Trilhas Urbanas: Parque Independência

Page 1

PARQUE

MUSEU PAULISTA & MUSEU DE ZOOLOGIA

Independência

2° edição Revisada


Paisagens do

Ipiranga



O Ipiranga As primeiras referências ao bairro do Ipiranga dizem respeito à construção de uma capela dedicada a Nossa Senhora da Luz, erguida por Domingos Luis, o carvoeiro, e sua mulher Ana Camacho, quando a região era ainda denominada Ireripiranga. Relatos históricos indicam que, em 1603, a capela foi transferida para os campos do Guarepe, dando origem ao bairro da Luz. O bairro do Ipiranga está situado no sudeste do município, na vertente esquerda da bacia do rio Tamanduateí, contendo em seu território os córregos do Ipiranga e dos Meninos. Até meados do século XIX fazia parte da zona rural. Havia apenas chácaras, sítios, casas pequenas e vendas para abastecer os tropeiros que viajavam até a Serra do Mar. Com o desenvolvimento urbano e o aumento do mercado de café, a cidade se expandiu ao longo do antigo caminho do mar. Em 1867, a Estrada de Ferro Santos-Jundiaí, vem facilitar esse percurso dando início ao desenvolvimento urbano da região. O desenvolvimento valorizou o bairro, atraindo cada vez mais imigrantes. Muitos vieram do Oriente Médio como a família Jafet, que construiu palacetes que ainda podem ser vistos na região. O Ipiranga recebeu também muitos italianos que vieram trabalhar nas fábricas que se instalaram no local. A região tinha características industriais tão marcadas que os bondes e ônibus que para lá se dirigiam tinham no letreiro o título Fábrica. Entre os anos 20 e 40, era considerado elegante residir na Rua Bom Pastor e nas Avenidas D. Pedro I e Nazaré. Em 1947, a inauguração da primeira pista da Via Anchieta aumentou o tráfego em direção a Santos, transformando o bairro, trazendo novas atividades e residências para diferentes

O


do novas atividades e residências para diferentes classes sociais. Com uma extensão de cerca de 30 Km², hoje o Ipiranga é composto por 80 vilas, que abrigam uma população de cerca de 556.000 habitantes (Censo, 2000) de constituição heterogênea, já que o bairro, além de ter recebido muitos imigrantes, continua a receber migrantes. Berço da Independência do Brasil e referência histórica nacional, o Ipiranga possui um estoque arquitetônico muito característico e diversificado, que inclui instituições de ensino, museus, obras de arte, prédios tombados como patrimônio histórico e parques. Parque Independência, Museu Paulista e Museu de Zoologia: meio ambiente, história e ciência. Trilhar é preciso!

Parque Independência Marco histórico nacional, o Parque Independência está localizado na colina do Ipiranga. Sua área de cerca de 161.300 m², tornada parque público em 1989, abriga importante patrimônio histórico, cultural e ambiental, como o Museu Paulista, o riacho do Ipiranga, a Casa do Grito, o Monumento à Independência, seus jardins e chafarizes e o bosque.

O


O Bosque

A

O bosque do Parque Independência foi concebido inicialmente como Horto Botânico do Museu Paulista. Criado em 1905 por Hermann Von Ihering, primeiro diretor deste museu, tinha finalidade científica e instrutiva, "destinado a estudar e mos-


