Page 31

who’s who

MANUELA

Desde que deixou o seu trabalho como educadora infantil, Manuela Cutileiro centra todas as suas atenções para o Hospital de Bonecas, loja/oficina que pertencia aos seus avós. Rodeada de bonecas, de mobílias em miniatura e pequenas roupinhas, diz que “o mais gratificante são as visitas das crianças”, e que há pouco tempo houve um rapaz que disse “ter gostado tanto que se fosse brinquedo queria morar ali”. Nesta pequena porta dum mundo imaginário apreciado desde há gerações, Manuela só tem pena que a Baixa seja um pouco insegura. Para ela, “o que faz falta é habitar Lisboa”. Since leaving her job as a teacher, Manuela Cutileiro has focused all her attention on the Hospital de Bonecas, a shop/workshop that belonged to her grandparents. Surrounded by dolls, miniature furniture and tiny clothes, she says that “the most gratifying part are the visits by children”, and that a short while ago one boy said that “he wished he were a toy so he could live there”. In this small corner of an imaginary world, Manuela only regrets that Baixa is a little unsafe. For her, “Lisbon needs more people living in it”.

Catarina

Foi em 2006 que o espaço onde se encontra A Vida Portuguesa apareceu, na altura certa e no sítio certo. Um antigo armazém de perfumaria foi transformado numa loja para albergar o projecto de Catarina Portas. Sempre foi jornalista e foi com esse espírito que se lançou numa pesquisa sobre a identidade portuguesa. Daí surgiu uma enorme despensa, hoje visível nesta loja de encantar. Quanto ao Chiado, vive-o mais do que nunca. “O que é interessante aqui é a mistura, é ter lojas do século XIX e um novo comércio. Se as lojas antigas desaparecerem, o Chiado também desaparece”. It was in 2006 that A Vida Portuguesa’s current premises appeared at the right time and in the right place. A former perfume warehouse, it was adapted to suit Catarina Portas’ needs. A longtime journalist, she applied the same approach to researching the Portuguese identity. That explains the huge pantry she has in her enchanting shop. As for Chiado, she enjoys it more than ever. “What’s interesting here is the mix: 19th century shops alongside new establishments. If the old shops disappeared, so would Chiado”.

Carla

Formada em joalharia e vitrinismo, foi no universo vintage que Carla Belchior encontrou a verdadeira paixão. Desde que se lembra que gosta de dar nova vida ao antigo, a coisas com história. Iniciou o projecto de A Outra Face da Lua no Bairro Alto, na Rua do Norte, mas quando olhamos para espaço que ocupa há três anos na Baixa, vemos que é ali que sempre deveria ter estado. “Gosto mesmo muito de aqui estar”, diz Carla, “tem estado acima das minhas expectativas e acredito que num futuro muito próximo a Baixa volte a ter a dinâmica de antigamente, quando vinha cá em criança”. A trained jeweller and window-dresser, Carla Belchior’s real passion is the world of vintage objects. For as long as she can remember she has enjoyed giving old things a new lease of life. She first opened A Outra Face da Lua in Bairro Alto, but the premises she has occupied in Baixa for the last 3 years are clearly where she needs to be. “I really like being here,” she says. “It’s better than I could have imagined and I think Baixa will very soon return to what it used to be, when I was a child”. baixa & chiado con vida · 31

ConVida Baixa & Chiado / 2008-2009 (nº 11)  

Guias de Lisboa bairro a bairro. Lisbon guides by neighbourhood.

Advertisement