Issuu on Google+

OUT/NOV 2013 | Nº2 | DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

INCÊNDIO DEIXA DESABRIGADOS NO BAIRRO

ACIDENTE PROVOCA DESTRUIÇÃO DE SETE MORADIAS; 24 FICAM SEM CASAS

“NUNCA PASSEI POR UMA SITUAÇÃO COMO ESSA”, DIZ MORADORA

OUT/NOV 2013 | www.clickumolhar.com | PIRITUBA |1 Recicle e compartilhe com a sua turma. Não a jogue nasACONTECE vias públicas.


FALA, CLICK!

INDOMÁVEIS SONHADORES Todos nós temos sonhos na vida, alguns são maiores que outros, mas todos são sonhos e, por serem o que são, não devem ser deixados de lado. A vida nos traz barreiras que podem tornálos incertos. Mas, se aquilo que quisermos for verdadeiro, com muita persistência e trabalho, podemos conquistar. Aqui, na revista Pirituba Acontece, você já deve ter lido histórias de pessoas que estão batalhando por seus objetivos. Cada membro da nossa equipe possui seus sonhos particulares — dos mais variados tipos. Contudo, também existe um que é comum a todos nós: um sonho de mudança que envolve todo o projeto e o bairro de Pirituba. É claro que o nosso desejo coletivo também depende de você, leitor. Por isso, nos esforçamos para levar o melhor até você, seja nos textos, ou em cada detalhe da nossa revista. Nessa edição, você acompanha histórias de pessoas que estão correndo atrás do que querem. Mais piritubanos que estão na batalha para divulgar ao mundo o que fazem de melhor, aquilo pelo o que querem ser reconhecidos e reconhecidas. É sempre bom pensar que, todos os dias, muitas pessoas passam por provações. Não devemos pensar de modo egocêntrico e achar que coisas ruins acontecem apenas conosco. A vida não é fácil, mas é isso que nos dá mais vontade de lutar pelos nossos sonhos, para sentir o gosto da satisfação quando tudo der certo, para podermos olhar para o passado e dizer com orgulho: “eu consegui”.

Equipe Click

CLICKERS: ADRIANE TOSCANO, ANA LAURA FERRARI, BEATRIZ XAVIER, BRUNNA SEIXAS, CAROLINA TEIXEIRA, CRIS BIBIANO, ANDRÉ MUZETTI, EDSON CALDAS, EVELYN KAZAN, GABRIELA LUCENA, IGOR DOS SANTOS, JULIA REIS, KARINE FERREIRA, LEONARDO LIBEIRO, LILIAN FERRARI, LOLLA RODRIGUEZ, LUCAS SENA, MARINA NAGAMINI, MIRELLA NICOLAU, ROBERTA CAROLINE, SAMUEL PARMEGIANI, THALITA XAVIER, THAMIRES CASTANHA, VANESSA COSCIA, VICTHOR FABIANO E YAGO RUDÁ. DIAGRAMAÇÃO: EDSON CALDAS, EVELYN KAZAN, JULIA REIS, IGOR DOS SANTOS E VICTHOR FABIANO. RESPONSÁVEIS: EDSON CALDAS E EVELYN KAZAN. PARA ANUNCIAR, LIGUE: (11) 9.9496.4503 / 3834.7585

2 | PIRITUBA ACONTECE | www.clickumolhar.com | OUT/NOV 2013

COPIE E DISTRIBUA, MAS DÊ CRÉDITOS À PIRITUBA ACONTECE.


FALA, CLICK!

DE TUDO UM POUCO

al

d en

T

ez pa rio ixos v á t da Ba en & ck cum i l s C to Do Al

PIRITUBANDO Falha nos trens provoca indignação aos usuários | pág 6

a aL

d

Fábrica de fundição de sinos | pág 7

CULTURAÇÃO Entrevista com Lya Mazzetto | pág 8 Casa de cultura no bairro | pág 9 Pirituba no YouTube | pág 10 Lixo é transformado em brinquedo | pág 11

LIÇÃO DE CASA O legados dos professores | pág 14

ESPECIAL

FOGO NA SPAMA

Na noite do dia 20 de outubro, um incêndio destruiu sete moradias e deixou 24 desalojados na comunidade — localizada na Av. Raimundo Pereira de Magalhães, próxima ao número 2700, no Jardim Felicidade | pág 12

Brinquedos feitos por crianças | pág 16 Diário da Educação | pág 17

a sua opinião aqui

Olá! Recebi um exemplar da revista de agosto/setembro na minha escola (ETEC PIRITUBA) e me interessei bastante pelo projeto, gostaria de saber se/como é possível ingressar na equipe. Ela é renovada a cada ano, como funciona? Larissa Alves, via e-mail

Olá, Larissa! Ficamos contentes com o seu interesse em participar do projeto. Renovamos a turma todos os anos, mas também recebemos novos integrantes fora da época de inscrições. Basta enviar seus dados para nós. Abraços!

