Page 1

Distribuição gratuíta

Ano I - Edição 05 - Fevereiro / Março 2015

De cowboy a empresário Tato Silvério foi apresentador no mundo do rodeio e agora é empresário no ramo da moda GARTH BROOKS FARÁ SHOW EM BARRETOS Página 22

VOLUME DE MOAGEM DE CANA DEVE ATINGIR 642 MILHÕES DE TONELADAS Página 42

1


2


3


AgroFest

Ações positivas

EDITORIAL

C Leandro Gasparetti

José Eduardo Costa

hegamos a quinta edição da revista AgroFest. A cada edição nos surpreendemos com o carinho que a revista vem recebendo dos leitores, anunciantes e produtores rurais. A intenção sempre foi abranger o agronegócio, levando informações aos produtores que movem a economia deste país. Nesta edição, cuidados com a Uva, embalagens comestíveis, a posse do novo presidente da ABCT, são alguns dos destaques da AgroFest. Outra novidade é o portal de notícias para o mercado do Agronegócio, a revista lança o site AgroFest, com informações e destaques do meio rural sempre atualizados. Aproveitando a oportunidade agradecemos a parceria fechada com Expo Rio Preto e Agrishow de Ribeirão Preto (SP). Uma boa leitura e um ótimo negócio!

SUMÁRIO

30 AgroMercado

40

FUNDECITRUS JÁ MAPEOU 156 MIL CTARES DE CITROS

SOLO BEM NUTRIDO GERA MAIS LUCRO AO PRODUTOR

PREÇO DA BORRACHA DEVE SE MANTER EM BAIXA

BRASILEIROS ARREBENTARAM NO NRHA FUTURITY 2014!

08 AgroCultura

20

UVA, COM CALOR, O CUIDADO É REDOBRADO

TOUROS DE RODEIO AGORA TEM ASSOCIAÇÃO!

34 AgroPesquisa

42

EMBALAGEM COMESTÍVEL

VOLUME DE MOAGEM DE CANA DEVE ATINGIR 642 MILHÕES DE TONELADAS, DIZ DATAGRO

11

22

37 AgroCultura

46

06

AgroInfo

AgroCaprino

18

AgroCultura

AgroRodeio

AgroRodeio

DOENÇA ATINGE CAPRINOS E AFETA A PRODUÇÃO DE LEITE

GARTH BROOKS FARÁ SHOW EM PROL DO HOSPITAL DE CÂNCER NA 60ª FESTA DO PEÃO DE BARRETOS

12

24

AgroRodeio

AgroCapa

CAMPEONATO BARRETOS TEVE RECORDE DE INSCRIÇÕES EM SUA PRIMEIRA ETAPA DO ANO

COWBOY NO MUNDO DA MODA

16

26

AgroInfo

TAXA DE JUROS DO MODERFROTA É MANTIDA ATÉ JUNHO DE 2015

EXPEDIENTE

AgroAssociação

MARCELO ÁRTICO É O NOVO PRESIDENTE DA ABCT

Diretor Geral Leandro Gasparetti 17 99151-5658 | 99756-7249 contatoagrofest@gmail.com

Diretor Comercial José Eduardo Costa 17 99774-0591 | 99129-9305

comercialagrofest@gmail.com

Jornalista Responsável Leandro Gasparetti MTB: 76039/SP Foto: André Souza 4

MELANCIA DE PORCO BOA OPÇÃO PARA CLIMAS SECOS E ALIMENTAÇÃO DOS ANIMAIS

AgroRodeio

AgroCultura

AgroModa

AS T-SHIRTS VIRARAM SINÔNIMO DE ESTILO NO MUNDO COUNTRY

Distribuição em 34 cidades

Bady Bassitt, Bálsamo, Barretos, Bebedouro, Catanduva, Cedral, Cosmorama, Cardoso, Fernandópolis, Guapiaçu, Icém, Ipiguá, Jales, José Bonifácio, Mirassol, Monte Aprazível, Mirassolândia, Neves Paulista, Nova Granada, Novo Horizonte, Orindiúva, Onda Verde, Olímpia, Paulo de Faria, Potirendaba, Palestina, Poloni, Riolândia, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, Santa Fé do Sul, Tanabi, Votuporanga, Minas Gerais: Fronteira

Jornalista André Luiz de Oliveira Souza MTB: 75680/SP Fotografia Leandro Gasparetti Projeto Gráfico/Diagramação Rede A Comunicação 17 99212-1016 Impressão Fotogravura Rio Preto 17 3016-4000

Colaboradores Phábrica de Idéias, André Silva, Patricia Marchi, Datagro, Embrapa, Sindicato Rural de Rio Preto, Ministério da Agricultura, Fundecitrus e Carla Prado Silveira. Agradecimento à Revista Pecuária Brasil. Tiragem 5 Mil Exemplares Periodicidade Bimestral Distribuição Gratuita

*Artigos assinados representam opiniões dos autores. A opinião da Revista se expressa no editorial.

“Jesus eu confio em Vós”


5


AgroInfo

FUNDECITRUS JÁ 156 MIL HECTAR AGENTES DE PESQUISA ESTÃO PERCORRENDO POMARES DE SÃO PAULO E DO TRIÂNGULO MINEIRO PARA FAZER CENSO DA CITRICULTURA

O

censo da citricultura que está sendo realizado pelo Fundecitrus já percorreu 273 mil quilômetros entre os estados de São Paulo e Minas Gerais mapeando os pomares de laranja. Após dois meses de pesquisa foram mapeados 156 mil hectares de citros em 202 municípios. Destes 75 já foram finalizados e outros 127 ainda estão em andamento. Ao todo, 447 municípios serão visitados para o levantamento. O trabalho envolve 43 agentes de pesquisa.

6

O Fundecitrus iniciou o censo em novembro para conhecer os detalhes da produção de citros do estado de São Paulo e Minas Gerais, a principal região citrícola do Brasil, responsável pela maior produção de suco de laranja do mundo. Agentes da Pesquisa de Estimativa de Safra - PES, como foi chamado o levantamento visitam as propriedades de citros e fazem a medição de área e apurar espaçamento entre as plantas e o número de árvores produtivas, impro-

dutivas. As informações serão balizadas por imagens coletadas por satélite entre maio e outubro de 2014, de alta resolução, que possibilita identificar as árvores nos pomares. Os resultados deverão ser divulgados em maio. No momento entre os municípios com o mapeamento em andamento estão Ibitinga, Jales, Bebedouro, Monte Azul Paulista, Mirassol, Marília, Pirassununga, Araras, Rio Claro, Limeira, Duartina e Piracicaba.


MAPEOU RES DE CITROS

Fonte: Fundecitrus

ESTIMATIVA DE SAFRA

O censo do parque citrícola irá servir de base para o trabalho de estimativa de safra de laranja, que será feita por amostragem, com árvores sorteadas de acordo com variedade, região e idade. As plantas serão derriçadas, ou seja, terão os frutos colhidos antecipadamente, com autorização do citricultor, que será reembolsado pelos frutos colhidos. A estimativa oficial de safra será divulgada no mês de maio, com reestimativas em setembro e novembro. A partir de 2016, haverá uma estimativa prévia em fevereiro. Os resultados irão melhorar a qualidade dos dados e a democratização da informação sobre o tamanho e a produtividade da citricultura para toda a comunidade citrícola. Mais informações sobre a metodologia da pesquisa e identificação dos agentes do Fundecitrus podem ser obtidas no site http://www.fundecitrus.com.br/pes.

7


UVA AgroCultura

Informações: Embrapa

COM CALOR, O CUIDADO É REDOBRADO

A

fruta, o suco, o vinho, não há quem resista ao sabor que a uva proporciona, além de saborosa, ela ainda trás benefícios a saúde, reduz a pressão sanguínea, através da dilatação das artérias, combate a acidez sanguínea, auxilia na digestão, ajuda na desintoxicação, combate o envelhecimento e ainda é altamente energética. Mas antes de chegar a mesa, ela passa por vários processos e muitos cuidados O verão quente e chuvoso tem aumentado a incidência da doença em

uvas e outras fruteiras de clima temperado e tropical. A ocorrência da podridão de uva madura, a popular Glomerella, que é uma doença que está atacando uvas de mesa e para processamento, está trazendo muitos prejuízos para os produtores em diversas regiões do Brasil. “Se não controlada adequadamente, a podridão da uva madura pode ocasionar perdas elevadas na produção”, alerta Lucas Garrido, pesquisador da área de Fitopatologia da Embrapa Uva e Vinho. “O fungo pode estar presente desde a floração, mas somente agora, com o amadurecimento dos cachos, durante a colheita e a comercialização, ele aparece”, explica. A podridão da uva madura é causada pelo fungo Glomerella Cingulata. No inverno o fungo pode sobreviver em restos de cultura e frutos necrosados que contêm corpos de frutificação do fungo.

informa o pesquisador. O fungo sobrevive durante o outono e o inverno em restos de poda ou frutos atacados. Na primavera e no verão, com elevada umidade, o fungo produz frutificação abundante para contaminação do parreiral. O excesso de nitrogênio e ferimentos nas bagas favorecem a infecção e o desenvolvimento da doença. Segundo Garrido, a infecção pode ocorrer em todos os estádios de desenvolvimento do fruto. No final da floração ou em bagas jovens, o fungo penetra na cutícula e permanece latente até o inicio da maturação da uva, quando a doença fica visível. Os sintomas mais evidentes são observados nos cachos na fase de maturação ou em uvas colhidas. Sobre as bagas atacadas surgem manchas circulares, marrom-avermelhadas, que posteriormente, atingem todo o cacho, deixando o grão de uva escuro e murcho. “Às vezes pode atacar alguns

“O acompanhamento no parreiral é diário.” Fábio Ferracini, produtor de uva e proprietário de uma vinícola em Penápolis (SP) As condições ideais para a ocorrência e desenvolvimento da doença são temperaturas entre 25°C e 30°C e alta umidade proveniente de chuva, orvalho, irrigação ou cerração. “A estiagem ou a ausência do molhamento do cacho na fase de maturação da uva reduz a ocorrência da doença nos vinhedos”, 8

grãos e outras, o cacho todo”, explica Garrido Para o controle da podridão da uva madura recomenda-se a redução das fontes de inóculo do patógeno no vinhedo, com remoção e queima de cachos mumificados e das partes podadas no inverno.


