Espere.” Ela endireitou o pescoço para olhar ao redor. “Você vai me levar? Sério?”

454


Encolhendo, Spencer olhou para ela, com os rostos próximos. “Parece mais fácil do rolar você para a cama.” “Mas uma vez que estamos indo para uma cama...” Ela tocou a testa dele. “Não consigo pensar em coisas melhores para fazer do que...” Ela arrotou, então riu. “Desculpe!” “Certo. Segure esse pensamento.” Depois de pressionar a cabeça em seu ombro para remover um pouco de tentação, ele chutou a porta e começou a avançar. Através do silêncio da casa escura, Spencer a levou, e ele gostou. Provavelmente demais. “Não no sofá?” ela perguntou quando ele passou. “Não hoje, não.” “Eu não quero dormir no seu quarto de hóspedes,” ela se apressou a dizer. “Eu sei.” Ele abraçou-a um pouco. Mais cedo ou mais tarde iria descobrir por que ela hesitava em usar o quarto. “Vou levar você para a minha cama.” “Mesmo?” Seus braços se apertaram ao redor de seu pescoço, e ela sussurrou: “Mudou de ideia?” “Não.” Mas Deus, que ele queria. Segurando-a assim parecia... certo. E perigoso. Para ele e para ela, os dois. A bateria constante de seu batimento cardíaco, a pressão dos seus seios exuberantes contra o peito, as coxas quentes sobre seu antebraço... tudo combinado para quebrar sua consciência. Com pesar, ele deixou suas pernas deslizarem para baixo até que seus pés tocaram o chão se azulejos do banheiro. Ele deixou cair as sandálias e colocou sua bolsa sobre a bancada. “Por que você não faz... o que você faz antes de dormir, e eu já volto.” Ela descansava contra a pia. “Aonde você vai?” “Trancar a casa. Será apenas um minuto.” “Ok.” Ela fechou a porta. Tomando seu tempo, Spencer virou o ferrolho na porta da frente, verificou as janelas e, em seguida, foi para o seu quarto para abrir as cobertas da cama. Ele havia recém terminado quando Arizona apareceu. 454


Seu cabelo estava úmido ao redor do rosto, então ela jogou uma água no rosto, mas não havia retirado toda a maquiagem. Ela parou na frente dele, balançando um pouco. Ele levantou seu queixo e examinou o local onde ela tinha sido atingida. Mesmo na penumbra, viu o hematoma escurecendo que coloria o lado da boca e ao longo de sua mandíbula. Tocou-a com o polegar. “Eu odeio que você tenha se machucado” De novo... Sob sua supervisão. Droga, ele queria protegê-la, não deixá-la sofrer mais abusos. Sua boca inclinou. “Eu tive muito pior, por isso, deixe de se preocupar.” Sua respiração cheirava a de pasta de dentes e seus olhos pareciam atordoados. “Você não está fazendo isso mais fácil para mim.” Inclinando-se, ele roçou a boca sobre a contusão. Ela começou a inclinar-se para ele. Antes que se empolgasse, Spencer disse: “Não vá a qualquer lugar. Já volto,” e partiu para o banheiro para se lavar e escovar os dentes, também. Porque ele não confiava completamente nela para não o trancar no banheiro, ele deixou a porta entreaberta e a escutou enquanto fazia um trabalho rápido de se preparar para a cama. Menos de dois minutos depois, ele saiu para encontrá-la enrolada ao seu lado na cama. A saia jeans estava amassada no chão. Ela não tinha se dado ao trabalho de ir para baixo das cobertas. Seu coração deu um soco duro ao vê-la assim... profundamente adormecida, em sua cama, vestindo apenas uma calcinha preta e uma regata insubstancial que abraçava suas curvas exuberantes. Atraído para ela, Spencer se aproximou da cama, ficou ao lado do colchão e tomou o seu tempo estudando cada centímetro dela. Uma modelo completamente nua posando certamente não poderia ter sido... mais tentadora. A calcinha de seda mal a cobria, deixando a maior parte de seus quadris suaves em exibição. Suas mãos enrolaram com a necessidade de tocá-la, acariciar a pele cor de mel. Ela tinha as pernas longas e elegantes flexionadas, uma elaborada para expô-la quase como um convite.

454


Visualmente ele traçou a ascensão de seu ombro orgulhoso, para baixo na queda de sua cintura fina e, em seguida, de volta para as curvas sexy das nádegas. Fisicamente, ele a queria tanto que doía. E emocionalmente... Deus, ele engasgou com as emoções densas que o dominaram. Porque ele tinha que tocá-la, foi para um terreno seguro e passou as pontas dos dedos pelos cabelos, colocando-os para trás para que pudesse ver melhor o rosto bonito. Inclinando-se, ele deu um beijo suave na testa. Ela sentiu a textura macia de bebê e o cheiro morno de mulher... uma mistura inebriante. Agora, neste exato momento, ela estava morta para o mundo, em paz, sua expressão completamente relaxada. Jovem. Despreocupada. Todas as coisas que ela deveria ser, mesmo quando acordada e consciente. Se ela o visse ali com uma ereção, a admirando em seu sono, provavelmente correria dele. Sorrindo sobre essa probabilidade, Spencer deixou cair a mão e deu um passo para trás, em seguida, abriu lentamente o botão da calça jeans e deslizou para baixo o zíper passado sua ereção. Ele dormiria com ela, ele iria abraçá-la, mas não queria se aproveitar. Não havia nada que pudesse fazer sobre o tesão exceto sofrer com isso. Será que ela ainda iria querê-lo de manhã? Sem bebida nublando seu julgamento, será que ainda seria capaz de ultrapassar seus demônios e superar suas reservas para pegar o que ela queria? E, se o fizesse, então o que? Todas as suas razões para não ceder essa intimidade ainda permaneciam. Tomá-la, estar dentro dela, só tornaria mais difícil fazer o que era certo... o que era melhor para ela, o que seria honroso para ele. Porque seu passado torcia sua percepção de qualquer relação íntima, Arizona não poderia... conhecer sua própria mente. Sua história dificultava um pensamento claro e

454


discernimento da mesma maneira que o excesso de álcool fazia. Ele não deveria tirar vantagem de qualquer um. Spencer balançou a cabeça. Todos os argumentos faziam sentido; eles eram válidos, é claro. Mas ele lutava uma batalha perdida e sabia disso. Em sua forma única, pé-na-bunda, Arizona personificava a tentação. Puxando as cobertas de debaixo dela, ele a cobriu e apagou a luz baixa. O que ela pensaria quando acordasse com ele na parte da manhã? Antecipando a reação dela, ele tirou o jeans, colocou-os com a saia em uma cadeira, e em apenas boxers, ele se estendeu a seu lado. Ela não se mexeu. Embora Arizona não fosse uma mulher frágil, era muito menor que ele, sua estrutura óssea pequena. Ele deslizou um braço sob sua cabeça, outro em torno de sua cintura, e a puxou para perto contra o seu corpo, para se acolherar com ela. Surpreendentemente,

enrolada

em

seu

abraço

protetor,

carinhosamente,

amorosamente... estava mais confortável que havia sido em um tempo muito longo.

***** O RIO GELADO SE FECHAVA sobre a cabeça dela, mas ela chutou forte e chegou à superfície por tempo suficiente para engolir o ar tão necessário. Gotas de chuva picaram seu rosto; um riso soou sobre o trovão. Um brilhante feixe de luz atingiu-a nos olhos, momentaneamente a cegando. O pânico afundou suas garras profundamente, mas ela lutou contra ele. Pense, Arizona, pense. Sua próxima respiração era a necessidade mais imediata, mas, Deus, o rio a puxava, e sem os braços para ajudar, ficar à tona não era apenas difícil, mas quase impossível. Ela engasgou com a água suja, tremia de frio até os ossos. Onde estava a costa? Qual o caminho e qual a distância? E se ela chegasse lá, então o que? 454


Eles só a jogariam outra vez no rio. Provavelmente, com a desvantagem adicional de um ferimento de bala ou faca. De repente, a conversa, o riso, até mesmo o rio parou. Apesar dos sons correndo do rio e a noite e a tempestade, a perda de palavras humanas clamavam contra seu cérebro. As coxas gritavam com a exaustão, desânimo a estrangulava, ela quebrou a água de novo, e viu uma luta na ponte. Isso a surpreendeu tanto que foi abaixo novamente e engoliu um bocado de água suja. Ela chutou, mas suas pernas pareciam de chumbo. Seus pulmões gritavam, seus ombros doíam horrivelmente devido à força não natural das amarras apertadas... Tão cansada que todos os músculos do seu corpo contraíram, ela quase desistiu e, em seguida, um toque soou perto dela. Esquecendo-se de chutar as pernas, ela submergiu uma vez mais – e braços fortes se fecharam em torno dela. O medo aumentou, dando-lhe força renovada. “Shh,” ele disse enquanto a puxava em direção à costa. “Eu tenho você agora. Eu juro que está tudo bem.” Um homem, grande e tão incrivelmente forte que mantinha a ela e a si mesmo contra a forte correnteza do rio. Mas quem, e por quê? Recusando-se a confiar em ninguém, ela bateu a cabeça contra ele, fazendo-o amaldiçoar. Mas ele não soltou seu agarre. Oh, Deus, oh, Deus... Ela chutou, e seu calcanhar o atingiu algumas vezes, mas não aconteceu nada. Debatendo, lutando, ela fez tudo o que podia para se libertar, e ainda assim ele a arrastou cada vez mais perto da margem. No momento em que seus pés tocaram o chão, ela sentiu. Segundos depois dela ele chegou, também. Ela não gritou, não gritou nem chorou. Em vez disso, fez tudo em seu poder físico para se libertar. Embora continuasse a falar numa voz estranhamente suave, ele prendeu-a no chão lamacento, imobilizando as pernas, fazendo com que os braços doessem mais. 454


Tão cansada. Músculos doloridos. Pulmões em chamas. Desistir parecia cada vez mais provável. “Eu vou libertar você agora. Fique quieta.” Uma faca! Mas, fiel à sua palavra, ele se agachou sobre ela, ergueu os punhos e cortou a corda de nylon. Em seguida, afastou-se rapidamente para fora de seu alcance. Com seu traseiro deslizando na margem lamacenta, ela subiu para longe. Seus braços estavam inúteis, entorpecidos e formigando. Suas pernas estavam pesadas de fadiga. “Está tudo bem,” disse ele. Ele não a seguiu. Ele abriu os braços e esperou.” Pode confiar em mim.” Ele não podia estar falando sério. Ela não confiava em ninguém. Ninguém! Ninguém...

Capítulo Quinze ARIZONA despertou como sempre fazia, com uma sacudida, com o coração batendo forte, adrenalina em alta. Ela sentou-se, e seu olhar se lançou ao redor, à procura de qualquer ameaça. Ela não encontrou nenhuma. Estudando o quarto com uma sensação de confusão, ela tentou orientar-se. Lençóis macios a cobriam, tão diferente da cama dura usual dos quartos de hotel. O amanhecer cinzento inundava o quarto; a chuva suave manhã escorria sobre os vidros das janelas. Um calor aconchegante a cercava. E agora que estava acordada, ela se sentia inexplicavelmente... segura. Sentimentos agradáveis. Desconhecidos, mas... moveu a mão sobre o lençol. Algo no quarto cheirava maravilhoso, e ela encheu seus pulmões em uma respiração profunda... “Bom dia.” O choque fez seu coração falhar uma batida.

454


Inalando o ar, ela reconheceu aquela voz profunda e então oh-tão-lentamente virou a cabeça para ver Spencer estendido ao seu lado. Oooookay. O lençol mal cobria seu quadril. Uma grande perna peluda se esticou. Sua boca abriu. “Você está nu.” No segundo em falou, sentiu a rigidez de sua mandíbula. Ela tocou-a e soube que estava machucada. “Em minhas boxers na verdade.” Ele levantou o lençol para mostrar a ela. Isso... não foi muito melhor. Spencer em boxers era o suficiente para parar o coração. Especialmente quando estava excitado. E ele estava. De novo... Senhor, tem piedade. Marla não tinha brincado sobre seu tamanho. O homem era grande em tudo mais, um fato que ela tinha notado mais de uma vez. Bem. Isso com certeza fez seu coração bater de novo, ainda mais rápido que o pesadelo maldito havia feito. Agora estava mais alerta. “Você está bem?” ele perguntou com preocupação. “O que?” Ele balançou a cabeça, seu olhar em seu rosto, onde ela tocava a mandíbula. “Oh. Sim.” Ela baixou a mão dela. “Eu estou bem.” Enquanto ele se mexia suas sobrancelhas franziram em preocupação. Vendo toda aquela carne exposta, tão elegante sobre os músculo tensos, Arizona automaticamente respirou fundo de novo e seu estômago deu um pequeno salto louco. Humm. Sim, isso é o que ela havia cheirado, o cheiro estimulante da pele quente e os músculos relaxados em um corpo masculino sexy extragrande. Deeee-licioso. Ele não disse mais nada. Ela também não. Quem poderia falar? Ela preferia absorver a visão dele. Como na manhã em que ficou esperando que ele acordasse, ele parecia bem com o cabelo amassado e sombra da barba. Ao contrário daquela manhã, uma espécie de calor escuro ardia em seus olhos. 454


Olá! O que Spence estava pensando para parecer todo ligado, e preparado dessa forma? Apoiado num cotovelo, ele parecia ter os olhos claros e alertas, como se talvez... estivesse olhando para ela. Por um tempo agora. Enquanto ela dormia. Nossa. Seus pensamentos estavam caóticos, mas com Spencer, não havia nada de novo nisso. Ele muitas vezes deixava confusos seu cérebro e seu coração. Ela gostava dele, especialmente porque, antes de Spence, ela às vezes chegou a duvidar que tivesse um coração. Ontem à noite era apenas uma vaga lembrança, seu último pensamento claro foi de estar no bar e vê-lo com outra mulher. Então, como eles acabam na cama juntos? Se eles tivessem feito o ato e ela não conseguisse lembrar disso, estaria seriamente irritada. Desconfiada, ela olhou para seu corpo parcialmente despido mais uma vez, e mais devagar para o dele. Levantando uma sobrancelha, ela tentou usar o descaramento no lugar do constrangimento. “Eu preciso chutar o seu traseiro?” Sem se preocupar com a ameaça implícita, num tom simplesmente curioso, Spencer perguntou: “Por quê?” “Aproveitando-se de mim enquanto eu estava bêbada?” Sorrindo, ele estendeu a mão e puxou uma mecha de seu cabelo longo, despenteado. “Não, bebê, você não precisa.” Bebê? “Mas talvez seja necessário que a coloque sobre o meus joelhos por tentar fazer isso.” “Sim, isso nunca irá acontecer.” Não só não permitiria que ele fizesse, ela também sabia Spencer nunca faria isso. Mas ele tinha dito aquilo, então... “O que você quer dizer?” “Na noite passada, você insistiu que eu tirasse vantagem de você.” “Sem brincadeira?” Agora que ele disse isso, ela meio que se lembrou de fazer algumas ofertas quentes e pesadas.

454


Antes de entrar no bar que ela decidiu que o queria. Merda, olhando para ele agora, ouvindo aquela voz profunda, estando tão perto dele, ela ainda o queria. Grande momento. E por que não? Ela não podia ficar celibatária para sempre e queria estar inteira, normal e funcional, como qualquer outro adulto. Spencer afirmou querer ajudá-la com isso... até um ponto de qualquer jeito. Ela não desistiria de seu trabalho, de modo que sabia acabaria sendo pega novamente. Antes que isso acontecesse, seria ótimo saber como deveria ser. Como poderia ser com Spencer. Seus olhos escuros esquentaram ainda mais, e sua voz caiu. “Você foi terrivelmente difícil de resistir.” “Mas você resistiu qualquer maneira, não é?” Idiota. Boa maneira de fazê-la se sentir como fígado picado. Ele com certeza não resistiu ao brinquedo sexual no bar, não importa que fosse sua cobertura. “Você tinha bebido demais,” ressaltou. E era isso; ele não era um oportunista, especialmente não com as mulheres. E se ela tivesse se jogado para ele? Se pareceu uma tola? Se havia sofrido uma rejeição humilhante? Droga. Talvez fosse melhor que não soubesse. Sua grande mão parou de brincar com seu cabelo e ao invés disso caiu para descansar calorosamente em seu joelho. “Tentei argumentar, mas depois você caiu morta em cima de mim.” “Aqui?” “Você não se lembra de nada?” Ela franziu o rosto, pensando muito... “Eu chutei a bunda de Carl. Eu me lembro disso.” “Você quebrou os dedos dele.” Sua expressão escureceu com o lembrete. “Eu quebrei o resto.” Uma memória indistinta se intrometeu. “Dare tinha algo a ver com a gente terminando a noite mais cedo...” Não, espere... Seus olhos se arregalaram. “Acabou, não é? Dare os pegou?” Spencer assentiu. “Mexeu-se mais cedo e assumiu o controle.” Ele a encheu com os detalhes que tinha. “Você bebeu tanto com Janes, que é uma maravilha que se lembre de alguma coisa.” 454


“Pedaços estão voltando para mim.” Estava cheia de curiosidade e alívio por saber que inocentes tinham sido salvos. “Então, se não aconteceu nada entre nós, por que estou na cama com você?” “Eu pensei que seria prudente mantê-la perto.” “E... o quão perto estávamos?” Porque na verdade ela sempre imaginou que dormir com um cara – no sentido literal – a deixaria muito nervosa. Significava estar exposta em seu sono. Indefesa. Dormir significava que precisava baixar a guarda e ela claramente não fazia isso. Não com ninguém. Mas então, Spencer não era qualquer um. Não mais. Quase desde o momento em que o conheceu, a afetou de forma diferente. Às vezes, o odiava, mas na maioria das vezes, ela meio que gostava do jeito que a fazia sentir. “Eu gosto de te abraçar, Arizona.” Seu polegar se moveu sobre seu joelho. “Você é muito macia e quente.” Não creio! Mudando de posição, com os olhos arregalados de incredulidade, ele franziu a testa novamente. “Você teve um pesadelo?” “Um que eu vivi, sim.” “Qual?” “O rio. Quase me afogando.” Acenou como dizendo que era insignificante. Ela teve aquele maldito sonho tantas vezes, que havia se habituado a ele. “Jackson me salvou disso.” “Droga... Sinto muito.” “O passado é passado.” Ela olhou em volta, viu a calça jeans em uma cadeira, em seguida, levantou o lençol e descobriu que usava apenas a roupa de baixo com seu top. Sua boca ficou um pouco seca. “Então... você me despiu?” “Você fez isso.” Ele deu ao lençol um leve puxão. “Eu fui nobre e cobri você” “E, em seguida, se arrastou para a cama comigo?” “É a minha cama.” Certo. Então ele a queria ou não? Ela não podia dizer. Ele parecia diferente hoje, talvez mais suscetível à intimidade, mas não gostava da ideia de pedir, apenas para ser rejeitada novamente. 454


E se ele só tivesse dormido com ela por conveniência? Ela tentou abordar as coisas de forma sutil. “Então... e agora?” “Isso depende de você.” Interessante. Bem, ela sabia o que queria fazer, mas não disse nada e simplesmente esperou. “Você tem uma ressaca?” “Não.” Correndo os dedos pelos cabelos emaranhados, ela bocejou, em seguida, deixouse cair de costas ao lado dele. “Meu queixo está um pouco dolorido, isso é tudo.” Sua expressão murchou. “Um bastardo no bar bateu em você.” Nunca teria acontecido se ela estivesse sóbria. Mas ela não se estenderia sobre isso, não agora, não com Spencer perto o suficiente para que o calor do corpo dele tocasse toda a lateral do seu. Seu coração começou a fazer aquela coisa de bater como louco novamente. Ela olhou para ele. “Estou talvez um pouco miolo-mole, mas sem sequelas reais.” “Bom.” Seu olhar escuro foi para o seu peito, e suas narinas dilataram. Ela ainda não sabia onde esta pequena conversa matinal estava indo. “Você está perguntando por quê...?” “Temos negócios inacabados da noite passada.” Awwwwe-alguns. Mas para ter certeza, ela perguntou: “Sexo?” Uma pausa e ele esclareceu: “Você me quer?” “Oh, sim.” “Bom.” Ele se inclinou em direção a ela. Uau! Mas agora que Arizona havia confirmado, o nervosismo aumentou e ela segurou-o com uma mão. “Espere, Spence.” Isso chamou sua atenção de volta para o seu rosto. Ele estudou-a, e tudo o que ele viu – ou pensou que viu – apagou o incêndio. “As coisas parecem diferentes à luz do dia, agora que você está lúcida, não é?”

454


“Não é verdade.” Deixando de lado palavras não mencionadas, ela ainda queria devorá-lo da cabeça aos pés. Mas ele parecia tão hipócrita, tão... masculinamente condescendente, como se esperasse que ela agisse como uma virgem desmaiando ou algo assim, que não pôde deixar de brincar um pouco. “É só que eu não posso... eu não...” “Shh, eu sei, querida.” Ele respirou fundo e assentiu. “Eu entendo.” “Você entende?” “Claro que sim” Muito sério, ele fechou os dedos sobre os dela. “Está tudo bem.” Arizona riu da sua contenção, e quando ele olhou para ela com a confusão, a risada borbulhou para fora. “Vamos lá, Spence. Estou apenas brincando com você.” “Brincando comigo?” Virando de lado para encará-lo, ela imitou a pose com a cabeça apoiada em uma mão. “Claro que eu ainda estou no jogo. Ataque, estou morrendo de vontade de fazer indecências com você.” Ele examinou-a. “Mas?” Rapaz, ele era bom em lê-la. “Mas...” Tentando encontrar as palavras certas, ela limpou sua garganta. “A coisa é... eu preciso...” Ele não a apressou. Ele não se moveu. Parecia que quase não respirava. Decidindo apenas cuspir, ela disse: “Tem que ser com as luzes acesas. Eu em cima. Você tem algum problema com isso?” Nenhuma reação. “Spence?” Ele visivelmente segurava seu autocontrole. “Eu não quero pressioná-la. Eu não quero que você faça nada antes de estar pronta.” “Estou pronta. E confie em mim, eu quero fazer isso. Eu só tenho algumas panes, isso é tudo.” “Panes?” “Como eu disse, luzes acesas.” “Diga-me o porquê.”

454


Parecia óbvio para ela. “Então, eu posso te ver, dessa forma, não há confusão... nas minhas lembranças.” Ela viu isso em seus olhos, a percepção de que, sem luzes, ela se lembraria dos outros homens, fazendo outras coisas. Muito sério, Spencer fechou os olhos, mas apenas por um momento. “Sem problemas.” Ele tomou isso tão bem que ela explicou sobre o resto. “E eu em cima, porque, na verdade Spencer, bonitão como você é, ainda tenho alguns problemas de confiança, sabe? Eu tenho que saber que estou no controle.” Suas sobrancelhas levantaram em descrença. “Estar no topo permite que você pense que está me controlando?” Ela deixou passar seu deslize arrogante e disse: “Yeah. Quero dizer, por que eu deveria fazer isso fácil para você?” Ele bufou. “Deixe-me assegurar-lhe, Arizona, você nunca foi fácil, de nenhuma maneira.” “E,” disse ela, falando sobre ele, “antes de responder, saiba que se você me colocar para baixo de novo, vou me sentir realmente rejeitada.” Colocou sua grande mão em concha ao lado de seu rosto. “Nenhum homem em sã consciência jamais poderia rejeitá-la.” Alívio amoleceu seus ossos. “Então fazer do meu jeito será um problema?” “Luzes acesas, com você em cima?” “É assim que tem que ser.” Entendimento suavizou sua expressão severa. “Não parece uma grande dificuldade.” Será que ele estava zombando dela? Arizona rolou sobre ele. “Será que isso vai ser divertido, Spencer? Porque, sério, você não parece muito animado.” Ela apertou um firme, mas rápido beijo na boca. “Eu quero que seja divertido.” “Entendi. Bem iluminado, você na posição dominante e muitas risadas. Quaisquer outras exigências?” Seu humor acendeu. “Você não gosta das estipulações? Tudo bem. Esqueça.” Ela começou a rolar para longe.

454


“Tão mandona.” Ele a pegou, segurando contra ele enquanto lutava contra um sorriso. “Eu gosto muito das suas estipulações.” “Bobagem.” “Eu quero ver você, Arizona. Diabos, eu estou morrendo de vontade de vê-la. Então as luzes acesas seriam a minha preferência de qualquer maneira. E você em cima de mim só me dará uma visão melhor.” Ela não tinha pensado nisso. Ele se concentrou em sua boca. “Tanto quanto eu gosto de rir, bem, eu estou esperando que eu não inspire risadas, mas eu quero muito que você se divirta. O que você acha?” Ela fez uma careta para ele. “Tem certeza?” “Eu sei que a confiança não vem fácil para você.” Devagar, com ternura, ele alisou para trás seus longos cabelos. “Você precisa lembrar que eu só quero o melhor para você. Em todas as coisas.” Oh, ela mal podia esperar. “Tudo bem, então.” Hesitante sobre como proceder, ela perguntou: “Devo ficar nua agora?” Suas mãos se desceram por sua coluna para a parte mais baixa de suas costas, então só descansaram lá. “É isso que você quer fazer?” Sua paciência não estava ajudando a colocá-la à vontade. Por que ele não poderia ser um pouco mais... frenético? Como ela estava? “Eu não sei. É o que eu fazia quando normalmente de...” Sua mão cobriu a boca. Enfrente apertado, sua expressão um pouco de dor, ele desenhou outra respiração. “Eu quero que você esqueça aquilo tudo.” Sem chance. Será que isso o incomodava mais que a ela? Parecia possível. Para um grande macho protetor como ele, seria uma realidade difícil de esquecer. Ela tomou-lhe o pulso e puxou a mão. “Você está tentando esquecer?” Ele abriu a boca, então franziu o cenho. Com pesar, ele disse: “Nós estamos apressando as coisas.” Então? Se ele tivesse se apressado mais já estariam na metade. “Você precisa tomar um banho.” Ele já estava dando para trás? Bem, ele poderia esquecer. “Tome um banho comigo.” 454


Ele balançou a cabeça. “Por que eu pensei que você seria mais razoável sóbria?” “Não faço ideia.” Ela passou as mãos sobre o peito. Ela adorava a sensação de seu crespo cabelo no peito. “Você não deve ter prestado atenção.” Ela também adorava a sensação de seus ossos fortes e músculos firmes, e só de olhar para ele fazia suas entranhas tremerem. Ela queria fazer isso, ela realmente queria. “Oh, eu certamente tenho prestado atenção. Conte com isso.” Não tendo nenhuma ideia do que ele quis dizer com isso, ela se inclinou e provocou o nariz em cima dele. O cheiro dele a deixou mais embriagada que o uísque. “Eu tenho que dizer Spence, você é um cara sexy.” Seu sorriso veio com relutância. “Obrigado” Em seguida, ele a pegou e aliviou-a de volta. “Mas acho que talvez eu devesse tomar banho e fazer a barba, e...” “Você está procurando desculpas, não é?” Descontente, ela fez uma careta. “Tem certeza que me quer?” “Muita certeza.” Mais uma vez ele olhou para sua boca. “Mais do que eu já quis alguma coisa.” Isso a surpreendeu. Assim ele quis dizer, como mais do que ele quis Marla? E o que dizer de sua esposa? E aquele brinquedo que ele ficou abraçando no bar ontem à noite? Ou será isso significava apenas recentemente? “Então você está dizendo...” “Eu quero você, Arizona Storm. Nunca duvide disso. Estou morrendo de vontade de te beijar, de obter você nua – mesmo que você cheire a uísque velho.” “Eu cheiro?” Mas é claro que sim. Recusando-se a respirar sobre ele ainda mais, ela franziu a boca. Bela porcaria. Ela ainda não tinha pensado nisso. Ele sorriu. “Eu quero você mesmo que tenha toda essa maquiagem ao redor dos olhos.” Seriedade substituiu o sorriso. “E algumas contusões coloridas.” Ela fez uma careta, em seguida, empurrou-se para sentar-se na cama. “As contusões o incomodam?” “É claro que sim, porque isso significa que você se machucou de novo.” Ele surgiu ao lado dela e lhe acariciou o cabelo sobre o ombro. “Eu vou beijar cada uma delas. Não vai ajudar de verdade, mas fará com que me sinta melhor.” 454


Ele parecia rouca e afetado, e que a afetava também. “Fará com que me sinta melhor, também.” Ele pressionou pequenos beijos ao longo de sua mandíbula, sua orelha e em seguida, por cima do ombro. “Você tem certeza disso, querida?” Ela estremeceu. “O que você quer dizer com isso?” Ele continuou a beijá-la, beijos suaves, úmidos em lugares surpreendentes que deixaram para trás um pequeno formigamento. “Esqueça o seu passado por um minuto, ok?” Não era realmente possível, mas ela deu de ombros. “Sim, está bem.” “Você entende o que quero fazer com você? Como será diferente?” Ela pensou que entendesse, mas agora... “Um... talvez?” “Você está tentando apressar as coisas, mas eu quero ir devagar.” Ele levantou seu cabelo, e ela sentiu sua língua na nuca, em seguida, a borda de seus dentes. “Estou feliz por você querer o quarto bem iluminado, porque quero ver quando encher você.” “Eu também.” Ela não podia esperar para explorar seu corpo grande e forte. Sua mão tocou a parte interna do joelho, subiu para a parte interna da coxa. Sensações seguiam as pontas dos dedos; antecipação a deixou sem fôlego. Mas ele parou. Com sua boca tocando sua têmpora, ele sussurrou: “Eu quero tocar em você, e te beijar. Por toda parte.” Seu estômago pareceu cair. “Toda parte?” “Sim.” Seu sorriso veio lento e fácil. “Em todos os lugares.” A maneira como ele disse isso enrolou os dedos dos seus pés. “Eu quero saber o seu gosto, e eu quero respirar o seu cheiro. Aqui.” Ele acariciou o lado de seu pescoço. “E aqui.” Ele arrastou um dedo entre os seios. “E especialmente aqui.” A mão aberta desceu pelo sua barriga. Ela conteve um gemido. Então ele colocou um pouco de espaço entre eles. “E mesmo sendo tão difícil me segurar, não quero ser apressado. Você não vai querer que eu seja apressado.” 454


Nada disso parecia com o que ela havia esperado, com base em suas experiências. “Eu não vejo...” “É cedo ainda. Temos horas antes precisarmos sair para a casa de Dare.” Oh, merda. Seu encontro de aniversário. Tinha esquecido tudo sobre isso. Ele puxou o queixo para olhar em seus olhos. “Não é tanto tempo quanto que eu gostaria. Preferiria ter o dia inteiro para me concentrar em você, para mostrar-lhe como as coisas devem realmente ser. Mas gastaremos todo o tempo que temos na cama. Portanto, se há alguma coisa que você queira fazer antes, eu sugiro que você fazer agora.” Ela pensou rapidamente – e decidiu que precisava de alguns minutos para recuperar o controle. “Ok, então que tal tomar uma ducha enquanto você faz o café, e depois levaremos a partir daí?” Ela rolou para fora da cama e se dirigiu para o banheiro. “Faça o café forte. Eu acho que preciso disso.” “Arizona?” Ela parou na porta do banheiro, olhou para trás e viu que ele estava olhando para seu traseiro. “Sim?” “Eu posso talvez esperar enquanto você bebe um copo de café, no máximo.” Seu olhar se levantou para ela. “Depois disso, não posso prometer mais nada.”

***** UM CHUVEIRO a reanimou fisicamente, mas ela tinha usado a cada segundo pensando sobre o que Spencer tinha dito e como ele havia dito. Agora... agora suas mãos tremiam, e uma queimadura lenta ardia dentro dela. Ela não conseguia parar de pensar sobre o que faria, não podia manter o visual de sua mente. Tinha a sensação de que Spencer havia feito isso de propósito só para que ficasse pensando. Diabólico. E oh-tão-quente.

454


Em vez de lavar os cabelos e tomar um tempo para secá-los, ela o prendeu em um rabo de cavalo alto. Vestindo uma camiseta e shorts, ela sentou à mesa da cozinha e tentou aproveitar o café. Mas Spencer estava no chuveiro agora. Nu. E cada segundo que passava fazia a tensão um pouco mais apertada. Uma dor doce enrolou dentro dela. Seus pulmões se contraíram de uma forma que ela teve que respirar mais forte, mais rápido. Portanto, isso era a luxúria? Quem diria? Era melhor do que ela jamais imaginou. Claro, ela sabia que as coisas aconteciam de forma diferente entre duas pessoas dispostas. Ela não era uma tola. O que ela tinha feito como uma prisioneira, forçada por traficantes, não era exatamente o normal. Não haveria prazer. Ela tinha visto muitos filmes, conversado com muitas pessoas. E ela sabia como Jackson e Alani se comportavam um com o outro. Dare e Molly. Trace e Priss. Eles com certeza gostavam de estar perto e íntimo. Muito em breve, ela também. Com Spencer. Ela fechou os olhos quando a sensação aumentou dentro dela, mais doce, mais quente. Mas ele queria que ela esperasse? Foda-se isso. Ela largou a caneca de café agora vazia em cima da mesa e começou a descer o corredor. Ao longo do caminho, bufando rápido com a necessidade, ela tirou sua camisa e, em seguida, fez uma pausa longa o suficiente para tirar seus shorts. Estendendo a mão, ela puxou a faixa de borracha coberta de pano de seu cabelo e ele caiu pelas costas. Ainda de calcinha, ela bateu na porta do banheiro. Spencer disse: “Sim?” quando abriu a porta para ela. O choque o manteve parado por um instante, então seu olhar caiu rapidamente, movendo-se sobre ela. Ele inalou, e seu rosto contraiu.

454


Uma toalha branca circulava seus quadris, outra estava pendurada no pescoço. Vapor flutuava para cima, acariciando sua pele úmida. Ele tinha acabado de fazer a barba. Eles olharam um para o outro. Ou, mais precisamente, ele olhou para os peitos dela, e ela olhou para a trilha de pelos escuros e finos que desapareciam na toalha. Sem olhar para longe dela, ele pôs de lado a navalha e, com a toalha em volta do pescoço, limpou o creme de barbear restante do rosto. Ele descartou a toalha no chão. Lambendo os lábios, Arizona estendeu a mão, colocando a ponta dos dedos na outra toalha e a puxando para longe de seu corpo. Ela ficou pendurada na sua mão. Caramba, ele não estava brincando. Ele realmente a queria. O homem era impressionante, de forma geral. “Você é grande.” “Sim.” Ele parecia terrivelmente cavalheiro sobre isso. “Então...” Ela não podia tirar o olhar da sua ereção saliente. “Parece que você está pronto, também.” “Eu estive pronto desde o dia em que te conheci.” Que alívio, já que ela sentia o mesmo. Oh, ela tinha feito o seu melhor para ignorar. Mas não mais. Ela deixou a toalha escorregar de seus dedos. “Isso é... legal.” Suas mãos estavam punhos. “Você não tem medo?” “Não.” Ansiosa, carente, mesmo desesperada, mas não com medo. Ela encontrou seu olhar. “Não com você.” Alguma emoção afiada iluminou seus olhos. “Está incerta sobre alguma coisa?” Ele trouxe seu rosto para cima. “Porque, baby, eu sei que você estava incerta mais cedo.” Ah, então é por isso que ele sugeriu o chuveiro e o café e a demora insuportável? Por ela. Ele era um cara legal. “Sim, eu acho que eu estava. Um pouco.” “Eu não quero que você esteja” Ele ainda não a tocava. “Sobre coisa alguma.” “Eu não estou mais.” Um pouco trêmula, ela acrescentou: “Juro por Deus, Spencer, agradeço a preocupação. Eu realmente agradeço. Mas não acho que possa esperar um único segundo a mais.”

454


Ele balançou a cabeça e continuou a resistir. “Algum homem já passou seu tempo apenas beijando você?” “Não.” Seu coração batia tão forte que doía. “Graças a Deus.” Ele deu um passo mais perto. “Algum homem já tocou em você, só para você? Apenas para fazer você se sentir bem?” “Claro que não. Homens não...” “Shh.” A calma personificada, ele deu um beijo quente na boca. Lento, persistente. Quando ele se afastou, Arizona ergueu os cílios pesados, respirou fundo e sussurrou: “Droga.” Vestindo um meio sorriso, Spencer se aproximou para outro beijo, com um pouco mais de fome, um pouco menos cauteloso. Agora, isso foi mais parecido com ele. Sua respiração estremeceu, saiu em um suspiro. “Oh, inferno.” Ele pegou o seu jogo. “Você está pedindo outro beijo, querida?” “Essa foi a aposta, certo?” Ela se inclinou para ele, com a boca quase tocando a dele. “Para cada maldição” “Sim, essa foi a aposta.” “Bem, eu conheço um monte de palavrões.” Ela tocou a mão em seu peito, para o seu lado. Deus, ela adorava a sensação dele. “Então como é que vai ser, Spence? Devo queimar seus ouvidos, ou você apenas quer...” Sua boca desceu sobre a dela, sem reservas. E ela aceitou com um gemido resistente, agarrando as mãos e colando seu corpo ao dele. “Spencer...” Ele a puxou para mais perto. “Diga-me o que você quer.” “Isso é tudo tão curioso.” “Isto?” “Sexo.” Ela virou a cabeça para encontrar seu olhar. “Eu tenho que admitir, até você, eu não tinha sido um fã da ideia.” “Eu sei.” Dor encheu seu olhar. “Sinto muito!”

454


“Não foi culpa sua, não é?” Ela se inclinou para ele, curtindo sua força, seu calor. Seu apelo. “Mas com você? Eu não sei. Você me faz sentir engraçada.” Sua mão grande e quente abriu sobre seu barriga “Aqui?” “Sim.” Ela apertou a mão sobre a dele, absorvendo o calor de sua palma, respirando em seu delicioso perfume masculino. “Engraçado, como? Diga para mim.” “Toda quente e... escorregadia.” Ele mordeu um gemido. “Perfeito. Isso é exatamente como eu quero que você se sinta.” “E como você deve se sentir?” Traquina, ansiosa para tocá-lo, ela estendeu a mão para sua ereção. Ele pegou-lhe os pulsos e segurou as mãos dela. “Spencer?” Ele parecia triste. Ele parecia... estoico. Uma batida de coração de silêncio se passou. “Deixe-me mostrar a você, ok?” Algo na maneira como ele disse a deixou incerta. “Whoa.” Ela se afastou dele. “Mostrarme o quê?” Com as mãos trêmulas, ele alisou o cabelo para trás. “Como isso pode ser bom para você.” “Mas não para você?” “Não importa o que, eu vou aproveitar isso, também. Nunca duvide disso.” Tremendo por dentro, ela tocou em seu queixo. “Isso?” Firme, ele disse: “Dar-lhe prazer. Levando você ao orgasmo.” De jeito nenhum maldito. “O que, com você todo alheios e outras coisas, e eu como sendo uma espécie de sacrifício?” Ele tinha que estar brincando. Ela empurrou contra seu peito. “Obrigada, mas não, obrigada.” Ele a pegou para ele. “Não seria assim.” “Eu quero você dentro de mim, maldito. Eu quero você comigo todo o caminho.”