“ “

“ “

ouvindo vozes

Parabéns para o projeto, bela iniciativa!!! Paula M. Castro, via Facebook

Queria dar parabéns pela atitude e pelas ações que vocês promovem. Fui aluno do Marchetti. Gostaria de me colocar à disposição. Rodrigo Vieira, via Facebook

OUT/NOV 2013 | www.clickumolhar.com | PIRITUBA ACONTECE | 3


DE TUDO UM POUCO variedades

ESPAÇO CULTURAL TENDAL DA LAPA

leganda legenda leganda legenda leganda legenda leganda legenda leganda legenda leganda legenda leganda legenda | Foto: Carolina Teixeira

O Tendal da Lapa foi ocupado por um grupo de teatro há 24 anos, iniciando suas atividades. Elas eram exercidas numa tenda, pois a expressão mais forte era a do circo e do teatro. Com o tempo, surgiram diversos grupos artísticos com modelos diferentes de trabalho. O tendal é uma casa de cultura que respeita e promove a diversidade e tem como principal função levar a linguagem artística à população mais carente. Em 2005, estado e prefeitura tentaram transformar, por meio de um acordo, o espaço em um Poupatempo. Entretanto, a união de artistas,

frequentadores e o público da região evitou que o objetivo do acordo fosse concretizado, pois criaram um movimento em defesa ao Tendal. Hoje, conta com 24 oficinas gratuitas, na área de dança, teatro, lutas, música, pintura, entre outras. Carla Monteiro, coordenadora do projeto, afirma que “a média de frequência do espaço é de 2.000 pessoas por mês”. As inscrições para as atividades do Tendal são oferecidas para o público a partir dos 10 anos. “A cada semana são abertas vagas para novas oficinas. No momento estamos com vagas abertas para: Dança Vocacional, violão popu-

4 | PIRITUBA ACONTECE | www.clickumolhar.com | OUT/NOV 2013

lar, dança irlandesa, dança de rua, iniciação de teatro, musicalização infantil, dança de salão, samba rock, dança de expressão corporal, acrobacia área, entre outras”, conclui Carla. Ficou curioso para conhecer o espaço e as oficinas? Dê uma passada lá e confira! Entradas: Rua Constança, 72, e Rua Guaicurus, 1100 (próximo à Estação Ciência e ao Terminal Lapa). Telefone: (11) 3862-1837. Para mais informações: http://tendaldalapa.blogspot.com.br/


CLICK DA VEZ ASSISTA PIRITUBA No dia 29 de maio deste ano, foi publicado no YouTube um documentário sobre Pirituba, realizado em conjunto com a Secretaria Municipal da Educação e Secretaria Municipal de Cultura. A história do bairro é contada por alunos da Escola Municipal de Ensino Fundamental Monteiro Lobato, imitando a produção de um trabalho escolar. Dirigido por Eduardo Kishimoto, o filme aborda o surgimento de Pirituba e fatos interessantes sobre o bairro, que muita gente não sabe, como a existência de um quilombo na região na época da escravidão. “Nós sabemos muito pouco sobre o bairro em que a gente mora e, por isso, que vamos buscar a história”, defende uma educadora no início do vídeo. Para assistir ao documentário: http://migre.me/gkjZ6 Vista do Teatro Nair Bello, no Shopping Frei Caneca, localizado no centro da capital paulista | Foto: Olga Bagatini

EXPOSIÇÃO

EXIBIÇÃO DE FILMES

Está em cartaz uma mostra sobre Stanley Kubrick, criador de clássicos do cinema, como “Laranja Mecânica”, no Museu da Imagem e do Som (MIS), até o dia 12/01. Os ingressos custam até R$ 10 (ou R$ 20, pela internet). A exposição fica aberta das 12h às 22h, de terça a sexta, e das 11h às 21h, aos finais de semana e feriados.

No dia 24/11, vai ocorrer no CCBB SP (Centro Cultural Banco do Brasil), no centro, o “Brasil Tela Para Todos – Perspectivas Contemporâneas”. Serão exibidos os filmes “De Passagem”, ”Madame Satã” e ”A Casa de Alice”, a partir das 14h. Os ingressos custam até R$ 4. Outras exibições ocorrerão nos próximos meses.

Foto: Divulgação

ALTOS E BAIXOS Evento “Chega de Cinza”, realizado na E.E Ermano Marchetti, no dia 31 de agosto, pelo Projeto Click e pelo grafiteiro Menc em parceira com a escola. Reuniu em torno de 60 grafiteiros, além de atrações musicais e oficinas sobre a cultura.

A revista foi fotografar as calçadas próximas à ETEC Pirituba, para denunciar suas más condições. Contudo, a equipe foi assaltada à mão armada. Teve o equipamento roubado, evidenciando outro problema na região: a segurança. OUT/NOV 2013 | www.clickumolhar.com | PIRITUBA ACONTECE | 5


PIRITUBANDO

por dentro da região

FORA DO TRILHO

Falhas e superlotações têm causado indignação entre os usuários da Linha 7-Rubi da CPTM | Foto: Freepik

Cris Bibiano

Mesmo com nome de pedra preciosa, a linha Rubi-7 da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) parece não ser tratada como algo de grande valor, como suas homônimas raras. Muito menos é um meio de transporte de qualidade para os, aproximadamente, 400 mil usuários que transitam todos os dias da estação da Luz, passando por Francisco Morato até Jundiaí. A linha foi inaugurada em 1867, e possui 60,5 quilômetros de extensão. As falhas e superlotações têm causado indignação entre os usuários do transporte. “São máquinas antigas e velhas, e são raras as exceções que circulam os trens novos ‘vermelhos’ na linha”, comenta o morador de Caieiras, Wellington Bortolotti. “É desumano”, acrescenta. “Você não consegue entrar nos vagões, estão sobrecarregados de passageiros. Eu ainda tenho sorte, porque em Caieiras, de manhã, passa um trem a cada 30 minutos, mas quando ele chega em Pirituba é um caos para as pessoas entrarem no vagão“, completa Bortolotti. Devido às constantes falhas e ao grande intervalo de tempo entre os trens, a superlotação é frequente — uma vez que o usuário não tem opção em não enfrentar esse horário de “pico”, não pode chegar atrasado ao trabalho pelo risco de demissão. A moradora de Pirituba, Denise Paiva, que utiliza as linhas