AgroRodeio

Foto: Leandro Gasparetti

TOUROS DE RODEIO, O SUCESSO ESTÁ DE VOLTA

O sucesso foi tanto, que mais uma vez a capital do rodeio, São José do Rio Preto (SP), promove o Leilão Astros da Arena

N

o dia 18 de março, às 14 horas, no Recinto de leilões Anísio Haddad, acontece o segundo Leilão Astros da Arena, promovido pelo Médico Veterinário Paulo Belarmino. Este ano o Leilão abre a temporada de rodeios de 2015, trazendo para São José do Rio Preto (SP), os melhores e maiores nomes do rodeio, se falando em Touros de Pulo. No leilão serão ofertados renomados touros de rodeio, comprovados nos maiores rodeios do Brasil e criados pelos maiores tropeiros e empresários do ramo. Serão ofertados também, touros jovens e fêmeos de genética de pulo, que são filhos e filhas, netos e netas, irmãos e irmãs de renomados touros em atividade ou até mesmo de renomados touros que já morreram. Lembrando que os animais de genética serão todos comprovados com exames de DNA, confirmando seu parentesco com os touros divulgados.

No Primeiro Leilão, realizado no dia 12 de novembro do ano passado, cinquenta lotes foram disponibilizados. O evento foi um sucesso, foram mais de 365 mil em vendas e em um único touro foi pago 85 mil reais. Para esta edição queremos bater o recorde, a expectativa é fechar em 400 mil reais em vendas. É muito importante este intercambio entre boiadas, porque proporciona a possibilidade de negócios satisfatórios, tanto para os investidores quanto para os vendedores dos animais, disse Paulo. O evento será fechado apenas para vendedores, compradores e convidados. Local: Recinto Anísio Haddad, que fica na Rodovia BR -153, KM 71 Maiores informações, convites e reservas de mesas: (17) 99772-5567 ou (17) 3308-1947 - Paulo Belarmino Portal dos Tropeiros Leilões e Eventos e-mail: astrosdaarena@hotmail.com

9


AgroEsporte

Foto: Oscar Oliveira

SIMPLES RECEITA ADOTADA NO CONTEL FC ESTÁ FUNCIONANDO

A

ntes da largada da Copa Kaiser, em 2010, poucos apostariam que o Contel FC, integrante da Série B, pudesse conquistar a elite, ou seja, a 1ª divisão. Porém, ao final de 2013, chegou ao seu objetivo e com certeza uma disputa de titulo passou raspando. Não fossem a falta de experiência e ansiedade ao disputar uma semifinal, o troféu poderia pender para o time azul e amarelo. Mesmo assim, convém lembrar que o Contel teve campanhas brilhantes em 2010, 2011 e 2012, onde com poucos recursos, se solidificou em campeonatos no distrito de Ipiguá e na Zona Norte de Rio Preto, sempre brigando de igual para igual com os gigantes do nosso futebol amador. No ano passado, o presidente Francisco Nunes, tinha muitas preocupações, afinal, não seria mérito nenhum

10

subir para elite em um ano e cair no outro. Organização e parcerias eram fundamentais para formar novo grupo e manter o time na 1ª divisão do futebol varzeano. O contato através de parcerias trouxe para grupo o empresário, Jean Gonçalves de Souza e, junto com ele, vieram também vários patrocinadores que acreditaram no projeto de formar e revelar jogadores de qualidade, que

em contra partida manteria a equipe no topo. Parece que juntos encontraram a fórmula certa e com uma excelente comissão técnica, o Contel FC brigou de igual para igual com os grandes, revelando alguns atletas para o time profissional - já que este era também o objetivo -, além de manter na elite para 2015 e com certeza vai de agora em diante, brigar por títulos.


AgroCaprinos

Fonte: Embrapa

DOENÇA ATINGE CAPRINOS E AFETA A PRODUÇÃO DE LEITE OS SINTOMAS MAIS FREQUENTES SÃO DIFICULDADE PARA RESPIRAR E SE LOCOMOVER, EMAGRECIMENTO CRÔNICO E PNEUMONIA

A

artrite-encefalite caprina, também conhecida como CAE, é uma doença que ataca todas as raças de caprinos, em qualquer idade, tanto machos quanto fêmeas. Os principais afetados são os rebanhos de leite, por causa do regime de criação intensivo, que favorece a dispersão do vírus e a contaminação dos animais sadios. A transmissão da doença acontece por meio da ingestão do colostro e do leite de cabras infectadas. A CAE também pode se propagar por meio de fezes, saliva, sêmen e sangue de animais infectados. Apesar de não existir cura ou tratamento para a CAE, o criador pode usar medicamentos para aliviar os sintomas clínicos nos animais. Os sintomas mais frequentes são dificuldade para respirar e se locomover, emagrecimento crônico e pneumonia, fraqueza, restrição de movimentos, dor ao se locomover e aumento do volume das articulações. Outros sintomas importantes são a mastite, caracterizada por endurecimento da mama com diminuição da produção, chegando até a ausência de leite, além do emagrecimento progressivo dos animais afetados. Pesquisas comprovam que a artrite-encefalite caprina deixa os animais mais predispostos ao parasitismo gas-

trintestinal, aumentando a necessidade de vermifugação em 60%, e mais gastos para o produtor. Outro prejuízo causado pela doença é a maior incidência de problemas pulmonares e de mastite, que compromete a produção de leite, mas não interfere no consumo alimentar. A CAE provoca a desvalorização do rebanho e o produtor precisa repor mais precocemente os animais que

apresentam os sintomas da doença. Além disso, ele terá mais gastos com o controle da enfermidade e enfrentará barreiras comerciais para matrizes, reprodutores e sêmen. Para evitar a contaminação do rebanho, os especialistas orientam que os criadores comprem animais apenas de áreas livres da doença e exijam de dois a três testes sorológicos com resultado negativo, feitos no intervalo de 60 dias.

11


AgroRodeio

Foto: Donisete Reis

SEGUNDA ETAPA DO CAMPEONATO BARRETOS MOVIMENTOU PARQUE DO PEÃO Competidores se reuniram na hípica do Parque do Peão nos dias 07 e 08 de fevereiro para participar da segunda etapa do Campeonato Barretos.

O

número de inscritos superou a primeira etapa somando 1440 nas três modalidades, sendo 480 no Working Penning, 471 no Team Penning e 489 no Três Tambores. Na categoria feminina do Três Tambores Amanda Salvatierra, de Guapiaçu/SP, marcou o melhor tempo e venceu pela segunda vez. O trio vencedor do Team Penning é de Carneirinho/ MG: Alceu, José Fábio e Tucura. A terceira etapa do Campeonato está agenda para os dias 14 e 15 de março. As inscrições podem ser feitas no site: www.campeonatobarretos.com.br

12


AgroNatureza

Fonte e foto BBC do Brasil

FALTA D’ÁGUA AMEAÇA SEGURANÇA ALIMENTAR A crise hídrica que o Brasil atradiz Graziano. Segundo ele, a estiagem vessa põe em risco não só o deve resultar em preços mais altos nas abastecimento de suas cidades, prateleiras nos próximos meses. mas também a oferta de alimentos O chefe da FAO afirma ainda que o nos mercados do país, diz o brasileiro Brasil terá de ampliar seus estoques de José Graziano da Silva, diretor-geral da alimentos e privilegiar culturas mais reagência da ONU para agricultura e sesistentes a secas, fenômeno que deve gurança alimentar (FAO). se tornar cada vez mais frequente por “Estamos tendo uma causa das quebra enorme da safra mudanças Tenho desde 1987 uma pequena de todos os produtos”, climáticas. chácara perto de Campinas (SP) e Sobre nunca meu poço tinha secado, como recheguei a perder árvores frutíferas. duzir os impactos das mudanças climáticas na produção agrícola, Graziano disse: estamos trabalhando muito com a adaptação de culturas à seca. A Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, estatal ligada ao Ministério da Agricul-

tura) já tomou essa iniciativa e está desenvolvendo variedades até de arroz adaptado à seca.