científica e instrutiva, "destinado a estudar e mostrar as árvores de nossas matas e, por este motivo, não se planta neste parque outras mudas a não ser as da nossa rica flora indígena", nos dizeres de seu criador. O Horto Botânico representava a diversidade da flora brasileira. Na década de 1920 ele estava organizado de forma a apresentar os biomas brasileiros, distribuídos entre matas e campos. Em 1939 o Horto Botânico do Museu Paulista deixou de existir legalmente e perdeu seu objetivo científico e didático. A partir daquele momento ele começou a se reorganizar como um bosque de lazer e práticas esportivas. Este bosque atualmente abriga belos exemplares de espécies nativas, como pau-ferro, imbiruçu, cedro, jatobá, marinheiro e embaúba, além de frutíferas com pitangueira, jambeiro e goiabeira, e algumas espécies exóticas como o pau-incenso e a falsa-seringueira. A presença de árvores frutíferas propicia alimentação e abrigo para a avifauna local, que inclui periquito-verde, bem-te-vi, sabiálaranjeira, sanhaço, tico-tico, pardal (introduzido), quero-quero, cambacica, rolinha, anu-branco, joãode-barro, e corruíra. Esta área verde ocupa aproximadamente 32.000 m² e tem grande importância na manutenção da diversidade da fauna e na melhoria das condições ambientais.

Os Jardins

B

Entre 1906 e 1909, o paisagista belga Arsênius Puttemans fez o projeto dos jardins ao redor do edifício do Museu Paulista, reproduzindo concepções paisagísticas inspiradas nos jardins barrocos franceses como o do Palácio de Versailles. Podemos observar que o modo como as plantas são podadas nos transmite um sentimento de domínio da natureza por parte do homem.


científica e instrutiva, "destinado a estudar e mosEmárvores 1922, para a comemoração doeste Centenário trar as de nossas matas e, por motivo, da Independência, esses jardins ganharam não se planta neste parque outras mudas a nãomais ser 1.500 m² e chegaram até a Avenida D. Pedro I, onde as da nossa rica flora indígena", nos dizeres de seu fica o Monumento à Independência. Naadécada de criador. O Horto Botânico representava diversida1930, foram feitas novas intervenções nos jardins, de da flora brasileira. Na década de 1920 ele estava como as obras de rebaixamento em frente organizado de forma a apresentardaosárea biomas brasià fachada principalentre do Museu evidencianleiros, distribuídos matas Paulista, e campos. Em 1939 o do ainda mais ado colina do Paulista Ipiranga.deixou de existir Horto Botânico Museu legalmente e perdeu seu objetivo científico e didático. A partir daquele momento ele começou a se reorganizar como um bosque de lazer e práticas esportivas. Este bosque atualmente abriga belos exemplares de espécies nativas, como pau-ferro, imbiruçu, cedro, jatobá, marinheiro e embaúba, além de frutíferas com pitangueira, jambeiro e goiabeira, e algumas espécies exóticas como o pau-incenso e a falsa-seringueira. A presença de árvores frutíferas propicia alimentação e abrigo para a avifauna local, que inclui periquito-verde, bem-te-vi, sabiálaranjeira, sanhaço, tico-tico, pardal (introduzido), quero-quero, cambacica, rolinha, anu-branco, joãode-barro, e corruíra. Esta área verde ocupa aproximadamente 32.000 m² e tem grande importância na manutenção da diversidade da fauna e na melhoria das condições ambientais.

Os Jardins

B

João-de-Barro rufus) Entre 1906 e 1909, o(Furnaris paisagista belga Arsênius Puttemans fez o projeto dos jardins ao redor do edifício do Museu Paulista, reproduzindo concepCom paisagísticas tamanho aproximando cm e uma dieta ções inspiradas de nos19jardins barrocos à base de como minhocas, artrópodes algufranceses o domoluscos, Palácio de Versailles.ePodemas observar sementes,que o oFunarius rufus, as popularmente mos modo como plantas são conhecido João-de-barro, recebe esse podadas noscomo transmite um sentimento de domínome construir seu ninho com restos vegetais, nio da por natureza por parte do homem.


nome por construir seu ninho com restos vegetais, esterco e barro úmido. A sua casa, que geralmente leva de cinco a seis dias para ficar pronta, contém dois compartimentos, um menor que fica na entrada com abertura para o exterior, e outro separado por uma parede de barro, onde a fêmea põe os ovos (3 ou 4). Pouco menor que um sabiá, o João-de-barro, é marrom, vive em casais e tem o hábito de cantar em dueto próximo ao ninho.