6 | PIRITUBA ACONTECE | www.clickumolhar.com | OUT/NOV 2013

7-Rubi e 9-Esmeralda, diariamente, reclama da situação. Ela acredita que “os trens da linha 9- Esmeralda são melhores, mais modernos e com ar condicionado”, em comparação aos da Linha 7-Rubi. A jovem moradora de Jaraguá Milena Brandão de Campos aponta que as constantes interrupções de circulação de trens aos fins de semana (que segundo a CPTM visam melhorias do sistema) não parecem ter resultado. “Não há melhoras até o momento e, mesmo durante a semana, muitas vezes a operação é bem lenta, principalmente nos horários de pico.” No dia 30 julho, um trem da Linha 7 descarrilou entre as estações Piqueri e Pirituba, quando seguia da cidade de Jundiaí rumo à estação da Luz, deixando um ferido. Novamente, em 18 de setembro, houve um descarrilamento de trem de carga, que bateu em uma composição de passageiros próximo à estação Franco da Rocha, da mesma Linha 7. O acidente feriu 16 usuários. A Pirituba Acontece entrou em contato com a assessoria de imprensa da CPTM, mas não obteve retorno a respeito das causas dos descarrilamentos de trens na linha. O Ministério Público de São Paulo (MP-SP) investiga denúncias de superfaturamento em contratos e de formação de cartel nas licitações do Metrô e da CPTM, que vigora desde 1998 no estado.


Foto: Arquivo pessoal

FUNDIÇÃO DE SINO antiga fábrica em Pirituba

Evelyn Kazan e Ingrid Alves

O

metalúrgico Sergio Marenco foi responsável por cuidar da Fundição de Sinos Crespi, localizada na Vila Mirante, em Pirituba (SP), em 1959. A empresa foi importante porque ajudou no desenvolvimento do bairro. Agora, a antiga indústria vai virar um museu. Para Sergio Crespi Marenco, neto e sucessor do mestre e artífice de sinos, Giácomo Crespi, a empresa foi importante, pois “faz parte da história e do progresso da minha família ao longo dos anos, um sonho que virou realidade”. “A Fundição de Sinos Crespi tem uma marca importante para a região de Pirituba, pelo simples fato de que não é em qualquer lugar que temos uma Fundição de Sinos artesã com mais de 500 Anos”, diz Vinicios, sobrinho de Sergio. Após deixar a Itália, Marenco desembarcou no Brasil em busca de oportunidade de trabalho. Chegou em Santos em 16 de julho de 1958, e começou a trabalhar como Supervisor na Fundição Sofuge no período noturno, e durante o dia, como técnico na Fundação Bonotto, na Barra Funda. Em 11 de julho de 1959, sua família chega ao Brasil e se fixa em Pirituba, no Jardim Itapeva – atual Jardim Santa Mônica. A família de Marenco era composta por sua esposa Giuseppina Crespi Marenco, seus dois primeiros filhos Piergiorgio e Roberto e pelo pai de Giuseppina, Giácomo Crespi - herdeiro da tradição em fundir sinos, iniciada por Domenico Crespi, em 1498 na cidade de Crema – Itália.

Posteriormente o casal teve mais dois filhos aqui na região, Sergio e Flávio. Diante das decadências das fundições de sino na Europa, Giacomo vislumbra novas possibilidades com a construção de uma capital no país (Brasília), e decide transferir sua indústria para o Brasil. Instalando assim, em Pirituba, a fábrica que integra o grupo de fundições mais antigas do ramo, dando prosseguimento a uma tradição de cinco séculos da Família Crespi. O local para o qual a família se mudou era uma antiga cocheira da fazenda Balthazar Fidélis. Na época, a região carecia de energia elétrica, asfalto nas ruas e transporte coletivo. Próximo à fazenda havia um grande brejo tomado por taboas (plantas), além das famosas pescarias no córrego Ribeirão Vermelho, atualmente um córrego poluído. A falta de energia elétrica os obrigava a fundir os sinos com lenha, alguns deles ali fabricados estão instalados em vários locais no Brasil e no Exterior, como Egito, Itália, Portugal, entre outros. Sergio Marenco faleceu em seis de abril deste ano, e foi uma figura importante para a região. Pois ajudou a impulsionar o desenvolvimento da região, dedicando, não só a fundição, mas também a causas públicas, tendo defendido junto a governantes as necessidade do bairro, obtendo várias melhorias. OUT/NOV 2013 | www.clickumolhar.com | PIRITUBA ACONTECE | 7


~

~

CULTURACAO vida, música, teatro, cinema

Ana Laura Ferrari e Samuel Parmegiani

PRONTA PARA BRILHAR

Lya Mazzetto, o novo talento de Pirituba, conta a história de sua carreira, as mudanças após o tempo que passou como uma das Leoas e a participação no “Programa Raul Gil”. Conheça sua paixão pela música e pela a dança e sua relação com o bairro em uma entrevista exclusiva à Pirituba Acontece! Como você começou a cantar? Sempre foi uma coisa que existiu dentro de mim, só que eu tinha muita vergonha quando criança. Não deixava ninguém ver, minha família foi a última a saber que eu cantava. Com o passar do tempo, a gente vai aprimorando e perdendo a vergonha. Quais são suas influências musicais? Tenho muita influência do jazz, principalmente de Ella Fitzgerald, Barbra Streisand e Billie Holiday. São minhas três divas. Na música nacional, comecei a cantar ouvindo Elis Regina. Sempre gostei de música mais triste e também das de protesto, como as do Chico. Tem ainda Milton Nascimento, Caetano e Djavan. Como foi sua participação no programa do Leão Lobo, como uma Leoa? Foi uma surpresa muito grande. A experiência no grupo em si, foi muito boa. Fizemos um show em Osasco, bem legal. Mas forró não é muito minha cara, não. (risos) E no “Programa Raul Gil”, no quadro em que cantoras apresentavam seu talento, o “Mulheres que brilham“? Foi uma coisa mais de sonho. Minha mãe pediu para eu me inscrever e fiz minha inscrição, não acreditando em nada. Fiz a audição, sem pretensão nenhuma e passei. Participei de três programas. No terceiro, cantei uma música de estilo gospel — não é muito minha a praia, mas eu arrisquei. A plateia vibrou, mas não fui classificada. Acho que estavam procurando outro produto, algo diferente. Mas, enfim, foi uma experiência maravilhosa. O que poderia mudar em Pirituba? O bairro está crescendo, mas o governo podia investir mais. Falta também um apelo musical. Como é o espaço para o artista na região? Tempos atrás, a gente nem via um barzinho 8 | PIRITUBA ACONTECE | www.clickumolhar.com | OUT/NOV 2013

