Page 1


GHOST LADIES TRADUÇÕES

Disponibilização: Ghost Ladies Tradução: Mel Wraith Revisão: Suk Wraith Leitura Final: Monica Ghost Formatação: Mel Wraith


The

fractured heart

Second Circle Tattoos #2

Scarlett Cole


Todas as coisas, quando colocadas sob pressão, acabam quebrando ou deixando uma marca. O tatuador Brody “Cujo” Matthews sabe como manter as coisas simples. Na vida e no amor. Abandonado quando criança por uma mãe que se recusou a ficar por perto para criar três garotos que não queria, ele tem a intenção de evitar mulheres complicadas. As únicas coisas complicadas na vida dele são as tatuagens matadoras que ele projeta e tattos. Tudo isso muda quando ele é convidado a ajudar a organizar a festa de noivado de seu melhor amigo Trent, o que significa trabalhar com a melhor amiga da noiva de Trent, Drea, a definição de alta manutenção e curvas. E a única mulher que ele não quer se afastar. Andrea "Drea" Caron está sem dinheiro e cansada. Depois de anos cuidando de sua mãe doente, ela está no final de sua sanidade tentando gerenciar as despesas médicas acumuladas, dois empregos e uma vida suspensa. Ela certamente não precisa da frustração adicional de um sexy tatuador playboy bagunçando a festa de noivado da sua melhor amiga ou sua vida cuidadosamente equilibrada. Mas quando Drea testemunha o sequestro de uma mulher no café em que ela trabalha, ela não pode deixar de se voltar para Cujo, que está determinado a provar a Drea que ele é alguém com quem ela pode contar para sempre... mas enquanto eles tentam trazer a verdade à luz, alguém está trabalhando para levar isso para sempre a uma parada súbita e mortal.


UM “O que diabos foi esse barulho?” Parecia que um trator descia em cima da cabeça dela, vindo direto dos degraus da sua varanda. Drea Caron deu um tapinha no criado mudo, tateando a cabeceira até que sentiu seu telefone. Forçando um olho aberto, ela ligou e verificou o relógio. Quatro da manhã. Quem quer que tenha causado o barulho horrível, cortando seu sono, ia morrer. Lentamente, em um tanque de calor de preferência. A menos que fosse alguém tentando invadir, caso em que o movimento inteligente era discar 911 antes de se esconder no banheiro. O pânico inicial recuou com o reconhecimento do tom irritado do locutor. Drea esfregou a mão na testa, piscando repetidamente e empurrou os lençóis para trás. Ela colocou os pés em um par de chinelos e desceu as escadas, evitando os fios soltos do tapete gasto. O antigo quarto, que abrigava uma cama e a equipamento médico, estava vazio.o tanque de oxigênio, que deveria ter rajadas lentamente mantidas, estava uma bagunça, metade da máscara retorcida e fios jogados ao chão. Droga. Conseguir reparar ou substituir era mais dinheiro do que elas podiam pagar. Drea bocejou. A porta estava entreaberta. Fiapos de fumaça branca girando passaram pela abertura. "Mamãe", ela gritou, correndo para fora, "o que você está fazendo?" Drea torceu o nariz, o cheiro de


uma fumaça queimando a parte de trás de sua garganta. Rosa Caron acenou com a mão furiosamente no ar, uma débil tentativa de esconder as provas. “Mãe, vejo a fumaça. Você sabe o que os médicos disseram. De onde você tirou os cigarros?” “Não é da sua conta.” Rosa deu uma longa tragada no cigarro. "E eu precisava de um." "Não, você não precisava." Drea se inclinou e pegou o cigarro. Ela jogou-a no chão, apagando-o no concreto industrial cinza. “Seus pulmões não aguentam, mãe. Você pagou as crianças na rua novamente.” Drea balançou a cabeça. "Onde você conseguiu o dinheiro?" "Eu dei-lhes o medalhão da sua avó." “Por quê, Mamá?” Drea fez uma pausa, lutando para manter a voz uniforme. “Como você pôde?” Não adiantaria gritar com a mãe - ela aprendera isso há muito tempo - mas o medalhão era a única coisa que restara da mulher maravilhosa que morrera quando Drea tinha nove anos. “Você não precisava disso. De qualquer forma, você ficaria feliz se eu morresse mais cedo” - ela ofegou, Rosa virou a cadeira de rodas e voltou para a casa. Drea alcançou o local onde o colar geralmente estava contra sua pele. Foi cruel e ainda assim muito parecida com Rosa, ela deveria ter antecipado isso. Memórias de sua avó brincando com ela enquanto ela lia histórias para Drea a sufocaram. A perda da coisa mais próxima de uma herança de família a deixou desolada. Ela segurou a mão ao lado dela. Isso foi feito, e enquanto seu coração chorava pela perda, Drea sabia que não tinha escolha a não ser seguir em frente. Grandes pedaços do vaso de plantas que ficava perto da porta da frente estavam espalhados pelo chão. Sua mãe deve ter


derrubado com sua cadeira de rodas. A planta era uma moita seca, e Drea fez uma anotação mental para lembrar de regar a pequena planta quando tivesse tempo. Tempo. Um riso amargo escapou e ela fechou os olhos, deixando a brisa morna acariciála. O tempo era uma coisa que ela não tinha. Ela esteve na cama por um total de quatro horas e agora estava bem acordada. Ela desceu as escadas da varanda para pegar os pedaços quebrados, evitando o terceiro degrau rachado e quebrado. A planta bateu ruidosamente na lata de lixo. As recém-cortadas camadas de cabelo dela esvoaçavam em volta do rosto, fazendo cócegas no nariz. Sentando na cadeira de um estudante na escola de beleza em vez de seu salão favorito tinha sido uma nova baixa, mas o corte de cabelo era grátis. As luzes não faziam parte do plano, um lembrete de tom caramelo para ler as letras miúdas quando ela se inscrever para alguma coisa. Mas uma vez que ela superou o choque de não ser mais uma morena, ela realmente gostou. Drea voltou para dentro, o ar frio a atingiu imediatamente. Ela rezou pelo dia em que pudesse enfiar o aquecedor de ar no alto consumo de energia de volta na garagem. Uma coisa a menos para pagar. Ela ajudou sua mãe ir da cadeira de rodas para a cama, a mãe respirando com dificuldade. Esse era o mundo dela, pensou Drea, desligando a bomba de oxigênio, reduzida a uma série de siglas de quatro letras. DPOC: doença pulmonar obstrutiva crônica. Quatro palavras extravagantes que significam pulmões fodidos. BODE: as letras deprimentes que avaliaram a taxa de sobrevivência de sua mãe nos próximos quatro anos como zero por cento. O ofego que sua mãe estava fazendo agora, prova isso. Todo médico com quem ela conversou disse a mesma coisa. Era só uma questão de tempo.


Drea ligou a máquina novamente. O sibilante assobio reconfortante retornou ao quarto, o tanque só era usado para os gravemente doentes. "Ninguém cuida de mim. Eu sou um fardo para todos." Rosa falou parado Drea enquanto ela tentava colocar a máscara de volta “Celine contou para mim que ela é quem vai me levar para a médico hoje. Por quê não pode ser você? Eu quero ir com você." “Porque, mamãe”, ela disse, acostumada com as estratégias manipuladoras, “estarei trabalhando horas extras no café. José tem uma consulta odontológica de emergência. Ele precisa de mim para cobrir o final do seu turno e precisamos do dinheiro. Tia Celine está mais do que feliz em te levar, por favor seja gentil com ela quando chegar aqui.” Rosa revirou os olhos e olhou pela janela. “Bem, se você trabalhasse o dobro com mais frequência, eu não teria que aguentar essa porcaria.” Rosa acenou fracamente para a bomba. Drea apressou a máscara sobre a cabeça de sua mãe para evitar mais insultos. Ela cuidou das duas financeiramente e de todas as outras contas, desde os dezessete anos. Uma década inteira se passou desde então. Mas ao longo do último ano as coisas tinham ficado difíceis, qualquer reserva financeira havia muito que desapareceu, tomando suas esperanças de ir para a faculdade junto com ela. Não haveria como voltar para a cama agora. O relógio da cozinha dizia que eram quase cinco. Poderia muito bem dar um salto no começo do dia, hoje ela teria um turno duplo exaustivo, começando às dez e terminando tarde. Mas antes disso ela teria uma reunião com um homem. Uma que ela temia. Em uma nota mais clara, ela teve muito tempo para utilizar cada munição em seu arsenal feminino. Ele não tinha ideia do que estava por vir.


*

*

*

“Trabalhando o vôo de Miami. Esta é uma boa noite para uma parada? Becca xoxo” Brody “Cujo” Matthews sorriu ao sair do seu orgulho e alegria - sua pickup F-150 - e fazer malabarismos com seu telefone, ilustrações para um novo cliente e um burrito de ovo mexido com molho de feijão preto. Segurando o telefone entre os dentes, abriu a porta dos fundos para o Second Circle Tattoos, dirigido por seu melhor amigo, Trent Andrews. Na verdade, era metade dele, mas, por acordo, eles mantinham isso em segredo. Ele jogou todos os pertences dele em um armário e andou até a frente da loja para desligar o alarme, quando ele introduziu o número, ele olhou para o quadro na parede ao lado do teclado, era o dia que abriu o estúdio. Ele ainda tinha cabelos compridos. Uma semana após a fotografia ter sido tirada, ele cortou tudo fora. Ele correu os dedos sobre o cabelo curto. Ele tinha raspado o cabelo e manteve a assim desde então, mas alguns clientes recentemente disseram que ele parecia ser um valentão, e por razões que ele não queria explorar, isto se manteve o incomodando e assim aqui ele estava, dentro da merda da fase do crescimento do cabelo e ele odiava isso. O estúdio parecia pacífico, divisórias brancas e madeira escura no piso foram um perfeito contraste para todas as artes colorida que eles tinham pendurado. As quatro cadeiras de tatuagem estavam perfeitamente arrumadas por estações limpas. Sem tinteiros, vazamentos, luvas, plástico, ou panos distraíndo a visão.


Ele ligou a cafeteira e pegou seu telefone. “sua escala parece boa para mim” “Saio as 21h - último horário. Xoxo” “Então é melhor fazermos bem ;-) Mal posso esperar xoxo” Comissárias de bordo, melhores conexões de sempre. Ela poderia trabalhar o modo virgem, mas ela definitivamente não era uma. Uma batida na porta do estúdio bloqueado o distraiu. O sino acima da porta tilintou quando ele a abriu para falar com os dois homens de pé do lado de fora. "Não estamos abertos por mais uma hora e meia", disse ele. "Nós não precisamos de um horário." O mais velho disse, usando uma fivela de cinto de ouro de aparência barata para puxar a calça de poliéster cinza. "Somos da Saúde Pública." Droga. Ele planejou usar o tempo para se preparar para o dia agitado à frente. O Dia do Patriota foi um dos dois dias do ano em que o estúdio ofereceu tatuagens gratuitas. Livre para socorristas em 11 de setembro e para os militares no dia dos veteranos. Seu próprio jeito de retribuir. Fiscalização com um máximo de duas horas significava que eles veriam muito tráfego. Com Trent fora de férias com sua namorada, Harper, estaria ainda mais ocupado. Cujo convidou-os para entrar e, após as apresentações básicas, observaram enquanto olhavam ao redor. Ele se perguntou se eles viram o brilho da obra de arte criada por seus colegas de trabalho adornando as paredes. As vibrantes peças de mídia mista de Lia ou a louca explosão de cores nas pinturas de Trent. Ou eles estavam simplesmente procurando por todas as possíveis violações ao capítulo oito dos oito estados da Flórida: Disposições Gerais de Saúde Pública.


“Recebemos uma queixa que você tatuou um menor. A mãe da criança apresentou o relatório, Sr. Matthews. Ela nos deu seu nome e uma cópia desta foto que uma amiga postou em um site de mídia social dela fazendo isso.” Os homens se apresentaram, mas seus nomes lhe escaparam, substituídos por um ardente desejo de chamá-los de Coisa 1 e Coisa 2. "Deve haver algum engano." Ele esfregou a mão para trás e para frente sobre a cabeça. A coisa Um deslizou um pedaço de papel em direção a ele, ele a reconheceu. Ele tinha feito um maldito trabalho matador da peça de xadrez do rei branco derrubada na frente da rainha negra. Felizmente, Pixie, seu gerente de estúdio, era um defensor de registros. “Você tem a data e nome?” Perguntou Cujo, caminhando em direção aos armários atrás do balcão. “Hilary Franklin, última Sexta-feira." Coisa 1 disse. Cujo folheou as pastas de arquivos até encontrar o que precisava. “Eu tenho certeza que a seção 3b do estatuto diz que não temos culpa se o menor falsamente se representa com uma identificação falsa. Hilary Franklin, Deu-me uma identificação dizendo que ela tinha vinte anos.” A coisa 1 olhou o documento de perto antes de passá-lo para a Coisa 2. "Podemos obter uma cópia, Sr. Matthews, por favor?" Perguntou coisa 1. Ele reprimiu um sorriso. "Dado que foi na última semana, eu provavelmente poderia obter um vídeo dela dando a licença para mim." Ele apontou para a bolha preta no teto. O CCTV da loja era novo, colocado depois que a namorada de Trent, Harper, foi sequestrada por


seu ex louco. Na verdade, eles deveriam ter instalado no dia em que abriram. "Isso seria útil, senhor Matthews." Mais uma coisa para ele fazer. Ele olhou rapidamente para o relógio e silenciosamente amaldiçoou Trent por deixá-lo sozinho para cuidar da loja, enquanto Trent levava Harper para o Tati. Ele forneceu-lhes cópias das filmagens de CCTV e a identificação em arquivo, em seguida, enviou-os em seu caminho. Cujo entrou na cozinha e serviu uma caneca grande e fumegante do café que ele preparara. Ele enviou uma mensagem para sua cunhada, Elisa, para ver como Zeph estava indo. Ao seu esgotante telefonema às quatro e meia da manhã, ele puxou as roupas e correu os quatro quarteirões até a casa deles. Ele nunca tinha visto tanto vômito sair de uma pessoa pequena. De todas as noites para o irmão dele estar fora da cidade... Se Elisa não tivesse entregado a ele o burrito a caminho da pickup, ele ficaria faminto e também privado de sono. Uma batida na porta do estúdio o surpreendeu. Ele voltou para a frente da loja, que deveria estar fechada por mais uma hora. Drea. Merda. Tomando um gole de café, ele sacudiu a trava e deixou entrar o pequeno flash de fogo. Eles concordaram em se reunir para planejar a festa de noivado de Trent e Harper. Droga. "Bom dia, raio de sol" disse ele enquanto ela passava. Cristo, a mulher estava sempre em uma missão. Ainda cheirava decididamente como um morango. E não é que isso fez seu estômago reclamar?


"Oi", respondeu Drea, mal fazendo contato visual enquanto vasculhava uma bolsa enorme para pegar um fichário e uma caneta. "Estamos começando devagar hoje, certo?" Ela disse, olhando para a papelada na mesa. Outro razão porque ele não tinha querido fazer parte do plano de Trent e da Harper com sua colega de trabalho. Ele mordeu o lado da língua e checou a necessidade de responder. "Quer um pouco de café?" “Não, obrigado, eu estava acordada cedo o suficiente para o café da manhã. Podemos começar? Eu tenho que começar a trabalhar em breve. Eu tenho uma lista.” ela disse, batendo a unha perfeitamente limpa do seu dedo indicador no fichário. O pensamento dela em qualquer lugar perto de um menino vomitando de três anos o fez sorrir. Ela estava perfeitamente polida. Esse maldito cabelo dela emoldurou seu rosto perfeitamente e se movia ao seu redor como um comercial de shampoo. o que tinha ela feito de qualquer forma? Ela o usava Castanho e longo. Agora isto estava em todos os lugares, e destacavam a cor do caramelo derretido e algum fios dourados. Ele esfregou sua mão sobre a cabeça, as cerdas de cabelo loiro branco crescendo não eram familiar. Uma tosse rompeu o silêncio e Cujo sacudiu a cabeça. “A lista?” Drea disse, abrindo o fichário para uma página de índice numerada. Isso seria o inferno.

*

*

*


Cristo, o que ela não daria por um café, mas ela não ia dar a Cujo a satisfação de dizer isso. Ela salivou com o cheiro de nozes e teve que parar de olhar enquanto ele levava a caneca fumegante aos lábios. O pagamento por trabalhar no turno atrasado para Harper, e lutar para tirar a mãe da cama e levantar-se para o dia, estava batendo no topo de sua cabeça. "Vamos nos sentar lá atrás", disse Cujo, apontando para o escritório. Drea reuniu seus pertences e caminhou pelo curto corredor. Ela amava o escritório. O longo sofá cinza parecia tão convidativo, e as almofadas eram o local de descanso perfeito para sua cabeça latejante. Um minuto naquele otário e ela estaria dormindo mais rápido do que você poderia dizer "Boa noite, idiota." Drea tirou uma das cadeiras do que ela supôs ser uma mesa de luz para desenhar imagens. A cadeira era branca, prática e, mais importante, dura o suficiente para mantê-la acordada. Ela jogou o fichário na superfície de vidro e esperou. Cujo entrou no escritório como se eles tinham todo o tempo do mundo. Ele colocou uma das xícaras que ele carregava ao lado de suas canetas. "Eu disse que estava bem", ela comentou, imaginando se seria grosseiro arrastar a xícara e inalar o conteúdo. "Sim, bem, a trilha de baba que eu tive que pisar para chegar à cozinha diz que você é uma mentirosa." Cujo respondeu, o canto da boca engatado em um sorriso. "Eu não sabia como você gosta, mas assumi o preto." Drea baixou o olhar para a mesa, usando o cabelo para esconder sua diversão com o comentário dele. Ela tomou vários goles, o sabor forte atingindo seu paladar em todos os lugares certos. "Por que preto?"


"Isso me lembrou de você... amargo, sem uma pitada de açúcar." Drea olhou para cima e fez uma careta. "Uau. Ai.” ela disse, desapontada quando a sensação de prazer desordenado do café escapou. Ela colocou a xícara de volta na mesa e reabriu seu fichário. “Então eu liguei e existem três prédios históricos com disponibilidade a curto prazo. Eu encontrei dois fornecedores que podem fazer a comida. Nós só precisamos fornecer números e eles...” “Espere.” Cujo a cortou. "Tudo soa um pouco provinciano." "Provinciano?" Drea disse surpresa "Isso é um monte de sílabas para você, não é?" "Engraçado. Incrível o que você pode aprender com a Bela e a Fera. Você sabe quando Bela canta sobre deixando-a cidade provinciana?” “Não.” Drea balançou a cabeça, confusa com a direção que ele estava levando, mas divertida que ele conhecia o filme bem o suficiente para citá-lo. "Esta é uma festa de noivado, precisamos de algo muito mais divertido e relaxante” “Você quer algo descontraído, então não é preciso muito esforço de sua parte para organizar. Isso é apenas preguiçoso.” Seus amigos mereciam a melhor festa que podiam oferecer, não a mais fácil. Por que ela teve que ficar presa com um homem que sentiu o contrário? Cujo se jogou no sofá, as pernas esticadas na frente dele enquanto ele olhava para ela com olhos azuis penetrantes tão vibrantes que a faziam lembrar do céu de verão sem nuvens que


a Flórida era conhecida. E ele estava sorrindo. Drea bateu a caneta na mesa de vidro. "Relaxe, bolinho Doce." Cujo demorou, inclinando-se para frente até que seus cotovelos descansaram em seus joelhos. Ele segurou seu copo com as duas mãos. Porra, se isso não fez seu bíceps flexionar, As mangas do seu decote em V branco estendiam-se pelos músculos. Tatuagens caleidoscópicas cobriam um braço do bíceps à mão. Palavras, números e imagens entrelaçados em uma mistura apertada para preencher cada centímetro de pele. O outro não tinha uma única tatuagem. “Tudo o que estou sugerindo é que Harper e Trent passaram por muito. Eles preferem uma festa de noivado mais discreta onde todos nós ficamos estúpidos. Não tem nada a ver sobre quanto trabalho é organizar. Só sei que não é coisa do Trent ou da Harper pelo menos não depois do que aconteceu.”

Teriam sido três meses desde que Trent a chamara com aquelas palavras assustadoras? “Drea, ele a encontrou. Nathan encontrou Harper. Estamos a caminho do hospital. Você pode nos encontrar lá?” Nathan, ex da Harper, a aterrorizou da prisão até que a liberdade condicional lhe oferecesse a oportunidade perfeita para cumprir suas ameaças de encontrá-la. Acho que é o que acontece quando você libera um sociopata viciado em drogas da prisão cedo. Felizmente, isso fortaleceu o relacionamento de Harper com Trent, levando a uma proposta de casamento pouco antes da viagem que eles estavam desfrutando atualmente. Ela olhou para o sofá. Tinha crescido o cabelo do Cujo. Ele estava careca quando ele


se conheceram em uma piscina meses atrás. Agora estava loiro da cor da areia da praia de Miami, e mais suave. Estava menos militar, e mais... bem, ela não queria se debruçar sobre isso. Mortificação superou quando ela recordou a ótima primeira impressão que ela deve ter feito quando falou a ele que ele se parecia com um valentão. Drea olhou para o bloco de anotações. As colunas ordenadamente com ideias e uma lista de tarefas ajudaram a focar sua mente. Quando perguntara a sua melhor amiga se poderia organizar a festa para eles, Harper dissera imediatamente que sim. A felicidade que sentira durara uma hora inteira quando se tornou evidente que Cujo havia feito a mesma pergunta a Trent. Agora os dois estavam presos tentando encontrar um terreno comum. "Eu pensei que eu conhecesse minha melhor amiga mais do que você, sabe aquela mulher que adora sapatos de salto alto e vestidos fofos." "Não vamos entrar em um concurso de mijo sobre o quão bem conhecemos nossos melhores amigos.” Zombou Cujo. “Nós nos conhecemos no primeiro dia do jardim de infância, então eu conseguiria bater você por duas décadas nesse placar, coisa pequena” "Corte as referências sobre minha altura, e você tem vantagem a minha bunda. Nós temos necessidade para decidir algo rapidamente” Drea olhou no relógio dela. Maldição. Como poderia ser quase já nove? Ela não poderia se atrasar, não com José indo para a dentista e Harper ainda fora em período de férias. Não que ela estivesse reclamando o dinheiro cobrindo Harper enquanto estava fora era mais que bem vindo.


Cujo se levantou, e Drea tentou não olhar enquanto ele alisava o jeans desbotado. Ela coçou para correr os dedos pelo jeans para ver se era tão macio quanto parecia. Colocando a xícara de café na mesa, ele agarrou a mão dela. O formigamento que sentiu subir pelo braço fez seu coração disparar. Seus pés incrivelmente próximos, Drea se levantou, seu corpo a milímetros de distância dele, ciente da proximidade do seu peitoral aos lábios. Sua pele se arrepiou quando seu corpo, tão quente e sólido, pressionou contra o dela. Cujo achatou a mão no topo de sua cabeça, em seguida, puxou-a contra o peito antes de se afastar. "Viu?" Ele disse rispidamente, seu olhar mudou de seu decote para o rosto dela. "Coisa pequena." Drea arrancou de seus braços. Ele piscou para ela. "Bela Vista."

*

*

*

"Idiota!" Disse ela, empurrando-o para longe. Ela era tão macia, seus seios pressionados contra ele. A maneira como aqueles claros olhos castanhos dela queimaram o excitava, O que realmente ilustrou como o cérebro e as partes baixas dos homens funcionavam totalmente independentes do outro, porque ela estava deixando ele louco.O motivo de sua discussão desapareceu momentaneamente de sua mente, substituído por imagens de todas as coisas que seu pênis queria fazer. Como elevar a altura de sua cadeira de tatuagem, colocala nela, puxando-a para a borda, e... Suas unhas clicaram na mesa. Oh sim. Ela queria formal. "Deve ser o que eles querem, não o que você quer.” Disse Cujo, sacudindo as imagens carregadas de sua mente. Não havia


nenhuma maneira que Trent iria para o que ela estava propondo. Ele sabia disso. A ideia do cara de se vestir estava basicamente nele vestindo jeans preto. “Harper ama a arquitetura deste aqui. Ela me disse milhões de vezes como ela gosta de andar do ônibus para o trabalho porque isso dá a ela tempo para criar histórias em sua cabeça sobre os edifícios pelos quais ela passa. Um dos menores está disponível para alugar para festas.” Cujo se inclinou sobre o ombro, o cheiro sutil de morango de seu cabelo uma distração inebriante. Ele queria odiá-lo, para esfriar seus motores, mas de alguma forma não podia. Ela estava brincando com a cabeça dele. Ambas. Ele pegou um marcador do contêiner na mesa e colocou uma grande linha vermelha em sua ideia. Drea bateu os dedos com a caneta. Difícil. Ele puxou a mão dele. "Filha da puta." Ele sussurrou. "Cristo, você é como uma assassina sorridente com habilidades de caneta ninja." "Por que você fez um X na minha lista?" "Precisa ser divertido, não chato bolinho Doce." "Pare. De. Me. Chamar. De. Bolinho. Doce. Porra. Formal não precisa ser chato” "Sim. Espere, olhe.” Cujo recostou-se, fingindo procurar alguma coisa em seu telefone “Aí está. Definição de formal. CHATO, algo que aborrece você.” Drea gemeu, fechou os olhos e inspirou devagar. “Ok, espertinho, qual é o seu plano?”


“Algo bobo. Divertido. Como um luau. Ou uma festa mexicana. Pense nisso. Estações de bar, taco servido, toda essa merda saudável que Harper ama. Inferno, poderíamos até contratar uma banda de mariachis.” “Então, basicamente, algo que você poderia fazer em qualquer época do ano para qualquer ocasião? O que o torna especial?” Drea se virou, seu rosto tão perto do dela, ele podia sentir sua respiração flutuar em seus lábios. "Você." Cujo desejou que ele pudesse chupar a palavra de volta assim que ele tinha dito. Ele não quis dizer isso. Ok, talvez ele fez, se ela só mantivesse a sua atitude enjaulada por um milésimo de segundo. "O que você quer dizer com você?" Drea o estudou e piscou aqueles sexy-comoinferno longo cílios. "Você. Você encontrará uma maneira de pegar algo mundano e transformá-lo em algo especial. Você irá perseguir no Pinterest até a morte ou algo assim, e colocar isso em cada detalhe que você encontrar” Ele pegou a pasta da mesa, pegou um marcador permanente de uma bandeja e começou a desenhar na capa de plástico. Ele olhou para cima e encontrou Drea sutilmente se movendo em sua cadeira na tentativa de ver o que ele estava fazendo. Ele inclinou o fichário para longe dela e riu quando ela bufou “Você encontrará todos os detalhes para torná-lo incrível. Você tornará a noite especial.” Ele se aplaudiu mentalmente na boa conversa motivacional. Drea levantou uma sobrancelha. Ok, talvez, não fosse tão bom quanto ele pensava.


"Novamente, você está sendo preguiçoso você lançou a ideia e espera por mim para realizar" " Eu vou ajudar pelo amor de Deus! Eu posso encontrar a localização e bebidas” “Eu não sei, Cujo. Um luau, na verdade?” Drea suspirou. “Soa mais festa de fraternidade do que celebração de noivado. E não esqueça que os pais e a família também estarão lá. Eu acho que precisamos...” A porta se abriu. Pixie, a jovem gerente do estúdio, entrou correndo, todo o cabelo roxo balançando e, em contraste inesperado, cantando uma música do show da Broadway. Ela parou abruptamente quando os viu. “Ei, pessoal, desculpe. Não percebi que vocês estavam aqui.” Ela inclinou a cabeça para os alto-falantes. "Nenhuma música tocando." "Sim, ficou um pouco louco esta manhã." Disse Cujo com um sorriso devastador e colocou o braço em torno de Drea. “Esse gato selvagem tem muita coisa pra fazer, e uma mesa cheia de papelada” Drea endureceu contra ele, mas Pixie soltou uma gargalhada. “É por isso que a mesa é uma bagunça? Eu ia gritar com Lia por não fechar tudo corretamente. Preciso desinfetar?” "Longa história." Disse Cujo. "Eu vou te informar mais tarde." Pixie pegou um envelope da mesa e saiu. Drea se levantou e seu braço escorregou de seus ombros. "Eu preciso ir." Ela largou as canetas em sua bolsa e estendeu a mão para o fichário. Ele passou para ela, esperando que ela gostasse de sua arte.


Seu rosto estava vermelho, e isso lhe agradava. Isso suavizou sua dura atitude, fez com que ele se perguntasse como ela ficaria quando ela se desfizesse em seus braços. Ele afastou o pensamento enquanto a observava sair do escritório, pois não havia outro lugar que pensasse que isso pudesse levá-los além de problemas.

*

*

*

Vinte minutos depois da hora de fechar Drea estava mais do que pronta pra sair. José estava vazio porque, bem, não havia nada como uma corrida de quinta à noite. Drea começou a limpar as mesas, ansiosa para chegar em casa. Sua mãe não respondeu quando Drea ligou durante o intervalo. Era tão diferente dela, e cenários malucos de hipóteses ricochetearam dentro da cabeça de Drea. Cujo estava em sua mente também. Doía-lhe a admitilo, mas agora que ela teve tempo para pensar sobre sua sugestão, ele poderia estar certo. Harper gostava da arquitetura de Miami, mas isso não queria dizer que ela gostaria de uma festa em um desses edifícios, e ela não conhece realmente Trent muito bem. Talvez ela devesse ter sido um pouco mais aberta às sugestões de Cujo, Eles querem a festa perfeita, não o local perfeito. Ela assistiu Marco lutar para derramar açúcar em um dispensador, segurando uma risada enquanto vomitava para o lado. "Eu tenho isso", disse ela, pegando a bolsa dele. “Você vai para casa, ou melhor ainda, sai. Pelo menos um de nós deveria ter uma vida.” "Tem certeza querida? Isso seria incrível ”, disse Marco.


"Eu só vou pegar o esfregão e farei isso para você." Ele desapareceu pela porta, ao mesmo tempo em que entrava uma mulher loira, aparentando mais ou menos cinquenta anos, maquiagem impecável e pequenos brincos de cristal em sua orelha. "Olá. Você ainda está aberta ou estou atrasada para tomar uma xícara de café? ”, ela perguntou alegremente. "Eu estarei fechando em breve." Drea disse com um sorriso. "O que eu posso pegar você?" “Oh, vou tomar um café descafeinado, por favor. Se eu tiver cafeína a essa hora da noite, nunca vou conseguir dormir” Drea encheu o porta-filtro com o café moído descafeinado suíço e colocou a máquina para preparar o expresso. “Então, o que te traz esta noite?” Anos de trabalho no café fizeram dela a rainha da conversa inútil. "Apenas o café", disse a mulher com uma risada. "Eu estava assistindo a um documentário quando percebi que você ia fechar em breve, então apressei-me aqui." "Você tem um forte sotaque", Drea observou enquanto esperava o vapor aquecer o leite. "Viajei pelo país por diferentes razões por quase vinte anos” Drea colocou o café no balcão. "Eu adoraria ir para a faculdade ou viajar", disse ela melancolicamente, mas na idade madura de vinte e sete anos, isso parecia improvável. Cuidar de sua mãe por todos esses anos anulou seu plano. Nesse ritmo, ela teria a mesma quantia de dívida que uma universitária, sem nenhuma das habilidades para sair do seu emprego sem futuro.


“Bem”, disse a mulher, colocando uma nota de vinte dólares no balcão. “Eu encorajo você a fazer disso uma realidade. Por favor, mantenha o troco” A mulher foi até o canto de trás do café e sentou-se. Drea olhou para o relógio - quinze minutos para fechar. Ela deveria ter pedido a Marco para ficar mais alguns minutos para lhe dar tempo para ligar para sua mãe novamente. Espero que ela tenha caído no sono assistindo a qualquer reality show que ela estava acostumada ver. Mas e se ela não tivesse? A mulher estava absorta no telefone, o café intocado na mesa. José tinha uma política firme. Fechar a porta para impedir que mais clientes entrassem estava bem. Chutando os clientes antes que eles terminassem suas bebidas, nem tanto. Se ela ia ficar aqui por um tempo, Drea precisava ligar para a mãe dela. Batendo a unha no balcão, ela considerou pegar seu telefone. A mulher parecia inofensiva. "Com licença", disse ela enquanto se aproximava da mesa. “Eu só tenho que usar meu telefone um momento” “Eu estou bem. Você tem um encontro quente hoje à noite?” "Se ao menos", Drea disse com um suspiro "Minha mãe está realmente doente." “Oh, me desculpe por ouvir isso. Você é uma boa menina para querer checar.” A mulher soltou um longo,suspiro cansado. "Você tem filhos?" Drea perguntou, curiosa sobre a súbita mudança de humor. Ela balançou a cabeça."Se eu tivesse, eu espero que eles me liguem quando eu estiver doente." Drea se moveu na sala de descanso para pegar seu telefone. Com um rápido “desculpe” em sua cabeça para José por quebrar as regras, ela ligou para sua mãe. "Olá?"


O som da voz de sua mãe trouxe uma onda de alívio. "Ei mãe. Como está indo?” “Você estará em casa logo? Estou sozinha” sua mãe reclamou. Ela ouviu a reclamação um milhão de vezes desde o ensino médio, quando recebeu as notícias devastadoras sobre os pulmões de sua mãe. Quando ela ficou mais em casa, piorou. Mas em momentos como este, quando a situação de sua mãe se deteriorou, Drea levou um pouco de conforto que ela ainda estava aqui para repreendê-la. Ela olhou em volta da sala de descanso para os pedaços de papel que enfeitavam o quadro de avisos da equipe. Ela foi de estudante para um emprego no José. Drea se lembrava daquelas noites em que suas amigas a convidavam para grupos de estudo e ela tinha que dizer não porque estava trabalhando. Ela estava sozinha também. As noites em que ela se sentava em seu quarto, tentando enfiar todas as suas revisões em alguns momentos miseráveis, e o cheiro da fumaça do cigarro subia do alpendre. Nem mesmo o medo de morrer era motivo suficiente para a mãe desistir. “Eu estarei em casa um pouco mais tarde hoje à noite, mãe. Eu tenho que limpar e trancar.” “Bem, faça isso depressa. E traga um bolo de chocolate com você.” Drea terminou a ligação sem ouvir um, como vai você?, está cansada? Somente queixas e ah o bolo. Não posso esquecer a porra de bolo. Deslizando o telefone de volta em seu avental, ela passou pela cozinha e empurrou a porta para o café aberto como as luzes de repente apagadas. A mulher veio correndo pelo corredor fugindo de um


alto homem vestindo uma jaqueta de couro em perseguição, estava muito escuro para ver totalmente quem ele era, e isso aconteceu tão rápido que ela não poderia levar todos os detalhes. Drea sentiu algo frio e duro pressionar contra sua têmpora e ela engoliu o grito de pânico borbulhando em sua garganta. “Agora, querida, só queremos conversar com sua amiga Você pode tornar isso fácil ou difícil.” O sotaque lento o colocou em algum lugar do sul. O sussurro de sua respiração em sua orelha o colocou em seu ombro direito, mas ela não era estúpida o suficiente para se arriscar a olhar por cima para vê-lo. "Fácil significa que você esquece o que você viu e a vida continua." O coração de Drea tamborilou violentamente contra suas costelas, sua respiração tão rápida que o mundo estava começando a girar. “Difícil significa que você não faz isso e...” Clique. A arma. Drea pulou e a pessoa atrás dela riu. "Você entendeu a ideia. Então, para um pequeno seguro, me dê sua carteira de motorista, por favor.” Drea caminhou lentamente em direção à sala de descanso. A entrada de trás estava aberta, nenhum sinal da mulher ou seu agressor. As mãos dela balançavam quando ela chegou para empurrar a porta aberta. Uma pequena luz no banheiro fornecia uma minúscula quantidade de iluminação.Abrindo seu armário, lembrou-se da bela imagem que Cujo tinha elaborado sobre a pasta, Bela de A Bela e a Fera. Ela agarrou sua bolsa, retirou a licença, e passou-o sobre seu ombro.


“Bem, minhas mais humildes desculpas por essa intromissão em sua noite, Srta. Andrea Caron. Foi o meu prazer.” A pele de Drea se arrepiou quando ele correu o cano da arma ao longo de sua mandíbula. A porta da sala de descanso sussurrou fechada. Drea caiu de joelhos, o chão duro uma conexão dolorosa, mas significativa, com algo sólido. Música tocou baixinho pelos alto-falantes; caso contrário, o café ficaria em silêncio. Ela ficou de pé, pegou o telefone e tropeçou para trancar a porta traseira. Sombras em movimento criadas pela passagem de carros do lado de fora do café fizeram seu coração pular, e ela pegou o interruptor de luz, ligando e desligando furiosamente sem sucesso. Ela correu pela loja para trancar a frente. Uma vez que o prédio estava seguro, ela dirigiu a lanterna para o canto de trás do café, meio esperando que a mulher loira estivesse sentada ali, mas tudo o que restava era uma xícara solitária.


DOIS "Obrigado por vir tão rápido", disse Drea, protegendo os olhos, as luzes azuis e vermelhas piscando dos dois carros de polícia ofuscantemente brilhantes. Ameaças sejam amaldiçoadas. Ela estava mais segura com a polícia do seu lado do que ninguém. E se eles estivessem a observando. Bem. Danem-se eles! Os oficiais sacaram suas armas, conversando apressadamente com ela. “Sou o oficial Fletcher. O intruso ainda está aqui, senhora?” Um jovem policial andou em direção a ela, sua arma apontada para o chão. Ela balançou a cabeça. “Eu tranquei a porta dos fundos quando eles saíram. Corriam. Tanto faz." O oficial Fletcher enviou a segunda unidade ao redor do prédio, presumivelmente para verificar a parte de trás da loja. Ele levou Drea para longe do café. "Por favor senhorita fique aqui do lado de fora enquanto verifico o lado de dentro” “Claro,” ela respondeu. Drea balançou a cabeça. Fletcher levantou a arma de fogo e acima uma pequena lanterna. Ele e o parceiro dele entraram no café, Drea estava protegida por um polícial e


viu através da janela como eles inspecionaram a principal área antes de passarem para a,cozinha, banheiro, pequeno escritório, e Os Quartos dos funcionários. Minutos passando. O tempo se arrastou. A sacudida repugnante de seu estômago se estabilizou. Ela se perguntou se estava segura na rua e se aproximou nervosamente do café. "Tudo claro." Fletcher disse quando eles voltaram de sua busca. “Este é o oficial Tyler. Nós podemos voltar para dentro se você quiser.” Ela seguiu o balcão até ficar atrás dele, de frente para o contorno dos dois oficiais. Os famosos biscoitos caseiros de chocolate de José estavam chamando por ela. Na verdade, um tiro duplo de Jack estava chamando por ela, mas não havia nada disso no local. Outro carro parou do lado de fora do café. “É o detetive Carter”, anunciou Tyler. Fletcher e Tyler deixaram o prédio e passaram vários minutos conversando com o detetive antes de voltar. Drea aproveitou o tempo para preparar comida, guardanapos e garrafas de água. "Por favor, Sra. Caron, sente-se." Fletcher indicou um ponto mais perto da janela, onde uma pequena quantidade de luz estava sendo fornecida pelas luzes da rua. "Este é o detetive Carter." "Andrea", disse ela, olhando para o detetive Carter. "Por favor, me chame de Drea." O recipiente de biscoitos abriu com um pop. “Sirva- se de cookies. Sem custo. Por minha conta”


"Desculpe, não estamos nos reunindo em melhores circunstâncias, Drea", disse Carter, apertando a mão dela. "Você tem câmeras de vigilância?" Drea tomou uma assento. "Sim. Mas eles cortaram a energia antes de chegarem aqui dentro, estou assumindo que eles sabiam que existia câmeras. "Tyler?" "Aqui. Vou ligar para a companhia de energia, ver se eles podem mandar alguém o mais rápido possível.” "Drea!" José apressou-se a passar pela porta, o cabelo apontando para cima em mil direções, o jeans combinando curiosamente com o top de pijama amarrotado que estava usando. Como o café abriu às sete horas, José gostava de fazer o turno da manhã. Ele começou a assar às quatro e meia e estava sempre na cama às oito. "Você está bem?" "Senhor. Espere. Você não pode apenas entrar aqui.” “Tire suas mãos de mim. Aquela garota é a coisa mais próxima que tenho de uma filha” José afastou o braço do oficial e correu para Drea. José a abraçou e recuou um pouco, ainda segurando os dois braços. "Sério. Você está bem? ” “O dinheiro. Eu não verifiquei o registro, José. A gaveta não parecia aberta, mas isso não significava que o dinheiro ainda esta dentro. E o dia tem sido louco, muito dinheiro poderia ter sumido. E se eles levaram o dinheiro?" Ela fez um movimento para ir olhar, mas José parou. Ela agarrou a mão dele, lutando contra as lágrimas que ameaçavam revelar o quanto ela estava aterrorizada e, na verdade, ainda estava. “Você acha que eu me importo com o dinheiro Drea? Eu não me importo contanto que você esteja bem.”


José envolveu um braço em volta do ombro dela, e Drea deixou o conforto que ele estava oferecendo penetrar em suas veias congeladas. Ele era o único homem em quem ela podia confiar em sua vida. Ela o amava como um pai. Se ele não tivesse lhe dado um emprego, tanto ela quanto a mãe teriam sido um monte de merda. "Senhor, você é o dono?" Carter perguntou. "Sim. Minha família é dona da propriedade há décadas.” José se sentou ao lado de Drea. "Você pode nos guiar através do que aconteceu, Drea?" Detetive Carter perguntou. “Eu estava me preparando para fechar. Marco tinha acabado de sair, então só havia eu e a mulher aqui.” Drea demorou e explicou passo a passo aos policiais. "Então você não viu a mulher ser levada?" "Não." Drea odiava que ela não tivesse. “Eu reconheci o contorno dela enquanto ela corria, e uma pessoa maior que eu assumi era um homem, em perseguição. A saída traseira é uma linha reta das portas giratórias, e a placa está acesa, então acho que ela viu para onde estava indo. Estava muito escuro.” "Você viu algum deles novamente depois disso?" Carter anotou outra nota em seu livro. Drea balançou a cabeça. "Nenhum deles voltou para o café." "OK. Nós vamos ter uma equipe aqui para dar uma olhada mais detalhada. Eu tenho a xícara de café da mulher. Um de vocês pode esperar que a companhia de energia chegue?” “Eu ficarei, Drea. Você vai para casa e descanse um pouco.” Depois de pegar todas as informações de contato de Drea, um policial levou Drea pela loja até o carro dela nos fundos.


Ela girou a chave na ignição, o carro tossindo antes de engasgar. "Vamos lá", disse ela, lançando um olhar para o oficial no meio-fio, esperando que ela saísse. Ela tentou novamente. Felizmente o carro pegou desta vez. O lar pode ser uma pilha de lixo, mas parecia ser o lugar mais seguro para estar.

*

*

*

Cujo esperou na fila e observou Drea olhar repetidamente para a mesa de canto nos fundos da loja. Uma jovem família estava devorando uma tarde de doces, o menino coberto de glacê. Drea geralmente estava muito focada, e Cujo se perguntava o que a distraira tanto. Mesmo tarde da noite, o café estava lotado de gente. Os sábados eram loucos em Miami. Muitos turistas. Quando ele se aproximou da frente da fila, Drea olhou para ele, um momentâneo lampejo de surpresa alcançando seus olhos. "Posso ter um Gibraltar, por favor, Drea?" Ele sorriu, como se tivesse pedido o café mais normal do mundo. "Um Gibraltar?", Ela perguntou, um ligeiro olhar de confusão no rosto. Círculos negros rodeavam os olhos dela, e ele se perguntou brevemente o que os havia colocado ali. Ele não estava admitindo que ele olhou isto na Internet para impressionar ela. Já se passaram dois dias desde que ele a tinha visto, ou ouvido falar dela, e precisavam concluir o planejamento da festa. Então, se a montanha não vir para onde quer... Não importa Ele precisava vê-la. “Você tem certeza, porque me parece mais como um corte. Mais forte que um macchiato, mas mais curto que um


latte. Um Gibraltar é menor e você me parece um cara para quem o tamanho importa” Então eu teria adivinhado, sempre uma espertinha, Um trio de garotas brancas atrás dele riu. Touché “Você é a especialista. Eu vou pegar o que você está oferecendo”, ele disse com um sorriso. Seus olhos brilharam com malícia e um sorriso tocou o canto de seus lábios. A risada de Drea o surpreendeu. Ele esperava uma sobrancelha levantada e arrogante. O sorriso acrescentou ao pacote inteiro, e ele levou um momento para apreciar a maneira como ela preenchia seu uniforme. Ela podia ser pequena, mas tinha muitas curvas para balançar a camiseta preta com o texto de José em itálico, o espaçamento da fonte era inconsistente, e isso o incomodava. Ela começou a trabalhar em seu café quando ele pegou um croissant fora da bandeja. Ela lhe bateu as juntas dos dedos com a colher. “Que diabos, Drea?” Em primeiro lugar, com uma caneta, agora a colher? Com uma mão ainda no bocal que trabalhava no vapor, ela agarrou as juntas machucadas com a mão livre e beijou-as gentilmente. "Não coloque suas mãos dentro do meu tabuleiro de bolo." Seus lábios eram suaves e quentes, e a ideia de colocar as mãos em qualquer lugar naquele corpo sexy-como-foda deixou-o com tesão como o inferno. Ela pegou um par de pinças e colocou a massa que ele queria em um prato. Então ela serviu o café e o leite em um copo pequeno e os deu para ele.


“Você está flertando comigo, Drea? Porque isso soou como um eufemismo.” Cujo retirou sua carteira. "Definitivamente não" "Esperta, eu me pergunto se você iria jantar comigo quando sair do trabalho, ver se não conseguimos descobrir essa festa.” Ele lhe passou algum dinheiro e esperou pelo troco. "Isso não é uma boa ideia, Cujo", disse ela, colocando o troco na palma da sua mão. Ele não resistiu. Ele fechou a mão ao redor das pontas dos dedos dela. “É só comida, Drea. Está ficando tarde. Eu preciso comer esta noite, você também, e nós precisamos organizar essa festa.” Seus dedos pareciam minúsculos em sua mão, e quando ela os puxou para longe, ele sentiu a perda imediatamente. Com os lábios apertados, ela olhou para baixo da linha antes de olhar para ele. "Ok, eu estou pronta em alguns minutos." E lá foi ela de novo. Como tudo que ela dizia soava como uma insinuação? "É bom saber, mas quando você termina o trabalho?" Ele pegou a risada antes dela cobrir a boca com a mão e viu como ela recuperou a compostura. Flertar com ela poderia se tornar um novo passatempo favorito. "Eu termino o trabalho em breve", disse ela bruscamente, embora seus olhos brilhassem com humor. "Podemos voltar para a parte de ir?" Ele perguntou com uma piscadela. Ele fez uma aposta mental que ele poderia fazer em cinco. "Eu tenho clientes, Cujo", ela acrescentou docemente, inclinando-se sobre o balcão, dando-lhe um close-up de seus


incríveis seios "Mas", sua voz caiu para um sussurro, "se você tiver a chance de me levar, você deve planejar por horas."

*

*

*

Guacamole tinha que ser a melhor comida já inventada. Ela estava certa disso, Drea agarrou outro lasca mergulhado isto para dentro do Castanho prato de barro que parecia enviado do céu. Ela estalou isto para dentro da boca dela e deixou fora um gemido, comida mexicana foi ideia de Cujo, mas ela estava totalmente de acordo com aquele plano o restaurante foi escolha dela, barato, simples e aconchegante. Com dinheiro tão apertado, que ela não tinha comido fora em muito tempo, mas valia cada centavo dos dólares que gastaria. "Obrigado por esperar enquanto eu fechava", disse ela, mais grata do que ele jamais saberia. Ela estava determinada a continuar normalmente, mas trabalhar até tarde no café agora a assustava. Ele esperou por ela, cuidou de seu café e caminhou até o restaurante. "Não se preocupe. Podia ouvir você amaldiçoando uma tempestade lá dentro. Não sabia que garotas bonitas como você falavam assim.” "Engraçado. O recolhimento da lavanderia é amanhã de manhã e os idiotas que eu chamo de colegas de trabalho não sabem como esvaziar seus bolsos. Eu disse a eles se eu tenho que fazer isso por eles, então eu estou mantendo todas as suas merdas. Esta semana eu consegui quatro laços de cabelo, três canetas - todas eram minhas, então alguém as está roubando um pacote de chicletes e um pen drive, o que significa que


Joanie provavelmente está pirando com uma tarefa perdida.” Drea fez uma pausa para colocar outro chip na boca dela. “Muito generoso”, disse Cujo, movendo se com outro chip também. Ela o viu comer as enchiladas. Ele tinha perdido as lições de etiqueta de talheres, obviamente, como ele usou seu garfo como uma pá. "Então, eu estive pensando", disse ele com um bocado de feijão frito. “E se pudéssemos incorporar a melhor parte de ambas as ideias, a comida poderia ser Cajun, mexicana, ou ambos. Fogos de artifício, claro. E dançarinas” Ela fez uma pausa no meio da mordida e levantou uma sobrancelha. "Só brincando. Estava checando se você estava escutando.” Ele sorriu. Sua visão tomou forma em sua mente. “Nós poderíamos fazer uma estação de margarita. Não. Tequila. E uma piñata”, acrescentou ela. "Então você pode acidentalmente me bater com um taco de beisebol?" Ele riu. "Não, mas ótima idéia." "Então o que você acha?" Seus olhos estavam arregalados e brilhantes, seu sorriso enrugando-os nos cantos. "Eu gosto", ela respondeu, impulsionada pela sua excitação. "Mas?" "Não mas. Eu gosto disso. Isto tem muito potencial."


"O que aconteceu com a mulher que queria que todos nós nos vestíssemos como perus?" “Eu pensei sobre o que você disse. Eu sou uma garota grande o suficiente para admitir que eu poderia ter me deixado levar.” “Você acabou de admitir que eu estava certo?” Cujo agarrou seu coração e caiu em seu assento. Drea o chutou por baixo da mesa, sorrindo quando Cujo soltou um grito. Ela pegou o bloco de anotações e começou a anotar suas idéias. Não era o que ela tinha em mente. Mas definitivamente havia uma maneira de tornar isso legal e divertido. Eles poderiam ter canapés fabulosos, mini elote e porções individuais de churros. Eles conseguiriam tirar uma broa de lagostim? Oh, e muitas velas e grandes baldes de lata de flores brilhantes. E lanternas vibrantes. "Você quer outra bebida?" Cujo ofereceu quando o garçom se aproximou. O copo de água que ela estava tomando durante toda a noite manteve sua parte da conta tão baixa quanto possível. "Eu terminei, obrigado." Cujo pediu a conta. O garçom chega com a conta em uma bandeja de prata. “Eu pago isso, Drea. Eu comi noventa por cento da comida.” "Não." Ela colocou seu cartão de crédito na bandeja. "Isso não era um encontro", ela disse, mesmo que doesse um pouco dizer isso. "Devemos pagar por nós mesmos." Cujo pegou seu cartão e olhou para ele. "Andrea, hein?" "Eu odeio isso, somente minha mãe me chama assim, e geralmente quando faz ela sempre está louca” Ela pegou o de Cujo “Brody? Eu gostei disso. Por que Cujo?”


"Essa é uma história para outro dia." Ele pegou o cartão de volta, os dedos roçando os dela. Ela se recusou a reconhecer o arrepio que percorreu sua espinha. Esse não era o tipo de cara que ela estava procurando, então por que ele continuava mexendo com ela assim? O garçom trouxe a máquina de cartão de crédito e passou o de Cujo primeiro, levando seu tempo quando ela devolveu a ele. Ela pegou o próximo de Drea e o passou pela máquina. "Sinto muito, Andrea", disse o garçom, dando-lhe um olhar que dizia que ele não estava arrependido, "seu cartão foi recusado". Drea sentiu-se mal do estômago. Ela colocou a prescrição da mãe lá, mas não percebeu o quão perto do limite de crédito ela estava. "Você se importaria de tentar de novo?" Ela podia sentir o calor subindo por seu pescoço e bochechas. Ela olhou para a mesa, mortificada Cujo estava lá para testemunhar sua humilhação. "Eu sinto Muito. Ainda está dizendo recusado. Você tem dinheiro ou um cartão de crédito alternativo que você poderia tentar?” Drea abriu a carteira. Droga. Ela deixou seu pagamento em seu armário, enquanto procuração na carteira cheia de recibos e cópias de receitas, uma mão pousou sobre a dela. "Drea." Ela não podia olhar para cima. Ela não precisava de sua piedade ou ajuda. "Drea, olhe para mim." Ela levantou os olhos. Se ele pudesse esperar vinte minutos, ela poderia resolver isso. “É apenas mexicano barato entre amigos. Eu tenho isso.” Ele entregou seu cartão para o garçom e esperou pelo comprovante


Ela pegou suas coisas e se levantou rapidamente. "Eu sinto Muito. Vou voltar ao café deixei minhas gorjetas lá. Me espere lá fora, eu te pago de volta”, disse ela e correu para a porta.

*

*

*

Cujo pagou a conta e ignorou as tentativas flagrantes da sua garçonete de obter seu número de telefone enquanto bloqueava o processo de pagamento. Drea parecia tão incrivelmente esmagada. Ele nunca teve a impressão de que ela tinha preocupações com dinheiro, Ele tentou o telefone dela, mas conseguiu somente o correio de voz. “Ei, você ligou para Drea. Por favor, deixe uma mensagem e se você for legal e eu gostar de você, ligo para você de volta.” Cujo desligou. Como regra geral, ele não fazia correio de voz. Ele odiava isso. Ele começou a correr na direção do café. Talvez ele a pegasse antes mesmo de ela chegar lá. Sério, eles estavam falando de dez dólares não é grande coisa. Ele empurrou a porta destrancada. “Ei, gata selvagem, onde você foi?” Nenhuma resposta. As luzes do café estavam apagadas, mas as luzes na parte de trás estavam acesas. Talvez com pressa de voltar para ele, ela esqueceu de trancar a porta? Parecia o tipo de coisa que ela poderia fazer, embora ele a despedisse por isso, se fosse a loja dele. Drea saiu da parte de trás seguida por um cara que parecia um clichê de um vídeo de rock dos anos oitenta. Cabelos longos e crespos que eram realmente ruins ou o cara era muito azarado nas estacas de cabelo. Sua jaqueta de couro desgastada tinha


visto dias melhores, e botas de caubói surradas completavam o conjunto. Definitivamente não era do tipo de Drea que ele adivinhava, mas ele tinha o braço firmemente ao redor dos ombros de Drea. "O que está acontecendo? Você está bem?” Cujo estudou Drea, que parecia congelada. Suas mãos pendiam rígidas ao lado do corpo. "Estou bem", disse ela com firmeza. “Obrigado pelo jantar… ummm, eu te pago de volta amanhã. Você deveria ir." Ela parecia tudo menos bem. Ela não mencionou nada sobre um namorado, mas isso não significava que não havia um. Tudo sobre o cara estava dando sinal de alarme. “Ouça, cara. Você quer me dizer o que está acontecendo aqui?” Drea se encolheu um pouco quando o homem apertou seu braço mais forte em volta dela. O que só provava que ela não estava ali por livre e espontânea vontade. "Bem, veja, Andrea e eu somos amigos há um bom tempo, não é mesmo, Andrea?" Os olhos cheios de pânico de Drea de repente olharam para Cujo. De jeito nenhum ela não estava apavorada. O ar estava eletrizado e Drea estava imóvel. Ai ele se lembrou que ela odiava ser chamada de Andrea. "Andrea, venha aqui." Isso não parecia certo. Não se sentiu bem em tudo. Drea balançou a cabeça furiosamente.“Por favor, Cujo. Acredite em mim. Você precisa ir. Eu estou bem.” “O pai dela me pediu para checar ela, não está certo, Andrea?”


"Por favor, vá." Drea ecoou, sua voz muito mais baixa do que o habitual. Cujo deu uma última olhada em busca de algo para ajudar. A única coisa que ele tinha eram seus punhos, que, graças a Frankie, seu treinador de MMA, estavam mais do que prontos para o que ele estava prestes a fazer. Ele deu um pequeno passo em direção à porta, uma farsa para colocar o cara desprevenido. Independentemente do que seu intestino estava dizendo a ele, Drea implorou para ele sair. Mas ele sempre ouvia seu intestino. Ele correu em direção ao cara, estava quase lá quando o idiota mostrou uma arma e apontou para a cabeça de Drea. Que porra é essa? "Veja, foi uma jogada muito ruim", disse o cara. Cujo parou morto em seu caminho.


TRÊS O armário de armazenamento escuro nunca se sentira tão estranho. Drea apareceu neste minúsculo espaço para açúcar e guardanapos mil vezes por dia. E agora ela ia morrer aqui, sem sair de Miami. Oh Deus. Quem cuidaria da mãe dela? "Se você me disser o que está procurando, eu posso ser capaz de ajudar." Drea gritou através da porta trancada. Foi preciso um tremendo esforço para soar tão controlada quando o interior de seu estômago se transformou em gelatina. O chão estava frio quando ela se aproximou um pouco mais da perna de Cujo, fazendo parecer que ela estava simplesmente tentando se sentir confortável. O armário era pequeno. O cara instruiu-a a amarrar as mãos de Cujo com a porra das amarras. "Está tudo bem Drea", Cujo a tranquilizou quando os puxou com força. As tiras de plástico morderam sua própria pele. O agressor deles a lembrou do cara Whitesnake1 que sua mãe amava tanto. Snake2. O nome serviu perfeitamente. Cujo se levantou, mudando de pé para pé em seu pequenos limites, ele tentou afrouxar os laços. Ela o ouviu esfregá-los ao longo de uma borda da prateleira sem utilidade. Como tudo mais neste armário idiota. Gavetas batiam na área da cozinha. Todos 1

Banda de hard rock britânica

2

Serpente


eles foram abertos em algum momento hoje. Se algo estranho estivesse escondido ali, alguém teria encontrado. Drea descansou as mãos sobre as canelas e abraçou-as mais perto. Cujo se agachou ao lado dela. "Você não pensou em me dizer durante o jantar que isso poderia acontecer?" Ele sussurrou. “E dizer o que exatamente?” Ela assobiou. “Ei, uma mulher foi pega no meu turno do café. Eu não sei quem ela era. Eu não sei quem são os criminosos. Como eu ia saber que ele voltaria?” Ela mentalmente considerou todos os itens nas prateleiras, desejando ter prestado mais atenção naquelas repetições de MacGyver que sua mãe insistia em assistir. MacGyver sabia como escapar usando um tambor de galão de ketchup, um saco de 25 kilos de açúcar e cinco mil guardanapos. Não havia ferramentas de qualquer tipo. Nada para estourar a porta. "Você acabou de dizer criminoso?" Cujo soltou uma risada nervosa. “Sim, criminoso. Eu assisti minha parte do drama criminal. Quem se importa com o que eu chamei?” Cujo sacudiu a cabeça. "Só você poderia me fazer sorrir quando a única coisa que me separa de uma arma é um pedaço de madeira compensada de baixa qualidade." Ele se levantou e continuou remexendo no escuro, presumivelmente procurando algo para ajudá-los. "Eu sei que você provavelmente não dá a mínima", ela gritou, "mas minha mãe precisa da minha ajuda. Ela ligará para a polícia se eu não chegar em breve.” "Oh, eu sei que ela faz." "Como você sabe disso?" Drea se levantou, encarando a porta. Cujo a puxou para trás dele, dirigindo-a de volta contra a


parede da sala de armazenamento. Ele a tinha batido tão apertado no canto que seu peito estava contraído. Ela cutucou Cujo nas costas. "Eu não posso respirar." "Você não precisará se receber um tiro em seu peito." "Você está tentando ser um herói, Cujo?" Ela baixou a testa para suas costas. "Cale a boca, Drea," ele disse suavemente. "Sente-se no chão." A fechadura clicou e a porta se abriu rapidamente. Estar cara-a-cara com uma arma não ia ficar mais fácil. Cujo se posicionou entre ela e Snake. "Por favor", implorou Drea. “Apenas nos deixe ir, eu não direi uma uma palavra. Eu prometo. Apenas nos deixe sair daqui” Cobra se agachou e a encarou, ainda segurando a arma em uma mão, acariciando o cano com a outra. "Veja, meu doce, você e eu não fomos feitos para nos encontrar novamente." Ele sabia que ela ligou para a polícia da última vez? Ela tinha a sensação de que, se o fizesse, a reunião seria irrecuperável. "Mas ele..." Snake empurrou o queixo na direção de Cujo. Drea se virou para Cujo. Seus olhos endureceram quando ele olhou para Snake. Raiva ondulou dele em ondas, mas ele ficou quieto. "Eu acho que você é uma garota inteligente, que vai manter a boca fechada", disse ele se aproximando. Ele usou o cano da arma para afastar o cabelo da bochecha. "Eu conheci meninas que não o fizeram." Sua voz era mais dura. "Garotas que dizem uma coisa e fazem outra." Drea gritou quando ele usou o cabelo dela para forçar a cabeça para o lado, enfiando a arma sob o queixo. “É por isso que gosto das coisas seguras. Então você e seu amigo dão uma palavra a alguém sobre isso e...” Sua voz áspera estava tingida


com algo inconcludente em suas palavras. Tristeza talvez. Cansaço. Não fazia sentido. “E essas suas contas não serão pagas quando seus miolos ficarem estampados em toda aquela casinha bonita em que vocês moram. E você não quer saber o que vou fazer com sua preciosa priminha, Milo.” Os olhos de Drea se arregalaram. Como Snake descobriu toda essa informação extra? "E você." Snake virou a arma em Cujo, que continuou a olhar estupidamente para o cara. Os comentários que reduziram Drea a ataques de tremor descontrolado pareciam ter pouco ou nenhum efeito sobre ele. "Eu estou supondo que você gosta da cabeça desta menina em seus ombros." "Foda-se você." "Hmm. Tão ousado” Snake colocou a arma na têmpora de Cujo, puxou o gatilho, o clique ecoou. "Então" - sua voz se tornou amigável novamente - "nós nos entendemos, Andrea?" Ela assentiu, incapaz de falar. O intruso sorriu. "Muito bom, ervilha doce." Ele agarrou seu ombro. "Porque eu odiaria arruinar um rosto bonito." Drea observou enquanto ele caminhava pelo corredor, esperando o clique reconfortante da porta traseira se fechando. Ela caiu contra Cujo; seus lábios roçaram o topo de sua cabeça. "Foda-se." "Sim. Porra.” Seu coração gaguejou em seu peito. Cujo se levantou e desajeitadamente ajudou Drea a se levantar. Ela foi para a cozinha. O que ela pretendia estar recebendo? Oh, certo. Ela pegou uma tesoura e entregou a Cujo.


