Issuu on Google+

S Ofício RICARDO NAZAR


Ofício Garimpeiro sou… também ourives… sou quem bateia os impossíveis: a verdade a poesia o veio d’ouro o justo cristalino o amor duradouro. Procura permanente… difícil. Lapidá-los é tão somente meu ofício.

S

Ricardo Nazar

T


1. Oração

de Santo Ofício

TÚLIO MOURÃO / RICARDO NAZAR Vem despertar minha alegria vem sapatear em meu coração o que há de bom enfim E desencantar o viço que em ti guardara toque o guizo de uma canção Em vários tons suaves sons que a felicidade não tem fim Vem declamar tua poesia faz rimar em mim a mais pura emoção que eu sou assim Que meu santo ofício é ver o riso em tua cara ter o vicio de uma paixão Declare a mim a tua mão que a felicidade não tem fim Vem preparar novo dia vem participar junto ao sol do seu clarão nosso jardim Vem colher as flores semprevivas que plantara ver o início da floração Prepare então seu coração que a felicidade não tem fim Vem soletrar um bom dia vem assoviar a belíssima canção com seu flautim Vem harmonizar o canto que nunca se para som uníssono em oração Em vários tons suaves sons que a felicidade não tem fim voz - Ricardo Nazar teclados - Túlio Mourão bateria - Edvaldo Ilzo baixo acústico - Pablo Souza violões - Renato Saldanha arranjos - Túlio Mourão BR-EE2-09-00001 • Direto • 0:00


2. Ainda

o Amor

LADSTON DO NASCIMENTO / RICARDO NAZAR Achei que o amor bastasse tê-lo Somente em zelo e proteção Mas eu bem sei que ele por si não basta Arrasta ao mais descrente coração Ah! O amor nunca esquece o perdão Quer entrelaçar as mãos e caminhar E permitir um carinhar Compartilhar o seu sorrir E prometer se quiser ir Em breve vai voltar E acreditar fazer-se ouvir De passo e par se esmorecer Vai renascer num breve ir Eu sei que vai voltar Acreditei que o amor padece Carece tempo à devoção Bem reparei que ele se esquece Amarelece à ausência de atenção Ah! O amor sempre gosta de gostar Quer as mãos entrelaçar e caminhar voz - Ricardo Nazar violões - Wilson Lopes flautas - Chico Amaral baixo - Beto Lopes bateria - Lincoln Cheib percussão - Marco Lobo arranjos - Wilson Lopes BR-EE2-09-00002 • Direto • 0:00

3. Que

Bom que Você Veio

MARCUS BOLIVAR / RICARDO NAZAR Que bom que você veio Enquanto eu andava em desalento À vigília de um amor tão desatento Que bom que você veio Chegou sem dizer nada Calou minhas palavras ficou sem mais rodeios Que bom que você veio Assim desavisada Sem planos sem receios me fez sua morada Que bom que você veio Ou não mais entraria em cena no cinema no ar Nosso beijo vale à pena Que bom que você veio Ou não mais entraria em cena no cinema Noir Nosso beijo rouba a cena voz - Ricardo Nazar violino - Marcus Viana flauta - Marcus Bolívar teclados - Ricardo Fiúza teclados de base - Caio Gracco arranjos - Marcus Bolívar e Caio Gracco BR-EE 2-09-00003 • Direto • 0:00


4

Sem Cabimento TÚLIO MOURÃO / RICARDO NAZAR Abre-te a porta E vela a saudade Que tento morta dentro de mim Deixa-me um sopro de alegria Que ventará ventania Deixa inteiro o teu sentimento Enternecido e sem cabimento enfim Leva em teus olhos O que é sozinho Se a solidão foi tão só Deixa inteiro o teu sentimento Enternecido e sem cabimento em mim Dá-me tua mão Mesmo que indo Que ficarei em tua mirada Amor findando estrada Leva em teus braços todo o carinho Se o meu descaminho te achar Deixa inteiro o teu sentimento Enternecido e sem cabimento em nós Mas deixa a porta sempre entreaberta Que a saudade é uma vontade incerta Que a saudade é uma vontade incerta vozes - Vander Lee e Ricardo Nazar piano - Túlio Mourão arranjos e orquestração - Túlio Mourão BR- EE2-09-00005 • Direto • 0:00

5.