como a gente tá vendo aqui atrás agora, com o cara cantando. Porque é um bairro residencial. Eu já cantei no Cantinho da Vila, perto do Pq. Jardim Felicidade. Chegaram a chamar a polícia por causa do barulho. Tem espaço para construir uma casa própria pra shows com isolamento. Mas a gente tem que buscar muito ainda. E quando a dança passou a fazer parte da sua vida? Eu sempre gostei de dançar. Depois, quando eu fiz teatro no Senac, descobri o Tendal da Lapa. Lá tem muitos cursos voltados para arte e descobri aulas chamadas “aulas mix”. Daí, comecei a conhecer outras coisas, outros tipos de dança, como dança de salão e zouk. Foi quando eu vi que tinha jeito para essa coisa. Eu estou bem envolta no meio da dança do zouk. É meu mundo hoje. E ele é dividido em duas coisas: minha carreira como cantora e minha vida na dança. E meu sonho é conseguir juntar as duas coisas, dar aula, workshops.

MORADORA DO BAIRRO, LYA MAZZETTO CANTA DESDE PEQUENA.

Qual as vantagens de divulgar seus vídeos na internet? Costumo falar que esses vídeos são um ensaio aberto, que eu faço para realmente tomar “tapa na cara”, para ver as reações da pessoas. Através desses vídeos, o produtor das Leoas me ligou e o pessoal do Raul Gil conheceu o meu trabalho. Os vídeos me ajudam a não ficar parada, porque eu preciso sempre seguir a reação das pessoas.

“PARA MIM, SUCESSO É UMA PALAVRA. TROCARIA SUCESSO POR RECONHECIMENTO.”

O que é sucesso para você? Para mim sucesso é uma palavra. Eu trocaria sucesso por reconhecimento. Prefiro mil vezes ser reconhecida no meio como cantora do que ter sucesso. Já pensou em desistir? Muitas vezes, mas creio que não é por acaso que Deus me deu um dom. Toda vez que eu pensei em desistir, alguém me chamava para um trabalho como artista.

A ARTISTA PARTICIPOU DO QUADRO “MULHERES QUE BRILHAM“ NO PROGRAMA DO RAUL


REGIÃO CARECE DE ESPAÇOS CULTURAIS

Gabriel Medina, Fernando Haddad e Rogério Sottili em conversa com movimentos e coletivos de juventude

Cris Bibiano e Evelyn Kazan

O distrito de Pirituba — que compreende os bairros de Pirituba, Jaraguá e Parque São Domingos— historicamente, não foi alvo de políticas de investimento cultural. Por sua localização geográfica, possuía a característica de bairro dormitório, abrigando trabalhadores que não dispunham de tempo para o lazer: se deslocavam para os locais de trabalho, diariamente, no centro da cidade. Com o crescimento da metrópole nas últimas décadas, no entanto, o bairro vem atraindo investimentos imobiliários pelo acesso fácil às principais rodovias de entrada e saída da cidade. Essa pode ser uma das possíveis explicações para a região ainda carecer de espaços de cultura, como salas de teatro, show e concerto, museus e Ponto de Cultura. Apesar do bairro se deparar com uma população jovem significativa, pois 47,8% dos habitantes estão na faixa etária até os 29 anos, conforme dados, de 2010 a 2012, do Observatório Cidadão da Rede Nossa São Paulo. A Pirituba Acontece e a comunidade atuante da região estão se mo-

bilizando para fomentar a produção cultural e promover encontros para discutir sobre a necessidade da construção de espaços públicos que abriguem a cultura desenvolvida aqui no bairro. A Supervisão de Cultura e o Auxiliar da Juventude da Subprefeitura Pirituba/Jaraguá estão “realizando um mapeamento dos espaços públicos e privados que estão em uso e/ou podem ser usados para atividades artísticas/ culturais”, segundo informou a Coordenação das Subprefeituras. RESPOSTA DO PREFEITO No dia 12 de setembro, o prefeito Fernando Haddad reuniu-se, no prédio da Prefeitura, com movimentos de juventudes de diversos bairros da cidade. Estiveram presentes representantes de 45 coletivos jovens — como de Grajaú, Paraisópolis, Campo Limpo, Brasilândia e Perus. A Pirituba Acontece representou o bairro. O encontro, que foi organizado pela Coordenadoria da Juventude, contou com a presença do secretário munici-

pal de Direitos Humanos e Cidadania, Rogério Sottili, e do coordenador de Políticas para a juventude, Gabriel Medina. O objetivo era ouvir as demandas dos jovens da cidade. Por quase duas horas o prefeito ouviu sugestões e reclamações dos jovens moradores, que reivindicavam melhoria nos transportes públicos, valorização de espaços públicos para a promoção cultural, além da valorização dos grêmios estudantis nas escolas municipais e da valorização do hip-hop, política de creches para as jovens mulheres, assim como criar estruturas para os cursinhos populares, dentre outras demandas. Essa iniciativa de estabelecer diálogo com a juventude faz parte da política da atual gestão, que vem realizando audiências públicas e visitas aos distritos como o #paporeto, que ocorreu no dia 3 de agosto (no qual a equipe da Revista também esteve presente). Ao ser questionado acerca da política de cultura para o bairro, o prefeito informou que Pirituba vai abrigar uma unidade do Sesc.