“Tem certeza de que pode fazer isso sem cortar uma artéria?” Ela olhou para as lâminas entre os pulsos trêmulos. "Nós vamos saber em cerca de trinta segundos." Suas mãos pareciam mais constantes do que as dela quando ele cortou o plástico. O sangue correu para as mãos dela, e ela as sacudiu em uma débil tentativa de encorajar a circulação. Ela pegou a tesoura de Cujo. Com um esforço concentrado, ela conseguiu cortar o plástico sem ferir mais os pulsos dele. Rapidamente, ela colocou a tesoura no balcão e colocou os braços ao redor de si mesma. Cujo pegou o telefone e discou. "Não" Drea pegou o telefone e desligou. “Não o que? Eu estava ligando para a polícia.” Confusão gravou suas feições. “Eu sei… quero dizer, devemos? Você ouviu o que ele disse. E ele sabe todas essas coisas sobre mim agora.” Suavemente, Cujo pegou o telefone de volta dela. “Eu ouvi, gata selvagem. Mas meu palpite é que você já o desafiou, e a polícia já está procurando por ele, certo? Eles não vão parar. Isso pode dar-lhes mais respostas.” . Ele estava certo. Mas a ideia de esquecer que ela viu Snake ganhou raízes. “Ele não nos contou mais nada. Nós não aprendemos nada de novo.” “Nós fizemos, Drea. Ele acredita que a mulher que ele perseguiu deixou alguma coisa aqui.” O que fazer? Ela não tinha ideia. E se Snake seguisse e machucasse Milo? Se apenas envolvesse ela, ela poderia escovála embaixo da mesa e seguir em frente. Mas o fato de Snake saber detalhes sobre a família dela a assustou. Não havia como ela cuidar de todos eles. Enquanto tudo clamava para não


chamar a polícia, Cujo estava certo. Ela só podia cuidar de sua família com a ajuda deles. "Tudo bem", disse ela para Cujo e viu quando ele discou. Ela se levantou, tremendo, enquanto ouvia entorpecidamente as respostas de Cujo. Em poucos minutos, a polícia estava a caminho. Cujo se inclinou contra o balcão e puxou -a em seus braços. Eles não disseram outra palavra até que as luzes do carro da polícia pararam do lado de fora da loja. Até então, Drea ficou protegida nos braços de Cujo ouvindo o lento ritmo de seu coração, permitindo que pudesse estabilizar o seu próprio.

*

*

*

"Senhora Caron” - disse o detetive Carter, entrando no café com outro oficial. “Duas chamadas em três noites. Você está tentando obter o benefício total de seus impostos? Cujo fechou a porta e trancou-a. Drea estava ocupada preparando um bule de café. O cheiro fez sua boca encher de água. Tinha que dar crédito à garota, quando ouviu o carro da polícia, saiu dos seus braços levantando os muros que ela usa como segurança, sua gata selvagem estava se mantendo forte, mais ele sabia que tudo não passava de uma máscara. Ele a sentiu tremer em seus braços, viu o brilho cintilante de suas lágrimas antes dela as limpar, ela foi fantástica considerando a situação. A adrenalina fluiu através dele, raiva queimando em suas veias, O que ele não daria por apenas dois minutos com o


idiota. Ele assistiu, esperou o cara cometer um erro. Mas ele não fez. Merda. Eles tinham sido mantidos na maldita mira de uma arma. E Drea continuou falando com o cara, tentando descobrir o que ele queria. Colocar-se entre ela e a arma parecia o único meio de impedi-la de sofrer danos corporais. "Detetive Carter" o policial falou segurando a mão em direção dele. Cujo levou isto, e assim ele apertou um pouco mais forte do que era normal, Frustração,e uma necessidade para a violência, e simples irritação pela maneira que detetive Carter verificou a bunda de Drea, comeram ele vivo. "Brody Matthews." "Prazer em conhecê-lo, Sr. Matthews." Sua atenção mudou para Drea, apertando sua mão um pouco além do que Cujo teria gostado. “O mesmo cara, Drea?” "Sim. Eu não consegui ver ele um pouco melhor do que a última vez, mais ele tinha a mesma altura e a mesma voz” sua voz vacilou. Cujo chegou e pegou a sua mão, Seus dedos estavam gelados. "Temos imagens de segurança?" Carter acenou com a caneta em direção às pequenas cúpulas negras no teto. "Não" Drea balançou a cabeça. “O sistema não voltou à funcionar após a queda de energia de quinta-feira. Você conseguiu alguma coisa dos vídeos?” "Vídeos?" Cujo sentiu como se estivesse perdendo alguma coisa, ela não acabou de falar que os sistemas não estavam funcionando? “Detetive Carter levou a gravação para um de seus técnicos, na última vez que fomos atacados”, esclareceu Drea. "Então encontraram alguma coisa?" Cujo repetiu a pergunta de Drea.


“Obviamente a mulher. Estamos correndo sua imagem através de um monte de software para ver se podemos descobrir quem ela é. Sem sucesso até agora. Os dois assaltantes não aparecem de forma alguma” "Droga." Carter e o oficial De Luca, vasculharam as instalações e tomaram as declarações formais. “Dado que não temos filmagem de câmera, vamos ter que fazer isso da maneira antiga. Vocês poderiam ir até a delegacia na segunda-feira, para que possamos fazer um retrato falado e comparar com algumas fotos “ Drea ficou tensa. Cujo entendeu seu medo de se envolver mais, mas era tarde demais para voltar. Não fazia sentido para os dois fazê-lo quando ele poderia desenhar agora... antes que ela tivesse a chance de falar a si mesma, ele falou. “Você poderia me pegar um pedaço de papel, bolinho Doce? E um lápis, por favor?” Drea correu para o fundo da loja, retornando com uma pequena pilha do papel e de outros suprimentos. Ele olhou a borracha. "Mesmo, que tipo de amador você pensa que sou?" Uma porra de borracha. Honestamente. Ele riu. "Você pode esboçar?" Carter olhou para o papel com curiosidade. "Você é bom?" Cujo fechou os olhos por um momento, conjurou uma imagem mental do cara que Drea estava chamando de Snake. Ele deslizou a mão pela superfície do papel, pegou o lápis e verificou seu peso e equilíbrio. "Sim. Eu sou." Ele começou com o formato básico da face, mais um retângulo do que um oval. A colisão sutil no queixo demorou um


pouco para ser capturada corretamente. As linhas de simetria no ponto médio da cabeça eram cruciais para alinhar olhos, orelhas e maçãs do rosto. As proporções, senhorita Murray, sua antiga professora de arte, dizia ser a chave para entender qualquer empreendimento artístico. Café escorreu sobre a borda do copo que Drea colocou ao lado de seu cotovelo. Ele podia sentir a energia nervosa rolando fora dela. Ele olhou para cima e piscou. Esse era o único conforto que ele poderia dar -lhe direito agora. A mão de Drea esfregou seu ombro e ele colocou a mão sobre a dela por um momento. “Obrigado.” O café provou como cheirava. Divino. Cujo não podia resistir olhar para Carter. Sim. É dele. A mão dela está no meu ombro. Fodidamente ruim pra você. Ele continuou a esboçar, marcando a localização de todos os elementos-chave e começando a adicioná-los sistematicamente. Um ligeiro esvaziamento do rosto exagerou as maçãs do rosto, que pareciam femininas no cara. Ele olhou para cima. Ela estava inclinada sobre o outro lado do balcão, em frente, observando o esboço vir vivo. Seu queixo descansou em uma mão, seu dedo mindinho preso entre os dentes. Não mordendo, apenas segurando aqueles lábios rosados macios e cheios. Seus cílios se levantaram e ela o imobilizou com seu olhar preso no dela. Ele começou no cabelo. Se ele tivesse suas canetas com ele, ele poderia ter acrescentado alguma cor a ele. Senhorita Murray sempre disse que seu olho para a cor era perfeito. Foi por isso que ele foi aceito na Escola do Art Institute of Chicago. Não que ele tenha chegado a Illinois. Ele sacudiu o pensamento. Ele definitivamente não precisava estar pensando sobre isso agora.


A cor da palha suja e os cachos irregulares levaram algum tempo para capturar as sutilezas que todo tom de carvão permitiria. "Feito." Ele empurrou o desenho em direção a Drea. Sua opinião importava. "O que você acha?" Drea puxou o papel para mais perto, virando-o enquanto o arrastava pelo balcão. Seus olhos se arregalaram, as pupilas se abriram de surpresa “Oh meu Deus, Brody. Parece com ele.” Ela estudou a imagem. "Você é incrível." Carter levou o papel fora das mãos dela “Obrigado por isso. Salva todos nós um grande esforço." Ele colocou a xícara dele no balcão com um estrondo, Drea saltou ao ouvir o som, talvez ele tivesse irritarado Carter um pouco demais, ele queria fazer mais e também algo para aliviar a tensão de Drea, Cujo riu. "Algo engraçado, Sr. Matthews?" “Não. Absolutamente nada, detetive”, disse ele então se virou para Drea. "Eu estava pensando... todo esse tempo eu tive você no armário e nunca tivemos tempo para dar uns amassos..." "Cujo", Drea jogou o pano de prato que ela estava usando para limpar o balcão para ele. Mas ela riu. E depois da noite que eles tiveram, foi o som mais doce de merda.

*

*

*

Drea soltou um suspiro de alívio. Seu turno acabou, o sol estava brilhando e ela finalmente estava do lado de fora. Toda vez que ela passava pelo maldito armário, pensara na noite


anterior e seu pulso disparara. José a incentivou a sair cedo, vendo diretamente através de suas tentativas de agir normalmente, Os colegas de trabalho ofereciam seu apoio enquanto pescavam detalhes adicionais que ela não estava pronta ou não era capaz de compartilhar. Cujo parou do lado de fora do café no horário que eles combinaram, Ela abriu a porta do pickup e entregou-lhe os dois cafés que ela trouxe, e depois subiu antes de apertar o cinto de segurança. “Obrigado pelo café. Como você dormiu?” Cujo afastou a pickup do café de José. “Não tão bem. Você?” Drea tomou um gole de café de sua caneca de viagem. "O mesmo. Dormir com um taco de beisebol é uma coisa. Acordar com um é completamente diferente”, disse ele. "Não é uma piada”, ela falou. "Foi quando você beijou meu pescoço, a merda ficou real." A risada de Drea se libertou. "Essa é uma visão que eu não preciso." "Você está bem? Não tivemos muita chance de conversar quando os policiais chegaram lá.” Drea não gostava quando Cujo ficava sério, porque ela gostava dele assim, ainda mas quando ele era humano e bom, não um idiota, ele era... algo que ela não deveria estar pensando. "Você obteve algumas proteções a casa? Boas fechaduras? Alarmes? Talvez até uma arma de fogo? Ele fez parecer que sabia onde você vive.” Drea estremeceu no pensamento de uma arma. Ontem foi o mais próximo que ela queria chegar de uma. Em vez disso, ela


havia triplamente verificado todas as fechaduras e mantido uma faca de cozinha à mão. “Ele pegou minha carteira de motorista, e ele sabia de todas as outras coisas sobre mim. Eu acho que ele praticamente sabe o tamanho do meu sapato agora” Ela mastigou o lado de sua unha do polegar. “Drea? Eu posso te ajudar a pegar algumas coisas de segurança melhores. Ou Trent pode quando ele voltar, mas não acho que você deva esperar tanto tempo.” Ela odiava pena, mesmo quando isso era feito sob o pretexto de amizade. "Ou", disse ele antes que ela tivesse tempo de responder, "você poderia vir ficar comigo, ou eu poderia ficar na casa da sua mãe. Pelo menos até que um pouco disso diminua.” “Honestamente, estou bem.” Mesmo que ela não estivesse. Mesmo que suas entranhas ainda parecessem como se tivessem sido puxadas através dela e passadas a ferro. Ela não podia se permitir uma segurança melhor. O lado da unha do polegar já estava ferido. Era um hábito nervoso, infantil, mais não podia evitar. "Sim, e eu sou LeBron James", ele respondeu. “Não querer responder é uma coisa. Mentir para mim é algo diferente.” As palavras de Cujo arderam, mas colocar sua face de jogo foi sua estratégia de enfrentamento nos últimos dez anos. Fingir que tudo estava bem era tão natural para ela quanto respirar. As palavras de Snake se repetiram através de sua cabeça a noite toda. Sonhos de uma mulher correndo, o beco atrás do café lançado na escuridão, um homem com uma arma, a bala acertando a mulher, só para ela se transformar em Cujo. Seu cérebro era uma bagunça confusa.


Ela estudou o perfil de Cujo enquanto ele conduzia a pickup da estrada para o norte na entrada de uma casa à beira-mar no exclusivo bairro de Golden Beach. A culpa a convenceu de que ele havia sido sugado pelos acontecimentos da noite anterior. Não era certo arrastá-lo para seus problemas ainda mais. “Sério, não é nada. Não foi nada. Eu estou bem,” ela disse, sua voz vacilando inconvincentemente. Ela precisava se recompor. Como ela tinha feito esta manhã, quando foi adiante com a entrevista que José lhe arranjara como uma gerente do turno noturno de um dos grandes hotéis à beira-mar. Suas finanças dependiam disso, então ela deu a si mesma uma conversa de dez minutos no banheiro, e pós um sorriso no rosto. Como ela permaneceu composta era um mistério, mas agora ela era oficialmente uma mulher com dois empregos. Cujo estacionou do lado de fora de uma magnífica casa de frente para a praia e desligou o motor. O carro se acomodou em um silêncio desconfortável. "Você está tão bem quanto um acidente de trem, Drea." Ele se virou em seu assento para olhar para ela. "Olha, eu sei que nem sempre fomos próximos, mas você sabe que eu farei o que puder para ajudá-la" A sinceridade irradiava dele. Se ela pudesse confiar nele. Em qualquer um. Talvez se ela o afastasse, ele estaria mais seguro. Ela respirou fundo e se fortaleceu enquanto olhava ao redor do bairro. "Estou bem. É sério." Do outro lado da rua, os portões se abriram e um desportivo vermelho conversível rugiu fora para a estrada. “P or que é que nós estamos aqui, Cujo?”, ela perguntou, mudando o assunto.


Ele olhou para ela com força, as sobrancelhas franzidas como se estivesse tentando resolver um quebra-cabeça. Por um momento ele não falou, e isso disse o suficiente. “Você queria uma localização chique e eu queria uma festa casual. Você é um pouco infeliz quando não consegue o que quer. Então vamos." Ela observou Cujo sair para fora do pickup, tentando não se concentrar no modo como seus ombros eram flexionados sob a sua preta Henley, que ele estava vestindo. Amaldiçoando baixinho, Drea abriu a porta para encontrar Cujo esperando por ela. “Vamos lá, bolinho Doce. Eu não vou deixar você a menos que você me chute nas bolas” Não havia nada que ela pudesse fazer para parar o sorriso. Ela se inclinou para frente, e ele segurou sua cintura enquanto a ajudava a descer da pickup. A faísca que ela sentiu dias antes no estúdio retornou, como um choque elétrico de baixo grau onde ele a tocou. Maldito seja por ser um paquerador. Eles caminharam em direção a um grande portão, reservado por paredes caiadas de branco cobertas de cruzetas. Drea gentilmente passou os dedos pelas frágeis flores cor-de-rosa. Cujo pressionou um botão on do interfone pelo portão. “Cujo, cara esta abrindo.” Em um desses momentos celestiais, o sol se libertou das nuvens quando os portões começaram a se abrir para revelar uma enorme casa. Os dedos de Cujo roçaram o queixo dela quando ele fechou a boca; ela bateu na mão dele. O edifício era feito de concreto cinza e folhas de vidro que pareciam estar suspensas em ângulos diferentes, como se alguém tivesse jogado as paredes no ar, só para ver onde elas pousariam. Era difícil imaginar que forma os quartos deviam ter. “É por isso que andamos em vez de ir de carro. Você não sente o impacto se dirigir.” “Isso é incrível, Cujo, mas eu não entendo.”


"Isso, querida Drea, é um encontro." "Puta merda! Isso é Moses Jones?” Ela chorou. Cujo riu quando o homem poderoso de longa data para o Miami Heat abriu a porta. Ela observou Cujo e Mo fazerem um estranho comprimento de garoto com um soco no peito que ela nunca conseguia entender. “Mo, essa é Drea. Drea, esse é...” "Oh meu Deus." Drea gritou, envergonhada que sua voz falhou. "Três vezes defensor do ano, seis vezes All Star e sétimo lugar em todos os rebotes." Mo riu quando ele apertou a mão dela. “É um prazer conhecê-la também, Drea. Entre.” Ele os conduziu pela entrada e sala de estar de conceito aberto para a parte de trás da casa. Cujo pegou a mão dela. Eles saíram para um pátio de calcário preto que se estendia por toda a extensão da casa. Um telhado de vidro transparente cobria uma área de cozinha ao ar livre maior do que todo o seu andar principal em casa, e a área do bar sozinha, completa com torneiras de cerveja, podia acomodar confortavelmente oito pessoas. “Vá em frente, dê uma olhada ao redor. Me dê um minuto para preparar algo e eu vou sair com algumas bebidas.” Mo desapareceu por dentro. Além do pátio, o terreno era ladeado por majestosas palmeiras, o tipo de gente contratava guindastes para plantar. Eles balançaram suavemente na brisa do outono. Cujo pressionou a mão suavemente em sua parte inferior das costas, o calor de seus dedos a queimando, em seguida, guiou-a pelos degraus até o gramado.


Grandes trechos de buganvílias cor-derosa brilhantes cobriam as paredes baixas atrás das palmas das mãos. Exuberantes verdes plantações e um caminho iluminado com luzes solares levando até a água. As espreguiçadeira vermelha e branca parecia tão confortável, Mas a vista. Ela tomou uma profunda respiração do mar e sorriu. O Oceano Atlântico, em toda a sua majestade, acolheu-a. “Eu não posso acreditar que estou aqui. Na casa do Mighty Mo.” Nunca em seus sonhos mais selvagens Drea considerou ser uma convidada em uma dessas casas. Golden Beach era para os mais ricos. Ela se virou para olhar para Cujo, chocada, seus olhos eram exatamente da mesma cor que a água. "É o lugar mais bonito que eu já estive", ela sussurrou.

*

*

*

Era necessário toda a força de vontade que ele podia reunir nesse momento, ele estava a dois segundos de enrolar suas mãos em punhos naquele exuberante cabelo dela e trazer sua boca para a sua. Se foi o olhar de terror que tinham estado nos seus olhos desde hora que ele a pegará no café, e agora tinha sido substituído por um deslumbrante sorriso. Quando ela deixou de ficar brava com o mundo e com ele, quando se deixou vulnerável por um momento, ele achou difícil sustentar sua decisão de ficar longe. Havia algo viciante nela. Enquanto separados, ele se encontrou pensando nela. Pensando em como isso pode ser bom. Mas relacionamentos eram algo que ele precisava evitar, e por mais tentadora que ela fosse, ele não conseguia mudar de ideia.


Ela bateu no braço dele. Um habilidoso foda-se a seus pensamentos. "Corrida para a praia", ela gritou por cima do ombro enquanto corria para abrir o portão. Pouco antes de chegar à areia, ela chutou os chinelos para fora. Ele riu, deliberadamente arrastando-se para a praia para que ele pudesse admirar sua bunda muito boa. "Quer organizar uma festa aqui?" Seus olhos brilharam, um enorme sorriso no rosto. "Você está brincando comigo? Mesmo?" “Fui para a escola com o irmão mais novo de Mo. Costumava viver na mesma rua quando crianças. Ele seria convidado para a festa de qualquer maneira, mas disse que podemos fazer aqui, se quisermos.” Drea se jogou em seus braços, rindo, e ele a pegou facilmente, girando-a ao meio. "É perfeito." Drea beijou-o na bochecha. "Obrigado." Seu rosto mudou de repente, a exuberância evidente foi substituída por um olhar de choque. "Desculpe", ela disse enquanto se contorcendo contra ele. Obviamente envergonhada por sua falta de inibição, ela estava se fechando, e Cujo não gostou. Ele a abaixou na areia, mas não tirou os braços da cintura dela. Era impossível ignorar a sensação de seus seios empurrados contra ele, ou o fato de que sua mão esquerda estava atualmente acariciando a parte de suas costas acima de sua bunda perfeita. E maldição, seu pau estava rastejando em território duro. “Não se desculpe. Eu amo que você amou isso. E que você está animada, e que você acabou de atravessar a areia como uma criança de quatro anos de idade.”


"Eu não vou pra praia muitas vezes, inferno, eu nem saio de casa na maioria das vezes. ” “ Drea,” ele disse, sem saber o que mais podia dizer. "Então o que você acha?" Mo chamou segurando uma bandeja. Drea olhou além de Cujo com um sorriso sexy se formando em seus lábios e o empurrando longe suavemente. "Vamos lá, não é todo dia que eu tomo chá gelado, na casa de um jogador de basquete quente, mesmo que eu tenha que estar com você enquanto eu faço isso.” Ele observou-a caminhar de volta para Mo e sentar-se à sua frente, tomando o copo que ele lhe ofereceu. O que ela não percebia foi que ela se pareceu como se pertence exatamente a ali mesmo. Uma vez que tinham decidido as coisas principais sentaram e observaram o sol se pôr. Drea tinha sido espirituosa e encantadora com Mo, e Cujo estava começando a obter uma ideia de que ele a tinha a julgado de uma maneira errada. Eles pegaram a estrada de volta para a cidade. Cujo abriu a janela um pouco, na esperança de tomar um pouco da crescente frustração. “Onde está seu carro? Eu quero ter certeza que dê a partida antes de eu ir.” “Você é um daqueles meninos criados pela mãe que exigem bons hábitos?” “Não, meu pai fez. Minha mãe decidiu que não queria ser mãe quatro dias antes do meu oitavo aniversário, então eu realmente acho que ela não daria a mínima.” "Cujo...?" Sua voz, grossa de simpatia, sufocou-o e ele se inclinou para frente para ligar o rádio. Raging vocals e os riffs


loucos de uma guitarra elétrica acompanhavam as batidas do tambor. O metal sempre foi seu refúgio, sua fuga. Ele ignorou a pergunta de Drea, deixando-a pairando no ar. O calor de seus dedos o queimou quando ela esfregou sua coxa suavemente. Longos golpes que pareciam um toque bom demais. Sua mão parecia pequena contra a perna dele. Ele a pegou e apertou por um momento antes de devolver a mão ao volante. Drea falou em voz baixa, mas ele não conseguia entender as palavras dela sobre o volume da música. Sentindo-se um idiota, ele desligou. “Desculpe, eu senti falta disso. O que você disse?" “Meu carro não pegava esta manhã. Então Eu peguei o ônibus." Agora ele se sentia como um idiota. Talvez ele devesse dar uma olhada para ela quando a deixasse em casa. "Qual o seu endereço? Vou levá-lo para casa." Drea suspirou. "Ok", ela disse relutantemente, "eu estou em" Seu telefone tocou e a tela se acendeu no suporte. Heidi British Airways. Ele se contorceu um pouco quando percebeu que Drea podia ver. Ela afastou a mão da perna dele e, por mais que quisesse impedi-la, ele a soltou. A ideia de colocar a companhia aérea para a qual as meninas trabalhavam como parte de seu nome parecia boa na época. Agora, isso o deixou se sentindo juvenil. "Apenas ignore, desculpe", disse ele, olhando para ela. “Você sabe o que, não se preocupe em me levar para casa. Eu tenho algumas coisas para pegar no José”. A temperatura caiu vinte graus no carro “Eu não vou deixar você pegar o ônibus para casa, Drea, eu estava lá ontem à noite. Você quer que eu ligue para Harper no


Taiti e interrompa o jogo sexual que ela está jogando com Trent agora mesmo para descobrir onde você mora?” O telefone tocou novamente. Heidi Filha da puta. Poderia um cara não pegar uma maldita chamada? “Ela parece muito desesperada. Você deveria ligar de volta.” Isso foi julgamento. Ou foi inveja? Era difícil dizer com que sua voz estava atada. Um incomodava muito mais do que o outro. “Quando eu te deixar, eu vou. Para onde estou levando você?” Houve uma longa pausa até que ela finalmente disse a ele. Cujo dirigiu para a rua da casa de Drea, ao entrar na rua ele se sentiu mal, Cristo como se lá vivia assim? Famílias estavam sentadas fora em suas varandas em sofás desgastados. Eles pararam do lado de fora uma casa velha pintada de mostarda. A calha estava solta da linha do teto. Painéis estavam faltando na cerca. Uma mulher mais velha e esquelética estava sentada na varanda em uma cadeira de rodas, conectada a um tanque de oxigênio. Ele não tinha ideia de que sua mãe estava tão doente. Drea estava quieta, a realidade entre esta casa e a casa que acabavam de visitar o chocou. Ele não queria deixar Drea aqui quando todas as partes dele gritavam para levá-la para casa com ele. Seu suspiro se encheu de tristeza. "Boa noite, Cujo." "Espere." Ele pulou para fora do carro, deu uma olhada ao redor. “Eu morei aqui toda a minha vida, Cujo. Estou mais segura do que você”, disse ela. "Dónde estabas?" A voz áspera e rouca veio da varanda.


Mesmo com as linhas desgastadas de idade e doença, ela parecia com Drea. “Sinto muito por tê-la mantido fora, senhora. Eu sou Brody.” "Soa estranho quando você diz isso", Drea sussurrou para ele. "Parece estranho dizer isso", respondeu ele. "Por que...chegou tão tarde?" A pergunta saiu em um chiado. Cujo assistiu os ombros de Drea caírem na derrota imediata. “Brody e Trent são nossos melhores amigos, nós estavamos planejamento sua festa de noivado.” ‘Então você pode pagar para sair com amigos, mas tudo que e consigo fazer é me manter na varanda?’ “Mamá." Drea estremeceu. Ela estudou a chão gostar ela des ejou isto seria aberto acima e engolir ela. "Esta é a minha mãe, Rosa", ela murmurou. Rosa se virou para ele. “Ou você pagou? Seja cuidadoso. Eu sei que ela está tentando encontrar algum idiota rico com quem ela possa se casar. Tirar-lhe do caminho dela para sempre.” “Mamá, por favor ENTRE” disse Drea, e ele desejou que Rosa entrasse também, Cristo, que coisa horrível para acusar sua própria filha. “Eu quero uma resposta, Drea, por que você não estava trabalhando? Você chegou tarde em casa ontem à noite também. Ele era o motivo?” Rosa exigiu. "Eu tive que fazer o inventário e hoje eu fui mais cedo pra que pudesse terminar mãe, apenas deixe isso ir.” Então Drea não contara à mãe sobre Snake. Parte dele queria deixar escapar a verdade. Tudo sobre isso estava errado. A pessoa com quem ele brigava praticamente toda vez


que a encontrava não era a mulher que olhava fixamente para suas lindas unhas dos pés laranja. "Sim, bem, você parece ter tempo de sobra então” Rosa olhou imperiosamente crítica para eles. Cujo estava chocado como Rosa podia pensar isso da filha ele tinha conhecido sua cota de aproveitadora, inferno a razão que ela fora pego ontem por Snake era por que ela não deixaria ele pagar uma conta de dez dólares. "Isto foi minha culpa, Rosa. Eu estava atrasado para nosso encontro” Ele sentiu Drea tensa contra ele. Enquanto ele assistiu ela manobrando sua cadeira de volta para dentro. Drea não fez nenhum esforço para se afastar dele, e eles ficaram quietos por um momento. "É assim o tempo todo?" Sem dizer uma palavra, Drea simplesmente assentiu. Cujo puxou Drea apertado contra seus braços e por um breve momento Drea o deixou.

*

*

*

Drea puxou para fora do abraço de Cujo, incapaz de encarálo, a Piedade dele iria esmagá-la. "Eu tenho que ir." Mesmo que ela realmente não quisesse. "Ela precisa de ajuda para ir para a cama." Ela finalmente olhou para Cujo. Ela daria tudo por um de seus comentários espertos e inteligentes em vez do olhar de preocupação em seu rosto. “Espere, Drea. Coloque-a na cama, venha ficar na minha casa. É mais seguro”


Drea olhou ao redor do bairro em que ela passou toda a sua vida. “Eu tenho que estar aqui de manhã para levantála. Obrigado pela carona.” Ela se virou e subiu os degraus. O ar frio e mofado sufocou-a no momento em que ela entrou. Nunca se sentira mais envergonhada ou mortificada pelas ações de sua mãe. “Que demonios, Mamá? o que você estava pensando?” Ela se abraçou, mais uma tentativa de não jogar nada do que se amparar. “Caminhão extravagante. Belas roupas. Caras como ele não ficam por aí com garotas como nós.” “Não coloque Brody junto com papai. Você não sabe uma única coisa sobre ele.” “Eu sei que ele vai te foder, depois te abanndonar. Ele é um cara bonito. Ele não vai querer alguém como você a longo prazo.” "Por que não? O que há de errado comigo, mamãe?” Rosa sacudiu a cabeça, sem dizer nada. Drea se virou e subiu as escadas. "Você não está me ajudando a ir para a cama?” o grito ecoou acima das escadas, saltando pelas paredes. Ela bateu a porta do quarto tão forte que as imagens sobre as paredes quase cairam. Infantil, talvez, mas se a mãe dela quisesse saber o que realmente se sentia ao ser abandonada era uma boa hora pra começar. Sua bolsa voou para a cama, o conteúdo transbordando em todos os lugares. Ela se jogou no colchão de frente. Seu coração bateu pesadamente. O médico avisou-a de que a dor muitas vezes causava raiva, mas a amargura de sua mãe impregnava cada célula de seu ser.


Mortificação era isso que estava sentindo, Como poderia tudo isso acontecer bem na frente do Cujo? Drea gemeu. Como ela poderia enfrentálo? Sua mãe basicamente a acusou de namorá-lo para que ela pudesse se casar e escapar dessa merda de buraco. O que ele estaria pensando dela agora. Casamento? Dentre todas as coisas? Ah sim casamento. Ela foi até a escrivaninha e ligou Frankentop, o nome que ela deu ao velho laptop decrépito. Meio computador, metade laje de concreto. Foi do José uma vez. Uma hora depois, com o cronograma completo, ela passou a enviá-lo por e-mail para todos, mas o arquivo não foi enviado. Porra, a internet caiu de novo. Ela reiniciou o computador, checou as conexões e cruzou os dedos. Ela pagou a conta? Ela não conseguia se lembrar e não poderia enfrentar uma ligação com seu provedor de internet inútil, que era garantido para mantê-la em espera até a meia-noite. Ela escreveu uma nota adesiva e anexou-a à tela. E-MAIL SCHEDULES. Drea reuniu o conteúdo de sua bolsa. Batom, espelho, pincel, todos os elementos essenciais. Algo vermelho e preto chamou sua atenção. Claro. O pen drive que ela encontrou na lavanderia. Perfeito. Tirando a nota do laptop, ela salvou o arquivo na unidade e verificou a unidade para confirmar que estava lá. Todas as pastas da unidade tinham títulos realmente estranhos, como o “traje de faturamento hidráulico do Condado de Collier” e o que quer que fosse “a mancha de cabelo de Bartram”. Ela abriu a pasta intitulada “Avaliação ambiental”, clicou em um arquivo intitulado “Fracking in the Everglades Um desastre esperando para acontecer”, e começou a ler.


Drea estudou a ilustração no topo do artigo. Um fracking bem não parecia exatamente o que ela imaginara. Um cilindro longo e reto de metal no fundo do chão, com concreto ao seu redor. Não parecia muito, mas tinha que haver uma razão para as emissoras de TV sempre informarem sobre ativistas sendo presos. Você não acampou por semanas a fio sem motivo. Na verdade, ela não acampou, por causa de insetos. E desagradáveis banheiros de compostagem. E falta de higiene pessoal. Com um clique, Drea abriu outro arquivo. Então outro. Mem orandos confidenciais, relatórios, diagramas. Enquanto ela desesperadamente queria para acreditar que um dos trabalhadores a tempo parcial teve uma chata-ass apresentação para escrever, ele estava claro que ela estava brincando sozinha, e Drea tremeu na a realização. Isso deve ser o que Snake voltou para procurar. Drea pensou na rota de saída da mulher. A porta da sala de funcionários estava aberta, o cesto de roupa suja por dentro. Ninguém sabia se a tampa estava aberta ou não. A mulher poderia facilmente jogá-lo lá enquanto tentava escapar. Drea fechou os olhos por um segundo, visualizando os corpos passando por ela. Carter gostaria de ver isso. Mas ela estaria em maior perigo se ela desse a ele? Snake sabia que ela tinha ido à polícia? O rosto da mulher brilhou diante de seus olhos. Drea não poderia viver consigo mesma se a mulher nunca fosse encontrada. Os diagramas e relatórios se desvaneceram enquanto ela lia, mas havia um nome que continuava aparecendo: Mike MacArthur. O próximo arquivo foi uma carta. Para o Walter. Nenhum endereço ou sobrenome foi incluído. Alguém assinando “LA” queria que ele soubesse que eles estavam tentando provar que um pedido de licença de faturamento para o Everglades foi


aprovado usando informações fraudulentas. Mencionou a Torstile Investments, o nome de uma empresa de fachada que possuía ações da Cleffan Energy Corporation. E que Mike McArthur, quem quer que fosse, estava indo para o norte para provar que o governador da Flórida era acionista. Ela mudou para a internet e entrou na “Cleffan”. Imagens de um grande prédio de vidro e cromo, e um homem mais velho em um Stetson apareceu. As mãos de Drea tremeram. Em que tipo de confusão profana ela estava presa? Rapidamente ela se levantou e apressou-se a descer as escadas para verificar as portas e as janelas. O arquivo definitivamente pertencia à mulher, e Drea estava cheia da realidade aterrorizante que Snake a mataria se descobrisse que ela tinha.


QUATRO Mike MacArthur estava morto. Vinte e quatro horas depois de encontrar o disco, Drea fora incapaz de resistir a puxar as cordas virtuais das informações contidas nele. Quando ela acordou, a internet estava funcionando. Descobrir os problemas de conectividade da noite anterior foi simplesmente uma interrupção foi um grande alívio. Ela temia ligar para o provedor, implorando por uma extensão de pagamento. Drea fechou o navegador e foi até a janela do quarto. O talentoso jornalista com uma longa lista de artigos ambientais e prêmios em seu nome foi encontrado em um carro virado para cima em um lago a cerca de 80 quilômetros ao norte de Athabasca, no Canadá. Drea estremeceu ao pensar nisso. Afogar-se em água gelada tinha que ser um modo aterrorizante de morrer. A razão duzentos e quatro de ela estava aliviada por viver em um lugar onde a temperatura raramente caía abaixo de trinta graus. Ela vasculhou a web desde que sua mãe precisava do banheiro às cinco. Em todos os artigos que encontrara por MacArthur, não havia menção a Walter, ou a qualquer um com as iniciais LA Only Gilliam Gillespie, professora de Ciência Ambiental da Universidade de Alberta, aparecia com frequência, oferecendo dicas de especialistas. Enquanto o Edmonton Journal afirmou que a polícia não estava procurando por alguém em conexão com o acidente, Drea estava convencida de que deveriam estar.


Porque se eles descobrissem o que aconteceu com Mike, eles poderiam descobrir o que aconteceu com a mulher. Drea não conseguia tirar a mulher do café da mente dela. Ela deveria ter estado na frente, ajudando, chamando a polícia, não fora flando no seu telefone. A culpa estava comendo nela. E se Gilliam e Mike trabalhavam juntos com frequência, havia uma pequena chance de Gilliam saber quem era a mulher. Ela encontrou uma foto de Gillespie, bem como seu email no site da Universidade de Alberta. Se Papai Noel perdesse uma briga com um par de tosquiadores, ele se pareceria com Gilliam. Ele foi professor na universidade por mais de vinte anos. Ela digitou um e-mail, incluiu a fotografia da mulher da filmagem em vídeo-vigilância e perguntou se ele tinha alguma ideia de quem ela era. A alta notificação de alarme soou em seu telefone. Café da manhã com Cujo. Merda. Drea bateu antes que ela tivesse segundos pensamentos, e correu para o chuveiro. Ela chegou a S&S quarenta minutos mais tarde, cinco minutos mais cedo do que o marcado com Cujo, o bar estava vazio exceto para um casal lendo o jornal. Eles eram mais prováveis serem locais, ainda era muito cedo para turistas. Drea agarrou dois pontos sobre o lado esquerdo, para que ela poderia enfrentar a janela. Ela pediu um café e estudou a cardáp io, perguntando o que ela podia pagar, tomaria um café, a maçã e o sanduíche de presunto que trouxe de casa seria suficiente mais tarde. A porta se abriu. “Bom dia, bolinho doce.” Ele estava vestido com jeans pretos que abraçavam sua bunda e uma blusa gola V cinza de carvão vegetal, óculos aviadores que ele usava faziam seu coração bater


mais rápido. Pulseiras de couro preto adornavam o braço dele. A agitação do estômago que ela acabou de experimentar era definitivamente fome. Certo? “Você está bem bolinho docê? Parecendo um pouco corada.” Drea chutou o banquinho ao lado dela. "Estou bem. Acabei de correr aqui para chegar na hora.” Cujo pegou o telefone e riu, segurando a tela na direção dela. “São três e oito. Três minutos. Me dê uma folga.” "O que eu posso pegar pra você, querida?" Uma garçonete amigável em uma blusa matronal branca empurrou os óculos de volta para cima do nariz. "Você pediu?", Ele perguntou. "Eu estou bem. Apenas o café para mim.” "Vou tomar um café, um grande OJ, o omelete especial com brinde extra" - ele fez uma pausa e olhou para Drea. - "e panquecas" "Claro, pessoal." A garçonete foi colocar a ordem para eles. "Uau, com fome?" Drea salivou com o pensamento de toda aquela comida, mas talvez ela pudesse roubar um pedaço de torrada. "Acabei de terminar no ginásio." Ele agarrou o suco de laranja assim que foi colocado na frente dele, derrubando-o em enormes goles. “Você deveria vir comigo algum dia. Queimar um pouco disso… a…” "Você sabe, cerca de dezessete pessoas por ano morrem de ferimentos causados por um garfo de quatro pontas." Drea pegou o implemento embrulhado em guardanapo, lentamente


retirando-o de suas armadilhas para pressionar gentilmente os dentes na carne macia de seu polegar. "Mesmo?" Ela olhou acima para os seus malditos olhos azuis. "Não, eu não tenho a mínima ideia, mas eu poderia definitivamente fazer você a primeira vítima.” Drea devolveu com um sorriso enquanto Cujo riu. Eles fizeram conversa fiada por mais algum tempo até que Drea alcançou seu fichário. "Temos um monte de coisas para passar." Eles foram interrompidos com a chegada da comida, Cujo inclinado através dela o cheiro salgado do bacon era divino. Ele fechou sua pasta e empurrou-a para um lado, substituindo-a por um sanduíche, Drea empurrou o sanduíche em direção a Cujo. Ele empurrou de volta. "O quê?" Cujo perguntou, de frente para ela. "É um sanduíche, não uma proposta de casamento", ele sussurrou em seu ouvido. "Apenas coma. Você pode me esfaquear depois com o garfo.” Drea pegou o sanduíche e deu uma mordida. O pão sourdough macio foi torrado, carregado com mayo apenas como ela gostava. A mordida salgada de bacon e o sabor doce de tomates perfeitamente maduros explodiram em sua língua. Ela fechou os olhos e suspirou. Se um orgasmo já tomou forma física, seria esse sanduíche. "Bom?" Cujo perguntou, observando-a com curiosidade. Drea assentiu furiosamente. "Perfeição absoluta", disse ela, cobrindo a boca com o guardanapo. "Obrigado." Mastigando baixinho, ela decidiu contar a Cujo sobre o pen drive. "Eu acho que encontrei algo ligado a Snake e a mulher."


"Sim, o que é isso?" "Você sabe que naquela noite eu limpei o cesto de roupa suja e estava reclamando que meus colegas de trabalho não esvaziavam seus bolsos?" Cujo assentiu enquanto mordia sua torrada. "Você se lembra de que encontrei um pen drive?" Cujo tomou um gole de café e baixou a caneca. "O que a faz certa que é dela?" “É um pressentimento.” “Você deu a Carter? Talvez ele consiga descobrir se está conectado.” Drea balançou a cabeça. “Eu fiquei um pouco paralisada com isso. Você viu Snake. O cara significava encrenca. Eu acho que era o que ele estava procurando.” “Você precisa levar para Carter. Se for dela, duvido que Snake volte e peça-lhe de uma boa maneira, Drea.” Ela sabia disso e era parte do que a assustava. Cujo pegou o cheque e deixou algumas contas com o recibo. “Você quer lidar com isso agora? Eu posso te levar para casa e voltar.” "Não, está bem. Você tem trabalho e ainda precisamos passar por essa lista.” "Podemos passar pela lista na pickup a caminho da loja de aluguel de festas", disse Cujo, jogando o guardanapo na mesa. "Parece bom", disse Drea, olhando para as manchetes de um jornal que alguém deixara para trás. Todos os dias ela os verificava, esperando por uma manchete confirmando que a


mulher havia sido encontrada, mas em vez disso era sobre um incêndio no estaleiro perto de Pinecrest. "Quais são as chances que podemos passa o dia hoje sem lutar?", Perguntou Cujo, deixando uma gorjeta no prato. "Nós não brigamos", ela respondeu rapidamente. "Como o inferno nós não fazemos", ele riu, deixando-a andar na frente dele. "Nós não iríamos lutar se você apenas concordasse comigo", ela jogou de volta por cima do ombro. "Drea, nós podemos ser as únicas duas pessoas que talvez brigariamos mesmo se concordassemos." Ela amava o jeito que ele brincava e a maneira como a mão dele roçava sua parte inferior das costas enquanto ele segurava a porta para ela, queimando a pele entre o topo de sua calça jeans e a parte de baixo de sua blusa. Ela sentiu os calos em seus dedos, o calor de sua palma, o roçar de seu braço ao longo de suas costas. Era impossível ignorar a onda de formigamentos em lugares que ela realmente não queria que formigassem ao toque dele. Se ao menos ela pudesse lutar com o jeito que ele a fazia se sentir.

*

*

*

“Por que são apenas sanduíches para o jantar? Nós geralmente temos tacos na quarta-feira.” Drea rolou seus olhos. "Porque hoje eu vou começar em um novo trabalho mãe e não tenho tempo pra chegar do José e ainda fazer o jantar”


“Quando eles vão te pagar? Esta bomba de ar é muito barulhenta. Isso me mantém acordada”. E o fato de ela ser distribuída gratuitamente me ajuda a dormir à noite. “Eu não sei, vou perguntar hoje à noite. Veja, Eu Tenho que ir” Drea bateu o telefone em sua bolsa e caminhou em volta do hotel para o empregador na entrada. Ele pediu pra que ela esperasse mais trinta minutos e a levou até um quarto pra que ela pudesse esperar. O telefone dela tocou de novo e de novo. Drea olhou para a tela, esperando que fosse sua mãe, mas ficou surpresa ao encontrar um número particular. "É Andrea?", Perguntou uma voz masculina. "Quem é este?" Por favor, não deixe que seja a empresa de Internet “Este é Gilliam. Professor Gilliam Gillespie, da Universidade de Alberta. Fiquei muito intrigado com o seu email, Andrea. A mulher foi encontrada ou identificada?” “Agradeço a você por devolver a minha chamada. Não, ela não tem o que você sabe sobre ela?” “Eu não a reconheci da foto que você compartilhou, mas enviei para algumas pessoas que poderiam. Drea, você mencionou que achava que ela estava ligada ao Mike. Por que você achou isso?” “Eu encontrei um pen drive que acho que era dela. Artigos, documentos governamentais, cópias de e-mails. Tudo sobre fracking. E havia uma carta para alguém chamado Walter, que mencionou Mike, que foi assinado em LA ” "Mike? Menciona-o pelo nome?” Gilliam ofegou.


"Sim. É por isso que entrei em contato com você. Muitos de seus artigos o citam como referência. E eu sei que ele... faleceu recentemente.” Houve uma longa pausa, acompanhada pelo assobio sutil da fraca conexão. "Você estaria disposta a me enviar os arquivos?" Gilliam perguntou, seu tom de voz entrecortado. "Eu faria", respondeu Drea, "Se você puder me dizer se acha que isso está ligado à morte de Mike." “Eu saberei mais quando eu os ler. Ah, e Drea, para sua própria segurança, sugiro que leve os arquivos para a polícia.” Outra pessoa entrou na sala usando um distintivo de nome de hotel. Ela terminou a ligação com Gilliam rapidamente, satisfeita com sua promessa de voltar para ela assim que pudesse. Depois de uma breve sessão de orientação, Drea passou o resto da noite no serviço de quarto que acompanhava June, um experiente membro da equipe de alimentos e bebidas. À meianoite, ela estava entediada. June mostrou a ela mais uma vez como inserir o recibo na carteira preta em que entregaram a conta ao cliente, ela estava quase saindo para o carro e batendo a cabeça no pára-brisa. Quando o final do turno veio, Drea quase chorou com alívio. Se ela correr para casa, ela pode ser capaz de obter umas preciosas poucas horas de sono. Ela caminhou para seu carro, caiu sua bolsa sobre o capô, e olhou para cima a a céu escuro. Dentro a distância, ela poderia ouvir a baque distante da boate, o ar cheirava limpo e fresco, vindo suavemente sobre o outro lado do hotel. Vasculhando sua bolsa por suas chaves, ela pensou em todas as coisas que precisava fazer. Levar os arquivos para Carter. Planejar a festa com Cujo. Pegar a receita da mãe dela. Não havia horas suficientes no dia.


Ela estava louca aos dezessete anos para prometer cuidar de sua mãe. Mas quais foram as outras opções? O vagabundo do pai dela se importava mais com o fundo de uma garrafa JD e com a garçonete dos Hooters locais. Promessas foram dadas como notas de dólar no clube de strip que ele freqüentava. No dia em que ele os deixou, Drea correu para casa para compartilhar as notas em seu exame para encontrar seu pai jogando sacos de lixo de pertences nos fundos de uma velha perua que ela nunca tinha visto antes. Drea entrou no carro e foi para casa. As estradas estavam claras, tornando o caminho menos doloroso. Ela bocejou e ficou aliviada que sua cama estivesse à vista. Espero que a mãe dela não acorde cedo. Ela se sentiu rancorosa, desejando que a mulher doente continuasse dormindo. Sua mãe não ia se recuperar, ela aceitou isso, mas o pouco de dinheiro extra do hotel deveria tornar seus últimos meses mais confortáveis. Talvez ela devesse tentar o banco novamente. Eles lhe deram um aumento insignificante em seu limite de crédito há alguns meses, mas se ela explicasse quanto mais sua mãe estava doente, e como ela conseguiu um novo emprego, eles não seriam um pouco mais... caridosos? Drea recusou a palavra. Ela poderia enfatizar sua disposição em manter ambos os empregos... bem, depois, para garantir que tudo fosse pago. E talvez ela pudesse economizar um pouco. Lidar com a casa, decidir o que ela queria fazer e, finalmente, deixar Miami para ir a faculdade. Drea parou na calçada e entrou silenciosamente na casa. Sua mãe estava dormindo e a casa estava silenciosa, além do chiado do oxigênio. Cansada, ela subiu as escadas. Ela sentou na cama, com toda a intenção de tirar os sapatos. Em vez disso, recostou-se no travesseiro e caiu no sono. O que pareceu meros minutos mais tarde, o seu


telefone tocou. Drea se mexeu na cama ainda dormindo, atrás de sua bolsa, para pegar seu telefone ela estava coberta de suor, coração batendo. Ela tinha tido um pesadelo. Ela puxou o telefone da bolsa... Cujo. "O quê?" Ela rosnou com raiva. "Ei, bolinho doce, eu tive uma idéia para a festa", disse ele alegremente. Quem dava a mínima para a festa? Drea caiu de costas na cama e gemeu. Ela teve menos de duas horas de sono. "E é tão bom que não podia esperar até uma hora razoável?" "O que? Está não é.. Whoa isto é cedo. Desculpe, Drea. Eu estou somente em meu caminho para a Academia, não pensei sobre o tempo." Sua liberdade para fazer o que ele queria tinha em seus nervos. "Sim, bem, alguns de nós não têm esse tipo de luxo." “Desculpe, Drea. Olha, eu vou. Eu posso ligar de volta mais tarde.” "Não importa", ela disse esfregando os olhos “Estou acordad a agora. Qual é a ideia que você não podia esperar pra me contar e que te fez pensar em mim logo de manhã?” Foi uma isca, ela sabia disso. A única maneira de se defender era um ataque preventivo. "Deixe-me adivinhar. Uma fonte de chocolate... Por que eu sou tão doce.” "Não. Eu estava pensando em fogos de artifício.” Ela podia ver onde estava indo. “Ok, eu vou morder. Porque eles são barulhentos e imprevisíveis? Cujo riu. “ Engraçado e verdadeiro. Eu estava pensando mais que eles são coloridos e vibrantes… e bonitos quando eles explodem.”


“Droga. Você não pode dizer coisas assim para mim tão cedo de manhã.” Mesmo que o pensamento a fizesse se iludir como a própria pirotecnia que estavam discutindo. "Pense nisso. Quão bem eles pareceriam no jardim de Mo. Eles refletiram na água”. Drea suspirou. Eles ficariam perfeitos. “Olha, você está cansada. Eu te ligo de volta, mais tarde,” ele disse e terminou a ligação. Era impossível parar de pensar em suas palavras. Então ela rapidamente enviou-lhe um texto. “Como você sabe que eu sou linda quando explodo?” "Drea", sua mãe chamou do andar de baixo. Não havia esperança de voltar a dormir agora, mas a ligação com Cujo realmente a energizou. Ela era tão idiota por seu flerte. “Você não sabe que todos os Artistas têm uma imaginação VÍVIDA! Durma um pouco, Bolinho Doce!”

*

*

*

Na quinta-feira à noite, Cujo estava esticado sobre uma enorme cadeira reclinável olhando o céu noturno, quando se esticou e pegou mais uma cerveja gelada, e alcançou outra pra Connor que ocupava a outra cadeira. Eles fizeram um exaustivo treino de 32 quilômetros, Connor que dirigia uma empresa de aventura e era um atleta nato não sentia nada, mais Cujo já podia sentir a rigidez em seus quadris e glúteos. “Foi um choque muito louco que você colocou sobre nós no jantar no domingo. Papai quase teve um ataque cardíaco quando você contou a ele sobre o assalto.”


Apesar da sugestão de Drea quando ele a deixou depois de visitar Mo's, ele não tinha chamado Heidi de volta. Ele tinha ido ao pai em vez disso. A família tentava se reunir em um domingo no pai deles pelo menos algumas vezes por mês. Ele não podia imaginar não morar perto deles. Ele sentiria muito falta das sobrinhas gêmeas. Nenhuma mulher poderia igualar os momentos preciosos quando Amaya e Zephyr olhavam para ele com olhos castanhos gigantescos e diziam “Tio Jo-Jo”. "Sim. Não tenho pressa em repetir essa experiência”, disse ele. “Foi uma merda, ser ameaçado com uma arma como essa. Não quero realmente pensar sobre isso”. Era difícil acreditar que tinha acontecido há apenas cinco dias e ele estava tentando tirar isso da cabeça. "O que mais está acontecendo com você?" “Hoje é o aniversário da mamãe. Você já se perguntou onde ela está?” "Eu tento não pensar sobre ela pra ser honesto” Cujo voltou seus pensamentos para a última recordação que ele possuiu dela, o que ironicamente era sobre o dia dos namorados, ele tinha ouvido seus pais sussurrando na parte de baixo da escada, e foi espiar achando que eles estavam falando sobre o ninja que ele tinha pedido de presente pelo seu oitavo aniversário. “Mas nós precisamos de você. Eu te amo pelo amor de Deus. O que precisamos fazer para que isso funcione para você” O pai dele parecia desesperado, implorando. "Você não entende, eu não quero estar aqui", sua mãe havia quebrado. “Acabei de viver uma vida que não quero. Brody foi um erro. Você sabe disso." Ele sentou-se paralisado nas escadas. Ele foi um erro? O que isso significa? Eles vão para se livrar dele? Claro, ele não queria sempre brigar com


Connor que tinha apenas cinco anos, mas isso é porque Connor quebrou seu Legos... Todos esses anos depois, isso ainda o incomodava. Ele era o único filho que ela havia escolhido como um erro. Era impossível abalar a sensação de que era culpa dele. Cujo deixou a lembrança ir embora, tomou outro gole de sua cerveja e olhou para Connor. “Quem deixa três filhos? Você mal se lembra dela, e Devon era tão jovem, ele não tem memória dela em tudo" Eles se sentaram em silêncio, bebendo suas cervejas. "Há uma nova professora na escola local", começou Connor. “A conheci na mercearia.” “Interessado?”, Perguntou Cujo, satisfeito por Connor ter entendido o recado e mudado de assunto. “Ela me perguntou se eu conhecia boas trilhas de corrida. Ofereci para mostrar-lhe, obviamente.” ambos riram. “O que há com você é sua parceira de planejamento?” “Drea?” Sim, o que dizer sobre Drea? Ela soou meio adormecida quando ele ligou para ela esta manhã. Ela tinha ido de zero a sessenta na escala irritada em dois pontos zero segundos quando percebeu que eram apenas seis e meia. Sim, ela fez questão de respeitar o sono das pessoas, mas ele foi até a academia e não considerou a hora. Ele esfregou os peitorais, ainda doloridos. “Tenho que ser honesto. Eu não sei sobre mim e Drea.” “ Sério. Eu tenho a impressão da última vez que você falou sobre ela que não há fumaça sem fogo entre vocês.” Cujo puxou os laços do moletom com capuz. "Há definitivamente algo.” Foda-se, estava lá desde sempre. Ele ficou com vergonha demais para admitir que


sempre a julgou mal. “Quanto mais eu a conheço, mais encontro coisas pra gostar nela." "Então, qual é o problema?" Connor colocou sua garrafa vazia na mesa entre eles. "Coisa é, Eu não estou certo se quero ser aquele cara, o que faz a coisa da fidelidade e cerca branca" " Você pensa que é onde está indo?” Connor o enfrentou. "Se ela é tão perfeita, porque não?" Cujo pensou na questão, como ele podia começar a responder isso, “Você conhece bem o por que Mano, para sempre é muito tempo" “Irmão não é um tempo muito longo." "Não é uma letra de música?", Perguntou Cujo. O título da música era familiar, mas ele não conseguiu se lembrar. “Para sempre não é muito tempo, quando se é longo?” “Sim, pare de se esquivar da minha pergunta, seu idiota. Por que não?" "Como eu disse", começou Cujo, "há muito o que gostar nela. Eu ouvi Harper contando a Trent que ela está cuidando de sua mãe desde que ela tinha dezessete anos de idade, e tendo conhecido a cadela, eu acho que Drea merece a santidade ou alguma coisa. E você deveria vê-la quando ela assume o comando. Ela é quente pra caralho e pequena, como se ela precisa de você para tomar conta dela... Mas então...” Ele fez uma pausa e olhou para as estrelas que brilhavam no escuro. "'Mas então, o quê?" “Bem, então ela abre a boca e está com raiva… não, fogosa. Ela foi lutando contra o mundo desde sempre e é como se ela espera que você ataque, então


ela ataca em primeiro lugar. Defende seu canto, independentemente do custo. Cada decisão para a festa tem sido uma luta, ela chuta minha bunda constantemente e está sempre feroz, Cristo eu só queria que ela percebesse que tudo não precisa ser tão difícil sempre.”

*

*

*

Drea estava do lado de fora da cerca do jardim dos fundos de Cujo, equilibrando quatro caixas de castiçais de vidro sob o queixo. O que foi que ele disse? Ah, isso mesmo. "ela chuta minha bunda." Ela deveria dar-lhe algo para reclamar. Ela debateu fazendo uma reviravolta. Não havia espaço em casa para as caixas, e Cujo se ofereceu para mantê-los em sua garagem, pois não poderia ficar no porta-malas de seu carro. Drea bocejou. Ela teve duas horas miseráveis de sono envolvendo um sonho em que ela morava na casa de Mo. Mas seu jardim tinha se transformado em campo de óleo e a mulher do café estava caminhando em direção a ela banhada e ela não podia escapar quando quando a onda tinha caído sobre ela queimando seus pulmões e ela acordou com o telefone a puxando de seu pesadelo ela estava tão imersa nos espasmos de terror que ela não podia se lembrar exatamente o que ela tinha dito a Cujo, mais se lembrava bem da sua mensagem sobre a imaginação vivida. Com uma hora de folga antes do trabalho e incapaz de dormir, ela passou mais tempo lendo o restante dos arquivos no pen drive e agora estava familiarizada com o perigo de extinção do Bartram. Ela precisava tomar uma decisão. Seu turno começava às dez da noite, não que ela tivesse contado a Cujo sobre seu


segundo emprego. Não era da sua conta. Ela tinha pensado em contar a Harper o quanto a condição de sua mãe tinha chegado a piorar, mas pela primeira vez desde que Drea a conhecera, Harper estava feliz. Drea não queria estragar tudo isso com seus próprios problemas. Respirando fundo, ela empurrou o portão aberto com o pé. Arbustos plantados rodeavam um grande pátio. No meio do pátio havia uma tartaruga gigante de plástico, cheia de areia. Cujo tinha filhos? "Drea", disse Cujo, com os olhos arregalados de surpresa. "Eu bati na porta da frente, mas eu acho que você não me ouviu” disse ela tão rapidamente quanto ela poderia conseguir. Ela não elaborou. Não há necessidade de se tornar mais uma dor na bunda dele. Ela colocou as quatro caixas no chão. Ainda havia mais duas em seu carro. “Drea, venha conhecer meu irmão. Connor, essa é Drea.” Ele os apresentou. Eles pareciam iguais. De ombros largos, cabelos loiros. Drea deu-lhe um pequeno aceno. “Prazer, em conhecê-lo Connor, eu sou a dor na bunda de Cujo” Ela continuou de volta para o carro. Talvez ela devesse entrar e sair para o trabalho. Os suprimentos sempre poderiam ser deixados outro dia, pro inferno ele é sua avaliação dela. O portão bateu e Cujo se aproximou dela. Ele usava calção preto e um moletom cinza sem manga , que mostrava sua postura atlética. Ele seia atraente se ele não estivesse bravo. "Drea." Ele agarrou a mão dela. O calor de seus dedos a queimava e ela puxou a mão para trás rapidamente. "Quanto você ouviu?" "Suficiente. Entendi. Você não gosta de mim e eu estou bem com isso.” A mentira a cortou. Não estava bem. Tolamente, ela


começou a aproveitar o tempo deles juntos. Tinha até ansiado por isso. “Isso não é nada disso. Porra. Eu sou tão ruim nessa merda” Cujo passou a mão pela barba por fazer. “Eu tenho que ir, Cujo. Aproveite a sua noite”. Drea procurou no bolso até encontrar as chaves. Cujo caminhou ao redor dela, bloqueando seu caminho. “Não dirija com raiva, Drea. Deixe-me explicar o que eu estava dizendo.” Uma única lágrima escapou, e Drea empurrou Cujo fora do caminho. Ela nunca chorou, não importava o quanto as coisas fossem ruins , ela não tinha tempo para a satisfação das lágrimas. Ela não chorou quando percebeu que não poderia ir para a faculdade. Ela não chorou quando o médico disse a ela sobre Rosa não ter muito tempo para viver. E ela com certeza como o inferno não estava indo para chorar agora, porque alguns caras estavam falando coisas ruins sobre ela. "Porra, não..." Ele segurou seu rosto, seu polegar traçando sua bochecha enquanto ele afastava a lágrima. "Não, você não pode fazer isso", disse ela batendo as mãos longe, ignorando a maneira como ela derreteu um pouco por dentro. Ela lutou para recuperar a compostura. “Drea, por favor.” Ele se moveu para longe do carro, mas segurou a sua mão. "Por favor, volte para dentro comigo, precisamos conversar e não apenas sobre o que você ouviu” Ele andou de volta para a casa. Drea reprimiu a vontade de pegar a mão dele e seguir, para deixá-lo explicar. Em vez disso, ela correu para o carro e abriu a porta. Ela pulou para dentro e ligou o motor, o cinto de segurança que se dane. “Drea. Não...”


Seus gritos desapareceram na distância, o olhar de angústia em seu rosto borrado no espelho retrovisor. Ela fez algo que nunca fez antes. Ela correu.


CINCO Na tarde seguinte, Drea estava do lado de fora da delegacia de Miami Beach e puxou o pendrive da bolsa. Ela só sabia que estava ligado à mulher no café, e depois de andar em círculos, ela tinha que fazer isso. E se LA fosse suas iniciais? E se a polícia conseguisse descobrir quem era Walter? A morte de Mike MacArthur e o conteúdo da mensagem foram certamente convincentes o suficiente. Ela reprimiu um bocejo, parabenizando-se por sobreviver, passando do turno da tarde do José para o turno da noite no hotel, depois de volta para o de José, para abrir com apenas algumas horas de sono roubadas entre os dois. Mas, apesar de ser estar se sentindo maltrapilha, não eram os pensamentos do pen drive ou de suas finanças que a impediam de dormir bem. Era um tatuador irritantemente sexy que continuava aparecendo em seus pensamentos. Sob a mágoa, ela sabia que ele estava certo. Ela estava lutando há muito tempo. E com todo o tempo que passou na companhia de sua mãe, ela saiu balançando. Mas o pior de tudo, ela estava com raiva, e não podia esperar para começar sua própria vida, em vez de ajudar sua mãe a viver a dela. Cristo, ela nem sabia o que ela gostava em programas de TV, porque elas sempre assistiam o que sua mãe queria. Com uma profundo respiração, ela empurrou a porta de vidro aberta. Ela verificou onde podia falar com o detetive e ficou sentada como foi orientada, do lado dela um menino pequeno estava agitando os pés e segurando um urso de pelúcia.


