Page 1

Lagos onde reinventei o mundo CENTRO CULTURAL DE LAGOS | 3 OUT 2019

Programa

Colรณquio Internacional

M

ello Breyne rA

ndresen

100

an o

1 s โ€ข 1919~20

APOIO

9

Sophia d e

Sophia de Mello Breyner Andresen


ndresen

100

an o

1 s โ€ข 1919~20

9

Sophia d e

ello Breyne

rA

M

PROGRAMA Lagos onde reinventei o mundo Colรณquio Internacional Sophia de Mello Breyner Andresen


COLÓQUIO INTERNACIONAL SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN


QUI. 3 OUTUBRO CENTRO CULTURAL DE LAGOS

9h30

Mesa de Abertura Hugo Pereira, Presidente da Câmara Municipal de Lagos

Paulo Águas, Reitor da Universidade do Algarve Fernando Cabral Martins, Comissão Organizadora do Colóquio

Guilherme d’Oliveira Martins, Comissão Coordenadora do Centenário

10h00

Mesa Redonda 1 A PRESENÇA DO MAR António Branco (coordenador da Mesa) Claudio Trognoni Maria Inês Castro e Silva Joana Matos Frias

11h20

Pausa café

11h50

Mesa Redonda 2 OS CONTOS PARA CRIANÇAS E A POESIA Carlos Mendes de Sousa (coordenador da Mesa) Alva Martínez Teixeiro João Minhoto Marques

13h10

Almoço

COLÓQUIO INTERNACIONAL SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN


15h00

Mesa Redonda 3 OS POETAS DO SUL Nuno Júdice (coordenador da Mesa) Fátima Freitas Morna Fernando Cabral Martins Gastão Cruz

16h20

Pausa café

16h50

Mesa Redonda 4 POESIA E SAGRADO

Federico Bertolazzi (coordenador da Mesa) José Pedro Serra Luís Miguel Cintra Maria Andresen Sousa Tavares Pedro Mexia 18h15

Encerramento Maria Andresen Sousa Tavares, Comissão Coordenadora do Centenário

COLÓQUIO INTERNACIONAL SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN


ndresen

100

an o

1 s • 1919~20

9

Sophia d e

ello Breyne

rA

M

ORADORES Notas Biográficas

Lagos onde reinventei o mundo Colóquio Internacional Sophia de Mello Breyner Andresen

Às notas biográficas nem sempre foram aplicadas as regras do Acordo Ortográfico, tendo sido deixado ao critério dos seus autores a escolha da grafia. COLÓQUIO INTERNACIONAL SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN


COLÓQUIO INTERNACIONAL SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN


ALVA MARTINEZ TEIXEIRO é

Professora de Estudos Brasileiros da Universidade de Lisboa, doutorou-se com a tese ‘europeia’ A obra literária de Hilda Hilst e a categoria do obsceno (2010, Prémio ‘Extraordinário’). Especialista em literatura brasileira e nas relações de transitividade interartística da Modernidade e da Contemporaneidade, é autora de livros monográficos sobre Raduan Nassar (Maktub, 2006), Vicente Risco (A pretensa nostalxia da autoridade, 2007, Prémio de Ensaio ‘Ramón Piñeiro’), Hilda Hilst (O herói incómodo, 2009) ou Lygia Fagundes Telles (A linha de sombra de uma suspeita lição de zoologia, 2014, Prêmio Internacional de Monografias do ‘Itamaraty’), tendo coorganizado, com Dirk-Michael Heinnrich e Giancarlo de Aguiar a obra Vicente e Dora Ferreira da Silva. Uma vocação poético-filosófica (2015) e coeditado, com Carlos Pereiro, o volume Machado de Assis e a mundana comédia (2017). É, igualmente, autora do ensaio Nenhum vestígio de impureza – A obra literária de Sophia de Mello Breyner Andresen (2013), obra resultante da investigação realizada no Centro de Estudos Humanísticos da Universidade do Minho e financiada pela Fundação Calouste Gulbenkian (Bolsa de Investigação para Estudiosos Estrangeiros da FCG).

ANTÓNIO BRANCO foi ator no Teatro

do Mundo (1979-1983, Lisboa). Doutorado em Literatura, é, desde 1991, professor na Universidade do Algarve, instituição de que foi reitor (2013-2017). Em 2010, encenou Religação, espetáculo com base em poesia de Sophia de Mello Breyner Andresen, com Manuela de Freitas e Luís Lucas.

CARLOS MENDES DE SOUSA é professor na Universidade do Minho. Tem-se dedicado especialmente ao

estudo da literatura brasileira e da poesia portuguesa moderna e contemporânea. Entre os seus trabalhos contam-se os livros Clarice Lispector. Figuras da escrita, São Paulo, Instituto Moreira Salles, 2012 e Clarice Lispector. Pinturas, Rio de Janeiro, Rocco, 2013.