OUT/NOV 2013 | www.clickumolhar.com | PIRITUBA ACONTECE | 9


~

~

CULTURACAO

SHOW DE TALENTOS

ONLINE

Beatriz Xavier, Roberta Caroline e Vanessa Coscia

Todo mundo conhece ou já ouviu falar em alguma banda ou cantor que estourou depois de postar vídeos na internet. A Pirituba Acontece resolveu indicar alguns artistas do bairro que divulgam seu talento nas redes sociais:

THE FORS O nome vem do latim, que significa “acaso”, já que foi assim que a dupla começou há apenas alguns meses em função do amor que têm pela música. Caio Yuri (18) e Filipe Bisof (16) dizem ser influenciados por canais que têm propostas parecidas e procuram colocar o que mais gostam de outras bandas em suas músicas. É possível encontrar um mix de vários estilos em seus vídeos. Eles se inspiram em artistas já consagrados, como Elvis, Frank Sinatra e John Lennon, em novos sucessos contemporâneos como Jack Johnson, Jason Mraz e John Mayer e em MPB. Eles publicam os covers com a intenção de melhorar com as críticas, e mostrar para os amigos, família e conhecidos. Eles contam que seria um grande sonho poder viver de música, pois é isso que tanto amam. Para conhecer o som do The Fors é só acessar: http:// bit.ly/1hN3ID8

PAULA COSTA SILVA Influenciada por Oasis, Nirvana e Amy Winehouse, a cantora de 15 anos começou a publicar vídeos no meio desse ano, após ouvir elogios e incentivos para que expusesse seu talento. A internet lhe pareceu uma boa maneira para começar. Seu estilo também faz referência a bandas de reggae, que ela ouve e de outros canais com covers que conhece. Paula canta porque é algo que realmente a faz feliz e que ela gosta, quer ser reconhecida através de seu talento. Seguir carreira como cantora é seu grande sonho. Para assistir os vídeos que a Paula publicou, acesse: http://bit.ly/19BJvzo 10 | PIRITUBA ACONTECE | www.clickumolhar.com | OUT/NOV 2013

LETÍCIA MATHEUS Letícia toca violão desde a infância, mas foi com aproximadamente 15 anos que ela conseguiu se aperfeiçoar para desenvolver suas duas paixões juntas — cantar e tocar. Depois disso, ela começou a se apresentar para os amigos e a família, foi quando surgiu a ideia de postar os vídeos em um canal no Youtube. Alguns deles tiveram uma repercussão maior do que esperada, com isso, ela continuou atualizando o canal e o faz até hoje. “A cantora que mais me inspira é a P!nk”, diz. “A voz dela é rouca assim como a minha e isso me dá noções sobre como cantar.” O objetivo do canal atualmente é divulgar e conhecer um pouco da opinião do público sobre seu trabalho. A intenção de Letícia é seguir carreira fazendo música, sua paixão declarada. Para conhecer o som da Letícia, basta acessar: http://bit. ly/1cJHKmC

E você? É do bairro e também tem um canal onde expõe seus talentos? Manda pra gente: facebook.com/piritubaacontece


PROJETO TRANSFORMA LIXO EM BRINQUEDO

Edson Caldas

Na Escola Municipal Amorim Lima, no Butantã, zona Oeste de São Paulo, caixas de leite são embalagens de jogos. Garrafas PET são carrosséis e canetas podem não escrever, mas tornam-se úteis manivelas. Desde o início das oficinas do projeto “TooDo Eco” na instituição, crianças têm sido estimuladas a dar um novo destino para o lixo: a brinquedoteca. Criada por duas amigas, uma brasileira e uma chilena, a iniciativa busca propor uma nova maneira de introduzir conceitos sustentáveis no cotidiano dos alunos de ensino fundamental, a partir de atividades práticas. No ateliê do projeto, em uma rua residencial da Lapa, a chilena Daniela del Campo Munnich apresenta um foguete de brinquedo em meio a uma pilha de outros trabalhos. Ela o construiu no Chile, com garrafa PET e detalhes em papelão. “Percebi que crianças gostam muito mais disso do que escutar uma professora contando a história da NASA”, diz. Para a cofundadora, Naná Lavander, o exercício prático é mais interessante, por ser inesquecível. Sobretudo quando o assunto envolve o ambiente, uma questão que a dupla define como a “coluna vertebral” de todos os outros temas. Atualmente, o “TooDo Eco” é aplicado em duas instituições de ensino. Além da escola no Butantã, o Projeto Âncora, em Cotia, na Grande São Paulo, também recebe semanalmente as oficinas. “As crianças gostam muito, ficam motivadas e interessadas”, diz Suzana Camargo, coordenadora geral do Projeto Âncora. “Há um movimento reflexivo e de aprendizagem.”

