Page 1


sumário Editorial 3 Investir no Concelho 4 Construção e valorização do parque escolar prossegue Estratégia 2008-2015: Fazer do Cadaval um território rural de excelência Educação no Concelho 12 Serviço de Apoio à Família com novos prazos e regras Pessoal auxiliar inteira-se do “sistema educativo” Cultura & Tempos Livres 14 Cadaval festejou 111.º Aniversário da Restauração do Concelho Carnaval’2009 trouxe folia e boa disposição ao Cadaval Turismo no Concelho 18 “Percorrer Monte(s)junto(s)”: Concelho dá-se a conhecer através de caminhadas regulares História do Concelho 19 Museu Municipal pôs “Dezembro em Movimento” no Cadaval Centrais 20 VIII Semana da Floresta abordou “A Floresta como fonte de energia” Ambiente & Protecção Civil 23 Autarquia cria pontos de deposição de entulhos e monos Rentabilizar a conversão das faixas de gestão de combustível Acção Social & Saúde 25 Associação Paraíso das Crianças apoiada por caçadores e por comunidade de emigrantes no Canadá Rede Social: Diagnóstico Social do Concelho em actualização Informar o Munícipe 28 Director Regional de Cultura deslocou-se ao Cadaval Município cede antiga escola a Junta de Freguesia do Cadaval Economia do Concelho 30 Sustentabilidade do Meio Rural esteve em debate

REVISTA DA CÂMARA MUNICIPAL DE CADAVAL Série III • N.º 25 EDIÇÃO DE ABRIL 2009 Publicação QUADRIMESTRAL

Capa VIII SEMANA DA FLORESTA - SERRA DE MONTEJUNTO

Propriedade e Edição CÂMARA MUNICIPAL DE CADAVAL

Direcção ARISTIDES LOURENÇO SÉCIO (PRESIDENTE)

Coordenação Geral EUGÉNIA CORREIA DE SOUSA (VICE-PRESIDENTE) VITOR PINTO LEMOS (VEREADOR)

Coordenação e Redacção BRUNO FIALHO (GAB. DE INFORMAÇÃO E REL. PÚBLICAS)

Colaboraram nesta edição: AMÂNDIO CAETANO, ANA MAGUEIJO, ANABELA GASPAR, CARLA SILVA, PAULA FRANCO, SOFIA MENDONÇA, TÂNIA CAMILO, TERESA PORFÍRIO E TERESA ROCHA (CMC) E JOÃO AZEVEDO (APAS)

Fotografia ARQUIVO FOTOGRÁFICO DA CMC

Paginação BRUNO FIALHO

Desporto no Concelho 31 Perto de 300 atletas participaram no XII Duatlo do Cadaval IV Campeonato Municipal Jovem de Atletismo em decurso

Grafismo PAULO FIALHO

Parar p’ra conversar 36 Inocência Filipe Ribeiro: «Vivi uma vida inteira para o próximo»

Impressão GRAFILIPE - SOC. ARTES GRÁFICAS LDA. CADAVAL

Em SEPARATA:

Tiragem 5000 EXEMPLARES

“Deliberar sobre o Concelho” DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

Colabore na divulgação do Concelho! Ajude a Revista Municipal a divulgar o Cadaval do presente e a recordar o Cadaval do passado. Envie textos, dados, sugestões e/ou fotografias para: Gabinete de Informação e Relações Públicas da Câmara Municipal do Cadaval, Av. Dr. Francisco Sá Carneiro 2550-103 Cadaval. Tel.: 262 690 119; E-mail: girp@cm-cadaval.pt

2

Depósito Legal N.º 166330/01 ISSN: 0872-22129


editorial

Esta visão estratégica para o Concelho, da qual damos nota nesta edição da Revista Municipal, resulta da vontade política existente, aliada à capacidade de planeamento ao serviço da autarquia, para que o território Cadaval seja, cada vez mais, um espaço onde se possa conciliar a excelência da sua ruralidade com a qualidade de vida a que todos temos direito e, para que isso aconteça, todos somos chamados a participar.

N

cessitamos para o conseguir, objectivo esse que se deve resumir a colocar os meios públicos ao efectivo serviço das populações. É por isso que este ano constitui um ano decisivo também para a nossa autarquia, ano em que o QREN (Quadro de Referência Estratégico Nacional), depois de dois anos de atraso, parece agora querer dar passos mais consistentes no financiamento comunitário dos investimentos públicos e privados do nosso país e onde, é claro, a nossa autarquia não pode deixar de o aproveitar da melhor forma possível, para continuar a dotar o Concelho com infra-estruturas que venham ao encontro do desenvolvimento económico e social da nossa população, contribuindo assim para a melhoria da sua qualidade de vida. Para isso, temos vindo a trabalhar num Quadro também ele de Referência Estratégico para o Concelho, o qual objectiva fazer do Cadaval um “território rural de excelência”, com tudo o que isso significa para a tal qualidade de vida da população, sendo que, através de um conjunto de projectos estruturantes, prevemos investimentos na ordem dos trinta milhões de euros no período que vai até 2015. Esta visão estratégica para o Concelho, da qual damos nota nesta edição da Revista Municipal, resulta da vontade política existente, aliada à capacidade de planeamento ao serviço da autarquia, para que o território Cadaval seja, cada vez mais, um espaço onde se possa conciliar a excelência da sua ruralidade com a qualidade de vida a que todos temos direito e, para que isso aconteça, todos somos chamados a participar. Nesse sentido e para concluir, lanço a todos os Munícipes um desafio, que nada custa e muito pode contribuir: sejamos cuidadosos com a nossa floresta, evitando o fogo e a deposição de detritos no seu seio; façamos a separação do lixo que produzimos, colocando nos ecopontos tudo o que possa ser reciclável; finalmente, utilizemos a água, que é um bem escasso, na estrita medida das nossas necessidades. Assim, estou certo, contribuiremos, todos, para um Concelho onde a qualidade de vida não será coisa vã. Lembremo-nos que as grandes obras não são mais do que um conjunto de pequenas pinceladas, onde cada um de nós tem um papel importante na tela do bem-estar colectivo.

ão tenho qualquer dúvida que o ano de 2009 constitui um período atípico na vida da generalidade da sociedade portuguesa, altamente influenciado por um conjunto de situações que ficará, por certo, bem vivo na memória da actual geração, e não deixará de se reflectir nas próximas décadas, tal é o impacte da actual conjuntura no quotidiano das famílias, das empresas e na vida pública em geral. Parece que já ninguém tem dúvidas quanto à influência das novas tecnologias na vida dos cidadãos. Todos estamos cientes de que a capacidade da sua influência na sociedade está longe de ser conhecida, tais são as potencialidades que essa maravilha, desenvolvida pela ciência, pôs, de forma prática, ao alcance de todos. É certo e sabido que na pré-história o homem se afirmava pela força física e que, no período medieval, a liderança se media pelo uso de alguns artefactos e pelo domínio da escrita, que ajudavam na imposição feudal e nas crenças religiosas, período esse em que o ágil manejamento da espada distinguia os mais audazes. Por outro lado, e mais recentemente, o comércio entre os povos e a revolução industrial constituíram armas poderosas na afirmação das economias e das políticas, cujas técnicas usadas e bem guardadas, faziam, para quem as detinha, toda a diferença na afirmação bélica e económica das nações. É hoje igualmente bem certo que tudo se transformou de forma tão rápida e acentuada que tempos recentes – como seja a última metade do século passado – parecerão longínquos aos olhos da actual geração, tal é a diferença tecnológica actualmente existente. Aquilo que, no passado recentíssimo, era algo inatingível à maioria dos cidadãos está hoje à distância de um simples teclar num computador; desde logo acedemos a qualquer parte do planeta e em tempo real, permitindo-nos saber ou visualizar algo sobre que tenhamos interesse. É por isso que o computador é, sem dúvida, o novo paradigma do desenvolvimento e afirmação dos povos, sendo que os que fizerem o melhor e mais rápido aproveitamento das suas potencialidades, vencerão mais facilmente os desafios da era moderna. É assim que a constante mutação da vida social, que está a ser operada pela influência das novas tecnologias, marca igualmente de forma bem vincada este ano de 2009, mas não só; a actual conjuntura económica e financeira mundial, quiçá resultante do uso menos correcto das TIC (tecnologias de informação e comunicação), assinála indelevelmente a sociedade portuguesa. Outro factor que marcará acentuadamente o nosso país tem a ver com o facto de 2009 ser um ano em que ocorrerá um conjunto de actos eleitorais – Parlamento Europeu, Legislativas Nacionais e Autárquicas (Câmara Municipal, Assembleia Municipal e Assembleias Freguesia), os quais constituem um grande exercício da Democracia em que temos o direito e a obrigação cívica de participar, mas que efectivamente condicionam a vida pública do nosso país. As três campanhas eleitorais, o eventual adiamento de medidas mais impopulares, a resultante menor eficiência das instituições públicas são, por si só, acontecimentos marcantes neste ano de 2009. Contudo, não podemos confundir o objectivo com os meios que ne-

Sempre ao Vosso serviço.

O Presidente da Câmara,

Aristides Lourenço Sécio

3


investir no concelho Apr ovados pr ojectos-base para escolas de Alguber igueir os e Murteira Aprovados projectos-base Alguber,, F Figueir igueiros

Construção e valorização do Parque Escolar do Concelho prossegue

N

o âmbito da contratualização com o Oeste, estão a ser preparadas candidaturas ao Eixo III do Programa Operacional Regional MaisCentro, para financiamento da construção e valorização do Parque Escolar do Concelho. Assim, está previsto candidatar, ao abrigo do regulamento de “Requalificação da Rede do 1.º Ciclo do Ensino Básico e da Educação Pré-Escolar”, os Centros Escolares de Murteira e Figueiros, bem como a Remodelação/Ampliação da Escola Básica do 1.º Ciclo de Alguber.

O valor estimado das referidas obras é de mais de 480 mil para o projecto da Murteira, cerca de 182 mil para o de Figueiros e mais de 120 mil euros para o de Alguber. As intervenções nas actuais Escolas do 1.º Ciclo do Ensino Básico têm como principais objectivos: rentabilização de infra-estruturas comuns às Escolas do 1.º CEB e Jardinsde-Infância; integração, sempre que possível, de mais de um nível de ensino; utilização de valências comuns ou polivalentes como sejam biblioteca/espaço TIC); refeitório/espaço polivalente para sala de profes-

sores/recepção aos pais; modernização das salas de aula para utilização da informática e actividades pedagógicas; arranjo dos espaços exteriores, com a criação de zonas cobertas de recreio e desportivas, bem como a introdução de vedações em condições de segurança. Os projectos-base respeitantes aos referidos equipamentos educativos de Alguber, Figueiros e Murteira já foram, entretanto, aprovados, aguardando-se, à data de fecho desta edição, a entrega dos respectivos projectos finais de execução.

Remodelação e Ampliação da Escola Básica do 1.º Ciclo de Alguber Projecto-base - Alçado Este

Remodelação e Ampliação da Escola Básica do 1.º Ciclo - Centro Escolar de Figueiros Projecto-base - Alçado Sul

Remodelação e Ampliação da Escola Básica do 1.º Ciclo - Centro Escolar da Murteira Projecto-base - Alçado Principal

4


investir no concelho

Construção do Centro Escolar do Vilar já avançou

A

obra de construção da nova EB1 do Vilar arrancou em Fevereiro último, contando com um prazo de execução de 180 dias. O novo equipamento escolar tem o valor de adjudicação de cerca de 518 mil euros, a que acresce o IVA, cabendo ao mesmo uma comparticipação por parte da Administração Central. Como explanado na anterior edição, a nova escola, a ser erguida no espaço contíguo ao Jardim-de-Infância da localidade (“escola velha”), permitirá ainda criar o Centro Escolar do Vilar, tendo em vista a rentabilização de infra-estruturas comuns à EB1 e Jardim-de-Infância, centro esse dotado de espaços e equipamentos que poderão ser utilizados também pela comunidade.

Remodelação e ampliação da Escola da Dagorda em marcha

I

gualmente em curso desde final de 2008 está a empreitada de remodelação e ampliação da EB1 da Dagorda, que conta com um prazo de execução de 150 dias e com um valor de execução de cerca de 140.500 euros + IVA, comparticipados também pela Administração Central.

Trata-se de mais uma obra de valorização do parque escolar concelhio, também ela com o intuito de fazer com que também este equipamento educativo possa melhor responder às necessidades pedagógicas, lúdicas e sociais relacionadas com o ensino da actualidade.

Cadaval conta com cerca de 5,5 milhões de euros de FEDER até 2013 Através da contratualização, com subvenção global, entre a Associação de Municípios do Oeste, actual Comunidade Intermunicipal do Oeste, e a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, no âmbito do Programa Operacional Regional Mais Centro, o Cadaval vai

dispor de cerca de 5, 5 milhões de euros de fundos FEDER, para um investimento de aproximadamente nove milhões de euros no horizonte de 2013. Os investimentos a realizar no Concelho enquadram-se no Plano de Acção do Oeste e na Estratégia Cadaval 2015 e estão repar-

tidos pelas seguintes tipologias de operações: Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística; Equipamentos para a Coesão Local; Ciclo Urbano da Água; Gestão de Resíduos e Requalificação da Rede Escolar de 1.º Ciclo do Ensino Básico e da Educação Pré-Escolar.

Assinada contratualização para desenvolver o Oeste até 2013 A Comunidade Intermunicipal do Oeste e a Autoridade de Gestão do “POR Mais Centro” assinaram, a 16 de Dezembro de 2008, um contrato com subvenção global que atinge uma comparticipação FEDER a rondar os 80 milhões de euros, para um investimento elegível de perto de 127 milhões,

para o período de execução 2008-2013. O presente contrato tem por base o Programa de Desenvolvimento Territorial do Oeste, apresentado na CCDR do Centro, estando prevista a realização de projectos de âmbito municipal, da competência dos municípios, e regional, da responsa-

5

bilidade da Oeste CIM. Em termos de tipologias, estão contemplados como projectos regionais: Modernização Administrativa, Oeste Digital, Carbono Social, Rede de Museus Regional, Rede de Lojas da Terra e do Mar e o Observatório das Dinâmicas Regionais.


investir no concelho

ASFALTAGENS Murteira

Murteira

1

2

R. F orte Forte

Murteira

Casalinho

3

4

5

Legenda: 1 - Rua Casal do Bravo, Murteira; 2 - Rua dos Malmequeres, Murteira; 3 - Rua das Flores, Rocha Forte (asfaltagem e valeta em betão); 4 - Rua Miguel Pio, Murteira; 5 - Rua do Rameiral, Casalinho.

Legenda: 1 - Troço Casais da Olaria/Qt.ª do Brejo; 2 - Troço Casal da Azinheira/Sobrena; 3 - Troço Chães/Casal da Azinheira;

Caminho R ural: Rural: Casais Olaria/Casais do Peral/Murteira/Sobr ena eral/Murteira/Sobrena

4 - Troço Chães/Murteira; 5 - Troço Qt.ª Brejo/Casais do Peral; 6 - Troço Qt.ª Brejo/Chães.

1

2

3

4

5

6

6


investir no concelho Legenda: 1 - Caminho Rural Casais Montejunto/ /EN 115; 2 - C. Rural Casal Cabreiro/D. Durão; 3 - Caminho Rural Salgueirinho/ /Piemonte (Vilar-Tojeira); 4, 5 - Caminho Rural Vilar/Rechaldeira.

3

1

2

4

5

VALORIZAÇÃO URBANÍSTICA »» Legenda: 1 - Calcetamento da Travessa da Escola Velha, Cercal (C/Junta de Freguesia); 2 - Calc.º de troço de passeio na Rua da

Liberdade, Pêro Moniz (C/J.F.); 3 - Calc.º de passeios/valetas na Rua da Esperança, Pero Moniz (C/J.F.); 4 - Calc.º de passeios/valetas na Rua Prof.ª

Júlia Chaveiro S. Soares, Dagorda (C/J.F.); 5 - Calc.º de valeta na Travessa do Cemitério, Dagorda (C/J.F.); 6 - Calc.º de Beco em Figueiros (C/J.F.).

Cer cal Cercal

P. Moniz

P. Moniz

1

2

3

Dagor da Dagorda

Dagor da Dagorda

Figueir os igueiros

4

5

6

7


investir no concelho

»» VALORIZAÇÃO URBANÍSTICA Legenda: 1 - Requalificação da Travessa do Olival da Fonte, Cadaval (C/Junta de Freguesia); 2 - Calcetamento do Largo da Torrinha,

Vermelha (C/J.F.); 3 - Calcetamento de valetas na Rua da Escola Primária, Dagorda (C/J.F.); 4 - Calc.º de Trav. Padre Prata, Peral (C/J.F.);

5 - Calcetamento da Rua Manuel Vivas, Peral (C/J.F.); 6 - Calcetamento de valetas na Rua Prof.ª Natividade Figueiredo, Dagorda (C/J.F.).

Cadaval

Vermelha

Dagor da Dagorda

1

2

3

Peral

Peral

Dagor da Dagorda

4

25

65

D. Durão

D. Durão

1

2

Cadaval

R. F orte Forte

4

5

Legenda: 1, 2 - Requalificação da Rua da Liberdade, D. Durão; 3, 4 - Requalificação da Rua do Olival da Fonte, Cadaval (C/J.F.); 5 - Passeio/valeta na Rua das Flores, Rocha Forte (C/J.F.).

Cadaval

3

8


investir no concelho Legenda: 1, 2 - Requalificação da Rua do Vale de Abrigo, Cadaval (em execução);

3 - Pequeno calcetamento de valetas/passeio na Rua Afonso Marchueta, Dagorda (C/J.F.); 4 - Valetas na Rua Luís Ferreira Faria, Cercal

(C/Junta de Freguesia); 5, 6 - Construção de duas passadeiras sobre-elevadas no Cercal.