CLAUDIO TROGNONI é docente

de Língua Portuguesa da Macroarea de Letras e Filosofia da Universidade Tor Vergata, Roma. Mestre em Língua Portuguesa, licenciado em Literatura Portuguesa com uma tese sobre a versão do Quixote de Aquilino Ribeiro, doutorou-se em 2017 com a dissertação “La narrativa breve di Aquilino Ribeiro: lingua e idioletti in Jardim das Tormentas e O Malhadinhas”. É bolseiro Fernão Mendes Pinto, e colabora com a secção cultural da Embaixada de Portugal em Roma.

FÁTIMA FREITAS MORNA é

doutorada em Literatura Portuguesa pela Universidade de Lisboa, em cuja Faculdade de Letras lecciona e dirige cursos de Mestrado e Doutoramento em Estudos Portugueses e Românicos.

FEDERICO BERTOLAZZI doutorado pela Universidade de Lisboa, é professor de Literatura portuguesa na Universidade de Roma Tor Vergata onde é também responsável científico da Cátedra Agustina Bessa-Luís. Entre as suas publicações destaca-se Almadilha. Ensaios sobre Sophia de Mello Breyner Andresen (Lisboa, 2019). Traduziu e organizou edições italianas de Luís de Camões, (D’amor sì dolcemente. Cinquanta sonetti di Luís de Camões, 2019); Maria Teresa Horta (Mia Signora di Me, 2018); Al Berto (Orto di incendio, 2017); Sophia de Mello Breyner Andresen (Come un grido puro, 2012); Eugénio de Andrade (Dal mare o da altra stella, 2006), entre outros. COLÓQUIO INTERNACIONAL SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN


FERNANDO CABRAL MARTINS

é professor na Universidade Nova de Lisboa. Coordenou o Dicionário de Fernando Pessoa e do Modernismo Português, em 2008. Publicou ensaios variados sobre a literatura e o cinema em Portugal. 

GASTÃO CRUZ nasceu em Faro,

em 20 de Julho de 1941. Licenciou-se em Filologia Germânica pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Foi professor do ensino secundário e leitor de português no King’s College da Universidade de Londres. Em 1961 estreou-se como poeta no âmbito da publicação colectiva Poesia 61. Ligado ao teatro, Gastão Cruz foi um dos fundadores do Grupo de Poesia do Teatro da Faculdade de Letras, em 1958, e do Grupo Teatro Hoje/Teatro da Graça, em 1976, para o qual encenou várias peças. É um dos fundadores e directores da Fundação Luís Miguel Nava, a qual edita a revista de poesia Relâmpago. Publicou, entre outros, os seguintes livros: O Pianista, 1984; Crateras, 2000; Rua de Portugal, 2002; Repercussão, 2004; A Moeda do Tempo, 2006; Os Poemas (Poesia reunida), 2009; Escarpas, 2010; Observação do Verão, 2011; Fogo, 2013; Óxido, 2014; Existência, 2017. Os seus numerosos ensaios sobre poesia, foram reunidos nos livros A Poesia Portuguesa Hoje, 1973 e A Vida da Poesia – textos críticos reunidos, 2008.

JOANA MATOS FRIAS ensina na Faculdade de Letras da Universidade do Porto e é investigadora do Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa. Tem dedicado a actividade crítica a poetas portugueses e brasileiros. Em 2018, publicou O Murmúrio das Imagens. JOÃO MINHOTO MARQUES

é professor de Literatura Portuguesa Moderna e Contemporânea na Universidade do Algarve, desde 1993. COLÓQUIO INTERNACIONAL SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN

Presentemente é Vice-Presidente do Conselho Científico da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, na mesma Universidade.

JOSÉ PEDRO SERRA é professor catedrático no Departamento de Estudos Clássicos da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Autor de vários artigos e conferências na área da cultura, da literatura e da filosofia, em 2006, publicou Pensar o Trágico (Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian), obra a que foi atribuído o prémio do Pen Club 2007, na categoria de Ensaio. Recebeu o prémio Jacinto do Prado Coelho da Associação Portuguesa dos Críticos Literários. Foi Sub-director da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e é, actualmente, o Director da Biblioteca da mesma instituição. Coordena a linha de investigação sobre Matrizes Clássicas e Cultura Europeia. MARIA ANDRESEN DE SOUSA TAVARES é Professora Aposentada

da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Tem publicado, em livro e em revistas especializadas, estudos críticos sobre vários autores, portugueses e estrangeiros e sobre questões de poética nomeadamente, relações entre poesia e artes plásticas, poesia e pintura, poesia e cinema. Com o nome literário Maria Andresen publicou três livros de poesia (Relógio D’Água), assim como poemas dispersos em diversas revistas e publicações especializadas. Está representada em antologias de poesia portuguesa em diversos países e em diversas antologias temáticas. Tem integrado delegações de poetas portugueses em encontros internacionais. Tem trabalhado em traduções de poesia. Nos últimos anos tem-se dedicado ao estudo e classificação do espólio de Sophia,


assim como à revisão, edição e reedição das obras desta autora. Foi autora e é coordenadora do sítio web “Sophia de Mello Breyner Andresen”, integrado no Portal da Biblioteca Nacional de Portugal. Criou, com o CNC, a Comissão para o Centenário de Sophia de Mello Breyner Andresen.