Foto: Divulgação

As atividades propõem a criação de brinquedos por meio da utilização de materiais reaproveitados. Segundo Naná, os alunos estranharam a ideia a princípio. “Quando abriram a primeira caixinha, elas se assustaram. ‘A gente vai montar com lixo, tia?’”, recorda. Logo em seguida, os pequenos se animam ao perceber que têm todos aqueles materiais em casa. “Agora, eles separam, não jogam mais nada fora”, afirma Naná. Como resultado, o projeto concluirá as atividades com um álbum de figurinhas educativo e um guia para professores. Longe de ser uma brincadeira. Em São Paulo, apenas 1% das 18 mil toneladas de lixo produzidas diariamente passa pelo processo de reciclagem, segundo dados da Prefeitura. Encomendado pelo Ministério do Meio Ambiente, um estudo realizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), em 2012, mostrou que o Brasil perde aproximadamente R$ 8 bilhões por ano ao deixar de reciclar. Para o gestor ambiental Pedro Maschio, responsável pelo desenvolvimento de negócios da B2Blue (uma plataforma de compra e venda de material reciclável), apenas com o emprego da educação ambiental, as pessoas irão “fazer algo melhor [pelo mundo] numa esfera global”. Quando se trata de sustentabilidade, de acordo com Daniela, é necessário que haja consciência planetária. “Você não é brasileiro ou chileno. Você é do planeta”, defende. E, segundo ela, educar é o caminho. “Temos que mudar a educação, nosso projeto é só um grão de areia.” OUT/NOV 2013 | www.clickumolhar.com | PIRITUBA ACONTECE | 11


ESPECIAL

INCÊNDIO NA SPAMA Evelyn Kazan e Igor dos Santos Fogo toma conta da comunidade Spama, localizada Av. Raimundo Pereira de Magalhães Pereira, na altura do número 2500 | Foto: André Muzetti

Na noite do dia 20 de outubro, incêndio destruiu sete moradias e deixou 24 desalojados na comunidade — localizada na Av. Raimundo Pereira de Magalhães Pereira, no Jd. Felicidade. 12 | PIRITUBA ACONTECE | www.clickumolhar.com | OUT/NOV 2013

Vivendo há muito tempo na comunidade, Clélia Aparecida foi uma das moradoras que teve a casa atingida pelo fogo. O incêndio, que começou enquanto Clélia dormia, destruiu todos os seus pertences. Todas as casas atingidas pelas chamas pertenciam a familiares de Clélia. “O que eu passei de domingo para segunda não quero passar nunca mais. Só por Deus. Parecia um inferno. Você não sabia para onde ir”, desabafa. “O povo correndo de lá para cá. Nessa hora parece que a gente não acha nem a água. Misericórdia.”

CAUSA

Clélia diz acreditar que a causa do incêndio foi um problema na fiação em um dos postes elétricos, localizados próximos à comunidade. “O fio [de energia] caiu em cima da telha e deu um estrondo. Foi um barulho tão alto, uma rapidez tão grande [com que o fogo se alastrou], que nós não conseguimos retirar nada”, conta. O sargento Adriano, do Batalhão de Pirituba, que ajudou no combate ao fogo, relata que o Corpo de Bombeiros chegou ao local quando o incêndio já estava alastrado. Por isso,


“Meu filho não está podendo ir para a escola, pois não tem documento, não tem roupa, não tem nada. Para falar a verdade, nem ânimo temos”, completa.

SOLIDARIEDADE

Entre as casas atingidas estão a dos três filhos de Clélia, (Erick, Janaina e Joelma); de seu irmão; Marcos, sobrinho do seu marido; e a da sobrinha e de seu irmão Renato. Todos os 24 moradores desalojados estão vivendo em outros barracos, “de favor”. “O pessoal da comunidade ajudou em tudo que eles puderam, deram a maior força”, afirma Clélia. A família está se reerguendo, fazendo limpeza do terreno e retirada dos entulhos. Muitos moradores deixaram de ir ao serviço nos dias posteriores ao acidente para ajudar nessa reconstrução. Em nota, a subprefeitura disse que “foi oferecida a remoção para a Casa de Acolhida, porém todos preferiram se abrigar em casas de parentes e vizinhos”.

CORPO DE BOMBEIROS

afirma que “foi impossível ver o que causou [o incêndio]”.

DESASTRE

A moradora descreve o trauma que viveu durante como algo “assustador”. “Eu nunca passei por uma situação como essa. Não deu tempo de tirar nada. Até o material de escola do meu menino acabou. Nem meus documentos eu tirei”, diz. Clélia conta também que seu filho mais novo, Wesley, está muito abatido e “sem condição de voltar para a escola agora”.

De acordo com o tenente Adashi, que atendeu a ocorrência — registrada às 22h52, 37 bombeiros trabalharam no combate ao fogo, que, segundo moradora, “foi controlado em poucos minutos”. Em situações como essas, o sargento Adriano adverte que a primeira atitude a ser tomada é salvaguardar a própria vida. Em seguida, deve-se isolar o local para que ninguém seja ferido. E, depois, deve-se aguardar a chegada das autoridades locais competentes para lidar com a situação. “Não se deve bancar o herói numa hora dessas”, aconselha o sargento. Adriano ainda diz que, é necessário evitar ligações ilegais na rede elétrica, emaranhado de fios e deixar velas acessas enquanto dorme.

OS BOMBEIROS ADVERTEM QUE, EM UMA SITUAÇÃO COMO ESSA, A PRIMEIRA ATITUDE DEVE SER PROTEGER A PRÓPRIA VIDA

* No momento de desespero, o primeiro lugar que Cléia recorreu foi a escola de seus filhos (E.E. Ermano Marchetti) *A Rádio Marcheti e a direção da escola fizeram uma campanha em prol dos desabrigados * A campanha de arrecadação de mantimentos, utencílhos domésticos e vestuário continua. Para ajudar, entre contato com a escola ou com nossa equipe

“ASSUSTADOR! EU NUNCA PASSEI POR UMA SITUAÇÃO COMO ESSA. NÃO DEU TEMPO DE TIRAR NADA”, DIZ CLÉLIA APARECIDA, MORADORA ANTIGA DA COMUNIDADE OUT/NOV 2013 | www.clickumolhar.com | PIRITUBA ACONTECE | 13


~

~

LICAO DE CASA

O

você já fez a sua?

o d el gao

e r t s e m d

A Pirituba Acontece conversou com educadores do bairro para saber qual a herança deixada para seus alunos!