Cadaval

Cadaval

Dagor da Dagorda

1

2

3

Cer cal Cercal

Cer cal Cercal

Cer cal Cercal

4

5

6

Legenda: 1, 2 - Valorização do Miradouro de Salvé Rainha, Serra de Montejunto;

3 - Pavimentação e apetrechamento com equipamento lúdico do Jardim-de-Infância de Alguber;

4, 5, 6 - Remodelação das casas-de-banho da Escola Básica de 1.º ciclo do Painho.

Montejunto

Montejunto

Alguber

1

2

3

Painho

Painho

Painho

4

5

6

9


investir no concelho

ÁGUAS & SANEAMENTO

Legenda: 1 - Construção de nova conduta de abastecimento de água à Rechaldeira; 2 - Execução de pontões e pluviais em diversos pontos do Concelho; 3, 4, 5 - Emissário/colector de esgotos Avenal/Vilar.

1

2

4

5

Legenda: 1 - Rede de esgotos e de pluviais em troço da Rua Padre José Inácio Pereira, Murteira; 2 - Conclusão da remodelação de redes, Cadaval; 3 - Saneamento em Palhais; 4, 5 - Prolongamentos de esgotos para ligação à Águas do Oeste, na Vermelha e em Pêro Moniz.

Murteira

Cadaval

Palhais

Vermelha

3

4

3

1

10

2

P. Moniz

5


investir no concelho Uma visão estratégica para o horizonte 2015

Fazer do Cadaval um Território Rural de Excelência O Município do Cadaval iniciou, há mais de dois anos, um longo processo de reflexão estratégica com vista à elaboração de um quadro de referência estratégico para o Concelho. Este documento consagrou as qualidades e atributos do território, bem como os seus factores distintivos, no objectivo ambicioso de fazer do Cadaval um Território Rural de Excelência.

O

Concelho do Cadaval, localizado na NUT III Oeste, é um dos 12 Municípios da Comunidade Intermunicipal do Oeste. Com uma localização estratégica favorável, devido à sua proximidade com Lisboa e aos eixos de mobilidade nacional, o Cadaval tem vindo a registar um acréscimo da população, ascendendo a cerca de 14.500 habitantes. Acompanhando o crescimento populacional, assinala-se o aumento do nível de ensino da população e a manutenção da taxa de desemprego, entre 1991 e 2001. Esta dinâmica positiva é contrariada pelo elevado índice de envelhecimento, pela manutenção do mais baixo indicador de poder de compra per capita de toda a sub-região Oeste.

Consciente deste cenário, o Cadaval deverá ser capaz de se posicionar, face aos novos desafios e oportunidades, apostando em investimentos estruturantes (Parque de Negócios, Parque Temático, Rede de Acessibilidades, Mobilidade e Transportes locais) e em áreas essenciais para o desenvolvimento do Concelho, como são a Educação, Saúde, Qualidade de vida e os demais equipamentos e serviços que contribuam para a coesão local. Na proximidade de grandes centros urbanos, o Cadaval prima pela sua identidade própria, os usos e costumes, os modos de vida no campo e a redescoberta das origens. O interesse pelos produtos provenientes da terra, de qualidade reconhecida, tais como a

Pêra Rocha e o Vinho, tem vindo a aumentar, daí que estes constituam o grande pilar da economia local. A aliança qualidade e modernidade permite manter uma ruralidade viva mas qualificada. O Município de Cadaval pretende aproveitar a oportunidade do QREN e a inserção do território do Concelho numa Região Objectivo 1, respectivamente na NUT II Centro, para o período de programação 2007-2013. Na concretização da estratégia foram considerados 20 projectos estruturantes, com impactos directos no território do Concelho, agrupados de acordo com o quadro abaixo e perfazendo um investimento total estimado de 30 milhões de euros, repartido pelo horizonte temporal do ano de 2008 a 2015.

Desenvolver parcerias estratégicas O sucesso futuro da estratégia do Cadaval 2015 assenta na capacidade de desenvolvimento de parcerias. Desde logo, refiram-se parcerias a nível institucional, com a Administração Central, como é o caso da renovação dos serviços básicos de saúde, mas também com o sector privado que, na razão da sua experiência e recursos financeiros, é um parceiro privilegiado no que se refere ao financiamento tanto na realização como na manutenção e gestão dos futuros investimentos, tais como o Parque Temático. Também ao nível local, a participação nos projectos dos parceiros locais, nomeadamente as Juntas de Freguesia, as associações representativas do tecido empresarial, as instituições de ensino, as colectividades e outros actores locais que exerçam alguma actividade e influência no Concelho, são factor fundamental na sustentabilidade futura dos projectos e acções previstas. Este envolvimento de um conjunto de entidades, passa ainda por alguns dos municípios da Região Oeste, no caso dos projectos regionais, como o Pólo de Competitividade e Tecnologia do Oeste.

11


educação no Concelho Concurso “Carta ao P ai Natal”, da Bibioteca Municipal Pai

Escola do Cercal escreveu carta vencedora

N

o passado mês de Dezembro, a Biblioteca Municipal do Cadaval lançou, às EB1 do Concelho, um desafio: escrever uma carta ao Pai Natal, fazendo um pedido especial em relação a uma questão actual, quer fosse um problema social, quer tivesse a ver com a guerra, a paz, a poluição; algo que chamasse a atenção das crianças e que estas gostassem de ver resolvido. Dos trabalhos recebidos, seria seleccionada a melhor carta, tendo em conta a pertinência do tema,

a ortografia, a sintaxe e o pedido. As escolas participantes receberiam um certificado de participação, havendo um prémio para a sala ou escola vencedora. Desta forma, aqui publicamos a carta da EB1 do Cercal, escola vencedora deste desafio. Quanto ao

prémio, consistiu numa lista de livros para a mesma enriquecer a sua biblioteca. Cercal, 17 de Dezembro de 2008

Querido Pai Natal Espero que estejas bom. A nossa turma está óptima, e até já fizemos a árvore de Natal, que ficou muito linda. Nós estamos a escrever esta carta porque a nossa escola está muito preocupada com o problema do abandono de crianças. O abandono de crianças acontece quando os pais não querem saber mais dos filhos. Em todo o mundo há pais que abandonam os filhos, e até os vendem por pouco dinheiro. Muitas vezes, os próprios pais abandonam os seus filhos, quer seja nas igrejas, nos contentores do lixo, nos lares, nas maternidades, à porta de algumas casas, entre outros lugares. O abandono é muitas vezes trocar as crianças por dinheiro. Há pais que muitas vezes deixam os filhos em casa sozinhos, ou com irmãos pequenos para irem trabalhar, jantar com amigos, e isso para nós também é abandono. Por estarmos tão preocupados com este problema, a nossa turma gostaria de lhe pedir que este problema se resolvesse, e que cada criança tivesse um pai, uma mãe, mais atenção, e que os pais se preocupassem mais com o bem-estar das crianças. Adeus, muitos beijinhos dos alunos da EB1 de Cercal

Escola Secundária c/3.º CEB de Montejunto pr omoveu F eira do Livr o promoveu Feira Livro

Escritora Ana Saldanha contactou com estudantes do Concelho blioteca, prof.ª Alice Oliveira, na qual estiveram expostos livros adequados a todas as faixas etárias. A Feira do Livro foi um sucesso e contou com um evento muito especial, a saber, a presença da escritora Ana Saldanha, no dia 11 de Março, que se deslocou à referida Escola, vinda do Porto, acompanhada por Rui Teixeira, representante da “Texto Editores”, para um encontro com os alunos do Ensino Básico da escola. Para professores e alunos

Prof.ªs Adosinda Mendes e Alice Oliveira com a escritora

D

ecorreu, de 10 a 13 de Março do presente ano, na Escola Secundária com 3.º CEB de Montejunto, uma Feira do Livro, que foi organizada pela Coordenadora da Bi-

12

constituiu, seguramente, um privilégio poder contactar pessoalmente com esta conhecida escritora juvenil.


educação no Concelho Em rresultado esultado da nova legislação sobr e acção social escolar sobre

Serviço de Apoio à Família com novos prazos e regras A recente publicação de legislação acerca da atribuição e funcionamento dos apoios no âmbito da acção social escolar teve como consequência a alteração de algumas normas constantes no Regulamento do Serviço de Apoio à Família da autarquia. Assim, as candidaturas para os diversos serviços (refeições, complementos de horário e auxílios económicos) decorrem, este ano, de 1 de Maio a 30 de Junho.

C

om base na nova legislação, são alteradas as normas de atribuição dos auxílios económicos (apoio para livros, material escolar e isenção total ou parcial de refeições). O acesso a estes benefícios, decorrentes dos apoios no âmbito da acção social escolar bem como o seu carácter integral ou par-

cial, gratuito ou As refeições constituem o serviço mais requisitado à autarquia comparticipado, são determinados em função da situação dos alunos ou dos seus agregados familiares e em particular da respectiva condição sócioeconómica. Esta é definida pelo respectivo posicionamento num determinado escalão de rendimentos e no correspondente escalão de apoio. ção devem fazer-se acompanhar, para O escalão de rendimentos e o correspon- além dos documentos correntes, também dente escalão de apoio são os resultantes da informação prestada pela Segurança do posicionamento do agregado familiar nos Social no que respeita ao escalão do aboescalões de rendimento para atribuição de no de família. abono de família, nos termos dos artigos 9.º As condições de acesso, montantes de e 14.º do Decreto -Lei n.º 176/2003,de 2 de comparticipação familiar e documentação Agosto, na sua redacção actual. para os serviços de entrada e complemenAssim, a fim de procederem à candidatura tos de horário (prolongamento e ATL) a estes apoios, os encarregados de educa- mantêm-se inalterados.

Formação para pessoal não docente da Câmara Municipal

Pessoal auxiliar inteira-se do sistema educativo

A

escola é feita por todos aqueles que nela trabalham e aprendem e, por isso, deve fomentar uma cultura local de formação, orientada para uma procura constante do saber e do saber fazer, através de uma deter-

minada lógica de formação. Por esse motivo, e com o objectivo de promover e garantir, a todas as crianças, uma escola de qualidade, a Câmara Municipal do Cadaval organizou, durante a interrupção lectiva da Páscoa, uma acção de formação para o seu pessoal não docente. Esta acção, integrada num plano de for-

13

mação que terá continuidade em nova interrupção lectiva, teve como tema central o «sistema educativo» e na qual as formandas sistematizaram os seus conhecimentos sobre a organização escolar e tomaram contacto com as novas medidas legislativas, nomeadamente as que preconizam a delegação de competências, em matéria de educação, para as autarquias locais. No final da semana de formação, todos foram unânimes em considerar que se deram passos importantes para a criação de um clima escolar de sucesso, capaz de responder, de forma conjunta, estruturada e integrada aos principais problemas e desafios.


cultura & tempos livres Efeméride evocada com iniciativas culturais e desportivas

Cadaval festejou 111.º aniversário da Restauração do Concelho Comemorou-se, a 13 de Janeiro, o Feriado Municipal do Cadaval, ocasião em que se assinalaram os 111 anos sobre a Restauração do Concelho. Do programa festivo, que decorreu nos dias 10, 11 e 13, há a destacar o lançamento de um livro, a abertura de uma exposição artesanal e um espectáculo de piano e dança clássica.

C

oube à Piscina Municipal do Cadaval acolher o primeiro momento comemorativo, através da realização do seu Festival de Natação, que desta vez contou não só com a exibição dos respectivos alunos, mas também com a participação de mais duas escolas de natação oriundas da Piscina Municipal da Marteleira (Lourinhã) e da Piscina de A-dos-Francos (Caldas da Rainha), promovendo-se, deste modo, o intercâmbio entre escolas de natação. No final das demonstrações, a Câmara Municipal levou a efeito a entrega de medalhas e lem-

branças a todas as crianças participantes. A festividade prosseguiu no dia 11, em Alguber, com a realização do “VII Passeio Todo-o-Terreno – Motos e Quads”, numa organização do Grupo Motard “Falcões do Montejunto” com o apoio da Câmara Municipal, cuja adesão ultrapassou as quatro centenas de participantes. Incluída também nas comemorações, decorreu a terceira jornada do “IV Campeonato Concelhio de Futsal”, no Pavilhão Gimnodesportivo Municipal. O ponto alto das comemorações aconteceu a 13 de Janeiro, tendo o dia festivo sido aberto pelo Hastear da Bandeira, junto aos Paços do Concelho, que contou com a actuação da Banda Filarmónica do Cadaval e com a presença de representantes dos órgãos municipais e de outras instituições concelhias. Seguiu-se, depois, a inauguração da exposi>>

Com diversos directos para o Programa “Portugal no Coração”

Comemorações do 13 de Janeiro transmitidas na RTP1

O

Programa “Portugal no Coração”, da RTP 1, voltou ao Cadaval a 13 de Janeiro (cerca de três meses depois da sua presença na VII Festa das Adiafas), desta feita por ocasião das comemorações do 111.º Aniversário da Restauração do Concelho. A apresentadora Ana Viriato, acompanhada por uma equipa de reportagem, conduziu as entrevistas feitas ao longo dos diversos directos a partir da vila cadavalense, decorridos entre o cine-auditório

14

dos Bombeiros Voluntários do Cadaval e o Núcleo Museológico do Moinho das Castanholas. As intervenções tiveram por referência os diferentes eventos que compunham o dia comemorativo e ainda uma intervenção de divulgação da recém-criada Associação Protectora dos Animais do Cadaval. Aristides Sécio foi o primeiro entrevistado, tendo explicado o motivo da celebração do 13 de Janeiro e feito a caracterização geral do Concelho, nomeadamente a nível paisagístico, patrimonial e económico. Num dia insigne para o Concelho, o Cadaval mostrou-se um pouco mais, ao país e ao mundo…


cultura & tempos livres

Moinho das Castanholas mostrou “Arte em madeira”

ção de artesanato intitulada “Arte em madeira”, no Núcleo Museológico do Moinho das Castanholas, organizada pelo Museu Municipal do Cadaval. (Ver página 19). Ao final da manhã de dia 13, e após uma breve visita guiada das entidades presentes ao Museu Municipal, teve lugar, na Igreja Matriz do Cadaval, a habitual Missa em honra dos Beneméritos do Concelho. O dia festivo prosseguiu, ao início da tarde, no átrio do cine-auditório dos Bombeiros Voluntários do Cadaval, com o lançamento oficial do livro “Domadores de Vento e Torrentes”, da autoria de Paulo Ferreira da Costa, numa edição da Câmara Municipal do Cadaval que versa so-

bre “sistemas de moagem tradicionais na Serra de Montejunto”. A presente publicação, tal como refere o autor, resulta de um trabalho de campo desen-

volvido no Concelho entre 1989 e 1991, e constitui uma versão actualizada do capítulo “O Ciclo do Pão”, integrado na monografia “Cadaval: Contributos para o estudo da memória de um Concelho”, editada em 1995. O recém-lançado livro encontra-se agora disponível no Pelouro da Cultura da Autarquia ou no Museu Municipal do Cadaval. O cine-auditório acolheu, seguidamente, o espectáculo de piano e dança “Passos no Tempo”, que marcou o regresso ao Cadaval da pianista Ana Jacobetty, desta feita acompanhada por Leonor Beltrán, num espectáculo singular que marcou o encerramento das comemorações deste 111.º Aniversário da Restauração do Concelho.

Procuradora das Comunidades Elo en tr e quem está longe e a C âmar a Municipal entr tre Câmar âmara Saiba mais em www.cm-cadaval.pt

Cristina Duarte Martins

Câmara Municipal do Cadaval Att. “Procuradora das Comunidades” Av. Francisco Sá Carneiro, 2550-103 CADAVAL

15

Tel.: 262 690 100 Fax: 262 695 270 - Att. “Proc. das Comunidades” e-mail: proc.comunidades@cm-cadaval.pt


cultura & tempos livres Rescaldo do Carnaval no Cadaval

Cadaval sabe brincar! O Carnaval do Cadaval juntou um total de 450 foliões, tendo a sátira à actualidade local e nacional voltado a animar as hostes e a encher as principais artérias da vila de cor, folia e boa disposição. Mas, para além dos cortejos, realizaram-se o desfile infantil e o tradicional baile de máscaras, tendo ainda voltado a subir o pano para mais uma bem humorada revista do Grupo Gente Gira.