13


AgroInfo

AGENDA AGE NDA eventos CURSOS 03 a 05 de Março Montarias em Touros com Adriano Moraes na Cia de Rodeio Madrugada em Itápolis/SP Informações com Matheus Carreiro (11) 98753-0000 (whatsApp). Barra Mansa irá ministrar “Curso para Narradores de Rodeio”, de 02 a 05 de Julho na Pousada Pau Impé em Barretos/ SP, no curso será selecionado os cincos melhores para narrar o rodeio junior da Festa do Peão de Barretos que acontece em Agosto. Barra Mansa já realiza este curso desde 2001. A realização é de Paulinho 1001, Departamento de Turismo de Barretos com Apoio da Prefeitura Municipal e do clube Os Independentes. Informações e Inscrições: (17) 9.9103 4418 | 9.8171 3007.

RODEIO / CAVALGADA / PROVAS CRONOMETRADAS 26ª Festa do Peão de Monções/SP 11 a 14 de Março 27ª Festa do Peão de Nova Granada/SP – 27 a 29 de Março 47ª Festa do Peão de Balsámo/SP De 29 de Abril a 02 de Maio 2ª Copa Rural Team Roping – 10 a 12 de Abril em Bataguassu/MS 15ª Prova do Issao – Rancho Quarto de Milha - 01 a 03 de Maio em Presidente Prudente/SP 41ª Festa do Peão de Boiadeiro de Colorado/PR 20 a 29 de Março Rodeio Show Palestina 2015 27 a 30 de Maio - Palestina/SP 29ª Festa do Peão de Americana 03 a 14 de Junho

14

Fonte: Assessoria de Imprensa - Foto: Wenderson Araujo

KÁTIA ABREU

ASSUME O MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO!

A

ministra Kátia Abreu recebeu no dia 06/01/2015 o cargo no Ministério da Agricultura de Neri Geller, que ocupou a pasta até o dia 01/01/2015. Durante o discurso de posse afirmou estar pronta para dialogar com todos os segmentos envolvidos na indústria da agricultura e se comprometeu a apoiar em qualquer circunstância quem deseja produzir, independente do tamanho da terra. Além disso, Kátia estabeleceu três metas para sua gestão: desburocratização da pasta, ampliação da classe média rural e consolidação do Plano Nacional de Defesa Agropecuária. Durante o discurso, Kátia afirmou que o MAPA precisa oferecer condições para que o agricultor brasileiro possa aproveitar as oportunidades dos mercados internacionais. Kátia disse ainda que é obrigação do Ministério da Agricultura viabilizar e dar condições para que todas as empresas possam estar aptas para a exportação. A ministra citou ainda alguns desafios do setor, como a necessidade de ampliar a cobertura do seguro rural e o investimento em infraestrutura para escoamento da produção, e demonstrou confiança nas respostas positivas que o setor vem dando ao mercado brasileiro. Nascida em Goiânia e formada em

Psicologia pela Universidade Católica de Goiás, Katia Abreu entrou para o ramo do agronegócio com a morte repentina do marido em um acidente de avião, em 1987. Grávida e com dois filhos pequenos, Kátia viu-se, aos 25 anos, repentinamente responsável não apenas por sua família, mas pela fazenda de onde tiraria seu sustento dali em diante. Ensinando pelo exemplo, mostrou aos filhos Irajá, Iratã e Iana que fé, perseverança, esforço e trabalho árduo são pilares essenciais para o sucesso. Venceu a inexperiência no campo dos negócios e o desconhecimento na lida diária com a terra sem descuidar da família e hoje tem a felicidade de ver os filhos já criados e aproveitar a infância de sua primeira neta, Maria Eduarda. Kátia Abreu é filiada ao PMDB desde 2013 e foi reeleita para o Senado com 41,64% dos votos do estado do Tocantins. Kátia esta à frente da Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) desde 2008 e foi a primeira mulher a assumir a presidência da entidade. Foi ainda a primeira mulher a ser escolhida para presidir a bancada ruralista no Congresso Nacional. Ao tomar posse em Brasília, Kátia Abreu se tornou a primeira representante do Tocantins a ocupar um ministério.


15


AgroInfo

AGENDA AGE NDA eventos EXPOSIÇÕES / ENCONTROS 11ª Expoagro 2015 - 05 a 08 de Março em Laranjeiras do Sul/PR 41ª Exposição Feira Agropecuária, Industrial e Comercial e 14ª Feira Internacional – 05 a 15 de Março em Umuarama/PR FEMAGRI - Feira de Máquinas Implementos e Insumos Agrícolas 18 a 20 de março em Guaxupé/MG 55ª Exposição Agropecuária e Industrial de Londrina Expolondrina 2015 – 09 a 19 de Abril em Londrina/PR AgriShow - 22ª Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação De 27 de Abril a 01 de Maio Ribeirão Preto/SP ExpoZebu – 81ª Exposição Internacional de Gado Zebu Produtos / Serviços - 03 a 10 de Maio em Uberaba/MG Facilpa - Exposição Agropecuária, Industrial e Comercial - 08 a 17 de Maio em Lençóis Paulista/SP Expo Fernandópolis – 14 a 24 de Maio – Fernandópolis/SP

LEILÕES: 891º Leilão de Gado de Corte da Leilopec – Gado de Corte – 22 de Fevereiro na Estância Leilopec em Uberaba/MG Leilão Nova Geração – Agropecuária JPZ & Convidados Especiais – 28 de Fevereiro no Restaurante Panela de Pedra em Pedro Leopoldo/MG Leilão Virtual Online Tourinhos – Terra do Leite – “Touros Holandeses” – 23 de Março ás 19hs www.zonarural.tv 5º Leilão Quarter Horse In Family 06 de Junho na Villa Rica em São José do Rio Preto/SP 16

Fonte: Ministério da Agricultura - Foto: Banco de imagens Valtra

TAXA DE JUROS DO

MODERFROTA É MANTIDA ATÉ JUNHO DE 2015 S egundo o Ministério da Agricultura as taxas de juros para financiamento do Programa de Modernização da Frota de Tratores Agrícolas e Implementos Associados e Colheitadeiras (Moderfrota) vão permanecer inalteradas até junho de 2015. A decisão foi tomada em reunião extraordinária do Conselho Monetário Nacional (CMN) realizada no dia 30 de dezembro/2014 Com a decisão, será mantida em 4,5% a.a e 6,0% a.a as taxas efetivas de juros, respectivamente, para o produtor rural cuja renda anual é de até R$ 90 milhões e superior a R$ 90 milhões. Os prazos de reembolso mantiveram-se em até 8 anos para aquisição de itens novos e em até 4 anos para os usados. Com o Moderfrota, o agricultor pode

financiar a compra de itens novos, entre eles, tratores e implementos associados, colheitadeiras e suas plataformas de corte, além de equipamentos para preparo, secagem e beneficiamento de café. É possível financiar ainda a compra de itens usados como tratores e colheitadeiras com idade máxima de 8 e 10 anos, respectivamente, pulverizadores autopropelidos e plantadeiras e semeadoras, com idade máxima de 5 anos. O limite de crédito é de 90% do valor dos bens objeto do financiamento, sendo que, para produtores que são beneficiários do Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp), o limite será de 100%.


AgroCultura

Fonte: Conab

PRODUÇÃO DE CAFÉ DEVE VARIAR ENTRE 44,11 E 46,61 MILHÕES DE SACAS EM 2015

S

egundo a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) a primeira estimativa de safra de café, divulgada no dia 13 janeiro, projeta que, este ano, o Brasil deverá colher uma safra entre 44,11 a 46,61 milhões

de sacas de 60 kg de café beneficiado. O resultado pode apresentar uma redução de 2,7%, caso seja alcançado a menor projeção ou, ainda, um aumento de 2,8%, se comparado o limite superior aos 45,34 milhões de sacas da safra anterior, considerada a produção de arábica e conilon. A redução foi observada no café conilon, que registra queda entre 8,8% e 6,3%. A diminuição pode se verificar, devido às questões climáticas. A forte estiagem no final da safra anterior e o intenso frio durante a florada da safra atual interferiram de maneira negativa na produtividade. Já o café arábica pode apresentar um crescimento que varia de 0,6% a 6,5%. O resultado é reflexo do crescimento da cultura na Zona da Mata mineira e na produção no Paraná. Estimada entre 32,50 e 34,40 milhões de sacas, a produção de café arábica corresponde a 75,1% do volume de café

produzido no país, e tem como maior produtor o estado de Minas Gerais, com o volume variando entre 22,36 e 23,61 milhões de sacas. Já a produção do conilon, contabilizada entre 11,61 e 12,21 milhões de sacas, representa 24,9% do total nacional e tem como maior produtor o Espírito Santo, com uma produção entre 8,52 e 8,96 milhões de sacas. Área - O plantio em termos nacionais deve ocupar uma área em produção de 1,94 milhões de hectares, apresentando uma ligeira queda de 0,6% em relação à safra passada, com uma redução de 12,07 mil hectares. Minas Gerais concentra a maior área plantada de 973,58 mil de hectares, predominando a espécie arábica, com 98,64% do total no estado. Isto representa 49,63% da área cultivada no país. A segunda colocação é do Espírito Santo, com 435,27 mil hectares. A área do conilon, no estado, é de 283,05 mil hectares.