“O papel do professor na sociedade é muito importante, pois muitas vezes somos referência para os alunos e devemos ser um exemplo de profissional exercendo com competência nossa função. O fundamental para mim é saber que fiz a diferença na vida do aluno, que aquilo que aprendeu nas aulas foi útil para usa vida”.

Luciléia Munhoz

“Fico incomodada com a falta de divulgação da ciência. Acredito que quanto maior o conhecimento maior é o poder de decisão para o bem estar de todos. Quanto mais pessoas cultas na sociedade, melhor para todos. Eu adoro divulgar a ciência de maneira acessível, indo contra o dogma que somente poucos entendem”.

Belinda Maria Lobo

14 | PIRITUBA ACONTECE | www.clickumolhar.com | OUT/NOV 2013


“A função primária do professor é transmitir às novas gerações os grandes ganhos culturais que a humanidade conseguiu até hoje. Com esses conhecimentos básicos, o aluno poderá se inserir na sociedade moderna com plenos direitos, e não ficar excluído dessa mesma sociedade. Pense em todas as dificuldades que uma pessoa sem escolaridade tem: ela não entende bem as leis e seus direitos, não consegue ler o jornal, não entende bem as diferenças entre os candidatos políticos, não consegue entender bem a informática, tem dificuldade de conseguir emprego, etc. Além dessa função primária, o professor também tem outra função muito importante: ser uma referência dos alunos para a vida. Um bom professor transmite uma imagem de respeito, dedicação e seriedade; que os alunos levarão como um exemplo de boa conduta para toda a vida”.

Murilo de Oliveira

“O melhor e o maior legado que posso deixar para a Educação Pública e em especial para minha Escola EE. Ermano Marchetti, são as transformações e mudanças positivas que consegui realizar na vida de tantos jovens, durante todos esses anos que me dedico a missão de educadora; deixar como exemplo a minha integridade e o meu comprometimento profissional na construção de um novo fazer dentro do Marchetti, contribuindo para a edificação de uma escola mais aberta, democrática e parceira, com uma nova roupagem onde o aprendizado extapole os muros da escola, formando jovens independentes, críticos , responsáveis e sujeito do seu próprio conhecimento, transformando assim essa nossa pequena comunidade em uma escola diferente e ousada”.

Sandra Regina Gasparotto Ortelan

“Durante as minhas aulas tento fazer com que os alunos tenham vontade de aprender matemática mostrando que não é um bicho de sete cabeças, como pensam. É importante também mostrar que todos estão na escola para aprender e que não devem ter vergonha de perguntar, por isso incentivo sempre as perguntas. Valorizo cadernos com a matéria em dia, tento no meu tempo curto, devido ao método apostilado da escola, passar problemas envolvendo o raciocínio matemático”.

Marina Agostino

“Mesmo o aluno sendo transitório, eu abraço a causa e passo tudo de melhor. Pois acredito que é na educação infantil que começamos a “moldar” um futuro melhor não só para o mundo, mas para si.”

Angelina Molina

OUT/NOV 2013 | www.clickumolhar.com | PIRITUBA ACONTECE | 15


~

~

LICAO DE CASA

INICIATIVA DO COLÉGIO EVOLUÇÃO AUXILIA ABRIGO DE CRIANÇAS CARENTES Julia Reis e Karine Ferreira

O colégio Evolução, localizado no bairro da Vila Mirante, desenvolve um projeto social envolvendo professores, alunos e pais com o objetivo de ajudar ao próximo. A iniciativa, intitulada “Amamos”, conta com doações de voluntários e leva o mesmo nome da instituição que virou o foco do colégio. O abrigo “Amamos”, é uma casa de recolhimento. “Ali ficam crianças e adolescentes que não têm família ou que a família é totalmente desestruturada”, explica Débora Rozato, coordenadora do colégio. “Existem casos de crianças que não podem nem mesmo ver os pais; são vitimas de abusos sexuais, de maus tratos”, acrescenta. A instituição foi apresentada aos diretores do colégio por uma de suas professoras, Valéria Lourenço, que sempre desejou que o projeto fosse ampliado, e ajudou, de forma pessoal para que isso ocorresse. O projeto foi apresentado aos pais e alunos do colégio

com a intenção de que fosse algo duradouro, não só para datas e ocasiões especiais. Durante todo o ano, são realizadas várias etapas com o objetivo de envolver a comunidade escolar em prol de um bem comum, como doações de roupas, sapatos, alimentos e produtos de higiene pessoal e limpeza. Nos períodos comemorativos há doações de doces para os abrigados. Até a chegada do mês de outubro, quando os alunos do sexto ano do colégio estão em uma atividade que faz parte da grade escolar e envolve as crianças do “Amamos”: a confecção de brinquedos é feita a partir de materiais recicláveis. O abrigo fica localizado na Av. Presidente Médice, 1303 – Bairro Parque Bandeirantes, no município de Osasco e é aberto a visitações aos domingos. Mais informações podem ser encontradas no site: http://www.amamos.org.br/.