454


Respirando com mais força, ele cerrou sua mandíbula. “Eu posso adiar, Arizona. Eu posso fazer o que é certo, para nós dois. Mas não se você...” “Bem, eu quero!” Humilhação caiu sobre ela. Ela deu-lhe outro empurrão duro e finalmente se soltou. “Eu não sou um maldito projeto em que você tem que trabalhar!” “Eu não...” “Eu não vou jogar este seu jogo estúpido. Ou você me quer, ou você não quer.” Batendo contra o peito nu, ela gritou: “Sou uma mulher tudo-ou-nada.” Mais do que um pouco consciente de sua nudez, ela virou-se para partir em uma saída dramática. Antes mesmo que tivesse dado um passo longe, ele a puxou de volta, a girou e segurou contra ele. Sua própria quantidade de frustração aprofundou sua voz, aguçou seu tom. “Suas determinações significam que você não é tudo-ou-nada.” “Então, em vez de chamá-las de estipulações, chame de fetiche.” Ela ficou na ponta dos pés, apoiando-se em sua raiva. “Muitas pessoas gostam de assumir o controle na cama.” “Não é a mesma coisa e você sabe disso.” Deflacionada, machucada, ela murmurou, “Eu queria sentir você dentro de mim. Eu queria ser uma parte de você.” Lágrimas queimaram seus olhos, escaldando-a com humilhação. “Obrigada por tudo” Ele respirou fundo, suas narinas alargaram, os olhos brilhavam. “Eu tentei Arizona. Deus sabe o que eu tentei.” Ela começou a dizer que fosse para o inferno, mas sua boca pousou sobre a dela, e não provisória, não suave, mas com fome e exigente. De repente, em chamas, ela gemeu sua aprovação e apertou as mãos em seus ombros. Ele acariciou suas costas e seu traseiro, levantou-a e a puxou em confortavelmente contra sua ereção. Contra seus lábios, ele disse, “Eu preciso de você, Arizona. Agora mesmo.” Ah, agora isso era o que ela queria. Ela podia lidar com o material físico esmagador melhor que com a emoção que enfraquecia seus joelhos ou, Deus me livre, a sua honra. “Você tem um jeito engraçado de mostrar isso.”

454


“Sinto muito!” Levantou-a completamente fora de seus pés, e ela naturalmente apenas envolveu suas pernas ao redor de sua cintura. “Arizona...” “Eu tenho você agora.” Ela prendeu os dedos em seu cabelo úmido e disse com a demanda carnal, “Beije-me outra vez.” “Eu irei.” Ele lambeu seu pescoço, puxou a pele com os dentes. “Mas, lembre-se, você tem que confiar em mim.” “Eu quero.” Ela gemeu, apertou-o com mais força. Quando tinha seu pescoço ficado tão malditamente sensível? “Se você sequer pensar...” “Está bem.” E então, resignado à sua sorte: “Eu não posso.” Ele beijou sua boca novamente, devorando-a, sua língua ousada. Ele tinha um gosto tão incrivelmente bom que Arizona não percebeu que ele a estava levando para o quarto até que se estendeu no colchão, ela em cima dele. Desde que as pernas dela estavam em torno dele, ela montada nele, seus joelhos dobrados ao longo de seus lados. Mantendo uma mão em sua cabeça, ele moveu a outra para baixo em sua coluna vertebral e em sua bunda. Assustada, ela tentou endireitar as pernas, mas ele disse: “Não, deixe abertas. Deixe-me tocar em você.” E então, com um grunhido: “Eu preciso te tocar.” Tudo dentro dela contraiu. “Sim, está bem.” Mas porque a ideia dele tocá-la lá a animava tanto, ela tomou sua boca novamente. Nada poderia ser tão agradável quanto beijar Spencer. Na verdade, ela tinha algumas pontadas de apreensão. Mas elas não eram nada em comparação ao desejo ardente de se aproximar dele, sentir mais do seu gosto, aprender sobre seu corpo e senti-lo, ele todo. Ele continuou acariciando seu traseiro, tocando lentamente como se desfrutasse da sua pele – até que ele mergulhou para baixo, as pontas dos dedos tocando entre as pernas, sobre seu sexo. Ofegante, ela libertou a boca e arqueou as costas. Ele murmurou: “Você está molhada.” “Sim,” disse ela com admiração. Quando olhou para baixo, ela o encontrou olhando-a fixamente. Com os olhares bloqueados, ele apertou em um dedo. 454


“Oh... wow.” Quem diria? Ela ficou ainda mais ofegante, espantada com o que sentia. “Isso é...” Mas não tinha palavras. Spencer deslizou sua mão livre sobre a coxa, puxou sua perna mais para cima ao longo de seu quadril. “Venha para que eu possa chegar aos seus mamilos.” Hum... ela não achava que pudesse fazer isso. Se não fosse pelos os braços rígidos a segurando, ela seria desabaria em uma pilha desossada de sensações. “Arizona. Chega mais, querida. Vem aqui em cima.” “Eu não posso.” “Vou ajudar.” Ele levou os dedos dela, fazendo-a gemer, e apertou a cintura. “Eu meio que apressei isso, de qualquer maneira.” “Isso?” “Ouvir você. Fazer as coisas certas.” Ele lhe deu um sorriso torto e muito sexual. “Um homem deve sempre começar em cima e fazer seu caminho para baixo. Mas você me fez perder a cabeça, de pé lá na porta, quase nua.” “Você está nu.” “Porque você roubou a minha toalha.” Ele segurou um dos seios, passou o polegar sobre o mamilo enrijecido. Ela sentiu o choque através de seu corpo. “Desde que você quer estar no topo, é assim que iremos fazer isso,” ele disse a ela enquanto assistia a mão brincar em seu peito. “Venha aqui.” Com um gemido, ela lentamente se inclinou para frente, mais perto, seu corpo ficou tenso e seu coração trovejava. Sabendo o que ele faria e tão ansiosa para sentir isso, ela se inclinou... ahhhh. Sem provocação, sem prelúdio, sua boca quente se fechou sobre ela, puxando-a, chupando-a delicadamente. Seus olhos fecharam e os lábios entreabriram. “Oh, Deus, Spencer. Isso é tão...” “O que?” Lambeu, circulando sua língua ao redor dela, beijou seu mamilo uma última vez e mudou para o outro peito para começar a chupar novamente. “Incrível.” Não admira que as pessoas escolhessem fazer isso. Ok então, ela esperava que fosse bom, mas não esperava tanto. 454


Quando a mão dele voltou para sua calcinha, seus dedos de volta entre as pernas, foi quase demais. A dor intensificou, crescendo e vazando como uma maré, fazendo-a ofegar e roçar contra ele. Mais e mais, até que ela pensou que poderia quebrar... e ela queria. Olhos bem fechados, os dentes cerrados, ela gemeu em frustração e necessidade premente de alívio. De repente, Spencer retirou a mão. Ele a surpreendeu com sua retirada abrupta e ela respirou em falso. Confusa, olhou para ele. “Qual é o problema?” “Eu preciso de um preservativo, querida... Agora.” Levantou-a de cima dele e sentou-se para remexer na gaveta de cabeceira. Um pouco perdida com a sensação turbulenta anda correndo através dela, Arizona descansou lá, ajoelhada no colchão. Spencer tinha seu amplo e musculoso corpo de costas para ela enquanto colocava o preservativo, e então se virou para ela novamente. “Vamos nos livrar dessas calcinhas.” Ela engoliu duro. “Ok. Soa como um plano.” Ela começou a empurrá-las para baixo, mas ele moveu as mãos dela. “Deixe-me.” Ele a deitou de costas no colchão, dizendo: “Eu sei que você não me quer em cima, então não se preocupe. Mas eu vou gostar de tirá-las muito mais que você.” Ela não o entendia. Como ele podia estar tão calmo enquanto ela estava tão urgente? “Fará você se apressar?” “Não.” Preguiçosamente estudando-a em todos os lugares entre seu queixo e seus joelhos, ele abriu a mão sobre sua barriga. “Você é incrivelmente linda, Arizona, sem uma única falha em qualquer lugar. Eu nunca vi uma mulher tão malditamente... perfeita.” Ela bufou com isso. Ela sabia que estava tão longe de ser perfeita quanto qualquer ser humano poderia estar. Ele ignorou seu som de desacordo, dizendo: “Mas mesmo se você não fosse tão linda, eu ainda iria querer você.” “Mesmo?” Então por que ele não acabava com a sua frustração? 454


Espalmando os seios, ele brincou com seus mamilos, fazendo-a enlouquecer. “Absolutamente.” Ele voltou para sua barriga e então desceu, colocando a mão entre suas pernas. Ele fechou os olhos por um momento. “Você tem apelos que nem imagina.” Ela teria pedido detalhes, mas com os dedos a tocando, ela não conseguia pensar direito, muito menos falar. Ele abriu os olhos novamente. “Mas vê-la assim agora, incrivelmente sexy como você é, isso é um bom bônus.” “Eu acho que você e muito malditamente sexy também.” Ela torceu debaixo da sua mão provocante e disse ofegando: “Eu acho que grandes machos alfas, fazem isso comigo.” Seu olhar cintilou até o dela por apenas um momento. “Todos os alfas, é?” Inacreditável! Ele estava realmente se comparando a Jackson? “Eu não consigo me ver atraída por um covarde. Mas o fato de que eu o intimidei para fazer isso mostra que você é diferente, né?” “Eu acho que sim.” Olhando para ela, seu olhar intenso, afastou as coxas ainda mais. “Iria incomodar você se eu me curvasse aqui...” ele passou um dedo ao redor e sobre a virilha da calcinha “... e beijasse?” Os dedos dos pés enrolaram de novo, e a garganta apertou em expectativa. Balançando a cabeça, ela suspirou, “Divirta-se.” Outro sorriso torto, e depois “Obrigado. Acho que irei.” Inclinando-se, ele esfregou o nariz contra ela, inspirando profundamente seu cheiro antes de abrir a boca sobre ela. Através da fina barreira de sua calcinha ela sentiu a respiração morna e, em seguida, a pressão da língua quente. Isso a deixou um pouco louca. Suas coxas abriram mais. “Isso é... É.” Mordendo um gemido, ela inclinou a cabeça para trás e olhou para o teto, absorvendo o prazer desta nova experiência. “Eu estava morrendo para provar você,” disse ele em uma voz gutural grossa com a necessidade. “Eu não esperava...” O quê? Por algo como isso? Ou, mais precisamente, o impacto disso em seus sentidos.

454


Ele raspou os dentes cuidadosamente sobre ela que por sua vez arqueou em uma dor aguda. Ele acalmou com a língua, e um gemido veio livre. Virando o rosto, Spencer deu uma mordida de amor suave na coxa. “Acho que é melhor isso esperar.” “Maldito seja, Spencer.” Apenas um pouco de brincadeira, ela disse: “Eu possuo uma faca e uma arma, você sabe!” Ele ignorou sua ameaça implícita. “Desculpe, mas com você, eu estou alto de necessidade e curto de controle. Eu não posso fazer isso.” Com um grunhido, ele beijou sua coxa, seu osso do quadril. “Não sem acabar em cima de você e possivelmente, trazendo à tona uma memória ruim.” Um segundo depois, ele puxou a calcinha para baixo e fora de suas pernas. “E não enquanto eu preciso tanto de você.” Vagabundo. Ela deveria ter mantido sua boca fechada sobre seu pequeno problema. Talvez não tivesse sequer importado. Talvez com Spencer... Rapidamente, ele sentou-se contra a cabeceira da cama e pegou seu pulso. “Pronta?” Ela virou a cabeça em direção a ele. “Para quê, exatamente?” “Você estabeleceu as regras, querida, e eu preciso que você me monte.” Oh. Certo. Rapaz, isso soou muito sexy. Ela lambeu os lábios em antecipação e subiu nele novamente. Ela tinha estado tão perto, tudo ainda pulsava de prazer em uma escalada em direção a algo monumental. Mas ela não ficaria de má vontade com isso. É claro que ele queria gozar. Apesar de tudo, ele ainda era apenas um homem. Spencer a ajudou a se estabelecer sobre ele. Com o coração batendo loucamente, ela preparou-se com os joelhos do lado de fora de seus quadris, as mãos em seus ombros rígidos. Abrindo-a com os dedos, ele a guiou. Pensando em seu tamanho, ela engoliu, preparando-se, sabendo que ele empurraria para dentro dela, se antecipando a isso... Mas Spencer estava parado. Quando ela abriu os olhos para olhar para ele de novo, lhe deu um sorriso terno. “Arizona?” Sua garganta apertou mais, mas ela conseguiu dizer, “Hmm?” 454


“Você irá me beijar?” Sim, um beijo ajudaria. Às vezes, quando ela beijava Spencer, ela esquecia todo o resto. “Ok, com certeza.” Ela inclinou-se para ele. A qualquer momento ele estaria profundamente dentro dela. Será que iria doer? Ela não pensou que seria muito ruim, porque segundos depois ele estaria gozando. Um pouco de dor? Não era grande coisa. Ela não podia esperar para que a enchesse. Mas não queria que isso acabasse, ainda não, não tão cedo. Tomando-lhe a boca em um beijo profundo, mas gentil, ele começou a balançar lentamente para dentro dela. Ela teria engasgado, mas ele tinha a língua em sua boca, com uma mão na parte de trás de sua cabeça mantendo-a perto, a outra em seu quadril, guiando-a. Ele tomou o seu tempo sobre isso também, facilitando dentro dela, provocando-a com a lentidão do ato, fazendo que o quisesse... profundamente, a forçando a gemer novamente em frustração. Sim, como um cara muito grande, ele era... proporcional em todos os lugares. Mas foi na verdade muito maravilhoso, mais do que ela jamais imaginou. Nenhuma dor, apenas o doce prazer agudo. Quando ele começou a preenchê-la, ela apertou sem querer e bebeu seu gemido de prazer. Mais fundo, mais fundo, até que ele enterrou-se dentro dela. Indescritível. Desconhecido. Emocionante. Novo e quente. Ela libertou a boca e sussurrou: “Oh meu Deus, isso é...” Ela respirou fundo. Spencer manteve o olhar escuro e brilhante fixo no dela. “Eu quero a sua boca, Arizona. Não pare de me beijar.” “Ok. Mas você não quer...” “Ainda não.” Sua boca era maravilhosa; a beijava de uma forma que nunca havia imaginado, de uma forma que... a envolvia. Agradava. 454


Não sabia que tudo poderia ser sobre ela. Ele continuou a beijá-la mais e mais, como se não conseguisse o suficiente, não pudesse dar o suficiente. Ele estava dentro dela, mas ele não empurrava. Não havia perda de controle. Sem pressa para chegar ao final. Exceto para espalmar seus seios e acariciar sua pele e torná-la louca com aqueles beijos viciantes, ele não se mexeu. Quando ela gemeu, finalmente libertou a boca, mas só para beijar seu pescoço, o ombro. Como no inferno, poderia ser tão maravilhoso? Levantou o peito e fechou a boca sobre o mamilo de novo, puxando acaloradamente, brincando com a língua e, em seguida, com os dentes. Todas essas notáveis dores maravilhosas aprofundaram, crescerem e ampliaram, até que ela teve que se mover. E quando o fez, Spencer ajudou, segurando seus quadris e guiando-a para que ela o montasse direito, puxando para longe e, em seguida, afundando de novo, sentindo cada parte dele em cada curso longo. Calor emanava de seus corpos. Ambos respiravam mais e mais rápido, moviam-se mais e mais rápido. E através de tudo, Spencer tocou, olhou para ela, a encorajou. Focado nela. Isso era tão novo e tão emocionante. Seus olhos se fecharam e as pontas dos dedos se afundaram nos ombros dele. “Não se atreva a parar de novo.” “Está bem.” Com as duas mãos sobre seus seios, ele provocou os mamilos, seu toque suave fazendo-a mais selvagem, mais quente. “Eu poderia olhar para você o dia todo.” Todo o dia? Incrível! “Eu não posso...” Suas coxas ficaram tensas e seu corpo apertou em torno dele. O prazer atingiu o pico e não diminuiu. Oh, Deus, oh, Deus. “Eu preciso...” Alguma coisa. Seu coração trovejando abalou seu corpo. “Spencer...” “Shh. Tudo bem. Eu vou ajudá-la.” Ele deslizou a mão entre seus corpos, seus dedos deslizaram sobre seu sexo molhado, até que ele tocou seu clitóris. “Bem aqui, Arizona?” Ele olhou para o seu rosto e sorriu. “Sim. Bem aqui.” 454


Choramingando, ela montou-o com força enquanto buscava a liberação. Ele encontrou um ritmo que fez seu batimento cardíaco disparar. Ela tentou ficar quieta e não podia. Ela tentou se concentrar nele e não conseguia. Tudo se estreitava, cerrava. Com a voz rouca, Spencer sussurrou: “Eu quero que você goze para mim, Arizona.” E surpreendentemente, ela gozou.

Capítulo Dezesseis SPENCER observou seu rosto, viu o momento em que o prazer tomou conta dela, e tanto quanto ele queria se deixar gozar, ele não podia afastar o olhar, não podia deixar de vê-la assim. 454


Nunca uma pessoa inibida, Arizona gozou com gemidos guturais profundos, seu rosto contraído com o clímax, seu longo cabelo escuro caindo em toda parte. Sentiu que o apertava com força, e sentiu sua umidade. Mais do que isso, ele sentiu sua surpresa. Quando ela acalmou, seus gritos se aquietaram e seu corpo vibrava em pequenos tremores. Mole, um pouco suada, ela desceu sobre o peito dele com um gemido. “Oh, meu Deus.” Movido por sua resposta honesta, ele sorriu e beijou sua testa, então os reacomodou um pouco, mantendo as pernas dobradas, mas acariciando sua espinha e alisando o cabelo para trás. Foi a coisa mais estranha, estando tão pronto e tão incrivelmente ligado, mas se contentaria apenas em estar com ela, abraçá-la. “Eu não tenho ossos.” “Mmm. Bem, eu ainda tenho um osso em particular que continuarei compartilhando com você.” Ela riu. “Eu quis dizer que eu estou mole.” “De um jeito bom, eu espero.” Ele beijou sua testa novamente com afeto e carinho, mas ele duvidava que ela percebesse. Ela poderia reconhecer um carinho genuíno? Ele não sabia. “De uma boa forma.” Ela mexeu o suficiente para correr os dedos nos pelos do peito. “Eu gosto disto.” Droga, mesmo escorregadia como estava, ela ainda o segurava confortavelmente e quando ela movia a mão, até mesmo um dedo, ele sentia em seu pênis. “Gozar?” “Na verdade, eu quis dizer o seu sexy peito peludo. Deus, Spencer, eu adoro tocar em você.” Ela levantou a cabeça e sorriu para ele. Havia um brilho sobre ela, seus olhos azuis estavam preguiçosos, sua pele cor de mel corada em um rosa escuro. Quase timidamente, ela disse: “Mas, sim, gozar foi bastante surpreendente, também.” Caramba, mas ela lhe agradava. “Fico feliz com isso.” “Foi uma surpresa, sabe? Mais ou menos arrancou minhas meias. Pelo menos teria se eu estivesse usando meias.” Tagarelice nervosa de Arizona?

454


Falando enquanto ainda estava enterrado no seu corpo doce não foi fácil, mas ele conseguiu. “Às vezes as surpresas são agradáveis.” Ela agora tinha as duas mãos correndo sobre o peito. “Quero dizer, é claro que eu sabia sobre isso. Mas conseguir isso, sentindo toda a loucura e o formigamento e essa onda de sensações de tirar o fôlego, com você dentro de mim, bem, isso foi uma grande primeira vez para mim.” Droga, ele não podia suportar. Ouvindo-a falar sobre isso o deixava mais quente. Ele pegou o rosto dela e puxou-a para perto em outro beijo devorador. Ele queria marcá-la de alguma forma, fazê-la sua e só sua, e ele queria tratá-la o mais suavemente possível, para estimá-la e mostrar a ela que o amor não machucava. Amor? Meu Deus! Determinado a impedir sua mente de ir adiante, Spencer emaranhou as mãos em seu cabelo e comeu em sua boca macia. Não deitá-la de costas precisou de uma grande concentração de sua parte. Ele queria desesperadamente estar em cima dela, nela, dirigindo duro e profundo... Seu controle quebrou. “É a minha vez,” ele sussurrou, e levantou o suficiente para ele apertar a bunda exuberante e pressionar para cima, para dentro dela. Ela ainda tinha os joelhos dobrados ao longo de seus quadris, ainda cheia dele, os seios firmes pressionando contra seu peito. Quando ele empurrou, ela gemeu e apertou em torno dele, e abriu a boca em seu ombro. Surpreso, ele perguntou baixinho: “Mais uma vez?” Como resposta, suas unhas curtas cravaram em seus músculos, e ela começou a balançar os quadris em uma cadência idêntica à sua. Incrível. Segurar não foi fácil, mas não queria interromper o prazer dela. Ele abraçou-a mais perto para que estivesse contra ele em cada movimento de seus corpos, o clitóris roçava seu eixo, os mamilos enrijeceram contra seu peito. Com o cheiro dela ao redor, ela ficando mais úmida, o corpo mais quente, ele teve de cerrar os dentes para não explodir.

454


Apenas quando pensou que não iria durar um segundo a mais, ela deu um gemido vibrando e marcou-o com uma leve picada de seus dentes afiados. Perfeito. Deixou-se ir com um duro gemido gutural. Gozar era ótimo. Gozar com Arizona era... inferno, talvez tenha mudado sua vida. Sentia-se uma parte dela, ligado de um modo alarmante. Depois do que pareceu uma eternidade, ambos estavam relaxados, derretendo no colchão com os batimentos cardíacos acelerados e respirações ofegantes. Arizona era um peso quente, suave em seu peito, seu cheiro mais picante agora, enchia sua cabeça. Segundos passaram. Ele não queria se mover. Nunca mais. Ele não queria falar, também. Ainda não. Não até que ele entendesse todas as formas como ela o afetava. Nada havia mudado realmente, e ainda assim parecia como se tudo estivesse diferente. Preguiçosamente, Arizona endireitou os braços e empurrou para cima para olhar Spencer. Com uma sacudida divertida de sua cabeça e um gemido de quase desconforto, ela esticou as pernas... e desabou novamente. E até mesmo isso, sentir suas pernas finas, mas fortes ao seu redor, seus seios cheios e agora macios mamilos em seu peito úmido de suor... isso o mudou. Muito De inúmeras formas. Enquanto tentava acalmar seus pensamentos caóticos, Spencer preguiçosamente acariciava sua pele úmida. Ele poderia cobrir a largura das costas com uma mão, e ainda assim ela tinha mais coragem que a maioria dos homens adultos. Com um metro e noventa e oito centímetros de altura, ele intimidava um monte de gente. Seu trabalho como um caçador de recompensas e seu comportamento sombrio e determinado davam mais motivos para temer. Mas não Arizona. Desde seu primeiro encontro ela lutou com ele e seu orgulho, sua determinação e confiança emparelhavam com ele. Ela tinha sido inteligente o suficiente para ter cautela; ela tinha uma compreensão muito real de suas próprias limitações. Mas ela não tinha medo dele.

454


Principalmente porque ela pensava que tinha muito pouco a perder. Mas também porque ela tinha habilidades reais. Concedido, suas habilidades eram limitados por seu tamanho e força, mas colocada à prova, ela se sairia bem sob pressão ou em uma situação cheia de perigo. Ele a admirava. E agora, sabendo que ela também o acompanhava sexualmente... isso era demais para que qualquer homem pudesse lidar. “Santo inferno, Spence.” Ela deu-lhe uma mordida de amor brincalhona, em seguida, esfregou o nariz sobre seu cabelo no peito. “Estou quase sem palavras.” Saboreando os mergulhos tentadores e curvas de seu corpo, ele passou as mãos de seus ombros para a bunda dela e de volta. Ela era a coisa mais sexy que ele já tinha visto. A mais destemida. Mais imprudente. E a mais cativante. O que no inferno ele faria com ela? Ao contrário de outras mulheres, ele não podia simplesmente decidir que aproveitaria seu tempo com ela enquanto durasse. Ele fechou os olhos, mas não podia calar a realidade do seu relacionamento. Complicado, difícil e importante; para ela, para o seu futuro e como ela aceitava a vida. Como ela valorizava a si mesma. Ele era a maior frauda que se podia imaginar, porque sabia desde o início que não poderia jogar este jogo sem eventualmente leva-la para a cama. Ele não era sobre-humano, e era isso que precisaria ser para resistir a uma mulher como Arizona, especialmente estando tão perto. Ele sabia e ainda assim havia usado a desculpa de tentar ajudá-la a superar seus traumas de abuso emocional e físico para tê-la debaixo dele. Porque ele tinha que tê-la. Deus, isso soava horrível, mesmo sendo verdadeiro. E isso fazia dele um bastardo classe A. Arizona seria a primeira a negar, mas ela era, de longe, a mulher mais vulnerável que ele havia conhecido.

454


Ela não tinha nenhuma compreensão de simples cortesia, muito menos de bondade genuína. Ela esperava pouco e dizia a si mesma que não merecia nada além de pouco. Para ela, o afeto era um conceito alienígena desconhecido. Como um homem adulto e experiente, ele conseguia decifrar o que sentia. E podia lidar com isso. Ele entendia isso. Mas Arizona não tinha a vantagem de relacionamentos saudáveis para comparar com nada. Seu crescimento emocional foi tão atrofiado pelos traficantes que ela poderia interpretar uma satisfação sexual... como algo mais. Ela merecia todas essas emocionantes primeiras descobertas que a maioria das meninas conhecia no final da adolescência. Arizona merecia ter comparações, para realmente saber o que ela sentia e o que queria. Ela deveria esperar o melhor, porque merecia. “Você ficou muito quieto.” Ele colocou uma mão grande sobre seu traseiro, espalmando uma bochecha. “Você me desgastou e meu cérebro está lento.” Soando muito jovem, ela perguntou com indiferença forçada, “Não ficou desapontado?” Sua incerteza o atingiu como uma faca. “Não, querida.” Beijou sua testa, em seguida, a ponte de seu nariz. “Eu estou tão longe de decepcionado quanto um homem poderia estar.” “Bom.” Alívio iluminou seu tom. “Porque eu gostei, também.” Isso o fez sorrir. “Eu sei.” “Você sabe?” “Eu imagino que gozar duas vezes seja um sinal positivo.” “Oh. Sim, eu acho.” Ela apoiou-se com seus pequenos cotovelos pontudos no peito. “Eu nunca fiz isso antes.” “Gozar com um homem?” Balançando a cabeça, ela brincou novamente com seu cabelo no peito. “Comigo, bem, isso é diferente. Mas a ideia de querer ficar com um homem...” “Entendo.” E estava muito feliz por ser o homem que compartilhou isso com ela. “Você me surpreendeu.” 454


O quarto estava tranquilo, o dia cinzento, as folhas caíam devagar. Ele correu os dedos pelos cabelos emaranhados. Tudo sobre ela, físico e emocional, o fascinava mais que um dia imaginou ser possível. “Dê-me uma hora ou assim, e eu posso surpreendê-la novamente.” Ela não sorriu com ele. “Então...” Aquele olhar particularmente sério em Arizona o deixou curioso. “Alguma coisa em sua mente, querida?” Ela mordeu o lábio inferior, em seguida, deixou escapar, “Jackson é sexo-doce bastante notório.” Sexo-doce? Jackson? Isso não foi o que ele esperava, e por um momento, ele travou. Enquanto explora a curva de seu traseiro, ele explicou calmamente: “Você provavelmente não sabe disso, mas quando você está esparramada sobre um homem nu, depois de ter relações sexuais com ele, é realmente falta de educação falar de outro cara.” Suas sobrancelhas franziram para baixo. “Mas eu estou curiosa.” Cada vez pior. Ele não queria desencorajá-la – não completamente de qualquer maneira – então tentou esconder todo o descontentamento. “Sobre Jackson?” Ela o estudou e seu rosto iluminou com um sorriso zombeteiro. “Não assim.” Rindo, ela golpeou seu ombro. “É que eu estava pensando em ele ser um tirador-de-calcinhas.” As coisas que ela falava poderiam fazer seu cérebro afundar. “Um ex tirador-de-calcinhas.” Ela olhou para ele em confusão. “O que?” Porque era importante que ela entendesse a diferença, não apenas em relacionamentos em geral, mas também entre homens honestos e trapaceiros, Spencer tentou explicar. “Jackson é apaixonado por Alani. Você sabe disso, né?” “Ele não esconde exatamente seus sentimentos sobre ela. Então o que?” “Estar apaixonado significa que as calcinhas de Alani são as únicas Jackson quer deixar cair a partir de agora.” Perplexa, ela pensou sobre isso. “Então, um cara apaixonado tem que desistir da variedade?”

454


Ele não tinha ideia para onde seus pensamentos iam. Mas queria ser paciente, e ele queria que ela se sentisse à vontade para perguntar-lhe qualquer coisa. “Que história é essa, bebê?” Ela desviou do assunto para perguntar: “Por que você está me chamando de bebê?” Inclinando-se para colocar o nariz em seu pescoço, Spencer a cheirou. Tocou. Provou sua pele. “Você é tão macia e tão doce. É apenas um carinho. Você não gostou?” “Eu não sei. Eu acho que está tudo bem.” Beijou-a para não sorrir. “Então o que você está pensando?” Depois de uma longa hesitação, que construiu alguma tensão, ela desabafou: “Você vai fazer isso com outras mulheres? Quero dizer, quando você estiver fazendo isso comigo?” Ciúme? Possessividade? Ele sentia isso, mas não esperava que ela sentisse também. Fingindo não entender, pensou em voz alta: “Eu tive que oferecer à ruiva do bar um ménage...” Ela golpeou-o novamente, e não foi tão brincalhão neste momento. “Não é engraçado, Spence.” Um sorriso escapou dele. “É um pouco engraçado.” Ela começou a deixá-lo, mas ele se agarrou a ela e depois de um breve combate de vontades, onde ele riu e ela reclamou, ela desistiu. “Bem!” Estatelando-se sobre ele de novo, ela retrucou: “Faça o que quiser. Foda quem quiser.” “Eu preciso de alguns minutos primeiro, mas obrigado.” Sua boca se abriu e fechou. Depois de um segundo, ela perguntou: “Eu?” “Eu sou um homem de uma mulher-por-vez.” Ele levantou o rosto e beijou-a de leve na boca teimosa. “Agora, você é a única que eu quero.” “Verdade?” Ela parecia tão esperançosa, mostrando seu coração em seu olhos, não se preocupando em se proteger. Ela protegeria o mundo, qualquer um que pudesse precisar de sua ajuda. Mas ela não iria proteger seu próprio coração. “Sério, Arizona.” Ele segurou seu rosto, acariciou o queixo com o polegar. “Como na terra que eu poderia querer outra mulher quando você está por perto?”

454


Seu humor melhorou, e ela o surpreendeu ao sentar-se com um sorriso. “Vamos comer um pedaço de bolo. Estou com fome.” Ela olhou-o da cabeça aos pés e de volta. “E talvez o açúcar aumente a velocidade da sua recuperação.” Então, ela queria de novo? Legal. “Esse seu olhar especialmente faminto pode ter feito o truque.” Ele estendeu a mão para ela e sua campainha tocou. Sua expressão passou de travessa a suspeita. “Quem é?” “Não faço ideia.” Erguendo o peito, a tirou de cima dele e se levantou. “Por que você não fica aí e eu irei descobrir?” “Assim?” Ela acenou com a cabeça em sua virilha. “Provavelmente não é uma boa ideia.” “Espertinha.” Ele tirou o preservativo usado e jogou no lixo, em seguida, pegou um par de boxers. Fascinada, Arizona o observava atentamente. “Bem, você sabe quem é.” Ele tinha uma ideia, mas não era fácil fazer brincadeiras enquanto ela estava sentada ali, nua, em sua cama, ainda quente do sexo e olhando tão fixamente para o seu pau. “Quem?” “É Marla.” “Você não sabe disso.” Ele puxou os jeans quando a campainha tocou novamente. “Poderia ser o carteiro.” E só para provocá-la, ele disse: “Ou talvez Jackson decidiu visitá-la.” “Nah...” Ela deitou de costas, uma perna dobrada, os braços sobre a cabeça, e se espreguiçou. Ela estava totalmente confortável em sua nudez. “Iremos nos ver mais tarde hoje no Dare.” Spencer teve que se esforçar para não encarar. “Eu suponho que você gostaria de permanecer exatamente assim até eu voltar.” Ela ficou assim por um momento e depois sorriu. “Você pretende demorar muito?” “Não.” Ele queria Arizona novamente, e ele não confiava nela ou no seu temperamento, então enviaria Marla em seu caminho o mais rápido que pudesse. “Você poderia me trazer um pouco de bolo?” Em dois passos largos, Spencer a alcançou. Sem pensar, ele se inclinou sobre ela para um beijo rápido e acabou beijando o ar quando Arizona fugiu para o outro lado da cama. Ela ficou ali, ombros para trás com orgulho, o rosto tenso com o embaraço. 454


Spencer se endireitou. Eles olharam um para o outro. “Eu sinto muito. Eu esqueci.” Sua boca apertou, mas ela balançou a cabeça. “Está tudo bem.” Não, não estava, mas a campainha soou novamente. “Eu só ia beijar você.” De repente, saltando para cima e sobre a cama para pousar na frente dele, ela pegou seu rosto para um beijo duro. “Desculpe-me, eu... reagi. Agora vá. Mas volte logo. Se você demorar muito tempo, minha imaginação vai realmente estar em todos os lugares.” Isso o fez sorrir. Ele saiu da sala antes que mudasse de ideia e não fosse de forma alguma. Isso seria cruel com Marla.

***** NO SEGUNDO EM QUE ele saiu do quarto, Arizona caiu de costas na cama com um gemido. Por que ela teve que agir como uma estupida só porque Spencer tentou beijá-la? Deus, ela desprezava suas próprias fraquezas. Ela sabia, sem sombra de dúvida, que ele nunca a machucaria fisicamente. Mas no fundo, em locais onde não existia a razão, não importava. Alguns medos permaneceram, e eles mordiam paz de espírito, impedindo-a de ser verdadeiramente livre. Desgostosa consigo mesma, ela ficou ali na cama por um minuto antes de saltar e deslizar pelo corredor, perto o suficiente para conseguir ouvir. Infelizmente, ela não podia ouvir muito além de um zumbido suave de vozes. Definitivamente Marla, não que ela tivesse alguma dúvida. Será que Spencer ainda queria aquela mulher? Será que ele tinha boas lembranças de seu tempo com ela? Memórias sensuais? Por certo, Marla não fugiria da cama em pânico durante um beijo. Marla, maldita seja, não teria regras que limitariam o que Spencer poderia fazer. Virando-se para enfrentar o corredor, Arizona balançou a cabeça uma vez e em seguida, caminhou até o banheiro. Ela olhou para si mesma no espelho, mas sua cara parecia a mesma, 454


assim como seus olhos, boca, nariz. E além de uns raspões de barba queima aqui e ali e um possível chupão no pescoço, seu corpo não parecia diferente, também. Ela tocou a interessante marca da paixão em seu pescoço e se sentiu toda macia e mole novamente. Oh homem, oh, homem, Spencer sabia como brincar na cama. O cara tinha algumas sérias habilidades. Com sua boca, suas mãos. Habilidades que tinha usado com outras mulheres. Como Marla havia falado? Se você já tivesse estado com Spencer, se sentiria diferente sobre tê-lo novamente. Sim, ela entendeu isso. Agora. Mesmo. Porque ela definitivamente o queria de novo. Mas o que ela sabia sobre prender um cara? Antes de Spencer, ela só queria que os homens mantivessem a distância. Merda, ela teria chutado seus traseiros para garantir que eles não chegassem muito perto. Bem, com exceção de Jackson, mas isso era diferente. Ela e Jackson eram... amigos. Quase como uma família. Mas não exatamente. Agora, com Spencer, ela queria chegar tão perto quanto duas pessoas poderiam estar. Claro, ele parecia contente o suficiente com seu pequeno argumento terminado. Mas Spencer tinha dito a ela o tempo todo que queria consertá-la – palavras dela, não dele – e uma vez que estivesse caminhando sozinha, ele pretendia mandá-la embalada para algum outro homem sem nome, sem rosto. Arizona enrolou o lábio. Isto não iria acontecer. Nenhum outro homem a atraía como ele. Se forçada a isso, ela poderia foder com outro cara e ela sobreviveria a isso, assim como ela sempre fez. Mas ela nunca ansiaria por outro homem do jeito que ela ansiava por Spencer. Ela não gostaria de ninguém como gostava de Spencer. Ela bufou. Gostar. Que palavra fracote para traduzir o que ela sentia. Envolvendo seus braços ao redor de si mesma, Arizona pensou em todas as maneiras que ele excitava seus sentidos. Ela adorava olhar para ele. O homem tinha um corpo duro, sexy. 454


Ele era tão malditamente grande. Todo ele. E seu pelo no peito... fascinante. Isso aumentava sua masculinidade, não que ele precisasse de ajuda com isso. Ele era tão macho, ele poderia definir a palavra. Respirar seu cheiro quente a fazia formigar em todos os lugares. Além de perceber odores desagradáveis, como suor e álcool, ela nunca prestou atenção ao aroma de um homem. Mas Spencer cheirava tão delicioso que ela praticamente hiperventilava quando estava perto dele, porque ela continuava respirando fundo para encher seus pulmões com ele. Oh, e seu gosto... Um bando de borboletas revoou em seu estômago com apenas a lembrança do seu beijo, o golpe da sua língua úmida, o calor da sua boca. Sabendo o quão boa sua carne provava sob a língua dela, ela pensou sobre saborear Spencer em todos os lugares. Talvez, uma vez que ela estivesse mais acostumada com ele, ela lhe desse um boquete. Será que Spencer gostaria? Ela bufou de novo. Todos os caras gostavam do prazer da boca de uma mulher. Mas acima de tudo, ela realmente amava tocá-lo. Com as mãos, com a boca. Deslizando o corpo dela sobre o seu... O toque inesperado de seu celular quase parou seu coração. Bela porcaria. Ela estava de pé, totalmente imersa em uma vívida fantasia, quente e excitada. Sobre Spencer. Um cara com quem ela tinha acabado de ter relações sexuais e que estava, neste momento, de pé na sua porta vestindo apenas calças jeans, mostrando seu corpo impressionante ao conversar com Marla, uma mulher que tinha compartilhado sua cama. Bleeehhh. Ela precisava se visualizar pisando nos dois mais tarde. Agora, ela tinha que atender ao telefone. Porque seus telefones tinham toques diferentes, ela sabia que era uma chamada social. Mas porque tinha poucas pessoas que ligavam para ela, assumiu que Jackson queria ter certeza de que ela não iria dar para trás sobre a visita de hoje. Ela conseguiu encontrar sua bolsa e encontrar o celular certo no quarto toque. Sem verificar o ID da chamada, ela disse: “O que está acontecendo?” “Candy?” 454


Oh, não. Não creio! Felizmente, a cama estava bem ali, porque seu traseiro pousou sobre ela antes que sequer percebesse que joelhos dobraram. “Sim?” “É Quin.” Nenhuma resposta veio à mente. “Do Goose Green.” Sua língua parecia grossa quando ela disse: “Quinto?” “Você me deu este número. Em uma nota, no meu bolso. Noite passada. Você se lembra?” Sim, agora ela se lembrava. Mas até que ouviu a voz dele, tinha esquecido tudo sobre isso. O que a chamada queria dizer? E o que no inferno ela estava pensando? “Sinto muito incomodá-la,” disse Quin com um pedido de desculpas tensa. “Você estava bebendo, então você provavelmente não...” Lutando com seus pensamentos, Arizona interrompeu, ansiosa para mantê-lo no telefone. “Não, está tudo bem. Fico feliz em ouvir você.” Tentando soar alegre para encobrir seu choque, desejando poder ordenar suas lembranças para fizessem sentido, ela perguntou estupidamente, “O que há, Quin?” A respiração audível, junto com um monte de hesitação, encheu seu ouvido. “Desde que eu não serei ser capaz de vê-la no bar novamente, queria te agradecer.” Sua boca ficou seca como poeira. Pense, Arizona, pense. Ela limpou a garganta. “Por que você não me verá?” Oh, Deus, isso soou coxo, em nada convincente. Mas ela deveria saber do ataque? Isso deveria permanecer secreto? Dare teria eliminado todo o show de forma escancarada? Pense, pense, pense. Na esperança de inspiração, ela disse: “Talvez você não saiba, mas eu fui contratada para trabalhar lá. Eu começarei esta noite.” Ela ouviu alguns barulhos, como se ele estivesse abafando o telefone, ou seu gemido, então Quin sussurrou: “Não, você não irá.”

