Page 1

março.2018 Divulgação

Mulher, Poder e Democracia


O Centro Cultural Justiça Federal, em sua missão de abrigar encontros que promovam a cultura como bem social a ser compartilhado, promoverá várias atividades voltadas para a temática da mulher, no período de 6 a 9 de março de 2018. Nesses dias O CCJF vai se transformar em Centro Cultural Justiça Feminina, apresentando debates relevantes sobre diversos temas ligados à mulher: direitos humanos, assédio, política, arte, educação, cultura, trabalho, saúde e sustentabilidade. A programação contará com filmes, performances artísticas e musicais, peças teatrais, exposições, cursos, leituras na Biblioteca e visitas guiadas ao prédio histórico.

Divulgação Divulgação

/especial

Mulher, Poder e Democracia / seminário

De 06 a 09/03 Terça a domingo Vagas limitadas

O Direito realiza a Justiça? /cine debate O direito, em todos os lugares e em todos os tempos, procura sempre realizar uma abstração chamada justiça. Consegue ou não? Este é o tema de uma série, conduzida pelo professor Gabriel Lacerda, autor de um livro intitulado precisamente O direito realiza justiça?. Uma vez por mês, será exibido um filme seguido de debate. O primeiro, 12 Homens e Uma Sentença (Sidney Lumet, 1957), é um clássico do cinema americano mostrando as hesitações e dúvidas dos jurados na sala secreta, quando têm que decidir a sorte de um rapaz, acusado de assassinar o próprio pai.

Ciclo de Cinema, Cultura e Direitos Intelectuais / cine debate O documentário Brega S/A retrata a cultura do tecnobrega de Belém do Pará com suas músicas, seus artistas e sua produção. Após a sessão, haverá um debate sobre a relação entre culturas musicais brasileiras e a Justiça, particularmente os Direitos Autorais. Esta será a segunda edição do Ciclo de Cinema, Cultura e Direitos Intelectuais, parceria entre a Comissão de Direitos Autorais, Direitos Imateriais e Entretenimento (CDADIE) da OAB/RJ e o CCJF.

Dia 08 Quinta 18h 95 min Entrada Franca Distribuição de senhas uma hora antes

Dia 09 Sexta 18h 60 min Entrada Franca

Ciclo de Cinema, Cultura e Direitos Intelectuais

Rafael Teixeira

/cinema

Programação completa e inscrição em www.ccjf.trf2.jus.br

/teatro

Direção: Vladimir Cunha e Gustavo Godinho. Curadoria: Anderson Moreira

Não Peça / peça Retrata um grande diálogo entre a atriz Lucília de Assis e o público. A peça apresenta Jandira, funcionária de um teatro que é faxineira, bilheteira e baleira. Um dia, o elenco encontra- se preso em um engarrafamento e Jandira recebe mais uma tarefa: segurar o público até a sua chegada. É assim que a funcionária, testemunha de inúmeras peças e habituada a subir no palco apenas para limpá-lo, passa a ocupar a linha de frente para contar suas histórias e receber seus primeiros e, quem sabe, últimos aplausos. Não Peça busca criar um vínculo entre a personagem e a plateia através da teatralidade do humano. Roteiro: Lucília de Assis. Direção: Bianca Byington

Até 11/03 Sexta a domingo 19h R$ 30 e R$ 15 (meia) 60 min Teatro

Não Peça


O sapo Cururu conhece a lua, encanta-se com a sua beleza e se apaixona por ela. Após ter o seu amor recusado, descobre o mistério que a envolve e, então, passa a ter um objetivo: acabar com a infelicidade de sua amada. Cururu, o sapo jururu é uma narrativa que tematiza o amor romântico e a solidariedade. Outros temas, como a lenda do amor impossível entre o sol e a lua, a ocorrência de um eclipse e a situação do indivíduo comum – que luta pela felicidade e supera a rejeição – também são trabalhados de forma delicada na história.