“Olá pequeno, como se chama?” "Mateo" ele respondeu, se voltando para pegar a mão de sua mãe “Parecendo bem hoje, Srta. Caron. Estava pensando em você.” Drea sorriu quando o detetive Carter contornou o balcão de informações e apertou a mão dela. "Será que você poderia me dar alguns minutos?"ela perguntou alisando o blazer branco que ela tinha colocado com seus jeans de lavagem escura. "Para você, Eu tenho o dia todo” disse Carter sorrindo pra ela “Você quer falar comigo em particular ou podemos nos sentar lá fora?” setembro em Miami era bem agradável “Por favor.” Ele conduziu eles para fora em direção ao parque em frente a delegacia. "Eu preciso te dar isso." Ela entregou-lhe o pen drive. “Achei isso no dia seguinte ao incidente. Meus colegas de trabalho são preguiçosos e nunca esvaziam seus bolsos do uniforme. Estava na lavanderia. Eu apenas presumi que era de um deles.” Carter virou-o na mão. "O que há nele?" “Informações sobre fracking. Tratase de um local de perfuração nos Everglades. Eu não posso entender muito nenhum deles. Mas eu acho que Cleffan Energia solicitou uma autorização e tenho um pressentimento que é ilegal, e o governador foi envolvido.” A preocupação gravou seu rosto. "Você acha que está ligado à mulher?" “Eu acho que sim. Há uma carta para alguém chamado Walter, assinou com 'LA' como as iniciais ele menciona um jornalista Mike MacArthur, que morreu no norte do Canadá recentemente. ”


Carter enviou-lhe um olhar com o canto do olho. “Você sabe, você deveria deixar a investigação para nós. Nós somos bons nisso.” “Eu queria saber se a mulher está bem. Eu preciso saber. Eu mal consigo dormir. Mas o cara que nos segurou, ele não pode saber que eu fui à polícia. Eu odiaria ser a vítima da sua próxima chamada a lidar.” “Você tem minha promessa de sigilo Drea, nos sabemos com o que estamos lidando” “Eu acredito em você, Detetive Carter.” "Por favor, eu espero que você me chame de Ryan... quando formos só nós dois." Ele estava flertando com ela? Ele estava definitivamente sorrindo. Drea assentiu e sorriu. “ Você descobriu alguma coisa depois de investigar a vizinhança” Nos oito dias desde que a mulher desapareceu, a polícia havia conversado com todas as empresas vizinhas e revisto todas as filmagens de câmeras de segurança que eles poderiam ter em suas mãos. "Ainda não. Esses caras eram como fantasmas. Mas ainda temos algumas pistas para acompanhar. Você é capaz de cuidar de si mesma? Eu posso providenciar um check-in de bem-estar diário na sua residência.” "Obrigado. Eu aprecio isso.” Drea sentiu um pouco da tensão deixar os ombros com o pensamento de não estar sozinha. Com o sol no rosto e a presença sólida de Ryan Carter ao seu lado, sentiu quase como uma pessoa normal. "Como você se sentiria se eu te convidasse para sair para jantar, Drea?" Como ela se sentiria? Parte dela queria dizer sim. Para lembrar a si mesma que, apesar das aparências, ela ainda podia


desempenhar o papel de uma jovem de 27 anos, despreocupada. Ryan era quente, Não era apenas a maneira como os ombros largos preenchiam a camisa; sua mandíbula angular estaria em casa em uma passarela. O modo como ele a estudou com aqueles olhos castanhos e pesados era lisonjeiro, mas eles não a fizeram tremer como os azuis vibrantes de Cujo. Mais desculpas vieram à mente; sua mãe precisava dela e tinha dois empregos. Mas continuava voltando para Cujo. Havia algo acontecendo entre eles. Ela sentiu isso. Suas palavras da noite anterior não a incomodariam tanto se não houvesse. "Vou tomar o silêncio como um não", disse ele. "Está mais pra uma verificação de possibilidade para acontecer," ela disse, honestamente. "Sinceramente posso pensar antes de responder a isso.” “Você precisar pensar tem alguma coisa a ver com o Sr. Matthews? ” Obviamente tinha mas Drea não estava pronta para discutir isto. "Eu sempre cumpro minhas promessas, Ryan, Eu Prometo que vou voltar para você com um responda." Ela sorriu e se levantou para sair. "Bem, nesse caso, aguardo sua ligação." Ele pegou a mão dela e apertou-a, segurando-a por uma fração a mais do que era profissional. "E por favor, para sua própria segurança, deixe o trabalho de detetive para nós." Drea olhou para o relógio. A roupa estava pronta. Tia Celine estava com a mãe e se oferecera para preparar o jantar. Havia uma prescrição na farmácia que ela precisava coletar, mas isso poderia esperar até que ela ir para o hotel para começar o turno da noite.


Ela dormiu por três horas entre chegar em casa e ajudar sua mãe a sair da cama, mas estava ironicamente acordada demais para ir dormir. Lummus Park Beach ficava a uma curta distância a pé. A água sempre dava a ela uma sensação de Paz. E ela estava muito necessitada de uma pausa de todos os pensamentos loucos correndo por sua mente totalmente em uma base diária: a mulher desaparecida, Mike MacArthur, e Cujo.

*

*

*

Empacotadas em salva-vidas laranja-neon e óculos de natação retrô brancos, Amaya e Zeph sentaram-se de pernas cruzadas na frente do pedalinho de Cujo. Uma hora de espirrar e gritar de excitação as cansou. "O que 'tem sorte' significa tio Jo-Jo?" Zeph olhou para ele. Cujo fez uma pausa no meio do curso. Ele realmente esperava que ela quisesse dizer isso em um contexto diferente. “O que te faz perguntar, Zeph?” "Porque mamãe disse ao papai que ele ia ter sorte hoje à noite." Cujo revirou os olhos e continuou remando. Claro que ela quis dizer isso do jeito que ele pensava. “Isso provavelmente significa que papai vai ganhar qualquer jogo que eles vão jogar.” Ele pegava as gêmeas durante a noite sempre que ele podia, mas ele não tinha a necessidade visual em como Devon e Elisa usava o tempo livre que ele os dava. "Vá mais rápido, tio Jo-Jo."


Seus passageiros em miniatura fizeram um bom treino enquanto ele lutava para manter a prancha à tona. O foco e o esforço físico forneceram uma saída para a frustração que a fuga de Drea causou na noite anterior. Ele precisava ligar para ela. Ele adiaria pela manhã, não querendo fazer isso na frente das garotas, mas uma vez que elas estivessem na cama, ele iria. Cujo pulou do tabuleiro, pegou uma gêmea embaixo de cada braço e as colocou na areia. Cujo passou a mão ao longo da cicatriz que descia por seu abdômen. Houve alguns momentos depois que as gêmeas nasceram que ele repensou na sua decisão de não ter filhos, geralmente quando uma, ou as duas, olhavam pra ele como estavam olhando agora. Como se ele pudesse malditamente caminhar sobre as águas. Eles caminharam até a pickup e ele puxou duas toalhas para secar as garotas. "Estamos com fome, Tio JoJo” Amaya disse uma vez quando já estavam vestidas. "Eu aposto que sim. Tente isso.” Ele remexeu no refrigerador e entregou a cada um delas um sanduíche de manteiga de amendoim e geléia com as crostas cortadas. Com o canto dos olhos, ele viu Drea andando na direção deles. Ele tentou ignorar o aperto em seu peito ao vêla. Claramente ela não o viu. Droga, ele não achou que ela viu alguém. Perdida em seu próprio mundo, olhando melancolicamente para o mar, ela não fez contato com ninguém, ele jogou o moletom com capuz, mas não o apertou. "Meninas, venham aqui." Ele pegou uma em cada braço e correu pelo calçadão. "Drea, espere", ele chamou. Ela não respondeu.“Garotas, gritem “Drea” o mais alto que puderem.” “Drea, Drea!” Eles gritaram em uníssono, acenando com as mãos. Amaya salpicando seu sanduíche na testa de Cujo. Por


favor, Deus, não deixe que haja manteiga de amendoim no meu cabelo. Drea se virou e Cujo a viu sorrir. Um sorriso de tirar o fôlego que rapidamente se dissolveu em risadas. “Amaya e Zephyr, essa é Drea. Drea, estas são minhas sobrinhas.” Drea conseguiu parar de rir, mas de vez em quando seus olhos voavam para a cabeça manchada de manteiga de amendoim. "Olá, lindas... o que vocês tem feito?" "Eu bati no tio Jo-Jo com meu sanduíche e o derrubei" Amaya disse com lágrimas nos olhos. Cujo beijou sua bochecha. "Não se preocupe com isso, Ya-Ya, eu vou pegar outro." “Eu pensei que foi engraçado,” Drea acrescentou, dando um tecido de sua bolsa. "Geleia", ela disse enquanto ficava na ponta dos pés para alcançá-lo. Cujo se inclinou para frente, ainda segurando firmemente suas sobrinhas. Ele podia sentir sua respiração contra sua bochecha e viu quando ela mordeu o lábio inferior em concentração. Seus olhos a encontraram em uma troca acalorada e de repente ele não queria que ela continuasse onde quer que estivesse indo. “Nós vamos dar um passeio. Venha conosco.” Drea inclinou a cabeça para um lado. "Por favor?", Implorou Cujo. "Vou compartilhar meu novo sanduíche com você", Amaya ofereceu. Cujo abraçou-a com mais força. "De morango?" Drea perguntou. "Sim, é ", disse Zephyr, batendo palmas. "Nesse caso..." Drea olhou para ele.


Não era realmente o lugar certo para estudála. As meninas se contorcendo em seus braços, e os quatro bloqueando o calçadão. Mas ele tomou o momento de qualquer forma. Drea estava na típica beleza que você podia olhar, mais nunca poderia totalmente capturar. "Podemos pegar um picolé, tio Jo-Jo?" Cujo desviou o olhar de Drea. “Claro. Vamos embora.” Uma rápida parada em um caminhão de sorvetes e as meninas ficaram felizes em passar pela frente deles. "Que parte da conversa você ouviu ontem à noite?" Cujo assistiu Drea lamber ao redor da borda de seu sorvete, enquanto ele se encontrava incrivelmente ciumento do cone de açúcar. “Não importa, Cujo. Entendi. Você não gosta particularmente de mim, mas...” "Não é verdade, bolinho Doce." Ele passou os dedos pelo cabelo bagunçado. "Você vê isso? Você não gostava dele raspado então eu deixei crescer” Lá foi sua masculinidade. Fodidamente um boceta. Ser careca era um lembrete do que ele viveu. Prova que ele sobreviveu. Mas algumas palavras de Drea e ele tinha o deixado crescer de novo. "Realmente?" Seus olhos castanhos se encheram de curiosidade. “Sim, realmente. Na primeira noite que nos encontramos no salão de bilhar. Disse-me que eu parecia um valentão”, disse ele e revirou os olhos em desgosto para si mesmo. “Você me disse que não gostou. Isso me incomodou. Então você está errada, eu gosto de você. Quer saber o que eu estava dizendo para Connor antes de você aparecer?”


Ela assentiu, mordendo o lábio inferior. “Discutindo que contradição você é. Como eu te admiro, mas acho que você pode muito bem ser a minha morte.” Drea riu. "Uau. Não exagere nos elogios, Cujo.” Ela tentou bloquear um bocejo com a mão. "Se mantendo acordada?" “Exausta é meu estado perpétuo. Estou acostumada com isso." Amaya e Zephyr colocaram suas bundas na areia perto do calçadão. Ele levou Drea a um banco próximo. "Eu não sou um tipo de relacionamento, Drea." Ele se inclinou para frente, observando as ondas por um momento antes de verificar se as garotas estavam bem. “Eu gostaria de ser”, ele disse, “mas tomei uma decisão há muito tempo que nunca iria me acalmar”. “Como podemos ir de planejando uma festa de noivado a nos estabelecendo? Isso é bem presunçoso de sua parte.” Ele traçou sua clavícula, a pele suave sob as pontas dos dedos e, em seguida, deslizou a mão ao redor de seu pescoço. Porra. Seus lábios se separaram em surpresa, e ele ficou extremamente tentado a pressionar seus lábios nos dela. "Talvez. Mas isto me faz pensar que eu não conseguiria me conter com apenas um gosto seu." Drea estremeceu como ele pretendia. Respirações curtas e superficiais fizeram seu peito arfar, fazendo seu pênis endurecer. "O que faz você pensar que seria assim tão bom?" Sua voz era apenas um sussurro. Ele se inclinou para ela, seus lábios uma fração da orelha dela. Levou cada grama de autocontrole para não provar sua


pele. "Quando se sente tão bem sem sequer tocar, como não pode ser?" "Não, eu tenho certeza que não é." Cujo moveu a mão de seu pulso e entrelaçou seus dedos com os dela. "Posso perguntar qual é o negócio com sua mãe?" "Eu prefiro falar sobre por que nós somos uma coisa ruim", Drea disse com um sorriso desanimado. “Ela tem sérios problemas pulmonares. Ela não tem muito tempo.” “Desculpe ouvir isso, Drea.” "Você tem alguma família aqui para ajudar?" Cujo não podia imaginar não ter sua família ao seu redor, sangue ou outra coisa. "Somente minha Tia Celine ela ajuda ocasionalmente.” Seu tom estava plano, mais seus olhos tristes diziam que não havia mais esperanças para isso. "Você se ressente de cuidar dela porque ela está doente?" Ele pensou em sua própria situação e não tinha certeza se ele queria saber a resposta. Drea recostou-se no banco, retirando a mão da dele e cruzou os braços sobre o peito. "Minha mãe sempre foi" - Drea fez uma pausa, e ele podia ouvir as engrenagens zumbindo quando ela veio com a palavra certa “rancorosa, controladora... talvez até amarga… a vida fui rude com ela, isto faz difícil trabalhar tão duro para ajudá-la, quando ela é tão... Ingrata” Eles se sentaram em silêncio observando Zephyr e Amaya, que agora estavam colecionando conchas. "Quando você precisa chegar em casa?" Drea enfrentou-o novamente. "Eu não. Tia Celine fica com a mãe pela tarde. Poderia ter algum sono embora”


As meninas vagaram e colocaram suas conchas em uma linha em suas coxas. "Bem, se você não tem planos, por que você não vem para casa com a gente?" “Sim, venha para o tio Jo-Jo. Ele prometeu que vamos fazer pizzas.” Amaya saltou no calçadão com os pés descalços. “Bem, as promessas são muito importantes. Eu não gosto de pessoas que não podem cumprir sua promessa, não é? ” “ Nãooooo.” As garotas gritaram de acordo. "Vamos lá, Drea", Cujo encorajou. “É só pizza. Venha comigo ou seremos forçados a tomar medidas drásticas. As garotas correram em direção ao caminhão. "Você não pode me assustar, eu não tenho medo de voce!" Drea brincou. “Sim, bem, você assusta a merda fora de mim."

*

*

*

Drea lavou os óculos e se esforçou para evitar pensar sobre Cujo tomar banho ao fundo do corredor. O tempo do banho para as meninas tinham descido em um turbilhão de gritos e bolhas, deixando Cujo encharcado, foi muito difícil não olhar como a T-shirt branca tornou-se mais e mais transparente revelando o mamilo perfurando que ela avistou na praia. As garotas estavam dormindo profundamente. Cada parede do quarto de hóspedes continha um mural espetacular de cada estação, pintado à mão por Cujo. Pinturas de arte moderna em cores contrastantes adornavam as paredes brancas da sala de estar, e Drea se perguntava se eles também eram do próprio


trabalho de Cujo. Ela enxaguou o último dos pratos e limpou a pia. Ela se sentiu muito melhor, graças ao cochilo que inadvertidamente tomara no sofá enorme de Cujo. Ele não disse nada, simplesmente cobriu-a com um cobertor e levou as meninas para brincar no jardim. Com um copo de água na mão, ela voltou para o sofá. Não demorou muito para que ela ouvisse uma porta fechada e passos se arrastassem pelo corredor. "Eu recebi as cotações de volta dos floristas", disse ela quando ele voltou para a sala de estar. "Você queria vê-los?" Cujo sentou-se ao lado dela no sofá. “Shh,” ele sussurrou, “nós não estamos falando sobre a festa de noivado.” Ele apertou a mão dela gentilmente, cada terminação nervosa em seu corpo agudamente ciente de sua proximidade. O que era sobre um cara em grandes ajustados jeans e pés nus que deixava uma mulher quente? Drea afundou ainda mais no sofá azul, o tecido felpudo e o acolchoamento macio envolvendo-a em conforto. Voltou-se para a TV e tentou se concentrar no armário que um atraente rapaz de reforma de casa estava fazendo. Minutos depois, um intervalo comercial anunciava uma padaria local, o que a lembrava. “Eu te disse que encontrei alguém para fazer os bolos? Ela é amiga de... "Shh", disse ele enquanto enfrentava dela. "Mas eu só queria..." "Shh." Ele riu baixinho e jogou uma almofada para ela que ela se afastou. "Não acorde os lacaios." “Cujo, pare. Estou falando sério” Suas mãos agarraram sua cintura e antes que ela tivesse a chance de respirar, ele a virou


de costas. Dedos fizeram cócegas em seus lados e Drea deu uma risadinha. "Eu também", disse ele. Ela balançou contra ele, tentou para empurrar ele fora mas ele a mantinha presa debaixo dele, um estranho sentimento de segurança a ultrapassou. "Nós não estamos falando sobre a festa." Ele de brincadeira cobriu a boca com a mão, fazendo-a rir mais. "E o padeiro é um amigo..." ela murmurou, tentando ignorar o corpo rígido de Cujo pressionado contra o dela. O jeito que o braço dele roçava contra ela, o calor de seus dedos em seus lábios, e a sensação de seu peito pressionando contra seus mamilos era totalmente enervante, mas incrivelmente satisfatório. Mas foi a intensidade em seu olhar que a fez parar de rir. Ele tirou a mão dele. "...de José e ele concordou em fazer oito dúzias para..." ela sussurrou. Por um momento, Drea pensou que ele ia deixá-la continuar, mas o olhar feroz em seus olhos lhe disse o contrário. Ele estava dando a ela tempo, um momento para entender seus pensamentos e se afastar, se ela assim o desejar, e depois acabou. Seus lábios pressionaram contra os dela. Drea fechou os olhos e finalmente parou de falar. Parou de se mover. E possivelmente parou de respirar. Seus lábios eram suaves e ternos, tirando toda a luta de dentro dela. Qualquer tentativa de fingir desinteresse era impossível. Ele se afastou dela tão rapidamente que Drea ficou sem fôlego. Ele soltou a mão dela, levantou-se e começou a andar de um lado para o outro.


"Merda, me desculpe, Drea." Ele parou, colocando ambas as mãos em cima de sua cabeça antes de esfregar as mãos sobre o rosto. "Eu não deveria ter feito isso." Surpresa ela simplesmente disse: "Por que não?" A expressão dele estava solene, grave até, sua limitada experiência lhe disse que esse tinha sido um inferno de um beijo, com proporções épicas. Então com certeza ele não pode ter achado ruim. "Não importa", disse ela, agarrando o suéter nas costas do sofá. "Eu vou pegar minha bolsa." Ela marchou em direção à porta, pegando sua bolsa da mesinha lateral enquanto passava. A porta era difícil de abrir, e Drea mexeu várias vezes enquanto girava a maçaneta, mas não se movia. Ótimo trabalho, garota, melhor maneira de fazer uma saída dramática. Cujo colocou a mão por cima dela. "Não, Drea." Seu corpo estava quente atrás do dela. Essa vulnerabilidade era desconhecida e assustadora. Nenhum deles se mexeu. Ele abraçado a ela por atrás. "Você não tem a mínima ideia do que faz pra mim," ele sussurrou. Ele a libertou. "Você deveria ir antes de eu me convencer de que ficar fora de um relacionamento não é uma má ideia." Ele caminhou até as portas de correr, em seguida, pisou no pátio dos fundos. "Mas por que é uma má ideia?" "Porque eu não faço isso Drea, eu me divirto muito, eu fodo muito, e por mais que eu queira você eu não posso ter isso, causaríamos um inferno na vida dos nossos melhores amigos." Apesar da dor inflando seu peito, ela podia ver a verdade em suas palavras. De uma maneira triste, ela apreciava a


honestidade.A força saiu de suas pernas quando ela saiu da casa pela porta da frente, caindo nos degraus. Independentemente de fugir um do outro , algo os mantinha juntos. Hoje foi uma surpresa maravilhosa. Ao vê-lo com Zephyr e Amaya, como ele era paciente com as crianças, bem, era lindo. Ele seria um pai incrível, diferente do dela. Mas então parecia que seu pai era um homem incrível para criar três meninos por conta própria. Se apenas sua própria mãe tivesse enfrentado o desafio. Drea não conseguia se lembrar de um dia em que ela havia rido tanto, a dor em seu lado um testemunho de como muita diversão eles tiveram juntos. E os braços dele. Deus ela se sentia tão segura O tempo estava todo errado. Ela precisava ir trabalhar no hotel em mais algumas horas. Ela não tinha tempo para lidar com isso, não importava o quanto ela estivesse secretamente começando a desejar poder. Cujo não estava procurando por um relacionamento. Por que ela estava? Por que ela estava mesmo considerando isso? Seus pensamentos estavam tão focados em se afastar de Miami, de sua mãe, de suas responsabilidades por tanto tempo, que ela perdeu a noção do que exatamente ela queria. O telefone dela tocou em sua mão. Eu preciso saber que você chegou em casa a salvo. Me escreva quando você fizer. Drea estava começando a perceber que, apesar de sua atitude arrogante, ele era um cara carinhoso. Está bem. Ainda na sua varanda. Eu sei. Eu estou olhando pela janela.


Ela olhou por cima do ombro e viu ele parado ali, mandando uma mensagem. Eu posso ser um idiota, mas eu não sou um idiota. Você está bem?? "Droga", ela disse em voz alta. Ele não é meu namorado. Ele não é meu namorado, ela disse para si mesma. Drea riu apesar de tudo. Ela precisava de algum espaço de Cujo e seus sentimentos. Estou bem, ela respondeu. Promessa? Ela não podia, e ele sabia disso. Ela nunca fez uma promessa que não poderia cumprir. Anos de decepção por aqueles ao seu redor. Seus professores prometendo-lhe que o tempo que ela passava cuidando de sua mãe não afetaria suas notas, prometendo que a ajudariam a ficar em dia com os deveres escolares. Sua mãe prometendo que deixaria de fumar. Seu pai prometendo que ficaria por perto. Boa noite, Cujo. Não, eu não estou bem, ela pensou enquanto entrava no carro, mas prometeu a si mesma que estaria.


SEIS Cujo deixou as portas duplas do hospital se fecharem atrás dele e procurou na sala de espera. Ele estava terminando uma parte do pescoço para um cliente de longa data quando recebeu a ligação. Sugou abandonar a equipe em um sábado, mas a família sempre teve prioridade. O rosto do pai estava pálido, a pele ao redor dos olhos comprimida de preocupação. Devon se levantou, com os tornozelos cruzados, inclinado ao lado de uma janela alta. O cheiro de um hospital trouxe de volta memórias que Cujo lutou para esquecer. As pinturas insípidas das flores e aquelas terríveis tentativas de arte moderna. Amônia e pinheiro atacaram suas narinas quando ele se sentou para encarar seu pai. Sinais barulhentos e sincopados de equipamentos foram interrompidos por um anúncio de alto-falante para um visitante tirar seu carro do compartimento da ambulância. Cujo sentou-se. "O que aconteceu?" “É sua mãe. Eu não sei mais nada ainda. Eles a enviaram para o médico.” Cujo observou o relógio na parede. O ponteiro dos minutos vibrava toda vez que mudava de posição, oscilando para a frente e para trás como se não tivesse decidido qual direção o tempo deveria tomar. "Alec Matthews?" Todos os três se apressaram. “Eu sou o doutor Jaffrey. Eu sou o neurologista cuidando da sua esposa. Este é o detetive Lopes, ele é o policial designado para o caso da Sra. Matthews.”


Cujo olhou para o pai, que parecia estar tendo problemas em se manter unido. Ele reconheceu o detetive Lopes. Ele ajudou Harper no início do ano. “Eu sou Brody Matthews, o filho dela. Detetive Lopes, nos conhecemos. Sou co-proprietário do Segundo Círculo com Trent Andrews.” "Eu lembro. Desculpe, não estamos nos encontrando novamente em melhores circunstâncias.” O detetive Lopes apertou suas mãos. “Este é meu pai, Alec Matthews, e meu irmão Devon. Você pode nos dizer o que aconteceu? "Sra. Matthews foi encontrado em North Shore Park. Nós acreditamos que foi um roubo fracassado. Ela foi severamente espancada”. Cujo se mexeu involuntariamente. As palavras do detetive o atingiram fisicamente. Alec gemeu e caiu contra Devon, que parecia branco como as paredes atrás dele. Dr. Jaffrey assumiu. "Sra. Matthews sofreu várias lesões, incluindo uma lesão cerebral traumática e exigiu uma reconstrução facial significativa no lado esquerdo do rosto. Ela está em coma há uma semana. Até ontem. Ela nos deu seu nome hoje, mas a sra. Matthews tem amnésia pós-traumática. Ela só pode se lembrar de detalhes de várias décadas atrás.” O Dr. Jaffrey parou por um momento para olhar seu pager. “Não é incomum para alguém que está em coma. A perda de memória pode durar algumas semanas, pode voltar amanhã ou talvez nunca mais retorne.” “Ela tem algum outro ferimento? Quero dizer, ela estava... como isso aconteceu?” Alec perguntou. “Nós fizemos testes extensivos. A tomografia computadorizada e a ressonância magnética revelaram alguns


danos no crânio e no cérebro. Ela esteve em cirurgia duas vezes para tratar de um sangramento cerebral interno. As lesões no lado esquerdo do rosto são substanciais. Normalmente, gostaríamos de ver mais inchaço diminuir, mas os ferimentos eram muito graves para esperar. Nós inserimos pratos em sua bochecha e sua mandíbula está ligada. Ela possivelmente precisará de mais cirurgias quando for curada mais um pouco. Cujo olhou para o chão, respirando fundo. Porra. Ele balançou a cabeça, tentando parar o turbilhão em sua mente. "Qual é o prognóstico?" Devon perguntou. Sim. O futuro. Ótima pergunta. “Esperamos uma recuperação completa. Não subestimar a gravidade de seus ferimentos. Ela exige mais tempo antes de poder ser encaminhada para fisioterapia o dano no seu cérebro e perda de memória precisam ser monitorados.” "O que podemos fazer?" Alec olhou para o médico, esperançoso. Cujo ecoou o sentimento. Havia tantas perguntas sem resposta. "Podemos ajudá-la a lembrar?" “Eventualmente, sim. É um pouco cedo demais para bombardeá-la com visitas e lembranças. Você pode falar com ela. Mostre as fotografias dela. Jogue sua música favorita. Traga suas flores favoritas. Mas não a empurre. A recuperação da memória é difícil para o paciente. Há todo risco, dada a gravidade do ataque, de que seu cérebro possa tentar protegê-la da memória do ataque.” Cujo esfregou as mãos para cima e para baixo no rosto. Velhos sentimentos de abandono superaram seus sentimentos de compaixão. Ele queria mesmo passar tempo com essa mulher? Ela os desejaria lá?


Seu pai pode ter algumas Polaroids flutuando em algum lugar da casa. Quando Evelyn foi embora, as fotos da família que estavam penduradas no hall desapareceram rapidamente, deixando quadrados de tatto sem pintura na parede. Quando se tratava do resto das preferências de sua mãe, ele era tão ignorante quanto ela estava agora. Ele era uma merda total. Ele não queria ajudá-la. Ela os abandonou por vinte e cinco anos. O que aconteceria quando ela se lembrasse? Deveriam fingir ser uma família feliz até se recuperar? "Nós vamos ter um problema." Era mais um pensamento, mas ele percebeu que tinha dito isso em voz alta. "O que é isso?", Perguntou Lopes. "Não vemos minha mãe há vinte e cinco anos." O doutor Jaffrey pareceu um pouco chocado. O detetive Lopes não se esquivou. "Perdão?", Disse Jaffrey. "Minha mãe nos abandonou há vinte e cinco anos." “Você sabe onde ela mora agora? O que ela faz? Algum outro parente mais próximo? Amigos?” Lopes pegou o bloco de anotações e começou a rabiscar. “Nós não temos visto ou ouvido dela uma vez.”, Disse Cujo, balançando de seus dedos dos pés para os calcanhares e vice versa. Seu pai agarrou seu antebraço. “Podemos ver Evelyn, por favor?” "Não vejo mal algum nisso", disse o doutor Jaffrey, olhando para Lopes, "Se todos concordam em manter o foco no que é melhor para a recuperação de Evelyn". Eles seguiram o médico até o quarto dela.


Seu pai andou para o lado da cama. “Evelyn. Estou tão feliz por você estar segura” Ele deslizou a cadeira de plástico ao lado da cama e sentou-se. Mas Cujo não conseguiu olhar para ela ainda. Ele tinha oito anos. E ela estava batendo a porta. Ele sentiu Devon sair do seu lado e caminha em direção à cama. Podia ouvir suas palavras murmuradas de saudação. Desajeitado. Ele olhou para ela então. Um par de olhos azuis elétricos que combinavam com os dele o consideravam cuidadosamente. E naquele momento ele a entendeu. Porque ela não queria estar rodeada por uma sala cheia de estranhos, mais do que ele queria estar lá.

*

*

*

Drea estava do lado de fora da confeitaria encostada na parede turquesa, os olhos fechados ao sol. Ela parecia uma deusa romana moderna em seu belo vestido branco e pulseiras de ouro. “Bom dia, bolinho doce. Lembre-me por que estamos aqui” disse Cujo enquanto caminhava na direção dela, olhando a loja com desconfiança. Teria sido apenas duas noites desde que ele fodeu tudo com ela? Ou vinte e quatro horas desde que ele se reuniu com a mãe? Ela abriu os olhos, olhou para ele com indiferença. Merda. “O amigo de José acaba de abrir esta pastelaria. Eu sei que é um exagero, mas ela está nos fazendo um grande favor com o preço e realmente queria que viessemos experimentar o


sabor" Drea falou pausadamente estudando a cara dele. "Mas você não tem que fazer isso hoje, se você não quiser." Drea agarrou seu braço, a sensação de sua pele contra a dele tão frustrante quanto reconfortante. Ele não contou a ninguém sobre o retorno de sua mãe, mas de alguma forma ela sabia que as coisas não estavam certas. Duas horas na academia não tinham sufocado a confusão inchando como um tsunami, vindo do nada e caindo sobre ele com força suficiente para puxá-lo para baixo. Sua mãe estava de volta, mas ele não sabia mais por que ela havia partido. A pessoa que ele queria gritar, para ver que sua vida estava bem sem ela, não se lembrava de tê-lo abandonado. Ele se sentia mais impotente agora do que quando ela se foi. Deixar Drea pra baixo não era algo que ele queria fazer. O beijo entre os dois em sua casa ele tinha o batido fora de sua mente. O jeito que ela se sentia em baixo dele. Porra. Talvez vendo sua mãe novamente foi o melhor, um lembrete para manter seu coração solidamente atrás das grades de sua costelas. "Estou bem", disse ele com um sorriso fraco, acariciando a mão dela e retirando-o do braço. Uma placa de lousa FECHADA estava pendurada na porta. Nenhuma das luzes estava acesa por dentro. as cadeiras estavam encostadas nas pequenas mesas quadradas com precisão militar. "Tem certeza de que é hoje?" "Sim". Drea bateu na porta de vidro. Eles não esperaram muito antes de um sorriso radiante ser recebido por eles. “Drea, entre mon ange.” "Madeleine, este é Brody." Cuidando para não apertar demais, Cujo apertou a mão de Madeleine. Ele imaginou que poderia quebrar seus ossos, que pareciam mais estreitos do que


os lápis que ele usava no trabalho. Ela era um contraste estranho - um rosto feminino elegante, com longos cabelos escuros e batom vermelho, e o corpo de um garoto de onze anos. “Bonjour, Brody. Vem vem. Eu tenho tantas coisas para vocês. Très délicieux” Cujo rapidamente percebeu que Madeleine era um tornado. Girando ao redor da sala, decorada em branco com um azulejo ocasional pintado com girassóis alegres, ela serviu sua primeira amostra. “Este é um bolo simples com delicadas camadas de coalhada de limão e buttercream. É decorado com uma cobertura de creme de limão couleur buttercream, mas eu poderia fazer qualquer couleur que você preferir. Experimente.” Cujo pegou o garfo do tamanho de uma criança com dentes estranhos. "É um garfo de bolo", sussurrou Drea. "Use a ponta para cortar." Ela virou o garfo e cortou para demonstrar. Levaria uma hora para comer uma fatia de bolo a esse ritmo. "Oh meu Deus", Drea gemeu, a voz rouca o atingindo em lugares que ele decidiu estar fora dos limites. "É tão bom." Ela abriu os olhos e olhou para ele. “Sério, tente alguns.” Era bolo pelo amor de Deus. Drea parecia ter acabado de ter um orgasmo no meio da cozinha. Ele cortou um pedaço e colocou em sua boca. A torta de limão e o rico doce buttercream misturavam-se perfeitamente e estavam tão próximos do céu quanto qualquer coisa que ele já provara. "Puta merda." "Você gosta, oui?" “Tenho que ser honesto. Não sabia que o bolo podia ser tão bom.” Cujo se moveu para pegar outro pedaço do bolo, estava


prestes a pegar uma fatia quando Madeleine tirou o prato de debaixo dele. "Espere, eu ia-" Drea riu. Ele se virou e curvou o lábio para ela, esperando que ela não notasse o jeito que o canto do lábio dele estava se contorcendo em um sorriso. “Não, não! Há muitos para provar e você estará muito cheio.” Madeleine colocou outro prato na mesa. "Esta é uma esponja de baunilha, revestida com creme de manteiga, e a cobertura é feita com infusão de caramelo." Cujo e Drea se entreolharam antes de correr para pegar uma mordida. "Mmm," Drea suspirou. Alguns dos buttercream pegajosos toffee agarrou-se desafiadoramente ao seu garfo. Para não ser superada, Drea lambeu o garfo, uma visão que exigia um ajuste de seu jeans. Ele mastigou, pensando no que poderia fazer com Drea com aquela cobertura. Ele precisava parar de pensar dessa maneira. “É bom, não? Qu'est ce que vous preferez? “Este aqui...” "O outro..." Eles disseram ao mesmo tempo. Cujo pegou outro pedaço de bolo antes que Madeleine pudesse pegar o prato. "Oh, sorrateiro" Drea sussurrou em admiração quando seu prato foi levado embora. Mais doces foram colocados na frente deles, um chocolate delicioso s'mores, um chocolate branco coberto com fondant de framboesa, e um com glacê que provei como torta de limão. Uma vez que os bolos foram todos degustados, Madeleine serviu-lhes um expresso e colocou quatro cupcakes simples, dois sacos de cobertura de creme de manteiga - um amarelo vivo e brilhante, o outro marrom - e uma bandeja de coberturas na frente deles.


“A mente toma as melhores decisões quando está ocupada de outra maneira. Ice seus deleites e decida. Eu vou estar à vontade, despreocupada, no andar de cima, no meu escritório. Apreciem" Cujo tomou um gole do expresso escuro e rico. A última meia hora havia aliviado seu humor. Quem sabia que a degustação de bolos poderia fazer isso? Drea colocou um bolinho na frente dele e entregou-lhe a cobertura marrom. "Você ouviu a senhora", disse ela, sorrindo. "O que eu devo fazer com isso?" A sacola plástica de gelo estava esmagada em suas mãos. "Você me quer para fazer a coisa Patrick Swayze Fantasma?" Drea escolheu acima a cobertura amarela , segurei o topo com uma m ão e usei a outra para espremer a cobertura em direção ao bocal. "O quê?" Ela olhou para ele, as sobrancelhas levantadas. "Você sabe, quando ele se senta atrás de Demi Moore na roda de oleiro?" "Não faço ideia do que você está falando." Soava como uma coisa de garota total, o que quer que fosse. Merda romântica realmente não era seu ponto forte. Ele nunca ficou em um relacionamento longo o suficiente para que isso importasse. Drea apertou a bolsa de gelo por um milésimo de segundo antes de se afastar, deixando para trás a pequena estrela de aparência mais perfeita em seu cupcake. Bem, adivinhe? Ele era o artista, então de jeito nenhum ela iria vencê-lo na decoração do bolo. Ele olhou ao redor da sala em busca de inspiração, seus olhos procurando por uma ideia. Então ele viu. Drea repetiu sua ação, movendo seu bolo em pequenos movimentos até que ela tivesse um anel de estrelas. Silenciosa em sua tarefa, ela tinha um foco único. Ele admirava isso.


Cujo pegou o glacê marrom, focado no centro do bolo, e apertou o saco com cuidado, o pequeno ponto do congelamento foi exatamente o que ele queria, então ele colocou outro próximo para isto, então curvado ele usava uma faca para remover qualquer pontinhos que não estava perfeito. Seus pensamentos voltaram para sua mãe. Ele poderia responsabilizá-la por algo que ela não lembrava? A vida não seria mais fácil se ele pudesse deixar o passado até que ela se recuperasse? E se ela nunca recuperar essas memórias? Ele compartilharia sua experiência com ela? Dar a ela uma compreensão real de como era crescer pensando que ele era um erro. Isso é o que ele tentaria fazer, quando ela estiver bem o suficiente. Usando a cobertura amarela, ele desenhou linhas estreitas que se estendiam dos pontos marrons no centro. Cada golpe foi ligeiramente diferente. Ele precisava conversar com seu pai, contar o que ouvira naquela noite e perguntar se realmente era culpa dele que mamãe havia os deixado. Não saber estava matando-o por dentro. Se fosse verdade, ele poderia aprender a controlar essa dor. Ele sentou-se e admirou seu trabalho. Nada mal para um primeiro esforço. E Madeleine estava certa. A mente tomou melhores decisões quando estava ocupada. Ele sentiu um nível de conforto que não conseguira alcançar na academia, apesar de ter quebrado o traseiro simplesmente decorando um cupcake. Alguém deveria tirar seu cartão de homem porque ele com certeza não merecia isso agora. "O bolo de chocolate", disse ele, olhando para Drea.


"Concordo", ela disse baixinho, seus olhos estudando-o atentamente, mas não revelando o que encontraram. "Eu tenho que ir. Diga a Madeleine, obrigado”, disse ele, abrupto. Ele colocou os dois cupcakes na frente de Drea. “Oh meu Deus, esses girassóis são lindos! Como você..." Ele se inclinou e beijou o topo de sua cabeça. "Tchau, bolinho Doce." Não era fugir quando você se retira da tentação. Porque de alguma forma, Drea estava dando a ele tudo que ele precisava. E na opinião dele, ele não precisava disso.

*

*

*

Segundas-feiras sugavam. Bem assim fez mais a cada dois dias. Mas para Drea isso significava o começo de outra semana que seria exatamente igual a todas as outras. Ela puxou uma camiseta limpa do "José" por cima da cabeça. Mamãe estava de pé, o café da manhã foi comido, duas cargas de roupa foram lavadas e penduradas no quintal, os almoços estavam prontos e Drea precisava sair. O telefone na mesa de cabeceira vibrou. "Olá." “Andrea, é Gilliam. Você tem um momento?" Ela sentou-se na cadeira ao lado de sua mesa e tirou um bloco de anotações e uma caneta. "Eu tenho. E por favor, me chame de Drea.” “Os arquivos que você me enviou foram muito interessantes, Drea. Eu estive em contato com Sylvie, a esposa de Mike. O itinerário de Mike era visitar sua família em Athabasca e depois dirigir-se a Fort McMurray para encontrar um novo contato.”


“Ela sabe quem foi o novo contato? Ou por que o Fort McMurray?” Drea perguntou, inclinando-se sobre o teclado para colocar o local nos mapas do Google. “Uau, isso realmente foi um longo caminho para o norte. Seiscentos quilômetros a partir da fronteira de Montana e Alberta.” “Meu palpite é que Fort McMurray está no coração das areias betuminosas de Athabasca. Toda grande empresa de energia que vale um pingo de sal está lá em cima”, explicou Gilliam. “Sylvie não sabia quem ele era” Ela fez uma nota para pesquisar quais empresas operavam lá e, em seguida, colocar uma linha reta através dele. Deixe isso para o detetive Carter. “Você acha que a viagem dele foi conectada à nota? Dizia que Mike estava indo para o norte.” “Possivelmente, mas seria pura especulação da minha parte. Sylvie concordou em me deixar dar uma olhada nas coisas de Mike assim que ela conseguir de volta da polícia. Pode haver algo que ele estava carregando consigo que pode ajudar a juntar isso. Você foi à polícia como eu sugeri?” "Sim." Ela bateu a caneta no canto da mesa, ponderando a decisão de confiar em Gilliam. “É claro os arquivos que você tem ponto para o ilegal comportamento de seniores eleitos funcionários, mas categoricamente não provar nada. E uma carta dentro. Esses arquivos tem nomes três pessoas - Walter, Mike, e 'L.A'. Mike está morto. A mulher carregando os arquivos está faltando ...” "O que você acha que devemos fazer, Gilliam?" "Você precisa ser cuidadosa. Você perguntou sobre o Mike? Ele estava escrevendo uma exposição sobre a corrupção nos processos de licenciamento nos EUA. Ele me ligou para perguntar se eu poderia olhar para uma amostra de solo que ele


trouxe da Flórida. Eu já disse isso à polícia, mas ele me disse que achava que estava sendo seguido.” A ideia de que MacArthur foi morto ainda a chocou. Lembrou-a de que isso tinha sérias consequências. "Ele disse quem estava seguindo ele?" E se a pessoa que o seguia fosse um dos dois homens que perseguiram a mulher? "Ele não o indentificou, mas ele me contou que o homem era parecido com Rondo Hatton.” “Quem?” Ela perguntou curiosamente. “Oh, um ator famoso dos anos trinta e quarenta. Teve uma condição médica incomum, acromegalia, uma doença desfigurante.” Drea digitou o nome em seu mecanismo de busca. Fotos em preto e branco apareceram de um homem com uma testa excepcionalmente grande e nariz inchado. Grandes olhos inchados estavam cobertos com sobrancelhas grossas e escuras. Foi um retrato surpreendente. Houve uma longa pausa. Drea bateu na caneta mais um pouco antes de jogá-la na mesa. "Você acha que eu vou estar segura, Gilliam?" Uma pausa mais longa. "Eu sinceramente não sei." Drea terminou a ligação. Ela se sentia insegura em sua própria casa. Ela pensou nas palavras de Cujo depois da noite com Snake. Ele disse que a ajudaria com segurança se ela precisasse. Ela discou o número de Cujo. "Ei", ele respondeu. Sua voz, toda áspera com o sono, vibrou através dela. “Cujo, é Drea. Eu acordei você?" “Tudo bem, Se não você, meu botão soneca teria em outros três minutos”. O som da cama sussurrando estimulou imagens


dele na cama, talvez nu... com um lençol de algodão branco estrategicamente colocado em suas coxas. Não, largue a imagem... ele poderia estar mentindo. "Você ainda está aí,Drea?" Malditos devaneios a deixavam quente sob o colarinho. "Sim. Desculpa. Eu me perguntei se poderia aceitar sua oferta.” "E qual oferta foi essa?", Ele perguntou, com indiferença. Ele a rejeitou. Teve a oportunidade de fazer mais do que beijá-la, mas ele virou as costas para ela e foi embora. “Você não pode dizer coisas como essa para mim Cujo”, ela resmungou. Houve uma pausa, e dessa vez foi a vez dela de se perguntar se ele ainda estava do outro lado da linha. “Desculpe, Drea… é só… é tão fácil esquecer em torno de você. Sério, o que você precisa?” “Novas fechaduras para as portas, fechaduras ou o que quer que seja. Eu não sei o que comprar e definitivamente não sei como instalá-los.” "A que horas você precisa estar no trabalho?" Drea olhou para o relógio. "Uma hora, mas preciso sair em vinte e cinco minutos para pegar o ônibus." “Fique tranquila. Eu vou ver o que você precisa, então correr e levar você para trabalhar. Nós vamos descobrir quando eu posso encaixá-los, então. OK?" "Obrigado, Brody." "Brody, hein?" "Sim. Mas só quando você é legal.”


SETE "Hey, querida, chegueiii." Trent entrou no estúdio, segurando a mão de Harper. “Rápido, Pix. Esconda a bebida e livre-se das prostitutas” Cujo gritou enquanto se levantava e abraçava o homem que ele tinha como um irmão. Quando ele disse a Drea que eles não deveriam comparar o quão bem eles conheciam seus melhores amigos, ele não estava brincando. E naqueles vinte e sete anos, ele poderia honestamente dizer que nunca tinha visto seu melhor amigo tão fodidamente feliz. Trent deu uma boa olhada ao redor. “É bom ver que você não destruiu o lugar.” “Acabamos de terminar os reparos. Você não pode sentir o cheiro da tatto?” Ele se mudou para Harper e puxou-a para um abraço de urso. Quando eles se conheceram, cinco meses atrás, ela estava com medo de qualquer contato físico, como resultado de um ataque brutal por seu ex-namorado. Isso agradou Cujo mais do que ele nunca deixou que ela soubesse que ela o deixava abraçála sem vacilar. "Quer parar de bater na minha garota cara?" “Ela tecnicamente não é sua até que vocês estejam casados. Fuja comigo Harper. Certamente você já o superou”. Harper corou quando ele a soltou. "Não tenho certeza de que alguma vez vou superá-lo." Ela esfregou a mão sobre o cabelo de Cujo. "Eu gosto mais." Ele saiu do caminho quando Pixie e Lia gritaram seus olá.


"Como foi, mano?" Cujo continuou desenhando uma tatuagem para o cliente que havia saído para uma rápida corrida de café. Era uma bala de Roy Lichtenstein explodindo com um gigante WHAM em cores vivas. “Cara, Taiti foi incrível pra caralho. Nunca vi nada parecido” Trent pegou um pacote de alcaçuz vermelho do prato atrás do balcão. "Você conseguiu alguma tatto?", Perguntou Cujo, sendo a Polinésia a casa da tatuagem. “Não. Pensei sobre isso.” “Como vai a organização da festa? Vocês me faliram?” “Vocês disseram festa?” Harper se juntou a eles e Trent passou o braço pelos ombros dela. Cujo reprimiu um sorriso. Eles pareciam tão fodidamente doces que seus dentes doíam. “A festa é boa. Local, comida, bar e um milhão de outras pequenas coisas que Drea considerava essenciais.” Ele se virou para Trent. "Ela me mandou uma mensagem às quatro da manhã para me dizer que eu precisava encontrar um comerciante a granel para sparklers." "Vocês conseguiram evitar matar um ao outro”, perguntou Harper. "Sim. Mas por outro lado alguém tentou assassinar um de nós” Cujo respondeu. Harper pegou seu braço em um aperto de morte. "De verdade?", Perguntou Trent. "Sim. É uma história muito longa, mas para vocês, eu posso manter isso bem curto. Dois homens expulsaram uma mulher do café. Drea testemunhou isso. Alguns dias depois...” "Espere, Drea está bem?" Harper interrompeu.


"Ela está bem. Assustada, mas bem. Então o cara voltou na outra noite. Nos amarrou mais forte do que a morte” Cujo piscou a Harper, ela tinha aquele olhar ferido na cara dela e estava tentando tirar isso de lá. "Porra. Isso é...” Trent balançou sua cabeça. "Sim, bem. Arma de fogo. Armário de roupa. Ele sai. Nós cortamos as cordas e chamamos a polícia.” “Eu estou indo ligar para Drea.’ Harper caminhou em direção a escritório. "Como você esta? Isso deve ter fodido com você”, disse Trent. Cujo parou qualquer pretensão de ainda desenhar. Ele esfregou a mão sobre a cabeça. “Me senti fodidamente inútil. Nós não conseguimos tirar as braçadeiras. Não consegui falar com o cara.” Ele tentou não pensar muito sobre isso, e não estava prestes a admitir que perdeu o sono por causa disso. "Como Drea reagiu?" Cujo sorriu ao pensar nela. "Sólida. Não surtou uma vez.” Trent riu. "Por favor, me diga que você não..." ...Dormiu com Drea, Cujo terminou a frase mentalmente. "Eu não, palavra de honra do escoteiro." Ele levantou os dedos em saudação. Não que ele não tenha pensamentos sobre isto uma vez ou duas ou talvez esta manhã quando ele acordou. Ou a última noite antes de cair no sono. Ou no carro, ou quando pensava em uma na maneira de trabalhar. “Bem, se você fosse um escoteiro eu ainda não acreditaria.” “Você está prestes a desenhar uma linha?”, disse Cujo.


"O fato de que há uma linha me assusta um pouco", disse Trent com uma careta. Cujo olhou para o seu melhor amigo e ergueu as sobrancelhas. "Uau. Isso é demais para o nosso primeiro dia de volta.” Trent colocou um doce em sua boca. "Então, o que mais está acontecendo?" Ele pensou em contar a Trent sobre sua mãe, mas merecia mais tempo. Mais tarde, quando ninguém mais estivesse por perto. Sobre uma cerveja. Ou um pacote de seis. A garota que esperava pela tatuagem que ele estava desenhando entrou no estúdio segurando um café gigante. Ele pegou o lápis e acrescentou os toques finais. "Podemos conversar depois? Talvez pegar uma bebida?” Cujo perguntou. “Definitivamente, cara. Iria sugerir isso.” “Em outras notícias, tivemos uma visita da cidade. Eu tatuei uma criança estúpida menor de idade, três meses de ser legal e apenas não podia esperar, mas nós tivemos todos os documentos para provar que ela nos deu identidade falsa. E graças às câmeras, podemos mostrar que nos deu.” "Então, nenhuma precipitação?" "Improvável. Os inspetores pegaram cópias. Me conte mais sobre o Taiti.” Quando Trent começou a explicar, Harper entrou segurando seu telefone na orelha. “Você está tão sem tempo assim?” Preocupação atada em sua voz. “Drea quando vc se liberar passe pelo estúdio antes da nossa troca, assim podemos matar a saudade” - “oh sim eu te espero”


Drea estava a caminho. E ele estava prestes a começar uma sólida tatuagem de três horas. Ele não conseguia decidir se isso era bom ou não.

*

*

*

Drea fechou o celular. Harper estava de volta e foi um alívio ouvir a voz dela. Ela saiu da delegacia, onde tentou falar com o detetive Carter sem sucesso, em direção ao Secund Circle o oficial da escrivaninha prometeu que o detetive a contataria quando seu turno começasse. Sua melhor amiga estava em casa. Drea excitadamente abriu a porta um pouco mais do que o pretendido. O vidro da janela sacudiu quando a maçaneta bateu na parede. “Você está de volta!” Ela gritou, correndo para abraçar Harper. Ela agarrou a mão de Harper e fingiu estar cega pelo anel de noivado. Cujo riu de sua cadeira, onde ele estava aplicando uma tatuagem no topo da coxa de sua cliente. Só que ele não estava prestando atenção em Drea. A agitação do ciúme não era justificada. Ele estava livre para flertar. “Oh meu Deus, Drea, não posso acreditar no que aconteceu. Tem certeza de que está bem?, perguntou Harper. “Se você está procurando por buracos de bala, nada tão dramático aconteceu.” Ela olhou para Cujo. "Mas foi muito assustador." "Eu aposto. E o que está acontecendo com sua mãe?” Harper a conduziu na direção da cadeira de Cujo. Drea balançou a cabeça. “Não parece muito bom. Ela não se qualifica para um transplante. É só uma questão de tempo."


Cujo olhou para cima, enquanto caminhavam por ele, seus olhos intensamente focado no dela. Ela deu a ele um fraco sorriso. Elas se mudaram para o escritório e sentaram-se. “Trabalhar no José não é muito assustador depois do que aconteceu?” Harper parecia preocupada. Drea sempre deixara os outros membros da equipe do café partir alguns minutos antes, se não houvesse clientes, mas ela havia parado com esse hábito. Manter o telefone no avental, junto com um pequeno canivete quando estava sozinha no café, tornara-se obrigatório. José estava preocupado, mas não disse nada quando ela colocou o taco de beisebol que pegou em uma loja de caridade no armário, junto com lanternas em volta do local para que ela nunca mais fosse pega no escuro novamente. “Não pode ser. Eu preciso do emprego. Vou superar isso”. Drea encheu Harper. Ela contou sobre a mulher que estava sendo perseguida no José e o pen drive na lavanderia. Ter Harper em casa para ouvi-la objetivamente era exatamente o que ela precisava. Quando terminou de explicar sobre Gilliam Gillespie e Mike MacArthur, o rosto de Harper estava cinzento. "Eu estava na delegacia quando você ligou", disse Drea. “Você está com o detetive Lopes? Porque ele foi muito útil no meu caso,” Harper disse referindo-se ao seu próprio problema recente. “Não, detetive Carter. Unidade diferente, ou seja o que for que eles são chamados. Ele é muito legal.” “Bom como ele é um oficial eficaz? Ou ...?” Harper se abanou dramaticamente e caiu de novo no sofá. Drea riu. "Ambos." “Ohh. Emocionante.” Os olhos verdes de Harper brilhavam com malícia e a cor voltou às suas bochechas.


"Ele me convidou para sair." Ela ainda lhe devia uma resposta à sua pergunta. "Ele não fez! O que você disse?" "Eu o pus no gancho", respondeu Drea, brincando com o final de seu rabo de cavalo. "Porque você fez isso? Bom Deus, garota, você merece um pouco de diversão” A ideia de uma noite cheia de diversão sem responsabilidades parecia celestial, supondo que ela tivesse uma noite de folga. Mas se pudesse, duvidava que fosse Ryan que ela gostaria de ver. "Cujo e eu nos beijamos." Harper fez uma pausa na boca aberta. Então ela riu. O que não era bom, porque não era o riso feliz dela. Foi mais uma risada nervosa. "Sério? Você... com ele? Não..." "Meus sentimentos exatamente." Drea soltou um suspiro. "Mas ele me afastou depois." Uma batida na porta as interrompeu. Cujo entrou e, pelo cenho franzido, estava irritado. Outra pessoa o seguiu até o quarto, e Drea imediatamente soube o motivo da expressão irritada de Cujo. “Ryan! Quero dizer, detetive Carter”, disse ela, levantando-se rapidamente. Ela não poderia pegar uma pausa? “Ei, Drea. Recebi a mensagem que você deixou na delegacia”, Carter respondeu. “Pensei em passar e ver o que você precisava. Você está ótima hoje, a propósito.” "É sobre o caso?" Cujo perguntou abruptamente e cruzou os braços sobre o peito.


"Talvez se pudéssemos conversar em particular primeiro?" Carter perguntou, com um largo sorriso no rosto. "Drea e eu temos algumas coisas para discutir." Cujo estava encostado na parede, sua postura rígida. Harper estava olhando entre os dois homens com uma fascinação divertida. "Este é o meu estúdio e eu cuido das pessoas que estão nele." “Tenho certeza que sim, senhor Matthews, mas considero a confidencialidade muito séria”. Carter permaneceu firme sob o peso do olhar de Cujo. Era como um jogo adulto de encarar "Vou sair pro estúdio", disse Harper, desculpando-se rapidamente. Como fizera com Harper, Drea encheu Cujo nas conversas que teve com Gilliam. Ele disse muito pouco, mas o tique em sua bochecha provavelmente não era um bom sinal. “Falei com Gilliam na noite passada. Você conversou com a polícia canadense?”, perguntou ela a Carter. “Eu coloquei uma chamada no RCMP. O detetive encarregado vai me dar um grito hoje. Por quê? ” “Porque Gilliam falou com a esposa de MacArthur, e ele estava indo para Fort McMurray onde todas as grandes empresas de petróleo estão. Ele estava investigando o processo de permissão de mineração.” “Drea. Eu aprecio que você quer isso fechado, mas você está especulando. Nós ainda nem sabemos se essa mulher foi realmente sequestrada.” "Mas o fato de ela não ter avançado ou ter feito um relatório mostra que ela foi não é?" Drea tentou enterrar sua frustração.


“Não, não faz. Cerca de quarenta por cento dos crimes violentos não são denunciados.” A frustração borbulhava como água quente em uma panela. Tinha que haver um jeito de encontrar a mulher. Ela não podia passar o resto de sua vida imaginando o rosto da mulher, isso a deixaria louca. Ela foi até a janela, depois para a porta, andando de um lado para o outro até que Cujo agarrou seu braço, o corpo dele estava rígido, mas a mão dele era gentil, ela tentou resistir, mais acabou cedendo quando ele a puxou gentilmente contra ele. "Como isso pode ser tão difícil de descobrir?" Drea suspirou com exasperação. “Eu mal co nsigo dormir. Está me matando, sem saber se ela está bem.” "Olhe Drea", disse Carter suavemente. “Estamos trabalhando nos arquivos. Nós nos conectamos com a RCMP, a polícia canadense. Vou até ligar para o seu contato, se você quiser me dar o número dele.” Ele se levantou e caminhou na direção dela. “Examinamos sua vizinhança, imprimimos a xícara com as impressões digitais, distribuímos o desenho que o Sr. Matthews fez e uma lista completa de outras coisas. Garanto-lhe que estamos fazendo tudo que podemos.” Drea suspirou pesadamente, jogando o cabelo por cima do ombro. O que Carter disse fazia sentido, mas de alguma forma ainda não parecia suficiente. "Ninguém gostaria de resolver isso para você mais do que eu." Seus olhos se suavizaram e Cujo apertou o braço momentaneamente apertada em seguida, liberando-os para ligar os dedos. "Eu odeio que você não esteja dormindo e eu gostaria de poder consertar isso para você." "Eu sei", disse ela. "Sinto muito por continuar incomodando você."


"Você não está. Você sabe disso, certo? A qualquer momento.” Carter olhou para a mão dela na de Cujo. Ele inclinou a cabeça, seu olhar fixo no dela. Goste ou não, houve uma faísca entre eles. Simplesmente não foi a explosão que ocorreu quando ela estava com Cujo. “Drea. Sr. Matthews, ”Carter disse com um aceno de cabeça, então saiu. Ela sentiu como que alguém tivesse sugado todo o ar para fora do quarto. “Eu não sei se quero espancar seu rabo por não me contar o que está acontecendo com você, ou chuta-lo por olhar pra você como uma maldita refeição.” Cujo rosnou finalmente. "Oh para pelo amor de Deus...” Drea puxou a mão dela envergonhada e só querendo sair logo de lá. “Não me de essa merda Drea, eu realmente me importo, por que você não me contou nada disso?” “Você não tem um cliente que você precisa voltar?’, Ela respondeu. "Eu tenho, mas isso é mais importante. Você é mais importante. Sério, que porra é essa, Drea?” Seu coração disparou desanimadamente com o comentário. Ela verificou a hora em seu telefone. Ela deveria chegar no José em menos de quinze minutos. Mas ele estava certo. Ele merecia saber o que ela estava fazendo. Ela ficaria chateada como o inferno se ele tivesse feito o mesmo com ela. “Eu deveria ter dito a você. Sinto muito.” Mas agora ele sabia de tudo, restava pouco a dizer. "Não se dobre tão facilmente", disse ele, puxando-a para ele. “Eu quero ficar com raiva de você por um tempo." Sem dúvida, ele era um dos homens mais bonitos que já conhecera. ua impecável pele estragou apenas pelas rugas de


preocupação que vincavam sua testa. “Não chute o traseiro de Carter. Ele é um cara legal.” “Ele pediu-lhe para sair?” Drea concordou em resposta. "Você disse sim?" Ele puxou o corpo dela contra o dele. "Eu o deixei no gancho." Seus ombros caíram em alívio. “Bom.” “Cujo. Nós não somos... você não...” "Minha mãe está no hospital", disse ele, mudando de assunto. “E de toda a porra da ironia, ela tem amnésia. Não se lembra de tudo o que ela fez para nós.” Drea envolveu seus braços ao redor de sua cintura, agarrando o tecido macio de sua camisa. “Sinto muito, Cujo, como posso te ajudar?” “Apenas diga a ele que não. Por favor”

*

*

*

"Ok, eu tenho que perguntar", começou Trent, e Cujo olhou para cima a partir dos doces de coração saltando amor que ele estava desenhando no papel de transferência para uma loira bonita de Toronto. “Você diz que nada está acontecendo, então eu vejo vocês dois enrolados mais apertados do que um pretzel depois que o policial saiu. E aí cara?" Drea saiu assim que ele a soltou. Ele a assistira sair com Harper. A distância deveria ser boa, um alívio. Em vez disso, ele sentiu como se um pedaço dele estivesse faltando.


Cujo soltou uma risada apertada. “Às vezes acho que somos como Mentos e Diet Coke. Nós nos irritamos metade do tempo” "E a outra metade?" Cujo fez uma pausa, incerto da resposta. Ele a respeitava e até a admirava. Os turnos duplos, cuidando de sua mãe, sempre se preocupando com os outros. E sem dúvida, ele queria ela nua e ver o que mais ela poderia fazer com todo aquele fogo preso dentro dela. Trent tossiu. "Eu me lembro de você me rasgar quando eu estava assim com Harper." Cujo franziu a testa. “Não há eu e Drea, nada aconteceu como seriamente nada aconteceu. Nenhuma base foi tocada.” Trent levantou uma sobrancelha. “Ok, foda-se. Eu beijei ela. Uma vez." "Bem, vocês têm uma energia muito louca." Cujo bateu a caneta na mesa e apertou as mãos no topo da cabeça. "Porra, se não sei disso, mais ela merece muito mais do que eu posso dar e ela é a melhor amiga de Harper. E ela já tem toda essa merda em sua vida. E eu a deixaria ficar chateada a metade do tempo com toda a merda que se passa na minha cabeça” Ele suspirou e inclinou-se para frente, colocando as duas mãos sobre borda da mesa. Sua cabeça pendeu e ele rolou o pescoço de lado para o outro tentando aliviar a tensão. "Ela precisa de alguém sólido, que vai estar lá para dela, e eu não posso ser esse cara” Essa merda não é para mim.


