Page 1

d mod

a

a 2

Nº 0 /2012

Enigma Chita Chic Make Artístico Margarete Almeida Willians Muniz Algodão Colorido


Curva Francesa Estilistas , arquitetos, engenheiros, desenhistas, artistas, entre outros, utilizam-se de ferramentas ou réguas com curvas, que possibilitam a execução de várias linhas ornamentais em seus trabalhos, deixando-os com um toque de delicadeza e sofisticação.


INFORME PARCEIROS

Empresas de Confecção participam de Consultoria de Fábrica e Curso de Modelagem O Sebrae iniciou no mês de setembro uma consultoria em Processos Produtivos de Fábricas de Confecção, com o especialista Romero Sobreira. A consultoria está sendo desenvolvida em oito empresas: Xamego Moda Praia; Raquel Grassi; Quary Blue; Lamila Moda Íntima; Artbaby; Papaya; Areia Dourada e Zirtaeb. O objetivo da consultoria visa a organização e o aperfeiçoamento dos processos produtivos e melhoria da qualidade dos produtos fabricados nas indústrias de confecções, operacionalizando os setores de Corte, Costura e Administração Financeira. A duração é de seis meses, com encer-

ramento previsto para o próximo mês de novembro. Ainda no mês de setembro foi realizado o curso de Modelagem Industrial em Malha para os segmentos de Moda Praia, Íntima e Fitness com a consultora Áurea Celene e contou com a participação de cinco empresas: Quary Blue; Sol&Sal; Lamila Moda Íntima; M. Veste e Rafaela de Souza –ME. O mês também foi marcado pela parceria com o “CAFÉ COM MODA”, que resultou o debate “Blogs de Moda” e contou com a participação de empresas interessadas neste canal de marketing e comercialização de produtos.




Editorial

d mod

a

a

Produção Romero Sousa Assistente de produção Luziane Lima Jornalista responsável Larissa Claro - DRT 2890 Textos Larissa Claro e Gabriela Muniz Diagramação e arte Danilo Izidro e Klécio Bezerra Fotos Secom

FAST

Por Luziane Lima

26

Enigma Chita Chic

Colaboradores Margarete Almeida e Willians Muniz Capa Foto: Dayse Euzébio Modelo: Carolina Domingues Vestido: Coleção Chita Chic por Romero Sousa Calçado: Karmélia Beleza: Mariana Mendonça

por Romero Sousa

16

PROFISSÃO Estilista

Crianças da ONG Epopeia visitam Estação da Moda

19

MODA TECNOLÓGICA Por Gabriela Muniz

28

Make Artístico Margarete Almeida Willians Muniz Algodão Colorido

CRIATIVO

OFICINA

ENIGMA

18

Nº 0 /2012

Tratamento de imagens Casa das Artes Visuais, Suenia Gomes e Dayse Euzébio

7

8

2

Prefeito Luciano Agra Secretaria de Comunicação Social Marly Lúcio Secretaria de Ciência e Tecnologia Sales Dantas Diretor da Estação da Moda Romero Sousa

6

PERSONA

Expediente

SUMÁRIO

CHITA CHIC

O quarto grupo da Célula de Criação, projeto desenvolvido dentro da Estação da Moda, desenvolveu uma coleção de moda inspirada nas igrejas barrocas de João Pessoa, chamada “Enigma”. O resultado do trabalho do grupo está no editorial que preparamos com exclusividade para o segundo número da revista Da Moda. “Enigma” divide as páginas da publicação com a “Chitachic”, coleção desenvolvida pelo estilista Romero Sousa, em editorial também inédito. Queremos aproveitar o espaço para agradecer aqueles que compareceram ao lançamento da revista da Moda, em agosto passado, na Estação Ciência. O evento, assim como a revista, foi um sucesso. Agradecemos de coração! Mais do que nunca, a Da Moda é uma publicação que reúne o pensamento, a criação e as inspirações de muitas pessoas interessadas em moda. A revista continua aberta à colaboração. Faça-nos uma visita e apresente a sua ideia. Será um prazer recebê-los e publicá-los!