454


“Por que não?” De alguma forma, ela sabia, com certeza sabia que Quin estava em apuros. “A polícia veio, com os outros. Você foi uma parte disso, não é?” “A polícia?” Ela tinha bebido tanto que não podia lembrar se ela deveria estar ciente do ataque ou não. Esfregando a testa, ela perguntou: “Que história é essa?” Não tinham ela e Spencer coberto sua conexão mesmo então? Ou, não, espera – eles haviam meio que lutado juntos contra alguns dos bêbados desordeiros. Joel tinha estado lá, mas até onde podia se lembrar, ele não havia se machucado. O brinquedo de Spencer já havia ido embora, de modo que ela não estava ao redor. Mas Terry Janes... não, ela não se deparou com ele novamente. Ela não tinha visto Carl, quer dizer – não até que ele saltou sobre ela no beco do lado de fora do bar. Ela não tinha lembranças de Quin estando ao redor de tudo aquilo. “O ataque que fechou o bar?” Quin perguntou. “Você estava com o artista, e com o Sr. Janes. Houve uma luta, e, em seguida, a polícia chegou.” Meu Deus! Ela não sabia se devia confiar nele ou não. Parecia Quin, mas o rapaz que ela conheceu tinha sido quase silencioso. Ela não podia o imaginar chamando por ela para uma conversa. Depois de mastigar o lábio, Arizona perguntou: “É realmente você, Quin?” Com a voz plana, sem nenhuma inflexão, ele respondeu: “Quem mais seria?” Se ao menos ela tivesse alguns minutos para pensar, ou se tivesse antecipado isto, mas ela tinha ido de acordar a querer Spencer – para ceder ao seu primeiro encontro carnal consensual – sem ter tempo para configurar vários cenários sobre seu desempenho na noite anterior. “Eu não sei. O que aconteceu com Joel? Será que ele se machucou na luta?” “Eu não sei dizer.” “E quanto à Terry Janes?” “Mais uma vez, eu não sei.” Ela mordeu os lábios, pesando em suas respostas, tentando encontrar a verdade nelas. Quando o seu silêncio continuou, ele perguntou: “Você não queria que eu chamasse, não é?”

454


“Claro que queria.” Mas as circunstâncias tinham mudado. Ela não precisava se aproximar dele agora, porque graças a Dare, tudo estava acabado. Permanentemente. Quin estava a salvo. Ou... pelo menos ele deveria estar. Contudo, por que eles não haviam levado Quin na ação? Por que ele não estava em algum tipo de casa segura, respondendo perguntas? Ou de volata para sua família? Ela pensou... “Candy? Você ainda está aí?” “Sim.” Ela precisava se recompor. Agora. Mesmo. “Desculpe. Bebi demais ontem à noite e eu estou ainda com um pouco de ressaca.” “Eu sei. Eu vi.” Com simpatia, ele acrescentou, “Você não teve escolha senão beber, e eu não tive escolha...” “Está tudo bem.” Quin precisava jogar junto, ou ele seria ferido. Ela entendia isso. “Então eu não tenho um emprego?” “Você realmente não se lembra?” “Eu lembro que fui contratada.” Sem qualquer desânimo real, ela acrescentou, “Chateada que o trabalho se foi.” Ele respirou fundo, em seguida, quebrou o que restava de sua compostura. “Você acha que eu poderia vê-la, Candy?” Oh, não, não, não. “Ver-me?” “Nós poderíamos nos encontrar em algum lugar. E... conversar. Eu posso contar sobre o ataque, explicar tudo o que aconteceu. Eu poderia até mesmo ajudá-la a encontrar outro emprego. Um trabalho melhor.” Ela precisava de uma desculpa viável, e ela precisava rápido. Ela precisava de um plano ainda mais. “Umm...” “É importante que eu fale com você,” frisou, e certa tensão soou em seu tom. Um tom de desespero. “Eu... eu preciso de sua ajuda.” “Ok, sim, eu vou tentar.” Para ganhar tempo, ela perguntou: “Você me dará um número para que eu possa chamar você?”

454


Outra longa pausa e mais barulho. “O melhor que eu posso fazer é um telefone público. Isso servirá?” “Claro.” Ela pegou uma caneta e papel de sua bolsa. “Onde está o telefone?” “É no lado sul, perto da pedreira. Longe do bar.” Ele leu o número de telefone para ela. Não era um bairro grande, mas estava familiarizada com ele, por isso era uma vantagem. Ele estava escondido lá? Ou fazia parte de uma emboscada? Ela poderia estudar o espaço externo, encontrar a melhor maneira de entrar e sair do local, todas as ruas laterais e becos sem saída. E usando o programa que Jackson lhe dera, seria fácil o suficiente checar as informações de Quin. Ela apertou-o, fazendo mais perguntas. “É em uma empresa? Existe algum lugar que tornará mais fácil para eu encontrá-lo?” “Há uma loja de penhores. Jarretes de Harry.” Ele puxou uma respiração audível. “Não tem como não encontrar.” “Quando?” “Hoje,” ele sugeriu em uma corrida. “Neste momento.” “Desculpe, não posso fazer isso agora.” Ela queria ajudá-lo, mas não era tola. “Eu já tenho outros planos.” Ele ficou em silêncio por tanto tempo que ela pensou que ele poderia ter desligado. Então ele perguntou: “Amanhã, então?” “Claro, eu provavelmente posso fazer isso.” De alguma forma ela descobriria como. “Que horas?” “Meio-dia.” Porque ele não havia levado um único segundo para pensar sobre isso, Arizona soube que já tinham especificado este horário para ele. Mas quem? Saber que ele estava sendo pressionado fez com que se resolvesse, mais do que qualquer outra coisa poderia. Adivinhando como Spencer e Jackson, e mesmo Dare e Trace, iriam reagir, Arizona fechou os olhos. “Eu estarei lá. E, Quin?” Mesmo que ele não fosse entender, ela disse: “Não se preocupe muito, ok?” 454


Ela esperou, mas ele não respondeu. O telefone morreu com um clique suave, mas ensurdecedor.

Capítulo Dezessete “Você fez bem.”

454


O alívio o deixou instável. Lentamente, Quin sentou no banco do parque. Se ela pudesse ter feito isso hoje... esperar era um inferno. Pior que o inferno. Amanhã parecia muito, muito tempo. “Quin, Quin. Não fique tão preocupado. Isso funcionou lindamente. Melhor do que eu esperava, mesmo.” Quin assentiu. Realmente, tinha sido mais fácil do que ele esperava, também. Candy ou era muito tola ou estupidamente corajosa. Ele não sabia qual. “Ela é perfeita e você sabe disso. Perfeita! Você a viu.” Sim, ele a tinha visto. Muito diferente dos outros. De alguma forma... mais forte. Quase desafiadora. Mas ela não seria forte o suficiente ou desafiadora o suficiente para o que iria acontecer. Impaciência contraía seus músculos. Ele colocou a cabeça para trás e fechou os olhos. Amanhã. Ele esperaria, e amanhã viria. E então tudo iria acabar.

***** SPENCER AFASTOU A MÃO de Marla do seu peito. Mais uma vez. “Você tentou chamar alguém?” Alguém. Alguém que não fosse ele. “Quem?” Ela apelou para ele com olhos grandes e uma expressão perdida. “As tempestades acabaram causando tanta bagunça que todo mundo está ocupado.” Levantando uma sobrancelha, Spencer deu um passo em torno dela e para a varanda. O ar úmido tomou conta de seu peito nu. Nuvens escuras continuavam a rolar através do céu. Bem, maldição. Árvores caíram, havia galhos e detritos por toda parte. E com certeza, um galho enorme estava caído entre a garagem de Marla e o caminho para sua varanda. Ele passou a mão sobre a sua cabeça. Tinha ouvido a chuvarada, no meio da noite, mas havia estado tão encanto assistindo o sono de Arizona, tão preso no prazer de tê-la perto, em sua cama, que ele não tinha percebido... 454


Como se tivesse lido sua mente, Marla disse: “Eu acho que você estava muito ocupado para perceber?” Ignorando a insinuação, ele se voltou para ela. “Na verdade, sim. Tarde da noite e tudo mais.” Ele deu um passo fora do alcance dela quando ela se inclinou em direção a ele. “Mal estava chovendo quando fui para a cama.” Ciúme aguçou seu tom. “Não sozinho?” “Não é da sua conta,” ele corrigiu tão delicadamente quanto pode. Mas inferno, ele tinha dormido com ela, mais de uma vez, assim se sentia como um canalha completo por ser tão brusco agora. “Marla, ouça...” Ela estava em lágrimas num piscar de olhos. “Eu sinto muito, Spencer.” No limite do desespero, ela se inclinou para mais perto dele. “Eu não sei o que fiz para afastar você de mim.” Deus, odiava esses tipos de confrontos. “Você não fez nada de errado.” “Eu pensei que estávamos nos dando muito bem. Eu pensei que as coisas estavam bem entre nós.” “Nunca foi assim.” Sua própria frustração cresceu. “Eu deixei isso bem claro antes.” Da porta, Arizona disse: “Sim, bem, aparentemente, não foi claro o suficiente.” Tanto ele quanto Marla giram ao redor para ver Arizona descansando no batente da porta, vestida com sua camisa e calções, cabelo emaranhado em torno de seu rosto, seu olhar direto, desafiador e um pouco... simpático. Para Marla. Surpreendeu Spencer, ver aquele nível de compaixão; um contraste com sua atitude mãos-na-parede, leve-os-prisioneiros, sobre a maioria das questões. Também lhe agradou. Arizona tinha tal naturalidade para cuidar, que provavelmente havia feito seu passado de abusos ainda pior. Agora, porém, sua presença iria apenas complicar uma situação já embaraçosa. “Volta para dentro, Arizona.” “Foda-se, também,” ela respondeu sem ânimo e deu um passo adiante para a varanda. Ela enviou-lhe um sorriso sardônico. “Você não me dá ordens.” De olhos arregalados e incerta, Marla se aproximou ao lado de Spencer. “Eu, ah...” 454


“Os homens podem ser tão idiotas, não é?” Desde Marla que parecia pronta para desmaiar quando Arizona o insultou, Spencer disse: “Você não está ajudando, Arizona.” “Era para eu ajudar?” Ela fez um rude som e parou em frente de Marla. “Por que você está aqui?” Com o braço mole, Marla apontou para a casa dela. “Galho de árvore.” “Sim? O galho de árvore?” Spencer esfregou as duas mãos sobre o rosto. “Houve uma tempestade na noite passada. Você...” disse ele, destacando a palavra “estava muito batida para ouvi-la.” Ele não se incomodou em dizer que havia estado alheio, também. “Os raios explodiram metade da maldita árvore em seu quintal e um grande galho realmente está bloqueando a entrada da garagem e a passagem da frente.” “Eu estava muito bêbada,” ela confirmou a Marla, em seguida, ela foi para a borda da varanda para fazer o levantamento dos danos. Em seus shorts curtos e camiseta macia, ela era uma verdadeira visão inclinando-se lá em sua grade. Uma brisa ergueu o cabelo de ébano sedoso. Ele caiu em suas costas em direção a esse traseiro perfeito. Ele estava olhando para a bunda dela, um pouco perdido, quando ela assobiou. “Caramba. Você não pode sequer tirar seu carro com isso bloqueando o caminho, não é?” “Ah... não.” Arizona voltou para Marla. “Então o que você quer Spencer faça sobre isso?” A pobre Marla olhou de Arizona para Spencer e vice-versa. “Ajude a movê-lo?” “Você não tem certeza?” Ainda inquieta, Marla engoliu. “Eu realmente não sei. Isso nunca me aconteceu antes. Mas eu sei que é muito grande para eu lidar sozinha.” Avaliando as coisas, Arizona olhou Marla de cima a baixo, em seguida, olhou para o galho novamente. “Provavelmente.” Ela arqueou uma sobrancelha. “Você tem uma motosserra, Spence?” Então, agora ele era Spence de novo? “Claro.” Ele se adiantou para se juntar a ela na grade. “Todos os caras não têm uma?” 454


Isso a fez rir. “Todo cara com uma casa e árvores de grande porte em seu quintal.” Perto do seu quadril, alinhando-se com ele, Arizona recostou-se no corrimão e se dirigiu Marla. “Nós estávamos prestes a pegar um pouco de bolo e café. E em poucas horas nós temos que sair para ver uns amigos.” “Amigos?” “Eu sei, certo? Parece estranho para mim também, mas de alguma forma, eu os tenho.” Marla empalideceu. “Oh, eu não quis dizer nada insultuoso...” Arizona acenou que fora. “Nos dê alguns minutos, e iremos ajudar a limpar.” “Nós?” Surpresa e um pouco desesperada, Marla olhou para Spencer para obter ajuda. Conhecendo Arizona bem o suficiente para saber que teria uma luta em suas mãos se tentasse excluí-la, ele deu de ombros. Uma vez que havia decidido alguma coisa, ela poderia ser muito teimosa. “Você pode querer trocar de roupa,” Arizona disse a ela. “Parece ser um trabalho sujo.” Ela se virou para Spencer com um olhar de cheio de desafio. “Você está pronto para que o café?” Incrível. Haveria alguma situação – além de ter um cara sobre ela – que enervasse Arizona? Ela tomou o controle de uma desajeitada cena social desconfortável e apenas lidou com isso como se fosse nada. “Sim,” ele disse lentamente, fazendo seu melhor para entendê-la: “Eu estou pronto.” Ele deu à Marla uma saudação. “Em uma hora ou assim faremos isso.” “Oh. Ok.” Ela ficou lá, confusa. “Obrigada.” Uma vez dentro, Spencer fechou a porta e agarrou a parte de trás da camisa de Arizona, interrompendo seu passo duro em direção à cozinha. “Espere.” Silenciosa, estranhamente distante, ela se manteve de costas para ele. Implacável, Spencer novamente olhou para seu traseiro. “Se importaria de me dizer o que estava acontecendo lá?” Ela encolheu os ombros. “Os vizinhos devem dar uma mão para os seus vizinhos, certo?” Usando seu poder sobre sua camisa, ele puxou em seguida, passou os braços ao redor dela por trás. Ela ficou dura até que ele acariciou o lado de seu pescoço. “Você sabe que eu não estou interessado em Marla, certo?” “Eu ouvi você dizer isso a ela.” 454


“Eu não iria mentir sobre isso.” Enquanto pensava sobre isso, ela apoiou as mãos sobre a dele. Finalmente ela concordou. “Ok.” E ainda assim ela soava de alguma forma perturbada. “Então, o que há de errado?” “Nada,” disse ela muito rápido. Alguma coisa estava ali, mas pressioná-la agora não levaria a lugar nenhum. Ela iria partilhar os seus pensamentos em seu próprio tempo. “Quer saber o que eu acho?” “Se tem alguma coisa a ver com a admiração por Marla, não.” Deus, ficar com ela seria um desafio. “Por que eu... Não, esquece isso.” Ele apoiou o queixo no topo de sua cabeça. “Eu estava admirando você, na verdade.” “Eu?” Ela virou para vê-lo. “Por quê?” Muitas razões para contar, mas ele disse: “Você foi simpática com ela.” “Pffft.” Como um convite para acariciar seu pescoço mais, ela inclinou a cabeça. “Você foi.” Ele agradeceu com um beijo suave, de boca aberta. “E foi muito gentil da sua parte.” “Ela é provavelmente uma boa pessoa.” Spencer escondeu seu sorriso contra ela. “Ela é boa o suficiente.” Mas muito manipuladora e muito malditamente pegajosa. “Foi errado da minha parte deixar que ela pensasse...” Ela fugiu para longe. “Bolo, Spencer. E o café.” Em um movimento ágil, ele a pegou novamente e jogou por cima do ombro. “Sexo, Arizona.” Já ansioso para tê-la novamente, ele passou a mão sobre sua bunda, depois para cima e dentro da perna de seu shorts para que ele pudesse acariciar uma bochecha firme. “E talvez, depois disso, bolo e café.” Pendurada por cima do ombro, Arizona endureceu, e depois ela relaxou. “Sim, está bem.” Suas mãos alisaram suas costas. “Isso funciona muito bem para mim.”

454


***** Incapaz de esperar, Spencer a levou para o quarto e a apertou contra a parede, seu corpo contra o dela, sua boca quase tocando a dela. “Será que isso te incomoda?” “Não.” Ela tentou beijá-lo. “Arizona. Espere.” Ele segurou o rosto dela. “Eu preciso saber se isso é bom.” “É ótimo.” Ela libertou a cabeça para que pudesse beijá-lo. “Incrível.” Sua língua se moveu sobre seus lábios. “Só não rasteje em cima de mim e nós estaremos bem para ir, então... vá.” Sempre com tanta pressa. Ele escovou os cabelos para trás. “Se você sentir ainda uma pontada de...” “Eu não sou tímida, Spencer. Se eu não gostar de alguma coisa, você vai ouvir sobre isso, palavra de escoteiro.” Pressionando-o de volta, ela agarrou a bainha de sua camiseta e puxou-a sobre a cabeça. “Então, vamos seguir em frente.” Senhor, tenha piedade. Seus seios eram tão grandes e firmes no seu corpo esguio. Ele estendeu a mão para eles. Ela desviou. “Que tal você recuperar o atraso primeiro?” Ela enganchou seus polegares no cós dos calções acanhado. “Eu tenho certeza que isto funcionaria melhor se nós dois estivermos nus.” “Concordo.” Em tempo recorde, ele saiu das suas roupas, exatamente quando Arizona terminou de fazer o mesmo. “Agora.” Bonita e nua, ela chutou seu short para o lado. “O que você quer apostar que isso será melhor que o bolo?” Seu olhar foi sobre ela. “Isto já é.” Ele colocou uma mão em sua cintura estreita e absorveu a incrível visão dela. Quanto tempo levaria para ele se acostumar com o impacto de seu corpo? “Fique parada, ok?” “Sem chance!” Ela estendeu as mãos sobre o peito, e começou a arrastá-las para baixo. Respirando rápido, ele pegou seus pulsos. 454


“Deixe-me provar você.” Sua voz áspera. “Desta vez sem sua calcinha no caminho.” Seus olhares se encontraram; o pulso visivelmente acelerado enquanto os segundos passavam... e ela se encostou para trás contra a parede. “Sim, está bem.” “Eu amo quando você é agradável, querida.” Mas porque a palavra-A o fazia sentir muito, mesmo quando utilizada em brincadeiras, ele rapidamente tomou sua boca. Beijá-la oferecia um prazer único, especialmente quando ela arqueou contra ele, carne nua contra carne nua, suas curvas suaves o tocando em todos os lugares. Ele tinha que dar um passo para trás, tinha que acariciar os seios pesados. Cada parte dela tentando-o. Ao explorar seu corpo com as mãos, beijou-a por um longo tempo, mais profundo e mais quente. Ele acariciou sua pele, as curvas flexíveis de sua cintura, quadris. Suas coxas. Ele brincou com as pontas dos dedos para baixo sua coluna, para baixo, para baixo, e, em seguida, para dentro, para seu sexo úmido. Ela ficou na ponta dos pés contra ele. Arrastando beijos úmidos para baixo sua garganta, clavícula e depois para seus seios, ele tirou um tempo desfrutando até que ela se tornou febril, até que ele soube que ela se aproximava do seu limite. Isso significava que ele quase tinha alcançado seu limite, também. Ficando de joelhos, Spencer abraçou os quadris e esfregou o rosto sobre sua barriga. Ela arrastou os dedos pelos cabelos e sussurrou seu nome. Quando ele brincava no seu osso do quadril com a língua, ela se contorceu. Ela tinha cócegas? Ele sorriu quando murmurou: “Hmm?” “Acho que nós precisamos ir em frente.” “Ainda não.” E então, com um grunhido: “Você cheira tão bem.” Sua mão agarrou seu cabelo. “Você fica me provocando e eu não gosto disso. Ou talvez eu goste muito.” “Você irá aproveitar isso, eu prometo. Não tanto quanto eu, mas ainda assim...” Ele cutucou as pernas abertas mais amplas, em seguida, olhou para ela. “Encoste-se na parede para apoiar, em seguida, dobre os joelhos um pouco.” 454


Ela hesitou e finalmente, fez o que ele pediu, deixando os pés afastados, flexionando os joelhos. Calor tomou conta dele. “É isso aí.” Ele abriu-a com as pontas dos dedos, provocando mais, acariciando-a em todos os lugares quentes e lisos, antes de se inclinar para frente para o mais íntimo dos beijos. Seu gemido longo vibrando o excitou tanto quanto seu gosto. Passando a língua sobre ela, dentro dela, deu-lhes tudo o que eles queriam. Ela ficou mais molhada, sua respiração mais entrecortada. Ele brincou com o clitóris dela e ouviu um forte suspiro. Segurando seus quadris para ajudá-la se sustentar, ele a manteve em pé e lentamente o circulou, raspou a língua sobre ele, chupou. Em menos de dois minutos, ela não conseguia conter seus gritos. Quando gozou, ela chamou seu nome. Spencer cerrou os dedos em sua bunda deliciosa, segurando-a ainda assim, saboreando suas reações honestas e a rapidez com que ela gozou para ele. Não foi até que ela agarrou seu cabelo novamente que ele desistiu. Ele se levantou e a ergueu em um movimento suave, levando-a para a cama e a deitando de costas. Ela se agitou, mas ele disse: “Shh. Está tudo bem,” e foi pegar o preservativo antes que ela pudesse pensar muito sobre seu posicionamento. Assim que colocou a camisinha, ele virou para ela e a puxou para a beira da cama, com as pernas abertas em torno dele. Ela olhou para ele com incerteza. “Eu não vou montar desta vez?” Ele balançou a cabeça, as palavras fugindo dele. Colocando os tornozelos nos ombros, ele dobrou os joelhos, guiando seu pênis para dentro dela, e pressionou profundamente em uma longa e lisa pressão, escorregadia. Ela arqueou-se. “Ah, meu Deus.” “Eu sei. É profundo desta forma.” Ele trancou seus braços ao redor de suas coxas levantadas, impedindo-a de se afastar. Ela já estava tão molhada, mas ainda assim ele se preocupava. “Eu não estou te machucando?”

454


“Não. Não, não está...” Seus dentes afundaram em seu lábio inferior, e ela gemeu asperamente. “Não se atreva a parar.” “Está bem.” Ele puxou de volta, então bombeou nela uma e outra vez. Ele assistiu o salto de seus seios exuberantes, o rolamento de sua barriga plana quando ela apertou seus músculos, a forma como o seu rosto contorcia tenso no prazer duro. Ela agarrou os lençóis para se ancorar e gritou, curvando as costas quando gozou. Isso foi o suficiente para Spencer. Inferno, foi quase demais. Ele se juntou a ela com um gemido gutural, e mesmo através do entorpecimento mental ele teve consciência suficiente para deitar ao seu lado e não sobre ela. Mas havia muito espaço entre eles, livrando-se da camisinha, puxou-a contra o peito. Todo o seu corpo ainda zumbia, seu cérebro estava dormente, quando Arizona murmurou, “Eu tenho que dizer a você, Spencer, que isso foi muito melhor que bolo.”

***** MARLA andava pelo quintal, se perguntando se Arizona havia falado em código com o seu “bolo e café” sem sentido. Eles estavam fazendo sexo agora, enquanto esperava por eles? Estaria Spencer, neste momento, fazendo todas aquelas coisas carnais impressionantes e maravilhosas para Arizona que havia feito com ela? Ela odiava a si mesma por ser tão ciumenta. Arizona, maldita seja, tinha a surpreendido com sua vontade de ajudar com o galho da árvore. Quem faria isso? Que mulher iria alguma vez colocar seu homem em contato com outra mulher que abertamente o cobiçava? Mas é claro que ela sabia: uma mulher confiante. Uma mulher sem medo de perder o homem. Malditos fossem os dois. As coisas estavam indo tão bem antes Arizona ter aparecido. Ok, então Spencer deixou claro que não queria envolvimento. 454


Ele parecia muito envolvido com a pequena mestiça. Marla mordeu o lábio, culpada sobre o pensamento cruel. Mas como ela poderia competir com aparência exótica de Arizona? A mulher mais jovem tinha a pele suave como café com creme, cabelo escuro e sedoso, nitidamente contrastantes com os olhos azuis pálidos. E seu corpo? Deus, ela detestava as comparações. Ela não era um ogro, e sabia disso. Ela tinha curvas generosas das quais os homens gostavam, ela não tinha dúvidas sobre isso. Mas Arizona era elegante e forte e muito bem torneada como só os jovem poderiam ser. Não que Marla se considerasse velha aos trinta. Mas ao lado de Arizona a diferença de idade era dramática. Por que a pequena zombadora apenas não ia embora? Spencer voltaria para ela, então, tinha certeza disso. E se ele voltasse... e depois? Ela não sabia. Mas ela não gostava de ter seu ego pisoteado, e foi assim que ela sentiu – pisada no chão. Querendo saber por que estavam demorando tanto tempo, Marla atravessou o quintal, e o motorista de um carro que passava e foi a obrigado a reduzir em torno dos escombros, assobiou para ela com admiração. Bom. Muito bom. Aquela pequena provocação fez um longo caminho para acalmar a sua autoestima. Então ela ainda tinha isso? Claro que ela tinha. Ela não reconheceu o admirador, mas acrescentou um pouco de balanço em seus quadris quando foi investigar o galho de árvore. Então porta da frente de Spencer se abriu e Arizona saltou para fora e o motorista estúpido quase bateu em uma árvore. Furiosa, Marla ouviu os pneus freando e olhou para cima por tempo suficiente para testemunhar a admiração do motorista. Arizona não demonstrou interesse. Spencer saiu bem atrás dela. Ambos estavam sorrindo. 454


O carro ficou lá por mais um momento, o motorista, sem dúvida, olhando para Arizona, e depois finalmente, foi embora. Com o rosto contraído, os olhos ardendo de animosidade, Marla considerou o que fazer. Arizona se aproximou. “Eu vou cortar os ramos menores. Vamos deixar Spencer fazer o trabalho pesado. Soa como um plano?” Sabendo que não podia continuar a ser indiferente, Marla balançou a cabeça. “Esta foi uma má ideia. Eu repensei sobre isso. Talvez eu possa contratar alguém...” Arizona riu. Spencer não disse nada. Ele apenas passou por elas para sua garagem enquanto puxava umas luvas grossas. Por um breve momento, o sol saiu, o enviando reflexos ofuscantes em cada superfície molhada. O vapor subiu em torno deles. Marla levantou a mão para proteger os olhos. Com Spencer ocupado com outras coisas, ela reuniu sua coragem e perguntou para Arizona, “Quando você vai embora?” Como se a questão não a afetasse em nada, Arizona disse: “Não tenho certeza ainda. Acho que depende de Spencer, sabe?” Essa honestidade chocou Marla. Ela lambeu os lábios. “Então, quando ele pedir que você vá, você irá?” “Ele não terá que se pedir:” Arizona assegurou. “Eu não ficaria onde eu não sou bemvindo.” Curiosa, ela encontrou o olhar de Marla. “Minha visita a incomoda?” Considerando o que Arizona disse, Marla balançou a cabeça. Uma visita. Não era uma situação de morar juntos permanente. Hum. Desde que Arizona parecia sincera, Marla pensou que ela poderia ser capaz de aconselhá-la, talvez fazer com que saísse logo do seu caminho. Ela se aventurou cuidadosamente. “Spencer não quer sossegar, você sabe.” “Sim, sem brincadeira.” Rindo, Arizona tirou uma faixa de elástico coberta de tecido do seu pulso e a usou para amarrar o cabelo para trás. “Ele foi tão claro comigo, quanto foi com você.” 454


Isso deixou Marla pensando. “Você percebe que ele ainda é apaixonado pela sua falecida esposa, certo?” Com seu cabelo amarrado, Arizona colocou as mãos nos quadris. “Ele tem alguns problemas reais com isso. Mesmo se eu compartilhasse, eu não tenho certeza se é do seu interesse.” Meu Deus, parecia que... Arizona tinha pena dela? Ela estava tentando prepará-la para a decepção? Como ela se atrevia? “Posso ajudá-lo a superar a perda!” “Você acha? Bom, posso admitir a possibilidade” Arizona disse com um sorriso plano. Ela estudou Marla mais um momento. “Você pode ser confiável?” “Com o quê?” “O contexto é importante, não é?” Sardônica, Arizona acenou com a mão. “Não importa. Confiança vem nas duas direções. Eu entendo. Eu só quis dizer que com Spencer, tenha seus melhores interesses em mente.” “Claro!” Especialmente desde que ela acreditava que os melhores interesses de Spencer também eram os dela. “Por quê?” “Eu preciso saber se você irá trabalhar amanhã de manhã.” Marla balançou a cabeça. “Trabalho até o meio da tarde.” “Ok...” Arizona pensou sobre isso um pouco mais. “Isso pode funcionar, então. Obrigada.” “É só isso?” Ela não iria explicar? “Por enquanto, sim. Veja, Spencer está voltando, por isso, devemos encerrar este pequeno bate-papo. Ele não gostaria de nos ver tagarelando sobre ele. Mas, honestamente, Marla, quando tiver que ir, porque eu tenho certeza que irei eventualmente, talvez até mais cedo que esperava, eu desejo-lhe sorte com ele. Mas só se você puder fazê-lo feliz.” Ela se inclinou mais perto, seu olhar direto, ameaçador. “Se você não puder, então fique o inferno longe dele. Entendido?” Marla se inclinou para trás devido à intensidade do olhar do Arizona, e balançou a cabeça. E então Spencer estava lá, empurrando sacos pelo gramado em direção à casa de Marla e dando uma olhada em Arizona enquanto lhe entregava uma serra. “Tudo bem?” “Apenas excelente.” 454


Ele olhou para ela alguns segundos mais. “Se você quer cortar os ramos menores no topo lá, começarei do outro lado.” “Entendi.” “Você sabe como usar isso?” Ela olhou para a ferramenta com um sorriso. “Coloque sobre o galho e... comece a serrar? Muito fácil.” Spencer balançou a cabeça. “Não faça bolhas, ok?” Irada sobre o sua conversa íntima, Marla balançou um saco fazendo barulho. “Não deveríamos começar?” “Deveríamos.” Arizona concordou e se afastou de Spencer – deixando Marla lá com ele. A umidade era tanta que sua camisa já estava colada ao peito largo e ombros amplos. “Obrigada por fazer isso.” Um grande ramo tremeu quando Arizona começou a serrar. “Sem problemas.” Ele examinou o ramo, que parecia mais com uma árvore pequena. “Eu só espero que possamos terminar antes precisar sair.” Quando ele foi para a parte maior do galho e ajoelhou para preparar a motosserra, Marla o seguiu. “Ela é uma garota peculiar.” “Eu diria que única.” Ele dispensou e puxou o óculos de segurança. Marla tocou seu ombro para recuperar sua atenção e então não conseguia parar de passar as pontas dos dedos sobre a sensação sensual do algodão macio que cobria os músculos sólidos. Ninguém usava uma camiseta como Spencer. Ele era tão deliciosamente grande e sólido e... duro. Sem se mover, Spencer olhou para Arizona – que literalmente não lhes dava nenhuma atenção – e então olhou para ela. “O que você está fazendo, Marla?” Ele realmente não tinha interesse nela. Nenhum... Não especificamente. Ele não gostava de sua atenção agora, nem mesmo para estimular o ciúme de Arizona. Se tentasse ser honesta, ela teria que admitir que ele nunca foi aquele se se interessou. Disposto ocasionalmente, com certeza, porque ela havia se jogado para ele em todas as chances que teve. Mas ele nunca a tinha procurado. 454


O seu sucesso em ir para a cama com ele tinha sido baseado principalmente em pegá-lo em momentos de fraqueza. Não que um homem como ele tivesse alguma fraqueza real. Mas Arizona estava certa: ele ainda amava sua falecida esposa e ela havia o manipulado com isso. Deus, isso a fazia soar horrível. Como uma oportunista. Como uma usurpadora. Seu orgulho a salvou. Ela tirou a mão dele e ergueu o queixo. “Eu só queria perguntar se você passou protetor solar? As nuvens estão se dispersando finalmente. Vai ser um dia muito quente.” Ele olhou para o sol e em seguida, virou-se para Arizona. “Você precisa de protetor solar?” ele gritou para ela. Arizona sorriu e sem olhar para eles, disse: “Não, e se vocês dois pararem de brincar por aí, poderemos terminar com isso mais cedo ou mais tarde.” Ah. Então ela não havia estado tão alheia. Marla forçou um sorriso. “Começarei a juntar os destroços.” Ela odiava trabalhar no quintal, mas não poderia pedir a ajuda de Spencer e em seguida, ir para a sua sala de estar com ar condicionado. Uma vez que a correia da serra começou, não havia mais como falar, e eles fizeram um trabalho rápido. Arizona terminou com os ramos menores e, coberta de suor, foi direto ajudar Marla a encher os sacos. Perdendo as forças, Marla usou seu pulso para afastar cabelo para longe do seu rosto. “Estou morrendo de sede,” disse Arizona. “Tem alguma coisa gelada para beber?” “Coca-Cola ou chá gelado.” “Chá gelado parece ótimo. Por que eu não termino aqui, enquanto você vai buscar alguns copos para todos?” Marla olhou para o trabalho restante. “Se é isso que você quer.” Ela seria se agarrado a qualquer motivo para sair do calor, mesmo um fabricado por Arizona. “Obrigada. Demore o quanto for necessário. Estamos prestes a terminar.” Enquanto Spencer empilhava a madeira na lateral do pátio, Arizona foi além e encontrou um ancinho para recolher o resto da bagunça. Ela até assoviou enquanto transpirava, como se o trabalho físico no sol quente fosse um prazer. Então, muito peculiar. 454


E dane-se, quase simpática. Quase. Mais perturbada que nunca, Marla entrou para buscar o chá. Deus esperava que tivessem terminado com o trabalho pesado e sujo antes que voltasse.

Capítulo Dezoito 454


Ele nunca a entenderia. Ela havia sido muito amigável com Marla, muito complacente, e isso o preocupava. Como ela podia ir de ciúmes e incerteza em um momento para supremamente indiferente no próximo? Ela não podia. E isso significava que estava tramando alguma coisa, mas o quê? Enquanto dirigia, Spencer olhou várias vezes em sua direção. Agora que ele havia provado dela, seu fascínio cresceu em vez de diminuir. Todas as maneiras como ele a tocou, ele queria tocar novamente. E ele tinha muitas perguntas, mas eles estavam na caminhonete por quase uma hora, e ela mal havia dito duas palavras. Notando que ela tinha tomado muito sol no nariz, sentiu um sorriso relutante puxar sua boca. Ela parecia um pouco com uma guerreira se com seus olhares devastadoramente sensuais pudesse ser chamada assim. Linda de morrer, arrogante, capaz e bonita. Sim, todas essas palavras descreviam Arizona. Quando ela olhou para a palma da mão, ele perguntou: “Você conseguiu bolhas depois de tudo?” “Talvez algumas. Eu estava gostando muito, quase não notei.” “Gostando daquilo?” “Sim. O ar fresco, usar os músculos, trabalhar até suar.” Ela olhou para ele. “Você tem uma casa e um quintal e tudo mais, então você provavelmente está acostumado a isso.” Mas ela tinha... nada disso. Sim, muitas vezes ele dava tudo como certo. “Eu entendo.” Um dia, ele esperava que ela fosse dar as coisas como certas, também. Ele se perguntava o que ela pensaria do presente de aniversário de Jackson. Será que ela o amaria, aceitando-o como algo que ela queria desesperadamente e que Jackson poderia facilmente dar? Ou será que ela recusaria a extravagância? “Acho que você não gostou, não é?” Na verdade... ele gostou. Mas, principalmente, porque ela estava com ele. Havia certa paz em fazer algo tão mundano, tão normal com ela. 454


Em vez de responder, ele pegou a mão dela e levantou para que ele pudesse ver a palma. Ele balançou a cabeça na visão de várias bolhas, em seguida, trouxe-a a boca e beijou cada uma. “Eu não deveria ter deixado você fazer aquilo.” “Me deixado? Caia na real, Spence. Você não poderia ter me parado.” Sorrindo, ele entrelaçou os dedos juntos e comparou suas mãos. A sua engolia a dela, fazendo com que parecesse tão frágil, quando não era nada disso. “Eu tenho provavelmente o dobro do seu tamanho.” “Sim, e daí?” Ela piscou para ele. “Quanto maior eles forem, mais duro eles caem.” Ele dividiu sua atenção entre olhar a estrada e a área circundante, e brincar com Arizona. Deus, fazia muito tempo desde que ele havia brincado. “Faça um punho para mim. Vamos ver se posso acreditar.” Ela fechou a mão e então, a estendeu docemente, “Quer que eu plante na sua cara para que você possa julgar a minha força?” Isso o fez rir. “Não.” “Eu não faria isso de qualquer maneira.” Ela abriu a mão no queixo, em seguida, acariciou o pescoço, o ombro, o braço e para baixo para soltar a mão sobre sua coxa. “Se fosse chegar até isso, eu apontaria para suas bolas.” E ela deslizou sua mão até sua coxa. “Seria mais provável derrubá-lo dessa forma.” “Vou levar sua palavra quanto a isso.” Lembrou-se de como, no passado, quando eles se encontraram pela primeira vez, ele tinha evitado ataque dela, apenas para ser pego no próximo. Ela o deitou no chão com seu objetivo mortal. Para evitar uma demonstração, ele pegou a mão dela e segurou sobre o joelho. “E se esquivar disso,” ela continuou, “Bem, então, eu soco na garganta. É muito mais macio que um queixo ou mandíbula, os homens engasgados, ofegantes são problemas muito menores.” Odiando o pensamento de ela estar mais uma vez em uma luta, Spencer alisou o polegar sobre os nós dos dedos. “Qualquer cara que souber lutar iria bloquear aquele soco.” “Ele poderia tentar.” De repente, ela disse: “Então, se você não estiver mais aborrecido, posso perguntar uma coisa?”