17


AgroCultura

Fonte: Embrapa

SOLO BEM NUTRIDO GERA MAIS LUCRO AO PRODUTOR

O

sistema de produção integração Lavoura-Pecuária (iLP) visa integrar os componentes pecuário e agrícola (em rotação, consórcio e sucessão) na mesma área, em um mesmo ano agrícola ou por vários anos. Um dos objetivos do iLP é buscar soluções eficazes para o setor produtivo. A recuperação de pastagens degradadas é uma das recomendações essenciais para que o produtor mantenha uma boa produtividade sem precisar expandir a área plantada. O pesquisador da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas/MG), Antônio Marcos Coelho, esclarece que na maioria das regiões produtivas do Brasil predomina o solo com baixa fertilidade natural e com alta acidez. Em consequência, ocorre a necessidade de importação de fertilizantes. Para a safra de 2011/2012 foi necessário importar 70% dos insumos, o que representou um gasto de nove bilhões de dólares. “Esse percentual tem crescido a uma taxa de 4% ao ano no Brasil. Por isso, para reverter essa situação, é necessário construir a fertilidade dos solos, usando tecnologias mais eficientes, que permitam reduzir o uso de fertilizantes”, afirma. O manejo da fertilidade do solo começa com uma boa amostragem para análise química e física de fertilidade. O 18

diagnóstico da análise permitirá fazer um planejamento da adubação, considerando as culturas que vão compor os sistemas de produção, a exemplo do milho consorciado com a brachiaria. “Temos que observar também as exigências nutricionais das culturas e compor o solo com os nutrientes necessários para a cultura mais exigente. Isso nos dá como retorno maior sustentabilidade do sistema e ganhos econômicos”, coloca Antônio Marcos. O calcário e o gesso agrícola são dois insumos utilizados para corrigir o solo. Assim como para fazer a calagem, o resultado da análise de solo permitirá mensurar, também, a necessidade ou não de aplicação de gesso. A quantidade de gesso é determinada após a verificação do grau de acidez na camada subsuperficial do solo, abaixo dos 20 cm de profundidade. “Se essa camada apresentar grau de acidez que prejudique a planta, bem como baixo teor de cálcio, é justificado o uso do gesso agrícola. O gesso proporcionará uma melhoria da fertilidade do solo e maior desenvolvimento do sistema radicular da planta. Consequentemente, haverá maior tolerância da cultura aos períodos de déficit hídrico”, orienta Antônio Marcos. O representante da Agronelli – In-

sumos Agrícolas, João Donizette do Amaral Júnior, ressalta que o gesso agrícola é um fertilizante condicionador de solos, porque é uma fonte eficiente de cálcio e enxofre, promove maior desenvolvimento radicular em profundidade e permite a redução da saturação por alumínio. “O gesso agrícola aumenta a eficiência agronômica no aproveitamento dos fertilizantes e promove maior resistência da planta à seca e maior acesso ao volume de água e nutrientes disponíveis no solo”, diz. Ao fazer o planejamento da adubação para o cultivo de gramíneas o produtor deve observar, na análise laboratorial, todos os micronutrientes necessários para o solo e dar especial atenção aos elementos zinco e boro, que são limitantes para a produtividade do solo. Antônio Marcos alerta para a necessidade de se fazer a adubação nitrogenada de cobertura, principalmente para o cultivo de gramíneas como o milho e a brachiaria para pastagem. Para isso, o produtor precisa observar o resultado da análise química do solo e determinar qual potencial produtivo deseja alcançar na safra. “As exigências nutricionais das culturas em relação aos componentes nitrogênio, fósforo e potássio (NPK) também devem ser avaliadas” afirma.


2 2 ª F e i r a I n t e r n a c i o n a l d e Te c n o l o g i a A g r í c o l a e m A ç ã o

O DNA do

Agronegócio

De 27 de Abril a 01º de Maio Das 8h às 18h - Ribeirão Preto - São Paulo

www.agrishow.com.br

/agrishow

19


AgroRodeio

Foto: Leandro Gasparetti

TOUROS DE RODEIO AGORA TEM ASSOCIAÇÃO! U ma entidade sem fins lucrativos, com o principal compromisso aos bons tratos dos animais e com o objetivo de criar e fornecer touros de pulos, atuando na melhoria das festas de rodeio, a ABTR (Associação Brasileira dos Criadores de Touros de Rodeio), tem como presidente o empresário e dono de boiada Paulo Emílio Marques. Com a associação os eventos passarão a ser fiscalizado, um médico veterinário, contratado pela entidade, vai fiscalizar as condições que o evento dispõe aos animais, como curral, bretes e transportes. Segundo Guto Paglione, primeiro secretário da associação e também dono de boiada, a entidade tem como objetivo fortalecer e defender o touro de pulo, o touro que tem índole para pular. Nós da ABTR temos o compromisso com os bons tratos e bem estar dos touros, nossa missão é atuar de forma profissional, mantendo os touros saudáveis e garantindo qualidade aos contratantes. Nossa intenção é provar que os touros são atletas e possuem índole para pular, disse Paglione. A ABTR deixa claro que touro de rodeio não sofre qualquer tipo de maus tratos como vem sendo abordado ultimamente. A associação conta como vinte e sete associados, os mais importantes e renomados tropeiros do Brasil, com aproximadamente 1.000 touros em atividade, realizando mais de 750 eventos ano em todo o país. É imprescindível dizer que um touro de rodeio, que às vezes chega a custar 100 mil reais, é maltratado. O animal tem alimentação balanceada, chega a comer quase 7 kg de ração por dia, mais 5 kg de silo de milho, além de pasto a vontade, ainda, a maioria, faz natação e cooper, o acompanhamento veterinário é obrigatório. Maiores Informações: (17) 99789-0198 20

João Eduardo F. Cassandre, Conselho fiscal, o Presidente Paulo Emílio Marques e Guto Paglione, Primeiro Secretário


AgroCultura

21


AgroRodeio

Foto: André Monteiro

GARTH BROOKS FARÁ SHO DE CÂNCER NA 60ª FESTA D APRESENTAÇÃO ACONTECE NO DIA 22 DE AGOSTO. ÍDOLO NORT

E

stá confirmada a presença do cantor country norte americano Garth Brooks em Barretos durante a 60ª Festa do Peão. O show terá renda revertida para o Hospital de Câncer e está agendado para o dia 22 de agosto, primeiro sábado do evento. Os valores de ingressos ainda não estão definidos. O diretor geral do Hospital de Câncer de Barretos, Henrique Prata, declarou que esperou 13 anos para realizar o sonho de trazer o astro internacional para Barretos em uma ação voltada à Fundação Pio XII mantenedora da instituição. “Sonhei um dia encontrar-me com ele e ter a oportunidade de apresentá-lo ao nosso projeto. Em 2011,

22

após uma pausa, ele voltou a tocar em Las Vegas/EUA e eu tive o privilégio de estar em um de seus shows intimistas, conseguindo acesso para encontrá-lo. Ele me deu o tempo necessário para expor os meus planos. Pedi um show em prol da instituição e o uso da imagem para fazer o projeto”, contou. Brooks, de imediato, apoiou a causa e disse que doaria o show ao Hospital quatro anos mais tarde, quando iniciasse a turnê internacional. Henrique informou também que convidou o cantor norte-americano para conhecer o Hospital de Câncer. “Eu ainda pedi a presença dele no Hospital. Ele apertou a minha mão em um

Jerônimo Muzetti, presidente de Os Independentes


Fotos: Divulgação

OW EM PROL DO HOSPITAL DO PEÃO DE BARRETOS E-AMERICANO JÁ SE APRESENTOU EM BARRETOS EM 1998

Henrique Prata diretor do Hospital de Câncer de Barretos com o cantor Garth Brooks gesto claro de compromisso aceito. Garth Brooks, o maior astro da música de todos os tempos, vem em 2015 para visitar a instituição, conhecer o nosso trabalho e realizar o tão aguardado show.” O grande show acontecerá no Estádio de Rodeios, no Parque do Peão. Esta parceria da Associação Os Independentes com a Fundação Pio XII já

acontece há 25 anos. Desde 1990 um dia da Festa do Peão de Barretos tem o valor arrecadado com a venda de ingressos doado integralmente para o Hospital de Câncer da cidade. “Temos orgulho de ter em nossa cidade uma instituição de saúde que é referência em todo o país. Usamos a força da Festa do Peão de Barretos, que atrai turistas de todo o mundo, para ajudar

o hospital a cumprir sua missão que é atender gratuitamente seus pacientes com padrão de qualidade de primeiro mundo”, declarou Jerônimo Luiz Muzetti, presidente de Os Independentes. A Festa do Peão de Barretos acontece de 20 a 30 de agosto. Mais informações www.independentes.com.br/festadopeao

23


AgroEmpresa

COWBOY NO MUNDO DA MODA Tato Silvério se apaixonou pelo mundo country na época em que foi apresentador de um programa voltado para o mundo do rodeio. A partir daí o empresário criou as marcas Lemon Horse e Muares.