MODA

Por Margarete Almeida

30

31

MODA CULT

Por Iara Torquato

32

O Sudário Negro

Um conto de Williams Muniz


Foto: Marvimm

AST

Movimento Ecochic Day tem nova data

Por Luziane Lima técnica em Produção de moda e AUTORA DO blog WWW.Luzianelima.com

Com design diferenciado e inovador, Kobi Levi chamou atenção para suas criações. São calçados irreverentes feitos em edição limitadas e colocados à venda em seu site. Por lá, também é possível ver um pouco dos esboços e processo criativo. Acesse: kobilevidesign. com

Divulgação

Calçados artísticos

Na coluna Fast da edição anterior, divulguei o Movimento Ecochic Day, evento que acontece em São Paulo a cada dois meses. Por alguns motivos, o evento que apresentará o trabalho de 10 paraibanos mudou a data e acontecerá no dia 27 de outubro. A ação Moda Sustentável da Paraíba é uma realização do Movimento Ecochic Day, em parceria com a Babel das Artes e tem como objetivo reconhecer e divulgar os talentos criativos da região que produzem moda com materiais naturais ou artesanais. Saiba mais: movimentoecochicday.com ou babeldasartes.com.br/blog

Exposição

Divulgação

Handmade de luxo



A coleção Verão 2013 da Balmain, cujo desfile foi apresentado em Paris no mês de setembro, mostrou inspiração na década de 80. O aspecto rústico e artesanal de algumas peças foi o que mais me chamou atenção. Todos os desfiles podem ser visto em: style.com

Quem estiver por São Paulo até o dia 9 de dezembro não pode deixar de conferir a 30ª Bienal de São Paulo. São 2,9 mil obras de 111 artistas em uma diversidade de processos criativos. Entre eles, está o trabalho de Sheila Hicks que faz obras de arte com tecidos (foto). Entrada gratuita. Outras informações: bienal.org.br

Sagi cine Sagi, distrito de Baía Formosa no Rio Grande do Norte, sediará o I Sagi Cine-Guerrilha de Fronteira, um festival que contará com mostras de filmes paraibanos e potiguares, além de diversas atividades ligadas à produção audiovisual da Paraíba e do Rio Grande do Norte. As atividades acontecem de 12 a 14 de outubro e a programação está disponível na página facebook/sagicine




riativo por Romero Sousa

BANAXITA Visitar a comunidade Chã de Jardim, no Brejo paraibano, foi uma experiência ímpar na minha vida. O simpático distrito do município de Areia (PB) fica localizado na única reserva de mata de altitude do estado. A visita se deu por meio de uma consultoria solicitada pelo Sebrae e acabou se transformando numa experiência inspiradora e estimulante para mim. O grupo, até aquele momento, nunca havia participado de uma ação semelhante, onde o design interage com a comunidade na transformação do artesanato em acessórios - neste caso a palha de bananeira, comum na região. O grupo formado por mulheres de fibra (da bananeira!) - faço questão de mencionar: Luciana (articuladora), Maria José, Bernadete, Socorro, Hosana, Maria da Graça, Sueli, Rejane, Renata, Victoria, Nilda e Cristiana - abraçou imediatamente o projeto, que consistia na elaboração de 10 acessórios de moda. As técnicas utilizadas pelo grupo vêm sendo repassada de uma para a outra espontaneamente. São tramados ou trançados, tranças, cordas, crochê, tricô e bordados - tudo aproveitado na elaboração das peças criadas pelo consultor, bolsas e sandálias na sua maioria. A chita entrou como forro e detalhes, dando uma característica regional aos acessórios, mas com um apelo contemporâneo. O meu objetivo foi elaborar produtos que agregasse além do design, acabamento, durabilidade e funcionalidade. Recentemente a coleção foi apresentada na Feira do Empreendedor, com imediata aceitação. Isso me dá uma enorme felicidade, pois estou ajudando estas mulheres a gerar renda para as suas famílias.