Cripta Imperial

C

Também denominada "Capela", foi construída em 1952, no espaço sob o Monumento da Independência, para abrigar os restos mortais de D. Pedro I. Em 1954, como parte das comemorações do 4º Centenário, os restos mortais de Dona Leopoldina, esposa de D. Pedro I, foram transferidos do Rio de Janeiro para o local. Para as comemorações do Sesquicentenário (150 anos) da Independência


nome por construir seu ninho com restos vegetais, em e1972, governo do Brasil trouxe os restos esterco barroo úmido. A sua casa, que geralmente mortais de D.a seis Pedro que ficar estavam emcontém Lisboa leva de cinco diasI para pronta, (Portugal). Em 1982, chegaram ao local os despojos dois compartimentos, um menor que fica na de Dona com Amélia, segundapara esposa do Imperador. entrada abertura o exterior, e outro separado por uma parede de barro, onde a fêmea põe os ovos (3 ou 4). Pouco menor que um sabiá, o D João-de-barro, é Riacho do Ipiranga marrom, vive em casais e tem o hábito de cantar em dueto próximo ao ninho. Ypiranga, Hipiragua, Piranga ou Poranga são as denominações que teve o rio que passa no bairro, das quais os significados mais aceitos são " águas vermelhas" e "águas barrentas", certamente originário do tupi-guarani. Porém alguns dicionaristas garantem que a palavra é derivada de i-pi-rá-ãanga, que significa leito desigual. Durante séculos foi ponto de parada para tropeiros e viajantes que percorriam o Caminho do Mar, entre São Paulo e Santos. Por isso, foi neste local que Dom Pedro parou para descansar com sua comitiva quando vinha de Santos no início de setembro de 1822. Ali, recebeu notícias de Portugal, que o contrariaram e o levaram a gritar pela independência do Brasil. O episódio está registrado nos versos do hino nacional: "Ouviram do Ipiranga as margens plácidas (...) o brado retumbante."

JatobáImperial (Hymenaea courbaril) Cripta C Também construída em O Jatobádenominada é encontrado"Capela", desde ofoi Piauí até o norte 1952, no espaço sob o Monumento da Independo Paraná, nas florestas semidecíduas, podendo dência, para15abrigar restosde mortais dePossui D. Pedro I. medir de a 20 os metros altura. um Em como parte das comemorações do 4º fruto1954, comestível que contém uma farinha muito Centenário, os restos mortais de Dona Leopoldina, nutritiva que é consumida pelo homem e pelos esposa Pedro I, foram transferidos do Riopara de animais.deÉ D. uma árvore de fácil multiplicação Janeiro para o local. Para as comemorações reflorestamentos heterogênios (diversidade do de Sesquicentenário (150 anos) da Independência árvores), parques e arborização de grandes


jardins. Não exige solo muito fértil e úmido, geralmente ocorrendo em terrenos bem drenados. O existente no bosque do Parque Independência tem uma forma muito peculiar - de cotovelo - pois apresenta um fenômeno natural chamado fototropismo positivo, que é o crescimento das plantas em busca de uma maior incidência de luz solar.

Monumento à Independência

E

Foi construído com a intenção de representar o grito de D. Pedro I, em 7 de setembro de 1822, às margens do riacho do Ipiranga. É verdade que nem todos os historiadores confirmam a veracidade deste fato, todavia, o belíssimo conjunto arquitetônico está lá para retratar a cena. Iniciada em 1919, a obra teve como escultor Ettore Ximenes, cujo projeto foi escolhido


a partir um concurso público. obra, que foi jardins. Nãode exige solo muito fértil eAúmido, geralinaugurada em 1922 para a bem comemoração mente ocorrendo em terrenos drenados. do centenário é composta por O existente da no independência, bosque do Parque Independêncerca deuma 131 peças bronze, sendo que escultucia tem formademuito peculiar - deascotovelo da apresenta parte superior simbolizamnatural a força, chamado a justiça e -ras pois um fenômeno a sabedoria. Nopositivo, subsolo que encontra-se a Cripta Impefototropismo é o crescimento das rial com em os restos da família D.Pedro. de plantas buscamortais de uma maior de incidência luz solar.