De 24/03 a 20/05 (exceto dias 30/03, 01/04 e 28/4) Sábados e Domingos 16h R$ 30,00 e R$ 15,00 (meia) 55 min Teatro

Rhuan Kiev

Cururu, o sapo jururu / peça

Texto: Tatiana Alves. Direção: Júlio Luz, Lea Fabres e Janaina Gaia

Nascituros / peça A história de um casal homoafetivo que é forçado a se separar após um incidente. Dez anos depois, um deles escreve uma peça teatral sobre o seu passado a fim de expurgar suas aflições. Contudo, o outro reaparece em sua vida na tentativa de impedir a ocorrência do espetáculo, pois a relação entre eles contém segredos que podem acarretar ainda mais problemas. A trama propõe uma nova leitura a respeito de preconceitos, direitos e escolhas.

De 30/03 a 06/05 Sexta a domingo 19h R$ 30 e R$ 15 (meia) 70 min Teatro

Da Ética à Estética / curso O curso será um diálogo entre o conhecimento acadêmico e o mercado sobre a produção e o consumo de moda no Brasil. Tomando a moda como um lugar privilegiado para observar a relação entre indivíduo e sociedade, serão debatidas questões de gênero, raça, classe e o papel proeminente que o consumidor assume no cenário contemporâneo. Professoras: Priscila Novais e Isabela Rangel. Informações e inscrições: cursoesteticaeetica@gmail.com

Literatura Negra e Criação Literária / oficina Serão dois encontros com dois tipos de abordagem. A primeira fase foca na introdução à Literatura Negra, com leituras e análises de inúmeras obras de referência e filmes baseados em textos de autores negros. A segunda parte da oficina é mais prática, dedicada à criação literária. Os melhores textos produzidos durante a oficina serão selecionados para o Seminário de Literatura Negra, que ocorrerá no segundo semestre de 2018. A oficina é voltada para jovens negros ou autodeclarados.

De 08/03 a 19/04 (exceto dia 29/03) Quintas 19h às 21h R$350 Serão oferecidas cinco bolsas de 100% para estudantes de escolas públicas. Sala de Cursos

Cururu, o Sapo Jururu

Julia Viana

/ideias

Texto: John Marcatto. Direção: Victor Fontoura

De 06/03 a 24/04 Terças 19h às 21h R$ 50,00 (os oito encontros) Sala de Cursos e Sala de Leitura do 2º andar

Professora: Simone Ricco. Informações: escritascolaborativas@gmail.com

Antropologia e Saúde Mental / curso O objetivo do curso é criar um fórum de discussão sobre as relações entre o saber antropológico e o campo da saúde mental. Através de uma perspectiva histórica e comparativa, busca-se oferecer ferramentas teóricas e metodológicas para compreender e questionar o modo particular de gestão das perturbações físico-morais engendradas na tradição ocidental.

21/03, 28/03, 04/04 e 11/04 Quartas 18h R$150 Sala de Cursos

Professor: Felipe Magaldi. Informações e inscrições: saudeccjf@gmail.com

Nascituros


Terça a sexta 13h às 17h Entrada franca

Branca Mattos Bawarrah

A visita conta a história do prédio, de sua construção até os dias atuais. Projetado pelo arquiteto Adolfo Morales de Los Rios para ser originalmente o Palácio Arquiepiscopal, o edifício – exemplar da arquitetura eclética – abrigou o Supremo Tribunal Federal de 1909 a 1960. Atualmente, é um dos poucos remanescentes da reformulação da cidade do Rio de Janeiro ocorrida no início do século XX. Agendamento pelos telefones 3261-2552

Série Desafios Musicais / concerto em vídeo A série apresenta mais uma obra-prima da música clássica: Alcina, do alemão Georg Friedrich Haendel. A composição, do período barroco, segue o estilo italiano de ópera-séria e estreou nos palcos londrinos em 1735. O concerto em vídeo mostra a obra de Haendel reproduzida com excelência no Festival de Aix-em-Provence de 2015, sob a regência de Andrea Marcon à frente do Coro MusicaAeterna e da Freiburger Barockorchester. O espetáculo é encenado por Katie Mitchell e estrelado pelas sopranos Patricia Petibon e Anna Prohaska e pelo contratenor Philippe Jaroussky.