É Preciso Acreditar no Amor FLÁVIO HENRIQUE / RICARDO NAZAR Se o desalento te abraçar Se o desencontro te encontrar Te visitar de quando em vez Quando a solidão em ti tocar Com o dedo em riste te apontar Pra ilha triste do talvez É preciso decantar a dor Tantas vezes só a lua sabe Que o vazio em ti não cabe E transbordou sem saciar Quantas vezes restos de saudade Vem num céu de tempestade Que a manhã vem clarear É preciso acreditar no amor vozes - Marina Machado e Ricardo Nazar violão - Wilson Lopes piano - Flávio Henrique arranjos - Flávio Henrique BR-EE2-09-00006 • Direto • 0:00


R 6. Projeto

de Vida

FLÁVIO HENRIQUE / RICARDO NAZAR

Tô dando um duro pra você me notar Troquei de amigos de roda Segunda-feira vou parar de fumar Matriculei no francês Tô lendo Nietzche meditando e aprendendo a dançar Fritar um ovo eu já sei Não puxo mais o erre se vou falar Pra ver se o sotaque melhora

Faço de tudo pra você reparar Que ando na última moda Antes de ontem comecei a malhar Tô perdendo a timidez Será possível que você já nem parou pra pensar O tanto que tento e mudei Botei um piercing vou me siliconar E mando um “new look” da hora

Balada night não vou mais frequentar Sou mais assíduo de sogra Pular de bungee-jump então nem pensar Tô aprendendo xadrez Faço massagens terapia e uso florais de Bach Dar nó em gravata eu já sei Quem sabe um dia ainda aprendo a dançar Troquei uísque por soda

Academia é meu lar doce lar Só como carne de soja Final do mês eu devo lipoaspirar Fico no SPA por um mês A tatuagem com seu nome cê já pode sacar Tudo que é light é da vez Só durmo cedo pra poder madrugar Nas minhas sessões de yoga

Mais do que paixão é um projeto de vida É nosso eterno compartilhar O amor no dia a dia não tem nada melhor Na riqueza e na pobreza Na alegria e na tristeza

vozes - Ana de Hollanda e Ricardo Nazar violão e violão 7 cordas - Renato Saldanha percussão - Pacato arranjos - Renato Saldanha BR-EE 2-09-00007 • Direto • 0:00


7. Os

Poetas dos Séculos Passados

WILSON LOPES / RICARDO NAZAR Como seriam os poetas dos séculos passados? Sozinhos na algaravia seus amores pecados Suas paixões em segredos Seus corações exilados com suas almas vadias Como seriam os poetas dos séculos passados? Pergaminhos alquimia sem doutores mestrados Sem poções antimedos em seus porões em degredos Bárbara Bela tardia Como seriam os poetas poetas poetas… Julgados à revelia sonetos enclausurados Nas rimas desenredos inconfidentes calados Libertas ainda que tardia Como seriam os poetas dos séculos passados? Como seriam os séculos passados? Sem os poetas sem os poetas sem os poetas sem os poetas…

8. Juramento GÊ LARA / RICARDO NAZAR

V voz - Ricardo Nazar violão - Wilson Lopes baixo - Beto Lopes bateria - Lincoln Cheib sax - Chico Amaral percussão - Marco Lobo arranjos - Wilson Lopes BR-EE2-09-00008 • Direto • 0:00

Vou te dar do que vivo Eterno abrigo Amanhecer pouco antes do sol Jurar o amor de onde haja o que for Colher do nada Flor que nascer Ver florescer Viver-te Velar-te Juntar teus sonhos aos meus Ser o teu anjo talvez De guarda Ser o teu anjo de vez voz - Ricardo Nazar teclados - Túlio Mourão arranjos - Túlio Mourão BR-EE2-09-00009 • Direto • 0:00


9. Palavras

Palavras

RENATO SALDANHA / RICARDO NAZAR Há tantas palavras tão contidas Carecem ouvidas merecem contar Quem quer ousar se permitir o que é falar de amor Há tantos poemas tão singelos Parecem farelos soprados ao ar Mais faz tocar mais faz sentir o que é falar de amor São mais verdadeiras as inusitadas Palavras que vêm soletrar Eu sei que vou te amar Às vezes me faltam palavras Que as próprias palavras não podem contar Há tantos versos tão modestos Que apenas num gesto se faz declamar Quem vem rimar fazer ouvir o que é falar de amor Há tantos dizeres tão calados Parecem guardados no brilho do olhar Vem revelar vem traduzir o que é falar de amor São maravilhosas são inesperadas Palavras que vêm sussurrar Eu sei que vou te amar Às vezes me faltam palavras Que as próprias palavras não podem contar voz - Ricardo Nazar violões - Renato Saldanha baixo - Renato Saldanha piano - Túlio Mourão arranjos - Renato Saldanha BR-EE2- 09-00010 • Direto • 0:00

10.