454


É isso o que ela pensava? Que ele estava descontente de alguma forma? “Eu não estava aborrecido.” Ela bufou, fazendo mostrando descrença. “Você faz muito isso, sabe? Fazendo esse desagradável e rude ruído. Você não pode me chamar de mentiroso.” Sorrindo maliciosamente, ela colocou a cabeça para trás contra o assento e, olhando para ele, zombou em voz baixa, “Mentiroso.” Antes que ele pudesse ficar muito irritado sobre isso, ela meio que se virou em direção a ele. “Você estava aborrecido, Spence. Admita.” “Você está errada. Estava realmente me perguntando sobre algumas coisas.” “O que?” “Você primeiro. Você disse que tinha uma pergunta para mim. Atire.” “Ok.” Ela tirou a mão de seu joelho para colocar no meio da coxa. “Como você se mantem em tão boa forma?” Seu louvor o aqueceu. Ele adorava seu corpo, por isso era bom que ela sentisse o mesmo sobre o dele. Dando de ombros, ele disse, “Eu vou à academia ocasionalmente. Corro a cada dois dias. E sem muito de lazer, eu fico mais tempo ocupado do que não.” “Então...” Ela puxou a extensão do seu cinto de segurança para chegar a ele. “Não há tempo para ficar flácido, né?” Spencer pegou a mão dela, para que não pudesse ficar muito íntima. Mesmo depois de todo seu excesso sexual, não seria preciso muito para deixá-lo preparado novamente. Ele já se sentia inquieto, pensando em como ela parecia em sua cama, como ela reagia, os sons que ela fazia... E agora, os shorts minúsculos, uma camiseta de decote cavado e seu rabo de cavalo alto, tudo trabalhava para enfatizar o seu corpo. Um corpo que ele tinha tocado, provado. Tomado intimamente. Ele apreciava seu interesse agora, mas ele não quis arriscar com ela, não de qualquer maneira. “De volta em seu assento, querida. Quero que coloque o cinto direito e apertado.” 454


Sua expressão se tornou obstinado. “Você ainda me trata como uma criança.” Isso tinha que ser uma piada. “Como você pode dizer isso com uma cara séria, após a manhã que tivemos?” Ela suavizou. “Sim. Eu acho que você está certo.” Ela inclinou a cabeça. “Iremos fazer isso de novo?” Maldição, sim. Mas porque nunca fazia suposições sobre os pensamentos de Arizona, ele perguntou: “Você quer?” Ela estudou as bolhas na palma de sua mão novamente. “Bem, a única coisa é que, se tudo está resolvido no Goose Green, então... Eu provavelmente não preciso ficar mais com você, certo?” “Sim, você precisa.” Droga, ele havia dito aquilo muito rápido. Ela o olhou com curiosidade e mais alguma coisa. Ele precisava de um argumento plausível, uma maneira de convencê-la sem expor suas ideias. “Pelo menos até Dare e Trace descobrirem se alguém estava por trás da operação. Até que isso aconteça, quem sabe se é seguro?” Isso soou mais racional, e ele soltou um suspiro. “Tudo bem?” “Eles têm Terry Janes e seu capanga patético, Carl, por isso, provavelmente, não vai demorar muito tempo para arquivar tudo como um trabalho bem feito.” Não seria o suficiente. Mas quanto tempo com Arizona seria o suficiente? “Provavelmente não.” “Então eu acho que ficaria bem, e sim, se estamos vivendo juntos, mesmo que em caráter temporário, não há nenhuma razão para não colher os frutos, certo?” Ele sorriu com alívio e com a necessidade. “Então, definitivamente, nós iremos.” Mas por quanto tempo? Ele não podia deixar que ficasse tão envolvida em sua vida que ela começasse a confundir as coisas, mais do que ela provavelmente já estava. Mais do que ele estava começando a fazer, porque caramba, ele estava começando a odiar a ideia de deixá-la ir. “Voltando ao para-ficar-em-forma.” Ela acariciou seu bíceps. “Acho que devemos lutar em algum momento.”

454


Inclinando um olhar em sua direção, ele avaliou seus ossos pequenos, sua silhueta fina e curvas suaves, e balançou a cabeça. “Não.” “Vamos lá, Spence. Pense nisso. Enquanto eu ficar com você, não tenho nenhuma maneira de praticar, a menos que você pratique comigo.” E para convencê-lo ainda mais, ela disse: “Você não quer que minhas habilidades enferrujem, não é?” Ele preferia que ela não precisasse de habilidades mortais, mas não achou que ela seria receptiva a essa preferência. “Você estaria confortável lutando comigo?” “Certamente. Eu estava confortável transando com você, certo?” “Você me desgastou. Eu diria que mais que confortável.” Felicidade transparecia no seu sorriso. “Eu sei. Louco, não é?” Não deveria ter sido uma loucura. Lembrou-se de novo como espantada ela parecia quando gozou, o puro... espanto dela. E ele tinha dado isso a ela. Deveria ter sido o suficiente para ele, mas com Arizona, nada parecia ser o bastante. “Então o que você diz?” Ele balançou a cabeça. “Nada de luta.” Era demais pedir-lhe para promover suas tendências violentas. “Mas isso leva para o que eu estava pensando, se você não quer um cara em cima de você, como você quer lutar?” Um pouco irritada porque a rejeitou, ela disse sem rodeios: “Eu não deixo ninguém ficar em cima de mim.” Como se ela sempre tivesse uma escolha no assunto. Ele balançou a cabeça novamente. “Há mais alguma coisa que ainda a incomoda?” Dando de ombros, ela agiu como se não tivesse importância, então disse: “Algumas coisas.” “Você me dirá?” “Eu acho que eu deveria. Quero dizer, ficando com você e tudo mais, você seria obrigado a perceber, né?” Ela suspirou longa e dramaticamente. “Eu não sou uma fã de espaços fechados. Como, talvez... o seu quarto de hóspedes? Onde que você continua tentando me colocar?” “Eu não tenho...” Ele balançou a cabeça. Não, esqueça isso.

454


Ele ofereceu que usasse o quarto e ela recusou isso é tudo. Ele não havia empurrado porque ele tinha suas suspeitas. Mas isso não importava agora. “Eu não quero que você faça qualquer coisa que não queira, nunca mais.” “Ótimo. Então eu posso simplesmente continuar compartilhando seu quarto? Enquanto eu ficar com você, eu quero dizer? Você se importaria?” E em uma corrida: “Não que estarei lá por muito tempo de qualquer maneira.” Então, para onde iria? Outro motel? Ele odiava esse pensamento. “Confie em mim, Arizona, ter você na minha cama não será uma dificuldade.” Sempre que pensava em como havia sido ferida, raiva queimava dentro dele. “Você quer me dizer por que não gosta do quarto?” “Sério? Você não conseguiu descobrir isso?” Sim, ele fazia uma boa ideia do porque recintos fechados a incomodavam. Mas queria que ela confiasse nele, que contasse tudo em vez de manter engarrafado. “Vocês foram trancados em quartos. Quartos pequenos?” “Sim.” Apesar da restrição de seu cinto de segurança, ela levantou os joelhos e colocou os braços ao redor deles. Spencer não disse nada. “Eu sentava lá sozinha, ouvindo, sem saber o que iria acontecer, ou quando. Eu ouvia as pessoas andarem no corredor lá fora. Ou falarem. Eu ouvia as outras meninas serem estupradas, ou as pessoas que colocavam nos quartos com elas.” Jesus, ele queria... Ele respirou. “Sinto muito!” “Sim, eu também.” Ela deu um tapinha no ombro. “Sempre que eu alugo um quarto de motel, tem que ter janelas que se abram e não apenas para uma fuga, se eu precisar fazer uma saída precipitada, mas para que eu não me sinto presa. Deixo a porta do banheiro aberta, também. Quartos que são apenas uma... uma caixa, me dão arrepios.” Ela esperou em silêncio por um momento. “As noites são sempre mais difíceis para mim. Muitas vezes, faço um longo passeio só para matar o tempo. Às vezes acabo em um bar, às vezes eu só percorro os bairros.” Graças a Deus ela estaria dormindo com ele. Ele ouviria se ela tentasse escapar. “Estar no meu quarto não a incomoda desse jeito?” “Não.” Ela o estudou. “É estranho, mas eu não sinto a maioria destas coisas quando estou com você.” 454


Sua admissão o subjugou. “Fico feliz.” Depois da triste conversa sombria, Arizona virou-se para olhar pela janela. Era estranho, mas ele já a conhecia bem o suficiente para que pudesse ler a ela e seus humores, sentido seus pensamentos e suas preocupações. Eles chegariam a Dare logo, então seria melhor que dissessem tudo antes disso. “O que mais, meu bem?” Os segundos passaram sem ela fazer um som e depois finalmente, tão baixinho que ele mal podia ouvi-la, disse: “Eu não quero nadar.” “O que?” A ansiedade fez com que o encarasse e levantasse a voz. “Eu não estive em um maldito local com muita água desde que os grandes bastardos fizeram o seu melhor para me afogar.” E com mais vontade: “Eu não quero nadar.” Claro que ela não queria. Ele deveria ter pensado nisso, mas com a sua fácil aceitação das tempestades ele havia esquecido isso. “Então, não nade. Todos irão entender...” “Sem chance!” Ela levantou a mão para interromper. “Eu não quero que ninguém saiba que eu sou muito covarde para nadar.” Claro que ela não queria. Arizona era a mais orgulhosa, a mulher mais independente que conhecia. Admitir um medo ou fraqueza nunca iria sentaria direito nela. Ele segurou sua frustração e ao invés de explicar que os outros entenderiam, que não julgariam, ele perguntou: “O que eu posso fazer?” Ela olhou para ele. “Você trouxe calções?” “Temo que sim.” Era suposto ser esse tipo de encontro. Dia de verão quente, amigos juntos em um lago... natação era esperada, até mesmo prevista. “Sim, isso é o que eu pensei, também. Estou usando um biqu��ni sob minhas roupas, mas mesmo que não estivesse, apostaria que uma das outras mulheres teria um de reserva.” E isso acabaria com qualquer boa justificativa para renunciar a um mergulho na água escura. “Quer que eu invente uma desculpa de algum tipo?” Por Arizona, ele pensaria em algo. “Não, mas você pode nadar comigo. E eu quero dizer comigo. Como em bem de perto. Como em não sair do meu lado nem por um segundo.”

454


Ele poderia fazer isso. Diabos, ele apreciaria, desde que soubesse que ela não estava sofrendo na água. “Se é isso que você quer, com certeza.” Ela rolou os olhos. “Você acha que pode agir como se você quisesse estar lá, não como se eu estivesse forçando você?” Será que ela um dia entenderia seu próprio apelo? Ou para este assunto, a sua força? “Você não pode me forçar, Arizona, então sim, não há problema. Eu estava ansioso por nadar com você, de qualquer maneira.” “Ótimo.” Seus ombros relaxaram um pouco. “Mas eu acho que nunca saberei se eu poderia forçá-lo, já que você não vai treinar comigo.” “Arizona...” alertou. Ela sorriu. “Então agora você conhece toda a minha criptonita pessoal. Quartos pequenos e natação. Patético, não é?” “Eu diria que admirável. A maioria das pessoas têm coisas que as assustam. Insetos, altura, o fogo, o escuro. Inferno, mesmo o bicho papão. E isso é só da vida, a vida, e não a partir de...” Ele se calou. “O quê? Você ia dizer trauma ou alguma porcaria melodramática assim, não é?” Mentir seria inútil. Ele queria dar-lhe a honestidade tanto quanto possível, sempre que possível. “Provavelmente, sim.” “Bem, você pode colocar uma tampa sobre isso agora. E enquanto você está nisso, faça o mesmo com a simpatia também. Não preciso disso, não quero isso.” “Eu tenho medo que você a tenha de qualquer maneira, juntamente com qualquer outra coisa que você queira ou precise.” Ela baixou os pés de volta para o chão e virou os ombros na direção dele. “Sexo,” ela enunciou claramente. “Ficarei com isso.” “Já foi feito. Será feito novamente. Sem problemas.” Um lento sorriso substituiu seu cenho franzido. “Obrigada por ser tão agradável, e por trabalhar em torno das minhas falhas...”

454


É assim que ela categorizava seu medo de perder o controle? Ele pensou em lhe dar novas memórias, talvez fazer amor no lago. Seria difícil, com o trio dinâmico à espreita, mas talvez ele pudesse ser sutil de alguma forma. Ela estaria disposta? Ele abordou a possibilidade, dizendo: “Há uma série de maneiras de ter relações sexuais.” “Não sei sobre isso. Mas de alguma forma, não importa como, habitualmente as coisas ainda estão no controle do cara.” “Nem sempre.” Intrigada, ela disse: “É mesmo? Interessante.” Ela olhou para ele. “Até agora, você controlou as coisas, mas eu quase não notei porque não me sentia controlada.” “Como você se sentiu?” Ela deu a isso um monte de pensamentos. “Um pouco selvagem, eu acho. Talvez como se não fosse mais eu. Talvez como se tudo o que realmente importasse era tocar em você e provar você e ter você fazendo o mesmo para mim. Esquecida de todo o resto porque era algo que me...” “Consumia?” Droga, falar sobre isso com ela o deixou duro. “Boa escolha de palavra. Sim, é isso. Muito demorado, mas de uma forma maravilhosa. Não como em consumir de medo ou prazer-dor apenas consumir.” Cada músculo em seu corpo se contraiu. Toda vez que ela se abria para ele, sentiu a dor do seu coração pisoteado e queria se apossar de quem a tinha machucado. Impossível, já que eles estavam muito longe. Ao mesmo tempo, queria prometer a ela que teria só prazer, com ele, por um tempo muito longo. Também impossível. Ele fez questão de não olhar para ela. “Deveria ser sempre assim, querida.” Ele agarrou o volante mais apertado e forçou as palavras, por mais que odiasse dizer. “Qualquer cara com quem você dormir deve ser igualmente preocupado com a forma como você se sente.”

***** 454


ARIZONA se encolheu com o que ele disse. Qualquer cara com quem ela dormisse. Significava que ele ainda queria coloca-la no bolso do ‘sem nome e sem rosto outro cara’. A ideia a repelia. E isso a enfureceu. Mas fatos eram fatos: Spencer queria a reabilitação dela, e isso era realmente tudo o que ele queria. Oh, sim, ela sabia que para ele não era uma obrigação dormir com ela. Ela não era uma bruxa, e suas esquisitices de lado, ela não era muito estranha ou desagradável na cama. Mas o que havia dito a Marla era verdade; ele ainda era apaixonado por sua mulher, e uma mulher como ela seria apenas uma substituta temporária, na cama. Em nenhum outro lugar. Em nenhum lugar que verdadeiramente importava, na sua vida ou em seus próprios problemas pessoais. Ela gostaria de poder ajudá-lo como ele queria ajudá-la. Não que houvesse qualquer comparação real. Spencer era um dos maiores, mais impressionantes, incríveis caras que ela conhecia. E, Jesus, isso não soava como uma adolescente apaixonada? Bem, ao contrário de Marla, ela tinha orgulho em abundância. Orgulho a manteve no caminho, quando outros poderiam ter desistido. Ela olhou para Spencer por um longo tempo, desejando que visse a acusação em seu olhar, mas ele manteve a sua atenção na estrada. Dane-se. Ela não iria debater sobre dormir com outros homens, então em vez disso ela apenas disse: “Bom saber. Tentarei lembrar disso quando eu dormir com alguém.” Um músculo interessante contraiu em sua mandíbula, e suas grandes mãos – mãos que poderiam ser tão gentis e tão quentes quando a tocavam – apertaram o volante. Possessivo. Isso é o que ele era. Ela sabia tudo sobre isso porque Jackson era igual. Porque enquanto ela dormisse com Spencer, ele não iria querer que ela dormisse com mais ninguém. Não que ele fosse a deixar fora de sua vista por tempo suficiente para ela ir à orgias de qualquer maneira. E isso poderia ser um problema, uma vez que ela precisava encontrar Quin amanhã. “Então os outros caras estão na lista,” disse ela, “mas hoje à noite, assim que nós pudemos encerrar este absurdo na casa de Dare...” 454


“Seu aniversário não é um absurdo.” “... eu quero experimentar essa inversão de controle que você mencionou.” Ele abriu a boca para explicar a importância da celebração de seu nascimento e em seguida, suas palavras retrocederam. Ficando em silêncio, ele fechou a boca. Uma nova tensão corria através dele, mas esta era uma tensão de um tipo muito diferente. Apenas sexual, o tipo divertido de tensão. Sorrindo, Arizona observou. Ele tocou o volante, flexionou a mandíbula, e ele lançou um olhar de compreensão aquecida. “Você quer ver o quão longe você pode empurrar as coisas?” “Com você,” ela enfatizou, porque se ele queria ouvir ou não, ela não queria transar com mais ninguém. “Então... sim, isso é o que eu quero.” Duas respirações lentas e profundas expandiram seu peito. Ele optou por um encolher de ombros cavalheiro. “Ok, com certeza.” Ela sorriu. É claro que ele estava de acordo com isso; ela não esperava outra coisa. Os homens eram tão previsíveis. Para aumentar a aposta, ela sussurrou: “Como você me beijou, Spence? Onde me beijou? Eu quero beijar você assim, também.” Ele limpou a garganta. “Quer dizer...?” Ela assentiu. “Você de costas, com as mãos para si mesmo, me deixando fazer-lhe louco.” Ela inclinou a cabeça. “Você acha que gostará da minha boca em você?” “Sim.” disse ele sem hesitação. “Você acha que será ser capaz de manter suas mãos para si mesmo?” “Vou tentar. Mas, por agora, vamos mudar de assunto, ok?” Ele mexeu em seu assento, ajeitou os jeans. “Estamos quase chegando e eu não quero enfrentar a todos com uma ereção.” Seu olhar caiu para o seu colo, e com certeza, ela tinha o deixado ligado. “Ótimo. Eu tenho habilidades com isso, também, huh?” Sua jactância o fez rir. “Eu suponho que você tenha. Mas em torno de você, eu sou muito fácil, por isso não deixe que isso suba à sua cabeça.” 454


Uma confissão agradável. Ela gostaria de tirar o controle dele, mais tarde, depois que ela sobrevivesse a esta pequena celebração. Nossa. Ela fez uma careta e olhou para fora do para brisa na área densamente arborizada. Independentemente de suas preferências pessoais, ela tinha que admitir que Dare possuía um lugar fantástico. Inquieta, ela disse: “Eu já posso ver o lago.” “E sentir o cheiro do ar?” Ele baixou a janela. “Fresco.” “Tudo cheira a verde.” Ela encheu seus pulmões e tentou não pensar em nadar. Enquanto dirigia pelo longo caminho que levava à impressionante casa de Dare, Spencer pegou a mão dela. “Tente relaxar, certo? Apenas esqueça sobre o lago, por agora... lidaremos com isso mais tarde. Você está aqui com amigos, com as pessoas que se preocupam com você. Aproveite a sua atenção, e sim, os seus presentes.” Ela gemeu. Presentes? “Meu aniversário já passou. Isso é estúpido.” Compreendendo e, como de costume, acalmando-a, Spencer levantou a mão e beijou-lhe os dedos. “Aconteça o que acontecer hoje, querida, saiba que estou aqui com você, ok? Você não está sozinha.” Sim, isso ajudaria. Por enquanto. Hoje. Mas ela logo estaria sozinha novamente – mais cedo do que até mesmo Spencer suspeitava.

454


Capítulo Dezenove O sol brilhava contra o céu azul pálido, sem uma única nuvem à vista. Uma leve brisa agitava o ar, mandando a superfície do lago em ondulações hipnotizantes que brilhavam como diamantes. Das copas das árvores balançando, melros desciam para bicar insetos. Esquilos corriam em volta, recolhendo frutos e castanhas. Uma cigarra chiava implacavelmente. Risos, uma conversa casual e muito amor os cercava. Para a maioria, seria o dia perfeito. Mas, meu Deus, ela se sentia como uma trapaceira. Como uma intrusa. Ela não pertencia a este ambiente familiar e acolhedor. Ela na verdade não pertencia a lugar algum.

454


Quando os belos embrulhos de presentes foram pressionados em direção a ela, tentou não ser muito insensível. Mas seu sorriso parecia de madeira, duro em seu rosto. Detestava ser o centro das atenções, pelo menos por algo como isto. Se ela chamasse a atenção lutando, bem, que assim fosse. Com isso ela não se importava tanto. Ela era boa nisso. No meio de um bar de baixa categoria ela se encaixava. Aqui... não tanto. Nesta tarde quente, perto de um lago, depois de jantar do lado de fora, a carne gralhada consumida em uma mesa no pátio, seus shorts baratos e camiseta deveriam ter combinado. Mas ao lado das outras mulheres, apesar de que elas usavam roupas semelhantes, ela parecia... barata. Suas roupas casuais tinham de alguma forma mais classe. Ricas. Melhor caimento. Eles tinham unhas pintadas e polidas. Eles tinham cabelos no estilo de salão e pele hidratada. Ela nunca se importou com isso. Ela queria que a roupa fosse confortável, prática. Ela tinha certeza de que as pernas de sua calça jeans escondessem o coldre do tornozelo e seus topos tinham que ser longos e soltos o suficiente para esconder a bainha da faca, habitualmente presa no pequeno recuo de suas costas. Isso era o que importava. Estilo não. Manter-se atualizada com a moda nunca foi seu forte. Agora ela meio que queria tivesse colocado algum pensamento sobre isso em vez de se aborrecer sobre toda a coisa de natação. Com seu longo cabelo vermelho em uma trança grossa, Priss parecia elegante, especialmente com a alegre e colorida saída-de-banho que ela usava por cima do maiô. E Molly em suas capris de algodão branco e camisa sob medida definia a palavra chique. Em seu vestido feminino de verão e sandálias de designer, Alani era no mínimo classe A. Mesmo a forma como a brisa brincava com seu cabelo loiro pálido parecia afetada pelo estilo. Agora, Alani tinha uma mão protetora sobre sua barriga e Jackson tinha a mão sobre a dela. Embora não estivesse mostrando, ambos estavam animados com a gravidez. Um bebê.

454


A ideia confundia a mente do Arizona. A única coisa que ela sabia sobre as crianças era que a assustavam. Mas Jackson assegurou-lhe repetidamente que ela seria uma ótima tia. Ele não parecia achar toda a ideia absurda e estranhamente, Alani também não. Mas quem sabe? Ela poderia até não estar mais ao redor no momento em que o bebê nascesse, então por que deveria se preocupar em ser uma má influência? Em seu ouvido, Chris, o braço direito de Dare, disse, “Converse, garota, ou todos irão achar que você está mal-humorada.” Droga. Arizona olhou para cima e encontrou todos esperando por ela. Suas expressões variavam de indulgentes a divertidas. Chris, sempre fácil de conviver, sentou-se à sua direita. Ele deu-lhe uma cotovelada. “Comece com os pacotes menores,” sugeriu ele, “e você pode continuar até as coisas maiores.” Coisas maiores? Não, ela não queria nem saber. Aceitando a caixa que ele entregou a ela, deu um rude, “Obrigada,” e desatou a fita. A surpreendeu encontrar três presentes dentro: uma câmera, um álbum de fotos vazio e uma foto emoldurada dela com Jackson e Alani. Ela olhou para ele sem expressão. “Eu escapei e tirei a foto,” Chris disse a ela, “porque Alani queria que você tivesse uma foto de família, mas também queria que fosse uma surpresa.” Seu coração foi parar na garganta. Jackson e Alani estavam juntos, de frente para a câmera, cheios de sorrisos, enquanto ela usava um sorriso bobo, seu olhar sobre Jackson. Parecia que ela estava rindo de algo que ele dizia. “Eu amo aquele sorriso torto.” Alani disse a ela. Jackson alcançou através da mesa para ajustar uma longa mecha de seu cabelo. “Uma gracinha.” Uma gracinha! Não uma palavra usualmente aplicada a ela, e talvez fosse isso o que mais amava sobre Jackson – ele a via de forma diferente que os outros viam. Isso também era um problema, porque na atitude e maneiras, mais importante, na determinação – ela não era diferente dele em nada. E para uma mulher ser como Jackson... bem, era difícil para os outros aceitarem. Era especialmente difícil para os caras, machistas protetores. Como Jackson, Dare, Trace... e Spencer. 454


Mas, sim, na foto, ela não parecia mal. Ela realmente parecia... feliz. Engolindo em seco, ela se forçou a encarar Alani. “É ótima.” Mais maravilhoso do que ela jamais imaginou que algo poderia ser. “Obrigada.” “Então, você gostou?” Felizmente, era um retrato pequeno, porque ela não tinha uma parede para pendurá-lo. Ela vivia em seu carro, utilizando quartos de motel e outros vários esconderijos. Mas, sim, ela gostou muito, muito mesmo. Talvez ela pudesse colar no painel do carro dela de alguma forma. Articular as palavras parecia impossível, então ela concordou. “É uma câmera digital, para que você possa ligá-la a qualquer computador e imprimir mais fotos. Eventualmente colocá-las no álbum.” Alani sorriu para ela. “Seria bom para você ter fotos de toda sua família.” Inclinando-se, Chris bateu ombros com ela. “Ela quer dizer nós, você sabe. Estamos adotando você, quer você goste ou não.” “Ei, o que há para não gostar?” Jackson sorriu para ela. “Se ela pode tolerar Trace, o resto de nós será fácil.” “Ha!” Priss esticou sobre a mesa para bater em Jackson. “Trace é a melhor parte e você sabe disso, Jackson Savor!” “Depende com quem você fala,” ele disse a ela enquanto esquivava de outro golpe. “Você não pode acreditar na palavra de Trace sobre isso.” Trace puxou Priss de volta para o seu lado. Insultos brincalhões seguiram, junto com montes de camaradagem e risos. Eles todos interagiram tão confortavelmente. Era uma família, no verdadeiro sentido da palavra. Mas ela não tinha ideia de como se encaixar. Com o coração doendo, Arizona olhou para Jackson. De muitas maneiras, ele tentou incluí-la. Mas ele logo se casaria com Alani, e não muito tempo depois, teria um bebê. Sua própria família. Uma família real.

454


Nem por um segundo Jackson ficou alheio a Alani – o que ela fazia, como ela se movia, provavelmente cada pensamento dela. Durante o jantar ele havia assistido ela comer, seu intenso escrutínio em sua boca quase embaraçoso. Sua consciência dela era palpável e muito doce. Como poderia se intrometer nisso? Chris bateu o joelho no dela, sacudindo-a de sua melancolia mais uma vez. Ela olhou para ele e pegou o seu olhar de compreensão. “Não deixe que os idiotas cheguem até você.” Ele entregou-lhe outro presente. “Eu gosto de ouvir a piada de todos ao redor,” ela admitiu. “Lá vai você,” disse Chris. “Não é possível vencê-los, então você pode, muito bem juntarse a eles. Agora, pare de disfarçar e abra outro presente.” Ela ganhou algumas camisetas engraçadas de Priss e Trace. Uma dizia: “Poder em um rabo de cavalo.” Isso a fez sorrir, especialmente porque era como ela, muitas vezes usava seu cabelo. Outra dizia: “Uma princesa de verdade pode salvar a si mesma,” o que era tão absurdo que ela riu. “Ótimo. Adorei todas elas.” De Molly e Dare ela ganhou um vidro pequeno de perfume que cheirava como o céu, junto com alguns prendedores de cabelo muito femininos que, curiosamente, ela gostou, apesar de serem muito mais femininos que qualquer coisa que já tivesse comprado. Chris pegou um dela e enfiou desajeitadamente em seu cabelo, fazendo Molly dar risada. Dare se inclinou e o reposicionou. “Muito bonita,” ele pronunciou. “não é mesmo?” Jackson riu. “Você pode raspar sua cabeça e ainda ser deslumbrante, Arizona, mas, sim, isso parece ótimo.” “Você tem um cabelo tão incrível.” disse Molly. E todos concordaram. Corando, Arizona olhou para Spencer. Ele piscou, então lhe entregou outro presente. “Este é meu.” Ela aceitou o presente. “Quando é que você teve tempo para fazer isso?” “Eu encontrei um site que acelerou as coisas, e, em seguida, mandei enviar aqui durante a noite.” “Sem chance!”

454


“Vamos lá.” Ele sorriu. “A parte mais difícil foi utilizar a internet sem que você me pegasse nisso.” “Sorrateiro.” Espantada que ele conseguisse isso sem ela saber, Arizona tomou cuidado para não rasgar o papel bonito quando abriu. Movendo de lado as camadas de tecido, ela revelou uma caixa de joias de prata impressionante com suas iniciais ricamente gravadas na tampa. Parecia cara e incrivelmente pessoal. Desde que tinha apenas algumas peças de joias, nada disso muito caro, ela não entendeu. Mas porque era de Spencer, ela adorou. Passando a ponta dos dedos sobre a gravação, ela disse: “É incrível.” “Olhe dentro,” Spencer disse a ela. “Oh, tudo bem.” Sem perceber, ela prendeu a respiração quando levantou a tampa e encontrou um conjunto de joias combinando de pulseira, colar, brincos e anel, todos com sua pedra. As peças eram delicadas e muito, muito bonitas. Raios de sol brilharam nas pedras e na prata. Ela levantou a pulseira. “É tudo... É...” Umidade se reuniu em seus olhos. Maldita fosse, ela não iria chorar. “Eu nunca vi coisa tão bonita.” “Talvez alguém devesse trazer um espelho para ela.” brincou Chris, e as mulheres rapidamente o silenciaram. Spencer pegou a mão dela, pegou a pulseira dela e a colocou em torno do seu pulso. Ainda segurando os dedos nos seus, ele disse: “Todo mundo deve comemorar sua real data de nascimento.” “Não é uma data inventada,” Jackson disse a ela. “Com a gente, é a coisa real.” “Embora com o tanto que eu gosto de festas,,” acrescentou Chris, “podemos sempre celebrar aniversários reais e inventados.” Arizona olhou para todos, maravilhando-se com eles. Molly sentou-se no colo de Dare. Ele aceitou isso com naturalidade, como se esperasse, a segurando em seus braços e beijando sua orelha com carinho honesto. “O mesmo aqui. Qualquer desculpa para se reunir com amigos e familiares será boa para mim.” 454


“A próxima será o casamento,” disse Alani e olhou para Spencer. “Eu espero que você dois lá.” “Arizona já concordou em ir comigo.” Certo. Foi Spencer quem havia concordado em ir com ela, para que não precisasse comparecer sozinha. Mas ela apreciou seu critério. Quando Alani falou de sua gravidez, Trace apenas sorriu, abraçando Priss mais para o lado dele. Ela sussurrou algo em seu ouvido que o fez sorrir ainda mais e, com os olhos brilhando, ele sussurrou de volta, “Comporte-se.” Mas ele a beijou e Priss, vestindo um sorriso maligno, descansou a cabeça em seu ombro. Apesar de suas carreiras, os homens eram generosos e atenciosos. Apesar dos maridos que haviam escolhido, as mulheres estavam confiantes e felizes. Para Arizona, era um conceito alienígena – estar... contente. Ela nunca conheceu contentamento. Ela conheceu esse nível de paz. Ela tentou fingir em torno deles, mas até agora, mesmo com eles fazendo de tudo para incluí-la, sabia que não pertencia. Pela forma como Spencer a observava, ele provavelmente sabia disso também. Agora que abriu os presentes, Arizona pensou que poderia escapar antes que eles decidissem nadar. Mas... eles só a seguiriam. Mais cedo, antes que tivessem comido, ela tentou isso. Mas em todos os lugares em que ia, algum deles a seguia como se ela fosse o Flautista ou algo assim. Eles estavam determinados a incluí-la. Ela não queria ser a desmancha-prazeres, não quando eles estavam todos relaxados e confortáveis. “Obrigada por tudo. Eu nem sei o que dizer sobre todo esse barulho e tu...” Chris interrompeu. “Você não terminou ainda.” Ele desenterrou mais um presente debaixo das pilhas de papel de embrulho. “Você ainda precisa abrir o meu presente para você.” “Outro presente?” Nunca em sua vida havia ganhado tantos. “Estou sem palavras.” Nervosa com toda a atenção, Arizona abriu o presente e olhou incrédula. Ela quase se esqueceu de respirar. Sorrindo como um pecador, Chris disse: “Bem?” 454


“Oh, meu Deus.” Ela chiou no ar, e cada palavra que ela falou subiu mais alto e mais alto. “Você está brincando comigo?” Ela levantou a faca pesada, a mesma para a qual estava economizando, e ergueu-a na palma da mão. “Oh, meu Deus, Chris, é incrível!” Silêncio caiu ao redor da mesa. Nem ela nem Chris se importaram. “Você gostou dela?” Perguntou Chris. “Você está falando sério? Olhe para esse lâmina! Olhe para as alças de titânio adonisado, os abridores duplos de polegar.” Ela virou de um lado para outro. “O que há para não gostar?” “Fico feliz em ouvir isso.” Estupefata, movida pela emoção, ela balançou a cabeça. “Como você soube?” “Eu escuto. Eu ouvi você falar sobre isso.” Ele deu um olhar para os outros. “E eu sabia que te faria feliz.” Inclinou-se para ver seu rosto. “Pelo menos, eu espero que sim.” Sobre o brilho de alegria incrédula, ela cuidadosamente colocou a faca de volta na caixa. “Arizona?” Jogou-se contra o peito de Chris e sentiu os braços virem em volta dela. Lutar contra as lágrimas não foi fácil. Ela adorou os presentes, todos eles, mas a faca... era como se Chris realmente a conhecesse, realmente a conhecesse – e gostasse dela de qualquer maneira. Ele riu para ela segurando apertado. “Acho que foi o caminho certo?” “Eu estava economizando para isso!” “Agora você pode gastar seu dinheiro em outra coisa.” Ela o abraçou com tanta força que ele gemeu e fingiu desabar, então ela alavancou para trás e agarrou seu rosto. Apesar de seu olhar de surpresa em sua intensão, ela plantou um grande beijo, direito em sua boca bonita, terminando com um sonoro: “Mmmwwah!” “Whoa,” disse Chris, uma vez que ela o libertou. “Tente fazer isso com qualquer outro cara e você provavelmente vai se encontrar sendo arrastada para a cama.” “Nenhum outro cara poderia ser você.” Alegria obstruía sua garganta. “Você é incrível, Chris. Apenas... incrível.” “Como a faca?” “Sim, incrível como a faca.” Arizona o liberou para transmitir para os outros. 454


Jackson olhava. Trace pigarreou. Dare esfregou a boca. As mulheres assistiram com os olhos arregalados. Mas e daí? Pela primeira vez, ela não dava a mínima para o que qualquer um deles pensava. E então ela viu a expressão sombria de Spencer. Assim, ele não gostava que ela beijasse Chris? Ou foi da faca que ele não gostou? Bem, sempre um crítico difícil. Ela não se importava com o que ele pensava, também. “É a faca,” ela disse a ele. “A que eu lhe disse que estava economizando para comprar. Eu mostrei para você em uma revista, lembra?” “Sim, eu me lembro.” Chris não prestou mais atenção à sua desaprovação do que ela. “Há uma bainha para fazer o conjunto, mas eu não consegui uma. Sinto muito.” “Eu tenho uma que irá servir.” Ela estendeu a mão para trás e percebeu que ela havia deixado a faca em casa, e deu de ombros. “Eu deixei ele na casa de Spencer, mas realmente, isso já é demais. Muito extravagante, mesmo.” “Eu posso pagar,” Chris disse a ela, parecendo sério pela primeira vez. “E você merece.” Por que ela mereceria tal presente, ela não podia imaginar. Mas então, ela sabia que não merecia nada disso. No entanto, aqui estava ela, no meio de sua primeira festa de aniversário, cercada por presentes. A qualquer momento, a umidade enchendo seus olhos transbordaria. Ela segurou a faca em seu peito, um presente estimado. “Obrigada. A todos. Sério. Tudo isso foi maravilhoso. Eu só estou...” Oprimida, ela soltou um suspiro trêmulo. “Estou chocada. Eu nunca esperei...” Eles sorriram para ela. Droga. Mais um segundo de sua bondade e ela seria um caso perdido. “Sim, sim, obrigada. De novo... Muito.” Sua garganta estava apertada. “Então... Eu vou levar tudo isso para o caminhão de Spencer. Vocês sabem, para ter certeza que nada acontece com eles.”

454


Sentindo-se como a maior covarde viva, ela se virou e correu tão rápido que Tai e Sargie se animaram. Animados por uma possível brincadeira, os cães a seguiram. Arizona sabia que ela teria que voltar, e logo, caso contrário, eles viriam procurar por ela. Mas se Deus quisesse ela conseguiria suas emoções sob controle até então. Ela preferia ser jogado em outro rio que deixar todo mundo a ver chorando como uma menina.

***** Jarrete de Harry tinha fechado semanas atrás, mas isso só fez o lugar mais barato para alugar. Durante algumas horas. Ele não precisava de mais tempo que isso. Depois que ela estivesse... adequadamente flexível, ele a moveria. E uma vez que estivessem instalados ele iria aproveitar dela para seu divertimento. Pensando nisso, imaginando como ela seria, como ele a faria sentir, ele esfregou as mãos. Ela poderia não ser grata a princípio, mas eventualmente estaria lhe agradecendo, talvez até mesmo pedindo por mais. Ele riu de prazer com essa imagem. Uma vez que explicasse a ela como a salvou, tirando-a de uma situação pior, a aceitando quando ninguém mais a queria, então ela mostraria uma gratidão adequada. Agora, com ele, ela não seria vendida. Ele ofereceria conforto e em troca, ela daria a ele... tudo. Ele exigiria nada menos.

*****

454


SPENCER queria ir atrás Arizona, mas sabia que ela não gostaria disso. Já era ruim o suficiente observá-la fazer comparações, sabendo que ela pensava que não se encaixava. Mas, vendo a riqueza de emoções em sua expressão quase o demoliu. Tudo por causa de uma faca. E não apenas qualquer faca, mas uma faca destinada a fazer estragos. Uma faca destinada a um combatente hábil. Uma faca que ela sabia como usar e queria apenas para essa finalidade. Um presente que a levou malditamente perto das lágrimas. Ele não sabia o que fazer. Chris começou a recolher o papel de embrulho rasgado e descartado. Jackson fez uma cara feia para ele. “O que no inferno, Chris?” Spencer sentou-se, se contentando em pensar sobre as coisas, sobre a reação do Arizona – e a visão óbvia de Chris. “Você viu a cara dela? Eu diria que, até agora, hoje tem sido um sucesso.” Dare sacudiu a cabeça. “Você percebe que você acabou de dar um passo atrás, certo? Estamos tentando afastá-la do perigo.” “Não incentivá-la a ele,” acrescentou Trace. “Vocês estão tentando mudá-la,” Chris apontou, mas não com muita acusação. Ele olhou para Spencer. “Ela não quer mudar.” “Só onde no inferno você acha que ela irá usar essa faca?” Perguntou Jackson. Chris fez uma pausa em seus esforços de limpeza para dar a Jackson um olhar direto. “Ela não quer mudar.” “Como assim?” Perguntou Trace. “Você realmente pensa que está tudo bem ela se envolver com essas coisas?” “Eu acho que ela é uma garota muito especial, com um passado único e que pode tomar suas próprias decisões.” “Chris tem um ponto.” Spencer levantou uma fita longa, ondulante da mesa. “Você pode imaginar como isso a faz se sentir?” Concordando, Molly sussurrou: “Ela é quem ela é, e ainda todos temos deixado claro que ela deve ser outra pessoa.”