Dia 03 Sábado 15h R$ 40 e R$ 20 (meia) 180 minutos Cinema

Produção:Saulo Chermont. Apresentação e palestra: Rodolfo Valverde.

A cantora e compositora Clara Gurjão traz toda sua bossa no show Voz e Piano, acompanhada pelo músico Danilo Andrade. O som da artista mescla a tradição da bossa nova com o pop e outros gêneros contemporâneos, imprimindo uma personalidade única em suas apresentações. O repertório da cantora representa sua musicalidade, com canções de sua autoria e clássicos da MPB e do Jazz.

Cafuzos do Lundú / concerto O trio formado por Fábio Neves (viola brasileira), Julio Morgado (voz) e Leo Fernandes (violão de 7 cordas), apresenta um repertório de modinhas, lundús e outros ritmos imperiais. A ideia foi desenvolvida junto ao Tour Império Musical, projeto de turismo cultural realizado desde 2015 na cidade do Rio. O repertório é marcado por canções de autores brasileiros da segunda metade do século XIX, cujas letras retratam o cotidiano e a conjuntura política da época. O espetáculo conta com a participação especial da soprano Paloma Lima.

Série Violões da Av-Rio / concerto Adélia Issa e Edelton Gloeden apresentam o CD Puertas, lançado em 2017, que traz grandes compositores dos séculos XX e XXI e alguns dos maiores nomes da literatura mundial. O repertório oferece canções, escritas originalmente para voz e violão e propõe exemplos de obras vocais inspiradas em literatura maior. A palavra é o elemento germinal da composição, sugerindo “portais” que, alheios ao tempo, dão acesso a uma maior percepção e a conexões dentro do universo das ideias, imagens, memórias, afetos e emoções de seus autores. O poema Puertas, de Gabriela Mistral, presente em uma das canções, deu nome ao projeto do CD. Soprano: Adélia Issa. Violão: Edelton Gloeden

Dia 06 Terça 19h R$ 30 e R$ 15 (meia) 75 minutos Teatro

Clara Gurjão - Voz e Piano

Pinho Brasil

Clara Gurjão – Voz e Piano / show

Dia 13 Terça 19h R$ 20 e R$ 10 (meia) 60min Teatro

Cafuzos do Lundú

Dia 17 Sábado 17h R$ 10 e R$ 5 (meia) 75 min Sala de Sessões

Matheus José Maria

/música /educativo

Da Justiça à Arte / visita orientada

Série Violões da AV-Rio


Divulgação

Luísa Lacerda e o Quarteto Geral apresentam o show Ponteando. Com ênfase nas composições de Edu Lobo e na concepção harmônica do Quarteto Novo, o show é resultado de uma leitura rica em brasilidade e de natureza híbrida, impregnada com diversos elementos de nossa cultura. Além disso, o espetáculo celebra o cinquentenário do III Festival de Música Popular Brasileira, com canções de compositores que viriam a ser as maiores referências da MPB, entre as quais, Ponteio, a grande premiada e que inspira o nome do show. É nessa atmosfera que Luísa Lacerda e o Quarteto Geral se inserem, explorando a rica sonoridade nordestina na elaboração de novos arranjos.

Série Rupturas / concerto O ciclo Rupturas apresenta um panorama das inovações musicais trazidas pela música de câmara dos séculos XX e XXI. O repertório selecionado inclui obras relevantes de compositores que expandiram a arte musical rompendo com a tradição vigente. No primeiro concerto da Série, Ruptura Sonora, o público poderá apreciar obras importantes de Wagner, Debussy e Ravel, que anunciaram a era moderna através de sua música.