“Também pensei nisso antes de Harper. Quando Yasmin saiu, achei que estava feito” disse Trent, referindo-se a seu primeiro e sério relacionamento antes de Harper. “Mas isso é diferente, cara. Casar e ter filhos é algo que você sempre quis. Eu me adaptei à ideia de que isso não vai acontecer para mim, não quando não posso garantir que estarei lá para eles.” “Você passou todos os grandes marcos, Cujo. Suas chances de estar por perto são como o resto de nós, elas são muito boas.” Sim, para vê-los andar pelo corredor e se preocupar em poupar para a educação universitária. Não era justo pedir a alguém para se comprometer com o que poderia acabar sendo a metade de uma eternidade. "Minha mãe… Eu… ela está de volta…” Silêncio preencheu o quarto. “Cujo...” "Ela está no hospital.” Ele explicou a situação. "E ela não pode lembrar uma merda.” “Merda.” “Bateram na cabeça com tanta força que seu cérebro sangrou.” Cujo franziu a testa. "Ela diz que não se lembra de nós." Ele caminhou até a janela. Nuvens trovejantes escuras rolavam pelo céu, um acompanhamento poético para seu humor. "Porra, homem. Vocês acreditam nela?" "Eu realmente não sei, alguém bateu a merda fora dela, papai está fora de si, Devon quer conhece-la, Connor não pode decidir, e eu não quero estar em outro lugar perto do hospital


tão cedo cara” Cujo socou a parede perfurando o gesso com sua mão esquerda. Dor irradiada através dos nós dos dedos quando poeira flutuou para baixo no chão. "Porra!" Ele abriu a porta do escritório e marchou para a cozinha. A geladeira balançou quando ele abriu a porta do freezer e pegou uma bandeja de gelo. Virando-o de cabeça para baixo, ele bateu com força contra o balcão e amaldiçoou quando os cubos foram derramados no chão. Pixie entrou e deu um tapinha nas costas dele. Sem uma palavra, ela colocou os cubos de gelo em um pano de prato limpo e os envolveu em torno de sua mão. “Mesmo bravo, você se lembrou de não usar sua mão tatuadora, preciso ligar para um contratado? ”Ela perguntou. "Provavelmente." “Precisamos de uma ambulância para Trent?” Ele riu tristemente. Como se ele tivesse atingido seu melhor amigo. Esses caras eram sua família. Até mesmo Pixie, que eles encontraram dormindo na porta do secund Circle no dia em que pegaram as chaves. Ela nunca disse a eles de onde ela tinha vindo ou o que tinha acontecido, mas ele pensava nela como uma irmã mesmo assim. Ele balançou sua cabeça. "Está bem então. Meu trabalho aqui está feito” ela disse, beijando sua bochecha. No momento em que ele se recompôs, Trent estava ocupado fazendo uma tribal, que mostrava o quão desesperado ele deveria estar para trabalhar novamente. Ele odiava tribais e selos de vagabundas, e ele se recusou a tatuar "você é o vento sob minhas asas" em qualquer um. Duas horas depois, estava chegando perto do horário de fechamento. Pixie tinha saído para a noite. Eric, um dos outros


tatuadores, havia terminado cedo, e Lia estava apenas limpando sua estação de trabalho. Trent colocou dois pedaços de papel na frente dele. "Você pode fazer isso por mim?" Cujo olhou a a imagens. Um era a citação: L'amore che mover Il sole e l'altre stelle. E o outro, uma imagem que só poderia ser descrita como espaço exterior. Todos os espirais redemoinhos, em tons de cinza ardósia e verde musgo, com dicas do rosa salpicado com brilhantes estrelas. "Quero isso. O texto na parte superior da imagem. E eu quero que você faça isso.” Ninguém havia tatuado Trent desde que seu mentor, Junior, havia coberto os braços de Trent e voltado com cenas da Divina Comédia de Dante. Sério, uma das mais belas peças de arte de tatuagem que ele já tinha visto. E, infelizmente, Junior já se fora há alguns anos. “O que isso significa?" “'O amor que move o sol e as estrelas'. É a última linha o paraiso, o fim da Divina Comédia. É para Harper.” Tudo havia terminado, e Cujo estava emocionado por seu amigo. Onde você quer isso?" Trent foi trancando a porta, lançando o sinal de Fechado, ele desapareceu no escritório, quando voltou ele estava sem camisa com uma cerveja na mão “Certo sobre meu coração, que é Onde ela pertence.” Trent correu uma navalha sobre o área onde iria a tatuagem. Agora que Trent era um juiz para o tatuagem realidade TV show, eles foram sempre recebendo livres amostras do mais recente equipamento de tatuagem, mas para isso, ele selecionou sua marca favorita. "O que há com a imagem?", Ele perguntou a Trent quando retornou ao estúdio principal.


“Bem, é uma galáxia, a galáxia Whirlpool...” "Espera, será que vai ser como aquela vez que você me contou sobre as doze almas que iluminam a terra em seu braço?" Cujo agarrou as luvas que sempre usava. “Foda-se, idiota. A galáxia tem um monte de estrelas, mas ela sempre será a mais brilhante. Eu não dou a mínima se você acha que soa como merda,” ele disse com um sorriso. "Ok, deixe-me desenhar isso para você." "Não", disse Trent. “A mão livre. É quando você faz o seu melhor trabalho” Trent tomou outro gole de cerveja e Cujo preparou as tattos. “Eu queria que Junior estivesse aqui para fazer isso para você.” Ele falou quando as agulhas perfuram fora da pele de Trent. "Você não é minha segunda escolha, Brody seu talento ao realismo homem… superou Junior, a mim, Merda, eu não conheço ninguém melhor.” Cujo engoliu em seco, desejando ter uma cerveja, algo que nunca fez enquanto trabalhava. Ele pegou uma caneta e começou a desenhar um esboço áspero direto no peito de Trent. “Não sei o que dizer. Obrigado” Sua carreira era tudo que ele tinha, outro artista que ele admirava dizer que ele era o melhor no que ele amava, quase remendava os pedaços dele que doíam. "Quando você vai me deixar fazer algo no seu braço esquerdo?" Trent levantou a sobrancelha.


Cujo sorriu. Seu braço direito estava cheio de pequenas tatuagens coloridas que representavam todas as suas memórias mais significativas. Mas o esquerdo dele? Ele estava guardando para algo especial.

*

*

*

"Não que eu ame menos cappuccinos, mas que eu amo mais lattes", disse Harper, entregando um latte para um cliente desorientado. "Júlio César." Os turnos eram muito mais divertidos quando Harper estava por perto. Ela estava servindo clientes com cotações adaptadas ao café a partir de Shakespeare, José teve apenas uma folga para o dia. Joanie estava dentro da cozinha, ansiosa por mostrar a Harper suas últimas pontuações no exame, que melhoraram desde que Harper começou a ensinála. Drea estava limpando as mesas, entre a agitação do almoço e começo do jantar ela tinha conseguido diminuir o ritmo. O telefone no bolso dela vibrou. José entendeu que ela precisava ficar com ele desde o incidente. Ela verificou quem era Gilliam, Drea acenou para Harper para vigiar o balcão e deu um passo para o fundo do café, sem querer cometer o erro de desaparecer por causa de uma ligação. “Gilliam. O que posso fazer para você?" “Eu queria deixar você saber quem é o contato da DEP de Mike, shley Sullivan. Esta mais que disposta em programar um outro teste do local para garantir que Cleffan é aderente às condições da autorização.”


“Você mencionou a mulher?” Ela deveria ser mais grata, mas no final, tão repugnante quanto algum tipo de fraude ambiental era, ela se importava mais com o paradeiro da mulher. “Eu sabia que você pediria, então eu enviei a foto que você me enviou. Ele não a conhece.” Droga. "Estou ficando sem lugares para procurar por ela." “Eu gostaria de poder ajudá-la ainda mais. Mas não há chance de que algo bom saia disso tudo, Drea. Se as informações que você enviou forem precisas, isso pode expor um problema crítico, um nível muito significativo de corrupção. Eu sei que isso é conforto frio, mas eu encorajo você a olhar para o positivo, Drea. Você fez uma coisa boa.” Não parecia. A mulher tinha feito a parte difícil, coletando todas as informações no pen drive. Sua própria contribuição permitira que a mulher fosse sequestrada no José e encontrasse o caminho depois que isso acontecesse. “Obrigada, Gilliam. E obrigada por ligar para Ashley. Você vai me deixar saber o que ela descobre?" "Claro. Adeus, Drea.” Drea terminou a ligação e foi para o banheiro. De alguma forma, na última semana, ela aprendeu mais sobre faturamento do que ela jamais quis saber. Ela até sonhara em visitar e conhecer todas as pessoas sobre as quais lera. Ela tinha saído há alguns minutos quando Harper a interrompeu enquanto passava pelas portas de vaivém. "Drea", ela sussurrou, acenando-a atrás do refrigerador com refrigerantes. "O detetive Carter está sentado no pátio." "O quê?" Ela olhou rapidamente por cima do ombro. Ele estava esperando em uma das mesas ao ar livre, vestindo jeans e uma camisa polo cinza clara.


“Cujo ou Carter. Decisão difícil, garota. O que você vai fazer?" Drea fechou os olhos e balançou a cabeça. "Eu não sei." Seu coração afundou. Essa não era uma conversa que ela realmente queria ter, mas ela puxou suas calcinhas de menina grande e foi para fora de qualquer maneira. "Ryan", ela disse quando puxou a cadeira em frente a ele. "Ei, Drea." Ele se inclinou para frente, colocou os dois cotovelos sobre a mesa e brincou com a tampa da xícara. "Sua colega faz um ótimo café." “Ela jura que é o café colombiano, mas acho que é tudo no movimento de seu pulso. Ela tem o um pacto com o Deus do do café.” "Não posso convencê-la a se juntar a mim, posso?" Ele sorriu, mas não encontrou seus olhos. "Não responda isso", acrescentou. “Eu vi você e o Sr. Matthews. Entendi." “Eu desejo que eu fizesse”, ela murmurou. "Sinto muito", ela acrescentou com sinceridade. "Por quê você está aqui?" “Meu instinto está me dizendo que você está em algo. Eu tenho um mau pressentimento. Não posso provar ainda. Mas eu acho que você está certa sobre tudo isso estar conectado.” Ryan tomou um gole de sua bebida. "Por quê?" “Eu tenho falado com o RCMP. Mike MacArthur foi tirado da estrada. Eu não deveria estar lhe dizendo isso, mas uma testemunha veio para a frente ontem. Vi uma reportagem sobre o caso depois de estar fora da província por um tempo. Pensou que os dois carros que ele viu correndo e dirigindo erraticamente eram jovens brincando.” "Então, o que isso significa para a mulher?"


“Eu não sei ainda. Mas nós temos uma pista sobre quem Walter pode ser. Walter Tobias foi morto na mesma noite que o incidente aqui. Parecia um acidente. Um acidente de carro se transformou em uma bola de fogo na noite na rodovia noventa e cinco, logo ao norte da saída da calçada. Isso estava a apenas quinze minutos de distância do café. “Então, o que faz você pensar que ele é conectado?” ela perguntou. Carter olhou para ela atentamente. “Ele era o mais velho parceiro em uma empresa de advogados que estavam acusando de fraude os Everglades.”


OITO "Ola pai." Cujo fechou a porta de tela. Seu pai estava enxaguando pratos de jantar na pia. “Ei, Brody. Timing perfeito. Pegue um pano e me dê uma mão.” Cujo puxou o pano xadrez vermelho e branco do gancho sobre a maçaneta da porta do fogão. A estabilidade do pequeno rack estava sendo severamente testada sob as panelas, louças e talheres empilhados sobre ele. Ele puxou um dos itens maiores e começou a secar. Sua aventura de bolinhos lhe ensinara que tarefas insensatas às vezes levavam a melhores decisões. Muito budista. Talvez secar os pratos fornecesse as palavras que ele queria dizer ao pai. Trabalharam em silêncio sociável, como fizeram muitas vezes ao longo dos anos. Quando os pratos estavam prontos, Alec tirou duas cervejas da geladeira e entregou uma a Cujo, que fez um curto trabalho para desatarraxar a tampa. "Você quer me dizer o que está em sua mente, Brody?" Cujo tomou um gole da cerveja gelada. Um grande. “Eu queria falar com você sobre a mãe." Nos cinco dias desde que eles se reuniram, seu pai tinha ido vê-la duas vezes por dia. Cujo se juntou a ele brevemente algumas vezes. Eles levaram suas cervejas para a sala de estar, passando pela mesinha lateral que ele tinha lascado um dente aos seis


anos, e sentou-se no sofá de couro marrom, onde ele perdeu a virgindade. Todos os móveis nesta sala eram antigos. Ele nunca se perguntou por que seu pai os segurava até ver seu pai com a mãe no hospital, todas as palavras tranquilizadoras e sorrisos. Ele estava segurando-a. Para o que eles tinham. E talvez para uma ideia mal colocada de que ela voltaria pela porta onde ele poderia mostrar a ela como tudo estava exatamente como quando ela foi embora. "O que você quer saber?" Seu pai se juntou a ele no sofá. Tantas perguntas surgiram em sua mente em rápida sucessão - era difícil restringir o que perguntar primeiro. "Você nunca superou ela, não é?" Cujo deu uma longa tragada na cerveja. Ele ficaria alto, mas diabos, ele precisaria de mais algumas garrafas para passar por isso. “Qual é o ponto de passar por isso? Ela nos deixou” Alec passou a mão pelo couro gasto do braço da cadeira. “Você nunca falou sobre isso. Você acha que isso vai... vocês dois... foda-se. Você ainda está esperando que ela volte?” Seu pai não disse nada, como de costume. Se fosse apenas a mesma dança de esquivar-se, ele poderia Lidar. Mais o silêncio não, Você não podia falar com alguém que não queria conversar. Ele se levantou para sair. Argumentar com seu pai não ia fazer nada melhor. “O que você quer que eu diga Brody? Eu amei a sua mãe a partir do momento em que pus os olhos meus sobre ela”. Cujo parou perto da porta. “Ela estava em seu caminho para casa a partir de alguns eventos de paz, foi o início dos anos oitenta. Ela estava vestindo as mais ridículas cor de arco-íris nos sapatos, eu


ainda me lembro disso. Todo esse cabelo loiro assim como você e seus irmãos. Um enorme sorriso e um sinal de paz da cor do arco-íris em sua bochecha. Parecia que ela acabara de escapar de Woodstock.” Cujo voltou para o sofá. A cabeça de Alec descansou nas costas do sofá, os olhos fechados. "Então, o que deu errado, papai?" Alec sacudiu a cabeça. “Só sua mãe pode responder isso. Ela tentou explicar a noite que ela partiu. Você nos pegou de surpresa. Sua mãe tinha apenas dezessete anos. Sua primeira vez e ela ficou grávida.” Tanto a mãe como o pai tinham compartilhado eventos de mudança de vida na adolescência. Ele pensou no tempo que passou no hospital, mas sacudiu a cabeça. A pergunta dolorosa borbulhou em sua garganta, o pensamento de perguntar isso o deixou tão tonto, manchas começaram a aparecer diante de seus olhos. “Por que você me manteve? Não teria sido mais fácil se...” "Se o que? Nós nos livramos de você? Merda, Brody. Eu lamento muitas coisas na vida, mas ter você não é uma delas, eu deveria ter usado proteção? Sim provavelmente, deveria ter convencido sua mãe a dar uma chance a nós? Diabos sim, eu era mais velho, e a família dela não queria saber de uma filha solteira grávida. Eu usei o poder de minha posição, e o fato de ela não ter muitas opções para obter ela se casando comigo? Talvez. Aborto não era uma opção, mais eu queria uma esposa para ficar em casa e cuidar dos filhos, e sua mãe não queira isso, ela se sentia sufocada.” Cujo digeriu o que seu pai estava dizendo.


"Por que você está dando desculpas por ela?" "Eu não estou. Eu acho que tempo e perspectiva me fizeram perceber que eu provavelmente era mais culpado do que ela.” “Nunca diga isso, pai. Você fez tudo que podia por nós. Ela é a única que desistiu. Está nela. Não em você." "Ela tinha seu próprio plano, Brody, e ter você jogou fora isso dela." Cujo limpou a garganta. "Então você acha que eu sou responsável." “Eu não disse isso, Brody. Isso simplesmente não está saindo certo. Se alguma coisa a jogou fora, fui eu. Havia tantas coisas que ela queria fazer. Ela simplesmente não podia fazer isso com a gente.” “Então você se comprometeu a esperar!” Cujo gritou. “Você não saiu de uma casa. Você não deixou três filhos para trás. Por favor, diga-me que você não acha que isso está acontecendo para levar a algum tipo de fodida reconciliação entre vocês dois.” Alec passou a mão pelo queixo. "Espero que..." Seus olhos estavam cheios de confusão. “Espero que sim… sim…, bem, sempre esperei que ela voltasse para casa. Ela ainda é minha esposa.” Cujo ficou de pé. Ele precisava sair antes de dizer algo irreparável. “Mas esse é apenas o ponto. Esta não é a sua casa. É a nossa casa. Ela não tem um lugar aqui. Nós fizemos bem sem ela. Você já fez tudo o que deveria ter feito” Ele parou ao lado da porta. “Você acabou de chamá-la de sua esposa? Você não é divorciado?” Alec balançou a cabeça tristemente, ombros caídos. "Por que você ainda a quer aqui?"


“Porque estou sozinho, Brody. É isso que você está esperando? Você acha que eu sou patético por ainda querer alguém? Acho que eu deveria ter apenas mudado e amado alguém? Espere até você encontrar a mulher certa, Brody. Você não vai acreditar do que é capaz, ou quanto tempo vai esperar.”

*

*

*

Harper correu em direção a Drea no momento em que pisou no secund Circle. "Sinto muito, querida." Harper ainda usava a camiseta de José depois de terminar seu turno, seu longo cabelo escuro puxado para cima em um coque bagunçado. “Eu não posso acreditar que eles disseram não. Você mostrou a eles os registros médicos de sua mãe, todos os recibos e material para seus cuidados?” Drea mandou uma mensagem para Harper no momento em que ela deixou o banco para informá-la da decisão. "Eu fiz. Eles não podem estender meu crédito e não dão crédito à mamãe porque ela não tem renda. Quando eu expliquei o quanto ela está doente, eles apenas acrescentaram isso às razões pelas quais não podem ajudar.” Drea suspirou. “Eles tinham alguma ideia de como foi difícil sentar lá e praticamente implorar?” Ela veio ver Cujo, preocupada com a conversa deles no estúdio quatro dias atrás. Quatro dias em que eles continuaram planejando a festa de noivado com apenas umas palavras um para o outro. Permanecer focada na festa era quase impossível, enquanto sua mente corria com a forma de pagar por mantimentos, utilitários e remédios de sua mãe. O dia de pagamento do hotel não poderia vir em breve; Chegar ao final do mês seria difícil. Ela estava contando os dias até que o período de provação terminasse.


Lia estava na cozinha enquanto entravam. Ela usava um vestido de gola listrada de azul e branco e saltos de plataforma vermelhos. Drea invejou seu senso único de estilo. "Como estão minhas garotas favoritas?" O rosto de Lia se encolheu quando ela tentou abrir uma garrafa de água. Harper gritou quando seus pés se levantaram do chão. "Você anda em volta do meu estúdio com toda aquela tatto sexy, você sabe que eu vou ter que vir e beijar você, certo?" Trent beijou Harper, e Drea derreteu um pouco. Pode ter sido o pior dos dias, mas vendo os dois juntos a aqueceu e confundiu por dentro. Trent baixou Harper para o chão e pegou a garrafa de Lia, a brindo-a sem esforço. Lia enfiou a língua para fora, pegou um copo, e voltou para o estúdio. "Como foi o seu compromisso?", Ele perguntou "Mal sucedido." Trent puxou-a para o outro braço para que ele estivesse abraçando as duas. “Você sabe, nós poderíamos ajudála. Harper me contou... sobre sua mãe. Podemos te emprestar algo para te ajudar.” Lágrimas queimaram os olhos de Drea. Ela olhou para baixo e inalou para forçá-los de volta. Trent a puxou para mais perto. "Diga a palavra, e nós temos você coberta, Drea." “Vocês são os melhores, mas ainda estou no jogo. Se eu chegar a esse ponto, eu vou deixar você saber. Obrigado" Ele as libertou. "Meu trabalho aqui está feito. Eu tenho trabalho para fazer. Mais tarde, querida,” ele disse dando a Harper um beijo suave. “Tudo bem”, disse Drea para Harper, “preciso ver Cujo bem rápido e depois sair para o trabalho. Novamente."


Cujo não estava em nenhuma das estações ou no balcão. Ela voltou para o escritório e bateu na porta. A porta se abriu, revelando um Cujo sem camisa. Ele usava um par de jeans baixos, o botão de cima estava desfeito. Calafrios desceram pela espinha dela. O homem era perfeito. E Cristo, ela se perguntou como seria lamber seu piercing no mamilo. “Apenas mudando minha camisa. Consegui derramar tatto nela. Entre." Esqueça borboletas. Os elefantes estavam fazendo uma versão épica em seu estômago. “Então, você precisa de alguma coisa, Drea? Ou você quer que eu fique parado para que você possa me admirar um pouco mais?” Suas palavras sugeriam humor, mas seu tom era escuro e plano. Havia a máscara dele novamente. O que ela estava começando a descobrir que ele usava a maior parte do tempo. Ela balançou a cabeça quando entrou no escritório. "Eu tenho o recibo de vidro para a festa." Drea se atrapalhou ao redor em sua bolsa e puxou a pequena pasta de plástico que ela manteve todas as suas notas de festa e recibos dentro "Você vai precisar quando você pegá-lo no sábado." A camiseta preta se esticou enquanto Cujo a puxava pela cabeça, Drea disse um silencioso adeus ao seu abdômen. Era o mais próximo que ela chegaria a um corpo assim. Ele pegou o recibo. "Havia outra coisa, porque eu preciso voltar ao trabalho." Ele afivelou o cinto enquanto olhava diretamente para ela, e Drea sentiu o ar frio ao redor deles. "Eu queria ver como você está."


"Estou bem. Mais alguma coisa?” O que quer que tenha sido construído entre eles nas últimas duas semanas se foi. "Não, isso é tudo." Ela fechou a bolsa e se virou para sair. "Foda-se” Cujo amaldiçoou, e isto a parou, “não vá embora, fique me espere terminar e podemos sair agora tomar uma bebida” Conversar? Normalmente, um eufemismo para uma conversa deprimente e ruim que termina com " Não é você, sou eu." E ela tinha que estar no hotel em menos de uma hora. Se ela não fosse, não conseguiria chegar a tempo no tráfego pesado. “Eu não posso. Há algum lugar que eu preciso estar.” Ela não ia contar a ele sobre o trabalho. A última coisa que ela precisava era de sua piedade. Ele sabia muito sobre sua vida privada já. "Ah, o vestido", disse ele, cruzando os braços sobre o peito. “Encontro quente com Carter, hein? Bem, é melhor você ir, Não quero te atrasar.” Ela poderia lutar contra a maioria das coisas, mas nunca ganharia contra sua indiferença. Ela olhou para ele. O que quer que eles tivessem acabara. E ela tinha um trabalho a fazer.

*

*

*

Cujo assistiu Drea sair, desejando desesperadamente que ele pudesse pegar de volta tudo o que ele tinha acabado de dizer. Descarregar em Drea, porque ele ainda estava bravo com seu pai, e sua mãe, era juvenil. Merda. O jeito que ela olhou para ele quando chegou o excitou, seu pênis pulsante, a prova disso, Ela parecia sexy pra caralho no vestido de malha e ankle boots. Ele deveria ter


começado a conversa com isso. Em vez disso, deu-lhe um tratamento frio e mandou-a embora como uma bundao. "Toc toc." Trent entrou e olhou ao redor “Onde está Drea?” Cujo dobrou a camisa que ele tinha removido antes e a colocou em sua bolsa de ginástica. "Ela acabou de sair, ia a um encontro quente." Apenas dizer as palavras o fez querer bater em algo. "Quem? Drea?” Trent parecia confuso. "Ela vai trabalhar." "Sim, certo." Não que ele se importasse. Foi o melhor de qualquer maneira. Falar com seu pai ontem lembrava-lhe que o amor era uma carga de mágoa. “Cara, o que você disse a ela? Ela está em uma bagunça agora. Você sabe disso, certo?” Ele não estava com disposição para um dos discursos de Trent, então ele começou a desenhar um leão da montanha que ele estava fazendo para um cara de Iowa que ia chegar amanhã Trent contornou a mesa e sentou no sofá de frente para ele. “ Afaste-se, Trent”, disse ele, sem desviar o foco do papel. "O que subiu na sua bunda?" Cujo bateu a caneta e esfregou as mãos no rosto. Mil pensamentos correram por seu cérebro. Ele precisava de um treino, música alta e muito álcool. De preferência nessa ordem. “Ela disse que o banco a recusou? Não que seja realmente da minha conta contar a você”. Trent mudou de posição. "O banco? Para quê?” “ Ela não mencionou o banco, não é? Os remédios e despesas de sua mãe estão perto de falir com ela. Ela foi buscar


um empréstimo para cobrir os últimos dois meses de cuidados de sua mãe. Mas eles a rejeitaram.” "Porra." Ele sentiu como se tivesse chutado um filhote de cachorro. Drea já estava no chão. Ele poderia ajudá-la embora. Ligar para ela, pedir desculpas, talvez lhe empreste dinheiro. Cuidar dela. Não que Drea aceitasse um empréstimo dele. A garota tinha orgulho demais. “Nós nos oferecemos para ajudá-la. Ela recusou.” Cujo sabia o que o orgulho poderia fazer com alguém. “Talvez eu possa falar com ela. Ver se ela me deixa ajudar” Inferno, eu até deixarei ela pagar juros se isso a fizer se sentir melhor em aceitá-lo. Trent sacudiu a cabeça. “Eu duvido disso, cara. De qualquer forma, ela começa a trabalhar logo, então você não vai conseguir falar com ela até amanhã.” "Amanhã? José fecha às oito, certo?” “O que diabos está acontecendo entre vocês dois? Ela começou um segundo emprego em um hotel há uma semana, serviço noturno de bebidas. Ela trabalha cinco noites por semana. Ela não te contou?” Trent parecia tão confuso quanto Cujo. Sua admiração por ela cresceu. Recusar ajuda que ela viu como caridade foi uma tolice, mas ele sabia onde ela estava indo, Ela era independente e forte. Capaz. E tão malditamente linda que ele queria nada mais do que a abraçar e ficar agarrado nela naquele sofá. Mas ele tinha a acusado de ir a um encontro. Ele não tinha escutado ela. Ele era um idiota do caralho.


"Drea e eu... nós", ele balançou a cabeça. “Cristo, eu não posso fazer isso. Eu não vou entrar em um relacionamento com ela, Trent. Não é justo com ela.” “Será que tudo que está segurando você é a sua lógica? Cara, eu nunca concordei com seus pensamentos, será que você não pode explicar isso para ela?” Cujo olhou para o amigo. O cara que esteve lá com ele a cada passo miserável do caminho. “Eu estava lá ao seu lado, esperando você acordar naquela cama após a cirurgia, e saber que foi um sucesso me teve aliviado porra!” Trent parou de falar quando os olhos dele começaram a queimar,isso começou com as porras de cupcakes e terminaria com lágrimas. Ele estava oficialmente se tornando um bichano. “Cujo, cara”. Trent foi até ele e apertou seu ombro. "E essa merda com a Mãe.” Cujo suspirou. "Eu briguei com meu pai ontem a noite, minha mãe voltou a duas semanas pra nossa vida e já estamos brigando.” “O que você precisa, mano? Você quer tirar um tempo?” "Não", ele disse bruscamente, "essa é a última coisa que eu preciso. Este é o único lugar que parece sensato agora.” “Quer fazer uma viagem? Nós poderíamos chamar alguns dos caras, ver se algum deles quer um feriado aqui. Executar a loja para nós alguns dias. Eles participariam.” Aquilo ali era porque eles continuavam sendo melhores amigos. Eles se arrastaram juntos sempre por alguns dos piores momentos de suas vidas. "O que realmente está acontecendo?", Perguntou Trent.


"Eu acho que ela quer filhos, cara." Ele olhou para seu amigo, podia ver a preocupação gravada em seus olhos. “Drea, isso é. Ela nunca disse isso, mas eu estava na praia com A e Z. A forma como ela foi com elas... ela era natural. As meninas a adoravam. Por um momento eu podia ver o que ele iria ser, gostaria de ter uma família com ela, e isso não assustou a merda fora de mim.” “Eu odeio citar essa porra estúpida, mas não é hora de deixar pra lá. Suas razões não fazem mais sentido. Você poderia ter filhos se quisesse. Você pode adotar. As coisas mudam, cara. Você mudou.” Mas a verdade era que não tinham mudado, Ela merecia ter suas próprias crianças e ele não podia pedir a ela abrir mão de tal compromisso.

*

*

*

“Continue falando... Brody.” Assistir sua mãe lutando contra os fios que estavam segurando sua mandíbula fechada o arrasou, Havia uma borda áspera em sua voz. Era Domingo de manhã e ele deveria estar em Mo ajudando na festa. Em vez disso, ele estava no hospital exigindo respostas, mas estava claro que teriam que esperar. O dano na laringe de sua mãe era muito severo para ela dizer mais do que algumas palavras de cada vez, e mesmo que ele estivesse louco como o inferno, ele não era tão cruel ao ponto que a fizesse falar. Parecia que ela estava mastigando vidro. Ele veio ao hospital com um plano fodido de tentar conhecêla. Ele leu sobre amnésia, entendeu melhor. Não era como se ela estivesse tentando esconder a verdade. Estava trancado em algum lugar que ela não podia acessar.


O remorso que ele sentia por discutir com seu pai pesou muito em sua decisão de vir esta manhã. As únicas lembranças de Cujo de sua mãe eram as de uma criança. Ele não a conhecia como mulher. Suas memórias tão distantes e desbotadas eram como gotas de tatto na água. Ele queria aproveitar a chance que tinha recebido para conhecê-la. Afinal, ela encantou seu pai por trinta e quatro anos. Uma marca marrom-avermelhada manchou as bandagens enroladas em volta da cabeça. Uma ferida escorrendo de sua segunda cirurgia que exigia limpeza diária. Os médicos continuaram a monitorar o inchaço em seu cérebro. Estava mostrando alguma melhora, embora sua mãe ainda precisasse de alívio da dor para as dores de cabeça que experimentava. “Devon e eu temos uma garagem. Ele trabalha lá em tempo integral. Ele é casado com a Elisa. Eles têm meninas gêmeas, Amaya e Zephyr. As crianças mais fofas que você já viu.” Ele tinha dito isso antes, mas ela estava tendo dificuldade em reter novas informações. Havia fotografias no celular dele. Parte dele queria manter essa parte de sua vida privada. Ela não merecia saber. Mas ele prometeu a si mesmo não ser um idiota egoísta hoje. Mostroulhe o celular, a foto que ele fizera no Devon no dia 4 de julho. Amaya, em seu maiô de bandeira americana, segurava Zephyr em um estrangulamento de pulso curto, disfarçado como um abraço. Ambas as meninas estavam rindo. Ela pegou o telefone de suas mãos, lágrimas enchendo seus olhos. Suas lágrimas não o afetaram do jeito que deveriam. Se ela tivesse ficado por perto, ela teria visto as gêmeas nascerem. Foi culpa dela que ela perdeu tudo isso. Suas reservas de simpatia estavam secas e ele pegou o telefone de volta. Ele não estava preparado para isso.


"Eu tenho que ir", disse ele, levantando-se de repente, as pernas da cadeira raspando ruidosamente no chão de vinil. "Espere", ela engasgou. "Connor?... Você?" “Connor dirige uma empresa de aventura nos Everglades. Eu possuo uma loja de tatuagem. Olha, eu não posso fazer isso ainda, Evelyn” Seus olhos se arregalaram, e embora isso o fizesse sentir uma porcaria por dentro, ele não conseguia chamá-la de mãe. A mãe de Trent era a única mãe que tinha sempre lá para ele, cujo ombro, ele gritou e chorou quando descobriu o quanto doente ele estava. “Eu pensei que poderia fazer isso hoje. Desculpa." “Por favor… não faça. Por que você está zangado? O que eu fiz?” Ele ignorou o braço estendido e a careta de dor que se seguiu. Foi a decisão do médico de não revelar sua história familiar sórdida até ela ficar mais forte, fisicamente e emocionalmente. Havia uma caneta em cima de um caderno. Ele rabiscou seu número de telefone em uma página em branco. "Eu sinto Muito. Eu só...” Ele saiu do quarto ansioso, atormentando seu corpo enquanto se apressava para a saída. Luz solar. Ele se apoiou fora do hospital e respirou algumas vezes rapidamente. Ele precisava se acalmar ou estar bêbado antes de enfrentar Drea. Ela sempre viu muito sem ele dizer uma palavra. Não que ela fosse falar muito com ele também depois da forma em que ele a tinha tratado no estúdio. Não que ele tivesse realmente duro arrumar as coisas entre eles, suas conversas estavam limitadas a rápidas mensagens de textos com respostas curtas.


Ele checou seu relógio. Nove e meia já. O cheiro do hospital se agarrava a sua camisa. Ele odiava isso. Não importa o quão tarde ele chegaria na casa de Mo, ele precisava tomar banho. Em vez de cortar o hospital até o estacionamento, ele correu pelo prédio. Ele subiu em sua pickup. Enquanto ele estava em casa, ele jogaria sua prancha no carro. Se eles trabalhassem rapidamente, ele poderia matar algum tempo na água da costa além do impressionante jardim de Mo. Lá ele seria capaz de encontrar clareza sobre o que fazer a seguir.


NOVE "Porra." Drea não foi muitas vezes levada a gritar quando ela estava sozinha, mas hey, Cujo foi a exceção a todas as suas regras. Equilibrada no topo de um banquinho de três degraus, ela cuidadosamente esticou e teceu pequenas luzes ao longo dos arbustos perenes para criar uma bela parede natural ao longo de um dos lados do pátio. Deus sabia quanta energia seria necessária para acender as mil luzes que ela havia enfiado até agora. Dezenas de dálias cor-de-rosa e laranja vibrantes que ela colecionara do mercado de flores a caminho da casa de Mo precisavam de água. Se Cujo não chegasse logo com os vasos do cilindro, teria que pedir a Mo alguns baldes. Pacotes de estrelinhas com as pequenas etiquetas que ela fez, dizendo “Você colocou meu mundo em chamas” Precisavam ser colocados em frascos finos de vidro em cada mesa. Fósforos! Ela tinha esquecido de pegar fósforos. Longas e alegres guirlandas de lanternas de papel pendiam do teto de um dossel branco. Seda laranja brilhante cobria uma mesa, cheia de caixas de doces. Ainda estavam faltando os potes de vidro que seriam preenchidos com doces. Outra coisa esperada de Cujo. “Tudo bem, Drea?” O choque de ser abordada em um primeiro nome por uma das lendas de Miami não ficava velho.


“Deve ser feito em mais algumas horas. O que você acha?" "Parece uma loucura boa", disse ele, olhando em volta. "Posso te dar um refrigerante?" "Isso seria ótimo." Mo desapareceu dentro da casa, Drea pegou o telefone. Onze e meia. Nenhum sinal de Cujo. Nenhuma chamada. Nenhum texto. Porra. Farpas afiadas do exaustão riscando os olhos dela, ela sabia ela não deveria esfregar eles. Ela deu um passo fora do banco, grata por estar sólida ao chão. Ela remexeu em sua bolsa. Colirio para os olhos eram seu novo amigo favorito. Sua mudança para o hotel tinha terminado as quatro e ela finalmente se arrastou para a cama por volta das cinco. Às oito, ela se levantou para cuidar de sua mãe. As nove ela estava em seu caminho para Mo, ela tinha dormido só três horas e estava além de estar louca de cansaço. Ela esperava ter acabado no almoço, mas com Cujo fora do show, ela teria sorte de ter uma soneca e um banho rápido antes de voltar para o trabalho as seis, para ter certeza de que tudo estava resolvido. Deus abençoe José por deixá-la tirar hoje de folga. Ela agarrou a cadeira mais próxima, seu corpo gemendo de gratidão e fechou os olhos, só por um momento. "Aqui está o seu refrigerante, e Cujo..." Drea estremeceu e se sacudiu acordada. “Desculpe, D. Você está exausta. Vá tirar uma soneca em uma das espreguiçadeiras. Tudo ainda estará aqui quando você acordar” Drea pegou a coca. “Obrigado, Mo. Mas estou bem. Quanto mais cedo eu terminar, mais cedo eu posso cair na minha cama por um tempo.”


Ela tomou um longo gole. A explosão de bolhas refrescou sua boca. "Cujo estava apenas chegando quando eu trouxe isso para fora." Finalmente. Drea se levantou, colocou a lata na mesa e correu por uma pequena passarela ao lado da casa. Cujo estava com o porta-malas aberto e puxava as caixas para fora do caminhão. Porra, se ele não parecia bonito em jeans e botas pretas. E a maneira como a camiseta da cor marinha estava apertada nos lugares certos. Mesmo que ela quisesse afogá-lo na piscina de Mo, ela ainda poderia admirá-lo. Seu cabelo estava molhado e sua prancha estava atrás do carro. A bunda preguiçosa estava nadando enquanto ela estava trabalhando duro. Ela andou até o caminhão e pegou uma caixa sem dizer uma palavra. "O que, não ganho um oi?" "Nós estamos esperando por estes para definir o bar", disse ela, e voltou ao longo do caminho de cascalho. Seus passos rangeram de perto atrás dela. "Olha, desculpe, estou atrasado, mas o que você tem que te deixou tão tensa?" Drea virou em um segundo, forçando Cujo a parar, não tocando ela por centímetros. O que era bom ver que havia quase cinquenta copos entre eles. “Tensa? Você está bem mais de uma hora atrasado. E para quê? Então você poderia sair e curtir? Basta trazer os copos para dentro.” Ela se virou de volta para o jardim. "Você acha que eu estava fora curtindo?" Sua risada condescendente fez seus dentes doerem. “Você acharia que era exatamente isso o que eu estava fazendo, certo? Porque eu sou um idiota.”


“Você disse isso, não eu”, ela jogou para trás por cima do ombro “Eu não acredito nisso.” Cujo gritou. Pegando a caixa dele e fazendo barulho entre os vidros. “cuidado com os vidros, não temos tempo para tê-los recolocados." “Drea, abandone a atitude. Eu não posso lidar com isso direito agora.” Seu telefone tocou, e ele puxou-o para fora de seu bolso, para silenciar a campainha. “Bem, eu poderia ter sido feita sem o trabalho de duas pessoas esta manhã.” Podemos apenas continuar com isso? Seus olhos estavam uma bagunça de emoção. "Bem. O que você quer que eu faça, chefe?”

*

*

*

"Descarregue o caminhão, traga os vasos para as flores para que eu possa colocá-los na água antes que elas murchem." Cujo ouviu quando Drea sacudiu o que precisava fazer e amaldiçoou silenciosamente. O passeio tinha sido uma perfeita tempestade de manutenção de estradas e motoristas idiotas. Seu celular vibrou no bolso do jeans novamente e ele puxou para fora. Por favor. Você pode pelo menos confirmar que está recebendo minhas mensagens?


Porra seu pai tinha fodidamente conseguido um telefone para ela. Foi assim pela última hora. Dê mais cinco minutos e haverá outro. Ele não imaginou que sua mãe iria começar a persegui-lo. Ela não tinha nada a dizer para ele por quase um quarto de década e agora era tudo o que ela queria. Ela queria saber o que ele não estava dizendo a ela. Bem, hey, a lei do retorno é realmente uma puta. "Você conseguiu isso, Cujo?" Cristo, ele precisava de uma merda de férias. Merda, ele se contentaria com algumas ótimas noites com os meninos. Algumas bebidas, algumas garotas, um pouco de música. E falando em música, os Rolling Stones realmente apreciariam a maneira como eles estavam espalhados pelo peito de Drea. Seu cabelo estava preso em um rabo de cavalo alto. Ela parecia jovem, o que o tornava um bastardo sujo para todas as coisas que ele imaginava fazer com ela. “ Quantos anos você tem?” Ele perguntou, observando enquanto ela vasculhava o conteúdo de seu fichário de três argolas que ele havia desenhado. Não deveria fazê-lo se sentir tão bem que ela ainda estava usando. Drea olhou para cima, mantendo um dedo no item que estava fazendo. "O que? Eu perguntei se você poderia tirar a mesa de doces do sol. ” "Claro que posso, mas quantos anos você tem?" Sua testa franziu. “Vinte e sete. Áries. Aniversário de 24 de março, compartilho com Houdini. Agora você pode mover a mesa?” "Faz sentido." "O que faz?" "Você e eu."


“Você está me confundindo, Cujo. Você pode simplesmente mover mesa?” "Trinta e dois. Peixes. Peixes e Áries. Jogo de merda. Vinte e nove de fevereiro.” "Você está certo. É um jogo de merda e faz sentido. Nascido em um ano bissexto” "Engraçado." Ele andou em direção a ela. "Na verdade não. Agora você pode simplesmente mover a mesa? Por favor?” Ela enfiou o fichário debaixo do braço e correu para o outro lado do jardim. Cujo se arrastou de volta para a pickup para pegar os vasos. Ele chegaria à mesa quando ele estivesse pronto. Levou a carga seguinte, bastantes castiçais para deixar drácula orgulhoso, no quintal, e colocou-os na mesinha ao lado das flores. Ele moveu a mesa, o que apaziguou Drea, e eles trabalharam em silêncio, pelo menos um com o outro durante a hora seguinte, até que tudo estivesse perto da conclusão. Todos os empreiteiros foram embora, todos os monitores construídos. Apenas o balanço tranquilo do oceano interrompeu o silêncio. Drea estava se equilibrando em um pé em um banquinho quando ela esticou outro conjunto de luzes sobre os topos dos arbustos. Eles tinham mais luzes do caralho do que a tira de Vegas. Ele levou um momento para apreciá-la, sua pequena estrutura e curvas suaves. O banquinho moveu-se ligeiramente e ela cambaleou. Incapaz de recuperar o controle, ela perdeu o equilíbrio e agarrou o arbusto, mas só conseguiu arrancar uma folha. O olhar de pânico em seu rosto o fez atravessar o jardim. Ele saltou sobre a espreguiçadeira em seu caminho e contornou as mesas, observando enquanto ela caía.


"Oh meu Deus, Drea, você está bem?" Ele caiu de joelhos e escovou o cabelo suavemente para fora do rosto dela. Drea estremeceu e tocou a parte de trás de sua cabeça. "Ow", ela choramingou, abrindo os olhos e olhando para cima. “Fique onde você está, bolinho Doce. Pegue sua respiração. Isso foi uma bela queda.” Como de costume, ela o ignorou e sentou-se. Cujo colocou o braço atrás dela para apoiá-la. “Eu disse fique para baixo, Drea. Você não precisa se levantar tão rápido.” “Essas luzes não vão se colocar sozinhas.” Ela usou seu ombro e a borda de uma cadeira próxima para se erguer para seus pés. “Deixe as malditas luzes. Por favor, dê a si mesmo um minuto. Você está fazendo muito.” Seus olhos de chocolate brilharam quando ela se virou para ele. “Muito. Você está aqui há cinco minutos e está cheio de besteiras nobres. Me dá um tempo." Raiva e remorso e uma verdadeira A a Z de outras emoções se alastraram através dele enquanto a observava cautelosamente se inclinar sobre a escada acima. “Trent me contou sobre sua mãe. E o outro trabalho. Por que você não me disse o quanto é ruim? Eu te ajudaria.” A caixa de luzes voou quando Drea a chutou. “Por que eu te contaria? Você não causou isso e você com certeza não pode consertar isso.” “Estou fazendo o meu melhor, Drea. Você não é a única com merda acontecendo.”


Finalmente ela se virou para cara ele. "Você está certo. Eu peço desculpa sobre sua mamãe, mas você tem uma chance para obter a verdade dela e a minha está morrendo, e ela não quer nem saber de mim, você tem uma chance de fazer isso direto.” Suas bochechas estavam vermelhas. "Eu não preciso disso" Ela disse parando. “Você não precisa o quê.” Ele caminhou em direção a ela. "Isso, eu, nós? Me deixe te dizer uma coisa, eu tentei ficar longe disso, mas, porra eu simplesmente não consigo me afasta de você Drea.” Ele puxou seu braço para que ela caísse em direção a ele e a beijou, difícil, furioso, tentando transmitir toda frustração que estava sentindo na última hora. Os olhos de Drea se arregalaram, suas pupilas se abriram em antecipação enquanto seu corpo se esticava sob suas mãos. Ela agarrou seus braços e apertou. Ele rosnou com a sensação dolorosa. Os lábios se chocaram juntos. Ele a sentiu suspirar quando ela finalmente se abriu para ele e suas línguas se entrelaçaram. Ela tinha gosto de refrigerante açucarado, seu corpo macio e quente contra o dele. Ele precisava beijá-la mais do que qualquer outra coisa naquele momento. Ela era a única coisa que poderia lhe trazer conforto. A única coisa sólida que ele poderia segurar. Ele sugou seu lábio inferior, e a sentiu se empurrar mais perto dele, seus mamilos duros esfregaram contra seu peito. Os lábios dela macios contra os dele, a sensação nova se formando em seu peito. Mais do que somente excitação. Uma camadas do sentindo que ele queria ter o poder de ignorar. Este momento foi irrevogavelmente diferente. O fogo instantâneo se tornando uma queimadura constante. Suas mãos estavam em seu peito agora, só que ela não estava


mais puxando-o para dentro. Ela estava empurrando-o para longe. Por quê? Ela estava ali com ele, ele sabia disso. Ele sentiu isso. Os olhos duros o estudaram. "Não faça isso comigo de novo", ela disse baixinho e foi embora.

*

*

*

Suas mãos tremiam com tanta força que era uma maravilha que o carro não estivesse se movendo por toda a estrada. O que no inferno Cujo estava pensando, beijando-a assim? Suas entranhas foram evisceradas. Calor irradiava através de seus braços, onde ele a agarrou. Ela olhou no espelho retrovisor, avistando os lábios inchados. Nenhum homem jamais a agitou do jeito que Cujo fazia. "Aargh!" Ela ligou o rádio, aumentando o volume. A música cubana encheu seu carro. Um estalo alto na frente do carro a fez pular. Que diabos? Nuvens brancas de vapor irromperam sob o capô, obstruindo sua visão da estrada. Um som alto de ping acompanhou uma luz piscando no painel. Não, agora não. Drea parou ao lado da estrada. Ela descansou a cabeça no volante e pensou em subir no banco de trás para dormir. "Isso não vai resolver nada", disse Drea resolutamente, soltando o cinto de segurança. O tráfego avançou quando ela se dirigiu para a frente do carro para ver o que havia acontecido.


“Ouch. Filho da puta”, ela gritou, apertando as mãos. O vapor quente impossibilitou a abertura do capô, ela chegou muito perto da fonte. Uma bolha vermelha e irritada começou a se formar em seu dedo, enviando uma dor latejante em sua mão. Não que ela fosse uma mecânica, mas mesmo com seu conhecimento limitado, ela sabia que o dano estava fora de sua escala de pagamento. Talvez ela devesse ligar para Trent. Ela não queria. Hoje era sua festa de noivado e ele estava cobrindo Cujo na loja agora. E a maneira como sua vida estava indo, ela poderia ter que aceitar a oferta de um empréstimo. A ideia de pedir qualquer coisa apertou seu peito. Quem mais ela tinha? Percorrendo os contatos do telefone, ela considerou e dispensou José porque ele estava cobrindo ambos os turnos para ela hoje. Tia Celine poderia conhecer alguém, mas ela já estava cuidando de sua mãe no fim de semana enquanto Drea organizava a festa. Sua mãe odiava a ideia e sem dúvida tornava a vida miserável para Celine. Ela estava com os ouvidos em dívida física e emocional. Todas essas pessoas já estavam ajudando ela. Cujo? De jeito nenhum ela iria acabar devendo-lhe qualquer coisa. Não depois do que acabou de acontecer. Se ela conseguisse rebocar o carro, talvez eles pudessem segurar o carro até a mãe... bem, até que as despesas não superassem a renda. Drea estava sentado no corrimão de metal ao longo do lado da estrada. E se a patrulha da rodovia defendesse se afastar da estrada para esperar por assistência na estrada, caminhando até a beira da energia necessária que ela não tinha. Ela se arriscaria onde ela estava. Qual seria o custo de rebocar o carro de qualquer maneira? Mais do que ela provavelmente


tinha. Ela considerou seriamente abandonar o carro. Mas, então ela não. Conseguiria fazer o caminho entre a casa/Jose/hotel. Drea piscou furiosamente para parar as lágrimas prestes a derramar. Muito cansada, muito falida, sozinha demais para descobrir o que fazer com seu carro e sem energia para se mover. Ela deixou a testa cair nos joelhos e deixou as lágrimas rolarem.

*

*

*

Cujo guiou a pickup para a rodovia, indo para casa. A ideia de entrar na água tinha perdido seu apelo no momento em que ele assistiu seu carro sair. É uma merda. Ele abordou tudo errado, certamente, mas por que ela teve que afastá-lo sem lhe dar uma chance para explicar. E por que diabos, depois de ficar bem sem uma mulher em sua vida, ele agora tinha duas? Não, isso era pior. Ele não queria sua mãe lá, e ela estava desesperada para estar. E ele queria Drea lá, e ela não estava. Quando a vida se tornou tão fodidamente cheia de drama? Ele passou pelo pequeno carro vermelho antes de perceber que era Drea ao lado da estrada. Por que diabos ela não se afastou do carro? A pickup rugiu quando ele bateu o pedal no chão para atravessar duas faixas de rodovia. Ele freou com força o som de areia e cascalho pulverizando a parte de baixo ecoou pela cabine. Ele ligou os alertas, bateu no reverso, e recuou até que ele estava a poucos metros de seu veículo. O tráfego estava pesado. Sua primeira preocupação era com a segurança dela. Soluços tão violentos que sacudiram seu corpo


quebraram seu coração em um milhão de pedaços. Observar as emoções emanando dela de um modo tão poderoso o colocou de joelhos, literalmente, na frente dela. "Eu tenho que te mover, bolinho Doce, ok?" Ela olhou para ele, o rosto vermelho e manchado, o nariz escorrendo, as lágrimas escorrendo pelo rosto. Cujo pegou-a suavemente, um braço em volta das costas, o outro debaixo das pernas. Ele caminhou uma curta distância até o gramado e encontrou um local relativamente claro para colocála no chão. Ele abriu o zíper do casaco e colocou sobre os ombros dela. Agachando-se diante dela, ele ergueu o queixo com o dedo e usou a manga do capuz para limpar o rosto. "Eu..." ela começou, mas começou a chorar de novo. Ele sentou-se e puxou-a para o colo, onde ela instantaneamente se enrolou como uma de suas sobrinhas. Esfregando suas costas, ele segurou-a com força até que seus soluços começaram a diminuir. Ela se mexeu em seu colo e ele rezou para que ele não perdesse o controle enquanto eles estavam sentados lá. Não era isso que ela precisava agora. Conforto era uma coisa nova para ele, mas ele estava determinado a fazer o seu melhor. "Sinto muito", disse Drea com voz rouca, enxugando o rosto com a manga do capuz novamente. "Eu vou lavar isso para você." Exaustão gravou seu rosto. "Você não precisa fazer isso, bolinho doce, tanto quanto eu aprecio a oferta." Ele mudou-a para que ela estava quase de frente para ele. Ela pesou menos do que ele esperava, e ele fez uma nota mental de verificar se ela estava se alimentando bem. ”Eu preciso ir embora para separar os carros."


"Eu não posso permitir isso", ela sussurrou tão baixinho que ele quase perdeu. Ele beijou a topo da cabeça dela. “Não se preocupe. Eu tenho você agora me deixe ajudar ok?” “Eu vou pagar você de volta eu prometo, cada centavo. Em breve. Assim que eu possa.” Ela emitiu um suspiro, que ele esperava que fosse alívio. “Eu sei que você vai. Porque você não faz promessas que não pode cumprir” Drea simplesmente assentiu. O olhar de derrota absoluta em seu rosto apertou seu coração. Ele passou o polegar pela bochecha macia dela, removendo as últimas lágrimas. Lábios rosa macios o tentaram, e desta vez, em vez de devorá-la, ele roçou os lábios contra os dela, o beijo durando meros segundos, mas os lábios formigaram e ele ansiava por mais. Ele colocou Drea de volta para a grama e puxou para fora seu telefone. Uma ligação rápida para Devon e, quarenta minutos depois, o carro de Drea estava sendo preso na traseira de um caminhão de reboque. “Dê uma checada completa, mano. Corrija qualquer coisa que pareça ruim ou que pareça que vai estar fora logo” “Claro, chefe.” Devon puxou os cabos uma última vez. Entrou no caminhão e acabou se fundindo ao tráfego e desapareceu. Cujo pulou a barreira. Drea tinha puxado o casaco apertado em torno dela e estava deitada de lado, dormindo no chão. Sua boca estava ligeiramente aberta, o punho cerrado pelo rosto. Mesmo no sono, ela estava pronta para lutar.


Ele a levantou em seus braços. Ela pegou um punhado de sua camiseta, segurando firme, de alguma forma ele conseguiu colocá-la no banco do passageiro da pickup e passando o cinto de segurança ao redor dela. Seus lábios pareciam suaves e calorosos, ele mal pode resistir ao desejo de beijá-la de novo. A viagem até a casa dele foi tranquila. Ele a levou para seu quarto e a colocou em sua cama. Cujo fechou as persianas e saiu do quarto, tentando não pensar em como ela ficava tão malditamente boa com os seus cabelos espalhados no travesseiro dele.

*

*

*

Thump. Thump. Thump. Drea pressionou as pontas dos dedos nas têmporas. Ela passou a língua pelo céu da boca, parecia peluda e tinha um gosto pior. Desorientada, sentou-se devagar. Ela ainda estava completamente vestida. Por um momento, ela não conseguiu localizar exatamente onde estava, exaustão ainda embaçando seu cérebro. O quarto estava escura, com uma pequena quantidade de luz circulando pelas persianas. Na mesa de cabeceira, havia um copo de água e duas aspirinas. Ao lado estava um desenho de Drea vestida como Alice no País das Maravilhas, olhando para a pílula e o copo com as palavras "Me coma" escritas em letras lindas. Cujo. Ela estava no Cujo. Memórias de quebrar totalmente sobre a rodovia, e, oh Deus. Mortificação não chegou perto de descrever o que ela sentia. Talvez Cujo não estivesse mais em casa para poder escapar sem ter que reconhecer o fato de que ela limpou o nariz com o seu suéter.


Drea engoliu os comprimidos, tomando grandes goles da água para acalmar sua boca ressecada. A cama era enorme, com uma grande cabeceira de camurça escura. Drea puxou um pedaço do lençol da cama entre os dedos. Era mais suave que seda. Nossa. Era quase três. Ela dormiu por horas, mas se sentiu melhor emocionalmente. Não havia muito tempo para voltar para casa e voltar para terminar a configuração final. Ela rolou para fora da cama. Hora de encarar a vergonha Drea entrou na sala de estar. "Merda", ele sussurrou pra televisão. Ela não pôde deixar de sorrir. O volume estava baixo. Qualquer jogo que ele estivesse jogando tinha os piores gráficos de todos os tempos. Um rapazinho estava subindo uma rampa, tentando evitar que barris fossem jogados contra ele por um macaco gigante empoleirado no topo do andaime. Seus pés descalços estavam emoldurados pela bainha de jeans azul que parecia ter sido lavado e usado um milhão de vezes. Eles estavam na beira de uma longa mesa de madeira. "O que você está jogando?" A última vez que ela se sentou ao lado dele no sofá azul, ele acabou beijando-a. Ele a beijou duas vezes novamente desde então. Ele parou o jogo e olhou para ela. Uma sobrancelha erguida, a boca aberta. "Você não conhece o Donkey Kong?" “Parece meio ruim para ser honesta. Eu vi uma calculadora uma vez com gráficos como esse.” “ Andrea... espere… qual é o seu nome do meio? ” "Rosa"


“Rosa… hmm, eu gosto disso. Andrea Rosa Caron. Você quer me dizer que nunca jogou Donkey Kong? Esta é a versão original da Nintendo e tudo mais.” Ele acenou para ela, como se ela conhecesse uma extremidade de um console de jogos a outra. “Ok, sente-se. Você tem que dar uma chance.” Ele deu um tapinha na almofada do assento ao lado dele. Com a pressão de alguns botões, o gorila subiu no andaime. Cujo entregou-lhe o controle. "OK. Kong vai começar a jogar barris. Você tem que pular eles. Pressione este botão." Ele a agarrou pela cintura e a colocou entre suas pernas, suas costas pressionadas contra seu peito musculoso. O queixo descansando no ombro dela, ele cobriu as mãos dela com o dele, trabalhando o controle com ela. "Ok, aperte isto", ele moveu o dedo, "e você pode pegar o martelo. Comece a bater nos barris, assim.” Ele mostrou a ela algumas vezes, então Drea foi em frente. Uau. Trezentos pontos para esmagar um barril e cem para salvá-lo um barril azul veio rápido demais acertando o carinha na cabeça. “Oh não como isso aconteceu” ela perguntou, desapontada. "Desculpe, esqueci de dizer que eles vêm para baixo também." Na terceira tentativa, ela estava começando a entender. Cujo tinha soltado o controle, mas ainda estava abraçando-a por trás, e ela gostou. Sua excitação era contagiante, e quando chegou ao topo do andaime para a garota do vestido rosa, Drea estava pulando.


"Que diabos?" Ela exclamou quando o coração rosa desapareceu e Kong agarrou a garota e a carregou para fora do topo da tela. "Próximo nível", ele sussurrou contra seu pescoço, seus lábios roçando sua pele. Um arrepio ondulou seu caminho, pela espinha dela. Dedos avançaram lentamente até as costelas, e seu hálito quente provocou sua orelha. Seu estômago apertou quando ele segurou seu peito através de sua camiseta e esfregou o polegar sobre o mamilo. "Até quão alto você pode ir” apareceu uma nova tela e seus dedos apertaram o controle, mais ela já não estava prestando atenção, seus dedos doíam com a necessidade de tocálo, para segurar ele. Mas se envolver com Cujo era uma ideia idiota. Beijos lentos roçaram sua mandíbula, mas ela resistiu à vontade de virar e encontrar seus lábios. Ela afundou contra seu peito forte. Ela foi distraída por um minuto com o enmino tendo que salvar a princesa, mais agora essa estava sendo a chamada dela pra realidade. Cujo puxou o seu cabelo suavemente para o lado. O lento movimento de seus dedos em sua pele deixou uma trilha aquecida ao longo de seu pescoço. "Eu tenho que ir, Cujo", ela suspirou. "Eu sei", ele sussurrou, mas não se mexeu. Seus lábios roçaram o lado de seu pescoço, depois a parte de trás de sua orelha. Drea inclinou a cabeça, concedendo-lhe melhor acesso. Era uma loucura, mas estar com ele simplesmente abafava o barulho de todo o resto. O telefone de Drea tocou, fazendo os dois pularem. "O pior momento possível", disse Cujo, inclinando-se para frente, ainda segurando-a com força. Ele pegou o telefone e leu a tela.


"Rosa", disse ele, entregando a ela. Houve uma batida na porta e Cujo saiu de trás dela. "E aí, mamãe?" "Celine está me fazendo comer atum." Apesar de seu aborrecimento, Drea riu. “Você ligou para reclamar sobre atum?” Como diabos ela deveria se concentrar no atum, quando tudo o que podia sentir era a marca da mão de Cujo em seu peito e o sussurro de seus lábios contra sua pele? Aqui, na casa de Cujo, ela quase podia se encontrar novamente, quase podia se conectar com a pessoa que ela era antes de sua mãe adoecer. Aquela garota sentiu como se estivesse ao alcance. Pacientemente, ela deixou sua mãe divagar, pontuando a conversa ocasionalmente com um comentário apropriado ou um murmúrio de concordância bem colocado. Ela olhou para a porta. Cujo estava do lado de fora e ela queria estar com ele. "Então, Celine disse esta tarde que temos que ir e..." "Mamãe, Eu tenho que ir. Por favor encontre um caminho com a Tia Celine.” “Mas e o atum?” Quem deu uma foda voadora sobre o atum? "Adeus, mãe." Ela foi até a varanda e encontrou-o sentado nos degraus da frente, girando um chaveiro em torno de seu dedo. Ela sentou ao lado dele e ele deslizou o braço em volta dos ombros dela. "Como foi com Rosa?"


