{' '} {' '}
Limited time offer
SAVE % on your upgrade.

Page 1

11 ABR

14

11 ABR

14


22h00 | € 10,00 | M6 | 75’ap

11 Auditório do Centro de Arte de Ovar ABR RICARDO TOSCANO QUARTET

Algo se passa na cena jazz de um país quando, em simultâneo, vários jovens em início de carreira revelam qualidades muito acima da média até num músico maduro. Vem acontecendo isso com Ricardo Toscano, João Guimarães, João Mortágua e Francisco Andrade, exemplos de uma vitalidade nada comum. O primeiro é já considerado, aos 21, a nova coqueluche da música nacional. Não apenas uma “esperança”, mas alguém que está a ter impacto no presente. Quando se deu por ele tinha apenas 17 anos e depressa se espalhou que havia entre nós um sobredotado saxofonista alto. Hoje, é líder de um dos mais entusiasmantes grupos em atividade, o Ricardo Toscano Quarteto que acabou de editar o seu primeiro e tão aguardado disco homónimo. O jazz praticado é o “mainstream”, sem preocupações de inovação e muito menos de experimentação, mas são tais a frescura, a energia, a entrega e a personalidade própria dados aos temas, “standards” incluídos, que o Ricardo Toscano Quarteto conquistou a unanimidade do aplauso. Já não é só de bom jazz que se trata, mas de brilhantismo. A linguagem adotada é a do bebop e do pós-bop, com claras influências de Charlie Parker e um repertório de originais e composições históricas que vai até Ornette Coleman. Na moldura destas, e suportado por uma secção rítmica em combustão permanente, o alto de Toscano voa com a desenvoltura e a agilidade de uma águia. Ricardo Toscano | saxofone alto João Pedro Coelho | piano Romeu Tristão | contrabaixo João Pereira | bateria

23h45 | Jam Session | gratuito

11 Bar do Centro de Arte de Ovar ABR 6TET DO CURSO DE JAZZ DE COIMBRA

Este coletivo surge no ano letivo de 18’19, percorrendo o trilho dos desafios traçados pelos docentes do Curso Profissional de Instrumentista de Jazz da Escola Artística do Conservatório de Música de Coimbra. Desta forma, todos os anos, surge um novo ensemble que é desafiado a participar no concurso de escolas da Festa do Jazz organizada pela Associação Sons da Lusofonia. O leitmotiv da formação centra-se numa abrangência e originalidade de repertório, com observância de uma maturidade, empatia, cumplicidade e amizade entre os seus intervenientes, que confirma o trabalho de excelência desta Escola. Joana Lopes e Carolina Cardetas | voz Filipe Fidalgo | saxofone Mateus Saldanha | guitarra Eduardo Santiago | baixo Eduardo Gonçalves | bateria


18h00 | gratuito | M6 | 75’ap

12 Escola de Artes e Ofícios ABR TROLL’S TOY

Estrutura e caos, silêncio e ruído, guerra e paz. Gabriel Neves (Saxofone Tenor), João Martins (Bateria e Percussão) e Jorge Loura (Guitarra Barítono) imaginaram como seria se Frank Zappa, Wayne Shorter, Richard Wagner e Egberto Gismonti se encontrassem num concerto dos Tool e formassem um trio. Desta impossibilidade matemática nasceu Troll’s Toy. O trio trabalha composições originais que carregam sobre elas vapores de reações químicas imprevisíveis, que ora resultam em novos materiais alcalinos, ora em soluções ácidas, orientando os relatórios destas experiências para um muito pouco contido e nada balizado jazz elétrico de fusão, revelando uma amplitude estética invulgar. O trabalho de bateria e percussão é intenso, dramático e inventivo, catalisando todas as reações em cadeia; o saxofone explora registos tão amplos que chega a parecer criar um diálogo de sopros distintos, quando, de facto, estamos na presença de um monólogo; e a guitarra travestida de baixo é precisa e omnipresente, suportando também nos silêncios e com mestria todos os outros decibéis deste laboratório de sons. Em resumo, explosão e contenção: é também por este motivo que as previsões meteorológicas possuem erros. Ainda bem – nesta não-linearidade, a resposta não é necessariamente proporcional à intensidade do distúrbio: "estrutura e caos, silêncio e ruído, guerra e paz", lembram-se? Gabriel Neves | saxofone tenor Jorge Loura | guitarra João Martins | bateria

22h00 | € 10,00 | M6 | 75’ap

12 Auditório do Centro de Arte de Ovar ABR GET THE BLESSING COM ORQUESTRA

CAMERATA DA ESCOLA PROFISSIONAL DE ESPINHO

Para um concerto improvável e único, a banda internacional Get The Blessing vai apresentar-se com a Orquestra Camerata da Escola Profissional de Música de Espinho nesta 2ª edição do Ovar em Jazz. Formada no ano de 2000, em Bristol, os Get The Blessing mantêm a sua formação original, composta por Jake McMurchie no saxofone e eletrónica, Pete Judge no trompete e eletrónica, Clive Deamer na bateria e Jim Barr no baixo. Quatro grande músicos, sendo que alguns fazem ainda parte de outras formações, como Jim Barr que integra os Portishead e Clive Deamer que integra os Portishead e os Radiohead. A Orquestra Camerata é constituída pelos alunos mais avançados da Escola Profissional de Música de Espinho, uma das mais relevantes escolas de ensino artístico a nível nacional.