O

s corsos carnavalescos reuniram este ano, maioritariamente, a participação de grupos particulares mas também representações de associações/colectividades concelhias e ainda da Junta de Freguesia de Alguber, num total de 450 foliões, entre grupos a pé e carros alegóricos. Ficaram provadas, uma vez mais, a criatividade e a originalidade dos diferentes participantes na elaboração das máscaras e carros alegóricos, tentando inovar, surpreender e divertir a vasta assistência que anualmente acompanha o Carnaval no Cadaval, proveniente de dentro e de fora do Concelho. No intuito de incentivar a participação dos grupos de foliões, a edilidade voltou a subsidiar, mediante inscrição prévia, os grupos a pé com mais de 10 elementos e também os carros alegóricos, a partir dos cinco figurantes. Desfile infantil reuniu perto de 500 crianças

Na sexta-feira que antecedeu os referidos cortejos decorria o desfile infantil, que por seu turno juntou perto de 500 crianças de escolas e jardins infantis concelhios, cuja

temática abordada foi, essencialmente, a preservação do ambiente e as energias renováveis. Na noite de segunda-feira, dia 23, o Pavilhão dos Bombeiros acolheu o tradicional Baile de Máscaras, animado pelo grupo “Made in Portugal”, tendo contado com entradas livres, muitos mascarados e muita diversão até de madrugada. Também neste caso a organização assegurou, mediante inscrição prévia, um prémio monetário de participação a cada grupo de mascarados comparecente, tendo também atribuído prémios à melhor máscara, melhor grupo de mascarados e ao grupo mais divertido e participativo. O Carnaval’2009 no Cadaval tratou-se, uma vez mais, de uma organização conjunta da Câmara Municipal em parceria com a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários. Grupo Gente Gira estreou «Mama eu queria!» A enriquecer o cartaz carnavalesco, no cine-auditório dos Bombeiros Voluntários

(segue acima)

16

do Cadaval, estreou a revista-à-por-tuguesa «Mama eu queria!», mais uma divertida produção do Grupo Gente Gira, a assinalar o seu 15.º aniversário, tendo esgotado as seis exibições inseridas no cartaz carnavalesco. O título do último êxito do GGG pretendeu

ser um trocadilho entre o recente filme “Mamma Mia” e a tradicional música de Carmen Miranda, “Mamã, eu quero!”. A encenação voltou a estar a cargo de Vítor Nogueira, também responsável pela cenografia e direcção de ensaios. A mais recente peça do grupo dos “ três guês” contou com o apoio da Câmara Municipal e da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários do Cadaval, tendo revertido parte significativa da bilheteira em favor da referida associação humanitária. Fora do cartaz de Carnaval, o GGG prosseguiu com exibições, enquanto o público assim o desejou, tendo um dos seus últimos espectáculos revertido a favor da APC - Associação Paraíso das Crianças. Veja ou reveja o Carnaval’2009 no Cadaval, na galeria de fotos do site municipal (www.cm-cadaval.pt).


cultura & tempos livres Palestra sobr e “Igualdade de Oportunidades” e jantar -convívio de mulher es sobre jantar-convívio mulheres

Cadaval celebrou “Dia Internacional da Mulher”

A

Câmara Municipal, com o apoio da Junta de Freguesia do Cadaval e do Adão Lobo Sporting Clube, voltou a associar-se à celebração do “Dia Internacional da Mulher” (8 de Março), data mundialmente comemorativa dos feitos económicos, políticos e sociais alcançados pela Mulher. A iniciativa, que juntou perto de 60 mulhe-

res, aconteceu ao fim da tarde desse domingo, na sede do Adão Lobo Sporting Clube, tendo começado com a palestra “Igualdade de Oportunidades - Dimensão Internacional da Igualdade entre Mulheres e Homens”. Para falar sobre “O emprego e assuntos sociais” esteve Luísa Moreno, da CITE – Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego, entidade que visa promover a igualdade e a não discriminação entre mulheres e homens no trabalho, no emprego e na formação profissional, bem como a protecção da maternidade e da paternidade e a conciliação da actividade profissional com a vida familiar. Seguiu-se uma intervenção sobre “Emprego

e Espírito Empresarial Feminino”, por Alexandra Monteiro, membro da APEF – Associação Portuguesa de Empresas Familiares. A sua intervenção consistiu no seu testemunho pessoal de integração no meio laboral, assumindo funções vulgarmente desempenhadas por homens e sendo, hoje, uma das principais responsáveis pelo sucesso da empresa onde labora. O terceiro momento deste colóquio, que seria dedicado à temática “Estratégia para a igualdade de género na política de desenvolvimento” acabaria por não se cumprir, devido à súbita impossibilidade de comparência da Eurodeputada Assunção Esteves. Seguiu-se, no mesmo local, o jantar-convívio de mulheres, cujo menu compreendeu creme de legumes, bifinhos com cogumelos e diversas sobremesas. A animação musical convidou à dança e ao karaoke e até a um espontâneo momento de fado.

ega dos prémios rrelativos elativos ao “V Concurso de P ua” Tendo incluído a entr Rua” entrega Prresépios de R

Igreja da Dagorda acolheu “IV Festival de Canções de Natal”

A

CMC organizou, a 4 de Janeiro, em parceria com as Paróquias do Concelho, o “IV Festival de Canções de Natal”, o qual decorreu, este ano, na Igreja de N. Sra. da Piedade, na Dagorda, tendo encerrado as festividades natalícias. O festival contou com a participação de seis grupos locais, a saber: Grupo de Alunos da Escola do 1.º Ciclo da Dagorda – “Os Dagordinhos”, Grupo Coral da Igreja da Dagorda, Grupo “ALPHA” (grupo de amigos de diversas paróquias do Concelho), Grupo da Catequese da Paróquia de São Tomé de Lamas, Grupo da Igreja de Nossa Senhora da Conceição de Figueiros e Grupo Coral do Cadaval. O desfile de canções natalícias deu, depois, lugar à entrega de prémios referentes ao “V Concurso de Presépios de Rua”. Participaram neste concurso uma dezena de presépios, elaborados pelos grupos seguintes: Junta de Freguesia de Peral, Grupo da Catequese da Sobrena, Grupo de Jovens de Alguber, Associação Cultural e Desportiva da Palhoça, Associação para o Desenvolvimento Social e Cultural do Concelho do Cadaval, Grupo “LITURGIA” do Cercal, Grupo de Jovens do Cadaval, Centro

Social e Paroquial de Lamas, Corpo Nacional de Escutas – Agrupamento 601 Vilar e Grupo da Catequese de Figueiros. O júri que avaliou os presépios a concurso foi constituído por uma representante da Governadora Civil de Lisboa, Susana Catarino, e ainda pelos párocos concelhios Tiago Neto, Dionísio e Francisco Ludovino. O primeiro lugar coube, este ano, ao presépio executado pelo Centro Social e Paroquial de Lamas, seguido pelo Grupo “LITURGIA” do Cercal, em segundo, e pela Associação para o Desenvolvimento Social e Cultural do Concelho do Cadaval, em terceiro. Os grupos vencedores receberam, cada qual,

17

um pergaminho em marfinite, tendo havido certificados de participação para todos os grupos participantes. A entrega dos prémios foi efectuada pela Vice-Presidente da Câmara Municipal, Eugénia Correia, e pelos membros constituintes do júri. A organização do concurso de presépios coube, também ela, à edilidade cadavalense em parceria com as paróquias concelhias.


turismo no Concelho Iniciativa P er corr er “Monte(s)junto(s)” Per ercorr correr

Concelho dá-se a conhecer através de caminhadas regulares O ciclo de caminhadas continua a mobilizar e a reunir muitos amantes da natureza e do pedestrianismo, de dentro e de fora do Concelho, o que motivou a organização a dar continuidade à iniciativa, em 2009, estendendo-a, cada vez mais, a outros pontos do Concelho que não somente a Serra de Montejunto… “Percorrer Monte(s)junto(s)” é agora o desafio, mantendo a aliança entre o turismo e um estilo de vida saudável...

A

22 de Fevereiro realizou-se o “Trilho do Peral”, caminhada que juntou um grupo de 33 participantes, maioritariamente oriundos de fora do Concelho, embora o número de pedestrianistas conterrâneos esteja gradualmente a aumentar. Tendo partido do centro do Peral, os caminheiros deslocaram-se até à Quinta de S. Lourenço, tendo depois seguido para a Quinta do Vale e passado por Barreiras, Sobrena, Casais do Peral e regressado ao Peral ao final da manhã, numa distância percorrida de cerca de 11km. Por seu turno, o percurso realizado a 14 de Fevereiro designou-se por “Trilho da Serra de Todo-o-Mundo”, tendo contado com um total de 40 participantes. O extenso grupo de caminheiros partiu, como previsto, do Largo de Figueiros e procedeu, de seguida, à subida da Serra de Todo-o-Mundo, em direcção ao Parque Eólico, ten-

(segue acima)

do, naturalmente, havido lugar às necessárias

paragens para recobro e desfrute da bela paisagem, num percurso total de cerca de 10 Km. Após o merecido descanso de uma subida árdua, a equipa de pedestrianistas prosseguiu confortavelmente em direcção aos Casais da Serra, contornando os limites

do Concelho e seguindo para Alguber, passando por terrenos de cultivo e floresta e regressando a Figueiros. De registar que a maioria dos participantes eram, uma vez mais, oriundos de fora do Concelho, tendo participado pedestrianistas de Lisboa, Oeiras, Torres Vedras e Caldas da Rainha. A Paisagem Protegida da Serra de Montejunto promoveu ainda, a 21 de Dezembro, a “Rota do Cercal”, percurso de 10km que contou com cerca de 20 participantes. Para efectuar inscrições ou para informações adicionais sobre próximos percursos, pode ligar para qualquer um dos seguintes números: 91 678 26 28, 262 777 888, 262 690 100 (Serviço de Turismo). Pode ainda fazê-lo pelo e-mail pcampismo@cadaval.org ou, em alternativa, consulte calendarização disponível no site municipal (www.cm-cadaval.pt).

Mostra deota Artesanato emegegião Montejunto Exposiç ões rrota tiv as de ar ião Exposições otativ tivas arttesãos da rreg Consulte calendarização em www.cm-cadaval.pt

Pólo de Recepção Turística

Mais informações: Tels: 91 678 26 28; 262 777 888; 262 690 100 (Turismo) e-mail: pcampismo@cadaval.org

18

Horário: Sábado - 14h00 / 18h00 Domingo - 09h30 / 17h30


ambiente & protecção civil história do Concelho Ciclo de actividades infantis no Museu e no Moinho das Castanholas

Museu Municipal pôs “Dezembro em movimento” no Cadaval Imagema de Arquivo “Dezembro em movimento” foi proposta que o Museu Municipal do Cadaval reservou para o último mês do passado ano, tendo consistido num rol de actividades que envolveram a participação de cerca de 250 crianças em visitas guiadas, ciclo de cinema e oficina de ideias.

A

s visitas guiadas ao espólio do Museu Municipal aconteceram de 2 a 5 de Dezembro, envolvendo maioritariamente alunos do 1.º Ciclo concelhio, mas também uma tur-

ma do 5.º ano, que realizou, por seu turno, uma visita temática sobre Paleolítico e Neolítico. Para além da visita, a referida turma pode também assistir a um filme sobre o Homem Pré-histórico e ainda realizar jogos didácticos relacionados com a temática. A segunda proposta decorreu de 16 a 19 de Dezembro e prendeu-se com a iniciativa “MuseuDoc”, ciclo de cinema destinado a abordar temáticas relacionadas com o museu, a história e o pa-

trimónio. Nesta actividade, a instituição propôs à pequenada o visionamento, no seu espaço audiovisual, de um conjunto de pequenos filmes sobre dinossauros, onde foi mostrada a sua evolução e habitats. A “Oficina de Ideias”, por sua vez, decorreu no Núcleo Museológico do Moinho das Castanholas, no período de 18 a 23 de Dezembro, tendo contado com a adesão de mais de uma centena de crianças, provenientes do OTL da ADSCCC – Associação para o Desenvolvimento Social e Cultural do Concelho do Cadaval, bem como de alunos do ATL de interrupção lectiva da Escola Básica de 1.º Ciclo do Cadaval. O objectivo desta oficina prendeu-se com a construção de diversas utilidades e brinquedos utilizando materiais reciclados, de modo a mostrar às crianças a utilidade de objectos que normalmente se deitam fora, tendo constituído uma iniciativa bastante bem acolhida pelas crianças participantes.

Moinho das Castanholas expôs “Arte em Madeira”

D

e 13 a 23 de Janeiro, o Museu Municipal promoveu a exposição de artesanato “Arte em madeira”, no Núcleo Museológico do Moinho das Castanholas, a qual mostrou a mais de 160 visitantes, perto de 50 peças em madeira esculpida, realizadas por António Jacinto, do Salgueiro, Bombarral. Refira-se que António Jacinto se

Incentivos às empresas Aber tur a de cconcursos oncursos bertur tura Mais informações: www.cm-cadaval.pt ou directamente em www.maiscentro.qren.pt

19

dedica a esta arte há cerca de 15 anos, utilizando como matéria-prima madeiras tais como pinho, mogno ou cerejeira, as quais, servindo-se de navalhas e grosas, transforma em notáveis objectos (brasões, entre outros painéis e figuras), inspirando-se em gravuras de livros sobre história ou socorrendo-se da sua própria imaginação. O Moinho das Castanholas continua, assim, a promover a divulgação do trabalho artesanal da região.


especial Semana da Floresta Oito dias de actividades envolveram perto de 1250 crianças, em Montejunto

VIII Semana da Floresta abordou “A floresta como fonte de energia” Cerca de 1250 crianças do Concelho voltaram a subir à Serra de Montejunto e percorrer os trilhos da sensibilização e preservação florestal. “A floresta como fonte de energia” foi o mote para as múltiplas actividades e jogos dinamizados, a par de uma acção de sensibilização e outra de reflorestação, que, por sua vez, foram abertas à comunidade.

C

omo tem acontecido ao longo dos anos, por ocasião da comemoração do “Dia Mundial da Floresta e da Árvore” (21 Março), a autarquia cadavalense voltou a promover a designada “Semana da Floresta”, iniciativa que constitui anualmente enorme sucesso, nomeadamente junto da comunidade escolar local. A temática escolhida para este ano, “A floresta como fonte de energia”, pretendeu elucidar a população em geral e a comunidade estudantil em particular sobre a importância da floresta na redução da poluição e como fonte de energia sustentável. Depois das actividades de sensibilização geral, ocorridas a 21 e 22 de Março (ver página

22), decorreram, de 23 de Março a 1 de Abril, na Serra de Montejunto, as actividades dirigidas à população escolar concelhia, nomeadamente envolvendo crianças do pré-escolar bem como primeiro e segundo ciclos do Ensino Básico, num total de perto de 1250 estudantes.

20


especial Semana da Floresta

O cenário escolhido para a realização das actividades lúdico-didácticas foi, desta feita, a Mata da Quinta da Serra. A iniciativa consistiu num percurso, realizado pelos petizes, alusivo à temática “A floresta como fonte de energia”. Ao longo dos diferentes pontos de percurso, os mais novos realizaram jogos e tarefas sempre relacionados com a floresta. Estas actividades de carácter lúdico-pedagógico promoveram, na sua generalidade, a importância da floresta enquanto fornecedora

de energia, bem como a identificação de espécies de árvores, a observação da paisagem, a transformação de resíduos florestais em energia (biomassa, biogás) ou ainda a utilidade doméstica da lenha, nomeadamente para aquecimento ou para a cozinha e, neste caso, os jovens assistiram a uma demonstração da cozedura de pão em forno a lenha, o qual a seguir puderam provar. De salientar que, num dos pontos de paragem, as crianças de primeiro e segundo ciclos deitaram mãos à obra e deram o seu simbólico contributo para a beneficiação da regeneração do cedro, em zona fustigada pelo incêndio de 2003. Também os diferentes grupos do pré-escolar participaram, por seu turno, na plantação de uma árvore, por si escolhida, junto ao Parque de Merendas da Serra. As crianças foram escalonadas, pelos oito dias da iniciativa, em função do nível de ensino e disponibilidade, tendo as mesmas sido, como habitualmente, acompanha»»

21


especial Semana da Floresta

das pelos respectivos professores e auxiliares educativos. Todas as actividades foram monitorizadas por diferentes elementos pertencentes à Câmara Municipal, tendo também contado com a participação da APAS Floresta e dos Bombeiros Voluntários do Cadaval.

Perto de 300 árvores entregues em acção de sensibilização cívica

A

Semana da Floresta arrancou, precisamente, no Dia Mundial da Floresta e da Árvore, 21 de Março (Sábado), com a acção de sensibilização “Uma árvore, mais energia!”, que teve lugar na vila do Cadaval. A acção foi dirigida à população em geral e consistiu na entrega simbólica de uma árvore aos cidadãos, em diferentes centros de consumo da vila. As árvores distribuídas foram espécies

menos comuns entre a população, tais como o Carvalho fagínea, o Carvalho americano, o Cipreste, o Castanheiro, o Freixo e o Plátano bastardo, tendo a autarquia contabilizado a entrega de perto de 300 pequenas árvores. Segundo o Gabinete Técnico Florestal da edilidade, «trata-se de espécies autóctones e com boa capacidade de adaptação à região, embora menos conhecidas que o pinheiro manso, o pinheiro bravo e o eucalipto, uma vez que a produção florestal se tem restringido a estas três espécies, por serem mais rentáveis». De acordo com o GTF, «as espécies evidenciadas nesta campanha de sensibilização são essencialmente folhosas, boas produtoras de madeira nobre, e podem ser, a médio e a longo prazo, uma fonte de riqueza na produção

22

florestal e, por outro lado, espécies com elevado potencial de sequestro do carbono produzido na poluição que fazemos todos os dias.» Acção de reflorestação, aberta à comunidade, decorreu em Montejunto Na manhã do dia seguinte, 22 de Março (Domingo), decorreu, na Serra de Montejunto, uma acção simbólica de reflorestação, que foi aberta à comunidade, mais precisamente uma actividade de beneficiação da regeneração natural de uma área de Cedros “lusitanica”, em zona ardida em 2003, na Mata da Quinta da Serra. Tratou-se de uma iniciativa conjunta da Paisagem Protegida da Serra de Montejunto, em colaboração com a Câmara Municipal do Cadaval, Câmara Municipal de Alenquer, Autoridade Florestal Nacional, Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade e APAS Floresta (Associação de Produtores Florestais).


ambiente & protecção civil Numa medida de pr eser vação ambiental preser eservação

Autarquia cria pontos de deposição de entulhos e monos A Câmara Municipal disponibilizou, recentemente, à população, um conjunto de contentores para deposição de entulhos, monos domésticos, restos de jardim e demais artigos que não possam ser colocados nos comuns contentores de lixo doméstico ou nos ecopontos, numa medida de preservação ambiental.