Ele perguntou, seus dedos subindo e descendo pelo braço dela. “Preocupada em comer peixe.” Ela entrelaçou seus dedos com os dele. "Quer me dizer o que está acontecendo com você?" Isto parecia também ser uma grande questão para ela, como ela poderia falar pra ele de todas as coisas que a estão mantendo acordada a noite? Como ela poderia explicar o fato de que ela estava a alguns dias de bater no banco de alimentos? Ou que ela lutou com a raiva sobre a doença da Rosa, uma mulher que estava morrendo e nunca lhe deu o amor de uma mãe. E havia a mulher. “Eu não posso esquecê-la. Eu sonho com a arma e nós, presos naquele pequeno armário. Eu também sonho com ela. Se eu estivesse na frente da loja, talvez pudesse ter feito alguma coisa. Não vou poder descansar até saber que ela está segura.” Eles se sentaram por mais alguns momentos, até que Cujo gentilmente beijou sua têmpora. Ele entregou a Drea um conjunto de chaves. "Pensei que você poderia precisar de um carro enquanto o seu está na oficina." Ela olhou para o pequeno carro prateado. "Quanto isso vai me custar”, perguntei silenciosamente. "Poderiam ser meses até que eu consiga te pagar tudo de volta” “Eu tenho um ótimo plano se for sexo como oferta de pagamento Drea." Ela olhou para ele, mas ele sorriu para ela, o azul em seus olhos mais brilhante do que o habitual. “Piada, Drea. Sou co-proprietário da garagem com meu irmão Devon. Esse é um dos nossos emprestadores. Sem custo.” O canto de sua boca se contraiu. "Você possui parte da loja de tatuagem também?"


Ele encolheu os ombros. "Sim." Drea mordeu o lábio inferior. Ele não era tão preguiçoso e descontraído quanto parecia. Ela o julgara totalmente mal. Ele empurrou um pedaço solto de cabelo atrás da orelha, e o calor de seu polegar arrastou ao longo de sua bochecha. “Chame isso de presente de aniversário. Eu perdi este ano.” “Você não me conhecia bem quando foi o dia do meu aniversário este ano”, ela disse sorrindo para ele timidamente "Detalhes, detalhes", disse ele, escovando os seus lábios suavemente com os dele.


DEZ A festa estava em pleno andamento. Trent estava lhe contando sobre um participante idiota do programa que havia inventado um desafio, mas Cujo só estava ouvindo parcialmente. Ele assistia Drea como ela consertou as flores, e devolvendo copos vazios para o bar. E se ele a visse fazer mais uma corrida para reabastecer a estação de doces, ele estava planejando uma intervenção, ela deveria estar se divertindo, não trabalhando. O vestido roxo profundo que ela usava se agarrava às suas curvas de um jeito que tornava difícil focar em outras coisas. Ele tentou ignorar o jeito que enrolou firmemente em torno de sua bunda e escutar Trent, mas porra, era impossível. E as pernas dela, puta merda. Como um rato de academia, ele amava um par de pernas tonificada em saltos altos, e aqueles sapatos dourados com tiras que ela usava o deixavam em um território mais feroz. Tudo, desde as pulseiras de ouro que sacudiam o braço dela enquanto ela alisava o vestido, até o modo como as suaves ondas de seu cabelo emolduravam aqueles doces lábios cor-derosa e os diabólicos olhos cor de avelã eram perfeitos. Risos brotaram no ar do início do outono e todos olharam para a porta. Mo tinha as mãos em volta da cintura de Drea e a levantava alto o suficiente para consertar uma lanterna que se soltou. Cujo tentou anular o desejo de ir até lá, arrancar as


mãos de milhões de dólares de Mo e enterrá-las em seu fodido jardim de milhões de dólares. Trent riu "Este é a melhor maldito presente. Observar você se contorcendo, quer que o segure enquanto você bate nele?” Seus olhos seguiram Harper enquanto ela corria para Drea. "Foda-se, seu idiota." Trent riu. "Cara, ela tem uma bunda grande." Cujo se virou rapidamente. "Eu tenho que arrancar seus dentes?" "Não", disse Trent rapidamente, levantando as duas mãos em sinal de rendição. “Não Drea. Harper minha garota tem uma boa bunda. Não que Drea não tenha. Não que eu fosse... fodase. Estou tomando uma bebida.” Cujo estava dando a Drea mais cinco minutos, então ele ia seduzi-la para fora do modo de anfitriã. Ele sorriu. Observar pessoas era metade da diversão nessas coisas. Ele viu Dred, o vocalista da banda de metal Preload, checando a bunda de Pixie, e fez uma nota mental para dizer ao coapresentador do reality show de Trent para manter as mãos longe. Drea chamou sua atenção e deu um sorriso enorme. Ele chegara a uma decisão desde que ela saíra de sua casa mais cedo. Ele ia dizer a ela a razão pela qual ele evitou relacionamentos por tanto tempo. Dispor para ela e deixá-la decidir se era algo que ela poderia viver. Ela precisava entender o motivo pelo qual um relacionamento com ele poderia resultar em um investimento de curto prazo.


Dred se juntou a ele e bateu o topo de sua garrafa contra a de Cujo. "Grande festa, hein?", ele disse em seu sotaque canadense, tomando um gole da cerveja. "Você e Drea fizeram uma alguma coisa realmente especial." “Principalmente é trabalho dela, se eu for honesto. Ouça, posso te perguntar uma coisa?” “Claro. Do que você precisa?” “Pixie é como uma irmã para mim. Então eu tenho que perguntar, quais são seus pensamentos?” Dred parou com a garrafa de cerveja perto dos lábios e riu ironicamente. "Não tenho certeza se precisamos conversar." "E por que isto?" “Pix se tornou bem clara, Mensagem recebida e entendida.” Cujo deu um suspiro de alívio. "Ótimo, porque eu odiaria ter que dar um soco em você e bagunçar seu rosto bonito." “Não, não se preocupe, estou pensando em pedir a Drea pra dançar comigo essa noite, sua bunda ficou fantástica nesse vestido “ O que foi que estava acontecendo com os caras verificando a sua menina essa noite? Cujo inalou profundamente. “Eu vejo você dançando com Drea, eu vou fazer mais do que estragar esse rosto bonito. Você será o último em sua linhagem familiar.” Dred explodiu em gargalhadas “Oh meu Deus... tão fodidamente engraçado... Trent disse... não importa. Eu estou apenas rasgando você. Mas há mais alguém na sua lista de afastar-se de Dred?”


Foda-se isso. Cujo fez uma nota pata afastar seus irmãos. Eles não estavam indo para mexer com a sua cabeça. O tilintar de metal batendo no vidro assustou-os. "Teste, teste, um, dois, três... é isso que você diz, Dred?" Trent riu. "Só se você é um idiota", respondeu Dred enquanto o resto da banda que veio de Los Angeles para a festa com ele riu. Eles deveriam tocar um set mais tarde, mas dada a quantidade de cerveja que eles tinham tomado, ele não estava apostando nisso. “Harper, querida. Venha cá.” Trent fez sinal para ela se juntar a ele no palco. Cujo observou os olhos de Trent seguirem Harper ansiosamente enquanto ela vagava pelas mesas. Sempre uma surpresa, ela usava um vestido rosa inocente o suficiente, mas combinava com um par de sapatos fodido. Ele atravessou o quintal para ficar atrás de Drea. Incapaz de resistir, ele deslizou as mãos ao redor de sua cintura. Ela olhou para o braço dele, passou o dedo sobre o crânio de açúcar que cobria as costas da mão dele. Drea encostou-se a Cujo, apoiando a cabeça no peito dele, o cheiro de perfume girou em volta deles. Ele pegou uma das mãos dela em cada uma das suas e cruzouas sobre o estômago dela. “Harper e eu só queríamos agradecer por terem vindo, a todos vocês Sou grato pra caralho... desculpe mamãe.” Trent sorriu para Diana, que sorriu de volta. “Estou muito grato por todos vocês pensarem o suficiente de nós e estarem juntos conosco para fazer isso hoje à noite. Eu sinto que ganhei na loteria.” Cujo sorriu quando Trent se virou para Harper. “No dia em que você entrou no estúdio, você virou o meu mundo de cabeça


para baixo. Eu não tenho ideia de como eu tive tanta sorte, mas obrigada, querida, por concordar em se tornar a Sra. Andrews.” Cujo e Drea aplaudiram junto com o resto dos festeiros enquanto Trent se aproximava para um beijo fumegante que parecia durar para sempre. "Vá em frente!" Cujo gritou. “Também queríamos agradecer aos nossos melhores amigos que organizaram tudo isso para nós. Cujo” Trent olhou para ele, lutando para manter a compostura. "Foda-se, cara... quase trinta anos, mano." Cujo puxou Drea um pouco mais perto. Ele não invejo a felicidade do amigo estranhamente, ele se viu querendo um pouco de felicidade para si mesmo. “No melhor e pior, irmão. Sempre.” Trent terminou. Drea apertou as mãos com força. “E Drea. Obrigada a você por mantê-la segura até que eu encontrei ela. Ou ela me achou. Não conheço ninguém com um coração maior, com tudo que você tem em cima de você você ainda achou tempo para fazer isso perfeito pra nós, obrigada querida. De todo coração. Nos amamos você” Drea tirou a mão de Cujo para limpar debaixo dos olhos. Ele sabia como ela se sentia. Foi a porra da família no palco. Para os dois. Ele se inclinou ligeiramente, beijou o lado do pescoço de Drea e gostou do modo como seu pulso acelerou sob seus lábios. "Eles estão certos, você sabe", ele sussurrou em seu ouvido enquanto os convidados aplaudiram e aplaudiram. "Você tem um coração incrível, bolinho Doce, eu não posso esperar para fazer ele bater loucamente”


*

*

*

Os meninos tinham feito um show mais antigo, uma mistura de clássicos do rock e seu próprio estilo country só para Harper, e agora os convidados estavam começando a sair. "Dance comigo, linda." Cujo pegou o pano de sua mão e jogou-o em direção à pia. Ela deveria objetar, mas ela queria sentir os braços dele em volta dela novamente. Ele a puxou para perto quando chegaram ao meio da pista de dança. Colocou-a tão apertada, o topo de sua cabeça descansou logo abaixo do queixo, a bochecha pressionada sobre o coração dele. Era uma música country, a escolha de Harper. Cujo correu as mãos para cima e para baixo de suas costas e, em seguida, instalou-se em sua bunda. “Ele quis dizer cada palavra, Drea. Você fez um trabalho incrível com tudo isso.” Ele pressionou um beijo no cabelo dela. “Eles tiveram. A noite a noite perfeita” “Quem iria ter pensado que faríamos uma grande equipe?” Ela enrugou seu nariz. Ele colocou as mãos em ambos os lados do rosto dela. “Há uma razão pela qual as pessoas dizem que os opostos se atraem.” Os polegares traçaram linhas suaves ao longo de suas bochechas. Ele olhou fixamente para ela. Olhos azuis transmitiam uma necessidade que ela sentia em seu âmago. Seus lábios desceram suavemente sobre os dela. Cujo se afastou ligeiramente, humor quente em seus olhos.


"Uau, Brody", ela sussurrou, desfrutando do seu nome saindo dos seus lábios. “Você realmente sabe como beijar uma garota” “Isso?” Ele disse, pressionando os lábios nos dela por um segundo. “Estou apenas começando. Eu não quero uma aventura, Drea.” Ele parou de se mover, e seu pulso pulou de forma irregular. "Quando ficar difícil, eu quero estar lá para você." Lágrimas picaram seus olhos, mas ela não queria chorar. Não essa noite. "Mas isso significa que você tem que estar lá para mim quando eu ficar chateada" Drea soltou uma risada. “Há coisas que precisamos falar”, disse ele, puxando-a de volta em seus braços. “Mas hoje, eu quero te levar para minha casa, tirá-la desse vestido, e lamber você inteira pra saber se você tem um gosto tão doce quanto você cheira, vou foder e fazer amor com você a noite toda e dar lhe várias razões de pôr que somos certos antes de te dar uma razão para que não sejamos” Suas palavras a aqueceram, uma queimadura lenta e constante de necessidade. “Então, você quer dançar mais um pouco? Porque estou fodidamente excitado e adoraria te deixar nua.” Ninguém tinha falado essas palavras excitantes para ela. “Eu preciso dizer adeus a Harper em primeiro lugar.” “Vamos” Cujo a conduziu pela mão em direção a estação de doces onde Trent ficou com seu braço em torno de Harper. "Estamos caindo fora, cara", disse ele a Trent. "Sim, você definitivamente está." Trent sorriu "Engraçado. Idiota."


"Obrigado novamente por esta noite, tem sido incrível" Harper disse, puxando Drea para um abraço. "E eu quero detalhes", ela acrescentou com um sussurro. "Do tipo que você costumava me incomodar." "Por que isso parece o ensino médio de novo?" Cujo murmurou. Trent riu. "Porque é." Eles chamaram um táxi, agradeceram ao pessoal e ao Mo e andaram até o final da entrada. Cujo tirou a jaqueta e a envolveu em seus braços, seu gesto gentil a fez sorrir enquanto eles entraram no táxi. Cujo deu ao motorista do táxi seu endereço. Drea gritou quando ele a puxou para o seu colo. "Eu não estou usando o cinto de segurança", ela sussurrou contra seus lábios. Sua excitação pressionou contra sua coxa, um sinal claro de que ele estava tão ligado quanto ela. "Foda-se o cinto de segurança, eu tenho você." Os braços de Cujo se apertaram ao redor dela, e seus lábios com sabor de uísque pressionaram contra os dela. Ela se abriu para ele, suspirou enquanto afundavam mais no beijo. As pontas dos dedos dele correram até o interior de sua coxa, cada golpe atingindo cada vez mais alto. Drea apertou as mãos no cabelo dele, sorrindo contra seus lábios quando ele gemeu em resposta. “Jesus o que você faz comigo, Drea.” Quando o táxi chegou a sua casa, Cujo jogou 50 dólares para o motorista sem esperar pelo troco ele levou Drea até a porta. "Chaves", ele murmurou, correndo beijos para o lado de seu pescoço. Porta destrancada, Cujo quebrou o beijo para colocar seu código no alarme.


"Porra, eu quero você." Ele a empurrou contra a parede, levantou os dois braços acima da cabeça, seus beijos febris. Seu pulso disparou na fome em suas palavras. Sem aviso, ele a pegou no colo e a levou na direção de seu quarto. Ela beijou os músculos do pescoço dele, a facilidade com que ele a carregava, aumentando a sua excitação. Cujo baixou-a para o chão. Ele pegou o zíper do vestido e deslizou para baixo. "Você está gostosa nesse vestido, mas ele tem que ir", ele rosnou. Embora ela esperasse que ele rasgasse a maldita coisa, ele abaixou o zíper lentamente até que foi totalmente desfeito. Ele puxou o vestido de seus ombros, arrastando-se com beijos ao longo de sua clavícula. Ela tremeu quando tentou desabotoar a camisa dele. Cujo riu de seu bufo de frustração. "Com pressa, querida?" Ele perguntou com voz rouca. Ele lambeu e mordiscou a pele atrás da orelha, fazendo-a gemer. Suas mãos afundaram em seu cabelo. Oh. Sua língua varreu o pescoço dela. Ela estava molhada. E tão malditamente excitada, ela estava indo ao orgasmo onde estava. Com os botões finalmente desfeitos, Drea abriu a camisa largamente. Para satisfazer a curiosidade, e porque, bem, estava seriamente quente, ela chupou o mamilo perfurado em sua boca. Cujo soltou um assobio, mas a mão que ele colocou na parte de trás de sua cabeça insistiu para que ela continuasse. Ela lutou com a camisa dele pelos braços. Atraída para a cicatriz, ela correu um dedo para baixo suavemente. "O que é iss..."


"Não agora." Ele a cortou e empurrou o vestido para o chão. Seu olhar queimou sua pele quando ele pegou a calcinha de renda roxa que ela estava guardando para uma ocasião especial. "Você é fodidamente incrível, Drea." Ela olhou nos olhos encobertos de Cujo. Seus dedos foram até os cumes de seu abdômen, após o sua trilha feliz direto para o ziper, que ela baixou, escovando os nós dos dedos contra seu duro comprimento. Cujo gemeu em seu toque, transformando Drea em mais ousada... Ele removeu o resto de suas roupas até que ele ficou diante dela nu. "Três... dois..." ele começou a contar. Ele sorriu para ela. "Espera, o que… Não.” ela gritou quando ele veio com um propósito na direção dela. “Um.” Ele a agarrou em seus braços e eles caíram na cama. Rindo, ele a ergueu para sentar-se sobre ele, seu pênis perfeitamente posicionado para dar a ela o que ela queria. "Seu idiota", disse ela rindo, sentindo sua ereção dura pressionar contra ela. Sem pensar, ela rolou seus quadris contra ele, gemendo quando as mãos dele deslizaram por baixo de sua calcinha para agarrar sua bunda e encorajar a moer e ela começou a odiar a fina camada de material entre eles. Fogos de artifício explodiram por todo o corpo dela. Ela nunca se sentiu tão excitada. E nunca esteve tão pronta para devorar um homem inteiro. Ela admirava seu bíceps, o modo como seus músculos flexionavam quando ele se movia. Cujo abriu o sutiã como se tivesse feito cem vezes antes. O deixou cair. Então ele segurou seus seios, tomando um de seus mamilos em sua boca e chupando com força. Seu sangue ficou derretido; calor inundou seu núcleo.


Seu polegar roçou seus mamilos sensíveis, e ele a beijou e lambeu até que ela sentiu vontade de gritar. "Brody", ela chorou baixinho. "Tome o que você quer, baby." Drea esmagou sua boca na dele. Entregando-se aos sentimentos que cresciam dentro, ela pressionou o peito contra o dele e deslizou contra ele, saboreando a sensação de seu corpo quente e duro sob o dela. A força de seu beijo a queimou, deixando-a impotente contra as sensações que cresciam dentro. Ele os rolou. Cujo tirou a roupa de baixo lentamente, seu olhar nunca deixou o dela. Ela tentou largar os sapatos, mas ele agarrou seus tornozelos. "Deixe-os." Cujo se esticou sobre ela, focado em sua boca. Ele traçou a costura de seus lábios com o polegar, fazendo cócegas e provocando-a. Ela chupou profundamente, girando a língua ao redor, fingindo que era a ponta do seu pênis. "Eu não posso esperar para sentir você em torno do meu pau, querida." Ele puxou o polegar para fora de sua boca, em seguida, acariciou seu clitóris com ele, fazendo com que seus quadris se levantassem da cama. "Sensível?" Ele perguntou em um sorriso suave. "Eu amo isso." Ele se moveu mais baixo, seu rosto pairando acima do seu núcleo. Apenas sua proximidade e a promessa do que sua boca poderia fazer com ela, a fez derreter e se contorcer. "Ahh", gritou Drea quando ele circulou seu clitóris com a ponta da língua. Ela o sentiu sorrir quando ele agarrou suas pernas, prendendo-a. Ele lambeu avidamente, devorando-a.


As sensações estavam se tornando insuportáveis. Mas Drea não podia lutar contra a natureza. Desesperada para se libertar, ela torceu os dedos em seus cabelos, pedindo-lhe para ir mais rápido. Ela estava tão perto. "Você precisa de mais?" Seus dedos eram uma doce invasão, combinada com sua língua... "Brody, por favor." Quando ele finalmente chupou duro em seu clitóris, Drea explodiu em um grito de êxtase e alívio.

*

*

*

O som do orgasmo de Drea foi quase o suficiente para leválo ao limite. Seu pênis latejava, pronto para afundar dentro dela. Ele se arrastou de volta até a cama, fazendo uma pausa para obter um preservativo da mesa de cabeceira. Porra, ela era linda olhando pra ele com olhos pesados e um calor em suas bochechas que ele tinha colocado lá. Ela gozava como fazia tudo mais... Com paixão. "Brody", ela sussurrou. "Sim, baby?" Ele deitou-se em cima dela; a sensação de seus seios empurrados contra o peito dele era celestial. "Faça amor comigo." "Com prazer." Ele tentaria mostrar a ela tudo o que ele estava sentindo por dentro. Era importante que ela soubesse que isso era mais do que apenas sexo. Seu pau esfregou contra sua entrada encharcada, e ele deslizou lentamente, empurrando firmemente contra ela. Porra, ela estava apertada. Minúscula em todos os lugares. Ele não


queria machucá-la. O jeito que ela apertou ao longo do comprimento dele impossibilitou o controle. Ela gemeu contra sua boca enquanto ele a beijava. "Cristo, Drea", ele rosnou. “Você se sente tão bem pra caralho." Ela envolveu as pernas ao redor dele e algo duro cavou em suas costas. Ele olhou por cima do ombro e, porra, ela ainda estava usando aqueles saltos sexy. Drea se mexeu. “Por favor, mexa-se, Brody. Eu não posso esperar mais.” Ele baixou a boca para a dela e segurou sua bunda. Se ele tivesse um pouco mais de autocontrole, poderia ter sido possível manter o lento e constante deslize, mas os sentimentos eram tão intensos, o desespero por vir tão grande, era impossível fazer outra coisa senão bater dentro dela. Todos os planos de fazer isso lento voaram da sua mente, a necessidade por ela o consumindo. "Oh, Brody", ela suspirou contra seus lábios. Eles se moviam perfeitamente juntos; ela combinou com ele, em cada empurrada ou impulso. Ele fechou os olhos, saboreando a pureza do momento. Apreciando pelo que era. Algo que ele nunca teve. Ele estava fazendo amor com uma mulher pela primeira vez em sua vida. Foi incrível. Ele podia mover montanhas. Ela estava apertando-o com força, ondulando contra ele, e ele acelerou. "Olhe para mim, Drea", ele rosnou. "Eu quero te ver." “Brody.” As pupilas dela alargaram largamente e as unhas dela cavaram nas costas dele.


O som de seu nome em seus lábios e o modo como suas paredes se apertaram ao redor dele quando ela veio o enviou para a borda. “Querida, eu estou indo-ah, porra.” Onda após onda de pura felicidade agrediu e ele lutou para manter os olhos abertos, não queria perder um minuto da sua primeira vez juntos. Ele baixou a cabeça para o travesseiro, logo acima do ombro dela, beijou seu pescoço e ofegou por ar. Igualmente sem fôlego, Drea massageou seu ombro, proporcionando uma sensação de conforto desconhecido. Sendo um homem prático, ele rolou para os lados, mas sendo puramente egoísta, ele ficou dentro dela, apreciando o jeito que ela continuava a apertá-lo. Ele empurrou o cabelo emaranhado de Drea de seu rosto, não pôde resistir a beijar aqueles lábios inchados novamente. Suavemente desta vez. Ela sorriu timidamente para ele, e ele sentiu todo o caminho até a porra dos pés. Admirado pelo jeito que ela o fazia sentir, ele sorriu de volta quando ela enrolou a cabeça em seu ombro. Ele passou os braços ao redor dela, uma calma substituindo sua habitual energia frenética. Um lampejo de preocupação com o que a manhã traria ondulou através dele. “Obrigado, Brody. Isso foi incrível.” Drea sussurrou em seu ombro. Ele trouxe seu foco de volta para ela. "A qualquer momento, querida", ele respondeu e gentilmente se moveu dentro dela para dirigir seu ponto. Ela riu contra o ombro dele. Mais doce. Fodida. Coisa. Ela levantou a cabeça, correu uma linha de beijos logo abaixo de sua mandíbula. "Eu amo sua cama."


"Eu te amo na minha cama, apenas... pelo amor de Deus, continue me apertando assim." Ele rolou sobre ela e pegou outro preservativo da gaveta enquanto ela ria. Ainda faltavam muitas horas antes do amanhecer, e ele pretendia passar cada uma delas mostrando como seria se eles dessem uma chance. E de manhĂŁ, ele diria a ela a Ăşnica coisa que poderia fazĂŞ-la ir embora.


ONZE Ou esse era o sonho mais gostoso que ele já teve em sua vida, ou Drea realmente estava em sua cama, seus braços e pernas emaranhados com os dele. Cujo despertou devagar, levou um momento para apreciar a maneira como os seios de Drea estavam empurrados contra seu peito, como a cabeça dela descansava em seu braço. Sua pele era macia e suave sob as pontas dos dedos enquanto ele deslizava lentamente pelo comprimento de suas costas. O relógio ao lado mesa mostrou que era quase nove, e ele agradeceu silenciosamente que Mo tinha contratado alguém para limpar. Mesmo que ele quisesse, acordá-la e fazer amor não parecia muito certo. Parecia enganoso. Eles precisavam conversar. Ele precisava dar a ela uma escolha antes que o relacionamento desse um passo adiante. Cuidadosamente, ele moveu o braço debaixo de sua cabeça e entrou no banheiro. Ele colocou as mãos no balcão, em ambos os lados da pia, permitindo que sua cabeça caísse para frente. Talvez esta não tenha sido a escolha certa. Talvez ele não devesse ter começado isso com Drea. O chuveiro foi aquecido rapidamente e ele pisou dentro, permitindo a pressão acalmar ele isto é apenas os nervos. Não era sobre seu passado ou sua mãe. Ele tinha acabado de começar a lavar o cabelo quando ouviu a porta do chuveiro fechar. Drea deslizou para dentro e inclinou a cabeça para trás para molhar o cabelo. Porra. A maneira como a água se curvava sobre


seus mamilos cor de rosa o fez balançar, disposto a deixar todo o sentido da moral para trás. "Bom dia", ela disse. Com maquiagem, ela era um sonho molhado, mas sem ela. "Cristo, você é linda." Ele envolveu a mão em volta do pescoço dela. Ela queria um beijo, mas ele pegou o xampu e lavou o cabelo dela. Um lampejo de confusão obscureceu seus traços e a culpa retorceu seu intestino. Mas ele não podia dar o que ela queria até que eles conversassem. Ele terminou de tomar banho e pegou a toalha. Drea deixou que ele a secasse. Roupões felpudos brancos estavam pendurados na parte de trás da porta, e ele a embrulhou em um antes de enrolar uma toalha em volta da própria cintura. Drea estendeu a mão para ele, envolveu os dedos ao redor do pênis sobre a toalha. Ele se contorceu em resposta em traição. Ele agarrou a mão dela, apertou-a contra o coração dele. “Nós precisamos conversar, Drea. Quando terminarmos, se você ainda me quiser, sou todo seu. Posso fazer o café da manhã primeiro?” "Eu acho que prefiro saber o que está acontecendo", disse ela quando ele pegou a mão dela e levou-a para o cozinha. "Eu sei bolinho doce, só me de alguns minutos para que possa colocar minha merda junta” Ele cortou algumas frutas frescas e fez uma omelete. Ele colocou o café da manhã no bar, pegou o banquinho ao lado dela e segurou sua coxa. Os vinte minutos que levaram para fazer o café da manhã não o ajudaram a descobrir o que dizer. Cujo olhou pra Drea e só deixou tudo sair.


“Eu tive câncer, não apenas câncer mais câncer nos testículos. Irônico não? Eu nunca terei certeza que ele não irá voltar, ah e eu também tenho a certeza que não poderei nunca ter filhos.” Não era a melhor das explicações mais foi o que ele conseguiu falar. "Cujo", disse ela, sem fôlego, sua mão alcançando a dele. "Você ainda o tem agora?" Ele largou o garfo no prato. "Não. Eu tinha dezoito anos. Tinha que ter um dos meus...” Cristo. Isso foi mais difícil do que ele imaginou. Ele levou um minuto e continuou. “Eu tive que ter uma dissecção de linfonodo retroperitoneal porque se espalhou, removeram a linfa pelas costas do meu abdômen.” "Sinto muito que você teve que passar por isso, Brody." "Eu gosto disso." Ele se virou para ela. “O quê? Câncer?” Ela perguntou, surpresa. "Não", ele riu, levantando as mãos unidas aos lábios. “Que você me chame de Brody. Eu não acho que alguém mais o faça.” “Por que todo mundo te chama de Cujo? Não, espere, volte. Por que você acha que me falar sobre o câncer mudaria minha opinião sobre você?” "Porque quando mamãe partiu, eu fiquei com Trent, e ele me deu o livro do seu pai, Cujo de Stephen King3." "E você adorou?" Ele estava grato que ela não o empurrou para a resposta difícil. “Não, isso me assustou tanto que acabei fazendo xixi na 3

Na versão brasileira o livro se chama Cão Raivoso


cama. Trent se sentiu culpado. Pensou que isso tiraria minha mente das coisas, não me assustaria. Nunca contei a uma alma por que ele me deu esse nome, mas todos achavam que era porque eu era um pouco maluco, então fiquei preso a ele.” Drea cobriu a boca com a mão dela. "Tudo bem, você pode rir." Drea começou a rir. “Sério?” “Sério.” Eles ficaram em silêncio por um tempo. Quando ela terminou de comer, Drea olhou para ele novamente. "Por que agora, Cujo?" Ele a encarou, esfregou as mãos para cima e para baixo de suas coxas. “Porque eu não tive um relacionamento sério antes. Eu não sei quando a hora certa seria. Eu quero te dar a chance de sair agora. Você passou anos cuidando da sua mãe. Eu não quero que você tenha que fazer o mesmo por mim.” Ele se levantou, limpando os pratos da barra de café da manhã. Isso tudo pareceu cedo demais. Reservas sobre estar em um relacionamento ainda o assombravam, apesar de seus sentimentos crescentes por Drea. Era uma porra de agrupamento em sua mente. Café. Ele precisava de um copo. Ele pegou duas canecas no armário. Mãos serpenteavam ao redor dele e uma onda de alívio inundou-o quando Drea pressionou a testa contra as costas. As xícaras sacudiram quando ele as colocou no balcão. Ele colocou as mãos por cima das dela. "Eu não vou embora", ela sussurrou. “Pelo menos, não por causa do que você acabou de me dizer. Apenas não se livre da cama”, ela acrescentou. Ele sorriu, virando-se para envolvê-la em seus braços.


"Significa o mundo para mim, mas você realmente sabe o que isso significa para você?" Ela poderia compreender o quão doente ele poderia estar se ele voltasse? Seria justo pedir a ela para tomar uma decisão vitalícia que poderia levar a nunca ter filhos com ele? "Isso significa que se ficar difícil, eu tenho que cuidar de você, certo?" Sua boca virou na esquina ironicamente. Ela estava citando ele. "Sim", ele respirou, puxando-a para mais perto. "Pessoas normais não têm essa conversa cedo, mas isso significa que eu nunca poderia ter filhos com você." “Posso perguntar... você já fez o teste? Como você sabe com certeza que não pode?” “Cerca de um ano após a cirurgia, não voltou. Eu tinha um pouco de esperma congelado, mas eu já estava muito doente quando aconteceu. Eles me disseram que não era de grande qualidade.” “Nós vamos atravessar a ponte quando ou se chegarmos a ela. Eu quero filhos. Mas a sua situação não será o fator decisivo para saber se temos alguma coisa aqui.” Ele soltou outro suspiro de alívio, baixou os lábios nos dela e beijou-a enquanto seu cérebro tentava passar pelas palavras para dizer o quanto ela estava começando a significar para ele. “Você vai me fazer café?” Ela perguntou. "Uma menina poderia morrer de sede." Ele pegou o pano de prato e bateu na bunda dela, rindo enquanto ela gritava. Mais feliz do que ele achava possível, encheu a cafeteira com água. Ela ligou a TV, no exato momento em que a granulada imagem de vídeo da mulher sequestrada desapareceu, substituída pelo desenho de Snake de Cujo. “A polícia continua


a investigar os moradores locais sobre a tentativa de sequestro. Este homem é procurado para questionar em relação ao incidente. Se você tiver alguma informação, entre em contato com o número na sua tela. Ele é conhecido por andar armado e ser perigoso, então não há heroísmo”, concluiu a âncora. Cujo passou Drea o café dela. "Ai", ela sussurrou enquanto derramava sobre a borda porque suas mãos tremiam, queimando seus dedos. “Eles me disseram que não iriam a público. Snake vai saber que fui à polícia.” “Você quer ir ver Carter? Eu vou te levar.” E chutar sua bunda para uma boa medida. "Não." Ela olhou para a caneca em sua mão. "Tudo ainda está tão confuso quanto era ontem, não é?" “Tudo o resto é. Mas você e eu... estamos bem, certo.” Ele olhou para ela, esperançoso. “Antes de você se comprometer, há algo que eu preciso te contar." "O que?" "Eu fiquei em contato com Gilliam", ela murmurou. "O que? Por quê?, ele rosnou. "Porque eu quero descobrir quem é a mulher", disse ela desafiadoramente. “E também porque Gilliam acredita que isso é importante. Até mesmo se não a encontrarmos, o trabalho dela ainda significará algo. Ele pediu a esse funcionário da DEP para verificar o site.” Sua raiva desapareceu quando ela pegou a mão dele. "Parece que você já teve o suficiente em sua mente." Cujo olhou por um momento a mais antes de inclinar a cabeça para o lado em um movimento que ela assumiu estar de acordo.


Ele a abraçou, amando o olhar de olhos arregalados que ela lhe deu. “Ela tinha um propósito, Cujo. E eu a invejo disso.

*

*

*

Drea bocejou, quase batendo o caro para o muro baixo de tijolos separando sua garagem com a do Sr. Escudero. Porra, ela precisava dormir um pouco. Ela abriu para José, depois de ter ido direto do hotel para o café. O cochilo de uma hora que ela pegou na sala de descanso antes de começar o trabalho tinha feito pouco para manter o cansaço à distância. Harper encontrá-la de bruços na mesa durante o almoço definitivamente não era sua melhor hora. Graças a Deus foi apenas terça-feira e não no fim de semana. Sua mãe estava lá dentro; ela podia ver a televisão piscando pela janela. Provavelmente algum programa de TV dos anos 80, viciante como A Equipe. Uma sessão verbal de discussão com a mãe era a última coisa que ela queria. Talvez ela tenha apelado para o sorvete favorito de sua mãe como uma pequena surpresa para suavizar o ataque. Tia Celine abrio a porta com um amplo sorriso e Milo correu para ela com um enorme sorriso. “Drea, Drea Drea ” ele gritou, saltando pra acima e para baixo do lado da janela do carro. Drea tirou o sinto de segurança e abriu a porta com cuidado pra não. Machucar o menino. “Mi chico favorito”, ela gritou quando ela saiu do carro e pegou para ele. Ele fingiu se afastar dela,


mas os gritos de alegria dele lhe disseram que ele secretamente amava quando ela beijava e apertava suas bochechas. “Ei, Drea. Seu jantar está no fogão. Trouxe algumas costelas para você.” Tia Celine colocou a mochila que carregava nos ombros de Milo. "Oh meu Deus, Tia Celine. Costelas soam como o céu agora pra mim.” “Como foi com ela?” “Ela gritou com Milo por cantarolar.” “Sinto muito tia.” “Eu sei que você sente querida, mas se ela vai continuar com isso, eu não posso trazer Milo. É a terceira vez este mês.” Quem diabos iria cuidar da mãe dela então? “Eu entendo, tia Celine. Eu queria que fosse diferente.”

"Eu também. Nós saímos para nos encontrar com Harper para a aula de Milo esta semana. Ele está fazendo muito melhor com a ajuda dela. Um anjo a enviou para nós.” Harper esperava voltar a lecionar em tempo integral em breve. Drea sentiria sua falta no café, mas estava animada por sua amiga voltar a fazer o que amava. De muitas maneiras ela invejava Harper, sendo tão comprometida com alguma coisa. Ela adoraria a chance de fazer algo além de servir café. Se ela soubesse o que. Eles disseram suas despedidas e Drea vagou para os degraus da varanda. Cujo a havia contatado algumas vezes, suas mensagens variando de uma foto do travesseiro vazio em


sua cama com a legenda, “queria que você estivesse aqui”, o texto mais sexy que ela já havia lido. Se metade do que ele prometesse se tornasse realidade, ela não sairia da cama por uma semana. Ela sentou nos degraus da varanda e pegou o celular, ele tinha mudado sua foto de contato para um cão São Bernardo ela riu quando o telefone tocou. “Empório de sexo de Brody. Temos um ótimo livre para o prazer. Em orgasmos até o fechamento dos negócios.” Drea riu. "Por que eu tenho que pagar pelo primeiro?" “Porque um homem tem que ter uma vida honesta. O segundo vem, sem trocadilhos, com uma garantia de devolução do dinheiro.” "Você está tão confiante com seus produtos e serviços?" "Oh, baby. Somente pergunte aos seus bens como feliz eles estão com meu serviços, e você terá sua resposta." " Você é louco", disse ela, sorrindo para sua capacidade de iluminar sua dia. Ele riu dela. "Sim. E aí, linda? O que posso fazer por você além dos orgasmos?” Se fosse assim tão simples. "Nada. Apenas cheguei em casa. Ainda não posso encarar a entrada.” “A Rolo-Rosa esta te deixando louca?” Ela cobriu a boca mais não poderia parar o riso. "Oh meu Deus. Você não pode dizer isso..." "Hey. Você foi a única que disse que seu humor está em altos e baixos."


Tinha que ser um pecado zombar sua própria mãe, mas ela não conseguia se conter “É isso errado que eu ame esse nome?” "De modo nenhum. Volte para o seu carro e dirija sua linda bunda até aqui. Eu vou te comprar o jantar.” Ela tomou uma respiração. Outras mulheres não tinham as restrições que ela tinha, outras mulheres não precisavam fazer o que ela faz, como ajudar a mãe a tomar banho. “Por mais que eu adoraria, eu preciso ficar aqui esta noite." “Não se preocupe, bolinho doce. Me ligue mais tarde se quiser conversar ou fazer sexo por telefone.” “Cujo!” exclamou ela. "Mais tarde, bolinho doce, mais tarde." O telefone desligou e ela balançou a cabeça. "Drea?" Sua mãe girou para a varanda. "Você pode terminar o jantar?" Ela ofegou, virando a cadeira na varanda estreita. "Estou faminta. Celine trouxe esses bolinhos com abobrinha para o almoço, eles eram nojentos.” Drea viu quando ela voltou para dentro. Era incrível o quanto mais fácil Rolo-Rosa parecia depois de uma ligação com Cujo. Esta é a minha vida . Ela riu e sacudiu a cabeça. Ter chamadas quentes e assar legumes.


DOZE “Não há uma mudança real desde a sua última visita. Sua esposa tem o que é chamado de amnésia retrógrada, afetando sua memória episódica.” "Memória episódica?" seu pai perguntou. Cujo ouviu atentamente. “A memória episódica contém sua própria informação autobiográfica. A memória semântica, a parte que armazena informações gerais, como o atual presidente ou onde a África é, por exemplo, geralmente não é afetada. A memória não volta cronologicamente. Você pode se lembrar de uma década atrás ou se lembrar da semana passada. Evelyn lembrou seu nome de solteira e algumas coisas de sua juventude. Estes são todos sinais positivos.” "O que acontece depois?", Perguntou Cujo. Ela iria morar com um deles? Connor vive muito longe. Devon tinha as crianças. Ele trabalhava o dia todo. Seria demais para o pai dele assumir? “Ela precisa ficar aqui até começar a reabilitação. Como a polícia informou a você, nenhuma identificação foi encontrada nela, então não sabemos para onde mandá-la ainda. Seu nome de solteira e casada levou a polícia a becos sem saída quatro anos depois que ela deixou Miami. Ela se formou na Universidade de Boston e depois desapareceu.” "O que mais podemos fazer?" Seu pai estava frustrado com o progresso que estava sendo feito.


“Continue visitando. Fale com ela. Mostre suas fotografias, compartilhe memórias. É menos para o tratamento e mais para ajudá-la a se sentir segura. Mas não empurre. Não discuta experiências negativas, isso pode desencadear seu subconsciente a resistir ao retorno das memórias atuais.” O médico os deixou do lado de fora do quarto dela. "Papai, podemos conversar?" Alec assentiu. "Certo." "Me desculpe." Cujo começou. Eles sempre foram muito próximos, e mesmo que não concordassem com o papel que sua mãe desempenharia em suas vidas, ele não queria destruir o vínculo que compartilhavam. “Eu não tinha pensado sobre isso do seu ponto de vista. Eu estava apenas sendo egoísta.” “Eu também sinto muito, Brody. Eu deveria ter compartilhado mais sobre sua mãe quando você ficou mais velho.” Seu pai agarrou a mão dele e se virou para encará-lo. "O engraçado é que você é tão parecido com ela, sem eu dizer uma palavra." Cujo seguiu seu pai para o quarto, surpreso quando ele se inclinou e beijou a bochecha de sua mãe, como se estivesse fazendo isso nos últimos vinte anos. Ainda mais surpreso quando ela corou. "Olá, meninos", disse ela. Sua voz era muito mais suave do que a primeira vez que se encontraram. Felizmente, o sangue se dissipou de seus olhos, deixando um tom roxo. Lembrar-se da explicação do médico sobre as petéquias, resultado do estrangulamento mal feito, fez com que ele se sentisse mal do estômago. Alguns dos curativos em sua cabeça e rosto foram embora, revelando raspado e costuradas feridas. Evidência de quão rápido e duro os médicos lutaram para mantê-la viva. As pequenas melhorias mostraram progresso, mas as lesões ainda eram extensas.


"Eu trouxe algumas fotos dos meninos quando eles eram mais jovens", disse seu pai, alcançando dentro de sua jaqueta. Evelyn segurou-os com reverência. "Qual de vocês era o Batman?" Ela inclinou a imagem para Cujo. "Papai", ele gemeu. "Você trouxe Halloween?" Foi desconcertante. Sua mente lutou para reconciliar a mulher no hospital com a mãe que os deixou. Ele queria gostar dessa mulher, até mesmo ajudá-la. Mas e se eles investissem todo esse tempo com ela, acabaria gostando dela, para recuperar a memória e deixá-los novamente. Evelyn riu, um feito difícil com a fiação através de sua mandíbula. Ela examinou mais fotos, parando periodicamente para pedir a história por trás delas. Quando ela fez mais perguntas sobre o trabalho dele, ele pegou o telefone. “Onde é isso?” Ela perguntou. “É o estúdio de tatuagem que eu possuo. Secund Circle.” Ela bateu a Próxima. "E esse? Eu sinto que conheço esse lugar..." Zephyr tinha caída adormecida em coma com a cabeça pendurada na ponta do sofá na casa do pai, ele achou engraçado e tirou uma foto antes de mudá-la de posição. "Qualquer coisa específica chama sua atenção?" Ele não queria alimentar suas memórias. Não. Evelyn esfregou a ponte do nariz. “É um estranho sentimento de déjà vu. Como eu já estive lá antes. Mas é tudo assim. Instantâneo em minha mente. Eu vejo rostos. Dois tratores enormes. Há um prédio azul e branco. Estou usando uma roupa ridiculamente colorida...” Ele sabia do que ela estava falando. A imagem ficou pendurada no corredor durante anos. Acho que é o que acontece


quando você se casa na Prefeitura de Miami no começo dos anos 80. Sua mãe parou em outra foto. Ela estudou isso. Tudo o que ela estava olhando a fez estremecer. Então ela engasgou e desviou o olhar. "Evelyn, você está bem?" Alec pulou de sua cadeira ao lado de sua cama. O telefone escorregou de seus dedos e Cujo agarrou-o antes que ele caísse no chão. "Sim. Não. Minha cabeça está doendo. Eu acho que isso é demais.” “Brody, devemos deixá-la descansar. Por favor, peça ao médico para vir.” Cujo informou a estação da enfermeira e depois dirigiu-se ao elevador. Curioso, ele puxou a última fotografia que sua mãe tinha visto antes da dor. Drea. Ele pensou sobre a noite que tinham compartilhado. Ela tinha sido tudo que ele esperava. Disposta, flexível e de mente aberta. E inteligente. E atrevida. E todo um mundo de coisas mas, ele devia estar na sua casa envolvido nos lençóis com Drea tentando descobrir se a sua primeira vez juntos foi um sinal de tudo que estava por vir ou um acaso da natureza. Não preso nesta merda de hospital. O que ele estava fazendo? Ele esfregou a mão sobre a cabeça. Ele dormiu com ela e, em seguida, derramou seu coração para ela. Ele tinha acabado de ser levado no momento? Não. Não podia ser isso, ele queria estar com ela muito mal. Quando o elevador finalmente chegou, ele entrou.


Quanto mais tempo passava com sua mãe, mais ele se lembrava de que o amor não era suficiente. Ele podia ver o desespero de seu pai para se reconectar com ela, e preocupado com a dor que ele causaria se ela os deixasse novamente. Havia potencial para esse tipo de intensidade entre ele e Drea. Foi mais do que flertar e divertido. Foi a maldita química do caralho. Talvez ele deva diminuir um pouco e manter uma distância entre eles. Diminuir as coisas e ver como isso se desenvolve. Ela merecia tudo. Um relacionamento. Uma família. Um sentimento de pertencer, Isso não era algo que ele pudesse garantir. Foda-se. Ele continuou caminhando em círculos completos Seu telefone tocou. Estou trabalhando até tarde no café. Quer vir jantar? Drea. Mas ele não podia, tudo que a sua mãe havia falado tinha colocado sua cabeça em parafusos. Só o trabalho abafaria o barulho em sua cabeça. Drea teria que esperar.

*

*

*

Seu turno no café tinha ido e vindo sem uma resposta ao seu texto. Normalmente não lhe interessaria, mas Cujo costumava responder rapidamente. Ela esperava que não tivesse nada a ver com a mãe dele. Dobrou duplamente porque demoraria um pouco mais até que seus turnos diurnos e noturnos conspirassem para proporcionar vinte e quatro gloriosas horas de folga do trabalho. Enquanto uma boa parte dessas horas seria preenchida com as coisas de sempre, ela esperava que Cujo


pudesse passar algum tempo com ela, talvez até mesmo ir a um encontro. Drea não iria se preocupar com ele ainda. Quarenta e oito horas atrás eles prometeram ficar juntos quando ficasse difícil, e ela ia ter fé nisso. Ela empurrou o carrinho de bebidas em direção ao elevador da equipe. Era tão lento que ela pensou em quebrar as regras da casa pulando no elevador do cliente. Tinha sido difícil despertar sua mãe antes de seu turno no café do José, tanto que ela havia chegado em casa entre os empregos para verificar ela. Ela perguntaria ao médico se havia alguma coisa que sua mãe pudesse tomar para se sentir mais confortável. Seu celular vibrou no bolso. Cujo, ela esperava. Gilliam. A decepção se instalou em sua barriga. Ela abriu o email. Aparentemente a pessoa DEP tinha verificado a local. Isso era gentil da parte dele enviar as atualizações para ela mas ela não entendeu a maioria delas. Tudo parecia... Positivo... Dentro dos níveis de tolerância… Nenhuma evidência de… Precauções satisfatórias… Quem era ela para discutir com a ciência? Ela saiu do elevador e caminhou para a suíte 1480, lutando para parar o carrinho de puxar para a esquerda. Por que ela sempre acaba com o carrinho com a roda bamba? Duas garrafas de uísque, uma garrafa de vodka e uma garrafa de tequila, além de todos os ingredientes, estavam sacudindo na bandeja. Supondo que os convidados eram da área, os europeus eram bêbados ruins. Um homem enorme estava do lado de fora das portas duplas da suíte da cobertura. Ele usava um terno de qualidade e um


crachá dizendo que ele era SEGURANÇA ela se sentiu como um rato de laboratório sob seu intenso escrutínio. "Serviço de quarto", disse ela alegremente, enterrando o sentimento de desconforto. Ela não a reconheceu, mas passou a vasculhar o conteúdo da bandeja, procurando por Deus sabe o quê. Três sólidas batidas na porta e ela se abriu. "Finalmente", um homem magro em uma camisa polo azul demorou. "Nós fizemos esse pedido há muito tempo." Drea empurrou o carrinho sobre a tira de metal da porta, as garrafas batendo umas contra as outras, ameaçando cair. “Sinto muito, senhor. A cozinha e o bar estão muito ocupados esta noite” Seus pés cheios de bolhas foram prova suficiente do número de convidados essa noite. "Coloque ali." Ele apontou para um pequeno bar. Ela empurrou o carrinho desajeitadamente, enlouquecendo com a roda, para o canto. Vários homens estavam sentados ao redor de uma grande mesa oval enquanto ela passava. “Os canadenses estão tomando a posição de proximidade é questão de tempo...” Drea olhou para cima de sua posição atrás do bar. O sujeito de camisa de polo passeava enfurecido. Um homem musculoso usando um chapéu de cowboy resmungou em concordância enquanto acendia um charuto. O cheiro de tabaco preenchidas a ar. "Que porra os fazem melhores nós, compramos um mesmo lote de terra e não achamos nada perfurando local” Perfurar? Drea se posicionou para poder ouvir com mais clareza, usando os espelhos atrás da barra do bar para estudar apropriadamente o grupo em volta da mesa.


Camisa Polo retomou sua posição na mesa. “Eles ficarão lá até que algo mais sério aconteça, um furacão ou um vazamento quem de nós não passou por isso em algum momento...” falou em tom de ameaça. "Shh", cara do charuto assobiou. Ele olhou diretamente para o reflexo de Drea no espelho. E ela olhou para Trip Henderson III, CEO da Cleffan Energy. Ainda era chamado de ataque cardíaco se o seu coração apenas parasse de bater? Naquele momento ela tinha certeza que o dela não estava batendo! Drea se forçou a respirar normalmente enquanto limpava a bancada. Teria ele a reconhecido? Ele sabia quem ela era? O suor escorria pelas costas dela. O que eles fariam com ela? O que eles poderiam fazer? Jogá-la da varanda? Câmeras de segurança no corredor mostravam-na entrando na suíte e não indo embora. Qual seria o conforto frio se ela fosse encontrada salpicada no concreto. Uma batida forte na porta a fez pular. O segurança entrou na sala novamente, desta vez com outro cavalheiro. Henderson se levantou e caminhou até o homem, apertando sua mão e dando-lhe um tapinha no ombro. “Gente. Esta é a pessoa de quem falei anteriormente. Ashley Sullivan”. Ashley Sullivan? O cara da DEP? Suas mãos tremiam. Ela abriu as garrafas de licor, colocou os copos no balcão, encheu os baldes de gelo e colocou os misturadores no pequeno refrigerador. Ocasionalmente, ela dava uma olhada, memorizando os rostos dos homens à mesa. As apresentações terminaram. Drea empurrou o carrinho rapidamente para a porta. Mais alguns minutos e ela estaria de volta no elevador mais lento do mundo.


"Espere." Trip caminhou em direção a ela. Drea agarrou as laterais do carrinho com as duas mãos. Ela tinha uma arma à mão? O saca-rolhas estava ao alcance, se ela precisasse. Ela olhou para Henderson. "Você precisa de algo mais, senhor?" Sua voz tremeu. "Você tem algo meu, eu acredito." O pen drive? Ela deu para a polícia. Ele colocou as mãos atrás das costas, Será que ele tinha uma arma atrás da sua jaqueta, os outros não dariam a mínima se ele a matasse ali mesmo. Felizmente ele puxou para fora a carteira e perguntou. "Eu preciso assinar, certo?" Ela puxou a pasta preta contendo o recibo da frente de seu avental e entregou a ele. Lábios franzidos, ele reviu e assinou a conta. Colocou-o no carrinho e retirou uma nota de cem dólares da carteira. "Obrigado", ele sorriu, abrindo a porta para que ela pudesse sair. O corredor pareceu longo como de um filme de terror pressionando o botão do elevador. Pressionou novamente. "Para o amor de todas as coisas sagradas” disse ela, apertando o botão furiosamente. Ela olhou por cima dela ombro, Henderson e o guarda estavam conversando. As portas se abriram e Drea entrou. Quando as portas se fecharam, os dois homens olharam para ela. Drea desmoronou contra a parede espelhada com um soluço.


Ela puxou o telefone do bolso. Eram duas horas da manhã. Se ela mandasse uma mensagem para Cujo, ele não veria até que ele acordasse mesmo assim ela precisava tentar. Por favor me ligue. Havia tão poucas pessoas que ela podia contar, ela só esperava que Cujo ainda fosse uma delas.

*

*

*

Cujo distribuiu os coletes salva-vidas para o pequeno grupo esperando para fazer o curso de paddleboard para iniciantes pelo canal. Foi um final perfeito para um dia de outubro. O céu estava ficando vermelho espetacular e laranja queimado e as temperaturas acima da média deveriam continuar durante o mês. Os sons relaxantes da água o acalmavam. Depois de horas de tentar dormir e não conseguir pensando em como resolver as coisas com Drea, ele finalmente tinha se levantado e chamado Connor, os guias da empresa do seu irmão conseguiram para ele uma vaga de última hora, ele tinha entregado seu turno no trabalho embalado tudo e saido. Mesmo Trent não entendia sua necessidade de fazer cerca de duas horas de carro ao até o local de seu irmão. A beleza que se encontrava no caminho nessas duas horas aquietava sua alma. Ele tinha verificado seu telefone por último na mensagem de Drea o convidando pra jantar, que ele não tinha respondido ainda. Como o legítimo idiota egoísta que era. “Obrigado por ajudar, cara. Eu estava ferrado”


Connor verificou o ajuste do colete salva-vidas em uma senior bronzeada sexy da UCLA. “Não é como se Desiree estivesse doente no último minuto. Acho que não vou tentar o novo lugar de hambúrguer que ela comeu, afinal.” Drea tinha estendido a mão para ele, que era algo enorme para ela. E ele queria estar lá para ela. Depois de uma boa noite de sono, ele sabia que eles poderiam descobrir esta merda. "Ok", disse Connor, batendo palmas para chamar a atenção de todos. “Certo, nós passamos pelo básico, então agora vocês podem experimentar.” Cujo entrou na água com a prancha, ajoelhou-se no meio e, em seguida, antes de se levantar, empurrou-se para fora. "Não. Não, não." Uma morena de roupa de borracha balançou na prancha e caiu na água. Ela ressurgiu e riu. Cujo foi até ela. Colocando o remo no barco , ela olhou para ele. "Não tenho certeza se esta é a minha coisa." “Apenas fique comigo. Você vai embarcar antes que você perceba. Eu sou Cujo, se você precisar de alguma coisa.” “Mandy. Eu apertaria sua mão, mas estou com medo de soltar meu remo”. Cujo riu. No final da primeira etapa, Mandy pegou o jeito. Ela havia caído mais três vezes, mas havia dominado os dois tipos de curvas, o arco amplo e o remo reverso. Sua confiança estava crescendo, mas ela ainda estava pensando demais. Ele precisava distraí-la, então ele a provocou um pouco, apontou coisas de interesse ao longo da borda da água.


“Você fez isso", disse ele, ajudando-a a sair da prancha "Foi incrível, Cujo, obrigada", ela disse e caminhou em direção ao resto de suas amigas. Levaram mais quarenta minutos para ver todo mundo, limpar as pranchas e enxaguar os coletes salva-vidas. Quando tudo estava carregado e preso no trailer especial, Connor sugeriu sair de novo, só os dois. "O que você está mantendo você fora Cujo?” "Isso é óbvio?" Connor sempre foi o mais intuitivo. “Não. Na verdade não. Você parece um pouco triste.” "Coisas estão acontecendo entre mim e Drea. Bem, elas estavam, até eu gastar a maioria do meu tempo com papai e mamãe nos últimos dias.” Ele odiava soar fraco, mas Connor o conhecia melhor que a maioria. O céu estava quase vermelho sangue , impossível de pintar, mas dolorosamente apropriado. Connor começou a se afastar. "Sim. A coisa da mãe está fodida. Qual é o problema com o papai?” “Ele esperou por ela. Todos esses anos.” Cujo remou com força para fechar a lacuna. “Nós tivemos conversas sobre isso. Ela vai machucá-lo novamente.” "Mas ela poderia não. Nós devemos isso para nós mesmos, e se ela mudou? De qualquer forma o que isso tem a ver com você e Drea?” Soou tão simples quando Connor colocou assim. "Eu não sei. Eu pensei que estava com a cabeça reta. Nós nos saímos bem na vida sem a mamãe.”


“Então...”, disse Conner, diminuindo a velocidade da tábua até se depararem com uma extensão aberta no final do curso d'água. "Você acha que Drea vai fazer o mesmo para você?" Cujo não pôde responder. O tempo todo, ele pensou que o problema era que ele não queria se envolver. Que de alguma forma ele estava sendo puxado para um relacionamento que ele não precisava. Ou que isso era injusto para a mulher por causa de seu câncer. A realidade o atingiu com força. Seu medo mais profundo era que ele caísse duro e rápido, e que Drea o deixasse tão inconsolável quanto seu pai. “Você sabe, Drea não é a mamãe Drea e você não é papai. Não quer dizer que você não vai ter problemas, diabos, eu não conheço um único casal que não tenha. Mas eles serão seus” Eles ficaram em pé em silêncio, estudando as brasas do pôr-do-sol. Ele precisava de uma boa noite de sono e, de manhã, ia encontrar Drea. Ele lhe devia um imenso pedido de desculpas. E talvez alguns orgasmos.

*

*

*

Os olhos de Drea coçaram enquanto ela lutava para colocar sua chave na fechadura da porta da frente de sua casa. Correr em quatro horas de sono estava ficando velho rápido. A gorjeta de cem dólares de Trip estava em sua carteira, provocando-a. Deus sabe que seria útil para os mantimentos desta semana, mas manter o dinheiro parecia errado. Talvez ela desse a Cujo para pagar parte de sua dívida de carro.


A ideia de ir para a cama sozinha quando o que ela realmente queria era rastejar na cama ao lado do corpo nu e quente de Cujo era um toque deprimente. Mas sua mãe precisaria de ajuda pela manhã, e Cujo não respondeu ao seu texto. Ela empurrou a porta, mas não se abriu, algo estava bloqueando. Ela suspirou e rolou a cabeça para soltar os músculos duros em seu pescoço. Por favor, não deixe algo estar quebrado. Um passo para frente, dois passos para trás. Drea colocou o ombro na porta e deu um empurrão. Ela entrou, o poste que segurava o tubo de oxigênio da mãe estava caído no chão. O coração de Drea afundou e ela correu para a sala de estar que era o quarto de sua mãe. "Mãe!" Ela chorou, enquanto se ajoelhava, tomando cuidado para não movê-la. A perna de Rosa estava dobrada em um ângulo estranho e ela teve um grande impacto na cabeça, provavelmente por bater no chão. "Drea", ela resmungou, agarrando a mão da filha. "Estou aqui. Há quanto tempo você está assim?” Drea tirou o celular do bolso e colocou-o sob o ouvido enquanto arrastava o tanque e a máscara para perto, fixando o elástico no rosto da mãe. “911 Qual é a sua emergência?” "Minhas mãe, ela teve uma queda, ela tem DPOC a perna dela parece quebrada. Por favor. Ela não pode respirar." Ela deu o operador todas as informações e deixou o telefone ainda conectado. Drea passou a mão pela testa da mãe. “Eles estão a caminho, mãe. Eu...” “Não, Drea”, Rosa engasgou, afastando a máscara do rosto.


“Eu sinto Muito. Eu... Por favor mamãe. Economize sua energia.” Lágrimas começaram a cair. Isso foi diferente. Sua mãe geralmente lutava contra a falta de ar, mas era quase como se ela quisesse morrer. Sua mãe parecia cinza e suada enquanto seu peito se movia a menor quantidade. Os dedos gelados de pânico aumentaram o aperto em Drea. "Eu te amo... eu estou... me desculpe, eu culpei você... todos esses anos", sua mãe soluçou. O choro fez com que ela tossisse violentamente. Drea tentou levantá-la ligeiramente, para elevar a cabeça, mas o melhor que podia fazer era pousar a cabeça da mãe nos joelhos. “Oh mãe, não. Pare. Isso não é um adeus!”, gritou Drea, enxugando os olhos. Ela colocou a máscara de volta no lugar, mas sua mãe lutou para respirar por vários minutos. “Eu culpei… você. Por estar... Doente. Não é sua culpa.” Uma única lágrima vazou dos olhos de sua mãe. Os dedos de Rosa estavam frios contra sua bochecha. Drea apertou as mãos sobre eles. Sirenes soaram, seu lamento mais alto quando se aproximaram da casa. “A ambulância esta quase aqui. Por favor. Fique comigo, mãe. Eu amo você." "Eu sinto Muito. O amor é... precioso, Drea” Sua mãe deu um suspiro quando os paramédicos invadiram a casa. Drea se afastou, mas permaneceu de joelhos. Os paramédicos colocaram uma máscara sobre o rosto de sua mãe, tirando as dúvidas que Drea respondia no piloto automático. Seu coração manteve o ritmo louco enquanto elas iam pelas ruas de Miami até chegar no hospital. As portas se abriram e Drea deu um aperto final na mão da mãe. "Fizemos isso, mãe."


Os médicos os encontraram na baia da ambulância. A maca foi levada às pressas para um cubículo com cortinas. "Você não pode ir lá, senhorita." Uma mão impedia seu acesso; uma enfermeira impediu-a de seguir. "Por favor." “Eu sei que isso é assustador, mas é melhor dar ao médico espaço para fazer o que eles têm que fazer. Vou mandar alguém para falar com você em breve.” Drea sentou-se no banco de plástico branco e rezou. Ela rezou quando o médico perguntou se ela sabia se sua mãe tinha um DNR. Ela orou enquanto preenchia os formulários de admissão hospitalar, sabendo que não podia pagar as contas que eles criariam, mas disposta a pagar qualquer coisa por mais alguns momentos com sua mãe. Ela rezou quando o carrinho do desfibrilador passou voando. Ela rezou enquanto as horas se arrastavam. Ela orou até uma alta médica caminhar em direção a ela lentamente. “Sinto muito, senhorita Caron. Nós fizemos tudo o que podíamos. Mas seu coração simplesmente não era forte o suficiente, Ela se foi” Então ela chorou, tão forte que doeu. Ela estava sozinha. Apenas uma pessoa havia prometido estar lá para ela. Ela pegou o telefone e mandou uma mensagem. Eu realmente preciso de você.


TREZE Cujo ligou a pickup, recusou-se a perguntar a Alexandria que estava passando pelos alto-falantes e ligou o telefone novamente. Drea provavelmente estava acordada e a caminho do José para o turno da manhã. Por favor me ligue. Eu realmente preciso de você. A mensagem foi enviada há quase duas horas. Ele deveria ter respondido mais cedo. Ele puxou o nome dela em seu telefone para chamá-la, perguntar se ele podia vê-la hoje à noite, entre as mudanças, se ela estava trabalhando depois. Saber se ela poderia ver ele hoje. Ele tinha sentido sua falta. A vida era muito fodidamente curta. Vendo sua mãe no hospital tinha sido um alerta. Merda. Ele colocou as duas mãos na borda do volante e pressionou com força. Não havia motivo para ficar com raiva. Esse capítulo em sua vida acabou. Ouvir as razões de sua mãe para deixá-lo ia fazer se sentir melhor? Amanhã, ele iria ao hospital e falaria com ela novamente. Talvez fosse hora de deixar tudo isso acontecer. Hoje à noite ele faria as coisas certas com Drea. Pânico rodou em seu intestino com o pensamento de colocar tudo na linha. Palavras não eram necessariamente seu ponto forte. Humor inapropriado que ele poderia esconder seus sentimentos em piadas sarcásticas sim, mas merda séria sempre o sugou.