24


D

esde a década de 80, Marcelino e Áurea Silvério trabalham no mercado da moda. Seus filhos Tato e Amanda foram criados neste ramo e deram sequencia ao trabalho dos pais. Os irmãos estão à frente do Grupo Silverius que atualmente soma 12 marcas de roupas, dentre elas: Patronus, Lemon Horse, Muares, Mandamentus, Diaconia, Adventus, Epifania, Avivamento, Flor do Fogo, Flor do Sol, World Light e Silverius, fabricadas nos estilos clássico e esporte fino e também atendem os públicos evangélico e country. Recentemente as marcas Silverius e Lemon Horse lançaram as calças jeans para homens e mulheres. O Grupo Silverius sempre prezou pela qualidade sem esquecer o diferencial nos modelos e padronização dos tecidos “Nós estamos sempre acompanhando as tendências que agradam

Fotos: André

nosso público, sem esquecer a linha tradicional de camisas, e nossa fabricação especial com colarinho italiano e americano em algodão 120” explica o empresário. A princípio todo o trabalho foi voltado para o mercado atacadista, com duas lojas em São José do Rio Preto e quatro espalhadas pela região Sul do país, localizadas em Maringá, Cianorte e Brusque. O Grupo Silverius tem projetos para abrir novas lojas nas regiões Norte e Nordeste. Devido a grande procura pelas marcas, foi inaugurada a primeira loja de varejo Silverius no Praça Shopping em Rio Preto e está expandindo para outros shoppings na cidade, além de ingressar a Silverius no ramo de Franchising “Vamos expandir para o Brasil inteiro ainda este ano!” ressalta Tato Silvério.

LEMON HORSE: A marca é voltada para o público country que preza os estilos descolado e moderno, mesclando o tradicional - usado em rodeios e eventos do segmento - com estamparias atuais, além dos tecidos que são de primeira linha. MUARES A marca também é voltada para o público country com o foco no tradicional muladeiro, que enfrenta dias de cavalgada e ao final promovem a Queima do Alho, dando preferência para camisas confortáveis, facilitando as longas jornadas a cavalo. Para este ano de 2015, além das calças jeans, o Grupo Silverius traz novidades nas estamparias, novos formatos de xadrez e novas opções de tecidos, além de acessórios como bonés.

PARCERIA QUE DÁ CERTO As marcas Lemon Horse e Muares vem se destacando no mundo sertanejo e a prova disso são os parceiros Barra Mansa, locutor de rodeios, o “Tenor das Arenas” que narra rodeios de renome regional e nacional, como a maior Festa do Peão da América Latina, em Barretos. Já na música, a dupla Max & Ricardo que faz sucesso no Noroeste Paulista também veste a marca “Para nós é um prazer ter como parceiras as marcas Lemon Horse e Muares, que vestem muito bem e acompanham a tendência do mundo sertanejo” comenta Ricardo. O empresário Tato Silvério faz questão de frizar “As calças da Lemon Horse, recém lançadas, seguem o padrão de jeans reto e cores mais escuras voltadas para os amantes do rodeio.” Acompanhe as novidades do Grupo Silverius nas redes sociais: facebook/gruposilverius instagram: @camisariasilverius 25


AgroAssociação

MARCELO ÁRTICO É O NOVO PRESIDENTE DA ABCT O

s associados da Associação Brasileira dos Criadores de Tabapuã elegeram no dia 12 de dezembro a nova diretoria para a gestão 2015/2017. A entidade será presidida a partir de 13 de fevereiro de 2015 pelo criador e engenheiro civil Marcelo Ártico. Os demais membros da diretoria eleita são: vice-presidentes Paulo Alexandre Cornélio de Oliveira Brom, Sabino Siqueira da Costa, Waldemar Antônio de Arimatéia, Fabiano Churchill Nepomuceno César e José Coelho Vitor, o diretor administrativo financeiro João Trivelato Neto, o diretor de Marketing Marcos de Oliveira Germano e o diretor Técnico Marcio Henry Gregg. “Faremos uma gestão participativa e queremos trabalhar dentro do espírito de quem preside a ABCT é a raça Tabapuã, ou seja, todos os criadores. O objetivo principal é alavancar a raça por meio da melhoria genética e de sua disseminação por todo país, proporcionando crescimento de produção e um ganho ainda mais expressivo na sua comercialização. Estamos juntos. Novo Tabapuã a partir de 2015”, assegura Ártico. Foto: Divulgação

26

SOBRE O TABAPUÃ

Suas origens

O Tabapuã é uma raça brasileira fruto de cruzamentos entre o gado mocho nacional e animais de origem indiana. Foi na década de 40, no município de Tabapuã (SP), que a raça assumiu as características que perduram até hoje. Mas sua história começa em 1907 na região de Leopoldo de Bulhões, no estado de Goiás. O fazendeiro José Gomes Louza se interessou pelos reprodutores zebus e importou alguns animais da Índia. Os irmãos Saliviano e Gabriel Guimarães, de Planaltina, adquiriram três desses touros e iniciaram cruzamentos com o gado mocho de seu próprio rebanho. Dali surgiram os primeiros zebuínos mochos no Brasil. Em 1912, vários desses animais já eram expostos

na Feira da Cidade de Goiás. Já na década de 30, Lourival Louza, neto de José Gomes, se dedicou ao cruzamento desses animais com o Nelore e deu origem ao gado anelorado mocho ou baio mocho, como ficou conhecido. O sangue do Guzerá e do Gir foram introduzidos mais tarde e também fazem parte da formação do Tabapuã. Nos anos 40 o gado mocho começou a se espalhar por outras regiões. Júlio do Valle, proprietário da Fazenda São José dos Dourados, levou alguns desses animais de Goiás para São Paulo e presenteou o amigo Alberto Ortenblad, da Fazenda Água Milagrosa, em Tabapuã (SP), com um garrote zebuíno mocho.


Fotos: Leandro Gasparetti

O reconhecimento da raça

Entre 1970 e 1980, o Tabapuã ganhou 80% das pesagens de que participou e em 1981 foi definitivamente reconhecido como raça. O terceiro neozebuíno a ser formado no mundo, depois do Brahman e do Indubrasil. Por ser o primeiro entre esses a surgir a partir de um planejamento específico, o Tabapuã é considerado a maior conquista da zootecnia brasileira dos últimos cem anos. A raça Tabapuã têm características importantes e interessantes: o aspecto de ser mocho, precocidade, grande habilidade materna, docilidade, excelente conformação e acabamento de carcaça e permitindo efetuar estratégias eficientes para a pecuária de ciclo curto. Nota-se que existe uma vertente pela tipo de pecuária que o Tabapuã comprova e possibilita. Em 2014, o Agronegócio no Brasil apresentou evolução significativa nos seus distintos setores, fato que não foi diferente a raça Tabapuã, e os criadores tem muitos motivos para comemorar. Ao longo do ano foram realizados 30 leilões com faturamento acima de 8 milhões de reais, totalizando a comercialização de 685 machos com média de venda de R$6.230,00, bem como a venda de 838 fêmeas com média superior a R$4.980,00. Além disso, a atividade de inseminação artificial obteve ganhos expressivos, superando cento e dez mil doses comercializadas com emprego significativo nos cruzamentos industriais.

O crescimento do Tabapuã

Com interesse em desenvolver bovinos com melhores qualidades, a família Ortenblad criou em 1943 um planejamento zootécnico elaborado. Cem matrizes Nelore foram separadas para as experiências com o touro T-0, como foi chamado o garrote mestiço. Os trabalhos e resultados foram registrados em detalhes. Foi a partir desses cruzamentos que a coloração branco-acinzentada do Nelore predominou nos animais, que permaneceram sem chifres como o gado mocho. Os bons resultados chamaram a atenção do mercado nos anos seguintes. Em 1970, o Ministério da Agricultura recomendou que o Tabapuã fosse incluído entre as raças zebuínas, ainda como “tipo”. A Associação Brasileira de Criadores de Zebu (ABCZ), então, foi encarregada de realizar o registro genealógico da espécie. Em dez anos, o Tabapuã precisaria mostrar através de análises e provas as características que o diferenciavam de outros zebuínos.

27


AgroMercado Agro

EUCALIPTO TRANSGÊNICO PODE SAIR AINDA P ESTE ANO lantio comercial de eucaliptos transgênicos pode colocar o Brasil na vanguarda deste setor no mundo. Processo de análise está quase na reta final. A Suzano pode obter aprovação nos próximos meses para o plantio comercial de eucaliptos transgênicos no Brasil. O processo de análise está quase na reta final. Se aprovado, colocará o Brasil na vanguarda desse segmento no mundo. A Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) informou que o processo da Suzano foi debatido na última reunião da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), vinculada ao Ministério de Ciência de Ciência, Tecnologia e Inovação, no fim do ano passado. Agora, será discutido novamente na próxima reunião das subcomissões vegetal e ambiental, antes de ir à reunião plenária, que vai deliberar a aprovação ou não do plantio. O presidente da companhia, Walter Schalka, acredita que a decisão plenária deve ocorrer ainda neste primeiro trimestre. A Futura Gene, empresa 100% controlada pela Suzano, com unidades em Itapetininga (SP), na China e em Israel, fez testes que comprovaram que o eucalipto transgênico oferece um ganho de 20% na produtividade florestal. “Com a liberação, podemos optar pela redução de ciclo do eucalipto, de sete para cinco anos e meio, uma vez que as árvores crescem mais rápido, ou colher em sete anos, com uma redução da área plantada de florestas”, disse Schalka. A diminuição da área florestal, segundo o executivo da Suzano, é uma tendência mundial para cortar custos entre as empresas do setor.