A

juntar ao serviço de recolha de monos previamente existente, a autarquia colocou recentemente ao dispor do munícipe, e em fase experimental, quatro pontos de deposição de entulhos, objectos volumosos ou monos (mobiliário, artigos eléctricos, pneus, ferragens, etc.), restos de jardim, entre outros resíduos que, não podendo ir para os contentores habituais ou para os ecopontos, constituem não só um transtorno para a população - por não saber que destino lhes dar -, mas representam, sobretudo, um perigo para o ambiente, por vulgarmente serem abandonados em propriedades agrícolas/florestais ou ainda nas bermas das estradas. Assim, foram disponibilizados, nesta fase experimental, quatro contentores nos seguintes locais: Cruzamento do Charco/Fre-

guesia de Lamas; Estrada Municipal entre Painho e Figueiros; Ve r m e l h a (junto ao cemitério) e Cadaval (Campo da Feira). É intenção da autarquia que os referidos pontos de deposição possam, no futuro, evoluir para os chamados “ecocentros” (conjunto de contentores diferenciados), dependendo do nível de utilização daqueles por parte da população. Em alternativa aos supracitados pontos de deposição, a população poderá continuar a recorrer à linha telefónica dos Serviços Ur-

banos e Ambiente da Câmara Municipal (262 690 171), solicitando, para a primeira quarta-feira de cada mês, a intervenção do piquete de recolha de monos. O município relembra, por último, aos empreiteiros ou promotores de obras que produzam entulhos, de que são responsáveis pela sua remoção, valorização e eliminação, não podendo, para esse fim, utilizar os contentores disponibilizados pela Câmara Municipal.

As ocorrências devem ser denunciadas

Despejo de lixos nas florestas punível por lei

Tem-se verificado, com profundo desagra-

do, o despejo continuado de variados tipos de lixos nos espaços florestais concelhios. Por esse motivo, a Câmara Municipal deixa aqui um alerta à população para que, sempre que verificar na sua propriedade a existência destes amontoados,

23

comunique, de imediato, com o Serviço de Protecção da Natureza e Ambiente da GNR, no sentido de solicitar que seja feita investigação sobre os autores dos despejos. Sublinhe-se que este tipo de despejo é punível por lei, uma vez que representa um foco de poluição no solo que pode vir a afectar as linhas de água e todo o equilíbrio do meio natural envolvente. Estes lixos são também bastante perigosos do ponto de vista dos incêndios florestais, por serem matérias que inflamam com bastante facilidade, representando potenciais focos de incêndio, para além de serem altamente inestéticos.


ambiente & protecção civil Um alerta aos pr odutor es flor estais produtor odutores florestais

Rentabilizar a conversão das faixas de gestão de combustível A limpeza das faixas de gestão de combustível das linhas de distribuição de energia, a efectuar pelas entidades responsáveis, constitui uma medida preventiva contra incêndios florestais. Para a necessária conversão dessas faixas, os proprietários florestais deverão recorrer a espécies autóctones com potencial produtivo, tais como o pinheiro manso ou mesmo o sobreiro. tores, com uma largura mínima de 10 e de 7 metros respectivamente, estando obrigadas a providenciar a gestão dos combustíveis nestes espaços, através da redução ou eliminação da vegetação em excesso. Como é do conhecimento de muitos cidadãos, estas entidades já têm estado no terreno a proceder ao contacto com alguns dos proprietários envolvidos, pelo que, este ano, algumas destas intervenções se irão repetir por todas as freguesias do Concelho. Considerando que nestas áreas a instalação

O objectivo destas faixas é a criação de descontinuidades nos espaços florestais

N

o âmbito do Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios, compete às entidades responsáveis pelas linhas de transporte e distribuição de energia eléctrica de muito alta (REN) e alta/média tensão (EDP Distribuição - Energia, S.A), a limpeza de uma faixa exterior à projecção dos cabos condu-

Proteger a sua casa com uma Faixa de Gestão de Combustível (FGC)

24

e o desenvolvimento de espécies de crescimento rápido não se torna economicamente rentável por necessitarem de intervenções em curtos espaços de tempo, a autarquia alerta para a necessidade de conversão destas faixas, recorrendo à utilização de espécies autóctones com potencial produtivo, tais como o pinheiro manso ou mesmo o sobreiro. O objectivo destas faixas é a criação de descontinuidades nos espaços florestais, principalmente naqueles onde se verificam monoculturas (como os eucaliptais), funcionando como medida preventiva contra os incêndios florestais. Ao serem criadas este tipo de descontinuidades, estamos também a promover a criação de barreiras de progressão ao fogo, em situação de incêndios. Para aconselhamento ou qualquer outro pedido de informação, sugerimos que se contacte o Gabinete Técnico Florestal da CMC ou a APAS Floresta, no sentido de saber como rentabilizar esta área e ainda saber se poderá recorrer a algum tipo de apoio para o fazer, uma vez que estas intervenções se localizam em parcelas bastante restritas da propriedade privada.


acção social & saúde Associação P araíso das Crianças mobilizou 440 pessoas em jantar de angariação Paraíso

Comunidade emigrante no Canadá volta a mostrar solidariedade Um coração grande e sem fronteiras para com as grandes causas é o que têm demonstrado possuir as comunidades portuguesas de emigrantes para com a Associação Paraíso das Crianças, que voltou, recentemente, ao Canadá, para mais uma iniciativa de angariação de fundos coroada de sucesso. O Cadaval, dentro e fora-de-portas, está de parabéns pela grande onda de solidariedade que já gerou em torno desta nobre causa, que é o apoio às crianças a quem o “sol” ainda não sorriu...

F

oi de 12 a 16 de Março que a comunidade portuguesa emigrante em Toronto (Canadá) recebeu, uma vez mais e de braços abertos, uma representante da APC, Cristina de Jesus (3ª, na foto), acompanhada, como tem sido habitual, do presidente da Câmara Municipal do Cadaval, Aristides Sécio. O objectivo, o mesmo de sempre – prosseguir

com a campanha de angariação de fundos para a construção de uma casa de acolhimento temporário para crianças, em terreno peralense, por sua vez cedido pela grande mentora da associação e deste louvável projecto, D. Rosinda Justino. O jantar de angariação decorreu no salão de festas de Vitor Couto, o Ambiance Banquet Hall, e foi, uma vez mais, promovido por Cecília e Bernardo Ernesto, tendo contado com a excelente participação de 440 pessoas e com o apoio de várias entidades comerciais da comunidade portuguesa emigrante em Toronto. Manuel Gonçalves foi o “mestre de cerimónias” e a animação musical foi gentilmente oferecida por Marcelo Neves (4.º na foto) e

uma jovem cheia de talento, São Nogueira de seu nome. Serviu ainda a festa para a venda de rifas para sorteio de diversos prémios oferecidos pelos empresários locais. No total, a APC conseguiu angariar, através desta iniciativa, a generosa quantia de 10 750 dólares canadianos (ou seja, 6 750 euros). Aristides Sécio destacou, na sua intervenção pública, o trabalho de Cecília Isidoro Ernesto (5.ª, na foto), a quem, em palco, entregou a medalha do Concelho do Cadaval (em 1.º, na foto, está Vitor Nascimento, um dos munícipes emigrantes a apoiar a APC). Fica uma vez mais provado que a onda de solidariedade em relação às crianças menos afortunadas extravasou há muito os limites do Concelho e instalou-se definitivamente nesta comunidade de emigrantes, e que o espírito de união entre portugueses, e nomeadamente entre cadavalenses, não tem fronteiras. Enquanto aguarda a aprovação do projecto de arquitectura por parte da Segurança Social, a APC regozija-se por ver o seu sonho cada vez mais perto de ser real…

e causa Cer ca de 80 caçador es associaram-se a esta nobr Cerca caçadores nobre

Montaria ao Javali apoiou Associação Paraíso das Crianças

A

Associação de Caçadores do Concelho do Cadaval organizou, em parceria com a Câmara Municipal do Cadaval e a Junta de Freguesia do Peral, dia 12 de Fevereiro, no Concelho do Cadaval, uma montaria a favor da APC – Associação Paraíso das Crianças. A caçada teve como objectivo apoiar o projecto, da responsabilidade da APC, de construção de uma Casa de Acolhimento para crianças, na localidade de Peral, constituindo mais uma forma de angariação de fundos para esse efeito. Segundo Sílvia Justino, voluntária da APC, «a montaria a favor da associação superou todas as expectativas. Graças ao apoio das três entidades intervenientes conseguimos a avultada quantia de 3 886 euros». No total, terão participado cerca de 80 caça-

dores, que conseguiram caçar sete javalis, os quais, após leiloados, contribuíram para angariar a quantia mencionada, a somar à totalidade da receita apurada com as inscrições dos participantes na caçada, que também ela reverteu a favor da APC. A montaria teve como base logística a sede da Associação Cultural e Recreativa da Sobrena, onde se efectuou a recepção

25

dos monteiros, bem como o almoço-convívio no final da iniciativa.


acção social & saúde Rescaldo da Campanha de solidariedade “Cadaval Amigo”

Perto de 270 munícipes contemplados com cabazes de Natal

N

o intuito de proporcionar uma quadra natalícia mais agradável, minimizar algumas carências sócio-económicas e promover a inclusão social das famílias mais carenciadas do Concelho, a Câmara Municipal organizou, durante o mês de Novembro, em colaboração com o Centro de Saúde do Cadaval, Agrupamentos de Escuteiros de Alguber e do Vilar, Banco Local de Voluntariado, Paróquias e Instituições Particulares de Solidariedade Social do Concelho, uma campanha de angariação de géneros alimentares, brinquedos e produtos de higiene, que foram distribuídos pelas famílias mais carenciadas do Concelho durante a quadra natalícia. Assim, elaboraram-se no-

venta e quatro cabazes de Natal, tendo sido abrangidos um total de 268 munícipes. A identificação das famílias sócio-economicamente desfavorecidas, a contemplar com um cabaz, foi feita com base na informação processual constante no Serviço de Acção Social camarário, bem como por solicitação de dados a diversas entidades locais.

O momento da organização dos cabazes de Natal

Prosseguem acções de promoção de convívio e de boa disposição

Passeio Intergeracional juntou idosos e crianças

T

ambém inserido na quadra natalícia, o Pelouro da Acção Social da Câmara Municipal organizou, a 22 de Dezembro último, uma ida ao circo, no Coliseu dos Recreios (Lisboa), que teve como particularidade a participação conjunta de crianças (dos 6 aos 12 anos de idade) e idosos, com

processo no serviço de Acção Social camarário, tendo reunido cerca de 60 participantes. (ver foto) Por seu turno, no dia 29 de Março de 2009, os idosos utentes das IPSS - Instituições Particulares de Solidariedade Social e com processo no supracitado serviço camarário puderam assistir, no cine-auditório dos Bombeiros Voluntários do Cadaval, ao espectáculo “Mama eu queria!”, peça de teatro-revista promovida pelo Grupo Gente Gira. O intuito desta ida ao teatro teve, como as demais iniciativas congéneres, o objectivo de minimizar a exclusão social e proporcionar momentos de agradável convívio e boa disposição aos 133 participantes.

17ª Colheita de Sangue do Cadaval Dia 6 de Junho - Sábado Hor ário: 9H00 / 13H00 Horário: difício da Jun ta de FFrreguesia do C ada val Junta Cada adav Local: EEdifício

Se tem entre 18 e 65 anos de idade e mais de 50Kg de peso, colabore!

26


acção social & saúde No âmbito do P ede Social Prrograma R Rede

Diagnóstico Social do Concelho em fase de actualização O site da Rede Social foi aprovado na reunião de 11 de Dezembro do C.L.A.S.

O

Diagnóstico Social do Concelho trata-se de um instrumento dinâmico que permite a compreensão da realidade social, contemplando a identificação das necessidades e a detecção dos problemas prioritários e respectivas causalidades, bem como dos recursos e potencialidades locais, que constituem as reais oportunidades para o desenvolvimento sustentável do Concelho. Neste sentido, para além da sistematização

Adequar as acções às necessidades locais é o grande objectivo da actualização do diagnóstico social do Concelho, sendo, para tal, imprescindível o envolvimento dos diferentes agentes locais.

e tratamento de informações quantitativas recolhidas, é imprescindível o contributo de todos os agentes locais para que este documento possa ser o mais aproximado possível da realidade e contribuir para um conhecimento mais aprofundado das dinâmicas sociais concelhias, por forma a garantir, cada vez mais, a adequabilidade das acções às necessidades locais. É nesse intuito que o Núcleo Executivo da

Rede Social está, uma vez mais, a reunir com os vários grupos de trabalho (Educação, Acção Social e Saúde e Actividades Económicas). Depois de concluída a actualização do Diagnóstico Social, irá ser elaborado o novo Plano de Desenvolvimento do Concelho, que, tal como o anterior, pretende ser um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do desenvolvimento social local.

Rede Social do Cadaval na Internet A Rede Social do Concelho do Cadaval disponibilizou, recentemente, a sua página de Internet - www.redesocial.cadaval.org -, onde se podem consultar os vários documentos produzidos (Regulamento Interno da Rede Social, Diagnóstico Social, Plano de Desenvolvimento Social, Planos de Acção). Naquele site constam também as actividades desenvolvidas, as entidades parceiras do Conselho Local de Acção Social do Cadaval (CLAS) e respectivos contactos, legislação e informação relativa ao Banco Local de Voluntariado, existindo ainda um Fórum onde os utilizadores se podem registar e colocar questões.

Prevenir emediar evenir,, para não ter de rremediar

Prevenção primária das toxicodependências foi tema de formação Decorreram, recentemente, duas tipologias de acções formativas que envolveram, por um lado professores, por outro, auxiliares de acção educativa, no intuito de aprenderem a identificar “sinais de alerta” e encaminhar situações de uso de drogas entre jovens.

O

Projecto “Cada 1 Val +” surge na sequência da vontade manifestada por entidades concelhias em criar uma rede de trabalho que vise a Prevenção Primária das Toxicodependências, nomeadamente, na “Prevenção Indicada”, isto é, dirigida a grupos de indivíduos que se encontram numa situação de maior risco do que a generalidade da população. Nesse sentido, as actividades a desenvolver visam promover a minimização dos factores de risco existentes. Assim, e com vista a transmitir, à população-alvo (professores, agentes de acção educativa e pais), formação e conhecimentos sobre a temática da toxicodependência,

bem como envolver e sensibilizar os agen- também a Rede Social do Concelho do Cadaval tes educativos relativamente a esta promoveu, nos meses de Fevereiro e Março, temática, o Pelouro da Acção Social da Câ- um conjunto de acções, desta feita destinadas mara Municipal promoveu, nos meses de aos auxiliares de acção educativa, as quais foFevereiro e Abril, um módulo formativo com ram igualmente ministradas pelo CRI do Oeste. os professores (directores de turma) da As referidas acções tiveram lugar na Escola BáEscola Secundária c/ 3.º Ciclo E. B. de sica 2,3 de Cadaval e Escola Secundária c/3.º Montejunto. Ciclo de Montejunto, tendo envolvido, no total, A presente formação, ministrada pelo Ins- perto de 30 auxiliares. tituto da Droga e da Toxicodependência Centro de Respostas Integradas (CRI) do Oeste, visou desenvolver competências que permitam identificar sinais de “alerta”, entre os jovens, sobre o uso de drogas, e proceder ao devido encaminhamento das situações detectadas. No mesmo âmbito da Prevenção Primária das Formação com directores de turma contemplou dinâmicas de grupo Toxicodependências,

27


informar o munícipe Para travar um primeir o contacto com a rrealidade ealidade cultural concelhia primeiro

Director Regional de Cultura deslocou-se ao Cadaval

O

Director Regional de Cultura de Lisboa e Vale do Tejo, Luís Marques, deslocou-se ao Cadaval, no passado dia 20 de Março, a fim de travar um primeiro contacto

com a realidade cultural de um dos 51 concelhos em que este organismo desconcentrado do Ministério da Cultura exerce as suas competências. Luís Marques quis, ao solicitar esta visita, inteirar-se, nomeadamente, dos projectos ao nível da salvaguarda do património cultural imaterial do Concelho, tendo, para tal, sido recebido e acompanhado pelo Presidente da

Câmara Municipal, Aristides Sécio, bem como pela Vice-Presidente, enquanto responsável pelo Pelouro da Cultura e Património Histórico. Após uma reunião preambular, seguiu-se uma visita guiada a algumas das estruturas de cariz histórico e cultural locais, nomeadamente Museu Municipal, novo edifício da Biblioteca Municipal do Cadaval, tendo ainda havido tempo para subir à Serra de Montejunto, onde o Director Regional visitou o Centro de Interpretação Ambiental, tendo-lhe sido apresentadas as estruturas existentes na Serra. Refira-se que a DRCLVT tem por missão a criação de condições de acesso aos bens culturais; o acompanhamento das actividades e a avaliação das estruturas de produção artística financiadas pelo Ministério da Cultura; a realização e colaboração em acções relativas à salvaguarda, valorização e divulgação do património arquitectónico e arqueológico e, ainda, o apoio a museus.

Plano Director Municipal - 1.ª Revisão - Participação pública Avisam-se todos os interessados que poderão, junto da DOPGU da Câmara Municipal, (Urbt.ª. Florbela Delgado ou Arqt.º. Rogério Silva), exercer o seu direito de participação na 1.ª revisão do Plano Director Municipal do Cadaval, de acordo com o n.º 1 e 2 do artigo 6.º do DL 316/2007, de 19 de Setembro: «1 - Todos os cidadãos bem como as associações representativas dos interesses económicos, sociais, culturais e ambientais têm o direito de participar na elaboração, alteração, revisão, execução e avaliação dos instrumentos de gestão territorial. 2 - O direito de participação referido no número anterior compreende a possibilidade de formulação de sugestões e pedidos de esclarecimento ao longo dos procedimentos de elaboração, alteração, revisão, execução e avaliação, bem como a intervenção na fase de discussão pública que precede obrigatoriamente a aprovação.»