C H C I H TA IC


A chita ganhou um ar sofisticado nesta coleção desenvolvida com exclusividade pelo estilista Romero Sousa para a Feira do Empreendedor


Fotos Dayse Euzébio Modelos Carolina Domingues e Carolina Fernandes (Ricardo Gomes) Beleza Mariana Mendonça Produção Romero Sousa, Iara Torquato Calçados Karmélia Tratamento de imagem Dayse Euzébio Confecção QuaryBlue Coleção Chita Chic Romero Sousa


INFORME PARCEIROS


rofissão ESTILISTA “Estilista é aquele que, na moda, cria coleções de roupas e acessórios, exercendo forte influência sobre como as pessoas se vestem e criando tendências de mercado”. É assim que a enciclopédia mais popular da atualidade, a Wikipédia, define o papel

do estilista. Para falar um pouquinho sobre o papel desse profissional tão essencial para o mundo da moda, convidamos a estilista Isadora Cavalcanti, que apesar de jovem, apenas 27 anos, já está na estrada há 10 anos. Ela começou ainda na

adolescência, fazendo customização, e no verão 2009 lançou a primeira coleção: “Iluminar”, inspirada no poema do Vladimir Maiakovski. Atualmente, Isadora concilia o seu trabalho de criação com a customização que desenvolve para a Outlet Jeans.

DM - Ser estilista é...? IC: Poder ver um sonho materializado! Eu sempre quis despertar nas pessoas o desejo de usarem algo que eu criei, assim como eu sempre desejei as roupas que eu via nas revistas de moda, nos desfiles... Ser estilista é ter um papel social também... Muitos grandes nomes da moda mundial foram responsáveis por criar es-

tilos que alteraram para sempre o modo como nos vestimos. Coco Chanel, por exemplo, revolucionou a moda feminina quando libertou as mulheres da sua época dos espartilhos, aboliu as cinturas marcadas e deu liberdade a elas. Para mim, ser estilista é ter este poder,de criar,de mudar a história.

Qual é o maior desafio dessa carreira? Ser reconhecido. Você passa um tempão se dedicando à pesquisa, pensando, criando, e as pessoas não valorizam. Tenho mais de 10 anos nesse mercado e só agora vejo algumas portas se abrirem. Isso me deixa feliz. Eu quero muito po-

16

der abrir portas para essa galera nova que está começando. Felizmente, já temos aqui projetos pioneiros como a Estação da Moda, com seu concurso de novos estilistas FashionTech, que dá muito estímulo a nós, criadores de moda.


17

O que um estilista precisa ter para ser um bom profissional? Ter algum dom é algo muito bom, mas muitas competências de um criador de moda podem ser desenvolvidas. Eu diria que para o estilista ser um bom profissional ele jamais pode deixar de ser curioso, de buscar e testar novas técnicas; tem que entender o processo inteiro da confecção de uma roupa, como costurar (mesmo que o estilista não precise,tem que saber como); ser antenado, saber como anda o mundo a sua volta, o que acontece na po-

lítica, na religião, no Brasil, no mundo; ser um estudioso de todos os temas imagináveis, pois um estilista busca inspirações dos mais diversos lugares e coisas. Sua capacidade criativa está muito ligada a capacidade que ele tem de assimilar o mundo, a geografia, a história, as tendências. Em resumo, para ser um bom profissional, um bom criador, ele tem que buscar sempre estar bem informado e nunca parar de estudar e buscar conhecimento.

O que você acha do mercado para estilista na Paraíba? Acho que as pessoas só começarão a valorizar o mercado quando pararem de ver o trabalho dos estilistas na Paraíba como mero produto de artesanato. Muitas vezes é preciso sair daqui, ser reconhecido lá fora, para, enfim, o santo de casa fazer milagre. Isso me

entristece, porque temos tantos profissionais competentes aqui, tanta gente boa e cheia de potencial, sem chance de se mostrar. O que vende é fruto de grife, mas as pessoas esquecem a única grife que realmente importa possuir: personalidade.

Vê alguma perspectiva de crescimento do mercado? Apesar de tudo que eu disse, eu vejo sim. Justamente por acreditar no potencial dos nossos estilistas, dessa geração que não faz moda apenas pela moda,

mas se importa com o seu papel social, cultural. Se projetos como o FashionTech e a Célula de Criação continuarem vivos, ainda há esperança pra nós!