Ele precisava de um grande trabalho esta tarde para clarear sua mente, dar-lhe tempo para pensar no que ele ia dizer a ela. Seu telefone tocou antes que ele pudesse discar o número dela. O nome de Trent brilhou na tela. Ele saiu da entrada de Connor enquanto respondia. “Sim, eu pedi a nova tatto. Não, eu não queimei o lugar. E sim, tudo está bem em sua santa ausência, exceto que todo mundo que entra quer que você faça sua tatoo. O resto de nós é fígado picado.” "Corte o senso de humor", disse ele, sua voz áspera, como se tivesse acabado de sair da cama. "Como está Drea?" “Ela está bem. Por quê?" "Não pode estar fácil para ela homem. Ampare elas homem eu estou no meu caminho." Algum Audi saiu, cortando-o à frente de uma van grande, forçando Cujo a bater seus freios. “Ampara-la sobre o quê?” “Você está na estrada?” "É sexta feira. Trabalho o turno da tarde. Por quê?" “Por que você não está com as meninas no hospital? Teria chamado Harper, mas assumi que você estaria com elas” Merda, as mensagens. Eu realmente preciso de você. Por favor me ligue. "O que diabos está acontecendo no hospital?” Cujo gritou. “Drea está doente? Ela está bem?” “Cara, o que está acontecendo com vocês dois? Eu pensei que você fosse...”


“Eu ignorei seus textos e não liguei porque sou um idiota. Apenas me diga o que aconteceu”. Ele queria se desconectar, desesperado para ligar para Drea. "Sua mãe morreu." Merda. Cujo pisou no acelerador. O motor rugiu enquanto corria de volta para a cidade. Ele passou o Audi, lançou uma saudação de um dedo para o idiota. "Quando? Sabe o que aconteceu?" “Harper me deixou uma mensagem. Desliguei meu telefone ontem à noite. Eu estou em Seattle. Drea encontrou a mãe no chão. Acabei de acordar, verifiquei as mensagens e liguei para você primeiro. “Estou a caminho de lá agora. Obrigado pelo mano a mano, mano. "Não se preocupe. Eu estarei em casa amanhã. Cuide de nossas meninas por mim.” Merda. O pensamento dela sozinha no hospital enquanto ele estava comendo porra de panquecas o matou. Há quanto tempo ela ligou para Harper? Ele olhou para o celular. Foram pelo menos mais noventa minutos antes que ele pudesse chegar até ela. Ele correu do caminhão para casa, esquivando-se do tráfego pesado de Miami com estradas secundárias e atalhos. Qualquer coisa para chegar até ela o mais rápido possível. "Vamos", ele murmurou, batendo na rediscagem do telefone. Sem resposta. Novamente. Ela estava desligando ele. Seu coração sangrou por ela. Espero que Drea tenha conseguido algum tipo de paz com sua mãe antes de morrer. Ele ligou para Alonza, uma tatuadora freelancer em quem Trent confiava. Felizmente ele estava livre. Eric tinha aberto, e não havia como a loja conseguir administrar a noite com apenas


Lia e Pixie. Ele buzinou na van de entrega bloqueando duas pistas. Porra. Ele a decepcionou. A promessa que ele fez de estar com ela quando as coisas ficaram difíceis agora era inútil. Porque ele tinha saido. E não foi nem por causa dela. Foi sua própria reação ao ver sua mãe que o manteve longe. Culpa por deixar isso arruinar uma das coisas verdadeiramente maravilhosas em sua vida roídas em seu intestino. Ele parou no bairro de Drea e foi para a esquerda na rua. Sim, eles estariam raspando sua borracha de pneu da estrada por anos. O Plymouth de Trent estava estacionado, meio no meio-fio. Ele se encolheu. As garotas estavam definitivamente na casa. Ele parou atrás do Plymouth, pulou do caminhão e subiu os degraus. Ele a decepcionou. Agora era hora de ver se ela iria deixá-lo corrigir isso.

*

*

*

Casa funerária. Ok Tia Celine. Ok Jose. Ok Hotel. Ok Drea jogou o celular na mesa de café e puxou os joelhos para o sofá. Ela enrolou o cardigã nas pernas e olhou para a imagem desbotada de Nossa Senhora do Sagrado Coração pairando sobre a cama da mãe dela.


Mamãe estava morta. Por dez anos elas coexistiram sem qualquer tipo de relacionamento, mas naqueles últimos cinco minutos de sua vida, Drea teve um vislumbre do que exatamente ela havia perdido. A dor em seu coração era tão forte que seu peito ia se abrir pela pressão. Harper bateu no ombro dela, oferecendo-lhe uma xícara fumegante de chá. Drea aceitou com gratidão. A mistura doce acalmou sua garganta rouca. Harper voltou para a cozinha e pegou sua própria caneca, voltando a se sentar ao lado de Drea no sofá. "Como você está indo?" “Eu acho que liguei para todos. José é um amor. Ele me deu folga e está chamando Joanie para cobrir alguns turnos. Eu imaginei que ela poderia fazer com alguma experiência na abertura. O funeral é na próxima terça-feira.” Ela precisava voltar ao trabalho amanhã. O gerente do dia no hotel tinha sido ótimo quando ela ligou. Ela considerou entregar seu aviso. Seu salário do café seria mais do que suficiente para viver agora. Talvez ela renunciasse esta semana. Ou talvez ela devesse resistir pelo tempo que pudesse para pagar o funeral, as despesas do hospital e os cartões de crédito. “Você ouviu de volta de Cujo?” “Ele ligou. Eu não atendi” Seu coração doeu ainda mais com a menção do nome dele. Talvez ela deveria ter respondido, mas ela foi a única agora a ter que se segurar junta e uma palavra dele ia lhe fazer quebrar e agora era necessário que ela fosse forte, ela queria ele, mas ele tinha a ignorado nas últimas trinta e seis horas e ela não tinha a energia para pensar agora no por quê.


Talvez tenha sido melhor assim. Essa era a vida dela. Um sofá de couro surrado, uma mesa de café de segunda mão e um tapete verde horrível para compensar as paredes amareladas de anos de fumo. Todos olhavam com desprezo por fotos de santos aleatórios em lojas de dólar. Seu estômago se agitou com a idéia de passar mais um dia na casa feia. Ela fez uma anotação mental para chamar um corretor de imóveis o mais rápido possível. Não havia razão para ela ficar, mas ela não sabia para onde ir. "Não fique brava com ele ainda, eu não posso imaginar o que é simplesmente ter sua mãe andando de volta pra sua vida assim.” Suas face e ficaram vermelhas e ela não sabia onde olhar “Não posso acreditar que acabei de dizer isso. Eu sou inútil." Drea apertou a mão de Harper, a ironia não perdida por ela que Cujo tinha uma mãe que o abandonou em sua vida, e ela apenas perdeu a dela. Drea ficou de pé, colocou a xícara na mesa e começou a andar de um lado para o outro. Harper ficou de pé, colocando a xícara no chão também, depois abraçou Drea. "Eu sei, querida." Eles ficaram juntos por um longo momento. "Eu preciso fazer alguma coisa. Estou muito ligada. Se eu tiver algum material de limpeza, você quer me ajudar a arrumar este lugar? “Drea, querida, você não acha que tomar café da manhã e dormir um pouco e melhor pra você” Drea estava muito nervosa para ir para a cama. Ela precisava se manter ocupada até a exaustão a empurrar para o esquecimento.


"Eu preciso me manter ocupada pelo menos por um tempo." Ela caminhou até a cozinha e alguns minutos depois voltou com um saco de material de limpeza. Elas trabalharam em silêncio. Drea começou a fazer uma lista de reparos necessários antes que a casa fosse colocada à venda. Ela empilhou o material médico na cozinha. Depois de algumas horas, o térreo não parecia mais um quarto de hospital e, com a ajuda de Harper, também não cheirava a nada. Alguém bateu na porta. Três altos raps. "Bolinho doce?" Oh Deus. Ela realmente não queria responder. Não parecia certo falar com Cujo agora. Harper olhou pra ela. “Precisa de mim pra resolver isso ou estamos nos escondendo em baixo do sofá?” “Vamos, Drea, eu sei que você e Harper estão ai. Eu não poderia sair se quisesse. O carro de Harper ocupa metade da rua.” Harper fez uma careta para a porta. "Pelo amor de..." "Piada, Harper", ele gritou. "Por favor, Drea."

*

*

*

Harper abriu a porta. "Cujo, escute", ela sussurrou, "Se você não pode estar aqui para ela, você deve sair agora. Eu vou fazer você ir se for preciso” A feroz guerreira de Trent. Cujo puxou-a para ele e beijou o topo de sua cabeça. “Obrigado pelo aviso, Bruce Lee.”


A lembrança de ver Harper lutando contra seu atacante, com a polícia se aproximando de todos os ângulos, não iria desaparecer. "Eu sou um idiota. Apenas deixe-me contar a ela.” Harper o abraçou. “Eu realmente não queria que você fosse embora.” “Eu sei.” A sala já parecia mais uma sala de estar. Grande parte do equipamento médico havia desaparecido e a cama foi empurrada contra a parede. Seu coração quebrou um pouco quando ele viu Drea com os cotovelo-fundo em bolhas de sabão, em seus joelhos, limpando a madeira. Ele se agachou ao lado dela. Ela continuou a esfregar os rodapés como se sua vida dependesse disso. "Ei, Querida." Ela não olhou para cima, e ele sabia por que, ele a ignorou. Ele tentou tirar o pano da mão dela, mas ela puxou de volta. “Drea, querida. Olhe para mim." Alívio inundando ele quando ela desistiu do pano dentro do balde e sentou em seus calcanhares. "O que você quer, Cujo?" Círculos escuros emoldurava seus injetados olhos. "Eu queria ver como você está aguentando." E eu quero te arrastar pelo meu colo e te abraçar, mas eu sei que você ainda não está pronta. "Estou bem." Okay, certo. Ela parecia frágil como vidro. Drea se levantou e atravessou a porta da frente que ele deixou aberta. Ele a seguiu, encontrou-a sentada na escada da varanda, jogando uma pedra entre as duas mãos.


"Por que você está aqui realmente?", Ela perguntou.

“Eu precisava vê-la.” Ele pegou o seixo dela e começou a esboçar usando sua suave borda como um lápis. "Sinto muito pela sua mãe." Drea puxou os joelhos até o peito. "Você não veio", ela sussurrou. “Demorou horas. E você nunca veio.” Durante a viagem até ela, ele não pensara em nada além daquelas horas. Ele não podia imaginar encontrar seu pai morto em sua casa de família. O pensamento dele sozinha, com um pai morto ou moribundo, esperando por uma ambulância o deixara doente de preocupação. "Sim, Esses textos e chamadas… me desculpa eu estava sendo... Um idiota” Ficaram em silêncio por alguns instantes e ele ficou grato pela oportunidade de compor seus pensamentos. “O que aconteceu, Drea? Com sua mãe?” “Ela caiu tentando alcançar algo. Acho que ela tirou a frase para ficar em pé, às vezes fazia isso, e a cadeira ia para um lado enquanto ela ia para o outro. O choque da queda e o fato de que ela não conseguiu alcançar seu tanque...” Drea começou a soluçar baixinho. Ele a puxou com força contra ele e a segurou enquanto ela chorava. “É uma droga, querida. Eu sei." Ele passou a mão pelo cabelo dela, sobre as costas dela. “Eu não sei quanto tempo ela ficou sozinha naquele chão, Cujo. Eu deveria estar lá para ela.” Não está funcionando. Suas lágrimas não estavam diminuindo.


“Você não teve escolha, Drea. Você manteve um teto sobre sua cabeça, e a alimentou, e pagou pelo remédio.” “Mas não é o mesmo que segurar a mão dela ou passar tempo com ela. Eu estava com raiva demais para fazer isso. Você estava certo sobre mim. O que você disse a Connor naquela noite.” “Pare, Drea. Você fez o melhor que pôde. Ninguém pode vai te culpar. Pelo que vi de Rosa, ela era um punhado”, ele a tranquilizou. "Sim, ela era... Ao menos eu cheguei a tempo de me despedir dela” “Eu suponho que no final, você quer ir com as pessoas que você ama ao seu redor. Você era tudo que ela tinha, Drea. Você sabe que ela estava grata por ter você lá com ela quando importava.” Ele manteve o braço em volta dela e continuou com o seu esboço. "Onde você estava?" Ela perguntou baixinho. Seu estômago caiu na tristeza em seu tom. “Eu estava no Connor ajudando com uma aula. Então saímos sozinhos. Foi um pôr do sol glorioso. Eu gostaria que você pudesse ter visto.” Talvez ele a levasse para um fim de semana. "Você recebeu minhas mensagens?" Mentir teria sido mais fácil, algo como eu deixei meu carregador de celular em casa. Não recepção. Pequena, simples mentiras aquilo iria suavizar tudo em um piscar de olhos. Mas a honestidade importava se eles estavam indo para construir algo juntos. Ela merecia para saber o que tinha ido através


de sua mente, para que ela entendesse por que ele não tinha vindo ao seu socorro. "Eu vi a primeira sobre jantar ontem. Eu deveria ter respondido, mas eu estava correndo com medo.” “ Por quê? ” “Você não iria acreditar no que aconteceu nas últimas trinta e seis horas. Eu vou te dizer, só não agora. Nada dentro de comparação para o que você enfrentou. Mas teve efeito em mim sobre o que estávamos construindo juntos. Era tudo merda minha Drea. Eu estava sendo um idiota egoísta.” "E minha mãe morrendo fez você mudar de idéia?" Seus olhos estavam molhados. Uma única lágrima desceu pela sua bochecha. Ele pegou o rosto dela enxugando suas lágrimas. "Não", ele respondeu. “Percebendo que eu estava sendo um babaca mudou minha mente. Percebendo que eu estava recuando por razões que existiam apenas na minha cabeça mudou minha mente. Eu estava tentando descobrir o que dizer quando ouvi sobre sua mãe. “Você é totalmente um idiota, mas eu perdi você.” Cujo levou a mão dela. “Eu senti falta você, também. Não serei mais um idiota “ "Você sabe que a promessa é realmente sobre manter a palavra?" “Eu sei." As lágrimas começaram novamente quando ela olhou para o seu esboço. Emoldurado em um coração foram as palavras, Brody e Andrea xxx. Assim como no ensino médio.


QUATORZE Drea colocou para baixo seu telefone em cima da mesa de Cujo, o funeral estava configurado para terça-feira, um favor de um amigo de José, Ela olhou a muito curta lista de convidados, lágrimas preencheram seus olhos e ela puxou um lenço de papel da caixa e pôs na pilha crescente na mesa de Cujo. Ele se ofereceu para ficar em casa, mas Drea sabia de Harper o quão ocupado o Secund Circle estava na sextas feiras. A única maneira de ele ir trabalhar foi em ela concordar em ficar na casa dele. Drea arrastou-se para o chuveiro e permitiu a quente água para açoitar seu corpo enquanto ela ensaboou o cabelo dela. No momento em que chaves tiniram na prateleira de vidro do hall de entrada, ela estava enrolada em um roupão branco macio, o cabelo molhado em um coque. “Eu peguei chinês. E é melhor que você esteja nua”. Ele entrou na sala fazendo malabarismo com uma sacola marrom de comida com cheiro tentador e uma garrafa de vinho branco. Drea soltou um bocejo e riu tristemente. Cujo se inclinou sobre o encosto do sofá, preocupação gravando seus olhos enquanto lhe dava um beijo demorado. Então ele foi para a cozinha e voltou com pratos e talheres. Sentindo-se preguiçosa, ela viu Cujo arrumando tudo, eventualmente, vagando para se juntar a ele. "Dia difícil?" Ele perguntou, puxando-a contra ele. Ele era sólido, tranquilizadoramente. Algo que ela poderia ancorar.


"Eu tomei uma decisão enquanto você estava no trabalho." Ela se afastou dele, empurrando um fio de cabelo para trás de suas orelhas. Cujo abriu as caixas de comida, dispondo de tampas e os saquinhos nojentos de molho de soja barato que os restaurantes chineses sempre pareciam suprir. Ele ergueu os pauzinhos embalados. Drea pegou um conjunto. "O que?" Ele puxou uma cadeira para ela, roubando um beijo quando ele indicou para ela se sentar. "Eu não posso desistir de LA" Drea bateu os dedos na mesa de vidro. “Precisamos ir falar com Carter. Descubrir se ele tem certeza de que a morte de Walter foi intencional. "Frango agridoce", disse Cujo, passando-lhe o recipiente. "Então, vamos vê-lo amanhã." "Se fosse eu tentando descobrir isso, eu diria que havia três coisas para investigar. Como quem é Lynn Alexander?” Drea pegou grandes colheradas em seu prato e Cujo adicionou um monte de arroz. “O segundo é o que provaria que a informação dada na audiência permitida era falsa, e finalmente, como você prova que o que eles estão fazendo no local é mais perigoso do que eles têm permissão?” Ela comeu um pouco do frango e gemeu em prazer. Cujo sorriu para ela. “Eu pensei que você ia pegar leve hoje? Assistir a filmes e durmir. Tudo isso pode esperar até depois do funeral de sua mãe.” “O sono é superestimado. Eu continuei sonhando com a mãe. E então eu fiz chamadas sobre o funeral. Imaginei que, se pensasse sobre isso, manteria minha mente longe das coisas.”


"Eu entendo isso, querida", disse Cujo, dando uma grande mordida na comida. Drea cobriu a boca. Ela tinha comido demais. Cujo riu e ela sorriu apesar de si mesma. "Com fome?" Drea engoliu a comida. "Definitivamente. Desculpa. Como você prova que eles estão matando pessoas para encobrir isso? E o governador está realmente envolvido?” Drea revirou os olhos. "Você sabe o que eu quero dizer. Eu li todos os arquivos duas vezes, tudo é baseado apenas na sugestão, mas nada sólido.” "Você se lembra que alguém nos segurou uma arma por causa de tudo isso, certo?" “ Mas você não está nem um pouco curioso sobre como tudo se encaixa?” Cujo sacudiu a cabeça. “Antes de você começar a me dizer que o dono do passeio de carnaval fez isso, Velma, nós devemos entender os riscos primeiro. Não tenho certeza se vale a pena morrer por isso.” “Referências de Scooby Doo? Realmente?” Ela riu. Foi bom rir. Eles comeram em um silêncio confortável. Cujo encheu seu vinho. "Eu não quero que nada de ruim aconteça, mas eu sinto que preciso esgotar cada avenida." Ela abaixou o garfo, finalmente cheia. "Eu entendo." Ele puxou a cadeira mais perto, inclinando-se para um beijo. Drea saboreou a sensação de queda em seu peito enquanto seus lábios pressionavam contra os dela. "Nós vamos ver Carter juntos." Ela guiou a mão dele dentro do roupão, observando os olhos dele escurecerem quando os dedos dele roçaram o seio dela.


“Você esteve nua aqui embaixo o tempo todo em que estamos comendo comida chinesa?” Levantando-a pelos cotovelos, ele a encorajou a ficar de pé. Ele a manobrou até que ela ficou de frente para ele, os quadris descansando contra a mesa. Com um puxão rápido, o cinto do roupão se desfez. Drea correu os dedos pelo cabelo dele. Suas mãos quentes deslizaram dentro do manto e o abriram até que ela estivesse totalmente exposta a ele. Eles pararam em torno de suas costas enquanto ele descansava a testa em sua barriga, sua respiração fazendo cócegas nela. Ela gentilmente massageou o couro cabeludo com as unhas. “Desculpe, Drea. Você já passou por bastante.” Suas mãos percorreram o lado de suas costelas, transformando suas entranhas em geléia. Ele se afastou dela. "E você tem trabalho em um par de horas." Ele começou a puxar seu roupão fechado. "Por favor", ela engasgou, acalmando suas tentativas de parar. A ternura de parar o coração em seus olhos dizia mais que suas palavras. Ela beijou o topo de sua cabeça em silêncio, imóvel. Ele deslizou o roupão de seus ombros e viu quando ele caiu no chão. Em vez do sexo frenético que ela havia antecipado, Cujo percorreu seu corpo lentamente. Pequenos estreitamentos seguidos por movimentos tentadores de sua língua. Quando chegou aos mamilos, Drea tinha certeza de que ela ia explodir, Ele a ergueu em seus braços, beijando-a. Ela descansou a cabeça no ombro dele enquanto ele a levava para seu quarto.


O cobertor estava frio contra suas costas enquanto Cujo a deitava. Ele puxou o telefone do bolso e conectou-o a um cabo. Música saiu de alto-falantes em algum lugar perto da cômoda. Espere... foi isso? bateria de grande volume reverberavam pela sala. "Frank" ela perguntou rindoquando Sinatra começou a cantar ela sabia que ia ser a música das suas vidas. Ele sabia exatamente o que ela precisava. "Oh sim, baby", disse ele abrindo os botões de sua camisa enquanto balançava os quadris no ritmo da batida da música. Enquanto a música crescia, ele puxou os dois lados de sua camisa do jeans e abriu-a para revelar seu incrível peito. Quando a música tocou e veio a letra. Pela primeira vez na minha vida, tenho alguém que precisa de mim. Cujo fez uma pausa em seu striptease para lhe dar um beijo carinhoso. Drea não pôde conter o riso quando ele se virou. Ele olhou por cima do ombro para ela enquanto ele deslizava para fora de sua camisa, revelando lentamente toda a tatto gloriosa que ela odiara. As mangas da camisa estavam apertadas e ficaram presas em seus bíceps. Ela cobriu os olhos ligeiramente, estremecendo quando ele tentou desvendar a camisa que agora estava agindo mais como uma camisa de força. Ele puxou a manga. "Vamos, filho da puta", ele murmurou, finalmente quebrando os braços livres. "Ha!" Ele girou a camisa em um amplo círculo acima de sua cabeça antes de jogá-la na direção dela. Drea a pegou. Com um puxão rápido, o cinto foi voando para o guardaroupa. A lenta descida de seu zíper revelou cuecas boxer


pretas. Cujo pulou em um pé, tentando tirar sua bota. Ele tinha o corpo de um dançarino Chippendale, a aparência de um modelo masculino e a graça de um hipopótamo bêbado. Todos os seis pés e meio dele fazendo um completo idiota de si mesmo por ela. "Isso foi muito mais suave na minha cabeça", disse ele rindo de si mesmo. Finalmente botas e meias, ele ficou no pé da cama, pernas largas, braços erguidos no ar. Drea rastejou até o final do colchão, deslizou as duas mãos no cós da calça jeans e na cueca, e empurrou, liberando sua ereção dura. Cujo rapidamente removeu o resto de suas roupas e empurrou-a suavemente de volta para o edredom. Ele agarrou seus pés, juntou as pernas e levantou as pernas na frente dele, beijando os dedos dos pés. "Então... uma stripper, hein?" Ela suspirou quando ele mordiscou seu tornozelo. "Isso foi tudo para você querida." Drea riu. "Mesmo?" "Oh sim", disse ele. Ele abriu as pernas e se estabeleceu entre elas. "Porque agora você me deve uma!"

*

*

*

"Você não precisa vir comigo para ver Carter." Cujo observou o jeito que os quadris de Drea balançavam de um lado para o outro. A maneira como ela puxou os jeans sobre um tipo de calcinhas sexy de algodão o estava deixando duro, O que o trouxe de volta ao seu desacordo. Ele não precisava ir com


ela, mas de jeito nenhum ele daria a Carter uma segunda chance para ficar em cima dela. “Primeiro, é sempre um prazer ir com você.” Ele balançou suas sobrancelhas para ela e riu enquanto ela riu. “E segundo, sem problemas. Meu turno começa só em algumas horas.” Ela puxou a T-shirt de José sobre sua cabeça, puxado em uma pilha de pulseiras, e mudou-se para o seu espelho para colocar seu brilho labial. Cujo riu para si mesmo. O pensamento de morar com uma mulher havia sido removido há apenas um mês e, no entanto, Drea estava ali e não conseguia imaginar sua casa sem ela. Ela afofou o cabelo e se virou, dando-lhe um sorriso assassino. Porra, ela era de tirar o fôlego. Eles foram até a delegacia e encontraram um lugar para estacionar. Chame-o de antiquado, mas ele adorava ajudá-la a entrar e sair de sua pickup. Eles caminharam em direção a delegacia. Ele entendeu a necessidade de Drea de encontrar a mulher, mas a dele era igualmente forte para encontrar o filho da puta que tinha pensado em colocar uma arma na cabeça deles. Mas Drea esticou o pescoço para encontrar pessoas que pudessem saber com quem a mulher estava preocupada. Encontrá-la era a coisa certa a fazer, mas deixava Drea vulnerável, o que não fazia ele se sentir bem pra dizer o mínimo. Uma vez lá dentro, eles pediram para ver Carter. Ele não os manteve esperando por muito tempo, e apareceu segurando um arquivo. "Srt. Caron, Sr. Matthews. O que posso fazer por você?” Ele apertou as mãos, deixando Cujo com o menor respeito pela firmeza de seu aperto de mão. Ele conduziu-os por um


corredor estreito até uma sala de reuniões onde se sentaram à mesa. "Eu me perguntava se havia algum progresso em encontrar a mulher desaparecida?" "Sinto muito", disse Carter. “Não há pistas. E neste momento, não posso nos ver encontrando uma. As primeiras quarenta e oito horas em um caso de pessoa desaparecida são as mais críticas. Se não os encontrarmos dentro dessa janela de tempo, ou se tivermos uma idéia sólida de quem pode estar envolvido, as chances de resolver o caso diminuem.” Os ombros de Drea caíram. Cujo pegou a mão dela. “Eu não posso acreditar que ela simplesmente desapareceu no ar assim. Ou que ninguém se preocupa o suficiente com ela para relatar sua falta.” “E o advogado? Você tem alguma ideia do que aconteceu com ele?, perguntou Cujo. “Walter Tobias é sócio sênior da Tobias, Jesper and Wu. Ele era um advogado ambiental e frequentemente empreendiam casos para comunidades impactadas por grandes empresas. Nós conversamos com o Sr. Wu, e ele confirmou que Walter Tobias estava atualmente envolvido em um grande caso de negligência contra uma empresa de energia diferente. Também foi mencionado que o Sr. Tobias estava considerando uma revisão da operação Cleffan mencionada nos arquivos.” "Ele foi assassinado?" Drea perguntou. "Sim. Seus freios foram adulterados.” Carter não elaborou. "Você sabe quem fez isso?", Perguntou Cujo. Ele sentia pena de LA, mas a mulher sentada ao lado dele queria dizer mais. Tudo o que ele realmente se importava era encontrar as pessoas que poderiam tentar machucá-la.


"Ainda não. Mas um vizinho viu alguém na rua deles naquela noite e conseguiu dar uma ótima descrição aos nossos artistas.” Carter tirou o esboço da pasta. Cujo prendeu a respiração, esperando ver Snake olhando para eles, Drea ofegou. "Rondo Hatton", ela sussurrou. "Você conhece o cara?", Perguntou Cujo. “Não, Gilliam disse que Mike MacArthur disse que ele estava sendo seguido por um cara que se parecia com Rondo Hatton. "OK,” Carter falou “Eu Confidencialmente, falei com a RCMP em Alberta. Eles confirmaram que MacArthur saiu da estrada e havia sinais de luta, mas nenhuma testemunha oficial.” “Essa foi uma ligação entre MacArthur e Gilliam Gillespie. Mike descreveu uma pessoa que ele achava estar seguindo ele. Gilliam disse que contou isso à polícia.” Carter resmungou baixinho sobre alguém que não estava fazendo o seu trabalho. Conexões foram uma coisa boa, certo? Cujo esperava para o inferno todos os pontos alinhados rapidamente e ninguém mais ser morto. Especialmente não a mulher inteligente e sexy à sua esquerda que parecia estar descobrindo a maior parte disso sozinha.

*

*

*

Havia uma visão melhor do que uma mulher nua e sexy na sua cama? Cujo soltou a toalha da cintura e esfregou o cabelo seco. Ela entrou em sua cama por volta das quatro depois de terminar no hotel. Ele escapou para a academia e conseguiu voltar antes dela


acordar. Ele normalmente gostava de abrir o estúdio em um sábado, mas agora ele odiava. Havia algo muito sedutor no modo como os lençóis brancos se enredavam nas pernas bronzeadas. Sim, ela o excitava até quando ela estava dormindo. Ele caminhou em direção ao armário para pegar alguns jeans e bateu o dedão do pé na ponta da cama. "Porra", ele amaldiçoou, agarrando seu pé. Os lençóis farfalharam, seguidos por um gemido suave. Drea se espreguiçou e abriu um olho. "Você está bem, querido?" "Bom dia, bolinho doce", ele cerrou os dentes “Desculpe eu acordei você." Ele se arrastou para a cama. Seus lábios roçaram os dela, mas ela se afastou e cobriu a boca. "hálito da manhã", ela sussurrou. "Desculpa." Ele serpenteou sua mão em torno da volta de seu pescoço e beijou-a. Seus dedos dançaram acima do elástico das suas cuecas de menina, Se ela soubesse o que eles fizeram com ele. “Dormiu bem?” Ele perguntou, sempre preocupado com ela. "Muito bem", ela murmurou. Drea bocejou e se espreguiçou. Suas mãos roçaram seus mamilos, agora apertados botões sob sua camisola. Provocação “Eu peguei o café da manhã” "Creme de queijo?" "Sim. Goiaba e abacaxi também. "Mmm." Ela não tirou os olhos do seu pênis.


Ele não conseguiria se manter no controle de suas ações se ela continuar olhando pra ele assim, Drea precisava descansar. Ele se afastou um pouco. "Como você está se sentindo?" "Com fome." Ela sorriu. "Bem, vamos buscar comida." Ele ofereceu a mão para ajudá-la a sair da cama, mas em vez disso, ela o puxou para ela. "Brody", ela murmurou, guiando a mão pelo short. Ele não precisava ser informado duas vezes. Tão molhada e pronta para ele. "Diferente tipo de fome?" Ela assentiu com a cabeça. Ele tirou o top dela, e ela se arqueou para ele enquanto ele chupava um mamilo em sua boca. Ela se contorcia debaixo dele e puxou seu cabelo quando ele beliscou seus seios. Não importa como muitas vezes eles vieram juntos, ele nunca teve o suficiente, tudo nela a atraia pra ele, Cujo desceu seu caminho e abriu os seus lábios e lambeu delicadamente, morrendo de vontade de ouvi-la chamar seu nome. "Você tem um gosto tão doce", ele rosnou Então ele acariciou e lambeu ela ao mesmo tempo. Ela estremeceu, ofegando em seus braços, ele nunca soube o quão perto do céu se podia chegar até ele conhecer Drea. Porra o jeito que ela pulsava em torno de sua língua. Ele empurrou o dedo e ela arqueou-se da cama. Ela agarrou o cabelo dele, e ele riu quando ela se encostou nele. Ele adorava quando ela jogava suas inibições de lado e apenas pegava o que ela queria. "Brody", ela gritou. Melhor. Som. Do. Mundo.


Drea estava quebrada, ofegante. Seus cabelos desgrenhados se espalhavam pelo travesseiro. Cujo se moveu para se encostar na cabeceira da cama. Seu pênis latejava dolorosamente. "Eu nunca entendi a coisa querre alguém tanto que dói, mais inferno, agora eu entendo” Ele disse, sua respiração acelerada na última palavra. "Querida, estou sofrendo." Ele pegou o preservativo, mas ela o parou. "Deixe-me..." Ela se inclinou sobre ele. Sua respiração estava quente quando ela lambeu a ponta de seu pênis, sua língua girando ao redor da cabeça. Tudo na sala se estreitou para aquele ponto de conexão. Por que ele evitara isso desde a cirurgia? "Porra, Drea." Ele estava perdido na perfeição de sua boca trabalhando nele. Lambendo seu eixo, ela alcançou suas bolas. Se ele se encolheu, era apenas natural, certo? Ela beijou cada uma, lambeu-os e chupou-os, e ele reprimiu um suspiro. Ele não conseguia mais manter as mãos longe dela. Ele agarrou o cabelo dela. "Você é perfeito, Brody", disse ela, olhos cor de avelã focados nele. Seus lábios se separaram quando ela o levou em sua boca, repetidamente, suave e úmida. Ela empunhou uma palma ao redor da base de seu pênis. A visão foi sua ruína. Seu coração acelerado. Ela chupou mais forte, deslizou o punho ao longo de seu comprimento. “Drea… por favor…” Sua mão apertou seu cabelo enquanto aumentava o ritmo. Ela poderia senti-lo pulsando enquanto ela o bombeava?


"Você precisa..." ele engasgou, puxando gentilmente para afastá-la. Ela o virou para o ponto em que ele não tinha pensamentos coerentes. "Ah, foda-se!" Ele gozou duro e a observou engolir tudo o que ele tinha para lhe dar. Drea o lambeu todinho. Ele a puxou contra seu peito, amando o jeito que ela se aconchegou lá. Seu coração batendo furiosamente. “Você quer ouvir algo louco?" "O quê?" Ela beijou o ponto acima de seu coração "Essa é a primeira vez que eu... bem, você sabe." "Como pode qualquer uma dessas ser sua primeira vez?" Cujo alcançou o cobertor cobrindo os dois “A cirurgia, quimioterapia... isso tudo suga. Mas quando comecei a me sentir melhor, eu não poderia”, ele colocou o braço que não estava em torno dela sobre seus olhos “Eu não podia ficar duro.” Ele suspirou, rolou sobre seu lado para enfrentar ela. "Eu não poderia ter uma ereção aos dezoito anos e parecia estranho lá embaixo." Ela correu os dedos sobre o queixo barbeado. "Eu me perguntava se eu seria capaz de fazer sexo novamente, o que qualquer médico me dizia é que era normal, mas ainda assim eu me preocupei." Ele balançou a cabeça. "Você compensou isso." Ela riu. "Essa é a questão. Uma vez que começou a funcionar novamente, eu estava tão aliviado, eu precisava provar para mim mesmo que não estava quebrado. Eu recuperei o tempo perdido. Mas nunca senti nada como o que temos” Ele enfiou os dedos nos dela, depois beijou cada um dos dedos dela. “Eu fiz cirurgia reconstrutiva. Mas eu nunca... bem, eu nunca quis meninas para... cara. Isso é uma merda.”


Sério, porra, atire em mim agora. Drea correu os dedos pela longa cicatriz abaixo do esterno. "Como você explicava isso?" “Disse que era de um acidente de escalada." "Você realmente fazia escala?" "Sim, eu realmente faço." Ele a colocou em seu ombro, seu braço embrulhado firmemente ao redor dela. “Eu nunca contei a ninguém sobre o câncer, isso é um assassino de humor total.” Eles se sentaram em silêncio por um tempo. "Você foi incrível, a propósito", disse ele finalmente. "Você acabou de admitir que não tem nada para comparar." "Eu não preciso de nada para comparar." Duro novamente, ele guiou a mão dela entre as pernas dele para que ela entendesse o quão perfeita ela era. "Acredita em mim agora?" Ele perguntou, virando-a de costas. "Sua vez, bolinho Doce."


QUINZE Drea pegou outro prato de pastel no balcão. Colocando um em sua boca e tomando um momento para saborear o recheio de goiaba, ela levou o prato ao redor da sala para circular. Graças a Deus por José. Ela nunca seria capaz de recompensá-lo por tudo que ele fez por ela. Ele se recusou a receber o pagamento pela comida, cobriu os turnos do dia e pediu à prima que dirigia a funerária que fizesse todos os esforços para acomodar o funeral rapidamente. Era improvável que os arcos de seus pés a perdoassem. Ela estava desesperada para lançar fora os saltos pretos. “Andrea, pequeña” Drea alisou a frente do vestido com a mão livre. “Ei, senhora Hernandes. Obrigado por ter vindo” Era uma curta caminhada de sua casa a quatro portas de distância, mas a vizinha estava incrivelmente instável em seus pés. “Seu jovem me ajudou a subir os degraus. Que nińo charmoso.” Ela olhou para onde Cujo estava encostado na parede conversando com Trent, ele era um homem de boa aparência. A sra. Hernandes pegou um pastel do prato e Drea lhe entregou um guardanapo. “Deus abençoe sua mãe, pequeña. Que ele seja testemunha de suas lutas e a recompense em Seu reino.” "Amém", disse Drea, porque era esperado.


“Você fez seu dever. Agora vá viver sua vida, pequeña” Se ela soubesse o que ela queria fazer. Ela era boa em inglês, mas não tinha uma inclinação real para ensinar, como Harper tinha. Ela pensou em escrever um livro uma vez. Hmm. Talvez. Ela foi rápida em seus pés com a matemática do café, mas não tinha a capacidade de ir mais longe nesse campo. "Drea, posso dar uma palavra?" O Sr. Ibarra estava em um terno dois tamanho menor do que ele, enquanto tinha uma fina linha de suor ao longo de sua testa. Ele segurava uma pasta de papel pardo debaixo do braço e cheirava a pão, um subproduto de seu escritório de advocacia acima de uma padaria local. "Claro", Drea colocou a cafeteira de volta para baixo. “Primeiramente, minhas mais profundas condolências. Sua mãe me ligou há vários anos, perguntou se eu poderia ajudá-la a colocar os documentos em ordem. Ela tinha uma pequena política para despesas de funeral.” "O que cobre exatamente?" Ele passou-lhe um pequeno panfleto da pasta, e ela olhou para dentro. “É um pacote simples. Para cobrir o custo do caixão, cremação e tal. Os detalhes de como reivindicar estão lá.” Não havia menção de seguro nos arquivos de sua mãe, mas ela enviou uma silenciosa oração de agradecimento. Qualquer ajuda seria útil. Como era, não havia um único babado no funeral de sua mãe. Ela conseguiu cobrir o depósito, mas pagar o valor total envolvia pedir a José um grande adiantamento do seu salário. “A vontade é direta. Ela deixou tudo para você. Posso recomendar um contador razoável que possa ajudá-lo a descobrir tudo isso.”


Contadores custam dinheiro. Ela se perguntou se H & R Block lidava com coisas assim. Ele deslizou um envelope sobre a mesa. Vendo o nome dela na caligrafia de sua mãe trouxe lágrimas aos seus olhos. “Sua mãe me ligou recentemente e eu vim para vê-la. Ela deixou isso conosco por segurança. Esta é a única cópia.” "Quanto minha mãe deve a você por tudo isso, Sr. Ibarra?" “Oh, sem custo, Drea. Minha esposa costumava ir para a escola com sua mãe. Elas eram muito boas amigas ao mesmo tempo. Em retrospectiva, acho que nós dois desejamos ter feito mais para ajudá-la enquanto ela ainda estava aqui. Sinto muito pela sua perda, Andrea.” O Sr. Ibarra saiu da cozinha. Drea olhou para o envelope que ele deixou para trás. Ela deveria fazer outra rodada com o café, mas estava desesperada para ler o que sua mãe havia escrito. Sem outro pensamento para seus convidados, ela pegou a carta e saiu. Ela rasgou o envelope e retirou a carta.

Cara Andrea Me desculpe. Eu nunca deveria ter sido o seu fardo para cuidar, Mas você fez um trabalho incrível minha linda menina, eu sei que eu era muito difícil de lidar, E eu não fui em busca de socorro quando podia ter, ou deveria. Eu Estou orgulhosa de você, a mulher inteligente, capaz e responsável que você se tornou. Perdoe-me, Andrea. Eu queria muito mais para você do que eu era capaz de te dar. Viva sua vida, experimente as coisas que eu parei de fazer. Eu te amo, mãe


*

*

*

Quando Cujo finalmente encontrou Drea, ela estava olhando para um pedaço de papel. Ele tremeu na mão dela, e ela estava mordendo o lado de seu polegar. "Você está bem, querida?" Ele deslizou o braço em torno de seu ombro. Imediatamente, ela se virou e colocou os braços ao redor de sua cintura. "O que é isto? O que tem dentro da carta?” Ela lhe deu a carta e ele leu isto rapidamente. "Uau." "Sim." Drea soltou um grande suspiro e varreu o cabelo para trás sobre os ombros. “O advogado acabou de passar para mim." "Como você está? " “Por que ela não pôde dizer isso para mim quando estava viva? Por que ela poderia colocá-lo em um pedaço de papel e entregá-lo a um estranho? Por que foi mais fácil do que dizer "Ei, Drea" uma noite, em vez de me perguntar o que era que tinha pro jantar?” Ele colocou os braços em volta da cintura dela e puxou-a para perto. “Eu não sei, Drea. Eu acho que as coisas mais importantes são as mais difíceis de se dizer. Eu quase desisti de nós por causa de tudo o mais que estava acontecendo comigo. Era mais fácil colocar distância entre nós do que dizer como eu estava me sentindo. Talvez sua mãe tenha tido o mesmo problema.” “Então sou eu. Eu sou muito difícil de falar?”


“Não, Drea. Fui eu. Eu tive que arrumar as coisas em minha mente antes que eu pudesse falar com você.” Drea encostou a testa no peito dele. Harper entrou rapidamente na cozinha, seguida rapidamente por Trent. “Tem mais café sobrando? Oh, desculpe." Drea apertou a cintura de Cujo. "Eu vou fazer um pouco mais." "Eu posso fazê-lo", disse Harper, puxando o filtro para fora e jogando-o no lixo. "Você está bem, querida?" “Tem sido uma corrida louca de semanas. Com a mulher, Snake e mamãe”, respondeu Drea, enxaguando a jarra. "Onde as coisas estão com tudo isso?", Perguntou Trent. "Eles não sabem quem a mulher é ainda, mas eles têm pregado alguns das outras peças.” "Isso é uma merda pesada, cara", disse Trent. "Isso é muito para você lidar, Drea." Trent puxou Drea para um abraço. Cujo tossiu rispidamente ver seu melhor amigo tão preocupado com sua garota. Inferno, ele se sentiria da mesma maneira sobre Harper. Depois de um tempo todos tinham ido embora, caminhando até a porta, Trent e Harper abraçaram Drea e foram embora. A casa ficou em silêncio, muito diferente do resto do dia. Drea não se sentou desde o café da manhã. Ela foi focada ao ponto de colapso. “Deixe isso. Venha comigo por um minuto.” Cujo pegou a mão dela gentilmente e caminhou através da casa até os degraus de madeira que levavam ao jardim. Ervas daninhas estavam


altas, painéis de cercas estavam faltando, e o pátio de concreto estava rachado e quebrado em alguns lugares. "Só para você saber", disse ele, sentado nos degraus e puxando Drea com ele. "Estou feliz que minha primeira impressão de você estava errada." Drea riu e se inclinou contra ele, seu corpo quente. "Eu quero saber qual foi sua primeira impressão?" "Na verdade não. Eu meio que quero transar esta noite. Ou agora. Ou em algum lugar no meio. "Eu acho que eu estava errada sobre você também." Ela virou o rosto para ele, e ele não pôde resistir a beijá-la. “O que você vai fazer agora, querida? Todo mundo parece pensar que você vai se mudar.” Drea suspirou. “Eu honestamente não sei. Por muito tempo, eu queria me mudar. Eu era tão jovem quando comecei a cuidar da mamãe, e agora eu realmente não sei o que fazer sem ela. Honestamente, eu não posso fazer nada ainda.” Ele passou o braço ao redor dela. “Eu sei que isso é tudo novo. Você e eu. Mas...” Ele esperava que ele não assustasse a merda fora dela. "Enquanto você decide o que quer fazer, podemos descobrir onde vamos juntos?" "Você sairia de Miami?" Ela parecia surpresa. "Não seria a minha primeira escolha, mas se fosse um lance entre ficar em Miami sem você ou estar com você, você ganha.” E foi a verdade. A ideia de deixar seus irmãos, Trent, a loja pesava muito, mas isto não era nada comparado para a tocha queimando dentro dele quando ele pensou em Drea saindo de Miami sem ele.


"Você não está indo com calma, não é, Brody?" Ele deu de ombros, deliberadamente indiferente. “Não, eu realmente acho que estou indo com tudo." "Você realmente gosta de mim, hein?" Sim, e talvez ele devesse usar a palavra com A muito em breve. "Sim, bolinho doce, eu gosto."


DEZESSEIS No piloto automático, Drea acordou ao som de seu despertador e começou a examinar as tarefas do dia de folga. O funeral de ontem uma lembrança surpreendente e consumidora de que sua mãe não estava mais aqui. Ela não estava no improvisado quarto no primeiro andar. Não iria haver queixas hoje. Apenas o silêncio solitário de uma casa vazia. Ela estava sozinha, e esse pensamento lhe causava medo. A roupa de cama podia esperar. A geladeira continha comida suficiente para ela nos próximos dias. Inferno, até mesmo a crença de que a poeira piorava a condição de sua mãe não importava mais. Ela esperou anos para a dia quando ela poderia ter o luxo de escolher o que queria fazer com vinte e quatro horas agora que tinha isso Drea não tinha idéia do que fazer com ele. Sentando-se, Drea decidiu tomar o café da manhã. Ela desceu as escadas, sentindo falta do silencioso assobio do tanque de oxigênio. A cama portátil foi empurrada contra a parede, despojada de sua cama. Os olhos de Drea se arrepiaram de lágrimas ela os afastou de lado. A cozinha estava impecável. Ela colocou duas fatias de pão na torradeira e começou a fazer café. Decisões precisavam ser feitas na casa. Ela rezou para que eles não estivessem em uma situação de equidade negativa. Talvez ela deva telefonar para o agente imobiliário hoje. Ou continuar a limpeza que ela começou no dia em que sua mãe morreu. Em algum momento, ela


precisava se livrar das coisas de sua mãe, mas isso parecia muito final. Drea terminou de comer, enxaguou a louça e voltou para o andar de cima. Um banho e uma muda de roupa não fizeram nada para mudar seu humor. Demorou dez minutos antes das nove. Ela vagou de volta pelas escadas. O telefone dela tocou e ela atendeu. "Olá?" “Eu sou Don Hexley. Estou procurando por Andrea Caron.” Seu sotaque era hardcore em Boston. “Eu sou Andrea. Com o que posso ajudar?" “Sinto muito, Andrea. Acabei de tomar conhecimento de uma fotografia que você está circulando. Ela é uma colega minha. Lynn Alexander.” O telefone escorregou do aperto de Drea e ela o pegou rapidamente, devolvendo-o ao ouvido dela. "Você a conhece?" Lynn Alexander. Finalmente, os esforços foram recompensados. Uma tremenda sensação de alívio tomou conta dela. "Sim. Me foi encaminhada a foto que você originalmente enviou para alguém em Alberta. A Gilliam Gillespie? Você pode me dizer o que sabe?” Ela queria, ela realmente queria. Mas o que ela sabia sobre esse cara? "Você pode me falar um pouco mais sobre Lynn primeiro?" “Lynn relatou para mim por um número de anos. Você poderia dizer que ela é uma espécie de repórter investigativa. O que ela faz é confidencial. Por que você está procurando por ela e de onde vem a foto?” Drea considerou suas opções. Hexley não estava dando muito trabalho para ela, mas compartilhar as informações que


compunham o apelo da televisão parecia seguro o suficiente. Foi conhecimento público. "Sinto muito mas a polícia acredita que ela estava sendo perseguida e sequestrada de um café dentro Miami. Eu somente queria desc obrir quem ela era.” Don respirou profundamente. "Querido Deus, você sabe o que aconteceu com ela?" Não foi essa a pergunta de um milhão de dólares? “Eu não, me desculpe. Seu caso está sendo tratado por um detetive chamado Carter. Deixe-me dar-lhe o número dele.” Drea percorreu o telefone e leu o número para Don. "Eu aprecio isso", disse Don. “E você disse Miami, certo?” “Isso mesmo.” “Obrigado por nos ajudar a encontrar Lynn. E agora devo lhe pedir outro pequeno favor, Andrea.” Ele Parecia quase paternal. “O que é?” Ela perguntou. “Afaste-se disso agora. Por qualquer motivo, Lynn estava em Miami, transmitir sua presença pode levar aqueles que a têm a machucá-la. Lynn trabalha com informações muito sensíveis, e há mais pessoas do que apenas Lynn em risco. Para sua própria segurança, deixe isso em paz e deixe-me cuidar disso com o detetive Carter.” O telefone ficou morto. Drea olhou para a tela. Ela verificou o registro de chamadas e havia um número lá, não o "número privado" que ela estava esperando. Ela se jogou de volta no sofá. Presa em um estranho cruzamento entre o tédio e a paralisia, ela fechou os olhos. Sua cabeça doía um pouco. Talvez um cochilo a ajudasse a pensar melhor e passar por isso.


Houve pancadas. Em seu sonho Batidas fortes e estrondosas acompanhadas por alguém gritando seu nome. "Vamos lá, querida, eu estou ficando encharcado." Drea ofegou e sentou-se direito. O sol tinha caído para uma meia luz minguante. A chuva bateu contra a janela. Baque. Baque. Baque. O barulho alto continuou. A porta. Drea pulou e correu para abrir a porta. Um Cujo muito molhado passou pela porta, com sua camisa branca molhada quase transparente mostrando seus mamilos perfurados era sexy como o inferno. “Obrigada por isso, querida. Achei que ia me lavar na rua, cair em um escoadouro e conhecer um desses estranhos palhaços de Stephen King.” Alívio lavou através dela que ele estava aqui, e ela pulou em seus braços, envolvendo as pernas apertadas em torno de sua cintura e os braços ao redor de seu pescoço. Ele agarrou sua bunda e entrou. "Eu também senti sua falta, querida."

*

*

*

"Não que eu não ame uma garota sexy pulando em meus braços e tudo mais, mas o que está acontecendo?" Ele fechou a porta, fechando o aguaceiro sombrio. O rosto de Drea estava pálido. Cujo levou-os até o sofá e sentou-se com ela em seu colo, os joelhos de cada lado das


coxas. Ela sorriu para ele, mas seus olhos mostravam um oceano de tristeza. "Nada. Estou feliz por você estar aqui.” Drea se inclinou e o beijou. Ele a deixou, apreciando o modo como seus lábios carnudos encontraram os dele, o jeito que a língua dela escorregou em sua boca, deixando-o louco. Ele abriu a loja, e tinha sido um dia longo e cansativo, mas quando se tratava de um ginásio ou Drea, ele queria ter seu cardio de uma forma muito mais prazerosa. Até que ele viu o olhar perdido em seus olhos e sentiu o desespero em suas ações. Suas mãos deslizaram em seu cabelo, mas ele as agarrou, colocando-as entre seus peitos. "Tão distrativo quanto seus beijos são, eu estou chamando isso de besteira, bolinho doce." Drea suspirou e fez um movimento para sair de seu colo, mas ele apertou as mãos em torno de seus pulsos suavemente. “Estou bem. Sério, só foi um dia ruim” Cujo apertou seus lábios. “Não estou comprando, garota. Fale para mim.” “O que você quer me ouvir dizer?” Ela finalmente encontrou seu olhar. “Que foi estranho estar sozinha?” "Isso é exatamente o que eu quero que você diga." Ele levou a mão dela aos lábios e beijou os nós dos dedos. "Por que foi estranho?" Drea sentou-se em suas coxas, aumentando a distância entre eles fisicamente. Com um bufo, ela puxou as mãos das suas, tanto quanto ele queria para puxá-la novamente para seus braços ele lhe deu espaço.


"Eu não sabia o que fazer", ela murmurou, sem olhar para cima. "Não sabia sobre o que?" “Meus dias sempre foram preenchidos com material para a mãe, ou a casa. Pegando prescrições, limpeza, e lavandaria. Trabalhando todos os dias no José e toda noite no hotel, não havia tempo para folga” "E agora você não tem mais isso, você esta um pouco perdida?" Ele não podia imaginar como isso deve ser. Ele sempre teve Connor, Devon e seu pai para apoiálo. Quando ele e Trent começavam o Secund Circle, Devon lhe levava o almoço. Quando ele estava doente, sua família tinha uma agenda para quem ia levar ele para quimio. Ele nunca teve que lidar com nada sozinho. “Eu simplesmente não sabia o que fazer. Você sabe que Harper adora kickboxing, Trent gosta de arrumar carros e você gosta de paddleboard. Eu não fiz nada assim. Percebi que nem sei mais o que gosto de fazer.” Bem, esse foi um problema fácil de consertar. "Então, faça uma lista de coisas que você pode querer tentar e acelere-as." Drea riu como ele pretendia. "Acelerar a data delas?" "Sim. Cada dia, escolha uma nova atividade na lista e vá experimentar isso para o dia, E se você gostar disso. Mantenha na lista até você ter ido através de tudo. A maioria dos lugares fazem sessões de introdução que estão livres.” "Livre é a minha palavra favorita agora", disse Drea. Cor estava voltando para suas bochechas e desta vez seu sorriso iluminou seu rosto inteiro.


"Eu acho que você não teve muito tempo para os amigos também, certo?" "Não realmente. Só Harper, Trent, tia Celine, Milo e agora você.” Drea torceu o nariz para cima. Ele nunca havia notado ela fazer isso antes, foi cativante. "Eu não sei, Brody, parece um pouco..." “Não. Não faz isso. Escolha algo." "O que você quer dizer?" Drea procurou por suas mãos, deslizando os dedos entre os seus e inclinou seu peso para ele. "Escolha algo. Pra você e pra mim. O que você sente vontade de tentar? Por favor, não deixe que isso seja algo seriamente estúpido, como fazer cãezinhos ou Zumba.” “O que você acha sobre escalar rochas?” Ela disse, sem faltar uma batida. De todas as coisas que ele esperava que ela dissesse, não era isso. Ele teria colocado dinheiro em ioga quente. Ele adorava escalar e esperava que ela também gostasse. "Você disse que fez isso, certo?" Drea deslizou de seu colo e sentou-se ao lado dele no sofá. "Sim, eu fiz." A idéia de sua bunda em Lycra e um cinto de segurança estava enviando todos os tipos de sensações de formigamento para seus jeans. "Espere." Cujo pegou o telefone e ligou para o centro de escalada favorito, reservando-lhes uma sessão de duas horas. Ele colocou o telefone na mesa de café. "OK. Nosso slot começa dentro de noventa minutos. Fica a vinte minutos de carro daqui e ambos temos que trocar de


roupa, mais eu tive sorte de ter minha bolsa de academia comigo na pickup e isso nos mata outro dez minutos.” Cujo moveu a mão para o cós da calça jeans, deslizando a ponta dos dedos logo abaixo do jeans. Drea ofegou e arqueou as costas. A maneira como ela respondeu a ele o deixava louco. "Alguma ideia de como nós matamos os sessenta minutos restantes?"

*

*

*

“Você não tem que fazer isso você sabe.” Drea correu sua mão ao longo da coxa de Cujo, sentindo os grossos músculos ondulando. Ela se perguntou se ele estava tão dolorido quanto ela, Dois dias após escalar, Drea mal conseguia caminhar para a pickup. Cujo tinha sido insistente em levá-la ao hotel mas eles precisavam fazer um pit stop rápido no hospital. Eles caíram em um ritmo confortável. Entre passar tempo com Cujo, dois empregos e ler arquivos e relatórios adicionais que Gilliam continuava enviando a ela, não havia tempo para respirar ela gostava disso “Eu não me importo de levar você para o trabalho. Eu só preciso deixar isso com a mamãe primeiro.” Silenciosamente, Drea admirou a mudança na resposta de Cujo para sua mãe. Quando ele mencionou-a pela primeira vez quando eles voltaram para casa de Mo em sua pickup, a amargura em sua voz a assustou. Agora eles estavam reconciliados, e enquanto Drea tinha certeza de que ele não iria admitir, houve um amolecimento. Uma linha fina na sua


concha. Talvez porque a perda de sua mãe estava tão perto da superfície, ela esperava, ele encontrou um jeito de se conectar com a mãe. O saco de revistas e livros a seus pés pode ter sido comprado por Connor, mas Cujo concordou em deixá-los no hospital. Minutos depois, eles entraram no estacionamento do hospital e correram para o andar certo. Cujo parou quando eles se aproximaram da porta. "Esta pode ser a ideia mais idiota que já tive, mas venha comigo." “Eu não tenho certeza, Cujo. Eu acho que sua mãe passou por muita coisa. Ela precisa da família agora.” Drea imaginou como ela se sentiria no lugar de sua mãe. Cujo pegou a mão dela. “Eu entendi o que você está dizendo, mas ela nem nos conhece. Então não é como se fossemos essa grande fonte de conforto para ela. Ela esta cercada por homens. Talvez ela possa apreciar uma visitante do sexo feminino. Para, você sabe, qualquer coisa que vocês realmente falem.” Drea soltou uma risada. “Seja qual for a merda?” "Isso é um sim, doce Drea?" "Você é um idiota", disse ela, incapaz de conter o riso. Cujo beijou sua palma, fazendo-a sentir toda pegajosa por dentro, então a guiou até o quarto de sua mãe. "Evelyn, Evelyn", disse ele andando à frente dela. "Eu trouxe algumas coisas de Connor." Drea levou um momento para ajeitar rapidamente os cabelos e seguiu-o até a sala branca estéril. "Evelyn, esta é minha namorada, Drea."


Daquele momento em diante, pelo resto de sua vida, ela debateria ferozmente qualquer um que dissesse que era impossível sobreviver uma vez que um coração parasse de bater. “Drea, esta é minha mãe, Evelyn.” Evelyn... Lynn... Ela conhecia aquele cabelo loiro, embora parte dele estivesse coberta de bandagens brancas. Tudo se moveu devagar. Enquanto ela não podia ouvir o que Evelyn estava dizendo através da corrida de sangue dentro da cabeça dela, a boca dela estava em movimento. Olá Drea, talvez. Ou satisfeita em Conheça você, mas nada a faria entender que a mulher que ela procurava é a mãe de Cujo. "Você está bem?" Cujo ficou na frente dela. Ele se inclinou ligeiramente para fazer contato visual com ela, e ela pôde ver a preocupação gravada em seu rosto. "Você ficou realmente pálida, bolinho doce." “Pegue uma cadeira para ela, Brody, ela precisa colocar a cabeça entre os joelhos”, instruiu Evelyn da cama. Dentro de uma fração de segundo, a parte de trás de seus joelhos fez contato com plástico rígido, e a mão de Cujo pressionou seu ombro para fazê-la sentar. Deixando cair a cabeça entre os joelhos, Drea tentou trazer o mundo de volta ao foco. Como, em nome do céu, ela diria a Cujo quem Evelyn era? Como eles devem dizer a Evelyn? Sua experiência com a amnésia limitou-se apenas a assistir a filmes. Este era o momento que ela tinha sonhado a mulher estava viva. Lynn estava viva. Ela sabia quem ela era. isto estava suposto para fazê-la se sentir melhor, não como se tivesse sido atingida por um caminhão. "Devo chamar uma enfermeira, Brody?" O som da voz de Evelyn rompeu o zumbido nas orelhas dela, Eles definitivamente


não precisavam de mais pessoas aqui. De fato, o que ela realmente precisava era tirar Cujo daqui. "Estou bem, Evelyn." As palavras saíram sem fôlego, como se ela tivesse corrido uma maratona. "Eu acho que preciso de um pouco de ar." Cujo estava agachado ao seu lado, e ela percebeu a mão dele deslizando lentamente pelas costas. "Vamos lá, querida, deixe-me ajudá-la." Ele pegou o cotovelo dela e ajudou-a a se levantar. Suas pernas tremeram um pouco quando ela se endireitou. Drea olhou para Evelyn por mais um momento. “Eu sinto muito, Evelyn, mas eu prometo que voltaremos.” “Eu espero que você se sinta melhor logo.” Drea agarrou o braço de Cujo enquanto ele a levava embora. "Eu tenho você vamos te levar para fora.” Ele a conduziu em direção às portas duplas pelas quais eles entraram, mas ela puxou contra ele. "Cujo, pare." "Você está OK?" Não ela não estava e não sabia se ele estaria quando contasse pra ele "Sente-se, Cujo", ela disse baixinho, e ele fez imediatamente. "Quer me dizer o que está acontecendo?" Drea agarrou as duas mãos. Elas eram quentes e reconfortantes, um contraste com seus dedos frios. “Evelyn é Lynn. Ela é a mulher que entrou no café.” As mãos de Cujo se apertaram ao redor das dela. "Não, isso não pode estar certo."


“Tenho certeza, Brody. Eu falei com ela. Eu levei a fotografia a polícia levantamos a partir da segurança de filmagem você precisa ver isso.” Nunca houve qualquer motivo para mostrar a ele a imagem. Drea tirou a fotografia do telefone e entregou a ele. Cujo sacudiu a cabeça dele é estudou a imagem. Ele tossiu grosseiramente e esfregou o lado da cabeça. O coração dela se partiu em pedaços enquanto ela observava as emoções cintilarem em seu rosto. Raiva, frustração, tristeza. Seus olhos cheios com lágrimas. "Não podemos ter certeza... poderia ser..." Cujo se levantou e andou de um lado para o outro. “Evelyn é a mulher que entrou no meu café. Eu sonhei com ela”

*

*

*

Snake espancou sua mãe e a deixou quase morta. O que significava que enquanto sua mãe passava por uma provação angustiante, havia uma chance de ela estar envolvida em algo que provocasse o ataque. E se esse fosse o caso, ela ainda estava potencialmente em perigo. Cristo, primeiro Drea, agora sua mãe. Como diabos ele deveria manter ambas seguras? Ele não queria acreditar que sua mãe estava do lado errado da lei, mas e se ela estivesse? E se chamando a polícia, ele iria levá-la para mais problemas? Uma risada irônica, parcialmente nascida do pânico, escapou. Mais problemas do que o que... quase ser morto por um assassino de aluguel? Foco. Isso é o que ele precisava.