Normalização e actualização de dados

C

Solicita-se a todos os cidadãos/entidades que mantenham alguma relação com a Câmara Municipal, que ao dirigirem-se, presencialmente ou por correio, à autarquia, se possam identificar com nome e morada completos, bem como com número de identificação fiscal, no intuito de contribuir para a normalização e actualização das bases de dados do Município.

28


informar o munícipe Dando sequência ao pr ojecto de rreactivação eactivação das antigas escolas projecto

Município cede antiga escola a Junta de Freguesia do Cadaval «E agora, o que será do emblemático edifício onde funcionou a escola primária da vila?» Muitos de certo já se terão perguntado. O contrato de comodato assinado entre o Município e a Freguesia do Cadaval surge, precisamente, para dar um destino útil e condigno ao histórico edifício. Fica, assim, dado mais um passo rumo à conservação e rentabilização das escolas desactivadas do Concelho.

O

Município do Cadaval foi representado, no acordo assinado a 2 de Dezembro último, pelo Presidente da Câmara Municipal do Cadaval, Aristides Sécio, enquanto que a representar a Freguesia do Cadaval, esteve Idalécia Silva, Presidente da Junta de Freguesia. Segundo Aristides Sécio, a antiga Escola Básica de 1.º Ciclo do Cadaval constitui «um marco importante para as populações do Cadaval que, ao longo dos anos, ali aprenderam a ler e a escrever, além de que outros ali vieram também fazer os seus exames de quarta classe, sendo, por isso, um edifício com um simbolismo muito grande». Por outro lado, é um edifício imponente que marca a arquitectura escolar num determinado período, estando situado na zona nobre da vila, daí a importância de encontrar uma solução digna para o mesmo. Com a construção da nova escola, aquele edi-

fício ficou desactivado e, estando inactivo, isso levava a que a sua degradação fosse galopante e houvesse que o rentabilizar da melhor forma. Além do mais, como explicou o autarca, «sabemos que a Junta de Freguesia procura ter uma sede com mais dignidade. Embora esteja, há muitos anos, sediada no rés-do-chão do antigo edifício dos Paços do Concelho, a verdade é que são instalações com um espaço bastante reduzido. Por outro lado, sentimos que o Museu Municipal, que está instalado no primeiro andar desse mesmo edifício, precisa também de se expandir e, portanto, precisava do espaço onde está actualmente a Junta de Freguesia.»

Nesse sentido, o edil refere ser esta uma solução que vem satisfazer várias preocupações: a manutenção de um edifício antigo, a possibilidade de a Junta de Freguesia criar ali a sua sede de forma mais digna e, por último, aumentar o espaço do Museu Municipal.

Projecto de adaptação do antigo edifício em fase de execução Segundo informou Idalécia Silva, já depois de firmado o supracitado acordo, a mudança da Junta para as novas instalações

deverá ocorrer somente quando todo o edifício for alvo de intervenção, estando, à data de fecho desta edição, a ser executado um projecto de adaptação do mesmo. Enquanto isso, a antiga sala existente no lado direito do primeiro piso já foi reconvertida e já tem a funcionar duas salas de formação. Quanto ao piso inferior do lado direito, fica reservado para as futuras instalações da Junta de Freguesia, nomeadamente, atendimento,

29

secretaria, posto de Internet, arquivo e sala de reuniões. Ainda no piso inferior, mas do lado oposto, ficará localizado o salão nobre da referida autarquia. No lado esquerdo do piso superior prevê-se a criação de um espaço museológico dedicado à escola antiga, um projecto conjunto, ainda embrionário, da Câmara Municipal com a Junta do Cadaval. Por seu turno, a antiga cantina da escola constitui agora a sede da Associação de Desenvolvimento Social e Cultural do Concelho do Cadaval. Prevê-se ainda, como informou a Presidente de Junta, intervenções várias, no interior e exterior do edifício, no sentido de tirar o melhor partido possível do espaço existente.


economia do Concelho ocha em Flor omovido pela AP AS Rescaldo do 8.º Encontr oR Encontro Rocha Flor,, pr promovido APAS

Sustentabilidade do Meio Rural esteve em debate

R

ealizou-se, a 26 de Fevereiro de 2009, na Quinta do Castro, em Pragança, o “8.º Encontro “Rocha em Flor”, organizado pela APAS (Associação dos Produtores Agrícolas da Sobrena), e que este ano teve como temática central “A Sustentabilidade do Meio Rural no Oeste” e constituiu uma parceria com o COTHN (Centro Operativo e Tecnológico Hortofrutícola Nacional) e CREIAS-Oeste (Centro Regional de Edu-

cação e Investigação Associada à Sustentabilidade do Oeste). O encontro trouxe a discussão o contributo do equilíbrio da biodiversidade do ecossistema agrário e do uso racional da água de rega na melhoria económica da produção agrícola, permitindo a fixação da respectiva população rural. Participaram neste evento cerca de 150 pessoas, entre técnicos, agricultores e simpatizantes da sociedade civil. Como oradores, estiveram presentes professores universitários e representantes do Centro de Recuperação de Animais Selvagens da Serra de Montejunto (CRASM), de “Engenharia Verde”, da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), da APAS e da Administração da Região Hidrográfica do Tejo (ARH-Tejo). Durante o colóquio, foram explanados os “serviços” gratuitos e permanentes que a

biodiversidade da população de insectos e dos animais selvagens prestam à agricultura e ao ecossistema em geral. Foram também abordadas correctas técnicas de gestão do enrelvamento das culturas permanentes e de renaturalização das margens dos rios. A Lei da Água foi um dos assuntos que cativou a assistência por constituir uma exigência, a breve trecho, a obtenção, por parte dos agricultores, de licenças de utilização da água que já utilizam desde sempre, com o pagamento de taxas à ARH-Tejo. Mais uma vez, ficou patente que a alimentação é um acto de Agricultura, a qual tem obrigatoriamente de ser reconhecida como actividade que permite não só criar riqueza para o país, reduzindo a dependência alimentar do exterior, mas também fixar as populações rurais, manter a paisagem, atrair o turismo, criar zonas húmidas, proteger as zonas rurais dos incêndios ou servir de suporte à biodiversidade. Permite ainda a recarga dos aquíferos e dos cursos de água nos períodos mais secos, depurar águas poluídas e criar postos de trabalho.

A partir de uma br eve leitura de dados rrefer efer entes ao Cadaval breve eferentes

Conhecer o perfil médio do desempregado

Q

uando o tema do desemprego teima em não sair da ordem do dia, fazemos aqui um breve ponto de situação face à realidade concelhia, no intuito de conhecer, genericamente, o perfil do desempregado. Para tal, isolámos um pequeno período, mais ou menos coincidente com o da presente edição da Revista Municipal.

De acordo com dados do Instituto de Emprego e Formação Profissional, constata-se, no período considerado (Dezembro 2008 a Fevereiro 2009) uma subida do número de desempregados em todos os Concelhos do Oeste. O Cadaval apresentava 387 desempregados em Dezembro do ano passado, contando com 454 em Fevereiro deste ano.

Desemprego Registado por Concelho segundo a Situação Face à Procura de Emprego Dez-08 Concelho

1º Emprego

Jan-09

Novo Emprego

Total

1º Emprego

Fev-09

Novo Emprego

Total

1º Emprego

Novo Emprego

Total

Alcobaça

177

1912

2089

182

2080

2262

186

2169

2355

Alenquer

67

1553

1620

75

1677

1752

73

1760

1833

Arruda dos Vinhos

12

287

299

17

317

334

17

327

344

Bombarral

27

350

377

30

379

409

30

424

454

Cadaval

29

358

387

27

384

411

28

426

454

110

2003

2113

111

2157

2268

115

2282

2397

Caldas da Rainha Lourinhã

75

664

739

80

744

824

77

784

861

Mafra

91

1668

1759

101

1833

1934

115

2017

2132

Nazaré

49

680

729

52

746

798

50

759

809

Óbidos

22

359

381

25

387

412

35

430

465

Peniche

69

1369

1438

77

1302

1379

80

1421

1501

Rio Maior

35

509

544

40

547

587

43

592

635

Sobral Monte Agraço

20

260

280

27

271

298

29

278

307

227

2097

2324

228

2200

2428

229

2326

2555

Torres Vedras

30

Verifica-se, também, que o maior número de inscritos é constituído por mulheres, havendo, em todos os concelhos, mais mulheres desempregadas do que homens. A maioria dos candidatos procura um novo emprego, ou seja, já trabalharam e ficaram sem emprego. O Cadaval apresentava, no final de Fevereiro, 28 candidatos inscritos à procura do 1.º emprego, enquanto que 426 procuravam um novo emprego. É possível também inferir que os valores do desemprego no Concelho, tal como noutros concelhos do Oeste, estão concentrados na faixa etária dos 35-54 anos, com 194 inscritos, seguidos de 110 desempregados com idades compreendidas entre os 25 e 34 anos. Destaca-se, por último, um elevado número de desempregados com o 1.ºciclo do ensino básico, ao nível do Oeste. No Cadaval, o 1.º ciclo é o que apresenta valores superiores, com 125 desempregados no final do mês de Fevereiro. No entanto, é de realçar o acréscimo de desemprego verificado ao nível do 3.º ciclo e secundário.


desporto no Concelho Estr eando-se como Campeonato Nacional de Grupos de Idade Estreando-se

Perto de 300 atletas no XII Duatlo do Cadaval A 15 de Março último, o Cadaval acolheu o XII Duatlo do Cadaval – Campeonato Nacional de Grupos de Idade, cuja participação total igualou os cerca de 300 atletas da passada edição. Bruno Pais e Bárbara Clemente foram os vencedores absolutos da prova principal e, assim, campeões nacionais nos respectivos escalões etários. Em termos de equipas, a vitória coube, pelo 4.º ano consecutivo, ao Olímpico de Oeiras.

O

XII Duatlo do Cadaval voltou a constituir um sucesso de participação, tendo reunido, no conjunto da prova principal e prova aberta, um total de 294 atletas, vindos de vários pontos do país. Verificou-se, inclusive, um aumento da participação em termos de equipas, registando-se a presença de 34 clubes, contra os 29 do passado ano. A prova aberta, que foi pontuável para o Circuito Regional do Centro, superou também a participação de 2008, somando 76 efectivos, contra os 60 do transacto ano. Em termos individuais e absolutos os grandes vencedores do também disputado Campeonato Regional Centro foram Bruno Pais (Sport Lisboa e Benfica) e Bárbara Clemente (Halcon/Spiuk/Olímpico de Oeiras), que conquistaram, assim, o título de campeões nacionais nos respectivos grupos de idade,

25/29 e 20/24 anos, respectivamente. Colectivamente, coube ao Olímpico de Oeiras o título de Campeão Regional Centro, vencendo, pelo quarto ano consecutivo, o Duatlo do Cadaval, em masculinos e femininos. No Campeonato Nacional por Grupos de Idade competiram e classificaram-se atletas em todos os escalões etários entre os 16-17 e os 65-69 anos. Entre os diferentes campeões nacionais por escalões etários conta-se, também, Lino Barruncho (Olímpico de Oeiras), que venceu no grupo de 30-34 anos, tendo alcançado a 4ª posição na geral, logo atrás do colega de equipa, João Pedro Silva, e de João José Pereira (Alhandra Sporting Clube), que por seu turno ficou a uma diferença de 23 segundos do grande vencedor, Bruno Pais. Luís Cipriano (Seniores, ADCR Painho), vol-

Organização, patrocínios e apoios O XII Duatlo do Cadaval tratou-se de uma organização conjunta da Câmara Municipal do Cadaval e Federação de Triatlo de Portugal. A prova contou, ainda, com os seguintes patrocínios: Eurobritas, Pão da Vermelha – Panificadora Regional, Adegas Cooperativas do Cadaval e da Vermelha e Coopval – Cooperativa dos Fruticultores do Cadaval. Entre as entidades colaboradoras contaram-se os Agrupamentos de Escuteiros de Alguber e do Vilar, Moto Clube “Os Fal-

cões de Montejunto” de Alguber, Montejunto Rally Clube, Bombeiros Voluntários do Cadaval e ainda Municípios de Azambuja, Cartaxo, Mafra, Oeiras e Peniche. A todos os envolvidos nesta realização, a Câmara Municipal agradece a prestimosa colaboração.

31

tou a liderar a “equipa da casa”, obtendo a 57ª posição na tabela geral, num total de 218 participantes. Dos 31 atletas do seu grupo etário (35-39 anos), o atleta painhense conquistou a 8.ª posição. Quanto à prova aberta, Rui Simplício Pacheco (Seniores, Individual), foi o grande vencedor absoluto e em masculinos. Por seu turno, Andreia Lopes (Os Belenenses) superiorizou-se em femininos. O melhor classificado residente no Concelho do Cadaval, a correr na prova aberta, foi João Bento, do Painho, (Vet. 1, Individual), que se classificou em 12.º lugar, em 76 atletas em competição. As classificações completas do XII Duatlo do Cadaval podem ser consultadas no site da Federação de Triatlo de Portugal, em http:// www.federacao-triatlo.pt.


desporto no Concelho Numa iniciativa do Grupo de Amigos de T odo-oTerr eno de Adão Lobo Todo-oodo-o-T erreno

“V Rota do Lobo” juntou cerca de 100 viaturas Depois do sucesso do 1.º Encontro “Landmaníacos no Oeste”, o GATTAL - Grupo de Amigos de Todo-o-Terreno de Adão Lobo promoveu, a 22 de Março, a “V Rota do Lobo”, em Adão Lobo (Cadaval), que contou também com um excelente balanço por parte da organização, ainda que S. Pedro não tivesse feito a lama abundar…

M

uito pó e pouca lama, mas muitos participantes, bons trilhos e comida e bebida à farta - assim foi a V Rota do Lobo, organizada pelo GATTAL, no intuito de promover o convívio entre amantes do todo-o-

terreno, divulgando, ao mesmo tempo, a região. Tratou-se de um passeio multimarcas, direccionado para o mato, o qual juntou cerca de uma centena de viaturas e um total de 220 pessoas, entre condutores e familiares, provindos de diversas zonas do país. A concentração de veículos fez-se bem cedo, na sede do Adão Lobo Sporting Clube. A anteceder o arranque do passeio, o GATTAL procedeu à entrega de lembranças e serviu pequeno-almoço a todos os participantes. O percurso teve uma extensão de 37 km, com road book de dificuldade “2”, que não

passou a “3” uma vez que a chuva não quis ajudar. No entanto, passeio e trilhos foram do agrado geral dos participantes. Após a chegada ao Adão Lobo Sporting Clube, seguiu-se um almoço-convívio aberto a todos os participantes. De tarde, os mais aventureiros puderam contar com uma radical pista de trial, com direito a porco no espeto ao lanche. Refira-se que os proventos do passeio reverteram, como habitualmente, para a manutenção e melhoramentos do Adão Lobo Sporting Clube. Para informações sobre futuros encontros, o GATTAL pode ser contactado pelos seguintes telefones: 917 334 871, 919 262 515, 966 102 842 e ainda 91 959 68 46. Os interessados podem ainda aceder ao fórum on-line do Landmania Clube de Portugal (em www.landmania.pt) onde o grupo actualiza informação sobre este e outros eventos.

No rregr egr esso ao R egional de R alis de Alenquer egresso Regional Ralis

5.º Rali do Cadaval distinguiu José Merceano O Montejunto Rally Clube promoveu, dia 1 de Março, o 5.º Rali do Cadaval, data que marcou o regresso ao Troféu Regional de Ralis de Alenquer, bem como a sua abertura, prova que sagrou a dupla formada por José Merceano e Francisco Pereira, em Mitsubishi Evo IV.

A

primeira prova da edição de 2009 do Troféu Regional de Ralis de Alenquer, que por seu turno conta com a organização da Sociedade Recreativa de Cheganças (Alenquer), foi disputada num troço de cerca de 10Km (quatro especiais), nas imediações do Campo da Feira do Cadaval. Como refere a organização, se ao nível do espectáculo as expectativas foram comprovadas, mesmo com alguma chuva, que deixou o troço um pouco enlameado e escorregadio, já ao nível da competitividade a história foi diferente, fruto do forte ataque inicial da dupla que defende o título conquistado na época passada. Mas esta vitória folgada ficará também a dever-se ao elevado número de desistências verificado, devido ao piso escorregadio e à “sede” de competição de alguns pilotos, visto tratar-se da primeira pro-

va da época. Após o bom espectáculo que se verificou no Cadaval, o Troféu Regional de Ralis de Alenquer 2009 prosseguiu a 5 de Abril, com a realização do Rali dos Carreiros no concelho das Caldas da Rainha, onde a supracitada dupla repetiu a proeza conseguida no Cadaval, vencendo esta segunda etapa. O Município do Cadaval voltou a apoiar a realização de uma prova que veio reacender a tradição do desporto motorizado neste Concelho. O site oficial do Montejunto Rallly Clube

32

( w w w. m o n t e j u n t o - r a l l y c l u b e . c o m ) disponibiliza foto-reportagem bem como classificação geral deste 5.º Rali do Cadaval.


desporto no Concelho No arranque do IV Campeonato Municipal Jovem de A tletismo Atletismo

Perto de 100 crianças correram na Murteira Arrancou a 29 de Março, na localidade da Murteira, o IV Campeonato Municipal Jovem de Atletismo, prova que contou com perto de uma centena de participantes. A presente iniciativa camarária vem proporcionar, a crianças do Concelho entre os 6 e os 11 anos, a participação em provas de corrida de velocidade, a decorrerem em diversos pontos do Concelho.

D

escentralizar e estimular a prática desportiva, desde tenra idade, continua a ser o grande móbil deste campeonato, que volta a basear-se em quatro provas de velocidade, pontuáveis para apuramento dos seis primeiros classificados de cada escalão etário (masculinos e femininos).