Estação da Moda realiza oficina para crianças e adolescentes da ONG Epopeia

erca de 20 crianças atendidas pela ONG Epopeia participaram de uma oficina de personalização de camisetas oferecida pela Estação da Moda e ministrada pela produtora de moda Luziane Lima. A visita ao Centro Vocacional Tecnológica (CVT) Confecções deu início ao projeto Ciclo de Visitas Profissões, organizado pela coordenação da ONG. A ideia é estimular o contato das crianças com profissionais de diversas áreas, mostrando caminhos para a escolha de uma carreira no futuro. Em duas horas, as crianças tiveram a oportunidade de conhecer um pouco a história do vestuário por meio de um vídeo educativo sobre o tema. O coordenador da Estação da Moda, Romero Sousa falou sobre o seu trabalho como estilista

18

e os projetos da Estação. Estímulo – Para o coordenador da Estação, a visita, que aconteceu nesta quarta-feira (26), foi estimulante não só para as crianças, mas para os profissionais do CVT. “A visita funcionou como uma injeção de estímulo para eles e para nós. A Epopeia está no caminho certo, amparando e estimulando essas crianças, criando projetos que valorizam o ser humano e elevam a autoestima dos jovens. A Estação da moda está sempre aberta a parcerias como essa”, ressaltou Romero Sousa. A estudante Jennifer Cavalcante, de 13 anos, ficou encantada com a visita. Ela conta que adora moda e se sentiu estimulada a trabalhar na área. “Fiquei com mais vontade ainda. Quem sabe um dia eu não volto aqui como profissional?”,

disse. De tudo o que viu durante a visita, o que mais conquistou a estudante foi a revista eletrônica “Da Moda”, cujas páginas ampliadas estão em exposição na Estação. “Achei muito lindo”, comentou. A ONG Epopeia atende aproximadamente 30 crianças da comunidade Laranjeiras, localizada no bairro José Américo. Entre as atividades oferecidas pela instituição está reforço escolar, violão e balé. Serviço – A Estação da Moda é um Centro Vocacional Tecnológico vinculado à Secretaria de Ciência e Tecnologia (Secitec), da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP). O espaço fica localizado na Rua Rosário di Lorenzo, Varadouro, em frente à Estação Ferroviária. Mais informações pelo telefone 3218-6160 ou pelo e-mail estacaodamodapmjp@hotmail.com.


ENIGMA Coleção criada pelo quarto grupo da Célula de Criação, projeto desenvolvido pela Estação da Moda. O barroco das igrejas de João Pessoa foi o ponto de partida dos estilistas

Trevo e crucifixo, símbolos da Ordem Franciscana, inspiram o look


Vestidos inspirados na nova simbologia franciscana e no monumento encontrado no largo da Igreja S達o Francisco


Inspirado no símbolo do Sagrado Coração de Jesus


Os guardi천es das igrejas


Asas dos anjos divinos, cĂŠu celeste e o azul dos azulejos portugueses


Dsigner: Danielle Nascimento, Geovanna Arruda, Maira Melki, Carlos Santos e Silvana Rodrigues Foto: Rafael Passos Beauty: Grayce de Farias Modelos: Patrícia dos Anjos, Evellyn Nóbrega e Isaías Picorelli. Calçados: Karmélia Produção: Romero Sousa, Maira Melki, Gabriela Muniz e Luziane Lima.


oda tecnológica Por Gabriela Muniz

Algodão colorido um produto ecologicamente correto O algodão colorido possui uma fibra que já nasce provida de cor e que hoje, através das pesquisas elaboradas pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa/PB), está presente nos mercados de artesanatos e lojas de roupas da Paraíba em várias tonalidades, como marrom, creme, verde e o tradicional branco - encontra-se em produção atualmente o algodão na cor rosa. O tecido é um produto sustentável, ético e principalmente ecológico. Hoje, inclusive, é o carro-chefe de muitas famílias, como a de Dona Ercília. Ela conta que desde que passou a vender algodão colorido, as vendas na loja vêm aumentando, já que muita gente quer levar de lembrança um produto produzido na região. O algodão colorido foi desenvolvido pelos povos antigos 2.500 anos a.C, assim como as amostras de fibras brancas coletadas no Paquistão em 2.700 anos a.C., evidenciando que ambos têm quase a mesma idade. O que os distanciou foi o grau de importância dado ao algodão branco ao longo da história, que entrou num processo de melhoramento genético desde a metade do século 20, aumentando a diferença entre os dois tipos, principalmente no tocante a importância econômica. O algodão de fibra colorida foi descartado pela indústria têxtil mundial durante um largo período, sendo conservado apenas pelos povos nativos. Aqui na região, passou a ser preservados em bancos de germoplasma da Embrapa Algodão, em PatosPB, em 1984. A partir de 1989, foi inteirado o trabalho de melhoramento genético, após uma visita de empresários têxteis japoneses, que demonstraram interesse em adquirir aquele tipo de fibra. A partir de 1996, foram incluídos nas pesquisas algodão de coloração verde e procuradas novas combinações de cores, até chegar ao marrom, creme e verde. Sua produção obedece a padrões de qualidade exigidos pelo mercado, isento de agro-químicos, evitando não só a contaminação do produto final, mas de solos, curso dágua e lençóis freáticos.