“Eu preciso ligar para o papai e meus irmãos. Eles precisam saber”. Cujo pegou o telefone e discou. "Eu vou ligar para Don", disse Drea, remexendo em sua bolsa. "Não. Ligue para o detetive Lopes. Ou Carter”. Ele odiava a ideia de Carter estar por perto, mas agora eles precisavam de ajuda. O tipo certo de ajuda. Como segurança extra, ou um quarto mais seguro para a mãe dele. Drea fez um movimento para falar, assim que seu pai respondeu. “Papai, ei. Você precisa vir ao hospital” Ele rapidamente preencheu Alec com os detalhes e pediu para ele ligar para Connor e Devon, sugerindo que Connor ficasse onde estava, até que eles tivessem falado com a polícia. Embora nada tivesse mudado com a saúde física de sua mãe, muita coisa mudou em suas circunstâncias. Nenhum ponto nele dirigindo todo o caminho até que eles soubessem mais. Ele terminou a ligação e esperou que Drea terminasse a dela. Quando sua família chegou, eles puderam se sentar e decidir a melhor maneira de contar a Evelyn. Eles precisariam falar com o médico de sua mãe também. Drea terminou de ligar e sentou próxima a ele novamente. Obrigado Deus ela estava aqui, ele agradeceu a Deus que trouxe ela aqui e que ela finalmente foi capaz para identificar sua mãe eles finalmente estavam indo pra finalizar essa loucura. “O que Lopes disse?” Ele perguntou, colocando o telefone de volta no bolso. Tudo fazia sentido, a horrível palidez cinza que Drea usara quando percebeu. Ele sentiu como se alguém tivesse tirado sua pele e a virado do avesso. "Eu não liguei para Lopes, liguei para Don."


Sério? Estaria fazendo o que ele pediu uma vez? Era assim tão difícil de entender? “Drea. Eu disse não ligue para o Don. Eu queria que a polícia lidasse com isso. Se este Don sabe em que ela estava envolvida, então eu quero a polícia para interrogá-lo.” “Me desculpe, Cujo, mas ouça, por favor. Você ouviu o que Don me disse. Outras pessoas podem se machucar. Não seria melhor descobrir com ele em que sua mãe está envolvida e ajudá-la dessa maneira?” “Eu não dou a mínima para outras pessoas, eu me preocupo com a segurança da minha mãe. Quem quer que seja Don, ele não vai colocar um policial do lado de fora da porta.” “Você não sabe disso. Ele disse que estava trabalhando com as autoridades apropriadas” Ele estava tão puto com ela agora. “E o que você fará se o cara é algum idiota, líder de um grupo que ela não pode escapar, ou o real autor do crime e ele apenas queria que você paresse de cavar? Sério, Drea, você não pode ir fazendo isso como se você tivesse todas as respostas.” “Eu não estava tentando... Eu queria ajudar, para...” "Para quê? Fazer isto da sua maneira? Isso não é novidade, é?” Seus olhos se encheram com o brilho das lágrimas. Não. Não traga o maldito sistema hidráulico. Drea se levantou e foi até a janela. Cujo pegou o telefone e fez outra ligação, apertando o ícone de discagem com raiva.


"Detetive Lopes, por favor." Talvez ele tenha dito isso mais alto do que o necessário, mas ele precisava explicar o assunto. Ele esperou um momento para a mesa transferi-lo. “Lopes.” Do barulho de fundo, parecia que ele estava dirigindo. "Ei, detetive, é Brody Matthews." "Sr. Matthews. O que posso fazer para você?" Onde começar mesmo? Ele estava sem conversa fiada. "Eu acho que sei o que aconteceu com a minha mãe", ele respondeu. Ele olhou para Drea, que encontrou seu olhar Jesus Cristo, por que ela simplesmente não ligou para Lopes como ele pediu? Ou até o Ryan Carter? Ele viria correndo em um piscar de olhos se ela ligasse para ele. "Ela recuperou a memória?" "Não", Cujo respondeu. Se ao menos fosse tão simples. “Estou com Drea Caron e ela estava envolvida em uma situação em que uma mulher foi sequestrada do lugar onde trabalha. Por causa de onde o café está e onde minha mãe foi encontrada, ele foi tratado por uma delegacia diferente.” "Onde você está agora?" “Eu estou no hospital. Nós literalmente acabamos de entrar na sala e Drea reconheceu minha mãe como aquela mulher.” "Ok, eu estou no meu caminho." Drea esperou olhando por uma grande janela, as costas dela viradas longe dele. Agora ela teria que recuar e deixar que ele e sua família tomassem as decisões. Um casal de meia-idade passou, a mulher em lágrimas, o homem com os braços bem apertados em volta dos ombros. Malditos hospitais. Nada de bom acontece neles. Cujo se juntou a Drea. “O que Don disse?”


Ele perguntou. Se ela gostava ou não, ele estava indo para dizer a polícia sobre ele, e que Drea sabia como entrar em contato com ele. "Ele disse que estaria no primeiro voo de manhã." Houve uma longa pausa. "Eu estava tentando ajudar, Brody." Ele entendeu isso, mas ele não tinha isso para ser compassivo agora. Ele fez uma nota mental para informar o hospital para permitir apenas o acesso imediato da família ao quarto de sua mãe. "Eu não quero que você ligue para ele." "Eu pensei que era melhor." Ela agarrou seu antebraço, mas ele puxou-o para longe. “Melhor para quem? Você? Você está muito envolvida com tudo isso, Drea. Não foi sua decisão pra tomar. Era a minha mãe." As portas duplas se abriram e Alec entrou com Devon. Ele não queria lidar com isso agora. O que sua mãe precisava e merecia era toda a sua atenção. Cujo levou sua chave fora de seu bolso e pegou a chave da pickup. "Aqui", disse ele, colocando-a na mão de Drea “Dirija minha pickup para o trabalho e eu vou conseguir isso de você amanhã." “Não me afaste, Brody. Quero estar aqui para você.” A rachadura em sua voz quase o fez reconsiderar. “Eu preciso me concentrar na minha mãe agora. E você tem trabalho. Vá por favor. Esta noite não é a noite para grandes apresentações.” Drea olhou por cima do ombro e viu os dois homens caminhando em direção a eles. "Mantenha a sua chave", ela retrucou, e ele fez o seu melhor ignorar a dor irradiando dela. "Eu vou pegar um táxi."


“Drea. Não é seguro, por favor...” Ela se virou em seu calcanhar e marchou em frente ao longo do corredor, passando pela família com a cabeça para baixo. Quase imediatamente, ele queria chamá-la de volta, mas ele não podia. Ele tinha outras coisas que precisava se concentrar agora. Então, por que a ideia dela sozinha no escuro assustá-o tanto quanto descobrir a verdade sobre quem realmente é sua mãe?


DEZESSETE O hotel estava agitado. A notícia na sala de descanso era que uma grande estrela organizara um check-in de última hora. Para Drea, era apenas mais trabalho para fazer, principalmente vodka, cranberries e bebidas dietéticas. Ela deu ao balcão uma última limpeza furiosa para remover qualquer vazamento de gelo. O gerente estaria pronto para fazer um passo a passo final. Por que ele não foi capaz de ver que ela estava tentando fazer a coisa certa? Drea empurrou o carrinho para o corredor, diretamente no caminho de outro hóspede no nível da cobertura, pegando-o diretamente no quadril. "Ah não. Eu sinto muito, senhor. Eu não te machuquei, não é?” "Espere, Sal", disse o convidado ao telefone antes de olhar para Drea. Aqueles pálidos olhos cinzentos a assombravam desde a última vez que os vira. Trip Henderson, que inferno, qual era a chances? "Você precisa ver por onde anda senhorita." Seu coração batia ferozmente, esperando pelo momento de reconhecimento.


"Claro, sinto muito", disse ela. Burra. Não é como se ela quisesse bater nele. Ele olhou para ela por um momento, depois se virou e dirigiu-se ao elevador. “Traga o carro agora, por favor. Tenho reservas no Nobu pras dez.” Sua voz se afastou dela. Com um barulho alto, as portas do elevador se abriram e ela o viu entrar. As portas se fecharam e o número do andar diminuiu até atingir “L.” Ela olhou o cartão chave dela, aquele que tinha concedido a ela, acesso a todas a coberturas, isto queimado dentro da mão dela, Drea enfiou a mão no bolso antes que ela tivesse alguma ideia estúpida. Mas… Se Cujo não a deixasse ajudar no hospital, talvez ela pudesse ser útil dessa maneira. Esta foi a ideia mais idiota. No entanto, o plano se formou rapidamente. Ela podia entrar e sair do quarto dele antes que alguém soubesse. Nunca haveria outra chance como essa. Ela moveu o carrinho na esquina, pegando duas garrafas de água. Na pior das hipóteses, se alguém perguntasse por que ela entrou em seu quarto, ela poderia fingir que queria fazer algo bom. “Serviço de quarto.” Drea prendeu a respiração, contou até dez e bateu novamente. "Serviço de quarto." Ela deslizou o cartão pela fenda e a fechadura clicou. O que em nome do céu ela estava fazendo? Ela considerou chamar Cujo, mas isso pareceria pior na filmagem de segurança. Além disso, ela nem deveria ter seu telefone. Ela entrou, sem voltar atrás agora. Ela correu pelo corredor opulento para a área de estar, geralmente ela aproveitava o tempo para admirar os lindos


cômodos que eram maiores que a sua casa, mas hoje ela tinha um propósito. A cesta de frutas de cortesia estava na mesa de vidro, por isso Drea colocou as garrafas de água ao lado. Um computador estava aberto em uma pequena mesa perto da janela, sua área de trabalho em exibição. Fotografias de uma fazenda, cavalos de corrida e crianças brincando em uma praia embaralhavam aleatoriamente pela tela. Ela mexeu o mouse e uma caixa de senha apareceu. Um homem como Henderson não ia ter uma senha estúpido, como senha ou os números de um a oito. E ela não era hacker. Os olhos dela se moveram na direção da janela, seguindo as cortinas, No chão, quase escondido pelas longas cortinas, havia uma grande pasta preta. As linhas de certo e errado começaram a se confundir. Estar nesta sala estava errado. Contemplar passando pela maleta estava errado. Ela deveria sair antes de se aprofundar ainda mais. Mas se houvesse alguma chance de que ela pudesse ajudar Evelyn, ela teria que procurar. Ela desabotoou o topo e folheou o conteúdo. Alguns documentos financeiros, alguns desenhos estruturais e um envelope de recibos. Nada remotamente parecido com os arquivos que ela tinha visto no pen drive. Clique. O chocalhar da porta do quarto do hotel a fez pular. Talvez tenha sido arrumação. Mas eles chamariam primeiro. Ela empurrou a pasta sob a cortina com o pé e olhou em volta rapidamente. Onde ela poderia se esconder? Havia apenas uma porta para a suíte, e ela estava muito longe da sala de estar para atravessar as portas da varanda. Ela olhou para o banheiro. Talvez houvesse um lugar onde ela pudesse se esconder. O armário. Ela poderia se esconder no fundo de um desses com certeza.


Passos batiam no corredor de azulejos, apressando a corrida até o armário, mergulhando atrás da porta. Felizmente, Henderson não era um amante das vestes do hotel, ambas ainda em seus cabides. Desejando ter feito mais ioga, ela se enrolou na menor bola que conseguiu no fundo do armário. E se Henderson cancelasse seus planos de jantar? Quanto tempo ela poderia se esconder? E se ela estivesse presa durante a noite? As vestes balançaram suavemente ao redor dela enquanto ela agarrava a bainha para tentar pará-las. Ela escutou atentamente, lutando para ouvir qualquer coisa sobre a onda de sangue bombeando em seus ouvidos. A porta próxima a que ela estava se escondendo atrás foi aberta. Drea manteve sua respiração quando era uma criança, fechar os olhos para se fazer invisível sempre funcionava. Drea tentou fechálos firmemente. “Não, desculpe, querida, estava prestes a entrar no carro quando algum idiota abriu uma lata de refrigerante ao meu lado. Ele pulverizou toda a minha camisa... Sim... vai fazer. As crianças em casa?” Uma camisa foi arrancada do armário. Drea pressionou as costas da mão contra os lábios para impedir que qualquer ruído escapasse. “Eu vou, querida. Eu tenho que ir. O carro está esperando. Tchau." Quando a porta do quarto de hotel se fechou, Drea ofegou em busca de ar. O que diabos ela estava fazendo? Esta não era ela. Ela não era uma jornalista disfarçada. Ou uma policial. Ela era uma garçonete com problemas financeiros. Assim que ela saiu, ela precisava sair do emprego. Sair do hotel, longe de Henderson. Uma vez que ela se retirou do armário, sua primeira ligação foi para a mesa do supervisor.


Sem um segundo emprego, sem Lynn para encontrar, e possivelmente nenhum Cujo em sua vida, ela estava de volta à sensação de vazio na boca do estômago. Um vazio que ela não sabia como preencher.

*

*

*

Na manhã seguinte, antes de seu turno no José, Drea estava no Second Circle Tattoos. Se alguém tivesse dito a ela há um ano que ela estaria passando um tempo dentro de uma loja de tatuagem, ela teria rido na cara deles. O pai dela estava coberto de tatto de aparência barata, com os braços uma bagunça de azul desbotado. Ela olhou para a âncora nas costas da mão dele quando ele gritou com ela. Por muito tempo, tatuagens a fizeram lembrar de se sentir pequena, de ser vulnerável, de estar à mercê de alguém que você queria desesperadamente para amar você, culpa rasteja sobre ela, ela tinha tinha julgado pessoas com tatuagens por tanto tempo, era difícil quebrar o hábito. Vendo a transformação em Harper quando ela conseguiu sua tatuagem, e conhecer Trent, Cujo, e os outros no estúdio tinha mudado sua opinião. Não que ela estava indo para obter uma em breve. Harper estava de pé atrás da mesa, de costas para Drea, verificando algo no laptop. O colete preto que ela usava com parte das costas cortada exibia a incrível tatto larga que Trent havia feito para cobrir as cicatrizes que seu ex tinha infligido. Pensar que foi assim que eles se conheceram. "Ei, Harp", ela disse. Elas estavam no mesmo turno de hoje, embora ainda fosse cedo demais para ir até o café.


“Oi, Drea. Como você está aguentando?” Harper torceu o cabelo longo e escuro em um coque bagunçado no alto da cabeça. "Estou bem. Ainda tenho muito a fazer, no entanto.” A lista de coisas que ela precisava fazer para fechar o espólio da mãe parecia continuar crescendo. Ela derrubaria uma coisa e acrescentaria outras duas. Harper sorriu com simpatia. “Eu só posso imaginar. Se eu puder ajudar em tudo, você só precisa gritar.” “Drea.” Lia se aproximou de sua estação e a abraçou com força. “É tão triste de ouvir sobre sua mãe, Você está bem? Você precisa de alguma coisa?" “Obrigado, Lia. Eu estou bem.” E era a verdade. Ela realmente estava. O buraco aberto em seu coração deixado pela morte de sua mãe foi uma reação à perda de um relacionamento que elas nunca desenvolveram. Mas finalmente sua mãe encontrou a paz. A porta do escritório se abriu. Cujo e Trent emergiram, o contraste entre eles era de tirar o fôlego. Cujo era tão loiro como Trent era moreno. “Olá senhoras. Interessadas em alguma tatto esta manhã?” Trent beijou a nuca de Harper. "Eu acho que você já fez o suficiente." Harper riu. Parecia estranhamente estranho. Trent estava sendo abertamente afetuoso com Harper, mas Cujo mantinha distância. "E você, Drea, vai vir para mim algum dia?" Trent perguntou. Drea sorriu, mas Cujo empurrou-o pelo ombro.


"Não vai acontecer", disse ele sombriamente. Trent olhou para Cujo e depois para Drea e riu. Cujo tinha se movido um pouco mais perto dela e ela estava desesperada para beijá-lo. Ele parecia bom o suficiente para comer em sua conversa, jeans preto e uma camiseta branca. Mas mais que isso, ele claramente precisava de um abraço. "Drea", ele disse baixinho em saudação. "Brody", respondeu ela. “Como você está?” Havia muito mais que ela queria perguntar, mas a parede entre eles parecia insuperável, fraturando o que tinham construído. "Por que você não pegou o carro?" "Eu perguntei como você estava", disse ela, ignorando a abrupta questão. "E querendo saber porque você não pode cuidar melhor de você por exemplo levando meu carro?” Isso não estava levando a lugar algum. "Eu estava bem. De qualquer forma, não é um problema. Eu entreguei meu aviso ontem à noite.” "Você fez? Graças a Deus. Eu estava preocupado, com você fora todas as noites” Pode haver problemas entre eles, mas ele realmente se importava com ela. "Precisamos conversar, Cujo." Com um breve aceno de cabeça, ele voltou para o escritório. Cujo esperou até que ambos estivessem lá dentro, depois fechou a porta. Ela se sentou no sofá e Cujo se juntou a ela. O silêncio era excruciante, mas Drea não conseguia decidir como começar. As palavras que ela planejara não faziam mais sentido.


"Como você está?" Ela perguntou novamente. “Estou exausto se você realmente quer saber. Depois que a polícia chegou e, em consulta com seus médicos, decidimos contar à mamãe o que estava acontecendo.” Drea aqueceu um pouco que ele se referiu a Evelyn com seu título familiar. "Como ela reagiu?" Ela pegou a mão dele nas dela, mas ele não fez nenhuma tentativa de ligar os dedos como ele costumava fazer. Cujo soltou uma profundo suspiro. "Seriamente. Ela esta desesperada para lembre-se, mas não pode." " Sinto muito, Cujo. Sobre sua mãe e por ligar pro Don.” "Eu ainda estou bravo Drea, mais ele é um cara bom. Ele já tinha estado em contato com a polícia e passou uma hora conversando com eles, e, em seguida, teve as contas médicas pagas." O peito de Drea se afrouxou. Suas palavras na noite anterior sobre Don a assombraram durante suas poucas horas de sono agitado. "O que é que sua mãe faz?" “Ela é uma repórter investigativa disfarçada, mas ela não era para estar em Miami. Na verdade, Don achava que ela estava em Atlanta. Ele está tentando descobrir o que aconteceu.” Seus dedos finalmente se uniram aos dela, lembrando-a de que ela tinha outras coisas para contar a ele. Drea ponderou sua próxima frase com cuidado. "Eu também fiz algo um pouco louco ontem à noite, e eu sei que você não vai gostar." "Como louco?" Suas sobrancelhas franzidas.


"Bem, Trip Henderson estava no hotel ontem à noite." “O CEO da Cleffan? Você está bem? Ele não machucou você, ele fez? Drea balançou a cabeça, mordendo o lado do lábio. "Não, eu estou bem." Ela tocou o braço tranquilizadoramente. "Eu visitei o quarto dele." "Você fez o quê?" A voz de Cujo estava mais alta que o normal. Ele agarrou seu cotovelo. "Por que diabos você faria isso?" Drea se contorceu livre. "Calma. Eu estou bem isto foi realmente estúpido. Mas você e eu tínhamos brigado e eu realmente estava procurando uma maneira de ajudar a sua mãe.” “E se ele tivesse te encontrado lá? Eu nunca quero ter que visitá-la em um hospital.” “Ele não me achou. Eu me escondi em um armário”, ela disparou sem pensar. MEU DEUS Quando ela iria aprender a manter a boca fechada? "Ele estava no quarto enquanto você estava lá?" Cujo gritava agora. “Não, eu entrei depois que ele saiu, mas ele voltou porque alguém derramou algo em suas roupas. Eu me escondi em um armário enquanto ele pegava uma nova camisa. Ele não me viu.” “Drea. Está fodidamente errado arrombar e ir entrando”. "Não, não é. Eu tinha uma chave. Eu levei duas garrafas de água para ele. Isso é tudo que alguém vai saber.” “Não ocorreu a você que as câmeras de segurança vão te mostrar? Então ele entrando e saindo? Então você vai embora?”


Ela pensou sobre as câmeras quando entrou pela primeira vez na sala, mas não pensou sobre as implicações do retorno de Henderson. Mas quais eram as chances que isso aconteceria? Merda.

*

*

*

O olhar no rosto dela dizia tudo. Não havia ocorrido a ela. De Modo algum... “Cristo, Drea. O que você estava pensando?” Ele estudou seu rosto, procurando uma pista para seu comportamento imprudente. “Você poderia ter acabado se machucando. Ou presa” Seu cabelo estava puxado para trás em uma simples trança, tão diferente da mulher que parecia uma merda de sereia quando ela o montava, todo aquele cabelo caindo em cascata pelas costas. Isso a fez parecer mais jovem. Mais difícil de ler. Na noite anterior tinha fornecido tempo de sobra para pensa r nela, e neles. Seu tempo chupando suas bolas, mas ele não podia imaginar que ela não percebeu a diferença. Sim, ele estava com raiva ontem à noite. Irritado porque ela perdeu tempo não chamando a polícia, e porque ela decidiu que o que ela pensava era o melhor para sua família olhando em retrospectiva ele pode ter sido um pau, por que é ele era o único que tomava as decisões de família a anos e deixar alguém fazer isso por ele não era fácil, hábitos eram difíceis de mudar. Mas tinha que admitir que agora que Don estava envolvido, era só uma questão de tempo pra descobrirem o que sua mãe fazia em Miami.


"A verdade é que eu não estava pensando", Drea disse suavemente. "E eu não acho que tenha feito isso por um tempo." Havia uma melancolia pura em suas palavras, e apesar de sua discordância, Cujo percebeu que isso era muito mais do que o que aconteceu nas últimas vinte e quatro horas. "Fale comigo, querida." Ele se recostou no sofá, puxando-a de volta com ele. Eles se sentaram em silêncio. Ele aprendeu a dar a ela o tempo que ela precisava para se abrir para ele. “Estou perdendo meu caminho. Eu estou em algum piloto automático estranho.” As palavras sussurradas quebraram seu coração. “O que você quer dizer?” Lágrimas grandes derramaram sobre seus cílios e formaram trilhas aquosas sobre suas bochechas. Sua vulnerabilidade estalou contra seu peito como elástico industrial. “Estou me perdendo. Ou talvez eu tenha me perdido há muito tempo. Cuidar da mãe, preenchia as lacunas, eu não podia pensar em nada além de cuidar da minha mãe, pagar as contas e me manter no emprego.” Mais lágrimas caíram. Este era o fundo que ele estava esperando. Ela tinha estado tão ocupada com a vida, os empregos, o funeral, ela não tinha entristecido adequadamente. Ele pegou a caixa de lenços da mesa e colocou entre eles. "E agora?", Ele perguntou, resistindo ao impulso de puxá-la para seu colo. Ela não apreciaria isto. Ao contrário de qualquer garota que ele já conheceu, ela precisava de espaço para compartilhar seus sentimentos mais profundos. “Estou com tanto medo dos buracos. Estou enchendoos de tudo o que puder para evitar ter que realmente pensar sobre minha vida...


Lynn, o material fraturado, me enfiando em um quarto do caralho.” Drea começou a soluçar, soluços que cortam a sua própria alma. "Até você." Até ele? Ele estendeu a mão para ela, esmagando-a contra o peito. Lágrimas picaram seus próprios olhos, enquanto ela tremia em seus braços. Os soluços se transformaram em suspiros. Ouvindo-a lutar para respirar quando a tristeza a inundou, deixou-o sentindo-se desamparado. Como você ajuda alguém que você ama através de uma dor tão violenta que eles estavam sufocando? Ela agarrou sua camiseta enquanto ela segurava sua preciosa vida. Ele acariciou seus cabelos, beijou sua testa, murmurou palavras destinadas a acalmar, mas as lágrimas continuaram. Uma tempestade se enfureceu dentro dela, escura e tumultuada, e eles não seriam os mesmos até que explodissem. Quase tão rapidamente quanto começaram, as lágrimas diminuíram. Apenas os soluços sem fôlego permaneceram enquanto ela tentava estabilizar sua respiração. "Sinto muito", ela sussurrou, afastando-se dele. Dois círculos escuros de lágrimas mancharam sua camiseta, não que ele desse a mínima. "Não sinta", disse ele com sinceridade. “Eu quero estar aqui para você, bolinho doce”. Ao usar seu apelido, ela endureceu e pegou um lenço para assoar o nariz, depois outro para limpar o rímel borrado de suas bochechas. “Eu aprecio isso, Brody. Mas eu vim para lhe dizer que não posso deixar você fazer isso” Espera, O que? Não era assim que deveria ser. “Por que não?"


Drea suspirou. "Eu tenho a necessidade de preencher por mim mesma os buracos que tem na minha vida, preciso por minha vida em ordem, e não posso fazer isso estando com alguém." “Não, Drea, Estas são apenas as últimas vinte e quatro horas conversando. Nós podemos passar por isso juntos.” Eles não poderiam? Eles estavam apenas encontrando seu ritmo. Isso é tudo. Drea começou a chorar novamente. “Eu não estou em um bom lugar, Brody. Para funcionarmos, preciso ir até você inteira, não em pedaços, esperando que você seja a minha cola” Através da dor de suas palavras, ecoou um fragmento de verdade. Um que ele não estava pronto para aceitar plenamente. “Olha, baby, deixa eu te levar pra casa. Você precisa descansar. Eu vou deixar José saber que você ainda não está bem, vamos fazer uma maratona de filmes e eu vou cozinhar...” “Brody. Por favor. Já é difícil o suficiente.” Ela quis dizer isso. Ela realmente queria dizer isso. Ela estava terminando com ele, e não havia nada que ele pudesse fazer para pará-la. Ele esfregou a mão no lado da cabeça. Teria sido isso que ele queria uma vez? Ser solteiro? A ideia de ir para casa hoje à noite e ela não estar lá se sentia como beber fluido de isqueiro. “Não faça isso, Drea. Nós podemos..." “Eu preciso, Brody. Eu sinto Muito." Drea colocou as mãos em ambos os lados do rosto e beijouo. Forte. Apaixonado. Desesperado. Antes que ele tivesse chance de responder, ela se afastou.


"Adeus, Brody." Sua voz quebrou em seu nome quando ela correu do escritório. Lágrimas encheram seus olhos. Que porra acabou de acontecer? Porque parecia que ele simplesmente deixava a melhor coisa que já aconteceu com ele sair de sua vida.

*

*

*

Drea estava sem lágrimas. Ela chorou quando saiu de Cujo. Chorou quando correu para Harper na sala de descanso. Ela não estava fazendo isso de novo. Este foi o primeiro dia da Operação seja você mesma outra vez, e isso é uma merda e era por isso que José a tinha mandado para casa nesse exato momento. "Obrigado", disse ela jogando um braço em volta do pescoço. "Me desculpe, eu sou uma bagunça em..." “Shush, garota boba. Dois dias. Eu não quero ver você aqui.” Drea tentou sorrir. "Eu vou pegar os turnos, eu prometo." José tomou-a pela mão “Drea querida, você é a filha que nunca tive, e isso pequena, é o que fazemos quando a família não está bem” Aquelas lágrimas que ela não ia chorar estavam queimando seus olhos. “Ninguém trabalhou tanto quanto você por doze anos. Aproveite o tempo. Você ainda será pago se trabalhar quinhentas horas ou cinco.” Drea mordeu com força o lado da bochecha dela. As palavras demoraram a chegar. Nada parecia uma resposta apropriada ao que ele acabara de dizer a ela. Então ela o


abraçou e rapidamente partiu para o ônibus antes de desmoronar. Ela tinha acabado de virar a esquina para a Collins Avenue quando uma buzina de carro a assustou. Um sedan azul-escuro deu meia-volta e parou ao lado dela. A janela desceu e o detetive Carter sorriu para ela. "Exatamente a senhora que eu queria ver", disse ele alegremente. “Ei, você está bem, Drea?." Ele pulou do carro e caminhou até ela. Suavemente, ele colocou as mãos nos ombros dela, cruzando todas as linhas de propriedade. "O que diabos aconteceu?" Seu sorriso se foi, substituído por um olhar intenso de preocupação. Drea não aguentou mais um ato de bondade. “Por favor, não seja legal comigo agora, Ryan” ela disse. Ryan olhou para ela, seus olhos escuros cheios de preocupação e uma compaixão que ela queria, mas não totalmente acreditava que ela merecia. "Entre no carro", disse ele, afastandose para abrir a porta do passageiro. Tudo o que ela queria era rastejar na cama e ficar lá por alguns dias, então ela entrou no carro. "Onde eu estou levando você, Drea?" Ele perguntou, se juntando a ela no carro. Ele se inclinou sobre ela para apertar o cinto de segurança. Ela deu a ele o endereço dela. À medida que se afastou do meio-fio, o cabelo na parte de trás do pescoço dela arrepiou. Cujo estava andando em direção ao carro. Ele parecia destruído. Tão rasgado e destruí do quanto ela se sentia por dentro. Parte dela queria pular do carro e se jogar nos braços dele.


Oh Deus. Provavelmente parecia que ela o havia deixado e rapidamente se encontrou com Carter. Rapidamente, ela pegou o telefone para mandar uma mensagem para ele. Para dizer a ele que não era o que ele pensava, essa coincidência era uma merda. Mas para que fim? Drea deixou cair o celular de volta na bolsa. Felizmente, Ryan não disse mais nada até que pararam na frente de sua casa. "Vamos lá, eu vou ajudá-la até lá dentro", disse ele, desligando o motor. Uma vez lá dentro, sentou-se no sofá e deixou que ele assumisse. A comida foi colocada na geladeira, o chá foi colocado na mesa ao lado dela. Ele até colocou o cobertor da parte de trás do sofá sobre ela. "Você não deveria estar pegando caras maus?" Ela perguntou, seus olhos se sentindo pesados. "É tudo parte do serviço, Drea." Ele sentou-se na mesa de café, com os cotovelos apoiados nos joelhos, os ombros largos curvados. "Você estava procurando por mim?" Drea bocejou. "Desculpa." Quando Ryan sorriu, ele lembrou de um jovem Ricky Martin. "Eu ia perguntar-lhe sobre a noite passada, só para obter sua declaração, mas pode esperar." "Você não tem os detalhes de Cujo?" "Eu tenho, mas me deu uma razão para vir e ver você." Ele deu de ombros. Foi lisonjeiro, mas esmagador, dado a tudo acontecendo em sua vida. "Ryan..." "Sim, eu sei. Sr. Matthews.”


Se fosse assim tão simples. Reduzida a duas palavras representando o homem que ela tinha caído de cabeça sobre saltos estúpidos no amor. "Eu aprecio o que quer que você esteja tentando fazer aqui, Ryan, mas eu só..." Em um lugar e horário diferentes, ela podia se ver em um relacionamento com ele. Ele seria sólido e firme. Mas ele não a deixaria louca, nem a desafiaria, nem a ligaria com um olhar. "Ele é um homem de sorte e pelo que eu vi na outra noite ele é um cara decente." “Sim. Ele é." “Me faça um favor Drea, se você precisar de um amigo me ligue, ou se um dia as coisas forem para baixo com ele. Porque se você fosse minha rainha, outro cara não estaria aqui agora. Ele não precisaria, porque eu estaria cuidando de você." Dada a oportunidade, Cujo também estaria. Se ela não tivesse dito a ele que precisava de espaço. Sentiase culpada deixando Ryan pensar menos de Cujo, mas ela não tem a energia para corrigir ele. Era impossível manter os olhos aberto. “Bons sonhos, doce Drea." A porta da frente se fechou, exatamente quando seu telefone tocou. Ela pegou e abriu a mensagem. Cujo. Eu ia te mostrar isso hoje. Era uma tatuagem, vermelha, crua, e Nova, em seu braço que anteriormente não tinha nenhuma tatto. Era uma vintage slot machine com uma linha vencedora, embora, em vez das habituais cerejas, morangos estavam ali. Estrelas caindo fora dele, em vez de moedas.


Porque o seu cabelo cheira a morangos, porque ganhei a sorte grande no dia em que te conheci, porque vocĂŞ ĂŠ viciante, e todo dia eu conto minhas estrelas da sorte, por que Eu tive a chance de te amar... Mesmo que seja apenas por um tempo


DEZOITO Dez dias depois, Cujo se viu do lado de fora do portão do pátio de Drea, ouvindo sua maldição, debatendo se tinha sido ou não uma boa ideia. Eles não tinham se falado, e mal tinham visto um ao outro fora de alguns momentos quando seus caminhos tinham cruzado acidentalmente. "Venha , seu saco inútil de..." Cujo sorriu. Ele sentiu falta dela. Harper o manteve atualizado. No começo, ela não queria ficar no meio, mas ele a desgastou tanto, com toda a honestidade, ele a subornou com ofertas de sessões semanais de sparring na academia de Frankie. E quando ele chegou ao Centro de escalada para encontrar ela a meio caminho acima da parede de principiante, ele tinha assistido ela por um tempo até sair sem ser percebido. Ele tinha dado o espaço dela, mesmo que ele se sentisse como se tivesse tomado um tiro no peito. Mas quando Trent ligou para avisá-lo que ouvira Drea dizer a Harper que ela estava colocando a casa à venda, lampejos de pânico o atingiram. Ela estava saindo de Miami? Para onde ela estava indo? Ele assumiu que ele seria capaz de reconquistá-la quando ela estivesse pronta, mas isso seria impossível se ela estivesse a quilômetros de distância. Então o primeiro passo do seu plano mestre foi se reconectar com ela. Como um amigo. Mesmo que fosse menos doloroso enfiar alfinetes no seu saco


Ele fez malabarismos com os smoothies que pegou em uma das mãos e abriu o portão para o pátio. “Que diabos, Drea?” Ele colocou as bebidas no chão e correu para segurar a escada de metal precária que ela estava em cima, era um milagre que ela não tivesse caído ainda. "Brody", ela engasgou. “O que você está fazendo aqui?” As mãos dela estavam vestidas com luvas amarelas brilhantes, do tipo para lavar pratos não para o trabalho pesado no quintal. Ela usou o antebraço para tirar o cabelo do rosto e depois desceu alguns degraus até ficarem no nível dos olhos. Não importa o que ela planejou para o dia, ele não iria deixá-la sozinha. Ele a puxou dos degraus e a colocou firmemente no chão. A boca de Drea se contraiu. Ela estava lutando com um sorriso. Deus, ele queria puxá-la contra ele e beijá-la com firmeza. Ele sentia falta dela. "Estou aqui para ajudar." Ele pegou suas bebidas, em seguida, entregou-lhe a menos verde. Metade da sua habitual encomenda de couve. "O que você esta fazendo trabalhado tão cedo?" Ele observou o jeito que os lábios dela se apertavam ao redor do canudo, com inveja da ação de sucção que estava conseguindo. Porra, ele fez sexo com ela nesse momento em sua mente. “Estou vendendo a casa. É hora de seguir em frente. Eu não posso continar voltando aqui.” Os círculos escuros sob os olhos desapareceram, a pele não estava mais pálida. Ela parecia linda e soava como a confiante Drea que ele conheceu, embora isso não fosse um ato. Este foi o negócio real, e ela era gloriosa. “Eu liguei para Suzi, a esposa de Raul.” Ela se inclinou contra a escada.


Ele poderia jurar que ela deliberadamente arqueou as costas contra ela. Olhos pra frente, Matthews. "Quem é essa?" “Ela é uma agente imobiliária. A casa vai à venda na sextafeira. Eles estão tirando fotos amanhã. Mas esta uma bagunça. Eu já vi shows de melhorias em casa suficientes para perceber que eu poderia conseguir mais para o lugar se eu arrumar tudo. Eu estou fazendo o que posso. Eu fiz uma lista de todas as coisas que eu poderia fazer no meu orçamento. Se eu tiver tempo, posso ver se consigo pintar a sala de estar.” "E quando você vai me pedir ajuda, bolinho doce?" Ele colocou um dedo sob o queixo e forçou-a a olhar para cima. "Por que eu deveria? Nós não somos... você sabe...” Ah sim, ele estava bem ciente. “Amantes? Amigos? Não significa que não me importo, não significa que não possa ajudar.” Drea saiu do alcance. “Você tem o suficiente com sua mãe. Como ela está a propósito?” Ele permitiu a mudança de assunto. “Não há progresso real, mas os ferimentos dela estão se curando, então ela pode ser transferida para um local de reabilitação em breve.” "Isso é bom. Como vai você, Brody?” Ele esfregou a mão ao longo do lado de sua cabeça, notando quando os olhos dela se fixaram na tatuagem em seu bíceps. Talvez estivesse lutando sujo, mas ele flexionou o braço de qualquer maneira. "Eu estaria melhor se você me pedisse para ajudá-la." "Eu acho que não estou acostumada a ter ajuda", ela murmurou. "Desculpe", disse ele, e avançou até polegadas separarem seus corpos, corpos que se conheciam intimamente e


responderam instintivamente. "O que é que foi isso? Eu não entendi bem.” Drea o bateu com a mão, os cantos dos lábios se transformando em um sorriso. O calor ainda estava lá, e ela sentiu isso tão fortemente quanto ele, ele poderia dizer "Eu disse que você é um idiota de qualidade." "Sim, bem, eu sou o seu idiota”. Ele estremeceu com o uso acidental do seu. “Eu tenho um caminhão e braços fortes e nem vamos falar de um cartão de crédito pra ajudar no que for necessário bolinho doce” “Não, eu ainda te devo pelo meu carro. Eu não estou ta...” "Sim você esta. Vou guardar recibos se quiser. Você pode me pagar de volta se isso te faz sentir melhor. Aceito dinheiro, todos os principais cartões de crédito e boquetes. Eu gosto do jeito que você fica chupando aquele canudo, querida.” "Pare." Ela esbofeteou seu estômago e riu. "Você não pode dizer isso para mim." "Sim. Eu posso." "Obrigado, Brody.” "Seja bem-vinda, Querida” Passaram pela casa, quarto por quarto, e fizeram uma lista do que precisariam. Cujo ligou para Trent para lhe falar que não iria, e colocou o telefone no balcão. Ela estava sentada em uma das banquetas terminando seu smoothie. "Você tomou café da manhã?" Drea balançou a cabeça. "Só queria começar." "Bem, eu necessito de Comida. Você tem ovo?"


Cujo abriu a geladeira. Perfeito. Ele pegou alguns outros ingredientes que ele poderia usar, alguns tomates e queijo. "Pão?" Drea apontou para o armário atrás dele. As omeletes e torradas foram feitos e comidos rapidamente. Drea colocara um bule de café mais cedo, e a combinação de comida e cafeína estava tendo um efeito positivo em sua disposição mental. "Por que você não falou comigo?" Incomodava-lhe que tudo isso estivesse acontecendo em sua cabeça, e ela não tivesse dito uma palavra. "Eu não sei. Depois daquela noite com sua mãe e o quarto de Henderson e depois conversando com você, voltei para casa e dormi por dezoito horas. Sim. Porra Carter. "Eu sei, eu estava chegando ao café pra falar com você então te vi sair com Carter” "Eu sei que você viu. Mas foi tudo coincidência. Ele veio para obter uma declaração sobre a identificação de sua mãe e, por acaso, eu estava deixando José, então ele me trouxe para casa.” A tensão diminuiu um pouco na admissão. "Então, por que você está vendendo?" “Os pagamentos da hipoteca são terríveis. Estou pagando muito dinheiro para um lugar que eu não quero ter” Ele estava pronto para oferecer o próximo passo? Sim. Ele estava. Ela estava pronta para pegar? "Se você ficar no vermelho, você pode sempre morar comigo." Ele colocou o braço ao redor dela, pronto para a rejeição, mas Drea descansou a cabeça em seu ombro e suspirou.


"Eu não tenho certeza se isso é inteligente, e eu realmente quero tentar ficar sozinha, mas seria ótimo se eu ficasse no vermelho." Isso fazia sentido. Ela precisava experimentar a liberdade. Mas ele a encorajaria a alugar em algum lugar perto, para conseguir uma cama grande o suficiente para ele dormir, e para ele visitar em pernoites regulares. Uma vez ele a convencer a dar-lhes outra chance. Obviamente. Alguém bateu na porta e Drea deu um pulo. Cujo olhou para o celular, o timing foi perfeito. “Ouvi dizer que precisava de alguma ajuda.” Trent entrou na cozinha carregando uma bandeja de doces. “Harper enviou estes para os trabalhadores, disse que vem direto depois do trabalho.” Lia carregou algumas latas de tinta. "Eu vou precisar pegar uns moletons emprestados", ela disse olhando para a saia apertada que usava. "Já faz muito tempo desde que eu vi você." Ela abraçou Drea firmemente. Pixie saltou carregando sacos de plástico com um logotipo da loja de ferragens local neles. “Isso é muito melhor do que ficar presa no estúdio todo dia.” “Você fechou o estúdio?” Drea perguntou. Pixie colocou os sacos no chão. "Tecnicamente não, porque ainda não tínhamos aberto." Dred entrou e deixou cair alguns lonas gigantes de plástico no chão da sala de jantar. "Ei, Drea, obrigado por me dar um lugar para sair do meu quarto de hotel", disse ele, abraçando-a. "Eu não tinha idéia de que você estava na cidade", ela sufocou. "Sim, bem, precisava de uma mudança de cenário."


Cujo pegou o jeito que ele olhou para Pix quando ele disse isso. Desgraçado. Alguém mais bateu na porta. "Brody, filho, venha me dar uma mão com as ferramentas do caminhão." Cujo começou a seguir seu pai para fora, mas Trent lhe deu um tapa no ombro: “Parece que sua garota precisa mais de você do que seu pai. Eu vou lidar com as ferramentas.” Drea ainda estava de pé junto à porta aberta. "Você fez isso?" "Se eu disser sim, você vai me deixar manter meu único testículo ou você vai me chutar nele?" "Você é um bom homem, Brody Matthews." Ele esfregou o polegar sobre a costura de seus lábios, abaixou a cabeça e beijou-a rapidamente. Por um momento, ele fingiu que não havia uma casa cheia de pessoas ao seu redor. Que eram apenas os dois. Ainda juntos.

*

*

*

A casa não parecia mais a mesma. Dez horas de trabalho duro de seus amigas revelaram uma boa casa de família. "Não tenho certeza se meus joelhos vão me perdoar", Lia disse movendo a almofada que estava usando para se ajoelhar em alguns centímetros ao longo do chão. Ela mergulhou o pincel na tinta branca e continuou ao longo dos rodapés.


Drea colocou uma lata de refrigerante diet no chão ao lado dela. "Parece tão brilhante e novo." Pixie estava revirando as paredes em bege quente, o pai de Cujo aparecendo à sua frente. Ela saiu pela porta da frente, que estava escancarada como estivera o dia todo desde que Eric pintara uma coisa bem vermelha naquela manhã. Sacos de estacas do quintal estavam empilhados no meiofio. Galhos de árvores quebrados, serrados em pequenos pedaços e amarrados com barbante, estavam no chão ao lado deles. Ela olhou a placa de “A venda” que suzy tinha colocado “Connor”, ela entregou-lhe uma SODA “Você trabalhou milagres aqui.” Ela ohou para o quintal olhou perfeitamente limpo. "Não posso levar todo o crédito, Devon está compensando o tempo perdido." Eles olharam para onde Devon estava trabalhando. "Devon. Pegue. Ela jogou a garrafa de água que ele pediu diretamente para ela. Eric e Dred subiram duas escadas diferentes instalando uma nova calha ao longo da frente da casa. Devon trouxe a segunda escada quando ele chegou. Drea andou pelos fundos. Novos painéis substituíram os danificados. Tal como no jardim da frente, o lixo do quintal foi empilhado em sacos. Cujo e Trent lutaram com uma árvore que cortaram em um toco. Ambos estavam sem camisa e estavam forçando pás na terra dura para cortar a raiz. "Esmagador, não é?" Harper ficou ao lado dela. "O nível do testosterona?" Ela olhou para Harper e riu. “Bem, sim, obviamente... mas estava falando... ter uma família grande.”


Drea assentiu, as lágrimas ardendo em seus olhos. Harper envolveu seus braços ao redor dela. Um testemunho enorme de até onde Harper tinha vindo da mulher abusada e com cicatrizes que tinha sido dois anos antes. “Sinto muito, Drea. Eu nunca percebi o quão duras as coisas eram para você. Muito presa na minha própria merda." “Você não tem nada para se desculpar. Eu realmente não queria que ninguém soubesse o quão ruim as coisas tinha se tornado.” “E você estava claramente lidando com suas próprias coisas. Eu queria estar lá para você. Ainda assim, eu poderia ter ajudado mais. Eu me sinto como uma amiga de merda” “Você sabe os meus pais nunca me quiseram, eles sempre me mandaram ficar no meu quarto, muitas vezes eu saía para a escola e ninguém notava, eu faria minhas próprias refeições.” Ela pensou em seu primeiro dia de escola quando implorou a Sra. Hernandes para ajudá-la a atravessar a rua. “Oh, Drea. Nenhuma criança deveria ter que passar por isso.” “Eu assisti outros pais levar seus filhos na escola, beijarlos no portão.” Drea tomou uma respiração profunda. "Acabei a me acostumar a fazer tudo sozinha. O ironia", Drea continuou, “Quando meu pai saiu as coisas ficaram piores minha mãe contava tudo sobre mim depois veio a sua doença e não eu podia fazer mais nada além de ficar ao lado dela” “Por que você não foi embora?” Harper se apoiou no poste no topo da escada. "Quero dizer, quando você tinha idade suficiente."


“Eu acho que esperava que cuidar dela mudasse de alguma forma o nosso relacionamento. Talvez ela me desse valor, mesmo que não pudesse me amar.” "Você percebe que nada disso é realmente sua culpa?" Harper se inclinou para frente, seus olhos verdes se estreitaram. “Como você cresceu foi culpa de seus pais e suas coisas. Nenhuma parte de você estava faltando de alguma forma.” Palavras de Harper retorciam seu caminho através da construção que ela havia construído em sua cabeça. Não foi ela. Foram eles. “Estou começando a perceber que não há problema em pedir ajuda. É uma loucura quando todo mundo está aqui”. Cujo chamou sua atenção. Ele disse alguma coisa para Trent, que parou de cavar. “As pessoas se importam com você. E pelo que vale a pena, acho que ele faria qualquer coisa por você”. Harper deu uma risadinha. "Deus, eles parecem quentes sem suas camisas." “Eles poderiam fazer um calendário ou algo assim. Eu compraria.” “Vendo algo que gosta Baby?" Cujo a pegou do degrau. "Urgh, saia de mim... você cheira nojento." Cujo riu e levou-a para sua pickup e colocou-a na porta traseira aberta. Cujo se acomodou entre as pernas dela. "Vamos querida, você ama quando estou todo quente e suado" Seus olhos caíram para seus seios. “T-shirt bonita, querida, é uma bela vista”. Drea balançou a cabeça. "Você é louco."


Ele cercou sua cintura, em seguida, puxou-a contra ele, abraçando-a perto. Ela se inclinou para ele, descansando a cabeça no ombro dele, e se concentrou em resistir ao impulso de beijar seu pescoço. "Eu ouvi você falando com Harper", disse ele, acariciando-a de volta em círculos largos. "Eu já te disse o quanto estou orgulhoso de você?" “Por que você ficaria orgulhoso de mim? Eu te magoei. Eu me machuquei.” “Esse é apenas um momento da nossa história. Não vai nos definir. Estou orgulhoso de você porque você perseverou. Eu nunca poderia ter feito isso sozinho como você fez.” “Eu estava uma bagunça, Brody. Eu sou uma bagunça, mas estou trabalhando nisso. Eu comecei a ver um terapeuta há alguns dias.” Marlene tem sido maravilhosa, e mesmo que fosse apenas a primeira sessão, ela saiu se sentindo melhor e mais positiva sobre o futuro. “Veja, motivo duzentos e setenta e dois do por que eu estou orgulhoso de você.” Drea se afastou e olhou para ele. Ela estudou a barba que enfeita seu queixo, o conjunto de seus ombros, o modo como ele lambeu seu lábio inferior. Ela deixou seus olhos por último. A honestidade neles era de tirar o fôlego. "Eu senti sua falta, Brody", ela sussurrou. Cujo passou a mão na nuca e apoiou a testa na dela. Ela podia sentir a restrição no conjunto de seus braços. Ele queria mais, mas nunca a forçaria. Drea virou o rosto para cima e roçou os lábios contra os dele. Cujo engasgou, mas não respondeu. Ela tentou novamente, suavemente passando a língua ao longo da costura de seus lábios, e eles abriram suavemente.


"Beije-me, Brody." "Tenha certeza", ele gemeu. "Eu tenho certeza", ela engasgou quando ele a puxou para o final do caminhão e pressionou firmemente contra ela. Nada poderia tê-la preparado para o ataque. As mãos de Cujo estavam em seus cabelos, depois para cima e para baixo, antes de agarrar seus quadris. Sua língua lutou contra sua boca enquanto ele a devorava. Ele empurrou-a de volta para a cama do caminhão e ela envolveu as pernas ao redor de sua cintura. Talvez seus amigos pudessem ver. Definitivamente a intrometida Sra. Hernandes, que provavelmente estava em sua varanda agora dizendo uma Ave Maria para a alma de Drea, mas Drea não dava a mínima. Ela caiu no beijo e pegou tudo que Cujo estava disposto a dar a ela. "Porra, Drea, eu senti sua falta também", disse ele sem fôlego, descansando a cabeça em seu ombro. Envolvendo seus braços ao redor dele, ela saboreou o calor e a segurança que ele lhe dava. "Por favor, me diga que não foi um erro", disse ele. “Não foi, mas não acho que vou ser a mesma pessoa no final da terapia. E se você se sentir diferente também? O terapeuta disse que trabalhar com tudo isso pode levar meses.” “Drea, eu amo quem você era antes. Eu amo quem você é agora. Eu vou te amar daqui a dez anos. Espero que você não seja a mesma, porque significa que crescemos. Eu só quero ser aquele que consegue fazer isso com você.” “Oh, Brody. Eu te amo. Isso foi lindo.” “Não, você é.”


Drea olhou para ele. "Você vai ir com calma sobre mim, Brody?" Cujo encolheu os ombros, um sorriso travesso no rosto. “Talvez, querida. Mas eu posso ficar duro novamente em cerca de trinta segundos, se você me deixar ficar olhando para essa camiseta.”

*

*

*

Cujo saiu do carro, contornou o táxi e abriu a porta de Drea. O olhar chocado em seu rosto valeu a pena o planejamento de última hora e a viagem de duas horas. Suas únicas instruções: arrumar a mala, vestir-se confortavelmente e usar sapatos para caminhar. Ela escolheu calças de ioga, o que tornava incrivelmente difícil manter as mãos longe da bunda dela, e um suéter cinza suave que mais parecia um cobertor. Palmas altas diminuíam a cabana verde. Uma leve brisa soprava entre os arbustos curtos e gramados protegendo a propriedade, ele estava seguindo a regra da Drea de tomar as coisas mais lentas, ele até entendeu suas reservas. Quando Drea tinha mencionado que ela precisava estar fora da casa para algum corretor de imóveis fazer as visitas, ele veio com a idéia de surpreenderlhe com uma viagem. Com a ajuda de José, ele tinha reservado o horário de Drea off sem ela ter conhecimento. Momentaneamente sem palavras, os olhos de Drea voaram dele para a aconchegante varanda da cabana, com duas cadeiras de madeira maciça, perfeitas para uma noite preguiçosa com um copo ou dois do vinho que ele havia colocado no caminhão. O chalé era perfeito para fotos, até mesmo para as lindas flores


cor-de-rosa com gavinhas verdes ao redor dos pilares da varanda. O tempo cooperou. Com um céu claro, uma brisa leve e uma temperatura de cerca de trinta graus, era o dia perfeito para levá-la para a água ou fazer uma caminhada. "Estamos ficando aqui?" "Sim, senhora." Cujo se moveu para trás dela, deslizando as mãos ao redor de sua cintura, puxando-a com força contra ele. “Apenas duas noites. Voltaremos cedo na manhã de sextafeira para o trabalho.” "Realmente, dois dias inteiros de não fazer nada?" Ele estava pensando em como, apesar de toda a loucura, os dois eram realmente bons. Isso e o fato de ele não estar pronto para conversar com sua mãe. "Mmm-hmm", ele murmurou, acariciando o lado de seu pescoço. Morangos Porra, ela o fez ter todos os tipos de fome. A mão dele subiu até o peito, roçou a parte de baixo da blusa fina com os dedos e provocou o mamilo com o polegar. Ela se mexeu, esfregando contra sua ereção. "Continue assim, querida, e nós nunca vamos ver o exterior deste lugar." Cristo, ele queria ela tanto. Com sua teoria do sexo como uma forma de mascarar suas emoções. Eles não tiveram muito mais do que alguns gravemente pesada beijos e vagando mãos desde que eles voltaram, mas ele planejou para mudar isso esta noite. "Isso seria tão ruim?" “Não, mas a antecipação é uma coisa maravilhosa, bolinho doce”


Ele agarrou seus quadris, em seguida, mudou sua bunda tentadora a poucos centímetros de distância de seu zíper que atualmente estava imprimindo marcas de dentes de metal em seu pau. Ela olhou para ele através daqueles longos cílios que roçavam sua bochecha enquanto ela dormia. "Depois de hoje, você estará andando por aí nua" Cujo piscou. "Mas até então... eu tenho algo para você.” Ele chegou dentro da cama do caminhão e descarregou suas malas, um refrigerador e, finalmente, uma caixa de suprimentos, que ele colocou a seus pés. "O que é tudo isso?" Ela roçou a caixa extra-grande de preservativos, examinou o conjunto de tintas corporais comestíveis. “Eu tenho planos, muitos planos. Isso é, a menos que você não queira”. Ele pegou a tinta dela, colocou-a de volta na caixa e agarrou seus pulsos. “Nós podemos fazer tudo ou nada enquanto estamos aqui. Eu só queria que você fosse capaz de relaxar e se divertir.” Drea colocou a testa no peito de Cujo. "Obrigado, Brody." Ele pressionou um beijo no topo de sua cabeça. "De nada, querida” Depois de explorar ao redor quando eles voltaram para a cabana, Cujo preparou o jantar e encorajou Drea a tomar um longo banho. Ela emergiu meia hora depois em minúsculos shorts brancos, com o cabelo com uma toalha ao redor dos ombros. Enquanto o macarrão era cozido e o molho fervia, ele pulou no chuveiro, tentado a aliviar a pressão em seu pênis, mas também determinado a esperar até que ele estivesse dentro de Drea, um pensamento que não fez nada para aliviar a dor.


Eles comeram em silêncio sociável, ouvindo a vida selvagem ao redor da cabana. Drea insistiu em limpar, e Cujo se sentou na cadeira no pátio. "Eu vou estar dolorida em todos os lugares amanhã." Drea saiu da casa para se juntar a ele. Ele amava o cabelo dela quando ela deixava secar naturalmente naquelas ondas sensuais. Ela sentou no colo dele e tomou um gole de vinho tinto do copo que ele estava segurando. Seu dedo traçou sua nova tatuagem. "Eu já te disse o quanto eu amo isso?" "Pelo menos vinte vezes." "Sim, bem eu faço." “Eu admiro você." Ele levantou o queixo dela assim ela estava olhando pra ele. Ele beijou seus lábios rapidamente. "Eu tenho uma ideia", disse ele, esfregando as costas suavemente. "O que é isso?" "Eu quero pintar você." Seus lábios se curvaram contra o peito dele. "Literalmente?" "Eu quero que você seja minha tela." Ele se inclinou para baixo em seu ouvido, mordendo o lóbulo suavemente. Ela estremeceu ao toque dele. “Também posso pintar você?” Ele esperava que ela encontrasse utilidade para o xarope de chocolate; seu pau estava de pé em atenção ao pensamento. Ele ficou com ela embalada em seus braços. "Espero que sim."


*

*

*

A suave luz das velas tremeluzia contra as paredes. Cujo estava ocupado enquanto ela estava no banheiro, A cabana estava isolada, mas ele fechou as cortinas para garantir sua privacidade. Um lençol da cama de Cujo havia substituído o edredom, que agora estava dobrado em cima de uma poltrona. Na mesa lateral havia uma série de suprimentos: tinta para o corpo, potes de glitter comestível, canetas e pincéis. Diferentes tons de marrom, dourado e branco, principalmente chocolate ou caramelo. Drea estremeceu de excitação ao pensar em se tornar uma sobremesa sexy. Cujo tocou a bainha de sua camiseta, seus dedos roçando a pele de seu estômago, logo acima do jeans que ela usava. Ele levantou a camisa sobre a cabeça e jogou no canto. "Quando você quiser que eu pare, apenas me diga, ok?" Seus lábios roçaram os dela, colocando seu corpo em chamas. O leve arrepio de excitação se tornou uma corrida explosiva. Sua língua empurrou em sua boca suavemente, uma promessa do que estava por vir, e Drea teve que apertar suas coxas juntas no pensamento. Cujo riu e soltou o sutiã, removendo-o com facilidade. Seus seios estavam pesados em antecipação ao seu toque. Seus dedos acariciaram sua pele, alimentando as chamas profundamente dentro dela. A cama rangeu quando ele se sentou sobre ela, virando-a para que ele pudesse remover o jeans e a calcinha que ela usava. Ele se levantou, levantando-a, antes de baixá-la para a cama fria. Drea assistiu ele remover sua camisa, viu seu abdômen flexionar quando ele desabotoou o botão de seu jeans, soltando o zíper ligeiramente.


"Eu quero que você seja capaz de assistir", disse ele enquanto colocava um travesseiro extra sob sua cabeça. Ele posicionou seus braços para baixo, mas não tocando seus lados. Do fundo da cama, ele endireitou as pernas, colocando-as ligeiramente afastadas “Porra, Drea." Ele balançou a cabeça enquanto estudava o comprimento dela, um olhar de descrença nublando seus olhos azuis. "Eu não sei como acabei com tanta sorte." Drea tentou reprimir o nervosismo em seu estômago. "Não se mova", disse ele, agarrando a primeira das canetas de chocolate, um rico marrom escuro. A tinta era legal, mas não desagradável como ele aplicou na sua anca direita. Era impossível dizer o que as curvas arrebatadoras deveriam ser. Sua grande mão segurou seu quadril com força. Havia um ar de confiança sobre ele enquanto ele pintava com uma determinação silenciosa. A rendição tomou conta dela quando os nervos deram lugar a algo mais emocionante. O fio do pincel contra sua pele era o único ponto de contato, mas ela não poderia ter se sentido mais excitada. Ele estendeu a mão para trocar de caneta. Um tom mais claro desta vez para complementar as linhas escuras já desenhadas. "Beije-me", ela suspirou enquanto ele se movia para voltar ao seu lugar. Cujo sorriu para ela. "Com prazer, querida." Drea gemeu quando seus lábios tocaram os dela, seus dedos deslizando para baixo entre seus seios, ao longo de seu estômago, e finalmente entre suas pernas até que roçaram contra seu clitóris. "Tão molhada", ele murmurou contra seus lábios. Drea arqueou-se da cama. "Quieta querida você não quer estragar a minha obra-prima."


Ele voltou a trabalhar, aplicando camadas de detalhes semelhantes à tatuagem de henna que tia Celine tinha conseguido uma vez para o casamento de uma amiga. Drea fechou os olhos, seu corpo um barril de pólvora prestes a detonar. Cujo subiu seu corpo, os golpes pegando a parte de baixo de seu seio. "Eu amo o jeito que seu mamilo aperta quando eu faço isso", disse Cujo com voz rouca. “Eu quero chupa-los mais sei que se começar não vou parar até estar dentro de você” Ela abriu os olhos e viu seus brilhantes olhos azuis escurecerem com uma luxúria que ela podia sentir. "Por favor, faça", ela engasgou. Cujo sacudiu a cabeça. "Não até eu terminar." Drea queimava por seu toque. Sem pensar, ela abaixou a mão esquerda e cobriu o clitóris, pressionando o nó sensível. “Porra, Drea. Isso é tão quente, querida. Brinque com você enquanto eu termino isso.” Os golpes passaram por seu seio esquerdo, provocando seu mamilo enquanto ele pintava diretamente sobre ele. Drea levantou sua mão e ofereceu seus dedos revestidos de seu creme “Eu amo o seu gosto” Drea baixou o dedo, esfregou-o suavemente sobre o clitóris e empurrou-o entre a pele macia e úmida de seus lábios. Sugando uma respiração, ela deslizou para fora novamente, um passo lento e constante para trazer algum alívio.


Cujo gemeu e parou de pintar. Ele assistiu, de boca aberta, enquanto ela se tocava. Ele agarrou seu pulso, seguroua presa quando ele rodou sua língua em torno de seu dedo. “Eu quero te foder tão mal, eu poderia vir somente sentindo seu gosto querida.” Seu gemido atormentado a provocou. Ele soltou a mão dela. “Depressa, por favor.” As pinceladas aceleraram em toda sua pele enquanto ela aumentou o deslize de seu dedo em conjunto. “Depressa, Brody, estou tão perto,termine, por favor.” Ela pulou quando o dedo dele substituiu o dela, gemendo quando ele a esticou mais largo. Seu polegar circulou seu clitóris. Quando ele empurrou um segundo dedo dentro dela, ela atou os lençóis em seus punhos. Nada jamais se sentiu tão assustadoramente consumidor "Brody." Drea veio duro, apertando em torno dos dedos de Cujo, enquanto ela cavalgava seu orgasmo.

*

*

*

Sentir os tremores involuntários de Drea ao redor de seus dedos o levou direto ao limite. Seu pênis esticado em resposta ao seu orgasmo, desesperado para se juntar a ela. O jeito que ela se entregou tão livremente, tão apaixonadamente, foi a expressão mais perfeita de quem ela era. Mais do que tudo, ele queria rasgar o jeans e deslizar para dentro dela, mas ele reprimiu o desejo. Ele subiu na cama e passou os dedos molhados pelos lábios dela. Os olhos de Drea se fecharam quando ele a beijou,


compartilhando o momento incrivelmente erótico. Calafrios de prazer continuaram a consumi-la. Glitter ele pensou. A obra de arte precisava brilhar como ela fez. Segurando o recipiente acima dela, ele bateu nas laterais, encorajando as partículas de ouro a cair como folhas de outono em sua pele bronzeada. Moveu o lençol branco para cobrir as áreas mais íntimas e reposicionou o braço sobre o seio não pintado. Por mais que ele quisesse levá-la, ele queria ver se ela deixaria ele fazer isso primeiro. As asas da fênix mergulharam apenas sob a mão dela, mas ele sabia que ela não iria querer ser tão obviamente exibida. Sua cabeça girou em torno de seu mamilo esquerdo, escondendo-o completamente. "Você é linda, Drea." Ele a beijou, incapaz de resistir a esses doces lábios por um momento mais longo. “Eu quero tirar uma foto para você. Com o seu telefone. Você precisa se ver como eu vejo você.” Drea assentiu, uma faísca brilhante de desejo em seus olhos. "Eu confio em você." As palavras o fizeram sentir com milhão de metros de altura. Cujo ficou de pé, pegando seu telefone na mesa lateral. Demorou um momento para acertar o ângulo. Ele queria que a fotografia parecesse artística, não obscena, mas capturaria toda a glória erótica do momento. "Perfeito." Ele tirou a foto rapidamente, não querendo que ela perdesse o olhar recém-fodido em seu rosto. Cujo tirou a calça jeans e colocou um preservativo. Seu pênis doía, mas se ele os tirasse mais cedo, ele nunca teria terminado a pintura. Ele sentou na cama ao lado de Drea e mostrou-lhe a fotografia. Seu coração virou quando ela engasgou de surpresa.