Desde abril desse ano, estão sendo construídos os Conselhos Participativos Municipais junto às Subprefeituras. São, ao todo 32 Subprefeituras, espalhadas Cris Bibiano

Os Conselhos Participativos Municipais das Subprefeituras serão órgãos de participação popular da sociedade civil para exercer o controle social no planejamento e fiscalização das ações e gastos na região como também poderão, os conselheiros, sugerir ações e políticas públicas nesses territórios. O trabalho dos conselheiros é voluntário, uma maneira de conectar a sociedade ao poder público como um canal de comunicação, para que as reivindicações da população sejam ouvidas. No último dia 12, foram publicados

os nomes dos 92 inscritos à eleição de representantes dos Conselhos Participativos Municipais, no Diário Oficial do Município, para os distritos de Pirituba, Jaraguá e São Domingos. Sendo 43 cadeiras destinadas para este distrito, desse número, 17 serão destinadas aos conselheiros e conselheiras de Pirituba. A representante de Pirituba e integrante da revista Pirituba Acontece, Evelyn Medeiros Kazan, está concorrendo ao pleito, com propostas de cultura para juventude.

16 | PIRITUBA ACONTECE | www.clickumolhar.com | OUT/NOV 2013

Foto: Hellen Kazan

CANDIDATA DEFENDE INTERESSE DA JUVENTUDE NO CONSELHO PARTICIPATIVO MUNICIPAL

A eleição será dia 8 de dezembro, e para votar basta comparecer à seção eleitoral com o título de eleitor e um documento de identificação com foto. Quem perdeu o título poderá votar com um documento oficial com foto no dia da eleição. Os locais de votação serão definidos pela Prefeitura de SP. Acompanhe na fanpage (https://www.facebook.com/piritubaacontece) da Pirituba Acontece, e pelo site mais informações da candidata Evelyn e sobre o processo eleitoral.


DIÁRIO DA EDUCAÇÃO

U

ma das pautas propostas pelo Governo Federal, por meio da Presidenta Dilma Rousseff, durante a onda de protestos pelo país, tratava da Reforma Política, na qual o ponto mais discutido do tema consiste no financiamento de campanhas. Público ou privado? Da União ou dos empresários diretos? A corrupção, desmistificada do senso comum, agora estende-se restritamente ao âmbito político e a raiz de suas práticas. O financiamento privado de campanha - a parcela de doações por parte de pessoa física é mínima, vigente hoje em nosso sistema, proporciona a um determinado grupo de indivíduos a singela oportunidade de sustentar e dar apoio econômico ao candidato de sua escolha. Ninguém opta por um amigo por mera coincidência! A alternativa de desembolsar

dinheiro próprio, tornando-o verba e acordando-o a um partido ou político específico, é capaz de proporcionar o crescimento físico e publicitário de uma chapa ou candidatura e leva-la facilmente à vitória no pleito. Nas relações econômicas, grande parte das maneiras de troca de favores é recíproca a algo, de alguma maneira. Pautando o ponto do financiamento privado como uma relação econômica, ela perpetua com fôlego para além do momento da posse, indo até as decisões do político agora empossado; surge, aí, a troca entre setor público e setor privado, em licitações com favorecimentos e contratos valorosos. Não há certeza suprema na corrupção entre toda relação econômica na política, mas há indícios; indícios fortes, como o escândalo recente nas licitações do sistema ferroviário e metroviário do esta-

por Victhor Fabiano

do de São Paulo, agregando empresas e o Governo Estadual de São Paulo, gerido há mais de 20 anos pelo PSDB. Segundo reportagens da Revista IstoÉ, o favorecimento milionário às empresas do setor ocorriam desde a gestão de Mário Covas, revelando mazelas do modelo de financiamento privado. A proposta de Reforma Política, hoje ainda sonho da Presidenta, pretende interferir em pontos diversificados do nosso sistema eleitoral e político, antes e depois da eleição, tratando de suas deficiências. O processo corruptivo, além do senso comum, ultrapassa os limites, e fere a estabilidade do sistema político e privado, pois, se há favorecimento de instituições por parte do Estado, a economia é afetada e as próprias organizações empresariais. A corrupção, além do senso político, está no senso econômico de muita gente.

EM HARMONIA COM A COMUNIDADE Edson Caldas

O Centro Universitário Anhanguera de Pirituba, localizado na avenida Raimundo Pereira de Magalhães, prova que grandes instituições e moradores locais podem andar de mãos dadas. Em setembro, a entidade promoveu o Dia do Ensino Responsável no bairro, oferecendo atividades e serviços gratuitos para a comunidade. “É uma ação que acontece em todas as unidades da Anhanguera, um programa institucional”, explica Natália Pacheco Junior, diretora da unidade Pirituba. “Vemos esse evento como uma oportunidade enorme da comunidade saber que pode entrar no espaço da faculdade.” Segundo ela, a Anhanguera tem um compromisso forte com a conscientização dos alunos. “Eles têm de aprender, sim, a teoria. Mas também têm de partir para

a prática e saber que a ação deles como futuros profissionais envolve cidadania.” Desde o início de 2012, a Anhanguera cede o espaço utilizado pelo Projeto “Click, um olhar curioso sobre o mundo” para fazer suas oficinas. O Click é responsável por produzir a Revista Pirituba Acontece. “Quando nos vemos envolvidos com um projeto como o Click, sabendo que eles usam nosso espaço para criar alternativas interessantes para a comunidade, para criar comunicação e informação, nos sentimos muito lisonjeados”, diz Natália. “Também nos sentimos fazendo um pouco mais parte da comunidade.” A diretora enfatiza: “Quando nossos alunos sabem que estamos envolvidos com um tipo de projeto como o Click, eles se sentem inspirados”.

OUT/NOV 2013 | www.clickumolhar.com | PIRITUBA ACONTECE | 17


Terminou de ler a revista?

Continue acompanhando as notĂ­cias do bairro nas

REDES SOCIAIS Siga a Pirituba Acontece:

/piritubaacontece /clickumolhar /clickumolhar 18 | PIRITUBA ACONTECE | www.clickumolhar.com | OUT/NOV 2013


2 ª Edição da Revista Pirituba Acontece