Issuu on Google+

M

Aplicação da Six Sigma Maintenance Scorecard a uma unidade fabril do setor automóvel

113

(2.a Parte) Continuação da última edição.

C. Pereira Cabrita, Paulo M. Vaz, Diogo S. Madeira, JoĂŁo C. Matias, Davide S. Fonseca cabrita@ubi.pt

ARTIGO CIENTĂ?FICO

4. DETERMINAĂ‡ĂƒO DO NĂ?VEL SEIS SIGMA

feitos Por Unidade DPU:

res, deverĂĄ ser corrigido para Dn, de acordo com as correspondĂŞncias discriminadas no Quadro 4, para

4.1. Metodologia

se diferenciar de uma forma acen-

A metodologia de determinação do

tuada e concisa os bons dos maus

          

desempenhos, como se explicita



    -

discriminada em [2, 3, 4, 5] apresentan-

em [3, 4, 5, 6]. Note-se ainda que os

dades DPMO: sendo, conforme se

do-se contudo no Quadro 3, para um

valores de Dn indicados no Quadro 3

demonstrou em [3,4,5,6]:

melhor entendimento, um exemplo

       

–

   -

numĂŠrico para um determinado perĂ­odo temporal, por exemplo um ano

–

completo, sendo os passos a seguir os



 

       :

seguintes: atendendo a que, no caso concre-

4

–

Indicadores a medir    

to da unidade fabril da DELPHI da

previamente em 3, deverĂŁo ser ex-

Guarda, se tem:

plicitados na coluna 1;

–

    nĂşmero mĂŠdio de equipamentos por

    : –





 -

linha de produção = 13

dores: estes pesos Pn são atribuídos a cada indicador em função da

virĂĄ:

           importância no desenvolvimento

–

   -

da Função Manutenção, devendo a sua soma ser igual a 100, sendo os valores que se encontram expostos Indicadores medidos

Pn

Dn

IDMPn

M1. Disponibilidade Operacional

20

70

14

M2. Taxa de Falhas

20

85

17

 ! "#  $  

10

75

7,5

    

M4. Ă?ndice de Trabalho ExtraordinĂĄrio

5

60

3

cada indicador: para cada um dos

M5. Ă?ndice TĂŠcnico de Actividade

10

30

3

9 indicadores medidos, este de-

M6. �ndice do Volume de Produção

10

85

8,5

sempenho ĂŠ calculado atravĂŠs do

M7. �ndice de Qualidade do Serviço

5

100

5

M8. Ă?ndice de Efectivos de Pessoal

10

70

7

M9. Ă?ndice de Trabalho Subcontratado

10

90

9

no Quadro 3, aqueles que foram escolhidos para a unidade da DELPHI; –

seguinte rĂĄcio:

CĂĄlculos

Todavia, no Quadro 4 sugerem-se os

IDM

74 %

DPU

0,3011

número mÊdio de equipamentos por linha de produção

13

DPMO

23162

nĂ­vel Seis Sigma

3,493 (3,49)

valores efetivos a serem utilizados. Ou seja, o rĂĄcio de desempenho

Quadro 3.  %    &       

real Rn para cada um dos indicado-

Manutenção Seis Sigma (Maintenance Scorecard).


PUB

o valor 50 e não o måximo 90, uma vez que se aconselha o aumento do trabalho subcontratado e, consequentemente, das atividades de manutenção preventiva. Com      

      mente, de forma direta, a melhoria contĂ­nua de M7.

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS        menta probabilĂ­stica bastante poderosa que permite, atravĂŠs das mĂŠtricas utilizadas, nĂŁo sĂł avaliar o desempenho das organizaçþes assim como de determinados setores da sua estrutura de funcionamento, como sucede por exemplo com a manutenção industrial como se prova neste trabalho prĂĄti  

     ! diversos indicadores, sobretudo os mais crĂ­ticos, numa base de melhoria contĂ­nua.

6. AGRADECIMENTOS Os autores agradecem à administração e à direção de manutenção da unidade fabril da DELPHI da Guarda todas as facilidades concedidas, sem as quais não teria sido possível a realização deste trabalho, levado a cabo em 2008 e 2009. Note-se que os tempos verbais utilizados ao longo do texto referem-se ao indicativo presente, na medida em que o artigo foi submetido a esta prestigiada revista ainda em 2009, e

Nova chumaceira

SKF SE

A nova geração de chumaceiras bi-partidas

representa uma sentida homenagem dos autores a todos os colaboradores daquela excelente empresa que, como ĂŠ do domĂ­nio pĂşblico, devido Ă s contingĂŞncias do mercado cessou  !  "#$#%

REFERĂ&#x160;NCIAS BIBLIOGRĂ FICAS [1] Praveen Gupta, â&#x20AC;&#x153;Six Sigma Business Scorecard. Ensuring Performance  &  '%( ) *+ /*3 4"##6: ;"< =%&  = >(   !?    '%@  ( tenção nÂş 102, julho/dezembro de 2009; ;J< =% &   =  >K   (   ! ?      '% Revista KĂŠramica nÂş 298, setembro/outubro de 2009; [4] C. Pereira Cabrita, Paulo M. Vaz, Diogo S. Madeira, JoĂŁo C. Matias, Davide S. Fonseca, â&#x20AC;&#x153;Manutenção Industrial Seis Sigma. Proposta de (  =&  '%X $#Y=  /   Manutenção, 19-20 de novembro de 2009, Figueira da Foz; [5] C. Pereira Cabrita, â&#x20AC;&#x153;Contribuição para o Entendimento da Elabora!  =   Z   K   \   ^

     (   !?    '%@  (   ! nº 103, janeiro/março de 2010;

l Dimensþes de veio entre 25 e 140 mm l Aumento da capacidade de carga l Mais robusto e resistente à distorção l      l       l Elevada capacidade de transferência de calor l Tratamento anticorrosivo, classe C3, de acordo com a ISO 12944 l Environmental Product Declaration, de acordo com a norma ISO 14025

[6] Paulo M. Vaz, â&#x20AC;&#x153;Manutenção Industrial Seis Sigma. Bases EstatĂ­sticas, Metodologias, Caso PrĂĄtico de uma Multinacional do Sector AutomĂł'%Z  !( w   w  y

{

versidade da Beira Interior, CovilhĂŁ, julho de 2009;

Para mais informaçþes visite www.skf.pt

[7] Diogo S. Madeira, â&#x20AC;&#x153;Produção Magra, Seis Sigma, Manutenção Indus ( %&

 (  &  ?  !'%Z  !( w   w  y

{

   da Beira Interior, CovilhĂŁ, julho de 2009; ;|< } ~    >}  &   (

  '% ?   &  /*3 4{X"##6%

M

SKF Portugal 214247000 www.skf.pt


Aplicação da six sigma maintenance scorecard a uma unidade fabril do sector automovel (2.ª parte)