Clara KIKO LARA / RICARDO NAZAR Quando estou sozinho por aqui Vejo a lua mais clara Quando sou mais vejo e creio em ti Toda luz que embala Preciso crer que tudo vi Que a nossa fala é mais clara Quero ser não mais vestir A lágrima que mascara Quando sou mais vinho e já senti Que a sua voz é clara Vejo que o meio que senti Não tem a cor que separa voz - Ricardo Nazar teclados - Ricardo Fiúza baixo - Caio Gracco violão - Marcus Bolívar guitarra - Cláudio Venturini bateria - Lincoln Cheib teclados de base - Caio Gracco flauta - Marcus Bolívar arranjos - Marcus Bolívar BR- EE2-09-00004 • Direto • 0:00


11.

Samba para Adoniran RICARDO NAZAR Atravessou na contramão na avenida da ilusão Operário e batuqueiro sambista na profissão Seus parceiros onde estão? Matogrosso e o Joca Foram morar com Iracema prá construir outra maloca Trem das onze já passou levando o samba e a dor De quem vive lá no céu morando com Isabel Bem juntinho de Nosso Senhor Rubinato não morreu vem deixando seu valor Como já dizia esse sambista: Mesmo com o frio da pista Deus fornece o cobertor E o recado pro Arnesto “assinemo” Adoniran Dando bom dia à tristeza só amanhã de manhã Nem fiscal da prefeitura manda este samba parar Que a saudade no momento Mata mais que atropelamento Mais que bala de revólver Mas se o samba aqui parar me levar da vida boa Vou tomar “istracnina” pra cantar lá no inferno Com os Demônios da Garoa Pode apagar o fogo Mané que eu não volto mais Pode apagar o fogo Mané que eu não volto mais E essa gente aí como é que faz vozes - Mara Nazar e Ricardo Nazar violão - Wilson Lopes violão 7 cordas - Beto Lopes percussão - Marco Lobo arranjos - Wilson Lopes

TS agradecimentos:

Érica, Cézar Caldas, Marcos, Erich, Gustavo (Sushi), Acerola, Alexandre Segundo, Vinnil Cultura Bar, Nouris, Mário Malachias, Haroldo, Dr. Arthur, Dr. Rogério, Márcio Fagundes, Odila, Carolina, Dr. João, Colegas de O.L., Wagner, Posto Caxuxa, Maurício Saturnino, Sérgio Fortuna, Rejane, Rosana Caetano, Jacinto Nunes, Rhor, Jomba, William, Milton Ramos, Raquel Machado, Clóvis Aguiar, Tavinho Bretas, Wladimir, Julieta e (minha) família, aos músicos, parceiros, colaboradores e amigos. agradecimentos especiais: Ana Buarque de Hollanda, Chico Amaral, Cláudio Venturini, Flávio Henrique, Gê Lara, Kadu Vianna, Kiko Lara, Ladston do Nascimento, Lula Ribeiro, Mara Nazar, Marco Lobo, Marcus Bolivar, Marcus Viana, Marina Machado, Renato Saldanha, Túlio Mourão, Wilson Lopes, Vander Lee.

BR-EE2-09-00011 • Direto • 3:54

dedicado aos meus pais


produção Ricardo Nazar gravações e mixagens André Cabelo Chicletinho Christiano Caldas Demerval Filho Dirceu Cheib Ricardo Cheib Wilson Lopes masterização Christiano Caldas projeto gráfico e fotos Otávio Bretas

contatos (031) 9616-7388 ricardonazarbh@yahoo.com.br

RN 002/09

gravado nos estúdios Bemol Ícone WL Via Sonora


CD Ofício de Ricardo Nazar