454


“Mas dado o que ela passou como a vida a moldou...” Priss fechou os olhos por um momento. “Uma mudança é provavelmente impossível.” Suas entranhas apertaram com o que ele tinha, inadvertidamente, a feito passar. “Desaprovação não é fácil para ninguém.” Spencer esmagou a fita na mão. “Ela precisa de aceitação em primeiro lugar.” “Bem, Aleluia. Você fica com o prêmio.” Chris jogou um bola amassada de papel em Spencer. “Como é que ela pode acreditar que qualquer um de vocês se importa, quando vocês não a aceitam por quem ela é?” “Há uma lógica aqui,” Spencer concordou. Ele largado em sua cadeira com um gemido. “E eu, pelo menos estou puxando minha bunda para trás.” “Bem, maldição.” Jackson levantou-se, em seguida, esfregou a parte de trás do pescoço. “Eu só queria protegê-la.” “É o que você faz.” Alani pegou sua mão. “Mas Arizona não é como a maioria das mulheres.” “Ou a maioria das vítimas.” ele concordou. Amém a isso. Ela era diferente... de qualquer um. Mais forte, graças a Deus. Mais resistente. E tão incrivelmente orgulhosa. “Droga, eu ainda tenho que dar-lhe o meu presente.” Jackson começou a ir atrás dela. Mas Spencer disse: “Não, deixe-a só.” Parecendo muito indignado pela ideia de que Spencer ousaria tentar dar-lhe uma ordem, Jackson lentamente girou para encará-lo. “Poderia repetir?” Nem um pouco intimidado, Spencer rolou seus olhos. “Dê-lhe o tempo que ela precisa.” Prevenindo quaisquer hostilidades, Chris disse: “Ela voltará.” “O orgulho não vai deixá-la nos iludir por muito tempo.” Spencer olhou para onde ela tinha ido. “Mas ela não vai gostar de você a vendo chateada.”

*****

454


JACKSON teve que admitir que Spencer provavelmente estava certo. Arizona poderia ser realmente espinhosa sobre qualquer fraqueza percebida. Mas, caramba, ele estava contra a corrente. Cada instinto em seu repertório de inspiração masculina disse a ele para consolá-la. Ela provavelmente teria um ataque se ele tentasse isso, entretanto. E ela ficaria ainda mais envergonhada. Ele não podia fazer isso com ela. Paciência era um de seus pontos fortes. Quando necessário, ele podia esperar por horas, até mesmo dias, em uma emboscada. Mas agora, ele tinha um maldito de um tempo esperando Arizona retornar. Em seu bolso, as chaves tilintaram. Ele andava, sempre prestando atenção nelas. Por acordo silencioso todos tinham decidido dar o espaço que ela precisava. Ela voltaria quando estivesse pronta. Haviam sido apenas dez minutos. Mas ainda assim... Finalmente ela voltou ao redor da casa, ambos os cães a seguindo ela. Ela acariciava Tai enquanto conversava com Sargie. Ela gostava de cães. Talvez esse pudesse ser seu próximo presente. Ele queria cuidar dela por um tempo muito longo. Ele queria enchê-la de presentes. Ele queria que ela estivesse em sua vida, para o resto de sua vida. Como Alani apontou, ela era como uma irmã para ele. Sentia-se responsável por ela, leal a ela. Ele confiava nela. Ele a amava, maldição. Esperançosamente, seu presente ajudaria a convencê-la. Ela parou quando viu todos relaxados ao redor do pátio. “Achei que vocês iriam nadar ou algo assim.” “Esse é o próximo passo,,” Chris disse a ela. “mas Jackson tem mais uma surpresa para você.” Jackson a viu engolir um gemido, e isso o divertia. “Nada disso, agora.” Jogando um braço em volta dos ombros, ele a trouxe para o grupo. “Agrade-me um pouco, ok?” “Bem, claro, mas...” Ela soltou um longo suspiro. “Sério, Jackson, já é muito. Meu carro ficará cheio!” Alani, abençoem seu lindo coração, sorriu enormemente. “Essa é a melhor parte, Arizona.” “A melhor parte de quê?” 454


“Você terá mais espaço. Todo o espaço que você precisa.” Vendo que ela não entendia, Jackson acrescentou: “Eu não quero que você viva dentro do seu carro. Não mais.” Seu olhar buscou o de Spencer – porque, Jackson não sabia. Ela estava em busca de apoio adicional? Ou o olhar foi mais sobre o que ela guardava em seu carro? Ele olhou para Spencer, mas esse cão astuto manteve a expressão escondida. Decidindo que ele iria verificar o seu carro, na primeira oportunidade, Jackson retirou as chaves. “Você sabe como Chris tem uma casa aqui com Dare?” Choque apareceu em suas feições quando Arizona deu um passo atrás. “Não.” Foi um ato de negação. Ela sabia tudo sobre a casa de Chris; em alguns aspectos, ela não era diferente dele. Poucos minutos depois de sua primeira ida à casa de Dare, ela havia observado tudo, inclusive a propriedade. Ela explorou a casa de barcos, o cais, o galpão, a garagem... e a casa de Chris. Olhando as chaves na mão, ela balançou a cabeça. “Não, você não... Você não...” A descrença foi a responsável pela sua gagueira. Muito ruim. Eventualmente ela se acostumaria a ser amada. Pelo menos, Jackson esperava que sim. Ele puxou Alani para o seu lado. “Nós fizemos.” Chris encolheu os ombros como se não fosse grande coisa. “Eu tenho meu próprio lugar para a privacidade, mas eu estou aqui, por perto, para que possa acompanhar tudo que Dare precisa que seja feito.” “Ele está a apenas um grito de distância,” disse Molly. “Isso funciona muito bem.” Arizona balançou a cabeça de novo, mais forte dessa vez. “Eu quero que você continue trabalhando para mim.” Ignorando a descrença, a sua expressão aflita, Jackson seguiu adiante. “Você é completa. Você pega rápido os programas de computador que usamos. E você faz funcionar.” “É?” perguntou ela. “Todo o trabalho. O que procurar, o que considerar. Você coloca os pedaços juntos.” “Você sabe como tráfico parece,” Trace apontou. “Você reconhece os sinais.” 454


“Certo.” Jackson saltou sobre isso como uma maneira de convencê-la. “Eu preciso de você trabalhando comigo.” “Você quer dizer para você.” Ela não conseguia esconder seu desprezo. “Como uma secretária.” Yeah... independente do que Chris disse, ele não estava pronto para atirá-la no meio de tudo; ela já havia passado muito tempo lá. Ele olhou para Spencer para ajudar, mas não obteve nada. Na verdade, o pobre cara parecia triste. Jackson entendia; Spencer poderia não querer admitir, mas ele tinha sido pego na rede de Arizona. Sua marca especial de vulnerabilidade e bravata, a maneira como ela lutava contra o mundo, apenas empurrava um cara para ela. Claro, Spencer olhava para ela de uma forma que Jackson nunca olhou. Às vezes, isso o deixava desconfortável e lhe deu apenas uma dica do que Trace deveria ter sentido quando ele estava quente e pesado na perseguição de Alani. Spencer queria fazer o que era melhor para Arizona, o que significava que precisava lutar contra seu instinto – em suas entranhas – o desejo o impulsionando para protegê-la, até de si mesma. Jackson poderia dizer a ele que seria mais fácil ceder, para redirecionar toda essa energia para amar Arizona. Mas ele tinha a sensação de que Spencer precisava descobrir isso por conta própria. E se ele não descobrisse... bem, então, ele não merecia Arizona. “Eu diria que como assistente, na verdade, não uma secretária – que você faz soar como um palavrão.” “Eu iria ajudar.” disse Arizona cautela. “Eu não estaria atrás de nada, certo? Eu passei por todos os arquivos que você colocou no meu caminho.” Alani agarrou-se ao seu braço. “Você foi maravilhosa. Jackson me disse isso.” Jackson concordou. “Mas também amaria se você aceitasse.” Arizona mudou seus pés, deu uma posição, depois outro. “Sim, bem...” Mais uma vez ela olhou para Spencer. “Eu aprecio isso. A coisa é...”

454


Incapaz de ver toda sua indecisão, Jackson deixou as chaves sobre a mesa. “Estas combinarão com uma fechadura. Para uma porta da frente. Para entrar na casa que estamos construindo para você em nossa propriedade, e não me dê esse olhar.” Ele apontou para ela. “Você não pode continuar correndo pelas ruas.” Os olhos do Arizona se estreitaram. “Não.” Ela olhou dele para Alani. “Mas obrigada a você.” Jackson ignorou isso. “Eu tenho terra mais do que suficiente, maldição. Como disse Chris, você terá sua própria privacidade.” “Não.” Ela engoliu em seco e respirava rápido. “Você é muito generoso e muito...” Em uma perda, ela balançou a cabeça. “Agradeço o gesto. Mesmo. Mas eu não posso. Obrigada mesmo assim.” Não era um maldito gesto, mas quando ele começou a falar, Alani apertou seu braço. “Pense, por favor, sobre isso, Arizona, está bem? As chaves são simbólicas. Nós não começamos a construir ainda sobre a nova estrutura.” “Nós queríamos consultar você sobre isso,” explicou Jackson. “Alani queria que você ajudasse a projetar sua casa.” “Oh, Deus...” Ela esfregou sua testa. Alani se aproximou dela. “Não tome uma decisão agora. Tire um pouco de tempo para pensar sobre isso, é tudo que eu estou pedindo. Você poderia fazer isso, por favor?” Jackson sabia que Arizona queria recusar, mas Alani tinha uma mão em seu ombro, seu tom de voz era suave e sincero e Arizona não era imune a isso. Quem poderia ser? Sua noiva era uma mulher especial. Droga, ele tinha sorte. Sorrindo, ele foi até elas e colocou um braço em volta de cada uma. “Ótima ideia. Tome um pouco de tempo para se acostumar com a ideia antes de decidir.” “E até lá,” disse Chris, “vamos comer um pedaço de bolo!”

454


Capítulo Vinte GRAÇAS A DEUS NÃO a fizeram sofrer cantando parabéns ou soprando velas. Depois de ajudar a limpar o resto da bagunça do aniversário, Arizona começou a relaxar. Pelo menos, a respeito disso. Ela ainda precisava descobrir o que pudesse sobre Quin e a droga de telefonema suspeito que ela recebeu. “Então, Dare.” Com toda a comemoração de aniversário agora fora do caminho, Arizona procurou uma maneira de fazer as perguntas necessárias. Ela moveu o copo de limonada um pouco, vendo o anel de condensação deixado sobre a mesa do pátio. “Você resolveu tudo no bar?” “O Goose Green?” Quantos cartéis de tráfico ele atualmente estourou em bares? Secamente, ela disse: “Sim, esse mesmo.” 454


“Não totalmente.” Dare encolheu os ombros. “Mas todo mundo está seguro, e há boas pessoas trabalhando nos detalhes.” Todo mundo não estava seguro, ou Quin não teria necessidade de chamá-la. “Vamos ficar em contato com o chefe da nova força-tarefa,” Trace disse a ela. “Ele ainda está interrogando Terry Janes, mas duvido que descubram qualquer outra coisa.” Hum. Trace provavelmente já havia questionado o cara, e ele não se detinha em restrições legais. “Você imagina que se você não pôde fazê-lo falar, ninguém pode, né?” Um pouco carrancudo, Trace evitou a pergunta. “Isso está sendo tratado.” “Certo. Tenho certeza que está. Mas se não há mais nada para descobrir, por interrogálo?” Jackson fez uma careta para ela. “Há sempre mais para descobrir. Como quem é o dono do lugar.” “Janes não é?” “Não.” Passou o dedo através da condensação sobre a mesa. “Então... quem sabe?” “Ainda estamos trabalhando sobre isso.” Dare disse a ela. “Até agora, ninguém que prendemos parece saber, então teremos que procurar os registros.” Arizona considerou a questão. “Você tem Janes e seu capanga, Carl, e o barman...” “E um par de outros bandidos que dirigiam uma van branca. Dare os colocou para baixo na parte de trás do bar.” Arizona olhou para cima. Essa foi a primeira que ouvia falar sobre uma van branca. “Mas,” Jackson disse antes que ela pudesse começar a fazer perguntas, “você não precisa se preocupar com nada disso. Os palhaços estão desligados para sempre.” Infelizmente, ela tinha motivos para duvidar. Ela se virou para Dare novamente. “Ok, então você tem os idiotas. Mas lembra dos trabalhadores você resgatou?” “Havia mais de uma dúzia de pessoas, querida.” Ela murchou. “Então você não pode descrever todos?” Intuição aguçou seu olhar. “Eu posso descrever a maioria deles. Por quê?” Opa, hora de recuar. “Eu só estava pensando.” 454


Ela afastou uma abelha que tentava pousar em seu braço e buscou sua expressão mais casual. “Quin estava lá dentro?” “O garoto latino-americano?” Dare pensou sobre isso e em seguida, balançou a cabeça. “Eu não recordo de vê-lo, não.” “Isso não é estranho?” Esqueça a sutileza; ela precisava saber. “Quero dizer, ele estava lá naquela noite. Ele me serviu.” “Ele provavelmente fugiu no segundo em que ouviu as sirenes.” disse Jackson. “Talvez ele seja um ilegal. Os traficantes bastardo podem tê-lo convencido que seria preso se fosse pego.” “Existe uma razão pela qual você está preocupada com ele, especificamente?” Perguntou Trace. “Não, não realmente.” Seus pensamentos agitaram um pouco mais. Para tornar a sua mentira mais convincente e tirá-los do caminho, ela perguntou: “E aquele artista um pouco pateta, Joel Pitts?” Dare encolheu os ombros. “Eu não sei os nomes das pessoas, mas eu posso descobrir se é tão importante para você.” Não, não faria diferença. Ela sabia que Quin estava livre porque ele a chamou, então por que colocar Dare num trabalho de coleta de informações? “Tudo bem. Eu estava apenas curiosa.” “Por quê?” Spencer perguntou em voz baixa. Ela inclinou-lhe um olhar. “Quin e Joel foram os dois com quem eu falei na maioria das vezes. Vi Quin como uma vítima certa e em seguida, uma vez que Joel fez retratos de mim...” Ela encolheu os ombros. “Eu sinto que meio que conheço os dois.” “O que quer dizer, fez retratos seus?” Priss um perguntou. “Que tipo de fotos?” “Eu ia perguntar a mesma coisa.” disse Alani. “Vou mostrar. Eles ainda devem estar na minha bolsa.” Para ganhar um tempo, Arizona entrou e procurou por eles. Eles estavam agora muito amassados e um pouco manchados, mas ela os levou para fora de qualquer maneira. Quando os rolou sobre a mesa, ela explicou. “Eu estava muito bêbada quando saímos de lá, ou eu teria pensado em guarda-los antes que estragassem.” 454


Todos se reuniram ao redor. “Nossa!!!!!” Priss admirou o desenho. “Ele é mesmo talentoso.” Um assunto diferente era a sua vantagem, então Arizona o manteve. “Mesmo sem ter posado nem nada, os desenhos se parecem comigo, se não melhores.” “Não é verdade,” disse Dare. “É difícil imaginar como seria possível melhorar você.” Jackson disse a ela. “Da maneira como se parece e tudo mais.” “Você é realmente linda.” Alani concordou. “Não há nada para melhorar.” “Sim, bem... obrigada.” Desconfortável com os elogios, Arizona voltou sua atenção para Trace e Dare. “Eu esperava ver os dois novamente. Só para saber como eles estão.” Ela olhou para Spencer. Ele estava muito quieto enquanto a examinava com um interesse penetrante. Enquanto arrastava as pontas dos dedos para cima e para baixo no braço de sua esposa, Trace perguntou: “Você está preocupada com eles?” Ignorar o olhar atento de Spencer não foi fácil. Quando Trace pegou um dos desenhos para estudar, ela optou por um encolher de ombros. “Os dois pareciam bastante perdidos, isso é tudo. Eu me sentiria melhor sabendo que eles estão bem.” “Arizona?” Ela tentou não estremecer com o tom de Spencer. “Hum?” “Por que você está perguntando sobre Quin e Joel?” “Eu já disse.” Ela não queria mentir para ele, mas também não podia dizer a verdade. Passando novamente os olhos sobre os desenhos, ela se estabeleceu uma verdade parcial. “Curiosidade, apenas.” “Uh-huh.” Spencer pegou o olhar dela e o manteve. “O que mais?” Como se só então sentissem a tensão entre eles, todos ficaram quietos, olhando para os dois, esperando.

454


Arizona guardou os desenhos de volta em sua bolsa. Ela estava cansada de ser o centro das atenções; dane-se se ela deixaria que Spencer a colocasse lá novamente. “Por que é necessário que haja qualquer outra razão?” “Com você, sempre há segundas intenções.” Ela empurrou o queixo. “Besteira. Eu não tinha um motivo oculto, quando lhe pedi para treinar comigo. Eu só queria aprimorar minhas habilidades. E ainda assim você recusou.” Seus olhos escureceram, talvez com irritação. “Porque eu não quero que você se use como isca.” “Por que não? Essa é a maneira mais fácil de pegar um homem.” Sua voz gotejava com doçura açucarada. “Isso aparentemente funciona para Marla.” E, em seguida, para o grupo como um todo, ela explicou: “Essa é sua vizinha.” Spencer rangeu os dentes. Jackson continuou o assunto. “O que é que a sua vizinha tem a ver com alguma coisa?” Arizona disse: “Ela quer Spencer.” Ao mesmo tempo, Spencer disse: “É a maneira de Arizona se esquivar da pergunta.” Nossa. Ele percebeu a manobra, hein? Bom, ele não era uma lesma mental. Ela já sabia e admirava isso nele. Ela disse para o grupo: “Eu queria treinar com Spencer.” Ela deu a sua atenção de volta para ele. “Mas eu acho que é mais uma coisa que terei que fazer com o próximo cara, certo?” Spencer ficou rígido, sua mandíbula apertou, seu olhar ficou frio. E ele se afastou. Arizona sentiu, viu, e não foi agradável. Uh... sim. Então, talvez ela o tenha empurrado um pouco longe demais com essa brincadeira. Mas vendo suas feições definidas, ela não sabia como se desculpar. “Falando de trabalho de computador...” Chris limpou a garganta. “Eu queria mostrar-lhe um novo programa, Spencer. Eu penso que seria muito valioso para um caçador de recompensas.” Spencer lentamente se afastou da mesa e se levantou. Sem dizer uma palavra, ele saiu com Chris. Caracas. Gelo poderia ter se formado em seu rastro. Ele deixou para trás tanta tensão, que o ar estalava. Fale sobre algo estranho... 454


Ela poderia ter se sentido desconfortável, mas dane-se, se em vez disso não se sentia culpada. A vontade de ir atrás dele fez com que se remexesse em seu assento. Mesmo que ela fizesse, o que ela diria? Sinto muito que você não queira me manter por perto por um longo prazo? Ela bufou e nem se importou que os outros lhe dessem olhares engraçados. Ela sabia que estava zerada nesta porcaria de relação, o que era a coisa certa e a coisa errada a fazer. E dane-se, ela tinha poucas escolhas agora. Levando em conta que se encontraria com Quin amanhã, o que ela poderia dizer que iria fazer diferença, afinal? Dare se afastou da mesa. “Eu irei com você.” Não entender, Arizona olhou para ele, então reavaliou a sua expressão. Molly sorriu com prazer, confundindo-a ainda mais. “Ir para onde?” “Cabeça a cabeça.” Todo negócios agora, ele a chamou do seu assento. “Vamos! Vamos ver o que você tem.” Trace sentou com um sorriso. “Eu tenho que admitir, estou curioso.” Jackson gemeu. Arizona não podia acreditar em sua sorte. Dare Macintosh queria treinar com ela? Inacreditável! “Você quer dizer...?” Ela acenou com a mão entre eles. “Eu e você? Sério?” Ele deu um aceno de cabeça afiado. “Vamos lutar.” Apesar das circunstâncias, a antecipação borbulhava. Mas ela não confiava na oferta. Estreitando os olhos, ela perguntou: “Por quê?” “Por que não?” Trace foi para o lado de Dare. “Todas as coisas consideradas, Arizona, você precisa saber como lutar.” Ela não apontou que já sabia como lutar. “Que coisas?” “Estar ao nosso redor,” disse ele. “Trabalhar com Jackson.” E Dare acrescentou, “Cutucando seu pequeno nariz onde não é chamada.” Agora isso ela não deixaria passar. “Quem diz que não sou chamada?” Ela tinha tanto direito quanto eles, talvez mais, em trabalhar para derrubar os traficantes.

454


Jackson abriu a boca, mas Dare interrompeu o que ele planejava dizer. “Estamos treinando ou não?” Seu coração batia rapidamente. “Oh, definitivamente, nós estamos.” Ela deixou seu assento e caminhou em direção a ele. “Você se importa que os outros assistam?” “Na maioria das brigas de bar, há uma multidão.” Ela encolheu os ombros. “Eu nunca deixei uma plateia ficar no meu caminho.” “Oh, meu Deus,” disse Priss. “Você realmente luta em bares?” “Eu mantenho a minha faca comigo.” explicou Arizona. “É um grande equalizador.” Os homens não disseram nada, mas as mulheres não podiam esconder sua descrença, provavelmente desaprovação também. Não que ela desse a mínima. Só que... ela meio que dava. Não, esqueça isso. Ela balançou os braços e tomou uma posição em frente a ele. “Agora que eu sei que você gosta de facas...” Dare pegou um galho com uma espessura semelhante ao seu dedo indicador. Ele o partiu, até que tivesse cerca de dez centímetros de comprimento. “vamos fingir que é sua faca favorita.” Ele virou de ponta cabeça uma vez e, em seguida, estendeu-o para ela. Um galho? Ok, ela tocaria junto. Depois de jogá-lo de mão em mão, Arizona trabalhou com os dedos em torno dele até que se sentisse bem. Ela assentiu. “Tente não furar o meu olho, ok?” Satisfação encheu seu sorriso. “Não se preocupe,” ela zombou dele. “Eu não vou te machucar.” Dare não mordeu a isca, mas ela já sabia que ele tinha um temperamento legal, controlado. Eles ficaram no pátio. Não era plano, mas descia suavemente em direção ao lago. Sem problemas; lutas reais raramente ocorriam em situações ideais. Dare se ajustou ao terreno, assim como ela. Sentia o sol no topo de sua cabeça e ombros nus, mas não a cegava. Ela sentiu os olhares extasiados dos outros e os dispensou de sua mente. Respirando calmante, ela apoiou seus pés. 454


“Assim que estiver pronto.” Provavelmente esperando para assustá-la, Dare avançou em um ataque frontal. Reagindo automaticamente, Arizona lançou o galho com a mesma precisão mortal ela utilizava com sua faca. Como uma flecha, ele atingiu Dare direto no peito sólido, onde seu coração estava. Atordoado, ele parou em seu caminho. Presunçosa, reivindicando vitória, Arizona sussurrou, “Peguei você!” Talvez agora ele a levasse a sério. Trace latiu uma risada. “Não é ruim, Arizona.” Ele sentou-se para frente. “Mas se isso não for um golpe fatal e raramente é, pelo menos não de imediato, e não contra um cara como o Dare –então você está em apuros, porque agora você perdeu sua arma.” Oh, bem... sim, talvez. Trace acenou para ela. “Tente novamente.” Com uma expressão enigmática, Dare entregou-lhe a faca improvisada e retomou a sua posição. “Pronta?” Ela colocou os pés afastados e rolou seus ombros para soltá-los. “Sim.” Desta vez, no segundo em que ele se moveu, ela correu para ele, abaixou o braço e usou o lado do galho para simular um corte na virilha. Ela rolou para fora do caminho. Sentia-se muito bem sobre sua velocidade, até que ela levantou e encontrou Dare bem atrás dela, dizendo: “Eu poderia estar sangrando, mas agora estou realmente chateado também.” Sem esforço, ele a conteve em um estrangulamento. “E então nós morreríamos juntos.” Ele não a machucou, mas de jeito nenhum ela poderia sair de seu abraço, sem chances. Perto de sua orelha, ele perguntou: “O que você faria agora?” Ainda segurando firme, ela disse, “Normalmente eu pisaria no peito do pé, ou daria uma cabeçada. Ou mesmo apenas soltaria o meu peso assim que você teria que reajustar a sua aderência. Mas você já tirou essas opções.” “É verdade.” “Eu acho que eu acabaria por ganhar tempo e esperar por uma abertura.” Ela inclinou a cabeça para sorrir para ele. “Todo mundo erra eventualmente.”

454


“Talvez.” Dare a soltou. “A menos que eu quebrasse seu pescoço, rapidamente.” Ele alisou o cabelo despenteado, então ergueu o queixo. “E essa é a coisa, Arizona. Você nunca sabe como alguém pode estar treinado. A maioria dos idiotas em bares não tem qualquer habilidade. Mas nem sempre. Não é algo que você pode tomar como certo.” Sentindo o sangue cantar em suas veias, Arizona sorriu. “Ok, então me ensine.” Ela sacudiu seus membros. “Sou toda ouvidos.” Trace riu novamente. “Você é alguma coisa, não tenho certeza se ouvidos é a descrição correta.” Ao longo dos próximos minutos, enquanto ela e Dare tentaram várias jogadas diferentes juntos, ela foi quase capaz de colocar de lado seu conflito com Spencer. Mas não era bem assim. Onde ele estava agora? O que ele estava fazendo? Ele estava com tanta raiva que a evitaria o resto de sua visita? Como no inferno. Ela não deixaria que se afastasse. Se ele queria discutir, bem, ela discutiria. Mas ela não... Ela resmungou quando Dare a pegou de surpresa e disparou-lhe para as costas. Ela saltou de volta em pé, puxou para o lado e chutou na sua bunda sexy. As mulheres começaram a aplaudir; que elas queriam que Arizona vencesse. Eles vaiaram Dare quando ele passou novamente as pernas debaixo dela, mesmo quando ele a trouxe fácil para baixo na grama. “Você está distraída,” ele repreendeu. “E isso pode custar a sua vida.” Elas vaiaram e aplaudiram quando ela rapidamente girou e bloqueou os braços apertados sobre a garganta Dare. “Não estou distraída,” ela disse enquanto usava os joelhos nas costas para alavancagem. Dare riu. “Você é rápida.” “Pedindo água?” Ela perguntou escandalosamente, só para a ovação das mulheres. “Eu não penso assim.” Dare capotou por cima do ombro e a jogou para o alto, fazendo com que gritasse alto de surpresa. Trace rugiu de alegria, mesmo quando Dare a pegou novamente, e as mulheres se juntaram a ele. 454


Jackson chegou a ficar em cima dela. “Você disse algo sobre pedir água, Arizona?” Rindo e ofegante, ela gritou: “Nunca!” Sargie e Tai queriam entrar no jogo. Os cães de grande porte começaram correr em volta deles, a ponto de Grim, o gato, chiar e sair correndo, e mesmo Liger torceu o nariz e se afastou para uma distância segura. Em sua volta, com a grama em seu cabelo e o sol em seus olhos, Arizona rechaçou os cães e riu até doer seus lados. Foi muito divertido. Ela não podia recordar a última vez que... brincou. Talvez ela nunca tenha. Balançando a cabeça, Dare jogou mais grama para ela enquanto Tai e Sargie tentavam entrar em seu colo. “Vou admitir que você tem alguma habilidade, pirralha.” “E basta pensar.” Vestindo um sorriso orgulhoso, Jackson estava sobre ela, com as mãos nos quadris. “Se você morasse perto, eu poderia trabalhar com você até que esteja bem.” Ha! Ela olhou para ele. “Eu já estou bem.” “Sim, talvez.” Seu sorriso alargou. “Para uma menina.” Agarrando seu tornozelo, Arizona o empurrou fora de equilíbrio, e ele acabou caindo de bunda ao lado dela. Por um segundo, ele sentou em um silêncio atordoado enquanto Trace e Dare riam e as mulheres o vaiavam. Então os olhos de Jackson se estreitaram com intenção má. “Vinganças são um inferno, querida.” Uh-oh! Rindo em silêncio, Arizona pulou para ficar de pé, mas não foi muito longe. Ela gritou novamente quando Jackson facilmente a levou para o chão, mas em vez de segurá-la, ele... fez cócegas nela. Até aquele momento, ela não havia percebido que ela era tão incrivelmente delicado. Ela riu e lutou, chutou e socou, e fez o seu melhor para ficar longe. Ela não era páreo para Jackson. Ele pegou seus pulsos e os prendeu para baixo. “Peça água.” insistiu com um bom humor implacável. 454


“Não, nunca!” Por cima de sua risada, ela disse, “Eu vou te pegar de alguma forma. Eu...” Jackson continha ambos os pulsos em uma mão grande. Ele meio que pairava sobre ela, usando uma perna para segurá-la. Tarde demais, Arizona percebeu sua situação precária. O riso morreu; seu coração começou a tamborilar como louco e seus pulmões comprimiram. Mas não importa o que ela tentasse, não conseguia se livrar dele.

***** RISOS E GRITOS INTERROMPERAM os esforços de Chris para distrair Spencer discorrendo em profundidade sobre o programa. Não que ele tivesse sido capaz de se concentrar muito de qualquer maneira. Estava claro para Spencer que toda a festa de aniversário foi difícil para Arizona, então ele tentou não levar a sério seus comentários de cortar o coração. Mas danese, ela estava falando sério? Mandá-la para outro homem? Inferno, não, ele não queria fazer isso. Nunca mais. A ideia dela com outra pessoa o comia por dentro. Muito antes de ter feito amor com ela, ele lutou essa batalha interna sobre fazer a coisa certa ou ser egoísta. “Alguém está esfolando os gatos?” Sorrindo, Chris se dirigiu para a porta dos fundos. “Isso foi Arizona.” Cenho franzido, Spencer o seguiu. Ele reconheceria a voz de Arizona em qualquer lugar, mas gritando? Isso era tão diferente dela. “Alguma coisa está errada.” “Eles provavelmente estão apenas brincando.” Spencer apressou o passo. Ele tinha esperança de que eventualmente Arizona percebesse o quanto essas pessoas se preocupavam com ela. Mas ele não esperava que isso acontecesse hoje. Ele levou um susto com o que encontrou.

454


Ele tinha estado dentro de menos de vinte minutos, e de alguma forma, na sua ausência, ela acabou no chão com Dare e Jackson. Ele ouviu sua risada... então por que se sentia tão inquieto agora? Chris, ainda segurando uma pilha de impressões do programa de computador, sorriu quando viu as palhaçadas no quintal. “Estamos perdendo toda a diversão.” Spencer não devolveu o sorriso. Quanto mais se aproximava, mais apertada sua tensão crescia. Finalmente, quando Dare se levantou, Spencer deu uma boa olhada em Jackson abrangendo os quadris do Arizona. Seu cabelo estava agora mais fora da faixa de borracha do que nela. Com uma mão Jackson mantinha os braços sobre a cabeça, e com a outra ele tentava fazer cócegas no umbigo à mostra enquanto ela torcia e virava. Ainda mais que isso, Spencer viu seu rosto. Pálido, torcido. Ela lutava silenciosamente, tentando libertar-se sem mostrar o terror de estar sob um homem. Uma emoção anômala, bolhas quentes e explosivas, percorriam Spencer. “Saia o inferno de cima dela!” “Whoa, sutil, cara.” Chris disse a ele. “Realmente sutil.” Não dando a mínima para o que os outros pensavam, Spencer chegou a ela em três passos largos. Agarrando Jackson pelo braço, ele literalmente o arrastou para cima e longe do Arizona, libertando-a de seu abraço. Em um instante, ela estava de pé, sugando o ar muito necessário, ainda instável, mas mais uma vez, tentando o seu melhor para esconder. Ela manteve um punho pressionado contra a barriga, o outro duro ao seu lado. Soltando a seu lado, Spencer ficou maravilhado com a sua força, o seu orgulho. Ele lutou contra a vontade de puxá-la para perto e a vontade de achatar Jackson. Queria abraçá-la, protegê-la contra seu corpo. Todo mundo agora estava ao seu redor, atento, seus olhares arregalados com súbita compreensão, preocupação e... simpatia. Foda-se!

454


Arizona odiaria isso. Ela preferia sofrer com o terror que ter alguém olhando para ela com pena. A qualquer momento alguém iria alcançá-la. Ela parecia como se fosse quebrar se isso acontecesse. Como distração, Spencer voltou para Jackson e chegando perto perguntou com veemência: “Você está fora de sua mente?” Lentamente, todos os seus movimentos precisos, Jackson ajeitou a sua altura, que era em poucos centímetros menor que os um metro e noventa e oito centímetros de Spencer. Sua expressão escureceu, mas ele olhou além Spencer para Arizona e depois volta novamente. Spencer sustentou o olhar, o fazendo entender. Rezando para que ele entendesse. E ele fez. Embora ainda nervoso, Jackson colocou as peças juntas. “Ela está bem,” ele brincou em um tom que era quase agradável. “Contra um cara normal, ela poderia se safar sozinha.” Alívio rolou através de Spencer. Ele respirou fundo e assentiu. Para manter o seu próprio papel, disse: “Se ela ficar longe de problemas, ela não precisará se safar sozinha.” “Não há garantia de que ela fará.” “Não com seu conjunto de habilidades.” Dare acrescentou, fazendo sua parte para aliviar a situação. “Ela não tem força, mas ela compensa isso com velocidade.” “E coragem.” acrescentou Trace. “Se o que ela nos mostrou agora o modo exato como ela estaria em uma verdadeira luta, então ela não é uma lutadora cautelosa. Isso é bom e ruim.” Arizona empurrou o cabelo para trás e deu um passo firme para frente. “Eu estou bem aqui, pessoal.” Apenas um leve tremor mostrou sua falta de compostura. “O que Chris disse faz sentido. Ela vai estar em torno de perigo. Está na sua natureza. Você sabe disso.” “O que Chris disse?” ela perguntou, mas ninguém lhe deu uma resposta. Nesse momento, o respeito de Spencer para cada um dos homens dobrou. Eles eram implacáveis quando necessário, mas eles também eram gentis e carinhosos. “Não há perigo, e então não há perigo.” Sem olhar para ela, Spencer pegou a mão dela e a puxou para seu lado. 454


E ela o deixou. “Você mesmo disse, ela não tem a força para ir de igual para igual com um psicopata.” “É a minha decisão, Spence.” Ela olhou para ele. “Não sua.” “Atualmente é deles.” Ele acenou para os homens e orou que pudesse encontrar uma maneira de tirá-la do jogo suavemente. O que ela tinha acabado de passar provava que ela não estava pronta, emocional ou fisicamente, para correr o risco de ser pega novamente. “E eles não parecem com idiotas para mim.” Jackson disse: “Não abuse da sorte.” Seu sorriso era mau. Trace empurrou o ombro Jackson de lado e falou com Dare. “Agora pode ser um bom momento para perguntar a ele.” Spencer alisou o polegar sobre os nós dos dedos gelados de Arizona. “Pergunte-me o quê?” “Se você quer se juntar a nós.” Provando que não estava chateado de verdade, Jackson quase o derrubou com uma pancada nas costas. “O salário é uma porrada melhor que aquilo que você está acostumado, cara. E você pode exercitar o seu cão alfa.” Ele piscou. “Um verdadeiro ganha-ganha.” Bem, maldição, Spencer pensou. Ele não tinha visto isso chegando. Ele olhou para Arizona e encontrou-a radiante, com orgulho. Hum Sem ciúmes. Sem ressentimento. Nunca o esperado a partir dela, porque ela iria além do esperado, uma e outra vez. Incrível. Ele pensaria sobre sua aceitação surpreendente depois, mas por agora, isso a estava distraindo do seu medo, e era o que mais importava.

454


Capítulo Vinte e Um PRECISANDO ALGUNS MINUTOS, Arizona pediu licença e entrou. No banheiro, ela espirrou água no rosto, ajeitou o rabo de cavalo, colocou um pouco mais de maquiagem sobre a contusão em sua mandíbula. E teve tempo para respirar. Mas, honestamente, a emoção por Spencer ofuscou todo o resto. Queriam que ele assinasse o contrato. Porra, ela estava muuuuito orgulhosa dele. Ela não podia imaginar um elogio maior ou uma prova melhor da capacidade de Spencer e sua honra. Eles confiavam nele, e isso significava muito. E se ele trabalhasse com os caras, então talvez ela pudesse convencê-lo a estabelecer uma parceria com ela. Sim, ele queria abreviar seu tempo juntos, ela sabia disso. Ela não esqueceu seus motivos ou o que ele disse a ela no início. Mas agora ela teria uma boa desculpa para tentar falar com ele estando por perto. Ela agora tinha esperança e wow, a esperança era uma coisa assustadora. No seu caminho de volta para fora, ela ouviu as mulheres que falam na cozinha, rindo e conversando amigavelmente. Pelo menos não estavam fofocando sobre ela... ainda. Se ela tivesse oportunidade de ficar por tempo suficiente, no entanto, sabia que falariam. Ela colou um sorriso e entrou na cozinha. Priss imediatamente perguntou: “Você trouxe um biquíni? Estamos nos preparando para ir até o lago.” “Sim, ele está sob minhas roupas.” E com um pouco de sorte, ele ficaria lá. Mas a sorte não estava com ela hoje. “Assim que os caras terminarem de falar, estaremos todos descendo,” Alani disse a ela. “Eu acho que Chris quer esquiar, e não me importaria de refrescar com um mergulho.” Molly lavou um copo e o colocou na máquina de lavar. “Estarei pronta em apenas um minuto.” Ela saiu da sala. 454


Priss continuou. “Eu preciso encontrar o protetor solar. Trace fica apoplético se eu queimar.” “Eu tenho alguns,” Alani disse a ela. “Vocês duas façam o que precisam.” Arizona tinha outros interesses além de roupas de banho e protetor solar. “Esperarei por vocês lá fora.” “Você só quer ouvir a conversa lá fora.” Alani brincou, mas sem qualquer insulto. “Vá em frente, então, e iremos encontrar vocês em breve.” Mas quando Arizona saiu, o pátio estava vazio. Franzindo o cenho, seguiu o som de vozes baixas no lado do quintal e ouviu... Dare e Spencer falando. A curiosidade levou a melhor sobre ela, e esperou poder descobrir alguns detalhes sobre a oferta. Vestindo um meio sorriso, ela se aproximou. “Você não deveria lutar contra isso,” Dare disse. “Eu posso dizer por experiência própria, que é impossível uma vez que você encontrou o caminho certo.” Isso não soou como nada relacionado ao trabalho. Arizona começou a interromper, e depois respondeu Spencer. “Infelizmente, eu tive que enterrar o quem era a certa para mim, e não estou à procura de uma substituta.” Arizona cambaleou para trás. Seu coração caiu e seu estômago apertou. Qualquer que fosse a resposta de Dare ela não escutou. Um toque soou em seus ouvidos. Ela sabia. Ela não era estúpida. Mas ouvir Spencer expor assim... bem, isso doía. Então, talvez ela fosse muito, muito burra depois de tudo. Por que outra razão ela teria se deixado ficar emocionalmente envolvida? Spencer não havia enganado ela. Ele havia sido brutalmente honesto a cada passo do caminho. Rezando para que os homens não a ouvissem, ela se virou. O desgosto a levou até a metade do morro antes que ela sequer percebesse para onde estava indo. Seus pensamentos desordenados mantinham o estômago embrulhado. Amanhã, ela desafiaria a confiança de Spencer. Ela fugiria para encontrar secretamente com Quin.