Museu Paulista F Monumento à Independência

E

Inaugurado oficialmente em 1895 e conhecido como Museu do Ipiranga, é o mais antigo museu Foi construído de representar o público de São com Paulo.a Ointenção edifício onde está instalagrito de D. Pedro I, em 7 de setembro de 1822, às do foi construído entre 1885 e 1890 e projetado margens do riacho do Ipiranga. É verdade que pelo arquiteto Tommaso Gaudenzio Bezzi para nem todos os historiadores confirmam a veracicelebrar a Proclamação da Independência. A sua dade deste além fato, todavia, o belíssimo conjunto construção, de assinalar o local onde teria arquitetônico está ládapara retratar a cena.também ocorrido o "grito independência", Iniciada em 1919,dea associar obra teve como tinha a intenção a data de escultor sete de Ettore Ximenes, cujo projeto foi escolhido setembro ao regime monárquico e à construção


da nação brasileira, sendo ainda uma demonstração do poder econômico de fazendeiros e empresários paulistas, que nesse momento ocupavam uma posição de prestígio junto ao governo central. O estilo arquitetônico adotado para a sua construção - eclético de linhas neoclássicas - era muito utilizado na Europa na época, e viria marcar, a partir do final do século XIX, a transformação arquitetônica de São Paulo. A técnica empregada foi basicamente a da alvenaria de tijolos cerâmicos, uma novidade para a época (a cidade ainda estava acostumada a construir com taipa de pilão). Cinco anos depois de sua inauguração passou a abrigar o Museu Paulista, criado como panteão da independência e Museu de História Natural. O Museu Paulista é um museu de História, vinculado à Universidade de São Paulo desde 1963. Apresenta exposições relacionadas à formação das sociedades paulista e brasileira. Seu acervo é muito rico e diversificado, abrangendo coleções de objetos, iconografia e documentação impressa e manuscrita.

Casa do Grito

G

Um dos raros exemplares de pau-a-pique da cidade de São Paulo, a Casa do Grito, diferentemente do que o seu nome indica, tem relação apenas simbólica com o "brado do Ipiranga". Foi construída por volta da década de 1880, e portanto, cerca de 60 anos depois da Proclamação da Independência. Com as comemorações do 4º centenário da cidade, em 1954, foi realizada uma reestruturação patrocinada pelo governo do Estado que tentou deixá-la parecida com a casa representada pelo pintor Pedro Américo no quadro


setembro ao regime monárquico e à construção Independência ou Morte (exposto no Museu da nação brasileira, sendo ainda uma demonstraPaulista). Foi nessa ocasião que o imóvel ção do poder econômico de fazendeiros recebeu e empre-o nome paulistas, "Casa do Grito". sários que nesse momento ocupavam Em 1981, a Prefeitura de São Paulo fez nova central. restauuma posição de prestígio junto ao governo ração, que devolveu ao imóvel o seu visual original. O estilo arquitetônico adotado para a sua construFaz parte do conjunto Indepenção - eclético de linhascomemorativo neoclássicas da - era muito dência do Brasil. utilizado na Europa na época, e viria marcar, a partir do final do século XIX, a transformação arquitetônica de São Paulo. A técnica empregada foi basicamente a da alvenaria de tijolos cerâmicos, uma novidade para a época (a cidade ainda estava acostumada a construir com taipa de pilão). Cinco anos depois de sua inauguração passou a abrigar o Museu Paulista, criado como panteão da independência e Museu de História Natural. O Museu Paulista é um museu de História, vinculado à Universidade de São Paulo desde 1963. Apresenta exposições relacionadas à formação das sociedades paulista e brasileira. Seu acervo é muito rico e diversificado, abrangendo coleções de objetos, iconografia e documentação impressa e manuscrita.