MARIA INÊS CASTRO SILVA é licenciada em Estudos Portugueses e Lusófonos (2009) e tem um Mestrado em Estudos Literários, Culturais e Interartes, variante Estética Literária, com a dissertação de Mestrado O Circo Eterno: Grotesco e Expressionismo em A Morte do Palhaço e o Mistério da Árvore de Raul Brandão, pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto (2011). Ocupou a posição de Leitora de Português do Instituto Camões na Queen’s University Belfast, no Reino Unido (2014-2017) e na National University of Ireland, Maynooth (2016-2017) na Irlanda. Encontra-se neste momento a realizar a tese de doutoramento na Universidade de Warwick. O seu projeto, debruçando-se sobre questões de identidade nacional, procura inscrever o trabalho da nova geração de cineastas portugueses num discurso que analisa as suas contribuições para a discussão de um Portugal pós-imperialista e a reconfiguração da cidade. Tem diversas publicações e participações em conferências em Portugal, no Brasil e no Reino Unido. NUNO JÚDICE nasceu em Mexilhoeira

Grande, Algarve, em 1949. É licenciado em Filologia Românica na Faculdade de Letras de Lisboa e Doutorado em Literaturas Românicas Comparadas na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, onde foi Professor de 1976 a 2015. Tem publicados cerca de 33 livros de poesía, 13 de ficção, 10 de ensaio

e 5 de teatro, tendo publicado o primeiro livro, A noção de poema, em 1972. A sua poesia foi reunida por duas vezes: em 1991 a Obra poética (1972-1985), na Quetzal e em 2001 a  Poesia reunida. 1967- 2000, na Dom Quixote. Está traduzido em múltiplas línguas, tendo também exercido um trabalho de tradutor de poesía e de teatro. É director desde 2009 da revista literária Colóquio/Letras, da Fundação Calouste Gulbenkian. A sua obra poética foi amplamente premiada em Portugal e no estrangeiro destacando-se, em 2013, pelo conjunto da sua obra, o XXII Prémio Reina Sofía de Poesia Iberoamericana. No México recebeu em 2014 o Prémio Poetas do Mundo Latino e em 2017 o Prémio Juan Crisóstomo Doria às Humanidades, atribuído pela Universidade Autónoma de Hidalgo. Também em 2017 é-lhe atribuído o prémio Camaiore, um dos mais prestigiados prémios de poesia de Itália e, já em 2019, o prémio Sá de Miranda.

PEDRO MEXIA nasceu em Lisboa,

em 1972. Licenciado em Direito pela Universidade Católica. Doutorando no programa de Teoria da Literatura da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Crítico e cronista no Expresso. Integra o painel do programa Governo Sombra (TSF-TVI24) e é co-autor, com Inês Meneses, de PBX (um programa Radar / Expresso). Exerce funções de consultor para a cultura da Casa Civil do Presidente da República. Coordena a colecção de poesia das Edições Tinta-da-China. É co-director (com Gustavo Pacheco) da Granta em língua portuguesa. Publicou diários e colectâneas de crónicas (Lá Fora, 2018, venceu o Grande Prémio de Crónica da Associação Portuguesa de Escritores). Tem traduzido poesia e teatro. A sua obra poética está reunida em Poemas Escolhidos (2018).

COLÓQUIO INTERNACIONAL SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN


NOTAS

COLÓQUIO INTERNACIONAL SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN


NOTAS

COLÓQUIO INTERNACIONAL SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN


ello Breyne M

ndresen rA

Sophia d e

Lagos onde reinventei o mundo Colóquio Internacional Sophia de Mello Breyner Andresen

100

9

an 1 os • 1919~20

Comissão Organizadora do Colóquio Fátima Freitas Morna | Federico Bertolazzi Fernando Cabral Martins | Maria Andresen Sousa Tavares Fotografia de capa João Cutileiro Design [B2 Design] José Brandão | Alexandra Viola Tipografia

Tiragem 250 exemplares

Distribuição gratuita, outubro 2019 Colaboração

Apoio


centenariodesophia.com

Profile for Centro Nacional de Cultura CNC

"Lagos onde reinventei o mundo" - Colóquio Internacional Sophia de Mello Breyner Andresen  

Programa do colóquio internacional que se realiza no dia 3 de Outubro, no Centro Cultural de Lagos

"Lagos onde reinventei o mundo" - Colóquio Internacional Sophia de Mello Breyner Andresen  

Programa do colóquio internacional que se realiza no dia 3 de Outubro, no Centro Cultural de Lagos

Advertisement