454


Para um cara como Spencer, isso por si só seria um disjuntor do negócio, não que eles tivessem qualquer tipo de negócio emocional. Mas... Deus, ela desejou que eles tivessem. Talvez, uma vez que ele gostava de fazer sexo com ela, poderia convencê-lo a... o quê? Continuar a dormir com ela? Marla não tinha tentado esse truque? Por que ela deveria pensar que seria mais bem sucedida? Porque ela não iria fazer exigências. Sim, então o desespero a levou. Ela nunca realmente quis nada, nem ninguém, do jeito que queria Spencer Lark. Valeria a pena lutar por ele. O problema era que não sabia como se envolver nesse tipo de luta. Ela com certeza não concordaria em compartilhar. E ela já sabia que ele não gostava de jogos e desprezava desonestidade. Que ferramentas sobrariam para ela? Ela poderia deixar Spencer saber que ela não queria, ou precisava de nada em troca. Simplesmente ótimo sexo. Apenas... sua companhia ocasional. Talvez um arranjo ocasional funcionasse com ele. Não importa o que, ela tentaria, porque a alternativa, nunca vê-lo novamente, era muito esmagadora para considerar.

***** ARIZONA ENCONTROU CHRIS esparramado no cais parecendo tão preguiçoso quanto os cães que tomavam sol. Ele obviamente deu um mergulho no lago; havia gotas de água em seus ombros largos, escorriam de seu cabelo molhado e formavam um pequeno riacho abaixo do sulco profundo das suas costas bronzeadas e todo o caminho para seus – ainda – encharcados shorts, que agora caiam baixo em seus quadris. Tão baixos, na verdade, que ela viu uma tira de pele mais pálida que de deveria ser usualmente coberta. “Pare de olhar.” Olhos ainda fechados, numa voz lânguida, Chris acrescentou: “Eu estou começando a me sentir nu.”

454


“Quase.” Arizona disse-lhe, e ela sentou-se ao seu lado. Ela pensou em colocar os pés para dentro do lago, olhou para a beira do cais e a água escura, e estremeceu. “Os sinais vitais estão devidamente cobertos.” Ele se mexeu um pouco, olhou com um dos olhos contra o brilho do sol e se reacomodou. Ela nunca prestou muita atenção antes, mas Chris parecia bom. Um metro e oitenta e nove centímetros, cabelos pretos, olhos azuis, compleição magra, mas musculoso. Pelo que ela conhecia dele, passava tanto tempo na água quanto fora dela. Ao som de um peixe que saltava, ela afastou atenção do seu corpo e olhou para o lago. “Você já nadou nu lá?” Diversão indolente enrolou sua boca. “O que você acha?” “Eu aposto que sim.” “Não tanto agora que Molly está aqui.” Girando o corpo, ele coçou o peito, colocou os braços sobre a cabeça e deixou as pernas esticadas. Ela não pôde deixar de notar que sua bermuda estava um pouco baixa na frente, também. Estranho que seu envolvimento íntimo com Spencer aumentasse sua consciência sobre os... atributos de outro homem. Chris a pegou espreitando, mas não fez nenhum comentário sobre isso. “E você? Tem o desejo de comungar com a natureza?” “Não.” Antes de mesmo considerar entrar na água, queria Spencer com ela. Não importa o que aconteceu, ele havia prometido a ela. “Onde está todo mundo? Os caras ainda estão falando de negócios?” “Eu acho.” Será que Spencer se uniria aos outros? Arizona não sabia. “Molly e Alani estão colocando seus biquínis e Priss ia passar protetor solar.” “E você?” “Eu não queimo fácil.” E ela não tinha intenção de ficar na água por mais tempo que levaria para provar... o quê? Que ela não era uma covarde? “Eu também.” Uma libélula zumbia perto, e Chris a assistiu que foi embora. Ele fechou os olhos novamente e quase parecia que cochilava. “Você pode dormir com este calor?” 454


“Quando as pessoas não estão falando comigo, sim.” Então, ela estava incomodando? Bem, ruim. Ela precisava de um conselho, e quem melhor para perguntar que o Chris? Se ela tentasse falar com qualquer um dos caras, eles ou a dedurariam para Spencer, ou começariam a dar avisos. Ela não tinha uma única dúvida. Era como algum código macho, protetor que eles tinham. Estúpidos. E as mulheres... bem, boas como elas eram, sentia-se quase disfuncional à sua volta. Além de ser do sexo feminino, não tinha nada em comum com eles. Assim sobrava Chris. Ele gemeu uma risada. “Vamos lá, Arizona. Coloque para fora.” Protegendo os olhos com um braço, ele olhou para ela novamente. “Você está aqui comigo por um motivo, certo?” Após rolar um ombro, ela perguntou: “Onde está Matt?” Ele lhe deu um longo olhar, em seguida, caiu o braço sobre os olhos e descansou novamente. “Não faço ideia.” “Ele não foi convidado?” Exasperado, ele meio que se sentou para olhar para ela. “Por que é que se você colocar dois caras gays em um quarto juntos, todo mundo assume que eles são um casal? Eu posso ter amigos, você sabe.” Ela piscou para ele. Nossa. O que era uma reação. “Então... muito sensível?” Em uma expressão de valor inestimável de estupefação, ele bufou. “Não, normalmente não.” E, em seguida, virar o jogo sobre ela, ele disse: “Mas olha quem está falando sobre ser sensível.” Seus ombros enrijeceram. “O que isso quer dizer?” “Oh, não, você não. Não venha toda agressiva e coloque para fora. Você cobriu bem, mas não bem o suficiente.” Sentando com as pernas cruzadas, ele envolveu seus antebraços sobre os joelhos. “Então você não gosta de ser presa? Grande coisa. Supere logo.” Ela não tinha ideia do que dizer sobre isso. Negar seria absurdo e covarde. Ela empurrou o queixo. “Eu estou trabalhando nisso.” “É, por isso que trabalha nisso com Spencer. Você confia nele, certo?”

454


Confiança não tinha nada a ver com nada. Por que ela quis falar com Chris, afinal? “Você é um espertinho.” “Só quando estou certo.” Ele sorriu, inclinou-se e deu-lhe um empurrão no ombro. “Admita.” Depois que se endireitou, Arizona olhou para ele. Ela não iria admitir nada. Ainda não, de qualquer maneira. Se ele quisesse admissões, ele poderia falar primeiro. “Eu só quis saber sobre Matt, porque eu sei que Priss é apaixonado por ele.” “Ah.” Ele deu de ombros. “Sim, bem, ele é apenas um amigo e era uma coisa de família, e se eu sou sensível sobre isso, é porque todo mundo parece pensar o contrário.” “Que vocês dois são...?” “Sim.” “Mas você não é...?” Ele rolou os olhos. “Não, nós não somos. Eu gosto de ser solteiro.” “Mesmo? Eu entendo isso.” “Por algum motivo eu não acho que você entenda.” Ficando todo sério e solene, ele inclinou a cabeça. “Então... sobre Spencer?” Dane-se. Ela precisava do seu conselho. Tentando descobrir as palavras certas, ela disse: “E se um cara gosta de beijar você... e outras coisas? Você poderia supor que ele quer mais?” Muito atento, Chris deu-lhe um olhar vazio. “Claro que ele quer.” Alongando as costas mais uma vez, ele cruzou os braços sobre a cabeça. “Você sabe que quer.” Como ele não estava olhando para ela, se levantou e tirou a camiseta e os shorts, em seguida, sentou-se ao lado dele novamente. “Eu estou falando... mais do sexo.” Quando ele gemeu, Arizona golpeou seu braço. “Vamos, Chris, pare de fazer esses barulhos ridículos. Eu não posso falar sobre isso com mais ninguém.” Soltando os braços, ele meio que sentou, mas caiu de volta ao vê-la. “Jesus, menina. Dê a um homem um choque, por que não você avisou?” Seu olhar se moveu sobre ela. Ele balançou a cabeça, e sua voz caiu. “Não admira que os caras estejam tendo convulsões.”

454


Droga, agora ela se sentia nua. “Você é gay!” Na verdade, o biquíni foi o mais simples que ela conseguiu encontrar, escuro para que nada se mostrar através dele, não excessivamente acanhado... “O que não me faz cego.” Ele franziu o cenho para ela. “Você percebe que você é incrivelmente sexy, certo?” “Eu não me importo com isso!” “Você está terrivelmente estridente hoje.” Ele olhou criticamente. “Então, qual é o problema, afinal?” Uma respiração profunda não evitou a sensação de desespero. Ela não queria que esta fosse sua última noite com Spencer. “Eu preciso saber o que posso fazer para que Spencer goste de mim como eu gosto dele.” Cansado, Chris disse: “Ele já gosta de você.” Não o suficiente para tolerar a traição, para se colocar com suas peculiaridades, para mantê-la por perto além do tempo que levasse para “ajudá-la.” Mas ela não podia dizer tudo aquilo, não para Chris. Ele pegou seu queixo e levantou o rosto. “Ei, o que há para não gostar, certo?” Muitas coisas para contar e esse era o problema dela. Ela não achava que pudesse mudar, não o suficiente de qualquer maneira. “Você não tem de adoçar as coisas para mim.” “Eu?” ele perguntou dramático. “Eu sou honesto, sempre.” Sorrindo, ele alisou o cabelo para trás. “E eu estou dizendo que você é uma boa pessoa, não muito insistente, totalmente leal, e quente. Confie em mim. Spencer gosta muito de você.” Evitando o olhar dele, Arizona pegou em uma lasca de madeira na doca. “Existe alguma coisa que eu possa fazer para ele... mais do que gostar de mim?” “Eu não sei,” disse ele com cuidado, a observando. “Quanto mais estamos falando?” “O suficiente para que ele perdoe... outras coisas.” Antes que ele pudesse perguntar que outras coisas, ela respirou fundo e continuou. “O suficiente para que, mesmo que ele fique muito irritado comigo, ainda queira ter relações sexuais.” “Sim, bem, isso cobriria a maioria dos caras. Não há nada para se preocupar. Os homens deixam muito pouco ficar no caminho do prazer físico.” “Droga, Chris, eu quero que ele se importe.” 454


A provocação acabou. “Então, é assim, né?” Deus, ela estava com medo disso. Verdadeiramente com medo. Ela não queria se preocupar com Spencer, mas ela não conseguia se conter. Ela olhou para Chris e assentiu. Sua expressão de simpatia deteve sua inquietação, e então ele olhou para as colinas. Com um sorriso satisfeito, ele disse: “Eu acho que o que você está fazendo está funcionando muito bem.”

***** SPENCER observou a diversão de Chris e da culpa de Arizona e sentiu o sangue ferver. O que ela iria fazer agora? E onde no inferno ela tinha conseguido aquele biquíni? Mais do que tudo, ele queria colocá-la de volta em seus shorts e camiseta descartados e levá-la em algum lugar, fora da vista dos outros. Ele não queria que todo mundo a visse. Claro, ele confiava nos outros homens, caso contrário, não teria sequer considerado trabalhar com eles. E ele não teria permitido que eles se intrometessem em seu relacionamento com ela. Queriam que ele se comprometesse com ela. Ele sabia que Arizona merecia mais. Mas seus argumentos sobre a sua idade e seu passado, tinham soado como besteira tanto para ele quanto para Dare e Trace e Jackson. Na verdade, Jackson se afastou aborrecido e Trace lhe deu um olhar de pena antes de se afastar. Só Dare permaneceu, dizendo o que ele já sabia: que a luta contra seus sentimentos era inútil. Spencer tinha o dissuadido da única maneira que sabia, trazendo a sua falecida esposa. Ele mal disse as palavras e já queria ver Arizona. Ele precisava abraçá-la, conversar com ela, para... o quê? Valorizar que o tempo que lhe restava? Merda. Mesmo sabendo que era seu mau humor o dirigindo, ele balançou a doca com suas pesadas passadas. Com uma ameaça suave, ele perguntou: “Estou interrompendo?” 454


Rindo, Chris se levantou e esticou com uma completa falta de preocupação. “Vocês têm memória seletiva sobre a minha sexualidade, sempre que escolhem bancar os homens das cavernas.” Ele balançou a cabeça. “É muito engraçado.” Ele virou-se, foi até o fim da doca e pulou no lago. Arizona preferiu assistir Chris em vez de olhar para Spencer. Ele chegou mais perto e só quando o sua sombra caiu sobre ela, finalmente virou o rosto para encará-lo. Deus Todo-Poderoso, ela parecia uma tentação. A luz do sol brilhava nos olhos tão azuis, que combinavam com o céu claro, enfatizando o contraste com a pele naturalmente mais escura. Quando ele olhou para ela, ela tirou o elástico que segurava a massa de seu cabelo longo. Ele caiu livre ao redor de seus ombros. Parecia impossível, mas a cada minuto ao seu redor o fez quere-la mais e de mais maneiras. Fisicamente, sim. Ele não conseguia olhar para ela sem conseguir uma ereção. Mas era muito mais do que isso. Portanto, muito mais do que ele poderia segurar em uma multidão. “Os outros virão se juntar a nós em breve.” Spencer se agachou na frente dela. Seu olhar foi para o seu peito nu, seu abdômen, sobre suas coxas. “Eu preciso entrar na água, querida.” Ela lambeu os lábios. “Você não quer esperar um pouco?” “Eu queria.” Ele olhou para a curva dos seios acima do topo sutiã. Poderia uma mulher ser mais linda, mais exuberante? Ele balançou a cabeça. “Vê-la com esse biquíni mudou as coisas.” Ela tocou a mão no cabelo do seu peito. “Ok.” A preocupação com a nadar a impedia de comentar sobre o seu interesse óbvio. “Eu acho que estou pronta.” Ele sabia que ele estava. Mais do que pronto, na verdade. Droga, mas isso não seria fácil. Ela estava nervosa o suficiente sem o seu desejo, o que, considerando o cenário e as circunstâncias, era inadequado ao extremo. Fazendo o seu melhor para manter sua atenção em seu rosto e não no seu corpo, Spencer disse: “E se eu entrar primeiro, e você desce a escada perto de mim?” Ela levantou a mão para proteger os olhos. “Você vai entrar nessa?” 454


Fazendo uma pausa, ele tentou descobrir a direção de seus pensamentos, mas ele simplesmente não sabia. Ele foi com a verdade. “Provavelmente.” Seus ombros pequenos mas orgulhosos se endireitaram. “Então eu irei, também.” Antes de hoje, ele poderia ter tentado fazer com que mudasse de ideia. Não mais. A cada minuto, melhor ele a compreendia. A vontade que a impulsionava era a mesma vontade que lhe permitiu sobreviver. Seu orgulho era importante para ela, de modo que era importante para ele, também. Melhor apenas acabar com isso. Temer algo muitas vezes era pior do que a realidade. Uma vez que estivesse na água, mantida perto dele, ela estaria bem. Ela iria perceber que não havia nada a temer, não com ele por perto. Ela confiaria nele. Sem outra palavra, Spencer balançou a cabeça, em seguida, levantou-se, foi até o fim da doca e mergulhou dentro. Chris flutuava de costas, provavelmente para dar-lhes privacidade; ele não prestou atenção a Spencer. Olhando para Arizona ali na beira do cais, ele esperou. Neste momento do dia, o sol banhava seu corpo, mostrando todas as curvas bem torneadas enquanto dobrava sua camisa e calção e os colocava em um banco. Como se preparar para a batalha, ela chegou à beira do cais e ficou com os pés afastados, os braços soltos ao lado do corpo, com o cabelo em cascata para baixo em torno de seus ombros e sobre os seios. O biquíni peças preto vestia perfeitamente e manteve seu olhar fixo. Ele não queria apressá-la, mas não podia tirar os olhos dela. Quando ouviu os outros conversando enquanto caminhavam em direção ao cais, ela firmou sua boca, tomou três rápidas respirações profundas e fez um mergulho limpo para dentro do lago.

*****

454


“Estrague tudo, e mato você.” Quin escondeu seu desafio em favor da sobrevivência. Nem por um segundo ele duvidou da veracidade dessas palavras. Ele tinha visto o mal, muitas vezes. Isso era algo mais. “Ela disse que iria estar lá amanhã.” “É melhor que ela esteja.” Sabendo que tinha feito tudo que podia, ele lambeu os lábios e tentou conter o tremor em sua voz. “Onde está Joel?” “Esqueça Joel. Nós não precisamos dele.” Por favor, por favor, não deixe que Joel tenha ido para sempre. “Ele não vai voltar?” “Talvez mais tarde, eu não sei.” Ele caminhou e disse quase como uma reflexão tardia, “Você deveria estar preocupado com a sua irmã.” Isso o sacudiu. “Eu estou. Muito preocupado.” Ele sorriu, e o sorriso se transformou em uma risada que rapidamente desapareceu. Ele acenou com a mão. “Ela está segura.” Isso soou como verdade; Quin rezou para que fosse. Mas ele não sabia. De um segundo para o outro, mentira se misturava com a realidade, e loucura ofuscava a sanidade. Seu estômago roncou e apertado, e ele pressionou um punho contra suas entranhas. “Você está com fome! Claro que sim. Tem sido muito tempo desde que eu o alimentei.” Como se ele fosse um animal de estimação, ele esfregou a cabeça de Quin. “Eu fiquei tão animado com o pensamento de ter Candy de volta. Ela arruinou tudo, sabe? Era tudo parte de seu plano. Ela não é como as outras. Ela enganou a todos. Provavelmente até você, certo?” Sabendo melhor do que discordar, Quin assentiu e orou por comida. Ele precisava de sua força para passar por isso. Sua sobrevivência dependia disso. Assim como a sua irmã – dependia disso. Candy... bem, ela esperançosamente cuidaria de si mesma, porque ele não tinha mais nada para dar.

***** 454


NO SEGUNDO EM QUE A CABEÇA DE ARIZONA imergiu da água, Spencer a puxou para perto, seus corpos se tocando na cintura, as pernas movendo para mantê-los à tona. “Ok?” A água colava seus cílios escuros e deixou seu cabelo penteado para trás para mostrar as altas maçãs do rosto. Ele podia ver o medo nos olhos dela e a determinação de ignorá-lo. Ela deu um aceno espasmódico. “Eu estou bem.” “Você é linda. E incrível.” Ele a beijou, suave e rápido, sentindo seus lábios cheios. “Sexy.” Ele a beijou novamente, demorando-se um pouco neste momento. “Incrível.” Mais um beijo, mais longo, mais profundo. “Quente...” “Você é louco.” Ela riu enquanto chutava na água e seus pés batiam contra os dele. Sua risada pareceu o maior presente já dado a ele. “Você está realmente bem?” “Eu juro que não vou surtar e afogar nós dois.” “Fico feliz com isso.” Vozes chegaram até eles quando Jackson e Alani caminharam para o cais. Trace vinha em seguida, seguido por Priss. Molly sentou-se no final do deck e deixou os pés pendurados. Dare jogou uma boia e, em seguida, pulou ao lado dela. “Eles realmente acham que isso é divertido,” ela sussurrou, e seus dedos cravaram em seus ombros. “Vamos passar por cima disto.” Segurando sua cintura com uma mão, Spencer usou seu braço livre e as pernas para movê-los para o outro lado da doca. Não era privado, mas a impediria de ficar salpicada. Alguém ligou um rádio; conversa e risos encheram o ar ao seu redor. Uma vez que seus pés tocaram fundo, Spencer parou. Ele alisou o cabelo para trás, roçou sua bochecha com o polegar. “Sente-se bem?” Surpresa, Arizona assentiu novamente. “Não é tão ruim.” “Não?” “Não é com você.” Ela passou seus braços sobre os ombros, inclinando-se para ele. “Será que os outros... você sabe. Fizeram perguntas?”

454


Ele sabia exatamente o que ela queria dizer. “Eles estão preocupados com você, isso é tudo.” Seu nariz tocou o peito, e ela se aninhou contra ele. “O que você disse a eles?” “Que você é a mulher mais forte que eu conheço.” Ela deu uma risada estrangulada antes de inclinar a cabeça para trás e sorriu para ele. “Você sabe o que eu quero dizer.” “Sim. E foi isso que eu disse.” Sem querer, ele deixou cair a sua mão para trás. “Eles não são estúpidos, querida. Mais do que a maioria, eles entendem o que você passou, e por que algumas coisas são difíceis para você.” “Eu acho.” Ela olhou para Jackson quando ele fez uma bola de canhão na água, fazendo com que as mulheres guinchassem e Chris desse risada. “Isso é o que eles pensam? Que é apenas... difícil?” Na verdade, eles reconheciam mais de Arizona que ela mesma. “Assim como eu, eles pensam que você é incrível.” Ele beijou sua testa. “Deduzo que os impressionou com a suas habilidades.” Ela encolheu os ombros. “Comparada a eles...” “Não é uma maneira justa de julgar, e você sabe disso.” Ele nadou mais para o lado do cais, em frente da casa de barcos. Os outros não podiam vê-los agora, mas não tinham privacidade real, não para o que ele queria, o que ele precisava. “Eles têm um conjunto de habilidades diferente de qualquer coisa que eu já vi.” Arizona olhou para a enseada tranquila. “Sabe o que eu estou pensando?” “Eu sei o que eu estou pensando.” Ele suavemente beijou seu pescoço, o ombro. Se ele pudesse distraí-la de seu nervosismo sobre a água, teria que ser bom o suficiente. “Eu estou pensando que você me ajudou a conquistar um monte de coisas.” Se isso fosse verdade, talvez ele não se sentisse tão malditamente torturado agora. Ele pegou o rosto dela, e depois de um beijo com faminto, se debruçou de volta em seus braços. Deus, ele desejava que tivesse estado lá com ela quando mais precisava dele. Mas ele não podia se dar muito crédito. “Você enfrentou todas as batalhas mais difíceis sozinha, o que diz muito sobre você, Arizona.”

454


Talvez. Apertando seu abraço, ela mais uma vez colocou o rosto perto de seu pescoço. “Algumas coisas, no entanto... são mais difíceis.” “Eu sei, e eu sinto muito que não estava lá por você.” Ele a abraçou com mais força. “Eu sinto muito que saí e deixei você sozinha.” “Porque Jackson me jogou no chão e eu entrei em pânico?” Ele sentiu o sorriso dela contra sua pele. “Não é o seu dever, Spence. Mas, hey, obrigada pela cobertura com a rotina de homem das cavernas.” Não havia razão para explicar que não era em tudo fingimento. Embora soubesse que era irracional, ele não gostava de ver outros homens a tocando. “Você gostou disso, não é?” “Sim, eu meio que gostei.” Ela olhou para ele, seu olhar muito sério, muito solene. “Podemos trabalhar nisso, você sabe.” Spencer sentiu o cheiro de sua pele aquecida pelo sol, sentiu a maneira como seu corpo firme alinhava com o seu, e se concentrou em não reagir fisicamente. “Comigo ficando em cima de você, quero dizer.” Por um segundo ou dois, ela pareceu incrivelmente triste antes de forçar um sorriso. “Você está tentando se esquivar de minha retirada do seu controle?” Oh, maldição. A água não estava fria o suficiente para manter fora sua ereção. Com visuais escaldantes em sua mente, ele olhou para a sua boca, inclinou-se e água gelada encharcou sua cabeça. Ele olhou para trás. Apenas a alguns metros de distância, Chris sorriu para ele. “Parem com isso, vocês dois. Esta é uma área pública.” Spencer mordeu um gemido. Além de Chris estava Jackson. Alani, flutuando em uma bote, se juntou a eles, também. Dare subiu a escada até o cais, onde Molly esperava por ele. “Nós estamos indo para um passeio,” Priss anunciou do barco. “Vocês se juntarão a nós?” Ele queria recusar, mas Arizona sussurrou: “Finalmente podemos sair dessa água estúpida.”

454


Ele não tinha uma escolha a não ser assentir. “Claro, por que não?” Enquanto deslizava através da água para a rocha da parede de retenção, ele sussurrou para o Arizona, “Mas só se você enrolar em uma toalha ou algo assim.” “Todas as mulheres estão de biquíni.” ressaltou. Spencer olhou ao redor. Era verdade, e embora as outras mulheres fossem fisicamente diferentes e elas fossem todas atraentes, não eram Arizona. Elas poderiam ter estado totalmente nuas, e ainda não iriam afetá-lo do jeito que ela fazia. “De alguma forma, isso não parece importar.” Spencer pegou uma toalha e enrolou em torno dela. Chris zombou dele com um sorriso, mas Jackson deu-lhe uma saudação, e fez o mesmo com Alani. Dare e Trace ignoraram enquanto ajudavam suas esposas a subir no barco. Logo, Spencer pensou. Logo ele iria levá-la de volta para casa e, em seguida, mostraria a ela o quanto era diferente. E depois disso... ele não sabia. Felizmente ainda tinha tempo para descobrir isso.

454


Capítulo Vinte e Dois DISCRETAMENTE COMO ele fazia todas as coisas, ele trabalhou até tarde para garantir que tivesse tudo preparado. Cortinas nas janelas dianteiras escondiam o interior vazio; a inteligente Candy não saberia que “Jarretes de Harry” estava abandonado até que fosse tarde demais. Ela não perceberia que ele seria o seu local de armazenamento temporário, um lugar para ela se adaptar às suas novas circunstâncias. Ele verificou as restrições que prendeu a anilhas parafusadas no chão na sala de trás. Com os dois pés plantados, ele puxou e puxou. Considerou seguro. “Ótimo. Muito bom.” Ele reposicionou o colchão. Ela seria capaz de reclinar confortavelmente, mesmo com as mãos contidas. “Ponha roupa de cama limpa naquele colchão.” Quin obedeceu, colocando o lençol branco e macio esticado no colchão de solteiro. “Um cobertor e travesseiro, também. Todos os confortos da casa.” Ele riu. “Eu sei que ela gosta de uísque. Mas o que mais?” Quin deu de ombros, cansado. “Água? Coca-Cola?” “Obtenha isso. Coloque em um refrigerador com gelo.” “Tudo bem.” 454


“Volte lá para fora agora. Espere no banco.” Ele andou pelo piso e olhou para fora da janela com cautela. “Ela é uma menina muito inteligente. Muito inteligente.” “Você acha que ela chegará mais cedo?” “Para nos observar? Definitivamente. A questão é quando.” Virou-se para Quin. “Mas você irá desempenhar o seu papel, e você não fará nada para alarmá-la.” “Sim.” “Não fale com mais ninguém. Ninguém.” “Não.” “Cristo, suas repetições estão me dando nos nervos. Vá, então. Durma lá fora, se quiser. Eu não me importo. Mas espere lá até que ela chegue.” Quin olhou para a porta. “É perigoso?” Seus olhos se estreitaram. “Será mais perigoso se você estragar isso. Você me entende?” “Entendo.” E com isso, Quin se vacilou para fora, com os pés arrastando, com os ombros caídos. Sim, este tinha sido um dia longo e cheio com os preparativos. Mas ele estava muito animado para dormir. Os homens que ele contratou apareceriam logo no início da manhã, apenas no caso dela causar problemas. No caso dela não entender primeiro sua boa sorte. Depois disso... ela seria sua. E nada, ninguém, teria mais importância.

***** Era quase meia-noite quando chegaram em casa. Arizona parecia muito deprimida, quase como se algo tivesse acontecido. Mas o que? Após o mergulho no lago, ela pareceu realmente se divertir, especialmente durante o passeio de barco. Como um espírito livre, ela virou o rosto na direção do vento, fechou os olhos e relaxou. 454


Mais tarde, ela riu quando Jackson montou em um tubo atrás do barco, saltando por cima das esteiras do barco e das ondas. E Chris tinha impressionado a ambos com suas habilidades de saltos, cortando drasticamente as ondas como se tivesse nascido na água. Depois, houve uma conversa tranquila em torno de uma fogueira, com o zumbido de insetos noturnos e o respingo ocasional de um peixe na água. As estrelas enchiam o céu, tornando a noite mágica. Durante a visita, Arizona insistiu em tirar várias fotos com sua nova câmera. Antes de partirem, ela abraçou cada um dos cães, os gatos e em seguida, sofreu com a afeição humana, também. Jackson, em especial, a segurou por muito tempo, falando baixinho com ela até que Spencer queria bater nele. Somente quando Chris lhe deu um empurrão rindo ele percebeu como parecia para eles. Arizona, com seu silêncio sombrio, não deixou transparecer nada, então ele só podia adivinhar o que Jackson discutiu com ela em tal profundidade. Algo sobre suas despedidas o incomodava. Pareciam muito permanentes, como se ela não pretendesse ver qualquer um deles por um longo tempo. No curso normal das coisas, ela não era um tipo emotivo de mulher. Na maioria das vezes, ela ignorava a emoção como se isso a incomodasse. Na volta para casa, eles ouviram o rádio, ambos amolecidos por todo sol e ar fresco. Às vezes, ele pensou que Arizona estava cochilando. Mas então ela suspirava, ou bocejava, ou espreguiçava, e ele sabia que estava perdida em pensamentos. “Cansada?” Spencer perguntou depois de estacionar a caminhonete. “Descontraída.” Ela sorriu para ele. “Eu me sinto quase desossada, como quando tenho sexo com você.” Isso o deixou mudo com excitação. Não Arizona. “Você se importaria se eu deixasse meus presentes na caminhonete por agora?” Então, ela estava cansada. “Eu poderia levar para dentro.” Ela balançou a cabeça. “Está tudo bem.” Segurando suas sandálias na mão, ela abriu a porta e saiu. “Está tarde. Podemos levá-los amanhã.” 454


“Tudo certo.” E apesar de suas suspeitas crescentes, ele não poderia colocar o dedo sobre o motivo. Enquanto subiam a passarela, ela olhou para a casa de Marla várias vezes e quando Marla espiou pela janela, Arizona levantou a mão em um aceno. Não foi um aceno “te peguei,” mas mais como uma verdadeira saudação. Marla deixou cair a cortina, sem retribuir, e isso fez Arizona suspirar. “Ela está tão presa a você.” “Eu não penso assim, mas se estiver, ela terá que superar isso.” Marla não era uma mulher de pinho longo para um homem, e ela não iria perder seu tempo em uma causa perdida. Spencer estava perdido. Tão malditamente perdido que não sabia mais se ele estava indo ou vindo... tudo por causa de Arizona. Ele não a entendia. Nada de novo nisso, apesar de tudo. Ele poderia passar todos os dias com ela para o resto de sua vida, e ele tinha certeza de que a conheceria completamente. Constatando que foi um pensamento perturbador, ele destrancou a porta da frente e entrou. Acendeu uma luz. Soltando seus sapatos perto da porta, Arizona tomou uma de suas mãos entre as suas e começou a recuar em direção ao quarto. “Então, Spence. Você vai me manter em suspense?” Ele sabia exatamente o que ela queria dizer, mas ficado tanto tempo sem pedir, que decidiu provocá-la. “Sobre o que?” “Não me faça arrancar de você.” Uma vez em seu quarto, ela chegou perto e ficou na ponta dos pés para entrelaçar os braços em volta de seu pescoço. “Não quando há outras coisas que eu preferia estar fazendo com seu grande e lindo corpo.” Portanto, direta e honesta em seu desejo; ele tinha feito muito, de qualquer maneira. Ele gostou disso. Ele gostava dela. Provavelmente muito. Dare estaria certo? Ele deveria olhar para as coisas de uma perspectiva diferente? Arizona mordeu o lábio inferior. “Derrame o feijão, já. Você está juntando-se aos caras ou não?” 454


Ele apertou sua cintura. “Eu disse a Trace que pensaria sobre isso, e irei pensar.” “Oh, vamos lá.” Ela inclinou-se e deu outra mordida suave, desta vez em seu peito. “Você já sabe se irá ou não.” “E você se importa... por quê?” Ele gostava dela neste estado de espírito brincalhão. Mas inferno, ele gostava quando ela era espinhosa e quando ela era obstinada e quando ela vociferava com bravata, também. “Por causa do dinheiro?” “Pffft. Caia na real.” Mas ele estava meio sério. Com o pagamento de um caçador de recompensas, ele vivia um estilo de vida frugal, não nada tão elegante quanto os outros. Suas casas eram como destinos de férias. Dare possuía mais de um barco, cada um, provavelmente custando o dobro que Spencer tinha pago pela sua caminhonete quando era nova. Jackson tinha o suficiente para que desse à Arizona uma casa em seu aniversário. Eles todos poderiam se aposentar agora e estar tranquilos para o resto da vida. Mas Spencer sabia que não fariam isso. Na verdade, eles queriam expandir sua empresa, com ele. “Você não gosta da ideia de segurança financeira?” “Claro, eu acho.” Resmungando, ela o deixou para sentar ao lado da cama. “Mas, aparentemente, se Jackson conseguir o que quer, serei dona de uma casa e outras coisas. O que mais eu preciso?” Ela queria tão pouco da vida. Será que realmente nada importava para ela? Com as mãos nos quadris, Spencer baixou a cabeça. “Eu não sei.” “Sobre a sua oferta?” Ela estudou-o. “Sobre o que você vai fazer?” “Há muita coisa a considerar.” “Eu sei.” Ela passou a mão sobre os cobertores para não olhar para ele. “Como se quer ou não quer ficar preso perto de mim, né?” Ah, maldição. O que ele poderia dizer sobre isso? Ele definitivamente considerava isso mais como... um incentivo. Um incentivo perigoso. Em sua hesitação, ela continuou, dizendo: “Eu quero dizer, Jackson está sempre me afirmando como uma irmã mais nova, e os outros caras... eles meio que me aceitam.”

454


“Eles aceitam totalmente você.” Spencer precisava dela que ela entendesse e acreditasse nisso. “Sim.” Ela olhou para ele. O sol havia colorido seu nariz agora, assim como os ombros. “E as mulheres... Eu acho que assustam um pouco, e têm pena de mim, mas elas são boas o suficiente.” Spencer sentou ao lado dela. A cama afundou e seu quadril pressionou contra o dele. “Você está errada. Elas respeitam você, elas me disseram que sim. Elas admiram você, assim como eu. E sim, elas sentem muito pelo que aconteceu com você, mas sabem que não a impediu de crescer. Antes de qualquer coisa, isso fez você mais forte.” “Sim, certo.” Ela cruzou as mãos entre os joelhos e balançou os pés descalços. “Tão forte, que eu tenho medo de um lago.” Deus, ela se tornou tão preciosa para ele, em tão pouco tempo. Spencer virou o queixo para ele. “Tão forte que, com medo ou não, você entrou na água.” “Só porque você estava lá comigo.” Essa admissão suave o emocionou. Ele sussurrou de volta: “Você é tão forte que assusta o inferno fora de mim.” “Por quê?” Porque precisava, ele a beijou. Curto e doce e longe de ser o suficiente. “Eu sei que não há como segurar você, tanto quanto eu gostaria.” Olhando sério demais, ela disse: “Você percebeu isso, não é?” “Eu também percebo que você não é uma mulher que aceita ficar à margem, e eu estou fazendo o meu melhor para aceitar isso.” Respirando um pouco mais rápido, ela tocou seu peito. “Eu não quero tornar as coisas difíceis.” “Eu sei.” Lentamente, ele foi para as costas na cama. “Por que não adiamos esta conversa por um tempo?” Seus belos olhos azuis brilhavam com um sorriso. “Tem outra coisa em mente, não é?” “Definitivamente.” Ele dobrou os braços atrás da cabeça e ficou confortável. “Você quer a sua vez no controle das coisas? Bem, eu estou mais do que pronto. Eu já estou duro só de pensar nisso.” 454


“Sim?” Felizmente para ele, ela colocou de lado a seriedade de sua conversa em favor da luxúria. “Bem, tudo bem, então.” Quando ela se arrastou sobre ele, descansando no corpo dele até que o cobriu tanto quanto poderia, Spencer respirou o perfume de sua pele, seu cabelo. Com o nariz perto de seu pescoço, ele disse: “Você tem um cheiro tão bom.” “Eu provavelmente deveria tomar banho.” “Não.” Droga, estiveram no sol todo o dia, dentro e fora do lago, ao vento no passeio de barco. “Você cheira à terra, é sexy, e isso me excita.” Ela esfregou contra ele. “Eu amo como você cheira, também. Tão bom, eu poderia apenas comer você.” Ela seguiu essas palavras provocantes com um monte de beijos de boca aberta em sua garganta, no peito. Sentando em suas coxas, ela disse, “Fora com a camisa.” “Tudo certo.” Inclinando-se, tanto quanto podia, ele conseguiu prender um punhado da camisa, em seguida, empurrou-a sobre sua cabeça. “Lá vai você.” Ela sussurrou e estendeu as mãos sobre ele, explorando seu abdômen apertado, para baixo sobre seus ossos do quadril... até sua ereção. Spencer mordeu um gemido. Quando ela se afastou dele, ordenou: “Levante os quadris. Eu quero tirar esses shorts, também.” Ela olhou para ele, seu olhar estava brilhante. “Eu quero ser capaz de chegar até você.” Seu peito se expandiu, as mãos enrolaram em punhos apertados e ele ergueu os quadris. Ter Arizona o despindo era um prazer único. Ela se apressou, áspera em sua urgência, e no segundo que tirou sua bermuda, ela parou para olhar. Não foi fácil, não quando ele a queria tanto, mas este era o seu tempo, e ele não tiraria isso dela. “Você quer tirar a roupa, também?” “Claro, por que não? Apenas lembre-se de manter suas mãos para si mesmo, ok?” Delicadamente, observando enquanto ela se despia, ele sussurrou: “Tudo o que você disser, bebê.” Ela parou por um momento e depois sorriu. “Eu gosto do som disso.” Depois de literalmente jogar suas roupas fora, Arizona perguntou: “Onde você guarda o preservativo?” 454


“Cabeceira.” Ele estava tão tenso que não foi fácil falar. “Nós não precisamos dele, no entanto, apesar de tudo.” “Eu não quero ter que andar a procura dele.” Ela colocou a caixa para fora, em seguida, virou-se para ele. “Abra as pernas um pouco.” Maldição. Ela estava levando isso à sério. Spencer abriu as pernas e imediatamente sentiu as mãos acariciando até suas panturrilhas, em seguida, o interior de suas coxas. “Você é tão poderoso.” Ela sentou-se entre as pernas e se inclinou para frente para explorar seu peito, abaixo das costelas, seu abdômen. “Mas você nunca iria me machucar.” “Nunca.” reiterou. “Eu sei isso. Quer dizer, eu realmente sei.” Seus longos cabelos brincaram sobre sua pele quando ela beijou seu pescoço, os ombros. “Eu acho que é por isso que eu posso estar com você. Quero dizer, eu confio em Jackson, e ainda assim eu me apavorei hoje.” Deus, ele queria abraçá-la. “Sinto muito.” “Shh.” Ela lambeu seu mamilo, em seguida, deu uma mordida de amor suave de seu músculo peitoral. “Eu acho que, se fosse você, eu estaria bem. Por alguma razão, você é especial.” Ele não tinha ideia do que dizer a isso. Ele era especial o suficiente para ajudá-la a ir além do seu passado horrível? Especial o suficiente para que ela pudesse desfrutar de uma vida normal com ele? Ou apenas especial nisto, no envolvimento sexual? Será que ela queria experimentar? “Lembre-se, eu disse a você, o que você quiser.” “Neste momento, eu só quero minha dose de você.” E ela poderia fazer isso em uma noite? Porque ele não podia. Ele sabia disso, e aceitava, mas não tinha ideia do que fazer sobre isso. Por uns bons dez minutos, ela beijou-o em todos os lugares, e o toque de sua boca, seu sorriso, dentes afiados, a língua morna, competiam com a atração de vê-la assim. A cascata sedosa de seu cabelo escuro rodeando continuamente sobre seu corpo. Seus mamilos duros enrugados, roçavam a pele sempre que ela se inclinava contra ele. Cada vez que ela se reposicionou, deu-lhe uma olhada tentadora.