Museu de Zoologia Casa do Grito

H G O Museu de Zoologia da Universidade de São

Paulo, também conhecido como Museu dos Bichos, teve sua origem na década de 1890, Um dos uma raros coleção exemplares de pau-a-pique quando de animais fez parte da do cidade de São Paulo, a Casa do Grito, diferenteacervo inicial do Museu Paulista. Em 1941, referimente do que o seu foi nome indica, tem da coleção zoológica transferida pararelação o atual apenas com "brado donos Ipiranga". edifíciosimbólica do Museu de oZoologia, limites Foi do construída por volta da década um de Departa1880, e Parque Independência, formando portanto, de 60 depois da Proclamamento decerca Zoologia doanos governo paulista. Em 1969, ção da Independência. a instituição passou a fazer parte da Universidade Com comemorações 4º centenário da de SãoasPaulo e recebeu seudonome atual. cidade, em 1954, foi realizada uma reestruturaO prédio foi projetado pelo arquiteto Christiano ção patrocinada governo do Estado que Stockler das Nevespelo especialmente para guarda de tentou deixá-la parecida com a casa representacoleções, laboratórios e exposições. Representada pelo pintor Pedro Américo no quadro


ções de animais aparecem nas fachadas, no vão central e nos vitrais do prédio, convidando para a visita às exposições e aos serviços do museu. O Museu de Zoologia faz estudos sobre a fauna da América do Sul e Central. As pesquisas estão principalmente nas áreas de taxonomia, sistemática, evolução e biogeografia, utilizando as coleções de animais que o Museu abriga. Atualmente há cerca de 8 milhões de exemplares conservados em meio líquido ou a seco. Mantém ainda uma biblioteca especializada, publicações, exposições e atividades educativas, realizando pesquisas também nas áreas de museologia, comunicação e educação. No ensino, atua em pós-graduação, oferece disciplinas para graduação, cursos de extensão e estágios de aperfeiçoamento e de iniciação científica. Em 2001 foi implantado o programa de comunicação museológica e, consequentemente, em 2002 a abertura da nova exposição de longa duração, que passou a apresentar uma nova programação de atividades aos visitantes do Museu.

créditos coordenação do programa Trilhas Urbanas Virginia T. V. Tristão pesquisa e textos Virginia T. V. Tristão/Marina Engels/João G. Rapaelli/Ricardo Bogus/Daniel Varela/Mauricio C. da Silva/Margarida Andreatta/Heloisa Barbuy/Maria Julia E. Chelini/Graça M. P. Ferreira/Denise Peixoto/Elisabeth Zolcsak revisão de textos Mônica Ribeiro revisão de textos 2° edição Marina Engels/Guilherme M. Cunha/Julia Luchesi/ Leandro Rodrigues Gonçalves foto Pedro Paulo Duarte/Fabio Lopes/Silvia Glueck/André C. Dias/Marcos Kawall/Jefferson Pancieri/Ângela Garcia/Andrea Grosse. projeto gráfico Pedro Paulo Duarte/Natan de Aquino Giuliano coordenação de arte Sílvia Glueck


PARQUE

Independência MUSEU PAULISTA & MUSEU DE ZOOLOGIA G C

B

E

Os parques situados em áreas urbanas são considerados patrimônios ambientais, históricos e culturais, proporcionando ao seu público usuário um espaço geográfico propício para convivência social, lazer, prática de esportes, contemplação, educação ambiental e a possibilidade de coexistência do ambiente natural com o ambiente construído. Potencializando o aspecto pedagógico dos Parques Municipais, o Programa Trilhas Urbanas vem desenvolvendo nestes espaços trilhas monitoradas como estratégia em educação ambiental, proporcionando aos participantes a oportunidade de uma melhor compreensão acerca do processo de antropismo (ação humana sobre o ambiente) e suas conexões espaço-tempo que resultaram nas transformações socioambientais contemporâneas As trilhas interpretativas em Educação Ambiental desenvolvidas pela equipe do Programa visam estimular a capacidade de observação e reflexão, viabilizando, assim, a informação biológica, social, cultural, geográfica e histórica, a sensibilização e a conscientização socioambiental, propiciando ao cidadão, a partir de uma nova leitura da realidade, repensar e rever sua relação com o meio ambiente como um todo.