23h45 | Jam Session | gratuito

12 Bar do Centro de Arte de Ovar ABR COMBO DE JAZZ DA JOBRA


18h00 | gratuito | M6 | 75’ap

13 Escola de Artes e Ofícios ABR STEFANO BATTAGLIA PIANO SOLO

“Durante anos tive a tendência de simplificar, de aspirar a uma abolição dos diferentes estilos ou modos de expressão do universo musical e, em particular, de imaginar a música como uma metalinguagem universal, um lugar genuinamente desprovido de fronteiras, não apenas em palavras mas de facto, onde a minha música ou a música de outros não existem, mas apenas música.” Stefano Battaglia é um famoso pianista de craveira mundial e um dos mais importantes músicos da ECM Records. É um artista excecional, e o seu trabalho revela uma tendência para uma busca constante de novas dimensões musicais, novas metas e um som marcado pela profundidade. Ao mesmo tempo, a sua execução musical é caracterizada pela leveza, por vibrações incisivas e pela originalidade. Em “Piano solo”, o músico não se deixa limitar e explora novas ideias e um novo repertório para conferir vida e liberdade às suas capacidades expressivas, como o excelente improvisador e compositor de alto gabarito que é. Apresenta diferentes projetos para diferentes sonoridades no contexto do género do piano solo, como Musica Salva, Illuminations, Cantico e Piano Portraits, para expressar toda a sua rica experiência musical e as suas escolhas artísticas.

Um concerto repleto de iluminações, de trechos inspirados em assuntos extramusicais, de música livre de condicionamentos e de filtros, como um raio preciso e criativo concebido para iluminar ou simplesmente para evocar pessoas, lugares e acontecimentos. Desta forma, Stefano Battaglia torna-se narrador e filósofo da música, para levar o seu público numa viagem sempre diferente, pessoal, íntima e introspetiva.


22h00 | € 10,00 | M6 | 75’ap

13 Auditório do Centro de Arte de Ovar ABR OJM & MARIA JOÃO REVISITAM

“AMORAS E FRAMBOESAS”

Com dezenas de discos editados e detentora de um estilo único, Maria João é a maior voz do jazz português e a sua carreira, reconhecida pelos quatro cantos do mundo, destaca-se pela versatilidade e pelo desafio constante do cruzamento de novos estilos. A cantora e a Orquestra Jazz de Matosinhos editaram em conjunto o álbum Amoras e Framboesas em 2011, tendo sido apresentado em diversos Festivais nacionais e internacionais de Jazz. Este programa junta dois nomes de referência do jazz português e explora quatro universos musicais, revelando um repertório tão diversificado como memorável. Principiando pelos temas clássicos do cancioneiro norte-americano, conhecidos por Maria João desde o início da sua carreira, entre 1982 e 1986: o melancólico Spring Can Really Hang You Up The Most, de F. Landesman e T. Wolf; o swing The Surrey With The Fringe On Top, de O. Hammerstein e R. Rodgers; e o jazz mais moderno de Skylark de J. Mercer e H. Carmichael. Seguem-se temas da música popular brasileira, onde a cantora combina o melhor da sua voz com um gosto pessoal pela MPB, consumado no álbum João, de 2007. Com a OJM, apresenta Canto de Ossanha, tema de Baden Powell e Lígia de Vinícius de Moraes. O jazz e a world music também marcam presença nas composições resultado da longa colaboração entre Maria João e o pianista Mário Laginha, uma contribuição essencial para o jazz cantado em português. São elas: Há gente Aqui do álbum Cor, o tema Flor, do álbum Chorinho Feliz e Torrente do álbum Tralha.

O programa conta ainda com um poderoso arranjo da música Dancing tn the Dark de Bruce Springsteen, fazendo desta forma uma incursão também pelo universo da música pop. Os arranjos que dão corpo a este repertório foram realizados pelos maestros e diretores da OJM: Carlos Azevedo e Pedro Guedes e pelos compositores Paulo Perfeito e Telmo Marques.


23h45 | Jam Session | gratuito

13 Bar do Centro de Arte de Ovar ABR COMBO DE JAZZ ESMAE

14 ABR

10h00/13h30-15h30/18h00 a partir dos 16 anos lotação limitada a 12 pessoas a participação é gratuita mediante inscrição prévia, para o email caovar@cm-ovar.pt Escola de Artes e Ofícios WORKSHOP DIRIGIDO POR

STEFANO BATTAGLIA 17h00 | gratuito, mediante a disponibilidade da sala | M6 | 75’ap Escola de Artes e Ofícios abertura ao público para assistir ao final do workshop

APRESENTAÇÃO FINAL DO WORKSHOP DIRIGIDO POR STEFANO BATTAGLIA

bilhetes à venda no Centro de Arte de Ovar e em caovar.bol.pt www.facebook.com/ovarcultura/

Profile for CMOVAR OVAR

OVAR em JAZZ  

Ovar em Jazz insere-se na programação em rede da Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro e, nesta segunda edição, que decorre entre 11...

OVAR em JAZZ  

Ovar em Jazz insere-se na programação em rede da Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro e, nesta segunda edição, que decorre entre 11...

Profile for cmovar
Advertisement