454


No momento em que ela concentrou toda sua atenção em seu pau, ele era quase um caso perdido. Ela enrolou as duas mãos macias em torno dele, e ele gemeu. Observando-o, ela acariciava, e seus quadris se levantaram da cama. Ela deu um sorriso malicioso de satisfação. “Você está perto, não é?” “Sim.” Ele se esforçou para respirar e rezou para que ela colocasse a boca nele. Através de uma névoa vermelha de luxúria, ele a olhava e esperava. Ela colocou as bolas em uma mão, segurou seu pênis com a outra e abaixou-se entre suas pernas. Esfregando sua bochecha contra ele, ela perguntou: “Estou sendo sugestiva?” “Você está sendo diabólica.” Ele estremeceu quando ela lambeu-o, a partir da base de todo o caminho para cima e sobre a cabeça. “Arizona...” Ela abriu a boca sobre ele e puxou-o para o calor de sua boca. “Ah, meu Deus, bebê...” Ele sentiu o golpe de sua língua, a firmeza como ela o segurava na mão, e ele sabia que não iria durar. “Desculpe, Arizona.” Ele torceu à distância. Olhos atordoados e quente, ela olhou para ele. “Você não gostou?” “Eu gostei muito pra caralho demais.” “Ah.” Respirando com dificuldade, ela olhou para ele, ainda o segurando firme em seu punho. “Hmm.” Ela o beijou novamente e ele ficou tenso da cabeça aos dedos dos pés. “Eu não vou durar. Se você não parar com isso, vai estar acabado, e isso não é o que queremos.” “Você não sabe o que eu quero.” Lentamente, ele levantou uma mão e quando ela não protestou contra isso, segurou seu rosto. “Você está respirando com dificuldade. Seu rosto está vermelho e os mamilos estão duros. Se eu colocar meus dedos em você agora, eu te encontraria molhada e escorregadia e pronta. Admita.” Ela engoliu e assentiu. “Sim.” “Você me quer. E eu amo o que você faz.” Seus olhos brilharam um pouco nessa palavra, mas ela permaneceu muda. “Isso significa que nós precisamos terminar isso juntos.” 454


Mais uma vez ela olhou para seu pênis. “Com você dentro de mim?” “Deus, sim.” “Tudo certo.” Mas ela torturou mais, dizendo: “Estou ainda no controle, embora.” Vagarosamente, Spencer colocou a mão atrás da cabeça novamente. Arizona tomou seu tempo para colocar a camisinha nele. “Você é tão impressionante, de muitas maneiras.” Não queria que ela tivesse alguma ilusão equivocada de que ele era mais do que realmente era, mais que um cara trabalhador, tentando fazer a coisa certa sempre que podia. Especialmente com ela. “Eu sou apenas um homem.” “Nem de perto.” Ele continuou. “E agora eu sou um homem desesperado com tesão.” Ela riu. Ele não. “Eu preciso de você, Arizona. Neste exato momento. Não há mais jogos.” Seu olhar encontrou o dele, e foi... profundo. Ele sentiu isso, mesmo que ela não sentisse. “Eu quero estar dentro de você.” “Sim, está bem.” Rapidamente, ela subiu em cima dele. “Você precisa de mim para tocar em você?” “Não.” Ela balançou a cabeça, mesmo quando ela o guiou dentro “Eu só quero ver você.” Mas ele era grande, e desta forma foi tão profundo... “Tudo de mim, querida.” Seu lábio inferior preso em seus dentes, ela desceu sobre ele. Levantou novamente, e desceu mais. “Sente-se, Arizona.” Com as mãos atadas atrás da cabeça, ombros, peito e barriga tensos com o esforço, Spencer olhou, viu a intensificação de sua cor, e embora não quisesse, ele assumiu. “Coloque suas mãos em meu peito.” Ela o fez, braços retos e rígidos. “É isso aí.” Sua voz soava como cascalho, mas não podia evitá-lo. “Agora, coloque as pernas para fora. Relaxe. Mais, querida. Sim, leve-me todo o caminho para dentro.” Totalmente sentada sobre ele, ela pressionou mais, moendo até que Spencer não podia deixar de dar um gemido áspero. 454


“Ok, claro.” Ela arquejou. “Aquilo faz isso para mim.” Lutando contra o desejo de dirigir-se dentro dela, ele perguntou rudemente, “O quê?” “Ouvir você soando tão excitado.” “Deus, Arizona, como eu poderia não ser?” Ele olhou fixamente para o corpo dela, seu rosto. “Você sabe como você parece para mim? Como malditamente bom é ver você assim, ficar com você desse jeito?” “Sim, está bem.” Ela estendeu os braços. “Você pode assumir. Sinta-se livre para ter tudo o que você quiser...” Antes que ela terminasse, a puxou ou até ele e passou os braços em volta dela, tocandoa com as mãos, a boca, segurando-a firme enquanto empurrava-se febrilmente... Cravando as unhas em seus ombros, ela gritou. No segundo em que ele a sentiu gozar, Spencer queria se juntar a ela, mas ao invés disso ele segurou. Não foi fácil. Apertando as mãos em suas nádegas, ele a ajudou a manter o ritmo para que ela sentisse cada onda única de prazer. Muito em breve, ele decidiu, seria a vez dele. Mas desta vez seria diferente. E seria importante.

***** NO MEIO DE UM NEVOEIRO SONHADOR, seus batimentos cardíacos ainda acelerados, macia e mole, Arizona sorriu. “Cada vez melhor.” Spencer acariciava seus cabelos preguiçosamente, e depois, lentamente, os girou até que ficou sobre ela. Ainda profundamente dentro dela, ele posicionou-se sobre os cotovelos, mantendo o peso de seu peito erguido longe dela. Ele a olhou, com a mão suave no lado de sua face. Engraçado, mas assim mesmo, apenas porque era Spencer, ela percebeu que não era tão terrível depois de tudo. Ele beijou sua testa, a ponta do seu nariz, os lábios. “Ok?” 454


Ela sentiu o tremor em seu corpo grande e assentiu. “Eu quero ver você gozando.” Ele colocou a testa na dela e, lentamente, retirou-se, afundou lentamente dentro. Ela sentiu sua respiração vigorosa contra seus lábios, sentiu o calor que emanava dele. De certa forma, se sentia mais segura, tendo-o assim, a cobrindo com seu tamanho e força; ele parecia... protetor, em vez de controlador. Sem pensar nisso, Arizona levantou uma perna ao redor dele. Ele empurrou um pouco mais, um pouco mais rápido. Incrível. Ela entrelaçou a outra perna ao redor dele também, e apertou. “Arizona.” ele sussurrou, e ele a beijou, quente e lânguido, profundo e com fome. Duas batidas depois, ele colocou a cabeça para trás e rosnou sua libertação. Foi incrível. Ela sorriu enquanto suas pernas deslizaram para longe dele, sorriu porque mesmo agora, enquanto gozava, lembrou-se de ficar sobre os cotovelos. Protegendo. Sempre pensando nela. Cuidando dela. Droga, as emoções a dominaram. Ele respirou fundo várias vezes, beijou seu pescoço, a boca de novo, e olhou para ela. “Você está bem?” De olhos fechados, ela balançou a cabeça. Spencer acariciou os cabelos para longe, alisou as sobrancelhas com o polegar. “Eu quero que você olhe para mim, querida. Eu preciso ver que você está bem.” Mas ela não podia fazer isso. Lágrimas queimavam seus olhos, e ela não queria que ele entendesse mal. “Arizona?” Suave, insistente, ele disse novamente: “Olhe para mim, querida.” Em vez disso, ela colocou os braços apertados em volta dele e puxou para mantê-lo perto. “Eu nunca chorei antes de conhecer você.” Ele não pediu para ela não chorar. Ele não disse nada. Ele apenas a segurou quando rolou para o lado, abraçando apertado, cercando-a com seu calor, seu tamanho, sua afeição.

454


E para sua mortificação, tudo dentro dela transbordou. Ela ouviu o primeiro soluço e queria morrer. Mas o segundo soluço veio também, e depois mais, até que ela estava imersa no seu peito, tremendo com soluços altos. De alguma forma, Spencer sentou e abraçando-a em seus braços, colocou as costas contra a cabeceira da cama. Ele os girou em bloco para desligar a lâmpada de cabeceira brilhante, deixando-os apenas com a intrusão da luz do corredor. Ele puxou o lençol sobre eles, uma mão segurando os cabelos, balançando-a gentilmente. E ele beijou sua testa, seu ouvido, o topo de sua cabeça enquanto acariciava suas costas, seu quadril, e abraçou-a. Uma e outra vez. “Deus, isso é uma merda,” queixou-se em torno de um gemido soluçado. “Não é comigo.” disse ele em voz baixa. “Eu sou especial, lembra?” Ela riu e escondeu o rosto contra sua garganta para chorar um pouco mais. Sim, ele era especial, tudo bem. Tão especial que a estava matando, quando nada mais tinha. Finalmente, depois do que pareceu uma eternidade, sua respiração normalizou e a onda de turbulência passou. Spencer se mexeu, alcançando, e voltou com uma caixa de lenços. Ele ofereceu a ela em silêncio. Depois que limpou o rosto, ela se sentiu muito tola para palavras. “Eu peço desculpas...” “Mas você não precisa.” Ele a apertou... protetoramente. “Não comigo. Nunca mais.” “Eu imaginei.” Ela aconchegou novamente e suspirou. Seus pensamentos corriam de um lado para outro, mas ela não conseguia parar. “Eu acho que você está ficando cansado?” “Não.” “Eu também.” Contra seus mamilos, ela sentiu os pelos do seu peito sexy e a batida forte reconfortante do coração. “Ou você está apenas dizendo isso, porque não quer interromper a minha crise de choro?” “Não.” Ele olhou para ela. “E você não está mais chorando de qualquer maneira.” “Muito repulsivo, né?” 454


“Não. Nunca mais.” Ele apertou-a. “E não diga coisas assim. Isso me irrita.” “Você xingou.” Dando de ombros, ele disse: “E você chorou. Então, nós somos bastante humanos.” Era assim que ele via um excesso de emoção? Como apenas um ser humano? “Bem, eu me sinto idiota.” “Por favor, não.” Ela franziu o cenho para ele. Suas respostas curtas estavam começando a incomodá-la. “Não está se sentindo um verdadeiro tagarela?” “Eu estou apenas desfrutando de estar segurando você.” Tinha que ser uma piada, certo? Isso era realmente como se sentia? Ele não estava revoltado, não estava desconfortável... “Tudo o que você está pensando, Arizona, você está errada.” Ele trouxe seu rosto para cima e pressionou a boca na dela. “Estou contente por ser eu aqui com você, e não qualquer outra pessoa. E eu estou envergonhado, porque você confia tanto assim em mim.” Confiar, hein? Ok, talvez tivesse a ver com confiança. Mas também tinha a ver com saber que hoje poderia ser sua última noite com ele. “Então...” Ela traçou um dedo sobre a garganta. “Como você se sente sobre um banho?” “Claro.” “E então, talvez...” Ela limpou a garganta. “Isso é estranho. Quero dizer, depois de eu berrando e tudo.” Seu sorriso tocou-lhe a testa. “Você me quer de novo, bebê?” Homens perspicazes eram tão sexys. “Sim, isso é tudo.” Sem nenhum esforço, ele deixou a cama enquanto ainda a segurava em seus braços. “Vou precisar de uma hora ou algo assim. Mas eu acho que levarei esse tempo apenas para te beijar toda, por isso deve ser bom começar.” E ele chamou a ela de diabólica?

454


Capítulo Vinte e Três NO SEGUNDO em que ele acordou, antes mesmo de ter os olhos pesados abertos, Spencer soube que ela tinha ido embora. Isso lhe bateu como um tsunami de água gelada. A cama, a casa, o próprio ar parecia vazio. A vitalidade de Arizona, a energia que a rodeava mesmo enquanto ela dormia... tudo se foi. A lacuna o deixou se sentido vazio, também. Ele sentou e olhou para o relógio. Apenas nove horas. Ficaram acordados boa parte da noite fazendo amor, e ele tinha ido para a cama com ela ao redor dele. Seus olhos estavam ainda inchados de chorar. Seu nariz ainda rosa. Droga, ela deveria ter se esgotado, e em vez disso, usou sua exaustão para fugir dele. Na verdade... ela havia planejado tudo? Teria ela insistido nos excessos apenas para desgastá-lo? Ou talvez para que se embebesse dela antes de deixá-lo? 454


“Jesus.” Sua partida só podia significar uma coisa: problemas. Ele pegou seu telefone celular da mesa de cabeceira e deu um soco em seu número, mas não conseguiu uma resposta, e não estava surpreso com isso. Ele tentou o seu outro número. Ainda nada. Jogando de lado o lençol, ele deixou a cama com sua mente girando, enquanto tentava decidir o que fazer primeiro. Olhar a casa em busca de pistas sobre? Chamar Jackson? Esperar por ela? O quê? Ele puxou sua calça jeans e amaldiçoou novamente, muito consciente do temor assombroso que ameaçava tomar conta. Talvez Jackson pudesse seguir seu celular se ela o tivesse. Ou talvez até mesmo Jackson soubesse o seu paradeiro. Mas e se ele não o soubesse? Uma batida na porta da frente fez com que seus pés se movessem e ele correu para a sala. Ele abriu a porta e ficou cara-a-cara com Marla. Sua impaciência transbordou. “Marla.” Normalizar sua voz não foi fácil. Ele passou a mão pelo cabelo e começou a se virar. “Eu não tenho tempo agora...” “É Arizona.” Ele estalou seu olhar de volta para ela. “Diga-me.” “Eu sinto muito, Spencer. Eu não sabia. Mas ontem ela me perguntou se eu estaria aqui esta manhã. Ela me disse que pode ter que ir... embora, eu acredito que ela disse... mais cedo do que ela esperava. Ela perguntou se eu realmente me importava com você, se eu podia confiar...” “Onde ela está?” Marla estremeceu. Maldição! Ele estendeu as mãos, acalmando-a. “Sinto muito!” Levou um grande esforço, mas ele acalmou sua voz quando levou Marla dentro. “Ela se foi, e isso não é uma coisa boa. Ela tem um talento especial para entrar em situações perigosas. Quanto mais cedo eu puder ir atrás dela, melhor, por isso, se você sabe alguma coisa...” “É por isso que estou aqui. Arizona disse que deveria estar de volta na hora do almoço, mas...” Marla enfiou um bilhete para ele. “Ela me deu isso. Disse que se ela não conseguisse voltar, eu estava autorizada a dar a você, então, mas eu... eu admito que o abri.” 454


Spencer tirou de sua mão e o desdobrou. A letra de Arizona era grande e ousada, mas perfeitamente espaçada, limpa e legível. Marla agarrou seu pulso. “Ela não queria que eu mostrasse ainda, mas depois de lê-lo, mesmo não tendo entendido tudo, bem, eu achei que não deveria esperar.” Ele quase amassou o bilhete. A raiva expulsou o desânimo. Quando ele a pegasse, e ele pegaria, ele... “Obrigado. Você fez a coisa certa.” Marla o deteve quando começou outra vez a se virar. “Spencer?” “O que?” “Você e eu... nós nunca iríamos funcionar, iríamos?” Ele balançou a cabeça. “Sinto muito, mas não.” Ela aceitou isso. “Arizona disse isso.” Ela respirou. “Você está apaixonado por ela?” Meu Deus! Ele respirou. “Sim.” “Ela não sabe disso.” “Não.” Ele havia sido um tolo tão estúpido. Mas, de acordo com o bilhete, ele tinha um pouco de tempo para consertar as coisas. “Você provavelmente deve dizer a ela.” E em seguida, em tom de censura: “As mulheres precisam saber dessas coisas.” E Arizona precisava saber disso mais do que a maioria. “Eu fui um idiota.” Ele precisava chamar Jackson, e precisava pegar a estrada. Marla concordou com a cabeça. “Existe alguma coisa que possa fazer?” Ele começou a balançar a cabeça, então pensou melhor e disse, “Me avise se ela aparecer por aqui.” “Ok.” Ela forçou um sorriso. “Eu espero que dê certo, Spencer. Eu quero dizer isso.” “Obrigado.” Porra, ela realmente era uma boa pessoa. Arizona sabia disso, mas então, ela era uma boa juíza de caráter. Seu julgamento era bom o suficiente para ver através da armadilha dessa manhã? Ele orou que fosse. Mas ele faria o que pudesse para acabar com isso, e ele veria que os outros estivessem lá, também. Arizona não estava mais sozinha. 454


De uma forma ou de outra, ele faria com que ela entendesse isso.

***** O SOL DO AMANHECER, vermelho ardente, perfurou o céu, transformando as nuvens nebulosas em rosa e lilás e refletindo na calçada. Seria um dia muito quente, quente e úmido, típico para esta época do ano. Ela não iria reclamar. Gostava de clima quente mais que do que frio. Muitas camadas prejudicavam suas habilidades. Chegando ao local mais cedo, Arizona dirigiu devagar pela rua, olhando ao redor para uma possível emboscada. Ela viu Quin imediatamente, sentado em um banco na frente do “Jarretes de Harry” loja de penhores. Embora alguém quisesse que ela pensasse de outra forma, sabia que Harry estava fechado, havia estado fechado por um tempo. Então, por que o sinal na janela afirmava que abriria ao meio-dia? Uma possível configuração. À direita do prédio, um drive-thru e loja de conveniências com uma porta de entrada multibloqueada e uma grade de ferro na janela restante, ostentava brilhantes tijolos cobertos de grafite. A janela do drive-thru, coberta com vidro à prova de balas, tinha uma bandeja de metal de correr para pegar dinheiro e entregar os produtos. Mas isso era no lado oposto do prédio, próximo à esquina. Na esquerda havia uma floricultura abandonada, o terreno estava cheio de ervas daninhas, o sinal da frente pendurado torto, o cartaz uma vez ornamentado desapareceu à quase invisibilidade. Além dela tinha um posto de gasolina que tinha visto melhores dias. Em seguida, uma loja de autopeças, uma loja de cigarros, e um lugar que descontava cheques. Tudo estava falindo, tudo parecia desacreditado. Então, no início da manhã, poucas pessoas estavam fora de casa. Apenas o tráfego lento seguia passando, e eles não eram viajantes que dariam a mínima para os crimes cometidos, mesquinhos ou não. 454


Eles eram a “vejo nada” multidão, os “mente no meu próprio negócio” habitantes que ou não se importavam, ou sabiam que não deveriam se envolver por medo de retaliação. Em outros edifícios, alguns deles usados como moradias, papelão e madeira compensada cobriam as janelas. As varandas mal permaneciam presas às estruturas. Lixo se aglomerava em todos os cantos. Quin sentou caído em um banco de ônibus com as roupas sujas, o cabelo emaranhado, suas pernas puxadas de modo que seu rosto descansava sobre os joelhos. Carvalhos maciços, com as suas raízes rompendo as calçadas, o separavam de um estacionamento vazio, não mais usado, graças aos fragmentos de vidro quebrado. Parecia que ele havia dormido lá, buscando o abrigo das árvores. E se ele estivesse desabrigado durante as tempestades recentes? Tentando encontrar alívio do sol implacável e calor do dia? Ele de alguma forma escapou da rede de Dare quando a polícia fechou o Goose Green. Talvez Quin tivesse algo a esconder, algo em seu passado que o fazia cauteloso da lei, mesmo quando tentava resgatá-lo. Ou talvez alguém tivesse o levado primeiro. Ela deu a volta no quarteirão e depois estacionou seu carro bem longe da área, cerca de oitocentos metros para baixo, mais perto de um supermercado. Depois de apertar o botão de bloqueio, ela caminhou de volta para onde tinha visto Quin. Naquela manhã, no escuro, na casa de Spencer, sem fazer um único som, ela vestiu seus jeans desgastados, tênis e uma camiseta folgada grande. Para mantê-lo fora do caminho dela, ela amarrou seu cabelo em um rabo de cavalo alto. O sol queimava em sua cabeça, fazendo transpirar a parte de trás de seu pescoço e a sua coluna. Ao longo de todo o caminho, ela ficou maravilhada com as árvores. Apesar da devastação da área, havia muitas delas, grandes, saudáveis e bonitas. Em algum ponto no tempo, a área provavelmente foi muito bonita. Como ela, o tempo de abuso havia mudado tudo para sempre; nunca mais seria a mesma.

454


Quin não ouviu ou viu a sua abordagem... o que fez Arizona duvidar de qualquer boa vontade na cumplicidade da parte dele. Qualquer um versado em atividade criminosa teria escolhido ficar a vários quarteirões de distância, já ela, não se incomodava com discrição. Disparar, tentar deslizar dentro e fora do bairro significaria utilizar becos e portas escusas e isso seria mais perigoso que descer no meio da rua. Depois de esfregar as mãos sobre o rosto, Quin empurrou para cima do banco e começou a andar. Braços cruzados em torno da barriga, ombros curvados, mancando um pouco, ele fez o seu caminho nervosamente para o meio-fio e de volta. O que você está fazendo, Quinto? Seu jeans escondia uma arma em seu tornozelo. Bem acomodada na parte baixa de suas costas, sentia a bainha da faca movendo a cada passo que ela dava. Não a faca que Chris acabara de dar a ela. Não, ela não correria o risco de perdê-la. Era muito preciosa para ela. Ela deixou-a, e todos os outros presentes, na caminhonete de Spencer. Quando, se Spencer começasse a procurar por ela, entenderia o significado disso? Será que veria como um sinal de que ela queria voltar? Para ele. Com ele? Não, ela não levou sua nova faca. Mas várias outras armas enchiam seus bolsos, algumas óbvias, outras nem tanto. No momento, sua melhor arma era a raiva. Quando chegou perto o suficiente, ela a escondeu com um sorriso. “Ei, Quin.” Assustado, ele girou em volta tão rápido que quase caiu. Ele congelou ao vê-la ali de pé. Olhando para ela com os olhos arregalados, algo terrível brilhou em seu rosto, algo semelhante ao medo paralisante. Ela permaneceu parada, também. Ele parecia... devastado. Os olhos dela se estreitaram. Em sua voz suave com ameaça, ela perguntou: “O que aconteceu com você, Quin?” Uma brisa quente balançou os enormes galhos das árvores, deixando a luz solar infiltrando dançar sobre sua pele escura. Ele balançou a cabeça sem responder. “Você veio mais cedo.”

454


Uma acusação? Seus olhos pareciam selvagens, cheios de medo. Sabendo o show havia começado, que Quin era parte de uma armadilha, Arizona deu de ombros. “Eu não sou realmente um tipo confiável.” Quase doente, ele ergueu a mão trêmula para o rosto, e fechou os olhos. “Sinto muito!” “Por quê?” Ela passou por ele em direção ao banco solitário, o tempo todo vigiando. Todos os edifícios circundantes ofereciam esconderijos para criminosos; o perigo poderia vir de qualquer lugar. Mas se ela não enfrentasse o perigo, ela não poderia combatê-lo, também. “Eu não tive escolha.” “Sim, eu percebi isso, sabe? Eu posso separar os bons dos maus. Então, que tal a gente sair daqui agora? Eu poderia ajudá-lo, se você me deixar.” Ele balançou a cabeça. “Eu não posso.” “Por quê?” Ela perguntou de novo. “Eu...” Ele engoliu duro, passou por uma batalha interna, e depois desabafou com remorso: “Eu tenho uma irmã. Uma irmã mais nova. Ela é tudo que eu tenho.” Ah, fazia sentido. “Então, alguém a está usando para fazer você andar na linha, não é?” Simpatia floresceu nela, mas escondeu isso, com a raiva. Ela não tinha uma irmã. Ela tinha... ninguém. Bem, talvez Jackson, mas que Deus ajudasse quem tentasse usá-lo. “Quantos anos você tem, Quin?” “Dezesseis.” Sentou-se no banco. “Você está trabalhando com alguém.” Seu rosto ficou pálido. “Eu já sei disso. A coisa é, eu não sei quem. O ataque no bar de que você falou? Como você saiu? Como essa outra pessoa saiu? Ou ele nunca esteve lá?” Ele balançou a cabeça. “Eu não tive escolha.” “Sim, eu sei. Nós já esclarecemos isso, certo?” Ela manteve os sentidos abertos, atentos a qualquer intrusão de perigo. “Eu não estou culpando você, você sabe.” “Mas você irá!”

454


Tanto medo. Ela entendeu, porque sentiu isso antes. Quem ela estava enganando? Ela às vezes ainda sentia. Caso contrário, não teria ido para a Marla, confiando nela para cobrir sua bunda. Se tudo desse errado, o que poderia muito bem acontecer, bom, então, Marla diria a Spencer, ele avisaria Jackson e os outros, e de uma forma ou de outra, eles a encontrariam. Ela tinha deixado bastante informação para que eles a localizassem facilmente. E se ela se machucasse no processo... bem, pelo menos Quinto seria livre. Pelo menos um babaca pagaria. Se ela fosse para os outros primeiro, de jeito nenhum deixariam que se envolvesse. Ir para o bar foi o suficiente para obter a suas calcinhas torcidas. Uma reunião neste bairro? Não, eles teriam vetado o negócio para tentar outra coisa, e tanto quanto confiava que teriam eventualmente sido bem sucedidos, o que teria acontecido com Quin? “Venha, sente-se, Quin. Vamos falar, ok?” Balançando a cabeça, ele deu um passo para trás. Seus sentidos arrepiaram. “Eu sou pelo menos uma hora adiantada, então suponho que temos um pouco de tempo, certo?” Ele respirava mais rápido. “Na realidade...” Seus olhos escuros baixaram. Ele balançou a cabeça novamente. “Não.” Arizona sentiu a mudança no ar. Ah, merda! Ela saltou do banco, assim que três homens se aproximaram, todos a partir de ângulos diferentes. Três! Bem, eles não estavam tomando nenhum risco com ela, os idiotas. Ela sorriu quando o primeiro cara chegou perto, e quando ele estendeu a mão para ela, chutou para frente, pegando-o nas bolas. Ele se dobrou. Ao mesmo tempo, ela se abaixou para evitar o punho de outro homem e girou. Ela o chutou no joelho. Machucou, mas não o suficiente. Ela poderia tirar a faca, mas ela não tinha ilusões de que fugiria. Não de três homens. Mostrar a faca agora só a aumentava as chances de perdê-la, com certeza, e ela tinha a sensação de que precisaria dela mais tarde. 454


Um braço duro enrolou em seu pescoço, puxando a cabeça para trás, enquanto outro agarrou seus pulsos. Uma mão coberta com um pano segurou sua boca. Ela não entendeu... até que sentiu o cheiro adocicado e uma tontura a atingiu. Clorofórmio. Não, inferno, não! A raiva lhe deu forças. Ela tentou segurar a respiração enquanto dobrava seus esforços, pisando pés, chutando canelas, mas a tontura piorou. Ela conseguiu uma cabeçada firme, teve seu calcanhar numa virilha macia... Alguém amaldiçoou enquanto outro alguém riu. Ao lado, um homem disse: “Segure os pés, seu idiota!” Um quarto homem? O que no inferno? Eles enviaram um batalhão atrás dela? Infelizmente, Quin estava intimidado o suficiente para que pulasse para obedecer, lutando para agarrar seus pés. Ela chutou-o no rosto, batendo no seu nariz e o enviou para trás. O pobre Quin caiu no chão, o sangue fluindo. Alguém riu ainda mais por isso. “Você é inútil,” disse o homem. “Totalmente inútil.” Então, do nada, ela levou uma batida na têmpora. E mesmo enquanto apagava, Arizona temeu por Quin. Ela também reconheceu a voz. Joel Pitts. O pequeno rastejante caseiro do bar. O gentil artista pateta. Bem, maldição. Agora fazia sentido.

***** Do alto do um prédio abandonado, com seus olhos queimando, Spencer observava Arizona ser arrastada para a loja de penhores. Cada um dos homens que se atreveram a tocar 454


nela pagaria caro. Ele faria que acontecesse. Ele se mantinha sob controle gelado, porque isso era necessário. Mas assim que ele a tivesse segura de novo... Jackson subiu ao lado dele. “Quantos?” “Contando a criança e o artista fodido, cinco. O artista e a criança entraram com ela.” “Assim, os outros são apenas os guardas, hein? Isso é conveniente.” “Ela bateu neles.” disse Spencer, e tentou não soar admirado. Mas, caramba, ela era uma mão cheia e um pouco mais. Se não houvesse tantos deles, ela poderia ter escapado sozinha. Jackson inclinou-se para olhar por cima do telhado e sorriu com a visão de um cara esfregando sua virilha, outro ainda estava encurvado, se segurando, e o terceiro mancava sobre um joelho danificado enquanto dava a volta na parte de trás do edifício. “Essa menina é um alvo mortal, sabe?” Sim, ele sabia. Ele já tinha sido o destinatário de tal objetivo. Antes que ela confiasse nele. Antes que ela viesse para a sua casa. Antes que ela se entregasse a ele. Sabendo que precisava bloquear esses pensamentos ou as emoções ofuscariam seu julgamento, ele balançou a cabeça. “Dare está vigiando saída de trás?” “Sim. Ele tem o terceiro cara coberto, também. A menos que exista um túnel subterrâneo, eles não vão a lugar algum com ela.” O edifício para onde a arrastaram era quadrado, baixo e visível em todos os lados. Com o bilhete, Arizona também deixou informações detalhadas sobre a área. Ela deve ter levantado cedo o suficiente para estudar o bairro através de uma verificação minuciosa. Em uma frase ela se desculpava com Spencer por não contado a ele seus planos e, na seguinte, disse a ele que se insistisse em se envolver, deveria seguir suas instruções. E ele seguiu. “Poderia ter um porão.” Espantava Spencer que ele ainda conseguisse coordenar as palavras de forma coerente com tanta raiva ardente apertando sua garganta e fluindo através da sua corrente sanguínea. Confiança era via de mão dupla, mas Arizona aprenderia mais sobre isso uma vez que ele a tivesse em segurança.

454


“Provavelmente tem. Pelo menos uma sala para aquecedor ou algo parecido. A maioria destes buracos de merda antigos têm.” Jackson mordeu o lábio inferior e chocou Spencer, quando perguntou a ele: “Então, o que você quer fazer?” “Matar todos eles.” “Sério?” Maldição! Jackson não tinha soado particularmente chocado ou desagradável sobre essa ideia. Spencer balançou a cabeça. “Não, não a criança.” Ele esfregou os olhos cansados e aceitou a verdade. “Eu acredito que é Quin, o garçom do bar. Arizona... cuidou dele, é por isso que ela está aqui. Ele poderia estar em uma situação forçada. E ela chutaria a minha bunda se eu deixar que se machuque.” “E o que acontece que ele não foi forçado?” “Então, ela pode fazer o que quiser com ele.” “Entendido.” Ele enviou um código para Dare e Trace, logo depois olhou através do binóculo. “Huh. Eu posso vê-los.” Spencer pegou os binóculos de Jackson e ficou aliviado ao ver os olhos de Arizona abertos, um meio sorriso em sua boca. Graças a Deus. O alívio foi suficiente para que perdesse a compostura. Ele não queria considerar qualquer alternativa que não fosse ela estar atordoada. Agora que podia vê-la com a aparência de bronze, como sempre, ele respirou um pouco mais fácil. “Nós poderíamos forçar nosso caminho.” Jackson disse. “Mas ela pode se machucar no processo.” Eles não sabiam se Quin ou o artista estavam armados. “Não, nós temos que fazer isso direito. E em seu bilhete nos pediu para dar-lhe um pouco de crédito.” Jackson rosnou algo indistinto, mas assentiu. “O que não senta bem para mim, também.” Spencer manteve seu olhar sobre ela, mantendo a cautela. “Mas ela não achava que eu a deixaria fazer isso sozinha...” “E nós, porra, também não!” “... Assim esta é a sua maneira de provar a si mesma.” De obter o respeito que ela precisava. O respeito que ela merecia. 454


Nada de tentar mudá-la. Ambos ficaram em silêncio enquanto consideravam o problema. Seus captores idiotas a colocaram em um fino colchão estreito, em uma sala do meio, mas com vista de uma janela. Quin pairava perto de seu lado, vestígios de sangue agora manchavam o rosto, e seu nariz, lábio superior e queixo púrpura com contusões. O garoto provavelmente tinha um nariz quebrado, não que Spencer sentisse por ele qualquer simpatia real. Ainda não de qualquer maneira. Joel Pitts estava ao pé do colchão, olhando para Arizona e literalmente esfregando as mãos. Clichê pra caralho. Baixando os binóculos, Spencer perguntou: “Você tem uma chance clara a partir daqui?” Pegando um rifle de longo alcance, Jackson o alinhou, e disse: “Sim.” Ele continuou a olhar através do espaço, então baixou o rifle. “A coisa é... você não vai gostar disso, Spencer.” Seu coração parou uma batida. Ele colocou os binóculos de novo. “O que é isso? O que foi?” “Arizona está me dando o sinal para esperar.” A tensão vibrava através dele. “Há uma porra de sinal para isso?” Jackson coçou a orelha. “Há praticamente um sinal para tudo.” Ele não podia acreditar. “Então ela sabe que estamos aqui?” “Ela é afiada como um prego, por isso, sim.” Ele rolou para suas costas e puxou para fora o seu celular. “E parece que ela está acordada, chateada e determinada a chamar os tiros.”

454


Capítulo Vinte e Quatro ARIZONA fez o possível para ignorar a dor em sua cabeça. Ela pulsava, pulsava, e de vez em quando, o estômago apertava como se fosse vomitar. Mas desde que as mãos estavam amarradas atrás dela, e ela não tinha um balde disponível isso seria verdadeiramente nojento. “Eu acho que você mexeu com o meu cérebro.” Ao ouvi-la falar, Joel pulou de alegria, a expectativa brilhava em seu rosto. Ele respirou trêmulo de emoção quando ela endireitou-se. “Você está acordada!” “Mal, idiota. Qual é o seu negócio, afinal?” Ele retraiu. “Ouça esse palavreado. O que está errado com você?” “Eu?” Ele tinha que estar brincando. “Você é o louco, cara.” Ela lutou para ficar um pouco mais em pé, aliviada ao perceber que, enquanto suas mãos estavam atadas atrás dela, os idiotas não tinha tomado sua faca. Ela sentiu a pressão familiar da bainha contra sua espinha e o formato da contenção contra os pulsos. Verdadeiros amadores, palhaços. “Oh, Deus.” Sua cabeça parecia que poderia cair fora de seus ombros. Através da dor, estreitando os olhos, ela olhou em volta para os seus arredores. Eles haviam planejado para ela. Eles haviam planejado a coisa toda. “O que você fez?” 454


“Eu a trouxe para casa. Bem, não uma casa de verdade. Apenas um lugar onde eu possa vê-la mais vezes e ver mais de você.” Ele estendeu a mão para tocar a parte superior de sua camisa. Arizona usou seus pés para chutar para trás. “Tire as patas!” Seu veneno o surpreendeu. Ele tropeçou, quase caindo sozinho, em seguida, esfregou a barriga onde os calcanhares o feriram. “Você está com raiva?” “Com raiva?” Puxar suas restrições só fez sua cabeça doer mais, mas seria de se esperar, e então, quando ela liberasse a faca, eles não suspeitariam de nada. “Solte-me e você verá como eu estou com raiva.” “Mas...” Confuso, ele balançou a cabeça. “Você não tem medo?” “De um homem morto?” Ela bufou. “Caia na real.” Isso arrancou um curto riso dele. Ele estendeu as mãos. “Mas eu não estou morto.” “Sim, você está. Você só é muito estúpido para saber isso ainda.” Para ficar no lado seguro, ela mais uma vez olhou para a janela e deu outra sacudida brusca da cabeça. Ela viu o brilho da luz do sol – provavelmente refletida em binóculos ou em um cano do rifle, ou uma escopeta – no segundo em que voltou a si. Spencer a encontrou. Mais cedo que o esperado. Assim isso significava que Marla o avisou mais cedo? E se ela tivesse... bem, então Marla não deveria querer que ela se fosse para sempre. Amigo era uma palavra na qual ela não confiava muito, mas talvez pudesse contar Marla como uma. “Você deveria parar de lutar, porque não pode soltar as mãos. E agora que você está acordada, eu vou prendê-las nas anilhas no chão.” “Sim... não acontecendo.” Ela chutaria a cara dele antes de deixar que fizesse isso ou morrer tentando. “Vem perto de mim, e você irá se arrepender.” Uma sobrancelha levantou com o interesse. “Como?” “Tente me tocar e você malditamente vai descobrir.” A melhor aposta era que Spencer tinha Jackson com ele. E talvez até mesmo os outros dois... 454


Seu estômago agitou de novo, e ela teve que respirar rápido para controlá-lo. Vomitar não era uma opção. Parado ao lado dela, Quin estava encolhido, silencioso e triste, seu rosto uma bagunça. Arizona deu um olhar de desculpas, então o dispensou. Ele não era uma ameaça. “Olha, Joel...” Ela fez uma pausa. “Não é o seu nome real, eu suponho?” “Na verdade, é.” “Ótimo.” Como ela o julgou tão mal? “Você não é apenas um psicopata, você é um idiota, também.” Seus olhos se estreitaram. “Você vai parar de me insultar.” “Ou o quê? Você irá me sequestrar? Bater na minha cabeça?” Ela olhou ao redor. “Colocar em um quarto sujo em um colchão irregular?” “Cale-se!” Ela bufou um longo suspiro, enquanto balançando novamente como se estivesse tentando liberar as mãos livres. Ela quase conseguiu sua faca. “Então, onde os outros capangas foram?” “Eles estão vigiando.” “Lá fora?” Uau, isso seria... muito perfeito. “Sim.” A satisfação quase chegou até a boca, mas ela rapidamente escondeu. “Escute, Joel. Se você me soltar agora, eu posso talvez mantê-lo vivo, de outra forma...” Em um surpreendente movimento inesperado, ele levantou e cruelmente bateu nela. Dada a pancada anterior em seu cérebro, bem, sim, ela reagiu lentamente – então ele a pegou de jeito. Sua cabeça estalou para o lado. O sangue escorria de seu lábio, e ela o lambeu, em seguida, trabalhou sua mandíbula. Esperançosa de que isso fosse o melhor que ele pudesse fazer. “Sabe o que, Joel?” Através dos olhos semicerrados e uma clara falta de generosidade, ela encontrou seu olhar novamente. “Agora espero que eles matem você.” Quinto respirou tremendo. “Ele não é mais Joel.” Uau... “Tente de novo?” 454


“Joel é um idiota,” disse... Joel. Arizona baixou o queixo, olhou para ele de novo e queria uivar de frustração. Em um aparte à Quinto, ela perguntou: “O que o é isso? Quem é este?” “Eu sou um e outro.” Joel falou lentamente, “mas eu sou mais forte. Eu não sou um idiota. Eu não sou um fraco artista miador.” Oh, pelo amor de... Era só o que precisava. Arizona não pôde deixar de rir. Quando o rosto dele contraiu, ela riu um pouco mais. “Lá estava eu, duvidando dos meus instintos, pensando que eu tinha verdadeiramente estragado tudo. Mas é claro que eu não sabia que você era um cara mau. Quer dizer, o cara que eu conheci não era, certo? Então, como eu poderia saber?” “Você não podia.” Surpreendentemente, ela sentiu-se melhor sobre as coisas. Pelo menos agora sabia que seu julgamento não estava completamente ferrado. “Então você é... o quê?” Ela riu. “Como Jekyl e Hyde?” “Você se atreve a rir de mim?” Ele encolheu em indignação, suas mãos apertavam, seu rosto estava vermelho. “Você é louca.” “Sim – diz a chaleira para o bule.” Ela cuspiu o sangue e tinha os dedos ao redor do punho da sua faca. “Jesus. Minha cabeça está latejando como uma banda.” “Você não é normal.” “Sim, eu sei.” Ela olhou para a janela novamente e deu mais um aceno de cabeça. Nem Quinto nem Joel prestaram atenção. Eles assumiram que ela estivesse limpando seus pensamentos. “Então, Joel-número-dois, você sabia que corriam uma quadrilha de tráfico?” Ele ainda estava parado. “Sim, guarde a surpresa. Eu sei tudo sobre seu pequeno negócio sujo.” Em movimentos pequenos, ela deslizou a faca livre da bainha. “Esses idiotas? Terry e Carl e todos os outros associados que vendiam seres humanos, bem, eles estão apodrecendo no inferno agora mesmo. Mas você, você escapou.” “Sim.”