28

Fonte: Painel Florestal


29


AgroMercado

PREÇO DA BORRACHA DE APABOR E ABRABOR CONQUISTARAM CONTINUIDADE DA SU O s preços baixos no mercado da borracha natural, uma das principais dificuldades enfrentadas pelos heveicultores ao longo do ano passado, devem continuar até o final da safra atual. Uma das justificativas para este cenário é o enfraquecimento do consumo em decorrência do aumento do estoque mundial que atingiu a marca de três milhões de toneladas (27% da demanda). No Brasil, os principais fabricantes de pneus decidiram dar férias coletivas aos seus funcionários a partir de dezembro, assim como as fábricas de automóveis, o que acarretou o aumento da permanência da borracha natural no pátio das usinas de beneficiamento e de algumas fabricantes de pneus.Para o diretor executivo da Apabor (Associação Paulista de Produtores e Beneficiadores de Borracha), Heiko Rossmann, as perspectivas não são animadoras. Ainda de acordo com Rossmann, o preço médio no campo deve melhorar, mas ainda abaixo do mínimo fixado pelo governo federal (R$ 2,00 por quilo), o que reforça a necessidade de auxílio. Desta forma, a Apabor – braço executivo da Abrabor (Associação Brasileira de Produtores e Beneficiadores de Borracha Natural) – participou ati-

“Estimo que o preço do GEB-10 [Granulado Escuro Brasileiro n.10] deva ultrapassar R$ 5,00 por quilo somente no quarto trimestre de 2015, pois não existe nenhum fundamento para que os preços subam no mercado internacional” 30

vamente da conquista da continuidade da subvenção econômica por meio dos leilões de Pepro para a heveicultura, um dos mecanismos da Política de Garantia de Preços Mínimos, que assegura renda ao produtor e abastecimento do mercado. A associação tem atuação intensa junto aos órgãos federais e estaduais, como o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e a Secretaria da Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo para o auxílio à cultura da seringueira. Como resultado do trabalho desempenhado por diretores da Apabor e da Abrabor, o governo federal publicou no Diário Oficial da União a portaria interministerial que autoriza a continuidade da subvenção econômica para a borracha natural (por meio dos leilões de Garantia de Preço Mínimo) durante o ano de 2015. Segundo o diretor executivo da Abrabor e diretor de Comunicação da Apabor, Fernando do Val Guerra, “o desafio foi grande, pois a portaria teve de tramitar em três ministérios e ser publicada ainda na vigência dos ministros anteriores, já que com novos titulares e novas equipes (2015) o trabalho praticamente começaria de novo, o que poderia deixar o setor descoberto por um grande período em plena safra”, comenta.

Heiko Rossmann

A heveicultura terá R$ 20 milhões para as operações de Pepro (Prêmio Equalizador Pago ao Produtor) em 2015. A subvenção tem como objetivo atender os produtores na comercialização da borracha natural nos estados em que os preços estiverem abaixo de R$ 2,00 o quilo de borracha natural com DRC de 53%. Agora, com a portaria publicada, mais R$ 20 milhões estão garantidos para os leilões de 2015. O primeiro leilão de subsídio de 2015 deve ocorrer no final deste mês. A Apabor está preparada para atender ao seu associado, orientando e ajudando na gestão dos documentos necessários para participar dos leilões, graças ao acordo de cooperação firmado com uma corretora de São Paulo. Mercado Estima-se que tenham sido produzidas 165 mil toneladas de borracha natural em 2014, cerca de 10% menos do que o esperado no início da safra. O volume menor está relacionado a problemas como períodos de estiagem prolongados no interior de São Paulo e ocorrência de pragas no sul da Bahia. As perspectivas são de que, neste ano, as chuvas sejam melhor distribuídas e, assim, espera-se que a produção alcance a marca de 190 mil toneladas de borracha.

Preço O preço médio do coágulo com teor de borracha seca de 53% em dezembro foi de R$ 1,40/kg no interior paulista, de acordo com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). O valor representa uma queda de 39,1% sobre dezembro de 2013, quando se registrou a média de R$ 2,30/kg. Não houve alteração em relação ao mês de novembro de 2014. O preço do GEB-10 em dezembro de 2014 foi de R$ 4,29/kg, contra R$ 5,83/kg em dezembro de 2013; queda de 26,4%. A Conab aponta que o preço do GEB-10 deveria ser de R$ 6,30/ kg para que o segmento produtor se desenvolva bem. Ou seja, o preço atual é 31,9% abaixo do preço indicado como ideal, retratando assim um cenário


Fotos: Divulgação

EVE SE MANTER EM BAIXA

UBVENÇÃO ECONÔMICA PARA GARANTIR PREÇO MÍNIMO complexo para as usinas de beneficiamento. Sobre a Abrabor A Associação Brasileira de Produtores e Beneficiadores de Borracha Natural (Abrabor) foi fundada em abril de 2014, em São Paulo, e tem como membros, além da Apabor, a Associação dos Produtores de Borracha Natural de Goiás e Tocantins (Aprob-GO/TO), a Cooperativa Agrária de Cafeicultores do Sul de São Paulo (Casul), a Cooperativa dos Produtores de Borracha do Espírito Santo (Coopbores), a Cooperativa Ouro Verde Bahia (Coopeverde) e a Cooperativa dos Seringalistas do Espírito Santo (Heveacoop).

atuação em todo o território nacional e com sede em São José do Rio Preto/SP. A associação é hoje um órgão importante de fomento e proteção do setor da borracha. Representa todos os segmentos da produção ao beneficiamento e tem uma agenda constante de participação e propostas junto aos órgãos representativos do setor, dentre eles a Câmara Setorial da Borracha Natural,

em Brasília. A entidade intensificou sua atuação junto aos órgãos federais e estaduais, como o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e a Secretaria da Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo. Busca promover a cultura da seringueira em diversas regiões do Brasil, por meio da realização ou apoio a eventos, como o Workshop Seringueira.

Sobre a Apabor A Apabor é uma sociedade civil sem fins lucrativos, criada em 1992, com

31


AgroTecnologia

SOFTWARE PRO ÁGUA DE DEFE AGRÍCOLAS C

om base em dados toxicológicos, a nova versão do programa de software, batizado de ARAquá, apresenta como resultado quocientes de risco para organismos aquáticos e consumo da água pela população. Água contaminada equivale a água indisponível. Tão importante quanto o acesso ao recurso natural é preservá-lo em condições de potabilidade. Baseado nesse princípio, um software desenvolvido pela Embrapa batizado de ARAquá avalia os riscos da aplicação de agrotóxicos sobre os corpos hídricos subterrâneos, os lençóis freáticos e aquíferos, e também os superficiais, como rios, córregos e lagos. Criado na Embrapa Meio Ambiente, em Jaguariúna (SP), atualmente o programa é desenvolvido e aperfeiçoado pela Embrapa Gestão Territorial, localizada em Campinas (SP), e pode ser baixado gratuitamente no site desta unidade (link abaixo). O produto está disponível a qualquer interessado e é destinado especialmente a órgãos oficiais de controle ambiental, organizações ambientais, empresas ligadas ao setor agropecuário e profissionais que trabalham com gestão ambiental. Um dos maiores usuários do ARA32

quá é o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) que o emprega na avaliação de riscos ambientais de agrotóxicos no processo de registro para uso e na reavaliação de produtos que já estão no mercado. Os dados de entrada necessários para as simulações são de fácil obtenção e a interface do ARAquá com o usuário é amigável. O cadastramento de condições do clima, propriedades do solo e situação do terreno permite que os cálculos sejam feitos para condições brasileiras. Com base em dados toxicológicos, a nova versão do ARAquá apresenta como resultado quocientes de risco para organismos aquáticos e consumo da água pela população. Para cada um deles o software apresenta um quociente. Caso a concentração estimada daquele produto na água estiver acima do nível aceitável, o valor aparecerá grifado em vermelho. Se o resultado não for uma concentração perigosa, ele será mostrado com um grifo verde, ou ainda em amarelo, representando risco potencial em casos específicos. “Um exemplo de indicação amarela são os casos de risco somente se o corpo hídrico abrigar es-

pécies ameaçadas de extinção. Se for essa a situação, o ARAquá apresenta o quociente grifado em amarelo com a respectiva explicação”, comenta o analista Rafael Mingoti, da Embrapa Gestão Territorial, um dos desenvolvedores do programa. “Não adianta ter água em abundância se ela não estiver potável. A qualidade da água é tão importante quanto a sua quantidade, nesse sentido essa ferramenta auxilia justamente na preservação dos corpos hídricos sem contaminação”, analisa o gerente geral da Embrapa Gestão Territorial, o pesquisador Claudio Spadotto, que concebeu o ARAquá. A equipe agora trabalha no ARAquáGeo, uma versão que faz os cálculos com dados georreferenciados, apresentando os resultados em mapas. O desenvolvimento do ARAquá conta com parceria da Faculdade de Ciências Agronômicas da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp) e da Faculdade de Tecnologia do Estado de São Paulo (Fatec), ambas no município de Botucatu (SP). Para baixar o ARAquá, acesse: http:// www.sgte.embrapa.br/produtos/araqua.php