26


INFORME PARCEIROS

Beach fashion from where the SUN rises first by ILMA ROSA DE SOUZA Designer/Estilista Nos desenvolvemos uma coleção só pra você! We develop your own collection!

www.facebook.com/quary.blue +55 (83) 8610-2761 (Oi) +55 (83) 9603-3103 (TIM) irsouza@quaryblue.com.br hpolman@quaryblue.com.br Cabedelo - PB - Brazil

karmeliavillavogue.blogspot.com.br karmeliavillavogue.blogspot.com.br Flagship: Av. Dr. Oswaldo Brayner, 270 Bairro dos Estados Fone: + 55 (83) 36243699


oda

por Margarete Almeida

Nem rosa nem azul quando a moda refaz os gêneros “Meu filho de cinco anos gosta de vestir tra pequena notável Suri, filha dos atores Kavestidos”. Esta foi à descoberta do alemão tie Holmes e Tom Cruise. A comparação feita Niels Pickert, que cansado de ver seu filho ser exaustivamente pela mídia não se cansa de insultado pelas crianças na escola ou mesmo mostrar como as meninas são diferentes e é nas ruas de um vilarejo no sul da Alemanha, claro, buscando um certo discurso que justifiresolveu também sair de vestidos e saias jun- que a não “normalidade” de Shiloh frente as to em apoio a sua decisão. De acordo com a suas escolhas. Até a sexualidade da menina reportagem da revista alemã Emma, o pai ex- já foi questionada, como resultado da origem plica sua controversa decisão: “É um absurdo génetica da sua mãe, que muitas vezes já esperar que uma criança se considerou bissexual. de cinco anos consiga Justificativas bizarras e se defender sozinha sem normativas, que tentam um modelo para guiá-la. enquadrar o sujeito aos Então eu decidi ser este padrões do que é ser hoNão é de hoje modelo. Sim, sou um damem e mulher em nossa que crianças queles pais que tentam sociedade. rompem o padrão criar seus filhos de maneiOs dois exemplos cira igual. Eu não sou um tados servem para disnormativo de daqueles pais acadêmicutir uma questão mais gênero no que cos que divagam sobre a profunda, a relação hoigualdade de gênero dumem/mulher e a moda se refere ao rante seus estudos e, asou como somos desde vestuário e sim que as crianças estão que nascemos, instituícausa contestações em casa, se volta para o dos através do sexo que seu papel convencional, se carregamos no corpo, e espantos ele se realizando na cara uma determinação ou reira profissional e ela cuidireção de nossa sexualidando do restante.” dade e gênero. Quando Não é de hoje que se nomeia o recém-nascrianças rompem o padrão normativo de gê- cido como menino ou menina, se instaura nero no que se refere ao vestuário e causa ali uma invocação performativa que produz contestações e espantos. Outro bom exem- uma decisão social sobre o corpo e assim, plo midiático é o fruto do casal de astros mais todo um processo que o irá defini-lo como bonito de Hollywood: Angelina Jolie e e Brad masculino ou feminino. Estas características Pitt. A primiera filha biológica do casal tinha físicas e biológicas serão marcadas pela ditudo para ser um modelo de princesa padrão ferença, produzindo significados culturais ese femininilidade exuberante vinda da mãe. truturadas na performance que determina o Não foi esta a sua escolha. Desde muito pe- gênero. quena, Shiloh prefere roupas consideradas do Roupas azuis para os meninos e rosas universo masculino: cabelos curtos, boinas, para as meninas, uma decisão cromática tênis, botas, calças, camisas e casacos. Nada que até hoje determina territórios sociais norque lembre a exarcebação do feminino, em malizadores de gênero. Florzinhas e bordadilaçarotes, rosas, saias,vestidos e saltos da ou- nhos, saias, laçarotes, brincos e vestidos no