454


“Então me diga, você sabia que eles faziam? Você sabia que eles compravam e vendiam as pessoas?” “Desde que sou o dono do lugar, é claro que eu sabia.” Seus pensamentos cambalearam. “Você é o dono?” Joel deu de ombros. “É por isso que Joel andava por lá. Para consolar os que escapavam.” Oh. Meu. Deus. Ele era mesmo totalmente louco. “Esse seria Joel-número-um, certo?” “Nós somos a mesma pessoa!” “Mas Joel-número-dois,” disse ela, ignorando a mordida de sua insanidade, “você não os confortava?” Seus lábios se curvaram com desdém, fazendo-o parecer muito, muito diferente do artista carente. “Eles estavam esgotados, destruídos. Sujos. Eu cuidei deles quando ninguém mais os queria por mais tempo.” “Quer dizer que você as caçava, certo?” “Depois de acabar o serviço, elas ficam fracas. Elas precisam de mim.” Ele se aproximou e olhou-a com intenção doente. “Presas fáceis.” Oh, catar as nozes dele seria muito bom. Mas ele era muito instável, não sabia o que ele poderia fazer. Poderia matar Quinto antes que os outros pudessem chegar até eles. De jeito nenhum ela queria essa morte em sua consciência; Quinto havia sofrido o suficiente. Então, ao invés de atacar, ela o envolveu na conversa. “O que você queria com elas? Você as estuprava? As Prostituía? O quê?” Se pudesse mantê-lo falando, as chances de sobrevivência seriam muito maiores. “Claro que não. Isso seria indecoroso.” Ele olhou para além dela. “Eu os torno... animais, exatamente como eu fiz com Quin.” Imaginando a vergonha de Quinto ao ouvir a provocação, ela apressou seus movimentos. No processo de cortar as restrições, sua lâmina afiada fez um pequeno dano para as mãos também, mas nada muito sério. Nada que pudesse atrasá-la uma vez que estivesse livre. “Você tem alguma coisa por Quin, porém, não é?” 454


Joel deu de ombros como se não tivesse importância, como contar a ela não trouxesse quaisquer consequências. “Ele tem uma irmã. Ou melhor, eu tenho a sua irmã.” Ele riu. “Huh? Sem brincadeira?” De jeito nenhum ela diria a ele que Quin já havia compartilhado essa informação. Ela sentiu os vínculos afrouxarem. Quase livre. “Onde é que você a tem?” “Eu mantenho a maioria das meninas na minha casa, no frio e confortável ar condicionado.” “Onde é exatamente?” Ele inclinou a cabeça. “Ainda tramando? Ainda pensando que você pode escapar?” Sua risada tinha um toque demoníaco. “Garota tola.” “Eu sei onde ele mora.” Quinto sussurrou, seu olhar ficando um pouco selvagem. “Eu sei.” “Sim, mas sua irmã não está lá, ela está Quin?” Sorrindo, ele verificou uma unha. “Por que não?” Arizona perguntou como se na verdade não importasse. “Você tem outra casa?” Onde? “Na verdade, ela estava em um caminhão de entrega que deveria sair, mas com Terry Janes desligado...” Ele encolheu os ombros. “Serei capaz de descobrir, no entanto, e depois irei buscá-la.” Quinto murchou. Arizona não. Ela sentiu um grande prazer em dizer: “É... acho que numa outra vez.” Ela olhou-o nos olhos, apenas um minuto mais, e ela soltaria as mãos. “Esse caminhão já foi recuperado.” “Não.” “Sim.” Ela virou-se para Quin. “Todo mundo que estava nele está seguro.” “Seguro?” Por vários segundos Quin ficou parado, então ele desabou de joelhos ao lado dela. “Você tem certeza?” “Ela está mentindo!” Joel amarelou. “Ela não pode saber disso.” “Na verdade eu posso e sei todos os tipos de coisas.”

454


Através da janela, à distância, Arizona viu Spencer pular um muro de concreto desmoronando, Trace bem atrás dele. Isso significava que Dare estava vigiando atrás e Jackson, sem dúvidas, se manteve escondido com o rifle de precisão. Sua prioridade agora era colocar Quin fora desta bagunça fodida sem que ele se machucasse. “Todo mundo que estava no caminhão está seguro e você é tão bom como morto.” As mãos de Joel fecharam em punhos. “Ninguém vai me matar.” Ele deu um significativo passo ameaçador em sua direção. Ela estava pronta, mas então, Quin pulou para frente, colocando-se no caminho. “Não, não.” Deus a livrasse dos heróis. “Uh, Quin... que tal você se mover?” Joel arfava de raiva. Ele retirou uma pequena arma do bolso. “Saia do meu caminho.” Quin se preparou, dizendo: “Eu não posso. Você já fez o suficiente.” Joel apontou a arma, e Arizona se apressou a dizer, “Quin, sério, cara, fique para trás, ok?” Ele se manteve de costas para ela para que pudesse continuar a assistir Joel. “Sinto muito.” “Eu sei. Não se preocupe.” Ele olhou por cima do ombro para ela. “Eu não entendo você.” “Sim, eu escuto muito isso. Só me faça um favor e não fique muito perto de mim.” Antes que ele pudesse objetar, Joel o golpeou na têmpora com a arma, e Quin cambaleou, caindo de joelhos. Joel usou seu pé para empurrá-lo de lado. Sentia muito por Quin, mas ela não deixaria que isso a distraísse. Lançou um olhar entediado em Joel. “Você nunca teve muita chance. Mas agora você selou o seu destino.” “Grande conversa – para uma mulher amarrada.” Sua cabeça já não doía mais. Nada mais doía. Fúria obliterava qualquer outro sentimento. Ela sustentou o olhar, recusando-se a deixá-lo desviar. “Mesmo com as minhas mãos atadas, eu irei aniquilar você.” Quin gemeu.

454


Joel disse-lhe: “Cala a boca.” Mas, em seguida, mostrando preocupação, ele foi até a parte da frente, olhando para fora da janela, perguntou: “Você estava sendo seguida? Você trouxe amigos para ajudar?” Ele viu seus dois guardas, ainda parados lá fora. Sossegado, até mesmo arrogante, ele voltou para Arizona. Mantendo a arma frouxamente em sua mão, ele cruzou os braços e sorriu para ela. “Você quase me pegou. Eu estava quase convencido de que você havia trazido um exército.” “Não é um exército, não.” Mas dadas suas habilidades, eles poderiam muito bem ser um. “Então, vamos lá. Eu posso ver que você está mal-humorada. Vamos ver o que você tem.” Embora mantivesse sua postura relaxada, com as mãos atrás dela, estava pronta, mais do que pronta. Hesitante e um pouco inseguro, apesar de suas palavras arrogantes, Joel deu um passo em direção a ela, ergueu o punho para golpeá-la, e ela o chutou com força nas bolas. Quando ele conseguiu se recompor, ela chutou de novo, e desta vez pegou no plexo solar. Ele arquejou e caiu para trás. Ela estava fora do colchão num piscar de olhos, a faca firme em suas mãos agora ensanguentadas. Ficando histérico ao vê-la livre, Joel afundou para trás, gritando: “Guardas! Venhas aqui!” Um grande brutamontes estourou da parte de trás, com uma arma na mão, mas antes de Joel pudesse ficar muito animado sobre isso, o vidro da janela traseira quebrou. Como se estivesse em câmera lenta, o homem caiu para frente com a força de um disparo. Sangue floresceu em seu peito – e ele desabou cara no chão. Presunçosa, Arizona disse: “Eu avisei.” Tremendo, Joel fez pontaria, mas ela se moveu rápido, cortando o pulso com a faca. A lâmina cortou tendões e músculos com facilidade. Ele gritou quando a arma caiu de sua mão, sangue escorrendo ao longo de seu braço, seu rosto ficando branco em estado de choque e dor. “Oh, meu Deus.” ele lamentou. “O que é que você fez?” Segurando seu pulso, grandes lágrimas nos olhos, ele choramingou quando ele caiu para trás contra a parede e depois, lentamente, escorregou para o chão. Ele olhou para ela, sua expressão ferida. “Oh, meu Deus.” 454


Eeeeeeee... Joel o artista estava de volta. “Por Deus.” Arizona tirou a arma do guarda que estava gemendo, aparentemente muito vivo e, em seguida, chutou a arma de Joel bem fora de seu alcance. Quando olhou para trás em Quinto ele a olhava com admiração. “Você está bem?” “Sim.” Ele assentiu com a cabeça. “Sim, eu estou bem.” Ela agachou-se na frente de Joel. “E quanto a você, amigo? Você está bem?” De repente, Spencer estava lá, bloqueando a porta. Ele fez uma bela entrada, todo coberto com armas, um colete à prova de balas, sua arma apontada, a expressão do rosto, pronto para... qualquer coisa. Joel gritou de novo, mas ela entendeu isso. Spencer era uma grande força, escuro, arfando de raiva. Ele parecia muito, muito incrível. “Uau.” disse Arizona para Joel. “Você está vendo isso?” Spencer parou ao ver a sua posição na frente de Joel. Ele começou a respirar com dificuldade. Lentamente, Arizona ficou de pé. Sentia-se... bem, estranha. Ela assentiu com a cabeça em seu cinto de munição carregado. “Colocou seu vestido de festa, eu vejo. Esperando problemas?” Ele tirou sua atenção dela para examinar o quarto, detendo-se em Quinto, então levou o olhar para o corpo no chão. Depois voltou para seu rosto, examinando sua expressão antes de passar sobre seu corpo todo. Seus olhos se estreitaram e ele foi para ela com um passo pesado. Arizona desabafou: “Há outras mulheres. Em sua casa. Quinto sabe onde fica.” Spencer parou novamente. Quin assentiu rápido. Ela fez um gesto para Joel com a faca ensanguentada. “Ele é... bem, ele é louco. Totalmente pirado.” Ela fez uma careta. “Você não pode matá-lo, ok?” “Eu não iria fazer isso.” “Ah.” E ela aqui, pensando em ser nobre e defender o idiota. Mais ou menos levou o vento de suas velas. “Bem... bom.” 454


“Eu achei que se você precisasse vê-lo morto, teria cuidado disso.” “Hum, sim, eu teria feito.” Ele estava falando sério? Será que ele realmente confiava nela para tomar essa decisão? Pensando nisso, ela disse: “Você poderia talvez dizer aos outros para não matar ninguém, sim? Quero dizer, seria muito bagunçado e tudo...” Em um longo passo, Spencer chegou a ela e a tomou em seus braços. “Eu estou uma bagunça!” Ela protestou, já sabendo que sujaria de sangue a camisa dele e ele, também. “Você é minha.” disse ele em troca. Ok, segure o telefone. Ela puxou o ar para perguntar o que no inferno isso significava, mas ele a abraçou apertado, tão apertado que mal conseguia respirar, muito menos falar. Sua cabeça protestou, mas a verdade é que o coração dela gostou demais. “Você desarmou o idiota ferido?” Spencer perguntou em voz baixa. Ela guinchou, “Sim.” “O cara louco está desarmado?” Ele beijou sua testa, sua orelha. “Eu tomei a arma dele, então, sim.” Suas mãos grandes abriram em suas costas, acariciando, abraçando, apertando em seguida, novamente. “E o outro, ele não é uma ameaça?” Ela balançou a cabeça. Jackson veio em seguida. Ele estava vestido da mesma forma que Spencer-chutador-debundas e preparado. Sua presença no pequeno significava que eles já haviam “garantido” os guardas. Ele os viu e rolou seus olhos. “Então o que iremos fazer aqui?” Spencer soltou suas costas, segurou seu rosto com as mãos e alisou o cabelo. “Você tem uma concussão?” “Eh... provavelmente.” ela admitiu. “Eu estou a um passo de vomitar, vendo dois de você, e tenho uma maldita dor de cabeça.” Ele gemeu e beijou sua testa. “O que você quer fazer? Diga rápido, para que eu possa levá-la para o hospital.” “Hospital?” Mas ela não queria ir para o hospital. Ela precisava chegar à casa de Joel, ela precisava saber sobre as mulheres que ele mantinha em cativeiro. 454


Precisava... “Shh. Dê suas ordens, querida. É a sua decisão. Eu entendo isso.” “Você entende.” “Eu não sou um aprendiz lento.” Ele deu-lhe um olhar de repreensão. “O propósito do seu bilhete foi muito claro.” Oh, Menino. Simmmm... queria que fosse uma declaração: ela estava disponível, se ele quisesse, mas ela não podia, não iria, alterar completamente sua psique. Ela era quem ela era, formada por experiências de vida e uma personalidade forte e um desejo ainda mais forte de fazer a diferença. Ela tentaria suavizar sua atitude, mas nunca poderia tornar-se uma mera observadora. “Eu, uh...” Ela limpou a garganta, certa do que queria, mas não muito orgulhosa de dizer isso. “Se você estiver interessado, talvez eu pudesse encontrá-lo no meio do caminho.” “Uma coisa de cada vez, querida.” Spencer deu um sorriso gentil. “O agente da forçatarefa está a caminho com uma equipe, e assim como uma ambulância. Eu estou me segurando por um fio, então você vai para o hospital. Ok?” Buscando um pouco de orientação, ela olhou para Jackson, mas ele já havia tirado sua camisa para fazer um torniquete no braço de Joel. “Onde estão os caras?” “Aguardando instruções.” Jackson olhou para ela. “Mas, desde que você estava preocupada... Eu suponho que você não queira que ele sangrar até a morte?” Com Jackson pairando sobre ele, Joel parecia prestes a desmaiar. Arizona acenou com a mão para Jackson para continuar e voltou para Spencer. Droga, por que se sentia tímida? Ela não sabia o que isso significava, e ela odiava estar insegura. Ela fez um gesto para empurrar o cabelo do rosto e Spencer sugado ar. “Jesus.” Ele pegou suas mãos, levantando-as para um exame mais detalhado. Mais sangue tinha escorria de seus pulsos, serpenteando por entre os dedos, passando sob as unhas. Parecia realmente nojento e fez com que quisesse gemer.

454


“Tudo superficial, eu juro. Eu só me cortei algumas vezes enquanto me soltava.” Ela não sabia o que fazer com as mãos sangrentas, mas então Spencer se afastou com pés de chumbo e puxou a camisa de Jackson das mãos dele. Ele rasgou a parte limpa ao meio com pouco esforço. Arizona se perguntou como o colete à prova de balas cabia nele. Era preso com tiras largas de velcro apenas sob seus peitorais e abdômen. Seus ombros musculosos flexionaram quando pegou a mão dela. “Trace insistiu,” disse Spencer, explicando o colete. “Eu tinha outras coisas na minha cabeça.” “Sim, como...?” Esperançosa, ela esperou prendendo a respiração. Ele passou as tiras de algodão ao redor do seu pulso esquerdo, para baixo e em volta da palma da mão. “Chegar a você.” Ele ergueu o outro braço e, em tom rouco, disse, “Isso era tudo em que eu poderia pensar.” Ela tinha o deixado com medo? Bem, sim, é claro que ela tinha. Spencer se importava com todos, e desde o dia em que o conheceu, ele esteve tentando mantê-la segura. “Desculpe!” “Você está perdoada.” Ele havia acabado de envolver as mãos, quando ouviram as sirenes da polícia. “E agora?” Ela se virou para ver Quinto encostado na parede, os olhos fechados, todo o seu comportamento em declínio. “Ele tem que comer,” disse a Spencer, tentando pensar em suas necessidades mais imediatas. “E ele precisa ver sua irmã. E descansar. E...” Trace colocou a mão em seu ombro. “Vou lidar com isso.” Desde que ela não o tinha ouvido entrar, ela pulou. Depois de estudar seus os olhos, ele lhe deu um apertão no ombro. “Você fez bem, Arizona, mas mesmo o melhor soldado sabe quando recuar.” Seu rosto ficou quente, e ela murmurou, realmente murmurou, “Eu não sou um soldado.” “Não, mas você é teimosamente persistente, intuitiva e capaz.” Ele puxou-a para frente para beijar sua testa. “Agora, que tal você tirar Spencer de sua miséria e sentar até que a ambulância chegue?”

454


Tirá-lo de sua miséria? Ela olhou para a expressão de Spencer e franziu a testa. Sim, ele parecia bastante miserável. E era por culpa dela. Ela não precisava de culpa em cima de uma cabeça confusa. Jackson disse sem olhar para trás: “Ele está lhe dando o respeito que você quer, boneca. Aceite de bom grado.” “Você pode muito bem deixá-la em paz.” Seu humor mais negro aumentando a cada momento, Spencer pôs o braço em volta dela. “Vamos! Deixe-me levá-la para fora para tomar ar fresco. Vamos esperar pela ambulância.” “Sim, está bem.” Ela foi junto de boa vontade, fazendo o possível para não estremecer com a dor excruciante em sua cabeça. “Eu realmente me sinto como merda.” Ele começou a dizer alguma coisa, mas depois saiu para o meio da multidão crescente. A polícia, força-tarefa, moradores... eles faziam um público considerável. O caos assumiu. Os paramédicos correram para dentro para ver Joel e o homem em que Dare atirou. Outros paramédicos vieram para olhá-la e depois de um exame superficial, insistiram que Spencer estava certo, e precisava ir para o hospital. “Ótimo,” ela resmungou. “Só malditamente ótimo.” Spencer se inclinou para beijar sua testa. “Estarei bem atrás de você. Você não vai ficar longe de mim outra vez.” E isso a confundiu o suficiente para que não reclamasse quando foi carregado para uma ambulância e partiu para o hospital.

454


Capítulo Vinte e Cinco SPENCER se sentou em uma cadeira de plástico, o café esfriando na frente dele, Jackson andava para lá e para cá em torno dele. Dare e Trace estavam ocupados encerrando tudo com Quin e Joel, porque eles insistiram sobre isso, e até mesmo o funcionário encarregado da força-tarefa de elite não tentou dissuadilos. Eles teriam, supostamente, que ser discretos, se você pudesse chamar mutilar guardas e atirar em um bandido no peito de ser discreto. Mas eles também garantiriam que tudo fosse tratado satisfatoriamente. Sempre. Eles tinham muito poder e Arizona era agora uma parte disso. Eles queriam que ele fosse uma parte disso, também. Isso significaria mudar por causa do anonimato. Isso significaria começar de novo, enterrar o passado. Seguir em frente com sua vida. Seguir em frente com Arizona... se ela ficasse com ele. Spencer esfregou o rosto. Arizona só tinha sido afastada deles durante uma hora ou pouco mais, o suficiente para que os médicos a examinassem e fizessem alguns testes, mas ainda o preocupava. Conhecendo-a, ela poderia fugir. De novo... Ela poderia recusar atendimento médico. Ela não era idiota, mas parecia pensar que era invencível. Ou descartável. Podia...

454


“Foda-se, pare com isso.” Atormentado, com o seu cabelo loiro em pé, Jackson rosnou: “Você está me estressando.” Lentamente levantando as sobrancelhas, Spencer olhou para Jackson. “Eu não fiz nada.” “Você está pensando.” Jackson caiu ao lado dele, seu humor negro, sua expressão feroz. “Jesus, o que está demorando tanto?” Spencer olhou para ele com nojo. “Você vai estar miserável quando Alani der à luz. Você sabe disso, não é?” “Só... cale a boca.” Levantou e começou a andar de novo. Spencer se juntou a ele. “Se ela fosse um cara...” disse Jackson. Isso mereceu uma risada curta. “Então, eu provavelmente não estaria aqui.” “Bem... sim.” De repente, ele sorriu. “Ela verdadeiramente provou a si mesma, não é?” “Eu acho que esse era o ponto.” “Eu odeio quando Chris está certo.” Jackson enfiou as mãos com palmas para fora nos bolsos de trás. “Ele nunca vai nos deixar viver com isso.” Spencer rolou seus ombros. Ele ainda queria matar Joel, mas mais do que isso, ele queria mostrar Arizona o quão importante ela era para ele. “O que vamos fazer?” Perguntou Jackson. Nós? “Eu quero ela de costas.” disse Spencer, distraído com seus pensamentos. “Oh, mesmo?” Isto o levou achar seu foco rapidamente. “Eu quero ela de volta.” ele emendou, enfrentando Jackson com um olhar. “E eu vou ficar com ela.” Deus, isso fez com que ela parecesse um animal de estimação. Ele virou para cima, olhou para Jackson, e disse: “Eu a amo.” “Era suposto ser uma novidade para mim?” Perplexo, Spencer deu de ombros. Inferno, era uma espécie de novidade para ele. “Eu só estou dizendo.” “Sim, então por dizer para mim?” “O inferno se eu sei,” ele murmurou e esfregou o rosto novamente. “O melhor que podemos esperar é saber onde ela está e o que ela está fazendo. Se tentarmos fechar...” “Ela irá apenas partir para outra fodida luta.” 454


Jackson passou a olhar para fora da janela no estacionamento. “Sozinha.” Spencer não podia suportar esse pensamento. “Pelo menos, se ela estiver trabalhando com você – e eu não quero dizer trabalho no computador – poderia fazer parceria com ela. Isso é o que ela quer de qualquer maneira.” Parceiros, em mais de um sentido, embora Arizona pudesse não saber disso ainda. Jackson levantou uma sobrancelha. “Ela disse isso?” “Sim.” Antes, quando ele era arrogante demais para escutar. Voltar quando ele pensou que de alguma forma iria ajudá-la junto... e fora de sua vida. “Podemos manter o controle sobre ela. Iremos saber no que está envolvida.” Balançando a cabeça, Jackson disse baixo, “Ela não ficará fora do radar de novo.” Sabendo que ele não tinha escolha, Spencer respirou fundo. “É a única solução, porque eu não acho que Arizona seja capaz de assumir um papel passivo.” “Ela não pode, não mais que eu.” disse Jackson, em seguida, ele acrescentou: “Não mais que qualquer um de nós poderia.” “É disso que se trata.” “Diabos... Eu acho que ela está dentro.” Sua concordância rápida surpreendeu Spencer. “Você não precisa discutir isso com Dare e Trace?” Jackson virou-se para rir dele. “Não. Eles estavam apenas esperando que nós nos resignássemos a isso. Eles descobriram isso da mesma maneira que você, a mantendo por perto, trabalhando com ela...” “Aceitá-la e amá-la.” Spencer sorriu. “Tenho a intenção de fazer isso.” O médico saiu para cumprimentá-los, e ele estava sorrindo, mas atordoado. Sim, Arizona poderia fazer isso com um cara. Ela era uma mulher excitante, imprevisível, sexy e preciosa. E se ela já soubesse ou não, ela era dele.

***** 454


Ela tinha puxado os jeans para cima, mas estavam desabotoados, quando Spencer veio ao redor da cortina. Ela torceu o nariz para ele. “Ataduras estúpidas em minhas mãos. Eu disse ao doutor que não precisava ser toda enfaixada, mas ele não quis me ouvir.” Sem dizer uma palavra Spencer afastou as mãos dela e abotoou seu jeans. Depois de acariciar as costas dos seus dedos sobre sua barriga, ele alisou a camiseta. “Você estará curada a tempo para o casamento de Jackson.” “Sim, claro. Eu disse que foi apenas superficial.” Ela rolou um ombro na demissão dos pequenos cortes. “Nada demais.” Emoldurando seu rosto entre as mãos, Spencer se inclinou para beijá-la. Com cuidado. Com moderação. Mega agradável. Mas no segundo em que levantou a boca, ela perguntou: “Então, o que está acontecendo? O que eu perdi?” Ela esperava que ele protestasse e já tinha seus argumentos todos alinhados. Este foi o seu show, então ela tinha o direito de saber os detalhes. Ela perdeu o bastante, brincando de paciente. Em vez disso, ele disse: “Jackson está esperando para falar com você, mas eu queria vir primeiro. Ele tem sido francamente neurótico, à espera de saber que você está bem.” “Pffft.” De alguma forma, ela não podia imaginar o fodão Jackson preocupado. “Claro que eu estou bem.” “Dare e Trace estão fazendo o que fazem melhor.” “Se destacando?” Ela perguntou com um sorriso. Ele assentiu com a cabeça. “Tomando a carga. Tendo certeza de que Joel não deslizará através das rachaduras legais para causar mais estragos. Eles já libertaram as mulheres na casa dele e estão reunindo Quinto com sua irmã.” “Ahhh... cara, eu gostaria de poder ver isso.” “Eu ouvi dizer que Quinto está fazendo muito melhor, agora que sabe que sua irmã está bem. Ele está em melhor forma do que você, com certeza.” Ele dobrou os joelhos para olhá-la nos olhos. “Como você está se sentindo?”

454


Ele estava sendo reservado e tão incrivelmente cauteloso. “Não se preocupe. Irei sobreviver.” Demasiadamente sombrio, sua mão alisou sobre a cabeça, cobriu seu rosto de novo. “Você é uma sobrevivente, não é?” Ele roçou sua pele com o polegar. “Mas como você se sente? Cabeça ainda doendo?” “É suportável.” Oh homem, se sentia tão língua-presa. Ela não tinha ideia de onde isso ia, se é que ia a qualquer lugar. Soando como uma adolescente incerta, ela perguntou: “Você veio para me levar para casa?” “Se por casa, você quer dizer a minha casa, sim. Você virá comigo, não virá?” Ele ainda segurava o rosto dela, ainda olhava nos olhos dela, tão sério e tão atencioso. “Eu, uh...” “O médico disse que alguém precisaria cuidar de você por um tempo, no caso de ficar tonta ou começar a vomitar.” Ele a beijou novamente. “Você precisa de alguém para cuidar de você, Arizona, para que você não exagere. Deixe-me ser o homem que fará isso.” Com ele sendo tão carinhoso, seus joelhos pareciam como macarrão. “Sim, está bem, divirta-se. Se você quiser bancar a babá, não é nenhuma problema meu...” Um beijo mais longo, mais suave acalmou sua tagarelice defensiva. Quando ele levantou a cabeça, ela sentiu-se balançando. Controle-se, Arizona. Ela limpou a garganta, mais perplexa e perturbada pelo momento. “Eu...” “Estou vendendo a minha casa.” “Você está o quê?” Em vez de explicar, ele a puxou para mais perto novamente, colocando-a contra seu peito. “Aceitei a oferta de emprego. Você está bem com isso?” Alegria explodiu, fazendo-a estremecer. “Ai, caramba.” Colocando uma mão na cabeça, ela afastou-se dele. “Sim, eu estou bem com isso. Atire, estou muito feliz.” Ela esfregou as têmporas. Spencer pegou seu pulso e fez com que sentasse na beira da cama do hospital. “Você quer ser minha parceira?” 454


Curiosa, ela olhou para ele. Ainda bem que ele tinha feito com que ela sentasse antes de deixar cair a bomba. “Poderia repetir?” “Eu estou aceitando o trabalho com a ressalva de que você trabalhe comigo. E eu estou vendendo a minha casa, a partir de agora, porque, eu sou muito bem-conhecido ali. Muitas trilhas que levam a muitos detalhes.” “Ah... bem, sim. Talvez.” Mas a sua casa? Ele amava aquela casa. Dane-se, ela amava aquela casa. “Todas as coisas da sua esposa, quero dizer, era a sua casa com ela...” “Shh.” Ele beijou sua testa, a ponta de seu nariz. “Eu imaginei que poderíamos comprar coisas novas e colocá-las em uma nova casa. A nossa casa.” Seu estômago caiu até o fundo do poço. “Nossa...?” Ela sacudiu um dedo dele para ela e vice-versa. “Ou seja, nós?” Ele deu um aceno de cabeça firme. “Nós. Você e eu. Parceiros.” Ele se colocou entre as pernas dela e a puxou contra seu peito. Ele parecia ter uma coisa sobre a manter perto. “Eu amo todas as coisas que a sua esposa colocou na casa para transformá-la num lar.” “Eu te amo, Arizona.” Uau. Ela lutou fora de seu abraço apertado para olhar para ele. “Será que você levou uma batida na cabeça, também?” “Não. Eu acordei e você havia ido embora e eu sabia que tinha sido um idiota. Mas na verdade, mesmo antes, eu sabia disso. Eu percebi que estava tentando...” Autodesprezo apertou sua boca. “Eu queria ajudá-la a superar o passado.” “Sim, e você fez isso. Estou fazendo todos os tipos de progresso – Droga, se não fosse o golpe na cabeça, eu estaria prestes a saltar prédios altos em um único salto.” Ele não riu. “Se você decidisse, eu não tenho nenhuma dúvida de que você poderia descobrir como.” “Eh... era uma piada, Spence.” Ele sorriu. “Você deve estar se sentindo brincalhona se está de novo massacrando o meu nome.” “Brincalhona?” Ela estreitou os olhos, mas não muito, porque doía. 454


O sorriso se alargou em um riso. “Você é tão bonita.” “E você está agindo realmente estranho.” Ele realmente disse que a amava? Como em, talvez ele a amasse da mesma forma Jackson amava? Só que Jackson não tinha dormido com ela. Jackson não a tinha feito derreter com prazer selvagem. Jackson não... “Eu te amo, Arizona. Eu quero estar com você.” “Você quer dizer... como parceiros, certo?” Porque na realidade, nada disso fazia muito sentido. Mas ela queria trabalhar com os caras. Seria como um sonho virando realidade. “E como amantes.” Se ele não a estivesse segurando, ela poderia ter deslizado direto para fora da cama. “Sério?” Ela não tinha nenhum problema com isso. “Isso seria incrível! Eu tinha uma espécie de esperança, mas eu não queria empurrar... e então eu precisava fazer essa coisa com Quinto, e eu meio que percebi que tinha ferrado o negócio, sabe? Mas se você...” Sua mão cobriu a boca. “Se nós trabalharmos com o trio dinâmico ou não, eu quero estar com você.” “E fazer sexo comigo.” ela lembrou. Ele concordou, mas acrescentou: “Na saúde e na doença.” Seus olhos queimavam. Sem chance! Isso soou como uma espécie de... proposta. Não que ela soubesse patavinas sobre propostas. Ela deu uma risadinha nervosa. “Isso significa que...?” Spencer ergueu o queixo, inclinou-se e a beijou mais uma vez. “Eu pensei que você fosse jovem demais para mim.” Ela bufou. “Isso é tão estúpido.” Outro beijo, este delicado porque ele riu. “Deus, eu preciso de você, Arizona. Não, você não é jovem demais. Você é perfeita. Para mim. E eu te amo.” Lá estava ele de novo! Direto para fora. E Spencer falou como se ele quis dizer isso e não da mesma forma que Jackson disse. “Eu não tinha certeza...” “Eu tenho. Muita certeza.” Ele a abraçou perto, de modo que seu nariz estava contra o peito dele e ela respirou seu perfume maravilhoso. “Eu pensei que quisesse ajudá-la a superar um passado tão trágico, isso esmagava meu coração.”

454


“Você ajudou! Estou deixando o passado ir. A maior parte, de qualquer maneira.” Spencer merecia a confissão completa. “Eu ainda tenho pesadelos, provavelmente sempre terei.” “Mas a partir de agora, você não vai estar sozinha quando os tiver, porque você estará comigo.” “Oh. Ok.” Sim, ela estava mudada para sempre pelo passado, mas ela não se sentia ferida, não se... Ela espiou para ele. “Você me aceitar como eu sou?” “Eu amo você como você é. Espero que você mostre mais cautela, mas...” “Eu sou sempre cautelosa!” Ele deu-lhe uma careta severa. “Não mais me deixando bilhetes. Não mais saindo furtivamente sem mim.” “Bem, quanto a isso, eu tinha que fazer. Eu precisava que você visse que eu poderia cuidar de mim.” “Eu percebi isso. Você é uma mulher destinada a estar entre os campeões. E você foi incrível.” De jeito nenhum ela poderia morder de volta seu sorriso, e ela não dava a mínima se isso fazia sua cabeça doer mais. O elogio a deixou radiante. “Mesmo?” Spencer suspirou com exasperação. “O que eu estou tentando dizer aqui é que eu pensei que iria ajudá-la e em vez disso, foi você quem me ajudou. Você me tirou do passado. Agora tudo que eu posso ver é o futuro.” Com os dedos dos pés enrolados, e ela guinchou, “Comigo?” “Hoje, amanhã e para o resto de nossas vidas.” “Isso seria... incrível.” Seu sorriso veio lentamente. “Você acha?” Antes de Spencer, ela não podia imaginar dizer as palavras, mas com ele, era muito, muito fácil. “Sim, uma vez que, você sabe, eu na verdade também te amo.” O sorriso de Spencer se alargou. Ela sorriu, também, porque agora que as palavras foram ditas, parecia totalmente... livre. Gentilmente, ele segurou a parte de trás do pescoço dela e a beijou. “Venha, querida. Vamos para casa.” 454


***** Apoiado contra uma parede com Dare ao seu lado, Spencer viu quando Arizona segurou a pequena recém-nascida. Ela olhava com admiração, e parecia incrivelmente suave. Como uma mulher. Sua mulher. Ela seria a tia mais incrível de sempre. “Oh homem, Jackson, ela é linda.” Jackson sentou-se ao lado de Arizona, o braço livre em volta dos ombros enquanto seu bebê segurava o dedo mindinho com sua mãozinha. “Ela cheira tremendamente bem, também, você não acha?” Arizona colocou o nariz no tufo de cabelos louros macios e inalou. “Mmm. Sim, ela cheira.” Ela aninhou o bebê mais perto. “Nós poderíamos engarrafar você, menina, e fazer uma fortuna.” Jackson sorriu. “Ela se parece com Alani.” Trace estava atrás do sofá, inclinando, por sua vez, também maravilhado com a nova adição à família. Alani, que havia terminado recentemente de alimentar o bebê, estava no outro quarto com Molly e Priss, abrindo ainda mais presentes. Chris entrou, fresco de um chuveiro. Ele colocou uma camiseta limpa e sentou perto de Arizona, do outro lado. “Você tem todos os instintos certos, Arizona.” Arizona sorriu, mas quando ela voltou sua atenção para Chris, foi para dizer: “Você fez a verificação de antecedentes sobre o proprietário da casa de massagem?” “Sim. Dare disse que vale a pena investigar.” Ele tocou os dedos do bebê. “Há trabalho forçado, no mínimo, mas provavelmente tráfico, também, dadas as conexões do proprietário.” “Irei passar e verificar.” acrescentou Trace. “Fazer uma visualização. Obter alguma evidência em primeira mão se puder.” “Como é que você pretende obter provas numa casa de massagem?” Perguntou Jackson. “Você vai pagar por um 'final feliz'?” 454


“Eu já tenho o meu final feliz, seu bundão.” “Oh, muito legal. Você não quer me amaldiçoe na frente de Alani, mas você pode fazer isso na frente da minha filha?” “Ela é muito jovem para entender.” O bebê se espreguiçou, e Arizona disse: “Ahhhh...” com uma voz doce derretida antes de olhar para Trace. “Você me contará o que encontrar?” Trace sacudiu a ponta do nariz dela. “Você será a primeira que eu chamarei.” “Obrigada.” Dare cutucou Spencer, perturbando seu devaneio silencioso. “Dando a você quaisquer ideias de bebê?” Ele estava tão contente, tão feliz, que quase o assustava. Ele e Arizona se mudariam para sua casa recém-construída no final da próxima semana. Havia pilhas de fotos de família prontas para decorar as paredes. Até agora o seu acordo de trabalho era perfeito. Preocupava-o cada vez que ela ia atrás de um babaca – mas a fazia feliz, e ela era boa nisso. Realmente boa. Agora que ela havia sido aceita, coordenava com os outros, o que reduzia muito os riscos. E ela tinha apenas alguns pesadelos; cada um se desvaneceu rapidamente, uma vez que fizeram amor. Assim, com grande sinceridade, ele disse: “Qualquer coisa que Arizona quiser.” Dare sorriu. “Uma atitude como essa está sujeita a lhe trazer problemas.” Essa atitude lhe tinha conseguido tudo que ele jamais soube que queria, porque, como se viu, o que ele realmente queria era Arizona.

454


(homens que andam a beira da honra 04) lori foster uma tempestade perfeita