OTEGE A ENSIVOS

Foto: Fábio Reynol/Divulgação Embrapa

33


AgroPesquisa

EMBALAGEM Pesquisador Luiz Henrique Mattoso e os estudantes de mestrado Marcos Lorevice e Caio Otoni mostram o filme e a sua matéria prima

I

magine colocar uma pizza no forno sem precisar retirar a embalagem plástica. A película que a envolve é composta por tomate e, ao ser aquecida, vai se incorporar à pizza e fazer parte da refeição. Esse material já existe e foi desenvolvido por pesquisadores da Embrapa Instrumentação (SP) que fizeram películas comestíveis de diferentes alimentos como espinafre, mamão, goiaba, tomate e pode utilizar muitos outros como matéria-prima. O trabalho de pesquisa foi desenvolvido no âmbito da Rede de Nanotecnologia Aplicada ao Agronegócio (AgroNano) e recebeu investimentos da ordem de R$200 mil. “Podemos utilizar rejeitos da indústria alimentícia para fabricar o material, isso garante duas características de sustentabilidade: o aproveitamento de rejeitos de alimentos e a substituição de uma embalagem sintética que seria descartada”, afirma o chefe-geral da Embrapa Instrumentação, pesquisador Luiz Henrique Capparelli Mattoso, que coordenou a pesquisa, ressaltando que o trabalho de desenvolver filmes a partir de frutas tropicais é pioneiro no mundo. O material tem características físicas semelhantes aos plásticos convencio-

34

nais, como resistência e textura, e tem igual capacidade de proteger alimentos. Porém, o fato de poder ser ingerido abre um imenso campo a ser explorado pela indústria de embalagens. Aves envoltas em sacos que contêm o tempero em sua composição, sachês de sopas que podem se dissolver com seu conteúdo em água fervente e muitas outras possibilidades. A diferença está na matéria-prima. O plástico comestível é feito basicamente de alimento desidratado misturado a um nanomaterial que tem a função de dar liga ao conjunto. “O maior desafio dessa pesquisa foi encontrar a formulação ideal, a receita de ingredientes e proporções para que o material tivesse as características de que precisávamos”, conta o engenheiro de materiais José Manoel Marconcini, pesquisador da Embrapa que participou do trabalho. Ele explica que os alimentos usados como matéria-prima passam pelo processo de liofilização. Trata-se um tipo de desidratação na qual, após o congelamento do alimento, toda a água contida nele se transforma do estado sólido diretamente ao gasoso, sem passar pela fase líquida. O resultado é

um alimento completamente desidratado com a vantagem de manter suas propriedades nutritivas. Ela pode ser aplicada aos mais diferentes alimentos como frutas, verduras, legumes e até alguns tipos de temperos, o que explica a grande diversidade de matérias -primas comestíveis, o que imprime o sabor e a cor da embalagem. Mattoso acredita que o plástico comestível também poderá contribuir para reduzir outro problema: o desperdício de alimentos. Além de resíduos em condições de uso que a indústria alimentícia não utiliza, há muitos vegetais que deixam de ser comercializados por não apresentar bom aspecto visual mesmo estando em condições de consumo. “Esses vegetais que iriam estragar na prateleira podem ser matéria -prima para a embalagem comestível”, acredita o especialista que já vislumbra parceiros entre as empresas do ramo para que os resultados alcançados em laboratório seja desenvolvido como produto comercial. Para ele, a nova embalagem também pode receber matéria-prima de um mercado em franca expansão, o de alimentos prontos. Mattoso conta que esse é um ramo que produz muitos


Fotos: Flávio Ubiali - Fonte: Embrapa

COMESTÍVEL resíduos como cascas e pequenos pedaços. Ele dá como exemplo as chamadas cenouretes que são esculpidas em pequenos pedaços de cenoura. Para o

especialista, as sobras desse processo poderiam virar matéria-prima para um plástico com a leguminosa. O desenvolvimento do material foi

fruto de um trabalho de duas décadas, quando começaram os estudos em ciência dos materiais na Embrapa Instrumentação.

35


AgroRodeio

36


AgroCultura

Foto: Leandro Gasparetti

MELANCIA DE PORCO

Fonte: Brapex

BOA OPÇÃO PARA CLIMAS SECOS E ALIMENTAÇÃO DOS ANIMAIS

D

evido ao longo período de estiagem que têm ocorrido, desde o ano passado, principalmente no estado de São Paulo, os agricultores tem procurado outras opções de aproveitamento das áreas que estão ociosas, principalmente nos canaviais, já que o clima influenciou drasticamente no desenvolvimento das plantações. Na região de São José do Rio Preto, no interior paulista alguns agricultores resolveram adotar o cultivo da Melancia Forrageira que possui baixo custo e alta produção em climas com poucas chuvas, além de ajudar na alimentação dos animais, como os bovinos, ovinos, caprinos, equinos, bubalinos, mas principalmente os porcos. Servida no cocho, na quantidade adequada, o animal pode a engordar de 1 a 1,5 kg ao dia. A melancia possui 10% de proteína e se mantém produtiva por um longo período, sendo bem adaptada a todas as regiões do Brasil. A melancia é originária da África e foi trazida para o Brasil pelos escravos, onde se adaptou às condições do Nordeste e se espalhou através de cruzamentos naturais com outros tipos de melancia. Desidratada, a melancia tem seu período de estocagem ampliado para quatro anos, enquanto depois de colhida o tempo máximo de conservação, em seu estado natural, não ultrapassa um ano. Com 2 kg (cerca de 10.000 sementes), se planta 1 hectare, que pode render de 25 a 80 toneladas, ideal para engorda.

37


38


39


AgroRodeio

Fotos: Watenberry/NRHA

BRASILEIROS FINALISTAS DO NRHA FUTURITY

LUCIANA OMENA

Jornalista Especializada em Cavalos lucianaomenacomunicacao@gmail.com

BRASILEIROS ARREBENTARAM NO NRHA FUTURITY 2014!

Procuro nas minhas colunas comentar assuntos onde o cavalo ou o competidor brasileiro são destaque. Normalmente, eventos internacionais de grande porte onde tenham brasileiros chamam atenção e por isso gosto de mostrar ao leitor que não somos apenas o país do futebol!

A

Rédeas é um esporte onde o Brasil é destaque. Evento de âmbito mundial, que aconteceu de 28 de novembro e 6 de dezembro, o 2014 NRHA Futurity & Adequan® North American Affiliate Championship Show levou brasileiros para o Oklahoma State Fair Park, em Oklahoma City, por mais um ano. Dentro e fora das pistas a bandeira verde e amarela chamou atenção. Defendendo as nossas cores, começaram a competição 16 conjuntos na categoria Aberta, em meio a cerca de 400 cavalos. O prêmio para o campeão da Aberta Nível 4 foi de US$150.000,00 e a premiação total chegou a mais de US$2.500.000,00! Várias nacionalidades encontram-se e entram em pista em busca do mesmo sonho. Era o título

40

máximo da temporada neste esporte. Pela primeira vez, quatro competidores brasileiros foram para a final e dois deles com dois animais. Melhor participação brasileira da história. E olha que temos feitos incríveis, como o Futurity de 2011 onde a estrela foi Gunner Boy, cavalo brasileiro. Final com casa cheia, o mundo inteiro ligado, ao vivo ou através da transmissão via internet. Eu, claro, mais uma vez acompanhei minuto a minuto tudo que aconteceu lá, seja por relatos via facebook, whatsapp ou pelo próprio site da NRHA. Estava atrás da tela do computador, mas a emoção foi a mesma de como tivesse ao vivo. E o evento foi encerrado de forma brilhante, com uma participação fantástica dos brasileiros. De arrepiar qual-

quer amante da Rédeas, Gabriel Diano marcou um 224 na final, terminando a competição em segundo lugar Nível 4 e primeiro nos Níveis 3 e 2. Sua montaria foi Wimpy Chic, animal também de um brasileiro. Completam a lista dos finalistas que representaram nossas cores: Nivel4 - 11° lugar - Chexmaster - Franco Bertolani - 219,5; 14° lugar - Meradas Shining - Eduardo Salgado – 218,5; 14° lugar - Late Night Stopper - Franco Bertolani – 218,5. Nivel 3 - 5° lugar - Meradas Shining - Eduardo Salgado – 218,5; 5° - Blu Spark - Gabriel B Diano – 218,5; 13° lugar - Magnums Vegas Dream - Fernando Salgado - 215,5. Nivel 2 - 4° lugar - Meradas Shining - Eduardo Salgado – 218,5; 4° - Blu Spark - Gabriel B Diano – 218,5. Informações: www.nrhafuturity.com.