29

enxoval feminino, enquanto os meninos ficam sempre as opções: calças, shorts, macacões, muitas estampas de carrinhos e bichinhos. Nesta escolha aparentemente inofensiva e repetida secularmente na história do vestuário, há todo um investimento discursivo e social que produz nesta segunda pele a determinação de que o sexo biológico seja sempre considerado como dado imutável, a-histórico e binário, determinando o gênero masculino e feminino, assim como ospadrões de comportamentos sociais, gestuais e performáticos que estes corpos-identidades deverão seguir durante toda sua vida. As mulheres à representação da delicadeza e o homem à virilidade, passividade e ação, um jogo de dualidade que marca toda a trajetória de papéis sociais. Para o sociólogo francês Gilles Lipovestsky, a moda de cem anos repousava na oposição acentuada dos sexos, oposição do parecer duplicada por um sistema de produção onde a criação para a mulher e para o homem não obedecia aos mesmos imperativos. Nem com a maturação da modernidade, as diferenças de gênero na moda permanecessem longe de uma homogeneização, mas de uma sutil e terrível diferença. Homens e mulheres estariam então condenados a

desempenhar indefinitivamente no vestuário-identitário os papéis masculino e feminino. Homens de saiotes ou mulheres de gravatas já se encontram pelas ruas descentradas de um vasto território que a toda hora se re/ constrói, com suas permanências modernas e seus fluxos pós-modernos. É através da modelagem do corpo e da performance do vestuário, que estas identidades interpretam as transgressões das fronteiras de gênero A ambiguidade questiona as diferenças, incomoda as conhecidas metanarrativas sobre o que é ser mulher ou homem, ao mesmo tempo em que provoca, fascina e seduz. Assim a pequeno menino alemão com seus vestidos ou a encantadora Shiloh com seus bermudões mostram que nem sempre a moda social vai determinar os padrões do feminino e masculino. Estas duas crianças representam uma ruptura ao modelo sólido de vestimenta e comportamento determinante de identidades. Com apoio dos pais, seguem livres na experimentação dos códigos de gênero e dão um recado a moda: a roupa que nos veste pode ser um elemento político de liberdades e contestações dos estereótipos limitantes do que nos fazem homens e mulheres. *Jornalista e Doutora em Sociologia, pesquisadora em gênero, sexualidade e moda


ERSONA

Kassandra Brito é produtora de moda, ilustradora, pintora e empresária.

Kassandra Brito

Moda pra mim é uma síntese de tudo que coletamos como belo, durante uma vida. É como se puséssemos em diferentes gavetas as leituras que fazemos de determinados objetos, cores, texturas em diferentes momentos e quando queremos mostrar aos outros por onde andamos, com que humor nos encontramos, lançássemos mão de todas essas gavetinhas pra brincarmos de vestir.

30

Roupa conversa, atrai ou repele antes mesmo de termos a chance de defendê-las para curiosos ou especialistas. Moda pra mim é o belo se manifestando em nós através de nós mesmos, autonomia pura! A indústria está aí pra nos seduzir e não para escravizar.

Adoro usar peças icônicas com outras que são desprezadas pela maioria, o estilo se constrói com peças que amamos, essas se relacionarão conosco sempre que precisarmos e nos aguardarão no armário com paciência pra nos fazer felizes, mesmo daqui há 10 anos.


31

oda CULT POR IARA TORQUATO

Home Theater O cinema vem inspirando a moda em vários aspectos, seja nas cores, tendências ou comportamento. O assunto em pauta é o consumo compulsivo. Alguns filmes já se inspiraram neste tema nos quais só reforçam este fato. Entre eles estão: “Rosalie vai às compras”, “Delírios de Consumo de Becky Bloom” e “Amor por Contrato”. Este consumo vem atingindo mais as mulheres por meio de cosméticos ou itens de vestuários. Com a moda sempre lançando tendências e novidades, algumas destas consumidoras acabam se tornando totalmente dependentes deste mercado. Tal comportamento nos leva a refletir sobre a sociedade capitalista e consumista.