Dia 20 Terça 19h R$ 30 e R$ 15 (meia) 75min Teatro

Ponteando

Dia 27 Terça 19h R$ 30 e R$ 15 (meia) 60 min Teatro

Divulgação

Ponteando – Luisa Lacerda e Quarteto Geral / show

Soprano: Anne Meyer. Pianista: Rafael Simonaci

A mostra reúne trabalhos dos artistas Paulo da Mata e Tales Frey, produzidos nos últimos oito anos, que retratam questões de gênero, sexualidade e afetividade a partir da exploração de seus próprios corpos. Enquanto Paulo da Mata se utiliza da escrita e da tatuagem em sua pele para transmitir sua mensagem, Tales Frey produz ações que sugerem pequenas narrativas, geralmente realizadas em espaço público.

De 02/03 a 29/04 Terça a domingo 12h às 19h Galerias do 1º andar

Divulgação

Enredos para um Corpo / artes plásticas

Curadoria: Raphael Fonseca

Escrevo para me Percorrer / artes plásticas Coletiva dos artistas Camilla Braga, Caroline Manso, Elilson, Fernanda Andrade, Marcos Walickosky, Mateus Souza, Mônica Coster e o coletivo PAGINÁRIO, com Rafael Amorim, Rodrigo Pinheiro e Yuri Dias. O público terá acesso a um pequeno inventário de escritas possíveis nos e sobre os espaços, estabelecendo assim relações poéticas entre elas. O fio condutor das obras são as formas como pensamento e escrita agem em cada trabalho exibido, de modo a evidenciar o caráter multidisciplinar da arte contemporânea.

De 08/03 a 06/05 Terça a domingo 12h às 19h Galerias do 1º andar

Enredos para um Corpo

Leonardo Villa-Forte

/exposições

Série Rupturas

Curadoria e textos: André Vechi e Rafael Amorim

Escrevo para me Percorrer


Composta por autorretratos, busca mostrar o processo de criação de uma mulher e as crises para se chegar à concentração, em meio ao caos doméstico diante da sequência de afazeres para manter a casa limpa e organizada. O objetivo da produção de Manuela Leite é criticar as condições em que as mulheres conseguem tornar realidade suas produções artísticas e intelectuais, pois elas, mesmo tendo direito de fazer o que quiserem, ainda estão presas ao status quo de ter que se equilibrar entre duplas e triplas jornadas.

Prisão Domiciliar

Curadoria: Roberta Barros. Produção: Makará Educativo

Corpo Escultural / artes plásticas A proposta da mostra é apresentar o corpo feminino como fetiche, através de séries fotográficas, vídeos e o campo ampliado da escultura, realizados pelas artistas Alice Ferraro, Beatriz Pimenta, Carine Caz, Dinah Oliveira, Jessica Guia e Jessica Kloosterman. Seu título é uma equivocidade proposital que propõe um desconforto ao modelo representativo da mulher na História da Arte e se alia ao potencial da sociedade no exercício de sua capacidade de transgredir e pensar seus valores criticamente.

Manuela Leite

De 09/03 a 06/05 Terça a domingo 12h às 19h Gabinete de fotografia

De 21/03 a 13/05 Terça a domingo 12h às 19h Galerias do 1º andar

Divulgação

Prisão Domiciliar / fotografia

Curadoria: Beatriz Pimenta e Dinah Oliveira

Exposição coletiva que assinala o objeto como mídia artística, em abordagens à apropriação de elementos do cotidiano, ressignificando suas funções em novos contextos poéticos propostos. Comprova-se assim o centenário dessa prática, considerando o urinol de Duchamp como precursor do vasto campo de possibilidades que se desdobra desde então. Entre os artistas expositores estão Ana Alves, André Sheik, Alexandre Dacosta, Carlos Cesari, Celia Pattacini, Clarisse Tarran, Claudio Pedro, Cris Cabus, Luana Fonseca Damásio, Luiz Guimarães, Helena Wassersten, Marcio Zardo, Miriam Pech, Pedro Paulo Domingues, Tchello d’Barros, Victor Lorenzetto Monteiro e Xico Chaves.