AgroEsporte

Foto: Leandro Gasparetti

HIPISMO O ESPORTE DA CUMPLICIDADE

O

hipismo é um esporte muito antigo, praticado por um homem e seu cavalo. Desde os Jogos Olímpicos Antigos ele era praticado como competição. É o esporte da cumplicidade entre o cavaleiro/amazonas e seu cavalo, onde os 2 se tornam um. Imagine então poder praticar este esporte clássico em um local em completa harmonia com o meio ambiente e acompanhado de instrutores e animais preparados. O Centro Hípico Crepúsculo, hípica instalada em São José do Rio Preto oferece essa oportunidade; possui duas pistas equipadas para hipismo, equitação e tambor. Com pouco mais de três anos de criação o Centro Hípico tem como filosofia aliar a prática esportiva equestre à natureza e respeito aos animais, oferecendo bem estar e qualidade de vida através da parceria homem e animal. “Além das pessoas que nos buscam para aprender a arte de montar, rece-

bemos pessoas em nossa hípica que relatam vários problemas sendo dores físicas ou emocionais;com a equitação e toda a interação com os animais a melhora é clara e rápida, sendo mais do que uma prática esportiva, é uma verdadeira terapia”, afirma Gisele Polotto, uma das coordenadores do espaço que divide administração e treinamento com o instrutor Cleber Barbosa. Na hípica, além do hipismo, temos a equitação lúdica desenvolvendo desde cedo nas crianças o fortalecimento e correção postural, equilíbrio, concentração, autoconfiança e respeito pelos animais. O melhor de tudo, não é preciso ter um cavalo para praticar o esporte já que a hípica oferece os animais;não ter o cavalo não é mais desculpa para não ir aprender e praticar um dos esportes mais belos do mundo. Porem para quem tem seu próprio cavalo o Centro Hípico possui hospedagem de animais em suas cocheiras que são bem estruturadas; tendo aco-

modação dos animais para descanso, aposentadoria, doma, treinamento, recuperação e a prática esportiva. Qualidade de vida, esporte, saúde, bem estar e diversão. Centro Hípico Crepúsculo de São José do Rio Preto. Visite, exercite-se e encante-se. Faça – nos uma visita em São José do Rio Preto, visite nossa página do FaceBook www.facebook.com/centrohipicocrepusculo ou entre em contato pelos tel. (17) 98135 1339 / 99616 3246.

41


AgroCultura

VOLUME DE MOAGEM D 642 MILHÕES DE TONE CONSULTORIA DIVULGA PRIMEIRA ESTIMATIVA E APONTA PARA UMA SAFRA 2015/16 MAIS ALCOOLEIRA

A

moagem de cana-de-açúcar para safra brasileira 2015/16 deve atingir a 642 milhões de toneladas, cerca de 14 milhões de toneladas a mais em relação à de 2014/15, conforme divulgou em coletiva para jornalistas, o presidente da DATAGRO Consultoria Agrícola, Plínio Nastari. Apesar do baixo volume de precipitação deste o início deste ano, a produção 42

de cana-de-açúcar está se desenvolvimento de forma regular. Dessa maneira, a primeira estimativa da DATAGRO aponta para uma produção de açúcar no Brasil de 35,48 milhões de toneladas. No acumulado, a região Centro-Sul do país deverá produzir 32 milhões de toneladas de açúcar, enquanto na região Nordeste produzira 3,48 milhões de toneladas.

ETANOL Conforme prevê a DATAGRO, a produção de etanol na safra 2015/16 atingirá um acumulado de 29,11 bilhões de litros, de todo Brasil. A produção do biocombustível já havia batido seu primeiro recorde com 28,19 bilhões de litros em 2014/15. E, a partir deste cenário, há expectativas de que o próximo período seja mais alcooleiro, com cres-


Foto: Leandro Gasparetti - Fonte: DATAGRO

DE CANA DEVE ATINGIR ELADAS, DIZ DATAGRO cimento de 2%. “Nesta safra, vamos testar os limites de produção de etanol”, afirma Plinio. O maior consumo de etanol hidratado, que registrou elevação de mais de 20%, tem estimulado este segmento. Oaumento da mistura de anidro na gasolina, que deve passar de 25% para 27% ou 27,5%, além o impacto da alteração do regime de ICMS incidente sobre a gasolina e o etanol hidratado, no estado de Minas Gerais, também têm influenciando positivamente este segmento. “O impacto destas medidas é determinante para o balanço oferta-demanda de etanol, impactando o mix de produção”, afirma Plinio. Ele também completa: “O crescimento da

frota flex no mercado também impactarão nesta oferta. Atualmente, a frota de veículos flex cresceu em 67%”. Além disso, o aumento da CIDE trouxe uma esperança ao setor sucroenergético, pois há a possibilidade de maior competividade do etanol frente à gasolina. “A CIDE abre espaço de competitividade para o hidratado em até 70%, pela correção dos preços e pelo aumento do consumo”, declara Nastari. Entretanto, Plinio alerta: “O retorno da tributação ainda não e suficiente para mudar as perspectivas do setor. Enquanto não houver políticas públicas, também não haverá investimentos. O setor precisa ter confiança no

mercado. Ações como esta apenas darão um folego para o pagamento das dívidas, mas não a recuperação total do setor”. USINAS Com a crise que assola o setor desde 2008, usinas tem que lidar com queda de produção e consequentemente fecham suas portas. Nos últimos seis anos, 83 usinas pararam de operar. Segundo a DATAGRO, na próxima safra de 2015/16, mais nove usinas devem encerrar suas atividades. “Em moagem, isso já significou uma perda de mais de 75 milhões de toneladas”, finaliza o presidente da DATAGRO.

43


AgroSocial

Fotos: Leandro Gasparetti

SOCIAL WESTERN Por Leandro Gasparetti

01 01

03

02

04

05

06

07

08

1 - Pedro Chama, Guilherme Rocha e Léo do Reis 2 - Jorge Cury Neto, Jorge Cury e Aluminio Almeida 3 - As duplas Walter & Renan e Israel & Rodolffo 4 - Jerônimo Muzetti com o cantor Juliano Cezar 5 - Marcos e Gustavo Mioto 6 - Glaucio Antonio Ribeiro, Marcio Silveira, Celso Heli Moreira, Dalva Borges S. Moreira e Antonio Valentim Del Arco 7 - O casal Nelson Lima Bucater e Ana Paula Bucater 8 - Fabio Alves e Renato Espreafico 9 - Renato e Luciane Carmo, João Vitor Ferreira, Cissa Purini e Tony Homsi 10 - Wilson Dario, Ivone Amparo, Paul Erick, Fanny Miriam, Jose William (Pepe), Eva Cardenas e Jonny Vladimiro Marin

44

09


10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

11 - Paulo Belarmino, Durval, Cleiton Camargo e Davi 12 - O pecuarista Nelson Ariza 13 - Lincoln Ribeiro e Maria Izildinha 14 - As duplas Maycon & Renato e Fabrício & Fernando 15 - Ellus Bruno Menghini com Paulo Emílio Marques 16 - Fabrício Gava, Idério Garcia e Marcinho Guimarães 17 - José Candeo e Dr. Adaulto Luiz Lopes 18 - Wagner Ternura, o cantor Fiduma e Gilvan Costa (Baxim) 19 - Antonio Carlos Salvatierra, Fábio Cristal e Claudio Marquini 20 - Jean Gonçalves, Cristiane Balura e o filho Pedro Balura de Souza 21 - A dupla Carreiro & Capataz com Ailton Ferreira e Valdecir de Sá 22 - João Candido Carvalho, José Henrique Vieira, Halim Atique Netto e Sérgio Expressão 23 - Silvano Alves, Francisco Félix e Guilherme Marchi 45


AgroModa

Fotos: Divulgação

AS T-SHIRTS VIRARAM SINÔNIMO DE ESTILO NO MUNDO COUNTRY

A Patricia Marchi

www.blogpatycowgirl.com.br

46

ultima tendência do mundo country são as Western T-Shirts elas invadiram o guarda roupa das cowgirls, elas viraram as queridinhas no mundo western fashion. A clássica e básica camiseta branca foi reinventada e agora ganhou brilho,strass, tachas, bordados, cores e acessórios e até mesmo mensagem e símbolos sobre a country life. Colocar uma simples T-Shirts pode render muito estilo ao seu visual, atualmente as camisetas que abordam ilustrações, desenhos e frases de efeito são as que estão em alta. T-Shirts mega sofisticada que tanto da pra usar dia a dia ou ir para a balada.

Para não errar no look para a balada, usar cores escuras,acessórios, bolsa de franja e brilhos. é uma combinação perfeita. Para o dia a dia nada como um jeans básico ou legging, vale com shorts jeans e de couro. Agora o que não pode faltar que fica mega fashion é a poderosa jaqueta de couro que da um look mega elegante nas T-Shirts. As T-shirts vem sendo um dos maiores símbolos de liberdade de expressão e informalidade, passou agora a assumir uma função de “comunicar com palavras”, uma maneira de se expressar, transmitindo mensagem quase pessoais de cada um....


47


48

Magazine AgroFest - Fevereiro/Março 2015  
Magazine AgroFest - Fevereiro/Março 2015  

Magazine AgroFest, Edição nº 05 - Fevereiro | Março 2015 | Distribuída em São José do Rio Preto/SP e mais 30 cidades da Região.

Advertisement