Educação Ambiental

D

Embaúba (Cecropia glazioui) É uma árvore pioneira - árvore de clareira e de rápido crescimento ao sol muito recomendada para paisagismo, na composição de reflorestamentos e recuperação da vegetação de áreas degradadas. Atinge seu porte adulto máximo em menos de 10 anos, com altura que varia de 8 a 16 metros. Suas folhas ásperas servem como lixa de madeira, sendo que as folhas novas são o principal alimento do bicho-preguiça. Seus frutos são comestíveis e muito procurado por animais.

Pau Brasil (Caesalpinia echinata) Com seu tronco espinhoso e sua madeira avermelhada, o Pau Brasil é originário da Mata Atlântica. É uma espécie muito próxima da Sibipiruna (C. peltophoroides) e do Pau Ferro (C. ferrea), as três pertencendo ao mesmo gênero (Caesalpinia). No período colonial, foi responsável pelo batismo do nosso país devido à sua abundância. Nessa época, foi altamente explorado, devido ao então raro corante vermelho extraído de sua madeira.

Guapu

Seu nome árvore ond também co por sua altu amarelas, d vistosas, e oferece um que a torna para o uso e


A H

Riacho Chafariz Mamíferos (sagui)

uruvu (Schizolobium parahyba)

de origem indígena significa de moram os urubus, mas é onhecida como rei da floresta, ura de 20 a 30 metros. As flores desta árvore nativa, são muito a folhagem tipo samambaia ma sombra leve e agradável, o a particularmente apropriada em parques.

Pau-Brasil Caesalinia echinata Café Coffea arabica Jerivá Syagrus romanzoffiana Tipuana Tipuana tipu Figueira-benjamim Ficus microcarpa Imbiruçu Eriotheca pentaphylla Seringueira-da-Índia Ficus elastica Jatobá Hymenaea courbaril Embaúba Cecropia glazioui Guapuruvu Schizolobium parahyba Goiaba Psidium guajava Uva-japonesa Hovenia dulcis Tapiá-mirim Alchornea triplinervia Marinheiro Guarea macrophylla Camboatá Cupania oblongifolia Canela-branca Cryptocarya mandioc cana Grumixama Eugenia brasilienses Pitanga Eugenia uniflora

Aves

Pitanga (Eugenia uniflora)

Cooper/Caminhada/Trilhas

Encontrada na região sul e no estado de São Paulo, é muito popular por seus frutos saborosos e de produção abundante. É utilizada para auxiliar na recomposição de áreas degradadas, proporcionando alimento à avifauna.

Aparelhos de Ginástica Playground Sanitário

Legenda

F

árvores

fauna

N

Alma-de-gato Piaya cayana Galo-da-campina Paroaria dominicana Tico-tico Zonotrichia capensis Urubu-de-cabeça-preta Coragyps atratus Suiriri Tyrannus melancholicus Curruíra Troglodytes musculus Chopim Molothrus bonariensis Sagui de tufo branco Callithrix jacchus João-de-barro Furnarius rufus Bem-te-vi Pitangus sulphuratus Sabiá-laranjeira Turdus rufiventris Sanhaço-do-coqueiro Thraupis palmarum Pardal Passer domesticus Coruja-orelhuda Rhinoptynsc clamator Quero-quero Vanellus chilensis Rolinha Columbina talpacoti


Parque

Independência Av. Nazaré

Xavier de Almeida

Padre Marchetti

Av .R

ica

rd o

Ja

fet

Rua Bom Pastor

Rua dos Patriotas

Av. Dom Pedro

Rua dos Sorocabanos

Avenida Nazaré, s/n° - Ipiranga Fone/Fax: (11) 2273-7250 Segunda a Domingo - 5h às 20h Horário de Verão: 5h às 21h