"Meu Deus. É impressionante, Brody. Eu não tinha ideia de que você pudesse fazer isso.” Tê-la apreciando sua arte significava tudo. “É a tela, querida. Você é a única que é impressionante.” Ela desviou o olhar timidamente. Que porra... ela não acredita em mim. "Venha aqui", disse ele em pé, oferecendo-lhe a mão. Quando ela se levantou, ele a levou para o espelho no canto. "O que você vê, Drea?" Ele sabia que sua voz soava rouca, mas, caramba, ela estava nua usando sua arte. "Eu vejo sua incrível obra de arte." "Eu não. Eu vejo você Drea. Eu vejo a bondade em seus olhos. Eu vejo mãos que trabalharam mais do que a maioria. Eu vejo aquela boca perfeita que quebrou meu coração e chupou meu pau. Eu vejo a curva de seu seio, e o o contorno sexy de seus quadris que me faz querer segurá-los e levá-lo por trás, onde estamos...” Ele deslizou um dedo dentro dela e viu seus olhos se arregalarem. Drea empurrou de volta contra ele, a sensação de pele na pele de tirar o fôlego. Delicadamente, ele a colocou na cama e se deitou ao lado dela. Hipnotizado pela maneira como o mamilo apertou sob o toque dele, ele chupou em sua boca, girando a tinta caramelo com o sabor único de Drea. Suas costas se arquearam na cama. Ele lambeu suas costelas, manchando tinta e brilho em seu próprio corpo, onde se moldou contra o dela. Ele rolou de costas. "Monte-me, Drea." Ele a ergueu em seus quadris, mantendo seu pênis firme enquanto Drea se abaixava sobre ele. "Oh Deus, Brody", ela gemeu. Ele amava o som de seu nome quando ela dizia assim. Rouco. Desesperado. Todo aquele longo


cabelo ondulado em cascata sobre os ombros, roçando a parte superior do seio. Sua obra de arte adornava seu belo corpo. E ela estava molhada de seu orgasmo. Ela era tudo, selvagem e macia. Ele lutou para se recompor, apegado à emoção disso. Ele desviou o olhar antes de se perder completamente. "Brody?" "Sim, querida", sua voz áspera. "Olhe para mim." Ele fez o que ela pediu apenas para ver Drea esfregar as mãos em ambos os seios, manchando a tinta e o brilho. Ele viu quando ela começou a se levantar de joelhos e descer de novo sobre ele, ofegando com o atrito que eles criaram. Ele agarrou os quadris dela, levantou-a um pouco mais alto e depois a puxou um pouco mais forte. Ele precisava dela com uma urgência que ele nunca sentiu antes. Se ele não a tivesse agora, isso o consumiria. "Por favor, Brody, eu..." Drea caiu para frente, as mãos descansando em ambos os lados da cabeça dele. Ele puxou o mamilo em sua boca, mordendo e provocando até que Drea gemesse de prazer. O calor ondulou sob sua pele enquanto ele lutava contra a necessidade de soltura. Seu pênis pulsou dolorosamente. Ele os virou, Drea agora debaixo dele. Ela envolveu as pernas ao redor de sua cintura enquanto ele mergulhou mais fundo, a pele deles colada. "Oh Deus, Brody, Eu estou vindo. Por favor. Venha comigo." Ele agarrou seus pulsos, puxou-os sobre a cabeça e beijou-a furiosamente. Ela ofegou quando começou a gozar, suas paredes ondulando ao redor dele.


Estrelas explodiram diante de seus olhos quando ele gozou dentro dela, a sensação mais poderosa que qualquer coisa que ele já conhecera. Um sentimento que ele sabia que só poderia experimentar com ela.


DEZENOVE "Lembre-me de não entrar no chuveiro com você novamente." Drea entrou na pequena cozinha enquanto passava um pente no cabelo dela. Cujo sorriu e serviu-lhe um copo do Zinfandel vermelho da garrafa que trouxera consigo. "Ei. Não é minha culpa que você pareça tão apetitosa usando água quente e sabão. Ela bocejou e tirou o celular do bolso do casaco. Uma da manhã. Ela virou para a foto que ele tinha tirado. Ela pareceu muito confiante, corada com excitação. Foi realmente como ele viu ela? "Eu não posso nem olhar para ela sem ficar ligado", disse Cujo, olhando por cima do ombro. "Legal, soldado", ela riu, pulando em um dos bancos do bar do café da manhã. “Eu quero levar você para fazer paddleboarding ao nascer do sol amanhã. Eu tenho pranchas. Eu sei que é um número ridiculamente pequeno de horas de distância, mas eu pensei que você poderia adicioná-lo à sua lista de hobbies para tentar. Eu te trouxe isso.” Ele colocou a bolsa listrada rosa e branca na frente dela. “Tenho que ser honesto, Harper me ajudou a escolher, os gostos dos homens não são confiáveis. Achei que você se sentiria um pouco mais confortável em algo um pouco menos… você sabe… já que é a primeira vez. Se estiver frio, você sempre pode


usar um capuz. Estamos ficando em águas rasas, então você ficará bem.” A linda peça em verde era perfeita. "Obrigado, Brody." Ela se levantou e beijou-o em sua bochecha. O canto de sua boca se levantou em um sorriso caloroso. “Obrigado por tornar isso tão especial, Brody. Eu sinto que tive uma semana de descanso, não um dia.” Ele sentou-se, em seguida, atingido através da pequena mesa e pegou a mão dela. “O prazer é meu, Eu quis dizer o que eu disse no outro dia você sabe. Sem todas as outras coisas, você e eu somos bons.” Drea deixou a cabeça descansar no encosto da cadeira. “Me desculpe, eu continuo esquecendo isso.” Eles se sentaram em silêncio, saboreando o momento. Seu polegar esfregou círculos sobre os nós dos dedos. "Estou preocupada que vou fazer minhas próximas escolhas baseadas em você e em mim", Drea disse calmamente. Ele estava invadindo seus pensamentos naqueles momentos de manhã cedo entre o sono e estar acordado. "De que maneira?" Ela o ouviu embaralhar em sua cadeira, sabendo que ele se virou para olhar para ela, e relutantemente abriu os olhos. O medo estava atado dentro dela. Ela considerou suas escolhas de palavras cuidadosamente. “Eu não trabalho em um café porque não sou inteligente o suficiente para fazer qualquer outra coisa. Eu simplesmente não conseguia estudar enquanto mantinha um emprego de meio período e ajudava minha mãe. Eu não considerava a faculdade porque sabia que cresceria e ficaria ressentida por não estar lá.”


Cujo beijou seus dedos, então segurou sua mão com força. “Eu posso ver isso, querida. A maneira como você faz sentido em todos esses relatórios ambientais me impressiona, E a maneira como você conectou os pontos que levaram a Gilliam e, finalmente, a Don. Eu quis dizer o que eu disse depois do funeral", disse ele. "Qual parte?" “Quando eu disse que iria com você. Você não precisa se preocupar com a localização.” “Mas você tem tudo aqui. Seus irmãos, sobrinhas, Trent, o estúdio, a garagem. Por que você quer ir comigo depois de tão pouco tempo?” “Não é tão pouco assim. Nós nos conhecemos há quase seis meses. E todos que você mencionou, eles ainda estariam aqui quando eu voltar para visitar. E nós poderíamos ligar em vídeo. Nós descobriríamos...” “Porra”, Ela era uma pessoa má. Primeiro ela teve que matar a mãe para sair da vida que tinha. Agora Cujo estava falando sobre desistir de tudo o que ele amava para poder segui-la enquanto ela o fazia. "Eu não posso pedir para você fazer isso." “Não, você não pode. Mas eu posso oferecer. Eu não estaria seguindo você como um filhote de cachorro apaixonado. Nós tomaríamos uma decisão como um casal para nos mudarmos. Eu tomaria uma decisão para apoiá-la enquanto você faz isso. A escolha de como ganho eu dinheiro é minha.” Houve mais embora. Deixando tia Celine e Milo, a única família que ela tinha, iria esmagá-la. E Harper, sua irmã em todos os aspectos que importavam. “Não fique tão preocupada, querida. Não precisa ser uma decisão pesada, e não temos que escolher hoje. Podemos colocar


a conversa em um padrão de espera e saberemos quando ela precisa chegar à terra.” Cujo bebeu o último gole do seu vinho. "Levante-se", ele instruiu. Ele emoldurou o rosto dela com as duas mãos. "Nós podemos trabalhar em qualquer coisa, certo?" Qualquer dúvida persistente foi lavada. Através de suas palavras e ações, ela sabia que ele estava lá por ela. "Certo", ela respondeu com um aceno de cabeça. “E essa conversa não te compromete com nada. Ok?” “Ok, mas o mesmo vale para você.” "Bem, eu estava falando sério sobre toda a coisa em movimento, mas não tínhamos discutido o que você teria que fazer por mim na cama se você aceitasse minha oferta." Drea balançou a cabeça e se inclinou para frente em seu peito. “Tudo bem, bolinho doce. Vamos para a cama” Era outra hora depois dele a deixar adormecer.

*

*

*

Paddleboarding foi mais fácil do que ela imaginava. O medo de cair foi um grande motivador. Mesmo com três horas de sono, o nascer do sol tinha sido espetacular, uma mistura de laranjas e rosas cintilantes. Cujo puxando suas pranchas juntas para que elas pudessem se beijar, perfeito. Drea mudou de posição ligeiramente, como Cujo havia lhe ensinado. Ela o seguiu até uma área de praia estreita. "Isso foi muito mais divertido do que eu esperava." Ela realmente quis dizer isso. "Você fez muito bem", ele disse, ajudando-a a sair da prancha.


Uma vez na pickup, ela vestiu uma calça de corrida, saboreando o calor imediato de seu forro de lã. Cujo fez o mesmo e logo chegaram ao carro e voltavam para o chalé. Ele entrou no que parecia um restaurante abandonado ao lado de um posto de gasolina. "Não julgue." Cujo desligou o motor. "Melhor pilha de panquecas de mirtilo que você pode comer." Cujo a ajudou a descer e colocou uma mão nas costas dela. Eles entraram. “Ei, Barb. Como vai você? Como está o Hank?” “Estamos bem, querido. Hank está na churrasqueira, como sempre. Vou mandá-lo sair” Barb conduziu-os até uma cabine perto da janela da frente, os bancos rasgados em alguns lugares, o vinil vermelho e branco sobre a mesa descascando nos cantos, mas impecavelmente limpo. Cujo brincou com os dedos do outro lado da mesa. Seu cabelo loiro enredado pelo vento estava por todo o lugar. Quando a comida chegou, a quantia em seu prato poderia ter servido uma família de quatro pessoas. Havia vários pedaços enormes de pão branco fresco com uma deliciosa crosta canela doce e crocante. "Oh meu Deus", ela gemeu, fechando os olhos. “Isso é tão bom.” “Eu te disse.” “Eu nunca vou poder comer tudo isso. É como dois dias de comida em um prato.” Eles estavam saindo mais tarde do estacionamento quando um sedan prateado indefinido puxou ao redor do lugar. Tinha um daqueles adesivos irritantes, aqueles que se gabavam de ter um filho em Harvard.


"Que idiota", disse Cujo. “Puta merda. Isso é Marty Jacobs,” Drea disse ao mesmo tempo. Cujo deu uma olhada para o carro. “O governador? Ele estava sozinho?" "Sim". Drea olhou para trás. “Não há outros carros com ele. Eu não tenho ideia se o governador recebe um detalhe de segurança. Você?" "Não faço ideia, mas meu palpite seria sim", respondeu Cujo. "Então, o que ele está fazendo no meio do nada, semanas antes da eleição?" “ Ele provavelmente tem eleitores para conversar e bebês para beijar… mas com tudo o mais que está acontecendo, eu sinceramente não sei.” “Fique atrás dele, Cujo. Vamos ver aonde ele vai.” "Sério?" Ele perguntou, enquanto colocava o pé no chão de qualquer maneira. "Eu queria voltar para a cabana e ver se a sua ideia de uma soneca e a minha são as mesmas." "Siga o governador e eu vou ter certeza de que eles estão", respondeu Drea, pegando o telefone e tirando uma foto. "Sua ideia de um cochilo tem você de quatro enquanto eu..." "Foco." Ela riu, esfregando a mão sobre a protuberância em seu jeans. Ela inclinou-se e sussurrou em seu ouvido. “Se você continuar seguindo ele, você pode me levar do jeito que você quiser.” “Foda-se.” Cujo se contorceu em seu assento. "Vamos esperar que ele pare logo antes do meu pau explodir."


Eles o seguiram por mais uma milha até que ele entrou no estacionamento de um antigo centro de informações. Cujo seguiu, estacionando em uma área abrigada onde eles ainda podiam ver o carro do governador. "Desça do seu lugar", Drea disse. “Por quê?" "Apenas faça isso." Ela bateu no braço dele. "Pelo amor de... tudo bem." Cujo deslizou para baixo. “Isso é ridículo. Você entende isso, certo?” Drea tirou outra foto. "O que você está fazendo?", Perguntou Cujo. “Evidência". "De que, ele estacionando seu carro?" "Eu não sei." Zero segurança. Carro velho de baixa qualidade. Localização isolada. Algo não se somava. Um preto Lincoln Navigator virou na esquina e Drea imediatamente o reconheceu. “Ele é a segurança, fora de Henderson na semana passada.” "Espere", Cujo sussurrou. "Quando você levou o serviço de quarto para eles?" Droga. Ela não contou a ele. O segurança entregou a Jacobs um envelope marrom. Ele abriu, folheando o conteúdo. Dinheiro? Documentos? Eles estavam muito longe para ver. Drea tirou mais fotos. O segurança se virou, protegendo os olhos cobertos de óculos de sol. Cujo puxou a mão para baixo. "O sol deve estar refletindo sobre isso", disse ele.


Agora caminhando em direção a eles, ele gesticulou para o governador voltar ao seu carro. "Foda-se." Cujo sentou-se. Acelerou a pickup, enviando cascalho cuspindo atrás deles enquanto ele caminhava para a estrada. Ele olhou de volta no espelho retrovisor. "Ele pode ter pego as placas." "Ah Merda." "Sim. Que tipo de problemas tem você nos colocou agora Velma?”

*

*

*

Cujo carregou o último de seus pertences no carro, Drea estava lá dentro, enviando as fotografias do governador para o detetive Carter. Eles decidiram que o compartilhamento excessivo a ponto de parecer paranóico era melhor do que manter as informações de volta que podem ser de ajuda para o caso. Ele se aproximou dela e passou os braços em volta da cintura dela. "Eu vou sentir falta deste lugar", disse ele antes de beijar o lado de seu pescoço. Ela cheirava tão bem, e ele pensou em mais nessa manhã quando eles quase quebraram o pequeno chuveiro, mas quem sabia que as pernas de Drea eram tão flexíveis. Ela se recostou contra ele, colocando as mãos sobre as dele. "Eu também. Foi bom para nós.” Ela se virou em seus braços, levantou-se na ponta dos pés e beijou-o rapidamente. Um sorriso tão vibrante que contagiava suas feições. A excitação de um futuro com esta mulher varreuo.


"Obrigado por organizar isso", disse ela. Ele a beijou novamente, assim que grandes gotas de chuva começaram a atingi-los. Ela se mexeu contra ele, mas ele a segurou lá, seus lábios firmemente fechados juntos. A chuva começou a cair mais forte. Drea guinchou e se afastou, olhando para o céu. Cujo riu, pegou a mão dela e correu para o carro. O som dos risos de Drea encheu o carro quando ela tirou a camiseta molhada do peito. Era impossível imaginar qualquer outra mulher enchendo sua vida com esse tipo de música. "Eu te amo, Drea." Ele se inclinou e roçou os lábios contra os dela. "Eu também te amo, Brody", ela sussurrou. Sim. Nós somos melhores que fodidamente bem. Ele ligou o carro e dirigiu em direção a rodovia. “A ideia de voltar ao mundo real é uma droga,” Drea disse, virando-se na cadeira para encará-lo. "Sim. Preciso ir ver a mãe” “Eu acho que gostaria de ir vê-la novamente, se você não se importasse. Quero dizer, não sei se ela vai querer me ver, mas se ela quiser...” Suas palavras eram confusas. "Por que ela não iria querer ver você?" “Porque eu não ajudei. Porque é minha culpa ela estar lá. Mas gostaria de me desculpar se puder.” “Drea, você precisa superar isso. Não há absolutamente nada que você poderia ter feito contra dois homens armados. Exceto, talvez, se matar.”


Ele ouviu Drea suspirar e viu o jeito que ela mordeu o lado do dedo. Ele estendeu a mão e segurou a mão dela. "Estou falando sério. Ela está aliviada por você persistir em tentar descobrir quem ela era.” "Espero que seja verdade." Ele estendeu a mão e apertou sua coxa. "E é. E não se preocupe, Carter fez questão de dizer o quanto você tentou resolver o caso.” Drea riu. "Muito ciumento?" "Sim. Sem piedade, ciumento quando se trata da minha namorada sexy e de um cara bonito de uniforme.” Drea deu um tapinha na mão dele. “Ele não é você, Brody. Você sabe disso, certo?” Ele levou a mão aos lábios e beijou as costas dela. "Não o impede de tentar ser, Drea, mas sim, eu sei." Drea riu quando eles partiram para a cidade. Seu telefone tocou. Foi Devon. “Ei, mano. Tudo bem?" “Você precisa ir ao hospital” .Ao fundo, ele ouviu uma porta bater e o motor de um carro ligar. Cujo pressionou o pé no chão. "O que aconteceu?" "É mamãe", respondeu Devon. "Ela recuperou a memória."


VINTE "Por que não podemos entrar e vê-la?" Alec olhou para o Dr. Jaffrey. “Apenas nos dê mais alguns minutos. Sua esposa está tendo dificuldade em se adaptar à situação. Isso não é incomum, mas as circunstâncias familiares neste caso estão aumentando seu estresse. Nós lhe oferecemos um sedativo, mas ela se recusa a aceitar até ver todos vocês.” Cujo se concentrou nos ladrilhos do chão, respirou fundo e esperou por um sinal de que a bílis subindo em seu estômago não ia sair por todo o chão. Drea esfregou pequenos círculos nas costas e começou a contá-los. Sabendo que ela estava lá ajudou. "Quanto tempo podemos ficar com ela?" Devon perguntou. Elisa envolveu seus braços ao redor de sua cintura enquanto sua voz rachava. “Só um pouco. Se seus níveis de aflição se elevarem, pediremos que você saia.” A distância da sala de espera até o quarto de sua mãe parecia uma milha de quilômetros; a espera de dez minutos parecia dias. Cujo agarrou a mão de Drea. "Rapazes", disse Alec ao chegarem ao quarto de Evelyn. "Acho melhor que apenas nós três entremos. Connor pode se juntar a nós quando ele chegar aqui. Isso pode ser demais para sua mãe.”


Cujo queria discutir. Ele não tinha certeza se poderia dar o passo final através do limiar da sala sem aproveitar a força que Drea estava dando a ele simplesmente de pé ao seu lado. "Eu estarei bem aqui", ela disse, "não importa o que aconteça. Você quer ficar a noite toda, eu estarei aqui. Você quer sair em cinco minutos , eu tenho você coberto.” Ele seguiu Alec para o quarto. E se ela não os quisesse? Novamente. Ele estava apenas se acostumando com a ideia dela estar por perto. Evelyn sentou-se na cama, segurando um lenço nos olhos. “Eu não mereço você. Qualquer um de vocês.” soluçou ela. Os fios haviam sido removidos de sua mandíbula, mas estava claro que doía para movê-lo. Alec correu para o lado da cama, sentou-se ao lado dela e gentilmente a puxou contra seu peito. "Não diga isso." Cujo ouviu Devon suspirar, e colocou o braço em volta dos ombros de seu irmãozinho. Mamãe se afastou de Alec. "Por que não? É verdade. Como eu poderia? Eu poderia...? ”Lágrimas pesadas escorriam pelo seu rosto. "Eu deixei você. Quando eu deveria ter ficado. Devon, você nem estava na escola.” Devon encolheu os ombros de Cujo, foi até a cama e abaixou a cabeça no colo da mãe, chorando em silêncio. “Por favor, Evelyn, não faça. Não fique tão chateada Estamos bem aqui. ”Alec pressionou os lábios na mão dela. “Sinto muito, Alec. Eu simplesmente não pude… eu era tão jovem. Devon foi dormir na noite em que saí, chorando porque não conseguimos


encontrar o seu coelho, e saí de qualquer jeito. Que tipo de... tipo de... mãe... eu sou?” Dr. Jaffrey entrou na sala. "Sinto muito, mas Evelyn, você realmente precisa se acalmar." Ele entregou-lhe um pequeno copo de papel e um copo de água. Evelyn sacudiu a cabeça. “Você não entende. Não me lembro de tudo. Apenas peças. Não está claro”. Sua mãe soluçou alto e pegou outro lenço. "As drogas vão impedi-los de voltar." "Eu prometo a você", disse Jaffrey calmamente, “eles não vão atrapalhar. Talvez você se lembre mais de manhã porque descansou.” “Por favor, Evie, aceite. Nós não vamos a lugar nenhum” Alec fungou, enxugando os próprios olhos. “Nós vamos passar por isso. Vai levar tempo, mas vamos encontrar o caminho, eu prometo.” E como Drea e suas promessas, ele sabia que Alec queria dizer isso. Evelyn tomou as pílulas e, depois de vários minutos de desculpas angustiantes, recuperou uma pequena dose de compostura. Devon não estava mais chorando, mas segurando a mão de Evelyn. Todos eles estavam de costas para ele. Exceto Evelyn, que olhou diretamente para ele. Todo mundo ficou em silêncio por um longo tempo, absorvendo o que havia acontecido. Os olhos de sua mãe começaram a se fechar. "Vamos deixar você descansar um pouco", disse Alec, em pé. “Mas voltaremos de manhã. Não há limite de tempo para isso.” Devon se despediu e seguiu Alec para o corredor.


Cujo assentiu. Não conseguiu dizer nada. Apenas moeu sua mandíbula ainda mais apertado. "Brody", sua mãe gritou. “Drea está com você? Eu posso vê-la?" "Ela esta, mas por que não visitamos amanhã?" “Por favor, Brody. Eu tenho muito para compensar a todos vocês, mas eu coloquei essa garota em grave perigo. Apenas por um momento." Cujo assentiu e foi para o corredor onde Drea estava parada estoicamente sozinha. "Mamãe quer ver você." Ele envolveu Drea firmemente em seus braços, mais para seu próprio benefício, em seguida o dela. "Ela está em estado bruto, querida." Eles entraram na sala juntos, de mãos dadas. Evelyn deu um tapinha na lateral da cama e Cujo caminhou cautelosamente. "Sinto muito, Drea... eu não tinha ideia ..." "Não não não. Me desculpe,” Drea disse, sentando ao lado dela. “Eu deveria estar na frente com você. Foi minha culpa.” Os olhos de Drea se encheram de lágrimas. Evelyn lutou contra o sedativo, mas Cujo podia dizer pela sua fala arrastada e os olhos caídos, ela não iria ganhar. "Eu vi você", Evelyn disse baixinho, apenas quando eles pensaram que ela tinha adormecido. "Aquela noite. Nas escadas. Eu não pude olhar para você. Eu não teria sido capaz de ir. Eu teria..." Cujo pegou a mão dela. “Não esta noite, mãe. Nós vamos falar sobre isso, mas não esta noite. Por favor, apenas durma.” Haverá tempo pela manhã. "Não deixe Don saber", ela murmurou, meio adormecida.


"Não deixe Don saber o quê?", Ele perguntou, com uma sensação de pavor ao redor dele. "Que eu me lembrei..."

*

*

*

"Brody, Drea." Evelyn sentou-se na cama. "Estou tão feliz que vocês voltaram" Havia um olhar de esperança no rosto dela e isso o irritou. Ele dormiu em ataques, amarrado em nós sobre como abordar a conversa com ela, mas nada parecia certo. “Por que você nos deixou?” Lá estava. A questão que o atormentara por vinte e quatro anos estava finalmente em aberto. A criança de oito anos presa dentro dele entrou em pânico. Por favor, não deixe ser eu. Por favor, não deixe ser eu. "Eu não te deixei." Sua voz estava mais forte hoje. "Não da maneira que você pensa." "Mesmo? Porque eu poderia jurar que você não estava lá pelos últimos vinte e quatro anos.” Chegar aqui para obter respostas foi um erro. Ele ainda estava muito cru. “Eu era tão jovem. Então... insatisfeita. Eu estava sufocando” . Seu estômago se apertou. "Então, você não nos queria?" Ela soltou uma risada amarga. “Não, Brody. Não é isso. Eu cometi um erro monumental.” Ela suspirou. “Eu sabia que esse dia chegaria, mas não estou mais preparada para isso. Seu pai contou como nos conhecemos?”


Cujo sacudiu a cabeça. “Ele nunca falou muito. Apenas você se encontrou a caminho de casa de um comício.” “Eu fiz dezessete no dia anterior. Ele tinha vinte anos. Engraçado. Encantador”. Ela sorriu, os olhos distantes quando recordou a lembrança. “Você já pensou em se livrar de mim? De ter feito um aborto?” Se eles não o tivessem, quão diferentes teriam sido as vidas de sua mãe e seu pai? "Nunca. Eu estava feliz em construir uma família. Você era a coisinha mais fofa com aqueles grandes olhos azuis que podiam derreter meu coração.” Evelyn alisou o lençol do hospital sobre ela. "Mas eu precisava de mais", ela continuou. “Eu queria tanto que fiquei cega por isso. Eu me ressenti de Alec por me fazer ficar em casa. Eu me ressenti das mesmas coisas que eu deveria ter adorado como mãe. Banhando os três de vocês, colocando Band-Aids”. Ela começou a chorar baixinho. "Amando você." Com os olhos ardendo de lágrimas, ele olhou para o teto e estudou o quadro de prata segurando telhas de teto de poliestireno. Gradualmente, as lágrimas recuaram, mas o caroço ainda estava firmemente alojado no fundo de sua garganta, ela continuou. “Eu te amei com paixão, Brody. Eu simplesmente não poderia estar lá para você e permanecer inteira. Eu estava com medo de que minha vida fosse nada” Ele entendeu esse sentimento. Após a cirurgia, ele se sentiu da mesma maneira. “Por que você não manteve contato com a gente?"


“No começo, foi muito doloroso. Eu peguei uma carona para Charlotte naquela noite. Fiz meu caminho para Boston nos próximos dias. Eu sabia que tinha que estar longe de você porque seria muito fácil correr de volta.” Evelyn serviu um copo de água do jarro na mesa ao lado da cama. Ela sorveu lentamente, perdida em seus próprios pensamentos. "Valeu a pena? Estar longe de nós? Porque com certeza não valeu a pena quando fiz minha primeira rodada de quimioterapia no último ano do ensino médio.” "Brody", ela exclamou. "Não." Ele observou a cor sumir do rosto dela, mas não conseguiu satisfação com isso. "Você está bem agora? O que aconteceu? Você está..." "Não agora." Cujo se recostou na cadeira, esfregou a mão na parte de trás do seu pescoço. Ele não veio aqui para falar sobre o câncer. “Como você acabou fazendo o que está fazendo? Seja o que for.” “Eu me matriculei na Universidade de Boston, me joguei no meu curso de Análise Ambiental e Políticas.” A história parecia muito com Drea, exceto que Drea havia ficado. Ela colocou suas próprias necessidades em segundo lugar diferente da sua mãe Ela não tinha socorrido sua família. Ela não estava mais chorando. As lágrimas pararam. Ela estava confiante, como todos os solavancos eram simplesmente isso. Obstáculos a serem superados essa era a porra da sua desculpa? Por ter abandonado sua família?, Cujo espremeu a mão de Drea “Nos devemos ir” “O que? Espere por favor. Deixeme explicar”, implorou Evelyn. “Por que, então você pode me contar sua história de vida.”


“Estou tentando lhe dizer o que fiz, Brody, porque quero que você fique orgulhoso de mim. Eu desisti da nossa família por uma causa maior.” "Bem, você não precisa fazer isso parecer tão fodidamente fácil." Cujo se levantou e empurrou a cadeira para fora do caminho.

*

*

*

“Fácil? Você acha que minha escolha foi fácil? Você não tem ideia. Do que foi deixar meus filhos para trás” Evelyn soluçou. “Meu corpo doeu por você. Todos os dias. Mas eu sabia que o caminho que minha vida estava indo iria colocá-lo em risco, você quer ouvir que me arrependo, sim eu faço. Mais quando cai em mim já era muito tarde pra voltar” A dor nas palavras de Evelyn atravessou Drea, mas era com Cujo que ela estava preocupada. Ele segurou seu olhar, seus olhos transbordando de tormento. Ela estendeu a mão e acenou com a cabeça. Ele endireitou a cadeira e sentou-se novamente, antes de apertar a mão dela na sua. "Você está trabalhando em Washington, então?" Drea perguntou a Evelyn. Evelyn levou uma profundo respiração e alisado uma mão so bre o cabelo, isto era uma tique do Cujo, e apesar da conversa comovente, ela sorriu. "Mais ou menos. Eu me encontrei com um homem que trabalhava para um grupo de defesa. Um grupo ambiental com financiamento significativo. Nós conversamos sobre como a legislação ambiental estagnou.” Ela se virou para olhar para


Cujo, seus olhos perfurando os dele com excitação. “Você sabia que nos anos 70, todas as principais legislações ambientais e emendas foram aprovadas? A Lei do Ar Limpo. Oh, as pessoas argumentam que os EUA estão liderando o ataque, mas, na realidade, nós os ajustamos de vez em quando. Não fomos tão progressistas quanto deveríamos.” O momento a lembrou de assistir Titanic. Mesmo sabendo da história, ela se encontrou desejando um final diferente. Ela não gostou de onde isto estava indo. Estava fora de sua liga. “De qualquer forma, aceitei o trabalho. Merda aconteceu. Clinton e Gore entraram. Eles pregaram o ambiente, mas Clinton estava mais focado na ratificação e assinatura do acordo do NAFTA. Lobby ainda era dolorosamente lento. Os republicanos assumiram o controle da casa. E havia uma enorme lacuna em como as empresas viam o ambientalismo. Eu queria mudar isso.” "Então, como você conseguiu isso?" "Bem, se você não pode obter informações do lado de fora, então às vezes você precisa obtê-lo do lado de dentro." Ela realmente tinha estado dentro de Cleffan? “Então o que você é então? Uma espiã ou algum tipo de denunciante?” "Do tipo. Eu estava tentando descobrir quais eram os planos de expansão de Cleffan para os Everglades e uma operação de gás de xisto no Alabama.” Do tipo. O que diabos isso significa? "O que você fez?" “Comecei a trabalhar como assistente pessoal de Elroy King, chefe de segurança da Cleffan.” O homem que eles testemunharam conversando com o governador.


“Ele descobriu quem você realmente era?” Cujo se levantou e começou a andar. "Sim ele fez. Don me entregou.” "Mas não faz sentido,” Cujo respondeu. “Ele está ajudando a polícia e pagando suas contas medicas“. Drea estremeceu em choque. Isso foi duas vezes. Drea colocou Evelyn em perigo. Primeiro no café e depois envolvendo Don. Ela o levou a Evelyn. “Recebi uma denúncia de que alguém da minha organização estava na tomada. Eles foram pagos para informar as empresas de energia que fomos investigar.” Evelyn olhou entre os dois. "Don estava de férias quando a decisão de pegar o caso foi tomada." "Então o que aconteceu?", Perguntou Cujo. “O chefe de Don, o chefe da organização para a qual trabalhei, pediu-me para fazer entrevistar do cargo de assistente assim que ele foi publicado. Consegui o emprego e dentro de uma semana estava no chão. Outro colega foi contratado para a TI ao mesmo tempo.” "Quanto tempo você estava lá?" “Três semanas. Eu finalmente comecei a ganhar alguma confiança. Eu fui em um sábado sob a premissa de recuperar o atraso em e-mails. Mas recebi uma ligação do nosso homem de dentro EL Elroy King pediu um novo telefone, então fui buscá-lo. Usei a senha temporária para entrar nos arquivos de King e, com certeza, encontrei uma mensagem de Don dizendo a King que estava lá. Eu não podia encaminhar os e-mails porque haveria uma trilha, mas tirei fotos deles. Eu estava apenas colocando seu novo telefone de volta na caixa quando King entrou em seu escritório.”


"Puta merda", disse Cujo. Drea estava tão envolvida na história de Evelyn que se esquecera de que ele estava lá. "Como você saiu?" “Felizmente havia outras pessoas no corredor. Ele não podia fazer nada e sabia disso. Eu tive que sair. Pode parecer estranho vir para Miami, mas combinei encontrar um amigo, um advogado ambientalista. Eu ia pedir a ele para me ajudar. Na verdade, eu deveria ligar para ele.” Drea lembrou-se da conversa do lado de fora do café com o detetive Carter. Ele disse a ela que um advogado havia sido morto. "Você quer dizer Walter Tobias?" "Sim porque? Aconteceu alguma coisa com ele?” Drea fez uma pausa, e desta vez foi a vez de Cujo consolála. “Eu sinto muito, Evelyn. Ele morreu na noite em que você foi sequestrada.” Evelyn ofegou. "Não. Por favor não. Como? Foi um acidente?” Drea sacudiu a cabeça. "A polícia está tratando isso como suspeito". "Desgraçados." Evelyn se enfureceu, olhando para Cujo, a dor evidente em seus olhos. “Você não vê? É por isso que tenho que fazer o que faço. Essas grandes empresas não vao parar em nada para conseguir o que querem.” “Devemos ligar para Carter e Lopes.” "A prova está no meu laptop", disse Evelyn. “Eu carreguei as fotos para o meu disco rígido como um backup para o meu telefone, que eu perdi naquela noite. Eu preciso que você vá e pegue para mim. Sem isso, não temos nada para mostrá-los.”


"Onde está?", Perguntou Cujo. “Em um apartamento não muito longe do café. Um amigo geralmente aluga, mas o inquilino acabara de sair, há uma caixa de segurança escondida debaixo do chão no armário do corredor. Tudo está lá. O código é 290913.” “Precisamos anotá-lo. Você tem uma caneta querida?” "Você não precisa de uma, é seu aniversário junto com o de Connor e Devon” Cujo olhou para sua mãe, uma onda de emoção não pronunciada entre eles. "Tudo bem", ele disse rispidamente. "Dênos o endereço." Eles organizaram a logística e se levantaram para sair. Cujo agarrou a mão de Drea e, depois de um rápido adeus a sua mãe, levou-a até a porta. "Brody, me desculpe", Evelyn chamou da cama. “Sinto muito, mais do que você jamais saberá. Mas espero que, quando isso acabar, possamos encontrar algum tipo de relacionamento.” Sua declaração pendurado no ar. "Eu também mamãe."


VINTE E UM Nove horas e um turno no café mais tarde, Drea entrou no Secund Circle. Música alta estava tocando como sempre. Eric estava tatuando o lado do dedo de uma jovem enquanto suas amigas olhavam para tirar foto após foto. O cliente de Trent estava fazendo um leão tatuado em sua canela. Drea se encolheu ao pensar em agulhas tão próximas do osso. Ela não estava mais perto de querer uma tatuagem, apesar de sua atração por um tatuador sexy. "Aqui para experimentar minha estação, bolinho doce?", Perguntou Cujo. Drea gritou, pulando de surpresa ao som de sua voz em seu ouvido. "Cristo. Dê a uma garota um ataque cardíaco?” Ele a pegou nos braços e a deixou cair na cadeira de couro preto perto da janela da frente do estúdio. “Não”. Drea riu e tentou se levantar, mas ele descansou as mãos nos braços da cadeira bloqueando o caminho dela. "Sim, bem, eu acho que vou adicionar mais um par a este braço, inspirado por você e por nós", ele respondeu. "O que fez você colocar aqui?" Ela perguntou, esfregando a mão em seu bíceps. “Eu nunca quis um relacionamento, mas antes do câncer, tomei a decisão de nunca pintar esse braço aleatoriamente. Isso leva do meu anel de casamento para o meu coração, e a única pessoa que merecia estar nele era... bem, você.”


"Cujo." Foi a coisa mais linda que ela já ouviu. "Oh, eu te amo." Drea enfiou os dedos em seus cabelos e puxou-o para ela. A varredura de sua língua ao longo da dela a fez entrar. Dizer as palavras não parecia tão estranho quanto ela pensava que seria. "Eita, vocês dois só vão fazer em todas as superfícies disponíveis?" Trent comentou seu caminho passado com um punhado de papelada. "Você está com mais de trinta anos, cara, refine-se." "Diz o cara que bateu sua noiva no sofá no escritório." Cujo riu quando ele se afastou dela. "Eu também te amo, querida", ele sussurrou contra seus lábios. Eles se despediram e dirigiram a curta distância até o condomínio de Evelyn. Drea examinou o edifício cinza e monótono. Viver em um condomínio como este estava em seu futuro, e o pensamento era deprimente. Drea pegou a bolsa grande que trouxera para carregar o laptop. Eles saíram do carro e foram até a entrada. "Você está bem aí, querida?" A verdade era que ela não estava. Algo tinha os pelos na parte de trás do pescoço em pé, Ela olhou para cima e para baixo na rua, encontrando nada fora do lugar, ninguém fora do comum. “Sim, estou bem. Apenas um pouco apavorada com tudo isso.” Ela abriu a porta e limpou as botas e sapatos que cobriam o piso falso. Cujo removeu o painel e, com certeza, eles encontraram a caixa de segurança que felizmente ainda estava trancada.


O chão rangeu no corredor do lado de fora e os dois pararam. Um pequeno espaço na parte inferior da porta revelava sombras escuras que filtravam a luz do corredor. Cujo colocou o dedo sobre a boca. O coração de Drea bateu, sua boca subitamente seca. Eles se sentaram como estátuas até os passos se afastarem. Cujo entrou no código, rapidamente. Drea se encolheu com os bips altos que soavam toda vez que um número era pressionado. A caixa abriu e o laptop ainda estava lá, junto com um monte de papéis. Uma vez que o cofre estava vazio, eles colocaram tudo na bolsa de Drea. "Vamos", ela murmurou para Cujo. "Espere um minuto." Cujo desapareceu, mas retornou alguns momentos depois com uma pequena bolsa que presumivelmente pertencia a sua mãe. Ela notou produtos de higiene pessoal e roupas amontoados ao acaso. Evelyn ficaria grata por ter algumas de suas próprias coisas. Cujo entregou a Bolsa. "Melhor eu ter minhas mãos livres” ele sussurrou. "Somente no caso." caso ele precisava lutar. A ideia a adoeceu. Cautelosamente, eles deixaram o apartamento. Cujo foi primeiro, verificando esquerda e direita antes de acenar para Drea atrás dele. Eles correram para o elevador, esperando impacientemente que ele chegasse ao seu andar. Chegou e eles entraram. Uma sensação de alívio tomou conta dela. Eles estavam quase lá. As portas começaram a se fechar devagar, o que lhes deu tempo suficiente para ver uma figura alta sair da escada do lado oposto do corredor.

*

*

*


Cujo entrou no banheiro para escovar os dentes e encontrou Drea penteando o cabelo. Era tarde, e ambos precisavam dormir, mas toda a adrenalina que passava por seu sistema não ia deixar isso acontecer. Ela estava perfeitamente nua e absolutamente sem noção do modo como tirou o fôlego. Ele pegou a escova de dentes, aplicou creme dental e começou a escovar. Que noite fodida eles tiveram. Depois que saíram do prédio, ele dirigiu por uma hora, preocupado por estar sendo seguido. Já era tarde demais para ir ao hospital. As horas de visita haviam acabado há muito tempo. Em um ataque de paranoia, ele havia escondido o laptop e os arquivos em vários lugares ao redor da casa. Ele olhou para Drea novamente e desta vez ela chamou sua atenção e sorriu. Era um sorriso de convite, e pelo jeito que seu pênis estava respondendo, ele iria aceitar. Talvez se ele se concentrasse nela em vez de na bagunça em que estavam, ele se sentiria muito melhor. Cujo lavou a boca e colocou a escova de dentes de volta no suporte. Ele se moveu atrás dela e deslizou as mãos por cima das costelas até que elas seguraram os dois seios. A cabeça de Drea caiu contra o peito dele. "Você está no meu caminho", disse ela, sem fôlego. Ele afastou o cabelo do pescoço dela e beijou seu ombro. Drea gemeu e arqueou contra ele. Ele amassou os seios suavemente, os polegares raspando em seus mamilos. "Bem, não me deixe impedi-la." Ele virou-se para que eles se encarassem e suas mãos agarraram sua bunda, porque, bem, era uma poderosa bunda.


Ele a beijou como se o sol nascente dependesse disso. De certa forma, aconteceu. Ama-la era tão necessário quanto a luz do sol e igualmente brilhante. O pulso dela correu sob seus lábios e ele saboreou a maneira como sua pele provou quando ele enterrou o rosto em seu pescoço para sugar a pele sob sua orelha. Graças a Deus ela não estava usando calcinha. O deslizar de sua perna sobre a dele, a pele macia de sua parte interna da coxa roçando seu quadril enviou sangue correndo para seu pênis. Era disso que ele precisava para afastar os arrepios. Ele levantou-a e ela apertou as pernas ao redor de sua cintura. Um dia ele a levaria para a pia, mas esta noite ele a queria na cama. Quando ele a colocou na cama, ele lambeu um grande círculo ao redor do mamilo. Ele se juntou a ela, deitando-se em cima dela enquanto mantinha a maior parte de seu peso fora dela. Drea gemeu, o som enviando fogos de artifício através de sua espinha. Sua umidade penetrou através de sua cueca enquanto se esfregava contra ele. A coisa mais gostosa de todas. "Você vai me deixar fazer amor com você, querida?" Em vez de esperar por uma resposta, ele deslizou os dedos entre eles. “Brody.” Ele gemeu empurrando uma dedo dentro dela, então dois, deixando-a louca. Seus quadris se levantaram, desesperados para aliviar a pressão. Ele retirou os dedos. "Drea, querida?" Drea abriu os olhos lentamente. "Mmm-hmm" Ele deslizou os dedos em sua boca e sugou seus sucos. "Eu poderia sentir o seu gosto todo o dia."


Desesperado por estar dentro dela, para retirá-los da loucura por algum tempo, ele tirou a roupa de baixo e colocou um preservativo A cama rangeu e Drea cobriu a boca com a mão para abafar uma risadinha. "Você está fazendo a cama guinchar", ela sussurrou. "Eu não dou a mínima", ele gemeu, deslizando para dentro dela. Drea engasgou quando ele a esticou, seu pênis encontrando a casa em um longo golpe. A mão de Cujo deslizou ao redor de sua nuca, segurando-a com firmeza enquanto ele a beijava. Ele agarrou a coxa dela e puxou-a mais acima do quadril. Cujo deslizou para fora lentamente, até que apenas a ponta dele descansava dentro dela. "Eu te amo assim, Drea." Ele empurrou para dentro dela, saboreando a maneira como ela ondulava contra ele, seus quadris rolando para frente e para trás. “Continue assim e isso vai acabar antes de começar.” "Brody", ela suspirou. "Cristo, eu te amo, querida," Cujo bufou quando ele a empurrou mais rápido. Mais forte. A cama começou a ranger, o único ruído acima de seus sussurros, seus suspiros. Ela silenciou-o. Duas vezes. A vizinhança inteira podia ouvi-los e ele não dava a mínima. Cujo levantou mais acima dela, o ângulo mudando e ele escovou com força contra seu clitóris. Seus seios estavam esmagados sob o peito dele. Ambas as mãos agarraram sua bunda agora, segurando-a perto, espalhando-a enquanto ele batia nela.


O jeito que ela se apertou contra ele, o jeito que ela respirou o nome dele como se ele fosse a porra da sua salvação, o levou a segundos de distância, e ele não estava indo para lá sozinho. Ele empurrou mais forte, mais rápido, até que seus tremores se transformaram em orgasmo total. Drea mordeu o ombro com força enquanto ela explodia ao redor dele. Ele sentiu as unhas dela nos ombros enquanto ela estremecia em ondas deliciosas e ele se juntou a ela em sua própria liberação. Cujo rolou de costas e apertou os braços ao redor dela. Ele puxou as cobertas sobre eles e a beijou. “Toda vez, linda. É fodidamente inacreditável.” Drea sorriu e enfiou a cabeça no pescoço dele. "Pode ser a única coisa em que concordamos."

*

*

*

Drea olhou para o despertador. Três e meia. Ela debateu sair da cama para fazer um pouco de leite quente. Um baque baixo soou da sala de estar. Drea virou no escuro para encarar a direção de onde veio. Um carro passava do lado de fora, mas não havia outros ruídos. A casa de Cujo ainda era nova para ela. Provavelmente não era nada, mas dado o que estava acontecendo, ela precisava ter certeza. Ela saiu dos braços de Cujo e foi até a beira da cama. O piso de madeira estava frio sob seus pés enquanto ela se levantava. Silenciosamente, ela se esgueirou até a porta para ouvir. Drea segurou a respiração. Seu coração batia freneticamente.


Outro Baque. Soou como... Oh merda, uma gaveta sendo fechada. Silenciosamente, ela correu de volta para a cama e balançou Cujo acordando-o. "O que..." Drea apertou a mão sobre a boca de Cujo e se inclinou para sua orelha. "Há alguém na casa." Os olhos de Cujo abriu largamente quando ele se sentou. Ele chegou do outro lado para a cadeira e agarrou seus shorts. Drea agarrou pegou telefone e discou 911. Silenciosamente, ela contou a eles o endereço e que o indivíduo podia estar armado. "Por favor, fique na linha, senhora, um oficial está a caminho", respondeu a telefonista. De repente, consciente de estar nua, ela procurou por algo para vestir. A ideia de enfrentar isso nua apenas agravou seu medo. Cujo estendeu a mão para a cadeira novamente e a presenteou com seu capuz. Ele a ajudou a puxar a cabeça, mantendo o telefone perto. Um o assoalho rangeu, então parou de repente. "Cozinha", Cujo silenciosamente falou com a boca. Ele inclinado sobre o lado da cama alcançou seus tênis, os sapatos dela estavam na cozinha, Droga. O relógio do telefone dizia que apenas três minutos se passaram desde que ela ligou para a polícia. Cada um desses minutos parecia uma hora. O medo a percorreu, uma agonia feroz que fez as mãos dela tremerem. De vez em quando, a telefonista perguntava se ela ainda estava lá, se estava bem, mas Drea mantinha as respostas no mínimo. "Fique aqui", disse Cujo. Ele se levantou e se aproximou da porta.


Oh meu Deus, ele iria enfrentá-los? Ela acenou com o braço para chamar sua atenção e balançou a cabeça, fazendo o símbolo universal de uma arma com os dedos. Uma tábua do assoalho rangeu nas escadas, chamando a atenção deles para a porta. Alguém estava indo em direção a eles. Cujo ficou contra a parede. Drea puxou os joelhos até o peito perto da cabeceira da cama. A porta explodiu aberta e Drea gritou, deixando cair seu telefone, o homem que estava parado ali era Rondo, um conhecido assassino de aluguel o que só aumentou o medo dela ao máximo, Cujo o tinha pego em uma gravata ao mesmo tempo que a arma disparou passando a milímetros dela e pegando na cabeceira da cama. Cujo olhou para ela para se certificar de que ela estava bem, e Rondo se aproveitou do movimento para acertar um soco em sua mandíbula. No momento em que ele se recuperou, Drea sentiu o cano frio e duro de uma arma pressionada contra sua têmpora. Uma segunda pessoa correu para o quarto. Arma em mãos. Snake "Tire a arma da cabeça dela, seu idiota", disse Cujo duramente. "Onde está o laptop?" Rondo rosnou, sua voz profunda e grossa como melado. "Leve a arma para longe e eu vou te dizer." As mãos de Cujo estavam em punhos ao seu lado, e seu peito arfava furiosamente. “Como se você tivesse uma maldita escolha. Nós podemos matar vocês dois e encontrar de qualquer maneira. ”Rondo riu, um som doentio.


“Closet, atrás de você. Prateleira superior sob as blusas.” A raiva agitou o ar ao redor de Cujo. Sangue escorria do lado de sua boca. Por favor, Deus onde esta a polícia? Snake, com a arma na mão abriu o armário e pegou o laptop. “Já temos tudo, vamos limpar e sair.” Deus ela olhou em direção a Cujo, não era assim que ela imaginava acabar sua vida, eles apenas tinham começado a viver, decepção e desespero tomaram conta das suas emoções “Vamos acabar logo com isso.” Ela ouviu o clique da arma de Snake e fechou os olhos. Não.

*

*

*

“Que porra é essa?” Rondo gritou. "Abaixe a arma” Drea abriu os olhos para ver a arma de Snake no templo de Rondo. O alívio a dominou, Ela estava indo para estar doente, violentamente doente. Ele queria o laptop para si mesmo? Por que ele os ajudaria assim? "Você está morto", Rondo cuspiu enquanto colocava a arma no chão. "Eu vou te encontrar onde quer que você se esconda." "Boa sorte com isso", disse Snake, chutando a arma debaixo da cama. "Andrea, pegue o laptop e saia daqui." Ele colocou no edredom e ela agarrou-o.


Por que ele estava dando a ela? Isso era algum jogo estranho e fodido que eles estavam jogando? Faça-nos pensar que estamos indo livres, então nos mate mesmo assim? Drea saiu da cama, longe de Rondo, que ainda estava focado nela. Ela imediatamente se sentiu mais segura. "Eles virão para você, Andrea Caron", ameaçou Rondo. É uma ameaça vazia. Ela repetiu o pensamento mais e mais. Esperançosamente com o conteúdo do laptop, e os testemunhos que Evelyn, Cujo e ela seriam capazes de dar, terminaria esta noite. Drea pegou sua calça jeans e um par de sandálias. Ela queria desesperadamente um sutiã, mas de jeito nenhum ela estava ficando nua na frente deles. Dormir nua nunca estara acontecendo de novo. Como uma reflexão tardia, ela pegou o telefone de Cujo de sua mesa de cabeceira. Rondo atacou Snake com o cotovelo, pegando-o desprevenido. Eles caíram violentamente um contra o outro. O som de um tiro ecoou pelo quarto. Era difícil dizer se alguém estava ferido até Rondo soltar um rugido. Ele bateu na porta do armário, depois na mesa lateral, enviando a lâmpada para o chão. Snake se levantou e Drea podia ver o sangue escorrendo pela panturrilha de Rondo. Cujo pegou a mão dela e se dirigiu para a porta, mas ela parou. "Por que você está nos ajudando?" "Isso importa?" Cujo perguntou, puxando o braço dela. "Vamos." "Porque você me lembra de alguém", respondeu Snake, seus olhos e arma ainda treinados em Rondo. "Quem?"


“Porra, Andrea, isso importa? Eu tive uma filha nascida no mesmo dia que você. Notei quando verifiquei sua licença.” "Onde ela está?" Snake balançou a cabeça desanimadamente. "Nenhuma ideia. Perdi a pista dela por volta dos doze anos” Merda. Seria possível sentir compaixão por um assassino? Rondo de repente chegou a mão debaixo da cama e Drea percebeu imediatamente o que ele estava procurando. A outra arma. "Corra, Andrea!" Snake gritou. Cujo arrastou-a do quarto. Eles desceram correndo as escadas e correram para a porta da frente. "Você está bem, Drea?" Ele gritou por cima do ombro enquanto pegava as chaves da mesa do corredor. "Apenas continue", ela respondeu sem fôlego. Ele abriu a porta da frente e, ao longe, Drea podia ouvir as sirenes da polícia. Eles deviam estar seguindo o seu caminho, mas não havia como ela querer ficar na rua para ver se Rondo ou a polícia chegavam primeiro a eles. Outro tiro explodiu na noite silenciosa de dentro da casa, destruindo seus pensamentos. Rondo ou Cobra? Deveria mesmo importar? Cujo já teve a porta do carro aberta, Cujo jogou em marcha à ré. As rodas giraram na entrada enquanto ele recuava para a estrada em um amplo arco. Havia poucos carros no início da manhã, e Cujo aproveitou ao máximo. Ele acelerou pelas estradas, ultrapassou os poucos veículos que encontrou e tomou algumas decisões questionáveis sobre o semáforos vermelho.


Usando o telefone de Cujo Drea chamou o detetive Carter. "Olá? Drea, ”ele disse asperamente. "Você está bem?" "Não realmente", ela respondeu. Ela estava ficando sem energia e cheia de adrenalina, os efeitos da noite finalmente alcançando-a. "Onde esta você?" ele perguntou, a voz dele cheia de preocupação. “A caminho do seu escritório. Você e Lopes podem nos encontrar lá?” “Estou a caminho. Preciso mandar carros para você, Drea?” "Nós chamamos o 911 já estamos chegando em…" Ela olhou no Cujo. "Cinco minutos", disse ele. "Você está vindo com o Sr. Matthews?" A mudança em sua voz minou sua energia. "Eu estou. Vejo você em breve, detetive”. O uso de seu título era duro, mas necessário, para os dois homens. Uma ligação rápida para o detetive Lopes garantiu que ele os encontrasse no escritório de Carter. Quando ela finalmente desligou, eles estavam perto da delegacia e Cujo abrandou. "Que porra de uma noite, bolinho doce." Ele pegou a mão dela, e como sempre, ele beijou as costas antes de colocá-lo em sua coxa. Tocá-lo, estar conectada a ele através do que eles compartilharam, tornou o momento mais íntimo. "Quem você acha que disparou aquele tiro que ouvimos?" “Eu não sei e não posso dizer que me importo. Ambos são idiotas. Olha, Drea," ele disse rispidamente, sua voz destruída


pela emoção. "Eu percebi algo lá atrás e eu só preciso dizer isso antes de entrarmos na delegacia." Ele respirou e beijou a mão dela novamente, uma ação nervosa que a fez sorrir. "O que foi Brody?" "Eu sei que temos coisas pra trabalhar mais faça isso comigo, viva comigo, cresça comigo, eu quero tudo com você querida, eu só sei dizer que quando ouvi o disparo o medo de olhar e ver que tinha perdido você me dilacerou.” Ele engasgou, e tossiu para limpar a garganta. “Só... Fique comigo, Drea. Por favor." Depois de tudo o que passaram, nada parecia mais intransponível. Eles eram mais fortes juntos do que separados. A destruiu ao vê-lo lutar por ela, por eles. Ser fisicamente ferido para dar a ambos uma chance de sobreviver. “Eu também quero isso, Brody. Você não pode preencher os buracos para mim, mas acho que sei a diferença agora. De alguma forma, ao seu redor, sinto que posso preenchê-las sozinha. Você me dá a confiança para fazer isso. Quando ficar difícil vamos estar juntos, certo?” Ela disse, lágrimas queimando seus olhos. Cujo estacionou do lado de fora da delegacia. Ele se virou em seu assento, envolvendo a mão em volta do pescoço dela. Seus lábios roçaram os dela, um beijo tão potente que ela estremeceu. "Exatamente, querida."


EPÍLOGO "Feliz Natal", disse Cujo com um sorriso, as mãos ainda sob a bunda dela. "Esse foi o seu primeiro presente", ele acrescentou sem fôlego. Drea riu e beijou-o mais uma vez, com o coração acelerado. Cada centímetro dela formigava enquanto Cujo a puxava para fora e se dirigia ao banheiro para lidar com o preservativo. Ela vestiu o pijama de Natal e entrou na sala de estar. Sua sala de estar era agora uma mistura de suas coisas. Não que Drea tivesse trazido muita coisa com ela. As luzes da árvore de Natal brilhavam, brilhando sobre o envelope que Drea havia colocado embaixo depois que Cujo havia adormecido. Café. Mesmo em pé na ponta dos pés, ela não conseguia alcançar a lata de café. Uma cozinha reorganizada, ou pelo menos a compra de um banquinho, estava em seu futuro. Mãos fortes se agarram ao redor de sua cintura e impulsionaram os poucos centímetros extras no ar. "Coloque-me para baixo", ela riu, batendo em suas mãos. Ele a abaixou até o chão e acariciou seu pescoço enquanto ela colocava o café no filtro. Recostando-se contra ele, avistou o reflexo deles na janela da cozinha. Ele era a rocha dela. Ela se encaixou completamente dentro de sua silhueta. A visão de seu peito nu ao seu redor fazia coisas malucas em seu interior, ela podia encará-lo seriamente o dia todo.


Mas hoje eles tinham coisas para fazer, pessoas para ver. Todos estavam se reunindo na casa de Devon. Até mesmo Evelyn, que havia se mudado para um quarto vago no Alec depois de deixar o hospital, mas todos sabiam que era uma decisão temporária até que seus ferimentos estivessem totalmente curados. Já estavam bem encaminhados para a reconciliação e, agora que ela se reunia com os filhos, não suportava ficar longe deles. Felizmente, o frenesi da mídia havia diminuído. O governador não sobreviveu às consequências das revelações de Evelyn e perdeu a eleição. Trip Henderson e Cleffan Energy estavam sob investigação formal do FBI. Nenhuma prisão foi feita ainda, mas os detetives Carter e Lopes asseguraram que era apenas uma questão de tempo. O café gorgolejou até parar, quebrando sua linha de pensamento momentos depois, eles estavam sentados no chão ao lado da árvore, café na mão. "Eu quero que você tenha isso primeiro." Cujo entregou-lhe uma caixa longa e estreita. Drea segurou com cautela. Era leve como uma pena, e quando ela deu uma sacudida suave, nada tremeu por dentro. A tampa marrom escorregou facilmente e dentro dela havia um pedaço de papel dobrado. Ela tirou o papel da caixa, abrindo-o com cuidado. Ela imediatamente reconheceu como um documento médico. Ela viu o suficiente da mãe dela. O teste. Isso foi o que ele entregou a ela. Ela olhou para o rosto dele, mas era totalmente ilegível. Ela digitalizou o documento. Palavras e números saltaram da página, mas ela não sabia o que eles queriam dizer. “Você quer que eu explique isso?” Cujo ofereceu. "Por favor."


“Vinte e dois milhões de espermatozóides por mililitro com sessenta e oito por cento deles nadando, quarenta e oito por cento deles nadando para frente depois de uma hora. E treze por cento deles atendem aos critérios de Kruger.” Ele sabia os resultados de memória, obviamente, mas ainda assim seu rosto não dava nada. O estômago de Drea afundou. "E isso significa?" Cujo tomou um gole de café e estudou o rosto dela. Ele colocou a caneca de volta na mesa. "Significa, querida, que quando você estiver pronta, eu sou mais do que capaz de ter filhos com você." "Simmm!" Drea gritou e voou pelo chão da sala, derrubandoo de volta no chão com um forte estrondo. Ela colocou os braços em volta do pescoço dele quando os lábios deles se chocaram. Seus braços se apertaram ao redor de sua cintura quando ele se empurrou contra ela. "Sério?" Ela parou, olhando diretamente em seus olhos azuis que brilhavam para ela. "Sério." Ele assentiu. "Mas eu quis dizer o que eu disse sobre você estar pronta." "Mas e você, quando você os quer?" “Desde que descobri os resultados. Mas eu sei que há coisas que você quer fazer. Precisa fazer, mesmo. E acabamos de ir mudar juntos. Então você precisa ir para a faculdade no outono. Nós faremos isso primeiro.” O que a lembrava. Drea saiu de cima dele. “Onde você vai? As coisas estavam ficando interessantes.” Cujo esfregou sua ereção através da calça do pijama xadrez, sorrindo maliciosamente.


"Feliz Natal." Ela colocou o envelope branco em suas mãos e sentou-se de joelhos. Cujo rasgou o envelope e tirou o pedaço de papel. O logotipo da Universidade de Miami ficou claro no final do papel. "Você vai ficar comigo?" Cujo olhou para ela, os olhos arregalados, o sorriso mais largo. “Eles me aceitaram para começar no outono em seu programa de jornalismo. Normalmente eles não fazem isso, mas Gilliam puxou algumas cordas, e sua mãe me deu uma referência incrível. Eu preciso fazer alguns cursos de recuperação no Ano Novo antes do início da aulas, mas vou continuar trabalhando no José o máximo que puder.” "Então, vamos ficar em Miami?" Cujo agarrou-a, puxou-a para trás em cima dele. Seus lábios tremeram quando ele a beijou, e as lágrimas encheram seus olhos. “Eu posso não ser capaz de trabalhar tanto quando eu começar a faculdade. Eu posso conseguir um empréstimo ou algo assim, mas não vou conseguir...” “Nós estamos nisso juntos querida, você quer estudar? Passamos por isso juntos, você quer filhos? Passamos por isso junto, me permita cuidar de você.” Finalmente alguém para cuidar dela tanto quanto ela iria cuidar dele. "Eu te amo, Brody." "Eu também te amo, bolinho doce." Ele a beijou rapidamente. “Agora posso encorajá-la a voltar para a cama? Eu quero práticar fazer bebês até que você esteja pronta para finalmente tê-los”

Fim

The Fractured Heart - Scarlett Cole  
The Fractured Heart - Scarlett Cole  
Advertisement