A primeira prova decorreu dia 29 de Março, na localidade da Murteira, tendo contado com a participação de cerca de uma centena de jovens. Liliana Carloto, de Chão de Sapo, e Miguel Ribeiro, do Cadaval, foram os vencedores no escalão dos 6/7 anos. Por seu turno, Diana Conde e João Lopes, ambos do Painho, venceram no escalão dos 8/9 anos. Por fim, Beatriz Vieira, do Cadaval, e Luís Pereira, da Murteira, foram os melhores no escalão dos 10/11 anos. A segunda prestação dos jovens atletas rea-

liza-se dia 25 de Abril (já depois do fecho desta edição), na vila cadavalense, prova que fica, como habitualmente, integrada nas Comemorações da “Revolução dos Cravos”. As provas seguintes acontecem, por seu turno, nas sedes de freguesia de Painho e Vilar, respectivamente a 10 e 24 de Maio, pelas 10h30. No final de cada uma das provas são atribuídas medalhas aos três primeiros classificados de cada escalão. A prova-extra de consagração dos vencedores das diferentes prestações está agendada para dia 31 de Maio, no Cadaval, ficando, uma vez mais, integrada no certame ANIMARTE, a que se seguirá a entrega dos prémios finais. Mais informações podem ser obtidas contactando o gabinete de desporto da Câmara Municipal (pelo telefone 262 690 100) ou as respectivas escolas. Refira-se que o site municipal (www.cmcadaval.pt) disponibiliza regulamento, resultados e foto-reportagem de cada prova realizada.

Grupo de amigos bombeiros organizou 3.º Passeio TT

N

os dias 10 e 11 de Janeiro teve lugar o 3.º Passeio TT, promovido por um grupo de amigos pertencentes à corporação dos Bombeiros Voluntários do Cadaval. O evento contou com a presença de 123 jeeps e um total de 244 participantes, tendo contado com o apoio de diversas entidades públicas e privadas do Concelho do Cadaval, entre as quais a Câmara Municipal, às quais a organização aproveita a oportunidade para agradecer o apoio prestado. A iniciativa incluiu, no dia 10, um percurso TT nocturno, realizado na zona do Vedro (Cadaval), a que se seguiu um jantar-convívio e animação noite dentro, com uma tenda DJ e uma pista TT nocturna. No dia 11, e após pequeno-almoço, arrancou o passeio TT diurno, com road book, numa extensão de cerca de 10Km. Este últi-

mo partiu do Parque de Serviços Urbanos da CMC, seguiu pelo Vedro, passando pelas freguesias de Pêro Moniz, Lamas, Vermelha e regressando ao Cadaval. Após o almoço-convívio, a iniciativa terminou com uma pista TT e um jogo de perícia todoo-terreno. O Concelho do Cadaval, pelo seu potencial turístico e paisagístico, associado à arte de bem receber, demonstra ser um lugar privilegiado para acolher encontros de todo-

33

-o-terreno, o que explica, por si só, a proliferação de organizações deste género de passeios no Concelho.


desporto no Concelho

Estágio e graduação de Karaté juntaram 400 atletas, no Cadaval

R

ealizou-se nos dias 24 e 25 de Janeiro, no Pavilhão Gimnodesportivo Municipal, o 1.º Estágio e Graduação KIU 2009, organizado pela Associação AMICALE KARATÉ (Santarém), a convite do Centro de Karaté de S. Salvador e Espinheira (Cercal), evento que teve a orientação técnica do Shihan Carlos Dias – 6.º Dan e que contou com o apoio da Câmara Municipal. Este Estágio de Formação Técnica de Karaté contou com um total de cerca de 400 participantes, a nível nacional. O Centro de Karaté de S. Salvador e Espinheira participou com 30 jovens atletas, sendo que todos os que foram à graduação foram bem sucedidos. Rui Sousa, Presidente da ACR de S. Salva-

dor e Espinheira, faz um balanço muito positivo da iniciativa, referindo que a entidade promotora ficou muito agradada com as condições organizativas. Refira-se que o Centro de Karaté de São Salvador e Espinheira celebra, em Junho deste ano, 10 anos de existência.

Os atletas do Centro de Karaté S. Salvador e Espinheira, graduados neste evento

Centro Social e Paroquial de Alguber promoveu 2.º Passeio TT

O

Centro Social e Paroquial de Alguber promoveu, a 29 de Março, o seu 2.º Passeio TT, o qual foi aberto a toda a comunidade, tendo reunido mais de meia centena de jeeps e cerca de 120 pessoas. O CSP de Alguber contou, para levar a bom porto esta iniciativa, com o apoio de voluntários da comunidade local

e também da Câmara Municipal, aos quais a instituição alguberense aproveita para agradecer a prestimosa colaboração. De acordo com Patrícia Rego, vice-presidente do CSP de Alguber, o intuito principal deste evento foi o do convívio social bem como o da angariação de fundos com vista a apoiar a manutenção daquela instituição de solidariedade e nomeadamente para algumas obras que se pretendem realizar nas respectivas instalações.

Oeste TT reúne mais de 300 participantes no passeio “Natura 4X4”

O

Oeste TT realizou, a 2 de Novembro de 2008, o seu 1.º passeio TT, que denominou por “Natura 4x4”, um passeio turístico que contemplou passagem por Rocha Forte, Murteira e Serra de Montejunto. A iniciativa contou com a participação de mais de uma centena de jeeps, tendo ultrapassado as três centenas de participantes, maioritariamente provenientes de fora do Concelho, tendo-se registado presenças do Alentejo, Gaia, Lisboa, entre outros locais. Quanto a apoios, o Oeste TT refere os patrocínios da Eurobritas, Garrafeira Baco, para além da colaboração da CMC. O Oeste TT existe há menos de um ano, tendo por meta, como referiu Eduardo Jorge, um dos seus membros, constituir-se como associação e dedicar-se à promoção do todo-

o-terreno na região, bem como de eventos radicais na Serra de Montejunto, que evidenciem as suas potencialidades turísticas. Recentemente, o Oeste TT participou no “24 Horas TT de Fronteira”, pilotando uma Renault 4L, uma aventura, segundo refere o grupo, que não está ao alcance de todos, por se tratar de uma das provas mais duras do automobilismo nacional. Este ano, está previsto regressarem

34

à vila alentejana, a fim de voltarem a integrar a iniciativa.


desporto no Concelho

Clube Atlético do Cadaval promoveu 3.º Torneio da Páscoa

O

Clube Atlético do Cadaval (CAC) organizou, com o apoio da CMC, a 11 de Abril deste ano, o 3.º Torneio da Páscoa – Escalão de Escolas, que decorreu, como habitualmente, no Campo de Jogos Municipal. A vitória coube, este ano, ao GD Peniche, tendo a equipa da casa conquistado um honroso terceiro

lugar e ainda a Taça da Disciplina. Este torneio anual de futebol-de-sete visa, de acordo com António Correia, presidente do CAC, fomentar a prática desportiva entre camadas jovens em formação, no escalão Escolas, sendo que o clube conta, actualmente, com cerca de uma centena de crianças nos seus escalões de formação. As equipas participantes foram, por ordem de classificação: 1.º - GD Peniche, 2.º - SCE Bombarralense, 3.º - CAC, 4.º - CA Casa Pia, 5.º - SCU Torreense e 6.º - CFE Amadora. No final do torneio decorreu a entrega de taças aos três primeiros classificados, melhor marcador e disciplina, seguida de um lanche-convívio.

Apoiar a formação desportiva dos jovens do Concelho Decorrente das suas competências, a Câmara Municipal tem vindo a implementar uma política de apoio à prática desportiva, especialmente no que se refere à formação dos jovens do nosso Concelho. Assim, para além de alguns subsídios que anualmente são atribuídos às associações/clubes com envolvência na matéria, a autarquia disponibiliza, a

todos os interessados, de acordo com as regras existentes, o Pavilhão Gimnodesportivo e ainda o Campo de Jogos Municipal que, em sequência de protocolo estabelecido entre a CMC e o CAC – Clube Atlético do Cadaval, se encontra sob a gestão do Município com os inerentes encargos de electricidade e água, bem como de manutenção e reparação das res-

pectivas infra-estruturas. Esta situação tem permitido, a título de exemplo, o excelente trabalho que o CAC tem vindo a desenvolver em prol da formação desportiva e cívica dos nossos jovens. Crê-se e espera-se estarem reunidas condições para apoiar quaisquer outros projectos que, com a mesma finalidade, existam ou venham a existir no Concelho.

Estando a fazer captação de jovens dos 5 aos 12 anos

Vilarense: digno representante do Futsal concelhio

O

Grupo Desportivo Vilarense passou, recentemente, a ser o único representante de Futsal no Concelho, albergando agora dois escalões de formação (escolinhas e escolas), a juntar aos já existentes juniores e seniores a competirem na Associação de Futebol de Lisboa. Assim, no passado dia 21 de Fevereiro o G.D. Vilarense promoveu uma festa de apresentação, no pavilhão Rui Nunes Lopes, das suas duas equipas jovens, contra a sua congénere Academia de Futsal do Bombarral, tendo obtido os seguintes resultados: escolinhas - Vilarense, 4 / Bombarral, 4; escolas - Vilarense, 8 / Bombarral, 0. Na presente época, os jovens encontram-se já a a fazer jogos amigáveis, mantendo-se,

assim, motivados e em actividade. Para a época 2009/2010, o G. D. Vilarense irá competir federado também na formação, estando, nesta fase, a fazer treinos de captação para jovens dos 5 aos 12 anos. A referida captação de jovens está a fazer-se no Pavilhão Gimnodesportivo Municipal do Cadaval, nos seguintes horários: terças-feiras, das 19h00 às 21h00, quintas-feiras, das 20h00 às 21h00 e sextas-feiras, das 19h00 às 20h00. Este é mais um ex-

35

celente projecto em prol das crianças e jovens que deve ser apoiado por todos.


parar p’ra conversar

Inocência Filipe Ribeiro «Vivi uma vida inteira para o próximo» Inocência Filipe Ribeiro nasceu a 30 Janeiro de 1933, em Alguber, na casa que diz ser a mais antiga da Gouxaria, a qual ainda hoje habita e onde continua a receber pessoas, de dentro e fora da freguesia, que vão em busca dos milagrosos préstimos de enfermagem da eterna “menina Inocência”. Uma autêntica enfermeira “sem canudo”, que casou, em plena comunhão, com a terra onde vive, com a sua gente, a sua história e as suas tradições...

Quando começa a dar assistência a doentes? Eu faço-o desde os 17, 18 anos. Só tenho o curso de primeiros socorros, mas um curso de muito valor!... Não teve possibilidade de fazer o curso de enfermagem? Eu cheguei a ir para a [Escola de Enfermagem] Artur Ravara, em Lisboa, era muito nova, para tirar o curso de Enfermagem. Mas estive pouco tempo porque, entretanto, a minha mãe, com 62 anos, cai à cama, com uma trombose diabética. Quem é que havia de tratar dela? Os meus dois irmãos já tinham seguido com a vida deles, não havia lares, não havia ninguém, não ia abandoná-la pois se eu tratava dos outros!... E então deixei o curso e vim tratar da minha mãe, que teve doze anos acamada! A senhora seguiu a actividade por vocação... Eu tinha uma vocação muito grande e não havia enfermeiros como há hoje, não é, os

partos eram feitos em casa, enfim... Repare que eu cheguei a ir ajudar um grande médico, o Dr. Borges Dinis, em operações que ele fazia ao nariz e à garganta, no antigo hospital do Cadaval. Não é por acaso que o posto público de telefone é aqui, em sua casa... O único telefone que havia era o meu, não havia telefones, eram os das duas quintas e o posto público! O que foi uma grande vantagem para as doenças desta terra! Eu tinha o posto e comunicava logo com os médicos! Calculo que tenha trabalhado com diferentes médicos do Concelho... Sim, com o Dr. Botelho, com o Dr. Damas Mora, o Dr. Saraiva, do Vilar, na parte da Tuberculose, também o Dr. Pargana, de A-dosFrancos, enfim... Fico muito reconhecida por os médicos serem meus amigos e confiarem no meu trabalho, e confiaram sempre! O seu trabalho tornou-se essencial para a gente da freguesia...

36

O Sr. [Mapril] Fogaça dizia «oh menina, você agora não se pode ir embora daqui!» Ele já estava a precisar de mim, já tinha doentes na quinta dele (da Boavista)... Era no tempo do Dr. Botelho. Os mais velhos, quando eu passava, diziam também «oh menina você não se pode ir embora, o que é da gente?» Ainda bem que agora já há enfermeiros, mas chega-se ao Sábado, Domingo e feriados, o enfermeiro não vem, lá vai a Inocência! (Aqui, eu fui sempre a “menina” Inocência porque nunca me casei...) Mas chegou a fazer algum curso de primeiros-socorros? Sim, depois fiz esse curso, que demorou mais de um ano! Onde tirou o curso? Fora daqui? Não! Eles deslocavam-se! Foi na antiga escola primária, onde é agora o jardim-de-infância, foi aí que se deu esse curso, a mim e a mais pessoas. E o Sr. Fogaça cedeu a quinta para se fazerem os ensaios de fogos... Aí aprendi a rastejar, debaixo do fumo, para ir salvar os sinistrados. Aprendi muito, por isso é que eu improviso também muito...


parar p’ra conversar A senhora deslocava-se com os médicos, não era? Pois, porque os médicos, então, não tinham apoio, e quando iam aos casais, de noite, por vezes com muita chuva, grandes tempestades, as estradas ficavam intransitáveis. Se os doentes eram garotos, vinham ao colo das famílias, aqui à minha casa. Se eram adultos, diziam-me logo, por telefone, «Inocência, ponha as galochas a jeito para nos acompanhar». E eu acompanhava os médicos e os familiares, sempre a pé! Onde é que exercia a sua actividade? Era aqui em Alguber, ainda não havia posto médico. Mas já temos posto médico há perto de 50 anos! Era aqui em casa que atendia as pessoas? Sempre foi e ainda é! E a zona onde tem prestado assistência? É toda a freguesia de Alguber e também freguesias vizinhas!... Uma coisa que eu nunca esqueci foi que o primeiro petromax que houve em Alguber era de um senhor aqui da Gouxaria. E eu ia sempre pedir-lho para ir para a Venda do Freixo. E ele emprestou--mo sempre de boa vontade! Recordo-me de estar a dar injecção a uma rapariga e a luz serem pinhas a arder, umas em cima das outras! A senhora não tem filhos... Tenho três sobrinhos e três sobrinhos netos. Viveu sempre sozinha? Fiquei aqui a viver sozinha, depois dos meus pais falecerem. E sabe porque é que eu nunca me casei? Porque os homens que me procuravam queriam que eu deixasse a vida dos doentes para ir viver para a terra deles. A sua vocação falou sempre mais alto... Sim, sempre. Portanto, vivi uma vida inteira para o próximo! E nunca soube ganhar dinheiro!... E ao posto médico, vai diariamente? Não, só vou em dias de consulta, duas a três vezes por semana. Marco as consultas, recebo o dinheiro dos sócios... Tenho conseguido fazer muitas pessoas sócias, uma vez que aquilo é uma associação. O posto médico é mesmo na Sociedade de Alguber? É sim, no rés-do-chão. Temos sócios do Caniço, do Painho, de Figueiros, da Boiça, porque o médico deles era o Dr. Adelino e eles vieram atrás do médico de família. Desde que o Dr. Botelho faleceu é ele que dá aqui con-

sultas. Alguber deve muito à memória do Dr. Botelho, muito mesmo! Enfim, os médicos também me ensinavam muito... Eu sou do tempo em que se faziam as conferências em casa. Hoje em dia vai tudo para os hospitais e ainda bem!... A conferência era exactamente o quê? A conferência era uma equipa médica que reunia para ajudar a tratar um doente. Qual era a sensação de curar um paciente? Uma felicidade! E ainda hoje louvo a Deus e peço-Lhe que ponha as mãos por mim. Porque há trabalhos que faço que, sem a ajuda Dele, eu não conseguiria resolver! Há algum caso que a tenha marcado mais? Sei lá, foram tantos! Recordo-me de um homem com doença terminal, a quem eu ia dar injecções, que enquanto falou esteve sempre a pedir ao irmão e à cunhada que não tirassem os bens aos “meninos”, e eles sempre a prometerem e a dizerem para ele ir em paz. Assim que ele morreu, tiraram-lhe praticamente tudo! Custa-me muito ver alguém que não tem dignidade para com o doente! É uma pessoa solidária por natureza... Sou! E não faço mais, às vezes, porque também não posso! Como é que faz face aos custos que tem com a actividade? Olhe, uma no prego outra na ferradura, como se costuma dizer... Há pessoas que merecem que eu faça tudo e mais alguma coisa e há outras que não tanto, mas eu faço à mesma! E trato-as com a mesma dignidade, apesar de saber que não ganho nada com elas, às vezes nem o respeito! É o que doi mais!... Mais recentemente acabaria por casar... Por volta dos 50 anos tive uma proposta de casamen-

37

to, como tinha tido várias, mas dessa vez ele aceitava vir para cá viver comigo, pois assim eu podia tratar dos meus doentes, e casámos! Era o José Belmiro Nobre, que foi director da banda de Pragança muitos anos! Ele nunca me martirizou por vir tarde dos doentes! Dizia que era a minha missão! Alguber é uma freguesia rica em termos patrimoniais e históricos. A senhora é uma defensora acérrima desses valores… Eu tenho imensa pena de ver destruídos certos vestígios tão importantes que nós tínhamos aqui na terra! E estamos a falar de que tipo de vestígios? Bem, alguns Mouzinho da Silveira nasceram nesta terra, na Quinta do Vale, em Alguber... A entrada dessa quinta tinha um muro alto onde D. Afonso Henriques gravou, um dia, o seu nome. Na sua passagem de Santarém para Óbidos, ele fazia aqui paragem e subia à estalagem dos mouros, na Quinta da Boavista (...). A senhora tem muitas informações valiosas. Como é que elas chegaram até si? Era informação retirada da Torre do Tombo, em Lisboa, e de manuscritos que o Sr. Mapril Fogaça tinha. »»


»

parar p’ra conversar

A senhora escreveu para o extinto jornal «O Século»… Há muitos anos. Estava eu doente, com hepatite, tinha perto dos trinta anos, talvez. Pediam-me para dizer coisas da nossa terra. E eu comecei por falar sobre a nossa milagreira Serra de Nossa Senhora de Todo-o-Mundo, que Almeida Garret e Alexandre Herculano descreveram como “a manta de retalhos”... Como surge essa proposta? Não sei, foi alguma coisa que recebi aqui no posto público de telefone. Porque noutros tempos era assim: ou fosse do banco ou doutra origem qualquer, eu recebia aqui todo o tipo de informações. Quem trouxe este telefone para Alguber foi o General Farinha Beirão... o Dr. Troçolo [então veterinário municipal], que era muito meu amigo, insistiu que o telefone público (que antes esteve numa loja que fechou) tinha de vir para a minha casa, porque devido à

minha actividade, fazia-me muita falta! Até haver telefones, só havia este e mais tarde os das quintas. Foi mesmo colaboradora do jornal? Fui. O meu português era muito simples, mas eles depois compunham aquilo à maneira deles. Mandei um texto sobre a tradicional festa de Alguber, com fotografias a preto-e-branco… Quando veio cá o falecido D. António Ribeiro também mandei... E se fosse agora teria muitas coisas para dizer!... Quando olha para Alguber da actualidade, comparada com antigamente, o que se lhe oferece dizer? Isso é um dia de sol ao pé de um dia de trovoada, para melhor! O nome da sua rua, “heroína”, está associado à capela de Sto. António, aqui ao lado...