De 29/03 a 27/05 Terça a domingo 12h às 19h Galerias do 2º andar

Corpo Escultural

Vicente de Mello

Refunção / artes plásticas

Curadoria: Eduardo Mariz

Siga-nos

@ccjfrj

/ccjfrj

ccjfrj Refunção


/sempre.no.ccjf /educativo

/biblioteca

Visitas orientadas ao prédio histórico, que abrigou o Supremo Tribunal Federal, enfocando sua restauração e o Rio Antigo. Agendamento de terça a sexta, das 13h às 17h (55 21) 3261-2552 / 3261-2567 atividadeseducativas.ccjf@trf2.jus.br

Localizada no segundo andar, mantém acervo especializado em arte e cultura e dispõe de Salas de Leitura no térreo e no 2o andar, com computadores para acesso à Internet. Terça a sexta (Biblioteca) e terça a domingo (Salas de Leitura), das 12h às 19h (55 21) 3261-2582 biblioteca.ccjf@trf2.jus.br

Guided tours in Portuguese can be booked from Tuesday to Friday, from 1 p.m. to 5 p.m.

The Library is on the 2nd floor. It is open from Tuesday to Friday, from 12 p.m. to 7 p.m.

/sala.de.sessões

/exposições.longa.duração

Localizada no primeiro andar, a antiga Sala de Sessões do Supremo Tribunal Federal mantém o mobiliário confeccionado em 1920, além de elementos arquitetônicos originais, como vitrais e pinturas murais.The Historic Courtroom

Térreo O CCJF no Centro do Rio O vídeo traça um paralelo entre a história do prédio e os fatos que marcaram a cidade no início do século XX. 1º andar Linha do Tempo do Judiciário do Brasil Audiovisual que apresenta a história do Judiciário no Brasil, do século XVI aos dias atuais. Galeria das Togas Breve histórico da origem e evolução da Toga, indumentária dos magistrados, além da exposição de seis togas originais.

of Supremo Tribunal Federal is on the 1st floor. It keeps the original furniture – made in 1920 – and decorative elements, such as stained glass windows and paintings.

/cafeteria

/revista

O Galeria Café, localizada na entrada do CCJF, tem cardápio variado e selecionado. Terça a domingo, das 12h às 19h

Conheça a revista eletrônica do CCJF, LexCult, publicação de periodicidade quadrimestral, interdisciplinar, com foco em assuntos relacionados às áreas cultural, educacional e jurídica. http://lexcultccjf.trf2.jus.br

The Galeria Café, located at the entrance of CCJF, has a varied and selected menu. Tuesday to Sunday, from 12 p.m. to 7 p.m.

Get to know the interdisciplinary electronic journal of CCJF, LexCult, published three times a year, focusing on subjects related to cultural, educational and legal areas. http://lexcultccjf.trf2.jus.br

/como.chegar

Centro Cultural Justiça Federal av. Rio Branco, 241 Centro CEP 20040-009 Rio de Janeiro RJ De terça a domingo, das 12h às 19h (55 21) 3261-2550 (55 21) 3261-2565 (bilheteria)

www.ccjf.trf2.jus.br

arte CCJF impressão TRF2

O Centro Cultural Justiça Federal é par te integrante do Corredor Cultural da Cinelândia e tem como vizinhos o T heatro Municipal, a Biblioteca Nacional e o Museu Nacional de Belas Ar tes. De metrô, o visitante pode utilizar a saída Pedro Lessa da estação Cinelândia. Diversas linhas de ônibus e o VLT ser vem ao CC JF, que possui rampa de acesso para pessoas com deficiência.

CCJF . Programação . Março 2018  
CCJF . Programação . Março 2018  
Advertisement