1

2

3

1

Rosalie vai às compras (1989)

2

Delírios de Consumo de Becky Bloom (2009)

3

Amor por contrato (2009)

Diretor: PercyAdlon • Elenco: Marianne Sägebrecht, Brad Davis Duração: 94 min.

Diretor: P. J. Hogan • Elenco: Isla Fisher, Hugh Dancy, Krysten Ritter, Joan Cusack, John Goodman, John Lithgow, Kristin Scott Thomas.

Diretor: DerrickBorte • Elenco: David Duchovny, Demi Moore, Amber Heard, Gary Cole, Chris Williams, Lauren Hutton, GlenneHeadly

Para ler O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR – Comprando, possuindo e sendo

Autor: Michael Solomon

Você é obrigado a comprar ou isso é um prazer? Este livro tem a proposta de entender o que o incentiva a comprar certos produ-

Para ouvir

tos, o que o atrai a este comportamento de consumir. É percebido que grande parte desse consumidor é o público feminino a procura de melhorar sua autoestima por meio

de itens para beleza, roupas, acessórios, etc. O prazer da satisfação no ato da compra é passageiro e em consequência disso pode vir o remorso ou culpa.

Músicas relacionadas ao consumo

Balada para Giorgio Armani Zeca Baleiro

All Falls Down Kanye West

The Fear Lily Allen

Fashion Lady Gaga

Bolsa de Grife Vanessa da Mata

My Humps The Black Eyed Peas

Labels or Love Fergie

Rich Girl Gwen Stefani


Sudário Negro UM CONTO DE Willians Muniz A vizinha a achou feia, chegou até a comentar, dizia que ela vinha de um rio e que uma vasta camada de lodo a mantinha presa ao quarto. Seu rosto, bem como corpo e formações, eram indiscutíveis: definitivamente era feia e muito sozinha. Recolhida, mesmo não sendo importunada pela estranheza, resolveu sair, talvez por nutrir a esperança de algum dia ser beijada por aquele cara chamado Pântano. Abriu a janela, ainda era manhã em sua vida, a chuva caia. Os olhos migraram, correram o chão, escalaram paredes, instalaram-se nele, que via a vida com os olhos dela, que cega tateava a possibilidade de um amor infinito: uma abelha vagando suavemente sobre uma flor, o rádio tocando uma melodia quase sublime, o sol enorme pulsando através de palavras de duplo sentido... Chorou.

Deus bem que poderia tê-la ajudado, mas estava muito ocupado com o problema de outra moça. Resolveu lutar: pôs à frente um espelho meio envelhecido, limpou as lágrimas, pintou o rosto, decorou com um laço o pouco cabelo que tinha, pôs o vestido mais bonito que encontrou no baú: um sudário negro todo bordado nas extremidades da franja, reuniu num enorme buquê milhares de florzinhas de plástico – era a ideia mais aproximada de amor que havia chegado até ela e endereçou a vizinha junto com um bilhete de letras trêmulas em que dizia: preciso transpor minha própria existência. Veja-me observando qual o grau de beleza se constitui um olhar. Tudo muda. Sou tão linda. Molha-me o peito gotas pequeninhas. Laura de Jezebel

*Willians muniz é PROFESSOR DE ARTES, MAQUIADOR ARTISTICO E PROFESSOR DE MACRAMÊ

32


INFORME PARCEIROS


ELEZA

MAKE & HAIR ARTÍSTICO INSPIRADO NO PANTONE DA REVISTA

Beauty: Willians Muniz Modelo: Isa-Caires Sousa Foto: Dayse Euzébio


d mod

a

a

Lançamento da revista eletrônica DaModa, que aconteceu no dia 29 de agosto no salão Panorâmico da Estação Cabo Branco


PRÓXIMA EDIÇÃO

Profile for Estação da Moda Estação da Moda

2° edição  

revista eletrônica da Estação da Moda - 2° edição

2° edição  

revista eletrônica da Estação da Moda - 2° edição

Profile for damoda