Linhas úteis

Associação de Caçadores Associação Empresarial Biblioteca Municipal Bombeiros Volun. do Cadaval Câmara Municipal do Cadaval: Geral Edifício Sócio-cultural Serviços Urbanos e Ambiente Águas - Piq. Urgência Cartório Notarial do Cadaval Centro de Interp. Ambiental Centro Saúde do Cadaval Extensões do C. Saúde: Barreiras (Peral) Cercal Chão do Sapo (Lamas) Figueiros Painho Vermelha Vilar Comboios – Est. Bombarral Comissão Prot. Crianças e Jovens Conservatórias CTT - Correios: Estação do Cadaval Cruz Vermelha Portuguesa EDP - Electricidade: Avarias Informações Escolas: Agrupamento de Escolas E.B 2,3 Cadaval Sec. Montejunto Farmácias: Central (Cadaval) Ferreira (Figueiros) Leomar (Vermelha) Luso (Vilar) Misericórdia (Cadaval) Finanças (Repartição) GNR - Cadaval Juntas de Freguesia: Alguber Cadaval Cercal

262690100 262690181 262690171 916172194 262699140 262777888 262696400 262744206 263486750 262696788 262744216 262741023 262696321 262777733 262605440 912232070 262691470

800506506 800505505 262699081 262699080 262699230 262696176 262744152 262696178 262777153 262696220 262696104 262690010 262744000 262696841 263486750

38

E quanto à heroína? A heroína é a senhora que está sepultada na capela. Conta-se que, quando os franceses vinham, a senhora tocava o sino e eles montavam nos cavalos e fugiam, por medo. E as poucas pessoas que havia fugiam por esses bosques fora e iam-se refugiar à Serra. Mas tantas vez ela tocou o sino que eles um dia voltaram para trás e mataram-na. E ela ficou ali sepultada. E o “sino de ouro” da lenda, afinal sempre existiu ou não? O sino de ouro é outra história... Sei onde ele está, mas não vou dizer…

Figueiros Lamas Painho Peral Pêro Moniz Vermelha Vilar LeaderOeste – Ass.º Desenv.º Rural Museu Municipal Parque de Campismo Rural Piscina Municipal Posto de Atendimento ao Cidadão Rodoviárias: Boa Viagem (Alenquer) Estremadura (T.Vedras) Tejo (Bombarral) Segurança Social (Serviço Local) Telefones – P.T. Avarias Tribunal Judicial do Cadaval UNIVA - Emprego Veterinário Municipal

262691137 262084691 262696155 262699110

262698340 262083536

Esta capela foi destruída durante a invasão francesa e quem a mandou restaurar foi a Sra. Maria José Fogaça, a quem eu dei muitas injecções. E foi o filho, Júlio Fogaça, que lhe disse para a mandar restaurar. Foi um homem bom que Alguber teve...

Entrevista: B.F.

262741139 262695421 262744011 262695250 262691098 262695058 262771060 262691545 262691690 262777888 262691680 262690128 263730500 261334150 967449860 262696326 ------16208 262699010 262690187 917568406

Atendimento Atendimento Presidente - Sr. Aristides Sécio 4ª feira de tarde – atendimento presencial (por marcação prévia) 4ª feira (11.00/12.00 h) – atendimento telefónico Vice-Presidente - Dra. Eugénia Correia: 5ª feira - Todo o dia (por marcação prévia) Vereador - Sr. Vitor Pinto: 5ª Feira - Todo o dia (por marcação prévia) Arquitectos (D.O.P.G.U.): 4ª feira – todo o dia (por marcação prévia) Engenheiro João Teixeira Alves (D.O.P.M.U.): 2ª a 6ª (sem marcação)

• •

SERVIÇOS (PAÇOS DO CONCELHO) 2ª a 6ª (08.30/16.00 h) Serviço de Acção Social 3ª e 5ª (por marcação - 09.00/12.30 h e 14.00/16.00 h) UNIVA - Gab. de Informação, Orientação Profissional e Emprego do Cadaval 2ª, 3ª, 5ª e 6ª (09.00/12.30 h e 14.00/16.00 h)

CMC: Av.ª Dr. Francisco Sá Carneiro, 2550-103 Cadaval - Telf. 262 690 100 - Fax: 262 695 270 - geral@cm-cadaval.pt - www.cm-cadaval.pt


39

Em caso de incĂŞndio ligue: 262 699 110 (B.V.C.) ou 112


Horário: De terça-feira a Domingo, das 9h30 às 12h30 e das 14h00 às 17h00 - Tel.: 262 777 88 - Site: www.realfabricadogelo.com (brevemente disponível)

Brevemente com visitas ao Centro de Interpretação do Monumento Nacional


SEPARATA DA REVISTA MUNICIPAL • QUADRIMESTRAL • SÉRIE III • Nº 25 • ABRIL 2009

Deliberar sobre o Concelho

Assembleia Municipal O órgão deliberativo do Município realizou, no período considerado para esta separata (Outubro de 2008 a Fevereiro de 2009), as seguintes sessões públicas: SESSÃO ORDINÁRIA DE 27 DE FEVEREIRO DE 2009

• Aprovação, com 29 votos a favor (14 PSD, 13 PS e 2 CDU) e 2 abstenções (1 PS e 1 CDU), do Protocolo de Delegação de Competências nas Juntas de Freguesia; • Eleição de membro para integrar a Assembleia Intermunicipal do Oeste, conforme os Estatutos da Comunidade Intermunicipal do Oeste, art. 13.º e Lei n.º 45/2008 de 27 de Agosto, no seu art. 11.º; • Aprovação, por unanimidade, da Nomeação de Juízes Sociais; • Aprovado, por unanimidade, da Prestação de Serviços de Auditoria Externa à empresa “Esteves & Pinho, SROC, Lda.”. SESSÃO ORDINÁRIA DE 19 DE DEZEMBRO DE 2008

• Aprovação, por 21 votos a favor (12 PSD, 6 PS e 3 CDU) e 8 abstenções (6 PS e 2 PSD), dos Estatutos da Oeste CIM - Comunidade Intermunicipal do Oeste; • Aprovação, por unanimidade, da Proposta de Alteração do Regulamento Municipal de Toponímia e Numeração de Polícia do Concelho do Cadaval; • Aprovação, por unanimidade, da Adesão à Entidade Regional do Pólo de Desenvolvimento Turístico do Oeste; • Aprovação, por 26 votos a favor (11 PS, 12 PSD e 3 CDU) e 3 abstenções (1 PS e 2 PSD), da reorganização da composição da Comissão Alargada no que respeita ao elemento em falta, a senhora Inês Alexandra Santos Ferreira; • Aprovação, por 28 votos a favor (13 PS, 12 PSD e 3 CDU) e 2 abstenções (PSD), da composição do Conselho Municipal de Segurança por 4 cidadãos de reconhecida idoneidade: Valentim Matias, Cipriano Silva Marques, João Francisco Ribeiro e José Emílio dos Reis Rodrigues; • Aprovação, por unanimidade, dos seguintes nomes para comporem o Conselho Municipal de Segurança, no que respeita aos 2 Presidentes de Junta de Freguesia do Concelho do Cadaval: Rui Manuel Martins Soares e Pedro Rodrigues Costa.

• Os membros eleitos para a Assembleia Intermunicipal do Oeste, conforme os Estatutos da Comunidade Intermunicipal do Oeste, art. 13.º e Lei nº 45/2008 de 27 de Agosto, no seu art. 11.º, foram os seguintes: Pedro Gaspar Rodrigues, Vitor Manuel Feliciano Pinteus, Diogo José Brochado Abreu, Carlos Gustavo Fernandes Patuleia. Por motivo de empate, o quinto elemento a integrar na Assembleia Intermunicipal do Oeste, será eleito na próxima Assembleia Municipal, agendada para 27 de Fevereiro de 2009; • Aprovação, por 14 votos a favor (14 PSD), 9 votos contra (7 PS, 2 CDU) e 8 abstenções (7 PS, 1 CDU), da proposta do orçamento e Grandes Opções do Plano para o ano 2009; • Aprovação, por unanimidade, da liquidação, por transmissão global, do património da Gescadaval – Gestão de Instalações e Equipamentos de Desporto, Cultura e Lazer, E.M.; • Aprovação, por 20 votos a favor (13 PSD, 7 PS) e 10 abstenções (7 PS, 3 CDU), do Interesse Público Municipal do Empreendimento Turístico “Quinta do Vale”, na localidade do Peral – Proposta de deliberação. SESSÃO EXTRAORDINÁRIA DE 19 DE NOVEMBRO DE 2008

• Definição das Taxas do Imposto Municipal sobre Imóveis, aprovadas por 15 votos (14 PSD, 1 CDU), 10 votos contra (8 PS, 2 CDU) e 5 abstenções (PS), de aplicar a taxa de 0,7% aos prédios urbanos e de 0,4% aos prédios urbanos avaliados;

Câmara Municipal No período de reuniões compreendido entre 15 de Outubro de 2008 e 17 de Fevereiro de 2009, foram estes alguns dos principais assuntos apreciados pelo órgão executivo do Município: LOTEAMENTOS

Neste âmbito, deferiram-se os seguintes processos:

• Processo n.º 02/2008, de MARIA DEOLINDA SANTOS CARVALHO GASPAR E OUTROS. – Loteamento Urbano, a ser edificado em Talho da Fonte, na freguesia e concelho do Cadaval; • Processo n.º 17/2004, de HERMÍNIO MIRANDA CATARINO. – Alteração de Loteamento Urbano, na freguesia e concelho do Cadaval; • Processo n.º 972/1997, de JOÃO HIGINO E COELHO, LDA. – Estacionamentos; • Processo n.º 01/2008, de JOSÉ JOAQUIM FERREIRA DA SILVA – Loteamento urbano a ser edificado em Rua do Moinho, na localidade de Casalinho, freguesia de Lamas, concelho do Cadaval; »»


• Processo n.º 07/2007, de PASCOAL PINTO CONSTRUCÕES, LDA – Loteamento urbano a ser edificado no Sítio da Lagoa, na vila do Cadaval.

como forma de comparticipação da aquisição de vestiário para o Grupo de Teatro “Os Lilazes”); • Ratificação da isenção do pagamento da taxa de cemitério por parte da Munícipe Adélia Fernanda da Conceição Estrela da Silva; • Ao Grupo Motard “Falcões do Montejunto”, no valor de ! 1.000,00 (mil euros), como forma de apoio à organização do VII Passeio TT em Alguber; • Deferimento do pedido da aluna Karla Geovana da Costa Gomes, referente ao apoio no pagamento do Serviço de Apoio à Família; • Deferimento dos pedidos referentes às alunas Adriana e Andreia de Sousa Prado, referentes ao pagamento do serviço de refeições e do complemento de horário; • Deferimento do pedido da aluna Joana Inácio Romão, referente ao pagamento do serviço de refeições; • Deferimento dos pedidos das alunas Neuza Isabel e Carolina Gomes Matias, no que concerne ao pagamento do Serviço de Refeições; • Ao Agrupamento de Escolas do Cadaval, no valor de ! 300,00 (trezentos euros), como forma de apoio às despesas realizadas com uma visita de estudo; • À Associação dos Bombeiros Voluntários do Cadaval, no valor de ! 5.000,00 (cinco mil euros), a fim de custearem a atribuição de subsídios aos participantes nos desfiles de Carnaval e o apoio à organização das actividades do Carnaval 2009; • Ao Montejunto Rally Clube, no valor de ! 2.000,00 (dois mil euros), como forma de apoio ao “Rally do Cadaval”; • À Fábrica da Igreja de S. João Batista de Pêro Moniz, no valor de ! 500,00 (quinhentos euros), como forma de apoio à reparação do arcaz da sacristia; • Ao Grupo Cultural e Recreativo de Vale Canada, no valor de ! 250,00 (duzentos e cinquenta euros), como forma de apoio às despesas com a realização do 5.º passeio de BTT; • Ao Grupo Amigos de Bem Fazer de Ventosa, no valor de ! 3.000,00 (três mil euros); • Atribuição dos seguintes subsídios, durante o ano económico de 2009:

OBRAS PÚBLICAS / EMPREITADAS • Aprovação do estudo prévio para a Remodelação e Ampliação da Escola do 1.º Ciclo do Ensino Básico de Alguber; • Aprovação do estudo prévio para a Remodelação e Ampliação da Escola do 1.º Ciclo do Ensino Básico de Figueiros; • Aprovar do estudo prévio para a Remodelação e Ampliação da Escola do 1.º Ciclo do Ensino Básico da Murteira. PEDIDOS DE APOIO / ATRIBUIÇÃO DE SUBSÍDIOS

• À Associação de Melhoramentos Cultura e Desporto de Casais de Montejunto, no valor de ! 1.000,00 (mil euros), como forma de apoio às obras de reboco de paredes, colocação de piso e substituição de telhado; • Ratificação da isenção de 50% do valor do pagamento dos transportes escolares da aluna Joana Marisa Domingas Anastácio, no ano lectivo de 2008/2009; • Ratificação da isenção da aluna Miriam Ferreira Menezes do pagamento dos transportes escolares no ano lectivo de 2008/2009; • À Fábrica da Igreja de Nossa Senhora da Conceição de Alguber, no valor de ! 750,00 (setecentos e cinquenta euros), como forma de apoio às despesas dos trabalhos de arranjo parcial da capela-mor da Igreja do Espírito Santo, em Alguber; • À Fábrica da Igreja de Figueiros, no valor de ! 500,00 (quinhentos euros), como forma de apoio às despesas de remodelação da cave do Centro de Saúde de Figueiros, propriedade da Fábrica da Igreja de Figueiros; • À Associação Cultural Desportiva Recreativa de Melhoramentos do Pereiro, no valor de ! 500,00 (quinhentos euros), como forma de apoio às despesas com as obras de manutenção da Associação; • Ratificação da isenção da aluna Tânia Isidro Gomes Anastácio de 50% do pagamento dos transportes escolares, no ano lectivo de 2008/ /2009; • Ratificação da isenção do aluno Tiago Manuel Correia de Sá da Silva do pagamento dos transportes escolares, no ano lectivo de 2008/2009, devendo esta isenção ficar condicionada a nova avaliação no final do 1.º período; • Ratificação da atribuição do escalão “A” à Aluna Maria Leonor Baeta Martinho, bem como da autorização de requisição, aquisição e entrega de livros escolares no âmbito das medidas previstas no Regulamento do Serviço de Apoio à Família; • À Fábrica da Igreja Paroquial de São Sebastião do Peral, no valor de ! 1.000,00 (mil euros), como forma de apoio às obras de restauro do coro alto da Igreja Paroquial; • Ratificação da isenção dos alunos Rui André Rodrigues Barardo e Soraia Raquel Rodrigues Garcia do pagamento do serviço de refeições, no ano lectivo de 2008/2009; • À Associação Sociedade Filarmónica 1.º de Dezembro de Pragança, no valor de ! 1.000,00 (mil euros), como forma de comparticipar a aquisição do fardamento; • À União dos Amigos de Palhais, no valor de ! 1.000,00 (mil euros), como forma de comparticipação da reparação do palco;

NOME DA ENTIDADE / /ORGANISMO Ass. H. dos Bombeiros Voluntários do Cadaval Ass. H. dos Bombeiros Voluntários da Cadaval (Protecção Civil) Núcleo do Cadaval da Cruz Vermelha Portuguesa Câmara Cadaval Clube – Sector de Acção Social

Cadaval

SEDE

NATUREZA DA ACTIVIDADE Social

SUBSÍDIO ANUAL (€) 20 000

DUODÉCIMO JAN.a FEV. (€) 1 667

DUODÉCIMO DEZEMBRO (€) 1 663

Cadaval

Protecção Civil

11 000

917

913

Cadaval

Acção Social

3 250

271

269

Cadaval

16 000

1 334

1 326 500

Associação Filarmónica e Cultural do Cadaval Sociedade Filarmónica 1º de Dezembro Grupo Gente Gira

Cadaval

Benef. sociais a func. municipais e seus familiares Cultural

6 000

500

Pragança

Cultural

6 000

500

500

Cadaval

Cultural

3 000

250

250

Grupo Coral do Cadaval

Cadaval

Cultural

3 600

300

300

Associação Musical Vilarense Ventosa Atlético Clube

Vilar

Cultural

3 000

250

250

Casa do Povo do Concelho do Cadaval

Ventosa

Cultural

1 800

150

130

Cadaval

Desportivo

6 000

500

500

APOIO A CARENCIADOS

• Ratificação do pedido de apoio efectuado pela Munícipe Maria Isabel Romão Santos, referente a materiais para construção de uma casa de banho, pavimentação do piso da casa em tijoleira e reboco das paredes interiores; • Ratificação da isenção dos munícipes José Henrique da Silva Calisto e Francisco José Inácio do Rego, ambos residentes na freguesia de

• Ao Grupo Desportivo Vilarense, no valor de ! 1.000,00 (mil euros),

2


Alguber, do pagamento das despesas inerentes à construção e ligação do ramal de água; • Ratificação da aquisição de um frigorífico, até ao valor de !250,00 (duzentos e cinquenta euros), para a Munícipe Susana Rosário Figueiredo Rodrigues. DIVERSOS

lidade de voleibol (veteranos), com projecção regional e nacional…»; • Ratificação do Pagamento, por parte da Câmara, dos encargos com a realização XII Duatlo do Cadaval - Campeonato Nacional de Grupos de Idades, bem como da aprovação do protocolo com a Federação de Triatlo de Portugal.

MOVIMENTOS DE PESSOAL

• Ratificação da Cedência das Instalações da Escola Primária do Cadaval e aprovação da minuta do contrato entre o Município do Cadaval e a Junta de Freguesia do Cadaval; • Aprovação do Projecto de Requalificação da Rua do Vale de Abrigo; • Aprovação de um voto do maior pesar pelo falecimento do Dr. Carlos Leonel Pereira dos Santos, Ex-Autarca deste Município, e da manifestação, a toda a sua família e amigos, de profunda consternação e sentidas condolências; • Aprovação do contrato de comodato, entre o Município e o GPS – Grupo Partilha e Solidariedade (apoiado por várias entidades entre elas o BAO – Banco Alimentar do Oeste), a vigorar pelo prazo de 5 (cinco) anos; • Ratificação de Contrato de Arrendamento de Prédio Rústico para fins de Produção de Energia Eólica; • Ratificação da Doação e Venda dos Terreno de Manuel Leite Pereira de Melo – Peral; • Aprovação da Actualização das Tarifas de Abastecimento de Água, Recolha de Lixo, Ramais de Água e Esgoto, e de Aferição, Colocação e Ligação de Contadores de Água, para o ano de 2009 em 2,7%; • Aprovação da memória justificativa e descritiva para a execução do Cruzamento entre a Av. dos Bombeiros e a Av. Dr. Francisco Sá Carneiro; • Aprovação do estudo prévio para a Reabilitação da Rua do Rossio, na vila do Cadaval; • Aprovação do estudo prévio para a Reabilitação da Rua João Santa Bárbara, na vila do Cadaval; • Aprovação do Acordo de Colaboração entre o Município do Cadaval e o C.C.C. - Câmara Cadaval Clube, referente ao 4.º Campeonato Concelhio de Futsal; • Autorização da Permuta de Loja, solicitada por Maria Leonor de Matos Luis Lopes, no Mercado Municipal do Cadaval; • Aprovação das normas reguladoras de utilização e respectivo tarifário da Piscina Municipal do Cadaval; • Aprovação de um voto de pesar e endereçamento de sentidos pêsames à família enlutada pelo falecimento de Jorge Manuel dos Reis, tesoureiro da Junta de Freguesia da Vermelha; • Aprovação do horário de funcionamento e respectivo tarifário da Real Fábrica do Gelo; • Aprovação de uma proposta de “Homenagem ao Professor Daniel Nascimento Nunes Carinhas”, apresentada pelo Vereador, Prof. Mário Albino Isidoro dos Santos, onde é sugerido «Que a Câmara Municipal do Cadaval recomende o seu nome, “Professor Daniel Carinhas”, para patrono da Escola EB 2,3 do Cadaval.» e também «Que a Câmara Municipal do Cadaval promova um evento desportivo anual na moda-

(OUTUBRO DE 2008 A FEVEREIRO DE 2009) INTEGRAÇÃO DO PESSOAL DA GESCADAVAL, E.M. Carlos José da Silva Queirós David José Prazeres Leiroz Carlos Filipe Soares Alexandre Ana Maria Lourenço Clemente Pereira Amélia Maria Lopes Justino Leandro Maria de Jesus Silva Pereira Belchior André Henriques Vieira CELEBRAÇÃO DE CONTRATOS DE TRABALHO A TERMO CERTO Ana Sofia Casquilho Vidigal Frade Simões - Auxiliar Administrativo Ana Adelaide Matos Sequeira Pinteus - Técnica de Produção Biológica Vitor Manuel Dias Semedo Pereira - Cantoneiro de Vias Municipais Luís António da Silva Ribeiro - Cantoneiro de Vias Municipais Mário Jorge da Conceição Ferreira - Cantoneiro de Vias Municipais Marco Filipe Silva Santos - Cantoneiro de Vias Municipais RENOVAÇÃO DE CONTRATOS DE TRABALHO A TERMO CERTO Joana Margarida Gomes da Costa - Auxiliar de Acção Educativa nível 1 Rogério Duarte Santos - Fiscal Municipal Filipe Alexandre Simões Ferreira Soares - Técnico de Serviços Jurídicos NOMEAÇÃO EM REGIME DE SUBSTITUIÇÃO Rogério Soares Leite da Silva - Chefe de Divisão PROMOÇÕES Teresa Cristina Gaspar Rocha - Assistente Administrativo Principal Pedro Manuel Leandro Tomaz - Assistente Administrativo Especialista Edgar da Silva Almeida Emídio - Assistente Administrativo Especialista Isabel Maria Porfírio Torres - Assistente Administrativo Especialista Paula Cristina Varela Henriques Garcia - Ass. Administrativo Especialista Rui Manuel Rodrigues - Assistente Administrativo Especialista Tânia Alexandra Tavares dos Santos Duarte - Ass. Administrativo Especialista Filomena Maria de Sá Coelho Esteves - Ass. Administrativo Especialista José Santos Fialho - Calceteiro Principal Alexandre Miguel dos Santos Franquelim - Pedreiro Principal Isabel Filipa Tavares Domingos Rodrigues - Desenhador Especialista Principal Ana Paula Martins Magueijo - Técnico Superior de Serviço Social Assessor Manuel João Leitão da Silva - Fiscal Municipal Especialista Principal RECLASSIFICAÇÔES PROFISSIONAIS Ângelo Miguel Rodrigues Oliveira - De Auxiliar Administrativo para Assistente Administrativo Maria Emília Lavareda Santos Correia - De Auxiliar de Serviços Gerais para Auxiliar de Acção Educativa Mara Joana Miranda da Silva - De Auxiliar de Serviços Gerais para Auxiliar de Acção Educativa

NÃO RECEBO REGULARMENTE A REVISTA MUNICIPAL EM CASA. QUEIRAM ENVIAR-MA PARA O SEGUINTE ENDEREÇO: NOME MORADA -

TEL.:

3

Recorte este cupão e envie-o, por carta, para o Gabinete de Informação e Relações Públicas da Câmara Municipal do Cadaval, Av. Dr. Francisco Sá Carneiro - 2550-103 CADAVAL


EDITAL Nº. 02 / 2009

EDITAL Nº. 12 / 2009 PUBLICITAÇÃO DAS TRANSFERÊNCIAS CORRENTES E DE CAPITAL 2.º Semestre de 2008

ACTUALIZAÇÃO DE TARIFÁRIO PARA 2009 ----------ARISTIDES LOURENÇO SÉCIO, Presidente da Câmara Municipal de Cadaval:------------------TORNA PÚBLICO, na sequência do deliberado pela Câmara Municipal de Cadaval, em sua reunião ordinária, realizada em 23 de Dezembro transacto, que foi APROVADO O NOVO TARIFÁRIO, para vigorar a partir do dia 01 de Janeiro de 2009, de ABASTECIMENTO de ÁGUA, RAMAIS de ÁGUA e ESGOTO, RECOLHA de LIXO, AFERIÇÃO, COLOCAÇÃO e LIGAÇÃO de CONTADORES de ÁGUA. ----------Assim, o TARIFÁRIO em causa passará a ser o seguinte:-----------------------------------TARIFAS DE ÁGUA

Valor/m

ENTIDADE

3

DOMÉSTICO Até 5 m

3

0,67 €

3

De 6 m a 10 m

3

0,67 €

3

3

0,87 €

3

3

2,05 €

De 11 m a 15 m De 16 m a 20 m > a 20 m

3

2,77 € COMÉRCIO, INDÚSTRIA, INSTITUIÇÕES C/ FINS LUCRATIVOS

Até 10 m

3

1,42 €

3

De 11 m a 20 m > a 20 m

3

1,42 €

3

2,88 € INST. BENEF., ASSOCIAÇÕES, FREGUESIAS 0,67 €

Escalão único ESTADO (Escolas, Centros de Saúde e outros)

2,67 €

Escalão único

RAMAIS DE ÁGUA EXECUÇÃO DO RAMAL Comprimento

Diâmetro

REPOSIÇÃO DO PAVIMENTO Valor

¾ polegada

Até 5 metros:

Valor 190,00 €

63,67 €

1 polegada

256,75 €

63,67 €

1,5 polegadas

636,74 €

63,67 €

2 polegadas

924,30 €

63,67 €

3 polegadas

1.283,75 €

63,67 €

¾ polegada

6,37 €

9,55 €

1 polegada

8,32 €

9,55 €

12,73 €

9,55 €

1,5 polegadas Por cada metro 2 polegadas além dos 5 e até aos 50 metros: 3 polegadas

15,41 €

9,55 €

19,10 €

9,55 €

¾ polegada

5,14 €

8,32 €

1 polegada

6,37 €

8,32 €

11,50 €

8,32 €

1,5 polegadas

Por cada metro 2 polegadas 14,38 € 8,32 € além dos 50 metros: 3 polegadas 17,87 € 8,32 € Nota: Nas alterações de ramais será cobrado um valor mínimo de 50 €, sempre que o respectivo orçamento seja inferior a este montante.

Comprimento

Até 5 metros:

Por cada metro além dos 5 e até aos 50 metros: Por cada metro além dos 50 metros:

Diâmetro 190,00 €

63,67 €

200mm

256,75 €

63,67 €

125mm

12,73 €

9,55 €

200mm

17,25 €

9,55 €

125mm

10,17 €

8,32 €

200mm

13,35 €

30,81 €

OUTRAS TARIFAS A APLICAR EM SERVIÇOS PRESTADOS A TERCEIROS Valor/hora Pessoal Operário

10,27 €

Retroescavadora

30,81 €

Mini-Retroescavadora

25,68 €

Viatura ligeira s/motorista

10,27 €

Viatura Pesada

25,68 €

Tractor

20,54 €

Outra maquinaria ligeira Limpeza de fossas

5,14 € 10,00 € 4,00 €

1.º tanque por cada tanque adicional

Valor p/mês

4,11 €

Outras

p/mês

2,05 €

Aos preços apresentados acresce IVA à taxa legal em vigor. ———————————— ———Para conhecimento geral se publica o presente Edital e outros de igual teor que vão ser afixados nos lugares públicos do Concelho. ———————————————— ———E eu, Dra. Ana Maria Almeida Barata Leandro, Chefe da Divisão Administrativa e Financeira, da Câmara Municipal de Cadaval, o subscrevi.—-———————————— Paços do Município de Cadaval, 05 de Janeiro de 2009 O Presidente da Câmara, Aristides Lourenço Sécio

1.500,00 €



Ass. Empresarial do Concelho do Cadaval

1.500,00 €



Ass. Desportiva, Cultural e Recreativa do Painho

1.000,00 €

  

3.000,00 € 9.998,00 €

           

Ass. Filarmónica e Cultural do Cadaval Ass. Humanitária B.V. de Cadaval Ass. Humanitária B.V. de Cadaval (Grupo de Intervenção Permanente) Ass. Hum. B.V. de Cadaval (Protecção Civil) Ass. Murteirense de Cult., Desp. e Solidariedade Ass. Melh. Cult. Desp. Casais de Montejunto Ass. Melhoramentos Cultura e Desporto da Póvoa Ass. Musical Vilarense Ass. Mutualista da Freguesia do Vilar Ass. Social Recreativa e Desportiva do Cercal Ass. Recr. Cul. Desp. e de Melhor. do Pereiro Câmara Cadaval Clube – Acção Social Câmara Cadaval Clube – Activid. Protocoladas Casa do Povo do Concelho do Cadaval Centro Cultural, Desp. e Recrea. de Rocha Forte



Clube Atlético do Cadaval

               

Corpo Nac. de Escutas – Esc. Católico Português Corpo Nacional de Escutas Agrup. 601 - Vilar Fábrica da Igreja Paroquial da Freguesia de Peral Fáb. da Igreja Par. S. João Baptista de Pêro Moniz Grupo Recreativo Martinjoanense Grupo Coral do Cadaval Grupo Desportivo Vilarense Grupo Gente Gira Montejunto Rally Clube Núcleo da Cruz Vermelha – Cadaval Santa Casa da Misericórdia do Cadaval Soc. Cultural, Desp. e Recreativa de Figueiros Sociedade Desportiva e Recreativa de Alguber Soc. Filarmónica 1.º de Dezembro - Pragança União dos Amigos de Palhais Ventosa Atlético Clube

800,00 €

21.105,30 € 5.498,00 € 2.065,00 € 1.000,00 € 500,00 € 1.500,00 € 6.000,00 € 500,00 € 500,00 € 8.001,00 € 2.426,00 € 3.998,00 € 1.000,00 € 18.016,45 € 500,00 € 1.000,00 € 1.000,00 € 1.000,00 € 750,00 € 1.800,00 € 2.900,00 € 2.250.00 € 2.000,00 € 1.624,00 € 1.375,00 € 1.000,00 € 1.000,00 € 4.500,00 € 1.000,00 € 780,00 €

Paços do Município de Cadaval, 05 de Janeiro de 2009 O Presidente da Câmara, Aristides Lourenço Sécio

RECOLHA DE LIXO

Comércio / Industria

Adão Lobo Sporting Clube

para o ano financeiro de 2009

25,68 €

20,54 €



10.450,00 €

--------ARISTIDES LOURENÇO SÉCIO, Presidente da Câmara Municipal de Cadaval:-------------------Torna público, em cumprimento do disposto no artº. 49º, da Lei n.º 2/07, de 15 de Janeiro, conjugado com o artº 4º, do Decreto-Lei n.º 54-A/99, de 22 de Fevereiro, que a Assembleia Municipal de Cadaval, em sua sessão ordinária, realizada em 19 de Dezembro último, aprovou, para vigorar no ano de 2009, as OPÇÕES do PLANO e o ORÇAMENTO desta Autarquia, que, por esta Câmara Municipal, lhe foi proposto.--------------------------------------------------------------------O referido instrumento de gestão importa na quantia de 18.814.019 (dezoito milhões oitocentos e catorze mil e dezanove euros), repartido, respectivamente, pela receita e despesa, que apresentam os seguintes montantes, estando aquele patente nos serviços municipais, nos termos e para os efeitos definidos na Lei: Receitas Correntes 9.275.593 euros Receitas de Capital 9.538.426 euros Despesas Correntes 9.256.102 euros Despesas de Capital 9.557.917 euros --------Para constar e devidos efeitos se fez o presente EDITAL e outros de igual teor que vão ser afixados nos locais mais públicos do costume.-------------------------------------------------------------E eu, Dra. Ana Maria Almeida Barata Leandro, Chefe da Divisão Administrativa e Financeira da Câmara Municipal de Cadaval, o subscrevi.--------------------------------------------

OUTROS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

Religação do serviço (quando não é efectuada coloc. de contador)

Ass. de Municípios Portugueses do Vinho

EDITAL Nº. 01 / 2009

8,32 €

Novo contrato de água (colocação de contador e ligação)

Apas Floresta – Ass. de Produtores Florestais



PUBLICIDADE das OPÇÕES do PLANO e ORÇAMENTO

Nota: Nas alterações de ramais será cobrado um valor mínimo de 50 €, sempre que o respectivo orçamento seja inferior a este montante.

Aferição de contador



1.500,00 €

Paços do Município de Cadaval, 03 de Março de 2009 O Presidente da Câmara, Aristides Lourenço Sécio

REPOSIÇÃO DO PAVIMENTO

125mm

AMI – Assistência Médica Internacional

---------Para constar e devidos efeitos se fez o presente EDITAL e outros de igual teor que vão ser afixados nos locais mais públicos do costume.--------------------------------------------------------------E eu, Dr.ª Ana Barata Leandro, Chefe da Divisão Administrativa e Financeira da Câmara Municipal de Cadaval, o Subscrevi.--------------------------------------------------------------

RAMAIS DE ESGOTO

EXECUÇÃO DO RAMAL

Valor



4

Reuniões Públicas do Órgão Executivo - 2.º Semestre de 2009 - Início das reuniões e período de atendimento ao público: 14.30 horas Freguesia de Peral.................................07 de Julho Freguesia de Pêro Moniz........................04 de Agosto Freguesia de Vermelha.......................... 01 de Setembro Freguesia de Vilar..................................13 de Outubro Freguesia de Cadaval........................... 10 de Novembro Freguesia de Cadaval............................09 de Dezembro

Revista Municpal Nº 25  

Revista Municpal Nº 25

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you